Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10580


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Or ','ih
AMBO ILI. HOMERO 23
Pw qaartcl pago dentro del 0 dias.de 1. mez t : : 5Q00
dem depois dos i." 10 dias do comeco e dentro do qnarlel. .' 68000
Perte te cerree per trsneles.........., : 750
DIARIO DE
PAKTIDA DOS ESTAFETAS.
s da via frrea al
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE)
Parahyba, o Sr. Antonio Aiexandrino de Lima J Olinda, Cabo, Escada e esUcS
Natal, o &r. Antonio Marques da Silva; Aracatv, o *. Draln ,* *
Sr. A.deLemosBraga; Cear, o Sr! J. Jos'de AKuaPrela> ^os osdias.
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaqoim Marques Ro- 'guarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio'Aives & Santo Anto, Grvala
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
SABBADO 28 DE JANEIRO DE 1865.
Per anno pago dentro de 10 lias do 1. mez ,
Porte ao correie por um anuo..........
. 19|000
, 3J000
AUDIENCIA DOS TRIBNAES DA CAPITAL.
Seriohaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-i
ros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas feiras. I
Ilha de Fernando todas as vezes que para alisahir|Tnbunal do cmmercio: segunda e quintas.
navio. Relago: tercas e sabbados as 10 horas.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudine Falrao Dias; Babia, o
Sr. Jos Marlins AIvhs; Rio de Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro Gasparinbo.
Bezerros, Bonito, Caruar,
Allinho, Garanhuns, Buqne, S. Bento, Bom Con-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesquei'ra,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Onricury, Salgueiro e Ex, as quartas feiras.
Todos os estafetas partem ao meio da.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE JANEIRO.
4" Quarto cresc. as i b., 22 m. e 52 s. da t.
11 La chela as 8 h. 40 m. e 10 s. da t.
20 Quarto ming. aos 16 m. e 52 s. da m.
27 Loa nova as 7 h., 16 m. e 46 s. da m.
Fazenda. quintas s 10 horks.
Juizo do coramercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tenas e sextas ao m
dia.
Segunda vara docivel:
bora da tarde.
quartas e sabbadcs a 1
PARTE QFFIGIAL
fiOVERNO DA PROVINCIA.
diniuislrario do Emi, Sr. Dr. Antonio Borges
Leal Caslello Branco.
EXPEDIENTE DO DIA 25 DE JANEIRO DE 1865.
Circular aos Exms. presidentes das provincias
do sul e norte. Communico 'V. Exc. que hoje
assumi a administrago desta provincia para a qual
fui nomeado presidente por carta imperial de 19
de noverabro prximo passado.
Aproveito esta opportundade para assegurar
V. Exc. que serei solicito em satisfazer as suas re-
commendages quer relativas ao servico publico
quer ao particular de V. Exc.
Offlno ao Exra. cooselbeiro presidente da rea-
cao.Tendo tomado hoje posse do cargo de presi-
dente desta provincia para o qual fui nomeado por I
carta imperial de 19 de norembro do aono prexi-
mo passado; assim o communico V. Exc para
tavam em torno de urna capellinha, recentemente
construida no lugar da antiga matriz, nao permit-
iera recordar sem tristeza a historia tao grande de
tao humilde localldade.
Esta capellinha, edificada por Joao Ravmundo
de Almeida, hornera principal da Tapera,"tem de-
ronte da porta um pequeo espago de trra que
serve de cemiteno.
As poucas e pequeas casas, separadas urnas de
outras por plaotagoes de caf e cacao, nao sao an-
tigs ; uraa, porm, por suas dimeosSes. forma,
situago e construccao, parecea-me ter sido um
convento ou residencia de pessoa do distincco ;
della nao resta seno urna parte e essa mesma em
ruinas. Nlnguem all pode darme outro esclare-
cimento a respeito dessa casa, seno que era mui-
to antiga.
Deixando Cameta-Tapra, e navegando entre a
costa e os grupos do ilhas, que se Ihe avizinham,
passamos quasi no meio dos numerosos baixos de
area, que indicara a proximidade do furo Li-
moeiro
ste furo vai do Tocantins baha de Maraj,
seo conhecimentoj- Igual commuoicago se fez a ?""" continente a grande ilha Tatuoca, que
todas as autoridades e chefes das repanices i a ponta occldental da barra do Tocantins,
Dito ao coronel commandante das arma Sir-! ?* a" che**r a aqaella bahia- Perde fur0
va-seV. S. de informar acerca do que pede no in- \ JZam2 p,a? .f?mar0 de Cruc- pequeo no
cluso requerimeoto o sentenciado militar Luiz 2 T 2 'J.ha- pwico adianto ao encontrar
Francisco do Nascimento j ruro de Pa&> Curuca perde tambem o seu no-
Dito-ao mesmo.-Queira V. S. informar acerca SILtL0 LSTSfSS^-SSf rom Sue
do que pede Maria Ignacia Ferrcira no incluso re- f2,. SffSS de encon,rar novamente o Pa-; piquee barradas. Os sinos esto pendentes de
2L ThL h r" x ?m\to;ca armac5 de Pao em forma de torre, col
banta Thereza de Curuga.-Na margem nerte de ; locada defronte da porta principal da igreja
Curuca esta um resto da extincta freguezia desta \ A casa em que a cmara se rene I preprieda-
to que all teve, nos tempos passados, um portu-
guez de appellido Breves, o qual com seu irmo
inonopolsava quasi todos os generas de commercio
dos districtos vizinhos ; as vantagens que tirava
desse trafico concorrerara para dar importancia a
seu estabelecimento, junto do qual, ha trinta an-
nos, comegaram a levantar barricas os seringuei-
ros que para all eram attrahldos pela abundancia
da borracha.
Em 1850 a nova povoacao augmentara com nibi-
tos habitantes de Melgago e de outros lugares qbe
para ella se mudavam, e meroceu ser elevada
cathegoria de freguezia, e era 1851 de villa, par-
dendo Melgaco ambos estes predicamentos.
A villa compoe-se de tres ras e outras tantas
travessas, comprehendendo todas setenta e quatfo
casas pela malor parte terreas e cobertas de p
Iha ; vinte e dnas sao cobertas de telha.
Ha treze de commercio, das quaes nove perte
cem a brasileiros, tres a portuguezes e urna a u
hespanhol.
Contara-se all varias tendas de offlcios mech;
nicos, sendo utna de sapateria, urna de calafaL,
urna de ourives, urna ferrarla, urna padaria, dual
de alfaiate e tres de carpintera.
A villa possue tambem um bilhar e um theatri
nho que anda nao est concluido.
A matriz, cujo orago Sant'Anna, est eolloca
da no ponto mals alto da povoacao; sua construc-|
ao muito iraperfeita, sendo as paredes de pao a
DIAS DA SEMANA.
23. Segunda. S. Ildefonso are; S. Emerenciana m
24 Terca. S. Timotheo b.; S. Marrolmo m.
2o. Quirta. S. Ananias; S. Juvenlino m.
26. Quiota S. Polycarpo b. m.; S. Theogenes m.
2/. bexta. b. Joao Chrysoslhomo b. dout. da egr.
28. Sabbado. S. Goncalo de Amarante dominic.
29. DomiDgo. S. Adelelmo ab. j S. Marlinha v. m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 5 hora e 18 m. da mnha.
Segunda as 5 horas 42 e minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTE1ROS.
Para o sul al Alagoas a li e 30; pafa o norte
at a Graja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos das 14 dos mezes de janeire, marco,'maio,
julho, seterubro e novembro.
Faria & Filho.
ASSIGNASE
na livraria da praca da Independencia
Maneel Figueira de
no ReciTe,
os. 6 e 8, dos proprietarios
cr stalinas e saborosa?, temperatura agradavel e
salubre, urna bahia espacosa, banhos deliciosos,
peixe em abundancia, eis o qpe Portel.
Mas a villa em si mesma n5o corresponde de
modo algnm a tao fellzes accidentes naturaes.
o. ma.exel,enle e loD8a Pnte de madeira avanca
aie certa distancia para dentro da bahia, facilitan-
L !m Prearaar o embarque de cargas. Che-
gando-se trra, aeha-se esqaerda, a raelbor ca-
sa aa vina, a nica de sobrad, que ella possue:
eacasaem que se reno a cmara municipal, cu-
jo presidente o proprietario do predio.
...Pflxada a Ponte, sbe-se unja curta e commoda
ladeira, e entra-se
villa.
Se a poltica exige a mudanca de um presidente, I
e a consequeate alteragao dos negocios polticos,
muitas vezes os interesses administrativos pedem
a sequftncia e continuacao do que se incetou.
Sem urna base de repouso, aonde se firmera as ,
questoes administrativas, ellas necessariamente '
Cear. Cumpria aliviar
e o goveroo com effeito
ca trouxe a fome ao
urna populacao afflicia,
abri a bolsa do estado.
Gastou-se perto de um milhao de crusados; os
- ---.o.m,,. uecessar. tmenie KTfLrC,egaram ra de temP. e quando as
sofrerao a; variaffies polticas; e isso quer dzer -rer,lllsavam a n urna praga, nica que tem a
- e
quenmento.
Diio ao mesmo. A' vista da informajao minis-
trada por V.S. nesta data sob n. 177 e do termo --------......- ?--
de inspeceo a que foi sugeito o'recrta Francis- denomma9ao e da mvocacao de Santa Thereza. A I de particular.
co Antonio Moreira, fllho de Joao Moreira, indefiri S^.Sv'm,l, ruiua' assim como as cinco ca" I A cade,a uma armacao velha de casa, em rui-
ereqoenmento era que este pedio a soltura do iX^T m? formarnJun'a Pena praca. A, as, ou nunca acabada ; e eu peco licenca para
TSSiS^. VSl"ter Sid0 COnsiJerad0 aP' Para 53TSS3S nSC^!da,Lara U.ma ?^.e I dlier_.,i1e.1eJ!a.tem uma seraelbanCVa perfeita cora
o servico.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Em vista do altestado junto em dupiieata, que rae
ol remettido com offlcio do coronel commandante
das armas datado d hoje, sob n. 180, e nao ha-
vendo inconveniente, mande V. S. pagar ao solda-
do do 9o batalho de infamara Jus Doraingues de
Soma, a gratificado a que tiver direito por haver
apprehendido o desertor do mesmo batalho Ma-
noel Gomes de Oliveira.Communicou se ao coro-
Bel commandante das armas.
Circular a todos os juizes de direito da provin-
cia. Remetiendo i Vm. para sen conhecimento e
fiel execucSo, copia do aviso circular expedido em
2 deste raez pelo ministerio da justica para evitar
e cohib/ abusos contra a liberdade individual re-
commendo-lhe qne de conformidade com o modelo
incluso, envi pontualmente a esta presidencia no
fim de cada mez o mappa das prisoes que houver
decretado no raez anterior, cora as declaraeoes do
que se faz mensao no fial do mesmo aviso
Igual a lodos os juizes municipaes.
fre-
escolhida
aconselha o restabefecimento desta
guezia.
Na confluencia de Curuca com o Pag viraos os
galhos os ramos das^rvere?, em ambas as mar-
gens, cheios de trapos : pedacos de caigas, restos
de seroulas e de camisas, lencos velhos e rolos es-
tavam all dependorados, como trophos da indi-
gencia : eram tributos que os remeiros pagam ao -...a...u,.
urao-page, aim de que este propheta seja propicio! tadas na razo de seis at oito
C0HMAND0 DAS ARMAS.
Quartl do
buco, na
1S6S.
commando das armas de Pernam-
cidade do Reeife, 27 de Janeiro de
aos viajantes. Os nos.sos remeiros, pouco religio
sos deste culto, nao quizeram pagar esse tributo,
alias o raais suave ; nada com effeito mais comrao-
ao do que desfazer-se o passageiro dos trapos que
ja nao tem serventa e da los em pagamento ao Pa-
ge, que tao fcil de contar-se.
Oeiras.Sahindo bahia, percorremos a sua
costa meridional at Oeiras.
E>ta villa est siloada era lugar aprazivel e en-
chuto a margem occidental do rio Aratic, de
cuja barra dista cerca de 5 milhas. Segundo a au-
tondade do arcipreste Dr. Monteiro de Noronha,
Oeiras teve o seu primeiro asiento cora o nome de
Aldea do Aratic, abaixo da barra do Panaba ;
Baena da mesma opinio.
Essa aldea rol missionada pelos padres jesutas,
depois de vencidos pela espada dos Portuguezes os
Indios que habitavam as raargens daquelle rio.
Em 14 de abril de 1758 foi elevada cathegoria
de villa com a denomioacao que anda con-
serva.
O numero de suas casas de 57, comprehen-
dendo-se as habitaveis. que sao 33, e as abandona-
das, por terem sido queimadas. Sao cobertas de
oalha, a excepcao de uraa ou duas ; a maior parte
aellas sao feitas de talos de palmeira.
Das habhaveis sao poucas as que tem mora-
dores.
Nao ha all casas de cmara, nem raei nem
um gallioheiro.
Se os presos nao se evadem della porque nao
quorem, pois que nio ha all seguranca seno na
vigilancia das sentinellas que era sempre ficam
acordadas. Nenhuro asseoha na casa, e por con-
segrante nenhuraa salubriaade.
A populacao de quinhentas e dezoito fpessoas
no_mximo, regulada pelo numero de casas habi-
pessoas era cada
uma.
Esse numero dorante a safra da borracha as
ilhas, desee a Irezentas, mais eu menos, sendo por
conseguinte a populacao fixa de quatrocentas e no-
ve almas.
A villa de Breves lalvez a nica povoacao do
interior em que o progresso sensivel. Esse pro-
gresso, porm, nao devido a estabelecimento in-
dustrial ou de cultura, que sao cousas all quasi
que desconhecidas, mas nicamente sua posicSo
interessante em relacao navegado e commercio.
Cojlocada, com effeito, entre as agnas do Ama-
zonas e do Para, esta villa o centro a que vai ter
o commercio de Portel e Melgaco. e dos rios Aoa-
pu, Pacaja, Jacund e Anajs, e da mor parte do
astuanum que se estende ao norte, sul e sudoeste
da Ilha Grande de Maraj.
Todos os vapores e barcos que seguem do Para
i destino a qualquer ponto do Amazonas, e vi-
As ras sao estreitas, guardando proporgao cora
as casas, que sao todas pequeas; a vassoura, o
paracary e oulras phantas seraelhantes enchem as
ras e pracas, havendo, pormL entre ellas cami-
nno iimpo por onde passa qualuer pessoa.
A villa consta de 4 roas, 8 travessas mui curtas
uma praca.
Em todas estas divisoes ha 8i casas a saber:
7 cobertas de telha. v
20 cobertas de palha e j promptas.
57 cobertas de palha, mas aiada nao concluidas,
ou para dizer melhor, comejadas e nao acabadas.
Grande numero dellas esto em ruinas, ou aban-
donadas.
Creiojjue nao me enganarei muito avadando a
populacao inleira da villa em 160 habitantes.
A matriz de Portel, nico templo da villa ain-
aa a mesma igreja que os jesuitas fizeram construir
em principios do secuto passado. Como a de Mel-
gaco, ella e toda construida de madeiras, e conser-
va anda, principalmente no tecto, as primitivas
pinturas representando varias scenas referidas nos
sanios hvros, cada uma com.sua inscripfo apro-
0 padre Jacob Pastana de Vasconcellos, que ha
JO annos vigario da freguezia, conserva com o
maior cuidado essas pinturas e cbm a possivel de-
cencia a sua velha igreja. Elle habita no antgo
convento ou collegio da companhia dos jesuitas,
annexo a capella cora a qual se communica.
Eu tomel nota da data da fuodapao deste tem-
plo : na faca da verga da porta lateral que d pa-
ra o norte esto esculpidas estas palavras :
- 16 de julho
e na da soleira estes algarismos:
c K 1723- L
sobre a verga da porta principal l-se:
1723
e na soleira:
que nunca ha administraco, comecaado ludo de
novo a cada mudanca presidencial.
as provincias, pjs, vivemos sempre em princi-
pios em materia de adminislragao: e o que peor
e as vezes em repetida destruco do que se ha
comecado.
Somos como as creangas, nanea satisfeitas com
os brincos da '
infancia, apenas alcangam um, logo ," [T S
destrem, para lancar mao Se *"& iSP"
egetago.
Acudi primeiro o auxilio divino do que o tardo
esforco dos homens.
Ora perguntamos o que isso significa? Ausen-
cia completa de meos administrativos.
A provincia do Cear tica a 9 dias de viagem
vapor da capital do imperio; no entretanto os vi-
remetudos para o Ceara, que os pedia em
o abandonam ou destrem, para lancar ma'de ; ,l"u' so cnegarara em novembro
outro, sem cousa alguraa jamis ter para o proprio i sybteraa< ><" offerece resulUdos taes, vi-
goso. i .e necessila de emenda.
A poltica tem interesses repentinos e passa-:, A Corle deve emPeDnar 'ud Pra tirar toda a
geiros; a administrago pelo contrario de accao ,ra ou Proc.e|lencia s queixas das provincias :
permanente, para ser benfica P consegui-lo, o meio prevenir que se ellas
levanten) com carcter de veracidade. As queixas
dos pjvos, quando repetidas com fundamento, sao
vapores de que se forman raios, nao menos fu-
As necesidades d poltica nascem raoitas vezes
das opinioes dos homens, mudaveis, e era sempre
bateadas em justos fundamentos, ou solidas apre-
ciagdes. y
A administrago porm nio cra fantasmas: pro-
cede segundo a lei dos fados naturaes, e s preci-
sa do illuslrado criterio dos que a dirigem.
E' impossivel, pondo frente do governo das
provincias um s homem, que tem de satisfazer !
interesses de natureza tao diversa, conseguir van-
tajoso resultado.
As instiluigoes de um povo devem ser adequa-
8m que se propoe o governo social.
que os athraosphericos, dizia um antigo
nestos
sabio.
Estes raios, porra, esfriam, e nao estragara,
quando as queixas sao attendidas, ou melhor ainda
prevenidas.
Agora mesmo praticou o "governo geral um acto,
que ferio os interesses d'esta provincia.
De dezerabro at os primeiros dias do correte
mez saccou o thesouro nacional sobre a thesoura-
ria de fazenda desta provincia cerca de mil contos
Havendo as provincias uma aulordade supe- j paDra Pa8amente de saques, que havia com-
nor, qne vele por tado: que satisfaga poltica e : PJ j aoJ ,? de Jane"'o sobre Londres, aos cam-
superintenda a administrago, plenamente, se con-!, 2o '* a 26 d"iheiros por mil reis i, no en-
segue o grande escopo, que almejamos, dndose tre'anU Que o cambio durante o mesmo tempo
desenvolvimiento s torcas de cada provincia pelo; nesla pra5-a d?. R,ecife regulou por 27 e '/ dinhei-
seu esforgo proprio, de acord cora os grandes roLpor mi re'
interesses nacmnan nneiro eslava Pernamhoco. porque
interesses nacionaes.
Os conselhos presidenciaes nao devem causar o
mnimo receto de intorpecimenlo ou obstculo
aegao dos presidentes, desde que esses conselhos
nao tenham ingerencia na parte poltica.
Formados os conselhos presidenciaes, os nego-
cios, que mais de perto tocara ao povo, como j
ti vemos occasio de dizer, sao tratados por homens |
acreditados na populago; e quando por ventura
nSo sejam esses negocios bem succedidos, nem por
isso haver motivo para erguer-se celeuraa contra
o governo central, orno diariamente acontece nes-
te paiz, aonde se responsabilisa o governo por
tudo, e at certo ponto com vizos de razo, por
que o geverno mostra querer fazer tudo.
tudo, porque tudo pode : e log que as cousas,
embora por causas naturaes e obvias, nao tenham
o desejado xito, recae a culpa sobre quem se
Ordem do dia n. 29.
Declarando o Sr. alferes do 9" batalho de in-
famara Francisco de Freitas Moreno, comman-
dante do destacamento da villa do Ouricury, em
offieio datado de 31 de dezembro prximo irado
que intimara ao Sr. alferes do stimo batalho da
mesma arma Pedro de Alcntara Tiberio Capistra-,
no a terminante ordem que Ihe expedir o coronel' casas e cam*ra> nem cadeia, .
commandante das armas para regressar a esta ca-! 0Qlr0Aclual1uer edificio publico excepgo da igre-
pital sem detenga, com as pragasdos batalhSes se- '6m de novembro de 1861 derrubou
gundo e stimo all destacadas; e nao tendo o re- i melMe v,lla' lnc|usive a casa da cmara, que
erido Sr. alferes Capistrano dado como Ihe cum-' era ,ambem P"8*0 pnblica. A igreja foi, na mes-
pria pontual execugao a essa ordem (que j foi rei-' ma oceasiao. queimada em parte,
terada) no espago de dous mezes que decorreram moradores nunca mais quizeram reedificar
da inlimago, resolveu o mesmo coronel comman- fas casas e a v,lla Parece Uffla aldea abandonada,
dame das armas nem s deprecar do Sr. inspector .em'por vezes' Pedido a transferencia da sede
da thesouriria de fazenda suas determinacoes a da.-vllla Para 0Dtra locabdade, indicando a de Cur-
collectoria d'aquella localidade para suspender o rahnho 1ue flca defronte, na ilha de Maraj, como
pagamento dos vencmentos deste senhor offlcial a mais aPr?Priada Para isso ; mas o velho vigario
como a marcar-lbe pela presente ordem, o prazo'
de trinta das para a sua apresentacao nesta eapi-
- o qual nio tendo comparecido, ser de-

.. 5 de agosto.
Uma parte do edificio que se achava annexo ao
lado sul esta em total ruina.
Da villa parte para SO, em llnha recta, uma
larga estrada plana que vai terminar na margem
direita do Pacaja. Em 15 minutos vence-se, a pl presume poder, nao querer.
e>te espago; o que facilita a occasio de se poder i Isso habita o povo a imputar ao averno os
lubridade d,aSIMia0-"!**n --?-es-CU.ra--Sa- ??.-!.'.q"? ? embocadura
No.
deManarij, pertencente a Joao da
eslava em Pernambuco,
razao nao foram os saques feitos por esta provin-
cia, quando no Rio pagava-se maior premio ?
Nao; porque havia e ha elTectivamente quem sa-
que nesta praga. Seria por serem as firmas do
Rio mais solidas e acreditadas do que as de Per-
nambuco? Nao; porque as allencias do Rio sao
superiores s de Pernambuco e ho all estragado
o crdito.
Logo nao vemos nesja transaego outro interes-
se alm da concenlragao dos capitaes na corle, em
detrimento do engrandecmenlo das provincias,
para as quaes laes transaegoes trazem lucro.
Se urna provincia capaz de dar aos cofres ge-
raes tao avultados rendimentos, como a de Per-
0 poyo entende, que o governo, pretende fazer nau,buco, claro, que tambera se ihe deve pro-
porcionar as transaegoes cambiaes, que beneficiam
o commercio, cojo augmento de interesses traz
accrescimo das rendas publicas.
Quando islo se faz com perda do thesouro na-
cional, como no presente caso, maior o aggravo
publico, sendo manifestada a falta de equldade, e
iridade da villa e a risonha perspectiva da vasta' prov/to d'ahi se segu, quando alias deve a oonu-' coalrar'edade dos interesses locaes.
TUS? d0 Pacaja- i ta# eslar convencida de que s por motivos'____
m ponto em que termina a estrada est o sitio superiores humana capaddade nao cura o gover-' __waaa
-H.Uianjo, Dertencente a Joan ita Silva \pvps no ns male c.ir.'i..< DLUlI 1M flllf1
faz opposigo obstinada e constante a essa transfe-
rencia, e por sua influencia o interesse geral dos
moradores e do publico tem sido at hoje preju-
dicado. '
A populago da villa de Oeiras, quando a visita-
mos nao poda exceder de 250 pessoas, numero
Conforme.O capitao Josi Francisco de Maraes que' Passadojs de festas, em que a achamos,
e Vasconcellos, ajudante de ordens interino do com- se r- a 60 at 70 P^soas, no tempo ord-
tal, lindo
clarado ausente, e proceder-se"-ha"ortermos'da te
de 2u de maio de 1835.
Assgnado.Joaquim Jos Gonraltes Fontes.
r.Anfnrmo__fi nnniulri i-.i i?____ __ .,
mando.
INTERIOR
PARA.
Relatorio do secretario da presidencia da pro
VINGIA, HELATIVAMEtTrB A SAVEABILIDADK DOS
ROS DESSA K DA PROVINCIA DO AMAZONAS.
(Continuacao.)
egunda parte.
nano.
Indagando all onde a cmara municipal cele-
brava as suas sesses, fui informado de que ella
nunca se rene, e que, nao ha vendo jamis assump-
to algum a discutir, essa reunio tornava-se oeiesa;
as raras correspondencias com o governo sao feitas
pelo secretario, ou por qualquer outra pessoa e as-
signada pelo vereador que, por acaso, apparece na
VlIlJl.
Em Oeiras, como em Camela, ha queixas conti-
nuas cintra as casas de negocio nos sitios ; oestes
municipios cousa trivial o negociante do sitio
commercial com o desertor e com o escravo fgido
, qne sao por elle empregados no seu servigo e na
mente a villa frequentada "mensalmente
pores mercantes, saber : quatro vetes v
lm e Afanos, duas pelo Icamiaba, alm dos dou
vapores peruanos Morona e Pastaza, qne as vezes
all tocam.
Para se ir de Breves a Melgago segue-se pelo fu-
ro ja mencionado que fica fronteiro a dita villa, e
que tem largura igual a do Aturi, e funlo suffl-
ciente para qualquer embarcago a vapor, ou a
vella. Elle termina no pogo doCabral d'onde par-
tem outros que vo sabir na bahia defronte da villa
de Melgago, da qual dista a sua bocea cerca de
seis milhas.
Melgago.-A villa de Melgago est situada na
ilha que tem este mesmo nome, e a margem de
lima linda bahia. A sua situago aprasivel, ape-
zar do terreno baixo sobre quo se acha assentada
hila consta de uma fileira de casas miudas, mas
impas, e em grande parte caiadas, estenddas ao
longo da praia, havendo na parte posterior outra
pequea ra de casas menos estimadas.
Na extremdade norte da villa est a matriz
Z- ?? S!" I U. raSto de extraordinaria longeridade vera em
/m hT if-1 apo,2 desIa asser5ao- O vigario da freguezia mos-
- trando-me a sua igreja, apresentod-me o seguinte
assentamento langada recentemento no livro dos
bitos:
t Aos 5 dias do mez de abril de 1863, s 11 ho-
ras da manhaa, as costas do Mapah, districto
da villa de Portel, fallecen da vida presente com'
tolos os Sacramentos Barbora Rosa, viuva, figno-
ra-se de quem) livre, natural deste mesma villa,
de 15 > annos, cor tapia, lavradora ha 3 annos.
hepultou-se hoje 5 do crreme me* de abril pelas
11 horas da manh.a, no cemit^io : E, para cons-
tar fiz este termo.-O vigario collado, /aro6 Pasta-
na de \ asconcellos.
Este parqcho, que um dos sacerdotes mais in-
Silva Neves no os males socaes.
com Se o governo do Brasil se cempenetrasse bera
d este principio, de certo que folgaria de arredar
de si encargos, com que nao pode.
O demasiado poder prejudca quera exerce.
A somma dos males da vida mui excedente I
aos bens, de que gosamos. E por mais cauteloso,
que seja o governo, pmpre ter muitos lances
inelizes; e repelidas occasloes tera de ser argido,
com enfraquecmento do amor dos povos.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Festejou hontem o Instituto Archeologico e Geo-
grapluco Pemambucano o seu 3o aoniversario ; e
ao passo que com este acto social determinava as
etluoes intimas pelo goso da vida que assim se ma-
nifesla pujante, abra o f
- .ivro da nossa historia e
Acertadamente dizia Nicolao Machiavelli, que aemorava-se com respeitoso eothusiasmo na pac-
_ pintura
tiva que Ihe deram os jesuitas.
Annexas a igreja e a seu lado direito
! extragao de oleo, seringa e castanha.
do tocantins as bahas do anapi\ Observando que todos os gneros de almentaco
SLrMP^rT;XPca|;1,da de Cara-7Came,a ,aPera' !e vendiam P"" Pre* niotu, caros, fui E2
recordagoes historicas.-Furo do Limoeiro ; ex- de que era isso devido ao abandono da villa pelos
vmiair,ffU02.'a Cruca tributos ao Pag.- negociantes e pela oceupago da seringa que toma-
Villa de Oeiras; sua fundagao e seu estado ac- va todos os bracos.
re>; origeme desCripgo Antes da alta que em 1854 teve a seringa, di-
abundante de tu-
gallinhas, milho,
u> seringa e alguns
longev.dade anda fabricara rarinha; ninguem cria urna g!alli-
Hartindode Umeta cora destino aos districtos de nha ; e por isso um ovo qoe outr'ora se venda a
Oeiras, Breves, Melgago e Portel, costeamos o con- cinco ris, quando muito, hoje, se por acaso appa-
iineDte, deixando, do lado deste, nnmerosos sitios rece um, nao costa menos de 240 res e as vezes
e os pitorescos lugares de Aldeia, Pacaja e Taja ; 400 ris I
e a nossa direiUnma inllnidade de ilhas era geral, A classe operara dislingue-se enr Oeiras por
ac psquena exlensao, masnotaveis pela abundancia uma paixao muito pronunciada pelas festas, por um
(Continuar-se-ha.)
DIARIO DE PERflAMRUCO
de palmeiras que Ihes dSo um asp'ecto dos mais
graciosos.
Ao avistarroos o velho Camet-Tapera nao resis-
tim-s ao desejo de visita-lo; desembarcamos cora
diflkuldade em um canto da praia por nao haver
ali um porto melhor.
pendor notavel para a ociosidade e por grande in
differenga para o dinhero, quando, para ganha-lo,
e preciso sahir fra dos gostos e usos tradlcionaes;
isto trabalhar.
Talvez em parte alguma da provincia se tenha
sentdd mais os efTeitos da revogagao da le que
Camela-Tapera, que se acha a dnas leguas daci- creou os corpos de trabajadores do que era Oei-
dade, guarda um interesse histrico que nao poda ras. O espirito que aconselhou a revogacao dessa
deixar de excitar a nossa curiosidade. Neste logar, lei foi mais generoso do que prudente e atlendeu
hoje to tristemente decadente -e quasi abandona- mais iheorla dos direitos do homem do que s
do, foi, pela primeira vez as margens do Tocan- (liges da experiencia e s condigoes especiaes do
tos, alevantada e adorada uma cruz, o signal da paiz.
redempgao ; alli se'constrnio o primeiro templo on- j Os effeitos daquelle acto, os da extraego da se-
de se rendeu gragas ao Omnipotente em presenga | ringa e os do descentralisag3o do commercio tem
da mageslade daquellas aguas; alli teve origem e sido, em igual grao, fataes a industria e aos pro-
sua primeira fundagao a cidade de Gameta; ain-' gressos desta villa.
da ali qne toram sepaltados e consumidos os restos De Oeiras se?ulmos at as barras dos nos Pa-
mortaes do primeiro governador e capno general naba, Tirlncae Juruparipucu"; que desembocam
de Maranho e Para Francisco Coelho de Carvamo,' reunidos em frente da ilha do Bagre,
um dos mais distinctos e mais honrados fidalgos do D'esta ilha atravessamos a babla para a bocea
su tempo; all finalmente se preparou e parti em do furo Parauati, on rio dos Breves, e chegamos
1637 a famosa expedigo ao Amazonas e a Quito,! villa deste nome
commandada pelo bravo Pedro Teixeia, cojo no- Breves.Esta villa est situada marhem nor-
me o mais illnstre em toda a historia das con- te do furo Parauau', em orna ponta de trra que
quistas de Portugal nesta parte de snas antigs corresponde pequea enceada, em cujo fundo se
colonias. I acha o furo que d communlcago d'alli para Mel-
Confesso que estas recordagoes histricas prodn- gago,
ziram em meu espirito uma profunda melancola; Segundo uma inforraagao particular, de cuja
o silencio que reina va naquelle ermo, as sombras exactidSo nao tenho motiVoj para duvidar, esta po-
que as palmeiras e as ramalhudas arvores projec- voacSo deve sen nome a um enligo estabelecimeij-

Barbora Rosa, portento, que nessa poca j era
moga, nSo podia ter entao menos de 15 annos, do
da as ruinas do" vlho convento ocoTle^io dos mis- 2ie ^ deve,eoncluir' iue seu nascimento teve lu-
sionarios, mas j desabad^f em so?maior oarie fa^eranqia,?Uer d0S anD,03-de ,706 a 1708" Coa'
Era todo'construido de madefns, incTusTve %$. I ,ava p0rlanl0' a avanSada dade de 153 anns I
redes que eram barradas. Do collegio passavase
ao convento por duas portas, uma das quaes pare-
ce que era serreta,
Os dous altares lateraes da igreja foram rcenle-
mente pintados de novo com tintas vermelna, ama-
relia e verde, tintas que, segundo se nfurmou, fo-
ram adoptadas para robustecer mais a f em cer-
ta classe de habitantes pouco civilisada (tapuia) e
attrahi-Ia assim a igreja. Os tapuios (indios) tem
com effeito grande predilecgao pelas cores vivas.
A igreja, gragas aos cuidados do zeloso viga.rio
da freguezia e dos principaes moradores, conser-
va-s asselada e mui decente, mas ella nao pro-
mette tonga duragao.
A casa da cmara, qoe de propriedade particu-
lar, muito acanhada e incapaz para as funeges
municipaes. A cadeia apenas um quarto estrel-
l e terreo, fechado de dous lados com uma Janel-
la, guarnecida de fracas grades de pao.
A populago nao excede de 150 pessoas.
O porto pouco frequentado de embarcages e
tao raso que as caneas grandes precizam flear ao
largo para nao encalhar. Uma vasta loalha de mu-
rurs cobria ha pouco lodo o porto; os habitantes
entenderam qoe o deviam desembaragar dessas
plantas, mas a forga das mares, que nellas se que-
brava comegou logo a destruir o terreno argiloso
sobre que se acha a povoago, cujas casas j esta-
vam ameagadas de desmoronamento. Parece que
se renunclou agora essa correcgo da obra da
natoresa pelo desejo de se ver conservada a villa.
Melgago, que era a antiga atdea de Artcur,
missionada pelos jesutas, foi elevada cathegoria
de villa em 1757 pelo caplao general Furtado de
Mendonga, e o filustre bispo Fr. Miguel de Bulhdes
marcou-lhe no anno seguinte os limites parochiaes.
Em 1850 perdeu o predicamento de villa e fre-
guezia, fleando como capella filial annexa de
Breves, mas a lei n. 280 de 1856 restitulo-lhe esses
predicamentos.
Portel.Do Melgago Portel vo 4 leguas qne
se vence em poucas horas de navegago no meio
de uma magnifica baha, a qual tera cerca de 9
leguas de extensao e coja largura vana de 1 a 4
milhas.
Portel era a aotiga aldeia de Ai'ucar, missiona-
da pelos jesutas, tendo sido elevada cathegoria
de villa em 1857. E* uma das povoag3es mais
bem situadas da provincia.
Collocad^ na race oriental da ponta Manarij no
ponto em qce esta forma com u continente uma
pequea enseada, a villa projecta-se sobre a for-
raosa bahia que toma o seu nome.
Terrag feriis, altas por toda a parte e perfeita
mente ventlalas, pwias de. arela branca- agnas
que os horneas se dirigiam por dous principios : na K'priosa. que compendia tudo quanto ha de
o amor, e o raedo. grande, nobre e generoso nos fastos dos povos da
Nenhum governo justo e sensato preferir este raoderDa e antiga civilisagao.
aquello meio de direcgo; porquanlo a c bedien- Co,n en"B|to, o Instituto nao s uma associago
cia voluntaria mil vezes superior obediencia de Pessoas estudiosas; o Instituto tambem um
coacta. | despertador que lembra aos filhos a heranga dos
Assim tudo quanto tende a alienar dos povos o Pais' neraDCa cuja grandeza tem sido descurada
amor ao governo, um grande mal. Por aquelles, como descendentes opulentos que
O demasiado poder consistente na assumpgo de malbaratam as acq'uisigoescuslosasdosseus maio-
toda a vitalidade social, ou na concenlragao das re^ Inst'tul ba de ser ainda. emfim, e restau-
teitigcntes do bispado, calculou a idade da fallec- torgas da nagio era um s ponto,- erro gravis- rador Poderoso deste estado prximo da morte do
da tomando por base a declarago que ella havia simo. patriotismo, que ahi se v inoculado as veas da-
reito a muitas pessoas e ao mesmo vigari, pouco Quando os nossos negocies particulares nos 1uelles que tem por anlepassados os maiores he-
antes de fallecer, de que, quando era moga, esta- surtem mal, estando confiados mos alheias, roes da brasilia,historia.
ya-se fazendo a igreja actual da villa, e que, jun- reputamos que, s por malicia ou incuria, assim feto festivo foi solemne, e nem poda deixar
odiamos a causa do transtorno. de s-lo._
tomamos parle na direcgo do ne- salao em que no convento do Carmo funecio-
ou conselhos, j nao procedemos na mesmo Instituto, eslava decorado com adap-
tado ao acto e s recordagoes histricas do dia,
Levados da amor proprio achamos desculpa
para o mo xito, considerando o mal como lrre-
mediavel.
Isto que succede com os negocios particulares,
applica-se. s cousas publicas; porque o que sao
essas cousas seno o negocio particular de todos,
ou ao menos de muitos conjuntamente ?
Ao nascente viam-se os retratos dos quatro h-
roes mais sublimados da epopa pernambucana,
Vieira, Vidal de Negreiros, Caraaro e Uenrique
Dias, que dalli testemunhavam essa prova de gra-
tido de seus filhos ; e ao poente estavam dous es-
cudos com as datas 3 de agosto de 1645 e 17 de
\ aposto de 1643, rememorago das batelhas de Ta-
Peruaiubnce e Rio de Janeiro.
VI
Indicando no precedente artigo a creagao de um
corpo de homens' illustrados, que por sua expe-
riencia e ligagao de interesses ae paiz podessem
aconselhar utilmente aos presidentes de provincia,
tocamos en geral as vantagens, que de tal crea-
gao resultaran) para admimsiragao publia.
Pensamos, que semelhanle corporagao de
summo proveito para a consolidagao das consas,
como foram estatuidas pelo pacto fundamental do
estado, e nem se diga, que assaz temos feite em
bem dessa ordem de cousas; lano assim que
irnos marchando, e j contamos uma existencia
de 43 annos depois de emancipados da metropole
colonial.
Cumpre porm examinar, se marchamos bem;
e reflectir, que menos de meto secuto, na vida de
um povo, espaco mui limitado, que nos nao pode
offerecer resultados, que mosirem eslarraos armes,
porque temos subsistido.
Achamo-nos em estado de formagao anda; e o
tempo decorrido apenas nos vai apresenlando os
gerraens, que convm desenvolver.
Se temos uma ptima constituigao poltica,
cujos sabio autores tanta gratdao se deve, nem
por Isso ludo est feito. Necesitamos de dar ex-
panso aos principios nella consagrados, confor-
mando-nos com a sabia experiencia.
Delineada e fundada a obra por experimentado
architecto, incumbe-nos ir levantando o edificio, sem
afastar-nos do desenlio.
Nenhuma naglo creou de ura jacto as suas ins-
tituigdes. As conslituigSes estabelecem princi-
pios as leis especiaos os desenvolveos.
O tempo nos tem mostrado, que as presidencias
de provincia nao corresponden) saltatoriamente
ao seu fim: porque, preocupadas da poltica,
deixam de parle a administrago.
Bem sabido que as necessidailes da admiois
cao nem sempre vao de acord cora as necessida-
des polticas, variam ; sao mais instareis, e gran-
demente dependem dos individuos, alias das suas
ideas, ao passo que as necesidades administrativas
s das cousas dependem.
Como porm provr a ellas conjuntamente em.
todas as circumstanclas, quando o administrador
q mestDQ director da pollti ?
O goveroo central, dando'assim largas parte-: D0.cas e da Casa Forte, esses preludios dos grandes
cipacao das provincias nos eus preprios negocios, 'fei,os ulteriores. Ao norte dous escudos conli-
desonera-se de grave responsabilidade, e coocorre : nnam as datas 19 d<*bnl de 1648 e 9 de feveiro de
efficazmenle para a consolidagao nacional. j 1'*9. indicando as duas batalhas dos Guararapes,
Mal succedidos nos negocios peculiares, nao onde poder balavo estremeceu e cahio por trra;
langareraos culpa ao governo geral: em casa f asu.' on'ros dous escudos abragados pelos es-
acharemos responsaveis. Com o voto e conselho
de homens da nossa confianga, licaremes trinquil-
les de que foi zelada a nossa causa.
Nao crea alguem. que a Instiiuico dos conse-
lhos presidenciaes seja um empecilho.
Complicada a machina administrativa (diro
Ulvez) surdiro embaragos, que debilitar a
accao do governo central.
O receto da complicago fantstico. Nao
complicar estabelecer uma mola necessara ao rao-
vimento regular do machinismo. O que convm
formar essa mola com torga proporcionada, e
colcala no lugar competente.
Nao queremos o enfraquecmento do governo
central. Nao; pelo contrario pensamos coro os
cordatos autores do federalista : que liberdade
sem vigor de governo nao se pode manter.
E por sermos apologistas da autoridade vigo-
rosa que desejamos ve-la desembaragada, para
poder desempenhar a sua misso de mantenedo-
ra da liberdade, e promotora da felicidade pu-
blica.
O guerreiro nao cria maiores torgas por trazer
armas de raais ; pelo contrario o numero e o peso
d'ellas o acabrunham.
Na parte poltica tenha o goveroo central toda
a acgo, todos os possiveis poderes: ne rgimen
administrativo porm fique-lhe a suprema ins-
peego.
Se at agora temos andado sem inconvenientes,
ou obstculos iosuperaveis, acbando-se ceotralisa-
do no governo geral lodo o poder de administra-
gao, e ficando as provincias sem vida propria, de-
vemos isso s nossas cirrumstancias de limitada
populacao, acanhaija industria e entorpecida ri-
queza.
Esse estado vai mudando. Augmentada a po-
pulago, creseidos es negocios em numero, e im-
portancia, ser impossivel absoluto altender o go-
verno geral tanta causa. Ainda que fosse novo
Briaro, nao chegariam os sus cem olhos, e "os
seus cem bracos para ver e alcangar tudo.
Prudente prevenir, preparando optSortuoo re-
medio.
Do dosso pessimo e deploravel estado de admi-
nistrago nao nos faltam ejemplos.
Lembra-nos, que em 1845 urna 'prolongada sec-
undarles luso e Drasiiio, otlereciam' vista em le-
tras de magntica sympathia as datas 27 de Janei-
ro de 1654 e 7 de setembro de 1822, a iniciagao e a "*
conclusSo da liberdade brasileira.
Alm disto, em tudo sebresafiiam as cores que
reprrsentam a nossa nacionalidade, avultando dos
ngulos do salo bandelras della.
As 2 beras da tarde leve coroego o acto social
com todas as ceremonias, oceupanda a cadeira
presidencial o Exm. monsenhor Muniz Tavares
com a presenga de grande no mero de secios eflec-
itvos e correspondentes, do Exra. Sr. presidente
da provincia, Dr. chefe de polica, desembargado-
res, commsses de assocagoes e pessoas escolhi-
das da nossa sociedade, alm de espectadores que
oceupavam o ante-salo.
O Exm. monsenhor Mnniz Tavares abri a ses-
so com ura discurso, em que a sua voz autonsada
repercuti feitos.de. glorias cuja s pronuneiago
remogava ao venerando anciao, que alli pareca
um inspirado, mxime quando descia ao passado
para perscrutar o futuro que nos aguarda, a des-
peito desse embate do presente que ora desfru-
tamos.
Seguirara na palavra o secretario perpetuo, qne
fez por entre rasgos de eloquencia o relatorio do
estado do Instituto ; o orador, qoe fez o elogio f-
nebre dos socios finados no decurso da asno com
a uogco, eslylo grandiquolo e facundia qne Ihe
sao conhecidos, e faziara alli amar aooeHes que
eram biographados em ceres tao vivas; o Dr.
Aprgio Guimares, cuja vozarroukou em palavras
patriticas e enthnsiastioas ao auditorio ; o Dr.
Torres Bandeira, que recitou urna sonorosa produc-
gao potica apropriada ao aoto e nossa situago
actual ; e finalmente o Sr. Manoel Jaeome da Sil-
va Pasma, que recitou um discurso de patritica
saudacao ao Instituto, sendo lodos esses discursos
saodados por pegas da msica marcial, que oceu-
pava a entrada do salo.
Terminadas todas estas ceremonias, levantou-se
a sesbio, sendo o Exm. Sr< presidente e Dr. chefe
de polica eonduzidos pela respectiva com misso ao
pateo do templo,
As honras militares feram feitas por uma guarda
de honra do 9o batalho de infantera,
~ GarlM viadas do Ouricuty x.u. dw esje



twtm
mmmm
^la
Diario de ^ernambuco Sabbado 18 de Janeiro de t. 805.
____
-.

**-,
lugares em pessiinos estados da
dual.
As autoridades pactuam com os criminosos, e
promovero violencias ceir os eidados poBros,
somenle pelo motivo de nao haverem echado nelles
auxiliares as paseatas eleicSs.' '
No Ouricury com escndalo geral foram surra-
pas a pea 5 molieres, as quaes Ucaram horrivel-
nrente cantatas, havendo at deiramamento do
m%BffB0
As miseras offendidas em vei de acharem pro-
leccao as autoridades policiaes, viram nestas de-
cididos protectores de seus agote?, que sao amigos
prestmusos do delegado de plicia, o 'I"3' obngoa
as pobres mulheres a recefeer 20* para nao haver
procedimento algum judicial contra o offensores.
Do Granito ou Exd. anda peiores siio as MMH.
As autoridades policiaes dalli, em continua des-
idencia com a gente setsata do termo, bu^ram
atropellar e verhar a fuelles que os noacom-
panharam as vandlicas eiei^oes de agosto e se-
embro, recusando a acceder a liga.
Ten sido sobreindo victima dos caprichos, e
malevolencia dessas autoridades o notavel proprie-
tario gnaclo CaeWuo Alencar RodovaNw, que por
sen espirito de orden se lem conti:o, supporuneo
resignado as tropelas com que o buseam incom-
modar. Faz bem o Sr. Ignacio CaeUno: vira an-
da o tempo da Justina.
Por occasiiw das eleices munkrrpaes roram ao
seu engento Tabocas, mataram-*e um morador e
recrutaram odtro. O m era aterrar a elle c seus
amigos. _
Passada a et>ic.ao contma es vexame?. O sen
engeuho tem sido de novo invadido, e a sua gente
anda despersa.
O delegado supplenle Jos da Costa Agr, de
accordo com o commandante superior, o instru-
mento deludo isso.
Const que o Sr. Ignacio Caetano dirigir ao go-
verno ma representago, queixando-se de tanta
violencia.
A represenlacao eremos ver sido entregue a pre-
sidencia, que de certo nao deixar de dar acerta-
das providencias sobre les desmandos.
.Remellen nos o seguinte, pedindo suapubl-
Levo ao conliccimemto de V. S. para que em
sua Recula, chame a alicneao do mui digno direc-
tor da iusiruccao publica, para algumas aolas par-
ticulares, bem como as da Capunga, que nao lendo
licenea da respectiva directora para ensinar, con-
tinalo noexerenio de snas funecoes, com detri-
mento do regiment das escolas, leccionando al-
gumas delias a ambos os sexos ; pelo que Ihe Oca-
r asss agradecido, os ioimigoa do abuso.
Do Cabo nosenviam o seguinte :
Amanhaa ter Tugar na matriz desta villa, a
festividade religiosa do milagroso martyr. S. Se-
bastio, o que se espera que ser feito com pompa,
pois ser cantada no gloria da missa solemne, que
deve comeear s II horas da manha, a insigne
msica cohecida pelo nomo deFormiga, a
nal vai ser desempe'nhada, bem como a do Te-
Deum a noite e a dos mais actos, pela orchestra
criada por alguns religiosos carmelitanos dtsta
cidade, e que conhecida entre nos porMusita
9 Carino, sendo que a banda militar, que lhe
annexa, a que tem de tocar nos_ intervallos du-
rante o dia de hoje e o de amanhaa.
E'-pregador do evangelho o Rvm. pregador da
capella imperial Fr. Joaquim do Espirito Santo, e
do Te-Deum o Rvm. Antonio de Mello Albuqoerque.
Na tarde de hoje haver corridas a cavallo, e a
noite lera lugar a ultima novena, em que, como
as mais noites antecedentes, cantar-se-ho os lin-
dos versos com acompanhamento de piano.
t Na tarde de amanhaa haver de novo corri-
das, e a imagen do martyrS. Sebastio percorrer
em solemne proclsso as ras da villa. A' noite
tirar-se-ha a bandeira depois do Te- Deum, e em
segoida queimar-se-ha um grande e variado fogo
de artificio. >
REPARTigAO DA POLICA !
Extracto das partes dos dias 27 de Janeiro de
1865.
Foram recolhidos casa de deteneo no dia 26
docorrenle :
A' ordem do Illra. Sr. Dr. chele de polica, Ig
naci Jos dos Santos, como sentenciado, Manoel
do Nascimento de Lima Vanderley,
eomprehnder, e no caso de urna metroperitonite
geral grave laadmissivel tal occurrencia.
Creio ter dado minha assercao o devido desen-
voiTimento, e que tenho consiguido provar que
ellste entre o aso relatado por V. S. e os de ab-
tcurar.ca Indvi- Sr. presidente que a secjstaria flzesse a nota do Depois comecou a convalescenc, e a deente res-
da em que foi o mesmo entregue. Ubeleceu-se completamente.
Foram distribuidos pelos, senhores deputados, Els o quadro dos symptomas desenliado p V.
para serem rubrhsdds os sgul* li*rw O*- ;S- neile, que encontr ratao mais que soflBcien-
sar que tal tunwfacao nunca existi, nao 6 por peral geral e grave : poderet oslar em erro, nas
que delta nao le menco, como por dizer que pela afflrmo a meu collega que se de tal ea for con-
apalpacfio conseguio avaliar o volme anormaldo veteide, lerei de alterar todas a ideas que boje
tero : e nao coneebo como em un raso de metro-, formo acerca da molestia denominada metroperi-
ierltonile puerperal dos mais graves, pode V. S. tonltejpoerperal geral e grave,
axr sobre o ventre nm So forte pressao qe Aguarde a resposla de V. S-, afflrmando que son
chegasse a Jolgar precisamente do desenvolvimos- com esUma ejeonsideraco do V.8. eollega e amigo,
de Meilo Santos, do trapiche Tasso, e o Diario e
Copiador da de Rosa Oi C.
DK.SPACHOS.
No reqeriment de Francisco Ferreira Bailar,
pedindo caria de registro para a barca Nova Caro-
Una, de sua propriedade : Vista ao Sr. desem-
gador fiscal.
No de F. F. Borges, gerente da companhia Per-
nambueana de navogacao costetra por vapor, pe-
diodo que sejam registradas as nomea^oes de Tra-1
jano da Costa Mello e Joao Baptista de Castro
Silva Jnior caixeiros da mesma companhia :
Come requer.
No de Cari Priedrirh Theodor Christiansen, ci-.
to do tero, quando a dor n'esla grave entermida
de viva, e lancinante, quando ella tal que se
exaspera com os abalos da tosse, com os- esfereos
para a micao, para a defecaco, e com a mais le-
ve pressao, de modo que o doenlo nao pode s
vezes supportar no ventre nem se quer o peso de
urna cataplasma.
E' to real esta impossibilidade no exame pela
SiJoa Hamos.
Recife, S de Janeiro de 18(55.'
, CORBESPONDENCIAS
Srs. M. F de. Faria & Filtao.f)No Almnale da
dado hamburguez de 32 annos de idade,, esta- apa|paco, que lodos os praticos recommendam'qBe folhinha impressona casa deVv. Ss., li Baenume-
belecido nesta cidade com casa de commercm de n.es|es casos se { Q ,0 e va na| ara se re. ra o dos ad70gados o nome do Dr. Manoel Firmi-
faca o toque vaginal para se re*' racao dos advogad
conhecer o estado do ulero ; e mea collega nao no de Mello, com escriptorio
leve necessidade de recorrer a este mei de expo- n. 8 primeiro andar.
grosso trato, podindo ser ainittido matricula:
Vista ao Sr. desemhargador lscal.
No de N. O. Bieber 4 B. successores, pedindo
que soja registrada a proeuraeo que aprsenla,
bem como o subsulielucimeuto da de seu consti-
tuimos S. Daniel que tamben junta : Como re-
queren!.
No do Antonio Barbosa do Araujo, pedindo que
se llie d por certidao se a sua noine?ao de cai-
xeiro da casa commercial de Antonio Francisco
Marine de Miranda esia ou nao registrada :
Como requer.
No de Godfrei O. Maer e Francisco Mara Du-
prat, pedindo o distraclo que apresentam, do con-
trato que anteriormente celebraran e foi registra-. n5o nllJim ainda tomad0 grande incremento: nao
do : Vista ao Sr. desembargador scal. | p0Tqae y j, ,ogo 8m sen primero exarae reconhe
ra do Queimado
racao, porque pela apalpacao conseguio comprimir
o ventre que devera semduvida estarexcessivamen-
te dolorido, e entumecida, a ponto de bem medir o
I volume do ulero.
Se tal tumefaco e tao viva dr existissem V. S.
nao poda conseguir tal resultado em seu exame :
se ellas portn nao se deram, enlao nao se pode
admittir o caso de urna metroperitonite puerperal
| das mais graves.
E nao se diga em refutacao a este meu argu-
mento, que o exame foi feilo no cometo da moles-
tia, quando os doas symptomas a que me refiro
No de Francisco Ferreira Bailar, pedindo um
cea que era urna pentonite puerperal grave, e
attestaao para o seu navio Mera Carolina possa tend6 o tero j adquerido tanto descnvoivimenlo,
cidade, para o do Rio Uranae, a mnlutli, n- om mon mos c!ra am afiU
sal ir do porto desta
do Sul sem a carta de registr que solicita e nao
pode obter em lempo : Cerno requer.
No de Manoel Francisco d'Azevedo & Irmao,
pedindo que se anote no *.eu contrato social, que
a sua sociedade contina agerir con as mesmas
eondicfdes, sob a nova lirma d"Aze>edo &
mo : Deferido na forma do parecer tiual.
No de Duminges da Silva Campos, pedindo o re-
gistro do seu contrato de sociedade com Bernar-
dino da Silva Cesta, visto pelo Sr. desembargador
fecal :Deferido na forma do parecer fiscal, com
eliminacao da parte do arL 6" do contrato de que
iraia o mesmo parecer.
No de Amorim Irmos, como procuradores de
Jos Rodrigues Sacavem, pedindo que o sen cons-
tituidle seja desonerado-do termo de responsabili-
dade que assigoou como armador do brigue Sania
Barbara, quo foi cundemnado por Incapaz de nave-
gar ; visto pulo Sr. desembargador fiscal :Como
requereu.
No de Manoel Antonio Ribeiro. pedindo que se
declare, se, em face das disposives dos artigos 87
e 98 do cdigo do commercio sao considerados de-
positarios mercantis e sugeiios s suas disposicoes
os iluii is de |Ti usas e armazeus de comprar e ven-
der algodo : Sellado, volle.
Nada mais ha vendo a tratar. Jb encerrada a ses-
so sendo meia hora da larde.
a molestia nao esta va em comeco, mas sim em seu
auge.
Qualquer autor a que V. S. recorra confirmar
esta minha assercao.
Depois devo fazer considerar que no caso des-
'l'r- cr'P' Por ^ ^- se ('eu "'" Pbenemeno extranno,
*' que nenhum pralico pode admittir; os symptomas
' geraes dimioniram de inteosldade, e os locaes per-
sistlrara ; os lochios restabeleceramse, oappetite
reapparoceu, mas o estado local continuou na raes
ma : e sto tanto mais inadmissivel, quando se
Devo eorrigir o ongano, declarando que os ta-
chareis Manoel Jos Domingues Codeceira e Anto-
nio Epaminondas de Mello, sao os que pcssuem
esse escriptorio, epagam o respectivo imposto; es
quaes continuara a exercer o nobre ofJQcio de ad-
vogado, apezar de nao serem seus nomes incluidos
no referido Almanak.
Agradecer muito Vv. Ss. a publicacao da
presente.
De Vv. Ss. muito altencioso amigo e criado.
Antonio Epaminondas de Mello.
FUBItlGAC&ES i PEDIDO.
Florida de Mnrray e Lanman.
com urna rapidez espantosa transmitundo
Agua de
Est
e entregando ao negro esquecimenlo urna chusma
de essencias e aguas cheiresas para o toucador, as
quaes, bem que se diga, tem servido d'uma mi-
seravel deshonra ao gabinete de toilet, e d"um des-
prezivel desgosto a todas as pessoas de refinado
gosto. Alm de ser menos dispendiosas do que os
' extractos e essencias europeas, ella a mais pura
e delicada essencia floral existente, e til, j como
1 barril vinho i a Tose Joaquim de Lima Balro.
40 cimbeles chumbo ; a Alves Harnbirger.
i paeote* panuo de linho, 1 caixao gnrja em la-
tas ; a Antonio Jos Coimbra Gomes.
400 c'aixoes e 115 barrls vinbo a Cunta Irmao
5i C.........
150 caixSes e 23 barris vinho ; a Tbomaz
d'Aquino Fonseca Jnior.
100 caixas Yinbo ; a Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
1 cntaro peixe, 1 barrica e I barril; a Henri-
que Bernardes de Oliveira.
i caixao ; a Luiz Gomes Dourado.
i capoeira coelhos, e i caixao; a D. Anglica
Bernarda Pereira.
1 caixao ; a Joaquina dos Santos Coimbra.
6 barris e i cexto; a Jos Pereira da Cuha.
2 eaixoeso 1 barril; a Jos da Silva Loto.
i caixao plantas," 1 paeote ; a Joaquim Baptista
Nogueira.
3 corlicos plaas ; 'a Luii de Moraes Gomes
Ferreira.
1 caixao ; a Jos da Conceicao Oliveira Figoei-
redo.
2 caixijes; a Marques Barros.
2 ditos a Antonio da Silva Campos.
7 saceos louro, 2 ditos nozes, 1 dito painco, 1
dito castanhas, 50 resteas ceblas, 1 capoeira coe-
lho, e 3 volumes; a Guilherme Lobo.
1 viveiro e 1 gaiolla canarios; a Tihureio Mo-
reir. |
1 cexto; a Joaquim Pereira da Costa Nobre.
Barca ingleza Imogene, entrada de Liverpool,
consignada a Patn Nash & C, manifestou o se-
guinte :
15 fardes saceos de estopa ; a H. Forsler & C
2 caixas selins; a Rodolpho Kruckemberg.
3 caixas elher a C. Starr.
1 caixa tecido de laa, 50 ditas folbas de Flan-
dres, 3 ditas miudezas, 1 dita presumes, 6 meias
cha, 19 ditas biscoutos, 4 barricas conservas, 20
ditas cervjja, 7 ditas louca e 22 ditas enchadas; a
ordem.
40 barricas cerveja ; a Monhard & C.
50 caixas cerveja ; a E. A. Burle 4 C.
10 barris manleiga, 25 ditos cerveja e 2 caixas
biscoutos; a M. J. Gongalves da Fonie.
32 barricas ferragens, 10 ditas pesos de ferro e
199 ditos soltos, 100 duzias do ps de ferro, 20
os symptomas inseparaveis da suppuracao no pe .
ritoueo ? Poderia ella dar-se sem o cortejo serio j J^^Sff
de seus symptomas, onainda, mais coincidindo ._*.
caixas lachos, 33 barricas enchadas, 36 caixas ma- 54
1 rolo com lOmeios de sola grande para sellei-
ro, pesando 174 Hbras, ater da libra 750 rs.-
130*500 rs.
MSS-287-1 caita M dnzias de chapeos de
la ordinarios para hornera ou 952 ehapos, valor
deum 15200 rs.-6629400rs.
SAD& (',.6647 1 caifa om 24 duzias de
quadros pequeos para retratos, pesando 120 li-
bras, valor da libra 40048#.
150 duzias de pellos de algodiio para camisas,
valor da dnzia 2*250-3375900.
M T C S.304 i caixa coa 20 duzias de bezer-
ros tintos pesando 230 libras, valor da libra 1
250*.
S T B.17 1 eaixa com 93 duzias de pentes de
chifre para alisar, pesando 70 libras, valor da li-
bra 2*000-152?.
ICO duzias de ditos para tranca, pesando liquido
96 libras, valor da libra 2*192*.
. E A B & C 6553 I caixa com 48 chapeos de
palha de Italia para senhora enlejiados, valor de
um 108-480*. ^
635612 duzias de carneiras de cor em bom
estado, pesando liquido 180 libras, valor da libra
1*-180*.
18 duzias ditos dito, avarladas, pesando 204 li-
bras, valor da libra l*-204>.
M R A S.318 1 caixa com 4 duzias de conro-
de porco, pesando liquido 80 libras, valor da libra
15500-120*.
4 duzias de carneiras brancas, pesando liqnid
60 libras, valor da libra 75045JJ.
2 duzias de chicote com aconte, valor da duzia
18 36*.
2 e meia duzias de pares de loros, valor da du-
zia 12*-30.
3 duzias de rabichos de couro branco, valor da
duzia 8321*.
Dias R P M.49 50 pelles de cooro de porco,
pesaBdo 213 libras, valor da libra 1*500......
322*500.
20 grozas do pregos galvanisados para selleiro,
pesando 9 libras, valor da libra 6003*400.
33 grozas de Ovellas para arreios de cavallo, pe-
sando 39 libras, valor da libra 600-23*400.
1 pe;o de flanella com 84 m de 26 pollegadas,
49 v. 4. valor da v. 600-^9*400,
M S S 288 1 caixa com 540 chapeos de la
ordidarios para hornera, valor de um 1*200
r uti'f ao que ha de mais agradavel. Para os senho-
Insti'uto Archenlogieo e
l'rTuaiii.iuxaiio.
Geographico
como prooun
ciado Jos Tinoco de Sanl'Annaj Joao Caetane de | graode numere de
Souza, Alexandre Antonio de Sant'Anna, Jos Ma- verilicou-se igualmente a presenca
noel do Nascimento, Manoel Jos dos Anjos e Se-
verino Caelano, para recrutas, viudos de Po-
d'Alho. '
A' ordem do subdelegado de Recife, Henry, in-
cora as methoras geraes 7
Ninguera poder responder-me pela afirmativa,
' sem primeiro refutar tudo quanto a sciencia ensina
a tal respeito.
Ainda mais, meu Ilustre collega; depois do pri-
meiro tumor ter suppurado por muitos dias, diz
V. S. que se formn um segundo na visinhanca.
Como conceber a formacao de um segundo abeesso
no peritoneo sem os graves symptomas que o de-
vem serapre acempanhar T
A sciencia repelle um facto desta natureza.
5o devo deixar pssar sem nota a circumstan-
cia de se haverem reunido dous focos de pus, na
parte superior do peritoneo inOammado, quando o
pus devia procurar a parte mais baixa. E" igual-
mente digno de mensao o nao haver V. S. Bada
dito acerca do estado de anciedade extrema do
doente, de sua posigao toreada em decbito dorsal,
, km z/ dk januho m. looo. da perj|nacja dos vmitos, porque tudo isto inse-
do Exm. monsenltor Dr. Muni: paravel das peritonites geraes graves, e to nota-
Tavares. vel, que n3o pode escapar observago do medico,
A urna hora e meia da urde, depois de receb- e quc sempre referido nas historias dos casos des-
da a continencia da guarda de honra postada em la molestia.
frente do edificio, o Exm. Sr. presidente-da pnvin-. Cumpre lambe m observar que lendo V. S. en-
ca acompanhado pela commisso compota dos contrado o ulero to desenvolvido que oceupava
Srs. Dr. Figueira, padre Lino do Monte, e major mutas pollegadas cima da regido umbellical (Uj
Salvador Henrique, at o lugar que lhe *ra desli-1 nada depois d|sse aA marcha de sua retraU^o at
nado j e estando presentes o Dr. chefe de polica, chegar seu volume ordinario; mas v se que
delegado do Io districto desta capital, v. nos offl-! qUando os tumores deixaram de suppurar o tero
ciaes do exercito, urna commis^ao por par-e do Ga- eslava completamente retrahido.
binete Portuguez de Leitora ; pessoas graiias h um Da terminaco feliz da molestia todos os pratlcos
cidados de toda: a classes; semduvida tirarao ura|solido fundamento para
SESSOaM ASSEMBLA HKllAI. DO 3 ANNIVERSAR10 DO
INSTITUTO, EM 27 DK JANEIRO DE 1865.
Presidencia
glez, a requisigo do respectivo cnsul ; e Joao
amiao, por uso de armas prohibidas.
A' ordem do de S. Jos, Maria Francisca do Es-
pirito Santo, Rosa Maria da Conceicao e Marcelina
Maria da Annunciaco, per disturbios.
O ebefe da segunda sec^o,
/. G. de Mezquita.
__ Movimento da casa de deteneo do dia 26 de
Janeiro de 1865.
Existiam presos 392; entraran 15 ; sahiram 13;
efistem 394.
A saber : nacionaes 318; estrangelros 16
mulheres 6 ; estrangeiras 2 ; escravos 46 ; osera-
vas 5-Total 394.
Alimentados custa dos cofres provinciaes 148.
Movimento da enfermara do dia 25 de Janeiro
de 1865.
Passageiros do hiate brasfleiro Nicolao I, en-
trado do Aracaty :Joaquim Vieira de Souza Cir-
neiro e Domingos Jos R. Gil.
OsrruABio do da 25 de M10BRO de 1865, so
CKMITKl.l" PUBLICO.
Isaura, Pernambuco, 14 mezes, Recife, convul-
soes.
Maria, Pernambuco, 17 mezes, Santo Antonio, he-
patite agnda.
Marcolina Mara da Conceicao, Pernambuco, 31 an-
nos, solteira, Boa-Vista, gastrite interite.
Theodoro, Pernambuco, 3 dias, Boa-Vista, aprhas.
Da 26 -
Maria Amelia, Pernambuco, 26 annos, solteira,
Boa-Vista, bexigas.
Antonio da Costa, frica, 38 annos, casado, Boa-
Vista, encephalite.
Rosa Martinha Pranclsca, Pernambuco, 22 annos,
casada, S. Jos, tubrculo pulmonar.
Maria, Pernambuco, 4 annos, Boa-Vista, be-
xigas.
Canuta, Pernambuco, 6 das, S. Jos, coDges-
tao.
Antooia Francisca de Andrade, Pernambuco, 70"
annos, viuva, Santo Antonio, febre intermitiente
perniciosa.
Benedicta, escrava, frica, 70 annos, solteira, Re-
cife, hydropesia.
Lnix Jacqnes, Franca, 35 annos, solteiro, Boa-Vis-
ta, feri ment no peito.
Jos Antonio Goooalves da Rocha, Portugal, 40 an-
nos, casado, Recije, splenite.
dos seguintes
membros effectivos do Instituto : os Srs. rs. Ma-
chado Portella, Aprigio Guimares, Sores de Aie-
vedo, Nascimento Feitoza, Witruvio, Rodrigues
Campello, Figueira, Torres Bandeira, Eduardo de
Barros, e Seraphieo ; e os Srs. coronel Leal, padre
Lino do Moute, Jos de Vasconcellos, tenente-coro-
nel Justino de Parias, coronel Veiga Pessoa, e ma-
jor Salvadar Henrique, e os socios corresponden-
tes rs. A. de Souza Pereira do Carmo e Bernardo
Pereira do Carmo.
O Sr. presidente declarou abena a ses3oel
um discurso anlogo ao objecto.
O Sr. secretario perpetuo faz a le'ura do sen
relatorio sobre o movimen^ do anno social findo.
O Sr. Dr. Fcitosa como orador l o seu discurso.
firmar minha divergencia. Dizem todos que a pe
ritonite geral quasi sempre mortal; e Grisolle,
no que se acha de accordo com todos os patholo-
gistas, acrescentaquea peritonite puerperal urna
das molestias mais graves, que pode malar em
poucas horas, e da qual s se pode esperar a cura
quando seja eircumscnpta.
O caso observado por V. S. de urna peritonite
geral grave, com a clrcumslaneia aggravante de
ser puerperal, de haver suppuragao copiosa e pro-
longada, de ter alm de lado o ulero tomado-ura
volume lalvez nunca observado, e mesmo assim a
terminacho foi feliz. A ter sido este o verdadeiro
diagnostico do caso descripto por V. S., creio que a
scienefa teria de registrar este facto como o pri-
meiro de tal natureza encontrada na pratica.
O Sr. Dr, Aprigio recita igualmente um discurso i Creio ter justificado com razdes poderosas a mi
apropriado fesiivldade^e o Sr. Dr. Torres Ban- nha divergencia, mas para torna-la mais saliente,
deira, versos anlogos ao assumpio. you copiar de Grisolle o quadro em que elle pinta
a peritonite puerperal grave, e cont que meu col
O Sr. Manoel da Silva Jacome Pessoa, oblendo a
necessana lieenca, l a^principio e liualisou im-
provisando urna feliciUcao ao Instituto.
Terminando assim o acto, o Sr. presidente con-
vida aos socios para a sesso especial de eieico no
dia lo de fevereiro prximo e levanta a sesso ac-
tual.
Retira-se o Exm. Sr. presidente da provincia,
com as mesmas formalidades com que entrn.
soffrem de irritagao e ardencia da pelle
pela manipulado da navalha de barba,
usando deste balsmico e refrigerante perfume, di-
luido em agua, encootraro nelle virtude modifi-
cante, o- antidoto necessario, servindo ao mesmo
tempe, debaixo desta mesma forma, como um meio
excellente de dissipar o gosto e cheiro, que cana
bocea depois de se haver fumado. (Antes da com-
pra desta agtia, bom ser examinar com cuidado se
os nomes d eUmrag e anman se acham inscrip-1 cnnas para aJgodao,
tos sob cada envoltorio, letreiro ou garrafa, pois I ton & .
claro est que, na falla dos mesmos, toda a mais '
falsa.)
Vende-se nas pbarmacias de Caors & Barbosa e
de J. da C. Bravo de C.
chinismo ; a Saunders Brothers A C.
80 saceos arroz ; a Amorim Irmao.
7 fardos lecidos de linho; a Phipps Brothers A C.
34 barricas e 1 caixa ferragens ; a Prenle Vian-
natC
II caixas e 1 fardo tecido de algodo, dito mixto,
dito de la e lencos de algodo ; a Linden Wlld
& C.
2 barricas ferragens, 1 caixa meias de la, 2
ditas tecido de algodo e la ; a Vaz & Leal.
35 caixas linha de algodo, i dita colheres, 1 dita
botoes ; a Mello Lobo & C.
528 barras de ferro, 20 barris chumbo de muni-
cao, 27 alados folhas do ferro, 40 caixas olhas de
Flandres, 10 barricas cutileria, 7 ditas cannos de
chumbo, 30 caixas linha de algodo, 1 dita e 15
barricas ferragens, 14 bigornas, 6 pares de folies,
2 caixas burras de ferro, 1 fardo fio, 12 caixas ma-
1 ggo louca ; a S. P. Johns-
COMMESCIO.
'Co<:i?5e> olciacs.
PRACA DO RECiFE.
27 de Janeiro de 1865.
Algodo primeira sorte23*000 por arroba.
Algodo segunda soric23:000 por arroba.
Cambios sobre Londres90 div. 27 1|8 d. por
1*000.
uboureq Jnior,presidente.
Guimaressecretario.
Xovo banco de Pernambuco.
O banco desconta na presente semana a 10 por
cento ao anno at ao prazo de quatro mezes e a 12
por cento at o de seis mezes; toma dnheirca ju-
ros a prazo nunca menor de tres mezes, e saca
sobre a praea da Babia.
Alfandega
Rendimento dodia 2 a 26.........664:3425041
Idemdodi 27...
novimento
Volumes entrados coai azendas.
com gneros
33:334*773
697:676*814
da alfandega
365
848
Volantes sahidos com
t com
azeidas..
eneros ...
IIIm. Sr. Dr. Lobo-Moscozo.
Achando-se exhaurida a materia sobre que lem
versado at hoje nossa discusso, pois que conse-
gu explicar, segundo os precrilos da s-ientia, to-
das as hypolbeses figuradas por V. S.. vou entrar
sem mais prembulos, em novo assumpio, para
nao fatigar a atteBco dos leiiores com fastidiosas
repetieoes.
Sinto profundamente o ter de me manifestar em
completa divergencia para com meu Ilustre colle-
ga, acerca do diagnostico do caso clnico, que
observou, e ao qual den publicidade, mas o correr
da discusso isto me torca, e entao vou dar os
fundamentos da minha opinio.
Diz V. S. flftie coi a suscinta relacdo dos prin-
cipas symptomas, que fez nenhum medico deixarxa feb mas sem es[es doQS Symptomas t^ham
de diagnosticar urna metroperitonite: eu dire-----.- *------
lega encontrar notaveis differencas.
Diz Grisolle :A peritonite comega quasi sem-
pre por fri intenso ; e a dr um da seus princl-
paes symptomas ; ella viva, e lancinante, exas-
perare com os abtfos da tosse, com os esforgas
para o vomito para a micao e defecayao, e com a
mais ligeira pressao : ella s vezes tal, que o
doente nao sopporta sobre o ventre o peso de urna
cataplasma, e nem da roupa. Ha vmitos forma-
dos de moleras aqaosas, de mucosidades, e pela
maior parte das vezes de um liquido bilioso ama-
relio, ou esverdinhado. A pnysionomia do doente
exprime soffnmento e anciedade : o pulso sempre
frequente pode ser desde o principio pequeo e du-
ro, o mais das vezes offerece amplltude e resisten-
cia ; o doente est agitado e inquieto, e conserva-
se constantemente em decobtodorsal, perqu qual-
quer outra posicao aggrava os soffrimenlos. A res-
pirado curta, e Interrumpida, porque o doente
nao ousa dilatar o peito por causa das dores vivas;
ha grande en tumescencia do ventre produzida pelos
gazes tntestinaes, a percusso produzum om tym-
panico, que mais Urde se torna obscuro, mormen-
te nas partes declives, em que se acumula o liqui-
do sero purelento segregado pelo peritoneo in-
flamado.
Compare meu collega este quadre com o tracado
por V. S. : e nao poder deixar de notar que en-
tre elles s ha do seraelbante a dor ao ventre e o
CIiUOi\lCA_JllDlCIABU
THI Kl \ II, IMf C09IHKRCIO
ACTA DA SESSO ADMINISTRATIVA DE 26 DE
JANHR9 DE 1865.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
AI.SEI..MO mANCKCO PBRETTI.
s 10 horas da manha, estando reunidos" os Srs.
deputados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Leal, e
presente o Sr. desembargada fiscal, o Exm. Sr.
presidente declarou aseria a sesso.
Lda, foi a pprovada a acta da sesso antece-
dente.
O Sr. deputado Rosa apreseotou o titulo de sua
nomeacSo de secretorio desle tribunal que lhe foi
conferida pela presidencia da provincia era 19 do
crreme.O Exm. Sr. presidente poz o cumpra-se,
e mandos lavrar o respectivo termo de juramento,
que foi prestado pelo mesmo deputado.
EXPB9IENTE.
Um oficio do Exm. Sr. Dr. Antonio Borges Leal
Castello Braoco, datado de 25 do frrenle, commu-
nfrando ter tojwdo posse da presidencia da pro-
vincia.Aeeuse-se a recepeo e archlve-se.
Oulro do secretario do meritissimo tribunal do
commercio do Maranhao, com data de 16 do tor-
rente, remetiendo a relaclo dos eommereiantes
matriculados no decurso dos mezes de outubro a
dezetnbro do auno prolimo Ando. Aecuse te a
recepcao e archive-se.
Ontro da junta dos eorrelores, remetiendo a co-
taco oflkial dos precos oTrentes dt pract na so-
nana (inda.- Arrtiive'-se.
Foram presentes os mappas dos trapiches Com-
panhia PernambncaBi, Bafie do Livrameoto (sito
no largo da AsMmbta n. 15), Barbosa, Compa-
nhia, Barodo Lirramente (sito no caes de Apol-
lo) estando aquelles com deelaraeo do dia em
que fortm entregues na secretaria deste tribunal,
e o ultimo nao, por ter sido remettido fechado com
enderece ao ex-fecretario, pelo qne mandotl o Exm.
sem recelo de ser contestado por qualquer colle-
ga, que pelo quadro sympiomatologico, que V. S.
pubeou, nenhum clnico pode diagnosticar um>
tal molestia.
O objecto de summa .importancia e como tal
deve agradar aos cultores" da seleacia : procurare!
ser claro e rigoroso, addutindo as provas para Ar-
mar minlia assercao do escripto de ?. S. e do qne
se tal respeito pela propria observaco, e pelo
estudo dos grandes mestres.
Foi V. S. chamado para tratar de urna negra, que
dias depois de um parto comecou sentir dora no
venlre, com febre oriente, outrot symptomas de
grande inflamacao ; e pelo exame a que procedeu
achon o seguiote tero enormemente distendido,
a ponto de exceder o umbujo, tentibilidae esquistta
do ventre, particular peritoniles, febre ardente,
tmgua secca saburrosa, esbranqnecida nas bordas,
dores de cabeca, euppressao de lochios, e todos os
mais symptomas pioprios des ptritomtee puerpt-
no seu doente a mesma expresso que tem nos ca-
sos de aielro-peritonies puerperaes graves.
A' vista do exposto tenho a meu ver, razo de
sobra aara divergir de V. S. emquanio ao diag-
nostico, e creio que tenho sido rigoroso na argu-
mentacao e fiel aos principios da sciencia.
Os symptomas e marcha da molostia descripta
por V. S. sao sem duvida alguraa a expresso de
um tumor nas paredes do abdomen e para pro-
va veja meu I Ilustre collega o que diz Vidal de
Carris tal rc-peito.
t Os symptomas dos abeessos profundos das pa-
redes dofventre sao dores mui agudas no ventre, e
febre ardente : a resistencia que apparece ao des-
envolvfmento dos tumores phlegmonosos os planos
representados petos msenlos e pelas aponevroses,
faz com que estes tumores em sea comeco sejam
achatados, duros e extremamente sensiveis pres-
sao. N5o se tornam acuminados s alo mui tarde,
porque o pus leva muito teropo para abrir o ca-
raes gfac'es, alm de urna peilinaz conslipacae te minho at a pelle o Mais adiante explica o mesmo
veutre. I aothor como o pus d'esles tamores pode adquerlr
Feitas as applieacdes, qne V s. julgoo apropra-' o cheiro das materias flcae, e concebe-se mesmo
das, restaeleceramse os tocinos, e appareceu ap-ct)mo elles possam communicar com o intestino.
jwtite. mas no meio d'isso nem as dores cedtam Entre este quadro e o figurado por V. S. ha a
nem diminuid sua sensibilidad/-, que era tal que' mais completa analoga : em ambos lia febre ar-
nfio perntUa fazer a mais ligeira pressao, e quasi dente, e dor forte no abdomen : em ambos o tu-
imposstbtlitavn de fazer os necessarios exornes^ mor levou muito tempo para acuminar-se ; em
Ao fim de alguns dias observou V. S. que perto' ambos o conteudo do tnmor pode simojar mate-
do vmbigo a tncharSo faza urna prominencia, ras tfctercoraes, e finalmente a terminaco nos ab-
como se quizase ali formarse urna collecade pus: cessos, que descrevo quasi sempre favoravel co-
com o oso das papas emolientes no dcimo quarto! mo se deu no cas* em qesto.
ou dcimo quinto da de sua awistencia, abrio-sel A soppres$3o dos lochloe explicase por um tra-
com efeito esle pequeo tumor dando fahida a urna balho derivativo nos casos de tumor das paredes de
grande quanttdade de pue degenerado e de pessimo abdomen : a constlpagSo de ventre pela dr pro-,
cheiro ; sendo que estas duas qualidates foram por voada 00 acloda defecajao.
mim attributas demora que liouve na abertura \ Tumo* de mais qne no qaso de tumor das pare-'
de- tnmor, a qual tete de se fazer naturalmente, des do abdomen, como e diagnostico, concebe-se
Conheeen depois V, 8. que pela abertura do ta- fcilmente como possa ter reapparecido os lochios
mor sabiam materias freaes. I e o appetite eom a persistencia da dor local, por
Neue cmenos apparece um outro tumor distan-' que guando o trahalho phlegmasico tem diminuido
le meia pokgada da fstula para a parte tnfertor, I depois da formacao do pus,. os symptomas geraes
e eiHto a furo, pouco epis-d'txou o primeiro de e sympathfco* drmfnaem, roas a dr ordinana-
dar salada as materias fecaes, e a svppuracSo co- mente persisto al que o pus seja evacaadq.
1,213
92
315
-----467
Doscarregam no dia 28 de janeirode!865.
Barca francezaGuilherme Telmercadorias.
Brigue inglezUllowaterraercade rias.
Barca InglezaJmojndem.
Barca ingleza=Towon of Liverpool-idem.
Barca portogueza Symjparftia diversos gneros.
Barca portuguezaDespipue 11idem.
Eseuna dinamarquezaDan -idem.
Patacho ioglea Quenbacalho.
Brigue dinamarquezOdinsal.
Barca inglezaMimosacarvo.
Barca inglezaStellacarvo.
Barca ingleza(Hd'Honesty- idem.
Brigue inglezChanceidem.
Barca inglezaAmbleside -iom.
Barca inglezaWilliamdem.
Patacho inglez Af. E. Corming carvo e ferro.
B^gue inglezOtelloidem.
Lugre inglezArthurdem.
Brigue inglezFloristaplvora.
Iniportaco.
Barca portugueza Sympalhia, entrada do Porto,
consignada a Bailar & Oliveira, manifestou o se-
guinte :
540 barricas farinha de trigo ; a David Ferreira
Baltar.
4 ms de pedra ; a Marques Barros & C.
60 caixoes vinbo, 2 fardos linha ; a Manoel Joa-
quim R. e Sirva & Genrbs.
1 caixao retrs; 2 dilosibrides coturnos e fecha-
doras i a Joaquim F. Aranjo Gomes.
300saceos farelo; ordem.
1 caixao imagens ; a Francisco Gomes de Mallos
Jnior.
3 calxSes santuario, imgens e 2 vasos; a Joao
Pereira Moutinho.
2 caixoes salpicoes; a' Domingos Bernardino
da Cunlia.
9 bariris vinbo ; a Marcelino Jos Gonealves da
Fonte.
4 barris vinagre ; a Amorim Irmaos.
6 caifcSes vasos de louca; 1 dito doce ; a Henri-
que Bernardes de Oliveira.
2 volumes capachos ; a Francisco Jos Alves
Gomes.
17 barricas pregos e enxs, 32 ditas sardinhas,
90 cunhfetes e 15 caixes pomada, palIitos,coxoni-
Ihos, linha, pentes, fechaduras, brides, maxados,
enxs, fechos, 50 ancoretas azeitonas ; a Thomaz
Fernandas da Cunha.
5 fardes capachos, 7 caixas linha, pentes, poma-
da, escoVas e cartilbas ; a Jos de Azevedo Maia
& Siiva.
3 caixoes bacalho ; a Souza Andrade & C.
10 ca'xoes movis, louca e rolhas; a Antonio
Jos Lea) Reis.
12 barris vinho; a Jos da Silva Loyo & C.
1 barril vinho ; a Flix Pereira da Silva.
4 caixes chinellas a Manoel Jos da Silva Fil-
gueiras.
120 saceos feTJo; a Jos M. da Rosa.
1 caixao doce, 2 barricas nozes e castanhas; a
JoSo da Cunha MagalbSes.
13 barris e 70 caxSes vioho ; a Mendes &
Coelho. i
40 canastras alhos, 3 caix&es pallitos, 13 barri-
cas sardinhas; a Manoel Duarte Rodrigues.
1 calxote doce, 1 sacco nozes ; a Jos da Costa
Mala.
1 sacco nozes; a Jos Gongalves de Oliveira
Mala.
22 barris pregos, 9 caixotes machados, martel-
los, enxs e ronces, 2 caixoes pentes e obras de
palheta ; a Camino & Nogueira.
30 caixas vinho ; a Rothe & Bidoulac.
74 fardos tecido de algodo, i caixa selins, 1
dita e 5 barricas cutileria, 12 barricas, 13 quarto-
las e 3 caixas ferragens, 6 barris oleo de linhaca,
200 saceos arroz, 300 caixas folhas de Flandres ;
a Patn Nash & C
5 fardos tecido do linho ; aos successores de
Henry Gibson.
1 caixa meias de algodo, 2 ditas burras de fer-
ro e 3 gigos cadeiras ; a A. Hamburger.
50 barris soda ; a N. O. B.
10 barris breo, 20 tambores soda ; a Maia &
Espirito Santo.
38 Jardos tecido de linho, fazendas de algodo, e
sacco de linho ; a Adamson Howie & C.
2 caixas chales de algodo ; a J. Keller <& C.
i caia cutilheria, 3 ditas e 26 barricas ferra-
gens, e enfiladas; a Brander a Brandis.
27 caixas e 6 fardos lecidos de algodo e 6 sac-
eos de linho ; a Mills Latham cv C.
5 fardos e 2 canas tecido de algodo ; a J. Ry-
der* C
2 barricas ferragens ; a Izdoro Netto & C.
30 barricas cerveja ; a Palmeira & Bellro.
11 caixas lecidos de algodo ; a Southall Mel-
jlors & C
23 caixas tecido de algodo ; a GreenupA Sch-
I wind.
20 fardinhos ferro, 4 caixas phosphoros, 20 bar-
ricas salitre, 12o barris manteiga, 76 gigos louga,
12 fardos saceos de linho, 14 ditos e 44 caixas teci-
do do linho e de algodo, 30 barricas cerveja, 51
toneladas carvo de pedra ; a ordem.
flecebedoria de rendas Inter-
nas geraes de Pernambnco.
Rendimento dodia 2 26........ 26:4l9i52
dem do da 27................ 378*390
H L & C1631 1 caixa com 48 chapeos de pa-
lha da Italia enfeitados para senhora, valor de um>
100-4805.
Dias.47 caixa com 116 libras de colchetes de-
lato, valor da libra 25-2320.
48 cabecoes de metal para cavallo, valor da li-
bra 1-48&
E A B & C-6495 1 caixa com 48 duzias da
seroulas de linho, valor da duzia 150-7800
M B S.303 1 caixa cora 140 caixinbas plalas,.
pesando liquido 160 oncas, valor da onra 500
800000.
50 garrafas agua de labarraque, pesando liqui-
do 120 libras, valor da libra 333 rs.390960.
6 frascos paslilbas medicinaes pesando liquido
14 libras, valor da libra 10140.
10 duzias frascos com perfumarlas, pesando li-
quido 20 libras, valor da libra 20-400.
4 latas com pasta de jujuba, pesando 39 libras,
valor da libra 10-390.
Alfandega de Pernambuco, 26 de Janeiro de
1865.
Assignado-O 3o eseriptorario, Basilio Baptista
Furtado.
O capito Luiz Cesario do Reg, juia de paz da fre-
guezia do Santissimo Sacramento do bairro do
Santo Antonio da cidade do Recife de Pernam-
buco, en virlude da lei, etc.
Fac saber a quera convier, que as audiencias
deste juizo conlinuam a ser nas tercas e sextas-
feras as 2 horas da larde, na sala publica da ra
do Imperador, salvo quando estes dias terem san-
tificados ou feriados que ento sempre sero no
das anteriores; bem como, que despacha em to-
dos os dias uteis na casa de sua residencia, se-
gundo andar n. 30, sito na ra do Queimado, oq
aonde for encontrado.
Recife 26 de janeiro de 1865.-Eu Joaquim da
Silva Reg, escrivo que o eecrevi
Luiz Cesario do Reg.
O alferes Joao Barlbolomeu Gonealves da Silva,
juiz de paz do 2o dislricto da reguezia da Boa-
Vista, em virtude da lei, ole.
Faco sciente que ai audiencias deste juize te-
rao lugar nas segundas e quinlas-feiras, as 4 ho-
ras da tarde, na ra do Sebo n. 24, e quando fo-
rem esses dias santificados ou feriados ser a au-
diencia no dia immediato.
Recito 26 de Janeiro de 1865.Eu Francisco de
Barros Correia, escrivo que o escrevl
Joao Bartheloraeu Genealves da Silva-
20:7970842
Consulado oroTincial.
Rendimento do da 1 a 26........ 11:6850652
dem do dia 27............... 4:3450687
DECLARASES.
121:1320375
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no da 27.
Arcaty 16 dias, hiate brasileiro Nicolao I, de 57
toneladas, capito Jos Rodrigues da Silva, equi-
pagem 7, carga algodo e outros gneros ; a P-
rente Vianna & C.
Liverpool-44 dias, patacho inglez Elisabeth Bar-
ter, de 186 toneladas, capito Pepperell, equpa-
gem 8, carga fazendas e outros gneros; a Gree-
nup Sclrwind & C.
Londres-45 dias, brigue inglez Florist, de 229 to-
neladas, "capito Thmaz I. Carpenter, equipagem
10, carga 1,350 barris com plvora e outros g-
neros : a Rolhe & IBidoulac.
Aacio saAilfo mo mesmodia.
BahiaPatacho hespanhol Ricardo, capito Jaan
Gran.carga a mesma que trouxe de Barcelona.
Observaco.
Suspendeu do lamar&o para a Baha a barca In-
gleza Floating Cloud, capllo Sawnders, com a
mesma carga que trouxe de Cardiff.
I9IT1ES.
mervu tminulr de manara que pm pouco dias
fez-se a cicatiisacao da primeira abertura, e no
fim de 15 dtas tmvem a segunda ifesappareteu.
E" tamhem fcil 'ueste caso a expHcacSo do appa-
recimeto de om segundo tumor sem a reaefio
mflammatoria, como mea collega mal bem ha de
(*) O engao, que se refere o Sr. Dr. Epami-
nondas, orginou-se do salto de urna ttnha dado
pelo cpmpositor, o qtte escapan, na revisa da
prova.
Os editores do Almanak.
Pela inspectora da alfandega de Pernambu-
co se faz publico, que porta da ilfandega no dia
27 do correte l hora da tarde, se ha de arrema-
tar livre de di re tos o seguinte. salvado da harca
franceza Os -amigos de S. Joao da Luz, naufraga-
da neste porto :
49 duzias camisas de algodo para homem, valor
da duzia 100-4900.
30 peas de brimde algodo trancado cora ms-
ela de linho, com 1.300 m./de 24 pollegadas-709
(v. 4) valor da v. 550 rs.387075 rs.
75 duzias de chales de algodo em bom .estado
de 46 pollegajlas por face 1,190 (v.4.) v.da vara 400
rs.-4760.
,23 duzias de ditos avariados de 46 pollegadas
por face 365 (v. 4) valor da v. 400 rs.1460.
230 duzias de lencos para tabaco de 22 pollega-
das por face 835 (v. 4) valor da v. 333 rs.
2780055 rs.
13 duzias de carneiras variadas pecando 156
libras valor da libra 101560.
40 duzias de chinelas de la avariadas ou 480
pares, vator do por 600 rs,2880.
42 caixinhas de meia duzia de frascos com per-
fumaria pesando liquido 53 libras, valor da libra
10333 s-700649 rs.
66 duzias de ditos em 66 caixinhas com dita, pe-
sando liquido 132 libras, valor da libra 10333 rs.
-1750956 rs.
90 frascos soltos com dita, pesando liquido 20
libras, valor da libra 10333 rs.260660.
32 pares de botinas do bezerro, valor do par.
40-1280.
2 fardos com 200 duzias de lencos de algodo
para tabaco de 22 e 24 pollegadas 792 v. 4, valor
d v. 333 rs.-2530736 rs.
1 fardo com 42 pecas de gangas com 1,800 m/
de 24 pollegadas 98 v. 4 valor da v. 500 rs.
4900500 rs.
STB-5 -1 caixa 17 duzias de carneirade cor
avariada com 204 libras, valor da libra 10-
2040.
Dias RPM18 1 caixa 10 meios de sola grande
para selleiro avariada, pesando liquido 180 libras,
valor da libra 750 rs.-1350.
Pela inspectora de Pernambuco se faz pu-
b.ico, que porta, no dia 28 do correte, a 1 hora
da tarde, se lia de arrematar, livre de diretos, o
seguinte, vindo de Liverpool ;no vapor inglez Sa-
ludim, abandonados aos respeetivos diretos por
Saunders Brothers dt C. : um fardo da marca CS
diamante CSJ B n. 8, contendo 8 pecas de estopa,
pesando liquido 1,082 libras, avalladas por 430280.
E para constar, eu Joao dos Santos Porto, 3o
escripturario, lavrei o presente.
i' teccfio da alfandega de Pernambuco 25 de
Janeiro de 186o.O 3o escripturano,
Joao dos Santos Porto.
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambuco,
14 de neiro de 1865.
De ordem da directora desta caixa, se convida
aos credores de -ebastio Jos da Silva a viren
rdleber do ibesoureiro da mesma caixa o que em
rateio Ih'es toca da venda de urna das propieda-
des, que segundo a concordata,lhe foram entregue;
para serem vendidas.O guarda-livros,
Ignacio Nunes Correia.
De ordem da director desta mesma caixa -c
faz publico aes senhores accionistas que o respec-
tivo thesoureiro est-autorisado a psgarVj 22." di-
videndo de 100 por accSo.
O goarda livros,
Ignacio Nunes Correa.
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambuco.
Sao novamenta convidados os Srs. credores da
massa fallida de Joaquim Francisco de Mello San-
tos a apresenlarem nesta caixa filial seus ttulos
de crditos para serem attendidos no dividendo que
se tem de fazer no flm do rorrente mez.
O guarda livros
Ignacio Nunes Correa.
Conselho de compras navaes
Tendo o conselho de promover no da 28 do
corrente mez a compra dos objectos do maiereal
da armada abaixo declarados, convida aos que
pretenderen) veude-los a apresenlarem suas pro-
postas em cartas fechadas nesse mesmo dia s li
horas da maabaa,
Objectos.
1 ancorte de 4 quiutaes, 1 dito de 6 ditos, 5 di-
tos de 2 ditos, 4 arrobas d'agua-raz, 10 arrobas do
alvaiade de zinco, 10 barris de breo, 10O baodei-
jas ferradas, 200 caetas, 75 bracas de corrente
de ferode 5|8 de grossura, 50 chapos de oleado,
110 colxoes de laa, 100 camisolas de bnm, 145 co-
vadosdedamascc.de seda verde, 986 dobradicas
de canto, 548 dobradicas quadradas, 50 efun-
dios, 20 escovas iaglezas. 50 frondas de brim, 192
fechos pedrezes, 16 arrobas de ferro em varoes de
4|8, 40 arrobas de graxa do Rio Graode, 200 len-
ces de brim, 20 laDternas de patente, 20 arrobas
de mialhar branco, 100 ps de ierro, 180 praios
travessos de folha, 4 arrobas de pregos francezes
sonidos, 20 grozas de pennas de ac, 4 arrobas
de pregos de cobre de costado de 4 pollegadas, i
resmas de papel hollanda, 42 quintes de rebites
de|3|4 de dimetro e 1 2,1 3ji, 2, e 2 1|2 polle-
gadas de comprimento, 100 pegas de sondareza,
290 saceos de condcela, 80 meios de sola da Ier-
ra, 200 tutos de bronze para caldeiras de 7 pes do
compnmento e 2 3|4 pollegadas de dimetro, 10
duzias de taboas de assoalho de louro de 27 a 30>
palmos de compnmento, 10 duzias de taboas de
assoalho de amarello de 27 a 30 palmos de com-
primento, 80 latos de tinta branca de zinco de 28
ibras cada lata, 1,400 vldroa de 19 lyl pollegadas
de altura por 19 1(2 de largo, e 500 vidros de 22
1|2 pollegadas de altura por 15 1|4 de largo. '
Sala do conselho de compras navaes, 25 de Ja-
neiro de 1865.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.

-






Mtfrttf **r*r*t,mh**t tob-iilo s l rfit.Hr* 0 f 985
Capitana d ptrtt de Pernamlmco, 14
dejeirode185
Era vista das circumstancias melindrosas em que
se acha o patz, sendo necessarfo gae todos os bra-
sileiros, coneorram para a soMentacao dos bros e
dignidades nacinnaes, compromeiti'dos na guerra
com as repblicas do Uruguay e Paraguay, manda
o Illm. Sr. capitao do porto, em virtude do que llie
foi determinado por S. Exc o Sr. ministro e secre-
tario de estado dos negocios da mannha, convidar
nao s am matriculados, como a todos os ridados
que se queiram alistar na qaalidade de voluolarios
para 4 armada, a se apreseolareni oesta capitana
nos das titeis das 9 s 3 1|2 horas da tarde.
Outro sira, sao igualmente convidados os indivi-
duos que tiveram baixa do servieo naval, a alista*
rem-se per um anno ou raais, |garantindo-se-lh
nao s as respectivas escusas, logo que termiuem
os seus contratos, mals ainda os premios filados na
lei, para os que voluntariamente procuram o ser-
vico da armada, e bera assim urna gralificacao
mensal, igual a metade dos sidos, que percebiam
na occasiao em que obtiveram baixa.
As vantagens e eondicc5es para o alistamento se-
rao as estabelecidas pelas mstruceoes que baixa-
rain com o decreto a. 1591 de 14 de abril de 1853
que sao as seguinles :
Art* 12. Distiogoir-se-hao seis classes de volun-
tarios. :
1.a Dos individuos que qnzerem servir na ma-
rinhagenr sem teinpo determinado ;
2.' Dos que se jukerera contratar para servir
na mannhagem por lempo determinado ;
3.a Doe que se prestaren! a servir na marinh-
gen os prazos estabelecidas no artigo 3. do decre-
to n. 1*66 de 25 de outubro de 185i, e que escu-
sam o nacional do -ervi-o militar ;
4.a Dos que qoiserem ter praca no corpo de im-
periaes marioheiros.
5.a Dos que se destinaren para o batalhao naval.
6.a Dos aprendiies marioheiros.
Art. 13. Os voluntarios das differentes classse
definidas no artigo antecedente devero ter os re
qnisitos segerintes :
1.a Clas9a.Os que se alistaren) para a mannha-
gem sera lempo determinado, devem ser fortes,
saos, aoestumados a vida do mar, ou pelo menos
capazas de servir na praca de grumete.
2.a Classe.Os que se caotratarem por prazos de-
terminados, de um a tres anuos, devem ser fortes
saos, e acostumados a vida do mar.
3.a ClasseOs que se contratarem para servir
na maunhagem o prazo de seis ou de oilo annos
em cooformidade do artigo 3. do decreto o. 14G6
de 23 de outubro, devem ter os requisitos dos da
segunda classe, excepto a pratica da vida martima
que poder ser despensada com a clausula que
adiante ( artigo 16) se expressa. .
4.a Classe.Os alislados para o rorpo de impe-
riaes roarinbeiros .devem ser cidados brasileiros
de 18 a 35 annos de idade, ou at 40, sendo homens
do mar; fortes, saos,e capazes de todo o servieo.
3.a Classe.Os alistados para o batalhao naval
devem ter 18 at 45 annos annos de idade, e os on-
tros requisitos da quarta classe.
Todava poder-se-ha admitlir alguns estrangei-
ros mediante previa autorisaco do poverno.
6.a Classe.Os aprendizes marioheiros devem
ser cidados brasileiros, da 10 a 17 annos de ida-
de, de constituicao robusta, e apropriada vida do
mar.y
Podr-se-ha tarabem admitlir menores de 10 an-
nos, que teuliam sufficienle desenvolviroeuto phy-
eico para os exercicios do aprendisado.
Art. 14. Os voluntarios da primeira classe perce-
bero os sidos concedidos pelo artigo 1 "do decre^
io n.l466"de 25 de outubro, mas nada receberao
a titulo de premio ou gratficacao.
Ser-lhes-ha declarado, e expressado nos seus as-
sentamentos, que nao oblero guia de desembarque
sem previnir ao commandante respectivo dous
mezes antes, salvo se nisso nSo houver inconve-
niente para o servieo, por que entao sero mine-
dintaraente attendldos.
Urna resalva, que Ihes dever ser entregue com
a guia de desembarque, declarar que a contar
dessa data os sobreditos voluntarios, se orem na-
ioeaes, flcam isentos do reerntamento por ura an-
uo, ou por tempo igual ao que tiverem servido nos
navios do estado, se este prazo for menor ; salvo,
porm, o caso de circumstancias extraordinarias
durante s quaes ficar suspensa a [sendo.
Art. 15. Os da segunda classe receberaos os pre-
mios seguinles :
Se ferem grumetes; dez, vinte e dous, ou trinla
o qualro mil res, seguudo se contratarem por um,
dous, ou tres annos.
Se forem raarinheiros : vinte, quarenta e cinco,
ou setenta mil reis, segundo o prazo de seu contra-
to for de um, dous, ou tres annos.
Alm do premio receberao mais os referidos vo-
luntarios se directamente se apresentarem, a gra-
tificarlo de quatro mil reis seudo estrangeiros, e
de cinco mil reis seudo nacionaes.
Esla-gratiQcaeao, porm nao se abonar repeti-
damente ao mesmo individuo por cada novo con-
trato successivo que flzer, se este for de prazo me-
nor de tres annos.
Art. 16. Os da terceira classe receberao mais
urna quarta parte do maior premio quo poderiam
obter contratndose como os da segunda classe,
na praca de grumete ou de marioheiro, que Ihes
competir, e a mesma gratiGeacao apresentando-se
directamente.
Exeeptuam-se os que nao forem homens do mar,
e tiverem mals de 40 annos do idade, os quaes po-
derlo alistar-se com as condiceoes dos da terceira
classe, mas sera augmento de premio.
Art. 17. Os da quarta classe receberao como pre-
mio cem mil reis, se forem marioheiros, e sessenta
mil reis se forem grumetes.
Art. 18. O da quima classe receberao o premio
-de cento e cincoenta mil res, se nao Torem maiores
de quarenta annos e o de cem mil reis, se tiverem
mais daquella idade. *
Art. 19. O premio dos voluntarios menores, des-
tinados para as campanil as de aprendizes mari-
nheiros, ser de cem mil reis, e se abonar aos
f ais, tutores, ou quem suas vezes flzer :
Art. 20. Os premios de que tratam os arligos an-
tecedentes sero pagos pela maneira seguinle :
| 1." Os dos voluntarios da segunda classe, se o
alistamente for por um auno, Ihes sero pagos in-
tegralmente no acto de asseotarem praca; se por
Jous ou tres annos, receberao era tres presiacoes
igoaes, sendo a pnraetra paga como no primeiro
caso, segunda quando vencida metade do prazo
a contrato, e a terceira linda o dito prazo.
a.* Os voluntarios da terceira classe recebe-
rao urna terca parle do premio respectivo logo que
tutiliam asseotado-praca, ouira terca parle oo Um
do primeiro anno de servigo, e o restante (Indo o
prazo de seu alistamento.
3.a Os premios dos imperiaes raarinheiros e os
das pracas do batalhao naval sero abonadas como
os dos voluntarios da terceira classe.
4.* Os premios dtvidos pelo alistamento de
menores paras as companmss de aprendizes man
til-iros sero pagos integralmente, logo que se ve-
rifique a eotrega dos ditos menores.
Art. 21. As gralificacoes que competem aos vo-
luntarios que direelameule se alistaren no servigo
da armada, serie pagas conjuntamente com a pri-
meira prestacao do premio respectivo.
O secretario da capitana.
ecio de Aquino Fonceca.
Censulado de Franca
Oeaptio Hulanrt do navio francez Tonkin em
reparagio deste porto precisa temar a risco cerca
Je f7:wX>W0e para pagar as differentes despezas
que fez noste porto. O dito emprestimo, o qnal
ser reembolsado em o Havre, lugar do destino do
dito navio, ser garantido pelo mesmo navio, cas-
<(>, apparelho, magame, victualhas e seu carrega-
ment. As pessoas que pretenderen! fazer este
-.iluntamenio.-^LBTbnvidads a comparecer sab-
alo 8 de correte, ao meio dia em ponto, no
aoelado le Franca, onde- (era lugar a dita dju-
Mcaejeo era presenc/a do Sr. cnsul, a quem por
mous Oser. Pernambttco 2* de Janeiro de 1865.
Consulado provine tal.
Pela mesa do consuado provincial se faz publi-
co .pie no dia 10 do correte se principiam a con-
tar ns.30 dias uteis marcados para a cobranga
Wxa do cofre de anno fiuanceiro vigente dos im-
posto* de 4 Oo'swbre rasas em que se acharera
siaheiecimentos de com memo lora da cidade do
Hcilrf,preaasas de algodo, tvpographias, cochei-
ras. boteqms, botis, casas do pasto, cavallarice?,
<; fabrica, de 8 0|0 sobre consultorios medicse
rurglces, carlorios e escriplorios.de 200|0 sobre
rtrtabeleeimeotos de commercieem grosso e are-
ulua, armaxans de recolber, e os trapiches, de
303 per casa de biihar e modas, de 1600 por nasa
ineveaorrnnpafeitaDoestrangeiro, de compra
o veeda de eeeraves, de eorretores commerciaes e
Wllit do leilo, de 1:0004 sobre casas de opera-
es bancarias com emissao e previlegies, de 6004
pelas ditas com emissao e sem previlegios, de 1004
pelas ditas sem emis*o, compaobias anonymas e
agencias, de 200JI pelas casas de cambie, de 30$
pelosescravosempregados no servieo dealvaren-
gas, ue 1,3 por tonelada de alvarenga e canoas
abertas, de 204 por cada bote ou saveiro, do 303
por cada balieira, de 104 por escravo ganhador ou
empregado em servigo de transporte ou em arma-
zens, de 104 por cavallo de sella de aluguel, de
64 por ca vallo particular, de 5 0|0 pela venda de
capira e o imposto de carros, carroas e mnibus,
e tambem o 1 semestre do de 20 0|0- do consumo
de agurdente das freguezias desta cidade e dos
A rogados, S. Lourenco, Santo Amaro de Jaboatao,
Muribeca e Varzea, ticando snjeitos a multa de 6
0|0 sobre os seus dbitos depois de findo o dito
praso.
Mesa do consulado provincial de Pernanbuco
7 de Janeiro de 1868.
Antonio Carneiro Machodo Rios.
0 conselho administrativo para forneclmento do
arsenal de guerra precisa comprar o seguinle :
Para o presidio de Fernando.
8 libras de caparosa.
10 duzias de limas chatas de dez pollegadas.
20 libras de linha parda.
300 meios de sola.
500 ditos de vaqueta.
2 arrobas de pregos francezes de tres qoartas de
poHegadas.
3 caixas de retraeos de vidros.
4 arrobas de taixasde parmilhar com cabega de
mais de quarlo de pollegada.
5 arrobas de dita para encostar.
2 ditas de dita para saltos.
Para a enfermara dos aprendizes menores
do arsenal.
1 livro de 200 fulhas para o receltuario da mes-
ma enfermara com 10 pollegadas de largura e 15
de cumprimento.
1 dito de 200 |i'llias, para registro de entradas e
sahidas dos doentes, com 19 e meia pollegadas de
largura e 15 dp cumprimento.
2 ditos de 200 folhas cada um para os offlciaes
recebidos e dirigidos.
Para a fortaleza do Brum.
30 arrobas de plvora.
As pessos que quizerem vender taes artigos
apresentem suas propostas em carta fechada na se-
cretaria do conselho, s 10 horas da manha do
dia Io de fevereiro vindouro.
Sala das sessSes do conselho administrativo pa-
ra forneci ment do arsenal de guerra, 26 de Janei-
ro de 1863.
Antonio Pedro de S Brrelo.
Coronel presidente.
Sebastiao Jos Basilio Pirrho.
Vogl secretario.
Tribunal do coramercro.
Pela secretaria do tribunal decommercio de Per-
nambuco se faz publico que oesta data foi inscrip-
to no registro publico do commercio o contrato de
sociedade que em dala de 11 do correte mez ce-
lebraran) Jos de Mello Costa Oliveira e Mathias
.Jorge da Silva, Portuguezes, estabelecidos nesta
'cidaue sob a firma Oliveira & Silva ; devendo a
sua sociedade durar por espago de tres annos,
contados do 1 do referido mez, com o capital de
17:9784316, para o qnal entra o 'socio Oliveira
com a quaotia de 17:2993922 consistentes em
utencios, gneros existentes no arpiazcra, dinhei-
ro e dividas activas, e o socio Mathias com a de
6784654, liquido de seus ordenados vencidos como
caixeiro que foi do estabelecimenio social.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 23 de Janeiro de 1865.
O official-maior,
Julio Guimaracs.
Consulado de Portugal
Sao chamados os credoresdo finado subdito por-
toguez Jos de Almeida Nunes Lima, a aprsenla-
I rem suas contas para serem conferida:, e pagas.
Pela thosouraria provincial se faz publico,
! que a arrematacSo da obrs da conclnso da casa
| da cmara e cadeia da villa do Bsnito, foi trans-
ferida para o dia Ia de fevereiro prximo vindou-
ro. Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 16 de Janeiro de 1865.-0 secretario,
A. F. d'Annunciagao.
Correlogeral.
Pela administrago do correio desta cidade se
faz publico, que em virtude da convengo postal
celebrada pelos governos brasileiro e francez, se-
| rao expedidas malas para Europa no dia 30 de
corrente pelo vapsr francez Guienne. As cartas
serao recebidas at tres horas autes da que for
marcada para a sahida do vapor, e os jornaes at
quatro horas antes.
Administrago do correio de Pernambuco 24 de
: Janeiro de 1863.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Correio geral
Relacao das carias seguras existentes
ua administrara do correio desta
cidade para os'senhores ahaiio de-
clarados
Antonio Lopes Rodrigues.
Felippe Nery dos Santos.
Francisco Antonio de Albnquerque Mello.
Franci-co Forjas de Lacerda.
Francisco de Mello Brrelo.
Herculano Mainart Franco.
Joaquim Felippe da Costa.
Joao Nepomuceno Alves Maciel.
Dr.Jos Ferreira Druvalle (-2).
Francisco Henriques de Noronha (Rio de Janeiro)
i Manoel Caetano Nunes Pinto (Cear).
GOMPANHIA BEASILEIRA
DE#
PAQUETES A VAPOR,
Dos portos do sol esperado
at o dia 30 do corrente o vapor
Brinana ie loimlli; comman-
dante o primeiro lente Araujo
o qual depois da demora do cos-
(ume seguir para os portos do norte.
Desde j reeebem-se passageiros o engaja-sfa
earga que o vapor poder conduzir, a qual dever ----------.., ^ ...,.,.... .^.-.
ser embarcada no dia de sua chegada, eneommen- i torio vendidos para pagimenl des mee
RA NOVA N. 34
JOSEI'II PRAIIiMSl
IIIII.KIRO
4em a honra de prevenir as pessoas que
lem qualquer concert ou amolago em
naos dell nne venham eosasear at o
loi de Janeiro, es que ficarem dessa data
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 1 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C._________
Para o Rito de Paaelro.
Pretende seguir em poucos dias o patacho Ca-
pitn, tem parte de seu carregamento bordo, pa-
ra o resto que Ihe falta e escravos a frete : trata-
se com os seus consignatarios Antonio Lniz de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da
Crrnn. 1.___________________________________
Porto por Lisboa.
Pretende seguir com brevldade a muito veleira
barca portugaeza Corea, por ter grande parte da
cargaeigajada, paro" o resto e passageiros aos!
quaes offjrece os malbores commodos: trata-se
com o consignatario T. de Aquino Konseca Jnior
natravessa da MiredeDeos n. 5, primeiro an-
dar, n con o capitao na praca.
Para a Bahia
Pretendaseguir com brevidade a sumara/for-
leticia, tem parle de seu carregamento prompto
parao rosto que \h* falla trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
C, no seu escriploriorua da Cruz n. 1.
Para a Bihia nreten le sahir em poucos dias
a veleira 'escuna Elisa, capitao Belmiro Baptista
de Souza.tem a maior par:e da carga tratada, para
o pouco i ie Ihe falta trata-se com os consignata-
rios Palmeira & Beltro, largo do Corpo Santo n. 4,
primeiro andar. ____________________
Rio de Janeiro
O patacho Vatente a seguir em poucos dias, re-
cebe carga miuda e escravos a frete ^ trata-se
com oson do Corpo Santo n. 6.
LEUDES.
Leilo de toacrcsdoXovo Banco de
rer n a mli uro
hoji:.
0 agente Pestaa por ordem do cnsul de S. M.
Fidelissima vender em leilo 15 arces do Novo
Banco de Pernambuco, pertencentes ao espolio da
finada subdita portugaeza Jnlia Mana de Vascon-
celos : satinado 28 do correte ao meio dia na
porta da Associacao Commercial.______________
Leilo dos salvados da barca franceza Les
Amis de Saint Jean de Luz.
Segunda-fcira 30 de Janeiro.
_ Segunda-feira 30 do corrate continuar o lei-
lo dos salvados da barca, franceza Saint Jean de Lu<, por intervengao do agente
Pinto, na alfandega armazem n. 8.
Os jornaes designaro os objectos que sero ex-
postos nesse dia.
Leilo de predios.
Como seja :
1 sobrado de 2 andares e soto era chaos pro-
prios, a ra do Araorim n. 17, rende 5763,
1 dito de 2 andares e soto em chaos proprios a
ra do Burgos n. 3, rende 3604.
1 easa terrea cora soto em chaos proprios a
ra do Burgos n. 5, rende 2883
Metade da casa terrea era chaos proprios a ra
da Senzala Velha n. 8.
Cordeiro SiraSes
far leilo dos predios cima mencionados, por
conta e ordem do urna pessoa que se acha au-
sente. Os preleodentes desde j podero exami-
nado e qualquer informago o mesmo agente sa-
tisfar, cujo leilo ser effectuado.
Quarta-feira Io de fevereiro
s II horas da manha no armazem a ra da
Cruz n. 57.
Transferencia de leilo
Foi transferido o leilo do sobrado de um andar
sito no largo do Tergo n. 24, que rende 4803 per
anno, que se vender pelo maior prego que se
acha, para o dia quarta-feira 1 do fevereiro, no
armazem' do agente Buzebio, da ra da Cadeia do
Recife n. 33.
*
AVISOS MARTIMOS.
compaahia das Hensrtgerics
Imperlalis*
No dia 30 do
> ^-^"l corrente mezes-
ptra-se dos por-
tos do sul o ra-
po r francez
Guienne, cora-
manda nte H. de
Somer, o qual
depois da demo-
ra do costunn seguir para Bordeauc toeando em
S. Vicente e Lisboa
Em S. Vi coa le ha um vapor em correspondea-
com Gore.
Par (rele, eondicooes e passageas tra'a-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
COMPANHIA BRASILEIBA
DE
PAQUETES A VAPOR
E' esperado dos portos do norte
at odia 2 de fevereiro o vapor
Apa, commandante Carlos Anto-
nio Gomes, o qual depois da de-
mora do coetume seguir para
os portos do sol. *
Desde j reeebem-se passageiros e engaja-sea
carga que o vapor poder condnzir, a qnal dever
ser embarcada no dia de sua chegada: eacom-
mendas e dinheiro a frete ateo diada sahida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C.
GOMPANHIA PERNAMBGANA
DI
\"avegico costeira por vapor.
Macei e escalas.
Segu no da 30 s 3 horas da
tarde o vapor Parahybn, com-
mandante Martins. Recebe car-
ga at o dia 29. Eocommendas,
passageiros e dinheiro a frete
at as 3 horas da tarde: escriptorio no Forte de
Mallos n. 1.
A7IS0S DIVERSOS.
Associacao T)pj|rapliica Peruambiicaua.
Haver sesso extraordinaria do conselho, do>
mingo 2U do corrente, ao meio dia.
Secretaria, 23 de Janeiro de 18G3.
Jesuino Francisco Regis,
Ia secretarlo.
C0MPANH1iPERNAMBCANA
Narega^ao eostelra por vapor.
Araeaty e Cear.
No dia i9 do corrate s 8 ho-
ras da manha segu o vapor Ma-
manguape, commandante Moura.
ecebe carga at o da 27. En-
comendas, passagelres e dinheiro
a (Veto at o dia 28 s 4 horas da tarde : escrip-
torio no Forte do Mattos n. 1.
Para o Rio Grande do Sul cora escala pelo
Rio de Janeiro, sahe al o finido correte mez de
Janeiro a barca brasileira Nota Carolina, recebe
escravos a frete : a iratar com Parid F. Bailar
roa do Brum n. 66.
Aos 6:0O(J$OO.
Sabbado 4 de fevereiro do corrente an-
no, se extrahir a segunda parte da quarta
lotera (4*) a benecio do teatro de Saot
Isabel, ao consistorio da igreja de Nossa
Senliora do Rosario da fregueziade Santo
Antonio.
Os bilhetes, meios e quartosestaoa ven-
da na respectiva tnesoararia ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 6:0000000 at IQ^OOC
serao pagos urna hora depois da extracta o
at s 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuicao das listas.
As erteommendas serSo guardarlas so-
atenteat a noite da vespera da extracto
como le costume.
O thesoureiro,
______Antonio Jos Rodrignes daSonza.
CASA Di OBTli^A
AOS 6:000.000
IIilhetes garantidos
1' ru do Crespo a. 23 e caite doeostoii
O abaixoassignado venden nossens mnitofeli-
zes bilhetesgarantidns da lotera, qne se acaben
de extrahir a beneQcio da matriz da Boa-Vista,
os seguinles premios:
Dous quarlos n. 3039 com a sorte de 1:4004000
Dous ditos n. 1900 com a sorte de 500JU00.
E outras muitas sortes de 2005, 100, 40 e
265000.
Os possuidorespodem vir recetor seusrespec-
iros premios sen os deseontos das leis na Casa
daFortonaraado Crespn. 23.
Acham-se venda os da segunda parte da
quarta lotera a beneficio do theatro de Santa
Isabel, que se extrahir no dia 4 de fevereiro.
Hreco.
Bilhetes inteiros..... 7J00C
Meios....... 35500
Quartos........ 1^900
Paris pessoas que compxarem
de 100 para cima.
Bilhetes....... 64300
raes, nao se aitendendo a reclamaclo al-
giima passado esse prazo.
Approveita essa occasiSt para avisar
ao respeitavel publico, que elle tem para
*ejsaer os
AFIADORES
i* sua invengo, pelos quaes obieve um
PRIVILEGIO DE 15 ANNOS
a sua superiuridade sobre lodos os (jue
apaareceruea u boje de sobre-mu-
do provado pela extraccao que elles tem
no Rio de Janeiro, aood sao muito apre-
ciados.
PerfliiBria e sabonetes de
Toilet
da casa Vio|t, perfumista cora privilegio,
foroecedor das casas de S. M. impera-
triz dos Francezes e da rainha Isabel IIj
de Hbspanha.
As flores as mals esquisltas, ae plantas as mais
ricas em aroma, os balsaraos os mais odorficos,
serven) al composl^o dos producios exclusivos da
rainha das Abelhas.
Sabao real de Tridaco.
O uoiei recommendado pelas celebridades me-
dicas como hygieolca da pelle.
Balsamo de Vilela.
Pumadai fluidificada pelos oleo virgens para o
servieo d^s eabelelreires.
Golas de Violetas.
ExtracU da flor natural, porfame de S. M. a rai-
nha Victoria.
Saliao de balsamo de Vilelas.
Homenagem a S. M. a Imper?tr::.
Agua da belleza de Sua Magestade a
Imperatriz.
Locje beoetjca para o toilet das damas.
Flor de arroz rosa-la.
De S. M.'a Imperatriz Eugenia.
Perfume de-nctar.
Este p refrigerante preserva a pelle de todas s
atfeceoes dtrmacs.
IKoshiIo das alietlias.
Locjo r frigerante para o toilele e os banhos.
Creiue poupador.-
Da belleza da pelle.
Para prevenir as rusgas e refrescar o rosto.-
Creme Sevign.
Composic io especial, para lustrar e fizar os ban-
dos (cabello;.)
treme fri espumoso.
Segredo da belleza.
Para refriscar o tessldo dermal.
Perfil mes das bri>a de iiiio.
Delicias dos lencos o saldes.
Dicado a i. M. a Imperatriz da Busgia.
Caixa de Juvencio.
Cofre B.vsterioso.
Encorrandb talismans/segredo para tileza.
Veriuollio la Cliina, preto indio e branco
de Lys.
Fiara passeb e soiree
P horisoRlal
Pas as un as o brillio de nacarregado.
I eiTurnes horisontaes.
Para perfu nar as cartas, toalhas e os quartos.
Vend-se na ra do Imperador n. 38, botica
-nrfceza.
Dscravo fgido
Acha-se ai sent de casa de sua senhqra, desde o
dia 12 do coi rente o preto Joo, que foi escravo
da fallecida I >. Leonor Jorge; baxo, ebeio do
corpo, e o losto todo picado de bexigas, consla
que anda no Reci/e e na Boa-Vista : quem o pe-
gar leve paga da Independencia ns. 37 e 39, que
ser gratiflcido.
Desap|iareceu no da 26 do corrente um mu-
latinho de n >me Mrlhodio, de 6 annos: de idade,
levando um i calca de algodozioho azul mescla-
do e camisa de algodozinho branco de que eslava
vestido, tem no cncavo do p cora direceo para
o lornozelo nma cicatriz procedida de um talho,
feicoes boni as, cabellos earapiobos, deules da fren-
te um poucp largos por os ter mudados, um pouco
risonho qu ndo falla, era aprendiz de nma tenda
de marcioe ro na ra nireiia : roga-se s antori-
dades polic aes ou qualquer pessoa, que o appre- i
hendam e 1 vem ao sobrado n. 10, primeiro andar,
da mesma -na.
Antonio lu/, c Oliveira Azevedo & (.
Ageijtes do banco Uni3o do Porto.
Competentemente antorisados sacara por todos
os paquetes sobre o mesmo banco para o Porto e
Lisboa e pira as seguinles agencias :
i.unrii es sobre Bank of London.
Paris
Haml orgo
Barce liona
Madrid
CadiJ
Sevilha
Valencia
Amaran
I*
Arcos de
Vez.
Aveiro.
Barcelloi
Bastos.
Beja.
Braga.
Brsganca.
Faro
Oliveira
raeL.
Penca (til.
Tavira.
Villa do
Val de
Meios.
Qttartos.
... 31230
..... 15700
Manoel Martins Fiuza
n ]mos.
Queijos do ultimo vapor o melhor qne ha
oeste genero a 25300. ditos mais amigos a 15600.
vnhos do Porto, Figueira e Lisboa e lodos os mais
gneros da melhor qualidade e por menos preeo
do que em oulra qualquer parte : no antifo esta-
belecimento junto a esta typographia.
"^^ AMA.
Procisa-se de urna ama captiva ou forra para
comprar e coslnhar para urna s pessoa : na ru*
das Crnies n. 3, casa terrea.
de idade
Oe Padre
Frdric S. Baliin & C.
Joao Gabe & Filho.
Francisco dolala & Ballesta.
Jaime Merie.
Crdito Commercial.
Gonzalo Segoria.
M. Pereira y Hijos.
Em Portugal.
Aogra Terceira.
Carainha.
Castello Branco.
Chaves.
Cambra.
Covilhao.
Elvas.
Extremos.
Evora. MoocaP-
Fafe. Moncorva.
d'Aze- Pmhai. Regoa.
Porto-alegre. Setubil.
Thninar. Viauna do Cas-
Villa Nova de tello.
Conde. Portimo. Villa Real.
Villa II 'al de Vites. Madeira.
S.Aounio. Fatal. S.Miguel.
No imperio.
Baha. Maranho.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma a prazo ou a vista, podendo
logo os'aques a prazo serem descontados no
Mesmo Binco a razao de 4 por cenlo ao anno a
iratar na ruada Cruz n. 1.
Figueira.
Guarda.
Guimares.
Lagoa.
Lagos.
La neg.
Leiria.
Preeisa'se de um menino de 14 a 15 anuos
com alguna pratica de taberna
Floriano n. 41.
na ra
Goastando a Tiara Josepha Mara dos Pra-
zeres e Syva, meieira do casal de Joao Henriqne
da Silva, ique o Rr. Alberto W. Osborn qoer tras-
passar o urnendamelo aa easa da rna do Impe-
rador o. 38, que em 15 de mal* de 1868 fez por
4 annos orne consta da escriplura celebrada pelo
tabella* ferto-carreire ao Sr. Julio dos Santos sem
flue diste sriencia alguna Ihe Ion ha ohegade, pre-
vine que por forma algama coii-eiite este tras-
paco, visjo como o Sr, Osborn nao o pode fazer
em faee a mesma escriplura que* consist; con-
diceoes para tal, flcandoanrtle qualquer contrato
sob pena de ser despedido.
INJECTION BROU
PERFUMARA MEDICA HYGIENICA
De J.-P. LAROZE, quimico, pharmaceutico de la Escola especial de Pars.
Estes productos sis o resultado da aplicado das Its da hygiane 4 ytrlumant, a se trpu
tornase pharmteia da belUu, ocarregadt de prover i hjptae da pf He, dos abellos, dos denles,
ergios lio imporUDUs; cutio efita e dtstro* as causas das doenijas que sua irman mais velha,
i pnarmaeia propriamente chamada, lem qut eurar.
iramBO para curar ImedMnntnla u OLEO Da atcla mtruMtae p.r. ramxliar a
dar ou ralras da talas; a vidro 1 fr. J9 dureza das caballas e a sua alonia, o vdxo. 2 ir.
vimaciui DB txaTTB sumioa pala im
suavidada a eua uc;to refrescanta, a vidro. 1 fr.
OOtD ORBAM SirmiIOR pan eonsarvnr a paHe
clara, frasca, a diaphana, a avilar es mes effaites
do uso das cores, o pata......1 fr. SO
A8DA B COLOBHA TJPBBIOB, com aa aera
mbar; pcrtuanaaeia da sau perfume o faz bttscar
para a lacadar, banhos persas e laaaaa, o vtlra 1 fr.
lAaTn.RAB ORTENTAB do Dr. Paul Ciernan!,
para lirar o chairo da labaee a para modiaear as
Uallitos feries; 1 a 2 fr. a caca.
AOVA DE 1-LORE8 DB AirIIWII, COSBieticO
bascado para lirar as comichees, fortificar a re-
frescar certas orgSea, a vidro.....1 fr. 25
ESPIRITO DB HORTBLAN BDPTJirmO. Ella O
aperfeicoamanio Indispcasaret da aeaio da bocea
depaia da comer, o vidro......I fr. 25
roMMAOA comservadoba de quinina pura
para fortificar os cabellos, os embellezar o evitar
o eocaneeimealo praaaalura, a pola.. i fr.
ICIOS COR DE BASA eom base de
hlacaaaia, para branquear a conservar ae (Santos;
vidro........ 1 fr. *J
OPIATO DENTiraiOIO para fortificar as gingivas
vitar as nevralgias dentarias; o pote 1 fr. N
rattvo BBBTARIO para tratar os denles
anadea antes do chumbameato, a evitar os ab-
cesses a dores ; e vidro cosa o instrumento a fr.
AOUA LBDCODERMTHA, para conservar a frescura
aa funcefles da pelle ; e vidro S fr.
BtrniTO DE ABil RBOTiriaADO, complemento
4oioda bocea despoia de comer; a vidro 1 fr. 2b
B*BAXXHITIVOSEraOlHAl.,devioleti,amendoa
Mauga, bouqaet, o pia.......2 fr.
BB SABAO LBMITIVO MEDICINAL de
cenas de ovos, para evitar as fondas, frieiras
deencaa de pee, (U violeta, de bauquet; o po 2 fr.
REHB DB SABAO LEIfnTVO MEDICIMAl OSB
pos. Bita i especial para a barba, o actie das
Alboras das chancas, o vidro.....2 fr.
AOUA LUSTRA!, para conservar o embellezar os
bellos, e fortificar suas raizas, o vidro. S fr.
Deposites em cada cidade, em caza dos pharmaeeatieos, perfumistas, eabelleireiros, negociantes de
modas de fazendas. Vareje: PhaRbacia Laroze, rae Keuve-des-Pats-Champ, 26.
Expedito** <> cas* de J.-P. Laroze, rae des Lions-Saint-Pan!, 1, em Paris.
lina ilo liii|iiMMi|nr n. ilK. hotic traiicca.
\,
XAROPE
DE CASCAS de LARANJAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimico,
MAK1IACSBI1C0 DA ESCOLA SUEIO DI AIS.
Este xaropc, repilarisando as funecoes do estomago e intestinos, destroe essas
tndisposicoes proleiformes, e faz abortar as molestias de que sao indicios precarso-
res. Mdicos e doentes lem reconhecdo que restabelece as indigestdes, fazende
desapparecer os pesos de estomago, que calma as enxaqiiecas, espasmos, e eaimbras,
que sao resultado de digesloes penosas. Seu gosto agradare! e a facilidade com que
se suporta, o tem t'eito adoptar como especifico infallivel das deencas nervosa',
gastritis, gastralgias, clicas de estomago e de entranhas, palpitacBes, dores de
coracao, vmitos nervosos; sua acefio sobre as funccSes assimiladoras tal, ue os
mdicos mais Ilustres o tem adoptado por rescipiente real dos dous primeiros
agentes therapeucos: o Iodureto de Potassa e o Proto-Iodureto de ferro, tendo
observado que dcbaixo de sua influencia, o primeiro perde sua accio irritante, e o
segundo seu effeito adstringente.
XAROPE DEPURATIVO
De cascas de laraojas amargas com Io-
dureto de potassa.
O iodureto de potases, administrado em
solucio ou debaixo da forma solida, causa ao
doente urna grande repugnancia, ou determina
accidentes que o forco renunciar a esta
meilicai.ao efficaz.
Unido porm ao Xarope de cascas de laran-
jas, elle naO causa ncm gastralgias, nem per-
turbarlo do estomago e intestinos, e gracas a
este salvaguarda, os iratamentos depurativos
sao continuados sem inicrrupcio, as affec-
{Ses escrofulosas, tuberculosas, cancerosas i
nat secundarias e terciarias, mesmo reuma-
thismses, as quaes elle o mais seguro espe-
cifico. A dose est definida de tal maneira
que o medies pode varial-a a sua vontade:
O frasco: 4 fr. 50 e.
XAROPE FERRUGINOSO
Da cascas de laraajas amargas com
proto-iodurete de ferro.
A asseciacfo da sal ferro ao Xarope de cas-
cas de laranjas tanto mais racional quanto
que este xarope, empregado si, para estimu-
lar o apetite, activa a sccrecao de sueco g-
strico, e por fim regularisa as funeces abdo-
miaaes, neutraliza os roaos effeitos dos ferru-
ginosos e dos ioduretos (peso de cabera, pri-
sao do ventre, dores epigstricas) em quanto
que facilita sua absorpeo. Dissolvido ao
Xarope, elle se toma e s* supporU fcilmente,
por achar-se no estado puro mais assimilavel;
e assim pode continuar-se a cura da pallidez,
corrimentos brancos, anemia, affecces escro-
fulosas e raehitismo:
0 frasco: 4 fr. 50 e.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE estao sempre em frascos espciaes
Inunca em meias garrafas nem em frascos redondos). Expediej5es: em casa
J.-P. LAROZE, rom des Lions-Saint-Paul, 2, Paris.
Hila ilo liM|)rTa>lor u. :>,S. iidiici ii.iiirezj.

'
-Ef|*!H
sr ^ *3 n s
o
Vende-se na ra do Imperador botica franceza n. 38.
Approvtda jtor vttritu Academias e allus
summidaia medica,
O qtreoecasrona em grtl as molestias abaixo
designadas a esla^nocao do sangue em certas
parles 4o carpo, a qual produzitla peles resfria-
mentos e muilas unirs cauzas, edtao tlcclaro-se
OS /Uieum.Tlisni's, Cola, Paralgiia, Fraque:
io* mentiras, CtmUipacies, Ettpkmiliath oa
Pernal Inckaias, el Dores Nervosas,
O uso da escova ZXXOTRO-MAGIVE-
ITIOA tem successo ccrlo para a cura de todas
estas molestias, seut recorrer sea nenhuma outra
medicaeM. Ella tem ama forma mui manejavel
e produa, S vantade dequero d'ella usa. kos mais
otis e felrzcs resultados. Seo emprimo jveserva
das molestia' cima. Para maisinformaceseon-
sai-ie-se a aolleia que accompanha cada Escova.
DEFOSITO GRAL
Moulevart dtt Prime Eufcne, dB, P*ri%.
Fnrle
Portartm hontem do Ia andar da ra larga do '' cu"c"^
Rosario D. t4,um bah corrteno:.oma casaca.nma 'nceza n. *.
sofcrerasaca, chapeo oe sol d soda de 16 aspa
novo, dita de pello, calca t a camisas com a marca
J Maibia, diversos retratos a muitas cartas; gra-
tifirs-se bem a quem descohrir.
Precisa-sede pmcaixeiro pequeo de {1 a
Vende-se na na do Imperador botica
11 annos : na Passagm n. 3.
Precisa se de um menino portugus de 14 a
IG annos para caixeiro de taberna; aa ra das
Cruzes n. 41.
Ka abaixo a*sigu;uio declaro sem effeito a
procuracrio b-^lmtr, nutorisando ao Sr. Juslino
Martins de Almeida, para cobrar te alguns deve-
dores, por ter-sirio chamado a prestar contas, e a
Isso se ter neeado o di'o senhor. Recife 27 de
Janeiro de 1865.Jos Mereira da Silva.
JORNAL DAS FAMILIAS
Publicaco Ilustrada, litlrraria, arlislira reerra-
f, etc.
O Jornal das Familias sahe urna vez por mez, e
frma no fim de cada anno um bello volucbe de
cerca de 400 pagina* de impressao esmerada, or-
nado de Bgurinos, vinbelas, gravuras sobre ac,
aquarellas, sepia?, pe^as e musir, desenhos de
trahaliios sobre lalagarca, de crocliet, Iticot, la c
bordados, molde. de vestidos, capas e m gefal o
que concernente a trabalhos de senhras.
Asignatura por anoo i**V
Assigna-se na livraria econmica ao p do arco
de Sanio Aotonio, onde ja exisle o psMieiro nume-
ro do anno de 1865
OUerece-seum homem j de idade para cai-
xeiro de armazem de molhados ou mira qualquer
arrumacao, sendo e.<(e empreo oecupado das 6>
horas da mantifta w 6 da tarde; conducta : quiso preowtr aanuayif.___________
Na ra da (luna n. 15 preclsa-se de ura
[ preto escravo para servieo de otaria.
Existe un cxudlente rriwlo para se alugar :
[ a tratar oa ra do Destino, ca'a. n. 8. ______
l'recisa-se de um nieatao para caixeiro do
uma taberna sita m ra do Soseg n. 49, no "Cam-
po Verde, cora pratica ou sem ella, que saiba ler e
escrevfr.
Aloga-se o segnndo. aadar do liec.co do Cam-
pello n. 1 : a tratar na Soja do mcsiiio.
Precisase de um amp para todo o servieo
de uma rasa de pouca familia: na ra largado
Rosario n. 31, primean andar.


Precis-s Jo nma ama forra OU oaptiva qu
cozinhe e enjrnnraH algnnm cousa : na ra do
Cabug, toja d'agaia d'onro n. 1 B.
"Joaquir Ribciro Rolo refli^Tpra fra da
provincia.__________________________________
"Livro do Povo.
O livro do povo, obra ornada comestamrjas^on-
tendo a vida de Nosso Senhor JessChristo, e mui-
tos artigo* aleas. Esta livro das familias recom-
mtAdado eapprovado pelos Exms. Srs. D. Luis
Aluga-se uma casa terrea com don quarlos hispo do Maranho e 1>. Manoel arcebi3po da Ba-
eduas salas, cosinha fora, na nudo Progresseaa'hift, vende-se a 100O canoriado, na livraria di
Sotedade : a iratar na ra do Sebo o. 54, taberna.' Jos Nogueira de Souza, roa do Cresr0 n. V




Na rar da Cadeia doRecife n. 56, precisa-se de
urna ama para cozinhar e comprar, preleriudo-se
captiva.
O Dr. Cosme de Sa Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
l' e 2 andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
s5o medica, _e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos;
2 > de peito:
3o dos orgos geniti
urinarios.
Era seu escriptorio os doenles se-
rlo examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os das d s
6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o n
prompto restabelecimento dos seus I
doentes.
Companbia da estrada de ferro
DO
Recife a Sito Francisco.
AVISO.
Festa de S. Sebaslio na villa do Cabe
Domingo 29 de* Janeiro de 1865.
Em razao da urande concurrencia que costuma
haver lodos os annos na festa de S. sebasto Da
villa do Cabo, neste da alm dos irens ordinarios
baver os seguioles especiaes que parilrao de
Cinco Puntas ao meio da
> i e 3 horas da tarde.
E voltaro do Cabo as 9 horas da noite.
> e meia noite.
Os precos das passagene de ida e volla .sao
seguintes :
I.9 classe 34300
2.* > 24500
3.* 14700
G. O. Mano,
Engenheiro e superintendente interino.
Companhia geral hespanhola Jde seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Urna aoca en diuheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa ad-
ministraco da companliia.
os
Guarda-lirios,
l'm guarda-livros bastante habilitado, tendo dis-1
poniveistlgumas horas, deseja preenche las, es-
cripturando em algnma casa : quem precisar de
seu prestimo, dirjase a rna da Cadeia d. 18, ar-
mazem, qne ser Informado.________________j
Precisa-se de um menino de 12 a 14 annos
para caixeiro, preferindo se des ltimos chegados
de Portugal : na rna daCrun. 27, deposito.
Pr*eeisa-se fallar ao Sr. Goncalo Ho~t
drigaes de Almeida, na livraria n. 6 e 8 da |
praca da Independencia.______________
Aluga-se a casa terrea com soio sita i ra
da Alegra n. 46 a tratar na ra de Aguas-Ver-
dessobradon:64Jprirneiro^andar.___________
Aviso
Os abaixo assignados participan) ao respeitavel
publico, e com especialidade ao corpo do commer-
cio, que amigavelmente dissolveram a sociadade
que tinham na loja da ra Nova n. 47, que gira-
va sob a firma de Bastos & Magalhes, ficando o'
activo e passivo da mesma firma cargo do socio j
Joo Baptisla Gongalves Bastos.
Recife, 5 de Janeiro de 1863.
Joao Baptisia Gongalves Bastos.
Antonio Jos de Magalhes Batios._____ j
Precisase te 1:0004 a premio com garan-
ta : a tratar na ra Je Santa Thereza Dj_2*.
Precisa-se de um moco de 14 a 16 anno
para caixeiro que seja portugus, com preferencia
aos ltimos chegodos : na ra do Rangel n. 9.
Precisa-se de um escravo cozinheiro : na
ra da Madre de Dos n. 36, primeiro andar.
* Precisase de urna anta para cozinhar : na
ra da Cadeia do Recife n. 52, terceiro andar.
O r. Jeronymo Villeia de Castro Ta-
vares advoga o crime e civel, commer-
cio 6 ecclesiastico. Pode ser procurado
todos os dias uteis at 3 horas da tarde
em seu escriptorio, ra do Crespo u....
primeiro andar defronte di livraria eco-
nmica.
Q bacbarel
Antonio Joaquim Ayres do N'asomento
tem o seu escriptorio de advogaciana ra
estrella do Rosario n. 8, onde pode ser
procurado das 9 horas da manha a3 4
da tarde.
Aluga-se o segundo andar e so 15o da
casa da ra das Aguas-Verdes n. 64, tem
commod spara grande familia ; a tralarno
primeiro andar da mesma casa.________
O abano assignado declara ao respeitavel
publico e especialmente ao corpo do commercio,
que deixou de ser caixeiro de Euzebio Raphael
Rabello, desde o dia21 do corrente.
. Antooio Jos da Costa Araujo.
Trecisa-se alugar urna ama para todo servigo
de urna casa de pequea familia : a tratar na ra
do Cabug n. 4, loja de miudezas.__________
Aluga-se.
m
ATTENQAO.
Precisa-se do um homem casado que tenha as
habilitacoes para ensinar cora perfeic.no primeiras
letras c'alguns preparatorios em um engenho per-
to da estago de Timb-ass : a tratar na ra do
Livrameuto n. 4 com o major Luiz Jos Pereira
Simpes._______________________________
O abaixo asignado faz publico que tem nos-
tadata contratado a venda de seu eslabelecimento
de molhados n. 72 da ra Direita ao Sr. Francisco
Jos Luiz Ribeiro, a prato; ficando este obrigado
ao pagamento de suas dividas passivas, conforme
as declaraos feitas no seu contrato. Outro sim,
o mesmo abaixo assignado roga a seus devedores
que se dignem at lias de fevereiro vir saldar as
suas conlas, que at esta data o" abaixo assignado
far alguma convenci.
Jo; Soares Pinto Correia.
Alujase tima grande casa na matris da Var-
zea, com 2 quartos ao lado que scrvem para esla-
belecimento, retificada de novo com seu sitio que
vai de estrada a estrada, tendo una boa cacimba
e varios arvoredosde (roclos, tendo tambem urna
pequea ao p, com quintal correspondente a mes-
ma que vai tambem a estrada de detraz, sita na
ra do Fogo, lamoem se vende: quera a preten-
der dinja-se ao pateo do Carmo, sobrado que bota
a frente para a ra de Hartas numero 2, primeiro
andar.
O London & Itrazilian Bank, saca por todos
os paquetes, sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Guimares.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
Por deliberacao da mesa regedora da irman-
dade de Nossa Senhora da Cenceicao dos Militares,
em sessao de 24 do corrente, sao convidados todos
os Srs. credores ds mesma irmandade, a apresen-
tarem suas contas legalisadas que provem conve-
nienlemete a mesa regedora asua validade, para
a mesma tomar em consideracao na prxima reu-
nio ; podendo os mesmos senhores enlregarm
as ditas contas na ra do Rangel n. 24 primeiro
andar, at o dia 30 do corrente.Manoel Jos Vic-
torino de Borba. secretario.
A casa da ra do Gazometron... junto a fabri-
ca do gaz, com duas salas, dous quartos, quintal,
cosinha e cacimba, prego de 144000 ; urna dita no
mesmo lugar com menos comraodos por 124 men-
saes : a tratar com o Sr. Valenca.
Aurora Fraiicisca Cavalcanti Lima convi-
da aos amigos do seu prezadoe fallecido ma-
rido Joao da Costa Lima Jnior a assistirem
a mlssa de Rquiem que por sua alma faz
celebrar pelas 7 horas da manha segnda-
la feira 30 do corrente na igreja matriz dj Cor-
I po Santo, pelo que desde j Ihes anlecipa os
3 seus protestos de gratido e reconheclmento.
i___________
Antonio de Souza Povolide convida aos
seus amigos a assistirem a missa que por
alma do seu mui presado amigo Joao da
Costa Lima Jnior faz celebrar na igreja
matriz do Corpo Santo, pelas 7 horas da
manha segunda-feira 30 do corrente, a viu-
va do mesmo fallecido pelo anniversario do
fallecimento, por to especial obsequio Ihes
ficar summamente grato.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Heapaaha
DIRECCO GERAL
Madrid : Rna do Prado n. IB
Esta companbia liga pelo systema mutuo todas as combinaedes de supervivencia dos seguros
sobre a vida.
Nella pede se tazar a snbscripcao de maneira que era nenbura caso mesmopor raorte do se-
gurado se perca o capital era os juros correspondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL, queainda mesmo diminaindo ama terca parte do interesse produzido em recentes liquidages,
e combinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada pela companbia para os
seus clculos e liquidares, era segurados da idade de 3 a 0 annos, urna iraporsigoannual le 1004
produz em effectivo metlico :
Xo lira de 5 annos.....i 1:1194300
de 10 .....I 3:9424600
de 15 .,....(.. 11:2084200
. de 20 ...... 30:2565000
de 25 i.....I 80:3314000
as idades meaores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais considerareis.
Prospectos e mais informacoes serao prestadas peld snb-director nesta provincia o Sr. Jerony
mo Joaquim Finza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a/Boa-Vista rna da Imperatriz n. 12, estabe
lecimento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite & Irmo.
GRANDE DEPOSITA i!E PIANOS
5RA IOVA- 2&
Tendo Henrique Vogeley ficado com a acreditad* casa de pianos do Sr. Joao Pedro Vogeley
sita na ra Nova n. 25, tem a honra de annunciar ao respeitavel publico que continua a dita casa
com o mesmo lim esperando o annunciante que merecer a mesma confianza que ti vera seu ante-
cessor.
Neste estabelecimento encontrar o respeitVel publico um grande sorlimento de pianos
cezes e allemes dos melhores fabricantes da Europa, pscolhidos especialmente para este clima
proprietario deste deposito entre os mejhores e mais acreditados que esliveram na ultima exp)sico
universal em Londres.
Os amadores deste instrumento sao rogados a yircm apreciar as bellas vozes desles
admirara sua excellente construego nico nesla cidade.
No mesmo estabelecimento continua-se a alugir, afinar concertar os pianos, tanto na cidade
como nos arrabaldes.
O propeietario responsabilisa-se pela sua excelente qualidade.
fran
pelo
pianos e
Joao da Silva ow,
?ersidade de Coimbra, d consultas em
sua casa-das 9 as 11 horas da manha, e
das 4 s 6 da Urde. Visita os doentes
era suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, qne serao soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem sea casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem commodes apropriados e nella pra-
tica qualquer operagao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 34000 diarios.
Segunda dita.... 25500 >
Terceira dita.... 25000
Este eslabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera qne elle conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tem gozado.
I OIJIIMIA*
Para 1865
Aeham-se venda na livraria ns, 6 e 8 da
piara d Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
Kalendario civil e ecclesiastico, tabellas
de feriados, de emolumentos dos tribu-
naes do commercio, etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBFJRA contendo o
mesmo que aquella c mais nma nova
Salve Rainha em versos, o Stabat Mater
em verso, devocao ae agonisante, coracSo
de Jess, cntico em louvor do Santissi-
mo Rosario, cntico a Virgen) Maria Nos-
sa Senhora, trinta e tres chistosas anc-
dotas, um indito poema sobre as aven-
turas de um cozinheiro, o canto de urna
solteira (poesia), crescido numero de m-
ximas e pensamentos, urna historia como
muitas (romance), e vinte cinco novas e
pilhericas charadas a 320 rs._________
m
A viuva e filhos do fhiado Dr. Jos Mame-
de Alves Ferreira convidam aos amigos e
parentes do mesmo para assistirem a mlssa
do stimo dia na capella do cemiteno, as 7
horas da manha do dia 30 do corrente.
Do corredor do sobrado n. 9 da ra
da Imperatriz furtaram, na manha de 21
do correne, tres vestidos brancos, sendo
dous bordados com bicos e entremeios, e
um com babado bordado : quem forem of-
ferecidos ou del!es souber, faga favor noti-
ciar na casa cima, que alm de ser gratifi-
cado muito obrigaejo se ficar.
Aula particular.
O abaixe assignado, professor particular, provi-
sionado pela directora geral da instrucjo publica
para ensinar primeiras lettras, latim e francez,
participa ao respeitavel publito e igualmente aos
senhores pais de seus discpulos que segunda-feira
9 do corrente tem de continuar no ensino das su-
praditas materias, admittindo' matricula alumnos
externos, pensionistas e meie-pensionistas. A pra-
tica de 19 annos consecutivos no exercicio de seu
magisterio, sua inteira dedicaco e ; ua moralidade
sao garantas queofferece aos senhores pais de fa-
milias, que desejam a sa e til educacio a seus
filhos.
Quem perianto quizer confiar ao mesmo abaixo
assignado a educaco de seus filhos, pode dirigir se
a qualquer hora do dia aoterceiro andar do sobra-
do n. 58 da ra Nova, onde ha muito tempo est
estabelccido.
Jos Maria Machado de Figueiredo.
m

Precisa-se de um mestre de maceira e 2
amassadores que saibara desempenhar o seu ca-
rcter : na ra larga do Rosario n. 46.
Desappareceo no dia 18 do eorrente a noite-
em Santo Amaro de Jaboatao, em quarto alazo
com cangalha, tem os seguinles signaes : ferrado
era ambos os quartos, tem dous ps e urna mo
calcados e om signal branen ao p de um ouvido
e inteiro : gratificase bem a quem o entregar
no engenho Gurja de Raixo ou a ra do Impe-
rador n. 81.__________________________
Joaquim Marlins dos Santos, com taberna em
Rio Formoso, declara que deixou de vender agur-
dente desde o dia 1 de Janeiro de 1865.
B'>iii*iis (le renda prelos.
nmi lo Queimado numero 11.
A' loja de Augusto Porto chegaram os maio lin
dos e superiores bournus de renda preios para se-
nioras, chapeos e chaoelinas do palha da Italia
para senhoras,, debicadamente enfoitados, moir
preto para vestidos, ricos cortes de seda preta com
barra*, pekin, bella fazeoda preta de seda listra-
da, grosdenaple, pannos, casemiras pretas e mes-
ciadas, e nutras muitas fatendas. A mesma loja
recebeu um bonito sorlimento de -malas inglezas
para viagem, e grande qujntidade de esteias pa-
ra forro de salas, que est vendendo por menos
que em outra qnalquer parte.
PEDIDO.
O Sr. Manoel P.'reira de Andrade, que consta
morar ultiiiramenie no ramioho aovo, queira ir
ra Direita n. 84, a negocio qne nio ignora.
Na ra do Manuel n. 24, compram-so vidri-
nhos varios de leos, de espintos e de tunha.
Compra-se um Itahii grande para viagem,
de 7 a 8 palmos de eomprimento: na liana
dcsta typograpbla.
Precisase de ama ina para casa de pouca
familia : a tratar aa ra Direita n. 2, loja defron-
i' do Uvramento.
Da-se a premio a quantia d 2:0004000 em
modda metlica sobre aypoiheea predio de va-
lor superior : na ra do Queiraado, Iota o. 44 se
dir quem di.
A os sinhoi rs pais de ff nilia.
O padre Flix Bar reto de Vas- 2
concellos,com aula particular [dla- "
tim na ra do Imperador n. ,35, l.|
andar, contina a receber alumnos
de todas as classes, durante e de- |
pois das ferias. Tambem est dis- 3
poste a abrir um curso de primei-1
ras lettras e de francez, logo que
naja numero sufliciente de alumnos
para cada urna des tas materias, e
assim tambem a receber como in-
ternos alguns meninos, de cuja edu-
caco o quizerem ncarregar. Os
pagamentos sero por trimestres
adiantados, e os precos declarados
pessoalmente na occasio do ajuste
.j para a entrada do alumno.
0 portuguez Albino Baptista~da
Rocha, relojoeira e doorador, na
prara da Independencia loja n. 12,
faz qualquer concert de relogio e
dourado por preco mais cemmodo
do que outro qualquer e responsa-
'bllisa-se pelo seu Irabalho e espera
proteccSo de seus compatriotas.
OSr. morador da ra Nova que se
acha a dever 6 quarteis de asignaturas des-
te Diario, queira manda-las pagagarpois
assim como elle gosta de receber a paga de
seas servicos deve attender a das ou-
trosprincipalmente o do Diario queem
trabalham mais de 60 pessoas.
Attet cao
A pessoa que p*rdeu um relogio de onro no dia
22 do corrente, em Beberibe, no lugar denomina-
do Porte da Madeira, dirija-se a cidade de Olinda
detraz do Amparo ao director da sociedade Bella
Harmona, que ser entregue, ficando obrigado
pela despeza do aun unci.
Manoel Jos de Albuqoerque Mello, professor
particular de nstruceao primaria, avisa ao res-
peitavel publico e com especialidade aos pais de
seus alumnos, que a sua aula est- aberta desde o
dia 9 do corrente, onde pode ser procurado; ad-
verte mais, que recebe em sua aula alumnos inter-
nos p. por mdico prego : no pateo do Terco n.
141, segundo andar^________________,___
~ PTeciriTse de urna pessoa para lomar conta
de unta casa 4e molhados a relalhn, com as babi-
lilacfi necesvurias, dando-se-lhe sociedade ou
bom ordenado : tratar na rna do Amorim nu-
mero 3.
m Maques sobre Portugal. g|
S O abaixo assignado. antorisado pelo S
om Banco Mercantil l'ortueuse. e na ausencia I
B| do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef- |
lectivamente por todos o : paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Por .o, e mais luga-
I res do reino, por qualquer somma vis-
g ta, e a praso; podendo, os qae temarem a
8 saques a praso.receberem k% isla,no mes- J
fj| mo Banco, descontando 4 OO ao anno: na ]
loja de chapos da ra do Crupo n. 6, ou ms
na ra do Imperador n. 63, segundo an-
[ dar.Jos Joaqnim da Costa Miia.
lO!8!!$iS ff 8115(191 ffftMWR
Manoel Francisco da Silva Carrico ora
residente emMacei, julga nada dever nes-
ta | iraca ou fora del la, mas se alguem se
julgar seu credor queira apresenlar seu ti-
tulo nestes 8 dias, que depols de verificados
ser inmediatamente pago por Francisco
Ribeiro Pinto Guimares (para isso autori-
sado) ra d'ApoIlo armazem n. 38. Reci-
fe 23 de Janeiro de <865.____________
Na ra dos Coelhos o. 10 s? dir quem d
algumas quantias com premio razoavel sobre boas
garantas.
Lino de Faria o nico competente
para haver as dividas activas e ontros
quaesqner bens da extincta firma Faria
& C. Elle pois avisa a todos os devedores
para que nao paguera seno a elle ou
pessoa por elle devidamente autorisada.
Espera que os mesmos devedores serao
pontuaes em satisfazerem seus dbitos,
iivrando-o assim de recorrer aos meios
judiciaes. Elle mora na ra do Impera-
i dor n. 57, segundo andar.
Kscola central methodo Cas
tllho.
Est aberta desde 7 d Janeiro ; ensina as maje
ras do Io e 2o graos, recebe alumnos, pensionistas
e meio pensionistas, por precos comraodos; nao
excedendo elles a doze annos de idade : na ra f a
Ponte da Capunga, casa n. 9.
Ensino particular.
O bacharel padre Manoel da Costa Honorato atu-
sa aos pais de seus alumnos que contina no exer-
cicio de sen magisterio em casa de sua residencia
na ra da Matriz da Boa-Vista n. 26.
O solicitador Pedro Alejandri-
no da Costa Hachado
se encarrega ante o foro desta cidade de tudo que
for tendente a sua profisso, aceita departido an-
imal as pendencias judiciaes de qualquer casa
commercal mediante razoavel ajuste. Contina
a se ncarregar de cobranzas nos termos do Cabo
elpojuca aonde continua a irabalhar como d'an-
tes, e encarrega-se de defezas perante o jury nos
termos prximos a via frrea, offerecendo gratui-
tamenle'seus servidos aos desvalidos, pode ser
procurado todos os dias uteis das 9 horas da ma-
nha as 3 da tarde na ruaestreita do osario n.
34, e fofca dessas horas na ra Imperial n.36, ca-
sa de sua residencia.
mmMm mmm mrnmm
g 0 bacharel Jorge lloradlas
ik continua a residir ra larga do Hosa-
25 rio n. 26, primeiro andar, onde pode ser
| procurado para exercer a sua profisso:
"M 1 de advogado nos auditorios desta ci-
> daae'
2 de mestre da lingua franceza, en-
2g sinando-a tarde, e tambem noite a
^5 pessoas cujas oceupacoes embaracen!
11 aprende-la durante o dia.
THESOURO DAS MAIS.
Providencia das crirteos.
COLLARES ROIER
Eleclro---niagnelicos.
CHAMAOOS
COLLARES ANODINOS DE DENTIQQ
Contra as convulsoes e para facilitara
d.jniirao das crianzas preparados e inventa-
dos por Rover, pharmaceutico da esco-
la superior do Paris, successor de Chereau,
merabro da academia de medicina
amiga casa de Bouillon-Lagrange, pharmaceutico
do imperador
chefe dos trabalhos cbimicos da escola po-
' lytechnica, director da escola de pharmacia de
Pars, e inembro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-se unicamente-na loja do
' Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
Alugam-se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
| com jardim, cocheira, estribara e outras cmmo-
didades, na travessa de Joo Fernaodes Vieira : a
Aluga-se o terceiro andar do sobrado n. 24 tratar n ra daSeniala Nova n. 42.
do ra da Cadeia do Recife, entrada pelo becco j o juiz de paz da freguezia de S. Frei Pedro
Largo : a tratar no armazem do mesmo sobrado,, Goncalves do Recite faz sciente a quem convier
Na fabrica de calcado do patoo da ribeira de que d audiencia as tercas e sextas-feiras as 10
S. Jos, precisa-se de artistas para obra de senho- horas da manha na casa de sua residencia na ra
rae menina dando-se tudo prompto, paga-sea du- do Pilar n. 141, e sendo santificado ou feriado o
zia para senhora a 1800 e para menina a 15200, dia da audiencia ser no inmediato._________
<-tan anu raor
duas legoas distante
precisa-se de urna senhora
que estja habilitada para ensinar com perfeicao
primeiras letras egrammaiica portugueza : a tra-
tar na ra Nova n. 67, segundo andar, ou na ra
da Senzala nova n. 38.
N
bducaco primaria e secundaria
Na instituirlo de Jeronymo Pereira
Villar, na ra larga do Rosario n. 22, nao
s se ensinam as materias que consl-
tuem o curso regular de primeiras letras,
eomo as disciplinas preparatorias para a
Faculdade de Direito.
O Rmv. Sr. padre mestre Flix Brrelo
de Vasconcellos est encarregado da aula
de latim.; o Illm. Sr. Dr. Jos Soares de
Azevedo acha-se encarregado da aula de
francez ; e para as outras materias vo
ser igualmente contralados mui distinc-
tos professores.
O Dr. Carolino Francisco de Lima San--**
tos, contina a residir na ra do Impe- jH
rador n. 17,2 indar, onde pode ser pro- Sjg
curado a qualquer hora do dia e da noite ffl
| para o exercicio de sua profisso de me- jH
: Jico ; sendo que os chamados, depois de Wt
i meio dia at 4 horas da tarde, devem ser 2
| deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
! molestias do interior, prosegue, com o
! maior affinco, no das mais difflceise deli-
cadas operacSes. como sejamdos orgos ^?
ourinarios.dos olhos, parto?, etc. S
COMPRAS.
Mencdo,
Procisa-se comprar urna escrava negra de 2o a
30 annos de idade, que saba engommar e cozi-
nhar, ou troca-se por outra : na ra da Aurora,
passando o Gymnasio, primeira casa depois da
ponlesinha de ferro.
O bacharel
Francisca Augusto da Casta
adveoado
Ra do Imperador numero 69.
4luga-se
urna casa acabada agora, com commodos para fa-
milia, estribara, cocheira, quartos para feitore
escravos, com banho na porta, no logar do Poico
da Panella, ra do Rio : a tratar com Tasso ir-
mos, na ra do Amorim n. 35.
Precisa-se por aluguel de urna preta boa
quitandeira : a tratar na ra do Queimado a. 17.
| Companhla QdelIdade de
seguros martimos e ter-
5 rastres estabeleclda no
B Rio de Janeiro.
H AOKNTHS KM PKPNAMKUCO
8 Aliento Luiz de Oliveira Azevedo 4 C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companbia de seguros Fidelida-
Sde, tomam seguros de navios, triercado-
rias e predios no sen escriptorio roa da
Cruz n. 1.
n
s
I
m
8
Aluga-se um sitie na roa de Cahral da
eidade de Olinda, com casa terrea.com co-
piar nfrente, bota os fundos para a estra-
da e inargem do rio Beberibe, con com-
modos para familia, estribara para cavallo
e capim para sustenta-los, arvoredos de
frnctos, sera visinho defronte nem pelo
fundo,cora ptimos passeios.sala e gabi
nete na frente, muito propria para pas?ar a
festa, e tambera se alugarporanno : a fal-
lar no Recife, na livraria n. 6 e 8 da praca
da Independencia, eem Olinda na casa con-
tigua <;om o capito Antonio Bernardo Fer-
reira.____________________________
No hotel vigilante, rna estreita do Rosario,
precisa de nm cozinheiro.__________________ 1
Precisase de urna ama forra ou captiva para
todo servieo interno e externo de urna casa de
pouca familia : 'na rna larga do Rosario n. 31 se-
gtio do andar.
Compiaro-se escravos.
Silviao Guilhernii! de Rarros compra, vende e
troca escravos de ambos os sexos e de toda idade:
mam m MBBOBBm nmoR
O bacharel Jeronymo Salgado de Castro Ac
ciolv, antigo advogado do tribunal da relaco e
mais auditorios desta cidade, mudou seu escrip- na ra da Imperador n. 79, t?rceiro andar.
torio para a ra estreita do Rosario n. 2, seguudo Compra-se
andar, onde pode ser procurado para os misteres | cobr0) |al5o e (.humbo ^0 mnm da Mi ama.
de sua profisso.
Precisase de urna ama
no becco do Padre n. 3.
para nma pessoa
. relia no oilo da secretaria da polica.
Compra-se ouru e prata em obras velhas, pa-
ga-se bem : na loj de bilhetes da Prac,a da Inde-
pendencia n. 2-2._________________________
ouro e prata em
na ra larga do
Anna Monteiro de Lima Reg Valenca, pro
visionada pela directora geral da in*truccao pu- c ,
blica, participa aos-paes de suas alumnas e m ol^^S& g!S 2
publico em geral que tem aberto a sua aula, onde ; R 8 ^9 de ourjves
continua a ensinar com perfeicao grammatica na-
cional, historia, arithmetica e calligraphia, diver-
sos trabalhos de aguiha, costura cha, labynntho,
marcar, bordar branco e de seda,crochet etricot:
na Passagem da Magdalena casa de sua moradia.
~ lobllla
Alugam-se mobilias : no ateo do Terco nume-
ro 42.
Jonia.es para ciuliruiho.
Comprase na fabrica de cigarros antiga ra dos
Quarteis de Pulicia n. 21, paga-se bem.
VENDAS.
s
ALMANAK.
Acaba de sahir dos pre-
los de nossa typographia o
j-.imaiiak Administrativo ,
: Mercantil e Industrial desta
'provincia, correcto at 31
gffiSHMMMSf-aKS e dezembro, e vendo se a
Consnllori medico-cirurgico na ra larga do \ i a i / o
Rosarioi 20. 1#; na livraria ns. 6 e8
O Dr. Joo Ferreira da Silva regressando sua Jfl nrfl/n An Tnrlanon flan Pin
casa, contiua em o exercicio de sua profisso, ua Luaya lia mutJPiiUUblu.
0 CASTELLO DE GRASVILLE
Tradnzido do francez por A. J. C. da Crnz.
DENTISTA DE PARS
19Ra Nova-19 g
Frederico Gautier, cirurgio dentist i
faz todas as operacSes de sua arte, e col- |
loca denles artiflciaes, tudo com supe-
rioridade e perfeicao, que as pessoas en-
tendidas lhe reconbecem.
Tem agua e pos dentificio.
nao
gica
s na parte medica como tambera na cirur-
Paulo j
nume-
Depesito geni do rap prinreza Gasse e
Cordeiro nesia provincia, rna da Cruz
re 1S.
Jos Joaquim 1.1 na Rairao, recebedor do rap
priucezaGasse rio, meio grosso e gros-o, Paulo
Cordeiro, dito meio grosso e viajado, qualidades
estas que tem nesla provincia obtido grande ere-
dito pela sua excellente fabricagao, e materia prl- i
roa de que c.mposto ; iste> o atiesta a innmera
extraeco que elle tem tido, e a condecorado que [
obteve'na exposigo nacional, cuja medalha vem
gravada nos rtulos dos mesmos botes, leem elle'
de mais a vantagem de nao terir o nariz. Tam-1
Vende-se este bello romance em quatro
tomos pelo baratsimo preco de 20500 :
na praca da Independencia, livraria ns.
Ce 8.
Barato
Vende se um excellente sillo na Capunga Velha,
com urna excellente rasa de pedra e cal para fa-
milia, concertada de novo, e est caiada e piolada
bem vende-se o rap denominado Aroarilllnho que tambem de novo, coutm 3 salas e 6 quartos, co-
na Baha goza do grande aceitacao. 0 deposito nha fra, easa para escravos, dita para feitor,
acha-se sempre supprido
dades.
de todas estas qu:li-
cocheira, estribaria^tajnujienara banho, dito para
Uvar roupa, terrena proprf), vivciro com peixe
e rio, baixa de oapim e muitas fructeiras, com 2oO
ps de larangeiras de diversas qualidades, sapolis,
goiabeiras, abacate, mangueira?, cbaqueiras, co-
_[_____i------------------------------------------tendentes quf tram dirigir-se aquello lugar para
Na roa do Imperador n. 27, defronte da Or- examinar o dito sitio, que s com a vista flearo
dem Terceira de S Francisco, precisase de uro, satisfeilos : a tratar na Capunga iva, no entrar
Saques sobre Lisboa.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, saccam so-
cosinheiro ou coslnheira de bons costumes, livreou
escrava.________________________________
- Aluga-se a loja da casa n. 59 da ra Augus-
ta ; quem pretender dirjase a mesma casa cima
que achara com que tratar. *
~Auga-se urna ama psra engommar e cozi-
nhar : na ra Aogasta, loja n. 33, sendo casa de
familia.
da mesma ao lado esquerdo, passando o primeiro
porto, no segundo, que achara com'quem tratar
este negocio.
Boliaasdo fabricaste Jtly para
senhora
Vende-se na ra larga do Rosario n. 21 pelo ba-
ratsimo preco de 4000 o par.
Loja de miudezas fina
16 -ra d<> Oueimado16
i:nfcites a Mara Pa.
Recebeu-se pelo ultimo vapor francez o qne ha
de mais moderno e elegante eraenfeites de caneca
a Maria Pia, to variado o sorlimento de cada
quai o mais bonito, que o fiegoez munido de co-
bres Picar satisfeito nao s na qualidade da fazen-
da romo no seu baralissimo preco, a 21500, 31.
31500, 41, 51, 61 e 71.
lili vas de loiiv in.
Aeabam de chegar pelo vapor francez Guienne,
as legitimas luvas de Jouvn, pretas, brancas e de
cores, para homens e seahoras, a 2#500 o par.
Fitas.
Riquisslmas fitas de grosdenaples lavrados con
bonitos desenhos e cores para lacos e sintos, con
I 'i,eo dedos de largura, pelo baratissirao pre-
co de 960,11280 e 1600.
Ditas ditas de sarja lisa, de todas as cores, de
1 1/2, 2, 2 1/2,4 e 5 dedos de largura, a 320, 480,
640, 11280 e 11600 a vara.
Ditas ditas de gorguro preto e de cores, para
sintos, a 800 ris a vara.
Ronitas fitas de todas as cores com 8 varas, mui-
to eslreitinhas para enfeilar touquinhas de crian-
cas, a 500 ris a peca.
FIVELLAS E SINTOS.
Riquissimas fivellas de laiUruga muito grandes
para sintos, a 51.
Ditas ditas de um e dous botoes com lindissimas
pedritihas Ongindo brilhantes, a IJJ900 e 2.
Sintos de velludo preto, a 41.
Ditos de seda muilo largos com fivellas muito
largas, a & e 6$.
Ditos ditos de galo e fivellas de pedrinhas, a
2*000.
Cascarrilhas.
Pegas de cascarrilhas de la eslreitinhas diver-
sas cores, a 500 ris.
Dilas de ditas dita mais larga, a 1*.
Ditas de dilas de seda eslreilinha a 960 rs.
Dilas de dilas dita mais larga, a 1*500 e 1*800.
Dilas de dilas dita em doas cores e de diversas
cores, a 1*500 e 1?800.
Voltas a Haria Pia.
Voltas pretas grandes a Maria Pia, a 1*600.
Ditas de aljofares de todas as cures, com cruz e
passador de 1, 2 e 3 voltas, a 2*, 4* e 5*.
Ditas de conlas grandes de coral, a 4*500 e
6*500.
Pulseiras de aljofares de todas as cores, com pas-
sador e borllas, de i, 2 e 3 voltas, a 1*280, 1*600.
2* e 3*.
Ditas de conlas grandes de coral, a 4* e o*.
Bonitos brincos de aljofares de (odas as cores a
balo, a 640 ris.
Bonitos alfinetes de peito com aljofares de cons,
a i*, 1*280 e 1*600.
Albnus.
Bonitos albuns de velludo cora guarnicoes
metal para 50 retratos, a 5*.
Ditos dito de velludo para 100 ditos, a 8*.
Ditos de marroquim para 12 ditos, a 15600.
Ditos idem melhores para 12 ditos, a 1*800.
Ditos idem para 20 dilos, a 1*800.
Ditos idem melhores para 20 ditos, a 2*.
Dilos dem para 50 ditos, a 3*.
Ditos idem para 100 ditos, a o*.
Ditos idem de l-oa cncadernac para 100 ditos,
a l*, 10* e 2(>, estes albuns vendem-so por mui-
to menos do seu v quanlidade.
Peunas com Meo de diamante.
Elegantes pennas de prata com bico de diaman-
te que duram loda a vida de urna pessoa, com ca-
etas de marlim e madreperola, sao as melhores
pennas que tem apparecido, vendem-se pelo di-
minuto preco de 5* e 6*.
Caixinhas de pennas de langa frescas, a 640 rs.
Dilas de ditas caligragraphicas, a l*280e 1*600.
Caixinhas com 100 envelopes, a 500 rs.
Caixinhas de papel de cor, a 500 rs.
Caixinhas de papel azul pautado, a 560 rs.
Caixinhas de papei amizade Lranjo pautado, a
640 rs.
Pacotes de papel da beira dourada, a 700 e 80O
ris.
BICOS DE SEDA PRETOS
dos rais bonitos gosios que se pode desejar, desde
1 dedo at 4 dedos de largura, vende-se pelo dimi-
nuto prego de 120, ISO, 240,400 e 600 rs. a vara,
sendo este preeo a metade lo seu valor.
VARIOS OBJECTOS.
Vara de bico prelo de linho, a 100, 120, 160,
200, 240 e 320 rs.
Vara de labyrintos de chrox desde 3 dedos at
um palmo de largura, a 240, 400, 640, 860 e i*.
Filas o conloes para esparlilhos. 60 e 120 rs.
Grvalas de ponas bordadas para senhora, a 1*.
Ditas ditas de blende matisadas, a 1*600.
Touquinhas de blonde enfeltadns, a 1*500 e 2*.
Sapalmhos de merino bordados para baptisado, a
1*506e2*.
Sapalinhos de selin idem, a 2*.
Escovas para denles, 160,320 e 480 r..
Ditas para calcado, a 200 e 240 rs.
Ditas para roupa, a 800 rs.
Ditas para cabello, 64, <*e 1*400.
Ditas para unhas, a 640 rs.
Varas de fita de velludo desde a mais estreiti-
nha al 4 dedos de largura, a 100, 160, 240, 320,
400, 500, 640, 800 e 1*.
Bonitos chapeos enfeitados para changas, a 4*.
Varas de Otas de la para debrum, a 160 rs.
Pegas de titas branca para debrum, a 320 rs.
Frascos de oleo de babosa, a 400 e 500 rs.
Ditos de dito de mauzenha, a 500 rs.
Ditos de agoa da cetonia, a 400, 500 e 1?.
Ditos de dito de maueuha, a 400 rs.
Garrafas grandes de dita, a 800 e 1*600.
Frasquinhos de essencia de sndalo, le500.
Dilos de extractos, a 320, 500, 800, 1* e 1*500.
Cesiinhas com quatro frasquinhos de dito, a i*.
Duzias de facas e garfos de balanoa, de fc> a
6:500.
Duzias de dilas dita de sobremesa, a 5*500.
Duzias de colheres de melal do principe para
cha e para sopa, a 1*500 e 3#.
Colheres de concha para sopa, a 2$.
Faca e garfo trinchantes, a 1*600.
f- '
Vende-se urna excellente escrava mulala>
idade 20 annos, sabe bem coser e engommar e
todo mais servce interno de urna cafa, com urna
cria de um anno de Idade : quem a pretender di-
rija-se a roa do Hospicio n. 29. ,
Feijo
Vendem-se saceos cora,22 cuias de fejio rajado
do Porto por 11*, em curas a 820 : na ra Drrei-
a n.8. '7
Vende-se um alambique de cobre quasi no-
vo, que distila por dia 80 a 100 caadas de agur-
dente, com todos os vasas o mais accessorios para
funcc'onar, inclusive 50 ancoras para conduegao
de mel e agurdente. Ha mais um apnarelho 4e
cobre completo para distilar por dia 100 a480 ca-
oadas de ale ral, sendo a serpentina de estanto, as
brides e parafusos de brome, lodo Anmente em
perfeito estado e de solida construroo, vede-se
por prego muilo commodo : no largo do Carmo n.
1, se dir quera vende.



v



Diario de Peruainbuco Habitado 99 de Janeiro de 185.
....... ________.__________________________
J
NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaram es modernos vestidos de dentelle de seda com barra, inteiramenta novos
em gosto e qualidade : loja das columnas, na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia
de Vasconcelos k C, successores de Jos Moreira Lopes.
Fazendas de bom gosto
Para vestidos di scnhora
Superiores cortes de seda de cor, de morante, de gorgurao e de selira imperial.
Ditos de blond, e de cambria branca bordados.
Ditos de laa com barra e grande variedade em cores e adrees.
Ditos de organdys com barra
Liadas sedas de qnadros eseosstza e miudas.
Superiores laas lisas com grande variedade de cores.
Ditas com salpicos, com flores e de qnadros.
Lindas parapolinas de qnadros e de flore?, fazenda inteiramente nova.
Superiores cassas de cores, e lindas cambraias organdys.
Grande variedade de cbita de cores, de percalia e ontras muitas fazendas de gosto.
Para hombros de senhora
Lindas capas e bournoux de easemira de cor.
Ditas de laa e de seda.
- Grande variedade de sout'embarques de seda de 185 a 40,8.
Manteletes de seda.
Superiores basqninas.
Superiores chales de seda, de merino eslampados Baos, de cachimira com Ustras de
seda e de fil preto.
Camiziohas modernas, zuavos brancos e de cores, rolletes de cambraia, lindas gol-
hnhas com pnnbos e outros muitos artigos.
Para cabeca de senhora e menino
Superiores chapeos e cbapellinas de palba de Italia enfeitadas para senhora.
Ditos de feltro enfeitados para senhora.
Ditos de palha enfeitados para menino.
Grande sortiraeuto de enfeites modernos de. retroz, de froco, de cabello e de flores
para senhora. '
Na leja das columnas da ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vasconcel-
10* A C
WAZEM COfVSESIVATI
23-Largo do Terco-23.
Joaquim Simi dos Santos, dono deste bem sonido armazem de molhados faz sclente
erag
Grande liquidado.
lina da Imperatriz n
Loja de fazendas do pavao de Gama 4 Silva
Aciia-se este eslabalecimento completamente
sonido de fazendas inglesas, fraacezas, allemaas e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
mato, prometiendo vender-se maii barato do que
em outra qualquer parte, principalmente sendo em
porcao, e de todas as fazendas do-se amostras,
deixando ticar penbor. ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caizeiros da Joje do Pavao.
Vestidos soutambarqne.
Pelo ultimo vapor francez cnegaramriquissimos
vestidos soutambarqae, os mais modernos que
Oeste mercado tem apparecdo, os quaes eslo
promptes com saia, corpinho e sen competente
soutambarque, indo guarnecido deeda, veludo e
renda. Quem tiver bom gosto dlrija-se loja do
Pavao, na ra da Imperatriz n. 60.
AOS TRES MIL VESTI-
DOS.
Na loja do PavSo, a 31 U
e .7,5(000.
Vendem-se lindissimos cortes de vestidos india-
nos, sendo todos bordados e de Ustras de cores e
brancas,proprios para casamento, pelo baratissi-
mo prego de 3 cada corte por se ter comprado
urna grande porcao, sendo razenda qne vale 65,
ditos a Mana Pa, tendo quatro pannos, fazenda
para o corpo com os competentes enfeites para o
mesmo, pelo baratissimo prego de 4 cada nm,
ditos de todas as cores com as fcarras bordadas a
croxe, sendo cada nm em sen crto, lendo cada
um iodos os enfeites precisos,.pelo baratissimo
prego de 75 cada um, ditos com babados mnito bo-
nitos, mas sem ser em rarlio, pelo diminuto pre-
go de 5300 cada nm; adverlindo-se que os donos
da loja do pavao vendem estes venidos por tio di-
minuto prego por terem comprado urna grande
quantidade e conyirlhe liquida;rera logo, na sua
loja, rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva
Aos vinte mil covados de la
rande pechlncha. a 40
e 3tO ral
vendem-se as mais bonitas laazinhas transpa-
rentes, sendo ccm llslras e quadrinhos miudinhos.
e lisas, tendo de todas as cores, issim tomo pretas
e rozas para luto, pelo laratissriio prego de 240 o
covado,ditas transparentes com palminbasde seda
a Mara Pia, tendo de todas as tores, e tambem
algumas proprias para luto, pelo; barato prego de
d-u cada covado, isto por haver lima grande por-
cao : Ba ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva. !
Itlilf
RA DO QUEIMADO IV. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
reeommeodago aos seus amigos, freguezes e a todos em geral, que esta resolvido a vender os i
bera coohec.dos gneros de primeira qualidade.por menos de 10 a 20 por cento, menos doqueem nu-
tra qualquer parte a dioheiro contado.e todo o comprador que comprar de 5C
>queemou
a 10 por cento pelo seu promp'to pagam7nTor";Tpor i7sTe'faz' a"nnndo SiSn^eMros"
este melhor se certificaren]. 8 rucios.
para com
Massas para sopa macarro, talharim e aletria a
210 rs. a libra e em caixa a i>S>.
feucinho de Lisboa alvo muito superior a 280 rs
a libra e 85800 a arroba.
Oaf do Rio de primeira e segunda sorte a 260,280
e 300 rs. a libra e a arroba ou sacco a 8 e
85500.
Chourigas as mais novas do mercado a 360 rs. a
libra e em barril a 125.
Passas viadas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
e a caixa a 85.
Batatas era gigos de 35 a 40 libras por 25400 a ar.
robae a 80 rs. a libra.
Cb hysson miudinho supe-ior lualidade a 13200,
25000, 25500 e 33 a libra.
Vinho de Figueira, Porto e Lisboa em pipa a 560,
300, 400 e 640 rs. a garrafa,
dem proprio para negocio a 320 e 360 a garrafa
e a caada a 25400 e 25700.
Milho alpista e paingo muito limpo a 140 rs. a li-
bra e a arroba a 45400 e 4J200.
Phosphros do gaz vindos por conta propria a 180
rs. o mago e a 2$ a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o pa-
llo a 2*800 e a caada a 45500. 8
Serveja das mareas mais acreditadas a 500 rs a
garrafa e a duzia a 55800.
Figos de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
em barril ou caixa se far abatimento.
Arroz do Maranhao e Java a 100 e 80 rs a libra
e a arroba a 2580, 25e 25400.
Assim como ha um grande sortimento de charu-
tos e genebra de Hollanda, tanto em frascos como
em botijas, bolachinhas de soda, conservas.choco-
late, marmelada, vinho engarrafado e outros mui-
tos gneros que cnfadonho menciona-los, e se al-
guem duvidarvenha ver.
JOS G03IES VILLAR
Com loja de fazendas ra do Crespo n,
dam-se amos-
pelo baratissl-
roa da Impe-
17.
Pretendendo Ir muito breve a Europa tratar de sua sande, pede aos seus devedores
tanto do mato como desta praga qne saldem seus dbitos quanto antes, e
Protejam Excdlentissimas senhoras a esse impor-
tante estabelecimento.
Fazendas muito proprias para a quaresma, grs preto, moreantlques, cortes de se-
das pretas, capas pretas, casaeoes, soulembarques, chapeos de palha, chapelinas de palha.
Bournus pretos de renda
o que de mais bello e nnis importante para os hombros de urna Exrellentis*ima senho-
ra, assim como chales de renda de apurados gostos, camisinhas bordadas.
FRANCISCO J. GERMANN
SI RA MOVA W4 *1
Acaba de receber um magnifico e completo sortimento dos objectos que de melho quali^a
ntrar em urna relojoaria, taes como : chronometros martimos ,
dourados e foliados, ditos para mesa
Latas e copos com banha fina.
A aguia branca, na rna do Que mado u. 8, rece-
beu esta estimada banha fina emhtas e copos, isso
alem de outras em diverses frascts.
Asmodirnissimas lazinhis de ama so
cor, a imitaco de grgara, ven-
de o pYa.
Chegaram pelo ultimo vapor ttancez as mais
modernas laazinhas de cordaozinbd, as mais pro-
prias e mais lindas que tem vindq1, proprias para
vestidos, soutambarques, capas, ele
tras teixando penhor, e vendem-se
mo prego de 560 rs. o covado : n;
ratruD. 60, loja de Gama e Silva.
As laazinhas do Fitso.
ips hA/reiaaz,n,has de luadrlnllos transparen-
tes, boa fazenda, pelo prego de 280 rs. o rovado
ditas largas mullo finas a V400 rs., Las estampa-'
das, cor segura, padrees m.udos ^grandes a 320
rs. o covado, ditas transparentes um Dalminhas
de seda a 400 rs., ditas escomas a fM T,o to-
do para liquidar : na loja e arma 'ern do' Pavao
ra da Imperatriz n. 60. '
Os grosdenaples do PaiSo.
Vend.e.1!;ie erosdenaP,es Prfl0-S fanela supe-
rior a 15600 rs. o covado, ditos largos muito en-
corpados a 25400, 25600, 258C0 e 3C()0. ditos
brancos, cor de rosa, azul e amarello a 25000 r.s
o covado : na loja de Gaira 4 Silva;, denominada
do Pavao, ra da Imperaniz d. 60.
As novas las ^ribaldinas a SOO rs.,
na 'oja doPa^o.
NOV1BADE
es
nal rmriA n rSoL?.^n m- acabam,de ^nr na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Coirmer.
^J^Si ^i^yjjy^jy0^*1^ ^Pre m completo sorlimento dos melhores gneros que ven. ao nosso merrado i
S^bSilSSuFSSi mU,t reiumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo ineRcior.cda; garaaS-se obci
peso e Doa quandade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, india e Java a 60, 80 e
100 rs. a libra, e 08OO, 20600 e 30OOO
a arroba.
Allrtg5. francezasem latas e em frascos a
2500 6i&00' e em bascos grandes a
dem em cauinhas elegantemente enfeitadas
cono ricas estambas no interior das caixas
al 200, i 400, 1*600 6 89.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 4*600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Ararula verdadeira dematarana a 320 rs. a
libra.
Avell3as muile grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de
1*300 rs.
diversas marcas a
Bolachinhas de soda,latasgrandes-a 2*rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 3*000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cb hysson, huchin e pero a 1*600, 2*,
2500, 2*800 e 39000 a libra,
dem pretomuito superior a 2*000 a libra.
Ceneja preta ebranca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 5*800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 780 rs.
dem, so de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 1*800,
!tt' m- 2*500> 24800, 3*000 e
3*500 a caixa.
Caf do Bio muito superior a 280 e 320
re. a libra e8*500 a :8*800 rs. a arroba.
cartoes de bolmhos francezes muito novos e
nenr muito enfeitados a 700 e 600 rs.
Chourieas e paios muito novos a 800 rs a
iiora.
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra.
Paincoa 200rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640 rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 2*800
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor a
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a
cada"um.
Sardinlias de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 6( 0
libra.
Eigos em caixinhas emticamente lacradas
a 1*600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira. D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocage Cbamisso e outros a 800, 900 e
Cevadinha de Franca muito superior'a 220
rs. a libra.
Gevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Figos de comadre e do Douro em caixinhas
de oilo libras e canastrinhas de 1 arroba a
1*800, 5*500 e 280 rs. a libra.
Farinha do Maranhao a ICO rs. a libra.
600 rs 'dem de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Holanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 6*200 a frasqueira.
dem em garrafes de 3 e 5 gales a 5500
e 7*5(0 cada um com o garrafSo.
Graixa a 100 rs. a lata e 1*100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, qualidade especial em garrafas muite
grandes, a 1*800 a garrafa.
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de
vidro, a 1^000, s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da-
de segunda qualidade a 800 rs.
1*000 a garrafa, e em caixa com urna du- dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
zia a 9000 e 10*000. dem de tempero a 400 rs.
dem em pipa. Porto, Lisboa e Figueira a Maca de tomates embarrila 480 rs. a libra.
480, 500e 560 rs. a garrafa e 3*, 3*500 dem em lata a 640 rs.
e 4* a caada, Marmelada imperial dos roelhores conservei-
Idem branco de Lisboa muito fino a 500 rs. ros de Lisboa a 60< rs. a lata.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 7*000 a 7*500 rs.
a duzia.
dem Morgauxe Chateaulumini de i854, a 1*
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
1*200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a l#800rs.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes,
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Macas finas para sopa: estrellinha, pevide,
rodinha e. altria a C00 rs. a libra e a 4*
a caixinhacom 12 libras.
Nezes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixt em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 1* a lata,
I Paliins de dentes a 100 rs. o mace.
Alm dos gneros cima mencionados te- dem de dentes a 120 rs.
mos grande porcao de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudoser vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. a libra.
peoas e carnadas, tanto em porcoes como Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
retalho- 2* e em caix5o a 640 rs.
Quem comprar de 100,5000 para cima te- Palitos do gaz a 22P0 a groza.
r o abate de 5 por cento. Passas mnito novas a 480 rs. a libra.
Frascos com gomma arbica
dissolvida e pincel.
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loia da
Vrndem-se as mais modernas laazinhasgaribal- aguja hranca.
amas, fazenda inteiramente nova no mercado, sen-
do todas com lislras miudinhas, e transparentes
com lustro a imltaao das sedmbas, Undo varias'
cores, sendo azul, cor de lirio, rarmezim, cinzenta
e cor de havana, etc.; isto a 500 rs.
vender depres^a: i
rador n. 60 de Ga
Ni vos albuns.
A agoiabranca acaba de receber outra encom-
menda de bonitos e bem encadernados albuns de
RIVAL SEM SEGUNDO
Kua do yueimado ns. 49 e 55, loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia est continuando a
vender muito barato, pois seu genio dar a fazen
da por todo preco a vista dos cobres.
Cartas de alnetes francezes da melbor qualidade
a 80 rs. "
Grosasde pennas de ac inglezas da melhor qua
Hdade
etc.; isto a 500 rs. o covado para de vellrin m hZZZTT! Udade a 64 ".
&*#?*rua dlpe-; ^ ^coiT^i v.-.1!^ i wsfsrfrancezes de snperiores *
Os mais maderiM vestidos Mara Pa,. 2^^^. MaSdTTa'
de encontrar em urna relojoaria, taes como : chronometros martimos e de algibeira, relogios de ouro
ani^Btfka . prata, dourados e fallados, ditos para mesa e de parede, rrancezes, suissos, allemaes e americano
reguladores de compensado, relogios grandes com msica e sem ella, dito de sol montados com ecas
para disparar em certas horas, despertadores de diversos tamanhos, caixas com msicas leual orti
ment de oculos e lunetas de ouro e prata dourada e tartaruga, bfalo, ac, e varios metae* orlnV
lunetas especiaes para senhoras, de ultimo gosto, ditos proprios para os que .ofTrem de infa'mmif'Ll
nos olhos, labricados segundo os preceitos dos mais acreditados mdicos da Europa e igualmente ns l
Pernambuco, os quaes s se vendem por consulta dos mdicos, vldros de crystal branco e de pC
oculos de alcance para o mar e outros proprios.para observares astronmicas, olanles _e sextantes'
binculos para theatro, para mar e para campo, microscopios e meridiano universal barmetro ter'
mometros, caixas de instrumentos mathematicos, correntes e chaves, sinetes e trancelins de ouro don
rados e foleadas, tudo dos melhores fabricantes. Encarrega-se de qualquer concert e encommenda dos
objectos mencionados, e responsabilisa-se durante um anno por qualquer reloeio vendido n ,i
eito, era seu estabelecimento e veade por menos que pode fazer ontro qualquer.
ou concert
Cassas para vestidos.
Tal pechincha s a dinheiro se pode vender.
. a *ipr'meA *SSa,S francezas de ?res mind,BhM quadros, lisas, ederamagens, com grande
variedade de padrSes, fazenda qne se tem sempre vendido a 800 rs. a vara, pelo baratissimo preco de
300 rs. o covado : na loja das columnas da rua do Crespo n. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos
ft i.omp.
BOTICA E DROGARA
Bartiioleueu Fraacssco de Soaza C.
31Rua larga i* R#sario31
Vendem:
Pillas Holloway.
Pillas do Or. Laville.
Plalas do Dr. Alian.
Plalas do Pobre- hornero. '
Plalas americanas.
Plalas vegetaes.
Plalas vegetaes assacaradas de Kemp.
salsa de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Griraaalt.
Vinli'i de SalsaparrilbadeCh Aiberl.
Injecci* Feaugas.
Agua denliiea de Dasirabode.
Papel cbimieo, para~talhos.
Xarope depurativo de Chante.
Licor aromtico de Raspail.
Pos anti-epileticos de Brest.
Rob L'Affecteur.
.Tarop do Bosque.
Ungento Holloway.
" DROGARA.
34Bu '.larga do Rosario34
Barlkolomeu Fraocisro de Saoza k G.
Vendem:
Acido actico puro para retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar rasa?.
Guarnicoes avelludadas.
Tinta branca superior em lata.
Al vaiade Veneza, fino, em nae*.
' RAPE'
Duarle, Perejra 4 C. continam a vender o afa-
mado e freseo rap Princeza de Petropoles em leu
grande armaiamde louca e vid* : i rna 4o
Crespo n. 16.
Miho novo en saceos grandes : no trapiche
de Cunta, a tratar com Tasso Irmao?.
COMPENDIO D0L0E0S0
qoe coatm o officio do Nossa Senhora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
ra, um setenario e mais outros exerci-
cios de piedade e devoo; ordenado pe-
la irmanlade dos servos da mesma Se-
nhora que se acha erecta na egreja de N.
S. da Peona do imperial hospicio dos re-
verendos padres missionarios apostlicos
capuchinhos italianos de Pernambuco,
approvado por S. M. I., que Deus guarde;
dado luz por devoeJo do muito reve-
rendo padre Fr. Placido deMi'sin.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
dm liqnldo. candielroa e seua
pertences.
No deposito do mesmo, na rna da Cruz n. 38,
yende-se gaz o mais apurado, em latas de 5, e
1 olao, assim como em garrafas; tem tambem
venda candieiros para e dito, de diversas qualida-
des, e pertences para os mesmos,avolsos,das mais
pequeas s maiores dimensOes, tudo por precos
commodos.
na loja do fa*3a, a 1f$
Vendem-se finissimos vestidos Maria Pia com
os corpinhos differentes, tendo todos os preparse
com o competento sinto : na rua dailmperatriz n.
60, loja do Pavao.
< amisiulias a 1$Oo'
Vendem-se camisinhas com manguitos, sendo
mnito bem enfeitadas. proprias paia senhoras e
meninas, pelo barato preco de dez tnsloes cada
urna : na loja do Pavao, rua da. Iraperafriz n.60,
de Gama & Silva.
Vestidos para meninas.
Vendem-se s mais modernos vesiidinhos
para
meninas, sendo muito bem eneitade a Maria Pia,
barato prego
ma dalmpe-
tendo de differantes tamanhos, pelo
de 8i cada nm : na loja do Pavae,
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
a feita barata.
Vende-se um grande sorlimento de roupa feita
para bomens, sendo caigas de bnm branca a de
cor, ditas de easemira preta e de co es, ditas de
meia easemira, paletots saceos e sob -ecasacos de
easemira e panno preto tino, collete i de todas as
qualidades-: na loia do Pavo, rua la Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Grosdenapledecor a t600 o ovado.
Vende-se grosdenaple de cor azul, 1 raneo e pre-
to, pelo barato prego de i600 o covado : na loja
do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama <&
Silva.
Panno de linhe a 700 rs. o eivado.
o tamanho dos- retratos, continuando a serem ven-
didosi por precos commedos: na rua do Queimado
loja daaguia branca n. 8.
Galanteras para fes tas
A aguia branca nao cessa de eucoromendar do
que ha de melhor e mais agradavel, e por issoaca-
ba de receber diversas figuras e vasos de pede
pedracom fina banba, assim como bonitos frascos
de excellentes extractos e lindas calimbas de ma-
deira envernisada com finas perfumaras, tudo
tusties cada mui proprio para presentes de festas ele, havendo
dinheiro dirija-seo pretndeme a ruado Queima-
do n. 8, loja da aguia branca.
A ni l
mbo proprio
barato prego
rua da Im-
do retalhos
erjfto.
9- Rna da Madre de Dcos--9
Vende-se fejao mnlatinho novo, saceos de 22
cnias, o mais novo qne se pode desejar, e mais
barato do que em outra qualquer parte. ,
Vendem-se alguidares vidrados e quartinhae
em porgao e a retalho por prego muito barato s
na ma da Senzala Velha n. 120. ____________
Vende-se e alaga-se em porgSo e a retalho
chas de Ifamburgo de superior qualidade por
menos do que em outra qualquer parte : na rua
do Vigarie ns. 8 e 13.
Vende-se o verdadeiro panno de
para lenges, toalhas e eeroulas, pelo
de 700 rs. a vara : na loja do Pavao,
peratriz n. 66, de Gama & Silva.
Economa de Pavie.
Vende-se para acabar, ama pergao
delaas e cassas de todas as qualidade e por pre-
cos muito em conla; quem tem economa que
pode apreciar : isto na leja do Pavaoj rua da Im-
peratriz n. 60, de Garr- & Silva,
Madapoln a 70000, s na leja de Psvie.
Vende-se superior madapolao muito encornado
tendo 20 varas cada peca.com 4 palmos de larga-
ra pelo baratissimo prego de 7000 pega, ditos
rautp finos a 85, 95 e 105000. E' pe chincha, na
loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cortes de eassa a 3|$000,
Vendem-se mnito bonitos cortes de cassa, tendo
7 varas cada corte, com desenhos muil o delicados
pelo baratissimo prego de 35000 o cine; s na
loja do Pavao, ruada Impetatrlz n. 60, < e Gama &
Silva.
Corles de cbita franeeza.
Vendem-se finissimos corte de chita fran-
eeza,'com 12 covados, tendo, padrSes escaros e
alegres de cores Gxas pelo baratissimo prego de
45OOO o corte; s na loja do Pavo rna da Impe-
ratriz n. 60 de Gama <& Silva.
Cambraias lisas, na leja de Pari.
Vendem-se pegas de cambraia lisa muito fina,
tapada e transparente, pelo baratissimoj prego de
45000 tendo 8 1/2 varas cada pega, ditas muito fi-
nas a 75, 85, e 95 a pega, ditas Victoria com 10
varas pelo baratissimo prego de 75, 95 c 105, di-
tas Garrazes fazenda maito encorpada.fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara an 25600 a peca
isto na loia do Pavo, roa da Imperatrfz a. 60," de
Gama & Silva.
CertM de lia a 45000.
Vendem-se cortes de las garibaldfnas, malisa-
das e de quadrinhos, tendo 1-2 covados cada corte
pelo baratissimo prego de 45000 o corte: isto na
loja de Pavo, roa da imperatriz d. 90 de Gama &
Silva.
fino para engom-
mado
A aguia branca na rua do Queimade n. 8, rece-
beu glbulos de ail fino e frasquinhos com es-
sencia de dito para engommados.
Outros enfeites.
A aguia branca acaba de receber por este ulti-
mo vapor um novo sortimento de bonitos e delica-
dos enfeites de moldes inteiramente novos e de an
apurado gosto, assim pois comparegam os preten-
dentes munidos dedinheiroe com disposigao de
gastar: na loja da aguia branca rua do Queima-
do n. 8.
Pequeos pentes de tar-
taruga.
A agnla branca na rna do Queimado n. 8, rece-
cebennovamenteesses peqaenoe pentes de tarta-
ruga que por suas qualidades de pequeos, lisos,
bonitos e bem feiles tantaestiraa tem merecido pa-
ra as senhoras segurar o cabello quando atado ; a
aguia branca porm avisa aquellas pessoas qne os
haviam encommendado e a quem mais quejra
aproveitar aoccasio de os comprar continuando
a serem vendidos pelo mesmo preco de 49 cada
um.
Estando brancos ficam pretos
O bom resaltado e o rpido effeito que produz
a tintura de okromacoma, e mesmo e'facillimo
modo de applicartem se tornado mui conhecido a
apreciada por todos que usam delta e per conse-
guate augmentado a extragao, pelo que a aguia
branca maudouvir mais o nove sortimento que
acaba de receber constando elle de
Caixas com cliroraapma para tingir os cabellos.
Frasees com colorieorM para lustrar ditos.
Ditos com hydrocaleihrichina para limpar ditos
Ditos com oryehromantina para limpar as nnbas
Sabonetes brancos para lavar os cabellos.
Pomada callicomiphila para dar eheiro aos di-
tos sem offender a preparagao feita.
Sapa tos de marroquim dou-
tihitdo para bailes.
Esses sapatosdo grande tom vendem-se nica-
mente amado Queimado loja da aguia braia n.
8 a 6a o par.
Meias finas para senhoras
gordas
. "endem-se na rua :1o Queimado loja da agnla
*>ranca n. 8. *
Esponjas finas pa^a rosto
Vetjdem-se na rna do Queimado loja da agoia
branca n. 8..
Grosas de botoes de madreperfla muito finos a5S(
e 640 ris.
Carreteis com 4 a o olavas de retroz preto fino a
640 rs.
Resmas de papel de peso liso muito superior
Gravatasda liga e de outras muitas qualidades a
600 rs.
Caivetes para penna com 3 folhas fazenda boa a
800 rs.
Duzia de botSes branco para casavenues de senho-
ra a 100 rs.
Pegas de fita de cs estreitas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Portuguez para os meninos a prende;
a lera 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a prer-
der a ler a 15000.
Caminas da doulnna cbrisla, finas e snperiores a
320 rs.
Pentes finos de marfim a 15000, 1*200 e 15500.
Pares de luvas de seda para homens e senhoras a
500 rs.
Gollinhas para senhora o melhor que ha a 320 e
500 rs.
Frascos com superiores banhas a 240, 320, 500 e
15000.
Livros que serve para assentar ronpa, pelo diminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cordfu 1 branco para espartilhes muito superior, 1
vara a 20 rs.
Carritis com iSO jardas de linha branca a 60
ris.
Cartoes com 200 jardas de linha branca garanti-
das a 60 rs.
Grosas de pennas de ago superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
lhas a 160 rs.
Pares de botSes de punho, oh que pecbincba a
120 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de beioes de longa prateado mnito fino a
160 rs. ..
Tesooras para costura superior qualidade a sw
ris.
Escovas para limpar dentes, snperiores a 200 rs.
Caixas com superiores phosphoros de seguranga a
160 r. u
Caixas com 100 envelopes o melhor que na a ow
ris.
Caixas com 20 quadernos de papel amizade, mnito
8noa600rs.
Quadernos de papel pequeo moiin fino a 2(
iACMMSliLPlfclV
de trabalhar nio para >
desearocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & 0.
odas
Estas ma: binas
podem dcscaregar
qualquer especie
de algodao sem
estragar o fie,
sendo bastante
duaspessoaspara
o trabalho; pode
descarogar urna
arroba de algo-
dao em carogo
em 40 minulos,
ou 18 arrobas
por diaou ar-
robas de algodao
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarogam 18 arrebas de algodo
limpo. por dia.
Os mesmos tem para vender um bellissirro va-
por que pode fazer mover seis dtstas machinas
mencionadas ; para o que convidase ?os Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n. 47.
Saunders Brothers k C.
X. II, praca do Corpo Mar ;<>
RECIFE.
Os nicos agentes neste paii.
RIVAL SEM SEGUND7
Rua do Queimado ns. 49 e 65 loja do Daraieiro-
conhecido j como tal, est dispondo da fazenda
por todo o preco para apurar dinheiro, quem qui-
zer venha ver e traga o cobre, e ver o segtiinte :
Baralhos de carias para voltarete muito
finas a............................. 206
Miadas de linha froxa para bordar a___ 20
Pares de sapatos de tranga de todos os
tamanhos e finos a................... <500
Cylindros para poda-
ra.
Na padaria da rna Direitan. 84 ha para vender
es ennhecidos e acreditados cylindros americanos
para trabalho de padaria ulllmamante chegado?. Nova o. 42.
Vinho da Hadeira e da Porto
Vende-seosnperior vinho da Madeira e do Por-
te, em caixas de urna e dnas dnzias : s na loja
do Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Roa da Scnzalla d. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhSes inglezes, candieiros e casti-
gaos bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e doos cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
Albuns
para 20 at 200 retratos, muito hons e por menos
prego que em ontra qnalqner parte: na rna do
Crespo n. 4.
Rna da Senzalla Nava a. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas dt
ferro coado libra a liOrs., idemdeLo1
Vfoor libra a 120 rs.
Vende-se machina para descarogar algodo
com motores para animaes : na rna da Senzala
Massos de superior grampes para cabelles
Duzias de palitos de gaz superiores a. ..
Libras de ara preta muito superior a...
Frascos de superior macag oleo a ....
Ditos de dito perola a.......r..........
Ditos de oleo de babosa mnito finos a 320
rs. e..........."....................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de banha muito fina a............
Ditos de cheiros muito finos para o prego
a ris.............................
Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
160, e............................
Novellos de linha com 400 jardas a......
Carritis de linha de cores com 200 jar-
das a.............................
Novellos de linha de gaz de todas as co-
res a .............................
Pegas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a.......................
Frascos de snperiores cheiros, peqnenos, a
Pares de ligas multo snperiores e bonitas
a ris..............................
Varas de bicos francezes, superiores a...
Opiata para dentes da melbor que ha a..
Frascos de agua para denles, superior a
tudo a......................*.....
Pegas de tranga prela liza muito fina a..
Caixas com 4 papis de apnlhas Victoria a
Varas de fita preta com'colxetes a..... .
Libras de laa sortida de todas as cores a
Donecos de choro muito bonitos a......
Canas de obreias de ma ssa mulo novas a
Varas de franja .branca e deires para
toalhas a............. .........
Frascos de oleo Philocomesciir.eri' r >...
Ditos com superior tinta a320 e........
Caixas de linha de ir*z com SO novellos a
Enfiadores para espartilho ..........
Dnzias de botoes encanudos para vest-
.m a.........>......................
30
200
100
100
20
500
400
640
600
400
80
- 00
30
240
200
400
40
15000
1500
60
200
40
65500
160
40
M
600
F oe
800
200





AURORA BRILHAMTE
GRANDES ARMAZENS
SK
MOLHADOS
Largo da Santa!
razns. 12 o 84,$ V1L1
iLeo.
M Largo da Santa?
$Cruzns. 12e84,j
^esquina da ra do]
sScebo.
;'C*^
O dono dos j muito acreditados armazens de molhados denominados Aurora
rilliante, acaba de receer de sua propria encoraraenda, muitos gneros delicados
proarios da presente esiagao, e tendo grande sorlimento comprado aqui,afianca que toaos
os seus gneros sao de I.* qualidade..
A seguinte tabella servir a todos de base para ajuste de contas aos por-
eohum armaajm vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
Brilhaate, j pelo grande sorlimento que tem, j mesmo por sen dono se achar encom-
mtao em sua saude e ter de vender um de seus armazens agora, e o outre na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveitar urna quadra destas para se comprar
barato."
Latas com 8 libras de cuouric.as muito novas,
a 7,5331).
Ditas grandes com peixe em postas inleiras,
mais de i2 qualidades, a 5000, 1,5^80 e
IfiiOO.
Ditas com ostras, excellente petlsce para fre-
gideira, a 720 rs.
Ditas com ervilhas novas, ensopadas, a
720 rs.
Ditas com favas, a 640 re.
Ditas com amellas a >$200, 1800 e 3*300.
Ditas com inaraiolada do afamado fabrican-
ente Abreu, a 8S0 rs.
Ditas do massa de tomate, a 500 rs.
Ditas com figos de comadre, novos, a 1*300,
2 e 2*300.
Bitasi'om bolachinhade soda muito novas, a
23900.
Ditas com biscoitinhos inglezes de muitas
qualidades, a 15M)0.
Ghocolale.
Chocolate superior muilo novo', a libra a
i*i00. '
Htcarrid telbarim e aletria amarella,a libra
a 489 rs.
Hito dito dila branca, a libra a 400 rs.
Caitas com estrelinha, pevide e outras mas-
sis, a caita 3*800;
Ditas ditaem libras a 640 re.
Sag, a libra a 30 rs.
Sovadinha para sopa a libra a 240 rs.
Srvillias secta*, a libra a ICO rs.
Ditas descascad, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
Farinlia de ara:uta verdadeira, a libra a
500 rs.
Arroz do Maranhao, em sarca a arroba a
2*400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 3*200 e a
liUra a 100 rs.
Toucinho de Lisboa a 95300 a arroba e a 320
rs. a libra.
Duo de -autos, a arroba 7*000 e a libra a
2G0 rs.
Molaos rom 123 sebolas grandes, a l*2S0.
M >- irda fraaeeza caixa com 2 duzas a
85000.
Frascos com mostarda preparada em vina-
gre, a 400 rs.
Ditas com -.onservas inglczas e francezas,
aGiOeSOOrs.
Ditos com sal refinado fino, a 640 e a 500
ri;.
Ditos com a verdadeira genebra de laranja
a 1-5200.
Ditos de 2 garrafas de Hollanda verdadeira,
1*00).
Ditos ds 1 garrafa de Hollanda verdadeira,
a 640-rs.
Botijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
Garrafes com 2 galoes com dita, a 6*000.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 65000. .
Vinho nvascatel de tetuba, a garrafa a
15)00.
Marrasquino verdadeiro, frascos a 800 rs.
e a 1*200.
Champagne, a duzia 20*000, e a garrafa a
25000.
Azeite refinado portuguez e francez, a gar-
rafa a 1*000.
Caixa de vinho Bordeanx muito superior, a
75,85, 95 e 105 a caixa.
Ditas com dito branco, a 7*000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a 20*. j .
Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
185000. ia_
Ditas com chamisco superior, a U0OUU.
Ditas com Porto velho e outras multas mar-
cas, a IttOOO.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a bl,
72 e 800 rs.
Dito de Lisboa mnito bem, a caada a
3*100, 3*300 e 4*000, e a garrafa a 500
e 560 rs. .
Dito da Pigueira, das seguales marca, (N.)
(I. k. A.) (J. L. G.-) (O. M.) a caada a
48300 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
que j est engarrafado e lacrado com <
rotlo do armazem.
Ditos de marcas mais deseonhecidas. a cana-
da a 3*300 e 4*000 e a garrafa a 480 e
520 rs.
Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garraa a
800 rs.
Vioho verde superior.
A caada a 3*500 e a garrafa a 480 rs.
Gemina.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se
engommar, a arroba a 3*000 e a libra
f 20 rs.
Sabao massa, a libra a 200,240 o 280 rs.
Farinha.
Saccas grandes com farinha de Goianna mui-
to nova, a 5*000.
Gafe.
Caf do Rio muio superior, a arroba a 8*,
8*300 e 9*000.
Ca.
Cha temos nestes gneros o raelhor possive!,
hyssoo, a libra a 2*600.
Ditoperola a 3*000.
Dito uxim a 2*700,
Dito hysson muilo fino a 2*800.
Dito redondo a 2*500.
Dito preto de primeira qualidade a2*o00.
Dito mais baixo a 2*000 e 1*600.
I'.rva mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espermaceti.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Paisas.
Caixas de 16 e 8 libra de passasnovas pro-
prlas para mimos a 4* e 2J500.
Noies.
Noies, a libra 160 rs e arroba a 4*000.
Aipista e paineo.
Aipista e painc/>,a arroba4*000 ea libra a
ICO rs.
Cartas.
Carlas finas para jogar, a duzia a 2*500.
Caslaahas.
Castanhas novas vindas neste vapor, a arro-
ba 4*000 e a libra 200 rs.
Azeitonas.
Barrts com azeitonas novas a 1*500
Manteiga.
Manteiga flor, a libra a 1*000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Ditafranceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a libra a
660 rs.
Ditapara tempero a 400 rs.
Queijos.
Queijos novos vindos neste vapor a 3*200 e
r 3*500.
Ditos londrinos muito novos, a libra a
. um
Papel.
Papel almajo pautado, a resma a 4*800
Dito dito lizo de linho, a resma a 4*500
Dito de peso lizo e pautado, a resma a
2*500
Dito de embrulho bom a 1* e 1*200.
Vinho Madeira.
Garrafas como verdadeiro vinho Xereze Ma-
deira a 1*500 e 2*. .
Temperos.
Folhas de louro, piroenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Araendoas.
Ameidoas com casca,a libra a 320 rs.
Daee.
'Caixoesdedocede goiaba, grandes a 1*400
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijetos de arear facas a 440 rs.
Grata.
Duzias de boiSes de graxa.a. 97 a 2*600, e
de latas a 1*000, e os beSes a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos fines.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Baha per diversos precos, caixas e meias
caixas.
E grande quantidade #de gneros tendentes
a estes estabeleeimentos, que deixaui de an-
nunciar-se. _"_ ~S'Z.^L
Diario de Pernaubuco '- Sabbado 18 Ae Janeiro de t OS
6
NEM COREAS NEM MURAS
ROPA FEITA
grande Armazem
BITA DO IMPERADOR 1. 10
Juito ao sebrade em qne mora e Sr. Osbtrie,
Daarte Almelda fc c... recebaratta de sna propria emeoammen-
da o mais lindo e variado sortimento de molhados, proprlos
da p resente estacSo.
Manteiga inglezji I Macas brancas
da safra nova vinda no ultimo vapor a 1,000 para sopa a melhor que se pode desojar
m
ABH1EB1
m

L>!
0 CORTE.
Pechiacha aem igual.
Lindos cortes para vestido de percaUs de c6re$
claras e escuras com grande variedad* de padroes
pelo baratsimo preco de A$ o corte : na laja das
ctdumnasrua do Crespo n. 13, de Antoftw Cor-
rcia de Vasconcellos A C
Pixe, pixe- '
d i melhor qufi tem vindo a este mercado, do rer-
ihdeiro da Snecia, e o mais barato, vndese no
armatem da bola amarella no nltao da secretaria
da polica, em barril ou a retalho.
\
rs. a libra eem barril a 8oo ra. ,
Manteiga franeei
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a 560 rs.
Amendoas
confeitatlas de lindissimas cores a $
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras iquido a
2^400, muito propios para
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cadaltrm.
Latas
com bolacliinbas de soda de todas as qua-
lidades a 14300.
Chocolates
de todas as qualidades a 1 #000 a libra.
Presuntos ingleze
dos melhores fabricantes a 800 rs./tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 2<$6o.
4tuei|os
ebegados no.uHimo vapor a 2#600 cadaum.
<|nei)o
londrino o m fresco qne se pode esperar
e de exceilante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Oonserras inglezas
as mais novas que se pode esperar a 700 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinbas ricamente douitadas,
1
soo.
ra a
rs. a
proprias p*ra mimos a 900
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que potro
qualquer n3o pode vender por mem de
U a 2^600.
dem perela
especial qualidade a 24700 rs. a libra
dem hysson
o mais aromatieo que tem vindo ao dosso
mercado a 24600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, taharim e ale
480rs. alibra.
COGVAC
o muito afamado cofnacPal Brand? a ,8oo
rs. a garrafa e d outras muitas qualida-
des a l,oofj e 8oo rs. a garrafa.
COPOS
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do rae-
lhor.
Papel de botica
de excelleule qualidade a 24200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulho de i,4oo a 2,2o
I
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podhn a 8oo is.a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l.ioo rs. alibra.
Viaagre
PRRem aacoretas de 9 caadas a i5,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais M?as do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l.ooo rs. o moldo.
Aipista o Paineo
o mais novo do mercado a 14o rs. a libra,
a 44490 a arroba.
CEBLAS
muito novas a 14000 ocento na ra do Que-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
CRO DE BIC0
muito novo a 34400 a arroba e 140 rs. a li-
bra na ra do Queimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
QUEIJO SUISSO
muito fresco a S00 rs. a libra na ra do
Queimado-a. 7, roa do Imperador n. 40 e
largo* do Carmo n. 9
rs. a resma.
macarrao, taharim e alerria a 400 rs. a
libra e 44500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
24800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado dos melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 14 e 14200
a garrafa e de 104 a 124 a caixa, as mar
cas sao asseguintes: Chamisso AFilho,
F. M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outrosjnuitoe.
Latas
com 10 libras de baaha a 44000.
Bolachinha ingleza
a 14800 a barrica damesmaque
vendem a 24000 e 24400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r* .al bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 44500 a 64500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 14500.
Arroz
do MaranhJo a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 24500 a 34000 a ar-
roba desses que vendem por 34400.
CAF
da 1.a e 2.1 sorte do Rio de Janeiro a 845f
e 84800 a arroba, e 280 a 300 rs. a'libr
Garrafos
com 4 V* garrafas com vinagro a 14000 asi
ogarrafo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 14000 o frasco, e de 114000
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollamia a 54800 com
12 frascos^
GENETTCA
de Hollanda verdadeira era frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
iam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto-deLamegoa 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e era caixa ter abat ment.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo k
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 54 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas muito novas
em quartos e inteiros a 24 o quarto e 64500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frotas eua calda
ebegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
a 600 e 14 o caixe.
GOMM MUITO NOVA
era paneiros de 1 e 2 arrobas a 34500 a ar-
roba e 140 rs. alibra na ra do Qoei-
mao n. 7, r ua do Imperador n. 40 e largo
do Carmo .i. 9
BOLACHINHAS
em latas de deferentes qualidades a 14200
a lata
QUEIJOS FLAMENGOS
chegadosneste ultimo vapor a 24800 na ra
do Queimado n. 7, ruado Imperadorn.
40 e largo do Carmo n. 9.
urntxmo fni.
Neste estabelecimento ha sempre um sormento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
304000
254000
74,
Casacas de panno preto, 354 e
Sobrecasacas idem, 304 e
Paletos idem e de cores, 254,
204, 154 e......104000
Ditos de casemira, 204, 154,
124, 104 e...... 74000
Ditos de alpaca, 54, 44 e
Ditos ditos pretos, 94,
54, 44 e......
Ditos de brim e ganga de co-
res, 44500, 44, 34500 e. .
Ditos branco de linho, 64,54 e
Ditos de merino preto de cor-
dio, 104, 74 e.....54000
Calcas de casemira preta, 124,
104,'84e......
Ditas de cores, 94, 84 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 54000 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 44500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 54, 44500, 44 e .
Ditas de ganga de cores, 34 e
Colletes de velludo preto e de
cores, 94 e......
Ditos de casemira preta, 54 e
Ditos de ditas de cores 54
44 e
34500
34500
34000
44000
74000
74000
44000
44000
24500
24500
74000
44000
34500
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
64 e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 64, 54 e
Golletes de fustab e brim bran-
co, 34500, 34 e .
Seroulas de brim de Dnho,
24400 e ......
Ditas de algodie, i600 e. .
Camisas de peitos de linho,
44, 34 e. .....
Ditas de maJapolo, 24500,
24e.....-. .
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 1*4, 94 e. .
Ditos defltro, 54, 44,34500 e
Ditos de sol, de seda, 124, '
114, 74 e......649
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. .
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas para rosto, duzia, 114,
e........
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....44000
Lences de bramante de linho. 34000
Cobertas de chita chineza.. 24500
2450;
24000
14400
24500
14600
84500
24000
64000
I
64000
DE
J. YIGNES.
m. 5.5. RA DO IMPERADOR M. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sio hoje assaz eonhecidos para me seja necessario insistir sobre t
sua suprioridade, vanlagens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
Teis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; odo-
suindo um teclado e machinismo que obedecer todas as vontades e caprichos das.pianistas, sem-
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tissimot para o clima deste paiz ; quanto as vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores,.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondo!, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital oram sempre premiados em todas as expesicoes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de musioas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos commodos e razoaveis.
Os propietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declarara aos seus
fregueses e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularara os mesmos precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeiro Principal roa do Imperador n. 40
FARELLO DE LISROA
Marca N verdadeiro em saccas novas e grandes a 44500: na ra do Imperador n. 40.
i
NOVIDADES.
Queijos do Aientejo. ditos das ilhas o mais fresco que se pode dese-
jar a 14290 a libra, e sendo inteiro ter algum abalimento, ricas caixinhas
redondas enfeitadas, proprias para mimo da festa pelo barato preco de 44
cada urna, ricas caixas de figos tambem proprias para rakno de 800 14500
cada urna. Vende-se nicamente no armazem Verdadeiro principal, ra do
Imperador n. 4.
P0T4SS4
Ve*de-se poUssS em barris a comnwdo prego o,
na roa da Cruz h. 23, primeiro andar, esertptorrr
de Antonio de Almeida (Jemes.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
14 a lata : nos armaitns da ra do Im-
pprador n. 16 a ra do Trapiche Novo n.'%
Bisas de Hmburgo
Vendem-se na ra Nova n. 61.
SBperior cal de Lisboa.
Vende-se soneriar cal ti Jafcca a mais nova
ue ha ao aaweada, tanto m porcao como a reta-
la* oor barate BrSv,anaB5ando-se aos compra-
oMi oerior ooaliade: a tratar ns segnittes
raas- Craapaa. 7. Imperador n., Forte do Ma-
tos, armazem do Sr. Avilla, defronte i trapica
algodo.
CONSULTORIO MEDUMIRIRGICO
do
DR PEDRO DE ATTAHYDE LORO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 is 1
horas da manhaa, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepeo dos dias santificados
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre^ o mais appropriado sorlimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacSes e peloe precos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 124000
> de 24 tubos grandes. 184000 .
de 36 tubos grandes. 244000
de 48 tubos grandes. 304000
> de 60 tubos grandes. 354000
Prepara-se qualquer carteira conforma o pedido que se fizer, e com os renn
que se pedir.
m tubo avulso ou frasco de tfntura de meia onca 14r00.
Sendo para cima de 12. custaro os precos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopalhia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,
dons grandes volumes com diccionario............ 204000
Medicina domestica do Dr. Bering,........... 104000
Repertorio do Dr. Mello Moraes............. 4000
Diccionario de termos de medicina ...,...,.-. 34000
Os remedios deste estabelecimento sfo por demais, conhectdos e drjpeusam portan-
te de serem novamente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservadlo, tintura dos mais acreditados
estabeleeimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparado, e portanlo a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Reoabe-seescravos para tratar de qualquer enfermidade ou faeer-se-me qualquer
operaco, para o que o annuneiante julga-se sufiScientemente habilitado.
O tratamento o erhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa a mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cujo conceito se n5o
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar eus
doentes.
Paga-se 24000 por dia durante 60 dias e d'ahi era diante 14500. *
As operares ser5o previamente ajustadas, se n3o se quizerem sujeitar aos precos
azoaveis que costunaa pedir o annuncante._________________________________

Vendem-se charuto da Bahia de varias qua-
lidades : em casa de Mankard & &, re* da Tra-
piebe n. 48.
T Fabrica Conceitfto da
l Bahia.
Andrade A Baga, flaaatam consunto- 2
i mente e tem venda no su armazem n. 1
34 da ruado Imperador, algodao faqHel-
_ la Xabrica, pronrio sara saceos de assu-
I car, embalar algodao empluma etc., etc
pelo preco mais razoavel.
s
A'loja do Porte
Na esfniaa da ra da ladre de Deas a. 45
Chegou pelo ultimo vapor francez om completo
sortimento de calcados, seno de Naotes para ho-
mem, e divr?as qualidades para setrtiorns e me-
ninas, ha tambem um completo sorttmento de f**
zendaa e roupas feilas, tudo muito barato.
~Vede-se nm caixio grande de deposito, pro-
prio para refmago oa padaria : na roa Imperial
n.48. _________________
"*"" CASA TERREA
Vndese urna casa tema novapor qnatrocentoe
'-mil ris: na ra Augusta n. M.
AGENCIA
AGENCII L0W-M001.
Ra da Seazalla nava a. 41
Neste estabelecimento contina a haver
tm completo sortimento de moendas e meia*
moendas para engejabo, m-ariaiaat de vapor
a tachas de ferro batido e coade, de todos oa
lmannos para ditos.
^
:
i
r Arados americaaoa e machinas para
lavar roupa: em casa de S. ?. Johnston de C,
roa da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se urna morada de casa terrea toai
commodos, cozmha fra, cacimba, quintal bastan-
te grande e todo murado, terreno proprio, boa
locadade, roa Direita n. M, povoaclo dos Afola-
dos, tambem se trocar por ootro de mais valor
tiesta cidade, voltand*se o que ter razoavel: quem
qpizer v roa da camboa do Carato n. 8.
. Vehde-se superior vinho do Porto en carias de
um danta : em casa da Johaatoa Pater 4 G... mi
do A'gario n. 3.


Diario de Pera!>? SaMfctde 8 8 de Ja se ira de 18&.

SALSA PAIRILHA DE AYER.
TRftftsGWfEMs aqui alguns
dos muitos attestados que temos
receokto das virtudes da a Isa
parriBM do Dr. Ayer.
Rheumatlftino.
M JOAO JOS DOS SANTOS.
Ouro PretQ.
Soffri rhenmatismo por mu-
tas vwes, e vendo annonciado
em una jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re-
8otvi-me a comprar um frasco e fazer aso
Velra ; e antes de concluir o primeiro fras-
co, achei-me forte e sem sentir a mais leve
dr nos joemos; a parte do corpo que es-
tiva affectada d'esse terrivel encommode
que roubou-me tantas noites de somno.
unpedes, borbulhas, pstulas,
ulceras, e todas as molestias
da pelle.
DO SR. joAo paula de abbeu e souza.
Roa de S. Pedro.Rio de Janeiro.
Soffria, mais de dous annos de ama
eropefio syphilitica em todo o corpo, mos-
trando-se sempre com mais violencia na ca-
0VIGIL4NTE
Ra do Crespo n. 9.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
poso Ballisa, na su ordem do da, e pela Branca
Agaia, apesar de que, para esles o Gallo com seos
agudosesporoes nuncaos offender, antes osagra-
ciara na raesraa conformidade, para que o Baliza,
possa marchar em freDte, a Branca Aguia possa
levaolar seu v6o, levando no bico as pallabas i seu
ninh j ; e o Gallo tirar em seu espacoso campo
dando de novo o seu canto annunciando a seus
bons freguezes e ao respeilavel publico
0 PUBLICO
Sem o menor constran-
gimento se entregar o
Importe do genero que
nio agradar.
ATTENCSO
s precos da seguate
tabella para todos, po-
dendo assim servir de ba
se para o ajuste de eontas
eom os portadores.
ARMAZEM NIO ME
AGUA FLORIDA
RIJA DA CADEIA IIO RECIBE IX. 53*
(Logo pastando arca da Cenctieo)
Grande reduceSo de precos, equivalente a dez por cento menos do que ontro qualquer
aanunclante. '' /
ra, prove muitos medicamentos e consultei gnde sortimento de bjeetos de amito gosto que
muitos mdicos, e estava quasi desanimado
quando vi os annuncios da Salsa parrilha
do Dr. Ayer: comecei a fazer uso d'ella e
nos primeiros dias a erttpco aggravou-se,
porm antes de acabar o segundo frasco ti-
rina o ma! desapparecido completamente de
lodo o corpo.
Docron Do* Jos Valdes Herrera, profet-
S0 DE MEDICINA Y CRCRJIA, SUBDELEGAD6
EM AMBAS AS FACULTADES DEL SESTO DIS-
twcto.Habana.
Certifico que he usado l Zarza parril-
la del Dr. Ayer, y como depurativo he ob-
tenido de ella los mas felices resultados en
ios casos de ulcera crnica, como asi mismo
ensayado las Pildoras catrticas del mismo
autor y las considero como um purgante,
cuya accin ademas de ser segura, ha sido
muy eticas en el tratamento de las enfermi-
dades que exsigeu el uso de los purgantes,
y no vacilo en recomendar estas preparacio-
nes. Y para los unes que puedan convenir
doy la presente en Regla 7 de Setiembre
de 1860.
Don. Jos Y. Herrera.
Escrfula.
attestado do Illm. Sr. Francisco Feora*
dos Santos.Ouro Prto.
c Me acho ha quasi dous annos aeclido
de escrfulas, e tendo soffrido tanto qi.e al-
gumas vezes quasi que chego a des/nimar
da vida e malder da minha infeliz sorte;
tenho sido tratado por muitos mdicos d'es-
ta cidade, e neuum pode vencer i tenaci-
dade de minha molestia, estava hem espe-
ranzas de recobrar a minha saude ; quando
ltimamente resolv fazer uso da 'Salsa par-
rilha do Dr. Ayer. Completa n-se hoje
trinta e sete. dias que comecei com este
santo remedio, e tantas mellaras tenho
sentido que tenho convicio de em breve
recobrar a minha saude, perdida ha tanto
tempo,
Syphllls e molestias merrnriaes.
Do Illm. Sr. Dr. Jackso:'.
Medico mttito conhectdo as provincias do
sul do Brasil.
Tenho receitado a Salsa parrilha do
Dr. Ayer nos casos mais inveterados de
Syphilis constitucional e sempre com os
mais felizes resultados; o melhov alteran-
te que conheeo.
L.eucorrha e flores bratveas.
Temos. cartas em que nos cont un casos
inveterados que foram radicalmente curados
com am ou dous frascos d'esta Si Isa par-
rilha-.
O espaco na"o nos permitte trauscrever
todos os attestados que possuimos Jas vir-
tudes d'este extracto composto de Salsa
parrilha do Dr. Ayer. Basta dectorar ao
publico que tem sido empregado ha mais
de vinte annos pela profisso medv ja tanto
das Americas como da Europa, seai nunca
desmentir a sua alta reputado.
acaba de receber.
Ricas caixinhas rom msica ricamente enfeita-
oas para costura, proprio para um delicado me-
nino.
Riquissimos cofresinhos com cadeadosd metal
para guardar jotas.
Ricas canas com estejo, contendo todos os per-
tences par homem.
Riqaissimas voltas fingindoperola.
Ditas com laclnhode fita.
Ditas de lindas cores e preta, de todas as gros-
soras.
Lindos aderecos com
mants.
pedrinhos fingindo bri-
Para a cura radical de escrfulas e iffecces
escrofulos, syphilis e molestias syphi-
liticas, ulceras, feridas, chagas,
ecupces cutneas e todo e
qualquer nconur.odo que
provm d'um estado
impura de sangue,
tomem a
SALSA PARRILHA DE AYER.
A' venda na ra Direila, ns. i 2.26 e 76;
ra da Quitanda n. 51 ; praca da Consti-
tuido, n. 30 e Hospicio, n. 40. E na-
principaes pharmacias c drogaras do ims
qerio.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmaeia franeeza de
P.ffiAURER A C.
RA NOVA N. i 8.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
Roa do Quciibailo n. 19.
Vende-se o seguate:
Lences de panno de linho
pelo baratsimo prego de 2,5,400.
Lences de bramar.te de linho
de um s panno a 3,6300.
Coberta de chita da India.
pelo baralissimo prego de 2300.
Lencos de cambraia brancos
proprios para algibeira, a i* a dazia.
Pecas de bretanha de rolo com 10 varas
propria para saia, a 4.
Pecas, de cambraia de forro, a 2#600.
Esteira da India
propria para forrar salas, de 4, 6 e 6 palmos de lar-
gura, por meos prego do que em outra qualquer
parte.
Toalhas alcochoadas para mos
a 5 a dazia.
LSazinhas carmezim miudinhas
proprias para vestido de menina, a GOO ris o co-
vado.
Laozmbas de cores finas
do melhor gosto que ha no mercado, a 660 ris o
covado, oeste armazem de fazendas se encontrar
um grande sortimento de roupa feitae por meilida
Vndese a casa terrea n. 25 da ra de Ma-
thias Ferreira da ciade de'Olnd* ; quem a pre-
tender dinja-se a tratar oesta cidade na raa Ah:
gusta d. 59.
Vende-se a taberna da ra Imperial n. 205,
livree desembarazada de qualquer debito, e com
poucos fundos, proprta para nm principiante : a
tratar na mesma._______..
Presuit(8.
Vendem-s presuntos de cameiro mntt gordos
t bera preparados: na ra da Cruz n. 19.
Ricas fivellas para cinto, de todas as qnalidades
e bom gesto.
Ricos cintos do ultimo gosto de Pars.
Grande sortimeoto de Modos eofeites para cana-
ca, sendo do ultimo gosto e de todos os pregas.
Flores muito finas para noivas.
Lavas enfeitadas e meias de seda para noivas.
Touquinhas sapatinhos e meias de seda par,
ba plisado.
Riqaissimas fitas de todas as qualidades para la-
go, cintos ecinteiros.
* ^amisinbas e goliohas para senhora.
Riquissimos jarros e ligaras para ornamento de
sala.
Grande sortimento de grava ti nbas lauto para se-
niora como para homem.
Lavas de petica branca e decores.
Lascarrilhasd* bonitas cores.
Trancinbas, gallo e maravilhas para eofeites.
Trnsenos de cabellos e de relroz para reloglos.
Papel amisadoe de outras qualidades.
Rolsas para viagem.
Entremeios e babadinhos de lindos padrees.
Lencinhos de linho bordados.
Meias para homem, senhoras, menloos e menl-
oas.
Fitas de veludo lisas e com mtame de todas as
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as qualidades.
Grande sortimento de sabonetes.
Lindos vasos com banha para offerecimentos.
Caixinhas com seis frasauinhos.
Essencias de todas as qualidades.
Agua verdadeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grandes, e em
frascos quadrados egarralinhas.
Pomada fina de todas as qualidades.
Superior banha em frasese copos de todos oh
tamaitos.
Sahao Ingle! em paos grandes e pequeos.
Escovas de cabo de madreperola, marfim e de
osso, para dentes.
Pentesparadesembaragar.com friso de metale
sem elle.
Ditos de tartaruga e de muitas outras qualida-
des.
Pentes de tartaruga para senhora.
Ligas de seda e de aJjtodao, assim como muitos
outrosobjectos de gosto quesera impossivelmen-
cinar.que a vista far t, s no Gallo Vigilante,
ru do Crespo n. 7.
Voltinbas.
Lindas voltiohas de perolas falsas comcruzinhas
fingindo brilhantes, assim como cruzinbas avulsas
e voltiohas, pelo barato prego de t,5et$200,as
cruzes avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Leqnes.
Riquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato prego
de llfi e i; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
GRANDE IS'OVIDADE.
S no Vigilante.
Riquissimos enfeites de todas as qualidades para
senhoras e meninas, chegados hoje da alfandega.
Minios
Riquissimos sintos de fita larga e estrella com
Qvelas grandes e pequeas, com'brilhantes falsos,
cousa de muito gosto.
Albnns
Tambem chegaram os riquissimos albunspara
50 retratos, com capa de tartaruga e de marfim,
cousa muitochique : so no Vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
Goliohas.
Riquissimas golinhas e manguitos, omelhor gos-
to possivel, a2, 2500 e3:s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
lafeiles para mitra.
Riquosissira eofeites com laco e sem lago e de
outros maitos gostos a i$, 11500 e 3$: s no Vi-
gilante, ra tfo Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins a cabello para relegi* ou lu-
netas, pele baratissimo preco de iAoOO. ditos de
retroz a 200 rs.
Babadinhos entremeios.
Riquissimos babadinhos eolremeios com liodoi
desenos tapados e traosparentes, pelo baratissimo
prego de 200, llo'OO, 2$ e 3}: s do Vigilante,
ra do Crespo b. 7.
Cascarrilbis.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galozinho e trancinbas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7.
Fitas.
Grande sortimento de fitas de diversas larguras
e qualidades, per precos _que admiram aos com-
pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
leiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega
de 9 varas a 21; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Fitas de lia.
Fitas de laa de todas as qnalidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, roe. do Crapo n. 7
Rito* wpoikaa.
Riquissimos espelhos com moldura douradaj
sem ella de 85, 101, 121 e 141, assim como com
lnmnas de differentes tamanhos a 21, 31,41, 51
e 61; s no Vigilante, roa do Crespo n. 7.
Liados jarros 0 figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto queaqai
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Collegas.Nio posso por mais tempo sustentar o prego da manteiga ingleza a i.ooors. a libra, bem assim o de outros
muitos objectos, etc., dando cosa isto ocasiS a todas as espeluncas acabaren) por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo! I! Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema que vina encontrar, de s se vender com um por cento a carola," resolv fazer esta grande redcelo de precos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil nao,
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a n5o ser o de Moe a i,600 rs. a libra. Hoje porem, resentidos da redcelo a que
esto obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamacao de precos, e qualidades, vingam-se de um e ontro portadores j
al informado deste novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimerito desta ordem que o seu fim
tio smente obter a concorrencia de seas freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidid, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromptidao e entei-
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida rae darao a proteceo e preferencia na compra
dos gneros qne precisarem, e quando nao pocam vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco pratices, pois
serao tao bem servidos como seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommeadacao, afim de que nao vo em outra parte
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escomida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz abalimento.
dem franeeza a mais nova que tem viudo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meiosa 5oors.
Cha hysson de superior qualidade a2,6oo r.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,800 rs.
dem Luxim o melhor que se pode desejar
neste genero 2,600 rs.
dem pretohomeopathicoporserde superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra,
dem bysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o i,6oo, i,800 e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao quese vende em outra parte por 2,4oo
rs. e em barricas de 4 dnzias se faz abati-
mento.
Cafe do Rie a 26o e 28o rs. a libra, e 7.800
e 8,5oo k. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,oos rs. a arrsba.
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Marauhao a loo rs. a libra, e 3,000
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,000 rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a ljbra, e 2,2os rs.
a arroba.
Painco e alpista
rs. a arroba.
a 14o rs. a libra, e 4,3oo
Massa de tomate em latas de i e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caxa.
dem e talberim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornatn-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
fe i tas para esse fim.
vapor Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
e 2,6oo rs.
Linguiras. chouricas e paios em latas de 8
libras, emticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e l,5oo e 600 rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
ueste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do
passado a l,6oo e l,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem Vnho do Porto muito fino excellente qua-
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Va \ iilias e favas porluguezas em latasj pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a Goo rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oe rs. intoiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l,ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Pexe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
da, salmao, ostras echernee, vezugo em
latas grandes a 800 e i,ooo rs. cada urna.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que tem vindo ao cosso mercado a
6,000, 7,ooo e 8,oeo rs. a caixa, garante-
se ser de qualidade superior, quo outro
qualquer nao pode vender por este preco.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e
5,7oo rs. a fiasqueira.
dem de Iaranja verdadeira de A'tona em
frascos grandes a 1.000 rs. o Irasco, e
H,ooo rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes u 4oo I
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs. *
Vinho d pipa Porto, Figuerra, Lisboa a32o,
4oo eoo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excejlente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs,
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho dd Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro* Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
10,000, rs. e a 9oo e l,ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhaside Nantesem quartos e meias latas
a 36o c 56o rs. eada urna.
Sardinhasi portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 6)io rs.
inglezas as mais novas do mer-
2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Bolachinh;
cado a
libra.
Bolachinhaj
qualidac
de soda em latas com diversas
es a l,3oo rs.
Bolo fran< ez em caixinhas muito proprias
para mi no a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e (i,ooo rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
i,800 rs. a caixa cero 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachioha d'agua em sal da fabrica do Beato
Antonio de Lisboa em latas coht6 Hbra_
por 2,3oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas
de 3 libras por*l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por l,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, e l,8oors.
Azeite doce refinado Penanol eu do Kempc?
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.'
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes moito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franeeza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sepa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e 11,000 a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o maco.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito-nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes daBahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,000, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
1,090 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixoes a 600 rs.
cada um.
Farinha de.araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa. ^_.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
MURRAY & LANMAN
A agu florida de Murray A Lanman,
olhada como um rrtigo de perfume, nSo
lem podido ser igualada pelas preparages
as mais cestosas: conserva seu aroma.como
se formasse parte da prenda a que ella se
applica. Sua eflicacia tao delicada, como
elegantes sao seus multiplicado usos, quer
soja empregada como artigo de tODCaJjor,
quer no uso dobanbo, ou como snavisader
da pelle, depois que se tenha feito a barba ;
j para limpar as gengivas ou aromarisar o
hlito.
D suavidad*, brilho e elasticidade as
cpmpleices,depois de se haver lavado; al-
livla a irritaoao de empees ordinarias ; fu
desapparecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas do rosto, ruga* e toda a
casta de ebulicoes, e d vigor e frescura a
parte onde quer que se applique. Sua effi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalii-
veis nos casos e/n que seja preciso appli-
ca-la como estimulante e antisptico, nos
concursos e assemblas numerosas, as lo-
calidades infeccionadas, na alcova ce um
enfermo, assim como um antidoto excel-
lente para os desmaios causados por cansa-
no 011 suffocagiio. Preparada tnicamente
por Lanman Kemp, Nova-York, e a venda
por Cao;s Barbosa.
Joo da C. Bravo & C.
Vendem-se no Recife em casa de Caors A
Barboza e Joao da C. Bravo & C.
Ceke do gaz.
Pltcb do gaz.
A leal rao do gaz.
Coke, tonelada lOsOOO.
Pitch, arroba 3,5000.
Alcatrn, ranada 500.
O cok reconhpcidamente o carvao mais econ-
mico, torna-se por isso recommendavel, bem ro-
mo pelo aceio que se nota as rasinhas aonde 1
elle u Qoes diversas a que se presta, como para calafe-
tar embarcacoes, alcatroar madeira?, etc., teern
estes a propriedade de preservar do copio), lor-
migas, etc. entregue na fabrica do gaz, ou man-
dado por em qnaiquer ponto da < idade, segundo a
vontn'1'* GRAGEAS
, DE
GELISE CONT
Approvadas pU Academia de Medicina de Pars.
Resulta pelos dous relatnos, adoptadus pela dita
Academia em 1840 e em 1858, que as GHAGEAS d
GI-IS e CONT sao o melhor c mais cffica remedio
ferruginoso para curar a chlorosis (alias fluor-albo), os
Huios brancos, a fraqueza de corapleixio nos dous
exos, e tambem para ajudar a menstruapao das mo^as.
Bitas Grageas nio sao vendidas senio em caixinhas
i vidros cobertos com rotulo e fechados com una tira
levando a firma do depositario peral : labelo.vye,
Dharmaceutico, ra Bourbon-Vileneuve, 19. Part.
Deposito geral em Pernamuce ra da
Cruz n. 22 em casa de Caros A Rsrrboza.
Vende se caiides vazios proprios
para hahnleiros e funeiros a i $70
cada um; iiesta typographia.
Assncar cryslalisado da fabrica
t de Jullw
Na Babia.
Noa/mazen: da ruada Madre de Dos n. 28,
ha venda o Er.ulto superior assr.car crystalisadoj
em saceos e 2 arrobas, ao preco de o>~ cada ar-
rio. '
lem nioiliailo
Para ais de arrai.
Riquissi mos vasos com bonecla para pos de arroz,
consa de multo gosto a 1*500 e 25, assim como
pacotes s eom os pos a 310 rs. eada nm; s do
Vigilante, roa do Crespo o. 7.
Per finaras.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos on vasos com dis-
trnctivos e oflereeimemos as slnhaslnhas dos me-
lhores e mais afanados autores de Pars e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
a 2 e a i J, assim eeme ootros objectos que nao e
pwslvel per hoje aHtranclar, e vista dos fregue-
zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
81-RUA DO IMPERA MOR-81
Segunda casa do lado direito indo (do pateo do Collegio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfacSo de avisar acjs seus freguezes e ao respeitavel
publico que, estando restabeleeido de seus incommot os de saude, acha-se novamente
com um bello e bem sortido armazem de-seceos e mohados primorosamente escolhidos;
como sempre capriebou terdas melhores qualidades, e raucamente affiangas pessoas que
se dignarem comprar em seuestabelecmento,que alli de preferencia outra qualquer par-
te serao mais bem servidos, em qualidade e precos, como em pesos e medidas, no que
setnpreo annunciante foi escrupuloso, em summa, noj Ilude a pessoa alguma.
Aos Srs. de engenlio e lavradoresqueo queiram, honrar como seu comitente lhes
assegura que o producto de seu laborioso Irabalho serlk o mais bem reputado no merca-
do desta praga, para oquesejulga convenientemente habilitado pela longa praticacom-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteza, depois de se-
rem fielmente umprido as suas ordens. .
Fornecer gneros aos Srs. agricultores e negocian tesque lhe merecam confianca, fa-
zendo um abate vantajoso- aos que pagarem a vista suss mercadorias, e encarrega-s da
venda de qualquer genero dopaiz, medrante urna mdica commisso, entregando de
prompto seu producto, e sendo este applicado a compra de gneros em seu armazem,
prescindir d commissio.
Dos seus antigos e benignos freguezes espera o annunciante sua valiosa proteceo, fre-
quemando como ontr'orasua casa, e peloreconhechueito que lhes tributa offerece expon-
taneamenle seus servicos*.
Julga desnecesario publicar a tabellados precos de seus gneros: sao seus recursos
garanta suficiente de poder accempanhar os raeaoresj precos do idnticos e mesmo de
mais apparatosos estabelecimenlos, tendo somonte emi vista o augmento de suas vendas
diarias.
Prerenco neeesaaria.
Tendo sido o pjroprietario estabelecido muitos annos com e mesmo ramo de nego-
cio n mesma ra, jolga prudente advertir que s afirma e se responsabilisa pelo que
tem declarado no que disser respeito ao armazem.
8-RU1 JDO IMPERADOR-SI
i
Segunda casa do lado direito indo
do pateo do Collegio,
^a J c 2 2 S S"^1 F2 K o
IIbS-s-s.b'&oss
2 "o
Si 2-2
!A

Cu m
Q. ^
0

ce'O-
SI S. B C 13 to ^- : SO.1-0
*m &S: q 1 g ^
qo'g-S
^ r*i *
ss
~~-s
e
al
EL
o'g

2 > H.
* 1 f
ootn
a.
M 09
oso- ti,
o i O a
i
ca
f
o
es
3

3~ o
o. a ( _
45 2 o
63 O
m
o
&*
o -1
i*
e
o-
09
s
e
s
c
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a cr natural
dos cabellos.
A agua florida nao urna tintura, facto essen-
cial a contestar, a mesma agna dando a cr primi-
tiva ao cabello. Composta de plantas exticas
de substancias inofensivas, ella tea a propriedade
derestituir as cabellos o principio corante ?) el-
las tem perdido. D'unia salnbridade incontesta-
vel, a Agua Florida eotretem a limpeza da rabera
destroe as caspas e impede es cabellos de cabir
Oleo de Florida.
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
constite poderosamrs"*, com a Agna Fltrida, a
torca, a belleza e a conservaelo Jes tiitXx.
Em Pars, casa de Qnislaor I, ntt *elrhe-
lien, e 21, bonlevard Montmarre.
Todos os frascos, n3o fedo Intacto e claro, e
timbre rateado la casa, sito repwtades falsos.
Deposite, raa do Imperador, pharmaeia i. 38.
Vinho do Porta superior
em barris de oitavo e dcimo, vende Antonio Luiz
de Oliveira Azcvedo 4 C.: no seu escritorio la
da Cruz n, 1
Livres barates.
Vende-se pelo custo da Europa ns sepuinies
obras : Demolombe, cours du code Napolen 19
volumes, encadernado em rouro 75> Troplong G
vois. ene. em gr. 8 fr. 48, dircionnaire de la ron-
versation ourepertoire de loutes les ronnaissanecs
necessaires dans la vie sociale, ct relalives aux
scienees aux letres et aux arts, l'histoire, Geo-
graphie, Droit, etc., 26 vols. ene. com grav 73,
Barn de Locr, legislation civile, conimerciale c
criminelle de la france ou commentaire de cinq
code? francais, vol. ene. SOfi, Rrgron les codes
frangais expliques 2 gr. ia 4o I8, Pardessus
droit commercial 4 vol. ene. 125, I-e Jnif Errant
3 vols, 105, e outro muitos livros, que enfado-
nho mencionar : na ra da Imperatriz n. 53.
ESCBIVOS FUEIDOS.
Fugio um escravo de nome Zeferino, cabra,
de 26 annos de idade, estatura regalar, fornido,
hombros baixos, cara grande e carnuda, olhos pe-
queos, pernas curtas, e tem as costas algumas
elcatnzes de relho, bem prosista e falla desemba-
razadamente : quem o pegar dirija-se a povoaao
deTracunbaem ao vigarie BazilioGoncalvesdaLuz
que satisfar as despezas.
Desappareceu no sabbado 2i do crrente,
nm moleque crioulo, por nome Luiz com: os sig-
naes seguintes : alto, corpo regular, cor preta,
falla grossa e muito regrisla, tem urna pequea
cicatriz por baixode um olho, eos tuina andar sem-
pre de sucia com outros moleques, levou vestido
caiga de brim pardo muito suja, camisa de algo-
dao branco, sem chapeo na caneca; portanto ro-
ga-se as autoridades policiae> e capUes de campo
que oprendam e le vem-no a seu senhor na ra do
Rosario estrella botequim da Aguia d-ouro, que
ser recompensado generosamente.
Nodia 9 de dezembro de 1864 fugio de casa
de seu senbor o escravo Hereulano, pardo escuro,
com 35 annos, alto, cabellos carapinhos, olhos e
orelhas pequeas, tem apenas bigode e pera, per-
na e andar de qnebra-mangne, tendo o p esquer-
do torto e sabido para fdra como pata de sen. e
por isso pucha alguma cousa pela perna quando
anda, levou vestido caiga branca remendada e ca-
misa branca, levando na eabeca chapeo de palha,
conduzio igualmente toda a roupa que possue, sup-
poe-se andar aqui mesmo pela cidade : qnem o
pegar leveo a ra Direila n. 54, que ser genero-
samente recompensado. ___
Fugio no da 2 de Janeiro a preta Romana,
de idade 28 annos, crioula, magra e Rila, bem fal-
lante, e tem sido vista pelo Manguinho : qoem a
pegar leve-a a sen senhor, na praga da Boa-Vista
n. 22, on Campo Vorde, ma do Trapiche n. S, e,uc
ser bem recompensado.
---------!--------
Attencao
^
Fugio o|egro Theodoro con os signaos seguin-
tes : alio, cor preta, beigos grossuS, olhos apiom-
bados,levou calcas de brlm pardo, camisas de al.
godao riscado, idade 33 annos, ponco mais on me-
nos : quem o prender e o levar a seo senhor, ao
pateo do Terco n. 141, ser gratificado.



9
Mario de remanihuco Safcbado t de Janeiro de 1 8G5.
-
L1TTERATDRA.
(Poesa bblica.) Paraphrase do
Psalmo II
Quare fremuerunt gentes, etc.
AO MEU COLLBGA E AMIGO PADRE MANOEL AMANCIO DAS
DORES CHAVES.
Como a negra procell ao pego irado,
Poique agita as nages feroz tumultot
Porque aleando protervo altivo trado,
lateotan derribar de Deus o culto?
Porque a guerra faminta o audaz insulto
As sacrileeas turbas hao guiado?
Porque n'um ceg impulso criminoso,
O hornera do seu Ueus maldz iroso?
Nutrindo vis paixes que inspira a trra,
Torpes, negras paixdesas mais impuras
Movem torpes monarchas dura guerra ,
Ao ungido de Deus l as alturas ,
Ao rei de quanto em si o mundo encerra,
Ponte de eternas glorias e venturas....
Ei las, para dar morto aos seus contrarios,
Os ferros agujando, temerarios 1
No meio das phalanges corrompidas
Sallara seus ch fes odientas voses,
Votando ao exterminio immensas vidas,
Dando turba feroz licoes feroses
scutando as palavras fementidas
Li cumpre a multidao ordens atrozes;
Como oceulto vulcao, si alflm estala,
A guerra com furor j tudo abala.
Vo ser o arrojo portentoso
Da louca turba audaz, que ceg iclento ?
Busca partir o sceptro poderoso
I)j que innundou de luz o fln>mento;
Vibrar Deus o raio pavoroso,
Assustando o traidor o mais cruento,
lim quanto no alto cu choros divinos
Ao poder do Senher erguem mil hymnos.
Ento, viva luz do claro dia,
Ao iramenso fulgor do sol fagueiro.
Vira hmida uoute; escura e fra ;
Lgubre succeder no mundo inleiro
Ha de a procell retumbar sombra,
Com immenso fragor no val'e oiteiro,
C n'um throno de fogo, na eminencia'
Driltiar do Senhor a Omnipotencia
Deus dir aos rebeldes mais corruptos:
Cu sou autor do Cu e das estrellas :
Com verdes folbas o gostosos frutos;
As aores despidas torno bellas:
ta enxugo mil prantos nunca enxutos
Com accenlos de amor, vozes singelas;
Ru sobre o monte de Sio me assento,
Rejo a trra e o mar e o firmamento.
Cu son, eu sou o fllho do Eterno,
Sou eterno tambem, sou poderoso,
Eu arremesso os impos ao inferno,
Como s ondas envi o norte iroso,
A propria immensidade eu s governo
Eu aos barbaros ineis confundo
Qual a um monte de cinza ou bario immundo
Tremei, tremei soberbos potentados
Humildes, abatei a torpe frente,
Eculae esses ranligos sagrados,
Que repetcm as auras do Oriente :
Quanto haveis sido mos e sido ousados,
Sede, hoje, bons de coracao clemente,
Prostae-vos ante Dens, arrependidos,
E seris tambem vos seus protegidos.
>'oae, Je raansao da formosura
OndeO Santo dos Santosvive e mora
Entre mil anjos de belleza pura,
Sobre nuvens de prala seductora :
He pasue vossa vista impura
Nesse ocano de luz encantadora;
Dae a Deus vosso amor, p, s snas plantas
Em ondas beberis delicias santas.....
Arrastando urna vida amargurada
Em busca de prazeres venenosos
Pelos atrysmos de urna senda errada;
Basta, nao prosigaes, desditosos,
Nao queiraes a existencia condemnada
Que esperar l no inferno os criminosos.
Ai do que desee regio precita,
Venturoso o que sobe a que bemdita!...
E" do Sr. 3F. o segrate
BOMBO.
R......Era ao romper da aurora de um da de in-
vern na bella cidade de Nictheroy; liavia apenas
elaridade bastante para atravesar as ras desse
Edn e tu caminhavas para as montanhas que, vis.
las das praias, se projectara no cu em lindos dese-
nhos; as estrellas anda brilhavam no azul escuro
da abobada celeste.
Acompanhava-te de longe, extasiando-me em
contemplar leus negros cabellos de azeviche que,
esparsos pelos hombros, desciam em ondas volup-
tuosas at abaixo de tua cintura de fada.
Caminhava* ligeiro, e, quasi a correr, eu te se-
gua deixando atraz de mim esses bellos edificios
da cidade imperial.
Chegamos Montanha das flores; um fri pene-
trante fazia-se sentir; um desses ventos noctur-
nos, que jopram nos valles, agitava as folhas das
arvores; um espesso nevoero circulara as Dai-
xas regioes da alhraosphera ; os valles, as gargan-
tas e as enfiadas inferiores das montanhas desap
parecan! n'elle. Reinava um silencio tumular.
O nevoero acabou por oceultar toda a paysagem
e a vereda qne seguamos tornava-se cada vez mais
escabrosa; ja te nao va, esse infernal nevoeiro
furtava-te roeus olhos vidos de contemplar tnas
formas graciosas. Camnhei. assira algum lempo
muitas vezes ao acaso.
O dia avancava rpidamente, e, pela brancura
phosphorescente dos vapores circumvisinhos, sup-
pnz que a carnada de ar era menos densa cima
de minha cabega. Com efTeito, no instante em que
attingi extremidade Je urna imminencia, primeiro
degru dessa mmensa montanha que subia, urna
mudanga mgica operava-se em torno de inim que
esttico parei.
Respirava um ar livre e perfumado. cima de
minha cabera resplandecan) novamente as monta-
nhas, livres do nevoeiro, que ineus ps desenro-
lava-se semelhanca de um vasto lago, do qual al-
guns rochedos e a ponta em que me achava re-
presentaran as iihas.
A illusao era completa 1 Os vapores unidos, com-
pactos e azulados como a agua, pareciam ter snb-
mergido o valle em que est estabelecida Nicthe-
roy. Elles ondulavam tanto, como a agua ao sopro
da brisa matutina, e suas ondas elsticas arroben-
lavam-se na base dos rochedos.
rame quasi necessario nm esforgo de razio
para nao crer era ama sbita innundacao; hesitei
em proseguir n'essa vereda que, do lado opposto
da imminenria em que me achava, reafondava-se
n'esse ocano raudo e agitado.
Em quanto eu contemplara esse qnadro admira-, Em tuas niveas mos tiobas ramalhetes de sau-
vel, quiz a natureza dar-me~uma prova do sen po- dades e amores-perfeitos que mergulbavas cada
der e da variedade de seos effeitos. O sol, depois instante no lago, e de cajas aguas tirando, saendias
de ter laucada reflexos obliqaos sobre as alturas,
acabava de apparecer soberbo e triumphante na
abertura de duas montanhas.
Inmediatamente os vapores toram revolvidos
como por urna tempestade, oscillaram em longas!
vagas e brilharara cora as cores do iris; essas
brandas emanacSes da noute pareciam aterrorlsa-
das e respeitosas em presenca do astro rei do dia-
Rompeu-se a boa ordem ; o nevoeiro elevoa-se
nos ares em immensas espiraos e dividiu-se em pe-
damos que seguiram em diversas direccSes.
O vallenlctheroyense surgiu risonho desse cahos;
destingae-se suas torres e casas alvas de nev. As
nuvens que um instante antes pairavam sobre a
paysagem, estavam em completa desorden).
Para completar a belleza desse qu*dro, digno de
Raphael, faltavas tu,, que, mais ligeira que o ar e
com prazer afira de fazer saltar gottas perfumadas
sobre as aves, que, accosturaadas sera duvlda es-
sa chava artificial, vinham saltando beijar-te os de-
dinhos dos ps.
Tua attitude e belleza eos teus brincos cora es-
sas encantadoras aves.nessa pittoresca solidao, for-
maran) urna scena deliciosa, cheia de encantos e
de poesa.
Contemplei te por multo tempo, sem poder pro-
nunciar urna palavra; mas, passada a primeira im-
pressSo, approxiraei-me e ajoelhando-me pronnn-
ciei, mais cora o coracao que com os labio-, esse
nome pelo qual eu te chamava e que to-bem com
a candidez de toa alma.
Ao ver-me e ouvir as vibracoes de miaba voz,
cruzaste as raaos sobre o seio palpitante e, su-
bindo-te o pudor s faces, ao seres assira sorpren-
dida nesse retiro desconbecido, e nesse estado
cinhei-edora desses ermos lugares, onde tua alma
se extasiara com as bellezas da natureza, tinhas arrebalador' *,,a ,e najago, cujas aguas peru-
mosas, abrindose e fecbando-se sem ruido, occulta-
am essas grabas que eu nao fartava de admirar.
A dr que me dilacerou o peito nesse momento,
fez-me soltar um grito agudo que, dispertando o
echo das montanhas, fez-me voltar realidade.
Acordei pensando no sonho, e hoje s delle me
resta ama lerabranca iramorredoura
desapparecido internando-te pela floresta que cir-
cunda a base da Montanha das flores.
Antes de internar-me as negras sombras dessas
arvores seculares reOecti, e os perigos dessa ascen-
so atravs os barrancos dessa montanha se me
apresentarara hediondos.
O lugar onde me acliava era pittoresco e delicio-
so; era urna especie de plata-forma produzida por
um resallo do terreno. Um ribeiro internava-se
en? um barranco pedregoso, e, sera ser visto, era
presentido por seu ruido e pelos brancos vapores
que exhalava por entre as aberturas das rochas.
A re va fresca, odorfera e elstica convidara ao
reponso, as mais bellas flores e raras plantas orna-
vara esse jardim encantado. O silencio desse de-
serto era apenas perturbado pelo rolamento fraco
e subterrneo do ribeiro, pelos golpes seceos e pre-
cipitados do picaneo sobre os troncos carunchosos
das arvores e pelos gritos rouqaenhos das aves de
rapia.
Era raen destino seguir-te ao pies dessa monta-
nha, para onde um intimo pensamento me dizia
que te dirigas.
Camnhei, internei-rae n'essa floresta cheia de
precipicios e barrancos : era como qae attrahido
por urna torga irresistivel.
A' medida que sabia, o declive tornava-se mais
escabroso. As arvores qae, na extremidade da flo-
resta, eram raras e pouco bastas, tornavam-se ca-
da vez mais unidas ; algumas estavam cobertas de
nma especie de musgo parsita, cujos bratcos fila-
mentos chegavam trra.
A obscundade e o silencio eram sublimes ; ne-
nhura animal onsra estabelecer seu domicilio
n'esta floresta semi-virgem.
A' torga de rodeios, de marchas e contra-mar-
chas, j eu nao sabia se me eneaminoara para es-
se pico to almejado. Com os ps machacados, o
corpo alquebrado pela fadiga e banhado pelo soor,
eu offegava : porm, se me demorava para respi-
rar, urna dessas nuvens, que se ballanceavaro nos
flancos das montanhas, infiltrando-se pelos ramos
entrelazados, vinha envolver-roe de um fro h-
mido que me penetrara al o corago.
No meio dessas fadigas nao me fallava valor.
Urna esperanca vaga sustinha-me; bem podia o
acaso condazir-me ao cimo dessa Montanha das
flores, onde esperava encontrar-te.
Minha febril constancia, o vigor extraordinario
de meus raerabros perraittiram-me triumphar das
difflculdades, que teriam embarazado e desviado
quem fosse menos interessado do que ea.
Duraute algumas horas sub, e, medida que o
fazia, senta o peito opprimir-se, como sempre
acontece as altas regies da atraosphera.
Sbitamente cheguei ao limite da floresta, era
j tempo; meas raembros amortecidos pelo cansa-
do recHsavam mover-se.
Estava n'uma especie de clareira. Suceumbindo
ladiga, dexei-me cahir sobre a re va fresca e
macia, que tapetara essa vasta e magestosa espla-
nada.
Nada mais bello e delicioso do que essa esplaoa-
Cerca de oitenta mortos e trezentos feridos, per-
teneenles a ambos o partidos toram encontrados
no campo. #J# lrv
Os prisioneiros andaram por 1,300, pouco mais
ou menos, pertecendo a raaior parte ao regiment
10, qae se rendea em quadrado.
Os feridos toram conduzidos para Thomar, do
cuja villa acudiu muita gente para os transportar
commodamento ; o tanto os liberaes como os mi-;
gaelistas toram tratados cora todo e disvelo no hos- ]
pital, que para esse Gra se estabatoaeu no conven-
to da ordem de Cbristo.*
Os prisioneiros
collados por urna
lanceiros.
Um facto importante e inesperado, qae vae so>
bremaneira excar a curiosidade do leitor, teve
lugar durante a marcha.
A columna chegava pouco antes de sol posto, a
ama planicie quelse estendia ao sal da ponle da
Guerreira, quando na frente da mesma apparece
inopinadamente uua.mulb.er moca a p, parecendo
caneada do caminho, e quo apezar do paluda e
era de tal sorte bella, indican-
raje ser pessoa de qaalidade, que
seguiram a mesma direcgo, es-
forja de infamarla de alguns
quasi desgrenhada
do pelo ar e pelo t
IIELENA
(Episodios da guerra civil)
Quem haver por ah qae nao eonhega, ao me-
nos de nome, o lugar da Asseiceira, povoacao in-
significante, e oulr'ora quasi ignorada, mas que o
dia 16 de maio de 1934 tornou para sempre nota-
vel, e fez inscrever por forma indelevel as pagi-
nas da historia portugueza TI
Sim, fol nesse da memoravel qae as immedia-
coes daquelle logar se dea a batalha, qae poz ter-
mo a essa lata terrivei que em Portugal se empe-
nhra entre a librrdade e o absolutismo. Foi ali
que a trra impapoa. as ultimas golas de sangue,
derramado nessa guerra fratricida, qae por espato
de 3 annos assolra este paiz. Fot d'ali, finalmente,
qae fugiram derrotadas as torcas miguelistas, que ti-
nham onsado fazer frente ao exeroito liberal, j
vencedor em toda a parte, para dentro em poucos
das terem de aceitar em Evora ama convengan
desfavoravel.
A velha raonarchia, que por um trabalho de se-
cutas se tinba afossado das inmunidades popula-
res, desprezando os direitos dos povos, systema le-
vado por ultimo a um iosaportavel excesso, pagou
nesse dia cara a sua audacia.
Privilegios injustamente adquiridos, direitos, isen-
edes institaicSes caducas e vexatorias, ordens mo-
nsticas : tudo ali recebeu o ultimo golpe.
Ali soltou os ltimos arrancos a amiga socieda-
de, que pereca por injusta, tyrannica e estaciona-
ria, para dar lugar nova, qae era chamada pela
providencia a oceupar um lugar do qual a prece-
dente nao fura digna ; mas qae tambera mal tem
sabido desempenhar a alta misso qne ibe lora in-
cumbida.
O passado deveria ter-lhe servido de regra; po-
rm nao foi assira. Os mesmos erros em que cahi-
ram as naeoes qae primeramente tiveram de pas-
sar por transformagoes sociaes, toram era grande
parte coraraettidos, e por isso tiveram de ser ex-
piados.
E' assim o mundo : os homens sao os mesmos
em toda a parte, e s aprendem com a propria ex-
periencia.
As trepas miguelistas que entraran] na bitalha
d'Asseiceira, erara compostas dos corpos que ha-
viam ficado ao cerco do Porto, onde haviara sido
batidas, bem come depois na Lixa, s quaes era
retirada se haviam aggregado varias fraccoes de
corpos, offlciaes sera corpos, erapregados, frades e
outros individuos comprometidos por causa da
atroz perseguidlo qae tinbam feito aos liberaes, e
se achavam havta dias em Thomar, em torga de
da. A vegetagao era ahi a mais laxiriante pow-! nove a dez mil combalentes *luanao a appro*ma-
vel; por toda a parte cresciam moitas de vilelas ^aoda divisao do da arbustos de flores purpurinas, uvasursas de cachos!denar esta> entao vil,a' D0 dia 14 de maio'sendo
azues, agucenas, eraros, rosas, amores perfeitos e nesse mesmo dia Pelas 3 noras da tarde' oceupada
mimos de Venus. O ebeiro das flores innebriava-, Pelos liberaes> em forca de Qua,ro mi1 homens.
Urna cscala com o seu doce e melanclico mur-1 A rirada dos m'8uelistas nao foi precipitada;
muri feria os ouvidos agradavelraente. Suas aguas,'e se teriam reuaido ao grosso ^ exercito que sa-
amesde descerem por entre as pedras para o pa hiu de SaDtare,D' se. 8eneral- Antono Joa1uim
no, formavam um lago em miniatura, de urna lim- Gaedes' na0 livesse na,luelle raeSno dia cebido
pidez e pureza maravilhosa. ordem do rjuartel-general para esperar o duque da
I Terceira em sitio apropriado.
O sol, chegado ao zenih, acariciara cora seus; Aqnel,e general, ainda que confiara poaco na
quemes ra.os esse risonho agafate de verdura e de disci lina da tropa que cornmandavai obe()ecea e
flores, situado no pico desse monte suberbo. Deus 2 no dia 15 n5o fosse per8egaidof escolheu com
.. -recia ter guardado para si s essa relva virgem va-gar posig5es, collocando os seus regimentos so-
essas aguas crystalinas, essa cscala desconbectoV bre as colinas, que de nascente a poente, se estn-
onde a luz se reflect.a em rutilantes arco-iris; a dera ao 8ul do iugar de Asseiceira, na distancia de
presenca do hornera nesse lugar era quasi urna pro-; pouco mais de um tiro de bala, e as avangadas
anagao. i [Q a p0Qte ^ eQerreraj era frenie da qaa| mas-
Sobre as encantadoras flores, cujas corollas es carou, sobre nm outeirinho, urna pega de artilhena
maltavam a trra com suas variegadas cores, vol]' que poderia ter causado grande damno se o du-
tejavam borboletas felpudas e raarchelada de ouro! que nao* honvesse tido conheeimento daqnella era-
e azul, colibrys de plumas sedosas auri-verdes e j boscada.
lindos canarios de cor amarella desmaiada, cujos
cnticos melodiosos fallavam ao coracao.
O dia 16 amanheceu claro e sereno, allumiado
por um sol de primavera; e ] teria elle absorvido
Um petulante bando de jassanas, saracuras 8 as ultimas golas do orvalho que humedecer a ter-
outras aves aquatieas tolgava as bordas do lago ra na prescedente noite, qnando a pequea, mas
nos ares balauceava-se com garbo o flexa-peixe brilhante divisao do duque se poz em marcha ; e
distendendo suas longas azas. seriara dez horas quando se achon dos avangados
Ao approxiraar-me do lago, em cujas crystalinas dos ro,ael'Stas.
aguas ia mitigar a sJe que, desde pela manhaa, dD^ae estendeu pela esquerda da ponte nm
me devorava, fiquei immovel, com o olhar fixo e o | """P0 era atiradores, qae logo engajaram nm tlro-
brgo esteadido; dirieis a estatua da admira- teio bem sustentado com os cagadores miguelistas;
rao. mas ten(3 avangado com a divisao pela direita da
ponte, em breve tiveram estes de retirar-se, para
Acabava de ver-te nesse abandono que se en-1 se reunirem ao grosso da divisio.
Iregam as mogas quando se julgam sos ; at entao
tinhas estado encuberta, para mim, por um pedago
de granito.
Oceulto atraz de ama molta de orzas ea podia
contemplar-te sera que teus olhos rae encontras-
sem.
Estavas linda como os amores. Urna fina camisa
de cassa encobria as formas graciosas de tea corpo
alto, delgado e flexivel. Teus bracos, pernas e eol-
io, cinzelladas capricho pela natureza, ostentavam j da, o qae cansn" na villa grande terror ; mas o
em sua nudez a alvora do jasmim e podiam com regiment de voluntarios da rainha e nm corpo de
A divisao do duque marchoa por brigadas ao en-
contr do inimigo, e seria meio dia, quando as tor-
gas belligerantes se acharam em frente amas das
ontras.
A batalha comegon. Os liberaes batiam-se com
denodado empenho; mas os miguelistas apezar do
sea grande numero, pareciam desanimados.
Assim mesmo a luta esleve por algum tempo in-
decisa, tanto qae as bagagens esti veram em retira
francezes, 2o regiment ligeiro, carregando a bayo
neta, conseguirn) desalojar o inimigo das suas
vanlagem servir de modello estatua de Venus.
Teus negros cabellos, presos por urna cora de
rosas braucas,espalhavam-se com volupia por sobre!mtia forles posigoes, ao passo que tambem a caval-
esse eolio allabastrino, qae arfara dooemente quan-!Iaria miKtielist em fore, de 600 carallos, tendo o
do nm terno Densamente te fazia levantar a cabega. sea commandanle, e coronel francez Possiont, em
Urna aureola de luz divina llaminava tea rostorao- Dma car*a 1ae dera sobre cagadores li, debanda-
reno, onde brilhavam dons olhos prelos e mais, va> "ando-se por este modo a resistencia dos mi-
seyntillaates que a mais bella das estrellas do cea, gaelistas mppssivel por mais tempo.
que Sinii. I Seriam tre* boras da larde qeando o inimigo se
_ ., poz em completa retirada, abandonando todos os
Tens labios purpurinos e delicados .Ire-abrra- ponloa> A ba(alha eslava gaol|a e a cawllaria
do-se por instantes, deixavam ver dousflos de finas perseguia M fuglTOfc ^endo mortos e aIgons
peolas do Oriente.
Teas mimosos e peqaeninos pzlnhos, descalgos,
apoiavam-se sobre urna das pedras da cscala.
prisioneiros
Nao foi contado esta batalha urna das oais san-
guinolentas, qne hoQve em toda a eampanlia.

logo attrahu os olhos de todos.
Eram as prime ras filas casualmente composlas
de voluntarios re ilistas do batalbo de Thomar,
que se distinguan i dos outros voluntarios, pelo seu
uniforme azul com gola, canhao e vivos encarna-
dos, porque o uniforme da raaior parte dos volun-
tarios era brixe.
A dama de qnen fallamos, que j tanto lhe po-
demos chamar, di ije-se a um delles, que pareca
conhece-la e respe ta-la, porque fazende alto, le-
vou logo a nao alia da barretina, trocou com
elle algumas patarras, e cahiu rpidamente no
cbo sem sentidos.
Quera era esta dama e quaes as causas que de-
ram lugar aum acontecimento to extraordinario,
que poz em confuso toda a columna?
E' o que o leitor vae conhecer pela seguinle nar-
ragao :
Pretendendo, po m, contar a interessante e pa-
thelica historia des a. infeliz senhora, somos torga-
dos a referir tamb ra os snecessos mais importan-
tes que se deram m Thomar, durante o governo
de D. Miguel, por )>e acharem com ella intimamen-
te ligados.
Eh5o ser tal vez baldado trabalho o dar conhe-
eimeito s pessoas mocas de acontecimenlos que
perventura ignorara, bem como fazer-lhes compre-
hender orna pocaj de quo mal podem fazer idea
porque, nascidas a sombra da arvore da liherdade,
desconbecem o mono de viver daquelles lempos de
(ao ominosa recon agao, e dos quaes ainda se nao
acha escripta a historia.
Narrando, pois, >s factos occorridos era urna tr-
ra te importante orno Thomar, e urna daquellas
onde mais forte fo a presso exercida pelo gover-
no de D. Miguel, t ra' o leitor um quadro vivo do
que entao se passava em todo o paiz, e por tal for-
ma se achara' em termos de poder apreciar a po-
ca, e os individuos qne entao figuraran!.
Seja-nos licito n caar ainda um ponco, e irmos
buscar a origen) d is nossas discordias civis, tocan-
do de leve urna poca to calamitosa, afim de me-
Ihor podermos ene idear a nossa narragao.
As ideas libertes, despertadas pela revolugo
de Franga, fueran echo em toda a Europa.
Portugal nao fo dos paizes onde o som menos
repercuta; e por isso a invaso franceza deixou
de encontrar adv rsarios em grande parte dos ho-
mens Ilustrados qae por ventura vam neila o
primeiro passo para urna transformarlo social.
Todos aquellos >orm que nesse tempo se deixa-
ram conhecer p< r taes sentimentos toram perse-
guidos pelo govirno pelo poro; asombrados
culpados pagaran: muitos innocentes.
E' bem conhecida a son que no Porto teve o
general Jos Con 5a, e em Braga o general Ber-
nardino Freir, ambos atrozmente assassinados
pela populaga, rjue os alcunhava de jacobinos,
nome qae daraaj quelles que imaginavam pro'
lectores dos francezes.
Algumas pesioas tiveram que emigrar, outras
toram presa*, ot tiveram de se esconder.
A sociedade d quelle tempo compunha-se de urna
aristocracia ait da poderosa, d'um clero numeroso
que dispunha di grandes recursos e tnha grande
afluencia nos negocios do estado, e do povo que
nao tinha ideas de poltica, acosturaado a obedecer
e a soffrer, abo recendo toda a sorte de innova-
goes, e em geral muito estpido. A burguezia era
ponco nmeros i e nao tinha importancia.
Para se con lecer o que o povo era naquelle
tempo, basta qi e se diga, que tendo a aproximagao
dos francezes produzido urna soblevagao geral, o
povo cuidou e n fortificar as suas trras com trin-
cheras de terr i, defendidas por gente armada de
chugos, ao que as pessoas inteligentes nao podiam
oppr-se, porc ue entao eram considerados como
jacobinos, e a norte era certa.
Em Leiria t es diverlimentos custaram a vida a
centenares de )essoas, quando ali entrn o general
Margaron cora urna divisao do exercito de Junot;
e em Tbomar :eria havido saque, se urna bondosa
dama, a Sra. I'. AngelaTamagnini, nao honvesse
de joelhos alcangado misericordia desto mesmo ge-
neral, que a a tendea por ser estrangeira.
Em vez de saque foi langada una contribuigao
de guerra, qt e foi paga em grande parte pelas
freirae da ord< m de Christo, que tambera tiveram
de entregar a prala do servigo da egrejo.
Na invaso i le 1810, o governo dando ordem para
evacuar o p: iz, deMruindo-se tudo quanlo eram
vveres, fez perder valores incalculaveis, e com
tal systema at graentou consideravelmente as victi-
mas da guerr:.
Todos" os gue puderam fugir, para Lisboa, nao
deixaram de o fazer e quem nao pede ou nao
teve tempo (ara isso, relirou-se para os lugares
menos acces veis das montanhas, onde se experi-
mentara toda a sorte de privagoes.
Os camponjezes formavam guerrillas e perse-
guia m os Francezes, matando todos quantos encon-
traran) desgarrados. Os Francezes, usando de re-
presalias, cahiam sobre lagares d'onde suppunham
ter saludo ge ite armada, e passavam tudo a es-
pada.
Praticaram se entao barbaridades inacredita-
veis. Portugal assemelhava-se a um povo de can-
nibaes.
Thomar fo das povoages que mais soffreu com
a guerra.
Ney estabeleceu aqui o seu quartel general, e o
seu corpo eslava dividido por esta villa, Colega, e
Torres Nora.
Os soldados tudo pilhavam ou destruan), e nem
o asylo dos morios era respeitado. As egrejas fo-
| raro reduzipas a cavallarigas, e so'Treram todas
horrivelmertte.
Na egrej do convento da ordem de Christo, o
! magnifico coro com que D. Manoel pre'sentera a-
qnella ordem, e que fra fabricado*em Allemanha,
1 ou fot queii nado ou levado para Franga, sorte que
tiveram tambem alguns qnadros dos que adorna-
ran) a egreja, attrlbuidos a Vasce.
E' bem sabido que o exercito de Vassena, re*
ceiando nlo poder tomar as linbas de Torres Ve-
dras, Uvera de se retirar, qae o nosso exercito e
Jamo com as torgas inglezas, tendo-o sacendido para
lm das fronteiras, o ajudra a Internar em Fran-
ga, ervindo deste modo os interesses da Inglater-
ra, e que finalmente, acabada a guerra, ficra com-
mandado pelo raarechal Beresford, que tambem
era membro da regencia, que conservara nos cor-
pos grande numero de offlciaes uiglezts.
Este estado de cousas tao precario fazia desejar
a reaccao.
Em 1816 Gomes FreireBJaceadio aas clamo-
res da patria ; mas sendo trahido, elle e os seos
pag?ramcom vida.
Apesar destes contra-tempos, as ideas liberaes
iam-sc ramflcando, e as sociedades secretas tra-
balhavam incessantemente e dispondo de muitos
meios.
Independenteraente dos desejos que .todos ti-
nham de ver fra os Inglezes, os excessos do po-
der absoluto, o orgulho dos grandes, o domonio
dos frades, o completo desprezo que o governo ti-
nha pelos interesses do paiz, os tratados ruinosos,
tudo faca desejar urna mudanga poltica, e por isso
foi preparada e levada a efTeito a revolugo de
1820, que teve a annuencia de todo o paiz ; mas
que os excessos dos linerae; dentro em pouco tor*
naram odiosa para muitos d'aquelles a quem ia at"
tacar os interesses. Quizeram andar muito de-
presta e o resultado foi cabirem.
Thomar, lo de outubro de 1864.
P. de Boure Pietra.
IJouve grandes feslas, as quaes tomaran) parte
ainda mesmo aquellos que depois se tornaram fa-
ganbudos miguelistas.
Tudo era alegra e satisfagao; mas a reaegao
promovida pelos nobres e pelos frades, nao se fez
esperar muito tempo.
Era aqui ebefe do partido reaccionario o prior
mor da ordem de Christo D. Luiz Antonio Carlos
de Furtado do Rio de Mendonga, da casa de Bar-
bacena, o qual depois se tornou um dos mais pode-
rosos esleios do governo de D. Miguel.
Este homem dotado de grande intelligencia, mas
com coracao de tigre, e de costumes os mais escan-
dalosos conspirava abertamente.
A sua exaltagao pelas ideas velhas, o as diligen-
cias que erapregava para derribar a constituigo,
fizeram com que o governo tivesse de o mandar
encarcerar ua torre de Belm. Passados algans
mezes Qzeram-o recolher ao convento, mas sem
jurisdiccao.
Por este modo se v que a constiluigo, de quem
era a principal iniraiga a rainha D. Carlota Joaqui-
na, nao podia resistir por rauito lempo.
A jornada de Villa Franca acabou com ella ; e a
divisao do raarquez de Chaves, composta das tropas
das provincias do norte, veiu apenas assistir s lu-
minarias.
Em Thomar houve grande regosijo publico. Tres
dtas de louros, e outros tantos de baile nos pagos
do concelho, a que assisliu a gente de ambos os
partidos, uns cora vonlade, outros sem ella.
Era entao corregedor desta comarca um cerlo
Thomaz Leite, homem rauito moderado, e amigo
dse divertir; tanto que toi elle o director das
festas.
Havia j a esse tempo entre os realistas, gente
exaltada, que se nao fra a moderago adoptada
pelo bondoso rei D. Joo VI, teriam exercido para
com os liberaes as perseguiges com que depois os
vexaram em 1828.
Quando em 182o esteve D. Miguel a ponto de ser
acclamado rei, parece que em casa de cerlo figu-
ro, cuja familia hoje muflo conhecida, se forma-
ra a lista dos que haviam de ser proscriptos, se a
conspiragao vingasse.
Felizmente que taes planos abortaram ; e o pe-
riodo que decorreu at morte do D. Joao VI, foi
pacifico, supposto que todos se julgassem sobre
um vulcao.
A promulgago da carta em 1826 foi bem rece-
bida, e nao teve esta as anlipathias que contra si
tinha adquirido a constituicao de 1820; no entanto
a rebellio do marquez de Chaves de\i animo aos
realistas e a guerra civil comegou.
Cagadores n. 2, que tinha a sua praga em Tho-
mar, teve ordem de marchar para o norte a encor-
porar-so-na divisao do condo de Villa Flor, e o re-
giment de milicias foi guarnecer branles, sendo
depois a villa oceupada por urna brigada ingleza
da divisao Clinton, composta dos regimentos 11 e
63 de infamara, e 43 ligeiros, em torga de 1,600
homens.
Batido Silveira e internado em Hespanha, appel-
larara os realistas para a chegada de D. Miguel,
com quem a principio algans liberaes se illudiram,
pensando que vinha mudado.
(Continuar-seha.)
UM P0C6 DE TUDO.
Da Estrella do Norte extrahimos o seguinte :
O BURRO E OS CEIROES.
Rouen (Franga) urna das cidades, que recebe-
ram com mais fervor as irmazinhas dos pobres,
(*) Os habitantes desta grande cidade tncheram-
nas de tantos donativos, que a boa irma que pede
para os pobres vio-se em a necessidade de empre-
gar um burro para transportar todas as suas pro-
vt5es.
Passeia todas as manhls pelas ras este pacfico
animal munido de seas ceirdes, e lodos os que pas-
sam lhe deitam dentro a sua esmola. Em urna ma-
lina em que o Lurro fazia o seu gyro, choviam-lhe
dentro dos ceiroes legumes, pedagos de pao, carne,
etc., parece que todos porfiaran) quem hava de dar
mais ; nunca a esmola havia sido to boa e ahon-
dante.
De repente passa, ao voltar de urna ra, (as de
Rouen sao em geral estreitissimas), nma pesada
carruagem, pega nos ceiroes e atira com elles ao
chao.
O burro parou e ficou com a mais estoita indif.
ferenga, e quem sabe se (Icaria mesmo contente
por se ver alliviado da carga ? A boa irma, com
o susto, gritn, mas socegoa logo.
Teve muitos esejos de agradecer Virgem San-
tissima esta grande mortificago ; porm como se
nao trata va della s, mas dos seas pobres, poz-se a
apanhar com maior reslgnagao as esraolas espa-
ladas pela lama.
Era um lastimoso espectculo ver o pao enla-
raeado, o vinho entornado sobre a carne e os lega-
mes misturados com caf e com tudo. Os ra-azes
corrram de todos os lados e da vara gargalbadas i
o cocheiro, autor do desastre, rogara pragas ao
burro, aos ceiroes, injuriara a irmaa, e finalmente
toda a gente, isto cosame quando se nao tem ra-
zao.
Neste momento apparece Pedro, generoso*opera-
rio, qae se diriga para a sua fabrica. Logo qne v
o ajuntamento, exclama :
() As irmazinhas dos pobres dedicam-se espe-
cialmente a soccorrer o? velbos enfermos,
*m
Esperem abi que en os arrauje, seas garotos,
vou ensinar-vos a zombar assim desta boa ir-
ma.
E dando bofetadas a torte e a direito poz a chorar
os dous ou tres mais atrevido*.
Este lance mudou toda a scena ; os rapazes que
se estavam rindo, pozerara-se a chorar, o cocheiro
fugio lodo envergoubado, fazendo menos barnlho
que pode.
O corajoso operarlo vae buscar nma corda, con-
certa os ceiroes, e enche-os de novo com as esrao-
las ; em dons minutos tudo foi apanhado ; depois
sem esperar pelos agradec raemos da boa irrfiaa
continuou seu caminho para a fabriea. Pedro era
um excellente operario, enmpria com seus deve-
res com muito zelo e habilidade. Comtudo nio lbe
sahiam da idea os ceiroes da boa irmaa ; lembrou-
se que j nao poderiam servir se nao dous das, e
que as irmazinhas se veriam em grandissimas dif-
flculdades para arranjar.uns novos.
Preoccupado deste modo, lembrou se de appellar
para a generosldade de seus companheiros. Ao
aproximar-so a hora do jamar, antes de se separa-
ren), pedio para lhes dizer nma consa. Todes se
juntaram era redor delle, que lhes dirigi assim a
palavra : -
Meus amigos, todos vos conneceis e amis
essas boas irmaas que vieran) estabelecer-se em a
nossa cidade para soccorrerem os velhos operarios,
quando j nao podem trabalhar. Esta manba
quando vinha para aqui enconlrei essa piedosa ir-
maa que pede esmola para os pobres e o sea bar-
ro, quando o malvado de ora cocheiro lbe atirou
com os ceiroes ao cbo : ficaram estragados, j
nao pode servir. Se tendes a mesma vontade
que eu, beberemos um pouco menos hoje, e tare-
mos urna collecta entre nos para comprarmos a
essas caritativas irmaas dous pares de ceres no.
vos. Que prazer nao teremos nos em ver passar
todas as manhaas por essas ras uns bellos eeires
dados pelos operarios I E demais ellas fazem tan-
to bem, justo qae lodos as ajudemos no qae po-
dermos.
Esta proposta foi recebida no meio das maiores
acclamacoes, tira ento o bonet estende-o a todos
elles, e em um momento vio-o chelo de muitos
reaes.
Durante a hora da refeigao foi Pedro comprar
dous grandes ceiroes, e na manhaa do dia segua-
te antes da abertura da fabrica todos os operarios
se reuniram, e toram em procisso leva-Ios s ir-
maas.
A superiora commovida por esta generosa aegao
no sabia como lhes bavia de agradecer ; porm
Pedro dlsse-lhe :
Nos nao precisamos de agradecimentos, mi-
nha boa irma ; estaes fazendo tanto bem aos po-
bres da cidade, qae nos dea vontade de fazer tam-
bem alguma cousa pela nossa parte, e vede como
nos estamos contentes ? Nos no trocaramos por
cousa alguma do mundo a boa aegao que acaba-
mos de fazer.
J
At aqui, diz a France, era a sanguesuga conhe-
cida no mundo pelo servigo qae prestara aos deen-
les, tirando-lhes o sangne viciado ou superfluo.
Descobrio-se-lhe ha pouco .nova propriedade nao
menos til.
Sao agora destinadas as sanguesgas a servir de
barmetro, indicando o estado da atmosphera com
tal exactido que urna tempestado nao poder nun"
ca sorprender de improviso a equipagem de nm
navio, que desde logo poder adoptar, com a devi-
da antecipago as providencias necessarias para se
por ao abrigo da tempestade ou preparar-se para
ella.
N jtra-se de ha raaito qae aproximagao de
urna mudanga de temperatura comegavam as san-
guesgas a mover-se de modo desusado.
Em 1787 o poeta inglez Coeper, escrevendo a
sua prima lady Hesketb, fallava-lbe de urna san-
guesuga que conservara em urna garrafa, e que
no mar, o adverta de todas as mudangs da atraos-
phera. E', segundo estas indicagss, .que se cons.
truio o novo apparelhe.
Na extremidade de urna vara est collocada urna
campanilla ; na base desta vara, e em volla della
esto dsposlos frascos, conlendo cada um urna san-
guesuga.
Por mel de um fio estatiplecda urna commu'
nicago entre o tubo que termina cada frasco e a
campainha ; urna pequea mola, qual se prende
o fio, collocada no tubo, de modo qne a sangue-
supa, querendo subir pelo tubo, o qne acontece
sempre que ella presente mudanga de atmosphera,
faz saltar a mola, puxar o fio e soar a campainha'
de tal modo qae o homem, mesmo adormecido, des-
pena advertencia de que se aproxima a teapes-
tade.
E do Sr. H. de Alencastro Autran esta poesa
AH I SE SOUBBSSES.
El poeta sabe amar
Con frenes, con delyrio.
Juan W. Munn.
Ah I se soubesses, minha virgem bella,
Como em meu peito o eoragao palpita
Cheio de amores, de tsperangas chelo,
Como se agita----
Quando os tens olhos, esses olhos lindos,
Todo magia, languidez e graca,
Co'os meus se encontrara, na minha alma lngara
Luz que traspassa !
Quando em teus labios, .que rubis semelbam,
Candido riso se desllsa entao,
Ou quando deixas escapar suspiros
Do cof agio.
Quando reclinas a cabega esbelta,
Solas as (rangas, na mimosa rolo,
Ou quando alegre e a sorrlr tu cantas
Terna cango.
Quando me vs te contemplando, s vezes,
Teu alvo eolio, marfiloso e santo,
Eo rosto cobres com pudor anglico___
Que doce encaato I
Talvez, entao, qae me dissesses, virgem :
t Bardo eu te adoro, trovador eu te amo :
< Se eu sou toa alma, minba vida tua
c Por ti me inflammo.
< S mariposa, que ea serel a chamma
< Em que ella venha se abrazar contente :
t S linda rosa, que serei do orvalho
c O beijo ardente.
c Eu tambem sinto palpitar meu peito
Por ti, poeta, de um amor profundo,
i nico ente que das phansias
c Tem o raen mundo.
E entao minha alma que por ti suspira,
Sentindo o fogo desse amor primeiro,
Oh I qne de cerlo senharia nm dia
Porvlr fagueiro.

PERNAMBUCO.-TO.~DE M. F. MF,* FILRO
-

-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECDVMVEE1_NMZGTS INGEST_TIME 2013-08-28T02:12:55Z PACKAGE AA00011611_10580
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES