Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10572


This item is only available as the following downloads:


Full Text
H

I
k
ABWO ILI. HOMERO 15
Por qoartel pago dentro de 10 das do \. mez ....' : 5J000
dem dcpois dos l.0510 das do conieco e deotro do qoartel.... 6$ 0 00
Porte ao correio por tres mezes............: 750
DIARIO DE
OIHTA FEIKA DE JAHEIRO DE 1865.
Por anno pago dentro dc-i-0 lia* do 1. mez ,,,.,,. 191000
Porte ao eorreio por nm anuo ,...... 3J000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE]
Parahyba, oSr. Antonio Alejandrino de Limar
Naial, o Sr. Aniouio Marques da Silva; Aracaiy, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Marauho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filbos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Cosa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO NO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudine Falro Dias; Bahia, ol
Sr. Jos Marlins Alv--s; Rio de Janeiro, oSr. Jos[
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS EsTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafos da va frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom Con -
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazarelh, Liraoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro eEx.nas quartas feiras.
Serinhem, RioFormoso, Tamandar, Una, Barrci-
ros, Agna Preta e Pimenteiras, as quintas feiras.
Illia de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia.
EPUEMERIDE8 DO MEZ DE JANEIRO.
4 Quarto cresc. as 1 h., 22 m. e 52 s. da t.
11 La chela as 8 ti. 40 m. e 10 s. da t.
20 Quarto ming. aos 16 m. e 52 s. da m.
27 La nova as 7 h., 10 m* 46 s. da m.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relago: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda. quintas s 10 horas.
Juizo do commercio : segundas s 11 horas.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara docivel: quartas e sabbados a 1
hora da Urde.
DIAS DA SEMANA.
16. Segunda. Ss. Berardo, Acurcio e Othe-B.
17 Ter^a. S. Agatbo ab.; S. Antao ab.
18. Quina. S. Frisca v. m.; Leobaldo b.
19. Quinta. S. Canuto rei m.; S. Poncianooi.
20. Sexta. Ss. Fabiio e Sebaslio mm.
21. Sabbado. S. Ignez v m.; S.Patrcolo m.
22. Domingo. Ss. Vicente e Anastaco nm.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 hora e 6 m. da manhla.
Segunda as 10 horas e 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTE1ROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a GraBja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos das 14 dos mezes de Janeiro, margo, maio.
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manee! Figoeira de
Faria & Filho.
PARTE 8FFMAL.
tiOVEBNO DA PR01INCIA.
Expediente do dia 1 i de Janeiro de 1885.
OOkio ao Exm. consellieiro presidente da rela-
c5o. R.igo V. Exc. se digne informarme acer-
ca do que allega o sentenciado Pedro Pereira da
Silva, no incluso requerimento que- V. Exc. ter a
bondade de devolver-me.
Dito ao coronel commandante das armas.Quei-
ra V. S. dar as providencias que exige o ca*o, em
Tista do que se contm no incluso officio do delega-
do do 1" districto deste termo, junto ao do Dr. che-
fe de polica, n. 83, de 13 do corrente, que me se-,
rao devolvidos.
Dito ao mesmo.-A' vista da ioformago do ins-
pector da thesouraria de fazenda, datada de 11 do
corrente, re lvi approvar o contracto que, segun-
do o termo por copia annexo ao offlcio de V. S.
ii. 24 de 4 deste tnez, celebrou a junta do hospital
militar cora Beolo dos Santos Ramos para fornecer !
este a carne verde necessaria ao mesmo hospital
at 31 de marco prximo vindouro : o que commu- j
nico V. S. para o devidos effeilos. Coremunl-
ceu-se thesouraria de fazenda.
Dito a) mesmo.Em vista das informagoes mi-
nistradas pelo commandaare do 4 batalhao de ar-
tilbaria a p, e a que alinde o officio de V. S. n. 78,
de 12 do corrente; resolv nesla dala indeferir o
requerimento em que o taberneiro Domingos Jos .
Gomes de Macedo reclamou o pagamento de dille-1
rentes quantias, que allegou estarem a dever-lhe
vanas pracas do mesmo batalhao.
TDito ao mesmo. -^ Em deferimento do requer- i
ment que devolvo do Io cadete 2o sargento do 4o
batalhao de artilharia a p, Julio Cesar do Reg
Barros, sobre que versa a sua informacao n. 42 '
firmada nesta data, tenho a declarar V. S. que
onvenho na escusa do servido pedida pelo suppli-
caote, acceilando-se em seu lugar o paisano Ma-
noel Rotnarico Santiago, visto que est as condi-
c/ies d<> regularaento de 28 de novembro de 1839,
segundo V. S. declaroa na saa citada informaran.
Dua a mesmo. Remello V. S. os inclusos
processos de cooselho de guerra lutos aos soldados
do 4o batalhao de artilharia a p, Francisco Anto-
nio da Silva e docorpo de guarnido Manoel Alves
de Oliveira e Manoel da Paixo, afira de serem
umpridas as sentencas proferidas peloconselho
supremo militar de Justina em ditos processos.
Dito ao Dr. chefe de polica. Ao offlcio que
V. S. dirigio-me honiem sob n. 84, respondo decla-
rando Ihe que os sentenciados, a que allude o seu
citado offlcio, nao devem seguir para o presidio de
Fernando senao depois de haverem dado os seus
depoimentos.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Tendo designado ovescripturario dessa thesouraria
Jos Francisco de Sales Baviera, para examinar
em arithmetica e suas applicacoes com especiali-
dade reducgo de moedas, pesos e medidas, ao
calcule de descont e juros simples e composlos,
no concurso, que se tem d proceder no dia 16
do correnle para preenchimento da vaga de 2 es-
eripiaro existente na thesouraria provincial ; as-
sim o declaro a V. S. para sea conheeimento e a
fnn de que o faga constar a es.-e empregado, que
para isso dever comparecer naquella repartigo
no dia cima indicado.
Dito ao mesmo. CoastanJo de participa ;.io da
secretaria de estado dos negocios da agricultura
commercio, e obras publicas datada de 26 de de-
zembro ultimo, tar-w concedido i Bento Jos Gon-
calve- Guimres ademisso, que pedio do lugar
de ajudaute da agencia do correio do Limoeiro e
exonerado Marcelhno Alves Pereira do lugar de
agente, sendo nomeado Conrado Ernestino Xavier
Ramos, para substituir a este, qui nerceber JO
por |0 do rendimento da agencia fixando-seagra-
tificago annual de 1205 para lhe ser preenchida
no ca'o em que pela porcentagem nao prefaga es
ta quantia ; assim o communico V. S para seu
conheeimento.Communicou-se ao administrador
do correio.
Dito ao mesmo.Declaro V. S. que em oficio
de 12 do corrente, participou-mo o Io lente da
armada Manoel Marlins de Araujo Castro ter en-
trado nessa data no goso da licenga de 3 mezes I
que lhe foi concedida pelo governo imperial, era
S de dezembro ultimo.
Hito ai mesra>.Autorho V. S. de confermida- !
de com o final de sea offlcio de 12 do corrente,sob '
n. 33, a mandar pagar ao canoeiro Agosiinho dos j
Santos a quantia de 3*5, que se lhe est a dever
por baver foruecido, em virtude de contracto, que .
celebrou com o coronel commandante do Forte do :
Buraco, a agua potavel necessaria ao mesmo For-,
te, e para esse fim devolvo as 2 cont is documen-
tadas, que vieram annexas ao seu citado offlcio,
que lica assim respondido.
Dilo ao mesmo. Informe V. S. cora a possivel',
brevidade a cerca da indemnisagao que se tura de
fazer ao ministerio da guerra da qutntia de 2715.
em que segundo as 2 cenias juntas importara os
artigos dearmamento e cartuxame que a presiden-
cia mandou fornecer pelo arsenal de guerra para
o servico da guarda nacional.
Dito ao mesmo.-Mande V. S. suspender inme-
diatamente, como determinou o Exm. Sr. Ministro
da guerra em aviso de 31 de dezembro ultimo, a
consignado mensa! de 55, a que deve ter sido re-
dusida em' virtude de outro aviso de 3 d'aquelle i
mez, a de'10 que estabeleceu nesta provincia e .
alferes do 1 batalhao de irrfantaria Florentino Jos
Pereira, enviando V. S. com urgencia a respecti-1
va guia a repartigo de contabilldade daiuelie
ministerio.Communicou-se ao commandante das,
armas. -
Dilo a mesmo. -Mande V. S. arrecadar a qaan- ]
tia do flOOJOOO que tem de se racolher ao cofra.
dessa repartilo, como declara no inclu-o requer-,
m rato, o recrutado Jos Ignacio Peres Quinto, que
pret-'Rde eximir-se do servico do exercito, nos ter-,
m do arL 3 g 3' da lei n. 1,210 de 20 d- julho do
ann> prximo'passado. Communicou-se ao com-
mandante das armas
Ditoao mesun.Aos procuradores dos a'feres
di 7" batalhao de infanlaria Felisberto da Cosa
Crrela e Francisco Ignacio Minoel de Lima, man-
de V. >. abonar, do principio deste mez em diante,
ao do primeir j nomeado a quantia mensal de 205
rs. e ao do segundo a de 15 j rs., lambem mensal,
que Ibes s3o consignadas pelos referidos alferes,
como declarou-me o Exm. Sr. ministro da guerra
em aviso de 4 do corrente. Coramunicou-se ao
coronel corara radanle das armas.
Dito ao mesm. Minie V. S. rocolher ao cofre
dessa tnesoarara a qoaotia de 195009 rs., que o
director da colonia militar de Pimentetras, arreca-
don por sepulturas concedidas a particulares no ce-
miterio daquelle eslabelecirnento no trimestre de
outubro a dezembro do anno prximo passado.
Com-nunic ju-se ao director da colonia de Pimen-
teiras.
Dilo ao mesmo. Era vista dos dous recibos jun-
tos em duplcala, e nao navendo inconveniente,
mande V. S. inlemnisar ao alferes Francisco de
Freitas Moreno, conforme solicitou o coronel com-
mandante das armas em offlcio de hoje, sob n. 90,
a quantia de 45160 rs., por elle despendida naqua-
lidade de commandante do destacamento da villa
do Ouriciry, cora o enterraraeoto-do cadver do
soldado do 2* batalhao de infaniaria, Antonio No-
nes Ferreira, que foi sepultado bo cemiterio da-
quella villa Communicou-se ao coronel comman-
dante das armas.
Dito ao mesmo. Mande V. S. abonar a D. Ma-
ra Joaquina da Conceico Lyra, a contar do Io de
fevereiro prximo vindouro em diante, a importan-
cia do solhrbor inteiro.que ihe consigna seu filho
o capito do 10 batalhao de inrantana Manoel
Ferreira da Fonseca Lyra, como determinou o
Exm. Sr. ministro da guerra em aviso de 2 do cor-
rente.Communicou-se ao coronel commandante
das armas.
Dito ao mesmo.Communicando-me o Exm. Sr.
ministro da justica por aviso de 27 de dezembro
prximo findo, quejsolicilou do ministerio da fazen-
da a expedico de ordens a essa thesouraria para
continuar a abonar a gratificacao mensal de 305
rs., concedida ao capito Firmmo Jos de Oliveira.
pelos servgos que presta como secretario geral )
commando superior da guarda nacional deste mu-
nicipio : asstra o faco constar V. S para saa inte-
lligencia. Communicou-se ao commandante supe-
rior da guarda nacional do Recife.
Dilo ao inspector da thesouraria provincial.
Pela verba eventuaes no corrente exercicio, mande
V. S. pagar ao bacharel Francisco Brederodes de
Andrade, ou ao ^eu procurador, nao se daodo in-
conveniente, nem se olerecendo a menor duvida,
Dilo aos agentes da companhia Brasileirade pa-
quetes.Podem Vmcs. fazer seguir para os por-
tos do norte o vapor Apa, amanhaa a hora indica-
da em seu offlcio de hoje.
Portara.O vice-presidente da provincia, at-
tendendo ao que requereu o professor publico de
instrueco primaria da povoacao de Ponta de Pe-
dras Liberato Tiburtino de Miranda Maciel, c ten-
do em vista a informacao do director geral da ios-
trueco publica de 11 do corrente, sob o. 11, em
que declara que o supplicante entrn em exerci-
cio do magisterio em 27 de setembro de 1815, e
at hoje srj esteve fra de sua cadeira 3 1|2 me-
zes com licenca, e suspenso de 27 de junho 14
de setembro de 1861 (poca em que fui absolvdo
pelo jury) em virtudo de pronuncia no processo
instaurado em Aguas Bellas contra differentes in-
dividuos por causa do lamentavel successo, que te-
ve lugar all, durante a eleico de 1860, tendo
alm disto dado o supplicante a exame nos annos
de 1863 onze alumnos que foram approvados, e no
anno passado seis, que lambem foram approvados,
e tendo sido removido para aquella povoacao em
1862 obteve que em sua aula se matricularse 68
alumnos naquelle anno, 76 em 1863 e 73 no anno
prximo findo, quando anteriormente matricula-
Pedro Angosto Ribeiro de Mello.Seja posto
disposifo do commando das armas para ser ins-
peccionado.
Thoma?. Rozendo de Oliveira.Como pede, avis-
ta.da informacao.
Vicente Ferreira da Silva. Informe o Sr. Dr.
juiz municipal da primeira vara.
Vicente Ferreira de Paiva Sim6es.Torne a in-
formar o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Virgilio Vieira da Costa Pinto.Informe o Sr.
Dr. director geral da instrueijo publica.
INTERIOR.
RIO DE JANEIRO
Retrospecto poltico do asno de i 86i.
PARTE EXTERIOR.
I
EUROPA.
{Continuaeao)
A Austria, ameacadora sempre s portas do Mi-
rara se 21 em'l859, 17 em 1860,e 12 em 1861,nao lanez, ama guarnijo franceza oceupando perma-
constando que durante os 19 annos de magis- nenturaente Roma e expriraindo evidente antago-
. torio o supplicante fosse processado ou reprehen- nisuio com as ideas italianas, o partido da aejao
a quantia de 235080, correspoadente ao aluguel de dido por falla de cumprimento de seus deveres, cheio de energa e as aspiracoes patriticas do no-
mezs e 19 das da casa que servio de quartcl Idonde se v que o sapplicante tem sabd > bem de- vo reino desejando e pedindo a Venecia como pro-
Smpenharos encargos de seu eraprego, provando vincia, e Roma como capital, davam desde alguns
com documentos que juntou a sua peticSo, ter ha- annos urna vida anormal Italia, e impunham-lhe
dous
ao destacamento da povoacao" de JBeberibe.'e bem
assim ao fornecimento de luz para o mesmo qaar-
tel, como se v dos documentos juntos em dupl-
cala, que para esse fim rae rem uieu o chefe de
polica com offlcio de honiem, sob n. 77.
Dito ao mesmo.Informe V. S. sobre a indem-
nisaco que se tem de fazer ao ministerio da guer-
ra da quantia de 1355188, em que segundo as duas
amias juntas importara os artigos de armamento,
corrame e oulros objectos que a presidencia man-
dou fornecer pelo arsenal de guerra, para o servi-
co da polica.
Dito ao baro do Livramento, provedor da Santa
Casa de Misericordia.Srvase V. S. de informar-
me sobre o que expoe o t)r. chefe de polica no
incluso offlcio de 12 do correnle, sob n. 76, com
referencia ao que lhe dirigi o Dr. delegado desta
cidade e que por copia vai annexo.
Dito ao cnsul de Franja.Devolvendo ao Sr.
Osmiq Laporl o imppnal exequtur concedido por
S. M. o Imperador a sua nomeaejio de cnsul de
Franca nesta provincia, tenho a declarar ao Sr.
Osrain Laport em r-sposta aoseu offlcio desta data,
que acabo de expedir as commonicages do estylo
s reparligoes competentes.
Aproveito esta occasio para assegurar ao Sr.
cnsul os meus protestos de eslima e consideracao.
Ezpediram-se as necessarias communbacoes.
Dilt* ao presidente e membros do conselho ad-
ministrativo. Recommendo Vv. Ss. que comprera
para fornecimento do almoxarifado do presidio de
Fernando, como requisitou o respectivo comman-
dante em officio de 23 de novembro ultimo, os ob-
jectos mencionados na in- lusa relaco, tendo Vv.
Ss. lodo o cuidado para que nao seja repetida a
compra de alguns desses objectos em vista de an-
teriores ordens da presidencia.Communicou-se
ao inspector da thesouraria de fazenda.
Dilo ao preteilO Ou luicpioin ,1,. \'iKj Cnhora
da Penha.Sirva-?e V. Rvma. de inforraar-me M
possivel salisfazer o que pede no incluso offlcio o
juiz de paz do districto deCapoeiras, Galdino Alves
Barbosa.
Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
Vine, construir com urgencia, como solicitou o
commandante das armas em offlcio n. 23, de 4 do
corrente, seis reparos para igual numero de pecas
de calibre 24 do forte do Buraco, aproveilandose
nessa conslruccao as ferragen< dos reparos velhos
que esliverem em bom estado. Fizeram-se as ne-
cessarias commnoicacoes.
Dito ao presidente e vereadores da cmara mu-
nicipal de Ipojuca.Pelo officio que Vmcs. me di-
rigiram em 7 do corrente, tiquei inleirado de se
acharem juramentados e empossados os novos ve-
readores desse municipio.
Dito ao juiz de paz'meis votado do 1 districto
da freguezia da Boa-Vista.Tendo resolvdo que
se faga nova coavocaco dos eleitores e supplentes
da freguezia da Boa Vista, para a organisaco da
respectiva junta de revisa), por nao terem sido pu-
blicados os edilaes da convocacSo feita pelo juiz de
paz do qualrieunio findo, e sobretudo por nSa se
ler feilo a notificaejio da^uelles eleitores e supplen-
tes por olBeial de justica, como declarou-m; o sup
pracitado juiz de paz era oflcios datados de hontem
e hoje, recommendo a Vmc. era visla do que de-
terminara os avisos de 18 de Janeiro de 1854 e 31
de maio de 1861, que guardados os prasos e mais
formalidades da lei convoque os eleitores dessa
freguezia e rena no dia 19 de fevereiro prximo
vindouro a respeitiva junta, que dever ser presi-
dida por Vmc. nos termos da lei e varias decisoes
do governo.
Dito ao juiz de paz mais votado do 1 districto do
quatrennio findo da freguezia da Boa-Vista. Nao
tendo que insistir acerca da falta que houve de no-
ticago por olBeial de justica aos eleitores e sup-
plenles desla fregueia. para a orgaaisagao da res-
pectiva junta de quilioca$ao, urna vez que Vmc
era seu offlcio de boje datado, reconhece ingenua-
mente que foi ella devida ao seu esquecimenlo,
curapre-me declarar-lhe que, o caso do juiz de paz eraocisco ferreira
do Rebife, a que se refere Vine, era seu citado offl- la da informacao.
a
bilitarao superior"a necessaria ao ensno elemen- sacrificios superiores s forcas e s circumstancias
tar e achar-se mpossibilitado de continuar a re- do paiz. Um exercito numerosissimo era conser-1
ger a referida cadeira sem grave prejnizo de sua vado era p de guerra, as fortificacoes e o augmen-
saude, resolve de conformidsjle cora o arl. 23 da lo da raarinha exigiam avultadissimas despezas, e'
lei n. 598 de 13 de maio de 1864, remover o mes- estado caranhava assim com movimento accele-
mo professor daquella cadeira de Ponta de Pedras'rado para a sua ruina, contratando emprestimos
para a de S. Jos desta cidade,Fizeram-se s oe-' collussaes, e appellando para expedientes financei-
jeesarias commuoicac5es a respeito. \ ros, que, acudindo apenas s necessidades e urgen-
Dita.O vice-presidente da provincia, tomando cas do servico em cada anno, agigantavam o mal
em considerado os offlcios do director do arsenal fatnro.
de guerra datados de 5 e 9 do correnle sob ns. 153 No entanto a Italia cheia de ardor, de pafriots
e 156, resolve demillir a Manoel Antonio Pereira [ mo e de briosas ambgoes, era e uraa potencia
do lugar de ajudante do porteiro do mesmo arse-' com direito a ser contada entre as de primeira or-
nal, visto constar dos citados oflcios que o refer- dem, e parece destinada a ser a vanguarda do Oc-
do ajudante tem por vezes e ltimamente em 4 cideote no encontr ruidos* e provavel com os co-
deste mez tomado parle activa as arreraatacoes lossos do Norte.
de costuras, nao s desviando da concurrencia al-, A 13 de setembro deste anno a-Franca e a Italia
gumas das pessoas que se propem essas j celebraran) um tratado cujas consecuencias mal
arrematares, mas tambera combinndose com podem anda ser apreciadas,
outras no intuito de lhe darem interesse na Dentro de tres annos a Franca ter retirado de \
arrematadlo das obras, usando at de recados, Roma a guamicao que all conserva desde 1819, e
falsos em nome da directora com o fim de se- em compensado a Italia nao tentar nem permi-
rem smente admittidos os proponentes que Ihes tira aggresso alguma material contra o territorio
fazem o relerido interesse, sondo que por seme-' pontificio : o Papa poder, se quizer, organisar urna
litante procedimento e por outrs fallas commeti- j milicia recrutada nos diversos panes catholicos e
das no exercicio do emprego, j foi suspenso por sufflcientes para manter a ordem no interior de
ordens da directora datadas de 22 de dezembro de, seus limitados dominios ; a Italia tomar a seu
1862 e 16 de outubro de 1863.Fizeram-se as ne-', cargo a porco da divida publica romana corres-,
cessarias commnnirasSos. | pondente s provincias perdidas pelo Papa, que,
Dita.O vicepresidente da previncia, attenden-,aceitando tal condjco, implcitamente lera reco-
do ao que requereu Joao Jos Rodrigues, professor I nhecido a aonexacao dessas provincias ao reino ita-
de instraccSo primaria da segunda cadeira da fre- i llano, cuja capital emflm ser transferida de Turira !
guezia de Santo Autonio desta cidade, e tendo era para Florenca.
vista a uformacao do director geral da mstruegao Indisputavelmente o tratado de 15 de setembro
publica de <2 do correute, sob n. 15, resolve con- favoravel Italia, qne v por elle annullado o de
ceder ao referMn nrofessor dous mezes de licenca Znch..acahaiia n= reservas da ""* naUHw.
cum vencimentos para tratar ue sua sauue. | mente as annexacoes reaiisadas, e consequente-
Dlta.--0 Sr. gerente da Companba Pernambu-: mente garantido um apoio seguro contra as possi-
cana de navegagao eosteira, faca transportar para veis hostilidades da Austria, o que permute uraa
a capital do Rio Grande do norte por conla do imprtame redcelo as despezas do exercito, das
ministerio da guerra no primeiro vapor que se-
guir para all era fevereiro prximo vindouro,
familia do capito do nono batalhao le infamara
Joaquim Franccisco de Oliveira, composta de sua
mulher D. Maris Rosa de Oliveira, 2 filhos e I
criado menor de 12 annos.Coraraunicou-se ao
coronel commandante das armas.
Eipedieate do secretario do governo do dia 14
de Janeiro de 1 mo.
Officio ao inspector da thesouraria de fazenda.
S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia, man-
da transmittir V. S. o incluso offlcio da secreta-
ria do ministerio da fazenda datado de a do cor-
renle mez, communicando a remessa de 74:000
em notas de 1 e 2 mil res.
Dilo ao mesmo.Transmiti V. S. de ordem
de S. Exc. o Sr. vice presidente da provincia, as
3 inclusas ordens, sendo 2 do thesouro nacional
sob ns. 198 e 1, e a outra em duplcala expedida
pela repartidlo do ajudan'e general com o n. 42.9
Dito ao director geral da instrueco publica.
De ordem de S. Exc. o Sr. vice-presidente da pro-
vincia, remello a V. S. 20 exemolares do regula-
monto interno da Eecoia Normal.
Remetleu-se 10 exemplares ao director da Es-
cola Normal.
Despachos do dia 13 de Janeiro de 1865.
Requerimentos.
Antonio Francisco de Oliveira.Foram expedi-
das as convenientes ordens.
Bartholomeu Torquato de Souza e Silva.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Barros & Silva.Informe o Sr. administrador do
consulado provincial.
Segundo cadete Francelino Leal Gomes.Prove
o supplicante ser casado cora a seuhora, que pre-
tende levar era sua companhia at a Bihia.
Francisco Ferreira Alvareoga.Deferido;
ci, outro, pois que houve sempre a convocagao
de eleitores por carta doescrivo, alm dos editaes
afflxados; o que nao aconteceu quanto aos dessa
freguezia, pelo que de ve proceJer-se a nova convo
ca^o, a qual em vista do que preceituam os avisos
de 18 de Janeiro de 1854 e 31 de maio de 1861,
dever ser feila pelo juiz de paz mais volado do
quatrienaio actual, a quem neste sentido se expe-
dem as ordens convenientes.
Dito ao jais de paz mais votado do quatriennio
Qado da fregaezu de Una.Constando de offlcio da
careara municipal do Ro Forraoso, haver remetli-
do a Vmc. era 14 de dezembro ullinio copia da ac-
ta da eleigo de eleitores dessa freguezia ltima-
mente approvada, aiira de mandar aDxar edilaes e
fazer a convocacao dos eleitores para a organisa
<&o da junta revisora dessa freguezia, no corrente
anno, bem como nao ter Vmc. mandado afiliar os
1 ditos editaes, curapre que me informe qual a razo
porque deixou de fazer aquella convocacao.
Dito ao Dr. Jos Felippe de Souza Lio, juiz de
direito de Santo Antao.-Pelo seu offlcio de 23 de
Jos Francisco Cielo.Informe o Sr. major di-
rector do arsenal de guerra.
Joo Manoel Rodrigues.Concedo a licenca ao
supplicante, para levar em sua companhia o me-
nor que seu cunhado, e o preto que seu escra-
vo, como so v da informacao do administrador da
casa de detenco.
Capito Joo" Baptista de Athayde de Siqueira.
Informe o Sr. Dr. juiz municipal e de orphos do
termo de Flores, com a possivel brevidade sobre os
diversos pontos desta petigo.
Bacharel Jos Antonio Correa da Silva.Conce-
do a licenca pedida sem vencimentos.
Jos Ferreira de Mjura. Inforraji o Sr. delega-
do de polica.
Joo Jos Rodrigues.Concedo a licenga reque-
rida em vista da informacao.
Tenante Jlo Pereira Lagos. = Deferido nos
termos da informacao.
Jos Delfino do Silva Carvalho.Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Joo Hermano Becker.Informe o Sr. inspector
dezembro prximo findo, fique* scieato do ler Vmc. da saude do porto.
' naquella data entrado no gozo da lieeaca de 15 das Joo Antonio Gomes Guimarlcs.A'visla da in-
que lhe foi concedida em 20 do musan ir mez, para > formaco, nada ha que deferir,
tratar de sua saude, por ter lindado no dia 22 a de
igual lempo de que posa va. Communicou-se ao
1 Exm. conselheiro presidente do supremo tribunal
de justica.
Dito ao juiz municipal suplente, do termo do
Exu'.Remello Vmc. para ssu conheeimento co-
pia do decreto.n. 3,358 de 10 de dezembro proxi-
! mo lindo, creando nesse termo um lugar de juiz
*rauuclp3l, que accumular as funecoes de juiz de
orphos.-Fizeram se as necessarias communica-
c5es a esse respeito.
Dito ao thesoureiro das loteras.A' vista do que
expoe o Exm. vigaro capitular no incluso offlcio
que me ser devolvido, recommendando a Vmc.
qne faca exlrahir a lotera concedida a igreja ma-
triz de S.Jos desla cidade,
Mana Custodia da ConceicSo.Sem prova de
sen casamento com Antonio Loarenea da Silva,
nao pode a supplicante ir em companhia dellepara
o presidio de Feruando.
Manool Pereira Quaresma. Esto dadas as
convenientes providencias acerca do que reqaer o
sapplicante.
Manoel Pereira da Silva.Nao tem lagar o que
requer o supplicante, seno nos precisos termos da
informacao do commandante das armas, com refe-
rencia ao do capito director da colonia militar de
Pimenteiras.
Mara Francisca de Assis. Concedo o prazo
pedido pelo supplicante para provar a isencao le-
gal a favor de sea filho : sendo esjp despacho
apreseniado a qnem competir,
I fortificagoes e da'marinha.
Alm disto a retirada da guaruigo franceza que
se acha em Roma nada menos que urna repulsa
amarga soffrida pelo partido ultramontano, e a ga-
ranta da inlegridade dos atuaes dominios do Papa
entregues aos seus proprios recursos e sem a pro-
teccao de forca estrangeira, e at cerlo ponto o
principio daquella mesma experiencia que os pro-
prio; Italianos tantas vezes reclamaram.
No tratado ha apenas para urna parte da Italia
uraa disposico dolorosa : a transferencia da ca-
pital de Turira para Florenca.
Turim foi o cenlro da aegao regeneradora da
nacionalidade italiana, foi a cidade fiel que abri
sempre o seio prolector e amigo a todos os proscrip-
tos, a todos os mam n s da causa commura : foi o
espirito, donde parti a idea, a fonle donde sahiram
os prineipaes recursos do movimento que fez re-
surgir a Italia.
A trasladado da capital suslaiada por a'tas
considerares relativas aos casos de guerra : Tu-
rim nao olferece facis condigoes de defeza, como
Florenga, e fra imprudencia deixar a cabega e o
corago do estado raerc de urna batalha, e de
ama victoria dos iniraigos.
Querera ver alguns nesta raudanga de capital o
abandono ou.o sacrificio da aspirago italiana, que
insiste em querer qoe seja Roma a cabega natural
da Italia. Tal abandono ou sacrificio achar-se-hia
mais fcilmente determinado no artigo do tratado,
pelo qual lica garantida pelo remo da Italia a inle-
gridade dos dominios do Papa, do que por esla mu-
danca de capital, que nao exclue a hypothese de
outra no futuro.
Semelhanto providencia, quandj menos a espera-
va a Italia, que tao pouco pode compensar os des-
gostos que o tratado de 15 de setembro causa aos
ultramontanos, e que muito veio afligir a cidade
de Turim, tem s urna explicago e a que lhe de-
ram os governos italiano e fraucez : urna guerra
possivel em breve prazo, e convm que a capital
da Italia nao seja fcilmente preza do inimigo por-
ventura vencedor em alguma batalha.
A necessidade dssta allianga da Franca e da Ita-
lia, para contrabalangar a influencia e o poder da
outra allianga das potencias do norte, ez entrar a
queslo italiana em nova phase, que anda nao o
seu desenlace; mas que o approxiraa delle.
Na Italia o partido da acgo, e especialmente a
phalange radical, recebeu o tratado com reprova-
gao manifesta ; a corte de Roma mal disfarcou o
sea resentimento, e protestar sem duvida contra a
va poltica de Luiz Napoleao]: sao oS extremos que
se tocam, e que pelo proprlo antagonismo profun-
do que os separa, se encontrara de accordo em op-
posigio as medidas que tendem a chegar a um ter-
mo medio conciliatorio.
A guerra ao Vigaro de Christo commove e so-
bresalta o catholicismo : o poder temporal do Pa-
pa um assumpto que nao afTecla o dogma, nem a
f catholica, e a prudencia poltica, e a justiga
acoaselhara o exigem que se harmonisem as legi-
timas asplrages italianas cora o respeito, a venera-
cao e a immensa grandeza daquelle que na ierra
o chefe da nica santa igreja.
O architecto de monumento italiano, o conde de
L-avour tinha ensinado o camraho da conciliaco ;
volta-se a elle depois de annos consumidos era in-
fructuosos irabalhos diplomticos e em tentativas
esteris qne os segredo* dos gabinetes esconden).
O parlamento italiano reunido em Turim, pro-
vavefraente pela ultima vez, sanecionou com a sua
approvago o tratado de 15 de setembro, e os esta-
distas mais eminentes da Italia deram-lhe forca
com o prestigio da sua palavra e dos seus votos.
Se to claro nao se patenleasse a todos os espi-
rltos a corabinago poltica que se encerra no tra-
tado de 15 de setembro, bastavam para revela-la o
favor com que elle foi applaudido na Inglaterra, e
a desconfianoi e reprovaglo com que a Au>trta o
considerou.
Estes ltimos fados, a allianga das potencias do
norte e a allianca da Franca e da Italia, prepara-
dora sem duvida de urna liga do occidente e do sul
da Europa, dariam a esta parte do velho mundo
urna situago poltica definida e clara, e creanam
forgas opposlas e compactas, se outros acontec-
mentos apparentemente menos importantes nao
viessem indicar manejos e trabalhos secretos, que
atteslam a confuso, e a contranedade dos estados
que mais querem fazer-se acreditar ligados por
identidade de interesses.
Assim em Paris o duque de Coburgo Gotha d
sua presenga um carcter poltico, que poderia for-
talecer a Franga com as sympathias dos estados
secundarios da Allemaoha : um pouco depois da
muito fallada allianga das potencias do norte, o czar
encontrase com Luiz Napoleao em visitas que se
reputam de simples corlezia eobsequio; as quaes
porm se observa tal expan>ode cordialidade, que
nao licito suppor intenges e planos hoslis em so-
beranos que to alegremente se abragam : em se-
guida ao tratado de 15 de setembro, e quando mais
apartadas se deviam julgar a Franga e a Austria,
os olhos da polilica percebem que os gabinetes de
Vienna o de Paris comegam a estender-se menos
suspensamente e a mostrar disposlgoes para urna
uuio mais estreila : e finalmente aquelles que
pretenderan) ver neste ultimo e inesperado comego
de harmona e amizade uma revolugo de antago-
nismo decidido com a Prussia, encontram logo a
Prussia mais conchegada Franga do que a Aus-
tria por ligages commerciaes creadoras de mutuos
e ronsideraveis interesses, e vera o conde de Bis-
mark aproveitar alguraas semanas de apparente
descanso das lidas polticas para em uma viagem
de simulado recreio a Paris esconder nos arcanos
de altas confidencias ou explicages ou combina-
ges, cuja nalureza e importancia nao foi dado ao
publico o direito de aquilatar.
Assim, pois, reinara em toda a parte a indeclsio
e o recelo, a perplexldade e a desconfianga : em
toda a Europa sente-se que a poca de ebuligo
de ideas e de movimento irresistvel de principios:
0 horisonle do futuro cada dia mais se enubla : a
conviegao da fragilidade da paz faz multiplicar
exercitos que empobrecen) os estados, e a situago
nao melhora, e a Europa nao se torna menos ex-
geme, porque emflm a obra de 1815 repugna ao
progresso, conserva em avliante oppresso nobres
e heroicas nacionalidades, e estabeleceu limites
geographico-polilicos aconselhados pelo odio votado
Franca e s nacoes suas alliaas fiis e dea a al-
guns estados uma organtsago constrangedora c
viciosa.
Luiz Napoleao, o poltico sagaz, que em 1863
mostrou comprehender toda a profundeza do mal
que afflige e traz em sobresalto incessante a Euro-
pa, e que ao mesmo tempo provou, elle o impora-
dor da mais bellieosa das nagoes, qne nem deseja-
va, nem queria a guerra, olerecendo a todos os
governos europeos o recurso prudente de um con-
gresso geralde representantes de todos os estados,
recebeu entao em resposia sua generosa proposi-
go o assenlimento de algans, a acquiescenca com
reservas essenciaes de rauitos, a franca formal ne-
gativa da Inglaterra.
Mas medida que os mezes vao passando e que
os acontecimentos vo-se succedendo, o mundo re-
corda e considera o convite poltico do imperador
dos Francezes, e pouco e pouco vai nenetrandn nm
t/vw n- ..P:.iw cuihn^w ae que ou a supposta
utopia de Luiz Napoleao ter iof.liivelmente de se
experimentar na pratica, ou esgoiadas todas as
fontes de epheraeros expedientes, tero as nacoes
de recorrer para o Deus das batalha?, e entao a
Europa ser um inimeuso lago de sangue.
Qual das hypotheses poder mais fcilmente rea-
lisar-se ? Nao licito ao hornera ler no livro do fu-
toro ; se porm a apreciagao da actualidad per-
mute alguma precisao, talvez bem fundado o pen-
sar daquelles que esperam antes combnagoes pa-
cificas, do que imposiges guerreiras.
O commercio, a industria, a civlsagao em toda
a parte se do as maos, o formam tambera o seu
exercito, que poderoso sem mover canhes, nem
manejar espadas, e que se oppoe guerra, como o
flagello mais horrivel.
E alm desse exercito magnifico e vivificador ha
na propria forga militar exuberante de cada estado,
nos antagonismos que os esto separando a todos,
no encontr de interesses multiplicados que impos-
sibilita as harmonas intimas, uma garanta de
paz.
Se aquella previsao nao Ilusoria, brilhar nao
tarde o dia em que a reviso da carta polilica da
Europa salar do seio de am congresso geral, dan-
do condigoes de estabilidade e de seguranga a to-
das as nagoes europeas.
Conclumdo aqu estas considerages retrospec-
tivas sobre as mais consideraveis questes de in-
teresse geral que era 1864 oceuparam a allengo e
os cuidados do mundo europeu, cumpre-nos passar
em rpida revista os diversos estados, estudando
resumida e particularmente era cada um a marcha
do seu governo, e sua situago poltica.
Ao norte da Europa, a grande Russia, dcsaffron-
tada da audacia patritica da misera Polonia, em-
quanto estende as mos s grandes potencias da
Allemanha, para com ellas oppor barreiras s ideas
liberaes do occidente, faz no seio do imperio con-
cessoes ao progresso e civihsago, alluindo o po-
der de classes privilegiadas, regenerando os servos
e prolegendo os camponezes : mais larde vira for-
gosaraente o syslema representativo, de que talvez
ja lhe cornaca a sorrir no espirito o primeiro
senho.
A monarchia da pennsula escandinava dea este
anno um triste exemplo de desamor e de falsa po-
ltica, nao sabendo avangar um passo em auxilio
de sua irmaa de raga que se debata as garras
terriveis da Allemanha. O enthusiasmo que exci-
taya o pensaraento, ou, se quizerem, a utopia da
uoio escandinava deve ter arrefecido com despro-
veilo e em castigo da iramobilidade egostica da
Suecia
A Dinamarca mal peasa em curar saas feridas,
depois dos horriveis combales em que a deixarara
to s e contra tantos e to fortes inimigos. As
pederosas alliangas de familia realisadas com os
casamentos de suas pnncezas nao polem j preve-
nir os males soffridos, e apenas alimentar esperan-
gas de uma desforra opportuna no futuro. O trata-
do de Vienna assignado a 30 de oulubro ama
Imposigo de vencedores sem generosidade, e dei-'
xa no espirito nacional dinamarquez o germen de
um resentimento que ha de demonstrar-so algura
dia.
A Ilollanda prosegue tranquilla oa saa marcha
cuidadosa, liberal e prudente.
A Blgica foi exposta a uma crise poltica na
qual se houve com esse tino proverbial que tem
feilo do seu governo uma escola do syslema repre-
sentativo : o gabinete liberal de Frre-Orban tinha,
cerno se sabe, dado a sua demissao ; o sea partido,
com um nico voto de maioria ao parlamento, nao
poda bem suslenia-lo : o partido calholico foi cita-
mado ao poder, e seus cheles nao quizeram lomar
a responsabilidade do governo do estado : nao era
possivel commeller erro mais grave : tornase fac-
gao o partido que derriba os seus adversarios e
que nao quer succeder-lhes no poder. A este erro
seguirse outro mais grave anda : para impedir a
votaeao de um projecto que crea va ires novos col-
! legios eleitoraes e que dara tres votos mais opi-
. niao liberal, o partido cathotico desertou da cama-
1 ra, tornando assim impossivel a celebrago de ses-
soos ; o ministerio aconselhou entao ao rei que. ap-
pellasse para o paiz: a dissolugao da cmara foi
decretada, e o povo belga deu ao partido liberal
uma maioria de doze votos no parlamento, maioria
sufficiente para sustentar o gabinete.
Fiel pralica constitucional, e sabiamente diri-
gida pelo venerando rei Leopoldo, a Blgica des
fructa dias felizes, e mostra ao mundo no mais
bello e edificante quadro a belleza e o primor do
syslema monarchico constitucional representativo,
quando elle cooscienciosamente observado.
Na Inglaterra arada perdura o gabinete do velho
Palmerston, a quem nem a idade, nem a molestia
dolorosa que soffre podem tirar o vigor; mas pare-
ce j passado o tempo da poltica audaciosa e in-
terventora do exterior: os grandes oradores da
Graa Bretanha ou na tribuna do parlamento, oa na
dos banquetes polticos preconisam agora a paz a
todo o costo; a paz at ao extremo da off-rasa d*
honra nacional ; a these absoluta deraais para
qae meregam f os estadistas inglezes. e indica an-
tes pelo seu proprio absolutismo que e um pruden-
te recurso para disfargar abstengoes impostas pelo
isolamento.
A Inglaterra entre todos os paizes da Europa,
o nico para quem a substencao nos negocios ex-
teriores offerece menos perigos : no interior goza
da vida poltica mais vasta e mais activa: os pro-
gressos gigantescos da sua industria e do seu com-
mercio, sua prosperidade Gnanceira, o augmento
continuo dos seus capilaes, a extenso de soas era-
prezas em todas as partes do mando, podem salis-
fazer suas ainbigdes, e aconselhar-lhe o santo bene-
ficio da paz, que lambem uma das fontes da sua
prosperidad.: ; mas uma completa, aboluta ata-
tengo as complicages earopas, lesde que a sua
nlervengo lhe impuzer os sacrificios de ama guer-
ra, seria a abdicago da sua influencia na Europa,
e no mundo.
A Inglaterra nao pensa de outro mojo. E gran-
de fortuna para a humanidade que as que-le.- in-
ternacionaes do velho mundo vo-se intrincando de
tal modo, que o antagonismo poltico va dolando
lano cada uma das grandes potencias, que a guer-
ra geral acaba por tornarse impossivel; mas ce-
do anda para que seja uma realidade esse divino
beneficio de uma paz irapertubavel entre as na-
goes.
O anno de 1864 foi cruel para a diplomacia in-
gleza a arrogancia de John Russell ro ca.-tigada
com uma sene de aflictivos revezes na que.-to da
Dinamarca : a Inglaterra leve de abaixar o rosto
envergonhada, e seus estadistas, e seos ora-
dores procurara consola-la, compoBdo e reci-
tando a seus ouvidos bellos e harmoaiosos idy-
iios paz.
Na Franca Luiz Napoleao parece sati.-feito com a
ligo reeebida pela Inglaterra, e camioha com|as-
so firme para chegar aos resultados da sua polilira
to dissimulada como implacavel. Ha interior sua
mao de ferro pesa ainda comprirando as liberda-
des polticas: a imprensa, a manifestaco dos pen-
samentos pela palavra continuara a merc do ca-
pricho de seus ministros : a um signal, a uma pre-
vencao da autoridade os jornaes sao obrigados a
calar-se, e esse systema suspeitoso e oppressor vai
to longe, que chegou a prohibir-.-e em Paris o le
centenario festival de Shakspeare I
A librdade do vol as eleigoes, se escapa lis-
rahar;5n --wJn aluuiva Ana malres. tendu
ante i ja escapado as medidas prepotentes que un-
pedem as conferencias e combnagoes de partido,
torna se um milagre devido maravlhosa energi
de um povo que nao teme sacrificarse pelos prin-
cipios que lucrara e hoj de fazer a gloria da saa
patria.
Livre emfira' da guerra impopular do Mxico
Luiz Napoleao v cora pozar mas sem receio acen-
der-se a revolta na Argelia : a espada do duque d?
Magenta e as valentes legies francezas desarma-
ran em breve as hordas fanticas das suas colonias
d'Africa. Muito mais do que essa revolta preoecn-
pa o animo do imperador a situago fioaoceira da
Franga, que se espanta, observan lo anuualrat-nte a
mais desanimadora desproporgo entre a recita s
a despeza.
E a Franga nao menos se impacienta, esperando
de .alie desde tantos annos o restabclecimento de
suas inslituigoes litros. Em 1864aangou ellaum
passo arrojado, mandando ao corpo legislativo uma
minora, que avultou pelo talento brilhante de seus
membros.
A palavra eloquente de Barryer, de Thiers, de
Julio Faivre e de outros lerabrou-lhe os dias ma-
gestosos da tribuna franceza, e pareceu-lhc uma
aurora formosa e precursora de um dia mais bello
aiada : a esperanga foi va : a aurora foi sera da-
vida animadora, mas o da que deve segui-la ainda
nao se mostrou.
Luiz Napoleao e sempre o arbitro c dominad :
da Franga, a quem apenas consola com a altitud-e
magnifica em que a mantera na Europa.
Alm dos Pyreneus, a Hespanha ainda se envol-
ve as mil (s de uma poltica confusa : no exte-
rior nao reconhece o remo da Italia, nem sabe se
deve ligarse ou est ligada ao occidente, a cujo
tronco pertence pela raga latina, pela posigo gro-
graphica e pelo titulo do seu governo, deixa-se se-
duzir pela perspectiva de uma conquista pacifica, c
em S. Domingos arvora nm pavlho a cuja sombra
teem ido enterrar-se seus balalhesdizimados pelas
molestias ; acha-se em conflicto com o Per pela
oceupago violenta das ilhas de Chinchas e nem
approva nem reprova o procedmeato dos seas
agentes, enfraqueeendo assim a sua acgo e fazen-
do oceultar as difflculdades do futuro : no interior
seus estadistas e seus partidos se confunden): tem
no palacio am poder, qae nao o da rainha. v
succederem-se ministerios qne disimulan) sua fla-
queza, precipilando-se nos abysmos do arbitrio e
das Ilegalidades. Os ltimos mezes de 1864 lesle-
inuuliarara dous acontecimentos importantes para
essa nago to digna de raelhor sorte: depois de
lonojas disputas e opposigoes a rainha Chrislina po-
de emflm entrar na Hespanha. A revolugo que
semelhanto fado devia trazer ao paiz ficou na iraa-
ginagao dos terroristas, para quem a rainha mi
era como um phanta-ma aterrador.
Pouco antes o gabinete Mun, que se apavonava
com tantas pretengoes de moderado, e qae sujfia-
va os jornaes polticos a conselhos de guerra, epros-
crevia suppo'tos conspiradores sera conviegao do
crme, teve de deixar o poder : o general 'Douell
nao se prestou a orginisar um novo mlaisuri, e
o general Narvaex, o compressor enrgico de 18'iS,
organisou nm gabinete, ao qual entraxam nada,
menos que cinco notabilidades, a quem ja coubera
a honrado presidir a oulros ministerios. O nome
de Najtvaez devia assustar os liberaes da Hespanha;
mas oo novos pillos chamados pela rainba liabel 1
direceao da nao do estado.encelaran) o seu governo
com algumas previdencias prudentes e esperango-
sas : a imprensa periodioca vio-se mmedialaroen-
te livre das peas com que a conuvera o ministerio
Mon, e outros actos de conciliago e de liberalismo
moderado parecern) indicar que Narvaez e seus
companheiros vo trilhar hoje catninho diverso do
que seguirn) ouirxjra.
Entretanto a grande maioria do partido progres-
slsta, oa porque pelos procedentes polticos de
Narvaez e de seos collegas desconfie da lealdade,
de saas mtenges conciliadoras e favoraveis opi-
nio liberal, ou porque resolvesse manter-se em
opposigao franca at a ssu mi r o poder, per-iste na
resolugao que tomara, quando o ministerio Mon
dissolveu o parlamento, e absteve-se de concorrer
as urnas as ultimas eleigoes provocadas por urna,
nova dissolugao,

ii PfCiv/n
/


Diarlo de Fernambnco -- Quinta clra 19 tle Jincho de f 8G5.
' Tendo haido promessns solemnes do garant
de libertado do voto, dffleil so torna explicar ?e-
melhante proceder do partido progressista: nao
concorrido s urnas, nao procurando levars
cmaras es orgaos principaes das suas ideas, esse
Bis aqn o estado em qne o anno de 1864 deita
a Borona.
A poltica internacional tornou-se um labyrin
to : a cada hora anouncia se nm perigo que
ameaca a paz do mundo : cada governo so debate
partido como que abdica o direito de snbstinr, em reoeios de isolanjento : Benhum delles assaz
regularmente os seus adversarios no governo da poderoso para arrojar-se a sos contra os outros :
Hespanha, e desse modo eu commeito exave erro, nao ha allancas que nao se enfraqnec.am pelas re-
annullando-se por muito tempo, ou. erro maior servas : a necessidade da defensiva forma lagos
ainda, den* suspeitar qoe confia ais em recnr- que duram tanto como o temor da ameaca ; a ac-
sos extra-k>gaes, do que nos meiosfcontitocionaes S*o offensiva nao consegue organisar coalisoes pe-
para conseguir o triumpho da sua opiniao. I antagonismo dos interesses : a torca gigantesca
Mais feliz que a Hespanh* Portugal recolhe os de cada urna das grandes potencias da em resulta-
frutos da conlianca peral na tranqoillidade pubii- do a fraqoeza ou impotencia de todas ellas quando
ca, e na marcha normal do governo representan- se consideram soladas.
vo: o rei D. Luiz sega* os vestigios deizados por A roina geral das (francas dos diversos estados
sen irmao, o rei ben amado : em suas Iotas os exigem fortemenle a redoccao desses cxercitos co-
partidos conservam-se na arena constitucional, e o lossaes, que roubain aos campos e industria mi-
paiz aproveita na paz serena qu% goza todos os seus Ihoes de bracos que poderiam ser nteis, e que cus-
recursa, applicamlo-os ao progresso material e na lam espantoso e estril dispendio de riquezas pu-
xploraco das fon te da riqueza. i blicas
A Italia prepara-se para entrar na nova situagao' A nica potencia, cujo Ihesonro Had se acha
que Ihe abri o tratado de 15 de setembro : urna. exansto, e sujeito aos tormentos de um dficit an-
rednecad de cem mil homens no seu xercito pou- nual, a Inglaterra, nao pode ser bellicosa no conU-
par cem mimos ao estado; o rei Vctor Manoel: nenie. .A fraqueza geral exactamente pela exa-
cede urna consideravei quanlia do que tem di- geragao das Torcas de cada estado,
reito a receber dos cofres pblicos, e assim fica Ksla situagao, que aprsenla tantos inconvenien-
em mais de um terco diminuido o dficit enorme; les, olTerece ao menos urna suave consolago : a
de trezentos militos que pesa sobre a nago, e guerra geral da Europa, que sempre nos parece
qoe ameagava seriamente o sea futuro financeiro. prxima a rebentar, vai-se tornando improvavel, e
Alm da Italia moslra-se a Grecia ainda mal sur- humanidade pode ao menos desfructar os bene-
gindo de sua ultima revolueo : sua morosa cons-: nejos da paz.
tilumte satisfez emfim as exigencias do rei, votan-' O progresso e a civilisago nao precisara da guer-
do ama constituigao notavelmente liberal: a expe-: ra para desenvolverse e brilhar victoriosos :
riencia demonstrar em breve o acert ou o erro [ "tes a paz que mais llies aproveita : nao ha mu-
dos arch i tectos polticos d'aquelle pequeo reino, i ralbas, nem exercitos que possam imiedirapro-
onde lalvez a lembranga das maravilhas de um pagagao das luzes, e a luz da civilisago e do pro-
muito longiquo passado crea illuses insanas e as-! gresso como a do sol, vem de cima, porque nas-
ce do espirito de Deus.
A situagao actual da Europa nao pode ser por
muito tempo sustentavel ; mas cumprc ter f na
Providencia, que regula os destinos das nagoes ;
sem o horror das batalhas, sem os gritos pungen-
Tiveram alia :
Joao Antonio de Sanl'Anna e Manoel Soares de
Araujo.
Obituario do du 17 dk janeiho dk 1865, no
cemitkrio publicq :
Francisca, escrava, 4 meze, Boa-Vista : interite.
Jos Alves dos Prazeres, Pernambuco, 28 annos,
casado, S. Jos; tubrculos pulmonares.
Antonio gydio da Silva, Pernambuco, 61 annos,
casado, Poco da Panella ; tubrculos pulmo-
nares
Angelo, escravo, Pernambuco, SI annos, solteiro,
Boa-Vista ; varilas confluentes.
Manoel, Pernambuco, 8 das, Reclfe; convulsdes.
COMMUNICABOS.
les de milhares de feridos, sem o tremendo espec-
tculo de montoes de cadveres, sem o flagello da
guerra, emfim, o progresso ganhar victorias e a
civilisago guiar os governos e os povos pelo ca-
minlio do bem.
PERNAMBUCO,
REVISTA DIARIA.
a estrada da Magdalena, a partir mesmo da ra
do Kosdego, acha-se em lamenlavel estado de
damnificagao pela ausencia que nela se nota da
conveniente conservago. As exeavagoes diversas
que ha em seu leilo com quaesquer chuvas, que
hajain de cahir por agora, converter-se-hao em
veidadeiros buracos, e d'ahi obstculos ao transito
publico dos vehculos, a que se deve dar toda a fa-
cilidade possivel.
Importa, portanto, que se atienda para isto com
olhos providentes, visto quo da indifferenga resul-
tar afinal o prejuizo de urna boa centena de con-
los de r>, alm do incommodo j apuntado.
Um dos nossos assignantes remette-nos o se-
grate :
t O embarque de SS. Altezas, lendo sido mar-
cado para onze horas da manhaa, foi espagado pa-
ra meio dia, em consequencia de lornar-se mais
favoravel a ida da galeota ao vapor.
Os Srs. Gustavo Jos do Reg, Luiz Francisco
de Barros Rege e Manoel do Nascimento da Costa
Monleiro nao comparecern] no palacio da presi-
dencia a comprimentarem, como vereadoresda c-
mara municipal do
piracoes impossiveis de serem realizadas.
Antes de chegar ao Oriente, uropre entrar no
centro da Europa.
A AHemanha, mnito oceupada com a guerra que
fez Ornamarca, excitou esie anno menos alten-
o pela sua poltica interna ; entretanto os estados
secundarios da eoofederacao aspiram sempre a li-
bertarle da tutela obrigada da Austria e da Prus-
sia, e tendem a formar urna terceira potencia ca-
paz de disputar influencia aquellas duas : o rei
Max de Baviera claramente designado para ser o
chefe dessa especie de Sonderbund, morrea ines-
peradamente, e o duque de Coburg-Gotha parece
oinpenhado no desenvolvimenlo dessa dUfieiiima
combioaco poltica, de que alias foi um dos pri-
meiros a tomar a iniciativa. Cedo ainda para
qne se d urna grande importancia essa aspira-
cao de unidade dasfraee5es movis do federalis-
mo excessivo da Allemanha.
Na Prussia a maiona liberal da cmara tempo-
raria por mais dedicada, forte e unida qne se mos-
tr, tem de combater agora novos elementos de ri-
gorosa energa do chefe do partido feudal; o con-
de de Bismark, que se manteve arrogante e impo
pularmente no poder apoiado exclusivamente no
ceg capricho do rei, aWesenta-se ho;e com toda a
torea moral que Ihe deram as victorias do excrcilo
prnssiano arruinador d monarchia dnamarqueza.
A proverbial constancia>allemaa, e o grande auxi-
liar das idea? progressista-% o tempo, levantarlo o
liberalismo da Prussia sobre os destrocos de nm
feudalismo anachronico e insnstentavel.
A Austria qnebra os lagos que na poltica inter-
na da confederadlo a ligaran) passageiramenie
Pmsia na quesio dinamarqueza, faz Mr. de Re-
chberg deixar o ministerio por suspeita-lo multo
enfeudado poltica prdssiana, procura angariar
as sympathias dos estados secundarios da Allema-
nha, rene o seu Reiehsrath, e com o encanto dos
primeiros beneficios do nascenie systema represen-
tativo oceupa-se da administrago interior, lison- mar municipal do Recife, SS. Altezas, embora
ga as nacionalidades que reuni ao seu imperio, seus nomes figurem em baixo do discurso que em
mostra-se moderada na| Hungra, mas ainda sus- nome da mesma cmara leu o Sr. Dr.Sarmenlo;
peilo.-a na Venecia, nao quer comprehender que
tem nessa possessao violenta um onus tremendo,
um perigo incessante e um sorvedouro das suas
riquezas. \
.No centro da Enropa tambera a SafSM desper-
tou durante alguns das vivos receios de que a sua
prosperidade tivesse de soflVer asconsequencias no
civasda discordia e da anarcha. Em tenebra a
eleicao de um membro do cpnselho de estado, que
representa e exerce o poder executivo, deu causa
a um conflicto sanguinolento e terrivel as ras
da cidade : a maioria da commissao apuradora
dos votos, reeonhfcendo derrotado o candidato do
seu pariido, declarou abusivamente nulla aeleigao,
provocando deste modo justos mas ardentes protes-
tas : urna fraego da cohorte Vencidaarmouse e
atacou seus adversarios inermes : o sangue ror-
reu ; em breve porm o imperio da le restabele-
eeu-se : o conselho federal de Berne iroclamou a
valdale da eleigao do candidato vencedor, a ju, ga publica procura descobrir e punir os crimino-
cm. ~ o...'-jliuV(iu nncuu loma a respirar
tranquilla e feliz no meio de suas montanhas.
Finalmente e lempo de rematar considerando o
oriente.
A queslao dnamarqueza durante quasi todo o
anno, a quesio italiana desde lo desetmbro des-
viaram completamente a allengo da Europa dessa
extrema do seu mundo, onde tanto saogue ja tem
sido derramado sem se chegar a desalar o n gor-
dio que ali reserva arada muitas difflculdades po-
lticas, e elementos de geral conflagragao.
O Imperio Ullotnann viveu um anno esquecido
pelas grandes potencias, e desaffrontado do peso
das evolugoes diplomaiicas que ordinariamente o
atormentam ; mas nem por isso melhoraram suas
circunstancias a ponto de acenderem alguma es-
peranga na sua rrgenerago social. Doento incu-
ravel, padeceu menos durante alguns mezes, por-
que o deixaram as grandes potencias, que simulara
querer cura-lo, e que mais do que desse empenho
se preoecupam das contendas, a que poder dar
motivo o seu espolio.
Mas se no Oriente ficou deslembrado o imperio
ollomano, a Romana fez por mais de urna vez re-
petir o seu nome as principaes cortes europeas.
Collocado frente dos Principados-Unidos, o prin-
cipe Cousa assignalou-se porum golpe de estadoqne
o reeommenda aos preconisadores das dictaduras.
Tomando por pretexto um projeclo de le rural que
nao fura ramediala ou promptamente votado, o
principe Couza dissolveu a cmara, suffocou a l-
berdade da imprensa, e assumlo um poder arbi-
trario. Logo depois, elle, o chefe e representante
de urna nacionalidade que aspira sua completa
independencia, corren a fazer acto de vassallagem
perante o Sultn, de quem solicou a investidura
do hospodorato hereditario, e anda bem que o Sul-
to, mais hbil que o novo dictador, n3o se quiz
erigir logo em juiz do golpe de estado que destruio
as insiituigoes da Romana "
Por ultimo violento hospodar promulgou um es-
tatuto que upprime as duas condigoes mais essen-
ciaes do governo constitucional, a responsabilidade
dos ministros e o voto regular dos mpostos. Se-
gundo esse estatuto os ministros do hospodar nao
se apresentarj mais s cmaras, onde os conse-
Iheiros de estado defenderao os prejectos de lei
emanados do governo ; e pelo que loca materia
de mpostos, o poder executivo prover ao servigo
publico, fzendo eflVrtivo o orgamento do anno an-
terior, quando o novo
tm iempo opportuno.
orgameato nao fr volado
O principe Cousa nao tem felizmente as princi-
paes condigSes de un dictador : uao tem fuidaffe
de ideas, nem firmeza de carcter, aera a tempera
dos Cesares. Em um governo que dura apenas
ha ?els annos tem deraittido viole ministerios e
zombando unto do partido liberal como do conser-
vador, acabou por ver unidos em opposicao os che-
fes principaes de ambos os partidos. O proprio
partido ministerial, oppoodo anles do golpe de es-
tado na cmara urna emenda mais moderada a nm
voto de censara da maioria, declarou nessa emen-
da quea yuslit;a e a administrago espantavam
pelo escndalo ; que faltavam garantas Uberda-
de da impresa r tiberdade individual que o paz
se achnna assembrado com a desordem que reinwoa
as finanzas \do estado, e que as cantas das despr-
zas nao eram appresentadas desde muitos annos.
E' evidente que a asserabla qoe assim reclama-
va contra a administrado corrompida, a venalida-
de da justiga, e a delapidaeao das fioangas, devia
lornar-se odiosa ao hospodar.
A Romana foi constituida, como nao ba qnem
ignore, em resallado de um accordo entre seis po-
tencias da Europa: a esfa convengao ainda recen-
te devem os Principados-Unidos as suas institu-
$5s repreeentantivas, e o principe Cousa, descar-
regando ousado golpe sobre ella, nao ofrenden s-
mente os direitos dos Romanios, mas ainda as po-
tencias signatarias da convengao.
Entreunto est jlgado fenad mais justo pelo
menos mais commodo aceitar o fado consnmmado
pelo principe Cousa, como urna situaglo proviso-
ria da Romanh, at que em tempa opportuno at-
tendam ai seis poteoclas aos interesses legiliraos
das Principados-Unidos.
sendo de notar que o Sr. Costa Monleiro ainda nao
prestou juramento.
i Os Srs. Domingos de Souza Leaoe Antonio Coe-
lho de S e Albuquerque nao compareceram no
palacio a comprimentarem SS. Altezas, nao obs-
tante seus nomes ugurarem embaixo do discurse
lido pelo Sr. Mrquez d'Olnda, como orador das
commissoes noraeadas por diversas cmaras n.u-
nicipaes desta provincia, afim de comprimenUrem
os augustos viajantes.
t No passeio que SS. Altezas deram Olinda
so foram acompanhados pelas pessoas de sua co-
raetiva, pelo Sr. vigario capitular, que levou em
sua companhia o :>r. conego SaBto's, S. Exc. o Sr.
vice-pre>idente da provincia e o Dr. Aqumo Fon-
ceca, indo este e o Sr. vce-presidenle no carro
em que e.-lavara SS. Altezas, a convite de S. Alte-
za o Sr. conde d'Eu.
O thealro de Santa Isabel nao esteve Ilumi-
nado na noite de 16 do corrate, nao obstante ser
proprio provincial."
itontem tez acto ao 2" anno uo t,o meraat Vemambtwano, o alumno Jos Joaquim
Raymundo de Mendonga ; o qual foi approvado
plenamente.
Hoje tem lugar o levantamento da bandeira
de S. Sebastio da villa do Labo, com toda a pom-
pa e solemnidade. Toca no acto a msica de um
des corpos desla cidade.
Na inanha de 16 do crreme foi encontrado
morto Jos Caetano de Mella, sapateiro, casado, par-
do, maior de 40 annos, o qual depois de vestoriado
foi mandado para o eemilerio publico, onde foi se-
pultado.
Jos Caetano morava com sua familia na ra do
Arago, d'onde havia sahido na Urde do dia an-
terior, para vendei uns pares de sapaios e muir-
se de dinheiro afim de pagar o aluguel mensal da
casa de sua residencia. Ora, nao tendo Jos Cae-
tano vollado a hora costumada, sua mulhersaho
a procura-lo, no que gastou todo o dia 15, sem sa-
ber noticia alguma delle, e s pela manhaa de 16
soube da apparigo de um homem morto, que ha-
via sido encontrado na escada de um sobrado da
ra da Cadea do Recife, e achava-se depositado
na igreja da Madre de Deus, de sorte que para all
drigindo-se ella, recouheceu no morto o marido,
declarando na occasiao soffrer elle de urna aneu-
risma, a qual portanto foi aliribuida a causa da
morte de Jos Caetano.
0 subdelegado da freguzia de S. Pedro Gongal-
ves foi quem providenciou acerca do enterramento
de Jos Caetano e a sua ordem foi que leve lugar
a vesturia.
Estamos autorisados a deelarar que se deu
um engano na publicago da lista da lotera no
Diario de hontem, por estar o n. 2533 premiado
com 6, e 2540 com 405, devendo ser o 1 com
40 e o 2o com 65.
A Associaro Promotora da Cobnisaco Po-
laca no Brasil convida aos respectivos membro3
para a sesso de discussao do projecto de estatu-
tos, no dia 21 pelas '2 horas da manhaa em ponto,
em casa do Sr. Dr. Sabino.
Domingo tem lugar a festa de S. Benediclo,
no porto da Madeira em Beberibe.
Hoje funeciona o Instituto Archeologico e
Geograpluco Pernambucano.
Hoje fra Icilo o agente Cordeiro Simoes, de
movis e escravos, no armazem a ra da Cruz
n. 57.
O vapor nacional ifamanguape, vindo do
Aracaty, Irouxe a sen bordo os passageiros se-
grales
quando dellas resnltasse a separago do norle, como
se Ihe apontava I Quinze mil oanlos de nossas
rendas publicas tero de ser aonualmente sacrifi-
cadas a e&sa via frrea, entreunto a provincia de
Minas concorre apenas com uns qulnhentos contos
de res, para as rendas geraes; e quando isto se v,
v-se rambrnT Pernambuco nao tenda desses fave-
res e concorreodo com uns nove on dez mil con-
tos de res para essas rendas.
Ninguem contesta que a provincia de Pernam-
i buco a que mais concorre com seus filaos para o
ezercito, e que sao os Pernambucaoos que Oguram
sempre em primeira liaha por sua subordinadlo e
bravura ; entretanto, se recorrermos aos quadros
desse exercito, poucos, mui poucos offlciaes gene-
raes encontraremos, que teoham nascldo en Per-
nambuco. Sim : esta provincia e as do norte s
servem para dar soldados que srvain de inuralhas
patria ; os grandes poslos militares devem caber
Todas as vetes que consideramos na marcha a esses cobardes, que se elevam na escala militar
nue vo tendo os nossos negocios pblicos, mais rpidamente e por meio de cortezias, baiulaeSes e
qos convencemos de que a desordem administrad- servilismo, sem terem desembainhado a espada, a
va lavra as alus regioes do estado, e quando se nao ser em alguma parada, nao tendo nunca senti-
podia esperar que esu provincia, continuando sob do o chelro da plvora ou ouvido o sbilo das ba-
a presidencia do Exm. Sr. desembargador Anselmo las I E com que soldados, com que dinheiro con-
Francisco Peretle, voltasse a sen esudo normal, o'. corre para a sustenlace da honra do Imperio M-
governo imperial vai mostrando que o mal parte > Geraes, essa provincia que quer tudo para si
do alto, e nos tira a esperanga de que se reaUbele- e se considera cima de todas ?
ga a ordem administrativa e prospere o imperio.! E podr continuar por muito tempo essse triste
Nao applaudimos a nomeagao, que se fez do Sr. j estado de coosas ?
coronel Francisco Joaquim Pereira Lubo para o la-1 Desde algam tempo o governo imperial nao cui-
gar de recrutador dos municipios do Recife e de da senao de fazer eleigSes, para que dellas saiam
Olinda, e pareca-nos mesmo que se poderla dis- deputados e senadores qoe Ihe prestem seus votos,
pensar a despeza que com isto se ia fazer, por- afira de que ellese possa manter; ecomo qualquer
quanto a faculdade de recrutar tem todas as auio- homem, que tem posigo e repuugo adquiridas
ridades policiaes : foi demitiido o Sr. Lobo, e co- meritoriamente nao se presta a ser agente, vai pro-
mo vimos que esse acto era, nao urna resolucao! curar entre as mediocridades ou desconhecidos
motivada pelo espirito de economa, mas san por; aquelles que desempenhem sem reflexo a Urefa.
se querer satisfazer a um dos caprichos do Sr. Do.- Nao de entes semelhantes que se pode esperar
mingos de Souza Leo, de triste rocordacao, tara- urna boa administrago provincial : todava, quan-
bem nao applaudimos sua demlsso. O Sr. Lobo | do por acaso algum, sabido d'entre os desconheci-
procurou defender-se do que em reservado contra' dos, quer obrar por si, mostrando Ulento e fazen-
elle dissera ao governo imperial o Sr. Souza Leo,' do algum bem, desagrada e mudado; por quanto
que alias se Ihe raostrava satisfelto, e imprimi. nao convem a esse governo bomens que tem von-
um folheto baseando-se em documentos offlciaes e tade propria e queiram dar preponderancia s pro
fados que apresentou e referi, e, partindo para a vineias do norte. E' esla urna das causas do es-
corie, d'alli veltou com a nomeagao de recrutador' tado lastimoso era que nos adiamos, e s idiitas
da provincia d'Alagoas, do que s infera que sua nao vera que ha adianto um abysmo que nos es-
defeza, que linha sido por elle levada presenga pera, a revoluge, da qual s Dos sabe o que sa-
de S. M. o Imperador, havia calado no animo do hir.
governo imperial a sem-razo de sua demisso,! Urna das consas, que atiende um governo,
pelo que se procurara reparar o mal; mas, quan- Par? as qualidades individuaes, os servigos e dedi-
llo o Sr. Lobo anda nao tinna tempo do praticar, cago causa publica e ordem eslabelecida ; en-
em sua nova commissao, actos reprehensivos que tretanto nem mesmo a isto atiende o governo im-
chegassem ao conliecimento desse gjveroo, foi no- penal. E o que se deve esperar de um governo
vamente demitiido. nue fez senlar-se em urna cmara vitalicia um ho-1
O Sr. coronel Lobo nao foi demitiido por actos mem, que nao oceulta sua opinio poltica, e diz
m.os que houvesse pralicado, e, se os havia prah- aberUmeole queinfenso a forma de governo
cado, nao era sua demisso o meio de castgalo : adoptado pela nago I Nenhum ; ao menos se nao
o foi porque desagradou a urna das influencias po-: mostrar um que isto faga; entreunto entre os se-
liticas que vigorou com a liga, ou antes conlrariou | nadores vemos um que sempre se dizendo republi-
seus interesses, e isto s por si moslra como vai cano, ilho jngrato que consUntemente recusouse a
sendo governado este imperio que, se da Sania i beijar a mao paternal do monarcha, ignorando que
Cruz, ter de ser nella pregado pelos nossos Ju-i este acto ns denota servilismo, mas ama demons-:
dos polticos. Nao conveio ao Sr. Jos Angelo < trapo de respeito ao chefe da nagao, considerado
Marcio da Silva a nomeagao do Sr. Lobo, e foi era : como o pai do povo.
eonsequencia disto e era homenagem a este que i Paremos aqui, para nao c.ontinuarmos em nossas
expedio-se essa especie de lettre de cachet. j censuras. Esus seriara a repetigo do que se ouve
Todas as vezes que o governo de qualquer paiz por toda a pacte, e nao faz mossa ao governo im-
se presta a satisfazer caprichos de influcucias sera pena,, que contina no somno da indifferenca. Di-
consistencia; todas as vezes que n DtiaUtori", gamos cm franqueza jpiao por causa da pessoa
para arrastrar por mais algum tempo s : i do Sr. coronel I. io, qne escrevemos estas linhas ;
existencia, se v forgado a allender .- preteBgo>s nas do seto Nao advogamos aqui a causa da se-
de qualquer depuudo, porque precisa de tea voto, 1 paradlo: pode r que nos engaemos; mas nospa-
mal vo as consas publicas, e o rarafiadd que a rece qui esta se operar ou cedo ou tarde, se as
anarchia administrativa lavra e se ira mu; tta- '' ntinurt-m como vo. Se algumas pala-
do, e que o paiz levado forgadamenie ao abys-1 iras podemos acereseenur, e, que convem por ter-
mo, roo aos dosconteutamentos. Faga-o o governo im-
E' sabido que a centralisagao de toqd Q p*d penal om quanto lempo, se nao quer compremet-
nm mal, e isto mesmo reconheceu arinal o actual ter a monarchia.
imperador dos Francezes que, sob a apparencia do
urna constituigao, reina arbitrariamente; entretan-
to o que parece ser ignorado pelos nossos ho-
mens de estado, se que os temos. Nao mui longe
de nos se acham os EsUdos-Unidos da America do
Norte : urna parte desses esudos se v em luu
Antonio Jos Barbosa Bahiano, Manoel Alves Fei-
tosa, Vicente Gurgel do Amaral, Manoel Pereira de
AZevedo, sua senhora e 2 escravos, Manoel Fran-
cisco Cuaba e 1 escravo, Franklin de Aleluia Mal-
veira, sua senhora, 3 filhos e 2 escravos, e Angela
Carolina de Almeda.
O hiate nadonal Exhalacao, sahido para o
Aracaty, conduiio 9 seu bordo os passageiros se-
grales :
Benedicto da Silva Saldanha e Joo Maria Soa-
les de Amorim.
REPARTICAO DA POLICA !
deE186aCl das parles do dia 18 de janeiro
Foram recolhidos casa de delengao no dia 17
docorrente :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Fran-
cisco Jos Correa, como desertor, Manoel Jos
Aleixo, Jos Antonio de _Lima, ou Sanios, Manoel
Luiz dos Santos, Jos Joaqoim de SanfAnna An-
tonio Alves de Frenas e Francisco Jos da Silva'
para recrutas ; e Bernardino de Sena SanfAnna.
por embriaguez.
O chefe da segnnda secgao,
/ G. de Mesquila.
Movimento da casa dedetengo do dia 17 de
Janeiro de 1865.
Existiam presos387; entraran)8 ; sahiram ii ;
existem 384.
A saber : nacionaes 310; estrangelros 15 ;
raolheres 3 ; estrangeiras 2 : escravos 49 : escra-
vas -Total 384.
Alimanudos custa dos cofres provinciaes 149.
Movunento da enfermara do dia 18 de janeiro
de 1863. '
CORRESPONDENCIAS
Srs. redactores. Pela primeira vez em minha
vida vejo-me obrigado a recorrer a imprensa.
a verdade de um fado, par
com outra parte corabalendo por causa da separa- c", k E
cao, e os motivos que allegara os que lulam por se- S2*? a yeL^ ae KT,,aCl?' pSr
parkr-se nao sao seno os desgoslos que tioham os J"?"cad ". erciclo da subdelegarla de
estados do sul em eonsequencia de leis favoraveis g d *2*g de S. Vicente e que foi
aos do norte. S Dos sabe como acabar aquella irazido, todo desvirtuado e revertido de falsas co-
guerra fralrecda ; mas, quando mesmo os do sul: 2*252 P f pe' Sr-Fraf,sco .Xa-
consigam subjugar os do norte, nuuca mais se re-: ^2*> ? Pr fres membros de um Inti-
siabelecer a harmona primitiva, e a uuio desses i^af" di'e^"" f,Prl,do l,eral "* frf?uezJa.
estados estar sempre exposta a novas lulas, por-1 u cnomn?mcald e em aaA ProJesto publicados
quanto os interesses se ciiocam, e os odios engros- cra seu "m\? de 13 do passado, dos quaes so ha
sam. Eutretanto tudo isto nao serve de ligo, e PuUCOS rt,ias "ve conheci.nento por corarauiilcagr,u,
parece que os homens que d.rigem os negocios :J me fez umraeu amigo,
pblicos do Brasil s procuram desgostar urna par-
te deste imperio tendo o pensamenlo oceulto da se-
parago; e, seoo assim, ento seus actos rev-
Assim precede, nao porque de nenhuma manei-
ra ligue importancia as que de mim tenha dilo,
ou possa dizer o Sr. Francisco Xavier e os mem-
bros do tal direc.orio, que nao passam de Ires
energura enos, mas to smente para que o publi-
co nao ooncid.ro o ... atlenvlu a l'SSB I c.-|,..to
como proveniente da impossibilidade de defeza,
quando com a verdica exposigo do fado posso
esmagar os meus aggressores, e por em relevo o
a dedurgo dessas queixas, ou antes d 1ue ,f> a"ancando as emprestadas pennas,
a sei a rom *lue tao asquerosas gralhas se procuram apa-
vonar.
Passo a fazer ver como se deu o fado, que ser-
vio de motivo a to importantes entidades sahirera
dos seus antros para exbibirem ao publico as
columnas do seu Diario.
Tendo-me ofOciado o delegado de polica deste
termo, em dala de 26 de agosto do aano prximo
passado, para que houvesse eu de proceder s con-
venientes pesquzas, afim de descobrir e apprehen
icurou contentar as'provincias'do" norle f",**?*^EX^g!? Lour,en5 da
>erio, sulTocaodo-se a idea por meio de % 'a- 2*2*hava desde 18b2 vendido neste
ma Ha f,n[.n h* <,Ii .i.nnn n d,slricto. conforme ao mesmo delegado havia sido
lam um fundo de inepcia tal, que s sentara em
im onvorn. fia mheCeS.
Em artigos de fundo ao uiano de Pernambuco,
publicados ltimamente, se tem apresenlado quei-
xas, infelizmente fundadas contra o governo geral,
e posto que seu autor diga que nao partidario da
separago,
suas aecusagoes, que a separago vira
eonsequencia, se nao se arrpiar carreira. Todos
sabem que se nao quer a separago, porque ella
seja por si s um mal, principalmente para esu
provincia; mas porque se temem as consequen-1
cias, que sern a guerra civil, e a subdivso das l
provincias que se separarem. Infelizmente all estad
esses raesmos Estados-Unidos da America do Norle,
e pde-se querer a confederagao, como j se quz
logo depois da abdicago do Sr. D. Pedro I; e, se en
lo se procurou
SrSVc^taTeln.'a^Tei^^ gg^Jg*r'!yy"g del^ad.
acto adaicional que deu-nos essas assemblas pro-1 22?22uJ! a & P0,,c,a ,da.fir?-
vinciaes, que so tem desconceituado e nulliticado, v'n^'a> '*fi logo de expedir com toda a sol.c.iude
nem mesmo nova reforma poderw^tT*ZZ\2Sr2SLS5l!SLSSfS a. ^f" d'"'
ter os descontentes, porquanloj sao bem conheci- ffc'as "J"0" alcan?eno uUuit0 de satisfazer ao
das as artemanhas da corte, o todas essas trafican- ^0e, deHa"'lL /x,gldu ein /uml""'mL'nl0 dos
cas eleitoraes anda mais eoBeerren para ang-! ^^2*!El}?''%!*0 de?m2. S"
mentar a descrenga e reproduzir os desgoslos. IJ?'' de *2!f& deP,s f'ue receb' d,t0 m:
, ;cio, em uuteis diligencias, sem que neuhum resul-
Cremos que corre ao governo imperial o dever tado colhesse dos meus exforgos, isto mesmo as-
de jittender seriamente a isto. Os desgotos se mu-1 sentei de communicar sem mais demora ao dele-
tipi|cam e engrossam, e em vez de satisfazer aos gado do termo, o que leve lugar em data de 26 de
reclamos das provincias do norte, reclamos funda- outubro prximo passado.
dos, os actos de notoria injustga e desconsiderago Depois da mencionada communicago foi-me
se repelem com frequencia, e ninguem deixa de participado pelo inspecior de quarteiro de Palma
reconhecer que-ha um pensamento mire os ho-'e Pindoba que no eugenho Caboculo, pertencente
mens do sul em rebaixar e enfraquecer as provin- ao Sr. Francisco Xavier de Andrade, e em poder
cas do norte, para que a cite domine desptica- deste, exista um mulalinho de nome Raymundo,
mente tudo sombra da j mutilada Constituigao, que dizia ser livre e que se achava reduzido
do mesmo modo que Roma dominavaos paizes con- escravdo.
quistado?. A' vista disto tendo occasiao de passar pelo dito
A incuria de nosso governo em sua poltica ex- engeaho no da 7 de novembro, em companhia
terna e causa de que o Rrasl se ache em guerra dos Srs. Jos Pedro Tavares de Moura e Jos Go-
com Montevideo e Paraguay. Desde muito os mes da Silva, aqui residentes, dirigi-me ao pro-
nossos pretendidos homens de Estado s tem pro- prietario do mesmo, de quera seno era amigo
curado raanter a paz entre as pequeas repblicas tambera nao linha o menor motivo para ser rai-
do Rio da Prala por meio de concesses pouco hon- migo, e fazendo-lhe ver que me constava possuir
rosas, e da corrupgiio ; mas disto ha resuludo que elle come escravo o dilo mulatiuhe, pedi-lhe que
de tempos a lempos se vo apresenundo candilhos, o fizesse vir a mnha presenga para o interrogar,
e para conte-Ios se torna preciso on dar-lhes di- ao que promptamente aonuio e mencionado pro-
nheiro para satsfaze-Ios, ou gasta-lo para conte-Ios prietarb.
rado-se neste caso satisfazer a ganancia de outros Sendo-me com effeito apresenudo o dito mula-
que por esse meio e com o nosso auxilio se tornam tinho declarou elle em resposta as perguntas, que
lemiveis e voltam-se conlra nos. Estamos pois em ihe fiz o na presenga do mesmo Sr. Francisco
luU com duas dessas republiqneUs, e os nossos ir- Xavier, e das pessoas, com as quaes me dirigir
mos se acham expostos aos furores de urna guerra ao seu engenho, que o seu verdadeiro nome era
de solteadores, ja tendo corrido o nosso sangue : Jos, que elle era livre e natural do Pianc, don-
quasi que podemos apostar, sem receio de perder, de tintia sido conduzdo por um descouhecido,
que a maior quanlidade do sangue que ha d ser que nesta provincia o vendeu com o nome de Ray-
derramado sera dos Pernambucanos; entreunto mundo Flix da Rocha, morador neste termo,
Pernambuco nao a provincia mais populosa do sendo depois disto vendido pelo mesmo Flix da
Imperio, nem a que se tem de lisongear por causa Rocha ao dilo Sr. Francisco Xavier de Andrade
dos favores do governo imperial, sendo todava orna no anno de 1836.
das qne mais tem concorrido para o engrandec-; Pelo que declarou o mulatioho, de que se tra,
menlo do paiz e remetle urna grande parte das ren-' convenci-me de que nao era o mesmo, coja ap-
das que alimentam a corte. Minas, a provincia de prehengo me fora recommendada, mas tendo
Minas sem conlestago a que maior populago elle declarado que era livre, e comprehendendo o
tem ; a que continuados favores obtem, avulun- Sr. Francisco Xavier que em visu de tal declara-
do entre estes as concesses sua va frrea, con-' gao, polica competa ir adame em suas inves-
cesSes que compromeltero alumente as rendas ligages, bem longe de collocarse na opposigao
do Imperio e serao urna das causas de sua des- que era semelhante conjonctura devia assumir un
graga, e se diz que o Brasil est sendo dirigido homem, que se diz to probo e honrado, e que se
desde algum tempo segundo as insplrages de um inculca to Ilustrado e sapiente, nao obstante pas-
de seus fllhos, desse 'jue, para dar gloria sua sar para todos que o conhecem por um completo
patria^disse que o primeiro grito de liberdade par-; analphabeto, ponto de pouco mais saber do que
tjo de sua provincia, esquecendo-se de que esse gri- assigoar o proprio nome, pelo contrario ficoa lodo
to parti de Pernambuco, cajos fllhos tem por vezes furioso e despeiudo, nao duvidando asseverar
ensangaentado os patbulos por amor a essa lber- desde logo que o mulatinho traba side Insinuado
dade, e derramado sempre com glora sea sangue t para a referida declarago, o que fez de envolla
em todos os nossos campos de balalha ; entretauto. com inoumeras parvoices, concluindo por fazer-
a provincia de Minas nao manda nm soldado para [ me ver que o seu engenho nao pertencia ao dis-
o ezercito, e seas deputados e senadores em nu- trido de minha jurisdiego, e sim ao do subdelega-
mnrA mlilii rt i" ("illa e\c fin nirtn nmn >->> i no .< nn -1 ~ Jn (* .- .-.. >. u ^ e__________ a. i ,>
mero maior do que os de cada urna das outras pro-
vincias do imperio concorrem com seus esforgos
para que toda a forga da nagao se encamlnhe para
o sal, tudo empregam para que essa reosuravel
centralisagSo se ruantenha, por que della se apro-
veium, e em ama das ultimas reuniSes dos depu-
tados, quando se tratava de volar as concessOes,
do de Cruangy, que faz parte do termo de Goanna
pelo que nao poda eu continuar em miuhas pes-
quzas esse respeito.
Quando me dirig ao engenho do Sr. Francisco
Xavier para o fim mencionado, achava-me persua-
dido de que elle pertencia ao dislrirto de minha
jurisdegao, mas desde que o contrario disto me
a rommunicar todo o occorrtdo, como o fiz, ao
delegado do termo, afim de que este da mesma ma-
neira procedesse para com (j Dr. chefe de polica
da provincia, declarando, entretanto, qne nenhum
lundamento tinha o Sr. Francisco Xavier para
dzer que o mulalinho a que me retiro, tinha sido
insinuado, para fazer a declarago, que lauto o
conlrariou, visto como para isto nenhum interesse
absolutamente havia da parto de pessoa al-
guma.
Era vista da exposigo, que com toda a ezac-
tidao acabo de fazer, do fado, pelo qual fui
estigmatisado, e qae felizmente foi presencia-
do, desde o principio at o fim pelos dous
referidos senhores, com os quaes me bava diri-
gido a casa do Sr. Francisco Xavier, de toda a
evidencia que de nenhuma forma se pode elle
presUr faier-se-me com fundamento a menor
arguicao, nem mesmo pola circumstancia de per-
tenec- outro distrcto o engenho do Sr. Fran-
cisco Xavier, attendendo-se que navendo eu
entrado pouco antes no exercici da subdelegada
deste distrcto ignorava ossa circumslaocia e que
apenas tve sciencia della me retirei do engenho
do mesmo Sr., onde me havia apresenlado sem
forga alguma, accrescendo ludo isto que os lmi-
tes deste distrcto com o de Cruangy achavam-se,
e anda se achara, mol confusos e indeterminados
em mais de um ponto, o que j me levou solici-
tar do delegado deste termo a indicago clara e
precisa dos referidos limites.
E se Isto assim e se por nenhum dos meus
superiores foi al o presente extranhado o meu
procedimenlo, me por certo totalmente ndifle-
rente que tenha elle acorrido no desagrado e cen-
sura de qualquer brutamonte e que tenha dado
lugar s arguiges, que contra mim foram pu-
blicadas em seu Diario pelo Sr. Francisco Xavier,
e pelos que o acompauharam nesse empenho,
sendo de noUs que entre riles figure um padre,
que to mal comprehende o carcter sacerdotal,
de que se acha revestido.
Causa riso ver o esforgo da Sr. Francisco Xa-
vier em se apreseotar como victima da poltica
em tudo quanto se deu acerca do dito mulatinho.
Pois o qu*j tinha de ver apoltica com o dito fado,
que nao passou de nma simples avenguago,
que tve de proceder em virtude de ordem supe
rior, e quando o Sr. Francisco Xavier, retirado
sempre vida privada, oenhuraa parte tem toma-
do al esta data nos negocios pblicos desta locali-
dade, nem nos de outra qualquer, de forma que
contra se tivesse creado alguma indisposigo poli-
tica ? S o Sr. Francisco Xavier de tal se lem-
braria.
Quanto a dizer o Sr. Frincisco Xavier e os tres
do directorio liberal que o referido molatlnho fra
insinuado para declarar que era livre, e que fra
eu qnem o mandara insinuar, chegando al a d-
zerem que possuiam as provas de semelhante as-
severago, affirmo com toda a iranquilidade de mi-
nha conscencia, e sem qne tenha o menor temor
de ser confundido, que inteiramente falso tudo
quanto foi dito a esse respeito, desde a declarago
de tor sido insinuado o mulatinho, at a assevera-
go de possurem provas de tal insinuago, que
certa mente nao sero|capazes de as a presen lar em
tempo algum.
E sao aquelles, que s teem na bocea as pala-
vras honra e dgnidade, e que estultamente que-
rera at fazer monopolio dellas, os que procedem
de um modo to deploravel, sem verem na ceguei-
ra do injustificavel orgulho, de que se acham pos-
suidos, o risco, a que se expoe, de serem aoresen-
tados ao publico taes quaes sao, e de ficarem gra-
vados com o estigma infamante de despresiveis
calumniadores, com acaba de succeder.
Nao aceito a despropositada provocagao, que me
dirigi o Sr. Francisco Xavier, para provar que o
dito mulalinho realmente escravo, visto como
nao rae corre o dever de apresentar semelhante
prova. Principiei comoautondadu policial a proce-
der a urna averiguigao acerca do dito mulatinho a
qual deixei de ultimar por chegar ao meu conheci-
mento que o engenho do Sr. Francisco Xavier nao
pertencia ao meu distrcto. Nada mais, portanto,
me cumpre fazer a esse respeito, e muito menos
provar cousa alguma em relago ao mesmo mola-
tinho.
Devolvo todas s invectivas e grosseiras insi-
nuages, que superabundam mea-respeito no
communicado, e protesto, de que rae oceupo,
aquelles que as jogaram conlra a minha pessoa, e
que nao podendo encontrar em minha vida, qur
publica, qur particular, um s facto, com que po-
dessem acabrunhar-me, nao duvidaram langar
mo, para nm nisie dusabalo, desse recurso, que
s pode desacreditar aos que nao lera pejo de o
emuregar para seus Iras.
Teno dito quanto bastante para defender-me,
e achando-me anda isento, felizmente, do prurido,
que de certo tempo a esta parte lera accommeltido
a cerlos individuos aqu residentes, e os tem leva-
Jo fti'rm.inhr n<* prplo? da provincia Com pro-
testos, correspondencias, man fesios.e.onimunicados'
abaixo assignados e nao sei mais o qne, dando as-
sim lugar a serem Irazidosaluzda imprensa muitos
nomes,que sem istotalvez nao fossem nunca visios
em letra redonda, nao desejare que tenha maisorca-
sio de dislrahr-me das minhas oceupages, afira
de vollar s columnas de seu Diario para respon-
der a aquelles que nao lendo em que empregar o
precioso tempo, assenlaram de se tornar clebres,
fazendo chamar sobre si a allengo publica de um
modo, que por certo ninguem que se prese Ihes
chegar a invejar.
EngeDbo Diligencia na freguzia de S. Vicente,
16 de Janeiro de 1863.
Pedro da Cunta Catalcauti de Albuquerque.
Illm. Sr. redactor da Revista Diaria.A propo-
sito das observagoes, que na sua acreditada Revista
teem apparecido acerca da agua potavel em Olin-
da; julgo de interesse publico lerabrar o se-
grate :
Fresco est arada na memoria de lodos, que a
agua que era Olinda e no Recife se beba era pessi-
ma; uo podendo deixar de s-lo, visto como era
conservada em um grande acude chamado pantano,
juocado de hervasSrauaticas, que davam a lympha
mau sabor, e urna car avermelhada.
Na administrago to Sr. conselheiro Jos Bento,
foi encelada a canalisago superior do rio Beberi-
be, havendo precedido plano e orgamento, execu-
tado gratuitamente por um dos mais habis enge-
nheiros do paiz, o Sr Conrado Jacob de Nyemer,
que por aquella presidente fra chamado da
corle.
Desde ento deixoa de ser reconstruido o isthmo
dos Arrombados, nao obstante as reclamagoes
do novo de Olinda, que, acostoraado com aquella
agua avermelhada, nao cootava com melhor. Mas
lii-ou salisfeilo, quando vio que a agua lmpida do
Beberibe chegava ao Varadoro pelo canal, que se
eslava abrindo com a maior presteza. E foi quan-
do deixou Olinda de ser annnalmente flagelada
pelas febres intermitentes, resultado nfalivel das
eraanagoes deletenas do tal charco, dominado o
pantano.
o plano do coronel Conrado, approvado pelo Sr.
Jos Bento, era : canalisar o rio supenor do Bebe-
ribe, deseccar o pantano (que era propriedade pu-
blico) praticar duas excellenies estradas a margem
do canal, e dividir o terreno desalagado em quadras
para o esUbelecimento de bellas chcaras, que
deviara dar agradavel e til aspecto ao vale de Be-
beribe.
A' este encanamento superior devia correspon-
der o encanamento d rio inferior, desda o Vara-
doro al o Recife, offerecendo livre navegago a
toda a hora, independente de raar. AJm disto
poder-se-hia levar baixas ao Recife todas ai aguas
do Beberibe pela estrada de Santo Amaro ; Orando
assim resolvdo o problema do fular* engrandeci-
raenlo de Olinda, que mai de pressa formara urna
s cidade com o Recife.
Esu grande obra, excelentemente planejada,
achava-se j em execucd, lendo-se nesse sentido
construido a ponte de ferro do Varadoro, quando
findou a administrago daquelle presidente, (cando
a obra condenada, como a do Gymnasio.
Se o Exm. ir. Peretli qmzer, como devemos
suppr, langar suas vistas sobre o assumpto, acha-
ra na secretaria toda a historia, todos os planos
da obra, que alias foram publicados naquella
poca.
de que fallamos, a via frrea de sua provincia, dis- foi asseveradf pelo mesmo Sr., nenhuma duvida
se que esus concesses deviam ser votada, aioda | tve em retirar-me logo do seu engenho, disposto
Srs. redactores.Os abaixo assignados pedem a
Vmcs* a Insergao das seguales liabas no seu
conceituado Diario, confessando-se desde ja sum-
mamente agradecidos por ei Amphilophio Botelho freir de Carvalho.
Manoel de Cerqueira Mendes.
Salvador Borges de Barros.
Viemos annanciar ao respeitavel publico que se
acha aberla a subscrlpgo para a preciosa obra do
Rvm. frei Antonio da Virgem Mana Ilaparica, es-
cripta em refulagao aos perigosos erros dessimina-
dos pelas biblias falsificadas, que entre nos correm
espalbadas pelos emissarios da sociedade bblica e
outros operarios da propaganda protestante. Che-
gados de pouco, e quasi desconhecidos nesta cida-
de, difficilmeote podonamos angariar subscrip-
ges para a obra do Rvm. fre Ilaparica, sem re-
correr imprensa ; pelo que, e pela reconhecida
ulilidade de obras Ues, como exigua prova de gra-
tdao, e recordagao saudusa das maneiras afTaveis
do nosso mestre desvellado e amigo sincero, pedi-
mos ao Rvm. frei Iuparica a devida venia para
publicar estas mal tragadas linhas, o transcrever
abaixo a caria qae porS. Rvm. nos foi dirigida.
E' coslume preceder a represenlaeao de urna
obra da naiureza desla, urna justa e esclarecida
apreciago da mesma, mas os leitores pdenlo fa-
ze-la melhor do que nos, que nos confessamos
ineptos para antecipar juizo algum.
Todava, com ser urna grande illustrago Baha-
na o autor da obra, que annunciemos (como tal
unnimemente reconhecido por aquelles que bem
o podem fazer). diremos sempre que o maior en-
comio que se pode tecer a sua obra, tornando-a
sobremaneira recommendavel, o proprio nome
do autor, grande ornamento da ordem a que per-
tence.
Copia da carta a que nos referimos cima.
Tendo nos publicado urna brochura com o sim-
ples ttulo deoesoito epstolasas quaes pro-
curamos rombaier as doutrinas protestantes, qae
pela predica e divnlgago de biblias falsificadas e
de dfferentes escriptosiohos lem-se por toda a
parle, aqu na Baha, espalhado, certo de que nao
poupamos esforgos para traannos as materias de
um modo adaptado qualquer inlelligencia (quan-
to o comporuva a sua profundeza) e dar-lhts urna
tal pujo a I agradabilidade,dirigimo-nos philan-
tropiTlos senhores que queiram prestar, nao di-
remos um servigo s lettras, mas um tal cu qua
servigo religo, para mereeermos a honra de
sua assignatura.
A brochura contm 31o paginas e ornada com
urna santa efflgie de Nossa Senhora da Cmceigo
na frente.
O prego de cada assignatura de i#.
Baha, 10 de dezembro de 1861.
Frei Antonio da V. Mara Itaparica.
As pessoas que quizerem fazer-nos o obsequio
de snbicrever os seus nomes, podero dirigir-se
ra da Aurora n. 4i, priraeiro andar.
Amphilophio B Freir de Carvalho.
Manoel de Cerqueira Mendes.
Salvador Borges de Barros.
PBLICAgES A PEDIDO.
CURA
Espantoza e Admiravel
DE TJMA tHAGA
GANCHOSA E ROEDORA
oo
POLYPO !M XARIZ.
l*ma.creada da servir residente un Pernam-
buco e pertencente Ex1?.' Seilr Vjscohdessa
ve Ooi OtA, foi attacada d'tima terrivel cha-
gn ennerosa e roedorou Polypo no Nariz.
A mesma involvia e tomara todo a parte in-
ferior do nnriz, amea^ando j distruir tanto a
parte cartilaginosa como o mesmo oso ; Come-
?ou primeiro por apparecer sob o beico supe-
rior e parte da face, extemtendo-se por tal
forma e com tal rapidez, que em pouco amea-
cava transformar todo o rosto n'uma enorme
cliarga viva e asquerosa. Durante todo este
terrivel estado, todos os recursos medicnaes
que em taes cazos se nzo forio abundanto-
mente ciuprcgados, sem que de leve 6zcsse
parar a marcha lenta e distraidora de ta hor-
rivel enferniidade, e todos os meios e eeforcos
forio baldados, e no em tanto o mal cresca eis
que por milagrosa fortuna da infeliz estando
as couzas neste ponto, se exporimentou pela
vez primeira a
SALSAPAREILHA
DE BRISTOL.
O effeito produzido, quasi que instantneo
por este inestimarel remedio foi verdadeira-
mente mararilhoso e sem igual; este grando
purificador do sangre e dos humores do sys-
tema, immediatamente pz um termo mar-
cha disastroza e fatal da molestia, derramndo-
se e infiltrando-se atrars dos tecidos os uaig
delicados do corpo, expellindo at ultima
propriedade ou vestigio virulento da melestia,
e dentro d'um curto espaco de tempo produzio
urna
GURA
Completa e Radical.
Este feliz quito admiravel resaltad* foi obti
do apenas com o simples uso
D'uma so imita Garrafa!
d'este incomparavel e napreciavel depuratorio,
recommendamos portanto todos os Doentes
que procurem obter com o maior cuidado a
nica e rerdadeira Salsaparrilha de Bristol,
nicamente preparada por
L ANM AN & EEMP.
De 1VOVA YORK,
na certeza de que, todas as mais preparacoe
imitativas nao valem para couza alguma.
Vende-se as boticas de Caors A Barbosa,
e C. Bravo 4 C.

SOMMERSIO.
Alfandega
Rendimentododia la 17......... 340:597^270
dem do dia 18................. 28:J33347

368:83017
tlovlmento da alfandega
Velamos entrados com f azendas... 437
com gneros... 194

>
V ,
631
Volumes sabidos com (azendas.. 99
> com gneros .. 908
----- 1,007
Descarregam no dia 19 de janeiro de 1865.
Vapor inglezGladiator-mercadorlas.
Barca inglezaMimosadem.
Barca franceza Gutlherme Teldem.
Barca inglezaIsabella Ridley bacalho.
Patacho inglezBusybacalho.
Patacho nacionalPalmadiversos gneros.
Lugre InglezAVf/iurrarvao de pedra.
Patacho inglezAl. E. CormitiQ carvo.
Recebedorla de rendas nter-
na* geraes de Fernamlmco. -
Rendimento dodia 1 17......... 9:949179
dem do du 18................". 1,169*795
11:118*974
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 17........ 71:144,|451
dem do dia 18............... 5:146*394
76:260*845
V
v
II FWFI



Mario de Peraanibneo x tirria fcf rs f II de andr de 185
MOYIMENTO DO POETO
Navios entrados no Ha 18.
Terra-Nova 34 dias, bsrca iiigleza Isabella Ri-
dley, de 834 tonelada, capito Richard Bulley,
equipagem 12, carga 2,980 barricas com bac-
Ihao; a Saunders Brothers & C.
Rio de Janeiro 18 dias, barca ingleza Julia, de
360 toneladas, capito Josheva Cax, guipagera
41, em lastro ; a Thomaz Jefferies.
Havre38 dias barca franceza Gu'aume Tell, de
396 toneladas, capito Le Bourgeois, equipagem
15, carga fazendas e ouiros gneros ; a Tlsset
Frere & C.
Aracaty3 dias, vapor brasileiro Mamanguape, de
337 toneladas, cornmandante Manoel Rodrigues
dos Santos Moura, equipagem 20. carga algodao.
Rio de Janeiro22 dias galera poriugue/.a Ada-
mastor, de 515 toneladas, capito Jos Viegas
dos Santos, equipagem 20, em lastro ; a ordem.
Sahido no mesmo da.
Araeatyhiate brasileiro Exkalaro, capito Tra-
jano Aulunes da Costa, carga dilTerentes g-
neros.
EDITAES
LE II OES.
.ello de moris.
Martios fara leilao de urna rica raobilia de ja-
caranda constando de 18 cadeiras de guarnieao, 4
Leilao quinta-feira 19 do corrente a ra da ditas de bracos, i sof, 2 consolos e orna mesa la
TndAia n ni rae' de sala> owellente piano aovo, 1 cama
m 0m '. franceza de Jacaranda com cortinados, 1 roncador
IIOtlK. i de dito, 1 lavatorio de dito com jarro e bacia de
Pelo agente Euzebio. .porcelana, 2 guarda vestidos de amarello oovos, 1
De um sitio com casa de vivenda e portao de guarda roupa de mogoo, 12 cadeiras de amarello,
ferro ao lado, a beira da estrada do Monteiro, jun- i so1* &. dil. 1 guarda louca de dito, um apara-
to do do Sr. Passos, o chao proprio, e a casa dor de dito, 2 commodas de dito, 1 quartlnhelra
nova e felta a moderna, est bera edificada, tem de amarello, ricos jarros de porcelana, i candela-
commodos para numerosa familia, alera de outros l tro, l sorpentinas, diversos enfeites para touea-
no sitio como casas para criado, cocheira, cacim-: dor, 1 apparelho de porcelana para jaotar, 1 dito
ca, etc., sae convidados os preteodeotes ao previo de dito para al moco, talheres, garrafas, copos e
exame, existe na casa pessoa para abrir e mostrar ontros vidros de gosto, diversas pecas de prata no-
Leilo quinta-reir 19 do corrate.
Mi
De urna casa terrea n.41 sita a ra da Soleda-
de, chao proprio, ser vendida em leilao pelo
agente Euzebio, naquelle dia as H horas : os pre-
tendentes sao contfriados a ir examioa-la, urna
casa em ponto alt^alm de duas salas tem 6
quartos, cosinha fora, quintal grande e eulras cora-
modidades para familia numerosa.
** Feira semanal
DE
vas e usadas, 1 machina de costura floa e outra
que serve para coser obras grossas.
Na mesma occasiao vender
urna casa terrea dividida em 2 que rende 1t&
mensaes na ra Imperial n. 260, e 5 partes de
outra casa na ra da Roda n.|18.
Terca-feira 24 do corrente
Na ra do Queimado n. 6, segundo andar.
fISOS DIYEBSOS.
ODr Luiz de Albuquerque Martins Pereira, dele" EPaslesnOVOS 6 HH, FeleglOS, eSCPa- aceitantes das letras que vio adianle declaradas,
VOS, ObjCCtOS de OlirO e OUtCOS IUUtOS artigos
nodfu
Quinta-feira 19 do corrale as 11 horas.
53Ra da Cadeia do Recite armazem 53
OLYMPIO
gado do 1 districto desta cidade do Recifc de
Pernarabuco, etc.
Faco saber a quem ioteressar possa, que as au-
diencias desta delegada ter lugar na -ecretaria
de polica, duas vezes por semana, em os dias se-
gundas e quintas-feiras, as 10 horas da maohaa.
Cilade do Recife de Pernambuco 12 de janeiro
de 1865.Eu Guilherme Augusto de Attahyde,
-escrivo, o cscrevi.
Luiz de Albaquergue Martins Pereira.
cidado Antonio Carneiro da Cuiiha, juiz de paz
do 2 dlstricto da freguezia da Boa-Vista, em
virtude da lei, etc.
Faco scienteque as audiencias destejoizo tero
lugar as segundas e quintas-feiras, as 9 horas da
manha, em a casa de sua residencia, ra dos
Coelhos n. 8 A, e quando orem esses das santifi-
cados ou feriados, ser a audieocia no dia se-
grate.
Recife 13 de Janeiro de 1865.Eu Francisco de
Barros Correia, cscrivo que o escrevi.
Antonio Carneiro da Cucha.
Perante a cmara municipal desta cidade ; horas no armazem a ra da Cruz n. 57.
atarlo novaroente em praga nos dias 21 e 28 do
corrente cora o abate da quinta parte para serem
arrematados por lempo de um anno, por quem
maisofferecer, os impostos segrales : dizimo do
capim de planta avaliado por 800,5800 rs., gado
stiluo por 53.600, e gado velhum por 1*636: os
pretendentes podem comparecer nos mencionadas
dias com seus fiadores habilitados na forma da lei.
Paco da cmara municipal de Olioda 14 de Ja-
neiro de 1865.
Joaquim Cavalcanti de Albuquerque
Presidente.
Marcolino Dias de Araujo
Secretario.
traosacgao, visto ter o mesmo abaixo assignado
perdido a sui cartelra de algibeira, quando indo
I cobranca teve de. passar da estacao de Frexeiras
j a das Cinco Pontas, tocando em algunas interme-
dias e tendo maior demora na da Boa-Viagem : 2
! letras aceitas pelo Sr. Antonio Peregrino Cavalcan-
i ti de Albu juerque, em 11 de abril de 1863, venci-
i das no Io de novembro do mesmo anno, sendo urna
; de 807,5527 e a outra de 62*215 ; duas aceitas no
vender emlenotrastes, objectos de ouro, es- ~ohreg^K'pncS' tttS*!*
cravos de ambos os sexos, relog.os, correales pa- cant sendo i(m J
ra ditos, santuarios, cand.e.ros a gaze outros rau,. I em,;ro d(j ,863 e a outra*de 1:4iw|9vncida
noteuao. em 8 de dezembro de 1864 ; b
era como u n uutra
tos artigos que estaro patentes no dia
Leilao de 7 saceos com cera jace,ta em 13 de marco de-1863 pelo Sr. Francisco
de carnauba. Seraphlco de Assis Vasconcellos e vencida era 13
4& wm? ^e ^nem^ro do mesmo auno, da quanlia de 6 ;
.jf icj sendo todas estas cinc letras sacadas por Jos
Cordeiro Simoes vender em leilao pelo maior Goncalves Malveira e nao estando nennuraa dcllas
prego ao correr do martello 7 saceos com cera1 endossadas pelo dito sacador, esto alm disso ru-
branca para velas, sera ellecfuado o leilao as 11 bncadas pelo lllin. Sri Dr. juiz de direito especial
do oommercio, em consequencia de teretn ellas si-
do mencionadas no inventario a que se proceden
por occasiao da fallencia da firma social de Jos
Leilao de urna casa terrea uova cdili-
ciam.
ECLiEASOES.
C ilxa flllal do banco do Brasil
em B'ei'oam neo.
14 de Janeiro de 185.
De ordem da directora desla caixa, se convida
aos credores de -ebasliao Jos da Silva a virem
receber do tbesoareiro da inesraa caixa o que em
rateio Ibes toca da venda de urna das propieda-
des, que segundo a concordata, Ike foi entregue
para serum vendidas.O guarda-livro,
'.guaci Nunes Correia.
Existe nesta subdelegada, e ser entregue a
quem provar perleucer-lhe, duas cabras (bichos)
urna cun cria, duas garrafas de essencia de alfa-
zeiua e una deamz, dous copos lapidados, tres pa-
res de efcioellas e ura chales de lia.
SubdelegacU de polica da freguezia da Boa-Vis-
ta 16 de jaueiro de 1865.
Decio de Aquino Fonsece.
Coosellio ailmiiiislralivo.
O conselbo administrativo para foroecimento
do arsenal de guerra precisa comprar os objec.os
seguimos :
Para o 9" batalhao de infantaria.
8 cornetas com boreal, pontos e voltas.
8cord5es para as ditas.
32 ditas de laa para canudos de inferiores.
10 jogos de malas de sola cora fechadura.
Cada em ChOS forciros Da roa do Marques dos Santos Aguiar >S; C, a que perlen-
Socego u com 2 salas, 2 qaartos,
cosinha fora, cacimba e quintal mu-
rado, a qual rende 20$ mensaes.
HOJ.
Outro sim, roga o mesmo abaixo assignado
qual raer pessoa, que achou ou adiar dita cartei-
ra, de rcstilui-la, visto nada mais conter alm des-
tas letras, se nao notas particulares e papis insig-
nificantes que nada aproveitando a eslranhos, al-
Cm M FORTIM
AOS 6:000.000
Bilhetes garantidos
1' raa do Crespo o. 211 casas de costuaf
O abaixo assignado vendeu nos seus muitofeli-
zes bilhetesgrantidos da lotera, que seacabou
de extrahir a beneficio da Santa Casa da Mise-
ricordia, os seguales premios:
Dous quartos n. 1902 com a sortede 6:000,5000
Um qu irlo a. 916 com a sorle de 500J>u00.
15 ouiras inuitas serles de 200, 1000, 40* e
20^000.
Os possuidores podem vir receber seus respec-
tos premios sera os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se venda os da segunda parle da
dcima pnioeira lotera a benecio da matriz
da Bia-Vsta, que se extrahir no
corrale.
Preeos.
Bilhetes inieiros..... 7*000
Meios......... 3*500
Quartos........ 1*900
Para as pessoas que compraren!
de 100* para cima.
Bilhetes....... 6*500
Meios........ 3*250
Quartos........ 1*700
Manoel Martins Fiuza
Preclsa-se de urna ama para cozinhar : na
roa do Imperador n. 57.
Precisase alugar urna cozinheira forra ou
escrava, e que saiba comprar : em Santo Amaro
junto a fundico do Sr. Starr.___________^__
Preclsa-se de urna ama para comprar e co-
r-iohar para urna casa de pouca familia: na ra
das Cruzes segundo andar n. 36.
Precisa-se de ama ama para engoinmado,
para casa de pouca familia : na ra Direita n.
112, sobrado.
Precisase de urna ama de leite sera illio :
a tratar na ra Augusta n. 24.
PILULA9 VKCST.Ui
DO
DR. AYER.
Nao ha neeessidade mais ge-
ral em lodos os paizes do que a
de um purgante que seja ao
mesmo lempo anoceule, eilka/.
e digno de toda a conianr/a.
As pilulas que ora offerece-
mos ao publico preenclien esta.*
condises ; pois podem ser to-
mada pelas pessoas mais iracas
sem perico pigitm, nao tendo em
sua composicao mercurio nem
outro ngredienle nocivo satt-
de, mas ando composto de a-
MUDANCA.
Manoel Ferreira Pinto Malheiro mudou a sua 9
loja de ourives da ra das Larangeiras para a ra >
do Cabula n. 2 B, onde espera continuar a mere- ^
car a confianca de seus amigos, e do publico em
geral.
Aula particular
da ra do Cabug, 2a audar, entrada na das La-
rangeiras n. 5.
Mara Caodida Bandeira Magalhaes faz sciente
rtil Srf^iin a(5s "lms- Srs- pais de suas alnmnaf e bem assim
aorespeitavel publico, que no dia 19 desle mez
continuar a fuucconar com a costumada dedica- gentes vegetaes mu fortes, sao bastante
gao no aperfegoamento das dseipulas,como j tem eficientes e activas para purificar OS corpos
dado as provas satisfactorias aos senhores que tem i mais robustos
couliado suas meninas nesla mesma aula. ,,. .., ,/ .,. ,
me ta^asift.fWE^ piluias exploram e purifican) toda
Vi mk~m1W&&WRSnm a extenso do canal alimenlkio, e do vigor
O bacharel 8 a lot*as as partes do organismo, corrigindo
j|| sua accao viciada e fazendo recuperar sua
' vitalidade.
Um remedio inestimavel contra dr dr
cabera nervosa, enxaqueca, priso do ven-
tre, hemorrhoidas, molrttias do fijado, fe-
ble gasro-hepatica, c todas as molestias
biliosas que teem sita origem no entorpeci-
: ment do ligado que causa a eseassez da
Francisco Augusto da Costa M
ADVeOADO
Ra do Imperador numero
69.
Aviso.
w-i--------t------------------------r-c------------ 2 fawnda Meio-dia, na comarca do Brejo da bilis na nflammacao d'este Ol'uao que pro-
praT Z ua S1s7reS7^,,^7/und?an^dar^OI,,' Madre dSP^ ^ do a"aixo ^^o uin ?" duz ^'n-amamento da bilis no estomago ou
pr^r_^a j;ua_Qjisj,ruzesn._a, segundo anar. escrav0 de nomc Kltl> s so M s deirranin wnl Ana nn-lns L
lastmceo primarla. tes : cr.oulo, cor fula, idade 23 aunos, estatura ^'. um at-?''rianJ geral dos orgaos rtigcs-
Joanna Villar Frreira Pinto scientifica nao s um ,a,ll Daixa. mbertie, ps pequeoos, nariz UVOb-
aos films. Srs. pais de suas alumnas, como ao res- Rrossos, olhos pequeos, faltandolhe alguns den- A ictericia
peitavel publico, que sua aula se acha abena d<;s- tes queixaes da parle superior do lado esuuerdn, produ/.ida pela absorpeo da bilis n'
de 9 do vigente, e que continuar com o mesmo P'oque mostra ter d.-r.;ituosa a bocea : assim pe- sanue dando 'i nelle p an zeloeamisadeavelarnoprogreesodesnas edu- de-se a qualquer capito de campo, o mesmo a EtoJi* JL &HZ TSLf
candas: ra larga do Rosario n. i4, sobrado de nualquer autoridad^ que em seu districlo appare- ajli'iahtnia n.lO e SOmenle dolorosa por
um andar.
Aluga-sea cocheira da ra da Roda n. 56
a tratar na ra larga do Rosario n. 34, botica.
Por intervengao do agente Pinto, na nraca doigum tr,ansto"o causara quelle aquemperlencem;
Commercio era frente a casa dos Srs. Palmeira Prendo dingir-se a ruaVellia n. 27 2 andar, ra
& Bfltro. Os pretendentes podero desde j exa- da Lade,a.J" 4 ou a rua do Imperador n. 12, que
minaren a dita esa. sera graiiBeado,
Recife, 17 dejaneiro de 186o.
Leilao de rao eis, carrocas, pianos e |
outros nimos de*gosto
HOJE
Cordeiro Simoes far leilao de diversos me veis
novos e nsados, crystacs, pianos, secretarias, san-
tuarios de Jacaranda com imagens e oulros rauitos
objectos de gi-sto.
No armazem a rua da Cruz n. S7.
Leilao de urna ocrava de 35 mmc
un niulalinho de 9 anuos
HOJE
No armazem a rua da Cruz n. 57.
Cordeiro Simoes vender em leilao urna crioula
cosinlieira, engoinmadeira e com outras habilida-
des, e um mulatralio de 9 anuos proprio para pe-
gem e apto para aprender qualquer oIBcio.
Leilodc nina morilla de jaca-
randa.
linje as 11 li iras.
No armazem a rua da Cruz n. 57.
Jos Marques dos Santos Agotar-
Instituto Arcbcolegico e GcograpuieolVr-
nanbucaao.
ll.ivcr.i sesso ordinaria quinta-feira 19 do cor-
rente, s 11 horas da manha.
ORDKM DO DIA.
1.* Pareceres de commissoes;
2." Discusso do programla para a fe.-ta do
anniversario.
Secretaria do Instituto, 17 de Janeiro de 1863.
J. Soares d'Azevedo,
_________________Secretario perpetuo.
&^r;
Aos <:00b00.
Quinta-feira 2 jtrahir a segunda parle da decima primeira
; lotera (3a) a beneficio da matriz da Boa-
IVista, no consistorio da igreja de IS'ossa
Cordeiro Simoes vender era leUSo urna mobilia Senliora do Rosario da l'regueia de Santo
de Jacaranda com tampos de pedra.
Leilao de fazendas. -
Augusto C. de Abreu f ir leilao por interven- p
I gao do agente Pestaa, de algo lozmho avariado i V n. lo.
d'agua salgada, e em seguida vender lazendas
ilimpas Inglesas elrancezis, proprias do mercado:
I hoje 19 do corrente s 10 horas da mauha em
scu armazem rua da Cadeia.
A ntono.
Os billietes, meios e quartos esto a ven-
da aa respectiva thesouraria rua do
fjiwm quizer vender laes artigos aprsente suas
proposus em caria fechada na secretaria do cense- Lcilo de importantes dividas.
id administrativo, s 10 horas da manha do da. Martins levar novamente a leilao as dividas
20 do rorrete.' 'activas da massa fallida de Joaqu'm YiciraCoelho
Sala das sessiks do conselho administrativo para & c. na importancia de 81:061^321 rs., sendo
firnocirneuto do arsenal de guerra 16 de Janeiro O0:o8l96a era roma de livro e 31:079,5359 em
de 1855. \ letrase servindo de base a ulTerta do ultimo leilao.
Antonio Pedro de Sa Brrelo, Sexta-feira 20 do correte.
coronel-presid. nte. Em seu escriptorio rua da Cadeia n. 9, ao meio
SebastiBo Anlonw do liego Barros,' l3m
vogal secretario interino.
Delegada de* polica do primeiro districlo do termo
da cidade do Recife 18 de Janeiro de 1865.
Quera tiver direito sobre o menor Manoel, cor
pretA, que diz ser livre, nao exislireui seus pais e
|aver deixado certa casa na Boa-Vota, onde era
maltratado, comparega oesta delegacia para, pro
vando qoanto baste, ser-lhe restituido dito menor,
que foi encontrado a vagar pelas ras da fregue-
zia do S Frei Pedro Congalves, na noite de hon-
tem. O delegado,
L. A. Martins Pereira.
i,.
MISOS MAIITIMOS.
OOMPANHIA BBASILEIRA
DE
-PAQIJJEXES A VAPOjH.
Dos portos do norte espera-
/,,- 2^^v por locantins, cominaBdante Pe-
^^^s^^gdro Hypolito Duarte, o qual de-
ioffl^l)is r para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga qne o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia d sua chegada: encom-
mendas e dinbeiro a frete ateo diada sahida s 2
horas, agencia rua da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
COMPANIIIA PERNAMBUCANA
DE
avegafo cesteira a vapor.
Paraayba, Natal, Maco, Aracaty, Cear
e Acarac.
No da 36 do corrente s S ho-
ras da^arde segu um dos vapo-
res para os portos indicados. A
Icarga ser recebida at o dia 25
Pao meio dia, acompanhada dos
respectivos" conhecimentos, eneommendas, passa-
geicos e dinheiro a frete al as 2 horas do dia da
.ahita :-escriptorio ao Forte do Mittes n. 1.
farsa Eslaneia.
Pretende sahir uestes quatro dias-o patacho bra-
seifo D. Luiz : quera no mesmo quizer ('arregar
caree ou outro qualquer genero a frete eommodo,
ptse dirigir-se aos consignatarios Palmeta & Bel-j
r o, largo do Corpo Samo n. 4, primeiro andar.
"Para a Bhia
Pretendesegair com brevidade a sumaca Hor-
teneia, tem parle de seu carregamenlo 4>rompto
paraoreslo que lh falta trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no seu escriploriorua da Cruz n. 1.
Para a Bahia pretende sahir em poneos dias
a veleira escuna luisa, capito Belmiro Baptisla
de Souza, tem a maior parte da carga tratada, para
o pouco qne Ihe falta trata-se cora os consignata-
rio Palmeira & Beliro, largo do Corpo Santo o. 4,
pi i meiro andar.____________-_________
Porto por Lisboa.
Pretende seguir com brevidade a muito veleira
barca portngueza Corra, por ter grande parte da
carga engajada, paro" o resio e passageiros aos
quaes offerece os medrares commodos: trata-se
com o consignatario T. de Aquino fonseca Jnior
na travessa da Madre de Dos n. 5, primeiro an-
dar, ou com o capito na praca.
Leilao de una casa de taipa na
povoaco de S. Loaireuco da
M;sa e dous quartos.
Sexta-feira O de Janeiro na praca do Commercio.
O agente Pinto far leilao requerimento d:.
testanjenteiro do finado Salustiano Ferreira Cou-
tinlio e por mandado do Hio. Sr. Dr. juiz de or-
pliaos, de urna casa de taipa nova edificada na po-
voaco de S. Lourenco da Malla, com utencilios
de urna pequea taberna e dous quartos, as 11
horas do dia cima dito na praca do Commercio
em frente do eseriptorio dos Srs. Palmeira &
Beltrlo.________________________________'
Leilao de urna victoria (de um dos me-
ntores fabricautes de ['ans em born
est do, com arreios para dous ca val-
Ios e 1 citn-ca de 2 rodas grande c
mili forte, propria para lioi.
Sexta-feira 20 de janeiro.
Por intervencao do agente Pinto, na praca do
Commercio em frente a caja dos Srs. Palmeira &
Beliro.
Leilao de um sobrado de dares da rua do Padre Flotla-
no o. I, edificado em chaos
proprlos. o qual rende 504$
annual.
Sexta-feira 20 de janeiro.
Por intervengao do agente Pinto, na praca do
Commercio. Os pretendentes podem desde j exa-
minaren! o dito sobrado.
LEILAO
Da loja de seleiro da rua Nova n. 28.
Martins competentemente aulorisado, far leitao
da loja de seleiro cima, constando da armaco e
fazendas nella existentes no dia sexta-feira 20 do
corrente, s 11 horas.
artyr S. Sebastio aa matriz de Sal-
to Antonio
No dia 20 do correte, dia do milagroso raartyr
S Sebastio advogado da peste, llavera missa can-
tada e a noite ladaicha, flcando a veneravel ima-
gem exposta por 3 dias, a veneraco dos fiis.
LEILAO
DE"
Urna taberna na raa do Padre Floriauo u. o.
Sabbado 22 do corrente.
fJ agente Pestaa legalraente autorisado, far
leilao por conta e risco de quem pertencer, da ar
maco, gaz, gneros e mais utencilios existentes,
na taberna sita na rua do Padre Florlano n. 5, em
um oumais lotes, quinta-feira 19 do corrente, pe-
las 10 horas da manha, na mesma taberna.
Leilao de urna cocheira com 4 carros
de 4 rodas, t her inda, 20 cavallos,
arreios e seus perteuces.
Segunda feira 23 dp Janeiro.
O agente Pinto far leilao precedida a compe-
tente antonsaco, da cocheira da rua do Impera-
dor n. 23, com 4 carros de 4 rodas em bom esta-
do, 1 berlind quasi nova, 20 cavallos de servico,
arreios, estiva, mangedora e mais pertences "da
mesma cocheira, as 11 horas do da cima dito, na
referida cocheira,onde podero os pretendentes
examinaren desde j os objectos supra mencio-
nados.
Os premios de 6:000000 at 100000
sero pagos urna hora depois da extraeco
at s 4 oras da tarde, e os outros depois
da distribuico das listas.
As eneommendas serao guardsdas so-
mente al a noite da vespera da extraeco
como de costume.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Desapparcceu da cocheira do Sr.
Claudio Dubcnx um cavallo castanlio com di-
na para o lado direito, pequeo, casirndo,
com um C em um dos quartos, e hom an-
dador, geera o tiver pegado pode leva-lo
rua da Palma n. 31, que ser recompensa-
do, ou annuncie por este jornal para ser
procurado
Aluga-se a casa terrea da rua do Socego n.
2 e o segundo andar do sobrado da rua do Itangel I
n. 7_^a tratar na taberna no mesmo sobrado.
= Aluga-se dous grandes armazeas no Forte '
do Mato com a frente para o caes e o fundo para
a rua da Moeda: a fallar na rua da Cadeia Velha '
armazem n. 66.
Joaquim Reso e sua senliora subditos ingle-
ses, levando em sua companhia ura criado subdi-
to fraucez, vo para a Europa no vapor inglez
Magdalena.
Avia.
Por traz da matriz de Santo. Antonio n. 28, se-
gundo andar, precisa-se de urna ama que cozinhe
e engomme.
O Dr. Antonio de VasconceNos Menezes de
Drummond, amigo advogado nesle foro, conlina
no exercicio de sua prolissao, na rua do Impera-
dor o. 43, primfiro andar, onde pode ser procura-
do todos os dias uteis, das 10 horas da manha as
4 da tarde.
cer dito escravo,o faca apprehender, que por qual- S, porm COllduz aos mais serios sofftimi'-r
quer despeza me obrigo.
Joo Francisco de Paula.
Joao da Silva Ramos, medico pela Un $
versidade de Coimera, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manha, e j?
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas w
para isse designadas, salvo os casos ur- ?!
gentes, que sero soccorridos em qual- "-
quer occasiao. D consultas aos pobres j
que o procurarem no hospital Pedro II, $3
aonde encontrado diariamente das 6 M
s 8 horas da manha.
T>m si;a casa de sade regularmente
tos.
Para cura-la toma-se de I i li piluias lo-
; das as manrutas, isto bastante para mover
j j o venlre smente al que se recupere a ac-
co saa do syslema.
Mal do ujada, febre gaslro-licpalica,
dtnrrhen biliosa, indigtsto, a nevralijia
oh tic douleureitx, sao fQtfewinetestiM que
tem seu comeco n'um desarranjo da Mis.
A observaro dos ductos da bilis iz7. esta
volver ao sangue, com que circula d pois
em lodo o corpo e causa estragos desas-
montada para receber qualqer doeate, *11lrosns, f ,saud e Produz uma serie innu-
anda inesmn n-; alinnailMl nnra n que ravel
O alferes do 7 batalhao de infantaria de li-
nha Rernardino Vieira Rabello, tendo de embar-
car no primeiro vapor para o sul, faz o prsenle
annuncio,scientificandoao respcitavel publico one
jalga nada dever, porm se alguma pe=soa se jul-
gar sea credor, pode dirigir-se ao quartel das Cin-,
co Pontas, onde est assistindo.
ainda mesmo os alienados, para o
tem commodos apropriados e nella p-
tica qualquer operaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 2*500
Terceira dita.... 2*000
Este estabelecimenlo j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a conanca de que sem-
pre tem gozado.
Panasco

Ama-de "leite.
Precisa-se de uma ama de leite : na rua da Ca-
deia do Recife o. 58.
Aitenco, ailenco.
_No dia 10 do correte mez, sahio de casa de sua
mi o menor Pedro Paulo de Albuquerque, horro-
..I....J. J. .: r i.. fa.ni n*|limiMU Vm flljuiia IJUC
comrnetteu com sua mai e padratte : ignora-se on-
de tenha este menor adiado apoio, s sim deixa
avisa aos seus fregoezos que j-chegou o biquinho
de ouro, estreito e largo.
Aluga-se a casa da rua do Calaboucu n. 28 :
a tratar ua rua do Sebo n. 36.
Ama
sa : na rua Velha n. 17.
Aluga-se um sitio na rua do Cabral da
aperceber estar abrigado era ca-a de pessoa menos cidade de Olinda, com casa terrea, cota co-
ronsiderada poUiqae aonmtrirlp nao o apoiaria piar nfrente, botaos fundos paraaeslra-
recouliecendo nelle mu lillio lamilla. i i r. u i
Mana Theophila de Albuquerque da e mirgem do rio Bebcribe, com com-
- RegM. w mm. Sr. hmk>*a1h6 Rodri. modos para familia, estribara para cavallo
gu-squeira vira rua da Cruz n. 33 receber uma ecaptm ,)ara susienta-!os, arvoredos de
encoinmenda que veio do Rio de Janeiro.________fructOS, sem visinho defronte nem pelo
mazein pequeo para fundo.com ptimos passeios, sala e gabi-
nete na frente, muito propria para passar a
Precisa-se de ura ai
rccollier fazendas : na na da Cadeia "do Recife
n. 18.________________________________
1 hora
cavallo
No da terga-feira 17 do corrente, a
da tanle, em Sanio Amaro fuiliram um
qui? andava pastando peado na campia do liosni-
U\ dos Lazaros, e nessa occas:o estava no oito
doquartelqne foi de cavallaria, tem os seguintes
festa,e tambem se alugarporanno : a fal-
lar no Recife, na livrarian. fie 8 da praca
da Independencia, e em Olinda na casa con-
tigua com o capito Antonio Bernardo Fer-
reira.
signaes : rodado novo, intoiro, ps c mos calca-1------
dos, e esle cora mal de tiesta, dina e can la reg'u- i Alagaba mu grande o fresca estribara qne
lares, carrega baleo, carnudo, no< peitosmarca de a^mte bem .", a 6 bn<. com hora quarto quo ser-
ial por ser de carroca, no quarto ve para moradia e flea bem defronte da estacao :
ferida do peitor;
esquerdo o .seguidlo ferro SAP: roga-se aos Srs.
doiios de coxeira a quem for ohVrecido de o
apprehender e quera delle souber dirija-se ao hos-
pital dos Lazaros a fallar cora o regente do mesmo
que ser recompensado.
Aos pais de famuUa
A terceira cdeira de instruccao primaria para
o Sexo raaseulino, na freguezia da Roa-Vista,
acha-se foneeionando desde odia 7 do corrente na
rua da Soledade n. i8.______________.
a tratar nis Cinco Ponas n. 116.
1
O Dr. Cosme
Militan Correia da Silva, o bacharel Jo-
Antonio Correia da Silva e o alferes Francis-
co Antonio de S Rarreto Jnior, esposa, fi-
Iho e genro do finado Antonio Egidio da Sil-
va, agradecendo a aquellas pessoas que se
dignaram assistir as exequias do mesmo fi-
nado e acompanharam o corpo at o cemite-
rio, rogara-Ibes e aos seus prenles e ami-
gos o obsequio de asslstirem os suffragios
do stimo dia que tero lugar na igreja de
S. Pedro, no dia i do correte mez deja-
neiro, pelas 6 1|2 horas da manha, por cu-
jo acto modaee eonfessaro gratos.
DHH9MHM9MBHSB>UBHMMMlMBKSfc'
nua a residir na
Io e 2o andar, o
rado para o exei
sao medica, e
sobre o seguinti
Iomolestias de olhos;
2o
3o
Aviso.
Desappareceuda ca-a do abaixo assignado,
rua Augusta a. 96, a escrava Benedicta, de ida-
de de o'o annos pouco mais ou menos, com os sig-
naes segrales: estatura regular, alguma cousa
barriguda, pernas um pouco arqueadas, orelhas
grandes como que acabaadas, olhos empapuja-
dos, nariz chalo, boehechas penduradas, beico in-
ferior grosso e om tanto eahido, dentes do queixo
superior eda frente quasi reales, com falta de um
de um lado, tem ao braco direito uma marca co-
mo de fogo formando como que um c, falla faaho-
sa, cuja escrava eslava depositada em casa do
abaixo assignado, por execuco que move Fran-
cisco Candido Paz a Candido AI ves Lima, descon-
fla-se que dita escrava ter buscado para a parte
de Igoarass onde j morn e tem por l senho-
res que foram da dita escrava : o abaixo assigna-
do roga a qualquer capite-de campo e mesmo a
autonda.de policial por onde ella possa apparecer
a facam apprehender que porjqualqoer despeza se
obriga.
____________Joo Jos de Albuquerque._______
Fugio na tarde de 17 do correte o cabra
Candido, de 21 annos, rosto comprido nariz chalo,
sem barba, estatura alia, com a perua direita tor-
Por esqueciinento licou no Wagn da 3a classe,
na estacao das Cinco Pontas, segunda-feira 16 do
corrente, um lenco encarnado com um sapato
de bezerro e um saquinhj com diferentes papis,
que s ulilisam ao annunciante : por isso pede o
especial obsequio a quera achou de mandar entre-
gar na rua do Ran;el n. 54, taberna, que se agra-
decer ou gratica-.-e.________________________
Traspassa-se uma hypnthoca sobre um engenho
no valor do 4:800,8, a vencer-se era principios de
abril de 1866, descontando os juros de 2 0|0 o
mez : na rua da Aurora, depois do Gymnasio,
passando a ponlezinha de ferro, na segunda casa.
le S Pereira conti-
rna da Cruz n. 53,
ido pode ser procu-
cicio de sua profis-
com especialidade
0 sen a sea don.
O abaixo assignado ora botera em Apipucos,'.
declara que o Sr. Francisco Cardoso Barata nada j
me ficou devendo durante todo o lempo que esteve |
em tneu estabeleciment.
Joo Francisco de Suza Pinheiro
Aluga-se a casa da rua do Palacio do Bispo
n. 12 : a tratar na praga da Boa-Vista n. 20.
Na rua da Cadeia do Recife n. 50 precisa-se de
uma ama para cozinhar, preferindo-se captiva.
Jos Ferreira Al ves Crioca, tendo de ir tra-
tar de sua sande, vende a sua taberna na rua do
Amonm n. I A, muito boa por ficar defroole da
rampa do embarque.__________________
A pessoa que perdeu um relogio de prata
eom corrento de dita, qneira apparecer na rua das
Cruzes n. 2J, que dando os signaes cerlos Iho ser
enlrepu<\ao praso de tres dias.
de peito:
dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escrirl torio os doentes se-
rao examinados pa ordem de suas
entradas comecarldo o trabalho pelos
doentes de olhosl
Dar consultas! todos os dias d s
6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda b qualquer opera-
cao que julgar qonveniente para o
prompto restabelcimento dos seus
doentes.
mmmmmmmmmmMmm
\M\.
Precisase de uma ama para cozinhar : na rua
larga do Rosario o. 12, segando andar.
Que pechincha
Um sobrado de um andar por 255 na raa Im-
perial o. 116, pintado e forrada a sala de novo : a
tratar na rua Direita o. 127, taberna, ou Cinco
Pontas n. 23, primeiro andar, das 6 as 8 horas, e
dao 4 em diante._____________________________
Deseja-se fallar coid os Srs. Joo Chrisosto-
rao de Albuquerque, de Pedras de Fogo, Jos Joa-
quim Correia da Luz, do engenho Cajueiro, on
com quem fizor saas vezes nesta praca : no es-
criptorio de Manoel Ignacio de Oliveira & Fllho,
largo do Corpo Santo n.Jft___________________
No Forte do Matlos n. 20 ha para alugar
uma escrarva que faz todo- servico de uma easa.
Todos estes incommodos sao curados com
i as piluias do Dr. Ayer.
i Direccocs minuciosas acompanham cada
frasco.
Vende-se na pharmacia franceza de Mau-
rer & C, rua Nova n. 18.
AGENCIA CENTRAL
15 Una Di>-ci*a 15
RIO S:.I A.\EIRO.
Vende-se em Pernarabuco:
na pharmacia franceza de
& C.
_________RUA NOVA N. -IR._______
Adverte-se ao Sr. Feliciano Joaquim
de Aguiar, que a sua assignatura desle
Diario est por pagar desde outubro do-
armo passado, e que o proprietario da loja
de ourives da rua larga do Rosario n. 4,
.:-..! un MI ,1 r p ij,,, ita portantoS.S. qneira mandar satisfazer nes-
la lypograpbia.
O solicitador Pedro .^ esa 2supi-
no da Costa .YBachado
se encarrega ante o foro desta cidade de ludo que-
for tendente a sna profesad, aceita departido an-
nual as pendencias judieiaes de qualquer casa
commercial mediante razoavel ajuste. Conlina
a se encarregar de cobraocas dos termos do Cabo
e Ipojoca aonde continua a trahalhar como d'an-
tes, e encarrega-se de defezas perante o jury nos-
termos proitimisa via frrea, oSrecendo gratni-
tamenle seus servidos aos desvalidos, pode ser
procirado todos os dias uteis das 9 horas da nia-
aha as 3 da tarde na roa es.treita do itosario n.
34, e fora dessas horas na rua Imperial n. 30, fa-
sa de sua residencia.
Consultorio medica-chirnrgico na rua larga do lio
saro a. 20.
0 Dr.loo Ferreira da Silva regresando sua
casa,contina em oexerclcio do sua profisse,
nao s na parte medica como tambem na chirur-
gica.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado 11. 9
na rua Direita, entrada pela rua da Ptnha, e a loja:
a tratar no segundo andar.
0 professor de piano
jg| J. Coelho da S. Araujo, contina a lee- ?gj
S clonar, mora na rua do Livrainento u. hx..
1 21, segundo andar. {
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33,compram-scobras de ouro e prata, e pedras
preciosas,assim como se faz qualquer obra dt en-
I commenda.e todo e qualquer concert.
AVISO
aos terceiros de S. Francisco.
Chegou a verdadeira esiamenha para babilos, a.
qual se veode muito barato : na rua do Queima-
do n. 39, loja de i portas._____________________
Ralbina Firmina da Silva Swa, professora
particular de insirneco primaria, avisa que abri
sua aula na rea do Araorim 11.12, primeiro andar;
assim, pois, roga aos senhores pais de familias,
que se dignarera honra-la, confluido a educacao-
de suas filhas, de dirigirera se referida casa.
O bacharel Jerooymo Salgado de Castro Ac-
ta para dentro, levou vestido camisa e caiga de cioly, antigq advogado do tribunal da relago c
algodo aznl, chapeo de pallia, oceupaco mariti- mais aodilorios desta cidade, mu don seo escrip-
ma: pede-se s autoridades piiciaes, que no caso' torio para a rua estreila do Rosario n. 2, segundo
de eucoatrar, prende-lo ; o aos capites de cam-' andar, ende pode ser procurado para os misteres
po de procurar e preoder, levando-o a bordo do de sua profijso.
brigoe D. Attonso, defronte do caes do trapiche | Alugaifi-se baratas urna': mei-aguas na entra-
Baro do Livramento, ou 50 largo do Corpo Santo ^a (lns ((0rl8w (travessa das Darreiras) bairro da
n. 21, primeiro andar, que sera recompensado.
6s abaixo assignadus,ocios da firma de Fer-
reira & Monteiro, fazem sclantes que teem dissol
Boa-Vista : a tratar na roa do Cotovello n. 23.
i'sapca'eceu na tercafeira 17 do corronle,
as W horas (do dia, da rua Direita n. 6, ura papa-
vido asociedade no dia IS do corrate, ficando a gaio : quemioapahoii leve referida easa," que
cargo do socio Monteiro o activo o passivo da mes-' se recompensar com 33200.
ma sociudade. Recife 18 de Janeiro do 1863. i-----yH-h------rr-.,,
Eduardo da Silva Ferreira. ] ~ F,rac2^ "\ t* M,Mrell^,,p,m Just0 8
Beroantino Jos Monteiro Junior.! ntralado cbmprar a taberna n. 13 da rua dos
__,----------------------------------------------------------Pescadores, pertencente ao Sr. Jos Simplicio de
Aluga-se a casa terrea com sota sita rua S Estoves, ivre de qualquer onus : no entrelan-
a Alegra n. 46 : a tratar na rua de AguasYor-, to quem se julgar cora direito mesma, dirija-se
des sobrado n. 6i, primeiro andar. nestes tres d ias ao pateo do Terco n. ti.
I .^ti* #
. 1
Precisa-se de um bom cosioheiro na rua da
Roda o. 6, prefere-se nacjoaal.
No dia 8 do correntii furtaram, do sio do-
Manguinho, onde rfslde o brigadeiro Meneies
Drummond, duas burras, uma ruga e outra casta-
nha, ambas maneas e habituadas a andar em car-
ro; tem as dinas feitas e esto bastante gordas ;
quem deltas sonber, ser gratificado, dando noticia
ou levando-as ao referido jotio.________________
Precisa-se de uma ama para compra e algnm
servico de casa, para duas pessoas : na rua da
Ponte Velha o. 8.____________________________
~Livro do Povo.
O livro do povo, obra ornada com estampas,con-
tendo a vida de Nosso Senhor Jess Chrislo, e raui-
tos artigos uteis. Este livro das familias recom
;
m
8
19Roa Htn-1t
Freerieo Gautier, cirurgio denst 1,
iaz todas as operacoes de sua arte, ct-l-
loca ilentes arficiaes, Utdo com superio-
ridade e perfeico, que as pessoas enlea-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e ps dentificio.
na rua da Ca-
Aiaja-se
nm pretopara o servico de casa :
de n. 20.
mMwmmmmmw".
^ 0 baciiard Jorge Httraeltas ^
) continua a residir a ma larga do Rosa- sj
S rio n. 26, primeiro andar, onde pode ser ^5
j|B procurado |iara exerrer asna proflssao: ?H
jff, 1 de advegado nos auditorios desta ci- ?
5dade;
2 de mestre da Yagan franceza, en- S?
,| sinandoa tarde, o laaibom noile a *i|g
^ pessoas cujas oecupacoes embarace. ^
|^ aprende-la durante o dia. ^R
mMmmm mmimwwwMm
Wilsons ^ Hetl, na do Trapiche n. 14, sa-
cam sobre o'Rio de Janeiro, avista ou a praso. _
Na rua Nova n. 6 precisa-se de ama ama
para casa de pooca familia.__________________
Tnjeccao brow.
Remedio infallivel contra as gnotfheas
mondado eapprovado pelos Exms. Srs. D. Luiz antiiras e recentes, nico deposito rabo-
bispo de Maranho e D. Manoel arcebispo da Ba-; .. p a nrf.
hih, vende-se a 1*000 cartoriado, na livrariade,'ica Jranceza ru aa {jTaz n>
Jos Noguoira de Souza, ma do Crespo n. S.
leu U





Diarlo de
__tuisaU felra 19 e Jauelro de lStta.
o
JOS! fiOME ITIIiLAR
Com loja de fazendas a ra do Oespo n, 17.
Pretendendo Ir muito *reve a Europa tratar de sua saasle, pede aos seus devedores
tanto do mato como desta pra$a qe saldem seus dbitos quacto antes, assimcomo
Est liquidando
o sea importante estabeleoimento de fazendas, vendendotudorpor precos que na realida-
de admirara; aproveitem Eaeellenttssimas senhoras
As fazendas de apurados gostos
As fazendas de apurados gostes
As fazendas de apurados gostos
E por precos qae admirara
E por presos que admiram.
iRMAZfiM CONSERVATIVO
23Largo do Terco23.
Joaqun Sin' dos Santos, .dono deste bem vertido armazem de melhados faz sclente ecag
reeommend*c,o aos seus amigos, reguezes e a lodos m geral, que esta resolvido a vender os seus
bem conhecido8 gneros de primeiea qualidade, por menos de 10 a 20 parenlo, menos do que era ou-
tra qualquer parte a dioheiro contado, e todo o comprador que comprarle 50 a lOOjl tera o desen-
lo de 5 a 10 per eento pelo seu prorapto pagamento; por isso se faz annuncio de lguns gneros,
para com este melhor se certilicarem.
s
a
m
s
Alia particular.
O abaixe assignado, pro/essor particular, provi-
sionado pela directora geral da instrucco publica
para ensinar primeiras lettras, laiirn e francez,
participa ao respeitavel publico e igualmente aos
senhores pas de seus discpulos que segunda-feira
9 do corrate tcm de continuar no ensino das su-
praditas materias, admittindo matricula alumnos
externos, pensionistas e meio-pensionistas. A pra-
tcade 19 annos consecutivos no exercicio de seu
magisterio, sua inteira dedicado e toa moraildade
sao garantas que offerece aos scobores pais de fa-
Offereee-se urna ama para connnar eengom- rai|a8> qBe desejara a sja e ulj| dacacao a seus
_ fllnos.
fa-| Quem portanto quizer confiar ao mesmo abaixo
assignado a educagao de seus fllnos, pode dirigir se
a qualqoer hora do dia aoterceiro andar do sobra-
do n. 38 da ma Nova, onde ha muito tempo est
eslabelecido.
Jos Maria Machado de Figueiredo.
ase
urna casa acabada agora, com commodos para fa-
milia, estribara, eocheira, quartos para feitor e
escravos, com banho na porta, no lugar do Pojo
da Panella,-rua do Ro : a, tratar eem Tasso ir-
mos, na ra do Amonm n. 35._______
Aluga-se urna escrava para tollo servico in-
terno d casa de pouca familia : quem precisar,
dirija-se a.raa da Imperatrz, fabrica de charutos
n. TL
C...
mar : na roa da Roda n. 47.
Precisa-se alugar um preto para vender
zendas aa.rua, paga-se bem: na ra Dreita n.
71, leja.
mmmmm ummmmmmmm
Massas para sopa mararro, talharim e aletria a
Ji rs. a libra e em caixa a 5*V
Toaciaho de Lisboa alvo muito superior a 280 rs.
a libra e 85800 a arroba.
3af do Rio de piiraaira e segunda sorte a 260,280
a 300 rs. a libra e a arroba ou saeco a 8? e
85500.
Chonricas as raais novas do mercado a .'60 rs. a
tmra e em barril a 15-5.
Passas vndas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
e a caixa a 83.
Oataias em (rios de 35 a 40 libras por JiOO a ar.
roba o a 80 rs. a libra.
Cha hv*son mitidinho supe-ior juaiidade a 15200,
25000, 25=508 e 3? a libra.
Vmho le Figueira, Porto e Lisboa em pipa a 560,
500, 400 e 640 rs. a garrafa,
dem propno pan neirocio a 320 o 360 a garrafa
e a caada a 25400 e 25700.
Mil ha alpsta e painco muito limpo a 140 rs. a li-
bra e a arroba a 45400 e 4; 200.
Phospnros do gaz vindos por conta propria a 180
rs. o maco e a %& a groza.
Azette doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga
lo a 2800 e a caada a 45500.
Serveja das marras mais acreditadas a 300 rs. a
garrafa e a duzia a 55800.
Figos de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
em barril ou caixa se far abalimento.
arroz do Maranho e Java a 100 e 80 rs. a libra
e a arroba a 25800, ?3e 23400.
Assim romo ha um grande sortimento de chara-
tos e genebra de Hollanda, tanto em frascos como
em botijas, bolachinhas de soda, conservas,choco-
late, marmelada, vmho engarrafado e outros mu-
tos gneros que enfadonho menclona-los, e se al-
guem duvidar venha ver.
A NACIONAL
Oompanhia geral liespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Ima (anca em dioheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa ad-
ministrncao da companhia.
I DIRECQO GERAL
Saques sobre Portugal
O abaixo assignado autorsado pelo
Banco Mercantil Portueuse. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
fectivamente por todos o' paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Por.o, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praoo ; podendo, o: que temarem
saques a praso.receberem % ista, no mes-
I mo Banco,'descontando 4 0|0 aoanno: na
loja de chapos da ra do Crtjpo n. 6, ou
I na ra do imperador n. 63, srnondo a-
il dar.Jos Joaquim da Costa MVta.
Veaeza do norte.
Roa das Crozes a. 39, eaofrante a tjpasraphia do
Diaria de Pernambuee.
Acha-se de novo nestarua o botequim Veneza do
Norte, oqual principiar a fornecer comedonas
de quarta-feira 11 de Janeiro em diante, tanto
avulsocomopir assignaturas, com promptidao e
aceio. Tem na mesma para vender urna grande
armacaoenvidracada, sobro columnas torneadas
a moderna, tudo de amarillo, envernisada, que
serve para qualquer estabelecmento. Na mesma
precisa-se de um cscravo para todo o servico ex-
terno da casa.___________________________
PBLICACA RELIGIOSA.
Agora que a impiedade parece querer al?ar o
eolio orgulhosa e audaz, e que os malvados, para
conseguir seas nefandos fias, se tem valido de
quantes impressos ha, at mesmo da sagrada bi-
blia, ji falsificando-a edistribuindo-a assim alsi-
licada.j vcudendo-a, j conservando-a era seu
poder, e orneceudo a sua leilura a pessoas inex-
perientes ou ignorantes, e ja finalmente dando-a
mesmo gratis,nao posso nem devo eu, que, gra-
pographia e de urna cncadernaca'o, deixar de,
abnndo mo de urna parte do que Dos me deu,
acompanhar o meu Exm. e Rvm. vigario capitu-
lar em seus constantes esforcos para o engrande-
cimento da nossa santa relgio, e de concorrer
com o meu fraco, mas m
mmmmmmmmmwmmm
REMEDIO PROFICUO!
para a cara das escrfulas,
glndulas eufarladas, fu- >;
mores escrofulosos e afeeresj :
deste genero.
O abaixo assignado entre as plantas
submettidas ao seu exame botnico de
Sque a muito se ha entregado, desde que
finalisou seu tirocinio em dita sciencia
- pelo exmelo curso do antigo jardim b -
5 tnico de Olinda, e averiguando certas
M& propriedades medicinaes que Ihes trans-
2 mittiram de alenmas plantas, verificou
Pp que a vimia anlisrrofula era um especi-
>m fico contra as molestias cima denomina-
* das (na linguagem vulgar) al porras. Re-
gg solveu-se portanto a expor ao publico es-
* le interessante medicamento em tintura,
em vidrinho de l|2onca, quo nm s vi-
^g drinho bastante para a cura de um es-
t crofuloso e Oca muito remedio.
Com os vidros acompanbam um im-
| presso, que explica a maneira da appli-
jjg ca^ao e mais circumstancias.
Vende-se as boticas dos Srs. Jos Pe-
jjft reir Jacintiho Jnior. Recife ra Direita
K n. 13o, e na do Sr. Joao Soares Rapozo,
g Olinda ra dos Quatro Cantos. Prejo de
JUJ cada vidrinho 25.
Uj| Jos Eleuterio Carneiro da Cunha.
Casa de edurace.
JeronyraoPerira Villar transferio o seu esta-
belecimtnlo de instrurcao primaria o secundaria
paraa ra largado Rosario, sobrado de dous an-
dares n. 22 ; e palrtieipa nao s aos Illms. senho-
res, pais de seus! alumnos, como ao respeitavel
uo smcer? contingente fifr_J a(l1 estarao abertas nodia 8 de
para essetoelevado Hm. Neste intuito, enten- Janeiro doanno ^indouro de 1865.
dendo que presto lgum servico causa desta, Manoel I
mesma religio, com a reimpressao da ciagmdir resdente em
um peregrino Jerusulem, e visita que fez aos lu-1 .. aloiipm s
garet tantos em 1817 Fr, loiio de Jess Christo, nesw P" a^ OU lora aeiia, mas se algliem se
invicto filho de seraphko, patriarcha s. FranHsno, julgar seucredr queira apreseniar seu titu-
tenhj resolvido por no prelo esta obra, e pretendo j lo nestes 8 diay., que depois de verificado
ancisco da Silva Carrito ora
Macei, julga nada dever
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de espanha
Madrid : Rna do Prado n. 19
dos seguros
do se-
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de supervivencia
sobre a vida.
Nella pode se lazer a subscripcao de maneira que em nenhum caso mesmo]por morte
g'irado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to suprehendenles os resultados qae produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL, queain la mesmo diminuindo urna terc_a parte do interesse produzido em recentes liquidacoes,
l^nM^,^.fPu%^^^dValft{g*}li (o^a^rI^Wm6s?4nnaant1^,l>.ffm?^ .g80
produz em cffeetivo metlico :
No fim de 5 annos.......1:1195300
de 10 .......3:9425600
de 15 .......11:2085200
de 20........30:2565000
de 25 .......80:3315000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraves.
Prospectos e mais informaeSes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia o Sr. Jerony
mo Joaquim Fiuza de Oliveira, rna da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista ra da Imperatrz n. 12, estaba
lecimenlo dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite & Irmo.
MANDE DEPOSITO DI PIANOS
DE
Joao Pedro Vogeley
continua a dita casa
que Uvera seu ante-
5 RA IOVA **
Tendo Henrque Vogeley ficado com a acreditada casa de pianos do Sr.
sita na ra Nova n. 23, tem a honra de annuociar ao respeitavel publico que
com o mesmo fim esperando o annunciante que merecer a mesma nonlianca
cessor.
Neste estabelecmento encontrar o respeitavel publico um grande sortimento de pianos fran-
cezes e allemes dos melhores fabricantes da Europa, escolhidos especialmente para este clima pelo
proprietario de-te deposito entre os melhores e mais acreditados que estiveram na ultima exposice
universal em Londres.
Os amadores deste instrumento sao rogados a virem apreciar as bellf.s vozes destes panos e
admirar a sua excellente construccao nico nesta cidade.
No mesmo estabelecmento continua-se a alugar, afinar ecoacertar os panos, tanto na cidade
como nos arrabaldes.
O propeielario responsabilisa-se pela sua excellente qualidade.
|H Aos senhores pais de familia. ;v<
O padre Flix Barreto de Vas- 9
IB concellos, com aula particular de la- S|
9| tim na ra do Imperador n. 35, 1." 9
$ andar, contina a receber alumnos ^
M de todas as classes, durante e de- gp,
S pois das ferias. Tambem est dis- B
9 poste a abrir um curso de primei- X
ras leltras e de francez, logo que K
9 haja numero sufficiente de alumnos
>W Para ca,la urna destas materias, e 7^
Sfi' assim tambem a receber como in- >M
8 temos alguns meninos.de cuja edu- mh
v[| ca?o o quizerem encarregar. Os B
^ pagamentos serao por trimestres-^
pjk adiantados, e os precos declarados
9 pessoalmente na occasiSo do ajuste ^
S^ para a entrada do alumno. >m
Uraapessoa habilitadade-eja exercer o logar,
de caixeiro, ou eutrar oomo socio em algum esta-
belecimemo, como seja : padaria, armazem a reu-
Iho ou refinacao de assuear : quem pretender dei-
xe seu nome e habiugo para se traar do negocio,
.n a mesma loja do Sr. Figoeira.
l ompaaiila fldelidade de m
M
__.
O hacharel
Jos dos Aojos Vieira de Amorim conli-
ma a advogar em seu antigo escriptorio it
da praca de Pedro II ou pateo do Colle- ^
gio, como se chamou em outro tempo : SR
ah pode ser procurada das 9 horas da 9K
manha as 3 da tarde, e as horas di- S
versas deslas, na casa de sHa residencia SZ
sobrade n. 33 da ra do Hospicio. 3
lllillillil
Alugam-se na cidade de Olinda dous sobra-
dos com bastantes rommodos, na ra de S. Bento,
defronte da ladeira do Varadouro ns. 29 e 30, com
quintal e sahida para casa de banhos salgados : a
fallar em Olinda com o Sr. Monteiro, ra de Ma-
linas Ferreira, e no Poco da Panella, em casa do
subdelegado Joao Paulo Ferrera.
seguro* martimos e ter-
restres estabelecida
Rio de Janeiro.
AGENTES CU PEPNAMBUCO
itlonio Luiz de 0_?eira Azeveda k C,
competentemente autorisaJos pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
des toiaam seguros d navios, mereado-
rias e predios no sea eaejpiorio ra da
Cruz n L
i
3
- Precisa-sede ora caixeiro que tetina pratca
de tabern, do 1 a 16 annos de dada, e que d
fiador a sua eonduda : a tratar na ra dos Pires
nurae.ro 34.
Mobllla.
Alogara-se njobilias : do pafaq do Terco nome-
* *
A festa da Senhora dos Remedios deve ter
lugar no dia 10 de fevereiro do corrente anno. A
commisso endarregada paraarrecadarem as es-
molas sao os Srs. capto Jos Mariano de Albu-
querque, Amonio Joaquim Per eir de Oliveira, te-
nente Jos Pereira da Cunha, tenente Jeronymo
Emiliano de Miranda Castro, Lucio Mariano de
Albuquerque e Samuel Halidory ; alem destes se-
nhores s acuelles que forem com salva, aulorisa-
dos pela commisso, o podero fazer.
[iSS,m^mmmmmmmmm
i O Dr. Carolioo Francisco de Lima San- g
SR tos, contina a residir na rna do Impe- !JU
yM rador n. 17,2 indar, onde pode ser pro- m
S curado a qualquer hora do diae da note S
,% para o exercicio de sua proflssao de me- M
W dico ; sendo que os chamados, depois de _
W Keio dia at i horas da tarde, devem ser
3R deixados por escripto. O referido Dr.
J|t nao abandonando nunca o esiudo das
W molertias do interior, prosegoe, com e
I maior a/Boro, no das mais difleeise deli-
SK cadas operarfies. romo sejara dos orgaos yM
^ ourinario.dosolbos, parto?, etc.
mmmmmwMMwmmwM
Precia-se alocar urna ama escrava ou forra
para comprar e enzinhar para casa de horaem sol-
geiro : a tratar na rna do Queimado n. 53.
Precisase de um caixeiro para tomar conta
de urna taberna nos arrabalds desta sidade, e da-
se Iqteresse : a quem convier appsrefa na rpa de
Apollo, armazem p. 43, para (ratar.
fazer a reimpresso da maneira seguinle : Reim-
primirei, 3,000 exemplares, destes serao destina-
dos 1,000 para todas as pessoas do um e oulro se-
io, que com documento legal dos seus reverendos
parochos se me apresenlarem, e a cada urna das
quaes entregarei gratis um exemplar cm brochu-
ra ; 2,000 sero reimpressos mediante assignatu-
ras, para as quaes desde j convido a populacao
dos fiis, e de. todos solicito e espero o valioso con-
curso, na razio de 15 cada exemplar. Nao posso
prescindir, porm, de rogar o pagamentoadiaula-
do de cada assignatura, sm o que nao roe ser
permittido effectuar essa.reimpresso e conseguir
apreseniar ao publico tima edi^ao, j em_ si mes-
ma grande e dispendiosa. Paia os que naoassig-
narem, o preco de cada exemplar venda ser
determinado na ocrasiao.
Nao sei qual ser o resultado dos meus esfor-
coSj mas seja qual for, de Dos espero a recom-
Assgna-se nicamente por hora na ra do Im-
perador n. 18, defronle de S. Francisco.
Francisco Coelho de Sin.oes Silva.
Primeiras lettras.
Mara Barthuleza da Conceicao partecipa acs
Illms. senhores pais de suas alumnas e a todas as
pessoas que Ihe quizerem dar a honra de Ihe
confiarem suas meninas para lhos ensinar o
necessario as materias de primeiras lettras e
lingoa Iranceza : far todo o esforgo para que
ellas obtenham o desejado aperfeicoamentoaffian-
cando-lhe a boa leltra, e Ihe tirar qualquer vi-
cio na pronuncia, se o tiverem. Sua escola estar
rberta de 9 de Janeiro em dianle : defronte da-
matriz da Boa-Vista n. 84.
Ctymnasio Provlucial.
Do da 16 e Janeiro em diante, estarao iber-
ias as matriculas das seguinle aulas do Gymnasio
Provincial: primeiras letras, latim, franrez, in-
glez, grego allemao, mathematica, geographia e
historia, eloquencia e potica, philosophia, lingua
e litteralura nacional, sciencias naturaes e-nusica.
Nesse estadelecimento mediante a mdica quan-
tia de 15 diarios, tem os alumnos internes roupa
lavada e engommada, medico, botica, barbeiro,
luz, peona, papel, tinta e creados para o servio.
Os meios-pensionistas pagam metade dessa quan-
tia e os externos 15)5 por trimestre, podendo fre-
quentaras aulas que quizerem.
O secretario, Cabral.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C
Alenles do Banco Lnio do Porto.
Competentemente autorisados sacara por todo
paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, epara as seguintes agencias.
Londres sobre Banh of London.
Paris Frederie S. Ballin & C.
Hamburgo Joao Gabe & Filho.
Barcellona Francisco Rahoba & Ballista.
Madrid > Jaime Meric.
Cdiz > Crdito commercial.
Sevilha Gonzalo Segoria.
Valencia M. Perera Y. Hijos.
En Portugal.
Angra Terceira.
Carainha.
Castello Branco.
Chaves.
Coimbra.
Covilhaa.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinhal.
Porto-a legre.
Thomar.
Villa Nova
Porlimao.
ser immediatajmenle pago por Francisco
Ribeiro Pinto C uimaraes (para isso autori-
sado) ra d'Atpollo armazem n. 38, Reci-
fe 7 de Janeiro de 1865.
Alugam-se ious graodes sobrados com cora-
modos para mime'osa familia, novos e aceiados,
com jardim, cochaira, estribara o ouiras commo-
didades, na travessa de Joao Fernande Vieira :
a tratar na ra daSenzala Nova n. 42.________
Na fabrica d* calgado do patoo da ribeira de
S. Josf, precisa-se [de artistas para obra de senho-
ra e menina d.-.ndo-se tudoprompto, pagase a du-
zia para senhora a 15800 e para menina a ti00,
b todo aquelle que quizer levar sempospontarter
raas 100 rs. em cada duzia.
Precisa se de
ria que entendam
ra larga do osar a u.
dous trabalhadores para pada
perfeitamente do trafico : na
t
COMPRAS.
ktencao*
Procsase comprari urna escrava negra de 25 a
30 annos de idade, que saiba engommar e cozi-
nhar, ou troca-se por putra : na ra da Aurora,
passando o Gymnasioy primeira casa depois da
ponlesinha de ferro.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: na loja e bilbeles dapragada Inde
pendencia n. 22. _______________
Compra-se i effecti va mente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem:
najrua larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
------------------------1--------------------------,___,
Comprronse escravos.
Silvino Guilherme de Barros compra, vende e
troca escravos deambo^os sexos e de toda idade:
na ra da Imperador n. 79, t?rceiro andar.
Compra-se
cobro, latao e chumbo : no armazem da bola ama-
relia no oilao da secretaria da polica.
Compra-se nm escrjivo de meia idade: quem
tiver para vender, dirija-se a casa do Sr. Arantes
na ra do Livramento.
COMPENDIO. DOLOROSO i
que conlem o officio de Nossa Senhora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
ra, um setenario e mais outros ejercicios
de piedade e devocao; ordenado pela ir-
mandade dos servos da mesma Senhora,
que se acha erecta na egreja de N. S. da
Penha do imperial hospicio dos reveren-
dos padres missonarios apostlicos capn-
chinhos italianos de Pernambuco, approva-
do por S. M. I., que Deus guarde; dado
luz por devociio do muito reverendo
padre Fr, Placido de Messina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praga da Independencia_______
Grande ninazem de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas eAi grande deposito de
productos chiroicos e utenw os mais empregados
e usados na pharmacia, pistura, photographia, tin-
turara, pyrotecbinia (fogos de artificie) cera ontras
| industrias.
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectamente as principaes drogaras de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa, pode offerecer
! productos de plena conanca e satisfazer qualquer
encommenda a grosso tralo e a retalbo, por precos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
coro promplldao qualquer pedido de lintas moidas
a oleo, cuja qualidade e pureza de seus ingredien-
tes poder* ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer com aquellas que sao importadas,
e que se encontram no mercado em alas fechadas.
Tem grand9 collereao de vidros de differentes
formatos, desde urna oitava al dezeseis oncas de
capacidade ; de vidros para vidraeas e diamantes
para corta-Ios; depinceis para fingir madeira com
propriedade e oulros; de papis doorados e pra-
teados e foihas de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo frmalo de varias cores
para embrulho, para forro de casa, para desenlio
com fundo j feilo ; de papel albun inado e Bristol,
verdadeiro saxe para phctographia e para filtrar,
e outros ; verni.es de essencia para quadros," de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
teiior oleo graxo, oleo seccalivo, oleo de linhaca
clarificado, oleo de oielel, secativo de Hailim, ouro
verdadeiro em p ; prata, euro, e eslanho em fo-
ihas de varias cores ; tinlas vegelaes, inoffensi-
vas proprias para ronfeitarias; lia de cores, e
olhos de vidros para imagens; tintas em tubos e
telas para retratos -. tinlas em pastis e em p pa-
,ra aquarella; esseocia de rosa superfioa, de ne-
; roly, jasmim, bergamota, aspire, palchouly, mbar,
bouquet, limo, alraraiva, melissa, ortela pimenta,
, louro, cereja, alfazema, Portugal, lima, junpero,
anis da Russia, canella, cravo e muitos outros ob-
jectos que s cora a vista poderlo ser mostrados.
Joao Pedro das Neves,
_______________________Gerente.^^T
BOTICA E DROGARA
Bartliolomeii Francssco de Soaza &C.
3iRa larga do Rosario3
Pilulas Holloway
Vendera:
Pilulas do Dr. Laville.
Pilulas do Dr. Alian.
Pilulas do Pobrehomem.
Pilulas americanas.
Pilulas vegelaes.
Pilulas vegetaes assucaradas de Kemp.
Salsa de Bristol.
Remedios do Dr. Chable.
Elexir de Pepnnal de Grimault.
Vinho de Salsaparrilha de Che Albert.
Injeccao Feaugas.
Agua dentifica de Desirabode.
Papel chimico, para talhns.
Xarope depurativo de Chable.
Licor aromtico de Raspail.
Pos antiepileticos de Brest.
Rob L'AITecleur.
Xarope do Bosque.
Ungento Holloway.
DROGARA.
34Ra larga do llosa rio.'i i
liaruioloiueu Francisco de Soaza k G.
Vendem:
Acido actico puro pra retratistas.
Esmaltes para ourives.
Papel para forrar rasas.
Guarnicoes avelludadas.
Tinta hranea superior em lata.
Alvaiade Veneza, fino, em paos.
Vidros para espelho.
Vende-se na na Nova n. 26.
Vende-se urna das raais ricas armacoes para
loja, toda de amarello, propria para negocio de
molliados, mas que com urna pequea alteracao
serve para lazendas ; vende-se por menos da me-
tade de seu custo : no armazem da ra da Cadeia
numero i.
Haz liquido, candiciros e seus
pertenees.
No deposito do mesmo, na ra da Cruz n. 35,
vende-se gaz o mais apurado. ( m latas de 5, 2 e
1 galo, assim como em garrafas; lem tambem a
venda enndieiros para o dito de diversas qualda-
des, e pertenees para os mesmo?, avulsos, das mais
pequeas s maiores dimenses, ludo por precos
commodos.
Compra-se urna negrinha de idade de 9
annos : na ra da Palma n. 41 taberna.
a 10
VENUS.
ALMANAK.
Acaba de sahir dos pr-
los de-nossa typographia o
A LEGITIMA
SiLSAMBMA
DE BRISTOL.
PREPARABA NICAMENTE POR
LAMAN k KEMP,
NOVA YORK.
Composla de substancias, gozando de
propriedades emineiiteaenle depurativa;
approvada pelas junlas e acadtmias de me-
dicina; usada nos principaes liospil?es, ei-
vis. militares e da marinha as Amilhas e
no continente americano ; receilada pelo
facultativos os mais tlistinctos do imperio do
Brasil e da America liespanliola
CUBA RADICALMENTE
escrophulas, rlieuraalismo, escorbuto, en-
fermidades venreas e mercuriaes. tbagas
antigs, morpbea e todas as molestias pro-
venientes d'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imilacoes
falsifieacos, preciso a maior cutela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS & BABBOZA
JOAO DA C. BRAVO A C.
Vendcm-se no Recite em casa de Caors &
Rnrhoz e Joan da C. Bravo A C.
PASTUMSU!
IGESTIVAS
DEPEPSiNAl
DE WASMAN
!
Dlarrheaa e a ntl-
piu prodii7.lilaa
prlaa elaborafc*
dcfeclaaaaa 4e al I-
nirntOH.
As pastilhas digestivas eom a pepsina de Was-
man, empregao se com successo h j alguna
annos pelas celebridades medicaes de Pars,
Londres, Vienna, ele, cm todas as incommodi-
dades em as quaes a digestio difRcil, penosa,
imperfecta ou mesmo impossivel : eis o melhor
remedio para curl as
GnHtralsilaa.
BJNpc|>*laa.
Embarace gaatrlcaa.
A canti-llr.
Aa affcci-oc orcAnl-
raa do raloinnKO.
Em todas as molestias empregSo-seamude aa
aguas alcalinas, especialmente o agua de Vichy,
e igualmente aspaslilhas de Vichy. Esse meio i sd>
eflfeaz qnando se irate de dispepsias de curta du-
raco, mas o prolongado uso das aguas e pastilhas
de Vichy, tcm grandes inconvenientes, por quanto
os alcalinos empobrecem o sangue e isso de tal
maneira que ibes arreblho a parte vivificante,
nutritiva c reparatriz. Com a pepsina, a contraro,
como ella uma substancia orgnica, albuminosa,
transforma-se ao mesmo tempo que se effectua a
transformacao dos alimentos assimilhando-se
como ellos c ajudo labcm como elles a nutricio
5eral. Sua accSo vivifica o sangue e os trgaos
e tal sorte que, alli as pessoas que sem soffrer as
affeccoes gstricas cima mencionadas sao nica-
mente fracas ou d'um temperamento um pouco
debil, e necessilao substancial alimento para for-
tificar se, achao no emprf go das pastiihai pep-
sina de Wasr-ian, um poderoso mcio para a isso
chegar.
Aviso importante. 0 successo das pastilhas
pepsina de tVasman diu causa a se fazerem fal-
siheacoes c imilacdes d'esse producto que os
cmulos se quercm desfazer. Pos por falta d'uma
boa preparado o pepsina que n'ella entra, jaz
alterada. Seremos ao abrigo d'este inconveniente,
exigendo os compradorssquc as pastilhas lenhio
as iniciaos B. P. e saiiio da pharmacia Chevrier.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
SI, Faubourg-Montmartre, e em todas as boas
pharmacias de Franca e dos paires estrangeiros.
Versos ao Divino
Acharase a venda na ra do Imperador n. 15
defronle de S. Francisco por prer;o de 160 rs. ca-
da um exemplar cm brorhnra, versos ao Divino,
proprios para se canlarem depois cu antes de
qualquer solemnidade, fesla. novena eu mesmo
em casas particulares.
do
Figueira.
Guarda.
Guimaraes.
Lagoa.
Lagos.
Lamego.
Leiria.
Monfio.
Moncorva.
Regoa.
Setubal.
Yiannado
tello.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
Cas-
Amarantes.
Arcos de Valle
Vez.
Aveiro.
Barcellos.
Bastos.
Beja.
Braga.
Braganea.
Faro.
Oliveira d'Aze-
meis.
Penafiel.
Tavira.
Villa do Conde.
Villa Real de Vizeu.
S. Antonio. Faial.
No IMPERIO.
Baha. Maranho.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somroa praza on vista,podendologo
os saques nrazo serem descontados no mesmo
Banco arazao de 4 por cento ao anno : a tratar
na raa da Cruz n. 1.
Escola ceatral tnrthodo Cas-
tilhe.
Est abena desde 7 de Janeiro ; ensina as mate-
rias do 1 e 2o graos, recebe alumnos, pensionistas
e meio pensionisias, por precos commodos ; nao
excedendo elles a doze annos de idade : na ra da
Ponte da Capunga, casa n.9.
O professor de latim da freguezia de S. Jos
desta cidade, abaixo assignado, faz sciente ao pu-
blico que se acha abertaa matricula de sua aula,
e que o exercicio da mesma ter paincipo bo dia
3 de fevereiro prximo futuro : quera se quizer
matricular, dirija se ao sobrado n. 5, sito no largo
da ribeira.Manoel Francisca Coelho.________.
Precisa-se da urna ama idosa para o servico
interno e externo de casa de hornera solteiro : na
roa Direita n. 10.________________________
Precisase de urna ama que saiba comprar o
cozinhar para urna casa de pouca familia : na rna
de Santa Rita n. 43.
Testamentos.
Acham se a venda os scguinles testamentos,
obras proprias para estreler em horas vagas na
ra do Imperador n. lo, defrenle de S.Francisco:
da pal I in ha, gallo, per, lelo, onca, tigre, caxorro,
vigario, porro, pelleja entre urna alma, S. Miguel
e o diabo a 160 rs. cada tiro ricmplar.______
Vende se caiies vazios proprios
Almanak Administrativo Jparatiahaleiros e fonileiros a .$760
Mercantil e Industrial desta cada
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
1$; na livraria ns. 6 e 8
da praga da Independencia,
FOLIHLWllAS
rara 1865
Acham-se venda na livraria ns. 6 e 8
da praca dalndependencia:
A FOLHLNHA DE PORTA, abrangendo o
kalendariocivile ecclesiastico, tabellas de
feriados, de emolumentos dos tribunaes
do commercio etc. a 160 rs.
A FOLHLNHA DE ALGIBEIRA eontendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Milho novo em saceos grandes: no trapiche
d* Cunha, a tralar cora Tasso Irmaos._________
Viiho to Porto superior
em barris de oitavo e dcimo, vende Antonio Luiz
de Albuquerque Azevedo & C.: no seu escriptorio
roa a Ooi \________________________
Eeijo
Vendera se saceos com 21 cuias de fejao rajado
do Porto por 11, em cuias a 320 : na roa Direi-
ta n. 8.
Vemiem-se
10 cadeiras de bataneo com assenlo e encost de
palhtnha, ltimamente i-negadas da America : no
escriptorio de Maiheus Austin Si C. ua do Trapi-
che n. 36.________________________
Vende-se bom lijlo a I9,J descarregado : na
olaria do engenho da Torre.
Vende-se urna parle da propriedade denorei.
eliHT n3k."^rLTL.. "Tlw_rrtn^~ nada Serra da Cothw.ira, sita na freguezia de ta-
balve Rainha em verso,o Stabat Materem, quari,ngili comarfa de L,moeiro, cuj carte ao
verso, devocao ao agomsante,coraco de sn| oa mesma propriedado, com toda a extenQio
Jess, cntico em louvor do SantiSSmo(da mesma, do nascente ao poente, a qual parte
Rosario, cntico a Virgem Maria Nossa I divide pelo sui comospossos do Cachoeira eQm-
c .. P- .. .a. ... tendas, comprehendendo Lapoeira, de Estevaoda
Senhora, trinta e tres chtstosasanedoctas. CroI e Sa|vador terreno frtil de produccao de
um indito poema sobre as aventuras de toda a qualidade de lesumes, com especialidade
um cosinheiro, O canto de uma solteira' para cultura de algodo e criar gado : a tratar na
villa de Pao d'Alho com Joo Anaslacio Camello
Pessoa, e nesta cidade do Recife cora o capito
(poesa), crescido numero de mximas e
pensamentos, uma historia como muilas
^romancoj, e vinte e cinco novas e pi-
hericas charadas a 320 rs___________
^"Vendem-se 58 travs de qoalidade, conten-
do 36 a 40 palmos de comprimento : a tralar na
taberna de Antonio F. Martins de Miranda, na ra
nova de Santa Rila o. t.
Cavallo.
Vende-se por pre$o cemmodo um cavallo russo
em boas carnes, bom andador baixo e muito man-
so, sera vicio algam : no Hospicio litio a. 8, casa
terrea com port&o do madeira.
I
Delflm Ltns Cavalcanti
Remedios.
Pessoa em seu sitio nos
oa-Rua Ja lmperatriz-55
Fabrica de carros.
Acha-se sempre gelozias de lodos os lmannos a
moda da Europa por preco razoavel e concertam-
se as mesroas.
S5~Ro* da fmperalrii85
Fabrica de carros de
Francisco Porler.
Vende-se um carro de carregar gneros da al-
fandega em bon estado e por preco commodo.
GRANULOS e XAROPE
D'HYOROCOTYLE ASITICA
de J. LEPINE
Resulta pelas experiencias feitas na* lidias aa>
Franca pelos mais afamados mdicos qae as graivv-
LA8 0 O XAROPB dt HYDROCOTYLA ASITICA
J. LPDIR ato o ptimo remedio contra todas as usa*
eies da impioens ou herpes e oatras molestias 4*
pelle, at as mais inveteradas, assim como a lepra
OU MORPBEA, a SIPHII.IS. as MOLESTIAS ESCRO-
FULOSAS, os rhf.i'matismos chroiicos, etc.
Deposita geral em Par, em casa de focrnier
LABELONYE, ra Bourb Deposito geral em PeraambucR ra da
Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza.
Atten$o.
Existe uma carta vinda da Serra do Martins, no
Campo Verde, ra do Soreg, em um porto en-
costado a casa ti. 20 de Joviniano Xavier de Soa-
za para o Sr. Dr. Francisco Luiz Correia de An-
drade.__________________________
Vndese um sobrado de um andar, chaos
proprios, sendo no largo do Terco : qcem preleo-
de-lo dirija-se a travessa da Madre de Dos n. 7.
__Vende-se o en*nho Bom-Tom, pcrtenrrnfo
freguezia de Bamiros, di.-tanle n embarque
legoa e meia, e alguns escravos e animaes pf Men-
enles ao mesmo eiipeuho ; tambem se Iroca por
algum sitio nos arrabaldes desta cidade : a ira'ar
na roa da Calcada o. I.


rl t-S+iXiF-


Diario de Pciuambuco Quiula eir 19 Je Janeiro de l&fta.
i
COXSELHO
DE
_________^
Daixai que ot Hunos da civiiisagao tos preguem
economapara os ps 11 Esta parle do corpo
humano por oerto aquella que, nesie clima ne-
eessita de raaior agasalho: pela humidade nos ps
se imroduz a grande maioria das molestias, e eom
estas a per da da sande e da vida 111 Fra com as
botinas e sapatos velhos; reforma-Ios
45-Rua Dereita-45
Borzegums francezes para homem
Ditos inglezes idera a 85, 75 e
Ditos para senbora
Ditos para menina
Sapatoes esraaga cobra
Ditos de Nantes de daas solas
Ditos dito de sola e vira
Sapatos de borracha para senhoras
Ditos de dita para meninos
Ditos de tapete para bomens e
nlloras a 800 e
Sapatos de lustre para senhora a
Ditos para casa
Chinelas rasas do Porto
se-
55000
65000
44800
2*000
5*000
34000
45000
14400
14000
I4OOO
14000
156'
a 320,
imperatriz
360 -e
n. 56,
Bixas de Hmburgo
Vendem-se na ra Nova q. 61
Nova liqiidacao de fazenas at o n
de mea, para fechar faclnras vende-s vite
taraU, eor ser Itimo mez de testa, tae es
treaaetes deven aproveilar : na leja t armazem
da Arara, ra da Imperalrii n.S, de Loaren-
C Pereira MeaesGuimarars.
Pateadas espeeiaes para senhora.
Voaia-se ricos orles de vestido de laa a Mara
Pa para senhora de bonitas barrasa 84,104,134,
J&*S.raC.*lte : a rUa da ***"** S
k Arara rende a 2$30
JSgy.a.?^g 0^ fl com 10 covados
4400 e 342OO ; cassas de cores
400 rs. o covado : na ra da
loja da Arara.
Corles de cambraia de salpicosa 240O,
Vende-se corles de cambraia do ^kL
pi. po m & 1Z: d'l tutes;
Veade-se cassas de cores a 280, 320 e 400 rs o
cavado ien5os de seda a 800 e 4 na ra da
iraperatr.z n. ft, leja da Arara.
LanafcasaJIariaPia a 0 rs.
ven-ie-se iaaunhas a Maria Pia
com (taimas de seda a 500
cores a 320, 409 e oOO rs
r
para
vestidos,
ditas de
na
rs, o cavado,
ores a jzo, Mme oO rs ditasIas de cores v^
ra aapas e vestMos a 560 rs. o eovado, Ss
paracapasdeseahoraa 14800, 25300 e 34
roMia imperatrlz 0. 56, loja da Arara '
.1 Arara veade ohitas a 240, 88 e 320 rs
Vende-se cimas de cores fixas a 240 e 280 V
o cavado, d.tasrancezas a 320,460 440 ihZ n.
^viSr^i"-1'^* Veslidos fiD0S 00e 560
PtalJ1V* m"*''88 I**"8 cabeCa Mara
Balees americanos para senhora.
Vande-se baldes americanos, os mclhore*que
Sal fw-Soado*de 2(vk- 30 SRSR
oja da Arara.
PaiemUe jarabea:
, i*-'!5fas2co?es deca'cas^efc-im para boeiem
i?^ "**** fe easemira a 34, 3*509 e
*ra : "* fUa dmPei'atriI n- 5'6> 'Ja Ja
.JtDiipa tita para hc-mejr .de
brilhaotica
o ra da taperatriz n. 56,
lodas
as qualidades.
v.:u le-.se palitots de brtm de cores a "* 24*00 e
.'5, ditos branco a 0800, Jims de *paka de cores e brincos. 3 b ditos de
^-lacaaejaira a 4J300 e4, diiosde easemira a
U, 84, 144,JM, *U em, ditos e panno Lo
ijreio a 84, 104, MX 164, 204 e 5, calsas ,e
btfn de r a 25 e 25500, di la de t!e branco a
4 Jilas d&Jito de Huno a 34500 e 45, colltes de
ores a 25, de brim a 25300, de csemirasde
eores e preas a 3^300 e 44, calsas de easemira a
"i,.6i e 84, de meia easemira a 34 e.34500 ca-
ruiss fraaceas n 24 e 24S60, de linho ingle'zas e
pregs largas a 3 e 345005igravaias da lodas 'as
.Ia,hiladesde.300, 800, 14 e 14400, ^ollarinho
de todos os tamanhos e muio bem feitos, para Ji-
ij'iidir por ser lempo de fejta : na ra d Impera-
triz a.-S6, loja da Arara.
Colcas para eama a 2$.
,Veade-se colchas de chita para cama a ftL ditas
4e damasco a 44. ditas de fustao a 5a, chitas para
coberta* a 320, 360, 400 e 500 rs. o covado : na
rui da mperatrizc 56. loja da Arara,
A Arara rende ciadapole enfesada a i
'.' mde-se pecas de madapolao enfestada a^
pea, dito aglez de 4 jardas de n. 3, ad35. de 1
a.,-i4300,n. 25 -a 6SS00 e 74500, n. 5 8,5560
* 9JO00, R. I). P. 104, ZZ 114, n. 20, dilo 3
144 a peca ; aloda>zinfco marca 9 a 54500 dil
^^icna vacca a "4, dito.dsmcstico a 74500' dito
)M (erre a 84, dito SL9 a 104, dito T a 104 e 124
.lito sicupira a 84500, para liquidar, na roa da
3mperatnz n. 56, leja da Arara.
l'aliirts de^lpaka.
. Veo4e-e palltots de alpaka pretade 34 eJMSO
iA.is linoi de cordo. lizas e brancas a 44 fut
da emperatriz n. 56, lofa da Arara.
Va baroteiro da ra da ft*f eralriz n. 56.
Vaa le-se seroulas a 14280, djtas trancezas a
l-56ft9e 24 : e outras muilo boas azendas que o
freruez encoalrar na loja da Arara, ra da Im-
peratrit a. SIS.
Feij 10.
9- laa 4 Madr ^e'Peas-"
Vndese feao mulatinho rovo, sacco
cas, o mal* novo que se pode desejar,
barato do que em gtra qoalquer parle.
de 22
e mals
AWSKHM
VGIME
Una do Crespo n. 9.
O gallo vigilante leudo sido agraciado pelo pom-
poso Ballisa, na sua ordem do da, e pela Branca
Aguia, apesar de que, para esles o Gallo com seas
agudos esporoes nunca os offeader, ames os agra-
ciara na mesraa conformidade, para que o Baliza,
possa marchar em frente, a Branca Aguia possa
levantar seu v6o,',(evando 00 bico as palinbas seu
oinho; e o Gallo ficar em seu es pajoso campo
dando de novo o sea canto annunciando a seus
bons freguezes e aorespeitavel publico
0 grande ser lmenle deobjectos de nuil* fatal aw
acata de recetor.
Ricas caixinhas com musita ricamente enfeita-
das para costura, proprio para ara delicado me-
nino.
Riquissimoscofresinhos com cadeadosde metal
para guardar joias.
fiieas canas com estejo, conteodo todesosper-
tences para homem.
Riquissmas voltas Gogradeperola.
Ditas cem lacinho de lita.
Ditas -de lindas cores e $ceta, de tedas as gros-
suras.
Lindes aderemos cora ipedrinhos fingindo Lri-
Ihantcs.
Ricas fivellas rara cBto, de todas as qualidades
e bom gesto.
Ricos cintos de ultimo gostode Pars.
brande sortimento de lindos enfeiies para cb\j-
ca, sendo do ulttmo-gosto e de todos os preces.
"lres muito fitres para nolvas.
l.nvas enfoiadas meias de seda para nohras.
Chaposinhos, sapatinhos eir.eias.de seda pan.
aaptlsado.
Riquissimas Tilas de todas as qualidades parala-
do, cintos e cinleiros. '
Gamisiohasegollnhas para senhora.
Riquissimos jarros e figuras para ornamento de
sala.
Grande sortimento de gravatinhastantoipara se-
nhora como para homem.
Luvasde pelica branca e decores.
Cascarritbasde bonitas cores.
'Traneintoas.galao e maravilhas para enfeites.
Transelins de cabellos e de retroz para reloglos.
Papel amisade e de outras qualidades.
Bolsas pare viagem.
Entremtese babadinvtes de lindos padrees.
Lencinhosde linho bordados.
Meias para homem, senhoras, meninos e meni-
nas. ^
Filas de veludo lisas e com mtame tic todas as
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as qualidades.
Graade sortimento de sabonetes.
Lindos vasos com banda para offerecaentos.
Gaixinbascom seis frasquinhos.
Esseocia6 de lodas as qualidades.
Aguaverdadeira Florida.
Agua da Colonia, em carrafas graados, e em
frascos quadrados egarratiolias.
Pomada una de toas as qualidades.
Super4orikauha em frascos e copos de todos os
laantes.
Sabao inglez em paos grandes e peqoeaos.
Escovasde cabo de madreperola, marP.m e de
osso, para deotes.
Pentes para desembarazar, eom friso de metal e
sem elle.
Ditos de tartaruga e de muitas outras qualida-
des.
Pentes de-tartaruga para son hora.
Ligas de ida e de alttrdao, assim como amitos
outros bjectos de goslo que seria impossivel men-
cinar,que a vista far s do Gallo Vigilante,
ru do Crespo n. 7.
YolfillIrSfi.
Lindas volitabas de pertlasfalsas comcruaiilias
fingindo bruteles, assim como cruziDhas avulsas
e voltinhas,, pelo barato prejo de 14 e 14200, as
cruzes avuls;asa 400 rs.; s no Vigilante, rut do
Crespo o. 7.
LcfMC.
Riquissimos.baques de madreperola tanto liara
senhoras como para meninas, pelo barato prajo
de 124 e4;-s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
GAKDE .XOVIDAEE.
* S to Vigilante.
Riquissiats enfiies de lodas asnualidades pari
eehoras e menina/, chegados hojeda alfandega.
finios
Riquissimos sintos de fita larga e estreila com
velas grandes e pequeas, com brifanles falsos,
coasa de muito gosto.
JJbnns
Tambem chegaj;am os riquissirooe tlbuns para
50 retratos, com eapa-de larlaruga e de marfim,
consa;muitochique : s o Vigilante, ra do Cres-
a 1 po n. 7.
Colindas.
Riquissimas golinhas e.manguitos, omeihor gos-
toposiiial, a 24, 24500 .e 84; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfeites para sfsdioia.
RiquQsu.-,:m enfeites com lace e sem Jaco e de
outros muitos gostos a 14,14509 e 34: s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Traneelins.
Undos traneelins ae eabello para relegio ou R-
elas, pelo baratissimo preco de dfiSOO, ditos de
reMal a 200 rs.
Babaainhog utrmtkl.
Riqusimos babadinhos entr desenos tapados e transparentes, pelo baratissimo
preco de 14200, 14500, 24 e 34; s 00 Vigilante,
ra doiCre#po n. 7.
Caaearrttaf,
Grande sorlimenio deascarrilhas de dwersas
larguras, assim como galaozinho e tranciobas pro-
prias para enlets; s no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7. *
Filas.
Grande sortimento de filas de diversas larguras
e qualidades, per preces que adtairam aos com-
pradores, havendo titas largas
Grande liquida$o.
lltia da Imperatrfz n. O.
Loja de fazendas do pavo de Gama & Silva
Acha-se este estabelecimento completamente
oi'iido de fazendas inglezas, francezas, ailemas e
suissas, propiias tamo para a praca como para o
inato, promettendo vender-se ma isba rato do que
em ouira qualquer parle, principalmente sendo em
porcao, e de lodas as fazendas do-se amostras,
deiaado Qcar penhor, ou mandam-sc levar em ca-
sa pelos caizeiros da oje do Pavao.
Vestidos soutambarqne.
wPelo Dirimo vapor francez chegaram riquissimos
veslidos soulambarque, os mais modernos que
nesle mercado tcm apparecido, os quaes eslao
promptes com saia, corpinho e seu competente
soutambarqne, tudo guarnecido de seda, veludo e
renda. Quero tiver bom gosto dirija-se loja do
Pavo, na ra da Imperatriz n. 60.
40JS TMES 1HIL VESTI-
DOS.
Na loja do Pavo, a 3$. 4$
e 7#000.
Vendem-se lindissimos cortes de veslidos india-
nos, sendo todos bordados e de listras de cores e
brancas,proprios para casamento, pelo baralissi-
me prego de 34 cada corte por se ler comprado
urna grande porcao, sendo fazenda que vale 64.
ditos Mara Pa, tendo quatro pannos, fazenda
para o corpo oom os competentes enfeites para o
mesmo, pelo naralissimo preco de 44 cada um,
ditos de todas as cores com as barras bordadas a
crox, sendo cada um em seo cartao, tendo cada
um todos os enfeites precisos, pelo baratissimo
prego de9$ cada um, ditos com babados muito bo-
nitos, mas sem ser em cartao, pelo diminuto pre-
go de 345OO cada um; adveritado-se que os donos
da loja do pavao vendem estes vestidos por to di-
minuto prego por terera comprado urna grande
quamidade e convk- Ihe Kquidarf m logo, na sua
Idja, ra da Imperafriz n. O.de Gama & Silva
Aos vinte mil covados de l
Grande pecfclncba, a *TO
e 3O rs.
Vendem-se as mais bonitas laeinhas transpa-
rentes, sendo com listras e quadrinhos mindinhos,
e lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
e rxas para luto, pelo baratissimo prego de 240 o
covado, dftas transparentes com palminbas de seda
Mara Pia, tendo de todas as cores, e lambem
algumas proprias para luto, pelo barato prego de
320 cada covado, i>to por haver urna grande por-
cao: aa ra da Imperatriz n. 60, do Gama &
Silva.
Latas e ropos com baniEa lina.
A guia branca, na ruadoQueimado u. 8, rece-
beu-esla estimada banha fina em latas e copos, isso
alemde outras em di verses frascos.
Asmodonissimas f*zinhas <'e amas
cor, r imitaeo de
^e o |' >ao.
Chegaram pelo ultinxt vapor francez as mais
sBedernaslaazinhasdecordaozinbo, as mais pro-
K111
RUA DO QUCSIiffAUO IV. 35.
Fassand o becco da Congregacao segunda casa.
tx-
NOV1DABE
Pereira Rocha & C. acabam de abrir na roa do Queimado n". 45 nm armazem de molhados denominado Clarm Con
cial, onde o respeilarel publico encontrar sempre um completo sorlimento dos melhores gneros que ?em ao DOfU aereado oa
quaes serlo vendidos por preces muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencioneda; garnte-se otan
peso e boa quaiidade dos gerreros comprados neste armazem.
600
gorpro, Yen-
Arroz do Maranh5o, India o Java a 60, 80 e
100 rs. a libra, e i*80, 20600 e 30OO
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
9 nfn el^0Q' m frasc<>s grandes a
dem em caixinbas elegantemente enfeiladas
com ricas estampas no interior das caixas
a 10200,14400, 10600e2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de'Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta mdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellaasmuite grandes e novas a 180 rs. a
Hbra.
Biscoiftos inglezes de diversas marcas a
10300 rs.
Bolacbinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata.
Idom inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinhaea2O0rs. a libra.
Uanha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huebra o perola a 14800, 20,
205CO, 20800 o 3OO a libra.
, dem preto muito superior a 20000 a libra.
Ceneja preta ebranca, das melhores marcas
que vem ao merGado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac in?lez fino a 900 rs. a garrafa.
Peras sectas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
Painco a 200 rs. a libra. rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e Ervilhas portuguesas a 640 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. dem seccas muilo novas a 200 rs. a lirra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800' Figos de comadre e do Douro em afaM as
dem prato. de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
dem londrino chegado no ultimo vapor a| 10800, 50300 e 280 rs. a libra.
900 rs. a libra. Farinha do ItaranhaO a 1(0 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs. dem de trigo a 120 rs. ? libra.
cada'um.
Sardinlas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 6( 0
ibra.
Genebra de Hollanda verdadeira marra VD
a 560 rs. o frasco e O02CO a frasfi:eira.
dem em gairafes de 3 e 5 gales a .'.LOO
e 70500 cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a dezia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa,
dem, quaiidade especial em garrafas n i.ito
| grandes, a 10800 a garrafa.
Eigos em caixinhas ermetiesmente lacradas dem em garrafas mais pequeas a 8t0 rs.
a 10600. dem, em garrafa forma de pi a e r< II as de
Vinho do Porto engarrafado o melhor qne vidro, a 0000, s a garrafa vale o di-
ha neste peero e de varias marcas, como; nheiro.
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto, Manteiga ingleza pcrfeilamenle flor, ese
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Mara Pa, 1 barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e | de segunda quaiidade a 800 rs.
10000 a garrafa, e era caixa com urna du- dem francez muito nova a 640 rs. a libra,
zia a 90000 e 100000. dem de tempero a 400 rs.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a Maca de lmales em barril a 480 rs. a libra.
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500 dem em lata a 640 rs.
e 40 a caada, Marmelada imperial dos melhores coavend-
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs. | ros de Lisboa a 60< rs. a lata.
preas c mais lindas qoe tem vindo, proprias para I fnwiW* "" #u.
vestdos.-soutambar^ues, capas,etc^ dam se amos- J-.onser\Wa "20 rs. O frasco,
tras deisaodo penhor, e vendem-se pelo haratissl- 'em, SO-de pepino, a 720 rs.
m preco de 360 rs./9 covado : aa ra da Impe- i dem, 80-de azeitonas, a 750 rs.
ra As lazlRhns do iMv.'o.
tes
*}*as
das, cor segura, padroes miudos -e grandes a .320
rs. o covado, ditas transparentes erm palmithas
de seda a 400 rs., "ditas escocers a 560rs., isto lu-
oo para liquidar : na loja e armazem do Ptvo,
ra o Imperatriz n. 60.
Os fresenaples do Fariio.
Charutos os melhores fabricantes da Baha
e especialmente da fabrica imperial de
CandiQo Ferreira Jorge da Costa a 10800,
20000, 20200,-20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do "Ro multo superior a 280 e 320
* libra e805OOa 80800 rs. a arroba.
Cartes-de'bolinhos francezes muito novos e
bem-muito enditados a 700 e 600 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Juen a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs.
a duzia.
dem Morgauxe Cliateaulumini de 185 4, a 10
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa
15200 rs. a caada.
Marrasquinho de Zara, frascos grardes,
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Magas finas para sopa: estrellinl.a. pevfc
rodinha e aletria a 600 rs. a libra t- a
a caixinhacom 12 libras.
Nezes muito novas a 160 rs. a libra,
e Peixt em latas preparado pela primen."> arta
de cozinha a 10 a lata,
Paliios de dentes a 160 rs. o mato.
^\B^nn,g/osenapJesJf,fel5,5' fazendasope- Choorfcas e paies muito novos a 800 rs
ibra.
da
or a 13600 rs. o cavado, ditos largos muito en-
eorpados a 2^400, 2600, 2e0 e 3000, ditos
brancos, <:0r de rea, azul e amarello a 23060 r s
ao Pavao, ra da Imperatriz n.-SO.
As uo^as las tiaribaldinas a 500 rs.,
na ja do Pata.
Ve-ndam-seas mais modernas lazinhas garibal-
diaas,-fazenda inteiBcmente nova dq mcrcado,<.-en- i
do lodas com listras miudinhas, -e transparentes, i
com Jusiroa imlfa^ao das sedinbas, tendo varias i
cores, senilo,azul, c- de lirio, carraezim, cinecnta
erorde havana, ele.-, isto a 560 rs. o covado liara HEI7 "in0S e Bem encaaer
venderdepres-a: oa loja do Pava,roTS S2ETS'"^ aiaSa'tarlarH8
rador o.'OO de Gama A Silva. ^ > gunsdes qoaes com microscopio ,
Vfl IRd4S muaeruOt, vestidos. .llana Pa, didas t>r.precos corwnodos: na ra doQueimado
aa loja de Paiao, a 16$ ,gja da ^"^ rantae. 8.
Kirsk garrafas muito grandes a I0SOOrs.
Alm dos gneros cima mencionados te- dem de dentes a 120 rs
mos grande porcao de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudo ser vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. a libra.
pecas e carnadas, tanto em porcoes como Doce de goiaba em latas o me'hor possivel a
retalho- 20 e em caixao a 640 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima te- Palitos do gaz a 20200 a goza.
r o abate de 5 por cento. [ Passas muito novas a 480 rs. a libra.
Frascos com gomma arbica
4ssol?ida e pincel.
Veadem-se na ra do Queimado n. 8, loja
aguja i-auca.
lV>-vos albuns.
m^,dJf5lf>Ian,Ca **^a de receber oulra encom- Grosas de pennas de ac inglezas da melhor "qua
mendade gnitos e bem encadernados.albuns de lidade a 640 rs 4
euPn^ot^!i'd0;"'aa,tarlarH8a emarlim. al" Caixas de clcheles francezes de superiores qual,
? .?i.-l|0.aes com "croscopio para.augmentar dades a 40 -
RIVAL SEM SEGUNDO MACHINAS felPAUM
la do yueimado ns. 49 e 5o, loja de miudezas \ l"^1 lrl kJ
est conlinuando i *I
Hua do Queimado
de Jos de Azevedo Maia
vender muito barato, pois seu genio dar a fazen
da por lodo preco a vista dos cobres.
Cartas de alflnetes francezes da melhor qualidadt
a 80 rs.
Vendem-se finissimos vestidos "Hara Pia com
os corpioboe different<>6, tendo todos os preparse
com o comnetento sinto : na ra da Imperatriz n.
60, loja do-Pavao.
lainMitlia*: a 1 $(;({;
Gu tonteras para fies as
A. aguia branca nao-ressa de encommendar do
! que ha de melhor e awus agradavel, e por issoaca-
ha de recebe-r diversas figuras e ^yasos Je p de
pedra com tina banha, assim como bonitos frascos
vendem-se camisinhas com manguitos, s%ndof deexcelientes extractse lindas caixinnas de ma-
muilo bem eafeiladas. proprias para senhoras e
meninas, polo barato preoa de dez tustfies cada
urna : na loja do Pavao, roa da Imperafriz n. 60,
de Gama & gilva.
Vestais para meninas."
Vendem-se os mais moderaos veslidinhos para
meninas, sendo jnoilo bem eneitades fiara Pia,
leudo de differcnles lmannos, pelo barate prego
de;3 cada nm : aa loja .do Pavae, ra da Impe-
calrcz n. 60, de Gama & Silva.
Roopa fiila liara (a.
ende-se um graode soriimente de roupa feita
para hosnens, sendo calcas de brcm branco t; de
cor, ditas de easemira preta e decores, ditas de
meia casimira, paletots saceos e sobrecasacos de
easemira^ panno preto fino, collotes de todas as
qualidades : na luja do Pavio, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Crosriertspledeeor a I 600 o cavado.
Vende-se grosdenaple de cor azul, branco e pre-
to, pelo barato preyo de IJ600 o covado : na loja
do Pavo, ruada Imperatriz n. 60, de fiama &
Silva.
Panno dejiajio a 700 rs. vado.
Vende-se o verdadeiro panno de linho proprio
ara lences, toathas ceroulas.jielo barato prego
a 700 rs. a vara : ua oja do Pavo, rna da tm-
peratrit n. 60, de Gama A Silva.
deira enverclsada com finas perfumaras, tudo
'J/iui proprio para preseales de feslas etc., havendo
-dinbeirodirija.seo pretetdente a ruadogueima-
ton. 8, loja da,aguia bracea. "
Ail fino para engom*
mudo
A aguia branca aa ra do.Queimade n. 8,ccce-
beu lbulos de aail lino e fcasquinhos cora es-
sencta de dito paca engommados.
Outnos enfeites.
A agjia branca acaba de.receber por este ulti-
mo vaner um novo sortimento deibonitos e delica-
dos eofaiesde moldesiateiramente novose de um
apurado goslo, assim pws comparocam os preten-
antes muflidos dedinheiroe coin Jisposigo de
gastar : na ,!o^ da aguia ranea ra do Queima-
do ji. 8.
Pequemos pentes de lo r-
rs.
de rclroz preto fino a
superior a
qualidades a
tom 3 foltias fazenda bo:
Ecoaomia do Pavo.
Vende-se para acabar, orna pergo deretalhos
de laa e cassas de lodas as qulidades, e por pre-
sos maito era coola; quem tem economa que
pode apreciar : isto na leja do Pavao, rna da lm-
peralriz n. 60, de Gama & Suva,
proprias para cin-
leiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega
Veaae-se superior viaho do Porto em eticas de de 9 varas .a 2; s no Vigilante, ra do Crespo
urna dazia : era casa de Jofaoston Pater& ,C, ma n. 7.
do Afirio n. 3.
Aasatar cryslaliada da fabrica
2 de Julho
Na Baha.
Xoa.mazeEE d. ra da Madre de Dos n. 28,
ha venda o multo superior assucar eryslalisado,
em saceos e 2 arrobas, ao prego de $& cada ar-
Farinlia lavada.
Ra da Madre de Dos
Vende-se farinha lavada a melhor que tem vin-
do a este mercado por ser melhor qne a Mur ibera,
pelo barato preco de 6 a saeca, a granel, a bor-
do da lancha Riot I, defronte do Trapiche Barao
do Livramento. on ensaccada no armazem cima
indicado por 65300. Tambem tem de ootra fari-
nha, a bordo do mesmo navio, mais grossa, de S.
Matheus, que se vende a granel a,1{i sacra, e
em trra a 54500 : no armazem da rao da Madre
de Dos n. 9.
VeBde-se p^r precislo a armago da loja de
calgado toda envidraca da ra da Imperatriz na
Boa-Vista a. 13, o aluguel razoavel ea casa tem
no interior bastante espago para moradia : a tra-
tar na mesma loja eom a viova de lejo Jos Men-
des da Silva.
Fitas de Ua.
Pitas de lia de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Ricos espelhos.
Riquissimos espelhos cem moldura deurada
sem ella de 8, 105, 129 e 144, assim como com
celumnas de differentes lamanhos a 2, 35,45, 55
e 65; s no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto queaqui
lem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para pos de arroi,
Riquissimos vasos com henela para pos de arroz,
consa de mnlto gosto a 15500 e 25, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7,.
Perfumara?.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
tlnctivos e onererimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Paris e Inglater-
ra, assim como os grandes ropos de banha japoneza
a 25 e a 15, assim romo outros objeclos que nao e
Madaplio a 7)000, s na leja do Pavo.
Vende-se f uperior madapolo muito encorpado,
tendo 20 varas cada peea.com 4 palmos de largu-
ra pelo baratisH'mo prego de 75000 a pega ditos
muito finos a 85, 95 e 105000. E* pechincha, na
loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
Certesdecassa a 3000.
Vendem-6e muito bonitos rories de cassa, tendo
7 varas cada eorte, com desenhos muilo delicados
pelo baratissimo prego de 35000 o corle ; s na
loja do Pavao, rnada Impeatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Corles de chita fraseeza.
Vendem-se flnissimos cortes de chita fran-
ceza.com 12 covados, tendo, padrSes escuras e
alegres de cores flxas pelo baratissimo prego de
45000 o corte; s na loja do Pavao ra da Impe-
ratriz n. 60 de Gama Caabraias lisas, na leja do Pavio.
Vendem-se pegas de cambraia lisa muito fina,
tapada e transparente, pelo baratissimo prego de
45000 tendo 8 1/2 varas cada pega, ditas muito fi-
nas a 75, 85, e 95 a pega, ditas Victoria eom 10
varas pelo baratissimo prego de "5, 95 e 105, di-
tas Garrazes fazenda muilo encorpada. fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara ou 5600 a peca ;
isto na loja doPavo, ra da Imperatriz n. 60,'de
Gama i Silra.
Cortes de lia a iOOO.
Vendem-se cortes de lias garibaldlnas, matea-
das e de quadrinhos, tendo 1-2 covados cada corte
possivel por boje aBnunciar, e vista dos fregu- pelo hamissimo prego de 45000 o corte ; Isto na
zes se fara todo negocio: ni loja do Gallo Vigilante, loja do Pavao, roa da Imperalrz p. 60 de Gama &
rpa do Crespo n. 7. I Silva.
taruga.
A aguia branca na ra do Queimado n. 8, rece-
ceben novamenteeeses pequenos^pentes de tarta-
ruga que poruas qaalidades de pequeos, isos,
bonitos e bem felios tanta eslima tem merecido pa
ra as senhoras segurar o cabello quando atado ; a
aguia branea porm avjea aquellas pesoas que os
haviam enconmendado e a quera mais qoeira
aproveitar aoceasio de os comprar continuando
a serem vendidos pelo me wn.
Estando brancas ficam preos
O bom resultado e o rpido elTeito que prodoz
a liaiura de chromacoma, e mesmo o acillimo
modo de applicartem se tornado mui conhecldo e
apreciada por todos guate augmentado a exlragao, pelo que a aguia
branca maedouvir mais o novo sortimento que
acaba de receber constando elle de
Caixas com rjiromacoma para Ungir os cabellos.
Frasees com oloricoma para lustrar ditos.
Ditos com hydrocallteihricbina para limpar ditos
Ditos comoryehromantina para limpar as nnhas
Sabonetes hrancos para lavar os cabellos.
Pomada callicomiphila para dar cheiro aos di-
tos sem olTender a preparago feita.
Sapatos de marroquim /om-
rado para bailes.
Esses sapatos do grande tom vendem-se nica-
mente na ra do Queimado loja da aguia braia n.
8 a 65 o par.
Meias finas para senhoras
' gordas
vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
Dranea a. 8.
Esponjas finos para rosto
da aguia
Grosas de botes de madreperola muito finos ao6(
e 640 ris.
Carreis com 4 a o oitavas
040 rs. .
Resmas de%apel de tese liso muilo
25000. /
Grvalas da liga e de /outras muitas
500 rs.
Caivetes para penna c
80Qjs.
Duzia\le botoes branco para casaveques de senho-
ra a 100 rs.
Pegas de fita de cs estreitas com 9 varas garat-
Ndas a 320 rs.
O Expositor Porluguez para os meninos a prender
a ler a 800 rs.
Os segredos' da natoreza para os meninos a pren
der a ler a 15000.
Carlilhasda doulnna chrisiaa, finas e superiores a
320 rs.
Pentes tinos de marfim a 15000, 15200 e 15500.
Pares de I uvas de seda para homens e senhoras a
500 rs.
Gollinhas para senhora o melhor que ha a 320 e
500 rs.
Frascos com superiores banhas a 240, 320, 500 e
45000.
Lvros que serve para assentar roupa, pelo diminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cordao branco para espartilhes muito superior, 1
vara a 20 rs.
Carritis .com 456 jardas de linha branca a 60
ris.
Cartes .com 200 jardas de linha branca garant-
d< s a 0 rs.
Grosas de pennas de age superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
dlas a 160 rs.
Pares de boioes de punho, oh que pechincha a
120 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro cora superior tinta a 100 rs.
Grosas de betoes de loaca prateado muito fino a
160 rs.
Tesouras para costura superior quaiidade a 500
ris.
Escovas para limpar dentes, superiores a 200 rs.
Caixascom superiores phosphoros de seguranga a
160 rs.
Caiascom 100 envelopes o melhor que ha a 640
ris.
Caixas eom 20 quadernos de papel amizade, muitf
fino a 600 rs.
Quadernos de papel pequeo mnito fino a 20 rs
Vinho la Madeira d do Parto
Vende-seo superior vinho da Madeira e do Por-
te, em caixas de urna o duas riuzias : s na loja
do Vigi'ante, ra do Crespo n. 7.
Ra da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes broDzeados, lonas inglezas, fio de vela, 1
chicotes para carros e montara, arreios para |
carros de um e dous cavados, e relogios de
ouro patente nglez.
trabalkar u.<> f.:
descaro^ar agodio
F ABDICADAS
Por Plant Brothers & 0,
OIPAH t
Vendcm-se na ra do Queimado loja
branca n. 8.
Cylindros para pada
ra.
Na padaria da ra Direila n. 84 ha para vender
os conhecldos e acreditados cylindros americanos
para trabalho de padaria oltlmamante chegados.
Rna da Senzalla Nova n. Vi.
Neste estabelecimento vendem-se: tac di
ferro coado libra a 110 rs., idem d eLo*
\foor libra a 120 rs.
Farelo superior de Liffcoa a 5 o *trro.
Tem para vender Anlonio Luiz de Olivtira
vedo & C. n,o seo escriptorio rna da Cruz o. 1.
Albas
para 20 at 200 retratos, mnito bons e por menos
prego que em nutra qnalqaer parte; oa ra do<
Crespo n. 4.
Es!a meMMj
poder'ic carcear
jcalqoer fsierto
de algcdao- --ro
estragar o fa.
sendo * iDaftMSfoas .'ra
o traba!I.o ; pl da
descararar prca
arroba 'de a!go-
dao em 40 n inuros,
on 18 arrobas
por da N X ar-
ralas de afgtdao
lmpo.
Assim romo machinas para rerrm ctMSs re
animaes, que desraragam 18 arrotas aca'itcia
limpo, por dia.
Os mesmos lem^ara vender um ttlliss n o va-
por que pode fazer mover seis rirs'as nnticas
mencionadas ; para o que renvida-se ros Sr*.
agricultores a virem ver e examina-lo, co ira
zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47.
Saundcrs Brolhers C.
M. II, pravi do Corpo Ser
ItECIFE.
Os nicos agentes nesle paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO:
Ra do Queimado ns. 49 e lo lija Pta?( :ro
conhecidoj como tal, est disjonrfo da ftzerdl
por lodo o prego para apurar awbeiro, qi un < uj-
ier ven ha ver e traga o cobre, e n ra o .*< ^ ii.re :
Barall.os de carias para vultante illo
finas a........................ ..
Miadas de linha froxa para h idar .. .
Pares de sapatos de tranca de li dos os
lamanhos e linos a...................
Massos de snperiorgrampos para cabellos
Duzias de palitos de gaz superiores a. ..
Libras de ara preta muilo soierior a. .
Frascos de superior macag oleo a___
Ditos de dito perola a.................
Ditos de oleo de babosa mnito finos a 3i
rs. e...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida....................... ,......
Ditos de banha muito fina a............
Ditos de cheiros muilo finos para o prego
a ris.............................
Sabonetes de todas as qualidades a 60 s*.
160, e............................
No vellos de linha com 400 jardas a......
Carritis de linha de cores rom 200 jar-
das a.............,...............
Novel los de linha de gaz de todas as co-
res a.............................
Pegas de fitas elsticas cem 10 varas pa-
ra vestidos a.......................
Frascos de superiores cheiros. prqoencs, a
Pares de ligas muito superiores e benitas
a ris.............................
Varas de bicos francezes, superiores a...
Opiata para dentes da melhor que ha a..
Frascos de agua para denles, superior a
tudo a............................
Pegas de tranca preta liza mnito fina a..
Caixas com 4 papis de agnlhas Victoria a
Varas de fila prela eom eolxetes ......
Libras de la sortida de toda as reres a
Bonecos de choro muilo bonitos a......
Caixas de obreias de ma ssa moto novas a
Varas de franja .branca e deires para
toalhas a.....................
Frascos de oleo Philcome.-cii.c.. .
Ditos rom snpenor tinta a320 e........
Caixas de linha de gaz rom 50novellos a
Rodadores para espartttno ........
Duzias de boioes eacaruaaus para vesii-
us a..............................
SCO
M
IfM
:.0
5C0
ICO
ICO
SCO
fW
400
m
00
M
80
63
30
:}0
ti 400
40
l4.
lfO
60
.0
\Q
6/.'0i
i'"O
m
m
ou
'.00


III

I
Alarlo de Peroamfcno Quinta letra 19 de Janeiro de t 8*S
r
AURORA BRILHANTE
GRANDES ARMAZENS
lK
MOLHADOS
Largo da
Santa IR
JCruz ns. 12e84,
[esquina da ra dojjj
sCebo. >m

VIMIOS
ESPECULES
Largo da SantaW-
$Cruz ns. 12 e 84,$
igesquina da ra dojj
^Cebo. Jg2
NEM COROAS NEM MITRAS
6
s
ROUPA FEITA
GRAIOE ARMAZEM
RIJA DO imrERADOR J. 40
Junto ae sebrado em qne mura o Sr. .-bsrae,
Duarte Almelda de C, receberam de ana proprla eiconuea-
da o mala lindo e variado sortimento de ntolhados, proprlos
da presente estaeo.
Manteiga ingleza Haeas brancas
da safra nova vinda no ultimo vapor a 1 ,ooo para sopa a raelhor que se pode desejar,
O dono dos j muito acreditados armazens de molhados denominados Aurora
Brilhante, acaba de receber de sua propria encomraenda, muitos gneros delicados
' proprios da presente estacao, e tendo grande sorimento comprado aqui,aflanca que todos
os seus gneros sao de qaalidade.
A seguinte tabella servir a todos do base para ajuste de ontas aos por-
tadores.
Nentuim armazem vender mais barato, e melhorcs gneros do que a Aurora
Brilhante, j pelo grande sorimento que tem, j mesmo por seu dono se achar encom-
modado em sua saude e ter de vender um de seus armazens agora, e o outra na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveitar urna quadra destas para se comprar
barato.
Latas com 3 libras de chouricas muito novas,
a 7539.
Ditas grandes com peise em postas inteiras,
mais de 12 qualidades, a 15000, l^SO e
10100.
Ditas com ostras, escolente petisce para fre-
gideira, a 7iOrs.
Ditas com erviihas novas, ensopadas, a
720 rs.
Ditas com favas, a C40 rs.
Ditas com ameixas a 1 #200, 1800 o 30oOO.
Dila> com marmclada do afamado fabrican-
ciato Ahrou, a 880 rs.
Ditas de massa de tomate, a 600 rs.
Ditas com ligos de comadre, novos, a 10500,
25 e ,J.jOO.
Ditascom bolacbinhade soda muito novas, a
25OOO.
Ditas com bisaoitinhos inglezes de muitas
vialidades, a 10490.
Gbocelate.
C'io.iolate superior muito novo, a libra a
1-5200.
Miearrio (elliarim e alelria amarella.a libra
a ISO rs.
nito dito dita branca, a libra a 400 rs.
C-fj Clisas com ostrelinha, pevide e outras mas-
yg gas, a caixa 30300.
X7 Ditas dita em libras a 640 rs.
- --."> Ssvadinha para sopa a libra a 240 rs.
\i Rrvillns seecas, a libra a 160 rs.
f Ditas 'lc;q>cadas, a libra a 200 rs.
Tapioca mulo nova, a libra a 280 rs.
Familia d ararula verdadeira, a libra a
rfg% 509 rs.
V-'J 25100 e a libra a 80 rs.
:g o da Inilia e Jara, a arroba a 30200 o a
libra a 100 rs.
Toactttho de Lisboa a 90500 a arroba e a 320
- ? rs. a libra.
Dito d9 dantos, a arroba 75000 e a libra a
P 200 rs.
galbos rom 125 soblas grandes, a 15280.
PMistarda franceza caixa com 2 duzas a
s 5000.
\ Frascos com mostarda preparada em vina-
.'.% gro, a 400 rs.
Ditos com conservas inglezas e francezas,
a 6i0 o 800 rs.
Ditos coni sal refina 1o fino,, a GiOeaoOO
ruis. /
Ditos com a verdadeira ganebra de Iaranja
/; a 15200.
Ditos de t garrafas de Hollanda verdadeira,
, 10050.
Daos do 1 earrafa de Hollanda verdadeira,
J a 610 rs.
?
Botijas cora dita propria para negocio, a
40 rs.
tiarraldes rom 2 galSes com dila, a 65000.
Serveja ti marca, a* 500 rs. a garrafa, e a
duia a 65000.
Vinho mascatel de tetuba, a garrafa a
i iry'i
tft larrasqainHo verdadeiro, frascos a 800 rs.
e a 15200.
Champagne, a duU 205000, e a garrafa a
25000.
Azeite refinado portuguez e francez, a gar-
rafa a 15)00.
Caixa de, vinho Dordeaux muito superior, a
75, 85, 95 e 105 a caixa.
Ditas com .lito brancq, a 75000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a 205. ...
Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
18500J.
Ditas com chamisco superior, a 145000.
Ditas com Porto velho e outras mullas mar-
cas, a 125000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640,
720 e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a
35200, 35300 e 45000, e a garrafa a 300
e 360 rs.
Dito da Figueira, das seguintes marca, (n.j
(J. A. A.) (J. L. O.) (O. UL-) a caada a
45300 o a garraa a 560 e 640 rs., deste
que j est engarrafado e lacrado com o
rotlo do armazem.
Dito* de marcas mais desconhecidas, a cana-
da a 35300 e 45000 e a garrafa a 480 e
520 rs.
Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 35-500 e a garrafa a 480 rs.
Gemma.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se
engommar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs.
Sabo massa, a liora a 200, 240 e 280 rs.
rarinhi.
Saccas grandes com farinha de Goianna mui-
to nova, a 50000.
Gaf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 85,
85500 e 95000.
Cha.
Cha temos nestes gneros o melhor possivel,
hysson, a libra a 25600.
Dito perola a 35000.
Dito uxioi a 257OO,
Dito hysson muito lino a 20800.
Dito redondo a 25300- a,UAn
Dito preto de primeira qualidade a 2j>o00.
Bito mais baixo a 25000 d 15600.
Em mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espermaceti.
O masso com 6 vellas de espermacele a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prlas para mimos a 45 o 2g500
Nozes.
Nozes, a hbra 160 rs e arroba a 45000.
Alpista e painco.
Alpista e painco, a arroba 45000 ea libra a
100 rs.
Cartas.
Cartas finas parajogar,aduzia a 25300.
Caslainas.
Castanhas novas vindas neste vapor, a arro-
ba 45OOO e a libra 200 rs.
Azeitonas.
Barns com azeilonas novas a 15300
Manteiga.
Manteiga flor, a libra a 15000.
' 'bita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barrio e meios ditos, a libra a
660 rs.
Ditapara empero a 400 rs.
Queijos.
Queijos novos vindos neste vapor a 35200 e
35300.
Ditos londrinos muito novos, a libra a
15OOO
Papel.
Papel almaco pautado, a resma a 45800
Dito dito liz'o de linho, a resma a 45300
Dito do peso lizo e paulado, a resma a
25300
Dito de embrulho bom a 15 e 15200.
' Vinho Madcira.
Garrafas com n verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 15500 e 20.
Temperos.
Folhasde lomo, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 15400
e peqnenos a 640 rs.
lijlos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
Dnzias de boiSes de graxa a. 97 a 25600, e
de latas a 15000, e os boiSes a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos Anos dos melhores fabricantes da
Bahia por diversos precos, caixas e meias
caixas.
rs. a libra eem barril a 800 rs.
Manteiga franeeaa
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a560rs.
/ Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Aineixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos,
Cartes
com bolos francozes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 1)9300.
Chocolates
de todas as qualidades a 1.5000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 26oo.
Queijos
ebegados no ultimo^apor a 2^600 cada um.
lueijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excetlante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinbas ricimente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1*3200.
Ch-uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qoalcraer nao pode vender por menos de
U a 20600.
dem perola
especial qualidade a 25700 rs. a libra.
dem hvsson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talharim e aletria a
480rs. alibra.
COGNAC
0 muito afamado cognac Pal Brandy a l,8oo
rs. agarrafa e de outras muitas qualida-
des a l,ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPO
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de ,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
1 de exceenle qualidade a 20200 a resma,
PiSPBL
azul e pardo para embrulho de l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Cormtias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo is.a libra.
Fumo
o veedadeiro fumu americano em chapa a
l,4oo rs. alibra.
Vijiagre
PRR em ancoretasde 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caisa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista o taiutfo
o mais novo do mercado a 1 io rs! a libra,
e 40400 a arroba.
CEBLAS
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
h
A 48 0
Peehincna sem igual.
Lindos cortes para vestido de percales de cores
elaras e escuras com grande variedade de padres
pelo baratissimo prego de 4$ o corte: na loja das
c.lumnasrua do Crespo n. 13, de Antonio Cor-
reii de Vasconcellos A C.

Farelo de Lisboa.
Vende-se superior farelo em saceos grandes, e
or preco commodo, vindo pelo ultimo navio : na
na do Amorim, armaietn n. 50.
P0TASS4
Vende-se potast om barris a comraedo preco o
na ra da Crai n. 23, primeiro andar, eeriptori:
de Antonio de Almeida Gomes.
macarr5o, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinlio
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas s3o asseguintes: Chamisso ScFilhe,
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de han!a a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica damesmaque
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120rf .*! bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1. e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 80J5f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
-arrleles
com 4 */j garrafas com vinagre a 10OOO*
o garrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, ede 110000
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 com
12 frascos.
GENE3RA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e oulros muifos a Ooo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas muito novas
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60300
a caixa e 400 rs. a libra,
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em ealda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
a 600 e 10 o caixe.
GOMMA MUITO NOVA
muito novas a 10000 ocento na ra do Que!-; em paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar- i roba el 40 rs. alibra na ra do Qoei-
go do Carmo n. 9
ORO DE BICO
muito novo a 30400a arroba e 140rs. a li-
bra Da ra do Queimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
QUEIJO SUISSO
muito fresco a 800 rs. a libra na ra do
Queimadon. 7, ra do Imperador n. 40 e
largo do Carmo n. 9
mado n. 7, r ua do Imperador n. 40 e largo
do Carmo t;. 9
BOLACHINHAS
em latas de defferenles qualidades a 10200
3 I i) tl
QUEIJOS FLAMENGOS
chegadosneste ultimo vapor a 20800 na ra
do Queimado n. 7, ra do Imperador n.
40 e largo do Carmo n. 9.
Os proprietarios do. grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularan! os mesmes precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeiro Principal ra do Imperador d. 40
FARELLO DE LISBOA
Marca N verdadeiro em saccas novas e grandes a 40500: na ra do Imperador n. 40.
NOVIDADES.
Queijos do Vlentejo. ditos das ilhas o mais fresco que se pode dese-
jar a 10200 a libra, e sendo inteiro ter algum abatimento, ricas caixinhas
redondas enfeitadas, proprias para mimo da fest pelo barato preco de 40
cada urna, ricas caixas de figos tambem proprias para mimo de 800 10500
cada urna. Vende-se nicamente no armazem Verdadeiro principal, ra do
Imperador n. 4.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
10 a lata : nos armazens da ra do Im-
perador n. 16 e ra do Trapiche Novo n. *g
Vnnde-se urna negrinba de 10 annos bonita
peca, propria para mkno : uo pateo da matriz de
Santo Antonio n. 8.
Superior cal de lisboa.
Vende-se superior calI que ha na mercado, tanlo em porcao como a reta-
lho, por baratossJW anancando-se aos compra-
dore dterior qualidade: a tratar as sepmttes
mas : Crespo n. 7, Imperador n. 18, Forte do Ma-
tos, armazem do Sr. Avllla, defronte trapiche
-> algodao.
NO
ABHAZGI
DI .
X.ETREIRO VKKOX.
Neste estabelecimento ha sempre um sorimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sorimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
300000
250000
Casacas de panno preto, 350 e
Sobrecasacas idem, 300 e .
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e......100000
Di tes de casemira, 200, 150,
120, 100 e...... 70000
Ditos de alpaca, 50, 4 e 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50,40e......30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. 3000
Ditos branco de linho, 60,50 e 40000
Ditos de merino preto de cor-
do, 100, 70 e..... 50000
Calcas de casemira preta, 120,
10, 80e......70000
Ditas de cores, 90, 80 e.
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....40OOO 110, 70 e......W*0
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
ColleJ.es de velludo preto e do
40000
ma moda duzia.
Sorimento completo de grava-
205001 tas.
205001 Toalbas parroste, duzia, 110,
e........60000
cores, 90 e......70000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
Ditos de casemira preta, 50 e 40000'; tos e de cores.....40000
Ditos de ditas de cores 50 ILences de bramante de linho. 30000
44 e........30500 Cobertas de chita cbineza.. 20500
Ditos de selim preto. .
Ditos de ditos e seda braceo,
60 e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
Colletes de fustao e brim bran-
co, 30500, 30 e .
Seroulas de brim de linho,
20400 e ......
Ditas de algodao, 10600 e. .
Camisas de peilos de linho,
40, 30 e......
Ditas de madapolo, 20500,
20e........
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. .
70000 j Ditos defltro, 50, 40,30500 e
: Ditos de sol, de seda, 120,
50000j
40OOO]
21500
20000
10400
20500
14600
80500
20000
\ Collarinhos de linho fino, ulti-
60000
I
DE
J. VIGNES,
X. 55. ItlA IMPERADOR X. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para que seja necessario insistir sobre t
sua superioridade, vanlagens e garantas que efferecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
reis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesla prara ; odo
suindo um teclado e macbnismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sea-
nunca falhar, por seren fabricados de proposito, e jer-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tissimo para o clima deste paiz ; quanto as voies sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expesifdes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento e msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo ludo vendido por
precos com modos e razoaveis.
CONSULTORIO MEDMM1BIRG1C0
DO
DR PEDRO DE ATTAHYDE LOBO HOSCOSO,
H323>ECO, PARTEIRO K OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
horas da manhaa, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepeo dos dias santificados
Pharmacia especial komeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sorimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos precos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
de 24 tubos grandes. 180000
de 36-tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualqucr carteira conforme o pedido que se fizer, e com os reanli
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 10' 00.
Sendo para cima de 12, custaro os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,
dons grandes volumes com diccionario............ 200000
Medicina domestica do Dr. Hering,........., 100000
Repertorio do Dr. Mello-Moraes............. 60000
Diccionario de termos de medicina ........... 30000
Os remedies deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensam portan-
to de serem novamente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservado, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparaco, e portanto a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o que o annunciante julga-se suficientemente habilitado.
O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa a mais de quatre annos, ha muitas pessoas de cujo coBceko se nao
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes. .
Paga-se 20000 por dia durante 60 dias e d'ahi era diante 10500. '
As operaces sero previamente ajustadas, se n8o se quizerem sujeitar aos precos
azoaveis que costuma pedir o annunciante.
Vinho do Porto especial.
O mais generoso e genuino vinho do Porto, mar-
cas novas e especiaos, < m caixinhas de 12 garra-
fas, sendo marcaRain ia de Portugala 18000
a caixa, e marcaPe< ro Va 160; em porcao
far-se-ha um abate razo vel : no rmatem de Fer-
retra & Matheus, junto ao arco da Conceicao n.
06. No mesmo armaze n ha tambem excellente
vinho do Porto em ancor tas de 32 garrafas a 300
cada urna, e em porcao j or menos alguma consa
AGENCIA
DA
Vendem-se cha rulo* da Rabia de varias qua-
lidades : em casa de Mobbard & C, ra do Tra-
piche n. 48.
H.S
Fabrica Cohceicfto da
BaMia.
Andrade & Reg, receben) constante-
mente e tem vendado seu armazem n.
34 da ra do Imperador, algodao d'aquel-
!a fabrica, propfio para saceos de assu-
car, embalar algodao era pluma etc., etc.,
pelo preco mais moar!.
Ovas Na travessa de Jo3o Fernandos Vieira n. 6, ha
para vender oval do erti^i, tanto atacado como a
retalho,
(II
rf5i\/ri
AGENCIA LOW-MQOB.
Roa da Semilla bou i. 42.
Neste estabelecimento contina a hayer
am completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
lamanhos para ditos._________ ______
Arados~americanos e machinas par
lavar rovipa: em casa de S. P. Johnston C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se
um excellente carro americano com 4 ro-
das e arreiqs para um e douscavallos sen-
do muito maoeiro e leve, e qual tendo si-
do todo reparado de novo se acha ao me-
lhor estado de perfeicao e asseio : a tratar
com Antonio Jos Rodrigues de Souza na
ra do Crespo n, 15, das 10 horas do dia al
as 3 da terde. .
\'enSe-se machina para deecarocar algodao
com motores par* animaes : na roa da Seoials
Nova n. 41.


r


.Q
Diario de Pcrnaubnc* Quinta felra de Jauciro de 184*5
MAGNIFICO S0RT1MENT0
DE
MOLHADOS

NO
GRAUDE ARJflAZEJtf
DA
1GA.
60 RA HOVA 60
Casa da esquina junto a ponte da Boa Vista.
MUITA ATTENQAO.
Parece que o respeitavel publico se achara bastantemente convencido de que a
importante estabelccimenlo tem sido sempre caracterisada pelo raaior
AO PUBLICO
Sera o menor censtran-
glmento se entregar
Importe do genero que
nao agradar.
ARMAZEM
RA DA CAREIA DO RBCIFE i. 53.
(Loja ^assindo s are* da Conceieas)
Grande redueeSo de preeos,
ATTENCAO
Os preeos da segulnte
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de fea
se para o ajuste de eontas
cosa os portadores.
No armazem de 'azendas ba-
ratas de Santos Cocino,
KHadoQueiiuddo ""n. 19,
vende-se o m'Minie :
Allencol 1
Ricas laazinhas, fazenda a melhor que tem vil-
do ao mercado, taoto em gosio como pm qi-
de, pelo baraiissimo prego de 560 rs.o covado.
Uilas miudinhas carmezins, proprias para vesti-
dos de meoinas e camisiuhas a ti40 o covado.
Corles de laa com 15 covados, pelo barato preco
de o*. r
Cobertas de chita da India a 2,8500 e 3$.
Lences de paDtio delinho a 2 e 2,8500
Pecas de carabraia de forro ccm 8 1|2 varas
Toalhas alcochoadas proprias para maos a 55 i
du/ia. w
Ricos cortes de laa rom barra Mara ra a
8,5.
equivalente a dez por cento menos do que outro qualquer
annnnciante.
de algodo com 10 varas,
de largura
Pecas de platilhas
proprias para saia a' _
Algodao entestado com 7 li2 palmos
a 14100 rs. a vara.
Estelra datndia, propria para forro de sala de
4, 5, e 6 palmos de largara, por menos preco do
que em oula qualquer parte.
Neste estabelecimento tambem se encontrar
d receso deste
gosto e capricho, nao s com relacao ao asseio, superioridade das mercadorias, como
na sinceridade do trato e maneiras attenciosas dos empregados da casa para com todas systhemVque^^ncotrM' 'SJrSwSSae
aquellas pessoas que se dignam de frequenta-la.
Mu i tas senhoras pernambucanas
m;ino k- ?, SiMi posso-por mais tempo sustentar Prec damaoteiga ingleza a I,ooors. a libra, bem assim o de outros SE! praDde sortimen, de roupas feitas, e por me-
!S vi S LI HDd C0,m 1Sl 0cas,5 a toda? a.S fsPeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em i v 3--------B___________________
IM* C- Vender P?10 Preco mMMi I n ^ kan^raDlaaber"> da rua dos Piadores
e estrangeiras, cujo trato ameno e delicado nao
pode ser concedido a qualquer individuo no recinto de um estabelecimento da ordem
da Liga tem vindo possoalmente refazer as suas despensas -nesta casa e voltado asss
satisfeitas.
E? precise faaer desnpparecer desta importante capital estas nojenlas tascas cheias
sempre de escravos embriagados, onde as chufas sao jogadas sem respeito.
0 importante e magnifico armazem da Liga se acha felizmente muito fura
dessas condiccoes. E' necessario v-lo para bem se prestar crdito a nossas palavras.
A mercadoria nunca ser bem comprada se ella nao fr de boa qualidade. E
sobre este ponto que chamamos a attenco das pessoas que nos quizerem honrar com
a suafreguezia; porque o nosso grande estabelecimento se acha completamente prvi-
do de superiores gneros, que em sua mxima parte foram comprados a dinheiro
vista, e recebidos directamente de Londres, Paris e Lisboa.
Ninguem se acha entre nos com mais proporces para vender barato.
As pessoas que comprara para negociar, fariam muito bem se quizessem se cer-
' tincar do quanto havemos expendido procurando afreguezar se com nosco.
Nao duvidamos vender a crdito a quem nos der conhecimento de sua probidade.
Araendeas confeitadas em irascos de vidro, ditas com casca mole
e dura.Ameixas francezas em frasees de vidro, ditas em latas,
ditas em cartoes, ditas a varejo =Alpiste e milho miudo.As-
sucar refinado fino, dito baixo.Azeite doce em barril, dito
em boioes, dito engarrafado, dito francez e portBguez refinado.
Arroz do Maranho* dito de Java, dito da India, dito do Penedo.
Azeitonas-de Lisboa, dita do Porto.Banha de porco embarril
dita em latas, dita refinada em barril e latas. Batatas em gigos,
dita era caixas, ditas a varejo. Bolaxinhas finas de diversas
qualidades, ditas de soda, ditas para lanche, ditas americanas.
Biscoites inglezes, Mixede, Medum, Cabim, Seed, Soda, Cuddy
Cracknel, oval Thim Capitam e outras mais, ditas de leite de
Edimburgh, etc.Caf do Bio de I.", 2.a e 3.a qualidade, dito
miudo.Cha, o qu ha de melhor existe era nessos armazens,
uxim, miudo, dito hysson de !.*, 2.a, 3.a e 4.a qualidades, dilo
preto homeopathico, dito commum.Charutos Mussissipis, ditos
Panetelas, ditos regaba imperial, ditos suspiros, ditos delicias,
ditos Napeleoes, ditos Parisienses, ditos apraziveis, ditos lancei-
ros, ditos imperiaes de divenos fabricantes. Cliouricas mou-
riscas deLi>boa, ditas em latas.Chocolate de diversas qualida-
des e de diversos fabricantes. Ceneja Basse, dita Victoria,
ditas Alesops, dita tenenle, dita H, dita XXX, dita em barril
branca e preta.Conservas inglezas, dittas francezas, dittas ali-
menticias. Cevadinha de Franca. Clianpanha superior de di-
versas marcas.Cognac inglez, ditto francez. Ceblas de Lis-
boa em molhos, ditas em restias.Copos lapidados para agoa
ditos para vinho. Doce de calda em latas de diversas qualida-
des, ginja, alperch, pera, pecego, doce degoiaba, em latas ditos em
caixoes ditos em frasco de calda de assucar, ditos de cognack.Ervi-
lhas em latas, ditas em casca, ditas sem casca.Esperraacete de 5e 6 o
maco.Figos em latas de 4 e 8 libras lindamente enfeitadas, ditos em
caixas grandes e pequeas em barril. Farinha de trigo de diversas
marcas, dita de araruta, dita do Maranho, dita do Aracaty.Fumo
do Bio em latas dito em rolos, dito em lata (do Para) para cigarros.
Genebra ingleza marca gato, dita dita em frteos, dita de II< llanda era
frascos, dita dita em botijas, dita de llamburgo em frascos, dita em bo-
tijas, dita em garrafoes.Graxa em latasLimonada de diversas fruc-
tas.Licor inglez, dito francez, dito allemao. Manteiga ingleza flor,
por nom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reduccao de preeos, como veris
E18?S L\Z!' Va como,sabej.s cf Pl0 m_e bairr> a e a ^i-tura do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil nao
sejafia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de I,4oo a t,6oo rs. a libra.
Hoje porem, resentidos da reduccao a
ESCB1T0S rtJGIDGS.
; tes : cabra, cara picada de resigas, ittUt lima-
Para bem de todos. dos,cabello carapinho,estatura rfpular, (l'i-iooo
-a,,- Senhor.es f Senhoras o. aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que ludo apromptidao e entei-' ** cor'UmCcaDix"ro0da0rasaCos Sr'lKe
reza com que serao tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proteccao e preferencia na compra no *,c': roga"f'e a quem pcf!ar' de lf var *
%FZSVITmm'e qUaDd D5 PPm *** mandar seus portadores- ainda qneest sejampouco pratices, pois 255L -a? ".'"do "D- **'
>erao tao bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao, afim de que nao vao em oulra par te
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 8oe rs. a libra,
a 8oe rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meiosa Soors.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
dem preto homeopathico por ser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra.
Idea hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o 4,6oo, I,8oo e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do Maranho a loo rs. a fibra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem dalodia muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
ao que se vende emoutra parte por 2,4oo,Massade tomate em latas de i o 2 libras a
e 2,6oo rs. 6oo rs. e de barril muito superior a Soo
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8 rs. a libra,
libras, emticamente lacradas a 5,5oe rs. Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
dita de 2.a qualidade, dita de 3.a, dita de 4.a, dita franceza de 1.a qua-
lidade, dita dita de 2.aMassas para sopa, macarro, lalharim e aletria,
dita estrellinha e pende branca eamareila.Marrasquino de zara de 1.a
qualidade, dito 2.a dita, dito 3 a dita. Mai melada muito fina.Melbo
inglez, dito francez.Mostarda ingleza, dita Iranceza. Presuntos in-
glezes para fiambre, ditos americanos, ditos doPoito para tempero,
dilo de Lisboa. Passas de Malaga, ditas de Corinlhias para podim.
Pomada do P< rto.Pimenta do reino. Peixes em latas, tavel, curvi-
na, pargo, espada, congro, chermy preparado pelas melhores artes de
cosinha.Papel greve branco, dit paulado, dito alniaco, dito de peso,
dito amarelloPaulos lixados para dentes, ditos ditos com flores, ditos
americanos, ditos do gaz.Queijos inglez e londrino, dito flamengo dito
pralo, dito suisso.Rap Meuron, dito francez Sal; me em latas de I
libra o melhor que aqui tem vindo. Sardinha de Basse, dito de A.
L'Auile. Sat>3o nacionol, dito massa e nao massa, dito inglez. Sa
nacional, dito inglez a varejo, dito em vidros. Toucinho de Lisboa e
Porto, dito de Santos.Tijoos para limpar facas Vinhos, neste gene-
ro os nossos armazens lem o melhor soitim.nto que se pode imaginar,
duque do Porto, lagrimas do Douro, C^mes, Bocage, Maria Pia, D.
Luiz, Pedro II, Malvazia, Madeira, Cherry, Bordeaux, tudo engarrrf. do.
Prevenimos ao publico de que no armazem da liga s tem vinhos engar-
rafados no eslrangeiro, dito em pipa do Porto, Lisboa, Ffgueira e de 3ete,
dito em b>rril de todos os paizes, dito em ancoras, dito cbamisso mui-
to proprio para casa particular em barrilinhos com 150 garrafas por
preco a satisfazer o mais exigente comprador emquanto a qualidade
garantida por nos e pelos seus importadores, dilo em caada por preco
baretissimo, dito branco para mi>sa Vinagre puro de Lisboa, dito ham-
burguez, dito em garrafoes. "Vassouras do Porto, ditas americanas
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,ooo rs. e I,5oo e 6oo rs. a libra.
Queijos flaraengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a I,6oo e I,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas porluguezas em latas j pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 6oo rs. a libra.
Prezunlo do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a Soo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
I,ooo e I,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,ooo rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
da, salmo, ostras e chernee, vezugo em | Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
. 'atas grandes a 8ooe !,ooo rs. cada urna. cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita- fibra.
das que tem vindo ao nosso mercado a; Bolachinha de soda era latas com diversas
6,ooo, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante- qualidades a I,3oo rs.
^ ser de qualidade superior, que outro Bolo francez era caixinhas muito proprias
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,ooo rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse fim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e5oo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de I duzia
a 8,ooo e a 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, DuqHe do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de I duzia de 9,ooo a
Io,ooo rs. e a 9oo e I,ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meiaslatas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
qualquer nao pode vender por este preco.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de A'tona em
frascos grandes a I .ooo rs. o Irasco, e
ll,ooo rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo
Antonio de Lisboa em latas com 6 fibra
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes"
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes emlatas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por l,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, el,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a I6o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza era potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a i.ooors. e i i,ooo a duzia-
Palitos para dentes a 14oe 16o rs. o maco.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nesso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l,oeo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dilo em caixoes a 6oo rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. era barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Matie excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
generosamente recompensado.
.Na none do da 16 do comente, desapparereu
do poder do abaixo assignadu, o mulaiinlio de ne-
me Ubaldo que a semana passado fui auuunriado
pelo Otario doReafe, nos das II, t2, 13 e 14, para
se alugar, e seos sigoaes sao os seguirles : esta-
tura alia, bem alvo e bonito, seco do corpo, braco
e pernas compridas, dedos finos e grandes, sendo
os dous minlmos dos ps bstanle curtos e linos,
lem 18 aDoos de idade, cabellos corridos e pelos,
levando elles rentes que bem se v do lado esquer-
do da cabega urna pelladura que mostram ter'sido
de sarnas, mos e ps bem feos e cavados, oibo*
grandes e bonitos, sombrancelhas pretas e grossas,
nao boga e tem afinal na perna esquerda do lado'
interior dous grandes signaes arroscados de doas
gommas, e mais oulra menor, bem superior a ca-
beca do osso do tornezello da direila, levou caiga
de brim branco j osada, e esmisa de chita com
flores rochas. Este escravo pe tenre ao convenio
do Carino de Olinda, que fo reiviudirado em agos-
to de 1863 do poder de D. Marcolma Ce lho* da
Silva Leite, filha do finado Jos (laudino Leite, em
cujo poder tinba o nome de Pedro. Este escravo
lilho natural do engenho Camassari em Jaboato,
onde l lem mai e mais paientes, por isso que de
suppor ter elle procurado para all, ou para casa
de onde foi lirado, por isso que roga-sc as aotori-
dades policiaes e aos capiles de campo sua ca tu-
ra, e logo que for entregue ou no Carmo do lle i-
fe ou na rua Direila n. 27, ser bem recompen-
sado. Recire, 17 de Janeiro de I865.-Fr. Joao do
Amor Divino Mascarenhas, prior do Carmo em
Olinda. ,
O

NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaratn os modernos vestidos de dentelle de seda com barra, inteiramenta novos
em gosto e qualidade : loja das columnas, na rua do Crespo n. 13, de Anlonlo Correia
de Vasconcellos & C, successores de Jos Moreira Lepes.
Eazendas de bom gosto
Para vestidos de senhora
Superiores cortes de seda de cor, de morante, de gorgurao e de selim imperial.
Dilosde blond, e de carabria branca bordados.
Ditos da lia com barra e grande variedade em cores e padres.
Ditos de organdys com barra
Lindas sedas de quadros escosseza a miudas.
Superiores lias lisas com grande variedade da cores.
Ditas com salpicos, com flores e de quadros.
Lindas pampolinas de quadros a de flores, fazenda inteiramente nova.
Superiores cassas de cores, e lindas cambraias ergandys.
Grande variedade de chita de cores, de percalia e outras muitas farendas de gosto.
Para hembras de senhora
Lindas capas e bournoux de casemira de cor.
Ditas de lia e da seda.
Grande variedade de soul'embarques de seda de I8 a 46,1.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados finos, de cachimira com listras de
seda e de fil preto.
Caraizinhas modernas, znaros braneos e de cores, eolletes de cambraia, lindas gol-
mhas com pnnbos e ootros moitos artigos.
Para caneca de senhora e menina
Superiores chapos e ebapellinas de palha de Italia enfeitadas para senhora.
Ditas da feliroenfeitados para senhora.
Ditas de palha enfeilados para menino.
Grande sortimento de afeites modernos de retroz, de froco, de cabello e de flores
para senhora. '
Na loja das columnas da ma do Crespo d. 13, de Antonia Correia de Vasconcel-
lera de motilado
81-MJA 0 I3IFKRIDOK 81
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Collegio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfac3o de avisar aos seus freguezes e ao respeitavel
publico que, estando restabelecido de seus incommodos de saude, acha-se novamente
com um bello e bem sortido armazem de seceos e molhados primorosamente escolhidos;
como sempre caprichou ter das melhores qualidades, e francamente afliancas pessoas que
se dignarem comprar era seu estabelecimentcque all de preferencia outra qualquer par-
te sero inais bem servidos, em qualidade e preeos, como em pesos e medidas, no que
sempreo annunciante foi escropuloso, em summa, nao illude a pessoa alguma.
Aos Srs. de engenho e lavradoresqueo queiram honrar como seu comitente lhes
assegura que o producto de seu laborioso trabalho ser o mais bem reputado no merca-
de desta praca, para o que se julga convenientemente habilitado pela longa pratica com-
mercial que tem exrcido, sendo seus portadores despachados com presteza, depois de se-
rem fielmente eumprido as suas ordens.
Fornecer gneros aos Srs. agricultores e negociantes que lhe merecam confianca, fa-
zendo um abate vantajoso aos quepagarem a vista suas mercadorias, e encarrega-se da
venda de qualquer genero do paiz, mediante urna mdica commiss5o, entregando de
prompto seu producto, e sendo este applicado compra de gneros em seu armazem,
prescindir da commisso.
Dos seus antigos e benignos freguezes espera o annunciante sua valiosa proteccao, fre-
qoentandocomo outr'ora sua casa, e pelo reconhecimento que lhes tributa offerece espon-
tneamente seus servidos.
Julga desnecesario publicar a tabella dos preeos de seus gneros: s5o seus recursos
garanta suficiente de poder accempanhar os menores preeos de idnticos e mesmo de
mais apparatosos estabelecim'entos, tendo somente em vista o augmento de suas vendas
diarias.
PrevencSo necessrfa.
Tendo sido o proprietario estabelecidto muitos annos com o mesmo ramo de nego-
cio nt mesma rua, jnlga prudente advertir quesaffirma ese responsabilisa pelo que
tem declarado no que disser respeito ao armazem.
Sf-RITA DO IMPERADOR-SI
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Collegio,
B3
"1
2 3 Di-i cbSS'oc"
3 _S5c.'- 5 ct, a; -, < q
o.
10
CC
I S O
>
M ce o a.
5 w
!
o o
o. o
"2 U D
B g 2 a>
S9 9* Q*
S.S -
w> as a?
B
i
B3
09 V
O. CB
"
O
o
en
ce 3T6>
_ co b r. B
S B:^," 3 B S 8*5.1
n~ 9ta 3. =-a -o 5
S os j o a
09
Oj

g
09
5
e
9
I
e
9
g
ft
e
AUeneao
Sabbado 14 do correte sahio para vender fruc-
las e ovas do serlao, a mulata Lni;a e nm moleqnc
Alfredo, sendo aquella de idade de 16 a 18 annos,
e este de 9 a 10 annos, os quaes sao escravos do
abaixo assignado. e tuppoe-se estarem tupidos,
principalmente a muala, e um os signaes cegnin-
tes : a mulata baixinha, levou vestido de musse-
lina branca com flores azues, chales de laa cor de
rosa j asado, e o moleque basianle prelo e lem
urna orelha turada, costuma trazer una roseta,
levou caifa e camisa de azulo e foi em rompa-
nhia da muala, levando elle una banrieja com as
ovas : porianto pede-$e s autoridades polklae; c
capilaes de campo a apprehensao da referida mu-
lata e juntamente o moleque, e levem ao sitio do
abaixo assignado, na travessa de Joao Fernanriea
Vieira. n. CGuilherme Joaquim da Silva Braga.
Escravo fgido.
Fugo no dia 2 de junho de 18CI o escravo Joa-
qun), crioulo, de 20 annos de idade, com os sig-
naes seguinles: alt, magro, cara meia redonda,
ccr fula, com urna queimadura no rosto do lado
direilo, rendido de urna verilha, meio gago; pe-
de-so aos Illms.Srs. subdelegados da Pasaagea da
Magdalena, Vanea, Peres e Afogados, Ijturass,
Mancla e mais freguezias, e aos Srs. capilaes de
campo que o apprehendam, que serao gral.ficados
pelo abaixo assignado, em Fra de roas, rua do
Pilar h. 23, primeiro andar.
Manoel da Silva Xeves.
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a cor natural
dos cabellos.
A aajaa florida lao urna tinlnra, fcto esseo-
cial a contestar, a mesma agua dando a ror primi-
tiva ao cabello. Composta de plantas exticas e
de substancias nortensi vas, lia tem a propriedade
de restituir sos cabellos o principio corante que el-
les tem perdido. D'uma salabridade incentesta-
vel, a Agua Florida entretem a limpeza da cabera
deslroe as caspas e impede os cabellos de cahir
Oleo de Florida.
Composto de substancias veajetaes exeticas, elle
constirte poderosamfc,. com a Agua Florida, a
forca, a belleza e a conserva cao dos cab!..
Em Pars, casa de Quislaur 1.12, roa de Rlche-
lien, e 11, bonlevard Moatmcr*rf.
Todos es fraseos, nao tendo intacta e clare,
timbre prateado 4a casa, s* repmudw falsos.
Deposite, rua io Imperador, pbarmacia n. 38.
Fugio dos abaixo assignados, no dia 8 do cor-
rente, o seu escravo crioulo de nomc Jo.^, eom os
signaes seguinles : cabra escuro, cabello cara-
pinho, estalura baixa, cheio do corpo, pus largos,
e faz um geito as pernas quaudo anda, moho
pouco barbado, e tem urna cicatriz bem visivel em
um lado do queixo, levou vestido calca de hrim
meio branco de quadrinhos, camisa branca, peo do Chile de copa Garibaldi, e mais urna Irou-
xa contendo calca de brim escuro c oulra de algo-
do riscado, urna camisa branca e oulra de chita
j velha e rasgada; cujo escravo con.prair.os jun-
io com oulro ao Sr. capilao Silvino Guilherme do
Barros, rerea de 20 das, e este senhor os havia
comprado o Sr. Joao Cabrai, morador em Naza-
relb. Consla-nos que esle escravo ames de ser
propriedade do Sr. Cabral, fra de um senhor ma-
jor no Bre;o d'Areia, aonde o dito escravo rasa-
do e tem fllhos, tendo-lhe ltimamente morrido a
mulber. Sabemos com certeza de ter passado csle
nosso escravo em Pao d'Albo, montado n'um ca-
vallo em osso com direccao qoellcs lugares: per-
ianto, rogamos a todas as autoridades policiaes a
sua captura, e a qualquer particular se gratificar
generosamente se o levarem a sens senhorss ntsia
praca, rua da Imperatriz, reflnacao n. 46.
___________Luiz da Silva Forre ira & C.
No da 9 de dezembro de 1864~fogio t asa
de sen senhor o escravo Herculano, pardo t setre,
com 35 annos, alto, cabellos carapiobos, olhc* e
orelhas pequeas, tem apenas bigode e pera, per-
nas e andar de quebra-mangue, tendo o pC esquer-
do torto e sabido para fra como pata de sen, e
por isso poxa alguma consa pela perna qnando
anda, levou vestido calca branca remendada e ca-
misa branca, levando chapeo de palha, condmi*
igualmente toda roupa que possue. snppee-se na-
dar aqui mesmo pela cidade: quem o pegar leve-e
n roa Direila n. 54, tae ser generosamente re-
compensado.
Auscntou-se cm 29 de dezembro passado do
eugenho funga de cima, no Cabo, a n.ulinb*
Jonna, de 14 annos provaveis, comprada a 26 das,
no Becife, a Jos Firmino de Jdedeiros per prrcD-
raco de sua ave Josepba liarla dos Prazercs, mo-
radores ambos no Brejo da Madre de Dos, ttm os
signaes segnintes : cor alvacenta, manchas no
roslo, cabello earapinho e ruco, com orna cicatriz
na testa, corpo regalar, com todos os denles, snh
pellos, as pernas finas, vestigios antigos de chirote
no corpo, padece de bobas as partes orrulias, a
falla as vezes viciosa : roga-se s autoridad! s a
sua captara, e a qualquer particular, podendo str
remettido para o refendo engenbo, oo a Joo Jos
de Camino Moraes Filbo, roa do Queimado n. 13,
queserSegratificados. _________________*
ATTENCAO.
Fugio no dia 12 do corrente a escrava de nome
Coneeicio, levando eom sigo orna cria, e ba jre-
sampcio que foi seduzid pelo menor Pedro Fin-
io de Albuqoerqne, que tambem sahio de rasa per
ter tachado sua mai e padraste dos nomes male
injuriosas : qnem qnizer saber procore investigar
o procedimento do tal menor, e qual a razio deste
procediraenlo.
Marta Theephila de Albuquerfue.


8
Diarlo de rernamlraco Owl"ta *>** <> Jatilr de I95.
/
LITTEEATRA.
lpoesas origioaes de Odorico: reooids toda=, e secundaria, publica e particular; desta nteres-. O Sr. Guizot, atacado com leviandade brutal pe- N3b cabe aqu estallar'.Influencia exercida por| ohelfo e se desejava, da-le Filomena, respoa-
nlo exceden talvez a dez ou doze; nao ha, porm sante commissao deo elle cont em accuradissimos la tribuna e pela imprensa da opposiglo. por ler Gongalves Dias sobre a litteratura nacional. Seja-, dea :
urna so de entre ellas que nao traga o cunti de relatnos datados do Maranhlo, Para e Parahyba.Jdado urna msslo na Italia a Theodoro JoufTroy, nos licito recordar simplesmeofc que desde 1816! Na0 acreditis que os bandidos possam enri-
urna obra de mestre. O Sr. Ferdinand Wolf, o em junho, agosto e dcieubro do mesmo anno de ,que comecava a soffrer a molestia pulmonar que o elle foi a columna de fogo que mostrou o caminho qoecer, porque precisara dar aos mus agentes das
autor do Brazil Luterano que tantos direitos tem 1851, e da Bahia em maio de 1832. Esses doeu-1 levou a sepultura, respondeu dignamente que a da trra da promisslo da poesia i nossa mocidade cdades e das aldeias soramas enormes para oble-
1 ao reconhecimento dos Br'aziielros, lamenta com mentas, de orna transcendencia incontestavel, e, misso era nm pretexto, e que os homeus que non- cultivadora das letras. Suas Pomas Americanas rem provisoes e Informales dos movimeatos da
razao que Odorico nlo tenha mais vezes seguido que formavam nm grosso volurne devem, ou an- ravamo nome da Franca deviam achar nagratidlo fundaram cora as Brasitianas, de Porto-Alegre, tropas que os perseguem.
da Franga urna acglo animadora da sua torga e de urna escola cujo carcter todo nacional. Assim se explica, diz o noticiador, como que
sua coragem as difBculdades da vida. E mais Se a gloria bastasse para felicitar o hornera na tantas pescas teem enriquecido n'estes quatro an-
agradecida ainda que a Franca, mais bella e ma- trra, nenhum outro leria sido mais feliz que o nos de bandolerismo.
gestosa nos cultos rendidos ao genio, a Inglaterra, nosso poeta. Milton leve coras smente vinte an- j
sobresaltada pela enfermidade que ameacava os nos depois da sua morte, quando as teceu a mo
dias de WallerScott, sabendo que urna vlagem lhe patritica de Addison : Torquato Tasso morreu an-
podia ser til, nao lhe deu uraa missao diplomati- tes de chegar ao capitolio, e Clemente VIII pode
ca, nao procurou um pretexto para soccorr-lo- apenas cingir cora a cora do genio a fronte gli-
pz um navio do estado a disposicio do Ilustre ro- da do seu cadver : a arvore magestosa da gloria
mancista. q,,e Para q,iasl I"*03 s florece sobre os tmulos,
Mas em 1864, cusa diz lo, porm verdade, p?ra Goncalves Dias desde os mais bellos annos
Goncalves Dias recebeu do governo do seu paiz a 'cobriu-se de flores : vivo ainda e na edade dos ri
declaraglo impiedosa que do primeiro de julho em sos, as acclamagoes do mundo chegarara a seus ou-
diante cessava a sua commissao litteraria e a gra- vidos de poeta triumphador, e -
tificacao de director de urna das seccSes da com-
missao scientifica.
Era a miseria que visitava o poeta moribundo
em seu pobre leito na trra estraogeira-, era a mi-
seria que se sentava a cabeceira do agonlsante e
se mostrava fra, horrivel, ameacadora aos olhos
vro" fructo"de suas lucubragoes-o Diccionario da I daqaelle que tinha creado para o Brasil to mlmo-
e bellas Marab e a USe tagua, Quinare'.*
lastituo Histrico e eogra-
phlco llrasllelro.
KELATOniO DO Io SECItETARIO DO INSTITUTO HIST0R1-
SJS?3i^^ asPrPri" ****> Preferindo entregar-se tes deveriam encontrar-se na secretaria domrois-
mver=uua de 16 de dezembro de I86i. traduegao de primores, que alias s uro poeta da terio do imperio.
,r,,,/, i da sua tdem podia bem attngir. De volta de sua viagem ao norte foi Goncalves
(Conclusao.J ^^ ^^ ^^ ^ ^^^ exim0 Dias nomcado 1 offlcial de urna dassecefiesda se-
Odorico Mendos tornou-se logo decidido cam- lraductor daQdo.nos em mi a Merope e em 1839 cretaria dos negocios estrange.ros ; pouco, porem,
peo das ideas liberaes, que pregn e suslenlou na 0 Tancredo de Voltaire : foram dous ensaios do se demorou nesta capital, porque logo em 1832 se-
impreos e no parlamento : na imprensa esereveu qUem se apresiava para muito mais ousado com-1 guio para Europa encarregalo de colligir em Por-
no Maranhlo em 1821 o Argits da le ; no Rio de mettiment ; os dous ensaios foram dous trium- tugal manuscritos e documentos relativos his-
Janeiro foi collaborador de urna folha escripta pelo pnos> toria do Brasil : muito abundante e preciosa foi a
francez Pedro Chapis, e um dos fundadores da Emflm, depois de longo e aturado labor, o nos- colheita alli realizada pelo nosso censocio: seo
Aslra ; em S. Paulo redigio a principio o Pharol so Ilustrado consocio apresenton em 185* ao mun- desmazelo a perdeu em parte, a culpa nao tai delle.
Paulistano com Jos da Costa Carvalho, ulterior- do civilisado aEneida Brasileira-tradcelo do O tic vos non vobis urna triste verdade em todos
mente marquez de Monte-Alegre. Em 1839 es- immortal poema de Virgilio em versos hindicasyl- os paizes e em todos os seculos.
rreveu ainda com Aureliano de Souza e Oliveira labos portuguezes, e em 1858 o-Virgilio Brasilei- O inspirado annunciou a sua volta patria com
Coutinho, depois visconde de Sepcliba, a Liga Ame- rocontendo a segunda edigo da Eneida com a remessa dos quatro prlmeiros cantos do seu pri-
rtcana \ este ultimo jornal, porm, foi inspirado aperfeig. amentos consideraveis, e a Buclica e as moroso poema Os Tymbiras, publicados em Leip-
por bro patritico era urna questlo internacional Gergicas vertidas para o portuguez com igual zig em 1847, e de urna nova edigo das suas poe-
e pouco se oceupsu da poltica interna do paiz. No mestria. sias, contendo dezaseis Novas Cantos enthesoura-
parl.mentobrazileiro sentou-se onosso consecio Noha duasopinir.es especialmente sobre a Enei- dos em so lamo ; no aono seguinte chegou
..oemlStf.oapriraeira legislatura, e. compa- da> que consderada por lodos os litlerato o cri- capital do imperio, trazendo aloda^um ontro !,-
Dheiro de Paula e Souza, Lino, Feij, Verguelro e ,iccs 0> resPeitaveiscomo a tradcelo mais
tintos outros, concorreu sempre com esforgo para M feud/ at hoje ,em 0 Virgi. hnyua tupy, chamada lugua ge,al dos indgenas sas
o desenvolvanlo e triumpho das ideas liberaes, fc J^ ^ Can,0eS nesta obra mo. do Brasil. C~ J? ^^ Z^JZZL
f,. o tercero dos vinte e tres deputados signatarios numenla, 0dor8co Men(]es n5o se mostrou somea. 0 nosso consocio nao pode demorar-se no Rio que Mdol^,*m>M o Brasil podes ler
da famosa representco dirigida ao imperador a consumiDado ,alinista e dislinc[0 poeta elevou-; de Janeiro: membro da commissao scientifica ex- le que manda^e matar-me T *
17 de mar?o de 1831, e um dos chefes populares ge Q t traba,ho de anQ0. pIoradora de alemas provincias do imperio e en- ^^^Z^t^TvZZ
que mais activa parle tomou no pronuncamelo ,aQ5es rep!eclas de erudglo vastissima. carregado especialmente da parte histrica e etn-
O.' 6 de abril de mesmo anno.
Odorico Mendes fez da penna a sua esr.
do Car em so servidor do estado, e hoje ceg e pobre, hospe-
E' cedo aioda para que a historia lavre a sen-
i -uiji sobre o estrondoso acontecimento de 7 de
abril. Por mais orgulho que devamos ler da am-
plidao com que podemos manifestar nossos pensa-
mientos ejulgar dos fados de um recente passado
perante um Imperador liberal e philosopho, nlo
certamente durante o reinado do Glho que se Jal-
gara eorn inteira imparcialidade o reiuado de pae ;
ouso, porm, dizer por mim que o pronuncia-
monto nacional em abril de 1831 se me aligara
u na conseqaencia implacavel do dia 12 de novera
conquistador : invadiu a Franga exigindo para a
, nographica, partiu para a provincia do Ceara em ^.Uor uu cSuu, ,,,* k --r-
P.d! Janeiro de 1859: em 1860, emquanto seus cempa-; dou em Franca durante um mez, e deu raetade do
seu po ae grande poeta que se resol vea a voltar
bro de 1823, e que o Sr. D. Pedro 1, qne levaotra Odorico preparava-se para traze-la ao Brasil, como
a nagao brazileira independente, aleando o grito o ultimo tributo do sen patriotismo, qoando a mor-
heroico do Ypiranga, salvou a monarr.hia consti- te o apanhon de sabit na Inglaterra em um da
t icional do Brazil abdicando. A abdicacao a 7 de de agosto deste anno ; em breve, porm, ser pn-
lingua portugueza urna parte dos thesouros do Vol- ^iros vol.am a *^*~***9 0 Bras1 em coinpannia do seu amigo e com-
taire ; no castello de Sire. tomou Merope, e em entra no magestoso mediterr ^......._ M
Ferney Tancredo ; passou alera dos Alpes e no co-
ragao do antigo imperio romano ganhou todo Vir-
gilio : a ambiglo des conquistadores febre que
nlo remitte : Odorico deixaa Italia, segu pelo Me-
diterrneo, aporta Grecia e apodera-se da llliada
de Homero.
A traduegaoda llliada ainda nao conhecida :
abril de 1831 foi o pice da grandiosa pyramide,
cuja base era a fuodagao do imperio em 1822.
No eutanto arriscadsima ficra a situago ; ao
mesmo tompo que a naciolidade ultrajada repeta
exi/encias de Jesaffronta, o liberalismo victorioso
exagera va aspiragoos que podiam offeoder profun-
damente o systema de governo, se nao muda lo de
todo : a prudencia e o patriotismo dos chefes li-
beraes preservou o Estado,
gou o justo resentiraento
blicado esse audaz trabalho, que far sem duvida
avultar ainda mais o nome do nosso consocio.
Nao tinham ainda passado tres mezes depois que
se fechara o atade de Odorico Mendes, e ja era-
mos feridos por urna verdadelra calamidade na-
cional com a raorte do jiosso consocio o grande
poeta o Dr. Antonio Goncalvos Das.
Na provincia do Maranhlo ufana-se a cidade de
sobe-o, aprofunda sens estados sobre os costamos provinciano Orico Mendes.
dos selvagens, accedendo ao pedido do presidente A n0(ca da stuagio Iristissima em que se adia-
da provincia do Alto Amazonas, o Sr. Manoel Ce- T Gongalves Dias chegou ao Rio de Janeire. Sua
mentino Carneiro da Cunha, elabora om curioso ^agestade o Imperador, que sempre distinguir e
trabalho sobre a instraegio publica, pelo qual me- esteva muito o Ilustre poeta, e que o suppuntla
recen os mais justos elogios do administrador da J a roherl0 de qUaeSqaer privag5es, merc de pro-
provincia e em5m presta d'alli mesmo patrioti-1 Tldenrias qae contava haVBrem sMo tomadas, sen-
cos servigos para tornar mais esplendida a pri-1 tlu^e profunciamonte a|fficte, e loge mandn pelo
paqaete francez do mez de agosto, erdem Ilimita-
da para do seu bolsinhe- presurem-se ao nosso
consocio todos os meios pecuniarios que lhe fos-
sem predsos.
O actual Sr. mistro do imperio tornou de novo
meira exposigac- industrial do Brasil, e vero encon-
traba aberta ao Rio de Janeiro em dezerofero de
1861.
A presenga do inspirado no theatro dos seas
mais bellos triumphos veio preannunciar aos seas
amigos e admiradores a fatal ealamidade de 3- de f effediva a gratificagao do director da secgao eth-
novembro. GongaNes Dias j nao era o mesmo: nographiea da commissao scientifica ; mas Gongal-
! profunda melancola apagaralhe a vivacidad do' ves Dias no tai encontrado era Franca-; a morte
: espirite e os risos dos lempos felizes: fallava da sbita e inesperada de Odorico Mendes tnha aca-
morte, como a javeatude sonha cern a esperan?!,! bado de prosta-le ; chorando, pediu ao eu dous
e a morte estava nelle coosamiodo, devorando pou- mezes de vWa para vir morrer entre o seus ir-
co a pouco aquella vida, que era ora thesouro do' mos pela patria, e dar o sea corpo a trra onde
Brasil-, sua voz enreqaecera, cruel enfermidade ] havia nascido embarcou no navio mercacft e de
eslava estampada em seu rosto; no Inspirado j se vela Ville de-BOnlogne, porque nao teve diohe.ro
adivinhava um moribundo. E anda assim nao para pagar a- sua passagem no paquete francez, e
descangava, o trabalho- era o seu Bnivo e a sua- veio .. velo para nao chegar.
consolagao : consolagao eu creio ; mas Unitivo I..... J nao tinha voz, nem forgas, era esperanga al-
enoentaoto trabalhava^ escrevia eomo um con- guraa durante a viagem ; o sea estado aggrarou
denmado morte que nao espera perdis, nem o se; apezar de todo escrevia anda e malta, at qu
pede, e s se empenha em aproveitar as horas con- por flm sua mao trmula nlo pode mais fazdo, foi
Odorico Mendes apa- Canas de ter sido 2 de agosta de 1824 obergo
da naciunalidade, bra- desse inspirado ; a cidade de S. Luir se honra de
dando !-Perdo para os Iludidos I O brado da te lo visto era suas aulas fazendo ocurso de boma-
generosidade achou oche em todos os coragSes ; o HJades I e em Portu8al a nmversidade de Coim-
taracterdos Braz.leiros demonstrou-se, resplan- Ka no esquecer jraa.s a gloria de haver-lhe
defiendo na magoanim.dado do perdo. Odorico conferido e ltalo de bacharel em direito i gloria,
Mondes, assim com Bvarito, Vergueiro, Feij, honra e ufana bem fundadas ; porque nao havera
Paula e .ouza, Costa Carvalho e outros muitos registro que contenha o nome de Gongalves Das
ergu-ram-se como antemuraes da monarchia cons- onde nlo fulgure um raio de luz.
Racional, e a naglo inteira eo genio da liberdade o prestigio de um diploma acadmico e o the- TrabaHioa muito esse-pobre irmlo em seu ago-
foram as sentiuellas do throno. Seuro de um talento prodigioso que pareca si?m- Diar de tres annos; tutfo estava morrendo nelle,
Era junho de 1831 a assembla geral teve'de pre urna vocablo, qualquer que fesse a sciencla meoos a otelligencia, qiie nunca se desalentara jc
cleger a regencia permanente e o neme de Ma- em que se experimentasse, abra ao nosso conso-} meaos 0 amor da patna-, que nunca arrefeceu. A ;
noel-Odorico Mendes foi lembrado e aceito com ci os facinadores horizontes das riquezas e dos ene mBIl() se deve o Pwnajo Maraeme, archivo de
apnlauso pelos directores da situago : mas Odo-! altos graus sociaes ; mas Antonio Gongalves Das ^ H,twta para soa provincia : eollaboroo
rico nunca sentir a ambiglo do poder ; com a nao fura creado para fruir os triumphos do leu-: em ama colleceo de tmduccfrs poticas de esco-
Obre molestia resisti aos amigos, e, urgido lo deva ser na trra um apostlo do idealismo : | lha esmerada e muito se erapenhou na sua publi-
com tudo elle nao
foi feliz : a fonle dos seus tormentos estava exac-
tamente no encanto especial que mais poeta o fa-
zia : na sensibilidade.
Depois de 1852 G< dgalves Dias podia charaar-se,
e elle proprio chamava se um poeta de alm tu
mulocomo Carlos V, assistiu ao seu funeral, e
mais afortunado que o rival de Francisco I, ouvio
ou leu a sua nechrologia, e os primeiro* juizes que
sobre elle faziam os seus suppstos sobreviventes:
coube-lheo railagre de viver mais de dous annos
um pouco no meo da po9terldade, que comegra o
processo do seu merecmento em um tribunal que
se julgou reunido em torno de ama sepultura, qae
alias ainda nao estava aberta.
Fallei at aqu do poeta : agora duas ultimas pa-
larras em relagai ao hornera : Antonio Gengalres
Dias era lio adrairavel pelo fogo da otelligencia,
como pelas virtudes do eoraclo : honra, patriotis-
mo, rrtinta dedcagio aos amigos, lealdade sem
quebra, assignalavam a oobreza do seu carcter :
lelo soberbo e ousado se ara poderoso da trra
pretenda offend-Io ou tentava humilha lo ; mas
lelo que ama crianga domiixvva com nm sorriso,
era ainda mais, e sobreludo de uraa modestia pa-
ra e candida, que, sem que elle o perrosse, fazia
realgar o se merecmento, corno ovu branco que,
escoodendo o rosto de urna dooaella, augmenta-lhe
e prestigio da belleza; emfim, siogelo, franco, ca-
idoso, capaz de sacriicar-se, extremameate seasi-
vel, Antonio Gongalves Dias tambera pelos dotes
do coragao deixon um nome que s*r sempre aben-
goado.
Mereceu de S. Mi o Imperador a- mais elevada
estima, dos seus compatriotas amor e admiraclo,
e deixa nos coragoes dos seus'amigos-ama saudade
que jamis se extinguir.
A gratidao nacional vae erigir s memoria de
Gongalves Dias um monumento na capital de lfe-
ranho : e o anjo da>poesia que cantoana alma do
inspirado j lhe abrta' em par as portas- do templo
da gteria.
m w ii
Do Club tradazimos o que segae :
A Sra. P., mnlher de bastante espirito, ceiava
no Caf Inglez com o principe Mi..
Chegando o amigo amante da senhora, e per-
geniando se nao os incommodava, ella responden :
Nao, e para pro va vamos ceiar todos tres ; e
assim o Bzeram.
Quando chegou a occaslo de pagar, houve real
embarace, porque nenhum dos cavalleiros qneria
pagar pelo ontro.
Senhores, disse ella rindo, son eu (juera pa-
ga.... c realisou-o.
Estava-se no sallo azul de ama nolber loara,
Os principes abundavam.
Um delles citoa o proverbio : coeae o Russo.
e ah encontrareis o Cossaco.
E se se coga o Cossaco ? pergonta um delles.
Encontrareis o nrso I disse a senhora.
E se se coga o urso T
Encontra-se de novo o Russo !
tadas que ainda tem de- passar no mundo.
o ultimo golpe, desfez-se em lagrimas, como W.il-
ter Scoll quaodo as vesperas da agona, pedlndo
para escreverrsua fliha nlo eonseguiu fechar-lhe
mais
por elles, acabou offerecendo am candidato jrara tinha nascido poeta : dir-se-ha que o njo das har-1 ca?5o comprehendeu qi3e era um dever de honra
foi assim eleito monias baixara do cu a procura-lo no berco e |evar ao eabo> aDtes de descor ao tmulo, a orga-
que lhe acendera n'alma a flamma divina, ou n'al- ,,53050 e redaegao dos estudos que parlicularmen-
0 resto da lgubre historiadfe Gongalves Das
um myslerio do mar: diz o capitao do bareo que
dias antes de 3 de novembro o Ilustre poeta-nao
s levantava mais nem tomavaalimento algunv; e
que na hora tremenda do naaragio, indo ao-beli-
ohe para tratar de slvalo, enconlrou-o morto, e
por isso abandonou o cadver no navio que se
abvsmava.
Morreu poioo Dr. Antonto-Gongalves Dias-e ex-
ma lhe ficara para inspirar-lhe suavissimos can- j (ne e0mpetiam na comroisslo scientiflea, a esgo- halou Q lmo>nUp|ro no mois completo iselamen-
substitui-lo, e Jlo Braulio Muniz
membro da regencia.
Sustento que o horaem de estado nlotemodi-
reilo da abstengao quando em circumstancias dif-
ficeis a nagao reclama a sua presenga no governo;
desde, porm, que nao faltam as capacidades e
que oulros muilos vares podem egualraente bem
desempenhar a missao offerecida, o recolhimento
\!2ZLZT*TZoTZ' doEchegUoraomRoadVjaneiro ero 816 e logo pab.i- tremo aconse.hado pelos mdicos is.re poeta I como peannurKlara a falsa noticia de 1862, e
condelat e nSnene bfalguma couTa cou o/seus Prlmeiros Cantos : o grande poeta n, \ que era em 1862 seguiu para Pe^mbuco en. um mo ^ ter elle proprio sem o sentir prophe-
de um cidadao que : velouse : o seu livro foi uraa aurora esplenden-1 dos nossos paquetes do norte, e i all para r ranga tsado ^g segQintes versos com que fechou c
te : applausos unnimes o saudaram na patria, e
as. Nlo se fizera, Deas o creara poeta : o dom, |0U nesse labor inmenso as forgas que lhe resta-
da poesia estava ero sna natureza como a fragran- Yam; quera responder com um uWmo triumpho
cia est no clice das flores; a inspiraglo rompa j a0s epigrammas e s criticas daquelles para quem
do seu espirito, como os rabs do dia rompem do toda a sciencia se resume em arranjos de eleigoes
seio do sol.
devia cumpri-la. O inspira-
e em despachos matenalissimos do expediente.
Urna viagem Europa tornra-se o recurso ex-
10, dlaiilb dte torras do eou barqo que anhelanto
demandva e sem que lhe fesse dado v-las: o cor-
po que Me quera restituir ao chao da patria foi
preza dp mar, e seas numerosos manuscriptos,
seus imporiaatas trabalhos, fructo da labor de tres
annos, j lgam-se de todo perdidos. Morreu no mar.
er
do grandioso e bello na vida de um cidadao que
nasce c morre pobre e pode dizer ao mondo Eu
naoquiz ser regente do imperio do Brazil. i alm do Atlntico Alexandre Herculano, o vulto
Ocvnico Diogenes, respondendo aos offereci-' da illleralnra porlugueza, teceu ama co-
mentos de Alexandre, com o simples pedido de "* a0 cysnc ^as.leiro.
nao collocar-se entre elle e os raios do sol, cujo Aos Primeos seguiram os Segundos, e a estes
calor estava gozando, nao foi um tfffo de desiote- logo depois os Ultmos Cantos : mais dons Uvros
resse, foi um exemplo de vaidade. Odorico Men- de poesas que bastariam para o orgulho de uraa
des, nlo querendo entrar na regencia, foi modesto geraglo. Com elles ou entre elles nascem daquel-
e grande : simples deputado do povo, aprazia-lhe le mesmo ongenho ferlilissimo Paltcull, Len0^
descangar das lides polticas e parlamentares, es- Mendona, Beatriz Cenci, e mais tarde Boabdil,
tudndo os mais celebres poetas da antigmdade e quatro brhanles engastados na nascente littera-
cultivando a poezia. Brazileiro Cincinato, tinha o tura drancaiica nacionaltriste litteratura drama-
seu arado na penna c a sua seara no campo das lie de um paiz que ainda nao tem theatro I
letras.
E era modesto de mais para que o povo nao o
esquecesse; foi com effeito esquecido durante mui-
los annos ; nao se queixou de o ter sido ; serviu
como inspector da thesouraria da provincia do Rio
de Janeiro ate que obteve a sua aposentadora ;
eleito deputado pela provincia de Minas-Geraes em
1611, tornou cmara no annoseguinte, mostrou-
se lal qual fura em seus primeiros annos de vida
poltica, e em 1817 retiroa-se para a Europa, aflra
de consagrarse exclusivamente a um importante
empenho luterano.
em um navio mercante : dous mezes depois, e co-
mo se julho de 1862 devesse prijphelisar o 3 de
novembro de 186), chega o aonuncio Si morte de
Gongalves Dias comprovado com a relaclo das
mais verosimeis circumstancias: a dor se derra-
ma em toda populaglo: o nosso instituto resolve
no dia da infausta noticia suspender os seus traba-
lhos em demonstraglo de saudade e pezar, decla-
1 rando Sna Magestade o Imperador qae era a mais
justa homenagem ao talento e recompensa devida
aos servigos feitos ao instituto pelo seu finado con
socio: a mocidado acadmica, os homeos de letras,
os artistas, a imprensa peridica, manifestam em
todo Brasil os sentimentos mais afflictivos pelo fa-
Ao mesmo tempo Gongalves Das, unindo-se al ^ aconlecroenlo> e nos templos do Senhor cele-
dous amigos, fundava com elles era 1819 o Gua-, bram.se [uaeDres officios pela alma do inspirado.
nabara, revista Iliteraria mensal ; no mesmo anno j Mas em Dreve cnega da Europa a feliz nova que
o nosso consocio o Sr. Dr. Joaquina Caetano da, desfaz 0 |Ut0 dos Corag5es: ainda era cedo para o
Silva, entao reitordo imperial collegio de Pedro '^ (ranse derradeiro; Gongalves Dias vivia echegra
propuoha e consegua a creaglo de ama cadeira ^ C0Bceber esperangas do restabelecimento de sua
de historia do Brasil, provisoriamente desligada da. sade. aJnnaeDcja do cima ,be fra fevoravel
de historia e geographia moderna ; e exullava re- ^ primeiros mezes : mas logo depois sentiu que
cebendo nesse collegio como professor daquella 1 q ^ progredia> e em Franga, na Allemanha, em
materia, e por elle memo^ indicado, o i muito. p^,^^ e oulra vex em Franca procurou*debalde
um milagro de sciencia que o salvasse.
Agoniscn longe da patria dous annos e alguns
mezes, e em todo esse lempo sem que pudessem
vence-los os martyrios da enferraidade, cumpriu a
distinelo poeta, a quem inda sobravam horas pa-
ra enriquecer o nosso instituto com diversas me-
morias cheias de erudiglo, palpitantes de interes-
u>mo homem poltico Odorico Mendes acaba era se e reveladoras de profundo estudo das nossas
1817 ; a postendade ba de julga-lo, porque o seu cou5as.
nome nao se pode riscar da historia, e a historia' Quando no futuro se comparar a transcenden- sua missao escrevendo sempro: pagou o que elle
saber proclamar a pureza de suas intengoes, a' ca a exlensa0 0 0 numere de tantos trabalhos com suppuuha a sua divida de honra, concluindo a re-
inabalavel firmeza de seus principios, e ha de re-! 0 mpo em que Gongalves Das os executou, ha- dacglo dos seus trabalhos especiaes da commissao
sumir o seu elogio, chamando-o o Dupon de i'Eure a em 0 lmagine vivendo em labor incessante ; scientifica, traduziu com esmerado zlo a JVhm ae
do Brazil. em alglim silencioso retiro, como as montanbas Messina de Schiller; deu comego e adianteu muito
Em uro poato ao roenos o poeta roals Miz d, da Syria aquello que devia ch= a Bocea de a sua Mj* *gggjg ^
todava nao era poo os del ullimos cantos do seu poema os Tym-
biras, e escrevendo sem cessar e com um ardor s
que o poltico : no processo futuro do sen mere- j UUro, fugindo dos homens e
cimento nao depende do juizo dos mulos ; deixa | como peirarca na Vanclasa 1 e
em suas obras o quilate da sua intelligencia, tem assim : GonQa,ves Di- caiiima fr o n-, ^-J^^, va l3o proximo 0 Sfu flin> an.
nos seus linos um escado contra o qual se que- to coraraercio da amizade, apraz.ao passar horas etpi v prepiosidades do
tra o estylete envenenado d iaveja, e no bnlhan- iot9iras, qUe voavam rpidas, enlretendo-se coro | htan d* """ LtaJS^J tenta-
1 estylete
llsmo dos seus cantos um astro de luz que desfai
as sombras da intriga e as turvas caligens com
que a aleivosia de contemporneos hostia procura
obscurecer a vista dos vindouros.
Manoel Odorico Mendes foi am poeta de cons-
ciencia e de estu4o profundo ; e modesta anda no
cultivo das letras, prlraoa muito mais por tradc-
eles modelos, do qae pelas composigSes orgni-
cas qae legou-nos; nlo porque nestas menos ful"
J gurasse o seu talento, mas porque proeurou sem-
pre lavrar de preferencia o campo das primeiras.
Mestre na llngua portugaeza como Cara5es e
Pilinto, o sea nome pode flcar registrado entre os
classicos mais abalisados.
Eslreoa na poesia com nm canto adrairavel, o
Hl)miw tarde, delicada iospiraco da musa clas-
slea, dooe, suavisslma, que ser em todos os lem-
pos estimada por aqaelles qae sabera apreciar o
mexeeimenlo de am poema pela excellente do pen-
aamento e pela belleza da forma, e nao o medera
jwlo amero das paginas de qae coostt. Alguns
sonetos e odcs eompleuro a pequea colleceo de
graves discusses de pontos lll- jsen engenho marav.lhoso.
torados ora ero araena conversaglo, que elle esgotar ama fonle que Deus creara prodigiosa-
chia de encantamento cera o atticismo do seu es- mente perenne 1
oirito e com uro fogo vivo de innocentes e sublis Gongalves Dias nao tinha fortuna: part.ndo para
romas EoroPa em 1862 leve uma licen51 de se,s meie8
ePS8erereveu,seproduzia muito para o espen- coro os seas ordenados de primeirc'o^lda sep
dor das nossas letras, que nlo havia para^ elle cretar.a de estrange.ros, e a gratlflcacao que lhe
nem hora, nem diaque^ nao fossem opportnnos : competa como orados directores da commissao
quando comegava o labor era nm prodigio na ra- scientifica; quando o governo nao pode> egalmen-
pidez da coraposiglo : as vezes amanhecia escre-|te prorogar aquella brenca com ordenado, den-lhe
vendo nutras erguase alta noute do leito para! pela secretaria dos negocios do imperio a mesrna
ceder ao Impelo do estro que o despertava no meio commissao que stivera desempenhando em Porta-
do um sonho : deram-se casos era que ama medi- gal o nosso finado consocio Jlo Francisco Lisboa,
tacto de philosopho. ou cantos de poesia correraro que por sua morte a de.xara vaga a mesraa coro-
de sua penna no meio de uma festa e de jubiloso \ missao de que ja ama vez era .8o2 fra Gongalves
ruido : nada podia entao dlstrabi-lo : era rcbi- \ Dia. entregado, qaeejrtie IMS,^^
medes resolvendo o problema. Nao tinha qae es-
canto iMens aos mus amigos do Maranhao :
Tal >arte o desterrado; um dia as vagas
Hoide os seus restos rejeilar na praia
D'oa^de to novse partir e onde
Proura a cinza fria achar jazigo.
O nsjpirado chegoo ao termo da sua misso; mas
deixoa em sua passagem um rasto de luz que nan-
ea se h de apagar; deixou um nome que uma
gloria d t Brasil, deixou-nos livros qae hao de atra-
vessar os seculos, e uraa influencia real, vivifica
dora e potente que dar Instre e espirito verdeja-
mente nacional a nossa litteratura.
Antonio Gongalves Dias nao tinha smente um
tiento maravilhoso, possuia tamben urna vasta
erudig io; as linguas latinas, italiana, hespanhola,
franceka, ingleza e allemlalhoeram to familiares
como is respectivas litteraturas; seus escriptos.
princi almente os ltimos publicados tanto em
verso eomo em prosa sao modelos de pureza de
linguagem e deexcellenciadeestyloem portuguez:
com intelligencia to desmedida e com nstrucco
variaissima esolida mosrou-se notabilidade em
todos os gneros de trabalhos litterarios que sahi-
ram da penna e pelo roenos em ura nao teve quem
o egualasso no Brasil e em Portugal.
Es udando, e esclarecendo a historia, foi um es-
criptpr grave, simples e profundo : a soa critica
apunada e segura se patenteou repelidas vezes as
menlorias por elle apresentadas ae nosso instituto.
A sa Historia dos Jesutas na America devia ser
um monumento.
^os dramas que compoz, Gongalves Dias, sera se
alistar como cgo partidista nasphalanges da esco-
la romntica, langou seus vos arrojados para os
honisontes, onde fulge a estrella magestosa de Vc-
tor Hugo, marcando multas vezes a forga e inde-
pendencia de um verdadeiro genio em rasgos n-
dales de originalidade sublime, em felizes e ines-
perados lances dignos da altiveza de Shakspeare.
Dis seus quatro dramas, infelizmente nem todos
publicados, Beatriz Censi afigura-se-me a joia mais
UM POUCO DE TUDO.
Em uraa das suas- ultimas cartas noticiava
nosso correspondente de Pars a chegada- do pene-
ral TomPouce e da ana, sua mulher, aquella ca-
pital.
A proposito deste ano clebre, vero o lerabrar
outro nao menos clebre, e tamanho;. isto to
pequeo como Tom-Poace.
Era ara anlo histrico, nm anlo de-nobre casa-
Nnora tinha sabido a palaoques para-mostrar-
se, e-cm lugar i proenrar o reclamo, fugia delta
como de peste.
Chamava-se Richebourg e tinha 60-oentimctros
de altura.
Vitcu na corle de-Orleans, na qualidaae de dfs-
penseiro (ttulo paramente honorfico)] da duqueza
de Orleans, nfle de Luiz Felippe : tinha eno
quinte ou dezoseis annos.
Richebourg, sem o saber, foi envolvido em acon-
tecimentos pobticos de grande importancia.
Vestiam-no de creanga, e atavan>lhe de redor
Ja cabega um lenco que levava partioipagSes im-
portantes, e assim passava ao pare ioimigo, sera
que ninguen se lembrasse de desconfiar de lio
singular correh>,.que ia sempre acompanhado por
uma ama para completai a illuso;
Richeboorg vivia em Pars ha trala annos em
uma casa do bairro S. Germano^ sera nunca sa-
hr.
Era muito tmido, e fugia quando ouvia voz de
estrangeire.
Com sua familia era, porra, muito conversador
e alegre 1 Recebia da familia de Orleans uma pen-
sao de 3:000 francos.
Este ente excepcional nao ha muito tempo que
morreu com quasi 92^nnos de edade, chorando a
vida, c diiendo que nao a tiaha gosado tanto quan-
lo quera.
Schavone, ha muito tempo associado ao terrve
Caruso e que, por causa de um feri mente gra-
ve, esta-a ha muilos mezes escendido, acredi-
tando-se por isso que tinha morrido, cahiu no dia
26 de novembro em poder dos bersaglieri, com ou-
iro chefe de bandidos tamhem celebre, chamado
Petrulla, e mais tres bandidos.
Cercados n'umacasade campo dos arrabaldes de
Melfi, defenderara-se a todo o transe.
Schavone cahiu primeiro com doze feridos.
Foram conduzidos a Melfi.
Todo o povo correu praga, quando ellas chega-
ram, repetiudo mil vezes o grito de-Viva o gene-
ral Pallaviccini I viva o nosso libertador I viva o
exercito italiano 1em frente da habitaglo do ge-
neral.
Oo cinco bandidos foram fuzilados no dia segra-
te pelo 4" batalhlo de bersaglier.
Schavone iraplorou a clemencia do eonselho de
guerra, com um incrvel terror da morte.
Os outros ficaram impassives, porra quando a
sentenga de morte foi pronunciada diante de uraa
consideravel mullidlo, empallidecerara.
Pela manhaa Schavone pediu e obteve o favor
de tornar a ver Filomeoa, a joven donzella que el
le tinha raptado e forgado a partilhar a sua exis-
tencia de bandido.
Foi elle mesmo que revelou o lugar onde ella
Le-se no Jornal do Havre:
Pode dizer-se que quanto mais ridicula um
moda, mais probabilidades tem de se generalizar
E que o digara os crinolines.
As damas de Vienna lingen agora os seus caes
de estimaeSo de cor egual a dos seus.vestidos.
E' de crer que, para bem dos pobres animaes
lo mudero de vestido muito a miado.
Trata-se de fbndar em Londres, per acedes, ama
soriedade para a exterminaeao dos tigres na
India.
Mal se pode faiw idea na Europa das devasta-
g5es que- annualmente faxem estas aniaos fe-
rozes.
Em Siogapora, ha dous annos, os tigres, aira-
vessando o estreito, vtahara em to grande nume-
ro, que os habitantes os nao podiam combater.
Mulheres, creanga, trabajadores, desappare
ciam em- pleno dia do campos e das casas.
S n'um anno multas- centenas depessoas foram
victimas de.-ies animaes ferozes, sen que se tra-
tasse de empregar medidas efflcazes para os- ex-
terminar.
as oulras partes da India os indgenas fazera
as mesraas- quelxas e ditera qae o numero de ti-
gres tera augmentado depois do desarmamento a
que deu causa a sublevagao dos cypaios.
Quando as-armas foram restituidas- a algumas
povoagoes mais ameagadas, era tres- mezes nala-
ram-se, s n'um distrcto; 10' tigres, 25 leopardos,
20 ursos, 9-hyeoas e 3 lobos.
Ja se ve por isto que a India tem cacadas inte-
ressantes, com bous premios, pois qae por eada
tigre se dio o libras sterlinas.
Assim, ama sociedad por acgocs-,.para a esler-
rainagao dos tigres pode at dar dividendos !
Nos tempes que corren^ ha negocios muito
avenlurosos-eespeculagoes mais chimericas.
perar jamis a inspiraglo : a inspiraglo era a oda-
lisca formosa sempre obediente a sna vonlade.
Em 1851 Gmcalves Das parliu do Rio de Janei-
ro incumbido pelo governo de inspeccionar em al-
gutuas proTinetM flo norte a lostraccao primarla
mas porque o nao direi? foi um glorioso pato rio-
tico pretexto para soccorrer o poeta moribundo,
ruja agonia na miseria seria uma nodoa indelevel
para o Brasil, como uma nodea indelevel para
Portugal a roiwria de CamSes e a ?. morte n
leito ijo um lospi lal.
preciosa da sna cora de dramaturgo.
|i porro na poesia lyrica que est a suprema; J-;^
oanrestaglo do inspirado. Gongalves Das in- .
cbntestavelmenle o primeiro poeta lyrico da lingua Presa e levada perante as autoridades civls e mi-
.rtugueza: egual em suavldade a Gonzaga, e litares, fez sobre os cumplices dos bandidos algu-
uito mais original, e multo maior poeta qne ello : mas revelages importantes,
lo cede a Garretl na magia de uma fluencia en- A despepida entra ella e Schavone foi commo-
vadora, nem a algum ouiro dos mais abalisados vente, segundo dizem todos os que a presencia-
famosos naqusllas divinas delicadezas de poesia. ram.
pe smente podem nascer de uma rara e mimoui Ajoelhou diante della, be.jou-Ihe os ps e pediu-
Lensibilidade. Enumerar os seus bellos cantas fra lhe perdao.
'repetir todo o longo ndice dos seus tres livros. Quando chegou o momento fatal, Schavone avan-
Nos quatro primeiros cantos dos Tym^as al ns- cou_com coragem para olugar fixado para a exe-
pirago arrebata, a harmona dos versos extasa o cuglo
vigor do pensamento e o primor dos adornos ma-
ravilham. O congresso dos chefes Indios faz lem-
brar Homero, e na descripglo de uraa aurora qne
rompe, sente-se o frescor das auras matinaes, ou-
ve-se o gorgeio dos passarinhos, e araanhece se,
com o poeta em um mando encantado.
Disse antes de morrer 1 que tinha sempre com-
batido pela f e que pela f morrla. >
Toda a povoagao applaudlu com indizivel alegra
sentenga e a execogao.
E' do Sr. Mi B. Fontesello esta peesia :
A FLOR E A B0RB0LETV
Dizia a borbolela melindrosa
Rosa,
Depondo a aza sobre o seio odor,
D'ouro :
Irmaa, taa ventura o raeu revs
Vs?
Feliz vives no solo, e eo a penar
Noar I
Tu lind em trra, eo sob a atnl nmbella
Bella,
Doces encantos a nos ambas dea-os
Deus
Tu de purpura esplendida le vestes ;
Vestes
D'ouro cobrem me.... E a sina moda sntantt.
Tanto r
Dilcsa na toa bastea, te rtcreas ;
Creas
No amor ou nao. o amor aqui te chama :
Ama t >
Aqui o belja-ftor, que a amor conven,
Vem.
Que lar bom para amor, ten lar de folba,
Olhal
E eu, se lar, no vacuo sempr errante
Ando I
Busco no vacuo amor, jamis o alcanzo ;
Canso !
Tombo emfim no leu seio, sem alale....
Lento
Vou expirando... Porm t, eberesa,
Rosa T
E a melindrosa flor, 00 seio odero
D'ouro
Vendo a aza, e ouvindo a lamentosa falla.
Falla :
-Como s mais qoeeu feliz I E tens-oae inveja t
Veja
Tua dr meu arante. Irmaa, nao estimares
Ares I
Trocar por ares, fra meu consol*
Solo I
Creres, irmaa, que o amor na Ierra esta...
Abl
Agrilhoada na minh'hastea, o ardor,
( Dr I
Sinto de amar ; e quero, quem miaba chamma
Ama?
O' beijaflor, tu dizes. Sobre aterra
Erra
De flor ero flor, e as deixa, e volta ao cu
Seu I
Quem dar-me entao, por esta verde casa,
Aza I
Seguir o amor no cu I Por este lar,
Ar I
Mas lo, do sol as lucidas roadeixas
Deixas,
Buscando amor na trra I Ai 1 Ulosaa
Sio
Ou na trra ou no cea, acaso amores T
Morrea
Pedindo trra amor I pedindo-o ao cea
Eu!



* SrglS^ W. se elle tinha di- PEBNAMBUCO.-TYP.-PE M. F. DE ,.* FIIHO
L_^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYQ57MJ2H_72DC9W INGEST_TIME 2013-08-28T02:30:27Z PACKAGE AA00011611_10572
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES