Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10575


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIIIIO XLI. NUMERO 18
m
l|>l9 "lIlK

1
Pr qiarel pago dentro de 10 das do Ia mez
dem depois dos 1.* 10 das do comeco e dentro do qoartel.
Porte ao correio por trea meae .*.........
SI000
6$000
750
M0j|MMBK^
SEGUNDA FIRA 23 D JANEIRO DE 1865.
Por anne pago dentro deiO lias do l.'mez
Porte ao correio por nm auno.......
19J000
3J000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alezaodrioo de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaly, o|
Sx. A. de I.einus Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira-, Marauhu, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Al ves A
Fainos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO NO SUL.
Alagoa?, o Sr. Claudine Falco Dias; Baha, ol
Sr. Jos Martin* Alvvs; Rio de Janeiro, oSr. Jos
Rilieiro Gaspariuho. I
PARTIDA DOS EsTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estarces da via frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom Con-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgneiro e Ez, as qdartas feiras.
seriuhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei- Al'IJlEftCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
ros, Agua Preta e Pimenteiras, nasquinlas feiras.
liba de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE JANEIRO.
4 Quarto cresc. as i h., 22 a. o 82 s. da t.
11 La cbela as 8 h. 40 m. e 10 s. da t.
20 Quarto ming. aos 16 m. e 52 s. da m.
27 La nova as 7 h., 10 m. e 46 s. da m.
ribual do commercio: segundas e quintas,
elajlo: tergas e sabbados s 10 horas,
.-azenfla quintas s 10 horas.
Juizo do commercio : segundas s 11 hora.j
Dito de orphios : tergas e sextas s 10 horas.
Primaira vara do civel: tergas e sextas ao meio
din
Segunda vara docivel: quartas e sabbadcs a 1
hora da tarde.
PARTE OFFICIAL
OVERPiO A PIOVINGIA.
Coutinuagao o,expedienle de dia 18 > Janeiro
de 1868.
Offlcio aos raembros da junta revisora de qualifi-
cago da freguezia deS. Jos desta cidade.Tenho
presente o offlcio datado de boje, era que Vmcs.
communicaudo baver o jttiz de paz mais volado
presidente da junta revisora da quaiiQcaco dessa
fre.-uezis Jos Antonio Pinto dado parte de docnle,
e devendo assamir aquello lugar o seu immediato
em votos cidado Francisco Antonio das Chagas,
que se acha processado em crim de responsabili-
dad:, consulta se em vista do disposto no art. 2 da
le de 19 de agosto de 1846, pode o referido Cha-
gas uo sendo o mais votaJo assnmir a presiden-
cia da referida junta.
Era resposta tenho a dizer Vmc. que a disposi-
cao da lei por Vmcs. citada applicavel aos sup-
lentes do juiz de paz mais votado quando elles
substituem a este no exercicio d'aquellas funcces,
sendo que por isso compete ao citado Chagas a pre-'
sidencia da junta revisora desn freguezia.
Circular aos 4 juizes de paz dos dlstrictos da
freguezia do Cabo.Commnnicando-me o juiz de i
par mais votado dojquadriennlo lindo dessa fre-
bo de deferir o requer ment em que JoSo Fernan-
dos Eiras pede [titulo de aforamento da parto de
terreno de marraba n. 33, sito ra Bella cesta
cidade, e em que se acham edificadas as casas ns.
33 e 35 de sua propriedade.
Dito ao raesmo.Convm que V. S. ministre
com a possivel brevidade a informagao exigida por
despacho de 2 do corrente, proferido em um offlcio
do conselho de compras navaes, solicitando autor!-
sago para levar a effeito a compra a que allude o
ofticio de V. S. n. 758, de 24 de dezembro ultimo.
Dito ao mesmo.Em vista do pret junto em du-
plcala, e nao havendo inconveniente, mande V. S.
pagar os vencimentos na importancia de 3404815,
das pragas do 7 oatalhao de infamara, qu tondo.
se recolhido ltimamente do destacamento de
Agua Preta, acham-se addidas ao 9* da mesma
arma, segundo consta de offlcio do coronel com-
mandante das armas datado de hontem e sob n.
110. Communicou-se ao coronel commandaote
das armas.
Dito ao mesma-Transmiti a V.S. para o fim
conveniente o incluso pret especial' por duplcala,
que me remetteu o coronel commandaote das ar-
ma* com offlcio de boje, sob n. 130 tirando venci-
raentos, a contar de 10 a 15 do corrente, para os
recrujas nao apurados dolidos no qnartel do 4 ba-
talhao de artirharia a p.Commuuicou-e ao co-
ronel commandaote das armas.
Dito ao inspector da thesouraria provincial-
Transmuto a V. S. os inclusos documentos, afim
Narcisa Maria Fonseca, mulher do soldado do no-
na batalhao de infamara Antonio Cyriaco Hispo.
Communicou-se ao commandaote das armas.
Eipedienle do secretario do governo do dia 18
de Janeiro de 1868.
Offlcio ao coronel commandaote das armas
ordem de S. Exc. o Sr. vice-presidente da .
cia remeti a V. S. um envoltorio contemi dous
exemplares da collecgao das leis geraes d/i835.
Igual remessa se fez ao capito do porto./ inspector
do arsenal de marrana, director do_arsetal de guer-
ra e ao conseibo administrativo,
EITEIffll.
Tratado de paz entre a Dinamarca e a Austria ae
Prussia.
Em nome da Santissima e indivisivel Trindade
S. M. el-rei da Prussia, S. M. o imperador d
Austria e S. M. el-rei de Dinamarca resolvern?
converter os prelimioares, assignados-no 1. de
agosto ultimo, em tratado de paz definitivo. Para
este fim SS. MM. nomearam para seus plenipoten-
ciarios, a saber :
S. M. el-rei da Prussia, o Sr. Carlos, baro de
DIAS DA SEMANA.
23. Segunda. S. Ildefonso are.; S. Emerenciana m
24 Terra. S. Timolheo b.; S. Marcelino m.
25. Qui (a. S. Ananias; S. Juvenlino m.
26. Quinta. S. Polycarpo b. m.;S.Theogenesm.
27. Sexta. S. Joao Chrysosthomo b. doul. da egr.
28. Sabbado. S. Goncalo de Amarante dominic.
29. Domingo. S. Adelelmo ab.; S. Martinha v. m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as i hora e 18 m. da tarde.
Segunda as 1 horas e 42 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEMOS.
Para o sul at Alagoas 14 e 30; para o norte
at a GraBJa a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos das. 14 dos mezes de Janeiro, margo, maio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livrarla da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa de
Faria & Filho.
do tratado concluido enlre a Austria e a Russa em
3 de tiaio de 1815, que faz parte integrante do ac-
to gei"l do congresso de Vienna, disposiedes rela-
tivas aos proprietarios mixtos, direitos que hao de
exercer e as relages dos visinhos das proprieda-
es, cortada* pelas fronteiras, sero appiicadas aos
-opretarios, assim como s propiedades que, no
vig e na Juilandia, se acbarem no caso pre-
cias mencionadas disposigoes dos actos do
sso de Vienna.
Para conseguir urna repartigao equitati-
ivlda publica da monarchia dinamarqueza,
fgo dos povos respectivos do reino e dos
ducados, e paraao mesmo tompo declarar diffleul-
dadei. Invensiveis que apresentasse urna liquida-
gao circurostancada dos direitos e pretengSes reci-
proca, as altas partes contratantes fixaram a quo-
ta parte da divida publica da monarchia dinamar-
queza* que deve licar cargo dos ducados, na som-
ma redonda de viole e nome railboes de thalers
(dinhairo dinamarquez.)
Art. 9o A parte da divida publica da monarchia i nos ducados;
submethdas a urna decislo arbitral. Para este el-
feiio, suas magestade?, o rei da Prussia, o impera-
dor da Austria e o rei da Dinamarca, accordarao
na escolha de um juizo arbitral. As indemtiisagSes!
sero pagas no prazo de quatro semanas depois de
terem sido filadas delinitivamrate, o mais lardar.
Art. 14. O governo dinamarquez flear respon-
savel pela restiluiglo de todas as quantias satisfei-1
tas pelos subditos dos ducados, pelos municipios,
estabelecimentos pblicos e corporagdes aos cofres'
dipamarquezes, sob litlo de caugo, de deposite
ou de consigmg5es. Alm d'isto seo entregues
aos ducados :.
I' O deposito consignado para amortisago dos '
bilhetesdo thesouro (kassenscluine) do Holstein;
2 O fundo destinado para a construegao das'
prisoes;
3o Os fundos dos seguros contra incendios;
4 A caixa dos depsitos;
5* Os capitaes provenientes dos legados perten-
erales aos municipios, ou s instituigSes publicas!
dinamarqueza, que, na cooformidade do artigo pre
cedente, deve (car cargo dos ducados, ser sal-
dada> sob a garanta de suas mageslades clrei da
Prussia e o imperador da Austria, como divida dos
tres ducados mencionados para com a Dinamarca,
no prazo de um anno, ou antes se for possivel, a
6 Os fundos da caixa (kassenhehalle) provenien
tes das receltas especiaes dos ducados, e que se I
achavam MM fide, nes seus cofres pblicos na
apoca da execugo federal e da oceupago destes i
paizes.
fina commissao internacional ser encarregada
guezia nao ter Vmc. remettido a lista de que traa de que, nao havendo inconveniente, e nem se offe
o art. 19 da lei de 19 de agosto de 1846, cumpre recendo a menor duvida, mande pagar a Joao Cr-
que me Informe com urgencia qual o motivo, ios Augusto da silva,conforme solicitou ochefede
porque deixon de satisfazer aquella disposigo de polica em offlcio de 16 do crrante, sob n. 93, a
rsi. I quamia de 1:8864477, despendida durante o mez
19 I de dezembro ultimo, com o sustento e dietas para
Offlcio ao Exra. Dr. viganq capitular. Tundo os presos pobres da casa de detengo. Communi-
ordeoado que o recruta Jos Soares Lins seja posto
em liberdade, depois que se casar com a menor
Maria Joaquina da Conceigo, tendo j corrido os
banhos, como se v do documento junto assignado
pelo rigario Antonio de Holianda Chacn, da fre-
guezia do Bom-Jardim, onde sao moradores os ou-
bentes, rogo V. Exc. se digne autonsar ao reve-
rendo vigario da freguezia da Boa-Vista desla ci-
dade, para effecluar o referido casamento no hos-
pital militar, onde se acha detento o nubente; dig
cou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Ficando inlerado pelo seu of-
ficio de honiem de baver V. S. naquella data reas-
sumido o exercicio do seu emprego por estarem
terminados os dias de nojo pela morte de sen ir-
nio, tenho adizer-ihe que muito sinto o motivo
que deu logar a esse seu procedimento.
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S, que, em
vista dos inclusos" documentos, e nao havendo in-
conveniente, mande pagar ao aiferes do segundo
naodo-se V. Exc. de dispensar aos mesmos uuben-. batalhao de infaQtaria Jos Manoel da Silva, con
tes, que sao pauprrimos qnaesquer emolumentos, forme sollcitou o coronel eommandante das armas
em offlcio de hontem, sob n. 117, a quantia de
134600 despendida com o fornecjmento de luz para
o quartel do destacamento da villa de Flores e res-
pectivo xadrez durante os mezes de outubro e no-
vembro do anoo prximo passado. Communicou-
se ao commandaote das armas.
Dito ao empreiteiro do calcaraeuto desta cidade.
De cooformidade com o que me requisitou o di-
rector da companhiado Beberibe, em offlcio de 18
do corrente, srvanse V. S de mandar desoobrir o
Ignacw..** ragislro do er-atumaoio .4'agua que pete eatc-
menlo desta cidade fra coberto na ra do Cresp i
que cruza para a praga da Independencia, Quei-
mado e Cruzes, bem como que nao consinta que se
cubram os que existem as demais ras.Com-
municou-se ao director da companhia do Bebe-
que tenham de dar a caixa pa.
Dito ao coronel commandaote das armas. Quei-
ra V. 5. mandar por em liberdade, cerno solicitou
o eommandante superior da guarda nacional deste
municipio, o guarda Manoel Ferreira dos Santos,
que est comprehendido no meu offlcio desta data.
Comraooicou-se ao eommandante superior inte-
rino do Recife.
Dito ao mesmo. -Transmuto V. S., afim de te-
rem o conveniente destino as inclusas certidoes
dos as^ntamento* -4m aiferes Carlos
osa, Jacimno ubrreia de Helio, e dos soldados
Acacio Leandro, Manoel Jos Francisco, Clariano
Jos Moreira e Manoel Rosa, que do batalhao do
deposito da provincia de Santa Catharina foram
transferidos para o 9* de infantaria.
Dito ao mesmo. Ioteirado pelo sen offlcio n. ribe.
129, desta data, do destino que V. S. den em vista
do meu offlcio de 13 do corrente, ao ex-soldado do
corpo de polica; Jos Dias de Pana, tenho a dizer-
ihe que ne convem envia-lo para a corte sem que
primeiro decida-se acerca da isencao que allegou
Manoel do Nascimento Paiva, no reqoerimento so-
bre que versa o seu citado offlcio.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de informar so-
bre o que pede Maria Francisca de Assis, no inclu-
so requerimento.
Dito ao mesmo.Recebi o offlcio n. 128 desta
data, com que V. S. trouxe ao meu conhecimento o
o resultado da inspeegao de sade a que mandou
sujeitar o segundo sargento da guarda nacional
Victaliano Emiliano Pereira de Mello e os paisanos
Jos Loa renco Lavor e Jos Fiancisco de Mello
Cjrneiro, que se offereceram para servir no corpo
devoluntarios da patria-que se tem
nesta provincia, e em resposta cabe-me
contar da organisacao definitiva dos ducados. Para Je liquidar a importancia das quantias supra raen-
salvar esta divida dos ducados, podero empre- cionadas, deduzindo as despeas inherentes a ad-
Werther. 'aVairelro'da'ordem'da Xeua Vermelha! ?ars*.no ,J,al ou em P"te, qualquor dos seguin-, mraistracao especial dos ducados. A collecgo de
de primeira classe, grao cruz da ordem imperial tesl0TS : ., u ,* .. a,nl,Ku,^lf3 e Flensbourg que se refer.a histo-
de Leopoldo, e a da de Danebrev etc Chambel-l ^*'P0?'nento em draheiro (cantando 75 thalers ; ra do Schleswig, mas que foi em grande partedis-
lan e con.selheiro intima acta' enviado extrao- PrBssia Por l0 thalers moeda dinamarqueza);, persa em consequencia dos ltimos acontecimentos,
din'ario e ministro plenipotenciario unto da corte ea,re**- noll,eso.uro fljnamarqiiei de obrigagoes nao ser all reunida de novo, por delieencia e cora o
d'Austna ele Pa?aTels' com Juro de Por cento, e pertencentes auxilio do governo dinamarquez. Pelo mesmo mo-
E o Sr.' Armando Lniz de Balan cavalleiro da Ja ia,erna da monarchia dinamarqueza ; do os subditos dinamarquezes, os municipios, esta-
ordem da Aguia Vermelha da segunda classe, com hT,I^I^ n? ,he0ar dLnamar1"ez de novas
placa e folhas de carvalho, commondador da or-: S^ d- estado- **u? ?>*<*** houverem de
dem da Casa de Houenzoller. da ordem imperial $%' r,C0, V*!5 S'm ,n,?l\ em thalers da
de Leopoldo e da do Danebroy, ele, conselbeiror^K5:? ( 2 Pi7sKde m "br?) ?U ?mJMreos
intimo actual, membro do con elho d'estado, en. dfbaP^Je Hamburgo, oqueseraoliquidados me-
viado extraordinario e ministro plenipotencia- 3 ao.B?,d.?d* T*"** de,3 Pr cea^ da
r0 ete fiouiHwuw importancia primitiva da divida, dos quaes 2 por
S. M. o imperador d'Austria.o Sr. Joo Bernar- frLSfn"^50 %-d.a ,vlda em ^i 9rL
do, conde de Rechberg-Rohenlowen, cavalleiro do!"' *%*? ^e ****** Part a l,lul de
Tosao de Ouro, grao cruz da ordem de Santo Este- n5Ln ,mnianl ,, ,,, cflmo.
vao da Hungra, e cavalleiro da croa de ferro, do' r5?c^?lT5HTr .rDaa ,.?^
primeira classe, cavalleiro da ordem da Aguia Ne i l?l?l ceo ha de ,scr rtal'sado' tanl Pelf
graera brilhanes, etc., chambellan, e conselherol&f*? pub,T,-do4 ducados> coino Pe,las casas-de
intimo actual etc ^ I banca em Berhm e em Hamburgo. Asoperagoes
E o Sr. Adolpho Mara
sach, commendador da ordem
do e da Daoebrov, etc., chambellan actual, en- ^
viado extraordinario e ministro plenipotenciario; ,!e3fncarre8ado deno.iivamente da somma ,
M. el-rei de- Dinamarca, o 8r. Jorge Joa
l oanuo em nerum e em nainDurgo. as operagoes
j harn dn Brenner Fel-' ind'ca,las. O 2 e 3, sero recebidas pelo tbesouro
orden cirial d?l I dinanjaniuez pelo seu valor nominal.
^Zm^ n' aiiM. I Art At a poca em que os ducados se t.ve-
E S. M. el-rei de- Dinamarca; o S. Jorge Joa'-1 "?ide P"*1"' se/undo ar,t|0 8 d PJ**6"16 lra"
quira de Quaade, commendador da ordem de Dan-! *** *m luar da" sua quota parada divida com-
nebroy, e condecorado com a cruz de Honra da fa?^~na..ttTl^^
mesma ordem, cavalleiro da ordem da Aguia Ver- ;.P?e 2 por S?toJ* d,la mMB,,a: ,st0,e- -
melha de primeira classe, e d, da ^ fe^o^"Viftl-M^lft ,d,u"naBu4,M t^**^
feeraSSdetc'aSSe' e'C-' Cbambdlan e mini8,r0 Te pagamelTser effectuado de modo que os
E o Sr Heoriflue Autrnstn Thendnrn de Kanff.: Juros 8 M recePoes Por conta da divida dnamar-
?Kntfe&ffi Zff'Jve T .^V'hojo pecados sobre os co-
condecorado com a cruz de honra da mesma or-1 gjggg" sSa^,ambera d ora avanle Pagos por
dem, etc., chambellan e coronel do estado-maior,
Dito ao eommandante superior interino da guar-
da nacional do Recife.Nao posso deixar de agra-
decer a V. S. e mais officiaes e pragas da guarda
nacional sob seu commando superior, que fizeram
parle da brigada que assistio ao desembarque de'
Suas Altezas Imperiaes a serenissima pnnceza
Sra. D. Isabel e seu augusto esposo o Sr conde
d'Eu, o garbo e asseio com que se apresentaram
ao mesmo desembarque, em como a promptidao
com que se renniram para aquelle fim.
Dito ao coronel Domingos Alfonso Nery Ferrei-
ra, tenente-coronel Antonio Carlos de Pinho Bor-
ges e Antonio Luiz dos Santos.Agradego mnito a
i Vv. Ss. os esforgos qne empregaram para desem-
penhar a commissao que encarreguei a Vv. Ss. de
convidaren) senhoras para assistirem ao desembar-
que de Sua Alteza Imperial a Sra. D. Isabel e de
de crear seu augusto esposo o Sr. conde d'Eu.
dizer-lhe I Dito ao inspector do arsenal de marraba. Man-
que amanha as 10 horas do diateoho de conferen- d V. S. alistar na companhia de aprendizes mari
ciar com o eommandante superior e ebefes dos "
corpos da guarda nacional deste municipio e com
etc.
Qs quaes tendo-se reunido em conferencia em
Vienna, e havendo trocado os seus plenos poderes
que encontraram era boa e divida forma, concor-
daran! nos artgos seguintes:
estes mesmos cofres.
Estes pagamentos sero liquidados todos os se-
mestres, c no caso que nao cheguem somma su-
pramencionada, os ducados devero salisfazer ao
thesouro dinamarquez em moeda corrente, o que
faltar ; no caso contraro, recebero da Dinamarca
o excedente tamhem cm direiro de contado. Esta
tre^MM'el're?a^^SePoZ m^d 5 */ 8?""*" eas &
Ansirii a m ai rU i,.,.. .o. I,... dl!S eocarregadas da admmistragao superior dos
tSSZ sei l&f JSSES STJSlducaj0'' Mund0 ffl0j eslipula'l n "reseme ar
l subditos respectivos, perpetuamente. | J*J tTJ2J3SS S ?*
4rt 8 1dT l'JSZE^TZZL ^. tres, quando nisso convenhm ambas as partes.
&\2& L'ratai?L c.. c.?"!5..!s. c- I primeira liuuidacao ter especialmentoW ob.e
cluidas, antes da guerra, entre as altas partes con-
tratantes, ficam restabelecidas no seu vior, em
ludo que uao forem derrogados ou modificados pe
lo que contera o presento tratado.
Art. 3." S. M. el-rei de Dinamarca renuncia a
lodos os seus direitos aos ducados de Schleswig-:
Holstein, e Lauenburgo a favor de SS. MM. o re'
nneiros, se estlver as condigrtes do respectivo re
galamente, a Manoel Flix de Jess,
o inspector da thesouraria de fazenda, acerca da Dito ao vice-consul de Hespanha. Accusando
organlsago do referido corpo e sendo necessario recebido o offl:io que em 18 do crreme me diri-
a presenga de V. S., nesse acto rogo-lhe que se di- gio o Sr. Camillo de Andrade, vice cnsul de Hes-
gne de comparecer neste palacio a hora indicada, | panha nesta provincia, tenho a dizer-ilie em res-
afim de assistir ao qne tem de fazer o objeclo da posta que fico inteirado de haver o mesmo Sr. vi-
conferencia, iceconsul reassumido o exercicio de seu cargo na-
Dito ao mesmo.Agradego mnito a solicitude' quella data,
cora que V. S. procurou abnlhantar o acto do des-! Aproveito esta oecasio para assegurar ao mes-
embarque e embarque de S. A. Imperial a Sra. 'moSr. Camillo de Andrade os meus protestos de
D. Isabel e seu augusto esposen Sr. conde d'Eu, estima e consideragao.Fizerara-se as necessarias
dando acertadas providencias nao s para que se coramunicagdes.
reunisse a brigada que formou por oecasio do Dito ao eommandante interino do corpo de poli-
desembarque de suas altezas, mas tambem para,cia.-Pode Vmc. fazer engajar para o servigodo
que se ?presentasse a guarda de honra que assis- corpo sob seu commando o paisano Manoel Anto-
tio ao embarque dos mesmos augustos viajantes, oio Alves, de que trata o seu offlcio n. 36 desta
per haverera estes se dignado dispensar o compa-' dala.
recimento da brigada, e bem assim as molidas que Dito ao Dr. juiz de direito de Santo Anto. -
lomou para que as fortalezas e o parque de aru- Tiveram nesta data o conveniente destino os map-
lharia, que se achava na rampa do Campo das pas estalisticos dos trabadlos da segunda sesso r-
Princezas, dessem as salvas diara do jury do termo de Santo Anto no anno
Dit ao mesmo.Sirva-seV. S. de informar so- prximo fiodo, que acompanharam o offlcio de Vm.
bre a inclusa petigo de Auslrclmo Villarim, qne de 11 deste mez.
se alistou como voluntario no 9 batalhao de infan-! Dito ao mesmo.Informe Vmc sobre a prelen-
taria do exercito. gao dos hachareis, qne, nos requerimentes cons-
uno ao Dr. chefe de polica.Respondo ao offl- tantos da relago junta, e que a este acompanha,
ci que V. S. dirigio-me hontem, sob n. lOi, de- reqaerem o lugar vago de promotor publico dessa
clarando que era 13 do corrente sejjuicam em des- comarca; e bem assim a respeito dos hachareis
tacamento para a villa de S. Bento, 6 pragas de Jos Franciseo Coeiho de Biltancourt e Jos Bap
polica sob o commando de um inferior. | ta Gitirana, que tambem sao pretendentes quelle
Diloao mesmo.Em respista ao ofllcio de V. S. lugar,
n. 85, de 14 desie mez, teniio a dizer-lbe que fol- Dito ao Dr. juiz de direito de Garanhuns.infor-
gareique o individuo de nome Manoel Kerreira da me Vmc. com o que Ihe occorrer sobre a materia
Silva seja o mesmo criminoso reqnisitado pelo che- do offlcio por copia incluso do juiz municipal do
fe de polica da provincia da Parabyba; o que es- termo de Garanhuns, datado -le 4 do corrente, em
pero me faga saber quando d'alli receber resposta additamento a outro de 3 do mesmo mez.
accusando a sua entrega. Dito ao chefe interino da repartigao das obras
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. publicas.Declare Vmc. qual a quantia qne se faz
Art. 4. A cesso do ducado de Schleswig, com-
prehende todas as ilhas que pertencem quelle du-
cado, assim como o territorio simado na trra fir-
me. Para simplificar o limite o para fazer cessar
os inconvenientes que resultam da siluago dos
territorios jullandozes encravados no territoriojL'o
Schleswig, S. M. el-rei de Dinamarca cede a Ss.
MM. el-rei da, Prussia e imperador da Austria, as
possesses jutlandezas situadas ao sul da linha da
fronteira meridional do districto de Ribe. taes co-
mo o territorio jutlandez de Moegeltondern, a ilha LTE^1 tomadasTo...
T&ft SSU. da Prussia e o impera-' g-Ie a P-* *" daca"
dor d'Auslria consentem em que urna parteequi- o/^kw nr'/eado* serao restituidos no esla-
primeira liquidaro ter especialmente por objecto
estabeleccr os juros e os pagamentos por conta da
divida commum da nonarchia dinamarqueza, sa-
tisfeiios desde o dia 23 de dezembro de 1863.
Art. II. As soinmas que representara o equiva-
lente chamado do Holslein-Ploeo, o resto da indem-
nisagao pelas novas possesses do duque de Augus-
temb'urg, comprehendendo a divida de prioridade
as obrigagoes domina-
tein, licarao exclusiva-
Art. 12. Os governos da Prussia e da Austria
sero inderanisados das despezas da guerra pelos
ducados.
Art. 13. Sua M. o rei da Dinamarca, obriga-se
a restituir inmediatamente, depois da troca das
ratificagoes do presente tratado, todos os navios do
commercio e respectivas carregagoes, prussianos,
austracos e alleraies, que liverem sido apasiona-
dos durante a guerra, assim como as carregagoes
pertenceutei a subditos prussianos, austracos e
navios neutraes; e afm
navios apresionados pela
U bacharel Jos Filippe de Souza Lelo participou
que por ter-se fiodado no da anterior a liceoga
de que gozava, reassumio era 7 do corrente e
exercicio do cargo de Jaiz de direito da comarca
precisa para os estudos graplucos que devem pre-
ceder a organisago do orgamento da obra de que
traa o seu offlcio n, 359 de 30 de dezembro ulti-
mo, para levar a agua potavel cidade de Olinda,
de Santo Anto : o que a V. S. communico para obrosla importantee de absoluta necessidade.
sua inleliigencia. Communicou-se tambem ao Dito ao director da colonia militar de Pimentei-
Exm. conselheiro presidente do supremo tribunal ras.A' vista da informagao do coronel comman
de instiga.
Dito ao mesmo.Remello a V. S, para os con-
venientes exames a* contas em duplicata da des-
peza feita com o hospital militar no mez de dezem-
bro ultimo.
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S. que com
, danto das armas, de 16 do corrente, autonso Vmc
a contratar para servir como colono desse esiabe-
lecimento por dous annos o soldado do quarto ba-
talhao de artilharii a p Manoel Ignacio Fernan-
dos, de que Vmc. trata em seu offlcio n. 22 de 7
doste mez, que rica assim respond Jo.-Fizerara-se
a possivel brevidade ministre a informagao que em as necessarias commpnicagei.
offlcio de 13 do correte exig sobre a existencia de Dito ao di/ector da companhia de Beberibe.
crdito para o forneeiment de arligos de armamento Constando-me de offlcio do major eommandante da
e corrame pedido para o 2 batalhao de infantaria fortaleza do Brum e do coronel, eommandante das
da guarda nacional deste municipio arma), datados de 1$ do corrente, que aquella for-
Dito ao rae-ma.Nos termo; de sua informagao taleza nao lem sido abastecida de agua potavel con-
de 16 do corrente, sob n. 43, acabo de deferir o forme o ajuste feito com a directora da companhia
uS d^lSeV*. eqUe CTpreheDde al? da do7mTae^^6o*^^
d'auVuoXrtoto^cKroSVSZ> 2-g*""S. ^XtSiSsXtSt
o resto da Juilandia e a corrigir a linha da fron-
teira entre a Juilandia e o Schleswig do lado de
Kolding, seja desligada do ducado de Schlejwig e
encorporada no reino da Dinamarca.
Art. 5.A nova fronteira entre o remo de Di-
namarca e o ducado de Schleswig partir do meio
da embocadura da baha de Hejtsmiode no peque-
no Bell, e depois de ter atravessado aquella baha
seguir a fronteira meridional actual dos districtos
ser restituidos, nao apparecam.deve ser pago o seu
valor ; e se taes objectos tiverem diminuido muito
do valor, os seus proprietarios sero idUemnisados
em proporgodevida.
Do mesmo modo deve ser considerada comoobri-
gatoria a i aderan i sarao, por parle da Dinamarca,
aos fretadores e equipagem dos navios e aos pro-
prietarios desies e dos carregamenlos de todas as
despezas e perdas directas, que se prvar que li-
nhain sido causadas pelo apresionsmonto dos na
belecimentos pblicos e corporagoes, que tiverem
pago a titulo de calices, depsitos ou consignagoes,
quaesquer quantias nos cofres dos ducados, sero
exactamente indemoisados destas quantias pelo no-
vo governo dos ducados.
Art. 15 As pensoes Incluidas nos orgaraentos
especiaes, tanto no reino da Dinamarca, como nos
ducados, continuarao a ser pagas pelos respectivos
paizes. Os pensionistas podero livremenle escolher
os seus domicilios, nos ducados ou no rejno. Todas
as outras pensoes, tanto cvis como militares, com-
prehendendo as pensoes dos empregado- que eram
pagas pela dotagSo do detento rei Frederico VII,
do detento prineipe Fernando, e da detenta latid
grave Carila de Hesse, pnnceza da Dinamarca,
assim como as pensoes que tiverem sido pagas at
hoje, pela secretaria das gracas (Naades secretaria!)
sero repartidas pelo reino e pelos ducados, segun-
do a proporcao das popnlagdes respectivas. Paia
este fim, convieram as altas partes contratantes
era fazer urna lista de todas estas pensoes, de con-
verter seu valer como pensoes vitalicias em capital
e de convidar todos- s peesionisia declarar se
de futuro desejam receber as suas pensoes no rei-
no ou nos ducados.
No caso que, em consequencia destas opg5es, a
proporcao entre as duas quolas partes, quer dizer,
entre a' parte que deve tirar a cargo dos ducados
e a restante, que cabe Dinamarca, nao for con-
forme ao principio da proporcionalidade das popu-
larles respectivas, a differenga ser naga pelo es-
lado que o deva fazer segundo aquelle principio.
As pensoes pagayeis pela caixa geral das viuvas e
pelos fundos das pensoes dos militares subalternos
continuarao a ser pagas como eram at agora, at
quantia que taes fundos comportaren). Quanto s
quantias snpplemenlares que o estado liver de sa-
tisfazer estas caixas, os ducados pagaro a qaota
parte que segundo a proporgo das respectivas po-
pulagoes Ihes coubcr. A parle pertencente ao ins-
tituto de pensoes vitalicias e de seguros de vida,
fundado em 1843 em Copenhague, qual os Indi-
viduos originarios dos ducados tiverem direitos
adquiridos, ser-lhcs-ha expressamente reservada.
Urna commissao internacional, composta de repre-
sentantes das duas partes, ha de reunir-se em Co-
penhague, immcdiatamento depois da troca dasra-|
ticacoes do presente tratado, para regular minu-
desmente as eslipulagss deste artigo.
Arl. 16. O governo real da Dinamarca encarre-
ga-se do pagamento das dotagoes seguintes : de
Sua Magestade a rainha, viuva, Carolina Amelia
(como arrhas), de Sua Alteza Real a princeza he-
reditaria Carolina, de Sua Alteza Real a duqueza
Guilhermina Maria de Glucksbourg, de Sua Alteza
a duqueza Carolina Carlota de Mecklembourg-
Streltz, de Sua Alteza a duqueza, viuva, Luiz Ca-
rolina de Glucksbourg (como arrahas). de Sua Al-
teza o principe Frederico de Hesse, Suas Altezas
as princezas Carlota, Victoria e Amelia, de Schles-
wig-Holslein-Sonderbourg-Auguslembourg. A quo-
ta parte deste pagamento que ficar a cargo dos du-
cados, segundo a proporgo das respectivas popu-
lagoea, ser paga pelos ducados ao reino da Dina-
marca. A commissao de que se trata no artigo an-
tecedente ser igualmente encarregada de fixar as
disposigocs necessarias para a execugo do pre-
sente artigo.
Art. 17. O novo governo dos ducados succede
nos direitos e obrigagoes que resultaren] dos con-
tratos regularmente estipulados pela administrago
de S. M. o rei da Dinamarca, para objectos de in
teresse publico que digam especialmente respeito
aos paizes cedidos. Deve-se entender que todas
as obrigagoes que resullarem de contratos feitos
pelo governo dinamarquez em relagao guerra e
execugo federal, nao se compreheodem na prece-
dente estipolago. O novo governo dos ducados
respetar todo o d'reito legalmente adquirido pelos
individuos e pessoas civis nos ducados. No caso de
contestagao, os tribunaes conhecero dos negocios
desla calhegoria
Art. 18. Os subditos originarios dos lerritorios
requerimento em que Manoel Antonio Teixeira
pede o pagamento da quantia de 7:6884691, a que
se jnlga com direito por haver concluido, de coo-
formidade com o seu contrato, a obra do enca-
me n lo d'agua potavel para a fortaleza do Brum : o
que declaro a V. S. para sen conhecimento e fim
conveniente.
Dito ao mesmo.Declaro a V. S. para seu co-
nhecimento e Btn conveniente, que nos termos de
sna informagao de 14 do corrente, sob n. 4, ac-
de Beber me, sendo que era alguns dias nao excede
o fornecimento a metade do numero de baldes es-
tipulados, haja Vmc. de. providenciar conveniente-
mente, para que cessem essas faltas e o contrato
seja observado fielmente como convm.Commu-
nicou-se ao coronel eommandante das armas.
Portara. Os seohores agentes da companhia
Brasleira de paquetes maodem dar transporte por
conta do ministerio da guerra para a capital da Ba-
ha, onde deve desembarcar imprelerivelmente, a
de Hejls, Vejslrup e Taps, esta ultima at a cor-! vios, taes como sao, direitos'de tonetagein, nos por-
rete d'agua que se encontra ao sul de Gejlbjerg e tos ou bahias (liegegeldrr), despezas e cusas nos
Bramore,seguir depois esta correte de agua tribunaes judiciaes, o despezas causadas pela per-
desde a sua embocadura no Tovs-Aa, ao-longe da manencia, ou pela volta aos seus domicilios, das
fronteira meridional dos districtos de Oedis e Van- equipagens e dos navios. Quanto aos navios que
drup e da fronteira occidental este ultimo at Ko- nao po.>am ser restiiuidos, se tomar como base da"| cedidos, que fagam parle do exercito ou da mari-
ngs-Au (Konge-Aa) ao norte do Holte. j indemuisaco o valor que elles tinham na poca do; nha dinamarqueza, lero o direito de ser immedia-
Neste ponto o Thaweg de la Konlngs-Au (Kon- seu aprisionaraerito. i lamente despedidos do servigo militar e de volta-
ge-Aa) formar a fronteira at ao limite oriental | Pelo que respeita s cargas avariadas, ou que rera a suas casas. Fica entendido qne aquelles que
do districto de Hjortlund. Desde este ponto, o nao existara, deve-se fixar a indemnisagao segundo flearem ao servigo de S. M. o rei da Dinamarca nao
tragado seguir este mesmo limite e o seu prolon- j o valor que terlam no lugar do seu destino, na soffrerao, por este facto, nem em suas pessoas, nem
gamento at ao ngulo saliente ao norte da villa' poca em que o navio devia ter all chegado, se-' em seus bens. Iguaes direitos e garantas sao
d'Obi-kjar, e depois a fronteira oriental desta villa gundo um calculo de probabilidade. SS. MM. o afflangados por ambas as partes aos empregados
al Gjels-Aa. D'alli o limite oriental do districto I rei da Prussia e o Imperador da Austria faro civis originarios da Dinamarca, is dos ducados,
de Seem, e os limites mendionaes dos districtos igualmente restituir os navios morcantes tomados que manifestaren! a intengo de deixar os empre-
d Seem, Ribe e Veste Vedsied formaro a nova: polas suas tropas ou por seus navios de guerra, gos que oceupam, respectivamente ao servigo tanto
fronteira qne, no mar do Norte, passar em dis- bem como as cargas respectivas, no caso em que da Dinamarca como dos ducados, ou que preferi-
tancia egual entre as ilhas de Maroc o Roemoe. pertengam a particulares. Se a restituigo nao se' rem conservarse em seus actuaes empregos.
poder effecluar por causa de extravio, a indemni-1 Arl. 19. Os subditos domiciliados nos territorios
aguo ser fixada segando os tupramencionados cedidos pelo presente tratado, gozaro durante o
principios. espago de seis annos, a dalar do dia da troca das
Aquellas mesmas partes contratantes se obri- ratificagoes e mediante urna declaracao previa feita
gam, ao mesmo tempo, a fazer entrar em linha de perante a autoridade competente, da faculdade pie-
contaa mportancladascontribulgoes de guerra que na e ioteira de exportar os seus bens moris livre-
foram langadas e cobradas em dinheiro pelas suas mente, sera pagar direitos, e do se retirarem com
tropas na Juilandia. Esta somma ser deduzida suas familias para os estados de S. M. o rei da Di-
das indemnisagSes que a Dinamarca deve pagar,' namarca: e neste caso ser-lhes-ha garantida aqua-
segundo os principios cstabelecidos no presente lidade de subditos dinamarqueses. Podero, alero
artigo. disto, conservar os seus bens movis que forem si-
Snas magestade?, o rei da Prussia, o imperador toados nos territorios cedidos. Igual facoldade
da Austria e o rei da Diaamasca, nomearo nina concedida, reciprocamente, aos subditos dinamar-
commisso especial, qne ser encarregada de quezes e aos individuos originarlos dos territorios
de S. M. o rei
Em consequencia deste novo limite, declaram se
extractos, de parte a parte, todos os ttulos e di-
reitos mixtos, tanto no secular como no espiri-
tual, que at agora tem existido nos territorios en-
cravados, as ilhas e nos districtos mixtos. Por
consequencia, o novo poder soberaoo, em nenhum
dos lerritorios separados pela nova fronteira gosa-
r a este respeito da plenitud dos seus direitos.
Arl. 6. Logo depois da troca da ratificagao do
prsenle tratado, ser encarregada urna commis-
sao internacional, composta de representantes das
altas partes contratantes, dos trbateos no terreno
tragado da nova fronteira, na cooformidade das
estipulacoes do presente artigo. Esta commissao
ter tambem qne dividir entre o*reino de Dina-! fixar a importancia das IndemnisagSes respectivas, cedidos e domiciliados nos estados
marca e o ducado de Schleswig as despezas de e qne se dve reunir em Copenhague, o mais lar- da iiinamarca
construegao do novo caminho de Ribe a Tondern, dar, seis semanas depois da troca das ractlflcagdes; Os subditos que se nproveitarem das presentes
proporcionalmente extenso de territorio rtspec-: do presente tratado. Esla commissao deve. empre-, disposigoes nao podero ser incommoados, em
livo que percorre. Erafim. a mesma commissao | gar lodos os meios para cumprir o sea encargo no consequencia da sua opco,nem de ama parte nem
presidir partilha dos fondos e capital, que at ; es-pago de tres mezes. Se, depois de passar este de outra, em suas pessoas ou as suas proprieda-
agora pertenceram em commum aos districtos ou i prazo, esta commissao nao tiver podido regular te- des simadas nos estados tespeelivos,
com mu as separadas pela nova fronteira. I das as reelamagde3 que Ihe liverem sido aprsenla-, O sobredito prazo do seis annos tambem appil-
Art. 7* As disposigSes dos artgos 20,21, e. 2' das, as qae n5o tiverem atada sido Jo'gadas sero cavel os subditos origrwnrtos, tanto da Dinamite*
como dos territorios cedidos que, na poca da troca
das rat(icag5es do pre.-ente tratado, se acharem f-
ra do territorio do reino de Dinamarca ou dos du-
cados. Estes devera azer a sua declarago na le-
gago dinamarqueza, mais prxima da localidade
em que se acharem, ou perante a autoridade supe-
rior de qualquer das provincias do reino eu des du-
cados.
0 direito de nacionalidade, tanto po reino da Di-
narca como nos ducados, garantido a todos os in-
dividuos que o possuirera na poca das ratificagoes
do presente tratado.
Art. 20. Os ltalos de propriedades, documentos
administrativos e justiga civil, respeitantes aos ter-
ritorios cedidos, que se acharem ns archivos do
reino da Dinamarca, sero entregues aos commis-
sarios do novo governo dos ducados, logo que seja
possivel.
Por igual modo todos os documentos que se acha-
rem nos archivos de Copenhague, pertencentes aos
dueados cedidos, e que tiverem sido tirados dos
seus archivos, Ihes sero resftuidos cora os ctalo
gos e registos respectivos.
u governo dinamarquez e o novo governo dos
ducados comproraeltem-se a dar conhecimento re-
ciprocamente, quando Ihe for exigido pelas autori-
dades administrativas superiores, de todos os do-
cumentos e informagSes relativos negocios que
respeitem promiscuamente a Dinamarca e aos du-
cados.
Arl. 21. O commercio e a navegago da Dina-
marca e dos ducados cedidos gozaro, reciproca-
mente nos dous paizes, dos direitos e privilegios
concedidos nago mais favorecida, em quanto se
nao fizerem tratados especiaes que reguiem esta
materia.
As isengoes e facilidade a respeito dos direitos
de transito que, em viriude do art. 11 do tratado
de 14 de margo de 1837, foram concedidas s mer-
cadorias que percorressem as estradas e os canaes
que ligara, ou vierem a ligar o mar do norte com o
mar Bltico, sero appiicadas s mercadorias que
atravessarem o reino e os ducados, por qualquer va
de communicagao que seja.
Art. 22. A evacogao da Juilandia, pelas tropas
alijadas, ser effectuada no mais breve espago pos-
sivel, o mais tardar no espago de tres semanas, de-
pois da troca das ratificagoes do presente tratado.
As disposicoes especiaes relativas a esta evacoago
sero litadas em um protocollo annexo ao presente
tratado.
Art. 23. Afim de contribuir com todos os seos
esforgos para a pacificarlo dos espiritos, as altas
partes contratantes declaram e prometiera qae in-
dividuo algum, de qualquer condiee ou classe,
que se achar comprometlido na oecasio dos
ltimos acontecimentos, ser perseguido, inquie-
tado ou perturbado na sua pessoa ou nos sens
bens, em consequencia do sea partido ou opiaiCes
polticas.
Arl. 24. O presento tratado ser ratificado, e as
ratificagSes serao trocadas em Vienna no espago de
tres semanas, ou antes se for possivel.
Em f do que. os plenipotenciarios o assignaram,
pondo-lhe o sello das snas armas.
.Feito era Vienna, a 30 do mez de outubro, do
anno de graga, de 1864. L. S. (Assignados)
Wherlher.Balan.Rechberg.Brenner.Quaade
Kanffmann.
Annexo.Protocollo relativo evacuacao da Juilan-
dia pelas tropas alliadas.
Conforme as disposig5es do art. 22 do tratado de
paz, concluido hoje entre SS. MM. o rei da Prussia.
o imperador da Austria, de urna parte, e da outra
S. M. o rei da Dinamarca : as altas partes contra-
tantes concordaram as disposigSes seguintes :
1 A evacoaco da Juilandia pelas tropas alliadas
deve-se effecluar, o mais tardar, no espago de tres
semanas, de modo que no fim da primeira semana
sejam evacuados ; os bailiados de Hjorring, Ti,;--
ted, Viborg, Aalborge e Randers, no fim da segun-
da semana, alm dos bailiados supramencionados.
os de Aarhuns, Skanderborg e Ringkjobing ; e no
fim da terceira semana ser evacuado todo o terri-
torio da Juilandia.
(I No dia da troca das ratificagoes do presente
tratado, o governo militar actual da Jullandtaces-
sar as suas funcgdes. Toda a administrago do
paiz passar desde ento a um commissario no-
meado pelo governo real da Dinamarca, que se de-
ve achar, emitanlo durar a evacuacao, no mesmo
local que o quartel general do eommandante em
chefe das tropas alliadas da Juilandia.
Iil As autoridades dinamarquezas da Juilandia
fornecerao,sem contestagao alguma, ludo deque as
lropa alliadas necessitarem para o seu alojamen-
to, provimentos e meios de transporte (vorspann)
emqnanto estas tropas se acharem no territorio ju-
tlandez.
O governo real da Dinamarca far responsavel
o sen commissario pela execugo da precedente
estipulagao. Os fornecimentos mencionados no pre-
sente artigo serao limitados ao mais restrictamen-
te necessario.
IV Todos os lazaretos, postes militares e linhas
telpgraphicas, estabelecidos actualmente peas tro-
pas alliadas, continuarao a servir at que a eva-
cuacao dos bailiados respectivos seja completamen-
te effectuada, e sem prejoizo para os estabeleci-
mentos anlogos da administrago dinamarqueza.
O governo real da Dinamarca expressamente ga-
rante que nao ser posto embarago algara exe-
cugo pontual do presente artigo.
V No caso em que, depois da evacuacao da Ju-
tlandia, seja indispensavel deixar all doentes on
feridos pertencentes ao exercito adiado, o governo
real da Dinamarca obriga-se a ter cuidado em
que elles sejam convenientemente tratados e cora-
dos, a faze-los transportar por meio de guias mili-
lares (un piiin), depois da soa completa cura.,
at a mais prxima estagao militar das tropas al-
liadas. "
VI Desde o diada troca das ratificagSes do pre-
sente tratado, todas as despezas cansadas petes
mencionados provimentos, pelo (ratamente dos
doentes, e pelas despezas e transportes (vors j/ann)
sere satisfeitas pelas tropas alliadas, segundo as
estipalagSes do regutamento de provisoesv que se
acha em vigor, para o exercito da confederacao
germnica no territorio federal. (Assignados.)
WherlherBalanRechbergBrenner-*- Quaade
Kanffmann.
Protocollo;
Para facilitar a execugo do art. r> do tratado
de paz concluido hoje enlre snas mage.-tades o re*
da Prussia e o imperador da Austria, e sua ma-
gestade o re da Dinamarca es abaixo assignados
plenipotenciarios convieram pelo presente proto-
collo na disposigo segninte. Sna magestade o re
da Dinamarca publicar, logo depois da wra das
retificagoes do sobredito tratado, proeramagdes aos
povos dos paizes cedidos para Ihes fazer conhecer
* mudanga, qae occorrea as snas respectivas po-
sigoes, e afim de os desobngar do seu juramento e
fidelidad.
Feita em Vienna, a 3ftde outubro de 1864. (As-
signados.) Vikerther Balan Hechberg Bren^
nerQn9eK9tfmttnn,
(Jornal


r^
mmmmmmmu
M
,


. n Alarlo de Pernambuco segunda fchra t de Janeiro de t 865.

2-1

IRTERIOR.
__________.......--------._____________.-------------------------------> i .
CORRKSPOtflaiiXCAS BOBIA
BIO DE PBR.\AJIBCCO.
lo-da presidencia por meio-de nra requerimetto,
nandou que a directora procedesse urna rea-
niSo de assembla gem, jnra tratar acerca des
pontos argido pa-policio.
K directora, depois de varias Indecisoes, resol-
veu convocar a assembla geral, em seu nome pa-
ra o dia tde Janeiro, cotijunclamente com ses-
so ordinaria desse ota.
A' visia dito os requerentes nao concordaran!
com semelhanie reanio, ou pela forma porque oi
feita, ou por ouiro qualquer motivo,* assim l nao
comparecern!, indo ao acto somenleos que com-
partilbaram as ideas da directora mais um oa
ootro indiferente.
Consta qne foi apresentado o requer ment em
AMAEONAO.
Muios, 8 de jaaeiro de 486.
Presumo que a que Ihe dirig, era data de 24 do
passado, nao segjiio pelo vapor deeate. No que
u coidava tamben pensavam os empregados do
correio : foram para a missa mais cedo do que de-
viam, e fecharan us malas antes da hora dovida.
Dizem-me que a mala de Pernambuco foi trun-
cada, e de tal geito, qae at as artas particulares sesso e combatido pela directora, mas sem defe-
do-presidente licaram. jza>porque os seus autores l nao eslavam.
Quando o tllho do apWae-mor tamhem morre, Estes, ne obstante a regetcao qoeteve o reque-
que esperance podo ter de .pebre ? Se o homem ment em assembla geral, esperaram providen-
de palacio levou o logro, cera mais forte razao devo 'cias da presidencia, e o facto que a presidencia
eo t^o levado i informada da discussao havida e da posse da nova
feto foi castigo, em virtud* do que aconteceu na "directora, aqual se effeeUiou ap-s aquclle acto,
missa, que alias foi dita o pingar da hora da meia acaba 0 "ornear urna couimisso de ires socios da
aoHe. Achava-se no oro a msica dos apreodi-,dita sowedade para proceder um inquerito sobre
es menores, com panoaiaria ; e quando se levan- ;l vnlidade ou nullidade das eleicoes, e retinio por
teu a Dos, deseclioa-nes ella urna schottisck to ', ella assembla geral.
rasgada, que (fuasi lados cstremeceram, e mais de | ^s teosas por emquanto esto neste estado, mas
urna centeiia de 4mas que, em contemplativo re- P"r ora nao consta no publico nem o que preten-
colhimento, se absorvia na grandeza do mvsterio, | ^ **"* a commissao nomeada, nem os que defen-
qae so Ibe represeniava, achou-se repentina "e trai- "em a validarte das duas ultimas eleicoes.
<;oeiramente laucada no abysnio du delicias mun-' Kmflm urna guerra abena entre duas parcia-
danasl... Hdades, em virtud* do que j tem havido inultos
Fui mesmo urna alada armada pelo tinnoso. j desgostos e malquereocas entre varios socios.
Por Bm tocar-am anda urna eutra msica, que Qtfem sabe seS. Exc. ainda ver-se-ha na neees-
parecia muito seatimental, e que, segundo depois sidade de ';assar a aulorsaco para
nos foi explicado pelo Dr. delegado de polica, era
a cantiga de ma cigana, que morreu queimada
por ordem de m conde, que tinha um castello.
Pobre mulher I... Como que em trra de gente .
civilisada se faz isto ? Por c procede-se de ouiro
modo. Quando conseguimos apandar viva qual-,
quer tapuia bravia, doraesticamo-la e tratamo-la
como sefosse urna marreca, que alias ave facci-
ra. Entretanto diz-se que a i-ivlli&aeo ainda nao
penetrou nestas grandiosas regios, quando est'
risto que nvlhor ser gentio do que cigano.
sidade de cassar a aulorsaco para a sociedade
nao poder funecionar, em quanto os nimos e as
quesloes,nao se moderara I
Do Amazonas chegou boje o Belm, e segundo as
noticias que corrern t9 publico, porque anda os
jornaes nada publicaran!, sao ellas destituidas de
interesse.
Continuava a imprensa de um lado a defender a
presidencia e a de ouiro a aggredi-la.
Os partidos esto all extremados.
No dia 17 deve seguir para a dita provincia o
novo rhefe de polica Dr. Salustiano Orlando da
Mudemos de assumpto.
Silva Costa, ebegado bouleiu do sul no Tocantins.
O recente finado anno acabou alegremente nesta
cidade. i
No dia 30 teve lugar a partida mensal da socie-
dade Recreio familiar, que concorreu a lite da
nossa sociedade, segundo ouvi Jizer. As horas cor-
reram alegres e rpidas, e ninguem se recolheu
casa no mesmoanno em que della sabio.
Nos dias propriamPDte da festa tivemos os costu-
mados brinquedos, com que a populaco desta ci-
dade, e das margens dos lagos e ros prximos se
distratie : foi o re D. Carionai, o brinquedo do
mar, i bandeira do Rosario, e inal mente os jovens
Durante os 6 ou 8 das, que durou a folia, era
curioso e bello de ver a grande quantidade de ea-
nas com suas toldas de palha, Tundeadas ao longo
da praia do nosso rio. Cada urna deltas abrigava
urna familia nicira, comprehendendo o cao c a
gallinha com os pintos. Acabada a festa retira-
ram-se.
Qoem quizer saber o qne a canoa do Indio,
leia o relatorio, que, acerca da nstrucco primaria
na provincia, dirigi o tioaJoGoncalves Dias aoSr.
Do commeivio nada ha de importante, s nao a
conflrmaco das ms noticias acerca da quebrade
urna casa franceza desta praca.
Quanto ao prego dos gneros de iroportaco, o
mercado vai-se em geral animando.
A alfandega rendeu durante o mez de dezembro
I24;?08I33 rs.
A recebedoria provincial 5o:327?740 rs.
Passageiros entrados e sabidos no dito mez :
Entrados. Saludos.
Portuguexes. 51 7
Peruanos... 6 1
2 1
Marroquinos. 2 U
Inglezes----- 1 2
Francezes... 1 2
Suisso..... 1 U
Bolivianos-.. i 1
Italiano .... 0 1
Allema .... 0 i
Total....
6o
16
Navios entrados e sahidos do porto desta provin
PERNAMflUeO.
Dr. Clementino
O seu vver ( do Indio ), diz elle, a caca, a
pesca, a procura da salsa e da castanha, o fabrico
da manteigao principio do prunt cptente o
que eoteudem por direito de propriedade; no mais
estimam-se to pouco, que do mesmo modo, que
podem quebrar um pote com manteiga, lancam fo-
go a palhoca por qualquer hgeira circunstancia.
< Que Ihes morra urna tartaruga, u que se Ibes
incendeie a casa, sao cousas que em bem pouco os
affectam. A canoa sim, essa a sua verdadeira
propriedade; movel, como ellas, o Indio contina
o seu viver instavel, errante, improvidente; accom-,
modados dentro della, com a mulher e filhos, vo s
praias e assim vivem muilos mezes no anno, dando
aos filhos a educacao que tiveram, e nao compre-
hendendo que careeam de mais nada.
Hoje segu para o Para bordo do Belm o Dr.'
Miranda, juiz de direito desta capital, que vai all
gosar urna licenca que obteve. E' substituido pelo
juiz municipal, o Dr. Caldas Barrete, moco intel-
ligente e circumspecto. Sabstilue este o lente
Leovegildo Colho, na vara, e o Dr. Canavarro, na
delegacia.
Acabamos de receber aqu o relatorio, com que
o actual presidente do Para abri a sesso ultima
da assembla provincial.
, cia, no mez de dezembro prximo passado :
Brasileiros
Inglezes.......
Francezes.....
Portuguezes....
Hambureuez...
Dinamarquezes.
Entrados.
15
29
Siihidos.
14
3
10
1
O
o
28
Total
* Navios a descarga.
Enchantress, liiaie inglez.
jDou Amigos, hiate brasileiro.
Progresso, hiato brasileiro.
Pedio, patacho inglez.
Marta, patacho dinamarquez.
Florut, escuna ingleza.
Navios carga.
Isabella, patacho inglez.
Harta Nicols, barca franceza.
Viajante, brgue portuguez.
f "indo, barca por tu nueza.
Imannuel, escuna dioamarqueza.
FaveurU, bngue inglez.
Flix Ventura, brigue portuguez.
P. S.O prestidigitador Linsky tem dado varias
representaces nesta capital, e tera sido muito ap
Esse trabalho abrange diversos cursos resumi- :Paud'Jo ; por em quanto se demora, e consta que
dos. No de historia natural e botnica adminis-! 50 se8u,ra D0 prximo paquete,
trativa, define elle a poli tica, com muito espirito, I P" Lisboa esto a sahir : nodia 16 obrigue Via-
jas seguintes palavras: jante, 19 o Feliz Ventura e a 22 a barca Uniao,
c Na provincia de Minas existe m insecto qne! Para Porto Pr Lst.oa.
deita ovos as flores, de modo que os fructos, vaPr se6ue hoe a meia noole.-
quando se geram, j trazem dentro em si o verme, I i_ '____ m n
que os ha de devorar. I _' ,^ __. u ___1":.T
Aqu no nosso paiz as boas inslituicoes sero I 11 A KI Ir Prn^lfllVlRI
figuradas pelas fructas : o insecto a poltica. .iUIHlllU Ut I LM^HII nUUU
Com esta (indo.
Pelo vapor Tocantins recebemos jornaes do nor-
te do imperio, alcanzando: os do Amazonas a 8, os
do Para a 13, os do Maranho a lo, os do Piauhy
a 6, os do Cear a 17, os do Bio Grande a 19 e es
da Parahyba a 21 docorrenle.
Belm, 13 de Janeiro de 1865.
estamos por graca de Dos no anno de
Emfim
1865.
Sao dispensaveis os cumprimentos de bons an- Amazonas e Para.As cartas dos nossos corres-
nos, porque na minha ultima carta do anno passa-, pondentes, publicadas em outro lugar, do o que
do, Ih'os transmit) e aos seus leitores pela sabida occerreu nestas provincias,
e entrada do velho e novo anoo.
Entretanto me parece qne a heranca legada pelo
de 86i, vai sendo pesada ao que Ihe succedeu.
A questo internacional do Bio da Prata compli-
carse, e pelo geito que as cousas levam nao ser'
sem grandes sacrificios de sangue e de dioheiro
A demora do paquete no comeco do anno, nao
deixou de dar cuidado, mas todos prevrfSm que
im era motivado pelos negocios poltico e da guer-!
ra do sul.
Maranho.No dia H tomn posse do cargo de
chefe de poiicia o Dr. Joo Florentino Meira de
Vasconcellos.
A nova commi-sao da praca docommercio
ficou assim composta:
Presidente, Luiz da Scrra Pinto.
Vice-dito, Walter Granger.
I.4 secretario, Antonio Joaqun! de Lima.
2." dito, J. B. de Oliveira Santos.
Thesoureiro, M. J. de Azevedo Magalhiies.
Tendo-se desenvolvido ltimamente em Ical
Tivemos, porm, a felicidade de ter d'ahi.aote
hontem a ebegada do navio Dous Amigos, que nos febres perniciosas, foi mandado para ahi o medico
tronxe as noticias da corte al 23 de dezembro ul- Dr- Serrao.
Em Caxias teve lugar um baile, dado pelas
amigos do Exm. Sr. Dr. Castello Branco, por occa-
sio de seguir tomar posse do cargo de presiden-
limo, vindo o vapor adiantar hoje dous dias.
Todas as vistas desta parte do imperio, se din-
gempara a questao das repblicas do Uruguay e
do Paraguay, e assim a chegada dos paquetes nos ,te de Pernambuco.
dias proprios por muitas razoes anciada. d,.v. u, n
Esu provincia vai em plena paz e tranquil*- ^'"-^-se na Liga t Progresso :
dade. uk duijuiii t Tem subido consideravelmente de preco nesu
Felizmente as novldades nao sao muitas, desde a cidadr' co.mi? em 5uasi l?da a Provincia> os eene-
sahida do ultimo paquete ros a''enticies, e para lamentar-se que a carne,
As nomeacSes feitas pelo governo imperial para ?ener0 a e Pnmeira exportado da provincia, por
o bispado de Goyaz, para o coramando superior da m?r,a dos hJ-Dec.edores d manftrado' "e1.eDha Re-
guarda nacional desta capital, e para o lugar de : vado ao exorbllanle Pri?co de 200 rs. a libra..
r^C,e;fue,tdLD'e desPro,VDCia.fram era '! CEAR.-L-se no Pedro II:
ral bem aceitas, porque alm de recahir em filhos Durante o anno Ando o Cear exportou 23 549
influencia, saccas de algodaoem pluma, sendo do
Aracaty..... 10,749 saccas.
do Para, sao os nomeados pessoas de
cordatas e de servicos ao paiz.
A poltica preponderante na provincia, como
em todo o paiz, a do partido proaressista.
O Constitucional Paraense, orgao dos conserva-
dores, ja se vai extremando em opposico presi-
dencia.
A presidencia acaba de publicar o seu relatorio
dirigido o anRo passado assembla provincial.
E' um trabalho importante em todos os sentidos,
SSJS^w'"^ C.m rela.l5 eronom,a dOT d': Differenca para mais em'l86t- 13 234
nheiros pblicos e aos melhoramentos as vias de No algodao do Aracaty est incluido aleum da
commumeacao por mar e por trra. I Wrahyba kqne para a ^endfd ecfia rn-
S. Exc. nao quer uxo, nao quer grandes edifl- nac50 nao fazemos per fato de daSos oara i So
cos ou melharamentos matenae? para a capital: .iim rnnvrtamhem n3n hn>mn. S^"SJ5S '-1'
Capital...... 11,800
23,349
Em 1863 :
c Aracaty..... 3,478
t Capital...... 6,827
saccas.
>
eos ou meineramentos materiae? para a capital; ssim como'tambem nao fallamos do alBdao sahi-
juer a navegacao dos nos, quer a verdadeira pro- do pelos portos da Granja, Acarac Mondahu
2?S ni""deastegrpaif|Ura 3 CmmerC,' ^ TT S ^ I"S 5 "
c,,., ./ Pa ^ preco alm do ordinario : a farinha a 480 ris a
As suas ideas sao boas, rasoaveis e de um ver- terca e a carne verde a 200 ris a libra com os
dadeiro amigo da provincia ; possa S. Exc. leva- sos, e seeca a 400 ris t ,
las ao caoo, porque de certodolar o paiz de reaes,
beneficios. Le se bo Cearense:
O Diario do Groa Para e Jornal do, Amazonas, I A provincia do Bio Grande do Norte acaba de
sao os peridicos que tem publicado o relatorio, e j fwer construir um armazem no porto Jurema no
delles o podem extractar, para conhecimenlo dos rio Mossor, e por alli tm de sabir, por economa
eus leitores. de distancia, maitos productos nao s d'aquella,
A cmara municipal eleila para o novo qua- como d*esta provincia, que antes procuravam o
trienoio de 186o a 1868, fot empossada no dia 9 do Aracaty.
crreme
Falla-se em ida de tropa para o sul; o qae
real que tanto o batalnao de artilharia como o
de infamara, existentes nesta provincia, fazem
consta memento exereicio da soa respectiva arma.
O colleeio das meninas orphas denominado de
Nossa Seohora do Amparo, fez no dia 8 a exposi-
co dos seus trabajaos ea deslrlbucio dos premios
s alunwaii que mais se deslioguiram.
Houve leiliio dos trabalhos de agalba e borda-
dos, rendendo este perto de dous conlos doris.
AssiMlMm este acto alm de varias autorida-
Bio Grande. Nada oecorreu, que mereca men-
^5o.
Parahyba.O algodao ver.deu-se: primelra sor-
' e 239, segunda $, e terceira 19 por arroba.
O assucar braaco regulava 45300 e o bruto
1*300 por arroba.
REVISTA DIARIA.
Chegou hontem, no vapor Tocanin, o Etm. Sr.
Dr. Antonio Borges Leal Castello Branco, presiden-
te nomeado para esta provincia.
S. Exc. tomar posse na qoarta-feira 25.
Esteva no sabbado no Lamarao, a grande e
elegante galera franceza Vtctorine, de 1621 tone-
ladas, em viagem do Havre para Valparaizo Esto
unidos maiores navios francezes que tem vindo,
ha alguns anuos, ao nosso porto.
Em ierras do engenho Suassnoa, da fregue-
(ia de Jaboato, no da 19 do corrente, o crenlo
Jos dos Prazeres deu um profundo talho no pes-
coqo, com urna navalha de barba, suppondo-se que
nao escape.
Beunio-se no sabbado ultimo a /iMocKifo pro-
motora da colonisacao polaca no Brasil so a pre-
sidencia do Exm. conselheiro Autrao, e com assis-
lencia dos Srs. urs. Figueiredo, Sabino, Seraphico,
Jacobina, Godoy, Witruvio Pialo Bandeira, Souza
Bandeira, D. abbade de S. Benlo, coramendador
Acciol Lins e Jos Vasconcellos.
Apresentando a commissao de redaccao de esta-
tutos o projecto destes, procedeu-se a respectiva
leitura, icaudo adiada a discussao para a prxima
sesso.
O Sr. Dr. Sabino ofTereceu ama ndicaco no
sentido de se dirigir a Associaco ao governo im-
perial, lemhrando a idea de, caso teoha elle de re-
correr a engajamento estrangeiro para o nosso
exercito na presente goerra com as duas repbli-
cas do sul, o flzesse de preferencia de Polacos.
E depois de demonstrar as vantagens dessa pre-
ferencia com acquiescencia dos seus collegas, foi
votada a idea no sentido proposto.
E em seguida levantoa-se a sesso.
_ (uncluio se no sabbado o concurso de 2o es-
cripturario da thesouraria provincial com a pro-
dueco das provas de arithmetica e de escriptura-
cao commercial para es dous concurrentes.
E' preciso que se repare que a destruicao
que vai nos frades -do caes da ra do Sol, dos
quaes j alguns esto por trra I
Certamente para notar que anda hontem se
assentasse aquelles frades, e ji hoje estejam mui-
los ao chao s pelo deleixo que anda ligado s nos-
sas cousas.
Com effeito, se este nao andasse de eolio aleado
entre nos, nao seria tolerado qae so arrastrassem
travs e ostras madeiras alli desembarcadas sobre
as correntes, para darem am semelhante re;nltado
quando alias existe urna rampa para este Um.
Da Ponte dos Carvalhos nos escrevem o se-
gointe com data de 20 do corrente :
< Hontem, pelas sele e meia horas da noitc, den-
tro dote povoado foi brbaramente assassinado Ma-
noel Rodrigues Pmheiro por Manoel Pedro de tal,
com sete punhaladas, sendo seis mortaes, tanto que
espirau immediatamente; as irmas de Pmheiro e
mesmo a mulher do assassino sahiram para a ra
a gritar soccorro, e nem urna s alma appareceu -,
pois os visinhos licaram to sorprendidos que nio
tiveram a menor aeco. Tanto o assassino como o
assassinado eram visinhos.
t O assassino evadio-se sem o menor encommo-
do e foi dar parte de suas facanhas ao sogro qae
mora no engenho Santo Estevo meia legua
d aqu.
A polica apparecen, fez-se o corpo de delicio
e deram-se as providencias para a captura do as-
sassino.
Manoel Bodrigues estara pronunciado e con-
demnado a trinta dias de prlso, por crime de In-
jurias verbaes desde dezembro do anno prximo
passado, entretanto que ainda nao tinha cumprido
a pena e passeava armado as mas deste povoado,
espero, porm, que este privilegio nao ser conce-
dido fra do Manoel Pedro.
Manoel Pedro carpina, cabra, cabello cara-
pinhado, rosto oval, pouca barba, com falta de um
dente na frente, aliura regular, corpo grosso, an-
dar apressado e passadas largas, por cujo motivo
inclina o corpo para a frente, fdade de 25 30 au-
no?, natural de Muribeca.
REPARTtCAO HA POLICA :
Extracto das partes do dia 20 de Janeiro
de 1865.
Foram recomidos casa de detencao no dia 19
do corrente : ^
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chfe de policiayDo-
mingos, escravo de Antonio Lz Guedes, para cor-
receo.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Benedicto,
escravo de Joo Antonio de Souza Araujo Pereira,
a requerimento deste.
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Jos, es-
cravo de Mara Bernardina da Conceico, por dis-
turbios.
A' ordem do da Boa-Vista, Paulo, escravo de Ma-
noel Custodio Peixoto Soares, para correeco.
A' ordem do da Magdalena, Francisco Jacintho
Alves-, para correccao.
A' ordem do da Capunga, Paulo, escravo da viu-
va Gibson, para correego.
A' ordem do dos Afogados, Eugenio Baptlsta, a
disposicao do Illm. Sr. Dr. chefe de polica.
. O chefe da segunda seccao,
/. G. de desquita.
Passageiros do vapor Tocantins entrado dos
portos do norte : o Exm. Sr. Dr. Antonio Borpes
Leal Castello Branco, sua senhora, sua irma, 1
cunhado, 6 filhos e 12 escravos, Dr. Jos Coelho
da Gama Abreu, sua senhora e 1 filho, Antonio
Francisco de Moraes, Dr. Jaime Gomes Bobson, sua
senhora, 2 filhos e 2 escravss, Andr Avelino L. de
Mello, padre Manoel de Vera Cruz, Jos Bodrigues
E. Jnior, Claudino Oliyeira, 1 escravo de Fernn
do C. Carvalho, Francisco Ildefonso Ermenciano
China, Marcos Jos da Silva, Jacintha Mara da
Conceico, Fr. Benlo do Monte Carmello Flores,
Manoel de Oliveira Lima, D. Mara Joanna Tosca-
na de Brito, Antonio Jos Duarte Coi:nbra, Dr.
Francisco Lucas de Souza Bangel, Bernardo Norat,
Len Can, Pedro Geanotti, Cesarle Geonatti, Anto-
nio Morell, 2 policas e 1 preso de justica.
Seguem pare o sul:
Andr Cursino Benjamim, Jos Hppolyto C. da
Molla, Sileno de Jess Gomes, Antonio Martins,
Manoel Francisco, Jos Ferreira de Govea Pimen-
tel Belleza e 1 criado, Manoela Maria Vicencia e 1
fllha, 32 pracas para o exercito, 2 ditos para ma-
rinha e 4 escravos a entregar.
Passageiro da barca ingleza Imogenc, vinda
de Liverpool: David Mohony.
Passageiro do brigue portuguez Uelatnpago,
sahido para Lisboa : Manoel Goncalves Gomes
de Amorim.o,
Passageiro sahido para a Estancia no patacno
nacional D. Luiz : Joaquim Torquato Mendes da
Silva.
Obituario do-dia 20 de janeiro de 1863, no
cemiter10 publico.
Joo Vicente Ferreira, Pernambuco, 18 annos, sol-
teiro, Boa-Vista; diarrha.
Joo, Pernambuco, 16 mezes, Santo Antonio-, co-
lite.
Maria, Pernambuco, 6 dias, S. Jos ; espasmo.
tlludir a boa fe de S. Exc. o Sr. vigario capitular
e tiesvia-lo da dlstribuico da jastica.
O Aljubeiro.
9 Illm. e Eira. Sr. Dr. Braz Florentino Henriques
I de Souza.
Devendo agora seguir para a corte no vapo0
I Tocanlini o Illm. e Exm. Sr. Dr". Braz Florentin
Henriques de Souza-como nm dos membros da
| commissao dos Icios, que esto incumbidos de re-
' ver o projecto do Cdigo Civil Brasileiro, forcoso
| nesta occaslio prestar o justo preceito ao bom acer-
to dessa nomeacao.
T^dos sabem que o Sr. Dr. Braz Ploren! i no. Hco-
rquus de Souza pelo seu aeeurado estudo, (que em
pouCos annos Ihe tem estragado a saiide) por sua
grande capacidade Intelectual e scientiffca ; pela
publcaco das suas numerosas e importantes
obras (principalmente sobre o Casamento Civil e o
Poder Moderador)ha potido conquistar o subido
crdito que merece de urna das Verdadeiras nota-
bilidades do nosso paize um dos prime!ros orna-
mentos da Faculdade de Direito desta cidade, onde
I mu dignamente exerce o logar de lente cathedra-
: tico de direito civil.
E, pois, o nosso idolatrado monarcha, conscio do
I merecimento que distingue a pesssoa do Sr. Dr.
: Braz Florentino Henriques de Souza, ou das gran-
des habilitacoes que nelle eoncorrem para bem
desempenhar aquella ardua commissaonao se
olyidou de o nomear, collocando-o assim par das
primeirassummidades do imperio, que tarabem so
dignou de escolher para to importante trabalho.
E essa nomeaejio do Sr. Dr. Braz Florentino
Henriques de souza tanto mais honrosaquanto
i razoes ha para crer qud foi espontneamente pre-
cedente de S. M. o Imperador, e na melhorocca-
siao, isto Justamente quando nm circulo eleito-
ral da provincia da Parahib que deveria encher-
, se de nm nobre orgulno por Ihe haver dado o ber-
co, tinha recasado, mediante a mais torpe caballa
offlcial, de prestar-lhe a maroria dos seos suffra-
gios para o nollocar no parlamento brasileiro, como
nm dos seus mais distinctos representantes, mxi-
me deyendo-se all tratar brevemente daquello c-
digo civil, em coja discussao poderia elle apresen-
lar as mais luminosas idea, e elevar-sa altura
que Ihe compete.
Louvores, pois, S. M. e Imperador, que pela
sua extrema dedicaeo s sciencias e proverbial
rectido, souhe galtrdnar iastamente o reconheci-
do mrito daqnelle distincto Icto o Sr. Dr. Braz
Florentino Henriques de Soasa, chamando-o para
to gloriosa missao, assim comoo grande Justi-
niano, Napoleao I, e o governo portugupz, pratca
ram para revisao dos seos cdigos escolhendo os
mais sabios Icios, desses paizes ; em ama palavra
altamente reprovando aquella revoltante ingrati-
| do, de que elle fora victima, e fura praticada por
alguns dos seus proprios comprovincianos.
bonvores, sim, incessanles S. M. o Imperador
qne na opportunldade, e por mais concentrados
i que estejaperscrnla, e chama aqnelle, .que por
seus proprios esforcos sem reverendas falsa-, sem
| hypocrisia, e sem o patronato tem procurado dis-
tinguirse, e conceituar-se entre os seus patricios
pata melhor servir cara patriaPalman qrn me-
Iriut feral.
Deo< qneira conduzir a salvamento o Sr. Dr.
Braz Florentino Henriques de Souza ao seu desti-
no, e o Ilumine sempre para que elle possa cabal-
mente exceder a mni honrosa confianca nelle depo-
sitada, conquistando por seos luminosos trabalhos
novos louros para mais robustecer o sea re nome. e
concorrendo principalmente para que o Cdigo Ci-
i vil Brasileiro seja plenamente expurgado dealgnns
vicios, oh defeitos, que ressumbram no sen pro-
jecto, e assim tornarse obra-prima, e o assombro
das nacSes mais antigs e cultas.
Taes sao os sinceros desejos de um dos maiores
apreciadores dos talentos, e llastracao do Sr. Dr.
Braz Florentino Henriques de Souza ; e ao mesmo
J tempode quem em seu pelto palpita o ver^ader
ro amor da patria, em summa ufana-se de ser
coMimcio.
Cota?des fflelaes.
PHACA DO RECiFE.
21 de Janeiro de 1865.
Cambios sobre Londros90 dif. 27 e 27 Ii8 d.
por 1*000.
Dubourcq Jnior,presidente.
Guimaressecretario.
' IVovo banco de Pernambuco.
O banco descorna na preseote semana a 10 por
tent ao anno at ao prazo de quatro mezes e a 12.
por cento at o de seis mezes; toma dioheiro a ju-
ros a prazo nunca menor de tres mezes, e saca
sobre a praca da Babia.
dem em velas....... 7,5000
Sota em aqueta...... urna 25b00
Tabeas deaaarelio. .... duzia I40000
dem diversas....... 87*000
Tapiocas. ..-.....'. arroba 3*000
Tatajuba......... quintal 2*009
Travs .......... urna (5*000
Unbaadabei....... Cento 200
Vassooras de piassava. ... > 10*000
Ditas de timb...... 8*000
! Ditas de carnauba...... > 6*000
Vinagre......... caada 500
Alfandega
Rendimentododia2a 20......... 447:997*572
dem do dia 21................
499.933*397
tfovlmento da alfandega
Velantes entrados com fazendas..
com gneros...
Volumes sahidos com fazendas..
a i com gneros ...
Alfandega de Pernambuco, Si de Janeiro de
1865.
(Assignados):
t> 1. conferente, Francote di Paula Gonralves
de Figueiredo.
O i* conferente Joao de Fignerredo.
Approvo. Alfandega de Pernambuco, 21 de
Janeiro de 1865.A. Eulalto.
Conforme.O 3." eseriplurano, Joo dos Sanies
ol.93o*82o Porto.
ttecebedoria de renda* Inter-
na* geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 2 20.........12:368/024
dem do da 21................. 502/506
195
278
177
995
473
Becfe, 21 de Janeiro de 1865.
Brasileiro
PUBLICARES A PEDIDO.
2i3XJ3MC
caso Honra
D'l'MA
Molestia Ulcerosa
Curada.
C0MMNIC1D0S.
A punico do crime.
des, alg urnas pessoas para-este oi convidadas. I ingieras Salteen e Dirothy e o brigue Walter Bai
A celebre questao da sociedade Beneceote Por- ne, e para o Canal a escuna Preiidcnt.
tugueza anda continua intermintvel. Sabio para Liverpool, a 18, a barea ingleza
A qaesiao a anoallacao levada ao conhecmen- Ofenda, com earregameato de assucar e algodio.
Chegou a esta praca o Sr. padre Ferraz, ex-coad-
juctor de Garanhuns em observancia a ordem de
S. Exc Rvma. o Sr. vigario capitular, afim de pe-
rante esta autoridade defender-se da aecusaco que
soffre de ter sido connivente no raptoda menor de
17 annos, ftlha do Sr. M. I. M. Bastos em virlude do
que fra deroittldo de coadjnctor e suspenso de or-
dem mei'sabia e prudentemente por S. Exc. Rvma.
que se tem destioguido no exercicio do importante
cargo de vigario capitular, por sua energia e pru-
dencia a pro da dlgnidade da igreja. Estemos con-
vicios que S. Exc. syndicara restrictamente a ae-
cusaco que pesa sobre o Sr. padre Ferraz, e apre-
ciar com a caracterstica imparcialidadeos fun-
damentos da defeza que apresentar o Sr. ex-coadjuc-
tor, cujos desatinos demonstram a inopia de recur-
sos justificativos de sea procedtmento de modo que
se esquecendo da dignidade de sacerdocio de
que est revestido, nao peupa meios por mais de-
gradantes nem expressSes por mais vilipendiosas
de que nao uze para com o infeliz Bastos e sua fl-
lha, emprestando-lhes fictos que quando mesme
fossem verdicos a um clero cumpria nao ser o
iT i re Londres es,ava de 27 *!4 a.'propagador. O que mais repugna que o ex-coad-
27l|2d.po/l*. juctor afflrmando a veracidade de horrendos fac-
,.To.-I^ndega rendeu de a "8 do correMe. tes contra a pureza e a: caslidade creados oelo seu
44:037*731 e o consulado 26:255*481. genio desabrido e atrabiloso, taz crer por UMua
m i carga : para Liverpool as barcas gem estudada ter eolhido no conflssionario
------------como
ha pouco praticara em certa casa da ra de......i
Certamente que nao sero estas machinacoes L
qae a tentaeSo do demonio tem feito pulular no c-1
rebro secundado do Sr. ex-coadoctr qae poderlo I
Todoe aquelles qne se acho snjeitoe sof-
frer molestias scrofulosas, ulcerosas, ou syphi-
liticas, ainda mesmo as reputadas de prior
natureza, apenas'necessitao de lr o seguiste
caso maravilhoso, para que se sintSo inteira-
mente convencidos que a sua propria cura,
nao s meramente poesivel mas sim absolu-
tamente certa.
Joao Josb Ferreiba Barboza, residente
na Cidade de Maranho, tinha todo o seu
corpo col>erto de chagas ulcerosas, e durante
algunos annos se achava debaixo do tratamento
de mdicos os mais afamados, tendo usado
durante todo este tempo quasi toda a especio
de medecinas que em taes casos empregada
pela faculdade medica, porm debalde sem
obter o menor beneficio ou alivio: achando-se
pois em taes apuros elle finalmente resolven-
te, depois de repetidos e baldados esforcos
fazer uso da.'
Salsaparrilha
DE BRISTOL
No todo elle apena* chegou a tomar Cinco
Garrafas de SaltaparriOta e quatro fiascos das
Pidat Vegetats Auuewadat, e o resultado
foi elle obter una completa c perfeita cura.
Os Sers. Feikeira & Ca, Droguistas d
Maranho, forao quem supprirSo os medica-
mentos, e acao-se perfeitamente ao facto
d'eate caso, e oe meemos Senkoree, nao s' se
achao promptos confirmar o mesmo, como
tambem em fomeoer o actual adreaso do Ser.
Barboza, a toda e qualquer pessoa que por
ventura se desej informar da verdade.
Reconamenda-se mu particularmente aos
Doentes que tenhao o maior cuidado na esculla
deste excellente remedio, nio usando outro
nio ser a Genuina Salsaparrilha de Bristol,
a qual excluaivamente preparada por
LANMAN&KEMP,
De NOVA YORK,
pois que todas aa mai ao inefficaaet e de nen-
bura preatimo
Vende-se as boticas de Caors Barbosa,
e C. Bravo A C.
-------1,172
Descarregam no dia 23 de janeirode 1865.
Barca franceza Guherme Telmercaduras.
Barca ingleza Isabella /ini/cv-bacalho
Brigue inglezTalbotbacalho.
Brigue inglezJane-bacalho.
Barca inglezaJftmosacarvao de pedra.
Patacho inglezM. E. Corming carvo.
Brigue inglez-Otelioidem.
Lugre inglezArthur dem.
Bafea ingleza Stellacarvo.
Ipora$o.
Barca ingleza Stea, onirada de Liverpool, con-
signada a Saunders Brothers & C, manifestou o
seguinte :
2% toneladas de carvo de pedra ; aos mesmos.
Brigue inglez Othello, entrado de Glasgow, con-
signado a J. Pater & CM manifestou o seguinte :
200 toneladas de carvo de pedra ; aos mes-
mos.
80 barricas cerveja, 16 caitas fazendas de algo-
dao, 50 saceos arroz e 1 embrulho amostras; a
Mills Lathan & C
ISO barricas cerveja; a Adamson llowie & C.
100 barricas cerveja; a Saonders Brothers \ C.
Exportafio.
Barca ingleza Belle Poule, carregou para Liver-
pool : i,500 saceos com 7,500 arrobas de assucar
mascavado, 1,378 ditos com 7,002 arrobas e 3 li-
bras de algodao, 100 arrobas de ossos, 22,000 pon-
las de boi e 49,000 unhas de dito.
Patecho hanoveriano Jacobus, carregou para o
Canal : 6,257 cours seceos salados com 174,007
libras, 2,000 ditos verdes com 95,270 libras.
Brigoe-escuna brasileiro Principe D. Alfonso,
carregou para o Rio da Prata : 900 barricas com
6,074 arrobas e 5 libras.
Escuna portuguesa Erna, carregou para a Hha
de S. Miguel : 189 barricas com 1,131 arrobas e
12 libras de assucar branco, 143 barricas com
1,020 arrobas e 7 libras de dito mascavado, 2 cas-
cos rom 41 medidas de agurdente, 312 ditos com
10:344 medidas de mol.
Barca portugueza S. Manoel II, carregou para e
Porto : 20 barricas e 2,860 saceos com 14,381 ar-
robas e 24 libras de assucar branco, 740 saceos
com 3,700 arrobas de dito mascavado, 341 couros
seceos e salgados com 9,731 libras, 3 cascos com
6 medidas de agurdente, 28 ditos com 884 ditas
de mel e 12 pranchoes vinhalico.
Brigue inglez Lothtan, carregou para o Canal :
5,700 saceos com 28,500 arrobas de assucar mas-
cavado.
Brigue austraco Anastazta, carregou para Mar-
selha : 3,360 saceos com 16,800 arrobas de assu-
car mascavado.
- Barca franceza Virque, carregou para Marselba :
5,000 saceos com 25,000 arrobas de assucar mas-
cavado.
Brigne portuguez Florinda, carregon para Lis-
boa : 2 barricas e 1,650 saceos com 8,260 arrobas
e 30 libras de assucar branco, 1,400 saceos com
7,000 arrobas de dita mascavado e 250 meios de
sola.
Barca ingleza Avena, carregou para Liverpool :
1,645 saceos com 8,878 arrobas e 13 libras de al-
godao.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO,
AUTA DOS PREQO DOS CKNEBOS SJSITOST A B1RE1T0DI
EXPORTAgAO.SEMANA DI 23 A 28 DO. MEZ DE JA-
ZEMBKO DE 1864.
Mercaduras. unidades. Valores,
1*300
800
800
400
800
900
5*873
23*500
1*500
2*600
1*850
3*100
5*120
2*000
15600
1*000
1*200
3*000
7*000
7*400
GfiOOO
440
360
280
500
3*200
4tOO
1*000
8*000
300
300
1*500
2*500
13*000
Abanos.........cento
Agurdente de cana.....caada
dem rcstilada ou do reino
dem caxaca.........
dem genebra.......
dem alcool ou espirito de agua-
ardenle.....,
Algodao em caroco.....arroba
dem em rama ou em la.
Arroz com casca.......
dem descascado ou pilado t
Assucar mascavado......
dem branco. ........
dem refinado....... t
Azeite de amendoim ou niende-
biiu......... caada
i dem de coco.......
dem do mamona..... >
Batatas alimenticias.....arroba
Bolacha o diara, propria para
embarque........
dem fina.........
! Gaf bom......... *
; dem cscolha ou restolho ...
' dem torrado ....... libra
Caibros.........um
Cal...........arroba
; dem branca ......
: Carne secca (xarque) .... i
, Carnciros........ um
Carvo vegetal......arroba
I Cavernas de sicupira .... ama
Cera de carnauba em bruto. libra
dem idem em velas ....
Cha.......... ,
Charutos........cento
Cevados (porcos)......um
Cocos (seceos).......cento
, Colla.........libra
Couros de boi, salgados ...
dem idem seceos espichados.
dem idem verdes.....
dem idem cabra cortidos. am
dem idem de onca..... >
Doces seceos.......libra
| dem em gela oa massa.
' dem em calda......
Espanadores grandes um
dem pequeos........
Esleirs para forro de estivas
de navio........cento
Estopa nacional......arroba
i Farinha de de mandioca. alqueire
dem de araruta..... arroba
Feijae de qualquer qudlidade.
Frechaes........um
Fumo em lolha, bom .... arroba
dem ordinario ou restolho
: dem em rolo bom......
dem ordinario ou restolho 5*000
Gallinbas........urna 600
Gomma.........arroba 2*590
Ipecacuanha (raz)...... > 25*000
Lenha em achas......cento 2*000
i Toros.......... 115000
Linhas e esteios.......um 8*000
i Mel ou melaco.......caada 240
Milho.........., arroba 900
Papagaios...... nm 3*080
Pao Brasil........quintal 55000
dem de jangada......um 5*000
Pedras de amolar.....nma 800
dem de filtrar...... < 4*000
dem de rebolo....... 15000
Piassava.........molho 120
Pontos, oa cnifres de vaccas oa
- novilhos........cento 3#5W
Pranchoes de amareil de dous
costados...... um 2O*0W
dem de louro. ...... 105000
Rape..........libra 1*000
Sabao.......... f<*o
Sa}.......... alqueire 400
Salsa parnlha. .......arroba 5*000
Sebo em rama...... > 5*000
12:870*530
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 19........ 89:2365199
dem do dia 20............... 8:605*489
97:8l*C88
FRAQA DO RECFE
91 I>E JA\EIRO BE 1885.
AS TBES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambio........Saccou-se sobre Londres a 27,
27 V, e 27 >/,d. por 1*000; e
sobre Lisboa de 93 a 98 por cen-
to de premio ; elevando-se o
saques effectuados dorante a se-
mana em 48,000.
Algodao........O de Pernambuco veodeu-se a
24*500 por arroba, o de Macelo,
posto a bordo, a 26*006, a ulti-
ma venda, e o da Parahyba, da
mesma sorte, a 27*.
Assucar........O branco vendouse de 3*400
a 3*800 por arroba, o somenos
de 2*900 a 3*000, o mascavado
purgado de 2*200 a 25400, e o
bruto de 1*850 a 2*050.
Agurdente..._.. Vendeu-^e de 68*000 a 70*000 a
pipa.
Goaros..----------Os seceos salgados venderam-se-
a 145 rs. Dor libra.
Arroz.........O* pilado da India vendeu-se
de 25300 a 2*400 por arroba.
Ateite doce.....Vendeu-se o de Libboa de 2*230
a 2*300 o galn, e o do Estreito
de 1*850 a 1*950.
Carne secca.....A do Rio-Grande do Sul vendeu-
se de 500 rs. a 3*600 por arro-
ba, fleandoem deposito 160,000
arrobas, e a do Rio da Prata de
2*600 a 3*600, icando em de-
psito 40,000 arrobas.
D&cmii).......Retalhou-se a 17*000 por bar-
rica.
Batatas........Venderam-se 2*000 rs. o gigo.
Bolachinha......dem de SfOOOa 5*500 a barr-
quinha.
Caf...........Vendeu-se de 7*000 a 7*200 a
arroba.
Cha............dem de 2*000 a 2*200 a libra.
Cerveja.........dem a 6*000 a duzia de gar-
rafas.
Farinha de trigo. A de Pbiiadelphia e N*w-Yorlc
retalhou-se de 19*000 a 21*000
por barrica, a de Trieste de 22*
23*000; (toando em deposilo-
2,500 barricas da primeira,
7,500 da segunda, 3,400 da ter-
ceira, ao todo 13,400 barricas,
inclusive 900 barricas viudas da
America.
t^Sa-.........A ingleza ordinaria vendeu-se
com 320 por cento de premie so-
bre a factura.
Manteiga.......a ingleza vendeu-se de 800 a
830 rs. a libra, e a franceza de
610 a 620 rs. a dita.
"assas.........Venderam-se a 6*000 a caxa.
Passas..........Vendeu-se a 6*000 a caxa.
Queijos.........Os fJamengos venderam-se de
1*800 a 2*000 cada um.
abao..........o inglez vendeu-se de 130 a
_ u 140 rs. a libra,
Toucinho.......Vendeu-se a 8*2* a por arroba
o de Lisboa.
escontos....... o rebate de lellras regulen de-
10 a 12 por cento ao anno.
tmes.........Para o Canal inglez deste porto
47/6 45; para Liverpool desta-
pono pelo assucar 126 15
pelo algodao 3/4 por libra 5 por
cento.
MOYIMENTO DO PORTO
-
600
150
240
103
350
10*000
1*000
390
500
4*000
2*000
15*000
1*600
2*500
4*000
25800
35000
145000
8*000
Navios entrados no dia 21.
Liverpool46 dias, brigue inglez L'IIsuater, de 246-
toneladas, capitao B. Newton, equipagem 10,
carga fazendas e outros gneros ; a Jobnnoa
Pater A C.
Liverpool-30 dias, barca ingleza Stella, de 21
tonelladas, capito Me. Kenzi, equipagtm 10,
carga carvo ; a Sawanders Brothers & C.
Havre 26 dias, galera franceza Victorine, do
1,621 toneladas, capito J. H. Pelibon, equipa-
gem 44, carga dfferentss mercaduras e lastro -t
a Tisset Frere. Seguo para o Valparaso.
Sahidos no mesmo dia.
Rio Grande do Sulescuna nacional Antonia Ua-
n, capito Thomaz de Aquioo Ribeiro, carga
assucar.
Estancia-palacho nacional D. La, capilo Jos
Teixera d Azevedo, carga carne secca.
Lisboabrigue portuguez Florinda, capilo Joa-
quim Augusto de Souza, carga assucar e couros.
Liverpoolbarca ingleza Avena, capilo Dale, car-
ga algodao.
Observaco.
Suspenden do lamaio para o cabo da Boa Es-
peranza, a barca ingleza Ocean Belle, capito P.
Jarris, com a mesma carga que trouxe de Car-
diff.
Navws entrados no dia 22.
Para e portos intermedios8 dias e 7 horas, vapor
brasileiro Tocantins, de 700 toneladas, com-
mandante l. tenenie Pedro H. Duarle, equipa-
gem 52. -
Liverpool27 dias, barca ingleza mofene, de 311
toneladas, capilo W. Smelh, equipaeem 14,
carga fazen Jas; a Patn Nasb. & C.
Glasgow35 dias, barca ingleza OU Bmeslky, de
291 toneladas, capito John Young, equipagem
12, carga carvo ; a W'iison Helt.
JVatnoj sahidos no mesmo da.
LisboaBrigue porlngnez Relmpago, capito Joo
Epiphanio da Silvelra, carga assucar e mel.
Rio da Prata Brigue esenna brasileiro Principa
D. Affonso, capilo Manoel Hornera de Almeida,
carga assucar.
S. Thortaz pela BahaEscuna dinamarqneza Obe-
ron, capito P. H. Grace, em lastro.
DEGUHlfOES.
irasll
Caxa filial 4o banca do
em lcmanan neo.
14 Je aneiro de 1865.
De ordem da directora desta caia, se convida
aos credores de --ebastlao Jos da Silva a viren
receber do thesoureiro da mesma caxa o que en
rateio Ihes toca da venda de ama das proprleda-
des, que segundo a concrdateme foram entregues-
para serem vendidas.O guarda-livros,
Ignacio Nunes Crrela.
De ordem da direetona desta mesma caxa so-
laz publico aos senbores accionistas qae o respec-
tivo thesoureiro est aotorisado a pagar o 22. di-
videndo de 10* por accao.
O guarda livres,
Ignacio Nones Corree.
Consulado provincial.
Pela mesa do consuado provincial se faz publi-
co qae nodia 10 do corrente se prlnciplim a con-
tar os 30 dias atis marcados para a cobranca


'.



*4-
1


>
a*.

I
Diario de ^Pi'nnuibufO cgniid /Ira t de Janer d 8.
bocea do cofr do anco 6o#ccfro vigente dos im-
postas da 4 Oo^sobre casas eot que s aebarem
esiabelecimenlos de commercio ra da cidade do
Recife, prensas de algOd;inf tynofraphias, cochoi-,
ras, botequms, botis, casas tre pasto, cavallarices \ na marinnagetn o praze"des7i's"ou"d'e Jt a
fabricas,de 8 0(0sobre consiliarios mdicos e, em eooforwidade do artigo 3. do decreto o 1466
clrtrgicos, cartorios e escriplorios.de.20 (l| sobre de 25 de oulubro, devera 4er os requisitos dos da
eiiabeteoioieotos de commercio era grosso e a re- segunda ciasse, ojeepto a pratica da vida martima
taino, armazens oe recolher, e os trapiches, de que poder sor despensada com a clausula que
2. Classe.Os qne t riontratarem por prazos de-
terminados, de um a tres anoos, devem ser fort es
saos, e acostumados a vida do mar.
3.* Chapeo, Ot que se eontratarem pira servir
LEIIOSS.
I
Le

&)} por casa de buhar modas; de 1004 por cas*
que vender rojjpa foila no eslrangeiro, de compra
venda de escravos, de correlores commerciaes e
agentes de leilo, de 1:0005 sobre casas de opera-
yoesbaocariascom eraissio e previlegios, de 600*
pelas ditas com emissaoo seai previlegios, de 40
Leilo de urna cocheira cen 4 carro
c4 rodas, 1 berlim, 20 cavallos.
a mise seos perleoccs.
iioji;.
O agente Pinto far leilo precedida a compe

o de una taberna.
Sem liaites.
JaaritwVlra #do crreme.
O afuteVesiaMa vender *m leilo por
adiante ( artigo 16) se expresia.
4.* Classe.Os alistados para o corno de impe-
riaes marinbeiros devem ser cidados brasifliros tente autarisacjLo, da cocheira da ra do Impera-
de 18 3o anuos de idade, ou at 40, sendo homens, ar n. 23, com 4 carros de 4 rodas era bom esta-
do mar; fortes, saos, e capaxes de todo o servico. ] do> berlinda quasi nova, 20 cavallos de servico,
5.' Classe.Os alistados para o balalho naval, arreios, estiva, mangedora e mais pertences da
pelas ditas sem emisso, companhias anonyroas e | deven lar 18 at 45 annos annos de dado, eos on-, mesma cocheira, as 11 horas do da cima dito, na
agencias, de 200 pelas casas de cambio, de 30 tros requisitos da quarta classe. | referida cocheira.onde podero os pretendentes
pelos sera vos enjpregados no servico de al varen-
gas, ue i A por tonelada de alvarenga e canoas
abarlas, de 202 per cada bote ou savelro, de 30J>
por cada balieira, de 105 por escravo ganhador ou
empregado om servico de transporte ou em arma-
sen*, de 10a por cavado de sella de aluguel, de
6J> por cavallo particular, de 5 0(0 pela venda de
capim e o imposto de carros, carrocas e mnibus,
Todava poder-se-ha admittir alguns estrangei- examinarem desde j 03 objectos supra meacio-
ros mediante previa aulorisaeo do governo.
fa r.i9o_rk. ^~,,i.-____!-!..!___.
6.* Classe.Os aprendizes marinheiros devem
ser cidados brasileiros, de 10 a 17 annos de ida-
de, de constituicao robusta, e apropriada vida do
mar.
nados.
LeilSo
De urna magniQca victoria que conduz 2, 3 ou
4 pessoas.para um ou dous cavallos, arreos para
Poder-se-ha tambera admittir menores de 10 an- 2?.!^^ ** CaVa,lS
nos, que tenham suficiente desenvolviraento phy- lazoes mn,t0 8^ose nevos
tambem o l" semestre do d 20 0|0 do consumo. sico Para os ejercicios do aprend sado. 1IOJL
de agurdente das freguejias desta cidade e dos A.rl- ** 0s voluntarios da primeira classe perce-1 Pelo agente Pestaa, na ra do Vigario n. 9, s
Afogados, S. Lourenco, Sffto Amaro de Jaboato,' "*ti0 os sidos concedidos pelo artigo 1 "do decre- U horas da mantili.
Muribeca e Vanea, ncando sujeitos a multa de 6 i,0 n- **to<> de 25 de outubro, mas nada receberlo
O|0 sobre .os seas dbitos depois de lindo o dito'3 '""I0 Je premio ou gratificaco.
praso. Ser-lhes-ha declarado, e expfessado nos seus as-
Mesa do consulado provincial de Pernambuco sentamentos, que nao obterao guia de desembarque
7 de Janeiro de 1868. sem previair ao commandante respectivo dous
Antonio Carneiro Machodo Rios. mezes antes, salvo se nisso nao houver inconve-
Delegacia de polica do primeiro dlstricto do niente para o servico, por que entao sero imine-
termo da cidade do Recife, 21 de Janeiro de 1&65. dialamente attendidos.
l'ma resalva, que Ibes dever ser entregue com
a guia de desembarque, declarar que a contar
dessa dala os sobreditos voluntarios, se forem na
de rjuem pertencer os genero?. Vraocio,>'ffaz, pe-
sos e medidas existentes na taberna sita na ra
do Padre Flonano n 5, om lotes a vontade e pelo
maior prego oTerecido : qnarta-felra 25 d) cor-
rentc a* meio dia em ponto.
Leilo 6c sola e cooros miados.
Quarta-felra fi do correte.
O agente Pestaa vender por coola e risco de
quera perleacer 50 meios de sola avariada e 2,000
couros miudos em lote?, no estado em que so
acham : quarta-reira 23 do correte s 10 horas
da manhaa no armazem do Sr. Anla no Forte do
Mallos.
Fei encontrado a vagar pela poroacao do Cachan-
g, na manhaa de nootem o menor Victoriano, edr
preta, que diz ser livre, nao ter pais e tuver de-
Leilo de mobllla e escraros
iioji:
O agente Peslana legalmente autorisado por
pessoa que se retirou para a Europa vender toda
sua mobilia constando de mobiiia de Jacaranda,
camas de armacao e franceza, guarda roupa, com-
j modas, cadeiras, toilette, jarros, casticaes, mangas
com jarros de flores, mesa elstica, rico piano de
Jacaranda, algumas loucas
Leilaode um sobrado de dous andares da
ra do Padre Floriano n. 21. edificado
em chaos proprios, o qual rende 50i(
annuaes.
Quarta-feira 25 de Janeiro.
Por intervencae do agente Pinto, s II 1|2 ho-
ras do dia cima dito em seu escriptorio ra da
Cruz n. 38.
com apparelho para
"cha rauito rico, diversos objectos de porcelana, al-
sampardoa companhia de certo individuo no Ar- eionaes, fleam isentos do recrutamento por am an- califa e muitos outros arligos.
raial, por causa-dos mos tratos que recebia; quem no> ,ou Pr lempo igual ao que tiverem servido nos | A escravacrioula Eugenia, idade 30 annos, boa
se juigar com direito a dito menor, comprela nes- navios do estado, se este prazo for menor ; salvo,; figura, com una cria de 4 annos.-disposta para to-
la dewgacia para ser-lhe o mesmo entregue, prova- porm, o caso de circomstanclas extraordinarias \ do o servico, lava, cosinha e engomma bem. Ni-
j quauto baste.
O delegado,
l. A. Martins Pereira.
Consulado de Frasca
t) capitSo Halaud do navio francez Tonkin cm
reparaeao nesfe porto precisa tomar a risco cerca
de dezesete contos de ris (17:0005000) para pa-
gar as diferente deapezas que fez neste porto,
dito empresiime, o qual sera reembolsado era oj
durante s quaes ficar suspensa a isencao. Icacia crioula, d.ide 25 annos e 1 cria de 6 annos,
Art. 15. Os da segunda classe receberaos os pre-' engomma, cosinha, cose, faz labynntho, marca tu-
rnios seguintes : j do com perfeic3o e tambem corta seu vestido, 1
Se forem grumetes; dez, vinte e dous, ou trinta escrava idade 30 annos com 1 cria de 1 anno, co-
e quatro mil reis, segundo se contrataren) por um, isinna ,av>- Todas escravas de boas conductas
dou, ou tres annos. proprias para quem quizer Qcar bem servido.
Se forem marinheiros : vinte, qoarenta e cinco, I lailao lera lugar segunda-feira *3 do corrente
! ou setenta rail reis, segundo o prazo de seu contra- i Pelas 10 horas da manba na ra do Vigario n. 9,
~ to for de um, dons, on tres annos. segundo andar._____________________________
Havre, lugar-do dest do dito navio, ser garan* A,lm do D"mK> 'elerao mais os referidos vo-
lido pelo mesmo navio, casco apparelho?, mcame, Z'^i6 d"'ectamente-se apresentarem, a gra-
vietualhas e seu carregamento. As pessoa's qu L da.l'0,.lro mi' re,s .seudo estrangeiros, e
pretenderem fazer este adiantamento, sao convida- decmTO mil res sendo nacionaes.
das a comparecer terca feira 24 do corrente, ao rt,m,e? Ca' P^f"1 "io se abonara repeti-
meio da cm ponto no consulado de Franca, onde *T* a m.eS010 l?dlvlduo p.or,cada novo con-
ter lucar a diu adiud.caro em nrese.nca do Sr. rao sBeeeuito qoe Ozer, se este for de prazo me-
ter lugar a dita adjudicado era presenta do Sr.
cnsul a quem por menos Ozer.
Pernambuco, 21 de Janeiro de 1865.
De ordem do Illra. Sr. inspector da thesou-
nor de tres annos.
Art. 16. Os da terceira classe receberao mais
urna quarta parte do maior premio que poderiam
raria de fazenda desta provincia'se faz publico que ^lenrr "nt,ra,andos.e rom os da fe?unda clalse-
. na pra^a de grumete ou de mannhelro, qoe Ihes
Leilo de movis.
Martins fara leilo de urna rica mobiiia de Ja-
caranda constando de 18 cadeiras de guarnico, 4
ucanovaraente marcado o dia 25 do corrate, as cmjS Va'me^ma muflwo'areseitando'sl l^sde braco?, 1 sof, 2 consolos e urna mesa de
2 horas da tarde, para ser arrematada a quemj)or Sj^ttSeoti mesma ratiucacao apresentanoo-se eio de sa| excellente jano no {
Leilo de tima taberna a rna do
Sebo n 16.
iioji:
Segunda-feir\ 21 do corrente s 10 1[2 horas.
CordeiroSimoes far leilo por conla e risco de
quem pertencer da taberna cima mencionada, era
um ou mais lotes a vontade do? compradores.
cama
meaos Ozer, a obra de um pequeo lanco de caes "'igJSSMMa os nne nao fnrem hnmens do mar I franceza de Jacaranda com cbrtlnados, 1 toucador
que tem de ligar o encontr da ponte e ferro do! e J^ff'S^lJ.S TSSZSSSlg |de dil,0' W!? d % >"
Reeife ao caes do pa?seio publico ; o ornamento e SeVtoX^ie rom^^dMa'd^ porcela'n;,! guarda v^aV do a'marollo ovoVl
cnd,c5cs serao mostrados na mesma thesouraria Je mag^n, S^met de nwmto K"da roupa de mogno, 12 cadeiras de amarel o,
ao? prelcndentes : as pessoa? a quem convier a '----'
^obredita arrematacao, deverao comparecer na
mesma thesouraria o dia e hora indicados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-: m\rJa.o !S!?55'PS-. enfeites para touca
dito
garrafas, copos e
i de prata no- ,
lina o outra Crespo n. 15.
eiasse, mas sem augmento de premio. i? """ '".r V """? *- -"^^ """.
1' Art. 17. Os da quarta clas?e receberao como pre- so'a d,?t .' uaida '""^ d d,t.0' um aPara-
I mi cera-mil reis, se forem marinheiros, e sessenta dor de d",?> 2 eommof'as de dito, 1 quarlinhetra
I mil reis se forem grumetes. ide amarello.nco? jarros de porcelana, i candela-
narabuco em 18 de Janeiro de l8C5.-Servlndo de i Jj^l lda flSf6 rec-ebfera Dr?mio! Sor* 1 aSSSo*^ Jrrelana
ofnVial-miior, Manee! Jos Pinto. e cent0 e c,ncenia mil res, se nao forem maiores | 01*.?.8*
Pela thesouraria
que a arrematado da
central da casa de dte
da Io de fevereiro prximo vindouro.
Beilao de urna mobiiia de Jacaranda, 3gran-
des espelhos, i candelabro, 8 casticaes e
mangas, 2 redomas, 3 jarros Gnos, 2'es-
carradeiras, 1 marqueza larga, l commo-
da, 1 lavatorio, \ estante, 2 diccionarios
de Moraes, \ realejo, 1 marqueza, 2 con-
solos, 12 cadeiras de amarello. 1 mesa
para jantar, 3 ditas menores, 14 quadros,
2 aparelhos de louca para jantar, 1 dito
para nlmoco, garrafas, copos, compotei-
ra$, bandeijas, l ocule, 1 mesa de pedra,
1 selim e cabecadas, 40 garrafas de
cognac e outros objectos.
Qnint i-IVira 2G de Janeiro
no lerceiro sobrado depois da ponte grande da
passagem da Magdalena, para onde seguir um
mnibus, devendo partir as 10 horas em ponto da
"ra do Crespo.
O agente Pinto far leilo por conta de urna pes-
soa que retirase desta provincia de todos os ob-
jectos cima mencionados existentes no lerceiro
sobrade depois da ponte grande da passagem da
Magdalena, para maior facilidade dos concorren-
tes dever para all partir um mnibus da ra do
Crespo.
AVISOS DIVERSOS.
Aos 6:0000.
Quinta-feira M do corrente mez, se ex-
trahir a segunda parte da dcima primeira
lotera (3a) a benecio da matriz da Boa-
Visln, no consistorio da igreja de Nossa
Senhora do Rosario da freguezia de Santo
Antonio.
Os bilhetes, meios equartosesto a ven-
da na respectiva thesouraria ra do
companhi
prendiz
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-' nh.e,ro'> sera de cera mil res, e se abonara aos
ico 19 de Janeiro de 1865.-0 secretario, paiAs\luK ou 1uem s,uas veze ter :
a P d'Annnncia-'in Art- 2U- Us premios de que tratam os arligos an-
buco
A. F. d'Anouncia;ao.
Consclho administrativo.
0 conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos
seguintes:
Para o presidio de Fernando.
2duzia) de aguihas de ac proprias de cozer
saceos de laa.
i arrobas de ararse de ferro, ou vergalhao de
"i polegada.
1 peca de cabo de linho de nma polegada.
3 p^cas de dito de dito alcatroado cora 2 'i po-
rgadas.
400 oaibros de mangue.
1 tonelada do carvio de pedia.
1 Diamante encastoado para cortar vidros.
600 enchadas do Porto.
100 enchameis.
2 arrobas de fio de vella inglez.
4 quintaes de ferro sueco.
6 duzias de dobradlcas de ernz.
4 duzias de ditas menores.
2 duzias de (echaduras de broca para porta.
4 duzias de ditas singlas para ditas.
4 duzias de ferros pedrezes para ditas.
2 duzias de dito? ditos de rabo ditas.
2 lenres de ferro para chapas da fechaduras.
3 duzias de limas tringulos de serralheiro de
3, 5 e 7 polegadas.
duzias de limas chata? de 10, 12, 14 e 16 po-
60 lindas ou travs de 80 a 40 palmos.
2 rolos de panno de algodo proprio para ensa-
car la.
25 picoes.
25 picaretas.
50 pecas poitas do embira.
3 pranchoes de amarello vinhalico.
3 ditos de louro.
4 ditos de secupira.
10,000 pregos caibraes.
10,000 ditos ripaes.
40 molhos ripas.
- i arrobas tinta azul em massa.
2 duzias taboas de amarello.
100 covados tapete para igreja.
8 libras de vermelhao.
1 caixa de vidros para caixilhos rom II polega-
d ts de comprimenloe 8-4 ditas de largura.
Quem quizer vender taesartigos apresentem suas
propostas em carta fechada na secretaria do conse-
lho administrativo s 10 horas da manhaa do dia
27 do corrente.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 20 de Janeiro
-de 1865
Antonio Pedra de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebastio Jos Basilio Pyrrho,
Vogal secretario.
Capitana Jo porto de Pernambuco, 1-1
de Janeiro de 1865
Em vista dascirenmstancias melindrosas em que
se acha o paiz, sendo necessario que todos os bra-
il-iros, concorram para a sustentaco dos bros e
dignidades nacionaes, compromellidos na guerra
com as repblicas do Uruguay e Paraguay, manda
-o lllm. Sr. capito do porto, em virto.de do que Ihe
i determinado por S. Exc o Sr. ministro e secre-
tario de estado dos negocios da marrana, convidar
nao s aos matriculados, como a todos os cidados
que se queiram alistar na qualidade de voluntarios
q ira armada, a so apresentarem nesta capitana
nos das uteis das 9 s 3 1|2 horas da larde.
Oatro sim, sao igualmente convidados os indivi-
duo? que tiveram baila do servido naval, a alista-
ran se por um anno ou mais, |garanu'ndo-se-lhe
naj s as respectivas escusas, logo que termioem
os seus contratos, mais ainda os premios (liados na
le, para os qne voluntariamente procurara o ser-
vico da armada, e bem assim urna gratificaco
inuiisal, igual a nelade dos sidos, que percebiam
na occasiao em que obtiveram baixa.
As vantagens e coodicc5es para o alistamento se
rao as estabelecidas pelas instruccoes que baixa-
ram com o decreto n. 1591 de 14 de abril de 1855
que sao as seguintes :
Art. 12. Distingair-se-hao seis classes de volun-
tarios :
(.* Dos individuos que qoizerem servir na ma-
rinhagem sem lempo determinado ;
2.* Dos que se quizerem contratar para servir
xia inarinnagempor lempo determinado ;
:r* Dos^fjeae presttrem servir na marinh-
t.jm n? prazos efabdlecid? no artito 3." tfo decre-
to n. 1466 de 23 de outubro de 185, eque eseo-
sam o nacional do servido militar ;
4." Dos que quizerem ler praca no corpo de im-
pertes marinheiros.
~>.' Dos que se destinarem para o balalho naval.
<. Dos aprendiz.es marinheiros.
.\rt. 13. Os voluntarios das differentes classse
If-linidas no artigo antecedente deverao ter os re
quiMios seguintes :
(i Classe.Os que se aliaiarem para a marinha-
goHi sem tempo determinado, devem ser fortes,
Sos, acostumados a vida do mar, ou pelo menos
c ipazes de servir na praca de grumete.
que:
tecedenles serao pagos pela maneira seguinte :
1. Os dos voluntarios da segunda classe, se o
alistamenlo for por um anno. Ibes sero pagos in-;
li'gralmente no acto de assentarem praca ; se por i
dous ou tres annos, receberao era tres preslacoes
ignaes, sendo primeira paga como no primeiro:
caso, segunda quando vencida melade do prazo ;
do contrato, e a terceira linda o dito prazo.
g '2.' Os voluntarios da terceira classe recebe- rlsco de flljem pertencer de 20 barris com touci
rao urna ter^a parte do premio respectivo logo que nno de Lisboa em lotes a vontade dos comprado-
tenham assentado praca, outra terca parle no din .res lerea-feira 24 do corrente polaj 10 horas da
do primeiro anno de servico, e o restante rindo o manhaa no armazem do Annos defronle da al-
prazo de seu alistamento. i (andega.
3.0 Os premios dos imperiacs marinlieiros e os j
das pracas do balalho naval serao abonadascomo
os dos voluntarios da terceira classe.
Os premios de 6:000#000 at 100000,
, iHJf2S!auk?l24 Sender m- ser3 Pa3s uma hora depois da extracto.
urna casa terrea dividida em 2 que rende 225 .a r u- i j '
mensaes na ra Imperial n. 260, e 5 partes de ^te fs 4.horas da tarde' e os outros deP01s
outra casa na ra da Roda n. 18.
Terca-feira 21 de corrente
Xa ra do Queimado n. 6,' segundo andar.
Leilo de 38o barris com toncl-
nho de Lisboa.
Tcrca-feira 24 do corrente.
O asente Pestaa vender em leilo por conta e
4. Os premios devidos pelo alistamento de
menores paras as companhias de aprendizes mari-
nheiros sero pagos integralmente, logo que se ve-
rifique a entrega dos ditos menores.
Art. 21. As gratificacoes que competern aos vo-
luntarios que directamente se alistarem no servico
da armada, sero pagas conjuntamente com a pri-
meira prestaco do premio respectivo.
O secretario da capitana.
Vecw de Aquino Fonceca.
CORREIO.
Pela ndministraco do correio, se faz publico
que-hoje (23) do corrente pelas 3 horas da tarde
em ponto fechar se-ho as malas que o vapor To-
cantins, tem de conduzir para os portes do sul.
Os jornaes sero recebidos at 1 l|2 hora da tarde
e as cartas admettidas a seguro at 2 horas.
Leilo de madelra.
Terca-feira 24 do corrente.
O agente Pestaa vender por conta e risco de
quem pertencer porcao de niadeira Icndo alguoiaj
travs, tudo no estado om que se acha, n > largo
do Forte do Mattos: terca-feira 24 do corrente pe- na na Imperial n 221
Iasl2 horas da manhaa.
Leilo de 9O0 cai&as com vidros
Terca-feira 24 do corrente. j
O agente Pestaa vender po] conta e risco de
quem pertencer200caixas com vidros no estado
i em que se acham em um ou mais lotes : terca-1
j feira 24 do corrente 1 hora da tarde cm ponto
no trapiche do baro do Llvramento no Forte do
Mattos._____
Leilo de escravos.
Quarta-feira 24 as II Imras.
da distribuicSo das listas.
As encommendas sero guardadas so-
mente al a noite da vespera da extraeco
como Je costume.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Osabaixo a^ifrrtados de.claram ao corpo do
commercio quedissolveram amigavelmente a so-
ciedade que tinham na fojfc de fazendas da rna da
Cadeia do Recife n. 47, que gvrava sol) a lirma
social de Pinto & Flore, (cando o activo e passi-
vo a canto do socio Antonio de Souza Leal Flores.
Recife 12 de Janeiro de 1864.
Antonio de Souza Leal Flores.
Frederico A.P. Piulo.
Preci:.a-se de um menino de (2 a 14 annos
do idade para caixeiro de um armazem de sal :
i'rei:isase de urna boa costureira e engom-
madeira, preferese que seja escrava : em casa do
Sr. Cambrone em Santo Amaro.
ir
RA NOVA
JOSEPH
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMRGANA
DE
!%*avegaeo costeira a vapor.
Paraliyba, Natal, Vaco, Aracaly, Cear
e Acarac.
No da 26 do corrente s S ho-
ras da tardo segu um dos vapo-
res para os portos indicados. A
carga ser recebida at o dia 25
'ao meio dia, acompanhada dos
respectivos ooahecimento3, encommendas, passa-
geiros e dinheiro a frele at as 2 horas do dia da
sahida : escriptorio no Forte do Matles n. 1.
COMPANHIA BEASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado
at o dia 30 do corrente o vapor
Princeza de Jointille, comman-
dante o primeiro tenente Araujo
o qual depois da demora do cos-
tume seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua enagada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo Para o Rio de Janeiro.
Pretende seguir em poucos das o patacho Ca-
puan, tem parte de. seu carregamento bordo, pa-
ra o resto que Ihe falta o escravos a frete : traa-
se com os seus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
OLYMPIO
sendo
e engomma
vender em leilo diversos escravos
Urna preta de 30 annos, cosinha
com perfeico.
Urna preta de 25 annos, cosinha, engomma e
cose, com peifcico.
Urna prea de 13 annos com principios de habi-
lidades.
Urna mulata de 22 annos, cosinha e engomma
perfeitatnente e urna lilha de 4 annos.
Um mualo de 2l aonos, copeiro e boliciro
Um mulato de 32 annos copeiro o sabo engom-
mar.
Urna negra de 20 annos para qualquer servico. i
E outros muitos esmvo que ostaro patentes;
no dia do leilo.
C B i El.i:i no
g tem a honra de prevenir as pessoas que
!__ tem qualqncr concert ou amolacao era
m maos delle que venham os buscar at o
g Ira de Janeiro, es que ficarem dessa data
f)g sero vendidos para pagamento dos mes-
jh mos, nao se attondendo a redamaran al-
jg guma passado esse prazo.
g| Approveila essa occasiao para avisar
s< aorespeitavel publico, que elle tem para
B vender os
I AFIADORES
m
sua invencao,
PRIVILEGIO
pelos quaes obteve u
DE 15 ANNOS
m
^ a sua superiorldade sobre lodos os que ^
^ appareeeram at hoje de sobre-mo- 8R
|| do provado pela extraeco que ells tem ZM
JUg no Rio de Janeiro, aonde sao muilo apre- ^
ji ciados. 9S
Caixa fllial do banco do Brasil
ein Pernambuco.
S) novamente convidados os Srs. credores da
Para a Baha
Pretende seguir com brevidade a sumaca Hor-
tencia, tem parle de sen carregamento prompto
para o resto que lh" falla trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Para a Baha pretende sahir em poucos dias
a veleira escuna Elisa, capito Belmiro Baptisla
de Souza, tem a maior parte da carga tratada, para
o pouco que Ihe falta trata-se com os consignata-
rios Palmelra <& BeltrSo, largo do Corpo Santo n. 4,
primeiro andar.
Porto por Lisboa.
Pretende seguir com brevidade a muilo veleira
barca portugueza Corea, por ter grande parte da
carga engajada, paro'o resto e passageiros aos
quaes offerece aa melhores commodos: trata-se
com o consignatario T. de Aquino t-onseca Jnior
na travessa da Madre de Dos n. o, primeiro an-
dar.ou com o caitao na praca.___________
Rio de Janeiro
O patacho Valente a seguir em poucos dias, ro-
cebe carga miuda e escravos a frete : trata-se
com'os consignatarios Marques. Barros 4 C, largo
do Corpo Santo b. 6.
Leilo de dividas.
Quarta-feira 23 de jaueiro.
O agente Pinto levar novamente a leilo as di-
vidas activas da extiocta firma de viuva Vieira ^
C, na importancia de 1:687522/ rs., servindo de
base o ma,or preco obt.do no leilo anterior, .so massa fallida de Joaqui.n Francisco de Mello San-
ILrrn, n Si em ^ escr,Pt Ip ^ apresentarem nesta caixa tilial seus litlos
ruaua yraa n ______________^^________ ,je crejlt05 para serem altendido? no dividendo que
Leilo quarta-feir. 25 do correte as se tem *fazer no ,i,n do0guarta u%*
11 horas. Ignacio Nones Correa.
Cordeiro Simdes far leilo de um excellente
microscopio composto com 3 lentes achromaticas
que augmentam os objectos de 20 a 180 vezes,'
proprio para analise de chimica orgnica etc..'
com este microscopio pdese nao s ver lodos os
insectos ordinarios, mais tambem a< lavras aquati-
cas, e fazer todas as esperieocias microscpicas
mais curiosas : na rna da Cruz n. 57.
Leilo de movis, escravos, pianos e
outros arligos de gosto.
Quarta-feira 23 do corrente as H horas.
Cordeiro Simdes far leilo de trastes novos e
usados e outros artigos de gosto como seja : guar-
da roupas, eommodas, lavatorios de pedra, secre-
tarias, relogios de parede e de algibeira, quarli-
nheiras, cadeiras, mesas, pianos e urna mobiiia de
amarello, escravos de ambos os sexos, caadieiros
a gaz etc., ele, cujo leilo ser efectuado a ra
da Cruz n. 57.
Vender na mesma occasiao um santuario e
trocar as imagens competentes.
s
Leilo de urna casa terrea nova, edificada
em chaos foreiros na ra d) Socego n...,
com 2 salas, 2 quartos, cosinha fora, ca-
cimba e quintal murado, a qual rendo
209 mensaes.
Quarla-feira 23 de Janeiro.
Por oterveneao do agente Piot), s 11 horas do
dia cima dito, em seu escriptorio ra da Craz
numero 38._______
LeilSo de urna casa de iaipa na povoaro do
S. Lourenco da Matta e dons quartaoft
Qnarta-fefra 23 de Janeiro.
O agenle Pinto far leilo a requerimento do
teslamenteiro do finado SalustianoFcrreira Couli-
nho, t por mandado do IWm. Sr. Dr. juiz de o*-
phlos, de nma casa de laipa nova com ntenctlios
de urna pequea taberna, e dous qoarlco. i as,'
10 l|2 horas do dia cima dito, em seu eatiptor
ra da Crui n. 33..
Osabaixoassignados estabelecidos com
loja de ferragens na ra do Queimado
n. 12, sobre a razo social de Fonseca &.
llocha, declarara que dita soriedade se
acha amigavelmente extiocta desde 31 de
dezembr* prximo passado, llcando a
cargo do socio Rocha a liqoidacoda mes-
ma. Recife, 21 de Janeiro de 1865.
Antonio da Fonseca e Silva.
Jos Rodrigues da Silva Rocha.
INJECTION
PERFUMARA MEDICA HYfrENICA
te J.-P. LAROZE, quimic*, pharmaceutico de la Escola especial de Parid.
Eites produetM si o resultado da aplie*;io .lis ltis da hjaiene i perfumara, aua e eriac a
rnase pharmacia da BeKtza, encarrffgada de prever hygiene da pt-lle, dos cabellos, dol dotea,
rgies to importante; entio etita e destroo as causas Jai doencas que sua innan mais reth
a pharmacia propriamenfe chamada, ten: que curar.
i ptr ctrzt lrneditmnHM
dereou raivas de denles; o vfdro 1 fr. 25
f* UMlURMloa OOm BE RM com base de
Magnesia, para branquear e conserrar os denles;
e lidro...........1 fr. K
opiato DZHTIPIUGIO paraforlificar ai gingivas
e evitar as nevralgia dentarias ; o pote 1 fr. 5
OTSATITO MH'AJUO para tratar os deates
cariados aates do cbambamento, e evitar ee ah-
ceeaee e deret; e vidro com e instrumento U Ir.
AOOA LBUCODBRMIRA, para conservar a frescura
e aa faoccoes da pello; e vidro > Ir.
ararro DE AJIIZ REOTiriOADO. cotaplemento
do aceio da bocea despoie de comer; e vidro 1 fr. 26
AJO ixirmo atEDiauAl., de violeta, amendoa
iarga, booqaet, a po.......2 fr.
aauunji e sabo lenitivo medioimal de
Ernas de ovos, para evitar as feadas, frieiras e
sacas da pene, de violeta, de bouquet; o pso 2 fr.
mrmtam di sabo lenitivo medicinal em
pos. BUa e especial para a barba, o aceio das
seeaoras a das crlaaoas, o vidro.....2 fr.
AMIA ldstral para conservar e embellezar os
cabellos, e fortigear saas railes, o vidro. S fr.
",
OLBO avela feri-omado para rrawdiar a
duren des cabellos e a saa atona, e vidro. I fr.
vinagrb na Toiurm nrwmio* peh m
suaviJade e sua aceio refrestanle, o vidro. f fr.
COD REAM 80P1RK) para conservar a peHe
clara, fresca, e dlapbaM, a evitar aa mos efleiMe
do uso das cores, o pote......1 fr. 5*
agua de colocha SuraBJOft, com eu se*
mbar; paraiaaeacla de seu perfume o faz batear
pera o toeador, banhos geraes a leeaes, o vidro 1 fr.
PABTla.BA8 orbmtabs do Dr. Paul ClemeiM,
Eara tirar o chairo do tabaco e para modear aa
ailitos fortes;' 1 a 2 fr. a caixa.
agua de noaas oa altaxima, cosmtico
bascado para tirar as comichees, fortificar e re-
frescar cenes orgaos, o vidro. I fr. 25
ESPIRITO DI ORTELA SDPERriNO. EHe t O
aparfeicoamento indispenaavel do aceio da Bocea
depois de comer, o vidro. ..... 1 fr. 25
POMMADA CONBRVABORA de quinina pora
para fortificar os cabellos, os embellezar e evitar
o encaaeeimenio prematura, e pele.. i fr.
Depositas em cada cidade, m caza dos pharmaeeutieos, perfumistas, eabelleirnroe, negociante de
modas e de faiendas. Tarejo: Phabkacu Laroze, roe Neuve-des-Petits-Champ, 46.
Kxpedieoes: em caza de J.-P. Luoa, roe des Lioas-Satat-Paul, n', en Patis.
Ra ilo Imperador n. 38. Iiotica francesa.
XAROPE
DE CASCAS de LARANJAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimico,
Maimacistico da iicola sDPiaioa di raaia.
. Jsle sa'ope regularisando as funecoes do estomago e intestinos, destroe essas
mdisposiccs proteiformes, e faz abonar as molestias de que sao indicios precurso-
res. Mdicos, e doentes tem reconhecido qoe restabelece as indigestoes, fazenda
desapparecer os pesos de estomago, que calma as enxaqnecas, espasmos, e caimbras,
que sao resultado de digesldes penosas. Seu gosto agradavel e a facilidade com qne
se suport, o tem feito adoptar como especifico infallivel das doencas nervosas,
gastritis, gastralgias, clicas de estomago e de entranhas, palpitacdes, dores de
coracao, vmitos nervosos; sua accao sobre as funecoes assimiladoras tal, qne es
mdicos mais Ilustres o tem adoptado por rescipiente real dos dous primeiros
agentes therapeulicos: o Iodurcto de Potassa e o Proto-Iodureto de ferro, Icndo
observado que -debauo de sua influencia, o primeiro perde sua accSo irritante, e o
segundo seu effeito adstringente.
XAROPE FERRUGINOSO
De cascas de laraajas amargas com
proto-iodureto da farra.
A associac,So do sal ferro ao Xarope de cas-
cas de laranjas tanto mais racional quanto
que este xarope, empregado si, para estimu-
lar o apetite, activa a secrecao do sueco g-
strico, c por fim regularisa as funcQocs abdo-
minaes, neutraliza es mies effeitos dos ferru-
ginosos e dos ioduretos (peso de cabeca, pri-
sao de ventre, dores epigstricas) em quanto
Jae facilita aa absorpeao. Dissolvido no
arope, elle se toma e se supporta fcilmente,
por achar-se no estado puro maisassimilavel;
assim pode continuar-se a cara da patlidez,
corrimentos brancos, anemia, affecccs escro-
fulosas e racliilisrao:
XAROPE DEPURATIVO
Oe cascas da laranjas amargas com Ia-
duroto de potassa.
O iodureto de potassa, administrado em
solurao ou debaixo da forma solida, causa ao
docnte ama grande repugnancia, ou determina
accidentes que o forceo renunciar a esta
medicicao efficaz.
Unido porm ao Xarope de cascas de laran-
jas, elle naS causa nem gastralgias, nem per-
turliacSo do estomago e intestinos, e grabas a
este salvaguarda, os tratamentos depurativos
slo continuados sem interrupc&o, as affec-
cOes escrofulosas, tuberculosas, cancerosas e
as secundarias e terciarias, mesmo reuma-
thismaes, as quaes elle o mais seguro espe-
cifico. A dose est definida de tal maneira
que o medico pode vtrial-a a saa vontade:
0 frasco : 4 fr. 50 c. 0 fraaoo: 4 fr. 50 e.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE esto semprc em frascos especiaes
(nunca em meias garrafas nem em frascos redondos). Expedirles: em casa
J.-P. LAROZE, rus des Lions-Saint-Paul, 2, Pars.
Hua do Imperador n. 33 t
O O
s
^a?e.aIa.,.3^55-^5!
r>a:
."3
V w w ai -
eBff u -^ i
"\. :-. = = = 2S_.c:
5-sI?_I-'


n = =
a = = -
S
-

o u o p- 3 | -
rtfi
= a*n3sf>s!
\nt\
w

o > 5 = < c-
S EM
!TS c.S.'S.0 .<
01 o. a*-
ai OpO
Isrllg^S.ii
S 2.0a" S
slfrlii
c ~3 o = 5 a
flflffP
m
2.
5'
co
su

53
O
t-1
M
O
Vendc-se na ra do Imperador botica franceza n. 38.
Ao coituiiercio
Os abaixo Usigpadys declaran) ao publico e es-
pecialmente ao corpo do commercio, que desle o
Luiz^Pereira de Mello, proprietano do hotel cm dia ;(( rto dezemliro prximo passado : se acha
Jatioatao, avisa a todas as pessoas que o honravam dissolvida amigavelmente, a sociedade (|tie tinham
com as suas liospeJa.'ens, qne de hoje em diante
acaba com o dito estalielecmento.
Declarase que urna parte da casa n. 18,
roa da Roda, acha se hypothceada por escriptura
cm notas do tabellio Baptisla de S.
Aviso commercial.
O abaixo assisnado vendo um annuncio publi-
cado no Diario de Pernambuco de 21 do correte
pelo Sr. Antonio Jos Ribeiro Braga, em qne de-
Blara :er apartado a sociedade qae tinhamos em
ama casa de commercio aa villa do Pilar das Ala-
goas, o Ocar eu respoBsavel pelo activo e passivo
da mesma sociedade, declara que de tal annuncio
nao teve scienria, e que com quanto a sociedade
eslea dissolvida, anda se nao rondlo a escripia,
em fechamos nossas conta?, etc., e por isso ainda
nao sei se me convira ficar ou nao obi gado ao
activo e passivo da mesma casa.
Recife, 23 de Janeiro de 18ij.
Ilallhazar Jos d M. Bastos.
-~ lo corredor do sobrado a. t da na
da Imperalriz furtaram, na manhaa de 21
do corrente, tres vestidos trancos, sendo
dous bordados coro bics e fentremeios, e
rna com babado bordado : quem forem of-
fcrecidos u delles souber, faca favor noU
ctat na casa cima, que alm de ser %rai'fr
cade moito obrigado se ficar.
Roga-se ao Sr. Andr de S e Aibujftierque,
do engeobo Santo Andr, que so digne tlirigir-se
jrua Nova n. 14, quando vier ao Racife^afim. de ce-
^ber ura sarta que ah existe.
Os abaiso asignados declaram ao corpo do
commercio, que n'esta dala fkeram soriedade em
nome conectivo na loja de fazen/las da ra da Ca-
deia do Recife n. 47, rnja flrnv social girar na
raiao do Azevedo di; Flores, llcando. esta responsa-
vel, pela liquidarlo do passivo de Pinto Flo-
res.
Recife, 1.1 de Janeiro do 186o.
Antonio de Souza Leal Flores.
_____________Manee I Martins drf O el Azevedo.
O abaixo assignado faz scienle ao publico,
que nao faeam negocio com' Osear Destriba com a
parte que^em no sitio do Miiniz, pois est hypo-
thecado, e sujeita a letras que tenho vencida e em
juizo.
Recife, 21 de Janeiro de 1865.
____________________Jos Domingos Maia.
A. ScharHer ^(1 mudaram o seu escriptorio
d;i roa do Trapicho n. 17, para a mesma rna
n. 3 A.____________________________________
Precisa-e4e nnw preta do idade que seja
escrava e saina cozinliar o diario de urna casa : tu
Pra^a da Boa-Vista n. 9.
eseja-se fallar com o Sr. Venceslao Macha"
do Freir Perefra da Silva a negocio de sea te
rese : na rna da Praia n. 17, I" andar.
A viuva de Jacinlho Jos" Caetauo, com casa {.
d mesmo lempo mito de vacca nos domiavgo* c. dias
Da casa de molhados_cila a ra Nova Je-la cidade,
que girava sob a razao de Andr.iile A Mello; fi-
canOo a cargo d'aquelle, a liquidado do activo o
passivo da mesma firma, ciniinuando as (raasae-
c5es d'aquella data por diantc, em nome de Aoge-
iino Jos dos Sanios Andrade.
Recife, 21 de Janeiro .le 18C3.
Angelino Jos Jos Santos Andrade.
Amonio Pedro de Mello.
:- __,______________________
O abaixo assignado faz scienle ao respetiavei
publico uue deixou de ser seu caixeiro o hespa-
nhol Jos Antonio da Silva desde o dfa 15 do cr-
reme mez por ter desapparecido sem prestar ton-
tas do que lintia a sou cargo, djMiaodo ns chaves
do esiabeleciroeato a um preto captivo que nelle
trabalhava, e como prezem graves suspeilas sobro
o dito Jos Antonio da Silva, rogo-lhe que eompa-
reca no mesmo estabelecimento allm do prestar
ronlas, e dedal forma evitar ser chamado a* tri-
bual competente. Btcile 10 de Janeiro de 1865.
Francisco Rotelhu de Mendonca.
Quem pretender una pessoa liaUhlada para
em atgum engenho enstnar nao s a lingt>a portu-
gueza, mas tambero o latiin, franeea e inglea,
no(5es geraes de rhetariea, n6de infonnar-se na
ru do Imperador n. 81, primeiro ailar.
----------------------1........'..i-?_--------------------------------------------
Alugaiu-se (bus. grandes sobrados com com-
modos pfa numerosa familia, noves e arriados',
com jardn, coebeira,estribara muras comino-
didades, na travessa de Joio Fernamles Vieira :
a tratar na ru* da Senxila Nva t>. 42.
Aluca-^e a casa terrea ct>:n Si tSrtW ru.
da Alegra 46 a tratar na rna de Agnas-Ver-
santos : na roa da Croz, por detraz do.Corpo San- des sobrado ti. Gi, primeiro andar,
to^becco do Abreu n. 1.__________ i _^__________________,_________,
Quem perdeu um passaport no ma 21 desle
mesmo mea, poder procurar w ra do Impera-
dor n.34, quo Ihe ser entregue.
Pretsa-se de um o&Keiro porlugupz
pratica de taberna, quo sejn agradavel e desom-
bararA'Jo, ilaivlo c nlvcimenlo d sua con'ic'.a
na.ra da Crines u. ti.iaberaa.
tTTE^^AO
Traspassa-se nma hypotheca sobre um ngenho
com no vilordo 4:80i, a venceNse em principios de
abril de 1866, descontando os juros de 2 0|0 ao
mez : na ra da Aurora, depois do Gymnasio,
passando a ponlczinba de ferro, na cguda casa.

r\ATA IM/^ADD
I





"i
Diarlo de rernantlmeo ftijda tetra ti de lanelro de nS&.
CASA DA FORTUNA
AOS 6UXH).000
tlilhete* garantido
A' raa 4o Cresa* a. 2| e casas de entone
0 abano issigaa'do vendeu nosseus muitofeli-
tes bilhetes garantidos da lotera, que se acabou
de extrahir a beneficio da "Sania Casa da Mise-
ricordia, os seguales premios;
Un qaartos n. 190icoma sortede 6:0005000
Doos quarto o. 916 com a sorte de ffOOfuOO. e
E outras muitas sortes de 2005, 100?, 405 a
205000.
01 possuidores podem vir receber seusrespec-
vos premios sena os descontos das leisna Gasa
da Portan ra do Crespo n. 23.
Acham-se venda os da segunda parte da
decioia primeira lotera a beneficio da matriz
da Bia-Vista, que se extrahiri no da 26 do
corrente.
Precos.
metes inteiros..... 74000
Meios......... 34500
Qaartos........ 14900
Para as pessoas qt compra rem
de 1004 para cima.
Bilhetes....... 64500
Meios........ 3*230
Qaartos........ 14700
Manoel Martins Finia
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1839
Urna Sanca era dinheir*, depositado nos cafres do estado, garante a boa ad-
ninistraco da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespanha
DIRECQO GERAL
Madrid : Roa do Prado n. 19
A molestia ou infeccao pecec
ral'conhecida pelo nome de Es-
crfula am dos males mai-9
prevalecentes e universal que
ha em toda a extensa lista das
enfermidades de que soffresse
genero humano : disse um no-
bre escriptor da medicina que
mais de urna terca parte de
todos aquelles que morrem antes
da Yelhice s3o victimas, ou direc-
ta ou indirectamente da Escrfu-
la :por si nao to des.
uctiw, porm a principal causa de mui-
rs outras enfermidades que nao lhe sao ge-
ralraente attribuidas.
E' urna causa directa da phyhisica pul-
monar, das molestias do /gado, do estoma-
go e affeccdes do cerebro:Entre os seus
numerosos syraptomas acham-se os seguin-
tes : falta de appetile ; o semblante pal-
udo e s vezes inchado, s vezes de urna
mvura transparente e outras corado e a-
laarellento ao redor da bocea ; fraquea e
molleza nos msculos : dis'gesto fraca e
appetile irregular, falta de energa, -venlre
incitado e evacuacao irregular ; quando o
mal lem seu assenlo sobre os pulmes, urna
cor azulada mostra-se em roda dos olhos;
quando ataca os orgios digestivos, os olhos
tornam-se avermelhados:o hlito ftido,
a lingua carregada, dores de cabeca, ton-
tetras etc.
as pessoas de disposico escrofulosa ap-
parecem frequentemente erupcoes na pelle
da cabeca e outras partes do corpo, s3o pre-
dispostas s affecces dos pulmdes, do figa-
do, dos rins e dos orgos digestivos e ute-
rinos. Portanto, nao smente, aquelles
que padecem das formas ulcerosas e tuber-
culosas da escrfula que necessitam de pro-
tecce contra os seus estragos; todos a-
quelles em cujo fatigue existe o virus laten-
te d'este lerrivel flagello (e s vezes heri-
ditario) estilo exposlos tambem a soffrer das
enfermidades que elle causa, que sao:
.4 phlhysica, ulceracoes do figado, do es-
tomago e dos rins : erupcoes e enfermida-
des eruptivas da cutis ; rosa ou erysipela ;
borbulhas. pstalas nascidas, tumores, rli-
ciimacarbunculos. ulceras e chagas, rheu-
malismo, dores nos ossos.nas costase na
cabeca, debilidades femininas, flores bran-
cas causada pela ulceraco interior, e en-
fermidades uterinas, hydropesia, indiges-
lao, enfraquecimenlo e debilidade geral.
Aos pulmes a escrfula produz tubrcu-
los e finalmente consnmpcao pulmonar :
as glanulas ella produz inchaces e tornam-
se ulceras: nos orgos digestivos causa
desarranjos que produzem 'indrgesto, dis-
pepsia, molestias do figado e nos rins :
na pelle produz erupces e affecces cut-
neas.
Todos estes males leudo a mesma ori-
gem, carecem do mesmo remedio: a sa-
ber : purificar e fortalecer o sangue.
A salsa parrilha de Ayer
composta dos antdotos mais eicazcs que
a setenta medica lem podido de'scobrir,
para esta m.lestia assoladora e para a cura
de todos os males provenientes d'ella que
coritm virtudes verdaderamente extraordi-
narias c provado incontestavelmente pelas
curas nolaveis e tem conhecidas que tena
feito de tumores, erupedes cutneas, erysi-
pelas, borbulhas, nascidas, chagas antigs,
ulceras, rheuma, sarna, parebas, hydrope-
sia, tosse quando causada por depsitos tu-
berculosos nos pulmes. Debilidade ge-
ral :Indigestao, Syphilis constitucional e
molestias mercuriaes, molestias das mulhe-
res, ulceracoes do otero, a nevralgia e con-
vulcoes epilpticas e em summa, toda serie
de enfermidades que nascem da impureza
do sangue. Vede as certides no Alma-
nack e Manual de sade do Dr. Ayer que
se distribue gratuitamente nos lugares onde
se vendem os remedios.
Este remedio o fructo de longas e labo-
riosas experiencias, e ha abundantes provas
das suas virtu les: posto que offerecido
ao publico sob o nome de Salsa parrilha,
composlo de diversas plantas, algmas das
quaes sao superiores a melhor salsa parri-
lha no seu poder alterante.
PEITORAL HE CEREJA DE AYER.
Cara promptamenle a asthma, bronchite,
tosse, defluxo, angina, coqueluche,
phthysica primaria, tubrculos
pulmonares, e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allivia os etlicos declarados.
Todas as molestias da-garganta, do peito
e dos pulmes pdera ser curadas em pou.
co lempo pelo peitoral de cereja do dr-
AYF.R.
A' venda as principaes boticas e droga-
fias do imperio, e na agencia central do
Rio de Janeiro ra Direita n. 15.
Vende-ee em Pernambuco:
a pnarmaela franceza de
P.MIURER & C.
RA NOVA N. 18.
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de supervivencia dos segaros
sobre a vida.
-N'ella pode se tazer a subscripgao de maneira que em nenhum caso mesmo'por morie do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,queainda mesmo diminuindo urna terca parte do inleresso produzido em recentes liquidares,
combinando o com a mortal idade da tabella de Depareieux que e adoptada pela companhia para os
seus clculos e liquidares, em segurados da idade de 3 a 49 annos, urna imporsico annul le 1004
produz em effectivo metlico :
No fim de 5 annos....... 1:1194300
de 10 .......3:9424600
deIS........11:2084200
. de 20........30:2564000
de 28 '........80:3314000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sito mais considerareis.
Prospectos e mais informales serao prestadas pelo sub-director nesta provincia o'Sr. Jerony
mo Joaquim Finza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12, estabe
lecimento dos Srs. Rayraundo, Carlos, Leite A Irmao.
MUDANCA.
Manoel Ferreira Pinto Malheiro mudou a sua
loja de ourves da ra das Larangeiras para a ra
do Cabug n. 2 B, onde espera continuar a mere-
cer acouliaoca de seus amigos, e do publico em
geral;__________________________________
Precisa se de urna ama para cozinhar e com-
prar : na ra das Cruzes n. 9, segundo andan__
Joaquim Reso e sua senhora subditos ingle-
zes, levando em sua companhia um criado subdi-
to francez, vao para a Europa no vapor inglez
Magdalena.__________________________
Precisa-se de um caixeiro para taberna : na
ra Direiia n. 6. ______________________
Precisa-se de nma ama para engommade,
para casa de pouca familia : na ra Direita n.
112, sobrado.
Antonio Jos Ribeiro Brapa, faz sciente ao
pnMiee, especialmente ao corpo do commercio, que
lissolveii asociedade que linh na Villa do Pilar
de Alagoas, rom Bathazar Jos de Magalhies Bas-
tos, e que gira va sob a Arma de Bastos & Braga,
(cando todo o activo e passlvo, a cargo do mesmo
Bastos, niotendoo abaixo assignido mis respen-
.sabilidade alguma pelas transacoes da anliga fir-
ma, nem dos actuaos negocios do referido Bastos.
fieci'p. 19 de janeirode 1865.
Antonio Jos ntbeiro Braga.
m O hacharel m
M Francisco Angoste da Costa B
jai ADVeQADO JM&
$| Ra do Imperador numero 69. gg|
^g_g_tf __:_? "MW& WxMVi)M*M
Qne pee hincha.
Um sobrado de um andar por 254 na ra Im-
perial n. 116, pintado e forrada a sala de novo : a
tratar na ra Direita n. 127, taberna, ou Cinco
Ponas n. 23, primeiro andar, das 6 as 8 horas, e
d_ 4 em dame.__________________________
Deseja-se fallar com os Srs. Joo Chrisosto-
mo deAlbuquerque, de Pedras de Fogo, Jos Joa-
quim Correia da Luz, do engenho Cajueiro, ou
com quem flzer suas vezes nesta pra^a : no es-
criptorio de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho,
largo do Corpo Santo n. 19._________________
No Porte do Mattos n. 20 ha para alugar
urna escrava que faz todo servico de urna easa.
Precisa-se de um bom cosinheiro na ra da
Roda n. 6, prefere-se nacional.
Joao da Silva Ramos, medico pela Uni
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem sr.a casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operadlo cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 34000 diarios.
Segunda dita.... 24500 >
Terceira dita.... 24000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
0 proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a contianca de que sem-
pre tem gozado.
Aluga-se a casa da ra do Calabouco n. 28 :
a tratar na ra do Si-lio n. .'Iti.
Ni ra Nova n. C5, segundo andar, precisa-se
de um criado de boa conducta.______________
LAVADEIRA.
Na ra da Cruz n. 33, precisa-se d'uma lavadei-
ra boa, e que seja ligeira no servico. E' para casa
de bastante familia, e agradando ter boa fre-
guezia.
Na ra do Qneimado loja n. 20, precisa-se
de urna ama que saiba bem cosinhar, ^refere-se
escrava. _____
No dia terca-feira 17 do corn-nte, a 1 hora
da tarde, em Santo Amaro furtaram um cavallo
que andava pastando peado na campia do hospi-
tal dos Lazaros, e nessa occasio eslava no oito
doquartelqne fui de cavallaria, tem os seguintes
signaes : rodado novo, inteiro, ps e maos calca-
dos, e este com mal de besta, dina e cauda regu-
lares, carrega baito, carnudo, no peitos marca de
ferida do peitoral por ser de carrosa, no quarto
esquerdo o seguinte ferro SAP: roga-so aos Srs.
donos de coxeira a quem for offerecido de o
apprehender e quem dellc souber dirija se ao hos-
pital dos Lazaros a fallar com o regente do mesmo
que ser recompensado.
Precisa-se fallar com o Sr. capita > Aurelio
Joaquim Pinto a negocio de seu interesse, como
se ignora sua residencia, por isso roga-se-lhe o
favor dirigir-so ao largo do Paraizo n. 10.
Alagam-se duas casas com bons commodos
e prec,o barato na estrada de Olinda : a tratar na
ra d Mangueira n. 20.___________________
O abaixo assignado declara ao publico e ao
corpo do commereio, que deixou de ser caixeiro
do Sr. Jos Fortunato dos Santos Porto, desde hoje
e aproveita o ensejo para agradecer ao mesmo se-
nhorc sua Exma. familia, as manelras urbanas e
delicadas que lhe prodigalisaram no ;periodo de 4
annos e 2 mezes de estada em sua casa. Recife
18 de Janeiro de 1865.
Manee! Martins de Oliveira Azevedo.
Aluga-se um sitio na Soledade ra de Joao
Fernandes Vieira, com urna boa casa de vivenda
assobradada, reedifcala de novo, rodeada toda de
janellas, com grandes commodos para familia nu-
merosa, tendo um grande copiar na frente e col-
locadas nelle tres grandes mesas de pedra marmo-
re, quarto fra para prelos, grande cocheira para
carros, e grande estribara,e em frente a casa um
grande telheiro para jogo da bola cora todos os
seospertences, Iluminado a gaz, assim como a ca-
sa de vivenda : a tratar no caes do Ramos n. 2.
Precisa-se de urna ama forra ou escrava r,ue
compre ecozinhe pa/a urna casa de pouca familia,
conforme o ajuste, pode despensar-se as tardes : a
tratar na ra nova de Santa Rita n. 43.
Aluga-se a rasa terrea da ra do Socego n.
2, e o seguudo andar do sobrado da ra do Rangel
n. 7 : a tratar na taberna no mesmo sobrado.
Furtaram hontem, 19 do corrente, da fren-
te da taberna do Sr. Alves, na roa Nova, am ca-
vallo rom os signaes seguintes: rodado flcando
pedrez, pequeo e multo gordo, anda a passo e
est ferido no joelho do lado direito : qnem o pe-
gar leve ao deposito geral que ser gradeado por
Jos Pedro Gomes de Sena,
Aos se n lio res pais de familia.
O padre Flix Barreto de Vas-
concellos, com aula particular de la-
tim na ra do Imperador n. 35, 1.
andar, contina a receber alumnos
de todas as classes, durante e de-
pois das ferias. Tambem est dis-
poste a abrir um curso de primei-
ras lettras e de francez, logo que
haja numero sufficiente de alumnos
para cada urna destas materias, e
assim tambem a receber como in-
ternos alguns meninos,de cuja edu-
caco o quizerem encarregar. Os
pagamentos sero por trimestres
adiataos, e os precos declarados |j|
jjB pessoalmenle na occasio do ajuste K
SS para a entrada do alumno. V
Alugam-se na cidade de Olinda dous sobra-
dos com bastantes commodos, na ra de S. Bento,
de fronte da ladeira do Varadouro ns. 29 e 30, com
quintal e sabida para casa-de banhos salgados : a
fallar em Olinda com o Sr. Monleiro, ra de Ma-
lina- Ferreira, e no Poco da Panella, em casa do
subdelegado Joao Paulo Ferreira.____________
A festa da Senhora dos Remedios deve ter
lugar no dia 10 de fevereiro do corrente anno. A
commisso endarregada paraarrecadarem ases-
molas sao os Srs. capito Jos Mariano de Albu-
querque, Antonio Joaquim Per eir de Oliveira, l-
ente Jos Pereira da Cunha, tenente Jeronymo
Emiliano de Miranda Castro, Lucio Mariano de
Albuquerque e Samuel Halidory ; alem destesse-
nhores s a]uelles que forem com salva, autorisa-
dos pela commisso, o podero fazer.
publicacaO religiosa.
Agora qut a iapiedade parece querer alfar o
colla orguihosa o audaz, e que os malvados, para
conseguir seas nefandos fins, se tem valido de
quantes impressos ha, at mesmo da sagrada bi-
blia, j falsificando-a edistribuindo-a assim falsi-
ficada, j vendendo-a, j conservandc-a em seu
poder, e forneceudo a sua Icilura pessoas inex-
perientes ou ignorantes, e ja Analmente dando-a
mesmo gratis,nao posso nem devo eu, que, gra-
yas a Dees, disponho, lifre de dividas, de ama ty-
pographia e de una oncadernaco, deixar de,
abnndo mao de urna parte do que Dos me deu,
acompanhar o meu Exm. e Rvm. vigario capitu-
lar em seus constantes esforcos para o engrande-
cimento da nossa sania religio, e de concorrer
com o meu fraco, mas muito sincero contingente
para esse to elevado tim. Neste intuito, enten-
dendo que presto lgum servico causa desla
mesma religio, cora a reimpresso da viaqem de
um peregrino Jerusolem, e visita que fez aos lu-
gares santos em 1817 Fr, oo de Jess Clntsto,
invicto filho de Seraphico, patriarcha S. Francisco,
tenho resolvide por no preloesta obra, e pretendo
fazer a reimpresso da maneira seguinte : Reim-
primir!'. 3,000 exemplares, desles sero destina-
dos 1,009 para todas as pessoas de um e oulro se-
xo, que com documento legal dos seus reverendos
parochos se me apresenlarem, e a cada urna das
quaes entregarei gratis um exemplar em brochu-
ra ; 2,000 sero reimpressos mediante assignatu-
ras, para as quaes desde j convido a populacho
dos fiis, e de todos solicito e espero o valioso con-
curso, na razo de 14 cada exemplar. Nao posso
prescindir, porm, de rogar o pagamento adianta-
do de cada assignatura. sam o que nao me ser
permiltido effectuar essa reimpresso e conseguir
apresentar ao publico nma edico, j em si mes-
ma grande e dispendiosa. Pata os que nao assig-
narem, o proco de cada exemplar venda ser
determinado ua occasio.
Nao sei qual ser o resultado dos meus esfor-
cos, mas seja qual for, de Dos espero a recom-
pensa.
Assigna-se nicamente por hora na ra do Im-
perador n. 15, defronte de S. Francisco.
______Francisco Coelho de Sin-Ses. Silva.
Clymuasio Provincial.
Do dia 16 de Janeiro em diante, estaro ber-
tas as matriculas das seguintes aulas do Gymnasio
Provincial: primeiras letras, lalim, francez, in-
glez, grego allemao, malhematira, geographia e
historia, cloquencia e potica, philosophia, lingua
e litteratura nacional, setnelas naturaes e^ntsica.
Nesse estadelecimento mediante a mdica quan-
tia de 14 diarios, tem os alumnos internps roupa
lavada e engommada, medico, botica, barbeiro,
: luz, penna, papel, tintae creados para o servico.
; Os meios-pensionistas pagam metade dessa quan-
tia e os externos 154 Pr trimestre, podendo fre-
| quentar as aulas que quizerem.
O secretario, Cabral.
Ama
Preeisa-se alugar urna escrava para ama de ca-
sa : na roa Velha o. 17.
VEHDAS.
ALMANAK.
Acaba de sabir dos pre-
los de nossa typographia o
Almanak Administrativo,
Aluga-se um sitie na roa do Cabral d&
cidade de Olinda, com casa terrea, com co-
piar nfrente, botaos fundos para a estra-
da e margem do rio Beberibe, com com-
modos para familia, estribara para cavallo
fr "SSS^LS^STvS Mercantil e Industrial" deste
fundo.com ptimos passeios, sala e gabi-'proyjncia OOrreCtO at 31
netenafrente, muitopropria para passar a s_ i i ,
festa.e tambem se alugat por anno: a fal- de dezembrO, 6 Vende S6 a
lar no Recife, nalivrarian. 6e8 da praca "I k un li'vrflT'in ns fi oft
da Independencia, e era Olinda na casa con- ^' Ild 11V ldJnd n*' O
uguacom o capuao Antonio Bernardo Fer- da praca da Independencia.
reir.
Aluga-se urna grande e fresca estribara que jft padaria da ra da Se~nzalaYelha n. 84, ven-
admitte bem 5 a 6 bois, com bom quarto que ser- de_S8 a oem conhecida bolachinha de leite fabri-
ve para moradia e fica bem defronte
a tratar as Cinco Pon tas n. 116.
da estacao : cada pelo proprio fabricante.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
1 molestias
2o
3o
de olhos;
de peito:
dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
ro examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d s|
6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
co que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
Vende-se ou aluga-se e sitio dos Buritis on-
de tem o machinisnkda lavagem de roupa, e tam-
bem se vende o maemnisma so : quem o preten-
der dirija-se a ra do Rangel n. 4.______
Vende-se um moleque de 18 annos de idade,
de muito bonita figura, cozinheiro, boieeiro e en-
gommador : a tratar e ver no pateo do Terco n.
2, sobrado de um andar.
Vender nm boi bastante gordo enovo para
carroca, assim como um canoa aberla bem cons-
truida com pouco uzo : a traiar na roa da Con-
cordia n. 4, das qualro horas t seis da tarde.
Vende-se dous fiteiros envidragados, urna ear-
teira para escripias, edez caxilhos para janellas :
a tratar na ra do Livramento n. 28, andar.
Vende-se urna taberna mniuTafregzda
| para a trra e malto, cora poucos fundos, e a casa
tem proporedes para moradia na freguezia de
I Santo Antonio; a tratar na ra das Cruzes
; n. 42._______________,..,__________
Vende-se doce de caj seeco fino, em latas a
vontade do comprador : na ra das Cruzes n. 34,
Io andar.
Escola central melhodo Cas-
tllho.
Est abert desde 7 de Janeiro ; ensina as mate-
H_388^MMr!2
na ra
AMA.
Precisa-se de urna ama para cozinhar
larga do Rosario n. 12, segundo andar._______
O solicitador Pedro Alejandri-
no da Costa Hachado
se encarrega ante o foro desla cidade de tudo que
Livras baratos.
Vende-se pelo custo da Europa as seguintes
obras : Demolombe, coors du code Napolen 19
volumes, encadernado em cooro 704, Troplong 6
vois. ene. em gr. 8 fr. 484, dlccionnaire de la con-
versaron ou repertoire de toutes les connaissances
necessaires dans la vie sociale, et relalives aux
sciences aux letres et aux arts, l'histoire, Geo-
graphe, Droit, etc., 26 vols. ene. com grav 754,
Barn de Locr, legislalion civile, commerciale e
criminelle de la france ou commentalre de finq
codes francais, vol. ene. 504, Rogron les codes
franjis expliques 2 gr. in 4* 184, Pardessus
for tendente a sua profissao, aceita de partido an- droit commercial 4 vol. ene. 124, Le Joif Errant
nual as pendencias jodiriaes de qualquer casa 3 vols, 104, e oulro muitos livres, que enfado-
fias do Io e 2o graos, recebe alumnos, pensionistas'commercial mediante razoavel ajuste. Contina nho mencionar : na ra da Imperatriz n. 53.
e meio pensionistas, por precos commodos ; nao a se encarregar de cobrancas nos termos do Cabo! Vende-se urna parte da propriedade denorai-
excedendo elles a doze annos de idade : na ra da; e Ipojuca aonde continua a trabalhar como d'an- naa-a serra da Cothoeira, sita na freguezia de ta-
Ponte da Capunga, casa n. 9. tes, e encarrega-se de defezas perante o jury nos quaritinga, comarca de Limoeiro, cuja parte a-
jennos prximos a via frrea, offerecendo gratu- sui da mesma propriedado, com toda a extencJe-
tamenteseus servigos aos desvalidos-, pode ser (ja mesma, do nascente ao poenle, a qual parto
procu-ado todos os dias uteis das 9 horas da ma- divide pelo sul com os possos do Cachoeira e Cou-
nba as 3 da tarde na ruaestreita do osario n. tendas, comprehendendo Capoeira, de Eslevoda
34, e fora dessas horas na rna Imperial n.36, ca- -
0 professor de piano
J. Coelho da S. Araujo, contina a lec-
cionar, mora na ra do Livramento n.
21, segundo andar.
Companhia fldelldade de
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no
Klo de Janeiro.
AGENTES EM PEPNAMBUCO
Antonia Luiz de Oliveira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
m
- Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica
de taberna, de lia 16 annos de idade, e que d
fiador a sua conduela : a traiar na ra dos Pires
numero 34.______________________________
Mobllla.
Alngam-sc mobilias : no paleo do Terco nurae-
ro42.__________________________________
AVISO
aos terceiros de S. Francisco.
Chegou a verdadeira estamenha para hbitos, a
qual se vende muito barato : na ra do Queima-
do n. 39, loja de 4 portas.
sa de sua residencia.
2$ 0 bacliarel Jorge Uoraellas
2g& continua a residir ra larga do Rosa-
S rio n. 26, primeiro andar, onde pode ser
| procurado para exercer a sua profissao: jft
tjii 1" de advogado nos auditorios desta ci- 2j
R dde;
i" de mestre da lingua franceza, en- 2
sinando-a larde, e tambem noite a >?
pessoas cujas occupagSes embaracem ^^
aprende-la durante o dia.
mmmmmMmmmmmmm
Desappareceu do largo da Assembla, um
cavallo raslanho com os signaes seguintes : tem
. o p esquerdo hranco do piador para o casco,
nto qoizer confiar ao mesmo abaixo plssero^ae me0 com cllDa preIa e Rrossura na
|lacacao de seas lilhos, pode dirigir-se semeja/levando cangalha robera de panno de
algodo com cord' s e arrasto; quem o pegar
ou der noticia em Cruangy ao Sr. Francisco das
Chagas Pimenlel, e no Recife ao Sr. Jordo Jos
de Oliveira na ra do Vigario, ser generosamente
recompensado.
Aula particular.
O abaixo ajssignado, professor particular, provi-;
sionado pela lirectoria geral da instrucgo publica
para ensinai primeiras lettras, lalim e francez,
participa ao espeilavel publico e igualmente aos j
senhores paisjde seus discpulos que segunda-feira'
9 do correntt tem de continuar no ensino das su-
praditas materias, admittindo matricula alumnos i
externos, pensionistas e meia-pensionistas. A pra-
tica de 19 an ios consecutivos no exercicio de seu
magisterio, si a inteira dedicagao e sua moralidade
sao garantas que offerece aos scnbores pais de fa-
milias, que dasejam a sa e til educagao a seus
fllnos.
Qnem port;
assignado a
a qualquer Ik ra do dia aoterceiro andar do sobra-
do n. 58 da i sa Nova, onde ha muito tempo esl
eslabelccido.
A luga-se
urna casa acabada agora, com commodos para fa-
milia, estribara, cocheira, quartos para feilor e
escravos, com banho na porta, no lugar do Poco
da Panella, ra do Rio : a tratar com Tasso ir-
maos, na ra do Amonm n. 35.
Precisase por aluguel de urna preta bna
quitandeira : a tratar na ra do Qneimado n. 17.
JORNALADAS FAMILIAS
Pnhliraro Ilustrada, Iliteraria, arlistica, recrea-
tiva, etc.
O Jornal das Familias sahe urna vez por mez, e
forma no fim de cada anno um bello volume de
cerca de 400 paginas de impressao esmerada, or-
nado de figurines, vinhetas, gravuras sebre ago,
aquarellas, sepias, pegas de msica, desenhos de
trabalhos sobre talagarga, de crochet, tricot, la e
bordados, moldes de vestidos, capas e em geral o
que concernenle a trahalhos de senhoras.
Assignatura por anno 124.
Assigna-se na livraria econmica ao p do arco
de Santo Antonio, onde j existe o primeiro nume-
ro do anno de 1865
Jos Mara Machado de Figueiredo.
mmmmm mmmm mmmm
IFOEIO PROFICUO^
gg para a cara das escrfulas, B
;... ii'amlulas enlaciadas, tu- M
m mores escrofulosos e affecces
(leste genero.
,W O abaixo assignado entre as plantas
ffl submetti(|as ao seu exame botnico de
}s que a muito se ha entregado, desde que
aflinalisou spu tirocinio em dita scicncia
S pelo exmelo cuno do anligo jardim b -
ais tnico de Olinda, e averiguando certas
>jl propriedades medicinal s que Ihes trans-
* mittiramde altrumas plantas, verificou
que a virfia antiscrofula era um especi-
fico contra as molestias cima denomina-
das (na linguagem vnlgar)alporcas. Re-
solveu-se porlanto a expor ao publico es-
te iniei'e.-sane medicamento em tintura,
em vidririho de 1|2 onca, que nm s vi-
drinho bastante para'a cura de um es-
crofuloso e fica muito remedio.
Com os! vidros acompanham um im-
presso, que explica a maneira da appli-
cago e mais circumstanrias.
Vende-se as bolicas dos Srs. Jos Pe-
reira Jacfntbo Jnior, Recite ra Direila
n. 135, e ha doSr. Joao Soares Rapozo,
Olinda roa dos Quatro Cantos. Prego de
cada vidrinho 24-
Jos Eleuterio Carneiro da Cunha.
m
TBESORO DAS MAIS
Providencia das criaticas.
COJLIiARES ROYER
Electro-magnticos.
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DENTICG
Contra as convulsoes e para facilitar a
dentigo das enancas preparados e Inventa-
dos por Royer, pharmaceulico da esro-
la superior do Paria, successor de Chereau,
membro da academia de medicina
amiga casa de Bouillon-Lagrange, pharmaceutico
do imperador
chefe dos trabalhos cliimicos da escola po-
lyteehnica, dinetnr da escola de pharmacia de
Paris, e membr da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-se uuicamente na loja do
Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
OSr. morador da ra Nova que se
; acha a dever 6 quarteis de asignaturas des-
te Diario, queiramanda-las pagagarpois
assim como elle gostade receber a paga de
seus servicos deve attender a d>s ou-
! Iros principalmente o do Diario queem
: trahalham mais de 60 pessoas.
Primeiro divi"enri da ma>sa fallida de
A mo i m, Fragozo, Santos & (].
Os admim-iradores continuara a pagar diari-
mente (at o dia 28 do corrente.) o t dividendo de
5 por cents no escriptorio da ra do Vigario n.
21, primeiro andar, e pedem aos Srs. credores
que venham Toro receber o que Ihes pertenee, vis-
to como d'aqoelle dia em diante s faro paga-
mentos nos sabbados.
Adverte-se ao Sr. Feliciano Joaquim
% de Aguiar, que a sua assignatura deste
| Diario esl por pagar desde outubro do
k anno passado, e que o proprietario da loja
de ourives da ra larga do Rosario n. 40,
Manoell Francisco da Silva Carrito ora tem declarado que nao se responsabelisa,
residente em Macei, julga nada dever portanto S. S. queira mandar satisfazer nes-
nesta praca ou fora della, mas se alguem se ta typographia.
julgar seu crfedor queira apresentar seu titu- _" Aiuga-se uma ama de leite parida a um mez
lo nestes 8 dias, que depois de verificado tendo bom leite : quem precisar dirija-se a cidade
sen immediatamenle pago por Francisco de 0l,ada no becco dc s- Pedro n- 4i- defronte de
Ribeiro Pinto Gnimaraes (para isso autori- nm Pr,a0 do,erro-
sado) ra d'Apollo armazem n. 38. Reci-
Dr. Jeronymo Viltela de Castro Ta-
vares advoga no crlme e civel, commer-
cio e ecclesiaslico. Pode ser procurado
tod is os dias uteis at 3 horas da tarde
em sea escriptorio, ra do Crespo o....
primeiro andar defronleda livraria eco-
nmica.
.
fe 7 de janeijrode 1865.
Na fabrica de calcado do patoo da ribeira de
S. Jos, precisa-se de artistas para obra de senho-'
ra e menina dndo-se tudo prompto, paga-se a du-
na para senhora a 14800 e para menina a 14200,
b todo aquel le Jjue quizer levar sem pospontarter I
ma's 100 rs. em cada duzia.
'^^^
1
Na loja de fazendas n. 28 da ra da Imperatriz
se precisa de uma ama.
Aluga-se
nm pretopara f servico de casa
deia n. 20.
Mara Jos Amalia de Miranda- scien-
tiea aos Illms. Srs. pais de suas alomnas
e a todas as pessoas que se dignarem con-
fiar-lhe suas filhas, que segunda-feira 23 do
corrente Janeiro, pretende abrir a sua aula
na ra larga doosario sobrado de 2 anda-
res n. 1 ao entrar do largo do Paraizo. Alii
se achara prompta a receber meninas pen-
sionistas, meio-pensionistas e externas. -
Julio Cesar Pinio de Oliveira declara
que a Sr. Bazilio da Rocha Oliveira, nao e
mais seu caixeiro. Recife 18 de Janeiro de
1863.______________________________
Slereoscopos
Pequeos stereoscopes com 12 lindas vistas ca-
da um pelo diminuto prego do SJ: na ra do
Crespn. 4.____________________________-
Precisa-se alugar um sitio sendo nosAfflitos,
Manguind, Soledade, Sant'Anoa, Passagem ou
outro lugar, que tenha prompta conduceo: quem
ti ver para alugar dirija-se a ra de Moras 68,
que adiar com quem tratar.
COMPILAS.
na ra da Ca-
A Itenccio,
O bar.hariil Jeronymo Salgado de Castro Ac-
cioly. antigo advogado do tribunal da relagao e
mais auditorios desla cidade, mudou seu escrip-
torio para a rui eslreita do Rosario n. 2, seguudo
andar, onde p le ser procurado para os misleres
do suaprofissfi. __________
Alugam-se barato urnas raei-aguas na entra-
da dos portoes travessa das Barreiras) bairro da
Boa-Vista : a tratar na ra do Coto vello n. 25.
Procisa-se comprar uma escrava negra de 25a
30 annos dc idade, que saiba engommar c cozi-
nhar, ou troca-se por outra : na ra da Aorora,
passando o Gymnasio, primeira casa depois da
ponlesinha de ferro.______________________
t omprara-se escravos.
Silvino Gulherme de Barros compra, vende e
troca escravos de ambos os sexos e de toda idade:
*na ra du Imperador n. 79, t?rceiro andar.
s
bducacao primaria e secundaria
Na iust|luigo de Jeronymo Pereira
Villar, na rna larga do Rosario n. 22, nao
s seensirjam as materias que consi-
luera o cui so regular de primeiras letras,
como as disciplinas preparatorias para a
Facnldade de Direito.
O Rmv. 3r. padre mestre Flix Brrelo
de>Vasconellos est encarregado da aula
de latina ; o Itlrn. Sr. Dr. Jos Soares de
Azevedo cha-se encarregado da aula de
francez; a para as outras materias vio
ser igualmente contratados mui distinc-
jos professpres.
Conapra-s
cobro, lalao o chumbo : no armazem da bola ama-
relia no oito da secretaria da polica.
Compra-seum escravo de meia idade: quem
tiver para vender, dirija-se a casa do Sr. Arantes
na ra do Livramento.
Na praga da IndcpendcBcia, loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro e prata e pedras
preciosas.
Comprase uma taberna bem afreguezada e
que tenha commodos para moradia junto : a tra-
tar i ra de Santa Tberza o. 24.
Compra-se onro e prata em obras velhas, pa-
i 'ga-se bem : na lojs de bilhetes da Praga da Inde-
M pendencia n. 2_________________________
sBaBWSa M flaWNI MMmIKSHmm Compra-se elTectivamente ouro e prata em
- Maame^als, nbdita franceza, retirase pa- obras velhas, pagando-se bem : na ra larga do
.. ra Europa.
Rosar! 5 n. 24, loja de ourives,
Cruz e Salvador ; terreno ferlil de produego de
toda a qual idade dc legumes, com especialidade
para cultura dc algodo e criar gado : a tratar na
villa de Pao d'Alho com Joao Anaslacio Camello
Pessoa, e nesta cidade do Recife cora o capilo
Delfim Lins Cavalcanti Pessoa era seu sio nos
Remedios.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos & Coelho
Ra do Queiinali n. 19.
Vende-se o segninte:
Lences de panno de linho
pelo baratissimo prego de 24400.
Lences de bramante de linho
de um s panno a 34500.
Coberta de chita da India,
pelo baratissimo prego de 24500.
Lencos de cambraia brancos
proprios para algibeira, a 25 a duzia.
Pecas de bretanha de rolo com 10 vara3
propria para saia, a 45-
Pecas de cambraia de forro, a 20000.
Epeira da India
propria para forrar salas, de 4, 5 e 6 palmos de lar-
gura, por menos prego-do que em oulra qualquer
parte.
Toallias alcochoadas para maos
a 35 a duzia.
Laazinhas carmezim miudinhas
proprias para vestido de menina, a 600 ris o ca-
vado.
Lrtazinhas de cores finas
do melhor gosto que ha no mercado, a 560 ris o
covado, neste armazem de fazendas se encontrar
um grande sorlimento de roupa feita e por medida
Attenco.
Existe uma carta vinda da Serra do Martins, no
Campo Verde, ra do Soreg, em um porlo en-
costado a casa n. 20 dc Joviniano Xavier de Sou-
za para o Sr. Dr. Francisco Luiz Correia de An-
drade.
Vende-se uma burra grande, muito boa de
sella, propria para carro ou cabriolet : na ra do
Jasraim n. 21.
Vemiem-se alguidares vidrados e quartinha5
em porgo e a rclalho p >r prego muito barato-
na ra da Scnzala Velha g. 120.
Vende-se um moleque de 14 annos : na roa
de Hortas n. 24, primeiro andar.
Presuatns.
Vendem-se presuntos de carneiro muito gordos
e bem preparados: na ra da Cruz n. 19. ^
Tapioca e gomma.
Vende-se superior tapioca e gomma do Mara-
nhao, em paneiros : na Escadmha, armazem do Sr.
Annes.________^__________________ >
l*:ilh Vende:se execellente palha de carnauba do Ass :
na ra da Moeda, venda defronte do trapicho do
Cunha.
Forma para fabricar obreias.
Vende se nma excellenie forma de ferro para fa-
bricar obreias de massa, com pouco mo e em bom
estado ; a tratar na ra das Aguas Verdes, o. 46,
Io andar.
Vende-se urna das mais ricas armares para
loja, toda de amarello, propria para negocio do
molhados, mas que eom uma pequea ilterago
serve para lazendas; vende-se por menos da me-
lado de seu custo : no armazem da ra da Cadeia
numero 1.
Vende-se urna rica esleir propria para
forro de uma sala, com 20 palmos de comprido e
19 de largura : na ruado Corooniz n. 8._____
Vende-se urn sobrado de um andar, chaos
proprios, sendo o largo do Terco : qcem preten-
de-lo dirija-se a travessa da Madre de Dos n. 7.
Veadcm-se
10 cadeiras de balanco rom assenlo e encost de-
palhinba, ltimamente chegadas da America : no-
escriptorio de Matheus Austin & C. ua do Trapi-
che n. 36._______________________________
Vinlio do Porto superior
em harris dc oilavo e dcimo, veade Antonio Luis
de Oliveira Azevedo 4 C.: no seu escriptorio roa
da Cruz o. 1
Vende se p*r precisao a armagao da loja de
calgado toda envidrara da ra da Imperatriz na
Boa-Vista n. 13, o aluguel razoavel ea casa tem
no interior bastante espaco para moradia : a tra-
tar na mesma loja com a viuva de Joio Jos Meu-
des da Silva. __________
Vende-se 75 jardas de oado matisado pro-
prio para forre de sala, na ra do'Queiraado n.3ii
- Vende-se a taberna da rna dos Pescadores
n, 43 : a tratar na mesma.

'

t-ATA IMPnRRPTA


/

Diario de l'et-naiubuco segunda felra ti Je faueiro de l&ttft.
JTICA DROGARA
in Francssco de Soaia J .
31tai iarf V> Bo*w44
Vendara:
Pilulus Holloway
Pilulas do Dr. Laville.
Plalas do Dr. Alian.
Pilulas do Pobfehomem.
Pilulas americanas.
Pilulas vegetaes.
Pilulas vegetaes assucaradas de Kemp.
Salsa de Bristol. *
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepsina'de Grimault. ,
Vinho de Saisaparrilha de Ch Albert.
Injeccao Feaugas.
Agua dentiflca de Desirabode.
Papel churuco, para talhos.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspaik
Pos antiepileticos de Brest.
RobL'Affecleur.
.Yarope do Bosque.
Ungento Holloway.
0 VIGILANTE
D'IODURETO DUPLO
de FERROeQUININA
mm
Os elementos que compoem esta preparado, o
ferro, o iode e a quina, a collocSo no primeiro
grao das preparares ferruginosas. Basta attestar
seus resultados oblidos pelos Mdicos dos hospi-
taes, e o relatnos dos prcticos mais eminentes,
que confirmro sua poderosa efficacidade as
seguintes affeccdes:
Vlngaa aii(ur.
Fruqiirta.
Anemia.
ChUroat a Ictericia.
Menstrua.
Arrcccea da ulero.
SnparcHOea dan re-
Rran e a>aara>a na
mraatrnnro.
Alfcccao pulmonar e
hlhlalc.
Molri.Ua. d>tit Amago.
Gastralgias,
rerda d'appetlte, ete
Coavaleaceuca de lon-
> molmtlu.
Malesllaa eaerafala*
aaa.
Pnpclra.
Obutrurraa daa glan-
dulaa.
Humares fro*
Humor braneoa.
RachltlMua.
Atfcrcoca cancerosa*
e j plilllllcaa.
Febrea typholdea.
Varlolca, etc., ete.
VejSo se os bulUlins de therapeutica medica
e cirurgica de 30 de twvembre 1860; a Caseta
dos kospilaes de 28 dejulho 4860, etc., etc.
Alm das pilulas de iodureto duplo de ferro e de
quinina de Rebillon, os Mdicos aconslho
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
ferro e de quinina do mesmo author para as
pessoas que nao goslo de medicamentos sob fir-
ma pilular e os meninos. Este xarope nio tem
como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se n5o poder conservar.
Peca-se o folheto-que se d de grata em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para-se evitarem falsificacoes, exija o com-
prador en cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral era Paria, pharmaciaReblon,
4 42, roe du Bac, e em todas as boa pharmaciof
de Franca a dos puizes eslrangeiros, etc.
GRANULOS
Iue BISMUTHJ
DE CHEVRIER
Os granulos au bismulh de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparaedes de
bismuth empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de lodos os patzcs, para prevenir e
curar as
Dlarrhraa chroulcaa. Ms dlgeatoea.
Ii xxciili'i'lan. Uaatrltea.
Do rea d'eatdiaga. GaltralKlaa, ete.
Dyapepalaa.
Os primeiros symptomas d^essas formidaveis
aflccces se manifeslo ordinariamente por diges-
toes laboriosas, asidumes, falla d'appetite, pesos
d'estmago depois de cada comida, caimbras es-
tomacae1', c, inditas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuido, traz ine-
vitavelmente, que seja:
Molratlaa de ligado.
A Ictericia.
Una do Crespo u. V.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
poso Ballisa, na sua ordem do dia, e pela Branca
Aguia, apesar de que, para estes o Gallo coto seos
agudosesporoes nunraus olTender, antes osagra-
ciar na mesma conformidade, para que o Baliza,
1 possa marchar em frente, a Branca Aguia possa
levantar seu voo.'levando no bico as palinbas seu
I ninho; e o Gallo ficara em seu espacoso campo
! daode de doto o sea canto annunciano a seus
. bons freguezes e aorespeitavel publico
0 grande sorlimento deobjectos do milito gosto que
acaba de receber.
Ricas caixnhas rom msica ricamente enfeita-
das para costura, proprio para um delicado me-
nino.
Riquissimos cofresinhos com cadeados de meta
para guardar joias.
Ricas canas com estejo, contendo todos os per-
tences para homem.
Riqusimas voltas fingindo perola.
Ditas com lacinhode lita.
Ditas de lindas cores e preta, de todas as gros-
snras.
I Lindos aderecos cora pedrinhos fingindo bri-
lhantcs.
! Ricas livellas para cinto, de todas as qualidades
e bom gesto.
Ricos cintos do ultimo gostode Pars.
Grande sorlimento de lindos enfeites para cabe-
ca, sendo do ultimo gosto e de lodos os precos.
Flores muito finas para noivas.
Luvas entenadas e meias de seda para noivas.
' Chaposinhos, sapatinhos e meias de seda pan.
baptisado.
Riqnissimas Tilas de todas as qualidades parala-
: co, cintos e cinteifos.
Camisinhas e goilnhas para senhora.
Riquissimos jarros e figuras para ornamento de
I sala.
i Grande sortimento de gravatinhas tanto para se-
i nhora como para homem.
Luvas de pelica branca e de cures.
Cascarrilhasde bonitascres.
Trancinhas, gallo e maravilhas para enfeites.
Transelins de cabellos e de retroz para reloglos.
, Papel amisade e de outras qualidades.
Bolsas para viagem.
Entremeios e babadinhos de lindos padrees.
Lencinbos de linho bordados.
Meias para homem, senhoras, meninos e meni-
nas.
rii11> iuciiu de coracao
nrt-a nos rlna.
Opprcnioea.
Ddrca de eubcea.
Irrltacoca de brzlga e
da mntrlz, ete.
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicacs para prevenir ssas diver-
sas molestias c cural as quando sao tomados a
lempo.
0 preco de cada frasco de 4 francos.
Depsito geral em Pars, pharmacia Chevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos paizea
eslrangeiros.
rt
*$
FIGADOde BACALHAU
Fitas de veludo lisas e com mtame de todas as
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as qualidades.
Grande sortimento de sabonetes.
Lindos vasos com banha para offerecimentos.
Caixinbascom seis frasquinhos.
Essencias de todas as qualidades.
Agua verdadeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grandes, eem
frascos quadrados egarralinhas. .
Pomada lina de todas as qualidades.
Superior banha em frascos e copos de lodos os
tamanhos.
Sabao inglez em paos grandes c pequeos.
Escovas de cabo "de madreperola, marfim e de
osso, para dentes.
Pentes para desembarazar, com friso de metal e
1 sem elle.
Ditos de tartaruga e de muitas outras qualida-
des.
Pentes de tartaruga para senhora.
Ligas de seda e de algodao, assim como mullos
; outros objectos de gosto que seria impossivel inen-
cinar, que a vista far f, so no Gallo Vigilante,
i ub do Crespo n. 7.
Volitabas.
Lindas voltinhas de perolas falsas eomcruzn'aas
fingindo brilhantcs, assim como cruzinbas avulsas
I e voltinhas, pelo barato prego de 15 c 15200, as
I cruzes avuls asa 400 rs.; so no Vigilante, ra do
, Crespo n. 7.
Leques.
Riquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato prego
!de 12$ e 145; so no Vigilante, ra do Crespo
'n. 7.
GRANDE X0V1DADE.
I S no Vivanle.
j Riquissimos enfeites de todas as qualidades para
: senhoras e meninas, chegados h'oje da alfandega.
simes
Riquissimos sintos de fita larga e estreita com
fivelas grandes e pequeas, com brilhantes falsos,
cousa de muito gosto.
Albuns
i Tambem chegaram os riquissimos albuns para
50 retratos, com capa de tartaruga c de marfim,
cousa muitochique : s no Vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
(olinhas.
Grande liquidado.
Kua da imperatriz n. JO.
oja de fazendas do pavao de Gama 4 Silva
Aclia-se este esiabelecimento completamente
ortido de fazeBdas inglezas, francezas, allemas e
uissas, proprias tanto para a orara como para o
nato, prometiendo venuer-se mais barato do que
m ouira qualquer parle, principalmente sendo em
porcao, e de todas as fazendas do-se amostras,
deixando ficar penhor, ou maodam-so levar em*c-
sa pelos caixeiros da leje do Pavao.
Vestidos soutambarqne.
JPelo ultimo vapor francez chegaiam riquissimos
vestidos i souiambarque, os mais modernos que
neste mercado tem apparecido, os quaes estao
promplos com saia, corpinho e sen competente
soutambarque, tudo guarnecido de seda, veludo e
renda. Quero tiver boro gosto dirija-se i toja do
Paro, ua ra da Imperatriz n. 60.
AOS TRES MIL VESTI-
DOS. I
Na loja do Pavao, a 3$. 4$
e 7#000.
Vendem-se lindissimos cortes de vestidos india-
nos, sendo todos bordados e de listras de cores e
brancas,proprios para casamento, pele baratsi-
mo preco de 3 cada corte por se ler comprado
urna grande porco, sendo fazenda que vale 6,
ditos Mara Pa, tendo quatro pannos, fazenda
para b corpo com os competentes enfeites para o
mesmo, pelo baratissimo preco de 4 cada um,
ditos de todas as cores com as barras bordadas a
crox, sendo cada um em seu carto, tendo cada
um todos os enfeites precisos, pelo baratissimo
preco de "i cada um, ditos com babados multo bo-
nitos, mas sem ser em carian, pelo diminuto pre-
So de .'15300 cada um; adverlindo-se que os donos
a loja do pavo vendem estes vestidos por lo di-
minuto preco por terem comprado orna grande
quantidade e convir Ihe, liquidare Irgo, na sna
loja, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva
Aos vinte mil covados de la
Grande pee-hincha, a JO
e 3*0 rs.
Vendem-se as mais bonitas laazinhas transpa-
rentes, sendo com listras e quadrinhos miudinhos,
e lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
e rdxas para luto, pelo baratissimo prego de 240 o
co vado,ditas transparentes com palminhas de seda
Mara Pia, tendo de todas as cores, e tambem
algumas proprias para luto, pelo barato prego de
320 cada covado, isto por haver tima grande por-
co : na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Latas e eopos com banha Una.
A aguia branca, na ra doQaeimado n. 8, rece-
beu esta estimada banha fina em latas e copos, isso
alemde outras em diversos frascos.
As modrrnissimas lxzinhas cor, a imitaco de gorgoro, ven-
de o pavo.
Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
modernas laazinhas de cordaozinho, as mais pro-
prias e mais lindas que lem vindo, proprias para! Conservas'a 720
vestidos, sculambarques, capas, etc., dam-se amos-'
tras deixando penhor, e vendem-se pelo baratissi-
mo prego de 360 rs. o covado : na ra da Impe-
ratriz n. 60, loja de Gama e Silva.
As laazinhas do Pavao.
Vendem-se liiazinhas de quadrinhos transparen-
tes, boa fazenda, pelo prora de 280 rs. o covado,
ditas largas muito finas a 400 rs., ditas estampa-
das, cor segura, padres miudos e grandes a 320
rs. o covado, ditas transparentes rrm palminhas
de seda a 400 rs., ditas escocezas a 560 rs., isto tu-
do para liquidar : na loja e armazem do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60.
Os grosdenaples do PaTo.
CL4RI11
COMM
BA DO QUI2IMADO X. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
TTTI
i
redara
NO VID ABE
Pereira I locha d C. acabara de abrir na ra do Queimado n. 4o um armazem de molhados denominado Clarim Commer-
cia!,-onde orespeiave) publico encontrar sempre ura completo sorlimento dos melhores gneros que vem ao nesso mercado os
quaes serao vendidos por precos muilo resumidos como o respeilavel publico ver pela tabella abaixo meneioneda; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, india e Java a 60, 80 e Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
Painco a 200 rs. a libra. rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. ; Gevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego cm calda de azeitc eErvilhas portuguesas a 640 rs. a lata.
mnilA nnvA a tfl re i llp.m SP.fras mviiln nnvae a 9flfl re 9 li
400 rs. a libra, n 1^800, 20600 e 3,5(000
a arroba.
Ameixas francezas) em latas e em frascos a
10200 el06OC, e em frascos grandes a
2500. 6
dem em caixinhai elegantemente enfeiladas
com ricas estambas no interior das caixas
a 10200,1^00, 10600 e 2.
Amendoas com c isca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a i60 rs. t libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce fran:ezmuito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa i 640 rs. a garrafa.
Aramia verdadeij-a dematarana a 320 rs. a
libra.
Avelinas muito gi andes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos ingleziis de diversas marcas a
10300 rs.
Bolachinbas de s5da, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 abarri-
quinhae a 20C rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 40) rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10600, 20,
20500, 208OO!e 39000 a libra,
dem pretomuitcj superior a 20000 a libra.
Ceneja preta enanca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a du sia.
Cognac inplez fina a 90ft rs. a garrafa,
rs. o frasco.
muito novo a 040 rs. i dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Queijos flaraengos do ultimo vapor a 208001 Figos de comadre e do Douro em caixiDhas
dem prato. I de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
dem londrino chgado no ultimo vapor a 10800, 50500 e 280 rs. a libra.
900 rs. a libra. Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs dem de trigo a 120 rs. ? libra.
cada'um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 6 0
libra.
Eigos em caixinbas emticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 66200 a frasqueira.
dem em garrafes de 3 e 5 galSes a 55GQ
e 705CO cada um com o garralao.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa,
dem, quaiidade especial em garrafas muito
grandes, a 10800 a garrafa,
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de
vidro, a 10000, s a garrafa vale o di-
Idem, s de pepii io. a 720 rs.
Idem,s de azeionas, a750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferrera Jorge da Costa a 10800,
20000, 202OOJ 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixal
Caf do Bio muilo superior a 280 e 320
rs^ a libra e805OO a 80800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhbs francezes muito uovos e
bem muilo enfitados a 700 e 600 rs.
Vendem-se grosdenaples prelos, fatnda supe- Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
rior a 1,5600 rs. o covado, ditos largos muilo en-
corpados a 2,5400, 2600, 2*8C0 e 3CC0. ditos
brancos, cor de rosa, azul e amarello a 2,5000 r.s
o covado : na loja de Gama & Silva, denominada
do Pavo, ra da Imperatriz r. CO.
As novas las garibaldeas a 500 rs.,
na !ja do Pa^o.
libra.
nheiro.
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,' Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
Madeira. D. Pedro, D. Luiz I. Mafia Pa,! barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
Bocage Cbamisso e outros a 800, 900 ej de segunda quaiidade a 800 rs.
10000 a garrafa, e era caixa com urna du- dem francez muito nova a 640 rs. a libra,
zia a 9;>000 e 100000. dem de tempero a 400 rs.
dem empipa, Porto, Lisboa e Figueira a Maca d tomates em barril a 480 rs. a libra.
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500 dem em lata a 640 rs.
e 40 a caada, I Marmelada imperial dos melhores conservei-
Idem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs.
a duzia.
dem MorgauxeChateaulumini de 1854, a 10
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
102OOrs. a caada.
ros de Lisboa a 600 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes,
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Macas finas para sopa: estrellinha, pevide,
rodinha e aletria a 600 rs. a libra e a 40
a caixinba com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe em latas preparado pela primeira arte
decozinha a 10 a lata,
i Paliios de dentes a 160 rs. o maco.
Kirsk garrafas muito grandes a 108OOrs.
Alm dos gneros cima mencionados le- dem de dentes a 120 rs. .
mos grande porco de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e a,ue tudo ser vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
pecas e carnadas,* tanto em porces como Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
retalho- 20 e em caix5o a 640 rs.
Quem comprar de lOOOOO para cima te- Palitos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 por cento. Passas muito novas a 480 rs. a libra.
Frascos conigomma arbica RIVJlL .SEWl. SEGUNDO JjlACIIINAS EPAILN
T
Kua do yueimado ns. 49 e 5o, loja de miudezas i
6 Jos de Azevedo Maia est continuando
dissolvia e pincel.
Vendem-se na ra r^o Queimado n. 8, loja da vender'amito barato" "poisTseu"genio"dar"a!'fazen"
\enaem-se as mais modernas laazinhas ganbal- agua branca,
dinas, fazendanleiramente nova no mercado, sen-I
do todas com listras miudinhas, e transparentes,
com lustro a imitarao das sedadlas, tendo varias
da por todo preco a vista dos cobres.
Cartas de alnetes francezes da melhor quaiidade
a 80 rs.
A agnia branca acaba de receber oulra encom- Grosas de pennas de ajo inglezas da melhor qua
N( vos
albuns.
cores, sendo atol, cor de lirio rarmezim, c.nzenta menda de Lonilos e L( m encadernados albuns de lidade a 610 rs.
e cor ae havana, etc.; isto a 500 rs. o covado para capas de velludo, mas ^.tartaruga e marfim, al- Caixas de clcheles
venderdPKes-a: na loja do Pavao, ra dolmpe- |gunsdos quaes com Microscopio para augmentar, dades a;40 rs.
rioorD.w ofUMiiasiiva. o tamanho dos retratos, continuando a serem ven- Grosas de boloes de
Os mais mudemos vestidos a Varia F
na loja do Pato, a 16$
Galanterw.s para festas
A aguia branca nao,cessa de encommendar do
que ha de melhor e mais agrada vi l,i; porissoaca-
Vendem-se finissimos vestidos Maria Pia com
os corpinhos differentes, tendo todos os preparse
com o competento sinto : na ra da Imperatriz n.
60, loja do Pavao.
Peo processo de i.iierncr. nharmaeeulico em
Pars, rita do t'aubourg Montinarte 21.
Este oleo de um cheiro agradavel, e de RiquosssiiB enfeites "com laco e semlaco e de
um sabor assucarado e o nico que nao tem outros mntos gostos a 1,_1500 e 3: s no VI-
nem o goslo, jiem o cheiro do peixe. Ob- guante, roa do Crespo n.
Riqnissimas golinhas e manguitos, omelhor gos-
to possivel, a 2,8. -'5500 e3;s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfeilfs para stubora.
Trancelins.
Lindos trancelins ae cabello para relegi on lu-
netas, pelo baratissimo preco de l^oOO, ditos de
jecio de numerosos relatnos scientificos c
mdicos, este mdicamente que goza era
Franca de um successo lo raro como bem!"giroz aOOrs!
merecido, wcdtado diariamente pelos1 Babadinhos enlremeios.
principaes mdicos dos hospitaes de Pars. i_ Riquissimos babadinhos entremeios com lindo*
O OLEO de Fic.ADO DE bacalho desinfecta- desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
do ferruginoso emprega-se com os maiores Pre^ % li20- l*m' 2* e 3#; s no Vigilante,
, i ra do Crespo n. 7.
successos as molestias em que se emprega v Ciscarrilha
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
o oleo quando sao acompanhadas de debili- \
dade e atona.
larguras, assim como galaozinho e trancinhas pro-
do Cres-
Deposito geral em Pernambuce ra da p^s nara eDfei,es; s no vigilante, ra
Cruz n. 22 em casa de Caros A farboza.
Filas.
Grande sortimento de fitas de diversas larguras
e qualidades, por precos que admirara aos com-
Vende se caiies vazios proprias
, | ., i amen e ciuanuaue!-, wi~ piecu iiue aunuiaiu wm-
para hahnleirOS e fanileirOS a Ij/Opradores.havendo fitas largas proprias paracin-
' teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e peca
de 9 varas a JJ; s no Vigilante, rna do Crespo
n. 7.
Filis de ia.
Fitas de Ia de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrnm de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, rna do Crespo n. 7
Ricos esrjflhos.
Riquissimos espelhos ccm moldura deurada)
sem ella de 85, 10, 125 e 145, assim como com
celumnas de differentes tamanhos a 25,35,45, 35
e 65; s no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Lindes jarres e fignras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto qaeaqni
lem apparecido; s no Vigilante, roa do Crespo
n. 7.
Para pes de arru.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
cousa de mullo gosto a 15500 e 25, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos on vasos rom dis-
llnctivos e offerecimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Pars e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha janoneza
a 25 e a 15, assim como outros objectos qne nao e
tadaiiiu; nesla typographia.
"ffiiliT
Venae-se superior vinho do Porto em cv.xas de
urna duzia i em casa de Johoston Pater & C, ra
do \igario n. 3.
oo-Hua da Impcratriz-SS
Fabrica de carros. ^
Ai'ha-se sempre gelozias de lodosos tamanhos a
laoda da Europa por preco razoavel e concerlam-
se as mes mas.
55Eo* Imperatrizo
Fabrica de carros de
Francisco Porler.
Vende se um carro de carregar-generos da al-
fandega em bom estado e por preco commodo.
DROGARA.
3iRa larga do Rosario-31
Bartholomea Francisco de Soaza & C.
Vendem:
Acido actico puro pira retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar casas.
GuarnicOes avelludadas.
Tinta branca superior cm lata.
AWaitde Veneza, fino, em pacs.
ramisiiilias a 1$000*
Veadem-se camisinhas com manguitos, sendo
muito bem enfeitadas. proprias para senhoras e
meninas, pelo barato preco de aei tustes cada
urna: na loja do Pavao, roa da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Vestidos para mcDiaas.
vendem-se s mais modernos vestidinhos para
meninas, sendo muito bem enfeitades Mara Pia,
tendo de differentes tamanhos, pelo barato preco
de 85 cada um : na loja do Pave, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Roupa feita liarala.
Vende-se um grande sortimento de roupa feita
para homens, sendo calcas de bnm branco e de
cor, ditas de casemira preta e de cores, ditas de
meia casemira, paletots saceos e sobrecasacos de
casemira e panno preto fino, rolletes de todas as
qualidades : na loja do Pavao, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Grosdenapledecor a 1 600 o covado.
Vende-se grosdenaple de cor aznl, branco e pre-
to, pelo barato preco de 15600 o covado : na loja
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Panno de linbo a 700 rs. o covado.
Vende-se o verdadeiro panno de linho proprio
para lences, toalhas e ceroulas, prlo barato prego
de 700 rs. a vara : na loja do Pavao, ra da Im-
peratriz n. 66, de Gama & Silva.
Economa do Pavo.
Vende-se para acabar, urna perco do retalhos
de lilas ccassas de todas as quaiidades, e por pre-
cos mnito em roma; quem tem economa que
pode apreciar : isto na leja do Pavao, ra da Im-
peratriz n. 60, deGarr& & Silva,
Hadapelo a "000, s na loja da Pavo.
Vende-se superior madapolo muito encorpado,
tendo 20 varas cada peca, com 'i palmos de largu-
ra pelo baratissimo preco de 75000 a peca, ditos
muito finos a 85, 95 e 10,3000. E' pechinrha, na
loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cortes de cassa3000.
Vendem-se muito bonitos corles de cassa, tendo
7 varas cada corte, com desenhos muito delicados
pelo baratissimo preco de 35000 o corte; s na
loja do Pavao, ruada Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cortes de chita franeeza.
Vendem-se finissimos cortes de chita fran-
eeza, com 12 covados, lendo, padroes escuros e
aleares de cores flxas pelo baratissimo preco de
45000 o corte; s na loja do Pavao roa da Impe-
ratriz n. 60 de Gama $ Silva.
Cambraias lisas, na loja do Pavio.
Vendem-se pecas de cambraia lisa muito fina,
tapada e transparente, pelo baratissimo proco de
450OO tendo 8 1/2 varas cada peca, ditas muito fi-
nas a 75, 85, e 95 a peca, ditas Victoria com 10
varas pelo baratissimo prego de ~i, 95 e 105* di-
tas Garrar.es fazenda muito encorpada. fazenda pro-
pria para forma 360 rs. a vara on '5600 a peca ;
isto na Iota do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Cortes de Ia a Vendem-se cortes de laas garibaldinas, matisa-
das e de quadrinhos. tendo 4-2 r-ovados cada corte
possivel por hoje annonciar, e a vista dos fregu- j pelo baratissimo preco de 45000 o norte; isto na
zes se far todo nejrocio; na loj do Gallo Vigilante,, loja de PavJo, roa da imperalri n. 60 de Gama &
rna do Crapo n, 7, til*.
ba de receber diversas figuras e vasos de p de
pedra com lina banha, assim como bonitos frascos
de excellentes extracte se lindas calxinnas de ma-
deira envernisada com finas perfumaras, tudo
mui proprio para presentes de testas etc., havendo
dinheirodirija-se o pretendente a ruado Queima-
do n. 8, loja da aguia branca.
Ail fino para engom-
mado
A aguia branca na ra do Queimade n. 8, rece-
beu (lbulos de ail fino e frasquinhos com es-
sencia de dito para erigommados.
, Outros enfeites..
A aguia branca acaba de receber por este ulti-
mo vapor um novo sortimento de bonitos e delica-
dos enfeites de moldes inteiramente novse de um
apurado gosto, assim pois eomparecara os preten-
demos munidos dedinheiroe com disposicao de
gastar : na loja da aguia branca ra do Queima-
do n. 8.
Pequeos pentes de tur-
taruga.
A aguia branca na ra do Queimado n. 8, rece-
ceben novamente esses pequeos pentes de tarta-
ruga que por suas qualidades de pequeos, lisos,
bonitos e bem feitos tantaestima tem merecido pa-
ra as senhoras segurar o cabello quando atado ; a
aguia branca porm avisa aquellas pessoas que os
haviam encoremendado e a qaem mais qaeira
aproveitar a occasiao de os comprar continuando
a serrn vendidos pelo mesmo preco de 49 cada
um.
Estando brancos ficam pretos
O bom resultado e o rpido effeito que produz
a tintura de chromacoma, e mesmo o facillimo
modo de applu-artem se tornado mui conbecldo e
apreciada por todos que usam della e por conse-
guinte augmentado a extracao,pelo que a aguia
branca mandouvir mais o novo sortimento que
acaba de receber constando elle de
Caixas com chromacoma para tingir os cabellos.
Frasees com coioricoma para lustrar ditos.
Ditos com tiydrocafletnrichina para limpar ditos
Ditos com oryehromanlina para limpar as nnhas
Sabonetes brancos para lavar os cabellos.
Pomada callicomipbila para dar cheiro aos di-
tos sem offender a preparacao feita.
Sapatos de marroquim dou-
rado para bailes.
Esses sapatos do grande tom vendom-se nica-
mente na ruado Queimado loja da aguia braia n.
8 a 65 o par.
Meias finas para senhoras
gordas
. vPndem-se na ra do Queimado loja da agola
DraDra b. 8.
Esponjas finas para rosto
Vendem-se na rna do Queimado loja da agnia
branca n. 8.
Cylindros para pada*
ria.
Na padaria da ra Direita n; 84 ha para vender
os conhecidos e acreditados cylindros americanos
para trabalho de padari ultimamante chegados.
francezes de superiores quaii-
de madreperola muito finos a560
de retroz prelo fino
e 640 res.
Carreteis com 4 a o chavas
640 rs.
Resmas de papel de peso liso muito superior a
2*000.
Grvalas da liga e de outras muitas qualidades a
300 rs.
Caivetes para penna com 3 folhas fazenda boa <
800 rs.
Duzia de botoes branro para casavrques de senho-
ra a 100 rs.
Peca^ de lita de cs estreitas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Portuguez para os meninos a prender
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren-
der a ler a 15000.
Caminas da doulnna christaa, finas e superiores a
320 r.
Pentes finos de marfim a 15000, 15200 e 15300-
Pares de luvas de seda para homens e senhoras a
Gollinhas para senhora o melhor que ha a 320 e
500 rs.
Frascos com superiores banhas a 240, 320, 500 e
15000.
Livros qne serve para assentar roupa, pelo diminu-
to preco de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cordo branco para rspartilhes muito superior, 1
vara a 20 rs. ..
Carrits com 150 jardas de linha branca a W)
Cartes com 200 jardas de lnha branca garant-
d< s a 60 rs.
Grosas de pennas de ac superiores a aW rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
lhas a 160 rs. .
Pares de botes de pnnho, oh que pechincha a
Tinteiros do vidro com tinta a 160 rs. s
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs-
Grosas de botoes de looca prateados muito nno
160 rs. h/v,
Tesouras para costura soperior qualidaae a <>
Escovas para limpar dentes, superiores a 200 rs.
Caixas com superiores phosphoros de seguran?*
160 rs. fiyi
Caixas com 100 envelopes o melhor que na
Caixas com 20 qnadernos de papel amizade, morto
fino a 600 rs.
Qnadernos de papel pequeo muito nno a'-
Vinhe da Madeira e do Torto
VeBde-seosuperior vinho da Madeira e do Por-
te,em xas de urna h duas duzias: s na loja
do Vig le, ra do Crespo n. 7.__________
. Rna da Scnzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ooro patente inglez.
Roa da Senzalla Nova n. 42.
Nte estabelecimento vendem-se: tac df
ierro coado libra a 110 rs., dem d eLo*
Hoor libra a(20rs.
Farelo superior de Lisbsa fi t wr.
Tem para vender Antonio Lnz de Cliveia
vedo A C. n,o Un escriptorio rna da Crn n. 1.
de (raltalhar ntao para
desearoear aBgodo
FABRICAOAS
Por Plant Brothers & C.
OLDASi
Esta^ms rhinr.3
podemdecarojir
qualquer especia
de algodao sem
estragar o fl(-,
sendo bastante
duas pessoas para
o trabalho; podo
desearoear urna
arroba de algo-
dio em earoco
em 40 minutos,
ou 18 arrob;3
por diaou 5 ar-
robas de algcdao
limpo.
Assim como mat hias para seren movidas por
arjimaes, que desrarocam 18 arrobas de algoco
limpo, 111 da.
Os meamos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis drslas marhinas
menrionadas ; para o que convidase aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47.
Saonders Brothers & G.
X. II, praca do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do Queimado ns. i9 e 55 loja do Baraleiro-
conhecidoj como tal, esi dispondo da fazenda
por lodo o preco para apuiar dinheiro, quem qui-
ier venrja ver traga o robre, e ver o segufote :
Baralhos de rartas para voltarete muito
finas a............................. 200
Miadas de linha troxa para bordar a 20
Pares de sapatos de tranca de todos os
tamanhos e linos a................... 15o(0
Massos de soperior grampos para cabellos
Duzias de palitos de gaz superiores a...
Libras de ara preta mnito superior a...
Frascos de superior macaca oleo a-----
Ditos de dito perola a..................
Ditos de oleo de babosa mnito finos a 320
rs. e...........'...................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de banha muilo fina a............
Ditos de cheiros muito finos para o prero
a ris.........'.'..............~'n'"
Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
160, e............................
Nvellos de Hnba com 400 jardas a......
Carriteis de linha de cores com 200 jar-
das a.............................
Nvellos de linha de gaz de todas as co-
res a.............................
Pecas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a.......................
Frascos de superiores cheiros, pequeos, a
Pares de ligas mnito superiores e bonitas
a ris..............................
Varas de bicos franceie?, superiores a.. .
Opiata para dentes da melhor qne ba a..
Frascos de agua para denles, soperior a
todoa............................
Pe^as de tranca prea iza multo fina a..
Caixas com 4 rapis de agulhas Victoria a
Varas de fita preta com cohetes a......
Libras de lia sortida de Ifdas as cores a
Bonecos de choro multo bonitos a......
Caixas de ohreias de ma ssamuto novas a
Var*s. de franja .branca e deiorespara
toalhas a............ .........
Frascos de oleo Mtltacomescupe-i. ...
Ditos com snpejwr tinta a320 e........
Caixas de lintadifai eem 50 nvellos a
Abo -........
Albas
nr 20 at 200 retratos muito bous e por menos I Ennaaores ,_
Ere^qa. KnttqSiSr parte: n ra do Huzias de bmoes canuot* para ves.-
rjwpoo.|. "**..................'...........
30
200
100
100
200
500
400
640
600
4 80
60
30
240
200
400
40
15000
15CCO
60
. 200
40
655-30
160
4*
8*
600
500
80
200
I
/

hATA IMPnRRFTA
MlITlIll Anl


DlaVlo de Pernambuco Segunda le Ira 91 de Janeiro de 183
AURORA RRILHANTE
*T\*
GRANDES ARMAZENS
DE
MOLHADOS
VIMOS
ESPECIALES
MR Largo da Santa
|$Cruz ns. 12 e 84,g
Sesquina da roa doj
sCebo. _
M Largo da Santa'
iCruz ns. 12 e 84,j_
4|'s juina da ra dolfS
-Cabo.
m
O dono dos j muito acreditados armazens de molhados denominados Anrera
Brilhaate, acaba de receber de sua propria encoramenda, muitos gneros delicados
proprias da presente eslacao, e tendo grande sortimento comprado .aqui.aflanca que todos
es seus gneros sao de l.* qualidade.
A seguinte tabella servir a todos de base para ajuste de contas aos por-
tadores.
Nenhum armazem vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
Brilhante, j pelo grande sortimento qae tem, j mesmo por sea dono se achar encom-
moaado em sua saude e ter de vender um de seus armazens agora, e o outre na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveitar urna qnadra destas para se comprar
barato. "
Latas com 8 libras de chouricas muito novas, i Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
a 7.3" i J.
Ditas grandes com peixe em postas inteiras,
mais de ti qualidades, a 1^000, 1,3280 e
15100.
Ditas com ostras, excel lente petisco para fre-
gideira, a 720 rs.
Ditas com ervilhas novas, ensopadas, a
70rs. '
Ditas coih favas, a G40 rs.
Ditas com ameixas a 1^200, 1,5800 o 3$o00.
Ditas com marmelada do afamado fabrican-
cante Abren, a 880 rs.
Ditas de massa de tomate, a 500 rs.
Ditas com ligos de comadre, novos, a 1$300,
muito superior, a garrafa
i&tiO.
25
Dita>i'om bolachinhade soda mu te novas, a
2,5000.
Ditas com biseoitinhos inglezes de muitas
qualidades, a 15400.
Chocolate.
Chocolate superior muito novo, a libra a
: 3200.
a Micarro telharim e aletria amarella,a libra
5 aiH)rs.
) oito dito dita branca, a libra a 400 rs.
) Caixas com eslrelinlia, pevide e outras mas-
j sas, a caica -"{500.
Ditas dita em libras a 6i0 rs.
) Saga, a libra a JGO rs.
) Sevadinba para sopa a libra a 240 rs.
Krvillm seco*, a libra a 160 rs.
I Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
) Tapioca maito nova, a libra a 280 rs.
Farinha de ara^uta verdadeira, a libra a
i 500 rs.
\ Arroz do Maranhao, em sacca a arroba a
23400 o a libra a 80 rs.
Dito da India e lava, a arroba a 3,5200 e a
libra a 100 rs.
Toucinh) de Lisboa a 0-5-jOO aarroba e a 320
rs. a libra.
Dito de Santos, a arroba 75000 e a libra a
1 260 rs.
Molhos com 125 selas grandes, a 15280.
i Mostarda franceza caixa com 2 duzas a
' 85000.
frascos mm mo-tarda preparada em vina-
gre, a iOO rs.
1 Ditos cim conservas inglezas e francezas,
a 60e 800 rs.
Ditos com sal refinado fino, a G40ea50O
ris.
Ditos com a verdadeira ginebra de larania
a 13200.
Ditos di 2 garrafas de Ilollanda verdadeira,
15000.
Ditos da 1 garrafa de Ilollanda verdadeira,
a 6i0 rs.
Botijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
Garrafas com 2 galoes com dita, a 65000.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 65000.
Vinho mjscatel de letuba, a garrafa a
13-jOO.
Marrasqoinlv verdadeiro, frascos a 800 rs.
e a 15200.
Champagne, a duzla 205000, e a garrafa a
23000.
Azeite refinado portnguez e francez, a gar-
rafa a 15000.
Caixa de vinho Bordeanx muito superior, a
75,83, 93 e 103 a caixa.
Ditas com dito branco, a 75000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a 205-
Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
185000.
Ditas com chamisco superior, a 145000.
Ditas com Porto velho e outras muitas mar-
cas, a 125000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640,
720 e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a
33200,35500 e 43000, e a garrafa a 500
e 360 rs.
Dito da Figufira, das seguintes marca, (N.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
45500 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
que j est engarrafado e lacrado com o
rotlo do armazem.
Ditos de marcas mais dosconhecidas, a cana-
da a 35500 e 4*000 e a garrafa a 480 e
520 rs.
Dito de caj
800 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 3*500 e a garrafa a 480 rs.
Gemina. t
Sacoas de 4 arrobas, a verdadeira de se
engommar, a arroba a 3*000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a liDra a 200, 240 e 180 rs.
Farinha.
?accas grandes com farinha deGoiannamni-
to nova, a 5*000.
Gaf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 8*,
83500 e 9*000.
Cha. .
Cha temos nestes gneros o melhor possivel,
hysson, a libra a 2*600.
Dito perola a 3*000.
Ditouxima 2*700,
Dito hysson muito fino a 25800.
Dito redondo a 2*500.
Dito preto de primeira qualidade a 2*500.
Rito mais baixo a 2*000 e 1*600.
Erva mate.
Excedente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espermacete.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600,
iO e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prlas para mimos a 4* e 25 ..
Sezes.
Nozes, a libra 160 rs e arroba a 4*000.
Alpista e painro.
Alpista e painro, a arroba 45000 ea libra a
160 rs.
Carlas.
Cartas finas parajogar,aduza a 2*500.
Caslanbas.
Castanhas novas vindas neste vapor, a arro-
ba 4*000 e a libra 200 rs.
Azeitonas.
Barns com azeitonas novas a 15500
Manteiga.
Manteiga flor, a libra a 15000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris c meios ditos, a libra a
660 rs.
Ditapara tempero a 400 rs.
Qucijos.
Queijos novos vindos neste vapor a 3*200 e
35500.
Ditos londrinos muito novos, a libra a
1*000
Papel.
Papel alma pautado, a resma a 4*800
Dito dito lizo de linho, a resma a 4*500
Dito de peso lizo e paulado, a resma a
2*500
Dito de embrulho bom a 1* e 1*200.
Vinho Madeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 1*500 e 2*.
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 1*400
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijulos de arear facas a 140 rs.
Gran.
Duzias de bolSes de graxa t. 97 a 2*600, e
de latas a 1*000, e os boioes a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Bahia por diversos precos, caixas e tueias
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes g|
a estes estabelecimentos, qne deixam de an-
nunciar-se.
A 4 8 0 CORTE
Peehincha sem igual.
. Lindos cortes para vestido de percales de cores
claras e escuras com grande variedade de padroes
pelo baratissimo prego de A$ o corte: na loja das
c-lumnat ra do Crespo n. 13, de Antonio Cor
reia de Va&concellos A C.
NEM COROAS NEM MITRAS
1
GRANDE ARMAZEM
RIJA DO IMPERADOR IV. 40
Junto ao sebrado em qae ora e Sr. Osbiroe,
l>iiarte Almelda da o mais linde e variado sortimento de molhados. proprlos
da presente estacSo.
Manteiga ingleza Magas brancas
da safra nova vinda no ultimo vapor ai, ooo para sopa a melbor que se pode desejar, i
.. *. ? t <
FEITA
NO
ABSIAZE
DE
ra. libra eem barril a 8oo rs.
Mauteiga franceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a 560 rs. '
; Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2#400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolacbinhas de soda de todas as qua-
lidades a i#300.
Chocolates
de todas as qualidades a 1 000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melbores fabricantes, a 800 rs., tambera
temos velaos para 500 rs.
Queijos flamengos
ebegados ueste ultimo vapor a 2#6oo.
Queijos
ebegados no ultimo vapor a 2*1600 cada um.
Queijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para minaos a 900 e i)J200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
3,5 a 2600.
dem perola
especial qualidade 82^700 rs. a libra.
dem 'hysson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 2#600.
Massas amarellas
para sopa, macarro, talharim e aletria a
480rs. alibra.
COCJViC
o muito afamado cognac Pal Brandr a i,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a i,ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPO**
. lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo. a 4,5oo a resma do r
lhor.
Papel de botica
j de excellenle qualidade a 20200 a resma,
PAPEL.
.: azul e pardo para embrulho de i,4oo a 2,2oo
'. rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo is.a libra.
Fumo
o verdadeiro furau americano em chapa a
i,4oors. alibra.
VLaagre
PRR em ancoretas de 9 caadas a io.ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa J
e i.opo rs. o molho.
Alpista o Painoo
o mais novo do mercado a i io -s. a libra
e 40400 a arroba.
CEBLAS
muito novas a 10000 ocento na ra do Que-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
GRAO DE BICO
muito novo a 30400 a arroba e i40rs. a li-
bra na ra do Queimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9
. QUEUO SUISSO
muito fresco a 800 rs. a libra na ra do
Queimadon. 7, ra do Imperador n. 40 e
largo do Carmo n. 9
macarro, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas s3o as seguintes: Chamtsso AFilhe,
F. A M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro eoutros muito.
. Latas
com 10 libras de banha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica da mesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r* bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 40500 a 60500 a duzia.
' CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Res e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. "a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de l.1 e 2.a sorte do Rio de Janeiro a 80Sf
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafdes
com 4 V garrafas com vinagre a 10OOOt#
o garrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de H0OOC
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 com
i 2 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e2o rs. cada caixinha.
LICORES
unos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa
com urna duzia e a i,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezuno de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a ioo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo c
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas mnilo novas
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra,
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
'Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
a 600 e 10 o caixSe.
GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar-
roba e 140rs. alibra na ra do Qoei-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e largo
do Carmo ?.. 9
BOLACHINHAS
em latas de defferentes qualidades a 10200
a lata
QUEIJOS FLAMENGOS
chegadosneste ultimo vapor a 20800 na rna
do Queimado n. 7, ruado Imperadorn.
40 e largo do Carmo n. 9.
UBTXUUKO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de ronpa feita de
todas as qualidades, tambera se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos melbores professores, asma como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qadidades, para ttohoras
'homens e meninos.
Casacas de panno preto, 350 e 300000
Sobrecasacas idem, 300 e 250000
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e......100000
! Dites de casemira, 200, 150,
j 120, 100 e...... 70000
i Ditos de alpaca, 50, 4^6 30500
i Ditos ditos pretos, 90, 70,
50, 40 e :.....30500
i Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. 30000
Ditos branco de linho, 60,50 e 40000
! Ditos de merino preto de cor-
dao, 100, 70 e.....50000
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80 e......70000
Ditas de cores, 90, 80 e. 70000
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....40OCO
Ditas de princeza e merino pre-
to de cord5o, 40500 e. 40000
Ditas de brim branca e de co-
res, 50, 40500, 40 e 20500
Ditas de ganga de cores, 30 e 20500
Colletes de velludo preto e do
cores, 90 e......70ooo
Ditos de casemira preta, 50 e 40000
Ditos de ditas de cftres 50
4* e........30500
Ditos de setim preto. 5#0OOj
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
Colletes de fustao e brim bran-
co, 30500, 30 e .
Seroulas de brim de linho,
20400 e .....
Ditas de algodao, 10600 e. .
Camisas de peitos de linho,
40, 30 e. .....
Ditas de madapolo, 20500,
20e........
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. .
Ditos defltro, 50, 40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
H0, 70 e......60OOO
Collarinhos de nho fino, ulti-
ma moda duzia. .
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas para rosto, duzia, 110,
e........
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....4000
! Lences de bramante de linho. 30000
Cobertas de chita chineza.. 20500
80500
20000
DE
DE
J. VIGNES.
R. &&. RA DO IMPERADOR X. &.
Os pianos desta antiga fabrica sao boje assaz coahecides para qne aya necessario inaslir sobre t
M*Wn^,^etinnliM veis que elles em definitivamente conquistado sobre todos ce qne tem apparecido nesia praca odo
suindoum teclado e machinismo que obedecen todas as vomades e caprichos da* pianistas sem-
nSrT fabricados de proposito, eter-se feito ultimamentTmelhoramentos impartan-
tissimo* para o clima deste paz ; quanto as vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito a*rada-
veis aos ouvidos dos apreciadores. *^ aua
Fazem-se conforme as encemmendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expsicSes '
ISo mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido or
precos commodos e razoaveis. v
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro^r^icTpa'declaram aos seus
!Su~S eam'88 e ao Plice em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
vipuiarara os mesmos precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 40
FARELLO DE LISBOA
Marca N verdadeiro era saccas novas e grandes a 40500 : na ra do Imperador n. 40.
p tipa '*qso mm mmmm}
NOVIDADES,
CONSULTORIO MEDICO-CIRIRGICO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSGOSO,
% HEBICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fimdo -.- 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os das das 7 s 1
horas da manhaa, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepcao dos das santificados
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dyinnamisaces e pelos precos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os rarali
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 10f 00.
Sende para cima de 12, custaro os precos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LIVJROS.
*A melhor.obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr
dons grandes volumes com dibcionario.......'..... 200000
Medicina domestica do Dr. Hering,.........\ 100000
Repertorio do Dr. Mello Moraes..........".'.'.' 60000
Diccionario de termos de medicina.......,'.'.'. 30000
Os remedios deste estabelecimento s5o por demais conhecidos e dispensam portan-
te de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, nota veis pela sua boa conservacao, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aGCurada preparacd, e portanto a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o que o annunciante julga-se suficientemente habilitado.
O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
funecionando a casa a mais de quatre annos, ha muitas pessoas de cujo conceit se nao
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 20000 por dia durante 60 dias e d'ahi era diante 10500.
As operares serlo previamente ajustadas, se nao se quizerem SHJeitar aos precos
azoaveis que costuma pedir o annunciante.
I
Queijos do Alentejo. ditos das ilhas o mais freseo que so pode dese-
jar a 10200 a libra, e sendo inteiro ter algum abatimento, ricas caixinhas
redondas enfeitadas, proprias para mimo da festa pelo barato preco de 40
cada urna, ricas caixas de figos tambem proprias para mimo de 800 10500
cada urna. Vnde-se nicamente no armazem Verdadeiro principal, ra do
Imperador n. 4.
Farelo de Lisboa.
Vend.?-e saperior farelo em saceos grandes, e
por prego eommodo, vindo pelp ultimo navio : na
r ja do Amorim, armazem a. 50.
MASS4
VeBde-se potasst em barris a commaio proco o
nenia da Cruz n. 23, primeiro andar, SeffpWfi:-
de Antonio de Almeida Gomes.
Vinho do Porto especial.
0 mais generoso e genuino vinho do Porto, mar-
cas novas e especiaos, em caixinhas de 12 garra-
fas, sendo marcaRainha de Portugala 18^000
a caixa, e marca Pedro Va 165 ; em porcao
far-se-ba um abate razoavel : no armazem deFer-
reir & Matheus, junto ao arco da Conceicao n.
66. No mesmo armazem ha tambem excellente
vinho do Porto em ancoretas de 32garrafas a 3J
AGENCIA.
AGENGI 0W-M001.
Roa da Senzalla aova n. 42.
Neste estabelecimento contina a havar
um completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
l.5 a lata : nos amatis da roa do Im-
peradorn^6_e_uado Trapiche Novo n. $
Bixas de Hmburgo
Vendem-se na roa Nova n. 61.
Superior cal de Lisboa.
Vende-se suprior eal ii JaUffi a mais nova
que ba oo cabreado, tanto em porcao orno a reta-
lho, per barato iwv* afiMeando-sa aos compra-
dores eperior qualidade: a tratar as segnities
roas : Crespo n. 7, Imperador n. 28, Forte do Ma-
tos, armazem do Sr. Avilla, defronte o trapicha
- algodao.
Miinuuu runu em hu ureas ue o; gai raas a oop ~*wmma pa cugcuuu, uiaouiuaa uo apur
cada nma, e em porfo por menos algnma consa e tachas de ferro batido e coado, de todos os
Vendem-se charutos da Baha de varias ma- lamaahos para ditos.
Arados americanos e machinas par
lavar roapa: em casa de S. P. Johnston A &,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se maclltaa para fosvsrocir algodao
com motores para animacs : na roa da Senzala
Nova n. 42.______________________________
MGICA". '
Na ra da Imperatriz n. 53 acha-se venda um
pequeo gabinete completo de physica, ou instru-
mentos para mosira?, qne pdde 'servir pira algnm
curioso dar rppresewacdes peto arrabaldcs, pois
compde-se de muitas e variadas sortas.
Feijdo.
Vendem se sarcos com 22 finas de fej fajado
lidades : em casa de Monhard & C, ra do Tra-
piche n. 48.
frWtfWlMm HHH KKifil
! Fabrica Conceicao da !
S Baha. S
5 Andrade & Reg, recebem constante- '
IR mente e tem venda no sen armazem n.
{1K ^ ^a rna ^ ImPer*,,or> a'fodao d'aqael-
12; i-a fabrica, proprio para saceos de assu-
W. car, embalar algodao emploma etc., etc.,
Mt pelo preco mais razoavel. MM
KfKfR w^aR SR3r Hh9
Ovas rio serISo.
Na traversa de Joao Fernandes Vieira n. fe, lia
para vender ovas do serto, tanto afacado como a'. do Porto por Hs, era coias a 50 ; na ma Hrei-

- I

);
retalho
ta n. 8.
nATA IM^ADD
4Jll ITllll AAA


Diarlo de P
* Segase* lelra i de Janeiro fe 18A.
NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaram os modernos vestidos de dentelle de seda coro barra, inteiramenta notos
em gosto e qualidade : (oja das columnas, na na do Crespo o. 13, de Antonio Correia
de Yasconceilos 4 C, successores de Jos Moreira Lepes.
Fazendas de bom gosto
Para vestidos de senhora
Superiores eortes de seda de cor, de morante, de gorgorito e de setim imperial.
Ditos de Mead, e de cambria branea bordados.
Ditas de lia com barra e grande variedade em cores e padrSes.
Ditos de organdys com barra
Lindas-sedas de qaadros escosseza e miadas.
Superiores Jaas lisas com grande variedade de cores.
Ditas com salpicos, com Dores e de quadros.
Lindas pampolinas de quadros e de flores, fazenda mteiramenle nova.
Superiores cassas de cores, e lindas enmbraias organdys.
Grande variedade de cbita de cores, de perealia e ontras muitas fazendas de gosto.
Para hombros de sentara
Lindas capas e bournoux de casemira de cor.
Ditas de laa e de seda.
Grande variedade de sout'embarqnes de seda de 18 a 40$.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados fino?, de cachimira com listras de
seda e de fil preto.
Camizinhas modernas, znavos brancos e de cores, colletes de cambraia, lindas gol-
lionas com punhos e outros moitos artigos.
Para cabeca de senhora e menino
Superiores chapeos e chapellinas de palha de Italia enfeitades para senhora.
Ditos de feltro enfeitados para senhora.
Ditas de palha enfeitados para menino.
Grande sortimento de enfeites modernos de retroz, de froco, de cabello e de flores,
para senhora.
Na loja das columnas da roa do Crespo n. 13, de Antonia Correia de Vasconcel-
os 4 C.
GERJLIj recmiuil\iia< Ao
AO PUBLICO
Mena o menor eonstran-
glmento se entregar* o
Importe do genero que
n5o agradar.
ATTENQAO
a oreos da aegnlnte
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de Iba
se para o ajaste de eontas
eom os portadores.
ARMAZEM NIAO
RA DA CADEIA DO RECIPE 3. 53.
A LEGITIMA
Grande rednecao de precos,
(Loga passando o arce da Cenceife)
equivalente a dez por cento
annnnclante.
leos do que ouro qualqner
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o prego da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bera. assim o de outros
tnuitos objectos, etc., dando com islo ocasio a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, qoe podem vender pelo preco que eu vendo''
PREPARADA NICAMENTE POR
LAMAN k KEIP,
esto obligados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamacao'de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores T'e nenie "americano"" ZrihA
1 informado deste novo estbelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim SJuStvoT! ^SfaomMrZfa
tao smente obter a concorrencia de seus frecuezes. M wtuiwuvos os mais ominaos oo impcuo do
Brasil e da America hespanliola
Para bem de todos.
ARMAZEM CONSERVATIVO
23-Largo do Ter^o-23.
Joaquim Simio dos Santos, dono deste bera sortido armazem de molhados faz sciente erag
reeommeadacao aos seas amigos, freguezes e a todos em geral, que est resolvido a vender os seus
bera conhecidos gneros de priraeira qualidade.por menos de 10 a 20 por cento, menos do que em ou- i
tra qualquer parte a dinheiro contado,e todo o comprador que comprar de 50$ a 100 tera o descon-'
to de 5 a 10 por cento pelo seu prompto pagamento : e per isso se faz annuncio de alguns eeneros
para com este melhor se certificaren]. *
Milho alpista e painco muito limpo a 140 rs. a li-
bra e a arroba a 4100 e 4$200.
Phosphros do gaz vindos por conta propria a 180
rs. o maco e a 2 a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga-
lio a 2*800 e a caada a 4*500.
Serveja das marcas mais acreditadas a 500 rs. a
garrafa e a duzia a 5*800.
Figos de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
em barril ou caixa se far abatimento.
arroz do Maranhao e Java a 100 e 80 rs. a libra
e a arroba a 2*800, 2*e 2*400.
Assim como ha um grande sortimento de charu-
tos e genebra de Hollanda, tanto em frascos como
em botijas, bolachinhas de soda, conservas,choco-
late, marmelada, vinho engarrafado e outros mul-
los gneros que enfadonho menciona-los, e se al-
guem duvidar venha ver.
reza com que
CURA RADICALMENTE
Senhores e Senhoras o aceio que presidie, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais qne ludo alpromptidao e entei- f croPhulas rlieumalisroo, escorbuto en-
. v-. que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sera duvida rae dar5o a proteccao e preferencia na compra i SL ve"ereas e mercunaes, i bagas
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir poderSo mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratices, pois 'fst' mrPhea( e,loda? as molcrtias pro-
serio tao bem servidos como seviessem pessoalmente, hacend para com estes toda recommeodacao, afim de que n vo em outra parte ve"'entes df um es ado VIC,0S0 do *>!.
M- ,/f.. *^ "* r hmquanto existem varias imiiacoes e
Massas para sopa raacarrao, talharim e aletria a
240 rs. a libra e em caixa a 5*.
fouciuho de Lisboa alvo muito superior a 280rs.
a libra e 8*800 a arroba.
oaf do Rio de primeira e segunda sorte a 260,280
e 300 rs. a libra e a arroba on sacco a 82 e
8*500.
Choaricas as mais novas do mercado a 560 rs. a
libra e em barril a 12*.
Passas vindas peto ultimo vapor a 400 rs. a libra
e a caixa a 8*.
Batatas era trigos de 35 a 40 libras por 2*400 a ar.
roba e a 80 rs. a libra.
Cha hysson mindinho soperior qualidade a 1*200,
2*000, 2*506 e 3 a libra.
Vinho de Figueira, Porto e Lisboa em pipa a 560,
500, 400 e 640 rs. a garrafa,
dem proprio para negocio a 320 e 360 a garrafa
e a caada a 2*400 e 2*700.
JOS12 CUMIES VILLAR
Com loja de fazendas ra do Crespo n, 17.
Pretendendo ir muito breve a Europa tratar de sua saude, pede aos seus devedores
tanto do mato como desta praga que saldem seus dbitos quanto anlc= aimcomo
Est liquidando
o seu importante estabelecimento de fazendas, vendendo tudo por precos aue nareahda-
de admiram; aproveitem Excellentissimas senhoras
As fazendas de apurados gostos
As fazendas de apurados gostos
As fazendas de apurados gostos
E por precos que admirara
E por precos que admiram.
GRANDE DEPOSITO DE PIANOS
DE
5RA' HTtiVA95
cn TendHeBr,ineyogeleyfleadocomaacredudacasadepianosdo Sr. Joao
sita na ra Nova n. 25, tem a honra de annuociar ao respeitave publico que con nuY -Vogeley
com o mesmo um esperando o annunciante que merecer a mesma eonfianca q
a dita casa
tivera seu anle-
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um grande sortimento d ninne h..
cezes e allemaesdos melhores fabricantes da Europa, escolhidos especialmente para eVXma X
ESera SrrU0 "^ rae"10reS H aCred'ladS 3? S X8
^n*z^a'S^%^ti!F**^ be,lts *des'es
como nS SldeeS,abe,eCmem CDtnua-Se a alDgar' aGnar e concer,s"- I*", tanto na cidade
O propeietario responsabilisa-se pela sua excellente qualidade.
pianos e
F. J. Gfermann, a ra Nova n. 21.
Acaba de receber um magnifico e completo sortimento dos objectos que de melhor qaalidade'se n
de encontrar em urna relojoana, taes como : chronometros maritimos e de algSeira rffi Js d o,
e praia dourados e foliados, ditos para mesa e de parede, franceses, suissos, allemes ^americano
reguladores de compensacao, relogios grandes com msica e sem ella, dito de sol montados Tom^er-as
para disparar em certas horas, despertadores de diversos lmannos, caixas com bS i55?| ES
ment de oeulos e lunetas de ouro e praia dourada e tartaruga, bu alo, ac, e varios metaef culos o
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a ooo rs.
Cha hysson de soperior qualidade a 2,6oe rs.
a libra.
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
nesle genero 2,6oo rs.
dem pretohomeopatbicoporserde superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra.
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o I,6oo, 1,800 e 2,000 rs. a
. libra, garante-se ser muito regular, igual
ao quese vende em outra parte por 2,4oo
e2,6oo rs.
Linguicas, chourigas e paios em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e I,5oo e 600 rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
Deste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a 1,600 e 1,800 rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas porluguezas em latas j pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a Ooo
I,ooo e l,2oo rs. a libra. ,
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de soperior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
da, salm5o, ostras e chernee, vezugo era
latas grandes a 800 e I,ooo rs. cada urna.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que tem vindo ao nosso mercado a
6,000, 7,ooo e 8,060 rs. a caixa, garante-
se ser de qualidade superior, que outro
qualquer nao pode vender por este preco.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira deA'tona em
frascos grandes a 1.000 rs. o basco, e
H.ooo rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-f
ment.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem dalndia muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,oeo rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
' rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,000 rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propiamente
feitas para esse lim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Antonio de Lisboa em latas com 6 libra
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes"
mo peso a 2,000; ditasimperiaes emlatas
de 3 libras por 1,50o rs.
Ameixas francezas em latas dele meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamaitos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, el,8toors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o re. a libra e 2,ooe a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o. re. o frasco e
8,000 a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e H.ooo a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o maco-
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, Cerveja branca epreta das marcas mais a-
4oo e5oo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs. '
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,000 a
lo,ooo rs. ea9oo e l.oooa garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melbor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolachinha de soda em latas cora diversas
qualidades a l,3oo rs.
Bolo francez em caixinhas muito proprias
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa cem 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
5.000 a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca maito nova a2oors.
Charutos de tod os os fabricantes daBahiaedas
mais acreditadas marcas conhecidas no
nesso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l.oeo* rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; ditoemcaixoesa6oors.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Afeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. rem barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas porl,2oors.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
O
B'S'coori sr"-i o o o
nos olhos, tabricados segundo os preceitos dos mais acredados Seo. da Europa e &S525
Pernambuco os quaes s se vendem por consulla dos med.cos, vldros de cmiX braSfe decflr
oculos de alcance para o mar e outros proprios para observarles astronmicas oltames e sta
binculos para theatre, para mar e para campo, microscopios' e meridiano universalI barmetro^ 2r'
mometros, calas de instrumentos maUemalicos. corremos m. cinala, a ,Jrf^;.a?m.eIros'ler"
,a^tl^c.orremes e chaves, sinetes e tranceins de ouro, dou-
to e encon
efto, em seu estabelecimento; e vende" por'meno's que pode" ur'oat'ro quJqor
radose raleadas, tudo dos melhores fabricantes. Encarregase de qualquer concert e
Cassas para vestidos.
Tal pechincha s a dinheiro se pode vender.
vnri^?*!'*,^^^ ,lsas> ederamagens, com grande
n'/aeanda qe fe tem Tpre 1*$* a m rs" 8 Tafa> I*10 baratis imo prgeQ0 de
na loja das columnas da rua do Crespo a. 13, de Antonio Correa de Vasconcellos
300 rs. o covado
& uomp.

Versos ao Divino
Acham-se a venda na roa do Imperador n. 15
defronte de S. Francisco por preco de 160 rs. ca-
da um exemplar em brochora, versos ao Divino,
proprios para se cantarera depois ou antes de
qualquer solemnidad*, festa. novena en mesmo
em casas particulares.
Testamentos.
Adun-M' a venda os segnintes testamentos,
obras proprias para enUeter em horas vagas na
ra do imperador n. 15, defrente de S.Francisco:
da gal liana, gallo, per, le3o, onca, tigre, caxorro,
vigano, porco, pelleja entre nma alma, 5. Miguel
e o diabo a 160 rs. cada um exemplar.
Milho novo em saceos grandes: no trapiche
de Cunha, a tratar com Tasso Irmaos.
Caz liquido, candleiros e seas
pertences.
No deposito do mesmo, na ra da Crnz n. 35
vndese gaz o mais apurado, em latas de 5, 2
1 galao, assim como em garrafas; tem tambem
venda candieiros para o dito de diversas qualida-
des, e pertences para os mesmos, avolsos, das mais
pequeas as maiores dimensoes, tudo per precos
commodos.
Feijo.
9- Roa da ladre de Deos-9
Vndese feijao mnlatinho novo, saceos de 22
coias, o mais novo qne se pode desejar, e mais
barato do que em outra qualquer parte.
fiiiiem de niolliad
81--RIJA DO IMPERADOR 81
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Collegio.
Francisco Jos Leite, tera a satsfac3o de avisar aos seus freguezes e ao respeitavel
publico que, estando restabelecido de seus incommodos de saude, acha-se novamente
com um bello e bem sortido armazem de seceos e molhados primorosamente escolhidos;
como sempre caprichou terdas melhores qualidades, e francamente affiancas pessoas que
se dignarem comprar em seuestabe!ecimento,que all de preferencia outra qualquer par-
te sero mais bera servidos, em qualidade e precos, como em pesos e medidas, no qoe
sempreo annunciante foi escropnloso, em summa, nao illude a pessoa alguma.
Aos Srs. de engenho e lavradores que o queiram honrar como seu comitente Ibes
assegura que o producto deseu laborioso trabalho ser o mais bem reputado no merca-
do desta praca, para oquesejulga convenientemente habilitado pela longa praticacom-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteza, depois de se-
rem fielmente eumprido as suas ordens.
Fornecer genero* aos Srs. agricultores e*negociantesque lhe merecam eonfianca, fa-
zendo um abate vantajoso aos quepagarem a vista suas mercadorias, e encarrega-se da
venda de qualquer genero do paiz, mediante urna mdica commiss5o, entregando de
prompto seu producto, e sendo este applicado compra de gneros em seu armazem,
prescindir da commissao.
Dos seus antigos e benignos freguezes espera o annunciante sua valiosa protecc3o, fre-
qoentandocomooutr'ora sua casa, e pelo reconhecimento que lhes tributa offerece espon-
tneamente seus servicos.
Julgadesaecesario publicar a tabella dos precos de sens gneros: sao seus recursos
garanta suficiente de poder accempanhar os menores precos de idnticos e mesmo de
mais apparatosos estabelecimentos, teudo somente em vista o augmento de suas vendas
diarias.
Prevenco necessaria.
Tendo stdo o proprietario estabelecido muitos annos com o mesmo ramo de nego-
cio ni mesma ra, julga prudente advertir que s afirma e se responsabilisa pelo que
tem declarado no que disser respeito ao armazem.
SI-RITA DO IMPERADOR-SI
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Collegio,
~ 3
09
V.
a S
CD B
C T3 H -, t-r S
5 5. SS-e-
- ti o fl O
!? K S' M
cy
2 E-.-~ oBSS'P-S"?1

a.^
falsificacos, preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa deBristol vfnde-se per
CAORS & BAnBOZA
JOO DA C. BRAVO & C.
Vendem-se no Recife em casa de Caors y
Barboza e Joo da C. Bravo & C.
Grande armazem de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande deposito de
productos chimicos e utensis os mata empregados
e usados na pharmacia, pistura, pioio^raphia, tin-
turara, pyrotechinia (fogos de artificio) eem outras
industrias.
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectamente as principaes drogaras deParis, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa, pode offerecer
productos do plena eonfianca e satisfaz qualquer
encommenda a grosso trato e a retalho, por preces
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
com promptidao qualquer pedido de lintas Midas
a oleo, cuja qualidade e pureza de seus ingredien-
tes poder ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer com aquellas que sao in portadas,
e que se enconlram no mercado em latas fechadas.
Tem grande eolleccao de vidros de difTerentcs
formatos, desde urna oitava at dezeseis ingas de
capacidade ; de vidros para vidraras e diamantes
para corta-Ios ; de pinceis para fingir rrudeira com
propriedado e outros; de papis dourados e pra-
teados e folhas de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo formato de varias cores
para embrulho, para forro de casa, para desenlio
com fundo feito ; de papel albuminado e Brislol,
verdadeiro saxe para photoeraphia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
teiior; oleo graxo, oleo seccativo, oleo de linhaca
clarificado, oleo de oielel, secalivo de Harlim, oufe
verdadeiro em p ; prata, euro, e estanho em fo-
lhas de varias cores ; tintas vegelaes, inofensi-
vas proprias para confeitarias; la de cores, e
olhos de vidros para imagens ; tintas em tubos e
talas para retratos ; lintas em pastis p em p ra-
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de n?-
roly, jasmim, bergamota, aspice, patchouly. mbar,
bouquet, limao, alcaraiva, meilssa, rrtela'pimenta,
lonro, cereja, alfazems, Portugal, lima, junpero,
ans da Russia, canella, cravo e muilos oulros ob-
jectos que s com a vista poderao ser mostrados.
Joao Pedio las Xnrs,
_________________________Gerente.
Assacar crysfalisado da faiiric
2 de Julho
Na Bahia.
No/mazem da ra da Madre de Dos n. 28,
ha venda o muito superior assuar eryslalisado,
em saceos e 2 arrobas, ao prego de 5 cada ar-
r;b.
Vidros para espelho.
Vende-se na ra Nova n. 26.
ESCRITOS FGIDOS.
D-se 50^ de gratificacao a quem agarrar o
cabra Caelano, que contina a estar fgido e acui-
tado nesta praga, pois j tem sido visto por difTe-
rentes pessoas e por diversas vetes, o qual de es-
tatura mediana, cabellos crespos e j piniado,
nariz grande e arrebitado, espadado, percas linas
e um pouco tortas, ps apalhelados, faltando-ihe
algumas nnhas, andar um pouco corcovado, esta
com o rosto um pouco plido e enxado, pode ler
de idade 25 a 30 annos, bastante ladino e velha-
co. presume-se que esteja engajado em lignina
cocheira ou sitio a pretexte de pagar semana, pois
nao ha quem o conhega por forro : na ra nova
de Santa Rila n. 7 aos Srs. Siqueiras & Santos, tu
no engenho Para, se dar a mesma gratiticacfiu a
quem all o entregan____________________

3
&'
a S 3 Si {?S |
o o O 2 o
m o w "I |
m o s a

a.
i
o ."I
9 2 5"
H!rO
O
ri
tu
o B o.
91 U O
09
<"
i'
i
i
I
a- ~
S .M
o
8
e
9
c
S
Agua Florida.
Para restabelecer e censerrar a efir natural
dos cabellos.
A agu* florida nao ama tintara, fado esen-
cial a contestar, a mesma agua dando a cor primi-
tiva ao cabello. Composta de plantas exticas e
de substancias inoffensivas, ella tem a propriedade
de restituir aos cabellos o principio corante qoe el-
les ten perdido. Doma salubridade incontesta-
vel, a Agua Florida entretem a limpeza da cabeca
destroe as caspas 'e impede os cabellos de cakir
Oleo de Florida,
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
coBstitae' poderosanwr*, com a Agua Florida, a
forra, a belleza e a coiservacao dos cabal! jc.
tm Pars, casa de Quislaur 1.12, ro de Ricbe-
lien, e 21, boulevard HoBtmfrc,
Todos os frascos, nlo tendo intacto e claro, e
timbre prateado da casa, slo repotades falsos.
Deposito, ra do Imperador, pharmacia n. 31.
Fngio pela manhaa do dia 28 do correrle o
escravo de nome Paulino, com os signaessegun-
tes : cabra, cara picada de texigas, dentes lima-
dos, cabello carapinho, estatura regular, rheio do
corpo, muito conhecido por andar vendendo fa-
zendas com um caixeiroda casa dos Srs. Marceli-
no & C. : roga-se a quem o pegar, de o levar a
casados mesmos na ra do Crespo n. 5, que sera
generosamente recompensado.______________
No da 9 de dezembro de 1864 fugio de casa
de seusenhor o escravo Herculano, pardo e?cufe,
com 35 annos, alto, cabellos carapinhos, olhos e.
orelbas pequeas, tem apenas bigode e pera, per-
nas e andar de quebra-mangue, tendo o pe esqutr-
do torto e sahido para fra como pata de sen, e
por isso puxa alguma cousa pela perna quando
anda, levou vestido calca branca remendada e ca-
misa branca, levando chapeo de palba, conduzio
igualmente toda roupa qne possue, suppBese an-
dar aqui mesmo pela cidade: quem o pegar leve-o
a roa Direita n. 54, que ser generosamente re-
compensado. _______________
Auscntou-se cm 29 de dezembro passado de
eugenho Utinga de cima, no Cabo, a mulatinha
Joona, de i4 anns provaveis, comprada a 26 dias.
ne Recife, a Jos Firmino de Medelros por precu-
racao de sna a Josepha Mara dos Prazeres, mo-
radores ambos no Brejo da Madre de Dos, tem os
signaes seguintes: cor alvacnta, manchas no
rosto, cabello carapinho e ruco, com orna elcatrit
a testa, corpo regalar, eom todos o dentes, sea
peitos, as pernas finas, vestigios antigos de chicote
no corpo, padece de bobas as partes cemitas, a
falla as vezes viciosa : roga-se s autoridades a
sna captara, e a qualqner particular, podeedo ser
remettido para o referido engenho, on a Joae Jes*
de Car va I ho Moraes Filbo, rna do Qaeimado n. 13,
que serao gratilcados.__________
------
ATTENCAO.
Fngio no dia 12 do correte a escrava de nome
Conceicao, levando eom sigo urna cria, e ha rre-
scmpgao (roe foi fedazlda prto menor Pedro Pai-
to do Albnquerqne, qoe tambem sabio de rasa por
ter tachado sna mai padrasto dos nomes mSV
injuriosas : quem quizer saber procure investlpV
o procedimento de tal menor, e qual a razSo deste
proeedlmento.
Mana Theophila ie Albvqverqve.


mi
41 Mi I




s
Diarlo de PerBanbne* c?nada lelra ti de Janeiro de I **.

LITTERATO'RA.
UM POUCO DE TUDO.
Pouco a ponco serena a tempestada ; a noute
tornase bella ; brilbam novamente as estrellas e
Hol-
garemos exageradas as proporgoes que ella dava a chave estava seguramente com elle. la sabiodo
ao acto de Menezes. O acto de Menezes reduz-se para ir ver papel a outra parte, quando vio junto
anal de coalas, a um acto ommum, praticado da porta urna chave; era a da gaveta. Sem os- [a la depois do embate dos elementos surge
todos os das, no meio da toleranoia geral e at crupulo algum, travou da chave, abri a gaveta e pida quasi occultar-se no horisonte.
do applaoso de amitos. Certauente que isso nao tirou um cderno de papel. Escreveu algumas II- Um instante depois tudo silencio, a reaccao
Ollerecemos aos leitores os seguintes extractos )he da VjIl0(je mas tra.|(,e 0 meri0 ja origina-, nhas era urna folha, e deixou a folha sobre a mesa egaal e contraria acjSo.
de um commnnicado do Sr. J. -C. Marianl, da nanic debaiso de um peqneno globo de brome. Guar-( A ratonaba noute diz o san ultimo adeus Se-
Lahia : j*. _in ,-. a r,,rr.,;, ,. doa res, do PaP*'> e ia fechar a gv'a. qaando bastianopolis e desapparece no horisonte.
Jrl |Zr a arZe Ects aud r O c """,rou em '"" **** w m M" ^ AppaLm os ..veres matutinos e o astro rei
mar lugar a cana que Menezes alludira. Que car- ,aJ 8e distinguan) por um sobrescripto de lettra n h irfflnfln ,,,!,,,,,,> nnr tra? das colinas
ta sena S A.guma d'essas confidencias que ,reum|a ir;egular/de car.cter pura;eQt0 fm, do dia sur,ndo fu"araote "or
Ke provavel que o Paraguay queiradescidir
a terrivel conlonda as planicies de Montevideo,
quando Ihe muito mals vantajoso esperar-nos
detro do seu territorio.
Para entrarmos nesta repblica temos nica-
mente dous meios: passarmos por debaixo de Hu-
mat, u rodearmo-la; o fogo de 300 canhoes,
ou 400 leguas de caminbo por paizes de amizade
duvldosa.
Temos fe, porm, que havemos de quebrar a ca-
deia de ferro com que o lyraano do Paraguay
traz algemado aquelie paiz, e havemos de coagi-Io
a augmentar o numero dos exilados que costuuio
ir pedir hospitalidade magestosa Albion.
Msatela, em quanto nao viraos nosso pavi-
Iho desaffrontado fluctuar aobremente nos muros
de Humait e Aiumpcao, jazer urna parte do
nosso territorio em poder do inimigo, e escurecida
a nossa honra, que nao pode ser aviltada pela
omnipotente Inglaterra.
Cruzar os bracos adianto daquelles fados que
a socledade C9oj razo considera como as raais
acintosas ofiensas, e nao procurar desaflrontar-se,
quando ellas partera de orna potencia cujos recur-
sos sao inlinitamente menores que os nossos, ser
a maior prova de fraqueza que possamos dar ao
mundo civilisado, e o maior daino que podere-
mos causar nossa estabilidade.
Nao temos diante de nos nicamente a repug-
nancia ao servido militar, a desordem causada
pela crise bancaria, o numero limitado de nossas
forgas, 400 leguas de distancia, a guerra com a
Banda Oriental, a amizade equivoca de Corrientes
i: Entrerios e a fortaleza de Humait.
Aiuda que penetremos no Paraguay despeilo
de todos estes obstculos, teremos que combatec
um exercito de 50 mil homens, bem disciplinados
e armados, e urna esquadrilha formidavel, apro-
pnada s evolucoes da guerra nos rio?.
....................vv...........................
A energa de um povo desenvolve-se na propor-
cao dos obstculos que o impedem de marchar
desassombradaraente.
nio.
vem (Iluminar os restos destrocados do infeliz bar-
quinho.
o coragao da adolescencia fcilmente traduz no
papel. Mas os termos d'ella ? Em qualquer dos
casos do dilcmma apresentado cima Menezes po- ': Olboa Para a Por,a a ver se aluem efepreiliva a e assim passa a vida dos amores,
da usar da carta, a que talvez faltasse a dala sua curiosdade e abri as carlinhas, que, alias, j Nessa edade feliz em que as flores-
A crenca cathotica jem do espirito eminente,
mate religioso, qne carieterisa o povo brasilel-
ro; e o povo por natureza crete, e pouco on
quasi nada prescrutador dos fundamentos da sua
crenca: parece que a crenca nellt um dom, urna
Vctor Emmannel e Garibaldi nao bao de ter
outro remedio, e bem a sen pezar, seno reflonhe-
cer o que est ordenado por Deus.
Vctor Emmannel, emfim, pode reter as legacSes
usurpadas; mas dia vira, em qne elle nao possa
I ---t---------| ... bisa uw w i.- \iH
graga especial, que se baseia no mmenlo intimo, ^otu, nem no terrilorio herdado Dem no uiar.
Ha porm muita gente que, nao sabendo apre-
ciar devidamcutu a nossa situdgo;actua|,oao com-
prehender tambera a conveniencia de sacrificar
causa da communidade urna parte de seus Inte-
resses individuaes, e era a necessidade das pro-
videncias que se devem tomar a um de se organi-
sar ura exercito respeitavel.
Nao admira, pois, que o recrutaraento tenha
causado tamanho pnico ponto de afugentar da-
qui os homens de fra que vem dispor de suas
mercadorias, visto como, segundo o espirito das
nossas nstiluiges, deve o servigo militar ser des-
empenhado por aquelles que nenhuma oceupagao
exercem no palz, o que justsimo, e nenhum
hornera trabalhador e honesto querer passar pela
deshonra de ser tido por um vadio..
Tambera nao eremos que por esse modo de re-
erntamento de emboscada possamos, fornecer al-
gum contingente que vaina a pena.
O meio mais explcito e mais seguro de organi-
sar-se um exercito digno do paiz, seria ordenar o
Caverno que lodos os corpos da guarda nacional
lornecessem, dentro de um prazo fixo, um certo
numero de pragas, 3 homens por cxemplo, para
cada companhia.
Assim esta provincia, com seus 128 balalhoes
da guardas nacionaes do servigo activa, forneccria
por si s mais de 6,000 homens, e nesta proporco
poderiamos, com os contingentes das outras pro-
vincias, fcilmente elevar o nosso exercijo mais
de 50, 000 homens.
Convm que a Baha tome urna parte bem lar-
ga na divisan desses sacriGcis, aim de dar mais
esta prova de que o seu patriotismo nao se traduz
nicamente por ovages aos seus tribunos e por
festejos ao Dous de lulho e todos os santos da
corte do cu.
A nobre classe da lavoura, que aquella que
mais contribue para a manulencao do paiz, tara.
Lera a mais inleressada pela sua tranquillidadu.
Se o governo el(a se dirigir pedindo-lhe au-
xilio, eremos firmemente que ser satisfeito com
toda promptido.
Consta-nos at que muitos proprietanos se acho
disposlos dar e manter sua cusa, durante a
guerra, urna praga de pret cada um.
Concluimos
rnilias :
o romauceto do Jornal das Fa-
CASADA F. TOTA.
III
Passaram-se qumze das depois das scenas que
narrei cima. Durante esse lempo nenhum dos
personagons que nos oceupam tiveram occasio
de se fallarem. Nao obstante pensavam muito
uns nos outro s, por saudade sincera, por temor do
futuro e por fri calculo de egosmo, cada qnal
pensando segundo os seus sentimentos.
Cristiana refleclia profundamente sobre a sua
situacao. A scena do jardim era para ella um
prenuncio de infelicidades, enjo alcance nao podia
avahar, mas que Ihe pareciam inevitaveis. Entre-
tanto, que tinha ella no passado ? Um simples
amor de crianza, d'esses ameres passageiros e
sera consequencia. Nada dava direito a Menezes
para reivindicar juramentos firmados por cora-
coes extremamente juvenis, sem consciencia da
gravidade das cousas. E de mais, o casamento
de ambos nao invalidara esse passado invocado
agora ?
Ketlectindo d'este modo, Christiana era levada
s ultimas consecuencias. Ella estabelecia em
seu espirito o segrate dilemma : ou a reivindica-
gao do passado feita por Menezes era sincera ou
nao. No primeiro caso nao era a paixo concen-
trada que fazia irrupgo no fim de tanto lempo, e
Dens sabe onde poderiam ir os seus efloitos. No
segundo caso, era um simples clenlo de abjecta
lasciva ; mas, ento, se mudara a natureza dos
sentimentos do marido de Eulalia, nao mudava a
situacao nem desappareciara as apprehensoes do
futuro. Era preciso ter a alma profundamente
mirrada para illndir d'aqaelle moao urna mulher
virtuosa tentando contra a virtude de ontra mu-
lher.
Em honra de Christiana devo accrescentar que
os sens temores erara menos por ella que por
Eulalia. Estando segura de si, o qne ella tema
era a felicidade de Eulalia se annunciasse, e a po-
bre moga viesse a perder aquella paz do coracSo
que a fazia invejada de todos.
Apreciando estes fados luz da razo pratica
se julgarmos legtimos os temores de Christioa jul-
sobrassem expressSes ambiguas para suppo la de
feitura recente.
Nada d'isto escapava a Christiana. E cora tudo
isto entristeca. Nogueira reparou na mudanga
que apresentava sua mulher e inlerrogou-a cari-
nhosamente. Christiana nada Ihe qiz confiar, por
que urna leve esperanga Ihe fazia crer s vezes
que a consciencia de sua honra teria por premio
a tranquillidade e a felicidade. Mas o marido, nao
alcangando nada e vendo-a continuar na mesma
tristeza,entristecase tambera e desesperava Que
podia desejar Christiana ? pensava elle.Na incer-
teza e na angustia da situago lembjou-se de ir ter
cem Eulalia para que esta ou o informasse, ou,
como mulher, alcancasse de Christiana o segredo
das suas concentradas magoas. Eulalia marcou o
dia em que irla casa de Nogueira, e este sahio
da chcara da Tijuca animado por algumas espe*
rangas.
Ora, n'esse dia apresentou-sc pela prlmeira vez
em casa de Christiana o exemplar Jos de Me-
nezes. Appareceu como a estatua do coramenda-
dor. A pofcre moga, ao velo, fleon aterrada. Es-
lava s. Nao sabia que dizer quando porta da
sala assomou a Dgura mansa e pacifica de Me-
nezes. Nem se levantou. Olhouo flxamente e es-
perou.
Menezes parou porta e disse com um sorriso
nos labios :
J) licenga ?
Depois, sem esperar resposta, dirigio-se para
Christiana estendeu-lhe a raao e recebeu a d'ella
fra e trmula. Puxou cadeira e sentou-se ao p
d'ella familiarmente.
Nogueira sahio ? perguntsu depois de algnns
instantes, descalcando as luvas.
Sahio, raurmurou a moga.
Tanto melhor. Tenho ento tempo para di-
zer-lhe duas palavras.
A moga fez um esforgo e disse :
Tambem eu tenho para dizer-lhe duas pala-
vras.
Ah I sira. Ora bem, cabe s damas a prece-
dencia. Sou todo ouvidos.
Possne algnma carta minha ?
Possuo urna.
E' nm triste documenio, por que, responden-
do a sentimentos de outro tempo, se eram senti"
mentos dignos-d'este nome, de nada pode valer
hoje. Todava, desejo possuir esse escripto.
Vejo que nao tem habito de argumentar. Se
a carta em questo no vale nada, por que deseja
possui-la ?
E' um capricho.
Capricho, se existe algum. ode tratar por
cima do hombro um amor sincero e ardente.
Fallemos de outra cousa.
Nao; fallemos disto, que essencial.
Christiana levantou-se.
Nao posso ouvi-lo, disse ella.
Meuezes segurou-lheem urna das mos e procu-
rou ret-la. Houve urna pequea lula. Christia-
na ia tocar a campainha que se achava sobre urna
mesa, quando Menezes deixou-lhe a mo e levan
tou-se.

Basta, disse elle; escusa de chamar seus f-
mulos. Talvez que ache grande prazer em p-los
na confidencia de um amor que nao merece. Mas
eu que me nao exponho ao ridiculo depois de me
expr baixeza. E' baixeza, sim; naodevia raen'
digar para o coragao o amor de quem nao sabe
comprehender os grandes senlimentos. Paciencia,
fique cora a sua traigao ; eu ficarei com o toen
amor; mas procurarei esquecer o objecto d'elle
para leinbrar-me da miaba dignidade.
Depois d'esla lirada dita em tom sentimental o
lacrimoso, Menezes encostou-se a urna cadeira
como para nao cahlr. Houve um silencio enire os
dous. Clirisliana fallou em primeiro lugar.
Nao tenho direiio, nem dever, nem rontade
de averiguar a extenso e a sinceridade d'esse
amor; mas deixo queeu Ihe observe ; o seu casa-
mento e a felicidade que parece gozar n'elle pro-
testan) contra as allegages de hoje.
Menezes levantou a cabega, e disse :
Oh! nao me exprobre o meu casamento I
Que quera que eu fizesse quando urna pobre moga
me cahio nos bragos declarando amar-me com de-
lirio ? Apoderou-se de mim ura sentiraento de
compaixo ; foi todo o meu crirae. Mas n'este ca-
samento nao empenhei tudo ; dei a Eulalia o meu
nomo e a minha protecgo; nao Ihe dei nem o meu
coragao nem o meu amor.
Mas essa carta ?
A carta ser para mim urna lembranga, nada
mais ; urna especie de espectro do amor que exis-
ti, e que rae consolar no meio das minhas an-
gustias.
Preciso da carta 1
Nao I
N'este momento entrou precipitadamente na sala
a mulher de Menezes. Vinha paluda e trmula-
Ao entrar trazia na mo duas cartas a jertas. Nao
pode deixar de dar ura grito ao ver a attitude meio
supplicante de Christiana c o olhar termo de Me-
nezes. Deu nm grito e cahio sobre o sof. Chris-
tiana cor re u para ella.
Menezes, lvido como a morte, mas ebeio de urna
tranquillidade apparente, deu dous passos e apa-
nhou as cartas que cahiram da mo de Eulalia.
Leu as rpidamente. Decompuzeram-se-lhe as fer
goes. Deixou Christiana prestar os seus cuidados
do mulher a Eulalia e foi para a janella. Ahi fez
em tiras miudas as duas cartas, e esperou, encos-
tado grade, que passasse a crise de sua mulher.
Eis-aqui o que se passra.
se achavara descolladas...
zia assim
A primeira carta di-
i Meu caro Menezes. Est tudo acabada Lucia
contoef-me tudo. Afleos: esquece-te db mim.
Margarida.
I
A segunda carta era concebida uestes termos :
< Meu caro Menezes. Est tudo acabado. Mar-
garida contou-me tudo. Adeus; esquece-te de
mira. Lucia. >
Como o leilor|adivinba, estas cartas erara as duas
que Menezes recebera na larde em que andou pas-
seando com Christiana nojardim.
Eulalia, lendo estas duas cartas, quasi leve urna
S traduzem mysterio :
Chega a edade porm das desventuras,
Aos risos succedem as margaras,
Ealm...... o cemiterio.
i ifli ii i '
L-se na Estrella do Norte o segninte :
o PAPO 00 TUTC.
Papao ou tutu entre algumas pessoas um po-
deroso meio de educago.
Ha um menino indisclplinado,colerico,logoo ale-
morisam com o phantasma do papo ou tutu' que
leva na sna alcofa os meninos mus paraos comer
crs.
Esta urna daquellas ideas inveteradas, que ha
syncope. Pode conter-se, e, aproveitando, o carro j de cusiar a perder, e que os paes, os criados, os
que a esperava, foi buscar a Christiana as conso- irmaos e irmaas de mals edade, contam aos meoi-
nos mais mogos.
Contndo este costume mu, como fcil de de-
monslrar-se.
Em primeiro lugar nanea se deve engaar urna
changa ; porque se Ihes rouba urna parte da con-
fianza, que deve ter naqaelles que a educam; eos-
tumam-na a nao ter para com seus paes aquella
e nao as demonstrages theologlcas..
D'aqui vem nao termos urna opinao calholitica,
isto urna cronga firme nos dogmas, e caones
da Igreja, e urna justa apreciagao das snas relagdes
cora o estado.
Nos lempos de viva f, como j os leve era Por-
tugal, como j os leve o Brasil a f catholica era
sufflciente; mas com os progressos do racionalis-
mo, com a sua propagago na litteratura, na polti-
ca, e nos costuraes, indispensavel que o catholico
tenha una opinio, c urna crenga profunda nessa
opimao para conlrabalangar a opinio raciona-
.isla.
.ages da amizade e os conselbos da prudencia.
Entrando em casa de Christiada pode oavir as
ultimas palavras do dialogo entre esta e Menezes.
Esta nova traigao de seu marido quebrara-lhe a
alma
O resto desta simples historia conta-se era duas
palavras. 1
Christiana conseguir acalmar o espirito de Eu-! docilidade toda espontanea, e que por consequen-
latia e inspirar-lhe sentimentos de perdo. | Cutre- ca to necessaria; e urna vez que a onganaram.
Eis
leira.
o vacuo, que se sent na sociedade brasi-
pailo com oito palmos de trra para sepultura :
Carlos Alberto foi pedir trra estrangeira estes
terriveis oiio palmos de trra.
Desenganemo-nos. O papado nae morre; e Ro-
ma do papado.
Esses tratados diplomticos, fetos com objectos
de lerceiro, e sem o assento desse terceiro. sao
verdadeiros castellos de cartas, qoe as creangas
edificam e que um sopro derruba.
tante, conlou-lhe tudo o que occorrra entr ella e
Menezes, no presente e no passado. j
Kulalia mostrou ao principio grandes desejos de
separar-se de seu marido e ir viver com Christia-
na ; mas os conselhos desta, que, entre as razdes
de decoro que apresentou para que Eulalia nao
lornasse publica a historia das suas desgragas do-
mesticas, allegou a existencia de urna Bina no ca-
sal, que cumpria educar e proteger, esses tonse-
Ihos desviaram o espirite de Eulalia dos seas pri-
meiros projectes e fizeram-a resignada ao sup-
plicio.
dao-lhe o direito para que nao acredite no que se
Ihe disser para o futuro.
E depois que proveito se tira em imbuir ideas
'alsas nestas delicadas imaginagoes.
O papao ou tutu nao exisle ; urna nvengo
como todos sabem, e em pouco a crianga o saber.
Comtudo senipre Ihe restar alguma reminiscen-
cia.
Depois de acreditar no papao ou fuf', tambera
acreditar as almas do outro mundo e nos feiii-
ceiros; ter medo de estar s. de noute, ao se
atrever a passar por um cemiterio, (emendo ver
ali fogos fatuos, e multas vezes estes pavores tem
Nogueira quasi nada senbe das ocenrrencias que as mm graves COnsequencias; ficam com as cran-
acabo de Barrar; mas soobe quanto era sufflciente gas ai gerem homens, e enfraquecem o seu ca-
para estriar a raizado que senta por Menezes.
Quanto a este, enriado ao principio com o desen-
lace das cousas, toraou de novo o ar descuideiso e
apparentemente siogelo com que tratava tudo. De-
pois de urna mal alinhavada explicagodada mu-
lher a respeito dos tactos que to evidentemente o
aecusavam, comecou de novo a trata-la com as
racter de urna maneira s vezes bem deploravel.
Aconselhamos que se abandone este systema do
educago to pouco racional, e pedimos aos paes
que nao povoem de falsas ideas a cabega de seus
albos, nem que as pessoas que cora elles convivem
Ihes inquieten) o espirito com ellas.
Se ;um menino indcil, colrico, pregulgoso
mesmas caricias e cuidaaos do tempo em qoe me-1 empregaem-se oulros meos sem ser o papao ou
recia aconfianga de Eularia. | utu.
Nunca mals vollou ao casal Menezes a alegra | o mas oobre e mais efficaz destes meios re-
franca e a plena satisfago dos priraeros dias. Os correr aos seas bons sealimentos, ao amor para
afTagosde Menezes encontravam sna mulher fria e com seus paes, o que logo se Ihes deveeosinar.
Indefferente, e se alguma cousa mudava era o qes-1 Em lugar de fallar as criangas n'um ridiculo
preso intimo e crescente que Eulalia votava a sen papao on fuf', que nunca ha de apparecer, vale
marido. : mais dizer-lhe que Deus Nosso Senhor os castigar
A pobre mae, viuva da peior viavez desta vida, se forem mus, se nao obedecerera a seus paes, se
que aquella que annulla o casamento conservkn-
do oconjuge, s viva para sua filha.
Dizer como acabaram ou como vio acabando as
cousas nao entra no plano deste escripto : o desen-
lace anda mais vulgar que o corpo da accaoJ
Quanto ao-que ha de vulgar em tudo e que a^a-
bo de .contar, sou eu o primeiro a reconhece-lo.
Mas que querem ? Eu nao pretendo seno esboar
quadros ou caracteres, conforme me occorrem ou
vou encontrando. E' isto e nada mais.
E' do Sr. 3F. o segninte :
DEVANEIO.
R......Dedico-te um dos plidos reflexos da
luz de minha alma, acceita-o e guarda-o era tea se|o
de virgen); elle nao l'o aquecer, mas far brotar
de teu peito essas flores mimosas, cujo aroma tati-
to me inebriara.
E' noute.
A huraanldade intregue nos bracos de Morpheo
descansa das fadigas do dia.
S eu velo.
Como soffre meu pobre coragao I.....que tris-
teza me diffunde n'alma a suavidade da brisa I...
como o amor me dilacera o pello I...
nao es respeitarem, e esta lda to poderosa, a-
mo porque ella tito verdadeira, produzir nelles
bons fructos.
Emfim, se o menino continua na sua maldade, se
tem|ura geniorebelde,qae seja absolutamente preciso
doma-lo, tenham os paes firmeza, resislam aos seus
desarrasoados caprichos, fagam-lhe al verter al-
gumas lagrimas, sem se affligirem, e o menino de
certo se (ornar melhor : porque se ver possuido
de urna idea verdadeira, e nao de urna chiraera
que em pouco tempo cenhteer que nao tem rcali-
dade.
Do Cruzeiro do Brasil transcrevemos :
A' guisa de alguns paizes protestantes da velha
Europa, prohibirn) aos mendigos esmolarem pelas
ras da cidade.
Talvez que haja nisto urna medida de grande al-
cance, e que nao menores vantagens traga ao esta-
do e a moralidade publica.
Porm, por mais tratos que dessemos a imagina-
gao, de modo algum atinamos com a incgnita de
semeinante problema.
Quando se d um passo na economa do estado
de mister preverem-se as consequencias, do con-
traro quem o d tem de ver |Seu trabalho burla-
do, ou com o cumprimento delle a desgraga de
A indifTrtrenga em materia de rcligo, que
peior do que a heresia a mais perversa, tem como
que tornado difflcil a manifestago e consolidago
de urna opinio catholica; e d'aqvii vem que os
poucos que aspiram a essa opinio no dominio da
poltica, das sciencias, da litteratura e dos costa-
mes sao alcunliados de hypocritas, tartufos, parti-
darios da inquisigo, e (impugnadores dos autos de
f, jesutas e ultramontanos, fautores do despotismo
e i ni migos da liberdade.
Mas o que entendemos, ou o que se deve enten-
der por opinio catholica? E' tomar o dogma ca-
tholico na pureza de sua doutrina, estuda-lo, apre-
cia-lo com os olhos da f; e em presenga da histo-
ria de desenove seculos, e luz da phiiosophia
evanglica-, e depois confronta la cora a poltica,
com a litteratura ecom os costumes, e reconhecer
a sua benfica influencia nos deslinos da humani-
dade, na fundagao, progresso e decadencia das
nagdes.
Tomar pois o dogma catholico, e pplica-lo po-
ltica .do Brssil, avahar a sna influencia na esttica
da sna nascente litteratura, e prescrutar o alcasce
da ingerencia da moral christa nos habito; e cos-
tumes da sociedade domestica e da sociedade publi-
ca, eis ao que nao duvidamos chamar opinio
catholitica no Brasil.
O racionalismo tem buscado inqninar a poltica,
a litteratura, e os costumes; e para esse fim vale-se
de. palavras seoras, e d forgada significa-
go. Assim licenga chama liberdade, a ordem
chama despotismo, revolugo chama progresso;
e conclue por assoalhar que a egreja inimiga da
liberdade e do progresso.
Para contrastar a opinio racionalista, que alias
lavra desmesuradamente entre nos, qne convi-
nha estabelecer, desenvolver, encaminhar e propa-
gar a opinio catholica.
O erapenho, difflcillimo.
A imprensa, e especialmente o jornalismo, que
nm meio poderoso de circulago, est como que
a sold do racionalismo.
A nossa poltica protestante; a nossa litteratu-
ra o reflexo do sceptismo, que corroe o coragao
da futura eerago; os costumes sao pratcamente
rapios, gragas ao folhelim perigoso, gragas ao
sceptismo de Byron, Geerge Sand, e Eugenio Sue;
e s monstruosidades de Vctor Hago.
Nao admira, portanto, que nao tendo.ns urna
opinio catholica esclarecida por escriptores devo-
tados, e seguida por crentes intelhgentes, que n3o
tenhamos urna opinio agentada, esclarecida e se-
guida era relago questo romana, isto era re-
lago urna questo momentosa que directamente
entende cora o Brasil, que tem o melhor de dez mi-
Ihes de catholicos, e cuja religio a catholica
apostlica romana.
A questo romana nao urna questo de territo-
rio, nao urna questo de liberdade poltica :
preciso ser-se muito miope para nao ver a influen-
cia do protestantismo inglez agaimando a burgue-
zia italiana para dar um golpe mortal na sublime
iustituigo do papado.
No jogo sorrateiro e de verdadeira predigitagao
poltica, que faz a Inglaterra de lord Palmerston
com a Franga de Napoleo III, a Italia o prego
da parada c o papado o Gm, embora diverso, de
ambos os jogadores. Palmerstsn quer protestanli-
L-se no jornal El Pueblo :
A Fortaleza da Humait tem 200 canhoes de
ferro, systema antigo e varios calibres.
10 pegas de 36.
5 ditas de 40.
20 canhes de bronze modernos e de grande al-
cance.
Coditos de ferro dos que foram comprados em
Buenos-Ayres, e que eram do tempo da indepen-
dencia.
Total 304 canbes, sendo a maior parle da fron-
teira fixa.
Segundo se nos informa, posteriormente alguns
destes canhoes foram conduzidos para o acampa-
mento de Serra Len, onde actualmente se acha o
presidente Lpez.

A esquadra brasileira, actualmente no Rio da
Prata, e em oulros pontos, consta dos seguimos na-
vios :
Bahiana, Xitherohy, Paraense, no porto de Bue-
nos-Ayres.
Belmonte, Araguay, Mearim, Paranahyba, Rea-
fe c hahy, em frente a Paysand.
Jequitinlionlia e Amazonas, as ordens do chefe
da esqua Ira Barroso, que cstavam esperando a eu
Chente do rio, para subir o Paran, passando o Pa-
r-can (rio torio em guarany.)
A la prateia o ocano com seus frouxos raios
urna myriada de scintilantes estrellas fulgura no Imuitos.
azul cerleo da abobada divina, atlestando a gran- I Entre os pobres que povoam a nossa edade ha
deza de Deus ; e o mar reflectiado-as, assemelha-' muitos, que acobertados com a capa da indigencia,
se esse decaniado lago das fdas habitado por Puscam illudir a boa f>lirando dest'arte o direito
milhoes de pexinhos lusentes como a aureola que k PreJ
circunda um rosto de virgem. 'i1
O aroma das flores derrama-sena arnplido do
espago e o percorre em ondas odorferas e ine-
briantes.
m.
Mas tambem ha por a ni centenas de familias que
viviara de esmolas, e que hoje, redundas a ultima
n seria, teem a optar ou a fome ou a priso.
Nao levamos a nossa tolerancia a querermos as
P a gas cheias de mendigos; mas tambem reprova-
urna nuvemzinha apparece no horisonte ;
negrurae s tem egual as trevas do coragao que
se ralla, extorcendo-se as crois angustias do clu-
me ; e o pobre pescador, que, como os nautas, tre-
me sua approxiraago, faz vogar pressuroso sua
barca para trra medida que essepygmeu se des-
envolve e vae apresentando formas gigantescas.
O mar so enfurece, e o embate das vagas, que,
arrancadas de seu seo, se esmigalham de encontr
aos rochedos, ecca com sinistro estampido.
A la langa, como que a medo, alguns reflexos
de luz sobre as nuvens que amontoando-se apre-
sentain formas phantasticas.
As ondas espreguicam-se sobre as areias das
praias e revolvendojas, recuam ululando como as
catadupas do inferno.
A escurido augmenta, e a la envergonbada es-
conde-se por traz das cortinas celestes.
Rebenta a" tempestade era toda a sua magnitade;
ribomba o trovo ; cruzara-se no espago milhares
de scenlelhas e o aojo das tormentas surgido de
Os leitores sabem qne era aqnelle dia destinado uma nuvem de fogo atrflaos ares coa os clangores
visita de Eulalia a Christiana, visita de que s da trombeta da fatalidade.
Nogueira tinha conhecimento. Fatalidade I... exclama assombrado o msero
Eulalia deixou qne Menezes viesse para a cidade pescador; e o ceo das montanhas repercurte esse
e mandou apromptar um carro para ir casa de grito angustiado, sahido como ura estalido de dr,
Christiana. Entretanto, assaltou-lhe uma idea. Se das cavidades de um corage horrorisado.
seu marido voltasse para casa antes d'ella ? Nao O espectculo medonho; simulacro do dia fi-
queria causar-lheimpaciencias ou cuidados, e ar- nal, tudo se rcvolve na trra.
rependia-se de nada Ihe ter dito com anticipago. Um raio esmigalha a barca do infeliz pescador'
Mas era forgoso partir. Era quanto se vesta oc. que de joelhos pede perdo ao cu per ter pronun-
correu-ihe nm meio. Deixar escripias duas liohas' ciado a palavra favorita dos sceplicos fatali-
Ura barquinho deslisa-se tristemente por sobre
as aguas da forraosa bahia do Bio de Janeiro, c o ,
misero pescador, que ogovern, buscatirar doseio mpsque de chofre se d um golpe, que v levar a
das ondas o seu pao de cada dia ao sora das tristes ddsolago ao seo de dezenas de desgragados.
e melodiosas notas que deixa ouvr. (Esta medida seria ptima, seria talvez necessa-
seu i rial se entre ns houvessem sociedades de caridade
ou'casas de recolhimento, onde os pobres recalci-
trantes e os necessitados podessera ser curados e
a Menezes dando-lhe parte de que satura, e dizen-
do-lhe para qoe Ura. Redigio a carlinha mental'
mente e dirigio-se para o gabinete de Menezes.
Sobre a mesa ero qne Menezes coslamava traba-
Ihar nao hava papel. Devia haver na gaveta, mas
dade.
A fragancia das flores
cante ctaelro do enxofre..
substituida pelo sufo-
traiados convenientemente ; mas.no estado actual
tal medida Intempestiva e nconvenientissima.
Quando o immortal Jos Clemente quiz recolher
os alienados, tratou primeiro de erguer um sump.
tuoso palacio onde esses infelizes privados da razo
tivessem todos os commodos que Ihes mioorassem
os males.
E ha por ventura entre nos algum asylo onde se
recolha a pobreza desvalida ?
Esbe barraco immundo chamado asylo de
mendigos, situado no lugar antigo matadouro, ha
muit qne devia estar demolido, por ser um
descrdito, uma vergonha para uma capital como'
a nossa.
E o- mais que gastamos rios de dinheiros em
subscripgoes, e anda ninguem teve a lembranga
de par em pratica nm to til projecto. Nem
seria fisto difflcil. O commercio do Rio de Janeiro
bastante generoso, e sera duvida alguma que
est prompto a contribuir mensalmente eom um
quantitativo para fim to justo.
Alera disto as ordens religiosas, as irmandades,
os parochos e moitas outras pessoas nao eximiran)
de um encargo to justo e to santo.
E' mesmo de soppr, por obrgagio, do governo
se preste com algum auxilio, concedendo loteras
Em uma graroraatica que brevemente ver em
Franga, a luz da publicidade, encontram-se, diz
uma folha daquelle paix, as segrales definigoes:
c A grammatica a me da linguagem. Tem
10 filtios:
i O nome, estimavel propietario;
O artigo, seu crrelo, qne o precede e annun-
cia;
. < O pronome, sea lugar-tenente;
< O adjectivo, seu lacaio; nsa da libr do nome
e veste-se a capricho;
O verba, monareba que reina sobre seas ir-
maos e os submelte a todas as suas vontades, os
outros nunca apparecera sem elle, presente ou ec-
culto;
< O participio, ampbibio, semi-verbo semi-ad-
jectivo;
O abverbio, especie de fuilotum ao servigo do
adjectivo, do verbo ou mesmo de seas iguaes;
< A proposicao, tabelli que estabelecc as rela-
coes entre dous de seus irmos;
t A eonjuncgo, ou amor que os une;
c E a interjeigo, que muitas vezes os substtue
a todos ao mesmo tempo.
Tal grammatica ha de ter necesariamente gran"
de extraego.
O systema porque aqu se apresentam os elemen-
tos do discurso, e se faz comprehender qual seja o
ollcio na proposicao, bastantemente engenhoso e
convida, mais do que o que parece, a seria e deu-
da reflexo.
^i i
O Precursor, de Antuerpia, conta o segninte :
Um corpulento inglez metieu-se em ura carro de
aluguer na estaco do caminho de ferro d'aquella
cidade, e disse ao cocheiro.
Master C, sh-Markcl.
O cocheiro, que eotendeu a indcago, levou o
inglez praga do peixe, mas o subdito de sua ma-
gestade britannica,no vio a casa doSr. C, apezaj
de j ter tido n'ella acolbiraeoto.
Para poder orientarse, disse ao cocheiro que o
conduzisse catncdral.
Quando o carro parou na praga das Luvas, o in-
glez praguejou com mil goddams contra o cocheiro
sar a Italia para melhor assentar ahi o dominio \ chamando-lhe ladro, porque nao era all a cathe-
dral, porque se fosse all, teria elle reconhecido a
casa do Sr. C.
britannico : Napoleo quer dominar o papado para
assegnrar no threno da Franga a sua dymnastia
improvisada.
A brochura de La Gomerire, inspirada pelo
ousado e manhoso arbitro dos deslinos da Franga
que conflagro o papado. De certo nao penson
o prisionciro de Ham. que a scentelha produziria
tamanho incendio; por isso cercando Roma de
nimigos, cercou a cadeira de Sao Pedro de solda-
dos francezes.
Em que ficara o jogo de lord Palmerston e de
Napoleo III nao podemos nos prever; mas com
loda a f cathotica, com toda a f da historia, o
papado nao ha de ser presa dos Jogadores; porque
a f e a historia dizem, queEt porta infer non
prcecatebunt adversus eam.
Ha tres annos a esta parte todos os vapores da
Europa trazem para o jornalismo braslciro, echo
inconsiderado do jornalismo racionalista do velho
mundo, que a questo romana estava resolvida;
que Roma vae ser a capital da Italia revolucionada
por Vctor Emmanuel e pelo seu amigo Garibaldi;
que Po IX est s portas da morte, e outras que
taes frioleiras, que depoem altamente contra o
bom senso de quem propala taes dislates: agora
trouxe-nos o ultimo vapor uma nova verso da
questo romana; em que os novelleiros raciona-
listas parecem aproximar-se mais daverdade como
o hydrophobo se aproxima da agua.
E o que nos dizem os novelleiros com carcter
e aulhentcidade diplomtica?
1.* Que Roma nao ser a capital do onhado
reino da Italia nnida;
2. Que as tropas fraocezas sahiro de Roma
no prazo de dous annos;
3.* Que o governo italiano ha de reconhecer as
fronleiras romanas; e impedir que ali entrem for-
ras armadas regulares, ou irregulares;
4." Que Vctor Emmanuel ficar com as lega-
goes usurpadas; e que em troco tomar ama par-
te da divida romana!
Parece que os taes diplmalas esto fazendo
uma comedia ; ou que se constituirn! hestrides
para fazer rir at aos inglezes os mais neum-
ticos.
Que Roma nao ser a capital do tal sonhado rei-
0 cocheiro nao percebeu nem uma palavra, e
indcago de near the docks, guiou o carro para as
docas.
Nao podendo ento o iuglez sofrear a sua colera,
atirou-se ao conductor, deu-lhe muitas ponhadas e
pontaps, e gritandopohemen, policemenf-ap-
pareceu-lhe um empregado da polica, que sabia
fallar inglez e advinhou o enigma.
O inglez que vinha de Londres por Ostende, que-
ra ir para Bruxellas, mas era Matines metteu-se
oo comboio para Antuerpia.
Nao houve outro remedio seno desfazer-se era
satisfages e pagar bem ao cocheiro maltratado, a
quem tinha pisado um olho e achatado o nariz.
em favqr destes esubelecimentosj | no da ,,a|a. ,sso da promessa de Cbrst0. e a
Haja pois vontade, que as difflculdades se achara proraessa de Chrto nada lera qne ver com as
de todo laplainadas. i prmessas de Napoleo Ul e de Victor Emma-
nuel.
Do brasil Catholico, transcrevemos o que
segu:
A QUESTO ROMANA.
No Brasil ha profundas ereocas catholicas; mas
oao ha opinio catholica propiamente dita.
As tropas francezas podem ser retiradas de Ro-
ma, quando muito approuver a Napoleo III, pois
se o papa carecer de apoio contra as invasdes dos
revolucionarios, ter as tropas austracas, ou as
hespauholas.
Caulandose a Traviata no theatro italiano de
Niza, alguem pediu a Alphonso Karr a sua opinio
sobre esta opera.
Esta opera, respondeu elle, lera, ao que me
parece, ura inconveniente local. Os mdicos man-
dara para aqu as pessoas affectadas de doencas de
pcilo, e esta opera nao prepria para animar estes
doents, nem as suas familias e amigos. A mtini-
cipalidade devia exigir que se modiflcasse o desen-
lace, sendo a Traciata curada pelo clima da Niza.
E para contentar a todos seria bom que o medico
que apparece em scena fosse alternadamente urna
vez allopatha e outra homeopatha.
Ura da Lavater, o celebre Champoilion das phy.
sionomias humanas, que inventou a til scieutta
de julgar ura hornera pelo comprimento do nana e
pela Cor do cabello, conversava ea um diligen-
cia com outro passageiro, cijas fefges placidas e
nene volas tinham lugo movido a sua mais viva
sympathia.
Querendo dar ao sea corapanheiro de jornada
uma pro a da sua capacidade advinbadora, pediu*
ihe de repente noticias do seu rebanho.
Bem sei, disse Lavater com um sorriso vai-
doso; am homem como eu nao se engaa assim.
Eu confien logo que tinha a honra de fallar cora
um pastor no servigo do senhor, como eu tambem
sou. A pa oceupago de agenoiar e preparar al-
mas para a vida futura imprima na sua fronte o
sen cuali divino: o senhor sacerdote.
O Ilustre physionomista nao so tinha engaado
completamente.
A missao do sen eompanheiro onsisUa, com ef-
feito, em preparar almas para a vida futura, e at
em manda-las para l.
Era o carrasco.
*
PERNAMBUCO.-TYP.-DE M. F. DEF.t PILHO
f
'
!
!_.
I RATA IMrnDDrTA


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8QOW0H59_4420UL INGEST_TIME 2013-08-28T01:40:53Z PACKAGE AA00011611_10575
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES