Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10567


This item is only available as the following downloads:


Full Text
/
A11H0 XLI. REMERO 10,
Por qaartcl pago dentrt de 10 das do 1. mez ... : 5| 000
dem depis dos i." 10 das do comee t dentro do qoartel. 6J000
Porte ao correio por tres mezes ..".,..!,..,,:. 780
DIARIO DE
SEXTA FEIRA 13 DE JABE1R0 DE 1865.
Por asno pago dentro tos i O ias do t.mez ,.....191000
Porte ao correio por um amo............., 3)000
BUCO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima ;
Natal, o Sr. AntODio Marques da Silva; Aracaly, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquirn Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jerooymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL.
' Alago**, o Sr. Claudine Falcao Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alv^s; Rio de Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagoes da via frrea al
Agua Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Allinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, BoraCon-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas feiras.
Pao d'AIno, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury.Salgneiro eEx.nas quartas feiras.
Serinhem, BioFormoso, Tamandar, Una, Barrci-
ros, Agna Preta e Pimenteiras, as quintas felrasj.
Illia de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE JANEIRO.
4 Cuarto cresc. as 1 h., 22 ro. e 52 s. da t.
11 Luacbeia as 8 h. 40 m. e 10 s. da t.
20 Quarto ming. aos 16 m. e 52 s. da m.
27 La nova as 7 h.. 10 m. e 46 s. da m.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Reiago: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda. quintas s 10 horas.
Juizo do commercio : segundas s 11 horas.
Dito de orphaos : ierras e sextas s 10 horas.
Priraeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara docivel: quartas e sabbadcs a 1
bora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
9. Segunda. Ss. Julio e Baslica sua esposa mm.
|0. Terra. S. Nicanor diac; S. Agathao p.
11. Quarta. S. Hygiuo p. m.; Salvo in.
12. Quinta. S. Saure ra.; S. Arcadio m.
13. Sexta. Ss. Ili rmillo e Straconio mm.
14. Sabbado. S. Flix ni.; S. Macrina v.
15. Domingo. S. Amaro ab.; S. Habacuc prof.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 5 hora e 18 m. da manhaa.
Segunda as 5 horas e 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de janeire, margo, maio.
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Pigueira de
Faria & Filho.
PARTE OFFICIAL
GOVBRNO DA PlOViPiCU.
Conlinuace do expediente do dia 9 de Janeiro
de iS6o.
Oillcio ao Exm. visconde da Boa-Vista, comman-
dante seperior da guarda nacional do Recife.
Reccbi o sen officio n. o de 7 do corrente, e fico
sciente de haver V. Exc. passado o commando su-
perior ao coronel do 1 batalho de infamara da
guarda nacional deste municipio, Domingos Affon-
so Nery Kei reir.Communicou-se ao inspector
da thesouraria de fazenda.
Dito ao Dr. ehefe de polica Sciete pelo ofi-
cio de V. S. n. 31, de 7 do corrente, de terem sido
presos pelo delegado do termo de Bai xa-Verde, e
remettidos para o de villa Bella, lugar da culpa,
o tfnenie Manoel Penna de Souza e o advogado
Antonio tico de Souza Leite, como indiciados em
crime de estelliooato, tenbo dizer-lhe em respos-
ta, que desejo ser informado do resultado do pro-
les o que val ser instaurado.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Remello a V. *;; para seu conhecimento, a inclusa
copia do aviso circular do ministerio do imperio,
de 23 de dezembro ultimo, do qual consta haver-se
declarado aos Rvds. bispos que devem solicitar a
approvaran do governo imperial nos termos do
aviso de"30 de Julho de 1862, quando renovarem
as provisoe* de nomeaedes de sacerdotes estran-
geiros para conlinuarem no exercicio de vigarios
nrommendados na mesma on em diversa paro-
chia.
Dilo ao director geral da instruego publica.
Em vista do que ponderou V. S. em sua informa-
cjw de 4 do corrente, sob n. 4, acerca do requeri-
mento em que Flix de Valois Correia pede dis-
pensa do exame de habilitacao para o concurso
que vai t r lugar, as materias em que j obteve
approvacao, tenbo a dizer-lhe que, quando se ve-
rifica algum concurso nao se trata de saber quem
tem suficiencia para exercer o emprego, que ba
de ser preenchido mediante exame, mas saber
para o exercicio dalle.
Se o supplicanie fosse o nico pretndeme ao
lugar de que faz mengo, nao haveria duvida em
considralo para elle habilitado, em vista do exa-
me porque anteriormente passon.
Outro tnto, porm, nao me parece razoavel,
bavendo mais de om concurrente, pois qne, o me-
rec ment de cada um s pode ser graduado com
justiga, respondendo o supplicante a tods as ma-
terias em que os outros concurrentes forem ar-
gidos.
A' vista do qne acabo de expender, espero qae
V. S. communiqne-me o que pensa a esse respei-
to, prescindindo do que se var seguido m oa-
tras occasides. *
Dito acamara municipal do Recife.Tencio-
mndo 9. A. Imperial a Sra D. Isabel e sen augus-
to esporo, o Sr. conde d'Ea, desembarcar nesta
provincia quando passar por aqui na viagem que
?o fazer Europa no paquete inglez que deve vir
do sol de 13 15 do corrente, e tendo naturalmen-
te de descansar no palacio da presidencia, nao s
convido a cmara municipal desla cidade para as-
sistir ao desembarque de SS. AA., que lera lugar
na rampa em frente do patei das Princezas, mas
tamban rogo-llie que faga tudo que de si depender
para abrilhantir o desembarque dos augustos via-
. jantes.
-10-
OIBcio ao Exm. presidente da provincia do Rio
Grande do Norte.Declaro V. Exc. em addita-
mento ao meu oficio de 2 do corrente, que segun-
do constou de informago da thesouraria de fazen-
da, datada de hontem e sob n. 22, desde 7 de de-
zemhro ultimo, e de eenformidade com as ordens
de V. Exc, deu-se principio na alfandega de-la ca-
pital a arrecadagao do Imposto de '/t %> creado
peta le n. 539 de 23 de junho daquelle anno, sobre
os gneros de produego dessa provincia na occa-
sio de serem exportados desta e cujo producto
monlou no predito mez de dezembro, na importan-
cia de :(ilio', como V. Exc. melhor ver da
certido junta por copia.
Dilo ao Exm. presidente da Parahiba.Na pri-
meira opportuoidade ser transmitido ao Exm. Sr.
ministro da justica a oficio que para ter esse des-
tino V. Exc. me remetteu com o seu de 2 do cor-
rele.
Dilo ao coronel commandante das arma?.Cons-
tando de parlicipages do Dr. chefe de polica de
7 e 9 deste deste mez, sob ns. 32 e 37 que de meia
noite para o dia 30 do mez udo, e das 7 a 12 ho-
ras da noite de 6 do corrente, nao houveram pa-
trulla rondantes na fregaezia de S. Jos de.-ta ci-
dade, e que o mesmo succedeu nesta freguezia de
Sanio Antonio no referido da 6 : assim o commu-
nlco Y. S. para providenciar a semelhante res-
peiio como convem.Communicoo-se ao Dr. chefe
de polica.
Dito ao mesmo.Remello incluso o oficio do
director do hospital militar n. 16 desta data, atim de
que V. S. se sirva de informar acerca das obras que
elle propoe para asseio do compartimento do mes-
mo hospital que serve de sala fnebre.
Dito ao mesmoQueira V. S. informar sobre o
qne pede no incluso requerimenlo o voluntario
Emilio Carlos Jordo.
i
Dilo ao mesrao.Julgando muito attendives os
motivos sobre que V S. baseou a sua informago
de 9 do corrente, dada com referencia ao requeri-
menlo de Delphina Sebastiana de Alencaslro, que
solitou trauserenela para sen filho o cabo de es-
quadra Thomaz de Aquioo Alencaslro do 9 bata-
lho de infamara para a companhia de eavaliaria,
resolv por despanhe desta data indeferir seme-
lhante pretengo, do que dou sclencia a V. S.
Dito ao mesmo.Convenho em que o f*'cadete
furriel da companhia de eavaliaria Antonio dos
Santos Vieira va servir em um dos regimentos da
mesma arma na provincia de S. Pedro do Sal,
como pedio no requerimenlo sobro que V. S. in-
formou em oficio n. 36 de 7 do corrente ; podendo
V. S. expedir para esse fim as coavenientes ordens.
Dito ao uiesmo.Bem que reeonliega ser exacto
quanto V. S. expoi em sea oficio n. 44 conx refe-
rencia ao incluso requerimenlo de Mara Magdale-
na de Carvalbo que pede baixa para seu lilho Fran-
cisco Rodrigues Piuneiro, comtudo pareeeme con-
veniente dizer a V. S. que a supplicante com a cer-
tido aonexa ao requerimenlo que devolvo. prova
ooalar seu lilho apenas 16 aunos, nao tendo por uso
a idade exigida as instrueges de 10 de julho de
1822.
Dito ao mesmo.Tomando na mais serla consi-
derigo a informago que V*. 8. minisirou em of-
lici.o de hontem cere* do requerimenlo de Anoa
Mara do Carino que solicitou transferencia para
seu filho, o anspegada Joo Thomaz da hora, do 9
batalho de nfantana para a companhia de eaval-
iaria resolv indeferir semelbaate pretengo por
despacto desta data : o que Ihe declare para sea
csnliecimento.
Dito ao commandante de presidio de Fernando.
Convm que V. S. tentu sob sua proteccao, os fi-
lhos do sealenciado Valentim Jos Beierra de Mo-
raes que vai o a esta capital depr como teslema-
nna no processo do sentenciado Manoel Amonio
Carneiro e tem de demorar-se aqui at que seja
jaleado.
Dito ao mesmo.Faga V. S. regressar esta ca-
pital com guias, na primeira opportunidade, a dis-
posicao do juiz municipal da 1* vara, os sentencia-
dos de jusliga, Ago Soares da Cruz e Luciano
Gomes da Cesta, que tem cumprido as suas sen-
teagas.Communicou-se ao juiz municipal da pri-
meira vara desta cidade.
Dito ao director geral da inslrucgao publica.
Communico a V. S. para sen conhecimento e di-
reegao, que em vista de sua informaclo de 5 do
corrente, sob n. 5, mandei admittir por despacho
desta data no gymnasio provincial como alumno
externo gratuito, o menor de nome Hilario Velloso'
da Silveira, filho do Florentino Velloso Cavalcante
de Albuquerque, de que trata a sua citada infor-
mago.
Dito ao director di arsenal de guerra.Sciente
pelo oficio n. 153 que Vine, me dirigi em 9 do
corrente, de ter-se apresentado na companhia
que pertence, o aprendiz menor Francisco do Car-
ino Coelho, que havia obiido 30 dias de licenga
para passar a feua em casa, tenho a declarar em
respost*. que nao deve Vmc. consentir na sahida
delle do arsenal, anda mesmo nos domingos e
dias santificados durante a licenga que renunciou,
mrmente nao estando a mili desse menor na ca-
pital. Communicou-sc ao inspector da thesoura-
ria de fazenda.
Dito ao chefe interino da reparligao das obras
publicas.Inteirado do cometido do oficio que
Vmc. me dirigi hoje, sob n. 367, tenho a dizer em
resposta, que inste de novo com o empreiteiro do
caigamento desla cidade, para qne d principio
quanto antes ao caigamento da ra Nova, attento o
seu estado lastimoso.
Uito ao mesmo.Em vista da informago mi-
nistrada pela thesouraria provincial em 3 do cr-
reme, sob n. 4, autoriso Vmc. a mandar fazer, nos
termos da lei e como r mais conveniente aos io-
teresses da fazenda provincial, os novos reparos
de que anda precisa a cadeia de Serinhem, os
quaes constam do orgamento supplementar, que
nesta data approvei, na importancia de 770&5O
rs., e para esse lira veio annexo ao sea oficio
n. 342 de 9 de dezembro do anno prximo passa-
do, a que respondo. Offlcion-se thesouraria
provincial com copia do orgamento.
Dito ao mesmo.Nao podendo Vmc, em vista
das razoes apresentadas em seu oficio de 4 do
corrate, sob o. 363, ir pessoalmente examinar as
obras relativas aos reparos e embarreameoto da
estrada do sul entre os marcos de 5 a 8 mil bra-
gas, deseje ao menos que rae remeta o relatorio
em que o conductor Flix Ramos Lieutier deu
eonta do exame que fez era taes obras, atim de
poder o respectivo arrematante receber a segunda
pretacao de seu contrato.
Dito ao Dr. juiz municipal da 1' vara desta cida-
de. Accusando recebido o seu efflcio de hontem a
qao hw W as gnus dos sentenciados de
justiga destinados ao presidio de Fernando, tenho a
dizer-lhe que entre ellas encontrou-se a do reo Sal-
vador Pereira Brando que nao est comprehendido
na reiago a que allude o seu citado oficio.
Dilo ao chefe da estago de Trombetas.Mande
Vmc. dar transporte na va frrea dessa estago
at a das Cinco-Pontas, as pragasdo 9o batalho de
infantaria, que nesta data se mandn retirar da co-
lonia militar de Pimenleiras, e bem assim a um
soldado de eavaliaria que vai a servigo mesma
colonia ; declarando Vmc. no passe ou gu der para semelhante flm, que se deve levar em
coota as duas passagens de que dispoe o go-
verno. Communicou-se ao coronel commandante
das armas.
Portara.O vicepresidente da provincia, atten-
dendo ao que requereu o professor publico de ins-
lrucgao primaria da primeira cadeira da freguezia
de Santo Antonio desta cidade, padre Vicente Fer-
reira de Siqueira Varejo, e tendo era vista o que
a este respeito informou o director geral da ins-
I truego publica em 7 do corrente, resolve conce-
i der ao referido professor 30 dias de licenga com
. vencimentos, a contar do mencionado dia 7, para
i tratar de sua saJe fra da capital Coraraunicou-
; se ao director geral.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambuca-
'. na de navegago costeira faga transportar no vapor
que tem de seguir para o presidio de Fernando no
mez corrente, os 19 sentenciados de justica men-
; cionados na reiago junta, que vo cumprir all as
; penas a que foram condemnados.
Reiago dos sentenciados a que alinde a por-
tarla supra.
Antonio Soares de Queiroz.
Joaquirn Bezerra de Sant'Anna.
Manoel Quirino da Silva.
Pedro Pereira da Silva.
Antonio Valerio dos Santos Onga.
Antonio Lourengo da Silva.
Antonio Francisco de Oliveira.
Balthazar Jos da Silva.
Jos Amancio de Brito.
Jos Dias da Silva.
Jos Francisco Torquato.
Joo Severino da Costa.
Joao Marcellioo dos Santos.
LuizGonzaga da Silva.
Lzaro Francisco Bezurra.
Manoel u'a Silva Machado.
Melquades Jos de Sant'Anna.
Theodoro Pinto de Oliveira.
Vicente Ferreira.
Neste sentido fez-se o necessario expediente.
Dita -Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de paquetes, fagam transportar para a Bahia por
coma do ministerio da guerra no vapor que se es-
pera de norte 3 caixSes contendo arilgos de arma-
mento e fardamente destinados as pragas do \ ba-
talho de artilharia a p, que se achara desTacadas
naqnella provincia, a cujo commandante das ar-
mas devem ser entregues os referidos caixoes.
Communicou-se ao coronel commandante das ar-
mas.
DitaO Sr. gerente da companhia Pernambuca-
na, mande dar transporte para o presidio de Fer-
nando aos sentenciados de justica Jos Barooza
Carneiro e Joao Manoel Rodrigues.Communicou-
se ao commandante do presidio de Fernando.
4.* Secgo. Palacio do goverao de Pernambn-
co, 12 de Janeiro de 1865.Respondendo ao oficio
que me dirigi a cmara municipal do Recife em
11 do cerrente. sob n. 3, tenho a dizer-lhe, que ao
meu oficio de 9 desie mez nao se collige que eu
exigisse da mesma cmara o dispendio de dinhei-
ro algum com o desembarque de sua alteza Impe-
rial, a Sra. D. Isabel e seu augusto esposo, o Sr.
conde d'Eu, mas apenas qae conerresse com as
suas pessoas e as dos respectivos empregados pa-
ra augmentar o numero de pessoas destinadas a
assisterero ao referido desembarque.
Entretanto, aceito o ofT-recimemo, que faz a are-
dita cmara, para a illaminago das casas desta
cidade, se porventura pernoitarem entre nos os
augustos viajantes.
Dos guarde a Vates.Anselmo Francisco Pere-
.Srs. presidente e vereaderes da cmara mu-
nicipal do Recife.
Desatabas das dias 9 e 10 de Janeiro de ISCii.
Reqaerimenlos.
Antonia Maria do Nascimento. Informe o Sr.
barao do Livramento, vlce-provedor da Santa Casa
da Misericordia.
Antonio Moreira da Silva. Nao tem lugar
vista da informago do inspector da thesouraria de
fazenda.
Major Apolonio Peres Campello Jacorn da Gama.
Deferido.
Ananias Borges dos Santos.Concedo ao suppli-
cante licenga para conduzir sua raulher ao presi-
dio de Fernando em sua companhia.
Tenente Antonio Vilella de Castro Tavares.
Informe o Sr. Dr. secretario da presidencia.
O mesmo. Nao tem lagar o que requer o sup-
plicante a vista-da informago.
Major Bernardo Luiz Ferreira Cezar Loureiro.
A' vista da informago, deve o offerecimento do
supplicante ser levado ao conhecimento do governo
impsrial.
Claudlno Jos Correia. O supplicante pode
mandaj vir a sua sentiora pelo vapor que tem de
seguir para o presidio de Fernando no dia (4 do
corrente, e para isso eston disposto a dar urna por-
tara, se assim for preciso ; mas nao tem lugar a
ida do supplicante aquello presidio para tratar de
negocios, sem que o supplicante obtenha do com-
mandante respectivo que o requesite presi-
dencia haja de consentir em que o supplicante tor-
ne ao mencionado presidio, ama vez qae nao pre-
tendo de maneira aguma contrariar as vistas de
um commandante, que como o actual, cumpre as
suas obrigagoes satisfactoriamente, e ha demons-
trado s ter por m acabar com os abusos qu1 se
davam no presidie, que se allude. Tudo Isto j
disse verbalraente ao supplicante, a quem mostrei
urna lista de cioco vivandeiros, que requisigo do
indicado commandante, nao devem voltar ao presi-
dio em questo, senda um delles o supplicante.
Hachare! Chryssolito Ferreira de Castro Chaves.
Informe o Sr. inspector da theeonraria de fa-
zenda.
Claudino Jas Correia.Informe o Sr. comman-
dante do presidio de Fernando se se oppe ida
do supplicante aquelle presidio para o fim alle-
gado.
Defina Sebastiana de Alsncastro. Deferida
vista da informago.
Francisca Maria da Luz.Nao tem lugar vista
da informago.
Flix Valois Correia. Esperado al nova infor-
mago do Dr. director geral da iostruccao pu-
blica.
Florentino Velloso Cavalcante de Albuquerque.
Deferid i vala da informago.
Alferes Francisco Antonio de S Brrelo Jnior.
Como requer vista da informago.
Alferes Francisco de Paula Barros.Na forma
roquerida,
Irmandade do Santissimo Sacramento da fre-
guezia da Boa-Vista.Informe o Sr. inspector da
thesouraria provincial com a brevdade que lhe
fr possiyel:
Jovino Jos do Mello.Nao tem lugar vista da
informato.
JoJo Gomes de Mello.Informe o Sr. barao do
Livramento, vice-provedor da Santa Casa de Mise-
ricordia.
Joo Antenio Gomes Gaimares.Intorme o Sr.
Dr. chefe de polica, ouvindo o subdelegado a que
se refere a presente petigo.
Jovino Jos de Mello.Nao tem lugar, vista da
informago.
Jos Flix Rodrigues.Como requer, tendo-so
j expedido a competente portara.
Jos Duarte Carneiro Monteiro.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Joaquirn Severiano Nery. Era inspecgo foi o
supplicante julgado se e robusto, e por tanto ca-
paz do servigo militar.
Teneote-corooel Jos da Silva Guiraares.Co-
mo requer.
Capito Jos Francisco de Meoezese Vasconcel-
os.Como pede, vista da informago.
Manoel Fernandes dos Santos.Seja a mulher
do supplicante, qual concedo licenga para ir ao
presidio de Fernando, conduzida em passagem
vaga de coovs, em companhia do supplicante.
Manoel Gomes da Silva Jnior. -Deferido, ten-
do-se j expedido a competente portara.
Manoel dos Anjos Torres.Na secretaria da-
presidencia est a certido de matricula solicitada
pelo supplicante, cujos ditos nao pareceram exac-
tos ao Sr. captlo do porto, em sua informago
desta data.
Manoel Alves Guerra.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Padre Miguel Vieira de Barros Marreca.Defe-
rido a v%ta da informago.
Capito Manoel de Azevedo do Eascimenlo.
Deferido vi.sta da informago.
Tenente Manoel Erasmo de Carvalho Moura.
Como requer.
Pedro Augusto Ramos de Mello.Como requer',
sendo este despacho apresenlado ao tenente-coro-
nel recrutador,
Senhrinha Mara da Conceigo.A supplican-
te nao provou o que allegou com os documentos
graciosos que juntou sua petigo.
EXTERIOR.
23fi2!Tftl2S?*n, A,lemanh' elle le' rece haver j disposto por adiamntenlos daquella
rfrt.tr *hr:r;o Tir^0 DUQ- *> **S para o S de armar-se ^otra
ca faltar, quande seu rei o chamar.
At agora vordade, que essa fal a da primeirol
burgo-mestre de Berln, tanto nos ducados como
em outra parte na Allemanha extra-prussiana, fez
muito mo sangue e houve urna chuva de protes-
tos contra a mesma.
No dia 9 do dezembro os commissarios civis,
at agora no Holstein e Lauemburgo, os Srs. de
Koenneritz e Nieper entregarain seus poderes as
mos dos commissarios civis austro-prussianos pe-
os Srs. de Zedliiz e de Lederer, os
COKEESPO.VIIEXCIAS BO DIA
RIO DE PKRS.iJIBUCO.
HAMBUJBCiO.
21 de dezembro de 1801.
Na nossa ultima j fallamos extensamente acer-
ca da proposta apresentada pela Prussia o Austria
ha dieta em primeiro do correle relativamente a lo Schleswig, ,
retirada das tropas federaes do Holstein e Lauem- quaes de ora em dianifi dirigirao o governo de'to-
Burga odia 5 de dezembro, em sesso extraor- dos os tres ducados deSchlewig, Holstein e Lauem-
amana aa dieta, teve lugar a votacao sobre a dita burgo, em noma das grandes potencias allemes.
proposta. Lomo era de prever, ella obteve a maio-, O novo governo supremo commum para os tres
na. ove votos declararain-se em favor, alera da ducados tomar j nestes prximos dias a sua re-
Austria e da Prussia ; o Hannover, Oldemburgo, sidencia em Kiel. Alli tambem se achara o com-
Hade, as ctdades Anseticas, os dous Meklembur- mando superior das tropas auslro-prussanas, que
gos, uesse bleitoral e decima sexta cuna (Lichtee- ficaro oceupando os ducados.
um voto nao tomou parto .Lu- A nova autoridade enviou a todqs os empregados
contra (a BaWera, do Holstein para assiguatura urna escriptura, pela
qual deviara obrgar-se a prestir-Mio oiedieucia, e
ao mesrao lempo aatister-se de qiialquer acto, e de
intervir contra qualqaer acto qujs podesse anleci-
par a resolugo flaal das grandes potencias acerca
da sorte do paiz.
Os professores da universidade) de Kiel foram os
COM. DAS ARIAS.
Quartel do commando das armas de Peruambueo,
na cidade do Recife 12 de Janeiro de 1865.
Ordem do dia n. 26.
O coronel commandante das armas fax publico
para que surta o devido effeito, o aviso expedido
pelo ministerio da guerra a 19 de dezembro do
anno passado, qae por copia lhe foi remettido pela
vice-presidencia cora officio datado de hontem.
Faz publico igualmente, qu> por decreto de 26
de novembro ultimo foi S. M. o Imperador servido
agraciar com o habito da ordem da Rosa o Sr. alfe-
res do orpo de guarnigo desta provincia Jos
Louguinho da Costa Leite, pelo importante servigo
que prestou, capturando o faccinoroso Joo Maaol
Frazo; o que constou de officio da mesma presi-
dencia tambem datada de hontem.
Aviso.
i' directora geral.1 seccao.Rio de Janeiro,
ministerio dos negocios da guerra, em 19 de de-
zembro de 1864.Illra. e Exm. Sr.Tendo presen-
te a parle que acompanhon a oficio sob o n. 879 e
data de 26 de outubro nltimo, dessa presidencia,
na qual se mencionara es motivos porque o corno
de guarnigo dessa provincia deixou de fazer, do-
rante o mez de setembro, os exeroicios determina-
dos para os coros do exercito, declaro V. Exc
que devem as pra?as do dilo cerpo, conforme exi-
ge o regnlamento de infantaria de 1763, fazer urna
hora pelo rtenos de exercicio antes da formalura
para as guardas, sempre que lempo permiltir.
Deas guarde a V. Kxc-Henrique de Beauripe-
aire IMan. Sr. presidente da provincia de Per-
nambuco.
Cumpra-se.Palacio do gotern de Peroamhuco
H de Janeiro de 1865. Anselmo Francisco Pe-
relli.
Conform.Antonio Lette de Ptnho.
Assignado,Joaquirn Jos Gongalvu Fontes.
Conforme.O capito /. F. de Morata e Vascon-
celos, ajodante d'ordens interino.
steio, Lippe etc) um voto
xemburgo) e seis votos foram
Saxonia. Wuriemberg, H-ssso Darmstadt, os Esta
dos da Thwinsga e Brunsevik.) A Gaviera moti-
voa sea voto negativo de maneira mui spera,
lembrando que a Confederago nao tioha de retirar
suas tropas, antes de achar-se decidida a questo
desuccesso e ant-.s de existir o soberano legitimo
ao qual deviam ser entregues os ducados. A : primeiros que recusarara a assinatura da esenp-
maioria porra sujeitou-se ao desejo das Grandes tura, e seguiram-lhes os e npreglos da justiga, e
Potencias, e nao havia meio para a minora de con-, urna grande parte das autonJads administrativas,
testar urna resolugo da dieta coasiiiucionalmente Declararam que eStavam prompjos para oDrigar-se
reaiisada. A Saxonia, por isso, declaron mine- obediencia conira a autoridade instituida, mas
diatamente, que agora eslava porapta para chamar j que qu^riam guardar os dir^itos do paiz e o jura-
suas tropas do Holstein emfvirtU'le da resolugo ( m;nto que jtinham prestado espontneamente, e
tomada, e no da seguinte, 6 do corren!), as res- depois de maduro exame, ao duque legitimo Fre-
pectivas ordens foram expedidas deDresde ao ge- derico.
neralde Hake no Holslein. A Prussia, de manei- Pareca, que era Berln tinham um momento
ra nao mui amigavel, logo que em Berln se sou- vomade de intervir contra essa resistencia ; mas
bera pelo telegrapho da resolugo da dieta, ainda segundo se diz em Vienna a isse se oppuzerara.
no mesmo dia 5, tmha dirigido ao gabinete de Por isso contentaram-se com a declarago de obe-
Dresde o convite lelegraphlco de acelerar quanto diencia dos empregados holstein zes, tao vivamente
possivel a evacuago dos ducados, atim de previ- que se sentsse em Berln a derrota qne com isso
nir-se conflictos eventuaes entre as tropas da Sa- soflYeram os planos de annexago.
xonia e da Prussia. Na Saxonia porm, nao se Entretanto coraegaram entre Bjrlin e Vienna as
apressaram, dexando coraegar a marcha de ret- negociagoos acerca da questo de successo. O ga-
ra la das tropas saxonas, omento no da 13, e lor-, bnete austraco insta na mais prompta solugao da
nando entretanto motivo da ameaga prussiana de; mesma, mas em Berln temse um interesse mui
conflictos possiveis, para ordenar a marcha, de fcil a comprehender, de dilatar as negociagSes
mode, que nao se tocasse em parle aguma o ter-quanto possivel. As esperangas que se tinha, que
rilorio prussiano. ja primavera prxima podia engajar a Austria na
O caminno mais curto para as tropas saxonas de Italia, verdade que se tornaram mais fracas al-
Hamburgo para a Saxonia hiria por via de Magde- timaraente, como o imperador Napoleao se mo.tra
burgo e Halle. Era lugar disso ellas receberam pacfico do que jamis, erapenhando-se tambem em
ordem de tomar a direceo por va de Hannover e! Turra urgentemente pela sustentago da paz no
Cassel, e d'ali para Eisenach por via da cidade interesse fluancaro da Italia.
II-A. in naviera. E" isso um dos muitos tactos, i Como sabemos, a Prussia na questo do Zollve-
nos quaes se raostra a delaceragio das actuaes cir- reln ceder aos desejos da Baviera, Wurteraberg,
cumstauciat na AHenunh.
No dit 7 do e'orreni.- leve la^ar era Berln a
solemne entrada de urna parte dos relimemos
Prussanos, que tornaram parte na guerra conira a
Dinamarca.
E' do systema, que actoalmente reina em B :r-
lin, de lisongear quanto possivel ao exercito e de
elevar o seu amor proprio ao sublime. Por isso
aproveita-se cada occasio para gloriar os feltos
d'armas da guerra Dinamarqueza c exagerar, na-
turalmenta, sua importancia.
Assim tambera no dia 7,de dezembro. Se o exer-
cito Prussiano tivesse vencido agrande Franga,
em lugar da iraca Dinamarca, e lomado Paris era
lagar de Dueppel e Alsen, nao poda ter recocido abertura de aegociagoes com
honras maiores nao se poda ter felto mais gloria um tratado de corainercio en
de suas victorias. Mas so o governo
victorias. Mas so o governo nessa ole va-
gao do exorcito segu seus fins especilicos, nos
circuios da opposlgo pensavam que o melhor mo-
do d'e eucontra-lo*, era mostrarse nao meno^ ze-
loso, om reconhecer os mritos do exercito, espe-
rando desse modo impedir que o governo semen-
t aproveilasse. Se por consequencia, da parle da
corle se rizeram todos os esforgos para dar o m lior
brilho possivel festa militar*de 7 de dezembro o
mesmo se Qzera de parla do povo o sobro tudo a
representago municipal da Berliu nao deixou de
collocar-se a frente da festa.
Assim encontraram-se rei e povo na uesma ho-
menagem ao exercito ; mas verdade com fins
diametralmenle oppostos. Segundo parece houve
illusao a esse respeilo nos circuios do governo,
pensndose poder lago fazer capital poltico da
festa de 7 de dezembro.
A assemblai dos depulados munleipaes, como
sabido, desde que no anno passado el re recusara
de receber um enderego da mesma, destinado para
Iho dirigir as qtieixas do paiz sobre o procedimien-
to anticonstitucional do Sr. de Sismark, tinha re-
solvido de fazer cessar o enderego do coslume de
congratulago no dia anniversario de el-rei, no dia
do anno novo, etc.
Por occasio das feslas do dia 7 de dezembro
el-rei tomou agora a occasio, de lestemunhar re-
presentago municipal os seus rordiaes agradeci-
raentos pela sua parlicipago, e sem duvida sob
instigago do governo, um membro da representa-
gao municipal mui dedicado, aproveitou o momen-
to, alim de sob base de acord restabelccido entre
ella e el-rei, propor o abandono da sua dita reso-
lugo do auno passado. Ao mesrao tempo exigi
votago immediata.
A assembla dos deptados mumeipaes entre-
tanto nao se deixou sorprender. A proposta foi
entregue a urna comraissode vinte membros para
deliberaran provisoria, e os nomes dos membros
escelhidos nao do motivo para se suppor acceita-
gao da proposta.
Mas, o que mais do que esses acontecimenlos ca-
ractersticos para as circumstanclas internas da
Prussia, chamara particular attengo sobre as fes-
tas do dia 7 de dezembro, isso foi urna falla que
. nessa occasio o primeiro burguemestre de Birlin,
' o Sr. Seydel, dirigi s tropas na sua entrada. O
| Sr. Seydel, que tinha sido nomeado para sea actual
i posto em consequencia da sua antiga repuiago
como liberal, desde o tempo 'em que se achou de
posse do lugar, mosirou sempre mais claramente o
esforgo de gaahar o favor do ministerio. Assim
tambem nessa ultima falla.
O Sr. de Bismark, desde o momento, que se teve
era vistas a separago do Schleswig-Holstein da Di-
namarca, trabalhoa era favor da annexo do mes-
mo Prussia. Mas, como desde o principio, ain-
da hoje, elle encontra a resistencia pessoal de el-
rei. Por isso todos os meios sao empregados para
vencer essa resistencia, o Sr. Seydel prestoir-se para
vir ao soccorro, e visto as suas antecedencias op-
posicionistas elle foi urna porsonagem tanto mais
propria.
Era sua falla elle exigi clara e francamente, de
certo modo em nome da nage, a annexo, e o Sr.
de Bismark com quem a falla fra convenconada
da ante-mo, pode agora lembrar a el-rei o voto
da nago como um novo apoio dos seas planos de
annexo.
A falta fez lembrar um dilo de el-rei Frederico
Guilherme III no anno de 1815 < o que a Prussia
< ganhi, ganuo para a Allemanha >, e continuou
desta maneira : < os ducados s cero adquiridos
< duradourae seguramente para a Allemanha, e
i entregues a si mesmo?, se em quanto o poder e a
forca da Prussia os proteger, e a disciplina e or-
dem nrussiana os cerear com forca ligatoria.
IIj.---> Darmstadt e outros, obrigando-se a negociar
anda posteriormente com a Fran.-; i acerca de rao
difleages maiores do tratado de commercio Fran-
co-prussano de 2 de agosto de 1862. Tambera a
Franga se mosftou prompta, e o Sr. A. de Clercq
appareceu em Berilo, como plenipotenciario espe-
cial para dirigir as negociagoes.
Essas tiveram sua concluso nos ltimos dias.
As convenges realisadas nao sao anda publicas ;
todava se diz que as molificages ajustadas nao
sao sera importancia para alguns gneros, sem po-
rm lesar de qualquer modo os principios do tra-
tado de commercio.
Urna outra obrigago da Prussia se referia
a Austria acerca de
entro a mesma e o Zoll-
verein. Agora que as negociages com a Franga se
achara concluidas, vai-se tratar dessa obrigago, e
j se acha em Berln de parle da Austria, o Sr. de
Hock, para algumas conferencias provisorias.
A cmara dos depulados do reiclurath austraco
concluio suas discusses do enderego. Se o ende-
rego da cmara alta fura urna paraphrase simples-
mente approbatoria da falla do throno, a da cma-
ra dos doputados tem um carcter expressamenle
opposto.
O ministerio nao deixou de fazer lodos os esfor-
gos para combater sua aceitago; mas nao coase-
guio resultado. U enderego foi aceito Analmente
com prepoaderante mai ira, e duraoti algum tem-
po receiava-se em consequenc
ministerial. A mesma passou ontrelanto sem mais
onsequenciac, mas a falla actj
deptados nao ser sem todo
contrario por certo, que o
conciliar, ao meos por meio
sdes, o es,drito de opposigo que predomina.
Finalmente acha se a pasta
negocios estrangeiros na Bav
Von der Pfordten; ao mesmo terapo o seu anteces-
sor foi nomeado enviado da Bkviera junto dieta.
a disso urna cnso
rba da cmara dos
fTeito, e passou polo
tiinisterio procurara
do algumas cunees-
do ministerio dos
era era mos do Sr.
LOXDBES.
23 de dezembro de 1861.
Foi hontem recebida nesta capital a
do
que
sao
go-
s
ex-
Ja
mala
Brasil vinda pelo ultimo paquete de Brdeos,
chegra a Pouillac no dia 20.
As noticias coinmerciaes por ella trazidas
menos aterradoras do que se esperava, e agora que
passou o prazo concedido pelo governo imperial
em favor do commercio se acredita nesta praca
que as firmas principaes do Rio se achara consoli-
dadas e aptas para continuaren! a merecer a coa-
lian,-a daquelles cem quem transigalo.
Muitos lamentara porm que o governo imperial
nao busque por medidas adequadas evitar o mal
que lhe resulta e ao paiz da baixa occorrida no
cambio do Brasil sobre esta praga, incidente que
lesando gravemente os interesses privados lesa
tambera os do commercio em geral e os do mesmo
governo na qualidaie de passador de importantes
sommas sonre esta praga.
A cessago das medidas excepcionaes qne o
verno decretara era aqni reputada urgente, e
justiQcavel na presenga das circunstancias
traordinanas occorridas na praga ido Rio de
neiro.
Os valores brasileiros colados no Stock Eachan-
ge nao solTreram alteraco aguma em consequen-
cias das noticias alludidas.
A 12 do crreme foi aqai offerecido ao publico
pela casa do barao de Mau e Mac-Gregor amera-
preslimo de um millio esterlino em favor da re-
publica de Montevideo.
O prego de emisso desse eraprestimo fixado a
60 com um juro de 6 0(0 e um fondo de amortisa-
go de 10(0, tendo como garanta as rendas geraes
da repblica e em especial certas rendas da alfan-
dega de Montevideo e as direitos de ancoragem
desse parto.
Esses novos fundos acham-se colados com %
1(4 de premio, se bem que eu nao pdssa claramen-,
te afirmar a realidade desse premio, que muitos
reputara delicia e s engendrado pelos tomadores
daquelle emprestimo oom o tira de acreditarem
sua mercadoria.
Era verdade a occasio foi talVez mi escolhida
para semelhante ojieraco, agora que aquella re-
pblica se acha em graves ernbaracos; alera de
que a garanta concedida teri aqu o mesmo va-
lor nallo que tem tido todas as anteriores dadas
pelo governo oriental a diversas oredores seas,
Muito se alcangou. A mi segura aiuda a es-1 Entretanto possivel que a casa qrasileira Man i
pada. O rei pronunciar a palavra propria em | Mao-Gregor consigam agenciar para Montevideo
lempo proprio. O qae elle eomeoou espontanea-1 aquella sotnrna, de qae alias, o governo oriental aa-
Una correspondencia de Nova York annuocia
que no dia 30 de novembro ultimo, um iranspurle
federal metiera a pique em Norfolk o corsario Flo-
rida, capturado na Bahia pela fragata WassucheUs.
Este successo attribuido a mero acdenle, asas a
mesma imprensa americana reconheee que difflcil
mente se acreditar a'uma semelhante explicago
Varias folhas inglezas tem aitribuido esse inciden-
te a um manhoso expediente do governo de Was-
hington, adra de este poupar-se, quando veaha a
dar ao Brasil urna justa satisfagas, nomilhaean
de mandar para o imperio aqueile navio, devendo
ao mesmo tempo saudar com as honras militares
costumadas o pavilho nacional brasileiro; e aquel
les que eouli vm de perto a gna com qne proce-
de hbilmente o gabinete de Washington, concor-
dara plenamente com essa interpretacao dada ao
incidente de Norfolk, suppondo mesrao que Mr.
Sewaud preferir pagar o prego do Florida, se e
governo imperial vier a reclamvlo, a ter ordenado
que esse corsario viesse a ser restituido aos confe-
derados por intermedio do gabinete do Rio de Ja-
neiro.
O Portlaal Argus menciona que o capito Ce-
lios, commandante da fraga! Vfaswchelts, com-
meltera j um a violago de neutraidade as agaas
inglezas da Uaharaa, onde tomou a 21 de dezem-
bro de 1863 a escuna ingleza Moni Blanc levando-
a para K > West, onde foi todava essa presa de-
clarada Ilegal pelo tribunal de presas federal. Lord
Lyone, ministro da Gra-Brelanha em Washington,
ha/ia reclamado, e Mr. Seward se apressara em
restituir aquelle navio, declarando que o presiden-
te Lincoln tinha severamente censurado o capito
Couins por aquella irreguiaridade.
Ora nestas circumstancas evidente que o go-
verno americano deve deferir reelamago do
Brasil pela violago da jurisdcge territorial deste.
que tem o mesmo diroito qne a Inglaterra de man-
tel illesa a sua soberana : entretanto o gabinete de
Washington nada fez por em quanto para salis-
fazer o governo imperial, e a julgar-se pelo inci-
dente de Norfolk pdennos crer qne o tim de Mr.
Seward sophismar a nossa justica na questo de
Florida Mr. Welles, ministro da marinha da L'niio
disse no seu recente relatorio ao congresso que a
corsario Florida (ora capturado na Babia, sem coas
tudo caracterisar o acto do capito CoDins I
E o presidente Lincoln referiodo-se, no sea dis-
curso de 5 do correle ao congresso, a difflculdade
existente com o Brasil, deixou com ludo de indi-
car o que far nesta emergencia I
A cmara do commercio de Nova-York, toman-
do conhecimento do attestado, que lhe fora remet-
tido pelos negociantes da Baha acerca do alterna-
do co nettido pela fragata Wassuchelts, aaqoalle
porto abri una rooli/ila diseusso sobre a oemha-
ma f que se deveria ligar a esse documente alias
lirmado com a assignatura de Mr. Raines, cnsul
inglez na Babia. Enlreanlo esta verso nao pre-
valecen, chegando-se ao accordo de nomear urna
commisso encarregada de expor aquelle conaelho
a narrago da captura do Florida com lodas as
circumstancas e ao mesmo lempo de indicar o va-
lor que ao mesmo conselho cumpre dar ao atiesta-
do firmado por urna aufondada estranha. Deste
modo est anda por julgar a questo do Florida.
era reiago a recompensa prometilda pela cmara
do commercio de Nova-York : mas parece prova-
vel que atinal o captor vira a gosar do prego da
sua traigo, porque o que se desoja em Nova-York
atierrar por todos os meios os corsarios confede-
rados.
A circunstancia de haver Mr. Baines reconbecido.
parece nao dever prejudicar o attestado dos nego-
ciantes da Bahia, desde que estes se serviram da-
quelle expediente na ausencia absoluta da aulori.
dade consular dos Estados-Unidos.
O banco da Inglaterra baixoa o sea descont a
6 0|0, e os Jint Stock Banks, tem aliantado som-
mas a curtos prazos com o descont de 4 e 5 por
0|0. E' assim que gradualmente vae renascendo
aqui a contianga nesta praga, onde se considera
quasi passada a crise cora nercial que aqui lem
durado haj muitos mezes.
Os consolidados 3 0(0 tlcam a 89 l|2.
A renda franceza 3 0|O 6o fr. 20 c. Fondos
Brasileiras 5 0(0 98; e os de i l|2 0|0 a 83 1|2.
Italianos 5 0|0 64 l|2, e 63 Hespanhoes 3 0|0 48.
Portuguezes 3 0|0 47 Ij2, e 48. Gregos 3 O 23
1|2. Mexicanos 3 0|0 29. Bnenos-Ayres 6 0|0 93.
Consolidados Turcos 6 0|0 47 1(2. Fundos Tarcos,
garantidos de 4 0(0 100-102.
O algodo de Pernambuco e do Maraoho man-
lem-se a 27 d. 1|2 e 28 d. por libra : e o da Ba-
hia a 25 d. e 25 d. 1(2.
Cacao do Brasil de 45 s. 50 s. por cwl.
Pao Brasil 7o s. por tonelada.
Assucar branco de Pernambuco e da Parahyba
de 21 s. 6 d. a 27 s. por cwt.
Couros seceos do Rio e do Rio Grande de 7 d. a
9 d. por libra.
Na ultima quinzena teve lugar o seguinte movi-
mento de porto entre este reino unido e varios
portos do norte do Brasil.
De Inglaterra para o Brasil : de Semderland
Choroza (9;, para Pernambuco ; de Londres Ber-
mondey (9), para Pernamhnco ; de Cardiff Mane
1101, para a Baha ; de Newport Iparkltng Den
(14) para Pernambuco ; de Liverpool The Chance
ethe William (14), para Pernambuco; de Holy
Head The Keld litad (14), para o Rio Graad ; de
Holy Head Tlte Elisa Burtie (14), para Pernambu-
co; de Kalmonth Vfreath (lo), para a Baha ; de
Liverpool o vapor Newton (17) para o Bahia ; de
Ramsgate T/i de Gravesend The Florist (11), para Pernambuco
Do Brasil chegaram ; de Pernambuco o vapor
Gladiator (9), a Liverpool; da Baha Wreath (I2i.
a Falaonih ; de Pernambuco Seraphina (14>, a
Liverpool; do Cear Ceres (Ii), a Liverpool; da
Parahyba Teresina (17), a Liverpool ; do Para
Rhonda (21), a Liverpool; e da Parahyba JMary
(21) a Liverpool.
Sua magestade a ralnhaseguio no da 17 do cor-
rente de Windsoa para Osborne, onde vai demorar-
se algumas semanas. Acha-se ali em companhia
da familia real, menos do principe e da priaceza de
Galles que estao actoalmente em Sandrigham Hall
onde passar&m o natal. Nessa residencia suas al-
tezas reaes lencionam dar sumptuosas recepgtVs
por essa occasio aos povos visinhos, segundo
aqni o oostume entre as pessoas da familia r*al.
Parece estar fixada para 7 de (evereiro prxi-
mo a abertura do Parlamento britannico, a espe-
ra-so qae essa solemnidade ter lagar ara pessoa
pelo principe de Galles, a quem sua magostada
dar essa commisso. Desda o fallecmento da
principe Alberto, a rainha nao tornou a abrir era
pessoa o parlamento da Gran-Gretanba, o qne sem-
pre cansa no publico da capital urna triste mpresso,
porque cora esse pretexto era oostume p/-se su
immensa metropole em festejos. A opinio publi-
ca deseja pois que a rainha venha agora a sabir
daquella nacao, dando ao. menos ao principe real
poderes para celebrar aquella solemninade.
Os ministros aguardio com confiaoca o futuro
parlameatar, e Mr. Gladstone, se prope a apresen-
lar um orgamento cada vez mais esperanzoso. Con-
tinua anda a fallar-sa era projeclos de reduego
no exercito e na marinha, e cora essas condiges
a Gran-Bretanha poder de certo rcaHsar impor.

-
X


~ J~ *
c
Diario de rernanabnco Sexta felra 13 de Janeiro de 1SG5.
i I

* I
ai vi
tantes econ"1 otlas, pois slfo aquelfcs fTTrs rWmsTl. patrfck, general sob o com
adminislragao que Ihe cutatBwww entinas- Sherman, fora gravemente 1
Nestes ltimos das a imprensa ingiera tem-se
occupdo com a rrife ministerial que occomn m
Madrid, em virtude daqnal o marechal arvaez
leu a sua demiss cem -quante heuvesso r*solvi-
mando superior de
ftido nesse encon-
tr. Hood, que commanda as torgas confederadas
junto de Nashville, liuseav* laqaella data iuterrom-
per as communicagdes com aquello ponto, aflm de
reduzir oel fome o exercito federal qne oa-cha
naquella cidade.
dades inveneiveis, qne a raioaa Isabel U aeontrou Urna forte divteio confederada occupra nova-
na formagao de um noto ministerio. As folhas mente Atlanta, de modo que se suppuuha que esse
hespanholas tinham publicad que o minfeierio pooto esta novamente ao abrigo d'uma nova tenta-
Narva z recebera do gabinete do Londrot urna de- tiva por parte de Sherman, que chinis se acha em
claracao acerca do proposito em que eslava a rai- marchas apressadas para gaohar a costa do mar.
nlia da Gra-Bretanha de recouheoer como ballige- O exercito do Potomac recebdra consideraveis
ranles os insurgentes de S. D*niogcs eonsequen- reforcos, parecendo qne Grant se dispunba a ala-
cia da inefficacia, com que o governo hespanhol car sem demora o general Lee. Este est por seu
combaiia acuelle movimento, sendo que o bloqueio lado preparado para receber o iimigo, mostrando
declarado alli lem al hoje sido de ueohnm eftVito ; nao receiar o resultado d*um semelhante encontr
dando assim a entender que essa commnnicago Mr. Chace, .x-mnistro das finanzas, fra no-
levra o duque de Valencia a propr raraha o meado pelo presidente Lincoln, e aanrovado pelo
abandono daquella illia.-dc preferencia a ver a sua cogresso Lord Chief Juslice da Loiao.
autoridade real menoscabada pelo acto que se re-, curo fleava em Nova-York a 139 por cento de
ceiava pur parte de gabinete de Londres. Entre- premio.
tanto parece que Sua Magestade Calliollca resistir a-jj^gg
a essa suggeslo, eembera fosse obrigada a con-
servar o ministerio isposta a sustentar o seu designio de conservar
aquella possesso, a menos que as cortes perante
as quaes esaa questaoser suscitada venham a re-
solver o contrario.
O marocha
DIARIO DE PER'MRUCO
Pelo vapor franeez Guienne, chegado bontem da
Europa, recebemos cartas e jornaes com data de
. Narnaez n"exar porm Per,.se Hamburgo al 20, de Londres e Paris al 23 e de
as cmaras volaren) pelo nao abandono de b. Uo-, ySDoa ate jg 0 pagado,
mingos, (visto que a causa da sua retirada do mi- acerca da Inglaterra apenas temos a accres-
nisterio era o conflicto em que se aehou com a ra- ceBlarj a carta ao nosso correspondente, o seguin-
nha por desejar Sna Mageslade manter a tono o, le artjg0 do jimes ^^ a ranDa Victoria :
custo o slat* ovo ern S. Domingos. i E' irapossivel que urna clausurada oceupe o
Entreanlo a mprensa semi-oUiciai ingleza nada lnrono a Gra-Bretanha, sem enfraquecer gra-
ten assegurado acerca dos termos em que este 8;: analmente na sua pessoa a autoridade que o sobe-
rano custuma ezrcer. Que no seu retiro gover-
ne a sua casa real, isio pde-se fazer ; mas, nao
verne se naja dirigido aogabiuete de Madrid, se
bem que assevere baver cooslanlemente a Graa-
Brelanha bato suas reservas por occasiao da anne-
xago daqnella possesso cora de Hespanha.
Este incidente sera brevemente aisculido no par-
lamento ingles, que provavelnjeote obrigar o eon-
pde conservar Juste modo o sceptro de um im-
perio.
No interesse da cora, assim como no interes-
se publico, a rainba pois instada para retomar o
de Knssell a dar expicacoe caihegoricas, ezigindo xercicio pessoal das suas altas fuuccoes. A le
talvez at que esse ministro proclame quauto ante- ou 0 us0 p6de.|ne Dermitlir.em circuraslancias ex-
em favor daquelles insurgentes o direito de belli CC[,cionaes, que se faga represeutar n'ura acto of-
gerantes. Acial. Pode abrir as sessOes por commissao, fazer
A Hespanha parece por sua parle etar caneada um cavalleiro da ordera da Jarreteira por precia-
da lula aquellas regies, onde tein perdido muita macao. jvjas eS|as 0ubstiluig5es nao podem ter
gente per viriude do clima inhspito ; e por con- um carcter de continuidade.
segninle nao ser para admirar que o parlameolo | ^ja prmera poca do seu reinado nada bavia
hespanbol venlia a apoiar o marechal Narvaez na, qUe josse mas agradavel do que saber que a ses
sua poltica de renunciar aquella colonia, salvo a sao ser3 aberta 0n encerrada por um discurso
opposicao que o partido aonexionisla sob a direc- -
cao do marechal O'Donnell ha de levantar nesta
emergencia.
A Hespanha preferir talve abandonar a ilhade
S. Domingos a lur diplomticamente com este
gabinete por motivo da coocesso do direito de
beligerantes quelles rebeldes.
Escrevem de Lima que depois da resolucao all
tomada pelo cogresso americano em favor do Pe-
r contra a oceupacao das ilhas Chinchas pela Hos-
panha ; o gabinete peruano enviar o Sr. Centene,
secretario d legaco, com urna missn ao almi-
real, e n5o por urna mensagem. Tambem era til
aos interesses constitucionaes ver o nome ligado
a todas as grandes emprezas do momento, as ex-
posicoes iuduttriaes, as revistas martimas, na
erecjo dos monumentos pblicos o seu patrona-
to, em todas estas occasides era urna forca para o
throno. Nada disto duixa de 1er valor n um paiz,
como 6 a Iuglaterra.
Por ouiro lado, conveniente dizer que a alta
sociedade ingleza reclama o seu chele natural e a
hospitalidade real.
Por toda as razies, suslenta-se que tem de-
raaic Pinzn, tendente a reclamar a restijuicao da-1 corrido trez annos de Iucto, e que a memoria do
quella parte do lerntorio peruano O resultado i principe regente tem recebido um completo tribu-
desse esforco anda desconhecido, mas de crer | [0 ^ homenagem, de affeico e de gralidao que
que seja elle negativo, porque de certo o comman- |ne era {jeVjj0 ; Volte S. M. a suas ideas para os
daote hespaqhol nao teria instruccoes para acceder! desejos dos seus subditos, e para os deveres da sua
ao pedido do governo de Lima : em taes circums-1 emiaenYe posicao, cessando de as addiar para se
Uncas, essa j morosa polmica entre a Hespanha voti4r a vgos pesares. >
Na Russia o governo reformou as leis judi-
ciarias, transformando as bases do velho imperio
dos autcratas.
Creou todos os tribunaes, desde ojuizo de paz
at o supremo tribunal, sob as bases seguinles :
Debates vocaes pblicos, jury em materia cri-
minal, independencia e inamovibilidade dos juizes
e igualdade de lodos os cidados perante a lei.
Haveodo, a assembla constltuinte hellenica,
terminaao sua misso, foi dissolvida, depois de ter
recebido o jurameuto do rei constiluicao promul-
gada ltimamente.
Dentro em pouco proceder-se-ha s eleicSes pa-
ra a composiQo da cmara nova, tendo o governo
dado j suas ordens para a plena liberdade do
veto.
Ainda continuava a ser batida a guerrilhagem
das provincias, ficando preso alguns dos seus
chefes.
Na Suissa foram eleitos : presidente da con-
e o Per contina a ameacar a paz, sendo que se
as repblicas americanas vierem a tomar a parte
lo Per, pode essa questo trazer serias conse-
quencias para a Hespanha que leria de sustentar
a lula em condicoes desiguaes e em regioes lon-
gincuas.
Na deliberagao tomada pelo cogresso reunido
em Lima em favor do Per, nao est mencionado
o que possa haver dito o representante do Brasil,
se qne elle tem Ggurado nessa reunio : entre-
tanto j ha lempos refer urna noticia publicada
por um jornal franeez, segundo a qual o nosso mi-
nistro em Lima condemnra positivamente o acto
do almirante Pinzn contra a soberana do Per.
As grandes potencias allemes acabara de no-
mear seus commissaros permanentes para os du-
cados, sem que se mostrem anciosas pela resolu-
cao da causa desses povos ; entretanto a Austria
coineca a deiconar da boa f da Prussia nessa
grande questo, chegando a atlribuir-se Ibe o pro-
posito de sepr testa das nacoes secundaras pa- j federacao por 105 votos o Sr. Schenk, de Berna,
clrigo protestante; e vice-prtsidente por 86 vo-
tos, o Sr. Kinsel, de Lucerna.
A rainha de Hespanha pronunclou o seguin-
te discurso, por occasiao da abertura das cortes :
Senhores senadores e deputados,
t Grande boje o meu jubilo vendme cercada
pelos represi mants da naco, de cujos desejos
pelo bem e prosperidade do meu povo, estou pro-
fundamente convencida.
t Inaugurando as tarefas que bao de contribuir
para tao louvavtl proposito, devo dizer-vos que as
nossas relacoes com as potencias eslrangelras con-
tinuam a ser satisfactorias, com urna excepcao la-
menlavel pelo que loca ao Per', cujo governo
chegar sem duvida a convencer-se da justica que
nos assiste. Anima-me a esperanca de que em
breve se reslabelecer entre a Hespanha e aquella
repblica a mais cordeal intelligeneia, sem quebra
do noso decoro.
A communicacao offlcial em que o imperador
do Mxico me participa a sua exaltaco ao throno
o principio de urna nova era para as relaedes po-
lticas e mercantis entre ambos os paizes, desgra-
cadameute interrompidas.
Os povos americanos hao de convencer-se ca-
da vez mais da franqueza do nosso procedimento,
de que as sympathias da Hespanha nao vao envol-
vidas com ideas e desigaios ambiciosos. Desta saa
e generosa poltica novo exemplo a consolidaco
das boas relacoes que existem com os estados de
Nicaragua, Guatemala e com a repblica Argen-
tina.
A paz e a completa harmona, que espero ver
asseguradas com todas as nacos do novo mundo.
tem-se aquillatadoporsi mesmo no extremo oriente
negociando o meu "governo com o imperador da
China um tratado que ha de ser submetlido a vos-
sa approvaco, e pelo qual se concedem a Hespa-
nha as mesraas vantagens obtidas pelas demais po-
tencias.
Tambein vos ser4 presente o tratado de limi-
tes recenleraente ajustado com o reino vlsinho de
Portugal.
t Suspensos de resolucao os negocios da Italia
em consequeocia das recentes combinacoes diplo-
mticas, o meu governo, quando el les chegarem a
urna soluco diGnitiva, ha de loma-Ios em conside-
racao, debaixo do pooto de vista aconselbado pela
mais escrupulosa prudencia, sem menoscabo do
respeito e amor filial, que a Hespanha como na-
co catbolica professa pelo pai commum dos
liis.
< Occunando-me agora da nossa patria, com sen-
limenlo me vejo obrigado a dizer-vos, que o estado
.'eral da unnarebia, considerada em toda a sua ex-
tenan, nao to satisfactoria como seria para de-
sejar.
Para o remediar, ser-vos-h5o apresentados"em
brevelprojeclos de lei de summa importancia e gra-
vidade, que espero tomareis em coBsideracao e re-
solvereis com a prudencia e patriotismo que sera-
pre haveis manifestado, atundendo ao bem da na-
jo.
c Causas de differente natureza tem levado a fa-
zenda publica a urna situagao que seguir detido e
maduro exame. O dese-nvolviment j da civilisaco
moderna, e a prosperidade e grandeza das nacoes,
s podem realisar-se a cusa de esforoos, que os
povos enrgicos e intelligentes nao recusara. Es-
pere que discutindo as resoiucoes, que acerca des-
te grave assumpto vos hao de ser submettidas pelo
meu govern >, procederis, lev.des pela elevaco de
ideas, que sempre tem animado a nobre naco, de
que sois representadles. Assim Acara consolidado
em bases indistructiveis, o crdito publico, e com
elle um futuro proveitoso que corresponder ao
neese passado.
* As mndificagoes que se vos proporao na le-
gislacao sobre sociedades mercantis, daro maior
estimulo ao emprego de capilaes na oonstrucco
dos aminbos do ferro e demais obras publicas,
que tanto influem no deseovoivimento da riqueza.
Nao menor cuidado recia mam outros prejec-
los, quo na veis de examinar, e entre ellos o que
diz respeiio ao oxercicio da liberdade de impren-
sa, e o que dita as medidas que nao de tomarse
qo caso inesperado de sedieco ou ruaca. Em to-
dos ha de dominar um espirito conforme com a
coostiiuico da monarchia.
< 0 meu fc'overnj vos apreseotar igualmente
um projecto de le para o esta beleci memo e orga-
nisaco de ama guarda rural, que defenda a pro-
priedade, e assegura o casligo daquelles quo a nao
respetam : outro que tem por objecto aperfeieoar
a. admiuinlraeu da justica, e ouiro que melhore,
quaoto for possivel, a condiccao das reformas mi-
niares.
la assim eornbater o ambicioso projecto que se al
trihue a Air. de BiMjiai k de auqcxar corda da
Prussia os ducados cedidos pela Dinamarca. Por
outro lado se diz que el-re da Prussia far urna
allianca com a Franca contra a Austria, no intuito
de fazer vingar aquelle plano, embora lenha de
vir a dar mesraa Franca alguma compensacao.
Sem ligar o maior crdito a esses rumores com
que agora especulara os polticos, parece-me com-
tudo que aquella questo implica interesses por tal
modo contrarios, que ella ba de ser ainda a cansa
-de graves difficuldades para a Allemanha. antes da
sua tiual solu(o n'um sentido verdadeirautenle
nacional.
AfBrma-se que o imperador da Russia ceder
uo rei da Prussia os direitos do principe de 01-
demburgo aos ducados em litigio, easerverdade
isso vira augmentar os projectos ambiciosos de Mr.
de Bismark em favor de seu soberano.
O paquete Moravian, entrado em Liverpool na
manha de 21, trooxe-nos noticias de No va-York
at 10 do correle. O presidente Liocoln abrir o
cogresso no da 5, pronunciando nessa occasiao
o costumado discurso presidencial: esse documen-
to tem aqu ministrado a imprensa motivo para
inuita critica, sendo muilas das assercoes apresen-
tadas naquelle discurso contradictadas por al-
gumas folhas importantes. Mr. Lincoln annunc
urna serie do triumphos ganbos pelas armas fede-
raes, e progresso das ideas no sentido da sua pro-
clamaco acerca da emanci paco dos escravos, um
estado" finaoceiro compativel com os recursos da
l'nio, a sua Arme deciso de continuar a guerra
em quanio esta for iroseguida pela rcbellio, a in-
sistencia no seu proposito de salvar a Cnio Ame-
ricana, e finalmente o estado de boas relacoes poli-
ticas dos Estados-Unidos cora as potencias estran-
geiras, salvo as difliculdades polticas imprevistas
que acabatn de surgir com a Graa-Bretanha e com
o Brasil, as quaes sero por sem duvida aplanadas
mediante um justo espirito de conciliacao por par-
te do gabinete de Washington e dos governos que
sao partes nessas mesmas difliculdades. Mas a
opiaio publica na Europa nao est analysando os
successos occorridos a que se refero o presidente
Lincoln com tamanho espirito d'oplimismo, pare-
cendo pelo contrario inclinar-se para o lado da-
qneiles que descobrem na guerra americana ac
tual urna causa poderosa para o grave compromet-
timento em que ambos os combtanles se ai-liam
j lancados. Cada un dos tpicos daquelle diseur
so nao assenta sobro urna apreciaco imparcial, e
d'ahi procede que esse documento tem aqui pro-
ducido um effeito desfavoravel para a cansa fede-
ral, A opinio esclarecida, lando de analysar a
sfie dos triumpbos alludidos, nao podem deixar
de proclamar que siles existem apenas na imagi-
nacao o presidenta LocIb, quando certo que
depois de quatro anuos d'uma renhda lula as ar-
mas federan nao poileram conseguir ainda a snb
misso d'ura partido |ue tem lutado com igualdade
de forcas I O estado ifloanceire da Uatao equivale
a una quasi bancarra do estado, sendo que a di-
vida publica at o pnmimo anuofinancetre est er-
rada em dous unlhar.is e Irezentos milhes de dol-
Jars
O partido pela emaneipacao da escravaiura per-
manece nos fous aniigosiOmites, sem que a decla-
raco de Mr. Lincoln de 1662 haja conseguido mes-
mo por em ebnllico no sul os elementos que alli
xlstem para urna insurreieo servil I A desunan
progressiva entre o partido demcrata e o republi-
cano prova bem que o programma do presidente
Lincoln, tendente a r tabelecer a niao, nao tao
liquido como aqoeJii documeMo parece inculcar 1
Finalmente que probubilidade de compromiss pa-
cifico haver na recente questo diplomtica surgi-
da entre o gahuiet > do Ro de Janeiro e o de
Washington, comprotnisso baseado sobre esse jus-
to espirito de coacilifcSo da parte dos nteressados
n'aquelle conflicto, quando essa nossa queixa con-
tra o governo federal aeaba do ser. aggravada pela
desapparirao do corsario Florida, que nd'fim do
mez proxlrno passado foi meltido pique na en-
trada do porto do K.o|-fou\ ?11
E* por este moda que foi geralmenle julgado
aqni e era Franca o discurso de Mr. Linelo, o
qual, sera receio de ser desmentido, velo affrontai
a rerdade, dando aos faetosmeocionados um valor
que nao teem.
Aquelle mesmo f aquete ironxe nos noticias mi-
litares importantes.
O genedal federal Sherman qqe havia deixado
Athlanta, marchando atravz q estado da Georgia
sobre Charleston, foi foreado" no dia S do correule
a accellar urna batajia, na qual a sua cavalri -
con destrocada pelo exercito confederado: Rll-
E' justo attender recompensa de eervicos to
Importantes como os qu prestam otxemto e a
armada, cujo generoso coraportamento um dos
mais lisongeiros motivos de orgulho da naco hes-
panhola.
< O valor, denodo e soffrimento dos seus Alhos,
a quera por mar e por trra,, tem confiada'a defc-
za da sua bandeira, nao tem sido desmentido, nem
mesmo nos remotos climas, em que se tem visto
expostas s mais duras provas, excitando os senli-
mentos fraternaes de puro patriotismo de que sem-
pre estao animados os habitantes das nossas antigs
provincias do ultramar.
< 03 heroicos feitos de nos, e a nobre lealda-
dade dos outros, sao dignos de que aqui vo-los re-
cord em commum, saUsfitiendo o meu coracao
paternal.
t Tal senhores senadores e deputados, o esta-
do em que encontraos os negocios pblicos e a
perspectiva, qne se offerece para osvossos laborio-
sos Irabalhos.
Estou certa de que o mais fervoroso amor pe-
la patria, e instui'coes polticas, vos ha do guiar
no desempenho do vosso mandato, confiados na
gralidao dos povos Que representaos, e no fa da Divina Providencia. >
Ainda nao se achava recomposto o ministerio
hespanhol.
O governo italiano acaba de dirigir, dos di-
verso? prefeitos do reino, a circular abaixo, sobre
a posicao que pretende tomar em qualquer repeti-
cao dos acontecimentos do Vneto:
c Tin ni. 9 de dezembro.
t Com quanio os ltimos movlraentos insurgen-
tes de Veneza. tenham sido inteiramente reprimi-
dos, e se tenham realisado os prognosticos da par-
le mais sensata da naco, todava o partido de ac-
cao, segundo dizem ioformacoes que o ministerio
tem recebido, parece estar disposto a fazer urna
nova tentativa para a primavera prxima.
< Contina pois a oecupar-se em colher dinhel-
ro, armas e munigoes, em agitar a mocidade inex-
periente, e em augmentar as tileiras dos seus ad-
herentes, e em preparar urna sufilcienle forca de
voluntarios, que ho de promover a irrupco de
Veneza, organisar-se e excitar os povos a insurrei-
eao.
Desejando prevenir a tempo estes manejos
perigosos, e poupar ao paiz novas desgranas, o mi-
nisterio deve annunciar-vos que esta sempre re-
solvido a oppdr-se enrgicamente estas empresas
inconsideradas, e que deposita toda a sua confian-
za no vosso concurso efficaz para os aniquilar pri-
meiro que os perigos serios ameacem a seguran-
za interna e externa do estado.
t Para esse lim, renova as recoraraendagSej que
vos lem feto para indicar autoridade judicial
qualquer acto do partido de accao, que sahir dos
limites da legalidade, para vigiar a attitude e pro-
cedimento dos principaes cheles desse partido,
seus emissarios, os viajantes que chegam e par-
tem, o transito das mercadorias, fazendo affastar
da fronteira todos os emigrados que forem mais
perigosos.
< Com firmeza e constante vigilancia, o governo
espera alcancar o Am que se propSe.
< O abaixo assignado pede-vos pois, senhor,
que secundis, tanto quauto fr possivel, as suas
inlences, pondo o ao correte de tudo quanio po-
der merecer a sua aitencao e exigir medidas es-
peciaes.
Quanto Allemanha e Estados-Unidos refe-
rimo-nos aos que dizem nussos correspondentes de
Hamburgo e Londres.
As noticias do Mxico sao favoraveis. O im-
perador foi muito bem recebido na capital, na vol-
ta de sua viagem.
J haviam entrado em Maratlan as tropas en-
viadas ao Pacifico, e diversas povoaedes se haviam
sujeitado ao novo governo.
Em Portugal fora publcala a reforma das
alfaodegas, e em geral fui bem acceita.
Estava marcado o dia 8 do corrente para a
partida dos vapores de guerra Bartholomeu has,
Estephania e Infante D. Joao, que vo estacionar
no Rio de Janeiro.
aroprio, sendo que por esse meio procura fuar-
te compllcacio em que se acha pela venda de
am menino livre, natural da Parahyba.
Sei qne com essa informaco transmitida a
ymes., procura nm companheiro meu fazer allusio
a mim, que (rabalho, na qoalidado de remador na
^tacto do referido caes, e que fui urna vez cha-
mado presenca do Sr. Dr. chefe.de polica, para
dizer o qe sabia em rclacio ao faeto de qua sa
trata, por haver eu ido em companhia do vendedor
e de Francisco Jos de Souza a casa di $r. cap-
tao Silvlno Guilherme de Barro?, satisfczendo as-
sim o pedido que me nz< ra Souza tiara que en
me (lirigfcse com elle e com o vendedor, a quera
eu nao etnhecia, alguma casa de commissao de
compra de escravos, sem quo nada mala que isa
houvocse eu praticado.
Teqdo comparecido ale o Sr. Dr. che fe de po-
lica, que, proeedendo- necessaria^pesquizas,
achou procedente a mioha narra^w, nao encher-
gando o menor indicio de crirac em meu procedi-
mento, continuei tranquillo a applicar-me a meus
trabalhos na estacSo do referido caes, sem que
at hoje a polica houvesse julgado acertado pro-
ceder contra mim.
Agora procura um companheiro meu chamar
sobre mim as vistas da policia, altribuindo-me fal-
samente o haver eu mudado de nome, e tomado
parte nesse crime de redcelo de pessoa livre
escravidao, e assim tem esse companheiro proce-
', dido j em particular, e j traosmililndo a impren-
' sa noticias falsas. Pois bem, eu o provoco a qae
I tome sobre si a responsabilidade dessa noticia,
, que tem feito correr, certo de que ante os tribu-
naes me desaggravarei.
Queiram, Srs. redactores, dar lugar a estas li-
nhas para restabelecimento da verdde dos factos.
Reeife, 12 de Janeiro de 186o
A rogo de Evaristo Ftacto de Canalho.
Jos Mara da Conceieao.
PUBLICARES A PEDIDO.
Progressos da uiediciua.
A scieucin nos d alegres novas annunciando-
nos que se ha feito um grande e importante desco-
I brimento, e que as insidiosas amarguras e soffri-
] mentos, causados pelas molestias da garganta edjs
orgos da respira;7>, podem ser alahados com o
. immediato uso do Pedmal de Anacahuite ileKemp;
' e isto com urna certeza e infallibiulade, at agora
descouhecida na pralica da medicina. A base fun-
damental desle delicioso e riquissimo xarope con-
sist' do balsamice sueco extrahido de urna arvore
i mexicana, chamada Anacabuia, o nico especifico
natural at hoje conhecido para as affecces pul-
monares. As esquinencias, os bronchiles a a
asihma, ceden sua aeco com urna facilidade
verdaderamente assombrosa. Faz desapparecer a
; rouquido dentro de poucas horas, e lomado
i lempo e horas impede a possibilidade da pblysira.
; Acha-se de venda em casa de Caors & Barbosa e J.
da C. Bravo A C
Saludos no mesmo da.
Rio de Janeiro e Babia Vapor franeez GuiVnac,
commandaote H. de Sommer.
Lisboa Brigue aoitf guez CtnpfSo cV forio, ca-
pito Janaario Jos de Oliveira, carga varios ge-
neras. .....
BBIT11S.
G6MHEB6I0.
Comfcs ofatclaes.
PRaCA 1)0 RECiFE.
ii de Janeiro de 1865.
lo primeira sorte 23^500 por arroba,
o sobre Hamburgo UO d|v. 078 rs. por
b.
Dubourcq Jnior,presidente.
Guimaressecretario.
Algod
Caoib
m.
PERNAMRUCO.
REVISTA DIARIA.
Amanhaa d a sociedade recrelativa fraternida-
de das Familias a sua partida.
De Santo Amaro de Jaboato nos remeltem
estas linhas:
Acaba de levantar-se aqui um monumento,
que certamente retrata a nossa civilisaco em Ira-
eos bem pronunciados.
t Esse monumento consiste n? existencia de um
tronco no meio da ra, junto mesmo a casa de um
inspector.
t Consta que serviro de Aguras symbolicas
distribuidas pela base do referido monumento, in-
dividuos de ambos os sexos, all presos, sem duvi-
da ordera do visioho inspector, urna vez que o
subdelegado mar distante da povoaco.
t Consta igualmente que foi mandado vir um
clebre photoxrapho para photographar tal monu-
mento, alim de ser remettida urna epia ao Exm.
presidente, que Ignora a sua existencia.
a 't ito prximo passado mez sahio de Lis-
boa com destino aos nossos prtos o vapor Newton,
da nova liona de Liverpool.
Hoje o agente Euzeblo vender em leilo
urna mubilia de Jacaranda nova, je guardas-roupas
de amare I lo, obras bem acabadas e de gosto, e ou-
tros arligos.
Repabtica.1 da polica.
Extracto da parle do da 12 de Janeiro de 1865.
Foram reaolliidos casa de deteuco no dia 11
do corrente :
A' ordera do subdelegado de Santo Antonio, Ce-
ciliano Jeronymo da Cruz, para correceo.
A' ordem do de S. Joan, Jos Calazans de Santa
Anna, por ser encontrado com urna sedu'a de 55
falta ; Joaquim e Felippe, escravos este da santa
Ca.-a de Misericordia, e aquelle de Joaquim Bre-
ve : o 1." por su>i i-ita de andar fgido, e o ultimo
por andar cora effeito fgido.
A ordem do da Capunga, Joo Chrysostomo e
Francisco Bezerra, e Joo de Dos Ferreira Fun
dador, disposicao do tenente-corouel recrutador.
O ehtfe da segunda seccao,
I. G. de Mezquita.
Movlmento da casa de detencao, do dia 11
de Janeiro de 1865 :
Exisiiam presos 396; entraran) 8 ; sahiram 4 ;
existem 400.
A saber : Nacionaes 326 ; estrangeiros 11
mulheres 3 ; estrangeiras -2 ; escravos 44 ; es-
cravas ti.-Total 40(1, sendo alimentados cnsta
dos cofres provinciaes 164.
Movimento da enfermara do dia 12 de Janeiro
de 1865 :
Tiverom alta :
Jesuino Celestino da Cruz.
Severino Rozeudo da Silva.
Passageiros do vapor franeez Guienne, en-
trado de Bordeaux e porlos intermedios :
Thomaz Teixeira Bastos, Frederico Gautbier,
Hamburger, Emilie Augusto Deloucne e sua se-
nhora, Laporle, cnsul de Franca, sua sennora, 2
Alhos e i criado, D. Mara Henriqueta de Bitlen-
court, Julio Cesar Pinto de Oliveira, sua senhora
e 2 flihos.
Seguem para o sul :
Jos Guedes Nogueira, sua mulhr e 2 criados,
Gabriel Tourcadot, Eustaquio Jos Francisco de
Alencar Aicatuarino, Boavaolura Fernando Clapp,
e Joo Velloso Soares.
Obiuuarjo do da 10 de JANEIRO de 1865, NO
CBMITBRIO PUBLICO '.
Gaspar Pereira da Silva, Portugal, 32 annos, sol-
t iro, Reeife ; ferimentos.
Uu prvulo, encontrado na calcada da matriz de
Santo Antonio (sem nenbuma declaraco.)
Joanna, Pernambuco, 7 mezes, Santo Antonio ;
espasmo.
Augusto Antonio Rodrigues, Portugal, 20 annos,
solteiro, Santo Antonio ; hemorrbagia pul-
monar.
Joan, frica, 45 annos, solteiro. oseravo, Santo An-
tonio ; tubrculos.
Joao (liberto), frica, 52 annos, solteiro, S. Jos ;
estupor.
Isabel Esmeraldina de Oliveira, Rio Grande do
Norte, 22 anuos, soileira, S. Jos ; tubrculos
pulmonares,
Moto banco de i'ernaubueo.
EM 4 DE JANEIRO DE 1866.
O banco descoma letras na presente semana a
10 0/0 ao anno at o praso de quatro mezes e a
12 0/0 at o de seis mezes ; toma dinheiro a juros
a praso nunca menor de tres metes, e saca sobre a
praca da Baha.
Alfaatlega
Hend ment do dia la 11......... 224:3415601
lderadodia!2................ 24:026763
248:3685364
lovlmenio da alfandega
Volumes entrados com (azendas..
k com gneros.

CORRESPONDENCIAS
..... ,_ ._^^__
Srs. redactores da Revista Diaria..Na Revista
Diaria 4a Jjojo do Vmciv, por informaco, noticia
de estar traballiandona rampa do eaes Podro II
um hornera, cujo nome dado matricula nao o
Voiumessabidos com {azeedas..
t t com gneros ..
in
693
-----85o
38
1,003
-----1,041
Doscarregam no dia 13 de jnneirede 1863
Brigue inglezHenrietta -bacalho.
Lugre inglezRotliy- farinha de trigo.
Patacho hamburguez-Los Hermanos-idem.
itecebedorla de rendas Interna*
geraes de Pernambuco.
Rendimentododia 1 11......... 5:476*807
dem do da 12................. 6814687
~Tl58449i
Consulado provincial.
Rendimentododia 1 a 11........ 51:0205783
dem do dia 12............... 4:162*599
35:090J951
Hamburgo, 91 de dezembro
Revista commercial.
Durante aqninzenapssada o mercado conser-
vou-se tranquillo, como sempre acontece neste pe-
riodo do anno.
Desde alguns dis o rio Elba acha-se gelado e
interrompida a navegacao em consequencia disso.
Caf.To perto do-flm do anno, o negocio h-
milou-se ao urgentsimo para o consumo ; os pos-
suidores levam pouco genero ao mercado, e por
isso a falta de movimento nao lem Infinido sobre
os precos. Temos de notar a venda de cerca 19
mil saccas de caf do Rio e de Santos a 6 t|4 e
7 3|4 schillings, 1,000 ditas da Babia a o 7|8 e 600
do Cear a 7 c 7 3|4.
' Colamos o caf real ordinario do Rio a 6 5[8 e
6 7|8 sch.
Assucar.-Em consequencia do Hma bjixa de
4 a 6 schillings, realisaramse algumas vendas :
do assucar braslleiro s se venderam 600 saceos
do mascavo do Cear.
Tabaco. Sempre era boa acnitacao. Do tabaco
brasileiro venderam-se 1,260 bailas, e em leilo
136 do avariado da Babia, a t 38 e 6 3|16 sch., e
50 ditas de dito do Rio Grande do Sul a 4 1|2 e 5
11|16 sch ; Stock 3,700 bailas.
Couros.Menos procurados vista da esla(o.
Notamos a Venda de 15.700 couros do Rio Grande
do Sol a 4 1|2 e 8 3)4 sch., e de 1,000 ditas da
Bahia a 5 e 7 sch.
Algodao.O mercado tornou-se de novo bastan-
te calmo, os precos todava susteniam-se : vende-
rara-se 247 bailas do Cear a 26 sch.
Cacao.Precos firmes : as vendas foram de
500 sacos do Para.
Navios sabidos para o Brasil desde 5 do corrente.
Pernambuco, Don,
Rio de Janeiro, Mathilde, Iris, Esther e Sophte.
Porto Alegre, Jemtje Wickens.
Rio Grande do Sal, Eltse.
Navios chegados do Brasil.
Rio de Janeiro, Caprktosa, Secometar, Ver-
trotten, Olevig, Hygea.
Para, August.
Santos, Impertense.
Rio Grandt do Sul Udo Fredenck.
cambios.
Sobie Londres, 3 nul., 13 marcos 1|2 sch. ban-
co por ,, prazo curto
Sobre Paris, 3 m.d. 192 3)4 francos por 100
marcos banco, e a prazo curto i90 1|2 ditos.
Sobre Lisboa, 3 m. d-, 45 li4 ich. banco por
15000.
Descont, a 3, o 1|2 0|.
ODr. Luiz de Alboqiwque Martins Pereira, de le-
gado do 1" disinetj desta cidade do Reeife de
Pernambuco, Me.
Paco saber a quem interessar possa, que as au-
diencias desta delegada lera lugar na secretaria
de policia, duas vezes por semana, em os dias se-
gundas e quintas-feiras, as 10 oras da manha.
cidade do Reeife de Pernambuco 12 de Janeiro
de 1865.Eu GoJIberme Augusto de Attahyde,
escrivo, o escrevi.
Luiz de Albuquergue Martins Pereira.
O Dr. Trislo-de Alencar Aranpe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa, e jniz de direito especial
do commercio, nesta cidade do Reeife, capital
da provincia de Pernambuco, por Sua Mageslade
Imperial e constitucional o Sr. D. Pedro II,
quera Deas guarde etc.
Fago saber aos quo o presente edital virem e
delle noticia liverem que no dia 13 de fevereiro do
anno prximo vindouro, se ha de arrematar por
venda quem mais der em praca publica deste
juiso o escravo seguinte :
Amaro, crioulo, representa ter 14 16 annos de
idade, sem defeilo alguin, avahado por um cont
e quirihentos mil ris, o qual fra penhorado por
execuco de Joaquim Elviro da Silva, contra o te
nente-coronel Francisco Santiago Ramos.
E nao havendo lancador que cubra o prego da
avaliaco, arrematado ser feita pelo prego da
adjudicarlo na forma da lei.
E para quo clieguo ao conhecimenlo de todos
mandei passar o presente que ser publicado pela
mprensa e aflixado no lugar do co; turne.
Dado e passado nesta cidade do Reeife de Per-
nambuco, aos 19 de dezembro do anno do oasci-
mento de Nosso Senhor Jess Christn de 1864.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nacijnenlo, es-
crivo o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe,
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, offlcial da iml
perial ordem da Rosa, jaiz de direito. especia-
do commercio, da cidade do Reeife e seu termol
por Soa Megestade Imperial e Consiituciona,
o Sr. D. Pedro II, quem Dos guarde etc.
Paco saber aos que o presente edital virem,
e delle noticia liverem que a requerlmento de P.
J. Foulkes fra rescendldo a concordata de Cami-
nha & Filhos pela senlenca do theor segrate :
Vista a materia da peticao de folhas 919, na qual
expoe o supplicante Pedro Joao Foulkes que os
supplicados Vicente Ferreira des Santos Caminha,
Manoel Ferreira dos Santos Caminha e Alexandre
Ferreira dos Santos Caminha, socios da firma fal-
lida Caminha & Filhos nao cumpriram a concorda-
ta que Ibes foi concedida por seus credores na for-
ma do auto de folhas O6, e mostrando-se palo do-
cumento a folbas 929, que com effeito a concorda-
ta nao foi cumprida, deixando o supplicante de ser
pago na forma convencionada com falta de boa f
e preiuizo do mesmo supplicante ; julgo rescindi-
do a concordata, e mando que sejam os credores
convocados nos termos do art. 139 do regulamenlo
n. 738 para se tratar da formacao do contrato de
unio ou de nova concordata, devendo a reunio
ter lugar no dia 18 de eutubro do corrente anno
pelas 11 horas da manha na .-.ala dos auditorios
para o que se expediro editaes conforme o art.
135 do citado regulamento. Os curadoresfiscaes
j nomeados reassumiro as suas funecoes re-
querendo o que entenderem a bem da massa fal-
lida, que pagar as castas.
Reeife, 23 de junho de 1864.Tristo de Alen-
car Araripe.
E mais se nao contraba em dita sentenca ; mas
nao tendo os curadores liscaes reassumido os seus
cargos por se haverem recusado, assim como ou-
tros credores que foram nomeados, flcou a mes-
ma curadora affecta ao Dr. promotor publico, que
pre-tou o devido juramento, e deveudo-se proceder
a nomeaeo de depositario da referida massa,, sao
pelo presente convocados os respectivos credores
a comparecerem na sala dos auditorios^ no dia 19
do corrente mez s 11 boras da manha, e para
?ue tenba lugar as diligencias prescriptas no art.
39 do regula nenio n. 738, cima indicadas, o
os mesmos credores convocados pelo presente a
comparecerem no mesmo lugar no dia 20 de feve-
reiro do anno prximo futuro pelas ditas horas ;
advertmdo,porm, que nenhum credor ser ad-
mitiido por procurador se este nao tiver poderes
especiaes para o acto, e que a procuragao nao po-
der ser dada a pessoa que seja dovedora aos fal-
lidos, nem um mesmo procurador representar por
dous diversos credores; outrosim que serao unido
aos votos da maioria dos credores presentes, os dos
credores que que deixarem de comparecer.
J para que chegue ao coaheciment de todos
ser o presente publicado pela imprensa e aflixado
na forma da lei.
Cidade do Reeife de Pernambuco, aos 15 de
outul.ro de 1864.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, escri-
vo o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio desta cidade do Reeife de Pernambu-
co, su termo, por Sua Mageslade Imperial e
Constitucional o Senhor D Pedro II a quem Dos
guarde ele.
Fago saber aos qne o presente edital virem a
delle noticia liverem que no dia 6 do mez de feve-
reiro, do anno prximo vindouro =e ha de arrema-
tar por venda a qnem mais dr, em praca publica
deste juizo, depois da audiencia respectiva, duas
pipas com vinho Fignelra,avahadas em 2505 cada
urna, as quaes sao pertencentes a Jos Ribeiro da
Cunta Guimares, e ve a praga por execugo de
Campiano & Cordeiro. E na falta de licitantes ser
a arrematago feita pelo prego da adjudicago com
o abatimento respectivo da lei.
E para que chegue ao cooheoimcnlo de todos
mandei fazer o presente edital que ser aflixado
nos lugares do coslume e publicados pela im-
prensa.
- Dado e passado nesta cidade do Reeife de Per-
nambuco aos 12 de dezembro de 1864.
Eu Manoel de Camino Paes de Audrade, escri-
vo o escrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
MOTIMEHTO 90 POETO.
Naetos entrados uo oa 11
Bordeaux e portos intermedios 14 das, vapor
franeez Gvtenne, de I87 toneladas, comraan-
dante H. de Sommer, equipagem 136, carga fa-
zendas e mais gneros.
Bahia 10 dias.brca ingleza Ebora, de 447 tone-
ladas, capillo J. Burns, equipagem 15 era lastro
de assucar; a Lhom Bockunyoung & Roberto.
Montevideo 33 dias, eseana hespanhola Prisco,
de 132 toneladas, espita Henrlque Millet, equi-
pagem 11, carga 4000 quintaos hespanhoes de
carne; ordem.
DECLiBigOES.
Consulado provincial.
Pela mesa do consuado provincial se faz publi-
co que no dia 10 do corrente se principian) a con-
tar os 30 dias u'.eis marcados para a cobranga
bocea do cofre do anno financeiro vigente dos im-
posto* de 4 |o sobre casas em que se acbarem
estabeleclmentos de commercio fora da cidade do
Reeife, prensas de algodao, typographias, cochei-,
ras, botequms, botis, casas de pasto, cavallantes
e fabricas, de 8 8(0 sobre consultorios medicse
cirurgicos, cartorios e escriptorios.de20 0|0 sobre
estabelecimenlos de commercio om gresso e a re-
talho, armazens de recolher, e os trapiches, de
5 por casa de bilhar e modas, de 1005 por casa
que vender roupa feita no estrangeiro, de compra
e venda de escravos, de corretores commerciaes e
agentes de leilo, de 1:0005 sobre casas de opera-
goes baocarias rom emisso e previ leg ios, de 6005
pelas ditas cot emisso e sem previiegios, de 4005
pelas ditas sera emisso, companhias anonymas e
ageneias, de 2005 pelas casas de cambio, de 305
pelos escravos empregados no servioo de al varen-
gas, ue 15 por tonelada de alvarenga e canoas
abenas, de 205 por cada bote ou saveiro, de 305
por cada balieira, de. 105por escravo ganbador ou
empregado era servigo de transporte ou em arma-
zens, de 105 por eavallode sella de aluguel de
65 por cavalfo particular, de i (hO pela venda de
capim e o imposto de carros, carreras e mnibus,
e tambem o 1 semestre do de 20 0(0 do consumo
de agurdente, das freguezias desta oidade e dos
Afanados, S. Lourenco, Santo Amaro de Jaboato,
Muribeca e Varzea, iicando sujeitos a multa de 6
jO sobre os seus dbitos depois da ind o dito
prasg.
Mesa do consulado provincial de Pernambnco
7 da Janeiro d 186.
Antonio Carneiro Machodo Ros.
-- O Jllrn, Sj\ ioapanfor da ibesourartft.eVa.
zenda desla provincia, manda fazer publico a todo
Os habitantes da mesma provincia, que era viriade
da circular do tribunal do ihesouro n. 55.de 22-de
dezembro do anuo passado, acha-se aberta na
mesma tbesouraria a substituido das notas de
55000 da 4.* estampa, e que em lempo convenien-
te se auaaaciara o dia. em que deve principiar o
descont mensa d 10 por ceto no valor da no-
tas que ata enla nao tvevem sido sobsiituidas.
Secretaria da ibesouraru de azenda de Pernam-
buco, 7 de Janeiro de 1865.
Servind de oflirial-maior
Manoel Jos Pinto.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de a-
zenda manda fazer publico a lodos os habitantes
deita provincia, quo em virtnde da circalar do
thesouro n. 36 de 23 de dezembro do anno prxi-
mo passado, fica prerogado al o fim de abril ro-
turo O praso marcado para a ubstituicao das no-
tas da 1005000 da 1* e 3.* estampas, devendo eo-
megar do i.* de maio em diante o descont na
forma da lei.
Secretara da thesonrarla de azenda de Pernam-
buco, em 7 de Janeiro de 1865.
Servmdo de offlcial-maior
Manoel Joti Pinto.
De ordem do Illm. Sr. inspectoi da thesonra-
rla de fazenda desta provincia se faz publico qae
Oca novamente marcado o dia 18 do corrente, as S
horas da tarje, para ser arrematada a quena por
menos liz.tr, a obra de um pequeo iango de caes
que tem de ligar o encontr da ponte de ferro do
Reeife ao caes do passeio publico. O orcaoiraa e
condiges sero mostrados na mesma ibesooraria
aos preteodentes : as pessoas a qnem convier a
sobredita arrematago, deverb comparecer na
sobredita thesouraria no da e hora indicados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco era H de Janeiro de 1865.Servmdo de
offlcial-maior, Manoel Jos Pinto.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desia provincia se faz publico a
quem interessar possa, que no dia 16 do corrale
mez comegaro na referida thesouraria os pafa-
menlos das pensoes do monte pi dos servidores
do estado, vencidas al 31 ao dezembro prximo
passado.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 12 de Janeiro de 1865. servmdo de
offlcial-maior, Manoel Jos Piulo.
Capitana do Parlo de Pernanbacn 31 de deiea-
bro de 1864.
Era vista da circunstancias melindrosas en
que se acha o paiz, sendo necessario qne lodos os
brasileiros concorram para a susteniago dos bros
e digoidade nacionaes, comprometidos na guerra
com as repblicas do Uruguay e Paraguay, manda
o Illm. Sr. capito do Porto, em virtnde do i,ne Ihe
foi recommendado por S. Eic. o Sr. ministro e se-
cretario de estado dos negocios da marinba, con-
vidar nao s aos matriculados, como a todos os
cidados que se queiram alistar na qualidade e
voluntarios para a armada, a se apreseularem nes-
ta capitana nos dias uleis das 9 a 3 l|23horas da
larde.O secretario da capitana,
Decio de Aqnioo Fenseea.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desta provincia se faz publico que
fica novamente marcado o da 14 do corrente as 2
horas da tarde para ser arrematado a qnem por
menos fizer o fornecimeniod'agua putavtl a lorta-
leza do Buraco e do laboratorio de fogos. As pes-
soas a quem convier o sobredito forneeimento de-
verao comparecer na mesma thesouraria no dia e
hora indicados.
Secretaria da thesouraria de fareuda de Pernam-
buco, em 10 de Janeiro de 1865.
Servmdo de i flkial-maior.
Manoel Jos Pinto.
Consulado d Portugal.
Havendo fallecido o subdito porloguez Gaspar
Pereira da Silva, sao chamados os seos credores a
apresentarem as suas contas oestes consulado den-
tro do prazo de 30 dias, para serem verificadas
sendo tambera prevenido os devedores do sen es-
polio para no mesmo prazo virem pagar o que Ins
estejam devendo ; e nao o fazendo, sero deman-
dados judicialmente.
Consetho administrativo.
0 conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos
sitguinles:
Para o arsenal de guerra.
$0 garrafas de espirito de v.nho.
4 arrobas de pregos franceses de 2 112 pole-
gadas.
i dita de ditos de 1 i|2 polegada.
20 duzias .de taboas de praho de 3|4 de gros-
sura.
20 meios de sola de lustre.
Quem quizer vender taes arligos aprsente suas
propostas era carta fechada na secretaria do conse-
lho administrativo s 10 horas da manha do dia
16 do corrente.
Sala das sessoes do conseibo administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 11 de Janeiro
de 1864
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Stbastio Jos Basilio Pyrrho,
r Director.
Foi tomado a nm preto, o qual andava ven-
deudo um peote de tartaruga de segurar cabello
de senhora : qnem se julgar com direito ao mes-
mo, e dando os signaes, Ibe ser entregue.
Subdelegada de policia da (reguezia do Poco da
Panella 11 de Janeiro de 1865.O subdelegado,
Joo Paulo Ferreira.
Conselho admiaisti alivo.
O conselho administrativo para fornecimento'
do arsenal de guerra precisa comprar os objec.os
seguintes:
Para a compannia de artfices.
2 colheres de ferro.
1 dita grande.
2 caldeiras de ferro para 50 p ragas.
1 copo de vidro.
2 enxadas.
2 espumaderas.
1 gario de ferro.
1 lavatorio com baca e jarro.
2 paes de ferro.
1 pralo de vidro para copo.
Para a fortaleza de Itamarac.
1 livro com 150 folhas para registro de oftfeic-
do qnartel geneal.
Quem quizer vender taes arligos aprsente sua
propostas em carta fechada na secretaria do eosso-
Iho administrativo, as 10 boras da manha do din
13 do corrente.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 9 de Janeiro
de 1804.
Antonio Pedro de S Brrelo,
coronel-presidente.
Sebastio Antonio do Reg Barros,
vogal secretario nterin.
Crrelo geral.
Pela admimstracao do correio desla cidade so
faz publico que em virtude da convenci postal,
celebrada pelos governos brasileiro e franeez, se-
ro espedidas malas para Europa no da 13 do
correnie pelo vapor inglez Magdalena. As cartas
sero reeebidas at tres horas antes da qne for
marcada para a sabida do vapor, e os jornaes at
qnatro horas antes.
Administracao do crrelo de Pernambuco 10 do
Janeiro de 1865.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
ATOQS MiMTIMM.
COMPAMHIA
DAS
1ESSAGERIES IMPERIALES
Art o din 14
do crreme os-
pera-se da Euro-
pa o vapor fran-
eez Guenme, quo
depets da demo-
ra do costme
segn ir para
Babia e Rio do
Janeiro.
Para frotes, eoidlecbeee passagens tratase n
agencia rna do Trapiche n. 9.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com mulla brevidada o brigno e-
comAIm Sti, tem parte do son rarrefanxnio
prompto : para o rosta qne Ihe falta e eyravo a
frate, para os .quaes tem exeeWeutos coaMioOjA,
trata-so eemoa sena oonaegnaiariui Amonto Lnii
da Oliveira Azevedo 4 C, no seu eseriptorio
pa Cruz n. 1.

V.
.....
J



Biarfo e t mamlhiT9 *-> ***** *fi# i s t- favrfro 4* i 6 *
*

GOMPjUTHIA B1ASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' perada das portos do sul
GABINETE
PftJsTUGlEZ Mi'LKlTURl MI PE-
NA H BUCO.
Tendo a Illma. administracao aetoal do Gabine-
ai odia 11 do carrete o vapor te Portngpez de Leitura dado balmgo em novrm-
Apa, cotnmandante Garlos Anto- bro prximo passado blbliothera do mesmo Ga-
mo Gome*, o qual depois da de- bnete, que est a men cargo, e da mora do cosame seguir para ta por balango em novenibro de 1860, veriDcotasc
f&m

os portos dd norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual Severa
ser embarcada no da de sua chagada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ra : agencia, mi da Cruz n. f, escriptorio de An-
tonio i.uiz ele Oliveira Azevedo & C.__________
compTnhia brasileira
DE
PAQUETES A VAPOR
, Dos portos do norte espera-
do at o da 21 do crreme o va-
por tocantins, commandante Pe-
dro Hypolito Duarte, o qual de-
poi. da demora do cosiume segui-
r para o :)ortos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas e dinheiro a frete ateo diada sahida s 2
horas, agencia rea da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luis de Ovein Azevedo & C.
Para a Bahia
Pretendo seguir com brevidade a sumaca Hor-
tencia, teni parle de sea carregamento prompio
para o resto que lh falta trata-se com os seus
consignatarios Antonio Loiz de Oliveira Azevedo
S C, no sou escriploriorua da Cruz n. 1.
terem-se extraviado durante esle quatrienio nove
volme*, como da nota abaixo exarada, coja im-
portancia (vmte e tantos mil rtsj o abaixo assig-
nado tem de satisfazer Mima, directora. Algo-
mas destas obras, a que ralla algum volume, teem
de ser pagas por intoiro, como de le. O abaixo
assignado peda, sois, sos senboret associados, em
cujo poder exista algum dos voluntes indicados em
seguida, o especial obsequio de Ihe fazerem a en-
trega respectiva para minorar o sen prejuizo, em-
bera, felizmente, nao seja este de grande conside-
rado.
i" volume-Revista Popular n. 10.
f dito Forraosa Doozella de Perlh n. 192.
1* dito Collar da Rainba n. 467.
1 dito Lagrimas Abencoadas n. 2,215.
1 dito Louca (a) n. 3,047.
1 di lo Vida aos viole anuos n. 3,284.
1 dilo Diamante do commendador n. 3,442.
! e 2 volumesMoco (o) Loiro n. 3.666.
Gabinete Portuguez de Leitura em Pernambuco
10 de Janeiro de 1863.O guarda bibliothecario,
_____________Antonio S. Xavier de Souza.
Aluga-se o arraazem n. H da ra do mpe-
rador : a tratar na mesma ra, annazem de louca
D. 41. ___!__
Precisa-se de um moleqne ou de nma preta
captiva para o servico interno de urna casa : na
ra do Crespo a. 23.
Para a Bahia pretende sahir em poucos dias
a vflleira escona Elisa, capitn Belmiro Baptista
de Souza, tem a maior parte da carga tratada, para
o poufo que Ihe falta trata-se com os consignata-
rios Palmeira & Beltrao, largo do Corpo Santo n. 4,
primeiro indar.
COMPANHl1 PER.NAMBUCANA
DK
Narega^So cestelra a vapor.
Ilha de Fernando.
No dia 14 do crreme ao meio
dia sahir para o porto cima
ludicado um dos vapores desta
eompanhia. Recebe carga somen-
iai o dia 13; encommendas,
{ H-.i^irus ,. dinheiro a frele at as 10 horas da
maiha do dia da sahida : escriptorio no Forte do
Mattos n. I. ______
CMPANHIA PERNAMBUCANA
DK
Navegado costelra a vapor.
Aracaj e escalas.
No dia 14 do corrente as 5 ho-
ras da tarde sahir para os portes
cima mencionados o vapor *? IraAi/ka, commandante Martins.
_'Recebe carga somente at o dia
13 ; do n lleudas, passageiros e dinheiro a frete
at as 2 horase do dia da sahida : escriptorio no
Forte do Maltes n. 1.
ttOijJJU*"
Para Lisboa
O veleiro e bem conhecido Lrigue portuguez
Conreino de Mana, capitn Jannario Jos de Oli-
veira, pretende seguir com muita brevidade. lem
parte de seu carregamento prornpto ; para o resto
que Ihe falta trata-se com os seus consignatarios
Antonio I.uiz de Oliveira Azevedo & C, no seu es-
riptori'J ra da Cruz n. 1.
Rio de Janeiro.
O bri;ue nacional Cruzeiro do Sal, segu breve
para aquel le porto, ainda recebe carga a frete : a
tratar com os consignatarios Marques Barros C, largo de Corpo Santo n. 6.
Portm por Lisboa.
Pretende segnir com brevidade a muilo veleira
barca puriiignnza Corea, por ter grande parle da
Barga e igaj ida, paro' o reslo e passageiros aos
ejouei olferece os melhores commodos: trata-se
e mi o consignatario T. de Aquino fonseca Jnior
na traviesa da Madre de Dos n. 5, primeiro an-
dar, ou :om o capito na praea.
LEILOES.
Leilo de di!>*ntes ohjectos le chape-
laria e dividas activas da antiga
luja d|-. chapis da roa da Cadera d, -C
HOdE.
O agente Pinto far leiio a requerimento de
Jiauuiui Luiz Vieira e por despaco) do Illm. Sr.
Dr. juiz especial do commercio, do una porco de
Chapeos e objectos de cliapelana, assim como as
lvidas activas da extincta tirma viuva Vieira &
C. ra Ja Cadeia n. 16. O leilo ser ellectuddo
as 11 horas do dia cima dito no armazem da ra
da Senzala n. 112. junto a cocheira, aonde eneon-
raro is i'i'tteode.ies os referidos objectos e a
relago das dividas em poder do mesmo agente.
LLello de fazendas avariadas
Se itafeira 13 de Janeiro s 10 horas em ponto.
O agente Pinto far leilo por conta e risco de
qaem pertencer de 1,252 saceos para assncar ava-
n i lo< a bordo da galera ingleza Miranda-, capi-
tlo Con^'don, e 50 peijas de madapolo coqoeiro,
tambem com avaha : as 10 horas do da cima di-
to em son escriptorio ra da Craz n. 38.
Hoje vender era leilo o agente Euzebio,
u.ia mebilia de Jacaranda, nova, e ontra dita do
amareilo, usada, candelabro, lavatorio, cama de ar-
mario, ;andeeiro d> gaz., guarda-roupa novos, de
amarelh, obra prima, e outros artigas miudos, que
sero promptos.
LBILAO
Sabbado 14 do rorrente.
O agente Pestaa, far leilo no dia 14 do cr-
reme, lelas II horas da manha, por ordem do
amalado de Portugal, da armaco e gneros de
taberna, estabeleeida na ra o Codorniz n. ii
perteaecata ao tinado subdito porluguez Gaspar Pe-
reir da Silva.
AVISOS DirEHSOS.
m
Aos 6:000O0.
Terca-feira 17 do comente mez, se ex-
traliir a primeira parte da quarta lotera
(l) a l>enecio da Santa Casa de Miseri-
rirdia, no consistorio da igreja de Nossa
Sunliora do Rosario da freguezia de Santo
Antonio.
Os tilhetes, meios e quartos estao a ven-
da oa respectiva thesooraria rna do
Crespo n. 15.
Os |)remios de 6:000^000 at 10k)00
sero pagos urna hora depois da exlraccSo
at s 4 horas da tarde, e os outros depois
da dislribuicao das listas.
As encommendas serao guardadas so-
mente at a noite da vespera da extraeco
como le costumo.
O the^onreiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza
ATTENCO.
Fupb no dia 8 do correr a pretn de mcao por
nomo Luzia, idade i* qnarenta e tantos annos
pouco mats ou menos, com os signaes seguintes :
h.ia allira, corpo regular, levando vestido de chi-
ta nove, panno da cosa fr.-mcez com franja ja usa-
da e ccasta qne a mesma se inculca qne anda pa
gando *ana a ha suspeitas que ella anda pela
estrada de Joo de Barros vendendo fructas para
poder cisfalgar qne anda no trafico desse servido :
qatn a pegar leve-a a roa do Mondego n. 40 ou
ra da Cruz n. 13, qne ser generosamente rc-
compeiMdo.
Precisa-se de urna ama para casa de familia so-
mente para cosinhar : quem se julgar habilitada
dirija-se a rna da Cruz n. 95, primeiro andar.
Saude dada a todo o mundo.
Pelos preeiesos medicamentos dos Srs. CrimaBlli
C, pharmaceutieos de S. A. I. o principe a-
po I cao, rna de la re ni lia de 7 en Paria.
Porque es Srs. mdicos e o publico tisam de pre-
ferencia dos medicamentos especiaes dos Srs. Gri-
mault & C, pharmaceutieos em Paris, com os quae*
elles tem sempre oblido as curas as mais extraor-
dinarias Y
l." Poique esta casa sendo sem contradita a
mais importante de Paris, honrada com a clientella
de una parte da curte, paten'eada por S. A. I. o
principe Napoleo s vende productos de urna efll-
cacia reeenheclda.
2." Porque esses medicamentos representam as
mais recentes conquistas da medicina e da clu-
mica.
3.' Porque lera todos um pasto agradavel, satis-
fazer a vista, e pdem ser administrados sem pe-
rico, tanto s enancas cerno s pessoas adultas.
4. Porque elles differem inteiramente desses re-
medios inglezes e americanos, preparados por In-
dustriaes estranhos, tanto a medicina como a pbar-1
macla, dos quaes nao tem nem a scincia nem os
ttulos.
5. Porone estes medicamentos s se applicam a
um nc.iero limitado de doeng.is, e nao as curam
todas, como os remedios de que acabamos de fal-!
lar ; emfim cada producto lem sua applicacSo par-:
neniar.
Por isso pensamos prestar um servigo a todo o
mundo, indicando aqui as Importantes propieda-
des dos principaos medicamentos dos >rs. Gri-
mault & C.
Xarope ce ralfort lodado.
Empregado com successo corto em lugar do oleo
de ligado de baealho, to desagradavel, to difll-
cil a digerir. E' oespeciHco o mais certo contra
as escrophulas, o lympkaiismo, a moleza das car-
nes, os humores das enancas, a papeira, os rheu-
malismos, o sscorbuto, as uhCfOflS d pello, as
molestias do peilo.
Todos os mdicos de Paris o empregam como o
depurativo o mais poderoso, e o recommemlam em
lodosos casos que precisa-se corrigir a acrimonia
do sangue, e dar-lhe lodos os principios vitaes que
perden, seja pelos excessos, peJas affeceoes lym-
phaticas, escrophulosas, e venreas.
Xarope de quina vermelha fer-
roginoso.
Ou associa^o dos dous poderosos remedios da
materia medica que sao : o fero um dos princl-
paes elementos n nosso sangue e a quina que o
Inico e o febrifago por excellencia.
Este delicioso medicamento agadavel ao paladar
e a vista, tem um resultado adrniravcl as Dores '
Graneas, dores de estomago, falta de appetite, po-
breza de sangue. Elle sobretudo til as seuho-
ras e as mocas delicadas, para desenvolver e re-
gularizar a menslruaco e suspender os elTeitos
perniciosos das flores brancas, que sao a causa de
tantas doencas. Elle 6 soberano depois das con-
valecencias de molestias graves, elle o reparador
das forcas e da saude para os doentes enflaqueci-
dos pelo traballio, os excessos, as atTeccoes escro-
phulosas ou venreas.
As mfus de familia acbaro oeste xarope um me-
dicamento sem igual, para fortificar e desenvolver
o systema osseo das crianzas e os preservar das
afTerces escrophulosas.
:iivSr digestivo de pepsina.
Delicioso licor que oceupa o primeiro lugar en-
tre as novas conquisas da scincia, a pepsina pos-
sue com effeito a propriedade importante de fazer
digerir os alimentos quasi si-m soccorro do esto-
rnage, o remedio soberano das gastrites, gastral-
gias, das inflammaces do estomago, dos ligados e
dos intestinos. Elle supprime os gazes, as nauseas,
as pilques, o desgoslo dos alimentos, e presta prin-
cipalmente um immenso servico as senhoras n'uma
poslco interessante da qual sHpprime os vmitos.
As pessoas que padecem de cancro no estoma-
go ou nos intestinos, verao sua vida prolongada
pelo uso do elixir de pepsina, e os velhos e conva-
leeenteso sustento de sua saude e o reparador de
suas forcas; porque com nma boa digestao sempre
se gosa de boa saude.
Xarope peltoral de S. Jorge.
Novo especifico, sem opio, reconheeido como o
melhor medicamento para curar a tosse, defluxo,
catarrho, grippa, irritacao do peito, anginas, dores
de garganta, coqueluxa, etc.
Este delicioso xarope popular em toda a Franca
fol descoberto pelos monges da abbadia de S. Jor-',
ge, no Anjou, e actualmente preparado pelos Srs. j
Grimault & C, nicos proprietarios da verdadeira;
receita. Recemmenda-se aos doentes qne usem ao i
mesmo tempo das deliciosas pastilhas peitoraes ao '
surco de alface de loureiro-cerrja dos Srs. Gri-
mault & C, este excellente remedio composto
com as ilnas substancias as mais calmantes e ao
mesmo tempo as mais inoffensivas da materia me- j
dica, e nao contm opio.
Injeeeo e capsulas matico.
Estes dous productos que constitnem a mais re-
eente e a mais importante mediagao para curar os ;
corrimentos e as molestias veneraes do homem e I
da mulher, sao exclusivamente vegetaes nao con-1
lm mercurio, e sao preparados com as folhas do ',
matico arvore do Perou. Nao ha molestia conta-;
giosa amiga ou recente que resista ao uso desses
dous meios Sna rapidez de areno superior a
ludo qaaoto se leo feito at boje. As capsnlas
nunca ransam o estomago nem os Intestinos como
as capsulas de copahyha, cubeba e ouiras ; a in-
joccao nunca produz o estreilamento coreo aconte-
ce com as Injeccoes com base metlica aconseja-
das at hoje.
Todos estes productos vendem-se as principies
pharmacias do Brasil, agenta para vender por ata-
cado, no Rio de Janeiro, E. Chevolet, em Pernam-
buco, Caors & Barbosa, na ra da Cruz n. 28, na
Bahia, Lima & Irmaos ; em todas as boas phar-
macias do Brasil.
Deve-se exigir sempre i asignatura Grimault &
C, por que ha falsificares perigosas.
Vende-se na botica fraoceza ra do Imperador
n. 38.
INJECTION BROU
PERFUMARA MEDICA HYGIENICA \t
De J.-P. LAROZE, qumica, pharmaceutico da la Escola especial de Paria.
b* producios si* o retallada da tplici-o dai Icii da Bygieaa i Beruaaaria, <;u te rgai a
taraut phtnnaci da ballua, cocarrtgada de |>ravr i hygicne da pt-lle, doi eibellos, dos denles,
rgio Uo imporanits; eutio evita e dcslros aa cauaas da daeneai ^ue sua iratan oais velha,
i pharmacia propriameR(e chamada, (em *;ne carir.
WJiaa BMlNTirnidO para corar imediatanvanlo as
dars oa raivas do domos; o vioro 1 fr. 25
res BMrrmiaios eon be kosa m baso de
Matosla, para branqusar o conservar os denlos;
o vidro...........1 fr. 35
OPIATO) DBaTOTMUO para farUOcar as gengiras
o oiilar as nevralgias lomaras; o pole 1 Ir. Si
CBKATTTO BBKTAJUO para Iralar os domos
eariaaoa aaMo do ebasabasunM, o afilar as ab-
cassss a doras; o viaro ooss o iaslruaenlo a fr.
AaWJA LBOCoaajiMWA, para oosserror a froooara
o as ruaceses da pollo; o vidro I tr.
oWPtBJT* BB ABIZ BECTlrlOADO, complcmenio
do aeolo la bocio dosp o i* de comer; vidro 1 fr. 29
SABAO Uamvo MXBtaWAL, de vilela, amandoa
assarga, bouqaai, o po.......2 fr.
CUlEltB BB SABO IBK1TIVO MBDiailiaL de
Esaas da ovo>, para ovilar aa loadas, frieirao o
sacas do pallo, do violla, do bouqaol; o po 2 fr.
ana bb sabo iBjrrrrv* mbmcimal
pts. Illa oopocial para a barba, o acaio das
sabaras a das crisness, o vidro.....2 fr.
ASMA WMTBlax para coasarvor o eaabelleiar OS
caballos, o (orliSear saas raizas, o vidro. 3 fr.
0M.EO BB TELA FBBruMADO paro rocaodiar a
doreza das caaeMos a saa atona, vldto. 2 *.
?IKARB BB TOILETTE SBPMUOB pola SOS
suavi.lde o sua sacio relroooaale, o vidro. 1 fr.
OOLB OKEAM SBPBRIOB pora conservar a poUo
clara, frasea, sdiaphano, c evHar os maos eflciiss
do as dos cOrao, o poto. ... 1 ir 10
AOVA BB BOLOCHA 80TBIUOB, eos OU US
trabar; permanencia de seu perfuma o faz bascar
psrio tooJor, binhos geraes elooees, o vidro 1 fr.
PASTILHAS ORIBBTABS do Dr. Psul CIcmoM,
para lirar o cboiro do (abaco o para modiear os
haiioo torio; 1 2 fr. a calza.
AOVA BB rLOaxS DE ALPAZBMA, cosmelito
bascado para lirar as comiehSes, forliflcur e re-
' frasear conos orgias, o vidro.....1 fr. 2o
nspnuTo bb BKTBLA BDPEmraro. Ene i o
oporloifoamanto Indiapenaavel do aoeio da bocea
depois de comer, o vidro......1 fr. 25
POMMADA COrlBEAVABORA de quinina pura
' para ferUScar os cabellos, os asbsHeitr o evitar
o oacaaeoimeBio praatanro, polo.. S fr.
Depsitos em cada cldade, em caza dos pharaiaccutieos, perfumistas, cabelleireiro, negociantes de
modas a da fazondai. Vareja: Pbakbacia Labosb, ru Neuve-dcs-feuts-Champ, 16.
Kxpadcoi; em su de J.-P. Ltsoai, nu des Lions-Stiul-Paul, n* i, em Paris.
Rna ilo ImpiT^'lor n S8. Imlu-a Iranes.
V
XAROPE
DE CASCAS de LARANJAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimco,
PAACErTICO BA tSCOLA SrKlOt BE PABIS.
Esta xarope, regularisando as funccSes do estomago e intestinos, destroe essas
ndisposifSes preleiformes, c faz abonar as molestias 3e qne sSo indieios precurso-
res. Mdicos e doentes tero reconbecido qao restabelece as indigestdes, fazenda
desappareccr os pesos de estomago, que calma as enxaqnecas, espasmos, e caimbras,
que sao resultado de digestSes penosas. Sea gosto agradavel e a facilidade com que
se suporta, o tem feito adoptar como especifico infallivel das doencas nervosa*,
gastritis, gastralgias, clicas de estomago ,de enirauhas, palpitacts, dores de
coracao, vmitos nervosos; suaaceSo sobre as1 funecoes asimiladoras tal, qne os
mdicos mais Ilustres o tem adoptado por rescipienle real dos dous prinveiros
agentes therapeulicos: o lodureto de Potasio, c o Proto-Iodureto de ferro, tendo
observado que dcbaixo de sua influencia, o piimeir* perde saa accSo irritante, e o
segando seu effeito adstrinjentc.
XAROPE FERRUGINOSO
Da cascas de laranjas amargas com
proto-iodureto da farro.
A Msocitcto de sal ferro ao Xarope de cas-
cas de laranjas tanto mais racional quana
que esle xarope, empregado s, para estimu-
lar o apetite, activa a sccreco da sueco ga-
Mricol, e por tim regtlarsa as fuacQSrs abdo-
miiiaqs, neutraliza os mos effeilos dos fci ru-
ginosos e dos ioduretos (peso de cabeca, pri-
sas d veatre, dores epigstricas) em quanto
que facilita sua absorpeao. Dissoliido no
Xaropie, elle se loma e se suppor(a fcilmente,
por achar-se no estado puro mais assimilavel;
assim pode continutr-se a cara da pallidez,
corrimentos brincos, anemia, affecefics escro-
fulosas e rsebitismo:
0 fraseo: fr. SO o.
XAROPE OEPURATIVO
De easeaa de laranjas amargas com lo-
dureto do potassa.
O iodureto de polassa, administrado era
solueso ou debaixo da forma solida, causa ao
doente una grande repugnancia, ou determina
amientes que o forcio i renunciar a esta
medietcao efficaz.
Unido paren ao Xarope da cascas de laran-
jas, elle nao causa nem gastralgias, nem per-
(orbaco do estomago intestino!, e gracas a
este salvaguarda, os tratamealos depurativos
slo continuados sem interrapcio, as affec-
coea etero fu Iotas, (uberculmai, cancerosas
nos secundarias c terciariai, nttmo reuma-
thisntei, as quaes elle o mais seguro espe-
cifico. A doce est definida de tal maneira
que o medico pode vuial-a a saa vontade:
0 frasco: 4 fr. 50 o.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE estSo sempre em frascos especiaes
(nunca em meias garrafas nem em frascos redondos). ExpedicSes: em casa
J.-P. LAROZE, rna des Lions-Saint-Paul, 2, Paris.
Rna 6-8 0
o * a
r,
a
s~ v>
a
H 5'
o- S
o =
iec ta
sr
Irt

ts 3
e D >*>
Bl co
S -a
f. tt
*

c co
p

R !-
ca
1
&-
i C5 fia
p--
O

11134 I 3 g S i i = 33 si-a. = 1 5lS S

(1 = 31

O-1? ?; t >35-
B ? a. 2 5 *
IrsmilH
B S = a
iriflf-aoJ
27?cB?g,
Vende-se na ra do Imperador boticii franceza n. 38.
! m\ \)\ fmm\
AOS 6.000.000
JUllitetrs garantidos
! i' ra do Crespo a. M e casas do costurar
O abano assignado vendeu nossens muitufeli-
zes biluules garantidos da lotera, que se aeabou
de i ricordia, os sejralnles premios:
O Int-siro n. 132 com a sorte de 6:000,5000
Um ni ;io a. 2085 com a sorte de 1.100*0*0
Dj.is ipriarios o. 2876 com a sorte de 500*:.00
E utras militas sorles de 2005, 100?. it e
201000.
Os possuidores podem vir receber seus respec-
. livos premios sem os descontos das teis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Ach&m-se venda os da primeira parte da
quarta lotera a beneficio da Santa Casa da Mi-
sericordia, que se exlralur no dia 17 do cor-
rete.
Presos.
Bilhetes inteirot..... 7J000
Meios........ 3*500
Quartos........ 1*000
Para as pessoas que comprarem
de 100 para cima.
Bilhetes...... 6*">00
Meios........ 3*250
Quartos........ 1*700
Vanoel Martins Fiuza
Companhia da estrada de ferro
DO
Recife a Silo Francisco.
AVISO.
Grande fc*ia na Boa-Viagem
Domingo U de Janeiro de 186.
Para maior commodidade das pessoas qne sai-
iXeramira Boa-Viagoa ao-di cima indicado,
I alm dos trens ordinarios ha ver trens especiaes
que partiro
De Cinco Ponas
s 10 horas da manhfm.
s 11 >
as 4 da tarde.
E de Bna-Viacem.
as 10 horas da noite
s II o
O solicitador Pedro Alejandri-
no da Costa Hachado
se encarrega awte o furo desta cidade de tudo que
for tendente a sua proflsso, aceita de partido an-
| nual as pendencias judiciaes de qualipier casa
; eommercial medante razoavel ajuste. Contina
a se encarregaf de cabranfas nos tormn-; do Cabo
c Ipojoca aonde continua a trabalhar como d'an-
tes, e encarre;a-se de defezas peranle o jury nos
termos prximos a vi.i frrea, offerecendo gratui-
tamente seus servica aos desvalidos, pode ser
j procu-ado todos os dias atejo das "J horas da ma-
| nhaa as 3 da tarde na raa etreita do nosario b.
34, e fora dessas horas na ra Imperial n. 3C, ca-
' sa de sua residencia.
i Arrenda-se e talve se venda um dos inelho-
res sitios da estrada do Arraial : qnem o preten-
der pdedirigir-se ra larga do Rosario, out'rora
. ra do< Quarteis n 22. sobrado de dou< andares,
que adiar com quem o informe do sitio, e com
quem se pode fazer negocio por qnalquer rrma.
CAlXEIRO~
Xa praca da Independencia n. 22. loja de bilhe-
| tes, precisa-sc de um cai\i'iro para taberna.
Sociedade ifecrfiatim Juventude.
De ordem do Illm. Sr. vice-)residente, sao con-
vidados toilos os socios, para i|ueno dia lodo cor-
rente as 10 horas da manhaa compareci na salla
da mesma sociedade, atim de em a-sembla eral
ellegerem os noTos funcionarios da presidencia e
directora do crrante auno. Recife, 11 de Janeiro
de 1865.
Alves Ferreira.
t coorolario.
Precisa-se alugar um preto oo molecote pa-
ra servico de urna casa: na ra X iva n. :lii.
WM
ELECTR
MAGNETICAI
Approvaia por varitu Academias e atlas
summidades medicas,
O que oecasiona em gral as molestias abaixo
designadas a esla^,navio do sangue cm ccrlan
partrs do corpo, n qualproduiida prlas resfria-
nirnios e niuilas onlias cautas, ontao dcclarao-s
OS Hhevm.ui.'mi's, Gola, /'irali/sia. Flaqueza
des mentiros, C'onslipaftt, Ettphantiusis ou
Pernos Inchadas, el Dores ferrosas.
O uso da escora ELECTRO-MAGNE
TICA ten successo certopara a cura do (odas
estas molestias, sem recorrer sr a Benttama ou(ra
medicacao. Ella tem una forma mu manejare!
e prodoi, a renlade de quem d'elIj usa, seos mais
uteis c felizes resuluidos. Seo emprrgo Brescna
das Bioiesas cima. Para maisiafurmacocscon-
iol-tc-se a noticia qne accompanha cada Escora.
Deposito Gebl
Maniatan du Priam Sussino, 10, Paris,
lBAtrueco primarla.
Joanna Villar F*rrera Pinto scentiSca nao s
aos Ulms. Srs. pas de suas aluranas, como ap res-
peilavel publico, que sua aula se acha alerta des-
de 9 do vigente, e que continuar com o mesmo
zelo e amisade a velar no Brogreeso de suas edu
Vende-se na ra do Imperador botica
franceza n. 38.
O Sr. aUeres do 9o hatalho, Secuadino Ay-
res Velleon de Mello, que rr-oroii na ra nova do
candas: ra larga do Rosario n. ii, sobando de ''ires f1- ^ dirjase a ra do Deslino n. li>, a
Edneario de meninas.
Francelina Murina da Silva Alhuqnerqne pro
, fessma particular d" iiisirurcao primaria faz. sa
lier a quem contier, qne tem aberto a sna aula
' ruaestreita do Rosario n. 38, segundo aBdar. Asi
ni.'ii.Ti.-.s do eii-inu sao a> seguintes : leitura, cali-
grapliia. noces lugueza com applicacoss pralicas, doutrina evan-
glica, costuras, marcas o bordados de todas as
! qualidades. Recebe-se lodo e qualquer trabalho
de hiird.dos.
O homem solleiruou casa de pouca familia
que precisar de urna ama dirija-se a ra do Hos-
, pifio n. 58.
Offerecese urna ama para rasa de homem
Itolteiro : atraz da matriz de Santo Antonio, loja
j do sobrado.
Precisa-se de um menino de 14 a 16 anno*
I para caixero, prefcre-se destes chegados ulma-
: mente : na rna djtR Larangeiras n. 12.
Avisa-so a quem convier que a viuva de Ma-
j noel Peregrino de Alraelda e Albnqnerquc, D. Ma-
i ria Tneophil* de Almelada o Alhnquerqne. ora
cacada com Francipen Pereira de Asis nSr> podo
] vendpr nenhum des ben^ que powue, por perten-
| coren todos ao mente de sen primeiro easal, a
cujo inventari se vai agora proceder pelo juiso
de orphaos. i
OTirece-so nmi ama que sabe cosinhar e
lavar par casa du familia : a tratar &a ra do
Queimado. .
"Livro do Povo.
O livro do povo, obra ornada rom estampas, eon-
tendo a vida de Nosso ?enhor Jesos Curisto, e rooi-
i tos artigos oteas. E*te livro das familias recon*-
mendado eapprovao'o pelos Exms. vrs. D. Lua
aispo do Maranhoje D. Mantel nrcekispo da Ba-
rhii. vende-se a 100O cartoriado, nalivrariade
Jos Nogueira de Souza, roa o Crespo n. i.
.elogios; "
Vende-se era casa de Jofensioo Pater cV
tludaiic*.
Cordeiro Simoes, agente de leudes, mudou sen
estabelecimento da roa da Cadeia do Recife n. 48
para a rna da Cruz n. .'7.
Clnh Pernambueano.
I Ossaloes do Club esto a disposico dos socios
e suas familias quequizerem assistir ao desembar-
que de S. A. Imperial a >enhora D. Isabel e seu
Augusto Eiposo o Senhor Conde d'Eu, que se es-
peram do snl no prximo vapor inglez
HBfisfic^r ''i>v^2-i '7 '% r^rsf fStfflsi1 HHMbUIbI
O Dr. Cosme de S Pereira conti- 9
na a residir na ra da Cruz n. 53, |
e 2o andar, ond pode ser procu- jgj
rado para o exercicio de sua profis-1
sao medica, e com especial idade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos ;
2o de peito :
3o dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
ro examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d 8]
6 as i Oda manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
co que julgar conveniente para o
prornpto restabelecimento dos seus
doentes.
Salsa parrilha de Ayer
PARA A CURA M
e todas nu moleaUa
provenientes de.la
tedas as molestias Ja
elle
eh'nsiprllas, taeres, ilrern.
sarnas.
Bascadas, rmpingras.
REUMATISMO
sii-iiii IS
em todas as suas formas, assim cont lodo
o mal que pro vera do uso excesivo do
MERCLKIO
tlceravo do flgndo
e em summa todos os males que lem sua
erigetn na
IMPUREZA DO SANGUE
um alterante poderoso para a
RENOVACO DO SANGUE
e para dar nova Ib rea e vigor ao corpo j
enflaquecido pela doenca.
Vende-se na ra ireita n. l e 76 n
Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmacla francesa de
P.MAURER i C.
__________RA NOVA N. 18._________
Agora i|ue a iDpiedade aaiew querer al;r i
eolio orgulbosa e audaz, e que os malvadas, para
conseguir sens nefando fins, >e um valido >
quaules impressos ha, al me.-mo da sayraoia bi-
blia, ji falsificando-a edistribiindn-a assim lli-
licaila, j venlendo-a, ja conservandrva em -eu
poder, e fornecendo a sua leitura a penan inrx-
perieales ou ignorantes, e ji finalmente dando a
mesmo gratis, nao posso nem divom. qne, fra-
cas a Dees, disponho, hvre de dividas de nma ly-
pographia c de urna enradernaco, deiiar de.
abnndo mao de urna parte do que Dens me d^n,
acompanhar o meu Exm. e lvm. vicario rapita-
lar cm seus constantes esforcos para 0 engrande
i cimento da nossa santa reli(tio, e de rf-imirrvr
! com o meu fraco, mas mnito sincero ronlioeenfR
I para esse tao elevado rim. Neste ininito, enlrn-
| dendo que presto ifrum ser\ icn cansa dr'a
I mesma relgi.io, com a reimpre sao da riqem *f
\um peregrino Jenisulem, e visita qaejrz acs /n-
l yares santos em 1817 Fr, nao de trmu CinHt,
inriii ftilm de Serapkiea, pntrimrha $ niiaiwa,
tenli i resolvide por no preloe-ta obfsf pretCSS*
; fazer a reimpressio da nia:uira srfaiMc Rt-m.-
primiroi, 3,000 ejemplares, destes mt destina-
dos 1,000 para todas as pessoas de un e nstta na-
so, <|ue com documento legal dos sen- r> v. renri< s
jarochos se me apresenlarem, e a cda urna das
qoaes eniregarei nmtis um exemplar em l>n.i hu-
ra : 2,00(1 sero reimpressos mediante ar-ignatu-
ras, para as ques desdr ] convido a p"pnl;.i;ao
dos fiis, e de lodos solicilo e espero o raliOM ras-
curso,na razao de l cada exeinplar. Naoposs*
prescindir, porm, de rogar o pagi-mentu adiaRU-
do de cada assignatura. > on o que nao me srra
permittido effecluar essa reimpresso e conseguir
apresentar ao publico urna edigao, j fin >i mes-
ma grande e dispendiosa. Pata os que nao assig-
narem, o preco de cada exemi.lar venda ser
determinado na occasiao.
Nao sei qual ser o resultado dos meos esfc.r-
cos, mas seja qual for, de Dos espero a recom-
pensa.
Assigna-se nicamente por hora na ra do Im-
perador n. !.">, defronte de S. Franri>cu.
_______Francisco Coelbu de Siu oes Silva.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo di C
Agestes do Danto Lniao do Porto.
Competentoinenlo autonsaoos sacam yvi soda
paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto %
Lisboa, e para as seguintes agencias.
Londres sobre llanli of London.
Pars Frederic S. Ballin C.
Ilamburgo Joo Gabe ,\ Filbo.
Barcellojta Francisco Kahoba A BallisU.
Madrid Jaime Meric
Cdiz Crdito eommercial.
Sevilha a Gonzalo Segoria.
Valencia M. Perera Y. Hijos.
Em Portica; .
Amarantes. Angra Tereeira. Frpneira.
Arcos de Valde Catuinha. Guarda.
Vez. Castello Branco. Gnimares.
Aveiro. Chaves. Lagoa.
Barcellos. Coimbra. Lagos.
Bastos. Covilhaa. L.imego.
Beja. Rlvas. Leiria.
Braga. Extremos. Monjo.
Braganca. Evora.
Faro. Fafe. Moncorva.
Oliveira d'Aze- Pinhal. Regoa.
mets. Porto-alejrre. Setubal.
Panafiet. Thoniar. Vianna do Cas-
Tavira. Villa Nova do tello.
Villa do Conde. Portimao. Villa Real.
Villa Real de Vizeu. Madeira. f
S. Antonio. .Fatal. S. Miguel.
I*o iarsaio.
Bahia. Maranhao.
Rio de Janeiro. Pa a.
Qualquer somma prazo ou v sta.pocjendo loga
os saques prazo serem descont idos no mestr.a
Banco a razao de 4 por cenlo ao anno : a tratar
na ra da Cruz rr. 1.
um andar.
negocio.

Aluga-se urna grandee fresca estribara que Aluga-se urna rasa rauito fresca nw eom
admitte bem 5a"
ve para
a tratar as Cinco Ponas n. 116.
C, roa do Vigario, n. 3. nm belk sorti-
mento de relogios de orno patente in-
" \ glez, de um dos mais afamados fabricantes
bem 5 a 6 bois, eom bom quarto qne ser- i modos para familia, uo melhor logar Ja (.panga, \ "" UB UH "" "'f "- .* .ututos
moradia e Oca bem derronte da estadio : no correr da padana : a Iralar no mesmo lugar i ^ Liverpool, e tambem urna variedad* de
'boniosurancelins para os mesmoslt
omB. Jos Leilo.
Na ra Nova n. 65, seguudo andar, preci-
as-se de um criado de conducta afianzada.______
= Alaga-se dous grandes armazens no Forte
do Mato eom a frente pura o caes e o fundo para
a ra da Moeda: a fallar na ra da Cadeia Velha
armazem n. 66._____________________________
A festa da Evcelsa Senhora da Boa-Viagem
ser solemalsada com pompa, domingo lo do cor-
rente.
mmmwtum
Attengao.
?& D-se dinheiro a juros, trata-se eom oS
I Sr. Gameiro na botica. M
MOftnsmcnangox gojttisaoii Qocggas anftnssastaarBnrBni
mffisSSm mm mm WWMWMm
ra a Estancia.
Pretende sahir oestes quatro dias o patacho bra-
silero D. Ltuz : quem no taesmo quizer rarregar
carne ou outro qualquer genero a frete c< mmodo,
pode dirigirse aos consignatarios Palmeira di Bel
rio, largo do Corpo Santo u. 4, primeiro andar.
Csosultsris nedieo-chirarftet na raa tarja de Ka
sari a. O.
O Dr. loo Perreira da Silva regressando sua
casa, contina em o eaerclei* de sua proflssty
nao s na parte medica como taabem na chirut-
giea^______________________________________
Precn-a-se de pretas para vender a tarde bo-
linhos, responsaWUsndose soas senhoras peta
venda que ellas rocebereo : na ra Direita n. 79,
primeiro andar. ^^__
ESCRAA.
Na ra Imperial u. 3&, precisa-se alugar urna
escrava que compre, cosinhe e engomrae para ca-
sa de pouca familia.
.billa
Alngara-se mobilias : no pateo do Terco nume-
ro 42.
Aluga-sa om bom escravo para armazem do
assuoiar per ter pratira, ou para entro qualquer
servico: na ra do Imperador a. 30, lerceito
andar. -.___________
Precrsa se de urna ama para coziahar eeom'
prar : na ra das Cruzes n. 9, segundo andar.
Jeao da Silva Hamos, medico pela i'ni
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manha, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para iss designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero sorrorridos em qual-
quer occasiao. D consulta aos Hsras
que o procuraren) ro hospital Pedro I!.
aonde encontrado diariamente das
s 8 horas da manha.
Tero sea casa de sade regulaaaasnj
montada para receber qualquer doe.-tte,
ainda mesmo os alienados, para o tem commudes apropriados e nella or-
tica qualquer operago rirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3J000 diarios.
Segunda dita.... S9500
Tereeira dita.... 2J000 >
Este estabeleeitnento j bem acredi-
tado pelos boas serviros que tea pres-
tado.
O proprietario espera que tile ronti-
ue a merecer a confianca d (jue sem-
pre tem gozado.
Aviso aos florslas.
Na travessa do Vigario b. 3, casa de ansaur.
encontra-se tudo que neressarto para o launa-
de flores, como seja : papel de tsdas as estros
qualidade, ps para cravos. pealas, etc., etc.,
barato do que em outra qualquer parte.
Na ra Direita n. 78, reaoaesso, prttts*-.
de iva a ama para i-atiabar.
Todo aurora.
Tondo-se. deseaearainhatio *am eaixaa eom a
iniciaos B C. S- A, com diversas mitd*aa, emlor
cado neste porto para o de Mossor aa barrara
Rainha dos *]s, mestre Joio Vat da Silva : pe-
de-se aos sen ores armaxenario* de di verte* por-
tos ou qualquer pessoa que saiba aonde existe n
dltocaixio, se dirijam a ra do Crespa a. 7, luja
de Custodio Jos Alves Guimarie?, que sero gra-
tificados.
Urna pessoa habilitada para eiercer o legar
de caixero em algum estabelecimento no txapirl
ou armaaem a relalho, que seja eui boa ra, d>
dador : quem precisar dexe seu nome e roa para
se tratar do ajusU'. ni mesma loja do Sr. Figa-i-
roa.


Dimeto de r erauumftmeo lexU Idea 13 ale uuaelro de 1S*.
JOS MIMES VIIiLAl*
Oom loja de fazendas ra do Crespo n, 17.
Prelcndendo Ir muito breve a Europa iratar de su saode, pede aos seus devedores
tanto do mato como desta praca que saldem seus dbitos quaio antes, assim como
Esta liquidaude
o seo importante estabelecimento de fazendas, vendendotudo por precos que narealida-
de admirara; aproveitem Excellenlissiraas senboras
As fazendas de apurados gostos
As fazendas de apurados gostos
As fazendas de apurados gostos
K por presos que admiram
E por precos .que admiram.
_CBSLjQSftt.^Ba i
Aos senhores pas 4c familia.
O padre Flix fcrreto e Vas-
coneellos, com aula particular de la-
tim na ra do Imperador n. 35, 4.
andar, continua a receber alumnos
de todas as classes, durante e de-
pois das ferias. Tambem est dis-
poste a abrir um curso de primei-
ras leltras e de francez, logo que
baja numero suficiente de alumnos
para cada urna destas materias, e
assim tambem a receber como in-
ternos alguns meninos,de cuja edu-
carlo o quizerem encarregar. Os
pagamentos serao por trimestres
adiantados, e os precos declarados
pessoalmenle na oceasio do ajuste
para a entrada do alumno.
O Sr. Miranda que tem recebide um Diario
na rualmperial com o oome deJoao Kranse qm ira
vir a esta typographia desmanchar um engao.
23-Largo do Tertfo--23.
Joaquina Simio dos Santos, dono deste item sonido armazera de molhados faz scienle erag
reeommendac,o aos seus amigos, freguezes e a todos em geral, que est resolvido a vender os seus
bem couhecidos gneros de primeira qualidade, por menos de 10 a 0 por cento, menos do que em un-
ir qaal juer parle a diDheiro contado, e todo o comprador que comprar de 304 a l tera o descon-
t de 5 a 10 por cento pelo seu prompto pagamento; e por isso se faz annuncio de lguns gneros,
para com este melhor se certificarem.
Massas para sopa macarro, talharim e aletria a i Milho alpista e painco muito limpo a 140 rs. a li-
240 es. a libra e em caixi a 54-
ToacinhJ de Lisboa alvo muito superior a 280rs.
a libra e 8(800 a arroba.
Caf dollio de primeira e segunda sorte a 360,280
300 rs. a libra e a arroba ou sacco a 8j> e
8(500.
Choaricas as mais novas do mercado a 560 rs. a
libra e em barril a I2<$.
Passas rindas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
e a ca xa a S>.
Batatas eragigos de 35a 40 libras por 24400 a ar.
robae a 80 rs. a libra.
Ih hy*sn miitdinho stipeior (ualidade a 1(200,
23000, 25300 e:i3 a libra.
Vinho de Figueira, Porto e Lisboa em pipa a 560,
50, 40) e 640 rs. a garrafa.
dem proprio para negocio a 320 e 360 a garrafa
e a cnida a 2(400 e 2(700.
bra e a arroba a 4(400 e 4; 200.
Phosphros do gaz vindos por conia propria a 180
rs. o maro e a 2( a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga-
lao a 2(800 e a caada a 4(500.
Serveja das marcas mais arrediladas a 500 rs. a
garrafa e a duzia a 5(800.
Figos de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
em barril ou eaixa se far abatimento.
irroz do Maranho e Java a 100 e 80 rs. a libra
e a arroba a 2(800, 2(e 2(400.
Assim como ha um grande sortimenlo de charu-
tos e genebra de Hollanda, lanto em frascos como
em botijas, bolachinhas de soda, conservas, choco-
late, marmelada, vinho engarrafado e ontros mu-
los gneros que enfadonho mencinalos, e se al-
guem duvidar ven ha ver.
DENTISTA DE PARS
19Ra Nova-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentist i, |
faz todas as operacoes de sua arte, e col- ML
loca dentes artificiaes, tndo com superio- *
ridade e perfeicao, que as pessoas enten
didas lhe recouheeem. *
Tem agua e pos dentificio.
s
Na praca dalndependencia, loja deonrives
n. 33,compram-seobras de ouro e prala, e pedras
preciosas,assim como se faz qualquer obra de en-
commenda.e todo e qualquer cencerto.
m
KMEDIO PKOfc ICIO*
para a cora das escrtalas, $g
glndulas encartadas, fn- gjjg
mares escrofulosos e alecces ;4?
ccstejgcoero. S
O abaixo assignado entre as plantas ^M
submettidas ao sen exame botnico de 2
que a muilo se ha entregado, desde que |R
Qnalisou seu tirocinio em dita sciencia Jas
pelo exmelo cursado amigo jardn b> **
lanico de Ollnda, o averiguando certas :flg
propiedades meJicinaes que Ihes trans- >.<
Hiiliiram de alirumas plantas, veriOcou 7**
que a virniu antisrtrofula era um espeei- ^
fleo contra as molestias cima denomina-
das (na linguagera vulgar) alporcas. Re- *S
solveu-se porianlo a expor ao publico es- hh
le interessanle medicamento em tintura, jgj
em vidrinho de 1|3 enea, que om s vi- g
drinho bastante para a cura de um es- 9
crofuloso e flea muito remedio.
Com os vidros acompanliam um im- *
presso, que explica a man. ira da appli-
cacao e mais circunstancias.
Vende-se as boticas dos Srs. Jos Pe- SR
reir Jacintho Jnior, Recifc ra Direita 1
n. 135, c na doSrj Joao Soares Rapozo,
Olinda ra dos (juatro Cantos. Prepo de
cada vidrinho 2(.
Jos Eleuterio Carneiro da Cnha.
mm
Comp.iDhla fldelldade de gj
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no 3
Rio de Janeiro. I
AGENTES EM PEPNAMBUCO jj|
Amonio Loii de Oliveira Aievedo A C, m
competentemente auturisados pela direc- H
toria da companhia de seguros Fidelida- J
de, tomam seguros de navios, mercado- ga
rias e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
A ala particular.
O abaixa assignado, Jprofessor particular, provi-
sionado pela directora geral da instruccao publica
para ensinar primeiras leltras, lalim e francez,
participa ao respeitavel publico e igualmente aos
senhores pas de seus discpulos que segunda-feira
9 do crreme tem de continuar no ensino das su-
praditas materias, admiltindo matricula alumnos
externos, pensionistas meie-pensionistas. A pra-
ticade 19 annos consecutivos no exercicio de seu
magisterio, sua inteira dedicacao e ua moralidad
sao garantas que offerce aos snnbores pas de fa-
milias, que desojara a s.ia e til educacio a seus
fllhos.
Veaeza do norte.
Roa. das Crines n. 39, confronte a typographia de
Diario de Peroanbue.
Acha-se de novo nestarua o bolequim Veneza do
Norte, o qual priocipiar a fornecer comedorias
de quarta-feira 11 de Janeiro om diante, tanto
avulso como par assignaturas, com promptidao e
aeeio. Tem na mesma para vender urna grande
armacao envidracada, sobre columnas torneadas
a moderna, lulo de amarillo, enveruisada, que
serve para qualquer eslabelecimento. Na mesma
precisa-se de um escravo para todo o servije ex-
turno da casa.____________________________
SOC1EDADE DRAMTICA PARTICULAR
MAMA PEKNAMBLCANA
De ordem do Illm. Sr. presidente do conselho
administrativo desta sociedade, faco scienle a todos
os Srs. socios inslalladores, que nao itndo compa-
recido numero sufflciente de ocios para que po-
desse ler lugar a sessao de assembla geral an-
nunciada para 8 do crreme, fol esta transferida
para o dia 15 desle mez, as 10 horas da manhaa,
na sede da sociedade. Novamente scientifleo aos
mesraos senhores socios que de conformidade com
o paragrapho nico do artigo 51 dos respectivos
estatutos, s poderao votar e serem votados na
prxima eleijao do conselho administrativo, que
jera lugar na referida sessao, quclles senhores
socios que se acharem completamente quites com
a sociedade.
Secretaria da sociedade dramtica particular
Thalia Pernambuc.ana em 9 de Janeiro de 1865.
Lins de Barros
loserretarlo.
O foaeharcl
Quem portanto quize
assignado a educacao d
a qualquer hora do dia
do n. 38 dara Nova,
establecido.
Jas Mori Machado de Figueireio.
confiar ao mesmo abaixo
: seus lilhos, pode dirigir se
aoterceiro andar do sobra-
onde ha muilo lempo est
GRANDE DEPOSITO (IE PIANOS
E
ce
co
*SMA MOVASS
I
Tendo lfenrique Vogeley fleado com a acreditada casa de pianos do Sr. Joao Pedro Vogeley
na Nova n. 2o, tem a honra de annunciar ao respeitavel publico que continua a dita casa (
Arl verte-se ao Sr. Feliciano Joaquim
deAguiar, que a sua assignatura desle
Diario est por pagar desde oatubro do
anno passado, e que o proprietario da loja
deourives da ra larga do Rosario n. 4J>,
tem declarado que nao se responsabilisa,
portanto S. S. qneira mandar satisfazernes-
ta typographia:
si a na
edm o mesmo fin esperando o annunciante que merecer a mesm conlianca que tivera seu ante-
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um grande sortimento de pianos fran-
zes e alie naes dos melhores fabricantes da Europa, escolhidos especialmente para este clima pelo
propietario de-te deposito ntreos melhores e mais acreditados que psliveram na ultima exposico
universal em Londres. \.
Os amadores deste instrumento sjo rogados a virem apreciar as bell.s vozes destes pianos e
a mirara sua excellente conslruccSo nico nesta cidade.
No mesmo estabelecimento continuarse'a alngar, afinar e concertar os pianos, lanto na cidade
ce mo nos arrabaldes. v-
O pnpeieiario responsabilia se pela sua excellente qualidade.
Saques sobre Portugal
O abaixo assignado autorisado pelo
Raneo Mercantil Portueuje. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
fectivamente por todos o paquetes sobre
as pra?as de Lisboa e Por,o, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso ; podendo, o; que tomareis
saques a praso.receberem asista, no mes-
mo Banco, descontando 4 0|0 ao anno: na
loja de chapos da ra do Crt.;po n. 6, ou
na ra Jo Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
m
ANA
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
1'nta laica era dinhein, depositado nos cofres do estado, garante a boa ad-
ministritco da companhia.
DIRECCO GERAL
BASQIEIROS DA COMPANHIA
O litauco de Uespaoha
Madrid : Ra do Prado n. fltt
Primeiras lcttras.
Maria Barthuleza da Conepicao partecipa acs
Iiims. senhores pais de suas alnmnas e a todas as
pessoas que lhe qimerem dar a honra de lhe
einfiarem suas meninas para lhes ensinar o
necessario as materias de primeiras leltras e
lingoa franreza : far todo o esforz para qne
ellas nhtenham o desejado aperfeicoamento afflan-
cando-llie a boa lettra, e lhe tirar qualquer vi-
cio na pronuncia, se o tlverem. Sua scola estar
rherta Je 9 de ianeiro em dianle : defronte da
matriz 3a Boa-Visla n. 84.
O tachiprapho'C. Falcao acha-se de volla
esta cidade. e reside na rua Imperial d, 25, pri-
meiro andar.
Prerlsa-se de urna ama de leite sem filho o
a tratar na rua da Cadeia d, 12 ou na rclinac
da Seozala Nova n. 4". ;
Casa de educarao.
Jeronymo l'ereira Villar transff no o seu esta-
belecimento de instruccao primaria e secundaria
para a rua larga do Rosario, sobrado de doos auv
daresn. 22 ; e participa nao s aos Illms. senho-
res, pais de seus alumnos, como ao respeitavel
publico, que as aulas estare abertas no dia 8 de
Janeiro do anno vindeoito de 1865._____________
Manoel Francisco da Silva Carrico ora
residente em Macelo, julga nada dever
nesta praca ou Cora fila, mas se alguem se
julgar seucredorqaejira apreseniar seu titu-
lo nestes 8 dias, que depois de verificado
ser inmediatamente! pago por Francisco
Ribeiro Pinto Guima^es (para isso autori-
sado) n rua d'Apollo armazem n. 38. Reci-
je 7 de Janeiro de 1865.
m
i
Francisco Angosto da Costa
ADYMADO
Rua do Imperador numero 69.
mj mmm mmmmw
CASAS PARA ALUGAR.
Alugam-se duas meias aguas.sendo umanapraia
do forte n. I, e a ontra na rua da Nasscnte n. 14 ;
a tratar rua do Queimado com Azcvedo &
Irmao.
COMPRAS.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: na loja de bilbetes da naca da lude
pendencia n. 22.____________________________
Compra-se effecti va mente
oaroe prata em obras velhas pagando-se bem :
na rua larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
-Compra-se urna balanza decimal nova ou em
torrfestado, com os competentes pesos e que pese
20 arrobas : a tratar no escriptorio da Companhia
Pernambucana.
1'omprara-sf! escravos.
Silvino Guilherme de Rarros compra, vende e
troca escravos de ambos os sexos e de toda idade:
na rua d > Imperador n. 79, t?rceiro andar.
Atten^ao.
0 prolcsso' de piano
J. Coelho da S. Arabjo, contina a Ice-
cionar, mora na rua do Livramento n.
21, segundo andar.
Esta ompanhia liga pelo syslema mutuo todas as cornbinacoes de supervivencia dos seguros
sobre a vida. v *
Mella pode se lazer asubscripcao de maneira que em nenhum caso mesmo'por morte do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a esles.
Sao o suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,.pie a m la mesmo dimlaarado urna tertja parle do interesse produzido em recentes Iiquidac5es,
e co iibrnando o rom a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada pela companhia para os
seus clculos e liquidaos era segurados da idade de 3 a 19 annos, urna imporsicao annu?! le 100
proluz em fffectivo metlico : 4
No fim de 5 annos.......1:1195300
d<5 10 .......3:9424600
' oe 15 .......11:2084200
dn 20........30:2564000
.. de 23 '.......80:3314000
as idade* menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
I respectos e mais informarles serao prestadas pelo sub-director nesta provincia o Sr. Jerony
mo Joaquim huza de Oliveira, rua da Cadeia n. 52, ou a Roa-Vista rua da Imperatriz n. 12, estabe
tegmento df s Srs. Raymundo, Carlos, Leite & Irmao. -,
Antonii deSouza Rangel, morador no sitio
denominado >io Toque, cratilica razoavelmente a
quem pegar osen escravo Francisco, que so au-
ientou de casa no dia 4 do corrente. O referido
escravo crioulo, de estatura baixa, desdentado e
de p"s grossos em razio dos eravos de que ha pa-
dewdo.
Alagase a casa da rua do Tarabi n. 30, as
chaves sto na praca da Roa-Vista n. 10 e trata-
se aa rua deS. Tbereza n. 38.
Precisa-se de um criado cozinheiro, horneo)
ou mnlher :'a iratar no pateo do Carmo n. 26, so-
brado contiguo egreja de Santa Tbereza.
Jnaijuiin Jos de Sant'Anna Barros com aula
particular de instruccao primaria, na rua da Cruz
n. II, prinwiro andar, participa nao s aos illms.
Srs. pais de seus alumnos, como ao respeitavel pu-
blico, que abre sua aula ao dia 0 de Janeiro cor-
rente.
fastraecio particular.
O abaixa assignalo contina a leccieaar lalim
francez no segundo andar da casa n. 32 da rao
do Qapimailo.-L K. R. Viamu.
MUDANCA.
Maneel Ferreira Pinto Malheiro mudou a sua
loja de ourives da rua das Larangeiras para a rua
do fobug n. 2 B, onde espera continuar a mere-
cer a coafianca de seus amigos, e do publico es
geral. _____^____________________________
Jos Alfonso Serdeira subdito portuf uez re-
lira-se para Portugal.
No dia O do .correle furtaram, do sitio do
Manpuinho, onde relde o brfgadefre Menezes
Drnmmoad, dnat burras, orna roca e ontra casta-
nha, ambas maneas o habituadas a andar em car-
re ; tem as cunas feilas estao bastante gordas ,
qwem dellas sorber, ser gratificado, dando noticia
ou levando-as ao refundo lio.
OSr. morador da rua Nova que se
acha deyer 6quarteis de assignatoras des-
te Diario, qoeira manda-las pagar pois
as*ina como elle gesta dereeeber a paga de
seas servidos de?e attender a dts ou-
tros, principalmente o do Diario em que
trabalaam mais de 60 pessoas.
Dominco* Rodrigues de Aadrad* naca sobre
a nraa do Rio 4e Janeiro, vista : quem precisar
i rija.se a raa da Cruz n. 33. _________
AMA lE LEITE
Precisa-se de urna jwa que tenha bom leite
para amamentar um reeom-nascido, agradando
paga-se b-?m : a Iratar no largo do Cprpo Ssbio
numero 19. '
Ufif
O hachare!
jW Jos dos Anjos Vieira de Amorim conti-
"*jjj[ na a advogar em seu amigo escriptorio
B da praca de Pedro II ou pateo do Colle-
ja gio, como se chamou em outro tempo :
eQg ah pode ser procurado das 9 horas da
jk manhTta as 3 da tarde, e as horas di-
^ versas destas. na casa de saa residencia
^H sobrade n. 33 da rua do Hospicio.
Andr Long
encarrega-se de toda e qualquer funecao tendente
a sua arte, lano nesta cidade como nos arrabal-
des, fornecendo o srvico necesario; mcumbe-se
da direccao e execucjio de qualquer trabalho de
cozioha, bem como jamares extraordinarios, sa-
raos, bailes, lanches ; assim como aprompta com
loda a preslew varia^des de pecas geladas : quem
do seu presumo qaizer utilisar dirija-se a raa
da Cruz n. 46.
SI
:':,> G
La
o
ka
TIIESOURQ DAS MAIS
Providencia Idas criancas.
(OM AK1 Eleclre-magaelicos >
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DENTICO
Contra as coovulsos e para facilitar a'
denliQo das criancas preparados e inventa-
dos por Rover.uharmaceulicoda esco-
la superior de Paris, snecessor de Chereau,
Miembro da academia de medicina,
anti^a casa deBouillon- jagrangp, pnarmaceutieo
do im lerador,
chefe dos trabalhos ;himicos da escola po-
lylechnica,director dajescola de pharmaeia de
Paris, e membro i a academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-se nicamente na loja do
Gallo Vigilante rua do Crespo n. 7.
Veneravel ordem terceira de
do Carmo.
ira da veneravel ordem ler-
Compram-se calcados da trra de todas as qua-
lidades : na praca da Boa-Vista n. 15, oDcina de
charutos de urna porta s.____________________I
Os abaixo assignados pedem por especial ob-
sequo a todas as pessoas conhecidas o amigos do
finado Augusto Antonio Rodrigues, subdito portu-.
guez, que se dignem no dia segunda-feira 16 do
corrente selimo de seu fallecimento, s > horas da
manhaa comparecerem na igreja matriz da Boa-
Vista, atim de assistirem urna missa e memento
pela alma do mesmo tinado. Os mesmos abaixo
assignado* desde j agradecen) a todos que se dig-
naren) assistir tao religioso acto de ,caridade pro-;
aria das almas bem formadas. I
Ruarle Antonio do Miranda.
Joao Jos dos Santos Lima.
Albano Moreirados Sanios Andrade.
Propoe-se urna pesso'a habilitada para ensi-
nar primeiras letras, grainmalica nacional e anth-,
metiea em qualquer e:imnho: os senhores que
precisaren!, dirijam-se a rua do Imperador no s-
criptnrio do Porto Carreirn, ou na i>apunga, rua
da Rea-Ventura, casa n. 16.
VENDAS.
N. S.
3--RUA ESTRB1TA DO R0SABI0-3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artiflciaes tanto por meio de
molas como pela presso do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
flquem a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparacoes as mais acreditadas
para conservacao da bocea.
O Dr. Carolinc Francisco de Lima San-
tos, coniina a residir na rua do Impe-
rador n. 17,2 indar, onde pode ser pro-
curado a qualquer hora do diao da ooite
para o exercicio de soa proflssao de me-
dico -. sendo que os chamados, depois de
meio dia at 4 horas da tarde, devem ser
dd iados por escripto. O referido Dr.
nao abandomndo nunca o estado das
molestias do interior, prosegue, cora
maior affince, no das mais difllreise deli-
r cadas operar.oes. como sejamdos orgos
: onrinarios, dos olbos, partos, etc.
ATIM
aos tereeiros de S. Francisco.
Chegoii a verdadeira estamenha para hbitos, a
qaal se vefld muito barato : na rua do Qneima-
do a. 39, loja de 4 ponas.
O Sr. Bastos qm>, recebia na rua Imperial n.
124 o Diario, para oSr. J. Kranse, aueira appare-
cer a livraria a. lie 8 da praca da Independen-
cia.
Promessas para Santo Amaro
pernas, bracos, peiies.cabecMe velas enfeita-
das t.'tdo feito com perfeicao por barato preco : na
faja de rn da rua do Llv/araene a, 36, ao p
da igreja.
Aloga-se o primeiro e segundo andares da
casa da ruado Nogueira n. 19, para ver a chaves
acha-se na mo do morador da loja da mesma ca
sa, e para Iratar na rua da Cadeia n. 26, esquina
do Beeco Largo escriptorio.
Jos Soares d Azevedo, professor de lingua
o lilteratura nacional no Cymnasio Provincial do
Recife, tem aborto em sua casa, rua Relia n. 37,
um curso especial para >'ada urna das seguiules
materias:
Lingua franreza,
Geographia c historia,
Philosophia nacional e moral,
Rhetorira e potica.
As pessoas que desejarem freqnentar qualquer
destas disciplinas, podem dirigirse Indicada re
sidencia, de manhaa at as 9 horas, e de tarde a
qualquer hora.
Ciymnaslo Provincial.
Bo dia 16 de Janeiro em dianle, eslaro aber
tasas matriculas das seguintes aulas do Gymnasio
Provincial: primeiras letras, lalim, francez, In-
glez, grego allemao, 'maihematica, geographia e
historia, eloquencia e potica, philosophia, lingua
e literatura nacional, sciencias naturaes eaiusica.
Nesse estadclecimento medanle a mdica qnan-
tia de 15 diarios, tem os alumnos internes roupa
lavada e engommada, medico, botica, barbeiro,
luz. penna, papel, tinta e creados para o servico.
Os meies-pensionistas pagam metade dessa quan
lia e os externos ).',5 por trimestre, podendo fre-
queniar as aulas que quizerem.
O secretario, Cabral.
w,
Tendo de fazer urna viagem Europa, o abaixo
assignado, Augnito Frederico de Oliveira, faz pu-
blico qae, durante a saa ausencia lea o sea cu-
nbado o Sr. Eduardo Candido de Ol vpjra na ge-
rencia de sua casa comiuereial, com pleno* pode-
res para tratar de todos os negocios q;ie me Jizem
respelto, assim como des relativos as massa* al-1
lidas de que o abaixo assignado administrador. (
Augusto Frederico do Oliveira. J
Tendo a mesa reged
ceira do Carmo de ma idar edilicar um sobrado de
um andar no lugar do que foi incendiado na rua
das Cruzes n. 29, soj convidados os mestres de
obras ou quem qoeij que de dita ediAra^ao se
qurira i'iicarregar, a ajirc-entarem suas propostas,
sendo que para examTnarem ti referido sobrado,
poderao procurar a respectiva chave em mao do
guarda da mesma urden), oude existe o detaltieda
obra a fazer-se ; e para maiores expliracoes se
entenderao com o irmao prior rua da Cruz do
Recife n. 18.
Secretaria da veneiavel ordem terceiro do Car-
mo 10 de Janeiro de. 1865O secretario,
Jernimo Emiliano de Miranda Caslre.
0 bacliarcl Jorge Hornellas ^
continua a residir rua larga do Rosa- \*
rio n. 26, primeiijo andar, onde pode ser H
procurado para Oxercer a sua proflssao: 3r
1 de advogadq nos auditorios deslaci- H*
dade; R
2 de mestre da lingua franceza, en- 8K
sinando-a tarde, e tambem noite a Vj.'-
m
pessoas cujas oceupacoes embaracem
aprende-la duranie o dia.
Precisa-se na rjia do Trapiche Noy n. 22
Caf o Restaurant doiCommerciode ur bom co-
zinheiro e um moleqtic escravo para Iodo o ser-
vico.
O abaixo assignado avisa aos seas numero-
sos freiiMes tanto desta capital como os mora-
dores do Peres, que se acha com um grande sorti-
mento de gneros e frncias que ha, por menas 2G
por cento do que em ontra qualquer parte, ludo
com muita promptidao e brevidade, na taberna do
balo.
*_______Candido Martins de Araujo.
Precisa-se
Padre n. 3.
ALMANAK.
Acaba de sMr dos pr-
los de nossa typographia o
Almaaak Administrativo,
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
1$; na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
. FOLHltHA
'ara 1865
Acham-se venda na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia :
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
kalendariocivile ecclesiastico, tabellas de
feriados, de emilumentos dos tribunaes
do commercio etc. a 1(10 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Rainha em verso,o StabatMaterem
verso, devoc3o ao aponisante,coraco de
Jess, cntico em louvor do Santissimo
Rosario, cntico a Virgem Maria .Nossa
Senhora, trinta e tres chistosasanedoctas.
um indito poema sobre as aventuras de
um cosinbeiro, o canto de urna solteira
fpoesa), crescido numero de mximas e
pensamentos. urna historia como militas
^romaneo), e vinte e cinco novas e pi-
Ihericas charadas a 32Q rs__________
Vinho do Porto superior
em barris de oitavo e dcimo, vende Antonio Lniz
de Albuqoerque Azevedo 4 C : no seu escriptorio
rua a Ou a 1
COMPENDIO DOLOROSO
que conlem o oficio de Nossa Senhora das
Dores; o modo de, rsar e offerecer a co-
rda, um setenario emais outros ejercicios
de piedade e devocao ; ordenado pela ir-
mandade dos servos da mesma Senhora,
que se acha erecta na egreja de N. S. da
Penha do irnpeiial hospicio dos reveren-
dos padres missonarios apostlicos capa-
chinhos italianos de Pernambnco; approva-
do por S. M. I., que Deus guarde; dado
luz por devoco do muito reverendo
padre Fr, Placido de Messina.
Vende-se a 320 rs. na livraria os. 6 e 8
da praca da Independencia
"^- Vende-se tima prea boa cozinneira e ea
gommadeira, de idade. de 30annos, ou troca-se por
outra que seja boa quitandeira : tratar na (ua-
di^ao da rua do Brum n. 84.
VNDESE
urna escrava cora um tiiho de idade de 9 annos, o
a vista do comprador se dir as habilidades, e a
razo porque se vende: no largo do Paraizo n. 26.
Ycmlem-se
10 cadeiras de balanco com assento o encost do
paihinba, ltimamente chegadas da America : ao
escriptorio de Malheus Auslin & C. na do Trapi-
che n. 36.___________________________
Cozinheiro e boleeiro.
Vende-se nm escravo moco, cozinheiro e boleei-
ro, perito em qualquer dotes oficios : trata-sa
na rua do Destino, casa terrea r. 18, com Sevo-
rlano Huniz Pacheco.
Versos ao Divino
Acham-se a venda na rua do Imperador n. 15
defronte de S. Francisco por preco de 160 r*. ca-
da um exemplar em broebura, versos ao Divino,
proprios para se cantarera depois on antes de
qualquer solemnidad?, fesla, novma tu mesare
em casas particulares.
Testamentos.
Acham se a venda os seguinles le^ameaios,
obras proprias para entre ter em horas vagas 'na
rua do Imperador d. 15, defrenle de S. Francisco :
da gallinha, gallo, per, leSo, onca, ligrr, rasoiro,
vigario, porco, pelleja entre urna alma, S. Miguel
e o diabo a 160 rs. rada um exemplar.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos Coelho,
ltaadoQueimddo V 19,
Vende-se o segulnte :
Atlencaol I
Ricas laazinhas, fazenda a melhor que tem viu-
do ao mercado,lanto em gosto como era qualida-
de, pelo baratissimo preco de 360 rs.o covado.
Ditas miudinhas carmezins, proprias para vesti-
dos de meninas e camiMiihas a 640 n vatio.
Cortes de 13a com lo covados, pelo barato treco
de 64.
Cobertas de chita da India a .'(O e 3.
Lence.s de panno delinho a 24. 24'iOO.
Pecas de cambraia de forro com 8 Ii2 varas a
34200.
Toalhas alcochoadas proprias para mos a 54 a
du/.ia.
Ricos corles de laa rom barra Maria Pia a
184.
Pecas de plaiilhas de algodo com 10 varas,
proprias para s.iia a h$.
Algodo entestado com 7 1|2 palmos de largura
a 14100 rs. a vara.
Esleir da India, propria para forro de sala do
i, 5, e 6 palmos de largura, por menos preco do
que em outa qualquer parte.
Nesle eslabelecimento tambera se encontrar
um grande sortimento de rcupas feilas, e por me-
d da________________________________^^^^
(runde armazrm de lillas.
Rl'A DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande deposito de
productos chimicos e ulensi? os mais empregartos
e usados na pharmaeia, pistura, photo^raphia. tin-
turara, pyrotechinia (fogos de artificio) cera outras
industrias.
Montado em grande escala, e snppnndo-se di-
rectamente as principaes drogaras de Paris, Lon-
dres, llamburgo, Anvcrs c Lisboa, pdc aacffcaf
producios de plena ronfanea e sati>fazer qcalqoer
encommeiida a grosso trato e a relalbo, aof pucos
raznaveis.
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
com promptidao qnalqnar pedido de tintas moidas
a oleo, cuja qualidadee pureza de >eus ngrtdiee-
les poder* ser examinada do con>uiriidor, o qne
nao fcil faier rom aquellas qne to in.podadas,
e que se enconlram no mercado coi la'as fechadas.
Tem grande Cullenjlo de vWroi de differentes
formatos, desde una'"ilava ate dehesis ncas do
capacidade ; de vidrns para vidracas e diamantes
para corta-Ios ; de pinceis para fingir madeira com
propriedade e ontros: de papis di uredos e pra-
leados e fnlhas de gelatina para ornamento: de
papel grande e pequeo frmalo de vanas rres
para embrulhn, para forro de rasa, para desenho
com lundo j feito ; de pa: el albnn inado e lii i-n.l,
verdadeiro saxe pifa ph'tfgraphia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essenria para qnadros, de
espirito para madeira, copal para o ifrioc e ex-
leiior ; oleo graxo, oleo seccativo, oleo de linl.aca
clarificado, oleo de oielel, ecalivo de llarlim. ooro
verdadeiro em p6 ; prata, uro, e estanto em fo-
Ihas de varias cores; tintas vegetaes. inufTensi-
vas proprias para corfcitarias ; la de rres. o
olhos de. vidros para imagens ; lintas em tobos e
tolas para retratos i tintas em pastis e em p pa-
ra aqnarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
roly, jasinim, bergamota, aspire, pairh'uly, mbar,
bouquel, limo, alcaraiva, melissa, orlela pimenia,
louro, cereja. alfazema, Portugal, lima, jonipero,
anis da Rnssia, ranella, cravo e muitos ontros oa-
jectos que s com a vista poderlo ser mostrados.
Joo Pedro das Netet,
i'.erente.
ATTENCAO.
de t ma ama secca : no becco do
Precisa-so de una
do Imperador n. 83,
ama para cosinhar: na rua
ndav.
Aluga-se o Io ijv andar do sobrado da rua
do Arago n. 1, ou cada um de per si : a trata r
na rua da Cadeia do Recife n. 62, primeiro andar.
A bordo da barjea franceza Virge tem urna
porcode vasos para Dores o alguidares vidrados:
as pessoas que desejarem comprar dirijam-se ao
capilo da mesma, er casa de Tisset Freres, rua
do Trapiche.
Aluga-se um sitie na rua do Cabral da
cidade de Olinda, (com casa terrea, com co-
piar nafrehte. bot os fundos para a estra-
da e margem do rio Beberibe, com com-
modosparafamilij, estribara para cavallo
ecapimpara susenta-los, arvoredos de
fructos, sem visinho defronte nem pelo
fundo,com ptimos passeios, sala e gabi-
nete na frente, ma to propria para passar a
festa, e tambem sej alugar por anno : a fal-
ar no Recife, na livraria n. 6 e8 da praca
da fndependenciaj e em ')linda na casa con-
tigua com o capitao Antonio Bernardo Fer-
reira.
Ven>-se superior viaho in Pono era ruxas de
urna dnzia : em casa de Johoston Paterc C, 'ua
do A'grio 3-__________________________
1 Vende-se urna taberna" com poucos fundos, j
na estrada nova, passando o sobrado grande, a
primeira. _____________
Vende-se um mnlaiinho de bonita figura
qnem quizar dirija-se a coclieira defroute da es-,
tico das Cinco Ponas. j
r. ATTEXCAO
Vende se o engenho Venas silo na freguezia!
d'Agua Preta, distante da via frrea, menos de!
um quarto de legua, qne do diloengenho se a vis-
ta a estacao de Una, com bastantes trras proprias
que pode safrejar 1,500 paes annual, cojo de
primeira safra que est acabando de moer e as :
poucas obras que tem sao boas, o mesmo moe com
animaes, mas com fa'ilidade, p5e se d'agua, rujo
engenho vende-se com a safra que se esta crian-
do e com os animaes caso convenha ao comprador
e lamhem se permuta oi mesmo por algom peque-
no sitio pVrto deta cidade, e o mais a prazo :
3uem pretender fazer este negocio dirija-se a rua
a Cruz n. 15 on no mesmo engenho qo* achara
com /juem tratar.afflan? que as Ierras de muilo
boa produccao alo s para canoa como para al-
godo.
Em Santo Amaro no principio da estrada do
Be.lm casa encarnada vende-se 3 ir.orselas de ra-
sas pequeas de paira e ral, chao proprus. rcaa
quintal de 160 palmos de fundo e 16 de largo, i. a>
do a rasa 40 palmus de fundo a 4(04. rrndem 64
por mez. Vende-se mais no mesmo lugar drus
sitios com boas ra-as de vivenda, carimba d'agoa
de beber, dous grandes viw-iros de peixe, lindo
um 115 braca:; de comprido e mais 4 pequeos,
militas arvores com mais de 40 qoalidades de
frucias, grandes baixas de rapim aonde se rea-
serva lodo anno, um banheiro de t.edra o ral,
cercado para gado e carral, aroporedei para ter
sempre 6 sacras de leite, Ierra cultivada para
plantacoes aonde j tem mandioca, algodo erva-
ci edocrioolo, 300 ps de caf novos, grande
planlaco de sraruta etc., nao tendo estas proprie-
dades necessidade de cerras por ter nalnraes,
tendo alm disso excellente porto de embarque
dentro do mesmo sitio, alm das excedentes rasas
de moradia qae tem e ser chaos proprios, Vm de
mais a mais muita lenha de mangne : vende-se
assim como as casas cima annnnciadas lodo jau-
to ou separado. _________^______
Libras esterlinas.
Vende-se ao preco corrente de 90 por
cada urna : na rua do Crespo escriptorio'
n.15.___________________________r
Eeijo
Venden) se sarros com 22 cnias de fejo rajado
do Porto por 114, era cuias a 520 : na roa Direi-
ta n. 8.___________________________________
Vndese
orna taberna rom" poneos fondos e faz-se todo o
negocio por seu dona ler de rrtirar-se par a Eu-
ropa, na rua Imperial n. fP5 a tratar na mesma.
Acucar cryslalisad* da fabrica
2 de Julho
Hz Baha.
Noa.marered roa da Madre de Dos a. 28,
ha venda o n.nlto superior Macear mstalisada,
em saceos 2 arrobas, ac preco de 54 *4a ar-
rio
Vende-se nm negro da Costa, moro, un 25
a 26 annos : quem pretender, dirija-se a roa da
Gloria n. 19.
r
j



----H-------





Diario de Pera.bpc* Sex* letra ,,3 JJ|M|flUlf &$**
*
t'OXSELHO
Deixai que os Hunos da ominado tos preguem
economia-^-para oi psl 1 Esla parte do corpo
homano por certo aquella que, neste clima ne-
oessita de raaior agasalho: pela huraidade nos ps
se introduz a grandd maloria das molestias, e com
s a perda da saade e da vida 111 Fra com as
as e sapatos velhos; reforma-Ios
45-Ru& Dereita-45
Borzeguins (raucezes para homem 8/000
Ditos inglezes dem a 8/, 7# e 6/000
Ditos para senhora 4/800
Ditos para menina 2/000
Sapatoes esmaga eobra 5/000
Ditos de Nantes de duas solas 5/000
Ditos dito de sola e Tira 4/000
Sapatos de borracha para senhoras 1/400
Ditos de dita para meninos i/000
Ditos de tapete para homens e se-
nhoras a 800 e 1*000
Sapatos de lustre para senhora a 1/000
Ditos para casa 500
Chinelas rasas do Porto 1/600
GRAGEAS
GLISE CONT
ravaau pala ateaela a* atadion 4* FarU.
f Resulta pelos dous relatnos, adoptados pela dita
Academia em 1840 e em 1858, que as GRAGEAS de
6LI8 CONT sao o melhor e mais efficaz remedio
ferruginoso par* curara chlorosis (alias fluor-albo), os
laxos brincas, a fraqueza de eempleixao nos doui
sexos, e lambeta pare ajudar a menstruaco des moc.es.
Estes Grageas oSo sio Tendidas senio em caixinhai
MI idros ce*crtoa com rotulo e fechados com eme tire
lerendo e firma do depositario gerel : labklowe,
fcermaceutico, rus liourbon-Villtneutt, 19. Ptrit.
Deposito geral em Pernambuce ra da
Cruz a. 22 em casa de Caros A Barbo.
Vende-se por preciso a armaco da k)a de
calcada, toda envdracada, da ra da Imperan i?..
na Boa-Vista n. 13, o alaguel razoavel, e a casa
tem no interior beslante espago para morada : a
tratar na mesma loja com a viuva de ioo Jos
Mendes da ilva.____________________
Bixas de Mambuigo
Vendero-se na rna N-w 61
R>;a liquidaco de fazeiia al o fim
do mez, para fechar facturas vende-s amito
barato, por ser o ultimo mez de fesla, que os
frefnezes devem aproveiUr : na loja e armazea
da Arar, ra da Imperatriz n., de Louren-
co Pereira Mendes (uimares.
Fazeddas especiaes para senhora.
Vende-se ricos corles de vestido de la a Maria
Pia para senhora de bonitas barras a 8/; 10/, 13/,
14/ e 16/ o corte : na ra da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
1 Arara vende a 200
Cortes de chita de cores fizas rom 10 eovados
a 2/400 e a/200 ; cassas de cores a 320, 360 e
400 rs. o covao : tu ruad Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
Cortes de eambraia de salpicas a 2,->i00.
Vende-se cortes de eambraia de salpicos a
25400, 3/ e a 4/000 a peca, ditos de eambraia
liza e Una a 3/500,4/500,5/500 c 6/, tira* bor-
dadas pata enfeitar vestidos e ntremelos a 1/ e
a 1/200 : na ra da Imperalric b. 56, loja da
Arara.
So(embarques a 7, 8, e a 16)$.
Vndese soutembarque de laazinhas de cores
para senhoras a 7/, 8/ ea 10/, dito de grosdena-
ple preto raoito enfestado a 20/, 25/ e 30/ : ricas
capas de grosdenaple a 20/, 25/, 30/ e 35/, para
liquidar : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
A Arara vende de resa lpakipara vestido.
Vndese alpaka decores para vestidos a 360
rs. o covado, challes de laazinhas a 1 600 e 1/20
dita de merino a 4/500, ditos finos a 4/560, Ifi e
8/ : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Cassat da Arara a 28Q, 220 e 406 ris o covado.
Vende-se cseas de enes a 280, 320 400 rs. o
covado, lentos de seda a 800 e 1/ : na ra., da
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Lanhas a Hara Fia a OO rs.
Vende-se laazinhas a Maria Pia para vestidos,
com palmas de seda a 500 rs, o covadb, ditas de
cores a 320, 400 e 580 ts ditas lizas de cores pa-
ra capas e veslidos a 560 ts. o covado, casereiras
para capas de senhora 3. 1/600, 2/300 e 3/ : na
ra da Imperatriz u. 56, loja da Arara.
A Arara vende chitas a 210, 286 c 320 rs.
Vende-se chitas de cores (xas a 240, e 280 rs.
o covado, ditas francezas a 320, 360, 140 e 500 rs.
e covado, percallas para vestidos tinos a 500 e 560
rs. o covado, camisinhas para senhora a I/, 1/600
3/ e 4/500, pollinhas para senhoras e meninas a
240, 320 e 500 rs., enfeites para cabeca a Maria
Pia a 1/, i/400 e 2/, para liquidar : a ra da
Imperatriz n. 56.
llalles americanos para senhora.
Vende-se baloes americanos, os melhoresque
tem vindu ao mercado, de 20, 25, 30 e 35 arcos a
2/590,3/ e 35500 e 4/, ditos de brillantina e
rnnsselina a 4/500 : na ra da Imperatriz n. 56,
oja da Arara. *
Fazendas para heraem.
Vende se cortes de calcas de brim para homem
a 1/600 e 2/, ditos de easemira a 3/, 3/500 e
4/500 5$ : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
Roupa Vita para homem de todas as qualidades.
Vende-se paJilots de brim de cores a 2/, 2/500 e
-3/, ditos branco a 2/500, dito de linho fino a o/
ditos de alpaka de cores e raucos a 5/, ditos de
nina easemira a 4/500 e 34, ditos de easemira a
64, 8/, 10/, 10/, 16/ e 20/, Jilos de panno lino
preto a 8/, 10/, 14/, 165,20/ e 30/, calsas de
brim de cor a 2/ e 2/500, dia de dito branco a
2/.ditas dedilo de liuho a 3/500 e 4/, rolletes de
core* a 2/, de brim a 2/500, de casemiras de
corv-n pretas a 3/0O e 4/, calsas de easemira a
5/, 69 e 8/, de meia easemira a 3/ e 3/500, ca-
misas francezas a f5 e 2/500, de linho inglezas e
progslargas a 3.; e 3/500, grvalas de lodas as
cualidades de 500, 800, 1/ e 1/iOO, collarinho
le t ulos as lmannos e muito bera feito, para li
^uidar por sertempo de fe.'.ta : na ra da Impera-
triz n. 56, loja da Arara.
Colchas para cama a 2/.
Venderse colchas de chita para cama a 2$, ditas
de", chitas para
cobertas a 320, 369, 400 e 500 rs. o covado : na
ra da Imperatriz n. 56. loja da Arara,
A Arara vende madapelie entestada a 4/.
viniese petas de madapoln entestada a 4/ a
peca, dito inglez de 24 ardas de n. 30, a 65, de 1
a 5/500,n. 250 a 6/500 7/500, n. 58/500,
. 6*9/000, R. D. P. 10/, ZZZ li/, n. 20, dito
14/a peca ; algodozioho marcas a 5/500, dito
carne vacea a 74, dito dsmestic a 7/500, dito
pau forre a8/,dito SLfta 10/,dito T a 10/ el2/,
dito sicopira a 8/500, paraliquidar, na ra da
Imperatm a.66, leja, da Arara.
Pallos de alpaka.
Vende-se palitota de alpaka preta de 3/ e 3/500,
ditM finos de cordo, lizas e brancas a 4/: roa
da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
lo baroteirs da roa da Imperatriz n. 6.
Vende-se seroulas a i/280, dilas trancezas a
1/600 e 2/ : e ontras multo boas fazendas qne o
fregus encontrar na loja da Arara, rna da Im-
peralriz n. 56._________-.
;* per anca.
Luvas de pellica, branca, pretas e de coros ;
era as brancas ha esperalidade e urna forma In-
teiramente nova, cadeias de vjo pollido e faciadas,
voltas de contasazues tnrqwezas, brincos halao
800rs o par, Paleeiras e> cabello a 5/600, graixa|
econmica a 3?0,r.. a raixa, tinla communirativa
que depois de 8 dias se pcvte tirar rpia para este
especialirtadS anda nao appareeeu plagiarlo, en-
feitee com rifa de troco, a Esperanza leve pelo va-
por este enfeites, nao constando que alguem mais
tlvesse cecebid". norem ncm por fsso os vender
por mais de IjOOO. muitas esperialldade que na
pnoVmr* annnnear por ser despendilo: vo rae
do Qneimado n. 33 A, que se vender barato e i
dinfteiro. ______
Veade-se ura mole que de 7 a 8 annos, mu lo
boaita flgara : bo pateo do Terco n. 141
0 VIGILANTE
Rna do Crespo n. 1.
Grande Jiqida$io.
Rna da I-aperatriz n.
Loja de fazendas do pavo de Gama 4 Silva
Acha-se este estabelecimento completamente
sonido de fazendas inglezas, francezas, allemas e
suissas, propriastanto para a pracacomopara o
mato, prometiendo vender-se mais barato do que
em ontra qualquer parte, principalmente sendo em
porco, e de todas as fazendas do-se amostras,
deixando ficar penhor, ou mandam-se levar em ca-
sa pelos caixetros da loje do Pavo.
Vestidos soutambarqDe.
QPelo nltimo vapor francez chegaram riquisslmos
veslidos soutambarqne, os mais modernos que
nesle mercado tem apparecid, os quaes esto
! promptes com saia, corpinho e seu competenle
I soutambarque, tudo guarnecido de seda, veludo e
renda. Quem tiver bom gosto dlrija-se loja do
Pavo, na ra da Imperatriz n. 60.
m TRES MIL VESTI-
DOS.
Na loja do Pavo, a 3}?. 4|
CLVEtlM
RA DIO QUK2I9IA1IO IV. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
poso Oallisa, na sua ordem do dia, e pela Branca
Aguia, apesar de que, para estes o Gallo com sena ^AfiA
agudos esporoes nunca os olender, antes os agr- j o y)\JV\J>
ciar na mesma conformidade, para que o Baliu, Vendem-se lindissimos cortes de vestidos india-
possa marchar em frente, a Branca Aguia possa nos, sendo todos bordados e de listras de cores e
levantar seu vo,!levando no hito as palinhas a seu brancas,proprios para casamento, pelo baratissi-
uinho ; e o Gallo licara em seu espacoso campo mo prego de 3/ cada corte por se ter comprado
dando de novo o sen canto annunciando a seus urna grande porco, sendo fazenda que vale 6/,
bons freguezes e aorespeitavel publico ditos Maria Pie, tendo quatro pannos, fazenda
... ... para o corpo com os competentes enfeites para o
0 grande sorltmente de objectos de nuifo gosto que mesmo, pelo baratissimo prego de 4/ cada um,
acaba de receber. I ditos de todas as cores com as barras bordadas a
Ricas caixinhas com msica ricamente enfeiu-' crox,> sendo 6f ,um em s*a rartf ,tend f**
das para costura, proprio para um delicado me-,ura ,0* s >' precisos, pelo bara ssmo
,no_ rfr | preg0 je 7n ca(ja un)) d|[os com bagados multo bo-
1 ID
NOF1DADE
I
Pereira Rocha A C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Ctff:mer-
cial, onde o respeilavel publico encontrar sempre um completo sorlimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes serao vendidos por precos muilo resumidos como o respeilavel publico ver pela tabella abaixo mencionada; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do MaranhSo, India e Java a 60, 80 e
100 rs. a libra, e i/800, 20600 e 30000
a arroba.
Ameixas francezas em latas c em frascos a
1/200 e 1)5600, e em frascos grandes a
2500. 8
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 10200,10400, 106OOe2.
Riqusimos cofresirihos com cadeadosde metal ltT. ^Jl^J^nTXZ Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa.
Ditas de lindas cres e preta, de todas as gros- AOS Vlllte mil COVadOS e laa. dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
rat 1 .._...._ O
para guardar jotas.
I ?o de 3/500 cada um; advertindo-se que os donos
Ricas canas com estejo, contendo todos os per- da. J* do Pav3 vendem es,es v"tidf Pfll0^
tences para homem. minuto preco por terem comprado urna grande
Riquissimas voltas flngindo perola.
Ditas com lacinho de lita.
quantidade econvir-lhc liquidarem logo, na sua
loja, ra da Imperatriz n. 60, de Gama Silva.
suras.
Lindos aderecos
com
at/O
pedrinhos Gngindo bri-
Ihantes.
Ricas fivellas para cinto, de todas as qualidades
e bom gesto. I rentes, sendo com listras-e quadrinhos miudinhos,
Ricos cintos do ultimo costo de Paris. e lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
Grande sortimento de lindos enfeites para cab- e rdxas para luto, pelo Laratissimo prego de 240 o
9*, sendo do ultimo gosto e de todos os precos. covado, ditas transparentes com palminbas de seda
Plores muito linas para noivas. ; Maria Pia, tendo de todas as cores, e tambem
Luvas enfeitadas e meias de seda para noivas. algumas proprias para luto, pelo barato preco de
Grande pechlncba,
c 3O rs.
Vendem-se as mais bonitas laazinhas trnspa- Avellaas muito grandes e novas a
libra.
Chaposinhos, sapatinhos e meias de
baplisado.
Riquissimas filas de todas as qualidades para la-
oo, cintos e cinteiros.
Camisinhas e golinhas para senhora.
Riquissimos jarros e liguras para ornamento de
sala.
Grande sortimento de gravatinbas tanto para se-
nhora como para homem.
Luvas de pelica branca e decres.
Cascarrilliasde bonitas cores.
Trancinhas, galo e maravillas para enfeites.
Transelins de cabellos e de retroz para reloglos.
Papel amisade e de outras qualidades.
Bolsas para viagem.
Entremeios e babadinhos de lindos padroes.
Lencinhos de linho bordados.
Meias para homem, senhoras, meninos c meni-
nas.
Fitas de veludo lisas e com mtame de todas as
larguras.
Thesouras e caivetes de lodas as qualidades.
Grande sortimento de sabonetes.
Lindos vasos com banha para offerecimentos.
Caixinhas com seis frasquinhos.
Essencias de lodas as qualidades.
Aguaverdadeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grandes, e em
frascos quadrados egarrafiohas.
Pomada Una de todas as qnaiidades.
Superior banha em frascos e copos de todos os
tannos.
Saho inglez em paos grandes e pequeos.
Escovas de cabo de madreperola, marlim e de
osso, para dentes.
Rentes para desembarazar, com friso de metal e
sem elle.
Ditos de tartaruga e de muas outras qualida-
des.
Pentes de tartaruga para senhora.
Ligas de seda e de algodo, assim como muitos
oulros objectos de posto que seria impossivel men-
cinar.quc a vista far fe, s no Gallo Vigilante,
ru do Crespo n. 7.
Veilintes.
da pan. 330 cada covado, isto por haver urna grande por-
ra o : na ra da Imperatriz n 60, de Gama &
Silva.
Latas e copos com banha fina.
A aguia branca, na ra do Queimado u. 8, rece-
beu esta estimada banha fina em latas e copos, isso
alemde outras em diversos frascos.
As modernissimas laazinhas de orna s
cor, a imitaco de gorguro, ven-
de o p\o.
Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
modernas laazinhas de cordaozinho,
Araruta verdadeira demalarana a 320 rs. a
libra.
180 rs. a
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
Painco a 200 rs. a libra. rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Qneijos flamengos do ultimo vapor a 20800 Figos de comadre e do Douro em caixinhas
dem prato. de oito libras e canastrinhas de 1 artoba a
dem londrino chegado no ultimo vapor a 10800, 50500 e 280 rs^ libra.
900 rs. a libra. Farinha do W;iranli3o a lOWrs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs dem de li igo a 120 rs. ? libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
10300 rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinbae a200rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10600, 20,
20500, 20800 e 35000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa.
cada*um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muilo alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 6( 0
libra.
as mais pro
prias e mais lindas que tem vindo, proprias paralCmi"rVas'a 7i le 1 vestidos, soutambarques, capas, etc., dam-sc amos- V^9/ /ZOre. 0 Irasco.
tras deixando penhor, e vendem-se pelo baratissi- 'uem, SO de pepino, a 720 rs.
mo preto de 560 rs. o covado : na rna da Impe-: dem, S de azeitonas, a 750 rs.
ratnz n. 60 loja de Gama e Silva. Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
As laazinhas do Pavao. e especialmente da fabrica imperial de
Vendem-se laazinhas de quadrnhos transparen- panrliHA p.- t j n Ln
tes, boa fazenda, pelo preco de 280 rs. o covado, SSSTZ18 JorSe da Costa a l&8()0>
dilas largas multo finas a 400 rs., ditas estampa- 20000, 20200, 20500, 20800, 30000 e
das, cor segura, padroes nuudos e grandes a 320 30500 a caixa.
rs. o covado, ditas transparentes com palminhas' Caf do Rio muito Stinerinr a 280 f> *20
deseflaa400rs.,dtasesrocezasa560rs.,istotu- ra .U, lonn oVoaa af
do para liquidar : na loja e armazem do Pavao,' "i a 'lbra ^.8^f500 a W8(K> rs. a arroba.
ra da imperatriz n. 60. Lartoes de bolinhos francezes muito novos e
Os grosdtnaples do Pavo. bem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
I Vendem-se grosdenaples pretos, fazenda supe- Chouricas e paios muito novos a 800 TS a
rior a 1/600 rs. o covado, ditos largos muito en-
corpados a 2/400, 2/600, 2/800 e 3/000. ditos
brancos, cor de rosa, aznl e amarello a 2/000 r.s
1 o covado : na loja de Gama & Silva, denominada
do Pavao, roa da imperatriz n. 60.
As novas lats giriba!dinas a 500 ts.,
na 'oja do Pavo.
Vendem-se as mais modernas laazinhas carbal-
[ dinas, fazenda inteiramente nova rm mercado, sen-
do todas com listras miudinhas, e transparentes,
com lustro a imitaco das sedinhas, tendo varias
cores, sendo azul, cor de lirio, carmezim, cinzenta
e cor de havana, etc.; isto a 500 rs. o covado para
vender depresra : na loja do Pavao, ra do Impe-
1 rador n. 60 de Gama & Silva.
libra,
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
dem em garrafoes de 3 e 5 gales a 55C9
e 70510 cada um com o g.irrafao.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a700rs. a garran.
' dem, quaiidade especial em garrafas muito
j grandes, a 10800 a garrafa.
Eigos em caixinhas emticamente lacradas dem era garrafas mais pequeas a 800 rs.
a 10600. dem, em garrafa forma de pera e roma; da
Vinho do Porto engarrafado o melhor que| vidro, a 10000, s a garrafa vale o di-
ha neste peero e de varias marcas, como' nheiro."
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto, Manteiga ingleza perfeilamente flor, desem-
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa, I barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e! de segunda quaiidade a 800 rs.
10000 a garrafa, e ero caixa com urna du- dem francez muito nova a 640 rs. a libra,
zia a 90000 e 100000. dem d tempero a 400 rs.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a Maca de tmales em barril a 480 rs. a libra.
480, 500e 560 rs. a garrafa c 30, 30500 dem em lata a 040 rs.
e 40 a caada, Maimelada imperial dos melhores conservei-
Idem branco de Lisboa muito fino a 500 rs. I ros de Lisboa a 60ti rs. a lata.
a garrafa. Marrasquinho de Zara, frascos grandes.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700 800 rs.
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs. dem regular a 500 rs.
a duzia. Macas finas para sopa: estrellinha, pe\ide,
IdmMorgauxeChateaulumnidei85l, a 10| rodinha e aletria a 600 rs. a libra ea 40
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa
!02OOrs. a caada.
Kifsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados le-dem de dentes a 120 rs.
mos grande porco de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudo ser vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
pecas e carnadas, tanto em porges como Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
retalho- 20 e em caixao a 640 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima te- Palitos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 por cento. Passas muilo novas a 480 rs. a libra.
a caixinhacom 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra,
e Peixt em latas preparado pela priroeirE arta
de cozinha a 10 a lata,
i Paliios de dentes a 160 rs. o maco.
Fraseos com gomma arbica
dissolvida e pincel.
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja
aguja branca.
da
menda de bonitos e bem encadernados albuns de
capas de velludo, massa, tartaruga e marfim, al-
guns dos quaes com microscopio para augmentar
Os mais mdwnos"mtidos Maria Pia,; di^pr^12SSSfMB*'a ""*" **
Ra do Queimado ns. 49 e 5o, loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia est continuando a I
vender muito barato, pois seu genio dar a fazen-
: da por todo prefo a vista dos cobres.
VOS CLlbUfS Cartas de alliuetes francezes da melhor quaiidade
i a oO rs.
anca acaba de receber ouira encom- Grosasde pennas de ato inglezas da melhor qua-
iidade a 640 rs.
RIVAL SEM SEGUNDO MCUINASbEPAitiVi
de trabalhsr mo pasa
descai-ocar aigotio
FABRICADAS
urna
lingindo lirilhantes, assim como rruzinbas avnls;
e vollinhas, pelo barato preco de i& e i200, as
cruzes avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Letjues.
Riquissimos leques de madreperola lanto para
senhoras como para meninas, pelo barato preto
de 125 e 14,5; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
GRANDE KOVIDAOE.
S no Vigilante.
Riquissimos enfeites de todas as qualidades para
senhoras e meninas, chegatlos hoje da alfandega.
Sin tos
Riquissimos sintos de Tila larga e estreila com
(velas grandes e pequeas, com brithantes falsos,
cousa de muilo gosto.
\ 11)11 un ('e 8 e*da um : na loja do Pavao, ra da Impe-
Tambem chegaram os riquissimos albons para'ra,riz M de Gama Silva-
50 retratos, com capa de tartaruga e de marlim,
cocsa muitochique : s no Vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
Golinhas.
na ra do Queimado
na loja do Pa>O, a 16$ ,loja da aguia braman. 8.
Vendem-se finissimos vestidos Maria Pia com fr/j I (i y./pfiil 9 VtlVt fpk I /I S
os corpinhos diferentes, lendo todos os preparse "W # '* />"/ U /t lUd
com o competente sinto : na ra da Imperatriz n. I A a6U'a branca n5o cessa de encorr.mendar do
60, loja do Pavo. ; 1ue na e melhor e mais agradavcl, e por issoaca-
l'miiuli*ia. ICOfin- I-a de receber diversas figurase vasos de pede
< uiiiMi!iia> .i ijuou pedra com lina banha, assim como bonitos frascos
Vendem-se camisinhas com manguitos, sendo deexcellentes extractse lindascaixmnas de ma-
mullo bem enfeitadas. proprias para senhoras e deira envernisada com finas perfumaras, tudo
meninas, polo barato preco de dez tustOes rada mui proprio para presentes de feslas ele, havendo
na loja do Pavao, ra da lmperafriz n. 60, dinheiro dirjase o pretndeme a ra do Queima-
de Gama & Silva.
Vestidos para meninas.
vendem-se os mais modernos vestidinhos para
meninas, sendo muilo bem enfeilades Maria Pia,
| tendo de din"er>-ntes lamanhos, pelo barato preto
Riquissimas golinhas e manguitos, timelhor gos-
to possivel, a 2, 2|ii00 e 3; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfeites para senhora.
Riquosissim enfeites com lato e sem lato e de
oulrosmuitos goslos a 15- 1,5300 e 3J5: s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
trancelins.
Lindos trancelins de cabello para relegie ou lu- Silva.
Betas, pelo baratissimo preto de io'0O, ditos de
retroz a 200 rs.
Ilabadiohes nlrrmrios.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindo* | de 700 rs. a vara
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
preto de 15200, 15500, 25 e 35; s no Vigilante,
roa do Crespo n. 7.
Cascar rilis.
Grande sortmenlo de cascarrilhas de diversas
Roupa frita iiarata.
Vende-se um grande sortimento de roupa feita
para homens, sendo caltas de brim branca e de
cor, ditas de easemira preta e de cores, ditas de
meia easemira, paletots saceos e sobrecasacos de
easemira e panno preto fino, colletes de todas as
qualidades : na loja do Pavao, roa da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Grosdenapledecor a 10600 o covado.
Vende-se grdsdenaple de cor azul, branco e pre-
to, pelo barato preco de 15600 o covado : na loja
' do Pavao, rna da Imperatriz n. 60, de Gama &
Panno de linho a 700 rs. o covado.
Vende-se o verdadeiro panno de linho proprio
para lences, toalhas e ceroulas, pelo barato preto
na loja do Pavao, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Economa do Pavae.
Vende-se para acabar, urna perco do retalhos
delas ecassas de lodas as qualidades, e por pre-
larguras, assim como galaozinhoe trancinhas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, rna do Cres-
po n. 7.
Fitas.
Grande sortimento de fitas de diversas larguras
e qualidades, per precos que admirara aes com-
pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e peta
de 9 varas a 25; s no Vigilante, ra do Crespo
Tilas de lia.
Fitas de lia de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a peta; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
lucos esperaos.
Riquissimos espelhos o m moldnra dourada'
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim romo com
columnas de diferentes lamanhos a 25, 35,45, 55
e 65; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7. s
Pira ps de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
cousa de muilo gosto a 15800 e 25, assim como
pacoles s com os pos a 320 rs. cada nm; s no
Vigilinle, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banbas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
tinctivos e offerecimentos as sinhaslnhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Paris e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
a 25 e a 15, assim romo outros objectos qne nao e
possivel por hsje annunciar, e vista dos fregu-
tos mnito em coula; quem tem economa que
pode apreciar : isto na leja do Pavao, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gam & Silva,
la.apolo a 70000, si na leja do Psvo.
Vende-se superior madapolo muito encorpado,
tendo 20 varas cada peca, com 4 palmos de largu-
ra pelo baratissimo preco de 75000 a peta. Hitos
muito finos a 85, 95 e 105000. E' pechincha, na
loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cirtesde cassa a 30000.
Vendem-se mnito bonitos corles de cassa, tendo
7 varas cada corte, com desenhos muito delicados
pelo baratissimo preto de 35000 o corte; s na
loja do Pavao, rna da Impeatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cortes de chita francea.
Vendem se finissimos cortes de chita fran-
ceza, com t'covados, tendo, padroes escuros e
alegres de cores fizas pelo baratissimo preto de
45000o corte; s na loja do Pavao ra da Impe-
ratriz n. 60 de Gama & Silva.
Canbraias lisas, na loja do Pao.
Vendem-se petas de eambraia lisa muito fina,
tapada e transparente, pelo baratissimo prec/> de
45OOO tendo 8 1/2 varas cada peta, ditas muito fi-
nas a 75, 85, e 95 a peta, ditas Victoria com 10
varas pelo baratissimo proco de 75, 95 e 105, di-
tas Garrazes fazenda muito encorpada. fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara ou 25600 a peca ;
isto na Inia do Pavao, rna da Imperatriz n. 60,' de
Gama & Silva.
Cortes de lia a 40000.
Vendem-se corles de las garibaldinas, malea-
das e de quadrinhos, tendo 12 covados cada eorte
pelo baratissimo preto de 45000 o corte; Isto na
es se far todo negocio na loja do Gallo Vigilante, loja de Pavo, roa da Impcratri P. 00 le Gama &
ra do Crespo n. 7. Silva.
don. 8, loja da aguia branca.
Ail fino para engom*
mado
A aguia branca na ra do Queimade n. 8, rece-
beu glbulos de ail fino e frasquinhos com es-
sencia de dito para engommados.
Outros enfeites.
A aguia branca acaba de receber por este ulti-
mo vapor um novo sortimento de bonitos e delica-
dos enfeites de moldes inteiramente novos e de um
apurado gosto, assim pois comparetam os preten-
dentes munidos de dinheiro e com dsposiclo de
gastar : na loja da aguia branca ra do Queima-
do n. 8.
Pequeos pentes de tar-
taruga.
A aguia branca na ra doQneimado n. .8, rece-
ceben novamente esses pequeos gentes de tarta-
ruga que por suas qualidades de pequeos, lisos,
bonitos e bem feltos taniaeslima tem merecido pa-
ra as senhoras segurar o cabello quando atado ; a
aguia branca porm avisa aquellas pessoas que os
haviam encommendado e a quem mais quelra
aproveitar a occasio de os comprar continuando
a serein vendidos pelo mesmo preco de 45 cada
um.
Estando brancos ficam pretos
O bom resultado e o rpido effeito que produz
a tintura de ebromacom, e mesmo e facillimo
modo de apphcar tem se tomado mui conhecido e
apreciada por todos que usara della e por conse-
gtiinte augmentado a extratao', pelo que a aguia
branca mandou vjr mais o novo sortimento que
acaba de receber constando elle de
Caixas com chromacoma para tingir os cabellos.
Frascos com coiorieoma para lustrar ditos.
Ditos com hydrocallethrichina para limpar ditos
Ditos com oryehromantina para limpar as nnhas
Sabonetes brancos para lavar os cabellos.
Pomada callicamiphila para dar cheiro aos di-
tos sem offender a preparacao feita.
Sapatos de marroquim dou-
fado para bailes.
Esses sapatos do grande tom vQRd,eai-se nica-
mente na rna do Queimado loja da aguia braia n.
8 a 65 o par.
Meias finas para senhoras
gordas
. vendem-se na ra do Queimado loj da aguia
Dranca n. 8.
Esponjas finas para rosto
Vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
"ranea n. 8._________________ -
Cylindros para pada*
ria.
Na padaria da rna Direita n. M ha para vender
s cooheeidos eacreditado cylindros americanos
ppra trakalho de padaria oltimaraante cnefadoe.
a
Caixas de eolchetes francezes de superiores quat-
dad es a 40 rs.
Grosasde botes de madreperola muito finos aMO
e 640 res.
Carreteis com 4 a 5 oitavas de retroz preto fino a
640 rs.
Resmas de papel de peso liso muilo superior a
25000.
Grvalas da liga e de outras militas qualidades a
500 rs.
(aniveles para penna com 3 folhas fazenda boa a
800 rs.
Duzia de boloes branco para casaveques de senho-
ra a 100 rs.
Petas de lita de cs estreitas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Portuguez para os meninos a prender
a 1er a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren-
der a ler a 15000.
Caminas da doutnna christa, finas e superiores a
320 rs.
Pentes finos de marfim a 15000, 15200 e 15500.
Pares de luvas de seda para bomens e senhoras a
500 rs. _
Gollinhas para senhora o melhor que ha a 320 e
500 rs.
Frascos cam superiores banbas a 240, 320, 5001
15000.
Livros que serve para assenlar roupa, pelo diminu-
to preto de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cordao branco para esparlilhes muito superior, 1
vara a 20 rs.
Carritis com 150 Jardas de lnha branca a 60
ris.
CartSes com 200 jardas de lnha branca garant-
d' s a 60 rs.
Grosas de pennas de-ac .-nperiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
lhas a 160 rs.
Pares de botoes de punho, oh que pecbmena a
lOrs.
Tiateiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro cora superior tinta a 100 rs.
Grosas de botoes de louga prateado muito fino a
160 rs. Kff
Tesouras para costura superior quaiidade a ow
Escovas para limpar dentes, superiores a 200 rs.
Caixas com snperiores phosphoros de segnranca a
160 rs.
Caixas com 100 envelopes o melhor
ris
Caixas com 20 quadernos de papel amizade, mnito
Boa 600 rs.
Quadernos de papel pequeo muilo nno a w
Por Plant Brothers & C.
01I1A
Estas machinas
podemdecarotar
qualquer especie
de algodao sera
estragar o o,
sendo baslanta
. duaspessoaspara
o irabalho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
dao em carota
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
aoimae*, que descarocam 18 arrobas de a'gcdo
limpo, 111 dia.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis dcstas machinas
mencionadas ; para o que convidase aes Sis.
agricultores virem ver e examina-lo, no ;rn.a-
zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47.
Sauntlers Brothers k C.
.W II, prava do Corpo Stanfo
RECIPE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEIK SEGUND7
Ra do Queimado ns. 49 e 55 loja do Barareiro
conbecido j ci mo tal, esrJ dispendo da fazerda
' por todo o prco para apurar dinheiro, quem qot-
' zer venha vV e aga o cobre, o ver o scguir.le :
Baralhos do carias para voltarele muilo
finasa............................ 208
Miadas de linha froxa para bordar a 20
Pares de sapatos de iranta de todos os
1 lamanhos e finos a................... !,'..'.(:o
Massos de superior grampos para cabellos 30
Dnzias de paliios de gaz superiores a. .. !P0
Libras de ara prea muito superior a... ICO
Frascos de superior macaca oleo a----- 100
! Ditos do dito perola a..............----- 200
1 Ditos de oleo de babosa muito finos a 320
rs.e............................... 300
Ditos de agua de colonia superior, garan-
qrjehaaW tida.............................. 400
Ditos de banha mnito fina a............ 640
Ditos de cheiros muilo finos para o pree.o
aris.............'................ 600
Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
i0, e............................ 460
Novellos de linha com 400 jardas a...... 80
Carritis de linha de cotes com 200 jar-
das a............................. 60
Novellos de linha de gaz de todas as ce-
res a............................. 30
Petas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos
tynhe da laleira a o Porto
Vende-se-osaperior vinho da Madeira *do Por-
ta, em caixes de tima e dnas dnzias : s na loja
do Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Roa da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston A C., Fr2,^d s0QSperiftrVscheirs,peques,
sellins e silhSes inglezes, candieiros e castt- Pares de ]gas muit0 snperiores e bonitas
cae* bronzeados, lonas inglezas, fio devela,! aris..............................
chicotes para carros e montara, arreios para | Varas de bicos francezes superiores a...
j ____ ,. Opiata para denles da melhor qne na a..
carros de nm e doos cavaUos, e relogtos de.^'^ para den,es>'g0perior a
ouro patente inglez. tudo a............................
Petas de tranea preta liza mnito flaa a..
Caixas com 4 papis de agulhas Victoria a
Varas de fila preta rom colxetes a......
Libras de la sortda de lodas as cores a
Ronecos de choro multo bonitos a......
Caixas de obreias de ma ssaniuto novas a
Varas de franja .branca e deires para
toalhasa.........................
Frasee*de oteo Ptirtocomeseopenor a...
Ditos com snpenor tinta a320 e.........
Caixas de linha de gaz com 'O novellos a
para 20 at 200 retratos, muito ions e por menos Bufiadores para esparlilho .......
preco qne em outra qualquer parte: oa rna do Duxias de botoes encaruaoos para vesu-
Crespo n. 4.
Roa 4a Seualla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tac <
ferro coado libra a 440 rs., idemd eLo*
MQor libra a420rs._________________
Farela superior de Li.bea a o siete.
Ten para vender Antonio Luiz de Oliveira A?
vedo 4 C. n,o sen escrptorio roa da Cruz n. 1.
Al boaf
240
. 200
400
40
1|000
13000
60
2W>
40
6?0
160
40
m
600
500
800
too

11 *
:/
J


K
HHMtan-*
i
salarla de Prr*mfcnfn Sexta fefra 13 de Jaaielro de 1 8S
ss* '7o /TC-T
AURORA BRILHAKTE
#..*if-.vl
GRANDES 4RHAZENS
DE
A
Largo da Santal
Cruz ns. 12 e 84, j
isquina da ra doj
ESPECIAES i^o.
M Largo da Santa*
Crt ns. 12 e 84,;
^*.s juina da ra do
kCebo.
I f 1131
O dono dos j muio acreditados armazens de moldados denominados Aurora
cunante, acaba de receber de sua propria encommenda, muitos gneros delicados
pr*rios da prstate esiacio, e teudo grande sorliuMQlo comprado aqui,aanra que todos
o seus giros sao de i.* qualidade.
A seguate tabella serrir a todos de base para ajuste de contas aos por-
tadores.
Nenhum armatem vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
Brilbaate, j pelo grande sortimento que tem, j mesmo por seo dono se achar encom-
nadado ein sua saude e ler de vender um de seus armazens agora, e o outra na pro-
xtaa primavera, por isso deve-se aproveitar uuia quadra destas para se comprar
barato.
Latas coai 8 libras de cinturicas muito novas,
a 75300.
Ditas graudes com peixc em postas inteiras,
mais de 12 qualidades. a 14000. 14280 c
I Ufe
Ditas com ostras, excelknte petisco para fre-
gideira, a 7i0rs.
Ditas com er vil lias novas, ensopadas, a
720 rs.
Ditas co-h favas, a 640 rs.
Hilas coiu ameixas a i00, 15800 e 34500.
Ditas com marmelada do afamado fabrican-
Vinlio branco Qno, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Vinbo verde superior.
A caada a 34800 e a garrafa a 480 rs.
Gemtua.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se
engommar, a arroba a 34000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a liDra a JOO, 240 e 280 rs.
Pariuba.
caute Abrou, a 880 rs.
Ditas de massa de tomate, a 500 rs.
Ditas com figos de comadre, botos, a 14500,
-: 2 y. jo.
)k i- um bolachinlia de soda muito novas, a
250 JO.
Ditas qualidades, a 15400.
Chocolate.
'i.11 ->'.;ue superior muito aovo, a libra a
10200.
Kiearuj teiharim e alelria amarella, a libra
i \iJ rs.
'Uto dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caixas cora estrelinlia, pevide e outras mas-
cas, a caa 34300.
Ditas dita em libra* a 640 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
Sevadinlia para .opa a libra a 240 rs.
Ervillias seccas, a libra a 160 rs.
Ditas descasca ias, a libra a 209 t.
Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
t'arinha de araruta verdadeira, a libra a
SOOrs.
Arr#z do Maranhao, em sacca a arroba a
25400 e a libra a 80 rs.
Dito da India v Java, a arroba a 35200 e a
libra a 1 rs.
Toucinlio de Lisboa a 95500 a arroba e a 320
rs. a libra.
Dita de 'aillos, a arroba 75000 e a libra a
260 rs.
Molhos com li'.o s.'bolas grandes, a 15280.
M tarda franceza caixa com 2 duzas a
85003.
Frasees enm DHStaril preparada em vina-
gre, a 400 rti.
Ditos con conservas inglezas e francezas,
a 640 o 800 rs.
Ditos com sai relinado fino., a 640 e a 500
ris.
Ditos com a verdadeira, gonebra de laranja
a 15200.
Ditos du 2 garrafas de Ilollanda verdadeira,
15000.
Ditos de I garrafa de Ilollanda verdadeira,
a 640 rs.
alijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
GarrafSes com 2 galoes com dita, a 65000.
Serveja boa, m. rea. a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 65000.
Vinho masca te I de letuba, a garrafa a
15000.
Marrasi|iiinlio vordadeiro, frascos a 800 rs.
e a 15200.
Champizue, a dizla 205000, e a garrafa a
25000.
Azeite relinado portuguez e francez, a gar-
rafa a 15000.
Caixa de vinho Uordeanx muito superior, a
75,83, 95 e 105 a caixa.
Ditas com dito branco, a 74000 a caixa.
Ditas oom dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a 205-
Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
185000.
Ditas cora chanmeo superior, a 145000.
Bitas ctm Porto velho e outras mullas mar-
cas, a 125000.
Yinho do Porto da pipa, a garrafa a 640,
729 n 800 rs.
Dito de Lisboa mnito bem, a caada a
34200, 35300 o 45000, a a garrafa a 500
e 560 rs.
Dito da Figueira. das seguintes marca, (N.)
(7. A. A.) (J. L G.) (O. M.) a caada a
45300 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
que j est engarrafado e lacrado com o
rotlo do arma'.em.
Ditos df marcas mais desconhecidas. a cana-
da a 35500 e 44000 e a garrafa a 480 e
52 rs.
caceas grandes com farinlia de Gwanna mul-
lo nova, a 55000.
Caf.
Caf do Rio muio superior, a arroba a 85,
85500 e 95000.
Ca.
Cb temos nestes gneros o melhor possive!,
hvssoii, a libra a 24600.
Dito peroia a 35000.
Dito uxima 25700,
Dito hysson muito lino a 25800.
Dito redondo a 25500-
Dito pretode primeira qualidade a 25500.
Dito mais baixo a 25000 a 15600.
Erva mate.
Excellente cb medicinal, a libra a 320 rs.
Esperaacete.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prlas para mimos a 45 e 2500.
Nazes.
Xozes, a libra 160 rs e arroba a 44000.
Alpista e paioce.
Alpina e paiiico, a arroba 45000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
Cartas finas parajogar,aduzia a 25500.
Castaiibas.
Castanhas novas vindas neste vapor, a arro-
ba 45000 e a libra 200 rs.
AzeitOBis.
Barr com azeilonas novas a 15500
llanteiga.
Manteiga flor, a libra a 15000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a libra a
660 rs.
Dita para lempero a 400 rs.
Queijos.
Queijos novo vindos neste vapor a 35200 e
35500.
Ditos londrinos muito novos, a libra a
15000
Papel.
Papel almaco pautado, a resma a 45800
Dito dito lizo de linho, a resma a 45300
Dito de peso lizo e paulado, a resma a
25500
Dito de embrulbo bom a 15 e 15200.
Vinbo Uadeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
dera a 15500 e 25-
1/ Temperos.
Follas de lauro, pimenta do reino, coniinho
e cravo, a libra a 400 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba retinada a
Wf rs.
Amendoas.
Ameudoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 15400
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
Duzias de boioes de graxa a. 97 a 24600,
de latas a 15000, e os boioes a 240 rs., ca- I
da um, e as latas a 100 rs.
Cha rulos finos.
Charotos finos dos melhores fabricantes da
Bahia por diversos precos, caixas e raeias
Ucaixas.
E grande quantidade de-gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
A 48 0 CORTE
Pechineha mu igual
Lindos cortes -para vestido d percal**
tiaras e escuras com grande variedad
fdo baratissimo prego de A$ o corte:
c lurnnas ra do Crespo n. 13,
rei% de Vaseoncellos C.
de
e
NEM COROAS NEM MITRAS
E

GRAXflE ARMAZEM

BA DO IMPERADOR N. 40
Juta ao sebrado em qne mora Sr. Osborne,
Buarte Almelda fc C, receberaaa ale ana propria encoinmeu-
da o mala lindo e variado sor tmenlo de molhados, proprlos
da p rsente estacSo.
Manteiga ingleza Ha$as brancas
da safra nova vinda no ultimo vapor a l,ooo;para sopa a melhor que se pode desojar,
a libra eem barril a 800 rs.
' ROPA FEITA
NO
AltniZKH
DI
Farelo de Lisboa.
Vende-se superior farelo. em saceos grandes, e
por preco eommodo, rindo pelo ultimo navio : na
roa do A mora, armazna n. 50.
nnm

Vende-se potass sm barris a comroedo preco o
na na da Crnr 1.13. primeiro andar, eseriptori:
de Antonio de Almeida Gomes.
rs. abura eem Darru a
Uauteiga fraaceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a 560 rs.
Amendoas
confutadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
25 i00, muito propios para mimos,
artoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de tedas as qua-
lidades a i 300.
Chocolates
de todas as qualidades a 1(5000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambero
temos reinos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 26oo.
ftaeijos
ebegados no ultimo vapor a 2^600 cada um.
tueijo
londrino o mais fresco que sfl pode esperar
e de escollante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas ingltas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricimente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1^200.
Cha uxim
o melhor que se pode desojar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
U a 20600.
dem peroia
especial qualidade a 2700 rs. a libra.
Idea ItyssoD
o mais aromtico que tem viudo ao nosso
mercado a 2,-5(500.
Massas amarellas
para sopa, macarr5o, talhariri e aletria a
480rs. alibra.
COGXAC
o muito afamado cognac Pal BriBdy a l,8oo
rs. a garrafa e de outras maitas qualida-
des a l,ooo e 800 rs. a garrafa.
COPN
lapidados para agua a 4,5oo ei 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
. Papel de botica
) de excellente qualidade a 22Q0 a resma,
PAPEL
, azul e pardo para embrulhode i,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumu americano em chapa a
l,4oo rs. alibra.
Vinagre
PRRem ancoretas de 9 caadas a lo.ooo rs.
cada urna.
Cekllas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista e htiu o mais novo do mercado a 1 io rs. a libra,
e 40400 a arroba.
CEBLAS,
muito novas a 10000 o cento na ra do Qtie"-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
RAO DE BICO
muito novo a 30400 a arroba e 140rs. a li-
bra na ra doQaeimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
QUEIJO SISSO
muito fresco a 800 rs. a libra na ra do
Queimadon. 7, ra da Imperador d, 40 e
largo de Carmo n. 9
macarrao, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem t Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada. *
dem do Porto
generosos engarrafado dos melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a le 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas sao asseguintes: Chamisso AFilhe,
F. 4 M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muito*.
Latas
com 10 libras de han ha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica damesmaque
vendem a 20000 e 20400.
Nozes .
as mais novas do mercado a 120r* .al bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mal
cas de 40500 a 60500 a duzia.
C-ARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outres em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1.a e 2.a sorte do Rio de Janeiro a 805f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
(Sarrafes
com 4 Vj garrafas cora vinagre a 10OOO
UTKBttO VEROK.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda faxer por medida, i vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos. ....
300000
250000
Casacas de panno pfeto, 350 e
Sobrecasacas idem, 300 e .
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e......100000
Ditos de casemira, 200, 150,
120, 100 e...... 70000
Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50, 40 e......30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. .
Ditos branco de linho, 60,50 e
Ditos de merino preto de cor-
do, 100, 70 e.....
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80 e......70000
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....
Ditas de prinw za e merino pre-
to de cord5o, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
Cohetes de velludo preto e de
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos seda brinco,
60 e.......
Ditos o ftfgutae de soda
pretos e de cores, 60, 50 e 40010;
Cohetes de fustao e brim bran-
co, 30500, 30 e .... 24500
Seroulas de brim de linho,
20400 e......20000
Ditas de algodo, 10600 e. 10400
Camisas de peitos de Uoho,
40, 30 e......20500
Ditas de madapolao, 20500,
20e........10600
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. 80500
70000 Ditos de fltro, 50,40,30500 e 20000
Ditos de sol, de seda, 120,
400001 H0,70e......60O>O
1 Collarinhos de linho fino, ulti-
30000
40000
50000
40000 ma moda duzia. 60000
Sortimento completo de grava-
20500! tas. I
20500 Toalhas parroste, duzia, 110,
! e........ 60000
cores, 90 e......70000 Chapeos deso, dealpaca, pre-
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
40 e........
40000. tos e de cores.....40000
' Lentes de bramante de linho. 30000
30500 Cobertas de chita chineza.. 20500
DE
VIGNES.
IDEM
de Ilollanda
a 50800 com
^"^ENEBRA DE LARANJA M* **' 1WA DO APERADOR X. 55.
vnrrlarlpir a tAOn n fra a Aa I I ftOT ^s P'anos desta antiga fabrica sao hoje assaz coshecidos para que seja necessario insistir sobre *
sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas ineontesta-
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; odo-
suindo ura teclado e machinismo que obedecem todas as voatades e caprichos das pianistas, sem-
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos iraportaa-
i tissimoK para o clima deste paiz ; quanto s voies sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as enceromendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expesi$oes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um esplendido e variado sortimento de musioas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tndo vendido por
presos commodos e razoaveis.
a caixa.
em frasqueiras
12 frascos.
GENE3RA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha,
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo,000 a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
libra.
Presunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abamento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo t
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas muito aovas
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas ena calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
a 600 e 10 o caixe.
GOMMA MUITO NOVA
era paneiros de 1 e 2 arrobas 30500 a ar-
roba e 140 rs. alibra na ra do Qoei-
mado n. 7, ruado Imperador n. 40 e largo
do Carmo a. 9
BOLACHINHAS
em latas de defferentes qualidades a 10200
a lata
QUEIJOS FLAMENCOS
chegados neste ultimo vapor a 20800 na roa
do Queimado o. 7, ruado Imperadorn.
40 e largo do Carmo n. 9.
Os proprietaros do grande armazem o Verdadeiro Principal deelaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
ttpularam os raesmas precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeiro Principal roa do Imperador n. 40
FAREJXO DE LISBOA
Marca N verdadeiro em saccas novas e grandes a 40500: na ra do Imperador n. 40.
CONSULTORIO MEW-rjRlRGlCO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
712 1 I < O PARTEIRO K OPERADOR.
3 Eua da Gloria, casa do Fundo 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
horas da manhaa, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepeo dos dias santificados
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avutsos, assim como tinturas de varias dymnamisacoes e pelos precos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300006
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os re.n;l
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meiaonca 10''00.
Senda para cima de 12, custaro os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LIVUOS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,
dons grandes volumes com diccionario ~.......... 200000
Medicina domestica do Dr. Hering,........... 100000
Repertorio do Dr. Mello Moraes............. 60000
Diccionario de termos de medicina ........... 30000
Os remedies deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensara portan-
te de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros, enrgicos e doradores: ha tudo do melhor que s pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, nptaveis pela sua boa conservado, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparaco, e portante a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-se escraves para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualqner
operaco, para o que o annunciante jolga-se sufficientemente habilitado.
O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, a
Aleccionando a casa a mais de quatre annos, ha muitas pessoas. de cujo concedo se nao
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seas
deentes.
Paga-se 20000 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
As operaces serao previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
azaaveis que costuraa pedir o annunchmte.

'

NOVIDADES.
jar a
Queijos do -Uentejo. ditos das ilhas o mais fresco que so pode dese-
10200 a libra, e sendo inteiro ter algum abatimento, ricas caixinhas
redondas enCeiudas, proprias para mimo da festa pelo barato preco de 40
cada urna, ricas caixas de figos tambem proprias para mimo de 800 11500
cada orna. Vende-se nicamente no armazem Verdadeiro principal, ra do
Impender a. 4.

GAZ GAZ GAZ
ide-se eaz a melhor qualidade
i
Vende-se gaz (fe melhor qualidade a
ii.0 a lata : nos armas* da ra do Im-
perador n. 16 e ra de Trapiche Novo n.'%
Ym46-m mas Mcrava os aaa co.iatar
engommar i la ra de Hortas n. 91
Suprior cal de Lisboa.
Vinho do Porto especial.
O mais generoso e genuino riabo do Porto, mar-
cas novas e especiaes, em caixibhas de 12 garra-
fas, sendo marcaRainha de Portugala 180000
a caixa, e marea Pedro Va 160; em porca
far-se-ha um abate razoavel: no armazem de Per-
relra & Matheus, junto ao are o da Conreico n.
66. No mesmo armazem ha tambem exeeileate
vinho do Porto em ancoretas de 32 garrafas a 3S|
cada uina, e em \Ktrqlo por menos alguma eonsa
Vendemse charutos da Bahia de varias qua-
lidades : em casa de Monhard & C... na do Tra-
piche b. 48.
AGENCIA.
DA
brica Conceicao da
Baha.
Aadrade k liego, receben constante-
mente e tem venda no sao. armazem n.
34 da ra do Imperador, algodo d'aquel-
!a fabrica, proprio para saceos da assu-
car, embalar aieodao em ploma etc., ele,
pelo prego mais razoavel.
Vende-se superior eal a JsiS* a mais nova
que ha nc mercado, tanto em porcSo como a reta-
lho, por fcarato prv1 n"ancnao-8a *05 compra-
doras uperior qnakiade: a tratar as segnittes
roas : Crespo a. 7, Imperador a. 11, Forte do Ma.
las armazem do Sr. Avllla, defroate o trapicha Borrachos: na rea larga do Rosarlo n. W, ttrcei-
?'algodo. 'ro andar.
Casaes de pomoos e borntebos.
Vendem-se casaes de porabos bons batedores, e
AGENGIi LOW-M001.
laa i* Seaxalia aera n. 41
Neste estabelecimento contoa a haver
am completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamaitos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de 9. t. Jshnston 4 C,
ra da Sensalla Nova n. 42.
Vende-se
um excellente carro americano com 4 H>
das e arreios para um e dous mallos sen-
do muito maneiro eleve, o qual tendo si-
do lodo reparado de novo se acha no me-
lhor estado de p*rfeic3o e asseio : a tratar
com Antonio Jos Rodrigues de Souza na
ra do Crespo n, 15, das 10 horas do dia at
as 3 da terde.
Veoe maehiaa para, deaesro^ar algodlo
com motores par animaes : na roa t Statala
Kara n. 41. *fmmf'.\ J -"
k
L^
-
>


rp



I Lar I de PeruMkHt eita lelra 13 de Janeiro de 1884
MAGNIFICO SORTIMENTO
'%
GRANDE ARIMASREIfl
DA
-^

'
LIGA.
O RIJA HOVA OO
Casa da esquina junto a ponte da Boa Vista.
MUITA ATT EN CAO.
Parece que o respeitavel publico se achara bastantemente convencido de que a
directo deste importante estabelccimento tem sido sempre caracterisada pelo raaior
gosto e capricho, n3o s com relacSo ao asseio, superioridade das mercadorias, como
na sinceridade do trato e mabeiras altenciosas dos cmpregados da casa para com todas
aquellas pcasoas que se dignam de frequenta-la.
Muitas senhoras pernambucanas e estrangeiras, cujo trato ameno e delicado n5o
pode ser concedido a qualquer individuo no recinto de um estabelccimento da ordm
da Liga tem viudo possoalmente refazer as suas despensas nesta casa e voltado asss
satisfeitaa.
E' preciso fazer desapparecer desta importante capital estas nojentas tascas cheias
sempre de escravos embriagados, onde as chufas sao jogadas sem respeito.
O importante e magnifico armazem da Liga se acha felizmente muito fra
dessaa condicc5es. E' necessario v-lo para bem se prestar crdito a nosas palavras.
A mercadoria nunca ser bem comprada se ella nao fr de boa qualidade.
sobre este ponto que chamamos a attenco das pessoas que nos quizerem honrar com
a sua freguezia; porque o nosso grande estabelccimento se acha completamente prvi-
do de superiores gneros, que em sua mxima parte fui am comprados a dinheiro
vista, e recebidos directamente de Londres, Paris e Lisboa.
Ninguem se acha entre nos com mais proporcoes para vender barato.
As pessoas que comprara para negociar, fariam muito bem se quizessem se cer-
tificar do quanto liavemos expendido procurando afreguezar-se com nosco.
Nao duvidamos vender a crdito a quem nos der conhecimento de sua probidade.
Amendoas confeitadas em liaseis de vidro, ditas com casca mole
e dura Ameixas francezas em Irascos de vidro, ditas em latas,
ditas em cartoes, ditas a varejo =Alpiste e milho miudo.As-
sucar refinado fino, dito baixo.Azeite doee em barril, dito
em boiSes, dito engarrafado, dito francez e pertuguez refinado.
Arroz do Maranhae, dito de Java, dito da India, dito do Penedo.
Azeitonas de Lisboa, dita do PortoBanha de porco em barril
dita em latas, dita refinada em barril e latas. Batatas emgigos,
dita em caixas, ditas a varejo. Bolaxinhas finas de diversas
qualidades, ditas de soda, ditas para lanche, ditas americanas.
Biscoites inglezes, Mixede, Medum, Cabim, Seed, Soda, Cuddy
Cracknel, oval Thim Capitam e outras mais, ditas de leite de
Edimburgh, etc.Caf do Rio de I.*, 2.a e 3.a qualidade, dito
miudo.Cha, o que ha de melhor existe en nessos armazens,
uxira, miudo, dito hysson de 1.a, 2.a, 3.a e 4.a qualidades, dito
preto homeopathico, dito commum.-r-CharutosMussissipis, ditos
Panetelas, ditos regala imperial, ditos suspiros, ditos delicias,
ditos Napeledes, ditos Parisienses, ditos apraziveis, ditos lancei-
ros, ditos imperiaes de diversos fabricantes. Chotlricas mou-
riscas deLi-boa, ditas em latas.Chocolate de diversas qualida-
de? e de diversos fabricantes. Cerveja Basse, dita Victoria,
ditas Alesops, dita tenenle, dita H, dita XXX, dita em barril
branca e preta.Conservas inglezas, dittas francezas, dittas ali-
menticias. Cevadinha de Franca. Chanpanha superior de di-
versas marcas.Cognac inglez, ditto francez. Ceblas de Lis-
boa em momos, ditas em restias.Copos lapidados para agoa
ditos para vinho. Doce de calda em latas de diversas qualida-
des, ginja, alperch, pera, pecego, doce de goiaba, em latas ditos em
caixoes ditos em frasco de calda de assucar, ditos de cognaej.Ervi-
lhas em latas, ditas em casca, ditas sem casca.Esperrazcete de 5 e 6 o
maco.Figos em latas de 4 e 8 libras lindamente enfeiladas, ditos em
caixas grandes e pequeas em barril. Farinha de trigo do diversas
marcas, dita de araruta, dita do Maranhao, dita do Aracaly.Fumo
de Rio em latas dito em rolos, dito em lata (do Para) para cigarros.
Genebra ingleza marca gato, dita dita em froscos, dita de II< llanda era
frascos, dita dita em botijas, dita de Hamburgo em frascos, dita em bo-
tijas, dita em garrafoes.Graxa em latas.Limonada de diversas fruc-
tai.Licor inglez, dito francez, dito allemSo. Manteiga ingleza flor,
dita de 2.a qualidade, dita de 3.a, dita de 4.a, dita franceza de 1.a qua-
lidade, dita dita de 2.1Massas pura sopa, macan ao, talharim e aletria,
dita estrellinha e pevide branca e amarella. Marrasquino de zara de 1.a
qualidade, dito 2.a dita, dito 3 a dita. Maimelada muito fina.Molbo
inglez, dito francez.Mostarda ingleza, dita frznctza.Presuntosin-
glezes para fiaubre, ditos americanos, ditos doPoito para tempero,
dito de Lisboa. Passas~de Malaga, ditas de Corinthias para podim.
Pomada do P< rte.Pimenta do reino. Peixes em litas, tavel, curvi-
na, pargo, espada, congre, chermy preparado pelas melhores artes de
cosinha.Papel greve branco, dit paulado, dito almfo, dito de peso,
dito amarelloPalitos lixados para denles, ditos ditos cora flores, ditos
americanos, ditos do gaz.Queijos inglez elondrino, dito flamengo dito
prato, dito suisso.Rap Meuron, dito francez Sal; me em latas de I
libra o melhor que aqui tem vindo. Sardinha de Basse, dito de A.
L'Auile. Sab5o nacionol, dito massa e nao massa, dito inglez. Sa
nacional dito inglez a varejo, dito em vidros. Toucinho dt Lisboa e
Porto, dito de Santos.Tijolospara limpar facasVinhos, nesle gene-
ro os nossos armazens tem o melhor sortinuntoquesepode imaginar,
duque do Porto, lagrimas do Douro, Carnees, Bocagc, Maria Pia, D.
Luiz, Pedro II, Malvazia, Madeira, Cherry, Bordeaux, tudo engarrado.
Prevenimos ao publico de que no armazem da liga s tem vinhos engar-
rafados no eslrangeiro, dito em pipa do Porto, Lisboa, Figueira e de Sete,
dito em b>rril de todos os paizes, dito em ancoras, dito cbamisso mui-
to proprio para casa particular em barrilinhos com 150 garrafas por
preco a satisfazer o mais exigente comprador em quanto a qualidade
garantida por nos e pelos seus importadores, dito cm caada por prego
baretissimo, dito branco para mi>sa.Vinagre puro de Lisboa, dito ham-
burguez, dito em garrafoes. Vassouras do Porto, ditas americanas.
NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Cbegaram os modernos vestidos de dentelle de seda com barra, inteirament? hoyos
em gosto e qualidade : loja das columnas, na raa do Crespo n. 13, de Antonio Correia
de Vasconcellos & C, successores de Jos Moreira Lopes.
Fazendas de bom gosto
Para vestidos de scahora
Superiores cortes de seda de cor, de morante, de gergurao e de sem imperial.
Ditos de blond, e de eambria branca bordados.
Dites de lia com barra e grande variedade em cores e padrees.
Ditos de organdys com barra .
Linda* sedas de qnadros escosseza e miadas.
Superiores laas lisas com grande variedade da cores.
Ditas com salpicos, com Dores e de qnadros.
Liadas pampolinas de qnadros e de flores, fazenda inteiramente ova.
Superiores eassas de cores, e lindas cambraias organdys.
Grande variedade de chita de cores, de percalia eontras muitas fazendas de gosto.
Para hombros de sentara
Lindas capas e bonrnonx de casemira de cOr.
Ditas de lia e da seda.
Grande variedade de sonf embarques de seda de 18* a U)$.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Saperiores chales de seda, de merino estampados tees, de caebimira com listras de
soda e de Bl prtto.
Caminabas modernas, zuavos brincos e d cores, eolletes de calbrala, lindas gol-
linhas com pannos e outros muitos artigo?.
Para cabeea de sevhora e nenia
AO PUBLICO
Sem o menor constran-
glmeato se entregar o
Importe do genero que
nlo gradar.
ATTENCAO
Oa preces da sega Inte
tabella c para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajaste de eontas
con os portadores.
Irritado dospulraOes,
Angina, tosse,
Escarros de sangue.
Crupo ou garrotilho,
Catarrho, rouquidao.
e todas as innumeraveis molestias que ef-
feclam aos orgaos da respirarlo
DESAPPARECRM
mediante a accSo da balsmica e irresisli-
vel
ANACAHUITE
ARMAZEM
RIJA DA CAREIA DO RECIFE tf. 53.
(Logo pastando are* da Geaceieae)
Grande redcelo de preco*, equivalente a dez por cento menos do que outro qualquer
a anunciante.
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o prego da manteiga ingleza a 4,ooors. a libra, bem assim o de outros^
amitos objectos, etc., dando com isto ocasiao a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem Tender pelo prego que eu vendo I! I Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande redcelo de procos, como veris
i pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil nao t
;se sabia de outro prego de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a 1,600 rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccSo a que)
estao obligados, encarando todos os das de seus freguezes reclamac5o de pregos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores 1
al informado deste novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu Gm a onacahw'ta mexicana, que da o nome
to somonte obter a concorrencia de seus freguezes. especial este incomparavel remedio, 6 urna ,
arvore, cuja madeira porjnuito tempo se
Para bem e todos. na USado no Tampico para a cura das en-
Senbores e Senhoras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromplidao e entei-! fermidades cima mencionarlas. Foi tara-
ran com que serao tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida raa daio a proteccao e preferencia na compra Dera. ensaiada e approvada pela academia
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir poderlo mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco pratices, pois medica de Berlm.
serao tilo bem servidos como seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao, aim de que nao vo em outra parte; po toral de Kemp um aampe deti-
s ctoso inteiramente livre de opio, acido by-
Antonio de Lisboa em latas com 6 libra 'drocianico e outros ingredientes uoci\os.
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes* a' venda as drogueras de Caors Bar-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas bosa, Bravo A C. e todos os estabeitcimeii-
PEITORAL de KEMP,
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 800 rs. a libra, em barril se
- faz abalimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a 5oo rs.
1 Cha hysson de superior qualidade a 2,600 rs.
a libra.
, dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
1 dem preto homeopathico por ser de superior
' qualidade a 2,ooo rs. a libra,
dem bysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o 1,600, 1,800 e 2,000 rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
i
Superiores chapeos o chapellinas de palla de Italia enfeitads para solfeara.
Ditos do feltreenfettados para enflora.
Ditos t palha -nfeitados para menino.
Granee sortimeuto de e*feites modernos de retroz, de troco, de cabello e do foro,
para senhora. ,_
Na loja as eolnmnas da roa do Crespo n. 13, da Antonio Correia do Vasconce-
los A C. ,,.. .
Pfi--ii i/yirg-ii &?> t\ s?u JXSLfx^JttP^J&p&a,jBQ\
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,000
rs. a arroba,
dem dalndia muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a i4o rs. a libra, e 4,3oo
rs.'a arroba,
ao que se vende em outra parte por 2,4oo Massa de tomate em latas ds i e 2 libras a
e 2,6oo rs. 600 rs. e de barril muito superior a 5oo
Linguigas, cbourigas e paios em latas de 8 rs. a libra,
libras, emticamente lacradas a 5,5oe rs. Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
garante-se serem superiores aos que vem bra, e 9,ooo rs. a caixa.
em barris. dem e lalherim branco a 32o rs. a libra,
Chourigas e paios em barris de meia e urna | estas massas tornam-se recomendaveis as
. arroba a 8,000 rs. e l,5oo e 600 rs. a libra. 1 pessoas dentes por serem propriamente
Queijos flamengos muito frescos chegados feitas para esse lim.
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
porl,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, i,5oo, e l,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
tos nharmaceuticos do imperio.
mfio>m i
9- Roa Vndese fejao mnlatinho novo, snrecs de il
cuias, o mais novo que se pode desojar, e ir,*!;;
barato do que em outra qualquer parle.
Vende se caixoes vazios proprins
para baholeiros e fonileirns a I$760
cada inr; mto typographia.
Vene-se
25 libras a 52o rs.
Vihho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 48,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e5oo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,000 e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vera ao mercado como sejam Lagrimas do
Donro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,000 a
10,000 rs. ea 9oo e 1,000a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna,
rente e de superior qualidade, tambem tem I Sardinhas portuguezas em latas grandes
de 12 por libra propria para carro. | preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-1 boa a 64o rs.
da, salmao, ostras e chernee, vezugo em | Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 800 e 1,000 rs. cada urna, i cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-' libra,
das que tem vindo ao nosso mercado a Bolachinha de soda em latas com diversas
6,000, 7,ooo e 8,oeo rs. a caixa, garante-1 qualidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro, Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este prego. para mimo a 64o rs.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5,7oo rs. a frasqueira. libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
IdemTde laranja verdadeira de A'tona em Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grandes al.ooors. o Irasco, e l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
1 i ,00o rs. a duia. Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
dem de Hollanda em botijas grandes 4oo Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
passado a l,6oo e l,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas portuguezas em latas j pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l,ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
Balatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,eo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o Nk o frasee ej vende.se tana na toe de eaj-aeceo,
8, J00 a duzia. ; muito bem enfeiladas e da melhor qualidade : na
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o oodade defrome opaiario do bispo.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legurae para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e U,ooo a duzia-
Palitos para denles a l4oe 16o rs. o mago.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Ventfem-se 200 varas de rorrentes de lageS
de Lisboa, ptimas para construir passeios : a tra-
uma ruado Queimado n. 18, loja de Manoel Ki-
beiro de Carvalho.
Vende-se nma armacao propria ['ara qu^i-
, qner negocio : na ra Direila dos Afcgados : a
preparada ; trtame mesmo logar com Maximiano das Cha-
gas e Silva, ou na ra da Imperan iz n. 74.
ESCRITOS FGIDOS.
Attencao.
Desappareceu ne dia 7 de dezembro proximu
passado do sitio do abaixo assignado a sua OMr-
va Lourenc, idade 40 annos peuco mais ou me-
Cerveja branca e preta das marcas maiS a-, nos, alta, eheia do rorpo, falta de deotes na fren-
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franga muito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Baha e das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l.oso rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixoes a 6oo rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,eoo. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento; ditas em
molhos com cento etantas por l,2oo rs.
Matte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
O
wno->.nacd,>iH2
a>-3-B>a3BC)QT *- su O O te 5
S-SSig-B'S.is'S-gSSB
ja -i
5
co
O. v.
Armftiem de motilado
81-RUA DO IMPERADOR-SI
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Collegio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfacSo de avisar aos seus freguezes e ao respeitavel
publico que, estando restabelecido de seus incommodos de saude,' acha-se novamente
com um bello e bem sortido armazem de seceos e molhados primorosamente escoltados;
como sempre caprichou ter das melhores qualidades, e francamente afliangas pessoas que
se dignarem comprar era seu estabelecimento,que alli de preferencia outra qualquer par-
te serao mais bem servidos, em qualidade e pregos, como em pesos e medidas, ne que
sempreo annunciante foi escropuloso, em summa, nao illude a pessoa alguma.
Aos Srs. de engenho e lavradores que o queiram honrar como seu comitente Ihes
assegura que o producto- deseo laborioso trabalho ser o mais bem reputado no merca-
do desta praca, para oquesejolga convenientemente habilitado pela longa praticacom-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteza, depois de se-
rem fielmente eumprido as suas ordens.
Fornecer gneros aos Srs. agricultores e negociantes que lhe merecam confianza, fa-
zendo um abate vantajoso aoa que pagarem a tista suas mercadorias, e encarrega-se da
venda de qualquer genero do paiz, mediante una mdica commissao, entregando de
promplo seu producto, e sendo este applicado compra de gneros em seu armazem,
prescindir da commissao.
Dos seus antigos e benignos freguezes espera o annunciante sua valiosa protecgSo, fre-
quentando como, outr'ora sua casa, e pelo reconhecimento que lhes tributa offerece erxpon-
taneamenie seus serviros.
Julgadesne'.esario publicar a tabella dos pregos de seus gneros: sao seus recursos
garanta sufficiente de poder accempanhar os menores pregos de idnticos e mesmo de
mais apparatosos estabelecimenlos, lendo somente em vista o augmento de suas vendas
diarias.
Preven?o ncressarla.
Tendo sido o proprietario estabelecido muitos annos com "o mesmo ramo de nego-
cio tu mesmarua, jolga prudente advertir" que saffirna e se responsabilisa peio que
tp.m dfirlararlo no nn ris;ftr rpnpitn m arm7prri
tem declarado no que disser respeito ao armazem.
en
5. o 'i'ai
m k, w o 5
5. a> =i a 3
USO
ro
s ,
a> CJ
81-RUA DO IiPERADOR-Sf
Segunda casa do lado direito indo do pateo do QoUegxo,
jr cota M
o q, as e, 3
a a a2,w o 3
2*3 <*
B a, s-
o o, a,

w ri E-a
s
e
e
fTt >i J w -^ > w
cB .-rj sg
"" 5.
O. as'
B>
< s* > S
co a
fl| i
^ tw ai
BO ~

<
o S
-a S
a 5
18"
8.f
sr '
o.
o
I
a.
3
|
5
9
s
e
Aglaa Florida.
Para restabelecer e conservar a r natural
des cabello.
A agua torldaii nao nma tintara, fct esien-
cial a contestar, a jnesma agua dand a nr primi-
tiva ao cabelle, (emposta de planas exticas t
de snbstaacias inofensivas, ella tea a prepriedade
dTestituIr aos cab(9llfls o principie tetaste qne l-
tal tem perlde. D^mu salubriiade ineeatnM-
el, a- Agoa Florida, ntrete a limpeza da cabete
deitroe as casitas inpede es cakeilts de caMr
Ol o 4e Florida,
Cotnposto de strlstattctas vegwae ei#ti*s, elle
eoMtite poderoBamfr*", eer a Afv* Flerida, a
tare*, a bollera e a neaMrvac* t cabis.
Em Paria, casa de Qaislanr a. t, roa de Mtbe-
liea, e 21, bonlevar Honlmar'rf,
Todos os frase 'tv teode intacto e etire,
timare arWeado da tm, ele i upuailwi falees.
Deposite, raa do Imperador, pharmacia i. 31.
te, costuma a cochiar de um p e muito cunhe-
cida por ter vendido por muito lempo arroz dore
na Soledade e ltimamente vendia verduras t-
fructas pelas ras : pede se as autoridades e cap-
taes de campo a apprehensao da dita prela e le-
va-la ao mesmo sitio travessa de Joao Fernandc?
Vieira n. 6.
_________Guilherme Jcaquim da Siva Braga.
Pugio da casa da ra dos Martyrio? n. i mu
moleque de nome Matheus, de idade de l. annor,
pouco mais ou menes, com os seguintes signaes :
cabPCHgrande, cor fula, pernas apalhetadas, levou
calca e camisa de algodo aznl : quem o pegar le-
ve-o a mesma ca'a, oa ao pateo di Carmo n. 15.
Escravo fgido.
Fuglo hontem quando era levado para a ra.-;
de detengo por urna praca da companhia urbana
o escravo pardo de nome Joao Candido, de dado
22 annos, alto, corpulento, ps e maos grande?,
cabellos carapinhado, ponra barba, quem o pegar
leve-o a ra do Brum sobrado a. 6 ou ra do
Trapiche n. 4, que ser gratificado, e assegura que
o dito escravo acha-se em Olinda.
Anda fgido o escravo Manoel, de idade de 30 a
40 annos, baixo. reforcado, de cor prela, porjn
fulo, e tem 6 dedos em rada mo : quem de||
souber ou der noticia, dlrija-se ao armazem do
Jcaquim Antonio Pinto Serodio, ra do Brum, ou
ra do Trapiche n. 36.
No da 9 de dezembro de 1864 fugio de tasa
de seusenhor o escravo Herculano, pardo Meare,
com 33 anuos, alto, cabellos carapiulies, olaot- e
orelhas pequeas, tem apenas bigode e pera, per-
nas e andar de quebra-mangoe, lendo o 11- etfHer-
do lorto e sabido para fra como pala de ten. e
por isso puxa alguma cousa pela prrna quando
anda, levo vestido caiga branca remendada c ca-
misa branca, levando chapeo de palta, eendesio
igualmente toda roupa que possue, suppie-se nt-
dar aqui mesmo pela cidade: quem e pegar leve-o
a ra Direita n. 54, que ser generosamente re-
compensado.___________________________
Fugio pela manhaa do da 2R do correte o
escravo de nome Paulino, com os signaes segan-
tes : cabra, cara picada de I. exigas, denles Tina-
dos, cabello rarapinho. estatura regular, ebeit de
corpo, muito conhecido por andar vendende a-
zendascom um caixeiroda casa dos Srs. Marceli-
no 4 C. : roga-se a quem o pegar, de o levar a
casados tiesmos na ra do Crespo n. 5, que teri
generosamente recompensado.
Auscntou-se era 29 de dezembro passado do
eugenho Ulinga de cima, te Cabe, a mulatinha
Joona, de 14 annos provaveis, comprada a 26 dia,
no Recife, a Jos Flrmino de Medeiros por procu-
radlo de sna a6 Josepha Mara dos Prazeres, mo-
radores ambos no Brejo da Madre de Dos, tea os
stgnaes seguinles : cor alvacenta, manchas so
rosto, cabello carapinho e rugo, com urna cicatriz
na testa, corpo regular, com todos os denles, sen
peltos, as pernas finas, vestigios antigos de chicle
no orpo, padece de bobas as partes cemitas, a
falla as vezes viciosa : roga-se s autoridades &
sua captara, o a qualquer particular, podeodo ter
remettido para o referido eugenho, ou a Joao Js
de Carvalho Moraes Filtro^ ra do Queimado l. 13,
qne serSe gratificados.
Desappareceu do eBgenho Ptreirinha na tre-
gnezia de Agna-Prela, as escravos abaixo, rom os
signaes sogointes : Pedro, de oacao. mas parecoa-
do crioulo por ter vindo moleque, estatura regu-
lar, secro do corpo, nm pooce fulo da cr, harta
toda branca, cabellos da catara, cachaco e bracos
tambem brancos, testa cantada, ps compridos
seceos, falla fino, principalmente quando rana, e
alguma cousa caneneiro quando anda, i#de_it
annos, pone mais o meaos, so bem que
muito mais velbo, fugio n 1* i jaaeiro de I
Maria, conhecida por Canuta, crloola, I
secca do Corpw, eot fala, rosto descansado, esrtes
limados, ps cortes e ctatos, tafias cm iamterr-
qootao, neja marea sm aa dos bracos j bastea-
te anliga, fugio en 8 de novombro proitmo passa-
do ; o seu senbor protesta sobre s das de serv-
aos de dolo seu* caeravee centra quem e tiver
Montado.
Roga-se a qualquer autoridalo policial oa eaei-
ties de rtnrpo a itpfolhTJsie dee refefIdo* escra-
vos, qne serao eotregnes ne Recife. aos senkeros
Ceeba, ir maos A en acete Mgeata a tan se-
ntior, que ser satisfita qualqner doopeza.
rato aw


.
..


F
HISTORIA DE UM CONSCRIPTO DE 1813.
POR
Erckiaann-ChatriaB.
XIV
(Conchudo.)
Do que se passou at amanliecer nao sei nada ;
a; bagagens, os feridos e os prisioneiros continua-
ran) provavelmente a passar na ponte; masaoaraa-
nhecer acordou-nos um espantoso estampido ; nin-
gueni ticou deitado, porque todos julgavam que era
um ataque, quando dous offlciaes de hussares che-
(iaram, gritando que um carro de plvora acabava
s ir pelos ares casualmente na grande avenida de
ftandstalt, beira da agua. O fumo vermclho escu-
curo anda redetuoinuava no ar; as casas e a trra
tudo trema.
fiestabeleceuse o socego. Alguns deitaram-se
outra ver para tratarem de dormir mas um pouco;
para o rio pardacento, j se viam as nossas tro-
pas estendendo-se a perder de vista sobre as ciuco
pontea do Elster e Pleisse, que ficam em linha e
uo ferniam. por assim dizer, seoo urna. Essa
comprldas langas corrlam mais do que elles e en-
travam-lhes as costas como flechas. Esses lancei
ros eram polacos, que sao os mais ternvels solda-
dos que lenbo visto, e que, para dizer as cousas s
direitas, sao os nossos amigos e Irmos. Esses nao
nos deram as costas na hora do perigo, mas der-
ramaran) por nos at a ultima gota do seu sangue.
E nos que temos feto em bero do sen desgragade
paiz ?fO coragao estala-me de dor quando pens na
nossa iogratido I
Emfim, dessa vez anda os Polacos nossalvaram;
Vendo-os to ousados e valentes, sahimos das ca-
sas, correndo sobre os Austracos de bayoneta ca-
lada, e obrigamo-los a passar os fwssos. A victoria
foi nossa, mas era tempo de retirar, porque o ini-
migo j enchia Leipzig as portas de Halle e de
Grimma estavam Toreadas e a de Peters-Thor en-
tregue pelos nossos amigos de fiade e de Saxe.
Soldados, estudanles, burguezes, tudo nos fazia fu-
go dasjaoellas.
S tvemos tempo para entrar em forma, e entrar
no camloho que se estende pela marguem do Ple-
isse.
Os lancelrosesperavam-nosah. Desfilamos atraz
delles, e como os Austracos nos apertavam de per-
to, anda lhes deram urna carga para nos repellir.
ontomno, mas passamos sem que ninguem se affo-
gasse. Quando chegamos ao ontro lado quasi jo-
dos tinbamos as nossas armas, e mettemos-nos
atravz dos campos. Mais adianto encontramos a
pequea ponte de madeira que vae dar a Schlessig,
e d'abi demos volta para Lindenau.
- Eu va outros que ficavam pelas estradas com sa pela imaginagao... -'-verdaio, nos vimos es-
padeclmentos eguaes aos meus, mas estava longe sas coasas, nos que estamos velhos, e bom que
de pensar que estivesse te doeate como elles. j os novos o saibam ; vimos o Allemo, o Rosso, o
Anda tinha esperangas quando, a tres leguas de Sueco, o Hespanhol, o Inglez, senoores da Fran-
Palde, na estrada de Salmlnster, durante um alto' ca, cora guarnigoes Das notsas cidades, tirando das
que flzemos, soubemos que cincoenla mil bavaros' nossas fortaleza} o qne lhes convinha, insultando
Iamos todos silenciosos. De tempos a lempos viohara cortar a nossa retirada e que estavam pos- os nossos soldadcj, transfigurando a nossa bandei-
trario ao gesto, e to inimigo da belleza dos se
p*.
Pallo assim, fluminenses, porque sei que os vos-
sos ps sao altamente bonitos, lio bonitos como os
mais celebrados do universo.
Nao levo nisto nenhum pensamenio hostil.
So nao tomardes este conselbo, podis renun-
ciar a direecSo do pronto Jes boa sociedade.
alongavaraos os olhos para longe, para o outro ladof lados em grandes florestas, onde haviamos de pas-ra,e reparlindo entre si nao s o que tinhamos adeus homens, ad''us tudo*! 9' P OS APPLAUSOS PARLAMENTARES.
O moleque vae fazor orna pergunta aos senhofes
tacnifraphos:
ouvidos ; s pelas duas horas, quando descobjimOjL, nem para defender-me bayoneta, e estavam per- Mas n5o fa||emos dMSM coasas 0 futuro as ^a^SSn\ribamS^^^K^.
a mmensa linha de tropas, de pegas e de bagagefls didos todos os meus esforgos para vir de tao longe aua jomemos ao aoe me diz resneito. vinrml, um narenihesis feenandfca palavra -ap-
pkinsb.ipiri Indicar o effeito aroanzidona assem-
do Elster, para ver a balalha que continnava as
sar.
conquistado desde 1804, mas ate as conquistas da
I ras de Leipzig. Muitq lempo os clamores funo$os' Esla noticia deu;me o ultimo golpe, porque j nao repblica. Era pagar bem caro dez annos de fio
e o reboar surdo da artilharia chegou aos dossos senta torgas para avanzar, nem para fazer ponlaria ra 1
que se estenda a perder de vista na estrada de
Erfurl, que esse rumor se confund u para nos
com o do rodar dos carros.
ponte, em que deviam passar tantos milhares de I .j*aae* vi fiados mais vaientes nem mais mag-
..oraens, fazia lavrar fonda melancola na alma. A mR^alleiros ?o que os polacos,
rassagemdevia levar mu.to lempo, e todos eram' J^'ZVT d 0I* mil horafs a m
de opi.1.0 que mais valera ter laucado multas pon- ^^T nT ma'S *
tes sobre os dous ros, porque de um momento pa- "'"f* mas "^J0- n ,r" de tem"
ra outro podia a.acar-nos o inimigo, e ento sera JfJ temp0S "ara resPonder ao dos Kals^
fcem difJflcl a retirada. Mas o imperador nao se ti j
nha lembrado detlar ordens, e nala se razia sem" j Caminhavamos para a ponte com urna alegra
ordem delle; aern um marechal se atrevera a di- j 1ne nem e" sei descrever. Mas nao era fcil l
coi por sua conta e risco que duas pontes valiam fisgar, porque em toda a largura da avenida tanta
mas do que urna. Ahi est ao que linha reuzdo enle a p e a cavallo precipitava-se para passar,
iodos esses velhos capitaes a terrivel disciplina de j correndo de todasjas ras e caminhos, de maneira
Napoleo; obedeciam como machinas, e para nao QQe essa multidao ormava, por assim dizer, urna
calaren) no desagrado do soberano, nao mostravam so raassa, tocande-se. todas as cabegas e avaugando
uquietagao com cousa nenhuma. i lentamente, com suspiros e gritos surdos que se
Eu, quando v, aquella ponte que nao linha fim, T'" T* "^ aPezar,do Ai dos
a L...L. m nna ,iam I* es,avam na beira da ponte I cahiara e nin-
guem os via cahir !
disse comgo :O ponto e>t em que nos deixem
passar agora, porque de malanga e batalhas j nos
estamos farlos. Depois de chegarmos ao outro lado
estamos na boa estrada de Prauga, e tal voz anda
- possa tornar a ver Catharina, a tia Gredel o o Sr-
Goulden.
Pensando nestas cousas, enternecame, e olha-
va com inveja para os milhares de arlilheiros a
cavallo c soldados do trem, que iam j to longe
que me pareciam formigas, e para os grandes bar-
No meio da ponte, Unto os homens como os ca-
vallos cao se moviam; erara movidos ; nao preci-
sa vam de fazer esforgo para ivangar. Mas como
se havia de chegar l ? O inimigo estava cada
vez mais perto.
Tinham-se assentado algumas pegas de ambos
os lados, para varajar os caminhos e a ra princi-
pal -, havia anda tropas em linha para repellir os
retes de pello da velha guarda, immovel do outro prlmeiros ataques ; mas os Prussianos, Austracos
lado do rio, na collina de Lindenau, de arma no! e Russos tambem tinham pegas para varejarcm a
brago. Zebedeu, que pensava na mesial cousa, dis- ponie.e os que ficassem atraz, depoisde terem pro-
tegido a retirada dos outros, haviam de atorar to-
das as balas e toda a metralha. Nao era preciso
ser muito esperto para entender essas cousas, por-
to-
se-me:
Ai, Jos, se estivessemos no lugar delles!
Pelas sete horas, quando vimos chegarem tres que eram claras7omo ag"ua""' "po u
carros para nos serem d.slr.buidos carluios e pao, dos qaerjam passar aQ mesmo
.pareceu-me isso bem duro. Era claro que iramos
oa retaguarda, e apezar da fome que tinha, estive A duzentos ou irezentos passos da ponte, lem-
lenlade a dar com o pao em urna parede. Alguns rou-rae correr multidao, e deixar-me empurrar
.usuntes depuis, passaram dous esquadros de lan. Dara oulro lado mas o capito Vidal e o lenen-
coiros polacos que vnham pela margem do rio ; ,e Bre'nvlle e outros diziam :
atraz dos lancoiros vinhim cinco ou seis generaes ~ Se algum sahir das filoiras, fogo sobre elle l
e um delles era Poniatowski. Era homcm de cin.! Qe_ terrivel maldigao a de estar tao porto e ver
cwata annos, muito alto, delgado e de aspecto tris- 1"e nao possifel fugir !
le. Passoo sera olhar para nos. O general Four- Isto passava-se das onze horas para o meio da.
uer separou-se do seu estado maior e grlou-nos : Ainda que viva cem annos, nlo poderei esquecer
,, nada do que eatao aconteceu. As descargas de fu-
- Hombros esquerdos frente I ; ,i|eria aproximavaiD.se pe)a dre(ja esquerda> fl
Nunca sent urna afllicgao como ento; nao ha- algumas balas comegavam a assobiarno ar, e do
via remelio; voltamos as costas ponte. lado do arrebalde de Halle vamos os Prussianos a
Ao cabo dos passeos, chegamos a nm luganflra- bras com os nossos soldados-
niado Ilinterthor; urna antiga porta na estrada Na proximidade da poute ouviam-se gritos terri-
de Caunewitz; direita e esquerda estendem-se veis ; os soldados de cavallaria, para abrirem c-
dmicas trncheiras, e por detraz apparecem casas. n*-inho, acutilavam a infantaria que Ibe responda
Pomos postados nos caminhos cobertos, ao p da- bayonetadas. Todos queriam fugir custasse o que
quella porta que tinha sido slidamente entrinche- custasse I
rala por sapadores. O capitao Vidal commandava A cada passo que dava a multidao, cahiaalguem
ento o bafcilhao reduzido a trezent9s c vmte e cin-
co homens. Algumas estacadas velhas e podres
serviam-DOS de entrincheiramento, e o inimigo es-
tendia-se por todas as estradas que ficavam em
frente.
Cessa vez eram fardas brancas e barretinas bai-
xas. cora urna especie de placa alta adiante, em I
da ponte, e tentando segurar-se, levava com sigo
mais cinco ou seis.
quando a confuso, os gritos, os tiros e r cla-
mores dos que cahiam aogmenlavam de gundo
para segundo ; quando esse espectculo se loma-
va to abomlnavel que ningnem pensava que po-
WJ desselmer cousa peior... Ouve se urna especie
Pinto, que os reconheceu, disse-nos: ide lrovao Pr,rae,r arco da Ponle cahe '"> o-
i da a geme que estava em cima ; centenares de in-
Sao Kaiserlicks I Temo-Ios derrotado mais de felizes desapparecem ; grande numero de outros
c incenla yezes desde 1793; mas apezar disso, se ficam eStropiados, esmagados, despedagados pelas
o pac de Mara Luiza livesse ura bocado de cora- pedras que se aluera I
gen:, poderiam dar-nos agora o que fazer.
Havia j alguns minutos que se ouvia a artilha-
ria ; do outro lado da cidade, Blucher atacava o
arrabalde de Halle. Logo d.-pois ouvu-se o fogo
direita; ernadotle alacava o arrabalde de Kohl-
gartenthor, e quas ao mesmo tempo os prmeiros
obuzes dos Austracos atiraram para os nossos ca-,
minhos cobertos; nao tinham interrupgocs, e mui-1
tas balas passando por cima de Ilinterthor, rebeu-1
tavam as casas e as ras.
Um oflicial de engenheiros tinha feito voar a
ponle pelos ares !
A' vista disto ergueu-se em toda a parte o grito
de traigao :Estamos perdidos.....fomos llah-
dos I... Nao S8 ouva outra cousa ; era um cla-
mor immenso e terrivel. Uns, tomados da raiva
da desesperagao, voltaram-se para o inigaigo como
f.-ras encurraladas que nao vem mais nada e que
nao querem senao a vinganga : outros quebraran)
l as suas armas aecusando o cu e a Ierra da sua
A's nove horas, os Austracos formaram-se em desgraga.
columnas de ataque na estrada de Caunewitz 0s offlciaes a cavallo e os generaes saltarara
Hanqueavara-nos por lodos os lados, mas o ba a- nado
ihao resistiu ate as dez horas. Entao foi preciso re-1 '
.... __. .. ram o mesmo, sem ao menos perderem tempo a
colher para os en nnchelramentos, onde os Kair- .. j u
... i u-L... *,;_ n -rar as mochilas. A Idea de que odos tinham po-
selieks nos perseeuiram pe as brechas, debaixo do ... ,. ^ K.
. Y' cZZ A tl a i im id,d0 P^sar, e agora, no ultimo momento, s havia
fogo cruzado do 29" e do ii de linha. Aquellds po-
bres diabos nao tinham o furor dos Prussianos;
comtudo mostraram verdadeira coragem, porque
as dez horas e meio roroavam as trncheiras, e nos
de todas as janellas faziamos fogo sobre elles sem '
pdennos obrga-los a descer. Seis mezes antes,:
ter-me-hiam feito horror aquellas cousas ; mas j
tinha visto tanto que tinha cobrado a nsensibilida-
de de soldado velho, o tanto valia para mira a mor-
te de um hornera como a de cem.
Al ah ludo linha ido bem ; mas como havia-
mos de sahir das casas ? O Inimigo cubra todas
as passagens, e nao havia retirada possivel, salvo
a esperar a morte, fazianos endoudecer. Eu tinha
visto muitos cadveres na vespera, lev* dos pelo
Partha, mas nessa occasio que foi I... E ao
menos se todos esses infelizes eslivessem mortos I...
mas lutavam cem gritos que partan) o coragao e
agarravamse uns aos ontros; o rio iacbeiode
corpos : nao se via seno .cabegas e bragos a for-
migar superficie da agua.
Nesse momento o capitao Vidal, homem de gran-
de traaquilldade de animo, e que pelo sen aspecto
e olhar nao nos tinha deixado faltar ao dever, pa-
recen ter desanimado. Metteu a espada na bainha
, y.*,.., ; "-- ---- rindo de um modo estranbo, e disse : Vll...
se subissemos para os telhados. E urna das horas acalwu.se d
ms que nunca me e-queceram. De repente lem-
brou-me fue seramos ali agarrados como rapozas
afumadas na toca ; cheguei a urna janella das tra-
zeiras, e vi que dava para um pteo e que esse pa-
teo nao tinha porta seno para a frente. Imagine
ijujos Austracos, depois de tanto mal que lhes ti-
nhamos feito, nos passanam ponta de bayoneta.
Era urna cousa muito natural.
Pensando nisso, voltel sala onde eramos uns
dez, e vi o sargento Pinto muito paludo encostado
a parede, com os bragos descahidos. Tinha urna
bala na bala na barriga, e grilava no meio do es-
tampido do fogo :
Defendei-vos, rapazes, defendei-vos I... Ms-
rae a esses Kaiserlicks que ainda valemos mais
do que elles I... Ladros I...
Em baixo, contra a porta, hajia ura estroado
como da artilharia. Nos atiravamos sempre, mas
sem esperanca, qoano de repente cutimos fra
nm grande trepido de cavallos.
O fogo cessoo, e vimos atravez do fumo quatro
esquadrSes de lanceiros que passavara como ur
bando da leoes pelo meio dos Austracos. Tu:
ceda.
Os Kaiserlicks fugiam quando podlam ; mas as
Puz-lhe urna mo em um brago e elle olhou para
mira com meiguice, e perguntou :
Que queres, meu rapaz ?
Capito, respondi en, j passei quatro mezes
no hospital de Leipzig, tomei banhos no Elster, e
sei de um sitio onde se passa a vu.
Onde ?
A dez mnalos cima da ponle- _
Desembainhoo logo a espada, gritando em voz
de trovo :
Rapazes, sigam-me I e la vae adame.
Todo o batalho que j nao linha mais de dnzen-
tos homens, poz-se em mareba; mais uns cem que
nos riram partir com passo firm' foram atraz da
nos sem saberem para onde iamos.
Os Austracos j estavam no terrapleno da ave-
nida ; mai abaixo estendiam-se jardins separados
por sebes al ao Elster. Reconheci esse caminho
qae multas vezes tinha percorrido com Zimroer em
julho, quando todo ainda eram rosas. Muitas ba-
I de espingarda assobiavam sobre nos mas nao
amos caso deltas. Eu fui o primeiro que entrei
ro, depois o capillo Vfdal, e depois os ontros,
dous, a dous. A. agua diva-nos pelos hombros,
porqoe a rio linha enfrasiado com as ehnvas de' sarempe.
a K :
Contei at agora as grandes cousas da guerra :
batalhas gloriosas para a Pranga, apezar dos nossos
erros e das nossas desgranas. Quando um povo
tem combatido s contra todos os povos da Europa,
sempre um contra dous e algumas vezes contra
tres, e acaba por suecumbir nao pelo esforgo dos
outros nem pelo seu engenho, mas pela traigao e
pela dfferenga de numero, seria desacert ter ver-
gonha da derrota, mas maior desacert seria nos
vencedores o ensoberbecerse cora a victoria. Nao
o numero que constitu: a grandeza de um povo
nem de Om exercito, a virtnde. Pens assim em
toda a sinceridade da minha alma, e creio que os
homens de alma bem formada, os homens sensatos
de todas as nages pensaro como eu.
Mas agora preciso que eu cont as miserias da
retirada, e isso o qae me parece mais aflictivo-
Diz-se que a confianga d a forga, e especialmen-
te para os Fr*ncezes isso verdade. Era quanto
marchan) ordenadamente, em quanto esperara a
victoria, sao unidos como os dedos das mos, e a
vontade dos superiores a lei de todos. Conhe-
cem que nadase pode fazer sem a disciplina. Mas
logo que sao obrigados a recnar, j cada um nao
tm confianga seno era si, e ninguem ouve a voz
de commando. Ento esses homens to altivos,
esses homens qae avangavam alegremente para a
inimigo com a mira nos combates, fogera uns para
a direita, outros para a esquerda, ou sos ou em
ranchos. E os que tremiam sua vista cobrara
ousadias; chegam-se primeiro com timidez ; de-
pois, vendo que nao ha perigo a recear, fazem-se
iosolontes, cabem sobre os infelizes estropiados aos
tres e aos quatro para rouba-los, como os corvos
no invern, se arremessam sobre um pobre cavallo
cabido de cansago, qae nao leara ousado encarar
a meia legua de distancia quando elle galopava
desembarazado.
Vi d'ssso. Vi raiseraveis cossacosverdadeiros
mandigos, como farrapos alados nos rins, com um
velho barrete de pelle rapada puiado para as ore-
Ihas, mal-trapilhos que nanea tinham feito a bar-
ba e andavam cobertos de vermes, assentados em
cabras velhas e magras, sem sella, com o p era
urna cerda laia de estribo, urna pistola veiha e
enferrujada servmdo de arma de fogo, e ura pre-
go na ponta de urna vara a servir de langa vi
desses misera vete, que pareciam judeus veHios,
amarellos e decrpitos, azerem parar dez, qurnze
e mais soldados, e revarem-nos adiante de si como
corderos !
E os compontes, esses esgrouviados que tre-
miam alguns mezes antes como varas verdes,
quando olhavamos para elles de esguelha, vi-os
tratar cora arrogancia soldados velhos, couracetros,
arlilheiros, dragoes de Hespaoha, homens que
com urna punhada os estenderiam por trra ; ou-
v-ihes affirmar que nao tinham pao para vender
quando nos sentamos o cheiro de pao cosido de
fresco, e que nao tinham vinho, nem cerveja nem
nada, quando ouviamos as biIbas e os copos tmi-
rera por toda a parte como os sinos das suas aJ-
deias. E ninguem se atreva dar-lhes urna ligao
a esses raarolas que riara vendo-nos fugir, nin
guem se atreva porque eramos pouco-,, porque
cada ura tratava s de si, porque ninguem conhe-
cia superiores e porque j nao havia disciplina.
E depois a fome, a miseria, as fadigas, as doen-
gas, tudo atorraentava ao mesmo tempo ; o cu es-
va toldado, a chuva nio cessava, e o vento do ou-
tomuo era de gelo. Como que pobres conscrip-
tos ainda sem bigodes, e tao descarnados que se
nos poleria ver a luz atravez das costas, poderiam
resistir a tantas miserias ? Morriam aos milha-
res ; apparccam mortos por todos os caminhos.
A terrivel doenga que se chama o typho nao aos
desamparava; uns dizem que e" urna especie de
peste causada pelos mortos mal enterrados ; on-
tros que procede dos soffrimentos que estao muito
fra das forcas humanas ; eu nao sei o que mas
as aldeias da Alsacia e da Lorena, onde nos acom-
raetteu o typho, hio de sorapre lemhrar-se de qae
de cera di entes escapavam, quando muito, dez ou
doze.
Emfim, visto que preciso por termo a esta
triste historia, na aoute de 19 fomos acampar era
Lutzen.onde os regimentos se tornaran) a formar
oomo foi possivel. No da seguintede madrugada
marchando para Weissenfels, foi preciso susten-
tar um tiroleio com os da Westphaha que nos se-
guiram ataldeia de Eglaysladt. A ii passa-
mos a nonio as explanadas de Erfurl onde nos
foram dados sapalos e roupa. Cinco ou seis com-
panhias desordenadas reuniramse ao nosso bata-
lho ; eram quasi tudo conscriptos que mal tinham
forcas para respiraron. O fardamento novo e os
sapatos de cada ura da vara para dous, mas o case
que sentamos a boa queotura d'aquelle facto, e
pareca qae tinbamos vida nova.
Foi preciso partir nesse mesmo da, e nos das
seguinles passamos ao p de Golha, Teitlebe, Ei-
senach, e Salmlnster. Os cossacos observavam-
nos de cima das suas magras cavalgadaras; al-
jriras hussares fziam-Ihes fogo e elles fugiam,
mas voltavara logo. Muitos dos nossos camaradas
tinham o mau costume de ir noute pilhagera
ero quanto estavamos em acampamento, e colhiam
alguma cousa ; mas mnitas vezes nao voltavam e
por isso as sentinellas receberam ordem para ati-
rarem sobre os que sahlssem.
Eu estava com febres desde a nossa partida de
Leipzig ; m sempre em augmento e trema de
dia e de noute. Enfraquecera tanto que mal po-
dia erguer-rae pela manha para por-me a cami-
nho. Zebedea oihava para mim com tristeza e
dlzia-me ;
at ali.
Todava, ainda quz levantar-me quando nos man-
daran marchar.
Vamos, Jos, dizia-meZebedeu; vamos....
coragem I
Mas eu nao podia, e puz-me a solugar e a gri-
tar :
argumento, neste ou
Nao posso, nao posso I
Levanta-te, torna elle.
Nao possivel.....oh, meu Deus, nao nhum. Milhares de paes e de mes, daquellas vin-
Posso I te leguas em roda, tambem esperavam em todos
E agarrava-me ao sea brago; as minhas lagrP | os pontos da estrada. Quantos vollaram para casa
mas corriara-lhe pelas faces. Elle quiz levantar-me'
mas tambem eslava muito fraco. Eatao agarrei-me
a elle, gritando-lhe :
O capito Vidal aproxiraou-se, e olhando para
mim com tristeza, disse :
Socega, rapaz; os carros da ambulancia nao
lardar que. passm, e ento irs nelles.
j Mas eu bem sabia que queria dizer aquillo, e
puchei Zebedeu para mim para o apertar nos bra-
gos, e disse-ihe ao ouvido
Qunze dias depois da batalha de Hanau, milha- bla por este ou aqueite
res de carros cheiosde feridos e de doe'ntes tinham naquelle ponto,
corrido a estrada de Strasburgo a Nancy. Era NoA discurso da questo Kelly (na assembla
umas flleira desde o fuudo da Alsacia Lo- ro^lisNlC,heroy, Bl1 lnnov*v*o generalisoa-se
rena- I Um sobretodo, pronunciado por nm dos mem-
A tia Gredel e Catharina, sua porta, viam pas- brS Que se oppunham s medidas tomadas pelo
sar aquello comblo fnebre. Nao preciso dizer chr/e de Pica' acl,a:se cbfic! de W>'w-
* l.nm n MAlumiti m,i aUtin n aeea Al.,.*
Come o Moleque nao asslstio a "esse discurso, e
quaes erara os seus pegamentos. Tinham passado apenas 0 ,a BJorml do Commercio, nao sabe
mais de mil e duzentos carros e eu alo la em ne- o que sao taes applansos.
Al aqu tinbamos no parlamento s segaintes
i Olha, abraga Catharina por mim... promet-
t-me isso... Diz-lhe que morri abragando-a, e
que Iho levas da minha parle este abrago de despe-
dida I
| Sim, sira I... respoBdeu elle soJugando...
e Ih'o direi... Ai, pobre Jos I
sem terem achado seus filhos 1
No lerceirodia. Catharina reconheceu-me em
um daquelles carros em forma de cesto que se em-
pregam para as partes de Moguncia, no meio de
muitos outros infelizes como eu, comas faces ca-
vadas, a pelle pegada aos ossos e quasi morto de
fome.
Elle ali vae .'... Jos 1 grita va alia de
longe.
Mas ninguem a acredilava. Foi preciso qne a
tia Gredel me examinas muito pan. dizer por
fim : j
E' verdade, elle I... Tirera n'o d'ahi I E'
o nosso Jos I
Mandou-me levar para saa casa e tratou-me des-
veladaraente. Eu nao queria seno agua fria, e
gritava sempre :Agua agua 1 Foi ella qne
depois me conlou isso.
Ninguem pensava na aldea que en voltasse para
casa : cumtudo, depois de untos annos, logro boa
sade, e at e-tou muito fresco pira a edade que
tenho.
Casei com Catharina no fim de abril de 1814.
Animo, Jos, animo ao menos tornaremos
a ver a nossa ierra.
-T- E' verdade, tornaremos nossa ierra, dizia-
lhe eu ; e preciso que eu la torne.
chorava. Zehedeu levava a minha mochila.
Quando eu estava muito cangado, dizia-me :
Segrate no meu braco. Olha que estamos
cada vez mais perto. Mais qunze das nao nada.
Istoauimava-me um pouco ; mas ou,j nao ti-
nha forgas para levar a arma, que me pareca pe
cu nao poda separar-me aelle, mas elle deitoa-
me e fugiu sera olhar para traz. A columna affas-
tava-se; olhei mato lempo para ella como para a
derradeira esperanga de vida que se esvae. O ba-
talho escondeu-se em umaondulagodo terreno...-
Eatao fechei os olhos, e s urna hora depois, oa
talvez mais tempo, despertei ao iroar do canho, e
vi urna divlso da guarda a passo accelerado, com \ Hoe Ja temos 0I,M* e netos- A "* Gredel e Sr-
carros e artilharia. Nos carros vi alguns doentes e ou'dcn J 'epousam no cemiierio, mas Zebedeu
ainda vivo ; vae envelhecendo a olhos vistos, e
cada vez est mais corcovado. Algumas vezes,
Levem-me d'aqui f... venharn tirar-me d'a- quando estamos assentados debaixo das arvoresda
qu t | praca, a aquecermos-nos ao sol, falla-me das nos-
Mas ninguem dava allengo aos meus gritos e to. j sas antigs eampanhas, e o seu aspecto reanima-
dos iam passando, e o troar da artilharia augmen- ^ Apezar de j aoter nem um dente, e de nao
tava. Assim passaram mars dez de mil homens, ca- ^^ ^^f seaio ^ de mio||0 q> pt ainda
vallara e infantaria. J to tinha torga para cha- j ^ amor guerra g|onflca as noMas ?|ctorJaS)
mar- e as de hoje parecera-lhe bem pouco comparadas
Por fim passaram as forgas da retaguarda ; vi as com as nossas.
mochllas e as barretinas desapparecerem na des-
oda, e ia deltar-me para sempre quando ouvi ou-
tra vez grande eslrondo na estrada. Eram cinco
ou seis pegas transportadas a galope, pozadas por
cavados possantes, aconvpaahadas por arlilheiros a
direita e a esquerda, de espada na mo. Atraz vi-
nham os eaixes de munlgSes. Tinha- tanta espe-
ranga nestes como nos ontros: mas lado de urna
das pega* vi um soldado alto, magro-e ruivo; era
ura quarlet-raestre; conneci Ziminer, o meu amigo
camarada de Leipzig. Passava sem rae ver; mas
ento tirttei com (odas as minhas forjas :
Cliristiano I... Christiano 1 -.
E apezar doestrondo das pegas elloparou, olhou
para irat a viu-me ao pede urna ars-cre. Picoupas-
mado.
Chrwtiano, tem compaixo de mim I Aproxi-
raou-se e- erapallideceu.
(l)uo t pois s t los 1 disse elle sallando do
cavallo.
E levantou-rae nos bragos como a urna creanga,
gritando aos homens que cocduziank o ultimo carro-
coberto.
Ajto! parem ahi 1
E diiiou-mo no carro, pondo-mo- a cabera sobro
urna mochila. Vi tambera que- estendia um ca-
pote da cavallaria sobre as minhas pernas, di-
zendoi1
Vamos! marche! aquillo l em baixo vae
azedo !
Eu respondo-lhe que todas essas guerras derem
acabar, que ps Francezes, foglezes, Allenraes e to-
dos os outros povos da EUropa nao formara senao
urna familia, e que em rugar de procurarem occa-
sioes de exterminar-se, fariara muito meibor se li-
eenciassem metade das suas tropas e vivessem co-
iiiO'irmos. Digo-lhe que em outro tempo .os da
Alsacia, da Lorena, da Gascunha e da Bretanha
batalhavam sempre mis contra os outros, e que
apezar disso, pelos progressos do bom senso e da
lberdade, sustentara agora uns aos outros e enri-
quecem-se pelo commercio.
Zebedeu comprende- perfectamente as minhas
razes ; mas nelle pode mais a natureza do que
tudo o mais, e nao se desprende das suas ideas
velhas. Essas graves questoes ajadam-aos a pas-
sar o tempo. A' nonte recolhemos-nos a casa tos-
sindo como pobres velhos que somos. Esperemos
que ludo- isto ha de mudar... e que por fim os po-
vos ho de vir a entender-se.
FIM.
UM POCB DE TUDO.
Na Semana Illttslrada l-se o seguiato :
AS CALCAS
(Conrifar Com licenga, minha leitora ; vamos
caigas.
Em apparencia o assumpto pode parecer frvo-
fallar das
Nada mais me lembra, porque a febre podia mais lo, "a-s de certo nao encentrareis outro tao grave,
do que alminha razao. Parece-me que anda ouvi'. to serio, to momentoso.
depeis um rumor eorao de tro-roes, e gritos e otea. As caigas (fallo das caigas das senhoras) nlo
do eommando, e raesmo quo vi desfilar no eu as' pdem hesitar, nem appellar, nem tergiversar:
eopas de altos pinneros na escundade da noute; | ou hao de mudar de forma, ou ho de desappare-
mas tudo isso para mira nao mais do que um jo beor not lo be shorl, that is thc question.
Eu de mim digo que retiro incontinente a mi.
son lio.
O que certo que nao longe de Salmlnster, nos
bosques de Hanau, se deu nesse da urna gran-
de batalha contra es bavaros que foram derro-
tados.
A' 15 de Janeiro de 181&, dous mezes. e meio de-
pois da batalha de Hanau, acordei era urna boa ca-
ma, em urh quarlo pequenoe muito quente; olhan-
do para as vigas do tocto, e depois para as janellas'
onde a geada se estendia em los blancos, disse co"
migo :
Estamos no invern !
Ao raesmo tempo ouvia ura estrepito como de ti-
ros de pega, e o estalar de fogueira em um lar
Passados alguns instantes, vohando-me de lado, vi
orna rapariga paluda assejrtada ao p do lar, com
as mos cruzadas sobre os Joelbos, e conheci Ca-
tharina. Tambem conheci o quarto onde a pas-
sar to bellas domingos antes de partir para a
guerra. Mais o eslrondo de artilharia que se repe-
ta de minuto a minuto fazia-me recelar que tudo
aquillo fossa um sardio.
E olhei muito tempo para Catharina, que me pa-
reca formosSssima, e dizia comigo :Onde esta-
r a tia Gredel ? Como vim eu ler aqu ? Eu es-
tou casado tom Catharina ou como isto ? Oh,
meu Deus I se isto fosse um sonho !...
Porfim, cobrando animo, chamei baixinho :
Catharina !e ella voltando-se para mim, gri
tou :
- Jos.
tu conheces-me ?
Conbegh, sim, eonhego, dlsse-lhe eu esten-
dendo-lhe a mao.
Ella chegdu-se a mim a tremer, e desalamos am-
bos em solucos,
E como eo. ouvisse sempre o troar da artilharia,
e apertoa-se me a coragao e perguntel :
Que isto que en ougo, Calharioa f >
E' a ar.ilharia de Phalsburgo.
' A artillarla f
Sim, a (cidade est cercada.
Phalsburgo est cercada !... Pois o Inimigo
est em Franga !...
Nao pude dizer mais nada.
De tantos ofTrimentos, tantas lagrimas, dous mi-
j Ihoes de homens sacrificados dos campos de bata-

sada comquihumbo. Nao coma e os joe|hoi ir- Iba, tinha resultado a-jnvaso da nossa patria
miara. Aptsar disso, desesperava e dizia coman- Durante raaij de urna hora, apelar da alegra que
go:-fcto-naonada...Qaando eu vir a torre de senta de ter ao p de mira aiujher a qaem ama-
PhaWiurgo, paasaro as febres. Cathariaa trata- va, esse herrvel pensaraeulo nao me dftixou um
r de mim,, fado ha delrnem,.. a pop Jm. c*. sef nndo, e aida hoje, depois de velho encane-
nha protecgo as caigas e suas donas, so aquellas
nao diminuircm, e estas nao estverem por essa
diminuigao.
As boas definigoes fazem as boas diseossoes.
Comecemos por definir as caigas.
As caicas sito um traje reclamado pela decencia,
mais do que todos os outros.
Portanto, desde que ellas nao alllngirem ao seu
lim, perdem a sua razo de ser, doixara de ser o
que sao, nao sero caigas, sero qualquer outra
cousa.
Ha entre vos todas, minhas leitoras, o uso d as
trazer compridas e rendadas. Prece-vos urna cou-
sa bonita'; pois hem, urna cousa altamente
feia.
Primeramente, tomis o aspecto de pombos cal-
gudos, com um palmo de rendas que vio arras
lando na calgada.
Depois, como nao fcil sustentar as caigas em
certa altura, desde os priraeiros passos eomceam
ellas a cahir sobre o mimoso peito do p, e ah te-
mos a leitora com um p feio, son pretexto de es-
conder a perna bonita.
Tudo isto, sabis vos, horrlvel, intoleravel-
.... feia
A caiga deve acabar na linha, que forma o meio
entre o tornozello e o joelho ; d'ahi para baixo ...
(com perdo de Vossa Excedencia) ridiculo.
Estas reflexoes nao sao laucadas nesse papel a es-
mo, ou por nao ler que fazer. O Dr. Semana nao
homem frivolo ; medita as coasas profundamen-
te, e s depois de amadurecer muito a sua idea,
que se resol ve a escrever.
Ora, eis aqu a sene de reffexes que eu fiz a
proposito das calcas das senhoras.
O bello sexo o symptoraa do gosto. Quando o
bello sexo nao observa rigorosamente o gosto, ha
pena reviver dos tempos. As caigas como ellas sao,
esto em ioleira epposigo s leis do gosto. E' a
cousa nica em que o bello sexo tem-se mostrado
assim, mas nao ser o primeiro symploma ?
No irajar, ha para observar duas condigoes: a
decencia e o gosto. Na reforma que eu aponto
observa-se urna e outra cousa.
expresses que indicam o apoio c o applauso I
Muito^bem I
ApoiaJos.
Muilo apoiados.
Numerosos apoiados.
Repetidos apoiados.
Apoiados ge raes.
Muilo bem e apoiado sao as expressdes asadas
no parlamento para indicar adhesoes.
Apoiados geraes e repelidos, tal a maior ovago
que pode ter um orador.-
Agora, pnrm, apparece urna designagie nova, e
naturalmente para indicar um facto novo, sem
o que nao teria explicago.
Eisaqui a definigoda palavra applauso, conforme
os diccionarios da lingua portugueza :
t Applausoacto de applaudir, deraonstraegao
approbatlva, palmadas,' tivat, louvor, approvago,
jubilo, regosijo clamoroso. >
Como -se v, se supprimissimos as palavras gri-
phadas, todo o mais j vae incluida as designa-
goes usadas at hoje.
Applauso, portanto, indica este acrescimo : pal-
madas e vivas.
Ora, como en davido que na assembla provin-
cial hsuvessem vivas e palmadas, fago esla
singela pergnnta aos senhores laehigraphos. na
esperanga de que elles me daro resposta
cabal.

VERSOS.
Para a moga qae a natura
Na partilha da belleza
Deixen em grande pobreza,
Mas que sendo escaravelho
Quer campar de formosora,
Um espelbo.
Para o depotado novo
Ou de longa experiencia,
Sem que em seas discursos coloa
Urna idea boao povo;
Urna rolha.
Para o escriptor que escreve
Sob as ordens do interesse,
E gnnaldas oferece
A' fronte de quem por dote
Inteligencia nao teve,
Ura ehicote.
Para o mancebo qne vive
Nos bracos do santo ocio.
De azeite para e negocio
Dizendo que nao ego,
Embora de amor se prive,
Um emprego.

EM SESSAO DA CMARA. MlHHlPAL (NAO DA gORTB.)
Vmvereada................. Este projeelo do
mea honrado coUega irrealisavel. Nao passa de
embryo.
> omtro (forfoso.)-Bmbryao I embrvao. ni
senhor vereador! protesto Mira este insoto-l Se-
nhor presidente, veja como tratado um vareador
da cmara T Senhor secretario, tome nota do ter-
mo de protesto-....... Embryio ser ette e toda
a saa geraga
*
O FE 11 ICO.
A sociedade hodierna, aprimorada pela oivihaa-
go, gaoa-se- de ter-se deseaplivado de tedas as
patranhas e earamiuholas das edades pasudas, de
que quer queira, quer nao, o prolongamento,
que ha de esticar-se sabe Deus al onde.
Nao er em sibyas, em fadas, em feticeirae,
em bruchas, em talismn*, em amlenos, em figas,
em signos saimans e panellas de felieo. Gr s-
mente no que v, no qae cheira, no que gusta, no
que ouve e.no que apalpa.
Mysterios !sao farpados restos do- traquete
roto, na grande viagem da arca de No.
Cousas sobrenaturaast sao as florestas em <|ue
o Santo Officip coihia. as madeiras de que fazia
achas para as fogueiras dos autos de is.
Agentes occullos !sao trevas. que anda oosara
toldar a limpidez-do-n do progres.o: sao rstos
de eolEaves na senda da perfedibilidade do gwiero
humano.
Nada! Rebelk>me contra a sociedade eos que
vivo, dando-lh de colovello, e rio-me do sen orgu-
Iho omnisciente.
Tambem crotono que falla aos sentidos amhora
nessaa fallas naja s vezes algn arapetes, filhos
legtimos das illusoes, que vendem galo por lebre
e manteiga por pomada de cheiro, mas ao desres-
perto as crenoas de meas avs que, ac calor das
lareicas em ssias de invern, onviam de seus paes
cornos de ladas bemfasejas, de teiiicairas malignas
e de brnxas endiabradas.
Crelo n feitico, ae synonirao de mandinga
candonga, que sao enxertias africanas, mas no fa-
ngo, que todos os dias pratica raiigres e ft
victimas.
Quera fr capaz qae me conteste.
Venha esse espirito forte, essa paladino do posi-
tivismo negar^ a existencia do feitico em pres*ae*
de bellas de lo a 22 annos, era enjos olhos andarn
pyras de amor, e em cujas faces desabroche as
rosas da pudicicia!
Venha chasquear do teingo. vendo da bocea de
urna feiticeira leitora da Samana lUusIrata des-
ferir-se um sorriso encantador ao apreciar as rana-
dogageus do Molpqae e a nunca interrumpida
gravidade de sen ohonh.
Se fr capaz, contar-lbe-hei a historia de Xeno-
crates na entrevista com Lais, ou dar-lhe-lhei o
Motanha de 113, a Refenlt, o Cruzm do Sui o
celebre brilhaute de Mogy das Croans, encantado
no castello do algum nigromante.
Eston vendo que ninguem ha d lugir nem nu-
trir. Nao na qnem nao lenha mede de vir bnaaar
laa e sahir tosqniado.
Se pelo lado das feiticeiras de albos lnguidos e
trvessos, de faces do carmim e riso fascinador,
prova^e o feltigo de esmagar eoragoes e Igemar
pulsos masculinos, pelo lado das brutas prora-s
o foitigo da repugnancia e do horror.
Quem pode ver urna velha coroe, engelhaa.
de olhos sem luz, de corpo sem alma, de ossos aem
carne, qne nao fique
Defronte de um penedo outro nanedo?
Ninguem, nem o mais piulado. Esse raesmo,
depois de cobrar alent, pedira aero davida
chmello para matar a carocha, a baraia enca-
potada.
Quanto aos amuletos e talismans, Qgas e signos
saimaus, isto agora outro cantar.
Amigamente andavam ao pescogo e em eintelros
de creangas para livrarem de setes depois 4a
morte, dizem os descremes, mas pura preservaren
de quebranto, digo eu, que tenbo f.
Hoje as mogas bonitas tratera tudo isso, as
oceultaraente, e se assim nao fosse, como se iira.
nam de raus olhados e poderiam fazer ligas aoa
ineursos no seu desagrada ?
- Caluda, pois, desrespaiUdorae do feitico, cgos,
tao cgos, como aquellos que nao querom
. ver!
O feltigo coevo da formagSo do monde. Pahri-
Um escriptor francez, rallando das saias e dos cado pela serpete, camarada de Eva, linda crea-
vestidos, diz que as mulheres de p feio que os tQra> desnorteou Ado, obrigando-o a transgrir
_, x. preceitos do Deus. iM.rmn>aii
ravenlarara compndos para esconder nao s os sado pelas Ew ,^,^0^ -
seas ps feios, omo os ps bonitos das outras,.., actuaes, nao dou ama de t pelos Addes, que sob
que as imitaran) logo. influencia de tal ageole sobrenatural, basefearem
Nao se pdoditer o mesmo das I jm t \ *XZ$*?1S$& I Com as bruM.
isso sim.
Eu acho que sim.
Se o caso este, rogo encarecidamente s damas
cido, com grande amargura mjnh*. qUe m pas- aaminensas que se absteulim de um uso tio eot- PERNAMBUCO.TTP.-41E M. t. DEF.It?TLflO
1

'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EA40WJRIN_2QTTM3 INGEST_TIME 2013-08-27T22:23:11Z PACKAGE AA00011611_10567
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES