Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10569


This item is only available as the following downloads:


Full Text

d'j i.
I
*
s
AHHO ILI. HUMERO 12
*r fiartel lg denlr* de iO diasdo 1. mez
dem depois dos 4.0S 10 dias do (*ece dentro do quartel. .
Porte m eorreio per trw mezes ...........
.. -' '" ni
Wmk FEIRA 16 DE JAflEIR
J*
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
' Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima ;
Natal, o Sr. Aotonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; MaranhSo, o Sr. Joaqlm Marques Ro-
drigue*; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SBSCRIPCAO NO SUL.
t
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martina Alvi-s; Rio de Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro Gasparinho. I
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacSes da via errea at
Agua Preta, todos os dias.
Igoarkss e Goyanua as segundas a sextas feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerro?, Bonito, Caraar,
Altinho, Garanhuns, liuique, S. Bento, BomCon-
celho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqneira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ooricory, Salfueiro e Ex.nas q Liar tas feiras.
49|O00
3S000
Serinbem, RioFormoso, Tamandar, Loa, Barrci-
ros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas feiras.
Illia de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia.
EPHEMERID8 DO MEZ DE JANEIRO.
4 Quarto rese, as 1 ti., 21 m. e 53 s. da t.
11 Luacbela as 8 ti. 40 m. e 10 s. da t.
20 Quarto ming. aos 16 m. e 52 s. da m.
27 La nova as 7 h., 10 m. e 46 s. da m..
1NCIA DOS TRIWJNAJES DA CAPITAL
do corotnercio: segundas e quintas. '
torgas e sabbados s 10 boras.
quintas s 10 horas.
Julio (lo commerrio : segundas as 11 horas.
Dito d3orphoe '4Are*f sextas as 10 horas.
Prljneira var? do civel: tercas e saxtasaraeio
dia. .
SefMda vara doeivel: quarlas e sbbaiks a 1
hora da urde.
DIAS DA SEMANA.
1. Segunda. Ss. Berardo, Acardo e Otbdn.
17. Tfga. S. Ag-afto ab.; 3. Antao ab.
18. Qnarta. S. Prtse* y. nji.;; v Leobaldo b.
19. Quiota. S. Canuto re1 m.; S. Ponclano m.
20. Sexta. 8s. Fabrie e Sebis'tiao mm.
21. Sabbado. S. fgoei v tn.; S. Patrcolo m.
. Domingo. Ss. Vicente e Anastacio mm.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 7 hora e 42 rq. da manhla.
Segunda as 8 horas e 6 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sal al Alaga** a 14 e 30; para o norte
at a-Srarija a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos das 14 dos bwm de/Janeiro, margo, maio.
julhos setambra novembro.
ASSJGNA-SE
o RecWe, na livrarla da praga da Independencia
ns. 8 e 8, dos proprietarjos Maneel Pigneiroa de
Paria 4 Fimo.
i f'7
PAUTE 9FFICIAL
NIXISTJERIO UO IMPERIO.
6* seceoRio de Janeiro.Ministerio dos nego-
cios do imperio, em 30 de dezembro de 1864.
Exm. e Revm. Sr.Pela razio constante do avi--
so que, em observancia da imperial resolucao de
30 do mez findo, dirig V. tixe. Revma. em 6 do
correle, haja V. Ex.c. Revma. de dar as conve-
nientes ordens, para que sejam de novo postas a
concurso as paroenias de que trata a proposta por
V. Etc. R3vma. feita em 10 desta mez.
Por e rador declarar V. Exc. Itevma. que na proposta
devem ser acompanhadas da altestagao exigida
pela proviso de 30 de agosto de 1817, e que, urna
vez abertos os concursos, nao deve V. Exc. Revma.
annulla-los pelo fundamento de nao ter apparecldo
numero sufflciente de dppositores, ms proseguir
nelles em relacio aos que se apresenlarem. dando
opportanamenle conta do que occorrer ao governo
imperial para unitiva resolugao.
Deus guarde V. Exc. Revma. Jos Liberato
BarrosoSr. bispo da dlocese do Maranhao.
MINISTERIO I>A 1 VZi;\ l> V-
Ministerio dos negocios da .fazenda.Rio de Ja-
neiro, 5 de dejtembro de 1864. -Illm. e Exm. Sr.
S. M. o Imperador, a quem fol presente o requer-
ment de vanos negociantes da capital dessa pro-
vincia, pedindo providencias para que sejam acei-
tas como moeda legal as repartieses fiscaes da
mesma provincia as notas da caixa filial de Per-
nambuco, houve por bem, por sua imperial e im-
mediata resolugao de 26 de novembro ultimo, to-
mada sobre consulta da scelo de fazenda do con-
selho de estado, indeferir a referida pretengo.
Dos guarde a V. ExcCarlos Carneiro de Cam-
pos. Sr. presidente da provincia da Parahyba.
CONSULTA QUE SE REFERE A OROEM SUPRA.
Senhor.Mandou V. M. Imperial por aviso do
ministerio da fazenda de 20 de outubro ultimo, que
a secgao de fazenda do conselho de estado consul-
(asse rom o seu parecer sobre a materia do reque-
rimenlo junto de vanos negociantes da capital da
provincia da Parahyba, em que pedem providen-
cias para que sejam aceitas como moeda legal as
reprtiges fiscaes da mesma provincia as notas da
caixa filial de Pernambuco. As razos em que os
suplicantes fundamentan) a sua pretengo acham-
se expostas no seguinte trecho do requerimento
que fizeram ao presidente da provincia :
Estas medidas (as dos decretos de 13, 11, 17 e
20 de setembre ultimo,) salvadoras do crdito do
banco do Brasil e de suas caixas flliaes, devem ter
vigor nos lugares em que os mesmos se acham es-
tablecidos.
Nao sao sem duvida a V. Exc. descoBbecidos
os graves prejuzos que deve trazer a esta praga
semelhante restrieco, urna vez que nao tem ella
caixa filial do banco do Brasil nem mitro estabele-
cimento bancario, eeffertivamente realiza todas as
soas transaccoes commerciaes cora a provincia de
Pernambuco, donde recebe em troco de suas mer-
cadorias o dinheiro que all gyra.
Este dinheiro todo em bilhetes da caixa fi-
lial c do novo banco, e sendo vedado pela disposi-
Qao de um dos citados decretos o troco de taes bi-
lhetes per dinheiro de ouro, privados ficam os
abaixo assignados de remoller a Pernambuco os
referidos bilhetes para s?rem trocados, cuja medi-
da sendo para os abaixo assignados j um pouco
difficil de realizar todava facilitava urna parte das
transaeges desta praca.
Por torga das disposiges do decreto n. 3,307
de li do mez paseana, os referidos bilhetes pasta-
rio a ter curso forrado, e por isso nao se podem
os abaixe assignados eximir de recebe-los na re-
ferida praca de Pernambuco, visto seren garan-
tidos, pelo governo, que os considera moeda legal.
Ellcs, porm, aqoi nao tem esse curso forca-
do e os seus possuidores nesta praga vm-se emba-
raga dos na satisfago de seus compromissos.
t Anda existe entre nos a triste e impresso dos
acontecimentos porque passou a praga de Pernam-
buco, permanecendo na populagao, quer da praga,
quer do interior serias desconflangas.
o Assn>. pois, qs abaixo assignados com bem
plausivo! fundamento (em desconfianga ou quasi
certeza de que nesta praga os referidos bilhetes
vo raliir em completo depreciamento e o commer-
cio privado dos recursos monelarios, nao s para
as suas iransacgoes mercantis, senao tambera para
o pagamento dos imposlos e direitos de mercado-
rias, a que estao snjeitos os abaixo assignados, por-
que os mencionados bilhetes nao sao recebidos as
eslaoSek publicas, as quaes s recebem moeda do
governo, visto como o curso forgado nao se estn-
de a esla provincia. >
A sercao nao pensa, como os supplicantes, que
o carador de moeda legal dado s notas da caixa
filial de Pernambuco possa faz -las cali ir na praga
da Par: hvha em grande depreciago, comparati-
vamente com o valor que conservassem naquella
provincia. Se a Parahyba exporta seus productos
para o mercado de Pernambuco e alli t> m de per-
muta-Ios por notas da caixa filial, tambem certo
que no mesmo mercado se provem dosgeneros que
importa para consumo, e que pode paga-Ios com
as mesmas notas. Se estas notas se depreciarem
mate na primeira que na ultima provincia, o effel-
to da depreciago se far sentir na elevagao dos
pregos desses gneros, provocar maior importa-
go delles e consegnintemente a exportagao das
notas para a praca de Pernambuco, e at que se
restabelcga a igu'aldade do valor do papel banca-
rio entre as duas provincias.
E' fado notorio que as notas da caixa filial cor-
riam at agora na Parahyba, onde alias nao eram
recebidas as estaedes publicas, e nao ha motivo
para que o curso forgado que se lhes deu as repu-
la da circnlago.
Os portadores dellas nao terlo mais, verdade,
o direito de faze-las trocar por moeda metalllca no
stabelecimpnto que as emitle ; mas, alm de que
as outras provincias se acham as mesmas cir-
enmstancias, a medida solicitada pelos supplican-
tes nao alterara este estado de cousas.
Quanto aos imposlos, sabido que tem sido sem-
pre pagos as estagoes fiscaes da Parahyba era pa-
pel do governo ; e que porlanto, existia alli a quan-
tidade, ao menos, desta moeda, necessaria para tal
applicarao.
Ora, nao se teodo dado, nem podendo dar-se,
emquanto o cornmercio da provincia se achar na?
condgoes expostos no requerimento, e durar o re-
gimen do papel-moeda, nenhum dos factos econ-
micos que poderiam provocar a exportago do pa-
pel do governo, nao descobre a secgao de farenda
motivo para os receios que a tal respeito mostram
os supplicantes.
Fazendo estas observacoes sobre os dous pontos
que mals especialmente parece terera excitado a
attengao dos negociantes da Parahyba, nio pode a
secgao deixar de reconhecer os embaragos e diffi-
eoblades commerciaes que hSo de forgosatrtente
resultar de tnr cada urna das mais importantes
provincias do imperio um papel bancario especial,
corn gyro forgado nicamente entre os seus res-
pectivos habitantes, inconvertiTe! em ouro ou em
papel do giverno, e incapaz, portanto, de fazer
uncgdes de moeda ?eno dentro mites. Mas essas dijfcnldades e embaragos nao
tem de soffre-los unkatnenle a provincia da Para-
hyba. se nao tOdas^'assim as que nao possuem cai-
xas tiliaes do banco do Brasi como as outras, e
estas talvez em maior escala. E' no? lugares on-
de nao ha olas do banco que se deve ter refu-
giado a mxima parte do papel do governo exis-
tente Da circulago ; e pois, ah que se obter
com maior faoiitdade papel de curso gerai, com
que se po-sam saldar transaccoercommerciaes em
outras partes do imperio. Aitf toe, se para res-
guardar a provincia da Pafdbffta dos prejuizes que
os supplicantes receiam boavesse o governo de de-
cretar a medida que elles solieitam, dever pela1
mesma razio faze-la extensiva a todas as outras,'
isto dar curso foreado as notas da caixa matriz
e das tiliaes do banco do Brasil em todo o im-
perio.
Esta medida, alm de estar muito fra das at-
Inbuicoes do poder execotvo, faria do banco o ar-
bitro supreif do mMo circulante do Brasil, e tor-
nara impofiHvel nuMar-so um prazo certo para
cessaco dos ftffeitmto decreto n. 3,307 de 14 de
setembro prximo passado, os quaes, se forem du-
radouros, ho de necessariaraente exercer funesta
influencia sobre as fortunas dos particulares e
augmentar grandemente os erabaracos Ooanceiros
com que j luamos.
E' pois, a secgao de parecer que seja indeferida
a preiengo dos supplicantes.
V. M. Imperial, porm, resolver o que fr mais
justo.
Sala das conferencias, em 9 de novembro de
1864. Visondede Itaborahtj.Mrquez de Abran-
tes.Candido Baptista de Ottveira.
RESOLUCAO.
Como paroee. Pago, 26 de novembro de 1864.
Com a rubrica de S. M. o Imperador.Carneiro
de Campos.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIAS DO DIA
RIO DE PER V\ milJ< O.
II tMIK'KtiO.
Htenos-A)res. 28 de dezembro de ISG.
A noticia da tomada de Paysandd deve ser ahi
anciosamente esperada, e entretanto anda nao me
cabe boje a satisfago de referi-la.
Depois dos ataques dos dias 6 e 8, sitiados e si-
tiadores permanecern! quasi em silencio.oecupando
ambos suas respectivas nosigoese entretendo o lem-
po com pequeas guerrilbas,que nada adiantavam a
questao.
Ni oa 11 incornorou-se s torgas da mannha
imperial o general Nelto com 1,200 voluntarios que
elevaram o numero dos nossos a perto de 4,000 ho-
meBS, inclusive a ceota do exerejto libertador.
Eram todos, porm, cavallelros, e nao infantes, e
porlanto inuteis para o assalto a praga, que sedevia
seguir a novos e repelidos ataques de arlilharia de
grosso calibre.
No dia 15 pela manha concordou o general Fi-
res com o nosso almirante para deixar entrar na
praga urna commissao que tlnha vindo da capital,
composta do vigario apostlico, o vigano de S.
Francisco, Martin Prez, mais dous padres, quatro
irmas de caridade c o presidente da junta de hy-
giene publica, o Dr. Vich. Esta commissao pro-
testen que s a conduzia o nobre fim de curar os
enfermos e dar os soccorros espirituaes aos mori-
bundos.
O general Flores, que bem conhece a sua gen-
te, desconfiava de algo: mas o baro o tranquilli-
sava.
Marchava, pois, a procisso, quando no ultimo
posto avangado foram a bagagem e caixa de ins-
trumentos examinadas pelo desconfiado ofllcial que
ah se velava. Que descoberta I O Dr. Vich era um
carteiro do eorreio disfargado em medico; alm de
varios e importantes officios que foram apprehen-
dldos, trazia mais de 30 cartas ardentes, upai-
xonadas, que exaltavam o valor de Leandro Gmez
pela sua heroica defeza, e o comparavam nos mais
denodados homens da antiguidade.
Como se isto nao fra bastante para desacreditar
a commissao, reeonhece-se que um moco imberbe
que acompanhava o Dr. Vich como seu assislenle
era urna grisette fraseen vestida de homem com
quem elle anda publicamente em Montevideo I Nao
se pode calcular a imligqaco mesclada de despre-
zo que se manisfestou no acampamento por esta
ridicula farga.
O general Flores deu ordem inmediatamente
para que toda a commissao se reembarcarsse para
o paquete Texere, onde tinha vindo, e dirigi alga-
mas palavras de censura ao Itvd. padre Vera, que
protestou achar-se Innocente era toaa aquella indig-
na trama.
Consta-me que os padres estao desesperados con-
tra o doutor, que os expoz assira ao desrespeito pu-
blico. Este nao se alterou, e paricia lo salisfeito
de si como se tlvesse pralicado urna faganha. Sen-
do interpellado pelo general, respondeu insolente-
mente alladindo ao facto de v-lo alliado com os
Brasi lefros. O general replicou-lhe em palavras
ardentes, e fol interrompido por vivas acclama-
ges, em que o Brasil era simultneamente victo-
nado.
Por este facto esleve o joven doutor preso qua-
tro horas no acampamento, depois do que leve h-
cenga para reunir-se a seus companheiros. Que
procedimento lo diverso do que costumam ter os
sanguinarios blancos, que por muito menos degol-
lam os seus adversarios, como fez Leandro Gmez
a um pobre tambor da Ivahy, que teve a desgraca
de extraviar-se do acampamento e de ser pilhado
por elles!
Esle infeliz foi horrvelmente martyrisado. De-
pois de o castrarem e de Ihe cortarem as orelhas,
o degollaran e fincaram a cabpga era um poste em
frente a batera de mannha com um bonet de bor-
do para ser bem conhecido I
Tendo chegado noticia de que o general Sa ha-
via passado para o norte do Rio-Negro, o general
Flores levantou o sitio no dia 20 e marchou seis
leguas para encontrado, levando o nosso contigente
de 350 homens de infantaria. Sabendo que nao era
isto exacto, voitou sobre seus passos, e J no dia
22 eslava restabelecido o sitio.
Leandro Gmez aproveitou estes dous dias para
vir ao porto prender os italianos que nos linham
vendido alguns objectos e para incendiar os ran-
chos que oceupamos.
Todo o exercito brasileiro devia achar-se em ro-
da de Paysand no da 25 do correte, ao mando do
do general Menna Brrelo, e se propala que hoje
devia ser atacada a praga por todas as torgas reu-
nidas, que ascendem a mais de 10,000 homens,
preeedendo ao assalto um vivo fogo de artilhaha
de duas bateras de pegas de 68 desembarcadas de
nossos aavios.
O general Sa tentn com effeito passar para o
norte do Rio Negro, mas a infantaria recusou
acompanha-lo.
O exercito do operaedes ao mando de Servando
Gmez ja nao existe ; dissolveu-se pela dissidencia
dos chefes. "*
O presidente e o ministro da guerra foram ao
campo, mas nSo conseguirn! reorganisa-lo. 0$
blancos estao .desanimados; vem qne o soeee-rro
rio Paragnay negativo, que Paysaodtf ha de ca-
hir forcsamente que a mesma sorte ter dentro
I em pouco Montevideo, e a Tista disso reconhecem
o erro de ter entregue os destinos de seu paiz a
l Carreras e Barra, dous homens que podem ser p-
timos revolucionarios, mas nunca habis adminis-
tradores, nem directores de una poltica.
A farga da qoeima dos tratados com o Brasil
causou geral indignaco no Rio da Prata o desper-
tou profundo desprezo. Quando um governo pra-
tica actos desta classe revela claramente o que
vale.
Este infame auto de f a condemnago mais
completa desse governo.
Todo o esforgo de Aguirre agora arranjar di-
nheiro.
Os correctores Cotolhego e Lavalle nao cumpri-
ram os seus compromissos, e falla-se em novos em-
preslimos e imposlos.
Projectam-se novos imposlos, j se estabeleceu
um sobre o pao, e o fnror de fazer dinheiro tal
que acaba de veader-se o forte de S. Jos e o ter-
reno adjacente por 80,000 pesos ; o que vale bem
jUU.
Diz o jemal El Plata que o presidente se oceupa
em um grande regulamento para estabeleeer o cor-
so contra a bandeira brasileira.
Na Confedf rago Argentina nada tem oceorrldo
de notavel. Sobre a raisso Paranhos a imprensa
est dividida.
A Nacin Argentina que orgo do presidente.
Mitre, prega a poltica da inercia como a mals con-
veniente para o paiz ; a Tribuna e o Nacional a
eombatera e querem antes a poltica da allianga
com o Brasil; o Pueblo continua com sua doutrina
de oeutralidade armada. Deste modo a oplniao so
acha dividida; mas todosduvidam que o presiden-
te Mitre possa esquivar-se ao incendio que por toda
a parle o rodeia.
Por ora os eaudilhos se acham tranquillos. Xem
Corrientes nem Enlre-Ries, do sijrnal de alarma.
Emquanto isto continuar tudo vai' bem.
As notieias chegadas do Paraguay por via da
Corrientes sao que o presidente LopeZ encaminha
todas as suas torgas para a* fronteiras de Matto-
Grosso, o que parece indicar seu pensamento de
invadir aquella provincia e limilar-se a uso.
Do Pacifico a nica noticia importante a da
installaco do congresso americano em Lima.
Politf lea argentina i
Buenos-Ayres, 28 de dezembro de 1884.
As lionas que vo Idr-se foram escripias um dia
antes de chegar a Buenos-Ayres a noticia verda-
deira ou falsa da entrada dos Paraguayos pela pro-
vincia argentina de Corrientes.
A Nacin Argentina, que passa por orgao semi-
official do presidente Mitre, tem sustentado sempre
a poltica de oeutralidade, ao passo que outras fa-
llas advogam a de urna allianga offensiva e defen-
siva com o Brasil. Tornase de imeresse o artigo
que em seguida transcrevemos por se ver delle
qual deve ser lgicamente o procedimento do go-
verno argentino no caso de verificarse a invasao
paraguaya a que nos referimos.
i Serei bom vizinho, disse o governo da repbli-
ca, emquanto fr compativel com a honra e direi-
reitos da nago.
Como o tem pro vado ?
A respeito do Estado Oriental tem o governo pro-
curado prestar quelle paiz aos seus partidos e ao
mesmo governo o maior servigo que podiara espe-
rar de urna boa vizinhanga. Tem com o ardor e
persistencia que smenle se consagrara aos inte-
resses proprios procurado para elle os beneficios
da paz constantemente repellidos.
O ministro de estrangeiros do governo argentino
foi pesdoalmente Banda Oriental, visitou os seus
acampamentos sem que pudessem det-lo as fadi-
gas de penosas viagens nem a incerteza do resul-
tado, e acompanhado dos ministros inglez, brasilei-
ro e italiano, fez o favor de um ajuste amigavel
quanto era humanamente po'ssivel.
Devia o governo argentino limitar os seus offi-
cios de boa vizinhanga at ao poni em que os li-
mitrophes, esquecendo os seas deveres, Ihe irru-
gassem offensas.-
Apezar disto o governo de Montevideo, olvidan-
do b proceder circumspecto do governo argentino,
olvidando os servigos e a boa vontade que Ihe de-
ve, fez-lhe graves offensas, que em ltese geral o
obrigavam a sahir do seu programma de paz e
neutra I idade.
O que agora dzemos autorisa urna pequea di-
gressao antes de tornamos a cahir no thema que
motiva este artigo. A esle respeito nao recelamos
ser completamente francos E' fra de duvida que
o governo oriental nos tem dado j mais de um mo-
tivo de justa queixa, recusando-nos a reparago e
autorisando assim o emprego das armas. Comtudo
nao Ihe declaramos guerra, limitndonos ao em-
prego de medidas coercitivas.
Porque? as razoes estao se metendo pelos olhos
dentro. Porque o governo de Montevideo dbil;
porque queremos a paz e della necessitamos; por-
que nao podemos ir ao Estado Oriental senao cha-
mados pela torga da circunstancia para exercer a
acgo benfica da pacificagao, a favor da qual sem-
pre temos trabalhado ; porque para nos, conside-
rada a ndole, a historia e as tendencias dos parti-
dos, seria essa guerra urna guerra civil; porque
todas ostas razoes tiram a importancia ao aggravo
inferido por homens desesperados e Impotentes ;
porque a allitude actual do Brasil nos constituira
alliados de guerra e vingadores de aggravosalheios,
inhabilitando-nos para exercer a aeco benfica
que nos toca.
Eis-aqui qual tem sido a nossa posigo relativa-
mente Banda Oriental. Temos sido neutros, te-
mos sido mesmo alm das bases da neutralidade ;
temos sido bons vtzinhos e at pacificadores, sem
que o valor da nossa obra possa ser apagado pelas
paixoes que a flzeram perder-se.
Relativamente ao Paraguay nao lia aclo algum
da Repblica Argentina que possa apontar-se como
violagao de neutralidade. Sobre este ponto julga-
mos intil a insistencia.
Assim, pois, tem a poltica argentina sido de fac-
i a neutralidade, sem desconhecer por Isso a soli-
dariedade de interesse que a liga aos governos re-
gulares e cvilisdos, sem desconhecer os perigos
que teria o bom xito dos elementos que pngnam
contra esses governos, sem deixar de reservarse o
direito de tornar pratico o espirito de antigos com-
promissos, quando, como dissemos, o carcter ar-
gentino das questes qne se ventilassem tornasse
nessano o concurso desta repblica. Os limites
desta neutralidade j os assignalamos.
No dia era que a repblica fr offendidada na
sna honra, na sua soberana, nos seus direitos,
nesse dia deixar de ser neutra.
Nao queremos agora oceupar-nos de Montevideo.
A prxima queda daquelle governo affasta d-i cam-
po do possivel o caso de ser necessarlo o concurso
argentino para derrbalo.
Passemos ao caso que de modo mais persistente
preoecupa a opiniSo publica, ao caso de violagao
de nosso territorio pelo governo do Paraguay.
J o dissemos : na nossa opinio seria esse um
caso de guerra justa, guerra nacional, guerra feita
para salvar os direitos e a honra da repblica,
guerra a qne acudiramos todos sem distineco de
cor poltica, guerra para a qoal o presidente da
repnbllca conta com todos os seos elementos mili-
tares e com. o fovo era mas?a. Em tal ea.so a neu-
' tradade nao seria urna poltica, seria urna cobar-
1 di'A; um eflme.
J explicamos como, anda mesmo nfio tendo nos
um numeroso fexercfc) permanente, poderiam os
| elementos para castigar o invasor reunir-se em
'jWJco lempo; vimos como na presenca desses ele-
mentos o Paraguay, tendo-se empenhado n'uraa
guerra com a nago mais poderosa da America do
Sul, nao onsara envolver-se em oulra eom a Re-
publica Argentina; demonstramos como estas po-
derosas razoes asseguram slidamente a paz da
uaeo. *
Mas a questo offerece outro lado
O caso dej-iolacao do territorio argenlioo faz sur-
gir novos factos que quitemos indicar oeste artigo
e ijae anda mais impossivtl a tornam.
Qe succederia, alen da declaracao de guerra
do osso governo, se o Paraguay nos vioiasse o ter-
ritorio? Empurrara aquelle estado porta de um
abysmo e -abrira a brecha mais formidavel que po-
de ipiaeinar-se.
Violado o territorio argentino pelo governo para-
guayo, tra esle de facto jlecretado a passagem
dos mercitos brasileiros por elle.
Emquanto uma esquadra poderosa dominava
completamente os rio-, prescndiodo do que faria o
goven argentino, qurenta ou cincoenla mil Bra-
sileiros penetraran) pelo nosso territorio, cuja pas-
sagem lhes nao poderiamos negar, cuja chavo lhes
teria posto as mos o hvpothelico attentado do
governo do Paraguay.
Ficara completamente mudada a face daguerra.
O Brasil, que s poderia chegar ao Paraguay
subindo os rios ou afjrontando as difBculdades do
uma penosa expedigao al s suas fronteiras, ver-
se-hia de repente para assim dizer frente a frente
conzo Paraguay e coro o territorio argentino por
base das sitas operaeSes ?
Poder isto ter escapado ao governo do Para-
guay ? Delxaria elle de comprehnder a immensa
desvantagem que Ihe havia de dar na luta a viola-
gao do territorio argentino Nao.
At violagao do lerritorie argentino nao importa
s para o Paraguay a guerra com esta repblica,
cu jos elementos o seu mesmo presidente vio do p,
nao importa s augmentar o numero dos seus con-
trarios com cincoenta mil soldados argentinos, im-
porta lambem abrir ao Brasil de par em par as suas
is-aqui porque o Paraguay obra prudenlemen-
peitando o nosso territorio e a nossa neutra-
leres brasileiros.
tfodi 18 representou-se em Montevideo uma
farca ridicula, cujos autores smente conseguram
Est, pois, a nossa paz assegurada, nao s pela
poltica do governo, mas tambem pelos mesmos in-
leresses dos belligerante? que nos rodeam.
(Nacin Argenti.)
revelar a sua impotencia para lomar mais" digna
desforra de suppostos aggravos. Eis come a des-
creve em termos pomposos a Reforma Pacifica :
< A praga da Independencia era esireila domin-
go para conter b poyo que corra a presenciar a
augusta ceremouia. No cuatro tnha-se levantado
uma plataforma quadraogiular, perfeitameate de-
corada, ostentando no meio a columna da i
pendencia. Etn cima de tuna mesa eslava a
que coatioha o.s tratadas com o Brasil e junto del
la, sobre um altq pedestal, arda o vaso que devta
! consum-los vista e na pr : luosos sofas e poltronas ornavam a plataforma, em
cujos ngulos esvoagavam as bandeiras de Arti-
gas, dos Trinta o Tres e a nacional em dous can-
1 tos.
< Tinha-se designado a hora do meio-dia para
a solemne ceremonia, porqu* so quena que ella se
fizesse em plena luz.
No momento marcado, formada* ae tropa, o
presidente, seguido dos seiw ministros, dos gene-
raes da repblica e dos nWmbros da commissao
extraordinaria administrativa, subi os degraos da
plataforma, e, depois que uidos tomaram asiento,
o esenvo do governo fez a leitura dos decretos de
13 e li do correte, que declarara nullos os trata-
dos com o Brasil e laaudam extinguidos pelo logo.
Concluida esta leitura, tomou a palavra o Sr. pre-
sidente, e era um patritico discurso expoz as re-
petidas queixas e os irrianles ultrajes que nos es-
uva inferiado sera motivo o Brasil, c que davam
justissimo direito repblica para obrar como fa-
zia.
_t Depois do discurso do Sr. presidente, o escri-
vo descoseu as folhas dos tratados, que foi pas-
sando ao homem encarregado de reduzi-las a cra-
zas, e reservou a capa e os sellos para enviar ao
museu, como eslava ordenado.
t Consumidos pelo fogo os iniquos tratados, S.
Exc. o Sr. presidente, os seus ministros, os gene-
raes da repblica e o presidente da junta assigna-
rara um auto de estar consummado o aclo, e S.
Exc. desceu da plataforma eom o seu squito.
t Enlao o Sr. Zipilria, secretario da junta, pe-
dio venia ao Sr ebefe poltico e de polica para di-
rigir ao povo algumas palavras convidando-o a as-
signar um auto de adheso ao que se acabava de
fazer. Aonuio o Sr. chefe, fallou o Sr. Zipilria e
em seguida o povo principiou a assigoar. >
Da-nos este acto a medida dos desvarios a que a
paixo pode levar os homens e ao mesmo lempo
l
INTERIOR
RIO DE JAVEIRO
28 de dezomhro de 1864.
Entrou hontem de Montevideo, donde traz datas
at 20, o vapor inglez Ilershel da linha de Liver-
pool.
Colhidas as tolhas daquella cidade, acostuma-
das a desvirtuar os factos quando os nao inveriem
completamente, sao de origem extremamente sus
pedas as poucas noticias que podemos offerecer
aos nossos leitores. l'ma nica cousa parece cer-
ta no meio de uma alluviao de Talsidades manifes-
las, que Paysand se susleitia anda, mas pura e
simplesraente porque nao tornou a ser aUcada se-
riamente.
Como logo conjecluramos, as noticias dadas pe-
las tolhas do Rio-Grande ltimamente chegadas so-
bre a tomada daquella praga referiam-se ao ata-
que do dia 6 e eram as mesmas, um tanto alterra-
das, que nos trouxera o Santonge. Segundo todas
as apparencias, a noticia particular que o governo
recebeu e hontem fez publicar sobre a tomada de
Paysand era tambera velha o j sabida inexacta, I
c por coofusao ou ames falla de dalas foi tomada
como nova.
Como dissemos, o facto exposto o nico que,'
supposto sobre elle nao tonharaos era posssuios
ter certeza, reputamos mais ou menos averiguado
data da saluda do s-apor. Entretanto dever
nosso iransmitlir aos leitores o mais que refere a
amordazada Imprensa peridica de Montevideo.
Segundo ella, pois, o famigerado Juan Saa com
a sua torca, a que so havia encorporado a do coro-!
nel Carnes, e cora a qual anda devia fazer june- I
cao o coronel Laguna, ficava a passar no dia 17 o :
Rio Negro em soccorro de Paysand. cujo sitio so-
menle a noticia da sua approximago tinha sido
levantado pelo general Flores, apezar deste ter j
comsigo quinhentos voluntarios do general Netto. i
Referindo-se ao mesmo fado, o que. parece dar- j
Ihe alguns visos de verdade, as folhas de Buenos-
Ayres dizem que Flores, deixando a'guma cavalla-
na para coadjuvar a infamara brasileira, marcha-1
ra ao enconlro de Saa, para bat-lo antes de av-1
sinhar-se da praga sitiada ou obnga-lo a tomar ou-
tro caminho. Uma carta particular de Montevideo
diz que diante de Paysand apenas se tratava de
reunir torgas mais consideraveis para obrigar a
gtKrnicao a render-se sem effuso de sangue.
O que suppomos que as chuvas torrenciaesjjuo ;
se sabem terem cahido naquellas paragens, ter:u
entorpecido a acgo do sitio, nao se achando real
mente a praga ja em estado de resistir a um novo
ataque.
A bordo da esquadra do commando do Sr. ba-'
rao de Tamandar nenhuma novidade havia.
A mesma-passagem do Rio .Negro para o uorte
pelo general Saa muito duviJosa. DifUcilmente
se atrevera elle a marchar em uma direcgo em
que devia encontrar-se com o exercito brasileiro,
salvo se confia muito na ligelreza dos sens caval-
los.
As tolhas montevidcaaas, porm anda vio mais
longo. Fallam de surtidas, e especialmente de uma
feita com 500 homens de Paysand, commandados |
pelo mesmo Leandro Gomes, que dizem ter lomado
a baioneta a batera levantada pelas, tropas brasi-
letras, enrravando-Ihe as pegas e niatando 50 sol-
dados. Nao passa isto seguramente de uma dessas
mil (acanitas inventadas para estimular ficticia-
mente as nimos abatidos de um partido moribun-
do. Oxal nao seja mais verdadeira para vergo-
nha da humanidade oulra em que ellos se gabam
de ter enforcado em Paysand 24 prisioneiros bra-
sileiros.
As familias saludas daquella praga e refugiadas
n'nma fronteira ilha argentina achavam-se em
grande miseria, expostas a todo o lempo e cora min-
gua de manlimentos. De bordo dos navios de
guerra estrangeiros, e os nossos foram dos prlmei-
ros, se lhes enviaram os soccorros possiveis, ou-
tros vieram de Entre-Ros, e de Montevideo tam-
*em foram alguns, obltdos por orna subscripgo,
para que concorreram subditos de todas as nages.
Tratava-se de uma obra humanitaria, mitigar os
males inseparaveis da guerra.
Os navios da nossa esquadra achavam-se nos se-
gnlntes pontos, segundo s tolhas a-que nos lemOs
referido:
A Sitherahij, Bahtana e Pranse em Buenos-
Ayres i a Betmonte, Araguaya> Meanm, Parnahy-
ba, Rccifc e Ivahy era frente de Paysand, e a
Amazonas e Jequitinkonha. .s ordens do chele de
divisaoBarrQsqrtiniamHnWlQ o Paran at. Ha>
wait.
_ companhia _
cavallaria da mesma provincia, para o asylo de in-
vlidos.
Addido ao l batalho de infamara Sebaslio
Ferreira Ayrosa, para o corpo de guaroigo do
Lkenca concedidas.Aos Srs. : captiao do 1*
batalho de infantaria, addido ao Io da mesma ar-
ma, Jos Hermenegildo Leal Ferreira, quatro
otes, cpm sold e elape, para tratar de sua
sade.
Capitao do 13* batalho de infantaria Joo An-
tonio Garcez Palha, tres mezes, para tratar de sua
de nesta corte.
'cirurgio do corpo de sade Dr. Antonio de
tas, tres meze, para ir provincia da
uania tratar de negocios de sua familia.Em 21
do corrento mez.
Alferes do corpo de guarnigo do Minas-Genes
addido ao batalho de engenheiros Francisco Anto-
nio Carneiro da Canoa, tres mezes de favor, para
tr provincia da Parahyba tratar de negocios de
seu imeresse.Era 19 do crrante mez^
Altores-alumno Carlos Eduardo Saunier de
Pierreleve, dous metes com os seus vencimealos,
para ir provincia do Maranhao.Em 20 do cor-
rele mez.
-30-
Segundo nos communca o consulado inglez, o
casco da nao Bombay esl era cerca de sete bragas
d'agua no canal entre a ilha das Flores e o banco
inglez no Rio da Prata, e, como mal est coberto e
fica no caminho dos navios que sabem e dcscem
aquelle rio, bom que isto sesaia. Do lugar on-
-de esl o casco o pharol de Montevideo tica ao N.
65 gr. a O, e o das Flores ao X.
Io de Janeiro
Da ordem do dia n. 42.9, expedida pela reparti-
gao do ajudante general em 30 de dezembro findo,
censta o seguinte :
Nomeacoes.-^Do Exm. cr. tenente-general gra-
duado Joa Frederico Caldwell, ajudante-general.
para jr provincia do Rio Grande do Sul, em com-
missao.Aviso de 24 do correte mei.
Do Sr. tenenle da companhia de (-avallara do
Paran Francisco Xavier de Godoy, para llcar
disposigao da presidencia da provincia do Espirito-
Santo. -Em 19 do rorrete mez.
Per aviso de 20 do corrente mez mandoo-se fiear
sem effeito a nomeagao publicada na ordem do dia
n. 418, do Sr. capito do corpo do estado-maior de
1* classe Francisco Cesar da Silva Amaral, para
servir na provincia do Amazonas disposigao da
respectiva presidencia.
Transferencias.A do Sr. capitao Joao Mara de
Mello foi para a 3' companhia do 4 batalho de
da civilisagao e tendencias do governo, cujo jugo; infantaria, e nao para a 2- companhia do mesmo
ainda pesa por momentos sobre Montevideo. Era balalho, como por engao se publicou na ordem
breve as armas victoriosas do imperio inaugura-. do dia n. 426.
rao alli melhor, e mais feliz ordens de cousas. Dos Srs. 2 tenenle do 2o balalho de arlilharia
O Paiz publicou a ultima-hora um supplemento a j, Boavenlura Pinto da Silva Valle, para o 1"
recheado de noticias de tal ordem que n3o p're-! regiment de animara a cavallo.Era 25 do cor-
cem destinadas senao a correr longe dalli, on tal- rente mez.
vez mesmo escripias com o estulto designio denos 2o lente do Io batalho de arlilharia a p Joa-
tnlimidar. As mais estupendas referem-se ao Pa- qum jS ,jos Res Lima) do lagar de secretario
raguay, que, segundo o ingenuo noticiador, tem para a Bleira do mesrao balalho.-Era 25docor-
em armas um exercito de operagoes de 35,000 ho-: rente mez.
mens, 15,000 dos quaes j invadiram Mato-Grosso, I t cadete Io sargento do Io regiment de cavalla-
emiuanto 20.000 passavara a fronteira de Corrien- ria ligeira Francisco de Paula Anluites Hudson,
tes em marcha para o Estado Oriental. Est visto para o 3 regiment da mesma arma, como re-
que tambera nao faltar Urquiza, que j esl pre-
parando o seu exercito. Este nao se diz quantos
rail homens conta.
Da Repblica Argentina pencas noticias ha. A
Reforma Pacifica talla em termos evidentemente
exagerados de uma invasao de Indios na provincia
de Cordova, onde fizeram algumas mortes e rou-
liaram muito gado.
A Tribuna encara a misino Paranhos como ten-
do por fim uma allianga com a Repblica Argenti-
na, e advoga esla idea, aconselhando a seu gover-
no qae aceite a allianga em nome dos seus pro-
prios interesses e conservago, em nome da hu-
manidade, em nome da grande causa da liberdade
! e dos principios.
Ha, coneiueella, quem desconfi dastntengoes
do Brasil?
Pois a allianga o meio efflcaz de acabar com
todas as desccnOancas.
querco.
2 cadete do corpo de guarnigo da Parahyba,
addido ab batalho de engenheiros, Manoel Cle-
mentino Carneiro da Cunha Aranha, para o ba-
talho de arlilharia a p. Em 23 do correnf.
mez.
Do soldado do 4 batalho de arlilharia a p An-
tonio Joaquira da Costa Guimaraes, para o da mes-
ma arma a que eslava addido.Era 23 do correte
mez.
Dos cabos de esquadra Antonio Jos dos Santos e
Raymundo Joo Alves de Amorim, e aos soldados
Jos Gomes dos Prazeres, Luiz de -'ouza Romo e
Adriano Nery Vianna, todos do 1" regiment de
cavallaria ligeira, o primeiro para o 4 regiment
da mesma arma, o segundo para o Ia balalho de
infantaria, e os mais para o 7o da mesma arma
Em 25 do correle raez.
Do soldado do 10 batalho de infantaria Marti-
lla quera lema a allianga dos poderes barbaros njapo Hermogenes da Silva, fiara a companhia do
que nos rodeiam ?
Pois a allianga r"a Repblica Argentina com o
Brasil seria o meio de combater esse inimigo com-
mum, cujo triompho seria a morle segura das ins-
tituyos, e a mudanga desta situagao comprada
com o sangue do duas gerages deixadas ao cor-
rer da eslrada.
Da ordem do dia n. 428, expedida em 21 do cr-
reme pela repartigo do ajudante-general, consta o
seguinte :
Nomeaces.Do Exm. Sr. tenenle-general Jos
Maria da Silva Buiencourt, para inspeccionar o
corpo policial da corte, (cando para esse fim dis-
posigao do ministerio dos negocios da justiga.Era
16 to corrente mez
Dos Srs. : major do corpo de estado-maior de 1"
classe Jos do Miranda da Silva Reis, para com-
mandante interino da fortaleza de Santa-Cruz.Era
21 do corrente mez.
2 cirurgio do corpo de saude Dr. Alexandre
Jos Soeiro de Faria Guarany, para o lugar de en-
carregado da enfermara do laboratorio pyrotechnl-
co do Campinho, ficando exonerado desse servigo o
Sr. 2 cirurgio do mesmo corpo Dr. Jos Mara de
Souia Feroandes.Em 19 do corrente raez.
Alferes reformado Joaquim Bernardes Cardoso,
para o lugar de encarregado do armazera de ani-
gos bellicos da provincia do Amazonas.
Transferencias.o$ Srs: capito do 4o bala-
lho de infantaria Joo Baplisla da Silva, para a 8'
companhia do batalho de caradores de Goyaz.
Decreto de 14 do corrente mez.
Tenente do 6 batalho de infantaria Manoel Jos
de Magalhris Leal, para o 12,balalho da mesma
arma, como requereu.
2o* lenles Joaqnim Silverio dos Res Montene-
gro, do 3 batalho de arlilharia a p para o i da
mesma arma ; e Francisco Jos dos Santos, deste
para aquelle batalh*, como requereram.
Alferes do 10 batalhSo de inlantaria Francisco
Antonio Machado, para o 6 batalho. da mesma
arma.
Alferes do 7 batalho de infamara Alexandre
Gomes de Argolo Ferro, da flleira para o lugar de
ajudante, e Aurelio Jos da Costa, deste lugar para
a Oleira do mesmo balalho.Km 21 da corrente
mez.
Alferes do 10 batalho de infamara Diocleciano
Angusto Coelho dos Santos, para o batalho de ca-
gadores da Baha.
2 cadete do corpo de guarnigo de Paran An-
tonio Lele Bastos, para um do corpos em guarni-
go na provincia do Rio-Grande do Sul, como, re-
queren.
Dos soldados :
Da companhia de cagadores de Sergipa Angelo
Manoel da Rocha, para a companhia do cavallaria
da provincia de Pernaaibuco.
ddidos ao batalho de cagadores da provincia
de Goyaz Joaquim Eugenio dos Santos, Torquato
Jos Manlinas L?ao, Joaqnim Cassiano da Silva,
Florentino de Faria, Manoel Firmiano, Paulo Elias
de Soma e. Mariano Antonio de Mendonca, ao par-
enfermeiros -Em 22 do corrente mez
Do soldado do corpa de artfices da corte Augus-
to Brando, para o 10 batalho de infantaria como
requereu. Em 24 do corrente mez.
Do soldado do 4 batalho de arlilharia a p Ig-
nacio Francisco Soares, para o 1 regiment de
cavallaria ligeira.
Licengas concedidas.Aos Srs. coronel comman-
dante do 7 batalho de infantaria Joo Gulnerrae
de Bruce, tres mezes, com sold addicional e elape.
Em 28 do corrente mez.
Capito do i batalho de infantaria Joo Maria
de Mello, ires mezes para tratar de sua sade nes-
ta corte. Em 19 do corrente mez.
1 tenente do 1 balalho de arlilharia a p Ben-
to Jos Fernandes Jnior, tres mezes com sold e
elape, para tratar de sua sade fra desta corte.
Em 29 do crreme mez.
Capello-leoente da repartigo ecclesiastica do
exercito, padre Joao Dinz da Silva, tres mezes
para tratar de sua sade.Era 24 do eorrente
mez.
E' approvada a de tres meies, concedida pela
presidencia da provincia do Piauhv ao cabo de es-
quadra do corpo de guarnigo da mesma provincia
Raymundo Cantanhede da Conceigo, para tratar
de sua sade, sendo a dita licenga eom sold e
etape.
Menagem.Ao Sr. 2 cadete 2 f argento do 1 re-
giment de arlilharia a cavallo, Sebaslio Dalisto
Carneiro, fol concedida por menagem a cidade de
S. Gabriel, na provincia do Rio-Grande do Sul, at
final deciso do conseibo de guerra a que respon-
den.Aviso de 20 do correte mez.
Bfforma.-PoT decreto de 21 do correle mez, e
na contormidade das disposiges do 1 do ari. 9
da lei n. 648 de 18 de agosto de 1852, cooceden-se
reforma aoSr. capito do corpo de guaroigo do
Maranhao Antonio Jos Vidal de Negreiros, visto
soffrer molestia incnravel que o torna incapaz do
servigo.
Exorne.Fai approvada plenamente no exame
que fez na escola militar, o Sr. lente do 1* bata-
lho de infantaria Jos Ferreira de Azevedo J-
nior, das materias pralicas qae Ihe fallavara para
ser considerado com o curso completo de sua,
arma.
Rferem-nos que foram agraciados pelo rei da
Hollanda os Srs. conselheiro Francisco Carlos de
Araujo Brnsqne, coma graa cruz da ordem do Le5o
Neerlandez, Diogo Ignacio Tavares coro acom-
menda, e Napoleao Baplisla Level. capile-tenente
S. de Axevedo Thompson e Julio Torres, cera o ha-
bito da mesma ordem.
A's indkaeoes que ltimamente demos sobre a
posigo em que est o casco da incendiada nao in-
gleza Bombay no canal entre a Ma das Flores e o
banco inglez no Rio da i/raia, accreecentaremos
que a pona do gurop* se eleva cima d'agua, po-
dendo servir de baliza. Relativamente ao navio
pharol do banco ingles fica o casco aerea de 4 mi-
litas ao NO, e a direceo exacta em que Ihe demoro,
0 pharol da ilha di* flom i \Y E.
11 r-^*i% # i


=$fc

tal
PermfHio-se qne, scm em
po, possa o techare! Luiz Duarte Pereira tirar o I
titulo o> Ofalliiro da 01 (km. de Cbrislo da qM te-,
ve more* per decreto de 14 de marco de 1860.
Por tartas nnperiStes'da'menina ditatortim'oar-
ralisados cidadaos bra?ileiros os Portuguezes An-
tonio Pinto Das de Souzav AOBmio de Araojo Li-
ma Macedo e Domingos M de Ollveira Gasta.
Em 21 do passado pedio-se aviste capitio-
tcnente Henrique Anton!e-Bapiista,qire se acha em
Franca, accusando a reeae$ao dos seus cilicios os.
41, 42 e 44, datados de IS e 23 de novembro rea-
==*
~, Diario de Peraambnco
Secunda felra 10 de Janeiro de i 805.
t
t-
-------
._________; -
roas oreadas em pertede 2,500 homens subicam soccesso, devemos crer qae tortilla, rete eorlar a
rio cima para Invadir Matto-'Grosso. difflculdade. Abalroado em NorlWk pelo vapor, Al-
Parece confirmarse a noticia da prlsao do Se. j liance ao largar para Newports News, a 19 de no-
cnefe de esqndra Leverger e tnott* dt> apko tan vembro, o Florida foi a pique ao chegar a termo
ajudante de ordens; pelo menee corria ella geral '
mente acretada.
fa 0 mesma i, por intimago do official para-
guayo, Ihe fot atrege a machina do vapor. /
Qae no dia 16 fsram bordo alguns emprvga-
e examinaram minuciosamente a baga-
------ ~ taoios por cento do dinhelro que lhe encontra-
ran.
Os vapores Crmznn do 9*1 e Oymotk foram
aeontrados pelo Mertey s 6 horas da tarde do
da 30 pareando MaMonado.
Do Pacifico nada ta de importancia. Continua-
tivamente construccao da corveta eocouracada ; 'a o Per a preparar-se para atacar os navios hes-
e dizendo nao so qae, vista do a<]iantamento da panhes, mas nao se mezia.
Fol expedita com a dala de 13 do passado a
circular seguinte:
Caries Carneiro de Campos, presidente do tribu-
senhores
para sua
da viagem. A submersSo deste navio velo lio apro- If dos passageiros e a carga do navio; qae a
psito para resolver o ponto mais melindroso da I tfrde po rteieremaiso br. Ltite que lhe deram smente questao, que nao faltaran) na imprensa norte-aincMi'om Antonio Maria Pereira Leile e o italiano An-
ona mata de viagem, fazendo-o pagar vlnte e! rfcana votes que a attributasem a premeditado de- moto Canal i.
ra Colonna, fosse posto disposico do miois- J^"'*^ ecutjSo. que o beneficio de que
w do imperio, para serv* o lugar ds chefe obra, lica approvado o plano dhcttjado, mas tam-
beni que a dita corveta deve denominar-se Brasil.
Fizerem-se tambem as necessarias vommunica-
coes acerca da denominadlo da corveta.
Por aviso de 30 deTeiembre findo determino-?1 & lhsouro nacional, declara aos
se que o chefe de seccao da centadoria, Daniel '"factores das thesouranas de fazenda,
Mari
terio
secrelaria da sania.casa da misericordia, na vaga
deixada por fallecwnento de Joaquim Antonio Ca-
mlnha ; cessando o verreiraente que percebe pelos
ofres pblicos,em qnantos|iver nesta cemmissao.
Ministerio dos negocios da roarinha.Rio de Ja-
neiro, 29 de decmbro-e 1804. Hlm. e Exvn. Sr.
S. M. o Imperador, aue m foi presente o offleio
desse quartel-general n. 932 de 16 de sttembro do
uno prximo passado, no qual suscila a duvida
sobre a verdadeira melligencia a dar-se ao aviso
de 13 de uttrbro 'de 1845, ha por bem, por sua
jmtnediata e imperial resoluco de 22 de outubro
ultimo, tomada sebre consulta do conseibo supre-
corrente anno aproveita s vinvas e blhas dos offl- manguape afim de ir bascar parte dellas. J bn
ciaes qae se reformaren) ou fatieeerem depois da > tem sego o palhabote Artista com o niesmo des
dita le, e dos reformados e fallecidos antes, mas tino.
signio, outras, norm, rebateraoi com indtguacao
imputaco semelbante. Nada mais sabemos.
Recebemos tambem datas de Pernambnco at 31
de dezembro findo.
As noticias desta provincia sao destituidas de
interese.
Aa do toar, R*s Grande do Norte e Parahiba,
all receidas pelo vapor Jaguaribt, esloao meemo
caso.
Do Recife bavia partido para este porto, ao jdia
27, o brigue-barca de guerra Itamarac :
. W-se no Jornal do Recife de 24 :
O vapor Jaguaribe, entrado hontem 4roUTe
dos ponos do norte alm de outra carga 850 ac- alguns Paraguayos as iramediacoes da copital de
cas de algodSo. No Aracaty ha perto de 51)00. > Corrientes, tanto que o governador desta provincia
Hoje sahe para ahi em direitora o vapor Ma-1 pedir ao governo argentino autorisaco e recur-
sos para se oppor com forca armada aos Para-
guayos que se approximassem. Accresceniava-se
Queto dia 17 continoon a revista e buseapor
lodo o navio, at as equipagens da tripolacao e
lo csrvAO.
Qoe a agua do rio fez adoeeer a todos de dy-
senteru, iorque em principio Ihes foi recusada ou-
tra aga; que os alimentos eran revistados, pi-
candeee b pao e a carne em pedaoinhos; que
adoecendo todos com o mo ^assadio, o immenso
calor, na as escoWtws fechadas e sedanes, reetemaram um
medico, sendo visitados ordinariamonte pelo Dr.
Skioner.i
Corra tambem que no territorio eorrentino,
de que o Paraguay est de posse, tem sido vistos
posteriormente a 26 de agesto de 1852, dala da
publkraco da'lei de 18 do correte mez e anno, e
3ue o augmento da quiote parte do sold smente
eve ser computado para as pensoes de meio sold
das viuvas e ftlhas de olBciacs qnft ora fallecerem,
e daquelles que liverem lalleetno on sido reforma-
dos depois da le n. 821 de 14 de julho de 1855 ;
devendo caleolar-se o eeWo da tabella del de de-
sembr de 1841 nicamente segundo o tempo de
lizera apretar o vapor argentino
anda que Lpez
Nos portos de Maco e Mundah ha tambem Salto.
abondaocia de algodao para embarcar. Do nlmoj Estas noticias, assim como que o Paraguay,
porto estao tomando o expediente de remelle lo para em virtude de planos sacretes com Aeuirre inva-
dira a provincia do Rio Grande do Sul al o llm
do mez passado ou principio dete, atravessando o
Maranhao pelos vapores daquella provincia.
A mesma folha de 30 da a seguinte noticia :
H..'oR!,p.d. k V0let0nrTdl0 dev?rou h0,nlero* trritoFio e Corrientes,' pdera ler origem em
- Vo*orM / m,ant,aa' o sobrado de um planos forjados em Montevideo, afim de dividir
5? fh J* !\ ACTXlieS' ^nd.e ^T^"1 n08sas /erCM' impedir remessa de novos com.n-
is irmes e de avancada idade, D. Ma-. gentes do Rio Grande do Sul, e assim animar
eervico estabelecido na le de 18 de agosto de 1852, Ha Jos de Almeida Miranda e D. Maria d Naza- \ listencia das wcaTnn AmirVa
para aquellas cujos maridos e pais foram reforma- reth de Atmeida Miranda, ambas profesaras part- o governo imiienal iiotin
a re-
dos ou
lares de PrimeTra7eT.ra;s;:e"'tinh7depo"sito"-de | p^XpSffi' .i^ldVd. Sdes-
ter comeco em boras de completa vigilancia, so foi
mo militar de 10 do tnesmo mez, mandar declarar
4 l oS' seja litteralmente execntada na armada S^t Dub,{ca3 da ael?>! raes""o "adar "terreo "o Sr. Joaqm "pSene^o d i p^rVviso'ataTmas'SSmsSf MaUr
a provso de 46de agosto de 1821, pela qnal ne-, *>* *> de julho do nesmo anno. Carlos Carnel- Silva. Ignora-se a origem do fogo, que, apezar de | y?luu principal por esta ou Xa no^ibilidade
nhnm oficial dflferior pode ser rebaixado do sen ro de Lamrs.
Fomos obsequiadas com ama -copia da segniote
carta particular 4o Sr. capito Francisco Maria
dos Gulmaraes Peixoto, que, como lodos sabem,
commanda no cerco de Paysand o contingente
da nossa infantaria:
Vapor Rrttft no rio Urogoay em frente a
Paysaud, 24 de dezembro de 1864.Meu caro
P.Anda nos acbamos em frente a esta cidade,
que, apesar de ter sido no dia 8 deste mez bombar-
deada e atacada pela pouca infantaria nne temos,
contina a resistir, alm da igreja que efles fortn-
posto sem que pimelro e pelo modo nelle dioposto
se prevea snaiticapa-cidade ou culpa.
2 Que o avfeo de 13 ne ontobro de 1845 6 na
faculdade aos comroandantes das divisoes navaes
para suspemterem temporariamente os offlciaes in-
feriores dos corpos, e os offlciaes marinhelros,
nao para rebaixa-los de seus postos.
3. Finalmente, que os cabo'de esquadra, enera1
assim es cabos do marinheiros, podem ser rebaixa-
dos independebie do conselho de inquiri, creado
pela referida provisao de 6 de agosto de 1821, vis-
to como es?es inJividoos sao considerados pracas
e nSo offlciaes inferiores do posto de furriel para
cima, segundo se acha estabelecido e ejecutado
no exereito.
O que omraunico V. Rxc. para seu conheci-
mento e devidos effeitos.
Deus guarde a V Exc Francisco Kaviei- Pinto
imn.Sr. chefe de divrso enctregado do quar-
tel-general da marinha.
Prtncipoase no arsenal de marinha a trabalhar
na consinifcao de duas canhoneiras encouracadas,
para as quaes serviro as machinas dosdous ami-
gos vapores Viamtio e Japerfi, machinas que se
acham em perfeito estado. Estas embarrares se-
ro chapeadas de ferro de nma pollegada, e tero
meia nao urna batana casamatada rom chapas de
qualro pollegadas. na qoal montarao duas pe?as
de i 20. sendo a machina protegida por urna entup-
a de chapas de igual espessura. Ojalado deve
ser de U ps. Trabalha-se com actividade no fabri-
co "estes dous vasos de guerra, e para maior bre-
vidade ser a quilha de um delles assentada no
estaleiro da ilha das Cobras.
Princlpiaram-se tambem a fabricar no mesmo
arsenal balas pelo modelo Wilhworth, com machi-
nas qoe para isso se mandaram vir da Europa,
para onde consta que se encommendaram mais
dous navios eneooracados.
Alcangam de Ruenos-Ayres at 29 do passado
e Montevideo 30 as dalas trazidas pelo paquete
inglee Mtrsey, entrado esta manhaa -do Rio da
Prata.
A esta hora Paysd deve estar em nosso
poder, mas as ultimas noticias do paquete dSo a
praca como resistindo anda.
Com eff--iio, o sitio de Paysand foi por alguns
momentos levantado, conservndose, porm, a
pra^a sempre ameacada, por ter sido o general
Flores forrado a ir fazer frente ae exereito de Saa,
que em numero de 2,",00 pracas chegou ao Rio
Negro em auxilio dos sitiados.
Com o .general F:res marchara o general Netto
com a sea cavallarla, composta de 1,206 homens,
pela maior parte guardas nacionaes do Rio-Grande
do Sul, e 600 homens da nossa infantaria naval,
com urna peca de campanha estriada e urna estati-
va de faguetes de congrve.
A esle tempo approxiniava-se de Paysand o
exereito brasilelro, que vinha a marchas forja-
das. -Saa-sentio o e relrocedeu. A todo o momen-
to se esperava que Sa fosse j batido ou se refu-
giasse em Montevideo.
O sin* de'Paysantr, que, como cima dissemos,
nao foi mteiramente levantado, deve j ter sido
restabelecldo, e cartas d'ali datadas de 27 dizem
que o exereito brasilelro, composto de 2,500 infan-
tes, 12 pecas, e 7,000 cavallos, dorma aquella
noute a urna jamada da praca.
Com razo nao se ouvia desde muito fallar do
general-Servando Gmez; o sen exereito disper-
sou se qoas completamente por si mei-mo, segundo
parece, e de balde sefazam esfor^os para reorga-
nisa-lo. As folhas de Montevideo do-no como co-
brindo a c
caram eum forte que existe.
As principaes ras acham-se fechadas por
barricadas. Esperamos o nosso exereito para de
novoprinciarmos cora a festa.
< No da do ataque perd poacas pracas do meu
contingente, devidb velocidad* da carga que de-
mes sebre o inimigo qe se achava f'ra da povoa-
jao nossa espera, vbrigando-o assim a eacazer-
nar-se as suas tocas, de onde por ceterras estrei
las nos fazia un fogo vivo. Apesar desta drenms-
lanci, pude approximar-me da igreja pelo valor
dos bravos que coudnzia distancia de 15 a 20
bracas, e ah niricheirando-me em tres casas
pode sustentar o fogo desde as 8 horas da manha
at as 7 heras da noute, em que llvemes ordem de
aos relirar, coja retirada foi effectuada debano
de grendo fogo, que nao nos offndeu por j estar-
mostoobertos com o manto da noute.
Nossa ataque fui ferido os 7 horas, quando
procurava oceupar a posico que cima menciono,
pois tinha elle edmecado as 5 horas, momento em
que se irecaram as prireeiras balas. Achava-me
a cavallo e dnas recebi, partindo urna a folha da
espada, e a outra, que me ferio, atravessou o dedo
medio da mo direita e o punho da espada, se-
goindo depois at um sargento da balamo naval,
que ma segua de peno, do qual arraocou logo a
divisa de sua graduacao que trazia no brago
esquerdo.
Esqueci-me dner-le que para chegar posi-
co que no ataque oceupava foi preciso abrir bre-
chas a machado em alguns muros e galga-Ios.
Nao me c possivel descrever-te a influencia
des nossos soldados e dos navaes qoe a mim
se reuniram para trabalharmos aa mesma arma,
do
-pessibilidade.
Para crer desde j em laes aoticias, seria pre-
presentido quando ja devorava a parte posterior do Ciso julgar que Lpez tem perdido o juizo, e proce-
ediflcio, dando apenas as moradoras do andar su- de contra seus proprios intereses.
perior lempo de fugir com a roana do corpo. \ Fallecen hontem s 8 112 horas da noile o Sr.
' na^iCJ,?L Ti ?\ yerda.de- ^"e'heiro Jos Mariano de Mallos, coalando 62
U caixetro do estebelecimento cenia que, ten- annos de idade.
do sahida para almocar s 8 1|2 horas, chamara' i L-se no Dezenovede Dezembro, de Contiba :
um menino aprendiz da ofllcina, que est frontei- a's duas horas da urde do da 24 do correte
ra, para vigiar o armazem, que deixara sem o me- jabio sobre esta cidade um to ferie temporal aue
or indicio de ter fogo, entretanto que apeoas te- eausou grandes sustos aos seus habitantes. Al-
na decomdo meia hora, e ja o incendio devorava fiamas &&& Acarara desle hadas e muitas cercas
* t i ^ .derribadas. A seorettnade polica soffreu os pe-
t um oftcial envernizador, e foi o primeiro que i quenosestragos do um raio que sobre ella cabio
vio o fogo, refere que entrando aquellas horas (9) ^as qae feiimeate uo ofeadeu pessoa i-
para o estabelecimento, afim de eouieear o seu Ira-' guma '
balho dirigira-se para buscar os utensilios a om j q Parahybauo de i do crreme refere doiroodo
lao depositadas diversas obras segrale o assassiouio de qae anle-twuiem demos
noticia.
francezas ainda embrulhadas em papel, e ja o en-
conlrou em tabaredas, e por isto corren luunedia-
tamente a dar parte.
As pessoas que primeiro acudiram dizem que, \(&o abaixo exnos'to"
ao entrarem no armazem, j arda por tal forma o'
lado posterior, qae s foi possivel salvar os objec-
los que estavam na frente.
Era menos de duas horas o tecto do edificio
desabou completamente, e o incendio ficou concen-
trado entre as saas quatro paredes, gragas aos es-
frcos empregados para isto, sendo extincto total-
mente urna liora da tarde.
Duas casas terreas, parallelas ao predib incen-
diado, ficaram bastante damnificadas, por necessi-
dades do serveo, que, como de cosame, foi irregu-
larmente feito, porm, nao obstante, como muila
elHcacia e preveito.
' i a
Occorreu ao dia 1, as visinhanoas do Caba-
ru',_um la mentavel caso, qpe aos foi narrado do
A respeito do Paraguay leve o governo pelo Ver-
sey, as noticias segrales :
As noticias do Paraguay sao importantes e al-
cannam a 15 de dezembro.
L'm nioc.0 d boas costumes casado e pai de
dous ou tres fiihos, indo receher de ura outro indi-
viduo a quanua de 2$ que lhe devia, o devedor
ameacou-o com ura pequeo ccele que irazia.
O credor levava como companheiro um amigo,
que;, sem prever coosequeaeias, vendo o ameagado,
deu-lhe urna pistola que levava, para assim poder
elle livrar-se do ioiaiigo, lalvea sem se ulisar da
arma seoao cora o flm de intimidar.
10 devedor, porm, contiuoou a iasalta-lo, e o
credor depois de muito tolerar desfechou-lhe um
tiro que o matou instantneamente.
< u lugar em que este aclo se deu, perten-
cent freguezia do Paty do Alferes ; o assassi-
no cjharoa-se Jos Bautista de liveira, e o assassi-
nado Domingos de tal.
t Preso uo acto do crime, o delinquenle foi re-
comido cadoia desta villa, de onde seguio hon-
0 presidente Lpez dirigi a seguinte procla- tTmbaVvassourasV* ""*" ^
maco aos corpos expedicionarios do norte : i [ ________
t Soldados.Foram esteris os meus esforcos !i>t
para manter a paz. O imperio do Brasil, mal co-1
nJiecendo o nosso valer e entusiasmo, provoca-
dus a guerra
conservaco
aceita-la.
Em recompensa
; a honra, a dignidade
dos mais caros direitos
nacional e a
nos niandam
da vossa lea Idade e grandes
Em consequencia de impedimento do Sr. Dr.
Felippe Nery Collaco, foi designado para examinar
em arithmelica no concurso da thesouraria pro-
vincial o Sr. Jos Francisco de Sales Baviera.
Era termo do Liaaoeiro, no lugar denomina-
do Pindoba, iravaram-se de razos Manoel Fran-
cisco de Castro e Vicente Ferreira da Silva, que
achavam-se ebrios, e d'atu resultou morrer este e
sahir aquello ferido, em consequencia de atirar
nm sobre-o -tmtre. Castro foi preso, e est sendo
processado devidamente.
Tendo sido presos os individuos Balbino e
Joao de tal por travaremluta entre si na igreja do
Bom-Jardim, por occasio da rnissa de Natal, foram
reraeitidos era urna escolta presenca do subdete-
de. Mas cllegando ao lugar chamado Tarto, foram
accommetiidos por Manoel Ferreira Leile e Pedro
Baracho, irmo e sogro de Baliuo ; os quaes ma-
tando o commaodante da palrulha, dispersaram
desta, e sollaram os presos.
A polica tem dado providencias, para nao dei-
xar esle crime sem puaigo.
Fallecen e hontem foi dado sepultura no
cern teo dos Afogados, o Sr. capito Manoel Gou-
va de Souza, sendo-lhe feitas as honras devidas
pelo sexto batalho da guarda nacional que elle
pertencia.
RBPARTigAO DA POLICA !
Extracto das parles do dia 14 de janeiro de
1865.
Foram recomidos casa de detencao no dia 13
do correte :
A ordem do Dr. delegado da capital, Joaqnim
Paos de Parias Liga, e Francisco, escravo de Jos
Antonio de Carvalho. para correceo.
A' ordem do subdelegado do Recife, Verissimo.
escravo de ura fulano da Rocna Lins Guimares,
reqiiislco deste.
A* ordem ds de Santo Antonio, Manoel, escravo
de Mauol Jos Machado, tambem reqnisico
deste.
A' ordem do de S. Jos, Locas Alves da Silva,
como saspeitode ser desertor; Anna Francisea'por
disturbios -, e Bernardo, escravo de Augusto Fer-
reira Jnior, disposico deste.
U chefe da segunda seccao,
J. G. d desquita.
Movimente do dia 13 de Janeiro de 1864.
Exisliam 401 presos ; eatraram 9 ; sahiram 4;
existera 406.
A saber : naciooaes 328 ; estrangeiros 17 ; mu-
Iheres 4; estraogeiras 2; escravos 49; escra-
vas 6.-Total 406.
Alimentados custa dos cofres pblicos 163.
Movimenlo da enfermarla do da 15 de Janeiro
de 186o.
Teve alta.
Luiz Gonzaga da silva.
Teveram baixa.
Mouoel Joaquim do Monte, inlernlente.
Manoel Soares d'Araujo, indifeslo.
Joo Antonio de SanfAnna, defluxo.
Passageiros do vapor j4p< efllrado dos portos do
Sul :
Dr. Felippe Fgueroa de Paria, Dr. Paulo de
Amorim Salgado, Joo Beroardlno Nunes Ribeiro,
Franeiseo Manoel de Mello, Laurentno Jos de
Miranda, Dr. Jesuino da Silva Martins, Emilia
Stepple da SHva com um fllho, Maria Luiza Step-
ple tres "fiihos i e urna escrava, Leoncio Baptista
Barreto, Joquim da Silva Queiroz, Manoel Pessoa
da Silva, Antonio Ludgero, Candra Jacintha de
Medeiros e nma criada, Conde Jsienski, Jos
| Joaquim Guerreiro, Macario Brandi Quiseppe,
I Migliolo Antonio Biagio, Brando Bomenco Caeta-
I no. Padre Carlos Ramel, Escrivao da armada Ro-
| drigo de Andrade Navarro, Mara Laurentina,
Jos Kleo, Innocencia Manada Silva, 1 preso edous
I policiaes, Josefina da Silva, Antonio Jos Martins,
Temos vista jornaes do sal do imperio, de que j Jos Antonio de Auneida Guimares, Jose6na Mar-
io i parlador o vapor Apa, acaccando do Rio a 7, lins da Costa, Manoel Pereira Camello, Eduardo
criminosos Joao Lopes Damasceno e Antonio Be-'ain modoadapUdo qualquer inlelllgencia (quan-
^c" i* l"T ud0 com ,,es^.so,d*,, Sae ***!* Mttonava a soa prafaadea) a *r-lhes urna
Trase de senlmella; e daquella de Nazarth os Cri-; ljJ ou qual agradabldada,diriaimo-nos philan-
mlnosos Manoel Antonio, Antonio Das da Araojo, xnpii ^ senhors que qnehnm prestar, nao di-
Felippe e Seyenno de tal, que para isto arrom-. remos ^ ^r^ Min% ^^^^ tt| ou qua|
baramacadeasobannicahinella-qne nella ha. SBrvico religiao, para mereeermos a honra do
a polica tem dado suas providencias, afim de soa-aasignatura.
A brochara contera 315 paginas e ornada com
urna santa etflgie de Nossa Seniora da Conceico
na frente.
O prego de cada assignatura de 5#.
Baha, 10 da dezembro de 1884.
Fre Antonio da V. Mara It afarica.
As pessoas que quisarera fatar-nos o obsequio
de subicrever os seus nomes, podero d irigir-se
roa da Aurora n. 44, primeiro andar.
Amptlopliio B Freir de Carvalho.
Manoel de Cerqueira Hiendes.
Salvador Borges de Barros.
DIARIO DE PERWAWRUCO
se encontram com os nossos pensamenios.
Nao lendo a mo em estado de sustentar urna
penna para com o meu proprio punho escrever-te,
pedi ao meu amigo o Sr. Io lente da armada
Teixeira de Freitas para por mim o fazer.
6
Entrou bontem de Nova-York o vapor norte-
americano Cotopax, era viagem para o Pacifico,
com datas dos Estados Unidos at 2 de dezembro.
Dianle de Petersburgo e Richmond uenhnm mo-
vimenlo importante lialiam emprehendido os exer-
ciios de Gram e Lee. As folhas da ultima dala
fazem com ludo mencao de um vivo fogo de arti-
llara e espngardar ao norte do rio James, as
visinhaogas de Dutch Gap, que ellas consideravam
como prenuncio de urna baialha geral, nao qoe-
rendo admittir qne o exereito nortista entrasse em
quarteis de invern sem ao mesmo tentar mais al-
gum golpe decisivo contra a capital confederada.
Alm de algumas correras nada tinha perturba-
do ltimamente o valle de Shemando*h, dizem as
foilias do norte, nem o ejercito federal poda por
alguns dias recetar qualquer ataque pelo menos da
parte do general confederado Barty.
As ultimas noticias que havia do general Sher-
man e da sua aventurosa campanha na Georgia
eram um lano confusas. Envolviam-se no myste-
.Va"Sorra"qaataaV^ i' M vimentos ? ^"loso cabo de guerra;
porque bem sabes que os vocabnlos nem sempre servigos, Qaei sebre vos minha attencao eseolben- ''"'toll e de Alagoas a 13 do correnle. Helvaylt, Francisco Pereira de Lyra, Francisco
do-vos entre as numerosas leaioes aue formam os .""' DE 'ANEI110- As noticias da corte e do-snl Gomes de Aranjo Vasconcelles, Antonio Jos Ri-
_____ '.- ... Van Liiti medidas, que bem denotam os apuros em que se
encostra. Deorelou novos impostos, fechou os tri-
bnnaes e cbamon mis armas todos os cidadaos,
cassaodo as licencas concedidas aos guardas Hacio-
naes.
No da 30 om contingente desembarcado do
nosso vapor de guerra Paraense cecupou a ilha de
Flores.
Ao sahir de Buenos-Ayres o vapor inglez Uto de
la Plata, que trouxe um alcance ao Mersey, corria
ali que os Paraguayos realisaram a saa segunda
maravilha, estavam atravessando Corrientes com
destino ao Salto, tendo apresado no porto da Con-
cordia o vapor argentino Salto.
O nosso almirante j eslava prevenido deste
acontecimento, e nao e va com receio, preparn-
dole para acgso mais brilhante que nos propor-
cionara os Paraguayos. Agora tambem o gover-
no argentido chamado ao iheatro das operagSes
militares, porque, como eslava patente, a guerra
do Paraguay no feta smente ao Brasil.
O Sr. barao de Tamandar dea Immediataraenle
noticia da invasao paraguaya ao nosso
extraordinario, que j previa o facto e o avisara
para o nosso exereito e para a provincia do Rio
Grande do Sul.
Era todo o caso,j nao sendo simples conjectura
as promessas de lopz a Aguirre, enmpre que
lancemos a campo da lata novos e mais fortes
elementos.
O general Mitre, presidente da repblica Argen-
tina tinha ido dar um passeio de sade ao campo,
mas sem duvida ser incontinenle chamado ca-
pital para defender o sea territorio, j invadido o
unir as suas armas s de Brasil.
V-se em ludo isto a prfida paragoaya. Para
adoi mecer o governo argeatino o presidente Lpez
denunciou publicamente as propostas de alliaaga
flne lhe traba feito o governo de Aguirre, declarou
jeita-la e agora ei-lo obrando de ombinacao
om este.
Devemos com ludo advertir que cemmunicagoes
arada posteriores, e negadas ultima Uora, nem
confirma nem desmentem a noticia desta invaso,
pelo que nao podemos da-la inteiramenle como
facto averiguado.
Tinha subido para Matto-Grosso o vapor inglez
mercante Uanger, querendo aprovear-se da fran-
queza que astuciosamente Lpez declarou conceder
as nandeiras estraogeiras, na seu manifest de
guerra ao Brasil.
A bordo do Mersey vea
Suppunha-se que elle,
passande o rio Altamaba abaixo da estrada de ferio
central de Georgia, e deixando Augusta a um lado,
marchava sobre Savannah, cidade que seria alaca-
da ao mesmo tempo que o fost-em as de Charleston
Wiloiinghtn e Richmond pelo almirante Dahlgren
e pelos generaes Foster e Gran, e que o general
Sheridan, 110 valle do Shenandoah cahisse sobre
outro qualquer ponto, alim de que os confederados,
simultneamente accommeltidos em diversos pon-
tos, nao pudessem acudir de um a outro.
No Tennessee proclamara os federaes urna bri-
lhante victoria do seu general Thomas, atacado por
Hood na posigo fortificada de Franklin. Estranha:
victoria, porm, em consequencia da qoal os nor-
tistas se retiraram na noite seguinte para outra po-
sigao ainda mais fortificada, dizem as folhas de
Nova-York, na estrada de Nashville.
De Nova-Orleans na Luizina dizem que parti
urna expedigao de cavallaria federal, que. tendo
penetrado no Mississippi, se recolheu com 200 pri-
sioneiros e alguma arlilharia lomada ao inimigo.
Contra Mobile nada mais se tinha tentado por
.J!aao I parte dos unionistas.
Os corsarios sulistas, especialmente o Cheiclca-
manoxt e o Talahassee, contmuavam a fazer depre-
dagoes as cortas dos Estados-Unidos, zombando de
toda a marinha do norte. Mui tos navios carrega-
dos de algodao tinham escapado vigilancia do
bloqueio federal.
Na noite de 25 de novembro rebentou cm Nova-
York, simultneamente em vinte differentes pon-
tos, om violento incendio, que smente custo de
prodigiosos esforcos pode ser domado.
As casas incendiadas erara pela maior parte hos-
pedaras ; varios outros destes estabeiecimentos ti-
nham na mesma noite sido procurados por pessoas
suspeitas que nao foram admittidas, e em differen-
tes edificios pblicos tinham tentado penetrar na
mesma occasio individuos descoohecidos. Todas
estas circumsiaocias parecem justificar a idea de
que o incendio foi aleado por maos criminosas, era
virtude de urna conspiragao para fazer arder toda
a cidade. Este diablico plano era com razo ou
sem ella atribuido ao governo de Richmond, aecu-
sado de ha ver temado executa-lo por agentes seus,
protegidos pelos republicanos que, depois da reelei-
go de Lincoln para a presideucia dos Estados-Uni-
dos, tramavam tenebrosamente contra o governo de
Washington.
Se heste caso as circumstancias indnzem a acre-
ditar n's/na maeblnago infernal, nao parece ha-
ver razdes igualmente fortes para attribuir a urna
exerertos da repblica, para que sejais os prlmei- Tao f1)b as rubricas Parle oficial, Exterior e fue-
ros a dar urna prova da valenta das nossas armas, j rwr#
recolheodo es primeiros loaros que devemos reu-1 Sahirnm para Pernambnco: a 30, a barca
uir aos que os nossos malores puzeram na coita da ingiera Jnlia, e a 2 o brigue Belizai io.
patria, nos memora veis dias de Paraguay eTa-j Cbegaram procedentes de Pernnmbuco : a 28
]uary- 1 o patacho hespanhol Catalunha com 8 dias; e a 3,
A vossa subordinago, disciplina e constancia' o brigue .4rmiranr>,com 10.
as fadigas me respondem pela vossa bravura c Bah|a. Fallecer o rico proprictario Manoel
brilho das armas, que ao vosso valor confio. Pedro ra Silva.
Soldados, e marinheiros. Le/ai esta voto de i Chegra, procedente do Para, o brigne de
confianga aos vossos companbeiros que das nossas guerra Maranhao.
frouteiras do norte ho de se vos reun r; marchai i Depois de urna demora de dous dias, seguio
serenos do campo da bonra; rccolhe gloria paift para o Rio de Janeiro, a nao franceza Jean Bart,
a patria e honra para vos e vossos companheiros ;' procedente de Brest.
mostrai ao mando quantovale o soldado paraguayo. O banco descontava a 6 por cento.
Francisco Solano Lpez, L-se no Jornal:
_ t No dia 15 de dezembro largaram da Assump- Antes de hontem, nos estaleiros do arsenal de
gao os vapores de guerra Taquary, Paraguary, Jgu- marinha foi posta a quilha de um pequeo vapor,
rey. Rio Branco e Ypora, rebocando tres goletas! qne ainda nao tem nome, e cuja cavilha mestra o
e duas lanchas canhoneiras conduiindo a infanta- j Sr. presidente da provincia val balcr hoje ao meio-
ria e artilheria dos corpos cornpostos de quatro ba-
talhSes de infamaras cora 800 homens cadaum, 12
pegas rabadas e fugeles a congrve de 2i. Cor-
ria que esta expedigao, ao mando do coronel Bar-
rios, depois de reecber mais um corpo de cavalla-
ria de mais de 1,000 homens em Conceigo, diri-
gia-se a tomar o forte de toimbra. donde marcha-
ra sobre Corumb.
Corra que outro exereito de 5 a 6,000 homens
principalmente de cavallaria, e com seis pegas de
artilharia, ao mando do coronel Resquin, do acam-
pamento da Bella-Vista, situado as fronteiras do
rio Apa, se destinava tambem a Corumba, onde se
reuniram as duas expedigSes para internarse na
provincia de Matc-Grosso.
Constava que se.formava outro exereito de
20,000 homens, chamado dj centro, que marcha-
ra sobre a fronleira do Paran.
Reputado boa presa, o governo de Lpez to-
mou conta do vapor Maiquez de Olinda, nelle
dia.
As dimensoes do vapor sao as seguintes :
Cumprimento entre as perpendiculares na Ii-
nha d'agua 100 ps inglezes.
Largura na caverna mestra por fra dos uem-
bros 16 ps.
Pontal da liara da base ao canto superior dos
vaos 7.
t Mando d'agua carregado 3 e 6 palmos.
Korga da machina 40 cavallos.
t Houtem (5) seguiram para o Rio de Janeiro a
crvela nacional Imperial Martnheiro n o brigue
barca Itamarac.
Ficou apenas o brigne Maraaho, que arvorou
o pavilhao do chefe da eslago.
No dia 7 noute seguio para a corte, bordo
do Paran, o oitavo batalho de cagadores, coro-
mandado pelo Sr. tenente coronel Rocha Lima.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia lendo
em vista o offerecimento que fizera o major hono-
coLte^rotiy!,rnAr^DO Mapia pereir* Wl. ne- conlinuagao do mesmo trama varios incendios qoe
gocianie era Malto-Grosso, que ia de passaeem no
vapor ttwfus de Ohnda ooando foi ew i5E,3u
ramete lomados pelos Paraguayo ,ai<;M-
Refere o Sr, ^eite que depois de 30 dias ae .
dagages e inquingoes deram liberdade a elle
por ser pessoa pariienlsr, ao maquinista por
ser ingles e mais a nm passagelro por |jma- L
no. Todos os mais estao presos, sao tratados
qnasi a pao e agua, e qoando passam tim pouco
raeHior apando o cnsul arasrlerro consegue
mandar-ibes algans vivares.
Be bordo do Marqun de Olinda, donde tfrawm
todo quaoto aefcaram de valor, os Paraguayos Ihe-
posleriormente se deram, nomeadamentc um na
madrugada de 31, qne causn prejuizos orgados
em 90,000 dallars.
Entretanto, apezar de se haverem prendido va-
rias pessoas como suspeitas, nao se tinham podido
descobrr os verdadeiros incendiarlos.,
Pendra d tribunal do commercio de Nova-York
a deciso da causa do capito do vapor Waschus-
set, qne reclama va o premio offerecido pela cap-
tura do Florida no porto da Babia.
. rm-.1uanl OTerno s nao pronnncisva sobro
a questao internacional, era ella disentida na ira-
isa, onde appareciam opiniSes em varios senti-
Sou
ir-! rario de primeira linha do'exercito Jos da Rocha
neiro de Campos, officaes e tripolago para o quar-, Galvo, de organisar um natalho de voluntarios,
tel de cavallaria, onde se conservam prisioneros arn de seguir para o Rio da Prata, a reunir-se ao
ou como captivos, na phrase dos proprios jornaes exereito cm operagoes as fronteiras do Uruguay,
de Montevideo. resoiveu por acto de hontem aceitar o dito offere-
Em 18 de dezembro oSr. Jos Antonio Soares cimento, curabindo ao referido major da organi-
presidente da companhia denavegacao de Alto-Pa-; sago do batalho que flear sob seu commando,
ragnay, perante o cnsul geral do Brasil prctestou [ devendo a respeito entender-so com o marechal
na Repblica Argentina, contra a captura do va- comroandabte das armas, de quem receber asne-
por Mrquez de Olinda, por perdas e damnos : Io, cessarias ristrucgdes.
pela Importancia do custo do vapor I40:096fi518 s, O tenente do batalho de reserva da guarda
2o, pela subvengo perdida 18:800$ : 3, pelas des- nacional, Luiz Gongalves Pedrera Franca, offere
pezas relativas '
pelo dinhei
carvao de 2
etc. 73:0005
concertos do vapor, cessago da subvengo anna ouanto lhe devem, e toda a renda que correr em
de 200:0005 pela venda forgada do vapor Viscon-! ouanto dorar a guerra actual, aquellos que se apre-
beiro Braga, Jos Alcaira, Domingos Jos Fanas
Jauintho Jos Nunes Leite, Candido Fraucisco Soa-
res, Isac Tavares;da Costa, Francisco Jannario Pe-
reira, Jos Gregorio Martins, Jos Jacintbo Peres,
Manoel Evaristo de Souza, Jos de Lima Cavai-
canll. Amonio Estoves, Manoel Jos Soares, Fir-
mino Candido Gigueiredo, Manoel Pinto Lisboa,
alferes Bernardno Ribeiro Rebello, primeiro ca-
dete Antono Benedicto de Araujo e nma praga de
pret, coronel Francisco Joaquim Pereira Lobo e
urna escrava, Jos Antonio Vivoiros Costa, Jos
Correia de IJma, Joo de Aguiar, Jos Candido de
Aguiar, Jos Candida de Araujo, Jos Antonio dos
Santos Andrade Len Chapeiim sna senhora e
urna escrava, Redoli Fiuk e saa senhora, Brag-
gio Coma.
Obituario do da 11 de ja.neiro de 186o, no
cemiterio pubuco.
Luzia Maria da Conceigo, Pernambuco. 26 annos,
solleira, Boa-Vista ; dyarrhea.
Antonia Maria do Espirito Santo, Pernambuco, 39
annos solteira; Boa-Vista ; peritonito.
12
Francolina Maria l^ardozo, Pernambuco, 40 aBnos,
S. Jos; phtysica.
Heoriqueta Thomazia Hodrigues de Albuquerque,
Pernambuco, 35 annos, casada, Boa-Vista ; abs-
cesso,
Franceiina Paula dos Prazeres, Pernambuco, 40
annos, solteira, Recife; molestia interior,
Julia Maria da Conoeico, Portugal 24 annos, sol-
teiro, Recife, apoplexia fulminante.
Monica Manado Rosario, Pernambuco, 91 annos,
solteira, S. Jos ; dyarrhea.
Luiza Nunes Maria, Pernambuco, 40 annos, casa-
da, S. Jos ; febre perniciosa.
-13
Gailhermina, Pernambuco, 6 das, Recife; es-
pasmo.
Augusto Candido Paes Barreto, l'ernambuco, 17
annos,solleiro, Santo Antonio ; febre gastica.
Josephina, Pernambuco, 9 mezes, S. Jos; con-
vulsoes.
Thomazia Antonia de Paula, Pernambuco, casado,
Santo Antonio ; apoplexia.
Raymundo, Pernambuco, > mozos, Boa-Vista, es-
cravo ; hepatlte chronica.
Maria, Pernambuco, 4 annos, escrava, Boa-Vista ;
convulsoes.
de de Ypanema na importancia do seu custo
todos os prejuizos de por urna ndemnisaco. '
t Do de. o ment das testemunbas Guilherme,
Stephens, primeiro maehini.-la do Mrquez de
Olinda,, e outros, colheraos :
Que este vapor chegou Assumpgao no dia
li de novembro pela madrugada, tomou carvao
e foi despachado, seguindo na mesma tarde.
t Que no dia 12, s 10 3|4 horas da manha, o
Taquary emparelhou com elle, dando um tiro de
plvora secca, que o fez parar. .
Que veio um official bordo, e entregou ao
commandante um offlcio, determinando-lhe perem-
toriamente que regressasse para Assumpgao ; e
qne o Taquary lhe atravessra pela proa com a
guarnigao a postos.
t Que, depois de conferenciar cora o S>. coro-
nel Carneiro de Campos, o
sentarem edmo voluntarios para marcharem pare
o sal.
Sergipe e Alagoas.Nada occorreu que merega
menso.
REVISTA DIARIA.
Chegou arite-hontem do no de S. Francisco o pe-
queo vpor Conselheiro Paranagu, que se desti-
na navegagao no rio Parnabyba do Piauhv. E'
de 161, movido rodas, e foi construido no Rio de
Janeiro.
O vapor Inglez Gladiator, chegado ante-hon-
commandante respon- tem de Liverpool por Lisboa, nada adanlou s
deu exigindo em nome do governo imperial, que! noticios trazidas pelo Guienne.
nao lhe emb3rgassem a viagem e cessassem as Araanhaa se extrahir a primeira parte da
violencias enviandoa resposta pelo escrivao, mas' quarta lotera, da Santa Casa de Misericordia
qne do Taquary ** nao permitlram que atra- (segunda) sendo o maior premio 6:0005.
casse reiteirando a Ordem de regressar o vapor. No dia 12 do corrente tomou posse, na ca-
t Que, nao bavendo meio algum de resistir, re-1 thedrai de Olinda, da cadera de meia prebenda
gressou o vapor Assumpgao, onde chegou no que se achaca vaga pela ascengo do reverenda
E,"!lni nJ?Jl b0ras^ da noite, sen? imra8' C0DeJJos trqaes de Caslilha, d'um outro de
arfSnL.,n.~ PBor ?ui val,ores de guerra prebenda nteira, o Sr. padre mestre Tranquilino na o autor da obra, que annunciemos (como tal
e amrenles lanchas, fleando desde logo ncommu- Cabral Tavares de Vasconcellos, o qual no dia an- [ unnimemente reconhecido por aquelles que bem
nicave com a ierra. terier foi collado pelo Dr. vigario capitular, em a o podem fazer). diremos sempre que o maior en-
Que no da 13 o commandante exigi o rooh- igreja do seminario.
Vo da captura, sem obter respo.-ta, e que s 9 1(2 A escolla por certa do Sr, padre melre Tran-
horas da noite foi para bordo um oftklal com sete quilino para semelhanlo cargo, deve ufanar a
marinheiros armado, dizendo ao commandante quem qnr que, a fez, pois nelle, como o sabemos
que iam passar all noite. existem todas aquellas virtudes, que caasijlem
Que no dia 14 foram mais seis horaeos cora um bom sacerdote : o que lhe tem dado jus jjs-
Srs. redactores.Os abaixo assignados pedem a
Vmcs. a insergo das segainles linhas no seu
eonceituado Diario, confessande-se desde ja sum-
maroente agradecidos por esse .obsequio.
Amphilophio Botelho Freir de Carvalho.
Manoel de Cerqueira Mendes.
Salvador Borges de Barros.
Viemos annunciar ao respeitavel publico que se
acha aberta a subscripcao para a preciosa obra do
Rym. frei Antonio da Virgen. Mana Itaparica, es-
cripta em refuiagao aos perigosos erros dessimina-
dos pelas biblias falsificadas, que enlre nos correm
espalhadas pelos emissarios da sociedade bblica e
outros operarios da propaganda protestante. Che-
gados de pouco, e quasi descoohecidos nesta cida-
de, diffieilmente podonamos angariar subscrip-
goes para a obra do Rvm. fre Itaparica, sera re-
correr imprensa ; pelo que, e pela reconhecda
utilidade de obras laes, como exigua prova de gra-
tiJao. e recordagao saudosa das uaneiras aaaveis
do nosso mestre desvedado e amige sincero, pedi-
mos ao Rvm. fre Itaparica a devida venia para
publicar estas mal tragadas linh'as, o transcrever
abaixo a carta que por S. Rvm. nos foi dirigida.
E' cosiume preceder a representago de urna
obra da natureza desta, urna justa e esclarecida
apreciago da mesma, mas os leitores podero fa-
ze-la raelhor do que nos, que nos confessamos
ineptos para aniecipar juizo algum.
Todava, cora ser urna grande illustracao Baha-
PUBLICASES 1 PEDIDO.
UMA VIDA SALVA!
Nuo tmo conliccimcnto algnm de m-nliutn
caj [ui- tao perfeitamontc inoptro d'unia ma-
n-ira :. maja rlnra < ]><-rs!ia^iva o \xk1vt da
Scienctti JTediat sobro a mo'.istia (nal seja o
u Antonio Joa(jvim Pikiha, da Baha.
Kst ImmoM ialV'Ii/. bovia maia d'um ann joa
s tlVt ae doT ae muie atr1/..* e panKcntos
proven!.-iite do
Trozo
Terriveis Chavas Abcrtas
pspallmdi'. por suliic dilP rentes partes dr seu
cirjx'. sendo nuit das quites sobre o tito do p
una funda c Ual%Ha chapa, a t|ttal o privaya
(In andar, canwiiido-lh' rs dores as mnis n^oni-
sante 1111er d dia quer de noute; continuada-
mente atonnentftdo por taos afllic^oue o dores,
< qui.s que :.l) ilhantc vida, t-ndo jiosto de parte toda a fe' e
oriliiiu-;t emuudaciuas, e 11a rcalklade parcela
qu jiara elle 11U0 lhe n* avo mais esperan^L
algnma ; assim pois rrsicmido esjirrava rort-
pceBcia o tarsio final do seus mutiplirados
soSHmcntos, oh que niMagrosamcntc >or for-
tuna sua lite receitario o grande punficador
lo uague
A Salsaparrilha
DE BRISTOL
o iiiiiante a mu grande e.fiaicia eexeellencia
elle se achou dentro de pouco tempo. livre de
sen ImTnodir.vel estado de desespero, e a doce
o risonua Cflpml\ca tornou de novo reviver
cm seu cora'.-So; sob a poderma e benvola in-
fluencia det*U: admiravei medicunento, as suas
chagas cm breve printpiarao asumir um ca-
rcter favoravcl diminuiudo o aspecto do sua
inalignidado. A masca do saogue c mais
humores do svstema tornou adquirir nma
appar.ncia clara e saudavel, as dores ator-
mintucloias d'outro ora O deixarao, e umadoco
e suave trampiiilidade pr'mcipion preeorrer
ttyjo o seu sj-stema. restanrando-lhe a desejada
k.u ( icptr0 'espirito; as chagas urna una
se for.Io fechando uv que finalmente se cica-
trftajGo d'um todo, e hoje achn-se perfeita-
infihte sao, gosnndo d'utn perfeito estado de-
wtfic, depois de se ter visto privado d'oste
gvuide goro durante mais d'um anuo. Ello
dTtuit;- esta sua rnra, apenas fez uso do
1) fi'tis garrafas i Genoina Salsaparrilha
dt Brisiol, preparada exclusivamente por
LANMAN & KEMP,
lie XOVV YORK.
Recommen la-so mt particularmente aos
DocnU'is d'amlios os seos, que empreguem
toda a can: Ha na esodha d'este admiravel
r. medio, afim que nao obtenhao outra cora-
posirSo qualquer, que nao neja a Salsaparril-
ha Geuuina de Bristol, jh.s que todas an
koala preparaeoes e imitacops d'esta natnr.-za
sio falsas nao posstiindo virtude alguma.
Vende-se as boticas de Caors Barbosa^
e C. Bravo d C.
COMMERSIO.
'oaces ofQciaes.
PflAgA DO RECiFE.
i i de Janeiro de 1863.
Assucar mascavado Canal1^900 por arroba.
Cambios sobre Londres90 div. 27 Ii8 d cor
iOOO. t
Dubourcq Jnior,presidente.
Guimaressecretario.
Noto banco de Pernam buco.
EM 4 DE JANr.HU) DE 1865.
0 banco desconta letras na presente semana a
10 0/0 ao anno at o praso de quatro mezes e a
12 0/0 al o de seis mezes ; loma dinheiro a juros
a praso nunca menor de tres mezes, esaca sobre a
praca da Babia.
Alfandega
Rendimento dodiala 13.......
Idemdo dia 14...............,
277:91-2*71*
33:407*518
311:320*230
ura official e sargento, armados de reffes. i tima e consideracio dos seui irmiios eni habito,
< Que no dia 15 foi bordo um escaler com dos seas numerosos niraigas, do seminario, do
ram desembarcar os prailcos, paf.ado-os para j tos. ma eouVa/porm, p'aV^TaVt'odr "d'ur""^
cinco vapore, le pum teas, qoe, tendo reeettdo! tragar; era a rwiwicao'o^ C/!f^aSo nra
comi que se pode tecer a sua obra, tornando-a
sobremaneira recomraendavel, o proprio neme
do autor, grande ornamento da ordem a que per-
lence.
Capia da oart* a que nos referimos cima.
Tendo ui publicado urna Lrocoura eom o sim-
ples Ululo deoesoito epstolasas quaes pro-
curamos combaier as doulrinas protestanlas, que
tres offlciaes e dous paisanos, para examinar os quem professor de canlo gregoriano, e daquellas pala predica a divnlaaeao de biblias falsificadas e
livros c os papis do navio, sendo todos sellados, pessoas emflm, que tem do a felicidade de com
mesmo os majos das'notas do governo imperial, municalo.
na importancia de 400:0004, e as escolilhas. EI Evadlram-se da prisSb de "Balxa Verde os
de difTerentes escriptosinhos lem-se por tdda
parte, aqu na Babia, espalhado, ceno de que nia
pouparaos esforcos para tratarmos as materias de
oYlmeato da alfandega
Velamos entrados com f azendas...
com gneros...
Volamos sabidos
>
com fazendas..
com gneros ...
107
691
-----798
Dcscarregam no dia 16 de Janeiro de 1865
Vapor inglezGladiator-mercadorias.
Imporiaco.
Escuna hespannola Prisca, entrada de Montevi-
deo, consignada ordera, manfeslou 4:000 qun-
laes charque : ordem.
Hiale nacional Ros I, entrado da Babia, consig-
nado a Tasso Irmaos, maufestou o seguinte :
3 pipas vasas, e f.b'JO alqueires de farinba de-
mandioca aos raesmos.
Brigue nacional Cruzeiro do Sul, entrado do-
Rio de Janeiro, consignado Marques Barros &
C, manifostou o seguinte :
Genero estrangeiro j despachado para consumo,
1:469 barras de ferro, 50 oaixas genebra, 2 di-
tas arraasoes de ferro para baldes, 200 barricas fa-
nuha de trigo, 399 caixas e 68 barricas cerveja,
510 saceos farello, 5 caixas caaella,. 200 ditas vi-
dros para vidraca, 1 diu bordados, 1 caixo com
lo ternos de bandejas ; i ordem de diversos.
Genero nacional.
20 pipas graxa, 56 barricas sebo, 4 caixas rape",
31 pipas graxa em rama, 1 pipa azeite de egua,
709 rolos e 22 latas fumo, 32 saceos feijo,774 sa-
cos caf, 200 caixas sab3o ; ordem de diversos.
Vapor nacional Apa, entrado do Rio de Janeiro,
manfeslou o seguinte :
300 rulos [tuno, a Antonio Luiz de Oliveira Aie-
veda & C.
80 rolas fumo a 1 caixo chapeos; a Jos Joa-
quim de Lima B.
3 caixoes chapeos; a Joaquim Alves.
64 voluntes ago ao baro do Livramenlo.
5 caixoes bacalho; a Cassos e Sobriaho e 1
barril carne de porco ; ao mesmo.
1 volume; a Amonio V. de M. Drumraoad.
2 ditos; a Custodio Jos Alves Guimares.

Ti
^*i% #11
r-


Mari* tf rrronmhnra egmafa fofra te Se Stmelro cft? 181&

Carne seeca."...
I dito a Francisco Ferreira Borges.
< caixa agua mineral; a Joao Cardozo de Me
nezes e Souza.
1 volurae a E. Goncalves Cassao.
3 caliles ; a Baymundo C. Leite.
2 TOhimes Soothal Mellrs.
1 fardo ; Elpidio de Araujo.
15 lardee ; a J. Ryder & C.
i7 caixoes; ao mesmo.
i caixao ao Dr. J. P. M. Porlella.
Exportaco.
Brigue brasileiro Alfredo, carregoa ptra o Rio, non* de trg.
daPraia:
1:040 barricas com 7:551 arrobas e 23 libras
de assucar branco, 200 ditas com 1:607 arrobas e
29 libras de dito raascavado.
Brigue portaguez ConcetgSo de Mara, carregoa
para Lisboa:
62 barricas e 2:129 saceos com 11:103 arrobas
e 21 libras de assucar branco, 100 barricas e 920
saceos com 5:432 arrobas e 15 libras de dito mas-
cavado', 458 couros com 10760 libras.
Patacho brasileiro Nao Sei, carregoa para o Rio
de Janeiro:
2:700 saceos com 13:500 arrobas de assucar
trauco, 17 saceos eom 98 arrobas e 11 libras de
algodao e 498 meios de sola.
Brigue inglez Moud, carregoa para Liverpool :
330 saccas com 1:482 arrobas e 91 libras de al-
fodo.
A do Rio-Grande do Sul vnden-
se de 500 rs. a 3J8O0 por arro-
ba, ftcaadoera deposito 180,000
arfabas, e a do Rio da Prata da
25500 a 35800, fleando em de-
posito 63,000 arrobas.
Caf........... Vendeu-se de 65800 a 75000 a
arroba.
Cha............dem de 25200 a 25300 a libra.
Cerveja.........dem a 65000 a duzia de gar-
rafas.
A de Phiiadelpliia e Nw-York
retalhou-se de 195000 a 215000
por barrica, a de Trieste de 225
Capitn* da Parla > Peroanrbne 31 de dew-
radei84.
Em ytsta da drenan slaneia mJh)drfa em
(pe se acha o paiz, sendo ncessario que todos o
brasijeiros concorram para a sustentaeao dos trios
e dignidade nacioaaes, comprometidos ca'goerra
cora as repblicas do Uruguay e Paraguay, manda
o Illm. Sr. capitao do Porto, emvirtude tfo r,ue Ihe
foi recommendado por S. Eae. o Sr. ministro se-1 Par ^t^^LJ^L^at^L
cretario de estado dos negecios da iiwinha,con-!do^/^fao do aBente Pln,0> *>
vidar nao s aos matriculados, como a lodos os'
cidadaos que se queiram alistar na qualidade de
voluntarios para a armada, a se apreseutarem nes-
totrios de Jacaranda eom magra e oaires mallos
objectos de gosto.
Muarajazwi a na da Cr a. i7.
Leiio d 13 barricas com caslanhas
do Pap 1120 eaixas e da Baha.
armazam
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO,
ACTA DOS PREQO DOS GNEROS SCJITOS A MRKITO DE
EXTOBTACAO.SEMANA DE 16 A 21 DO MEZ DE JA-
ZKMBHH DE 1864.
Mercadorias. unidades. Valores.
Abanos......... cento
Agurdente de cana..... caada
dem restiloda ou do reino
dem caxaca........ >
dem geaebra.......
dem alcool ou espirito de agua- >
ardente.........
Algodao era caaoco..... arroba
dem em rama ou em Isa. <
Arroz com casca......
dem descascado ou pilado
Assucar mascavado..... t
dem branco.........
dem renado. .......
Azeite de amendoim ou mendo-
bim......... Canad
dem de coco.......
dem de mamona.....
Batatas alimenticias..... arroba
Bolada oidinaria, propria para
embarque.......
dem lina.........
Caf bom........
dem cscolha ou rcstolho ...
dem torrado....... libra
Caibros......... um
Cal........... arroba
dem branca..... >
Carne secca (xarque) ....
Carneiros........ um
Carvao vegetal...... arroba
Cavernas de sicupira .... ama
Cera de carnauba em bruto. libra
dem idem em velas. ....
Cha..........
Charutos........ cento
Cevados (porcos)...... am
Cocos (seceos)....... cento
Colla......... libra
Couros de boi, salgados ...
dem idem seceos espichados. >
dem idem verdes.....
dem idem cabra eortidos. um
dem idem de onca..... >
Ifoces seceos....... libra
dem em gelca ou massa.
dem em calda.......
Espanadores grandes um
dem pequeos.......
Esteiras para forro de estivas
de navio........ cento
Estopa nacional...... arroba
15500
800
800
400
800
900
15600
800
15200
35000:
75000
75400:
65060
440!
360'
280,
500,
35200'
45000
15000
85O00
300'
300 i
15500 i
255001
155000
4500
600
150
240
105
350
105000
i>ooo
320
500
45000
25000
155000
15600
25000
4.5000
25500
55000
145000
83000
235000; e a do Chile a 95500 I* capitana nos dias uteis das 9 as 3 laboras da
tarde.O secretario da capitana,
Decio de Aquino Fonseca.
Consulado d Portugal.
Haveodo tallecido o subdito porluguez Gaspar
Pereira da Silva, sao chamados os seus credores a
apresentarem as suas contas nestes consulado den-
tro do prazo de 30 dias, para serem verificadas ;
sendo tambera prevenido os devedores do seu es-
polio para, no mesmo prazo virem pagar o que Ibes.
estejam devendo ; e nao o fazendo, serio deman-
dados judicialmente.
Cooselho administrativo.
0 conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos
-seguintes:
Para o arsenal de guerra.
80 garrafas de espirito de vraho.
4 arrobas de pregos francezes de 2 l|2 pole-
gadas.
1 dita de ditos de 1 1|2 polegada.
20 duzias de taboas de pinho de 3|4
sura.
20 meios de sola de lustre.
Quem quizer vender taes artigos aprsente snas
propostas em carta fechada na secretaria do conse-
lho administrativo as 10 horas da manhaa do da
16 do correte.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 11 de Janeiro
de 1864
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebastiao Jos Basilio Pyrrho,
Director.
Foi tomado a nm preto, o qual andava ven-
dendo um pente de tartaruga de segurar cabello
de senhora : quem se julgar com direito ao mes-
mo, e dando os signaes, lhe ser entregue.
Subdelegada de polica da regoezia do Poco da
Panella 11 de Janeiro de 1865.O subdelegado,
Joao Paulo Ferreira.
Pelo presente se faz publico que no da 16
do crreme se acham abenas as matriculas do Io
! e 2 anno da escola normal. Assim como se de-
! clara aos que nao fizeram eiame do Io anno, tra-
| tem d requerer para se Ihes marcar dia, justili-
i cando os motivos do seu
os meios saceos : fleando em de-
posito 3,000 barricas da primei-
ra, 8,000 da segunda, 3,600 da
tercaira e 3,500 meios saceos.
Manteiga....... A ingleza vendeu-se a 800 rs.
a libra, e a franceza de 590 a
620 rs. a dita.
abasas.........Venderam-sea 65000 a caixa.
Passas..........Vndense a 65500 a caxa.
Queijos.........Os flamengos vendaram-se de
15900 a 25000 cada um.
Sabao..........O amarello vendeu-se de 170 a
180 rs. a libra,
Toucnho.......Vendeu-se de 85200 a 85300
por arroba, o do Rio Grande do
Sul.
Descontos.......O rebate de latirs regulou de
10 a 12 por cento ao anno.
Fretes......... Para o Canal inglez 45/ 5 /.,
carregando aqu. Para Liverpool
15/-10-5 /; da Paaahyba
25/5 % ; pelo algodao para
Liverpool 3A por libra5 %,
carregando aqu
MOYIMISTO DO PORTO.
55500!
*5000 Navios entrados no da 14.
15500 Liverpool21 dias, vapor inglez Gladiator, de 467
25600 toneladas, commandante J. Guard, equipagem 27,
15850' carga fazenda e outros gneros: a Tomaz Jef-
35100: feries.
55120 R de Janeiro, por Victoria, Caravella, Baha, Rio
Real e S. Francisco, 81 dias, vapor brasileiro
25000 Consclheiro Paranagu, de 161 toneladas, com-
maadante Augusto Cezar de S Pereira, equipa-
gera 18, em lastro: a Willson A Hett.
Navios saludos no mesmo da.
Iiha de FernandoVapor brasileiro Persinunga,
commandante Rates.
Aracaj eportos intermedios vapor brasileiro Para-
hyba, commandante J. J. Martins.
Rio de JaneiroBrigue escuna nacional Vo Sei,
capitao Francisco de Souza Velho, carga as-
sucar.
Lellio de 100 saceos eom milho.
Quarta-feira 8 do correte.
O agente Pestaa vendara por conta a risco da
quem pertencer 100 saceos com milho muito no-
vo em lotes a vontade dos compradores, pelas 10
horas da manhaa no armazem do Annes.
IiClISo de IO eaixas com uiassas.
Quarta-feira 18 do correte.
O agente Pestaa vender por conta e risco da
Quem pertencer 10 caixjs com inassas sortidas em
lotes a vontade dos compradores: quarta-feira 18
do corrate pelas 10 horas da nunbaa no arma-
zem do Annes.
Leilao quiuta-feira t9 dh correte a ra da
Cadeia tu 53.
Pelo agente Etizebio.
De um sitio eom casa de vivenda e portan da
ferro ao lado, a beira da estraa do Monteiro, jun-
to do do Sr. Passos, o chao 6 proprio, e a casa
nova a feita a moderna, est bem edificada, tem
commodos para numerosa familia, alem de outros
no sitio como casas para criado, cocheira, cacim-
de gros- ca, etc., sao convidados os pretendentes ao previo
exame, existe na casa pesoa para abrir e mostrar
Leilao qninta-feira 19 do corre ule.
De urna casa lerrea n. 44 sita a roa da Solcda-
de, chao proprio, ser vendida em leilao pelo
agente Euzebio, naqueiie dia as l1 horas : os pre-
tendentes sao convidados a ir examina-la, urna
casa em ponto alto, alm de duas salas tem 6 I tes, e" cncarrega-se de defezas perante o
C4SA DA FORTUNA.
AOS 6:000.000
IIII he tes garantidos
A' raa da Crespa a. 23 0 casas do lastime
0 abaixoassigaado venden nossens muitofell-
zes bilhetesgarantidos da lotera, que se acabou
da extrahfr a beneficio da Sania Casa da Mise-
ricordia, os segalntes premios:
Ointeiro a. 1326 com a sorte de 6:0005000
Um moio n. 2085 com a sorte de 1.-4005000
D0U8 quanos o. 2876 cora a sorte de 5005'i00
E outras muitas surtes de 2005, 100*, 405 e
20009.
Os possuidorespodem vir receber seus respec-
tivos premios sera os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespn. 23.
Achara-se venda os da primeira parte da
qnarta lotera a beneficio da Santa Casa da Mi-
sericordia, que se extrahir no dia 17 do cor-
rate.
Preeos.
Bilhetes rnteiro..... 75000
Meios......... 35500
"Quartos........ 15900
Para as pessoas que compraren)
de 1005 para cima.
Bilhetea....... 65500
Meios. ....... 35250
Quartos........ 15700
____ Manoel Martins Fiuza
O solicitador Pedro Alejandri-
no da Costa .Hachado
se encarrega aate o foro desta cidade de tudo que
for tendente a sua profissao, aceita de partido an-
nual as pendencias judiciaes de qualquer casa
commereial mediante razoavel ajuste. Contina
a se encarregar de cobrangas nos termos do Cabo
o Ipojuca aonde continua a trabalhar como d'an-
jury nos
termos prximos a via frrea, offerecendo gralu
i tamente seus servcos aos desvalidos, pode ser
procu-ado todos os dias uteis das 9 horas da ma-
nhaa as 3 da tarde na raaestreita do osario n.
; 34, a fora dessas horas na ra Imperial n. 36, ca-
: sa de sna residencia.
quartos, cosinha fora, quinUl granda e uiras com-
inodldade> aara familia numerosa.
^ Feira semanal
DE
Trastes novos e usadas, relosios. escra-
,. ? Arrenda-se e talvez e venda um dos melho-
VOS, ODjeCtOS e OOrO e OUtrOS mUltOS res sitios da estrada do Arraial : quem o preten-
:ilii>o- ider pdedirigir-se ra larga do Rosario, oul'rora
11 -.# j ... rua dos Quarteis n. 22, sobrado de dons andares,
Quinta-eiral do corrale as 11 horas. que achara com quem o informe do sitio, e com
-Rua da Cadeia do Recife armazem53 qaem se pode fazer negocio por qualquer forma.
OLYMPIO
1 nao comparecimento no
Philadelphia-Barca mgteza Ifeon, Jcapitao Wil- ^signado edilal afiliado na porta do estabelee
hamlleard, carga algodao e lastro de area.
Observagao.
Suspenden do lamar3o para Parahyba barca
ingleza ndion Qiuen, capitao J. Deck, com o mes-
mo lastro que trouxe do Port-of Brass (frica).
B9IT1KS.
Fariniia de de mandioca. alqueire
dem de araruta..... arroba
Feijao de qualquer qudlidade.
Frechaes........ um
Fumo em tollia, bom .... arroba
dem ordinario ou restolho <
dem em rolo bom......
dem ordinario ou restolho
Gallinbas........ una
Gomm ...'....... arroba
Ipecacuanha (raiz)......
Lenha em achas...... cento
Toros.......... >
Linhas e esleios....... um
Mel ou melaco....... caada
Milho.......... arroba
I'apagaios........ um
Pao Brasil........ quintal
dem de jangada...... um
Pedros de amolar..... urna
dem de filtrar...... *
dem de rebolo......
Passava......... molho
Ponas, ou chifres de vaccas ou
novilhos........ cento
Pranchoes de amarello de dous
costados........ um
dem de louro........
Rap.......... libra
Sabao.......... >
Sal.......... alqueire
Salsa parrilha....... arroba
Sebo em rama......
dem em velas....... 1
Sola em vaqueta...... urna 25*00
Taboas de amarello..... duzia 1405000
dem diversas....... 875000
Tapioca*. ........ arroba 35000
Tata juba......... quintal 200
Travs......... ama 65000
Unlias de M....... Cento 200
Vassouras de piassava. ... > 105000
Ditas de timb ...... 85000
Ditas de carnauba..... 65000
Vinagre......... caada 500
55000
6001
25500
255000
29000
115000
85000
240
900
35000
55000
55000
800
45000
15000
120
O Dr. Luiz de Albuqnerque Martins Pereira, dele-
gado do 1 districto desta cidade do Recife de
Pernambuco, etc.
Pago saber a quera interessar possa, que as au-
diencias desta delegada lera lugar na secretaria
de polica, duas vezes por semana, em os dias se-
gundas e quintas-feiras, as 10 horas da manhaa.
Cidade do Recife de Pernambuco 12 de Janeiro
de 1865.Eu Guilherme Augusto de Attahyde,
escrivo, o escrevi.
Luiz de Albuquergne Martins Pereira.
DECUBACQES.
CAIX4 r.LIAL
DO
Bi\CO OO BRASIIa
EM PERNAMBUCO.
14 de Janeiro de I86&.
De ordem da directora desta caixa se faz pu-
hiirn a nliores accionistas, que o respectivo
lliesoureiro est autonsado a pagar o 23" dividen-
do de 105 por accao* O guarda-livros,
Ignacio Nunes Correa.
14 de Janeiro de 1865.
De ordem da directora desta caixa, se convida
aos credores de >ebastio Jos da Silva a vrera
receber do lliesoureiro da mesina caixa o que em
raleio Ihes toca da venda de urna das propieda-
des, que segando a concordata, lite foi entregue
para serem vendidas.O guarda-livros,
Ignacio Mues Correia.
Consulado provlnelal.
Pela mesa doconsuado provincial se faz pnbll-
35500 co v1ue nodia 10 do torrente se principiam a con-
tar os 30 dias atis marcados para a cobranca
bocea do cofre do anno linanceiro vigente dos im-
IO5OOOI nslos de 4 0|o'sobre casas era qoe se acharen!
I5OOO1 estabelecimenlos de commercio fora da cidade do
120 Recife, prensas de algodao, typographias, cochei-.
400: ras, botequins, hotes, casas de pasto, cavallarces
255O00 e fabricas, de 8 |0 sobre consuilorios mdicos e
t^OOO cirorgicos, cartoros e escriptorios.de 20 0|0 sobre
750001 estabelecimenlos de commercio em grosso e a re
ment.
Secretaria da escola normal de Pernambuco 14
de jauero de 1865.O secretirio,
Maxiraiano Lopes Machado.
Crrelo geral.
Relaco das cartas seguras vindas do sul pcUi I
vapor 15p> para os seokares abaixo decla-
rados :
Andriano Xavier Pereira de Brito (2).
Amaro Joaquim Fonseca de Albaquerqae.
Antoaio Albino de Souza.
Antouio Bezerra de Menezes.
Dr. Antonio de Vasconcellos Meaezes de Urnm
mond.
Antonio Lopes Rodrigues.
Antonio de S. Cantillo de Lellis.
Carlos Mariano de Albu-tuerqne Cavalcanti.
Domingos Rodrigues de Andrade.
Francisco Ignacio de Lima Cabral.
Gervasio Protasio Simoes.
Joaquim Gilseno de Mesquita.
Padre Joaquim Mauricio Waaderley.
Joaquim de Oliveira e Souza.
Joao de Freitas Barbosa.
Dr. Joao Jos Ferreira de Aguiar.
Jos da Cunha.
Jos Ferreira Dias Santos.
Dr. Jos Leandro de G*doy Vasconcellos (2).
Jos Morena da Silva.
Jos da Silva Loyo.
Marques, Barros & ('..
Miguel Joaquim Alejandrino Andrade Filbo.
vender em leilo|trastes, objectos de ouro, es-
pravos de ambos os sexos relosios, correles pa-
''. ra ditos, santuarios, candieiros a gaz outros mui-
i tos artigos que estaro patentes no dia do leiio.'
AVISOS MillTIMOS.
COMPANHIA BSASILEIBA
DE
PAQUETES A VAP0H
Dos portos do norte espera-
do at o da 21 do corrate o va-
por 'locanlins, commandante Pe-
dro Hypoliio Hilarte, o qual de-
pois da demora do costme segui-
r para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga qne o vapor peder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e .dinbeiro a frete at o dia da sahida as 2
horas, agencia rua da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Leilao de ama csa terrea nova eilili-
. cada em chaos fareiros na roa do
Soccgo n com 2 salas, 2 qaarlos,
cosinha fora, cacimba e quintal mu-
rado, a qual remle 2 Os mensaes.
Sexta-feira 20 de Janeiro.
Por inlervenco d agente,Pinto, na praea do
Commercio em frente a casa dos Srs. Palmeira
& Beltrao. Os prelendeates podero desde j exa-
mnarem a dita c*sa.
Leilao de una casa de taipa na
poroaeo de S. Lonreii^o da
.11 ai a e dons quartos.
Sexta-feira !0 de. Janeiro aa praca do Commercio.
O agente Pinto far leilao requerimento d)
testamenteiro do tinado Salustiano Perreira Cou-
tinhoe por mandado do Illra. Sr. Dr. juiz de or-
plios, de urna casa de taipa nova edificada na po-
vpago de S. Lourengo da Matta, com utencilios
oe urna pequea taberna e dous qaartos, as 11
horas do dia cima dito na praca do Commercio
em frente do eseriplorio dos Srs. Palmeira &
Beltrao. m
Leiio de nina victoria (de um dos me-
I hores fabrican les de pars) em bom
estado, com arreios para dous caval-
los e 1 carmea de 2 rodas grande e
mu forte, iiopria para lioi.
Sexta feira 20 de Janeiro.
Por interveiigodo agente Pinto, na praca do
Commercio em frente a caa dos Srs. Palrae'ira &
Beltrao.
l.cilao de nm sobrado de an-
dares da rn.i do Padre Floria-
no n. 81, edldeado em ehos
proprio*. o qual rende 504$
annnal.
Sexta-feira 20 de Janeiro.
Por ntervengo do agente Pinto, na praca do
Commercio. Os prelendentes podem desde j exa-
minaren! o dito sobrado.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na rua da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
sao medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias
i"
3o
Alfandega de Pernambuco, 14 de Janeiro de
1863.
(Assignados):
O 1." conferente, Antonio Carlos de Pinho Borges.
O 2." conferente, Jos Mara Cesar do Amaral.
Approvo. Alfandega de Pernambuco, 14 de
dezembro de 1865.A. Eutalto.
Conforme.O 3." escripiurano, Joao dos Sanios
Porlo.
eeebedoria de rendas Inter-
nas geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 13......... 6:84'A3H
dem do lia 14.............----- f,27l898
8:113*242
Consulado provincial.
Rendimento do da 1 a 13........ 60:6O^o90
dem do dia 14............... 3:386363
_________
63:991*953
PRAQA DO RECIFE
14 DE .IVMIIIO BE 1N65.
AS TRES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambio........Saccoo-se sobre Londres a 27,
27 V., 27'A d. por 1*000; sobre
Paria a 330 rs. por fr., sobro
Hamburgo de 678 rs. por M/B e
sobre Lisboa de 95 a 98 por cen-
to de prftmio ; elevndose os
saques efTectudos durante a se-
mana em < 150,000.
Algodao........Vnd*a-8e de 23*000 a 25* a
arroba, o de Macelo, posto a
bordo, a 25*000, e o da Para-
hyba, da nesma sorte, de 269600
a 27*.
Assucar........O branco veadea-se de 3*400
a 3*900 por arroba, o somenos
de 1*600 a 3*100, o mascavado
purgado de 2*250 a 2*400, e o
bruto de 1*850 a 2*050.
Vendeu-oe de 68*000 a 70*000 a
pipa.
Os seceos salgados venderam-se
a 145 rs. oor libra.
A'.eite doce.....Vendeu-se o de Lisboa de 2*250
a 2*300 o galn.
Bacatno.......Retalhoa-ee a 16*800 por bar-
rica.
Batatas........Veoderam-se a 2*000 rs. o gigo.
Boiacliinha......Vendea-se a 5*500 a barriqui-
nha.
Agurdente.....
Cauros....
talho, armazens de recolher, e os trapiches, de
50* por casa de bilhar e modas, de 100* por casa
que vender roupa feita no eslrangeiro, de compra
e venda de escravos, de corretores commerciaes e
agentes de leilao, de 1:000* sobre casas de opera-
coes bancarias com emissao e pfevilegios, de 000*
pelas ditas com emissaoe sera Bfevilegios, da 400*
pelas ditassem emissao, cnmpanhias anouvaa- e
agencias, de 200* pelas casas de cambia, de 30*
pelos escravos empreados no servico de j varen-
gas, oe l* por tonelada de alvarefga canoas
abertas, de 20* por cada bote eu sarefro, de 30*
por cada balieira, de 10* por escravo ganbador ou
empregado aaa servico de transporte en em arma-
zens, de 10* por avallo de sella de alaatiel, de
6* por cavallo particular, de 5 0|0 pda venda de
capim e o imposto de carros, carrocas e mnibus,
c tambera o semestre do de 20 OjO do consumo
de agurdente das freguezias desta cidade e dos
Afogados, S. Lourenco, Santo Amaro de Jaboatao,
Muribeca e Varxea, fleando sujeitos a multa de 6
0(0 sobre os seus dbitos depois de lindo o dito
praso.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
7 de Janeiro de 1803.
Antonio Carneiro Machodo Ros.
O Illin. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia, manda fazer publico a todo=
os habitantes da mesma provincia, que em virtode
da circular do tribunal do thesouro n. 55 de 22 de
dezembro do anno passado, acha-se abena na
mesma thesouraria a substituigo das notas de
5*000 da 4.* estampa, e qne em tempo convenien-
te se annunciar o dia em que deve principiar o
descont mensal de 10 por cento no valor das Do-
tas que ate ento nao tiverem sido substituidas.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buce, 7 de Janeiro de 1865.
Servindo de offlcial-maior
Manoel Jos Pinto.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda manda fazer publico a todos os habitantes
desta provincia, que era virtude da circular do
thesouro n. 56 de 23 de dezembro do anno prxi-
mo pass2do, flea prorogado at o fim de abril fu-
turo o praso marcado para a substitnico das no-
tas de 200*000 da 2.* e 3.* estampas, devendo eo-
mecar do 1. de maio em diante o descont na
formada lei.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco, em 7 de Janeiro de 1865.
Servindo de oulcial-maior
Manoel Jos Pinto.
De ordem do Illm. Sr. Inspector da thesoura-
ria de fazenda desta provincia se faz|publico qne
Rea novaraente marcado o da 18 do corrente, as 2
horas da (arde, para ser arrematada a quem por
menos llzer, a obra de um pequeo lance de caes
que tem de ligar o encontr da ponte de ferro do
Recife ao caes do passeio publico. O orcaraeoto e i
condicoes serao mostrados na mesma thesouraria
aos pretendenles : as pessoas a quem convier a
sobredita arrematarlo, deverio comparecer na
sobredita thesouraria no da e hora indicados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco em 11 de Janeiro de 1865.Servindo de
oflQcal-maior, Manoel Jos Puno.
rara o Hio de Janeiro
pretende seguir com multa brevidade o Lrigoc es-
cuna No Sei, tem parte do seu carregamente
prompto : para o resto que lhe falta e escravos a
frete, para os _quaes tem excellentes commodos,
trata-se com o~s seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo 4 C, no seu escriptorio roa
pa Cruz n. 1.
Para a Baha
Pretende seguir com brevidade a sumaca Hor-
renda, tem parle de seu carregamento prompto
para o resto que Di* falta trata-se com os seos
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no seu escriptoriorua da Cruz n. 1.______
Para a Baha pretende sabir em pouros dias
a veleira escuna EUsa, capitao Belmiro Baptista
de Souza, tem a maior parte da carga tratada, para
o pouco que lhe falta trata-se com os consignata-
rios Palmeira & Beltrao, largo do Corpo Santo n. 4,
prfmeiro andar.
de olhos;
de peito :
dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-;
rao examinados na >rdem de suas I
entradas comecando o trabalho pelos j
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d s
6 as 10 da manna, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o I
prompto restabelecimento dos seus M
doentes. 9
mmmmmmmm mmmmmm
= Alujase dous grandes armazens no Forte
do Mato com a frente parr. o caes e o fundo para
a rua da Moeda: a fallar na rua da Cadeia Velha
armazem n. 66.
mmwm m mmmmmmmm
Attencao. jjM
S D-se dinheiro a juros, tratase com o 95
B Sr. Gameiro na botica.
I -ra a Estancia.
Pretendo sahir nestes qoatro das o patacho bra-
sileiro D. Luiz : quem no mesmo qaizer carregar
carne ou outro qualquer genero a frete coratriodo,
pode drigir-se aos consignatarios Palmeira & Bel-
rlo, largo do Corpo Santo n. i, primeiro andar.
Consultorio medico-ehirurgieo na rua larga do lio
sari n. 20.
O Dr. loo Ferreira da Silva regressando sua
casa, contina em o exercicio de sua profissao,
nao s na parte medica como tambera na chirur-
gica.
Aluga-se um sitio na rua do Cabral da
cidade de Olinda, com casa terrea, com co-
piar nfrente, botaos fundos para a estra-
da emargem do rio Beberibe, com com-
modos para familia, estribara para cavallo
e capim para sustenta-los, arvoredos de
fructos, sem visinho defronte nem pelo
fundo.com ptimos passeios, sala e gabi-
nete na frente, muito propria para passara
afal-
llio de .Janeiro.
O brigue nacional Cruzeiro do Svl, segu breve
para aqelle porto, ainda recebe carga a frete : a
tratar com os consignadnos Marques Barros A
C, largo do Corpo Santo p. 6. ___________
Porto por Lisboa.
Pretende seguir cem brevidade a mnilo vefelra
barca pormgueza Corea, por ter grande parte da
carga engajada, paro" o resto e passageiros aos
quaes offerece os melhores commodos : trata-se
com o consignatario T. de Aquino ronseca Jnior
na travesa da Madre de Dos n. 5, primeiro an-
dar, ou com o capitao na praca.
LEIL5ES.
Leilao de una co de 4 rodas, 1 berlinia, 20 cavallos,
arreios e seus pertences.
Segunda-feira 23 de Janeiro.
O agente Pinto far leilao precedida a compe-
tente autori3agao, da cocheira da rua do Impera-
dor n. 25, com 4 carros de 4 rodas era bom esta-
do, 1 berlinda quasi nova, 20 cavallos de servico,
arreios, estiva, mangedora e mais pertences da festa,6 tambem se alugarporanno
mesma cocheira, as II horas do da cima dito, na (^ n0 Recife, na livraria n. 6 e 8 da praca
2&taSS^S 'VrrSSff ^ independencia, e em Olinda na casa con-
nados. (tiguacomo capitao Antonio Bernardo ter-
^^mmmmm^ i reir.________^_____
Aluga-se urna grande e fresca estribara que
adrailte bem 5 a 6 bois. cora bom quarto que ser-
ve para inoradla e fica bem defronte da estaco :
a tratar as Cinco Ponas n. 116.
Mobtlla.
Alugam-sc moblltas" nopateo do Terco nume-
ro 42. ___________
Aluga-se o, armazem n. 35 da rua do Impe
rador : a tratar na mesma rua, armazem de louea
0.41.
SALSA PARRILHA DE AVK.
Transchevemos aqui alguns
dos muitos attestados que temos
recebido das virtudes #da salsa
parrilia do Dr. Ayer.
Rheumatismo.
DE JOAO JOS DOS gANTOS.
Ouro Prelo.
Soffri rl)eumatismopoiaui-
tas vezes, e vendo annunciado
em um jornal desta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re-
olvi-me a comprar um frasco e fazer uso
d'ella ; c ames de concluir o primeiro fras-
co, achei-me forte e sem sentir a mais leve
dr nos joelhos ; a parte do corpo que es-
tava affectada U'esse termel accommodo
que roubou-me tantas noiles de somno.
lrnpees, borl>ulhas7 pstulas,
ulceras, e todas as molestia
da pelle.
DO SR. J00 PAULA DE ABRE k souza.
Rua de S. Pedro.Rio de Janeiro.
SofTria mais de dous annos de ama
erupgo sypbiliiica em todo o corpo, mos-
trando-se seinppe cum mais violencia na ca-
ra, prove muitos medicamentos e consultei
muitos mdicos, e eslava quasi desanimado
qtiando vi os annuncios da Salsa parrilha
do Di: Ayer: comecei a fazer uso d'ella o.
nos primeiros dias a erupro aggravou-se.
portn antes de acabar o segundo frasco ti-
nha o mal desapparecido completamente de
todo o corpo.
Doctor Don Josk Vaj.des Herrera, profes-
sor de medicina y ciriba, subdeleg/do
em ambas as facn.tadks del sesto dis-
tricto.Habana.
Certifico que he usado la Zarza parril-
la del Dr. Ayer, y como depurativo he ob-
tenido de ella los mas felices resultados en
los casos de ulcera crnica, como asi mismo
ensayado las Pildoras catrticas del mismo
autor y las considero como um purgante,
cuya accin ademas de ser segura, lia sido
muy eficaz en el Iratamento de las enfermi-
dades qne exsigeu el uso de los purgantes,
y no vacilo en recomendar eslas preparacio-
nes. Y para los fines que puedan convenir
doy la presente en Regla 7 de Setiembre
de 1860.
Dor. Josk V. lli hrkra.
Escrfula.
attestado do Illm. Sr. Francisco Fkrra*
dos Santos.Ouro l'rto.
Me acbo ha quasi dous annos aflcWidO
de escrfulas, e tendo soffrido lauto q>.,e al-
gumas vezes quasi que diego a desuiimar
da vida e maldizer da minha infeliz sorte;
tenho sido tratado por muitos mdicos d'es-
ta cidade, e nenhum pode vencer i tenaci-
dade de minha molestia, eslava s-em espe-
ranzas de recobrar a minha saude ; quando
ltimamente resolv fazer uso da Mita par-
rilha do Dr. Ayer. Completan-se boje
trinla e sele dias que comecei com este
santo remedio, e tantas mellaras tenho
sentido que tenho conviccao de em breve
recobrar a minha saude, perdkia ha tanto-
lempo,
Sypkilis e molestias men uriaes.
Do Illm. Sr. Dr. Jacksom.
Medico muito conhecido as pro incias do
sul do Brasil.
Tenho receitado a Salsa pa-rilha do
Dr. Ayer nos casos mais inveterados do
Syphilis constitucional e semprc com os
mais felizes resultados : o mellio* alteran-
te que conheco.
eveorrna e flores brancas.
Temos cartas em que nos con! im casos
inveterados que foram radicalmenlc curados
com um ou dous frascos d'esta S Isa par-
rilha.
O espaco nao nos permiti traoscrever
todos os attestados que possuimos las vir-
tudes d'este extrajo composto ce Salsa
parrilha do Dr. Ayer. asla deparar ao
publico que tem sido embregado ba mais
de vinle annos pela profissao med a tanto
das Americas como da Europa, sevd nunca
desmentir a sua alta repuiacao.
AVISOS PITEMOS.
Precisa-sc de um distribuidor para
este Diario no bairro da Boa-Vista, o
qual deve saher ter, prefere-se uib homem
de meia idade que teuha oflicio porque a
dislribuLgo deixa livre a maior parte do
dia: na livraria n. C e 8 da praca da Inde-
pendencia.
\mnA
Leiio de ervilbas, alpos, fei-
Jes verdes em latas e frnctas
sortidas em vidro.s.
Terca-feira 18 de Janeiro._________
LellSo de 36 eaixas com massos
de palitos de dente*.
Terga-feira 18 de Janeiro.
O agente Pinto far leilao por conta e risco de
quem pertencer de 36 eaixas com massos de pau-
les para dentea, ltimamente despachados, as M
horas do dia cima ditono armazem do Sr. Au-
nes em frente a alfandega.
Leiio de urna escrava de So an-
nos e nm inulatinlio de O
annos.
Terca-feira 17 do crreme* as 11 Ivaras. ,
No armazera a roa ra Cruz d. 37.
CordeiroSimres vender em leilao urna criouU
cosinheira, engoramadeira e cora outras habilida-
des, e um mulatinho de 9 annos proprio para pa-
gem e apto para aprender qualquer olTicio.
de movis, carrocas, piajtn e
Htiisrticos tlejsosto.
Terca-feira 17 do corrate ae 10 horas.
Cordeiro Simoes far leilao de diversos moris
novos e asados, cryMaes, pianos, secretarias, san-
Aos 0:000*04)0.
Corre amanha.
Terca-feira 17 do corrente mez, se ex-
trahir a primeira parte da qnarta lotera
(2a) a benelicio da Santa Casa de Miseri-
cordia, no consistorio da igreja de Nossa
Senhora do Rosario da frefuezia de Santo
Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos estaca ven-
da na respectiva thesouraria rua do
Crespo n. 15.
Os premios de 6:000(9(000 at I0400Q
serlo pagos ama hora depois da extraeco
at s 4 horas da tarde, e os oatros depois
da distribuicao das listas.
As encommendas serio guardadas soy
mente al a norte da vspera da extraeco
como de eos tumo.
O thesoureiro,
* ; Antonio Jos Rodrigues de Soua
Joaquim Resoe sua senhora subditos ingle-
ses, levando em sua companhia um criado subdi-
to francez, vae para a Europa no vapor ingle*
Magdalena.*

Joe Jos da Silva Guimaraes A C., de Ma-
cei, avisam queo ocio Sr. Antonio Bento Barbo-
saeiwo de far,* parte asociedade que tinha
no eslabelecimento de gneros de esiiva dos refe-
ridos senhorrs desde o 1* de jafleiro do anno pr-
ximo lindo, fleando, porm, a casa pyranrto sub a
firma aeima raenciwada, e o Sr Antonio Banto
Baroosa exonerado de toda a respssabilidade.
Jaragu 1 de Janeiro de 1865.
Joao Jos da Silva Guimares & C.
Joaquim Jos de Sant'Anna Barros com aula
particular de instruecao primara, na rua da Crnz
n. 31, primeiro andar, participa nao s aos lllms.
Srs. pais de seus alumnos, como ao respeitavel pu-
blico, que abre sua aula no dia 9 de Janeiro cor-
rele^_________________________________
No dia 8 do corrente furtaram, do sitio do
Manguinho, onde reside o brigadeiro Menezes
Drummoud, duas burras, ama ruga e outra casta-
nlu, ambas mancas e habituadas a andar em car-
ro ; tem as dinas feitas e esto bastante gordas
quem dels souber, ser gratificado, dando noticia
ou levando-as ao referido sitio._____________
Precisa-So de urna ama para compra e algum
servico de casa, para, duas pessoas : na rua da
Ponte Velha n. 8.
Precisa-se de am menino do 13 a 14 unos,
on um homem de 30 a 40 annos, que saiba 1er :
a tratar na raa ia Concordia, casa n. 3ft.
Precisa-se de oin caixeiro que teuha pratica
de taberna, de 14 a 16 annos de idade, e que d
fiador a sua conduela : a tratar na rua dos Pires
numero 34.
~ VUA.
Precisa-se de ama ama para cozinkar : na raa
larga do Rosar n. la, segundo andar. .
Que pechincha
Um sobrado de um andar por _5A na roa Im-
perial o. 11&, pintado e forrada a sala de novo : *
tratar na rua Bireita n. 127, taberna, ou Cineo
Postas o. S3, primeiro andar, das 6 as S horas, e
da^ 4 era diante.__________________________
Deseja-se fallar com os Srs. Joao Chrisoslo-
rao de Albuquerque, de Pedr_s de Foso, Jos Joa-
quim Correia da Lux, do agenho Cajaeire, ou
com i|_em Qier suas vezes nesla praga : ao es-
criptorio de Manoel Igaaeio de Oliveira le Filtra,
largado. Corpo Santo n. 10._________________
No Forte do Mallos n. 30 ha para alugar
ama escrava que faz lodo servico de ama easa.
Precisa-se de ara b >m cosinheiro na rua d
Boda o. 6, prefere-se nacional.
Precisase de ama mulher de conducta abo-
nada que saiba oosiohar para casa de ara homem
de idade e sem familia: na rua do Queimad o nu-
mero 20.
Para a cura radical de escrfulas e iflbcfoo
escrofulos, syphilis e molestws syphi-
liticas, ulceras, feridas, cliagas,
erupges cutneas e lodo e
qualquer incomn.odo que
provm d'ura estado
impuro de sangue,
riiMiiM a
SALSA PARRILHA DE AYER.
A' venda na rua Direila, ns. 12.26 e 7fi;
rua da Quitanda n. 51 ; praca da Consti-
tuico, n. 30 e Hospicio, n. 40. E na-
principaes pharmacias c drogaras do ims
qerio.
Vende-se em Pernambuco:
a pharmac&a franceza le
P.MAURER i C.
BA NOVA N. 8.
Alugam-sc na cidade de Olinda deus sobra-
dos com bastantes commodos, na rua de S. Bento.
defronte da ladeira do Varadouro ns. 29e 30, con
quintal e sahida para casa de banhos salgados : a
fallar em OHoda com o Sr. Monteiro, rua de Ma-
thias Perrerra, e no Poco da Panella, em casa do-
subdelegado Joao Paulo Ferreira.
Bento Barbosa & C. de Maceiy dissolveran
amigavel e aa melhor lutelligenria, a sociedad-
que tinhaiB em una loja de tazendas de Jarkge
desta cidade, ficaudo o activo e passiva do referi-
de estabeteeimento a cargo dos Srs. Manoel Ferrei-
ra Guimares & C, desde o 1 de jamuro doaan
prximo lindo, e fora da siipra-meacionada seeie-
dade o socio Sr. Antonio Bento Barbosa, livre de
toda respoasabflidade presente e Altura.
Jarauot 1* de Janeiro de 1865,
_______________Bento Barbosa A C________
A festa da Senhora dos Bemedios' deve ter
lugar ao dia 10 de ferereire db oorreote aneo. A
coaimisso endarregada paraarrecadarem as es-
molas sao os Srs. capitao Jos Mariano de Albu-
Hierque, Asiento Joaquim Pejeira de Oliveira, l-
ente Jos Pereira da Coaita, teneote Jeronymo
Emiliano de Miranda1 Castro, Lucio Mariano de
Albuquerque c Samuel Balidory.; alem destes se-
nhores s acuelles que fttrem coa salva, autorisa-
dos pela commissao, o pederiie raaer.
Aluga-se a casa da rua do Calaboufo n. 2 A:
a tratar aa roe do Sebo a. 3%.
"i ii i i i,, i. i i i.
Ama
Prwisa-se alagar ama escrava para ama de ca-
sa
na rua Velha 17.
Quem pretender uap pessoe habilitada para
em algum aageobn eusinar nao s a liagua por-
tugaeza, inas tambem o latim, fr:uicz e inglez, e
nocoes geraes de rhelortce, pode informar-so lia
rna do Imperador n. 18, primeiro andar.
Panasco
avisa aos seas freguexes que j ehegou e biquinho
de ouro, estretta e largo.
'
/ J


X
*
Mario de reraambuco Segunda felra i le Janeiro de 1S&.
I
JOfE OJIES VILLAR
Oom loja de fazendas ra do Grespo n, 17-
Pretendendo tr muito breve a Europa tratar de sua saade, pede aos seus devedsroe
tanto do mato como desta praca que saldem seus dbitos quauto antes, assim como
Est liquidando
o sea importante estaWecimeoto de'faieadas, Tendeado ludo de admirara; aproveitem Excellentissimas senhoras
As fazendas de aparados-gestos
As fazendas de aparados gestos
As falcadas de apurados gostos
fi por presos que admirara
E por precos que admiram.
ERtL KjECOUMU VilA^O
ARMAZEM CO!VSERVATI
23-Largo do Terco-23.
Joaquira Sim-o dos Santos, dono desie bem sonido armazem de molbados faz selente erag
reeoraraendaco aos seus amigos, freguezes e a todos em peral, que est resolvido a vender os seus
bem coohecidos gneros de primeira qualidade, por menos de 10 a 20 poreento, menos doqueem ou-
traqaalquer parte a dioheiro contado, e iodo o comprador que comprar de 305 a 1005 lera o descon-
t de 5 a 10 por rento pelo seu prompto pagamento; o por isso se faz annuncio de Iguns gneros,
para cora este mellior se certificaren!.
Aos sentares tais de familia.
0 padre Flix Barreto de Vas- l
concellos, cora aula particular de la- m
tim na ra do Imperador n. 35, (."i
andar, contina a receber alumnos m
de todas as classes, durante e de- m
pois das ferias. Tarabem est dis- 9
poste a abrir um curso de primei- g|
ras lettras e de franoez, logo que m
haja numero suficiente de alumnos M
para cada urna destas materias, e IB
assim tambera a receber como in- m
ternas alguns menii>os,de cuja odu- sg
cacao o quizerem encarregar. Os
pagamentos sero por trimestres m
adiantados, e os precos declarados
pessoalmente na occasiao do ajuste |
para a entrada do alumno. M
Massas para sopa macarrao, talharim e aletria a
210 rs. a libra e em caixa a 5&.
foacinno de Lisboa alvo muito superior a 280 rs.
a libra e 84800 a arroba.
Caf do Rio de primeira e segunda sorte a 260,880
300 rs. a libra e a arroba ou sacco a 89 e
850O.
Chouricas as mais novas do mercado a 560 rs. a
libra e em barril a 12-5.
Passas f indas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
e a caixa a 85.
Batatas eragigos de 3o a 49 libras por 2*400 a ar.
roba e a 80 rs. a libra.
Cb hvsson miudinho superior laalidade a 1*200,
2*000, 2*306 e 3 a libra.
Milbo alpista e painco muito limpo a 140 rs. a li-
bra e a arroba a 4*400 e 4)200.
Phosphros do gaz vindos por conla propria a 180
rs. o mago e a 2* a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga-
lo a 2*800 e a caada a 4*500.
Serveja das marcas mais acreditadas a 500 rs. a
garrafa e a duzia a 5*800.
Figos de Comadre muito novo6 a 280 rs. a libra e
em barril ou caixa se far abatimento.
Arroz do Maranhao e Java a 100 e 80 rs. a libra
e a arroba a 2*800, 2*e 2*400.
Assim como lia um grande sortimento de charu-
tos e genebra de Hollanda, tanto em frascos como
Vinho de Figueira, Porto e Lisboa em pipa a 560, em botijas, bolachiuhas de soda, conservas, choco-
500, 400 e 640 rs. a garrafa. 1 late, marmelada, vinho engarrafado e outros mui-
Idem proprio para negocio a 320 e 360 a garrafa tos genero6 que enfadonho menciona-los, e se al-
e a caada a 2*400 e 2*700. gaem duvidar venha ver.

DENTISTA DE PARS 11
49Ra Nava-19
Frederico Gaatier, cirurgio dentist 1,
faz todas as operajoes de sua arte, e ctl- S
loca dentes artificiaos, todo com superi >
ridade e perfeico, que as pessoas enten-
didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentificio.
***** **** mmmmm
IREMEDIO PROFICUO!
$ para a cura das escrefulas, gg
glaudulas eofartadas, lo- $|g
1 mores escrofulosos e affecces $
Oeste genero. $
gg O abaixo jassignado entre as plantas 2gs
3 submettidas ao sea exame botnico de *
3R 1e a muito se ha entregado, desde que SR
H (nalisoa sen tirocinio em dita scicncia >M
5 pelo extincta curso do antigo jardim b> f*J
5 tnico do Inda, e averiguando certas |K
3 propriedadus meJicraaes que Ihes trans- >gj
mittiram dualctimas plantas, verifiCou |S;
que a vimin antiscrofula era um especi- m
fleo contraas molestias cima denomina- ^
das (na linjtuagera vulgar) alporcas. Re- flR
solveu-se nortanto a expor ao publico es- mm
te interessante medicamento em tintura, j
em vidrinho do l|2onca, que ura s vi-"
drinlio c bastante para a cura de um es- W
crofuloso e (lea muito remedio.
Cora os. vidros acompanbam nm im- |lj
presso, que explica a maneira da appli- jK
cacao e rilis circumstancias.
Vende-e as boticas dos Srs. Jos Pe- 31
reir Jacjntho Jnior, Recife ra reita |gj
n. 135, e na do Sr. Joao Soares Rapozo,
Olinda ra dos Quatro Cantos. Preo de
cada vidlinho 2*.
Jas Eieuterio Carneiro da Cunta, j
FOL.HINHAS
Para t65
Acham-se venda na livraria ns. 6 e 8
da praca dalndependencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
kaleadariocivile ecclesiastico, tabellas de
feriados, de emolumentos dos tribunaes
do commercio etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBE1RA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Rainha em verso,o Stabat Materem
verso, devoco ao ngonisante,coraco de
Jess, cntico em louvor do Santissimo
Rosario, cntico a Virgem Mara Nossa
Senhora, trinta e tres chistosasanedoctas.
um indito poema sobre as aventuras de
um cosinheiro, o canto de urna solteira
(poesa), crescido numero de mximas e
pensamentos, urna historia como muitas
('romancoj, e vinte e cinco novas e pi-
lhericas charadas a 320 rs
Milho novo era saceos grandes: no trapiche
de Cunha, a tratar com Tasso Irmaos.
ac-
aula particular.
O abaixe ssignado, professor particular, provi-
sionado pelaldirecloria geral da luslruccao publica
Na praca dalndependencia, loja de ourives; Para. .easinaf' primeiras lettras, Jalim e francez,
n. 33, compram-seobras de ouro e prata, e pedras I participa aoj respeitavel publico e igualmente aos
preciosas.assim como se-faz qualquer obra de en-1 seanores pa
commenda.e todo e qualquer cencerto.
Campanilla fldelidade de
segaros martimos e ter-
mm restres estabeleeida no
Ro de Jauelro.
AGENTES EM PEPNAMBCO
eg Anlonie Lniz de Oliveira Azeyedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
I toria da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercad0-
rias e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
de seus discpulos que segunda-feira
9 do correnje tem de continuar no ensino das su-
praditas materias, admiltindo matricula alumnos
externos, pensionistas e meie-pensionisias. A pra-
ticade 19 amos consecutivos no exerciclo de seu
magisterio, sua inteira dedicagao e mju moralidade
sao garant s que otferece aos senhores pais de fa-
milias, que desejara a sa e til educacao a seus
Sitios.
Quem pe-tanto quizer confiar ao mesmo abaixo
assignado i educacau de seus filhos, pode dirigir se
a qualquerjhora do dia aoterceiro audar do sobra-
do n. 58 (Ja raa Xova. onde lia muito tempo est
estabelecidjo.
Jos Hara Hachado de Figueiredo.
GB DEPOSITO DE PIADOS
DE
5 RA WOVA25
Tendo Henrique Vogeley ficado com a acreditada casa de pianos do Sr. Joao Pedro Yogeley.
sita na ra Nova n. 2o, tem a honra de annunciar ao respeitavel publico que continua a dita casa
cora o mesmo fin esperando o annunciante que merecer a mesma conlianca que Uvera seu ante-
cessor.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um grande sortimento de pianos fran-
cezes e allemaes dos melhores fabricantes da Europa, escolbidos especialmente para este clima pelo
proprietario deste deposito entre os melhores e mais acreditados que esliveram na ultima exposico
universal em Londres.
Os amadores deste instrumento sao rogados a virem apreciar as bellr.s vozes destes pianos e
admirar a sua encllente conslrucgao nico nesta ridade.
No mesnn estabelecimento continua-se a alngar, afinar e concertar os pianos, tanto na cidade
como nos arrahaldes.
O propeietario responsabilisa-se pela sua excellenle qualidade.
Lducaco de ineniuis
Francelina Maurina da Silva Albuquerque pro-
fessora particular de mslruccao primaria taz sa-
ber a quem convier, que tem aberto a sua aula < inc-, j.. _:. wuim j ..
ruaestreita do Rosario n. 38, segundo andar. Asf C i os.Anl0^ <" de Amor.m
0 bacharel
Jerouyn
belecimen
paraa raa
daresn.2!
res, pais
publico, q
Janeiro do
Adverte-seao Sr. Feliciano Joaquim
de Aguiar, que a sua assignatura deste
Diario est por pagar desde OHtubro do
auno passado, e que o proprietario da loja
deourives da ra larga do Rosario n. 40,
tem declarado que nao se responsabilisaj Mnoel Francisco da Silva Carrito or
portantoS.S. qneira mandar satisfazernes- residente em Macei, julga nada dever,
nesta praca ou fora dela, mas se alguem se
julgar spu credor queira aprescniar seu titu-
Casa de edacaro.
oPereira Villar transfeno o seu e^ta.
o de nstruccao primaria o secundaria
largado Rosario, sobrado de dous an-
e participa nao s aos Illms. senho-
lle seus alumnos, como ao respeitavel
je as aulas estaro abertas no dia 8 de
anno vindouro de 1865.
ta typographia.
Saques sobre Portngal.
O abaixo assignado. autorisado pelo
Raneo Mercantil Portueuse. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
feetivamente por todos o paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Por o, e mais luga-
res do reino, por qualquer sorama vis-
ta, e a praso ; podendo, o; que temarem
saques a praso.receberem asista, no mes-
mo Raneo, descontando 4 0|0 ao asno: na
loja de chapos da rua do Crespo n. 6, ou
na rua do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa IB Via.
lo nestejs 8 dias, que depois de verificado
ser im mediatamente pago per Francisco
Pinto Guimaraes (para isso autori-
rua d'Apollo armazem n.38, Reci-
janeirode 1865.
j Ribeiro
! sado)
0 professor de piano
oelho da S. Araujo, contina a lee*
ar, mora na rua do Livramento n.
21,jsegundo andar.
Os elementos que compoem esta preparacio, o
(trrt, o iode e a quina, a coilocio no primeiro
grao das preparaedes ferruginosas, asia altestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
laes, e os relatnos dos prcticos maisemiuentes,
que confirmro sua poderosa efficacidade as
seguintes affecces:
Convatcaecnea de lon-
Hiim iiioIchiIn.
Molexllaa rsrroful-
aan.
Papclra.
Obalrucc&o dua slan-
tlnlaa.
Huniorr fro
Huinnrps braneoa.
RuchKIamo.
Aficiuo ranceroaaa
e avalillllirna.
Felirra tyahaldea.
Varlalea, etc., te.
Primeiras lettras.
conti- Jw
^j&azn** 1 r^eZ BSSt-sB
graphia, nogoesde arithmetica, grammalica por- jjpft
lugueza com applicagoes pralicas, doutrina evan-
glica, costuras, marcas e bordados de tudas as
cualidades. Kecelie-se codo e qualquer trabaiho
de bordados.
Precisase de um menino de li a 16 auuos
para caixeiro, prefere-se deste> chegados ltima-
mente : na rua das Larangeiras n. 12.
Offerece-se umi ama que sabe cosiuhar e
lavar para casa de familia : a tratar na rua do
Queimado.
PRLlCACA RELIGIOSA.
Agora que a impiedade parece querer alear o
eolio orgulhosae audaz, e que os malvados, para
conseguir sens nefandos fins, se tem valido de
quanles irapressos ha, at mesmo da sagrada bi-
blia, ji falsificando-a edistribuindo-a assim falsi-
ficada, j vendendo-a, j conservando-a em seu
poder, e fornecendo a sua leitura pessoas inex-
perientes ou ignorantes, e ] finalmente dando-a
mesmo gratis, nao posso nem devo eu, que, gra-
bas a Dees, dispooho, livre de dividas, de urna ty-
pographia e de una encadernago, deixar de,
abrindo mao de urna parte do que Dos me deu,
acompanharo meu Exm. e Rvm. vigario capitu-
lar em seus constantes esforcos para o engrande,
cimento da nossa santa retigio, e de concorrer
com o meu fraco, mas muito sincero contingente
para esse to elevado tim. Neste intuito, enten
dendo que presto lgum servico causa desta
mesma religio, cora a reimpressao da vaqem de
um peregrino Jerusalem, e visita que fez aos lu-
gares santos em 1817 Fr, loao de Jrsus Chrtsto,
invicto filho de Seraphtco, patriarcha S. Francisco,
tenh) resolvido por no preloesla obra, e pretendo
fazer a reimpressao da maneira seguinte : Reim-
primir!, 3,000 exemplares, destes sero destina-
dos 1,000 para todas as pessoas de um e oufro se-
xo, que com documento legal dos seus reverendos
parochos se me aprespntarem, e a cada urna das
qoaes ea'.regarei gratis um exemplar em brochu-
ra : 2,000 sero reimpresas me/liante asignatu-
ras, para as quaes desde j convido a populaco
dos fiis, e de todos solicito e espero o valioso con-
curso, na razo du lS rada exemplar. Nioposso
prescindir, porm, de rogar o pagamento adianta-
do de cada assignatura, sm o que nao me ser
permittido efectuar essa reimpressao e conseguir
apresentar ao publico urna edicao, j em si mes-
ma grande e dispendiosa. Para os que nao assig-
narem, o prego de cada exemplar i venda ser
determinado na occasio.
Nao sei qual ser o resultado dos meus esfor-
cos, mas seja qual for, de Dos espero a recom-
pensa.
Assigna-se nicamente por hora na rua do Im-
perador n. 15, defronte de S. Francisco.
Francisco Coelho de Simoes Silva.
Mara Barthuleza da Conceigo partecipa acs
Illms. senhores pais de suas alumnas e a todas as
pessoas que lhe quizerem dar a honra de lhe
confiarem suas meninas para lhes ensicar o
necessario s materias de primeiras lettras e
ti lingoa Iranceza : far todo o esforco para que
_=J : ellas obtenham o desejado aperfeicoamento afflan-
-------- v... outro tempo : *?g cando-lhe a boa lettra, e lhe tirara qualquer el-
M fi'-Ji"., .ler,I?,r0?.a.l!f.d9 ?as.? u-0.r-a-s f-a SR icio na prenuncia, seotlverem. Sua escola estar
! rherta de 9 de Janeiro em dianle : defronte da
gio, como se chamou em
1
mantiaa as 3 "da tarde, e as horas di-
versas destas, na casa de sua residencia
sobrado n. 33 da rua do Hospicio.
matriz da Boa-Vista n. 84.
O tachigrapho'C. Falco acha-se de volta
esta cidade, e reside na rua Imperial n, 25, pri-
meiro andar.
Ciymnaslo Provincial.
Do dia 16 de Janeiro em diante, estaro aber-
Attencao.
Compram-so calcados da trra de todas as qua-
ctmos dea uPm\5anS,f S*VStt D' 13' ffiCna de :,as as "flii das seguintes aulas do Gymnasio
Provincial: primeiras letras, latim, francez, in-
, glez, grego allemao, mathematica, geographla e
; historia, cloquencia e potica, philosophia, lingua
e litteratura nacional, sciencias naturaes e-iusica.
Nesse estadelecimeoto mediante a mdica quan-
tia de 15 diarios, tem os alumnos internes roupa
lavada e engommada, mediro, botica, barbeiro,
luz, penna, papel, tinta e creados para o servigo.
Os meios-pensionistas pagam metade dessa quan-
tia e os externos 15,5 Pr trimestre, podendo fre-
quentaras aulas que quizerem.
O secretario, Cabral.
THESOURO DAS MAIS
Pihvidencia das crirteos
COXIjARES royer
Electromagnticos
CHAMADOS
COLEARES ANODINOS DE DENTigO
Contra as convulsSes e para facilitar a
denf-igodascriangas preparados e inventa-
os por Royer,pharmaceuticuda esco-
la superior de Paris, successor de Chereau,
membro da academia de medicina,
aniigii casa deliouillon-Lagrange, pharmaceutieo
do imperador,
efe dos trabalhos chimicos da escola po-
mica,director da escola de pharmacia de
Paris, o membro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-se nicamente na loja do
Gal|o Vigilante rua do Crespo n. 7.
^ m& tus. rjk a-s&'jfesr
MIiikom no amigue.
Fraqueaa.
Anuiln.
Cliloroae ou Ictericia
Uedilru.
Affcceaca lo ulero.
Suppreaaoea daa re-
ra c deaordea na
uenatruaco.
AfTeccao pulmonar e
phlhlale.
Moleatlaa d'eatAaaaa;o.
Gaatrals;laa.
lerda d'npprtlte. etc.
Yeje se os bulletins de therapeutica medica
e cirurgica de 30 de novembre I SCO; a Gazeta
dos hospitaes de 23 dejulho 1S60, etc., etc.
Alm dos pulas de iodurelo duplo de (erro e de
quinina de Rebillon, os Mdicos aconselhao
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
ierro e de quinina do mesmo author para as
pessoas que nao goslao de medicamentos sob for-
ma pilular e os meninos. Este xarope no lera
como o xarojic d'iodure de (erro, o inconveniente
de alterar-se e de se nao poder conservar.
Peca-se o folheto que se d de graga em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para-se evitarem falsificagSes, eulja o com-
prador era cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Parii, pharmacia Rebillon,
442, ru du Bac, c em todas as boas pharmacia
de Franca a dos puizes estrangeiros, etc.
GRANULOS
BISMUTH
BE CHEVRIER
Os granulos au bistnuth de Chevrier bem
superiores a todas as oulras preparacoes de
bismutk empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos ue lodosos paizes, para prevenir e
curar as
0 Dr. Carolinc Francisco de Lima San-
1 tos, contina a residir na rua do Impe-
e rador n. 17,2 indar, onde pode ser pro-
H curado a qualquer hora do diae da nte
S para o exercicio de sua profisso de me-
M dico ; sendo r,ue os chamados, depois de
S meio dia at 4 horas da tarde, devem ser
Mi deixados por escripto. O referido Dr.
Zjj nao abandonando nunca o estudo das
I molestias do interior, prosegue, com o
Wt maior afiince-, no das mais difficeise deli-
||S cadas operaroes. como sejamdos orgos
CS ourinarios,dos olhos, partos, etc.
V
Dlan-heaa cbronlroH. Miih dlgeatea.
Dyaaenterlaa. Uaatrllea.
Ddrco il Ii'iiii;o Gallralglaa, ele.
i Dyapepalaa.
Os primeiros symptomas d'essas formidaveis
; affecces se manifesto ordinariamente por diges-
1 tSes laboriosas, azidumes, falla d'appetite, pesos
d'estdmago depois de cada comida, cambras es-
0 bacharel l"trf L)0rD'll3S W' tomafaef7 c,< rauilas W*i Por espasmos nervosos
. /** com vmitos.
continua a residir a roa larga do Rosa- Bt
rio n. 26, primeiro andar, onde pede ser
1
Este estado mrbido, se o dcscuido, traz inc-
vilavelmcntc, que seja :
Molrallaa de Dgado.
A Ictericia.
PalpUacao de eoraco
liflic no rlua.
Opprcsaoca.
Dorea i!e cutiera
lilil!o de
du iiiuIi-Ib,
hr/.l(a e
etc.
ornados a
O Sr. morador da raa Nova que se
acha a dever 6 quartes de assignatnns des*
te Diario, queira manda-las pagar pois
assim como elle gsta de receber a paga de
seus servidos deve attender a d*s ou-
tros, principalmente o do Diario em que
trabalham mais de 0 pessoas.
Precisase de um criado cozinheiro, homem
ou roulher : a iratar no pateo do Carmo a. 26, so-
brado contiguo i egreja de Santa Tbereta.
Precisa-se alugar orna ama muito capaz e qne
d boas inf"rmages, para tomar eotfa da casa de
11 m eslraogeiro, faxeodo todo o eervieo de portas
dentro : a quem convier, dirjase a roa Nova
b. >9, primeiro andar.
AMA
Precisa-se de urna ama para eu* de nm* s
peeeoa : no beceo do Padre n 3.
A bordo da barca franceza Virpte tem urna
porcao de vasos para flores e alguidares vidrados:
as pessoas que desejarem comprar dirijam-se ao .Muga e a casa terrea da rna do Rocero n.
capito da mema, em casa de Tlesel Fre/es, roa 1* e segundo andar dosobr-Jo da roa do Rangel
di Trapiche. a. 7 :. tratar na taberna no mesmo sobrado.
AVISO
aos terceiros de S. Francisco.
Chegou a verdadeira estamenha para hbitos, a
qual se vende muito barato : na la do Queima-
do n. 39, loja de 4 portas.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-\
vedo & C
Agentes do Banco Inio do Porlo.
Competentemente autorisados sacam por todo
paquetes sobre o mesmo Raneo para o Porto s
Lisboa, e para as seguintes agencias.
Londres sobre Ranb of London.
Todo aUenco.
Tendo-se desencaminhado "um caixao com as
iniciaes R C S. A. com diversas miudezas, embar-
rado neste porto para o de Mossor na harcaca
ainha dos Anjos, mestre Jo5o Vaz da Silva : pe-
de-se aos senhores armazenarios de diversos por-
tos ou qualquer pessoa que saiba aonde existe o
ditcTcaixao, se dirijam a rua do Crespa 7, loja Barcelos
de Custodio Jos Alves Guimaraes, que sero gra-! Batos '
lificados-__________________________JReja. '
Alugam-se dous grandes sobrados com com- i Rraga.
Paris
Hamburgo
Rarcellona
Madrid
Cdiz
Sevilha
Valencia
Amarantes.
Arcos de Va Id e
Vez.
Aveiro.
Frederie S. Rallin & C.
Joao Gabe & Filho.
Francisco Rahoba & Rallista.
> Jaime Meric.
Crdito commercial.
. Gonzalo Segoria.
1 M. Perera Y. Hijos.
Em Portugal.
procurado para exercer a sua profisso:
1 de advocado nos auditorios desta ci-
dade ;
2 de mestre da lingua franceza, en-
sinandoa tarde, e tamben) noite a
pessoas cujas oceupagoes embaracen!
aprende-la durante o dia.
Alugase o i e 2
Jdo Aragao n. 1, ou cada um de, per si : a tratar e em"todas as pharmacias de Franca e os paize
na rua da Cadea do Recife n. 62, primeiro andar.' estranteiros.
Club Pernambucano.
Os saldes do Club esto a disposicao dos socios
e suas familias que quizerem assislir ao desembar-
que de S. A. Imperial a Senhora D. IsabiL e seu
Augusto Esposo o Senhor Conde d'Eu, que se es-
ueram do sul no prximo vapor nglez
wam
andar do sobrado da rua
Os granuloi Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir es tas diver-
sas molestias e cural as quando sao
lempo.
0 preco de cada frasco de 4 francos]
Depsito geral em Paris, pharmacia Gl evrier,
COMPEAS.
0
COMPENDIO DOLOROSO
que conlem o ofBcio de Nossa Senhora das
Dores; o modo de resar e offerecer a ce-
rda, um setenario e mais outros ejercicios
de piedade e deveco; ordenado pela ir-
mandade dos senos da mesma Senhora,
que se acha erecia na egreja de N. S. da
Penha do imperial hospicio dos reveren-
dos padres miss'tonarios apostlicos capu-
chinhos italianos de Pernambuco, approw-
dopor S. M. I., que Deus guarde; dado
luz por devoc3o do muito reverendo
padre Fr, Placido de Messina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia
Ven 10 cadeiras de balango rom assuito e cnro.'fo de
palhinha, ltimamente rbegadas da America : no
escriptorio de Matheus Austin & C. ua do Trapi-
che n. 36.
Tersos ao Divino
Acham-se a venda na rua do Imperador n. 15
defronte de S. Francisco por prego de 160 rs. ca-
da um exemplar em brochura, versos ao Diviio,
proprios para se ranlarem depois cu sutes de
qualquer solemnidade, testa, novena iu mismo-
em casas particulares.
Testamentos.
Acham se a venda os seguintes testamentos,
obras proprias para entreter em horas varas na
rua do Imperador n. 13, defrenle deS.Francisco :
da gallinha, gallo, per, leo, onca, tigre, ca.uiio,
vigario, porro, pelleja entre urna alma, S. ILguel
c o diaho a 160 rs. rada um eximplar.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos Coelho,
RnadoQueimddo V i 9,
Vende-se o seguinte :
Attengol I
Ricas laazinhas, fazenda a melhor que tem vis-
ito ao mercado, tanto em goslo como era qualida-
de, pelo baratissimo prego de 560 rs.o covado.
Oitas miudinhas carmezins, proprias para vesti-
dos de meninas e camisinhas a 640 o covado.
Cortes de laa com 15 covados, pelo barato preco
de 6*.
Cobertas de chita da India a 25500 e 3.
Lengesde panno delinho a!p 2500.
Pegas de cambraia de forro com 8 1|2 varas
3,5200.
Toalhas alcochoadas proprias para maos a '.'-l a
duzia.
Ricos cortes de laa com barra Mara Pia a
118*.
Pegas de platilhas de algodo com 10 varas,
' proprias para saia a 4.
i Algndao enfestado com 7 1|2 palmos de largura
a 1100 rs. a vara.
Esleir da India, propria para forro de sala de
4, 5, e 6 palmos de largura, por menos prego do
que em outa qualquer parte.
Neste estabelecimento lamben se enccnlrar
um grande sortimento de roupas fcilas, e por me-
did^___________________________.^^___
(i-ande ;n niazeni de. tintas.
RUA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande deposito de
productos chimicos e utensis os mais empregados
e usados na pharmacia. pintora, photograpihia. tin-
turara, pyrotechinia (fogos de artificio) cem outras
industrias.
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectamente as principies drogaras de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa, pode offerecer
productos de plena ronfianga e saiisfazer qualquer
encommenda a grosso trato e a rctajlio, por precos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
com promptldao qualquer pedido de tintas moidas-
a oleo, cuja qualidade e pureza de seus ingredien-
tes poder ser examinada pelo consumidor, o que
nao 6 fcil fazer com aquellas que sao importadas,
e que se encontram no mercado em latas fechadas.
Tem grande collercao de vidros de dilTerrrites
formatos, desde urna oitava at deuseis engas de
rapacidade ; de vidros para vidragas e diamantes
para coita-los ; de pineels para fingir madeira com
propriedade e outros; de papis dourados e | ra-
teados e folhas de gelatina para ornamento: de
papel grande c pequeo formato de vanas < ores
para embrulho, para forro de rasa, para i'efenho
com fundo j feito ; de papel albnn.inado e Brislol,
venfadeiro saxe para pbotograpbia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para qnsdros, de
espirito para madeira, copal para o interior e cx-
teiior; oleo graxo, oleo seccativo, oleo dr linhara
clarificado, oleo de oiolef, seeativo de Ifarlirr, < uro
verdadelro em p ; prata, ouro, o rstanbo em fo-
lhas de varias cores ; tintas vegetar?, inoffensi-
vas proprias para confeitarias ; laa de rres, e
olhos de vidros para imagens; tintas em tunes e
telas para retratos ; tintas em pastis e em p pa-
ra aquarella ; essencia de rosa supeifina, ne ne-
roly, jasmim, bergamota, aspice, palchouly, mbar,
bouquet, limo, alraraiva, mellssa, ortela pimenta,
louro, cereja, alfazema, Portugal, lima, junpero,
anis da Russia, canella, cravo e muitos outros ob-
jectos que so com a vista poderao ser mostrados.
Joao Pedro das Neves,
i Gerente.
&.
FIGADOdc bacalhau
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
com jardim, cocheira, estribara o outras commo-
didades, na travessa de Joao Fernande Vieira :
a tratar na rua da Senzala Nova n. 42.
InstniecSo primarla.
Joanna Villar F?rreira Pinto srientifica nao s
aos Illms. Srs. pais de suas alumnas, como ao res-
peitavel publico, que sua aula se acha abena des-
de 9 do vigente, e que continuar cffm o mesmo
zelo e amisade a velar no progreeso de suas edu-
candas: rua larga do Rosario n. 14, sobrado de
um andar.
: -
Precisa-se de tima ama para csa de familia fo-
mente para cosinljar : qoem se julgar habilitada
dirjase a na da Cruz h. 95, primeiro andar. ~
Na fabrica de calcado do atoo da ribeira de
S. Jos, precisase de artistas para obra de senho-
ra e menina dndose tudo prompto, pagase a du-
zia para senhora a 1,5800 e para menina a 1*200,
ttodo aquelle que quizer levar sem pespoatar ter
ma's 160 rs. em cada duzia.
Aloga-sea cocheira da rua da Roda n. 56 :
a tratar na rua larga do Rosario n. 34, botica.
Aluga-sc
nm pretopara o servico de casa : na rua da Ca
deia o. 20.
O Sr. alferes do 9 batalhao, Secundine Ay-
res Velloso de Mello, que morou na rua nova do
Pires n. iSc dirjase a rua do Destino n. 16, a
negocio.
Aluga-siuna casa muito fresca cora eom-
modos para Emilia, no melhor lugar da Capnnga,
no correr da padam ; a tratar no mesmo lugar
com R. Jos Leitao.
Angra Terceira.
Caminha.
Castello Rranco.
Chaves.
Coimbra.
Covilhaa.
El vas.
Extremos.
Evora.
Fae.
Pinhal.
Porto-alegre.
Thomar.
Villa Nova
Portimo.
do
Braganca.
Faro.
Oliveira d'Aze-
meis.
Penafiel.
Tavira.
Villa do Conde.
Villa Real de'Vizeu.
S. Antonio. Faial.
No 1MPKMO.
Rabia. Maranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somraa prazo ou vista,podendologe
os saques i prazo serem descontados no mesmo
flanco a razao de 4 por cento ao anno : atrStar
na raa d Cruz n. 1.
Figueira.
Guarda.
Guimaraes.
Lagoa.
Lagos.
Lamego.
Leiria.
Moncao.
Moncorva.
Regoa.
Setubal.
Viannado
tello.
Villa Rea).
Madeira.
S. Miguel.
Compra-se ouro e prata era obras velhas
: daga-se bem: na loja de bilbetes dapraga da Inde
pendencia n. 22.
Compra-se effectivamente
I ouro e prata em obras velhas pagando-se bem:
nagrua larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
Compram-se esclavos
Silvino Guilherme de Barros compra, vende e
troca escravos de ambos os sexos e de toda idade:
ua rua da Imperador n. 79, t'rceiro andar.
Compra-se
cobro, latao e chumbo : no armazem da bola ama-
relia no oitao da secretaria dapolicia._________
Compra-se um escravo de meia idade: quera
tivr para vender, dirija-se a casa do Sr. Arantes
amado Livramento.

O bacharel

Francisco Augusto da Costa
YENDAS.
LOJA DE NIDDtZAS PIV4S
16-RUA DO QL'EIMADO-16
Sabe boje da alfandega.
Para a recepcode SS. AA. (mperiaes.
ufeilcs de caber:\.
O dono deste estabelecimento sabendo cora an-
tecedencia que SS. AA. imperiaes tinham de pas-
ar nesta bella capital em sua viagem de; recreio
Peo processo de Cherrier, pharmaceutieo em Europa, leve o cuidado de maodar vir, e despa-
Paris, rua do Faubourg Munliiiai le 21. cha hoje da alfandega os mais bonitos e elegantes
Este oleo de um cheiro aqratlavel, e de enfeitesde rabera Maria Pia e Princeza Impe-
. j 4 rial. o mais elegante e novidade em rnfeites do
um sabor assucarado e o nico < ue nao tem: cab> para ^^ 1)ue lem vindo a esla prila.
nem o goslo, non o cheiro do )eixe. Ob-' tao variado o sortimento de cada qual mais lindo-
jedo de numerosos relatnos S'ientiflcoS e' que os freguezes lirare satlsfeitos nao s no bom
mdicos,;este mdicamente qm goza em ^todortimeotocomo.ncseu baratoprego, os
r, I ^ ,____ i uuaes se veodem a 25, 33, 45, .ifi, op, 7, 85,9#,
Franca de um successo tao ran BWbo bao I S^iiji 124. '
merecido, receitado diariamente pelos, i'ollas Maria Pia^
principaes mdicos dos hospitaei de Paris. | Sahehoje da alfandega o mais elegante sorti-
0 oleo de FiG.VDO DE BACAl.iio lESLNrECTA- i meato de voltas de perulas e aljofares eom cruzes
do ferruginoso emprega-se com OS maiores grandes e pequeas, brancas, pretas e de todas as
, cores a Mana Pa ; o freeuez hcara satisfeilo nao
successos as molestias em que te emprega ^rne0 liDda0 e varia'd0 gosf0> com0 nos seusdiam*
o oleo quaudo sao acompannadas de debut-! utos preeoe.
dade e aloma. 1 Pnlseiras Mara Pia.
Sahe hoje da alfandega o mais lindo e vanado
; sortimento de pul.-eiras de perolas e de aljofares
brancas, pretas e de todas as cores, as'quites se
vendem por preco muito barato.
Brincos hall.
Deposito geral em PernambRce rna da
Cruz u. 22 em casa de Caros A Rarboza.
Vende se p-T precisao a armaco da loja de
ralcr.do toda envidrara da rua da Inperatnz na
Roa-Vista n. 13, o aluguel razoavel ea rasa tem
i no interior bastante espace para moiadia : a tra-
1 tar na mesma luja com a viuva de Joao Jos Men-
Acaba de &amr dos pre-desdas.wa.
ALMANAK.
)a de sahir d<
lOS de nOSSa typographia 0 Pldros para espelho.
Almanak Administrativo,!^'
Vendem su dous ps de jasmineiros, sendo
Mrfanf l a Irtflnc+vlQl fineta ura raaioreoutro menor, ambos plautados em ees-
jtierod] uuubirjai uestd l05 Broprj05 ,iara u ,evar(im e pianurera onde se
15.
PropSe-se urna pessoa habilitada para! ensi-
nar primeiras letras, graramatica nacional e anth-
metira em qualquer engenho : os senhores que
precisarem, dirijam-se a rua do Imperador do es-
rriptorio do Porto Carreiro, oa na Capunga, rna
da Roa-Ventura, casa n. 16.______________V
MtDACA^ f
Manoel Ferreira Pinto Malheiro mudou a sna
loja de ourives da rna das Larangeiras para a raa
do Cabugi n. 2 B, onde espera continuar i mere-
cer a conlianca de seas amigos, e do publico en
gera^_____________________________ )
Precisa-se de urna ama para cozinfiar ecoj' ,
prar: u riu das Crozes il 9, segando ; provj-ncia, correcto at 31q.uiier: naruadQlmperadorD -
Sil j Vende-se a taberna da rua do Amorim n. 1
6 deZemDrO. e VeneSe a A, com poneos fundos, maito boa por estar perto
* 1 rl.a r1ofia\mKivniia 11,1 rtnnrt vonrla r\r\r tar in ir lr
,. v i do desembarque, eo dono vende por ter de ir Ira-
na IlVrana nS. O e O. tar de sua saude.
da praca da Independencia.! osa terrea.
---------------------------- Vende-se urna casa terrea sita na rua Imperial
RELOGIOS, n. 106 : a tratar na rua do Queimado n. 39, loja.
Vende-se em casa de Jobnston Pater & ttvt n?nr* \ T>r xtt
Croado Vigario, d. 3. um bello sorti- lMJJLljtiAU jDjTUW-
ment de relogios de oaro patent in- Remedio infallivel costra as gnoirheas
glez, de ua dos mais afamados fabricantes antigs e recentes, nico deposito 1 a bo-
de Liverpool, e tambem urna variedad* de .ica franceza, rua da Cruz n. 82 pre-
ICO30
Sabe hoje da alfandega um bonito e variado sor-
timento de brincos de perola e aljofares, peque-
nos, a balao : vndese baratissimo.
AIDnetes de peito.
Sahe hoje da alfandega ura bello sortimento de
alfinetes de peito de um variado e apurado goslo,
tudo barato.
Fivflas para sinlos.
Sabe hoje da alfandega o mais lindo e variado
sortimento de fivelas cora pedrinhas tingindo bri-
Ihanles que tem apparecido nesta praca, tal a
variedade que o freguez licar salisfeite nao s no
gosto como no preco.
Fitas.
Riquissimas flus de grosdenaple lisas e lavra-
das para laeos o sintos, e entras de gorgurao para
sntos : vende-se indo barato:
Csrarrilhas.
Ronitas cascarrlhas de seda de nma s eor, e
de duas cores em todas as cores, differentes hr-
guras e precos baratissimos.________________
Vende-se nmiTuberna com poucos fundos,
na estrada osva, passando o sobrado grande, a
primeira.________________________________
Vende-se a taberna da
n. 43 : a tratar na mesma.
rua dos Pescadores
.-

-



Diario de Pernatnbueo Megauda ieirn 16 Je Janeiro de l?a.
c
DE
-ti
Deixai que os Hunos da civisaglo vos preguen)
economapara os ps 11 Esta parle do corpo
humano por certo aquella que, neste clima ne-
eessita de maior agasalbo: pela humidade nos ps
se introduz a grand estas a perda da saude e da vida 111 Fra com a<
botinas e sapatos velhos; reforma-los
45-Rua Dereita-45
Borzeguins francezes para honaem
Ditos inglezes idem a 8*, 7J e
Ditos para scnhora
Ditos para menina
Sapatoes esmaga cobra
Ditos de Nantes de duas solas
Ditos dito de sola e vira
Sapatos de borracha para senhoras
Ditos de dita para meninos
Ditos de tapete para homens
nhoras a 800 e
Sapatos de lustre para senhora a
Ditos para casa
Chinelas rasas do Porto
e se-
5J000
6000
4*800
25000
3*000
5*000
4*000
1*400
1*000
1*000
1*000
1*6=
,10*, 13*,
Imperatriz b. 56,
Bixas de Hamburro
Vendem-se na ra Nnv n fi
Nova liquidaco de fateaa al t> lioi
do um, para fechar faltaras vendas nuitt
barata, por ser o ltmra mez de Testa, que os
rrafanes devern aprovciiar : na toja e armazein
da Arar, mi da Imperatriz n.58, de Louren-
{ Pereira Mendes liaimaries.
Fazeddas especiaos para senhora.
Vfrade-swicos cortes de vesttflo de laa a Mara
ra para senhora de bonitas barrasa
14* e 16* o corte : na ra da
ja da Arara.
A atara vende a 2400
a oa'Aam de coreBxas com-10 ovados
a ipuo e d200 ; cassas decores a 320, 360 e
!oj5 t"" Ara'n : Da da ""Peratr* n. 36,
Caries de cambra de salpicas a 2^400.
9*\tS?%V C04r^de caiubra'a salpicos a
S*iW,3*a 4*000 a peca, ditos de cambraia
Iitt e Ana a 3*500,4*500,5*500 e 5, tiras bor-
dad**Pfr enfwr vestidos e ntremelos a 1* e
Arara rU* ** ImPeralric 56, '"ja dt
Sulembapies a 7, 8, e a ffj.
.?Lse S0u,^"bariue de lazinhas de cores
11lZah0riS. 7?' 8* e a 10*, dito de grosdena-
STS mUlti> e*festado a 20*. 25* e 30* : rices
Z dar -enT1PHe *. 204> '"* 30* e 35*' *"
Arart Imperatriz n. 56, loja da
A Arara vende de coresa Ipakapara vestido.
~;!f al5.aHa decores Pra vestidos a 360
rs o covado, challes de laewbas a 1*600 e 13280
X ,2?5 ? 4500' di,os finosa 4*500, 7* e
Cassas da Avara a 280, 32t) 1400 ris o vade.
Vende-se tassas de cores a 280, 320 e 400 rs. o
covado, lencos de seda a 800>e na ma Ja
impertir u. 56, l0Ja da Arara.
0 VIGILANTE
Una do Crespo ti. 9
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom- I
poso Ballisa, na sua ordem do da, e pela Branca
Agaia, apesar de que, para estes o Gallo com seos
agudos esponjes nunca os offender, antes osagra-
ciar na raesiua conformidade, para que o Baliza,
possa marchar em frente, a Branca Aguia possa
levantar seu vo,|levando no bico as palinbas seu
ninho; e o Gallo Acara em seu espacoso campo
dando de novo
bous
Grande -liquidacao.
Una da imperatriz u. o.
Loja de fazeadas lo pavao de Gama 4 Silva
Aeha-se este estabelecimento completamente
sonido de fazeadas inglezas, francezas, allemias e
suissas, proprlasvtanio para a praga como para o
mato, prometiendo vender-se mais barato do que
em outra qualquer parte, principalmente sendo em
porgo,^ de todas as fazeadas do-se amostras,
deixando flear peobor, ou mandam-so levar em ca-
sa pelos caizeiros da loje do Pavao.
Vestidos soutanibarqno.
QPelo ultimo vapor francez chegaram riquissimos
vestidos soutambarque, os mais modernos que
neste mercado tem apparecido, os juaes esto
promptos com saia, corpinho c seu competente
soutambarque, tudo guarnecido de seda, veludo e
renda. Quem tiver bou gosto dirijal-se loja do
Pavao, na ra da Imperatriz n. 60. i
AOS TRES MIL VESTI-
DOS. k
Na loja do Pavao, a 3$. U
e 7^000.
Vendcm-se lindissimos cortes de vestidos india-
nos, sendo todos bordados e de listrasl de cores e
brancas,proprios para casamento, pelo baralissi-
mo pre^o de 3* cada corle por se lar comprado
COMME

RIJA 1IO QUJEIJ9IADO I. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
cor Ib kch*
9 de novo o sen canto annunciodo a ses urna grande porco""sendo fazenda 'oueTae 6*,
freguezes e ao respeaavel publico ditos Mara P,a, tendo quat/o pannos, fazenda
f grande sor tmenlo deobjectos de osito gosto que
acaba de receber.
Ricas caixinhas rom msica ricamente enfeita-
das para costura, proprio para utn delicado me-
para o corpo com os competentes enfeites para o
mesmo, pelo baratsimo prego de 4* cada um,
ditos de todas as cores com as barras bordadas a
NOV1DABE
cial ao nrod *: acabam de?brir na ^a do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Ccmmer-
nnaU r3n2 PT P" encontrar sempre um completo sorlimento dos melhores gneros que ?em ao nesso mercado es
rWTp MfinSSIS /r preCS mU,t0 r^sumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionfda ; garante-se obom
peso e noa quaudade dos gneros comprados neste armazem.
lSt* Maranhao. India e Java a 60, 80 e
100 rs. a libra, e 10800, 26O0 e 30O0
a arroba. ^ \
*a!55. francezas em latas je em frascos a
J*200 e 141600, e em-frascos grandes a
2500.
crox, sendo cada um em seu rano, tendo cada;lem em. caixinnas elegantemente enfeitadas
um todos os enfdtes precisos, pdo baratissimo com ricas estambas no interior das caixas
"'no. I prego de 7* cada um, ditos com babada multo bo- a 10200 1 400 lAfiftnT^
Hiqutssiraos cofresinhos com cadeados de -metal nUos' n,as sem ser em farto. pelo diminuto pre- Ampnrlnac -.' T
co de 3*300 cada um; advertindo-se que os donos | "fSS? C3SCa mUll DOVaS a 280 rS"
libra.
para guardar joias.
Hicascaixas com estejo.eoutendo todoss per- ,0^a do Pav* vendem estes vestidos por lio di- Ia
iences para homem. j minuto prego por terem comprado urna grande Alpista a 160 rs. a libra e a 45600 a arroba
Riquissimas voltas fincmdoperola. iquantidade e convirlbe iiquidarem logo, na sua Azeite dorp franca? mnitn .^.ci
Ditas com lacinho de ta. i la> ra da Impera I riz n. 60, de Gama & Si a. .._ ? "V^7- mn,to fin. era garrafas
,*>de liDdas *<*<* e preu, de toda, as gros- Aos vinte mil covados de laa.
Lindos adereces coa pedrinhos fingindo bri- Ciraaade pechincba. at40
lcs' e 3SO ra.
e S!S,aSpSn,,as Pm CDt(Vde ,odas s qualidades \ Vendem-se as mais bonitas latinhas transpa-
RiAn^nL j,n .. i r*n,es'Sndo com "slras e quadrinhos miudinhos,
ir,/, .timo posto de Pars. \ e lisas, lendo de todas as cores, assim tomo pretas
ea wnHft SSrtS0 e. haios e?feiles para cabl3" I e rtMS Para lut0' Pel fcwafsimo prego de 240 o
Ktrtrp. m?n r gosto e de loos 0SP'*CM. eovado.dilas transparentes cora palrainhas de seda
SE?2 Para n2,vah P*.** Pia> ,end0 de ,odas as res, e tambera
r'hlS ,meas de ^ p,ara n?lvas- y?0* P^prias para luto, pelo barfilo prego de
ChapOMnhos, sapatinhos e meias de seda pan. 1320 cada covado, isto por haver urna Brande por-
pao: na ra da Imperatriz n 60, de Gama &
Sirva.
baptisado.
Riquissimas fitas de todas as qualidades parata-
gomamos e cimeiros.
Camisiohas gollnhas para senhora.
Latas e copos rom basaba lina.
saRU,uissimos jaros-e (igu-^s-paraVrnamemo de \C!B&ESS ^^ reC6'
Lazinhas a Mara BU a S00 rs.
Vende-se lazinhas a Mara Pia para vesiidos,
T. .Pf ? fUf^4*8 rs> cova"o, ditas de
core, a 32C, 400 e 500 rs dius lizas de cores pa-
ra capas e vestidos a 560 rs. o covado, caserairas
para capas de senhora a 4*800, 2*o00 e3* : na
ra da Imperatriz u. 56, loja da Arara
A Arara vende cfcis.'ilO, 286 e 326 rs.
\ ende-se chitas de cores Cas a 240, e 280 rs.
o covado, ditas francezas a 320, 360, iWe-SOOrs.
e covado, percallas para vestidos finos a500 c 560
? ^5,' camif*'hs Pra senhora a 1*, t600
9?n P'-WlliBHas para seohoras e meni.
n*\ eivLrH'?Xeilts ,!,ara cabeea. a alaria
LVU^0o?6e2*'Para'^Udar: -'- da
Haloes americanos .para senhar*.
i. T*Wte *ericar.es, os memores qne
tem vindo ao. mercado de 20, 25. 30 e 35 .-.reos a
2*.jJ J* e 3|SM e 4*. des de brilhactina e
miss-.i+nr. a t*o0-. a ra da Imperatriz o. 56,
oja da A.-ara. | '
Faicsdas para bamem.
, S.escorfcs 22S? -**,d,,w de ca8emra a 34, !*%) e
ajptOO -c$ : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Roapa eita para harnea de (odas as qualidades.
VeaJe-se palitotsde brim decores a 2*, 3*500 e
3*, dites branco a 2*500, di4o ditos de a,!paka de cores e braneos a 5*. 4kos de
meia caemira a 4*50fl.eS*, ditos de casemra a
*,8*yie*, 10*, 16*.e20*,.di;os de HM0 lino
preto ai *, 10* 14*. 16,3,20* e 30*, c*lsc de
bnm *e cor a 2* e 2*060, dita de dne branco a
2* ditas dedito de iiuhe a 3*30 e 4*, coliete* de
cores a 2*, de brim a 2*500, de caserairas de
=.re| e S" W*1 **,-aleas de casemira a
j$,by e 8*, de meta casemira a 3* e 3*500 ca-
misas francezas a 2* e 2*5.00, de linho ioelezas e
.pregas largas a 3S e 3*S9, gnavatas de todas 'as
qualidades de 500, 8O0, 4{, e 1*400, collario.'io
de todos O6aamanhos e mnio bemfeitos para li-
quidar por triz n. 56, ieja da Arara.
Colchas para cama a ii.
.Vende-se colchas de chita para cama a 2, d*s
de damasco a 4*. ditas de fusilo a 5o, chitas naca
.coletas a8\ 360, 400 e 000 rs. o covado r
roa da Imperatriz n. 56.-Joja da Arara,
A Arara vende madapale en fes la da a 4)5.
V*aie-se pecas de madapolao enfesteda a 4* a
peCA *to ingux de 24 jardas de n. 30, a 65 de 1
a 0*500, n. 250 a 6*500 e 7*500, n. 5 85500
*# 0*000, R. B. P. 10*. ZZZ 11*, \V Jg^
S a pega : aliodaozinho marea S a 5*500 dito
caras vaeca a 7*. dito dsmestiee a 7*000 dito
pau tem a 8*, dito SL9 a I0*,dko T a 10* 125
dito sicupira a 8*500, para liquidar, na Ma da
Imperatriz n. 56, leja da Arara.
Pablols dealpaia.
Vende-se#alitets de alpaka pretade 3* e 3X500
di los naos d ord, lizas e brancas a 4*- ra'
da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A aarrterada na. da Impertiran. 56.
Vende-se seroulas a 1*280, ditas (rancezas a
*>600e 2* : e outra-s uitoboas fazendas qaeo
freguez eneoalrart na leja da Arara, roa da Im-
peratriz n. 50.
As motli-Niissimas lzinhas de ama so
cor, a imitaco de gorgoreo, ven-
de o pata*.
Chegaram pelo ultimo vapor fraadez as mais
modernas lazinhas de cordaozinho, ap mais pro
pnas e mais lindas que tem viudo
Grande sortimento de gravalinhas tanto para se-
nhora como para homem.
Lavas de pelica branca e de cores.
Cascarrilhasde bonitascres.
Trancinhas, galao e maravilhas para eneltes.
Transelins de cabellos e de retroz para reloglos.
"apelamisade e de outras qualidades.
Bolsas para viagem.
ntremelos e babadinhos de lindos psdroes.
Lenciahos de linho bordados. .
Meias para homem, senhoras, meninos emeni-!mo PreC dc 5(58 rs. o covado : r
Das- ratriz n. 60, loja de Gama e Silva.
Fitas de veludo lisas e com mtame de todas as -As ^"bas do Pa vi o.
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as cualidades.
brande sortimento de sabonetes.
Liados vasos com baaha para oflorecimentos.
tainhas com seis rasquinhos.
bssoncias de todas as qualidades.
Agua verdadeira Plerida.
Agua da Colonia, em garrafas grandes,< em
frasees quadrados eparranlias.
Pomada una de toits as qualida<*es.
Superiorbanhaem frasese copos de todos os
(am.ntios.
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira dematarana a 320 rs. a
libra.
Avellaas milite grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
10300 rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata.
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perolaa 10600, 20,
20500, 20800 e 30OO a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Ceneja preta ebranca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
fSSSfita Trs-a garrafa-
vestidos, soulmribarques, capas, ele. dim se amos- Jfnsenasa 720 TS. 0 frasco,
tras deixando penhor, e vendem-se pilo baratissl- 'em, SO de pepino, a 720 rs.
a da impe- Mem, s6 de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especialmente da fabrica imperial de
., em latas e copos, isso
alem de outras em diversos frascos.
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior i 22"
Painfo a 200rs. a libra. rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Latnego em calda de azeite e Ervilhas portuguesas a 640 rs. a lata.
multo novo a 640 rs. dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Qeijos flamengos do ultimo vapor a 20800 Figos de comadre e do Douro em caixinhas
vapor a
600 rs
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a
cada'um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 6( 0
libra.
Vendem-se lazinhas de quadrinhos Itransparen-
tes, Doa fazenda. pelo proco de 280 ri. o covado,
argas muri finas a 400 rs., ditas estampa-
ditas
das, cor segura, padroes miudo's e grandes a 320
con
palminhas
rs. o covado, 'ditas transparentes
de seda a 100rs., ditas escocezas a 560 rs., isto tu
do para Itquidar : na loja e armazem do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60.
s
Sa-o inglez em paos grandes e pequeos.
scovas de cabo de madreperola, marfim e de
grosdenaples do Pavao.
Vendem-se grosdenaples preos, fa
ora 1*600 w. o covado. ditos largo muito en-
. corpados a 2*400, 2*600, 2*800 e 3S00O. ditos
tirancos.eor de rosa, azul e amarello a 25000 r.s
I o covado: na loja de Gama & Silva, lenominada
, do Pavao, Tua da Imperatriz n. 0.
Candido Perreira Jorge da Costa a 10800,
S 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Bio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e805OO a 80800 rs. a arroba,
cartoes de bolinhos francezes muito novos e
bem muito enfeitados a 7O0e 600 rs.
mndasepe- Chouncas e paios muito novos a 800 rs a
ibra.
de oito libras e canasti inhos de 1 arroba a
10800, 50500 e 280 rs. a libra.
Farinha do Jlaranho a ICO rs. a libra,
dem de li igo a 120 rs. ? libra.
Genebra de Hollanda verdadeira morca VI)
a 560 rs. o fnsco e 60300 a (rasqueira.
dem em garrafoes de 3 e 5 galoes a 50500
e 705C cada um com o garrafao.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
; Licores muito finos a 700 rs. a gnala.
| dem, qualidade especial em grafaa n.uie
| grandes, a 10800 a garrafa.
Eigos em caixinhas emticamente lacradas. dem em garrafas mais pequeas a 8C0 rs.
a 10000. | dem, em garrafa forma de pia e rolbao de
Vinhodo Porto engarrafado o melhor que, vidro, a 10000, so a garrafa vale o di-
ha neste peero e de varias marcas, como' nheiro.
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto, Manteiga ingleza perfeitamenie lr. deten-
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Mara Pa, barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e de segunda qualidade a 800 rs.
10000a garrafa, e era caixa com urna du- dem francez muito nova a 640 rs. a tira.
zia a 90000 e 100000. dem de tempero a 400 rs.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a Maca de tomates em barril a 480 rs. ?. libra
480, 500e 500 rs. a garrafa e 30, 30bOO dem em lata a 640 rs.
e 40 a caada, j Marmelada imperial dos melhores consenei-
Idem branco de Lisboa muito fino a 500 rs. I ros de Lisboa a 60i rs. a lata.
a garrafa. | Marrasquinho de Zara, frascos grandes.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700 800 rs.
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs. dem regular a 500 rs.
a duzia. 'Macas finas para pa: estrellinha. pevide.
rodinha e. aletria a 600 rs. a libia t a 40
a caixinhacom 12 libras.
Nezes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixt em latas preparado pela prirr.eir:
de cozinha a 10 a lata,
Paliios de dentes a 160 rs. o maco.
arta
dem Morgaux e Chaieaulumini de 1854, a 10
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa
102OOrs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados le-,dem de dentes a 120 rs.
mos grande porcao de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudo ser vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. a lilra.
pecas e carnadas, tanto em porces como Doce de goiaba em latas o melhor poosifol a
retalho- 20 e em caixio a 640 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima te- Palitos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 or cento. Passas muito novas a 480 rs. a libra.
osso, para denles.
se^'o,|S para desemoaracar, cora piso de-metal e Ai IIOYOS tas fai'iliahlifllS 8 SOO TS.
jmA tartaja -e de muius u.ras qua.ida-1 ^^^ ^LfeltUas^ % ^
Penes de tartaruga para senhora i 2loas;fazenJtl mteiramente nova no marcado, sen-
Frascos comgomma arbica RIVAL SFM VRIINnn t2Alh\ULe-|> m *
dis,solvida e pinoeL \JSy&JSffm fVSBsL MilllNAa tPA I ti\ I
Vcndem-se na ra do Onwmadn n s *, a.''* Tose de Azevedo Maia est continuando > de trabalhar D2S0 pail
Ub* de seda e de a^todo, assitn como muitos i ^fff* C0SB.l,i;tiras miodiiMias, e trahspcrenlcs, Vi VOS CblhUTUS
ouires objectos de gosto que seria irapossivel men-1 QSiroJi "'acao das sedmhas, tetdo varias ._,=,,. K u-ci/f*/w>.
eiBar.que a vista farc f, s no Gallo Vwftante i Mr..n*8 ol, cor de lino, carmezin, inzenta m2Jn aba fc receber ",r-*
rus do frespo n. 7. v's'"u,e,!e<-re ira vana, etc.; isto a 800 rs. o c wado para raenda.de bonitos
de Jos de Azevedo Maia est continuando .
veBder muitc barato, pois seu genio dar a fazen-
d* por lodo prego a vista dos cobres.
da melhor qualidade
e bem encadernados albuns de
; vender depreca: na loja do (Pavao, ru do Imoe- capas.e velludo, massa, tartaruga e marfim, al-
1 de Gama & Silva. gonsdos quaes com microscopio para augmentar
laques.
RUpjissimos leques e madreperola tanto para
senhoces como {ra meninas, pelo barato prego
flei2* e lt$; so uo Vigilante, ru do Crespo
GHANDE XOV1DADE.
W no Vigilanie.
Vendem-se camismlias com manguitos, sendo
muito fcem eaeitadas. proprics para serfwrase
menina*, pelo barato prego de dez tusK,^ cada
KiquifMmos enfeites de todas as qualidades para "ma,: M 'oi3 Pavao, ra da ImperafVh. b. 60
senhoras e mtninas, hegados hoje da alfandega de Gama &-Suva.
pra.-arose1 **" *'*'**' J">
com o cerapetento sinto : na ra da Imperstriz n.' A a8ua branca nao ressa de encommendar do
00, laja do.Wao. i ose ha de melhor e mais agradavel, e por issoaca-
lOOlisinliasa *$000' -L,! "e^ve_r.sas fl6Fas e vasos de pede
Utmimu
Riquissimos sintos de Ca larga e estreila com
tivelasgrandes e pequeas, conr brilhantes falso&
cousa desuno gosto.
NM
Tambe hegaram os piqnissimos ateos para
oO retratos, com capa de tartaruga e de marfim,
.cousa muitechique : s ao Vigilante, roa do Cres-
po n."7.
fielinhas.
*fJ IVl.^'**000 3*; no Vigilante, j cstf.em.ra e panno preto fino, colletes de todas as
qualidades : na loja do Pavao, ra da Imperatrie
Vestidos para meninas.!
Vendem-se s mais modernos vestidinhos para
meninas, sendo muito bem enfettades Mara Pia
tendodedifferentes tamanhos, .pelo barato preco
de 8 cada um ; na loja do -Pavao, ra dadmpe-
ralriz n. 60, defama & Silva.
loupa feila liarela.
Vende-se um grande sortimento de rouoa eita
|ara horneas, endo caigas de bwm branco de
3r, ditas de casomira preta e decores,
(iias
Uvas deJoavin,
braneas, pratas e de cores, [ara homens e sonho-
ras, cuca gargantilhjs e horLeias ; chegaram pelo
paquete francez GuUne : vendem-se na loja de
miudexas da ra do Qneirra^o o. 16.
'Lihras esterlinas.
Vende-se ao preco correne de 90 por
cada urna: na ra do Crespo escriptorio
n. 15.
roa do Crespo n. 7.
Enlejes para sunhora.
fiiguosissimeneites com lago e sem lago e de
outros muitos gestos a l, asoo e 3: s ne Vi-
gilante, ra do rCrespo n. 7.
Trance lins.
Lindos trancels de cabello para relegie ou la-
netas, pelo baratsimo preco de i&SOO, ditos de
retroz a 300 rs.
abadnhos ntremelos.
Riquissicos babadinhos entreroeios com lindoi
oesenhos tapados e mansparentes, pelo baratissimo
prego de IflOO, 1,8500, 2 e 3; s oe Vigilanle,
ra do Crespo o. 7.
Cascar rilhas.
brande sortisiento de n.*0, de Gamai.Silva.
GrosdeDplede Vnde-se grosdenaple de cor azul, branca- e pre-
to, rielo barato prego de 1600 o covado : na (oja
do Bario, ra da Imperatriz n. 60, -de Gama &
Panno de lala a 700 rs. o cetaie.
Vende-se o verdadeiro panno de linho proprio
para lenges, toalhas e roulas, pelo barato preco
de 700 rs.a vara : na loja lo Pavao, ra da Im-
peratriz n. tO, de Gama 6lva.
Economa doPavio.
Veade-se para acabar, urna pergo do retalhos
pedra com fina banha, assim como bonitos frascos
de excellentesextractse lindascaistonas de ma-
deira enveroisada com KSnas perfumaras, tudo
mu proprio para presentes de festasetc, havendo
omlieirodirjale o pretndeme a ruado Queima-
do n. 8Jeja da aguia branca.
Ail fino para engoni-
mado
A. aguia branca na ra do Queimade n. 8, rece-
tieu glbulos de ail lino e frasquinhw com es-
cenca de dito.para engomaiados.
Outros eafeites.
A aguia branca acaba de receber por este ulti-
mo vapor um novo sortimeato de bonitos e delica-
dos enfeites de moldes inteicamente novos e de nm
apncado gosto, assim pois.eamparegam os preten-
aentes munidos dedinheiroe com disposigao de
gasiar: na loja da auia branca ra do Queima-
00 R.-O.
Pequeospentes de tur-
as da melhor qua
de superiores quai
ca muito finos aoi
de relroz preto fino a
muito
de diversas ide,aas e capsag de Iodas aS quaildades, e por pre-
larguras, assim como ga&ozinlio e traociohas pro- i q*,mB<0 em C0D,a; ,uem tem economa d'qoe
prias para enfeiles; s no Vigilante, ra do Gres- p a.Preci;,r : ^l0 na leja do Pavao, ra da fcn-
i peratnz o. 60, deGatri & Silva,
pou. 7.
fitas.
Feijo
Vendent-so saceos cora Si cnias de feijo rajado
do Porto por ll, em cuias a 520 : na ra Direi-
ta n. 8. ,________________
ATTENCAO
\ ende se o enfienho Venus silo na fregoezia
d'Agua Preta, distante da va frrea, menos de
um quarto de legua, que do ditoengenho se a vis-
ta a estagao de Una, com bastantes trras proprias
que pode sarejar 1,500 pes annual, eujo de
primaira safra que est acabando de moer e as
poneas obras qae tem sao boas, o'mesmo moe com
animaes, mas com facilfdade, poe se d'agua, rojo
engenho vende-se com a safra qae se esta crian-
do e com os animaes caso eonvenha ao comprador
e tambera se permuta ou mesmo por algum peque-
no sitio porto desta cidade, e o mais a prato :
qam pretender fazer osle negocio dirija-se a rna
da Cruz n. 13 ou no mesmo engenho que achara
com quem tralar.afflanga que as Ierras de muito
boa produegJo no 6 para canna como 'para al-
godao.
Vende-se superior vlnhe do Peno em eaixas de
um* dnzia : em Mea de Johnston Pater C, ra
do Aifarie a. 3.
Gracde sortimento de Otas de diversas larguras
e qualidades, por precos que admirara aes com-
pradores, havendo fitas largas proprias para cia
leiros qne se pode vender a 300 rs. a vara, e peea
a if,; s no Vigilante, ra do Crespo
I de 9 varas
n. 7.
Fitas de la.
, Fitas de laa de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a peea; s no Vi-
gilante, ruado Crespon. 7
Rices espelbes.
Riqnisslmos espelho? com moldura dourada'
sem ella de 8, 10, lij e 14#, assim como com
columnas de differentes tamanhos a 2J, 3#,44, 5|
e Of; s no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Lindes jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
tem apparecide; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para ais de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
cousa de mullo gosto a 1*500 e 23, assim como
pacotes s com os pos a 3J0 rs. cada um; s no
Vigilante, roa do Crespo n. 7.
Perfumaras.
' Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos on vasos eom dis-
tinetlvos e offererimentes as siohasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Pars e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha japoneza

Madapolao a 7|0OO, s na leja do Pavie.
Vendo-se superior niadapolao omito encorpado
tendo 20 varas cada peca, com 4 palmos de largu-
ra pelo baratissimo prego de 7OO0 a pega dito*
muito finos a 8*. 9* e 10,3000. E* peeluncha, na
loja do Pavao, ra da mperalriz n. 60, de Gama *
Silva.
Cortesdeca8saa3,)QOO.
_ Vendem-se muito bonitos corles de cassa, tendo
7 varas cada corte, com esenhos muito delicados
pelo baratissimo prego de 3*000 o corte; s na
loja do Pavao, ruada Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Corles de ebita franeeza.
Vendemse finissimos cortes de chita fran-
eeza, com 12 covados, tendo. padrSes escaros e
alegres de cores flxas pelo baratissimo prego de
iaOOOo corte; s na loja do Pavao ra da Impe-
ratriz n. 60 de Gama <& Silva.
Caubraias lisas, na loja do Pavia.
Vendem-se pegas de cambraia lisa muito fina,
'.^aa P ,ransnaren|p. Pelo baratissimo prego de
45000 tendo 8 1/2 varas cada pega, ditas muito fi-
nas a 7i, 8, e 9 a pega, ditas Victoria com 10
varas pelo baratissimo prego do 7#, 9 e 10J, di-
tas Garrazes fazenda muito encorpada, fazenda pro-
pra para forro a 360 rs. a vara ou '24600 a peca ;
Isto na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,'de
Gama a Silva.
Cortes de 12a a iOOO.
Vendem-se cortes de lasgaribaldfnas, malisa-
taruga
A aguia branca na .ra do Queimado n. 8, rece-
eesen novamenle esses pequeos pentes de arta-
roga que#or suas quatidades de pequeos, lisos,
bonitos e bem feitos tantaesiimaiem merecido pa-
ra ai. senhoras seguraro cabello quando atado ; a
aguia iuanca porm avisa acuellaspessoas que os
hav.am ncoearoeudado e a qem mais queira
aproveitar a occasio de os comprar continuando
a seren vendidos pelo mesmo prego de 40 cada
um. tn
Estando branco? ficam prelos
O bom resultado e o rpido effeilo que produz
a tintura de ebromacoroa, e mesmo o facillimo
modo de appiicar tem se tornado mu conhecido e
apreciada por todos que usam della e por consi-
guite augmentado a extragao, pelo que a aguia
brenca mandouvir aiais o noy sorlimento que
acaba "de recebeV constando elfo de
Caixas/omcjiromacoraa para Ungir os cabellos.
i-rseos1 com colorcoma para lustrar ditos.
oitos com bydrocallethricbina para limpar ditos
itos eom orychromatna para limpar as unhas
sabonetes hrancos para lavar os cabellos.
Pomada callieomipbila para dar ebeiro aos di-
tos sem ofooder a preparago feita.
Sapatos de marroquim dou-
rada para bailes.
Esses sapatos do grande lom vendem-se unica-
Cartas de alfinetes francezes
a 80 rs.
encom- Grosasde pennas de ago incleza
lidade a 640 rs.
Caixas de clcheles francezes
dades a 40 rs.
irosas de botoes de madreperola muito finos ao6f
e 640 ris.
'Cairelis com 4 a 5 oilavas
640 rs.
*eliaide rapel de peso li0 T
"Grayatas da liga e de outras muitas qunlidades i
500 rs.
CaonIeles para Penna com 3 fol,ias fazenda boa a
800 rs.
Duzia de boloes branco para casavequesde senho-
ra a 100 rs.
Pegas de lita de cs estrellas com 9 varas carat-
tidas a 320 rs.
O Expositor Porluguez para os meninos a prender
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren-
der a ler a I^IOOO.
Carnlhasda doutnna chrislaa, finas e superiores a
320 rs.
Pentes tinos de marfim a 1000, lj00 e 1^500.
Pares de luvas de seda para homens e senhoras t
500 rs.
Gollinhas para senhora o melhor que ha a 320 e
SOO rs.
Frascos com superiores banhas a 240, 320, 500 e
14000.
Liaros que serve para assentar roupa, pelo dimino-
to prego de 160 rs. ;
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cordao branco para esparlilhes muito superior, i
vara a 20 rs.
Carritis com 150 jardas de linha branca a 60
ris.
Candes com-200 jardas de linha branca garant'
d< s a 60 rs.
Grosas de pennas de ago superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
lhas a ICO rs.
Pares de botoes de pucho, oh que pechincba a
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro cora superior tinta a 100 rf.
Grosastle botoes de louca praieados muito fino a
160 rs.
Tesouras para costura superior qualidade a 500
ris.
Escovaspara limpar dentes, superiores a 800 rs.
Caixas eom superiores phosphoros de seguranga a
1*0 rs.
Cairas com 100 envelopes o melhor que ba a 640
ris.
Caixas eom 20 quadernos de papel amizade, mmtc
fino a 00 r:
trabalhar niiio pata
desearo^ar algodc
FABRICADAS
Por Plant Biotliers k C..
OtftAt
/
Esta:- macOiaai
podemde traga
uualquc especie
* de alfodao sem
estragar < fio,
" sendo La-iante
, duas pessoas para
o iraltalho, pode
descarogai nata
arroba di algo-
dio em enroco
em 40 minaMw,
ou 18 arrobas
por da ob 5 ar
robas de afgcdk
limpo.
Assim como machinas para serem movida Hf
animaes, que desrarogam 18 arroba.- dt alstdae
limpo, i or da. ,
Os mesmos tem para vender um bellissiiro va-
por que fde faztr mover seis drslas iriiir.n
mencionadas; para o que convida .f s< $ n.
agricultores a virem ver e examina-lo. no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47.
Saunders Brothers i C.
IV. II, praca do Corpo Hamo-
RECffT.
Os nicos agentes oeste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO?
Ra do fiueimado ns. 49 e ib loja do L;. a^er'
conhecido ja como tal, est dispondo da fazenda
por lodo o prego para apurar diuheiro, quem oui-
zer venha ver e traga o cobre, e ver o aegonite
Baralhos de carias para vollarete melle
finas a...........................
Miadas de linha fioxa para boroai a. ..
Pares de sapatos de tranga de u dos os
tamanhos e fiuosa...................
Massos de superior grampos para cabello?
Duzas de palitos de gaz superiores a. ..
Libras de ara prea muito superior a...
Frascos de superior macaca oleo a___
Ditos de dito perola a..................
Ditos de oleo de babosa mnito finos a 32b
rs. e...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de banha mnito fina a............
Dftos de eheiros niuite finos para o preco
a ris
Quadernos de papel pequeo muilo lino a 20 rs I Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
a e a 14, assim como outros objectos que nao e das e de quadrinhos, tendo 2 covados cada corte
possivel por hoje annunciar, e a vista dos fregu- pelo baratissimo preco de 44000 o corte ; isto na
S 1f r? 0d0 ne!.ocio 5 D3 ^ i9 e*n VW", i loj d? Pavao, roa da imperaiw P, 60 de Gama &
jo* ao crespo n. /. j fjiva,

mente na rna do Queimado loja da aguia hraia n.
8 a 68 o par.
Meias finas para senhoras
gordas
*endem-se na ra do Queimado loja da agola
Dra"ca n. 8.
Esponjas finas para rosto
. Vendcm-se na ra do Queimado loja da aguia
Uranca n. 8.
Cylindros para pada*
ria.
Na padaria da rna Direita n. 84 ha para vender
os connecidos e acreditados cylindros americanos
para trabatho de padaria olmaminte chegados,
Vi nao da Modeii-n o do Porto
Vende-seoeopericr vinh'o da fadpira e do Por-
ta, em caixas de urna < duas dnzias : s na loja
do Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Roa da Senzalla n. 42.
, Veode-se, em caea de S. P. Jejinston & C,
sellins e silh5es inglezes, candieiros e cast-
gaes bronzeados, lonas DgJezas, flo de vela,
chicotes para carros e montara, arreis para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ooro patente inglez.
Roa da geiitila Nova i. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tac
ierro coado libra a lio r., idemd eLow!
Voor libra at20rs.____________
Farele saperier de Lisboa a 5 e.satta.
Tem para vender Antonio Lciz e OlivpJrs4
vedo &C. n,o sen escriptorio roa da Cruz n. 1.
Allanas
m 50, e.
Novellos de linha cem 400 jardas a......
Carritis de liara de cores com 200 jar-
das a .............................
Novellos de linha de gaz de todas as c-
res a.............................
Pegas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a.......................
Frascos de superiores eheiros, pequeos, a
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a ris..............................
Varas de bicos francezes, superiores a...
Opiata para denles da melhor que pa a..
Frascos de agua para dentes, superior
loo*......t..................... {Hf*
H
38.
24C
260
SOC
tffOO
Pegas de tranga preta liza multo fina a.:
Caixas com 4 papis de agulhas Victoria a
(J j Varas de fila preta rom colxeles a......
1W I Libras de lia sortida de tudas as cores a
Bonecos de choro muito bonitos a......
i Caixas de obreias de ma ssamnto novasa
i Varas de franja branca e deires para
I toalhas a............ .........
Frascos de oleo Philocomescopr r
I Ditos com superior tinta a350 e.......
Caixas de linha de gaz com 50 novellos a
para 20 at 200 retratos, mnito bons e por menos Enfladores para espartilho ........
prego que em outra qualquer parle; na rna do Duzas de boloes encaruaoos para vesti-
'Crespo t. .i. a.........,......................
TI

60
2fO
40
M50
100
40
80
eco
000
1*00
too



zecca m oui-:fnte :
2t;o 20
IJffS 30 -:c reo I
5f/i
400 6i0
aa
M0 80
J


Bassaaaal
sa
Diarlo e reramrnhuv Sin,adsla- leer dr Jnnrlro de 1SUft
&
GRADES 4RH4ZENS
DE
MOLHADOS
I Largo da Santal
!Cruz ns. 12 e 84.,$
agesquina da ra do]
i jgCebo.
VIMIOS
Wl Largo da Santas
^gCruz ns. 12 c 84,$
XjSesquina da ra do]
ESPECIAES mCeb0-
O dono do j multo acreditados armaiens de molhados denominados Aurora
Brilhante, acaba de recebar de sua propria encommenda, muitos gneros deiicaaos
proprios da presonte esucao, e tendo grande sortimento comprado aqui.aQancaquemaos
os seus gneros sao do l.' qnalidade.
A seguate tabella servir a todos de base para ajuste de contas aos por-
enbum armaiem vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
Brilhante, j pelo grande sortimento que tem, j mesmo por seu dono se achar encm-
modado ein su saude e ter de vender um de seus armazens agora, e o oulro na pr -
xima primavera, por isso deve-se aproveitar urna quadra destas para se comprar
barato.
Latas com 8 libras de chourigas muito novas,
a 7*500.
Ditas grandes com peino em postas inteiras,
ais de 12 qualidades, a 1*000, l*80 e
IfiiOO.
Ditas com ostras, excellente petsce para fre-
gideira, a 750 rs.
Ditas com ervilbas novas, ensopadas, a
750 M.
Ditas cora favas, a 640 rs.
Ditas com ameixas a 1*200, 1*800 c 34500.
Ditas com marmelada do afamado fabrican-
cinta Abreu, a 880 rs.
Ditas de massa de tomate, a 500 rs.
Ditas com figos de comadre, nevos, a 10300,
U e 2*500.
Dltascom bolachinhade soda muito novas, a
230J0.
Ditas cora biseoitinhos inglezes de muitas
qualidades, a 1*400.
Cawolate.
Chocolate superior muito novo, a libra a
i*20i).
Haearro telharira e aletria araarella.a libra
a 480 rs.
nito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caitas com estrelinha, pevide e outras mas-
tas, a caill 3*500.
Ditas dita em libras a 640 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
Sevadinha para sopa a libra a 240 rs.
Ervillnsjseccas, a libra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
Farinha de araruta verdadeira, a libra a
500 rs.
Arroz do Maranttao, em sacca a arroba a
2*400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 3*200 e a
libra a 100 rs.
Toicinho de Lisboa a 9*500 a arroba c a 320
rs. a libra.
Do de Santos, a arroba 7*000 e a libra a
260 rs.
Molhos com 125 selas grandes, a 1*280.
MxUrda francoza caixa com 2 duzas a
8*000.
frascos com mostarda preparada em vina-
gre, a 400 rs.
Ditos com conservas inglezas e francezas,
a 640 o 800 rs.
Ditos com sal refinado fino, a 640ea300
ris.
Ditos rom a verdadeira genebra de laranja
a 1*200.
Dito* de 2 garrafas de Hollanda verdadeira,
1*000.
Ditos de 1 garrafa de Hollanda verdadeira,
a 640 rs.
Botijas com dita propria para neocio, a
400 rs.
(iarrafSes com 2 gal5es com dita, a 6*000.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 6*000.
Vinho mscatel de tetuba, a garrafa a
1*UOO.
Marrasquinho verdadeiro, frascos a 800 rs.
e a 1*200.
Champagne, a duzia 20*000, e a garrafa a
2-5000.
Azeite refinado portuguez e francez, a gar-
rafa a 1*000.
Caixa de vinho Bordoaux muito superior, a
7*, 8*. 9* a 10* a caixa.
Ditas com dito branco, a 7*000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ra, a 20*. .
Ditas rom duque do Porto verdadeiro, a
18*00X
Ditas com chamisco superior, a 14*000.
Ditas com Porto veteo o outras mollas mar-
cas, a 12*000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 6+,
720 a 800 rs.
Dito de Lisboa mnito bom, a caada a
3*200, 3*500 e 4*000, e a garrafa a 500
e 560 rs.
Dito da Fizueira. das segwntes marca, {>.)
(J. A. A.) (1. L. G.) (O. M.) a caada a
4*500 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
qw j est engarrafado e lacrado com o
rotlo do armaiem.
Ditos de marcas mats desconhecidas, a cana-
da a 3*500 e 4*000 e a garrafa a 480 e
520 rs.
Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrata a
800 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 3*500 e a garrafa a 480 rs.
Gomma.
Sacras de 4 arrobas, a verdadeira de se
engommar, a arroba a 3*000 e a libra
SabSo massa, a libra a 200, 240 o 280ts.
Farinha.
accas grandes cora farinha de (Jeianna mui-
to nova, a 5*000.
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 8*,
8*500 e 9*000.
Cha.
Cha temos nestes gneros o melhor possivel,
hysson, a libra a 2*600.
Dito perola a 3*000.
Dito uxima 2*700,
Dito hysson muito lino a 2*800.
Dito redondo a 2*500. a.~nn
Dito preto de primeira qualidade a2>oO.
Bito mais baixo a 2*000 a 1*600.
Erva mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Esperncete.
O masso rom 6 vellas de espermaecte a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 o 8 libra de passas novas pro-
prlas para mimos a 4* c 2$500.
Noaes, a hbra 160 rs e arroba a 4*000.
Alpista e painrn.
Alpista c paii.co, a arroba 4*000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
Carlas Baas parajogar.aduzia a 2*500.
Caslaabas..
Castanhas novas vindas neste vapor, a arro-
ba 4*000 e a libra 200 rs.
Azeitenas.
Barris com azeitonss novas a 1*500
Manteiga.
Manleiga flor, a libra a 1*000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a libra a
660 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Queijos.
Queijos novos vindos neste vapor a 3*200 e
3*500.
Ditos londrinos muito novos, a libra a
1*000
Papel.
Papel al mago pautado, a resma a 4*800
Dito dito lito de linho, a resma a 4*o00
Dito de peso lizo e pautado, a resma a
2*500
Dito de embrulho bom a 1* e 1*200.
Vinho Madcira.
Garrafas como verdadeiro vinho Xere e Ma-
deira a 1*500 e 2*.
Temperos.
Follias de louro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de caraaa.
Massos cora 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Date.
Caixoes de doce de golaba, grandes a 1*400
e pequeos a 640 rs.
fijlos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Craxa.
Duzias de boidas de graxa n. 97 a 2*600, e
de latas a 1*000, e os boioes a 240 rs., ca-
da um, e as tatas a 100 ra.
Charutos finas.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Bahia por diversos precos, caixas e meias
caixas.
NEM CORO AS NEM MITRAS

GRANDE ARMAZHEM
RIJA DO IMPERADOR IV 40
Julo ao sobrado em qne mora Sr. Os torne,
Duarte Almelda A C, receberami de ana propria emcomuien-
da o mais lindo e variado sortimento de aaolhados, proprios
da presente estacSo.
Manteiga ingleza Magas forneas
da safra oovavinda no ultimo vapor a 1,000 para sopa a melhor que se pode desejar,
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
4 8 0 CORTE.
i; .' i i
Pechncha sem igual.
Lindos carie* para vestido de percates de cores
claras e escutas com grande variedade de padres
pelo baratissimo prego de 4$ o corte : na loja das
clumnas rua do Crespo n. 13, de Antonia *r~
re de Yasconcellos t C
rs. a libra eem barril a 8oo rs.
Manteiga franceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a MO-'r.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos,
Oartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 10300.
Chocolates
de todas as qualidades a 1(5000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velbos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 206oo.
Queijos
ebegados no ultimo vapor a 20600 cadaum.
Queij
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, aretalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1)5200.
Cha uxim
o melhor qne se pode desejar, que outro
qaalqner nSo pode vender por menos de
30 a 20600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que -tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talbarim-e aletria a
480rs. alibra.
CNMHMrC
0 muito afamado cognac Pal Brandy a l,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a l,ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPN
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
( Papel de botica
1 de excellente qualidade a 20200 a resma, '
} PAPEL
; azal e pardo para embrulho de 1,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oors. alibra.
Vinagre
PRR em ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada ama.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista e P&iuco
o mais novo do mercado a 14o rs. a libra,
e-40400 a arroba.
CEBLAS
muito novas a 10000o cento na ra do Qoev
mado n. 7, roa do Imperador a. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
GWO DE RICO
muito novo a 30400 a arroba e 140rs. a li-
bra na ra do Queimrdo n. 7, raa do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
QUEIJO SUISSO
muito fresco a 800 y. a libra na ra do
Queimado n. 7, ra do Imperador a. 40 e
largo lo Carmo n. 9
Os propietarios do grande armazem o Verdadeiro Principa! deelaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a cemmodidade de todos es-
tipularam os meamos precos nos seguintes logares:
0 Verdadeiro Principal raa do Imperador n. 40
FARELLO DE LISBOA
Marca N verdadeiro em saccas novas e grandes a 40500: na ra do Imperador n. 40.
NOVIDADES.
Farelo de Lisboa.
Vende-se soperior farelo em wrceo trraBdfl?,
por preco connnodo, Tildo peto o|tlmo lavio : na
raa do Amorim, armazem a. 50.
POTtSA
?endose lotiSia em hirris
macarr5o, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-1
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas s3o as seguintes: Chamisso Filhe,
F. $ M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de bat-iha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica damesmaque
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r< .l bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de l.1 e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 803f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafdes
com 4 7 garrafas com vinagre a 10000*
ogarrafSo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110060
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha,
LICORES
finos de todas as finalidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,000, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
deespermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba era caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas muito novas
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra,
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs, a libra e 440 rs. o pao.
Frats em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
a 600 e 10 o caixe.
GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar
robae 140rs. alibra na ra do Qoei-
mado n. 7, ruado Imperador n. 40 e largo
do Carmo n. 9
BOLACHINHAS
em latas de defferentes qualidades a 10200
a lata
QUEDOS FLAMENGOS
chegadosneste ultimo vapor a 20800 na ra
do Queimado n. 7, ruado Imperadorn.
40 e largo do Carmo n. 9.
ROPA FEITA
NO
ABHAZEM
LETREIRO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa eita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade do concor-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
300000
250000
Casacas de panno preto, 350 e
Sobrecasacas idem, 300 e .
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e...... 100000
Ditos de casemira, 200, 150,
120, 100 e...... 70000
[Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50,40 e .. 30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. .
Ditos branco de linho, 60,50 e
Ditos de merino preto de cor-
dio, 100, 70 e.....
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80e......
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de c6-
30000
40000
res, 50000 e.....40000 i U0, 70 e
Ditos de setim preto. 50000
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......50OOt
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
Golletes de fusto e brim bran-
co, 30500, 30 e .
Seroulas de brim de linho,
20400 e ......
Ditas de algodao, 10600 e. .
Camisas de peitos de hubo,
40, 30 e......
Ditas de madapolo, 20500,
50000; 20e........
Chapeos de massa, pretos fran-
70000; cezes, 100, 90 e. .
70000; Ditos defltro, 50,40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
21500
20000
10400
20500
10600
80500
20000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
Cohetes de velludo preto e de
; Coarinhos de linho fino, ulti-
40000 i ma moda duzia. .
! Sortimento completo de grava-
20500 tas.
20500 Toalhas para rosto, duzia, 110,
e........
cores, 90 e......70000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
60000
60000
I
60000
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
40e........
40000; tos e de cores.....40000
Lences de bramante de linho. 30000
30500 Cobertas de chita chineza.. 20500
. I i ? .
DE
DE
J. VIGNES.
X. 55. RA DO IMPERADOR \. 55.
Os pianos desta rnica fabrica sao boje assaz coahecidos para que soja necessaro insistir sobra -.
sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas inconlesta-
veis que ellos tem dclinitivaineiitu conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; odo-
suindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, saa-
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importas-
tissimos para o clima deste paiz ; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommeadas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados ein todas as expesiedes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de musidas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnico, sendo todo vendide por
precos commodos "e razoaveis. '
Queijos do .Uenlejo. ditos das ilhas o mais fresco que so pode dese-
jar a 10200 a libra, e sendo inteiro ter algtrm abatimento, ricas caixinhas
redondas enfeitadas, proprias para mimo da festa pelo barato pr co de 40
cada urna, ricas caixas de figos tambem propriai para mimo de 800 10500
cada urna, v^ode-'seunicamente no armasem Verdadeiro principal, ruado
Imperadora. 4.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se ga2 da melhor qualidade a
0 a lata : nos armazens da ra do Im-
perador n-16erua_do Trapiche Novo n. -g
^hum __Veudemsc latas com doce de caj secco
^*TUmr7JTr/JJ?^^ e da melhor qualidade ; na to.armatti
51a AtaSdTcBt #8,,r*^S*defronte lo patudo do^s^. > algodo.
Superior cal de Lisboa.
Vende-se soperior cal ii Js*5* a mais nova
ane ha nr. mercado, tanto em pofrSo como a reta-
Iho, por barato prt>, aftancando-se aos compra-
dores operfor qnalntode: a tratar as egniUes
mas: Crespo a. 7, Imperador ., Porte do Ha-
armaiea do 9r. Avilla, flefronto j
CONSULTORIO UCO-CIRIRGICO
DO
DR PEDRO DE ATTAHYDE LOBO HOSCOSO,
REBICO, P.iRTEIRO JE OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundo 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s 1
horas da manhaa, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepeo dos dias santificados
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo cousultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos preces seguinte
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
* de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os re.n j li
que se pedir. .
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meia oDca 10' 00.
Sendo para cima de 12, custaro os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr.
dons grandes volumes com diccionario............ 200000
Medicina domestica do Dr. Heriog............ 100000
Repertorio do Dr. Mello Moraes............. 60000
Diccionario de termos de medicina......., 30000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conbecidos e dispensam portan-
to de serem novamente recommendados aspessoas que quizeren usar de remedios ver-
dadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservaco, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparacio, e portanto a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-se escravos pira tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-Ib* qualquer
operaco, para o que o annnneiante julga-se sufficienlemente habilitada.
O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, eomo na awdiea. a
fraccionando a casa a mais de quatre annos, ha muitas pessoas de cojo coaeeHo se nao
pode davidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seos
doentes.
Paga-se 20000 por dia durante 60 dias ed'ahi em diaote 10500.
As operaces ser5o previamente ajustadas, se nao se quizerem sajeitar aes preces
azoaveis que costuiaa pedir o annuncianle.______________________________
Vinho do Porto especial.
O mais generoso e genuino vinho do Porto, mar-
cas novas e especiaos, em caixinhas de 12 garra-
fas sendo marcaRanha de Portogala l#00i
a nrtxa, e marca Pedro Va 160 ; em porcao
fr-se-ha om abate razoavei : no armawm de Fer-
relra A Matheus, junto ao arco da Conceicaon.
ha tambem exceileate
AGENCIA
AGENCIA Luir-mu.
Ra i Senulla au i. 42.
Neste estabelecimento coatiaa a havar
am completo sortimento de moeadat e i
6. No mesmo armazem na tamuem eicenmia _M_jl _. --..- -..-Km-, ju
vlnhodo Porto em ancoretas de 32 garrafas a 3001 moendas para eMealM, *
cad ama, e poreo por meuo aiuma eonsa e tachas de ferro batido e coado, da too a
' lmannos para ditos.
Vendem-se charutos da Bahia de varias qua-
lidades : em casa de Montard C. n do Tra-
piche tt. 48.
Fabrica Conceiofto da !
Bahia.
Andrade A Reg, recebem consunto- _
mente etem venda no sen armazem n.
34 da ruado Imperador, algodao d'aquel-
U fabrica, proprio par saceos 4o assu-
ear, embalar algodao empluma etc., etc.,
| pelo preco mais razoavei.
Vendem-se 400 varas eorreoio de Iatres
, de Lisboa, ptimas para construir pM9os : a ira-
trtplcfce tar na roa do Queimado n. 10, I)* 4o Haaa*l Ri-
ieiro de Carvalho.
Arados americanos e
lavar roupa: em casa de S. P. Johnstoo
ra da Senzalla Nova n. 48.
IZ
"Vende-se
um excellente carro americano com 4 ra-
das e arreios para un e doos carvallos sea-
do muito manetro e leve, o qual tendo si-
do todo reparado de novo se acha do me-
lhor estado de perfetco e asseio : a tratar
com Antonio Jos Rodrigues de Sooza na
raa do Crespn, 15, das fraoias fe dia at
as 3 da terdo._________
_ Vende-so roacaaa para
toa motaras pasa>aaasaM : a rea sa
NH B. 42. a
4V


Diario dk PcraaaabNea Mecuada feira 1S de laawiro de I Stt
MAGNIFICO SORTIMENTO
DE
MOLHADOS
NO
<;it \\ii: ARUAZEM
DA
/ -
AO PUBLICO
Sen o menor coustran-
glnento se entregar o
Importe do genero que
nSo agradar.
ARMAZEM
ATTENQAO
reeoa da seguate
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de foa
se para o ajuste de eontas
eom os portadores.
A LEGITIMA
SALSAEABMffl
60 RIJA NOVA OO
Casa da esquina Junto a ponte da Boa vista.
IWUITA ATTENCO. .
Parece que o respeitavel publico se achara bastantemente conyencido de que a
directo deste importante estabelccimento tem sido sempre caracterisada pelo maior
gosto e capricho, n5o s con> relaclo ao asseio, superioridade das mercadorias, como
na sinceridade do trato e maneiras attenciosas dos empregados da casa para com todas' systhema que n'm encotn-.'de s^venderTomum por cento r^TZmkm et^MuST^STS
aquellas pessoas que se dignam de frequenta-la.
Muitas senhoras pernambucanas e estrangeiras, cojo trato ameno e delicado nao
pode ser concedido a qualquer individuo no recinto de um estabelecimento da ordena
da Liga tem vindo possoalmcntc refazer as suas despensas nesta casa e voltado asss
satisfeitas.
E' preciso fazer desapparecer desta importante capital estas nojentas tascas cheias
sempre de escravos embriagados, onde as chufas sao jogadas sem respeito.
0 importante e magnifico armazem da Liga se acha felizmente muito fura
dessas condieces. E' necessario v-lo para bem se prestar crdito a nostas palavras.
A mercadoria nunca ser bem comprada se ella nao fr de boa qualidade.
sobre este ponto que- chamamos a attenco das pessoas que nos quizerem honrar com
a suafreguezia; porque o nosso grande estabelecimento se acha completamente prvi-
do de superiores gneros, que em sua mxima parte foram comprados a dinbeiro
vista, e receidos directamente de Londres, Pars e Lisboa.
Ninguem se acha entre nos com mais proporcoes para vender barato.
As pessoas que compram para negociar, fariam muito bem e quizessem se cer-
tificar do quanto havemos expendido procurando afreguezarse com nosco.
Nao duridamos vender a crdito a quem nos der conhecimento de sua probidade.
Amendoas confeitadas em li asees de vidro, ditas com casca mole
dura.Ameixas francazas em frasees de vidro, ditas em latas,
ditas em carfss, ditas a varejo Alpiste e milho miudo.As-
sucar refinaatr fino, dito baixo. Azeite doce em barril, dito
em boioes, dito engarrafado, dito francez e pertuguez refinado.
Arroz do Maraoso, dito de Java, dito da India, dito de Penedo.
Azeitonas de Lisboa, dita do Porto.Banha de porco embarril
RA DA CAIIEIA DO RECIFE H. 53.
(L090 passande aro* da Contir)
Grande redueeSo de preeos, equivalente a dez por cento menos do que outro qualquer
annunciante.
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o preco da manteiga ingleza a i.ooors. a libra, bem assim o de outros
amitos objectos, etc., dando com isto ocasio a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo preco que eu |vendo!!! Ora, eu ofendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolvi fazer esta grande reduccao de preeos, como veris -
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uni3o Mercantil nao approvada pelas juntas e academias de ce-
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de i,4oe a l,Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que dicna; usada ruis prineipaes hospitaes, i-
estao obrigados, encarando todos os das de seu} freguezes reclamacao de preeos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores v's- militares e da marinha as ntilbef e
al informado deste novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim no continente americano ; receitada peh*
tdO SmCnte Obter a "flnrnrrpnrin Ho cune frcnUcipe faiMiltolii-nc no moic HicimMnc Ar. mnomn Ar.
PREPARADA UHCAMEITE POR
LA\MA\ & KEMP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozt v.o fe
propriedades eminentemente depurativas :
a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
facultativos os mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanliola
CURA RADICALMENTE
Senhores e Senhoras o aceio qfle presidia, aos arranjos deste novo estabefecimento, e mais que ludo apromplidao e entei- escrophulas, rheumaiismo, escorbuto, cn-
reza com que serao tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida rae darao a proteceo e preferencia na compra fermidades venreas e mercuriaes. dagas
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratices, pois antigs, morphea e todas as molestias pro-
o seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao,afimde que nao vo em oulra parte venientes d'um estado vicioso do sangue.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz nbatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a ooo rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim e melhor que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
dem pretohomeopathicoporserde superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra.
dita em IS: mSmSS-*X "ZtlZS V?t T *"**
dita em caixas, ditas a varejo. Bolaxinhas finas de diversas8 f*\ 2ES'****& 2J
qualidades, ditas de soda, ditas para lanche, ditas americanas.
Biscoites inglezes, Mixede, Medum, Cabim, Seed, Soda, Cuddy
Cracknel, oval Thim Capitam e outras mais, ditas de leite de
Edimburgo, etc.Caf do Rio de 1.a, 2.a e 3.a qualidade, dito
miudo.Cha, o que ha de melhor existe em nessos armazens,
uxira, miudo, dito hysson de I.*, 2.a, 3.a e 4.a qualidades, dito
prelo homeopalhico, dito commuai.CharutosMussissipis, ditos
Panetelas, ditos regala imperial, ditos suspjros, ditos delicias,
ditos Napeleoes, ditos Parisienses, ditos apraziveis, ditos lancei-
ros, ditos imperiaes de diversos fabricantes. Chouricas mou-
riscas deLbboa, ditas em latas.Chocolate de diversas qualida-
des e de diversos fabricantes. Ceneja Basse, dita Victoria,
ditas Alesops, dita tenente, dita II, dita XXX, dita em barril
branca e preta.Conservas inglezas, dittas francezas, dittas ali-
menticias.Cevadinha de Franca. Chanpanha superior de di-
versas marcas.Cognac inglez, ditto francez. Ceblas de Lis-
boa em molhos, ditas em restias.Copos lapidados para agoa
ditos para vinho. Doce de calda em latas de diversas qualida-
des, ginja, alperch, pera, pecego, doce de goiaba, em latas ditos em
caixoes ditos em frasco de calda de assucar, ditos de cognack.Ervi-
lbas em latas, ditas em casca, ditas sem casca.Espermacete de 5e 60
maco.Figos em latas de 4 e 8 libras lindamente enfeitadas, ditos em
caixas grandes e pequeas em barril. Farinba de trigo de diversas
marcas, dita de araruta, dita do Maranbao, dita do Aracaty.Fumo
do Rio em latas dito em rolos, dito em lata (do Para) para cigarros.
Genebra ingleza marca gato, dita dita em froscos, dita de Ib llanda em
frascos, dita dita em botijas, dita de Hamburgo em frascos, dita em bo-
tijas, dita em garrafes.Graxa em latas.Limonada de diversas fruc-
tas.Licor inglez, dito francez, dito allem5o. Manteiga ingleza flor,
dita de 2.a qualidade, dita de 3.a, dita de 4.a, dita franceza de 1.a qua-
lidade, dita dita de 2.aMassas para sopa, macarrao, talharim e aletria,
dita estrellinha e pevide branca e amat ella.- Marrasquino de zara de 1.a
qualidade, dito 2.a dita, dito 3 a dita. Maimelada muito fina.Molho
inglez, dito francez.-Mostard a ingleza, dita franceza.Presuntos in-
glezes para fiambre, ditos americanos, ditos doPoito para tempero,
dito de Lisboa. Passas de Malaga, ditas de Corinthias para podim.
Pomada do P. rto.Pimenta do reino. Peixes em latas, favel, curvi-
na, pargo, espada, congre, ebermy preparado pelas melhores artes de
cosinha.Papel greve branco, dit paulado, dito altmco, dito de peso,
dito amarelloPalitos lixados para denles, ditos ditos com llores, ditos
americanos,ditos do gaz.Oueijos inglez elondrino, dito lamengo, dito
prato, dito suisso.Rap Meuron, dito francez Salame em latas de i
libra o melhor que aqui tem vindo. Sardinha de Basse, dito de A.
L'Auile. Sabo nacionol, dito massa e nao massa, dito inglez. Sa
nacional, dito inglez a varejo, dito em vidros. Toucinho de Lisboa e
Porto, dito de Santos.Tijolos para limpar facasVinhos, nesle gene-
ro os nossos armazens lera o melhor sortimtnto que se pode imaginar,
duque do Porto, lagrimas do Douro, Omes, Bocage, Maria Pia, D.
Luiz, Pedro II, Malvazia, Madeira, Cherry, Bordeaux, tudo engarrado.
Prevenimos ao publico de que no armazem da liga stem vinhos engar-
rafados no eslrangeiro, dito era pipa do Porto, Lisboa, Figueira e de Sete,
dito em barril de todos os paizos, dito em ancoras, dito chamisso mui-
to proprie para casa particular em barrilinhos com 150 garrafas por
preco a satisfazer o mais exigente comprador em quanto a qualidade
garantida por nos e pelos seus importadores, dito em caada por preco
baretissimo, dito branco para missa.Vinagre puro de Lisboa, dito ham-'
burguez, dito em garrafes. Vassouras do Porto, ditas americanas.
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se vende em oulra parle por 2,4oo
e 2,6oo rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se seren superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e I,5oo e 600 rs. a libra.
Queijos fiamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do
passado a 1,600 el,800 rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abafimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresce e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas portuguezas em latas j pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunto do reino vindo6 de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a guaa 5,oooe 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a Ooo
I,ooo e I,2oo rs. a libra.
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,800 a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs.a arroba,
dem dalndia muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo|rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra,) e 9,ooo rs. a caixa.
dem o talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massastornam-serecomendaveis as
pessoas doentes por seren propriamente
feitai para esse fim.
vapor Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,000 rs.
Vinho de| pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e|5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo |e 3,8oo rs.
Vinho blanco de Lisboa de excellente quali-
dade i 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho bt anco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho de Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douroi Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luijz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
lo,ooo| rs. e a 9oo e l,ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Antonio de Lisboa em latas com 6 libra8 ^^K? 0%!
vanas imiiaroes e
mo peso a 2,5oo; Mas imper.aes emlatas A ^.^ ^ ^ ^^ ^^
CAORS & BARBOZA
JOO DA C. BRAVO A C.
Vendem-se no Recife em casa de Caer? &
Barboza e Joo da C. Bravo C.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras Sardinbade Nantesem quartos e meias latas
por 4,000 rs.,.garante-se serem transpa- a 36o 56o rs. cada urna.
rente e de superior qualidade, tambera tem Sardinhasi portuguezas em latas grandes
de 12 por libra propria para carro. preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-1 boa a G4o rs.
da, salmo, ostras e chernee, vezugo em Bolachinhis inglezas as mais novas do mer-
NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaram os modernos vestidos de dentelle de seda com barra, inteiraraenu novos
em gosto e qualidade : luja das columnas, na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia
de Vasconccllos & C, successores de Jos Moreira Lopes.
Fazendas de bom gosto
Para vestidos de sen hora
Superiores cortes de seda de cor, 4e morante, de gorguro e de setim imperial.
Ditos de blond, o de cambria branca bordados.
Ditos da lia eom barra e grande variedade em cores e padrSes.
Ditos de organdys com barra
Lindas sedas de quadros escosseza e niodas.
Superiores lias lisas com grande variedade de cores.
# Ditas com salpicos, com llores e de quadros.
Lindas pampotinas de quadros e de Dores, faienda inteirameote iota.
Superiores cassas de cores, e lindas catnbraias ergandvs.
Grande variedade de chita de cores, de percalia e outras muitas faxendas de gosto.
Para hombros de senhora
Lindas capas e boornoux de easemira de cor.
Ditas de lia e de seda.
Grande variedade de soui'embarques de seda de 18,5 a 40.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados Anos, de cacbimira com iistras de
seda e de fil preto.
Camiziahas modernas, zuavos brancos e de cores, celleies de cambraia, lindas gol-
lmbas com ponhos e outros muitos artigos.
Para caneca de senhora e menia
Superiores chapeos e cbapellinas de palba de Italia enteitadss para senhora.
Ditos de (eltroenfeltados para entiora.
Dites de palba enfeitados para menind.
Grande sortimento de enfeites modernos de retroz, de froco, de cabello e de flores,
para senhora.
Na toja das columnas da rna do Crespo n. 13, de AoiOMe Crrele de Vasconcol-
los a c.
latas grandes a 8ooe l,ooo rs. cada urna.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que tem vindo ao nosso mercado a
6,ooo, 7,ooo e 8,oeo rs. a caixa, garante-
se ser de qualidade superior, que outro
qualquer nao pode vender por este preco.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de A'tona em
frascos grandes a 1 .ooo rs. o basco, e
1,000 rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes a leo
cado a ,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolachinha de soda em latas com diversas
qualidades a l,3oo rs.
Bolo frandez em caixinhas muito proprias
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,ooo rs. a caixa com 28 libras.
Figos de omadre a 24o rs. a libra o
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas pe casca mole a 32o rs. a libra.
Bolacbinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por l,2oo; ditas em caixinhas de deversos
lmannos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oe, e i,8oo rs.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a oo rs. a libra e 2,0oo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o |
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e 11,ooo a duzia-
Palitos para dentes a lio e 16ors. o mago.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca maito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l,oeo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dilo em caixoes a oo rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. 'em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
e 8,,'ioo a arroba.
de 3 libras por
Feijao.
9- Roa a Madre de Deos-9
Vndese feijao mulatinlio novo, ssccos de 22
cuias, o mais novo que se pode de? jar, e h,.mv
barato do que em oulra qualquer parte.
Vende se caixoes vazios prophts
para bahnleiras e fnnileiros a \ $760
cada um; nesta tjpographia.
Assncar crystalisad da fabrica
2 de Julho
Na Babia.
Noa/mazee?. da rna da Madre de Dos d. if,
ha venda o inulto superior aescear- rrvstahsadr,.'
em saceos e 2 arrobas, ao preco de 5,3 cada ai-
T'j'o
Esperanza.
Luvas de pellica, brancas, pretas e de rfirrs ;
em as brancas ha esperialidade e urra forma in-
teiramente nova, cadeiasde ac pollido e faadas,
voltas de eontas azues lorqne'zas, brincos Lalao a.
800 rs. o par, Pulceiras de cabello a *eC0, graixa
econmica a 320 rs. a cana, tinta con municativa
que depois de 8 das se pode tirar rpia para rsia
especialldade ainda nao apparereo plagiario, en-
feites com rifa de froeo, a Esperanza leve pelo \a-
pnr estes enfeites, nao constando que alguem mais
tivesse reeebido, porm nem ptr isso os vertiera
por mais de 35000, mnitas especialidades qne naa
podemos annunciar por ser despendilo: *So nu-
do Queimado n. 33 A, que se vender trale r a
dinheiro.
Vinho do Porto superior
em barris de oilavo e dcimo, vende Antonio Lou
de Albuquerque Azevedo & C.: no seu escriptoiio
rna a Cruz n 1
J. Keller & C. vendem superior vi-
nho tinto de Bordeaux, tanto em quarlola
como em caixas de duzia de garrafas.
32o rs. a libra
Ameixas franceza|s em latas
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com ce to e tantas por 1,2oo rs.
Matle excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras
liado
81-~RUA DO IMPERADOR-SI
Segunda casa Francisco Jos Leite, tem a satisfac3o de avisar aos seas" freguezes e aorespeitaval
publico que, estando restabelecido de seus incommodos de saude, acha-se novamente
com um bello e bem sortido armazem de seceos e molhados primor^amente escolhidos;
como sempre caprichou terdas mellwres qualidades, e francamente affiancas pessoas que
se dignarem comprar em seu estabelecimento,que all de preferencia a outra qualquer par-
te sero mais bem servidos, em qualidade e preces, como em pesos e .medidas, no que
sempreo annuaeiante foi escropnloso, era summa, nao illude a pessoa alguma.
Aos Srs. de engenho e lavradores que o queiram honrar como sea comitente lhes
assegura que o producto de seu laborioso trabalho ser o mai6 bem reputado ao merca-
da desta praca, para o que se julga convenientemente hbil, tado- pela longa pratica com-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachadpsoom, presteza, depois de se-
rem fielmente umprido as suas ordens.
Fomecer gneros aos Srs. agricultores e negociantes que bemerecam coofianca, fa-
zendo um abate vantajoso aos quepagarem a vista suas mercadorias, e encrrega-se da
venda de qualquer genero do paiz, mediante urna mdica commissao, entregando de
promplo seu producto, e sendo este applicado compra de gneros em se armazem,
prescindir da commissao.
Dos seus antigos e benignos fregnezes espera o annnnciailile sua valiosa proteceo, fre-
qoentando como outr'ora sua casa, e pelo reconhecimento qtie lhes tributa offerece expou-
taneamente sens servicos.
Julga desnecesario publicar a tabella dos preeos de seuS gneros: sao seus recursos
garanta suficiente de poder accempanhar os menores prcos de idnticos e mesmo de
mais apparatosos estabelecimenlos, tendo somente em visla o augmento de suas vendas
diarias.

Prevenco ncressarla
Tendo sido o proprietario estabelecido muitos annos com o mesmo
c*o ni mesmaraa, julga prudente advertir qne s alnaa e se
tem declarado no que disser respeito ao armazem. 1;
ramo de nego-
respoffsabil'rsa polo que

81-RUA RO IMPfiRkDOR-Sf
Segunda casa do lado drdto indo do pateo do 'Collegio,
<3> O" W S B O
T* as a k/ w
""IB
c5 =>
a o
o-o
B
o
o
-I
::e
a
ST S c. 5 .M q
o c.
5lS'f 8
no c as rt
p ti.
" ^ < S H
ft52 2 O 9
3
a
e
9
ISCBATOS rEIDGS.
Anda fgido o escravo Manoel, de idade de 30 a
40 annos, baixo. reforjado, de ror preta, porm
fulo, e tem 6 dedos em cada mo : quem dello
souberouder noticia, dirija-se ao aimazcm de
Jcaquim Antonio Pinto Serodio, ra do Brum, on
ra do Trapiche n. 36.
No da 9 de dezembro de 1864 fiigio te easa
desensenboro escravo Herculano, pardo tscurc,
com 3a annos, alto, cabellos carapinbos, olhc> e
orelhas pequeas, tem apenas bgode e pera, (or-
nas e andar de quebra-mangue, tendo o p esqcer-
do torto e sahido para fra eemo pata de sen,
por isso puxa alguma eousa pela perna qcado
anda, levou vestido calca branca remendada e ca-
misa branca, levando chapeo de palba, eoeduzio
igualmente toda roupa que possue, s.uppe-se an-
dar aqui mesmo pela eidade: quem o pegar leve-o
a ra Direita n. Si, que ser generosamente re-
compensado.
Fugio pela manhaa do da 28 do corrttie o
escravo de nome Paulino, com os signaes seguc-
tes : cabra, cara picada detengas, dentes lina-
dos, cabello carapinho, estatura regular, rbeio do
corpo, muito ruuhcido poT andar vendendo te-
zendascom um caixeiro da casa dos Srs. Marceli-
no & C : roga-se a quem o pegar, de o levar
casa dos mesmos na rna do Crespo n. 8, que ser
generosamente recompensado.
Auscntou-se em 29 de dezembro passado do
eugenbo Hinca de cima, no Cabo, a molatinba
Jonna, de 14 annos provaveis, com rada a !6 diae,
no Recife, a Jos Firmae de Medetros por precu-
raeo de sua av Joseptfa Mara dos Prazeres, mo-
radores ambos na Brejo de Madre de Dos, Km es
sigeaes segninles : cor alvacenta, manchas no
rosto, cabello carapinho e rugo, com orna cicatriz
na testa, corpo regular, eom todos os dentes, sem
peitos, as pernas finas, vestigios antigos de chcete
no eorpo. padece de bobas as parles oceultas, a
falla as vezes viciosa : roga-se s autoridades a
sua captara, e a qualquer particular, podendo ser
remeltido para o referido engenho, ou a Joo Jos
de Carvalhn Moraes Filho, ra do Queimado a. 13,
qne serao gratificados.
TTE
Agua Florida.
Para restabelecer o conservar a cor natura)
dos cabellos.
A agua florida nao ama Untura, fcte esen-
cial a contestar, a mesma agua dando a edr primi-
tiva ao cabello. Composta de plantas exticas e
de substancias inoffeusivas, ella tea propriedade
de restriir eos cabellos principio corante que el-
les ten perdido. 'uma salubridade incontesta-
ve], a Agua Florida entretem a lirapexa da cabera
destroe as caspas e mpeoe os cabellos do catair
Oleo de Florida,
Composto de substancias vegetaes ewttees, elle
conslke poderosam',, com a Agua Florida, a
torca, a belleza e a conservado dos cabejg.
Em Pars, casa de Qatslaur n. 12, ra de Riche-
lieu^ e 21, boulevard Montmar'rf.
Todos os frascee," ao tendo intacto e elaro,
timoee prateedo 4a casa, ci repntades talsoi.
Deposito, roa do Imperador, pharmacia n. 38
Ftrgio no dra 8 do eorrenle a preta de na^iopor
neme Luzia, idade de qsareata e tantos anuos
Couco mais ou menos, com os signaes segnintes :
da altura, corpo regatar, levando vestido de chi-
ta novo, panno da costa francez cora franja j usa-
da e consta qae* meemase inculca que anda pa-
gando semana e ha snspeitas que ella anda pela
estrada de Joao de Barros vendendo Tructas para
poder disfatcar qne anda no trafico desse servlco:
qnem e peger lev-a e n do Mondego n. 40 ou
me da Croa n. 1S, que ser generosamente rs-
eompentade. ^_^___^_____^^____-_
ATTENCO.
Fugio do da 12 do corrente a escrava de nome
Conclcfc, levando eom aia nana cria, e he re-
MMH^aofae toi wduzida |>elo menor Pedro Rau-
lo de AlbuqaerrU*, que lambem sabio de casa por
ler tachado sua v&i e padrasto dos nomes mais
injuriosas : quem qniter saber procure investigar
e procedimeet do lal rneaor, e ^nal a razao desto
procedlmeuto.
Mano TheopMa de Albuquerque.
_l


s
s
.
Diarto de rernanbnco rgnteda elr i de Janeiro de Iftfti
LiTTERATDBA.
THAIM1.CAI.
XVII.
OITO ANNOS DEPOIS.
(ConctusSo.)
En. l3o via-se anda, defronte do cabo Bruo,
na praia da linda enseada toulontza, de que ci-
ma rallamos, orna casinha de campo encoberta por
urna moita de pinheiros, c com nm belvedere de
onde se gozava a vista do mar.
Ah encontraram-se, no da 2 de fevcrelro de
1814, dous amigos qae linham estado multo lem-
po separados pela amplido do globo, o bravo guar-
da bandeira da Bucenlauro e o bere desta histo-
ria. Tonio.
Urna ferida que receben era ura duello pz Don-
nadieu fra do servico; oceupava um modesto
emprego na prefeitura martima, e nao pedia mais
:orque o honrava a estima do almirante Emerian,
que commandava em Toolon.
' Com a noticia dos nossos desastres em 1812.
Tonin sentiu despertar-se-lhe o patriotismo de ho-
mera de mar, c, querendocomegar de novo a sua
olyssa, embareou em um navio neutro com sua
mulher e Jos (ilhinhos de cinco e seis annos, e,
ch.-gaudo ao Havre, atraves-oi Paris, sem se de-
morar ahi, e dirigise para Toulon, onde alugou
essa casinha do cabo Brun, que tanto se asseme-
hava enseada de Porl-Jacksoo.
Os ltimos annos decorridos tinham feito de To-
n:i um novo homem, araaciando as salientes as-
perezas do seu carcter ; porm essa metamorpho-
se ora apenas exterior : debaixo dessa apparencia
adquirida com os hbitos da vida ingleza, o Tundo
censervava-se o mesmo. O pai de familia corri-
gira o rapaz solteiro ; nao quena transmitlir a
seas filhos a rudez da sua primeira educagao, e
marido; sua atilagao de mulher suspeitra vaga- UM POUCO DE TUOO.
mente alguraa cousa de sinistro na visita de Don- L se no New-York-Pott:
nadiea. Tinha ji derramado s lagrimas que que- Urna bella e joven mulher de Jackson (Mechi-
ria ofcultar no momento da ernel separacao; la- gara) fazia o recrutamento de ama maneira inso-
grimas de mulher podern abalar a coragem do ho- lita.
mem mais valente quando ellas se confundem com Esposa ura horaem com a condigao de que elle
o adeus da despedida. se alistar e Ihe dar a sua gratificado. Como
Era o mertento das sublimes pravas de dedica- esta mulher njtavelraente bella, o homem con.
cao; todos aquelles que tinham deposto as armas sent.
para gozar os prazeres da familia, abracavara mu- Quand9 o esposo parte para o exercto, esposa
Iher e filhos, e corrlam s margens dos ros do 0utro.
norte oa as praias do Ocano e do Mediterrneo, I Q ass(m suceessl,men,e qQalro homens,
oedecendo ao supremo grito da patria era pengo. ,.
que partiram para o exercto.
Pareca ouvirem-se os gemidos de um mundo que
se desmoronava.
No dia 14 de fevereiro, dia de eterna memoria
nos annaes maritimos, dia de gloria ede luto, que
anda hoje assumpto da conversa dos ancios de
Toulon, a divisao Cosmo, que partir para fazer
levantar o bloqucio de Genova, entra va no golpho
de volta das Ihas de Hyeres. O Romulo, o Espec-
tro, a Mgica e a Media, tinham encontrado a es-
quadra ingleza, composta de quinze velas. Esses
tres navios, sendo os mais veleiros da esquadra,
ganharam o mar largo; mas Romulo, menos li-
geiro, e cercado por tres navios da vanguarda in-
gleza, que Ihe cortaram a retirada, teve de aceitar
gloriosamente o mais desigual dos combates.
Em um instante, flcou deserta a cidade de Tou-
lon. Sua populacho invadu as emminencias de
Lamalgue e de Faron, para assistir ao mais tocan-
te espectculo que jamis o mar offereceu trra.
Todo aquello povo tinha um s olhar, um s alen-
t, urna s alma. O circo onde o heroico Romulo
defenda o pavlhao francez era um immenso go
pho Iluminado pelo primeiro sol da primavera, o
do dia de S. Valentina, que j em meados de fevel
reiro, presagia aos provencaes as quentes noutes e
os bellos dias: o S. Medardo do sol.
Fulminado por trezentas pecas de artilharia, o
A quarta vez descobno-se-lhe a tctica.
L se no Jornal do Havre :
M. X__ sahia do Gymnasio ante-hontem noi-
te, dirigindo-se a sua casa, no Darro de Luxem-
burgo. -
la apressado, mas quando chegava ponte de S.
A Anstrft acompanhoa esta proposta da seguln- Terminada a ceremonia da beneSo nupcial, ca-
le declara: rainbarara os dous esposos para casa, onde eram
Apresenlando esta proposta colleeliva, o re- esperados por muila gent das suas relac5es.
presentante de Austria refere-se a urna declaracao Passados instantes, a joven casada, nao sabemos
feita na sesSo de antes de hontem, por occasio com que pretexto, deixou seu marido e os convida-
do tratado do paz, relativamente ao arl. 3o desse dos, e foi ao seo quarto.
tratado, sejrundo o qaal o govern imperial espera Mas como passado muito lempo ainda nio tives-
que tenhfii um resultado lavoravel as negociares se tornado a apparecer, comecou a familia a n-
entaboladajs com a Prussia, a rtspeito de urna so- quietar se e foi alguem chama-la.
lugo da queslo principal, que corresponde aos! Nao eslava no quarto nem em parte alguma da
direitos o aos nteresses da confederago. casa.
O Hanover declareu o segrale :
t As of)servaroes do representante prussiano le-
vam o representante do Hanover a conGrmar que
o seu governo perfeilamene de accordo sobre a
questao de direito, com a declaracao do governo
prussiano, considera a execucSo terminada pela
communicacao do tratado de paz, communicado
antes de hontem dieta, e pela separacao dos du-
cados da Dinamarca que delta resulla ; por conse-
quencia, est prompto a retirar as tropas e o com"
ora especialmente por amor delles que Tonin se ^^ manobrando flrrae sobre quunai re9pon.
transformara.
Apenas se encontraram, Donaadieu e Tonn re-
f :nram um ao outro ludo quanto Ihes aconteceu
de bem ou de mal no decurso desses oito annos.
O colono de Sydney conhecerasmente felicidades
depois do seu casamento, e nao estando nos seus
ahilos essa monotona, de boa vontade obedeca
5 voz do des'er que de novo o lancava nos heroi-
cos trabalhos do seu lempo de mocidade. Tudo a
roda de s prosperara como elle desejava : a pe-
quena colonia dos seus amigos llorescia era Port-
igrfcsoa, o os dous casamentes tinham augmenta-
do a familia, Albertns, lendo enriquecido, ensina-
ya gratis a sua arle civilisadora aos selvagens
chrislos e aos no vos conquistadores do deserto
fecundo. Ao despedir-se delles, Tonin pode dirigir
a todos o Yivei felizes do poeta latino, e o adeus
c >ampre menos cruel quando o adoca a esperan-
za da volta (1).
ouco3 dias depois de sua chegada, eslava To-
mo sentado no Pinede cora sua mulher, e olhavam
ambos para.o mar, que attrahe sempre aquelles
jue lea) experimentado os seus prazeres, a sua cal-
ma e as emocjoes do seo furor.
Cs duus meninos, Iludidos pela semelhanca dos
is, nrocuravam m praia os seus amigos de
Sydney para brincaren) juntos com bolas de sar-
gado, e fazerem recochetes.
Chegou Donnadieu e pela expresso de sua phy-
siononiia, Tonin advnhou que o amigo nao Ihe
traza boas noticias. Fallarara em cousas Indiffe-
ronles, e por fim, para abrigar Liza a ir ter com
os fillios. Donnadieu encamlnhou a conversa para
a poltica e para as intrigas do ministerio inglez.
C.-sa esperteza produziu bom effeilo.
Antonio, dsse Liza levantando-se, as mulhe-
re* nao entendem dessas quesioes, vou tomar sen-
tido em llenrique o Christiano, que vo se appro-
simando do mar, e sao muito travessos.
Sim, meu aojo, aisse lolo, vae ; chamar-
tc-hei depois que Donnadieu tiver descarregado
atoda sua bilis contra a Inglaterra.
Donnadieu seguiu Liza com os olhos, e dsse :
Mount' as pesca aquello bello Jud ? Onde
a cliaste aquella bella Jndith?
Amanilla te responderei, disse Tonio ; tens
alguma cousa a dizer hoje, anda depressa.
Escuta, meu amigo, prosegua Donnadieu
am voz baxa : o almirante Emeriau manda ama-
nha duas nus e duas fragatas para fazer levan-
tar o bloqueio do porto de Genova, e trazer o Sci-
mao. O vice-almirante Cosmo quem comman-
da esta divisao.
Ento hao de levantar o bloqueio do porlo
te Genova.
Infelizmente o exercto tem tirado ltima-
mente muitos homens da marinha : o successivo
desembarque da artilharia de marinha, e de ou-
tros corpos tem deixado muitas vagas, e para
preenehe-la?, ando re crutando entre os amigos...
entre os que esto desembarcados.
E calou-se, olhaodo para Tonin que respondeu
- -inmediatamente :
Parece-me que te comprehendo \ esl bom.
E demais, proseguiu Donnadieu, ha pouco
que fazer ; a campanha ser curta, mas renhida 1
Moa serviremos para carregar as pecas, com
Bringier, Gardon, Hevest, Gassendi; entre elfes
' ha tres que sao casados, mas nesta occasio a
- Franca est era primeiro lugar do que a mulher.
A Franca bradou : Todos os convis Cobarde
aquel'.e que nao Ihe obedecer I
Mea amigo, disse Tonin, escasado gastares
comigo as tuas proclamacoes 1 Compreheadi-te
desde a primeira palavra ... Qual o navio para
o qual tu recrotas I
Para o Romulo, capitao Roland. Tem por
i iraraediato M. Biot. F.ltamos engajados para ser-
vir na batera de dezoto. Ha ara bello corpa-de
da com oitenta canhoes, e ergua a sua bandeira
cima dessa tormenta de balas. Vendo esse es-
pectculo, o intrpido Cosmo, o nosso here de
Trafalgar, precipita-?e a todo o panno da Grande-
Torre, e vae em soccorro do Hmulo. No mesmo
instante, urna ordem encompreheosivel, transmit-
ida pela viga do almirante Emeriau, urna ordem
que foi altamente censurada por uns e justificada
por outros, intima a Cosmo que se va reunir a
esquadra qae se acba ancorada. O here bretao
maldiz as exigencias da disciplina e recua pela
primeira vez.
A bordo do tiomulo opera-se a maior devastacao'
cada descarga das trezentas pecas cau.-a-lhe urna
ruina, os estilhacos de raadeira, mais terriveis qae
as proprias balas, dizimam a equipagem, o convs
acha-se juncado de cadveres, corre o sangue em
jorros pelas escotilhas; a balera de dezoto j nao
responde, est annqailada, os seus arlilheiros qae
sobrevivem descem para as portinholas de 36 e
continuara o fogo com toda a furia do desespero.
O capitao Roland, em p sobre am banco de quar-
to, cahe perigosamente ferdo por urna tala. Qoe-
rem leva-lo para a enfermara: Nao, diz elle
quero guardar a mnha bandeira. Acode o ciror-
giao de bordo e poe o primeiro apparelho na feri-
da do commandanle no meio de um chuveiro de-
bombas de metralha e de balas t No medonho es-
tampido das quatro naos que ao mesmo tempo fa-
zem fogo, dislingue-se rangidos semelhantcs aos
do carvalho quando arrancado pelo vento : sao
dous mastros do Romulo que cahem arrastaodo na
queda o pavlhao tricolor. Preguen o mea pav-
lhao no cabrestante, grita o capitao, e um robusto
marinheiro vae buscar o pavlhao, ergue-o bem al-
to, mostrando o ao inmigo, e prega-o, j todo eri-
vado de balas, no pedestal da honra.
Houve quem recoaheque esse marinheiro.
Nesse momento, todos os oculos de alcance esta-
vam fitos no Romulo; as mulheres que tinham a
bordo lillio, irmao ou marido, procuravam por en-
tre a famaca recooheeer aquello que Ihes era ca-
ro, o sabase quaes eram as familias dos comba-
tentes, pelas mortaes angustias que se Ihes lia no
semblante. Urna pobre mulher, que tambera era
mae, acompanhava de longe todas as peripecias
desse horrivel drama. Conra seas filhos aos
criados, e ssinha galgn a raontanh i para avistar
o navio onde eslava a sua vida, e para rezar mais
perlodocu. Pela altivez do porte, pela energa
dos gestos, e pelo vigor do braco, a bella Irlande-
z reconheceu Tonin, seu marido, no. arllheiro
que levantava a bandeira e a prega va no cabres-
tante. Passou-lhe urna nuvem pelos olhos, no te-
ve mais firmeza as pernas. Sentou-se no roche-
do, e tornou-se de tal modo insensivel que j nao
estremeca ao ouvir o estouro das balas que atira-
vam pedaeos de granito no proroentorio, laoean-
do-os outra vez no mar.
Trataram de soccorrer a pobre moca ; levanta-
ram-a, e no raesrao Instante troarara nos ares os
applausos do povo e as palmas de sessenta mil
mos. O Romulo livrra-se eom o auxilio de um
pedaco de maslro e dos restos de urna v6la. A
ruina boiava ao longo da costa, e os tres navios
inglezes, tambera muito avariados, nio se atreven-
do a chegar perto de trra, lancavaralhe de longe
as ultimas descargas inoffensivas como salvas da
honra. A nossa joven herona prorompeu em de-
monstraedes de alegra que forana logo abafadas
pelas lagrimas; o Romulo passava perto della, a
seus ps, reconheceu seu marido vivo e em p no
tombadilho, mas o horrivel quadro que o cercava
arrancou lamentosos gritos da multidSe. Por on-
de passavt o navio, dexava um rasto de sangue,
era um lmalo fluctuanle cheio de cadveres in-
sepultos. A morte esquecera apenas algnns mari-
nheiros, numero sufftciente para conduzr ao por-
to a sublime ruina, com a ultima bandeira que nao
se curvou era presenca do miraigo na vespera da
Miguel, vio um individuo que, dirigiado-se ao pa-, miSsario cvel que mandn para os ducados. O re-
rapeilo, olhou em roda e ia a precipitar-se no ro. J presentante reserva o voto e a declaracao do sea
M. X.... correu e teve a felicidade de o agar-, governo, sobre ji preposta colleeliva dos governos
rar.
Di'ixae-me I disse-lhe o de*conhecido.
N3o, responden M. X... nao vos dexarei
execntar o vosso projecto fatal.
Soa muito Imeiu ; preciso acabar cora isto I
So rae estorvaes hoje, voltarei amanhaa.
M. X... ouvio a voz do desconhecido e procura-
d'Austria e da Prussia.
A Sxooia fez a segninte declaracao; -
i Em presenca da declaracao feila pelo repre-
sentante do Hanover, o representante de Saxonia
julga dever fazer observar, para evitar mal enten-
didos, que o seu governo esl igualmente prompto
a retirar as suas tropas, o a retirar tambera o seu
va recordar-se onde a tinha j ouvido, quando o commissario civil, logo que a dieta lenha tomado
rosto do horaem, esclarecido pela claridade do re- urna resolucio neste sentido. >
verbero, se voltoa para elle.
M. B.. .1 exclamou M. X...
Pois conheceis-roe T perguntou com sorpresa
o infeliz.
rinalmente, na mesma sessao. a Baviera decla-
rou o segnmte :
< O representante da Baviera esf habilitado a
declarar desde j qne, na opinio do seu governo,
Olhae para mlm, meu caro patrao e reeonhe-' a mandato confiado aos governos de Saxonia e do
cereis o vosso amigo caixeiro. Hanover pelas reselucoes federaes q 1 de outu-
E vrdade diss M. B..., cada vex mais bro, 7 e 14 de dezerabro de 1863, nao- deve ainda
admirado. considerarse como consummado, e qne, pelo con-
Vinde comigo, accrescentou o antigo caxei- (rarto, os ducaetes do Holslein e de Lauenburgo
ro. O caf do Palais est ainda aberto e l pode- deven> coalinuar a ser administrados pelos cora-
remos conversar melhor que aqoi. missarios civis ero nome da eonfederaca&r e a ser
Depois de se acharen m eaf, M. B... conteu oceupados pelas tropas saxoims e hanoverianas.
ao seu ex-caixelro como, depois de especulares-
infelizes, Unha chegado mais extrema penara. I
A colpa minha, cootinaou elle,
vesse posto em execucao metade dos projectos que
formei em outro tempo, teria qoadroplicado a mi-
nha fortuna, em vez de a perdter. E vos como vos
Passaram horas e ella nao apparecia.
Os convidados retiraram-se, e no deserto domi-
cilio conjugal s ficou o pobre e abandonado ma-
rido.
Foi s na manhaa do dia seguinte que voltou ao
nnho a ave fugitiva; mas como nao quiz dar ao
marido explicacoes plausiveis sobre o sen proceder
da vespera, tambera elle nao quiz recebe-la e man-
dou-a por fra da porta.
Para escapar no futuro a crois desgoslos, ar-
ranjou elle no mesmo da as suas malas e parllu
para a sua cidade natal, onde vae dar os passosne-
cessarios para obter separado judicial.
Segundo uraa correspondencia de Florenca, as
rendas animaos dos prlncpaes eonventos desta ci-
dade sao as segnlotes, na nossa moeda :
Carmelitas descaigas de Santa Thereza 71:1005.
Frades servitas da Santa Annunciada 111:300$.
Carmelitas descalcas de Santa Mara Magdalena
1I8:900$000.
Dominicanos dos Angelini 123:0000b
Agostinhos do Espirito Santo 83:00OJ.
traaos da Santa Cruz 72:300$.
Scolopes de Sanio Giovanino 104:400.
Freirs de Santa Mana ll:300$.
Monta I vos de H i pon i 155:3009.
Dominicanos de Santa Mara Nova 77:600$.
Emfim, a ordem do Malta, agora hospitaleros-'de
S. Joo 216:000$.
Swnma total 1,230:400$000.
A' vista disto oao cousa para pasmar que go-
verno-italiano na* actuaes circuraetancias se lem-
bre de metter em- bons francos nos cofres d es"
tado o valor dos beas- das corporagoes religiosas-.
Levantas o brago forte
E o raio matas na ota*.
Como um aceno de morte,
Os Guararapes l esiao.
Voluplas de fogo exhalas,
As ptreas {antas estralas,
E poes-le i salvo das balas
Por de iraz de Carnario.
Guerreiro morrer affeito
Defendc o Brasil qae sea.
A hora soa no peito :
A cicatriz tropheu.
Da patria as manhaas coradas,
As tardes acabocladas,
Flores, mulheres amadas
Sao eslrophes de Tyrlea.
r \a resoluco federal de 7 de seterabro de
1863, ficou reservada a decscda alia dieta a*res-
Se en ti- .^\ ,.
peito da qaestao de saccessao ; alera dissoyoca-
j racter exclusivo da execueo que resuitava da re*
solugo-federal do Io de outubro de 1863, tomad
achaes ?
Ea, respondeu M. X...,sorrindor piu em
execueo ura s dos projectos que vos tinha ouvi-
do formar e... sos hoje rico. Assim, rceu caro
amo, urna parte desta riqueza pertence-vos, a titu-
lo de coilaborador, e de ora avante a miaba casa
ser a vossa.
I antes da merte do rei Prederico VHv foi to cssen-
ealmente aMerado pelas resolucoes do 2o de feve-
reiro e de 2-de junho de-1861, que a occupapo e
adminislraco- dos dous ducados ew nome da con-
federacao, que segundo as suas resolucoes se pro-
longou at agora, tiveram urna sigoificaco e nm'
alcance, que o possivsl tomar enveonsideraoao
ama modiflcaeao, seno quando os governos d'Aus-
E, dizendo isto, estendea a mao- ao se antigo tria-e Prussia tiverem feo, a respeito da-paz que
patrao, que, ooramovido ao ponto de Ihe bortralha- coneluiram com a Dinamarca; as conimunicaoes-
rem as lagrimas oes olhos, prometteu- nanea mais prometudas qjando se aprsenlo o tratado-de
pazt
atlentar contra os-seos dias.
O Jornal do- Cotmmrcio de Lsboa( publits-o se
guale :
lo jsrnal Er&pe, l-se 9 seguinte :
0>ur. F..., propretario era Brie, ostava ha taor
pos ajamar n'am restauraat da passagem Jffroyv
Por oceaso das peraces do exercto prossla-1 onc* egualraen! jantavam-qaatro individuos, sujo-
no na Jutlandia, os soldados desle exercito fiteram ^ gr e m|0 deDDCava a saaorigcra.ingJeza
fogo sobre- ura-vapornorueguez am-Federwksj f)ram destes-inexplicaveis acasos-que muita*
haven. Depois trocaram se diversas coromonica vezos sedao, umdos quatro individes comegau a
oesaesterespoitoeolreos goyemos da Suetla e faHax, com muito.desabono,.de um eminente ar-
da Prussn. tsla-da mais alta sociedad,-de que- o douter-
O Morng-Posf publica um despaeho expMoati-! amso,,e mearai
vo, que em 21 de aovembro dir^io Mr. d Bis-;
mark ao ministro sueco residente era Turi, ^^ ,ncideDte coocoa doutor 'am* cWiea
. ^ posieio, e, na aeiucao qu Ihe prodwia a coiwer-
0 despacho o segrate : "7 ? \ \, t ^
' sa'ao dos seus vtsmnos, fcilmente se- advinhava
O enviado eitraordinario e ministro pfempo- qu.u dw-se aeoBleeimenlo grave,
tenciaria da Suecrae Noruega, Mr. Jarts, j.reee : ECeetivameBe, no momenlo dado, e Dr. F.... to-
ben noticia de ora- inquerito a que se preoedeu a vanl0B_se, precipitadamente, e, drigindo-se- do
respeito do deplorvel acontecimento qae ve lu- ^do 0 mais directo ao narrador, disse-lhe :
gar a lirada dovapor norueguex-Lir Vikenf na ba.; senhor, vos oaens e nao scU mais que- un
hia de Frederefts-haven, em 13?de jnlbo. Eslap- mn calumniado,. \
do concluido este inquerito, o abaixo assigoado tem ^ conseqaencias fcilmente se advinhara.
a honra de fazer conhecer o resoltado a Jarts. Xo dia sej{o|iite> ^^ hoT^ da manH5a> ^ Dr
c Depois da entrada dos prestanos em Frede ?;,, e M. Wt.H... achavam-se 'am sitio retirado
ricks-haven, o IBcial commandante receben ordem da floresta de Montemorency^. acompaohados de
de nao dexar entrar navio aignm na baha. Em dous amiges.
consequenca desta ordem, retiraram-ce os pav-, Nes(e eReontro dava-se a eircumsnca de que
IhSes que serwamde signaes-aos navios para en- j0 or. F:... nanea era sua vida tinha manejado
irar. Quando o Vtken apparecea vista de Fre-!oulra aj-n. alera do escalpello, lendo. sempre sido
dericks have, eontinnou a singrar n baha. Ven-' inmigo declarado-dos duellos, o que M: W. H.,
do o official da guarda qiie am navio se diriga: o mais pacifico de lodos o insulares, incapaz de
para o por, a todo o vapor, nao obelante a falta1 molestas-de mota-proprio o mais pequeo verme,
dos pavilhoes que indicara aos navios noe a entra- a arma era a pistola"
da est livre, figurou-se*lho que o Viken nutria Troaou-se o primeiro tiro sera resultado, pon
ama inteBcao hostil, tanto mais, quanto viola do | ao segundo a bala do D#. F... feriu o hombro de
um ponto conhecido por ser a estoeo dos navios M w< H.. ^ ao passo qae a ^^ {oi de recoehe
de guerra dinamarqnozes. Julgeu-se reconheeero
Publieou-se em Parie a historia da Franca, du--
rante os-ltimos anooe, debaixo da forma kalen-
dario.
comprehende a historia poltica, econmica, adv
mnistrativa, Onanceh-a, eommercial e-artstica d&
Franca, com urna forma breve, concisa e saliente;
que poupa todas as iovestigacoes.
Cada dia do mez aprsenla, alm das-indcagoes
communs a todos os Calendarios, o resumo surama-
rio de todos os grande acontecimentos- realisados
na mesma data e no mesmo dia, dos annos do rei-
nado do imperador Napolao III.
Comprehende tambera as datas de numerosos
factos interessantes para todas as nacoes e das vi-
sitas trocadas entre soberano?.
a' um exemphi muito para ser seguid pelas em-
prezas empenhadas no derramamento des conheci-
mentos utete.
offlciaes: os Srs. de Argiot, de l Ferriere, de, jaz. (I;
Bellegarde, Possel Guorn, Besse, Gen^brlas. Te-
mos o ilho do vleme Infernet qu alferes.
Conheces todos esses homens, e j vs qae varaos
em boa companhia. .
Basta, mea amigo,; fazes-me soppor que be
sito... Faze com quo rae inscrevamcom o no-
me de minha me, Antonio Vernier, e indica o
lugar onde nos navemos de encontrar na cidade.
Esta tarde, is S horas, no caf do Cometa,
defronte da porta do arsenal. Acharas abi o leu
uniforme de arllheiro. -
Serei ponlual. Donnadieu, resta-ote agora
(azer o mais difficil.
Comprehendo, Tonin... Sim I s esposo de
ama linda moga, tens dons Blhinhos que sio dous
anjos i s rico, s fldalgo, trajas como am janott,
(alias como am Franetot... F* pabonen alor d'ana
irmmja din lou pra tm*ul la maigro nm$$outo
^no tea caso nao agradavel ir brincar em um
campo onde a magra nfc eeifaodo.)
Que ment baveni nesu minha resolocio
se eu fosse pobre, soJleiro e infeliz T disse Teiin,
Bspera-me esta Urde... Vou dispor mlnba mu-
lher para sapporttr esta desagradavel noticia.
Liza estava preparada para a confidencia de seo
fi) Vmte fehets ombres fortuna per acta ( Kir
guio.)
Uannebrog, e nesta oocasiao, dea-se ordem para se
fazer fogo.
Este acto de hostilidade deve ser exulusiva-
mente attribuido a um mal entendido, comquanto
o-governo dinamarquez considere comoqaasi im-
possivel confandir a bandeira dinamarqoeza, com e
Dannebrog. Oabaxo assignado julga dever cha-
mar a attenco. de Mr. Jarts para a cfroumslaneia
de que a cor vermelW de urna e outra bandeira,
nm fado esseneial; e qae a suspeeio deve sor roe-
nos inexpUoavel se se lembrar qoe.no. relatotio do
commanoawe do Viken, a bandeira do sea navio
era completamente nova.
t tm lodo o caso, o governo prussiano nio po-
de negar que, se o offlcial da guarda tivesse dado
prova de mais prudencia, teria talvez podido evi-
tar am engao, que descaradamente produzio um
resallado to deplorvel. Por consequenca, esle
offlcial foi reprehendido em presenca da graviddc
des tactos. s
< O abaixo assignado pode a Mr. Jarts qne se
digne traasmittir esta explieacSo ao seu governo.
O governo de el-rel (da Pru sia) lamenta sincera-
mente um aconteolmento qne, comquanto fosse es-
tranhoa qualquer intencao hostil, tena podido sus-
citar duvidas no espirito de uraa potencia amiga*
(Assignado)Von-Bismark.
ALbEMAKHA.
Era seguida publicamos as propostas e declara-
ces feitas na dieta germnica.
A proposta collectiva da Austria e da Prussia
concebida nestes termos :
< Visla a apresentacao na ultima sessao da die-
ta, do tratado concluido em Vienna, a 30 de outu-
te quebrar os ossos d nariz do sea adversario.
os
Outra bandeira fluctuou poucos das depois as
fortalezas de Toulon, bandeira cheia tambera de
glorias, mas que era desconhecida dos bravos sol-
dados qae quedara conservar-se fiis s cores do
Imperio. Foi a poca das emigracoes militares. O
commandante Allard l ia de bengala na mao, na
lurahsar a bandeira tricolor no reino da India dos
Cinco Rios, e os irmos Lailemand atravessavam o
Atlntico, para mostrarem as cores Imperiaes no
golpho do Mxico. Abriam o Irilho de um porvr
que boje o nosso presente.
O here desta historia, Tonin de Sydnei, levou^o ultimo, e que adquiri pleaj forea do direilo,
sua bandeira ao paz da bella Irlandeza, e o Un- em consequencia da troca das ratlflcaces, e consi-
do golpho de Dublin substftulu para elle, sem to- derando que o objeclo da execocao federal, resol-
davia fazer esqnece-la, a beHa enseada do cabo 'Ida em 7 de siembro de 1863, contra a Dinamar-
Bnra. Em 1825, Henhqae, o irmio de Liza, vol- ca, 8eou,.sem effeilo os representantes abaixe as-
leu de Port-Jacksoo cora urna grande fortuna; deu signados esto encarregados de a presentar a se-
exoellentcs noticias da colonia, e accrescentou gointe preposta, em nome dos seas respectivos go-
mis um feliz familia qne, depois, de tantas via- vernos.
gas martimas, tinha a final ale aneado esse porto Queira a alta dieta federal considerar lerroi-
to pouco conhecido no mappv do mando, e que se nada a execucao nos ducados de Holsteinedo
chuna afelicidade.
MKRT.
Fim.
(1) CoardoDDan, o celebre pintor Poalonet, re-
produtia admiravelmente o cembate do Romulo.
Laueroburgo, ordenada em, 7 de sel em bro de I863>
e convidar os governos dos.reinos de Saxonia a do
Hanover, qae esiavar encarregados de Ihe dar
comprimento, a qtw Telfrem as suas tropas ios
ditos ducados e a retirar os commissarios civi*
que pira li forara mandado?.
Os padriehos, que eram mdicos, curara
ftidos e os recondozlram a Pars,
Na maahaa seguinte, estando a honra sahsfrita,
M. W. H... foi, com a mo qne Ihe ficou livre,
aperlar a do dontor, c os dous separaran-se ale-
gremente, dizeedo-se adeus.
a que tristes ceflexes conduzera os factos desle
genwro I
---------- a mi
O Internacional diz o seguinte :
A maior parte dos jornaes contaram ura peque-
no drama oriental, no qual a j>rinceza Djemila,
depois de mandar cortar a cabeca a urna rival, a
offereceu ao sultao n'um prato de prata.
Parece que tudo isto nao mais qne urna fbula
tirada dos contos de Mil e urna noutes.
A princea Djemila nao lera nenhum inslinclo
feroz.
Toda a gente gaba a sua ababiiidade e ndole
bondosa.
Come nao estamos no mez de abril, os autores
desta mistineaco fariara melhor se se ocenpassem
de factos um pouco mais authenticos.
n.ai^ ii c
O Fgaro Programte conta que em Paris appa-
receram urnas novas cartas de jogar.
Os res, as damas e es vleles sao res, raninas
e vleles de thealro.
Cada nma destas cartas a photograpbla dos
reais notareis artistas dramticos de Pars nos pa-
pis em que mais se destlnguem.
O rei, a dama e o vlete de pus sao represen-
tados por Mr. Brcssant, mademoiselle Devoyde e
Mr. Coquelin.
O rei, a dama e o vlete de copas sao represea-
lados por Mr. Gneyraard, madama Gueymard e
Mr. Belval.
O re, a dama e o vlele de ouros por Mr. Mon.
tambry, mademoiselle Ciro e Mr. Ponchard.
O rei, a dama e vlete de espadas por Mr. Is-
mael, madama Charton-Demeur e Mr. Girardol.
------------- ni l J li lgl-*T.....
Ha alguos dias celebrou-se em Berln, segundo
o que reerem as folhas de l, o casamento da filha
de um empregado de ministerio com um joven ad-
vogado.
Ella nao tinha consentido em acompanha-lo ao
altar seaae a forca de Instancias e ameagas da sua
(iila, porqu havia ji algum lempo que era re-
Iquestada por ara abastada negociante da cidade.
E' do Sr. Tobas Brrelo de Menezes esta poesa:
Uoriamur atque m media
arma ruamus.
(VlRfi.)
J fomos a gente ousada
Que um mundo virgem produz.
J vio a Europa assustada
Gladios e caboclos ns
Pullarem grandes, valentes,
Vermolhos, resplandecentcs,
Do abysmo dos occidentes,
Lavados de sangue e luz.
Hoje a idea em nossa ierra
Fulmina a espada voraz
Que somos ? lavas de guerra
Petrificadas em paz.
Porm nao venham ignavos
Na linguados ferros bravos
Deixam os amargos travos
Desse horror que o sangue faz.
0 Brasil de coma intonsa
Dorme e deixa-se afagar;
Macio qual pello d'onga.
Nao no queirara insultar,
Os que repousam oas campas.
Senlem que o vento das pampas
Lbes agita as ureas lampas,
E o$ faz etn raiva accordar.
Para esses vultos brilhantes
Morrer nao combater
E' apear-se uns instantes,
Do valle ao fundo descer,
Filar a noite estrellada,
E espera d'outra aivorada
Dormir nos copos da espada,
Deixando o sangue escorrer.
Que athletas, qu espectros grandes I
L por onde o sol tombou,
No tapo altivo dos Andes
1 m cavallero estacou.
Sussurrm vos anglicos;
Lambera-se os gladios famlicos :
Dir-se-hiam relinchos bellicos
Que o bronzeo corsl sollou.
Muila coragem que dorme
Desperta da guerra ao som.
Fuinga o banquete enorme
De ferro e fogo est bom I
Tudo rl bella mudanca 1
Salomao trava da langa,
Ferve o bro d'um Braganca,
No corago d'ura Bourbon.
O povo sacode o somno
Da cabega que descae.
Senhor I da altura do ihrono
Vede a mao de vosso pae
Lirapando todas as frontes,
Passando em montes e montes,
Por cima dos horisontes,
A' cala do Paraguay
E temos peitos vetustos,
Que batem sempre leaos,
Amagos d'bomens robustos
Que anda guardara mortaes
Antigs, ferventes aseas :
Do tronco ramos ou lascas.
Mazeppas, rabes, guascas,
Vede l quem corre mais.
No coragao desta gente
O bravo suffuca o ai.
Que ferros I o cedro ingenie
D'um golpe derra e ca.
Ceda a repblica insana.
Se en? fim nao se desengaa,
Espada pernambucana,
Desembainha-te e vai.
Vai lu qne nao geras fracos,
Cidade que abres-te aos ses,
Cornelia, mi de cem graccos,
Vuva de oitenta hroes.
Quem ba que o eolio le dobre T
Terrivel, sincera, nobre,
Limpaste as faces de cobre,
Das baialhas nos chryses,
Nao falla, nao rl, nao medra
Comtigo eslranha altivez.
Tu (eos as unhas de pedra
Cabello, trapo hollandez.
Tea befo que accende a gloria,
Levanta a poeira da historia
Era turbillies de victoria :
Veoceele I por orna tez.
No Commercio do Porto l-se o sguinte :
Os annaes do bandolerismo napolitano teem
sempre o seu lado romntico. \
As cercanas de Catauzar sao agora exploradas
por um bando numeroso, cojo chefe urna mulher
de 20 annos, chamada Maria Monaco.
Todos os que a teem visto exltam a sua bel-
leza.
Tem olhos negros de ura brilho irresislivel e
urna phisonomia seductora, mas no coragaa tem a
ferocidade do ligre.
Tiuha casado cora um bandido chamado Pietro
Monaeo, que apaixonadamente amava.
Pietro foi morto em um encentro com o bersa-
glieri.
A sua vi uva pegn na carabina do morto e sobre
o seu cadver jurn vinga-lo.
E leve a palavra.
A' frente do band, qoe seu exemplo electrsava,
fez prodigios de audacia e tornou-se o terror da
provincia.
Porm, infelizmente para efla, inspirou urna pai-
xio profunda a um joven camponez dos arrabal'des
de Cantazaro, Sitio de ura rico lavrador, chamado
Antonio Cocelaat, que, para se aproximar de Ma-
ri, se fez bandido, servindo-a com urna dedicagid
a toda a prova.
Quando julgou ler conquistado-o direito de fallar,
declarou o seu amor.
Mara responde que nao viva senao para a vin-
ganga e que se conservara fleta memoria de seu
marido-.
O despeito e o ciume mudaran em odio o amor
de Antonio.
Dissknulou os seos projectos,. parecen renun-
ciar o sen amor e seFviu Mana, comoaules. Porm,
aproveando-se de urna misso que ella Ihe linha
confiados foi ler com seu pae e o- eoearregou de
tratar cen' as autoridades de Caatazaro as condi-
ges de soa sabmisso.
Pedu perdo para si e para dous dos seus com-
panheiros, e a vida de- Mara, exigindo qoe nao fos-
se coodemnada morte.
Mara fot presa, julgnda e conderanada a trinta
annos depriso.
Tm carcereiro enamorou-se della- e favoreceu a
sua fuga.
Seus irmaos esperavam-na para l*e formar es-
colta e recoodui-la ao thealro desuas faeanhas.
Ocarcereiro fugiucora ella, mas-quando chegou
ao ponto de reun iio, Maria fez ura signal e o infe-
liz eahiu ferdo cora vint punhaladas.
Depois da sua evasao Mara tornou-se ainda mai>
cruel.
HedobroG de audacia e actividad?.
Appareeeu em toda a parte, mulliplica-se, in-
cendeia as casas do campo, ronba gados e laoga
contribuiedes forgadas.
A menor desobediencia s saas ordens punida
com o assasslno e incendio.
O seu bando numeroso, aguerrido, sempre
bem informado pelos camponezes, que o terror faz
seus espides e seus cumplices.
Besta saber se esta herona do bandolerismo
escapar por muito lempo s perseguicoes da jus-
lica-
Os novos debates relativos ao processo Foota"
nellas recomegarara agora novamente em Barcel-
lona, e toda a Hespanha espera com anciedade o
resultado desle processo notavel, que versa sobre
os seguintes fartos :
Era 1845, D. Claudio Footanellas, ilho mais no-
vo do marquez de Fontanellas, um dos maiores
banqueiros da pennsula, desappareceu mysteriosa-
menle de Barcelona, arrebatado, segundo se diz,
por malfeilores.
A familia deixou de fazer as diligencias neces-
sarias e aceitn com ama ceoraravei iodifferenra
esta desapparigo.
Com tudo, o marquez de Fontanellas. por sua
morte, deixou um testamento, no qual constitua
D. Claudio herdeiro universal da sna immensa for-
tuna.
Em 1861, o fllho desapparecido, qae se tinha re-
fugiado no territorio da repblica Argentina, vol-
tou a Barcelona logo que leve noticia da morte de
seu pae e apresentou-se emeasa de seu irmao mais
velho, que o reconheceu.
Um genro do marquez de Fontallas, assustado
cora este regresso, que devia Jorgosamente aderar
a partilha da heranga, chegou de repente Bar-
celona, acompanhado de um juiz e de urna torga
militar.
D. Claudio toi preso e mettido na prlso da ci-
dade.
astaurou-se processo, aecusando D. Claudio de
querer substituir o ilho do marquez que tinha des-
apparecldo^dfzendo-se que elle era, nao o ilho do
marquez, mas sim Claudio Fel.
Dous advogados encarregados da defeza abando-
naram-na, morrendo o segundo de nma morte mys-
teriosa.
Claudio foi condemnado gales I
Agora a coasa torna a pleilear-se no tribunal de
Barcelona e o novo defensor do iafeliz Claudio Fon-
tanellas, D. Sudalecio Caso, primeiro ajudanle do
procarador regio do conselho de estado, aprevena-
se munido de documentos qae provam a denuda-
de do preso, como sendo o proprio filho do marques
de Fontanellas.
Toda a Hespanha toma interesse neste processo,
qoe esconde orna intriga tardamente urdida con-
tra nm homem coja innocencia est, segando se
assegnra, provada com documentos irrefulaveis.
O maire do Mesnil (Franca), achoo no territorio
daquella communa o asseoto de um cemterio gal-
lo franco, que parece dever ser do secuto quinto
ou sexto.
Os tmulos que descobrlu sao todos largas pias,
de paredes espessas, cavados cada um delles era
uma's pedra. ,
Alguns scontinham trra muito dividida e os-
sadas informes; em outros havia esqueletos muito
bem conservados, e outros, alm de esqueletos,
conlinham vasos de barro, relas de cinturoes,
clcheles, etc.
Em ura encontrou-se ara colar-de setenta ron tas
de vidro e de mbar grosseiramente talhadas e ora
pooteiro de bronze, muito coroprido e era perfeita
cooservacao.
Objectos de ouro ou prata, enhum,
Se essas sepulturas datam em verdade da poca
merovingiana, oa se pertencera poca dos tem-
plarios, como resa ama tradigo do paz, ama
qnesto cojo estodo sena de interesse.
pErttfAMWCO,-TYP._l* M. F. DE F.4 FILHO

-

'
. .:


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDB57F9G7_ZVL6W6 INGEST_TIME 2013-08-27T20:17:05Z PACKAGE AA00011611_10569
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES