Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10577


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO ILI. NUMERO 20.

Por qnartel pago dentro del Odias do 1. mez ..;.*. : 5$G00
dem depois dos 1.os ludias do com ero c dentro do qnarlel. 6$000
Porte ao correio por tres mezes ..*,,...,>.,,:. 750
QARTA FEIRA 25 DE JANEIRO DE 1865.
Por anno pago dentro de 10 iias do 1. mez
Porte ao correio por um anno.......
?
19J000
3J000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Al ves &
Filos; Amazonas, o Sr. Jerooymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL.
. Alagoas, o Sr. Claudine FalcoDias; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio do Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro Gasparinbo.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Agua Prcta, todos os das.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhons, Buique, S. Bento, Bom Con-
seibo, Aguas Bellas e Tacarat, na? trras feiras.
Pao d'Altao, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesquefra,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury.Salgueiro e Ex.nas quartas feiras.
Serinbem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas feiras.
liba de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas parlera ao meio dia.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE JANEIROj
4 Quarto cresc. as 1 h., 22 m. e 52 s. da t.
11 La cbeia as 8 h. 40 m. e 10 s. da t.
20 Quarto ming. aos 16 m. e 52 s. da ni.
27 La nova as 7 h., 10 m. e 46 |. da m.
PARTE OFFIGIAL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 21 de Janeiro de 1865.
Offlcio ao coronel commandante das armas.
Declarndome o inspector da theiourara de fa-
zenda em offlcio de 18 do correle que autonsara
o da alfaudega a mandar fazer os pequeos repa-
ros de que necessita a casa da guarda da mesma
alfandega, mas que a despeza com uiencillos para
a mesma guarda devia correr por .-otila do minis-
terio da guerra, resolv nesta data autorisar o di-
rector do arsenal de guerra a fornecer os referidos
iteucilios : o que co;nmunico V. S. era resposta
juramento ao majar commandante do esquadro de
cavallaria da guarda nacional do municipio do
Rio Formoso Presciano de Barros Accioli Lia?,
visto como foi elle nameado para esse posto pelo
governo de S. M. o Imperador, e V. S. nao com-
pete aquilatar a legalidade de sua nomeacao, R-
cando certo de que nb pode deixar de defer-lo ao
procurador do mesrao major, porque os juramen-
tos iambem se prestam por este modo.
Espero que me participe haver cumprido esta
ordem, pois fago de V. S. conceto to vantajoso,
que suppon'iio nao querer fazer exigencias que
possam ser interpretadas como effeito da ma von-
tade para com o referido major a ponto de deixar
de dar execugo s determinages desta presiden-
cia, como aconteceu cora a do mea antecessor.
Dito ao director do arsenal de guerra.Remello
incluso com copia do offlcio do coronel comman-
dante das armas de 18 do correte o pedido em
de na presente ordem do da, nem s ap offlcio que : Art. H. Gozara de todas estas vantagens aquel-
na dala de 20 recebeu do Illm, e Exra. Sr. desem-
bargador vicepresidente da provincia, comj ao de
creto n. 3371 de 7 tudo do corrente mez, autori an-
do a creago dos cor pos denominadosvoluntarios
da patriapara o servigo de guerra.
De todos sao j sabidas as razoes que levaralm o
governo de S. M. o Imperador a decretar essa me-
dida.
Ellas assentara na obrigacao em que est de
sustentar as fronteiras do sul, a honra, digoidade
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relago: tergas e sabbados s 10 horas.
Fazenda quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas. .
Dito de orpbos : tergas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara docivel: quartas e sabbadcs a 1
hora da tard?
DAS A SEMANA.
23. Segunda. S. Ildefonso are; S. Emerenciana m
24 Terca. S. Timotheo b.; S. Marrolioo in.
2o. Qurta. S. Anacas; S. Juvenlino m.
26. Quinta. S. Polycarpo b. m.; S. Theogcnes m.
27. Sexta. S. Joo Chrysoslhomo b. doul. daegr.
28. Sabbado. S. Goncaio de Amaranto dominic.
29. Domingo. S. Adelclmo ab.; S. Martinha v. m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 hora e 54 m. da tarde.
Segunda as 3 horas 18 e minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 1 i e 30; para o norte
at a GraBJa a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos das 14 dos mezes de janere, margo, maio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel FigueirOa de
Faria & Filho.
les que na corte e provincia do Rio de Janeiro se
apresenlarem dentro do prazo de 60 das, as pro
j vincias mais prximas no de tres, e as mais re-
! motas no de quatro mezes, contados da publicago
! deste decreto as respectivas capitaes, os guardas
, nacionaes aos commondantes superiores, e onde os
! nao houvr aos commandantes dos corpos, e os ou-
| tros voluntarios aos commandantes que o governo
designar.
Art. 15. Ficam provisoriamente revogadas as
e integridade do imperio, conculcadas pelas ijepn- disposicoes em contrario,
blicas visinhas, Oriental e Paraguaya. Os meas ministros e secretarios de estado dos
O coronel commandante das armas est convido negocios das diversas repartig5es assim o tenham
de que quando o estrangeiro pollue o slo sagrado "entendido e facam execntar.
da patria, os sacrificios de seus fllhos somete se | Palacio do Rio de Janeiro, cm 7 de Janeiro de
devem medir pela magnitude e santldade da causa 1865, 44" da independencia e do imperio.
Primeira parte.
De Camela s Cachoeiras.
I
Falta de meios de conduegao; recommendagoes e
conselhos sem proveito; grande mortandade no
Tocantins. A commissao obtem auxilios ines-
perados. Camet : creacao e descripgo des- casas de commercio.
ta cidade.Mucajuba : descripgo e estado d'es-
ta freguezia. Bayo: historiada fundagao des-
ta villa ; sua descripgo; productos naturaes e
industriaes do seu municipio.Auxilios do sub-
delegado da villa e do inspector.de Malacu-
r. Toma-se um pillo.Subida da cachoera
das Guaribas.Impossibilidade de continuar a
viagem.Regresso a Camet.
das fa-
A cidade conta actualmente 53 casas de negocio,
como mostra o quadro segrate :
ESTRASGEIRAS.
Lojas de fazenda.
Tabernas .
Quitandas .
Boticas ....
Somma
m
12
9
9
1
31
a
co
a

10
6
1
17
a
O
4
1
I
a
S
25
16
9
2
"56
ao seu offlcio n. 2,248 de dezemb-o ultimo.Auto
risou-seoorneclmeatode taes objectos, e comma,; daP'.icaja de livros para esenpluragao da enfer-
nicou-se ao inspector da thesouraria de fazenda. i maria de menores desse arsenal, para que > me.
Dito au mesmo. -Ficamexpedidas as convenien-! rubricando como solicita o meino coronel, man-
ts ordens, como V. S. solicitau em seu offlcio des-, de fornecer os referidos l.vros.-Loraraunicou-se
ta data nao s para que a thesouraria de fazenda I ao predito coronel e a thesouraria de fazenda.
ajuste contas at o Qm do mez corrente, e p,e Dito ao mesmo. Approvo a deliberacao que
guias de soccorrimento ao capillo Manoel Jos da Vmc., segundo o seu offlcio n. 167 de 19 do cor-
Fooseca Lyra, e ao alferes Francisco di Fonseca ">!, toraou de mandar admitur a Jos Patricio
Figueiredo, mas tambera para a agencia da compa-
nhia brasileira de paquetes dar transporte para a
crie ao referido alferes e ao 2 cadete Israel An-
tonio dos Santos Vieira : o que declaro V. S.
para seu conoeimeuto. Fez-se o expediente de
que se trata.
Dito ao mesrao. Deferindo o requerimento do ''
msico do 4 batalho de artilharia a p Umbel'rao l
Theodoro da Silva, sobre que V. S. ioformou em
yeu offlcio n. 147 desta data, o autoriso a maodar
dar-lhe baixa, aceitando drn seu lugar para fatis-
fazer o lempo complementar de servgo o paisano
Manoel Antonio da Penha, que est as condigoes
do regulamento de 28 de setembro de 1859, segun-
do consta do citado offlcio.
Dito ao mesmo.Para que possa resolver acerca
do fornecimento de 100 armas e igual n. de cor-
reiames, que V. S. solicitou em seu offlcio n 131
de 19 do corrente, para a ala esqierda do 2 ba-
talho do infantina da guarda nacional deste mu-
nicipio actualmente destacada nesta capital, faz
se preciso que V. S. se sirva declarar-me se julga
de Carvalho como offlcial da offleina de 5* classe des-
se arsenal, com o jornal de 1600 diarios, visto ser
i necessario para apressar o fornecimento de objec-
to destinados ao quarto batalho de artilharia a p
e nono de infantaria, devendo esse offlcial ser des-
pedido do servigo logo que cesse semelhante ne-
a que sao chamados a defender.
Pernambuco, que as paginas de sua historia, v
com orgulho registrados os mais brilhantes feitos
d'armas, e pravas asss concluientes de abnega-
gao e de sacrificios de toda a especie, quando em
eras remotas expellio de suas plagas as cohortes
batavas; Pernambuco que tomou activa parte nos
campos do Piraj para llrmar como foi firmada, a
nossa emacipago poltica; Pernambuco que tem
visto correr o sangue de seus Qlhos em deeza da
ordem publica e das instituigoes juradas na sna
mesma provincii, as do Para, Maranho, Cear,
Babia e Rio Grande do Sul, por certo que nao ser
indilerente da presente coDjunctura ao reclamo
da patria.
E pois o commandanto das armas, bazeado em
Chegando a Camela no dia 10, em vez
ciudades que d'aqui se nos annunciava cnconlra- As tendas de oflicios mchameos all existentes.
Com a rubrica de S. M. o Imperador.Francis- ; mos os maiores embaragos para o desempenho da sao quasi todas mal servidas, tanto no material co-
co Jos Furtado.Jos Liberato Barroso.Carlos commissao. io no pessoal. Ellas constam da seguinte relago :
Carneirode Campos,Joo Pedro Das Vieira. A presidencia havia offlciado ao coronel Cardoso Oficinas. Brasileiras. Portuguezas. Somma.
Hennque de Beaurepaire Rohan.Francisco Xa- d'Andrade, que commandante superior da co- Alfaiates
cessidade. Communicou-se a thesouraria de fa- to honrorosos precedentes do brioso povo pernara
bucano, em nome do governo convida ios cidadaos
Dito ao mesmo.A' vista da sua informigo nu-
mero 166 de 19 do corrente, concedendo por des-
' pacho desta data os 15 das de licenga com venc- que quizerem prestar to valioso servigo, que se
1 mentos que solicitou o contra meslre da offleina apresentem no quartel do commando das armas
de carapma desse arsenal Joao Luiz de Carvalho,! onde sero recebidos todos os dias das 9 da ma-
vier Pinto Lima.Jesuino Marcondes de* Oliveira
eS.
Assignado. Jos Joaquim Gonr.alves Fontes.
Conforme.O capillo J. F. de Maraes e Vascon-
celos, ajudante de ordens interino do commando.
INTERIOR.
a se alistarem no corpo de voluntarios da patria,
que se vae crear nesta provincia, e pede aquelles
PARA.
RBLATORIO DO SECRETARIO DA PRESIDENCIA DA PRO
VINCIA, RELATIVAMENTE NAVEGABILIDADE DOS
ROS DESSA K DA PROVINCIA DO AMAZONAS.
para tratar de sua sade : o que declaro a Vmc.
para seu conhecimento. Igual communicago se
fez a thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo. Recebl o seu offlcio de 18 do
corrente, e ficando sciente de se ter apreseniado na
compantiia de artfices desse arsenal no dia 17
deste mez o menor Luiz de Franga resignando o
resto da licenga que llie conced para estar com
sua familia, tenho a declarar-lhe em resposta que
o arsenal de guerra aulorisado a fazer o de que
trata o offlcio por copia incluso, expedido era vista
de requisigo do coronel commandante superior
da mesma guarda nacional datada de 13 deste
mez.
Dito ao mesmo. Queira V. S, mandar inspec-
cionar de saude o recruta Libanio Leuctier de
Souza, de que tratam os inclusos papis, que me
sero devolvidos.
Dito ao mesmo. Queira V. S. mandar por era
liberdadeo recruta Luiz Flix da Rosa, alada mes-
mo que elle nao tenha casado com a filha de Ma-
noel Joaquim Ferreira, visto como assevera este
que sollo o predito recruta realisara o casamento.
Dito ao mesmo.Haja V. S. de informar sobre
o que pede Joo Moreira no Incluso requeri-
mento.
Dilo ao mesmo.Visto estar as condigoes do
regulamento de 28 de setembro de 1859, segundo
V. S. declarou em sua informago n. 146 desla
dala, o paizano Raymundo Nery Pereira, que o se-
gundo sargento do quarto batalho de artilharia a
p Victoriano Jos Marioho Palhares no incluso
requerimento offerece para finalisar o seu tempo
de servigo, pdeV. S. mandar dar baixa a este, acei-
tando o paisano offereeido.
Fica assim respondido o citado offlcio.
Dito ao mesmo.Por despacho desta data auto-
de urgente necessidade esse fornecimento estando Pod l,rar vencimentos para o dito menor a con-
tar da dala de sua apresenlago. Communicou-se
a thesouraria de fazenda para que consinta que se
tire taes venciraentos.
Dito ao commandante do corpo de polica.Pode
Vmc. alistar no corpo sob seu commando o paisano
Manoel Bezerra da Silva, que assim o pedio no re-
querimento a que se refere o seu offlcio desta data,
visto ter sido considerado apto para isso em ins-
peegao de saJe.
Dito ao commandante do brigue escuna de guer-
ra Tonelero. Recommendo a Vmc. que nao re-
mella para a curte, at segunda ordem, o recruta
de marrana Manoel Quirino da Eocarnago.
Dito ao chufe interino da repartigo das obras
publicas. -Respondendo ao offlcio de 18 do corren-
te, sob n. 13, com que Vmc. trouxe ao meu conhe-
cimento copia do termo de contrato celebrado por'
essa repartigo com Bruno Gomes da Silva para
execugo dos reparos de que necessila a parle do
edificio denominado Coilegio oceupada pela
thesouraria provincial, tenho a dizr que nao- ap-
provo esse contrato por haver sido elle feito pelo
mesmo prego do orgameoto das obras, com prejui-
zo da fazenda, em consecuencia de se ler exclui-
do a concurrencia to necessaria nesses casos c
como o permiile o artigo 86 do regulamento dessa
repartigo, segundo declara o inspector da mesma
thesouraria em sua informago de hoje, ordeno
nha s 2 da tarde.
Mediante autorisago superior, fca desde j o
Sr. capilo do stimo batalho de infamara Anto-
nio Pedro Heitor encarregado do deposito dos vo-
luntarios da patria (estabelecido no Hospicio), que
se forem apreseotande e assentarem praca.
Offlcio.
1* secgo.Palacio do governo de Pernambuco,
20 de jaueiro de 1865.Illm. Sr. autoriso V. S. a
marca, para prestar-nos todos os auxilios e recur-! Sapateiros .
! sos possiveis. Precisavamos de 2 escaleres bem Ourives.....
I tnpolados e de urna moniaria, correndo por nossa : Ferreiros. .
conta as despezas de aluguel e jornaes. | Fuoileiros ..
Se, apesar da mamfcslaco de seas raelhores Marciueros .
1 desejos, este distincto caineniaense nao pode pres-1 Carpioteiros.
I lar-nos qualquer coadjuvago, ao menos auxiliou-! Cabelleirtiros
nos muito cora os conselhos da sua experiencia,! Peniieiros. .
prevenrado-nos de que a estago era a peor possi-1 Fogueteiros.
vel para subir o Tocantins, pois que comegavam Calafates,
os repiquetes, to perigosos, como se sabe, por
causa das febres intermitientes e perniciosas que
n'esse tempo se desenvolvein as proximidades
das cachoeiras e lagos visinhos; elle apona ra-nos
o anno anterior, no qual era igual poca fallece-
r m alli mais de 400 pessoas.
Esse faci, confirmado unaniraementeem Camela,
nao era para animar muito a quem ia emprehen-
der semelhante vigem em occaso to critica;
mas o nosso dever era nao voltarmospara a capital
Illm. e Exm. Sr.Era urna das conferencias que
o meu cargo obriga a ter quotidianamente cora o
presidente da provincia, S. Exc, o Sr. Dr.,Francis-
co Carlos de Araujo Brusquc, referindo-se a um
fado especial de que se tralou na occasio, lamen- i sena depois de camprida a commissao, ou quando
tava, como em idnticas circunstancias o flzeram n?s faliassem absolutamente os meios de conduc-
seus dignos antecessores, a falta de conhecimento 5a0- ..... ,. .
dos recursos, e necessidades das povoacSes inte- DeD01s de 3 das de baldados esforgos n este em-
riores, falta que era a causa principal de flcar fre- penho chegou felizmente a Camela o chefe de po-
quentemente prejudieado o servigo publico e o de-. 'lcia Dr- Jose de Araujo Roso Danin que andava
senvolvimento e progresso do resto da provincia. | em diligencia de importancia pelos districios visi-
Observando que S. Exc. se mostrava pesaroso nhos. e com elle o capitao Romualdo Antonio Mar-
mandar assentar praca depois de inspeccionados e j, n;-10 possuir dados lo uteis como indispensaveis "QS 1l,e acompanhava na qualdade de subdele-
considerados aptos para-isso, nao s os cidadaos,! administrago julguei de meu dever offerecer 8ado de polica. Estes cavalheros, mal souberam
que se offerecerem V. S. para servir no corpo de j n'cs(e inleresse'os meus servigos provincia, e ti- dos iropegos que alli nos detinham, procuraran)
voluntarios da patria, que se lera de organisar, de ve a /brtuna de v-los aceeitos pelo seu digno ad-! t()dos os meios de reraove-los.
conforraidade com o decreto n. 3371 de 7 de janei- ministrador. O capitao Romualdo mandn logo vir de sua
3
1
1
2
2
2
3
1
22
1
1
4
4
2
i
2
2
3
1
1
26
risei o director do arsenal de guerro a satisfazer o .ue laes reparos sejam postos em hasta publica na
cedido do commandante da companhia de artfices mesma thesouraria. Nesta sentido offlciou-se a
lude o offlcio de V. S. desta data n. 153. thesouraria provincia
a que V._
Dilo'ao Dr. chefe de polica. Constando-me que Dll ao Dr. juiz de direito de Garanhuns. Res-
Rorno do Reg Barros, sargento do corpo de poli- pondendo ao oflicio que Vmc. me dirigi ern 16 de
ca, que ha muito desappareceu de3se corpo, a que dezembro ultimo, tenho a declarar-lhe que em 16
perleucia, foi pronunciado era 14 de Janeiro de do corrente inforraou o inspector da thesouraria
1842 com Mauoel Ignacio de Mendonga, e Amaro' de fazenda ter sido credilada ao co'lector do mu-
Jos da Silva, como ocursos no art. 145 e 192 do nicipio de Garanhuns a Importancia dos venciraen-
codigo criminal, recommendo V. S. que proce-, s por elle pagos as pragas de que trata o seu ci-
dendo s necessarias averiguagoes, informe se ; tado offlcio.
exacto o que me constou, e bem assim se o indica- Dito ao jniz municipal da primeira vara desta
do Romo j respondeu ao jurv como aconteceu ctdade.-Em observancia do que foi determinado
com os dous co-ros Manoel Ignacio e Amaro em aviso do ministerio da justiga de 4 deste mez,
Iguaes inormacoes foram pedidas aos juizes da di- fa?a ^ mc- aDrir concurso para o provimento da
tcio da primeira e segunda vara desta capital. ; serventa do offlcio de partidor do juizo civil desla
Dito ao mesmo Em resposta ao seo offlcio comarca, que por decreto de 17 de evereiro de
n. 124 de 21 do corrente, remelle V. S. smente 1831 foi declarado vago em constquencia da desis-
dous passes da via-ferrea e para o dia segunda- 'enca que delle fez Miguel Joaquim de Menezes,
feira, por nao ser possivel dalos boje, e nodispor lendo era vista o disposlfl no decreto n. 817 de 30
de raaior numero. de agosto de 1851, no aviso n. 252 de 30 de dezem-
Dio ao inspector da thesouraria de fazenda. Dro de 1854 e na circular de 25 de outubro de
Recommendo V. S. que mande abonar em os de-11861 de que se llie remetteu copia em 28 de no-
cidos tempos a consignago, que, segundo o re-
querlmenlojunto, pretende deixar de seu sold nesta
provincia o alferes do segundo batalho de nfan-
taria Francisco da Fonseca Figueiredo, nao exce-
vembro do mesmo anno.
Dito ao juiz municipal de Iguarass.Faga Vmc
remover quanto antes e com a precisa seguranga
para a casa de deteocao os dous criminosos de
dendo porm essa consignago da importaocia de mo^6 de que traa em seu offlcio de 19 do corren-
dous tergos do mesrao sold. te, requisitando do respectivo commandante supe-
Dito au mesmo.Autoriso V. S. a mandar abo- rior 0s guardas nacionaes que forem necessarios
nar em os devidos lempos as consignages que, se- Pa""a escolta-Ios, pois sao pagos por esse servigo.
cundo os requerimenlos juntos, pretenden] deixar 1 D" a presidente e vereadores da cmara mu-
nesta provincia o capilo do segundo batalho de nicipal do Recite. Recommendo a cmara muni-
iofantara Aurelio Joaquim Pinto e o lente do clPal desta cidade que d por sua parte as provi-
nono da mesma arma Henrque Eduardo da Costa dencias necessarias e que estiyerem a seu alcance,
Gama, nao exeedendo as consignages da irapor- alim de que cesse a especulagaoa que se daoalguns
tancia de dous tercos dos respeciivos sidos. I iodividuos de atravessarera a fannha que vem ao
Dito ao mesmo.-Para os convenientes exaraes mercado para a revenderem por subido prego,
transmiti V. S. as inclusas copias das acias do Dito ao presidente e vereadores da cmara mu-
conselho administrativo do arsenal de guerra da-! nicipal de Goianna.-Ficando inteirado pelo offlcio
tadas de 4 e 13 do mez corrente. -. 11ue Vmcs. me dingiram em 17 do corrente, de se
Dito ao mesrao.i;om copia do offlcio do coro-: acharera juramentados e empossados. os novos ve-
nel commandante superior interino da guarda na- readores desse municipio, agradego a V mes. o of-
conal do municipio do Recife, remeti inclusa a fereciraento que flzeram em dito ollicio.
flliaco do tambor do respectivo segundo baulho! Dito ao juiz de paz mais volado do primeiro dis-
de infamara Jos Manoel Caetano, afim de que "cto do actual quadnennio da freguezia de S. Lou-
V. S. mande abrir nesia repartigo os convenien- rengo de Tijucupapo. Era vista do que me cem-
tes asseniamentos de praca.Communicou-se ao muuicou Vmc. em seu offlcio de 16 do crreme,
predito commaodonte superior. I recoramendo-lhe que guardados os prazos e mais
Dito ao mesmo.Remetiendo incluso o requer- formalidades da le proceda a convocagao dos elei-
memo era que o alferes do segundo batalho de lores e supplentes que devera concorrer para a or-
maniara Jos Manoel da Silva pede permisso i ganisagao da junta reviso da qualiicacao dessa
oara consignar do respectivo sold nesta provincia,' freguezia, a qual devera Vmc. reunir no da o de
a quantia de 12 mil ris mensaes a ser entregue a marco prximo vindouro, que para isso tenho de-
seu procurador Joaquim de Pontes Marinho, auto-1 signado.
ro corrente, mas tambem aos guardas nacionaes,
que para semelhante Ora, e j inspeccinanos Ihe
forera presentados por parte do coronel comman-
dante superior deste municipio* indicando V. S.
opporluuaraenle os offlciaes que he parecerem di-
gnos de cenflanga para commandar as eompanhias
do predito corpo.
Deus guarde V. S.O vicepresidente Anselmo
Francisco Perelti. sr. coronel corainandante das
armas.
Decreto d. 3.331 de 9 de Janei-
ro de i o a.
Crea corpos para o seroiro de guerra emcircumtan-
cas extraordinarias com a denominando de
voluntarios da .patria, estabelece as condiqoes
e /xa as vantagens que Uies ficam competindo.
Altendendo s graves e extraordinarias circums-
laocias em que se acha o paiz, e a urgente e inde-
clinavcl necessidade de tomar na ausencia do cor-
po legislativo (odas as providencias para a snsten-
tagao no exterior da honra e integridade d impe-
rio, e, tendo ouvido o meu conselho de ministros,
hei por bem decretar :
Art. 1." sao creados extraordinariamente corpos
para o servigo de guerra, compostos de todos os ci-
dadaos maiores de 18 e menores de 50 annas, que
voluntariamente se quizerem alistar, sob as condi-
I ges e vantagens aoaixo declaradas.
Art. 2. Os voluntarios que nao forem guardas
nacionaes terac/alm do sold que percebem os
voluntarios do exercito, mais 300 rs. diarias e a
gratilbago de 300# quando derem baixa, e um
prazo de trras de 22,500 bragas quadradas as
colonias militares ou agrcolas.
Art. 3." Os guardas nacionaes, pragas de pret,
que se apresenlarem sero alistados na primeira
linha com as mesmas vantagens do arl. 2o, passan-
do nos poslos que tiverem nos corpos da mjesraa
guarda a que pertencerom.
Art. 4. Os voluntarios comprehendidos nos; arti-
gos anteriores tero baixa logo que fr declarada
a paz, dando-se-lhes immediatamente passagem
para onde a soliei.arem, no caso que tenham de se
transportarem por mar.
Arl. 5." As baixas nao dependero de ordem do
governo, ficaro os commandantes dos respectivos
corpos autorisados a d-las logo que forera recla-
madas pelos individuos que tiverem direito;
Art. 6." Os voluntarios tero todas as regalas,
direitos e privilegios das pragas do exercitojpara
serem reconhecidos cadetes ou particulares, sem
N'essa occasup, considerando qoe o Tocantins fazenda urna galeota bem aparelhada com 2 re-
deve ser um complemento importantsimo da na- mw; o chefe de polica, alm da intervengao
vegago interna desta provincia, como do seu directa que leve para melhor nos facilitar os re-
grande sysleraa fluvial, tinba S. Exc. o Sr. Dr cursos, cedeu-nos um piloto, excellenle pratico
Araujo Brusque em vistas mandar proceder a um Ia9 diriga o seu escaler e ordenou aos snbdele-
exame ou explorado na seceo das cachoeiras gados que nos presUssem toda a coadjuvago pos-
desle rio, am de obler esclarecimentos sobre o sivel. O coronel Pedro de Moraes alugou-nos dous
modo de tornar livre a sua navegarn, qur pela
destruigao dos obstculos que a impedem, qur por
escravos, bous remeiros.
D'este modo pudemos obler meios de conduegao,
meio do canaes de desvio, ou, emfim, pela adiunc- embora em um escaler nico, por nao nos ser pos-
e, correndo mui prximo e na sivel obter outro, apesar das recommendagoes
gao do rio Ipa que
direcgo do Tocantins, communica-se ao mesmo
tempo com este no e com o Jacund;Grande. I
Por outra parte anda alguraas noticias, colhidas
acerca do curso do Anap, indicavara que este rio
notavel, to desconhecido dos geographos quanto
tem sido esquecida ou desprezada a bella regio
por elle banhaJa, nao era separado do Xmg sene
por um longo isthmo de ierras baixas. cuja largura
nao excedera de quatro a cinco leguas, espago
mu i las vezes alravessado em 1835 e 1836 pelos
moradores do districto de Portel, que, fugindo das
perseguicoes dos cabanos, passavam das margens
do primeiro destes ros para as do segundo em
dons'ou tres dias, e chegando a Pombal, desciam
d'alli para Gurupa, onde se refugiavara.
Este conjuncto de nogoes, alias incompletas ou
mesmo duvidosas sobre assumptos de tanto me-
que levavamos da capital.
Nos dias em que nos demoramos em Camet, o
engenheiro oceupavase em observagoes astron-
micas, e eu percorra a cidade, suas immediages
e os eslabelecimentos pblicos.
Camela urna das mais antigs povoagoes do
Para. Como urna grande parte das villas e cida-
des do imperio, teve por origem urna aldcia de
indios, cujos primeiros misionarios foram os fra-
des de Santo Antonio.
A sua fudaco nao foi no lugar em que ora se
acha, mas n sino conhecido hoje pelo nome de
Camela-tapera.
Em 1634 foi doada com todas as suas trras a
Feliciano Coelho, com o titulo de capitana, por
' seu pai Francisco Coelho do Carvalho, governador
de Maranho. No anno seguinte foi elevado
Somma .
Ha tambera 2 padanas, 1 brasileira e outra por-
tagueza, e 2 agougues sendo 1 brasileiro e outro
estrangeiro.
Como se v da estatistica das casas de negocio,
o commercio mais grosso em cabedal c portanto o
mais lucrativo, como o das lojas de fazenda, nao
est as raaos de brasileiros seno em menor par-
le. Felizmente os estrangeros que o possuem na
proporgo de 10 sobre 14 sao portuguezes, a esta
circumstancia ailena sobre modo o pezar de nao
termos debaixo de nossas mos a maior forga dessa
grande alavanca chamada commercio, que dispe
de lo poderosa influencia no deslino dos povos.
Os suburbios de Camela coolm grande numero
de habitages, constando em geral de casas de pou-
co valor.
Urna excellenle e larca estrada, aberta no meio
da floresta, parte do extremo N. da cidade para a
aldeia de Nossa Senhora do Soccorro._ Neste lugar
ha urna vistosa igreja, a qual arada nao esl con-
cluida no interior. Para a sua construego tem o
cofre provincial despendido muitos cornos de ris.
As casas sao quasi todas de jupaly, ou mirity, e
coberlas de palha de bog.
Ao Norte desta localidade, a qne em 1757 se deu
a cathegoria de lugar com a denominago de Aze-
vedo, acha-se outro em situago muilo piltoresca
com melhores casas e ornado lambem de urna lin-
da capellinha. D-se-lhe o nome de Pacaj.
Abaxo do Pacaj encontram-se varios sitios s
vezes em grupo, como em Itajau'. Em torno delles,
como de todos que se encontram desde Camet, cul-
tiva-se cacao, caf e nm pouco de algodo e man-
dioca.
Ao N do Pacaj e Itajau', e alm de ama gran-
de ponta do continente, cerca de duas leguas aba-
xo da cidade, est Camel-Tapra, onde teve ori-
gem a cidade actual de Camet. Reservo pa-
para outro lugar algumas considerages sobre esta
tapera.
Mocajuba.O ro Tocanlins havia jdadoo pri-
meiro repiquete quando partimos de Camet com
direcgo para as cachoeiras, o que teve lugar no
dia 14. A 15, de camraho para Baio, visitamos a
freguezia de Mocajuba.
Esta freguezia nova, tendo sido creada pela
lei provincial n. 228 de 1853 no lugar e com o no-
me de Muxi no rio ou furo Taueroc, a lei n. 271
de 1851 transferio a sua sede para o sitio de lloqf-
resse para a ceozraphia e commercio do inlorior '; cathegoria de villa, mas de facto Dio gosou das juba, onde hoje se acha. O proprietario desse sitio
ea ausencia de infor.nac.oes sobre o estado das prerogalivas que d este titula se.no quando lcou joa0 Machado havia offereeido gratuitamente o ter-
inforinac.oes .
povoagoes fra da capital, erara objectos que nao incIorP0.rada aos dominios dacroa.
podiam ser" encerrados cora ind.fferenga por um
presidente, que desde os primeiros at os ltimos
dias de sua administrago procurou constantemen-
te fazer provincia todo o bem possivel
! reno preciso para a nova povoago.
Era 1835, quando no Para rebentou a deplora- Mocajuba esl situada margem direta do To-
vel rebellio, conhecida depois cora o nome de cantins cerca de 4 bragas cima do nivel do rio,
Cabanagem, Camet dislinguio-se por sua fideli- sobre urna bella esplanada, que todava declina lo-
I dade lei e a ordem publica, formando um centro g0 para terrenos baixosc alagadgos do lado orien-
que por isso percam as vantagens do art. 2o e pos-
sam ser promovidos
guirera.
a offlciaes quando se dtstin-
Cora asas vistas resolveu S. Exc. nomear a um
engenheiro e a mlm, incumhindo-nos de estudar
cada um na parte competente estes dous diversos
assumplos.
Era Isto em fios de setembro do anno passado ;
o engenheiro escolhido, o 1 tenente bacharel Jero-
nymo Rodrigues de Moraes Jardim, tioha anda de \
desempenhar em Macap urna commissao do gover-
no imperial.
Foi forgoso aguardar seu regresso, bem que de-
vessemos apressar nossa partida, afim de apron-
tar ainda o resto do vero.
Em quanto o esperavj, tratei de fazer acquisi
cao de a
cados como
vncia nao possuia seno urna agulha de marear 1 'n'erior da Pro
que nos foi fornecida pela repartigo das obras 348 casas entre grandes e pequeas, inclusive as
de resistencia contra os cabanos o de apoio ao go- tal, alm dos quaes ha campos para creago de ga
verno e populago sensata da provincia. do vaceum.
Em 1818 fui elevada cathegoria de cidade a povoago compoe-se de 48 casas, inclusive as
pela lei provincial n. 145.- palhogas, formando duas pequeas ras e urna lar-
Esta cidade esl situada a margem esquerda do ca praga, cujos lados nao sao lodos ornados de ca-
Tocantms, 13 lejiuas cima de sua barra na baha sai. jj0 naeiodella est em construego a igreja
de Maraj, a 30 da capital e a 55 da foz do rio matriz, por ter sido a algons annos incendiado e
Para, no Ocano.
Seu aspecto, de longe, agradavel; mas, ao
apprcximar-se do porto, os fundos das casas, fir-
mados sobre estacadas de madeira, as escadas que
d'elles de>cem para a praia e a ruina de_ varios
predios tiram cidade toda a belleza e do-lhe a
slguns instrumentos, pelo engenheiro indi- perspectiva de urna povoago do giraos.
orno indispensaveis commissao. A pro- Uraeta, e talvez, a povoago mais notasel do
nn nnssnia sean urna Mnlha de marear interior da provincia. Ella conta no seu recinto
Os que tiverem direito a ser reconhecidos Cade-
tes ou particulares podero usar logo dos respecti-
vos distinctivos at se proceder aos conselhos de
direcgo e averiguago, quando o quartel general
o faculte; ficando dispensados da apresenlago de
escriptura de alimentos.
Art. 7. Aquelles que desistirem da baixa depois
de feita a paz, e cootinuarem a servir por mais 31caares fofattendldo, tantoquanto era possivel,ob-
aonos, Feceberj alm das oulras vantagens, sen-jlendo emprestados: do Sr. Pimenta Bueno um
riso V. S. a mandar abonar em os devidos tempos
semelhante consignago a contar do 1. de feverei-
ro prximo vindouro em diante.Communicou-se
ao coronel commandante das armas.
Dito ao mesmo. Em vista do pret junto era du-
plicata e nao havendo inconveniente, mande V. S.,
nos termos das ordens anteriores, pagar os venci-
mentos, a contar de 7 a 15 do corrente da forga
do segundo batalho de infaataria aquartellada
para auxiliar a tropa de linha no servico da guar-
nigo. Communicou-se ao commandante su-
perior. *
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Respondendo ao offlcio que me dirigi o seu ante-
cessor em 18 do corrente sob n. 26, concedendo
a autorisago pedida no citado offlcio para ser pa-
ga pela verba coasignada no art. 18 da le do or-
gamento vigente a importancia do alugu-l de dous
mezes e dezenove dias da casa que serve de quar-
tel ao destacamento da povoago de Beberibe.
Dilo ao commandante superior da guarda na-
cional do Rio Formoso.Respondendo ao offlcio de
V. S. de 26 do mez flodo, deterraino-lhe qne deBra
Dito ao juiz de paz mais volado do primeiro dis-
tricto da freguezia do Rio Formoso. Achando-se
em obra a matriz dessa freguezia como Vmc. me
communicou em seu offlcio de 15 do crranle, ap-
provo o ter sido iostallada na casa da respectiva
cmara municipal a junta de reviso
gao da referida freguezia.
Dilo ao thesoureiro das loteras. Em resposta
ao seo offlcio de h3je datado, com referencia a ex-
traego da lotera da matriz de S. Jos desta cida-
de a que se refere o meu offlcio de 14 do orrente,
tenho a dizer que a referida lotera deve ser ex-
trahida em lugar da do theatro de Santa Isabel que
se acha enllocada em 35* logar da respectiva ta-
bella.
do 100^ nesse acto e o resto no flm de tres annos.
Art. 8o Os voluntarios de que tratara os arls. 2
e 3* ficaro isentos do servigo do exercito e man-
nha, assim como do servigo activo da guarda na*
cional, quando nao se queiram prestar voluntaria-
mente. Os do art. 3, quando se preslem, tero
preferencia na promogo aos postos de offlciaes,
dada igualdade de circunstancias com outros. .
Art. 9. Os voluntarios lero direito aos empre-
gos pblicos de preferencia, em igualdade de ha-
bilitagdes, a quaesquer outros individuos.
Art. 10. As familias dos voluntarios que fallece-
rn) no campo da balalha ou em eonsequencia de
ferimentos recebidos nclla tero direito penso
ou meio sold, conforme se acha estabelecido para
os offlciaes e pragas do exercito. Os que flearem
inulilisados por ferimentos recebidos em com-
bate, percebero durante sua vida sold dobrado
da qualiDca- de voluntario.
Art. 11. Todos os voluntario de que traa este
decreto, traro no brago esqaerdo ama chapa de
metal araarello com a cora imperial, tendo por
baixo as segnintes paiavras : Voluntarios da pa-
tria, da qual podero usar mesmo depois da
baixa.
Arl. 12. O governo conceder, cm altengo aos
servigos relevantes prestados pelos ditos volunta
MMMAMO DAS ARMAS.
Quartel doxoaaaido das armas de Pernambuco,
na cidade do Reeife J2 i de Janeiro de 186'i.
Ordem do dia 28.
O coronel commandante das armas d pnblicida-
theodolto e um chronometro inglezes ; do Sr. Bru-
no Cabral nm ihermometro e urna bussola Ecli
metro:
metlicos.
Comentndonos com essa collecgozinha de ins-
trumentos, por nao haver mais, logo que chegou
de Macap o engenheiro esperado, apressamos a
partida.
No dia 9 de dezembro recebemos as nossas Ins-
truegoes, c n'esse mesmo dia embarcamos para
Camet.
N'essas instrueges foi-me especialmente deter-
minado que nos rugares, por ondetivesse de tran-
sitar, proenrasse conhecer o seguinte :
1. Quaes os productos naturaes de maior pro-
veito a vantagens para o commercio.
2. O estado da agricultura e os principaes pro-
ductos.
3. A' que industrias se dedica a populago.
4. Quaes os eslabelecimentos fabns e agrcolas.
5. Qual a populago fiza.
6." O estado das povoagoes e as suas necessida-
des mais urgentes em relaco aos melhoramentos
que reclamara.
Expostas por este modo as circunstancias qoe
precederam a nomeago da commissao, e designa-
ros, graduages de offlciaes honorarios do exer-! dos os objectos prncipae, cujo exame me foi con-
cito ; e solicitar do corpo legislativo autorisago fiado, tenho a honra de por na presenga de V. Exc.
para conceder-lhe vitaliciamente o sold por intei- os resultados de meus trabalhos.
roouem parte correspondente a >s seus postos. -| V. Exc. me permittir qoe nesta exposigaein-
Art. 13. As pragas dos corpos policiaes do impe- verta algumas vezes a ordem em que se aeham
rio, e os individuos qae j tiverem obtido baixa consignados os paragraphos das instruceoes, aflm
desses corpos e dos de prioneira linha, terao todas de harmonlsa-los com a marcha dos exames, e ob-
as vantagets coqcedldas aos voluntarios gnardas servagoes a qne. proced no dtturso da roinha
nactooaes, 1 viagem.
palhogas.
Sua populago interna e lixa de 2,602 habitan-
tes, calculada sobre o minimo de 6 e o mximo de
9 para cada casa habitada.
Seos edificios pblicos sao poucos.
A igreja matriz um das melhores do interior;
do construego solida, espagosa, muito decente e
bem conservada.
A das Mercs est cm bom estado e deceote.
A de S. Benedicto est quasi totalmente conclui-
da, faltando smente algumas obras accessorias.
A chamada Capellinha est em ruinas, e a de
Sanl'Anna nao larda a dcsabar.
O cemiterio publico um dos mais completos
da provincia, tendo seu recinto rodeado de mo-
do Sr. Dr. Gama e Abreu um trena de fios des fortes e no centro urna capeirinha, onde se fa-
publicas.
Os eDgenheiros militares aqui residentes nao es-
tavam era melhores ciroomstancias do que a pro-
vincia, pois que apenas um delles, o Io lenle ba-
charel Jos Cerqueira de Aguiar Lima, possuia
urna luneta de Rochon que nos foi logo cedida.
Recorr ao arsenal de marinha e julguei-me fe-
liz encontrando e obtendo alli entre os despojos do
vapor D. Pedro, um prumo, urna barquioha e duas
ampulhetas.
Felizmente meu recurso para os favores de parli-
ztm encommendagoes e oragoes pelos morios.
Perto deste ha outro, igualmente cercado e de-
cente, construido pelos hebreus. Seu recinto
pequeo, mas proporcional ao numero de israe-
litas residentes na cidade e em suas immedia-
ges.
A casa da cmara municipal um predio par-
ticular, est em tal estado de ruina que apenas
restam commodos para sala das sessoes e da se-
cretaria, nao valendo a pena pagar-se o aluguel
desta casa que j nao decente para urna morada
particular e muito menos para assento da munici-
palidade.
A cada igualmente um predio particular nao
tendo as commodidades e segaranga necessarias a
um estabelecimenlo desta ordem. Esse predio o
antigo convento dos frades mercenarios que o fua-
daram aonexo igreja da sna ordem, como cos-
turae nos estabelecimciltos monsticos.
O terreno ponco elevado sobre que se acha as-
sentada a cidade, vai sendo pouco a pouco destrui-
do pela argo corrusiva das aguas dorantes as
grandes mares e ventos rijos que agitana o rio,
Grande numero de casas tem sido desmoronadas, e
presentemente esto muitas solapadas
O commercio em Camet defloha de dia para
dia, e os moradores nao conservan) esperangas de
ve-o prosperar ; mas elles. desconhecem qoe urna
das cansas dessa decadencia a falta de associa-
eio, de actividade e de esforgos seos no sentido de
se afastarem da rolina e adojktarem melhorumen-
tos na w .eduzidoa crazas o nico templo que alli exista.
Os licerces da nova matriz estao quai conclui-
dos, as paredes de pedra acham-se em comego, o
teclo j est coberto. Inrelitmenle os alicerces sao
incapazes de sustentar o edificio, as sabas mina-
rara por tal modo o solo, que torna-se indispensa-
vel sustenta-los sobre um fundo de 10 palmos pelo
menos, afim de dar-se obra toda a garanta de
solidez ; os que ora se achara alli assentados nao
descem alm de 8 palmos, sendo por isso provavel
que nao tenham alear gado o terreno firme.
Alm destas informages que pode obler no lu-
gar, accresce ainda a de nao ter a obra um plano
regular, o que a tornar imperfeila, e provavel-
mente mais dispendiosa.
O parocho da freguezia celebra presentemente
os oflicios divinos em urna casa particular.
A populago nao excede de 150 pessoas. Este
numero durante o invern e em tempo de festas
sobe a 300 e a 320, descendo na estago contraria
a 80, pois que a maior parte dos moradores vo
uns ao apanho da castanha, outro a exlracgao e fa-
brico da borracha muitos atravessam os campos do
nascenle, penetrando at es serles do rio Moja'
procura de oleo de cupahiba.
O commercio na povoago se limita permuta
dos gneros nacionaes e estrangeros pelos de pro-
duego natural a algricolas. Entre esses figurara
a borracha, o cacao, a castanha, estopa, azeite de
andiroba e leos vegetaes.
Em Mocajuba, quando a visitamos, havia 6 ca-
sas de commercio, em que se vendan fazendas
seceas e molhadas, peixe, carne secca e outros g-
neros, ellas, porm, com excepgo de urna 00 duas
diviam desapparecer dentro de poucos dias, logo
depois de Reis : eram de negociantes volantes do
Caraet e dos sitios que, segundo o costume, foram
alli especular durante a quadra das testas do na-
tal, Anno Bom e Reis.
Baio.-Deixando Mocajuba, seguimos no mes-
mo dia para a villa de Baio, onde chegamos j
com a noite.
O primeiro estabelecimeoto que deu origem a.
esta povoago data do anno de 1694.
O antigo governador general de Maranho e Pa-
ra Antonio de Albuquerqne Coelho de Carvalho,
desejoso de povoar e engrandecer a capitana do
Camet, de qoe era donatario, concedeu naquelle
anno ao distincto portugoez Antenio Baio, urna
sesmarianas Ierras da sua capitana com a condicaa
de construir na villa urna casa decente.
Cumprindo esta clausula, Antonio Baio esco-
Iheu para assento da sua sesraaria a localidade em
que hoje est a povoago de seu nome.
Sob o governo de Fernando da Costa de Athay-
de e Telve, o capitao de campo daquelles distric-
tos, Manuel Carlos da Silva, qae era tambera di-
rector dos Indios, leve ordem do governador para
fundar alli um logar, qne elle execwlou em 30




S


1
Diario de Pernambuco Quaria felra 95 de Janeiro de f 8G5.
de onlubro de 1769, sob o titulo de Lagar de Baio
fundando a povoacao com 30 indios.
Era 1833 a resoluco de 10 de inaio lomada pe-
la presidencia em conseibo, elevoo o lugar ca-
thegor-ia de vHIa com oappellido de villa do To-
caotins, sendo insiaflada no mcio de muitas testas
em 17 de outubro do mesmo anno.
Em viriude da lei provincial n. 86 de 30 de abril
de 1841 foilhe restituido com a mesma cathegoria
de villa o seu amigo nome de Baio.
A villa est situada na margem direita do braco
oriental do Tocantins sobre a esplanada de urna
alta bar reir qae.se eleva 9 a 10 bragas cima do
nivel do rio.
U porto, onde nao ha habitaco alguma por falta
de lugar em que se possa edirJca-la, apenas urna
quebrada da barreira com um pequeo remanso,
ou reintrancia para~8 ou lOcaaas de mediana lo-
ttco.
Para ebegar d'alli villa preciso subir pela
barreira cima, palgando 126 degrus feitos de
adas de acap, atravessadas em um estreito ca-
rainho, eu seguii pela quebrada um trilbo cheio
de cvas formadas pelas terrentes fluviaes.
A villa conta 5 ras de curta extensSo e 2 pra-
vas,a da matriz e a do Rosario.
A primeira est na linlia da frente que d para
o rio, tendo 6 bracas de largura e 25 de compri-
inento. A do Rosario que est contigua ao mato,
foi aberta ha pouco tempo e forma um quadrado,
no mcio do qual ha urna capellaem construccao, e
j construida as obras exteriores; tem ampio re-
cinto e bastante altura; feta de esteios com pa-
redes barradas -, a coberla deve ser feita de tenas,
mas a que provisoriamente tem de folhas de
boc.
Dos lados desta praca ha 12 cabanas, oa palho-
cas cobertas tambem de boc. A despeito da prc-
senca destas palhocas, a praca do Rosario bella
e aprasivel, e ser em breve lempo urna das mais
formosas do interior so o progresso da villa fr au-
xiliado pela dupla accao do commercio e da admi-
nistrado.
A matriz urna capella pequea, feita de adobes
e p (Iras miudas, obra ligeira, sem gosto nem m-
rito artstico; ao menos, porm, nma capella de-
cente para o culto, e tem sido conservada com todo
o zelo. Isto j nao pouco nesta provincia, onde os
fiis esperando tudo do governo, raras vezes contri-
buem para o esplendor e mesmo para a decencia
da casa de Deus.
A cmara municipal funeciona em casa particu-
lar n'uraa sala rente ao chao, oceupando a sua se-
cretaria urna saleta prxima.
A cadeia outra parte dessa mesma casa. Seus
commoJos sao smente cha sala na frente, que
sala livre, e um quarto ou alcova annexa sala:
nao assoalhada. Por cima da porta principal ha
urna especie de mirante ou soto da largura da
nica janella que tem. Neste .otiio, para o qual se
sube por urna estrella escada, mora o carcerciro.
Na cadeia havia, na occasio da minha visita, 3
presos, estando 1 na sala livre, por ser leve a sua
pena.
A villa contm 57 casas entre boas e ms. As
que se acham em construccao nao sao poucas pa-
ra urna povoacao tao esqueclda des legisladores
provinciaes e da mesma administracao, a qnem
por vezes se tem procurado fazer crer que a villa
incapaz de progresso.
A despeito desse juizo menos exacto e que tem
eito arredar da villa toda a sorte de auxilio e pro-
teceo, Bailo depois de Camela, a povoacao mais
netavel do baixo Tocantins, e talvez, de lodo este
rio pelo seu ramo Araguaya.
Sua populacao durante o invern, nao excede
de 400 pessoas; este numero desee a 200 e mesmo
150 durante o vero.
O commercio em Baiao pouco mais importante
do qae em Mocajuba; raras sao as suas casas de
negocio, sendo em geral tabernas, e essas mesmas
pouco sorlidas.
Os productos naturaes do municipio sao muilo
mais abundantes e numerosos do que no de Came-
la, excepto a borracha que nao alli tao abundan-
te. as trras altas, como as chamadasSerras
de Trucar e Pederneiras e em muitos ootros
pontos encontram-se grandes florestas de casta-
nheiros que nos districtos de Camela "j faltam sen-
sivelmente. O cumar, a jutainca, o oleo de cu-
pahiba, e o breu sao mais abundantes do que apro-
veitados.
O municipio nao menos rico de madeiras do
que qnalqner outro da provincia, achando-se nelle
das mais preciosas, tanto para a mercenaria fina,
como para toda a sorte de construccao civil e
naval.
Entre ellas figura a macaranduba, arvore que
promette dar provincia mais um ramo de riqueza
pela produecao da guita-percha, resoltante da soa
seiva ou sueco leitoso. Depois da macaranduba ha
o angelim, po-setim, mirapinima, itaba, pao de
arco, saboarana, po-cruz e otitros muitos.
Os productos agrcolas de Baiao nao sao muitos.
O caf cultivadoe produz abundantemente, mas
sua exportaco nenhuma.
O tabaco (fumo) comeca a ser cultivado com
fervor e promette vaniagens aos cultivadores. O
tabaco que alli se fabrica rivalisa com o da melhor
qualidade que ha nesta provincia e na do Amazo-
nas, e a sua estima no mercado j conhecida pelo
bom preco porque recebido.
O algodo comeca a ser cultivado, e se Loo ver
perseverancia na sua plantacao, os cultivadores nao
tardarao a obter lucro os mais satisfactorios.-
0 cacao figura pouco na lista dos productos do
municipio ; a razad disto que os cacaoeiros s
medram e vegetam bera as varzeas e outros luga-
res bastante hmidos, mas nao tanto que flquem
alagados. As agoas do Tocantins, porm, as en-
dientes annnaes desle rio, elevando-se a grande
altura, invadem e alagara durante 4 mezes todas
as trras baixas, em que os cacaoeiros sao planta-
dos, e os matam pela potrefaceo que ellas produ-
zem nos seus troncos e raizes. O rio nao tem bas-
tante largura, como nos districtos de Camet para
espalhar por urna vasta superficie a superabundan-
cia das suas aguas nvernaes, o que faz que a cul-
tura do caeo seja.prejudicada pelas Inundacoes.
Quanto ereacao de gado, a nica especie que
se cria a vaceum, mais essa mesma em tao pe-
quena escala que pde-se considerar como nao
existente.
En visitei o sitio ou fazenda do tenente-coronel
Castro na grande ilha Jutahy, por saber que era
este proprietario o principal creador e maior pos-
suidor de gado vaceum. O proprietario tinha pas-
sado para ella todo o gado que havia as suas tr-
ras do Ail; apezar disto, a fazenda do Jutahv
nao tinha mais de 58 cabecas de rezes, compre-
hendidos os bezerros. O feitor Informou-roe de
que o gado perseguido alli pelas oncas, mas que
baviam boas pastagens.
Em outros lugares do municipio o inimigo prin-
cipal da ereacao de gado, o inimigo mais temido e
feroz nao sao as oncas; sao os vadios e malfei-
tores.
Varias pessoas da villa e dos sitios queixaram-
se desses vadios -que, somente pelo desejo de satis-
fazerem seus mos instinctos, envenenam com si-
po e assac os lagos em que as rezes vao beber,
conseguindo por este modo anniquillar, ou pel
menos desanimar tao til ereacao.
As diligencias da autoridade para conhecer e
perseguir tao mos homens nao tem sido bem suc-
cedidas. O numero dos envenenadores do gado
menor do que o dos seas cumplices, e isso torna
extremamente difficil obter-se teslemunhas para
ormacad de processo* contra os delnquentes.
(Contirmar-se-ha.)
as peas e dependencias do espirito de faccao, que
se havia introduzido as dobras da toga curul. Nao
se illudio*o publico em suas esperaacas e prevlseesv
Tudo quanto se podia fazer nos estreitos limites de
urna interinidade de poucos dias, e conforme os
escaceados recursos da administracao, o Sr. Pe-
retti pez em pratica, j em favor do bem publico,
coja nocao havia desapparecido da acgd social da
aatondade, j em favor dos particulares, que nun-
ca recorreram de balde a S. Ese, cujos desejos se
nao foram completamente salsfeilos, suas inten-
coes ficaram por demais evidenciadas nos poucos
actos que praticoo, e que revelaram quinto vale
urna vontade guiada pelo nem, e um espirito pe-
netrado da coosciencia do dever. Actividade e-
aptido, essenciaes requisitos em quem governa,
foram dotes que se manifestaran! na rpida admi-
nistracao do Sr. desembargador Peretti.
Rendendo este preto e homenagem verdade,
em relacao ao administrador que sae, estamos lon-
go de mostrar impaciencia em relacao ao futuro da
nova gesl que hoje se inaugura. A impaciencia
sempre injusta. Deseja cora ardor, insta com
precipitacao.e nunca desculpa faltas, que imperfei
Rosa Eugenia Benedicta, Pernarabuco, 56 annos,
casada, Afogados, um tumor.
Teonilla, Pernarabuco, 15 mezes, Boa-Vista, eon-
vulses.
Mara Joaquina de Albuquerque, Pernambuco, 60
annos, viuva, Varzea, molestia interior.
Maria, escrava, frica, 56 annos, solteira, Boa-Vis-
ta, hepatite.
Rosa.-Pernambucey 10 dias, Santo Antonio, es-
pasmo.
Jos, Pernambuco, 9 mezes, Santo Antonio pbtby-
sica.
Manuel, escravo, frica, 35 anBOS, soleiro, Reclfe,
congeslao.
Etelvina, Pernambuco, 14 mezes, S. Jos, convul-
soes.
Revisita do Jury de II de Ja-
neiro de 1865.
(Conclusao.)
Foram qualfleados jurados os cidadaos segua-
les
Jos Francisco de Barros Reg.
Dr. Joaqulm Elvro de Moraes Carvalbo
Major Jos Carlos Teixeira.
Joaquim Ribeiro de Agujar MonUrroyos.
Jos Thornaz Pires Machado Portella.
la seria a oatureza humana, se as nao tivess oer-1 *6 JoaIu,m dos S*0108 e Silva.
mit.a-se_.nos dize-.o. Faltas nao sao erros,'nem i T^T^^T10'
erros sao crimes quando a boa f intencional, e Jos Mendes de Carvalho.
sincera preside escolha dos melos de evita-los.:Jos '?nacio de Lira.
E, pois, nao somos inexoraves para cora as faltas! j|0 IJjjS Jp? ^"
da autoridade, quando reconhecemos que faz ella o j Jovrao Coelho da Silva,
que pode, e deve para salvar a verdade dos mane-; Jos Francisco Pereira da Silva,
jos dos partidos extremos, que comprometiera a i francisco Pereira da Silva Jnior
'eguranca do presente e as esperances do futuro j S^o ^ LaC6rda" -
Sao tantas e to urgentes as necessldades publi- Jos Mximo Pereira Vianna.
cas, accumulara-se de da para dia as questdes inV fiT^JTT 2&2" r
preter veis, que o saber esco.her entre ellas, e pre-! ffi ^SffiSX!?^
ferir as mais imperiosas, objecto de serio estudo Lim Antonio de Siqueira Jnior,
para quem a le incumbe de medita-las e satisfa-.La'1 Antonio Goncalves Penna.
S Id af D0S "8,3 "3- C PreSeD,e eDSeJ D-' Kfc^dX""3-
car ideas, era antecipar )U.zos. Aguardemos os Lull Jos Pereira ^
acontecimentos. Venha sob bons auspicios a nova
ordem de cousas. A nossa nica aspiraco a re-
gencracao administrativa, moral e material desta
trra que nos vio nascer.
pernambuco;
RUTISTA DIARIA.
Dr. Loorenco Avelino de Albuquerque Mello.
Ladislu Jos Ferreira.
Luiz Jeronymo Ignacio dos Santos.
Luiz de Franca de Oliveira Lima. #.
Dr. Luiz Emigdio Rodrigues Vianna.
Luiz Pereira de Faria.
Dr. Luiz Salazar Motean da Veiga Pessoa.
Dr. Luiz de Carvalho Paes de Andrade.
Luiz Melanio Franco.
Luiz Antonio Rodrigues de Almeda.
Dr. Luiz Carlos de Magalhies Breves.
Conselheiro Lourenco Trigo de Loureiro.
Reunio-se hontem a Associaao Promotora da \*\ Am?veJ D?,borc? Jnior-
ColommsarCw polaca no Brasil sob a presidepcia Dr Luu Lopes ta,,e,, Branco-
doA^'nrr;Thf^Cr^Utrf' e/0moassslenc.a Dr. Luiz de Albuquerque Martins Pereira.
rrl?w?i&?d7,-JlCrblM* So"zaBan- Luiz de Moraes Gimes Ferreira.
fnmiim aSuf m *?! Gervaz.o Campello, Manoel Doarte Rodrigues.
SSb h W Monseonor Pil? Campos e D. Manoel Francisco Marques,
esatutos Bento, para Iratar-da discusso dos Manoel Luiz Goncalves
inS.riv n^P,rieCto^desle8at .cP|,n,0.IH DrnManoeF0ranc/iscro Teixeira.
Zm u^irlt ,i?.fp-re adf 0S esPect,vos i** Manoel Osmundo da Cmara Pimentel.
&&?*& ,0m?Knd,0 paIte na dls.cus- Manoel AIarlDS da Ara"i Castro.
sao os wa. Ur. Sabino, conselheiro Autran, Ger- Mieuel Paula de Sonza Ranee
Za ?ffi D" Abb3de dC S- BeDt0' 80nza Ban"! 252" Sidas B"rao g
vfcfuA&Zju, 'Miguel da FonsecaSoareseSilva.
J? *Lb.da taf.de -^ .reunir a assoc.acao Dr. Manoel de Figueiroa Faria.
P a222S?? d's-cssao- Manoel Ignacio de Torres Bandelra.
Amanhaa se extrahir a segunda parte da .,. .
H.' lotera da matriz da Boa-Vista ( 3.') sendo e ?f ?,el Ano!"0/S Jesus ual?r;,
maior premio 6:000000 Dr. Manoel Jos Pereira de Mello.
Communicam-nos o eguinte Dr Mi8uel Jo5 de Almeida Pernambuco.
E' incrivel o deboche e a depravacao. no becco do Abren, no Rec.fe, praticados por duas PSJfi Y'egas Jonior.
mulheres meretrizes, que alli .morara. Os nomes i P/' Ma,n,oel PoSS,ri d/ Moraes Pmb6"-
mais indecentes e repugnantes, nao escapara a an- .?aoe} hPes Machado.
plicacao das mesmas, as quaes at as familias in-
suitam. E isto depois da meia noile, quando os "'T'^' 'U3C """""^>"<
moradores descancam das fadgas do da M Por "l\^e' Francisco de Souza Reg.
tanto, pedimos encarecidamente ao Illm.'Sr. sub- ?,gue JT0S^ da Mtla Jnior.
delegado do Recife, ou quem competir que d 'gael, J,os de Alrae,da Pernambuco. .
cobro abusos, que contrarios decencia, podem 5janoe uvenlc,0J,de.?fboi1?/u.
ser prejudiciaes. > Manoel Joaqulm da Silva Rlbelro.
repam-icao da polica Miguel da PnriflcacSo Gomes.
Extracto das partes dos das 24 de Janeiro de Pr' Ma,n0,' """que de Macedo.
186o. J Coronel Manoel Ignacio de Bricio.
Foram recolnidos casa de detencao no dia 21 Mano,p' ^s nlo.
do correte : Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Manoel j J!anoe! da FoPseca Medeiros.
Luciano, por uso de armas prohibida* MaDoel Joaquim Ferreira Estoves.
A' ordem do subdelegado do Recife, Bonifacio,! "anoel EI'"er'o do |B Barros,
escravo de Jos Antonio de Carvalho, a requer'! ;atnr,n? Barroso do Mello,
memo d'este ; Antonio Luiz Dias, por insultos; e. Marcom'ro Pancracio Pereira dos Santos.
Francisco Flix de Souza ; requisicao do capito Janoe Antonio Goncalves.
do porto. | Manoel Goncalves da Silva.
A' ordem do de Santo Antonio, Braz, escravo do ?anoe! Coelho Cintra.
Penna Forte, a requerimenlo d'este. J!anoel Gomes V,e?as- ,
A' ordem do de Sao Jos, Raimunda Maria da Manoel Po'yarp Moreira de Azevedo.
Annunclacao, e Anaslacio, escravo de Maria Joa- Manoel Francisco Schelles.
quina da Silva ManU, por embriaguez -, e Joao, es-: Manoel Gomes de S.
cravo de Isaac Smoltz, a requerimenlo d'este. Manoel Pereira da Cunha.
O chefe da segunda
Miguel Bernardo Quinteiro.
Dr. Manoel Jos Domingues Codiceira.
eccao,
J. G. de Mesquita.
Movimento do dia 23 do Janeiro de 1865.
Existiam 388 presos ; entraram 10: sahiram 8 ;
exislem 390.
A saber : nacionaes 317; estrangeros 14; mu-
lheres 4 ; estrangeiros 2 ; escravos-18 \ escravaso;
Alimenudos custa dos cofres pblicos 149.
Passageiros do vapor brasileiro Persinunga,
entrado da liba de Fernando :
Primeiro tenente Estevao Jos Ferraz, sua se-
nhora e 3 filhos, alferes Thornaz Pompeo Theodorio
Major Manoel do Nasciraento da Costa Monleiro.
Maooel Carneiro de Souza Lacerda.
Manoel Luiz Viraes.
Manoel Antonio Cardoso.
Miguel Archanjo de Fgueiredo. -
Miguel Alfonso Ferreira.
Manoel Alves Guerra.
Dr. Manoel Joaquim Silveira.
Marcelino Jos Lopes.
Dr. Manoel Ferreira da Silva.
Manoel Joaquim f"o Reg e Albuquerque.
Manoel Francisco de Carvalho Paes de Andrade.
Manoel Roma Correa de Araujo.
..,,..,. o o uiiiw, ancies i mimaz fompeo rneoaono '""<"-' numau ixirrea ue Araujo.
de Souza, segundo sargento cadete Liberato Perei- Dr- Manoel Arthur de Hollanda Cavalcanli de Ai-
ra da Cosa, segundo sargento Antonio Jos dos i buquerque.
Manoel Peres Campello de Almeida.
Maooel Joaquim do Reg Barros.
DIARIO DE PEBHflMRCO
Aps o curto perodo de urna administraeo cor.
data,-justa e investigadora, entrega hoje o Exm.
Sr. desembargador Anselmo Francisco Peretti, ao
Ef m. Sr. Dr. Antonio Borges Leal Caslello Braoco
as rdeas da governacad publica.
Recolhendo-se ao pacifico eiercicio da judicatu-
ra, o Exm. Sr. Peretti deve levar a grata certeza
de que ao reraaneo da vida privada o acompanham
as bencos de todos os homens Honestos e impar-
ciaes da provincia.
Assumindo o encargo de vice-presidente de Per-
narabuco, depois de urna especie de ioteregno ou
SaDt0S e sua familia, cadeie Justino Lopes Cardm,
cadete Ernesto Antonio Pereira Barbosa, furriel "' jihmjuhh uu neg narros.
Antonio Gomes Moreira) cabo Joaquim Pereira Bas- Maooel Cavalcanli de Albuquerqu9 Los,
tos, cabo Jos Luiz da Costa, cabo Deoclecano Au-' Dr. Manoel do Reg Barros Souza Leo.
gusto de MendoBca, 44 pragas do 9. baulho, 12 Mariano de S e Albuquerque.
sentenciados, Francisco de Paula Tiburclo Ferreira i Manoel Nunes Correa.
Mana Magdalena dos Res, Mara Joaquina de Je- Miguel Mendes da Silva,
sus, Leonida Maria da Conceico, Amancia Mara i Manoel Peres Ferreira.
fnaJ9?5C,Hes de Xorte AmericaD0 d au- Miguel Germano dosJSantos Pereira Bastos.
g P,cciTar,Deiros- -. Manoel bornes dos Sanios Pereira Bastos.
t7n h a g ? vapor- brasile'ro Parahiba, en- Manoel de Souza Leal Jnior. ,
"ub a S Y e p0nlos "-nedHos : Dr. Miguel Felippe de Souza Le3o.
Juliao de Vasconcellos, Alclnio Baptsta Monte!- Miguel Nunes Correia.
2'!EdTPKrad0 A"UJ-. Antonio Jos Pereira N.colu Tolenlioo de Carvalho.
JL -hd^eTh0.ma FraQC'SC0 da Silva, Tertu- Octavlano de Souza Franca.
152? /r ,S,antnS Pa,ory' sydroD, Sabino Mon- j Dr. Pedro Dornellas Pessoa.
Firminn r^Mp"18?0 ^^J^eiTi Los, Pedro Alexandrino de BarroCavalcanli.
ET2L 2 i d,e F'8.ue'red. Dr- Olympio Euze- Pedro Celestino Mindello.
5^^.^" Mar'a ,da C"cei?ao, Jos ; Dr. Pedro de Alhayde Lobo Moscoso.
SSSSftn. ^".T1: 'os* Francisco da, Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga.
nndade Jnior, Narciso 'Jos da Silva, Ignacio1
jse Machado, Dr. Francisco das Chaeas Muniz e 1 Conselheiro Pedro Autran da Malta e Albuquerque.
tuno, Jos Francisco de Oliveira, major Cjaudino A Profiro da Cunha Moreira Alves.
de Carvalho, Felicidade ( africana livre ) Luiz de, Pedro de Alcntara des Guimaraes Peixoto.
Amorim Lima, Dr. Mariano M Deschamps Cesar Bodolpho Joo Barata de Almeida.
Augusto Martinehay, sua senhora e 1 filho, Trajan! Bufino Antonio de Mello.
A. Moreira Simoes, Julio dos Santos Pereira, Anto- P/. Rufino Apguslo de Almeida.
Raymundo da Silva Maia.
Salvador Hennque de Albuquerque.
Severiano Bandeira de Mello.
Satyro Seraphim da Silva.
Tenente coronel Sebastiao Lopes Guimaraes.
Silvino Guilherme de Barros.
oio Augusto de Amorim, Nathanie Ferreira de
Araujo, Francisco Duarte das Neves, dnas pracas
do exercto. ~
Passageiros do hiato brasileiro Santa Cruz,
sahido para o Aracaty :
Francisco Jos da Costa Jonior, Manoel Alves
Fetoza e Claudino Jos Flix. I Dr. Sabino Olegario Ludgero Plnho.
Obituario do da 21 de janeiro de 186S, no Sebastiao Jos Gomes Penna Jnior
cEMiTEiuo publico. Salustiano.Caetano dos Santos.
Antonia Mana da Conceico, Pernambuco, 112 an-' Sebastiao Alfonso do Reg Barros
nos, solteira, Boa-Vista, velhice. i Simplicio da Cruz Bibeiro.
Esperanca, escrava, Pernambuco, 14 annos, soltei- Dr. Silvio Tarquinio Villas-Bas
ra, Boa-Vista, hepatitis. Dr Thom Ferdandes de Castro Madera.
Manoel Ferreira de Araujo Castro, Portugal, 64 an- Tiburcio Valeriano Bantlsta.
nnc viin-n Un \T;.-*., t,..M*-Anl.:. m ... -. ..r
nos, vravo, Boa-Vista, hypetrophia.
Paulo Alfredo, Pernambuco, 15 annos, Boa-Vista,
Jebre cerebral.
Francelina Joaquina da Cunba, Pernambuco, 22 an-
nos, viuva, S. Jos, erysipela.
Jos Flix dos Prazeres, Pernambuco, 70 annos,
Thom Carlos Peretti.
Thornaz Garrett.
Dr. Tarquinio Braulio de Souza Amarante.
Thornaz Carneiro da Cunha.
Thornaz Antonio Maciel Monleiro.
Thornaz de Carvalho Soares Brandad.
casado, Boa-Vista, peneumona. Trajano Augusto de Carvalho.
Eledia Mana dos Santos, Pernambuco, 24 annos,, Thornaz de Aquino Fonseca Jnior.
estada, Boa-Vista, tubrculos pulmonar. Wysses Cocklos Cavalcnle de Mello.
r :, i -i*..,.. ~_J? lysses Pernambucano de Mello.
Latharina das Vngens Coimbra, Pernambuco, 70 Vicnie Livino da Costa Campello.
annos, solteira, Boa-Vista, congeslao cerebral. Virgilio Jos da Molla.
Vicente Antonio do Espirito Santo.
ausencia quasi total de instituicao positiva era ma- Antonio Alvn do Nascimenlo, Pernambuco, 37 an-' vS Cenado ftSe'prSlta Silva.
tena de enverno, a cstrea a Sr peomh^mianr nos, soltero. Boa-v isla, varinln v:.r,i j. n..,i. j.m:..;.. im.. t.
leria de governo, a estra do Sr. desembargador as< soleiro, Boa-Vista, varila.
Peretti foi geralmente saudada, com verdadeiro Ma"'?^0',PPeinambaco' 18 mezes' Panto Antonio,
__ rt jabir Iuioriic.
regos.jo, por esu briosa populacao, que no desa- Francisco Alves de souza, Pernambuco, 48 annos
brigo em que jazia, aeceiava j prestes ao deses-! casado, S. Jos, gragreoa.
pero, por alguem' que por parte do imperador le, A,g' jDS "cra7a' Pernambuco, SO annos, soleiro,
ouvisse as queixas, Ibe adoinlstrasse josUca, sera Amia, PefnaXco, 5 mezes 8. Jos, coavoIsSes.
Vicente de Paula de Oliveira Villas-Boas.
Dr. Virgilio de Gusmo Coelho.
Dr. Vicente Pereira do Reg.
Vicente Ferreira da Porciuucula.
Visconde de Camaragibe.
Eu Joaquim Francisco de Paula Esteves Ciernen
te, escriwo do jury subscrevl e assigno.
Joaquim Francisco de Paula Esteves Clemente.'
PBLICidOES 1 PEDIDO.
Lv-'r Beatus vir, qui non abiit in conci-
' lio impiorum, et in via peccato-
rum non stetit, et in cathedra
peslileniiae non stiet.
Feliz d'aquelle, que nao se deixou
ir aps os mos conselhos,que
nao se deteve entre os perver-
sos, e nem se assenlou na cadei-
ra das falsas don trinas.
David. Psalmo 1." v. i."
Um grande successo teve lugar s quatro
e meia horas do da 27 de dezembrb ultimo
nesta cidade 1
Um vulto preeminente deseen a fra lage
do sepulcro I
0 coronel Manoel Jos Pereira Pacheco
j deixou de fazer parte da alta sociedade,
a que o haviam elevado os ttulos mais jus-
tos a estima e considerajo publica I
E porque os nao gosra por mais tempo f
Sao roysterios em que naufraga todo aquel-
lo que onsar sonda-Ios I
Nascido no seio da abundancia, cercado
de amigos desde o berco, por si e por sua
familia : tendo assumido todos os poslos e
honras sociaes de que s dispoe o verdadei-
ro mereclmento, pareciara sorrir-lhe todas
as grapas ao volver de seo beneficente olhar;
e assira bem suppunha poder legar a seus
filhos urna fortuna colloesal, e aos amigos
tantos ootros em sna descendencia.
Mas ou fosse fado ou m sorte nada di. so
fez, nada disso conseguiu...
E porqne asslm succedeu ? S Dos pos-
sue a chave deste mysterio : s aquelleque
0 enriquecer de latos dotes appetecives,
pode desenrolar a ponta da mciada da feli-
cidade ou infelicldade humana.
Mas elle tinha direito a ser melhormente
considerado, ao menos as horriveis horas
do infortunio...; porque bom pai, bom es-
poso, fiel amigo e distincto cidadao, elle nao
trepidava um s momento em derramar so-
bre a humamdade todos os dotes que a Pro-
videncia Ihe prodigalisara.
Mas o que o homem quando a mao do
Senhor se desprende de sobre elle ? Nada;
a folha que o venio leva.
Urna dolorosa catastrophe, urna perda ir-
|reparavel para a patria, j>ara a familia, e
ibre tudo para a humanidade Ibes eslava
eservada.
A vida do homem victima eslava cheia
ios olhos da Providencia : sua alma devia
jiabitar no seio da eternidade.
1 Na idade de 40 annos, nove mezes e dez
das, e de vinte e um annos incompletos de
dasado, legou s seu nome e suas virtudes
ai urna familia d'orphos, com quem nao du-
vjdaria repartir toda a sua fortuna se por
vtentura apesar da mo do infortunio, nao
s Ihe houvesse routado toda a paz de seu
espirito, todos os dotes e riqueza que junta-
r para fazer felizes aquelles, que deveriam
ser a gloria de sua velhice.
Sim : estava escriplo ; a sua carreira es-
tava completa; convinha preencher o fim
del sna misso sobre a trra.
Victima da mais atroz perfidia, da inveja,
dalsimulacao e da alelvosia, nao era possi-
vel poder (humanamente fallando) sobrevi-
vep a urna serie de atrocidades, acoberta-
daS cora o manto da justica e da lei I E
quando ? I Depois de roubado em sua fortu-
na, offendido em seus direitos, e mais...
em sua honra como a imprensa desta e d'ou-
iras provincias se encarregaram de paten-
> ada Ihe valen; parecia que todas as fu-
rias do averno se haviam conspirado contra
a sua existencia...
>em os vnculos do parentesco* nem os
favt res pessoaes, nem os beneficios derra-
mac os com mao profusa sobre milhares de
fam lias tudo fugio, tudo desappareceu aos
olhds da persegoicao e da perfidia I
V ctima da boa fvicu'ma, de sua since-
ridaievictima, finalmente do sagrado no-
me da amisade tudo Ihe Jogio nada Ihe va-
leu ia occasio do infortunio I
Tendo at entilo gosado de. todas as hon-
ras i i suffragios de seus concidadaos, como
che) da municipalidade, outro tanto oflre-
cia ; admiragao de seus amigos, as gracas
com que o poder o considerara.
Tmdo sido em marco de 1834 destingui-
do pelo mais justo dos monarchas com o
posli de coronel commandante superior, an-
da ninguem foi tao estimado na sua patria
pelo seus concidadaos, e nem exerceu mais
influencia peranle as urnas de seu paiz.
As sim estimado e premiado na vida poli-
tica e militar, suas glorias e tropbeos so-
bemide ponto, considerada a sua importan-
cia ommtrcial, at o dia de sua morle;
aind i nao houve um Aracatyense que go-
zasse_ tanto, nem repartisse mais favores
bene Icios com seus concidadaos.
Dipm a industria, ommercio e artes.
M is, que valem favores e beneficios, na
epocji em que o vicio,' coroado de-gloria e
bonsj successos, na* receia alear o eolio
conta o amigo leal dedicado, o prolector
constante e anda mais coostante na adver-
sidade ? E porque ? Porque sua fortuna e
sua nosicao eram os seus nicos crimes; ao
pass4> que em oulras eras, em outros paizes,
e cotti outras autoridades, pelo aclo porque
fora aecusado merecera estatuas e memo-
rias pelo seu heroinismo e justo desagravo
de sna honra ultrajada, de seus direitos de-
turpdos, e de sua boa f illaqueada, es-
carnecida e por. ultimo os nicos degros
paralasseocao de novos Sinoes I...
A brovincia sabe, e quic todo o imperio
que i> llustre morto fora olTerecido em ho-
locaijslo a perfidia de magistrados erapenha-
dos etai desnaturar os factos para attaauar
o crlme do verdadeiro criminosa : a pro-
vincia sabe, e a historia registrar mais es
la pagina negra dos feitos judiciaes desla
comaj-ca, assim como da fallencia dessa
grande casa premeditada, sollicilada e por
ultim conseguida contra todos os clculos
da rafcao humana ; e que aps d'um outro
mal sj3 lhes infringir origem de mais de
urna inorte em um mesmo individuo; que
nesse conjunclo de circumstancias, cada
qnal oais fatal I o resultado nao poda.dei-
xar de ser sen5o o mesmo, para o que a
justic de seu paiz concorrera com avulla-
das sommas de perfidias e vendida.
Quall seria o coracao sensivel e generoso
ao verj-se desbaratado em sua fortuna, pre-
indicado em sna honra e offendido em seus
direitos, se podesse contrafazer; e que da-
das essas antecedencias outra devesse ser a
consequencia ?
Victi|ma pois, da perversdade humana,
acabrunhado pelo peso da prepotencia e da
desgraca, j nao era possivel poder por
mais teknpo resistir aos effeitos do mal que
era suadrgem Ihe damnara a existencia;
deuari^ de ser o cidadao benemrito, a
victima limmolada ao furor da perversdade,
o herdelro das virtudes de seus pais, ven-
do-se despojado de todas as glorias e soffra-
gios atea pouco recebdos de seus compa-
triotas, sem que podesse fazer um favor se-
quer qtielle que confiada mente proenrava
sua proteccao como de outr'ora.
Neste mar de aflligoes e angustias, cerca-
do do desgostos e pesares; tendo compre-
bendido (e bem que tarde; a poca em qno
nascera, para deixr de pesar sobre a ierra.
At que1 snecumbio na morada do crime,
como se houvesse tentado roubar a existen-
cia de urna alma bemfazeja e considerada
pelas suas altas virtudes I
Praticoujun acto de verdadeiro delirio;
mas que tinha o seu berco na honra e n
dignidade pessoal do homem de bem que
vio nesse auto a desalronta de sua alma jus-
amente indignada.
0 homem que serviu de modelo seos

semelhantes, anda mesmo na morte e no
infortunio j nao existe.. .Mas suas.accoes,
seus actos de para beneficencia e de' verda-
de ira misericordia passarao de geracio em
geraco; e para isso, ahi estao essas arises
epidmicas, porque ainda ha pouco passara
esta provincia, qae atiesten) seus relevan-
tes servicos, seu constante proceder em fa-
vor da humanidade desvalida, as pocas
em que mais coraprovou sua beneficencia
sem limites.
Felizmente os factos sao' contemporneos,
as crises ainda se ressenlem ; ainda assim
era preciso para satisfazer as vistas do odio
e da voganca que se-corpe s podesse ser
arrancado do ergaslfo em que jazera em
pleno dia e s pelo lestemunho de um fa-
cultativo, que ainda depois de morto nao
duvidou de exercer a pequenhez de seus
instinctos.
O que ha de tudo isto mais revollante; o
que faz excitar a aolmadversao do animo
mais fleugmaiico, saber-se que o aulor de
todo esse miseravel raelodramma, que al
entao jazia bomisiade- na espelunca do crl-
me; apenas a victima de sua ambicao ex-
halou os ltimos suspiros, nao duvidou pas-
sai -Ibe em frente ao lado de sua esposa e
de sua ora para mais c mais comprovar o
triste estado de sua criminosa consetencia e
dos justos remorsos que Ihe corroiao as
entranhas.
Pois bem I Com esse acto cortn-se o fio
de urna vida preciosa; a justica e a lei fo-
ram desagravadas, mas nunca aos olhos da
razo e de Dos I Entretanto, o protesto pu-
blico nao podia ser mais honroso; seu pres-
lilo o comprovou, o o senlimento publico
exercen o mais distinelo lugar pelo passa-
mento d'aquelle, que fazia as glorias de seu
partido e de sua patria, comprovando-se
deste modo o boncoso verdict que o aguar-
dava I
Pois bem, a justica est satisfeita, vir-
iude ultrajada, a innocencia opprimida, o
crme, a violencia e o cynismo de eolio al-
eados alTrontando tudo quanto ha de justo e
honesto sobre a face da trra.
Urna s gloria, porm, resta aos amigos
do illuslre morto, quo elle prefero perder-
se do que perder alguem : e finalmente quo
nunca fez parle com o crime, nem com a
corrupeo : que nao se deleve entre os per-
versos e nem comparti os prazeres dos fal-
sos doutnnarios da moral.
Bequiam Eternam dona i Domine:
Et lux perpetua litcf.it a.
Agua de Florida de .llurray e
Lauaan.
As senhoras qae desejam e goslam girar e mo-
ver n'uma atmosphera radiante de frescura e fra-
grancia, deverao sempre usar desta rica e mimosa
agua, nos seus toucadores. Unas poucas de got-
tas deiladas no banho, ou n'ura copo d'agua, no ca-
so que se deseje dar nina lavagem odorfera aos
deates, achar-se-ha ser emneuteinenle refrigerante
e summamenlesaudavel, e para a boa conservacao
dos denles nao ha cousa melhor; a mesma usada
n'um fino lenco de cambraia por occasio d'uma
visita ou ao ir-se a um baile, a delicada e deleita-
ve! fragrancia qae se diffunde do lenco, attrahir a
si mais attenco, do que o raro bordado do que o
mesmo composlo.
Aquellas pessoas sujeilas a vertigens e dores vi-
lenlas da cabega, quando presentes em grandes as-
semblas, acbaro uro prorapto allivio no uso da
Agua de Florida, a mesma faz desapparecer como
por encanto toda a oppressao do ospirito, restituin-
dq ao mesmo urna doce e refrigerante suavidade
aliviando as ideas, dando ao espirito urna brilhanle
elasticidade, e a mente novo allivio e vigor. Afim
de se estar ceno que se ha obtido a verdadeira
agua, bom ser vr-se os nomes de *hurray e
btmmtm existem inscriptos sob cada envoltorio,
letreiro e at mesmo layrado no propno vidro das
garrafas, sendo este o signal raais evidente da sua
genuidade.
Vende-se em .'casa de Caors & Barbosa, e J; C.
Bravo & C.

6 voluntes mobilia; a D. Josephina dos Santos
Mir.
SO barris vinagre, 20 ditos azete doce, 200 sac-
eos farello, 8 ditos erva-doce, S sorroes cominhos,
100 caixas ceblas ; a A L. de Oliveira Azevedo
&C
100 ancoretas cora azeilonai; a Manoel Jos de
Souza.
3 caixas impressos; ao consol portuguez,
1 dita fructas seccas e doces ; a Jos Jeronvmo
da Silvi.
200 saceos farello ; a ordem.
26 pipas e 30 barris vlnho, 6 pipas vinagre, 100
saceos farello ; a Manoel Joaquim Ramos e Silva &
Genros.
Brigoe dinamarquei Oim, entrado de Cadix,
consignado a Rothe & Bidoulac, manifestou o se-
grate :
100 lastros de sal; a ordem.
Hiate nacional Alberto, entrado do Rio Grande
do Sul, consignado a Francisco Jos da Costa
Araujo, manifestou o seguinte :
7,060 arrobas de carne nova, 20 barricas con
130 arrobas de sebo, L.Varn-bas de graxa em bexi-
gas e 40 couros seceos a ordem.
Vapor nacional Paraliyba, entrado dos portos do
sul, consignado a agencia manifestou o seguinte :
De Penedo.
13 saceos com 86 arrobas c 11 libras de algo-
do ; a Andrade & Reg.
126 saceos milho ; a C. C. da Costa Moreira
& Irmo. /
41 meios de sola, 5 saceos com 133 arrobas e 6
libras de algodo, 118 saceos milho, 30 ditos fei-
jo, 45 ditos cera amarella e 24 esleirs de perpe-
ry ; a Chaves & Vianna.
13 saceos com 59 arrobas o 7 libras de algodo ;
a Jos Goncalves Torres.
32 saceos' cora 149 arrobas e 7 libras de algo-
do ; a Palmeira & Beltro-
Barca iogleza Od Honosty, entrada de Glasgow,
consignada a Wilson & Hette, manifestou o se-
guinte :
412 toneladas decarvo de pedra ; a ordem dos
mesmos.
Recebedorla de rendas Inter-
nas geraesde Pernambuco.
Rendimenlo do dia 2 23........ 24:240889
dem do da 24................ 6570*065
24:897*954

MOYIMENTO 30 PORTO
C0MME1CI0.
Cotacoes ofOclaes.
PIUCA UO RECiFE.
24 de Janeiro de 1865.
Cambios sobre Londres90 djv. 27 d. por 1*000.
Frete de algodo para Liverpool Sil d. e 5 OO
por libra.
Dubourcq Jnior,presidente.
Guimaraessecretario.
Novo banco de Pernambuco.
O banco desconta na presente semana a 10 por
ceuto ao anno at ao prazo de qualro mezes e a 12
' por cento at o de seis mezes; toma dinheiro a ju-
, ros a prazo nunca menor de tres mezes, e saca
, sobre a praca da Baha.
Alfaadega
|Rendimentododia2a 23.........541:285*129
dem do dia 2................. 56.023*211
Navios entrados ne da 24.
Aracaty e portos intermedios4 das, vator bra-
sileiro Parahyba, de 104 toneladas, commandan-
te 1.1. Martins, equipagem 21.
Lisboa33 dias, barca portugaeza Despique II, de
293 toneladas, cap i trio Faustino Joo de Carva-
lho, eqnipagem 13, carga vinho e outros gene-
ros ; a Ferreira A Loureiro.
Barcelona49 dias, patacho hespanhol Porlollas,
de 155 toneladas, capilo Paulo Isern, equipa-
geni 12, carga vinho e ontros gneros; a" Pe-
reira & Carneiro.
Barcelona50 dias, patacho hespanhol Bicardo,
de 171 toneladas, capito Juan Grane, eqnipa-
gem 11 carga vinhos; a N. O. Bieber & C.
Hanor Grace 21 das barca ragleza Queen, de
246 toneladas, capito H. Barley, eqalpagem 13,
carga 3,336 narricas com bacalho ; a Johnston
Pater & C.
Navio sahido no mesmo dia.
Aracaty Hiate brasileiro Sania Cruz, capito
Jos Victorino das Neves, carga diferentes g-
neros.
DECLABASES.
Catxa filial do banco do Brasil
em Pernambuco,
14 de netro de 1865.
De ordem da directora desta caixa, se convida
aos credore- de >ebastlo Jos da Silva a virem
receber do thesoureiro da mesma caixa o que em
rateio lhes loca da venda de urna das propieda-
des, que segundo a concordata,lhe foram-entregue
para serem vendidas.O guarda-livros,
Tgnacio Nunes Correia.
591:308*343
Movimentoda alfandega
Velomesentrados com fazendas.
com gneros..
Voiumes sahidos cora azendas.
com gneros ..
174
234
187
130
-----317
408
3
Descarregam no dia 25 de janeirode 1865.
Barca nglezaIsabella Bidley- bacalho,
Brigue ingiezJane -bacalho.
Brigue ingiez Ti/fco/baealho.
Brigue ingiezUllswalermercaderas.
Barca franceza -Guilherme Telmercadorias.
Barca InglezaImogeidem.
Barca- ngleza=roiton of Liverpool-idem.
Patacho ingiez SI. E. Corming -carvo e ferro.
Brigue dinamarquezOdiasaL
Barca portugueza Sympathia farelo. feijo e
mais gederos.
Barca inglezaJl/imosacarvao de pedra.
Brigue ingiez -Otello-idem.
Barca ingleza -Stellacarvo.
Barca ingleza/f/onesti/-idera.
; Lugre ingiezArthurdem.
Importaco.
Barca portugueza Despique II, vnda de Lisboa,
manifestou o seguinte :
31 voiumes drogas ; a J. da C. Bravo C.
25 caixas cera em velas; a Domingos Rodrigues
de Andrade.
25 barricas cevada, 100 saceos farello, 3 caixas
bagas de zimbro; a Palmeira A. Beltro.
40. aocoreas graos, 10 barricas cevada, 1 barril
vinagre ; a J. J. da Costa Ferreira.
i 1/barr'l vinho j a A. J. Leal Reis.
400 saceos farello, 30 caixas velas de cera, 30 di-
tas ceblas, 50 ditas batatas : a Manoel gnacio de
Oliveira & Filho.
2 ancoretas azeitonas ; a Chaves & Vianna.
I 3 voiumes drogas; a Joaquim Ignacio Ribeiro
Jnior.
40 saceos seraeas; a Feliciano Jos Gomes.
1 -volume flores medicinaes; a Bartholomeu F.
de Souza & C
4 caixas marmellada, 1 dita chocolate ; a B. B.
Lasserre & C
719 varas lagedo j ao barao do Ligamento.
4 caixas drogas ; a Joo da Silva Faria.
1 dita mercurio; a Bailar A Oliveira.
4 ditas -alfazema, 8 pipas e 20 barris vinho, 30
diios e 24 pipas vinagre.
150 caixas e 100 raeias batatas, 550 saceos fa-
rello, 200 ancoretas azeiiooas, 80 barris toucinho,
100 saraos feijo ; a E. Baphael Babetlo.
6 pipas e 30 barris vinho, 25 ditos e 17 pipas
vinagre, 8 barricas cera em gromo : a Thornaz de
Aquino Fonseca.
20 pipas e 95 barris vinho, 10 ditos e 3 pipas vi-
nagre, 8 caixas azelte doce, 70 ditas, 40 meias e
80 qnartos batatas, 25 caixas e 50 meias ceblas,
200 barricas farinha de trigo, 5 caixas bolacha, 65
ditas sabo, 2 dilas figos; a Thornaz de Aquino
Fonseca Jnior.
15 pipas vinagre ; a Ferreira & Loureiro.
50 barris cheuricas ; a Jos Marcelino da Bosa.
6 atados passas, 240 caixas figos : a Custodio
Jos Alves Guimaraes & C.
4pipas e 29 barris vinagre: a Jos Antonio-da
Silva Jnior.
De ordem da directora desla mesma caixa se
faz publico aos senhores accionistas qae o respec-
tivo thesoureiro est autorisado a pagar o 22.* di-
videndo de 10* por accao.
O guarda livros,
Ignacio Nunes Correa.
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambuco.
Sao nova mente convidados os Srs. credores da
raassa fallida de Joaquim Francisco de Mello San-
ios a apresentarem nesta caixa filial seas ttulos
de crditos para seren attendidos no dividendo que
se tem de fazer no fim do correte mez.
O guarda livros
Ignacio Nunes Correa.
Delegacia de polica do primeiro districto do
termo da cidade do Recife, 21 de Janeiro de 1865.
Foi enconirado a vagar pela povoacao do Cachan-
g, na manha de hontem o menor Vicloriano, cor
preta, que diz ser livre, nao ter pais e hdver de-
samparado a companhia de certo individuo no Ar-
raial, por causados mos tratos qne recebia; quem
se juigar com direito a dito-menor, compareca nes-
ta delegacia para ser-lhe o mesmo entregue, prova-
do quanto baste.
O delegado,
b. A. Martins Pereira.
CoDselho administrativo.
0 conselho administrativo para fornecimento dc-
arsenal de guerra tem de comprar os objectos
seguintes:
Para o presidio de Fernando.
2 duzias de agulhas de ac proprias de cozer
saceos de la.
2 arrobas de rame de ferro, ou vergalbo de
} polegada.
1 peca de cabo de 1 i olio de ma polegada.
2 p.-rjas de dito de dito alcatroado com 2 \i po-
legadas.
400 caibros de mangue.
1 tonelada de carvo de pedra.
1 Diamante encastoado para corlar vidros.
600 enchadas do Porto.
100 enchameis.
2 arrobas de fio de vella ingiez.
4 quintaos de ferro sueco.
6 duzias de dobradicas de cruz.
4 duzias de ditas menores.
2 duzias de (echaduras de broca para porta.
4 duzias de ditas singelas para ditas.
4 duzias de ferros pedrezes para ditas.
2 duzias de ditos ditos de rabo ditas.
2 lences de ferro para chapas de 'echaduras.
3 duzias de limas tringulos de serralbeiro de
3, 5 e 7 polegadas.
8 duzias de limas chatas de 10, 12, 14 e 16 po-
60 hnlias ou travs de 30 a 40 palmos.
2 rolos de panno de algodo proprio para ensa-
car laa.
25 pices.
25 picaretas.
50 pegas poitas de enibira.
3 pranebdes de amarello vinhalico.
3 ditos de lauro.
4 ditos de secapira.
10,000 pregos calbraes.
10,000 ditos ripaes.
40 molKos ripas.
2 arrobas tinta azul em massa.'
2 duzias laboas de amarello.
100 covados tapete para Igreja.
8 libras de vermelho.
1 caixa de vidros para caixilhos com 11 polega-
das de comprimenlee 8 }i ditas de largura.
Quem quizer vendertaesartigos apresentem suas
propostas era carta fechada na secretaria do conse-
lho administrativo s 10 horas da manba do dia
27 do corrente.
Sala das sessSes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 20 de Janeiro
de 1865.
Antonio Pedro de S Brrelo
Coronel presidente.
Sebastiao Jos Basilio Pyrrho
Vogal secretario.
Consulado provincial.
Pela mesa do consuado provincial se faz publi-
co que no da 10 do corrente se princlpiam a con-
tar os 30 dias otis ^marcados para a cobranca
bocea do cofre do anno floanceiro vigente dos im-
postos de 4 Oo^sobre casas em rae se acbarem
estabelecimenlos de commercio fra da cidade do
f





L
_J



Diario de Fcrnamfcuco
Qiiaia felra a de fanelro de 185.
Recift, prensas de algodao, typographias, cochei-,
ras, botequins, holeis, casas de pasto, cavallarices
e fabricas, de 8 OjO sobre consultorios mdicos e
cirurgieos, cartorios e eseriptorios.de 20 0(0 sobre
estabelecimenlos de comraercio em grosso e a re-
talho, armazens de recolber, os trapiches, d
505 por casa do bilhar e modas, de 1005 por casa
que vender roupa feita no estraugeiro, de compra
e venda de escravos, de corretores commerciaes 6
agentes de leilo, de 1:0005 sobre casas de opera-
goes baocarias com emisso e previlegios, de 6005
pelas ditas com emisso e sem previlegios, de 4005
pelas ditas sem emisso, companhias anonymase
agencias, de 3005 pelas casas de cambio, de305
pelos escravos empregados no servgo de alvaren-
gas, ue i5 por tonelada de alvareoga e canoas
abertas, de 205 por cada bote ou saveiro, de 305
por cada balieira, de 105 por escravo ganbador ou
empregado era servigo de transporte ou em rma-
seos, de 105 por cavado de. sella de alugael, de
65 por cavallo particular, de 5 0|0 pela venda de
capim e o imposto de carros, carrocas e mnibus,
e tambem o Io semestre do de 50 0|0 do consumo
de agurdente das freguezias desta cidade e dos
Afogados, S. Loorenco, Santo Amaro de Jaboatao,
Muribeca e Vanea* licando sujeitos a mulla de 6
0|0 sobre os seus dbitos depois de findo o d
praso.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
7 de Janeiro de 186S.
Antonio Carneiro Machodo Ros.
Capitana do porto de Pernambuco, 14
de Janeiro de 1865.
Em vista das circunstancias melindrosas em que
se acba o paiz, sendo necessarlo qne todos os bra
sileiros, concorram para a sustentago dos bros e
dignidades nacionaes, compromeitidos na guerra
com as repblicas do Uruguay e Paraguay, manda
o Illra. Sr. capito do porto, em virlude do que Ihe
foi determinado por S. Exc o Sr. ministro e secre-
tario de estado dos negocios da marrana, convidar
nao s aos matriculados, como a todos os cdados
que se queiram alistar na qualidade de voluntarios
para armada, a se apresentarem nesta capitana
nos das uteis das 9 s 3 1|2 horas da tarde.
Outro sim, sao igualmente convidados os indivi-
duos que tiveram baixa do servico naval, a alista-
ran se por um anno ou mais, |garantindo-se-!he
nao s as respectivas escusas, |ogO que termmem
os seos contratos, mais anda os premios flxados na
le, para os que voluntariamente procurara o ser-
vico da armada, e bera assim urna gratificagao
rnensal, igual a metade dos sold?, que percebiara
Da occasio em que obtiveram baixa.
As yantagens e condiceoes para o alistamento se-
rie as estabelecidas pelas instruegoes que baixa-
rara com o decreto n. 1591 de 14 de abril de 185o
que sao as segnlntes :
Art. l. Dstinguir-se-hao seis classes de volun-
tarios :
1.* Dot individuos que quizerem servir na ma-
rinhagem sem tempo determinado ;
2." Dos que se quizerem contratar para servir
na mannhagem por tempo determinado ;
3.* Dos que se prestarem servir na marinh-
gera os prazos estabelends no artigo 3. do decre-
to n. 1466 de 2o de outubro de 1834, e que escu-
sam o nacional do servico militar ;
4.* Dos que quizerem ter praga no corpo de im-
periaes raarinheiros.
5.* Dos que se deslraarem para o batalho naval.
6.* Dos aprendizes marnheiros.
Art. 13. Os voluntarios das differentes classse
deliradas no artigo antecedente devero ter os re
qnisitos seguintes :
1.* Classe.Os que se alistarem para a mannha-
gem sem lempo determinado, devem ser fortes,
saos, acoslumados a vida do mar, ou pelo menos
apazes de servir na praga de grumete.
2.*. Glasse.Os que se uoolratarem por prazos de-
terminados, de um a tres annos, devem ser fortes
saos, e acoslumados a vida do mar.
3.' ClasseOs que se contratarem para servir
na marinhagem o prazo de seis ou de oito anno?,
era- conformidade do arligo 3." do decreto n. 1466
de 25 de outubro, devem ter os requisitos dos da
segunda classe, excepto a pratica da vida martima
que poder ser despensada com a clausula que
adiante ( artigo 16) se expressa.
i." Classe.Os alistados para o rorpo de impe-
riaes marnheiros devem ser cdados brasileos
de 18 33 annos de idade, ou at 40, sendo homens
do mar; fortes, saos, e capazos de todo o servico.
. Classe.Os alistados para o batalho naval
devem ter 18 at 45 annos annos de idade, e os on-
tros requisitos da quarla classe.
Todava poder-se-ha admillir alguns estrangei-
ros medanle previa autorisacao do governo.
6." Classe.Os aprendizes marnheiros devem
ser cdados brasileiros, de 10 a 17 annos de ida-
de, de coostituicao robusta, e apropriada vida do
mar.
Poder-se-ha tambem admittir menores de 10 an-
nos, que lenliam suDkiente desenvolviraento phy-
sico para os exercicios do aprendisado.
Art. li. Os voluntarios da primeira classe perce-;
bero os sidos concedidos pelo artigo 1 "do decre-j
to n. 1466 de 23 de outubro, mas nada receberao
a ttulo de premio ou gratificagao.
Ser-lhes-ha declarado, e expressado nos seus as-
soutanientus, que nao obtero gua de desembarque
sem prevnir ao commandantc respectivo dous
mezes antes, salvo se nisso nao houver _ncon\e-
nienle para o servico, por que ento sero imme-
diatamente attendidos.
Urna resalva, que Ihes de ver ser entregue com
a gnia de desembarque, declarar que a contar
dessa data os sobreditos voluntarios, se forem na-
cionaes, licam sentos do recrutamento por um an-
no, ou por tempo igual ao que tverem servido nos
navios do estado, se este prazo for menor ; salvo,
porm, o caso de circumstancias extraordinarias
durante s quaes ficar suspensa a isenjo.
Art. 15. Os da segunda classe receberaos os pre-
mios seguintes :
Se forera grumetes; dez, vinte e dous, ou trnta
quatro mil reis, segundo se conlratarem por um,
dous, ou tres annos.
Se forera marnheiros : vinte, quarenta e cinco,
ou setenta mil reis, segundo o prazo de seu contra-
to for de um, dous, ou tres annos.
Alm do premio receberao mais os referidos vo-
luntarios se directamente se apresentarem, a gra-
tificaco de quatro mil reis sendo estrangeiros, e-
de cinco mil reis sendo nacionaes.
Esta gratificagao, porm nao se abonar repeti-
damente ao mesmo individuo por cada novo con-
trato successivo que zer, se este for de prazo me-
nor de tres annos.
Art. 16. Os da terceira classe receberao mais
urna quarta parte do maior premio que poderiam !
obter contratndose como os da segunda classe,
na praca de grumete ou de marinheiro, que Ihes
competir, e a mesma gratifleacao apresentando-se
directamente.
Exceptuam-se os que nao forem homens do mar,
e tverem mais de 40 annos de idade, os quaes po-
derio alistar-se coro as condieges dos da terceira
classe, mas sem augmento de premio.
Art. 17. Os da quarta classe receberao como pre-
mio cem mil reis, se forem marnheiros, e sessentaj
rail reis se forem grumetes.
Art. 18. O da quinta classe receberao o premio
de cento e cncoenta mil res, se nao forem maiores
de quarenta annos e o de cem mil reis, se tverem
mais daquella Idade.
Art. 19. O premio dos voluntarios menores, des-
tinados para as corapanhias de aprendizes mri-
nheiros, ser de cem mil reis, e se abonar aos
{jais, tutores, ou quem suas vezes fizer :
Art. 20. Os premios de que tratara os artigos an-
tecedentes sero pagos pela maneira segulnte :
| I." Os dos voluntarios da segunda classe, se o'
alistamento for por um anno, Ihes sero pagos in-
tegralmente no acto de assentarem praca ; se por
dous ou tres annos, receberao em tres prestacoes
gneas, sendo primeira paga como no primeiro
aso, segunda quando vencida metade do prazo
do contrato, e a terceira linda o dito prazo.
Os voluntarios da terceira classe recebe-
rao urna terca parte do premio respectivo logo que
lenluin assentado praca, ontra terca parte no flm
prazo de seu alistamento.
3.* Os premios dos imperiaes maririheiros e os
4 is pracas do batalho naval sero abonadas como
os dos voluntarios da tercelraxlasse.
;s .* Os premios devidos pelo alistamento de
m. Mores paras as eompanhias de aprendizes raari-
nbeiros serao pagos integralmente, logo que.se re
rifique a entrega dos ditos menores.
Art. 21. As grafteagoes que ompetem aos vo-
luntarios que directamente so alistaren) no servico
da armada, sent pagas conjuntamente com a pri-
meira prestaco do premio respectivo.
O secretario.da capitana,
Utcio de Aqiino Fonceca.
Crrelo geral.
Pela adminislrago do crrelo desta cidade se
faz publico, que em virtude da convenci postal
celebrada pelos governos brasileiro e francez, se-
ro expedidas malas para Europa no dia 30 do
; crreme pelo vapor francez Gutenne. As cartas
sero recebidas at tres horas antes da que for
marcada para a sahida do vapor, e os jornaes at
quatro horas antes.
Admioistmco do correio de Pemambnco 24 de
Janeiro de 1865.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
ayisos martimos.
Leilo oe sola e couros miudos.
HOJE.
O agente Pestaa vender por conta e risco de
quera pertencer 50 mios de ola avahada e 2,000
couros miudos era lotes, no estado em que se
achara : quarta-feira 23 do correle s 10 horas
COMPAN'HIA PERNAMBUCANA
7
DE
Xavegaeao costeira a vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaty, Cear
e Acarac.
No dia 26 do correte s 5 ho-
ras da tarde segu o vapor Persi-
nanga com mandante Hales, para
' s portos indicados. A carga ser
_ -acompanhada dos o dia 25 ao meio
da, recebida al respectivos conhecimentos, en-
comraendas, passageiros e diheiro a frete al as
2 horas do dia da sahida : escriptorio no Forte
do Maltes u. 1.
COMPANH BRASILEIR
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do su I esperado
at o dia 30 do correte o vapor
Princeza de loinvle, comman-
dante o primeiro tenente Araujo
o qual depois da demora do eos -
turne seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia, rna da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Lniz de Oliveira Azevedo & C.
Para o Rio de Janeiro.
Pretende seguir em poneos dias o patacho Ca-
pitn, tero parte dn seu carregamento bordo, pa-
ra o resto que Ihe falta o escravos a frete: trata-
se com os seus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveir*a Azevedo i C, no seu escriptorio ra da
Cruz n. !_______________________________
Porto por Lisboa.
Pretende seguir com brevidade a muito velera
barca ponugueza Corea, por ter grande parte da
carga engajada, paro o res'o e passageiros aos
quaes offerece os melhores commodos: trata-se
com o consignatario T. de Aquino Konseca Jnior
na travessa da Madre de Dos n. 3, primeiro an-
dar, ou com o capitn na praca.
Para a Baha
Pretende seguir com brevidade a sumaca Hor-
tencia, tem parle de seu carregamento promplo
para o resto que lh falta trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luizde Oliveira Azevedo
& C.,_no seu escriptororua da Cruz n. 1.
Para a Baha pretende sahir em poucos das
a velera escuna Elisa, capito Belmro Baptista
de Souza, tem a maior par-e da carga tratada, para
o pouco que Ihe falta trata-se com os consignata-
rios Palmer & Beltrao, largo do Corpo Santo n. 4,
primeiro andar.
Rio de Janeiro
O palacho Valente a seguir em poucos dias, re-
cebe carga mitida e escravos a frete trata-se
com os consignatarios Marques, Barros & C, largo
do Corpo Santo n. 6.
Rie Grande do Snl.
Segu no da 2S do corrente o patacho nacional
Salupendes, recebe carga afrete, a qual trata-se na
ra do Trapiche n. 4.
da manhaa
Mallos.
no armazem do Sr. Anla no Forte do >
Leilo de escravos.
Quarta-feira 25 s 11 horas.
Cordeiro Simdes vender em leilo diversos es-
cravos sendo:
1 preto de 25 annos, bom cosinheiro.
1 preto de raeia idade sera habilidades.
1 preta de meia idade com habilidades.
1 preto de 23 annos com dita.
1 cabrinha de 11 annos dita.
E outros muitos que estarlo patentes no acto do
leilo cujo leilo ser effectuado ra da Cruz
n.57.__________________________________
Leilo de um sobrado de dous andares da
ra do Padre Floriano n. 24. edi6cado
em chaos proprios, o qual rende 5040
annuaes.
HOJE
Por intervencae do agente Pinto, s II 1|2 ho-
ras do dia cima dito era seu escriptorio ra da
Cruz n. 38.______________________________
Leilo de 1,10(1 saceos para assocar
; i'oin avaria.)
O Dr. Ca rol i me Francisco de Mma San-
tos, ewnllna a residir na ra do Impe-
rador n. 17,2 .indar, onde pode ser pro-
curado aqual para o exercicio de sna profisso de me-
dico ; sendo que os chamados, dennif de
raeio dia at 4 horas da tarde, devem ser
deixade por esicripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estndo das
molestias do interior, prosegoe, com o
maior afflnco, no das.mais difflceise deli-
cadas operacSes. como spjamdos orgaos
ourinarios.dos olbos, partos, etc.
IIIUE
LEILES.
Leilo de escravos.
!it>:ii:
Quiuta-feira 26 as 11 horas.
OLYMPIO
vender em leilo diversos escravos; seuio
Urna preta de 30 annos, cosinha e egorama
com perfeico.
Urna preta de 25 annos, cosinha, engomraa e
cose com perfeico.
Urna preta de 13 annos com principios de habi-
lidades.
Urna mulata de 22 annos, cosinha e engomraa
perfetaraente e una lilha de 4 annos.
Um mulato de 21 annos, copeiro e bolieiro
Um mulato de 22 annos copeiro e sabe engom-
mar.
Urna negra de 20 annos para qualquer servico.
Urna dita de 32 annos qunandeira ecosinheira.
E outros muitos cscravo quo cstaro patentes
no dia do leilo.
Leilo de dividas.
nojE.
O agente Pinto levar novamenle a leilo as di-
vidas activas da extincia firma de viuva Vieira &
C, na importancia de l:687522g rs., servindo de
base o maior preco obtido no leilo anterior, isto
is 10 horas do dia cima dito, cm seu escriptorio
ruada Cruz n_38^________
iio.ii:
Leilo quarla-feira 25 do correle as
11' horas.
Cordeiro Simoes far leilo de um excellente
microscopio composto cora 3 lentes achromatcas
que augmentam os objectos de 20 a 180 vezes,
proprio para analise de chimica orgnica etc..
com este microscopio pdese nao s ver todos os
insectos ordinarios, mais tambera as lavras aquati-
cas, c fazer todas as esperiencias microscpicas
mais curiosas : na rna da Cruz n. 37._________
Leilao de movis, escravos, pianos e
outros arligos de goslo.
Quarta-feira 23 do crreme as 11 horas.
Cordeiro Simoes far leilo de trastes novos e
usados e outros artigos de gostocomo seja : guar-
da roupas, commodas, lavatorios de pedra, secre-
tarias, reloglos de parede e de algibeira, quarti-
nheiras, cadeiras, mesas, panos e urna moLilia de
amarello, escravos de ambos os sexos, caadieiros
a gaz etc., etc, cojo leilo ser effectuado a ra
da Cruz n. 57.
Vender na mesma occaso um santuario e
trocar as imagens competentes.
Tambem vender na mesma occasio um escra-
vo de nove annos.
Leilao de urna casa terrea nova, edilicada
em chaos foreiros na ra do Socego n...,
com 2 salas, 2 quartos, cosinha fora, ca-
cimba e quintal murado, a qual rende
20 mensaes.-
IIOJI
Por intervenco do agente Pinto, s ti horas do
dia cima dito, em seu escriptorio roa- da Cruz
numero 38. ______ .
Leilo de urna casa de taipa na povoaoo de
S. Lourenco da Matta e dojis quartos.
EIO.IE
O agente Pinto far leilo a requerimento do
tesiamenteiro do finado Salusliano Ferreira Couti-
nho, e por mandado do Illrn. t>r. Dr. juiz de or-
phos, de urna casa de laipa nova com utencilios
de urna pequea taberna, e dous quartos ; as
10 1|2 horas do dia cima dito, em seu escriptorio
ra da Cruz n. 38.
O agente Pinto fr leilao por conta e risco de
quem pertencer de um fardo AB n. 4, com 1,000
saceos de grossara proprios para assucar avaria-
do a bordo do brigue inglez Harmston, capito W,
Slarking, s II do dia cima dito em seu escrip-
tono ra da Cruz n, 38. ;
Leilao de lo eaixas com queixos.
HOJE.
O agente Pestaa far.a leilao por conta e risco
de quem pertencer de 15 eaixas com queijos fla-
mtngos em um ou mais lotes a vontade ; hoje 24
do corrente pelas 11 horas da manhaa no arma-
zenydo Sr. Aones.______
Leilao de una mobilia de Jacaranda,3gran-'
des espelhos, 1 candelabro, 8 casticaes e
mangas, 2 redomas, 3 jarros finos, 2 es-
carradeiras, l marqueza larga, 1 commo-
da, 1 lavatorio, i estante, 2 diccionarios
de Moraes, \ realejo, I marqueza, 2 con-
solos, 12 cadeiras de amarello, i mesa
para jantar, 3 ditas menores, 14 quadros,
2 aparelhos de louca para jantar, 1 dito
para almoco, garrafas, copos, compotei-
ras, bandeijas, 1 ocule, 1 mesa de pedra,
1 selim e cabecadas, 40 garrafas de(
cognac e outros objectos.
QoinMeira 2G de Janeiro
no terceiro sobrado depois da ponte grande da
passagem da Magdalena,, para onde seguir ora
mnibus, devendo partir as 10 horas em poni da
ra do Crespo.
O agente Pinto far leilo por conta de urna pes-
soa que retra-se desta provincia de todos os ob-
jectos cima mencionados existentes no Icrceiro
sobrado depois da ponto grande da passagem da
Magdalena, para maior facilidade dos concorren-
tes dever para all partir um mnibus da ra do
Crespo.
Leii) de53 saceos com caf
de avaria.
Quinta-feira 26 do corrente.
Roth & Bidoulac faro leilao por conta e risco
de quem pertencer de 53 saceos com caf com to-
que d'agua salgada em um ou mais lotes a vonta-
de : quinta-feira 26 do crreme no largo da al-
fandega junto ao armazem do Sr. Annes._______
Leilo sexta-foira 27 de Janeiro as 11 ho-
ras ra da Cadeia armazem n. 53.
Pelo agente Euzebio.
De um sobrado de um andar, chao proprio n.
24, no largo do Terco, rende UOi por anno, foi
re parado ha pouco.___________-______f
Leilo de trastes e outros artigos.
Sexta-fe.ira 27 as II horas.
Ensino particular.
O bacharel padre Manoel da Costa Honorato avi-
sa aos pais de seas alumnos que contina no ejer-
cicio de seu magisterio em casa de sua residencia
na ra da Matriz_da Boa-Vista n. 26.__________
J. Keller 4 C, administradores da njassa
fallida de Martiaho de Oliveira Borges, avsam aos
respectivos credores quQ anda nao receberam o
ultimo dividendo, para que no prefixo praso de 13
das, eontados de hoje, venhara receber o mesmo
dividendo, sob pena do depositarem no deposito
publico, visto que os aonunciantes querem pres-
tar conlas da adrninstraito. Brfcife 24 de Janeiro
de 1865.________ _________
Manoel Pinto du Queiroz, subdito portuguez,
retra-se para Portugal.
Precisase de olDeies de entalhador ou de
carapiaas, que entes da aseso, pus a obra da
1 greja da Senhora da Pu, nos Afogados._______
Desapparecen noyabbado 21 do corrente,
um moleque crioulo, porlnome Luiz com os sig-
nad seguintes; alto, colrpo regular, cor preta,
falla grossa e muito regiiista, ;tem nma pequea
cicatriz por baixo de um olho, costuma anaar sem-
pre de sacia com outros jnoleques, levou vestido
calca de bnm pardo muito suja, camisa de algo-
do branco, sem chapeo a cabega por tanto ro-
ga-se as autoridades polic aes e capites do campo
que o prendo e levem-nd a seu senhor na ra do
Rosario Estrella botequirn da Agua d'ouro, que
ser recorapencado gentrosamente.
PBLiCAgTOKELlGIOSA.
Agora que a impiedade i parece querer alfar o
e que os malvados, para
Ins, se tem valido de
mesmo da sagrada bi-
cal lo orguihosa e audaz,
conseguir sens nefandos
quantes impressos ha, at
blia.j falsificando-a ediskribuindo-a assim falsi-
ficada, j vendendo-a, j conservando a em seu
poder, e forneceudo a sua ieilura a pessoas inex-
perientes ou ignorantes, e ja finalmente dando-a
mesmo gratis, nao posso nem devo eu, que, gra-
cas a Dees, disponho, livrejde dividas, de urna ty-
pographia o de urna enqadernaco, dexar de,
abnndo mao de urna parte
acompanhar o meu Exm.
lar em seus constantes esfergos para o engrande
cimento da nossa santa re
do que Dos me deu,
lvin. vigario capilu-
gio, e de concorrer
com o meu fraco, mas muito sincero contingente
para esse to elevado Um. Neste intuito, enten-
dendo que presto lgum servigo causa desta
mesma religio,com a reimpresso da viaqem de
um peregrino Jervsulem, |e titila que fez aos tu-
gare santos em 1817 Fr, oo de Jess Chrtsto,
im-icfe filho de SerapMco, p ttriarcha S. Francisco,
tenho resolvido pCr no prel
fazei a reimpresso da mai eir segunte : Rcim-
primirci, 3,000 excmplares; '
dos 1,000 para todas as pes
xo, que com documento leg
parochos se me apresentarem, e a cada urna das
dcjtes sero destina
toas de um e outro se-
dos seus reverendos
exemplar em brochu-
s mediante assignatu-
ras> P^ra as quaes desde j convido a populago
dos neis, e de todos solicito i espero o valioso con-
coni toque ,JUd0; nlVn ga"' ra"s um exen,P'an
1 ra; z,OU0 serao rempressos mediante
curso, na razao de 15 cada
prescindir, porm, de rogarl
do de cada assignatura, s
pcrinittido effeciuar essa re
apresentar ao publico nma
ma grande e dispendiosa,
narem, o prego de cada e
determinado na occasio.
Nao sei qual ser o resultado
eos, mas seja qual for, de Dos espero
peosa.
Assigna-se nicamente
perador n. 13, defronie de
Francisco Coelho da Simoes Silva.
OLYMPIO
vender em leilo consolos, cadeiras avulsas, re-
logios de algibeira, solas e outros muitos artigos.

Escola central metliodo Cas-
llhfl
Est abena desde 7 de jar
rias do Io e 2o graos, recebe
e meio pensionistas, por
excedendo elles a doze anno
Ponte oa Capunga, casa n. '.?
AYISOS DIVERSOS.
Assiiriarfin T.\o{|rapaica Prrnambucana.
Haver sesso extraordinaria do conselho, do-
mingo 29 do correte, ao meio*dia.
Secretaria, 23 de jaaeiro de 1860.
Jesuino Francisco Regs,
! societario.
esta obra, e pretendo
exemplar. Nao posso
o pagamento adianla-
o que nao me ser
mpressao e conseguir
bdigao, j em si mes-
"aia os que nao assig-
eraplar venda ser
dos
mens esfor-
a recom-
f or hora na ra do Im-
. Francisco.
eiro ; ensna as mate
alumnos, pensionistas
pf-ecos commodos; nao
de idade : na ra da
Traspassa-se urna hypolhica sobre um engenho
no valor de 4:8005, a vencar-se em principios de
abril de 1866, descontando ps juros de 2 0|0 ao
! mez : na ra da Aurora, flepois do Gymnaslo,
passando a pontezinha de ferro, na segunda casa-
1 nsljluto Arrlieologicu e Geographico Per-
nambucano.
Tendo de reunir-so a Assembla Geral do Insti-
tuto para celebrar o seu 3. anniversario no da
27 do crreme Janeiro, pela urna hora da larde, no
saloda Bibliotlieca Publica Provincial, no con-
vento do Carmo, sao pelo presente annuocio con-
vidados lodos os membros do Instituto, quer ef-
fectivos quer honorarios ou correspondentes a as-
sistir sesso solemne desse da notavel.
Sao egual e respeitosamente convidadas mes-
ma reunio toJas as Sociedades Iliterarias e
sciuutihcas que teera a sua sede na cidade do Re-
cite.
Os membros do Instituto, as AssociagSes diver-
sas, ou quaesquer convidados que pretenderem
ter algum trabaiho seu, lero de cingir-se se-
guate prescriagodo Art. 27 dos Estatutos da
Casa, referindose a sesso,do anniversario :
>e na sala existen) socios ou pessoas outras
que desejara lr algumas memorias inieressantes
parlicipam-no ao secretario perpetuo, para este
preveuir o Presidente, o qual d a palavra aos au- j
lores das memorias, a leitura de cada urna das
quaes nao pode esteader-se alm de meia hora.
Porm nenhuma memoria oa trabaiho pode ser {
apresentado e lido em sesso publica, sem que
Ules seja subraetlldo a urna commiss > de exame '
para isso nomcada, a qual tem voto decisivo so-
bre a conveniencia ou inconveniencia da leitura.
. Secretariado Instituto, 24 de Janeiro de 1865.
J. Soares d'Azevedo,
Secretario perpetuo.
0 professor
J. Coelho da S. Araujo
ciimar? mora na rna
'21, segundo andar.
e piano
contina a lec-
o Livramento n.
a Silva Carneo ora
a nada dever nes-
as se algum se
apresentar seu ti-
Lello de nma taberna.
Sem limites.
HOJE
O agente Pestaa vender m leilo por conta
de,quem pertencer os gneros, armacao, gaz, pe-
sos a nn'iliilas*existentes na taberna sita na rna
do Padre Floriano n 5,tem lotes ajvomado e pelo
maior preso offerecido : quarla-felra 23 do cr-
reme ay meio dia era ponto.
Aos 6:00$0OG.
Corre amanha.
Quinta-feira 20 do corrente mez, se ex-
trahir a segunda parte da dcima primeira
lotera (3a) a beneficio da matriz da Boa-
Vista, no consistorio da igreja de Nossa
Senhora do Rosario da freguezia de Santo
Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos estaca ven-
da na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 6:0000000 at 100000
serao pagos urna hora depois da extracto
at s 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuico das listas.
As encommendas serao guardadas so-
mente at a noite da vespera da extraerlo
como de costume.
0 thesbureiro, .
Antonio Jos Rodrigues de Sooza.
Offereeese urna ama de leilo parida ta pou-
co : na rna da Bquinha de S. Pedro n. 44, de-
fronie do porjo de ferro.
O bacharel Pergentino Saraiva de Araujo
Galvo, aivogado estabelecdo Cora escriptorio na
villa de Pao d'Alho, tem abertas sna aulas de la-
lm e francez, e recebe em sua casa es alumnos,
cujos pais por rhorarem fra nao poderera te-Ios
corasigo.
Manoel Francisco
residente em Macei, ju
ta praca ou fora del la,
julgar seu credor queira ,.
tulo nestes 8 dias, que df-pols de verificados
ser immodiaJamenle pigo por Francisco
Ribeiro Pinto Guimares (para isso autori-
sado) ra d'ApoIlo armazem n. 38. Reci-
fe 23 de Janeiro de 186^.
Il
Etluc.iro de meniaas
Francelna Maurina ida Silva Alhu-
2 querque, professora p: rticular de ins-
B trucgSb primaria scienti ka a quem in-
I teressar que continua a receber alumnas
S em sua casa de residencia, a ra estrella
JB do Rosario n. 38, segundo andar.
mmmmm mmmmm i
O abaixo assignado na noite de 23 do cor-
rente mez, perdeu da ra da Aurora at a ra do
Arago, urna carlolra contendo 'diversos papis
de pouca importancia e a qu intia de 254,5 sendo
2005 em sedulas de 10$ da ca xa filial e o-5 em
libras sterlinas : a pessoa que achou a referida
carteira querendo restitu-la, poder dirigir se ao
abaixo assignado na ra da Florentina n. 42, onde
receber era recompensa metade da mencionada
quantia.
Heraclio Vespasiauc Fiok Romans.
Gompanhia da estrajia de ferro
DO
Recife a Sao Francisco.
Saques .sobre Lisboa.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, sacc.im so-
bre Lisboa; largo do Corpo Santo escriptorio nu-
mero 19.
AVISO.
Ka rna do Imperador n. 57,'defronte da Or-
dem Terceira de S Francisco, precisase de uro
cosinheiro ou cosinlieira de bons costumes, livreon
escrara.
Aluga-se a loja da casa n. 59 da ra Augus-
ta ; xaem pretender dirjase a mesma casa cima
Festa ile S. Sebaslio na villa da Cabo. qe achaf com q"em tralar-
Demingo 2!) de Janeiro de 1865. /ITTPNP fl
Em razao da rande concurrencia que costnraa Hl lElllyrlU.
haver todos os annos na festa de S. Sebaslio na Preeisa-se de um hornera casado que terina as
villa do Cabo, neste dia alm dos trens ordinarios habilitacoes para onsinar com r erfeicao primeiras
os
baver os seguintes especiaes que partiro de
Cinco Ponas ao meio da
e 4 horas da tarde.
E voltario do Cabo as 9 horas da noite.
e raeia noite.
Os pregos das passagene de ida e volta sao
seguintes :
1. classe 33O0
2." 25500
3.* 15700
G. O. Mano,
Engenheiro e superintendente interino.
mmmmm mmwm mmmwM
Q bacharel
Antonio Joaquim Ayres dn Nacimnnto
tem o seu escriptorio de advogacia na ra
estrella do Rosario n. 8, onde pode ser
procurado das 9 horas da manhaa as 4
da larde.
letras e alguns prepar .torios em ura engenho per-
to da estagio de Timb-ass : a tratar na roa do
Livramemo o. 24 com o maior Luiz Jos Pereira
SimSes.
O Dr. Braz Florentino Henriques de Souza,
fendo de reiirar-se para o Rio de Janeiro, onde
ra servir como mambro da commi do projeelo do cdigo civil do imperio, delxa en-
carregado das causas que Ihe estavam confiada?
ao seu mano o Sr. Dr. Tarqonio Braulio de Souza
Amaranto, a quem podero dirgir-se os inters-
sados.
m
m
Aluga-se o segundo andar e sotao da
casa da ra das Aguas-Verdes n. 6i, tem
commod spara grande familia ; a tralar no
primeiro andar da mesma casa.
Precsa-se de nrai ama para tolo servigo de
urna ca=a de piuca familia : na ra larga do Ro-
sario n, 31, primeiro andar.
Joaquim Pereira dos Santos, (ando da sepa-
rar-so da sociedad d.i |nvn Francisco Al ves de Moraes Piros, a ifital gyra sob
a tii na Pires A Santo, tem a honra de participar
ao corpo de commercio que de hora tm diante
preceder ontr Arma, sendo o ahai* r assignado
Imuilaiano -las inatittedtw at a iuoi a data. Re-
cife 2i de Janeiro de I8C3.
_________Joaquim Pereira dos Sanias.
Precsa-se de 1:0005 a premio cora garan-
ta : a tratarna roa le Santa Therezi n. M.
O abaixo assignado tem a honra de declarar
ao respeitavel corpo do coramercio qne tendo-se
retirado o Sr. Joaquim Pereira dos Santos da so-
ciedade que tinha com o abaixo assignado na
prensado algodo sita ra da Madre de Dos n.
4, a qual gyravasob a Urina Pires & Santos, de
hora em alante gyrar sob a firma Pires ^ Pinto,
sendo o Pinto o Sr. Jos Pinto .Ribeiro, estabele-!
cido com padaria as Cinco Ponas, sendo o ge-'
rente o abaixo asignado.
Francisco Alves de M. Pires.
Precisa-sede 1:000,8 a premio por um anno
com seguranga em urna escrava que val 1:5005 :
a traiar na ra do Nogtieira n. 1.
-2 n 3 'S, 5 -i fe a O" M -5 s o / V 5 D a M
.a a O S' o B n fn l 5 a a o I 3 5 O i -a JB- o-5 a V* ca es. s: -l Z. SS IS. 9 |S -; s> -1 a o 5 O 9 > 5 3 as. o 5 s -1 5 H O a O a-u e> 3" U Dase a quantia de 300$ sob hypotheca de
nma escrava que saiba engommar o cosinhar e
seja quitandeira, finando os juros polo servigo da
mesma : na ra da Palma n. 41, taberna.
Antonio Francisco de Honorato e seu fi-
lho o bacharel padre Manoel da Costa Hono-
rato cordialmetiie agradecen! aos seus ami-
gos, que Ib* lizeraui o favor de assislir e
acompanhar ao enterro de sua sempre cho-
rada esposa e mi D. Rusa Eugenia Bene-
dicta, e pedem-lhes o favor de comparecer,
sexta feira 27 do corrente, s 6 horas da
manhaa, na matriz da Boa-Vista, para ouvi-
rem a missa que se lera de celebrar pelo
sen eterno repouso.
Precisa-se de urna am.i d
pateo do Carmo, sobrado iunto
Thereza.
TJ5S2BSV
i leit : a tratar no
a igreja de Sauta
Aluga-se o segundo andar da casa da rna
da Cadeia do Recife o. 47 : a trataj na loja de
fazendas do mesmo numero.
*t

Saude dada a todo o mundo.
Pelos preciosos medieamealos dos Srs. Gritnaull i
C, pnarmacetilieos de S. A. I. o principe Na-
polen, ma de la Fenillade 7 era Paris.
Porque es Srs. mdicos e o publico usara de pre-
ferencia dos medicamentos esppciacs dos Srs. Gri-
raanlt & C., pharmacruticos em Par, rom os quaes
elles tem sempre obtido as curas as mais extraor-
dinarias ?
I." Porque esta casa sendo sera contra-lita a
mais importante de Par's, honrada com a clientella
de urna parte da corle, paten'eada por S. A. 1. o
principe Napoleao s vende productos de urna efB-
cacia reconhecida.
2. Porque esses medicamentos representan! as
mais recentes conquistas da medicina e da chi-
mica.
i.' Porque tem iodos um gnslo agradavcl, satis-
fazem a vista, e pdem ser administrado.- sem pe-
ri.'o. f:mlo s enancas como as pessoas adultas.
4." Porque elle* diflerem inteiramente des-es re-
medios inglezes e americanos, preparados por In-
dustriaes estranbos, tanto a medicina como a phar-
macia, dos quaes nao tem era a seincia.neui os
ttulos.
5." Poraue estes medicamentos s se applicam a
um m:..iero limitado de doengas, e nao as curara
todas, como os remedios de que acabamos de fal-
lar ; emfim cada producto lem sua applicacao par-
jicnlar.
Por isso pensamos prestar um servgo a todo o
mundo, indicando aqui as importantes proprii da-
des dos principaos medicamentos dos -rs. Gri-
mault & C.
Xarope de ralfort !o.
Empregado com successo certo em logar do oleo
de ligado do bacalho, to desagradavel, to fiiffl-
ciI a digerir. E'o especifico o mais certo contra
as escrophulas, o lymphatismo, a moleza das rar-
i nes, os humores das enancas, a papeira, os rheu-
| matismos, o escorbuto, as" alTeccoes
Para um deposito de padaria na cidade de Goin-
na se precisa de ura caixoiro com as habililagoes
precisas: trata-se na ra da Cruz n. 36, defronte
do becco da Lingueta.
A pessoa que annunciou precisar de um cun-
te de reis rom hypotheca, em urna casa terrea, di-
rija-se a praga da Independencia ns. 0 e 8 que se
dir quem d.
------n----------,. .. ,----------;---------r- matismos, o escorbuto, as alTeccoes da pe le, as
- Fng.o no da 2 do corrente, do engenho foco mlesK do peit0.
freguez.a de Agua-Prcta a escrava Mana idade ) Todos os ^^ de Paris 0 empregam rnmo 0
annos, cor preta nariz Calo, pes e raaos delicados, depurativo 0 mais p0deroso, e o recommendara em
bracos; finos,, bastante ladina, e de snppor que ti- l0dos os casos que precisa-se cor. iqir a acrimonia
vesse tomado a direccao desta praga ; por tanto pe- do pa e dar.,he todos os prin;.pios vitTlcs que
de-se as autoridades policiaeae aos senbores che-1 perdc- sp a pe,os excei;50Si pplas affecroes Ivra-
fes das eslaeSes a prisa,, de dita e.crava : quem a )halca; ejscrophu,osai!i e venreas. *
Xarope de quioa vcrmelna fer-
roginoso.
Ou associago dos dous poderosos remedios da
materia medica que sao : o ferro um dos princi-
paes elementos de nosso sangue e a quina que o
tnico e o febrfugo por excelencia.
Este delicioso medicamento ag adavel so paladar
e a vista, lera ura resultado adrairavel as flores
brancas, dores de estomago, falta de appetile, po-
breza de sangue. Elle sobretudo til as senlio-
ras e as mogas delicadas, para desenvolver e re
gularsar a meustruaco e suspender os effeitos
perniciosos das flores brancas, que sao a masa de
tantas doeagas. Ello soberano depois- das con-
valecencias de molestias graves, elle o reparador
das forcas e da saude para os doentes enfraqneci-
dos pel trabaiho, os excessos, as afleegoes escro-
phulosas ou venreas.
As mais de familia acharan neste xarope um me-
dicamento sem igual, para fortificar e desenvolver
o syslema osseo das changas c os preservar das
affecges escrophulosas.
Elixir digestivo de pepsina.
Delicioso licor que oceupa o primeiro lugar en-
O abano assignado declara ao respeitavel
publico e especialmente ao corpo do commercio,
que deixnn de ser caixeiro de Euzebio Raphael
Rabello, desde o da 21 do corrente.
Antonio Jo- da Costa Araujo.
Precisa-se apagar urna ama para lodo-scrvgo
de urna casa de pequea familia : a tratar na ra
do Calmea n. 4, loja de miudezas.
Na na estreila do Rosario n. 39, precisa-se
de urna ama para casa dn pouca familia.________
Hotel do Cabo.
O propietario (leste estabeleclmento, avisa ao
respeitavel publico, que achando-se perfeitamente
collocado entre a estago e a igreja, na qual teja
de ser celebrada a festa do glorioso S. Sebaslio,
tem evidado todo quanto est ao seu alcance, afim
de esperar a rapaziada com bom almogo c jantar,
lude por prego mu comraodo, e para o que tem
feito preparar um grande barraco no qual haver
liberdade w nipleta.___________________^__
iilU.,tt~oo pUI l\Jina pos-
nma pequea casa terrea na ra do Dique nos fun- j sue com efTeito a propriedade importante de fazer
dos da casa n. Si da ra dasCinco-Pontas : a tra-1 djgertr os alimentos quasi sem soccorro do esto-
tar na ra da Madre de Dos n. 16.___________ magn) e 0 remedo soberano das gastritis, gastral-
41 c_ | gias, das iaflamniages do estomago, dos ligados e
A casa da ra do Gazometro n... junto a fabri-
ca do gaz, cora duas salas, dous quartos, quintal,
cosinha e cacimba, prego de 145000 ; urna dita no
mesmo lugar com menos commodos por 125 men-
saes : a tratar com o Sr. Valenga.
S DENTISTA DE PARS
JA D-. V,,. JO
19Raa Nova-19
Frederico Gantier, cihirgiao dentisti
faz todas as operagoes de sna arte, e enl-
loca dentos artificiaos, tudo com supe-
rioridade e perfeigo, qne as pessoas en-
tendidas Ihe reconhecen.
Tem agua e pos lentiflcio.
s
a
s
Consultori mediro-ciringco na rna !arra de
Rosario n. 20.
O Dr. Joo Ferreira da Silla regressaado sua
casa, contina cm -p exercieio de sua profisso
nao s na parte medica como tambem na cirur-
giea. i
Anna Momeiro de Llm Reg Valenga, pro-
visionada pela directora geril da invtrocgo pu-
blica, participa aos paes de suas alumnas e ao
publico em geral que tem aberto a sua aula, onde
continua a ensioar com perfeigo grararaatica na-
cional, historia, arlthmelica o ealligraphia, diver-
sos trabaihos de agulha, entura chita, tabyriRtho.
marcar, bordar branco e de seda, crochet e tricot:
oa Passagem da Magdalena casa de sua moradia
A pessoa que precisa de 1:0005 a premio
dando por garant nma casa terrea na Roa-Vista,
dirija-se a raa dos Coditos n. 10, qna ehar com
qoem tratar.
300000
de gratificagSo quem apprehender a molata de
nome Luiza, que acha-se ausente desde o da 14 do
corrente,com um moleque de nome Alfredo, amo-
lata tem os signaos seguintes: I lade 16 a 18 annos,
baixa com urna pequea cicatriz no cogote, cabel-
los curtos e bstanle carapiohos,eomoleque com ida-
de de 10 annos iiouco. mais ou menos, tem marca
de bexigas, bastante dlsfargado, tem orelhas fun-
das, levou caiga e camisa d aiulo, sahiram am-
bos a vender, cada um com sua bandeija de man-
ga e ovas do serto ; pede-se a qualquer pessoa
que delle sonber que os leve ao sitio do abaixo as-
signado na travessa de Joao Fernandes Vieira n. 0,
que receber a gratificacao cima.
Guilherme Joaquim da Silva Braga.
Quem annunciou precisar de 1 0003, dando
nma casa na Bja-Vista por garanta, apparega na
travessa do Veras b. 15, 1 andar.__________
A pessoa quo aoouncou por este l>u,o pre-
cisar de 1:0005 com hypotheca era urna casa na
freguezia da Boe-Vista, dirjase ao Recife, travessa
da Madre de Dos n. 18.___________________
Quem annuncioa.precisar de 1:W05 sob hy-
potheca, entenda-se na loja do sobrado n 10 da roa
estreta do Rosario.
dos intestinos. Elle supprime os gazes, as nauseas,
as piluites, o desgosto dos alimentos, e presta prin-
cipalmente urn immenso servgo as senhoras n'uma
poslgo ioteressante da qual supprime os vmitos.
As pessoas que padecem de cancro no estoma-
go ou nos intestinos, vero sua vida prolongada
pelo uso do elixir de pepsina, e os velaos e couva-
lecenteso sustento de sua saudte e o reparador de
suas forcas; porque com urna boa dgesto sempre
se gosa de boa saude.
Xarope peltoral deS. rforge.
Novo especifico, sem opio reronhecido como o
neelhor medicamento para ourar a tosse. defluxo,
eatarrho, grippa, irritagao do pelto, anginas, dores
de garganta, coqueluxa, eu>.
Esle delicioso xarope popular em toda a Franca
foi descoberto pelos mongas da abhadia de & Jor-
ge, no Anjou, e actualmente preparado pelos Srs.
Grimaiilt & C, nicos proprielarios da verdadeira
receita. Recemmenda-*e aos doenles que usem ar>
mesmo tempo das delkiosas paslilhas peiiouatt ao
surco do alface de hmreiro-cereja dos Srs. Gri-
mault A C, este excellente remedio composto
com as duas substancias as mais calmantes e ao
mesmo tempo as mais inolTensivas da materia me-
dica, e nao contera opio.
Injeeeo capsulas matice.
Estes dous produetos que constilaetn a raais re-
cente e a mais kuportame mediacao para curar os
corrimentose as-molestias venerags do hornera a
da mulher, sao. exclusivamente vegetaes nao con-
tm mercurio^, e sao pi euarados com as felhas do
matico arvoce do Perou. Nao ba molestia conta-
giosa amiga ou recente quo resista ao uso desasa
Quera annunciou precisa do 1:000* com hy-! dous metoe. Sua rapidez do acgo snperlor a
potheca em urna easa terrea na freguezia da Boa-; tudo quaato se tem feilo al hjo. As capsulas
Vista, anuuncit sua morada para ser procu- j nanea cansanvo estomago nem os intestinos como
rado-________________.___________________ i as capsotas de copahyba, cabeba e outras; a in-
Arjessoaqnetemdireitoauraaporgodopalhas'i^cgaontinca produz oestrertamenm como aconte-
de coqueiro.mj'} existe na casa n. 18 publico a 39 ce eom as Injecci5es com base metlica aconselha-
pariicular, sita na ra das Boias, perlencente ao ; das at hoje.
patrimonio dos orphos, que outr'ora esteve arren-1 Todos estes productos vendem-se as prncipaes
dado a Manoel Jos Soares, conhecido por Ilheo i pnarmacias do Brasil, agente para vender por ata-
queira tirar ditas palhat dentro de 24 baras^ doif4*>. n0 Rl de Janeiro, E. Chevolet, em Pernam-
contrario sero ellas laucadas ao mar. >nco, Caors & Barbosa, na rea da Cruz n. 28, n;i
r.__~~~~n.. ---------i------, -,... i Ftahia, Lima frmos i em todas as boas phar-
Offere-se para eepeiro urna pessoa habilitada raacJa's do BrasH-
e tambem entende de cosinha ; quem prolender
procure ra do Imperador, n. 41.
Timotho Pradre, subdito francez, vil paca o
norte do imperio.
Deve-se exigir sempre assignatura Grimault &
C, por quo ha falsifieagoes perigosas.
Vende-se na botica francez roa do Imperador
n. 38.







Diarlo de rernambuco .- Quarta letra tt de Janeiro de i.
CASA D4 FORTUNA.
AOS 6:000.000
Hilhetes garantidos
i' roa 4o Crespo n. 23 e casas de stume
O abano .issigaado vendeu nos seas maitofeli-
zes bilhetesgarantidos da lotera, que se acabou
de extrahir a beneficio da Santa Casa da Mise-
ricordia, os segulntes premios:
Un quartos- d. 1902com a sorte de 6:0005000
Dous quarto d. 916 com a sorte de 5005000. e
E outras muitas sones de 2005, 100$, 40$ a
205000.
Os possuidores podem vir receber seus respec-
ivos premios sera os descontos das leisna Casa
da Fortuna roa do Crespo n. 23.
Actiam-se venda os da segunda parte da
decima primeira lotera a beneficio da matriz
da B)a-Vista, que se extrahir no dia 20 do
crreme.
Preeos.
Bilhetes inteiros..... 75000
Meios......... 35^00
Quartos........ 15900
Paraas pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes....... 65S00
Meios....... 3528
Quartos...... 15700
____ Manoel Martins Fiuza
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO BE 2i DE DEZEM8RD DE 1859
Urna lianca em diibeiro, depositado dos cofres do estado, garante a boa ad-
ministra cao da c
BANQUEIRGS DA COMPANHIA
O Baneo de Hespanba
DIRECCAO GERAL
ladrld : Rna do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de supervivencia dos. seguros
PILI-LA* VECETAEi
DO
DR. AYER.
Nao ha necessidade raais ge-
ral em lodos os paizes do que a
?de um purgante que seja ao
'mesmo lempo innocente, eflBcaz
e digno de toda a confianca.
As pilulas que ora flerece-
mos ao publico preencliem estas
condices ; pois pdem ser to-
madas pelas pessoas mais iracas
sem perigo algum, nao tendo em
sua composic3o mercurio nem
outro ingrediente nocivo sau-
de, mas sendo composto de a-
gentes vegelaes mui fortes, s3o bastante
efcientes e activas para purificar os corpos
mais robustos.
Estas pilulas exploram e purificam toda
a extensao do canal alimenticio, e do Vigor
a todas as partes do organismo, corrigitido
sua accao viciada e fazendo recuperar sua
vilalidade-
Um remedio inestimavel conlra dr de
cabeca nervosa, enxaqueca, priso do te-
ir, hemorrhoidas, molestias do ligado, fe-
bre gastro-hepatica, e todas as molestias
biliosas que teem sua origem no entorpeci-
mento do ligado que causa a escassez da
bilis na inflammacae d'este orgo que pro-
duz derramamento da bilis no estomago ou
em um desarranjo geral dos orgaos diges-
tivos.
A ictericia
produzida pela absorpeo da bilis no
sangue, dando S pelle e aos olhos urna cor
amarellenta ; nao smente dolorosa por
si, pormeonduz aos mais serios soffrime-ti
tos.
Para cura-la toma-se de l 5 pilulas to-
das as manhaas, isto bastante para mover
o ventre smente al que se recupere a ac-
cao saa do systema.
Mal do figado, febre gastro-hepatica,
diarrlien biliosa, indigesto, a nevralgia
ou tic doulereux, sao todas molestias que
tem seu comeco n'um desarranjo da bilis.
A observaco dos ductos da bilis faz esta
volver ao sangue, com que circula d'pois
em todo o corpo e causa estragos desas-
trosos saude e produz urna serie innu-
meravel de males.
Todos estes incommodos sao curados com
as pilulas do Dr. Ayer.
Direcces minuciosas acompanham cada
frasco.
Vende-se na pharmacia franceza de Mau-
rer & C, ra Nova n. 18.
AGENCIA CENTRAL
15 Rna Dirclta 15
RIO DEJ ANEIRO.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmacia franceza de
P.fllAUBER i C.
RA NOVA N. 18.
mesmo,por morte do se-
Nella pode se tazer asubscrpeo de maneira que em nerihum caso
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to s aprehendemos os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,queaiada mesmo dimlnuindo urna terca parle do interesse produzido em recentes liquidares,
ecornbinandoo com a mortalidade da tabella de Depareieux que e adopUda pela companhia para os
seus clculos e liquidaeies, em segurados da idade de*3 a 19 annos, urna imporsico annul le 1005
prodnz em efectivo metlico :
No tim de o annos..... 1:1195300
de 10 .......3:9425600
de 15 .......11:2085200
de SO ......30:2565000
de 25 .......80:3315000 .
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideravois.
Prospectos e mais informales serao prestadas pelo snb-director nesta provincia o Sr Jeronv
mo Joaquim Fiuza de Oliveira, ra da Cadeia n.52, ou a Boa-Vista rna da Imperatriz n. 12" estabe
lecimento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite & Irmao.
XAROPE DEPURATIVO
LE GOUX
BROMO-SULPHO-IODURADO
Este novo producto resultado de urna trplice combinacSo de tres mctalloides cojas proprie-
dades to mu conhecidas, o Bromo, o Euxofre e o lodo, oceupa hoje a primeira ordem de-
entre todos os depurativos dos quaes 6 o mais poderoso.
As experiencias dos mdicos mais notaveis dos hospiues de Paris, os senhores Cazenave
Puche, Bazn, Blachc, Guihout, Baroschel, Danet, Legroux, Vasse e Aubrv, etc., demenstraro
sua poderosa eflicacia as afecedes seguientes :
Fraraboesla,
Mamares fras,
Racblllsmo,
Ophtliulmla cscrofulssa e ehranlo,
TI le mero fu lona,
Affeccde-s jphlllUras,
Eleabantlaala don Grey os,
E todas as doeiiQas occuienadts por um vicio do
angue, e ji tratadas sem neuham suecesso pelas
preparacoes yegetaes, iodidas e o oleo de (irado
de bacalbio.
Doraran de pella,
Darlros e borbnlbaa de toda raparle,
PlarnH mneoaaa,
Obslmeeea lyniabatleas,
Papriran,
Eaero talas,
Abeeaaoa, postemas,
Cancros,
Ulceras,
Tlnba,
Escarba**, *
ran ou Beubas (do Braiil',
Ao commerelo.
Os baixo .asignados declaram ao publico e es-
pecialmente ao corpo do commercio, que desde o
da 31 de dezembro prximo passado : se acha
dissolvida amigavelmente, a sociedade que tinham
na casa de molhados cita ra Nova desla cidade,
que gjrava sob arazao de Andrade A Mello; li-
neando a cargo d'aquelle, a liquidaco do activo e
passivo da mesma (Irma, continuando as traosac-
edes d*aquella data por diante, era nome de Ange-
lino Jos dos Santos Andrade.
Recife, 21 de Janeiro de 1865.
Anadino Jos dos Santos Andrade.
________Antonio Pedro do Mello.
Na fabrica de calcado do patoo da ribeira de
S. Jos, precisa-se de artistas para obra de senhb-
ra e menina dando-se Indo prompto, paga-se a du-
zia para senhora a 15800 e para menina a 15200,
btodo aquelle que quizer levar sempospontarter
ma's 100 rs. em cada duzia.
O bacharel Jerooymo Salgado de Castro Ac-
cioly, antigo advogado do tribunal da relaco e
mais auditorios desta cidade, mudou seu escrip-
torio para a ra estreita de Rosario n. 2, segundo
andar, ende pode ser procurado para os misteres
de sua proflssao.
-----
Ama
Preeisa-se alugar unva escrava para ama de ca-
. a : na ra Velha n. 17.
: fcducac primaria e secundaria
Na instituidlo de Jeronymo Pereira
Villar, na ra larga do Rosario n. 22, nao
s se ensinam as materias que ronsti-
tuem o curso recular de primeiras letras,
como as disciplinas preparatorias para a
Faculdade de Direilo."
O Rmv. Sr. padre mestre Flix Borreto
de Vasconcellos est encarregado da aula
de latim o Illm. Sr. Dr. Jos Soares de
Azevedo acha-se encarregado da aula de
francez ; e para as outras materias vao
ser igualmente contratados mui distinc-
tos professores.
Aluga-se um sitio na ra do Cabral pa
cidade de Olinda, cora casa terrea, cOm co-
piar nfrente, botaos fundos .para a estra-
da e margena do rio Beberibe,- com com-
modosparafamilia, estribarla para cavallo
e capim para sustenta-los, arvoredos de
fructos, sem visinho defronte nem pelo
fundo.com ptimos passios, sala e gabi-
nete na frente, muitopropria para passara
festa, e tambero se alagar por anno : a fal-
lar no Recife,\ia livrarijrn. 6 e 8 da praca
da Independencia, e em* Olinda na casa con-
tiguacom o capit5o Antonio Bernardo Fer-
reira.
AMA.
Precisase de urna ama para cozinhar
larga do Rosario n. 12, segondo andar.
na ra
O solicitador Pedro Alejandri-
no da Costa Hachado .
se encarrega ante o foro desta cidade de tudo qne
for tendente a sua proflssao, aceita de partido an-
nual as pendencias judiciaes de qualquer casa
commercial mediante razoavel ajuste. Contina
a se encarregar de cobranzas nos termos do Cabo
e Ipojuca aonde continua a trabalhar como d'an-
a
Faro. 1865
Aeham-se venda na livraria ns, 6 e 8 da-
praca da Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o-
Kalendario civil e ecclesiastico, tabellas
de feriados, de emolumentos dos tribu-
naes do commercio, etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que aquella e mais orna nova
Salve Rainha em versos, o Stabat Mater
em verso, devocao ae agonisante, coraco
de Jesos. cntico em louvor do Santissi-
mo Rosario, cntico a Virgem Mara Nos-
sa Senhora, trnta e tres chistosas anc-
dotas, um indito poema sobre as aven-
turas de um cozinheiro, o canto de nma
solteira (poesa), crescido numero de m-
ximas e pensamentos, urna historia como
muitas (romance), e vinte cinco novas e
pilhericas charadas a 320 rs.
O Xarpe de Le Goux, de nma fcil digestao e de gosto delicioso, se empreea tambem
com muita vantagem e aconselhado pelo doutor Barthe, do hospital dos meninos, para as
enancas debis, escrofulosas e rachiticas oh sobre a influencia de um vicio hereditario, e mui
superior neste emprego ao oleo de figado de bacalho e aos xardpes depurativos e anti-escor-
buucos que se administravo at agora.
Beposiio geral, em Pars, na botiea Boullay, membro da Academia imperial de Medicina de
Pars, ofpcial da LegtSo de Honra, e em todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
Primeira dividendo da massa fallida de
Amorim, Fragozo, Santos & G.
Os adminiiradores continuara a papar dlari-
mente (at o dia 28 do corrente) o 1 dividendo de
o por cents no escriptorio da ra do Vigario n.
21,primeiroanda/, e pedem aos Srs. credores
que venham logo receber o que Ihes pertence, vis-
to como d'aquelle dia em diante s faro paga-
mentos nos sabbados.
O Dr. Jeronymo Villcia de Castro la-
vares advoga no crime e civel, commer-
cio e ecclesiastico. Pode ser procurado
todis os dias uteis at 3 horas da tarde
em seu escriptorio, ra do Crespo n....
primeiro andar defronte da livraria eco-
nmica.
Novo rival.
Loja de mindezas Anas
16 -ra do Queimado16
Enfeltfes a .Varia Pa.
Recebeu-se pelo ultimo vapor francez o que ha
tes, e encarregase de defezas perante o jury nos de ma.18 modern? e elegante em enfeites de cabeca
termos prximos a via frrea, offerecendo gratoi-* ,na Va> la0 variado o sortimenlo de cada
tamenteseus servicos aos desvalidos, pode ser' ?uai 9 mais bon!,- floe o freguez munido de co-
procu-ado todos os dias uteis das 9 horas da ma- "res ncara satiseito nao s na qualidade da fazen-
nhaa as 3 da tarde na ra estreita do osario n. Si^tJaJe,lbarL,ssimo pre?o, a 25500, 35,
34, e fora dessas horas na rna Imperial n. 36, ca- '*olJU' ** ^ 6* e 7*-
m
sa de sua residencia.
mmmmm mm
0 baeharcl Jorge Dornelas
j|S continua a residir ra larga do Rosa-
| rio n. 26, primeiro andar, onde pode ser
Ka procurado para exercer a sua proflssao:
*t 1 de advogado nosauditurios desta ci-
Sdade i
R 2 de mestre da lingua franceza, en-
2jgg sinando-a tarde, e tambem noile a
g$ pessoas cujas occupacSes embaracem
jjsS aprende-la durante o dia.
mmmmm mmmm mmmm
THESOURO DAS MAIS
Providencia das
enancas.
COLLARES ROYER
Electro-magnticos.
Liivas de tlouvin.
Acabam de chegar pelo vapor francez Guame,
as leguimas luvas de Jouvm, pretas, brancas e de
' cores, para homens e senhoras, a 25500 o par.
Pitas.
Riquisslmas fitas de grosdenaples lavrdos-com
boratos desenhos e cres para lacos e sintos, com
3 h< e 5 dedos de largura, pelo baratissimo pre-
go de 960,15280 e 15600.
Ditas ditas de sarja lisa, de todas as cores, de
L!/2'. hJ l/2' e s dedos de largura, a 320, 480,
640, 15280 e 15600 a vara.
Ditas ditas de gorguro preto e de cores, para
i sintos, a 800 ris a vara.
Bonitas fitas de todas as cores com 8 varas, mui-
i to estreitinhas para enfeitar touquinhas de crian-
gas, a 500 ris a peca.
FIVELLAS E SINTOS.
Riquissimas n>ellas de taiUruga ranito grandes
para sintos, a 55.
Slereoscopos
Pequeos slereoscopos com 12
da um pelo diminuto preco do
Crespn. 4.
s
lindas vistas ca-
55: na ra do
XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
Doutor da Faculdade de Sciencias, membro da Academia imperial de Medicina,
Official da Legiao de Honra,
Ra des Fosss-Montmartre, 17, Paris.
Este xardpe composto mais de vinte annos pelo sabio lente Boullay, constitue a melhor
maneira de administrar o Ether. He empregado com suocesso em todas as doencas que tirio sua
origem de um enthismo nervoso, como sao as:
Enxaqueca,
Nevralgiaa,
Ertpnsinos,
Atlaqurs de ervos,
Verllgcn*,
Syneaues,
Calmbrox de estomago,
Indigenloca,
ConvuNca,
Aeceanoa hTaterleaa e hypo-
eamdrlaeos,
Clicas Tcntosas OU nervo-
aas, kepalleas flatnlcntaa,
Aeccsaoa de cola e de rheu-
mallKuio,
Casoa de rnTenealenirnio.
etc., etc., etc.
Deposito geral, era Pars, na botica de Boullay, doutor em Sciencias, membro imperial de Medicina de Pars, official da Legio de Honra, ra des Fosss-Montmartre 17 c
cm todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
Aluga-se a casa terrea com soto sita ra
da Alegra n. 4G : a tratar Aa ra de Aguas-Ver-
des sobrado n. 64, primeiro andar.
Na rna do Bertholomeu n. 4o precisa-se de
urna ama para o servico de urna casa de pouca
familia, pagase bem, e prefere-se a que for es-
crava.
Aviso
Os abaixo assignados participam ao respeitavcl
publico, e com especialidade ao corpo do commer-
cio, que amigavelmente dissolveram a sociadade
que tinham na loja da ra Nova n. 47, que gira-
va sob a firma de Bastos & Magalnaes. ficando o
activo e passivo da rnesma firma cargo do socio
Joao Baplista Gonoalves Bastns.
Recife, 5 de Janeiro de 1865.
Joao Baptisia Goncalves Bastos.
Antonio Jos de Magalnaes lia; tos.
Saques sobre Portugal.
O abaixo assignado, autorisado pelo
Banco Mercantil Portueuse. e na ausencia
do Sr. Joaqaim da Silva Castro, saca ef-
feetivamente por todos o paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Por.o, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso; podendo, o que temarem
saques a praso.receberem ;usta,no mes-
mo Banco, descontando 4 0|0 ao anno: na |
loja de chapos da rna do Crupo n. 6, ou tm
na ra do Imperador n. 63, segundo an- g
dar.Jos Joaquim da Costa Miia.
mmmmm mmmm mmmmm
Avino
Os administradores da massa fallida de Rostron
Rooker de C, lornam pela ultima vez a convidar
aos credores da mesma massa, para no praso de
oito dias apresentarem os seos ttulos conforme o
cdigo do commercio afim de serera verificados e
poder organisar-se a clssificacao das dividas e ter
lugar o dividendo quando fr deliberado pelo Illm.
Sr. Dr. Juiz do Commercio .sendo qne lindo o res-
pectivo praso, nao se noder admittir eredor al-
gum no dito dividendo.
Recife, 21 de Janeiro de 1865.
T. Tefferies.
ASTHME
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
SFFOCCAO NERVOSA E OPPRESSlO
nico remedio efficaz para combattir estas molestias, acalmar nm attaque d'asma e impedir a
volta o Xarpe aromtico de Succino (mbar amarcllo) do Dr Danet. Descoberta inleiramente
recente, este novo producto se tem propagado com extrema rapidez gracas aos admiraveis resul-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, ra do Comercio, Paris-Grenelle, e em todas a*
boticas de Franca e do estrangeiro.
Aos senhores pais de familia.
O padre Flix Barreto de Vas-
concellos, com aula particular de la-
tim na ra do Imperador n. 35, i.
andar, contina a receber alumnos
de todas as classes, durante e de-
pois das ferias. Tambera est dis-
poste a abrir um curso de primei-
ras leltras e de francez, logo que
haja numero sufliciente de alumnos
para cada urna destas materias, e
assim tambem a receber como in-
ternos alguns meninos,de cuja edu-
caco o quizerem encarregar. Os
pagamentos sero por trimestres!
adiantados, e os preeos declarados !
pessoalmente na occasiao do ajuste j
para a entrada do alumno.
Livro do Povo.
O livro do povo, obra ornada com estampas,con-
tendo a vida de Nosso Senhor Jess Christo, e mui-
dos anigos uteis. Este livro das familias recom-
mendado e approvado pelos Exms. Srs. D. Luiz
bispo do Maranho e D. Manoel arcebbpo da Ba-
; lna. vende-se a 15000 cartoriado, na livraria de
Jo Nogueira de Souza.'roa do Crespo n. 2.
Precisase de urna boa costureira e engom
madeira, prefere-se que seja escrava : em casa do
Sr. Cambrone em Santo Amaro.
6
Ditas ditas de um e dous boloes com lindissimas
COLLARES ANODINOS DE DENTIClO "m^i^&^X^ *
Contra as convulsoes e para facilitara
denlicao das enancas preparados e inventa-
dos por Royer, pharmaceutico da esco-
la superior do Paris, successor de Chereau,
membro da academia de medicina
amiga casa de Bouillon-Lagrange, pharmaceutico
do imperador
chefe dos trabalhos chimicos da escola po-
lytechnica, director da escola de pharmacia de
Paris, e membro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-
Gallo Vigilante ra do Crespo p
com fivellas muito
de pedrinhas, a
Ditos de seda muito largos
largas, a 55 e 65.
Ditos ditos de galio e fivellas
25000.
Cascarrilhas.
Pecas de cascarrilhas de laa estreilinhas diver-
sas cores, a 500 ris.
Ditas de ditas dita mais larga, a 15.
Ditas de ditas de seda estreitinha a 960 rs.
Ditas de ditas dita mais larga, a 15500 c 15800.
Ditas de ditas dita pm duas cores
,,e nicamente na loja do C^VS J'gsm ^ ^ """-
^11----------------- Vitas a Mara Pa.
Prec.sa-se de urna criada forra ou escrava! yoltas pretas grandes a Maria Pia, a 15600.
para o servico de urna casa de familia : ra da
Cadeia n. 55, segundo andar.________________
O abaixo assignado faz sciente ao publico
que nae facam negocio com Osear Deslibeaux com
a parte que tem no sitio do Muniz pois est nypo-
tbecada e sugeita a letras que tenho vencida e em
juizo. Recife, 21 de Janeiro de 1865.
________________Jos Bomingues Maja._____
Fugio no dia 16 do corrente desta povoa$o
dos Afogados, a preta Antonia, de nacao, baixa e
que representa ter 70 annos de idade pouco mais
ou menos, levando saia e chales preto, a qual
i pertencente ao espolio do linado Manoel Jos Frei-
j re de Andrade; cujo depesltano abaixo assignado
roga as autoridades policiaes a captura da sobre-
; dita preta ou a qualquer pessoa, que della souber
! que ser gratificado.
Camillo Lins Chaves.
ama!
Precisa-se de una preta para todo o
interno e oxterno : na ra do Queimada
loja de miudezas.
servico
n. 16,
COMPRAS.
A ttenco.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. 22, em casa de Caros & Barbosa.
r Declarase que urna parto da casa n. 18,
ua da Roda, acha se hypothecada por escriptura
era notas doiabellio Daptista de S.
Os abaixo assignados declaram ao corpo do
commercio, que n'esta data fizeram sociedade era
nome collectivo na loja de rateadas da ra da Ca-
deia do Recife n. 47, cuja firma social girar na
razao de Azevedo & Flores, ficando esta responsa-
vel, pela liquidaco do passivo de Pinto & Flo-
res.
Recife, 13 de Janeiro de 1865.
Antonio deSouza Leal Flores.
Manoel Martins de O d'Azevedo.
MCDANCA.
Manoel Ferreira l'into Malheiro mudou a sua
loja de ourives da ra das Larangeirls para a ra!
do Cabug n. i B, onde espera continuar a mere-
cer acouiianfa de seus amigos, e do publico em
geral
O bacharel
Francisco Augaste da Costa
A.
da na
n. 3 A.
Schaffter &C. mudaram o seu escriptorio
do Trapiche u. 17, para a mesma ra
ADV60AD0
Lino de Faria o nnico competente
para haver as dividas activas e ontros
quaesqner bens da extincta firma Faria
<" El le pois avisa a todo6 os de ved ores
liara que nao paguern senio a elle ou
pessoa por elle devidamente autorizada.
Espera que os raesmos devedores serio
pontuaes em satisfazerem seus dbitos,
livrando-io assim de recorrer aos meios
judiciaes. Elle mora na ra do Impera-
dor n. 57, f*gndo andar.
Ra do Imperador numero 69.
Precisare de tima preta de idade que seja^
escrava e saiba cozinhar o diario de urna casa : na
Praca da Boa-Vista n. 9.
Deseja-se fallar com o Sr. Venceslao Macha'
do Freir l'ereira da Sirva a negocio de seu inte"
resse : na ra da l'rala n. 47, 1" andar.
A viuva de Jacintho Jos Caetano, com casa
de comidas para assignantes c particulares, e ao
mesmo tempo mo de vacca nos domingos c dias
santos : na ra da Cruz, por delraz do Corpo San-
to becco do Abreu n. I.
Anla particular.
O abaixe assignado, professor particular, provi-
sionado pela directora geral da mstruceao publica
para ensinar primeiras lettras, latim e francez,
participa ao respcitavel publico e.igualmente aos
senhores pais de seus discpulos que segunda-feira
9 do corrente tem de continuar no ensino das su-
praditas materias, adraittind matricula alumnos
externos, pensionistas e meit^pensionistas. A pra-
ticadf; 19 annos consecutivos no exercicio de seu
magisterio, sua iofeira dedicaco e sua moralidade
sao garantas que oiTerece aos senhores pais de fa-
milias, que desejara a sa e til edpcacao a seas
(linos.
Quera portanto quizer confiar ao mesmo abaixo
assignado a educacao de seus filhos, pode dirigir se
a qualquer hora do dia aoterceiro andar do sobra-
do n. 58 da raa Nova, onde ha muito tempo est
estabelecido. *
Jos Mara Machado de Figneircio.
OSr. morador da ra Nova que se
acha a dever-6 quarteis de signaturas des-
te Diario, queiramanda-las pagagarpois
assim como elle gosta d,e receber a paga de
seus servicos deve attender a das ou-
tros principalmente o do Diario queem
trabalham mais de 60 pessoas.
Companhia fldelidde de
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda 00
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PKPNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
Ditas de aljofares de todas as cores, com cruz e
1 passador de 1, 2 e 3 voltas, a 25, 45 e 55.
Ditas de contas grandes de coral, a 43500 e
63500.
Pulseiras de aljofares de todas as cores, com pas-
sador e borllas, de 1, 2 e 3 voltas, a 13280, 15600.
23 e 33.
Ditas de contas grandes de coral, a 43 e 53.
Bonitos brincos de aljofares de todas as cores a
balo, a 640 ris.
Bonitis alfinetes de peito com aljofares de cores,
a 15, 15280 e 15600. -
Albuus.
Bonitos albuns de velludo com guarnieses
metal para 50 retratos, a 55-
Ditos dito de velludo para 100 ditos, a 85.
Ditos de marroquim para 12 ditos, a 13600.
Ditos idem melhorcs para 1) ditos, a 15800.
Ditos idem para 20 ditos, a 13800.
Ditos idem raelhores para 20 ditos, a 25.
Ditos dem para SO dites, a 35.
Ditos dem para 100 ditos, a 55-
Ditos dem de boa encadernacao para 100 ditos,
a 123, 165 e 205, estes albuns vendera-so por mui-
to menos do seu vlor por se ter recebido grande
quanlidade.
Pennas com bico de diamante.
Elegantes peonas de prata com bico de diaman-
te que duram toda a vida de urna pessoa, orn ca-
nelas de marlim e raadreperola, sao as raelhores
pennas que tem apparecido, vendem-se pelo di-
minuto preco de 55 e 65-
Caixinhas de pennas de lanca frescas, a 640 rs.
Ditas de ditas caligragraphicas, a I52s0e 156OO:
Caixinhas com 100 envelopes, aoOOrs.
Caixinhas de papel de cor, a 500 rs.
Caixinhas de papel azul pautado, a 560 rs.
Caixinhas de papei amizade braoao pautado, a
640 rs.
Pacotes de papel da beira dourada, a 700 e 80O
ris.
BICOSDE SEDA PRETOS
- Hobllla.
Alugam-semobilias : no pateo do Terco nume-
ro 42.
i
inga-se
Roga-se ao Sr. Andr de S e Albuquerque,
do engenho Santo Andr, que se digne dirigir-se
ra Nova n. 14, quando vier ao Recife, afim de re-
ceber urna carta que ah existe.
Aluga-se a casa terrea da ra do Socego n.
2, e o seguudo andar do sobrado da ru do Rangel
n. 7 : a tratar na taberna no mesmo sobrado.
urna casa acabada agora, com commodos para fa-
milia, estribara, cocheira, quartos para feitore
escravos, com banho na porta, no lugar do Paco
da Panella, ra do Rio : a tratar com Tasso ir-
maos, na ra do Amorim n. 35.
Precisa-se por aluguel de urna preta boa
quitandeira : a tratar na-ra do Queimado n. 17.
m
Procisa-se comprar urna escrava negra de 25 a
30 annos de idade, que saiba engommar e cozi-
I nhar, ou troca-se por oulra : na ra da Aurora,
! passando o Gyranasio, primeira casa depois da
' poniesinha de ferro.
Lompram-se escravos.
Silvino Guilherme de Barros compra, vende e
troca escravos de ambos os sexos e de toda idade:
na ra da Imperador n. 79, tirceiro andar.
Compra-se
I cobro, lalao e chumbo : no armazem da bola ama-
rella no oitao da secretaria da polica.________ dos mais bonitos gostos que se pode desejar, desde
Comprase oitro e prata em obras velhas, pa" 1 dedo at 4 dedos de largnra, vende-se pelo diml-
ga-se bem : na loja de bilhetes da Praca da Inde- nulo preco de 120, ISO, 240,400 c 600 rs. a vara,-
pendencia n. 22. sendo este prego a metade do seu valor.
Compra-se elTectivamente ouro e prata em v, .. VARI0S OBJECTOS.
obras velhas, pagndose bem : na ra larga do'^J*^6, 3b2orsp de linho' a 100' 120' ,60'
I Vara de labyrintos de chrox desde 3 dedos at
=^= I um palmo de largura, a 210, 400, 640, 800 e 15.
Fitas e cordoes para espartllhos. 60 e 120 rs.
Grvalas de pomas bordadas pura senhora, a 15.
Ditas ditas de blonde matisadas, a 15600.
Touquinhas de blonde enfeitadas, a 15500 e 2f.
Sapatinhos de merino bordados para baptisado, a
elfeclivamente
pagando-se bem :
Rosara n. 24, loja de ourives.
VENDAS.
ALMANAK.
Acaba de sahir dos prt-;'*205,
I
Os abaixo assignados estabelecidos com
loja de ferragens na ra do Queimado
n. 12, sobre a razo social de Fonseca &
Rocha, declaram que dita sociedade se
acha amigavelmente extincta desde 31 de
dezembr' prximo passado, ficando a
cargo do socio Rocha a liquidaco da mes-
ma. Recife, 21 do Janeiro de 1865.
Antonio da Fonseca e Silva.
Jos Rodrigues da Silva Rocha.
Aviso commercial.
O abaixo assignado vendo um annunclo publi-
eado no Diario de Pernambuco de 21 do corrente
pelo Sr. Antonio Jos Ribeiro Braga, em que de-
ciara ter apartado a sociedade que linhamo* em
urna casa de commercio na villa do Pilar das Ala-l
goas, e firar eu responsavel pelo activo e passivo
da mesma sociedade, declara que de tal annunclo
nao teve scienria, e que com quanto a sociedade
esteja dissolvida, anda se nao conclulo a escripia,
nem fechamos nossas contas, etc., e por isso anda
Lao sei se me ronvir ficar ou nao obrigado ao
activo e passivo da mesma casa. 1
Recife, 23 de Janeiro de 1865*
Balthazar Jos do M. Bastos.
Joao da Silva Ramos, medico pela Uni
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manha, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em qual-
quer occasiao. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s8 horas da manha.
Tem si'.a casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem commodes apropriados e nella pra-
tica qualquer operaco cirurgca.
Para a casa de sade.
Primeira classo 35000 diarios.
Segunda dita.... 25500
Terceira dita.... 25000
Este estabelecimento ja bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera qne elle conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tem gozado.
IOS de nOSSl tVDOfTlDhia O E^ovas para denles, 160,320 e480rs.
iu.3 U w/K.k.a tjpu^iapmft U Ditas para calcado, a 200 e 240 rs.
Almaaak Administrativo,
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 81'^S^4^pi*i5^a^*^
de dezembro, e vende se a
1$; na livraria ns. 6 e8
da praca da Independencia.
Violto do Porto superior
| i em barris de oitavo e dcimo, vende Antonio Luiz
j de Oliveira Azevedo 4 C.: no seu escriptorio ra
i da Cruz o. i_____________ ______________
Napadaria da ra da Senzaia Velha n. 84, ven-
de-se a bem conhecida bolacJiinha de leite fabri-
cada pelo proprio fabricante. ^______
Noviddesno barateiro.
Brim pardo liso fino a 800 rs. a vara, cortes de
la de flores cora 15 covados por 55, grvalas de
' seda preta a 160, pode-so (azer duas, camisas bran-
cas para homem a 15, corles do collete de seda
1 preta a 15500, alparcas de cor a 300 e 400 rs. e
' preta a 480 rs. o covado, chitas inglezas escuras
padrdes miudos cores lixas muito finas a 220 rs. o ]
covado por ter ua pequeo principio de mofo, ma- >
Ditas para roupa, a 800 rs.
Ditas para cabello, 640, le 15400.
Ditas para unhas, a 640 rs.
Varas de fila de velludo desde a mais estreiti-
240, 320,
Bonitos chapeos enfeitados para enancas, a 45.
Varas de fitas de la para debrum, a 100 rs.
Pecas de fitas branca para debrum, a 320 rs.
Frascos de oleo de babosa, a 400 e 500 rs.
Ditos de dito do mauzeoha, a 500 rs.
Ditos de agoa da colonia, a 400, 500 o 19.
Ditos de dito de raauzenha, a 400 rs..
Garrafas grandes de dita, a 800 e 15600.
Frasquinhos de essencia de sndalo, 1)500.
Ditos de extractos, a 320, 500, 800, 1 e 15500.
Cestinhas cora quatro frasqolnhos de dito, a l.
Duzias de facas e garios de balanca, de 6a a
6J500.
Duzias de dilas dita de sobremesa, a 55500.
Duzias de colheres de metal do principe para
eh e para sopa, a 15500 e 3
Colheres de concha para sopa, a 29.
Faea e garro trinchantes, a 15600.
Ad?erte-se ao Sr. Feliciano Joaquim
de Aguiar, que a sua assignatura deste
I Diario esl por pagar desde outubro do Um combabado bordado" 'que'm foremof-
Do corredor do sobrado n. 9 da ra
da Imperatriz furtaram, na manha de 21
do correnfe, tres vestidos blancos, sendo
dous bordados com bicos e entremeios, e
Aluga-se por prego commodo urna casa ter-
rea sita na ra da Mangueira da Boa-Vista : a tra-
tar na ra do Livramentou- 39.
feitb a 400 rs. a vara ; das chitas dao-se amostras
Precisa-se alugar dous escravos : quem os com penhor: na loja da ra da Madre de Dos n.
lver quera dirigir-se ao armazem de assucar na 16 defronte da guarda da alfandega.______
rna de Apollo n. 12. | vmii.si> a as i.rra D. 25 da ra do Ma-
Atteneo
Aos donos de obras e artistas.
Vende-se para raais de 80 milheiros de mate-
riaes, sendo tenas, tijollos de ladnlho, alvenana
batida, qnadrdos de 8 polegadas, ditos de 16 (de
padarii) ditos de tapamento, ditos de cacimba,
, sendo estes matenaes construidos do melhor bair-
dapolao cora 24 jardas a peca cora defei o por 55, ro amassado com agua doce e bem cozidos e pelo
dito muito fino e largo por!* algodao largo com baranssimos preeos declarados.
24 jardas por o> por ter defe.to, cassa lisa com de- Telnas a 30^ ladrilho i5 ,|VeDaria batida 303
ianno passado, e que o proprietario da loja
i de ourives da ra larga do Rosario n. 40,
tem declarado que nao se responsabelisa,
i I portento S. S. queira ma'ndar satisfacer nes-
' ta typographia._____
-r Preefsa-se de urna asa
o servico de urna casa de powea familia
dos Pires r. 3i t*.irt quem precisa.
K Precisa-so de 1:6083000 a premio, dando se
secca que faca iodo cor garant urna casa terrea^ j| na freguezia da
na raa Boa-Vista, qaem quizer /azer Jal oe^aejo annoocie j franceza Tonki; se faro novo* annncios
ferecidos ou delles souber, faca favor noti-
ciar na casa cima, qne alm de ser gratifi-
cado muito obrigado se ficar.
Salvador Rodrigues
Janeiro.
I par* er procurdo.
Consalado de Franca
O emprestimo annunefado neste* Diario para
pagar as reparacoes feitas oeste peno pela galera
que
Mtf A HE LKITE
______________ I Vende-se a casa terrea
da Silva val ao Rio de Ihias Ferreira. da cidade de Olinda ; quera a pre-
tender di rija-se a tratar nesta cidade na ra Aa-
gusta n. 59.
Tarii
jcm.amj.m. mwm blj n *_ mu Vendem-se 100 saceos de muito boa farraha
Precisa-se de urna ama de leite que seja sadia. de Santa Caiharina ; no armazem n. 19 da roa no
e tnha bom leite para criar um menino de pou- va de Sania Rita, naeira do peixe.
eos dias : no becco dos Ferreiros, casa terrra de j RAPE'
janellas de vidracas.____ Daarle, Pereira & C continuara
'.indicarn de novo o dia era que lera lugar.
E. R. Rabello (az publico que Antonio Jos
da Costa Araujo deuou de ser seu caixero desde
o dia 23 do crreme.
a vender o afa-
mado e fresco rap Princesa de Petropoles em seu
grande armazem de louca e vidros : i roa do
Crespo d. 18.
quadrados pequeos 305, ditos de padaria -800
ris. cada um tapamento 155 fo milheiro ; quem
pretender ditos materiaes diria-~e roa das Bar-
reiras olaria n. 15, advrtindo que se vende por
estes baratissimos preeos sendo de nm milheiro
para cima a dinheiro av;sla. _____
Peehlneha, a 3 000
Pecas de madapoio cora um toque de avaria
para forro, por 35 : na ra do mmenlo a. 5.
Attenciio.
Vende se nma taberna na cidade de Olinda, sita
nos Quatro Cantos n. 4, com poneos fondos, boa
para um principiante; vende se porque o dono re-
tirare tratar de sua saude,


1 /
*Hb)*b)**bT***************IBBH


Diario de Pernainbuco -"- Uuai la feira 5 Je -Janeiro de i&.

BOTICA E DROGARA
Barihlomen Francssce de Sorna | C.
31llua lana do Rosara31
Veiqna:
Pilulus Holloway.
Pilulas do Dr. Laville.
Pilulas do Dr. Alian.
Plalas do Pobre-nomem.
Plalas americanas.
Pilulas vegetaes.
Pilulas vegetaes assucaradas de Kemp.
Salsa de Brislol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina de Grimaalt.
Vinho de Salsaparrilha de Ch Alberr.
Injeccao Feaugas.
Agua dentiica de Desirabode.
Papel chimico, para tainos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspan.
Pos antiepiletices de Brest.
RobL'Affecteur.
Varope do Bosque.
' -Ungento Holloway.
DIODURETO DUPLO
de FERROeQUININA
DE
Ot tomentos que rom poem esta preparado, o
ferv, o iode e a quinn^ a coliocao no primeiro
grao das preparacocs ferruginosas. Basta atteatar
seus resallados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
Mes, e os relator ios dos prcticos mais eminentes,
seguintes afeccoes:
Mingo* aaiiguc.
Fraqucza.
Anala.
Chloroxr Ictericia.
Menstrua.
Affeccoc do ulero
Suporcuor aan re-
ara c denonlaa na
iiicaatriinriio.
AfTrrcao auliuwiur e
hlklalc.
Mole, ti. de t*naao
Gastralgias.
Prrda d'apacMte, etc.
Veja se os bullelins
e cirurgica de 30 de novembre 1860; a Gazeta
des hospitaes 4e 28 dejulho 1 860, etc., etc.
Alm das pilulas de iodurelo duplo de (erro e de
quinina de lebillon, os Mdicos aoonselho
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
ferro e de quinina do mesmo author para as
pessoas que nao goslo de medicamentos sob for-
ma plular e os meninos. Este xarope nao tera
como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se a de se nao poder conservar.
Peca-se o folheto que se di de graca em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para-se evitarem falsificages, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito feral em Paria, ph armada Rebillon,
4iS, rae do Bac, e em todas as boas pharmacias
de Franca a dos putees estrangeiroa, etc.
Convalcaeenea de Un-
an molcatlaa.
Molestias escrafat*-
aa.
Papclra.
Obatruecaa daa gln-
dulas.
Hiiriiorri fro
Hmuorea braneaa.
nachltlamo.
Affi-cciH cncera
e >phllitlrn.
Febrea tyaholdea.
Variles, etc., etc.
de therapeutie* medica
0 VICHANTE
Ra do Crespo a. 9.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
poso allisa, na sua ordem do dia, e pela Branca
Aguia, apesar de que, para estes o Gallo com seus
agudos espor5es nunca os offender, antes os agra-
ciar na raesraa conformidade, para que o Baliza,
possa marchar em frente, a Branca Aguia possa
levantar seu vo,|Ievando no bico as palinbas seu
moho; e o Gallo ficara em seu espacoso campo
dando de novo o sea canto annunciando a seus
bons freguezes e aorespeitavel publico
0 grande sortimento deobjccles de mnilogosloqne
acaba de receber.
Ricas caixinhas com msica ricamente enfeita-
das para costura, proprio para um delicado me-
nino.
Riquissimos cofresinhos com cadeados d metal
para guardar joias.
Ricas caixas com estejo, contendo todos os per-
lences para homem.
Riqussimas voltas fingindo perola.
Ditas com lacinhode Uta.
Ditas de lindas cores e preta, de todas as gros-
suras. "
Lindos aderecos com pedrinhos Ongindo bri-
Ricas vellas para cinto, de todas as qualidades
e bom gosto. *
Ricos cintos do ultimo gosto de Pars.
Grande sortimento de lindos enfeites para cabo-
Sa sendo do ultimo gosto e de todos osprecos.
Flores muito finas para noivas.
Luvas enfeitadas e meias de seda para noivas.
I Touquinhas sapatinbos e meias de seda para,
taptisado.
Riqoissimas fitas de todas as qualidades parala-
do, cintos e cinteiros.
Camsinhas e golinhas para senhora.
Riquissimos jarros e figuras para ornamento de
1 sala.
Grande sortimento de gravatinbas tanto para se-
nhora como para homem.
Luvas de pelica branca e de cores.
Gascarrilhasde bonitas cores.
Trancinhas.galao e maravilhas para enfeites.
Transelms de cabellos e de retroz para reloglos.
Papel amisade e de outras qualidades.
Bolsas para vagem.
Entremeios e babadinhos de lindos padrees.
Lencinhos de linho bordados.
Meias para homem, senhoras, meninos e meni-
nas.
GRANULOS
BISMUTH
DE CHEVRIER
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparacoes de
bismuth embregadas antes com o maior successo
pelos medios de todos os paizes, para prevenir e
curar as
Dlarrfceas ehronlcaa.' Ha dlgeatoea.
Dyaseotcrtaa. Gaatrltea.
Doro d'eataniaso. Galtralglas, ete.
Dyspepalaa.
Os primeiros symptomas d'cssas formidaveis
affeccocs se iaanifesto ordinariamente por diges-
toes laboriosas, azidumes, falta d'appetite, pesos
d'esUfmage depois de cada comida, caimbras es-
tomafaer, t;, umitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estad mrbido, se o dcscuido, traz ine-
vitavelmente, que seja:
Molcatlaa de cada.
A Ictericia.
Falpltacaodc eoracao
DArra na ria.
Oppreaaoes.
ndrea de rabera.
Irrliacdea de hrzlga e
da muirte, ete.
Os granules Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sao tomados a
tempo.
0 preco de cada frasco de i francos-
Depsito geral e*i Paris, pharmacia Chevrier,
e dn todas as parmacias de Franca e dos paizes
estrangeiros.
IWflSSA E XAROPE
E R T H
COM CODEINA
Preconizados por todos os mdicos contra
as Dcfluxos, a Crippa e todas as Irritacoes
do peito.
AVISO
Falsiticacocs repreliensiveis excitadas pelos
suecessos do Xarope e da Uassa de Bertk,
nos obrigo a recordar que esses productos
tao justamente
Borneados nao se
enlrego senaocm
hcelas e em fras-
cos ouui a assigna-
lura aqu indicada, "*"""""itaurutinUrUmm
151, ru Saint-Honor, NA PHARMACIA
> 1.UVK, e em todas as pharmacias.
no
Deposito geral em Pernanubuce ra da
Cruz p. 22 em casa de Caros & Barboza.
Vende se eaixes varios proprios
para ttalinleiros e funileiros a .$760
'cada ira; nesla typagraphia.
iJSii
Venae-se superior vinho do Porto em caixas de
urna duzia : em casa de Johnston Patera .., roa
do .\igario n. 3.
~55Kfa da lnperatriz-35
Fabrica de carros.
Aeha-se sempre gelozias de todos os tamanhos a
moda da Europa por preco razoavel e concertam-
se as mesmas.
-> Ru da Imperatriz35
Fabrica de carros de
Francisco Porlcr.
VeBde-se um carro de carregar gneros da al-
fandega em bom estado e por preco commodo.
DROGARA. "
3iRa 'larga do Rosario 3i
Bartholomen Francisco de Souza
Venden:
Acido actico puro psra retratistas.
Esmaltes para oorives.
Papel ptra forrar rasas.
Guarnieoes avellndadas.
Tinta branca superior em lata.
Alvaiade Veneza, Ano, rm naes.
Palha de carnauba.
Vende-se exeeellente palha de carnauba do Ass :
na ra da Moeda, venda deTronte do trapicho do
Cnoha.
&c.
Fitas de veludo lisas e com mtame de todas as
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as qualidades.
Grande sortimento de saboneles.
j Lindos vasos com banha para ITerecimentos.
i Laixinhas com seis frasquinhos.
i Essencias de todas as qualidades.
! Agua verdaeira Florida.
1 Agua da Colonia, em garrafas grandes, e em
: irascos quadrados egarralinhas.
I Pomada lina de todas as qualWades.
Superior banha em frascos e copos de todos os
tamanhos.
Sabao inglez em paos grandes o pequeos.
Escovas de cabo de madreperola, marfim e de
osso, para dentes.
Peutes paradesembaracar, com friso de metal e
sem elle.
: Ditos de tartaruga e de mnitas outras qualida-
des.
Pentes de tartaruga para senhora.
Ligas de seda e de algodao, assim como muitos
; outros objectos de gosto que seria im'possivelmen-
cmar,que a vista far f, so no Gallo Vigilante,
ru do Crespo n. 7.
Voltinhas.
: Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinlras
lingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsaE
e voltinhas, pelo barato preco de ljel200,as
cruzes avuls asa 400 rs.; .s no Vkilanle, ra do
Crespo n. 7.
Leques.
Riquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato prego
de 12$ e 14$; s no Vigilante, ra do Crespo
GRANDE KOV1DAE.
i S no Vigilante.
I Riquissimos enfeites de todas as qualidades para
senhoras e meninas, chegados hoje da aitandega.
Sinfos
Riquissimos sintos de Ota larga e estreila com
Qvelas grandes e pequeas, com brilhantes falsos,
cousa de muito go>io.
Albans
Tambem ehegaram os riquissimos albons para
50 retratos, com capa de tartaruga e de marflm,
consa mnitochique : s no Vigilante, rna do Cres-
po n. 7.
Golinhas.
Riqaissimas golinhas e manguitos, omelhor gos-
to possivel, a 2$, 2J500 e 3f; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfeites para sahora.
Riquosissim enfeites com laco e sem lago e de
, outros moitos gostos a Ifi, 1$500 e W- s no Vi*
guante, rna do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins de cabelle para relegie on lu-
netas, pelo baratissimo preco de 1J50O, ditos de
retroz a 200 rs.
Babadinhos enlremeios.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindo*
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 1*400, 1*500, 2* e 3*; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Cascarrilbis.
Grande sortimento de cascarrilbas de diversas
larguras, assim como galaozinho e trancinhas pro-
pnas para enfeites; s no Vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
Fitas.
Grande sortimento de filas de diversas larguras
e qualidades, por precos que admiram aos com-
pradores, bavendo fitas largas proprias para cin-
teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e peca
de 9 varas a 2*; s no VffHante, ra do Crespo
n. 7.
Filas de lia.
Fitas de lia de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a peca; s no Vi-
gilante, rna do Crespn. J
Ricos tsprlbos.
Riquissimos espelhos cem moldura donrada|
?em ella de 8, 10,5, 12* e 14$, assim como com
columnas de differentes tamanhos a 2$, 3#,4$, 5$ j
e 6$; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,'
para enfeite de sala, sendo omelhor gosto queaqu
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
consa de muito gosto a 1$500 eM, assim como
paeotes s cora os pos a 320 rs/cada um; s no
Vigilante, ra d Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banbas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
tinctivos e offerecimentes as sinhasinhas dos me-
Iores e mais afamados autores de Paris e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
a 2$ e a 1$, assim como outros objectos que nao e
possivel por hoje annunciar, o vista dos fregae-
zes se far todo negocio; na loia do Gallo Vigilante,
rna do Crespo n, 7.
Grande quidaco.
Ra da Intperatrlz
oja de fazeudas do pavao de Gama & Silva
. Acha-se este estabelecmento completamente
rtido de fazendas nglezas, francezas, allemas e
suissas, proprias lauto para a praga como para o
mato, prometiendo vender-se mais barato do que
m outra qualquer parte, principalmente sendo em
porgio, e de toijas as fazendas do-se amostras,
deixando ticar penhor, ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caixeiros da loje do Pavao.
Vestidos soutambarqn.
Pelo ultimo vapor francez ehegaram riquissimos
vestidos soulambarqne, os mais modernos que
oeste mercado tem apparecido, os quaes estao
I romptos com saia, corpinho e sen competente
soutambarque, tudo guarnecido de seda, velado e
renda. Quem tiver bom gosto dlrija-se loia do
ravao, na ra da Imperatria n. 60.
AOS TRES MIL VESTI-
DOS.
Na loja do Pavfio, a U. U
e 7$000.
Vendcm-se lindissimos cortes de vestidos India-
nos, sendo todos bordados e de listras de cores e
brancas.proprios para casamento, pelo baratissi-
mo prego de 3$ cada corte por se ler comprado
urna grande porgao, sendo fazenda qne vale 6$,
ditos a Mana Pa, tendo quatro pannos, fazenda
para o corpo com os competentes enfeites para o
mesmo, pelo baratissimo prego de 4$ cada um,
ditos de todas as cores com as barras bordadas a
croxe, sendo cada um em seu cartao, tendo cada
um todos os enfeites precisos, pelo baratissimo
prego de 2$ cada um, ditos com babados mullo b-
/' a^JP 5er em fartac telo dim nutopre-
So de 3$500 cada uro; advertindo-se que os donos
a loja do pavao vendem estes venidos por tao di-
minuto prego ror terem comprado urna grande
quantidade e convir Ihe liquidaren! lepo, na sua
loja, roa da Imperairiz n. CO, de Gama & Silva
Aos vinte mil covados de la
.i ;iude pechlncha, a 40
e 8tO ra.
Vendem-e as mais lonilas laazinbas trnfpa-
rentes, sendo cem listras e. qnadiinhos raindinhos,
e lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
e roxas para lulo, pelo baratissimo prego de 240 o
covado.ditas transparentes com palminhasde seda
a Mara Pia, tendo de todas as cores, e tambem
algumas proprias para luto, pelo barato prego de
iW cada covado, isto por haver orna grande por-
cao; na ra da Iraperatriz n. 60, de Gama &
Silva. **
Latas e copos cono banha fina.
A aguia branca, na ra do Queimado u. 8, rece-
beu esta estimada banba fina em latas e copos, isso
alemde outras em diversos frascos.
As modernissimas laziohas de ama sd
cor, a iinitacao de
de o Pavo.
Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
modernas laazinhas de cordaozinho, as mais pro-
prias e mais lindas que tem vindo, proprias para
vestidos, soutambarques, capas, etc., dam-se amos-
tras deixando penhor, e vendem-se pelo baratissi-
mo prego de o60 rs. o covadq : na ra da Imoe-
ratnz n. 60, loja de Gama e Silva. P
As laazinhas do PaTao.
i hArfT'seir,azin,has de 'luadrinhos transparen-
tes, boa fazenda, pelo prego de 280 rs. o covado,
ditas largas muito finas a 400 rs., ditas estampa-
das, cor segara, padroes miudos fgraodes a 320
d0'cJi)?Anndl,aSrf,.raDfraremes c,m Paimiohas
de seda a 400 rs., ditas eswcezas a 560 rs., uto tu-
do para liquidar : na lojae arroazem do Pavao
ra da Imperatnz n. 60. '
Os grosdtnipfcs do Paiio.
Vendem-se grosdenaples
CLIRI11
GOAUUE
RIJA DO QUC2I1IADO 15.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
gopgaro, veo
NOV1DADE
cial ondePoTpnpSi^nW;m1de f na rua do Queimado m armazem de molhados denominado Clarim Conmer-
MtMK^ll^IlE''^ enco?,trar sempre um completo sorlimenio dos melfcores gneros que rem ao nosso mercado ra
$Z^^K^^ Zlspeil1 pDbliC0 ver pela label abaixo meDCioncda; *^- *
Painco a 200rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640 rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor a
900 rs. a libra.
AlTnndo Maranh50: India e Java a 60, 80 e
100 rs. a libra, e 10800, 20600 e 30000
a arroba.
A^e?A francezas flm latas e em frascos a
i?SS el dem em caixinhas i elegantemente enfeitadas
^l"!588 estamb s no interior das caixas
al02OO,|04OO, 06QOe2.
Amendoas com casta muito-novas a 280 rs.
a libra. ,,
pi? L\ltrS- a l bM-e. \m a arroba- Sardihas^e Na.
crande rj T em garrafas Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libr;
?Ia5_d* ?60 l"J 8arrafa- Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 6( 0
libra.
Eigos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sej:im : Velho de 181o, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
dem de Lisboa a640 rs". a garrafa.
Araruia verdadeira dematarana a 320 rs. a
libra.
Avelinas muife granldes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas
10300 rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinhaea200rsLalibra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 ri.
Cha hysson, huchine perola a 10600, 20,
20500, 20800 e 3>000 a libra,
dem pretomuito suberior a 20000 a libra.
Cenejapreta ebrant a, das melhores marcas
Mjtre vem ao merc do, a 500 f. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. b frasco,
dem, s de pepino, i 720 rs.
dem, s de azeitona a 750 rs.
Charutos dos melhor s fabricantes da Bahia
e especialmente
Sk Ferrera Jorge da Costa a 10800,
fi 2?0, 20800, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs a libra e805OO a 80800 rs. a arroba.
I Lartoes de bolinhos fiancezes muito novos e
bem muito enfeitadas a 70fJe 600 rs.
.AL'^VgS'nfiKz: ChEfas e paios miit0 novos a80 a
corpados a 2^400, 2^5000, ?8C0 e" 3C00. ditos
brancos.cor de rosa, azul e amarello a 20OOr s
o covado : na loja de Gama & Silva, denominada
do Pavao, rua da Imperairiz r. 60.
As netas las garibaldinas a SOO rs.,
na 'oja doPato.
Vendem-se as mais modernas laazinhas garroal- agi^hrnca
dinas, facenda inteiramenfe nova no mercado, seo-
do todas eom listras miudinhas, e transparentes
com lu6troa imitaco dassedinhas, tendo varias'
cores, sendo azul, cor de lirio, rarmezim, cinzenta
e eor vender depres^a: na loja do Pavao, rna do Impe-
rador n. 00 de Gama 4 Silva.
Os mais modernos vestidos Mara Pia,
na loja do Pa\ao, a 1($
Vendem-se finissimos vestidos Maria Pia com
os corpinhos differentes, tendo todos os preparse
com o competento sinto : na r.a da Imperatriz n.
60, loja do Pavao.
(aniisiiilias a I $()()()
Vendem-se camsinhas com manguitos, sendo
muito bem enfeitadas. proprias para senhoras e
meninas, pelo barato prego de dez tnstoes cada
urna : na loja do Pavao, rua da Imperafriz n. 60,
de Gama & Silva.
Vestidos para meninas.
vendem-se s mais modernos vestidinhos para
meninas, sendo muito bem enfeitades Maria Pia,
tendo de differentes tamanhos, pelo barato prego
de 8& cada um : na loja do Pave, rua da Impe-
ratriz n. 60, de Gama-A Silva.
Ronpa feita barata.
Vende-se um grande sortiment^ de roupa feita
para homens, sendo caigas de bim branca e de
cor, ditas de casemira preta e de cores, ditas de
meia casemira, paletots saceos eisobrecasacos de
casemira e panno preto fino, colletes de todas as
qualidades : na loja do Pavao, rpa da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Grosdenapledenr a 10606 e covado.
Vende-se grosdenaple de cor azlal, branco e pre-
to, pelo barato prego de IJ600 o| covado : na loja
do Pavao, rua da Imperatriz n. '60, de Gama &
Silva.
Panno de linho a 700 rs. o cevado.
Vende-se o verdadeiro panno de linho proprio
para lenges, toalhas e ceroulash pelo barato prego
de 700 rs. a vara :, na loja do Pavo, roa da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 22C
rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Figos de comadre c do Douro em caixicLao
de oito libras e canaslrinhas de I arroba a
10800, 50300 e 280 rs. a libra.
Farinha do Haranhio a ICO rs. a libra.
Sal refinado em frascos do vidro a 600 rs. dem de trigo a 120 rs. s libra. '
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqveira.
dem em garrafes de 3 e 5 galces a 5fF08
e 705CO cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 1010o a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa,
dem, qualidade especial em garrafas muita
grandes, a 10800 a garrafa,
dem em garrafas mais pequeras a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera e rollas t
vidro, a 1000, s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manleiga inglcza perfeitaroenie flor, desem-
barcada de pouco a 9C0 rs. a libra, e da
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e de segunda qualidade a 800 rs.
10000 a garrafa, e em caixa com urna du- dem francez muito nova a 640 rs. a iibra.
zia a 90000 e 100000. dem de tempero a 400 rs.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a Ma?a de tomates cm barril a 480 r?. a libra.
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500 dem em lata a G40 rs.
u e ^ta ^^d3, i Maimelada imperial dos melhores conservei-
Idem branco de Lisboa muito fino a 500 rs. i ros de Lisboa a 60o rs. a lata.
agarrafa. !Marrasquinlio de Zara, frascos grandes.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Juen a 700 j 800 rs.
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs. dem regular a 500 rs.
3 duzia. Magas finas para sopa: estrel'inha. p-;Jc.
IderaMorgauxe Chateaulumini de 1854, a 10 rodinha a aletria a 600 rs. a libra e a 40
a garrafa. a caixinha com 12 libras,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa. Nezes muito novas a 160 rs. a libra.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Peixt em latas preparado pela primeirr arte
10200 rs. a caada. de cozinha a 10 a lata.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs. Paliios de dentes a 160 rs. o maco..
Alm dos gneros cima mencionados le-dem de dentes a 120 rs.
mos grande porgao de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudo ser vendido por' Amendoas confeitados a 900 rs. a libra
pecas e carnadas, tanto em porgues como Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
retalho- 20 e em caixao a 640 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima te- Paulos do gaz a 20200 a groza
ra o abate-de 5 por cento. paSsas muito novas a 480 rs. a libra.
mma arbica
e pincel.
Frascos 90111 g(
dissolvida
Vendem-se na rua do Q eimado n. 8, loja da
Ni vos albuns.
A aguia branca acaba d< receber outra encom-
menda de bonitos e bem e icadernados albuns de
capas de velludo, massa, tartaruga e marfim, al-
guns dos quaes com microscopio para augmentar
o tamanho dos retratos, continuando a serem ven-
didos por pregos coromodos : na rua do Queimado
loja da aguia brancan. 8. ,
Galanteras para fes tas
A aguia branca nao eessa de encommendar do
que ba de melhor o mais adradavel, e por issoaca-
ba de receber diversas flguVas e vasos de p de
pedra com fina banha, assiili como bonitos frascos
de excellentes extractos e lindas caixmnas de ma-
deira envernisada com linas perfumaras, tudo
mu proprio para presentes de festas etc., havendo
dinheiro dirija-seo pretndante a rua do Queima-
do n. 8, loja da aguia branc
i'JfA. WM. MACHINAS iEPATINT
r_" Azevedo Maia est continuando a de trabaZhar ito uaia
Economa doPavi).
Vende-se para acabar, urna pcjrco de retalhos
delaas ecassas de todas as qualidades, e por pre-
gos muito em couta; quem tem economa que
pode apreciar; isto na loja do Pv3o, rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva, [
HadapoUo a 70000, s na loja do Pao
Vende-se superior madapolo Inuito encornado,
tendo 20 varas cada pega.com 4 balnros de largu-
ra pelo baratissimo preco de 7a00 a peca ditos
muito finos a M, 95 e 10*000. fe' pechincba, na
toja do Pavao, fu da Imperatriz ti. 60,- de Gama &
Cortes de cassa a 30000.
Vendem-se muito bonitos cortes de cassa tendo
7 varas cada corte, com desenhos muito delicados
pelo baratissimo prego de 30000 o corte; s na
loja do Pavao, ruada Imperatriz n. 60, de Gama 4
i dllvd
Cor (rs de chita franceza.
Vendem-se finissimos cortes fle chita fran-
ceza.com 12 covados, tendo, pajdrCes oscuros e
i?ns de cores Dxas Pel baratsimo prego de
W00O o corte; s na loja do Pavlo roa da Impe-
ratriz n. 60 de Gama <$ Silva.
Cambraias lisas, na loja de|Pa*io.
Vcndem-se pegas de cambraa lisa muito Una,
'J,fi e transparente, pelo baratisimo prego de
45000 t-ndo 8 1/2 varas caa pcga-J ditas muito fi-
nas a 75, 85, e 95 a pega, ditas Victoria com 10
varas pelo baratissimo prego de "5, 95 e 105, di-
tas Garrazes fazenda muito encorpaida, fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara ou;25600 a pega
isto na loia do Pavao, roa da Imperatriz n. 60, de
Gama i Silva.
Cortes de lia a l
Vendem-se cortes de las gariba dinas, matisa-
das e de quadrinhos, tendo 12 covados cada corte
pelo baratissimo prego de 45000 c corte; isto na
loja de Pav5o, rna da imperatriz' o- 60 de Gama &
Silva.
Ail fino paya engom-
mado
A aguia branca na rua do Queimade n. 8, rece-
beu glbulos de ail fino e fiTsquinbos com es-
sencia de dito para engommaflos.
Outros enfeites.
A aguia branca acaba de reeeber por este ulti-
mo vapor um novo sortimenjolde bonitos e delica-
dos enfeites de moldes i nteiramente novos e do um
apurado gosto, assim pois comparegam os pretn-
deme? munidos dedinheiro e eom disposigao de
gastar: na loja da aguia branca rua do Queima-
do n. 8.
Pequeos pents de tar-
taruga}
A aguia branca na rua do Queimado n. 8, rece-
ceben novamente esses pequeos pentes de tarta-
ruga qne por suas- qualidades d( pequeos, lisos,
bonitos e bem feitos tantaestima tem merecido pa-
ra as senhoras segurar o cabello quando atado ; a
aguia branca porm avisa aquel! is pessoas qne os
haviam encommendad,o e a quem mais queira
aproveitar aoccasio de os comprar continuando
a serem vendidos pelo mesmo proco de 13 cada
um.
Estando brancos ficm pretos
O bom resultado e o rpido effeto que produz
a tinturado ebromacoma, e mesmo o facilllmo
modo de applicartem se tornado mu conhecido e
apreciada por todos que usam delk e por conse-
guinte augmentado a exfragao, pelo que a aguia
branca mandouvir mais o novo Sortimento qne
acaba de receber constando elle de
Caixas com chromacoma para tingir os cabellos.
'Frasceacom colorieoraa para lustrar ditos.
Ditos com hydrocallethricbina para limpar ditos
Ditos com oryehromantina para (raparas nnhas
Saboneles brancos para lavar o cabellos.
Pomada callicomiphila para dar cheiro aos di-
tos sem offender preparaglofeitaJ
Sapatos de marroquim dou-
rado para bailes.
Esses sapatos da grande tom ven lem-se nica-
mente na roa do Queimado loja da .guia braia n.
8 a 65 o par.
Mxas fixxas para senhoras
gordas
. vendem-se na rua do Queimado lila da agola
oranca B 8.
Esponjas finas para
papel
de peso liso muito superior a
ga e de outras muitas qualidades
Itua uo-yueimado ns. 49 e 5o, loja
de Jos de AZevedo Maia est continuando .
vender muito barato, pois seu genio dar a fazen-
da por todo prego a vista dos cobres.
Cartas de alfinetes francezes da melhor qualidade
a 80 rs.
Grosasde peonas de ago inglezas da melhor qua-
lidade a 640 rs.
Caixas de clcheles francezes de superiores quaL-
dades a 40 rs.
Grosas de botoes de madreperola muito finos a560
e 640 res.
Carreteis com 4 a 5 oitavas de retroz preto fino a
640 rs.
Resmas de
25000.
Grvalas da
500 rs.
Caivetes para penna com 3 follias fazenda boa i
800 rs..
Duzia de botoes branco para casaveques de senho-
ra a 100 rs.
Pegas de fita de cs estreitas com 9 varas garan
tidasa320rs.
O Expositor Portuguez para os meninos a prendei
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren-
der a ler a 15000.
Cartilhasda doutrina christaa, finas e superiores a
320 rs.
Pentes finos de marfim a 15000, 15200 e 15500.
Pares de lavas de seda para homens e senhoras a
500 rs.
Gollinhas para senhora o melhor que ha a 320 o
500 rs.
Frascos com superiores banbas a 240, 320, 500 e
15000.
Livros que serve para assentar roupa, pelo diminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cordao branco para espartilhes muito superior, 1
vara a 20 rs.
Carritis com 150 jardas de lnha branca a 60
ris.
CartSes com 200 jardas de linha branca garanti-
da a 60rs.
Grosas de pennas de ago superiores a 5f ( rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
lhas a 160 rs.
Pares de botoes de punho, oh que pechincba a
120 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de botSes de looca prateados muito fino a
160 rs.
Tesouras para costura superior qualidade a 500
ris.
Escovas para limpar dentes, superiores a 200 rs.
Caixas com superiores phosphoros de seguranga a
160 rs.
Caixas com 100 envelopes o melhor qne ha a o40
ris.
Caixas com 20 quadernos de papel amizade, ni01*0
fino a 600 rs.
Quadernos de papel pequeo muito Uno a 20 rs
traba.har mao j;.-
desearc^ar aBgodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers &
9LDA1
C.
EMasmathiaas
. podem des.regar
nra??^'"- ncalqner i*pecio
: de alsofo ;&&
estragar o ao,
- sendo bastante
. duaspessoaiparj
o trabalho poda
descaregar urna
arroba de algo-
dao em rarogo
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de aJgodle
limpo.
Assim como machina? para crcm movidas rcr
animaes, que descarogam 18 arrobas de aiaomo
limpo, por dia.
Os meamos tem para vender um lellissiiro va-
por que fdc faztr mover seis distas narbipas
mencionadas ; para o que convidase ros Srs.
agricultores a viren ver e examina-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47.
Sauoders Brothers i C.
X. II, praea do Corpo Sacio
ItECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Vendem-se na rua do Qneimado lo a
branca n. 8.
rosto
da agnia
Cylindros para pada*
ra.
Na padara da rua Direita n. 84 ba para vender
os conhecidos e acreditados cylindros americanos
para trabalho de padaria ultimaman e chegados. vedo & C. n,o seo escriptorio rna da Cruz n. 1.
Vinho da Madeira e do Porto
Vende-seo superior vinho da Madeira e do Por-
to, em caixas de urna u duas duzias : s na loja
do Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Roa da Senzalla d. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silbes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e doas cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
Albnns
para 20 at 200 retratos, muilo bons c por menos
preco que em oatra qnalquer parle: na Tna do
Crespo n.'4.
Roa da Senzalla Nava n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas dr
ferro coado libra a 110 rs., idemde Lov
\foor libra a 120 rs.
- Farelo superior .de Lisboa i S5 o sarro.
Tem para vender Antonio Lniz de Oliveira Aze
Rua do Queimado ns. 49 e 55 loja do araicir?
conhecido j romo tal, est dispondo da fazeeda
por todo o prego para apurar dinheiro, qofm qn,-
zer venha ver e traga o cobre, e ver o SfgoiMe :
Baralhos de cartas para voltarele muito
finas a............................ 200
Miadas de linha fioxa para burdar a.... 30
Pares de sapatos de tranga de lodos os
tamanhos e linos a.................... 15509
Massos de superior grampos para cabellos 39
Duzias de palitos de gaz superiores a.. .. 200
Libras de ara preta muito superior a... 100
Frascos de superior macar oleo a___ 10
Ditos de dito perola a............-.... ff$
Ditos de oleo de babosa mnilo finos a 320
rs. e............................... sos
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tidar............................. 400
Ditos de banha muito fina a............ 640
Ditos de cheros muito finos para o prego
a ris....................;........ 600
Saboneles de todas as qualidades a 60 rs.
160, e............................ MI
Novellos de linha com 400 jardas a...... 80
Cacriteis de linha de cores com 200 jar-
das a............................. O
Novellos de linha de gaz de todas as co-
res a............................. 30
Pegas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a....................... 2*0
Frascos de superiores cheiros, pequeos, a 200
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a ris.............................. 40f>
Varas de bieos francezes, superiores a... 40
Opiata para denles da melhor que ha a.. 15000
Frascos de agua para dentes, superior a
tudo a............................ liCOO
Pegas de tranga preta liza mnitn fina a.. 60
Caixas com 4 papis de agnlhas Victoria a 200
Varas de fita preta rom colxtes a...... 40
Libras de lia sortida de lodas as cores a 6tV00
Bonecos de choro muito bonitos a...... 160
Caixas de obreias de ma ssa moto novas a 40
Varas de franja .branca e deires para
toalhas a..................... M
Frascos de oleo Pbilocomescupenor >... 600
Ditos com superior tinta a320e........ 50#
Caixas de linha de gaz rom 50 novellos a 80*
Bufiadores para espartilho ......... 200
Duiias de botSes encamaaos para vesti-





Diario de Peinambuco
triarla le Ira 93 de Janeiro de
I 5
AURORA BRILHAHTE
GRANDES ARMAZENS
DE
MOLHADOS
H Largo da Santa!
feraz ns. 12 e 8t,
[esquina da ra do]
||Ci3DO.
VIM10S
ESPECIAES
i Largo da Santa!
(Cruz as. 12 e 84,|
esquina da ra doj
iCebo.
NEM COROAS NEM MITRAS
0 VIDAI PRII
GRANDE ARMAZEM
. RA DO IMPERADOR W. 4
, Junto ao sebrado em qne mora e Sr. Osborne,
Dnare Almelda k. C, reeeberam de ana proprla eco
O dono dos ja muito acreditados armazens de molnados denominados Aurora
Brilliaute, acaba de receber de sua propria encommenda, muitos gneros delicados
proprios da prsenle estacao, e tendo grande sortimento comprado aqi,aflanca que toaos
es seus gneros sao de 1.* quaiidade.
A seguinte tabella servir a todos do base para ajuste de contas aos por-
tadores.
Nenhum armaiem vender mais barato, e melhores gneros do qne a Aurora
Brilhaute, j pelo grande sortimento. que tem, j mesmo por sea dono se acnar encora-
modado em sua saude e ter de vender um de seus armazens agora, e o outra na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveitar ama qoadra destas para se comprar
barato.
Latas com 8 libras de chouricas milito novas,
a 7,&-i\M.
Ditas grandes com peixe era postas inteiras,
mais de 12 qualidades, a 1,5000, 1280 e
i 190.
Ditas com ostras, excellente petisco para fre-
gideira, a 720 rs.
Ditas com ervilhas novas, ensopadas, a
720 rs.
Ditas com favas, a 6i0 rs.
Ditas com ameixas a i200, 1,5800 c 3J-J00.
Ditas com marmelada do afamado fabrican-
cante Abrou, a 830 rs.
Ditas de massa de tomate, a 500 rs.
Ditas com tigos de comadre, no vos, a 15500,
i$ e ajumo.
Dita- 'om bolachinha de soda muito novas, a
25000.
Ditas com hiscoinhos inglezes de muitas
qualidades, a 1-5 Wo.
Chocolate.
Chocolate superior muito novo, a libra a
I5J00.
Ilicarro telharim e aletria amarella,a libra
a 48) rs.
Oito dito dita branca, a libra a 406 rs.
Gaixas com estrelinha, pevide e outras mas-
sa-, a cai xa 33300.
Ditas dita era libras a 6'tO rs.
Sag, a libra a 360 rs.
Sevadioha para sopa a libra a 240 rs.
Ervilhas seeeas, a libra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca milito nova, a libra a 280 rs.
Parlaba de ara-uta verdadeira, a libra a
500 rs.
Arroz do Haraoho, em sacca a arroba a
23400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e lava, a arroba a 33200 c a
libra a 100 rs.
Toucinho de Lisboa a 9-3-"00 a arroba e a 320
rs. a libra.
Do de Santos, a arroba 73000 e a libra a
2*50 rs.
Molaos com 123 sebolas grandes, a 13280.
Uostarda frauceza caixa com 2 duzas a
83000.
Frascos com moscarda preparada em vina-
gre, a 400 rs.
Bitos com conservas inglezas e francezas,
a 610 e 800 rs.
Ditos com sal refinado fino, a 640 e a 300
ris.
Ditos com a verdadeira genebra de laranja
a 13200.
Bitos de 2 garrafas de Ilollanda verdadeira,
14000.
Ditos de 1 garrafa de Ilollanda verdadeira,
a 640 rs.
Botijas cora dita propria para negocio, a
40.) rs.
Garrafoos com 2' galSes com dita, a 63000.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
dtuia a 63000.
Vinho mscate! de tetuba, a garrafa a
13)00.
Marrasijulnho verdadeiro, frascos a 800 rs.
e a 13200.
Champazne, a duzla 203000, e a garrafa a
25030.
Azeite refinado portnguez e francez, a gar-
rafa a 13000.
Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
73, 83, 93 e 103 a caixa.
.DiUs com dito branco, a 73000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro- a 205" r.
Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
183000.
Ditas com chamisco superior, a 143000.
DUas cora Porto velho e outras mullas mar-
cas, a 123000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 6i0,
720 e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a
33200, 33500 e 43000, e a garrafa a 500
e 560 rs.
Dito da Figueira. das segnintes marca, (N.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a -caada a
43300 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
qn j est engarrafado e lacrado com o
rotlo do armazem.
Ditos de marcas mais deseonhecidas, a cana-
da a 33500 e 43000 e a garrafa a 480 e
520 rs.
Vinho branco uno, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garraia a-
800 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 33500 e a garrafa a 480 rs.
Cemmi.
Saccat de 4 arrobas, a verdadeira dse
engommar, a arroba a 3*000 e a libra
120 rs.
Sabo massa, a lim-a a 200, 240 e 80 rs.
Farinha.
Saccas grandes com farinha deGoianna mui-
to nova, a 53000. .
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 83,
83500 e 93000.
Cha.
Cha temos nesles gneros o melhor possive,
hvsson, a libra a 23600.
Dltoperoiaa 33000.
Dito mima 2*700,
Dito hysson muito fino a 23800.
Dito redondo a 23500.
Dito preto de primeira quaiidade a 23500.
Dito mais baixo a 23*00 a 13600.
Erra mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espermaeete.
O masso com 6 vellas de espermaeete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prlas para mimos a 43 e 2$500.
tms.
N'ozes, a hbra 160 rs e arroba a 4*000.
Alpista e paince.
Alpista e paiiio,a arroba4*000 ea libra a
160 rs.
Cartas.
Cartas finas para jogar, a duzia a 23500.
Caslaahas.
Castanhas novas vindas neste vapor, a arro-
ba 4*000 e a libra 200 rs.
Aieitsnas.
Barns com azeitonas novas a 1*500
Manleiga.
Manteiga flor, a libra a 1*000.
Dita maisabaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza- nova,a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a libra a
660 rs.
Ditapara tempero a 400 rs.
Queijos.
Queijos novos vindos neste vapor a 3*200 e
3*500.
Ditos londrinos muito novos, a libra a
1*800
Papel.
Papel almajo pautado, a resma a 4*800
Dito dito lizo de linho, a resma a 4*500
Dito de peso lizo e pautado, a resma a
2*300
Dito de embrulho bom a 1* e 1*200.
Vinho Sladeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 1*500 e 2*.
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
mendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de golaba, grandes a 1*400
e pequeo a 640 rs.
lijlos de limpar.
Tijalos de arear facas a 140 rs.
(ira\a.
Dnzias de boioes de graxa n. 97 a 2*600, e
de latas a 1*000, e os boioes a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos fines.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Rahia por diversos precos, caixas e meias
caixas.
(arrafa,
e 14200
, as mar
el- Filho,
Deuzes,
mea-
da o mala linde e variado. aortiment* de mol hados, pfoprlos
da presente estaeio.
Manteiga ingleza Ma$as brancas
da safra novavinda no ultimo vapor a 1,000 para sopa a melhor que se pode!
rs. a libra eem barril a 800 rs. 1
Manteiga franceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
I a 560 rs.
; Amendoas .
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas -I
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2)9(400, muito propios para mimos,
CartSes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 14300.
Chocolates
de todas as qualidades-a 14000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambera
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamegos
chegados neste ultimo vapor a 24600.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 24600 cada um.
tuelJo '
Iondrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
f**KHK%m6HK&ft*lt&&
s
Figos
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
A 48 0 CORTE.
Pechinclia sem iguL
, Lindos cortes para vestido de percales de cores
claras e escuras com grande variedade de padrees
pelo baratissimo prego de 'A$ o corte: na loja das
columnas ra do Crespo n. 13, de Antonio Cor-
reia de Vasconcellos A C.
em libras e caixinhas ricamente douradas,
propria para mimos a 900 e 14200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qoalquer nao pode vender por menos de
34 a 24600.
dem perola
especial quaiidade a 24700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 24600.
Massas amarellas
para sopa, macarr5o, talharim e aletria a
480 rs. a libra.
Oft\4
0 muito afamado cognac Pal Brandy a l,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a l,ooo e 800 rs. a garrafa.
c:OPOK
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
1 de excellente quaiidade a 24200 a resma,
PAPEL
, azul e pardo para embrulho de l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 is.a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oors. alibra.
Vinagre
PRRem ancoretas de 9 caadas a 10,000 rs.
cada urna. *
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a eaixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista o Paiu(o
o mais novo do mercado a 14o rs. a libra,
e 44400 a arroba.
CEBLAS '
muito novas a 14000 o cento na ra do Qoel-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 elar-
go d Carmo n. 9
CRO DE BICO
muito novo a 34400 a arroba e 140rs. a li-
bra na ra do Qaeimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
QUEUO SUISSO
muito fresco a 800 rs. a libra na ra do
-Queimadon. 7* ra do Imperador n. 40 e
largo do Carmo n. 9
desejr,
macarrao, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 44500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas mancas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a
24800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 14
a garrafa e de 104 a 124 a caixa
cas sao asseguintes: Chamisso
F. 41., Nctar ou vinho dos
lagrimas do Douro e outros mui|tos.
Latas
com lO.libras de banha a 44000.
Bolachinha inglez
a 14800 a barrica da"mesma que
vendem a 24000 e 24400.
Uozes
as mais novas do mercado a 120r*
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas
cas de 44500 a 64500 a duzia.
C-ARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e o
meias caixinhas a 14500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e a India
a 80 rs. a libra, e 24500 a 34030 a ar-
00.
I ROUPA FEITA
ao
AIIAIEI
UTREIKO VE8DE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assini como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, pata senhoras,
homens e meninos.
.41 bra.
asmai
845f
a libr
1140OC
con
ra a 600
roba desses que vendem por 34
CAF
de 1/ e 2.1 sorte do Rio de Janeiro
e 84800 a arroba, e 280 a 300 rs.
Ciarrafes
com 4 '/i garrafas com vinagre a 14pOO*B
ogarrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 14000 o frasco, e de
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 548p0
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasquei
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2ocj a groza
e-2ors. cada caixiima,
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo.oo
com urna duzia e a l,ooo a garra
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa,
jam Abreu e outros muitos a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java.e India, a loo rs.
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermaeete de diversas marcas
a libra e era caixa ter abatimeto.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba 9,3oo b
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas 54 a caixa) e 60 rs.
a libra.
Passas muito novas
em quartos e inteiros a 24 o quartoj e 64500
a caixa e 400 rs. a libra,
Chocolate
portuguez o mais especial que se
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, peceo, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da guiaba
a 600 e 14 o caixae.
GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a 345D0
roba el 40 rs. alibra na ra
madon. 7, ra do Imperador n.
do Carmo a.'9
BOLACHINHAS
em latas de defieren tes quaiidade
- a lata
QUEIJOS FLAMENGOSi
chegadosneste ultimo vapor a 24800 na roa
do Queimado n. 7, ra do Imperador n.
40 e largo do Carmo n. 9.
a caixa
fa.
orno se-
600 rs. a
52o rs.
libra e
56o rs.
pode de-
0 pao.
a ar-
do Qoei-
liO e largo
a 14200
Casacas de panno preto, 354 e 304000
Sobrecasacas dem, 304 e 254000
Paletos idem e de cores, 254,
204, 154 e...... 104000
Ditos de casemira, 204, 154,
124, 404 e...... 74000
Ditos de alpaca, 54, 44 e 34500
Ditos ditos pretos, 94, 74,
54, 44 e !..... 34500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 44500, 44, 34500 e. 34000
Ditos branco de linho, 64,54 e 44000
Ditos de merino preto de cor-
dito, 104,- 74 e..... 54000
Calcas de casemira preta, 124,
14, 84 e......74000
Ditas de cores, 94, 84 e. 74000
Ditas de meia casemira de co-
res, 54O00e.....44000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 44500 e. 44000
Ditas de brim branco e de co-
res, 54, 44500, 44 e 24500
Ditas de ganga de cores, 34 e 24500
Colletes de velludo preto e de
cores, 94 e......74000
Ditos de casemira preta, 54 e 44000
Ditos de ditas de cores 54
44 e........34500
5*061
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
64 e.......
Ditos de gorgurSo de seda
pretos e de cores, 64, 54 e
Colletes de fustao e brim bran-
co, 34500,34 e .
Seroulas de brim de linho,
24400 e ......
Ditas de algodao, 14600 e. .
Camisas de peitos de linho,
44, 34 e. ,"....
Ditas de madapolao, 24500,
24e........
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 104, 94 e. .
Ditol defltro, 54,44,34500 e.
Ditos de sol, de seda, 124,
114, 74 e......640^0
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. .
Sortimento completo de grava-
tas.
Toa I has para rosto, duzia, 114,
e........
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....44000
Lenc>es de bramante de linho. 34000
Cobertas de chita chineza.. 24500
540001
44OOO!
24500
24000
14400
24500
14600
84500
24000

DE
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declarara aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularan os mesmos precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeiro Principal na do Imperador a. 40
FARELLO DE LISBOA
Marca N verdadeiro em saccas novas e grandes a 44500: na ra do Imperado^ n. 40.
NOVIDADES.
Queijos do .Uenlejo. ditos das ilhas o mais fresco que so pode <
jar a 14200 a libra, e sendo inteiro ter algum abatimento, ricas caiiiohas
redondas enfeitadas, proprias para mimo da festa pelo barato preco de 44
cada urna, ricas caixas de figos tambem proprias para mimo de 800 J4500
cada urna. Vende:se nicamente no armazem Verdadeiro principal, ra do
Imperador n. 4.
Veode-se nmi das mais ricas armacies pa
luja, tola de amarello, proprla para negocio n>
molhads, mas qite com nma pequea aUerac.no
servo para lazendas: ve8de-se por menos da me-
lado de seu casto :^io armazem da roa da Cadeia
numero 1.
POTASSA
Vende- polass era barris a commsdo preco o
na rna da Cruz 23, prtmelro anflw, eseriptort:
de Antonio de Almeida Gomes.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor quaiidade a
14 a lata : nos armazens da ra do Im-
perador n. 16 e ra d Trapiche Novo n. '8
Bixas de Hmburgo
Vendem-se na ra Nova n. 61.
Superior cal de Lisboa.
Vende-se superior cal siga!.a mais nova
nue ba ao {creado, tanlo em porcao como a reta-
lho, por barato pr^o. afiancaDdo-se aos compra-
dores uper'or quaiidade: a tratar as segniites
DE
J. VIGNES.
IV. 55. RA DO IMPERADOR M. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz coHbecidol para qne seja-necessario insistir sobre c
sua superioridade, vantagens e garantas que efferecem aos compradores, qualidades estas ineouteeta-
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos o que tem apparecido nesla praca | odo-
suindo um teclado e machinismo que obedecer todas as voatades e caprichos das pianistas, sem-
nunca falhar, por screm fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tissimot para o clima deste paiz ; qnanto as vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expesicSes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
presos commodos e razoaveis.
CONSULTORIO (MIRIJRGICO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fund&o -- 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s 1
eras da manha, e das 6 e meias 8 horas da noite, excepto dos dias santificados
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos precos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 124000
de 24 tubos graodes. 184000
de 36 tubos grandes. 244000
de 48 tubos grandes. 304000
de 60 tunos grandes. 354000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os re.-njli
que se pedir. p
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 14f 00.
Sende para cima de 12, custaro os precos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,
dons grandes volumes com diccionario............* 204000
Medicina domestica do Dr. Hering,........... 104000
Repertorio do Dr. Mello Moraes............. 64000
Diccionario de termos de medicina ........... 34000
Os remedios deste estabelecimento sao jjor demais conhecidos e dispensam portan-
te de serem nvamente recommendados aspeaioas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do nelhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservarlo, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e accorada preparado, e portanto a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o que o annunciante julga-se sufficientemente habilitado.
O tratameoto o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, a
funecionando a casa a mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cujo coaceit se nlo
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquellos que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 24000 por da durante 60 dias e d'ahi em diante W500.
As operaces serSo previamente ajustadas, se nao se quizerem SHJeitar aos precos
azoaveis que costuma pedir o annunciante._________________________________
Vendem-se cbantfos da Bahia de varias qua-
lidades : em casa de Honbard & C, ra do Tra-
piche n. 48.
- Fabrica CoHcei$o dyi
| Baha.
2 Andrade k Bego, recebem consume- y
H mente e tem venda no sen armazem n. 9
W34 da ra do Imperador, algodao d'aqael- 2K
la fabrica, proprio para saecos de assu- a
wt car, embalar algodao empluma etfi.y etc., 1
MK pelo preco mais razosvel.
AGENCIA
AGENCIA L0W-M00L
Rna da Senulla im i. 42.
Neste estabelecimento continua a hayer
nm completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos as
: lmannos para ditos.
Arados americano* e machinas para
i lavar roupa: em casa de S. P. Johnston A C,
! ra da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se doce de caj seeco fino, em latas a
vontade do comprador : na ra das Cruzes n. 34.
1 andar. _____ ____________.
' Vende-se machina para desc#ro$ar algodao
cora motores para animaes : na rna da Senzala
Nova n. i/l.______.___________- '
MGICAS.
Na ra da Imperalrii o. 53 acha-se venda um
pequeo gabinete completo de physica, ou in-tru-
oentos para msicas, que pode servir para algur
ra Crespo n. 7; Imperador n. 18'; Forte do Ma-
tos, armaiem doSr.Avilla, defronte
> algodao.
A'loja do Porte
Nt estafe da ra da Madre de Dos I
Chegou pelo ultime vapor francez om completo curioso dar reprosentacSes pelos arrakaldes, pois
sortimento de calcados, sendo de Nan es para no- comp5e.se e muitas e variadas sortes.
mem, e diversas qualidades para senhoras e me-
ninas, ha tambera um completo sortimento de fa-
zendas e roupas feitas, tudo muito barato.______
Eeijo.
- Vende-se^m caixao grande de deposito, pro- Vendem se saceos eom M cojas de fejo rajo*
trapiche prio para reflnacao on padaria : na raa Imperial no Porto por II*, era dblas a 810 : M roa Direi-
*n. 45. 'tan-8. /
L






Dl*rl de Pcnmibuco Qaart.n letra 5 de Janeir* de IStt*.
r




NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaraai as modernos vestidos de dentelle de seda com barra, inteiraraenla noTOS
5. em gosto e qaalidade : toja das columnas, na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia
de Vasconcellos & C, successores de Jos Moreira Lepes.
Fazendas de bom gosto
Para veslidos de scnliera
Superiores cortes de seda de cor, de moranle, de gorgorito e de setim imperial.
Ditos de ilond, e de cambria branea bordados.
Ditos de lia com barra e grande variedade era coces e padrSes.
Ditos de organdys com barra
Lindas sedas de quadros escosseza e mindas.
Superiores las lisas com grande variedade de cores.
Ditas com salpicos, com flores e de quadros.
Lindas pampolinas de quadros e de flores, fazenda inteiramente nova.
Superiores cassas de cores, e lindas cambraias ergandys.
Grande variedade de chita de cores, de perealia e outras omitas fazendas de gosto.
Para hombros de senhora
Lindas capas e bournoui de casemira de cor.
Ditas de la e de seda.
Grande variedade de soul'embarques de seda de 185 a 405.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados finos, de. cachi mira com listras dt
seda e de fil preto.
Camizinbas modernas, zuavos brancos e de cores, colietes de cambraia, lindas gol-
linhas com punhos e outros muitos artigos.
Para cabera de senhora e menino
Superiores hapos e cbapellinas de pal ha de Italia enfeitades para senhora.
Ditos de fellro enfeitados para senhora.
Ditos de palha enfeitados para menino.
Grande sortlmento de enfeites modernos de retroz, de troco, de cabello e de flores,
para santera.
Na leja das columnas da roa* do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vasconcel-
los ft C.
GERAIi RECOMJflENWA^lO
AO PUBLICO
Sera o aeior constran-
gimeato "Se entregar* o
Importe do {enero que
nio agradar.
ATTENGAO
preeos da seguate
tabella para todos, po-
dendo assim servir de ba
se para o ajaste de con tas
com os portadores.
ARMAZEM UNIAO M
RA DA CA1IEIA DO RECIFE Jtf. 53.
(Lego tassaade arce da Caneeic)
Grande rednccSo de preeos, equivalente a dez por cento menos do que outro qualquer
annaneiante.
AGUA FLORIDA
MURRAY & LANMAN
A agu-florida de Murray Lanman,
olhada comoum j-rtigo de perfume, nao
tem podido ser igualada pelas piparaces
as mais costosas: conserva seu aroma,como
se formasse parte da prenda a que ella se
I applica. Sua elicacia to delicada, como
j elegantes sao seus multiplicados usos, quer
ARMAZEM CONSERVATIVO
23Largo do Terco-23.
Joaquim Siuo dos'Santos, dono deste bem sonido armaiem de melbados faz sciente erag
recomnjendaco aos seus amigos, freguezes e a todos em geral, que esta resol?ido a vender os seus
bem conhecidos gneros de priraeira qualidade.por menos de 10 a 20 por cento, menos do qu em oa-
tra qaalqner parte a dinheiro contado,e todo o comprador que comprar de 505 a 100$ terao descon- i
to de 5 a 40 por cento pelo seu prompto pagamento; e por lsso se faz annuncio de algnns gneros iaem Pret0 nomeopatnicoporser de superior
para com esto melhor se certificaren!. qualidade a 2,000 rs. a libra.
Collegas.Nao posso por mais tempe sustentar o preco da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros seja emPrpgaf1a como artigo de toucador,
amitos objectos, etc., dando com isto ocasiao a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em ^uer m uso doDanho' ou cmo suavisador
alta ,voz, que podem vender pelo preco que eu vendo!!! Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo *a Pellp> ,eP0,s ^ue se tenlia feit0 a bar,,a
systhema que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande rednccSo de presos, como veris ]a Rara l,mPar as gengivas ou aromatisar o
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do monoravel. armazem de molhados Uniao Mercantil nao nal'l,-
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a d5o ser o de l,4oe a l,6oo rs. a -libra. Hoje^porem, resentidos da redueco a que Da uavidade, brilho e elasticidade as
esto obngados, encarando todos os das de seus freguezes reclamado de preces, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores compleicott, depois de se haver lavado; al-
ai informado deste novo estabelecimento. para lhe vender goneros olo proprios de um estabelecimeDto desta ordem que o seu fim 'lvia a ,rntaCao de erupces ordinarias; fu
15o smente obter a concorrencia de seus freguezes. desapparecer o desagradavel aspecto dos
. pannos, das sardas do rosto, rugas e toda a
rara oem e todos. casla de ebulicoes, e da vigor e frescura a
Senhores e Senhoras o aceio que presidie, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que ludo apromptidSo e entei- Parte.onc,e reza com que sero tratados, convida a-urna vizita ao mesmo, certas de que sem duvida rae dar5o a protecc5o e preferencia na compra ciencia elegancia sao igualmente infolli-
dos gneros que precisaren*, e quando nao pocam vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco pratices, pois! veif nos casos em 1ue seJa preciso app'i-
ser5o tao bem servidos como se vessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendaco, afim de que nao vio em outra par te ca"'a como estimulante e antisptico, nos
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e era barril ou
meios a Soo rs.
Cha bysson de superior qualidade a 2,600 rs.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
ueste genero 2,6oo rs.
Massas para sopa macarro, talharim e aletria a
2i0 rs. a libra e em caixa a U.
foaeinho de Lisboa alvo muito superior a 280 rs
. a libra e 8*800 a arroba.
Daf do Rio de primeira e segunda sorte a 260,280
300 rs. a libra e a arroba ou sacco a 8 e
8*500.
Choricas as mais novas do mercado a 560 rs.
libra e em barril a 12*.
Passas vindas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
e a caixa a 8*.
Batatas em trigos de 35 a 40 libras por 2*400 a ar.
roba e a 80 rs. a libra.
Cb hysson miudlnho superior qualidade a 1*200,
2*000, 2*500 e 3* a libra.
Vinho de Figueira, Porto e Lisboa em pipa a 560,
500, 400 e 640 rs. a garrafa,
dem proprio para negocio a 320 e 360 a garrafa
e a caada a 2*400 e 2*700.
Milho alpista e painco muito limpo a 140 rs. a li-
bra e a arroba a 4*400 e 4j200.
Phosphros do gaz vindos por conta propria a 180
rs. o mago e a 2* a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga-
lao a 2*800 e a caada a 4*500.
Serveja das marras mais acreditadas a 500 rs. a
garrafa e a duzia a 5*800.
Figos de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
em barril ou caixa se far abatimento.
arroz do Maranhao e Java a 100 e 80 rs. a libra
e a arroba a 2*800, 2*e 2*400.
Assim como ba um grande sortimento de charu-
tos e genebra de Hollauda, tanto em frascos como
em botijas, bolachinhas de soda, conservas,choco-
late, marmelada, vinho engarrafado e outros mui-
tos gneros que enfadonno menciona-los, e se al-
guem duvidar venha ver.
TOSE CUMIES VILLAR
Com loja de fazendas ra do Crespo n, 17.
Pretendendo Ir muito breve a Europa tratar de sua saude, pede aos seus devedores
tanto do mato como desta praca que saldem seus dbitos quanto antes, assim como
Es liquidando
o seu importante estabelecimento de fazendas, vendendo tudo por preeos que na realida-
de admirara ; aproveitem Excellentissimas senhoras
As fazendas de apurados gostos
As fazendas de apurados gostos
-As fazendas de apurados gostos'
E por preeos que admirara
E por preeos que admiram.
F. J. Germann, a ra Nova n. 21.
Acaba de receber um magnifico e completo sortimento dos objectos que de melhor qualidade se n
de encontrar em urna relojoana, taes como: chronometros maritimos e de algibeira relofios a/Jm
e prata, dourados e foliados, ditos para mesa e de parede, francezes, suissos, allemaes e amerirannV
reguladores de compensado, relogios grandes com msica e sem ella, dito de sol montados Z;
para disparar em certas horas, despertadores de diversos taraanhos, caixas com msicas icnai Sa
ment de oculos e lunetas de ouro e prata dourada e tartaruga, bfalo, ac, e varios met'ae* nrntnV
lunetas especia para senhoras, de ultimo gosto, ditos proprios para os que soffrein de infiammS
nos olhos, tabncados segundo os preceitos dos mais acreditados mdicos da Europa e igualmente< l
Pernambuco, os quaes so se vendem por consulta dos mdicos, vidros de crystal tranco e de creV
alcance para o mar e outros proprios pura observares astronmicas, oitantes e sextante*
para theatro, para mar e para campo, microscopios .e meridiano universal barmetro t^'
Tiathpmnnnc nnrrnntae a h.n.. ;-....______i- "=" w, ici-
abati-
oculos de alcance para o mar e outros proprios para observares astronmicas, oitantes <
binculos para theatro, para mar e para campo, microscopios .e meridiano universal barmetro? ter'
mometros, caixas de instrumentos mathematicos, correntes e chaves, sinetes e tranceins de nn?!.,
rados e foleadas, tudo dos melhores fabricantes. Encarrega-se de qualquer concert e eneommenda rin<
objectos mencionados, e responsabilisa-se durante um annopor qualquer relogio. vendido ou rnmVrin
eito, em seu estabelecimento; e vende por menos que pode fazer outro qualquer
rs. e em barricas de 4 duzias se faz
ment.
J Caft do Rio a 26a 28o rs. a libra, e 7,8oo
e 8,5o "re. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooe rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a leo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem dalndia mnito alvoegrando a* loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2o rs.
a arroba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4o rs. a li-
bra, e 9,oo rs. a caixa.
dem e talberim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doeotes por serem propriamente
feitas para esse fim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho de Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 43,000 rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vera ao mercado como sejam Lagrimas do
Doaro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fettoria em caixa de i duzia de 9,ooo a
10,000 rs. eaOoo e i,000 a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de.Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
dem bysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o l,6oo, l,8oo e 2,ooo rs. a
libra, garntese ser muito regular, igual
ao que se vende em outra parte por 2,4oo
e 2,600 rs.
Linguicas, cbourifas e paios em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5,5o rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de eia e urna
arroba a 8,000 rs. e l,5oo e 600 rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a l,6oo e i,800 rs.
dem *londrinos os mais superiores que tem
vindo a mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas porluguezas em latas j pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunlo do reino vindos de casa particular
a 56 rs. a libra, e a 5oo rs. mteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l,oooe l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade,' tmbem tem I Sardinhas portuguezas em latas grandes
de 12 por libra propria para carro. | preparadaspelomelhorconserveirodeLis-
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-1 boa a 64o rs.
da, salmo, ostras e chernee, vezugo em | Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 800 e ,ooo rs. cada urna. cado a 2,8oo rs. a barrica, e Z4o rs. a
Vinho Bordeanx das marcas mais acredita- libra..
das que" tem vindo ao nosso mercado a Bolachinha de soda em latas com diversas
6,000, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante- qualidades a l,3oo rs.
concursos e assemblas numerosas, as lo-
Antonio de Lisboa em latas com 6 libra_ calidades infeccionadas, na alcova de um
por 2,5oo; ditas doce era latas com o mes" | enfermo, assim como um antidoto excel-
so peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas lente para os desmaios causados pr.r cansa-
de 3 libras por l,5oo rs. 1 po ou suffocafo. Preparaba nicamente
Ameixas francezas em latas de 1 e mela libra, por Lanman & Kemp, Nova-York, e a venda
por l,2oo; ditas em caixinhas de deversos porCao:s & Barbosa.
Cassas para vestidos
Tal pechincha s a dinheiro se pode vender.
--.Jff'gg ?assafs rran<*zas de cores raiudinhas, de quadros, lisas, e de ramagens, com grande
variedade de padrees, fazenda que se tem serapre vendido a 800 rs. a vara, pelo baratissimo nreco de
JOO rs. o covado : na loja das columnas da ra do Crespo n. 13, de Antonio Correa Vaaffilol

& Comp
Versos ao Divino
Acham-se a venda na ra do Imperador n. 13
defronte de S. Francisco por prego de 160 rs. ca-
da um exemplar em brochura, versos ao Divino,
proprios para se cantarera depois ou antes de
qualquer solemnidad?, festa, novena eu mesmo
em casas particulares.
Testamentos.
Acham-se a venda os seguinies testamentos,
obras proprias para entrdter em horas vagas na
ra do Imperador n. 15, defrente de S. Francisco :
da gallinha, gallo, per, leao, onga. tigre, caxorro,
vigario, porco, pelleja entre urna alma, S. Miguel
e o diabo a 160 rs. cada um exemplar.
Milho novo em saceos grandes : no trapiche
de Cunba, a tratar coro Tasso Irmaos.
Tapioca e gomnia.
Vende-se superior tapioca e gomma do Mara-
nhao, em panelros : naEscadinha, armazem doSr.
Annes.____________ __________
Presantes.
Vendem-se presuntos de carneiro muito gordos
e bem preparados: na roa da Cruz n. 19.
Vende-se um sobrado de um andar, chaos
proprios, seado no largo do Terco : qcem pretn-
delo dirija-se a travessa da Madre de Dos n. 7.
Vende-se um boi bastante gordo e novo para
carrosa, assim como um canoa aberta bem cons-
truida com ponco uzo : a tratar na ra da * cordia n. 4, das qnatro horas s seis da tarde..
Vende-se dous flleiroseavidracados, umacar-
teira para escripias edez caxilbos para janellas :
a tratarjia roa do Livramento n. 28, Io andar.
Vende-se urna taberna muito afregaezada
para a trra e matto, com poucos fondos, e a casa
tem proporcoes para inoradla na freguezia de
Santo Antonio; a tratar na roa das Crutes
a. 41 _________________
Vende-se 75 jardas de oliado'mafisado pro-
prlo para forro de sala, na rea do Queimado n.34i
COMPENDIO DOLOROSO
que contm o oflicio de Nossa Senbora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
rea, um setenario e mais outros exerci-
cios de piedade e devocao; ordenado pe-
la irmandade dos servos da mesma Se-
nhora que se acha erecta na egreja de N.
S. da Penha do imperial hospicio dos re-
verendos padres missionarios apostlicos
capuchinuos italianos de Pernambuco,
approvado por S. M. I., que Deus guarde;
dado luz por devoe3o do muito reve-
rendo padre Fr. Placido de Msina.
Vende-se a 310 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
aat HqaMo, eandlelros e seas
pertenees.
Ne deposito do mesmo, na rea da Croz n. 35,
yende-se gaz o mais apurado, era latas de 5, S e
1 galao, assim como era garrafas; tem tambem
venda candieiros para o dito de diversas qualida-
des, e pertences para os mesrnos, avulsos, das mais
pequeas s maiores dimens5es, todo por preeos
commodos.
se ser de qualidade superior, que outro
qualquer nao pode vender por este preco.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira' de A'tona em
frascos grandes a l.ooo rs. e irasco, e
U,ooo rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes 4oo
Bolo francez! em caixinhas muito proprias
para mimo a 64o rs.
Passas muito! novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,ioors. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa cem 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
taraanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oe, e l,8oors.-
Azeite doce refinado Penanol ou do Kemp es
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas mglezas a 75o rs. o frasco' e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Melho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentlhas excellente legume para sdpa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e H.ooo a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o maco-
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l,oso rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixes a 6oo rs.
cada um.
Farm ha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs.' a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. fem barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa. ____
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza. "
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo i
32o rs. a libra e 8,5*00 a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,0oo. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento etantas por l,2oo rs.
Matte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
Joao da C. Bravo & C.
Vendem-se no Becife em casa de Gaors &
Barboza e Joao da C. Bravo & C._______
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos & Colho
Rna do Queimado b. 19.
Tende-sc o seguinte:
Lences de panno de linho
pelo baratissimo preco de 25400.
Lence de bramaiAe de linho
de um s panno a 3500.
Coberta de chita da India,
pelo baratissimo preco de 250.
- Lencos de' cambraia brancos
proprios, para algibeira, a 25 a duzia.
Pecas de brelanha de rolo com 10 varas
propria para saia, a 4JL
Pecas de cambraia de forro, a 2^600.
Esleir da India
propria para forrar salas, de 4, 5 e 6 palmes de lar-
gura, por menos preco do que em outra qualquer
parle.
Toallias alcochoadas para maos
a 55 a duzia.
Lazinhas cartnezim miiidinhas
proprias para vestido de menina, a 000 ris o co- ,
vado..,
Lazinhas de cores finas
do melhor gosto que ha no mercado, a b'60 ris o
covado, neste armazem de fazendas se enconirara
um grande fommento de roupa feita e |>or medida
Feijao.
9- Ra da Madre de Deos-9
Vndese feijao mulatinho novo, saceos de 22
cuias, o mais novo que se pode desejar, e mais
barato do que em outra qualquer parte.
Vendem-se alguidares vldrados e quartinhae
em porcao e a retalho por preco' muito barato s
na rea da Senzala Velha n. 120.
Vende-se e aluga-se em porcao e a retalho
bicfcas de Hamburgo de superior qualidade porJ
menos do que em outra qualquer parte : na ra
do Vigario ns. 8 e 13.
O HADO MERCANTIL
iniaieiii de molkailo
81-MJA DO IMPERADOR-SI
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Collegio,
Francisca Jos Leite, tem a satisfago de avisar aos ses freguezes e ao respeitavel
publico que, estando restabelecido de seus incommodos de saude, acha-se novamente
com um bello e bem sortido armazem de seceos e molhado} primorosamente escolhidos;
como sempre capriebou ter das memores qualidades, efrancamente afliancas pessoas que
se dignaren! comprar em seu estabeleeimento,que all de preferencia outra qualquer par-
te serao mais bem servidos, em qualidade e preeos, como em pesos e medidas, no que
sempreo annuociante foi escropnloso, em summa, nao illucte a pessoa alguma.
Aos Srs. de engenho e lavradores que o queiram honar como seu comitente lhes
assegura que o producto de seu laborioso trabalho ser o mais bem reputado no merca-
do desta praca, para o que se julga convenientemente habilitado pela longa pratica com-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteza, depois de se-
rem fielmente umprido as suas ordena.
Fornecer gneros aos Srs. agricultores e negociantesqu > lhe merecam confianca, fa-
zendo um abate vantajoso aos que pagarem a vista suas me. -oadorias, e encarrega-se da
venda de qualquer genero do paiz, mediante urna modicai commissao, entregando de
prompto seuproducto,esendo este applicado compra de1 gneros em seu armazem,
prescindir da commiss5o.
Dos seus antigos e benignos freguezes espera o annuncianle sua. valiosa prolecco, fre-
qoentandocomo outr'ora sua casa, e pelo reconhecimento qu lhes tributa offer'ece expon-
taneamente seus servicos.
Julga desaecesario publicar a tabella dos preeos de seus eneros: sao seos recursos
garanta sufliciente de poder accempanhar os menores preeos de idnticos e mesmo de
mais apparatosos estabelecimerjlos, tendo somente em vista o augmento de suas vendas
diarias. .
Frevcnco necessaria.
Tendo sido o proprietario estabelecido muitos annos coctt o mesmo ramo de nego-
cio ni mesma raa, julga prudente advertir quesaffirma ese respensabilisa pelo qne
tem declarado no que disser respeito ao armazem.
d mm m
i
SI-RITA DO IMPERADOR-SI
Segunda casa do ladv direito indo do pateo do Collegio,
- o. o.

m
s**
t35
ir.
o." 85
o p. a
O
O. en co O
* co
S*2.S
J50C
K
C cu
cu co
/> 5 1. sr co c

CD
a>
es g
c _. c _. CU CU
a 5 *
3 S
M i $
"O co
^
a> tui
Socs
CU
* 3*
B'S ti
o o.
co cu O
o
lia
co
co
0-5
T3
cu
2 2.
E'
SI
3o-
iSi*
"2
3
B
o_
a.
&
a
s
cu
i?
cu
cu
n
e
si
e
m
S-c'
e
5
g
e
t
Livros baratos.
Vende-se pelo cuito da Europa as scguiclrs
obras : Demolombe, cours du codo Napolen 10
voluntes, eccadernado em couro 70, Tioplong C
vois. ene. em gr. 8 fr. 485, diccicnnairc de la con-
versaron ourepertoi re de touies les ronnaissances
necessaires dans la vie sociale, et relatives aux
sciences aux letres et aux arl>, l'histoire, Gco-
graphie, Droit, etc., 26 vols. ene. com grav 75?,
Barn de Locr, legislation civile, commerciale e
criminelle de la france ou rommentaire de rinr|
codes frangais, vol. ene. 'Ofi, Jiogron les codes
franjis expliques 2 gr. ia 4o 185, Pardessus
droit commercial 4 vol. ene. li$, Le Juif Errant
3 vols, 105, e outro= muitos livres, que enfado-
nho mencionar : na ra da lmptrajriz n. 53.
Vende-se urna parte da propriedade denomi-
nada Serra da Coeboeira, sita na freguezia ce ta-
quaritinga, comarca de Limoeiro, coja parle ao
sul da mesma propriedado, cem teda a extetc,iio
da mesma, do nascente ao peente. a qual parte
divide pelo sul com os possos do Caehoeira e Coo-
tendas, coraprehendendo Capoeira, de Eslevaoda
Cruz e-Salvador ; terreno frtil de produccao de
toda a qualidade de legume?, com tspecalidade
para cultura de algodao e criar gado : a tratar na
villa de Pao d'Alho com Joo Anastacio Camello
Pes$oa, c nesla cidade do Recife com o capito
DelOm Lins Cavalcantr Pessoa em seu sitio nos
Remedios.
Attengao.
Existe nma carta vinda da Serra do Martips, co
Campo Verde, ra do Soreg, em um porlao en-
costado a casa n. 20 de Joviniano Xavier deSou-
za para o Sr. Dr. Francisco Luiz Correia de An-
drade.
Assacar crvslalisado da fabrica
2 de Julho
NaBahia.
No&imazers da roa da Madre de Dos n. 28,
ba venda o Mito superior assacar crystalisade.
em saceos e 2 arrobas, ao prero de 55 cada ar-
rJb.
ESGBATOS FGIDOS.
D-e 505 de gratifieacao a quem agarrar o
cabra Caetano.que contina a estar fgido e a ce li-
tado nesta prat;a, pois ji tem sino visto por diffe-
rentes pessoas e por diversas vezes.o qual de es-
tatura mediana, cabellos crespos e j pintado?,
nariz grande e arrebitado, espadado, pernas Dnas
e um pouco tortas, pee apalhetados, faltandolhe
algumas unha?, andar um pouco corcovado, est
com o rosto um pouco plido e enxado, pode ter
de idade 25 a 30 annos. bastante ladino e velba-
co. presume-se que esteja engajado em alguma
coebeira ou sitio a pretexte de pagar semana, pois
nao ha quem o ron liega por forro : na rna nova
de Santa Rita n. 7 aos Srs. Siqueiras & Santos, ou
no engenho Para, se dar a mesma gratifieacao a
quem all o entregar.
Acha-se ausente da casa de seu seohor a
preta Luiza, de idade de 24 a 25 annos, tem duas
elcatrizes no braco direito, desconfia-se que a mes-
ma ande aqu na praca ou em seas arrabales:
pede-se a todas'as autoridades ou capitaes decam-
po de apprehende-la e levar a ra dos Pires n, 34,
que generosamente serao recompensados. *
Agua Florida,
Para restabelecer e conservar a cor natural
dos cabellos.
A agua florida sao ama tintura, fcto essen-
cial a contestar, a mesma agua dando a cor primi- Auscntou-se em 29 de dezembro> pasead* de
tiva ao cabello. Composla de plantas exticas e eugenho Utinga de cima, no Cabo, a mslaunba
de substancias inoffensivas, ella tem a propriedade' Jonna, de 14 annos provaveis, comprada a 26 dia,
de restituir aos cabellos o principio corante que el- ne Recife, a Jos Firmino e Medelros pw maca-
les tem perdido. D'uma salubridade incontesta- raeao de sua av Josepha Mara dos Prazeres, me-
vel,.a Agua Florida eBtretem a limpeza da cafceca! radores ambos no Brejo da Madre de Dos, tem os
dWtroe as caspas e impede os cabellos de cahir' signaes seguintes : cor alvacenta, rnachas no
Oleo de Florida. rosto, cabello carapinbo e ru^o, com urna cicatriz
Composto de substancias vefetaes exeticas, elle aa testa, corpo regalar, cora todos m denles, sea
constitae poderosamerJ, com" a Agua Florida, a
(orea, a belleza e a conservacao dos cakdix.
Em Pars, casa de Qnislaor n. 12, ra de Riche-
lien, e 21, boulevard MoBtmar're,
Todos oe frascos, sao tende intacto claro,
timbre prateado da casa, sao reputados falsos.
Deposito, roa do Imperador, pharmacia n. 38.
peitos, as pernas finas, vestigios antigos de chcete
no corpo, padece de bobas as partes occnltas, a
falla as vezes viciosa : roga-se s autoridades a
sua captura, a qualqaer particular, pedeade ser
remettido para o referido eigenho, ou a Jeae Jos
de Carvalho Moraes Filho, ra do Queimado n. i3,
que serae gratificados.


]



W.

Diarlo de Pernambnco -- Qiiara lelra 15 de Janeiro de 18*5.
LITTERATOA:
As costas do Brasil.
(Continuado.)
No roteiro francez j vimos qae a fiaixioha da
Cora Vermelha distava 2 il3 railhas das Alaga-
das, e no nosso roteiro v se na pagina 23, linhas,
22, que a Baixinha dista 2 a 2 \\i milhas das
Alagadas. Na pagina cima e llnlia 33 diztmos :'
Estas duas ponas de trra ( de Santo Antonio I
e da Cora Vermelha) correm os rumos N 4 NE
S 4 SO, e formam a grande, bella e segura en-1
seada, onde fundearain pela primeira vez essas'
antigs naos ou galees, em que Cabral descobrtu i
o Brasil.i Pela marcacio, porm, das duas refe-1
ridas ponas de trra na respectiva carta da Babia j
Cabralia, levantada pelo Sr. Mouchez, v-se que'
ellas correm entre si aos rumos verdadeiros de
14 Nli-14" SO, e, como a variacao da agulha
!>' 30 NO, segue-se que estas pontas de trra cor-
rem aos rumos magnticos de 19 30 NE19 30
SO, sendo a dilTerenca para a marcado que Gze-
mos de 8 15, que quasi a mcsma que as outras
marcagoes, proveniente ainda das roesmas cansas
e talvez de tomar-se un ponto diffcrente para
rnarcago entre estas duas pontas de trra distan-
tes urna da outra 5 a 6 milhas.
Na pagina 100 do Roteiro francez, nj titulo An-
coradouro, leso o segunte : Quando se estiver
dentro das recifes, o que ser annunciado pelos
fundos de 43 a 14 metros (5 bracas d'agua), situa-
dos a dnas milhas da costa, ou, o que raais cer-
to, pelo alinhamcnto da Ponta de Sauto Antonio
ahindo da costa e occultando as trras do N., se
aproar quer para o lado do n. E. para fundear
na Baha Santa Cruz, perto da foz da rio, quer.
para o lado do S. O. para fundear na Bahia Ca-
brilla, ao abrigo dos ventos do S. E., etc.
Vejamos agora o que nos disscmos na pagina
24 do nosso roteiro : < Demandar a enseada, vin-,
do do Norte.Vindo do N., 5 a 6 milhas ao longo
da costa e querendo entrar na enseada Cabralia on
de Santa Cruz, navega-se convenientemente se- j
gundoo rumo corrente da costa, que N 4 NE
S 4 S O, patinando em 8 e 9 bracas d'agua ; feito !
isto, procurase descubrir no alto da collina a na-
irtz da villa de Santa Cruz, abaixo logo da qual
est urna arvore grande e copada ; e, depois de
batw marcado essa egreja a O 4 NO navcga-se
para ella, ou com e=se mesmo rumo, pelo qual a
marcou, at que as trras do Norte da Ponta de I
Santo Antonio, que baixa, e ento se distingue
.perfeilamente, fiquem occultadas pordetraz da re-
ferida posta ; feito isto navega-se ento com proa
de N., ou N 4 N O, procurando aproximar-se do
recife que guarnece o rio.
Na pag. 25 l-se logo o seguinte : 'Demandar o
ancoradouro da Cora Vermelha.Para demandar .
o ancoradouro da Corda Vermelha, onde o nico
vento que levanta algum mar o NE, a'navegago
para a entrada da enseada a mcsma cima re-
ferida, e qnando as trras do N. ni ponta de San-
to Antonio forem se escendendo por detraz desta
pona, em vez de dirigir-se para o N., segue-se I
com proa de SO, etc.
Por couseguinle, a descripgao por nos feita e
publicada muilo tempo antes do roteiro do Sr.
Mouchez eiaclissima a respeito desta enseada,
to pouco conhecida mesma dos ofiiciaes da ma-
naba brasileira. Muito poderiamos aindr dizer
sobre este porto ; mas contentamo-nos com o que
Oca confrontado.
Fagamos agora a confrontacao do que escreve-
mos no hosso roteiro sobre o canal de Caravcllas
com o que escreveu o Sr. Mouchez sobre esse ca-
nal. E'esta a costa mais importante, por ser ex-
traordinariamente coberta de recife?, que vao ate
ao mar das ilhas dos Abrolhos, mas que entretan-
to offerecem bellos e seguros canaes, pelos quaes
navegando-se, poupa-se muito caminho.
Na pagina 28 do nosso roteiro l-se o seguinte :
'Canal de Caravellas.Quem pretender deman-
dar pelo N, este canal deve procurar avistar o
monte Paschoal, que urna grande montanha de
conligurago roica, situada na latitude Sul de 16
54', c no interior das trras desse litoral. Este
monte como que a sentinella avanzada deste im-
prtame canal, e to alto que visivel, em bom
tempo, de 40 milhas de distancia. A respeito,
porm, deste monte diz o Sr. Mouchez na pagina
113 do seu roteiro Monte Paschoal. Lalitude
16" 53' 20, longitude 41 44'altura 536 metros
(2,145 ps), visivel a 16 leguas (58 milhas)__Es-
ta montanha arha-se mui felizmente situada para
prevenir o navegador da approximacao dos Abro-
lhos.
Logo abaixo, no nosso roteiro e na mesma pa-
gina, no artigo da margem Recife Itacolomi, l-se
o seguintet A E. S. E. do monte Paschoal, e na
distancia de 5 a 6 milhife da costa, est um recife
de pedra calcrea, chamado Itacolomi, o qual vae
'erminar na praia desse littoral.
No roteiro francez, na pagina 116, l-se o se-
guinte : lecife Itacolomi (entre 16 49' e 16? 57
de lalitude), situado pelo travz c a tocar a ponta
Corumbo, sobre oparallelo do monte Paschoal;
este recife tem 7 milhas de extensao de N. S., e
4 ) |2 milhas de E 0. Nao ha por conseguale
divergencia sobre este recife, alias muilo impor-
tante deconhecerse para a seguranza da nave-
gacao.
Mais abaixo, no nosso roteiro e na mesma pa-
gina, l-se o seguate :
t Villa do Piad o. Ao S. deste monte (Paschoal)
e na latitude de 17 20' S. e 39 14' de longitude a
O. G. W. (que o mesmo que 41 34' a O. de Pa-
rs e por tanto o Paschoal est situado 10 milhas
mais para o interior), est situada a villa do Pra-
do, da qual 12 a 15 milhas para o N: o cordo da
trra assignalado por ujna serie nao interrumpi-
da de barreiras vermelhas, chamadas Batreiras do
Prado, e ao N. destas, e mais destacadas urnas 3 a
4 milhas, est urna outra barreira, chamada Im-
bassuaba, a qual serve deteconhecimeato para os
bons pralicos demandaren! o pequeo porto de
Comoxatiba, que muito semelhante, segundo di-
zem, ao da Torre de Garca d'Avila, situado ao N.
da Babia.

Vejamos agora o que diz o roteiro' trancez na
pagina 123 : P'adoPosigo da barra ; latitude
17" 21' 40", longitude ( do Rio de Janeiro) 3 5f
47" de Paris 41- 3C 13". Variacao da agulha5
11}'. Estabelecimento do porto 3 h. 30'.
Na pagina 122 ; t Barreiras do Prado = (En-
tre a atitude de 17 8' e 17 17' Ao S. da ponta
da Comoxatiba a costa volta um pouco para O.,
depois dirige-se directamente ao S. apresentando
timo serte nao interrumpida de grandes barreiras
vermelhas mui notavets da altura de 60 80 me-
tros (240 ps a 320) e de 9 milhas de extensao.
Estas barreiras comegam perto da povoago
dos Doos Irraos e contnuam at 21|2 milhas ao
N. da villa do Prado, da qna! tirara o nome. Vi-
siveis grande distancia, ellas sao o melhor pon-
to de reconheemento para os caboteiros desta
costa.
* Como se v, a nica differenca entre as duas
apreciacSes esl somonte na extengo das barrei-
ras, que nos dizemesserde 12 15 milhas, e o
Sr. Mouchez diz ser apenas de 9. Mas isto nao
cousa ue grande alcance, era prodaz damno al-
gum ao navegador que dedia passar vista destas
barreiras.
o final da pag. 28 do nosso roteiro l-se o se-
guinte :
Recife Timbebas.A leste da villa do Prado, e
na distancia de 15 milhas desta costa, ou as tenas
estao quasi alagadas, est situado um recife de po-
dras sulta.-, .denominado Timbebas, que pode ser
considerado como as primaras pedras ao norte das
paredes, propriamente ditas, dos Abrolhos, as quaes
se acbam collocadas 4 5 legoas (\l 15 railhas)
oeste destas ilhas, sendo esse espago de mar
comprehendido entre ellas e as paredes, perfeita-
mente lirapo e muito fuado. >
Vejamos agora o que diz o Sr. Mouchez na pa.
gina 124 do sea roteiro : Recife Ttmbebas. La-
titude 17" 27'- O Recife das Tmbeba deve terjeon-
siderado comofazendo parte do grande grupo dos
Abrolhos; porm, em virtude de sua proximidade
ao Prado, parece prefer vel dar .aqu urna descrip-
gao. Este cachoupo o mais temido de todo o gru-
po pelos marinheiros que frequentam esta costa,
poique ornis desprovidode pontos de marca-
ran : quando se est urna ou duas milhas distante
delle, a costa sahe dificultosamente do horizonte,
sb a apparencia de urna linha de aores nmfor-
mes. Se o tempo claro ver-se-ha, entretanto, ao
N01N o monte Pascual e os outros morros que o
acompanham.
c O centra do recife est situado a 12 milhas a
ENE de Alcobaga e a 13 milhas a ESE da barra
do Prado.
Nao tendo nunca podido ir determinar com exac-
tido a posigo deste re ife to temido dos navega
dores daquella cosa, pe
cima delle e nao se v
bom tempo, e nao sendd
lamento de urna carta, t
a navegacao, coliocamos
villa para livarem-se de
a razo de que se esl em
a trra seno com muito
o nosso trabalho o levan-
sim um roteiro para guiar
esse recife a l'Este da vil-
la do Prado, para que o> navios que tivessem de
sabir pelo canal do nortj se guiassem por aquella
se temivel cachoupo. Por
conseguinte, nao corara iteraos erro apreciavel, e
que nos desdoure ; entretanto faremos no nosso
roteiro a necessaria cor eego.
Na pagina 92 do noss > roteiro, e na sexta linha
l-se o seguinte : Baix do Prado.A l'Este an-
da desta villa (o Prado) e na distancia de 3 4
milhas da costa, est situ ido um 'pequeo recife,
sobre o qual nem sempra ha arrebntago, deno-
minado Baixa do Prado.
pagina 121, l-se o se-
No roteiro francez, a
guinte :
t Recife do Prado.Laillude
17-21'. A 3 mi-
bofetada em un titular de Castella, por cansa de
elelges para deputados, e julgando que tal acgo
Ihe traria graves consecuencias, fugiu, vendeu to-
dos os seus baveres, malbaratou ludo, e foi parar
cadeia aos 97 annos de idade.
L-se em urna folha porigueza :
' Ha tempos cabava um joiz dos nossos tribunaes
de proferir a sentenga de raorte sobr urna con-
demnada de mairicidio, quando, ao ver a afQiccao
da r, que perguntava se nao baria recurso da
sentenga, ihe disse :
Agora appclle para a relago.
A pelle para a relago, Sr. juiz? I exclamou
a r, banhada em lagrimas. Isso agora o que
brbaro I Morrer nao cusa; mas mandarem-me
a pelle para a relacao, isso o. que eu nao quera I
Ha urna fngleza de nariz vermelbo, casada cora
um borracho.
Pobre mulher, observa urna de suas amigas,
o marido quera bebe, e ella que tem o nariz
vermelho I
n mi
Bous recrutas conversavam, um perguntou ao
outro :
De que gostas mais, do sol ou da la ?
Que pergunta I da la.
Porque T
Porqne a la me Ilumina de noute, e me im-
pede de dar com as ventas as e.-quinas, ao passo
que la o teu sol para nada presta, so apparece de
dia.
Era urna precisao do estado, os Qdalgos manda-
rara as suas baixellas de prata e ouro para a casa
da moeda, adra de serem reduzidas a dinheiro e
soccorrer-se asslra o thesouro. '
Luiz XV pergunjou ao dnque d'Ayen, se tinha
j mandado a sua: o duque respondeu que nao.
Pois eu, disse o rei, j mandei a rainha.
Ah! senhor, respondeu o duque, quando
Jess raorreu na Sexta-feira Santa, j sabia que
bavla de resuscitar no domingo.
Mas, valor, animo, esp'ranca,
Joven fllhc d'lsrael I
Talvez desse mar de fel
Alfim sai a o niel da vida :
Talvez ura porrir inmenso
Te tenha Deus reservado..
Olba o sonho que has sonhado,
Quando na patria querida I
Gosta de ouvir tocar piano 1 perguntou urna se-
nhora ao Sr. Villenot.
Minha senhora, antes ouv-lo do que ser en-
forcado.
Ihas a l'Este da barra do Prado existe um pequeo
banco de ara e coral,que'descobre na baixa-mar.
A divergencia, pois, est nicamente na natureza
do cachoupo, que, em vez de ser recife, banco
de ara.
Na mesma pagina 29 do nosso roteiro, l-se o
seguinte : N.S. ainda com a mesma villa, e
E.O. com urna ponta de Ierra que Ihe fica cor-
respondente Oeste, chamada Ponta das Guaran-
bas, est situado tambera na mesma distancia da
costa, 3 a 4 milbas, um outro recre, maior que a
Baixa do Prado, e quasi com ella Unido, chamado
Recife das Guaritibas. Cumpre observar aqu que
correndo esla costa ao N.S., e estando o recife
3 milhas ao mar, nunca poderla elle correr a esse
rumo a respeito da villa, e sim ao S. 4 SE. oa SSE
della, era isso urna correcgo que o senso com-
mum mandava fazer, e que escapou-nos ao elabo-
rarraos um trabalho to difcil como seja um ro-
teiro,que foi impresso nesta corte, estando nos en-
to na Baha.
Vejamos, porm, o que diz o roteiro francez na
pagina 124 :
Recife Guaratiba. Lalitude 17 24'. A 3 mi-
lhas ao SSE. da mesma barra acha-se um segundo
recife, um pouco maior que o precedente, situado
3 milhas ENE da Pona das Guaratibas; elle toma
0 nome desta ponta, e forma com ella um canal,
onde alguns bancos de ara nao deixam em certos
lugares seno 3 metros d'agua.
A divergencia, pois, nao de natureza tal que
possa nem de leve prejudicar a navegago, porque
nenhum navio deve nunca aproximar-se deste re-
cife, bem como dos demaia. Que esteja a Leste, ou
i a ENE., nao importa ao navegador, importa sim,
i e muilo que se marque com toda a exactido quan-
| do se levanta a costa : mas quem olha para a car-
1 ta levantada pelo Sr. Mouchez observa que este
; recife est quasi no parallolo da Pontanas Gua-
i atibas, e portanto pode dizer-se que est a Leste
i della.
L-se ainda na pagina 29 do nosso roteiro :
a Villa de Alcobaga.Ao S. O. do navio situado na
altura da Ponta das Guantibas, e na distancia de
8 a 10 milhas, est assentada no cordo de trra
baixa da costa a villa de Alcobaga, a Leste da qual
! e na distancia de 1 a 1 1|2 milita da costa, se fun-
1 deia em 3 a, 4 bragas d'agua, fundo lama ; ou nes-
sa mesma distancia da costa e 11|2 railtia raais ao
S. della e era frente respectiva barra. Toda esta
costa desde as barreiras do Prado at Caravellas
corre ao rumo de N.S.
AE.S. E. pouco mais ou menos da villa de Al-
{cobaga, e em distancia de 10 a 12 milhas da costa
(ou na altura da barra vtlha da Alcobaga, situada
8 milhas ao sul), segu para o S. S. E. um recife
j de pedras solas para o lado de Oeste, denominado
Recife Secco.
(Conlinuar-se-ka.)
i i i ii ii m
M P0UC6 DE TUDO.
O jornal Las Novedades noticia :
Existe na cadeia de Sevilha, cumprindo senten-
ga, um salteador que conta 87 annos.
Este homem, que notavel por mais de urna ra-
zo, dedicou-se desde muito mogo prefisso de
salteador, que, como 6.sabido, era largamente ex-
ercida naquelle tempo, gragas proteceo que re-
cebiam os criminosos.
Aliston-se s ordens do Celebre Diogo Correntes,
militar depois na goerrilha capitaneada pelos sete
til nos'de Ecija ; e adextrado pelo crime e pelo ex-
eraplo de to insignes malfeitores, entrou na qua-
drillia de Jos Maria.; e finalmente adqoeriu no-
meada pelos eminentes servicos que prestou na
provincia de Malaga, executando os projectos do
atrevido /amarilla.
Foi preso aos 83 annos, fazendo fogo contra a
guarda civil que o ia prender.
Tem este homem tal conflanco na sua longevi-
dade, que julga que ha de cumprir a sua senten-
ga da qual ainda Ihe faltara 50 annos, o que viria
a sacceder tendo elle 135 annos, ou em 1914.
Ha no mesmo estabelecimento outro individuo
natural da Estremadura, e pessoade boaeducago,
que ceniecuu a sua carreira criminosa, dando urna
Mirabeau, fallando na assembla consiituinte,
dizia, em resposta ao abbade Maury :
Vou fecha-lo em um circulo vicioso...
Meu Deus I disse era aparte o abbado, acaso
Mirabeau rae quer dar um abrago t
O presidente de um tribunal de justiga em Fran-
ca costuma dizer:
Nada raais fcil de julgar-se do que um
processo quando elle apresentado aos tribunaes ;
depois que os advogados fallara, nada mais dif-
flcil.
Iranscrevemos do Paiz a seguinte poesa do Sr
J. R. de Oliveira Santos :
PHISAO DE JOSEPU NO EGIPTO. (*)
l
Perdida, louca de amores
Pelo eslrangetro captivo,
Arde em desejo lascivo
A mulher da Potiphar,
De todo j olvidada
Dos seus mais santos deveres,
Quer ao leito dos prazeres
O lindo mogo arrastar....
Oh 1 quem da mulher forraosa
Resistir pode aos enleios,
Vendo arfar-lhe os alvos seios
De ternura e de paixo ? I...
Quem, senlindo-se enlagado
Pelos seus bragos formosos
Oppor a voz da razo t I...
Pode a impulsos amorosos
E pode, o captivo, e pode I
Que o Deus de Jacob o inspira;
Erabora se exponha Ira
De urna mulher desvairada I
E pode fugir-lhe, e pode I
Mas ai, Joseph, cuidado I
Que o teu vestido has deixade
as mos da mulher casada I
Camella, mogo, cautella I
Que urna mulher repellida
E' serpete enfurecida,
Que espreitada beira da estrada 1
Na tua acgo ha oobreza,
Virtude em tua esquivanga,
Mas cuidado com a vingaoga
De urna mnlher despresada !
II
c Senhor I Pungo severa
t Para o captivo insolente,
c Que at mira algando a frente,
i Quiz forgar-me em vossa ausencia I
c Lutei. Fugiu, mas delxou-me
Entre as raaos este vestido...
c Para o hebreu atrevido,
c Senhor, nao haja clemencia I >
Assim fallara do Eunucho
A mulher bella, mas treda,
Sem ver que o mancebo enreda
. N'nm crlme Wella, s d'ella !
E cmo prova eloquente
De quanlo ali Ihe. dizia,
Em pranto se desfazia
A mulher treda, mas bella.
O rosto do irado Eunucho
Temara medonlio aspecto,
Em que se lia o decreto
Da mais torpe iniquidade.
Grossas rugas Ihe encrespavam,
Quaes vagas, a torva fronte,
Como as nuvens no horisonte,
Quando perto a tempestade.
E falln : Qoe o vil captivo
i Seja a um carcere arrastado,
c Onde o sea negro alternado
t V carpir at morte 1....
t Entrcguei-lhe a.minha casa...
< Ah 1 muilo delle eonflava...
Trema o vil que me engaa va,
< Que ha de ter bem triste sorte I >
IV
.E o sonho realisou-se
Como o so ibra o proscripto ;
E todo o p vo do Kgyplo
Veiu a sen; ps humilhar-se I
Loovor a I eus as alturas,
Loitvor A'c uelle, cujas leis,.
cima dos iroprios res,
Fazem um servo elevar-se 1.
Louvor A'quelle que inspirara
Ao captivo na prisa
A sabia decifrago
De estranhas visdes escuras!
Louvor A'q telle que, depois,
Ao rei Phai ao temido,
Fez saber I ido o occorrido.
Louvor a Deus as alturas!
Esgolada foi a taga
Do soffrer i cerbo e duro :
Exulta, ser
Que o teu r
o obscuro,
ioadochegou!
Novo Testamento, despertando-lhes a curiosidade
do saber, e guiando o'seu espirito infantil para o
caminho do bem, que nos ensina a moral santa,
e de que tantas vezes nos desencaminhamos por
nao ter tido quem nos annos verdes da existencia
nos mostrasse a verdadeira direegao.
Apenas o sino do templo tanga no alto da torre
com virtude exemplar tera sabido conservar, hon-
rando a memoria de seu bem feitor.
Urna senhora linha duas filhas, das quaes a mais
moga, linda como os amores, era a querida de sua
mo e de (oda a familia.
A mais velha era desi.rezada, e andava entregue
vetustas as compassadas e tristes badaladas das aos cuidados de criadas
Ave Maras, o velho levanlavase de seu rustico .
assenio, tirava respeitosamente o seu chapeo de Ui da a mae, meio de.tada em urna poltrona, e
tres ponas, e deixava ver a vasta e respe.tavel Quasi dormindo, enlta passos.
fronte calva, guarnecida apenas as tmporas e no Era a flilia desrrezada, que nos bicos dos ps
occipucio pir algumas madeixas anneladas. de alravessava o quarlo para ir bascar um livro.
cabello fino e alvo, como estrigas de linho. ~ E's lu>,niuua 0lna ? disse a rae sera abrir
Os seus pequeos companheiros imitavam o os .sj _,mS. .... ._ _____.
.r K Nao, mamae, sou eu j respondeu a menina,
santo sacerdote, e esto cntoava entao com voz
grave, se bem que j tremola pela edade, a orago Ouvindo esta resposta rpida e involuntaria,
da Virgem, que era murmurada era voz baixa por a mae Pac carinhosa foi como que tocada de um
todos os assistentes. raio '> levantou-se, abragou a Olha, e disse-lhe :
M, que disseste I Nao s minha filha ?
III
Pobre filho de Jacob,
Neto de Isac e Abraham,
Laagado n'uma prisao
Covardemente, e sem d I
Triste vergontea arrancada
Do tronco d'onde brotaste,
Flor que apenas despontaste,
Foste arrojada no p I
Que por teas irmos vendido,
Na vigosa flor da edade,
Arrasias a mocidade
Nos ferros da escravldo I
Que pelo bem que praticas
s balddes te do por pagas,
Da sorte as revltas vagas
Onde alfim te levaro I f...
Ah I chora, misero servo,
Desabafa a dr immensa t
Entre os teus j ninguem pensa
Em ti, misrrimo hebreu I
Na patria foste esquecido,
Aqui rail tratos padeces...
Ai, pobre.que nao mereces
Tamanho castigo ao cu t
() Gnesis, 4 llvrode Moyss.
Vae mostra' ao rei do Egypto
Que mais > que os sabios seus
Sabe nm caitivo a quera Deus
A razo elu;idou 1
D'entre os horrores da fome
Salva os estranhos, e os teus!
Tens graga aes olhos de Deus,
Nao temas naguas futuras 1
Reinars alo amorte,
Sers grande entre os maiores..
Enta a Jehbvah louvores:
Louvor a Deus as alturas !
L-se no Jornal df Familias o segainte :
0 VIGlARIO DA ROgA.
O sacerdote e o mdico sao em todas as socieda-
des os dous lypos ma|is dignos de respeito e veoe-
rago quando cumprcm com acert, sabedoria e
consciencia os fins d sua elevada misso.
Sarar das dures physicas ou das tribnlagdes mo-
raes ; encontrar as [consolagoes da religio e as
ligdes do tempo e da experiencia lenitivo aos ma-
les que affligem o corago humano -. oa achar as
descobertas da sciencia, nos segredos da natureza,
e na sua propria, e, por assim dizer, prophetica in-
tuiglo, os raeios de abrandar os soffrimenlos do
corpo, restiluindo nao raras vezes vida as victi-
mas que a morte pareca j contar como suas, e
sabir por fim triumphadte desta lula desesperada;
sao dous poderosos instrumentos do bem, que a
Providencia, em seus altos designios, nem seropre
confia as mos dos qite sabem fazer delles o culto
de um sacerdocio augusto.
Se estas duas prolisses exercem urna influencia
to legitima nos destinos sociaes, onde a organisa-
go civil e a admnistragao publica teem urna ac-
go to completa na marcha diuturna das popula.
goes condensadas, o mesmo nao acontece entre nos,
onde os constantes sacrificios no exercicio destas
misses exigem temperamentos mais robustos e f
mais acrisolada no cuuiprimento de lo sagrados
quanto salutares deveres, da pane daquelles que
teem obrigago de os dtsempenhar.
As distancias, as difliculdades de transportes, a
falta das commodidades mais triviaes, aggravam
aqu desproporcionadamente o peso de to graves
e imperiosas ebrigagoesJ tornando a existencia da-
quelles qae se consagrara a satisfaze-las urna das
mais escabrosas e difflcels da sociedade.
Nao porm destas upas individualidades que
pretendemos tratar hoje ; quizemos apenas apro-
xima-las para Ibes dar a Importancia que Ibes com
pete, como os apestlos da alma e do corpo, da ma-
teria e do espirito, os dods elementos em contado
da natureza humana, e reservamos para mais tarda
estudar o missionario da sciencia, contentando-nos
por agora com tragar um rpido episodio da traba-
Ihosa vida desses pastores da alma que, segundo o
Evaugellw, representam na trra os enviados da
Providencia, e teem a seu cargo as ceremonias re-
ligiosas do cuite, e a santal investidura de encami"
nhar as almas e dirigir o pensamento de seus ir-
mos para a pralica do bem, do honesto e do
til.
Segundo o ponto de vista elevado em que acaba
mos de encarar o sacerdote era o vigario da fre
guezia de Fr. Anastacio de Santa Cruz, hemem
de seus oitenla annos, e cuja vida havia sido a cons-
tante pratica de todas as virtudes que devem ador-
nar um filho esclarecido da egreja catholica. Era
vigari nesta parochia ha mais de quarenta annos,
e nem urna s vez os seus compar jchtanos appel-
laram para es seus sentimentos caridosos, ou para
o desempenho de seus offlcios religiosos, que o nao
encontrassem prompto, de rosto sereno, physiono-
mia grave, porm insinuante, e sendo sempre o
pnmeiro a aflroBtar lodos os perigos, vencer todas
as difliculdades quando se Iratava de salvar os
alHictos e encaminhar para Deus a alma dos mori-
bundos.
O povo dos campos naturalmente religioso, e
nao de estranhar que este sentimento tenha
maior expaoso nos ermos afastados do interior
de um paiz ainda te pouce povoado como o nosso,
se nos lembrarmos qae o hornera, quanto mais se
acha afastado dos outros homens, mais necessidado
sent de dirigir as suas vistas para Deus, e en-
contrar nainlelligencia e na bondade suprema um
lenitivo s suas dores e aos seus soffrimentos que
a sociedade Ihe nega, nao Ihe deixando muias
vezes outra esperanga se nao a de invocar a da
misericordia divina.
O vigarie Anastacio era pois o juiz, o pae, o pa-
triareba verdadeiro daquella tribu de christos
que se havia apinhado em tamo da pequea fre-
guezia de
Ninguer sera o consultar dava ura passo na
vida, e aquelles mesmos que, pom genio mais alta-
neiro, formavam o pequeo numero de o vel has
desgarradas de seu rebanho, mais de ama vez
tinhara voltado convertidos a procurar o perdo de
suas culpas, que nunca Ihe Havia sido negado pelo
venerando sacerdote.
O bom do nosso parocho respeitava a velhice,
aconselhava as paixes vivas da mocidade, e ama va
com idolatra as criangas, vergonteas tenras da
arvore da vida, que precis resguardar das tem-
pestades do mundo, e amparar, para que bracejera
vigorosas no horisonte limpo da consciencia, e
promeltam ura dia a rica fl opulenta florescencia
que dolas espera o futuro insondavel e re-
moto.
as lardes calmosas do verao, o vigario Anas-
tacio costumava sentar-se eth um pedago de tron-
co derribado que havia aos ps de urna frondosa
mangueira, era frente de sua limpa e modesta
casinha, e ali, a pouca distancia do presby terio,
cuja velha e denegrida fachada o vel no sacerdote
enxergava do seu lugar predilecto, reuna em tor-
no de si as creancas, realizando a santa parbola
do Cbristo, e Ibes explicaval em urna biblia Ilumi-
nada as passajjens mais notaveis do Velho e do
Os viandantes queneslc momento passavam pelo
fovoado descobriam-se respeitosamente dante da
serena magestade deste quadro augusto, que
impressionava tanto pela sua singeleza como pelo
reflexo de divina magestade que o ambiente
afogueado pelos raios do sol poente imprima no
fundo do painel.
Ento o sacerdote despedia-se das creancinhas
que a urna e urna vinham beijar-lhe a mo, e re
gressava para sua casa, aproveitando as horas de
repouso que lhe.dexavam as labutacoes da vida
ecclesiastica.
Urna noute, era j perto das dez horas, o vene-
rando sacerdote havia fechado o seu livro de rezas,
e dispunha-se a conciliar algumas horas de somno
at ao primeiro loque das malinas, quando se
ouvio nter duas pancadas com forga na porta de
sua casa, que foram poucos instantes segundadas
por outras mais fortes, em quanlo o vigario, acos-
tumado a este mel de o despertarem, enfiava a
sua loba, a fim de ir elle proprio abrir, para nao
incommodar a prela Sabina, velha a quem estava
engarregado o governo domestico da casa, e que>
em virtude da lda diuturna, adormeca ordinaria-
mente s sete horas da noute.
O Jos crioulo, pagem do vigario, linha ido, a
mandado do parocho, cidade prxima, e nao se
achava porlanlo era casa nessa noute.
Quando o vigario abri a porta, den de rosto
com urna physionoma eslranha, que Ihe disse,
com o semblante transtornado, e limpando o suor
que Ihe sahia da fronte :
Senhor vigario, acoda, acuda depress a um
homem que esl expirando com urna tacada no
corago, cahldo por ierra na encruzilhada das Ca
veiras.
Dizendo islo, o desconhecido fez um movimento
to rpido, que o sacerdote, quando e proeurou,
nao o lornou a encontrar, to instantneamente
havia desapparecido.
O vigario pensou um momento nesta singular
apparigo.
Sentio um movimento involuntario de hisitago,
lembrando-se que se achava s, sem ter ao menos
a companhia do seu crioulo fiel; porm a forga
do dever foi mais poderosa que o receio, e vestin-
do-se pressa, como iBspirado por urna idea sbi-
ta, dirigio-se sem chamar pessoa alguma, nem
mesmo as autoridades, com medo de chegar tarde
para prestar os soccorros espirituaes, ao sitio que
(he fdra designado.
A encruzilhada das Caveiras Bcava cerca de
um quarto de legua do povoado.
A noute estava escura; porm o firmamento,
limpo, arqueava-se magestoso, marchetado de
myriada de brilhantes e trmulas estrellas.
Em vez da vlracao fresca da noute, corra urna
leve aragem tepida, que agitava singularmente a
folhagem dos arbustos e vinha quebrar em lufa
das ardeutes nos desvos do caminho, tornando
diflicil a respiragao e penosa a marcha.
O silencio mais profundo reinava em toda a
natureza.
A sombra das arvores era to profunda nos
recamos, que mal se distingua o trago da estrada,
e diflicil seria atinar com o trillio a quera nao
estivesse como o velho parocho, costamado a cru-
za-la em todas as drecgoes, fosse a que horas fosse
da noute ou do dia.
O vigario caminhava apressado, murmurando
em voz baixas as suas iDtimas oragoes, e o som
de suas passadas era o nico arruido que se ouvia
naqnella :olido.
Ao cheaar perto do sitio que Ihe. fura denuncia-
do, ouvio de fado os sons doloridos de um choro
acerbo, que cortavam a alma, e farara vacllar o
animo mais robusto.
O velho conlinuou mais apressado.
A estas notas, na roga, diflicil encontrar ente
vivo.
Apenas um ou outro raro viandante se aventu-
ra, niais por necessidade que por desejo, a transi-
tar nestes descampados.
O som dos lamentos, mais perto e dialincto, era
tambem mais pungente proporgo que o sacer-
dote se approximava do lugar onde se havia dado
o facto que Ihe fora to myitenosamenle annun-
ciado.
O ancio apenas pode distinguir os objectos, fl-
cou parado diante de um quadro terrivel.
Um corpo jazia estendido sobre a trra, com a
cabega um pouco doscahida para irs, e as feigoes
completamente demudadas pelas contraegoes das
agonas da morte. Apezar da noite ser escura, hs
va n'aqnelle silio urna clareira desassombrada, que
concorria para tornar mais distinctos os objectos 5
e por esto motivo o velho sacerdote pode reconhe
cer que o assassinado era ainda mogo, e que de seu
peito, rasgado pelo punhal, manava o sangue, que,
rormando urna grande poga, innundava a trra e
mane lia va a roupa da victima.
Ao lado do infeliz aehava-se urna mulher ajoe'
Ihada, cora as mos occultando o tosi, e os longos
cabellos cabidos em desordem pelos hombros e pe"
laicostas.
O vigario, informado do que havia occorrido por
esla desgragada moga, soube cjtae, vindo ella em
companbia de seu marido, havia cousa de meia
hora, fra elle accommettido por um hornera, que,
sahiodo repentinamente da espessura, o apnnha"
lra, e fugira sera que ella pudesse oppor-lhe a
raais pequea resistencia, e que desde ento tinha
debalde gritado por soccorro ; mas que ninguem
Ihe codra, e vira seu pobre marido expirar sem
soccorro de natureza alguma.
A dr d'esta desventurada era to profunda, e
as exprejsoes que empregava to repassadas de
angustia, que o nobre e compadecido parocho le-
vou-a em sua companhia para o povoado, e depois
de se por em movimento toda a polica para descu-
brir o criminoso, e saber a causa d'este mystenoso
assassinato, sem qae j mais se conseguisse este
fim, o vigario tomn sob sua proteceo a desval
Eu sei
--<2>-'B!
O que patrimonio ? perguntava em Coimbra
um lente a curio examinando em direito.
Patrimonio, respondeu o estudanie, o que o
filho herda de seu pae.
E o que herda da mo tambera se chama pa-
trimonio 1
Nao, senhor ; nesse caso matrimonio.
MORTE DO ARCEBISPO DE COLORA.
O cardeal e arcebispo de Coloaia, Joo Gessel,
morreu no dia 7 de selembro depois de urna pro-
longada doenga. Elle nasceu em Gimeldigem no
palaiinato rhenano no dia 5 de fevereiro de 796,
de paes pobres, e ebegou a edade de 68 annos e 7
mezes. Fez os seus estudos scientificos e tbeologi-
cos no seminario de Maquatia (T) (Mayence) onda
tambem recebeu as ordens no dia 22 de agosto de
1818.
Perlenccndo ao bispado de (Spire) voltou para
esla cidade, onde no da 21 de junho de 1822 foi
nomeado conego. -
Tendo elevado no dia 5 de julho de 1835 dig-
nidade de deo da cathedral, e em 20 de setembro
de 183G de bspo de Spir, foi sagrado como tal
em Augsburgo no dia 13 de agosto, e tomou posse
solemne om Spira no dia 30 do mesmo mez.
O desconlenlamento do povo as provincias rhe-
nanas da Prussia, em consequencia de que o arce-
bispo de Colonia, Clemente Augusto Droste em Vi-
chering tinha sido forzosamente exilado de sua
dioeese pelo governo, fez nascer neste ultimo o de-
sejo de urna rcconciliaco.
Sobre urna recommendago do re Luiz de na-
viera o bispo de Spira foi escothido para coadjutor
do arcebispo Clemente Augusto ; era elle qae
como administrador apostlico, devia dirigir a dio-
cese, teudo o direito de successo.
Esta nomeago sendo ractificada por ura breve
papal de 21 de setembro de 1841, o Sr. Giessel
enirou na aaministrago em 4 de margo de 1842,
e foi preconisado como arcebispo de Iconium, m
partibus infidelium, no da 15 do mesmo nuez.
No da 18 de outubro de 1845 morreo o arce-
bispo Clemente Augusto, e o seu coadjutor e adrai-
nisirrdor foi revestido desta dignidade.
No dia 24 de novembro" de 1845 recebeu o pal-
lium ; a sua posse solemne teve lugar em.lt de
Janeiro de 1846 na amiga cathedral de Colonia.
No consistorio secreto de 30 de setembro de 1850
o summo pontfice elevou-o dignidade de cardeal,
debaixo do ttulo de S. Lourengo no Viminal. As
insignias do cardealato Ihe foram remedidas pelo
nuncio na corle de Vienna, Vial Prel, no dia 12
de novembro raesmo anno.
No dia 13 de agosto de 1862 completavam-se 25
annos que linha sido chamado para o bispado.
A idade de Colonia festejou esle anniversario
com urna pompa nunca vista.
Nos seus ltimos annos om padecimento chroni-
co por repetidas vezes linha ameagado a sua vida!
desde a primavera a sua saude cada vez mais ia
declinando, e nos ltimos quinze das tinha desap-
parecido a louca esperanga de conservar esta pre-
ciosa existencia.
Joo de Geissel era um principe da egreja sum-
mamente illuslrado, extraordinario nos seus talen-
tos como as suas virtudes.
Eolre os arcebispos de Colonia oceupar sempre
um dos mais distinctos lugares.
nj i ai
De um jornal portaguez, publicado em Maco
extrahimos a seguinle'curiosa noticia :
Publicou-se ltimamente em Pars um livro so-
bre a niediua chineza, o qual expoe, exlrahidas
das melhores obras dos mdicos etiins, as ideas
extravagantes que os drigem no trataraenlo das
meneas.
Eis aqu urna pequea amostra.
O corpo humano conlm cinco orgosessencaes,
que sao : o corago, os pulmoes, os rins, o ligado
o bago ou estomago.
O corago, que e a visceira mais perfeita do cor-
po, o irnio mais velho do intestino delgado.
Tem por rae o ligado e por fiibe o estomago ou
bago.
Os seus inimigos sao os rins, e o seu amigo o
ligado.
Predomina sobre a fronte o sangue, a lingua e
as palmas das mos.
Os cbtiros derivara delle.
A sna cor vermelha como a crista do gallo, o
seu sabor amargo, o sea cheiro o dos objectos
queimados, a sua voz do riso, e o sea humor o
suor.
O eorago gosta do milho e da carne de car-
neiro.
Do centro deste orgo parte o seu canal de com-
municaco com as outras viscelras, o qual vae ter-
minar no dedo minino da mo, onde se rene ao
canal do intestino delgado : quando o seu canal
est cheio de humores picantes, o doenie sonha
phantasmas, raonstros; e quando se acha vasio os
sonnos apresentam chantmas, fogo, elr.
O pulmo filho do bago oa estouago, e pae
dos rins.
Tem por inimigo o corago e por amigo o li-
gado.
Predomina sobre a pelle, os poros, os cabellos,
as Ventas, asespadnas e os espiritos vilaes.
O seu sabor acre, o seu cheiro o da carne fres-
ca e a sua voz a voz do pranto.
Gosta do arroz e de carne de cavallo.
O sen canal comeca no peito e termina na mo.
Se o doente sonha guerras, combates, armas,
soldados, esle canal est cheio; se sonha planicies,
campos mar, o cal acha-se vasio, etc.
Nao citaremos mais.
A anatoma e phisiologia dos mdicos chins sao
realmente engenhosas.
A medicina que se funda em bases to verda-
da/que anda hoje conhec.da pela afilhada do vi- deirf ba de mpre acertar e deve ser preferida
'^ a toas as outras palos homens.... de juizo I
Quando o velho morren, delxou-lhe a sua peque- _________________i_________;______
na fortuna, e a casa de sua residencia, qne ella PERNAMBUCO.-TTP.~DE M. F. DEF.& FILHO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPZYP8INS_MV0UY4 INGEST_TIME 2013-08-27T20:16:48Z PACKAGE AA00011611_10577
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES