Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10583


This item is only available as the following downloads:


Full Text


3
--

AHNO III. HUMERO 26
.<;-
Pr quartelpage dentro Je 10 dias dH.0mez ..'.*. : 5JQ00
dem depdis dos l.osl Odias do comcsoc dentro do quartel. 6S000
Porte aocorreio por tres mezes.......,....:. 750
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO NORTEi
Parahyba, oSr. Antonio Alexandrino de Lima: Olinda
Agua Preta, todos os dias.
Natal, o Sr. Aatouio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira-, Maraulio, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves
Filaos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO SUL.
A1agoa, o Sr. Claudine Faleao Dias; Babia, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro Gasparinho. I
PARTIDA DOS EsTAFETAS,
Cabo, Escada e estafes da via frrea at
OARTA FIRA 1 D fEVEREIRG DE 1865.
Por auno pago dentro de 10 lias do4.mez ,,,.,.. 19J000
Porte ao correio-por um anno.............. 3000
Iguarass e Goyanna as segundas e sexlas feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Carnaru,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, BomCon-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Iwazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vls-
taJOnricury.Salgueiro eEx.nas quartas feiras.
Serinhem, RioFormoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas feiras.
Illia de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE FEYEREfRO.
2 Quarto cresc. as 10 h., 48 m. e 58 s. dat.
IB La ebeia as 2 h. 7 m. e 16 s. da t.
18 Quarto ming. as 7 h., 18 m. e 4 s. da t.
25 La nova as 5 h., 43 m. e 22 s. da t.
AUDIENCIA D )S TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do com nercio: segundas e qnttras.
Relacao: tergas i sabbados as 10 horas:
Fazenda. quintas s 10 horas.
io: segundas s 11 horas.
tercas e sextas s 10 horas.
tercas e sexlas ao meio
Juizo do commer
Dito do orphaos:
Primeira vara d civel:
dia.
Segunda vara docivel: quartas e sabbadcs a 1
PARTE OFFICIAL
hora da tarde.
Z3B
SIIMSTERIO DA FAZi:VI\.
DECRETO N. 3,369 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1864.
Designa a ordem secundo a qual devem ser es-
trahidas as loteras no anno de 1863.
Hei por bem, em cooformldada do art. 2a da le
n. 1,099 de 18 de setembro de 1860, que a respeiio
das loteras, cuja extraego devo ter lagar duraa-
te o prximo anno do 1865, se observe a ordem
marcada na tabella que com este baixa, assignadi
por Carlos Carneiro de Campos^ do mea conselho,
senador do imperio, ministro e secretario de estado
dos negocios da fazenda e presidente do tribunal do
thesouro nacional, que assim o tenba entendido e
faca exerutar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 28 de dezembro
de 1864, 43 da tddependeucia o do imperio.Com
a rubrica de S. M. o Imperador.Car/oi Carneiro
e Campos.
Tabella das loteras, que, na conformidade do de-
creto desta dato teem de ser eilrabidas doran-
te o anno de 186o.
IaA 3' a favor do monte-po dos servidores do
estado.-Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
186 i.
2*A 33" a favor da academia de msica e ope-
ra nacional. Decreto n. 979 de 15 de setembro de
18o8.
3*A 4* a favor do monte-po dos servidores do
sjf* -Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1864.
4'-A para as obras da matriz da Boa-Vista, na
wdade do Recife.Decreto n. 908 de 12 de agosto de
18o/.
V -A 24" para as obras do novo hospital da santa
casa da misericordia da corte.Decreto n. 1,089 de
25 de setembro de 1858.
6*A 5* a favor do monte-po dos servidores
do estado.-Decreto n. 1226 de 22 de agosto de
1864.
7aA 34* a favor da academio de muslca-e ope-
ra nacional.Decreto n. 979 de 15 de setembro de
18>8.
8"A 42' para o. melhorameulo do estado sani-
tario.Decreto n. 598 de 14 de setembro de
9*A 83* cujo beneficio deve ser repartido pela
santa casa da misericordia, espostos, recolhimento
das orphas, collegio de Pedro II e seminario de S.
Jos.Decreto de 23 de maio de 1821.
10* -A 3V* a favor da academia de msica "ope-
ra nacional.Decreto n. 979 de 15 de setembro de
18o8.
11*A 6* a favor do monte-po] dos servidores
do estado.Decreto n. 1.226 de 22 de agosto de
1864.
12A 36* a favor da academia de msica e ope-
ra nacional.Decreto n 979 de 15 de setembro de
1858. _
13*A 43* para -a melhoramento do estado sa-
nitario.Decreto a. 598 de 14 de setembro de
18o0.
14*A 25* para as obras do novo hospital da
anta can Ha mispriiw.lia d oOiic.Dt'ciciu u.
1,009 de 2> de setembro dev!858.
lo*-A7"a favor do monippio dos servidores
do estado.Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1864.
16'A 44" para o melhoramento do estado sa-
nitario.Decreto n. 598 de 14 de setembro de
1850.
tijfts. Decreto n. 1,03* de 30 de agosto de
49*A 2* para as obras da igreja de Nossa Se-
oho/a da Conceigo da i-.idade de Aracaj, da pr-
vida de Sergipe. -Decreto n. 993 de 22de selem-
hraJe 1858.
4S|A 7* para as obras da irraandade do Santis-
simo Sacramento da amiga S.Decreto n. 966 de
4 de agosto de 1858.
*7* A 1* a favor da Associago Typographica
Fluminense. Decreta n. 903 de 12 de agosto de
1837,
4*A 4' a favor da Imperial Soeledade Auxilia-
dorajdas Arles Mechanicas, Liberaos e Bmelicente.
Decreto n. 916 de 26 de agosto de 1857.
49"A 9* para patrimonio do hospicio de Pedro
II.De reto n. 857 de 10 de setembro de 1856.
50*-A 3' para as obras da matriz da provincia i ulm- T" w a0S meim'S es"alutos. V a
do P.auhy. Decreto n. 936 de 7 de EdJ r&SS T/60'1""6 J """sses;
1858 Considerando que o art. 15 do3 referidos estatu-
51--A 2* para a? obras da matriz da Villa Nova l0S n**J8*m*P** a Preseoga dos accionistas
e Pacalua e Porto da Follia, na provincia de
Sergipe. Decreto n. 917 de J6 de agosto de
loo/.
rubrica de S. M. o Imperador. Henriqje di Beau-
repetir Rohan.
-------- B !
MI'I'STERIO DA A.IUC 1 JLTU-
RA COHIHIERCIO
E OBRAS 1M 111,11 AS.
DECRETO N. 3.376 DE 14 DE JAMKIRO DE 1865.
Suspende, at ulterior decretacao, os estatutos da
companhia do Beberibe, approvados por decreto
n. 3.013 de 28 de aovembro de 1862.
Considerando o que me representou a directora
da companhia do Beberibe da cidade do Recife, em
Pernambuco, sobre a impossibilidade em que se
acha de reunir o numero de accionistas exigido
pelo art. 41 dos seus estatutos para votar a emen-
da do art. 40 dos raesmes estatutos, aue a corapa-
tinham de elegerj
Vmc. me informe
caso negativo qur
deu.
Dito ao juiz de)
no acto da volaco, nao obstante permittr a le que
neste caso possa aquelle acto ter lugar por meio de
procuracao ou declaracao escripia dos accionistas.
E considerando finalmente, que nao cabe na al-
eada do governo imperial sanar os inconvenientes
apontados, hei por bem, de accordo com a minha
imperial resoluco de 30 de novembro ultimo, to-
mada sobre parecer da consulta da secgao dos ne-
gocios do Imperio, do conselho de estado, decretar :
52*A 4* a favor do hospital da Misericordia da
cidade de S. Joo d'fil Re. Dicreto n. 994 de 22
de setembro de 1858.
53* -A 2* para as obras das matrizes de Ubatu-
ba, na provincia de S. Paulo. Decreto n. 997 de
22 de setembro de 1838.
J&AT-sar. isa as | j BRftaaso *ebeTc
&lvo!?ol^^
55--A 1* para as obras das matrizes' de Nossa! a0 eJ?"aMl?. ,"V* aS, Tas para V"* dos
Senhora do Livrarae.it,) de Bananeiras, da provin-! 2^ i.1? \podeildo.a M"W**BhM" altera-Ios
cada Parahyba do Norte. -Decreto n. 1,029 de Se? T. wf/!'dT,ae,,M ^m dades.
Art. l. Ficam suspensos, at ulterior decretacao,
DIAS DA SEMANA.
30. Segunda. S. Adelelmoab.; S. Marlinha v.m.
31. Terca. S. Pedro Nolasco; S. Cyro m.
1. Quirla. S. Ignacio b. m.; S. Peonio prosb.
2. Quinta, cfc A Punfirago de N. Senhora.
3. Sjxta. S. Tito b.; S. Braz b.
4. Sabbado. S. Aadr Corsluo b. c.
5. Domingo. S. gueda v. m.; S. Albino b.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as .8 hora e 30 m. da manhaa.
Segunda as 8 horas e 54 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul al Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos das 14 dos mezes de janeire, marco, maio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Maneel Figueira de
Faria & Filho.
a referida junta, curapre que
se fez aquella convocaco, e no
I a nzao por que assim proce-
paz mais votado do qaadriennio
Schleswig-lfolstein, transferidos s duas grandes
potencias allemes pela concluso da pa<
Dinamarca, com reserva dos direltos dos ontros
prelendentes, a decidir mais larde, afn de assim
fladn rii Uimam 1*","' ""'"" I |,!!nar-:e u"i resoluv'o prov.soria para calmar a
DOdo da freguezido Boique. -Constando de offljio dissensao na Allemanha.
corrente,
por lei a junta rvisora da qualificacSo dessa re-
guezia por ter Vine, deixado de fazer a convocaco
dos respectivos leitores e sulenles que deviam
concorrer para k organissgao da referida
cumpreque me|informe qual o motivo que
rejeitou
7 ,i > VJnJ T actual T,a,lr^'"''o. 4t^o de' Urna nota prussiana de 12 de dezembro
se terreumdo no dia designado essa proposia, exigindo o previo exame rundam'o-
tal de todas as pretendes levantadas. Ja em 21 de
dezembro a Austria replicou, porm co-n a repeti-
cao de sua proposta, allegando que a mesma nao
O papa expedio urna lueyelica a todos os bispo?
com a da chrlstandade. na qual rubrica em 80 theses
loaas as doulrinas e pri ncipios religiosos e polili-
cos coudemnados pela igreja, laucando sobre elle*
seu anathema.
Entre
lugar a esse seui
Dito ao juiz d
driennio da fre^uezia
reunido a junta
guezia no praso
paz mais votado
fazer a convoca
procedimento.
paz mais votado do actual qua-
do Buique. Nao- se tendo
junta, prejudicava nenliuma dessas pretencoes, e garan-
i deu ta a mais tranquilla o legal decisao da questo de
successao.
Segundo as ultimas noticias de Vienna, all an-
da nao tinlia chegado a resposta da Prussia. Mas
evisorada qualiflcacae d)ssafre- |em Berln ja puzeram entretanto em movimento
?ai!cad,0.,pr,lei.'.p?r ,?r. J'UIZ de ",.",vo me.io de d'la53o. Encarregou-se aos syn-
22 de agosto de 1859.
56 A 2* para as obras e outrosobjectos de que
necessitarem as matrizes das parochias de M mos
Claros, Gontendas e S. Romao, Januaria, Rarra do! la,?.1?1anen l"'1'??1^, de,Vdm WerA-
Rio das Vellus, Grao Mongol e Curvello, da pro- ea, "O de 01 veira e Sa, do meu con-
vincia de Minas.-Decreto u. !,030 de 22 de agosto ff+J"!?^S &2^?tt!
do quadriennio Hndo deixado de
o dos eleitores e supplentes como
Vmc. me declarbu em seu offlcio de 7 do corrente,
recpmmendo-lh em vista do que dispoe os avisos
de 18 de jaoeird de 1834 e 31 de maio de 1861,
que guardado olpraso e mais formalidades da lei,
proceda a referida convocacSo o rena a junta re-
visora uo da 19 do marco vindouro, que para isso
designo, e prosifea nos damais termos do processo
da qualilicacao.l
Portara.-OSr. gerente da companhia Pernam-
bucana de naveacao costeira, ponha a disposico
do alferes reo inado do exercito Lourenco Jos
Romao, no pria eiro vapor que seguir para o pre-
sidio de rernu do, cinco das passagens de estado
de que disp5e a presidencia, aBm de que possa e ofncial regressa r do mesmo presidio cora sua mu
Iher e tres orpl ios, correndo a demeza de come-
dorias por coat delle.Communicoase ao com-
eses principios acham-so infelizmente
todas as bases da vida poltica interna, da liberda-
Je do consciencia, de liberdade da imprensa, da
independencia do estado da igreja, da independen-
cia da escola da mesan ect.
-A primeira impressjo desse acommeltimento
inesperado sobre todas as acquisicoes do tempo
malerno foi ura espanto geral incrdulo.
Seguio-lhe o vivo jubilo de lodos os adversario^
da igreja catholica e um embaraco fcilmente a
perceber dos seus adlierentes.
Na Allemanha, sobretudo o governo badense
dicos da cori, urna coYporac> com>oYt do7jJn"." EKSSS! EZE?0 na qiieslo cora
consultos mais sorvs da Pru acerca da questao de successao, recommendando-
Ihes nessa occasiao expressamente o exame das
Art. 2. Dentro do prazo de seis mezes, contado ESffiff (i,e.llt'^m,nun'co
da data deste decreto, dever a companhia sub- ."r?-?, en,P '? de, Fernan,o-
metter approvafo do governo imperial os esta-' ?eren,, da companhia Pernambu-
I* e nica para a concluso das obras hrca d S Sr imiiau 1H,i"*no--w'
lo Espirito Santo do Mar de Hespanha. dTdeo!Jrae^i P eTiorlesu>"> *arc
ia de Minas. Decreto n 1,'052 de 9 do wvara t ba.
de 1859.
57'A 1* a favor da biblioteca fluminense.De-
creto n. 988 de 22 de setembro de 1858.
58* -A 1* e nica
da matriz do
na provincia
julho de 1860.
59* A 1* para as obras da matriz do Pilar, na
Parahyba do Norte.- Decreto n 1,052 de 9 de ju
Iho de 1860.
60*A 1* e nica para concluso das obras da
matriz da Villa Leopoldina da provincia de Minas.
Decreto n. 1,052 dey|t de julho de 1860.
Rio de Janeiro, 28 de dezembro de 1864. Car-
ios Carneiro de Campos.
HINISTERIO DA .11 *TI< A.
DETRETO N. 3,372 DE 7 DE JANEIRO DE 1855.
Applica aos reos da armada, que forera condemn-
dos por crunes militaros, as disposicoes do de-
creto n. 2:692 de 9 de maio de 1860.
Tendo ouvido as seccoes reunidas de justica e
de marrana do conselho de estado, hei por bem
decretar o seguinte :
Artigo urfico. Ficam appiicadas aos reos da ar-
mada, que forem condemnados por crime's milita-
res e solicitaran graca do poder moderador, as
disposicoes do decreto n. 2,592 de 9 de maio de
1860.
Fraucisco Jos Furtado, do meu conselho, presl-
I dente do conselho de ministros, ministro e secreta-
para Patrimonio do hospicio de Pedro XtS^ca^cut ^ ^ l'
r^eCR^A^-V9}^6- ^'aciodoR.odI Janeiro em 7 de Janeiro de
18*A 84* cu o beneOcio deve ser repartido pela > 1865 44 da inleuendencii *-A* imi>ri,> rl,
santa casa da misericordia exposto>, recolhimento ubnca de S M. "o fmpera.^^^^^
das orphaas, collegio de Pedro I. e seminario de S. Furtado "peraior. r, ancuco Jos,.
Jos.-Decreto de 23 de maio de 1821. m
19"A 6(f para as obras da casa de correccao. !
Decreto de 29 deoutubro de 1835. decreto N. 3,373 de 7 de Janeiro de 1863.
-A 8* a favor do monte:pio dos servidores Regula a execucSo do art. 17, 7o da lei de 3 de
n. 1,226 de 22 de agosto de
do estado. Decreto
1864.
21*-A 26* a favor do hospital da santa casa da
misericordia da corte.-Decretode 25 de oulubro de
1839.
22*-A9" a favor do monte-pio dos servidores
do estado.Decreto n. 1,226 de 22 deazosto de
1864.
23" -A 45" para o melhoramento do estado sa-
nitario.Decreto n. 398 de 14 de setembro de
1830
24"A 13' a favor do hospicio de Pedro II.De-
crtto n. 568 de 10 de julhi de 1850.
25"A 26" para aobrasdo novo hospital da san-
ta casa da misericordia da corle.Decreto n. 1,009
de 25 de setembro de 1858.
26.A 10* a favor do monte-pio dos servidores
do estado.Decreto n 1,226 de 2* de agosto de
1864.
27JA 1' para fundago de um casa de carila-
de na villa do Curvello em Minas.-Decreto n. 954
de 7 de julho de 1838.
28'A 8" para patrimonio do hospicio de Pedro
II.-Decreto n. 873 de 10 de setembro de 1856.
29*A 1* para as obras do hospital da miseri-
cordia de Jacarehy, na provincia de S. Paulo.De-
creto n. 1,015 de 6 de julho de 1859.
30'A 11* a favor do mente-po dos servidores
do estado.Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1864.
31'A 27* para as obras do novo hospital da san-
ta casa da misericordia da corte.Decreto n. 1,009
de 25 de setembro 1858.
32*A 2* para o hospital da candade da cidade
de Macei.Decreto n. 986 de 22 de setembro de
1858.
33*A 1" e nica para concluso da igreja de
S. Francisco da cidade de Pitanguy, em Minas. -
Decreto n. 954 de 7 de julho de I85S.
dezembro de 1841.
Hei por bem, para regular a execucSo do art.
17, 7 da lei de 3 de dezembro de 184*1, decretar
o seguate :
Art. aoco. A presidencia do jury de um termo,
em cuja comarca faltara os substitutos do respecti-
vo juiz de direito, pertencer em primeiro lugar
ao ulz de direito da comarca prxima, e na falta
delle aos seas substitutos.
francisco Jos Furtado, do meu conselho, presi-
dente do conselho de ministros, ministro e seere*
tario de estado dos negocios da justiga, assim o le-
nha entendido e faca executar
Palacio do Rio de Janeiro, em 7 de Janeiro de
1863. 44 da independencia e do Imperio. Com a
rubrica de S. M. o Imperador. Francisco Jos
Furtado.
RIIXISTERIO DA CiUERRRA.
decreto n. 3.375 de 11 de Janeiro de 1865.
Declara quaes os empregados que devem desem-
penhar as attribuices que exerciam os conse-
Ihos administrativos para fornecimento dos arse-
naes de guerra, fxtinctos pela le n. 1,220 de 20
de junho de 864.
Achando-se exiinclos pelo art- 7 da lei n. 1.220
de 20 de junho de 1864 os conselhos administrati-
vos para foroecimento dos arsenaes de guerra, hei
por bem decretar o seguinte :
Art. Io As atlribuc5es que exerciam os conse-
lhos serao d'ora em diaute desempenhadas pelos
directores dos arsenaes de guerra, seus ajudanles
conjuntamente com os empregados de fazenda, que
forera para esse fim designados, na corle, pelo go-
verno, e, as provincias, pelos respectivos presi-
dentes.
Art. 2. O regularaento, que baixou com o de-
creto n. 1090 de 14 de dezembro de 1852, conti-
34*A 85* cujo bepefioio deve ser repartido pela na em vigor, e por elle regular-se-ho os empre-
ntajeasa da misericordia da corte, expostos, re- gados dos arsenaes e os de fazenda, a que se refere
colhimento dasorphaas, collegio de Pedro II se-
minario de S. Jos.Decreto de 23 de maio de
1821.
35*A 12* a favor do monte pi dos servidores
do estado. Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1861,
36'A 61* para as obras da casa de correccao.
Decreto de 29 de oulubro de 1835.
37*A 46* para o melhoramento do estado sani-
tario. Decreto n. 593 de 14 de setembro de
1850.
38*A 13" a favor do montepo dos servidores
do estado. Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1864.
39"A 28" para as obras do novo hospital da
santa casa da Misericordia da corte.Decreto n.
1,009 de 25 de setembro de 1858.
40*A 14* a favor do montepo dos servidores
o presente decreto, as compras e mais objectos
de servico a cargo dos extractos conselhos admi-
nistrativos.
Hennque de Beaurepare Rohan, do meu conse-
lho, ministro e secretario de estado dos negocios
da guerra, assim o tenha entendido e o faga exe-
cutar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 11 de Janeiro de
1863, 44" da Independencia e do imperio.Cora a
rubrica de S. M. o Imperador.Hennque de Beau-
repare Rohan.
decreto n. 3,379 de 17 de Janeiro dk 1865.
Altera o art. 275 do regularaento das escolas mi-
litares.
Hei por bem, na conformidade do que dispoe o
art- 298 do regalamonto que baixou com o decreto
do estado. Decreto n. 1,226 "de 22 de agosto de n. 3.083 de 28 de abril de 1863, determinar que a
1864. proposta de que trata o art. 275 do citado regula-
41* -A 1* para a construccao da igreja matriz ment, de alumnos para estudarem fura do Impe-
de Santo Antonio, da cidade de Diamantina De- rio, seja extensiva a todos os militares que tiverem
creto n. 954 de 7 de julho de 1858. qualquer dos cursos das armas scientiflcas das es-
42'A 15* a favor do montepo dos servidores celas militares com approvacoes plenas,
do estado. Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de Henriqne de Beaurepare Rohan, do meu conse-
1864. Iho, ministro e secretario de estado dos negocios
43'A 1" para a paroeltia das Sete Lagas, em da guerra, assim o tenha entendido e o faca exe-
Minas.Decreto n. 934 de 7 de julho de 1838. cnlar.
44"A 2* para as obras das igrejas matrizes da Palacio do RJo de Janeiro, era 17 de Janeiro de
villa de Oliveira e fregaezia do Passa-Tempo, em 4863,44a di independencia, e do Imperio. Com, a
aa agricultura, commercio e obras publicas, assim
o tenha entendido e faca executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 14 de Janeiro de
1865, 44dajndepeneencia e do Imperio.Com a
cone
- exam?
pretencoes de successao ltimamente levantadas
pela Prussia, de que j fallamos em outra occasio,
e as quaes em toda a parte sao consideradas como
urna curosidade.
E' verdade que segundo o Sr. de Bismark de-
clara em una nota aos governos allemaes, esse pa-
recer nao ter a importancia de urna s ntenc de-
cisiva, mas sim que s deve servir para informar
o governo prussiano; mas em todo o caso dessa
Com urna igreja, que dessa maneira,
eneychca pontifical declara a guerra a toda a
cultura e civilisac > do seculo, n.o ha conciliacao
para o estado moderno; isto o que se faz valer
em todas as manifesticoes da immensa raaioria da
populacao.
O maior jubilo naturalmente se maoifesta em
lurra^ e em Pars dos poneos dias desde a pu-
blicado da eneyelica o partido ante-papal fez
uomensos progressos.
L'm signal disso a nomeacao do principe Na-
,cana, mande dsr transporte at o Aracaty no va-
: por Mamangua,*, em lugar de r destinado a pas-
sageiro de estai o a Benvindo Gargel do Amara!.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Coatianaro do expediento do dia 27 ie Janeiro
de 1865.
Offlcio ao Exm. desembargador Anselmo Fran.
cisco Peretii.Accuso a recepjo do offlcio que V.
Exc. me dirigi hontera, participando ter nessa
inesma dala reassumido o exercicio do esfrgo de
presidente do tribunal do commercio desta provin-
cia ; de cujo conteudo co inteirado.
Dito ao mesmo.-Pelo offlcio que V. Exc. se ser-
vio dingir-me em 26 di correle, Qquei ioteirado
de haver V. Exc. assumido o exercicio do cargo
de provedor da Santa Casa de Misericordia. :
Dilo ao 2" juiz de paz do
CORRESPONDENCIAS DO DIA
RIO DE PERNAKHUCO.
UtUBlBtiO,
5 df janciro de 186S.
bon, nm novo comegou ; mas
lima modanca relativamente s
Mes da Allemanha.
wig-holsteineza anda o pomo
al ijuanto majis que a final deci-
r por si, tanto mais irrita os con-
trastes oppostos.a Allemanha, e ainda nao se po-
de prever a poca que trar a solucao.
De um lado osldesejos de conqoista da poltica
prossianaseaprebentam cada dia mais alertamen-
te, do outro jado ffmee em Igual proporgo a atti
O veHw anno
nao trouxe nonti
quesles do dia I
A quostao sch(<
da discordia, o <
sao deixa espera
uno ao y juiz de paz do quadriennio flhfo dpaite hoswdc*.ejidos secundario ^ cm a naviera
freguezia do Booito.-Constando de um oiTcio do | frente, e pnprt^^^T^0^fJ0^^.
,,llz ."?," mifls. votado dessa parochia ooe por dora da Austria que soubera at agorafcno,>, ,,m
afilie fne passara o exercicio alsae setembro pas- encontr serio. T safo, e que depois o n5o reassumira mais, e do of- Essa a stuacSo actual das cousas na Allemanha.
ncw aa cmara municipal a e>ta presidencia que Por quanto tempd ainda hade ser possivel Aus-
nera V me. era alguna outro dos juizes de paz do tria de exercer c
quadriennio lia'
possivel
m successo sua influencia mode-
e
a
freguezia no corrente anno, curapre que me infor-; naturalmente sem
me qual o motivo que deu lugar a esse seu proce Em Vienna mu
amento.
28
Ifflcio ao Exrn. presidente da provincia do Para.
ordinaria da assembla legislativa dessa provincia.
Ditoao coronelcommanlante das armas.Quei-
ra V. S. informar acerca do que pede D. Belarm-
na de Moraes da Mosquita Pimentel da Silva.no
ineluso requerimento.
Dito ao Dr. chefe de polica. Recommendo a
A grande maioria niio se deixa influir; mas
sustenta com toda firmeza o direito do paiz sobre
sua independencia poltica, e seu principe legiti-
mo, o duque de Augusteraburgo.
Mo se pode desconhecer que o proced racnto
do 5T. flj Bismak s augmenta as aniipathias con-
tra a Prussia, e se ao principio grandes partes do
paiz cstavam promptas para importautes con-
cessoes a grande potencia do norte da Allemanha,
sen numer, torna-se sempre mais pequeo.
ik a exceP5o faz smente urna pequea pandi-
Iha da nobreza do Schleswig-Holstein, dcbaixo da
direccao do barao de Scheel-Plessen.
fcsses_ que antes agitavam vivamente contra a
separacao da Dinamarca, agitam hoje da mesma
maneira pera annexacao Prussia.
Os motivos bem fcilmente se comprchend'm.
N um estado maior tanto elles como seus lilhos,
encontrara maior occa^iao para empregos adminis-
trativos, pastos diplomticos e ama melhor carrei-
ra militar, do que n'um pequeo.
Mas a melhor prova da nulfidj__
f0' da completa falta de sympathia que encon-
trara no paiz, fornece o resultado do urna demoas-
tracao com que sauira a luz. j
ssa-d-MMonr-tracS-i fij um eTrflpv iriL(j0 ao I
imperador d'Ausiria e ao rei da Prussia, pVcmu'n-
ciando-se bastante claramente pela annexacao
|I"J""' oni q>o cara certas clausula, para
denar aberta a retirada.
Apesar de todos os esforcos eitos para procurar
a esse auto numerosas assgnaturas, elle nao obte-
terapo em que foi expedido mais de 17
entre essas 3 de negociantes da
proporcao a mediaco c,uAaus ae All0'>a-
re mais difflcil.' Accrescentaram-se ainda algumas assignaturas
o bem s^ percebe isso e sem de correligionarios, que se achavam em viagens,
eessar se urge na iccelerarSo do regulamento de-'como Pr exemplo, de nm conde Blonc que envin
unitivo dos negnos no Schleswig-Holstein. Mas'sua "signatura de aples, mas tambem com
em Berln parece juerer-se levar tudo at o ulti-' fs'8S aL'crescentamentos o numero nao excedeu
motivos e pre- a ff
esperanca que a Aus-' Ja cora ls?0 l0("a a demonstracao cahira n'agua,
Prussia mais forte mas e,la li,'na de solfrer ainda outro ma-
do qie aos estados (secundarios mais fracos. i loKro-
maneira pasaran de novo alans razes antes de, P0,e5 para vice-presilente do conselho privado do
se actor o Sr. de B.smark de posse"dessas nfor-; imPerador-
macos, e clao ainda nao se ter urna declaraco ---------^..eeo.g,---------
decisiva acerca da questo de successao, desde tan- Inglaterra
lo tempodecididacoacordantemente pelo* raaisno-! ,, aa..i,- *7
lavis professores de direito da Allemanha vi^ua MrPAdSi?- LT^* ^ c,UaciWM
Mais tristes naturalmente sao as conseauencias-! 1. *r-J*d*"m n"oitro da America em Lon-
que dessa siluaco resultara para i'popKcK do J.^.P4" >e aprasejtor uraa mensagem de Mr-
Schleswg-HoNteia populacao doc.iacaoa Mr. Lincoln, por occasio da sua reeiei-
cao a presidencia.
Mr. Adams, depois de ter recebido aquella men-
sagem disse :
Seohor presidente e senhores.Becebo com
grande satisfagao a mensagem que vos dignae
a melhor prova da Duldade do seu ame-' med'ar-au8raen,lar coa* 'emPO- Se se
i, i... ,.".. *.' i desenvolver estas paixSes entre as duas
jadnennio lindo, fizera a convocaco dos eletores radora para os dolts lados, ninjuem pode saber. A' ve al *'
supplentes, que tinfiam de concorrer para a or- desntclligencia eJtre a Prussia e a Austria torna- signaturas,
inisagao da junta revisora da qualilicagao dessa se cada vez maior] e nessa proporcao a mediaco c"la',s de" Al1
L.om o oiiicio que V. Exc, dirigi a esta presiden- mo ponto, invenanlo sempre novos
ca era JI de dezembro ullini), recebi rtous exem- textos para aova dilaco, na espera
?!*'?*-=""'alalono ?om 1ae Y .Exc: abr, a sessa0 ilria finalmente adherir antes Prc
i secundarios mai
ftt esperanca i .
riada pela falla do imperador lo$o prorapto para aceitar o endereco, e seus or-
iplomatico na recepcao do dia Kao* .ua Jraprensa nao deixaram de incensar o
veidadeiro patriotismo dos assiguantes, mas o mi-
verdade que Sr- de Bismark verdade, que se mostrou
junio por copia, datado de honlem, syj) u. 40, nao
s a respeito do saldo, que, segundo as contas que
vieran anuexas ao seu offlcio n. 48 de il do cor-
rete se d a favor do mesmo delegado, mas tam-
bera de nao terem sido incluidos na relacao dos
presos existentes na cadeia daquelle termo, nos
mezes de setembro e oulubro do anno prximo
passado, os presos racionados Manoel Rodrigues
iquiri, Marcolino Rodrigue* Torres, JaciuthoMen-
des da Hora e Tlioraaz Gomes da Silva, contem-
plados as preditas contas.
Dito ao camraandanle do presidio de Fernando.
Pela leitura de seu offlcio n. 160 do 1* do cor-
rele, fiquei inteirado de estarem concluidos os re-
paros que V. S. maudou fazer na fortaleza dos Re-
medios desse presidio.
Dito ao commandante do forte do Buraco.Tea-
do me sido verbalraente solicitado pelo presidenta
da cmara municipal desta cidade lieenca para elle
e mais um vereador irem a esse forte* examinar
ospaioes da plvora ahi oxistente, recoramenio a
V. S. queira facilitar-Ibes ase exame, se porven-
tura nao houver nisso Inconveniente algum.Of
De algum modo ssa esperanca
foi um tanto cont
.Vapoleo ao eorpo
do anno bom.
O imperador exprmo-se positivamente em sen- "}is,ro dos e0'-ios cstiangeiros'da Austria, o con-
\. s. que ouvindo o delegad) do termo de Carua- tido pacifico, de mo lo que por ora nao se pode con- "* de osdorlr devolveu o mesmo sem abr-lo,
ru, me Informe acerca das duvidas apresentadas: tar com ora engajamento bcllicoso da Austria no recusando de apresenla-lo ao imperador.
da thesouraria provincial no offlcio Mincio, fleando a mesma assim desembarazada da
necessidade do procurar a alliattca da Prussia a to-
do o preco Entretanto segundo as apparencias,
em Berln nao abandonaran! ainda toda a espe-
ranca, que at a abertura das cmaras francezas,
na primeira semana de fevereiro, o vento em Paris
tal vez mudara, e peosam dever conservar abertas
as changas para todas as eventualidades possiveis.
De verdadeiros factos s pouco temos de referir
quanto i Allemanha. Era consequencia da votacao
da dicta no rtia S dezembro, pela qual, como sa-
bido, fdra resolvda a retirada dis tropas e cora-
missarios federaes do Holstein e I.auemburgo, o
Sr. de Bismark dirigi ora 13 de dezembro uraa no-
ta aos governos que nessa votacao ^e tinham de-
clarado contra a retirada, expriramdose raui acer-
bamente acerca desse voto, exprobando-lhos a ten-
dencia de rempimento dos trados federaes, epara 'abem nao teja vtmtade de ceder, temos de espe-
o caso que a raaioria da dieta adhersse a seme- rar_em toia Caso nov'"s combates.
Segundo parece esta-se preparando no Schleswig
e Holstein urna contra deraoiistrago por raeode
um endereco em termos mu positivos rejeitando
enrgicamente toda a idea de urna annexo
Prussia e exigindo a final Installacao do duque
legitimo, e isto sobretudo de parte dos grandes
proprietarios rnraes, que formara a massa do paiz,
com centonas de assignaturas.
Por ordem real de 30 de dezembro, as cmaras
prussiauas roram convocadas para o dia 14 do
corrente
Em discussoes preparatorias dos chefes da
grande maioria oppositora da cmara dos deputa-
dos foi fixada a tctica da mesma para a prxima
campanha parlamentar.
A maioria oppositora sustentar a sua posicao
como at agora, e como parece que o governo
Ihantes tendencias, reservndose a plena liberdadai-^*'?ll?do as a">eagas da imprensa ministerial
de acgo conira a confederaco. nao sena impossivel a imposicao de uraa nova lei
Ninguem eomprehende os motivos- ojue dterrai- "''ora! de parte do governo.'
narara ao Sr. de Biswark a esse passo. Acerca da tentativa de induzr_ a assembla dos
Era lado o caso, um i vez que a Prussia fizera' dlSPu"ados_ nauniciiM para encelar de novo suas
liciou-se ao inspector da alfandega para que facilito -valer sua voniade no dia 8 de dezembro na dieta,: anligas wago-ss com o rei, ja referimos, e tambem
semelhante exame. fui provocaco tola intil, e ainda ws nm acto 1ue 'encionado sobresalto fra desviado pela
Ditoao juiz municipal da i* vara desta cidade.
correspondente aos tratados federaes que garaulem' 'nrega da respectiva proposta
exaraioatoria.
a urna coramissao
Remetto a Vme. por copia para seu conhecimen- j a cada estado um voto vre.
lo, a relacao dos sentenciados que vieram do pre- Os respectivos governos tamhem nao deixaram I Desde enlo essa coramissao apresentou sea
dio de remando, segundo me communicou o res-: de replicar de nlaneira nao menos acerba. Mas! relatono, e propz, que a assembla dos denotados
pecuvo commandante em offlcio de 16 do corrente, tambem nao se contentaram com Isso no dia 31 de' municipaes sustentando sua anti^a resoluco pela
no vapor Persmunga. i dezembro o ministro presidente da Baviera, o Sr.
Uito ao mesrao. Commuoico a Vmc. que era voa der Pfordteo e o ministro de estado da Saxo-
offlcio n. 170 de 13 do corrente, declarou o cora- nia o Sr. Iteust se encontraram em Bamberg e
conferirn) acerca d futura altitude dos estados
secundarios.
Como se assegarade parte fidedigna os dons ho-
mens de osla i > ficaram de accordo acerca de ara
prograrama coramura, e o Sr. von der Pfordten se
encarregou de procurar em primeiro lugar a adhe-
mandante do -presidio de Fernando ter reraettidd
ao Dr. chefe de polica no vapor Persmunga, o
crioulo Joaquim que se achava cuuiprrado -ciieuca
uo mesmo presidio- cqm e nome de Antonio Fran-'
cisco de Souza. v.^
Dito ao mesrao.Ma leitura do oftluio do com-
mandante do presidio de Fernando de Ift do cor-
rente, tfoosiante da copia inclusa, licar Vmc.
sciento de Bao existir all a sentenciada Florencia
Maria'que Vmc. em seu uffleio do Jl de dezembro
ullimo, diz ter Gnaiisado a pena a que (o confiera-
nada.
Dito ao Juti de pju mais votado do actual qua-
driennio da freguezia da Escada.Inteirado de se
nao ter reunido a juota revisora da qualificacao
sao dos governos de Wurteraherg e Darrastadt., dissolucao da mesma asembla.
Elle part* por isso para Dirmstadt e Stuitgart e
all tambem encontrou-bom acolhimento. Segundo
parece a Auslna tioha aqu a mo no Jago. Era to-
do o caso, ama unio mais firme dos estados secun-
darios veio-lhe a proposito como ponto de apoio pa-
ra sua atti lude mediadora em f rente da Prussia, ao
mesmo tempo que se empenhou; por meio de pro-
messas acerca da sua futura atlitu na qoestio do
ual foram suspendidos os enJerecos e deputages
do costume ao rei, s i reservasse de restabelecer as
relagoes interrompidas, logo que tivesse urna ga-
ranta de proiecco contra qualquer ingerencia
impedidora do ministerio.
Est claro, que essa proposta, que a assembla
elevas a urna resolugo com grande maioria, mui-
to desagradou na corte, e segundo pareca ao
principio o governo tenciotwva responder cora a
dessa freguezia como Vmc me declarou em seu : Scleswig-Holstein, de deter esses de i
offlcio de 27 do corrente, recommeodo-Ihe em vista! de ontro lado poderiam ter difflcultado a mesma
do que determinara os avisos de 18 de Janeiro de! attiluoV.
1854 e 31 de maio de 1861, que guardado o praso
e mais formalidades da lei, convoque os respectivos
eleitores e supplentes e reuaa no da 8 de margo
vindouro que para isso designo, a referida junta
que devera ser presidida por Vmc. nos termos do
citados avisos.
Dito ao juiz de paz mais votado do quadriennio
findo da freguezia da Escada Communicando-me
o juia de paz mais volado do actual quadriennio
em effli'40 de 27 da eorrente nao se ter reunido a
junta revisora da qualilkago dessa lregue:ia, han
como alo Irte constar que se tivesse feito a coovo-
Quaes foram as canvengocs ajustadas em Bam-
berg, coasa que por ora so ignora ; porm tanto
certo, que a unio dos estados secundarios tem
um carcter esencialmente defensivo, e que as as-
sev-re5es austracas flzeram adiar provisoriamen-
te passos ulteriores. ,
Eotretanlo as negociagoes entre a Austria e a
Prussia acerca da questo d-1 successao nos duca-
dos de SoMe&rt^Holstein continua seu andamen-
to rastero.
Era principio de dezembro a Austria tioha feit*
i proposta de ceder provisoriamente ao duque
cacao dos rwpectijro* eleitores e suplentes, que Frederico de Augasterntiargo os direltos sobre
Ddpois de madura reflexo desislio-se dssa me-
dida, cuja consequencia tena sido a nova elei-
da ra^sma maioria da representago communal,
irritando assim ainda mais o conflicto
Em Munich a trise ministerial de alguns.mezcs,
encontrou finalmente sua concluso definitiva pela
nomeacao do conselheiro de llnaogas de Pfretzs-
chner para nlstro do commercio.
O ministerio von der Pf.>rdien-Neuraeyer assim
flea completamente constituido.
O pavo wurtenabnrg receben um mui agradavel
prsenle de natal no dia 24 de dezembro a Gazeta
Ojfictal puWicou um decreto do rei, abolindo as
leis excepefonaes era vigor contra o abaso da im-
prensa e do direito de reunio, do anno de 1855,
restabelecendo as antigs leis do paiz acerca da
liberdade da imprensa e do direito das assem-
blas;.
Nao podemos concluir sem lembrar ao menos
eom algumas palavras a impresso que tanto em
'toda a parle, como tambem ua Allemanha, fizera o
ullimo procedmento da curia pontifical.
Os detalhes sero dados aos nossos leitores de
wtra parte.
confiar aos meus cuidados. Emanado de i
ciedade in?leza to respeitave, esta mensagem nao
poderia deixar de snr reconsiderada na America,
como uraa forte prova do interesse aragavel, que
um parte consideravel do povo oglez loma pelo
bem estar dos Estadas-Unidos, que atraves-am por
uraa crise to perigosa. Ha de resultar deila um
grande beneficio, porque nao poderei dissimular a
mira nem a vos o faca penoso de se haver mani-
festado aqui, nos circuios mais influentes, urna dis-
posigo contrara e o conhecimento deste facte
produzio enlre os meus compatriotas a impresso
geral de que toda a nagao Ingleza deseja realmen-
te o desmombraraento e, por consequencia, a que-
da do poder dos Estados-Unidos. D aqui resultou
uraa certa ra disposigo, que pode, se se nao re-
deixarem
nagdas,
necessaro ter pouca penetragao para nao prc-
dizer que a continuago de um semalhante "estado
de cousas, deve produzir a guerra.
aracmil31?n'e para todos ns.' no Pre';ent,i caso.
fazer anda as outras srciedades, das"gerael receoo
continuamente para reraetter para a America, com-
raanicages offlciaes riadas de todos os pontos do
reino, ho de permettir aos amigos da paz e do
accordo internacional, poier provar que, qualquer
que possa ser a hostilidade de certas pessoas,
esta hostilidade nao de maneira alguma parl-
Ihada pela maioria do povo inglez, e que nao devs
considerar-se como um pensamenlo nacional (ap-
phrusos).
Perraetti-m, senhores, accresrentar que a
eleigao d que fallis nesla mensagem, a de Mr.
Lincoln, provoeou urna expresso to completa e
to geral da opinio de toda a populago no paiz
em que tera lugar, como se fosse feita em tempo
de paz. Nunca houve eleigo mais livre ; nunca se
deu lana latituJo a todos os debates das questoes
polticas e do mrito dos hmeos pblicos.
Neslas circumslancas, seria superfluomostrar-
vos quanto errnea a supposigo em que eslo
algumas pessoas, que pretendem ter havido urna
mudanga essencial no movimento das livres insti-
tuigoes na maior parte dos Estados-Unidos, isto .
em to la a parte que nao theatro da guerra (ap-
ptaosos).
Permitli-me lambem chamar a vossa atlengao
sobre dous pontos, que parecem ter sido clara-
mente estabelecidos pela historia da ultima elei-
go ; o primeiro a impossibilidade pratca de
realisar urna spparago effecliva dos inleresses
pessoaes e polticos das duas secgoes da America,
actualmente envolvidas n'uma duploravel luda.
Islo est incontestavelmente provado pelo fac-
i de se nao haver, era poca alguma da nossa his-
toria, encontrado nos estados rebeldes um desejo.
to directo e to vivo, de tomar parte na eleigo
do presidente, embora esses estados proclameni c
sem duvida com siuceridade, o desejo que leui de
se separarem completamente de nos.
Os notorios designios concebidos por algun>
dos seus agentes, naij^uedas do Nigara, durante
o oulono, seguidos como foram da nomeago cm
Chicago, de um candidato prasidencia, ligado a
urna poltica dielada pelaparjp da popuio^u oem
conheclda por or a malTTntimamenle unida por
sympathias, seno por allianga absoluta com o sul,
demonstran! supcrabiindanlemente esta verdade,
quanJo mesmo nao estivesse confirmada pelos
sentimentos expostos posteriormente, sem equivoco
qor alguns chefes emineules do sul, no que toca a
decepgo das suas esperangas a proposito dessa
nomeago.
Isto prova que, seja qual fr a sioceridade com
que urna ou outra parte procedem na hypothese
de urna separago completa, o duplo interesse po-
ltico acha-se combinado de urna maneira inexpli-
cave, o que tornar sempre millas o de nenhum
effeilo, na pratica, semelhantes promessas.
< O segundo ponto de que pretendo fallar na-
turalmente suggerdo pslo primeiro. Isto : a ni-
ca causa real da divergencia entre as duas parles,
na eleigo, era a qoe interessa directamente aos-
rebeldes proprietarios de escravos, cora quanto o
estados se conservem fiis.
c A nomeacao de Chicago assentava n'um com-
promisso_ implcito, senao confessado de proteger a
escravido domestica, de maneira que se nao fizes-
se deila questo em qualquer accordo para a pac-
Ocago ou restaaracao da Uaiio. A poltica do go-
verno, poi utro lado, era (como se sabe) a restio-
rago da Uuiao como objecto principal, mas a so-
lugao da questao da escravido eomo preliminar
necessaro para um restabelecimento duradouro.
t Se esta deflnigao exacta, nao poderla admi-
rar ver por toda a parte os rebeldes empregarera
todos os esforcos para chegar a ura resultado fa-
voravel aos seus loteresses. D'este modo o destino
da escravido era o ponto capital ua grande deci-
sao que os Estados-Unidos preparavam adoptar.
E' portanto tal o resultado, que nos permute re-
goslsarera commum ; conservou-se no poder um
governo que j fez inuito pela cmancipagao no de-
curso da guerra, e que poderia fazer ainda mais,
proporgo que as cousas se aproximassera do
grande e completo fim que se propoe.
Conclundo, manifest a esperauca de que sem
attender a distincces nacionaes, todas as pessoas
circumspectas poderiam ter de se felicitar da
concluso desla triste lata, se o resaltado fosse a



ii r-
.


Diario de reraambuco Ruarla felra t de Feverelro de t 84.
%
connrttiacao do ura govrrno livrc ta
destrucao do fortnidavel lage lio, que
tem sida a sua mfc'dcao. (Aplausos). >
America, e a
at agora
Kstados-tnldos.
Nota do miuislro dos negocios estrangeiros em
Washington, ao representante americano em Lon-
dres, Mr. Adams, cm respesta ao pedido feito por
toi-^l WharnclifT, para que autonsado a visitar as prisdes dos estados do norte
da America, e a distribuir pelos prisie-neiros con-
federados as somma,* produzidas pela subscrlpco,
que se abri em Liverpool para Ihes prestar soc-
arros :
Ministerio dos negocios estrangciro.Was-
hington, 5 de dezewbro.
t Seuhor.ecebi o vosso despacho datado de
18 de novembw, com o n. 807, assim como os do-
cumentos annexos, islo copia de urna carta que
vos oi dirigida ira 11 de novembro, e una copia
da vo-sa resista. Dignai-vos fazer agora saber a
lord WarnctifT, que nao pode ser concedida a auto-
risaeao pedida para que um agente da commissao,
cuja existencia e fim aununcia, possa visitar os.in-
surgentes presos as cadeiasmilitares dos Estsdos-
UnMos, entregando-Ibes 7,00 libras dioheiro
inglez.
Besejo que a vossa correspondencia com lord
Wharneliff (que nisto. sta correspondencia ha
de eertamente ser publicada, e ento o pueheo ame-
ricano romprehender nnuito bem que tendo os
Estados-Unidos os mekts de sustentar os seus pri-
sioneros, e de fazer face a todas as necessidades
d'aquem, os insurgeotes que cegamente se lanc,a-
ram nesta guerra nao sofTrem privacao algnma,
do estrangeiro.
O povo americano tambem ha de rellecilr que
esta somma, insidiosamente offerecida em nomeda
humanidade, cowrttue provavelraente uma parte
importante dos lucros realisados pelos donaiarios
com os insurgentes, trocando com ellos armas e
municoe> contra productos lo vivamente cobija-
dos do trabalho'immoral, e que enraquece os es-
cravos.
i O novo americana estara eertamente tambern
pouco disposto a considerar a somma offereoda
com tal ostentacao para allivio dos prisioneiros in-
surgentes, como uma compensacao da devastado
e da' desgracas que a guerra civil, suscitada e
manlida por subditos inglezes, tem causado na-
qnelles estados olitr'ora lo prsperos e tao f-
Finalmente, em relacao a esta ultima intcr-
venco offlciosa nos nossos negocios domsticos, o
povo americano nao pode deixar de se recordar das
advertencias de pai da nossa patria, advertencias,
oue tinham frincipalmente por fim previnir dous
grandes pengos pblicos inl'mamente ligados en-
tre si; as dlvisoes intestinas e as intrigas estran-
geiras.
c Nao creio que os insurgentes se tenham avrl-
tado, com ncir bem Triste do verdadeiro raminho do patrio-
tismo e da liberdade, e julgo, como lodosos nossos
concidados, que elles se ho de regozijar de fugir,
tracas ao prudente e leal governo do seu paiz, ao
grave insrtrV que lord WharnrlilT e os seus asso-
ciados, qneriam fazer s victimas desta rebelico,
que tanto contra auatureza que desespera, e No
pelo grande iuteresse que teem em destruir os Es-
tados-Unidos.
(Jornal do Commereio, de Lisbea.)
DIARIO DE PER* AMRIICO
Amanheceu hontem em nosso porto o vapor
brasileiro Paran, procedente dos portos do sul
do imperto, .apenas aduanando noticias das Ala-
goas, visto ter sabido depois delle da Baha o va-
por fraocez, que ante-hontem esteve em nosso
porta
A's noticias do sul, que publicamos em nosso
numero de hontem, temos accrescentar apenas o
seguate:
Consta-nos que foram nomeados os Srs. :
Ignacio Jos Alves de Souza, guarda-mr da
alfandega doergipe, para o mesruo lugar no Ma-
ranho;
PeVo Lopes Rodrigues, guarda mor da alfan-
dega do Maranhe, para inspector da alfandega de
Sergipe;
c Joaquim Candido t'essua de Seixas, inspector
da alfandega de Sergipe, para o mesrao lugar no
Rio Grande do Norte.;
O ajudante do inspector da alfandega do Para,
para servir jpjerinamun i o ----- -"" "
/.n^s,. ja corte.
. O Sr. eommendador Manoel VieiradeAguiar,
fazendeiro em Mangaratiba, coevidoue pedio aos
seus arrendatarios, tanto de trra firme ilhas, que quizerem apresentar-se voluntariamente
ao governo imperial para seguir para o sul, em
defeza da nos sua fazenda de Itacuruss, afim do se alistarem e
lixar-seodia de sua apresentaco at o ultimo de
fevereiro prximo futuro.
t O >r. eommendador Aguiar, alm dos premios
que o governo assegura, dispensa esses voluntarios
do pagamento dos arrendamentos ja vencidos e
dos que.correrem at celebraco da paz, esten-
dendo o mesmo favor s viuvas dos que fallece-
rn na batalba, e incumbe-se da defeza de sua
viuda para a curie.
Actos destes nao carecem de encomios, re-
commendaro-se por si mesmos sympalhia pu-
blica. >
Sahiram para Pernambuco : 14, a barca
ingleza Bcrtlne ; e 15, a galera portugueza Noca
Fama.
Chegou, procedente de Pernambuco : 22, a
barca Tlieveza I, com 10 das.
Baha.-L-se no Jornal:
Chegaram hontem (15) da corle S. Excs. Tivnis.
os Srs. D. Antonio d Hacedo Co.-la, hispo do Para,
e D. Sebastio Uias.'Larangeiras, bispo do Rio tiran-
de do Sul, ambos fllhos desta provincia.
a Esto hospedados no Gymoasio Bahiano. >
t A corveta Heveuice veio como se sabe, em
viagem d'instroeco d aspirantes, e deve, 'este*
prximos cinco das, seguir seo destino, para poder
estar no Rio de Janeiro at o dia 10 de fwe-
reiro. >
Hontem (20) tarde felleceu o Sr. coaselhelro
Dr. Antonio Polycarpo Cabral, cora 76 aonos de
idade. .
Era eommendador da imperial ordem na Rosa,
- lente jubilado da faculdade de medicina.
Medico distincto e profundo deixa um nome
venerado.
. Hontem (23) embapcaram no arsenal de ma-
-rinha o batamau de Radares d'esta proviocia
ao commaBdo do Sr. tenerte-coronel d. us Bal-
thasar da Silveira, e o eorpo policial, do commaodo
do.-Sr/ tenente-coronel Joaquim Mauricio Ferreira,
levando ambos cerca de 1)000 pracas.
,Em toda! as ras por onde desfilaran), havia
arcos de folhas, e pendiam nandeiras das janellas,
donde cahiam Acres sobre os bravos que acodera
ao redamo da patria.
Os balalhoes iam luzidof, e marchavam sere-
nos cora a consciencia do dever, entre os vivas que
de todos os lados o novo soltava, atirando-lhes
flores. ts commandantes levavam tambera rema-
lhetes.
t A' frente d'elles iam a cavalloos Srs.
presidente o chefe de polica, general comman-
dante das armas, commandante superior, e os olli-
ciaes do estado maior, coronel Carvalhal, e p
offlciaes dos batalhoes aquartellados. Na frente
de cada batalnao iam grandes fileirae de paisanos
dando vivas.
i Por toda a parte o povo aflluia para ver o em-
barque.
0 Princaa de Jomcille, que tinha rindo an-
corar em frente do arsenal de marinha, recebeu-os,
seguio para o sul, onde elles devem prestar
grande concurse a causado paiz.
i Um dos vapores da ceaipanhia Bahiana auxi-
liava o servio do transporte.
Queira a Providencia coroar com o mais feliz
lito o sacrificio d'esses nossos concidados, para
que voltem ao regajo de soas familias cobertos de
louros, e tendo registrado seus nomes entre os in-
victos defensores da patria. >
t Foram nomeados hontem (25) por S. Exc.
Revm o Sr. arcebispo :
Desembargador da relaro ecclesiastica o liev.
Dr. Raymundo Jos de Mattos, que era vigario
feral.
Vigario geral o Revm. Sr. padre Antonio Mu-
niz Gomes, vigario encommendado da reguezla da
Conceico da Praia.
t Promotor o Revm, Sr. padre Eduardo Au-
gusto de SoBza e Mello, reitor do Seminario pe-
queo. ,
S. Exn. Revm. ordt'nnu que se fizessem preces
em todas as igrejas pela lentiina^ao da guerra, e
com h'inra para o paiz.
As prestes deven ser feitas alternadamente
em cada templo, sendo na Cathedral em ultimo
lugar.
t O Princezn e Joinville levou d'aqui:
428 pravas do corpo policial.
443 do de cacadores.
> 871 o lodo.
t Do corpo de polica
mais de 200 pracas. >
ainda poderlo ir talvex
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
De novo chamamos a attencao para a estrada de
de Olinda, afim de que se providencie em ordem a
concluir-se a obra, que u'ella ora se est fazendo;
poi>, morosa como vai, o transito aelta-se mais dif-
ficil do que d'antes, sendo fetto por um espaco ni-
co, que j *st meio cavado, e em pouco se con-
verter em ura lamacal com a cabida das chovas.
Alm disto accresce que com o aterro que se faz
na travessa do Lima, muita vez tem-se de passar
na preamar por dentro d'agua da mar, visto que
semelhante obra vai para as kalendas gregas em
sua concluso ; e se emende que nao nada enllo-
car torto e direito os malcraos de que ella ca-
rece sera alleucio ao transito.
O Poriuguez Bernardiiio Bessa foi encontra-
do morto to Forte do Mallos, junto a um sobrado ;
e, conduzido d'ahi para .a igreja da Madre de Dos,
procedeu-se em seu cadver ao competente corpo
de delicio, do qual resu:tou reconhecerem os peri
los ser a morte. causada por urna apoplexia fulmi-
nante.
O pavilhaoauriverde que trmula triumphan-
te em Paysand, a iniciacao da victoria que a ci-
vilisaco alcauca sobre o obscurantismo, que oppri-
meaquelles povos do PratJ, ao passo que d uraa
copia do como vingam Brasileiros a affronta feita
ao seu pavilhao. Mas essa affronta anda nao est
de todo lavada Montevideo e Assumpcao carecem
de uma liefui, que aproveile aos caricato-, que alli
Hngem o poder publico para irriso do senso com-
inum.
lsio comprehende todo o Brasileiro, isto seniora
todas as provincias.
O sul do imperio tern corrido s armas com a
dedicaco de patriotismo ; e esta tem repercutido
sympaticaraente no norte, d'onde parliro para o
theatro da peleja os bravos que de promplo se po-
deram mobilisar-
Todava, os sacrificios que a patria reclama no
momento de provacoes, nao ficara ahi; ella urge
por novas dedicacoes; e estas nao pedera arrefeoer
no cora?ao do Pernambucano, que se rev n]um
passado de glorias murciaos, como a belleza n'um
espelho que Uie repreduz a formosura.
Os descendentes dos hroes de 1054 nao podem
ficar quedos u'essa emergencia; ho de correrlas
armas ohedecendo aos impulsos do proprio peilo,
porque a patria o requer e a honra o commanda.
Quando, poi as demais provincias se alistara
pressurosas n'essa cruzada de honra, Pernambuco
deve mostrar que verdadeiro enthusiasla das nos-
sas cousas patrias, e que a ndifferenca para ellas
mal Ihe assenta.
A Baha j fez seguir seu liatalho de volunta-
rtoi da Patria,- e a Bahia promove a creacao de
ontro. i
Sera uma licao para nos?
Nie, que, por heroica que ella'seja, temo-la na
nossa hisioria ; e isto basta para corrermos a ioii-
tar aquelles nossos irmos, fazendo parte dos to-
luntariot da patria.
Amanhaa pela tarde lera lugar a bencio do
novo sino comprado para a igreja de Nossa Se-
uliora dos Remedios, e s 7 1|2 hora da noli ser
o levautaraeolo da bandet'a da fesia, que, cuwtj
fui auuuuciada, a 12 do mesmo mez.
A bandeira sahir da casa da juiza a E\ma. es-
posa, do Sr. Henrique Bernardo de Olivein, sendo
a mesma bandeira levada cora a maior f"m>'*1>os-
sivel, e acompanbada por um extraordinario nu-
mero de senhoras para maior brilhaatisrao.
as novenas bavero versos acompanbados por
uma banda de msica marcial de mocos curiosos
que isso se prestas).
a bencao do sino, cujos padrinhos sao os Srs.
Jorge Tasso e capit;"io Joaquim d'Albuquerque.Mel-
lo, como na bandeira tocar a banda de msica do
1 batalnao da guarda naoioual desta cidade.
Consta-nos que'o Dr. delegado do
ADVERTENCIA
Na totalfdade dos doentes existera 139, sendo 84
bomens e 55 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes das :
As 7 e 5, 7, 5 20, 7, 6 \\2,7 1)1, 6 oras, pelo
Dr. Ramos.
As 8 1|2, 8 3|4, 8 1|4, 7 3|4, 8 20,8, 8 1[4 pelo
Dr. Sarment.
Fallecern :
Marcelina Maria da Conceico ; gastro enterite.
Mara Amelia; bexigasconfluentes.
Antonio da Costa; encephalite.
Emerciana Maria da Penha -. phtysica pulmonar.
Jeronyma Maria da Conceico ; dem. '
Similiana da Visiicgao da Silva Isabella ; dilatafo
da crossa da aorle.
Mara dos Prazeres ; apoplexia.
Moviraento da casa-dedetencao do dia 28 de
Janeiro de 1865.
Existtam presos 397; entraran) 11; sahiram 24;
exstem 387.
A saber : nacionaes 316 ; estrangelros 15 ;
mulheres 3 ; es trance iras 2 ; escravos 46 ; escra-
vas 5-Total 387.
Alimentados custa dos cofres provinciaes 153.
Moviraento da enfermara do dia 30 de Janeiro
de 1865.
Te ve alta : Manoel Francisco de Sant'Anna.
Movimento da casa de detenjao do dia 29 de
Janeiro de 1865:
Exista presos 387 ; entraram 8 ; sahiram 4;
existem 391.
A saber : nacionaes 319 ; estrangeiros 16; mu-
lheres 3 ; estrangeiras 2 ; escravos 46 ; escravs
5.Total 391.
Alimentados a cnsta dos cofres pblicos 152.
Movimento da enfermarla do dia 31 de Janeiro
de 1865.
Teve bajxa : Joaquim Manoel de Torres; tu-
mor.
Movimento da casa de detencao do dia 30 de
Janeiro de 1865 :
Exista m presos 391; entraram 13; sahiram 10;
existem 394.
A saber : nacionaes 319; estrangeiros 17 ; mu-
lheres 5; estrangeiros 2; escravos 46; escravs
5.Total 394.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 153.
Movimento da enfermarla do dia 31 de Janeiro
de 1863.
Teve baixa : Aniceto Nunes da Silva ; sezoes.
REPARTIQAO DA POLICA :
Extracto das partes do dia 31 de Janeiro de
1865.
Foram recolnidos casa de detencao no dia 30
do corrente :
A' ordem do Dr. delegado da capital, Manoel Ig-
nacio Coelho, como comprehendido no art. 336 do
reg. de 19 do setembro de 1S60.
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Loureoca
Mana da Conceico, Joaquina Maria do Espirito
Santo, por briga; e Manoel Bernardino de Senna,
a disposigao do tenente-coronel reerutador.
A' ordem do da Boa-Vista, Francisco Romano da
Silva, por oUensas phvsiras.
chefe da segunda seccao,
J. G. de Mesquita.
Passageiros do vapor francez Gutennt, sahl-
dos para a Europa :
D. Gerardo Morestany Howard Lanche, D. Fran-
cisco Marestaoy, Dr. Jos Coelho de Laura Abreu,
e sua familia, Carlos Englelhard, Maria Galo, Wi-
lam Oalc Carlos Rook.
Obituario, do da 30 de jaxeiro dk 1863 no
ckm1tkr10 publico.
Jeanna, Pernambuco, 9 dias, Boa-Vista ; espasmo.
Carolino, Pernambuco, 6 raezes, Boa-Vista ; es-
pasmo.
Benedicto, escravo, Pernambuco, f ataos, Boa-
Vista ; catharro sufocante.
Victorino, escravo, Pernambnco, 50 anuos-, solteiro,
Bea-Virta-; apopterra.
Bernardino de Bessa, Portugal, 35 anuos, solteiro,
Recite ; apoplexia.
Ambrosio Jds Bezcrra, Pernambuco, 36" annos, sol-
teiro, Berife ; pbljmca pulmonar.
Benedicto, escravo, frica, 42 annos, solteiro, San-
' toAntonio; espasmo.
CQMMUNICABOS.
promover a cobranca de algumas suas dividas, Barca ingleza-CAanzaidem.
sendo o motivo dessa sua resolujao o nie haver eu Bacca ngku-Amblehde-iem
negado a prestar-lhe contas.
Nio exacto que eu tenha recusado prestar-lhe
contas, pois qne deve o Sr. Moreira lemurar-se de
que en em diversas dalas Ihe entreguei as peque
as qaantias que recebi; e a proporeao que ia re-
cahandn Ih'a ii onliananiln o A ilfi haift de nA-
cebedo ih'a ia entregando ; e se nao haja de de-
clarar pelo mesmo Diariose-effeettvamenieachase
integralmente pagoe satisfeito das referidas quan-
tias, boa coreo de sua procuracao que desde j re-
signo a resignarla se o Sr. Moreira, particularmen-
te de mi. exigisse indepeudentemeote de a fazer
sentir pal mesmo* Diario ; pois como sabe eu te-
nho minba residencia certa no povoado do Moalei-
ro, em casa de mioha familia, e na roa do Rosario
estrella-- n. 10, primeiro andar, aonde descaneo
quando hego- Mate praea-, viste- que-a mnba pro-
bidade esl k'acima de cousas tao pequeas e que
na mente do Sr. Moreira entende serem de ura va-
lor muito grande ; quem assim procede nao pode
ser aecusado de se negar a prestar contas.
O Sr. Moreira depois de ter recebldo ero datas
anteriores algumas quanljas disse-me no dia 25 do
corrente, que eu apparecesse em sua casa para o
ajuste final de contas ; e porque eu nao comparec
incontinente, sahie-se dous dias depois cora os an-
nuncios referidos.
Em face do exposto, o publico apreci o modo in-
justo, porque proceden para comigo o dito Sr. Mo-
reira, que costuma julgar os outros por si. Que
eu entreguei-lhe. quanlias em diversas datas cons
ta de ura seu recibo, concebido nos seguintes ter-
mos :
Recite, 30 de Janeiro de 1865.
Justino Martins de Almeida.
Recebi do Sr. Justino Marlins de Almeida a pro-
curacao que Ihe confiei para a cobranca de alguns
devedores qne amim eslavam obrigados por dbi-
tos, assim como declaro que recebi do mesmo se-
nhor f m datas anteriores as seguintes quanlias
que pagaram alguns dos ditos devedores abaiio
mencionados.
Reeife 30 de Janeiro de 1865.
Devedores.
De Manoel Coelho Cintra 26250, recebida em 4
de agosto de 1864.
De Jos Antonio dos Santos Ba9tos 505000 de 4
de setembro de 1864 a 4 de Janeiro de 1865.
De Jos Bibeiro Guimaraes 21^5874 em 4 de
agosio de 1864.
De Miguel Jos de Almeida Pernambuco 505000
o primeiro pagamente em 31 de agosto e o segun-
do em 17 de setembro de 1864.
Por Jos Moreira da Silva,
Miguel dos Sa.-Uos Costa Jnior.
Rs. 148I54.
Declaro qae estamos saldos de contas. Reeife
era ot supra.
Por Jos Moreira da Silva,
Af. dos S. Costa Jnior.
Barca ingleza Willtamdem.
Patacho inglez M. E. Corning dem.
Brigue inglez -Otellodem.
Pataeho inglezMaiu/P-idem.
importaco.
Brigue inglez UlUwater, entrado de Liverpool,
consignado a J. Pater & C, manileslou o se-
grate :
68 meias caixas cha ; a N. O. Bieber & C.
10 ggos louea; a Toom B. A Roberts.
10 fardos teeido. de linbo ; a Adamson Howie
& C.
1 caixa sapatos e toncas de la ; a J. D. Ri-
beiro.
6 f-irdos e 2 caixas tecido de linbo e de algodao;
a Prripps Brothers & C
1 caixa tecido mixto ; a .Schafheillim & C.
8 pecas de ferro ; ao Baro do Livramenlo.
9 caixas e 1 fardo tecido de algodao, de linbo,
cobertores e chales ; a J. Keller a C.
400 Larris chumbo de municao, 228 barricas
cerveja, 21 cascos ferragens, 2 fardos esteirado de
la, 24 pecas machinismo, 12 feixes paos, 12 caixas
objectos de madeira, 7 fardos tecido de algodao ;
a Saunders Brothers & C.
13 ggos e 7 cauas louca, 21 fardos tecido de
linho e de algodao, 6 caixas bolachinha, 4 meias
caixas cb, 25 barricas cerveja, 11 ditas sali.jre
229 fogareiros, 1 caixa grelhas, 4 barricas conjer
vas; a ordem.
2 fardos e 3 caixas tecido de algodao. dilo mi
cobertores e elsticos, 144 chapas de fogo, 6 Sa-
cos lampos ; a Henrique & Azevedo. /
6 caixas bolachinha, 6 ditas cobre, 2 Larris .jve-
gos do coraposicao ; a M. Joaquim B. e Silva & Pranehes de amarello de dous
tienros. j costados........um
18 fardse 11 caixas tecido de linho, 100 cafegs Idera da looro. rf
folha de Flandres, 3 ditas e 6 cascos pertenceW*- Rap.......... lihr
seleiro, 10fascos dobradieas e ferragens; a PpM Sabio..........
Nash&C- Sal......
100 duzas de ps, 3 cascos rutileria, 3 caixas gai^ parrilha. .' .
atacadores, 49 cascos dobradieas e ferrafens, 12 Sebo em rama. .
cascos Iam pedes e chamins, U cascos enchadas, dem em velas. .
1 caixa agulhas, 1 dita charutos, 1 casco corren- s0]a em vaqueta. .
tes, 8 cascos e 1 caixa tub s de bronze para cal- Taboas de amarello.
deireiro, 135 caixas folha de Flandres, 8 feixes ta- dem diversas. .
bos galvanisados, 1 caixa apparelhos, 4 ditas ma- Tapiocas. ....
chraismo, 1 caixa burra, 1 dita objectos de seleiro, Tatajuba. ....
ico, 338 leixe e 1,61 Travs.....
PUBLICAGOES i PEDIDO.
Ao publico.
Lendo o annnncio que, no Diario de hontem pu-
blican o Sr. Dr. Miguel Felippe de Souza Leo,
cerca de duas letras de seu acceile, saccadas por
primeiro Manuel Gouveia do Souza a mim descontadas, ca-
dUtrictoJda:"" *** cidjde tonjandn em cons- be.me, por amor ronha reputar-a,, tazer*s odser-
-... o quanto diluios na revisia de nosso nq-: V8CkiS' seguilptes para esd^'-ento do publico.
mero de hontem, foi por si mesmo verificar a exis-, F cerT>ie 'ambo que o fallecido Manoel
lencij de um deposito do larinha milhn -. > I Gouveia do Bouza recorra frequentemente a mim
ra e S. Jos, confronte a gameleira (arvore) para Ihe descontar as lettras de seus corresponden-
do quintal do convento dos capuchlnhos, o que ef- les devedores, e muitas vezes para Ihe fazer em-
fectuou encontrando em a casa terrea n. 3, resi- prestimos ce dinheiros com que occorresse aos
denciade Joaquim Francisco dos Santos, o deposito suprimenlos dos meamos seus correspondentes,
de que damos noticia, em virtude do que declarou Foi n'estas condiccoes que recebi do dito Gou-
dila autondade a Santos que sena layradoocom- yeia e descontei duas lettras por elle saccadas e
ptente termo de acbada, para ser-lhe imposte.a arceitas pelo Sr. Dr. Miguel Felippe, uma de
multa de que trata o artigo da postura que prohibe i 9I7250 ris, uceada em 27 de julho a cinco me-
atravessar gneros alimenticios para revende-los zef) e ymra ,je 1:956,5520 ris.
30 DOV0- Esla ultima, que esl ainda por vencer, passeia
sanios declarou que na mais de trinta annos'por endosso a outras raaos; aquella licon era
tem el e semelhanle meio de vida. | meu poder, e no dia do vencimeota nao fez o conJ-
Em seguida dita autondade drigio-se ao ptente protesto, nao s porque me era muito va-
acougue da nbiira de S. Jos, em companhia do: liosa a firma do Sr. Dr. Miguel Felippe, come por-
Dr. Augusto Carneiro Mouleiio da Silva Santos, e que sempre Uve na maior boa feo fallecido Go-
alli foi verificada toda a carne exposta venda, vea, a ponto de nunca protestar alguma letra de
daBdo em resultado, ser encontrada a seguinte! sua assignatunra.
quanlidade nos tainos dos abaixo referidos:
Nos de Manoel Paolo de Aluuqucrque i tres)
cinco arroba e dez libras ;
Nos de Virginio Horacio de Frei(as( tres ) cinco
arrobas. *
Nos de Joao Chrysostomo de Albuquerque (doos)
duas arrobas edesoite libras.
No de Antonio Moreira de Mendonra uma arro-
ba e duas libras.
No de Bellarmino Alves da Arocba vnte e nove
libras.
No de um fulano S. M. qualro libras.
Sendo, portanlo, mandado laucar ao mar desoito
arrobas e trinia e uma libra de carne corrompida
que seria consumida pela populaco, se nao tivesse.
sido ordenado semelhaDte deslino.
Na mesma occasio e lugar aquella auloridade
mandou quebrar as ponas de cinco facas no ser-
vico do corte das carnes.
Devem, pois, aquelles marchantes soffrer a mul-
ta, em que incorreram, expoudo a venda carne em
estado de nao poder ser consumida.
Pelo delegado de Gaianhuas, foram presos
dous dos fugitivos da cadeia dessa villa.
<9 I
f 3 m y. 1
sr. a M
-!
3 i 3" 1 * V 3
I .


, ^ 1
. 1
^ .




M *
: : : :
o
o
o
>
tu
Masculino.
i*
Feminino.
i
*
71
s
Masculino.
Feminino.
H.

a
Masculino.
- i
30
Feminino.
i
5-
SO
B
Masculino.
Feminino,
Fe
Masculino.
S
s
g
Feminino.
- TOTAL.
> I
-O

=3
i
5
Pernees dias depois do falleciraenlo de Gouveia,
conversando com o Sr. Dr. Felippe de Seaza Leo,
irmo do Sr. Dr. Miguel Felippe, vera a prepsito
fallar eu das duas suprameticiooadas lettras, a
primeira das quaes declarei a char-se vencida.
A dmirou-seo Sr. Dr. Felippe que seu irmo tives-
se lettras vencidas, e do saque de Gouveia, por-
que, dizia, seu irmo era muito cuidadoso em acu-
dir puntualmente aos seus pagamamentos.
Em consequencia desta conversacao, o Sr. Dr.
Miguel Felippe procurou-me no dia 17 do corren-
te, pediu-me que Ihe mostrasse a lettra que eu li-
nha em meu poder de seu acceite, e vista del la
declarou-me ser falso o cceite, acrescentando que
nada devia a Gouveia. En, pela rainha parte, lhc
disse que nao conhecia a sua firma, e que por isso
1 nao podia saber si a que va na lettra seria ou nao
falsa; mas que tinha em lao honrosa coota a
pessoa do Sr. ur. Miguel Felippe, que nao tinha
duvida em acreditar que era falsa aquella firma
desde que S. S. o a furnia va.
Meu irmo, que eslava presente, nao foi
mais positivo na afrmaco da falsidade : o que
disse foi que, com effeito, a assgnatora do acceite
pareca falsa.
Nao ha. porianto, uuita exactidao no que o Sr.
Dr. Miguel Felippe de Souza Leo assevera no seu
dito annnncio com relacao ao que entre nos se pas-
sou no dia 17 do corrente.
Tambem noba exactidao em dizer o dito senlior
que eu me oppozera a que S. S. fizesse protesto
contra essas leiras, dizeodo-lhe. que, nSo obstante
contar com o prejuizo, devia ludo flear em particu-
lar. O que eu disse, nao ao Sr. Dr. Miguel Felip-
pe, mas ao Sr. eommendador Jos Pereira Vianna,
a este respailo, foi que era intil qnaiquer protesto
ou annuncio ; o qual, sobre nao produzir effeito al-
gum, tinha o inconveniente de divulgar a fraqoeza
de uma pessoa que j tinha ido dar contas a Dos.
E com effeito, verificada a falsidade do aceite, o nico
prejudicado seria eu, que nao duvidava sujeitar-
rae a eventualldade de cobrar da massa de sacca-
dor a imporiaocia d'essas letras.
Fique, pois, bem claro e publico qae eu nao sei
cora certeza se o acceite das alludidas letras ou
nao falso ; qne acredito qne o seja por qoe tenho
no mais subido conceilo a pessoa do Sr. Dr. Mi-
guel Felippe, a quera nao supponho, uem da teve,
que seja capaz de negar a sua firma ; que em
todo o caso eu nio tenho nada com essas falsiooes,
se nao o prejuizo das letras que descontei, se
certe, como presumo, qoe a massa de Gouveia. nao
noder indemnisaj-me.
Nao podia despensar-me de escrever estas li-
onas como um protesto contra a ambiguidade e o
equivoco de certasexpressfies contidasno annuncio
ao publico do Sr. Dr. Miguel Felippe, sem o
menor proposito deoffender a S. S.
Reeife, 31 de Janeiro de 1865.
Antonio Henrique Rodrigues.
Pernambucanos I
O que fazeis ? cuidis dos mesquinhos intexesses
da poltica Interna, quando os nossos irmos do sul
correm a alistar-se sobas bandearas da patria para
defender a vida, a honra e propriedade de nossos
compatriotas residentes na repblica oneca!,
para vragar a affronta feita dignidade nacional
pela repblica do Paraguay I
Que I discuts sobre faso e autonoma dos par
tidos, quando o solo da patria pisado e mancha-
do pelos soldados do tyranno de Assumpcao I
Queris que o mando diga que degenerastes, que
j nao tendes patriotismo nem valor ?
Ser pessivel que os primeiros soldados da Ame-
rica conservem-se fros e impassiveis espectadores
de uma luta, era que a patria estempenbada, lula
nobre e santa, pois qoe de um lado se acham a
laz, a civilisacao, a liberdade, e do-outro as irevas,
a barbaria, o despotismo I.....
Acordai, Pernanbucanoe 1
Lembrai-vos que. j nao cedo, que tendes de
fazer muito para obrigar o mundo a esquecer que
fostes precedidos no camiaho da honra e do de-
ver I
Ergue-te, Leo do Norte I raostra-ta tal qual s,
e, ao som do hymno nacional, marchemos contra o
inimigo, gritando :
Viva o Imperador I
Viva o Brasil I
Um Pernambucano na corte.
Pede-se providencias ao Illm. Sr. Dr. chefe de
polica, contra nma sucia de desorderos insolentes
qnasi todos solteiros, moradores na povoacao da
Boa-Viagem, que anda a semana passada tentaran)
contra a nid- Jo uro m..VJ ,u,nurailauic UU ll%.n
dentro de seu estabelerimento.
Um dteses, foi preso com grande apparato de
forca pelo respectivo subdelegado ao amanhecer
de tienten), porm que j hoje foi posto em liber-
dade.
Parece qoe este povoado onde affltie muitas fa-
milias aos banhos salgados, est entregue ao des-
preso, porque tendo essa sucia commettido bastan-
tes desatinos (haja visio do occorrido com uma rae-
nina desvalida o anno passado), o inspector do lu-
gar, com quanto seja urna excellente pessoa nada
pode fazer, porque sendo paralitico, nao dispde de
forga, e menos pode lancar mo dos mesmos de-
sorderos ou seus pareles (alli uma aldea) para
policiar os delnqueme?.
Seno houver garantas o lugar ser abandona-
do pela raelhor gente, oa ter de lastimar-se a per-
da de algum pae de familia.
Idm idera verdes ...... >
dem idem cabra curtidos. um
dem idem da onca.....
Doces seceos........ libra
dem em gekia ou massa.
dem em calda...... >
Espanadores graades um
dem pequeos........ >
Esteiras para forro de estivas
de navio......., cento
Estopa nacional..... arroba
Farinha de de mandioca. alqueire
dem de araruta..... arroba
Feijaa de qualquer qodiidade.
Frechaes........ um
Fumo em tolha, bem .... arroba
dem ordinario oa reslolho >
dem em rolo bom......
dem ordinario ou reslolho
Gallinlias........ uma
Gomma......... arroba
Ipecacuanha (raiz).......
Lenna em achas...... cento
Toros.......... i
Linhas e esteios....... um
Mel ou raelaco....... caada
Milho.......... arroba
Papagaios........ um
Pao Brasil........ quintal
dem de jangada...... nm
Pedras de amolar..... uma
dem de filtrar......
dem de rebote .......
Piassavi......... rnolho
Puntas, oa chifres de- vaccas ou
novilhos........ cento
105
350
104000
1*000
320
500
4000
24000
154000
14C0O
24500
44000
24800
54000
144000
84000
84090
55000
600
||M0
254000
24000
114000
34500
arroba 254
25 barris chumbo de munig
barras de ferro ; a S. P. J. & C.
10 caixas biscoutos ; a Palraeira & Beltro.
miriay e
CORRESPONDENCIAS
Senhem redactores.O Sr. Jos Moreira d Sil-
va eotendiiu qae devia offender minha reputacao
fazendo inserir no seo conceilaado jornal de sab-
bado e de hoje um annuncio, oade declara sem
effeito uma procuracSo qae rae havia passado para
Agua de Florida de
Lamnau.
Esta aquella excelieote e original agua de chei-
ro para o loucador, que tao altamente tem sido ex-
hibida e exhortada por todos os jornaes pblicos
da America do Sul, e da qual se tem vendido tan-
tas iraitacoes neste paiz.
Entendemos que foi para guardar o publico con-
tra seraelhantes imposices, qoe os proprielarios
do artigo genuino, depois de o haverem inlroduzi-
do mais de vinte annos, as repblicas Hespa-
nholas, Cuba e Brasil; comcaram nao someute
maoufactora-lo para este mercado, como tambem
para os mais j cima mencionados.
Este exceliente e impagavel artigo ja comecou a
ser popular, e de esperar, que aqui em breva ve-
nha a supplantar e leve a palma, como j o fez na
America do Sol, a todos os perfumes e essencias
mais custosas que nos costuma vir da Europa. El-
la igual em todos os rcspeiios, quando nao supe-
rior aos mais finos extractos qae nos vem do es-
trangeiro.
Vede que os nomes de Murray e Lanman se
achem inscriptos e gravados sob cada capa, letre-
ro a garrafa, pois sera o que nenhuma verda -
dera.
Vende-se as pharmacias de Caors & Barbosa e
J. da C. Bravo & C.
COMMEBCIO.
Noto banco de IV mam buco.
O banco descorna na presente semana a 10 por
cento ao anno at ao prazo de quatro raezes e a 18
por cento at o de seis mezes; toma dinheiro a ja-
ros a prazo nunca menor de tres mezes, e saca
sobre a praca da Babia.
Alfandega
Rendimentododiaa 30.........
dem do dia 31.................
758:190*799
12:8704264
771:0614063
Mov ment da alfandega
Velamesentrados cora fazendaa... 235
com gneros... 694
Volamos sabidos com f azoadas..
com gneros ...
-----929
130
489
619
Descarregam no dia lde fevereirode!865.
Barca francezaJean Suplistemercadorias.
Brigue in?lez-~W/oioa(ermercadorias.
Barca ingle!a=reioo of Liverpooldem.
Brigue inglezChanceidem.
Escuna inglezaEluabetk Barleridera.
Patacho inglez Quitbacalho.
Barca porta^uezaDespipue //diversos gneros.
Patacho inglez-Perife-serveja.
Brigue dinamarquezOdtnsal.
Barca inglezalfimosacarvao.
Barca ingleza- SMfacarvao.
Barca ingleza01 2 cascos znco em folho ; a A. V. da Silva Bar-
roca.
5 fardos tecido de la ; aos testamenteiros de
IL Gibson.
1 caixa cofre de ferro, 3 cascos ferragens ; a
Prente Vianna & C.
1 fardo tecido de la ; a Sempson & C.
10 fardos e 46 caixas tecido de algodao, dito de
la, mantas para cavallo, e linhas, 2 meias caixas
cha ; a Southall Mellors.
15 fardos e 3 caixas tecido do linho e de algo-
dao, 5 fardos saceos, 8 cascos vidros, 100 barricas
cerveja, 1 caixa confeitaria ; a J. Pater & C.
58 ggos louca, 3 ditos e 12 cextos vidros, 1 cas-
co chamins j a Tasso Irmos.
7 caixas tecido de algodao e chapeos de sol de
dito ; a Rabe Schmellau & C
14 fardos e 10 caixas tecido de algodao e dito de
la ; a A. C. A.
2 caixas tecido de algodlo; a Ferreira & Araujo.
2 caixas tecido' de algodao, 3 cascos culileria ;
a Mello I.0L0 & C.
1 caixa arreios; a Ferreira & Malhens.
16 caixase 20 fardos tecido de algodao; a Gree-
nup & Schwind.
1 caixa linha, 2 saceos culileria ; a Vaz& Leal.
1 barrica batatas ; a John Gatis.
1 volume ferragens -, a J. Germano.
3 caixas tecido de algodao ; a E. Fenton.
200 fogareiros, 2 caixas cofres, 1 dita e 18 cas-
cos ferragens, 4 caixas linha, 3 ditas pertences
para seleiro ; a Izidoro Nelto & C.
5 caixas toaihas de algodao, de linho e tecido de
algodao; a Linden Wild & C.
Galeota hespanhola Pestollas, entrada de Barce-
lona, consignada a Pereira Carneiro & Uj mani-
festou o seguinte :
216 pipas, 38 meias, 24 barris de quarto, 120
ditos de quinto e 130 decimos vinho tinto, 100 cai-
xas marrasquino, 75 caixas azuleijos ; a Pereira
Carneiro & C.
40 Barris vinho branca, 30 ditos azeits de olivei
ra, 2 caixas imagens, 600 caixas passas; ao capi-
to do mesmo, D. Pablo Ysem.
10 caixas papel para cigarros 5 a J. Pater & C.
5 ditas dito dito ; a ordem.
5 ditas dito dito ; a Joaquim Bernardo dos Res.
10 ditas dito dito ; a Manoel Fernandes Cos-
ta & C
Escuna ingleza tti Mu, cutra. de lidrc, con
signada a JooAntonio de Araujo, manifestou o se-
guinte :
500 caixas cerveja ; a Patn Nash & C
400 barris plvora, 3 caixas machinas para des-
cansar ; a Saunders Brothers 4 C.
700 barricas cimento ; agentes da Ponte do Re-
eife.
2 caixas chapeos de sol, 1 dita obras de metal,
1 dita fazendas, 1 dita amostras; a Th. Teixeira
Bastos.
8 caixas biscoutoi. 2 ditas Ignora-se, 1 volume
rame ; a Tasso Irmos,
100 toneladas carvao de pedra; aos consigna-
tarios.
1 fardo ignora-se ; a D. P. Wild.
26 barris tinta, 16 ditos .salitre, 3 ditos pao cara-
peche, 6 ditos agua raz, 20 ditos e 3 caixas sal e
drogas; a Joao da Silva Faria.
1 volume mercadorias. 1 dito cdigo de signaes;
a Thom B. & Roberts.
200 barris plvora, 50 ditos cerveja, 5 dilos
chumbo de municao, 5 caixas qoeijos e sal; a J.
F. da Silva Jnior.
10 barris cidos, \ ditos zinco, 3 ditos solado-
res, 1 caixa rame, 3 ditas, objectos de escriplorio,
27 ferros para trilhos; a companhia da estrada de
ferro.
Patacho nglez .Monda, entrado de Liverpool,
consignado a ordem, manifestou o seguinte :
294 toneladas carvao de pedra; a Samuel
Johnston.
Laaeba nacional Flor do Rio Grande do Norte,
entrado do Rio Grande do Norte, consignada ao
capito Antonio Jos da Costa, manifestou o se-
guinte :
8 saccas com 49 arrobas e 31 libras de algodlo;
a Tasso Irmos.
40 ditos com 200 arrobas de assucar bruto ; a
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo C
580 pranchoes de pinho ; a Wilson & licite.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO,
AUTA DOS PRECO DOS GNEROS SJRITOS A DfREITODR
BXPORTAgAO.SEMANA DB 30 DE JAZEMDRO A4 DO
MBZ DE FEVKIIEIRO DB 1865.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Unbasdaboi .
i Vassouras de piassava.
Ditas de timb .
Ditas de carnauba .
If
Vinagre.........caada
, Alfandega de
1865.
8,000
6IOOO
500
Pernambuco, 28 de jane! o de
(Assignados):
O 1." confreute, Manoel Cabita Barreto.
O 2." con fe rente, Jos MigueWhtSttlta:
Approvo. Alfandega de> feuatnuco, fe8 de
Janeiro de 1865.A. Eulalto.
Conforme.O 3." escriptarario, Joao dos untos
Porto.
Recebedorfa de rendas In ler-
nas ge raes de Pernambuco.
Rendmento do dia i 30......... 28:53 IJ90&
dem do da 31................ 4,89 ,lix>
33:44^012
Consulado oroTinr.ial.
Rendmento do da 1 a 30........131:523*257
(dem dodia31............../ 7:5|0A397
Abanos......... cento IJ00
Agurdente de cana..... caada 800
Idom restilada ou do reino 800
Idemcaxaca......... 400
dem genebra........ 800
dem alcool eu espirito de agua- > 900
ardente.....,
Algodao em caroco..... arroba 55875
dem em rama ou em la. 235500
Arroz com casca...... t 15500
dem descascado ou pilado i 25600
Assucar masca vado. .... 15950
dem branco......... 15200
dem refinado....... 55120
Azeite de amendoim. ou menda-
bim......... caada 2*000
dem de coco....... > 1*600
dem de mamona..... 15000
patatas alimenticias. .... arroba 1*200
Bolacha 01 diara, propria para
embarque ....... i 3*000-
Idera fina........ 1 75000
Caf bom........ "5400
Idera esoolha ou restlo ... > 0*000
dem torrado....... libra 440
Caibros......... um 360
Cal........... arroba 280
dem branca..... > 500
Carne secca (xarque) .... > 3*200
Carneiros........ um 45000
Carvao vegetal ...... arroba 1*000
Cavernas de sicupira .... uma 8*000
Cera de carnauba em bruto. libra 300
dem idem em velas .... 300
Cha.......... 1*500
Charutos........ cento 2*500
Cevados (porcos)...... um 15*000
Cocos (seceos). ...... cento 6*008
Colla......... libra 600
Cauros de boi, salgados 150
dem idem seceos espichados. 246
139:063*654-
. I
RENDIMENTO-DA RECFBEDORIA W. RJNDAS
INTBRNAS GERAES DB PfiMNAUBUCD DO
MEZ DE JANEIRO, A SABER :
Renda dos proprios nacionaes. 59*797
Foros de terrenos de marinha.. 35000-
Laudemios..................... 175500
Siza dos bens de rato............. 8:7795157
Decima addicional das corpora-
coea^de mo morta............. 228*879
Direitos^novoB o velhae e de
chanoeTraria.................... 7835063
Dilos de patentes dos offlciaes da
guarda nacional................ 108500O
Dl-irua o*e chancellara........... 45321
Mulla por infraccoes do regula-
mente......................... 3265023
Sello do papel dio................ 3:4005260
Dito do proporcional............. 8:3745201
Premios dos deposites pblicos... 75960-
Emolumentos................. 271*900
Imposto sobre tojas e casas de
descontos .."..,...... 14:639*844
Dito solire casas de movis, rou-
pas, etc. latineados em yul es- ^^
trangeiro........... 600*000
Taxa de escravos......... 4565000
Cobrancs da divida activa .... '^^Jv*
indemnisaQes........... 2645005
Deposito de diversas origens..... 321*164
33^448*012
Recebedoria de Pernamhuco, 31 de Janeiro-
de 1864
0 esenvo,
Manoel Antonio Simoes do Amaral.
MOVIMENTO 30 PORTO
Navios entrados no dia 31.
Montevideo-32 dias, polaca hespanhola Flora, d&
119 toneladas, capito Juan F. Sensat, equipa-
gem 11, carga 2,821 quiataes hespanhoes de
carne; a Aranaga & Hijo.
Marseille-35 dias, brigue francez Louiza Helder^
de 179 toneladas, capito Chouvelos, equipagem
9, carga cemento, vinho e outros gneros; a
Tisset Freres.
Bahia19 dias, brigue-escuna brasileiro Aguia, de
169 toneladas, capito Domingos Briglic, equipa-
gem 11, carga 200 saceos cora farinba de man-
dioca e outros gneros: a Marques Barros
& C.
Rio-Grande do Norte2 dias, lancha brasileira
Flor do Rio-Grande, de 42 toneladas, capitd
Francisco Jos da Costa, equipagerri 5, carga
madeira e assucar ao mesmo capito.
Navio sonido no mesmo dia.
LiverpoolBarca ingleza ^Teckier, capito John>
Breiver, carga assucar e"algodo.
Observa cao.
Fundeou no lamarao a barca portugueza Laura7
mas nao teve communicaco com a trra.
"........ -i.____'.._______ II___LI
BDIT1ES.
O Dr. Herniogenes Scrates Tavares de Vascon-
concellos, juiz municipal da primeira vara des-
ta cidade do Recite de Pernambuco, por Sua Ma-
gesiade Imperial e Constitucional o Sr. D. Pedro
II, que Dos guarde, ele.
Faco saber aos qoe a presente carta de edito
vrem e della noticia tiverem, qne a jonta admi-
nistrativa da irmandade da Santa Casa de Miseri-
cordia do Reeife encaminha a cea o ordinaria contra
os herdeiros dos finados Francisco Antonio Duro
e sua rrralher, e tendo sido offererido o libello con-
tra os reos, e por parte de Jos Epiphinio Durao e-
outros offerecida uma excepcao de litis pendencia,
me foi pela mesma junta administrativa dirigida
por escripia a peiicao do theor seguinte :
Illm. Sr. Dr. juiz municipal da primeira vara.
Diz a junta administrativa da Santa Casa de Mise-
ricordia do Reeife, que lendo proposto por este
juizo (escrivo Baptlsta) uma accao ordinaria con-
tra Jos Eplphamo Durao, Francisco Antonio Du-
ro, Ignacio Eustaquio. Durao, D. llenriqueta Ma-
thlde Duro, D. Delphina Gandida Duro e Fran-
cisco Antonio Duro, aquelles fllhos, e este neto-
dos fallecidos Francisco Antonio Duro e sua rau-
Iher D. Joaana Saihde da Natividade, para rei-
vindicar o sobrado de dous andares e solo, hoja
n. 35, sita na ra da Cruz, freguezia de S. Frei Pe-
dro Gongalves desta cidade, com. todos os seus ren-
dimientos, visto ter o fallecido Jos Bento Fernan-
des deixado o mesmo sobrado ao hospital, ento
dos pobres, hoje Pedro If, a cargo da snpplicante,
como melhormente se se expresson nessa accao, o
qual sobrado do lado de leste, e limita ao norte
com o sobrado n. 33 de Domingos Rodrigues de
Andrade, e ao sul. com o sobrado n. 57, pertencen-
le aos bens do mesmo fallecido Jos Bento Fer-
nandes ; agora depois de offerecido o respectivo
libello, consta snpplicante, que alm daqnelles fl-
lhos, e neto dos ditos fallecidos Francisco- Antonio
Duro e sua mnlher, ha outros a saber : Joao Ja-
'
^




U_^
111
c^iv/iri



Mi
H
aasTami
a*
>*J
o CHiMi Mira 1 d* jrwrlr de 1 SaS.
nuari*Drio, TUwo Deiptuao Durio, D. Josephi-
na Adelaida Durio e Luiz filoy Durao, iod>s iios
dos mesraos fallecidos, esuuttio o primero e se-
gando ausentes, em lugar nao sabida, como prova
o decumeuto junio, a *ieeira emjuizo, represen-
tada por seos. procuradwws.BO autos tota accao,
o quarto fallecido, sendo per isso ele representa-
do par*ua mul|wr D. Mara Theodera Pereira Du-
rao e seusfllhos, D. Herrneltna Josephina Carolina
1.* Dos individuos que qulzerem servir na ma-
rinhagera sem lempo determinado ;
2.* Dos que se quizerein contratar par* servir
na raarinhajem por teiupo.'delermiaado ;
3.* Dos qne se prestaren) servir na nwoh-
gem os prazos es'labelecidas no artigo 3." do decre-
to n. 1466 de 23 de outubro de 1834, e que escu-
sa o nacional do servia militar
4." Dos que quizerem ler praca no. .carpo de iw-
Pereira Durio, casada cora Joio Antonio Pinheiro, periaes marioneiros.
e Francisco Antonio Durao, j citado por edjlos 5-" Dos que se des
por
como ausente.
Aasim reqner a soppicante V. S. que se si r-
i destioarem para batilhio naral.
6* Dos aprendizes marlnheires.
Art. 13.* Os voluntarios das diferentes ciassse
ra mandar citar a D, Mara Ttieodora Pereira Dn- definidas no artigo antecedente devero ter os re
rio. e Jeo AntonioTrnherro e sua mulher D. Her- flnisitos sejjantes :
melioa Josepbina Carolina Pereira DarSo, aquella1 1." Classe.Os que se alistarem para a raarinba-
-uva e estes genro e fllha do fallecido Luiz Eloy gem sem lempo determinado, devem ser fortes,
Durao, para allarem aos termos da referida accio, saos, acostumados a vida do mar, ou pelo menos
e contrartaretn o liberto dentro de duas audiencias, capazas de eernr-na Braca-de grumete,
que Ihes serio assignadas na primeira deste juico, 2." Classe.Os que se contrataren! por prazos de-
sob pena d reren, ficandologo citados paraos terminados, de um a tres annos, devem ser fortes
demais termes da causa. Que se passe cartas de saos, e acostumados a vida do mar.
editos com o prazo de 60 das'par-seren citados 3.'Classe.Os qae se contrataren para servir
os suopHcados ausentes Joo' Januatlo Durao e na marinhagem o praze de seis ou de oito anno?,
1466
Thlago Defphino Durao, para o lim arima indicado,
e com o theor da presente.
Nestes termos pede V.'-S. assim Ibe delira.
Espera receber merc. Como procurador, Jos
Theodoro Gomes.
Cltem-se. Recre,* de norembro de 186i.la-
vares de Vasconcelos.
Nada mats se contrata em dita petizo e meu
despacho, em cumprimento do qual e escnvo,
que esta subsereveu, fez passar a presente carta de
editos ora prazo de 60 das, pe" theor da qual
chamo, Cito e hei por citados os reos ausentes' joo
Janoario Durio e Tniago Delphino Durao para res-
pon derem peanla este juizo aos termos do ltbello
e sua exeeucao, constantes da peticao.supra trans-
cripta.
Pelotjoe toda e qualqu.er p>ssoa, parentes, ami-
gos e conbecidos dos ditos reos anuentes Joao la-
nuarto Durao e Thiago Ddphrao Durao Ibes pode-
rao fazer sclentes do que cima fica exposto, para
que por si ou por seus procuradores se apresentem
neste juizo dentro do referido r.razo com a defeza
que tiverem, sob pena de se proceder em todos os
ulteriores termos as snas reveras.
E o porterro de joiio publicar a presente no lu-
gar de costante e mais publico, depois de haver
transitado pela chancellara.
Dada e passada-Msla eidtdtdo Recifc de Per-
aambucfl, aos 28 de oovembro de 1864.
> Eu Manoel Joaquim llaptisia, escnvo que a
subscrevi.Hermogenes .Scrates Tavares de Vas-
concellos.
Vai pagar de sello 800 rs. llecife, 28 de novem-
iiro de 1864.Baptisla.Acmas impexiaes. Nu-
mero 299.Res00.-Pagou 800 rs.-Recife, 29
de novembro de 1864.Chaves.Sena.
Val pagar 250 rs. de direitos de chancellarla.
Recife, 28 de novembre de 1864.Baptista.Nu-
mero 4*8. Res 250.Pagou 250 rs. de direitos
de chancellara.Recife, 29 de novembro de 1864.
Chaves.Almeida.
Eslava e se.o das armas de chancellara F ir-
mino Antonio de Souza, presidente.
Transitou pela chancellara. Recife, 3 de de*
zembre de 1864.O escnvo, Francisco dos Res
Nunes Campejlo Jnior.
Laucada a folhas 69 do competente livro n. 13.
Recife, 13 de decembro de 1864. Cam pello
Jnior.
Nada mais se connha em dita cam de editos
aqu fielmente copiada da original, qual me re
Sorto : esta vai sem cousa que duvida faca, con-
vida s concertada, por mim subscripta e assig-
riada nesta cidade do Recile de Pernambuco, aos 5
de dezembre de 1964.
Em f de verdade.Manoal Joaquim Baptista.
O capillo Luiz Cesarlo do Reg, juiz de paz da fre-
guezia do Santsslmo Sacramento do bairro de
Santo Antonio da cidade do Reeife de Pernam-
buco, em virlude da le, etc.
Faco saber a quem convier, que as audiencias
destejuizo conliauam,a ser as tercas e sextas-,
feras as 2 horas da tarde, na sala publica da ra
do Imperador, salvo quaode estes das forem san-
tificados o feriados que ento sempre sero nos
das anteriores ; bem como, que despacha em to-
dos os dias xtteis na casa "de sua residencia, se-
cundo andar n..30, silo na ra do Queiraado, ou
aonde for encontrado.
Recife 26 de Janeiro de 1865.Eu Joaquim da
Silva Reg, escrivo que o eecrevi
Luiz Cesano do Reg.
Dr. Jos 8ergio Ferreira.
Jote Goncalves Beltro.
Padre Jos de Jess Hara de 4t*concellos.
Jos Joaqoira Pereira de Mendobca.
Jop Joaquim da Silva Gomes.* C.
Jos Moreira da Silva (2).
Miguel Ferreira Dias dos Santos Jnnior.
laraues Barros hC.
Manoel Joaquim Alexandrino.
Manoel Maria Rodrigues do Nascimento.
Maaoel Maxim dos Santos Torres,
Manoel Luiz Goncalves.
Manoel Pereira dos Santos.
Manoel Soares Pinheiro.
Pedro Alexandrino de Barros Cavalcanti de La-
cerda.
D. Brarlia Amalia Ferreira da Cesta.
Joo Nepomuseno Alves Maciel (2).
Jos Joaquim Pereira de Olivefra.
Manoel Joaquim Fernandas da Costa.
Crrelo geral.
Pela admiaislraco do crrelo dosla cidade se
faz publico que as malas que tem de conducir o
vapor Paran para os portes do norte, sero fe-
chadas hpje (l'j as 3 horas da larde; os seguros
at i horas, e os jornaas at meio da.
'
AVISOS M1BITIM0S.
em conformidade do artigo.3. do decreto n.
de 25 de outubro, devera ter os requisitos dos da
segnnda classe, excepto a pralica da vida martima
que poder* ser despensada com a clausula que
adame ( artigo 16) se expressa.
4." Classe.Os alistados para o corpo de impe-
riaes marinheiros devem ser cidados braslleiros
de 18 35 annos de idade, ou at 40, sendo homens
do mar; fortes, saos, e capazes de todo o servico.
5.' Classe.Os alistados para o batalho naval
devem ter 18 al 45 annos annos de idade, e os on-
tfos requisitos da quarta classe.
Todava poder-se-ha admittir alguns estrangeL
re mediante previa autorisaco do governo.
6.a Classe.Os aprendizes marinheiros devem
ser cidados brasileiros, de 10 a 17 annos de ida-
de, de constituicao robusta, e apropriada vida do
mar.
Poder-se-ha tambem admittir menores de 10 an-
nos, que tenham sufficienle desenvolvimento phy-
sico para os exercicios do aprendisado.
Art. 14. Os voluntarios da primeira elasseperce-
bero os sidos concedidos pelo artigo 1 do decre-
to n. 1466 de 25 de ouiabro, mas nada receberio
a Ululo de premio ou gralilicago.
Ser-lbes-ha declarado, e expressado nos seus as-
sentamentos, que nao ooterao guia de desembarque
[sem previnir ao commandante respectivo dous
mezes antes, salvo se nisso nao houver inconve-
niente para o servico, por que enlao serio imrae-
diatamenle attendldos.
Urna resalva, que Ihes dever ser entregue com
a guia de desembarque, declarar que a contar
dessa data os sobredi tos voluntarios, se forem na-
eionaes, ficam isentos do recrutamento por um an-
uo, ou por lempo igual ao que liverem servido nos
navios do estado, se este prazo for menor ; salvo,
porm, o caso de circumstancias extraordinarias
durante s quaes flear suspensa a isenco.
Art* la. Os da segunda classe receberos os pre-
mios seguintes :
Se Ki'eui grumetes ; dez, vinte e dous, oa trila
e quairo mil res, segundo se contrataren) por um,
dous, ou tres anuos.
Se forem marinheiros : vinte, quarenta e cinco,
ou setenta mil res, segando o prazo de seu contra-
to for de um, dous, ou tr^s annos.
Alera do premio receberio mais os referidos vo-
luntarios se directamente se apresenlarem, a gra-
tificaro de quatro mil reis sendo estrangeiros, e
de cinco mil reis sendo nacionaes.
Esla gratifleaco, porm nao se abonar repeti-
damente ao mesmo individuo por cada novo con-
trato successivo qne Ozer, se este for de prazo me-
nor de tres anuos.
Art. 16. Os da terceira classe receberio mais
nina quarta parte do maior premio que poderlam
obter coRtratando-se como os da segunda ciassse
na praca de grumete ou de marinheiro, que Ihes
competir, e a mesma gratificarlo apreseolando-se
directamente.
Excepluani-se os que nao forem hemens do mar,
e liverem mais de 40 anuos de idade, os quaes po-
dero alislar-se com as coodk-edes dos da terceira
classe, mas sem augmento de premio.
Art. 17. Os da quarlaclasse recebero como pre-1 Pretendesegulr com brevidade a s
mo cem mil res, se forem marinheiros,e sessenta tencia, tem parle de seu carrecameDto promoto
rail res se forem grumetes. I parao resto qne lh falla trata-se com
Art 18. O da quinta classe receberao o premio ^asignatarios Antonio Luirle
JLeUio
De urna mieiJia de Jacaranda com lampo de
pedra, 1 piaooTorto, relogto, 1 rica ecretarie.
2 guarda vestidos, I guardaroopa cem espeiho, 1
lavatorio de Jacaranda, 1 tocador de megno, -4
app : aderes. ditocom armario, 1 sof e 12 c-J
jdeira leeeaerelie, 12 ditas de Italia, 1 cama I
A francesa, figuras de jaspe e*jarros de poroejan,
'i 2 bancas de ogo, 1 mesa elstica, I quarfianeira, i
iem>es, usites e ouiros muiloe oajectos de casa
e familia, existentes no
.HeeficiDlEMJln. 48.
5EXTAFEIBA 3 DE FEVEREIBO.
O agente Pinto far leiJo por coala de una
pessiia oue retirou-se desta.provincia, de todos os
Objectes cima mencionados exlstenies na casa ;da
roa do Hospicio n. 43, aonUa se effectuar o lei-
lioas lOboras em poste.
Letao do casco da burea f an< eza ..lies
Amis de'Sa:nt..lean de'Luz $ 0 cinien-
lo li exisle iie.
O D/anode sexta-fein designar a hora e la-
gar em que se dever effectuar dito Mio.
COMPANHIA BRASILEIEA 4
DE
PAQUETES A VAPOR
E' esperado des portos do norte
at o da 2 de fevereiro o rapof
Apa, commandante Carlos Anto-
nio Gomes, o qual depois da de-
mora do cosame seguir para
os portes do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-sea
carga que o vapor poder conduxir, a qual dever
ser embarcada no da de sua chegada: encom-
mendase dinheiro a frete ateo diada sahidas 2
horas, agencia ra da Cruz u. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
~COMPANHIA PERNAMBUCANA
*VaTega^o costelra por vapor.
Parabyba, Natal, Maco, Aracaty, Cear
e Acarac.
O vapor Jaguaribe, comman-
dante Lobato, segu no da 7 do
crrente as 5 horas da tarde. Re-
cebe carga at o da 6, encom-
memlas, passageiros e dinbelro a
frete at o da da sahida as 2 hiras escriptorio
no Forte do Mattos n. 1. ^^^
Rio de Janeiro.
O brigne Belizario, segu breve para aquelle
porto, anda recebe alguma carga e escravos a fre-
te : a tratar com Marques Barros & C, largo do
Corpo Santo n. 6, segundo andar.
Rio de Janeiro.
Deve seguir em poucos dias para aquelle porto
o brigue Cruzeiro do Sul, anda recebe alguma
carga e escravos a .frete : trata-se com Marques
Barros & C, largo do Corpo Santou. 6, segando
andar.
Para o Rio Grande do Sul com escala peloj
Rio de Janeiro, sahe at o fim do correte mez de
Janeiro a barca brasileira Nova Carolma, recebe
escravos a frete : a Untar com David F. Rallar
ra do Brum n. 66.
Aos C:O0jUU0.
SaUbado 4 de fo?ereiro do corrente au-
no, extraliir i segunda parte da quarta
lotera(4a) a beneficio do tbeatro de Santa!
[Isabel, no consistorio da igreja de Nossa
Senbora do Rosario 4a fregim/.ia de Santo
Antonio.
Os bilbetes, meios e quartos esto a ven-
da oa respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de (3:000,5000 at 100CC
serao pagos urna hora depois da extraccac ',
ats 4 horas da tarje, e os outros depois
da distribuifao das listas.
As enconHDendas sero guardadas so-
meateat a noite d# vespera da extracro
como de costume.
0 thesopreiro,
Antonio Jos Rodrigues dSoBza.
Para o Rio de lauelro.
Pretende seguir em poneos das o patacho Ca-
pitn, tem parte de seu carregamento bordo, pa-
ra o resto que Ihe falta e escravos a frete : trata-
se cornos seus consignatarios Antonio Luiz de
Oiivpira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
Para a Baha

SECLABlvuES.
Santa Cam da Misericordia do
Hccije
O Illa). Sr. thesaureiro da Santa Casa de Mise-
ricordia do Recife manda fazer publico que no da
7 de fevereiro prximo vindouro, pelas iO huras
da manha, no salo da casa dos expostos, far pa-
gamento das inensalidades vencidas at o ultimo
de dezembro do anno passado, todas as amas que
se apreseolarem, acompanhadas das crianzas que
lhe foram confiadas.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife. 31 de Janeiro de 1865.
O escnvo,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
1 iiva fllial do banco do Brasil
en Pernainnueo,
Hde Mrodel86o.
De ordem da directora desta caixa, se convida
aos'credores de -ebastio Jos da Silva a virem
receber do tbesoureiro da mesma caixa o que em
raieio Ihes loca da venda de urna das proprieda-
des, que segundo a concordata,lhe foram enlregues
para serem vendidas.O guarda-lvros,
Ignacio Nunes Correia.
De ordem da directora desta mesma caixa se
faz publico aos senhores accionistas que o respec-
tivo thesoureiro est autorsado a pagar o 22. di-
videndo de 10$ por acgSo.
O guarda livros,
Ignacio Nones Correa.
Caixa fllial do naneo do Brasil
em Pernambnco.
Sao novamente convidados os Srs. credores da
in'asea fattida de Joeqntra Francisco de Mello San-
tos a apresenlarem nesta caixa filial seus titnlos
de crditos para serem atlendidos no dividendo que
se tem de fazer no fim do corrente mez.
O guarda Hvros
Ignacio Nunes Correa.
Pela thesouraria provincial se faz publico-
que a arremaiacaodaobra da ponte de Motocolom-
to foi transferida para o da 9 de fevereiro proxi,
rao vindouro.
Secretarla da thesonrara provincial de Pernam-
tjtfico 28 de Janeiro d 1865.O secretario,
A. F. d'Annunuagao.
Gompanhia pernamhueana
De ordem do cetse!| de direecao e em virtude
to art. 24 dos estfalos sao convidados os Srs. ac-
cionistas reunirem-se em assembla geral no
-segunde aadar da casa da praca do Corpo Sanio
o. 11, petas 12 horas do da 9 de fevereiro pr-
ximo.
Pernambuco, 30 de Janeiro de 1863.
O gerente, F. F. Borges.
tapiUftU to porto de Per Bambuco, 14
ii Janeiro de 1861
Em visla das eircumslaucias atelifldrosa em qne
fie ada o paiz, sendo neoessario qne lodos os bra-
-sileiros, concorram para a sustentai;o dos lirios e
dignidades nacionaes, compromettidos na guerra
teum as repablicasdo Urqgnay e Paraguay, manda
.o film. Sr. capito do porto, em virlude do que lhe
foi determinado por S. Exc o Sr. ministro e seere-
tswia de estado dos negocios.da marinha, convidar
ao s aos matriculados, como a todos os cidados
jue se gaetram alistar na qualidade de voluntarios
.para armada, a se apresenlarem nesta capitana
nos das atis das 9 s 3 Ij2 horas da tarde.
Outro sim, sJb igualmente convidados os indivi
rem se por nm *mie oa-ntfs, ?garantindo-se-lhe
rto s as respectivas escasas, logo que terminen)
os seus contratos, mais anda, es premios Oxados na
le, para osque.*aaJnInriemenie procuran) o ser-
vico da armada, e .be/n assim urna graficacao
rneosal, igual a metade dos sidos, que perceb'iam
pa ocoasiSo em ,que obtiveram baixa.
As vaaiagens e cendiceos para o al istaroento se-
rao as estaeelecdas pelas inslruccSes que ba>ixa-
ram-eeai o decreto o. 1391 de 14 de abril de 185o
que sao as aegDilles :
Art. 12. Dislinguir-se-tiao seis classes de volun-
tarioe :
de cento e cincoeola mil res, se nao forem maiores
de quarenta annos c o de cem mil reis, se tiverem
mais daquella idade.
Art.gil). O premio dos voluntarios menores, des-
tinados para as compauhiasde aprendizes mari-
nheiros, ser de cem mil res, e se abonar aos
pas, tutores, ou quem suas vetes fizer :
Art. 20. Os premios de que tratam os artigos an-
tecedentes sero pagos pela manera seguinte :
l.'Os dos voluntarios da segunda classe, se o"
alistamento for por um anno, Ihes serao pagos in-
tegralmente no acto de assentarem praca; se por
dous ou tres annos, receberao em tres prestacoes
iguaes, sendo primeira paga como no primero
caso, segunda quando vencida metade do prazo
do contrato, e a terceira linda o dito prazo.
2. Os voluntariosa terceira classe recebe-
rao urna lerga parte do premio respectivo logo que
leoham assentado praca, outra terga parle no lim
do primero anno de servgo, e o restante lindo o
prazo de seu alistamenle.
3." Os premios dos imperiaes marinheiros e os
das praras do batalho naval sero abonadas como
os dos voluntarios da lerceira classe.
4. Os premios devdos pelo alistamenlo de
menores paras as companhias de aprendizes mari-
nheiros sero pagos integralmente, logo que se ve-
rifique a entrega dos ditos menores.
Arl. 21. As gratficacoes que competem aos vo-
luntarios que directamente se alislarem no servgo
da armada, serao pagas conjuntamente com a pri-
meira prestacao do premio respectivo.
O secretario da capitana.
Uecw de Aquino Fonceca
O conseibo administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra precisa comprar o seguinte :
Para o presidio de Fernando.
8 libras de caparosa.
10 duzias de limas cbatas de dez pollegadas.
20 libras de linha parda.
300 meios de sola.
.'00 ditos de vaqueta. '
2 arrobas de pregos francezes de tres quartas de
pollegadas.
3 caixas de retraeos de vidros.
4 arrobas de laixas de parmilbar com cabeca de
mais de quarto de pollegada.
0 arrobas de dita para encestar.
2 ditas de dita para saltos.
Para a enfermara dos aprendizes menores
do. arsenal.
1 livro de 200 folhas para o receituario da mes-
ma enfermara cora 10 pollegadas de largura e 15
de cumprimento.
1 dito de 200 folhas, para registro de entradas e
sabidas dos doentes, com 19 e meta pollegadas de
largura e lo de cnmprimeaio.
2 ditos de 200 folhas cada nm para
recebidos c dirigidos.
Para a fortaleza do Brum.
30 arrobas de plvora.
As pessoas que quizerem vender taes artigos
apresentem suas propostas era carta fechada na se-
cretara do conseibo, s 1G horas da manba do
da de fevereiro vindeuro.
Sala das sessoes do conselho administrativo pa-
ra fornecimento do arsenal de guerra, 26 de Janei-
ro de 1865.
Antonio Pedro de S Brrele.
Coronel presidente.
Sebastio Jos Basilio Pirrno. <
Vogl secretario.
- Pela thesonrara provincial se faz pnfelico,
que a arremaiacao da obra da concluso da casa
da cmara e cadeia da villa do Bsnito, foi trans-
ferida para o da Io de fevereiro prximo vindou-
ro. Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 16 de Janeiro de 1865.O secretario,
A. F. d'Annuncaciio.
Terreio geral
lUlaco das cartas segaras vindas de aal pelos
vapores jrincei e prasilciro gara os seulwre^
abaixo declarados :
Amorm Irmaes.
Arestides Penalva de Paria.
Antonio Bezerra de Menezes.
Antonio Jos de Azevedo.
Clorindo Ferreira Cato.'
omlngos Rodrigues de Andrade.
Eduardo Alexandre Burle.
Francisco Pires de Car val ho Aragito.
Dr. Julio Augusto da Cunna Guimares.
Jacinthq Febronio Esmeraldo.
Joaquim Alves Coelhoda Silva Jnior.
Joo Silverio da Soma.
Dr. Jos Candido ilarabo 4e Si.
os seus
Oliveira Azevedo
& C, no seu escriptororua da Crnz n. 1.
LmES.
Quart-fera 1 de fevereiro far leilo o
agente Euzebio no seu armazera da ra da Cadeia
do Recife n. 53, de urna mobilia de jacaraed, no-
va, oomtainpoe da marmore, rijnKsimas almofa-
das de la, camas, cadenas avulsas, e diversas
obras de amarello.
Transferencia de leii
Foi transferido o leilao do sobrado de um andar
sito no largo do Tergo n. 2i, que rende 480,5 por
anno, que se vender pelo maior prego que se
acha, para o dia quarta-feira Io de fevereiro, no
armazera do agente Euzcbio, da ra da Cadeia do
Recife n. 53. __
pro-
Leilo de predios.
Cora o se ja :
1 sobrado de 2.andaros e sotad em chaos
prios, a ra do Amorm n. 17, rende 576,
1 dito de 2 andares e sotaoem chaos proprios a
ra do Burgos n. 3, rende 3605-
1 easa terrea com soto em -chaos proprios a
ra do Burgos n.-o, rende 2885
Metade da casa terrea em chaos proprios a ra
da Senzala Yellia n. 8.
Cordeiro Sim5es
far leilao dos predios cima mencionados, por
conta e ordem de ama pessoa que .se acha au-
sente. Os pretendemes desde j podero exami-
na-lo e qualquer nformacao o mesmo agente sa-
tisfar, cujo leilo ser eflectaado.
ATOJE.
s II horas da manha no armazein a ra da
Cruz n. 57___________________
Leilo em continnaco
Boje.
Quarta-feira Io de fevereiro continuar o leilo
dos salvados da barca francezatLes Amis de Saint
Jean de Lnzi na alfendega armazera n. 8, o Cui-
no do dia designar os objectos que serao expos-
los naqnelle dia a leilo.
Leilo quarta-feira V de fevereiio as II
horas a ra da Cadeia armazuin n. 83.
Agente Euzrbio.
De um sobrado n. 25, com frente de azulejo, na
ra doRhget, chao propro, as salas sao estaca-
bas, e todo Iluminado a gaz, novo e bem
os offlciaes construido por ser todo o material empregado de
' | boa qualidade, sao convidados os pretendentes ao
previo exame; e ser vendido pelo maior prego
Une se acbar.________________________________
LcllSo
De 282 barricas cora farinha de trigo.
50 ditas ditas com falta,
fie" saceos com farello.
oje 1- de fevereiro as 9 i |2 horas
em ponto no armazera alfandegado do bario do
Livramento Caes d'Apollo.
E em continuacao.
Leilo de madapoloes, palatots de panno fino,
camisas, pannos de la, chapeos de sol de seda,
estopa, bezerros, eameiras, conro de porco, sola,
cabegadas, rabichos, loros e calcados.
Hoje.l0 de fevereiro as 40 i|2 horas
em ponto, na alfandega, arraazem numero 8.
O agente Pinto far leilo por antorsago do
cnsul de Franca, oem lieenga de inspector da al-
fandega, em presenta de nm empregado da mea-
nu reparticao, com assistencia do delegado do
cnsul frarrcez e por conta e risco de quem per-
teneer, dos ebjectos cima mencionados salvados
da barca franreza .Les Amis de Saint Jean de
Lnz. Hoje Io de evereiro nos lugares e horas
cima raoncionados. ,
1VK0S DIYEBSOS.
0 abaixo assignado deixou de ser ca-ixeiro
do Sr. Antonio Casemiro de Gouvela desde o dia
28 do corrente e muito agradece ao mesmo senhor
e a aua Exm.* familia o baja traiamento que leve
em todo o lempo que esleve ero sua casa, e Ae-
ree e o seu pouco prestirao em qaalQuer parle que '
se ache.
Manoel Ferreira Barbosa.
HA MBk
A0S 6:0()0.0(M)
BlIUetes garantidos
i' roa doGrespon. 23 e casas 'doeostnme
O abaixoassignado venden nessens moitofeli-
zes bilhetesgaraatidos da lotera, que se acaban
de extrahix a beneficio da matriz da Boa-Vista,
os seguintes premios: 4
Dous quartos n. 3059 com a sortede 1:4005000
Dous ditosn. 1990 com.asocie de 500i>00.
Eostrasmuilassortes de 200,5, 00, 40 el
204OOO.
Os possuidoretpodem vir reoeber seusrespec-
ivos premios sem os desceios das leis na Casa
daFortunaruado Crespn. 23.
Aoham-se venda os I-da segunda parte da
quaria lotera a beneficio do thealro de Sania
Isabel, que se extrahir no dia 4 de fevereiro.
Pre eos
Bilhetesinteiros .
Meios......
Quartos.....
Paraas pessoas
Bilbetes.
Meios..
Quartos.
7J00C
gflaoo
HMO
qne comprarem
detOO^ para cima.
6.HO0
7UO
Vanpel Martins Fiuza
Fesla de S. Braz, advocado da par-
{aata
Sexta-fem 3 de evereiro lera locar na igrpja
de N. $. do Terco, pelas 7 horas da manha, ms-
sa cantada e a noii-- l.nlainlia. Anda a qual se ben-
zer a garganta, e estar a milagrosa imagem
veneracao dos fiis por nito dias. j
Cinb Pernambueano.
A dirct ria tendo en consderaco (|U"
grande n'mer- d fain'lias de feus assacia-
dos se achavam f ra da cidade, r so!ven
tiansf rir a r un' > familiar do mez dfl ji-
n iro proxin:o pasado para o dia 9 d i cor-
rente. ________________
No dia 24 de dezembro prximo passado fu-
g-io o preto Braz com o> signaes seguintes : altu-
ra baixa, regular do corpo, sem barba, cara larga,
com mutas verrugas em cima do olho direito, le-
vou vestido camisa de algodaozinho e caiga d e '
azulo e ontra de baeta verde, chapeo de palha, e
este talvez j tenha mudado, costnma andar mnilo
de vacar e puxa pela perna esquerda por causa
de seffrer de dores rheumatcas, foi escravo do
Dr. Olnda Campello : quem o pegar sjrvase le-
va-lc rua das i'.nues n. 32, padaria, qne ser
bem recompensado.
No da 27 de Janeiro ausentou-se de casa de
saos senhores a preta Anna, crioola, de 30 annos,
alia e boa figura, rosto redondo, com ama cicatriz
amiga por baixe da erelha; esta preta foi escrava
do Sr. Teixeira Bastos, e de tarde venda po-de-l
pela Poste de Dnhrja e Soledade : roga-se, pos, s
antoridades pnliciaes a sua apprehensao e de a en-
tregar oa Soledade, padaria do Sr. Joaquim Jorge
da Silva, defronte da igreja. __________
Leilo de nina escrava
Setta-etra 3 de fevereiro 1 hora da lardo.
O agente Pinto far leilo a reqoerimento de D.
Idalina dn Siqoeira .da Costa Meneies Inventa-
rame de seu casal por fallecimento de seu.mari-
do o Dr. Jos Raymundoda Costa Menezes, e por:
despacho do lllm. Sr. Dr. juiz deorphaos, de urna
escrava por nome Amalia, a qual ser vendida pa-
ra pagamento de dividas, i hora da tarde do dia
3 do corrente, no Hospicio easa o. 48, aonde llave-
ra anteriormente leilao de movis.
Fogio do engenho Cavalleiro, regoezia do
Afogados, no dia Io de Janeiro desle anno, o escra-
vo Theedoro, crioulo, de 24 annos de idade ponco
mais ou menos, o qual cosloma mudar de nome
qnando se ausenta, e tem os signaes seguintes :
estatura regular, cor preta, cabellos carapinbos,
olhos um pouco verme.lhos, naris chato, tem falta
de dous dentes na frente, boca grande, ps apafhe;
lados, deve ter cicatriies de chicote as costas,
gago, gosta de cantar e de estar em sambas, 6 aae-
lido a glozador, levou vestido palito! de alpara pre-
U, camisa branca, caiga de brim com listas azwes,
e mais ronpa de servgo e chapeo de conro novo,
j foi encentrado na capital e seas arrebaldes como
ganhador e depois em Cruangy com um surre s
costas mcnlcando de correio : roga-se portaalo as
autoridades policiaes e a qualqner particular a ap-
prebensao de dito eseravo, levando ao seu senhor
Francisco Casado da Fonseca no referido engenho j
qne generosamente se recompensar o apprehen-
sor.
Teado o abaixo assignado compradoao lllm
Sr. A. \V. Osborne, seu ostabolecimento photogra-
phieo, 01 -ledos o seus pertences, faz publico
qne all seeentiaa a trabalhar em todes os sys- \
ternas jaahaatne empelo eiboroste possivel.
O eslabeUcimento continuar a marchar com toda
a regularidade neacfio e promptidan do.trabalhe,
para o qne e sen,novo proprielario dlspoe de todos
os precisos a poder servir ^ao publico alisfactora-
meote. AOinaesmo 4empo taz publico- que por es-
tes dous ou (res dias um sortimenlo variadissmo u
era gnslo moderno, da objectos exclusivamente
mandados yir mpressamente pan este eslabeieci-.
zneitto.
u favoravel ensejo desle anauncio, ordena ao i
mesma Sr. a agradecer publicamente a Illma.
Exma. Sra. D. Josepha Maria dos Prazeres, e a to-
doc oo maw herdeiros do-sea eesal, as delicadas
maneiras e atlencdes qne para eom ene tiveram no
iraspasse do referido esfsrbeleelmenlc-.
*Mio **s 8afos Peretra.
Na raa hnperal 36, pree+sa-se de uma ama
que compre, counhe e engomme, para casa de
pouca familia.
INJECTIQN BROU
XAROPE
DE CASCAS de LARANJAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimico,
MAtMACBCTlCO M licmi luniioi de ahii.
Este xarope, rcgularisando as fuacees do estomago e intestinos, destroe estas
indisposicoes proteifermes, e faz abortar as molestias de que sao indicios precurso-
ra. Hedios e dales lem reconbeeido que resUbelece as indgestSes, fozende
desappareccr ospaaosde estomago, que calma as eoaaquecas, espasmes, o caimbras,
que sao resultado de digestes penosas. Seu gosto agradavel e a facilidade com que
se euporla, o tem frito adoptar como especifico infallivtl das doencas nervoias,
gaitritis, gulralgitu, ooliau ie estomago e de entranhas, palpitafOes, dores de
coraco, vmitos nervosos; sua accao sobre as fuacedes asimiladoras tal, e es
mdicos mais illustres o lem adoptado por resepiente real dos dous primeiros
res therapeatcos: e Jodurelo 4e Potassa c o Proto-hdureto ie ferro, tendo
rvado qne debaixo de sua influencia, o primeira perde aua accio irrilaale, e o
segando seu effeilo adstringente.
XAROPE DEPURATIVO XAOPE FERRUGINOSO
De cascas de laranjas margas com le- D.
durto da potassa.
O isdoreto de potassa, admiifistrads em
oluco ea debaixo da forma solida, ausa ao
deente ama grande repugnancia, ou determina
accidentes que o forceo i renunciar a esta
lediccao efficu.
Laido porm ao Xarope da cascas de laran-
jas, alia nao causa nem gastralgias, nem per-
turbaQio do estomago e intestinos, a grabas a
cata salvaguarda, os tratamemos depurativos
sao continuados sem interrupcio, as afec-
com eterefulotat, tuberculosas, cancerosas e
tnt secundaria e terciarias, memo rtuma-
Viismtts, aas quaes elle o mais seguro espe-
cifico. A dote est definida de tal manera
qae o medies pode varial-a a sua tontade:
O fraaco: 4 fr. SO c.
eom
cascas de laranjas amargas
proto-iodureto-de farro.
A associafio de sal farro ao Xarope da cas-
cas de laranjas i tanto mais racional quanta
que este xarope, empregado ao, para estimo-
lar o apetite, activa a seereeio do eco g-
strico, e por fim regularisa aa fuacedes abda-
minaes, neutraliza os maos cffeilos dos farra-
ginosos e dos ioduretos (peso de cabeca, pri-
sa* da Teatro, dores epigstricas) em quinto
qne facilita saa absorpeao. Dissolvid* ao
Xarope, elle se loma e aa supporta fcilmente,
por acbar-se no estado puro mais assim i lavel;
e assim pode continuar-se a cura da pallidei,
eorrimentos braneos, anemia, afecc* escro-
fulosas e rachitisrao:
O fraseo: 4 fr. SO e.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE esto sempre em frascos eapeciaes
(nunca em meias garrafas nem em frascos redondos). Expedic"es: em asa
J.-P. LAROZE, rae des Lions-Saint-Paul, 2, Parto.
Kti.i to lui|>rti>iiiiH' n. .Jl. buiki n.iiicezii.
PERFUMARA MEDICA HYGIENICA
De J.-P. LAROZE, qumico, pharmaceutico de la Escola especial de Pars.
Batas productos tio o resultado da aplicacno das leis da hy-icne i perfunaria, que se ergue e
tomase pharmacia da belleza, encarregada de prover i hygiene da pille, dos cabellos, dos deutes,
ergios tio importantes; eutio esita e destros as causas das doeai;as que saa irnian mais velha,
i pharmacia propriamente chamada, tem que curar.
HUIti ailHTIFKIClO para curar ineeiatomanle as
dri ou raivas de dantas; o vidro .. 1 fr. 23
rea raarnrRicioa cor de rosa >m base de
Uagaasia, para branqusar e conservar os denles;
riro ..........1 fr. 35
C-riATO BBNTIFRIOIO para forlificar as genitivas
a yitar as nerral^ias dentarias; o pote 1 fr. SO
CVRAT1VO DENTARIO para tratar o* dentes
cariados antes do churobaniento, e evitar os ab-
cessot e dores; o vidro com o instrumento a fr.
A8DA ixccodermiha, para con3ervar a frescura
e as Cunee.Oes da pelle ; vidro 3 fir.
SPIRITO DE AB1Z RBOTiriGADO, complemento
do aeeio da bocea despoie de comer; e vidro 1 fr. 25
BABAO lbhitivo MxBiCOI AL, de violeta, amendoa
marga, boaqeet, o pie.......2 fr.
SSUSISB DE SARAO LENITIVO MEDICINAL de
Semas de evos, para avilar as feedas, frieiras a
i
OLEO DR AVELA PEnTOMADO para rjmulij.-
dureza dos cabellos e a saa atona, o vidro. 2 fr.
VINAGRE DE TOILETTE SUPERIOR pela l*t
suavidade sua augas refreecaato, o vidro. 1 fr.
a ro
i efteit
otacas de pella, d violeta, de bouqaet; o pi 2 fr.
asna xm sarao lemtiv mbdiciial esa
pos. EUa i espacial, para a barba, o aceto das
acabaras a das enancas, o vidro.....2 fr.
astja ldstral para conservar e embellezar oa
cakalas, a ssrtifiear aaaa raizas, o vidro. 3 fr.
Depsitos em cada cidade, em caa dos pharmaceutieos, perfumistas, cabelleireiros, negociantes de
modas e de fuendas. Yarejo: Pharmacia Laroze, rae Neuve-des-Petiu-Champ, 16.
Exptdieoes: em caza de J.-P. Laroze, rae des Lions-Saint-Paul, n*t, em Pars.
Una do liiiiii'i'n'lni' n 'AH. Itlica frange/a.
clara, fresca, e diaphana, e evitar os mios effeites
do uso das cOres, o poto......1 fr. SA
AODA DE COLOCHA SUPERIOR, com ou sem
mbar; parmaaeacia da seu perfume o faz bascar
para o tocador, banhos geraes e locaes, o vidro 1 fr.,
PASTZLHAS ORZENTAES do Dr. Paul Ciernan!,
ara tirar o chairo do tabaco e para modificar os
allitos fortes; 1 a 2 fr. a caixa.
AGUA DE PLORES DR ALPAZEMA, cosmtico
bascado para tirar as comiebies, fortificar e re-
frescar cortos orgSos, a vro. .... 1 fr. 25
ESPIRITO DR BORTELAN SDPERPINO. Elle i o
aperfeicoamenlo indispensavel do aceio da bocea
depois de comer, o vidro......1 fr. 25
POBtMADA CONSERVADORA da q
para ferlUlcar os cabellos, os embellezar a avilar
o encaaeeimaato prematuro, a pal.. 3 fr.
.sli.ilssrssiSS'.
o3,SBcr-= !", 8- o.
3?___." = w
!5
-l
< M 3
2 t 31 =
"fe
K|!tfiilf,a?fl|tl.,i
lli|IHfll-H|*li
o V- c-JT- ce^ M-B
_ 9, o o i BrB _
ifS|fi2
Si
W3
ce
a

J ^
s?li.isI.l.
,? = "
1 W BS
5
CoS So o
fasfl'
US" iol
g?2. T.3 3S
o o. o eJ S ; <*
^ -i sr o
o=S.p-3f ?g
2 ~- 3 2 3 g
'E 3 e o a S
2??cTB?S/
33
O
O
Vende-se na rna do Imperador botica (ranceza n. 38.
/
p-<
WK
ELE:CTRO
AMNETICA
Ajiprova per varia* A f demias t atlnt
Hmwtiiadcs mdicas.
O que oeeasiona era g^ral as roolcslias abaiae>
designadas a eslat,noi;ao do sangiie em certas
parles tlt> creo, a iual prodmida pelos rrsfria-
mi'iilos e mullas un ras cautas, onlo ileclare-M
* nheuutMsmos, Cofa, Paralt/iia, /''-.i,uc:.
dos mtmbros, f'vn>tipttces, Llephautwsis ott
Pernos Im-hiiJiii, c Dores_Kervotas.
O u*o da escova XI.ECTB.O-MACai!:
XICA tem successo certopara a cura.de todas,
eslas molestias, srm recorrer se a nrnlinma onlra
raeiJieacSi). Ella tem nma forma mui manejajet
epfodiiz, avei>t;idf Irtjuem d'ella aa, tesa mala
tete (lites resultados. Seoemprcgopresewa
atas moiestins cimo. Para maisinformacesceo-
nU-*e-**aiiolcia i|ue accompanlu cada tscava.
DEPOSITO GRAL
l du Priuee Eufine* 9aV Pm.
Vende-sc na ra do imperador, botica
franceza n. 38.
Dealiata d^Pris,
19 ra ^ov.^. |9_
FREDERICO GATIER, C1IURG1AO PENTISA.
de valia de sua viajero a Europa, aonde lomon ro-
otiociraento das mais ivceates descobertas e lti-
mos aperfeicoamentos que s tem feito n:i a#ie dfn-
laria, alm de comprar ;o segredo de iiiversas pre-
paraeoes empregadas cun, innila* vantageos, tem
a Itnra de parMeaar ai' respaitavel publico em
geral e aos seas numerosos clientes em fFttcolar>
que se acha de novo pr todos os mi8tores da sua (wolisiao, adverliodo qua
trouxe um immenso sc/limento de denles artfi-
ciaes, eaunlcbou vaicaoiaada, ouro, plasma,.massas-
di versas .mtHlo apereigoadas, para ctivvmbar, ins-
iruaieulos aovos, ferraiwenla mj-lerna, cadeira (Je-
operacoes, ele, etc., dos mais acre(>lados fabri-
caoiesida Pars, LondiJes e Ne.w-Yufc, c por isso-
estando mais do que- nunca no caso de sar*lr do
modo o mais >alislauorio, portan espera coa-
linuar a mereier todu a conlianga.
Acha-se sempre is> seu (fabinoiit das 8> horas da
manba al ao meio-da com cerleaa e al' aa 4 ho-
ras da tardequando nao ver de em casas par-
ticulares._______________________________________
A. W. Osborae, tendo de rvtirar-se para o
Norte da America, para tratar de sua sande, faz
scienie ao publico que de accoroo e en perlera
harmona com a Exm. Sr. D. jDsepha Mari dos
Prazeres e mais hcrdeircs do.soti casal, ba venda
do seu estabelecimento ao Sr. Julto dos Sanios Pe-
reira, cando o mesmo enlsor no gosodo. contra-
to por elle catebrado com a, mesma Exm.* senho-
ra e mais laerdeiros respeiao ao-prlmearo andar do
Sr-u edificio silo na ra Cm hnperadar n. 38. Ao
nu-smo tompo aproveiu.lcu) favwael occasir>
para agradecer a Exm. Sr.1 D Joopha e a todos
os mais herdeiros as Hwuieiras delicadas perqu
sempre o tralaram -, bem como ao,publico em gs-
ral pelas bondades tjuoUte prodigalisaram fluraa-
te a sna estada uavu a|>i|a}.
A Sea. D. Rosa francisca de >ouaa teui
caria para lhe ser entregue, rinda 4* Babia,
ra da Crm, casa n. 40, escriptorio.
ttiai
O abaixo assignado jiulga nada dever nesta pra-<
ja nem tora ella, aas se alptiem se inlgar sen
eredor queira apsesentar seu ltalo nestes S. das
que depois de verificado ser imruediatanieat pa-
go na ra da haiiernlrt n. 38.
. Praheisee) Manoel du Sua.
ama
Precisa-se de uma ama para cosinhar : na fux
da Imperatra a. 4l>, reiina^in^___________________
~ AMA."
Precisa-se de ama ama que saiba engommar pa-
ra puwa faiailla na ra Nova 4) S^ula ftita pu-
ntero 17.
L
II FflWPI




Diario de rernaiubuco .- QaarU fclra t e Fevrclro de 1S5.
2
Precisa se de urna ama de leito que
lillios : na ra Nova n. 47.
nao tcnha
Alagase o primeiroandar e soto na ra
Imperial n. 27 : a tratar na travessa da Madre de
Dos n. 21.
Preeisa-se de urna criada para o servico de
""al
casa : na rm Augusta p. 5.
:isa-sj
Precisa-s de urna ama para lavar e eugom-
mar : na ra Velha n. 46.
* Precisa-se de om trabalhador para padaria :
na ra larga do Rosario n. i6._______________
Preeisa-se de urna ama para cozinhar em
casa de rapas : na ra do Quelmado n. 47.
Precisa-se de urna ama para lodo o servico :
na roa DireiU n. 60, primeiro andar.
Len Can, subdito
per _________
francez, retira-so do lm-
- Precisa-Se de um coznbeiru
Croa n. 11, casa de pasto.
na ra da
Preeisa-se de 1 000* a juros, dando-se come
garaaiia urna hypolheca era escraves : na ra Im-
perial n 68.____________________________
Pergunta-se ao Sr. Dr. Cicero, se acaso o 2
volunte do novo methoda da lingaa franceza tica
no eaquecimento como acontecen a academia po-
pular ; isto deseja saber um dos
Padecentes.
Precisase de urna ama que saiba comprar e
cozinhar: na ra Nova n 10.
Joo Antonio Goncalves Serrano c Jos Ma-
ra Vasques vendem a sua taberna na ra do Co-
dorniz n. 7, para a transferir! para o largo da
Assembla n. 14, a Jos Pinto da Cnnha & C.
Alugam-se dous grandes sobrados com cem-
modos para numerosa familia, novos e acetados,
dora jardim, cocheira, estribara e outras coramo-
cidades, na travessa de Joao Fernande Vieira :
a tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
Livro do Povo.
O livro do povo, obra ornada com estampas,con-
tendo a vite de Nosso Senhor JosusChristo, e mot-
tos artigos alis. Este livro das familias recom-
mendado eapprovado pelos Exms. Srs.,D. Luir
bispo do Maranho e D. Manoel arcebispo da Ba-
bia, mde-se a 1,5000 cartoriado, nalivrariade
Jos Nogueira de Souza, ra do Crespo n. 2.
immiMKSMMl
O Dr. Cosme de S Pera conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2' andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio degua'profis-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos ;
V > depeittf:
3o dos orgos geni ti
- urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rlo examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d s
.6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
P.recisa-se fallar ao Sr. Goncalo Ro-
drigues de Almeida, na livraria n. 6 e 8 da
praca da Independencia. _________
Precisase de um escravo eozinhtiro : na
ra da Madre de Dos n. 36, primeiro andar.
Precisa-se de urna ama para cozinhar : na
ra da Cadea do Recife n. 52, terceiro andar.
mmmmmmm mmmmi
Q bachurcl
Antonio Joaquim Ayres do. Nasciraento 3
teiri o seu escrptoriodeadvogaciana ra >
estrella do Rosario o. 8, onde pode ser f
procurado das 9 lio ras da man ha a as 4
da tarde.
O l)r. Jeronymo Villeia de Castro la-
vares advoga o crime e civel, commer-
cio 6 ecelesiaslico. Pode ser procurado
todos os dias uteis al 3 horas da tarde
erasen escriptorio, ra do Crespo n....
primeiro andar defronleda livraria eco-
nmica.
Atten#o.
No Passeio Publico, loja n. II, ha para alugar-
se para algum sitio ou oulro qu!quer servico que
nao seja multo pesado um escravo muito fiel e de
vregonha.
Urande armazem de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande deposito de
productos chimicos utensis e os mais empregados
e usados ua pharmacra, pintura, photographia, tin-
turara, pyrotfichinia(fogos de artificio) cera outra
industrias.
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectamente as principaes drogaras de Paris, Lon-
dres, Haraburgo, Anvers e f.isboa, pode offereeeer
prodactos de plena confiancae talisiazer qualqner
encommenda a grosso trato e areulho, por precos
razoaveis.
Prvido* do machinas -appropriadas satisfar
com promptldo qualquer pedido de tintas muidas
a oleo, cuja qualidadee pureza de seus ingredien-
tes poder* ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazercom aquellas que sao importadas,
e que se encontrara no mercado em latas fechadas.
Tera grande colleccao de vidros de diferentes
formatos, desde urna oitava at dezeseis oncas de
capacidade ; de vidros para vidracas e diamantes
para corta-Ios;" de pinceis para fingir madeira com
propriedade e outros; de papis dourados e pra-
toados e tullas de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo frmalo de varias cores
para emhrulho, para forro de casa, para desenho
cora fundo fcito; de papel albuminado e Bristol,
verdadeiro saxe para phutographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para quadro?, de
espirito para madeira, copal para o interior e ei-
teiior ; oleo graso, oleo seccativo. oleo dn linhaga
cianlkado, oleo de oielet, secativode Harlim, ouro
verdadeiro em pd ; prata, ouro, e estanhoem to-
vas proprias para cnfeitarias la de cores, e
olhos de. vidros para imagens ; tintas em tubos, e
tolas para retratos (iotas em pasleis e em p pa-
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de oe-
roly, jasmim,bergamota, asptee, patchoulv, mbar,
bouquet.hinao, alcaraiva, melissa, ortela pimenta,
louro, cereja, alfazema, Portugal, lima, junpero,
ans da ftussia, canella, cravo e muitos outros ob-
jectos que so com a vista poderaoser mostrados.
Joao Pedro das Neves,
. _________________Gerente.
Aluga-se um sitio na .-oiedade, ra de Joao
Fernandes Vieira, com urna boa casa de vivenda
assobradada, reedificada de novo, rodeada toda de
janellas, com grandes commodos para familia nu-
merosa, tendo um grande copiar na frente e rol-
locadas nelle tres grandes moas de pedra mar-
more, quarto fra para pretos, grande cocheira
para carros, e rande estribara, e em frente a
casa um gr> nde telheiro para jogo da hola com
tonos os seus pertCHces, Iluminado a gaz, assim
como a casa de vivenda : a tratar no caes do lla-
mos n. 2.
Prectsase de urna ama para cozinhar para
dous horaens solteiros : na ra da Praia n. 10.
- Joaqulm Teixeira Peixoto,
ro, va i Europa.
cidado Lrasile-
Atteii#io#
Jos Joaquim da Costa Ferreira faz sriente ao
publico e com especialidade ao corpo do commer-
io, qoe tem traspassado o seu armazem de molha-
dos na ra do Imperador n. H aos Srs. Ferreira
Si Almeida, ficando o activo e passivo cargo da
referida firma.
AlleutvSo
Em uta destes dias prximos passados recebeu
O mea socio um eaixo com cerveja, marca victo-
na, per engao : a pessoa que se julgar ser dono
do dito, appareca com o preto a quem o entregou,
na taberna na ra de Hurtas n. 39; e por isso pu-
blico ueste jornal para o que poder resultar ao dito
objeclo nos nao sermosresponsaveis.
Domingas Rodrigues de Amlrade >aca sobre
a praca do Rkt de Janeiro : na ra da Cruz nu-
mero 33.
Desappareceu no dia 26 de Janeiro do hotel
-Agula a Ouro da ra eslreita do Rosario, um mo-
leque crioulo por nome Luiz, de idade pouco mais
ou menos de 18 para 19 annos, de bonira figura,
ATTENCIO.
Precsa-se de um homem casado que tenha as
habilitaos para ensinar cora perfeco primeiras
letras e alituns preparatorios em um egenho per-
to da estacao de Timb-ass : a tratar na ra do
Livramenton. 24 com o inajor Luiz Jos Pereira
Simpes._________-
O London & Urazilian Bank, saca por todos
os paquetes, sobre
Li.-boa.
Porlo.
Braga.
Vianna.
Guimares.
Villa Real.
Colmbra.
Amarante.
' Aluga-se a loja da casa n. 59 da roa Augus-
la ; quera pretender dirija-se a mesm casa cima
que achara com quera tratar.________________
THESOURO tAS MAIS
Providencia das crirteos
COLLARES ROYER
Electro--magnetices.
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DENTigO
Contra as conviiIsoes e para facilitara
denticae das criancas preparados e inventa-
dos por Royer, pharmacenlico da esco-
la superior do Paris, successor de Chereau,
memliro da academia de medicina
amiga casa de Bouillon-Lagrange, pharmaceutico
do imperador
chefe dos trabalhos chimicos da escola po-
lytechnica, "director da escola de pharmaca de
Paris, o memliro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-seunicamente na loja do
Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
Deposiio geral do rap princeu Gasee e Paulo
Cordeiro nesia provincia, rna da Cruz nuine-
i
Jos Joaquim Lima Rairao, recebedor do rap
princezaGasse fino, meio grosso e grosso, Paulo
Cordeiro, dito meio grosso e viajado, finalidades
estas que tem nesta provincia obttdo grande cr-
dito pela sua excellente fabricacao, e materia pri-
ma de que composto ; sto o atiesta a innmera
exlraccao que elle lem tido, e a condeenraco que
ohteve na exposico nacional, cuja medalha vem
gravada nos rtulos dos mesmos botes, teem elle
de mais a vantagem de nao lerr o nariz. Tam-
bera vende-se o rap denominado Amarillinho que
na Baha goza de grande aceitacao. O deposito
acha-se sempre supprido de todas estas qurli-
dades.
TTEgM
Jos Joaquim da Cosa Ferreira, faz
sciente ao publico e com especialidade ao
corpo do commercio, que tem traspassado
o seu armazem .le molhados da rna do Im-
perador n. 14, aos Srs. Ferreira & Almei-
da, Meando o activo e passivo a Cargo da
referida firma.
Urna senhora com as habilitagSes precisas
e licenciada pela directora da instrurcao pufclica
para o magistetlo do ensino de primeir letras,
rennindo outras habilitacoes, como bordgr de to-
das as qnalidades, costuras, etc., offerece-se para
ensinar ditas materias em algum engenho porto
da praca, ou em outro qualquer lugar : os pre-
lendentes que quizerem servir-se de seus presti-
mos, podem se dirigir ae Sr. colector Araerim, em
Olnda, ra do Varadouro.
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
a casa da ra do Gazometron'.. jumo a fabr- Urna iianra eiu diuliciro, depositado ros cofres ilu estado, garaolc a boa ad-
ministraco da companhia.
ca do gaz, cora duas salas, dous quartos, quintal,
cosinha o cacimba, prego de 14,5000 -, urna dita no
raesmo lugar com menos commodos por 125 men-
saes : a tratar cora o Sr. Valenea._____^^^^
Do corredor do sobrado n. 9 da ra
da Imperalriz furtaram, na manha de 21
do corren/e, tres vestidos brancos, sendo
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespanba
DIRECQO GERAL
Madrid : ilua do Prado n. IO
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combnac5es de supervivencia dos seguros
sobre a vida.
Nella pode selazer asubscripeo de maneira que era nenhuracaso mesmojpor morte do"se-
ntremelos, 6 gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes. !
Sao lio suprehendentos os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,-queainda raesrao dimlnuindo uraa terca parte do tnteresse prodozldo era recentes liquidacSes,
ecombinando-o com a mortalidade da tabella de Depareeux que e adoptada pela companhia para os
seus clculos e lquidaees, em segurados da idade de 3 a 19 annos, urna imporsicaannual le 100$
produz em effectivo metlico :
No Jim de 5 annos.......1:1194300
> de 10 .......3.942A600
de 15........11:208*200
de 20 .......30:2565000
de 25 i.......80:33100O
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectos e mais inforraacoes sero prestadas pelo sub-director nesta provincia o Sr. Jerony
l mo Joaquim Fiiza de Oltveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista ra da Iraperatriz n. 12, estabe
um com'babado bordado: quemfor.em of-
ferecidos ou delles souber, faca favor noti-
ciar na casa cima, que aim de ser gratifi-
cado muito obrigado se ficar.
Alia particular.
O abaixs assignado, professor particular, provi-
sionado pela directora geral da instruccaopablica
para ensinar primeiras lellras, ltiro e francez,
participa ao respeitavel publico e igualmente aos
senbores pas de seus discpulos que segunda-feira
9 do corrente tem de continuar no ensino das su-
praditas maieras, adrailtindo matricula alumnos lecimen'to dos Srs. Rayraund! Carlos, LeTte" "i'rma'oT
externos, pensionistas e meie-pensiomslas. A pra-
tica de 19 annos consecutivos no exerciclo de sen
magisterio, sua inteira dedicac3o e tu* moral idade
sao garantas queofferece aos senbores: pas de fa-
milias, que denejam a sa e til educacao a seus
filhos.
Quem perianto qoizer confiar ao mesmo abaixo
assignado a educacao de seus filhos, pode dirigir se
a qualquer hora do dia aoterceiro andar do sobra-
do n. 58 da rna Nova, onde ha muito tempo est
estabelecido.
Jos Mara Machado de Figueireio.
9QI
Aos sentares pas de familia.
O padre Flix Barreto de Vas-
concellos,com aula particular ,'de la-
tim na ra do Imperador n.;35,1."
^ andar, continua a receber alumnos
gg de todas as classes, durante e de-
- pois das ferias. Tambem est dis-
poste a abrir um curso de primei-
ras leltras e de francez, logo que
baja numero sufflciente de alumnos
para cada.urna destas materias, e
assim tambem a receber como in-
ternos alguns meninos, de cuja edu-
5 cacao o quizerem encarregar. Os
' pagamentos sero por trimestres j
adiantados, e os precos declarados
pessoalmente na occasiao do ajuste $$
^ para a entrada do alumno. ^
^ !- V % V v J? /jtmttww
O Sr. morador da ra Nova que se
acha a de ver 6 quarteisde asignaturas des-
te Diario, queiramanda-las pagagarpois
assim como elle gosta de receber a paga de
seus servidos deve attender a dos ou-
tros principalmente o do Diario queem
trabalham mais de 60 pessoas.
DE
4RA MOVA-25
. Tendo Hcnrique Vogeley fleado cora a acreditada casa de pianos do Sr. Joao Pedro Vogeley-
sita na ra Nova n. 2o, tem a honra de annunciar ao respeilavel publico que continua a dita casa
com o mesmo fim esperando o annunciante que merecer a mesma confianca que tivera seu ante-
cessor.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um grande sortimento de pianos fran
cezese allemaes dos melhores fabricantes da Europa, escolhidos especialmente para esle clima pelo
propietario deste deposito entre os raelhores e mais acreditados que pstiverara na ultima exposico
universal cm Londres.
Os amadores deste instrumento sao rogados a virem apreciar as bellzs vozes destes panos
admirar a sua excellente construccao nuico nesta cidade.
No mesmo estabelecimento continua-se a alugar, afinar e concertar os pianos, lano na cidade
como nos arrabaldes.
O propeietario responsabilisa-se pela sua excellente qnaldade.
luNrucvo primarla
O abaixo assignado, professor publico da tercei-
ra cadeira de instraeco primaria da freguezia de
Santo Antonio desla cidade, faz constar que sua
aula acha-se abena e funcionando desde o dia 7
do corrente no primeiro andar do sobrado n. 46%
ra de Aguas-Verdes.
________Seraphim Pereira da Silva Monleiro.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva que
cozinhe e engomme alguma cousa : na ra do
Cabugi, loja d'agoia (Touro n. 1 B.____________
Antonio Luiz ?e Ottreira Aievedt k (:
Agentes do bancalIni3o do Porto.
Competentemente aulorisados sacara por todos
os paquetes sobre o mesmo banco para o l'orlo e
Lisboa e para as seguales agencias :
umdres sobre Bank of London.
Paris Frdric S. Baliin & C.
Hamburgo Joao Gabe S Filho.
Barcellona Francisco Rbala 4 Ballesta.
Madrid > Jaime Merie.
Cads Crdito Commercial.
Sevilba Gonzalo Segoria.
Valencia M. Pereira y Hijos.'
Em Portugal.
Amarantes. Angra Terceira. Figueira.
Arcos de Val de Caminba. Guarda.
Vez. Castello Branco. Guimares.
Aveiro. Chave?. Lagoa.
Barcellos. Coimbra. Lagos.
Bastos. Covilhao. Lanrego.
Reja. Elvas. Leiria.
Braga. Extremos. M ,
Braganca. Evora. W*
Faro Fafe. Moteorva.
Oliveira d'Ate- Piobal. Regoa.
meis. Porto-alegre. Selubal.
Peona fiel. Tbomar. Vianna do Cas-
Tavira. vila Nova de tello.
Villa do Conde. Portimao. Villa Real.
Villa Real de Vizjo. Madeira.
S. Antonio. Faial. s. Mignel.
No imperio.
Babia. Maranho.
Ro de Janeiro. Para.
Qualquer somata a prazo ou a vista, podendo
logo os saques a prazo serem descontados no
mr.n.o Banco a razio de 4 por ceato ao anno a
tratar na ra da Cruz tt. 1.
H 3 I JOS.
Queijos do ultimo vapor o melhor que ba
neste genero a 2*300, ditos mais antigos a 1600,
vnhos do Porlo, Figueira e Lisboa e todos es mais
gneros da melhor qualidade e por menos preco
do que era outra qualquer parte: no amigo esta-
belecimento junto a esta typographia.
Maques sobre Portugal.
O abaixo assignado. autorisado pelo
Banco Mercantil Portuei_se. e na ausencia
do Sr. Joaqaim da Silva Castro, saca ef-
fectivamente por todos o paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Por .o, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso; podendo, o que tomarem
saques a praso.receberem > ista.no mes-
mo Banco, descontando 4 0|0 ao anno: na
loja de chapos da ra do C.n.-po n. 6, ou
na ra do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Cosa Maia.
Manoel Francisco da Silva Carrico ora
i residente em Macei, julga nada dever nes-
ta praca ou fora della, mas se alguem se
i bducaco primaria e secundaria
Na instituicao de Jeronymo Pereira
Villar, na ra larga do Rosario n. 22, nao
s se ensinam as materias que consti-
tuem o curso regular de primeiras letras, ;
como as disciplinas preparatorias para a
Faculdade de Direito.
O Rmv. Sr. padre mestre Flix Borreto j
de Vasconcellos est encarregado da aula
de latim ; o Illm. Sr. Dr. Jos Soares de
Azevedo cha-se encarregado da aula de j
francez ; e para as outras materias vao '
ser igualmente contratados mui distinc- I
tos professores.
Precisa-se de urna
ra da Roda n. 42.
ama para cosinhar : na
Manoel Jos de Alboquerque Mello, professor .
particular de instroegio -primaria, avisa ao res- Ju|g.ar seu credor qaeira apresentar seu ti-
peitavel publico e com especialidade aos pais de tulo nestes 8 dias, que depols de verificados
seus alumnos, que a sua aula est abena desde o ser immediatamente pago por Francisco
dia 9 do corrente, oflde pode ser procurado; ad- Ribeiro pnU) GuirBar5es (para isso autor.
verte mais, que recebe em sua aula alumnos nter
nos e por mdico prego
141, segundo andar.
no pateo do Terco n.: sa<1<>) a ra d Apollo armazem n. 38.
fe 23 de Janeiro de 1865.
Reci-
Joao da Silva Ramos, medico pela Uni
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 as 11 horas da manhaa, *e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em aaal-
quer occasiao. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro If,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem sna casa fle sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem commodes apropriados e nella ur-
lica qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3*000 diarios.
Segunda dita.... 2*500
Terceira dita.... 2*006 >
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianca de
pre tem gozado.
Na ra dos Coelhos n. 10 s dir quem d
algumas quantias com premio razoavel sobre boas
garantas.
Lino de Fana e o nico competente
parahaveras dividas activas e outros
quaesquer bens da extincta firma Faria
& c. Elle puis avisa a todos os devedores
para que nao paguem seno a elle ou
pessoa por elle devidamente aulorisada.
Espera que os mesmos devedores serao
pontuaes em satisfazerem seus dbitos,
jivrando-o assira de recorrer aos meios
judiciaes. Elle mora na ra do Impera-
dor n. 37, segundo andar.
m
n
i
Aluga-se o lercero andar do sobrado n. 24
do ra da Cadela do Recife, entrada pelo becco
Largo : a tratar no armazem do mesmo sobrado,
O Dr. Carolinc Francisco de Lima San-
tos, conliua a residir na ra do Impe- jR
rador n. 17,2 andar, onde pode ser pro- -M
curado a qualquerhoradodiae da noite ja
para o exercicio de sua profissao de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de Y
meio dia at 4 horas da tarde, devem ser S
deixades por escripto. O referido Dr. JJR
nao abandonando nunca o eslndo das M
molestias do interior, prosegue, com o S
maior afflnco, lio das mais difflreise del-
cadas operaroes. romo sejamdos orgaos "M
ourinarios, dos olhos, partos, etc. S
Mohilla
Alugam-se mobilias : no pateo do Terco nume-
ro 42.
Kscola central methodo Cas-
tilho.
I Est aberla desde 7 de Janeiro ; ensina as mate
. rias do Io e 2 graos, recebe alumnos, pensionistas
; e meio pensionista?, por precos commodos : nao
excedendo elles a doze annos de idade : na ra da
que sem- IBR i Ponte da Capunga, casa n. 9.
S: wmmmmm m-mmmmmm
Francisco egosto da Costa
Guilherme J. Kreisler e sua senhora, Iles-
O baeharel
O solicitador Pedro Alejandri-
no da Costa Machado
se encarrega ante o foro desta cidade de tudo qne
for tendente a sua profissao, aceita de partido an-
nual as pendencias judiciaes de qualquer casa
commercial mediante razoavtl ajuste. Contina
a se encarregar de cobranzas nos termos do Cabo
e Ipojuca aonde continua a trabalbar como d'an-
m
ADV60ADO
m
Ra do Imperador numero 69.
A tugase
, uraa casa acabada agora, com commodos para fa-
milia, estribara, cocheira, quartos para fetore
procu-ado todos os das uteis das 9 horas da ma- escravos.com banho na porta, no lugar do Poco
nhaaas3dataraenaruaestreita do osario o. da Panella, ra do Rio : a tratar com Tasso ir-
Os abaixo assignados tendo amgavelmente j J* e ora dessas horas na ra Imperial n.36, ca- maos, na ra do Amorim n. 35
dissolvido no dia 31 de dezerabro prximo findo!sa de sua residencia.
menor.
por se ter ultimado o praso de seu contrato a so-
cedade que tnham na loja de azendas n. 5 da
ra do Crespo, sob a firma de Marcelino sera que flca:.sem levendo quantia alguma nesta
praca nem fra della. assim o fazem constar ao
respeitavel corpo do commercio desta cidade, e
approveitando a occasiao agradecen) a todos aquel-
les que foram seus credores, bem como aos de-
mais com quem tiveram transaccoes, o bom con-
ceito que sempre Ihes merecen aquella Arma, a
Precisa-se por aluguei de urna preta boa
qutandeira : a tratar na ra do Queimado n. 17.
m
T DE PAR!!
19Ra Nova-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentisti
faz todas as operacoes de sua arte, e ctl-
loca denles artiteiaes, tudo com supe-
rioridade e perfeco, que as pessoas en- i
te adidas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos dentificio. j
Consultorio raedico-cirurgica na ra larga do
Rosario h. 20.
O Dr. Joo Ferreira da Silva regressando sua
casa, conliua em o exercicio de sita profissao
nao s na parte medica como tambem ca cirur-
gica.
All.
Aluga-se a casa terrea o... a rna do Gazo-
metrocomomraodos para pequea familia, preco
* anVatar com o Sr. Valenca.
.de 12*
Francisco do Reg Brando relira-se para o
gfao de Janeiro,
Precisa-se e urna ama de lene
macrianca.e paga-se bem : na ra
ebrado n. SI.
maral & C, fazendo parte da mesma como socio
commaudilario o que fra da extincta de Mareeli-"
no & C. Recife 30 de Janeiro de 1865.
Guilherme da Silva Guimares.
___________Marcelino Jeronymo de Azevedo.
muito ladino, bem fallante, alto, secco do corao^' 1ua"1('a substituida pela de Gregorio l'aesdo'.A-
sem barba, tera urnas pequeas marcas por baix '
de um olho parece de ventosas e urna marca de
ogo em um dos bracos, cor bem preta, muito re-
grista, levou vestido cal*a de brm pardo -uja e
camisa de algodo branca, consta que anda aqui
na eidade e desconfa se que e>teja ocotito, por-
tante o annunciante declara que desde ja protesta
contra quera o tenha oeataio elle capaz de se
.intitular por forro, pots o dito multque muito
condecido testa cidade : portanto roga-se as au-
toridades policiaes e eaottes de campo que o
prendam e levem a seu senhor no dito estabele-
cimentj que ser recompensado generosamente.
$ 0 baeharel Jorge lloroellas
continua a residir ra larga de Rosa-
^ rio n. 26, primeiro andar, onde pode ser
procurado para exercer asua profissao:
SjU 1 de advogado nos auditorios desla ci-
S dade;
JES 2 de mestre da lingua franceza, en-
jjgg sinando-a larde, e tambem noite a
* pessoas cujas oceupaefies embaracen)
aprende-la durante o dia.
Precisa se de dous trabalhaderes :
nacao da roa nova de Santa Rita n. 53.
na
Magalhirs Bastes i C.
avisara ao respeilavel publico e ao corpo do com-
mercio, que compraran) a loja ae azendas n. 10
da ra Nova de Antonio rJomingues Pinto.
Na ra ao
Alugam-se dous grandes sobrados com com-
j modos para numerosa familia, novos e aceados,
ren", com jardim, cocheira, estribara e ouirascommo-
___I didades, na travessa de Joao Fernandes Vieira : a
tratar na ra da Sen:ala Nova n. 42.
Bunros de renda prelos.
Rna do Quelmado ero 11.
Companhia Odel idade d
seguros martimos e ter-
restres estabeleelda no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PBPNAHBUGO
Antonio Luiz de Oliveira Axevede k C,
competentemente antorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Pidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
Precisase de uraa ama captiva ou forra para
comprar e cosinhar para urna s pessoa : na ra
das Cruzes n. o, casa terrea.
Precisa-se de dous calafates para calafetar
duas canoas de carga grandes : na ra larga do
Rosario n. 16. ________
O Sr. Elias Cordeiro Cintra queira vir pa-
daria da ra uireita n. 84, a negocio que nao ig-
nora._________^______________
Jos Pinto da Cunha & C. compraram ao Sr
Joo Antonio Goncalves Sarano e a Jos Maria
Vasques a sua taberna sita na rna do Codorniz n.
7, bvre e desembarazada.
Aluga-se um preto que seja robusto d-se
20* mensaes : no armazem da bola amarella oito
da secretaria da polica.
Perfumara e sabonetes de
Toilet *
da casa Violet, perfumista com privilegio,
fornecedor das casas de S. M. impera-
lriz dos Francezes e da rainha Isabel II
de Hespanha.
As flores as mais esquisitas, as plantas as mais
ricas em aroma, os blsamos os mais odorficos,
servem a composlco dos producios exclusivos da
rainha das Abelbas.
Salio real de Tridaeo:
O nico recommendado pelas celebridades me-
dicas como hygienica da pelle.
Balsamo de Violeta.
Pomada fluidificada pelos oleo virgens para o
servico dos eabeleireiros.
Gotas de Violetas.
Extracto da flor natural, perfume de S. M. a rai-
nha Victoria.
Salio de balsamo de Violetas.
Homenagem a S. M. a Imperalriz.
Agua da belleza de Sua Magestade a
Imperatriz.
Loccao benfica para o toilet das damas.
Flor de arroz resida.
De S. M. a Imperalriz Eugenia.
Perfume de nctar. \
Este p refrigerante preserva a pelle de todas s
affeccoes dormacs.
Hosdo das abelhas.
Loccao refrigerante para o toilele e os banhos.
Ceme poopador.
Da belleza da pelle.
Para prevenir as rusgas e refrescar o rosto.
Crcme Sevign.
Composicao especial, para lustrar e fixar os ban-
dos (cabellos.)
treme fri espomoso.
Segredo da belleza.
Para refrescar o tessido dermal.
Perfumes das hi-i-as de malo.
Delicias dos lencos e salSes.
Dicado a S. M. a Imperalriz da Russia.
Caixa de Javencio.
Cofre mysterioso.
Encerrando lalismans, segredo para tciieza.
Vermelho da China, preto indio e branco
de Lys.
Para passes e soires.
P IWrisoBlal
Pas as unhas o bnlho de nacarregado.
Perfumes horisonlaes.
Para perfumar as cartas, toalhas e os quartos.
Vende-se na ra do Imperador n. 38, botica
-nrfceza.
Precisase alugar ou compra se um escravo
sem habilidades para servente de casa de familia:
a tratar na ra da Madre de Dos n. 36, primeiro
andar.
Aluga-se um sitie na ra do Cabral da
cidade de Otinda, com casa terrea.com co-
piar nfrente, bota os fundos para a estra-
da emargem do rio Beberibe, com com-
modos para familia, estribara para cavalle
Bartholomeu (em segnimento ao A loja ie Au"s Poo chegaram os maio lin-
Pocinho, casa de detenco),n. 45, compra-seo se- o?5 superiores bourns de renda prelos para se-1 e capim para SUStenta-los, arvoredos de
guinte : o livro Conselheiro Fiel do Povo, a obra nhora?. chapeos e ,i r.!ihA,ma Tai n iiK-.i,^n c..,'... .. para senhoras.. deb cadamente enhilado mnir Iruu5' SCIU VISIIIUU ueiruuie nem peto
para criar
da Praia,
para senhora,, debicadamente enfeitados, moir ,
e gabi-
t Dar b*rra*' Dekin' D*,,, '">** proia de sed'aTistra- nete na frente, muito propria para passar a
So^^
Precisa-se alujiar Bma escrava para casa do
pouca familia : na roa dos Pires n. 24.
Prefisa-se de turo ama
roa larga do Rosario o. 46.
para rvziohar : ua
AMA
Na ra da Cadeia do fiecfe a, SO, precisa-se de
Bma ama para cozinhar e comprar.
D-se 300* on 400* cem hypiitrmpa cm urna
escrava qnc saiba cosinhar e engommar. ficando
os servicos pelos juro por 4 ou 6 mezes como ie
onvenciooar a tratar na reflnaco da legjtja
bem compra-se um cavallo .u.u
cangalha, e um sellim inglez era bom uso, e papa-: "a. irrosuenapie, pannos easemiras pretas e mes-'festa.e tambem se alugarporanno : a fal-
seltem. Na mesma easa cima precisa-se alugar i _?*' ou'ra"nuitas fazendas. A mesma loja iar nfl nPr>fP na livraria n fl ft rlanra>
urna escrava para todo o servico de urna casa ter- ebeu um bonito sortimento de malas ln|tza, I.ar,nKeci,e' na araran. 068 da pra?a
rea e de mni pouco servico, e pagase S*; ese|par,a viaRem-e grande qu;nlldade de esteitas pa-da tnaependenCia, eem lindanacasacon-
agradar a escrava e seu servico, nao se duvidar'ra forro deis*,ai!. '^ue st vendendo por menos'tiguaiom 0 capitSO Antonio BernardoFer-
que em outra qualquer parte.
Pielro di Brunove Bartholonaei, subdito ita-
liano. vai para fra da provincia.
Jos Ferreira Alvos Carioca, tendo de ir tra-
Aluga-se a casa terree da ra da Alegra n.
: qnem a pretender dirjase ao escriptorio de
Precisa-se de urna criada
para casa de familia; a tratar na ra
n. SU, segundo andar.
reir.
- O professor de latim da freguezia de S. Jos
adiantar alguns mezes de aluguei, se sen senhor
ou senhora dellos precisar.
Precisa se de uraa boa engommadeira, e nao ,",: \ Prf.wnaer ainjast .
importa que seja fivre ou esoraa na rna Velba i G"''ne< <* Silva Guimares, ra da Cadeia nu- 2f*u r,i"- aba,X0K a'*na n it secundo andar mero 64. ;blice qne se acha aberla a matricula de sna aula,
--------r--------------- j e qoe o exercicio da mesma comecar no dia 3 de
' !i epC j3" i wvere'ro proxmo futuro : quem se qoizer nutri-
da Cadea cn|ar, diriia-se ao sobrado n. S, sito no largo da
; ribeira.Manoel Francisco Coelho.
O BACHAREI,
Joo Goncalves da Silva Mon-
tar royos
Advocado
Ra estreita do Rosario n. 17.

S-l; i.it X -r r. i --i rf g. s-Fiill O W V, -, BM V o 3 j 3 a o la n f ? 3 5 > I m o i = < O M | o P O O" sr -t ce 1
------
Roga-se a pessoa que por engao le-
viu h on tem da sala em que funeciona o
Institisto Arch'.logico e Geographico Per-
nambucano um chapeo de sol de seda cor
devinho, cabo escuro, de madeira de car-
nauba., deixando outro intcii ament igual,
mas em peior estada, o obsequio de appa-
recer na secretaria da polica ou na i ua da
Saudaden. 15, aflmdedesfazer semelbante
engao.____________. __________
Aluga-se o segundo andar na travessa do
Campello n 1, por preco cqmmodo : a tratar no
deposito do mesmo sobrado.
Na pra;a da Independencia loja de ourives
n. 33, rompram-se obras de ouro e prata e pedras
preciosas, assim cerno se faz qualquer obra de
encommenda e todo e qualqner concert.
lar de sua saude, vende a sna laerna, muito boa Z2&VV SS?* ?* tfrea df TOid* Ph,pp9 Irm?S ? ? ?."m FSS I"6 re,i-
por eslar defronle da rampa do desernbaraue m Plor'lU,#n* *: 0- 1ue4,era mu"s ommodos para rando-se para o Rio de Jar/iro o Sr. Pedro Alber-
rua do Amonmo. LA Forte do Maitos "* n3.*ran .^..----------_j-----------I ptima agua para o gasto : quem pretender, en- nesta praca, flea d'ora em dlante esta Arma na pe-
le um eaiieiro para labsroa, de tenda-se com o f, Gurjao, na mesma rna, com' rencia do seo socio Charles Henry Loire. Pecife
u roa do Pires n. 56. offleina de carros, 8 dej aneiro de (865
Os ;ib:uxi nssignatl. sem padaria d"-
f'Oiite da oslaQji di vit feea n. 146 d'-
claram a> irspctav.'l publico q e e Sr. M;-
mxlFra ci*o Par d s tlfiX'tl de str sen
caixeiro iUs&b o >a 27 Recibe 28 de Janeiro de t.%5. -
Meneze< & Silva.
INJECCAO BROW-
Remedio infallivel contra as gnorrheas
antigs e recentes, nico deposito i a bo-
ira franceza, ra da Cruz n. 22 pre-
co 3,5_____________ ___ '
pequeo de 11 a
' Precisa-se de um eaixeiro
12 annos : na Passacem n. 3
sage
Na fabrica de calcado do patoo da ribeira d
S. Jos#, precisa-se de artistas paca otra de senho-
ra e menina dando-se todo prompto, paga-se a du-
zia para senhora a 1*800 e para menina a 1*200,
b todo aquel le qoe qoizer levar sem pospontarter
ma's 100 rs. em cada dozia.________________
Precisa se de nma ama de leite : na ro>
das Larangeiras n. *4.
Na rna do Imperador n. 87, defronte da Or-
dem Terceira de S Francisco, precisa-se de um
cosinheiro ou cosinheira de bons costme, livreoa
escrava.
G0MPR1S.
A Menguo.

Procisase comprar nma escrava negra de 25 a
30 annos de idade, que saiba engommar e cozi-
nhar, eu troca-se por outra : na rna da Aurora,
passando o Gymnasio, primeira casa depois da
pontesinha de ferrp.
Jomes para embrnllie.
Comprase na fabrica de cigarros antiga ra dos
Quarteis de Polica n. 21, paga-se bem.
>
i
\


>


I I W~ ^mtx mmmm




I





Diarlo de PeiuaiubiMs-o Guara ieira
pram-se 2 escravas mogas e ja-
ga-se muio-bem, sabendo eogommar e
cosinhar: a rus do Crespo loja o. 17. B
WIMi
Coppram-ge escravos.
Silvino Guimerme de Barros compra, yenda e
troca escravos de ambos os sexos e de toda idade:
ga ra de Imperador n. 79, Urceiro andar.
i Compra-se ouro e prata era obras reinas, pa-
jgga-se bem : na loja de bilhctes da Praga da Inde-
pendencia n. 22. 3
Compra-se effectivamente ouro e prata em.
bras velhas, pagaodo-se bem : na ra larga do
osara n. 2a, lojt de curives.
Frascos eoia gomiua arbica
(lissolvaa e pincel.
Vendera-se na rna do Racimado jx. 8, lopi- da
aguia branca.
Nucos tnins.
Aaguiabraoca acaba de receber outra encem-
menda de bonitos e bem encadernados albuns de
capas de velludo, massa, tartaruga e marlim, al-
gunsdos ijuaes com microscopio para augmentar


*e f**H&*-Jr\Utito-
Compra-se am preto cozinheiro, moco
mta tigura : na ra do Pilar n. 143.
e de

YENDAS.
ALMANAK.
Acaba de sahir dos pr-
los de nossa typographia o
Almanak Administrativo ,
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
1$; na lifraria ns. 6 e8
da praga da Independencia.
0 CASTELLO DE MASVILL
Tradizido do francei por A. J. C. da Cru.
Vende-se este bello romance em quatro
tomos pelo baratissimo preco de 20500 :
na praca da Independencia, livraria ns.
6 c 8.____________________
FOLHIXHAi
Para 1865
Aeham-se venda na livraria ns, 6 e 8 da
praca da Independencia:
A F0LH1NHA DE PORTA, abrangendo o
Kalendario civil e ecclesiastico, tabellas
de feriados, de emolumentos dos tribu-
naes do commercio, etc. a i60 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Rainha em versos, o Stabat' Matcr
Loja de tuiudezas Onas
16 -ra do VueimadoIQ
Enfeltes a Hara Pa.
Reeebeu-se pelo ultimo vapor francez o que ha
do mate moderno e elegante em enfeltes de caneca
a Mara" Pia, to variado o sortimento deseada
qual o mals bonito, que o freguez munido de co-
bres Gcar satisfeito nao s na qualidade da ftiiea-
^^'04encbrlssirao w> aS*3o.*.
JjKKJ, \f, 00, b-5 6 7j,
Luvas de .ionva.
Acabam de chegar pelo vapor francez Guumu,
as legitimas luvas de Jouvm, pretas, brancas o de
cores, para homens e senhoras, a 2*500 o par.
Fitas.
Riquissimas filas de grosdeoaples lavrados com
bonitos desenhos e cres para lagos e sintos, com uiproprjO jara presentes de festas etc., havendo
3 }{, 4 e 5 dedos d largura, pelo baratissimo pre- o"heirodirija-seo prebndente a rna do Queima-
#; Sil, SEGUNDO
i. i ?r Queimado ns- *9 e 55, loja de miudezat
ue Jos) de Azevedo Maia est continuando a
vender nuuHo barato, poia seu genio dar a /azen-
aa por ledo preco a vista dos cubres.
onT *Jli|1ta francezes da melhor qnadadi
a 80 fsv
Groiaidtt peinas da aeo iaglezas da melhor qua-
lidadela 640 rs.
Caixas decolcbetes francezes de superiores quab-
, dados a 40 rs.
loja da aguia brancan. 8.
Galanteras para festas
A aguia branca oo cessa de encommendar de
que ha do raeltior e maisagradavel.e porissoaca-
ba de receber diversas figuras e vasos de pede
pedra com fina banh'a, assim come bonitos Irascos
deexcetlentesextractse lindascaixinhasie ma-
deira eiiveruisada com Anas perfumaras, lude
50 de 960,1*280 e 1*600.
Ditas ditas de .-arja lisa,
de todas as cores, de
i/, 2, 2 1/2,4 e 5 dedos de largura, a 320, 480,
: 1
640, 1*280 e 1*600 a vara.
Ditas ditas de gorgurao preto e de c6r9S, para
sintos, a 800 ris a vara. I
Bonitas Utas de todas as cores com 8 varas, mui-
to estreilinhas para eufeitar touquinhas de crian
cas, a 500 ris a peca.
FIVELLAS E SINTOS.
Riquissimas vellas de tarUruga multo grandes
para sintos, a 5*.
Ditas Jilas de un e dous botoes rom llndisslmas
pedriuhas flngindo brilhantes, a 15500 e 2*.
SdIos de velludo preto, a 45.
Ditos d seda muito largos com flvellas muito
largas, a 5* e 6*.
Ditos ditos de galo e flvellas de pedrinhas, a
2*000.
Casearrllhas.
Pecas de cascarrilhas de la estrellabas diver-
sas core?, a 500 ris.
Ditas de ditas dita mais larga, a I*.
Dilas de ditas de seda estreilinha a 960 rs.
Ditas de ditas dita mais larga, a 1*500 c 1*800.
Ditas de ditas dita era duas cores e de diversas
cores, a 1*500 e 1J-800.
* ollas a Hara Pa.
Voltas pretas grandes a Mara Pia, a 1*600.
Ditas de aljofares de todas as cores, com crm e
paseador de i, 2 e 3 volias, a 2*, 4* e 5*.
Ditas de contas grandes de coral, a 4*500 e
6*500.
Pujseiras de aljofares de todas as cores, com pas-
sador e borllas, del, 2 e 3 voltas,a 1*280,1*600.
2* e 3*.
Ditas do contas grandes de coral, a 4* e 5*.
Bonitos brincos de aljofares de todas as cores a
balo, a 640 ris.
Bonitos alinetes de peito com aljofares de cores,
a 9, 15280 e. 1*G00.
Allmus.
ris.
1 con 4 a 5 oitavas de retroz preto fino a
jde papel de peso liso muito superior a
I da liga e de outra muitas qualidadesa
com 3 folhas fazenda boa a
don. 8, loja da aguia branca.
Ail fino para engom-
mado
A aguia branca na rna do Queimade n. 8,rece-
beu glbulos de ail fino e frasqulnhos com es-
encia de dito para engommados.
Outros enfeites.
. A aguia branca acaba de receber por este ulti-
mo vaper um novo sortimento de bonitos e delica-
dos enfeites de moldes inteiramente novse de um
aparadogosto.assim pos eoraparegam os preteo-
dentes munidos dedinheiroe com disposicao de
gastar: na loja da aguia branca ra do Queima-
do n. 8.
Pequeos pentes de tar-
taruga.
A aguia branca na ra doQueimado n. .8, rece-
ceben novamenieesfes pequeos pentes de tarta-
ruga que por suas qualidades de pequeos, lisos,
bonitos e bem feltos tanta estima tem merecido pa-
ra as senhoras segurar o cabello quando. atado ; a
aguia branca porm avisa aquellaspessoas que os
laviam encommendado e a quem mais qiieira
o tamanho dos rerratbs, continuando a serem veu-' Grojas dfe botBes de madreperola muito finos a 560
didos prprecos comraodos : na ra do Queimad e 640 u'
Carrete
640 r
Resmas
2*
Ora va
aoor
C'am veas para venna
800 rl
Duzla da boiiJes branco para casaveques de seoho-
ra a 100 rs.
Pecas de fita de eos estreitas com 9 varas garan-
tidas i 320 rs.
O Expositor Portuguez para os mfenirws a prenaer
a ier 1 808 rs.
Ds segreaos da natureza para os meninos a pren-
der a ter a 1*000.
Cariilhasda doutnna christa, finase superiores a
Pe320 rl.
Pantes fl|nos de raarfim a 1*000, 4*200 e 1*500.
res de-luvas de seda para borneas e senhoras
500r^.
Gollinbas para senbora o melhor que ha a 320 t
500 r
Frascos isom superiores bannas a 240, 320, 500 *
1*000
Livros que serve para assentarroupa, pelodiminn-
to pre^o de 160 rs.
Capacho! redondos muito finos a 500 rs.
Gordao b -anco para esparlllbes muito superior, a
vara a 20 rs.
Carritis com 150 jardas de linba branca a 60
ris.
Candes :om 200 jardas de linba branca garanti-
das a Wra.
Grosas d > pennas de ac superiores a 500 rs.
Varas d< franja tranca e de cores larga para toa-
Ibas a] 160 rs.
Pares de botoes de pnnho, oh que pecbinena a
lOrs
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
aproveitar aoccaslo do os comprar continuando Ditos del tarro com superior tinta a 100 r
aserem vendidos pelo mesmo preco de 48 cada
um.
em verso, devocao ao agonisante, corarao m^?itos aJiUDS de velLudo com gimieses
j. 1____ _' .. metal para aO retratos, a 5*.
Ditos dito de velludo para 100 ditos, a 8*.
de Jess, cntico em louvor do Santissi-
mo Rosario, cntico a Virgem Mara Nos-
sa Senhora, trinta e tres chistosas anee-'
dotas, um indito poema sobre as aven-
turas de am cozinheiro, 0 canto de urna ]
solteira (poesia), crescido numero dema-
ximas e pensamentos, urna historia como
muit3s (romance), e vinte cinco novas e
pilhericas charadas a 320 rs.
Salsa pamlha de Ayer
PARA A CURA DA
E^CROFUIiA
e todas as molestias
provenientes deUa
todas as molestias da
pelle
Cherysipellas, lunmres, ulceras,
sarnas,
nascidas, empingens,
REUMATISMO
^VPIflfilS
em todas as suas formas, assim como lodo
o mal que provm do uso excessivo do
MERCURIO
Ulceracao do ligado
e em suinma' todos os males pie tem sua;
origem na
IMPUREZA DO SANGUE
um alterante poderoso para a
RENOVACO DO SANGUE
e para dar nova "for^a e vigor ao corpo j
enflaquecido pela doen^a.
Vende-se na ra Direita ns. 12 e 76 e!
Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmaeia franceza de
P.MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
Ditos de marroquim para 12 ditos, w 1,3000.
Ditos idem melhores para 12 dilos, a 1*800.
Ditos idem para 20 ditos, a 1*800.
Dilos idem iiielnores para 20 ditos, a 2*.
Ditos dem para 50 ditos, a 3*.
Ditos idem para 100 ditos, a 5*.
Ditos idem de boa encadernacao para 100 ditos,
a 12*, 1G* e 20*, estes albuns vendem-sopor mui-
to menos do seu vilor por se ter recebido grande
quantidade.
Peunas com Ijico de diamante.
Elegantes pennas de prata com bico de diaman-
te que duram toda a vida de urna pessoa, com ca-
nelas de marfim o madreperola, sao as melhores
pennas que tem apparecido, vendem-se pelo di-
minuto preco de 5* o 6*.
Caixinhas de pennas de langa frescas, a 640 rs.
Dius de dilas caligragraphicas, a l280e 1*600.
Caixinhas com 100 envelopes, a 500rs.
Caixinhas de papel de cor, a 500 rs.
, Caixinhas do papel azul pautado, a 560 rs.
Caixinhas de papei amizade branao pautado, a
640 rs.
Pacotes de papel da beira dourada, a 700 e 800
ris.
BtCOS DESEDAPBETOS
dos mais bonitos gostos que se pode desejar, desde
I 1 dedo at 4 dedos de largura, vende-se pelo dimi-
nuto preco do 120, ISO, 240,400
Estando broncos ficam pretos
O bom resultado e o rpido effeito que produz
a tintura de chromacoma, e mesmo o facilllmo
modo deappheartem se tornado muiconhecldo e
apreciada por todos que usam delta e por conse-
guate augmentado a extraco.pelo que a aguia
branca mandouvir imis o ovo sortimento que
acaba de receber constando elle de
Caixas com chromacoma para tingir os cabellos.
Frascos com coloricoma para lastrar ditos.
Ditos com hydrocalleihrichina para (impar ditos
Ditos comoryehromantina para limparasuuhas
Sabonetesbrancos para lavar os cabellos.
Pomada callicoraiphila para dar- cneiro 'aos di-
tos sem offendera preparacofeita.
Sapa tos de marroquim dou-
rado para bailes.
Esses sapatosdo grande tom vendem-se nica-
mente na ra do Queimado loja da aguia braia n.
8 a b* o par.
Meias finas para senhoras
Qordas
Vendem-se na ra do Queimado loja da aeula
branca n. 8.
Esponjas finas para rosto.
Vendcm-se na ra do Queimado loja da aeuia
branca n. 8.
Violto da Xadeira e do Porto
Vende-seosuperiorvinhoda Madeirae do Por-
to, em caixas de urna duas duzias : s na loja
do Vigifante.rna do Crespo n. 7.
Albuns
para 20 at 200 retratos,m'ulo bons e por menos
prego que em outra qualqaer parle: na roa do
Crespo n. 4. ,
e 600 rs. a vara,---------------------------;-------1--------------------
sendo este prego a metade do seu valor. Htia da Senzalla ftOYa Q. 42. *
vara de bi^SS ^hSS^i !00, 120,160, ,/este estabelecimentoJvendem-seUclias de
200.. 240 e 320 rs. fe""o coado libra ajilo rs., dem de Lo*
Vara de labyrintos de chrox desde 3 dedos atJMoor libra a 120 rs.
um palmo de largura, a 210, 500, 6i0, 800 e 1*. g
Grosas d botoes de lonca prateados muito fino a
160 rs.
Tesourasi para costura superior qualidade a 500
ris.
Escovas 1 ara limpar denles, superiores a 200 rs.
Caixas com superiores phosphoros de segnranca a
160 n. fitn
Caixascon 100 envelopeso melhor que ha ao40
ris.
Caixas com 20 quadernos de papel amizade, muito
fino a 6100 rs.
Quadernqs de papel peqneno muito fino a2(
Qnadernqs de papel pequeo muito hno a zu
MACHINAS EPATET
Grande liquidado.
lina da Imperatriz n. cc>.
Loja de fazeudas do pavao de Gama 6 Silia
Ac^a-se este eslabeiccimooto complelaiiunic
sortija de azeBdas iugiezas, franeczas, allenias e
snissas, proprias lamo para a praga como para o
mato, prometiendo vender-se mais barato do que
em oulfa qualquer pai te.principaiaietitesendo < m
porcao, e de todas as fazendas do-se amostras,
deixaado Qcarpenbor, ou mandam-sc levar era cu-
sa peloscaixeiros da luje do Pavao.
Vestidos soulambarqce.
Pelo ultimo vapor francez cliegaramriquissimos
vestidos souiainbarque, os mais modernos que
oeste mercado tem apparecido, os quaes eslao
promptes com saia, corpinho e se competente
soutarabarqne, tudo guarnecido deseda, veludo e
remia. Quem tiver bom gostodlrija-sealoja do
rarao.ua ruada Imperatriz d.60.
AOS TRES MIL VESU-
DOS.
a, loja do Pavao, a U. 4$
e 7#000.
Vendem-se llndissimos cortes de vestidos india-
nos, sendo todos bordados e de listras de cores e
Drancas,proprios para casamento, pelo baratissi-
mo prego de 3* cada corte por se ter comprado
S.?a^ ePra. sendo fazeHda que vale 6-5,
n P'a> lendo 1uatro Pannos, fazenda
para o corpo com os competentes enfeites para o
XK'? i0bara,M,mo Preco de 4* cada um,
~Ve,0'JasPoreacoin as barras bordadas a
^ ,1'a do cada um em Sfc" 'ano, tendo cada
nr^?a%S e?fe,,e" Vi, pelo baratissimo
S 1 & ca dllS f0m babados multo bo-
mA -W11 ^er em oar,ao- P* minato pre-
a in ca-da um > atlvertindo-se que os donos
minnl pavao veDdem esies veftidos por tao di-
!T.% pief0 por terem tomprado urna grande
?r,U f.di f eonvir lhe l1"*1arem loSo, na sua
toja, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva
Aos vmte mil covados de l
Cirande pchincba, a *40
e 3tO rs.
r.n.t". m"ie as Biais bonilas lazinhas tran-i.d-
1 n s'fnd0 com llstrase quadrinhos miudinhos,
''sas> nao de todas as cores, assim como pretas
n ro"s P.ara lut0 pelo baratissimo prego de 240 o
covaoo,ditas transparentescom palminhasde seda
imm* p,a'tend0 de todas as cores, e tambera
aigumas proprias para lulo, pelo baralo prego de
J-0 cada covado, isto por haver orna grande por-
a ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
0 VIGILAME
Rna do Creap n. 9.
O alio vigilante tendo sido agraciado pelo c(m-
poso alhsa, na sua ordera do da, e pela biaica
Aguia, apesar de que, para es.es o Gallo n n,'B9
agudesesporoes nuiuaos offender*, inies ocaiia-
ciarauamesmaconfornudade, para que oMii
K,marchar,em fr"ntp. e a ***** AfDiaE
levaatarseu voo,.|evando no b.co as paliabas a 'ei
Blnftje o Gallo Ccara em seu esposo"JK
hnSfrn0T0 8e C,,, ""wiaiid a tw
bons freguezes e ao respeilavel publico
0 grande sorlimrnio deohjertes de nuilojcsfc ave
acaba de rectbfr.
RC3S caixinhas com msica
Por
Vende-se ou alua-se um escravo mulato de
bonita ligura, boleeiro, cozinheiro e sapatelro : pa-
ra ver e tratar, na ra do Queimado n. 13, pn-
meiro andar.
A. 2*000 a dazia do caixilhos para carloe
com retratos: na praca da Independencia n. 22.
Lquidacao das fazco4as do uaiifragio
da baica fraacez.
Chales de merm de diversas cores padrees
lisos de franjas de seda a 2*, paletots de ganga
padroes escaros a 1*500, ebeguem a esta admi-
ravel pechiocha, visto que as referidas fazendas
achim-se anda unidas, que lavando fleam per-
feitas: na loja da rna di Madre de Dos n. 16
defronte da guarda da alfandeg*.
fa tos e oaratas
Nova preparagao para matar, ratos e baratas,
acaba de chegar de Liverpool pelo navio Tom* of
Liverpool. A verdadeira massa pnosphorica aova
frasca evidente para este fin. Nao naneado ha
tem'0? no mercado senao j muito velha, quasi
enhum efTeita produzia, por isso recommc'nda-se
a todos que se queiram ver livres de tantos ani-
Fitas ccordots para cspartilhbs. 60 e 120 rs.
Gravatas de ponas bordadas para senhora, a 1*.
Ditas ditas de blonde matisadas, a 1*600.
Touquinhas de blonde enfeiladas, a 1*500 e *.
Sapatinhos de merino bordados parabautisado.a
f*500e2*.
Sapatinhos de setin idem, a 2*.
i Escovas para denles, 160, 30 e 180 rs.
Ditas para calgado, a 200 e 2i0 rs.
Ditas para roupa, a 800 rs.
Ditas para cabello, 84, l*e I*i00.
Ditas para unhas, a 640 rs.
; Varas de lita de velludo desde a mais estreili-
nha al 4 dedos de largura, a 100, 160, 240, 320,
400,500, 610, 800 e I*.
Bonitos chapeos enfeitados para criangas, a 4*.
Varas de fitas de laa para debrum, a 100 rs.
Pegas de litas branca para debrum, a 320 rs.
Frascos de oleo de babosa, a 400 e 500 rs.
Ditos de dito de mauzenha, a 500 rs.
Ditos de auoa da colonia, a 400, 500 e !#.
Ditos de dito de mauzenha, a 400 rs.
Garrafas grandes de dila, a 800 e 1*600.
Frasquinhos de essencia de sndalo, 1.-500.
Ditos de extractos, a 320, 500, 800, 1 e 1*500.
Cestinhas com quatro frasqulnhos de dito, a I*.
Duzias de facas e garfos de balanga, de 6 a
68500.
Duzias de ditas dita de sobremesa, a 5*500.
Duzias de colheres de melal do principe para
cha e para sopa, a 1*500 e 3$.
Colheres de concha para sopa, a 20.
Faca e garra trinchantes, a 1*600.
AGUA FLORIDA
de rabalhar mo para
descarocar algodio
FABRICADAS
Plant Brothers & C.
OIDAM
Estas machina.<
podemdescarogar
quafquer especit
de algodao sen
estragar o fio
sendo bastante
duas pessoas para
o trabalho; pt
descarogar ama
arroba de algo-
dao em earoco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por da on 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Assim r imo machinas para seren movidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algodc
limpe, por dia.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que p< ido fazer mover seis destas machinas
mencionad;s ; para o que convidase aos Srs.
agricultore a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algudao, no largo da ponte novan.47.
Siuudcrs Brolhers&C.
IV. II, praca do Corpo Santo
RECIFE.
Os nico; agentes neste paiz.
gorgurao, ven-
Silva.
Latas e copos com banha fina.
A aguia branca, na ra do Queimado u. 8, rece-
beu esta estimada banha fina em latas e copos, isso
alem de outras em diversos frascos.
As modernissimas lazinhas de ama s
cer, a imitaco de
de o Pavo.
Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
modernas lazinhas de cordozinho, as mais pro-
prias e mais lindas que tem vindo, proprias para
vestidos.soutambarques, capas,etc., dam-se amos-
iras deixando penhor, e vendem-se pelo baratissi-
mo prego de o60 rs. o covado : na na da Impe-
ratriz n. 60, loja de Gama e Silva.
v ,As ,5azllhas do PavSo.
i m fseiaai,n,ba" de 'inadrlnhos transparen-
es, boa razenda, pelo preco de 280 rs. o covado,
ditas largas multo finas a 400 rs., ditas estampa-
das, cor segura, padroes mmdos e grandes a 320
-cJ:0Vadnnd,asJ-,ri,DSPareDles lH)m P3lminhas
de seda a 400 rs., ditas esrocezas a 560 rs., isto tu-
do para liquidar : na loja e armazem do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60.
Os grosdenaples do Pavo.
Vend.eJ!3;se fosdenaples pretos, fazenda supe-
rior a 1*600 rs. o covado, ditos largos muilo en-
corpados a 2*400, 25600, 2*800 e 3*000, ditos
DnUCOB,cm do roja, aul e iiuaicllo a 2,8000 r.o
o covado : na loja de Gama & Silva, denominada
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60.
As novas las garibaldinas a oOO rs.,
na loja do Pavo.
Vendem-se as mais modernas lazinhas saribal-
dinas, fazenda inteiramente nova no mercado, sen-
do todas com listras miudinhas, e transparentes,
com lustro a imltagao das sedinhas, tendo varias
cores, sendo azul, cor de lirio, carmezim, cinzenta
e cor de havana, etc.; isto a 500 rs. o covado para
vender depres-a: na loja do Pavao, ra do Impe-
rador n. 60 de Gama.4 Silva.
das para costura," pr^rilTpara OB KSdK
Riquissimos cofrcsinbos nm cadeados de iilrI
pasa guardar joias.
t Jralcai,as Coni esl,,j0' C0Dlcndo todos es {.
tences para bomem.
Riquissimas vollas fmgindoperola.
Ditas com lacinhode lila.
Ditas de lindas cures e prela, de todas as fcrt:;-
Lindos aderegos com pedrinhos
Ibantrt.
6ngndO| bri-
Ricas fivellas para cinto, de todas as nDalik'ft*
e bo gesto.
Ricos cintos do ultimo posto de Paris.
Grande sortimento de lindes cnfeiie^Vara frie-
ga, sendo do ultimo gosto e de todos os pnce
Flores muilo finas para noivas.
Luvas enfeiladas e mnas de sida para toint.
Touquinhas sapatinhos e meias de seda Dtri
bartisado '
Riqnissimas illas de lodasas qualidades rara la
go, odios e cinieirrs.
Camisinbas e Rolinhas para senhora.
Riquissimos jarros e figuras para orrzmento de
Grande sortimento de gravatinhas tanto para se-
nhora como para homem.
Luvas de pelica branca e decores.
Cascarrilhasde bonitascres.
Trancinhas.galao e maravilhaspara enfrkf>
Transelins de cabellos e de retroz para relate
Papel amisade o de outras qualidades.
Bolsas para viagem.
Entremeios e bahadinhos de lindos padree*
Lmcinhos de linhc bordados.
Meias para homem, senhoras, meninos e rceti-
DdS.
Fitas de veludo lisas e cem mtame de |ra ?s
larguras. *
Thesouras e caivetes de todas as qoalidadf
Grande sortimento de sabenetes.
Lindos vasos com banha para ofierecimeDlcj.
Caixinhas enm seis frasquinhos.
Essencias de todas as qualidade?.
Agua vorddeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grande* t un
frascos quadrados egarrafinhas.
Pomada fina de todas as qualidade*
Superior banha em frascos e copos de toles es
Sabiioinplez em paos grandes e peqneno*.
fcscovasfle cabo <\p mniroPoroi, uxinifi e a*
osso, para dentes.
Pentes para desembaragar, com friso dmela'*
sem elle.
Ditos de tartaruga
des.
de rcnias outras qualida-
>
Pentes de tartarnga para senhera.
Ligas de seda e de algcdo, assim' con r n uifi *
ouiros objectos de poslo que seria impossivelti i l
onar, que a vista far fe, s no Gallo Vigilarte
rus do Crespo n. 7. '
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do Queimado ns. 40 e 55 loja do Barateire
conhecido ja como tal, est dispondo da fazenda
por todo o prego para apurar dinheiro, qnem qui-
zer venha v5r e traga o cobre, e ver o seguinte :
Baralhos del cartas para vollarete muito
Gnasa.......-............,.......... 30&
Miadas de I nha froxa para bordar a___ 20
Pares de sai tatos de trangade lodosos
tamanhos e finos a................... 1*500
Voltinhas.
Lindas voltinhas de pendas falsas ccmcruiirlrs
. flngindobrilnantcs, assim como cruzii.bas auls
S maiS niOdemOS VeslldOS a flai'ia Pa, e voltinhas, pelo barate prero de I* e 1*200 ti
; na loja do Pavo, a \ 6$ SSl 7 "" l rs'! f t0 v8ilaD,t'' ;; a f"
Vendem-se finissimos vestidos Maria Pia com I .
os corpinhos differentes, tendo todos ns preparse' D,-.,- i ZiCquCv.
Riquissimos loques de madreperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo baralo
08 preparos e'
na ra da Imperatriz n.
com o competente sinto :
60, loja do Pavao.
Camisinhasa 1 $000-
Veadem-se camisinhas com manguito?, sendo
mnito bem enfeiladas. proprias para senhoras e
meninas, pelo barato preco de dez tusles cada
preco
Crt'io
de 12* c 14*; s no Vigilante, rna do
n. 7.
GRANDE N0V1DADE.
S no Vipilanic.
Riquissimos enfeites de todas as qualidades raa
urna: na loja do Pavao, ra da Imperafriz n.60, se&horas c mininas, chegados hojeda alfandrg.i.
MURRAY & LANMAN
A agu lloriJa de Murray' Lannaan,
olhada como um artigo de perfume, no
tem podido ser igualada pelas preparacSes
as mais costosas: conserva seu aroma,como Ditos de che
Massos de s iperior grampos para cabellos
Duzias de p: titos de gaz superiores a.....
Libras de anea prea muito superior a...
Frascos de superior macaca oleo a ....
Ditos de dito perola a..................
Ditos de od i de babosa muito finos a 320
rs. e..
Ditos de aguia de colonia superior, garan-
tida
Ditos de lis n ia muito fina a
Goke lo gaz.
Pltchdogaz.
AlcatrSo do gaz.
Coke, tonelarla I0.->00.
Piten, arroba 3*000.
Alcatro, caada 500.
O cok reconbecidamente o carvao mais econo
mico, tornase por $so recummendtel, bem co-
mo pelo aeeio qu se nota as casinhas aonde
elle usado. Piten e alcatro, alem das applica-
ges diversas a que se presto, como para calafe-
tar embsrcacoes, alcalroar madeiras, etc., tecm
estes a propriedade de preservar do cupim, for-
migas, etc. E entregue na fabrica do gaz, ou man-
ros muilo Unos para o preco
todas as qualidades a 60 rs.
inha com 400 jardas a......
inha de cores com 200 jar-
de gaz de todas as c-
elasticas com 10 varas pa-
as e insectos que infestara as casas, armatens, j dado por em qualqer ponto da cidade, segundo a
navios, etc., a dingirem se a travessa da Madre de vontade do comprador e previo ajuste.
Deas n. 16, armazem de Duarte, Carvalbo & C,
3ue acharao a excellente massa em boies a prego
c64prs. cada um, e em duzia a 6*.
Ckega para todos,
Peale da atiaar a 200 rs. cada um : n ra da
Cruz, casa de banhot o. 17.
Vende-se um eicravo perfeito cozinbeiro,;
bom pintor,' eaiador e msginario, aflanca-se as
habilWade: ao pateo do ft. S. do Teren b- 141.
' VeMe-s urr vacca nova e muito gorda pa-
ra acoague : em Santo Amaro sobrado junto ao
cemilerio inglez
Vende-se um carro novo de meia volta pro-
prle para o servn-i da escadinka pi>r prego cuui-
modo<: a tratar na ra do Sebo n. 54, taberna.
Vende-se e aluga-se em porco e a reUlho
bichas de Hamburgo de superior qualidade, por
menos d que in outra qualqer parte : na rpa
do Vigartoas. 8 e 13._________________,__
Vende-se ama armaglo de taberna, quan-
teiros, baldo, 4 eafxoe*, tudo em bom estado, per
prego commodo : a tratar na mesma taberna, na
ra do Sebo n. 16.____________
Vendem-se por 200*"duas casas de laipa,
bem construidas, sitas na Cabanga, que rendem
4*000 mensaes eada ama, ou fa-ae'iro iual-
craer negocio : a tratar na rna Iraperij n. 1*6.
Veodem-se pegas de paono de llnho fino de
boa largura a W rs a vara; oa j-i da Gnu u-
maro 33.
Vinlio do Porto superior
em harris de oilavo e dcimo, vende Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C.: no seu escrietorio roa
da Crut d. 1
Vende-se ama mobilia nova do amarello, gos-
to moderno : a tratar na botica n. 6 da praga da
Boa-Vista.________________________ .
Vendesea casa terrea n. 25 da ra de Ma-
inin Ferreira da cidade de Oiinda ; quem a pre-
tender dinja-se a tratar nesta cidade na ra An
gusta n. 59.
Burro manso.
Vende-se nm grande forte e em bom estado
para trabalhar : oa cachefra do Sr. Paulino, no
Mundo Novo._________________ /
LaRARRAQCE.
Gemina agua de laharraqu*, a ]* a garrafa :
na praga da Independencia n. 22.
Vende-se urna taberna com poucos fundos e
bons commodos para familia, a dinheiro oa a pra-
so, dando-se boa garanta : na ra dos Pires n. 36
so dir quem vende.
Vende-se superior faritiha de mandioca, a
bordo do patacho Brasil, atracado no caes Barao
do Livramento. __________
Vende-se ama casa terrea com sotSo Inde-
pendente, reedificada de novo, rende 34*000 men-
saes, sita na roa da Praia do CalJeireiro n. 32 : a
tratar na raa da Concordia n. 73. I
se formasse parte da prenda a que ella se
applka. Sua eflicacia to delicada, como
elegantes sao seus multiplicados uso6, quer
seja empregada como artigo de toucador,
quer no uso dobanho, ou como' suavisador
da pelle, depois que se tenhafeilo a barba;
j para limpar as gengivas ou aromatisar o
hlito.
D suavidade, brilbo e elasticidade as
compleices, depois de se haver lavado; al-
livia a irritagao de erupcoes ordinarias; fu
desapparecer o desagrdate! aspecto doa
pannos, das sardas do rosto, rugas e toda a
casta de ebulices, e da vigor e frescura a
parte onde quer que se applique. Sua ent-'
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso appli-
ca-la como estimulante e antisptico, nos
concursos e assemblas numerosas, as lo-
calidades infeccionadas, na alcova de um
enfermo, assim como um antidoto excel-
lente para os desmaios causados por cansa-
co ou suffocacj). Preparada nicamente ,,
por Lanman & Kemp, Nova-York, e a venda | Dazias de botoes eacaTujoos para vesti-
por Cao ;s & Sarhosa.
Joo da C. Bravo & C.
Vendem-se no Recite em casa de Caors
Barboza e Jo3o da C. Bravo & C.
a ris
Sabonetes de!
160, e...
Novellos de
Carritis de
das a....
Novellos de 1 nha
res a
Pegas de Atad
ra vestido:
Frascos de superiores cheiros, pequeos, a
Pares de liga s muito superiores bonitas
a ris....
Varas de blcns francezes, superiores a.;.
Opiata para denles da melhor que ha a..
Frascos de || ua para denles, superior a
tudo a...........................
Pegas de tranca preta liza muito fina a..
papis de agnlhas Victoria a
preta com colxetes a......
sortida de todas as cares a
bonitos a......
Caixas com 4
Varas de fila
Libras de laa
Bonecos de cliro muito
Canas de ohr
Varas de ira
toalhasa.
Frascos de odo
jro
3> de ma ssa mato novas a
Vende-se um alambique de cobre fqasj no-
vo, que distila por dia 80 a 10(1 caadas de agur-
dente, com todos os vasas o mais accessorios para
funcc'onar, inclusive 50 ancoras rjara eondiiego
de mel e agurdente. Ha mais nm apparelho de
cobro completo para distilar por dia 100 a 150 ca-
adas de aleiol, sendo a serpentina de estanto, as
brides e parafusos de bronze, lado finalmente em
perfeito estado e de solida construegao, vende-se
por prego muito commodo : no largo do Carmo n.
1, se dir quem vende.
ija .branca e deidres para
...................
Philocomescupenor *...
Ditos com sojjerior tinta a3t0 ai........
Caixas de linlia de gaz rom 50 novellos a
Enfiadores para espartiRi >.
03 ..
30
200
100
100
200
500
400
640
600
490
80
1 60
30
M>
20!
i
1*000
1*000
60
10$
4C
6*btW
166
40

00?
set
80*
em saceos
Feijlo.
9- Raa 'a Wadra de Deos-9
Vende se fejSo raulatinho novo, saceos de 22
cuias, o mais novo que se pode desejar, e mais
baralo do que em outra qualqer parle.
Xarepe vegetal De Penefo.
Vende-se n botica da ma d) Cajjug, n. II a
'3*W o vidro,
Assdcaij cryslalisada da fabrica
2 de Julho
Na Baha.
i Noa/mazem da ra da Madre de Dos n. 28,
M I v*nda O rilto superior assr.car crystalisad,
arrobas, ao prego de 5* cada ar-
Veada s caiies YazioapropriM
para balilciros c fnnileiros a lj/60
cadaam; asla lyporapha.
Raa da Senzalla n. 42.
Vcnde-se, em casa de S. P. Johnston C,
sellins e silbes inglezes, candieiros o casti-
caes bronceados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes par? carros o motaria, arrelos para
carros de um e dous cavaUos, e relogios de
ouro patent inglez. ______________
Venden) 'se charutos da Baha de varias qua-
lidades: em casa de Monhard A- C, ra de Tra
piche n. W.
de Gama & Silva.
Vestidos para meninas.
Vendem-se s mais modernos vestidinhos para
meninas, sendo muito bem enfeilados Maria Pia,
tendo de differentes tamanhos, pelo barato prego
de 8* cada am : na loja do Pavao, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
H lipa feila barala.
Vende-se um grande sortimento de roupa feita
para homens, sendo calcas de bnm branco c de
cor, dilas de easemira preta e de cores, ditas de
meia easemira, paletots saceos e sobrecasacos de
easemira e panno preto fino, rlleles do todas as
qualidades : na loja do Pavao, ra da Imperatriz
a. 60, de Gama & Silva.
Grosdenapledecor a 1 G00 o covado.
Vende-se grosdenaple de cor azul, branco e pre-
to, pelo barato prego de 1*600 o covado : na loja
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Panno de linho a 700 ra. e corada.
Vende-se o verfladeiro panno de Imbo proprio
para lenges, toalhas e ceroulas, pelo barato prego
da 700 rs. a vara : na loja do Pavao, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Economa, de Pavio.
Vende-se para acabar, urna pergo do rctalhos
de lias ecassas de todas as qualidades, e por pre-
gos muilo em coola; quem tem economa que
pode apreciar : isto na leja do Pavo, rna da Im-
peratriz d. 60, de Gama & Silva,
ladapelie a 7000, se na loja do Psvie.
Vende-se superior madapoln muito encorpado,
tendo varas cada pega, com 4 palmos de largu-
ra pelo baratissimo prego de 7*000 a pega, ditos
muilo finos a 8*, 9* e 10*000. E' pee-hincha, na
laja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cer tes de nssaa ilfjQOO.
Vendem-se muito bonitos corlee de cassa, tendo
7 varas cada corle, com desenhos muito delicados
pelo baratissimo prego de 3*000 o corle ; s na
loja do Pavio, ruada impeatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Caries de chita franceza.
Vendem-se finissimos cortes de chita fran-
ceza, com 12 covados, tendo, padrees escaros e
alegres de cores fixas pelo baratissimo prego de
4*000 o corte ; s na loja do Pavo roa da Impe-
ratriz n. 60 de Gama Silva.
C.ainbraias lisas, na loja do Pavo.
Vendem-se pegas decambraia lisa muito fina,
tapada e transparente, pelo .baratissimo prego de:
Slot OS
Riquissimos sintos de fila larpa e estreila un
Gvelas grandes e pequeas, com brilhanies falsos,
eousa de moilo gosto.
Alhuns
^ Tambem chegaram os riquissimos albons para
oO retratos.com capa de tartaruga e de rxsifn-..
cousa muitochique : s no Vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
Gulitlias.
Riquissimas golinhase manguitos, omelhor cos-
to possivel, a 2*. 2*500 e 3*: s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfeites para senhora.
Riquosissim enfeites com lago e semlaco e do
outros manos gostos a 1*, 1*300 e 3*: s' no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins oe cabello para relegie cu lu-
netas, pelo baratissimo preco de l*S0O, dilos do
retroz a 200 rs.
Babadinhos mramelos.
Riquissimos babadinhos eDlremeios com lirdoj
desenhos tapados e iransparer.tis, pelo baralis^no
prego de 1*200, 1*"00, 2* e 3*; s no Vigaclf,
ra do Crespo n. 7.
Cascarrilhs.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversa-
larguras, assim como galaozinho e trancinhas |ro-
prlas para enfeites; s no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7.
Filas.
Grande sortimento de filas de diversas largor?*
e qualidades, per pregos qne admibm aos com-
pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
leiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e pf ca
de 9 varas a 2*; s no Vigilante, jm do Cre>po
n. 7.
ritas de la.
Fitas de la de todas as quahdadps, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Ricos caprinos, i
Riquissimos espelhos crm moldura droiadag
$em ella de 8*, 10*, 12* e 14*, assim coito rotrv
relnmnas de differentes tamanhos a 2*, 3*, 4*, f
e 6*; s no Vigilante, ra do Cresro n. 7.
Lindos jarros e ligaras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com.bonecla para pos de arres,
4*O00t*ndo 8*1/ varas cadapec," ditas multo fl" i cousa de muito gosto a 1*500 e 2*. assim eomo
as a 7*, 8*, e 9* a pega, ditas Victoria core 10 pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; so no
varas pelo baratissimo prego de "*, 9* e 10*. di-
tas Garrazes fazenda muito encorpada. fazenda pro-
pria para forrea 360 rs. a vara oh 5?*600 a peca
isto na loja do Pavo, rna. da Imperajriz n. 60,'de
Gama & Silva.
Cartea de lia a l000.
Vendem-se corles de las garibaldinas, matisa-
das e de quadrinhos. tendo 12 covados cada corte
Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banbas, poma-
das, assim como de lindos copos on-vasos rom dis-
linctrvos e offererimente-s as sirhasirdias dos me-
lhores e mais afamados autores de i>aris e Inglater-
ra, assim romo os grandes copos de banha japene*
a 2* e a I*, assim como rutrns obieclos qi?r- nao e
possivel por hoje annunciar, e vista dos fregue-
pelo baratissimo prego 4e 4*000 o corte : isto na j
loja da Pavo, rna da imperatriz n. 60 de Gama & I zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante
Silva. ra de Crespo n. 7.


-____, ,
..................>........II
GRANDES \RIUZENS
DE
MOLHADOS
i Largo da Santal
[druz ns. 12 e 84,
[es-juina (la ra do]
tCabo. a
VllMIOS
mmm
Largo da Sant
Inrz ns. 12 e 84,j
esquina da ra do)
Cebo.
l
m
O dono dos j muilo acreditados armazens de raolliados denominados Aurora
Brilliaute, acaba de receber de sua propria encomraenda, muitos gneros delicados
praprios da prsenle eslacao, e tendo grande sorlimento comprado aqui.aflanca que toaos
es seus geueros sao do i." qualidade.
A seguinte tabella servir a todos de base para ajuste de contas aos por-
tadores.
N'enhum armazem vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
Brilhante, j pelo grande sortimenlo que tem, j mesmo por sea dono se achar encom-
madado ein sua saude e ter de vender un de seas armazens agora, e o oatra na pr-
xima primavera, par isso deve-se aproveitar orna qaadra tiestas para se comprar
barato.
Latas com 8 libras de cb.ouric.as milito novas,
a 753DD.
Ditas grandes com peixe em postas inteiras,
ais de l qualidades, a 1^000, 15280 e
ifitQ.
Ditas com ostras, ezcellente'petlscs para re-
gideira, a 720 rs.
Ditas com ervilhas novas, ensopadas, a
70 rs.
Ditas com favas, a 610 rs.
Ditas comameixas a i200, 1800 e 3,1300.
Ditas cni mannelada do afamado fabrican-
caute Abreu, a 880 rs. -
Ditas de massa de tomate, a 500 rs.
Ditas cora figos de comadre, novos, a 10300,
25 e 25300.
Ditas 'om bolachinhade soda muito novas, a
25000.
Ditas com biscoitinhos inglezes de muitas
qualidades, a 154(30.
Chocolate.
Ciioeolate superior muito aovo, a libra a
15200.
Macarr.io telharim e alotria amarella.a libra
a t3J rs.
Dito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caixas com estrelinha, pevide e outras mas-
*a-i, a caita 35">00.
Ditas dita era libras a 640 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
Ssvadinlia para sopa a libra a 240 rs.
Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 288 rs.
Farinha de araruta verdadeira, a libra a
30 rs.
Arr#z do Maranho. em sacca a arroba a
254OO e a libra a 80 rs.
o da India e Java, a arroba a 35200 e a
libra a 100 rs.
Toucinho de Lisboa a 95500 a arroba e a 320
' rs. a MDra.
Dito de santo, a arroba 75000 e a libra a
261) rs.
Molhoscom 12'> s bolas grandes, a 15280.
Honarda franceza caixa com 2 duzas a
a 3000.
Frascos com mostarda preparada em vina-
gre, a 400 rs.
Ditos cora conservas inglezas e francezas,
a 610 e 80.) rs.
Ditos com sal refinado fino., a 640 e a 500
ris.
Ditos com a verdadeira genebra de laranja
a I52OO.
Ditas de 2 garrafas de Ilollanda verdadeira,
15900.
Ditos de i garrafa de Hollanda verdadeira,
h iiO rs.
Botijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
(l.irrafcs com 2 galoes com dita, a 65000.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzu a 65000.
Vinho mascatel de tetuba, a garrafa a
15000.
Marrasquinho verdadeiro, frascos a 800 rs.
c a 15200.
Champagne, a duzia 205000, c a garrafa a
25000.
Azeite refinado portuguez e francez, a gar-
rafa a 15000.
Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
75,85, 95 e 105 a caixa.
Ditas com dito branco, a 75000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a 205-
Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
Ditas com chamisco superior, a 115000.
Ditas com Porto velho e outras mullas mar-
cas, a 125000.
Vinha do Porto da pipa, a garrafa a 640,
729 e 800 rs.
Dito de Lisboa Tnnito bom, a caada a
35200,33300 e 45000* e a garrafa a 500
e 560 rs.
Dito da Figiieira, das seguintes marca, (N.)
(J. A. A.) (J. L. G.) O. M.) a caada a
45-100 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
que. j eH engarrafado e lacrado com o
rotlo do armazem.
tDitos de marcas mais desconhecidas, a cana-
da a 35500 e 45000 e a garrafa a 480 e
50 rs.
Vinho branco uno, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafas
800 rs.
Viho verde superior.
A canada a 35500 e a garrafa a 480 rs.
Gemnu.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se
engommar, arroba a 3JOOO e a libra
120 rs.
Sabao massa, a liora a 200, 240 e 280 rs.
Farinha.
Saccas grandes com farinha de oianna mui-
to nova, a 55000.
Caf.
Caf do Rio muim superior, a arroba a 85,
85500 e 95OOO.
Ca.
Cha temos nestes gneros o melhor possivel,
hysson, a libra a 25600.
Dltoperola a 35000.
ilo uxim a 25700,
Dito hysson mnito fino a 25800.
Dito redondo a 25500.
Dito preto de primeira qualidade a 25500.
MM mais baixo a 25000 e 15600.
Erra mate.
Encllente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espermaeete.
O masso com 6 vellas de espermaeete a 600,
640 e 720 rs.
Rangas,
Caixas de 16 e 8 libra de paseas novas pro-
prlas para mimos a 45 e 2$500.
Noms.
Nozes, a hbra 160 rs e arroba a 45000.
Alpisla e painni.
Alpista e paii^o.a arroba 45000 ea libra a
160 rs.
Cartas.
cartas liuas para jogar,a duzia a 25500.
Caslanhas.
Castanhas novas viadas neste vapor, a arro-
ba 450OO e alibra200rs.
Azeitoaas.
Barris com azeitoaas novas a 15500
Hanteiga.
Manteiga flor, a libra a 15000.
Dita mais abaixo aSOOrs.
Dita menos superior a 640 rs.
Ditafranceza nova,a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a libra a
660 rs.
Ditapara tempero a400rs.
Qneijos.
Queijos novos viudos neste vapor a35200 e
3550OX
Ditos londrinos muito novos, a libra a
15000
Papel.
Papel almaco pautado, a resma a 45800
Dito dito lizo de linho, a resma a 45500
Dito de peso lizo e pautado, a resma a
25500
Dito de embrulho bom a 15 e 15200.
Vinho Hadeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 15500 e 20.
Temperos.
Folhasdelouro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libraa 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca,a libra a 320 rs.
CaixSes de doce de golaba, grandes a 15400
e pequeos a 840 rs.
lijlos de lirapar.
Tijelos de arear facas a 140 rs.
firua.
Dosias de boides de graxa n. 97 a 2*600,
de latas a 15000, e os bnioes a 240 rs., ca-
da uro, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos fios dos melhores fabricantes da
Bahia por diversos prego?, caixas e meias
caixas.
Dlarl c Peraamfcueo NEM COROAS NEM MITRAS
E
Fererelro de 185
GBAIHIE ^MMAKEM
da safra novavinda no ultimo vapor a 1, 000 para sopa
-
'C
macarro,
libra e 45
Figueira J A.
ditadas a
e de outras
20800
1
generosos e
cantes da
a garrafa e
cas so as
UVA DOUHPER4DOR W. 40
Jauta aa sabrada em qae liara Sr. Osbarae,
miarte Almelda A C.-refMhtwaaa-de sala propria eaeomimrn-
da o mala linda c Tarlado sortimento del ntolhadoa, proprloa
da presente estaeSe iT|
Manteiga ingleza Mugas brancas
melhor talharim e aleiria a 400 rs. a
00 a caixa.
Vinho
e entras muitas marcas aere-
00 rs. a garrafa,
den de Lisboa
arcas a 400 rs. a garrafa,-e
ada.
can do Porto
arrafado des melhores fabri-
idade do Porto a 10 e 1)5200
de 100 a 125 a caixa, as mar
seguintes: Chamisso iiFilho,
F. A M., ISestar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de basha a 40000.
Bolaqhinha ingleza
a 1(5800 a barrica damesmaque
vendem a 20000 e 2*400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r* .d bra.
ervejas
dos melhores fabricantesje do todas as mai
as de 40500 a 0500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a O rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1.* e 2.a sorte do Rio de Janeiro a 805f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
CiarrafSea
com 4 7 garrafas com vinagre a 10OOOta
o garrafio.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
000 a caixa
rs. a libra e em "barril #Uoo rs.
Manteiga franeeza
da safra nova a 60o rs. alibr, e era barril
a 560 e.
Amendoas
confeitadas de Hndissimas cores a 00 'rs. a
lihra
Ameixas
m frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos.,
CartSes
com boles franceses a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 10300.
Chocolates
de todas as qualidades a 10000 a libra.
Presuntos inglezes ;
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 206oo.
Queijos
ebegados no ultimo vapor a 20600 cadaum.
Queijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retamo.
Conservas inglez&s^
asmis novas qua.se-pd&esperar a 700 rs.
o frasca.
Figos
em Fibras e caixinhas ricamente donradas,
proprias para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
o melhor que se pode desojar, qne outro
qualquer nao pode vender por menos de
30 a 20600.
dem perola
especial qualidade a 2070 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarr3o, talharim e aletria a
480 rs. a libra.
COGVAC
o muito afamado cognac Pal Brandy a l,8oo ,
rs. a garrafa e de outras muitas qualida- finos de todas as qualidades, a lo,ooo a
r0 carrafa com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
NO
ilIAIll
DK
UTKZXKO V*R0B. ,
Neste estabelecimento ha sempre um sertimentO"eomp!toAtlrr(npafeita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontad^e dos concor-
rentes, para o que tem um dos melhores professGres,assimomo-tombem tem um
I grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
R homens e meninos.
K Casacas de panno preto, 350 e 300000
30000
40000
50000
Sobrecasaca's idem", 360 e 250000
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e......100000
Ditos de casemira, 200, 150,
120, 100 e...... 70000
Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50,40e......30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. .
Ditos branco de linho, 60,50 e
Ditos de -merino preto de cor-
d3o, 100, 70 e.....
Caigas de casemira preta, 120,
100, 80 e......7 Ditas de cores, 90, 80 e. 70000
Ditas de meia casemira de co-
res, 50OO0e.....40000
! Ditas de princeza e merino pre-
to de cordio, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e Tle co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
40 e........
40000
C05O0
20500
70000
40000
30600
Ditos do setim preto. ... 50C
Ditos de ditos e seda branca,
60 e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
Colletes de fastao e brim bran-
co, 30600,30 e .
Seroulas de brim de linho,
20400 e......20000
Ditas de algoOo, 10600 e. 10400
Camisas de peitos de linho,
, 41 e...... 10600
Ditas de madapoHo, 20500,
20 e........10610
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. 80500
Ditos defltro, 50,40,30500 e 20000,
Ditos de sol, de seda, 120,
110, 70 e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. ...
Sortimento completo de,grava-
tas.
Toa I has para rosto, duzia, 110,
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores..... 40000
Lences de bramante de linho. 30000
Cobertas de chita chineza.. 20500
DE

des a l,ooo e 800 rs. a garrafa.
COPOS
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-,
de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me- 0 ^d^jeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
Marmelada
rs. a os melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
libra.
Pregunto
lidades
Ihor.
Papel !e botlea ARR0Z
de excellente qualidade a 20200 a resma, Maralo, Java e India, a loo rs. a libra e
PAPEL 1 de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba,
azul e pardo para embrulho de 1,4oo a 2,2oe VELAS
rs. a resma.
de espermaeete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
**&!&* muit..Ovas PrPrias Paca; de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrohasa u a caixa e 60 rs.
a libra.
Paisas amito natas
envajuartos e inteiros a 20 o qnarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra,
Ciioeolate
uguez o mais especial que se pode de-
Corinthias
podim a 600 is.a libra.
Fumo
o terdadeiro fumo americano em chapa a
1,4oo rs. alibra.
Vinagre
PRRem ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas #
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
1A48 0
PecMncha sem igual.
Lindos cortes para vestido de percales de cores
claras e escuras com grande variedade de padres
pefo baratissimo prego de 4$ o corte: nu loja das
columnasra do Crespn.Id, de ntenw--for-
reii de Vasconcellos 4 C.
Algodo em caroco.
Gompra-M qualqaer qoantidade par maior pre-
Co do qae se paga no mato : na fabrica da trave-
sa do Carioca n. 2, caes do Ramos.
Vente-se potast an barris a raimado proco
a roa da Crn n. i3, primeiro aodir, eseriptort:
do Aatonio de Alnelda Gomes.
as mais aovas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e 1,000 rs. o molho.
Alnista o tainco
o mais novo do mercado a 14o rs. a libra,
e404OO a arroba.
CEBLAS
muito novas a 10000 o cento oa ra do Qo>
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
GRAO DE BICO
muito novo a 30400 a arroba e 140 rs. a li-
bra oa ra do Queimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
QUEUO SISSO
muito fresco a 800 rs. a libra na roa fio
Queimado n. 7, ra do Imperador n. 40 e
iergo aa Carmo n.
8e]ar a 800rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos,a 640ts. a lata.
Dsce da casca da goiaba
a 600 e 10 o caixae.
QOMMA MUITO NOVA
e aaneiros de 1 e 2 arrobas a 80500 a ar-
roba el 40 rs. alibra na ra do Qoot-
mado.n. 7, ruadolmperador n. 40 e largo
do Carmo n. 9
. BOLACHINHAS
em latas de defferentes qualidades a 10200
a lata
IQUEUOS JLAMENGOS
efeegadosneste ultimo vapor a 25800 na ra
do Queimado n. 7, ra do Imperador n.
40 e largo do Carmo n. 9.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal decraram aos seos
ireguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitara commodidade de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:

0 Verdadeira Priaciaal roa do Imperador a, 40

FARELLO ME LISBOA
Marca N verdadeiro em saccas novas e grandes a 40500: na ra do Imperador n. 40.
DE
J. VIGNES.
X. 5. RA DO IMPERADOR N. &.
Os pianos desta anttga fabrica sao hoje assaz couhecidos para que seja nceessario iuaisu'r sobre i
ana superioridade, vantagens e garantas que oflerecem aos compradores, qualidades estas inrontcsta-
veis que ellos tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesla praca ; oJo-
suindo um teclado e maehinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, semi-
nunra falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feiio ltimamente melhoramentos iraportanf
tissimos para o clima deste paiz ; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agradar
veis aos euvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommeadas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Parts, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expesicoes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
preces commodos e razoaveis.
CONSULTORIO MEDHMIRIWO
DO
DR PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
medico, part:iiso i: operador.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s 1
horas da manhSa, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepto dos dias santificados
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos precos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
i de 24 tubos grandes. .. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remali
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintara de meia onca 10OO.
Sendo para cima de 12, custaro os precos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,
dons grandes volumes com diccionario............ 200000
Medicina domestica do Dr. Hering, ........... 100000
Repertorio do Dr. Mello Moraes. ............ 60000
Diccionario de termos de medicina ........... 30000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais oonhecidos e dispensam portan-
te de serem novamente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros>energicos e duradores: ha tudo domelhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar. deleite, nota veis pela sua boa conservaco, tinturados mais acreditados
estabelecimentos europeos, aunis exacta e aecurada preparaco, e portante a aior ener-
ga e certeza em seuseSeilM.
Casa de sade jpara escravos,
Recebe-seescravos para tratar de qualquer eafermidade pv fazer-selbe'qualquer
operaco para o que o annnnciantejulga-se suficientemente habilitado.
Otratamento (o melhor possivel,.tanto j parte aumentar, como na medica, a
funecionando a casa a mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cojo conceito se ni
pode duvidar, que pdem ser consultados; por aqnelles qne desejarem-mandir aeus
flipnt^s
Paga-se 20000 por da durante 60 das e d'abiiamduqte 10500.
As operaoes serSo previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precon
azoaveis que costuma pedir o annonciant.________________
O


NOVIDADES.
Queijos do Alentejo. ditos das ilaas o^aais fwsco quero pode dese-
jar a 10200 a libra, e sendo inteiro ter algum abatimento, ricas caixinhas
redondas enfeitadas, proprias para mimo dafesta pelo barato pr cada urna, ricas caixas de figos tambem prpprias .pitra mimo de.800 ,500
cada urna. Veode-se nicamente no/armazem Verdadeiro principal, ra do
Imperador a. 4.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade i
li0 a lata : nos armazens da ra do ra>'
perador n. 16 e roa doTrapifire Noto b.'8
Bixas de mburgo
i Vendem-senaruaNovan.61.
^SHttriorcadtliBbM.
^.de-slertor aJw UJlg^"' "*J
uno p9rf,.o cobo a rela-
je-se aos compra-
aira tamas segnittes
y algodo.
Eha nn iMro4l
por barata
oinftfc
abrca Conceic&o
BaMa.
Andrade k Reg, recebem constante-
mente e tem agenda no seu armazem n.
34 da ra do Imperador, algetiio d'aqsel-
la fabrica, proprio par saceos de assu-
i'-enr, ertbnlar aigodao em-plnn etc., etc.,
pelo preco mais razoavel.


AGENCIA
AGEWCII UV4MII,-
Ra da Senulla nova n. 42.
Neste astabetecimento coatiaa a tarar
um completo sortimenta de motiodaaajftBiaa
moeudas para engenbo, machinas de vapor
a tachas de ferro batida e coado, da todos oa
' tamanhos para .ditos.
A* loja do Porto
Ta esquina la m O laire de Bes n. 15
Qhtgoa pe ultimo tapor franeez nm completo
sortimento de calcadavsendo d* Nantes para no-
mem, e divagas iroalidades para senhoras e me-
ninas, ha tambem um completo sortimento de ra-
tanias e roqpas feltas, todo muito barato.
Ven4*-se^atoga-se on porclo e a retlho
bichas de Hamborgo de snoorlor aroHdnde por
menos do que m ontra -qualquer parte : atu
do Vigarie ns. 8 e 13. ________'
Feaa.
Vetdemse saecos co 4tia*dfei4aoMjad
do Porto por 110, n natas 0 : arBimv
n. 8-ta
Arados americanos a machinas para
lavar roapa: em casa de S. P. Johnstan jH,
nj'fiSenzfia'Rcrfa n..
VeDde-s n moraa de casa terr tota
commodos, cozmha fra, cacimbn, o,ataMl'tttn-
te-amnde e todo murado, terneoo woptM, noa
aooaJidflle, ro Dirwta 2, po*WQ*o dos Atog-
das, tamnnm se uocri r nutro da wats vatar
nesta cidade, voltando-se o que for rnzoavnl: quem
qniznr t ra da earaboa do Carmo n. 8.
Vna-se superior vinho a Par em ttixas de
urna dnaia : em casa de lohnston Pater k .C: sna
do A'ui* '
I





Diarlo lie Peraawfeue* marta letra i de Fereralra d
NQV.QS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaram s modernos vestidos de dentelle de seda cora barra, ntelramente novos
em gosto e-quiMade : aleja das cotunwasi na ra do-Crespn; i, de Antonio Correia
de Vasconcolles & C, successores de Jos Moreira Lepes.
Fazendas de bom gosto
Para y es l i dos de senhora
Superiores cortes de seda de cor, de morante, de gorgurao e de selim imperial.
Diwsjje bload, e de cambria branca bordados.
Ditas de lia con barra e grande variedade em cores o padrees.
Dites de organdys rom barra
Liidas sedas dequadros escosseza e miudas.
Saperiores laas lisas com grande variedade de cores.
Ditas cem sal picos, com flores e de qnadros.
Litdas pampolmas de qnadres e de flores, fazenda inteiramente nova.
Superiores cassas de cores, e lindas cambraias ergandy*
Grande variedad de chita de cores, de percalia eootras muitas fazendas de laa.
, Pira hombros de seabora
Liadas canas a bournoui de easemira de cor.
Ditas de laa e de seda.
Grande variedade de ou['embarques de seda de 18 a 40$.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas;
Superiores chales de seda, de merino estampados Anos, de cachimira com listras de
seda e de Al preto.
Camiziohas modernas, zuavos brancos e de cores, colletes de cambraia, lindas gol-
linhas com panhos e outros muitos artigos.
Para cabeca de senhora e menino
Superiores chapeos e Capellinas de palba de Italia enfeitados para senhora.
Ditos de feltro enfeitados para senhora.
Ditos de palha enfeitados para menino.
Grande sortimento de enfeites modernos de retroz, de Troco, de cabello e de flores,
para senhora.
Na loja das columnas da rna do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vasconcel-
os a c.
&E.RJLX RECOHJIt^IlA^ AO
MAZEM CONSERVATIVO
. 23Largo do Ter Joaquim Sia-o dos Santos, dono deste bem sonido armazem de molhadps faz sciente erag
recommeodago aos seus amigos, freguezes e a todos era geral, que esta resolvido a vender os seus
betn canneaidos gneros do priraeira qualidade.por menos de iO a 20 por cento, menos doque em od-
tra qualquer parte a dinheiro contado.e todo o comprador que comprar de b0 a 1C0 lera o descon-
t de 3 a 10 por ceute pelo se* prompto pagamento; e por isso se faz annuncio de algans teneros
para com este melhor se eertillcarem. ",ua'
usas para sopa macarrao* talharim e alelria a Milho alpista e painco muito limpo a 140 rs. a li-
bra e a arroba -a 4,5400 e 43200.
Phesphros do gaz vindos por conta propria a 180
rs. o maco e a 2 a groza.
:eite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga-
lao a 2800 ea caada a 4^500.
Serveja das marcas mais acreditadas a 500 rs. a
garrafa e a duxia a 800.
Figos de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
em barril ou caixa se far abalinento.
Arroz do Maraohao e Java a 100 e 80 rs. a libra
e a arroba a 2$80, 2e 2,0400.
Assim como ha nm grande sortimento de charu-
tos e genebra de Hollanda, tanto em frascos como
em botijas, bolachinhas de soda, conservas.choco-
late, marmeiada, vinho engarrafado eootros nrui-
Idem proprio para negocio a 320 e 360 a garrafa los gneros que enfadonho menciona-los, e se ai-
AO PUBLICO
Sena o mener censtran-
glmento se entregar o
Importe do -genero que
So agradar.
ATTENQaO
a preeos da seguate
tabella para todos, po-
dendo assim servir de ba
se para o aJuic de eontas
com os portadores.
RA
CADEIA llO RECIFE W. 53.
- (Ltf* passaids arte a (kmeeic.)
IPASTILHtl
HGESTIVAS
DE PEPSINA
I de: waSma-n?

Dl.rrhom e a raastl-
paca* aroduxlriaa
pela elwbornrora
defeetuanaa don all-
im-nlOM. .
Grande reducefio de preeos, equivalente a de* por cento menos do que ontro qualquer
annunciante.
Collegas.I*Rfo posso por mais tempo sustentar o-proco darmanteiga inglea a l.oeors. a libra, bem assim o de outros
amitos objectos, etc., dando comisto ocasio a todas as espeluncas acajbarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta toz, que podem vender pelo preco que en vendo 111 Ora, etr off ndido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systbema que vim encontrar, de so se vender com um por cento a caros* resolv fazer esta grande reduccSo de preeos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo mea bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil nao
se sabia de outro prego de manteiga ingiera a nao ser o de l,4oe a I.600 rs. j libra. Hoje porem, resentidos da reduccSo a que
esto obrigados, encarando, todos o dias de seus~freguezes reclamac3o]de preeos, e qualidades, vingam-se de um e ontro portadores
al informado deste novo estabelecimento. para lbe vender gneros nae proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
to smente obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidie, aos arranjos dest< novo estabelecimento, e mais que ludo apromplidao e entei-
sftrn tt iia/ifis. r/tnvirfa amana vivife-an moemn rartaa h qUa sem duvida me dao a proleccao e preferencia na compra
reza com que sero tratados, convida a'uma vizitaao mesmo, certes de
dos gneros que precisarem, e quando no pocam vir podero mandarseus portadores,
anda que estes sejam iouco pratices, pois
serao tao bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendaco, afim de que na) vo em oulra par te
macarrao,
240 rs. a libra e em caixa a Sf.
roucinho de Lisboa alvo muito superior a 280rs.
a libra e 8J8U0 a arroba.
Daf do Rio de primelra e segunda sorte a 260,280 AzeHe doc7de r~kh~a' fi
e 300 rs. a libra e a arroba ou sarco a 8 e
8J300.
Chouricas as mais novas do mercado a 360 rs. a
libra e em barril a l-V
Passas viadas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
e a caixa a S.
Batatas emgiges de 35 a 40 libras por 2409 a ar.
robae a 80 rs. a libra.
Cb hysson miudinho superior qualidade a 15200,
2000, 2J50O e 39 a libra.
Vinho de Pignetra, Porto e Lisboa em pipa a 360,
500, 400 e 640 rs. agarrafa.
e a caada a 2,5400 e 270O.
guem duvidar venha ver.
JTOK: GOMES VIliLAlt
Com loja de fazendas ra do Crespo n, 17.
Pretendendo Ir muito breve a Europa tratar de sua saude, pede aos seus devedores
tanto do mato como desta praca qne saldem seus dbitos quanto antes, e
Protejam Eoccellentissimas senhoras a ess& impor-
tante estabeleuimettto.
Fazendas muito proprias para a quaresma, grs preto, moreantiques, cortes de se-
das pretas, capas pretas, casacoes, soutembarqoes, chapeos de palba, chapelinas de palha.
Bownus pretos de renda
o que de mais bello e mais importante para os hombros de urna Excellentissima senho-
ra, assim como chales de renda de apurados gostos, camisinhas bordadas.
*m-*
FRANCISCO J. GERMANN
91 RA \OVA N *1
Acaba de receber um magnifico e completo sortimento dos objectos que de mlhor qualida
de encontrar em urna relojoaria, taes como : chronometros martimos e de algibeira, relopios fde ouro
e prata, donrados e foliados, ditos para mesa e de parede, fra-ncezes, snissos, all'emaes e americanos
reguladores de compeosacao, reloglos grandes com msica o sem ella, dito de sol montados com pecas
para disparar em certas horas, despertadores de diversos tamaitos, caixas cora msicas, igual sorti-
mento de oculos e lunetas de ouro e prata dourada e tartaruga, bfalo, ac, e varios metaes, oculos c
lunetas especiaes para senhoras, de ultimo gosto, ditos proprios para os que fofrem de inflammacoes
nos olhos, tabricados segando os preeeitos dos-mais acreditados mdicos da Europa e igualmente os de
Pernambuco, os quaes s se vendem por consulta dos mdicos, vidros de cryslal branco e de cores
oculos de alcance para o mar e outros proprios para observacoes astronmicas, oitantes e sextantes'
binculos para theatro, para mar e para campo, microscopios e meridiano universal, barmetro*- ter-
mmetros, caltas de instrumentos mathematicos, frrenles e chaves, sinetes e trancelins de ouro dou-
rados e foleadas, tudo dos raelhores fabricantes. Encarregase de qualquer concert e encomraend'a dos
objectos mencionados, e responsabilisa-se durante um anno por qualquer relogio vendido ou concert
eilo, em seu estabelecimento; e vende por menos que pode fazer outro qualquer.
Cassas para vestidos.
Tal peehincha s a dinheiro se pode vender.
Superiores cassas francezas de cores miudfnhas, de quadros, lisas, e de ramagens, com grande
variedade de paor5es, fazenda que se tem sempre vendido a 800 rs. a vara, pelo baratissimo preco de
J00 rs. o covado : na loja das columnas da ra do Crespo n. 13, de Antonio Cortea de Vasconoellos
& omp.
Manteiga ingteza (safra nova) especialmente
escolhida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franeeza a mais nova que tem viudo ao
mercado a 56e rs. a libra, e em barril ou
meiosauoors.
Cha hysson de superior qualldade a 2,6oo rs.
a libra.
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
' dem huxim o melhor que se pode desejar
I oeste genero 2j6oo rs.
, dem preto homeopatuico por ser de superior
; qualidade a 2,ooo rs. a libra.
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o 1,600, 1,800 e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao quese vende emoutra parte por 2,4oo
e2,6oo rs.
Linguicas, cheuricas e paios em latas de 8
libras, emticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chombas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e !,Seo e 600 rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oors. edo vapor
passado a f,6o e l,8oo rs.
dem loodriDOS os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem prato muito fresco a^ 80o rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes queseacabem.
Ervilhas e favas porluguezas em latasj pre-
paradas a 64o rs.
Marmeiada imperial dos mais acreditados a-
bricanls de Liairoa a GO0 rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
a 56e rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs, a libra.
Copos lapidados para a gtiaa 5,oooe 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
I,ooo e I,2oo.rs.a libra.
Espermacete em caixinbas contendo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambemtem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pescat
da, salmlo,' ostras e chernee, vezugo em
latas grandes a 800 e !,ooo rs. cada urna.
Vinho liordeaux das mateas mais acredita-
das que tem vindo ao nosso mercado a
6,000, 7,ooo e 8,oeo rs. a caixa, garante-
se ser de qualidade superior, quo outro
qualquer pao pode vender por este preco.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de A'tona em
frascos grandes a i.000 rs. o basco, e
il,ooo rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo i
abati-
rs. eem barricas de 4 dozias se faz
1 ment.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, 7,800
e 8,Soo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 24o
I e 28o rs. a libra, e 7",8oo a 8,ooo rs. a
arroba. .
Arroz do MaranhSe a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvoe^raoioa loo rs; a
libra, e 3,000 rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba:
Painco e lpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2. libras a
600 rs. e de barril muito superior a Soc
rs. a libra.
Aletria, macarrao talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendavei* as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para es se lira.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas per 45,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a3 2o,
4oo e5eo rs.a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,oqo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 400 erBon rs. a garrafa, om caada
a 3,000 e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das memores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas de
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secoa, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
10,000 rs. e a 9oo e 1,00o a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhasde Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas porluguezas em latas grades
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra. !
Bolachinha de soda em latas com diversas
qualidades a t,3oo rs.
Boto francez em caixinhas muito proprias
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa cem 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhas d'agua era salda fabrica do Beato
Antonio de Lisboa eia latas com 6 libra_
por 2,5oo; ditas doce em latas cem o mes"
mo peso a 2,5oo; diUs imperiaes emlatas
de 3 libras por l,5o rs.
Ameixas francezas em latas dele meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oa, e 1,80o rs.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
9,5oe a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casaa 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra'.
Molho inglez em garrafa de viere com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mestarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mu i tar da franeeza em potes j preparada
a 4oe rs.
Lentilhas excellente legume para sepa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e H.ooo a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 160 rs. o mago-
Sal refinado em frasco de vdro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas qpe vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa,.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinna ae Franca maito nova azoors.
Charutos de todos os fabricantes da Babia e. das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,000,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
1,080 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,000; dito em Gaixoes a 600 rs.
cada um.
Farinha de araruta vudadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra elo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. fem barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras per
2,000. rs.
Cebollas sol tas a I, ico o cent; ditas em
molhos com cento etantas porl,2oors.
Matte excellente cha para os navegantes a
a Seo rs. libras;
O
BOTICA E DROGARA
Bartholomeri Francssco de Souza C.
31Ra larga do Rosario34
Vendem:
Pilulus Holloway.
Pilulas do Dr. Lavillo.
Pilulas do Dr. Alian.
Pilulas do l'obre-homem.
Pilulas americanas.
Pilulas vegetaes.
Pilulas vegetaes assncaradas de Kemp.
Salsa de Bristot.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimault.
Vinho do Salsaparrilha de Ch Albert.
Injeccao'Feaugas.
Agua dentiftea de Daairabode.
Papel chimco, para tainos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raepalt.
Pos anti-epileticos de Brest.
Rob L'AITectenr.
Xarope do Bosque.
Ungento Holloway.
DROGARA.
34Ra 'larga d Res a rio34
Barlholoineu Franciseo de Souza k C.
vendem:
Aeido actico pnro para retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnieses avelludadas.
Tinta branca superior em lata.
Alvaiade Vetea, fino, em pes.
RAPE'
Dnarle, Pereira 4 C. continuara a vender o afa-
mado e fresco rap Princeza de Petropoles em sen
grande armazem de louca e vidros : rna do
Crespo n. 16.
Milho novo em saceos grandes: no trapiche
de Cnnba, a tratar com Tasso Irmaos.
COMPENDIO DOLOROSO
oue coatm- oofficio de-Noss* Senhora das
Dores; o modo de resar eofferecer a 00-
rfia, um setenario e mais ootros exerci-
cios de piedade e devoeo; ordenado pe-
la irmandade dos servos da mesma Se-
nhora que se acha erecta na egreja de N.
S. da Penha do imperial hospicio dos re-
verendos padres misionarios apostlicos
capuchinhos italianas de Pernambuco,
approvado por S. M. I., que Deus guarde;
dado, luz por devocio do muito reve-
rendo padre Fr. Placido deMKsina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
para machinas de al goda o.
' Acabare de chegar agora novos motores para
m e dous cavados para mover machinas para
desearo$ar algodSo, oylfttdros de padaria, e outras
quaesqner machmas para agricultura, os quaes se
vendem por preco muito em conta. Tambera se
rende um motor americano para. 2 e 4 cavados pa-
la o mesmo fim, qne trabalha muito bem ; elles
se acham montados para o comprador ver o setJ1
ttrabalho : na fabricada travessa do Carioca n. 2,
daes do Ramos.
Peehincha
Grosdeaaple a variado com 4 palmos de largara
de superior qualidade a 1J200 o covado, easemira
preta fina, fazenda d 125 o corte a 5, paletots
de brim branco de cor a 3i, paletots de easemira
fina de cor a 5 : na ra do Queinudo n. 41.
Vendem-se alguldares vidrados e quartinhae
em pofcao e a retalho por preco muito barato s
na roa da Seazala Velha n. 120.
Ifiuiiem de motilado
81-UA DO IMPERA 1HIR--81
Segunda casa dolado direito indo do pateo do Collegio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfacao de avisar aos seus freguezes o aorespeitavel
publico que, estando restabelecido de seus incommodos de saude, acha-se novamente
com um bello e bem sortido armazem de seceos e molhados primorosamente escolhidos;
como sempre capriebou ter das melhores qualidades, efrancamente affianea s pessoas que
se dignarem comprar em seu estahelecimente que alli de preferencia outra qualquer par-
te serao mais bem servidos, em qualidade e preeos, como em pesos e medidas, no que
sempreo annunciante foi escrupuloso, em summa, nao Ilude a pessoa alguma.
Aos Srs. de engenlio e lavradoresqueo queiram honrar como seu comitente Ibes
assegura que o producto deseu laborioso trabalho ser o mais bem reputado no merca-
do desla pra?a, para o que se julga convenientemente habilitado pela longa pratica com-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados cora presteza, depois de se-
rem fielmente eumprido as suas ordeDS.
Fornecer gneros aos Srs. agricultores e negociantesque lhe merecam confianca.f-
zendo um abate vantajoso aos quepagarem a vista suas mercadorias, e eocarrega-se da
venda de qualquer genero dopaiz, medante urna mdica commisso, entregandede
prompto seu producto, e sendo este applcado compra' de gneros era seu aTmazem,
prescindir da commisso.
1 Dos seus angos e benignos freguezes espera o annunciante soa valiosa protecco, fre*
qnentando como outr'orasua casa, e pelo reconhecimento qu lhes tributa offerece espon-
tneamente seus servidos.
Julga desnecesario publicar a tabella dos preeos de seos gneros: s5o seos recursos
garanta sufficiente de poder accempanhar os menores preeos de idnticos a mesmo de
mais apparatosos estabelecimentos, tendo somente em vista o augmento de suas vendas
diarias.
Prevenco neeessarla.
Tendo sido o proprietario estabelecido mntos annos com o mesmo ramo ie nego-
cio ni mesma ra, jn!g*a prudente advertir que s afirma e se responsabilisa pelo que
tem declarado no qne dlsser respeltb ao armazem.
3 5 s =; o. p- 3 g

lili
g w tu t_.
S- 9 a
2&
M o -
J s a
^ O. o
w
va ce
a;-
n. m 9
>: "o o
~. O O -5
= 52
ce
i "> ** E
o -, S
o B -
,2 g 3 3 M
Hg
B 5,
iiC
1 o
3
a
o.
o
o
-1
X? DO 3 ^
CSSa.I"f5ffl
- rrt
M
-
?O B>
"I O
ce a>
Di
ce

- o _
5? O
***
O O OQ
8-fg 3
OSO. ..
v> m o gr
S
5
o
I
2.
s
as
a
2
ce
13
o
Q. _
o S ^
vaS 3
ESJLQ
5
o
e
*. Ce p.
9
3
3 ar
o S _
S W
1 %vm 1
SI-RIJA RO IMPERADOR-SI
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Colleg\o>
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a edr atural
dos cabelles.
A agna florida n5o nma tintura, ficto esseo-
mi a contestar, a me?r*a agna dando a rr primi-
tiva ao cabello. Com posta ie plantas exticas e
de substancias inoffensiras, ella ten a prepriedade
icrestituir aos cabellos o prineipie coraite ^*f el-
les tem perdido. D'nraa salobridade inceatesta-
vel, a Agna Florida entreten a limpeza da cabrea
destroe as caspas e imperle n cabellos ie cahir
Oleo de Florida.
Composto le substancias vegetaes eticas, elle
constitu poderesamtr*?, cora a Agua Florida, a
torca, a belleza e a eonsertacae dos cab*!!^:.
Em Pris, casa de Qnislaor l.'rrt i* Itclie-
lien, e 21, boulevard Monrmarre,
Todos es frascos, 1S0 teide tacto e claro,
timbre prateade da casa, sao reptfttds Tarsos.
Deposito, rna do Imperador, pharaacia a. 3S.
As piutilhat digestivas eom a peptina de Wat-
man, empregio se com successo h j alguns
annos pelas celebridade medicae de Pars,
Londres, Vienna, etc., em todas as incommodi-
dades em as quaes a digesto difficil, penosa,
imperfecta ou mesmo impossivel : eis o melhor
remedio para coral as
Gantral|ilas.
Blspepalaa.
Embarnca* grlco.
A a;aa Aa affeeeea ora;Anl-
r>< da rulinaao.
Em todas as molestias empreg9o-se a miude as
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vifhy,
e igualmente aspastilhas de Vichy. Esse meio s
eftcaz quando se trate de dispepsias de curta du-
racio, mas o prolongado uso das aguas e pastilha
ie Vichu, tem grandes inconvenientes, por quanto
os alcalinos empobrecem o sangue e isso de tal
maneira qne lhes arreblho. a parte vivificante,
nutritiva e reparalriz. Com a pepsina, a contrario,
como ella uma substancia orgnica, albuminosa,
transforma-se ao mesmo lempo que se effectua a
transformacao dos alimentos assimilhando-sc
como elles e ajudo labem como elles a nuirico
geral. Sua accSo vivifica o sangue e os ergios
de tal sorte que, alh as pessoas que sem soffrer as
affecdes gstricas arima mencionadas sao nica-
mente iracas ou d'um temperamento um pouco
dbil, e necesrto substancial alimento para for-
tificar se, achao no emprgo das paslltas pep-
sina de Wasman, um poderoso meio para a isso
chegar.
Aviso importante. 0 successo das pastilhas
peptina ae Wasman diu cansa a se fazerem fal-
siheacoes e imitaces d'esse producto que w
mulos se querem desfazer. Pois por falta d'uma
boa preparacSo a pepsina que n'ella entra, jaz
alterada. Seremos ao abrigo d'este inconveniente,
exigendo os compradores que as pastilhas lenho
asiniciaesB. P. e saiao da pharmaciaChevrier.
Depsito geral em Paris, pharmaciaChevrier,
81, Faubourg-Montmartre, e em todas aa boas
pharmacias de Franca e dos paizaa eslrangeiros.
K 2. g S *
-o|.-0t5-^a i S H
"o a 3 9 j g 5*3 g S
8*CJ|-3'0!.g.38
5 3 tr%S- a" S s
Irll^ifs'ii
mi*********
3 o fea
Pffs
o. r
- 2.
3 O
S-SlJ
o
?ss?
w ^"l|.^a^r-..^j>w^l^-l HBW
riSSA E XAROPE
Mli
COJI CODEINA
Preconizados por todos os mdicos contra
as Defluxos, a Grippa e todas as Irritapdes
do peito.
AVISO
l-'alsilicaroes reprehensiveis excitadas pelos
successos do Xarope e da Massa de Berth,
nos obrigo a recordar que esses productos
tao justamente
nomeados nao se
entregao seno em
bocetas e em Iras-
cos com a assigna-
tura aqu indicada. #****nj*m &*
l.".i. ru SaintrHonor, it* Pharmacia no
LUVKE, e em todas as pharmacias.
_msssamam_
Deposito geral em Fernambuce ra da
Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
I! ti a do Qneimadtf n. 19.
Vende-se o seguate:
Lences de panno de linho
pelo baratissimo preco de 2^400.
Lences de bramante de linho
de om s panno a 15300. v
Coberta de chita da India.
pelo baratissimo prego de 2,8500.
Lencos de cambraia brancos
proprios para algibeira, a 2,5 a dozia.
Pecas de bretanha de rolo com 10 varas
propria para saia, a 1$.
Pegas de cambraia de forro, a 20600.
Esleir da India
propria para forrar salas, de 4, 5 e 6 palmos de lar-
gara, por menos preco do que em outra qualquer
parte.
Toalhas alcochoadas para maos
a 3,5 a duzia.
Lazinhas carmezim miudmhas
proprias para vestido de menina, a 606 ris o co-
vado.
Lazinhas de cores finas
do melhor gosto que ba no mercado, a 560 ris o
covado, neste armazem de fazendas se encontrar
ntn grande sortimento de roupa feita e por medida
ESCBAVOS FGIDOS.
Escravo ftigido
Acba-se ausente de casa de sua senhora, desde o
dia 12 do crreme o preto Joao, que foi escravo
da fallecida D. Leonor Jorge; baixo, cheio do
corpo, e o rosto todo picado de hexlgass consta
que anda no Recife e na Boa-Vista : qiem o pe-
gar leve praca da Independencia as. 37 e 39, que
ser gratificad.
No dia 9 de dezembro de 1864 fagfo d casa
de seu senbor o escravo Hercnlano, pardo escoro,
com 35 annos, alto, cabellos carapinbes, olhos e
orelhas pequeas, tem apenas bigode e pera, per*
na e andar de quebra-mangne, tendo o pe esqoer-
do torto esahido para fra como pita de seri, e
por isso pucha alguma cousa pela perna qoando
anda, levou vestido caiga branca remendada e ca-
misa branca, levando na cabeca chapeo de palha,
conduzio ioalmente torta a roopa qne powue.'snp-
poe-se andar aqtii mesmo peta cidade : quem o
pegar leve-o a ra Oireita n. 54, que sera genero-
samente recompensado.
Fofrfo no da 2 de Janeiro a preta Romana,
deidade?8 annos, crionla, magra e fnla, bem fal-
lante, e tem sido vista pelo Mangninho : qnem a
pegar leve-a a seH senhor, aa praca da Boa-Vista
n. 22, ou Campo Verde, ra do Trapiche n. i, que
ser bem recompensado.



I' I I

8
Diarto de Fcmmbuco Uarla fetra I de revereiro de i85.
LITTER ATURA.

146.
Lnejcliea pontificia de 8 de deiembro passado.
(Conclusao.)
p.KUJIO COKTENDO OS PIlINClPAES ERROS DA NOSSA
POCA NOTADOS AS ALLOCIqSeS CONSISTORIAES,
'.XCYXICAS R OUTRAS LETRAS APOSTLICAS DO NOS-
SO SANTISSIMO PADHE O TAPA PI IX.
1-
Dantheismo, naturalismo e racionalismo absoluto-
1." N5o existo divindad alguma suprema sapien-
tsima e providenlissima distincta desta universa.
iidade das cousas, e D.'us o mesma que a nam-
reza das cousas por tanto sujelto a mudanzas e
Deus na realiilade se forma no hornera e no mun.
do, e todas as cousas sao Deus e tem a mesma
substancia de Deus : Deas urna e a mesma cou-
sa que o mundo, e porlanto o espirito o mesmo
que a materia, a necessidade que a liberdade, a
verdade que a falsidade, o bem quo o mal e a jus-
fica qne a iojustiea.
Alloc. Mxima qoidem 9 de junno de 1862.
i. Deve-se negar" toda i accao de Deus sobre os
hmeos e sobre o mundo.
Alloc. Mxima qnidera 9 de jonho de 1862.
3. A razao humana considerada sem relaeao al"
puma a Ueus u o nico arbitro do verdadeiro e do
falso, to bem e do mal, a sua proprla lei e suffi-
oiente pelas suas forcas naturaes para alcanzar o
l;em dos homens e dos povos.
Alloc. Mxima qoidem ) de junho de 1862.
4." Todas as relipes derivam as verdades da
turca natural da razo humana, e por isso a mes-
ma razao a principal norma pela qtial o homem
pode e deve rhegar ao conhocimento de todas as
verdades de qualquer genero que sejam.
Encycl. Qu pluribus 9 de novembro de 1846.
Eacycl. Singulari quidem 17 de marco de 1836.
Alloc. Mxima quidem 9 de junho de 1862.
t. A revelacin divina imperfeita e por tanto
sojeita ao progresso continuo e indefinido que cor-
responde ao progresso da razao humana.|
Encycl. Qui pluribus 9 de novembro de
Atloc. Mxima, quidem 9 de junho de 1862.
6. A f de Clinsto repugua razio humana : e
a rcvelacao divina nao so nao til mas contra_
ra perfeicao do homem.
Euiycl. Qui pluribus 9 de novembro de 1846.
Alloc. Mxima qiiidem 9 de junho de 1862.
7. As prophecias e milagres expostos e narra-
dos as sagradas letras sao commentanos de poe-
tas : os mysterios da f christaa urna recopilaco
de inyesligac.des philosophicas: tanto o velho co-
mo o novo testamento centm invencoes fabulosas
e o mesmo Jess Christo urna ficcao mysthic.
Encycl. Qui pluribus 9 de novembro de 1846.
Alloc. Mxima quidem 9 de junho de 1862.
>'.
Racionalismo moderado.
8. Como a razao humana se deve equiparar
mesma religiao, por isso as disciplinas theologicas
se devem tratar mesmo modo que as philoso-
phicas.
Alloc Singnlari quadam perfusi 9 de dezembro
de 1834.
9. Todos os dogmas sem discriminacao da reli
go christia sao objecto da sciencia na philosophia
natural: e a razao humana com o estado nica-
mente da historia pode pelos seus principios e for-
cas naturaes chegar ao verdadeiro couheermento
de todos os do?mas, mesmo os tnais recnditos com
tanto que estes dogmas sejam propostos como ob-
jecto mesma razao.
EpM. ao arzobispo de Frising Gravissimas 11 de
dezembro de 1862.
Ejitst. ao mesmo Tuas libenter 21 de dezembro
de 1863.
10. Como o philesopho diverso da philoso-
phia, aijuelle tem direito e obrigacao de se submet-
ter autoridad, que elle mesmo prova que a
verdadeira; mas a phihsophia nao pode nem deve
tujeilarse a autoridade alguma.
Epi>t. ao arcebispo de Frising Gravissimas 11
de dezembro de 1862.
Epist. ao mesmo Tuas libenter 2' de dezembro
de 1863.
H. A egreja nao s nao deve reprehender em
cousa alguma a philosophia mas tolerar os erro*
da mesma e deixar que ella se corrija dos mesmos
Epist. ao arcebispo de Frising Gravissimas 11 de
dezembro de 1862.
12. Os decretos da s apostlica e das congrega-
(oes romanas impedem o progresso livre da scien-
cia.
Epist. ao arcebispo de Frising Tuas libenter 21
de dezembro de 1863. '
13. O methodo e os principios porqne os amigos
doutores escolsticos ensinaram a theologia pi
canvm s necesidades da nossa poca e ao pro-
gresso das scienctas.
Epist. ao arcebipo do Frisin? Tuas libertes de
21 de dezembro de 186.3.
N. B. Ao systoma racionalista se referem na
maior parte os erros do Antonio Gunthes condem-
nados na Epist. ao card. arcebispo de Colonia Fxi-
miam tuan de 15 de junho de 1847 e na Epist. ao
Lispo de Breslau Dolor haud mediocre de 30 de
abril de 1860.
101
Indiferentismo, latitudinarismo.
lo. E' livre a qualquer abracar e professar
aquella religiao que elle guiado pela luz da razao
julgar verdadeira.
Letras apost. Multplices nter 10 de jonho de
1851.
Alloc. Mxima quid.m 9 de jenhode 1862.
16. No culto de qualquer religiao podem os ho-
mens achar o caminho da salvacao eterna e alcao-
car a mesma eterna salvacao.
Encycl. Qui pluriaus 9 de novembro de 1846.
Alloc. Ubi primum 17 de dezembro de 1847.
Encycl. Siogulari quidem 17 de marceo de 1856
17.' Pelo menos deve-se esperar bem da salva-
cao eterna d'aquelles que nao vivera na verdadeira
egreja de Christo.
Aioc. SinRuiari quidem 9 de dezembro de 1851.
Encycl. Quanto conficiamur. 17 de agosto de
1863
18." O protestantismo nao se nao outra forma
da mesma verdadeira religiao christaa, na qual se
pode apradar a Deus do mesmo modo que na egre-
ja catholica.
Encycl. Nolicis et Nobiscnm 8 de dezembro de
1849.
IV
Socialismo cimmunismo, sociedades secretas, socie-
dades bblicas, sociedades elenco liberaes.
Estas pesies muitas vezes e rom palavras gravis-
simas forara reprovadas na Encyc.lica Qui pluribus
e 9de novembro de 846 : na allocacio Quinos
qoantisqoe de 20 de abril de 1849 : na Encyclica
oscilis et Nobiscum 8 de dezembro de 1849 : na
allocuco Singulan quadam de 9 de dezembro da
ls54 : na Encyclica Qnaoto cooficiamur maerore
de 10 de agoslo de 1803 :
V
Erro sobre a egreja e es sevs direilos.
19. A egreja nao nm soeiedade verdadeira e
perfeita loteirameote livre nem tem poder pelas
\ snas forjas proprias e constantes qoe lhe foram
dadas pelo sen divioo fundador, mas pretende ao
poder civil definir quaes sejam os dlreitds da egre.
ja e os limites dentro dos quaes pode exercer o
mesmo.
Alloc. Slngulari quadam 9 de dezembro de 1854-
Alloc. Mulls gravibusque 17 de dezembro de
1860.
Alloc. Mxima quidem 9 de junho de 186-2.
20. O poder ecclesiastico nao deve exercer a
sna autoridade sem licenca e consentimento do go.
verno civil.
Alloc. Meminit unisqulsque 30 de setembro de
1861.
21. A egrejanao tem o poder de definir dogma-
ticamente que a religiao da egreja catholica a
i nica religiao verdadeira.
Letras Apos. Multplices inter 10 de junho de
1851.
22. A obrigacao que estao sujeitos os mestres
e;escriplores catholicos refere-se tao Jmente aquel-
las cousas que o juizo infallivel da egreja propSe
como dogmas de fe para todos crerem.
Episc. ao arcebispo da Frising. Tuas libenter
21 de dezembro de 1863.
23." Os pouticcs romanos e os concilios ecum-
nicos ultrapassaram os limites do seu poder, usar-
I .iram os direitos dos principes e erraram mesmo
as defioicoes de f e de moral.
Letras Apos. Multplices .nter 10 de juoho de
1831.
24." A egreja nao tem poder de empregar a Tor-
ca nem poder algum temporal irecto on indirecto-
Letras Apost. Ad Aposlolic 22 de agosto de 1851.
25. Alm do poder inherente ao episcopado -
lhe aun buido outro poder temporal, concedido ex-
pressa ou tcitamente pelo imperio civil que o mes-
mo imperio civil pode renovar quando lhe approu-
ver.
Letras Apost. Ad Apostlico 22 de agosto de
851.
26." A egreja nao tem poder natural e legitimo
de adquirir nem de possulr.
Alloc. Nunquam fore 15 de dezembro de 1856.
Eucyc. Incredibilli 17 de setembro de 1863.
27. Os ministros sagrados da egreja e o ponti.
fice romano devem ser completamente excluidos
de todo o cuidado e dominio das cousas tempo-
raes.
Alloc. Mxime quidem 9 de junho de 1862.
28. Nao licito aos bispos sem licenca do go-
verno publicar nem as proprias letras apostlicas.
Alloc. Nunquam fore 15 de dezembro da 1856.
29. As gracas concedidas pelo pontfice romano
devem se julgar de nenhum effeito nao sendo im-
plorado pelo governo.
Alloc Nunquam fore 15 de dezembro de 1856-
30. A immensidade da egreja e das pessoas ec
clesiasticas nascem do direito civil.
Letras Apost. Multiplicis nter 10 de juoho de
1851.
31 Deve-se tirar completamente o foro eccle-
siastico para as consas lemporaes tapio civis como
crimes, mesmo sem consultar a s apostlica e nao
obstante as suas reclamacoes.
Alloc. Acerbissium. 27 de setembro de 1852.
Alloc. Nunquam fore 15 de dezembro de 1836-
32. Pdese derrogar sem violacao alguma da
equidade e do direito natural a mmunidade pessoal
pela qual os clrigos s3o isentos do servlco militar.
esta derrogajao pedida pelo progresso civil espe.
i-ialmentc na coclodada constituida debaixo da far-
ma de rgimen mais livre.
Epist. ?o bispo de Monareal Singolarls Nablsque
29 de setembro de 1864.
33. Nao perlence nicamente ao poder da ja
nsdicca ecclesiaslca dirigir pelo sen direito pro-
prio e natural o ensino theologico. Epstola ao ar-
cebispo de Frising. Toas libenter 21 de dezembro
de 1863.
34. Adoutrloados qoe comparara o pontfice
romano a um principe livre e que exerce o seu
poder sobre toda a egreja doutrina que prevale-
ceu na edade media.
Leltras Apost. Adaposlolic 22 de agosto de 1851.
35. Nada impede que por sentenca de um con-
cilio geral ou por decisao de todos os povos seja
transferida a soberana pontifical do bispo e da ci-
dade de Roma por outro bispo e outra cidade.
Lettras Apost. Ad aposlolicae 22 de agosto de
1831.
36. A definicao de um concilio nacional nao ad-
mitte dscussoes f ubsequentes e o poder civil pode
exigir que as questoes nao progridam.
Lettras Apost. Ad aposticae 22 de agosto de
1851.
37. Podem ser instituidas egrejas naconaes f-
ra do gremio do pontIQce romano e separadas
delle.
Alloc. Mulls gravibusque 17 de dezembro de
1860.
Alloc. Jamduum cernimus 18 de mar?o de 1861.
38. os actos em demasa arbitrarios dos pont-
fices romanos produzlram a seoaracao da egreja
em oriental e occidental.
Lettras Apost. Ad.apostohc 22 de agosto de 1851.
VI
Erros da soeiedade civil tanto considerada em si ce-
rno as suas relagSes com a egreja.
39. O estado da repblica sendo aorigem e fon-
te de todos os direitos gosa de um direito que nao
circunscripto por limites alguns.
Alloc. Mxime quidem 9 de junho de 1862.
40. A doutrina da egreja catholica opposta ao
bem e aos interesses da soeiedade humana.
Encyc. Qoi pluribus 9 de novembro de 1846.
Alloc. Quibus quantisque 21 de abril de 1849.
41. Ao poder civil mesmo exercito por um prin-
cipe infiel, perlence um poder indirecdo e negativo
sobre as cousas sagradas ; perlence-llie nao s o
directo que se chama exaquatur, mas ainda o da
appellaco que se chama ab abusu.
Lettras Apost. Ad. apostolcae 22 de agosto de
1851.
12." Em conflicto entre os dous poderes deve
prevalecer o poder civil.
Lettras Apost. Ad. apostolcae 21 de agosto de
1851.
43. O poder secular tem autoridade de destruir,
de declarar e tornar nullos os convenios solemnes,
ou concordatas, relativos ao uso dos direitos per-
tencentes a iniraunidade ecclesiastca, sem consen-
timento da s apostlica, e mesmo contra a sua
vonUde.
Alloc. In conslstorlal 1 de novembro de 1850.
dem Multis gravibusque 17 de dezembro de
1860.
44. A autoridade civil pdeinvolver-se as cou-
sas relativas i religiao, aos costuros e ao governo
espiritual; donde se segu que tem competencia
sobre as instruccoas qne os pastores da egreja pu-
blicam em harmona com a sua raissao, para a di -
reccao das conscencias.
Anda mai., tem todo o poder a respeito da a-
miastrago dos divinos sacramentos e das disposi-
coes necessarias para os receber.
Alloc. In. consistorial! 1 de novembro de 1850,
dem Mxima quidem 9 de junho.
45. A completa direccio das escolas publicas
as quaes se educa a mocidade de algum- estado
chrlstao, exceptuando por alguma razao os semi-
narios episcopaes tao somente, pode e deve ser
attribuida i autoridade civil, attribnido de tal mo-
do que a nenhuma putra autoridade seja dado in-
trometter-se na disciplina das escolas, no rgimen
dos estados, na concessao dos grns, na escolha e
approvago dos professores.
Alloc. In consistorial i 1 de novembro de 1850.
Alloc Quibus luctuosissimis 5 de setembro de
1851.
46. Ainda mais nos proprios seminarios de cl-
rigos o methodo dos estodos se deve sujeitar au-
toridade civil.
Alloc. Nunquam fore 18 de dezembro de 1851.
47. A melhor condico da soeiedade civil exige
que as escolas populares abertas sem distinegao
aos meninos de todas as classes do povo e os esta-
belecimentos pblicos destinados a eosinar aos jo-
vens as lettras e os estudos superiores estejam f-
ra da accao de qualquer autoridade ecclesiaslca,
de qualquer influxo moderador e de qualquer in-
gerencia dessa autoridade, e estejam completamen-
te suieitos ao poder civil e poltico conforme o be-
neplcito dos imperantes e as opinioes communs
da poca.
Carta ao arcebispo de Fribourg. Quum non si-
ne 11 de julho de 1864.
48. Aqoelle modo de instruir a mocidade qoe
se separa da f catholica e do poder da egreja e
atiende somente aos conhecimentos dos objectos
naturaes e dos fins da vida social pode ser appro
vado pelos catholicos.
Carta ao arcebispo de Fribourg Quum non sine
14 de julho de 1864.
49. A autoridade civil pode impedir qoe os pre-
lados e os fiis communiquem llvremente entre si
e com o pontfice romano.
Alloc Mxima quidem 9 de junho de 1862.
50. A autoridade secular tem por sua natureza
o direito de apresentar os bispos e pode exigir
dalles que tomem posse das suas dioceses, antes de
terem recebide da santa s a instituigao canenica e
as lettras apostlicas. Alloc Nunquam fore 15 de
dezembro de 1856.
51. Anda mais a autoridade secular tem direito
de demitlir os bispos das suas fuoccoes pastoraes e
nao obrigada a obedecer ao pontfice romano na-
quellas cousas que dizem respeito ao episcopado e
injtituicao dos bispos.
Lettras Apos. Multplices 16 de junho de 1851.
Alloc Acerbissimum 27 de setembro de 1851
52. O governo tem direito de mudar a edade
proscripta pela egreja para a profissao religiosa
tanto dos homens cmodas mulheres e de prohibir
a todas as ordens religiosas qne admittam algaem
a profissao solemne sem a licenca do mesmo go-
verno.
Alloc. Nunquam fore 15 de dezembro de 1856
53. Devem-se revogar as lels qoe dizem respei-
to proteccao das ordens religiosas, aos seus di-
reitos e obrigaces ; alm disso o poder civil pode
prestar o seo apoto a todos que quizerem deixar a
vida religiosa e quebrar os votos solemnes; pode
egualmente supprimir as ordens religiosas, as col-
egiadas e os beneficios simples ainda que sejam
de padroado ; e subm'elter os seus bens aleada e
adminUtracao da autoridade civil.
Alloc. Acerbissimum 27 de setembro de 1852.
i*cm. Probo msouneretis 22 de Janeiro de
1855.
dem. Com saepe 26 de julho de 1855.
5i. Os res e os principes nao s estao isentos
da jurisdiccSo da egreja mas tambero em resol-
ver as quesloes de jurisdiccao, sao superiores
egreja.
Lettras Apos. Malliplices inter 10 de jonho de
1831.
55. A egreja deve estar separada do estado e o
estado da egreja.
Alloc. Acerbissimum de 27 de setembro de
1852.
vn
Erros acerca da moral natural e da moral
christaa.
56. As leis moraes nao carecera da saoc$ao di-
vina e nao necessario que as leis humanas sejam
conformes ao direito natural ou recebam de Denso
poder obrgatorio.
Alloc Mxima quidem 9 de junho de 1862.
57. A sciencia das cousas philosophicas e mo-
raes e as leis civis podem e devem ser livres da
influencia da autoridade divina e ecclesiaslca.
Alloc. Mxima quidem 9 de junho de 1862.
58. Nao preciso reconhecer outras forcas se-
nao as que residen) na materia e o syslema moral
e a honestidade dos costumes devera consistir em
accumular ou augmentar riquezas por qualquer
meio e na satisfacao de todos os gozos.
Alloc. Mxima quidem 9 de junho de 1862.
Encycl. Quanto conficiamnr 10 de agoslo de
1863.
59 O direito firaa-se no faci material; dados
os deveres do homem sao palavras vaas e todas as
aegocs humanas tem forca de direito.
Alloc. Mxima quidem 9 de jonho de 1862.
60. A autoridade nao mais do qoe a somma
do numero e das forcas maleriaes.
Alloc. Mxima qoidem 9 de junho de 1862.
61. lima injusiicade faclb coroado de bom xito
em nada prejudica a eastidade do direito.
Alloc. Jamdudum cernimos 18 de marco de
1861.
62. E' preciso proclamar e observar o principio
da nao intervencao.
Alloc Novus el ante 27 de setembro de 1860.
63. E' lcito negar a obediencia aos principios
legtimos e mesmo revoltar-se contra elles.
Encycl. Qu pluribus 9 de novembro de 1846.
Alloc Quisque vestrum 4 de outobro de 1847.
Encycl. Noscitis et nobiscum 8 de dezembro de
1849.
, Lettras Aposto!. Cum catholica 26 de marco de
1860.
64. Tanto a violacao de um juramento solemne
como qualquer accao infame e malvada contraria i
le sempiterna nao s nao censuravel mas at
completamente licita e digna de grandes elogios
quand for fcita por amor da patria.
Alloc. Quibus quantisque 29 de abril de 1849.
8 VIII
Erros acerca do matrimonio christao.
65. Nao ha razao para julgar qoe Christo ele-
vasse o matrimonio cathegoria de sacramento.
Lettras Apos. Ad apostlica 22 de agosto de.
1851.
66. O sacramento do matrimonio apenas um
accessorio do contrato de qoe se pode separar e
o sacramento consiste tao somente na bencao
nupcial. i'
Lettras Apost. Ad Apostolcae, 22 de agosto de
1851. 4,
67. Pelo direito natoral o vinculo matrimonial
nao indssoluvel e em mntos casos pode a auto- ^ Assim, addiccionando os socios recebidos este
ridade civil sanecionar o divorcio proprianente anno ao numero dos membros que a casa contava,
dito. J estabelecese deste modo o actual quadro da As-
Lettras Apost. Ad Apostolcae, 22 de agosto de sociacao:
t851.
Socios effeclivos.......... 38
Socios honorarios......... 12
Socios correspondente......57
Alloc. Acerbissimum 27 de setembro de 1832.
68. A egreja nao tem poder de estabelecer im-
pedimentos dirimentes ao casamento ; pertonce,
isso autoridade civil que pode annullar os impe-: total... 107
dimentos existentes. -----
Letras Apostlicas Multplices inter 10 de junho A Revista trimensal do Instituto publicou ulti-
de 1851. mamenje o seu 4 numero : os s^galntes irlo sen-
69. A egreja no decurso dos seculos comecou d0 Pul,licdos ao passo que os recursos da casa o
; a introduzr os impedimentos dirimentes, usando Permill,rem- E por esta occasao cabe-ine aqu
nao de um direito seu propro mas de um direito dar lelemunho do infatgavel zlo e solicitude do
i concedido pelo poder civil. Inosso beni"nerito Thesoureiro, cujo amor pelas
Letras Apost. Ad Apostolcae. 22 de agosto de nossas coisas na feil muitas veies adiantar fon-
j85(. dos necessarios para despezas urgentes, na falla
70. Os caones do Concilio de Trento que pro- de PromPIa arrecadacao de joias e mensalidades
nunciam antuema contra os que negam ecreja venci',as-
afaculdade de mlroduzlr os impedimentos di i- AchMae f :,a, *"" r5amen, V^6
mentes ou nao sao dogmticos ou devem ser con- J^ dolnsUlato par. o.nno^.1 da l866-
siderados em relacae ao poder concedido pela au- ^ fPPre Dtado Pe,a Pw commissao pelo
tnr!H,Hfl ; 1ual se ve que a nossa Proxin>a receita calcula-
lUriUiiUL Cll|, i i (\a a aa/1 a .
daem 1:100000, e que a despeza provavel do
Letras Apost Ad Apostolcae. 22 de agosto de annodando-se apenas 64J020 para eventuaes
a urna somma inferior a aquella
ocas, balas de ferro e de chumbo, e metralha, sao
em numero de 10,016:074.
A plvora figura com 600:000 klogrammas.
O numero do espingardas, carabinas, mosquetes
e pistolas de 99:730.
O eftectivo dos navios que actualmente formara
i o tita! da esquadra franceza de 466.
O numero de navios armados, de teda a cathe-
goria, de 262.
1831.
71. A forma proscripta pelo mesmo Concilio n3o
obrjga debaixo de pena de nullidade qnando a lei
civil estabelecer outra forma e quizer que em vir-
tude d'isto seja valido o matrimonio.
Letras Apost. Ad Aposlolicae. 22 de agoslo de
1851.
nao descera
cifra.
As verbas deste demonstrando serao convenien-
temente discutidas na sessSo do 1 de abril prxi-
mo, como dispem o artigo 27 dos Estatutos que
nos reyera.
Tenho o mais vivo prazer em annunciar As-
7* o vn Rnf, viii a sembla que Sua Magestade o Imperador, annuin-
yz. ro Bonifacio VIII, o pnmeiro que decarou ,, j .... .
mo n vnm rt m.iuj. i____ a a do aos V0l0S do lQllluto, houve por bem acce lar o
que o voto de eastidade pronunciado no acto da ,,, ... .. .
ordenacao tornava nullo o matrimonio. I ,i,a, de.se" Pre''den,e Honorario, como lhe fo.
| communicado pela Secretara de Estado dos Nego-
Letras Apost. Ad Apostolcae. 22 de agoslo de cosdo Imperio, em 29 de feverelro prximo pas-
l5'- sado. Similhante honra foi recebida com especial
73. m contrato meramente civil pode entre os agrado pela Mesa Administrativa, em nome do Ins-
christaos fazer existir um matrimonio verdadeiro ; ,itu,-
e falso ou que o contrato de casamento entre os Para honra a memoria dos hroes que liberta-
christos seja sempre um sacramento, ou que o rama patria e estimular o anime da geracao que
contrato seja nullo seno houver sacramento. I se levanta a eguaes feitos de valor resol ven o Ios-
Letras Apost. Ad Aposlolicae. 22 de agosto de tituto que, com a brevidade possvel se escultas-
1851. Carta de SS. Po IX ao rei de Sardenha de sem na Europa e se erlgissem ne Recfe as esta-
9 de setembro de 1852. | tuas dos quatro capites ousados que drigiram a
Alloc. Acerbissimum 27 de setembro de 1852. euerra contra os hollandezes e 03 fizeram evacuar
dem. Mulls gravibosque. 17 de dezembro de para sempre o territorio do Brasil em 1654. Por
l"60- | um dos prximos paquetes irao para a Italia as
74. As cansas matrimoaiaes e esponsalicias per- respectivas instruccoes; e tenho f que dentro em
tencem por sna natureza jurisdiccao civil. pooco veremos a figura deoodada e triumphant
Letras Apost. Ad Aposlolicae. 22 de agoslo de de ,eo Fernandes Vieira ornar a nossa histrica
1831. Alloc. Acerbissimum. 27 de selembro de P"^ do Arsenal de Mar,D,,a- 0s outros vu"9s vi-
1832 I raosoccessivamente dominar tres ootras pra?as do
N. B. Ha inda dous erros a respeito da abol- Recife-
5ao do celibato dos clrigos e acerca de prefereo- foi urna coincidencia providencial esla resolu-
ca do estado do matrimonio sobre o da virginda- Cao do laslituto com os ltimos accontecimentos
de. Estao reputados o primeiro na Encycl. Qui das duas pequeas repblicas, que acabam de le-
pluribus de 9 de novembro de 1846, e o segundo vantar contra o Brasil o grito rouco do selvagem,
as letras Apostlicas Multiplicis inter de 10 de manchando-se com actos de barbardade inaudita,
junho de 1851.
.IX
Erros acerca do poder civil do pontfice romano.
e da mais deploravel insania. Qnando o patrio-
tismo que despena ardente desde o Rio Grande do
Sol at as derradeiras extremas do Norte, e qne
75. Os filhos da egreja christaa e catholica dis- marcha a vngar arrojado a ingrata afTronta do
cutera entre si acerca da compatibilidade da rea--de Montevideo e da fr do Paraguay, nao achas-
leza temporal com o poder espiritual. |se cm Pernambnco o malor germen de coragero,
Lelras Apost. Ad Apostolcae. 22 de agoslo de basUrlhe-ia para isso compulsar a historia e le-
1851. : vantar os olhos attonito para os seus qoatro fa-
76. A perda do poder temporal que pcssue a mos0' pabos do seC, xvn- rn,as '""f^ns "erao
S Apostlica contribuira muite para a felicidade dis,ribaidas cora ? Prximos nmeros da Secuta,
e liberdade da egreja. ou ,alvez en1 fo,nas aparadas, como parece nrgen-
Alloc Qomns quantisque. 20 de abril de 1849. le na actoal r0DJ"nctura-
N. B. Alm d'estes erros explcitamente apona- Ainda f." "> pde lancar do Poder eompten-
dos haontros muitos reprovatfos pela doutrina : te q"? d'ande h0je foSSe considerado de festa na-
cerla que lodos os catholicos devem respeitar acer- T, PAra Pernambnro- fomo Ins,i,nt0 de!ea-
ca do poder civil do pontfice romano I ** Pa|P,,ante necessidade poltica. Esperemos
Essa doutrina est exposta com claren l frm qne a boa di,i*Pnm e esforCos O'aquelles
Alloc. Quibus quantisque, 20 de maio de 1850,
as letras apostlicas. Cum Catholica Ecclesia.
26 de marco de 1860, as allocucoes novas de 28
de setembro de 1860, Jamdudum, 18 de marco de
1861, e Mxima quidem, de 9 de juoho de 1862.
X
Erro que se referem ao liberalismo moderno.
77. Na nossa poca j nao ntil a religiao ca-
tholica seja tida nica reliquia com exclusao de
todas as oulras.
Alloc. Nemo vestrum. 26 de julho de 1855.
78. Por isso louvavelmente determinaram as
leis em alguns paizes caiholicos, que os eslrangei-
ros que ali se achara gosem do livre e publico
exercicio do seu culto.
Alloc Acerbissimora. 27 de setembro de 1852
79. E' falso qoe a liberdade civil de todos os
coitos e o pleno poder concedido a todos de rsani-
feslarera clara e publicaraeme as us opin5es e
pensamentos produza corrupto dos costumes e
dos espirilos dos povos e conlnbua para a propa-
cacio da peste do indifferentismo.
Alloc Nunquam fore, 15 de dezembro de 1856.
80. O pontfice rumano pode e deve concliar-se
e transigir com o progresso, com o liberalismo e
com a civilisaco moderna.
Alloc. Jamdudum ceroimus, de margo de 1861..
itei.t loitao
Do Secretaria perpetua do Instituto Archeologico
e Geograpbico Pernambucano, lido na sesso
solemne de 27 de Janeiro de 1865.
Meus Senhores.-O artigo 28 dos Estatutos des-
ta casa ordena que o Secretario perpetuo, na so-
lemne sesso deste dia, exponha Assembla Ge-
ral os trabalbos da Associagao dorante o anno lu-
terano que hoje teriioa. E' o que ora venho fa-
zer, em obediencia a aquelle preceito.
A Mesa Administrativa, eleita em 15 de feverei-
ro passado, tomou posse no 1 de abril, e funcio-
nou regularmente al 19 de janeko correte.
Desotto sesses ordinarias se celebraram duran-
ne Dos!>os poflioe qne sao Deputados Assembla
Geral Legislativa possam ver realisado na imme-
diata sessao este importante voiu de amor da Pao
tria.
Sala das sessoes, em Assembla Geral, 27 de
Janeiro de 1865.
/. Soares de Azevedo.
Secretario perpetuo.
a lanm i m
UM POUCB DE TUDO.
Escreve o Jornal do Lisboa :
Vem publicado na (fetoso texto de urna carta
dj arcebispo de Ctmbray ao ministro dos cultos,
aecusando a recepco da circular que prohibe a
publicado fiita pelos bispos, de parte da ency-
clica.
O Rvd. prelado se queix; amargamente de serem
j s os bisjBs impedidos de publicarem esse docu-
mento, que especialmente Ihes diz respeito, ao
passo qoe se d plena faculdade a todos os inirat-
gos da egreja, para o publicar cora os commeuta-
ros que qoerem addicionar-lhe.
O arcebispo termina asseverando, que por mais
obstculos que se ponhams communicacoes entre
e vigaro de Christo o o clero catholico, nao ha
nenhum governo humano que possa tirar aos bis-
pos a obrigacao que tem de tiansmittirem aos
seus diocesanos as instrueedes do supremo chefe
dos catholicos.
------------------------------------
Um despacho lelegraphico de Madrid, do dia 14,
pelas 8 horas e 25 minutos da larde, ao mesmo
Jornal de Lisboa, diz :
Os bispos continuam a resistir s ordens do go-
verno Imperial com relaeao a publcago da en-
cyclica du papa.
^> i ipi w aa^M
N'um peridico l-se o que segu i
As noticias das Calabrias sao ponen satisfacto-
rias, e dlzse qoe o governo italiano vae enviar no-
vos reforcos aquella provlocla.
Urna das partidas que percorrem aquelle terri-
2? "n 1 e;'SqaeS 6S qU.e nel.'as fe discu,,ram torio, commandada por orna mulher de 27 annes
chamada Mara Olivelra, viuva do chefe Pletro
Monaco, de Spezzano, morto n'uma accao em qoe
ella licou. tambera ferida e prisioneira.
pdem reduzir-se a tres cathegorias dislinctas :
Qoestoes de honra e de renome para a pro-
vincia ;
Questoes de gloria e de grande exemplo para
o Brasil ;
Questoes econmicas e de interesse do Insti-
tuto.
Os variados debates, as deliberares respectivas,
e os importantes trabalhos que as commissSes trou-
xeram ao seio do Instituto, foram jrablicos pela im-
prensa, ao passo que as sessoes iam tendo lugar.
Foram este anuo approvados e recebidos em
nosso gremio :
6 Socios effeclivos,
22 Sacios correspondentes,
2 Socios honorarios.
Dos que j o eram anteriormente tlvemos a dr
de perder o Dr. Pedro Thberge nosso socio cor-
respondente no Cear ; e da classe dos honoraria'
a D. Fre Pedro de Sania Mariana, Bispo de Chry-
spolis, no Rio de Janeiro. O vesso ilustre Ora-
dor vos falar deates dois vultos respeitaveis com
a elevada eloqueocia qne lhe familiar, e far
que as cinzas de um e outro vario eslremecam na
campa agradecidas aos melancholicas accentos do
Instituto.
Jlgada pelo tribunal militar, esta mulher foi
condemaada a ser passada pelas armas, sentenca
que foi commutada pela de 30 anoos de prlsao,
d'onde consegua evadirse Juntamente com um dos
carcereires.
urna vez em liberdade, Mara Oliveira organi-
sou urna partida, da qual tomou ocommando, per-
correndo com ella a provincia de Calanzro.
As ultimas noticias dizem que a partida de Ma-
ra enlrou em Belvedere, Spinelli e eutros dons
povos da comarca de Cotrone, nos quaes se eotre-
gou a terrlveis represalias contra s pessoas de
opinioes piemontezas.
L-se no Jornal do Havre :
Sao Interessanles os seguintes dados relativos ao
material annoal de goerra da nossa marlnha ;
A provisao actual do combustivel necessario a
esquadra de 80 milhes de klogrammas.
O numero das boceas de fogo, de ferro e bronze,
O effectivo da marioha mercante da Inglaterra
tem crescid tanto nos ltimos annos, qoe para
se acreditar nos seguintes dados, mister saber-se
que sao offlciaes e nthentlcos.
Em 1848, tlnha a marlnha mercante de Ingla-
terra 1,118 navios a vapor que jogavam 151,429
tonelladas.
Hoje tem 2,298 navios a vapor, que jogam
394,861 tonelladas.
S o porto de Lverpoof con la 142 navios a va-
por, repartidos entre vinle e sete eompanhlas, e
empregados em ooze grandes linhas de navega-
cao.
Segundo a ultima eslatistca, o effectivo da ma-
rrana mercante franceza, a vapor, era de 333 na-
vios.

Um jornal hespanhol conta o seguinte :
E" curioso o leilio que teve lugar cm Paris nes-
tes ltimos dias cm qoe se pozeram venda os se-
guintes objectos :
O sabr de Henriqoe II de Franca com o preco
de 180 francos.
A lanterna de que uzava a desgranada Mara
Antooieta era 89.
O martello do ferreiro de qne uzava Luiz XVI
quando era Delfim de Franca em 130.
A ca xa de rap do regente em 118.
Um pequeo modelo de navio offerecido a Luz
XVI pelos martimos de Cherbourg em 61.
Urna espingarda pequea do Delfim Loiz XVll
em 180.
Um medalhao de ncar representando o busto
Luiz XV pintado por Durand e que lhe foi offere-
cido depois da batalha de Fontenoy em 120.
Eralim o sabr de Heorique III oduas cartas au-
lographas em 200.
A carreira publica de lord Palraerston urna
das mais tongas que se tem visto no nosso se-
culo.
A do prncipe de Metternich foi de 5i annos (de
1794 a 1818.)
A do conde Nesselrode durou outro tanto (de
1802 a 1856.)
A do duque Welimgton foi de pouco mais de 45
annos.
A de sir Roberto Pell foi pouco mais on menos o
mesmo.
Mas lord Palraerston, entrando na cmara dos
communs em 1806, tem estado no poder, com car-
las intermittencias, desde 1807.
Lord Palmerston nasceu a 20 de ontnbro de
-1784, e conla, porlanto, oitenla annos de edade.
Heorique John Temple, 3 visconde de Palmers-
ton, descende do ramo mais novo de urna ilustre
casa, qoe faz remontar a sua origem poca da
conquista.
Conla entre os sens avs slr Willlam Temple, o
famoso embaxador de Carlos II.
No Correto do Havre colhe-se o seguinte :
Urna criada do Havre, mulherje um marinheiro
do Washington, que entrou naquel fe porto no dia
22 do corrente, correu a colher noticias de sen
marido.
Como nao o encontrasse, Imaginoo que nunca
mais o vera, e essa idea fez-lhe tal impressao que
resol veu por termo vida, e pelas seis horas e
meia da tarde preciplton-se do parapeito da ponte
de Notre-Dame.
Emquanto, nbedecendo ao instincio de conser-
vaban, se debata na agua, que sempre alia na-
quelle ponto, passava um hornera rela ponte. Via
que alguns passagelros olhavam para a agua, efa-
zendo o mesmo, reconbeceu sua mulher na que es-
lava em risco de afogar-se. Immediatameote cor-
ren a um barco juntamente com oBtro marinheiro,
e ainda pode colher viva a sua corapanheira, a
qoera foram prestado? logo necessarios soccorros.
O governo russo vae introduzr em Cronstadt o
syslema de fortiOcacoes encouracadas.
Acabam de terminar-se n Inglaterra as pecas
de urna obra abaluartada, toda de ferro, que serao
remedidas para a Russia na prxima primavera.
A principal dessas pegas forma urna muralha pla-
na de ferro, com 12 polegadas inglezas de espes-
sura, 45 ps de comprimenlo e 10 de allnra.
E rasgada por tres canhoneiras.
O goveno inglez comecau o emprego deste sys-
lema em Porhsmouth.mas applicou as placas de
ferro sobre madelra ; os Russos, pelo contrario,
substltulram amadeira por placas.
A differenca muito consideravei.
E' do Sr. J; F. esta poesa:
ULTIMA CRENCA.
Na flor dos labios despontoH-me o riso,
Que adorna a vida na roanhaa gentil;
E eu ria ao ver-te descebrndo um friso
D'amor nos olhos d'um azul subtil!...
Do peito a crenca tao depressa extracta
Qual nuvera branca que no cu passou.
Do novo ergueu-se! reviver consinta
Tua alma d'anjo que dos'cus baixoo !
Ergoeo-se firme 1 No correr das eras
Mais firme ainda velarei meu crer I
E se esta crenca a quem amei de veras
Vier finar-se, ver-me-has morrer I
Ultima crenca que alimenta um peilo
Que urna esp'ranca s conserva em si,
Nao mates, virgem, que ao tormento affeito
Sere um martvr, soffrerel por ti I...
Es minha esp'ranca !Eis ah a erenca !
Ultima crenca que oulorgmi-me o cu t
Viajor perdido na extensao Immensa
Guia rae os passos no tropeco meu!
Uinh'alma outr'ora a vaguear Incorla
Nos dias tristes d'um vi ver de dr,
Sonhou co'a esp'ranca do-porvr coberta
Com o roseo manto do mais puro amor 1...
Sonhou comligo, preicrotou tua alma
Ainda virgem d'amor I.. .Te amei I...
Amo-te louco, de mea peito a calina
Por li, meu aojo, por tea amor deixei I...
Oh I se soubesses !... Se o porvir se enfeita
A vir um dia me dizersou leu
Jurose queress minha alma acceita
Se tur por ti qoe esse porvir nasceu I...
E foi n'aurora de ura viver bem triste
Que ru minh'alrna a um sorrlr dos teas !
Era descremee convertida viste
A' crenca nnica d'um amor dos ceas I.,.
I

7

de 9,852.
Os projeclis do toda a nalureza, balas razas, IPERNAHBUOO.TYP.-DE M. F. DEr\4 FILHO
4


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EI53BIOW2_M32LO4 INGEST_TIME 2013-08-27T20:43:03Z PACKAGE AA00011611_10583
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES