Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10579


This item is only available as the following downloads:


Full Text



tmmmmmHmm^Km


j
;
:
l
AMO ILI. HOMERO 22
Per quHel pago dentro de 10 dias do 1. mez ...::.
dem depois dos l.M Odias do cowecoe dentro do qaartel. .
Porte o correio por tres jnezes.............
>.* Jb Tj-m' v -.
DIARIO

SEXTA FEIRA 27 DE JAHEIRO DE 1865.
Por anno pago dentro de i O lias do 1. mez ,,,.,.. 19J000
Porte ao correio por um anno.........., 3J000
ENCARREGADOS DA SBSCRIPCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino do Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemcs Braga; Ceara, o Sr. J. Jos de
Oliveira-, Maranho, o Sr. Joaquina Marques Ro-
drtfu**; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Fimos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SBSCRIPCO NO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudios Falco Dias; Babia, o
Sr. Jos Martins Alvs; Ri de Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da va frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Beoto, BomCon-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as torgas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, as qliarlas feiras.
Serinhaem, RioFormoso, Tamandsrr, Una, Barra-
ros, Agna Preta e Pimenteiras, as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE JANEIRO.
4 Quarto cresc. as i h., 22 m. e 52 s. da L
11 La chela as 8 h. 40 m. e 10 s. da t.
20 Quarto ming. aos 16 m. e 62 s. da m.
27 La nova as 7 h., 10 m. e 46 s. da m.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do corhmercio: segundas e quintas.
Relagao: tercas e sabbados s 10 horas.
Faxenda. quintas s 10 horas.
Juizo do eommercio : segundas s 11 horas.
Dito de orphaos; tercas e sextas s 10 horas.
Primeira yara do civel: jergas e sextas ao meio
dia.
Segunda ara do eivel: quarras e sabbdcs al 1
hora da (arde.
DIAS DA SEMANA.
23. Segunda. S. Ildefonso are; S. Emerenciana m
24 Terga. S. Timotheo b.; S. Marrolmo m.
2o. Quera. S. Anacas; S. Juvenlino m.
26. Quinta. S. Polycarpo b. m.; S. Theogenes m.
27. Sexta. S. Joo Chrysosthomo b. doul. da egr.
28. Sabbado. S. Goncaio de Amarante dominic.
29. Domingo. S. Adclelmo ab. ;^r.Marlinha v. m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 4 hora e 30 m. da tarde.
Segunda as 4 horas 54 e minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos das 14 dos mezes de janeire, margo, maio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Maneel Figueira de
Faria & Filho.
PARTE QFFICIAL
60VBM0 DA PROVINCIA.
Continuarlo
do expediente do dia
de 1865.
2J de Janeiro
Portara.^Para o conselho, que devejulgaro
guarda da 2* companhia da secgao urbana do car-
po de polica Jos Gomes da Silva, nos termos do
art. 68 do regulamento de 2 de setembro de 1861 e
148 do de 2 de dezembro de 1853, nomeio :
Presidente
O Sr. capito Francisco Borges Lial.
Auditor
O Sr. Dr. promotor publico desta capital.
Vogaes.
Os Srs. lente Mrjoel Germano de Miranda.
Dito Jos Antonio de Albuquerque.
Dito Joo Pereira Lago?.
Alferes Joaqnim Hercnlano Pereira Caldas J-
nior.
Dilo Manoel Soares de Albergara.
i'.'MiimuBloon-se ao commandante do corpo de
polica.
hita. Para o conselho de julgamento a qne por
torga dos arls. 68 e 83 do regulamento de 2 de se-
tembro de 1861,148 e 172 do regulamento de 2 de
dezembro de (853, combinados rom a resolugo de
consulta n. 255 de 7 do junho de 1862 e ordem do
da n. 317 de 14 do mesmo mez e anno, su jeito o
guarda da 3* compaHh ia da secgao urbana do cor-
po de polica Ladislao Marques de Mello, no-
meio : i ,itjt!
Presidente
O Sr. capito Jos Pereira Teixeira.
Auditor
O Sr. Dr. promotor publico desta comarca.
Vejraes.
Os Srs. lente Joaqnim Hercnlano Persira Caldas.
Dilo Jos Antonio de Albuquerque.
Dito Thomaz Rodrigues Pereira.
Alferes Antonio MunU Tavares.
Dito Manoel Soares de Albergara.
Comrouolcou-se ao commandante do corpo de
policit.
Dia 24
OfQeio ao coronel commandante das armas.
Cniiformando-me cora o que V. S. propoz em seu
offlcio n. 151 de 21 de correte, approvo que seja
incumbido ao capito do 7 batalho de infantaria
Antonio Pereira Heitor o commando das pessoas
3ue se forem apresentando para servirem no corpo
e Voluntarios da Patria, e neste sentido expego as
convenientes ordens : o que declaro a V. S. para
ter execugao. Communicou-se ao inspector da
thesouraria de fazenda.
Dito ao- mesmo.Haja V. S. de informar acerca
o que pede oo incluso requerlmente o sargento do
corpo policial Jos Francisco de Paula Costa.
Dilo ao mesmo.Expega V. S. as suas ordeos
para que a fortaleza do Brum d amanha a salva
do cosiume, 4 libra em que o Exm. Sr. Dr. Anto-
nio Borges Leal Castello-Branco tomar posse da
administrago desta provincia, na qualidade de seu
presidente.
Dito ao mesmo.Queira V. S. dar as suas or-
dens para que o servigo de condugo d'agua e lim-
peza da guarda do palacio do governo seja feilo
pelos calcetas que estiverem empreados na fachi-
na de alguna dos corpos da guarnigo.Communi
cou-se ao director do arsenal de guerra.
Dito ao mesmo.Queira V. S. informar acerca
do que pede Marcellina Maria da Conceigo no in-
cluso requerimenlo.
Dito ao mesmo.Queira V. S. remetter-me urna
relagao das pracas do corpo de polcia que se tem
apresentado a V. S. como voluntarlas e assenta-
ram praga depois de serem inspeccionados.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de dar as suas
ordens afim de que o recruti Jos Das de Paiva,
seja alistado na companhia de cavallaria, onde de-
ve liaver falta de pragas com a sahida do cadete
Vieira e de outras que segoera para a cOrte.
Dito ao Dr. chefe de policaDeclaro a V. S. em
resposta ao seu offlcio n. 128 de 23 do corrente,
que Romo do Reg Barros, Manoel Ignacio de
Mendouga e Amador Jos da Silva forarn pronun-
ciados nesta cidade, onde existe o respectivo pro-
cesso.
Dilo ao inspector da thesouraria de fazenda.
Respondendo ao offlcio que V. S. me dirigi em 13
do corrente, sob n. 38, lenho a declarar-ihe que a
consignago deixada n?sta provincia pelo capito
do 9o batalho de infantaria Jos Francisco de Mo-
raes e Vasconcellos para alimentos de sua familia
nao deve exceder da importancia de duas tergas
partes4rb respectivo sold.
Dito ao mesmo.Em vista dos esclarec melos
dados pela contadura dessa thesouraria no pare-
cer que se refere a sua informagao de 21 do cor-
rente, sob n. 59, tenho a declarar-lhe para seu co-
nhecimento e flm conveniente, que os setenta lam-
peoes mandados promplilicar para a illuminage
do_palacio da presidencia sao avahados em......
157500 rs., e por esse motivo resolv autorisar a
despeza a fazer-se para a acquisigodelles, quando
se effectuar a entrega Ue todos nao havendo nisso
inconveniente, e nem se apresentar duvida.
Dito ao mesmo.Em 16 do corrente enlrou o'
promotor publico da comarca de Goianna, bacha-
rcl Jos Antonio Correa da Silva, no gozo da llcen-
ga de dous mezes sem vencimentos que Ihe foi'
concedida : o que eommunlco a V. S. para seu co- i
nheciroento.
Dilo ao mesmo.O bacharel Manoel Galdno da
Cruz, parlicipou-me em 13 de dezemhro prximo
lindo, que nessa data reassumio o exercicio do car-
go de promotor publico da comarca do Brejo : o;
que a V. S. communicc para seu conhecimento.
Dito ao mesmo.O juiz de direito da comarca de
Sanio Antao, partlcipou-me em 11 do correle que i
nomeou o advogado Tiburlioo Piolo de Almeida,
para excrcer interinamente all o cargo de prom >-
tor publico, lugar que o bacharel Virginio Cirneiro
da C'inha e Albu,juerqae deixou por ter sido no-
meado juiz municipal do termo daquelle nome: o
que communico a V. S. para seu conhecimento.
Ditjao mesmo.O promotor publico da comarca
do Pao d'Alho, hachare! Barlholomeu Torquato de ;
Souza e Silva, pariecipou-me em 19 do corrente,
que leudo terminado no da anterior a licenga de
30 das que obteve, deixou por molestia de seguir
para aquella comarca : o que a V. S. communico
para sua iotelli Dito ao mesmo.O juiz de direito da comarcado
Brejo parlecinou-me em ollicio de 28 de novembro
ultimo, que por ter o hachare! Manoel Galdino da
Cruz, por doente, deixado oaquelta data o exerci-
eio do cargo de promotor publico, uomeara o ha-
chare! Jesuino Claro dos Santos e ilva para exer-
cer interinamente aquelle cargo : o que communi-
co a V. S. para seu conhecimento.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Em vista da terminante dispoisgSo do aviso do mi-
nisterio da guerra n. 330 de 17 de julho de 1862,
recommendo a V. S. que estando era termos os in-
clusos documentos, mande pagar a Simplicio Jos
de Mello, conforme soliciten o subdelegado da fre-
guezia do Altinhe, em offlcio de 15 de novembro
do anno prximo passado, a quaotia de 25)080,
sendo 104000 proveniente do alague! de 2 mezes
da casa que servio de qaartel ao destacamento da-
quella villa e 16J080, correspondente a despezas
feitas com o fornecimento d'agua e luz para o mes-
mo quartel.
A primeira dessas quanta deve correr pela ver-
ba consignada no art. 18 da le de orgamento vi-
gente e a segunda pelaseventuaes.Communicou-
se ao subdelegado da freguezia do Altinho.
Dilo ao mesmo.Respondendo ao offlcio que V. S.
me dirigi hontem, sob n 37, relativamente aos re-
paros que esto sondo executados por Bruno Go-.
mes da Silva, na parte do edificio denominado -
Collegio,oceupada por essa thesouraria, tenho a
dizer que nao mandei fazer taes reparos por era-
preitada e sim com brevidade como V. S. pedio
o que deu lugar a serem elles contratados com o
mencionado Bruno, pela mesma quaotia em que
foram org idos segundo declara o chefe interino da
repartigao das obras publicas no offlcio junto por
copia.
Constando porm, de seu cilado offlcio que essa
obra j se acha adiantada nao ha outro romedio
seno delxa-la ir avante, dando-se no seu valor um
abatimento de i0 0/0 a favor da fazenda, certo V.
S. de que ao chefe daquella repartigao, offlcio nes-
ta data scientificando-o de que cora esse abate ap-
provo o predito contrate.Officiou-se neste sentido
ao chefe Inlerioo da repartigao das obras publi-
jcas._
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S. que pela
verba consignada no arligo 18 da le do orgamen-
I to vingenie e em vista dos inclusos documentos
\ mande pagar ao delegado do termo da Escada ou
\ a pessoa que para isso se mostrar competentemen-
te aulorisada a quanta de 40#000 res, importancia
fio aluguel da casa que n'aquelle termo servio de
quartel ao respectivo destacamento a contar de ju-
lho a outubro do anno prximo passado.
Dito ao-mesmo.Em vista dos inclusos documen-
tos e estando elles em termos, mande V. S. pagar
a Claudio Dubeaux na qualidade de procurador do
Alexandre Maria Barbosa da Silva a quantia de
tOjjOOO res, proveniente do aluguel de 6 mezes
vencidos no ultimo de dezembro do anno prximo
passado, da casa que serve de quartel do destaca-
mento da villa do Pao d'Alho, devendo essa des-
peza correr por conla da verba consignada no ar-
tigo 18 da lei do orgamenlo vingenie.
Dilo ao mesmo.Para os convenientes exames,
reraelto a V. S. a relagao dos presos pobres exis-
times na cadpia d villa de Barreros, que recebi
com offlcio do respectivo delegado de 13 deste mez.
Dilo ao vice provedor da Sania Casa da Miseri-
cordia.Sirva-se V. S. de expedir suas ordens para
ser recebido no hospicio dos alienados da cidade
de Olinda, de nome Prudencio Jos Ferreira, quan-
do ali for apresentado ao regente Luiz do Reg
Barros por parle do Dr. chefe de polica.Commu-
nicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dilo ao commandante do presidio de Fernando.
Picando sriente de quanto V. S. me communicou
sem seu offlcio n. 16" de 6 do corrente, tenho a
dizer em resposta que approvo a delioeragao toma-
da por V. S. de mandar construir um paiol provi-
sorio para recolher a farinba que se val fazendo
com as rocas plantadas oesso presidie, ri:to~que o
paiol existente nao poda comportar a quantidade
avultada que ha de'sse genero.
Dito ao mesmo.Ao sen offlcio n. 166 datado de
6 do corrente, respondo declarando-lhe que nao
deve V. S. dar transporte a familias de sentencia-
dos de que resulte despezas a thesouraria de fazen-
da, visto como sao ellas impugnadas por a tuella
reparligSo como aconleceu com as concedidas pelo
coronel Antonio Gomes Leal.
Dito ao director das obras militares. Oscon-
certos de que necessita a mangedoura da cavalha-
da do quartel da companhia de cavallaria, orgados
por V, S. em 328#0O0 rs. nao podem ser autori-
sados por ora segundo informou o inspector da
thesouraria de fazenda em offlcio de hontem por
nao havercredito|na rublrcaobras -do ministerio \
da guerra no exercicio corrente e mesmo porque
nao eslo no caso do considerar-se comprehendi-
das as disposigoes dos decretos de 7 de maio de !
1842 e 1 de fevereiro 1862 : o que declaro a V. S.
em resposta ao seu offlcio n. 6 de 20 do correle.
Neste sentido offlciou-se ao coronel commandan-
te das armas.
Dito ao conselho administrativo. Autoriso o
conselho administrativo a comprar para o servigo
da ofllcina de sapateiros do presidio de Fernando
os objectos mencionados no incluso pedido.Com-
municou-se ao commandante do presidio de Fer-
nando e a thesouraria de fazenda.
Dito ao commandante do corpo de polica.
Devolvo Vmc. o requerimento do tenente secre-
tario do corpo sob seu commando, Luiz Jeronymo
Ignacio dos Santos com despacho" de hontem, con-
cedendo a esto qunze dias de licenga com venci-
mentos para tratar de sua saude.
Dilo ao director da colonia militar de Piraentei-
ras. Tendo de seguir para a corte na forma das
ordens imperiaes o 9o batalho de infantaria a que
pertencem os soldaeos Manoel Flix do Nasci-
mento Alcntara e Jos Pedro do Nascimento, nao
podem ser estes contratados como colonos desse
estabelecimento visto quo tem de acoropanhar o
batalho segundo declarou o coronel commandan-
te das armos em offlcio de hontem. Fica [assim
respondido o seu offlcio n- 23 de 9 do corrente.
Dito ao Dr. Abiho Jos Tavares da Silva juiz de
direito de Olinda. Pelo seu offlcio de 10 deste '
mez fiquei inteirado de ter Vmc. por doente, in-
cumbido ao juiz municipal de Iguarass de presi-
dir all a junta revisor dos jurados cuja reunio
fra marcada para o dia 13 do corrente.
Dito ao Dr. juiz de direito do Pao d'Alho.Es-
tando Christovo de Hollanda Cavalcante d'Albu-
querque, no eiTectivo exercicio do posto de leneute |
coronel commandante do batalho da guarda na-
cional, que aceitou depois de nomeado supplente
do juizo municipal dese termo, claro que renun-
ciou este ullimo cargo, e nao pod9 raais assumi lo
em face do disposto nos avisos de 3 de junho de
1863 e 13 de dezembro de 1864. Assim dou solu-
go a consulta feita em data de 3 do corrente por
Vmc. quo o (ara constar ao juiz municipal desse
termo, e a qoem raais competir.
Dito ao Juiz de orphaos desta capital. Confor-
manao-me cornos razoes expendidas pelo inspec-
tor da thesouraria de fazenda nos offlcios Vmc.
dirigidos em 10 e 30 de dezembro prximo findo,
e na inforraago n. 23 de 10 deste mez, junta por
copia, devolvo a esse juizo os dous offlcios cima
citados, requerimentos e precatoria que acompa-
nharam o de Vmc, de 5 do crreme, relativa-
mente a quantia de 4:2905090 rs., reclamada por
Joo Keraps, como administrador de sua mulher
Candida Francisca da Lapa Kemps.
Dito ao juiz municipal supplente de Santo An-
tao.Respondo aoseu offlcio de 7 deste mez, di-
zeodo que por ser pobre e nao poder sellar o res- i
pectivo al vara de soltura, nao pode ser detido em i
priso o individuo, a quem Vmc. alinde, nao sen-
do de suppor que, tendo elle meios, nao queira,
para poupar-se um pequeo dospendio, sahir
loga da cadeia, ende ns dever ser todava con-
servado no caso de recusarse a salisfazer tal
despeza, pois nao ha le que permita a contina-
gao de sna priso por semelhanle motivo.
Dito ao mesmo.Inteirado- pelo seu offlcio de
27 de dezembro prximo Ando, de ter Vmc.
nomeado a Francisco de Paula Bezerra Cavalcante
para exercer interinamente o offlcio de partidor
e destribuidor desse termo, recommendo-lhe que
me declare a razio porque Goilharmino Paes
Brrelo deixon de exercer o sobredito offlcio c por
quem foi exonerado.
Dito ao promotor publico do Brejo bacharel
Manoel Galdino da Cruz.-Pelo seu offlcio de 13 de
dezembro prximo findo, fiquei sciente de ter Vmc.
reassumido n'aqneila dala o exercicio do seu
cargo.
-------------- f muiM i-----------------------1---------------------------------------------------------------------------------- -
direccap aos negocios desse recolhimento, cujas tes ; os quaes nada devera pagar visto serem po-
euucandas esiou persuadido que nao cessaro de bres como declarou o Exm. Sr. vice-presidente.
rogar ao Altlssimo pelos prestrnosos *
que o co Ihes deparcm.
Pede-me V. 8. que faga com que o Rvm. missioi-
nario Fr. Egydio ah se demore por mais tempcL
afim de levar a effeilo diversas obras de grande
INTERIOR.
Dito ao subdelegado do districto do Peres. utilidade para o recolhimento, as quaes s podero
Para se poder resolver acerca da consulta cons-; prosperar debaixo da direcgo de lo zeloso e es
tante do seu offlcio, de 12 do corrente, (az-se ne- clarecido raissionario. Se estivesse as mloha;
cessano que Vmc. declare : 1.- se o sargento do mes, j en assegurava a V. S. que o referido Fr
6. batalho de infantaria da guarda 'nacional Pau- j Egydio s dahi voltaria quando se houvessem con-
lino Antonio de Souza juiz de paz do presente | cluido as obras necessarias; como porm depende
anno e se est em exercicio : 2. se o inferior islo do Rvm. prefeito do hospicio da Penha, a elle
portador do offlcio que Vrac. dirigi o tenente \ me dirijo nesta data, nenhuraa duvida me restan-
coronel commandante d'aquelle batalho, eslava do de que zeloso com) e igualmente interessado
smente designado para conduzir presos aquelle | no augmento e prosperidade de um recolhimento
PRO-
DOS
sargento e o de nome Luiz Cavalcante de Albu-
querque ou se para fazer elle mesmo as pri-
sSes, recorrendo Vmc. para salisfazer o 2." des-
tes quisitos ao offlcio que Ihe dirigi o mesmo te-
nente coronel.
Portara.O vce-presidente da provincia, atten-
dendo ao que requeren o professor publico de ins-
trurgo primaria da freguezia de Nossa Senhora do
O' de Goyanna Jos Marcelino da Costa, e tendo
era vista a inforraago do director geral dainstruc-
go publica de 23 do corrente, sob n. 23, resolve,
de cooformidade com o artigo 23 da lei n. 598 de
13 de maio do anno passado, remover o mesmo
professor daquella cadeira para a de Itapissuma.
Dita.O vice-presidente da provincia recenhe-
cendo, em vista das inforraages ministradas pelo
secretario do governo e respectivo offlcial-maior,
ser necessario a nomeaco de um amanuense pa-
ra a secretaria afim de car completo o pessoal que
que a obra prima do seu dignisslmo antecessor,
o ftvm. padre mestre Fr. Caelano de Messina, ha
de compenetrarse di conveniencia e necessidade
mesmo que ha de que o Rvm. Fr. Egydio ahi se
demore por mais algum lempo.
Fico de posse dos tres documentos que V. S me
remellen relativos aos dinheiros recebidos, e em
lempo darei as necessarias providencias.
Para facilitar a remessa dos dinheiros destinados
ao recolhimento, mando agora entregar no hospi-
cio de Nossa Senhora da Penha a quantia de 30U&
correspondentes a seis mezes da mesada por mim
consignada para o recolhimento do Bom-Conselho,
o que participo a V. S. para, de acedrdo cono o ,
Rvm. Fr. Egydio, dar a essa quantia o destino con-
veniente.
Dito ao Rvm, padre mestre Fr. Egydio de Garri-
do.Accuso recebido o offlcio de V. Rvm a. data-
do de 11 do correle, o qual me foi entregue jun-
que deve ella ter na conformidade do regulamento' lamente com ootio do' Dr. Carlos de Cerquetra
I e acto da presidencia datados de 26 de jaaeiro de Piolo, juiz de direito de Garanhiios, e protector es-
j 1853, resolve noraear para o lugar de amanuense pecial do recolhimento do Bom-Conselhe.
da referida secretaria, que se acha vago, o cidado Nao posso delxar de louvar o zelo e dedicago
Joaquim Leocadio Viegas que j serve gratuita- cora que V. Rvma. lera promovido o melhoiamento
j mente, o qual perceber os respectivos vencimen- do recolhimento de Nossa Senhora do Bom-Couse-
los pela verbaEventuaesno caso de nao poder. Iho em Papacaca, e o impulso que tem dado s
ser levada a respectiva despeza ao crdito consigV obras do mesmo' recolhimento. As jovens inno-
nado no Io art. 3 da lei provincial n. 594 de 13 centes que acolhidas debaixo da proteegao da Vir-
de maio do anno passado.Communicou-se ao ins-! gem do Bora-Conselho, ahi recebem a educago re-
pector da thesouraria provincial. ligiosa e a iostruegao necessaria ao seu sexo, ho
Dita.O vice-presidenle da provincia, tendo era de rogar a sua padreeifa pelo digno missionario,
visla a informago do coronel commandante das | qne, continuando a obra dos seus superiores, tanto
armas n. 144 de 21 do corrente, e o parecer da se interessa pela boa sort dessas jovens e pela boa
junta militar de sade de 2 de novembro ultimo,' ordem desse estabelecimento.
resolve conceder na forma do art 106 do regula-1 Pede-meo !;r. juiz de direito que consiga a de-
mento de 27 de outubro de 1860, tres mezes de II- mora de V. Rvma. nesss lugares, afim de levar a
cenca que solicilou o particular da 5* companhia effeilo as obras de que necessita o mesmo recolhi-
do 4o batalho de arlilharia a p Manoel de farra-
Iho Paes de Andrade para tratar de sua sade fra
do hospital.
menlo, e eu nesta data rae dirijo ao Rvm. prefeito
da Penha, para que consinta na demora de V.
Rvma. por mais algum lempo, at que se cencluam
Dita.O vice-presidenle da provincia, atienden- as obras o se d melhor andamento aos negocios
do ao que requereu Aloxandrlna de Lima e Albu-! externos do recolhimento.
querque profossora publica da primeira cadeira da Para facilitar a remessa dos dinheiros destina-
freguezia de Santo Antonio desta cidade, o tendo dos ao recoIbimenJn, majado agora entregar no hos-
em vista a iuformagoulo director geral da instruc- piew de Nossa SeBftora da Peuhaa quaotia de 300J
gao publica de 14 do curente. fesSIve conceder a! correspondentes a sais m. ie da mesada por mim
refunda erofessora 30 olas de licenga com venci- consignada para o recolhimento do Bom-Conselho,
menlos para Iratar de sui^sade. o que participo a V. Rvma. para, de accrdo com
Dita.O vice-presidenle da provincia, tendo en o Sr. Dr. Cerqueira, dar a essa quantia o destino
vista o que requereu Joaquim Teixeira Peixoto,' conveniente.
recebedor da recebedoria de rendas internas nesta Dito ao prefeito do hospicio de Nossa Senhora da
capital, e bem assim o que a este respeito infor- Penha.Inclusos remeti por copia a V. paterni-
maram s repartiges competentes, resolve conce-, dade Rvma. os offlcios que recebi do juiz de direito
dcr-lhe 3 mezes de licenga para tratar de sua da comarca de Garanhuns, protector especial do
Saivf' reco'bimento do Bom-Conselho, e do Rvm. missio-
Uita.O vice-presidente da provincia, atienden- nario Fr. Egydio, ambos tendentes ao mesmo re-
do ao que requereu Mapoel Saturnino dos Santos colhimento. 'Por elles ver V. pateruidade Rvma.
Neves, resolve concedfrihe licenga para embarcar o que se ha feilo em favo daquelle estabelecimento
para o presidio de Fernando no primelro vapor da de educandas, e o que anda resta fazer. O pro-
Companhia Fernambucana que para all seguir os teclor especial insta, como ver do incluso offlcio,
gneros e objectos constantes da relagao junta, as- para que o Rvm. padre mestre Fr. Egydio all se
signada pelo secretario do governo, nao podendo, demore, e at promelte mudar a sua residencia
porm, effecluar o desembarque dos ditos gneros para aquelle lugar, afim de melhor atlender s ne
sem que por parte do cominandanle do presidio se cessidades do recolhimento : o Rvm. Fr. Egvdio
proceda a exame para se verificar se ha aguarden- pede que eu faga com que V. paternidade Rvma.
te, ou oulra qualquer bebida espirituosa. all se dirija pessoalmenta.
Dita.O yice-presideule da provincia, lendo em Certo como eslou do desvelo com que V. pater-
vtsta o offlcio que em 2o de novembro do anno nidade Rvma. trata aquqlle estabelecimento, ne-
proximo (indo Ihe dirigi o subdelegado de polica nhuma duvida tenho deque acceSer ao pedido do
da freguezia de Cabrob, do qual consta que Ma- mui digno juiz de direilo, fira de que as obras se
noel Leite o Joaquim Malhias Ferreira lomarara concluara e o recolhimento prospere debaixo da
torga de armas no dia 16 daquelle mez Josino sabia direcgo de lo zeloso missionario. E' des-
rrancisco Malinas, que linha sido preso naquella necessario que eu declare a V. palernidade Rvma
freguezia para recruta, resolve nos termos do art. i que uno os meus rogos aos do protector especial :
14 das instruccoes de 6 de abril de 1841, impor aos como V. palernidade Rvm. sabe, o meu raaior de-
refendos Manoel Leitoe Joaquim Malhias Ferreira : sejo que aquelle estabeleeimento prospere no mo-
apena de 3 mezes de priso e 200,5 rs. de multa, e ral e material, at altingir ao alvo que teve em
determina que se remella copia desla portara ao vistas o Rvm. padre mostr Fr. Caelano de MessI-
deiegado do termo de Cabrob, para dar-lhe a de-1 na, fundador daquelle pi stabelectmento. Espero
vida execugao. -Fez-se o necessario expediento, 'pols que V. palernidade Rvma., no caso de nao
Dita. o br. gerente da companhia Pernambu- poder ir
cana de navegago costeira faga transportar a seus o Rvm.
destinos no vapor Persinunga, por conta do minis-
terio da guerra os objectos mencionados na rela-
gao junta, que o director do arsenal de guerra tem
de remetler s provincias da Parahyba e Cear.
Fizeram-se as necessarias communicages.
Expediente do secrelario do governo do dia 21 de
jaaeiro de 186o.
Offlcio ao commandante superior da guarda na-
cional de Sanio Aoto e Escada. De ordem de S. i
Exc. o Sr. presidente da provincia, devolvo V S.
competentemente apostilada a patente do capito
da 3* companhia do batalho n. 23 de infantaria da
guarda nacional sob seu commando superior Joa-
quim de Barros Correia de Qoeiroz,
GOVERXO DO RISPADO DE
PERvAHBUCO.
SEDE VAC\i\TE
Jaueiro de 1863
diente do dia 18.
de Cajazelra.Tendo sido V.
ario encommendado da fregue-
i que jamis tomas.se conta de
-. disso sendo collado vigario
no dia 24 de dezembro proxi-
. e al hoje se apresentasse para!
tomar posse da freguezia em que est
pessoalmente a Pipacaga, permittlr que
missionario Fr. Egydio all se demore o
lempo necessario para a cnclusao das obras.
Dito ao vlgario do Pilar Dr. Leonardo Antones
Meira Henriques Tenho presente o offlcio de V.
S. firmado em 15 do correle, pelo qual fico intei-
rado de haver V. S. tomado posse nesta data da
regencia da freguezia de Nossa Senhora do Pilar
dessa provincia de que foi jpor mim encarregado
em dala de 12 de novembro passado.
Conscio da intelligeneia fl probidade de V. S. por
tantas vezes provada, nennuma duvida tenho de
que ha de reger essa parochia com o zelo que o
caracterisa, e com nolavel proveito da religio e
dos povos.
804-
Offleio ao Exm. Sr. vice-pjresidente da provincia.
Tenho presente o offlcio de V. Exc. datado de
hontem, em que, commuriieando-me qne, lendo
ordenado que o recruta Jos
em liberdade depois de se cizar com a meBor Ma-! diaate processos mais perfeitos e ltenla a boa
ria Joaquina da Conceigo,
os banhos sem impedimenta
ment que junto me envia, signado pelo vigario
Soares Lins seja posto
PARA.
RKLATORIO DO SECRETARIO DA PRESIDENCIA DA
VINCIA, RELATIVAMENTE A NAVEGAB1LIDADE
ROS DESSA E DA PROVINCIA DO AMAZONAS.
(Continuarao.)
III
Industria, eommercio c ni el lio rain en los.
Summario.Recursos naturaes e meios de desea
volve-los.Resenhas sobre a quantidade e va-
lor dos productos industriaes ; agriculas; na-
turaes.-Pedras para calgraento de ras; cas-
tanhas; guita percha ; gomma elstica ; madei-
ras ; peixe.Estado do eommercio : valor dos
gneros exportados ; causas da decadencia do
eommercio : meio para combate-las.Melhora-
mentos reclamados as psvoagoes ; rampa do
Baio ; matriz de Mucajuba : caes de seguranca
em Camet.
Nao conhego urna regio que rena coadigSes e
elementos naiuraes lo vantajosos sua prosperi-
lade e ao eommercio, como a de Tocantins; mas,
impossivel occullar que os moradores, alias os
mais activos e laboriosos da provincia, cuidao
ouco de tirar proveito de lo felizes disposigoes.
O clima concorre, sem duvida, para alimentar
sse lorpor nos nimos : o calor ardenle durante
dias de vero enerva e abale as torgas do ho-
em mais robusto, roubando-lhe grande parte de
ua energa phisca, e durante a estago rigorosa
o invern o irabalho frequentemente parausado
ela invaso geral das aguas; mas a perda de tem-
resultante desses inconvenientes, poda ser, ao
enos no vero, compensada pela adopgo de um
relhodo em que, regulando se as" horas do servi-
go, se procurasse ao mesmo tempo aperfeigoar o
irabalho pelo emprego de instrumentos e de ma-
chinas, feralmente coohecidas, mesmo no nosso
paiz, onde agricultura e industria nao tem feilo
progresso iguaes aos que aprsenla a Europa.
Um simples engeaho de dispolpar e lavar o ca-
f, por exemplo, poda ser utilmente empregado
para o mesmo trabalhonapreparago do cacao, ob-
ten do-se assim com a maior economa de lempo c
de bragos muito melhor resultado.
|Para o fabrico da farinha, que um dos gene-
ros principaesda allmentago do povo, nao se co-
nfiece em Camela as machinas raladoras; para se
prepara-la segue-se anda o mettiodo primiiivo de
deilar de raolho a mandioca at amollecer, afim de
fatilitar a sua presso no tlpiti, com o que nao s
se'eslraga o amydo, mas d-se farinha um gosto
pouco agradavel que rosulta da ferraeotaco. Urna
simples machina de ralar daria n'ura *a resulla-
dot muito mais satlsfacionos para o fabricante do
faDha, economisando tempo e bracos que podiam
ser applicados a oulros irabalhos.
Qs moradores do Tocanlins sao mais cultivado-
rea do que icdustriosos: a industria mais geral all
de louga de argila plstica, da qual fazem jar-
roa, bacas, bulles e oulros vasos pintados de co-
res vivas e vidradas com a resina do Jutaicica :
essji louga alias de pouco mrito para o servigo,
mulo apreciada nao s na capital e as provincias
de pul, mas tambera em paizes estrangeiros como
ohjecto de curiosidades.
Q fabrico de tijellinhas para o servigo da ex-
tradgo do leite de seringueiras tem desapparecido
em imuitos lugares depois da applicago das con-
chas univalvas chamadas Unuu, que as substituem
c*nj dobradas vanlagens para os seringueiros.
As cuias pintadas e invernisadas cora a mesma
resina do jutaicica sao igualmente estimadas, e os
canielaenses exportara aonualmente granie quan-
tidale dolas.
O fabrico de azeile de andiroba urna industria
importante que oceupa grande numero de pessoas
e tora sido at o presente o seu producto um bom
ramo de eommercio. .\o anno, ha pouco Ondo, o
Tocantins exportou para a capital, onde se conso-
m quasi todo, 9,865 potes de azeile no valor de
49.-325J000 ris.
O azeile exlrahido de amendoas triangulares,
encerradas dentro em um ourigo, produzidas pela
arvore yandiroba (Carapa Gutanensis, d'Aubletj
que se encooira em grande abundancia as ilbas
e varzeas da provin-ia principalmente as do bai-
xo Tocanlins e as do grande JEUuarium entre
os ros Amazonas e Para.
O processo da sua extraco deixa muito a de-
sejar para chegar ao estado "de perfeigo ; ainda
o mesmo da maceragao erapregada ha dous se-
cutes.
D'esse processo resulta a perda de grande
quantidade de oleo e a imperfeigo do producto, a
qual nao Ihe permuto obter um prego mais van-
tajoso no mercado.
0 aperfeigoamento deste ramo de industria
agora mais do que nunca urna necessidade para
os fabricantes, pois que, generalisado como se acha
o uzo do petrleo, estando prximo o da em que
a capital dever ser Iluminada a gaz, evidente
que o oleo de andiroba ser desapreciado no eom-
mercio se novos aperfeigoamentos na sua produc-
go nao vierera salva-lo da ruina.
Nos districtos de Camota fabrica-se o sabo co-
nhecido com o nome de sabao de cacao, por ser
preparado cora as cinzas enrgicas das cascas des-
te fructo. Esia indnstria pode dar grande inte-
resse aos productores ; ella faz esperar que, rae-
os quaes j correram j qualidade de material, venha-se a obter fcilmente
como se v do docu-1 sao de um modo que |rivalise com o melhor
da freguezia do Bom
os nubeotes, me pede
Antonio de Hollanda Chacn
Jardim onde sao moradores
que aulorise ao Revd. parocho da freguezia da
Boa Vista dessa cidade para effectuar o referido
casamento uo hospital milita?, onde se acha deten-
to o nubente.
Cumpre-me declarar v. Exc. em resposia ao
seu cilado offlcio que nesta data ordeno ao Revd.
collado, or-
deno-lhe que quanto antes v tomar posse da (re- I vigario da Boa Vista que, d
guezia de Cajazeira, em que est collado, e entre | militar, ali assista ao recebimento dos referidos
na regencia da mesma, participando-me o dia em
que o houver feito.
19
Offlcio ao Dr. juiz de direito da comarca de Ga-
ranhuns.Tenho presente o offlcio de V. S. datado
de 11 do crreme, relatando-me o eslado lastimoso
a que eslava reduzido o material do recolhimento
de Papacaga, e as delapidages e extravos qne se
davam nos dinheiros do mesmo recolhimento, nao rem-se Itvres e desempedidns, e baverem corrido
obstante a vigilancia e as reclaroaccs da digna os proclamas na freguezia di> Bom Jardim, d'onde
ngindo-se ao hospital
contrahentes, sem quo delles exija cousa alguma
como parece a V. Exc. visto lerera pobres.
Dito ao vigario da freguezi i da Boa Vista da ci-
dade do Recife.Annuindo h' justa requisigo que
me fez o Exm. Sr. vice-pre .dente da provincia
em data de 19 do corrente, a utoriso a V. S. para
receber em matrimonio os nubentes Jos Soares
Llns e Maria Joaquina da Conceigo, visto acha
sao naturaes, sem que
algum, como affirma o Rev
no documento que remeti in
r o cuidado de archivar jumamente com este offl-
cio ; e depois de felto o co npetenle tangamente
nos livros da sua matriz, ren etter
ra o Revd. vigario do Bom J
regente, que se acha encarregada da educago das
meninas ahi reclosas. No meio porm do pesar
que me causaran essas revelages tive indisivel
prazer por saber que a Iostruegao que as jovens
educandas ahi rerebem a melhor que se pode
obter nesses remotos sertdes, e que a educago
moral e religiosa lem o prlmetro lugar nesse esta-
belecimento. E' este por ceno o essencial em urna
casa de educago, e no meio de tantas extravos
rogosijo-me com V. S. por ver o bom regiraera in-
terno que preside a esse recolhimento.
S Maria Santissima poder retribuir a V. S. e
ao Rvm. missionario Fr. Egydio o amor o dedica,
cao coro que ambos tem. tranalhaidp para dar boa' r. judo prearlo par a re
appbrecesse impedimento
rl, parocho respectivo
iluso, e que V. S. te-
le igualmente a faga inscraW no livro cbmpe
tente.
E para que este recebimento
que o caso requer, logo que
co se dirigir immediataraerjte ao hospital militar,
onde se acha detento o nub inte, e onde enconga
;epg5o do? contrahen,- i
tenha a brevidade
V. S. receber este offl
pi de Baio, onde a planta nao acha terrenos
apropriados para seu desenvolvimenlo; as ilhas
e varzeas que Ihe sao favoraveis, com as en-
dientes tao todas ao fundo, como bem se ex-
prmem os moradores, ficando morios os cacoeiros
era consequencia da putrefago dos seus troncos
alagados.
No municipio de Camet, porm, onde o rio,
gracas sua grande largura, nao inonda muito
as trras baixas lodosos fazendeiros cultivam esta
planta inleressante, que e ser sempre a fonte
raais-fecunda da fortuna particular e da riqueza da
provincia.
Se os fazendeiros quizerem melhorar os pro-
cesses actualmente empregados, o cacao do Para
poder vir a fazer no quadro das rendas do im-
perio o papel que o cafe tem feilo as provincias
do Rio de Janeiro, Minas e S. Paulo, enriquecendo
a nago e os sens cultivadores.
Um dos meios de aperfeigoar sua cultura a
substituigo, em parle ao menos, das sementes dos
nossos cacoeiros pelas sementes dos de Venezuel-
la e Guatimala, como observa um distincto natura-
lista, o Sr. Brunet, no offlcio que dirigi presi-
dencia do Para em 1860.
O cacoeiro consiiiue n'aquelles paizes urna
especie differente e melhor do que a nossa, toman-
do as proporgoes de grandes arvores e produzmdo
fruclos em numero quasi dobrado.
Sabe se que a maior parle das plantas cultiva-
das tende a degenerarse, tornando-se rachiti-
cas e por conseguinte cada vez menos producti-
vas ; os agricultores mais experimentados e in-
telligentes cosiumam substitui-las por sementes
novas, ou mudas vindas de outro paiz onde sao
mais perfeitas ou_se conservaram melhor.
Eosa substituigo poder talvez concorrer ainda
para que o cacao possa ser cultivado em trras
pouco mis enchutas do que as nossas ilhas e var-
zeas ; o vigor e as dimensoes dos cacoeiros de
Venezuella permittem esperar mais essa vanlagem
da sua transplantaco ne Para.
Se os cultivadores de Camet quizessem melho-
rar os seus cacoeiros e obter maiores lucros, en
me animara a aconselharlhes que se cotisas-
sem para mandarem Venezuella um agente in-
telligenle encarregado de escolher e condnzir
para esla provincia urna porgo de raudas e se-
mentes.
Com urna despeza de 2 ou 3 contos de ris e
mediante a proteegao do governo imperial se ob-
teria a quantidade precisa para melhorar as plan-
tages.
A carta do naturalista que acabo de citar in-
dica os meios de conduzir para aqui com seguran-
za as sementes e raudas de cacoeiros de Guati-
mala e Caracas.
Em 1863 a exportago do cacao para a capital
foi de 109,682 arrobas no valor de 493:569,5000 rs.;
quantidade quasi igual metade de toda a pro-
duego desle genero na provincia durante o. anno
lindo.
Este algarismo seria muito mais elevado, se
fosse possivel conhecer-se a quantidade que entra
na capital por contrabando, e que se affirma nao
ser menor de 5,000 arrobas.
No anno de 1863 prximo findo nao se exportou
do Tocantins caf, nem assucar; mas houve im-
portago destes gneros.
O algodo exportado nao passou de 56 arrobas
e 28 libras.
O tabaco ou fumo figurou na exportago semen-
t com 32 arrobas.
_E' por cerlo, bem frao o algarismo da exporta-
cao destes 2 ltimos gneros, mas ao menos revela
que os esforgos do governo e da Sociedade Auxi-
liadora da Industria nacional, que se moslram
lo empenhados pelos progressos d'agricullura e
industria no imperio nao sao totalmente despreza-
dos pelos nossos concldadaos; essas poucas arro-
bas de algodo e de labaco prevam que, se os pre-
gos no mercado acorogoarem os productores, no
anno prximo e nos segulntes teremos a satisfago
de ver que os productos se multiplicara e que as
arrobas passaro successivamente das desenas s
centenas e das centenas a milhares. l'm pouco de
perseveranga nos cultivadores e um pouco de in-
tegridade no preparo do tabaco, cono no de oo-
tros productos indispensavel para se chegar a
aquelle lim.
Productos naturaes.A regiao do baixo Tocan-
tins pobre de productos mineraes de valor ; e a
natureza de seu slo nao permute descobri-los em
abundancia.
Peuco abaixe da ilha dos Santos na margem oc-
cidental do rio encontramos grandes massas de pe-
dras dispostas em laminas regulares ; sao excel-
lentes para a construego de grandes edificios e
predios e se prestam ptimamente ao calgamenlo
de ras pelo systema de parallelipipedos, dispen-
sando o irabalho de lavra-las. Ellas formara all
um pequeo estrado, ou plano que se inclina at o
leite do rio, o que facilita muilo o sen embarque.
As ras de Belm podiam ser calcadas com
essas pedras, e com isso se coiheria nm duplo be-
neficio, o de. preservar da lama as roas e o de ex-
tinguir o p que resulta nao s da natureza do slo
como do systema e material empregado na maca-
damisago actual das ras. A pedreira, a qne me
refiro, pode fornecer pedras para calgar numerosas
^grandes cidades.
Toda a riqueza da regio do Tocantins est nos
vegetaes. Nenhuraa parte da provincia offerece
raais ricos castanhaes, alm de abundarem outras
muitas plantas fructferas, lactferas e oleosas mais
ou menos uleis alimentario, s artes, a industria
e ao eommercio.
Posto que seja geralmente conhecida a maior
parte dessas plantas, eu apreseatarei todava no
apndice urna ligeira noticia sobre algumas que.
offerecem maior interesse.
Castanba.A castanha exportada do Tocantins
em 1863 para a capital subi a 15,017 alqueires.
Guita-percha. leite da arvore de magarandu-
ba, depois de coagulado, tem todas as propriedades
da guita-percha, ou antes a mesma guiia-percba,
producto riquissimo pelas variadas applicagdes que
Ihe d a industria, e que por isso mesmo sustenta
um prego igual ae da borracha fina.
E' imp producto novo, e ainda nao bem conhecida.
entre nos, para o qual nao hesito em chamar toda
a attengo, porque lenho a mais firme conviego de
que elle constituir em breve tempo um dos ais
ricos ramos de eommercio na provincia.
Na exposigo provincial de 1861 j figurcu aqu
urna pequea amostra deste producto.
Gomma elstica.Nos districtos do Tocaqtins. as
seringueiras tem consideravelmente diminuido,
era consequencia do modo brbaro, aconselbado
que apparece no nosso mercado.
No anno prximo linde a exportago d'este ge-
nero para a capital foi de 2,384 arrobas que, se-
gundo os pregos medios, produziram o valor de
9:5365000 rs.
Quanto preparago da borracha nada direi
aqui; d'ella tratarei em outro lugar.
i A agricultura a mais nobre e a mais hon-
rosa das profisses do homem. Do seu consorcio
com o eommercio nascem as artes, a abundancia, a
riqueza e a felicidade. >
Depois de annunciar estas proposigoes dolo-
roso desrer realldade do estado da agricultura
na regio que descrevo.
A agricultura no Tocantins nao tem dado ura
passo no caminho do progresso; e com quanto se-
ja agradavel declarar que o numero de lavradores
tem constantemente crescido, pode-se todava afflr-
raar que al o presente essa nobre oceupago tem
eslado circumscnpta ao cultivo da mandioca como pela cobiga de extrahir dellas o leite" por nielo da
a certidao pa-
rdim, afim de que el-
genero de alimentago, e ao do cacao como genero
de eommercio.
A mandioca cullativada em teda aquella re-
gio e d'ella se fabrica a farinha d'goa o en-
tras, entre as quaes sobresahe a de tapioca que
excellente e das mais perfeitas que se fa-
bricara na provincia. Urna e oulra sao con-
sumidas no lugar da prc-duega; a primeira
e um genero indispensavel alimeniacao do
povo.
No anno de 863 a quantidade de tapioca ex-
portada pa.vaa capital foi lo deminuta que apenas
se pit considerar como encommendag particu-
liros.
A cultora do cacito insignificante no munici
incisSes numerosas e continuas, e sobretodo pela
applicago do arrocho qne obrbja a arvore a esgo-
tar todo o seu sueco vital.
Hoje, nao havendo j arvores em tanta abundan-
cia naquelles districtos, valse procura-las as ilhas
de Breves e Macap qne sao desde 40 annos o rei-
no (TEIdorado dos seringueiros.
Das 19,403 arrobas e 30 libras de borracha ex-
portadas do Tocantins em 1863, pde-se dizer que
urna terga parte procedente daquellas ilhas.
Arvores resinosas e oleosas.A trras do TV
cantos contm outras arvores tambera notjveU
como a Cupahybeira, o Uralrlzeiro, etc., que produ-
zem leos preciosos: o Jotahy, que d. a resina Ju
labvsica, tac, til Ba invernisagao da louga ; a bre-




------------^_

eir que fl o brc ; a andlrobera de cu josfroctos
se extrahe o azelte de andlroba ; i ucunbeira bran-
ca que fornece resinas sebiferas, proprlas para
Diarlo de Pernambuco Sexta felra t' de
Rm Mocajuba a edificado da igreja matriz a
prtmetra neeessidade do lugar. Esla necessidade
propnas para me parece que deve ser attendida com a maior ur
vetos de luz. Alera destas ha urna grande qtm-> gencia, flm de se evitar que por falta d lerirpto a
dade de outras arvores, cojos troncos'do madeiras i populajo venha a cahir, quanto religiao de
damefhoreoalidade para marcenara- Osa para j nessos paos, nesse tedlfferemismo pergoso qne j
construcj5es civis e navaes, que fra superfluo se faz senlir em varias localidades remotas, onde
mencionar, pois que sao geralmente conhecidas. muitos fllhos de christos nascero, crescem, vivem
Os productos naturaes do reino animal sao nu-
merosos, mas nlo aproveltados, pois que, alero de
pelles de varios animaes, nao flgurou na exporta-
cao de 1863 para esta capital seoao algum peixe
salgado ; o peixe chamado mapara alias o onico
que avultou nessa exportacao, sendo representado
por 377 arrobas.
rv
ESTADO DO COMMBRCIO.
O commereio no Tocantins est em relajo com
os productos de exportacao e com os gneros de
consuma As producjoes do paz sao, como j se
disse, as naturaes e as agrcolas, isto castanhas,
borracha, peixe, oleo de cupahiba, cacao, azeite,
algodao e tabaco.
Estes gneros e os de tmportajao sao transporta-
dos em vapores da carreira entre Belm e Camet,
e em barcos vela entre a capital e as diversas
povoajSes e sitios existentes margen do no e
Das suas ilhas e furos.
J refer o modo porque estas embarcacSes fa-
zem trafico entre a capital e as diversas localidades
sitios do Tocantins. Accrescento que ellas levara
s casas de negocio dispersas pelas ilhas e garaps
as mercadorias e gneros de que os negociantes
precisam, e delles recebem cargas a frete seguindo
directamente para a capital, sem terem, geralmen-
te fallando, relajo alguma com a cidade de Ca-
met.
As canoas ou botes de Gojaz fazem commereio
directo entre Belm e aquella provincia, servinde-
se somente do camioho do Tocantins, e se urna ou
ootra vez tocam em alguma povoacao c s para re-
ceberem socrorros de vveres; mais nada.
Ignoro qual seja o valor das mercaduras e gene-
ros importados em Camela e oulros pontos do To-
cantins, nao me tendo sido possivel colber dados
snfflcientcs para conhece-lo em um anno qual-
O valor dos gneros principaes exportados para
a capital em 1863 foi de 9:5:446*000, segundo os
prejos correnies das pautas. Eu avalo este alga-
rismo em 1:000 contos, attendendo ao extravo ou
contrabando que, a despeito do zelo e actividade
da recebedoria, consta existir, obstando assim que
todos os gneros figuren) nos documentos oflJciaes
qne consulte!.
Descrevendo o estado das povoacoes, eu disse,
em outro lugar, que em Baio a populajo duran-
te o invern subia s vezes a 400 pessoas, deseen-
do no ve rao a 200 e a 180, e que igual facto se
tkiva em Mocajuba, onde na 1.* estace a ropula-
co subia a 300 e 320 e na 2.a descia at a 80 pes-
soas.
To notavel dflerenja numrica explica urna
das causas do estado decadente das povoajoes. A
outra cansa da decadencia est na liberdade que se
da, com mo mais larga do que conven, a qual-
quer individuo para estabelecer casas de negocio
onde Ihe convier.
Esta facilidade que traz ao negociante grandes
vantagens pecuniarias, e, preciso confessa-lo,
certa commodidade aos moradores do interior, con-
corre para o despovoamento das cidades, villas e
arraiaes, prejudicando a todos os ramos de indus-
tria que nellas comejavam a desenvolver-se e in-
troduzindo nos sitios a desmoralsajo no commer-
eio e o desrespeilo lei e aos bons cosluraes.
Um principiante anda nao conceituado no com-
mereio nao acbando meios de fazer bons freguezes
e arranjar sua fortuna, transporta-se com tudo
quanto possue para os garaps e ilhas onde abun-
dan os sitios e barracas, e ah abre sua casa de
commereio. Essolhe de preferencia os lugares
nao policiados, as visinhaocas dos seringaes, todos
os pontos, emfim. onde o chama a cobija e a ac-
cd da lei nao pode chegar, e, quando chegue
antes mais um meio de compresso do velhaco con-
tra o simples e do rico contra o pobre, do que nma
garanta ou proteejao do direito de cada um contra
a usurpaoao e insaciedade de alguns.
Estabelecidos nesse lugar, os moradores correm
naturalmente casa deste regato sedentario para
surlirem-se de farinha e de outros gneros preci-
sos alimentario da sua gente. O escravo, o de-
sertor, o ladro, o assassino que vivem refugiados
vo ali trocar os productos que colheram ou rou-
baram, por gneros que o regato Ihes fornece pe-
lo duplo ou quadruplo do preco ordinario.
Pouco importa a quem s interessa fazer fortuna
que o seu freguez seja um homem hone.-to, ou um
ladro, escravu ou livre, assassino ou pai de fami-
lia, todo o seu intento, sna religiao, seus princi-
pios de moral encerram-se nestas palavrasFazer
fortuna.
Elle a faz com eTeito bem depressa, e a fama de
um negocio to lucrativo arrasta outros individuos,
entre os quaes muitos hemens de bem, de boa f e
de reconbecida probidade, a abandonareis igual-
mente as povoajoes, levando para o matto o seu
negocio.
Assim pouco a pouco o commereio se dissemina
no interior e definha nos povoados, onde os fregue-
zes escravos ou criminosos nao se anhiam a appa-
recer e onde os fazendeiros, para nao perderem
tempo, nao querem ir comprar anda que mnito
mais barato.
O remedio contra este mal que mata lentamente
as povoacoes est as maos do legislador provin-
cial : urna contribuido forte sobre essas casas de
negocio no interior e urna laxa alta pela concessao
de licencas para abri-las sero, lalvez, meios su-
ficientes de concentrar o commereio disperso por
todos os cantos e de moralisa-lo ao mesmo tempo
pelo exterminio das transaccoes illicitas de alguns
desses negociantes com desertores, criminosos e
escravos.
A medida lembrada nao prejudica o verdadeiro
commereio; tende smenle a reprimir o negocio
clandestino e a iramoralidade por elle introducida
e sustentada no interior.
Com essa medida lucrarlo :
Os povoados, porque nelles s
forjas activas do commereio.
Os propietarios pelo augmento de valor de seus
predios.
Os lavradores, os criadores e industriaes pelo
emprego e consumo certo qne encontrarao os sens
productos nos centros commerciaes.
A civlisajo, emfim, pelas relajees e contactos
das familias, aptrfeijoamenio e melhorajo dos
costumes da sociedade e pela facilidade da educa-
cao da infancia e da jnventude.
Mas, quando mesmo esta medida nao produza
resultados tao satisfactorios, elle trar ao menos
provincia e s municipalidades um augmento sen-
sivel de suas rendas, as quaes poderao ler appllca-
cao especial ao melhoramento das villas e eidadei
Nao concorre pouco tarabem para a decadencia
de Camet o habito em que estao os fazendeiros,
como j observei, de nao levaren ao porto d'aquel-
la cidade o producto de suas lavouras.
Como os vapores nao podem se responsabilisar
pelos pesos e qualidades dos generes recebldos a
bordo em Camet, e os barcos nao s tomam essa
responsabilldade, mas vo receber nos sitios e a
granel os gneros prodozidos, os fazendeiros emen-
den que esta vantagem compensa bem o alto frete
que pagam nos barcos de vela pelo transporte dos
seus jjeneros, poupando anda as despezas de bal-
deajao.
Este calculo que al certo ponto poder ser
exacto quanto aos transpon s em barcos de vela a
frete, nao pode deixar de trazer enorme prejuize
aos fazendeiros, se esse transporte se fizer em bar-
co de sua propriedade, e a sua cusa tripulado.
lima simples enumerajio de despezas feitas du-
rante urna viagem redonda em barco proprio
bastante para demonstrar o immenso prejoizo que
soffre o azendeiro com este modo de transporte.
Para este mal que aflecta igualmente os interes-
ses de Camela e dos proprietaros nao vejo outro
remedio se nao o tempo que Ihes advertir da sua
mal entendida economa. O mal que soffrem ha
de curar o mal que inscientemente fazem sua ci-
dade.
Melhoramentos reclamados as povoaees.As
diversas povoajSes do Tocantins precisara, mais
ou menos, do auxilio dos dnheiros pblicos para
construejao, reparos, ou melhoramentos de seus
edificios e porios.
Em Baio a cmara municipal representou, ha
alguns annos, uostrando a necessidade da cons-
truejao de urna rampa no sen porto para melhorar
o estado deste, facilitar o embarque e desembarque
de gneros e o accesse villa.
Esta obra parece-me, com effeito, mnito til para
aquella povoajao que nao lera sido de modo algum
pesada, como ohtras, aos cofres pblicos, sobre tu-
do se attender-se a propota da mesma cmara de
applicar-se obra o producto das rendas arrecada-
sao-municipio.
e morrem sem conhecerem as fontes salutares do
baptismo, sem terem urna idea exacta do que seja
urna igreja, sem com preen derem o qne 'o calhe-
licismo, o que foi a redempeo, e o que ha de, em-
fim, ser o homem quando a mo da morte lanca-lo
as trevas do sepulchro.
A cidade de Camet tem necessidade de um dJe-
Ihorameoto de subida importancia para efta : fallo
da necessidade de obstar destruicao do terreno
sobre que se acha edificada.
Desde muitos annos a cidade tem sido destruida
em sua frente pela acjo corrosiva das aguas do
rio, agitadas por ventos rijos que reinam n'aquel-
las paragens, principalmente durante o verao.
O progresso do desmoronamento tem sido lento,
mas constante, e nada o revela raelhor do que o
desapparecimento de urna aotiga ra, coraposta de
duas bellas fileiras de casas, a qual parta da praja
da matriz prolongndose pela praia, pelo lado do
norte. O lado della que dava para a praia est
hoje oceupado |*lo rio, e do outro lado s restam
3 casas, urna das quaes j desabada em parte, pelo
desmoronamento do terreno.
fgual estrago se observa em toda a costa desde a
cidade at Camet-tapra.
Abano da cidade o desmoronamento anda de-
celerado por pesados madeiros que as endientes
desenraizara das margens e conduzem at o meio
do rio, d'onde os ventos e as mares os impeliera
para as praias. Esses madeiros batemde encontr
as ribanceiras com as pontas de seus troncos e
auxiliara assim a acjo destruidora comejada pe-
las aguas. E' preciso eonfessar que em Camet
nioguem se lembra de retirar da praia essas ma-
deiras que alias podiam ser utilmente aprovei-
tadas.
Tem-se por vezes projectado a construejao de
mnralbas ou qnebramares, que ponham a cidade a
abrigo desses estragos. At hoje nada se tem feito
no sentido de attender-se necessidade urgente de
urna obra semelhante em beneficio de urna cidade
como Camet, que urna das que mais concorre
com seos valiosos e numerosos productos para o
progresso das rendas da provincia.
Antes que novos estragos venham acabar de ar-
ruina-la, urgente tomar-se alguma providencia,
pois que j no estreno caes que resta para o ser-
vico do publico, o terreno dissolvdo pelas ondas foi
substituido por um estrado de taboas apoiado so
bre esteios, obra que nao pode ser de longa dura-
jao o exige continuos reparos.
A obra ou melhoramento que se tem por prefe-
rivel e que pode ser executada com maior utilida-
de e economa o que j em parte tem sido Iem-
hrado e posto em execujoa edificacao ou reed-
ficacao no mesmo lugar destruido, sto nos pon-
tos em que as aguas apresentam maior forja de
destruijao, cem tanto, porm, que os alicerces do
lado do rio sejam feitos de pedra com a profundi-
dade e inclinajao precisas para resistir s ondas.
As casas construidas asim sob nm plano nico,
e em lioha continua, corva ou recta, stsriam ao
mesmo tempo um caes de segranja contra a in-
vase do no e um notavel embellesamento na face
da cidade.
Em ultimo caso o governo provincial poderla
concorrer com metade das despezas no assento dos
alicerces do lado do rio, sujeitando-se os propieta-
rios a um plano commum de construccao por esse
lado, e a urna indemnisajo moderada, paga an-
nualmente.
(Continuar-st-ha.)
PERNAMRUCO,
A' ordem do dos Afogados, Francisco Yicanle fie loa inda nao fb abena, nem conviria que o fasse, Barca franceza Os Amiaot de S. Joo daba-
Lima, DOr furto dB ravallnt OfM> relCaO! clo-n ima, por furto de cavallos.
O chefe da segunda scelo,
/. G. de Menfiula.
Movimento da casa de deteneio do da X de
Janeiro de 1865.
Existiam presos 390; entraran 14 ; sahiram 9;
existen 396.
A saber : naeionaes 3S3 ; estrangeiros 44 ;
mulheres 4 : estrangeiras t; escravos 48 ; era-
vas 5-Total 396.
Alimentados cusa dos cofres provinciaec 148.
Movimento da enfermara do dia i'i de Janeiro
do 1865.
Teve baim ;
Manoel Vicente de Souza, anemia.
Teve alta :
Joo Ferrara de Abren Peixato.
Movimemo do dia 25 de Janeiro de 1865.
Existiam396 presos ; entraran 4
existem 392.
A saber : naeionaes 319 ; estrangeiros 15; mu-1 Mas, se o Secular
escravos 48; escra-
Iheres 3 ; estrangeiras
vas 5.-Total 391
Alimentados casta dos cofres publicas 148.
COMMNICADGS.


*% r?.'*?*0. *9 6lero das outras dioceses do iqxpe-, mercadoras.
Lg< )adre da Bahh- d0 Ri0 do Jaaei- Patacho nglez-Ovnbacalbao.
a. i d0LMaranha. do Para, de Goyaz, ou Brigue inglez-/w-bacalno.
b outro algum bispado do imperio que se nomou
WModadtocese ijie sua naturalldade? Nao tonho

um s ex mplo destes, nem relo que o
xcutar o possa apmtar. Mas, se esta proaente e
sabia reserva tem ;do a norma Invariavo do pro-
oder 4o eleitor des bispos : coao quor o Semlar
que se proceda dvjersamente, que se infrinja essa
norma ioVariavel i respeito de Pernambuco ?
Nao neg, antes reconhejo qne houve sempre e
ha felfeosme aindt hoje, apezar de to descurado
o ensino do clero, sacerdotes pernambncanos mul-
to dignos por suas luzes e por suas virtudes de oc-
cuparoa cadeira episcopal, tto declino os no-
mes dos 40 me parece que foram, e dos que me
parece qne sao dignos dessa honra ; porque pode-
, sahiram 8; ria esquecer algoi i, e porque omittina de certo um
ou outro nome que vejo indicado pelo Secular.
Itaportacao
A correccao do crlme.
Nao pretendemos marar a reputacaode algnero HA4cha Sec"lar ^ae bora aerl do^adroeiro
e ioda menos de um sacerdote, quando este cons-1 ^ Impe' efava em os crear antes bispos desta
co da importante missao do seu ministerio sabe se' ?0rque de 0lJlras ^oceses? O Divino Fundador da
collocar na attitude respeitosa de seu elevado car- %reja- quand. sseu/ contorranoos se espantavam
go. Quando porm, o poder de Satanaz se enraiza de,sua sabedona das maravilhas quei fazia, e se
no corajo d'aquelle que devia ser a norma do Cun,av,m. un as "" se ^ ie nao era ? f"
procedirnento para poder guiar e aconselhar as110 carP'nteifo Jos, disse: Non estpropheta
ovelhas postas a seus cuidados; e por influencia {\^h?norj ntsiin patria sua, et in donu sua^a-
d'aquelle espirito maligno o sacerdote esquecese
Brigue inglez Chance, entrado de Lr?erpx>!, con
signado a Mills Latham
guinte :
6 caixas e 4 fardos tecldos de algodao, de lia e
linha de algodSo ; a Soolhal Mellors & C.
3 barricas cntileria; a Mello Lobo 4 C
4 barricas o 2 caixas ferragens; a Brander a
Brandis.
5 caixas e 4 fardos tecido de algodao, dito de
linho, e toalhas de algudo ; a A. C. de Abren.
2 caixas calcado e tranca de lia ; a Monteiro
Lopes &C.
3 fardos e 6 caixas briro de linho, cobertores de
laa e de laa e algodao ; a Phipps Brothers & C.
2o caixas tecidos de algodao, de linho e mixtos ;
a Linden Wild.
1 caixa linha de algodao ; a Utto Bohres.
1 caixa cadarjo de algodao; a Alves Harabnr-
nenhuraa selecj deshonrosa ao clero pernambu- er y-
cano. Se me nao faina a memoria, pens mesmo caixa e 4 barricas ferragens, 1 caixa baloes;
que, desde a data da independencia do Brasil, ne-, a *f Leal-
nhuma dioceso sj) pude honrar de ler dado mais 2.ca'xa.f D!SC01"s e 20 barris manteiga ; a M.
crescido numero l'fo w<,nnc '" i iit D/mim. ". d< lio.
buco.
Acha o Secular
DECLRifOES.
confessa que alguns desses bons
sacerdotes perna bucanos teem sido elevados a
essa alta dignidade, creio que nao poder enxer-
1 gar, no proceder do inclyto Padroeiro do Imperio,
Pela inspeCtoria de FerDaTnbne se faz pn-
b.ico,que porta, no dUS&to oorrente, a 1 hora
da tarde, se ta de arrematar, livre de direitos, o
,. seguinte, vndo de Liverpool (lo vapor ioglez Sa-
& C, maaifestou o se-1 ladim, abandonados aos respectivos direitos por
| Saunders Brothers & C. : na jardo da marca CS
diamante. CSJ B n. 8, conteOTO 8 pejas de estopa,
pesando liquido 1,082 libras,*aliadas por 43*280.
E para constar, en Joo ios Santos Porto, 3a
escrtpturario, lavrei o presento.
4* seccao da alfaadega do Pernambnco 25 de
janelro de 1865.-0 3 osoriytarario,
Joio dos Samos Porto.
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambuco,
14 de netro de 1865.
De ordem da directora desta caita, se convida
aos credores de *ebastlo Jos da Silva a virem
receber do thesoureiro da mesma caixa o que em
ralelo Ihes toca da venda de urna das propieda-
des, que segundo a concordata,Ihe foram entregues
para serem vendidas.O guarda-livros,
Ignacio Nunes Correia.
de Wspos do que a de Pernam-
vidar o Secular da sabedoria e da verdad e desta
dos preceiios do Deus Homem, certamente que por
si mesmo se tem desrespeitado e perdido o direito ?0 e fonfesse 'Uto
de consideraco. bispos, tem prendido
mxima divina ? Se nao duvlda, reconhejao seu
na escolna e nomeajao dos
de consideraco I UISP0S. iem prenaioo sempre a sabedoria do Evan-
Admira o desplante com qne o Sr. padre Ferraz I ?eI.e a.PrQdencia etino administrativo do incly-
qner embar ao publico a sua innocencia. Somos
REVISTA DIARIA.
Hontem reunio-se a assoctagao prom<-tarn da
cotonisarao polaca no Brasil soba presidencia do
Exm. conseheiro Autran, e com assisicncia dos
Srs. Drs. Jacobina, Sabino, Godoy, Figueiroa, Se-
raphico, Joaqura Portella, Witruvio Pinto Bande-
ra, Diodoro, Gervasio Campello, Souza Bandeira e
monsenhor Pinto de Campos, afim de proseguir na
discussao adiada dos respectivos estatutos; a qual
foi encerrada, tendo-se adoptado quasi todas as suas
disposijSes pon ligeiras modificajoes, resultantes
da mesma discussao.
Em seguida, sendo otTerecido pelo Sr. Dr. Sabi-
no, a dehberajao da casa urna carta de apresenta-
jao do Sr. conde Antonio Ladislao lasiensky as
outras provincias do imperio, encarregando-o da
installajo de novas associacoes, foi ella approvada
sem debate.
O mesmo Sr. Dr. Sabino propoz que se impe-
trasse de Sua Santidade a graja de aceitar o pro-
tectorado da associaco ; o que foi unanimente ap-
provado.
Sabbado devem reunir-se pelo meio dia todos os
socios, para ter lugar a eleijo definitiva do con-
selho de direejo.
No anno duda foram extrahidas 49 partes de
loteras concedidas fins pos e de utilidade pu-
blica.
Dessa extraejao resultou perceber de impostos
tenes a fazenda nacional a quantia de 68:5925, e
de impostns provinciaes a Ihesouraria provincial a
de 32:2275; assim como as insttuijoes beneficia-
das aufenram dos respectivos beneficios a impor-
tancia total de 104:0565.
Pondo de parte o inconveniente que se prende
s loteras como um jogo, a ellas qne se deve
nao obstante a snstentajo de muitas roatrizes e
outros templos, no abandono'que se tem ligado
mais ou menos casa de Deus; pois de publica
netoriedade a ruina que affectando a muitas igre-
jas, hoje tem desapparecido. mesmo com a peque-
nhez do auxilio prestado pelas loteras, cujo servi-
jo de presente feito com a desejavel regularida-
de, grajas probidade e ao zelo do Sr. thesourei-
ro-Antonio Jos Rodrigues de Souza, que soube e
podejestabelecer-lhe o crdito comproraettido na
opiniao publiea.
Effectivamente o estado das loteras da provin-
cia e hoje prospero pela razio indicada, e por cir-
rumstancias concomilantes que nisto muito in-
fluern, por exemplo, ser a extraejao precisamente
no da indicado, feila da maneira a mais clara e
publica, sob a inspecjo da autordade compelen-
te, aim do pagamento dos premios ser prompto e
as comas prestadas em lempo estacao fiscal.
isto posto, sem embargo do inconveniente que
notamos, merecem as loteras da provincia toda a
a ttencao do publico e dos poderes do estado, pelos
fins a que sao applicados os seus resultados.
No dia 2 de fevereiro prximo faz-se a festa
da Senhora do Bom Parto, cuja iroagem venera-se
na igreja de S. Sebaslio de Oiinda.
Sao oradores do Evangelko o Rvd. Antonio de
Mello Albuquerque e do Te-Deum o Rvd. Jos Es-
tevas \ launa.
certos e convictos do golpe de justija qoeoahir do
braco forte do sapientsimo Sr. vigano capitular,
nem tivemos a presumpjo de com o nosso com-
municado fazer despertar a S. Exc tao subli-
mado senlimento por elle j muitas vezes manifes-
tado.
Nao phanlaslamos factos ignobeis para peiorar
a laraentavel condlcao em que se acna o Sr. padre
Ferraz como apraz ao mesmo senhor praticar des-1
commedidamente contra o Sr. M. J. M. Bastos e
sna filha.
Estamos promptos a prestar as testeainnhas au-
xiliares do que exposemos em nosso anterior arti-
go, para que, peraole S. Exc. o Sr. vigario capitu-
lar ellas testifiquen) a respeito, esperando que o
Sr. padre Ferraz, que com tanto arrojo proclama
pela imprensa a sua innocencia nos avise pelas fa-
llas e importunamente a occasio em que teve e
de justiflear-se para com S. Exc. o Sr. vigario ca-
pitular, afim de que em tal occasio possamos
mostrar e demonstrar a prova viva, a veracidad
de que affirmamos e a que ponto o Sr. padre Fer-
raz aviltou o seu carcter de sacerdote.
O Aljubeiro.
to Padroeiro do Imperio.
Recite, 25 de Janeiro de 186o.
O Secutar de algures.
nm
dia 99 de Janeiro
A historia patria registra em suas paginas
Triumpho assignalado, urna gloria iramorredora
para o Brasil, e especialmente para Pernambuco.
t hoje o memoravel dia da reslaurajo de
Pernambnco do terrivel jugo hollandez.
Hjje commemora-se os feitos brilhantes d'armas
dos bravos Pernambucanos, os quaes as campias
de Tabocas, e as eminencias dos Guararapes, pei-
to peito, com denodo sem igual, profligaran) va-
lenles cohortes desses encarnecidos inimigos, at
expeili-los de suas plagas.
Hoje, finalmente, justo que se renda preitos
sinceros memoria dos quatro infatigaveis comba-
lentes, Vieira, Negreiros, Camaro e Henrique
Das, a cujas fajanhas intrepidez e coragem sem
par, deve principalmente Pernambuco a victoria de
sua reslaurajao.
O dia 27 de Janeiro de 1654, ser sempre tao
gloriosa para Pernambuco, como para lodo o im-
perio o dia 7 de setembro de 1822.
O Brasil nao passaria efTectivamente de colonia
lusitana imperio da Santa Cruz, se per ventora
nao tivessetanteriormente alcanjado a reslaurajao
do dominio batavo.
A independencia, portanto, do Brasil orna con-
sequeocia desta reslaurajao. To glorioso e inmor-
tal um facto quanto venturoso e magnnimo o
outro.
Ja passra a poca em que o dia 27 de Janeiro
de cada anno era solemnisado com estrepitoso re-
gosljo, e se renda simultneamente culto Mages-
tade Divina, reconhecendo-se aquelle vencimento
como beneficio do co.
A velha Oiinda fdra muitas vezes testemunha de
em sna cathedral, entoarem-se ao Deus dos exer-
citos hymnos de acjo de grajas, e aos filhos de
Marte prestarem suas honras, fazendo sentir pelo
No dia
PUBLICARES A PEDIDO.
Ao meu amigo Arfem ofos da
Costa (Jarralbo.
do aiitiiversnrio da morte de sen pequeo
filno.
4 de Miao de 1865.
Eis nma data donda
Para a tua alma de pai I
Um dia, era que toda a vida
Arqueja n'ancia de um ai I
Tnstonbo, paludo e fri,
No tranquillo desvario
Em que a saudade te traz,
Fitas o co estrellado,
E exclamas angustiado:
aquella estrella vivaz
Feliz a dr que pranteia,
O martyrio que tem cruz;
A alma em trevas nao lacteia,
Porque a precede urna luz :
Nem aos ps da cruz, de brucos.
Exhaore em balde os solucos
Que Ihe arqueja o corajao.
Ha para a noite urna aurora,
Um riso para quem chora,
O co p'ra resignajao.
Feliz aquelle que, cedo,
Co'a alma candida, em flor,
Quebra co'a vida um degredo,
Que tem por poste .urna dr;
E entre nuvens de incens
Levanta seu vo immenso
Rasgando as zonas dos cos;
E l, da plaga infinita
Contempla o mundo, medita,
E diz-lhe sorrindo :Adeos I
A mo da morte quebrou-te
Do peito a vibra melhor ;
Converteu-te em negra noite
A tua aurora de amor,
Resigna-te. A morte nm sorano
Que arrebata do abandona
Quem peregrina por c.
Olha, pois, o firmamento;
Teu fillio neste momento
E' urna estrella acola.
Victoriano Palhares.
Permiltir-se-nos-ha expender nma palavra sobre
as informidades dos pulmoes e da garganta.
Quando os pulmoes se ebegam a enfermar, pode-
rdi,eMq2e- doent? seac.ha **N*"tooma
echo de seus canhSes, o prazer e jubilo de que se fnferm!dade incuravel e o pnmeiro passo dadoem
acbava possuida a provincia de Pernambuco, na tao.PeP situajao a tosse. Torna-se, pois da
commemoracao de nm dia de gloriosas tradijoes. *?*!*P**** atalhar-se a mesma immedia-
Entretanto honve j tempo, que passava desa- ?'; .
percebdo esse dia triumphar, que fazia recordar SePr acaso perguntardes de que maneira isso
tantos prodigios de valor operados por aquelles in- se >oie conseguir, promptamente responderemos :
trpidos guerreiros, que desinteressadamente, e s com ,-*** de anacahuita de Kemp, cujo ex-
poramorda patria, sacrificaram azenda e vida, e cel^nle xarope e preparado e composto com orna-
cora seu sangue scllaram a liberdade do povo Per- rav,lnose balsmico sueco d urna arvore do Me-
nambucano, nessos lamentaveis lempos de inqua- i XIC0' conhecida desde ha muitos seclos pelos abo-
lilicaveis atrocidades da cohorte hollandeza. | "genes, como remedio excelso para as eofernv
Dispontou, porm, urna nova aurora ; abno-se
outra era para as paginas da historia de Pernam-
buco ; surgi como gigante, o Instituto Archeolo-
gicoe Geographico Pernambncano cora o firme
proposito, e patritica idea de perpetuar aquellas
glorias, embaciadas pelas nuvens do indifferegtis-
mo, e ao mesmo tempo render preiios s fajanhas
e iutrepidez dos hroes da reslaurajao ?
Hoje o mesmo Instituto celebra o seu terceiro
anniversario, cuja festa gloriosa consagrada ao
dia 27 de janeiro de 1654, dia quejdeve ser para
dades pulmonares.
Esla magnifica preparajao curar a tosse dentro
em poneos dias, e < vezes em poucas horas ; ali-
viar a asthma, corar a irritada membrana da
trachea e impedir finalmente o desenvolvimento
da phtbysica.
Ao contrario de todos esses peitoraes e xaropes
feitos de fructas e outras substaciasj acres e de
urna natureza duvdosa, ella nao oncena em si ne-
nhnm acido prussiso, e como igualmente nao con-
tm nenhuraa mistura de antimonio-ingrediente
Pernambuco de jubilo grandioso, e de rigosijo sem csteJ *Jue. abundantemente se encontra nas.prepa-
par. Seus membros envidam exforjos, para qne
ella ternece-se esplendida e corresponda ao fira de
sua instituicao.
Partilhando nos destes desejos, de corajao dire-
mos que urna sociedade, como o Instituto Archeo-
gico e Geographico Pernambucano, que tem fins
tao nobres, desejos to ardentes de perpetuar a
memoria de nossa restaurajao e de tornar mais
viva a lembranja desses eitos brilhantes de toda
especie, cbrese certamente de immarcessiveis
louros, cuja grinalda Ihe enramar a mo agrade-
cida do verdadeiro filho da amiga Manrica ; elle
torna-se efTectivamente, merecedor da protecjo
valiosa do nosso Ilustrado governo, para que pos-
sa levar a effeito os gigantescos e patriticos pro-
vectos que j tem apresentado.
Conven, por tanto, que urna verdadeira acqni-
escencia, e sincera animajao seja prodigalsada
pelos vultos proeminentos do paiz, pelos hmeos
rajoes daquelles por consegulnte o seu gosto
nao produz nauseas e suave e agravel de tomar-
se.
Acha-se venda as pharmacias de Caors &
Barbosa e Joo da C. Bravo & C.
COMMERCIO.
I
hliraS3n^ino,m ,Ciaquehontem pu" amantes do progresso de sua patria, e das glorias
^ElPormei110 de u,mas mu|beres de Pernambuco. Pernambuco. netos seus honro-
pelo fetor do cen torio, cutrpre addicionar que sos precedentes,
urna dellas e de mos costumes, rxosa e
provocadora, a ponto de terem as autoridades po-
liciaes repetidas qoeixas contra ella.
Sem que com isto qneiramos attonuar o acto pu-
nivel do offensor, julgamos todava dever caracte-
risar todas as circunstancias para a devida apre-
ciajao do facto.
Hoje, o agento Cordeiro SimSesfar leilao de
escravos, movis, crystaes e outros muitos objec-
tos, no sen armazero.
Hoje deve ter lugar o prlmero leilao dos
Pernambuco, petos seus honro
oceupa muitas paginas da nossa
historia, e isto basta para dispertar os desejos, os
brios do povo pernambucano.
O Brasileiro.
CORRESPONDENCIAS
O blpado de I'crnambtico.
Srs. redactores.U com profundisslmo pezar a
objecto? salvados da barca franceza Les amis de erudita correspondencia que o Secular Pernambu-
Saint lean de Luz, na alfandega, armazem n. 8. cano ez publicar no seu Diario de hontem, sobre
HniP n airimio K'n,nKn hri ii* a k., I rael'ndroso assnmpto da nomeacaa de blspo para
de um "da? Tu6alargo d''?nS d ^^ Sf* T* nl me fn ~> ^cfaBC* que ni0
wmu.uudr u. ao largo aoi i ora. | diga alguma coosa em refutajao do parecer do I-
.hb: aff ^L22 VIpoL Bac on pVHUnF lQstrad0 aotor da correspondencia.
Ilva Dr^ PedroS^Pe^a e rrlS l L' C,ra mU, pe"-r ar, do SaM,ar' Por1ue'
J^utno^eW^niSssn3, lril Bf S 1 "SS^oS.'ZiS0 ^
noel de Medeiros e 1 criado, Alexandro Nunes de '
Andrade, 2 prajas e 1 preso.
Passageiros do vapor inglez Gladiator sabido
para Liverpool : Joaquim Riso, sna mulher e
um criado.
REPARTICAO DA POLICA
Extracto das partes dos dias 6 de janeiro de
1865.
Cota^e offlelaes.
PRAgA DO RECiFE.
26 de janeiro de 1865.
godoprimeira sorte245500, 243600 e 245800
Al por arroba.
Dubourcq Jnior,presidente.
Guimares-rsecretario.
Noto banco de Pernambnco.
O banco descoma na presente semana a 10 por
cento ao anno at ao prazo de quatro mezes e a 12
por cento at o de seis mezes; toma dinheiro a ju-
ros a prazo nunca menor de tres mezes, e saca
sobre a praja da Babia.
Alfandega
Rendimeotododia2a 25.........622:040,9901
dem do dia 26............-----v42:361Jili0
661:342*041
Movimento da alfandega
Voluntes entrados com fazendas... 325
* i com gneros... 794
-----1,119
Voluntes sabidos com fazendas... 187
com gneros ... 366
555
Doscarregam no dia 26 de janeiro de 1865.
. o acreditando pamente na; Brigue inglezUllowatermercaderas,
sracerldade de snas opiniCes, vejo que o seu exag- Barca franceza -Gutlherme lemercaduras,
gerado balrrismo Ihe n5o deixa penetrar, na med- Barca inglezaImogeneidem.
da que estygmatisa, a alta conveniencia poltica, a Barca ingIeza=ri))on of Lrpooi-idem.
piedade catholica, e a sabedoria qne preside a no- < Escuna doamarquezaDan -idem.
meajao dos bispos. i Patacho inglez-Pme-plvora.
Escuso expr aqui as razSes de conveniencia po- Barca portugueza Sympatiuamercaduras,
linea e de interesse religioso que actuam no espi-, Barca portuguezaDespipue //-idem.
rito do inclyto Padroeiro do Imperio para que nao Patacho inglez M. E. Corming carvo e ierro,
foram recomidos casa de detenjao no da 25 aprsente bispo de urna dlocese a sacerdote nalu- Brigue nacionalCruzeiro do S5-ferro.
ral della. Essas raz3es sao intnitivas e acodera fa-' Barca inglezaIsabella Ridley- ti jlos,
cilmunte a todo o espirito desapaixonado, e ao il- _
lustrado autor da alludida correspondencia nao es-
caparan! ellas, de certo, se o nao cegasse de todo
em todo o eu intolerante balrrismo.
Qaererla por ventara o Secular qne, com ralacao
ao clero pernambucano, se abrigse orna excepoao,
A'-ordem do sobelegado do Recife, Davne, in-
glez, por insultos.
A' ordem do de S. Jos, Lniz, escravo de Silves-
tre Carneiro, por saspeito de estar fgido-
A' ordem do da BovVista, Antonio Jaquim Ly-
dio, disposicao do capito do porto.
Barca inglezaMimosacarvo de pedra.
Barca ingleza-Sfa carv*o.
Barca ingleza Od"Uonesty idem.
Brigue ingtezOlclloidem.
Brigue inglezChanceidem.
Lugre inglezArthurdem.
390 barras de ferro, 30 chapas de dito e 30 fei-
xes de dito, 1 volume feltro, 1 dito corda de esto-
pa ; a C. Starr 8 toneladas de lastro de pedra e 20 ditas carvo;
a ordem do capito.
7 fardos tecido de algodao, 2barricas ferragens;
a Rabe Schraettau.
25 fardos e 32 caixas tecido de algodao j a
Greennp & Sctnvind.
8 fardos saceos de linho, 15 ditos e 5 caixas teci-
dos de algodao : a Adamson Howie v C.
700 caixas sabao ; a J. Pater.
3 caixas agurdente, 1 barrica cerveja e 2 far-
dos tecidos de algodao: a ordem.
25 caixas phosphoros, 10 ditas presuntos, 150
saceos arroz, 20 banis oleo de linhaja, 29 fardos e
66 caixas tecldos de algodao, de linho e saceos;
aos consignatarios.
54 barris barrilha, 1 barrica cutileria, 1 caixi-
nha relogios de ouro ; a S. P. Johnston & C.
4 barricas ferragens, 4 caixas tecido de algodao
e laa e fitas de ces; a Henrique, & Azevedo.
50 caixas conservas, 10 ditas presuntos ; a Pal-
meira & Beltrao.
200 saceos arroz, 100 barricas cerveja ; a Saun-
ders Brothers.
14 barricas ferragens e dobradijas, 12 ditas vi-
dros, 3 caixas gorama lacea, 1 dita elstico de se-
da ; a Izidoro Netto S C.
5 caixas tecidos de linho e de algodao e la; a
J. Keller Barca ingleza Town o/ Liverpool, entrada de Li-
verpool, consignada aSaundres Brothers & C., ma-
nifestou o seguinte:
100 barricas cerveja ; a T. Christiansen.
6 barris cerveja, i caixa toucnho ; a M. J. G.
da Fonte.
2 caixas fazenda de algodao ; a J. Keller c\ <
10 fardos e 1 caixa fazenda de linho ; a R.
Lightbown & C.
1 barrica presuntos ; a Palmeira & Beltrao.
9 caixas fazenda de linho; a Southall Mellors
&C.
9 barricas lonja, 30 toneladas de ferro para jar-
dim ; a Tasso Irmos.
93 caixas vinho ; a Roth & Bidoulac.
572 ealxas sabo ; a J. Pater & C
9 caixa i phosphoros ; a J. F. Valente.
1,000 caixas sabo, 100 ditas folha de Flandres.
22 barricas ferros de engomraar e ferragens, 1 sac-
co pregos, 2 caixas machinas, 1 dita corroas, 2
fardos estopa, 305 barricas cerveja, 428 saceos ar-
roz, 231 gigos e 2 cextos louja; a Saunders Bro-
thers & C.
50 barricas cerveja, 50 caixas follias de Flan-
dres, 150 saceos pimenta da India, 5 barricas
agurdente, 80 toneladas carvo de pedra; a
ordem.
Exportacao.
Brigue porluguez Relmpago, carregou para
Lisboa :
53 barricas e 1,895 saceos com 9,866 arrobas e
7 libras de assucar branco, 50 barricas e 450 sac-
eos com 2,653 arrobas e 1 libra de dito mascava-
do, 60 cascos com 10,920 medidas de agurdente,
320 cascos com 12,707 medidas de mel.
Brigue portuguez Constante 1, carregou para
Lisboa :
19 barricas e 1,790 saceos com 8,979 arrobas e
2! libras de assucar branco, 2,030 saceos com 7,700
arrobas de dito mascavado, 971 couros seceos e
salgados com 26,513 libras, 1 casco com 6 medidas
de agurdente e 615 meios de sola.
Paiacho inglez Busy, carregou para Liverpool
pela Parahyba :
600 saceos com 3,000 arrobas de assucar mas-
cavado.
Brigue inglez Mand, carregou para Liverpool :
1,233 saccas com 6,163 arrobas e 12 libras de
algodao.
Patacho inglez Portia, carregou para Liverpool:
1,400 saceos cora 7,000 arrobas de assucar mas-
cavado, 757 saccas com 4,538 arrobas e 5 libras
de algodao.
Recebedoria de rendas nter"
as geraes de Pernambnco.
Rendimentododia 2 25........ 25:484*409
dem do da 26................ 935J0y
26:419*452
Consulado orovlnclal.
Rendimentododia 1 a 25........112:037*001
dem do dia 25............... 4:7485651
116:783*652
MOflMENTO DO PORTO
Navios entrados no da 26.
Rio de Janeiro 30 dias, barca brasileira Nora
Colonia, de 330 toneladas, capito Manoel -Nu-
nes Barbosa, equipagera 14, carga 4100 qnin-
taes hespanhoes de carne scea; a Amorim Ir-
mos.
Liverpool26 dias, barca ingleza Amblesii, de
535 toneladas, capito Kobert Itowd Bowie, equi-
pagem 16, carga carvo; a Thoroaz Jefferies.
Liverpool42 dias, barca ingleza Wtlltam, de 468
toneladas, capito W. May, equipagem 12, carga
carvo; a Thomaz Jefferies.
Havre28 dias, barca franceza Jean Baptista, de
358 toneladas, capito Bojean, equipagem 14,
carga fazendas e outros gneros; a Tisset
Frere.
Sabidos no mesmo dia.
Parapalbabote nacional Novaes, capito Joaquim
Jos Mendes, carg assucar.
Rio da Prata brigue argentino, capito J. Vctor,
em lastro.
Liverpoolvapor inglez Gladiator, commandante
Gowrd, carga algodao.
EDITAES.
O capito Luiz Cosario do Reg, juiz de paz da fre-
guezia do Samissimo Sacramento do bairro de
Santo Antonio da cidade do Recife de Pernam-
buco, em vrtude da lei, etc. #sf
Fajo saber a quem convier, que as audiencias
deste juizo continuara a ser as tercas e sextas-
feras as 2 horas da tarde, na sala publica da roa
do Imperador, salve quando estes dias forem san-
tificados ou feriados que ento sempre sero nos
dias anteriores ; bem como, que despacha em to-
dos os das, uteis na casa de sna residencia, se-
gundo andar n. 30, sito na ra do Queimado, ou
aonde for encontrado.
Recife 26 de janeiro de 1865.-Eu Joaqoim da
Silva Reg, escrivo que o eecrevi
Luiz Cosario do Reg.
O altores Joo Bartholomeu Gonjalves da Silva,
juiz de paz do 2 districto da fregoezia da Boa-
Vista, em virlude da lei, ote
Fajo sciento que ai audiencias deste juizo te-
rao lugar as segundas o quintas-feiras, as 4 ho-
ras da tarde, na ra do Sebo n. 24, o quando fo-
rem esses dias santificados ou feriados ser a au-
diencia no dia inmediato.
Recife 26 de Janeiro de 1865.Eu Francisco de
Barros Correia, escrivo qne o escrevi
Joo Bartholomeu Gonjalves da Silva.
De ordem da directora desta mesma caixa se
faz publico aos senhores accionistas que o respec-
tivo thesoureiro est autorisado a pagar o 22. di-
videndo de 10* por acjo.
O guarda livros,
Ignacio Nunes Correa.
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambneo.
Sao novamente convidados os Srs. credores da
massa fallida de Joaquim Francisco do Mello San-
tos a apresentarera nesia caixa filial seos ttulos
de crditos para serem auendidos ao dividendo que
se tem de fazer no fim do crreme mez.
O guarda livros
Ignacio Nones Correa.
Consolado de Franca
0 capito Huland do navio francz Tonhin em
reparajao deste porto precisa tomar a risco cerca
de 17:000*000 para pagar as differentes despezas
que fez noste porto. O dito emprestimo, o qual
ser reembolsado em o Havre, lugar do destino do-
dito navio, ser garantido pelo mesmo navio, cas-
Ico.apparefho, majarae, victoalhas e sen carrega-
mento. As pessoa qne pretenderen) fazer esto
adiantaroento, sao convidadas a comparecer sab-
bado 28 do cfrrente, ao meio dia em ponto, no
consulado de Franca, onde ter lugar a dita dju-
dicaco em presenja do Sr. cnsul, a quem por
menos fizer. Pernambuco 26 de Janeiro de 186o.
Gooselho de compras navaes
Tendo o cooselho de promover no dia 28 do
corrento mez a compra dos ot.jectos do materear
da armada abaixo declarados, convida aos que
pretenderen vende-los a a presentaren! suas pro-
postas em cartas fechadas nesse mesmo da s li
horas da maoha.
Objectos.
1 ancorte de 4 quintae?, 1 dito de 6 ditos, 5 di-
tos de 2 ditos, 4 arrobas d'agua-raz, 10 arrobas de
alvaiade de zinco, 10 barris de breu, 100 bandei-
jas ferradas, 200 caetas, 75 brajas de corrente
de fetrode 5|8 de grossura, 80 chapeos de oleado,
110 colxoes de la, 100 camisolas de bnm,145 co-
vados de damasco de seda verde, 986 dobradijas
de canto, 548 dobradija quadradas, 50 esgun-
chos, 20 escovas inglesas, 50 fronhas do brim, 192-
fechos pedrezes, 16 arrobas de ferro en varoes de
4|8, 40 arrobas de graxa do Rio Grande, 200 len-
jes de brim, 20 lanternas do patente, 30 arrobas
de raialhar branco, 100 ps de ferro, 100 pratos
travessos de folha, 4 arrobas de pregos francezes
sonidos, 20 grozas de pennas de ajo, 4 arrobas
de pregos de cobre de costado de 4 pollegadas, 4
resmas de papel bollanda, 42 quintaes de rebites
de|3|4 de dimetro e 1 1|2,1 3|4, t, e 1 1|2 polle-
gadas de compnmento, 100 pejas de soodareza,
200 saceos de condueco, 80 meios de sola da tor-
ra, 200 tubos de bronze para caldeiras de 7 pes de
compnmento e 2 3|4 pollegadas de dimetro, 10
duzias de taboas de assoalho de onro de 27 a 30
palmos de compnmento, 10 duzias de taboas de
assoalho de amarello de 27 a 30 palmos da com-
primento, 80 latas de tinta branca de zinco de 28
ibras cada lata, 1,400 vldros de 19 1|2 pollegadas
de altura por 10 1|2 de largo, e 500 vidros de 22
1|2 pollegadas de altura por 15 l| de largo.
Sala do conselho de compras navaes, 25 de Ja-
neiro de 1865.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Consulado provincial.
Pela mesa do consuado provincial se faz publi-
co que no dia 10 do corrente se principiam a con-
tar os 30 dias nteis marcados para a cobranja
bocea do cofre do anno fioanceiro vigente dos im-
postos de 4 OioIsobre casas em qne se acharem
estabelecimentos de commereio fora da cidade do
Recife,prennsas de algodao, typographias, cochei-
ras, boleqios, hoteis, casas de pasto, cavallarices,
e fabricas, de 8 0|0 sobre consultorios medicse
clrurgicos, cartorios e escriplorios.de 20 OjO sobre
estabelecimentos de commereio em grosso e are-
talho, armazens de recolher, e os trapiches, de
50* por casa de bilhar e modas, de 100* por casa
que vender roupa feila no estrangeiro, de compra
e venda de escravos, de corretores commerciaes e
agentes de leilao, de 1:000* sobre casas de opera-
jOes (janearas com emisso e previlegios, de 600*
pelas ditas cora emissaoe sem previlegios, de 400*
pelas ditas sem emisso, companhias anonymas e
agencias, de 200* pelas casas de cambie, de 30*
pelos escravos empregados no servijo de al varen-
gas, uei* por tonelada de alvarenga e canoas
abertas, de 20* por cada bote ou saveiro, de 30*
por cada balieira, de 10* por escravo ganbador ou
empregado em servijo de transporte ou em arma-
zens, de 10* por cavallode sella de alognel, de
6* por cavallo particular, de 5 0|0 pela venda de
capim e o imposto de carros, carrojas e mnibus,
e tambem o Io semestre do de 20 0|0 do consumo
de agurdente das freguezias desta cidade o dos
Afogados, S. Lourenco, Santo Amaro de Jaboatao,
Muribeca e Varzea. ficando sujeitos a mulla de 6
0|0 sobre os seus dbitos depois de linde o dito
praso.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
7 de janeiro de 1865.
Antonio Carneiro Machodo Ros.
0 conselho administrativo para fornecfmento do
arsenal de guerra precisa comprar o seguinte :
Para o presidio de Fernando.
8 libras de caparosa.
10 duzias de limas chatas de dez pollegadas.
20 libras de linha parda.
300 meios de sola.
500 ditos da vaqueta.
2 arrobas de pregos francezes de tres qnartas de
pollegadas.
3 caixas de retraeos de vidros.
4 arrobas de taixas de parmilhar com cabeja de
mais de quarto de pol legada.
5 arrobas de dita para encestan.
2 ditas de dita para saltos.
Para a enfermara dos aprendizes menores
do arsenal.
1 livro de 200 folbas para o receituario da mes-
ma enfermara com 10 pollegadas de largura e 15
de cumprimento.
i dito de 200 follias, para registro de entradas e
sahidas dos doentes, com" 19 e meta pollegadas de
largura e 15 de cumpriraenio.
2 ditos de 200 folhas cada um para os offlciaes
recebidos e dirigidos.
As pessoas qne quizerem vender taes artigos
apresentem suas propostas em carta fechada na se-
cretaria do conselho, s 10 horas da manha do
dia 1" de fevereiro vindoaro.
Sala das sessdes do cooselho administrativo pa-
ra fornecimento do arsenal de guerra, 26 de Janei-
ro de 1865.
Antonio Pedro de S Barrete.
Coronel presidente.
Sebastio Josa Basilio Pirrho.
Vogl secretario.
Consulado de Portugal
Sao chamados os credores do finado subdito por-
tuguez Jos de Almeida Nunes Lima, a aprsenla-
rem suas contas para serem conferida:, e pagas.
Pela ihesouraria provincial se fai publico,
qne a arrematajo da obra da concluso da casa
da cmara e cadeia da villa do Bsnito, foi trans-
ferida para o dia 1 de fewrelro prximo vndou-
ro. Secretara da ihesouraria provincial de Per-
nambuco 16 de Janeiro de 1865.O secretario,
A. F. d'Annuocacao.
CorrctSeeraI.
Pela administrajo do arroto desta eidade se
faz publico, qne em virtade da convenci postal
celebrada pelos governos brasHeiro e francez, se-
I



-






i

msmmm



tarto e P<*namirar* S*xt* Mt re Janeiro d i*n&
a
rao expedidas malas aara Boropa no da 30 do
corrate pelo vap*r francez ruienne. As eartas
serlo recebidas at tras horas antes da que for
marcada para a sahida do vapor, e os joroaes at
cuatro horas antes.
Aiminlstraco do correto de Pernambuco 24 de
Janeiro de 1863.O administrador, .
Domingos dos Passos Miranda.
-

AVISOS MARTIMOS.
CoMpaohla das Henoagerlcs
Imperialls.
No dia 30 do
"B Jt^fr corren te mez es-
pera-se dos por-
tes do sol o ra-
por francez
Guienne, com-
mandante H. de
1 Somer, o qoal
depois da demo-
ra do costme sogerira para Bordeaux tocando em
S. Viceate e Lisboa.
Em S. Viceate ha Boa vapor em corresponden-
com Gore.
Para frates, cendiecSes e passagens trata-se na
agencia ru do Trapiche n. 0.
GOMPANHIA PERNAMBUCANA
M
IVavega?5o eoselra por vapor.
Macei e scalas.
Segu no dia 30 as o horas da
tarde o vapor Parahyba, com-
mandante Martins. Recebo car-
ga at o dia 39. Eocommendas,
passageiros e dinheiro a frete
3 oras da tarde : escriptorio no Forte do
n. I.
al as
Mallos
COMPANH1 i PERNAMBUCANA
M
HUvegaeo eosteira por vapor.
Aracaty e Cear.
No dia 29 do corrate s 8 ho-
ras da manha segu o vapor Ma-
mmguape, commandante Monra.
liecebe carga at o da 27. En-
Icomendas, passageiros o dinheiro
a freie at o da 28 s i horas da tarde: escrip-
torio no Porte do Mallos n. 1.
COMPAWHIA BSASILEIRA
DB
PAQUETES A VAPOR.
Dos partos do sul esperado
at o dia 30 do correte o vapor
Princeza de ioinviltt, comman-
dante o primeiro tenente Araujo
o qoal depois" da demora do cos-
tume seguir para os portos do norte.
Desde j recebum-.se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder eondnzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encoramen-
das s dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras : ageaeia, ra da Cruz d. i, escriptorio de An-
tinio Luiz de Oliveira Azevedo d C.
Para o Rio de Janeiro.
Pretende seguir em poucos das o patacho Ca-
pitn, lem parte de seu carregamento bordo, pa-
ra o resto que Ihe falta e escravos a frete: trata-
se com os seus consignatarios Antonio Luiz de
-iivaira Azevedo & C no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.___________________________________
Porto por Lisboa.
Pretende seguir com brevidade a muo voleira
barca poriugueza Corea, por ter grande parte da
irga e igajada, paro o resto e passageiros aos
q'tus off?re:e os raalhores comraodos: trata-se
cj a o nslginurio T. de Aquino fonseca Jnior
ni trav,s<* da Madre de Dos n. 5, primeiro an-
dar, uti cj a o capita na praca.
Para a Babia
Pretendesegair com brevidade a sumacaHor-
eaeia, tem parte de seo carregamento prompto
pareo resto que lh falta trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no seu escriptoriorua da Cruz n. 1.
---------------------------------------------------------s
Para a Baha pretende sahir em poneos dia
a veleira escuna Misa, capito Belmiro Baptista
de Souza, tem a maior parte da carga tratada, para
o pouco que lhe falta trata-se com os consignata-
rios Palmeira & Beltro, largo do Corpo Santo n. 4,
primeiro andar. ______________
"~Rlo de Janeiro
' O patacho Vulnate a seguir em poucos dias, re-
c:li carga minda e escravos a frete : trata-se
o.!! Koisigrvilarios Aarques, Barros 4 C, largo
d) Cirpo Santo n. 6.
Ria Grande do Sul.
Sixto m da 21 J> correte o patacho nacional
Sdnn\ntts, r!1.i!n carga afrete, a q'ial trata-se na
/ ru '1) trapicha n. %.
' Par4 o Rio Grande do Sul com escala pelo
R! i I Jan tro, sahe at o flm do correte mez de
H.iuam a hjra brasileira Vori Carolina, recebe
rsor irii a fr,>te a tratar cjtn David F. B.altar
rtu do Brum rt. 66.
vados da barca franceza Les arais de Saint Jean
de Luz e existentes no armazem n. 8 da alfande-
ga, aondese effeetuari o leilo devendo principar
as 10 horas em ponto.__________
Leilo de 1 o* accocs de Nove Banco de
Pernambuco
Sabbado28 de corrente.
0 agente Pestaa por ordem do cnsul de S. M.
Fidelisslma vender em leilo 15 acetes do Novo
Banco de Pernambuco, pertencenles ao espolio da
finada subdita portugoeza Julia Mara de Vasco-
cellos : sabhado 28 do corrente ao meio dia na
porta da Associacio Commerclal._____________
Leilo de predios.
Como seja :
1 sobrado de 2 andares e soto em chaos pro-
prios, a roa do Amorim m 17, rende 376*,
I dito de 2 andares e soto em chaos proprios a
ra do Burgos n. 3, rende 360*.
1 easa terrea com soto em chaos proprios a
ra o Burgos n. S, rende 288*.
Metade da casa terrea em chaos proprios a ra
da Senzala Velha n. 8.
Cordeiro Sim5es
far leilo dos predios cima mencionados, por
conta e ordem de urna pessoa que se acha au-
sente. Os pretndeme* desde j podero exami-
na ln e qnalquer informadlo o mesmo agente sa-
tisfar, cujo leilo ser effectuado.
Quarta-feira i* de fevereiro
s 11 horas da manha no armazem a ra da
Cruz n. 57.
AVISOS MVE&-SS.
Associaeo Tjnograpbica Pcmanbucana.
Haver sesso extraordinaria do conselho, do-
mingo 29 do corrente, ao meio dia.
Secretaria, 23 de Janeiro de 1863.
Jesuino Francisco Regs,
____________________1 secretario
Instituto Archcolegico e Geographico Per-
eambucano.
Tendode rennir-se a Assembla Geral do Insti-
tuto para celebrar o seu 3. anniversario no da
27 do corrente Janeiro, pela urna hora da tarde, no
salo da Bibllotheca Publica Provincial, no con-
vento do Carmo, sao pelo presente annuncio con-
vidados todos os membros do Instituto, quer ef-
fectivos quer honorarios ou correspondentes a as-
sislir sesso solemne desse dia notavel.
Sao egual e respeitosamente convidadas mes-
ma reunio todas as Sociedades luteranas e
scientiucas que leem a sua sede na cidade do Rc-
cife.
Os membros do Instituto., as Assocaeoes diver-
sas, ou quaesquer convidados qne pretenderem
ter algum trabalho seu, tero de cingir-se se-
grale prescrijjco do Art. 27 dos Estatutos da
Casa, referindose a sesso do anniversario :
>e na sala existera socios ou pessoas oulras
que desejam lr algumas memorias inleressantes
participam-no ao secretario perpetuo, para este
prevenir o Presidente, o qual d a palavra aos au-
tores das memorias, a leitura de cada urna das
quaes oo pode ostender-se alm de meia hora.
Porm nenhuraa memoria ou trabalho pode ser
apresentado e lido em sesso publica, sem que
antes seja submeltldo a urna commissa^ de exame
para isso nomeada, a qual tem voto decisivo so-
bre a conveniencia ou inconveniencia da leitura.
Secretaria do Instituto, 24 de Janeiro de 1863.
J. Soares d'Azevedo,
_________________Secretario perpetuo.
RA NOVA N. 34 M
iJOSEPH PRAOlNESi
CUTIIiEIRO
tem a honra de prevenir as pessoas qne
tem qualquer concert ou amolarao em
maos delle que venham os buscar at o
flm de Janeiro, es qne ficarem dessa data
sero vendidos para pagamento dos mea-
mos, nao se attendendo a reclamacSo al-
gn passado esse prazo.
Approveita essa occasio para avisar
aorespeitavel publico, qje elle tero para
vender os
AFIADORES
r I -i sua invenci, pelos quaes obteve um>
PRIVILEGIO DE 15 ANNOS
a sua snperiorldade sobre todos os que
appareceram at neje de sobre-mo-
do provado pela extraeco que eiles tem
no Rio de Janeiro, aonde sao muito apre-
ciados.
Gaarda-livro?,
L'm guarda-livros bastante habilitado, lendo dis-
poniveis algomas horas, destja preenclielas, es-
cnplurando em algaroa cas*: quem precisar de'
seu prestimo, dirija se a rna da Cadeia n. 28, ar-1
mazem, que ser Informado.
Preeitt.se de aro menino e~li ~l% en nos i
para caixeiro, preferindo-se dos ltimos chegados
| de Portugal : na roa da Cruz a. 27, deposito.
Precisare de um bom foraeiro para Ir paral
Limoeiro, e paga-se bom ordenado : na ra larga
do Rosario n. 44.
Precisa-se fallar ao" Sr. Gonzalo Ro-I
drigues de Almeida, na livrarian. 6 e 8 da
praga da Independencia.
Aluga-se a casa terrea com soto sita ra
da Alegra n. 46 : a tratar na ra de Aguas-Ver-
des sobrado n. 64, primeiro andar.
s
Aviso
Vf*
trivflv
LEILOES.
Leo de escravos
Sendo :
L" ni mulata de 2-j ann-ie, cose, engomma e co-
sinha, tenl) una cria di i anuos.
Uro ecravo criouloidale 30 annose outros jjue
etario patentes no acto do leilo.
HOJE.
li 11 horas no armazdm ra da Cruz n. 57. y
Cir-lairo Si.nSos far lollo dos escravos cima
mencionados.
103
L?R) mta-foira 27 de Janeiro as il ho-
ras i ru i 4f Udeia armazem n. 53,
Pelo agente E izehio.
!>; am sobrado de un andar, chao proprio n.
2i, iw Unjo 4o Terca,reade 4S)3 por auno, foi
.f|iara-io ha pouco.______________________
Leilo de iraatfs e unos afligs.
Sntu-f-ira 27 a* 11 hora.
O LY NI PI
venAtfa lo.ie* de algibeira, sofs a outros m o i tos art^os.
LeUo de movei& e ouli-o& arges~
IUME
Sexta-feira 27 do crreme a II horas.
Nt> arnMzeai a na da Croz n. 17.
fordeiro Simias far leiiSo de diversos movis
n >/* e atadaa, relogio de onro pratt.-eryseaes
e Mitras rauitos artifos de gosto. que se tora en-
fi4onho monelofla-tes, tirto sr vendl*o peto
ziralor prtqo ao correr do marteHo, aflm de fechar
contas de renda.
Leitii) dos salvados 4t barca (rtietn
es ans de *aiat Jeta de Luz.
HOJE.
Por interveocio do agente Pinto na alfandega
armazem n. 8.
Amanhaa 27 do corrente dever ter lugar o prl-
mmn leilo dos salvados da referida barca, o Dia-
rto designar quaes os objectos que devero serem
eifanstns neste dia.
Leilo de camisas, bros, chale, peitos
vamisas, !-;de algodo, fiaegas,
iMiapos de ii, ditos de palha. seroo
Ui, calcados, qaadras para retratos,,
chicles, drogaa e perfumaras.
Hoje na alfandega armazem n. 8.
O agente Pinto, autorizado pelo Sr. onsul de
Franca, far leilo com lieenca do inspector da al-
fandega, em presenca de um ompregado da mes-
ma repartieo para o flm nomeado, e com assis-
teacia do Sr. cnsul de Franca ou de seu delega-
do, los objectos afima mencionados, parte dos sal-
Aos 6:000000.
Sabbado 4 de fefereiro do corrente an-
no, se extrahir a segunda parte da quarta
lotera (4a) a benecio do theatro de Santa
Isabel, no consistorio da igreja de Nossa
Senhora do Rosario da freguezia de Santo
Antonio.
Os bilhetes, meios e quartosestoa ven-
da na respectiva tbesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 0:0003000 at 1OJ0O0
serSo pagos urna bora depois daextracc5o
at s 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuico das listas.
As encommendas sero guardadas so-
mente at a noite da vespera da extraeco
como de crtame.
O thesoureiro,
______Antonio Jos Rodrigues de Souza.
AOS 6:000.000
Bilhetes garantidos
A' rna do Crespo n. 23 e casas do costura?
O abaixoassignado vendeu nosseus muitifeli-
zes bilhetesgarantidos da lotera, que seacabon
de extranir a benecio da malriz da Boa-Vista,
os seguintes premios:
Dous qoarloso. .1039 com a sorte de 1:4005000
Di.ns dito n. 1990 com a sorte de SOOguOO.
E oulras muitas sortes de 2005, 1009, 405 e
205000.
Os possuidorespodem vir receber seusrespec-
ivos premios sem os descontos das leis na fasa
da Fortuna a ra do Crespn. 23.
Acham-se venda os da segunda parte da
quarta lotera a benecio do theatro de Santa
Isabel, que se extrahir no da 4 de fevereiro.
Presos.
Bilhetes inteiros......"5000
Meios......... 35500
Quartos........ 15900
Para as pessoas que compraren!
de 1005 para cima.
Bilhetes....... G5500
Meios........ 35250
Quartos...... 15700
________________ Manotl Martins Fiuza
tCJEIJOS.
Queijos do ultimo vapor o melhor qne ha
neste genero a 25300, ditos mais antigos a 15600,
vnhos do Porto, Figueira e Lisboa e todos os mais
gneros da naelhnr onalidade e por menos preco
do que em utra qualqner. parte : no antigo esta-
beleciraento junto a esta typographia.
Fugio um escravo de nome Zeferino, cabra,
de 26 annus de idade, estatura regular, fornido,
hombros baixos, cara grande e carnuda, olhos pe-
queos, pernas curtas, e tem as costas algumas
clcatnzes de relho, bem prosista e falla desemba-
racadamente : quem o pegar dirija-se a povoaco
de Tracimhem ao vigaris BaziltoGon^alvesdaLuz
que satisfar as despzas.
Desappareceu no sabbado 21 do corrente,
um tnoleque rrioulo, por nome Luiz com os sig-
naes seguintes : alto, corpo regular, cor preta,
falla grossa e muito regrista, tem urna pequea
cicatriz por baixode unrolho, cosluma andar sem-
pre de sucia com outros moleques, levou vestido
calca de brim pardo muito suja, camisa de alge-
do 11 raneo, sem chapeo na cabeca ; portanto ru-
ga-sc as autoridades policiaes e capites de campo
que o prendara e levem-no a seu senhor na ra do
osario estrella botequim da Aguia d-ouro, que
ser recompensado generosamente.__________
No da 9 de dezembro de 1864 fugio de casa
de seu senhor o escravo Herculano, pardo escuro,
com 35 aonos, alto, cabellos caraplnhos, olhos o
orelhas pequeas, tem apenas bigode e pera, per-
na e andar do quebra-mangue, tendo o p esquer-
do torio esahido para fra como pata de seri, e
por isso pucha alguma ousa pela perna quando
anda, levou vestido calca branca remendada e ca-
misa branca, levando na cabeca chapeo de palha.
conduzio igualmente toda a roupa que possue, sup-
poe-se andar aqu mesmo pela cidade : quem o
pegar leve-o a ra Dreita n. 5i, que ser genero-
samente recompensado. _
Fugio no dia 2 de Janeiro a preta Humana,
de idade 28 annos, crioula, magra e fula, bem fal-
lante, e tem sido vista pelo Uanguinho : qnem a
pegar leve-a a seu senhor, na prai;a da Boa-Vista
n. 2i, ou Campo Verde, ra do Trapiche n. 2, que
ser bem recompensado.
'~ffTninMnrwrTnmr-----------------
Aurora Francisca Gavajcaotl Lima convi-
da aos amigos do seu prezadoe fallecido ma-
rido Joao da Costa Lima Jnior a assistirem
a mlssa de Rquiem que por sua alma faz
celebrar pelas 7 horas da manha segunda-
feira 30 do correle na igreja matriz do Cor-
po Santo; pelo que desde j Ihes anlecipa os
seos protestos de gratido e recenheclmento'.
Antonio de Souza Povolide convida aos
sens amigos a assisiirom a missa que por
alma do seu mui presado amigo Joo da
Costa Lima Jnior faz celebrar na igreja
matriz do Corpo Sanio, pelas 7 horas da
manha segunda-feira 30 do corrente, a tro-
va do mesmo fallecido pelo anniversario do
fallecimento, por to especial obsequio Ibes
flear summamente grato.
Os abaixo assgnados participara ao respeitavel
publico, ecom especialidade ao corpo do commer-
cio, que amigavelmente dissolveram a sociadade
; que trnbam na loja da ra. Nova n. 47, que gira-
| va sob a firma de Bastos 4 Magalhes, fleando o
;aclivo e passjvo da rnesma Arma cargo do socio
! Joao Baptista Goncalves Bastos.
Recife, 3 de Janeiro de 1863.
Joao Baptisla Goncalves Bastos.
Antonio Jos de Magalhes Batios.
bdacaco primaria e seto Miara
Na instituir de Jeronymo Pereftpn
Villar, na ra larga do Rosario n. 22, nao
so se ensinam as materias que ronsti-
luem o curso regular de primearas letras,
eomo as disciplinas preparatorias para a
Facoldade de Direilo.
O Rwv. Sr. padre mesrre Flix Brrelo
de Vasconeellos est encarregado da aula
de latim ; o Illm. Sr. Dr. Jos Soares de
Azevedo aeba-se encarregado da anta d ]
francez ; e para as outras materias vao !
ser igualmente contratados mu distinc- I
tos professores.
_ mwmmi
Saqnes sbre PorngaTT^i
O aballo assiguado; autorisado pelo g
Banco Mercantil PortueL.se. e na ausencia I
do Sr. Joaquina da Silva Castro, saca ef- 1
fectivamente por todos o paquetes sobre e
as pracas de Lisboa e Por .o, e mais luga-
res do reino, por qualqner somma vis- J
ta, e a praso; podendo, os que temarem a
saques a praso.recebejrem %ista,no mes- |
mo Banco, descontando 4 0|0 ao anno: na 1
. loja da chapos da ra do Crespo n. 6, ou a
na ra do Imperador n. 63, segundo an- I
dar.Jos Joaqnlm da Costa Maia.
AMA IIK M^ITK
Precisa-se de urna ama de leite qne seja sa'dia
e tenha bom leile para criar um menino de pon-
eos dias : no hecco dos Ferreirs, casa terrra de
janellas de vidracas. ________
O baeharel Jeronymo Salgado de Castro Ae-
cioly, antigo advogado do tribunal da relac/io e
mais auditorios desta cidade, rmidou seu escrip-
' torio para a rna estreita do Rosario n. 2, segundo
andar, onde pode ser procurado para os misteres
de suaprotisso.
Precisase de urna ama para urna pessoa :
no becco do Padre n. 3.
Anna Monleiro de Lim.a llego Valenea, pro-
visionada pela directora geral da iv.trucco pu-
blica, participa aos paes de suas aluuinas e ao
publico em geral que tem aberto a sua aula, onde
continua a ensinar com perfeicao grammatica na-
cional, historia, irilhmetica e calligraphia, diver-
sos trabalhos de agullia, costura ehaa, labyriatho,
marcar, bordar branco e de seda, crochet e tricot :
na Passagem da Magdalena casa de sna moradia.
Mobilia
Alugara-se mobilias : no pateo do Terco nume-
ro 42.
i'oirjpacaiii da estrada de ferro*
no
Eecife a Sao Francisco.
AVINO.
Fcsla de 8. Sebastio na villa do Cabe
Domingo 29 de Janeiro de 1865.
Era razo da grande concurrencia que costuma
haver todos o annos na (esta de 9. Sebastio na
villa do Cabo, neste dia alm dos trens ordinarios
haver os seguintes especiaes qne partrrSo de
Cinco Punas ao meio dia
e 3 horas da tarde.
E voltario o Cabo as 9 horas da noite.
emeia noite-
Os precos das pasaagene de ida c vc-Ms sao os
seguintes :
1. claase 35300
2.' S.'iSOO
3.' 15700
G. O. Mann,
Engenheiro e superintendente interino.
mMmm wmm mmmmm
M Q baeharel
Amonio Joaquim Ayres do Nascimento
E tem o suu escriptorio de sdvogacia na ra
35 estreita do Rosario n. 8, cade pode ser
(I procurado das 9 horas da nanha as 4
da tarde.
luga-se
Ahiga-se o segundo anefar e soto da-
casa da ra das Aguas-Verdes n. 64, tem
commod spara grande familia ; a tratar no
primeiro andar da mesma casa.
Precisa-se de 1:0005 a premio ;or um anno
com seguranza em uina escrava que val 1:5005 :
a tratar ua ra do Nogueira n. 1.
los senhores pais de familia.
0 padre Flix Barreto de Vas-
concellos.com aula particular (de la-
tim na ra do Imperador n. 33, l.e
andar, contina a receber alumnos
de todas as classes, dorante e de-
pois das ferias. Tambem est dis-
poste a abrir um curso de primei-
ras lettras e de francez, logo que
baja numero sufllciente de alumnos
para cada urna destas materias, e
assim tambem a receber como in-
ternos ajguns meninos, de cuja edu-
carlo o quizerem encarregar. Os
pagamentos serio por trimestres
adiantados, e os precos declarados
pessoalmente na occasio do ajuste
para a entrada do alumno.
O porlugpez Albino Baptisla da
Rocha, relojoeiro e donrador, na
praca da Independencia loja n. 12,
faz qualqner concert de relogio e
dourado por preco mais commedo
do que ontro qnalquer e responsa-
ilisa-se pelo sen trabalho e espera
prolerco de seus compatriotas._______ .
O abaixo asignado faz sciente ao publico o
ao commercio, que nesta data vendeu a sna loja de
fazendas da ra Noa n. 10 aos Srs, Magalhies
Bastos & C, Qcando o activo e passivo da mesma
loja a cargo do abaixo assignado. .Recife 2$ do
janeiro de 1863.Aatonio Domingos Pialo. .
A viuva e (litaos do finado Dr. Jos Mame-
de Alves Ferreira convdam aos amigos e
prenles do mesmo para assistirem a missa
do stimo dia na capella do cemiteno, as 7
horas da manha do dia 30 do correle.
m;i ii i!.....mu ii >;
Manoel Franciscoi da Silva Carrico ora
residente em Macei, julga nada dever nes-
ta praga ou fura della, mas se alguem se
julgar seu redor queira apresentar seu ti-
tulo nestes 8 dias, que depois de verificados
ser immediatamente pager por Francisco
Rrbeiro Pinto Guimars (para isso autori-
sado) ra d'Apollo armazem n. 38. Reci-
fe 23 de Janeiro de 1865.____________
Na ra dos Coelhos n. 10 s? dir quem d
algumas quantias com premio razoavel sobre boas
garantas.
wi wmmwm mmmm
Lino de Faria 6 nico competente
para haver as divda|s activas e outros
quaesquer bens da eitincta Arma Paria
& C. Elle pois avisa a todos os devedores
para que nao paguen seno a elle ou
pessoa por elle devidamente autorisada.
Espera que os mesmos devedores sero
pontuaes era satisfazerem seus dbitos,
livrando-o assim de recorrer aos meios
judiciaes. Elle mora na ra do Impera-
dor n. 57, segundo andar.
Escola central methodo Cas-
lltao.
Bst aberta desde 7 da Janeiro ensina as mate
rias do Io e 2 grios, recebe alumnos, pensionistas
e meio pensionistas, por precos commodos; nao
excedendo riles a dozo aonos de idade : na ra da
Ponte da Capunga, casa n. 9.
ATTfiX^AO
Traspassa-se urna hypotheca sobre um engenho
uo valor de 4:8005, a vencer-se em principios de
abril de 1866, descoman lo os juros de 2 0|0 ao
mez : na ra da Aurora, depois do Gymnasio,
passando a pontezinba do ferro, na segunda casa-
uma casa acabada agora, com commodos para fa-
uta, estribara, cocheira, quartos para fcitor e [
escravos, com banho na porta, no logar do Poco
da Panella, ra do Bio : a tratar com Tasso ir-
mos, na ra do Amorim n. 35.
Precisa-se por aluguel de urna preta boa
quitandeira : a tratar na rna do Qneimado n. 17.
Precisa-se de urna criada forra ou escrava
para o servieo de urna casa de familia : ra da
Cadeia n. 5o, segundo andar._______
Aluga-se urna ama para engommar e cozi-
nhar : na ra Augusta, toja n. 33, sendo casa de
familia.
-i'.
*I1
S
O
mmmm
Na rur da Cadeia do Recife n. 50, precisase de
ama ama para cozinhar e comprar, preferindo-se
captiva.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
i e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre e seguinte
Io molestias de olhos ;
2 de peito :
3o dos orgSos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rSo examinados na ordem de- suas
entradas come^ando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d sj
6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opere-
co que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
O Dr. Carolinc Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na ra do Impe- Wt
rador n. 17,2" andar, onde pode ser pro- S
curado a qualquer hora do dia e da noite S
para o exercicio de sna profisso de me- ^%
dico ; sendo que os chamados, depois de >
meio da at 4 horas da tarde, devem ser 5
deixades por escripto. O referido Dr. W&
nao abandonando nunca o estudo das gJ
molestias do interior, prosegue, com o
maior afflnce, no das mais difceise deli-
cadas operaroes. como sejam dos orgos
ourinarios,dos olhos, partos, etc.
Precisase de um escravo cozioheiro
ra da Madre de Dos n. 36, primeiro andar.
ra da [adeiVd'o tli
na
n."o*2", rrculroanoF.'
Sa
O Or.'eroiiym yillela de Castro Ta-
vares advoga o crlme e civei, commer-
Precisa-se de urna pessoa para tomar con ta
de urna casa de aolhados a relalho, com as habi-
Iitac5es necessarias, dando-se-lhe sociedado ou
bom ordenado : a tratar na ra do Amorim nu-
mero 36.___________________________________
Brecisa-se de uro mestre de maceira e 2
amansadores que saibara deserapenhar o seu ca-
rcter : na ra larga do Rosario n. 46.
ci 6 ecclesiastico.
todos os dias utes
emseu escriptorio,
primeiro andar defronleda livraria
nomica.
Pode ser procurado
at 3 horas da tarde
ra do Crespo n....
eco-
m
ATTENC10.
"amera ttt~'
nar com
..tqi|aer
g
o lflor
Precisa-se de um hornera casado que tenha as
habilitacoes para ensinar com perfeicao prmeiras
letras e alguns preparatgjjgiem U" engenho per
to da estaco de Timb^^Bfea tratar na ra do
Livrameno n. 24 com o Wfor Luiz Jos Pereira
Simes.
O Dr. Braz Florentino Henriques de Souza,
lendo de reirar-se para o Ro de Janeiro, onde
vai servir como membrq da commisso revisora
do projecto do cdigo civil do imperio, deixa en
carregado das causas qne lhe estavam confiadas
ao seu mano o Sr. Dr. Tarqunio Braulio de Souza
Amaranto, a quem podero dirigir-se os interes-
:ados!____ _______ W
Desapparecen no dia 18 do. corrente a noi"-
em Santo Amaro de Jaboatao, um quarto ala 3o
com cangalha, tem os seguintes signaes : ferr do
em ambos os quartos, tem dous ps e urna n. o
raleados e um signal branco ao p de um ouvid>
e c inteiro : gratificase bem a quem o entregar
no engenho Gurja de Batxo oa a roa do Impe-
rador n. 81.______________________________
Joaquim Martins dos Sanios, com taberna em
Rio Formoso, declara que deixou de vender aguar-
dente desde o dia 1 de janeiro de 1865.
I>"iirniis de renda prelos.
lina do Qneimado numero 11.
A' loja de Augusto Porto chegaram os-mao lin
dos e superiores bournds de renda preios para se-
iTnoras, chapeos e chapelinas de palha da Italia
para senhoras,, deblcadamente enfeitados, moir
preto para vestidos, ricos cortes de seda preta com
barras, pekio, bella fazeuda preta de seda lastra-
da, grosdenaple, pannos, caserairas pretas e mes-
ciadas, e oulras muitas fazendas. A mesma loja
recebeu um bonito sortimento de malas ingjlezas
para viagem, e grande qitantidade de estn as pa-
ra forro desalas, que est vendndo por menos
que em outra qualquer parte.
que c
insta
PEDIDO.
O Sr. Manoel Pereira de Andrade,
morar ltimamente no caminho novo, qneirsj Ir
ra Dreita n. 84, a negocio qae_nao_ignora.
N ra do Rangel n.
nhos va 2&, eompram-se
de esprilos e de banha.
yidri-
.Compra-se um baha grande para viagem,
de 7 a 8 palmos de comprimento: na otncina
desta typographia.
. Precisa-se de urna ama para casa de pduca
familia a tratar na ra Dreita n. 2, lojatfecfion-
te do Livraraenlo.-_____________*__________I
D-se a premio a qoantia de 2:0005009| em
raoeda metaliea sabr hypotheca em predio de va-
lor superior : na na do'Qneimada, loja a. 4^. se
dir quem di.
O abaixo assignadoi faz publico que tem nes
tadata contratado a venda de seu eslabelecimento
de molhados n. 72 da ra Dreita ao Sr. Francisco
Jos Luiz Ribeiro, a praso; Picando este obrigado
ao pagamento de suas dividas passivas, conforme
as declarares feitas no seu contrato. Ontro sira,
o mesmo abaixo assigoado roga a seus devedores
que se dignem at fin* de fevereiro vir saldar as
suas coatas, que at esta data o abaixo assigoado
far alguma convenco.
______________Jos Soares Pinto Correia.
Aluga-se uina grande casa na matris da Var-
zea, com 2 quartos ao lado que servem paraesta-
beleclraento, retificada de novo com seu sitio que
vai de estrada a estrada, tendo urna boa cacimba
e varios arvoredos de fructos, tendo tambem urna
pequea ao p, com quintal correspondente a mes-
ma que vai tambem estrada de detraz, sita na
na do Fogo, tambem se vende: quem a preten-
der dinja-se ao pateo do Carmo, sobrado que bota
a 'reate para a ra de Haras numero 2, primeiro
andar.
u Loadeu a Brazilian Bank, saca por todos
os paquetes, sobre
Lisboa.
Porto.
Braga.
Vianna.
Gu i maraes.
Villa Real.
Coimbra.
Amarante.
Por deliberaran da mesa regedora da irman-
dade de Nossa Senhora da Cenceico dos Militares,
em sesso de 2i do corrente, sSo convidados todos
os Srs. credores ds mesma irmandade, a apresen-
tarem suas contas legalizadas que proven couve-
nientemele a mesa regedora a sua valida de, para
a mesma tomar em considerado na prxima reu-
ni ; podendo os mesmos senhores entrega rem
as datas contas na ra do Rangel n. 2't primeiro
andar, al o dia 30 do. correte.Manoel Jos Vic-
torino de Burba. secretario.
Companhia Qdedade de g[
segnros martimos e ter-
restres estabelecida na
lo de Janeiro.
AGENTES EM EPNAXiHJCO
\ntonie Luiz de Oliveira Azevedo i C,
compelenemente autorisados pela direc-
tora da eompanbia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercade-
ras e predios no sea escriptorio ra da
Cruz n. 1.
Apessoaquetemdireitoaumaporcjiodepallias
de coqueiro, qne existe na casa n. 18 publico e 39
particular, sita na rna das Boias, perlenci-nle ao
patrimonio dos orphaos, que oulr'ora esteve arren-
dado a Manoel Jos Soares, contiendo por lineo,
queira tirar ditas pal has dentro de 24 horas, do
contrario sero ellas lanradas ao mar.
Aluga-se o terecina andar do sobrado n. 2i
do ra da Cadeia do Recife, entrada pelo becco
Largo : a tratar no armazem do mesmo sobrado,
Na fabrica de calcado do patoo da ribeira de
S. Jos, precisa-se de artistas para obra de senho-
ra e menina dando-se tudo prompto, paga-se a du-
zia para senhora a 15800 e para na/nina a 1,5200, i
fctodo aquelle que qnizer levar sem pospontarter
mais 100 rs. pm cada dnzia.
O baeharel padre Manoel da Costa Honorato avi-
sa aos pais de seus alumnos que contina no exer-
cicio de seu magisterio em casa de sua residencia
na ra da Matriz da Boa-Vista n. 26.
Para um deposito de padaria na cidade de Goin-
na se precisa de um caixeiro com as habililagoes
precisas; Irala-se na ra da Ciuz n. 36, delronte
do becco da Lingueta.
O abaixo assignado declara an respeitavel
publico e especialmente ao corpo do commercio,
que deixou de ser caixeiro de Eulebio Raphael
Rabello, desde o dia 21 do eofreote.
_ Antonio Jos da Costa Araujo.
Precisa-se alugar urna ama para lodo servieo
de urna casa de pequea familia : a tratar na ra
do Cabug n. 4, loja de miudezas.
Na ra estreita. do ltosario n. 22, precisa-se-
de urna ama para casa de pouca familia.
Hotel do Cabo.
O propietario desle estabelecimenlo, avisa ao
respeitavel publico, que achando-se peifeitameute
collocado entre a cstacao e a igreja, na ijual tem
de ser celebrada a testa do gluaioso s. Subastado,
lem evidado ludo quanto esta au seu alcance, afim
de esperar a rapaziada com bom almogu e jantar,
tudo por preco mu eommodo, e para o que tem
feilo preparar um grande barraco no qu*i haver
iberdadc ccmpleta.
Aluga-se por 10^000
urna pequea casa terrea na ra do Dique nos fun-
dos da casa n. 82 da ra das Cinco-Ponas : a tra-
tar na ra da Madre de Dos n. 10.
Aluga-se.
A casa da ra do Gazomelro n... junto a fabri-
ca do gaz, com duas salas, dous quartos, quintal,
cosinha e cacimba, preco de 1400 urna dila no
mesmo lugar cora menos commodos por \~l-j men-
saes : a iralar com o ^. Valenca.
A pessoa que annunciou por este Dino pre-
cisar de 1:0005 com hypolbeca em urna casa na
freguezia da Boe-Vista, dirjase ao Recife, travesea
da Madre de Dos n. 18.
O baeharel Pergenlino Saraiva de Araujo
Galvo, advogado eslabeler.ido com escriptorio na
una e lrancez," recene em soa casa uvaiurtnito,
enjos pas por morarem fra nao poderem te-Ios
comsigo.
m
m
O baeharel
Francisco Augusto da Cosa
ADV6GA00
3K Ra do imperador numero G9. gg
m&fimMM&i Msmmm nnimBnnV
Aluga-se a casa terrea da roa do Socego n.
2, e o seguudo andar do sobrado da ra do Rangel
o. 7 : a tratar na laberna no mesmo sobrado.
Do corredor do sobrado n. 9 da ra
da Imperalriz furtaram, na manha de 21
do correne, tres vestidos brancos, sendo
dous bordados cora bicos e ntremelos, e
um com babado bordado : quem forem of-
ferecidos ou dellcs souber, faca favor noti-
ciar na casa cima, que alm de ser gratifi-
cado muito obrigado se (cari}.
AMA.
Precisase de urna preta para todo o servieo
interno e oxlerno : na ra do Queimado n. 16,
loja de miudezas.
Aula particular.
O abaixe assignado, professor particular, provi-
sionado pela directora geral da mstruccopablica
para ensinar primeiras lettras, latim e francez,
participa ao respeitavel publico e igualmente aos
senhores pais de seus discpulos que seguoda-fera
9 do corrente tem de continuar no ensino das su-
praditas materias, admittindo matricula alunos
externos, pensionistas e meie-pensionistas. A pra-
ticade 19 annos consecutivos no exercicio de seu
magisterio, sua inteira dedicado e ;ua moralidade
sao garantas que offerecv aos senhores pais de fa-
milias, que desejam a sa e til educaco a seus
tainos.
Quem pertanto quizer confiar ao mesmo abaixo
assignado a educaco de seus filhos, pode dirigirse
a qualqner hora do dia aoterceiro andar do sobra-
do n. 58 da raa Nova, onde ha muito lempo est
slabelecido.
Jos Marta Machado de Figneiredo.
O Sr. morador dn rja Nova que se
achaa dever 6quartcisde asignaturas des-
te tDiario, queiramauda-las pagagar pois
assim como elle gosta de receber a paga de
seus servidos deve attender a dis ou-
tros principalmente o do Diario queem
irabalham mais de 60 pessoas.
A t ten cao
Pede-se a pe*soa qne tiver em sna companhia
omenorFelismino.de 13 annos, cor macilenta,
resto com ardas, cabellos louros.se digne de o le-
var a ra da Palma n. 17.
Altenrao.
A pessoa que perdeu um relogio de ouro no dia
22 do corrente, em Beberibe, n<> lugar denomina-
do Porte da Madeira, dirlja-se a cidade de Olinda
detraz do Amparo ao director da sociedade Bella
Harmona, que ser entregue, finando obrigado
pela despeza do annuncio.
Manoel Jos de Albuquerque Moli, professor
particular de nstrucc'u primaria, avisa ao res-
peitavel publico e com especialidade aos nals de
sens alumnos, qne a sua anla est abena desde o
dia 9 do corrente, onde pede ser procurado; ad-
verte mais, que rece-be em sua aula alumnos nter-
nose por modieo prego : uo pateo do Terco n.
141, segundo andar.
DENTISTA DE PftBiS
19Ra Neva-19
Frederico Gautier, cirurgio dentist i
faz todas as operacoes de su arte, e c< I-
loca dentes artificiaos, tudo com supe-
rioridade e perfeicao, que as pessoas en-
tendidas ihe recunhecem.
Tem agua e pos dentifieio.
i
Consultorio mediro-rirurgico na ra larga do
Rosario a. 20.
O Dr. Joo Ferreira da Silva regressando sua
casa, contina em o exercicio de sua profisso
nao s na parte medica como tambem na cirur-
gioa.
Saques sobre Lisboa.
Manoel Ignacio de Oliveira & Piulo, saccam so-
bre Lisboa; largo do Corpo Santo escriptorio nu-
mero 19.__________________________________
Na ra do Imperador n. 27, defronte da Or-
dem Terceira de S Francisco, precisase de um
cosinheiro ou cosnheira de bons costumes, livreou
escrava.
Aluga-se a loja da casa 59 da ra Augus-
ta ; quem pretender dirija-se a mesma casa cima
que achara com quem tratar.
Deposito geral do rap priareza Gasse e Paulo
Cordeiro nesia provincia, rna da Crnz numr-
re 18.
Jos Joaquim Lima Bairo, recebedor do rap
princeza Gasse fino, meio grosso e gros^o, Paul
Cordeiro, dito meio grosso e viajado, i|ualidades-
estas que te.m nesta provincia obtido grande ere-
dito pela sua excellente fabricacao, e materia pri-
ma de que composto ; ist* o atiesta a innmera
extraccao que elle tm tido, e a eondecoracao que
obteve"na exposicao nacional, cuja medalha ven>
gravada nos rtulos dos mesmos botes, teem elle
de mais a vantagem de nao ferir o nariz. Tam-
bem vende-se o rap denominado Amari Ilinho que-
na Baha goza de grande aceitaco. O deposito
aeha-se sempre supprido de todas estas qu' Ii
dades.
Precisase de 1:080,5 a premio com garan-
ta : a tratar na ra de Santa Tlu-roza B.24.
Precisa-se de una mogo de 14 a 16 auno>
para cocheiro que seja portoguea, rom preferencia
aos ltimos chegodos : na ra do Rangel n. 9.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva 'para
todo servieo interno e externo de urna casa de
pouca familia : na ra larga do Rosario ih M se-
gundo andar.
Timotheo Pradre, subdito fraoce, vai para o
norte do imperio.
Aluga-se um sitie na ra do Labial da
cidade de Olinda, com casa terrea,cota co-
piar na frente,|bota os fundos para a estra-
da e margem do rio Beberibe, com com-
modos para familia, estribara para cavallo
e capim para sustenta-los, arvoredos do
fructos, sem visinbo defrODle nem ,pelo
fundo.com ptimos passeios, sala e gabi-
nete nfrente, ranito propria para passar a
festa.e tambem se alujar por anno : a fal-
lar no Recife, na livraria n. 6 e 8 da praca
da Independencia, eem Olinda na casa con-
tiguacom o capitao Antonio Bernardo Fer-
reira.____________________________
No hotel vigilante, rna estreita do Rosario,
precisa de um cozmhciro.







T '


Diario le rernambuco .- Serta lelra > 4c Jaaeir* lie i4*f
ATTENQO
Os preeos da seguate
tabella para todo, po-
dend asslm servir de ba
e para o ajaste de eoatas
i es portadores.
A NACIONAL
Companhia/geral hespanhola de seguros smutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1889
Urna (ianca era dinheiro, depositad* nos cofres do estado, garante a boa ad-
ministraco da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA I DIRECgO GERAL
O Banco de Hespaaba Madrid : Roa do Prado a. I
Esta companhia liga pelo systoma mutuo todas as combinacoes de supervivencia dos seguros
sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripto de maneira qtie em nenhum caso mesmo'por morte do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao tao suprehendentes os resultados que produzera as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL, que anda mesmo dimlnaindo urna terca parte do interesse produzido em recentes liqoidacoes,
e combinando o com a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada pela companhia para os
seus clculos e liquidacoes, em segurados da idade de 3 a 19 annos, ama imporsico annual le 100
produz em effectivo metlico :
No fim de 5 annos. ...... i: 1193300
de 10 .......3:9424600
de 18 >.......11:2085200
je JJJ .......^:?o?f^S Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o prego da manteiga ingleza a i,ooors. a libra, bem assim o de outros
as idades menores de ??nos .' maiores d.30. os productofslo maTconsideraveis. S^SSUSrJS^^^-^^ n HST 2S7 Prb? PT VT"* de .^Pero, e griUrem em
Prospectos e mais ntormacoes serio prestadas pelo sub-direclor nesta provincia o Sr Jerony altaz> '' O", eu offendido tom estas obscuridades e receloso em adoptar o mesmo
mo Joaquim Fiuza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12, estabe ^taenia .ue vim encontrar, de so se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reducto de preeos, como veris
lecimento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite & Irmo. pela segrate tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Unio Mercantil nao 1
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a l,6oo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da redueco a que
estao obngados, encarando todos os dias,de seus freguezes reclamarlo de pregos, e qualidades, vingam-se de um eoutro portadores'
al informado deste novo-estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim'
SO PUBLICO
ftena menor eonstran-
glmento se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
ARMAZEM
RA DA CADEIA DO RECIFE W. 53.
(Logo passando o arco da Conre'ieo)
Cirande redaceo de preeos, equivalente a dez por cento menos de que outro qualquer
annunciante.
Irritacio, dospulmOee,
Angana tosse,
Escarros de sangue,
rupo ou garrotilho,
atarrho, rouquido.
e todas as innumeraveis molestias que tf-
fectam aos orgaos da respirado
DESAPPARECEM
mediante a accSo da balsmica e irresisti-
vel
ANACAHUITA
Joao da Silva Ramos, medico pela Uni
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres ii
que o procurarem no hospital Pedro II, J
aonde encontrado diariamente das 6 Rg
s 8 horas da manhaa.
Tem sea casa de sade regularmente H
montada para receber qualquer doente, IW
anda mesmo os alionados, para o que jg
tem commod&s apropriados e nella
tica qualquer operado cirurgica.
Para a casa de sade.
Prime ira classe 3000 diarios.
Segunda dita.... 2*300 >
Terceira dita.... 2J00O
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianza de que sem-
pre tem gozado.
O solicitador Pedro Aiexandrl-
no da Costa Hachado
se encarrega ante o foro desta cidade de tudo que
for tendente a sua proflssao, aceita de partido an-
nual as pendencias judiciaes de qualquer casa
commercial mediante razoavel ajuste. Contina
a se encarregar de cobranzas nos termos do Cabo
e Ipojuca aond continua a trabalhar como d'an-
tes, e encarrega-se de defezas perante o jury nos
termos prximos a via frrea, offerecendo gratui-
tamente seus servicos aos desvalidos, pode ser
procu-ado todos os dias uteis das 9 horas da ma-
nhaa as 3 da tarde na ra eslreita do osario n.
34, e fora dessas horas na ra Imperial n.36, ca-
sa de sua residencia.
ALMANAK.
Acaba de sahir dos pr-
los de nossa typographia o
Almanak Administrativo
tao smente obter a concorrencia de seus freguezes.
Para foenr de todo
PEITORAL de KEMP,
a anacafmia mexicana, que da o nome
especial este incomparavel remedio, urna
arvore, cuja madeira por muito tempo se
| ha usado no Tampico para a cura das ea-
Sennores e Senboras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromptidao e entei- fermidades cima mencionadas. Foi lam-
xjLiiiinixuji. XKLiiiicsvi avi v v ,; reza com que serao tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que seip. duvida me darlo a proteccao e preferencia na compra bem ensaiada e approvada pela academia
Mercantil e Industrial deSta! iGfs!e."!Tiu.e.-P^!c.lsarem'e quand0 n3 P0.^111 v" poderito mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco pratices, pois medica de Berlim.
O peiloral de Kemp um xarnpe deu-
doso inteiramente livre de opio, acido hy-
drocianico e outros ingredientes nocivos.
A' venda as drogueras de Caors 4 Bar-
bosa, Bravo A C. e todos os cstabeltcimea-
tos oharmaceuticos do imperio.
Vendem-se no Recite em casa de Caors &
Barboza e Joao da C. Bravo A C.
rOvincia COrrectO at 81 m 6Cr S COm sev,essem penalmente, ha\endo para com estes toda recommendacao, afim de que nao vo em outra par te
de dezembrO e Vndese a lS^^^(^^- ***&%** rs-e.embarricasde4duziassefaz abat- Antonio de Lisboa em latas com 6 libra
na livraria ns. 6 e 8
|9 da praca da Independencia,
escomida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem viudo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a Joo rs.
j Cbhysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
; dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
FOLHIOTIAS
rara 1805
Aeham-se venda na livraria ns, 6 e 8 da
praca da Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
Kalendario civil e eclesistico tabellas idem^etoTmwpaUico por ser de saperior
de feriados, de emolumentos dos tribu-,' qualidade a 2,ooo rs a libra
A rm HlNHTnp'u'rmrmA60 2 'dem L*sson> huxim e Perola raais Pr0P
? ALGIBLIRA contendo o para negocio o l,6oo, l,8oo e 2,ooo rs. a
STaS 3qU e mae. ra.n0va bra,garante-seser muito regular, igual
Salve Rainha em versos, o Stabat Mater
em verso, devocao ao agonisanle, coracao } rs
de Jess, cntico em louvor do Santissi-; Linguifas, cbouriCas e paios em latas de 8
2 E' f"'!00 a 7ttgT ,Mana N0S" "bra>, emticamente lacradas a 5,5oe rs
sa Senhora, trufa e tres ch.stosas anee- garante-se serem superiores aos que vem
ment.
Gaf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranbao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painfo ealpista a lio rs; a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
.r?.
0 bacharelJurge Uornellas
continua a residir ra larga do Rosa- >^
rio n. 26, primeiro andar, onde pode ser Sg
I procurado para exercer asua profissao:
Io de advogaiio nos auditorios desta ci- tib.
dde; ^
2.de mestre da lingua franceza, en- flR
sinando-a tarde, e tambem nolte a 3|
pessoas cujas oceupa^des embaracem S
aprende-la durante o da. ;*.,
THESORO DAS MAIS
Providencia das crian eos
dotas, um indito poema sobre as aven-
turas de um cozinheiro, o canto de urna
solteira (poesa), crescido numero de m-
ximas e pensamentos, urna historia como
muitas (romance), e vinte cinco novas e
pilhericas cbaradas a 320 rs.
Goke do gaz.
Pltch do gaz.
Alcatro do saz.
Coke, tonelada 10;r800.
Piten, arroba 3,5000.
Alcatrao, caada 500.
O cok reconhecidainente o carvao mais econ-
mico, tornase por isso recommendvel, bem co-
mo pelo aceio que se nota as casinhas aonde
eHe u?ado. Pitch e alcatrao, alem das applica-
coes diversas atjue se prestao, como para calafe-
tar embarcacoes, alcatroar madeiras, etc., tecm
estes a propriedade de preservar do copim, ter-
minas, ele. E entregue na fabrica do gaz, ou man-
dado por em qualquer ponto da cidade, segundo a
ao quse vende em outra parte por 2,4oo | Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarrao e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talberim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse flm.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
em barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,ooo rs. e I,5oo e 6oo rs.. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a i,6oo e l,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem Vinho do Porto muito fino excellnte qua-
er
COLLARES 11 >"V g R vot"a''e do comprador 'e previo ajuste.
.Electromagnticos.
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DENTigO
Contra as cunvulsoes e para facilitara
denliejie das criancas preparados e inventa-
dos por Royer, pharmaceutico da esco-
la superior do Pars, successor de Chereau,
merabro da academia de medicina
antiga casa de Rouillon-Lagrange, pharmaceutico
do imperador
chefe dos trabalhos chimicos da escola po-
lytechnica, director da escola de pharmacia de
Paris, e membro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-se nicamente na loja do
Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
Auseulou-se em 29 de dezembro passado, do
Dgenho tilinga de cima, no Cabo, a mulatinha
Joana, de 14 annos provaveis, comprada 26 dias
no Recife a Jos Firmioo de Medeiros por procu-
rado de sua av Joiepha Mana do Przeres, rne-
radores ambos no Brejo da Madre de Dos, e tem
os signaes seguntes : cor alvacenta e mancha no
rosto, cabello carapinho e ruivo, com urna cica-
triz na testa, corpo regular, com todos os denles,
sern pedos, as pernas Unas-, vestigios amigos de
chicote, no cerpo padece de bobas as partes oc-
culias.a falla as vezes viciada : roga-se s au-
toridades a sua captura, e a qualquer particular,
podendo ser remettida para o refurido engenho,
ou a Joao Jo> de Carvalho Moraes Filho, na ra
do Queiinado n 13, que ser gratificado.
Alugam-se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
com jardim, cocheira, estribara e outras cmnio-
d idades, na travessa de Joao Fernandes Vieira : a
tratar na ra da Seniala Nova n. 42.__________
O abaixo assignado faz puhlico que deixou
de ser caixeiro do Sr. Antonio Valenta da Silva
Barroca desde o dia 25 docorrente.
Jos Maria do Res Braga.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
Ra do Qucimado r. 19.
Vcnde-sp o scgnlne:
Lences de panno de linho
pelo baralissimo prego de 2400.
Lences de bramante de linho
de um so panno a 35500.
Coberta de chita da India,
pelo baralissimo prego de 2500.
Lencos de cambraia brancos
proprios para algibeira, a 2 a duzia.
Pecas de bretanha de rolo com 40 varas
prepria para saia.a 45-
Pecas de cambraia de forro, a 2600.
Esteira da India
propria para forrar salas, de 4, 5 e 6 palmos de lar-
gura, por menos preco do que em outra oualauer
parle.
Toalhas
a o$ a duzia.
Liazinhas carmezim miudinhas
propnas para vestido de menina, a 600 ris o co
?indo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas porluguezas em latasj pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 6oo rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculafe francez, suisso e hespanol a 9oo
I,ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por ,ooo rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 48,ooo r
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes emlatas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de le meia libra
- porl,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, e l,8oo rs.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,0Qg a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,ooo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellnte legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e ll.ooo a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o maco-
Sal refinado em frasco de vidre com rolha do
mesmo a 5oo rs.
B[digestivas]
DEPEPSiNAl
DE WASMAN
As pastilhas digestivas com a pepsina de Was-
man, empregao se com successo hi j algn
anco* pelas celebridades medicae de Parii,
Londres, Vicnna, ele, cm (odas as incommodi-
dades em as quaes a digeslo difficil, penosa,
imperfecta ou mesmo impossivel: eis o melhor
remedio para curl as
Dlarrhcaa c a ronitl-
piira, produxldaa
peina rluborarora
dercclnaaaa das alt-
mcotoa.
VinhodepipaPorto.Figueira.eLisfcoaa^o ^erveja branca e preta das marcas mais a-
h\r\ a:\fin re o (Tarrifo nmi^nn^An n Gt sn / J^ _
4oo eooo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellnte quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa era caixa de 1 duzia
a 8,ooo e a 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Doaro, Duque do Porto, DuqueGentiino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
lo,ooo rs. e a 9oo e l.ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior qqe tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
da, salm5o, ostras e chernee, vezugo em [ Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
alcochoadas para maos
COMPRAS.
kttenqo%
Procisa-se comprar urna escrava negra de 2o a
30 annos de idade, que saiba engommar e cozi-
nhar, ou troca-se por outra : na ra da Aurora,
passando o Gymnasio, primeira casa depois da
pontesinha de ferro.
Compram-se escravos.
Silviae Guilherme de Barros compra, vende e
troca escravos de ambos os sexos e de toda idade:
na ra do Imperador n. 79, urceiro andar.
latas grandes a 8oo e !,ooo rs. cada" urna.
Vinho Bordeaux daAarcas mais acredita-
das que tem vindo ao nosso mercado a
6,ooo, 7,oqo e 8,oeo rs. a caixa, garnte-
se ser de qualidade superior, que outro
qualquer nao pode vender por este preco.
Genebra de HoIIanda a 56o rs. o frasco,' e
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de A'tona em
frascos grandes a 1 .ooo rs. o Irasco, e
H,ooo rs. a duzia.
dem de Ilollanda era botijas grandes ioo
rs. a
com (i versas
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o
libra.
Bclachinha de soda em latas
qualidades a l,3oo rs.
Bolo francez em caixinhas muito proprias
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
' libra e 6,ooo rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
O
Comprase
cobro, laiao e chumbo : no armazem da bola ama-
relia no oitao da secretaria da policia.
Comprase oaro e praia em obras velbas, pa-
ga-se bem : na loja de blhetes da Praca da Inde-
pendencia n. 2-2.
ouro e prata em
na roa larga do
Compra-se effectivamente
obras velhas, pagando-se bem :
Bosaria n. 24, loja de ourives.
.leruues para enbralbo.
Comprase na fabrica de cigarros antiga roa dos
Quarteis de Policia n. 21,paga-se bem.
YENDAS.
INJECCAO BROW-
Beroedi infallivel contra as gnorrheaa
antigs e recentes, nico deposito rabo-
lea franeeza, ra da Cruz n. 22. pre-
Co3
vado.
Laazinbas de cores finas
do melhor gosto que ha no mercado, a 560 ris o
covado, neste armazem de fazendas se encontrar
um grande soriimenio de roopa feita e por medida
Litros baratos.
Vende-se pelo cusi da Europa as seguintes
obras : Demolombe, cours du code Napolen 19
volumes, encadernado em conro 70$, Troplong 6
vois. ene. em gr. 8 fr. 48$, dlccionnaire de la con-
versalion ou repertoire de loutes les connaissances
necessaires dans la vie sociale, et relalives aux
scienmts anx letres et aux arts, l'hisloire, Geo-
Rrapbie, Droit, etc., 56 vols. ene. com grav 75$,
Barn de Locr, legislalion civile, commerciale e
criminelle de la france ou commentarre de cinq
codes franjis, vol. ene. 30, Rogron les codes
francais expliques 2 gr. h 4o 185 Parde^ii
droit commercial 4 v0i. ene. 12$, Le juif Errant com um bello e bem surtido armazem de seceos e molhados primorosamente escolhidos;
como sempre caprichou ter das melhores qualidades, efrancamente affiancas pessoas que
se dignarem comprar em seuestabeleciment,que alli de preferencia outra qualquer par-
Versos ao Divino | te serao mais bem servidos, em qualidade e preeos, como em pesos e medidas, no que
Acham-.se a veBda na ra do imperador n. 18 sempreo annunciante foi escropuloso, em summa, nao illude a pessoa alguma.
Snm'PTAmnuFrrIc,hSCOt.or pre?0 de ,60^-.ea" Aos Srs- de engenho e lavradoresqueo qaeiram honrar como seu comitentelhes
ropro. pa7aPse canSem'dp'oTs0 ou'anPe's"^ \^%^ qualquer solemnida"de, festa. novena eu mesmo
em casas particulares.
creditadas que vem ao mercado a5,ooo
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,Boo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
1,090 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,000; dito em caixoes a 6oo rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril. "
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento etantas por l,2oo rs.
Malte excellnte cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
GaMi-alglaa.
MnP!-|ISIH.
Emba aran gati-lcaa.
A gaatrlte.
Aa affeeroea orxAnl-
raa do -(mago.
Em lodas as molestias empreg5o-se a miude as
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichy,
e igualmente as pastilhas de Vichy. Esse meio i %6
eflicaz quando se trate de dispepsias de curta d-
racao, mas o prolongado uso das aguas e pastilhas
ie Vichy, tem grandes inconvenientes, por quanto
os alcalinos empobrecem o sangue e isso de tal
maneira que lhes arreblho a parte vivificante,
nutritiva e reparatriz. Com a pepsina, a contrario,
como ella urna substancia orgnica, albuminosa,
transforma-se ao mesmo tempo que se effectua a
transformado dos alimentos assimilhando-se
como elles c ajudo tabcm como elles a nutricio
Seral. Sua aceio vivifica o sangue e os SrgSos
e tal sortc que, alb as pessoas que sem soffrer as
affccf 5es gstricas cima mencionadas sio nica-
mente Iracas ou d'um temperamento um poneo
dbil, e necessilo substancial alimento para for-
tificar se, aelio no cm prego das pasliihas pep-
sina de Wasman, um poderoso meio para a isso
chegar.
Aviso importante. O successo das pastilhas
pepsina de Wasman diu causa a se fazerem fal-
cacScs e imilaeocs d'esse producto que os
.Pe
si n es
mulos se quercm desfazer. Pois por falta d'nma
boa preparacao a pepsina que n'ella entra, jaz
alterada. Seremos ao abrigo Teste inconveniente,
exigendo os compradores que as pastilhas tenhio
as iniciaes B. P. e saio da pharmacia Chevrier.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
21, Faubourg-Montmartre, e em todas as boas
pbarmacias de Franca e dos paites estrangeiros.
t 5
o Bfi-
o M s fit
* m w o 3

19 3
-3 g
3 vols, lOfi, e oulro* muitos livres, que enfado-
nho mencionar : na ra da Imperalriz n. 33.
84-RUA DO IMPK1MDOR 81
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Coliegio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfaco de avisar aos seus freguezes e ao respeilavel
publico que, estando restabelecido de seus incommodos de saude, acha-se novamente
i3SSJ:^g:g;>-^9s:w?H2
5
I a;
o
s i ^
9
a -i 5 s 2 3 B
VJ
a

-
Si
w.S5 o
** a O Er m
Oi.so2.aso
2 2 T B E;?" f a
3 B ?
u
J.
'-
05 "
O
Oa>
a
e.\
Testamentos.
Acham se a vend* os segaintes estamentos,
obras proprias para entreter em horas vagas na
ra do Imperador n. lo, defrente de S.Francisco:
oa gallinha, gallo, per, leJo, on?a, tigre, caxorro,
vigano, porco, pelleja entre una alma, S. Mignel
e o diabo a 160 rs. cada um exemplar.
Tapioca e gomua.
vende-se superior tapioca e gomma do Mara-
nhao, em paneiros : naEscadinha, armazem doSr.
Annes.
Presantes.
Vendem-se presuntos de carneiro mnito gordos
e bem preparados: na ra da Crnr n. 19.
Palha de carnauba.
Vende-se execellente palha de carnauba do Ass:
na roa da Moeda, venda defronte do trapicho do
Cunha._________
Vende se a casa terrea n. 25 da ra de Ma-
thias Ferreira da cidade de Ollnda ; quem a pre-
tender dinja-se a tratar nesta cidade na ra Aa-
gnsta n. 59. __________
Vende-.e a Uberna da ra Imperial n. 205,
ivree desembracada de qualquer debito, r eom
poucos fundos, propria para um principiante : i
Iralar na mesma.
de desta praca, para o que se julga convenientemente habilitado pela longa pratica com-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteza, depois de se-
rem fielmente umprido as suas ordens. ,
Fornecer gneros aos Srs. agricultores e negociantesque lhe merecam confianca, fa-'
zendo um abate vantajoso aos quepagarem a vista suas mercadorias, e encarrega-se da
venda de qualquer genero do paiz, mediante urna mdica commisso, entregando de
prompto seu producto, e sendo este applicado compra de gneros em seu armazem,
prescindir da commiss3o.
Dos seus antigos e benignos freguezes espera o annunciante sua valiosa protecc5o, fre*
quentandocomo outr'ora sua casa, e pelo reconhecimento que lhes tributa offerece expon-
taneamente sens servicos.
Julga desnecesario publicar a tabella dos preeos de seus gneros: sSo seus recursos
garanta sufciente de poder accempanhar os menores preeos de idnticos e mesmo de
mais apparatosos estabelecimenlos, tendo somente em vista o augmento de suas vendas
diarias. # .
Frevenco necessarla.
Tendo sido o proprietario estabelecido muitos annos com o mesmo ramo de nego-
cio ni mesma ra, julga prudente advertir que s'affirma e se respensabilisa pelo que
tem declarado no que disser respeito ao armazem.
rasami
81-HUA IO IMPERADOR-SI
Segunda casa da lado direito indo do pateo do Coliegio,
w ft O CP
ob33
i (P w w C
o O oq "*
P a> t
~ o
H
c o." P oS Z fi-
Ci. S" P" i; W
3lf> 121
a o n a>
3
T3
M
[-0
es
vi He.
O B.
V 03 O
63
fia
t,
B
|
a.
f
8
ao ~ o
o-o-a
- es 8
63 *
i
-I
"1
o
2
o
03
a,
o
5"
a-
03
e
9
e
9
5
e a > 2
Scr|S-=5'na
^sslifll
S.Qiw^n. 2 T5 en
I 2
3
o
<^
c
o
o
3 g
* 9
3 B
-1 a.
o c
-i c
a "O
n o
| m a. 3. o
1.2 3 a- o
lili l- i

s
s
5
D
I
s
3.
XAROPE
deLABELONYE
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a e6r natural |
dos cabellos. .
A agua florida nao urna tintura, fado esseo-
cial a contestar, a mesma agna dando a cor primi-
tiva ao cabello. Composta de plantas exticas e
de substancias noYnsivas, ella tem a propriedade
derestitair aos cabellos o principio corante que el-
les tem perdido. D'nma salnbridade incontesta-
re!, a Agna Florida entretem a limpeza da cabeca
destroe as caspas e impede os cabellos de cahir
Oleo de Florida.
imposto de substancias vegetaes exticas, elle
constitie poderosam*r!. com a Agna Florida, a
torca, a belleza e a conservacao dos cab!;;.
Em Paria, casa de Qnisiaur n. 1S, rna de Riche-
lien, e 21, boulevard Montmtr're.
Todos os frascos, nao tendo intacto e claro,
timbre prateado da. casa, sao reputados falsos.
Deposite, roa do Imperador, pharmacia a. 38.
KmDrando com inttrinel saccetso desde 30 maos
>las Mdicos de todos os paites contr aa molestia*
rganicas ou nao orgnica do eoraeaa, as duerna hj-
dropisiu e a mainr parte das molestias do peito e doa
bronchios (pnnmoniai, cttarrkot pulttonam, asthmu.
*tUnm*c5*t ntrtisasdosbronckiai, c*tarrheiras,els...)
O XARePB de l aduln ye alo te vende senlo em
fsrrafas com rotulas de cor e fechadas com ama cimpa
MTando a firma de inveator.
_Bmi PARS, ra BaBrkaa-VIlIrnputr. 10.
Deposito geral em Pernambace ra da
Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza.
Veede se caiies razies proprios
para hahaleiros c fanileiros a 1 760
ad.tuiu; nesta typographia,
Assacar cryslalisade a fatrica
2 de Jvlho
Na Bahia.
-Noa.mazer. dp ra da Madre de Dos p. 29
ha venda o muito superior assr.car cr\stali'*adft'
e i arrobas, ac preto de 5" cada ar-
em saceos
rib.
Vinho do Porto superior
em barris deoitavo e dcimo, vende Antonio Lnia
de Oliveira Azevedo & C.: no sen eseflptorio rna
d* Om a. 1
1




<



Piarlo de Peinambuco Sexta felra 91 Je .Janeiro de 1*%*.
t
NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaran os Rodarnos vestidos de dentelle de seda con barra, nteiramente novos
era gosto e qnalidade : a loja das columnas, naroa do Crespo a. 13, de Antonio Correia
de VascOneelles k C, successores de Jos Moreira Lepe.
Fazendas de bom gosto
Para vestidos de senhora -
Superiores cortes de seda de cor, de morante, de gurguro e de selim imperial.
Ditos de blond, e de cambria branca bordados.
Ditos de laa cora barra grande variedade em cores e padrSes.
Ditos de organdys com barra
Liadaa-sedasdequadros escosseza a miadas.
Superiores las lisas com grande variedade de cores.
Ditas com salpicos, com llores e de quadros.
Lindas pampolinas de qnadros e de flores, fazenda inteiramente nova.
Superiores cassas de cores, e lindas cambraias ergandys.
Grande variedade de chita de cores, de percalia e ontras muitas fazendas de gosto.
Para hombros de senhora
Lindas capas e bournoux de casemira de cor.
Ditas de laa e de seda.
Granda variedade de sout'embarques de seda de I8 a i0
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
sedaSe SflTpto" de Seda' de merin6 es,ampados flnos>de cachimira com listras da
imh,' nfnirf *'"."' zuaY?s brai?cos e de cores> colletes de cambraia, lindas gol-
nnnas com pannos e outros muitos artigos. b
Para eabeca de senhora e menino
Superiores chapeos e chapellinas de palha de Italia enfeitades para senhora
Ditos de feltro enfeitados para senhora.
Ditas de palba enfeitados para menino.
Grande sortimento de enfeites modernos de retroz, de froco, de cabello e de flores
paTSa sennon. *
Na^oja das columnas da ra do Crespo n. 13, de Antonia Correia de Vasconcel-
os
aERAli ltECOJtOIEXIJAClO
Grande llquida^ao.
IIna da Imperatrlz
Loja de fazendas do pavo de Gama & Silva
Acha-se este estabelecimenlo completamente
sonido de fazendas inglezas, francezas.allemias e
suissas, propriaa tamo para a prao* como para o
mato, prometiendo veuder-se mais barato do que
em oulra qualquer parte, principalmente sendo em
porcao, e de todas as fazendas do-se amostras,
deixando Ucar penbor. ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caizeiros da ioje do Pavo.
Vestidos soutambarqoe.
u-cri0 Ultmo vapor fraoc" cbegaramriquisimos
ves idos a soutambarqae, os mais modernos que
* mercado tem apparecido, os quaes estao
prompies com saia, corpinho e seu competente
! ;?amnlri|Qe' tud0 guarnecido de seda, veludo e
Pa.5n eni iT?r bom osto dirija-se aloja do
"rao, na ra da Imperatrii n. 60.
AOS TRES MIL VES11-1
Na loja do Pavo, a 3A M
e 70000, S:
yendcmse lindissimos cortes de vestidos india-
nos, sendo todos bordados de listras de cores e
Drancas,propros Para casamento, pelo baratissi-
mo prego de 3* cada corte por se ler comprado
urna grande porcao, sendo fazenda que vale 6*,
.ditos a Mana Priendo quatro pannos, fazend
ma?mCOr?0.com os crapetentes enfeites para o
, ?i??S' ?ei Laratlss'rao prego de 4* cada um,
; ditos de todas as cores com as barras bordadas a
,, a cada ura em seu cartao, tendo cada
S&&*!1 e?el,es Pfec'w. P<"lo baratissimo
-preco ae 7 cada um, ditos com babados multo bo-
m SShSP1 Ier em rarIao- e, diminuto pre-
go ae d^oOO cada um; adverlindo-se que os donos
oa loja do pavao vendem esies vellidos por tao di-
LSu P/ef0 p0r term coroP< nma grande
quantidade e convirlhc liqudarem logo, na sua
loja, ra da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva
Aos vmte mil covados de la
Grande pee-hincha, a 24
e 3*o rs.
rnt e 3S mais boni,as '"tonas triup*-
TB h Scm i,slras e <3adrinhos miodinhos,
1 r^'cteDd0,de todas as cores> '">> ^mo pretas
1S5S i,ara ,u,' Pel Gratis simo prego de 240 o
Mar?, Das,lra?S,arenlescom Palminbasde seda
iicP'a,,endodelodas cores, e tambera
?ilnT,a.npr0priaspara 'to.pelo barato preco de
c rnV,aH0' r,0 P0r haver uma Prandepor-
I &!?_: Ba rua da fmperatriz n. 60, de Gama &
COMMERCIAL.
rija do qiibdudo nr. 4>
Passand o bceo da Congregado segunda casa.
Mi
mxm
NOV1DADE
pe eta, qaaiiaadeX gSsSp'rKS fZZ^'^ ^^ ^ **' M ata''X "'"i0ncda WS*
*n d. M^o.Tn^ e ,av, a eo, 80e ta*, 600 r, a lib., Cevadinba do Fran{a superior a S*>
3.J0O
Silva.
23-Largo do Terco-23.
miSll11' Sm'*0 d0S Satos' dono desle bem sorIido "mazem de moibados fa *ren<* ,
reeoraraendagao.aos seus amigos, fregueses e a todos em geral que estai reSL LJ D,e e *g
bem Conhecidos gneros de priraeira qualidade.por menos de lo'a^O por cS\o renos ^S S SeUS
tra qualquer parte a dlnheiro contado e todo o onmnrartnr p nmT;Jl0' ",e0'.m.e.,.10j dor1ue)em ou- t
J lera o descon- D.eu efa estimada banha fina em atas e codos isso
*iguns gneros, *,em de .outra.s em diver-cs frascos P '
Latas e copos com banha fina.
MiihoaiPistaepaingomuitoiimpoai4o rs ait s modernissimas fazinhas ite tima so
bra e a arroba a 45400 e 4200.
Phosphros do gai vindos por conta propria a 180
rs. o mago e a 2* a groia. |
Massas para sopa macarro, talharim e aletria a
240 rs. a libra e em caixa a 5.
Toueinho de Lisboa alvo muito superior a 280rs
a libra e 8800 a arroba.
Oaf do Rio de priraeira e segunda sorte a 260 280
* a libra e a arroba ou sacco a 8|e
84500.
Caoarigas as mais novas do mercado a 560 rs. a
libra e em barril a 125.
Passas viadas pelo ultimo vapor a 400 rs.
e a caixa a 85.
Batatas eragigos de 35 a 40
roba e a 80 rs. a libra.
cor, a i mitaca o de gorgaro, ven-
de o Pavo.
Chegaram pelo ultimo
Aceite doce de Lisboa a 000 rs. a garrafa e o ga-1 S??"1"SSStefc corffihh^^JSaTlS
pnas e mais lindas que tem
a libra
libras por 25400 a ar.
a,f-llKison miudiQho superior qualidade a 15200
2J000, 25506 e 3$ a libra. '
Vl mS *?*&*' Porto e Lsboa em Pipa a 360,
SOO, 400 e 640 rs. a garrafa.
dem proprio para negocio a 320 e 360 a carrafa
e a caada a 2500 e 25700.
a 500
^SBas^f^mStBSasS.
lao a 2#00 e a caada a 45500.
Ser veja das marras mais acreditadas a
garrafa e a duzia a 55800. | d'ndo penhor, e vendem-se pelo baratisl-
grosdenaplcs do Pari.
guem dnvidarvenha v6r.
Os
JTONK GOMES VILLAR
Com loja de fazendas rua do Crespo n,
17.
{X?:^ seus devedores
Protejam .ExcellenUssimas senhoras a esse impor-
tante estabelecimento.
StSrta^^ de se-
rior a 5600 rs. o covado, ditos largos muito en-
corpados a 25400, 25C00, 258C0 e 35C0O ditos
SSS1 Cur df rosa' a'"l amarello a UOOO!
K't:n1aad,frdeGaniaA denoSda
. uo ia\ao, rua da Imicr?uiz n. 0.
As novas laas
?00 rs-alibra,e 1^800, 2,5600 e
a arroba.
AnK kufSu m latas e em bascos a
26500. 6 em frascos raDdesa
Idrnmem caixinbas elegantemente enfeitadas
TSi228fsj??bas wD0 interior das caixas
a 15200,1^400, 1*600e 2.
aSb!"* Cm Casca muit0 novas a 28 rs-
aISS'160- a libra e a 4(600 a arroba.
Azette doce francez mnito fino em carrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Ararnia verdadeira demalarana a 320 rs. a
iiDra.
AvellSas moit grandes e novas a 180 rs. a
libra.
BiSX22? inglezes de diversas marcas a
i300 rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata.
dem inglezas muito novas a 35000 a barri-
qumbaea200rs.alibra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
ChLteon\hucbin e Perolaa 10600, 25,
25500, 25800 e 39000 a libra,
dem pretomuito superior a 25000 a libra,
-ervejapreta ebranca, dasmelhores marcas
VIS*0?*?**10' a 500 rs- a garrafa
e 5(5800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa
Conservas a 720 rs. 6 frasco.
dem, so de pepino, a 720 rs.
Idem.s de azeitonas, a 750 rs
Charutos dosmelhores fabricantes da Bahia
?AeC,n,en.te da fabrica iraPeral de
SSn aBar^,ra orge da Gosta a 1^800,
Xn' U*9- m00> 2^800, 35000
*5500 a caixa.
Caf do Bio muito superior a 280 e 320
irtoes de bol.nhos rancezes muito novos e
bem muito enfeitados a 700 e 600 rs
Mricas e paios intuito novos a 800 r"s a
rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeile e Ervilhas portuguesas a 640 rs a lata
maito novo a 640 rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 25800
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor a
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a
cada'um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 6( 0
libra.
Eigos em caixinhas emticamente lacradas
a 15600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira. D. Ped/o, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocage Chamisso
dem seccas muito novas a. 200 rs. a libra
Figos de comadre e do Douro em caixinba
de oilo libras e canasti incas de 1 arroba a
15800, 85500 e 280 rs. a libra.
Farinha do iMaranhao a 160 rs. a libra.
600 rs. (Idem d trigo ?. 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VB
a 560 rs. o frasco e 02GO a frasqueira.
Idem_em garrafcs de 3 c 5 gales a 55G0
e 755CO cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 16*00 a duzia.
Licores muito finos a 7C0rs. a garrafa.
dem, qualidade especial em garrafas muite
grandes, a 15800 a garrafa.
dem em garrafas mais pequeas a 80O rs.
dem, em garrafa forma de pi a e rolbas de
vidro, a 15000, s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitsmenle flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda qualidade a 8C0 rs.
a libra.
e outros a 800, 900 e
l*WUai garrafa, e era caixa com uma du- dem francez muito nova a G40 r
zia a 95000 e 106000. dem de tempero a 400 rs.
fZ^JlPh10' Lisb6a e Freir a Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra.
jS rS* a garrafa e 3f?50 ldem em ,ata a 64 rs-
wta jS ts Marmelada imperial dos melhorcs conserve!-
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs. ros de Lisboa a 60 a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 76000 a 76500 rs.
a duzia.
IdemMorgauxe Chateaulumini de 1854, a 16
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
I6200rs. a caada.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes,
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Macas finas para sopa: estrellinba, rfevide,
rodinha e aletria .a 600 rs. a libra e a 46
a caixinha com 12 libras.
Nezes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixc em latas preparado pela primeira arte
decozinha a 15 a lata,
Paliios de dentes a 160 rs. o maco.
e iKirsk garrafas muito grandes a 16800rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-; dem de dentes a 120 rs
mos grande porco de outros qae deixamos Fdem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudoser vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. ^ libra,
pecas e carnadas, tanto em porcoes como ; Doce de goiaba em latas o melhor nossivel
re^,b- 25eemcaixaoa640rs.
Quem comprar de 1005000 para cima te- Palitos do gaz a 26200 a groza.
ra o abate de 5 por cento. Passas mnr. nnras Mfl r< 9 n
. Passas muito novas a 480 rs. a libra.
ISournus pretos de renda Q
o que de mais bello e miis importante para os hombros de uma Excellenii^ima nhn d
, ass.m como chales de renda de apurados gostos, camisinhas bordadas b"
FRANCISCO J. GERMANN
. h a fc 1 RUA NOVA N< 1
Acaba de receber um magnifico e completo sortimento dos oblectos ue de mp'hnr n.,,i u Xei|duemse camisinhas
de encoatrarem urna felojoaria, taes como : chrouometros ZJBSXSSSrelS 1 P 1U"0 bem Udae.
e prala, dourados e foliados, ditos para mesa e de parede trancare mW ni,nJ relop'os d.e oa"
reguladores de compensacao, relogios grandes com msica e en S'a di 'p nSIlamericanos
para disparar em certas horas, desperu,dores de diversos SSt&TffSSST ^ Pe?aS
ment dft ocuins unpJas d nnm a nrin j^..-j. .._._ .' Va,*ds t-u,D msicas.
{prilialdinas a SOO rs.,
na oja do Pa^o.
Vendem-se as mais modernas laazichas garibal-
dinas fazenda inteiramente nova no mercado, sen-
do todas com listras miudinbas, e transparentes,
com lusiroa imitacao das sedinbas, tendo varias
cores, sendo azul, cor de lirio, rarmczim, cinzenta
e cor ae havana, etc. j isto a 500 rs. o covado oara
ment de ocuios lunetas de buro'e waia doradae trta7nMU\Tay,^com muslcas> 'gual sorti-
lunetas especiaes para senhoras, de ultimo goTo do pSfos ''SS S ocaU>*
os oihos, tabricados segundo os preceitos dos mais acreHos n^ed co Kr- LlSlS?*^
Fernambuco, os quaes so se vendem por consulta dos mdicos, tOr^HmSS\^?T!u a de
oculos de ateaoce para o mar e outros proprios para observacSes asn-onomie SS de cres'
binculos para Uieatro, para mar e para carneo miernvonins mlrin"? ",antes sextantes,
nwnetro* cai.as de instrumentos m'athemaffis', ^^ch^S^^i^TS^B
rados e foleadas, ludo dos roelhores fabricaotes. Encarregase de ciua'ln ner /nnir,^ de 0uro' dou"
objeotos mencionados, e responsabilisa-se durante DmTSocfpoV'SStt ZES?ZZSE!mm* dos
/euc-m seu estabelecimenlo; e vende por menos que podt.fierSir!?qua& U enCe#r,
Cassas para vestidos.
Tal pechincha s a dinheiro se pode vender.
^n^^^^h^^i^^^^Ys^ iisas' ^m^ C0m^ande
300 rs. o covado :
& wmp.
BOTICA E DROGARA
Bai'tuolomeu Fraicssc* de Sooza { .
31Rua larga do (Usario3-f
Vendem:
Pilolus Hollowav.
Pilulas do Or. Laville.
Pilulas do Dr. Alian.
Plalas do Pobre-hornero.
Plalas americanas.
Pilulas vegetaes.
Pillas vegetaes assucaradas de Kemp.
Salsa de Uristol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimault.
Vinho de Salsaparrilha de Ch Albert.
Injeccao Feangas.
Agua dentiflea de Desirabode.
Papel chimico, para talhos.
Xarope depurativo de Chable-
Licor aromtico de Haspail.
Pos anti-epiletices de Brest.
Rob L'Aftecteur.
JTarope do Bosque.
Ungento Hollowav.
Noviddesno barateiro.
_ Brim pardo liso fino a 800 rs. a vara, cortes de
laa de flores com 45 covados por o, grvalas de
seda prett a 160, pode-se fazer duas, camisas bran-
cas para homem a 15, cortes de collete de seda
preta a 1*500, alparcas de cor a 300 e 400 rs. e
preta a 480 rs. o covado, chitas inglezas escuras
padroes miudos cores fitas tnaite finas a 220 rs. o
covado por ler um pequeo principio de mofo, ma-
dapolaocom 24 jardas a peca com defeito por 55,
diio ment fino e largo por tj, algodo largo coro
. ,ar tW0T por ,er defe"o, cassa lisa com de-
feito a 400 rs. a vara^; das chitas d5o-se amostras
com penhor : na loja da rna da Madre de Dos n.
1G defronte da guarda da alfandega
v covado para
vender depres-a: na loja do Pavao, rua do Impe-
rador n. 60 de Gama 4 Silva. P
Os mais moderos vestidos SlariaPia
na loja do.Pa>o, a 16$
Vendem-se finsimos vestidos Maria Pa com
os corpinhqs differentes, tendo todos os preparse
com o compctenlo sinto : na rua da Imperalriz n.
*>0, loja do Pavao.
amisinlias a i$000-
com manguitos, sendo
proprias para senhoras e
niguas, pcio narato preco de dez tusloes cada
uma: na loja do Pavao, rua da Imperafrz b.60,
de Gama <& Silva. '
Vestidos para meDioas.
Vendem-se s mais modernos vestidi'nhos para
meninas, sendo muito bem enfeitados Maria Pia
tendo de differentes lmannos, pelo barato preco
de S cada um : na loja do Pavao, rua da Impe-
ralriz n. 60, de Gama & Silva.
Roopa feita barala. *
Vende-se um grande sortimento de roupa feita
para homens, sendo caigas de brim branca e de
cor, ditas de casemira preta e de cores, ditas de
meia casemira, paletots saceos e sobrecasacos de
casemira e panno preto fino, colletes de todas as
qualidades : na loja do Pavao, rua da Imperalriz
n. 60, de Gama & Silva.
Grosdenapledeeor a 10600 o covado.
Vende-se grosdenaple de cor azul, branco e pre-
to, pelo barato preco de 1*600 o covado : na loja
do Pavao, rua da Imperalriz n. 60, de Gama &
Silva.
raseos com gomma arbica
dissolvida e pincel.
Vendem-se na rua do Quejmado n. 8, loia da
agnia branca. '
Ni vos albuns.
A aguia branca acaba de receber ouira encom-
2E? bnD!0S e bem ademados albuns de
capas ae velludo, massa, tartaruga e marim al. r,;. i" VI-" .
guns dos quaes com m.coscopio para augmentar aSLde co'chetes francezes de superiores quaL
o tamanho dos retratos, cUlinuando a serem dades a 40 rs-
M$&* e^aiJMCIIINAS DFA11K1
Jlse_.d^Az-eved0 Maja est continuando t\ de trafoalhar niae r.ais
!deRJos?d de Jos de Azevedo Maia est continuando
oHKSt1* poisiseu geDio dar a fazec-
M por todo prego a vista dos cobres,
cartas de aliinetes francezes da melhor qualidade
a 80 rs.
Grosas de pennas de ac inglezas da melbor
lidade a 640 rs.
qua-
didos por precos commodlos
loja da aguia branca o, 8\
i veu-
na rua do Queimado
Galanteras para fes (as
aguia branca nao cessa de encommendar do
que ha de melhor e majs agradavel, e por issoaca-
na de receber diversas figuras e vasos de p de
pedra com fina banba, assim como bonitos frascos
oeexcellentes extractse lindascalxinnas de ma-
deira envernisada comfnas perfumaras, ludo
mu proprio para presenlesde feslas etc., havendo
dinheirodinja-seo pretendpnte a ruado Queima-
do n. 8, loja da aguia branda.
Gr^Sc,s e.bot8es de madreperola muito finos s
e 640 ris.
Ca640 e'S Cm 3 S 0itavas de re,roz Prcl fino a
Resmas de papel de peso liso muito superior a
trabnlhar a iuio p*ra
desearon-ai' aBgodo
FABRICADAS
Por Plant Erothers &' Ce
DLDi
liga e de nutras multas qualidadesa
Milho novo em saceos grandes : no trapiche
de Caoba, a tratar com Tasso Irraaos.
COMPENDIO DOLOROSO
que coatm o oflicio de Nossa Senhora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
rea, um setenario e mais outros exerci-
cios de piedade e devoco; ordenado pe-
la irmandade dos servos da mesma Se-
nhora que se acha erecta na egreja de N.
S. da Penha.do imperial hospicio dos re-
verendos padres missionarios apostlicos
capuchinhos italianos de Pernambuco,
approvado por S. M. I., que Deus guarde;
dado luz por devoc5o do muito reve-
rendo padre Fr. Placido deMhsina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Caz liquido, eandlelros
perleoccs.
fb deposito do mesmo, na rua da Cruz* n. 35,
ende-se gaz o mais apurado, tm latas de 5, 2
a. a?-1 comoem garrafas; tem tambem
venaa candieiros para o dito de diversas qualida-
aes, e-pertences para os mesraos.avnlsos.das mais
pequeas s maiores (JimensSes, tndo por oreos
e seos Silva.
Panno de linbo a 700 rs. o eevado. *
Vende-se o verdadeiro panno de linbo proprio
5ara'ences' 'oalhas-e ceronlas, pelo barato preco
de 700 rs. a vara : na loja do Pavao, rua da Im-
peralriz n. 60, de Gama & Silva.
Economa do Pavo.
Vende-se para acabar, nma percao do retalhos
de laas e cassas de todas as quadades, e por pre-
gos muito em couta; quem tem economa qae
pode apreciar : istona leja do Pavao, rua da Im-
peralriz n. 60, de Gama A Silva,
Madapolo a 70000, s na loja do Pavo
Vende-se superior madapolo muito encorpado,
tendo 30 varas cada peca.com 4 palmos de largu-
ra pelo baratissimo preco de 7000 a peca dfios
mo.tofinos_a85,95 e 10*000. E' pechincha, na
Silva rUa da Imperatril 60' de Gama &
Cortes de cassa a 3^000.
Vendem-se muito bonitos corles de cassa tendo
7 varas cada corte, cora desenhos muito delicados
pelo baratissimo preco de 3000 o corte; s na
loja do Pavao, ruada Imperatriz n. 60, de Gama &
Si I ira ^*
commodos.
remo.
9- Rua Vende-se feijao mulatinho novo, saceos de 22
cuias, o mais novo que se pode desejar, e mais
barato do que em ontra qualquer parte.
Vendem-se alguidares vidrados e quartinhae
em porgaoe a retalho por preco muito baratos
na rua da Senzala Velha n. 120.
bic^s^nar^e6 %SfiA2% | ^^Sr^T^I
Corles de ebita franeeza.
Vendem-se flnissimos cortes de chita fran-
eeza, com 12 covados, tendo, padroes escuros e
?.,?^sdecores fixas Pel baratissimo preco de
45000 o corte; s na loja do Pavao rua da Inioe-
ratriz n. 60 de Gama Cambraias lisas, na loja do Pavo.
Vendem-se pecas de cambraia lisa moilo fina
*aPnr^,et!;an0SPa,r.en,e' pel ""mo preco d^
44000 tendo 8 1/2 varas cada peca,- ditas multo fi-
nas a 70 85, e 9 a peca, ditas Victoria com 10
varas pelo baratissimo preco de 7fi, 9* e 10*, di-
tas Garrazes azenda muito encorpada. fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara oh 2*600 aeca
Isto na loja do Pavao, rua da Imperalriz b. 60,'de
Gama & Silva. '
Cortes de lia a 4*000.
Vendem-se cortes de las garibaldlnas, matlsa-
das e de quadrinhos, tendo 12 covados cada corte
el o baratissime preco de 4*000 o corte; Isto na
>ia de Pavao, roa da imperalriz n. 60 de Sama &
Ail fino para engom-
mado
A aguia branca na rua do Queimade n. 8,rece-
beu glbulos de ail fino e frasquinhos com es-
sencia de dito para engommados.
Outros enfeites.
A aguia branca acaba de receber por este ulti-
mo vapor um novo sortimento de bonitos e delica-
dos enfeites de moldes inteiramente novse de um
apurado gosto, assim pois comparegam os preten-
0168 munidos ded/nheiroe com disposicao de
gastar: na loja da aguia branca rua do Queima-
00 O. o.
Pequeos pentes de tar-
taruga.
A aguia branca na rua do Queimado n. ,8, rece-
ceDennovamenleessespequeno^ pentes de tarta-
ruga que por suas qualidades de pequeos, lisos,
oonitos e bem feilos tantaeslma tem merecido pa-
ra as senhoras segurar o cabello quando atado ; a
aguia branca porra avisa aquellas pessoas qae os
naviam encommendado e a quem mais queira
aproveitar aoccasiao de os comprar continuando
a serem vendidos pelo mesmo preco de 49 cada
Estando brancos ficam pretos
O bom resultado e o rpido effeito que prodnz
a tintura de, chromacoma, e mesmo e facillimo
modo de appicartem se tornado mu conbecido e
apreciada por todos que usam delta e por conse-
guir augmentado a exiraeao, pelo que a aguia
branca mandouvir mais o novo sortimento que
acaba de receber constando elle de
Caixas cpmchromacjma para tingir os cabellos.
hrasceseoua coloricoma para lustrar ditos.
itos com hydrocallelhrichina para limpar ditos
unos comoryehromantina para limpar as unhas
jabonetes brancos para lavar os cabellos.
Pomada callicomiphila para dar cheiro aos di-
tos sem offender a preparacao feita.
Sapatos de marroquim dou-
rado para bailes.
Esses sapatos do grande tom vendem-se nica-
mente na rua do Queimado loja da aguia braia n.
8 a 6* o par.
2*000.
Grvalas da
600 rs.
Caivetes para penna com 3 folhas fazenda boa
oOO rs.
Duzia de botes branco para casaveques de senhi-
ra a 100 rs.
Pegas de fita de cs estreitas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Portuguez para os meninos a prendet
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren-
der a ler a 1*000.
Cartilhasda doulrina christaa, finas e superiores a
320 rs.
Pentes finos de marfim a 1*000, 1*200 e 1*500.
Pares de luvas de seda para bomens e senhoras a
SOO rs.
Gollinhas para senhora o melhor que ha a 320 e
500 rs.
Frascos com superiores banhas a 240, 320, SOO o
1*000.
Livros que serve para assentar roupa, pelo diminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 300 rs.
Cordo branco para espartilhes muito superior, 1
vara a 20 rs.
Carritis com 130 jardas de linha branca a 60
ris.
Cartoes com 200 jardas de linha branca garanti-
das a 60 rs.
Grosas de pennas de ac superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
Ibas a 160 rs.
Pares de botoes de punho, oh que pechincha a
120rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de Uetoes de louca prateados muito fino a
160 rs.
Tesoaras para costura superior qualidade a 600
ris.
Escovas para limpar dentes, superiores a 200 ra.
Caixas com superiores pbosphoros de seguranza a
160 rs.
Caixas com 100 envelopes o melhor que ba a 640
ris.
Caixas com 20 quadernos de papel amizade, muito
fino a 600 rs.
Qnadernos d papel pequeo mnito fino a 20 r
Estas maihias
podem descarocar
qualquer esped
de algodao sem
estragar o fie,
sendo bastante
duas pessoas para
o trabalho; poda
descarocar uma
arroba de algo-
dio em eanre
em 40 minutos,
ou 18 ambas
por dia ou S ar-
robas de algodo
limpo.
por
fc'caao
Assim como machinas para serem movidas
animaes, que descarceam 18 arrobas de
limpo, por dia.
Os mesmos tem para vender um Lellissimo va-
por que pode fazer mover seis drslas roacMnas
mencionadas ; para o que convidase aos Srs.
agricultores a virem ver e exam.na-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47.
Sannders Brothers i C.
If. II, pra^a do Corno Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paix.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Sfeias finas para senhoras
gordas
bran dem:se amado Queimado loja da agnla
Esponjas finas para rosto
Vendem-se na rua do Queimado loja da acnia
"ranea n. 8. -
Cy Uniros para pada*
Vinho da Madeira e do Porto
Vende-seosnperior vinho da Madeira e do Por-
to, em caixas de uma e dnas nzias : s na loja
do Vigilante, roa do Crespo n. 7.
Roa da Senzaila n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Jobnston & C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e cast-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
Rua do Queimado ns. 49 e 85 loja do Bara'eire
conhecidoj como tal, esl dispondo da fazenda
por lodo o prego para apurar dinheiro, qnem aui-
zer venha ver e traga o cobre, e vera o secuDle :
itaralhos de cartas para voltarete muito
Unas a......................... ....
Miadas de linha froxa para bordar a."..'.
Pares de sapatos de tranga de todos os
lmannos e finos a...................
Massos de superior grampos para cabellos
Duzias de palitos de gaz superiores a.....
Ufaras de ara prea muito superior a...
Frascos de superior macag oleo a___
Ditos de dito perola a..................
Ditos de oleo de babosa mnito finos a 320
rs. e...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de banha mnito fina a___........
Ditos de cheiros muito finos para o preco
aris...........................;.
Saboneles de todas as qualidades a 60 rs.
160, e............................
Novellos de linha com 400 jardas a...,..
Carritis de linha de cores com 200 jar-
das a..............................
Novellos de linba de gaz de todas as co-
res a .............................
Pegas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a.......................
Frascos de superiores cheiros. pequeos, a
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a ris.
206
1*800
30
2!
100
100
400
640
600
40
60
30
240
2W>
chicotes para carros e montara, arreios para X* d *g francezes superiores a...
------ aZ____.i_______11..___i.._:-1 j. opiata para denles da mHhor que ha a..
400
40
carros de um e doas ca?allos, e relogios de
ouro patente inglez.
Na padaria
os conhecidos
para trabalho
na.
da roa Dlreita n. 84 ha para vender Vende-se um sobrado de nm
Albuns
para 20 at 200 retratos, muito bons e por menos
prego que. em outra qualquer parte: na rua do
Crespo n.'4.
Frascos de agua para dentes, superior a
tudo a............................
Pegas de tranca preta lipa muito fina a..
Caixas com 4 papis de agnlhas Victoria a
Varas de fila preta rom colxetes a......
Libras de laa sortida de todas as reres a
Ronecos de rhro muito bonitos a......
d.. j- DA...I1. *ur. Caixas dp obreias de ma ssa moto novas a
nna a a ^niaiia IlOVa B. 4Z. varas de franja .branca e deires para
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de toalhas a.....................
ferro COado libra a 410 rs., dem de Lo* Frascos de oleo Philocomescupenor "...
Vnnr lihra a I9nr Ditos rom superior Unta a320 e........
r8' Cahtas de linha de gaz rom SO novellos a
e acreditados cyhndros americanos
proprios, sendo no largo do Terco :
andar
qnem
de padaria ultimamante chegado?. de-lo dirija-se a travessa da Madre de De
Enfladorpspara espartilho
' Dnzias de boloes encamados
i ozi........,.........
para vest-
1*000
60
300
4P
6*eoo
160
40
80
600
800
800
200
/
r




Diffft Per..-*-. sexta letra M de Ja.elro de f 8ft

y
NEM COROAS Npi; WftRXS
m
GRAIE AR^ASBEM
GRANDES ARMAZENS
PHU
MOLHADOS
ESPECIAES I
Largo da Santa
Cruz ns. 12 e 84,1
esquina da ra do]
Cebo.
f Largo da Santal
raz ns. 12 e 84,
esquiaa da ra do!
iCeDo.
O dono dos j muito acreditados armazen de molhados denominados Aurora
IrilUaato, acaba de receber de sua propria encommenda, muilos gneros dell^*9*
prearios da presente estaco, e tendo grande sortimento comprado aqui.auanca que toaos
as seus gneros sao de i.* qualidade.
A seguinte tabella servir a todos de base para ajuste de contas aos. por-
13 rl ti r f i *
enbura armazem vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
Brilhante, j pelo grande sortimento que tem, j mesmo por sea dono se achar en^0"
nadado em sua saude o ter de vender um de seus arraazens agora, e o oatre na pr -
xiraa primavera, por isso deve-sc aproveitar urna qoadra destas para se comprar
barato.
Latas com 8 libras de chouricas muito novas,
a 1$odO.
Ditas graades com peixe era postas inteiras,
mais de 12 qualidades, a 15000, 15280 e
l'iOO.
Ditas com ostras, excellente petisco para fre-
giieira, a 720 rs.
Ditas cora ervilhas novas, ensopadas, a
720 rs.
Ditas cora favas, a 640 rs.
Ditas cem aradlas a 1$200, 1S800 o 33300.
Ditas com marranada do afamado fabrican-
cante Abreura 880 rs.
Ditas de massa de tomate, a 300 rs.
Ditas ctm figos de comadre, novos, a lo00,
i-j e 5o00.
Ditas.-om bolacbinhade soda muito novas,a
2300.
Ditas cora biscoitinhos inglezes de muitas
qualidades, a 15'tQO.
Chocolate.
Chocolate superior muito novo, a libra a
15200.
Meareis telharim e aletria amarella, a libra
a 480 rs.
Oito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caixas cora estrelinha, pevide e outras mas-
sas, a caixa :3'i0i).
Ditas dita era libras a 640 rs.
S-ig, a libra a 360 rs.
Sevadinha para sopa a libra a 240 rs.
Krvilhas seccas, a libra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
Fariaha de araruta verdadeira, a libra a
500 rs.
Arroi do Maranho, em sacca a arroba a
25400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 35200 e a
libra a 100 rs.
Toucinho de Lisboa a95<00 a arroba e a 320
rs. a libra.
Dita de Santos, a arroba 75000 e a libra a
269 rs.
Molbos cora 123 sebolas grandes, a 15280.
Mostarda franceza caixa com 2 duzas a
85000.
Frasees com mostarda preparada em vina-
gre, a 400 rs.
Ditos com conservas inglezas e francezas,
a G40e 800 rs.
Ditos com sal refinado fino, a 640ea300
ris.
Ditos com a verdadeira genebra de laranja
a 15200.
Ditos de 2 garrafas de Hoilanda verdadeira,
15000.
Ditos de 1 garrafa de Hoilanda verdadeira,
a 640 rs.
Botijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
Garrafoes com 2 gal5es com dita, a 65000.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 65000.
Vinho mscate! de tetuba, a garrafa a
15000.
Marrasqtiinho verdadeiro, frascos-a 800 rs.
a a 15200.
Champagne, a duzla 205000, e a garrafa a
23900.
Azeite refinado portnguez e francez, a gar-
rafa a 15000.
Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
75,85. 95 e 105 a caixa
Ditas com dito branco, a 75000 a caixx
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ra, a 205-
Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
Ditas cora ehamisco superior, a 145000.
Ditas cem Porto velho e outras multas mar-
eas, a 125000.
Yinhe do Porto da pipa, a garrafa a 640,
720e800rs.
Dita de Lisboa mnito bem, a caada a
35200, 35300 e 45000, e a garrafa a 500
a 560 rs. ,.
Dita da Figueira. das segrales marca, {*.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
45500 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
que j est engarrafado e lacrado com o
rotlo do armazem.
Ditos de marcas mais desconhecidas, a cana
da a 35500 e 40000 e a garrafa a 480 e
. 520 rs.
Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 35500 e a garrafa a 480 rs.
. Gamma.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira dse
engommar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs.
Sabio massa, a liDra a 200, 240 e 280 rs.
Variaba. .
Saccas grandes coro farinha deGoiannamai-
to nova, a 55000.
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 85,
85500 o 95OOO.
. Ca.
Cha temos uestes gneros o melhor possivel,
hysson, a libra a 25600.
Ditoperola a 35000.
Dito uxim a 25700,
Dito hysson muito fino a 25800.
Dito redondo a 25500.
Dito prelo de primeira qualidade a 25500.
Bito mais baixo a 25000 a 15600.
Erva mate.
Excedente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Kspernacetc.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prlas para mimos a 45 e 25500.
Nazes.
Noies, a Hbra 160 rs e arroba a 45080.
Alpista e painro.
Alpista e paiico,a arroba45000 ea libra a
160 rs.
Cartas.
Carlas finas para jogar, a duzia a 25500.
Castanhas.
Castanhas novas vendas neste vapor, a arro-
ba 45000 e a libra 200 rs.
Azeitonas.
Barris com azeitonas novas a 15500
Maateiga.
Manteiga flor, a libra a 15000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova,a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e raeios ditos, a libra a
660 rs.
Ditapara tempero a 400 rs.
Qncijos.
Queijos novos vindos neste vapor a 35200 o
35500.
Ditos I endrinos muito novos, a libra a
15OOO
i Papel.
Papel almajo pautado, a resma a 45800
Dito dito lizo de linho, a resma a 45u00
Dito de peso lizo e pautado, a resma a
Dita de embrulho bom a 15 e 15200.
Viulio Madeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerea e Ma-
deira a 15500 e 25-
Temperos.
Folhas de lonro, pimenta do reino, cemioho
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
484 rs.
Ameodoas.
Ameidoas com casca,a libra a 320 rs.
Doce.
Caixes de doce de galaba, grandes a 15400
e pequeos a 848 rs.
lijlas de liuipar.
Tijales dearear facas a 140 rs.
Graxa.
Duzias de boioes de graxa *7a 25800, e
de latas a 15000, e os boiSes a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs.
. Caaratos finas.
Charutas flnoe das melhores fabricantes da
Bahia par diversos precos, caixas e raeias
caixas.
E grande quaatidade de geaeros tendentes
a estes estabelecimento, que deixam de an-
nunciar-se.
_ Vende-se nma das mais ricas armacSes paral
,n|!l.to1a de amarello, propria para negocio de
m'llia.los,mas que com ama pequea alteneao
serve paratazendas; vende-se por menos da me-
tade de seu casto : no armazem da rna da Cadeia
numero 1.
RIJA DO IMPERADOR W. 40
Junto serrado em que mora ISr. Osbarnr-,
Duarte Almelda k. C, receberam de ana propria e.commen-
da o mala linde e variado sortimento de molhados, proprios
da presente esta?5o. I
Manteiga ingleza Jnaeas brancas
da safra novavinda no ultimo vapor a 1,000 para sopa | a melhor que se pode esejar,
ROUPA FEITA
m
ABBABI
M
%Vlft*fe % W*fc^*
rs. a libra eem barril a 800 rs.
- Manteiga franceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a 560 rs.
\ Ainendoas
confutadas de lindissimas cores a 800 rs. a
liara.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos,
Cartees
com bolos franczes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolacbinhas de soda de todas as qua-
lidades a 1300.
Chocolates
de todas as qualidades al 9000 alibra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambera
temos velhos para 300 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 206oo.
chegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellaBte maree a 800-rs, a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
o melbor que se pode desojar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
30 a 20600.
dem perela
especial qualidade. a 2*700 rs. a libra.
dem uvssod
o mais aromtico que tem vinde ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talharim e aletria a
480rs. alibra.
COCXAC
o muito afamarlo cognac Pal& Brandy a l,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a l,ooo e 800 rs. a garrafa.
coro
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 449 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lbor.
Papel de fcotlca
de excellente qualidade a 2200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulho de l,4oc-a 2,2oo
rs. a resma.
G>riittiias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 is. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em ehapa a
4,4oors. alibra.
Vinagre
PRR em ancore tas de 9 caadas a i5,ooo rs.
eada urna.
CeWllas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e i,000 rs. o molbo.
Alpista o Painro
o mais novo do mercado a i 4o rs. a libra,
e 40400 a arroba.
CEBLAS
muito novas a 10000 ocento na ra do Qoev
mado n. 7, ruando Imperador n. 40 e lar-
go do Garmo n. 9
GRAO DE BICO
muito novo a 30400 a arroba e 140 rs. a li-
bra na ra doQueimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
QUEDO SUISSO
muito fresco a 800 rs. a libra na roa do
Queimadon 7, ra do Imperador n 40 e
largo o Carmo 1. 9
macarr3o, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 40500 a.caixa.
Vinho
Figueira ^ A A e outras muitas marcas acre-
ditadas
4$ftVil LVD
urmaime iro.
Reste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para sonhoras,
homens e meninos.
cantes
agarr
cas sao
F. com 10 1
a 10800
vendem
cas de
Charutos
meias
o
a 500.rs. a garrafa.
lden de Lisboa
de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
a caada.
dem do Porto
generosoi engarrafado des melhores fabri-
la cidade do Porto a 10 e 10200
fa ede 100 a 120a caixa, asmar
asseguintes: Chamisso AFilho,
. Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro eoutros muitos.
Latas
. bras deban ha a 40000.
Bolachinha ingleza
a barrica da mesma que
a 20000e 20400.
Nozes
as mais tovas do mercado a 120r* M bra.
Cervejas.
dos melhores fabricantes|e de todas as mai
40500 a 60500 a duzia.
OjaRUTOS
Thom Pinto,. Reis e outros em
;aixinhas a 10500.
Arroz
do Maranh3o a 190 rs. a libra, e da India
a 80 rsL a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba deWs que vendem por 30400.
CAF
de 1.* e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 803f
. e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
(Sarrafdes
com 4 !/ garrafas com vinagre a 10000 MB
o garramo.
IGENEBRA DE LARANJA
verdadeira^ a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
DEM
en frasqueiras de Hoilanda a 50800 con
12 frascos.
GENEBRA
de Hoilanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e2o rs. cada caiiinba. ___
LICORES
finos de todas as qualidades, a to.ooo a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como sc-
jam Abreu e oulros muitos a 600 rs. a
libra.
Prej&unto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranaao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,000, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimonto.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo k
caixa e 34o rs. a libra.
~ Batata novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas milita novas
em quartos e inteires a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portugue: o mais especial que se pode de-
sojar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Prontas era caldo
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsc da casca da goiaba
a 00 e 0 o caixe.
JGOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar-
roba el 40 rs. alibra na ra do Ooei-
mado >. 7, ra do Imperador n. 40 alargo
do Carmo a, 9
BOLACHINHAS
de defferentes qualidades a 10200
Casacas de panno preto, 350 e 300000
Sobrecasacas idem, 300 e 250000
Paletos idem e de cores, 250,
200, 15^ e...... 100000
Ditos de casemira, 200, 150,
120,100 e...... 70000
Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50, 40 e...... 30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. 30000
Ditos branco de linho, 60,50 e 40000
Ditos de merino preto de cor-
d5o, 100, 70 e.....
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80e......
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 40500 e. 40000
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e 20500
Ditas de ganga de cores, 30 e 20500
Cohetes de velludo preto e de
cores,. 90 e......70000
Ditos de casemira preta, 50 e 40000
1 Ditos de ditas de cores 50
40 e........30500
50OC
Ditos de setim preto. ...
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......
Ditos de gorgurao de. seda
pretos e de cores, 60, 50 e
Golletes de fustao e brim bran-
co, 30500,30 e .
Seroulas de brim de linho,
20400. e ......
Ditas de algodo, 10600 e. .
Camisas de peitos de linho,
40, 30 e. .....
Ditas de madapolao, 20500,
20e........
Cbapos de massa, pretos fran-
czes, 100, 90 e. .
Ditos defltro, 50, 40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
110, 70 e......60*v>O
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. .
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas parroslo, duzia, 110,
e .......
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
Lences de bramante de linho. 30000
Cobertas de chita chineza.. 20500
50OOC
205O0
20000
10400
20500
10600
80500
20000
60000
60000
DE
DE
J. VIGNES.
X. 55. RA DO I Jl PER ADOR M. 55.
Os pianos desta amiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para aue seja necessaxio insistir sobre t
sna superioridade, vantagens e garantas qu efferecem aos compradores, qualidades estas iricontesta-
Teis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praga ; odc-
snindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sena-
nnnea falhar, por seren fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tissimos para o clima deste paiz ; quanto as vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores. ,,,,,,,
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital forara sempre premiados em todas as expesicoes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos eommodos e razoaveis.
em latas
a lata
i QUEIJOS FLAMENGOS
chegadokneste ultimo vapor a 20800 na roa
do Qjieiraado n. 7, ruado Imperadorn.
I -v lelil* a. v 40 ejargodo Carmo n. 9.
Os propietarios do grande armazem o Verdjadeiro Principal declaram aos seus
fregueses e amigos e ae publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeiro Principal na do Imperador n. 40
FARELLO DE iJlSBOA
Marca N verdadeiro em saccas novas e grandes a 40^00: na ra do Imperador n. 40
Pechiiictia aem igual.
. Lindos cortes para vestido de percales de cores
claras e escuras com grande variedad de padrees
pelo baratissimo preco de A$ o corte : na lojadas
"dumnasrua do Crespo n. 13, de Antonio Cor-
rei* de Vasconcellos A C.
P0T4SSA
de Antonio de Almeida Gomes.
NOVIDADES.
Queijos do ilentejo, ditos das ilhas o mais fresco que so pode dese-
jar a 10200 a libra, e sendo inteiro ter algum abalimento, ricas caixinhas
redondas enfeitadas, proprias para mimo da festa pelo barato prtco de 40
cada urna, ricas caixas de figos tambem proprias para mimo de 800 10500
cada-uma. Vende-se nicamente no armazem Verdadeiro principal, ra do
Imperador n. 4.
CONSULTORIO UC0-CHU1RG1G0
DO '
DR PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTE1RO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundo 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
horas da manhaa, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepeo dos^ dias santificados
Pharmacia especial /lomeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos. assim como tinturas de varias dymnamisacoes e pelos precos seguintes
Carteiras, de 12 tubos grandes. 120000
de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os rem ji
que se pedir. ,rArt
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meia onca 10' 00.
Sendo para cima de 12, custarao os precos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
. A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,
dons grandes volumes com diccionario............ 200000
Medicina domestica do Dr. Hering,........... 100000
Repertorio do Dr. Mello Moraes.............. 60000
Diccionario de termos de medicina ............ 30000
Os remedios deste estabelecimento sSo por demais conhecidos e dispensara portan-
te de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melbor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservacab, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparacSo, e portanto a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-seescraves para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
oneraco, para o que o annuncrantejnlga-se suficientemente habilitado.
O tratamento o melhor possivel, tanto da parte alimentar, como na medica,
funcionando a casa a mais de quatre annos, ha niuitas pessoas de cujo conceito se nlo
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seas
doentes. "^ .. k .. ... ,AA
Paga-se 20000 por dia durante 60 das edah eradiante 10500.
As operaces ser3o previamente ajustadas, se nSo se quizerem SHJeitar aos procos
azoaveis que costuma pedir o annunciante.______________________
Vendem-se charutos da Bahia de varias qua-
lidades : em casa de Moahard A C, ra do Tra-
picha b. 48.
po da m
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
0 a lata : nos armaten da ra do Im-
gerador n. 16 e ra do Trapiche Novo n.
~~Bixas de Hmburg
Vendem-?e na ru Nov n. 61.
Superior cal de Lisboa.
Vendefse superior eal J uirtca a mais nova
que ha no mercado, tanto em por53o como a reta-
lio, por barato pr^o.aflancando-se aos compra-
doraT aperior qnal.dado : a tratar aas tegniites
raaf: CwSpo n. 7. Imperador n. 8, Torte do Ma-
Sf/umatem do Sr. Avlll, defroate i trapiche
^ algodo.
Fabrica Conceclto da
Baha.
Andrade le He*o, reeebem onsUnte-
mente e tem vendase seu armazem n.
34 da ra do Imperador, algodo d'aqael-
!a fabrica^ proprio para saceos de assu- ~
oar, embalar aipodao empluma etc., etc., *fl|
pelo prego mais razoavel.
A'loja' do Porte
Na esqoiaa da roa da ladre de Dees n. -15
Chgou pelo ultimo vapor francer om completo
sorlimento de calcados, seado de Nanles para ho-
rnea, e divras qualidades para senhoras e me-
ninas, ha tambera un completo sortimento de fa-
lendas e roupas feius, tudo multo barato.
Vende-se'nra caixSo grande de deposito, pro-
prio para reQnacio ou padaria : na roa Imperial
n. 45._____________' ___________
Vendem-se 100 sacros de minio boa. farinha
da Santa Camarina no armaiem n. 19 da roa no-
aa de Sania Rila, nteira do pelw.
AGENCIA
AGENCIi I0W-1O0B.
Rna da SemHi ara 4.
Neste estabelecimento continua a hator
om completo sortimento de moendas o meiaa
moendas para engenho, -machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, da todoe o#
tamanhos para ditos.
Arados amerieanos e machinas para
lavar roepar em casa de 8. P. Johwton & C,
ra da SeniaUa Nova n. 42.
Vende-s machina para desearocar algodo
rom-motores para animaos : M rna da Senzala.
Nova n. 41._______ .
MGICAS.
Na ra da Imperalri 83 acha-se venda ora
peqoeno gabinete completo de physica, ou inMni-
mentos para mnslcas, que podo servir par slpnm
curioso dar represeniacSes pelos arrakaldes, pois
compoe-se de multas e variadas sortas.
Feijao-.
Vendem se saceos com 22 colas de fejo rajsdo
4o forto por tl, em calas a 9M : aa raa Dtm-
1 ta n. 8.


^S

/


.
'*
1


i l
Diarle de Pcraambtieo Sexto lelr 2J de Janeiro de 1841.
PIULA* CATIARTICAS M ATIR.
Eitas pilulas regetaes s5 a-
daptadas a todos os osos i* an
pargwte ns familias, pois M*
'pwfcifiente innocentes, e-e
(planto aliares d pessoas co*-
fessana coa gratidao que foram
curadas por ellas de molestias
severas e perigosas;nao ha
um so caso em que haja suspei-
tas do raais leve resultado inju-
rio por seu aso.
Publicamos aqoi algons dos
alistados que tetos de curas
notaveis feitas ltimamente.
Um caso notavel de
Affeceae ehroniea de figado.
Illm. Sr.
Juit de Fra, 17 de fevereiro de 1864.
Tpndo feito aso das pilulas catharticas
de Ayer, que rae fez favor de dar um vi-
dro, tendo tirado um resultado nao espera-
do ; padeceudo ba mais de doze annos en-
fermidadcs do figado e bao, cosa o uso
das pilulas posso lhe assegurar que estou
bom, pois teodo desapparecido um grande
engorgitamento que soffria, muitas dores
sobre a regie do figado e costas, dores de
cabeca, inchacao do ventre, nao podendo
deitar-me senao do lado direito, isso mes-
mo procurando posico para ter socego, ho-
je me acho livre d'esse padecimento ; come
por aqui anda as nao haja, eu como tenho
este proprio que de casa, lhe rogo man-
dar-me alguns vidros, e o custo elle lhe sa-
tisfar, assim bem como do cbarope i
cereja, que tive occasiao de experimentar;
em um ataque de guellas que teve orna
preta que com elle curei, faco uso d'elles
cas tosses em minba familia sempre em
bom resultado, e por isso que peco para
mandar alguns frasquinhos, e mesmo as pi-
lulas pode montar a doze, "porque tenha
feito uso d'ellas para uso da familia e al-
gumas pessoas, todas teem tirado granda
resultado; sou
De V. S. attento ebrigado,
Francisco Ferreira Paes.
qoe soffri e qae priviva-tne de andar aper
tado, hoje felizmente nada sinto.
AtKWJSTO fiOLLATWO ME MeILO.
3=
Falta de apetite.
Ouro-Preto, 24 de fevereiro de 1864.
Sendo eu affectado do figado ha muitoi
annos, e ltimamente soffri falta de apetite,
hoje dou gracas a Deus por achar-me saa
e perfeito com o uso das pilulas catharticas
do Dr. Ayer.
Antonio Bento Vqjira.
Constipado, dores de caneca.
Ouro-Preto, 28 de marco de 1864.
Attesto que achando-me atacado de urna
forte constipado que trouxe-me dftres por
todo o corpo e na cabeca, soffri horrivel-
mente por espaco de quatro das; ento
um amigo aconselhou-me que tomasse pi
lulas atharticos do Dr. Ayer : com ellas fi i! Rna do Crespo n
quei sao e completamente restabellecido em o gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
tres das, de sorte que estou no Afirme pr- poso Bailisa, na sua ordem do da, e pela Branca
psito de aconselhar o uso das ditas pilulas A8aj*> pesar de qoe, para estes o Galio com seos
todas m pessoas que forera affectadas de %fiZ*^!^^^^
Jnstipafoes.
0 VIGILANTE
RaeoDUtismo e ataques heraorrlioidaes.
Iu.m. Su.
Ouro-Preto, 30 de marco de 1864.
Posso certificar-lhe que as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer s5o excellentes, pois
que soffrendo eu dores pelo corpo, e que
suppunha ser rheumatismo, (molestia esta
que j havia soffrido ha annos) e soffrendo
tambem de ataques hemorrhoidaes, e de
um ouvido, pois que at j pouco ouvia, e
acorapanhado de urna dr no queixo, con-
sultei a um dos nossos mdicos, e este me
disse que devia fazer uso da salsa ; porm
lendo eu o almanack do mesmo doutor,
comprei em sua casa um vidrinho das mes-
mas pilulas e por minha conta principiei a
toma-las, e sem as finalisar acho-me sem as
dores pelo corpo; e sem sentir, sarei do
vido, e mesmo dos ataques hemorrhoi-
daes : portanto sao para mim as taes pilu-
las as melhores que tenho experimentado;
isto em abono da verdade. Sou
De V. S.
Amigo certo, venerador e obrigado,
O brigadeiro
Joo Rodrigues Feu de Carvalho.
Agostinho Jos da Silva, negociante de fa-
zendas. ____________
lrritacae do estomago.
Ouro-Preto, 29 de marco de 1864.
Attesto e juro, se necessario fr, que. sof-
frendo ha muito teinpo excessiva irritaca*
de estomago, pouco apetite e difficil diges-
15o, d'ella tenho experimentado sensiveis
melhoras depois que tenbo feito uso das pi-
lulas catharticas do Dr Ayer.
Antonio Hermogenes Pereira Rosa.
Lembrigas.
Ouro-Prrto, 28 de marco de 1864.
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas), fo-
ram empregadas com grande vantagem por
mim em urna menina de dez annos, que
soffria de vermes intestinaes, notando-se
que os symptomas que entao apresentava
eram de molestia bastante perigosa.
Raymcndo Nonato S. de Thiago, pharma-
ceutico.
com pedrinhos Bngindo bri-
fiaslrite.
Ouro-Preto, 29 de marco de 1864.
Attesto que tendo feko uso, aconselhado
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
fiquei perfeitamente bom de urna gastrite
Nevrakpa.
Urna carta do Illm, Sr. Francisco Alva-
renga de Azevedo.
Ha mais de sete annos que soffria dores
no hombro e as costas, tomei urna infini-
dade de remedios sem achar alivio algum.
Dr, angustia, tormento sao palavras for-
tes, porm nao exprimem o que tenho sof-
frido ; ltimamente tomei as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer. S faz oito das, e es-
tou completamente restabelecido; ha tres
dias que nao smto a mais leve dr no hom-
bro nem as costas.
Estas pululas acham-se venda as prin-
cipaes boticas e dregarias do Imperio, e no
Rio de Janeiro, ra Direita n. 15.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmacla francesa de
P.HIAURER & C.
RA NOVA N. 18.
Pixe,
pxe
do melhor que tem vindo a este mercado, do ver-
dadeiro da Saeta, e o mais barato, vende-se no
armazem da bola araarelia no olto da secretaria
da polica, em barril oa a retalbo.
CASA TERREA
Vndese urna casa terrea nova por quatrocenlos
mil ris : na ra Augusta n. 54.
Vende-se urna encllenle escrava mulata,
idade 20 annos, sabe bem coser e engoramar e
todo mais servico interno de urna casa, com ama
cria de um ann de Idade : quem a pretender di
rija-se a rna do Hospicio n. 29.
ciara na mesma conformidade, para qne o Baliza,
possa marchar em frente, a Branca Aguia possa
levantar sea vo.llevando no bico as palinbas seu
nmrioje o Gallo ficar em seu espacoso campo
aanae de novo o seu canto annunciando a seus
nons treguezes e ao respeilavel publico
0 grande sorlimento de objectos de amito gosto qne
acaba de reeeber.
Ricas caixinhas com msica ricamente enfeita-
aas para costara, proprio para um delicado me-
nino.
Riquissimos cofresinhos com cadeadosde metal
para guardar joias.
Ricas canas com estejo, contendo todos os per-
tences para bomem.
Riqaissimas voltas flngindo perola.
Ditas com lacinho de Uta.
Ditas de lindas cores e preta, de todas as gros-
suras.
Lindos adereces
lhantes.
Ricas fivellas para cinto, de todas as qualidades
e bora gesto. M
Ricos cintos do ultimo gosto de Paris.
Grande sorlimento de lindos enfeltes paracabe-
5a, sendo do ultimo gosto e de todos osprecos.
Plores muito finas para noivas.
Luvas enfeitadas e meias de seda para norvas.
Touquinhas sapaiinhos e meias de seda afl
baptisado.
Riqnissimas Otas de todas as qualidades parala-
do, ciise ciDteiros.
Caraisinhas e gollnhas para senhora.
Riqnissimos jarros e figuras para ornamento do
sala.
Grande sorlimento de gravatinhastantoparase-
nnora como para homem.
Lavas de pelica branca e decores.
Gascarrilhasde bonitascdres.
Trancinbas.galo e marvilhas para enfeites.
Transelins de cabelles e de retroz para relogfos.
Papel amisade e de ontras qualidades.
Bolsas para viagem.
Entremeios e babadinhos de lindos padrees.
Lencinbos de I iobo bordados.
Meias para bomem. senboras, meninos e meni-
nas.
Fitas de vetado lisas e com mtame de todas as
larguras.
Thesouras caivetes de todas as qualidades.
Grande sorlimento de sabonetes.
Lindos vasos com banha para ofJerecimeotos.
Gaixinhas com seis frasquinhos.
Essencias de todas as qualidades.
Agua verdadeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grandes, e em
frascos qnadrados egarrafiohas.
Pomada fina de todas as qualidades.
Superior banha em frascos e copos de todos os
tannos.
Sahao ingiee em paos grandes e pequeos.
Escovas de eabo de madreperola, raarfim e de
osso, para dentes.
Pentes para desembarazar, com friso de metale
sem elle.
Ditos de tartaruga e de tnoitas ontras nalida-
Volitabas.
Lijadas voltinhaa do pondas falsas com cruziihas
flngi ido brilbantes, assim como cruzinbas avulsas
e vo tinbas. pelo barato prego de 1 e 1200, as
cruztJS avnls asa 400 rs.; ;s to Vigilante, roa do
leaaea.
Riquissimos leques de madreperola tanto para
senhbras cmo pira meninas, pelo barato preco
de 13J li*; s do Vigilante, ra do Crespo
n. 7
JGRANDE NOVIDADE.
B no Vigilante.
1 enfeites de todas as qualidades para
senioras e meninas, cbegados boje da alfaadcga.
lates
Iilquisstmos tintos de fita larga e estrella com
flvelasgrandiis e pequeas, com brilbantes falsos,
couta fle mn to gosto.
Albnns
Tambem chegaram os riqtrlsslmos albnnspara
60 tetratos, com capa de tartaruga e de mirfim,
confia maitocbique : s do Vigilante, rna do Cres-
po a. 7.
Colinbas.
Riquissimas golinhas e manguitos, omelhor gos-
to ijossivel, a S, 2^1500 e 3#; s no Vigilante,
rna) do Grespo n. 7.
Enfeites para senhora.
Riquosissim enfeites com laco e semlaco e de
outros mnitos gostos a 1, 1^500 e 3: s no Vi-
gilante, roa do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins oe cabello para relegio 00 tu-
ne as, pelo baratissimo preco de 1560, dilos de
re roza 200 rs.
Babadinhos entremeios.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindoi
desenhos Upados e transparentes, pelo baratissimo
preco de 1,520, t500, U e 3; s no Vigilante,
roa do Crespo n. 7.
Cascarrinas.
Grande sorlimento de cascarrilhas de diversas
la 'guras, assim como galiozintio e tranciabas pro-
pfias para enfeites; so no Vigilante, ra do Cresr
ritas.
' Grande sorlimento do flus de diversas largaras
ualidades, per precos qae admirara aos com-
dores, bavndo fitas largas proprias para cin-
os qae se pftde vender a 300 n. a vara, e pega
ae 9 varas a 2*; s no Vigilante, roa do Crespo
o. 7. I
Filas de lia.
Fitas de laa de todas as qualidades, proprias pa-
a debram de vestido a 700 rs. a peca; s no Ti-
llante, roa do Crespo n. 7
Ricos espetaos.
j Riqnissimos espelhos com moldura denradaj
sem ella de 85,104, 12,5 e 145, assim como com
columnas de differentes lamanhos a 2, 35,45, V>>
165; s oo Vigilante, roa do Crespo o. 7.
Linios jarros e fijaras.
Riqnissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para ettfeite de salla, sendo o melhor gosto que aqui
tem apparecido*, ^ no Vigilante, rna do Crespo
n. 7. .1
Para ss 4t arroz.
Riquissimos vasos com boneclapara pos de arroz,
consa de muio gosio a 15800 e 25, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
Vigilante, ra do Crespe 7.
PtrfHmari
Grande sortimeoto de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
tlnctivos e offerecimentes as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Paris o Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
a 25 e a 15, assim como outros objectos que nao e
possivel por hoje annonciar, e vista dos fregne-
zes se far todo nejrocio; na loja do Gano Vigilante,
rna do Crespo o. 7. |
Peales de tartaruga para senhora.
Ligas de seda e de algodo, assim como amitos
outros objectos de goslo que seria impossivelmen-
cinar, qae a vista far f, so no Gallo Vigilante,
l ru do Crespo o. 7.
DROGARA.
34Ana flarga do Rosarlo31
Btirtholomen Francisco de Souza & (],
Vendern:
Acido actico puro para retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
Guarnc5es avelludadas.
Tinta branca superior em lata.
Alvaiade Veneza, fino, em paes.
RATO7
Duarie, Pereira & C. coniinuam a vender o afa-
mado e fresco rap Princesa de Petropoles em seu
grande armazem de Iouea e vidros : ra do
Crespo n. 16.
Loja de naludezaa Unas
16 -ra do Queimado
Enfeites a Mara Pa.
Recebeu-se pelo ultimo vapor francez o que ha
de mais moderno e elegaote em enfeiies de cabeca
a Maria Pa, tao variado o sortimento de cada
qual o mais bonito, qoe o fteguez munido de co-
bres ficar satisfeito nao s na qualidade da fazen-
da como no seu baratissimo preco, a 25300. 35.
35300,45,55, 65 e 75.
Lavas de donvin.
Acabam de chegar pelo vapor francez Gutmi,
as legitimas luvas de Jouvid prelas, branca e de
cores, para homens e seBhora, a 25500 o par.
Fitas.
Riqnissimas fitas de grosdenaptes lavndos com
bonitos desenhos e cores para tacos e sintos, com
3 X> 4 e 5 dedos de largura, pelo baratissimo pre-
co de 960,15280 e 15600.
Diias ditas de sarja lisa, de todas as cores, de
11/2, 2, 2 1/2,4 e 5 dedos de largura, a 320, 480,
640, 15280 e 15600 a vara.
Diias ditas de gorgur3o preto e de crss, para
sintos, a 800 ris a vara.
Bonitas fitas de todas as cores com 8 varas, mui-
to eslreitiohas para enfeitar touquinhas de crian-
cas, a 500 ris a peca.
FIVELLAS E SINTOS.
Riquissimas fivellas de taiu ruga mnfto grandes
para sintos, a 55.
Ditas diias de um e dous botos com lindisslmas
pedrinhas fingindo brlhantes, a 15500 e 25.
Sintos de velludo preto, a 45.
Dilos de seda muito largos com fivellas mnito
largas, a 55 e 65.
Ditos ditos de galio e fivellas de pedrinhas, a
25000.
Cascara-linas.
Pecas de cascarrilhas de la estreitinhas diver-
sas cores, a 500 ris.
Ditas de diias dita mais larga, a 15.
Ditas de ditas de seda estreilinha a 960 rs.
Ditas de ditas dita mais larga, a 15500 e 15800.
Ditas de ditas dita em duas cores e de diversas
cores, a 15500 e Uf800.
Voltas a Mara Pa.
Voltas prelas grandes a Maria Pia, a 15600.
Ditas de aljofares de todas as cUres, com cruz e
passador de 1, 2 e 3 voltas, a 25, 45 e 55.
Ditas de oonlas randes de coral, a 45500 e
65500.
Pulseiras di aljofares de todas as cores, com pas-
sador e borllas, del, 2 e 3 vo*tas,a 15280, 15600.
25 e 35. '.
Ditas de cotias grandes de coral, a 45 e 55.
Bonitos brinloos de aljofares de todas as cores a
balo, a 640 rfeis.
Bonitos aldetes de peito com aljofares de cores,
a 15. 15280 e 1I56OO.
AilNins.
is de velludo com guarniroes
Diratos, a U.
Ditos dito de Velludo para 100 ditos, a 85.
Ditos de martoquim para 12 ditos, a 15600.
Ditos idem melhores para 12 ditos, a I58OO.
Ditos idem pa|ra 20 ditos, a 15800.
Ditos idem ralhores para 20 ditos, a 25.
Ditos idem para 50 ditos, a 35.
Ditos idem para 100 ditos, a 55.
Ditos idem de boa encadernacao para 100 ditos,
a 125, 165 e 205, estes albuns veBdem-sepor mui-
to menos do seu valor por se ter recebido grande
quantidade.
Pennas ron foloo de diamante.
Elegantes pennas de prata com bico de diaman-
te que duram toda a vida de urna pessoa, com ca-
etas de marfim e madreperola, sao as melhores
pennas que tem apparecido, vendem-se polo di-
minuto preco de 55 e 65.
Caixinhas de pennas de lanca frescas, a 640 rs.
Ditas de ditas caligragraphkas, a I5280e 15600.
Caixinhas com 100 envelopes, a 500 rs.
Caixinhas de papel de cor, a 500 rs.
Caixinhas de papel aznl paulado, a 560 rs.
Caixinhas de papel amizade branoe paulado, a
640 rs.
Pacotes de papel da beira dourada, a 700 e 800
ris.
BICOS DE SEDA PRETOS
dos mais bonitos gostos que se pode desejar, desde
1 dedo at 4 dedos de largura, vende-se pelo dimi-
nuto preco de 120,180, 240,400 e 600 rs. a vara,
sendo este prego a metade do seu valor.
VARIOS OBJECTOS.
200a2We 320^"' d* ,,nh' 10' 12' 16'
Vara de labyrintos de chrox desde 3 dedos at
um palmo de largura, a 210, 400, 640, 800 e 15.
Fitas ecordSes para espariilhos. 60 e 120 rs.
Grvalas de ponas bordadas para senhora, a 15.
Ditas diias de blende malisadas, a 15600.
Touquinhas de blonde enfeiladas, a 15500 e 25.
Sapaiinhos de merino bordados para baptisao a
15>00e25.
Sapaiinhos de selin idem, \ 25.
Escovas para denles, 160,320 e 480 rs.
Ditas para calcado, a 200 e 240 rs.
Ditas para roupa, a 800 rs.
Diias para cabello, 64, 15 e 15400.
Ditas para unhas, a 640 rs.
Varas de fita de velludo desde a mais estre.ii-
nha at 4 dedos de largura, a 100, 100, 240, 320
400,500, 640, 800 e lf '
Bonitos chapeos enfeitados para enancas, a '15.
Varas de fitas de laa para debroro, a 100'rs.
Pecas de filas branca para debrum, a 320 r!
Frascos de oleo de babosa, a 400 e 500 rs.
Ditos de dito de mauzeoha, a 500 rs.
Ditos de agoada colonia, a 400, 500 e 1#.
uitos de dito de mauzenha, a 400 rs.
Garrafas grandes de dita, a 800 e 15600.
Frasquinhos de essencia de sndalo, IsSOO.
Ditos de extractos, a 320, 500, 800, iff e 15500.
Cestinhas com quatro frasquinhos de dito, a 15.
Duzias de facas e garios de balanca, de Co a
Oy OUU.
Duzias de ditas dila de sobremesa, a 55500.
Duzias de colheres de meial do principe para
cha o para sopa, a 15500 e :ij.
Colheres de concha para sopa, a Sg.
Faca e gagto trinchantes, a 15600.
Venoe-se superior vlnho do Porto em c*:xas de
urna duzia : em casa de Johnslon Pater & C. ra
do Ajgario w. 3.__________
Vende-se urna morada de casa terrea rom
commodos, cozmha fra, cacimba, quintal bastan-
te grande e todo murado, terreno proprio, box
Incalidade, ra Direita n. 62, povoacao dos Afoga-
dos, tambem se trocar por 011 tro de mais valor
nesta cidade, voltando-se o qne for razoavel: qaem
quizer v ra da camboa do Carmo n. 8.
ESCB1V0S FGIDOS.
de gratiflcacao a quem apprehender a molata de
nome Luiza, que acha-se ausente desde o dia 14 do
crreme, com um moleqoe de nome Alfredo, a mo-
lata tem os signaes seguintes: Hade 16 a 18 annos,
baixa com urna pequea cicatriz no cogote, cabel-
los curtos e bastante carapirmos,eemoleqiie com ida-
de de 10 annos pouco mais on menos, tem marca
de bexigas, bastante disfarcado, tem orelhas fun-
das, le vou caiga e camisa de azulan, sabiram am-
bos a vender, cada nm com saa bandeija de man-
ga e ovas do serto 5 pede-se a qualqner pessoa
que delle souber que os leve ao sitio do abaixo as-
signado na travessa de Joo Fernandes Vieira n. 6,
que receber a graliflcacao cima.
________Gailherme Joaqaim da Silva Braga.
Fugio no dia 16 do correte desta povoa"cao
dos Afogados, a preta Antonia, de nagao, baixa c
que representa ter 70 annos de idade pouco mais
ou menos, levando saia e chales prelo, a qnal
pertencente ao espolio do finado Manoel Jos Frei-
r de Andrade; cujo depesltario abaixo assignado
roga as autoridades polieiaes a captara da sobre-
dita preta ou a qualquer pessoa, que della souber
que ser gratificado.
_______________Camillo Lins Chaves.
Fugio no dia 22 do crreme, do engenlio foc
freguezia de Agaa-Preta, a escrava Maria, idade 20
annos, cor preta, nariz chato, ps e maos delicados,
bracos finos, bastante ladina, de suppor que tr-
vesse tomado a direccao desta praca ; por tanto pe-
de-se as autoridades polieiaes e aos seobores che-
fes das eslacoes a priso de dita escrava : quem a
pegar leve a ra de S. Goncallo n. 36.
AlteacR*
5
Fugio o negro Theodoro com os signaes seguin-
tes : alto, cor preta, beicos grosss, olhos apitom-
bados,levou calcas de brim pardo, camisas de al-
godo riscado, idade 35 annos, pouco mais ou me-
nos : quem o prender e o levar a seu senhor, no
pateo do Terco n. 141, ser gratificado.
2:
11
LISTA GERAL
t
DOS PREMIOS DA PARTE DA II. LOTERA, CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 402, A BENEFICIO DA IGREJA 1VATRIZ DA BOA VISTA DESTA CIDADE, EXTRAHIDA EM 26 DE JANEIRO DE 1865.
105
65
NS. PREMS.
I 65
4 -
6
7
14
15
17
27
28
33
44 i
45
49
50
55
75
76
78
81
83
84
85
93
9?
98
100
i
i
4
8
9
16
34
25
26
29
32
33
35
36
39
42
43
50
56
57
61
62
64
68
72
77
79
105
65
NS. PREMS
188 6
90 -
92
200 -
1
7 -
11 -
13
17 -
18 -
20
21 -
25
31 -
34 _
36
41 _
42 -_
43 _
45 -
49
54
58
67
71
72
76
80
83
93
95
98
99
303
8
11
15
18
20
26
31
32
33
36
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS.
65
105
41
42
44
46
47
48
61
66
75
79
105
65
387
88
91
92
95
96
400
o
3
7
8
U
14
17
19
22
23
25
29
35
36
37
41
43
46
51
52
57
58
62
69
73
76
78
70
81
89
503
6
15
17
18
22
27
31
32
41
42
44
51
53
55
61
64
6
65
105
65
105
65
405
65
405
65
105
65
567
68
77
79
86
87
90
91
92
94
95
96
97
98
606
9
. 10
11
14
19
20
28
31
35
36
43
48
49
32
56
64
68
73
74
78
79
81
82
85
89
92
94
99
701
2
6
13
17
19
20
45
49
51
53
56
65
105
65
205
65
205
105
65
105
757
59
62
66
71
72
74
75
78
81
87
88
93
94
95
800
7
12
17
20
24
25
26
27
31
40
45
46
50
51
33
56
58
61
64
65
66
70
73
80
90
92
93
95
900

3
4
5
10
11
14
47
19
20
405
925
28
30
37
40
45
46
50
58
61
62
.64
69
72
76
77
83
88
89
91
96
97
1003 _
4
5
7
11
12
14
-16
17
28
29
30
33
36
37
44
46
47
49
51
53
66
68
69
70
72
73
74
89
92
99
neo
1

O escrMo, Jote Pedro das Neve$.
NS. PREMS.
65
205
165
65
5005
3
1005
65
1005
65J
105
5
105
65
NS.
2102
4
10
13
14
16
22
23
29
31
32
33
34
35
39
41
46
53
55
56
.58
62
63
65
69
71
73
74
79
81
84
87
89
92
99
2202
5
17
21
24
27
29
30
31
32
38
44
45
48
51
53
54
62
64
65
PREMS.,NS. PREMS.
65
205
65
105
65
2269
70
75
82
85
90
98
2302
4
7
9
13
14
15
19
21
23
24
25
27
28
29
37
39
41
46
50
5o
56
57
60
61
69
71
75
76
77
81
91
97
98
2400
2
8
11
12
16
23
24
26
29
30
33
35
40
65
105
105
205
105
65
105
65
NS.
2441
45
47
48
49
53
54
56
58
63
64
70
74
78
79
89
97
98
2505
6
17
23
25
26
28
35
37
39
41
42
43
52
58
61
65
66
71
74
75
80
84
87
88
90
94
96
97
2600
3
12
16
25
26
28
29
205
PREMS. NS.
2630
34
38
39
41
42
45
30
52
53
58
59
61
66
68
72
73
74
79
83
86
87
90
98
99
2704
7
11
18
20
23
25
26
28
32
35
36
38.
40
44
47
48
53
55
59
61
71
73
73
76
81
84
85
87
IS. NS. PREMS. NS. PRI
2789
105
105
90
92
94
2802
3
5
6
12
17
26
29
30
32
36
41
45
47
51
53
65
68
70
72
73
75
80
84
86
89
90
93
93
96
99
2900
3
10
11
19
20
29
34
35
38
40
48
49
52
55
64
65
69
70
- 80
105
105
65
105
65
205
65
205
65
105
65
105
65
__
2984
92
98
3002
9
15
17
21
24
26
29
32
33
34
45
50
54
57
59
61
62
66
67
68
75
76
77
78
79
82
84
83
86
90
9F
3100
10
12
13
14
15
17
20
21
23
30
31
35
39
44
46
52
53
57
62
105
NS. PREMS.
3163
66
59
71
72
74
81
82
88
1:4005
65
105
65
105
205
105
65
96
99
3201
2
5
10
13
16
17
28
30
32
36
38
39
40
48
49
52
57
60
61
65
67
69
70
73
74
75
77
84
86
87
94
95
97
3301
3
13
16
18
19
22
23
205
65
205
205
65
105
65
405
65
105

205
65
205
405
NS. PREMS.
3325 105
27 65
28
31
32 -
33 -
37
39 _
41
42
51
57
63
66
68
70
71
79
83
89
90
94
93
98
3401
4
6
11
13
17
19
22
25
31
34
38
.48
49
50
53
54
59
60
63
66
68
74
75
79
82
83
87
88
91
96
105
65
105
6#
105
205
Pern.Typ. de M. F. de Fbriac Filho1865.

-



".''I;-' -.

.

s
Diario de Pernambaco] Sexta elra tf de Janeiro de i65.
v


UTTERATORA.
ODE
A' SA3IT1SS11I\ VIRGEK M\E DE DES.
PELO PADRE
, MANOEL AHANCIO DAS DORES CHAVES.
Snela et immacitlata Vvgint-
tas, qutbus te laudibus efferatn'
nescio.
I
Pelos ferros do crime agrilhoada,
Jungida ao carro do anjo dos abysraos,
no misrrimo Ado a triste prole
So divisa va em derredor de si
Um caiaclisma horrendo d'lnfortunios.
De grossa algema os pulsos roxeados
luda soffria a seniles quarenta.
De mil miserias noinsondavel pego,
Em que triste jazia j submersa,
Urna s esperanza lhe restava,
Esperanga feliz, consoladora,
D'essa futura doce 1 berdade,
Desde Isaac transmiltida aos descendentes.
Cumpriu-se oorac'lodos primeiros das : (a)
Urna mulhcr... lingua torpe e impura,
Como t'atrevcs, arrojada, audaz,
A tocar o sagrado nome excelso
Da Mae de Deus, fabricador dos ceas I
Suspende a tua audacia ; nao, nao ouses
Profanar temeraria o nome augusto
Da Filha de Deus Padre I Sira ; contempla
Em profundo silencio a gloria excelsa
Da espoza do Parclito ; mas treme
De manchar com o teu hlito impuro
O templo da Trindade ; e se t'abrasas
Em desejos d'alcar tua voz dbil,
Para cantar as raras maravilhas
D'alta princeza da slrellada esphera,
Pede ao Deus d'Isaias que te qaeime
Com brasa viva os teus iniquos labios (b)
Soberana dos cus, Mae de Deas Summo,
Do sol divino immaculada aurora,
Um reflexode tua luz celeste...
Sahir perteito oineu grosseiro quadro
II
Qu'estrannas maravilhas que contemplo,
Pobre mortal na rica natureza I
Como pomposa a cpula celeste
Brilha a o fulgor dos astros resplendenles !
E bordada se recama
De ntiveos aarifulgentes !
Que de bandas de msicos alados
A etherea regio vastas povam,
Com seus cantos innocentes
Engrandecendo, louvando
O Summo Deas na solido dos bosques I
Cerno se veste o prado vicejante
De floridas boniaas que o matiza ra I
Outros tantos crystaes as verdes folhas
Sao as gottas d'orvalbo criador,
Quando por enlre nuvecs rosicleres
De mandila Ibes dardeja o sol seus raios
L d'uui throno arrebolado I
Sos olbos volvo para o fin das trras,
E das aguas contemplo a mole inmensa ;
S*espraio a vista n'amplidodos mares,
suas ondas, ora furibundas
Vejoquebrar-se no cacboupo immovei ;
Ora a brincar c'os leudos fluctuantes,
Da matutina briza bafejadas,
Pasmado, absorto do riqueza tanta,
Qu'a omnipotencia osteuta do Que ;(c)
Em doce enlevo a sos comigo exclamo :
Maravilda 1 portento inexplicavel I
Cbiuiica exlranha, nova, inconcebivel!
Tirar do denso cabos, caliginoso
A trra, o mar, o cu, e um mar de laz I
Formar do nada o tudo !...
E o meu pensar
Se confunde na idea do infinito,
Minhas vozes no immenso do universo I I !
III
Nada Bzera o Architector dos cus
S fazendo gyrar no vacuo immenso
Tantos milhoes de ses, milhoes de mundos.
E* um ponto no espaco tanta obra...
inda nao m'expliquei... E' nada o tudo
Em relacao ao seu poder inflado.
Um s aceno seu... ao cahos em que era
Luz, trra, mar e cu volver tudo.
Mas nao. Tanto poder do Ente infinito
Nao se limitara a esse obrar.
Elle creou co'a forga do seuQuero
Ura mundo seu, um mundo s p'ara si:
Urna creatura toda singular,
Mais formosa que as flores dos vergeis,
Mais brilbante que o sol, maiorque os astros ;
Na mente do Altissimo creada
Antes qu'a trra e ornar,qu'a luz.qu'o cu. (d)
E o nome dessa rara Creatura,
Ab ceterno por Deus j preparada ? (e)
Nada m'assusta, como o proferir
t As grandezas, os dotes, a excellencia
f O nome de Mara 11 (0
IV
Salve, dos cus, augusla, alta Princeza,
Do desgranado Ado prosapia illesa I
Salve, do Eteroo Esposa, Mae e Filha,
Maravilba
Da huraaa, corrupta nalureza 1
Salve, dos horneas, guia a mais segura,
Cynosura
Dos nufragos na densa escuridade
Da negra, procellosa tempestade I
Do celeste Vergel myslica rosa,
Mais formosa,
Qu'as estrellas, qu'a la, qu'o brllhante,
Formoso pae do dia rutilante,
Cioge-se a fronte excelsa, decorosa,
Magestosa,
Urna croa 'estrellas fulgurante.
Radiante,
O sol te veste ; os ps calca-te a.loa.
Abrangeste em teu seio, dste o ser
Quera conter
Nao podia o cea, trra e mar profundo, (g)
Dste ao mundo
Do teu ventrt sagrado o Homem Deas: (h)
Salve, tres vezes, Me do Rei dos ceas.
V
Bem poderas, Dens, crear rail obras
Co'a toa s vontade.
Mil ceas mais formosos,
Mil ses mais brilbautes,
D'astros rutilantes.
Ura nom'ro sem par
Podras crear.
(a) Ipsa conteret capot tnum.
(b) E tecou a mlnha bocea, e disse : Eis-aqai to-
cn esta braza os teas labios, e ser o ten pecca-
do.(Is., cap. 6, v. 6.)
(c) Ego sam qui am. (Ex. 3, 14.)
(di Ab initio, et ante scecula creata san).
(e) Ab alterno ordmata sum.
(f) S. Bernardo.
(f) Quera coell capere noa poterant too grer '
contulisti.
(b) De rais viseerlbas genai Deam et hominem.
Mil mundos maiores,
MilhSes de cometas,
Errantes planetas,
Homem mais perfeito
Podaras ter feito.
Porm nao podis
Formar creatura
Mais perfeila e pura,
Mais prodigiosa,
Do que a vossa esposa.
Maiores espacos
Podis inventar;
Podis semear
Minares d'estrelias,
Mais claras, masi bellas.
Mais vastas campfnas
Podis dilatar,
E n'ellas plantar
Mais mimosas flores,
De mais bellas cores.
Um aceno teu....
A nm novo abysmo,
A um cataclysmo
Tudo volver:
Mas nao poder
Vossa omnipotencia
| De mais excellencia
; Oulra creatura,
To perfeila o pura,
: era to singular,
Produzlr, crear.
VI
De reis descendente,
De graos patriarchas,
D'altos monarchas
Foi tea sangne nobre;
Porm tao Ilustre,
Foste em Nazareth
Mulher de Josepb
Despresada e pobre.
A Deus dedicada.
S n'Elle pensavas;
A Elle offertavas
O teu puro amor;
O teu coraclo
Caidava smente
Na vinda iraminente
Do tea Redemptor.
Um principe estranbo
O reino eccupava;
Mui prximo eslava
O resgate ao mondo.
Na morte Jacob, i i
Por Deus inspirado,
Tinha penetrado
O arcano profundo.
Sada-te o anjo,
E's cheia de graca, (j)
E a femnea rara
E' em Ti bemdiu : (k)
Compr'hendeste logo
Qu' ias nos salvar,
E o eolio pisar
A' serpe maldita.
Um anjo no Edn
A Eva falloa;
E o gen'ro humano
S'escravisou.
N'uma pobro choca
Um anjo falloa;
E logo Mara
O mundo livrou.
Mysterie sublime I
Arcano profundo I
A vida do mando
De Maria pende;
Mas ella entaoune-se
Ao amor do Pae,
Consente em ser Mae, (I)
E o seio a Deus rende.
Vil
Singular Creatura Fraco, humilde
O misero mortal tua honra excelsa
Deve s contemplar. Nao mais prosiga
Com a sua razao mirguada, escrava
Em descobrlr epithetos pomposos,
Q'a idea exprimo d'alta gloria tua,
D'essa gloria sem par I
Emmudece, mortal, tua voz fraca,
A lingua torpe e impura.
Denomine-a em seus cnticos sagrados
A Santa Igreja Virgem sacrosanta...
De seus tantos preclaros attributos
Apenas um recorda.
Soberana dos cus... tenue imperio
Para a Espesa de Eterno o Grmamento.
l)a la, sol, estrellas adornada___
ira quilate debrilho nao augmenta
Toda do mundo a luz circumfluente
A quem trouxe em seu ventre o Sol eterno,
O immenso Pae das luzes.
Dosanjos a Princeza ah I sua plaua
Tanto s'eleva s altas jerarchias
Quanto dista da trra baixa, humilde
O astro de Saturno.
Emmudece, mortal, tua voz fraca,
A lingua torpe e impura.
Queres om tit'lo preexcelso, augusto?
A Mae de Deus... pice da gloria,
Apogeo do prazer, da dignidade,
Da virtude, da honra, do poder III
Canta, canta, mortal, invoea o nome
Da Virgem Me de Deus.
UM P0UC6 DE TUDO.
Transcrevemos da Estrella do Sul:
OS MOSTEIROS.
i Urna ordera religiosa nma
alma que se envolve em mil ca-
beras, ora corpo que se pode
estender por todos os lados;
urna vida que atravessa os secu-
los. >
(Encyclopedia catholica.)
Os mosteiros, os conventos e'as congregag5e*s re-
ligiosas datara dos ascetas, e estes, de quando em
sua carreira victoriosa e sanguinaria as aguias ro-
manas em suas garras toraaram a Juda e quando
os soldados dos eros e dos Dioclecianos abriram
as portas dos amphitheatros de Roma para a mor-
tandade dos christaos, a egreja primitiva comecou
a estabeleeer-se nos dsenos, e as solidos povea-
ram-se com os (linos do Homem-Deas.
Entreunto, to antigs instituicoes tem alraves-
sado os annos, zombado das tempestades do mun-
do, escarnecido das revoluces do espirito e da ma-
teria ; lera superado o poder consumidor do (em-
(i) Nao se tirar o sceptro de Jada, nem o prin-
cipe qae proceda delle, menos qne nao ven^a
Aquello qae deve ser enviado. K este ser a expec
tacc das gentes.
(Gen. 49,10.)
fj e k) Ave Maria, gralta plena, benedicta tu in
iheribus, etc.
(') Ecce ancilla Domini; fiat in me secundum
veibum tuum.
po, emfim, serapre inbabalaveis, Armes p santas, e
vivero em quanto viver a egreja Extieetas aqoi,
os tyranBos, calcando-as aos ps ali, alnadas por
uns com desprezo, apreciadas por mullios que sa-
bem pensar, elevam-se 'sempre mais billas do ba-
ralho a que o despotismo as tem querido lancar.
Fol Deus quem lh.es iospirou as regrfts,
E' a mo de Deas que serapre as letana, e nao
haver mo de homem qae as abata.
E' fra Je duvida que os conventos tem sido
sempre urna institnico santa, que em todas as po-
cas tem sido sempre um agente poderoso de civlli-
sacaol Os impos, embora neguem, que sehorrori-
sam ante o quadro da virtude e da candado, os ho-
rneas sensatos o reconhecem. Diga embora nm
Vctor Hugo, que o habito, ou a negra eslamenha
do monge no meio das luzes do secuto XIX um
anacbronismo; nos lhe responderemos qae am
anachronismo a impiedde em ani velbo de ses*
senta annos, qne ja corva sua fronte mais para o
tmulo, que para a vida, em um ancio que j
olha mais para o joizo da eternidade do que par2
os applausos de urna socledade coi rompida e in-
sensata.
Digam-no embora talentos tresvariados : a fri-
ca, a America, a Asia, a Europa o a Oceania sao
os grandes livros em qae a humanidade pode
aprender o quanto deve de sua civilisacao e de sua
felicidade aos conventos e aos monges.
Os mosteiros deram ao mundo um Santo Agosti-
nho, am Boaifacio e um Ildefonso.
Foram os monges -que instruirn) a mocidade-
quando tudo era ignorancia e barbaria; que se sa.
crificavam pelos enfermos e pelos in elizes, quando
tudo era desolacao e mortandade: foram elles que
adiantaram a sciencia em todos os i irapos.
Os mosteiros foram a arca santa que recolheu
todo o saber na poea em que os barbaros invad"
ram e inandaram a Europa.
A physica e a astronoma qne o dlgam quanto
devem Scbeider, Clavius, Ganbejl, Grimaldi e
Larra : as sciencias histricas a l'etau, Daniel,
Charlevoix e outros : a theologia aos Soarez e
aos Vasques.
Foram os conventos qae aprsenla ram modellos
de perfeicao evanglica e martyres g oriosos, como
Salderon, Claver, Rodrigues e outres muitos: e foi
delle que sahiu esse S. Francisco X; vler, que em
dez annos converten em cincoenta > dous reinos,
em orna extensao de tres mil leguas, ara milho
de Mahometanos e idolatras. Os nv nges soccor.
reram a pobreza, e abrigaran) os hojnens da men-
dicidade e da morte, e pratlcaram a caridade com
um zelo nunca visto em outros horneas.
Elles foram e ainda sao os mission irios qae, ro-
deados de todos os perigos, se atiran i ao meio dos
bosques e das brenhas sem receio, >ara pregar a
palavra divina.
Os mosteiros sempre apresentarara e ainda hoje
nelles se v, a pompa e o brilhamism > do culto, de
envolta eom a unecio, a piedade e a rirtude. Ah '
nao decidan) portento, smente por c limeras e por
fal|os jaizos, os homens que tudo de rem sordens
religiosas: entre o observador nes^es estabeleci-
mentos, atienda a vista dessas ere turas, estude
bem e dir comnosco : sao elles, qc e transmittem
mocidade as luzes as mais puras; >o es monges
que melhor inspiram juventude as virtudes as
mais heroicas, o desinteresse, o res peito s leis, a
dedicacao patria e familia : sao elles que mais
comprehendera e observam o esplrilo do sacrificio
abdicando todos os prazeres para bi m da humani-
dade e para orar a Deas.
Esse que entrar em um convente, observ bem,
e dir como Chateaubriand que os monges, essas
doutas gerages manietadas aes | s dos altares,
encerrara toda a sua vida nos estud aos obreiros sepultados no fundo dj minas de ou-
ro, que enviara para a trra thesouros e riquezas
de que elles nanea frniram. >
Observe bem e inclinar a fron e roncad mra-
dlnheiros, langou-se repentinamente a elle, queren- a ninguem; e as ultimas vontades dos moribundos
do-o estrangular com as maos,-se lhe nio pagasse
logo o que.lhe devia, e o mandou laogar na cadeia
at que lhe pagasse I...
Este inlqno procediraento irriton sobremanera o
to sagradas entre os povos os mais barbaros, na
da mais vem a ser do que o ultimo eMrondo de
urna machina qae se dissolve.
EmQm, para todo dizer era ama palavra, se tudo
rei, como era de justica, mandando-o vir sua hade raorrer com o corpo, as leis sao ama escra-
1 presenca, e lhe exprobou a sua pessiraa aegao, -di* vido insensata, os res e os soberanos, phantas-
zendo-lhe :
seductora, com o sea seductor traje da ne-
glio.
A face tem-n'a poasada sobre a mo direita,
aonde cintila am brilhante, engastado era annel
de oap>.Os olhos claros e amortecidos cravam-se
sobre as suas florionas estimadas, e o pensamen-
to voa-lhe de ama a outra das suas amantes inno-
centes.
Olha o malmcqoer e parece querer com aqnelle
mas criados pela fraqueza dos povos, a jastica se- olhar prescrutlnador contar as folhas donrdas da
Ma servo 1 En te perdoei toda a divida por [* um* usur''f ^^'riraento da liberdade, a ^m^*"* "* .balbac,rem
que m'o pediste*; e nodevias tu assim obrar pa. ,e' |o eMmenio am vao escropulo, o pudor ara S^.!!t^^^..f^""^t
racomteacorapanheirol E's indigno de mnha preju,zo' a hora,e ^Prob.dade vaos sonhos, os ia- ,reme,-de5anima, call,-se l-Tem raedo qae a
cestos, os parricidios, os horrores todos serao brin- magia da flor lhe destra ama esperanga, a que a
eos da natureza e noraes inventados pela poltica dama quer muflo"
compaixao.
Assim indignado o entregou aos executores da
justiga, para pagar toda a divida !
gao e respeilo, como fazia o grande
de Fenelon.
Leibnitz diante
Sobre o evangelho de S. Matheai, capito 18 v.
23 a 23 E'assim que meu pae celeste vos ha
de tratar, se nao perdoardes a vos :o prximo de
todo o corago escreve o Cruze ro do Brasil o
seguate :
Deus nos tem enriquecido mais ou raen9s dos
thesouros de sua graga, e esses doop sao verdadei-
ras dividas que contrahnos cora el e, e de que ella
nos ha de tomar restrictas contas.
O que ser de nos, se, como aconWeu ao servo
de que faz menso o evangelho de hoje, formos
tambem chamados repentinamente a prestar contas
de todos os dons com que Dens ste tiver dignado
enriquecer-nos T
Que desculpa lhe daremos para justiticarmos o
tempo que perdemos, as palavras irateis que temos
proferido, as murmuragoes, os jaizos temerarios
que temos feito do nosso prximo, las nossas irre-
verencias nos lugares sagrados, de tantas dlstrac-
c5es volnntarias as nossas oragCes, de tantas gra-
gas perdidas, de nossos -atentos d )s quaes temos
abusado, dessas riquezas qae indevldamente temos
dissipado, em vez bres?
Oh I que immensa que a nossa divida I Como
solver to extraordinario debito? E que castignos
espera por lanos disperdiclos ?
Mas o servo do evangelho, tao ileangado como
se ada em suas contas, devendo ItO.OOO talentos
nem por isso se desanimoa, antes 'confiado na be-
nignidade qae podiara produzir iuas lagrimas,
prostra-se aos ps do rei, de quem poicamente Iha
podia vir a indulgencia. .|
Elle n5o espera a hora de ser chamado a con-
tas ; pelo contrario, aotecipa-se e vao prostar-se
aos ps do rei, os banha com suas irdentes lagri-
mas, e tanto bastou para lhe ser a divida per-
doada.
Nao poda o Divino Mestre pintar mais ao vivo o
valor de ama grande ddr dos peccados, e os efleitos
de nma profunda hnmildade 1
Foi nma dr semelhante qae salvou a Magdale-
na ; foi um verdadeiro arrependimento que livrou
a adultera, nao s de nao ser apedrejada, segando
detorminava a le, mas ainda a declaragao do que
seus peccados lhe erara perdoados, dizendo-lhe Je*
sus Christo :
Onde estao os que vos accosavam, mulher !...
Ninguem mais vos aecusa ? (Tinhanji-se retirado
logo que o Senhor lhes disse : o qae se adiar sem
peccado atire-lhe a primeira pedra, a se poz a es.
ere ver no chao.) Nem eu te acenso ; vae, e nao
tornes a peccar.
Deus est sempre prompto para perdoar-nos,
verdade; mas devemos ter multo na memoria, qne
se o evangelho nos pinta a facilldade com qae po-
demos obter delle o perdo de nossas dividas, tam-
bera nos figura, no prtteedimento desse mu servo
para com os seus companheiroa que igualmente
lhe deviaro, a condigo principal com que o conse-
guiremos.
Este servo assim perdoado, pouco adiante encon-
trndole cora seu companheiro qae lhe devia cera
des legisladores. 0lna, amor, Pepito. Tem j olvidado o pobre
" do malmequer I
Eis a que se reduz a philosophia (setal nome Sorri, gosta, afaga-oe..............beija-o por
i 3aeJeri*,vel emP|0 Para a,luelles 1ue ,m- Pode merecer) de cortos senhores materialistas; Am I ^
eis esta forga, esta razao, esta sabedoria que nos 0' a "0,riD!)a,bem feIiz ,
., Mas a felicidade como os relmpagos: apparece
veem mu.tas vezes gabando. brilhante, e desapparece veloz. 8 ^
Concordemos com suas mximas, e o universo Ao p do amor perfeito est o alecrim.
inleiro ir parar em um horrivcl cahos, ludo ser A dama enla0 volve pensaraento para nma
strophe, que na sua mais tenra primavera lbe
ploram de Dens a sua misericordia, mas guardan
do em seus coragoes o rancor, o odio e o desejo de
, vingang.) contra sea prximo, sem lhes querer per
j doar as offensas por amor daquelle mesmo que es-
t, sempre prompto a perdoar, e que sempre nos
diz :
Peidoai, e seris perdoados. A medida com
que medirdes ao vosso prximo, seris por essa
mesma medida. Se vierdes ao altar com vossas
offerendas, e ahi vos lembrardes de que tendes al-
guma cousa contra vosso prximo, ide primera-
mente vos reconciliar com elle, c depois me fareis
vossas offerendas, isto 6,< a offerla de vossos cora-
goes. Perdooi e seris perdoados; se nao perdoar.
des a vosso prximo, eu nao vos perdoarei.
Comprehendaraos o interesse que devemos ter
em perdoar aos nossos semelhanles, em attengao
abselvigo de todos os nossos peccados, e amiza-
de que contrahimos com e nosso juiz severo.
E' elle quem nos prescreve este mandamento.
Todos nos somos servos deste grande rei qae nos
remiu no Golgotha cusa do seu precioso sao-
gue.
Reconhegamos, pois, essa nossa condigo servil
para ao menos nos humllharmos em sua presenga,
e cumprirmos puntualmente com os seus manda-
mentos, e nao nos acontecer sermos castigados
como foi o mu servo do evangelho.

Oui, Platn, tu dis vrai : notre ame est immortelle
C'est un Dleu qul lui parle, unDieuqui vit en elle-
Je te verrai sans ombre o vrit celeste 1
Tu te caches de nons dans nos jours de sommeii :
Celte vie est un Songe, e la raort un revell.
Voltaire.
Experimenta-se um sentimento de dr quando se
pensa em certos homens inimigos de tudo o que
esplritualismo, homens qae prefercm rebaixar-se
com a natureza inteira, attribnindo a propria ori-
gen) ao acaso, ou a urna cega necessidade, antes do
que se resolveren) a considerar as facoldades es-
pirilaaes de que gozam como um tenue esbogo da
soberana, divina inteligencia.
Querem estes tristes a eternidade para o p de
qae se dizera emanados, emquanto negara a ira-
mortalidade ao espirito, ao pensaraento.
Assim e em logar de se servirem de seu ta-
lento para concorrerem a diffnso das verdades
consoladoras qae nos sao caras, pelo contrario ln-
gara mo de todos os raeios para combate-las, e
com requintada astucia procurara por todos os mo-
dos atslhar o effelto das instituicoes destinadas a
fortificaren) as rectas inclinagoes de nossa natu-
reza.
Vemos infelizmente estes mal chamados espiritos
fortes, antes se materlalisarem de propria escolha,
do que se elevaren) pelas luzes de sea genio, e nos
arrustarem com elles para o carainhe da esperanga
e da felicidade.
Entretanto, que honra lhes pode caber desta su-
penoridade de talento, de que se vio gabando, se
tudo isso nao mais do que o resultado de um
crescer semelhante ao crescer dos animaes e das
plantas ?
Que nobre orgulho podem elles mostrar de seu
entendimento, se este, longe de se perder de algum
mode no entendimento infinito de Deus, e de se
unir algum grande destino, est intimamente li-
gado a esta frgil machina do nosso corpo, que de
todos os lados vacilla, e que cada dia e a cada mo-
mento melte era risco a durago?
Mas nao, tudo nao se acaba cora o corpo.
Quando nao tivesse outra prova da iraraortalida-
de da alma, exclama o proprio Rousseau, seno o
triumpho do malvado e a oppresso do justo neste
mundo, isso s seria bastante para eu nao duvidar
mais desta verdade.
Urna dissonancia to viva no meio da universal
harmona me obrigaria a buscar urna resolugo, e
eu respondera a mim mesmo.
c Tudo nao acaba para mim com a vida, tudo
entra na ordem a morte. >
Esja. vida um sonho, dizia tambem o patrar-
i dos
cha dos incrdulos nos seus lucidos intervallos, e
a morte o despertar.
Ora, quem acorda est morto ?
Nao.
Quera acorda vive.
Tudo nao se acaba pols com a morte, nem tudo
morre com o corpo.
Se tudo se acabar com a morte, precisa ento
que o universo tome outras leis, outros costumes,
outros usos, e ludo mude de aspecto sobre a
trra.
Se tudo morrer cora o corpo, os principios da
equidade, da amisade, d honra, da boa f, da gra-
tido, nao sao mais do que erro populares.
E o que deveriamos nos a homens que nada sao
para nos, aos quaes nenhum lago de culto e de es-
pranos nos prende, que ho de recabir amanhaa
em o nada, e j nao existindo mais ?
v
Se tudo morrer com o corpo, os doces nomes de
fllho, de pae, de amigo, de esposo so.pois nomes
de scena, e vaos ttulos que nos illudera T
A affeigo mais terna, a amisade mais sincera e
baseada na mais pura virtude, nada disso ser um
circulo daradouro, pois nossos paes, que nos pre-
cedern), nao existem mais.
Os nossos Albos nao sero nossos successores ;
porque o nada, tal como nos viremos a ser breve-
mente, nao tem nem pode ter continuagao.
A socledade sagrada do casamento se reduz a
urna uaio brutal, da qual, por um fortuito ajua-
tamento, sahem seres que se nos asseraelbam,
mas que s teem de commum comnosco o nada.
O que mais direi ?
Se todo morrer com o corpo, os annaes domes
ticos e a continuagao de nossos predecessores nao
sao mais do qne urna serie de coimeras; porque
nao temos avs, e posteros nao ha vemos de ter.
Os co: dados do nome e da posteridade sao, pois,
frivolos; a honra que se presta a memoria dos ho-
mens Ilustres, um erro pueril, pois rldicule
honrar o que nao existe.
E a religiao do tmulo ?
A religiao do tmulo ama illusao vulgar, as cin-
zas d nossos avs e de nossos amigos um vil p
que pde-se tancar ao vento, qne j nao pertenc6;
confuso sobre a Ierra.
Concordemos com suas mximas e (odas as ideas
do vicio e da virtude sero destruidas, e a disci-
plina dos costumes de todo se acabara'.
Concordemss com suas mximas, e o governo
dos imperios o dos estados Acara' sem regras, e to-
da a harmona do corpo poltico sera' destruida.
Emfim, concordemos com suas mximas, e o ge-
nero humano Acara' sendo urna multdao de insen-
satos, de impdicos, de velhacos, de barbaros que
nao tero oulra lei senao a forga, outro freio seno
suas paixes e o receio da autordade, outro Deus
seno elles mesmos.
Ahi esta' o mundo dos sabios materialistas.
Se um plano to medonho, de to medonha re-
publica a afguem agradar, forme, se fr possivel,
urna socieaade destes homens monstruosos.
G que lhe podemos dizer, que bem digno seria
de oceupar nesta repblica um distincto lugar.
O QUE E SER CHRISTAC.
Soes chnstao, nao verdade, meu charo leitor'
Ora apesto que nao sabis bem o que ser chns
to. Respondei-me com a mo na consciencia; e
quando acabardes de ler esta pequea pratica de
hoje, dizei-me se nao advinhei.
Mas, se por ventura me engao, desde j vos
pego perdo de mnha presumpgo, e longe de vos
querer instruir para o futuro, desejare ser ins
truido.
Ser christao uo como julgam algaraas pes-
soas de consciencia Urga, nao matar, nem roubar
ninguem. Isto apenas nao ser um malvado.
Ser Christao nao simplesmente ser bom pae,
bom marido, bom Alho, bom operario, homem la-
borioso e probo, bom companheiro, etc., etc. Isto
apenas ser um homem honrado ; ora ser christao
mais alguma cousa do que ser am homem hoo-
rado.
Ser christao tambem nao respeitar a religiao
e julga-la grande o til, recoohecer que o chrislia
nismo tem inspirado grandes cousas, etc., etc. Isso
ser am homem de rectido no pensar, de bom
senso e illuslrago. Para so fazer urna tal apre-
ciarlo, basta qne se seja superior aos prejuizo-
grosseiros e aos sarcasmos sedigos de urna philos
sophia de botequira.
Finalmente ser christao nao contentarse cada
nm com certas praticas exteriores, taes como as-
sistir regularmente missa, comer de magro e
mesmo ir confessar-se, etc. Estas praticas, com se-
ren excellenies, nao sao todavia mais do que meios
de cada um se tornar e ser verdadeiramente
christao. .
O que ento a vida chnsta ? O que ser ver-
dadeiro christao.
Um christao um homem baptisado,que er
de todo seu corago o que lhe ensinam, da parte
de Jess Chrtsto, o Papa e os bispos, encarroado*
pelo Salvador de ensinar ao mundo a religiao
chrislaa ; que observa, tanto quanto o permute a
frauueza humana, os mandamenlos de Deus e as
leis da Egreja, e que cuida de imitar com a maior
perfeigao possivel a tutu Christo, seu Deus, sen
Salvador e seu modelo.
Um chrislo um homem, que ama a Deus ci-
ma de todas as cousas, que prefere ludo a offen-
de-lo, que detesta o mal nss outros e ainda mais
em si proprio ; um homem que ama e pratica o
bem, que combate com energa e perseveranga as
suas ruins paixes, e que, apezar de sua viciosa
inclinago, as mais das vezes muito forte, casto,
humilde, mooV i doce e compassivo, indulgente
para com os deleito dos outros, paciente e re-
signado na desgraga.
K nm homem piedoso, que tem sempre diante
dos olhos a Jess Christo, para o imitar em sua
vida e tirar della ligoes de todas as virtudes. Per-
da a seus inimigos, como Jess Christo perdooa
aos seus. Passa a vida como Elle, na pratica do
bem. Ama todos os homens e principalmente os
pobres, os desvalidos e os pequeos. Na prosperi-
dade, desprende-se dos bens da trra, em vista dos
bens, nicos verdadeiramente desejaveis, da eter-
na patria. Na pobreza e as trlbulagoes, vive re-
signado e nao perde a esperanga. Lembra-se que
depois das dores do Calvario vem logo a alegra da
resurreigi e que a Cruz a escada da gloria.
Em urna palavra um christao urna copia viva
de Jess Christo, um homem que ama o que Je-
ss Christo ama lmbem, que reprova o que Jess
Chrtsto reprova, que julga de todas as cousas como
Jess Christo julga ; d'alguma maoeira um ou-
tro Jess Chrtsto coovivendo comnosco.
Tal o verdadeiro christao, taes devemos nos
ser, caros leitores.
Nao ha situi.go na vida, em que se nao possa
ser christao. A pobreza ou a riqueza, a saode ou
a doenca, a mocidade ou a velhice, nada fazem ao
raso ; todos nos podemos e devemos ser homens
de f, e regular a nossa vida pelo modelo que aca-
bamos de es bogar.
Somo-los nos t Temos porvenlura essa humilda-
de, essa dogura, essa siraplicidade, esse desinte-
resse, essa pureza de vida, que formam o espirito
christao ? A nossa consciencia que responda I Ai
de mim I A minha nao est raaito segara, e a
vossa ?
Tenhamos pois animo e esperanga, preciso que
nos convertamos I Pagaos talvez at hoje, trne-
nlo nos christaos I
Se a nnssa fraqueza nos atemorisa com estes
grandes deveres, recorramos ento ao poderoso
auxilio, que a Misericordia Divina depositou no
seio da egreja. Resemos, frequentemos os sacra-
mentos, vamos bascar na confisso de nossos pec-
cados o remedio do i assado, e na sagrada com-
muoho a forga para o futuro. Expurguemo-nos,
do que ha de mu em nos, por amor de Deus ;
vale bem a pena, e demais esta vida passa to de-
pressa I Trabalhemos emquanto dia ; feliz aquel-
lo que fr fiel; depois de algumas horas de fadi-
gas e de combates, aos trabalhos de mortiAcacdes
de urna Cruz passageira succedero as infinitas e
maravillosas alegras promettidas pelo Salvador.
Do Boudoir transcrevemos o que segu i
AS SBNHORAS F. AS FLORES.
As flores nasceram sem duvida para as da-
mas I Parece que o Creador quiz adequar sua
obra mais mimosa, mulher, essas perfeigec,
qne sao um conjnncto de gragas, de mimos, de
agradibilidade.
As flores sao, no boudoir de nma senhora as
suas amigas queridas, as suas confidentes, o sea
enlevo, sao-lhes.................... ludo, na falta j
dos seas edeas de amor, dos seas amados do
corago.
Vejamos pois este ramalhete Ha aqui nmj
malmequer, nm amor perfeito, am bocadinho de
alecrim, um rarainho de murta e una folba de
herl
Acha-se, o raminho dispesto simtricamente
de porcelana dourada,
ensieoo a sua creada do quarto:
< Quem pelo alecrim passou
E um raminho nao colnej,
D'um amor, que todo sea,
Com certeza se olvidou. >
Ergue-se pressurosa, corta um basteasinba
da flor memorativa, e colioca-a no peito, sustida
pelo alflaele qae prende o franzido do alvo pen-
leador.
Este alfinete qnasi sempre ama setla, ou
outra qualquer exquisitice, porque as senhoras
que amam, rogem com horror das trivialidades de
um ailineie de cabera espherica.
enllocado pois o alecrim na dlstincgo que lbe
devida, cabe ao rarainho de murta a sna vez de ser
contemplado.
Disse um poeta da antiguidade, qne era sob os
os ramos de certa murta, que o magano do
Capidinbo costumava ir fazer as suas travs-
su ras.
Ficou portante a marta considerada simblica
do amor.
A dama que nao desconbece estes caprichos da
imaginacao dos amigos poetas, lerabra se escutar
o corago................ Cbega a convencer-se
de que o Deus tentador Azera das suas, naquelle
momento II
Julga sentir crescer-lhe a alma, arfar com maior
violencia o corago, tocar as raias da crenca, forta-
lecerse de f, e................e nma rainha que
nao teme azares, em um reinar de seotimentos, no
imperio das affeigoes I
Este estado, porm, tem como todas as fantasas
a sua era de decadencia.
L est a hera ao p da murta 1 O prestigie qae
os poetas deram a ama flor para o amor, deram
outra para a amisade 1
Nao sei por que chamaran) hera a flor da
amisade 1
A dama ainda medita na signifleacao da flor,
nessa affeigo santa, que muilas vezes o porto de
fundeadouro, depois de um navegar procelloso e
dillcil, de oppostas sensagdes.
As senhoras, sao na maior parte excntricas
as cousas do corago : -lhes diCQcil a substi-
tuigao do sentimento Impetuoso das esperancas,
pelas ligagoes d'alma aos los menos dissoluveis
da amisade I
Nao sei se teem rzo..........Acara isto ainda
considerado ponto de duvida para mim............
Vv Exmas. minhas senhoras, consentem, nao
assim 1
As florinhas do ramalhete tiveram, pois, a sna
homenagera. Ouvirara muitos suspiros, levaran)
alguns beijos de escaldar, e.................quem
sabe? talvez escutassem algum segredinho bem
interessante I
Se ellas nasceram para as senhoras......
Mas apesar disso................amanhaa sero
laucadas, j seccas, sem gragas, para o barril do
lixoll
Coitadinhas II

COMO A SENHORAS CONHECEM OS EMPREADOS
PBLICOS NO CLUB.
Sujelto gordo com oculos,
collete bem engommado,
grande grvala de loiga,
caiga estreilap pesado,
na camisa um girasol
de brilhantes, por botio;
saboreando um gelado
e a fallar cero nm baro;
que nao dansa e olho torto
p'ra quem lhe d........senhorut,
offlcial maior
de qualqaer secretaria.
Hum homem perfeito, e magro,
de risca apartada atraz,
bigode branco, e maneiras
de um elegante rapaz;
bella luva de Barn,
e casaquinha de Keil,
que dansa bem os lanceiros,
que trata por Adalgos
e collegas conseiheiros;
que mete a mo gentilmente-.........
com chic ..... a uem vessa excellencias,
que che fe de gabinete
Individuo mui risonho,
suissa sena, no dedo
um annel de pedra Ana,
destes qae nao metem medo;
que falla affavel com todos,
que respeita o mogo e o velho,
que o mesmo que fol aotes
de ter carta de cooselho;
Hue falla bem o francez,
sem ter presumpgo de si,
e que s l por fineza
vae fazer um......vis--tis:
nao pode do valimento
fazer o menor mysterio,
Por forga (era influencia,
em um qualquer ministerio.
Sugeito de meia edade,
bigode que tem debaixo
Urna mosquinha pequea,
qne at engragada tu acho.
Olhar vivo, sempre em cifras
a fallar constantemente
que a distribuigo de fundo
nao se lhe tira da mente,
que toma o cb muito bem,
e que inculca ler talento,
chefe que se v grego
com o molino... orgamento.
Rapaz qae ao p das senhoras
conversa, r, que sei en 1
que pede leque emprestado.
e pega bem no chapeo ;
que elogia o ra mi lentes
que diz finezas banaes,
que a vanea at que as... Camelias
rescendem como os rosaes ;
que traz papelnho e lapis
paia depressa assenar
o par de una contradanga,
que ainda ha de ser sea par...
?ue toma grogs, sorveles,
sempre muito deseja
dar sua namorada
urna rosa da bandeja...
E' segundo offlcial
que foi feito por concurso,
e namora com desfarce
para nao passar por urso.
Janotinha muito magro
com cara cor de linio,
que walsa urna noale inteira
para arrorabar o pulmo ;
sapato de polimento,
luva que at de aperlada
est as raaos e nos dedos,
completamente estallada;
Cadeia de pechibque
sendo a cebla de prata,
que sempre n'um corredor
as horas ver elle trata,
que as damas gostara de-onvi lo ;
mas nao lhe aceilam a corle,
embora mui delicado
e rapaz de bello porte
6 que lhe adevinham log
o ordenado qae vence
e coonecem pela magreza
ser aindaamanuense.



'




em jarra de porcelana dourada, sobre urna ban-
quinha situada diante de am dirn.Ali est re-
recostada e em medilacao a dama formoso e PERNAMRUCO.TTP,D M, F. DEF.&FILHO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ER5KLS8LZ_XWE2YP INGEST_TIME 2013-08-28T01:33:00Z PACKAGE AA00011611_10579
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES