Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10566


This item is only available as the following downloads:


Full Text
\f

I
AMO XLI. HOMERO 9
Por qoartel pago dentro de 10 dias do 1. mez '...*-:
dem depois dos i.09 i 0 dias do comer o e dentro do qaartel.
Porte ao correio por tres metes .*.........,
-
stooo
68000
QUINTA FEIKA 12 D JANEIRO DE M'
for anno paga dentro doHO lias do \. mez ,,,.,. 9J000
Porte ao correio por am anno.............. 3J000
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaly, o
Sr. A. de Lemos Braga; Gear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Al ves 6.
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO SL.
Alagoas, o Sr. Claudine Falco Dias; Baha, ol
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro Gasparinho. I
PARTIDA DOS E^AFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e eslages da via frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anlio, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, BomCon-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tergas feiras.
Pao d'Alho, Nazareih, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgneiro e Ex.nas quartas feiras.
uco.
Serinhem, RioFormoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas feiras.
Illia de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia.
EPIIEMERIDE8 DO' MEZ DE JANEIRO.
4 Quarto cresc. as 1 h., 22 m. o 52 s. da t.
11 La chela as 8 h. 40 m. elO s. da t.
20 Quarto ming. aos 16 m. e 52 s. da m.
27 La nova as 7 h., 10 m. e 46 s. da m.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commereio: segundas e quintas.
Relagao: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda. quintas s 10 horas.
Juizo do commereio : segundas s 11 horas.
Dito do orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sexlas ao meio
dia.
Segunda vara docivel: quartas e sabbados a 1
hora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
9. Segunda. Ss. Juliao e Baslica sua esposa mm,
10. Terga. S. Nicanor diac; Agathio p.
il. Quarta. S. Hyginop.m.; -.Salvio m.
12. Quinta. S. Satyro ID.; S. Arcadio m.
13. Sexta. Ss. Hermillo e Stracono mm.
14. Sabbado. S. Flix m.; S. Macrna v.
15. Domingo. S. Amaro ab.; S. Habacuc prof.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 4 hora e 30 m. da tarde.
Segunda as 4 horas e 54 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a GraBja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos das 14 dos mezes de janeire, margo, maio.
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Fgueira de
Faria & Filho.
PARTE 0FF1GIAL
Ministerio dos estrangeiros.
Decretan.3,363 de 13 de dezembrode 1861.
Promulga a convenci celebrada em 6 de setembro
de 1863, entre o Brasil e o reino da Italia para
regular a trocada correspondencia ntreos dous
paizes.
Havendo-se concluido e assignado nesta curte,
no ia 6 de setembro de 1863, urna convengio en-
tre o Brasil e a Italia, para o lim de facilitar e re-
gular pula maneira a mais vantajosa a troca da
correspondencia entre os dous paizes ; c tendo si-
do esses actos mutuamente ratificados, e trocadas
as ratificages nesta corte aos 6 do corrente mez :
hei por bem mandar que a dita convenci seja ob-
servada e cumprida inteiramente como nella se
contera.
Joao Pedro Dias Vieira, do meu conselho, sena-
dor do imperio, ministro e secretario de estado dos
negocios estrangeiros, o tenha assim entendido e
faca execntar, expedlndo os despachos necessa-
fios.
Palacio do Rio de Janeiro, aos 13 das de dezem-
bro de 186*, 43 da independencia e do imperio.
Com a rubrica de Sua Magestade o Imperador.
Joo Pedro Dias Vieira.
Nos D. Pedro II, Imperador constitucional o de-
fensor perpetuo do Brasil, etc.Fazemos saber a
todos os que a presente carta de conflrmagio, ap-
provagio e ratifleacao virem, que aos seis dias do
mez de setembro de 1863 roncluio-se e assignou-
se nesta corle do Rio de Janeiro, entre nos e Sua
Magestade o rei da Italia, pelos respectivos pleni-
potenciarios, que se achavam munidos dos compe-
zentes plenos poderes, urna convenci postal do
tecr seguinle :
Convenrao postal entre o Brasil e a Italia.
S. M. o Imperador do Brasil e S. M. o rei da Ita-
lia, animados do desejo de estreitar as relaeoesde
amizado que felizmente unen) os seus respectivos
estados, facilitando e regalando pela maneira a
mais vantajosa a troca da correspondencia entre os
dous paiies, resolveram chegar a este resultado
por meio de urna convengo, e para este lim no-
mearam seus plenipotenciarios, a saber:
S. M. o Imperador do Brasil, S. Exc. o Sr. Pe-
dr de Alcntara Bellegarde, do seu conselho, vea-
dor de S. M. a imperatriz, marecnal de campo do
exercito, commendador da ordem de S. Bento de
Aviz, etc., etc., seu ministro e secretario de estado
dos negocios da agricultura, commereio e obras
publicas.
S: M. o rei da Italia, Exc o Sr. conde Alexan-
dre F d'Ostiani, grande dignitario da imperial or-
dem da Rosa, etc., etc., seu encarregado de nego-
cios.
Os quaes, depois de haverem trocado os respec-
tivos plenos poderes, que foram julgados em boa e
devida forma, convieram nos arligos segrales :
1. Entre as administrares postaes do imperio
do Brasil edo reino da Italia baver troca de car-
tas, amostras, pacotes de mercaderas e impressos
de qualquer especie, a qnal troca se effectuar em
malas lechadas por meio dos paquetes da real
companlua de Southampton, ou qnaesquer oulros
da Inglaterra ou de outra nacao de que ambas ou
qualquer das parles contratantes obtenham seme-
lhante faculaade.
2. Tanto o correio do Brasil como o da Italia
poderao do mesara modo utilisar-se para a trans-!
missao da correspondencia em malas fechadas,!
dos navios do commereio, qner de urna quer de I
utra nagio, que navega/em ntreos respectivos]
portos. Por este meio, porm, s poder ser en-;
viada aquella correspondencia cujalransmisso for
amansada no sobrescripto.
As malas fechadas assim expedidas, serio en-'
treges no porto da chegada aos primeiros empre-
gados que se apresentarem a bordo, sejam do cor-!
re.o, da alfandega, da sade, ou oulros para lsso!
habilitados.
3. As despezas de transito e transporte mariti-!
mo da correspondencia trocada em malas fecha-!
das entre o Brasil e a Italia, por meio dos paque-'
tes da real rompanhia de Southampton, Ocam In-.
teirameote cargo do correio italiano.
4. As despezas de transporte da corresponden-
cia, por meio de navi*s do commereio, fieam a
cargo da administrado que a receber, se em vir-:
tuda da legislagiode qualquer dos dous paizes se-,
melhantu transporte trouxer alguma despeza.
Se, ou o governo brasileiroou o italiano, vierem
a estabelecer servigo regular de paquetes entre os
portos das duas nages, ou seja por meio de vapo-
res fretados ou subsidiados, as condiges desle ser-
vigo serio regaladas pelas administragoes postaes
dos dous paizes de coinmum accordo.
5. A correspondencia expedida do Brasil para
a Italia ou vice-versa poder ser franqueada at o
seu destino ou ficar o porte a cargo o destina-
tario.
6." O porte das cartas ordinarias, isto nao se-
guras, que forem expedidas de um para outro paiz
por via dos paquetes da real companhla de Sou-
thampton, lixado no Brasil em 430 rs. para cada
duas oitavas ou fraego de duas oilavas, e na Ita-
lia em liras 1,20 para o mesmo peso. (Sete e mela
graramas ou fracgdes de sete c meia grammas.)
O porte das cartas que forem expedidas por
meio dos navios de commereio fizado no Brasil
em 210 rs. para cada quatro oitavas ou fraegio de
quatro oitavas e na Italia em 60 cents, para o mes-
mo peso. (Quinze grammas on fraegao de quinze
grammas.)
7. A administrarlo do crrelo do Brasil poder
transmittir cartas seguras com deslino Italia, as-
sim como a admraistragio do correio da Italia po-
der transmittir cartas seguras eem destino ao im-
perio do Brasil ou acuelles paizes a que o correio
italiano servir de intermediario.
O porte das cartas seguras enviadas quer do Bra-
sil, para a Italia, quer da Italia para o Brasil,
ser o mesmo das cartas ordinarias com o ac-
crescimo de orna quaotia fixa, a qnal ser de 210
rs. no brasil e de 60 cents, na Italia.
Estas quantias deverao ser pagas sempre adian-
tadas e a do seguro ser semdre em proveilo da
administrado expedidora.
Pur navios de commereio nao permitida a re-
messa de cartas seguras. i
3o. As amostras ou pacotes de mercadorias an-
da mesma sob cruzelas, serao considerados como
correspondencia e sujeitos ao mesmo porte. >
Os jornaes e impressos de qualquer especie en-,
viados do Brasil para a Italia, ou vice-versa, serao'
franqueados al o seu destino.
O seu porte ser de 52 rs. para cada 11 oitavas,
ou fraegao de 11 oitavas no Brasil, ede 15 cents,
para o mesmo peso (40 grammas ou fraegio de 40
grammas) na ilalia.
Por impressos se emende nao smente toda e
qualque especie de obras peridicas, opsculos, li-
aros mesmo encadernados, avisos, circulares, pros-
pectos, catologos; mas tambera gravaras, lyiho-
graphias, photographias e outros semelhantes.
10. Os jornaes e impressos, a que se refere o
artigo antecedente, devero ser envoltos sob cruze-
tas e aceomraodados de maneira que fcilmente
possam ser verificados, e nao deverao couter qual-
quer escripto mo, alm da respectiva direegao.
Exceptaam-se os avisos e circulares em que se
poder langar mi a data e firma.
Os livros nao poderam conter qualqner guarni-
go ou ornato de valor.
Os jornaes e impressos, em que nao sejam ob-
servadas as regras cima, bem como aquellos de
que nao fr pago previamente o. porte, serio reti-
dos, e nao seguirlo os seus destinos.
11. Os jornaes e impressos sob cruzetas poderao
ser seguros mediante o porte previo que tem apagar
e mais umaquantia fixa que ser de 2 0 rs. no Bra-
sil e do 60 cents, na Italia.
12. Os portes de que tratara os arls. 6, 7, 8o, 9*
e 11 serao pagos por meio de sellos postaes dos
paizes respectivos.
Quando o valor dos sellos postos em qualquer
objecto enviado pelo correio fr inferior ao que es-
t marcado nos artigos antecedentes, dever o des-
tinatario, para que o possa receber, pagar a diffe-
renga.
13. A' administrarlo do correio brazileiro pa-
gar a administraran do correio italiano :
Por toda a carta simples originaria do reino da
Italia, franqueada at o seu destino no Brasil, e
por toda a carta simples, nao franqueada, origina-
ria do Brasil com destino Italia asomma de 52 rs.
(15 cents.)
Por sua parte a administracao do correio brasi-
lero pagar administrarlo do correio italiano
por toda a carta simples originaria do Brasil fran-
queada com destino Italia, ou por toda a carta
simples nao franqueada originaria da Italia com
destino ao Brasil, a somma de fracos 1,08.
O porte de 60 cents, a que icam sujeitas as car-
tas enviadas pelos navios de commereio, ser re-
partido em partes iguaes entre as duas administra-
goes, deduzida a quota devidida ao capilo que a
tiver transportado.
Os jornaes e impressos do Brasil na Italia e vice-
versa nie entrarlo na contabilidade mutua das
duas administragoes, smente a administracao do
correio brasileiro indemnisar Italia do prego de
ransporle martimo e direitos de transito que esta
tiver pago s administragoes dos correios dos es-
ttados intermediarios.
14. As administragoes do correio brasiieiro e
italiano flxario de coinmum accordo, emeonformi-
dade com a presente convengio, as condiges com
que possa veriflear-se a Iroca da correspondencia
originaria ou com destino a outres estados a que o
correio italiano sirva de intermediario.
Fica entendido que taes condiges, urna vez esta-
belecidas, poderao ser modificadas de commum ac-
cordo, se fr julgado conveniente.
15. As duas administragoes se obrigam a nao
sobrecarregar com outro algum porte, nem por
qualquer pretexto, as cartas ou impressos que che-
garera as suas estagoes franqueadas at seu desti-
no, em ronformidadt; da presente convenci.
16. O remetiente de urna caria segura poder
exigir que por meio de um recibo do destinatario
se Ihe faga certa a entrega da mesma carta.
Por esta exigencia dever pagar urna taxa de 77
rs. oa 20 cents., qoe ser toda em proveilo da ad-
minislragio expedidora.
O extravio da carta segura da direilo ao remet-
en te a urna indemnisago de 1755.H) ou de liras
t50, que ser paga pela admioistragio em cujo
territorio se verificar o extravio, e que devera ser
pedida no prazo de seis mezes, a con tarda data era
que a carta deveria ler chegado a seu destino.
17. As cartas mal dirigidas serio restituidas re-
ciprocan ente em demora, creditandose o valor
por que houverem sido debitadas.
As cartas cujos destinatarios houverem mudado
de residencia, c por essa razio forera devolvidas,
no caso em que nao possam ser-lhes entregues, o
poderao ser aos remetientes quando sejam conne-
cidos, sem que sejam abertas, pa.-ande.eles smen-
te o porte que deveria'pagar o destinatario.
18. As cartas ordinarias ou seguras, os jornaes
e impressos trocados entre as administragoes pos-
taes do Brasil e da Italia, que por qualquer motivo
nio poderem ser eatrego.es a seus destinatarios,
serio mutuamente devolvidas, creditando-se ad-
ministradlo destnataria pelo prego e peso porque
houver sido debitada.
19. As administragoes do correio brasileiro e
italiano designarao de commum accordo as esta-
goes postaes por cujo intermedio se dever verificar
a troca da respectiva correspondencia, e ajustarao
tudo quanto fr relativo forma das contas, sua
liquidarlo, satisfaglo, maneira de preencher quaes-
quer portes insuBeientes e quaesquer oulras dis-
posigoes reglamentares ou de delalhe que convie-
rein para a execueao da presente convengio.
Fica entendido que as disposiges indicadas nes-
le artigo poderao ser modificadas pelas referidas
duas administragoes, sempre que for reconhecida
a necessidade de assim fazer.
20. A presente convengio comegar em execu-
gio quando pelas duas administragoes fr acordado,
e durar por espaco de um anno, ficando, porm,
entendido, que continuar sempre eraquanto por
urna das altas partes contratantes nao fr denun-
ciado o seu fim com antecedencia pelo menos de
seis mezes.
SI. Aprsente convengio ser racliflcada, e as
ralifleagdes trocadas no Rio de Janeiro no prazo
mais breve que fr possivel
Em f de que, os plenipotenciarios respectivos
assignaram a presente convengio e appuzeram o
sello de suas armas.
Feita em duplcala e assignada no Rio de Janei-
ro, aos 6 dias do mez de setembro do anno do nas-
clmeoto de Nosso Senhor Jess Christo de 1863.
(L. S.) Pedro de Alcntara Bellegarde.
(L. S) F d'Ostiani.
E sendonos presente a mesma convengio, cujo
theor fica cima inserido c bem visto, considerado
e examinado pur nos tudo o que nella se cootm, a
approvamos, ractilkamos e conGrmamos assim no
todo como ere cada um de seus artigos c estipula-
g5es, e pela presente a damos por firmo e valiosa
para produziro seu devido effeito, prometiendo em
f e palavra imperial cumpri-la inviolavelmento e
faz-la cumprir e observar por qualquer modo que
possa ser.
Ero lestemunho e Firmeza do que litemos ptssar
a presente carta por nos asslgnada e passada com
o sello grande das armas do imperio, e refrenda-
da pelo nosso ministro e secretario de estado abai-
xo assignado. Dada no palacio do Rio de Janeiro,
aos 22 dias do mez de novembro do anno do nas-
cimenlo de Nosso Senhor Jess Christo de 1864.
(L. S ) Pedro Imperador (com guarda).Joao
Pedro Dias Vieira.
goviruo da provincia.
Expediente de dia 9 de Janeiro de 186;.
Offlcio ao Exm. conselheiro presidente do supre-
mo tribunal de justica.Transmuto V. Exc, a
resposta que em 28 do mez (indo deu o jaiz de di-
reito Carlos de Cerquelra Pinto, sobre a reclama-
Sao de antiguidado do juiz de direilo Jeronymo
laximo de Oliveira e Castro.
Dito ao bario do Livntmento, empreitetro do cal-
amento desta cidadeLembro V. Exc. a neces-
sidade de cuidar-se com prc-mplidao do calgamento
da ra Nova, atiento o estado lastimoso em que el-
le se acha, e chamo a sua atiengo para a deterio-
rarlo do da ra Direiu e de outras mais.Offl-
ciou-se ueste sentido ao chefe interino da reparti-
go das obras publicas.
Dito ao coronel coramandante das armas.Com-
raunnico V. S., em resposta ao seu offlcio n. 2137
do Io de dezembro ultimo, que o director do arse-
nal de guerra declaroa-me estar o conselho admi-
nistrativo tratando da compra das duas bandeiras
de fileli, necessarias ao forte doBrum, nao a tendo
j effectuada por ser extraordinario o prego por
que foram offerecidas a venda.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de declararme
con que numere de pragas deve ser augmentada a
forga da guarda nacional destacada nesta capital,
logo que embarque para o sul o 9* batalho de in-
fantaria do exercito.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de informar so-!
bre a inclusa peligio em que o major reformado '
da guarda nacional Bernardo Luiz Ferreira Cesar;
Loureiro se offerece para servir no sul do im-
perio.
Dito ao mesmo.Pode V. S. mandar dispensar
do servico medico militar, como propoz em seu of-
flcio n. 40 desta data a que respondo, os Drs. Ga-'
briel Alcides Raposo da Cmara, Frederico Schultz
e Joao Pedro Maduro, que se haviam coctratado
para aquello fim. Communicou-se a thesourarla
de fazenda.
Dito ao Dr. chefe de polica.Ordene V. S. com
toda a urgencia, s autoridades policiaes da villa
de Iguarass e do districto de Beberibe qae fagam
recolher a esta capital at o dia 11 do corrente im-
preterivelmente, as pragas do 4o batalho de arti-
Iharia a p, que esli destacadas aquellas luga-
res. Communlcou-se ao coronel commandante das
armas.
Dito ao mesmo. Pelo offlcio de V. S. n. 24 de 5
desle mez, iquei scienle de ter o respectivo subde-
legado feilo prender em flagrante, e estar p roces-
sando a Francisco Luiz de Mando, por ter assassi-
nado com um tiro a Joaquim Queiroz Quim-quim,
s 6 horas da tarde do dia 29 de novembro ultimo
no lugar da Serra Branca do termo de Ouricury. e
espero que o referido subdelegado communique o
resultado do processo.
Dito ao mesmo. Ao offlcio de V. S. n. 22 de 5
do corrente, respndo dizendo que fleo sciente de
ter sido capturado o conductor das saccas de algo-
dio roubadas a um dos armazens da va frrea na
estarlo das Cinco Pootas.
Dito ao mesmo. Sciente de estar preso Manoel
Garca, pelo crirae de defloramento com violencia
pralicado na pessoa da menor Josepha, de idade
de 3 annos, no dia 25 de dezembro prximo linda,
e no lagar denomioado Ribeirao do 3 dis-
tricto de Duas Barras, tenho a dizer V. S. em
resposta ao seu offlcio de 7 do corrente, s ib n. 34,
que espero que rae communique o resultado do
summano a que se dever proceder sem demora
por semelhante crime.
Dito ao mesmo. O vice-provedor da Santa Casa
de Misericordia partieipou-me em 5 do corrente
ter expedido as convenientes ordens, para o fim de
ser recebido no hospital Pedro II, o enfermo Joao
Francisco de que trata o delegado de Olinda em
offlcio junto ao de V. S. n. 21 daquella data, a que
respondo.
Dito ao inspector da thesouraria de faz'enda.
Transmiti V. S. os inclusos documentos, afim
de que, nao havendo inconveniente, mande pagar,
nao s os vencimentos relativos ao mez de dezem-
bro ultimo, dos offlciaes de liara, tambores, cor-
netas, e ciaras, empregdos nos cornos da guarda
nacional desta capital, mas tambera o aluguel ven-
cido no trimestre deontubro dezembro do anno
prximo passado, da casa que serve de secretaria
do commando superior deste municipio.
Dito ao mesmo.Mande V. S. entregar ao com-
mandante do 4 batalho de arlilharia a p, como
solicilou o commandante das armas, em offlcio des-
la data, um caixao que veio da provincia da Baha
no vapor Tocantins, contendo artigos de farda-
mente, armamento e cquipamento que pertence-
ram s pragas do mesmo batalho, qne morreram
e desertaram naguella provincia. Comrauncou-
se ao coronel commandante das armas.
Dito ao mesmo.A vista da sua inforraagio n.
20 de 5 do corrente approvei o termo de contrato,
constante da copia inclusa, que celebrou a junta
do hospital militar com Domingas Jos da Cunta
Lages para fornecer differenles gneros necessa-
rios aquelle estabelecimento no trimestre de Janei-
ro a margo viadouro.
O que communico V. S. para os devidos effei-
tos. -Communicou-se ao coronel commandante das
armas.
Dito ao mesmo.Estando em termos os inclu-
sos documentos que sendo remetidos pelo com-
mandante superior deste municipio, cora offlcio do
7 do corrente, sob n. 6, s agora perto de 11 ho-
ras do dia me foram entregues, mande V. S. pa
gar, sob minha respon-abilidade do, conformidade
com o decreto n. 2,884 do Io de fevereirodo 1862,
os vencimentos a contar do Io 6 deste mez, da
forga do Io batalbio de infantera da guarda na-
cional desta capital, quo esteve aquartelado para
coadjuvar a tropa de 1" llnha noservigo da guar-
nigao da praga, ficando V. S. na mtelligencia de
que os pagamentos desta ordem continuara a ser
feitos, independente de nova declaragio nos ter-
mos deste meu offlcioCommunlcou-se ao com-
mandante superior do Recife.
Dito ao mesmo.Km vista da inclusa conta em
duplcala que me fol remettida pelo director das
obras militares, com offlcio de 7 do corrento, man-
de V. S. pagar a Manoel Antonio Teixeira a quan-
lia de 80$. que se julga rom direlto por haver
feito mediante a necessana autorisagoo concert
de que preclsava a cobirta da caserna da oilava
compauhia do quartel do 9 batalho de infante-
ra, urna vez que nio haja inconveniente nesse
pagamento e nem se ofTerega a menor duvida a
sua realisagio. Communicou-se ao director das
obras militares.
Dito ao inspector da thesouraria provincial..
Em vista do incluso prct e nao havendo inconve-
niente, mande V. S. pagar com urgencia a quan-
tia de 90.1090, proveniente dos vencimentos de urna
escolla de guardas nacionaes que, segundo consta
de offlcio do chefe de polica datado de hoje, e seb
n. 40, velo do termo do Limoeiro conduzlndo 16
presos para esta capital.Communicou-se ao Dr.
chefe de polica.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S., em vista de sua
infirmarlo de hoje, sob n. 14, a mandar entregar j
ao agente hel pagador da repartirlo das obras pu-
blicas, conforme solicitoa o respeclivo chefe Inte-
rio em offlcio de 2 do corrente, n. 362, a quantia
de 9:460} constante do incluso pedido para occor-1
rer as despezas cora as obras por administrago a
cargo daquella repartirlo neste mez.Commum-
cou-se ao chefe interino da repartigio das obras;
publicas.
Dito ao mesmo.Para os convenientes exames
transmuto a V. S. a relagiodos preso/ pobres exis^
lentes na cadela da cidade de Goianna, ministrada
pelo Dr. chefe de polica com offlcio n. 29 de 7 do
corrente.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Po-d'Alho. Tendo mandado retirar a for-!
ga de tropa de liara, que estava destacada na villa
do Po-d'Alho, recommendo a V. S. que faga desta-
car naquella villa para guarda da cadeia e deligen- i
cas policiaes, urna forra de 13 pragas da guarda
nacional, commandadas" por um subalterno.Com-
municou-se ao iospoetor da thesourarla de fa-
zenda.
substituir a tropa de linha que all se acliava
, destacada, e foi mandada recolher a esta capital,
urna forga de 20 pragas da guarda nacional, com-
mandada por um subalterno, aflm de fazer a guar-
da da cadeia e mais delgencias policiaes, que axi-
girem as necessidades doservigo.
Ditoao commandante superior da guarda nacio-
nal de Santo Antao e Escada.Para que eu possa
resolver acerca da materia do seu offlcio de 21 de
dezembro ultimo, faz se uecessario que V. S. me
declare em que consiste a maior commodidade para
os guardas da 5' companhia do batalho n. 23 de
infamara, com a mudanga da parada da mesma
rompanhia do engenho Mirengabas para o lugar
denominado I.aga Cumprida, como propoz o res-
pectivo capitio.
Dito 3o director do hospital militar.Recommen
do a V. S. que receba a iinagem e mais objectos
concernentes a sala mortuaria desse nstabelecl
ment que em vista do pedido de V. S. foram en
commendados pelo meu antecessor.
Dito ao presidente da companhia de seguros in-
demnisadora, estabelecda nesla cidade.Declaro
a Vmc. para seu oonhecimento e fim conveniente,
que segund constou de aviso do ministerio da
agricultura, commereio e obras publicas, datado
de |2 de dezembro ultimo, para ter lugar a appro-
vagao do projecto de reforma dos estatuios dessa
companhia, f-se preciso que ella nao s attenda
as allerages indicadas pela secgao dos negocios do
imperio do conselho de estado, mas tambera satis-
faga as requisiges da mesma secgio, o que tudo
consta da consulta, junta por copia.
Dito ao presidente e membros do conselho ad- '
minislrativo.Recommendo a Vs. Ss. que no ter-
mos do regulamonto de 14 de dezembro de 1852,
comprem para fornecimento do almoxarifado do
arsenal de guerra, os objectos mencionados no in-
cluso pedido.Communicou-se a thesouraria de fa-
zenda.
Dito a cmara municipal desta cidade Bceebi
o offlcio que me dirigi a nova cmara municipal
desta cidade em 7 do corrente, e fico nteirado de
ter sido empossada naquella data.
Aproveito esta occasiio para manifestar a mes-
ma cmara os meu* sentimentos de estima e con-
sideragio,as3cgurando-lheque encontrar era mim
a melhor disposigao para coadjuva la no desempe-
nho de suas funeges.
Dito ao delegado de Caruar.Accusando a re-
cepeo da relagao dos presos pobres existentes na
cadeia dessa Cidade, que veio junta ao offlcio de
Vmc. de 3 do carrate, tenho a dizer-lhe em res-
posta que segundo a circular de 21 do mez passa-1
do a que allude, s nao lera lugar o pagamento
da despeza frita cora fornecimemos de presos po
brea quando deixar de ser cumprida a ordem nel-
la eonlida de remetter-se mensalmenle a relagao
dos mesmos presos, correspondente ao mez cujo
fornecimento fr cobrado. Remetteu-se a thesou-
raria provinciol a relagio deque se trata
Dito ao delegado de Serinhem.Sciente do que
Vmc. relata em seu offleio de 2 do corrente, com
referencia ao recrulado para o exercito Jos Fran-
cisco, por aleunha Jos Soldado, respondo dzen-'
do-Ihe que tenho por expressio da verdade o que
no seu referido offlcio se contera.
Portara.O Sr. gerente da companhia Pernam-'
bucana mande traosportar at o presidio de Fer-
nando no Io vapor que para all seguir, em lugar
de proa destinado a passageiro de estado, a Fran-
cisca Mara da Luz mulher do sentenciado Manoel
Quiriuo da Silva.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana mande dar transporte at o presidio de Fer-
Dando, no Io vapor que seguir para alli em lugar.
de proa, destinado a passageire de estado, a Vicen-
ci i Mara do as tmenlo, raulher do sentenciado
de justica Antonio Manoel de Santa Rosa.
Expediente do secretario do governo do dia 9 de
Janeiro de 186o
Offlcio ao coronel commandante da.; armas. S.
Exc. o Sr vice-presdente da provincia manda
communicaf a V. S. que por despachos de 7 do
corrente, n>andou satisfazer os dous pedidos do
commandante do 9 batalho de infamara a que
allude ooffltio de V. S. n. 34 daquella data.
Illm. e Exm. Sr.Cumprindo a ordem de V.
Exc. datada de 7 do corrente mez, declare a V.
Exc. qno avistndose o vapor ioglez do sul, igai
o trrelo doste arsenal a bandeira nacional, e lo-
go que eu livor conhecimenlo dos desejos de S. A.
I. ede seu augusto esposo de desembarcar ou uo
nesla capital^ mandarei que seja loado no torreo
por Imxo da bandeira imperial um galhardete en-
carnado no Io caso, e galhardete asul no 2o caso.,
Deus guarde a V. Exc, Inspecgo do arsenal
de marinhade Pernambuco, lOde Janeiro de 1865.
Illm. e Ex;m. Sr. desembargador Anselmo Fran-,
cisco Piretlej vice-presidenle da provincia.Her-
menegildo Antonio Barbosa de Almeida, inspector.
Dito ao procurador fiscal e dos fetos da fazen-
da.Tenho presente o offlcio de V. S. firmado em
20 do correle, remettendome por copia a consul-
ta que V. S. dirigi ao Exm. ministro da fazenda,
por occasiio de se questionar na thesouraria se a
congrua do Exm. bispo fallecido, correspondente
ao mez de abril, estava ou nao sujeila ao sello de
heranga, o que a final foi decidido pela afrmaliva,
contra o voto de V. S.
Agradego_ cordialmente o interesse quo tomou
nesla questo, e a copia do esclarecido parecer que
leve a bondade de me transmittir.
Passo s maos de V. S. a copia da consulta que
em data de 2 de agosto flz a tal respeito, o que V.
S. me pede no seu citado olflcio.
Aproveito a occasiio para apresentar a Y. S. os
meus protestos de eslima e consideragio.
Dito ao vigarlo de Nossa Senhora dos Prazeres
do Cear-Mirim.Pelo seu offlcio de 13 do corren-
te, fico inteirado de haver V. Rvm.* no dia 11 do
mesmo tomado posse da freguezia do Nossa Se-
nhora dos Prazeres de Cear-Mirim, na qual acaba
de ser collado.
Dito ao vigario geral Forneo do Rio Grande do
Norte.Tenho presente o seu offlcio de 21 do cor-
rente, pelo qual ico certode ter V. Rvm.' envida-
do lodos os meios a fim de tomar effectiva a pro-
hibigao de presepios nessa cidade de Natal.
Louyo o zelo de V. Rvma.', e espero que con-
tinuar a zelar como deve a disciplina da igreja e
o socego das familias, oao consenlindo j mais que
sombra da regio se commellam actos de immo-
ralidade.
Dito ao vigario da vara de Penedo.Quando em
data de 19 de agosto ultimo, respond ao offlcio
que V. Rvm." me dirigi firmado era 10 do mesmo,
relativo ao estado de ruina em que se acliava a
capella de Nossa Senhora dos Prazeres da freguezia
do Collegio, e oulras capellas dessa freguezia, en-
carregue a V. Rvm." de se dirigir em meu nome
aos respectivos administradores, e pedir-lhes da
rhinha parte que reparassem essas capellas, pois
que as coastitufges diocesanas recommendam mu
especialmente que taes capellas tenham o asseio e
a decencia necessaria casa do Senhor, e al or-
denara que, no caso contrario, sejam demolida por
ordem do ordinario. Recommendei muito a V.
Rvm.'que appellasse para os sentimentos religio
sos dessas pessoas, e envidarse todos os meios ao
seu alcance, a fim de se reedlflcarem essas capel-
las, ou ao menos de se fazercm nellas os reparos
necessanos: e terminei o meu offlcio com o se-
guinle paragrapho :
c Emflm, ea tanto confio no zelo e dedicarlo
cora que V. Rvm." se lia de empenhar para que
se facam nessas capellas as obras necessarias,
t que desde j o emprazo para, no mez de dezem-
i bro prximo, me dar urna noticia circumstanca-
t da dos reparos que conseguio fazerem se, e quaes
t as pessoas que mais o coadjuvaram nessas diver-
sas emprezas. a fim de que eu me dirija a cada
a urna dessas pessoas, e louvando o seu zelo, agra-
dega a docilidade com que se prestaram a Iraba-
c Ihar a seu modo na vinha do Senhor, e Ihes an-
nuncie a felicidad que nesla vida e na outra a
i guarda aquces que dispendem urna parle gda
sua fortuna com a reparagio dos templos consa-
grados ao Dos tres vezes santo.
Sendo pois chegado o lempo por mim aprazado a
V. Rvm.*, espero que me informe em que estado
se achara agora as referidas capellas.
Extracto da parte do dia 11 de Janeiro de 1865.
Foram recolhidos casa de delengo no dia 10
do corrente:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Joao
Malinas, ou Joao Bautista d'Araujo, como crimino-
so na comarca de Nazareth, e Jos Venceslao A-
breu Gameleira, como criminoso em furto de ca-
vallos, viudos da provincia da Parahyba.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Manoel,
escravo de Maxi miao Lopes Machado, para cor-
reegao.
A' ordem do subdelegado do Recife, Silverio, e
Arabrozio, escravos; este de Francisco Igoacio
Lns d'Albuqucrque, e aquelle de Francisco Xa-
vier Camello Pessoa, ambos a requerimento de
seus respectivos senhores.
A' ordem do de Santo Antonio, Manoel, Africa-
no livre, para correegio.
A' ordem do de S. Jos, Domingos Jos de Car-
valiio. por disturbios.
A' ordem do da Capunga, Manoel Leandro Go-
mes, para correegio.
O chefe da 2* secgao.
'/'. G. de Mesquita.
Movimento da casa de detengo do da 10 de
Janeiro de 1865.
Exlstiam presos 301, enlraram 12, sahiram 7.
existem 396.
A saber :
Nacionaes 32>, mu'heres 3, estrangeiros 18. es-
Irangeiras 2, escravos 42, escravas 6: tolal 396.
Alimentados a custa dos cofres proviociaes
164.
Cemitkrio publico. Obituario do dia 9 de
Janeiro de 186o.
Felippa Mananna Pessoa de Mello, Pernambuco,
lannos, Kecife, febre maligna.
Maria, Pernambuco, 7 aunos. Santo Antonio, es-
crava, febre typhoide.
Catharina, Pernambuco, 8 annos, escrava, Boa-
Vista, febre typhoide
Baphael, Pernambuco, 34 annos, solteiro, escravo,
Boa-Vista, gaslro hepatite chroica.
Thomaz, Pernambuco, 4 mezes, Santo Antonio,
convulses.
Lino Machado Pimentel, Pernambuco, 30 annos,
solteiro, S. Jos, hypelrophia do corarlo.
PERNAmRUCO,
Accuso rece-
referindo-me
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal dos municipios da Boa-Vista e Ouricury.Fa-
ga V. S, flwiacar na Tilia do Ooneory, rtm $
4.0% ll.\0 DO BIWPADO DI2
I'lIlVlMKI'C'O
SEDE V USANTE
Dezembro de lSti-i
Expediente do dia 31.
Offlcio ao Vigario d'Agua Branca.-
bido o sea oficio de 10 do corrente,
os trabalhos ipostolicos do Rvra. raissionario ca-
puebinho fre Casemiro de Militello, que ahi mis-
sionou por esjpago de doze dias ; e os fructos de
bengio que oji pinos colheram d'essa missao.
Diz mais y. Rvm." que voz ilesse ministro de
Christo progivdiram extraordinariamente as obras
dessa matriz, e se comegou a construir um cemi-
lerio, licandt reunida para o seu complemento
grande quantidade de materiaes e algumas emol-
as que o mesmo Rvm." padre mostr pode obter.
A passagent desses apestlos do catholicismo Oca
de ordinario jssigualada, oas parochias, por onde
elles transitan, com algum minument> religioso
que em todos os lempos ha de atlestar, na phrase
do grande apostlo S. Paulo, quanto sao bellos os
ps desses hoinens que evangelisain a paz, evange-
lisam o bem. Cumpre porm aos vigarios zdosos
alimentar no [animo dos seus parochianoi as salu-
tares impre-soes que elles receberam ao ouvir a
santa missao compre nio deixar arrefecer o fer-
vor nascentej que lhes inspirou a pregagio e o
exemplo do misionario, a fim de que o fructo da
missio seja qaradeuro, e o melhoramento que o
missionario houver conseguido imprimir nos eos-
turnes dos potros c as obras materiaes se perpe-
tu as familias, se perpetu na conclusio das
mesma.< obras, e atieste s idades futuras que se
por essa paroehia passou um missionario zeloso,
lambem essa narochia teve um vigario igualmente
zeloso, que soube tirar proveito da sement que de
passagem lngara nos corages dos fies esse ho-
rnera apostlico.
Fico sciente de que estando ahi aberta a missao
nio p.le V. iRvm." acudir de prompto ao cha-
mado do Rvrad. vigario da Mitta Grande.
Dito ao vigajrio do Salgneiro.Concedo licenca
a V. Rvm.1 para beozer um eemiterio nessa villa,
a fim de serem nelle sepultados os cadveres dos
deis, deixando por conseguintn de ter lugar os en-
trramenos as igrejas. Fica assim respondido o
?eu ultimo ofJBtio em data.
REVISTA DIARIA.
Anle-hontem procedeu-sc no pago da cmara
municipal com assistencia do Sr. Dr. juiz de direi-
lo da segunda vara, presidente da mesma camaia
c promotor publico, a revisan da qualificagio dos
jurados desia comarca do Recife.
O Sr. deputadj eommerciante Jos Marce-
lino da Rosa foi nomeado interinamente para
exercer o lugar de secretario do tribunal do com-
mereio.
Os exames dos preparatorios prdkninares
para a matricula do Curso Cominercial Pernambu-
cano, tem lugar neste mez.
Coinegaram a funecionar no da 10 do cor-
rente as aulas do collegio de S. Bernardo situado
na ra da Aurora, palacete amarello. O bom re-
sultado que obliverara os alumnos deste collegio,
examinados o anuo passado na Faculdade deDi-
reito, urna prova evidente do zelo empregado no
ensino e da boa ordem que alli reina.
Iaformam-nos que existe trabalbando na ram-
pa de Pedro II um hornera cujo nonio dado a ma-
tricula nio o proprio: pois assim procura elle
furtar-se a complicagio era que se acha pela ven-
da de um menor livre natural da Parahyba. A vis-
ta disto pedem-nos que chamemos a alinelo da
polica para a avenguagio de semelhante facto.
visto que tem ello por lim iuutlisar as pesquizas
que actualmeute procede a mesma polica acerca
do menino.
Acha-se aberta a inscripgao da matricula do
Curso Commerrial Pernambucano, a que tem lu-
gar perante a directora geral da instruegao pu-
blica.
Gordeiro Simes, faz hoje leilio de escravos,
movis, cabriolis, carrogis, ca val los ebois;no
arraazem a ra da Cruz n. 57.
Do Ouricury escrevem-nos o seguinle acerca
de um attentado contra a liberdade :
< Thereza de tal, moradora no termo do Ex,
viuva, de idade de mais de 70 annos, possuia urna
escrava com 4 filhos, os quaes a velha creou como
seus proprios filhos, sendo 2 considerados como fi-
lhos de um seu filho.
< Alguns herdeiros da velha venderam as par-
tes, que lhes poderiam tocar por raorle da mesma.
Esta sabeodo de semelhante procedimento, cbamou
pessoa competente, e mandou passar carta de al-
forria a lodos esses escravos, regisirando-se a mes-
ma carta no lino de notas.
Feilo isso os libertos foram de novo escravisa-
dos, e o juiz deu licenca para se vender um dos
mesmos libertos, o qual ja foi vendido para a Ba-
ha : e breve serio vendidos todos com autorisago
policial.
Fol tudo reito no Granito sumariamente e de
improviso.
c Tio clamoroso attentado chama a attencao das
autoridades superiores, que nao devera ficir que-
das, quando as autoridades subalternas se mos-
trara cumplices na violencia, e iniquidade, que
priva cinco pessoas no gozo do sua legitima liber-
dade.
t Coaviria, que o Exm. Sr. vice-presidenle,
mandasse syndicar do facto, e de suas circuns-
tancias para providenciar como fosse de justi-
ca. >
No dia 7 do correle lomaram posse de ve-
nadores da cmara municipal da villa de Igua-
rass, os seguintes senhores:
Teneule-eoronel Epaminoudas Vieira da Cunha.
Tenento coronel Manoel Francisco de Souza Lelo.
Joao de Carvalho Rapozo.
Padre Florencio Xavier Dias d'Albuquerque.
Bernardino de -ena alies.
Antonio Rodrigues Uampello.
Cipilio Pedro Jos Monte Negro Vilarim.
RgfARTie7,0 da polica.

TERCEIRA SESSAO ORDINARIA AOS 19 DE
DEZEMBRO DE 1864.
PRESIDENCIA DO SR. BARROS REliO.
Presentes os Srs. Henriques da Silva, Gustavo
do Reg, Se ve, Mello e Gameiro, abrio-se a sesso.
Foi lida e approvada a acta da antecedente.
Leu-se o seguinte
EXPEDIENTE.
Um offlcio do administrador do eemiterio publi-
co desta cidade, commonicando acharem-se de to-
do acabadas as catacumbas pertencmtes a Irman-
dade de Nossa Senhora Mai dos Ilomens, erecta na
igreja da Madre de Dos, e por issa j pode a c-
mara expedir suas ordens ao procurador para dar
guias para iuhumagio de cadveres as referidas
caiacumbas. Neste sentido raandou-se ordem ao
procurador.
Outro do engenheiro cordeador, informaHdo nao
havsr inconveniente, a exemplo de outros, em con-
ceder se que Hermino Ferreira da Silva, faga ama
solea em sua casa n. 29 da ra Bella. Cooce-
deu-sc.
Outro do mesmo, informando sobre o requer
melo em que Andr Mandaim, proprietario da ca-
sa n. 4, sita ra do Cotovello, freguezia da Boa-
Vista, pede para que Ihe seja permitlido faier na
frente da mesma casa diversos melhoraroentos ; e
bem assim elevar a parede do porlao pertencente a
mesma casa, a altura della, declara que, segundo
a planta da cidade, a casa e porto pertencentes ao
peticionario tem de recuar um pouco para ficar no
alfnhamento da casa visinha pertencente a viuva
de Rufino Jos Correia de Almeida, e que portan-
to a nao ser este, nio v outro impedimento a op-
pr a obra que pretende o peticionario fazer.
Mandou-se ordem ao procurador para desappro-
priar o muro a que se refere a inforraagio, e nes-
te sentido despachou-se a petigio.
Outro do fiscal da Boa-Vista, pedrada a cmara
que houvesse de mandar pagar aos Drs. Ignacio
Nery da Fonseca e Silvio Tarquinio Villas-Boas, a
este a quantia de 6400 rs., importancia de dous
exames sanitarios que com o mesmo proce-
der em diversos das em um talho de agougue.
sito rili 'ira daquella freuuezia, e em outro na
casa n. 12 da praga ; e aquelle a quantia de 18
de tres corridas sanitarias que fizera nos estele-
cimentos da dita freguezia em oa dias 6 de feve-
reiro e 1 e 23 de abril ludo deste anno. Que se
passasse mandado.
Outro do solicitador, trazendo ao conhecimenlo
da cmara que foram desprezados os embargos op-
postos ao venerando accordio proferido contra a
mesma na questo com a irmandade de S. Pedro
desta cic'ade ; declara ter interposto recurso para
o supremo tribunal de revista, aguarda a delibe-
radlo da mesma cmara para fazer ou nao seguir
os autos.
Tambem declara lerem sido julgados os artigos
de liquidagao de Bazilio Alvares de Miranda Va-
rejio, este appeilou para o supremo tribunal da
relagao, e nio tendo a sentenga sido no todo favo-
ravel a cmara, elle solicitador appeilou tambem.
visto que em qualquer lempo se pode desistir, nao
convindo.
Quanto a primeira parte mandou-se ouvir ao ad-
vogadii. e quanto a segunda inteirada.
Outro do mosmo, remetiendo a conta das des-
pezas judlciaes por elle feltas com as cansas mn-
nicipaes, havendo um saldo a seu favor de 18A080
que pede se Ihe mande pagar. Mandou-se infor-
mar ao contador.
Outro do administrador do eemiterio publico da
freguezia do Poco da Panella, remetiendo o mappa
dosenterramentos que se fizeram no mesmo esta-
belecimento durante o mez de novembro ultimo.
Ao procurador.
Outros (2) do administrador do eemiterio da fre-
guezia de S. Lourengo, remetiendo os mappas dos
enterramentos feitos naquelle estabelecimento des-
de 21 de novembro a 10 do corrente. Ao procu-
rador.
Foi approvada urna proposta do Sr. presidente
Barros Reg, elevando o ordenado do fiscal da fre-
guezia de S. Lourengo da Malta de 240,1000, qae
actualmente percebe, a 4200000. Mandou-se in-
cluir ne orgameoto de despeza, e fazer mensao no
relatorio.
A requerimento do Sr. Henriques da Silva man-
dou-se ordem ao engenheiro para ir examinar urna
obra, que se est fazendo na ra de Santa Rila con-
tra as poaluras, e ao fiscal par embargar a
continuagao da obra. .
Uespacharam-se as petigdes de Andr Mandara.
Francisco Jos Gal vio, Joaquim Francisco das Cha-
gas e Silva, Manoel da Silva Jacome Pessoa, e le-
van',0u-se a sesso.
Eu Francisco Canulo da Boa-Viagem, secrelarw
a subscrevi.Henriques da Silva, pro-preabteirte.-
Reg Mata.Barata de AimeH*.~-R*9<>-*-Ual *ff-
ve.Melto,Gmtwo.




&
^_
m----TT; tr-, i -
Bfarld ce r-ernaiiibiico Quinta tlik i'i de Janeiro de |S0&
i
CORBESPONBEMAS
Sii. redactores.-.\gora por rrfp havarem Mo a
informado do Sr. Pedro tfyppolito Duarte, cora-
naadaete do vapor Tocaniins, publicada no -Dia-
rio de hoje, que soube a razao pelaqual o Exm
vicepresidente da provincia nada leve que defe-
Tttnstrissirho Senhor Tensme determinado,
l-o lllu'trissimo Senhor commandante superior i
em seu offlcio de 14 do correle, que en no
raeasse para o completa.44 coaselho de discipli-
na, que tem de responder o Sr. lente Francisco
Cortiles de Araujo, da 10 IjataHiSe a guarda na-' Abanos.
| conal de Iguarass, ura capitao e um subalterno Agurdente de cana. .
para promotor, tenho designado a V. S. para-exer- dem restilada ou doroino
ALFANDEGA DE PERNAMBUOO,
\UT\ DOS PKKCO DOS GNEROS SUJEITtlS A DIRKtTOM
XPOBTACAO,SEMANA DI 9 A 14 DO UEl DE J-
ZEMBBO DK 1864.
Mercadorias. Unidades. Valen*.
rir em apelicao que mesadereeei.requerndopro- cer dito lur, ficando desde j scienle pan lodo e dem caxaca.......
videncias conira os culpados do roubo que softVi waiqwer aviso que Ihe for feito, por parte do Sr. dem gcacbra......
bordo daquelle vapor. i I9*eole corone! commandante daquelle batalbao. i dem alcool eu espinto de agua
Siuto em extremo que o Sr. Duarte nao es-!, ?eos guarde a V. S. Quartel do eommaudo in- ardtrale......, .
teja agora nesia cidade, porque entao lhe de- lenao, d" *. batalbao de iofaotaria da guarda na- \ Algodao em caroeo ...
monstraria quauto a sua memoria elaudieou na c">n de Olinda, 16 de setembro de 1839.Illm. dem em rama ou em la. .
inormaco que deu a S. Exc. quaado disse que a"ers Antonio Lobo de Albertim de Miranda Arroz coin casca.....,
u trazia dous tiabus, que passara o dioheiro de Henrlque. -Joao Baptista da Silva Mangmnho, dem descascado ou pilado
cent
caada
>
>
>


arroba
c
1:
4

.__________
firosente edital, que ser afflxado
costunie, e publicado pela a-
um para nutro, qoe nao me queixei autes do bahu
sabir etc. etc.
Nada disto exacto j eu apenas traza um bahu
onde tiuha a miaba roupa e o importe de tres me-
zes de sold que meu marido me havia entregado'
para despezas; este bahu foi para o poro.
O que o Sr. Duarte chaina segundo bahu nao
mais do que um pequeifino bahu de folha, que s
major commandante interino do batalbao.
(Estava sellado e reconhecido).
Pedem-nos a publlcacao do seguinte :
Rio, 23 de dezembro de 1864.
Fiz urna satyra indignado por ver como se go-
Assuear mascavado.
dem branco....., <
dem refinado........
; Azoite de amondoim ou mende-
bim.........casada
dem de coco....... >
dem de mamona
verna este pobre paiz, que por ahi vai agua abaixo Batatas alimenticias. .... arroba
som norte, como estupida boia, Joguete das ondas Bolacha ordinaria, propria para
e ludibrio das vagas, levando rabauadas de quauto I embarque.......
peixe vilo ha nos mares. dem Tina........
Se a publicares nSo menciones men nome, por- jiLli ^h* L, *stftt '
que nao sei que tbano se poden jngasgar com S SJ2 '
-hje Caibros
coutinba bugiarias de nenhum valor, e este con-
serve! durante a viagem no meu camarote ; nunca
passei de um para outro, durante a viagem, qual-
quer objecto, o que me era impossivel, em vista
da propria eonflssio do Sr. commaudante do va-
por, que afflrmou earem as bagagens fechadas e)la por isso so )ne deil0 um_ F._firma
no pono. mais acreditada que a do blseonde do Couto, digo, r?'/,MO.........""*
Tambem nao exacto que antes de sahir o bahu contn i va vftr^ Cal...........arroba
de bordo, eu nada dissesse sobre o tacto do ar- j a M' Wem branca.....
roiubatiieiuu ; por quauto logo que o bahu sahio Eu conheco um paiz malfadado
Onde mandam s homens de-lei
Acontece, porm, (que desgrasa !)
Que nem etles respeitam alei.
>
libra
um
do porSo e me foi apresentado, eu de certo intro-
Uuzi a chave na fechadura, e nao o podendo abrir
por estar viciado, ped a alguera que com urna
puna de ferro o abrisse, o que feito reconheci o
roubo e me queixei publicamente ; mas, nem o
Sr. co ni i n andan te, nem pessoa alguma, me deu4
remedio ou prestou attenco I
O Sr. commaodaate nessa occasio apenas me
disse que isto era iinpossivel, visto que a bordo
do seu vapor nunca se havia dado Tactos degsa
ordem I E o Sr. capitao Ly ra que vinha encarre-
gado por meu marido de velar sobro mim, s me
dizia tenha paciencia, nada se consegue, vamos
para trra que minha ntai nao pode apanhar sol -,
e nislo embarcou com a sua familia e bagagera,
levando tambem o meu bahu, e deixou-me no
vapor na maior conslernaeao e aficcao que se
pode imaginar 1
Cbegando ao coohecimento de minha mal que
eu me achava do vapor, pedio ella a urna pessoa
do seu coiihecimento que em sua companhia me
fusse buscar, e viodoambos bordo encootraram-
me em posico bastante allluiiva, em vista do oc-
corrido; pelo que a pessoa que acompanhava mi-
nha mi dirigi-so ao Sr. commandante para que
me ouvisse, e entao e que o Sr. Duarte me pergun-
tou o que havia succedido, c introduzindo-se no
interrogatorio outro ofQcial do vapor, perguntou-
nie se eu nao tinha aberto o bahu com a chave ?
respondi-lhe que havia introduzido a chave, mas
nao o podendo abrir pedir a alguem que m'o
abrisse com poma de ferro I A vista do que, a
pessoa requereu a apresentacao do bfihu para ura
exame, mas, lendo-o o Sr. capitao l.vi a conduzdo
para trra, j nao era possivel esse exame, e assim
llcaram burlados todos os esforcos para rehaver
o que se me havia ronbado.
Eis a verdade do faci : pergunto sgora ao Sr.
Duarte, quem o responsavel por esse rrirae ? 1
De quem me devia eu queixar ? I Eu, pobre mu-
Iber inexperieDte, que nunca vi o mundo, que
nunca sabi senao em companhia de minha mi, e
poucos das em companhia de meu marido, aban-
donada ? boi do de um vapor, sem prolecco, sem
ter quem por mim levautasse a voz, quem reque-
resse o meu direito ;eu, que nunca erobarquei,
sem pratica alguma dos usos e cosluraes de am
navio, desorientada, dessolada, sem recursos, por-
que tnde o que possuia, ludo se me bavia rouba-
lo, o que havia de fazer 7 I
Una alma caritativa se prestou a escrever o ar-
tigo que sahio no Diario de S, e Vracg., Srs. re-
dactores, a publica lo ralis, como agora Ihes ro-
go pubbquem o presente para explicar a informa-
do do Sr. commandante do vapor Tucuniins.
Amelia Januana de Andrade.
Recife, 10 de Janeiro de 1865.
CURA
Sspantoza c A din i nivel
Nesse bello torno todos sabem
E discutem, comentam a-lei;
Mas, chegando o momelo opportuno,
Menoscabara, -aviltam alei.
- Liberdade e progressoproclamara
Confiados na forca dalei;
Porm tanto lhe mechem, sem tino,
Que porllm j nao contara co'ale!
Ninguem pode aspirar grandezas
Se nao tem pergaminho delei,
Pois, quem tem essa gloria subida,
Acha serapre padrinho nalei:
Nao procuran) saber se menino.
Se inda mama no seio dale;
Pode ser senador,deputade
E ministro, e o mais que delei.
Acontece, porm, qu'a matraca
Anda todo o paiz sem terlei;
Como estpida boia nos mares
Sem que crem os homens dalei.
1. F.
G0MME1CI0.
Cota?5es officiaes.
PRAGA DO RECiFE.
11 de Janeiro de 1865.
Algodao primeira sorte235200 por arroba.
Cambio sobre Londres-90 d/v. 27 d. por 15000. papagaios. ....... um
Cambio sobre Paris90 d|v. 3">0 rs. por franco.
Cambio sobre Hamburgo90 d|v. 678 rs. por
ni. b.
Dubourcq Jnior,presidente.
Guimariessecretarlo.
Carne secca (xarque)
' Carneiros ........ um
Carvo vegetal...... arroba
i Cavernas de sicupira .... iuna
. Cera de carnauba em bruto. libra
jdem idein em velas ....
jChar..........
Charutos........ cento
Cevados (porcos)...... um
Cocos (seceos)....... cento
Colla......... libra
Couros de boi, salgados ... < .
dem dem seceos espichados. >
dem idem verdes......
i dem idem cabra eortidos. um
, dem idem de onca.....
i Doces seceos....... libra
. dem em gela ou massa. >
dem em calda ...... >
Espanadores grandes .- um
dem pequeos.......
Esteiras para forro de estivas
de navio....... cento
Estopa nacional ...... arroba
Farinha de de mandioca. .... alqueire
dem de araruta..... arroba
Feijae de qualquer qudlidade. t
Frechaes........ um
Fumo em tolha, bom .... arroba
dem ordinario ou reslolho >
dem em rolo bom...... >
dem ordinario ou restolho
Gallinhas........ urna
Gomma......... arroba
Ipeeacuanha (raz)...... >
Leuha em achas...... cento
Tres..........
Linhas e esteios....... um
Mel ou melaco....... caada
Milho.......... arroba
maodei fazer
mot lugares
prenca.
Dado e paasado nesta cidade Un Rccife de Per-
nambueo, aos II de janeiro de 1863.
15500 Eu Manoel de Carvalbo Paes de Andrade, es-
800 crivao o sobsc'-evi. ,
800 1'ristao de Aleacar Arar i pe.
400 O Dr. TriHao ce Alencar Aranpe, official da im-
890 perial ordem da Rosa, e j'uiz de dir- ito especial
900 do commerc: >, nes^C cidade do Recite, capital
da provincia le Pernaurbuco, por Sua Magcsiade
55500 Imperial c institucional o Sr. D. Pedro II, i
225000 quera Detis ( uarde etc.
155OO Fago saber os que o presenta edital vreme
25600 dellc noticia liverem que no dia 13 de fevereiro do
15850 anno prximo vindouro, se ha de arrematar per
351OO venda quem mais der em praca publica deste
55120 juiso o escravo segninte:
Amaro, cnov lo, reprsenla ter 14 i 16 annos de
25OOO idade, sem de feito algum, avaliado por um cont
15600 e quinhentos muris, oqual fra penhorado por
800 execuco de Jo iquim Elviro da Silva, contra o te-
15200 nente-coronel Francisco Santiago Ramos.
E nao haven< o lancador que cubra o preco da
35000 avaliaco, ariematajo ser feila pelo prejo da
75000 adjudicacao na forma da le.
75400, E para que ebegoe ao conheclmenlo de lodos
65OOO mandei passar b presente que ser publicado pela
440 Imprensa e afiliado no lugar do eos turne.
360 Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
280 namburo, aos 19 de dezembro do anno do nasci-
500 ment de Nosso Senhor Jess Christo de 1864.
352OO Eu Manoel Mara Rodrigues do Na;cimento, es-
45OOO crivao o subscr^vi.
15000 i Tristo de Alencar Araripe,
85060 O Dr. Tristo de Alencar Araripe, official da irnl
300 perial ordem da Rosa, juiz de direito. especia-
3001 do commereia, da cidade do Recife e seu lermol
15500 i por Sua Megestade Imperial e Cunslitucioua,
25500 o Sr. D. Pedro II, quem Dos guarde etc.
1350001 Fago saber ajos que o presente edital virem,
50O8 e delle noticia livercra que a requerlmenlode P.
600 J. Foulkes fon resceodido a concordata de Cami-
150 nha & Filhos pela sentencia do iheer seguinte :
240 Visia a materia da pelicao de folhas9i9, na qual
105 expeo suplicante Pedro Joao Foulkes que os
350 supplicados Vicente Ferreira des Santos Caminha,
IO5OOO Manoel Ferreira dos Santos Caminha e Alexandre
I5OOO Ferreira dos saqtos Caminha, socios da rma fal-
320 lida Caminha & filhos nao cumpriram a concorda-
500 ta que Ihes foi concedida por seus redores na fr-
4000 ma do aatodefulbas 696, e mostrando-se pelo do-
25000' cumento a fulhas 929, que com effeito a concorda-
| ta Bao foi cumprida, deixando osupplicaote de ser
155OOO pago na forma convencionada com (alta de boa f
I56OO e preiuizo do mesmo supplicante ; julgo resrindi-
250OO do a concordata, e mando que sejam os credores
451-KiU convocados nos torraos do art. 139 do regulamento
25560 n. 738 para se tratar da forraaco do contrato de
55OOO unio ou de nova concordata, devendo a reunio
145000 ter lugar ne dia 18 de outobro do eorrenta anno
85000 pelas 11 horas da manha na sala dos auditorios
85060 para o que se expediro editaes conforme o art.
550OO 133 do citado regulamento. Os curadores flseaes
600 j nomeados reassumiro as suas funecocs re-
as de 2005000 da 2* e 3? estampas, devendo co-
mecar do 1. de malo em diante o descont na
forma d* lei.
Secretaria da theeouraria de faieoda de Pernara-
bnco, em 7 de Janeiro de 1865.
Servindo de offieial-maior
Manoel Jos Pinto.
Capitana do Porta de Pernaabaee 31 de dezem-
bro de 1864.
Em vista da circunstancias melindrosas em
Para o Rio de Vanelro
pretende seguir at odia do correte a barca
Ro de Janeiro, s recebe escravos a frete e carga
miada : tratase rom os seos consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira A te vedo l C, no sen ea-
criptorio ra da Cruz n. 1.
Para a Baha pretende sabir em puuros das
a veleira escuna Elisa, capitao Belmiro Baptista
de Souzi, tem a maior parle da carga tratada, para
o pouco que lhe falta tratase com os consignaia-
que se acha o paiz, sendo necessario que todos os | ros Palmeira 4 Beltro, largo do Corpo Santo n. 4,
brasileiros concorram para a gustentaco dos brios prirociro apdar.______
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DK
."Vavegieao cestelra a rapr.
Illia de Fernando.
No dia 14 do crreme ao meio
dia sahir para o porto cima
Indicado um dos vapores desta
companhia. Recebe carga fomen-
te at o dia 13; encommendas,
passageiros e dinheiro a frete at as 10 horas da
maihaa do dia da sabida :
e dignidade nacionaes, eomprometlidos na guerra
com as repblicas do Uruguay e Paraguay, manda
o Ulna. Sr. capitao do Porto, em virtude do i,ue lhe
foi recommendado porS. Exc. o Sr. ministro e se-
cretario de estado dos negocios da marinha, con
vidar nao s aos matriculados, como a todos os
cidadaos que se queiram alistar na qualidade de
voluntarios para a armada, a se apreseutarem nes-
ta capitana nos das atis das 9 s 3 l|2Qhoras da
larde.O secretario da capitana,
Decio de Aquino Fonseca.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesou-
escriplorio no Forte do
raria de fazenda desta provincia se faz publico que Mallos n. t.
fica novamente marcado o da 14 do eorrente s 2
horas da tarde para ser arrematado a quem por
menos fizer o forneclraento d'agna putard a forta-
leza do Buraco e do liboratorio de fogos. As pes-
soas a quem convier o sobredito fornecimento de-
vero comparecer na mesma tbesouraria no dia e
hora indicados.
Secretaria da thesouraria de farenda de Pernam-
buco, em 10 de Janeiro de 1865.
Scrvindo de official-maior.
Manoel Jos Pinto.
Consulado d Portugal.
Havendo fallecido o subdito portuguez Gaspar
Pereira da Silva, sao chamados os seus credores a
apresenlarcm as suas contas nestes consulado den-
tro do prazo de 30 dias, para serem verificadas;
sendo tambem prevenido os devedores da seu es-
polio para no mesmo prazo virem pagar o que Ihes
estejam devendo ; e nao o fazendo, sero deman-
dados judicialmente.
C.oiisHIio administrativo.
0 conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos
seguiotes:
Para o arsenal de guerra.
80 garrafas de espirito de vrabo.
4 arrobas de pregos francezes de 2 I [2 pole-
gadas.
1 dita de ditos de 1 1|2 polegada.
20 duzias ,de taboas de pinho de 3|4 de gros-
sura.
20 meios de sola de lustre.
Es
DK UMA C'HAUA
CANCROS! E ROEDORA
or
POLYPO m \ARIZ.
Yttin crenda de servir residente em Pernam-
1>uco e pertenreute Ex"!.' Ser". ViscoNDESSA
Vte floiASKA, foi attacuda d'unia torrivcl clia-
gs cano tos, a roedoraon Polypo no Nariz.
A mesina involvia e tomara todo a parte in-
ferior do nariz, amea<;niulo j distruir tanto a
parte -artiluginoea como o mesmo oso Come-
>oa primeiro por appan-cer sob o bei<;o supe-
rior e parte da faro, extendendo-se por tal
oiioa e coja tal rapidez, que era pouco amea-
QS*M transfonnar tixlo o rosto n'uma enorme
eliarp viva e asquerosa. Durante todo este
tertirel estado, todos os n-cursos medicnaes
que em les cazos se uzao forao almudante-
sovto cmpregiuloH, sem (pie de leve fizesse
parar a narrha lenta e distruidorn de tao hor-
rirel eaTermidde, e to lorio baldados, e no em tanto o mal creara eis
que por milagrosa fortuna da infeliz estando
as cotizas neste ponto, se experinientou pela
vez prJimiira a
SALSAPARRILHA
DE BRISTOL.
O efiito produiido, quasi que instantneo
par este inestimawel remedio foi verddeira-
mente maravillioso e sem igual; este grande
porificador do sangue e dos humores do svs-
tema, immediatamente pz um termo mar-
cha disastnwa o fatal da molestia, derramndo-
se e infiltrando-si- atravi dos tecidos os mais
delicados do corpo, expel indo ate ultima
propriedade ou vestigio virulento da molestia,
e dentro d'um curto espaco de tempo produzio
urna
Compl
CURA
eta e Radical.
Este feliz quao admimrel resultado foi obti
do apenas com o simples oso
Duina so uu d'este iaeompararel iaapreciarel depuratorio,
recommendaniiis portento todos os Docntee
qoe procurem obter com o maior cuidado a
1 e verdadi-iru 6laparrilha ds Bristol,
lente ]ireparada por
Pao Brasil ........ quintal
dem de jangada...... um
Pedras de amolar..... urna
dem de filtrar...... 1
j dem de rebolo......
'Piassava......... molho
! Puntas, ou chifres de vaccas ou
novilhos........ cento
1 Pranchoes de amarello de dous
um
>
libra
Sabio..........
Sal.......... alqueire
Salsa pardilla....... arroba
Sebo em rama...... >
dem em velas. ......
SS'dTdtt.*114110--- MiBSiTiSS*; : : : : 23
Idemdodiall................. 2o:165J515; Idcm dYersas....... ,
Tapiocas......... arroba
Tatajuba......... quintal
Travs......... urna
L'nbas de boi....... Cento
Vassouras de piassava. ... >
Ditas de timb ......
Ditas de carnauba ...... >
\'ovo banco de Pernambuco.
EM 4 E JANkIRO DE 1865.
0 banco descoma letras na presente semana a \ costados .
10 0/0 ao anno al o praso de quatro mezes e a' dem de louro
12 0/0 at o de seis mezes ; loma dinheiro a juros! Rap
a praso nunca menor de tres mezes, esaca sobre a
praca da Baha.
Alfantlega
__l
224:3415601
tlovlmento da alfaudega
Volumes entrados com fazendas...
s com gneros...
Volumes sahidos
com fazeedas..
com gneros ...
95
907
-----1,002
Doscarregam no dia 12 de Janeiro de 1865
Brigue ingiez////a bacalho.
Barca inglezaWar/efarinha de trigo.
Lugre ingiez-Rolky idem.
Patacho hamburgnez Jas Hermanosdem.
Inportaco.
Vapor nacional Persinunga, entrado dos portos
do norte, manifestou o seguinte :
Do Cear.
Mercadorias reexportadas.
2 caitas com 348 libras de palitos para denles,
2 saceos com 4 arrobas e 27 libras de rolhas de
cortica ; a ordem.
Genero nacional.
HOsaecascom 567 arrobas e 26 libras de algo-
dao ; a Rabe Schameltau & C.
40 barriflR com 214 arrobas e 29 libras de sebo
em rama : a ordem.
J)o Aracaty.
27 saecas com 162 lib.as e 3 arrobas de algo-
dao ; a Luiz A. Siqueira.
6 rolos fumo ; a Candido Alberto Sodr.
1 caixao com 29 libras de carne secca ; ao Dr.
Chrisolito Ferreira C. Chaves.
Do Acara c.
4,311 meios de sola, 14 saceos algodao e 8 mas-
sos couros miudos \ a Jos de S Leito Jnior.
3,421 meios de sola e 39 saccas com algodao: a
Joao Jos de C. Moraes.
i,930 meios de sola e 15 saccas com algodao ; a
ordem.
1,769 meios de sola, 4 saceos com algodao : a
Antonio Alves de Moraes.
6 saceos cera de carnauba, 27 ditos gomma de
mandioca e 2 caixSes ovas; a Guedes 4 Gon-
calves.
65 saccas algodao, 183 meios de sola e 1 sacco
gomma ; a Jos4 Rodrigues Ferreira, 461 meios de
sola e 1 caixao pennas de ema ; a Fernandes 6
Irmo.
85 meios de sola; a Antonio da Silva Fialho
Jnior.
Barca nacional Henriqueta, entrada da Bahia,
consignada a Marques Barros & C, manirestou o
seguinte :
12,3-24 arrobas de carne secca de charque, 122
arrobas de graxa em bexigas e 90 couros vaceuns,
12 duzias de taboado de pinho, 18 cascos com
5,900 tarabas, 50 saceos cevada e 2 mullas; a
ordem.
Barca porlugueza Henriqueta, entrada de Monte-
video, consignada a Annaga Hijo & C, manifestou
o seguinte :
4,650 quintaes hespanhes de carne secca e 110
couros seceos; a ordem.
Patacho nacional D. luiz, entrado da Bhia, ma-
nifestou o segrate:
Gneros estrangeiros.
1 pipa lirio florentino : a Meuron & C.
50 barricas genebra ; a Jos Vicente de Lima.
1 caixote 1 apparelho de louca ; a Horacio de
Gusmao Coelho.
35 barricas cerveja ; a ordem.
Gneros nacionaes.
1 pacote com 1,000 charutos; a Jos Baptista da
Fonseca.
8 pipas com 235 arrobas de fumo moido: a Mea-
ron dr C.
2o00 quereudo o que eniendereni bera da massa fal-
25,3000 lida, que pagar as cusas.
2,5000 Recife, 23 de junlio de 1864.Tristo de Alen-
5000 car Araripe.
8000 E mais se nao continha em dita sentenca ; mas
240 nao tendo os curadores Ihcaes reaesumido os seas
900 cargos por se hayerera recusado, assim como ou-
3000 tros credores qn foram nomeados, ficou a mes-
5,5000 ma curadora affecta ao Dr. promotor publico, que
5000 prestou o devido juramento, e devendo-se proceder
800 a nomeaco de depositario da refeflda massa,, sao
4O00 pelo prsenle convocados os respectivos credores
10OO a comparecer) na sala dos auditorios no dia 19
1201 do eorrente mez s 11 horas da manha, e para
I que tenha lugar as diligencias prescriplas no art.
355001139 do reglame iton. 738, cima indicadas, sao
os mesroos credi res convocados pelo presente a
205OOO comparecerem n) mesmo lugar no dia 20 de feve-
IO5OOO1 reir do anno pr iximo futuro pelas ditas horas ;
150001 adverlindo, porn, que nenhum credor ser ad-
120 miltido por proei rador se este nao tiver poderes
4001 especiaos para o acto, e que a proco raco nao po-
255000 dei ser dada a essoa que seja dovedora aos fal-
55OOO, lidos. nem um m;smo procurador representar por
75OOO dous diversos credores; outrosim que serao unido
25^00 aos votos da mai iria dos credores presentes, os dos
1405000 credores que qutdeixarem de comparecer.
8750001 E para que anegue ao eonhecimenlo de todosj
35000 ser o presente mblicado pela imprensa e afflxado
25000 na forma da lei.
6-5000; Cidade do Recife de Pernambuco, aos
200 outubro ue 1861.
i O500OI Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascimento, escri
85000; vao o subscrevi.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DK
Xavega^o costeira a vapor.
Ara caj e escalas.
No dia 14 do eorrente as 5 ho-
ras da tarde sahir para os portes
cima mencionados o vapor Pa-
rahyba, commandante Marlins.
_ Recebe carga somente at o dia
13 ; encommendas, passageiros e dioheiro a frete
at as 2 horase do dia da sahida : escripteriono
Forte do Maltss n. 1.
Para Lisboa
O veleiro e bem conherido brigue prtugnez
Conceigao de Harta, capitao Janoario Jos de Oli-
veira, pretende seguir com muila brevidade, lem
parte de seu carregamenlo provplo ; para o resto
que lhe falta trata-se com os seos consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, do sen es-
criptorio ra da Cruz n. 1._________^^^
Hlo de laaetro.
O brigue nacional Cruzeiro do Sul, segu breve
para aquelle porto, ainda recebe carga a frete : a
tratar rom os consignatarios Marques Barros 4
C, largo do Corpo Sanio n. 6.______________
Porto
por JLlsboa.
Pretende seguir com brevidade a muilo veleira
barca porlugueza Corea, por ter grande parle da
carga engajada, paro' o resto e passageiros aos
Qq&Bi quizer venderiaes.artigos aprsente suas qUaes offerece os melbores commodosf tratase
propostas em carta fechada na secretaria do conse-1 com 0 COBSjgnal3rio T. de Aqujl0 rown jBDor
Iho administranvo as 10 horas da manha do da na ,raveSf1 da Madre de De0s n. 5, primeiro
Ib do eorrente. ...... dar, ou com o capitao na praca.
Sala das sessoes do conselho administrativo para ,
an-
canada
65000
500
Vinagre.
Allandega de Pernambuco, 7 de Janeiro de 1865.
(Assignados):
0 1. conferente, Pedro Alexandrino de Barros
O 2." conferente, Jos Thomoz de Aguiar.
Approvo. Alfaudega de Pernambuco, 7 de
dezembro de 1864.A. Eulalto.
Trislo de Alencar Araripe.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, ofBcial da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio desta cidade do Recife de Pernambu-
co, seu termo por Sua Magesiade Imperial e
Constiluciona o Senhor D Pedro II a quem Dos
guarde etc.
Faco saber ao|s qoe o presente edital viren
Conforme.-0 3. escriplurano, Joao dos Santos' delle noticia tivtrem que no dia 6 do mez de feve
Porto. j reiro, do anno prximo vindouro se ha de arrema-
Recebedoria de renuas Internas I 'ar por vonda a raem mais dr, em pra^a publica
de l'ernauliiK'O. deslejuizo, dep ,geraes
Rendimento do dia 1 10..
(dem do da 11..........
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 10------.... 45:4725215
dem dodi&ll............... 5:548.")68
51:0205783
44a! P'Pas com v'0"'1 Figuelra.avaliadas em 2505 cada
'386*365 Hma.- asquaessio pertencenles a Jos Rbeiro da
Cunha Gumares, e vae a praca por execcao de
1-4765807 I CamP'ano Coideiro. E na falta de licitantes ser
a arremauco ft na pelo preco da adjudicacao cora
o abatimento re pectivo da lei.
E para qne c gue ao eonhecimenlo de todos
mandei fazer c presente edital que ser afflxado
nos lugares dojcoslume e publicados pela im-
prensa.
fornecimento do arsenal de guerra, 11 de Janeiro
de 1864
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebastiao Jos Basilio Pyrrho,
Director.
Foi tomado a um preto, o qual andava ven-
dendo um pente de tartaruga de segurar cabello
de senhora : quem se julgar cora direito ao mes-
mo, e dando os signaes, lhe ser entregue.
Subdelegada de polica da (reguezia do Poco da
Panella 11 de Janeiro de 1865.O subdelegado,
Joao Paulo Ferreira.
Conselho atliiiiinstialivo.
0 conselho administrativo para fornecimento
do arsenal de guerra precisa comprar os objec.os
seguales:
Pan a companhi.t de artfices.
2 col he res de ferro.
1 dita grande.
2caldeiras de ferro para 50 pracas.
1 copo de vidro.
2 enxadas.
2 espumaderas.
I garfo de ferro.
1 lavatorio com bacia e jarro.
2 paes de ferro.
1 prato de vidro para copo.
Para a fortaleza de Itamarac.
1 livro com 150 folhas para registro de officio
do quartel geneal.
Quem quizer vender laes arligos aprsente suas
15 de propostas em carta fechada na secretaria do conse-
lho administrativo, s 10 horas da manha do da
13 do eorrente.
Sala das sessoesdo conselho administrativo pan
fornecimento do arsenal de guerra 9 de Janeiro
de 184. m
Antonio Pedro de S Brrelo,
coronel-presidente.
Sebastiao Antonio do Reg Barros,
vogal secretario interino.
Crrelo geral.
Pela adminisaracae do correio destacidade se
faz publico que em virtude da convencao postal,
celebrada pelos governos braslelro e francez, se-
rao expedidas malas para Europa no dia 15 do
crreme pelo vapor ingiez Magdalena. As carias
sero recebldas at tres horas autes da qne for
mareada para a sahida do vapor, e os jornaes at
quatro horas antes.
Administraeao do crrelo de Pernambuco 10 de
Janeiro de 1865.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
LEILOES.
MOYIMENTO BO POETO.
Navios entrados no dia 11.
Bahia19 dias, barca brasileira Henriqueta, de
244 toneladas, capitao Vicente Joao de Aquino,
cqnipagemH, carga 12,000 arrobas de carne:
a Marques Barros & C.
Rio de Janeiro17 das, barca portugueza Henrt-
M
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 12 de dezembro de 1864.
Eu Manoel de i]arvalbo Paes de Andrade, e:
vo o escrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
ILiliyOES.
Consnlado provincial.
Pela mesa do cdnsuado provincial se faz publi-
queta de 323 toneladas capitao Joaqom Duarte [ Co que no da 10 do crrente se principiara a con-
da Silva equipagem 14, carga 4,650 quintaes; tar os 30 dias utek marcados para a cobranca
hespanhes de carne ; a ordem. I bocea do cofre do [anno fioanceiro vigente dos ira-
Bahia-13 das, patacho brasileiro D. de 1331 postos de 4 0|0 sobre casas em que se acharera
toneladas, capitao Jos Teixeira de Azevedo,. eslabelecimentos de commercio fra da cidade do
equipagem 11, carga farinha de mandioca e ou- Hecife, prensas de (algodao, tvpographia cochei- 1
tros gneros ; a Palmeira & Beltrao. ras> botequins, hot>is, casas de pasto, cavallarices
RlrndL1V',r0rt7^7,?Lab.Te b8 S'ro_c*-!e fabricas.de 8 ensobre consultorios mdicos e
rodo Sul de 357 toneladas capitao Faustino clrorgieos, cartorids e escriptorios, de 20 OO sobre
Mart.ns Bastos, equipagem 13, carga cafe e ou- estabefecimenlos dl commercio era grosso e a re-
tros gneros; a Marques Barros i C. la|ho. armazens recolber. ns tramow ,1.
Grande lelo de movis, escravos, ca-
briolis, carrocas, caval -
los e bois.
No armazem ra da Crnz n. 57 s 10 horas
em ponto.
Cordeiro Simes far leilo de diversos movis,
crystaes e ouiros mnitos objectos de geslo qoe se
torna enfadonho msnciona-los.
Na mesma occasio vender nm eabriolet mo-
derno, urna carioca com boi, am cavallo para ea-
briolet, 1 dito para sella, conclnindo o leilo com
a venda de urna escrava de 18 annos, sem habili-
dade e 1 preto de meu idade proprio para qual-
quer servico e outros sem habilidades
Leilo de cogiae.
HO*JB.
Qnintafeira 12 do correte s 11 horas.
No armazem de Annes defroule ta porta ta
faodega.
al-
OLYMPIO
vender em
cognac.
leilo alguns barns com legitimo
AISOS MAEITIMOS.
Port oj Brass (frica) 25 dias, barca ingleza In-
dian Queen, de 302 toneladas, capitoJames Dick,
equipagem 10, em lastro; a ordera.
Howlando Tel75 dias, galera americana Ledoga,
de 859 toneladas, capilao J. H. Welley, equipa-
gem 21, carga gneros : ao capitao. Veio refres-
car e segu para New-York.
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio Grande do NorteBarca franceza Corsa, capi-
llo Daniel Robn, em lastro.
Rio de JaneiroBarca brasileira, capitao Jos Gas-
par Pestaa, carga assucar.
EDITAES.
O Dr. Trlslo de Alencar Araripe, official da impe
rial ordem da Rosa, joiz de direito especial do
commercio desta cidade do Recife de Pesnambu-
co, e seu termo por S. M. I. e C. o Senhor D.
Pedro II quem Deus guarde etc.
Faco saber aos que o presente edital virem, e
delle noticia liverem, que reqaerimento de S;ha-
li-itlim & C.*, se acha aberta a fallencia do com-
mereiante Lonrenco Puggi, pela sentenca do theor
segninte:
Verilicande-se que o coramerciante Lourenc
talho, armazens dd recolher, e os trapiches, de
505 por casa de biltiar e modas, de OOJJ por casa
que vender roupa fiila no estrangeiro, de compra
e venda de escravos, de corretores commerciaes e
agentes de leilo, d 1:0005 sobre casas de opera-
coes bancarias com feraisso e previlegios, de GOOA
pelas ditas com emlsaoe sem previlegios, de 400>
pelas ditas sem eraiiso, companhias anonymas e
agencias, de 200$ pelas casas de cambio, de 305
pelos escravos empregados no servico de alvarea-
gas, ue 1 i por tonelada de alvarenga e canoas
abertas, de 205 por cada bote ou saveiro, de 305
por cada balieira, de105 por escravo ganhador ou
empregado em servido de transporte ou em arma-
zens, de 105 por cavallo de sella de aluguel, de
65 por cavallo particular, de 5 0(0 pela venda de
capim e o imposto de carros, carrocas e mnibus,
e tambem o 1 semcsl re do de 20 0|0 do consumo
de agurdente das freguezias desta cidade e dos
Afogados, S. Loarenc), Santo Amaro de Jaboato,
Muribeca e Varzea', Ajeando sujeitos a multa de 6
0|0 sobre os seus deb los depois de Anda o dito
praso.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
7 de Janeiro de 1865;
Antonio Carneiro Machodo Ros.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provinciaj manda fazer publico a todo"
os habitantes da mesma provincia, que em virtude
LAVKAIT & KEMP,
e MVA VORK,
ns certe de que, todus as mais prepsrs^Se
imitativas nao valem par* couza algasia.
Vende-Be ras boticas de Caprs & Barbosa,
e C. Bra.vo & C.
?upg!' ou.,ror" es,ablec|do com loja de trastes, e| da circular do trlbuoal do thesouro n. 55 de'22_de
se aberla na
- das olas da
cdigo 55OOO da 4." estampa, e qne em tempo convenien-
que em sena bens, Iivros e '
1 caixao cora urna cadeira de arruar, 50 saceos hoje com loja de modas, ler cessado os seus paga-1 dezembro do anno passado, achas
caf (200 arrobas), 2 ditos com 6 arrobas e 16 li- melos, e aehar-se em estado de insolvencia, o' mesma thesouraria a substituicao d
bras de colla, 60 ditos farinha de mandioca, 200 bei por fallido nos termos do arl -797 do codico' 55000 da 4' estamua e ne errTiemr
caixoes com 24,250 cbarutos ; a ordem.
27 fardos com 128 arrobas e 4 libras de fnmo em
folha, 9 caives com 238,650 charutos; a Palmeira
& Beltro.
37 saceos eom 119 arrobas de tapioca ; a "Jos
Vicente de Lima.
I caixao com 30 quartinhas de barro; a Jfora-
p| plicantes, e sem a fallencia publicada por edilaes
fleando flxad a data da mesma fallencia no di
1." do mez prximo passado.
Recife, 10 de Janeiro de 1865.Tristo de Alen-
car Araripe.
fazenda ae i'ernam-
buco, 7 de Janeiro de 1865.
Servindo de official-maior
Manoel Jos Pinto.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda manda fazer publico a todos os habitantes
E mais se nao continha em dita sentenca, por' desia provincia, que em virtude da circular do
forja da qual o respecuvo escrlvSo, que este subs- ihesooio n. 56 de 23 de dezembro do anno proxi-
craveo, fez passar o presente edital, mo passado, fie* prorogado at o fim de abril fu-
g para (jue chegue ao conhedmeRtQ COMPAIHIA
DAS
MESSAGERIES IIPERULES
At o dia 14
do' eorrente es-
pera-se da Euro-
pa o vapor fran-
cez Gtiimne, que
depois da demo-
ra do costme
segu ir para
Bahia e Rio de
Janeiro.
Para fretes, condiccoes e pssagens trata-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado des portos do snl
at odia 14 do eorrente o vapor
Apa, commandante Carlos Anto-
nio Gomes, o qual depois da de-
mora do cosame seguir pan
os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder condnzir, a qual dever
ser embarcada no da de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C._________
COMPANHIA BBASILEIEA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte espera-
do at o da 21 do eorrente o va-
por locantins, commandante Pe-
dro Hypuliio Duarte, o qual de-
pois da demora do cosame segui-
r para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sm enerada: encom-
mendas e dinheiro a frete ateo diada sahida s 2
horas, agencia raa da Cruz n. 1, esetiptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C.
Para o hio de Janeiro
pretende seguir com malta brevidade o brigue es-
cuna A77o Sei, tem parle do seu carregament
prompto : para o resto que lhe falla e escravos a
frete, para os _quaes tem exeellentes oomoiodos,
trata-se ctm os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra
pa Cruz n. 1.
Para a Bahia
Pretende seguir eom brevidade a sumaca Hor-
tencia, tem parte de sen carre(menlo prompto
para o resto que lh falta trata-se com os seus
eeostfftatario8 Antonio Lula de Oliveira Azevedo
& C, qo seu escripieriorua da Crpz n. 1,
Leilo de difTer lara e dividas activas da antiga
loja de chapus da ra da Cadeia 46
Sexu-feira 13 de Janeiro.
O agente Pinto far leilo a requerimento de
Joauuim Luiz Vieira e por despac5o do Illm. Sr.
I)r. juiz especial do commercio, de urna poeco de
chapeos e objecios de cbapelana, assim como a
dividas activas da extracta firma viuva Vieira t
C, ra da Cadeia n. 46. O leilo ser effecinddo
s II horas do da cima dito no armazem da roa
da Senzala n. 112, junto a cocheira, aonde encon-
trarn os pretenderles os referidos objectos e a
rclaco das dividas em poder do raetmo ag Me.
Lell&o de fazendas avarlada
Sexta-fera 13 de Janeiro s 10 horas em ponto.
O agente Pinto far leilo por tonta e risco de
quem pertencer de 1,252 s.ccos para assucar ava-
riados a bordo da galera ingleza Miranda-, capi-
tao Congdon, e 50 pecas de madapolo coqueiro,
tambera com avaria : as 10 horas do da cima di-
to era seu escriptorio roa da Cruz n. 38.
0 agente de leudes Pesua, far leilo no
dia 14 do correte, pelas ti horas da manha, por
ordem do consulado de Portugal, da armacao e g-
neros de taberna, establecida na roa do Codorniz
perlencenie ao finado subdito portuguez Gaspar Pe-
reira da Silva.
AVISOS DIVERSOS.
os 6:000a00.
Terca-feira 17 do eorrente mez, se ex-
trabir a primeira parte da quarta lotera
(2a) a beneficio da Sania Casa de Miseri-
cordia, no consistorio da igreja de Nossa
Senhora do Rosario da rtguezia de SaMo
Antonio.
Os bilhetes, meios e qnartos estao a ven-
da na respectiva thesouraria roa do
Crespo n. 1S.
Os premios de 6:00000 at 10*000
serJo pagos orna hora depois da eitraccao
at s 4 horas da tarde, e os ostros depois
da distribuido das listas.
As encommendas serlo guardadas so-
mente at a noite da veapera da exlraccao
como de eos tumo,
O thesonreiro.
Antonio Jos Rodrignes de Sooza
C ABI!ETbF
PORTUGUEZ UE LfclTUU El PER-
HIB BUCO.
Tendo a Illma. administraeao actual do Gabine-
te Portuguez de Leltura dado bala neo em novem-
bro prximo passado l.liniheca do memo Ga-
binete, qoe est a meo f arge, e da qnal tome! ra-
ta por balanco em novembro de 1860, verifleon-e
terem-se extraviado durante este qnatrienlo nove
volumes, como-da nota abaixo eiarada, cuja im-
portancia (vinte e tantos mil ris) o abaixo assig-
oado lera de satlsfazer Illma. directora. Algu-
mas destas obras, a que falta algum volume, teem
de ser pagas por inteiro, eomo de lef. O abaixo
assignado pede, pois, aos senhores assoefados, en
cujo poder exista algum dos volumes indicados em
seguida, o especial obsequio de lhe faierem a en-
trega respectiva para minorar o serj- prejnizo, ero-
ben, felizmente, nao seja este de grande conside-
racio.
! vetumeRevista Popular n. 10.
dito Pormosa Douzetta de Perth n 192
dito -Coltar da Rainha 4W.
dito Lagrimas Abencoadas n. 2 215
dito Lenca (a) n. 3,047.
dito Vida aos vmte annos d. 3,284.
*to Diamante do commendador n. 3,442.
! e f volomes^-arbee () Lorro b. 3.0W.
Gabinete Portooet de Leitura em Pernambuco
10 de Janeiro de 18Kt.-f3 rnarda bibllothecario,
Antonio S. Xavier de Souza.
f
!
1
i
r
i




saan


mmm
"-'
IHarlo e rrt-n->bnort in frita Ora 11 fe fanerr* A*
r-^
RA N 0 Y A N. 34
OSEPH PRAIJINESJ
CUTILGIRO
tem a honra de prevenir as pessoas qae j
lem qualquer concert oa amolacio era j
naos dell* que venham os buscar at o
fim de Janeiro, es que fiearem dessa dala
serio vendidos para pagamento dos rnes-
mos, -uao se atlehdendo a reclaraacJo al-
guna passado esse prazo.
Approveita essa occasiao para avisar
ao respeitavel publico, que elle tem para
vender os -
AFIADORES
11 sua invencao, pelos quaes obteve un
PRIVILEGIO DE 15 ANNOS
a sua snperiorldade sobro todos os que
appareceram at heje de sobre-mo- 5
do provado-pela extraeco qoe eHes tem 3
no Rio de Janeiro, aonde sao muito apre- j
ciados.
Companuia da estrada de ferro
DO
Recife a Sao Francisco.
AVISO
aos terceiros de S. Francisco.
AVISO.
Grande Testa na Baa-Yiagem
Domingo 15 de Janeiro de 4865.
Para raaior commodidade das pessoas que qui-
lerem ir a Boa-Viagem no di* cima indicado,'
alm dos trens ordinarios haver trens especiaes .
que partirao
D Cinco Pootas
as 10 boras da manhaa.
as 11 >
as 4 > da tarde.
E de Boa-Viajero.
as 10 boras da nolte
______sl( ____________
Saude dada a todo o mundo.
Peles preciases edicamento- des Srs. riinaulli
C, pnaruareulieos de S. A. I. o principe Na-
poleae, rua de la t'euillaae 7 em Pars.
Porque as Srs. mdicos e publico usara de pre-
ferencia dos medicamentos especiaes dos Srs. Gri
------------------------- -- uKifn 1 *-*- uua lliruu .11111 Ul<>> caponar uua ^jj. w. i
Chegou a verdadeira estamenlia para namios, a m__h & c pharmaceuticos em Paris, cora os quaes
aaal se vende muito barato : na iua do guarna- e(|es ,em $empre 0bmi as curas as mais eitraor-
o n. 39, loja do portas._________________ diaras ?
O Sr. Bastos que recebia oa raa Imperial n. i !. Porque esta casa sendo sera contradila a
124 o Diario, para oSr. J. Krause, queira appare- mais imprtame do Paris, honrada com a elientella
cer na livraria n. 6e 8 da praca da Independen-, de urna parte da corle, patenfeada por S. A. I. o
! principe Napoleo s vende productos de urna effi-
Franiaotola,
Humaren fro,
Ilarblllaiua,
Ophtaalmla .ri-ofuloaa e rhroulea,
Tilm i'xrilulua,
AITrcfOcs Hyphllllle,
Elephandaola Ion Orejn,
todas M doen^as ocasionadas por um vicio do
sangue, e j tratadas sem neuhum successo polas
preparaedes vegetaei, iodadas e o oleo do ligado
de bacalbio.
cer na livraria
ca.
- Joaqu.m Jos de SanfAnna Barros, com au-j" r'
nn rm h* I Porque esses medicamentos representam as
la particular de instruyo prlnurla na ra da < conquistas da medicina e da chi-
Ouz n. 31, primeiro anJar, participa nao s aos i
Illas. Srs. pas de seas alumnos, *^Z*' 3'" **q*> tem ledos um goslo agradavel, sals-
vel publico, que abre sua aula no da J de Janeiro fazem-a v|sU) a p0l,en) ser ad,nimi)lraa()S sem pe-
torrente.____________________________ j rg0i jani0 as crianzas cerno as pessoas adultas.
D-se costura da ponte : na ra do Padre. 4.0 porque ellas diflVrem ateiramente desses re-
l-'leriano ji. 26. I medios inglezes e americanos, preparados por In-
~~Joo Manoel da Veiga e Seixas, subdito por-! dustriaes e.Mranhos.janlo a medicina como a phar-
ragaez ralira-se para Europa com sua familia, macia, dos quaes nao tem nem a sclncia ero os
o.* Poroue estes medicamentos s se applicam a
um numero limitado de doeacas, a nao as curam
todas,como os remedios de que acabamos de fal-
lar ; emfim cada producto tem sua applicacao par-
ticular.
Por isso pensamos prestar um servico a todo o
da Casa Violet, perfumista com privilegio, mun(jo, indicando aqui as importautes proprieda-
fornecedor das casas de S. M. impera- des dos principaos medicamentos dos -rs. Gri-
triz dos Francezes c da rainha Isabel II n>a"i _
Ae H^nanlia Xarope de raliort lodade.
uc ncsiMiMM. nianias mais Empregado com successo certo em lugar do oleo
As flores aa nakMqisitasas <*j* de figado de bacalhao, lao desagradavel, tao diffl-
ncas m aroma, os bakams o ouis^^^^^^^^^ especifico o mais cerio contra
servem a composlijao dos productos exclusivos ua
constante da sua multaer 0. Maria Sophia dos San-
tos Sazes e Seixas e cinco filhos menores.
Perfumara e sabonetes de
Toilet
XAROPE DEPURATIVO
IiE GOUX
BROMO-SLPHO-IODRADO
Este novo producto resultado de urna trplice corabinacSo de tres mctaHoides cejas proprie-
dads sio mu conhecidas, o Bromo, o Euxofre e o lodo, oceupa hoja a primeira ordem de
entre todos os depurativos dos quaes o mais poderoso.
As experiencias dos mdicos mais notaveis dos hospitaes de Pars, os senhores Cazenave,
Puche, Bazio, Blache, Cuibout, BaroscUet, Dsncl, Legroux, Vasse e Aubry, etc., demonstrarlo
sua poderosa effcacia as afecfdes seguientes :
Doraras e pello,
liarlrua e borhulhaa de toda rapocle,
Piara muco,
Obnlrurrors lj ni|>halro,
Papel rao,
Ene rata laa,
Akeeaaaa, poolenaao,
Caaeraa,
Ulecrao,
Tlnlia,
EHcarknta,
riaa ou Donha (do Braiil),
O Xarpe de Le Goux, de ama fcil digesto c de gosto delicioso, se emprega umbem
com muita vantagem e aconselhado pelo doutor Barthe, do hospital dos meninos, para as
criancas debis, escrofulosas e rachiticas ou sobre a influencia de ura vicio hereditario, a mui
superior neste emprego ao oleo de figado de bacalhao e aos xarpes depurativos e anti-escor-
buticos que se admnistravo at agora.
Bcposilo geral, emPorts, na botica Boullay, membro da Academia imperial de Medicina de
Paris, official da Legio de Honra, a em todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
Doutor da Faruhlade de Sciencias, membro da Academia imperial de Medicina.
Official da legio de Honra,
Ra des Fosss-fliontmartre, 17, Paris.
Este xnrdpe composlo mais de viole annos pelo sabio lente Boullay, constitue a me'hor
maneira de administrar o Ether. He empregado com successo cm todas as doencas que tirio sua
origem de um erithismo nervoso, como sao as:
Calmara de eatouiage,
lalgeotoea,
Convulaoro,
Aseeaaoa hyotcrleao e hypo-
eondrlaro,
Ralleaa vcotaaaa ou aerro-
Dcposito geral, em Pars, na botica de Boullay, deutor em Sciencias, membro d.t Academia
imperial de Medicina de faris, official da Legio de Honra, ra des Fosss-Montmartrc, 17, e
cm todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
i 04 FORMA.
aos 6:ooo.uou
j>] i ticte garantid
i' roa do Cresa* a. 23 casas de eotaaw
O abaiaoissi^nado vendeu nosseus multo fall-
as biluetes ,'.irauti Jos da lotera, que se arabon
da utrahif a beoelicio da Santa Casa da Mise-
ricordia, os sesulntes premios:
O iuteiro' a. \M& com a sorte de 6:W0A000
Um maio n. 3085 com a sorto de 1:400,5080
Dou* quartos n. 876 cota a sorte de 50oV'O0
t miras muitas sortes de 2005, 100?, 40J e
wooo.
Os possuidorespodem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespn. 23.
Acnam-se venda os da primeira parte da
quarta lotera a beneficio da Sania Casa da Mi-
sericordia, que se extrahir no da 17 do cor-
rente.
Precu.
Bilhete* inteiros ". 73000
Meios......... MoOO
Qaartos........ WOO
Para as pessoas que compraren.
de 1005 para cima.
Bilhetes ..... 6fiS0O
Meios........ 58250
Quartos........^U700
Mannel Martins Fiuza
Yafervavvnrwtaw v_* vvyo VAS
PILIXAM vi;<.i: r vi:*
DO f
DR. AYER.
EnxMqueea,
Nrn-iilal",
Expaaiuoo,
AUiiqiir de nrvea,
Vcrlluea,
Syuropea,
aaa, brpallra Satalrntao,
Aecciioaa de golit e de rbeu-
uulUuiti,
Caso* de cnvenenlciucnlo,
etc., etc., etc.
O baeharel
Francisco A11211 sto da ('.osla
ADV8GAD0
Raa do Imperador numero 69.
Veaeza do norte.
Itua das Cruzes n. :9, cenfrontea Ijpographia do
ttiario de Pernambueo.
Acha-se de novo Beata roa o botei|uim Veneza do
Norte, o qual principiar a fornecer romedorias
dequarta-feira 11 de Janeiro em diante, t
Nao ha necessidade mais ge*
ral em lodos os paizes do que a
(Je Hin jmrgante ipie seja an
mesmo lempo innocente, efika/.
e digno de loda a conlianrj.
As pailitas que ora offeroce-
mos ao pablico preenchem eitaa
condices ; pojs poden ser to-
madas pela pessoas mais fraca.
sem perigo afaum, nao tendoem
sua composica mercario nem
outro ingrediente nocivo i sau-
de, mas sendo composto de a-
gentes vegetaes mui fortes, sao bastant,
eQcientes~ activas para purificar os corpoi
mais robustos.
Estas pilulas exploran) e purifican) toda
a extensao do canal alimenticio, e do vigor
a todas as partes do organismo, corrigindo
sua accao viciada e fazendo recuperar sua
vilalidade.
Um remedio inestimavel coaira dar de
cabeca nervosa, enxaqueca, ptiso do te-
ir, hemorrhoidas, molntias do figado, fe-
I* bre gastro-hepatica, e lodas as molestias
\ [ biliosas que leem sua origem no entorpeei-
mento do figado que causa a escassez da
bilis na nflammacae d'esie orgao que pro-
duz derramainento da bilis 00 estomago ou
em um desairanjo geral dos orgos diges-
tivos.
A ieterlcli
produzida pela absori^ao da bil no
sangue, dando pelle e aos- olhos urna cor
amarellenta ; nao smenle dolorosa par
si, pormeonduz aos mais serios soffrime-n
tos.
Para cura-la toma-se de 1 5 pilulas to-
rainha das Abelhas.
Sabio real de Tridaco.
O nico recommendado pelas celebridades me
dicas corno hygienica da pelle.
Balsamo de violeta.
as escrophulas, o lymphatismo, a moleza das car-
| nes, os humores das enancas, a papeira, os rlieu-
' matismos, o escorbuto, as affeicoes da pellejas
molestias do peito. 1
Todos os mdicos de Paris o empregam como o
depurativo o mais poderoso, e o recommendam em
, un airannn mra o lodosos casos que precisa-se corrieir a aciimonia
Pomada fluidificada pelo, oleo v.rgens P*fdo Mnguef e d*r.,; todos OT pnnpios vtaesqae
servido dos cabeleireros.
Gotas de Vilelas.
Extracto da flor natural, perfume de S. M. arai
oha Victoria.
Salan de balsamo de Violetas.
Homenajiem a S. M. a Imperlr::.
Agua da belleza de Sua Magestade a
Imperatriz.
LoccSo benfica para o toilet das damas.
Flor de arroz rosada.
De S. M. a Imperatriz Eugenia.
Perfume de nctar.
MM
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
SUFFOCCO NERVOSA E OPPRESSAO
nico remedio ellicaz para couibatiir estas molestias, acalmar um attaque d'asma e impedir a
volta 6 o Xarpe aromatice de Succino (mbar amarello) do Dr Danet. Doscoberta inteiramente
recente, este novo producto se tem propagado com extrema rapidei gracas aos admiraveis resul-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, ra do Comercio, Par'is-Grenelle, e em todas as
blicas de Franca e do eslrangeiro.
K-iR p refrigerante preserva a pelle de todas as gularsar a meo>truac;o a ruspender os effellos
alTecces dormacs perniciosos das flores brancas, qu sao a causa de
i' itn il-i ilu'1i'( tantas doea?as. Elle soberano depois das con-
nos-flO uas aoeiud. valacenciaa de molestias graves, elle o reparador
Locero refrigerante para o toilete e os banlios. das for(,as e da faude pHril os oentes enfraqueci-
tl*eme pOllpadOi*. dos pel trabalho, os exeessos, as alleccoes escro-
n-i h^llP7a da nelle phulosas ou venreas.
u. eilB'-d u" l'f"- Ar As mais de familia acbarao neste naropo um me-
Para prevenir as rueg e refrescar o rosto. : dicarnenl0 sem |gnal> para furti,Car e desenvolver
treme NCVIgue. [oaystema osseo das criancas e os preservar das
Composeo especial, para lustrar e fixar os ban- affecgties escropbulosas.
perdeu, seja pelos exeessos, pelas affec^Oes lym-
phaticas, escrophulosas, e venreas.
\aiopc de quina vcriueltia fer-
rogluoso.
Ou associa^ao dos dous poderosos remedios da
materia medica que sao : o ferro um dos princl-
paes elementos de bosso sangue e a quina que o ~ Moeda: a falar na ra da Cadeia Wllia
tnico e o febrfugo por excellencia. armazem 11 66
Este delicioso medicamento ag adavrl ao paladar -----.----------.-;;----------------
e a vista, tem um resultado admiravcl as flores A festada Excelsa Senhora da Boa-Xiagem
brancas, dores de estomago, falta de appelite, po- ser solemnizada com pompa, demingo lo do cor-
breza de sangue. Elle c sobretudo til as senho- rente,
ras e as mocas delicadas, para desenvolver e re-
avuisocomopir assgnaturas, com promptido e das as manllas, isto bastante para mover
aeeio. Tem na ama para vender una grande 0 ventre smenLe al que se recupere a ac-
.arraa5aoenvidrarada, sobre columnas torneadas; -Q -a ^ SyStema
a moderna, tudo do amanillo, envernisada, qua V" j '',. _%mm ___^__\^___,
serve para qualqaer estabelecimen. Na mesma' Mal do figado, febre gasiio-hrpaha.
precisa-se de um escravQ para lodo o servico ex- dmrrhen biliosa, tndigestao, a nerralgia
temo da casa.__________'____________ | ou tic douleureax, sao todas moluslias qii*
SOCIEDADE DRAMTICA PAUTICLLAR tem seu comeco n'um desarranjo da bilis.
TH.4LIA PERNAVBl'CANA IA observaro dos doctos da bilis faz esta
Da ordem do Illm. Sr. presidente do conselho v0|ver n0 sangue, com que circula d |K>is
administrativo desta sociedade, fac.o s.-iente a todos e[Q t0Jo O COfpO e causa estragos lesas-
Deposito geral em Pernambueo ra da Cruz n. 22,;em casa de Caros & Barbosa.
Aluga-sa dutis grandes armazens no Forte
do MatQ eejn a frente par. o caes e o fundo para
Aviso aos floristas.
Xa travesa do Vigario n. ;l. casa de armad >r,
encomra-se tudo quu necessario para o labriiM
de flores, como suja : papel de tojas ai cores e
qualidade, ps para cravos, ptalas, ate., etc., mais
barato do que em ouira fjiialquer parte.
dos (cabellos.)
treme fri espumoso.
Segredo da belleza.
Para refrescar o tessido deroaaL
Perfumes das brias demal.
Delicias dos lengos e sal5es.
Dicado a S. M. a Imperatriz da Russia.
Gaia de Javencio.
Cofre mysterioso.
Encerrando talismans, segredo para r;iieza.
Allenco.
S D-se dinheiro a juros, traanse cun o |s
]p< Sr. Gampirn na botica. S
Aluga-se o armazem n. 35 da rua d>> Impe-
rador : a tratar na mesma rua, armazem de louca
n. 41.
"" Useravo fngldo. >
Da cidade da Vicioria fugio um mulatinho por
nome Matheus com idade de 10 annos pouco mais
os Srs. socios installadores, que nao ttndo compa-
recido numero sufllcienle de 'ocios pata que po-
desse ler lugar a sessao de assembla gpral an-
nnnciada para 8 do cor rente, foi esta transferida
liara o dia lo desle mez, as '.0 horas da manhaa,
na sede da socledade. Moramente scieniilico aos
me.-mos senhores socios que de eouformidade com
0 paragrapho nico do artigo 51 dos respectivos
estatuios, s poderao votar e serem votados na
prxima eleiejio do conselho administrativo, qoe
ter lugar na referida sessao, quelles senhores
socios que se achaiem completamente quites com
a sociedade.
Secretaria da sociedade dramtica particular
Thalia Pernamhucana em !> de Janeiro de 1863.
LiM d Barros
1 secretario._______
Mara d'Assumpco d'Andrade Luna, pro-
fesora dewnstrucg.o primaria d tere 'ira cadeira
de S. Antonio, faz sahr a quero convior que tem
aberto a sua aula rua da Florentina n. 6.
CASAS PARA ALGTrT
Alupam-se duas meias aguas.sendo amana praia
do forte n. I, e a outra na rua da Nassente n. 14 ;
a traiar rua do Queimado com Azcvedo &
1 rmao.
I^li\ir ISgestlvo de pepsina
Delicioso licor que oceupa o primeiro lugar en-, on menos, cujo mulatinho tem os sign^es segua-
tre as novas concpii.-tas da sciencia, a pepsina pos- tes : milito ladino, bonita lisura, pos bein [altos,
sue com effeito a propriedade importante de fazer abellos meia bou, vai vestido com una camisa
digerir os alimentos quasi sem soccorro do esto- de algoda zinho da listas, siiroula de brim, chapeo
mago, o remedio soberano das gastriles, gaslral- de carnauba oleado da encarnado, cujo molaliuho
gias, das inflammaces do estomago, dos flgados e desronfia-se ler ido com tenc,ao de assenlar praija.
dos intestinos. Elle supprime os gazas, as nauseas, Fngio no dia 5 de jaueiro de 1865 : elle diz que
as pituitcs, o desgosto dos alimentos, e presta orin- forro. Recommenda-se s autoridades polica es,
cipalmentoumiminenso servico as senhoras n'uma que pegando-o o remellara cidade da Victoria,
poslcao interessante da qual sapprime os vmitos que ser rpcomtensado como annunciei tres ve-
As pessoas que padecem de cancro no estoma"- zes. 0 referido mulatinho costuma andar com ou-
Precisa-se de um molcquu ou de urna preta
captiva para o servido interno de una casa : na
rua do Crespo 23.______________
iodo alleucao.
Tendo-se deseneaminhad 1 um eaixio com as I
iniciaos U CS. A. cun diversas miudezas, einliar
cada neste porii para o da Mossor na barcada I
Raiuha dos Anj-s, nnsire Joao Vaz da Silva : pe- Precisase de urna ama que tenha bom leite
de-se aos senhores annazenarios de diversos por- i para amamantar um recem-nascido, apiadando
(OS ou qoalquer pessoa que aaiba aonde existe o I paga-so bem : a tratar no largo do Corpo Santo
dito caixao, se dlrijam a rua do Crespa n. 7, loja numero 19.
de Cn-todio Jos Alvos Guimaiaes, que serio gra-
lific'dos.
JkMJk 111'] LI-:iTK
. cancro no estoma* zes.
Vermelho da China, preto indio e branCO go ou nos intestinos, vero sua vida prolongada tra pessoa, ou combla, para melhor poder se
de Lvs. f"'lo uso do elixir de pepsina e os vulhos e cenva-1 livrar.
Para passei^a e soirees.
P li.iii>oatal
Pas as tinhas o irilho de nacarregado.
Perfumes horisontaes.
franceza.
lecenteso sustento de sua saude e o reparador de
suas turcas; porque com una boa digeslao sempre
se gosa de boa saude.
Xarope peitoral de $. -Jorge.
Novo especifico, sem opio, recouhecido como o
Para perfumar as cartas, toalhas e os quartos. I melhor medicamento para curar a tosse, defluxo,
Vndese na rua do Imperador n. 38, botica catarrho, grippa, irnlacao do pe.to, anginas, dores
de garganta, eoqiieluxa.ete.
Este delicioso xaropd popular em toda a Franca
foi descoberto pelos muoges da abbadia de S. Jor-
pe, no Anjou, e aclaalmenlo preparado pelos Srs.
[Grimanll (St C, nicos proprietarios da verdadeiraj
' receita. Recanmenda-se aos doenles que usem ao
. mesmo tempo das deliciosas pustilhns peitoraes ao |
succj de ulfiice de loureiro-cereja dos-Srs. Gri-
maull & C., este excellentc remedio composlo
I com as duas substancias as mais calmantes e ao
: mesmo tempo as mais inoffensivas da materia me-
dica, e nao con tem opio.
Injeeeo e capsulas nuil loo.
Estes dous productos que constituem a mais re-
cente e a mais iioortante mediacio para curar os
corrimentos e as molestias veneraes do homem e
da mulher, so exclusivamente vegetaes nao con-
, lm mercurio, e sao pi aparados com as tolhas do
1 malico arvore doiPerou. Nao ha molestia conta-
giosa anliga ou recente que resista ao uso desses
: dous meios. Sua rapidez de ac^ao superior a
tudo quanto se tem feito at hoje. As capsulas
. nunca cansam o estomago nem os intestinos como
I ai capsulas de copahyba, cubeba e oulras ; a in-
jjaccao nunca produz o cstreitamento como aconte-
ce com as injec^Ses com base metlica aconseja-
das at hoje.
Todos estes productos vendemstf as principaes
pharmacias do'Brasil, agente para vender por ata-
cado, no Rio de Janeiro, E. Chevolet, em Pernam-
bueo, Caors 4 Barbosa, na rua da Cruz n. 28, na
Baha, Lima & Irmos em todas as boas phar-
macias do Brasil.
Deve-se exigir sempre t asignatura Grimanll &
C, por que ha falsihcac5es parigosas.
Jos Marcelino de Mello.
Urna pessoa habilitada para excrcer o lugar
dft caixeiro em algum estaholecimento no trapiche
ou armazem a retalho, que seja em boa rua, d
fiador : quem precisa? de>xe seu nome e rua para
se tratar do ajuste, natmesma loja do Sr. Figuei-
roa.
Motolita
Ali'.gara-sc mobilias : no pateo do Terco nume-
ro t._________________________________
Aloga-seum bo.fl escravo para armazem d
assucar por tr pralica, ou para outro qnalquer
servico :
andar.
na rua do Imperador n. 50, terceiro
O abaixo assignado tenito em seu poder o li-
quido producto da venda leita em leilao da taber-
na.sita na Capunga, pertuncente ao ausente Jos
da Silva Smtos, pele aoscredores da mesma para
apresontarem seus ttulos no praso de oito das, e
(indo este proceder ao competente rate'o. Recife
4 de Janeiro de 1865.
Francisco Alves Monteiro Jnior.
O aba i so assignado deixou de ser caixpiro
do Sr. Antonio Marflm Lisboa desde o dia 8 do
corrente.Firmino Dias Corrcia. ______
Domingos Rodrigos de Andrade saca sobre
ro, vista : quem precisar
n. 33.
a praca do Rio de Jane
dirija-se a rua da Cruz
Alusa-se o Pe
Joao da Silva Ramos, medico pela Uni
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
m das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
g em suas casas regularmente as horas
J5XI para isso designadas, salvo os casos ur-
jgM gentes, qoe serao soccorridos em qual-
,'Sl que o procararem no hospital Pedro II,
jgg aonde encontrado diariamente das 6
_t_ s 8 horas da manhaa.
ijgt Tem sr.a casa de saude regularmente
\_\ montada para receber qualquer doente,
_\\ ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodos aprop^riados e nella pra-
s tica qualquer operaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 34000 diarios.
Segunda dita.... 2*500
>j_\ Terceira dita.... 2OO0
Este estabelecimento j bem acredi-
aM tado pelos bons servidos que tem pres-
& tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tem gozado.
a -! 3 -0
c -t -i
V O v> 3
ja -> 0 -i a
R 5 - 3
a f 0 = 0 o. 0 O -i
c M
0
V p QQ
" s
a. v o >
S 3 e S
sfll!
3- 3 1 o
m
t 4
i ^kPJiyim* es j"*-?'s
O solieitador Pedro Atexandrl-
uo da Costa Hachado
se ncarrega ante o foro desta cidade de tudo qua
/ ] tendente a sua profisso, aceita da partido an-
uual as pendencias judiciaes de qualquer casa n. 38.
commercial mediante razoavel ajuste. Contina
a encarregar de cobranzas nos termos do Cabo
c Ipojuca aonde continua a trabalhar como d'an-
tes, a encarrega se de defezas parante o jury nos
termos prximos a via frrea, offerecendo gratm-
innenieseus servidos aos desvalidos, pode ser
procu-ado todos 03 dias uteis das 9 horas da ma-
iiia as 3 da tarde na ruaestreita do Kosario 0.
3i. e fora dassas horas na rua Imperial n. 36, ca-
.ii da sua residencia.
Consultorio laedico-ebirurgico aa raa larga do Ro-
sario n. 20.
O Dr. loo Ferreira da Silva regressando sua
casa, contina em o exerclcio de sua profisso,
nao s na parte medica como tambem na chirur-
gica.
Preci:-a-se de pretas para vender a tarda b>
linhos, responsabilisando sa suas senhoras pela
venda qae ellas roceberem : na rua Direita n. 79,
primeiro andar.______^___________
ESCIIA VA.
Na roa Imperial n. 36, precisa-se alugar urna
escrava que compre, cosinhe e engomme para ca-
sa de pouca familia.
Attencao.
Oesappareccu na dia 7 de dezembro prximo
passado do sitio do abaixo assignado a sua escra-
va Lourenc, idade 40 annos pouco mais ou me-
nos, alta, cheia do corpo, falta de denles na fren-
te, costoma a cochiar de ura p e muito contie-
nda por ter vendido por muito tempo arroz doce
na Soledade e ltimamente vendia verduras e
fructas pelas ras: pede se as autoridades e cap-
taes de campo a apprehenso da dita preta e le-
e
Vende'-se na botica franceza rua do Imperador va-la ao mesmo sitio travessa de Joao Fernandes
Vieira 0. 6.
Guilherme Jcaquim da Silva Braga.
1
i Arrenda-se e Ulvea se venda um dos mellio-
res sitios da estrada do Arraial : qaem o preten-
der pode dirigirse rua larga do Rosario, oul'rora
rua dos Quarteis n 22, sobrado do dous andares,
que achara com quem o informe do sitio, e com
quem se pode fazer negocio por qualquer forma.
" CAlXEIROr
Na praca da independencia n. 22, loja de bilhe-
-, precisa-se de am caixeiro para taberna.
Sociedade Recrcialiva Juveotude.
De ordem do Illm. Sr. vice-presidenle. sao con-
vi la los todos os sooios, |>ra que no dia 15 do eor-
r it^ as 10 horas da manhaa campareco na salla
da iiKMiu sociodade, afim de em asembla geral
rlleiferem os novos funcionarios da presidencia e
dir, inria do corrente anno. Recife, 11 de Janeiro
1 1864.
Alves Ferreira.
Io secretario.
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na rua da Cruz n. 53,
i e.20 andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de olhos;
2* de peito :
3* dos orgaos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d si
6 as 10 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar loda e qualquer opara-
cSo tjiie julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
- Precisa-se alugar um preto ou moiecote pa-
ra servico do urna casa : na rua Nova n. 36.
f
Na rua Nova n. 63, segundo andtr, preci-
sa-se de um criado da conducta aftaocada.
NOVO SISTEMA
Retratos em porcelana
Retratos em porcelana
Retratos era porcelana
Retratos em porcelana
Retratos em porcelana
S eonhecido na AmerJea
S eonhecido na America
S sonhecido na America
S eonhecido na America
S cejihecido na America
Esli prompto e ensaiado
Est prompto e ensaiado
Est prompto e ensaiado
Est prompto e ensaiado
Est prompto e ensaiado
Para servir ao respeitavel publico
Para servir ao respeitavel publico
Para servir ao respeitavel publico
Para servir ao respeitavel publico
Para servir ao respeitavel publico
caina rua do imperador.
para a Estancia.
Pretendo satiir nesles qnalro dias o patacho lira-
sileiro D. Lmz : quem no mesmo uuier carregar
carne 011 outro qualquer genero a frera commodo,
pode dirigirse aos consignatarios Patmeira A Bel-
triio. largo do Corpo Sanio n. 4,, primoiro andar.
Hiidaiic.
C-.rdeiro Smiles, ajenie do leiles, mudon seu
estaholecimenio da ruada Caleia do Recife n. 48
para a rua da Cruz n. 57. ________ '
Club Pcrnaubucauo.
O* salSes do Club estao a disposin'io dos socios
e suas familia que quizerem assistir ao desembar-
(|ue de S. A. Imperial a enhora D. Isabel e seu
Augusto "Esposo o Senhor Conde d'Eu, que sayes-j
licram do snl no jiroximo vapor inglez >^
Livro do Povo.
O livro do povo, obra ornada eomestampas.con-
tendo a vida de Nosso Senhor JesusCnristo, e mui-
tos artigos uteis. Este livro das familias recom-
mendado o approvado pelos Exms. ^rs. D. Luiz
hispo de Maranhao e D. Manoel arcebi3po da Ba-
ha, vende-se a 1,8000 cartoriado, na livraria de
Jos Nogueira de Souza, rua do Crespo n. i.
RELOGIOS,
Veiide-se em casa de Johnslon Paier 6
C, rua do Vigario, n. 3. um bello sorti-
mento de relogios de ouro patente in-
glez, de um dos mais afamados fabricantes
de Liverpool, e tambem urna variedad-e de
boninsttrancelins para os mesmoslt
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
antigs e recentes, nico deposito r a bo-
.ica franceza, rua da Cruz n. 22 pre-
o 6__________________________________
Nossa Senhora do Monte de
Olisia,
S. Exc. o Sr. D. abbade de S. Bcnto, de accor lo
4 com o abaixo assignado, deixaram de fazer a fas-
ta d'aquella Senhora em sua igrrja, no dia por
coslume mareado, em virlude de se acbar em riti-
a a cubera da mesma igreja, e altares, visto sua
antiiiiiidaiie, a ponto de ameacar desabamento,
sendo concordes em o da 13 do corrente aolemni-
sata com toda a decencia possivel com urna missa
canuda, e Meando o mesmo templo aberto al a
noile, para o fiis devotos, qua o quizerem visi-
tar ; a depois deste dia tratarem do arrear a velha
eoheria. para ser substituida por outra, e, promp-
ta que seja, S. Exc. o Sr. D. abbade designar o
da ipie deve ter lugar a fasta eomo de costme
com toda a pompa e explendor.
O ahaixo assignado, antes desta concordata com
S. Exc. o Sr. ahbade, quo foi a i7 do prximo
passado mez, j havia apreseniado a eleicao dos
juizes e juizas para saber qnal suas esmolas; sen
Precisa-se de am
na rua Nova,-loja n.7.
andar do sobrado da rua
do Aragao n. 1, ou cadn um de per si : a tratar
na rua da Cidcia Jo B iwtfe n. 6i, primeiro andar.
1 ama que saiba cozinhar

o Benjamn Peres de
lio, rogam aos seus
Os irmos do finad
Albuquerque Maran
amigos e parentes o obsequio de assistirem
a nina missa do setino dia, que ter lugar
na igreja de Nossa Senhora da Conccicao
dos Militares, no dia 13 do corrente mez de
Janeiro pelas 7 '1^ da manhaa.___________
I
Promessas para Santo Amaro
Pemas, bracos, peilos.cabeeasa velas enfeita-
das tudo feito cjm perfeicao por barato preco : na
laja d cera da rua dj Livramento n. 36, ao p
da igreja.___________
Jos Soares d Azeiedo, professor de lingna
e lilteratura nacional b6 Gymnasio Provincial do
Recife, tem aberto em sua casa, rua Bella n. 37,
um curso especial paralada urna das seguiutes
materias:
Lingua franceza,
Geographia e historia,
Philosophia nacional e moral,
Rhelorica e pottica.
As pessoas que desojarem frequentar qualquer
destas disciplinas, podem dirigir-se Indicada re-
sidencia, de manhaa al as 9 horas, e de tarde a
qualquer hora.___________________________
Irosos saude e produz urna serie innu-
meravel !e males.
Todos estes incommodus sao curadas cora
as pilulas do Dr. Ayer.
Direcces minuciosas acompanliam cada
frasco. ^~
Vende-se na pharmacia france/a de Man-
rer C., rua Nova n. 18.
AGENCIA CENTRAL
15 Kua Direita 1.
RIO DEf nHIRO.
Veude-se em Pernambueo:
na pnarmacia franceza de
P.MAURER & C.
___________RUA NOVA N. 48._________
Agora que a iropiedade parece querer ale,*r t
eolio orgulhosae audaz. que os malvados, para
conseguir sens nefandos fins, se tem valido de
guanes impressos ha, al mesmo da agrada bi-
blia, ji falsificando-a edistribuindo-a assim falsi-
ficada, j vondendo-a, j conservandu-a em sea
poder, e fornecendo a sua li'itura a pusaa* inrx-
pcrienlcs cu ignorantes, c ja finalmente dando-a
mesmo gratis, nao posso nem devo en. qcc gra-
cas a Dees, disponho, livro de divida., de i:ma t>-
pographia o de urna encadernaco. deixar de.
abnndo mao de urna parle do que Dos mceVa,
acompanhar o meu Exm. e Rvm. vigario capitu-
lar em seus constantes esf. reos para engrande-
cimento da nossa santa religio, e de itMtinr
com o meu fraco, mas muito sincero rnniingeiitr
para esse to elevado liin. Naata intui'i. ealesi-
rtendo qua presto algum servico rau-a de>ia
mesma religio, com a reimpre.-so da ritiqt- ds
um peregrino Jernsulem, 1 risita que fez >ws li-
gares sanios em 1817 Fr, loao de Jess Ckiift.
invicto fillio de Seraphico, patria: cha S. Ftanei. tenhj resolvidapr no prelnesia obra, a prelendo
fazer a reimpressao da maneira segoiale : Rcim-
primirei, 3,000 exemplares, desles sero destina-
dos 1,000 para todas as pessoas de um e outro se-
xo, que com documento legal des seus twntw t
parochos se me apres'-ntarem, e a cada nina da*
qnaes eatregarei gratis um exemplar em blMBW
ra ; 2,000 serao reimpressos mediante asignatu-
ras, para as quaes desdr j convido a p-piil-c-
dos fiis, e de todos solicito e espero o vatiaaa roa-
curso, na raza.1 de I 5 cada exemplar. Nopossp
prescindir, porm, de rogar o pagamento adama-
do de cada assignatura, s-m o que nao me ser
pennittido effectuar essa reimpreaiaa nm-ejuir
apresentar ao publico ama edicto, j em si mes-
ma graude e dispendiosa. Paia os que adM a--i.r-
narem, o prefo de cada exemplar venda Mfi
determinado na occasiao.
Nao sei qual ser o resultado dos ineus e.-f.r-
cos, mas seja qual for, de Dos espero a recom-
pensa.Francisco Coelho de SimVs Silva._____
Antonio Luiz de Oliveira Azc-
vedo C
agentes do Banco L'niao 4o P011.
Competentemente autorisados sacam pr lodo
paquetes sobre o mesmo Raneo para ivn > I
Lisboa, e para as seguintes ageucias.
Londres sobra Banh of London.
Paris > Frederie S. Baliin & C.
> Joao Gabe & Filho.
Francisco Rahoba A Baltbia-
Jaime Mehc.
Crdito commercial.
Gonzalo Scgoria.
1 M. Perera Y. Hijos.
En Portugal.
Angra Terceira.
Caminha.
Gastellnjlranro.
llainburgo
I!arce I luna
Madrid
Cdiz
Sevilha
Valencia
Ciymnasio Provincia!.
Do da 16 de Janeiro em diante, cstaro abor-
tas as matriculas das seguintes aulas do Gymnasio
Provincial: primeiras Mras, latim, francez, In-
glez, grego allemo, muhamatica, geographia e
historia, eloquencia e potica, philosophia, lingua
e litteratura nacional, sciencias na tu raese- Nesse estadelecimento mediante a mdica quan-
tla de 1 diarios, tem o< alumnos internes roupa
lavada e engommada, rtiediro, botica, barbeiro,
luz, peona, papel, tinta a'creados para o servico.
Os meios-pensionistas pagam metade dessa qoan-
tia e os externos i por trimestre, podando fre-
quentar as anlas qae qoi jerem.
Osacretario, Cabral.
OSr. morador da roa Nova que se
acha a dever 6 quarteis de assignatnns des-
do iho declarado pein Sr j'uiz Ju5o Maria de Albu-te Diario, queira manda-las pagar pois
qnerqne Oliveira 100*000 a lllmt. 8tt. Juba D.! assim corao ejje rrr^sta de receber a paga de
Mana Felismina do Reg Costa 150^000, a Illma. cprvipos (vn ttlender i is 011-
Sra. jiiira por devocao D. Anna babel da Costa SUS servifOS (levo atienoer a OJS OU-
1003000 e a illma. Sra. psenvaa d. Francisca Ca- tro:., nnnctpalinenie o do Diario em que
roiina Pontes Tasso 600oo, cujas esmoias nao trabalham mais de 60 pessoas.
entraram na despeza da robarla da igreja; assim I-----rt n; -. cii... f..I...:^ .^, ',. t.~,^
ficaro reservadas par a fesia, lando o abaixo as-! ~ ^.s. ___\ f" s",enle ,ao3 seus freue-
'signado feito constar a S. Kxc. o Rr. D. abbade as ws desa c.dade, como aos do centro. aa6 mudoa
referida esmoUas por ella oblidas, d.-vendo tirar a saa res.denc.a da ma de S. Francisco para a
M s qu7no mfZSZ mteTdod ma larga do Rosario n. 33, segundo andar, onde
u i u |uulu.. Mff s.ftr ppopurg,},, a nuahiuw hora do da para
15.
Recifo, 10 de Janeiro de 1863.
0 jtiiz parpotno
Manoel f-nn Yiraes.
p6de ser procurado a qualqt
ostrabalhos inherentes a sna profisso.
Na raa Direita n. 78, reiaaoao, preclsa-sa
' de urna araa para coilabar.
Amarantes. Angra Terceira. Figueiia.
Arcos de Valde Caminha. Guarda.
Vez. CasiellaJJrar.ro. Goimaraes.
Aveiro. Chaves. Lagoa.
Barcellos. Coimbra. Izagas.
Bastos. Cbvilhaa. Lamtgo.
Beja. Elvas. Leiria.
Braga. Eitrems. una,-
Bragana. Evora. aa^sja.
Faro. Fafe. Mucrva.
Oliveira d'Aze- Pinhal. Ragoa.
meis. Porto-alegre. Seiubal.
Penafiel. Ttwmar. Vianaa do Cas-
Tavira. Villa Nova do lello.
Villa do Conde. Portimo. Villa Real.
Villa Real de Vizeu. sbeira.
S. Antonio. Faial. S. Miguel.
NojMrsaio.
Baha. -V.iranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qaalquer somma praze c* vista,podend I go
os satines prazo serera descoantado< no metra*
Banco a razo de 4 por canto ao aano : a tratar
na rua da Cruz n. 1.
Aluga-se nm sitia na rua do Cabral dt
cidade de 01iiHla,,con* casa terrea, coin co-
piar na frente, bota os fundos para a estra-
da e margena do rio Beberibe, con coa-
modos para familia estribara para eavsilo
e capim para sustenta-los, arvorede de
fructos, sei visinho defroote nem pelo
fundo, com ptimos passeios, sala e pnbi-
netena frente, muito prnpria para pascar a
festa, e tambetr. se alugar poranno : a fal-
lar no Recife, na livraria n. fl e 8 da praca
da Independencia, e em )linda na casa ron-
ligua com o capito Antonio Bernardo Fer-
reira. _______________________________
Ta roa
Precisase
to rtas n. 13.
il um coiinheiro



- --JT- *- m
Diarlo de reraaaibac -- Quinta elra i e Jaueiro de AStt.

JOS GOMES VILLAR
Com loja de fazendas ra do Crespo n, 17.
Pretendendo Ir muito breve a Europa iraiar de sua saude, pede aos seas devedores
Unto do mato com desta praca que saldem seus dbitos quanto antes, assim como
Est liquidando
o sea importante estabelecimento de fazendas, vendendo todo por precos que na realida-
de admirara; aproveitem Excellentissimas senhoras
As fazendas de aparados gostos
As fazendas de apurados gostos x
As fazendas de apurados gostos
E por precos que admlram
E por precos que admira.
<-i:st\L kecckiiiii\ho
/*
ARMAZEM GOIVSERVATI
23-Largo do Terco~23.
Joaquira Snn-o dos Santos, dono deste bem sonido armazem de molhados faz sciente erag
reeommendaco aos seus amigos, freguezes e a todos ein geral, que est resolvido a vender os seus
bem conbecidos gneros de primeira qualidade, por menos de 10 a 20 por cento, menos' do que em ou-
traqaalquer parte a dioheiro cootado, e todo o comprador que comprar de 50* a 100* lera o descon-
t de 5 a 10 por cento pelo seu prompto pagamento; e por isso se faz annuncio de alguns gneros,
para com este melhor se certificaren).
Massas para sopa macarro, talharim e aletria a
210 rs. a libra e em caixi a 3*.
Toueinho de Lisboa alvo muito superior a 380rs.
a libra e 8*800 a arroba.
Caf do Rio de primeira e segunda sorle a 260,280
e 300 rs. a libra e a arroba ou sacco a 8$ e
85500.
Choaricas as mais novas do mercado a 560 rs. a
libra e em barril a 155.
Passas viudas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
e a eaixa a 8*.
Batatas em ggos de 35 a 40 libras por 2*100 a ar.
robae a 80 rs. a libra.
Cb hysson miudinho supe.ior qualidade a 15-00,
25000, 25506 e 3} a libra.
Vinho de Figueira, Porto e Lisboa em pipa a 560,
500, 400 e 640 rs. a garrafa.
Milho alpista e pataco muito limpo a 140 rs. a li-
bra e a arroba a 45400 e 4J2O0.
Phosphros do gaz vindos por conta propria a 180
rs. o maco e a 25 a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga-
lao a 25800 e a caada a 45500.
Serveja das marcas mais acreditadas a 500 rs. a
garrafa c a duzia a 55800.
Figos de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
em barril ou caixa se far abatimento.
Arroz do Maranhao e Java a 100 e 80 rs. a libra
e a arroba a 25800, 2* e 25400.
Assim como ha um grande sortimenlo de charu-
tos e genebra de Hollanda, lanto em frascos como
em botijas, bolachinhas de soda, conservas, choco-
| late, marmelada, vinho engarrafado e outros mui-
Aos senhores pas de familia.
O padre Flix Barrete de Vas-
concellos, com aula particular de la-
tim na ra do Imperador n. 35, 1.
andar, contina a receber alumnos
de todas as classes, durante e de-
pois das ferias. Tambem est dis-
poste a abrir um curso de primei-
ras lellras e de francez, logo que
haja numero sufficiente de alumnos
para cada urna destas materias, e
assim tambem a receber como in-
ternos alguns meninos,de cuja edu-
cado o quizerem encarregar. Os
pagamentos serao por trimestres
adiantados, e os precos declarados
pessoalmenle na occasio do ajuste $$
para a entrada do alumno. fi|
mmmmmmmmmmm
Na praca da Independencia, loja de ounves
n. 33, compram-se obras de ouro e prata, e pedras
preciosas.assim como se faz qualquer obra de en-
commenda.e todo e qualqner concert.
O Sr. Miranda que tem recebido um Diario
na rualmperial com o nome deJoao Krause queira
vira esta typographia desmanchar um engao.
EMEIO PROFICUO]
para a cara das cscrefulas,
glndulas enfarladas, la-
mores escrofulosos e affecces
Oste genero.
O abaixo assignado entre as plantas
submellidas ao seu exame botnico de
qne a muito so ha entregado, desde que
linalisou seu tirocinio em dita .scicncia
( pelo exmelo corso do anligo jardim b -
tnico de Ollnda, c averiguando certas
propriedades modicinaes que laes iraas-
mittiram de altrumas planta, verificou
que a vimia antiscrofula era um especi-
fico contra as molestias cima denomina-
das (na llnguagem vulgar) alporcas. Re-
solveu-se porlanto a expor ao publico es-
te interessante medicamento em tintura,
em vidrinho de l|2onca, que um -s v-
drinho bastante para a cura de um es-
crofuloso e flca muito remedio.
Com os vidros acompanham um im-
presso, que explica a raaneira da appli-
caco e mais circumslancias.
Vende-se as boticas dos Srs. Jos Pe-
reira Jacintho Jnior, Recifc ra Direia
n. 135, c na do Sr. Joao Soares Rapozo,
Olinda ra dos Qaatro Cantos. Prego de
cada vidrinho 25.
Jos Eleutcrio Carneiro da Cunha.!
COMPRAS.
Compra-s onro e prata em obras velhas
daga-se bem: na loja de BiUictes da praca da Inde
pendencia n. 22.
Compra-se elfectivamente
l oaro e prata em obras velhas pagndose bem :
| na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
Compra-se urna batanea decimal nova ou em
i bom estado, com os competentes pesos e que pese
20 arrobas : a tratar no escriplono da Companhia
Pernambucaoa.
Compram se garrafas vazias : na ra do
Cabug n. 18, armazem de molhados.
Compram-se escravos.
Siivino Guilherme de Rarros compra, vende o
troca escravos de ambos os sexos e de toda idade :
na ra da Imperador n. 79, urceiro andar.
YENDAS.
5 DENTISTA DE PARS
19Ra Nova-19
| Frederico Gautier, cirurgiao dentisl i,
g faz todas as operac,oes de sua arte, e c*l-
K" loca dentes artiflciaes, tndo com superio-
ridade e perfei^ao, que as pessoas enten-
I didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentificio.
dem proprio para negocio a 320 e 360 a garrafa [ los gneros qne enfadonho mencinalos, e se al-
e a caada a 25400 e 25700. I guem duvidar venha vtfr.
GBANDE DEPOSITO DE PIANOS
DE
CASA EM MANGA.
Aluga-se ama casa nova muito fresca com ex-
eellentesoto sita no Cachang defronte do enge-
nho Poeta : a tratar na ra do Crespo loja de An-
Idrade 4 Reg.
mm mmmm mm mmmmm
{Companhia fldelidade dea
seguros martimos e ler- 3
restres estabeleclda no |
Rio de Janeiro.
ISI AGENTES EM PEPNAMBUCO
H| Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, n
g* competentemente antorisados pela direc- S
B toria da companhia de seguros Fidolida- |
de, tomam seguros de navios, mercado- H
rias e predios no sea escriptorio ra da 1
Cruz n .1.
5 RIJA MA-tl
Tendo Henrique Vogeley Acido com a acreditada casa de pianos do Sr. Joao Pedro Vogelev'
sua na ra ova n. 2o, tem a honra de annimeisMo respeitavel publico que conliuua a dita casa
com o mesrao (m esperando o annunciante que merecer a mesma confianza que tivera seu ante-
ra- 0Nute ?s,a'?elecimel0 oncootrar o respeitavel publico um grande sortimenlo de pianos fran-
cnzes e allemaes dos melhores fabricantes da Europa, escribidos especialmente para este clima pelo
^^'^ft^MVtMn^*^***'*** que estiveram na ultima'exposico
artmra?S,amado^e^les.leinsl^ameu-los5?roeadosavirfimaP^eci;l^as Wn voies destes pianos e
admirara sua excellenteconslruccao uuieo nesla cidade.
mmn 22 fslabeleciraei"o cootinua-se a alagar, afinar e concertar os pianos, tanto na cidade
cuino nos arraDaiucs.
O propietario responsabilizase pela sua excellenle qualidade.
A NACIN Al/
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
l'ma flanea era dnhcir\>, depositado dos cofres do estado, garante a boa ad-
ministrar da companhia.
BASQUEMOS DA COMPANHIA
O Banco de llespanha
Adverte-seao Sr. Feliciano Joaqtiim
deAguiar, que a sua assignatura deste
Diario est por pagar desde ontubro do
anno passado, e que o proprietario da loja
de ourjves da ra larga do Rosario n. 40,
tem declarado que nao se responsabilisa,
portante S. S. qneira mandar satisfazernes-
ta typographia.
Aluga-se a 10#000 mensaes a casa
terrea n. 283 da ra Imperial, concertada,
caiada e pintada, propria para estabeleci-
mento de negocio e moradia: a tratar na
ra do Crespo n. lo, das 10 horas do dia
as 4 da tarde.
Aula particular.
O abaixa asignado, professor particular, provi-
.sianado pela directora eral da instruceao publica
para ensinar primeiras lettras, lalim e francez,
participa ao respeitavel publico e igualmente aos
senhores pais de seus discpulos que segunda-feira
9 do corrente tem de continuar no ensino das su-
praditas materias, admiltindo matricula alumnos
externos, pensionistas e meie-pensionistas. A pra-
ticade 19 annos consecutivos no exercicio de seu
magisterio, sua inteira dedicacao ua moralldade
sao garantas que offerece aos senhores pais de fa-
milias, que desejam a saa e til educado a seus
lilnos.
Quem porlanto qnizer confiar ao mesmo abaixo
assignado a educado de seus filhos, pode dirigirse
a qualquer hora do dia aoterceiro andar do sobra-
do n. 5'8 da na Nova, onde ha muito lempo est
eslabelecido.
Jes Varia Machado de Figueiredo.
Preclsa-se de orna ama de leite sem fl I lio o
a tratar na ra da Cadcia n, 12 ou na refinaca
da Senzala Nova n. 4.
lasa de edur.ar.ao.
Jeronyrao Pereira Villar trasfeno o seu esta-
btlecimento de instruccao primaria e secundaria
para a rua larga do Rosario, sobrado de dous an-
daresn. 2 ; e participa nao s aos Illms. senho-
res, pais de seus alumnos, como ao respeitavel
publico, que as aulas estarao abortas no dia 8 de
Janeiro do anno vindouro de 1865.____________
Prerisa-se do urna ama para casa de hoinem
solteiro : Da rua da Guia n. it.
Manool Francisco da Silva Carneo ora
residente em Macei, julga nada dever
nesta praca ou fora della, mas se algtiem se
julgar seu credor queira apreseniar seu titu-1
lo nestes 8 dias, que depois de verificado!
ser immediatamenle pago por #Francisco j
Ribeiro Pinto Guimares (para isso autori-
ado) rua d'Apollo armazem n. 38. Reci-|
e 7 de Janeiro de 1865.
Maques sobre Portugal.
O abaixo assignado; autorisado pelo
Banco Mercantil PortueLc. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
fectivaraente por todos o paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Por,o, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso ; podendo, o que tomarem
saques a praso.receberem > ista, no mes-
mo Banco, descontando 4 0|0 ao anno: na
loja dt> chapos da rua do Crupo n. 6, ou
na rua do Imperador n. 63, segundo an-
dar.-Jos Joaquim da Costa Miia.
I
O professor de piano
J. Coelho da S. Araujo, contina a Icc-
cionar, mora na rua do Livramento n.
i2I, segundo andar.
DMECCAO GERAL
Madrid : Rua do Prado u. lO
immm
Primeiras lettras.
Hara Barthuleza da Conceigo partecipa aes
Illms. senhores pais de suas alumnas e a todas as
SnhrP ,1 P B pe s-sIema mutuo ,odas as combinacoes de supervivencia dos seguros! PWW que lhe quizerem dar a honra de lhe
v,. i, ,.a^ ca i,,, k ., conflarem suas meninas para lhes ensinar o
.Nella pode se lazer a subsenpeao de maneira que em nenhum caso mesmo'oor morte do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a este< aso mesmo^or m01le ao se
,a.?JaJ,"l^!^de]1.le?os.re.sul,ados 'lue Produzem as sociedades
da ndole deA NACI-
?n?einda mtSim dira''la!1nd? uma 'efea parte do interesse producida
e combinando o cos mAr^iH,4 ^. i.i..h. i- rr..
le 100$
anuos.
produz em effeetivo metlico :
No fim de 5
> de 10
de 1S
de 20
<6 25 80"TtlJkOOO
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideravai*
1:H9300
3:9425600
11:2085200
30:2o6000
leeimento dos Srs. Raymnndo, Carlos, Leite & i'rmao.
Escola central metkodo Oas-
tilho.
Est abena desde 7 de Janeiro, encina as mate-
rias do 1 e 2 graos, recebe alamnos pensionistas
em-io pensionista, por prens commodos; nao
pxcedendo ell^s a 12 annos d* idade : na rua da
eonte da Capunga, casa n. 9.
Casas para a lugar
na rua dos Marlynos n. 1, na pr'aiado Caldeireiro
n. 35, no largo da Paz n. 23, no Bu casa nova
com muijos commodos e sitio n. 12i : a tratar na
rua das Cruzes n. 42, junto a typographia.
Antonio de Souza Rangel, morador no sitio
deoominadodoT,jque, gratifica razoavelmente a
quem pegar o seu escravo Francisco, que se au-
O bachurel
m
Jo?e dos Anjos Vieira de Amorim conti-
na a advogar em seu antigo escriptorio
da praga de Pedro II ou pateo do Colle-
gio, como se chamou em oulro lempo :
$ al" Pde ser procurad das 9 horas da
gjg manhaaas 3 da tarde, e as horas di-
*R versas destas, na casa de sua residencia
sobrado n. 33 da rua do Hospicio.
m
m
m
m
m
m
Andr Long
THESOURO DAS MAIS
Providencia das enancas.
COLLARES ROYER
Electromagnticos
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DENTigO
Contra as convulsoes e para facilitar a
donti^aodascriangas preparados e inventa-
dos por Royer,pharmaceuticoda esco- VrinU'lll-sc,
la superior de Pars successor de Chereau, jo caderas do bataneo com assento e encost de
membro da academia de medicina, palhmha. ltimamente chegadas da America : no
amiga casa de Bjuillon-Lagrange, pharmaceutieo escriptorio de Matheus Austin & C. ua do Trapi-
do imperador, : che n. 36.
chefe dos trabalhos chimicos da escola po-
lylechnica,director da escola de pharmacia
Pars, e membro da academia impenal
de medicina.
ALMANAK.
Acaba de sahir dos pr-
los de nossa typographia o
ALmaaak Administrativo,
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
14; na livraria ns. 6 e 8
da praga da Independencia.
folhiha
Para 1805.
Acham-se venda na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
calendario civil e ecclesiastico, tabellas de
feriados, de emolumentos dos tribunaes
do commercio etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Rainhaem verso, o StabatMaterem
verso, devocao ao agonisante,coracJo de
Jess, cntico em louvor do Santissimo
Rosario, cntico a Virgem Mara Nossa
Senhora, trinta e tres chistosasanedoctas.
um indito poema sobre as aventuras de
um cosinheiro, o canto de urna solteira
(poesa), crescido numero de mximas e
pensamentos, urna historia como muitas
^romaneo), e vinte e cinco novas e pi-
lhericas charadas a 320 rs
COMPENDIO D0L00S0
que contem o officio de Nossa Senhora das
Dores; o modo de resar e offerecer a co-
ra, um setenario e mais outros exercicios
de piedade e devocao; ordenado pela ir-
mandade dos servos da mesma Senhora,
que se acha erecta na egreja de N. S. da
Penha do imperial hospicio dos reveren-
dos padres missotiarios apostlicos capu-
chinhos italianosde Pernambuco, approva-
do por S. M. I., que Deus guarde; dado
luz por devocao do muito reverendo
padre Fr, Placido de Messina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia_______
Vende-se urna preta boa cozllheira e en-
gommadeira, de idade de 30annos, ou troca-se p outra que seja boa quilandeira : a tratar na fun-
di^ao da rua do Brum n. 8i.
V'DE SE
urna escrava com um filho de idade de 9 an
a vista do comprador fe dir as habilidade
razao porque se vende: no largo do Paraizo n.26.
de
necessano s materias de primeiras
lingoa Iranccza : far todo o esforz para que
ellas obtenham o desejado aperfeieoamenlo affian-
cando-lhe a boa Ictlra, e lhe tirar qualquer vi-
cio na pronuncia, se o tiverem. Sua escola estar
rberta de 9 de aneiro em diante : defronte da
matriz da Boa-Vista n. 8i.__________________
O tachigrapho C. Falco acha-se de volla
esta cidade, e reside na rua Imperial n, 25, pri-
meiro andar.
Estes collares vendem-se nicamente na loja do
lettras e Gallo Vigilante rua do Crespo n. 7.
encarrega-se de toda e qualquer fenlo tendente
a sua arte, Unto nesta cidade como nos arrabal-
3--RLA ESTREITA
ROSARIO-3
sentou de casa no da 4 do corrente. O referido des. fornecendo o srvigo necesario; incumbe-6e
escravo cnoulo, de estatura baixa, deidentado e Ja direccao e execufao de qualquer trabalho de
de pes grossos era razao dos eravos de que ha pa- cozinha, bem como jantares extraordinario* a-
deeid0- ra0i. bai|e, lanches ; assim eomo aprompta' com
toda a presten variagOes de pecas geladas : quem
de seu presumo quizer utilsar-s diriia-se a raa
da Cruz n. 46.
Aluga-se a casa da rua do Tambi n. 30, as
chives eslo aa praca da Boa-Vista n. 10 e trata-
se na rua de S. Thereza n. 38.______________
Precisa-se de um criado eozioheiro, homem
ou mulher : a iratar no pateo do Carao n. 26, so-
brado contiguo egreja de Santa Thereza.
Joaquim Jos de Sant'Anna Barros com aula
particular de instruccao primaria, na roa da Cruz
n. 31, primeiro andar, participa nao s aos Illms.
Srs. pais de seas alumnos, como ao respeitavel pu-
blico, que abre sua aula no dia 9 de Janeiro cor-
rente.
WMmmmmmmm
Ao publico.
Fonseca & Rocha julgam nada
dever nesta praca oo fora della, se
porm alguem se julgar seu credor
tenha a bondade apresentar sua
conta para ser incontinente satis-
feita. Recife 31 de dezembro de
1864-
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na rua do Impe-
rador n. 17,2* indar, onde pode ser pro-
curado a qualquer hora do diae da noite
para o exercicio de sua proHssao de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio dia at i horas da tarde, devem ser
deixades por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
molestias do interior, prosegue, com o
maior afflnco, no das mais diffleeise deli-
cadas operarles, como sejamdos orgaos
ourinarios.dos olhos, partos, etc.
Instruccao particular.
O abaixo assignado contina a (accionar latim e
francez no segundo andar da caita u. 32 da rua
do Queimado.L. E. B. Vianna. ___________
lAjDAJfCA.
Manool Ferreira Pinto Hjffwiro mudon a sua
leja de ourives da rua das Laraogeirat jara a rua
do Cabug n. 2 B, onde espera continuar a mere-
cer a conQinsa de seus amigos, e do *uhlico en
geral.
P-se a quantia de 204 pelo aluguel de urna
escrava para o service interno e externo de urna
casa de pequea familia-: a tratar na rua dos
Guararapes, sobrado d. 18.
Jos Alfonso Serdeira subdito portnguez re-
tira-se para Portugal.
.\o dia 8 do eorrente fnrtaram, do sitio do
Manguinho, onde slde o brigadeire Menezes
Drummond, dnas burras, urna ruja e ontra casta-
nlu, ambas mancas e habituadas a andar em car-
ro ; tem as dinas feilas e esto bastante gordas
quem dellas souber, sr gratificado, dando noticia
ou levando-as ae referido lio.
Precisase do urna ama para todo servad"
jsjna cas : na rua da Concordia l .65.
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artiticiaes tanto por meio de
molas como pela presso do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparacoes as mais acreditadas
para conservacao da bocea.
Feijo,
9- Roa !a*Madre de Deos-9
Vende se feijo mulatinho novo, saceos
cuias, o mais novo que se pode desejar,
tt~ ~~ i T 7 j" I barato do que em outra qualquer parle.
Y 6H.6r N. S. do Oarmo.
do sobra-
do grande para dimite, defronte do sitio da viuva
do Villa Secca, com portao encarnado : quem o
Tendo a mesa regedora da veneravel ordem ter-; pretender, dirija-se ao mesmo, que achara com
ceira do Carmo de mandar edificar um sobrado de quem tratar.
um andar no lugar do que foi incendiado na rua I ----------------------;------------------------
das Cruzes n. 29, sao convidados os metresde; CZHlIlCirO C llO'eCiro.
obras ou quem quer que de dita edificacao se Vende-se um escravo moco, cozinheiro e bolcci-
queira encarregar, a apresentarem suas propostas, ro> ppro m qualquer destes offlrios : trala-se
sendo que para examinarem o referido sobrado, na rua do Destino, casa terrea n. 18, com Seve-
poderao procurar a respectiva chave em mao do riano Muniz Pacheco.
guarda da mesma ordem, oude existe o detaiheda j ------=~-----'-------- .-----------------
obra a fazer-se; e para maiores explicacoes e Versos ao 1PIVIDO
entenderao eem o rmo prior rua da Cruz do! Acharase a venda na rua do Imperador n. 15
Recife n. 18. defronle de S. Francisco por prego de 160 rs. ea-
Secrolaria da veneravel ordem terceiro do Car- da um exemplar ern brochura, versos ao Divino,
mo 10 de Janeiro de 18650 secretario,
Jernimo Emiliano de Miranda Castre.
:%a!*33:tas>s* ssmey^.t^ %s>s<: **
0 bacharcl Jurge Hornelas
continua a residir rua larga do Rosa-
rio n. 26, primeiro audar, onde pode ser
procurado para exercer a sua protissao":
Io de advogado nos auditorios dest ci-
dade;
2 de mestre da lingua franceza, en-
sinando-a tarde, e tambem noite a
pessoas cujas oceupacoes embaracem
aprende-la durante o dia.
Aus Srs pais de familia
Faz ver o abaixo assignado, professor da se-
gunda eadeira publica primaria da fregaezia de
Santo Antonio do Recife, que os trabalhos lectivos
da escola a seu cargo come^am no dia 7 do cor-
rente mez dejaneiro. O mesmo, devidamente ti-
tulado pela directora geral dos estudos, continua
a leccionar na casa de sua residencia o latim e o
francez, e por casas particulares nao s essas dnas
linguas, mas ainda as primeiras lettras, ensinande
todas as materias que constituais o extincto se-
gundo grao, e comprometindose a dar o alumno
fallandoc escrevendo o francez, assim elle eslude
e tenha gosto. As pessoas que de seu presumo
se quizerem utilisar podem procura-lo rua da
Palma n. 23.
Joao Jos Rodrignes.
Aluga-se o primeiro e segundo andares da
casa da rua do Nogueira n. 19, para ver a-chaves
acha-se na mao do morador da loja da mesma ca-1 ~3~Alni?a-se a ala da frente rom 3 miarte rtn
S PeS?l2 "criSorio Cadea 26' CSqUDa 3' -JS sobradoada5ednaerua 1 Sl?
3 Lar| i a tratar na mesma rua n. 5i, loja de livros.
Precisase na rua da Trapiche Novo n. 22
Caf e Restaurant do Commerciode um bom co-
zinheiro c um moleque escravo para todo o ser-
vico.
O abaixo assignado avisa aos seas numero-
sos freguezes tanto desta capital eomo os mora-
dores do Peres, que se acha com um grande srti-
mento de. genpros e fructas que ha, por menes 20
por cenlo do que em outra qualquer parte, ludo
eom mdita promptidao e brevidade, na taberna do
balo.
Candido Mariins de Araujo.
Fugio da casa da rua dos Martyrios n. 2 um
moleque de nome Matheus, de idade de 12 annos,
pouco mais ou menos, com os seguintes signaes :
cahec i grande, cor fula, peroas apalheladas, levou
caiga e camisa de algodao azul : qnem o pegar le-
ve-o a mesma ca*a, ou ao pateo de Carmo n. 13.
O Sr. Francisco Pereira Lebre teoha a b n-
dade de vir fallar em S. Pedro com Jaaquim Al-
ves Gomes Velludo a n-gocio de seu interesse.
proprios para se cantaron) depois ou antes de
qualquer solenmidadc, festa, novena eu mesmo
era casas particulares.
Testanieotos.
Acham se a venda os seguintes testamentos,
obras proprias para entreter em horas vagas na
rua do Imperador n. 13, defrente de S. Francisco :
da gallinha, gallo, per, leao, oncff, tigre, caxorro,
vigario, porco, pelleja entre urna alma, S. Miguel
e o diabo a 160 r?. cada iim exemplar._______
Libras esterlinas.
Vende-se ao proco corrente de 9,5 por
cada urna : na rua do Crespo escriptorio
n. 15.___________________________
Feijo
Vendem-se saceos com 22 cnias de feijo rajado
do Porto por 11, em cuias a 520 : na rua Direi-
a n. 8.
fcova liquidatao de fazenna al oa
do mez, para Techar facturas vti>- xiite
barato, par ser animo mrz t ttl, ojk o
frfuezc ititmaprotcilar : Mioja c vrnum
da Arara, rua da laperalriz n. SC, de Loncn-
(0 Pereira Mendes Guinareo.
Fazeddas especiaes para senhora.
Vende-se ricos cortes de vfslido de la a Mara
Pia para senhora de bonitas barras a K'J>. 13/,
1*J> e 16J> o corte : na rua da Imperatrix n. 5,
loja da Arara.
. A Arara rende a 24C0
Cortes de chita de cores fixas rtm 10 citados
a 2*400 e 3*200; cassas de cores a 3O, 2(0 e
400 rs. o covado : na roa da Ini loja da Arata.
Corles de camLraia de falj-itisa 7'#.
Vende-se cortes de carobraia de flpircs a
2*100, 3i e a 4*000 a peCa, ditcs de untiaia
liza e fina a 3*500, 4*5C0,5*5f0 e (*, tiis tol-
dadas para enfeitar vestidos e a 1*200 : na rua da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
Soileabarqoea a 7, 8t e a 4f*.
Vende-se soutembarque de larinha de cita
para senhoras a '*, 8*ea 1('*, dito dr fionra-
ple preto muito enfestado a 20*, 25* e 31'* : riras
capas de grosdenaple a 2P*. 2.'-*, 3C* r :.?*. | ara
liquidar : na roa da Imperatriz n. 56, leja da
Arara.
A Arara ve de de coresa Ipakapara venid.
Vende-se alpaka decores para volido > 2(0
rs. o covado, challes de lazinhas a 11(0 e !*:*
dito de merino a 4*500, ditos finos l*i, <*..
8* : na rua da Imperatriz n. 56. leja C Alai*.
Cassas da Arara a 280, 320 e ICO rit o nudo.
Vende-se cassas de core* a 2O. 3201 4fO i..
covado, lencos de seda a 800 e i* : ra n:a tfa
imperatriz n. 56, loja da Arara.
Lazinhas a Mara Pia a SCO rf.
Vende-se lazinhas a Maria Pia jara vi Mides,
com palmas de seda a 500 rs, o covado, dits de
cores a 320, 400 e 500 rs ditas lizas de con i i a-
ra capas e vestidos a 560 rs. o covado. tati n iias
para capas de senhora a 1*800, 2*5(0 e 3* : na
rua da Imperatriz ti. 56, loja da Arar.
A Arara vende chitas a 240, 2S0 e 320 is.
Vende-se chitas de cores fixas a 240, e 5f O r.
o covado, ditas francezas a 320, 360, 440 e (0 rr.
e covado, percallas para vestidos l'.rc > a SCO r ICO
rs. o covado, camisiuhas para senhora a 1*, 1|C10
3* e 4*5C0, gollinhas para senhoras e ireninas a
240, 320 e 500 rs., enlejes para f ateca a liara
Pia a 1*, 1*400 e 2*, para liquidar : a ica da
Imperatriz n. 56.
Baldes americanos para sector.
Vende-se baldes americanos, os melhores qce
tem vndo ao mercado, de 20, 25, 30 e 35 ai ros a
2*500,3* e 3*5(0 e 4*. ditos de brilhaniita e
musselina a 4*500 : na rua da Ini cratriz n. 56,
loja da Arara. ,
Fazendas para homem.
Vende se cortes de calcas de brim [ara I a 1*600 e 2*, ditos de rasemira a 3*, 3(0 e
4*500 5* : na rua da Imperatriz-n. 56, loja da
Arara.
Iloupa Lila par liCiceiH de ttdis i r,u\i<:(n.
Vende-se palitolsde trin. de roma t, l.'.'COe
3*, ditos branco a 2*'C0, dito de fia 1- 111 r*
ditos de alpaka de reres e l-iain o: a 5*, ditcs de
meia caseraira a 4500 e5*, ditcs e raiiaia a
6*, 8*, 10*, 10*, 16* c20*, ditos de nana fino
preto a 8*, 10*, 14*. 16*, 20* c 30*.
brim de cor a 2* e 2*500, dita de dito
2* ditas dedito de linhn a 3*ft00 e 4*,
cores a 2*_ de brim a 2*500, de rase!
cores e jirelas a 3*300 e 4*, caltas de e
5*, 63 c 8*, de meia easeinra a '* e '.'
misas francezas a 2* e 2*500, de linho
pregas largas a 33 e 3*500, grvalas o>
qaalidades de 500, 800, 1* e l*4CO, ecllarir.ho
de todos os tamanhos e muito bem feilos, paia li-
quidar por sertempo de fula : na rua da Impera-
triz n. 36, loja da Arara.
Colchas para cama a 2:5.
Vende-se colchas de chita para cama a 2?, ditas
de damasco a 4*. ditas de fnsto a 5>. rhnas i aia
cobertas a 320, 360, 400 e 500 rs. o covado : na
rua da Imperatriz n. 56. loja da Arara,
A Arara vende madapoln cnfeslada a 4(5.
Vende-se pecas de maiapolo en/estada a i* a
pega, dito inglez de 24 jardas de n. 30, a 65, de 1
a 3*500, n. 250 a 65500 7*500, n. 5 8*5C0,
lo a
dito
carne vanea a 7*, dito dsmestice a 7*300. dito
pau ferro a 8*, dito SL9 a 10-5, dito T a 10* c 12*,
dito sicupira a 8*300, para liquidar, na rna da
Imperatriz n. 36, leja da Arara,
i'alilnls de alpaka.
Vende-sepalitots de alpaka prelado 3* f 3*5CO,
ditos finos de eordio, lizas e brancas a 4* : rna
da Imperatriz n. 56, loja da Araia.
lo liarnleiro da rna d Imperatriz n. Sf.
Vende-se seroulas a 1*280, dita* tranrezas a
1*600e 2* : e outras muito boas fazendas qne o
de 22 freguez encontrar na loja da Arara, rua da Im-
e mais peratriz n. 56._________________
tirando annazom de tintas.
RUA DO IMPERADOR N. H.
O armazem de tintas nm gramle dero>:o de
productos chimicos e utensis os mais (mprrgados
e usados na pharmacia, pintura, pholorapr.ja. tin-
turara, pyrotechinia (fogos de artificio) cem cutras
industrias.
Montado em grande ejcala, e supprindo se di-
rectamente as principaes drogaras de Pars, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa, pede offerecer
productos de plena confianca e satsfazrr qualquer
encommenda a grosso trato e a retalho, por prfc,os
razoaveis.
Prvidos de macliinas appropriad&s satisfar
com promplldo qualquer pedido de tinlas moidas
a oleo, cuja qualidade e pureza de seus ingredien-
tes poder* ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer rom aquellas qne sao impoitadas,
e que se encontram no mercado em latas fechadas.
Tem grande collecc.o de vidroo de differentes
formatos, desde urna oitava at dezeseis oncas de
capacidade ; de vidros para vidracas e diamantes
para corta-tes ; depineeis para fingir madeira com
propriedade e outros; de papis dourados e pra-
teados e folhas de gelatina para o nam> nlu ; de
papel grande e pequeo formato de vjjias rres
para embrnlbo, para forro de ca^a, para desenho
com fundo j feto ; de papel albuninado e Bristol,
verdadeiro saxe para photographia c para filtrar,
e outros ; vrrnizes de esseuci para quadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
terior ; oleo graxo, oleo seccalivo, oleo de lnhaca
clarificado, oleo de oitlel, si cativo de Harliro, ouio
verdadeiro em p ; pra, onro, e estanto em fo-
lhas de varias cores; tinlas vegelaes, inofleBsi-
vas proprias para concitarlas ; la de cores, e
olhos de vidros para imagens; lalas em lutos e
telas para retratos ; tintas em pastis, e em po pa-
| ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
nuos e! **9*. R- D- P.'tO*. ZZZ H*, n. 20. riit
, p' a 14* a pega ; alirodozinno marra > a 5.'eo,
Vende se
urna taberna com poneos fundos e faz-se todo o ffii&atflEft pe* Pa,c1,l>'>lmbi,r.
negocio por seu dono ter de retirarse para a Bn- ^^^I^^C^f!' 2Sb!K!tt'
| louro, cereja, alfazrma, Portugal, lima, junpero,
negocio por
ropa, na rua Imperial n. 195 a
para
tratar na mesma.
Assocar crvslalisado da fabrica
2 /c Jullto
'.<'. Bahia.
Notimazereda rua da Madre de Dos n. S,
ba venda o rmito superior assut'-ar crystahsado,
e 2 arrobas, ac prero de 5* cada ar-
ima,
anis da Russia, canella, cravo'e nuitos outros ob-
jeclos que s com a vista poderao ser mostrados.
Joo Pedro das Keres,
Gerente.
ATTECAUT
Precisa-se de um caiaeiro de idade
16 anno?, que tenha pratica de taberna
da Praia n. 24.
de 14 a
: na rua
Em Santo Amaro no principio da estrada do
Belm casa encarnada vende-se 9 moradas de ra-
em saceos e 2 arrobas, ac prero oes* cada ar- sas pequeas de pedrae ral, chaos proprios, cem
rj.__________________,,_______________ : quintal de 160 palmos de fundo e 16 de largo, len-
Vende Se CalCS VaZOS proprios d0 a casa Palms de fondo a 400*. rrndem 6*
__l_i__i_-___. #__i-*___ Lmnn por mez. Vende-semais no mesmo lugar dons
Preeisa-se
Padre n. 3.
de urna ama secca : no becca do
Precisa-se de urna ama paracosnhar: na rna
Precisa-'se alugar ama ama forra ou escrava
guo sab.-. cozinhar : na rua da Cruz, sobrado n. i d^imnerarinr n
64, segundo andar. Na mesma casa aluga-se nroa d_ F
escrava boa juitandeira.
Alugam-se dous grandes sobrados com com-
m*los para numerosa familia, novos e acetados,
com jardim, cocheira, estribara e oulras eommo-
didadee, na travessa do Joao Fernandes Vieira :
a trawjoa rua da Senzala Nova n. 42.
Precisa so de nma ama para cozinhar e com
prar : na rua das Cruzes n. 9, segundo andar.
para bahnloiros e funiieiros a i$760
cadaum; nesta typographia.
Vende-se urna armaco propria para qual-
quer negocio : na rua Dimita dos Afogados : a
tratar no mesmo lugar com Maximano das Cha-
gas e Silva, ou na rua da Imperatriz n. 74.
Vende-se machina para descarocar algodao
com motores para animaes : na rua da Senzala
Nova n. 42. _____________________
Vendem-se latas com doce de caj secco,
muilo bem enfeiadas e da melhor qaalidade : na
Soledade defronle do palacio do hispo.
Vendem-se 200 varas de correles de lages
- A bordo da barca franceza Virgtle tem urna f*J***i ?Ptm*/_par.a ^on.5Jru,ir,_paJsseJ.0*_:-?1t"'
; sitios com boas casas de vvenda, cacimba d'agna
; de beber, dous grandes viveiros de peixe, tendo
| um 115 braca..- de comprido e mais 4 pequeos,
muitas arvores com mais de 40 qualidadts do
fraclas, grandes baixas de rapim aondn se ron-
serva todo' anno, nm banheiro de pedra e ral,
cercado para gado e rurnl, propor^des para ter
sempre 6 vareas de leite, trra cultivada para
planiacSes aende ja tem mandioca, algodao erva-
co edb crioulo, 300 ps de caf novos, grande
plantaco de sraruta etc., nao tendo estas proprie-
dades necessidade de cercas por ter natijiaes,
tendo alm disso exrellenle porto de embarque
dentro do mesmo sitio, alm das excedentes rasas
de moradia. que tem e ser chaos proprios, tem de
mais a mais mnita tenha de mangue : vende-se
porcode vasos para flores o alguidares vidrados- tar na rua d0 Quemado n. 18, loja do Manoel Ri- assim como as casas cima annnnciadas ludo jo-
as pessoas que desejarera comprar dirjam-se ao beiro de Carvalho.________________________. to ou separado.________________
capilo da mesma, em casa de Tissct Freres, rua Vende-se una escrava que sabe cosiohar e Vende-se um molequo de 7 a 8 annos, muito
do Trapiche. \ I engommar: aa rna de Moras n. 92. bonita flgira : no pateo do Torco n. 141
\
-...
tik
Til l-".nflaWa* Mmmmm




-r
i
Diarlo de Perna)>,,co^ qn.uU
CO.YSELHO
Q
Deiui que os Hunos da eivilisaco vos preguen
economapara os ps 1! Esta parle do corpo
humano por cerlo aquella que, neste clima ne-
eessita de maior agasalho: pela humidade nos ps
se introduz a grande maioria das molestias, e com
atas a perda da saude e da vida 111 Fra com as
botinas e sapalos velhos; reforma-Ios
45-Rua Dereita-45
Borzeguins francezes para homem
Ditos inglezes idem a 82, 7 e
Ditos para senhora
Ditos para menina
Sapates esmaga cobra
Ditos de Nantes de dnas sotas
Ditos dito de sola e vira
Spalos de borracha para senhoras
Ditos de dita para meninos
Ditos de tapete para bomens e se-
nlioras a 800 e
Sapatos de lastre para senhora a
Ditos para casa
Chinelas rasas do Parto
3*000
65000
4280Q
tfooo
oiOOO
o000
45000
15400
15000
15000
15000
500
0 VIGILANTE
Una do Crespo n. 1.
I
\f
IPASTILHASI!
FESTIVAS
DE PEPSINA
1
DE WASMAN
Dlarrheaa e raaall-
! arodmldaa
pplaa rUhor.fin
dirrcluonua daa all-
ut-ntaa.
As pastilhas digestivas eem a pepsina de Wat-
man, empreg&o se com successo lia ji alguna
iDooe pelas celebridades medicaes de Pars,
Londres, Vienna, etc., cm todas as incommodi-
dades em as quaes a digesto difficil, penosa,
imperfecta ou mesmo impossirel: eis o melhor
remedio para curl as
Gaalralglaa.
Blapcpalaa.
Kmbaraco* giit rlraa.
A gaalrllr.
Aa ffccciir orcaul-
esa do rula maco
Em todas as molestias empregio-se a miude as
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichy,
igualmente as pastilhas de Vichy. Esse mcio i sd
efhcaz quando se trate de dispepsias de curta du-
racao, mas o prolongado uso das aguas e pastilhas
ie Vichy, tem grandes inconvenientes, por quanto
os alcalinos empobrecem o sangue e isso de tal
maneira que lhes arreblhio a parte vivificante,
nutritiva e reparatriz. Com a pepsina, a contrario,
como ella urna substancia orgnica, albuminosa,
transtorma-sc ao mesmo tempo que se effectua a
transformacao dos alimentos assimilhando-se
como elles e ajudo taobcm como ellos a nutrico
Seral. Sua aeco vivifica o sangue c os rgaos
e tal sorte que, ath as pessoas que sem soffrer as
affcccdcs gstricas cima mencionadas sao nica-
mente iracas ou d'um temperamento nm pouco"
dbil, e neccssiiao subslancial alimento para for-
titicar se acho no emprgo das pastilhas pep-
sina de tresnan, um poderoso meio para a isso
chegar.
Aviso importante. 0 successo das pastilhas
a pepsina de Wasman diu causa a se fazerem fal-
sificares c mitacocs d'esse producto que os
mulos se querem desfazer. Pois por falta d'uma
boa preparaco pepsina que n'ella eatra, jas
alterada. Seremos ao abrigo d'este inconveniente,
exigcndo os compradoras que as pastilhas tenhio
as miciaes B. P. e saio da pharmaciaChevriar
Dcpsi lo geral em Pars, pharmacia Chevrler'
SI, Faubourg-Montmartre, e em todas as bou
pharmacias de Franca e dos paixM estrangeiroe.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
15600, Poso Ballisa, na sua ordera do dia, e pela Branca
Aguia, apesar de que, para estes o Gallo com seus
; agudos esporoes nuucaos offender, antes os agra-
ciara na mesma couformidade, para que o Baliza,
1 possa marchar em frente, a Branca Aguia possa
levantarse vdo,levando no bico as paliobas seu
a \ 'aB <*a" ^cara em seu ospacoso campo
dando de novo o sen canto anounciando a seus
bons freguezes e aorespeilavcl publico
' O!. -V 9S
^32-
W M
O *** >m J f*L ^> ***
5..E I- OWB
* O- < 3 < "" S
^^ **** o 3
p a e b-S" s
= 5,-p
, '55 5 8 3 r 5' 5-3
ill'rifffllt
S .- 5" S
* f "
d M 5 9
I.H
Sg
2 n -5 a
- 3 2
n
3 2
o. c
2 2
C o -i.
i II Ig
="! S-l S-g" 9-3
- gss-g-g S?
s-jf i; I- 5
1^ii""-^
ajea. S
P' S m 2
0 3 H g
a I
0 grande sorlimento de objectos de nnilo gusto que
acaba de reeeber.
Bicas caixinhas com msica ricamenle enfeila-
aas para, costura, proprio para ura delicado me-
nino.
Riquissimos cofresinhos com cadeados de metal
para guardar joias.
Ricas canas com estejo, conlendo lodos os per-
ifcjces para homem.
Riquissimas voltas fingindo perola.
Ditas com lacinhode lita.
DiUs de lindas cures e preta, de todas as aros-
SUTS.
,hLindos aderecos com pe'drinhos fiugindo bri-
Rieas livellas para vinto, de lodas as qnalidades
o bom gesto.
Ricos cintos do ultimo cosi de Paris.
Grande sorlimento de lindos enfelies para cabo-
ja, sendo do ultimo gosto e de todos os preco?.
r lores muito linas para noivas.
va en^eiladas c meias de seda para noivas.
Uiaposinhos, sapalinhos e meias de seda pan.
baptizado.
Riquissimas lilas de lodas as qnalidades para la-
co, cintos e cinteiros.
Camisinhas c golinhas para senhora.
Hiqalssimos jarros e figuras para ornamento de
sala.
Grande sorlimento de gravatinhas Unto para se-
nhora como para homem.
Luvas de pelica branca e de cores.
Uscarrilhasde bonitas cores.
Traucinhas, galio e maravilhasparaenfeiles.
Transelins de cabellos e de retroz para reloglos.
I apel amisade e de oulras qualidades.
Bolsas para viagem.
I Enlremeios e babadinhos de lindos padrees.
Lencinhos de linho bordados.
Meias para homem, senhoras, meninos e meni-
nas.
Filas de vellido lisas e com mtame de lodas as
larguras.
Thesouras e caalvetes de todas as qualidades.
Grande sorlimento de saboneles.
Lindos vasos com banha para olferecimcntos.
t.aixinhas com seis frasquinhos.
Essencias de lodas as qualidades.
Agua verdadeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grandes, e em
frascos quadrados e garrafinhas.
Pomada na de loia's as qualidades.
Superior banha em frascos e copos de lodos os
lmannos.
Sahao inglez em paos grandes e pequeos.
Escovas de cabo de madreperola, marfim e de
osso, para dentes.
Pentes para desembarazar, com friso de metal e
sem elle.
Grande liquidadlo.
Ba da Imperatriz a. .
Loja de fazendas do pavlo de Gama & Silva
Acha-se ette estabelecimento completamenie
sonido de fazeadas inglezas, francezas,,allemas e
sutssas, proprias tanto para a praca como para o
malo, prometiendo vender-se mais barato do que
em outra quaiquer parte, principalmente sendo em
porcp, e de todas as fazendas do-se amostras,
deiando flear penhor. ou mandam-sc lovar em ca-
sa pelos caixeiros da ioje do Pavio.
Vestidos soutambarqne.
Pelo nltimo vapor francez chegaram riquisslmos
vestidos a souiambarque, os mais modernos qae
nesie mercado tem apparecido, os quaes eslio
prompios cora saia, corpinho e seu competente
soutainbarque, ludo guarnecido de seda, veludo e
renda. Quem tiver bom gosto dirija-se loja do
Pavao, na ra da Imperatriz n. CO.
AOS THES MIL VESTI-
DOS. I
Na loja do Pavao, a 3$. M
e 7^000.
Vendem-se llndissimos corles de vestidos india-
nos, sendo todos bordados e de listras de cores e
brancas,proprios para casamento, pelo baralissi-
mo prego de 35 cada corle por se ler comprado
urna grande porco, sendo fazenda que tale 65,
anos a Mana Pa, tendo quatro pannos, fazenda
para o corpo com os competentes enfeites para o
mesmo, pelo baratissimo preco de 45 cada um,
ditos de lodas as cores com as barras bordadas a
crox, sendo cada um em seu carlo, tendo cada
um lodos os enfeites precisos, pelo baratissimo
preco de 75 cada um, ditos com babados mullo bo-
nitos, mas sera ser em carlo, pelo diminuto pre-
co de 35500 cada um; adverlndo-se quo os donos
da loja do pavao vendem estes vestidos por lo di-
minuto preco por terem comprado urna grande
quantidade e convir-lhe liquidarem logo, na sua
loja, ra da Imperairiz n. 60, de Gama & Suva.
Aos vinte mil eovados de laa.
Grande pechlncha, a SAO
e 3e rs.
veadem-se as mais bonitas iaazinhas transpa-
rentes, sendo com listras e quadrinhos miudinhos,
e lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
e rozas para luto, pelo baratissimo prego de 240 o
covado.dilas transparentes com palrainbas de seda
a Mana Pia, tendo de lodas as cores, e lambem
52?? PrPr,as Para '"'o. pelo baralo preco de
.t-0 cada covado, islo por haver urna grande por-
"ao: na ra da Imperairiz n 60, de Gama &
ilva. r
CLARIJN
COMMERC
VVVA DO QIEIH1DO I. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
NOV1DABE
peso e boa onaiiS 2/S.1IS.IS!um,d?8 como respeilavel publico vera pela tabella abaixo mencin.
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste a,
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 e
a arrob 'e moo> 2&60 e 3^000
ao Mijo mercado os
encioneda; garsnte-se tkm
ATSraiC/aZnasem,atas e em frascos a
2500 ei,5600'eem fr>sco
)s grandes a
Latas e eopos eem banha tina.
A agoia branca, na ra do Queimado u. 8, rece-
beu osla estimada banha fina em latas e copos, isso
alemde outras em diversos frascos.
Asmodernissimas Iaazinhas de nma s
,d2L5 caixinhas elegantemente enfeiladas
^!12S8?8--t??bas no interior das caxas
3 14200,1,5400, 1^600 e 2.
aibrf Cm C3SCa mUl novas a 280 rs>
S? ,60,rS- a ,ibra e a 4*600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
, .andf. ?60 rs. a garrafa,
dem de Lisboa aG40 rs. a garrafa.
Aramia verdadeira demalarana a 320 rs. a
Hora.
Avelinas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Bisanuos inglezes de diversas marcas a
10300 rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a U rs.
a lata.
P^fcSnmillt0 "ovas a 600 rs- a libra. ,Cevadinha de Franca muito superior a 220
Faino a 200 rs. a libra. rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400rs. a libra. | Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e, Ervilhas portuguezas a 40 rs. a lata
muito novo a 640 rs. i dem seccas muilo novas a 200 rs. a libra
gueijos flamengos do ultimo vapor a 20800 Figos de comadre e do Dourc em caixinhas
Ditos de tartaruga e
des.
de muilas oulras qunlida-
Idem inglezas muito novas a 30O0 a barri-
quinbaea200rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
fLVfiZaJmercad0' a 30 a garrafa
e 50800 a duza.
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor a
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs
cada^um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muilo alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de litnpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
Idemstearinas muito superiores a 6( 0
libra.
Eigos em caixinhas ermetiesmente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira. D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocage Cbamisso e outeos a 800, 900 e
de oilo libras e canastrinhas de 1 arroba a
10800, 50500 e 280 rs. a libra.
Farinha do .Maranhao a ICO rs. a libra,
dem de liif,'0 a 120 rs. z libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VI)
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqneir;..
dem em garrafoes de 3 e 5 galcs a 5#SC0
e 705CO cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa,
dem, quaiidade especial em garrafas Bdito
grandes, a 10800 a garrafa,
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, cm garrafa forma de pera e rolhas e
vidro, a 10000, so a garrafa vale o -
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, deffro-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
10000 a garrafa, e ero caixa com urna du- dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
de o pvo.
Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
modernas Iaazinhas de cordaozinho, as mais pro- Cognac nirW finn ,' ortn
pr.as e mais lindas que tem viudo proprias para v-KJJ -Am a 9? rS' a arrafa-
vestidos, soutambarques, capas,etc., dam-se amos-1 ??8erVf8 a /2 0 frasco.
Iras deixando penhor, e vendem-se pelo baralissi-! dem, so de pepino a 720 rs
gg,feaar~ **t a^Sala afl50'rs- -
As laVlnhag do Pavao. e SprifJ2?. T ?5r,.cantos da Bahia
\endem-se Iaazinhas de quadrinhos iransparenr cJ^a-a Pen? da Drica imperial de
es boa fazenda pelo preco do 280 rs. o covado, ^ "a'du Ferrara Jorge da Costa a 10800,
ditas largas multo finas a 400 rs., ditas estampa] j 20000, 20200, 20500 20800 30000 e
das, cor segura, padroes m.udos e grandes a 32 30500 a caixa *
rs. o covado, ditas Iransparenles com palminhaS Caf do a .!"
de seda a 400 rs, ditas escocezas a 560 rs, islo tu-1 d0 .J10 "Sg Superior a 280 e 320
rua^Krm na6lojae arraazem d Pav5o< r--!.. ibra.?.8^500.a 80800 rs. a arroba.
Os grosdenaples do Pavao.
Cartoes de bolinhos francezes mui'to botos
libra,
corpados a 25400, 2^600, 2^800 e 3^000, ditos
brancos, cor de rosa, azul e amarello a 25000 r.s
o covado : na loja de Gama & Silva, denominada i't '
^siLr;:Sd,,:s, So Z Frasqos ew--Mi
zia a 90000 e 100000.
dem em pipa. Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conserva-
ros de Lisboa a 60 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes,
800 rs.
e 800 re. a garrrafa, e 70000 a 705OOrs. dem regular a 500 rs.
adu.zia- Magas finas para sopa: estrellinha. povide,
IdemMorgauxeChateauluminidei854, a 10 rodinba e aletria a 600 rs. a libra c a 40
a caixinba com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra,
e Pcixt em latas preparado pela primeirs arte
de cozinha a 10 a lata,
Paliios de dentes a 160 rs. o mago.
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa
102OOrs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 108OOrs.
Alm dos gneros cima mencionados le-'dem de dentes"a" 1*20 rs.
mos grande porco de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que ludo ser vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. a libra
pecas e carnadas, tanto em porces como ftl Doce de goiaba em latas o melhor possi\e a
relalh0- 20 e em caix3o a 640 rs.


m
m
o
9
P
- K lp
<
O
(*
>
3-S
5
'-JU'
lili
sgg.
.Jfe
S--5
e *
ti;
[hj
i r
g m
GRANULOS e XAROPI
D'HYDR0C0TYLE ASITICA
de J. LEPINE
KmuIU pelas experieneiu fritas as Indias e
Franta pelos mais afamados mdicos que as GRAN*-
**.* ** "VDROCOTYLA ASITICA 4*
m. UPlNe Jio o ptimo remedio contra todas as eiaa-
eies de impigens ou herpes e outras molestias 4a
pene, at as mais meteradas, assim como a lepra
""'*. IMIU-IS, as MOLESTIAS ESCRO-
FULOSAS, os RHEUMAT18JIOS chronieos, ele
Deposito geral em Parit, em casa de fournies a
LABELONYE. ra Bourbot-Vitleneult. i
Deposito geral em Pernambuc* ra da
Cruz n. 22 em casa de Caros & Rarboia.
Venle se p,r preciso a armaeao da lo a de
calcado, toda envidradla, da na da ImpmilrU
na Boa-Vista n. 13. o aloguel razoavol, t- a ca
tem no interior bestante e*paro para morada a
tratar-na mesma loja com a vio va de Joo Jos
Alendes da Silva.
Bixas de Hmburgo
Vendem-se na ra Nova n. 61
Vndese a taberna da ra do Soeego, no
(.ampo Verde n. 49, com poneos fundos e bem
aHvgueiada ; vende-sc por o fe i Oouj se adiar
doonte : quem quizer fazer neg.ci, diria-se a
ni esma.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos Coelho,
RaadeQueiadd \. 19,
Ventle-se o segiilnte :
Allenraol I
Ricas Iaazinhas, fasenda a melhor que tem viu-
do ao mercado, unto era goslo como em quaiida-
de, pelo baratissimo preco de 560 rs.o covado.
Ditas mlndinhas carmezins, proprias para vesti-
dos de meninas e camisinhas a C10 o covado.
Cortes de lia cora 15 eovados, pelo baralo preet
de 61.
Oobertas de chita 4a India a 2J5O0 e3J.
I.encees de panno de linho a t e 200.
Pecas de cambraia de forro com 8 112 varas
3)&2IM). .
Toalhas alcochoadas proprias para mos a 52 a
duzia.
Ricos cortes de la com barra Hara Pia i
18*.
Pojas de platilhas de algodo cora 10 varas
proprias para saia a 45.
Algodao entestado com 7 li2 palmos de largor*
a 15100 rs. a vara.
Esteira da India, propria para forro de sala de
4, 5, e 6 palmos de largara, por menos preco dr
quo em outa quaiquer parte.
Neste estabelecimento lambem se encontrar
nm grande sorlimento de roupas feias, e por me-
did a
Pentes de tartaruga para senhora.
Ligas de seda e de algodao, assim como muitos
outros objectos de goslo que seria impossivel raen-
cmar, que a vista far f, s no Gallo Vigilante,
ru do Crespo n. 7.
Voltinhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinias
Mngindo brilhantes, assim como cruzinhas avnlsas
e voltinhas, pelo baralo preco de i e 12200, as
cruzes avuls asa 400 rs.; s no Vigilanlt, roa do
Crespo n. 7.
Leques.
Rlquissimos leques de madreperola tanto para
sen horas como para meninas, pelo barato prego
fle *2* e 14; s no Vigilante, ra do Crespo
GRANDE NOVIDADE.
. S no Vigilante.
Riquissimos enfeites de todas as qualidades para
senhoras e meninas, chegados hoje da alfandega.
luios
Riqnissimos sintos de fila larga e estrella com
nvelas grandes e pequeas, com brilhanlcs falsos,
cousa de muilo gosto.
Albiins
Tambem chegaram os riquissimos albunspara
oO retratos, com capa de tartaruga c de marfim,
consa muilochique : s no Vigianle, ra do Cres-
po n. 7.
Golinhas.
Riquissimas golinhas e manguitos, omelhor gos-
to possivel, a 22,24500 e35;s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfeites para senhora.
Riquosissim enfeites com laco e sem lago e de
onlros.muitos gosios a 12, 12500 e 32: s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
. Traneelins.
Lindos traneelins de eabello para relegio on lu-
netas, pelo baratissimo preco de 12500, ditos de
retroz a 200 rs.
Babadinhes enlremeios.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindoi
desenuos lapados e transparentes, pelo baratissimo
preco de 12200, 12500, 22 e 32; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Casearrilhas.
Grande sorlimento de casearrilhas de diversas
larguras, assim como galozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, ra do Cres-
Pitas.
Grande sorlimento de fitas de diversas larguras
e qualidades, por precos que admiram aos com-
pradores, havendo Qtas largas proprias para cin-
na 'oja do Pa>o.
Vendem-se as mais modernas Iaazinhas garibal-
dinas, fazenda inleiramcnle nova no mercado, sen-
do lodas com listras miudiohas, e iransparenles, I
com luslroa imiacao das sedinhas, tendo varias I
cores, s<
ecor de
dsjolvida e pincel.
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja
a8"ia branca. '
N* vos albuns.
Quem comprar de lOOflOOO para cima te- Palitos do gaz a 202OO a groza
r o abate de B por cento. ] passas muito novas a 480 rs. a I
RIVAL SEM SEGUNDO
libra.
: Ra do (jueimado ns. 49 e 55, loja de miudezas
da i e Azevedo Maia ^sl coniiuuando a
u vender muito barato, pois seu genio dar a fazen-
da por lodo preco a vis la dos cobres.
Cartas de alfinetes francezes da melhor quaiidade
a 80 rs.
sendo aznl,"cor de lirio, carmezim," cinz"ent I\*a$ ,ia,branca acat>a de reeeber oulra encom-' Grosas d n
havana, etc.; .sto a 500 rs. o covado para ^ae.boD,los bem encadernados albuns de "* .e-Pa-de a5 mgIezas da melhor 1ua-
------. _w ........... ^.^., ,^lu ,3. u tovauo para 'L,. j ,"2 "-" on^auc imuvb ainuiis ae lldadp a fiiO r
vender depresrj : na loja do I-aviio, na do Impe- ig*"1* velludo, massa, tartaruga e marfim, al- Caixas da clchete* franreza.: dP -n,,., ,u
rador n. 60 de Gama & Silva. \W* ds quaes com nveroscopio pata augmentar dades a 40 rt francczes de *Pnores quau-
Us mais modernos vestidos Mara Pta. B5SR2! relra,0?'S0Dtinua^e a serem ven- -
na loja do Pa>e, a 1 GJ BWSSMEt1: M rua d Qaeimado
' ta antenas para fes las
. os cofpinos differenles, tendo todos os preparse
com o compelento sinto : na rua da Imperatriz n.
60, luja do Pavao.
< amisinuas a 1 $000*
Veadem-se eamisinhas com manguitos, sendo
muito bem enfulladas, proprias para senhoras e
meninas, pelo barato preco de dez tuslScs cada
urna : na loja do I'
de Gama & Silva.
Vestidos para menioas.
vendem-se s mais modernos vestidinhos para
meninas, sendo muilo bem enfeilades Maria Pia,
tendo de diferentes lamanhos, pelo barato pre?o
de 82 cada um : na loja do Pavas, rua da Impe-
ralrizn. 60, de Gama* Silva.
leiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e
de 9 varas a 22; s no Vigilante, rua do Crespo
Filas de la.
Fitas de laa de todas as qualidades, proprias na-
ra debrum de vestido a 700 rs. a peca: s no Vi-
gilante, ruado Crespn. 7
Ricos espetaos.
Riquissimos espelhos com moldura dourada'
sem ella de 82, 102, 122 e 142, assim como com
eslumnas de differenles lamanhos a 22, 32,42, 52
e 62; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Lindes jarres e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto queaqui
tem apparecido; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Para pos de arrtx.
Riquissimos vasos com booecla para pos de arroz,
consa de mullo goslo a 12500 e 22, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada nm; s no
Vigianle, roa do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dls-
tlnctivos e offerecimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Paris e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
a 22 e a 12, assim romo outros objectos que nao e
possivel por hoje annnnciar, e visla dos fregoe-
zes se rara todo negocio; na loja do Gallo Vigilante
rua do Crespo n. 7.
Iitnipa feita barata.
Vende-se um grande sorlimento de roupa feita
para homens, sendo calcas de bnm branco e de
cor, ditas de casemira preta e de cores, ditas do
meia casemira, paletots saceos e sobrecasacos de
casemira e panno preto fino, colletes de todas as
qualidades : na loja do Pavao, rua da Imperatriz
n. 60, de Gama t Silva.
Grosdenapledecor a l^GOO o covado.
Vende-se grosdenaple de cor azul, branco e pre-
to, pelo barato prego de 12600 o covado : na loja
do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Panno de linbo a 700 rs. o covado.
Vende-se o verdadeiro panno de l/nho proprio
para lences, toalhas e ceroulas, pelo fcarato preco
de 700 rs. a vara : na loja do Pavao, roa da Im-
peratriz n. 66, de Gama & Silva.
Eronomia do Pavio.
Vende-se para acabar, nma pcre.o de retalhos
delaas ecassas de lodas as qu&lidades, e por pre-
cos muito em couta; quem tem economa qne
pode apreciar : istona Ira do Pavao, rua da Im-
peratriz n. 60, de Garr. & Silva,
Ma-ptie a 7000, s na loja do Pavio.
Vende-se superior madapolo mnito encorpado,
tendo 20 varas cada peca, com 4 palmos de largu-
ra pelo baratissimo preco de 72000 a peca, dilos
mnito finos a 82, 92 e 102000. E' pechincha, na
loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Caries de eassaa 3000.
Vendem-se muito bonitos corles de cassa, tendo
7 varas cada corte, com desenlio muilo delicados
pelo baratissimo preco de 32000 o corte; s na
loja do Pavao, ruada Impealriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cortes de chita franco a.
Vendem se Dnissimos cortes de chita fran-
eeza, com 12 eovados, tendo, padroes escuros e
alegres de cores flxas pelo baratissimo preco de
42000 o corte; s na loja do Pavao rua da Impe-
ratriz n. 60 de Gama 4 Silva.
Cambraiis lisas, na loja do Pavio.
Vendem-se pecas de cambraia lisa mnito fina,
ffi e l"P*re"' Pe'" baratissimo preco de
i-.U'ndo 8 1/2 varas cada peca, ditas muito fi-
nas a 72, 82, e 92 a peca, ditas Victoria com 10
varas pelo baratissimo preco de "2. 92 e 102, di-
tas Garrazes fazenda muito cncorpada, fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara on 2600 a peca ;
sto na loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60,'de
Gama di Silva.
Gorfes de lia a 15000.
Vendem-se corles de laas garibaldinas, malea-
das e de quadrinhos, tendo 1-2 eovados cada corte
pelo baratissimo preco de 42000 o corte; Islo na
loja de Pavao, roa da imperatriz n. 60 le Gama S
511 Ta
. A aguia branca nao cessa de encommendar do
que na de melhor e mais agradavel, e por issoaca-
oa de reetLer diversas figuras e vasos de p de
pedra com fina banha, assim como bonitos frascos
de excellentes extractos e lindas caixinhas de ma-
apira enverulsada com finas perfumaras, tudo
urna: n loja do Pavao'S d"a topjafr .!? iKSK fSSSZXfcT
a Dama a ciu """"-'rouinja-se o prelendentc a ruado Oueima-
Ail fino para engom>
mado
A aguia branca na rua do Queimade n. 8, rece-
be i glbulos de ail fino e frasnuinhos cora es-
selicia de dito para engoramados.
Outros enfeites.
A aguia branca acaba de reeeber por este ulti-
mo vapor um novo sortimento de bonitos e delica-
dos enfeites de moldes inteiramente hotos e do um
apurado gosto, assim pois comparecam os preten-
dentes munidos de dinhelro o com disposiyao de
Ex1 na loJa da aKuia "ranea rua do Queima-
UO I!. O.
Pequeos pentes de tur-
taruga.
~h?gn'* branra narua do Queimado n. ;8, rece-
cenen novasicnleesses pequeos gentes de tarta-
ruea que por suas qualidades de pequeos, lisos,
,os ePem feilos lana eslima tem merecido pa-
,o., ?ennorass(,8nraro cabello quando atado ; a
agu a oranca porem avisa aquellas pessoas que os
naviam encommendado'e a quera mais queira
aproveiiar a occasio de os comprar continuando
a seren vendidos pelo mesmo preco de ij> cada
Estando brancos ficam prctos
O om resultado e o rpido efieito que prodoz
a iipiura de chromacoma, e mesmo o facillimo
modo ide aplicar lem se lomado mui conhecldo e
apreciada por lodos t;ue usara della e por coose-
gumtoaugmenladoa exlravao.pelo que a agoia
branca maudou vir mais o novo sortimento que
acaba de reeeber constando elle de
Caijas com chromacoma para tingir os cabellos.
Hrajcos com coloriroma para lustrar ditos.
Ivif coni h.vdrocalleihrichina para limpar ditos
Ditos comoryehromanlna para limpar as oohas
jabneles brancos para lavar os cabellos.
Pomjada callicomiphila para dar chelro aos di-
tos sem oTender a preparaco feita.
Sapatos de marroquim dou-
rada para ba iles.
Essgs sapatos do grande lom vendem-se nica-
mente jna rua do Queimado loja da aguia braia n.
8 a 62 o par.
Meias finas para senhoras
gordas
Grosas de bolocs de madreperola muito finos a56(
e 640 ris.
Carreleis com 4 a 5 oilavas de retroz preto fino a
640 ri
Reim,s de papel de Peso ,iso mu'if --perior a
22000.
Grvalas da liga e de oulras Daifas qualidades a
500 rs.
Caivetes para penna com 3 folhas fazend boa i
800 rs.
Duzia de boloes branco para casaveques de senho-
ra a 100 rs.
Pe?as de fila de eos estrellas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Porluguez para os meninos a prender
a ler a 800 rs.
Os segredos da naiureza para os meninos a pren-
der a ler a 12000. ,
Carlilhas da doulnna chrislaa, finas e superiores a
320 rs.
Pentes finos de marfim a 12000, 12200 e 12500.
Pares de luvas de seda para homens e senhoras a
500 rs.
Gollinhas para senhora o melhor que ha a 320
500 rs.
Frascos com superiores banhas a 240, 320, 500 e
12000.
Livros que serve para assenlar roupa, pelo diminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Corda branco para esparlilhes muito superior, i
vara a 20 rs.
Carritis com 150 jardas de linha branra a 60
ris.
Candes com 200 jardas de linba branca garant-
d< s a 60 rs.
Grosas de pennas de ac superiores a .'CO rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
lhas a 160 rs.
Pares de boloes de punho, oh que pechincha a
120 rs.
Tintelros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 n.
Grosas de betoes de louca prateado muito fino a
160 rs.
Tesouras para costura superior quaiidade a 500
ris.
Escovas para limpar dentes, superiores a 200 rs.
Caixas com superiores phosphoros de seguraocaa
160 rs.
Caixas com 100 envelopes o melhor que ha a 640
res.
Caixas com 20 qnadernos de papel amizade, muito
fino a 600 rs.
Qnadernos de papel pequeo muilo lino a 20 rs
V nho da Madeira 9 do Porto
Vende se o superior vinho da Madeira e do Por-
to, em caixas de urna e dnas ozias : s na loja
do Vigilante, roa d Crespo d. 7.
MACHINAS MPAltM
pnrn
de
insimular auno
descarocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLIMli
Estas madi^as
poden oacarofar
quaiquer i
de algodac sen
estragar e fc
sendo bMUMe
duaspessoas pira
o traba I ho ; pede
descarocar rm
arroba 'd- algo-
dao em caroca
era 40 Motea,
ou 18 arrolas
por dia ou 5 ar-
robas de algedao
limpo.
Assim como machinas para serem mvtiii t por
aDimaes, que descarogam 18 arrobas de andr
limpo, por dia..
Os mismos lem para vender om bnWmmi v;-
por que pode fazer mover seis dcsias machipas
mencionadas ; para o que convida-se cs tr-.
agricultores a virem ver e eiamina-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47.
Saundcrs Brothers k C.
N. II, praca do Corpo Santo
RECIPE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Rua do Queimado ns. 49 e 55 loja do Baraieiro
conbecido ja como tal, esl dispondo da faam .
por todo o rm> para apurar dioheiro, quem qn-
zcr venha ver t traga o cobre, e vera o seguiule :
Barallios de canas para voltarete muilo
finas a..........................,. jo^
Miadas do linha fioxa para bordar a.... o
Pares de sapatos de Iranra de lodos os
lamanhos e finos a................... IJWOO
Massos de superior grampos para cabellos
Duzias de palitos de gaz superiores a. ..
Libras de a rea prea muilo superior a...
Frascos de superior macara oleo a___
Dilos de dito perola a..................
Ditos de oleo de Labo: a moilo finos a 320
rs. e...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de banha muito fina a............
Ditos de cheiros muilo Unos para o preco
a ris.............................
Saboneles de lodas as qnalidades a 0 rs.
160, e............................
Novel los de liaba com 400 jardas a......
Carritis de linha de cores com 200 jar-
das a .............................
Novellos de liona de gaz de lodas as ce-
res a .............................
Pecas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra veslidos a.........
.-i
MD
Uft
TOO
SOO
500
400
eco
4CT
80
60
30
Vendem-se na rua do Queimado loja da agola
ranca n. 8.
Esponjas finas para rosto
Vemfcmse na rua do Queimado loja da aguia
"ranea ;n. 8.
Cytyndros para pada
ria%
Na pdaria da rua Direita n. 84 ha para vender
os cenhcidos e acreditados cylindros americanos
para trabalho de padaria oltimamante chegados.
Roa da Scnzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. V. Johnston & C, I ,JL?^Mp_v.v.v ..............
sellins e silhes inglezes, candiel* e cast-; ^^^tlSiSTSS
Caes bronzeados, lonas iDglezas, fio devela,! aris..............................
chicotes para carros e montara, arreios para I Varas de biros francezes, superiores a...
carros de um e dous cavallos, e relogios de ,pala r2ra den,e: da D1Je,hor qne hii-
Frascos de agua para denles, superior a
ludo a............................ !(>/*.
M
400
tJtOf
onro patente inglez.
Pecas de tranca preta liza mnito fina a..
Caixas com 4 papis de agolhas Victoria a
Una da Seazalla Nova n. 42.
. Neste estabelecimento vendem-se: tsc i 1 Varas de fita preta com colxetes a
ferro COado libra a 110 r8., dem d eLov Libras de laa sortida de lodas as cores a
\innr iKm lan ,. Bonecos de choro muflo bonitos a......
Moornpra a tzur.____________________ de obreias de ma ssamoto novas a
Prela soaerier de Lisboa a H f rtl. Varas de franja .braoca e deidres para
Tem para vender Antonio Lniz de Oliveira Az loalhas a.........................
vedo & C. n,o sea escriptorio roa da Croi n. 1.
Fraseos de oleo Pnilocomeseopenor a...
Ditos com superior Una a3O e.........
Caixas de linha de gaz rom 50 novellos a
AlbaBS
para 20 at SOO retratos, muito bons e por menos Enfladores para esnartlbo
prego que em outra quaiquer parle: na rea do Duzias de botdes encamaaos para vest
Crespo n. 4. i osa........ ..................
f-0
son
aa
(fZW
ic o
aa
eco
v*
mt
wo



v


Mari* Peraamfcueo ~ Quiuia lefra it e Jamalra de i 8Q&
GRANDES \LUiVZENS
DE

*
MOLHADOS
I **** .t.,..^ Largo da Santal
Largo da Santafll
jCraz ns. 4 e 84,?'
gas juina da ra doi
aC'ibi).
Al
ESPECIAES
Largo da Santa
_,ruz ns. 12 e 84,j_
esquina da ra do'
Cebo. M[
mmmmmmm-
O dono dos ji motto acreditados armaxens de molhadOT.deMmi"d,Lfi!Idot
rilhanw, acaba de receber de sua propria encommenda, uito?jeneros den*mos
parios da presente estaeao, e tendo grande sortimento comprado aqui.aQanca que wwus
os seos gneros sao de i." qualidade. ans oor-
A seguinte tabella servir a todos de base para ajuste de contas aos por
Uddr8Nenham arraaiem vender mais barato, e melhores 8enfsdX? ncom-
Brillante, ja pelo grande sortimento qae tem, ja mesmo por sea dono se acnar eu
m.daao em sua saude e ter de vender um de seas armazens agora, e outre n ipr
xima primavera, por sso deve-se aproveitar uraa quadra destas para se ukuH
barato.
A
Latas com 8 libras de cuouricaj muito novas,
a 73dl).
Ditas grandes com peixe em postas inteiras,
mai* de 12 qualidades, a 1*000, 1*280 e
i U>0.
Ditas com ostras, exceHeote petisco para fre-
siJaira, a 720 rs.
Ditas com ervilhas novas, ensopada?, a
723 rs.
Ditas com favas, a 6iO rs.4
DiUl com ameixas a i*200, 1*800 e 34500.
Dit com marmelada do afamado fabricar.-
ciate Ahrcu, a 880 rs.
Sitas de inassa de tomate, a 500 rs.
Di ia< cen tigos de eomadre, novos, a 1*500,
i ,: Z$300,
Ditasr'om bolachiuhade soda muito novas, a
25)0.
Bitas com bisvoitinhos inglezes de muitas
qualidades, a 13400.
Chocolate.
Gi>i)olate superior muito novo, a libra a
i*20.
Hicarrfe telharim e aletria amarella.a libra
,i i?J r*.
ila dita dita branca, a libra a 400 rs.
Caixas cora estrelinha, pevide e outras mas-
sas, a ra xa 3*500.
Ditas dita em libras a 640 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
Sev.idmha para sopa a libra a 240 rs.
Ervillus seccas, a libra a 160 rs.
Bitas descascad, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
Parinha de aramia verdadeira, a libra a
800 rs.
Arroz do Maranhao, em sacca a arroba a-
8*400 e a libra a 80 rs.
Hilo da India e Java, a arroba a 3*200 e a
libra a 100 rs.
Tone,uno de Lisboa a 9&300 a arroba e a 320
rs. a libra.
Dito de 'autos, a arroba 7*000 e a libra a
HoitBti com 12o sebolas grandes, a 1*280.
M.strda frauceza caixa cota 2 duzas a
83000.
I'rasees com mo-iarda preparada era vina-
gre, a 400 rs.
Ditos'com conserva* inglezas e francezas,
a CiO o 800 rs.
Ditos com sal refinado Qno; a 640ea.jOO
ris. ,
Dit>s <-om a verdadeira genebra de laranja
a 16200.
Dito* de 2 garrafas de Hollauda verdadeira,
1*00:).
Ditos de 1 garrafa de Hollanda verdadeira,
a 640 rs.
Botijas com dita propria para negocio, a
iarrafoes com 2 galdes com dita, a 6*000.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a GSOOO.
Vinho mscate! de letuba, a garrafa a
Marrasqiiinho verdadeiro, frascos a 800 rs.
e a 1*200.
Champagne, a duzia 20*000, e a garrafa a
15 )00.
Azeite refinado portugus e francez, a gar-
rafa a 1*000.
Caixa de vinho Kordeaux muito superior, a
75. 83. 93 e 105 a caixa.
Ditis com dito branco, a 7*000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a'20*.
Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
,8S00''- ir.nnn
Ditas com chamisco superior, a i#uw.
Ditas com Pnrlo velho e outras mullas mar-
cas, a 125000- ...
Tinh-i do Porto da pipa, a garrata a 640,
720 a 800 rs. .
Dito de Lisboa muito bem, a caada a
35J00, 35500 e 4*000, e a garrafa a 500
e 360 rs. ,v\
Dito da Fiiueira, das seguinles marca, p.)
(i A. A.) (J. L G.) (O. II.) a caada a
4*.i00 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
(o* ja est engarrafado e lacrado eom o
rotlo do armazem.
Ditos rt> marcas mals desconhecidas. a cana-
da a 35500 e 4*000 e a garrafa a 480 e
520 rs.
Vinuo branco fino, a garrafa a O rs.
Dito de caj muito superior, a garraua
800 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 3*500 e a garrafa a 480 rs.
6emiB.
Saccas de 4 arrobas, a Tggff. &
engommar, a arroba a 3*000 e a iidm
SabiSraassa,aliDraa200,240e80rs.
Variaba.
-accas grandes cr.m farinlia de oianna mui-
to nova, a 5*000.
Caf. .-
Caf do Rio rauio superior, a arroba a 3$,
8*500 e 9*000.
Cha.
Cha temos nestes gneros o melhor posstve,
hysson, a libra a 2*600.
Dito perola a 3*000.
Dito mima 2*700,
Dito hysson muito fino a 2*SW.
Dito redondo a 2*500. mmaa
Dito preto de primeira qualidade a2,.oUO.
Bito mais baixo a 2*000.e 1*600.
Erva mate.
Excelente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Esaermacete.
O masso rom 6 vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prlas para mimos a 4* e 2$o00.
Neies.
Nozes, a libra 160 rs e arroba a 4*000.
Alpista e painre.
Aloisia e pai..co, a arroba 4*000 e a libra a
ICO rs.
Cartas.
Cartas finas para jogar, a duzia a 2*300.
Caslanhas.
Castanhas novas viudas neste vapor, a arro-
ba 4*000 e a libra 200 rs.
Aieitonas.
Barris com azeitonas novas a 1*300
Manteiga.
Manteiga flor, a libra a 1*000.
Dita mais abaixe a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a libra a
660 rs.
Dita para tempere a 400 rs.
Queijos.
Queijos hotos vindos neste vapor a 3*200 e
3*500. ...
Ditos londrinos muito novos. a libra a
1*000
Papel.
Papel almaco pautado, a resma a 4*800
Dito dito lizo de linho, a resma a i*oUU
Dito 2*300 ,_aftA
Dito de embrulho bom a 1* e 1*200.
Vinho Madcira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 1*300 e 2*.
m Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libra a lUO rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Ameadoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixes de doce de goiaba, grandes a 1*400
e pequeos a 640 rs.
lijlos de limpar.
Tijolos de arcar facas a 140 rs.
Gran.
Duzias de boloes de graxa n. 97 a 2*600, e
de latas a 1*000, e os boioes a 240 rs., ca-
da ura, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charnts Onos dos melhores fahricaoles da
Baha por diversos precos, caixas e meias
Bateas.
E graude quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
*a
A 48 0 CORTE.
Pechincha sem igual.
Lindos cortes para vestido de percal** de cores
tiaras eosauras com grande variedade de padroes
pelo baratmimo prego de A$ o corte: na U>3a das
c Iwnnasrua do Crespn. 13, de Antonio Cor-
rcia de Vaswncellos A C.
P0TASS4
Farelo de Li
Vendase superior farelo eny
por pre^o commodo, vindo pele
ra da Anwrim, armazem n. "
wmmmmmmmmmmmmmmmmmm^im
ROUPA FEITA
y
1B9ZE1
01
RA DO IMPERADORM. O
, Jauto at sobrado eni qae mora Sr. Osbdroe,
miarte Almeida fc C, receberam de ana propria encomien-
da o mais lindo e Tarlado sortimento de molhados, proprlos
da presente estaca.
Manteiga ingleza Macas brancas ,
da safra nova viruta no ultimo vapor a i ,000 para sopa a meHror que se pode daej.
uu du *" -ft--.fA UIU.pi^ n a Atril a XlHl TS. Z
UETBMKO ?SRBB.
h
rs. a libra eem barril a 8oe rs.
Manteiga francesa
da safra nova a 60o rs. abra, e em barril
j a560rs.
Amendoas
confekadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Auieixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2*400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachiabas de soda de todas as qua-
lidades a 16300.
Chocolates
de todas as qualidades a 10000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flaniengos
chegados neste ultimo vapor a 2J6oo.
neijos
chegados no ultimo vapor a 2aOO cada um.
Qaeljo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1*200.
Cha uxim
o melhor que se pode desojar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
3* a 20600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hyssoo
o mais aromtico que "tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talharim c aletria a
480 rs. a libra.
COUV4C
0 muito afamado cognac Pal Brandy a i ,80o
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a 1,000 e 800 rs. a garrafa.
COPO
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
1 de excelienle "qualidade a 20OO a resma,
mi papel
azul e pardo para embrulho de l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 is. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
i,4oo rs. a libra.
Vinagre
PRRem ancoretasde 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l.ooo rs. o molho.
Alpista o Hinco
o mais novo do mercado a lio rs. a libra,
e 40400 a arroba.
CEBLAS
muito novas a 10000 o cento na ra do Qoev
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
RO DE BICO
muito novo a 30400a arroba e 140 rs. a li-
bra na ra do Queimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
QEIJO SUISSO
muito fresco a 800 rs. a libra na ra do
Queimado n. 7, ra do Imperador n. 40 e
largo do Carmo n. 9
macarrao, talharim e aleiia a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a.500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas sao asseguintes: Chamisso AFilho,
F. 4 M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de baaha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica da mesma que
vendem a 20000 e 20400. .
Nozes
as mais novas do mercado a 120r* .l bra.
Cervjas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 40500 a 6500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1. e 2.a sorte do Rio de Janeiro a 805f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
darrafdes
com 4 Vs garrafas com vinagre a 10O9fiMi
o garrafo.
GENEBRA-DE LARANJA /
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeirospalitos do gaz a 2,2oo a groza
e2ors. cada caixinha.
LICORES
unos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
com urna ^uzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,000, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba era caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas oras
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas muo novas
em quartos e inleiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
'sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, gioja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
a 600 e 10 o caixe.
GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar-
roba e 140 rs. a libra na ra do Qoei-
madon. 7, ra do Imperador n. 40 e largo
do Carmo a. 9
BOLACHINHAS
em latas de defforentes qualidades a 10200
a lata
QUEIJOS FLAMENGOS
Chegados neste ultimo vapor a 20800 na ra
do Queimado n. 7, ra do Imperador n.
40 e largo do Carmo n. 9.
Neste estabelecimento ha serapre um sortimaata coptelo dt rama fetta d;
todas as qualidades, tambera se manda faxer por medida, avontade dos concor-
rentes. para o que tem um dos melhores professores, assrm como tambem tem mu
grande e variado sortimeato de fazendas de todas as qualidade, para senhoras,
homens e meninos. ._
Casacas de panno preto, 350 e 300000 Ditos de sefim preto. .
Sobrecasacas idem, 300 e 250000 Djtos de dito e anta braceo,
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e......100000
Ditos de casemira, 200, 150,
120,100 6...... 70000
Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50,We :.....3*500
Ditos debrim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. .
Ditos branco de linho, 60,50 e
Ditos de merino preto de cor-
d5o, 100, 70 i.....
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80 e......
Ditas de cores80, 80 e. .
Ditas de meia c semira de co-
res, 50OOOe.....
Ditas de princez; i e merino pre-
to de cord3o 40500 e. ,
Ditas de brim bi anco e de c-
| res, 50, U 500, 40 e .
[ Ditas de ganga < e cores, 30 e
Colletes de vellido preto e do
cores, 90eJ.....-70000
Ditosjle casemira preta, 50 e 40000
Ditos de ditas de odres 50
40 e........30500
30000
40000
50000
70000
4#000]
2*500
20000
10400
20000
W e.......
Ditos de gorgnre de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
Colletes de fustSo e brim bran-
co, 30500,30 o
Seroulas de brim de linho,
20400 e ......
Ditas de algodo, 10600 a. .
Camisas de peitos de linho,
4*, 30 e......
Ditas de madapolao, 20500,
*0e......
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. .
70000; Ditos defttro, 50,4*. 30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
40OOO 110, 70 e......60009
1 CoUarinhos de linho fino, ulti-
40000 j ma moda duzia. .
! Sortimento completo de grava-
20500! tas.
20500, Toalhas parroste, duzia, 110,
e........
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....
Lences de bramante de linho.
Cobertas de chita chineza.. .
60000
60000
40000
30000
20500
_____L DE
DE
J. VIGNES.
\. A. REA DO IMPERADOR X. **
Os pianos desta intiga fabrica sao hoje assaz coahecidos para que seja necessario oaiir sobre *
sua superioridade, vaWgens e garantas quo offerecem aos compradores, qualidades estas ineoutestt-
eis que elles tem ieflnitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; odc-
suindo um teclado e machinismo que obedecem i todas as vontades e caprichos das pianistas, .<-
nunca falhar, por seem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importtm-
tissimos para o clima deste paiz; quanto as voies sao melodiosas e flautadas, e por uto muito sgrada-
veis aos ouvidos dos" (apreciadores.
Fazem-se conforme as encommeadas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Bondel, de Par*, soeio
correspondente de J. Vienes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expesjcSes.
No mesmo estatelecimento se acha serapre um explendido e vanado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo ludo vendido por
precos commodos e r izoaveis.
Os proprietarios do grande armazam o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeiro Principal roa do aperador 40
NOVIDADES.
Queijos do Uenlejo. ditos das ilhas o mais fresco que so pode desa-
lar a 10200 a libra, e sendo inteiro ter algum abatimento, r.cas eaixrahas
redondas enfeitadas, proprias para mimo da festa Pelobarat.7"f.d**
cada ama, ricas caixas de figos tambem proprias para mimojde O 10500
cada ama. Vende-se nicamente no armazem Verdadeiro principal, roa do
Imperador n. 4.
CONSULTORIO MEDICO-ClRlltGlCO
1 DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 kua da Gloria, casa do Fund&o 3
0 Dr. Lobo Hoscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s I
horas da manhSa, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepcio dos^ das santificados
Pharmacia especial liomeupathica
No mesmo cnsultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaees e pelos precos segantes
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
de 24 tubos grande. 18^000
> de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
. > de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carleira conforme o podido que se fizer, e com os k.bj
que se pedir. hh^a
Um tubo avuJlso ou frasco de tintura de meia onca 10' 00.
Senda para cima de 12, custaro os precos estabalectdo* para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 res.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathieo do Dr. Jabr,
dons grandes volumes com diccionario............
Medicina domestica do Dr. Hering, *......... 'W
Repertorio do Dr. Mello Moraes. ^.........
Diccionario de termos de medicina ...,...,. 30000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensam portan-
te de serem ovamente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros enrgicos e duradQres: ha tudo do melhor que se pode desojar, globos de ver-
dadeiro ssucar deleite, notaveis pela sua boa conservaco, tinturados mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparacao, e portanto a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-he qualquer
ODeraco, para o que o annunciante julga-se suficientemente habilitado.
' Otratamento o melhor possivel, tanto na parte amealar, como na medica,
funecionando a casa a mais de qatreannns, ha muitas pessoas de cujo concetto se nao
pie duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
flAAfalAS
Paga-se 20000 por dia durante 60 dias ed'ahi em diante 10500.
As operacoes ser3o previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precoa
azoaveis que costuraa pedir o annunciante.________________________________
f
"',
"grande?, e
r'navio : na

Yende-se potasa m karrie a ommod preco o
na m da Crur 23, pnmeiro andw. eseripwri.
de Antonio de Almeida Gomes.
GAZ GAZ GAZ
vende-se gaz da melhor qualidade a
0 a lata : nos armazens da ra do Im-
perador n. 16 e ra do Trapiche Novo n. s
Veo*-se superior vinho do ferio ca ciixas de
urna fia : eo asa ie Joktttep Pator 4 .C, ru
do A'ario n- 3-
Superior cal de Lishoa.
Vwde-se superior cal Je** a mas <"
nue ha no mercado, tanto em porcao como a reta-
lho por barato f:;^. afianzando s aos compra-
d5i uperior nualidade : a tratar nas segn.ues
"as* Crespo n. 7, Imperador n 28 torle.doi Ma-
los, arma7.em do Sr. Avilla, defronte trapich
-> algodao._______ '
Vioho do Parta soperior '
em fcarris do oilavo o declran, vende Antonio Lniz
de Albuquerque Aievedo & C.: wseu escriptono
roa aC/osa. 1.
Vinho do Porto especial,
O mais generoso e genuino vinho do Porto, mar-
cas novas e especiaos, em caixinhas de I* garra-
fas, sendo mareaRaioha de Porlngala IWOOO
a caixa, e marca Pedro Va 163 ; em porcao
far-se-ha nm abate razoavel: no armawm de/er-
relra & Matheus, jonto ae arco da Conreicao n.
61. No mesmo armaiem ha tambem exceileite
vinho do Port em ancoretas de 32 garrafas a 303
cada ama, a em porcSo por menos alguma consa
~^~Vendem-se charutos da Baha de varias qua
lidades: em casa de Monlard & C. roa do Tra-
piche b. 48. _____
FaFnca Conceicao da
Bahia.
AGENCIA
a
AGENCli 10W-M001.
liada Staxalla mti a. 43.
Neste estabelecimento contina a haver
nm completo sortimento de moenaas e i
moendas para engenho, machinas de ,
e tachas de ferro balido e coado, da todos
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston 4 C,
ra da Senzalla Nova a. 42.
Yeiide-
Andrade.A Reg, recebem oon&tanto-
mente etem venda no seu armaiem n.
34 da ruado Imperador,algodao d'aqael-
!a fabrica, propriopara saceos de ssu-
car, embalar aipodaaempluma etc., etc.,
i pelo preco mais razoavel.
Casaes de pambas e borraeos.
Vendem-se ca?ies de pombos bns batedores, e
borrachos: na rna larga do Rosario n. 2fl, tercet-
ro andar.
se
um excellente carro americano com 4 ra-
das e arreios para um e doateafaltos sea-
do muito maneiro e leve, o qual tendo si-
do todo reparado de novo se acha no me-
lhor estado do perfeico e asseio : a tratar
com Antonio Jos Rodrigues de Soma aa
ra do Crespo n, 15, das 40 horas do da al
as 3 da terde._________' ________
Veade-se em casa de UarttVm C.
do Crespo -5, nm pal* w
branca, vindo de Lisbea pe alli vapr.
ll
l\
I
T
,-------


D lar le de Peraa*o ojala (a lelra 18 Je Janeiro de 83

MAGNIFICO SORTIMENTO
DE
)
MOLHADOS

NO
/
GRAIDE ARJfAZEJfl
DA
1GA.
RIA ROTA 60
Casa da esquas junto a ponte da Boa vista.
" MUITA ATTENCAO.
Parece que o respeita\el publico se achara bastantemente convencido de que
10 PUBLICO
Sem o menor eonstran-
glasete se entregar
Importe do
nio agradar.
genero que
ABMAZEM
ATTEKCS0
Os preeos da seguate
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de fea-
* LEGITIMA
SALSAPAMM
se para o ajuste de eontas
com os portadores.
RA DA CARfilA RO RECIFE R. 53.
(Logo pagando o are* da Conce fe)
Grande redcela de preeos, equivalente a dea por cento menos do que entro qnalqncr
annunciante.
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o preco da manteiga ingleza a I.ooors. a libra, bem assim o de outros
direccao deste importante estabelecimento tem sido sempre caracterisada pelo malor" amitos objectos, etc., dando com isio ocasio a todas as espeluncas acabarem por bom preco manteiea "de'tem
gosto e capricho, nao so com relacao ao asse.o super.or.dade das mercaduras, como alta voz, quepodem vender pelo preco que eo vendo!!! Ora. eu t^SS^^^t^lrSS^^
^ueu^btsoas que" e diS deVe ueTla emp,eg ^ ^^ ""* ^ Sf"" K lT.fnC0D^r' de 5~* Cm Um Pr Cenl a car0,a' re^^es^^^S eTecl
^VSlSrtl ^Z^S^Lri^. aria mn. ~ fttfh. !*J!Fy^K^2** "** abeIa do mo< arLzem de molhados UB
na
a.
Militas sehhoras pernambucanas e estrangeiras, cujo trato ameno e delicado n5o
Sde ser Concedido a qualquer individuo no recinto de um estabelecimento da ordem
la Liga tem vindo possoalmenle refazer as suas despensas nesta casa e voltado asss
satisfeitas.
E' preciso fazer desapparecer desla importante capital estas nojentas tascas cheias
sempre de escravos embriagados, onde as chufas sao jogadas sem respeito.
0 importante e magnifico armazem da Liga se acha felizmente muito fura
dessas condiccoes. E' necessario v-lo .para bem se prestar crdito a nossas palavras.
A mercadoria nunca ser bem comprada se ella nao fr de boa qualidade.
sobre este ponto que chamamos a attenco das pessoas que nos quizerem honrar com
asuafreguezia; porque o nosso grande estabelecimento se acha completamente prvi-
do de superiores gneros, que em sua mxima parte foram comprados a dinbeiro
vista, e recebidos directamente de Londres, Paris e Lisboa.
Ninguem se acha entre nos com mais proporcoes para vender barato.
As pessoas que compram para negociar, fariara muito bem fe quizessem se cer-
tificar do quanto havemos expendido procurando afreguezar se com nosco.
Nao duvidamos vender a crdito a quem nos der conhecimento de sua probidade.
PREPARADA UNICAMEm POR
LAMAN & KEP,
com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
como veris
u Mercantil nao
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de Moe a l.Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da redueco a que
estao obrigados encarando todos os dias de seus freguezes reclamado de preeos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores no'continente amertono''
fiSmSS rzssssnsLt^r^ gonerosn5proprios de um **s ** seu fim jas s k&tsm s
NOVA YORK.
Composta de substancias, pozando ik
propriedades eminentemei.ic danialita;
approvada pelas juntas e acadeatias dicina ; usada mis principies bospilaes, -
vis. militares e da marinba -as Ai.i.Is e
a concorrencia de seus freguezes.
Brasil e da America hespanlola
Para bem de todos.
ser5o tito bem servidos como seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao, aim de que nao vao em outra parte
Ameodoas confeitadas em iras s de vidro, ditas com casca mole
e dura Ameixas francezas em frasees de vidro, ditas em latas,
ditas em cartSes, ditas a varejo =Alpisle e milho miudo.As-
sucar refinado fino, dito baixo.Azeite doce em barril, dito
em boifjes, dito engarrafado, dito francez e pertuguez refinado.
Arroz do Maranhao, dito de Java, dito da India, dito de Penedo.
Ateitonas de Lisboa, dita do Porto.-Banha de porco em barril uE!TEl*ftl "' a "?ra'
dita em latas, dita refinada em barril e latas. Batatas em giros Idem Lyon> Pf' Proprie
dita en caixas, ditas a varejo. Bolaxinhas finas de diversas De80C1 1'6o ,'8o e **m a
qualidades, ditas de soda, ditai para lanche, ditas americanas.
Biscoites
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 8oo rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a oo rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
dem preto homeopatluco por ser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra.
inglezes, Mixede, Medun, Cabim, Seed, Soda, Cuddy
Cracknel, oval Thim Capitam e outras mais, ditas de leite de
Edimburgh, etc.Caf do Rio-de I.", 2.1 e 3.1 qualidade, dito
miudo.Cha, o que ha de melhor existe em nossos armazens,
uxim, miudo, dito hysson de 1.', 2., 3.* e 4.a qualidades, dito
preto homeopaiico, dito commum.Charutos Mussissipis, ditos
Panetelas, ditos regala imperial, ditos suspiros, ditos delicias,
ditos Napelebes, ditos Parisienses, ditos apraziveis, ditos lancei-
ros, ditos imperiaes de diversos fabricantes. Chouricas mou-
riscas deLi boa, ditas era latas.Chocolate de diversas qualida-
des'e de diversos fabricantes. Ceneja Basse, dita Victoria,
ditas Alesops, dita tenenle, dita H, dita XXX, dita em barril
branca e preta.Conservas inglesas, dittas francezas, ditlas ali-
menticias.Cevadinha de Franca. Chanpanha superior de di-
versas marcas.Cognac inglez, ditto francez. Ceblas de Lis-
boa em mullios, ditas em restias.Copos lapidados para agoa
ditos para vinho. Doce de calda em latas de diversas qualida-
des, ginja, alperch, pera, pecego, doce de goiaba, em latas ditos em
caixoes ditos em frasco de calda de assucar, ditos de cognack.Ervi-
lhas em latas, ditas em casca, ditas sem casca.Esperrazcete de 5e 6 o
maco.Figos em latas de 4 e 8 libras lindamente enfeitadas, ditos em
caixs grandes e pequeas em barril. Farinha de trigo de diversas
marcas, dita de araruta, dita do Maranhao, dita do Aracaty.Fumo
do Rio em latas dito em rolos, dito em lata (do Para)"para cigarros.
Genebra ingleza marca gato, dita dita em frteos, dita de II. llanda em
frascos, dita dita em botijas, dita de Hamburgo tm frascos, dita em bo-
tijas, dita em garrafoes.Grax3 em latas.Limonada de diversas fruc-
tas.Licor inglez, dito francez, dito allemo. Manteiga ingleza flor,
dita de 2.a qualidade, dita de 3.a, dita de 4,a,,.dita franceza de 1.a qua-
lidade, dita dita de 2.aMassas para sopa,' macarrao, talharim e aletria,
dita estrellinha e pevide branca eamarclla.- Marrasquino de zara de 1.a
qualidade, dito 2.a dita, dito 3 dita. Mai melada muito fina.Molho
inglez, dito francez.Mostarfla ingleza, dita rencfza. Presemos in-
glezes para fian.bre, dilos americanos, dilos. do Poito para tempero,
dito de Lisboa. Pssas de Malaga/ditas de Corinthias para podim.
Pomada do P- rto.Pimenta do reino. Peixes m latas, savel, curvi-
na, pargo, espada, congre, chermy preparado pelas melhores artes de
cosinha.Papel greve branco, dit pautado, dito alnizco, dito de peso,
dito amarello.Palitos lixados para dentes, ditos ditos com flores, ditos
americanos, ditos do gaz.Queijos inglez e londrino, dito flamengo dito
prato, dito suisso.Rap Meuron, dito francez Sal; me em latas de I
libra o melhor que aqui tem vindo. Sardinha de Basse, dito de A.
L'Auire. Saho nacionol, dito massa e nao massa, dito inglez. Sa
nacional, dito inglez a varejo, dito em vidros. T&ucinho dt Lisboa e
Porto, dito de Santos.Tijolos para limpar facas Vinhos, nesie gene-
ro os nossos armazens tem o melhor sortini' nto que se pode imaginar,
duque do Porto, lagrimas do Douro, C^mes, Bocagc, Maria Pia, D.
Luiz, Pedro II, Malvazia, Madeira, Cherry, Bordeaux, tudo engarrrf. do.
Prevenimos ao publico de que noarmazem da liga s tem vinhos engar-.
rafadosno estrangeiro, dito em pipa do Porto, Lisboa, Figueira e de Sete,
dito em b-rril de todos os paires, dito em ancoras, dito chamisso mui-
to propria para casa particular em barrilinhos com 150 garrafas por
preco a satisfazer o mais exigente comprador ercquanto a qualidade
garantida por nos e pelos seus importadores, dito em caada por preco
baretissimo, dito branco para mUsa.Vinagre puro de Lisboa, dito ham-
burguez, dito em garrafoes. Vassouras do Porto, ditas americanas.
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se vende em outra parte por 2,4oo
e2,6oo rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, erme ticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se seren superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna]
arroba a 8,ooo rs. e l,5oo e 6oo rs. a libra.'
Queijos flamengos muito frescos ebegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. edo vapor
passado a l,6oo e I,8oo rs.
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8o
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs.
arroba.
Arroz do MaranhSo a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpisla a 14o rs. a libra, e 4,3o
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarrao e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
j dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendareis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse fina.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
dem londrinos os mais superiores que tem Vinho do Porto muito fino excellente qua-
vindo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a fibra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas porluguezas em latasj pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 6oo rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gaa a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l,ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
da, salmo, ostras echernee, vezugo em
latas grandes a 8oo e !,ooo rs. cada urna.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que tem vindo ao nosso mercado a
6,ooo, 7,ooo e 8,oeo rs. a caixa, garante-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 4S,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, I Cer^ejTbranca preta das marcas mais a-
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo, f meditadas que vem ao mercado a5,ooo e
Antonio de Lisboa em latas com 6 libra
por 2,3oo; ditas doce em latas cem o mes"
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas
de 3 libras por 1,5o rs.
Amelias francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, e l,8obrs.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5 rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar easaa 32o
Nozesmuito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolda do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasee.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l,ooo rs. e U.ooo a duzia-
Palitos para dentes a !4oe 16o rs. o maco.
Sal refinado em frasco de vidro com ro I ha do
mesmo a 5oo rs.
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rheumaiismo, psrorhuto. n<-
enereas e mercurlaes. rasgas
..phea e todas as mole.-tias vu>-
JKS?.F^^i^ venientes d um estado vicioso do santa.
Emquanto existem varias inila(8es c
falsificacos, preciso a maior eaatela para
evitar os engaos,
A legitima salsa deBristnl vrnde-se por
CAORS A BARBOZA
JOO DA C. BRAVO A C.
Vendem-se no Recife em casa de Caors A
Barboza e Joao da C. Bravo A C.
Esperanza.
Luvas de pellica, branras, prrias e dp n'r.;
em as brancas ha csperialidadc e una foro i-
leiramenle nova, cadeias de eco pclluli. e inn%,
volias de cuntas azues turquesas, krmrm IwIm
800 rs. o par, Pulreiras de caballo a eronrmica a 320 rs. a caixa, linfa cnnmnnirativa
que depots de 8 dias fe pode lirar ro ia p*ra sla
especialldade anda nao ap|>aieico pfano, feiies com rifa de troco, a Esperarla It pelo a-
for estes enfecs. nao conslandi. ijne alpnem ma
tivesse recehido, porm nem por i->i> os *rnitfra
por mais de 3s000, muiias especialidad?* une nSa
podemos annunciar por serufnMoto: \o roa
doQueimado n. 33 A, que se vt-nder trale u
dinheiro.
3,000 e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,ooo e a 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
1 o,ooo rs. ea 9oo e l.oooa garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhasde Nantesem quartos e meiaslatas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas d mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolachinha de soda em latas com diversas
qualidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade superior, quo outro, Bolo francez em caixinhas muito proprias
^ qualquer nao pode vender por este preco. | para mimo a 64o rs.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e | Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de A'tona em
frascos grandes a 1 .ooo rs, o fiasco, e
H,ooo rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo
libra e 6,ooo rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa cora 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolchnhasd'agua em sal da fabrica do Beato
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca maito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l.oeo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixes a 6oo rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento etantas porl,2oors.
Matte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
Vendem-se alguna viados mno
(endo j crias : na na da Gloria n. 75.
manc",
ESCBAVOS FUGlDcS.
Est fafido o prelo Thome\ baixo, corro re
toreado, bem preto, rosto largo, olhos gnirn
tem o p dircito um pouco incba'o, anda caigan-
do em S. Jos : na ra o Iinpi rador n. 73, pn
meiro andar, se gratificar a quem o | cp.ir.
Escravo futido.
Fugio hontem quando era bvado para a rasa
de detengo por urna pra^a da rwpMiMa MtMa
o escravo pardo de nome Joo CanMn, de Mae
2 anuos, alio, corpulento, ps c n..>s grandes,
cabellos carapinhado, pouca barba, qoeiw o pe:ar
leve-o a ra do Bram sobrado n. 6 on rna &>
Trapiche n. 4, que ser gratificado, e asegura qu.
o dilo escravo acha-.se em Olind*.
Anda fgido o escravo Manuel, de i.iade di- 30 a
40 annos, baixo, reforjado, de cor prela, p fulo, e tem 6 dedos em cada mo : quem irSa
souber ou der noticia, dirija-r so amaaca do
Jcaquim Antonio Pinto Serodio, ra do Broa, ou
ra do Trapiche n. 36.
mol liado
NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaram os modernos vestidos de dentelle de seda com barra, inteiramenta novos
em gosto e qualidade : loja das columnas, na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia
de Vasconcellos & C, successores de Jos Moreira Lopes.
Fazendas de bom gosto
Para vestidos de sen hora
Superiores caries de seda de cor, de morante, de gorgurao e de setim imperial.
Ditos de blond, e de cambria branea bordados.
Ditos de 13a com barra e grande variedade em cores e padrees.
Ditos de organdys com barra
Lindas sedas de quadros eseossesa e miadas.
Superiores laas lisas com grande variedade de cores.
Ditas com salpicos, com llores e de quadros.
Lindas pampohnas de quadros e de flores, fazenda meiramente nova.
Superiores camas decores, e lindas eambraias organdys.
Grande variedade de chita de cores, de percalia e outras multas fazendas de gosto.
Para hombros de sen hora
_ o.n ar s _
a.
^ (J CB
2 *

p, -i
tu
crS t
5 2.
5 w
iua
i'
?-i S o
^ 3 &
tu ro w
r <% v a.
09 I
3
es "
rt
g"
!
oh<
Lindas capas e bonrnoux de casemira de cor.
' Ditas de la e de seda.
Grande variedade de soul'embarques de^eda de i&i a 40.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados finos, de caehimira com listras de
seda e de fil preto. )
Camizinhas modernas, zuavos brancas e/de cores, colletes de cambraia, lindas gol-
linhas com pondos e outros muilos artigos.
Para cabera de senhora e menino
Superiores chapeos cliapellinas de palha de Italia enfeitades para senfcora.
Ditos de feltro enfeitados para senhora.
Ditas de palha enfeitados para menino.
Grande sortimenio de etifeites modernos de retret, de froce, de eabello e de ores,
para senhora.
Na loja das columnas da rna do Crespo d. 13, de Anlonie Correia de Vasconcel-
os 4 C.
81RA DO IMPERADOR ~81
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Collegio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfacSo de avisar aos seus freguezes e ao respeitavel
publico que, estando restablecido de seus incommodos de saude, acba-se novamente
com um bello e bem sonido armazem de seceos e molhados primorosamente escolhidos;
como sempre capriebou ter das melhores qualidades, efrancamente affiancas pessoas que
se dignarem comprar em seu estabeIecimento,que all de preferencia outra qualquer par-
te serao mais bem servidos, em qualidade e preces, como em pesos e medidas, no que
sempreo annunciante foi escropuloso, em summa, nao illude a pessoa alguma.
Aos Srs. de engenho e lavradores que o queiram honrar como seu comilente lhes
assegura que o producto de seu laborioso trabalho ser o mais bem reputado no merca-
do desta praca, para oquesejulga convenientemente habilitado pela longa pratica com-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteza,, depois de se-
rem fielmente umprido as suas ordeos.
Foraecer gneros aos Srs. agricultores e negociantes que lbe merecam confianca, fa-
zendo um abate vanlajoso aos que pagarem a vista suas mercadorias, e encarrega-se da
venda de qualquer genero do paiz, mediante urna mdica commissao, entregando de
prompto seu pn duelo, e sendo este applicado compra de gneros em seu armazem,
prescindir da commissao.
Dos seus antigos e benignos freguezes espera o annuncianle sua valiosa proteccSo, fre-
qaentando como outr'ora sua casa, e pelo reconhecimento que lhes tributa offerece espon-
tneamente seus servicos.
Julga desnecesario publicar a tabella dos presos de seus gneros: sao seus recursos
) garanta suficiente de poder accempanhar os menores preeos de idnticos e mesmo de
, mais apparatosos estabelecimenlos, teado somente em vista o augmento de suas vendas
| diarias.
rcTcuco neeessarla.
Tendo sido o proprietario estabelecido muitos annos com o mesmo ramo de nego-
cio ni mesma ra, julga prudente advertir que s afirma e se respensabilisa pelo que
tem declarado no que disser respeito ao armazem.
o mm. raBARTToe.
8I-RUA RO IMPEBiDOR-Sl
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Colhgio^^SJ^S^^SSS^^
SS^^SKsoot -i m o o B q
- r,to=<_sr5iocoS-i-

a 3 g-o
p S -
:*lff*%3aSS!Sa
838
*H vjfl
9
e
1
>
c
e
*
e
Fugio no dia 8 docorrenle, um fcraro do
nome Jos com os signaes seguimos: cabra tt-
curo, estatura baia, cheio do coi|o. p. urg> e
quando anda faz um geito as persas 1 ai admiro,
lem pouca barba, cabello rarapinlhi e l< n; un a si-
calnz bem visivel ero om lado do .ornn, W*m
veslido caifa de briro meio branco de quadrint us,
camisa branca, chapeo do Chili de c< pa Ma e t+-
vou mais urna irxa contendo urna c.-il^-.-) de brim
escuro e outra de algodao rn-cado. uma ramxa
branca, uma de chila j velha e rasgaba, rujo es-
cravo foi comprado 10 Sr. capno SHtbo Gi.iiler-
me de Barros junio com oulro e rtle teuktt os
havia comprado ao -r. Joao Cabral de >"azareib.
por isso de suppor que lenha sepuicn |ira hm
lugar : porlanto pede se a captura do ireMim > le-
ve-o a seu senhor na roa da In>| eralriz reGns(ao
n. 46, que se gratificar generan eHe.
No da 9 de dezembro de 1864 fugio de rv-nx
de seusenhor o escravo Herculano. pardo irn re.
com 35 annos, alto, cabellos rarapi.iit.s, illi>
orelhas pequeas, tem apenas bigude e pera, ler-
nas e andar de quebra-mangoe, icndon p efun-
do (orto e sabido para fra como pala de srn, c
por isso puxa alguma ronsa pela perra 411 da
anda, levou veslido caifa branca r. n > 11.. ,.-
misa branca, levando chapeo de pall.a. r*Kd*aM
igualmente toda roupa que possue. .-uneM as-
ar aqui mesmo pela cidade: quem o | gar levr-o
a roa Direita n. 54, qne ser generosan.eaie re-
compensado.
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a er natural
dos cabellos.
A agua florida nao uma tillara, ficto esseo-
cial a contesur, a mesma agua dando a c-ir priani-
tiva ao cabelle. Comosla de plantas exticas e
de substancias inoffensivas, ella tem a propriedade
de restituir aos cabellos o principio corante e.ae el-
les tem perdido. D'saa salubridade iscestesie-
vel, a Agua Florida enlretem a limpeza da cabest
deotroe as caspas e impede os cabelles de caair
Oleo ie Florida:
Composto de substancias vegetaes exeticas, elle
constitde poderosamr*a, com a Agoa Florida, a
forca, s belleza s cosservacao des easotije. -
Em Paris, sssa de QaMlaar s. 19, rea de lisas-
lien, e 91, boslevard Moatmar'rfi
Todos es frascos, sao tendo iataete e lare, e
Fugio pela manha do da z* 00 n mi le o
escravo de nome Paulino, com os Haia. h$i..ri-
tes : cabra, cara picada de lexigas, oM>> i na-
dos, cabello carapinho, estatura rrpubr. rr-ii i(
corpo, mnilo conhecido for arrtr vrrdiMfi fa-
zendas com um caixeiroda casa dos Sr-. Mfrtl-
no A C. : roga-se a quem o pegar, de o letar r
casa dos mesmos na rna do Crespo n. 5, qoe u ra
generosamente recompensado.
Auscntou-se ero K de dezembro pastado 4o
eugenho Ullnga de cima, no Cabo, a rafeiisOa
Joona, de 14 annos provaveis, roir>| rada : 26 dias,
oeRecife, a Jos Firmino do Medrfns |ir purn-
racao de sua av Josepha Mara Om Prazerts, n n-
radores ambos no Brejo da Madre de Dos, i; m os
signaes seguales : cor alvannfa, r>arcbr. m
rosto, cabello earapinho e meo, rom nma ciratnr
sa testa, corpo regatar, com lodos denles. >rm
pellos, as pernas finas, vestigios antigos de rbirsie
no eorpo, padece de hobas oas partt-s ocrultas, s
falla as ve7.es viciosa : roga-se s autoridad 5 s
sna captara, e a qualquer particular, pudendo ser
remettido para o referido engenho. 011 a Mo J. s
de Carvalho Mraes Filbo, roa d > Qoeimado n. 13.
que serie gratificados.
Desappareceu do engenho Preirinha na fre-
gnezia de Agna-f reta, os escravo* abano, rom os
signaes segnintes : Pedro, de afio. a* parecen-
do crionlo por ter vindo moleqne, estatura rega-
lar, secco do corpo, um pouco fulo da cor, lu ha
toda branca, cabellos da eabeca, cachaco e brarw
tambem brancos, testa cantada, pes compridoo
seceos, (alia fino, principalmente quando rama, a
alguma cousa cangueiro qoando anda, idade SO
annos, pouco mais ou menos, se bem soe pa^'fa
muito mais velhn, fngio no de Janeiro le N
Maria, oonhecida por CanoU, crtonla, haixa,
secca do Corpo, cor fnl, rosto derarnado, denles
limados, ps curtos e chato, pernas om tasto ar-
queadas, uma mares em um do brae/w ja I asun-
te antiga, fugio em 8 de novembro prximo pasca-
do ; o seu senhor protesta sobre os dias de servi-
cos de ditos sens escraves contra quem o ti ver
acoutado.
Roga-se s f oalqoer aulsridade policial o capi-
laes de campo a apprehensio dos referidos esers-
vos, que serao entregues ns Becife a<>s senhores
Cimba, 1 rmJss e-
nhor, que ser satisfeita qoalqner tssssss
!
j


-. *
Diarlo de Pernambiiro Quinfa felra tt de .Janeiro de 15.
/
)
LiTTERATRA.
HISTORIA DE DH CONSCRIPTO DI 1813.
POR
Ereknann-Chatrian.
XIV
(Continuaeao.J ~-.
Uevanlei-me como estonleado de cansago c sof-
lmenlo ouvindo-nos gritar : Viva o imperador
e tolos os geoeraes andavam com cara de riso.
H0J9 o contrario, todos tetra caras diablicas.
E raais o capitao dizia esta manhaa que ganharaos
a victoria do outro lado de Leipzig.
Ea poderja responder muitas consas a Zebedeu'
mas vi qae os outros escutavam e mudei de con-
versa.
Adiamos o regiment no acampamento a dons
O batalhao
sobre
frimento, Treraia no ar ama chava malte Una. O *' espingarda de Kotilgarlen.
" .. .,., temou a sua posigao a direita da e
mea camarada levou-mo para junto da togueira ^ co||Jna
quefumegava debaixo da chava. Era lame M m ^ as direcc3es se vjam as numerosas
para ver, porque uo dava calor nenhum ; mas fogueras dw exercto| desenrolando 0 seu fum0
Zebedeu tendo-rae feito beber uns golles de aguar- a( aQ cu Conlinuava a cahir neb|na| fl os so,.
dente, senti-me um pouco menos fri, c olhei para ^ astCDtadS nas suas mochll|as ao ^ da8
as togaeiras de acampamento que brilhavam do fogaeiras com 0s bracos cruzados, pareclam to-
outro lado do Partha. I os meditar. Os offlciaes /asiam ranchos parte.
Os prussianos aquecem-scdisse-me Zebe- De todos os lados se ouvia dizer que nunca se tl-
bedeu ; com a nossa lenha. nha visl uma guerra assim, que era orna guer-
-" E' verdado ; e o pobre Khpfel tambcm l es-, de exlermioio.que ao inimigo pouco impoorlava
la. Esse j nao tem fri I ser biMo'e 1ue *'ue 1ueria era matar-nos gente,
Eu bata os denles. Estas palavras entristece- porque bera sabia que por Ora sempre seria elle a
rara-me. Alguns instantes depois, perguntou-me dar as leis, porque tinha quatro ou cinco vezes
r,,/1(len mais gente do que nos.
Lembras-tc da fita preta que elle tlnha no Tambera se dizia que o imperador tinha ganha-
chapo no dia do recrutamento Ello dizia em do a batalha em Wachau contra os austricos e
jritos : Estamos todos condem nados amorte co- russos, mas que isso nao servia para nada, por
mo os que foram Russia. Quero orna fita preta. que o inimigo nao retirava e esperava grandes
E' preciso trajar lucto I -E o irmo pequetfo di- reforgos. Do lado de Mockeren, sabia-se que li-
ria ;tNao, Jacob, nao quero.E chora va, mas nhamos perdido, apesar da bella defeza de Mar-
K'ipfel poz a fita : tinha visto os hussares em um mcmt. O inimigo tinha-nos esmagado pelo nume
..-riti ro- Nao tiuhamos lido mais d8 que uma verdadel-
A-medida que Zebedeu fallava, eu recordava ra vantagem n'esse dia, que era o ter conservado
aquellas co-as: e tambem via aquelle maroto de o nosso ponto de retirada sobre Erfurt; porque
l>;nacle,na praca dos pacos do conselho, que me Giulay nao haba podido tomar as pontos do Elster
gritan! agitando uma Ou preta por cima da ca- e do Pleisse. Todo o exordio, desde o simples
beca Ola coxo precisas de uma bonita fila..., soldado at ao raarechal, entenda que era preciso
da uta dos qu'e ganham. Vem c, toma 1. nnr o mais depressa poss.vel, e que a nossa
Esta idea junta ao fri terrivel que me entra va posicao era muito m ; Infelizmente o imperador
at aos ossos, fazia-me tremer, e eu dizia comigo :' entenda o contrario, e como elle era o que cora-
Nao voltas casa, nao; Pinacle tinha razao...
Acabou-se tudo I-E pensava em Catharina, na
lia Gredel, nobom do Sr. Goulden, e amaldicoava
os que me tinham obrgado a andar por all.
As quatro horas da manhaa, quando comecava a
luz da dia a embranquecer o cu, chegaram al-
guns carros de viveros ; foi feita a dislrrbuigao do
p.o o tambem recebemos agurdente e carne.
A chava tinha cessado. Fizemos o rancho mes-
iuo all; mas nao havia nada que me aquecesse e
f)i enio que apaohei as ebres. Tinha fri por
dentro e o corpo queimava por fra. Nao era eu o
mandava, nao havia outro remedio seno ficar.
Todo esse dia (17) nao demos um tiro. Alguns
fallavam da chegada do general Reynier com de-
zeseis mil Saxonios; mas a desercao des Bavaros
tinha-nos ensinado que confianca poda haver nos
nossos alliados.
No im da tarde correu voz que se comecava a
de.-cobrir o exercilo do norte na planura de Brei-
tenfeld ; eram raais cera mil homens para o inimi-
go. Parece que ainda estou a euvir as pragas con-
tra Bernadottf, os clamores de indignaran de to-
dos os que o tinbam conhecido simples offlcial do
nico do batalhao que eslava nesse estado ; tros temD0 da repblica, e que diziam :Deve-nos tu-
quartas partes soffriam e definhavam-se. Havia do. Fizerao-lo rei custa do nosso sangue ; e ago-
um mez que os que j nao podiam marchar se es-1 ra vem fazer-nos guerra por gralido.
tendiam na trra chorando pelas mes como j De noute houve um movimenlo geral para a re-
creabas. Era de rasgar o corago. As temes, asjtaguarda; o nosso exercito apertou-se mais para
marchas toreadas, a ehuva e ador de saber que Leipzig \ depois ludo flcou em socego; mas este
nao ha esperanca de tornar a ver a patria, nem as; socego nao nos impedia de rellectir pelo contra-
pessoas mais queridas, eram as causas daquella j rio, no silencio todos scismavam :
molestia. Felizmente os paes nao veem seos fllhos, qq6 havera amann5a ? D-aqn a Tnle e qua_
morrer pelas estradas ; se os vssem sena uma. (ro noras verej a |Qa por en,re nQVens como vej0
colisa terrivel : julgaram muitos que nao ha mi- j ag0ra | Anda haver estrellas para os meas olh03.
sericordia nem na trra nem no cu.
A' medida'quc abria o dia, descobriamosesquer- aquelle grande circulo de fogo que nos ciogia em
da. do outro lado do rio e de um largo barranco; uma extensaode quasi seis leguas, nao podamos
cheio de salgueiros e de faias, as aldeias queima-! conter este grito intimo :
<5a, os montes de mortos, as pecas deitadas por
t-rra, e as campias assoladas em teda a extensao
qae os olhos podiam abranger, nas estradas de
llull, de Lindenthal e de Delitch ; era peior do
qae em Lulzen. Tambem vamos os prussianos
desenvolverse n'essa direccao, e avancar por mi- de ser Francezes, e que cumpria vencer ou mor-
l'iares para o campo da batalha. Iam dar a mao
jos austracos e russos e fechar o grande circulo
eai volta de nos ; ninguem agora podia impedi-lo?,
principalmente porque Rernadotte e o general
russo Beningsen, que lioham flcado na retaguar-
da, chegavara com ceoto e trila mil homens de
tropas tolgaaas. Assim o nosso exercilo, depois
de haver dado tres batalhas em um dia, e re-
duzido a cento e trinta mil combatentes, ia ser fe-
nhadoem um circulo de trezentas mil bayonetas,
sen contar cincoenta mil mallos e mil e duzentas
pecas de artiiharia.
De SchoenfelJ, o batalhao poz-se outra vez em
marcha para se incorporar oa divsao, em Kohl-
garteo. Sbretela a estrada vam-so passar va-
garosamente os combolos de ferldos ; lodos os car-
ros d'aquelles fitios tinham sido exigidos para
esse servico, e nos inlervallos caminhav3m a p
centenares de desgranados, uns de braco ao peito,
outros de cabera atada, pallidos, abatidos, semi-
mortos. Tu lo o que podia arrastar-sc nao ia era
carro, e traiavade chegar a um hospital.
Estavamos em grande difflculdade para passar
mos atravez d'essa multldao, quando de repente,
chegando a K'jhlgarlen, uns vnte hussares, cor-
rendo a toda a brida e de pistola em punho, fize-
ram affastar a multido para a direita e para a
esquerda sobre os campos, gritando em voz de
rovao :
, O imperador! o imperador I
O batalhao formn logo em ordem, apresentan-
do as armas, no fundo da calcada, e alguns se-
gundos depois, os granadeiros a ca vallo da guarda
vrdadeiros gigantes, com as snas grandes botas
eseus immensos barretes de pello que cahiam so-
bro os hombros, deixando ver apenas o nariz, os
olhos e os bgodes, passaram a galope, com o pu-
nho da espada apenado na ilharga. A ierra tre-
ma, e cada um do nos dizia alegremente : Estes
esto comnosco.. .e nao sao bons de torcer !
Mal tinham desfilado, quando appareceu o esta-
do maior. Imaginem-se cento e cincoenta a da-
rentos generaes, mareches, offlciaes superiores,
montados em verdadeiros veados, e por tal modo
cobertos de bordados a ouro e de condecoracoes,
que mal se Ihes percebia a cor dos uniformes ;
uns altos e magros ,de gesto altivo ; outros baixos,
grossos, cara vermelha. orelhas em divorcio com
a cabeca ; outros, mais mocos, direitos nos seus
cavados como estatuas, com olhos luzeotes e na-
riz como bico de aguia: era magnifico e ao mesmo
tempo terrivel I
Mas o que me fez mais Impressao, no meio de
todos esses capittes que faziam tremer a Europa
ha vinte anuos, foi Napoleo com o sea chapu
usado eo sea casaco pardo. Ainda o vejo pas-
r.ar diante dos olhos, cora a sua larga barba rauto
basta e o pescoco meltido uos hombros. Todo o
mundo gritava : Viva o imperador I > Mas elle
oo ouvia nada, Nao aos dava mais importancia
do que chuva fina que voava no ar, e olhava,
de sobrolbo carregado, para o exercito prussiano
que se estendla pela margem do Partha, para dar
a mao aos austracos. Tenbo-o na imaginado
exactamente como o vi n'esse dia.
O batalhao havia um quarto de hora que mar-
chava, quando Zebedeu me disse :
Vstelo, Jes f
Vi, e vi-o tio bem qae nao me esqueceri em
toda a vida. "
E' singular, tornou o meo camarada ; pa-
rece qae n5o la contente. Em Wurtscben, no dia
segumte ao da batalha, nosirava grande conten-
dante Gemeau feride o coronel Lorrain morto, e
em todo o rio nao se via senao mortos amontoa-
dos, feridos que se moviam de rastos para fugirem
ao tumulto ; alguns, furiosos, ergoiara-se sobre os
joelhos para darem mais uma bayonetaaa oa mais
um tiro. No rio eorriara os morios em flleiras,
uns mostrando a cabeca, outros as costas, outros
os ps, alguns juntos como jangadas, e sem que
alguem Ihes dsse attengo. O mesmo podia acon-
tecer-nos de um momento para outro.
Essa grande mortandade era em todo o compri-
mente do Partha, de Schoenfeld a Grossdorf,
Os Suecos e os Prussianos acabaram por dirigir-
se para montante do rio para nos cercarem por
raais longe, e corpos russos foram substituir aquel-
les prussiano, que estimaram sabir daquelle
ponto.
Os Russos formaram-so em duas columnas; des-
coram ao barranco de arma no braco em ordem
adrairavel, e .deram-no o assalto duas vezes cora
grande bravura, mas sem gritos de feras como os
Prussianos.
A sua cavallaria quera tomar a antiga ponte
cima de Schoenfeld ;-otogo de arlilhrria aug-
raentava sempre. De todos os lados para onde se
alongvara os olhos, atravez do fumo, nSo se va se
nao nimigos em grandes massas -, se repel liamos
uma das suas columnas, chegava logo outra de
tropas tolgadas ; e isto indefinidamente. A nica
idea daquelles homens era matr-nos gente.
Das duas para as tres horas, soubemos que os
Suecos e a cavallaria prussiana tinham passado o
rio cima de Grossdorf, e que nos iam bater pela
retaguarda.
Era-lhe menos duro do que pela frente.
O raarechal Ney operou logo uma mudanc de
frente, passando a ala direita para a retaguarda.
A nossa diviso continnoa i sustentar a posicao
de Schoenfeld, mas tedas as outras se re|iraram
do Partha, para se estenderem na planicie, e todo
o exercito forraou uma so linha de redor,de Leip-
zig-
Os Russos, alm da estrada de Mockeren, prepa-
ravam o sea tercero ataque pelas tres horas ; os
nossos offlciaes temavam novas dsposicSes para
recebe-los, quando uma especie de calafrios correa
todo o exercito, e todo o muado soube ao cabo de
algaras minutes que os dezeseis mil saxonios e a
cavallaria de Wurtemberg, no centro da nossa li-
nha, lacabavam de passar para o inimigo, e que
mesmo antes de estarem longe, tinham tldo a infa-
mia de voltar as suas quarenta pegas de artilharia
contra os seus amigos irraos d'arraas da diviso
Durutte.
Essa tratco em logar de desaaiuar-nos, aug-
mentou por tal modo o nosso furor, que se nos ti-
vessem dado oavidos, teriaraos atravessado o rio
para exterminar tudo.
Os taes saxonios dizem que defendan a sua pa-
tria. E' falso I Podiam abandonar-nos na estrada
de Duben : quem lh'o tolhia ? Era fazerera como
os bavaros e declararem-se antes da batalha ; po-
diam flear neutros, oa recasar-se ao servigo ; mas
trahiram-nos. porque a sorte era contra nos. Se
livessem visto que a victoria seria nossa, teriam
sido sempre os nossos melhores amigos para terem
a sua parte, cerno depois de lena e Friedland.
E' o que cada um de nos pensava, e por isso
que os Saxonios sero traidores emqnanto o man-
do for mundo : nao s desampararan*, os seus
amigos na hora da adversidade, mas fizeram fogo
sobre elles para acarearem outros. Deus justo-
0 seus novos alliados liveram-nos em tal des-
prezo que depois da batalha tomarara-lhes metade
da patria.
Os Francezes riram da gralido dos Prussianos,
Austracos e Bussos.
Desde eato at i noute, j nao era urna guerra
humana, era uma guerra de vinganga ; tinhamos
de ceder snperiordadc do numero, nem podia ser
de outra maneira, mas os alliados haviam de pagar
cara a victoria.
Ao anouteccr,emquanto troavamduas mil pegas,
recebiamos o stimo ataque em Schoenfeld ; de
pela nossa direita, ao comprdo do Elster. J es-1 nm Iaao 5 Rnssos e do outro os Prussianos aper-
tavamos em armas e marchavamos atravez de lavam-nos naquella grande aldea. Resistamos em
campos, do lado do Partha para voltar a choon-' caaa casa em cada Decco as Puedes cahiam de-
feld. E' tudo o que me lembra do coraego da ba- ba:* das baIas> os lelhados alluiam, ninguem gri-
bre montes de mortos; a cada passo encontrava-
mos pegas desmontadas, arvores retalhadas pela
metralha. Fra ali que ama diviso da nova guar-
da e os granadeiros a cavailo, eommandados por
Napoleo, tinham feito frente aos suecos que avan-
cavam para o espago que ficara vasio pela traigao
dos saxonios. Duas ou tres barracas velhas que
acabavam de arder a entrada da aldea, allumia-
vam aquelle espectculo. Os granadeiros a cavailo
ainda estavam em Rendnitz, mas grande copia de
soldados em desordem percorria a ra principal.
Nao so tinha feito distribuigo de vveres, e cada
um procura va de comer c beber.
Quando desfilbamos em frente de uma casa pos.
Amei o pisar sabtif
Que ostentas, minna donzella ;
Amei-te as gragas mil,
Oh I amante, porque s bella.
E veobam ea, meus senhore?,
Digam se ha crime amar,
Quando a virgem dos amores
Nos encantos nao tera par ?
Na Voz do Chnslao na trra da Smta Cmz l-
se o seguinte sob-lilulo :
A VOZ DO CHRISTAO.
dominio, a aoberania, a iioderacio no prospero, a
serenidade no adverso, a vigilancia, a prudencia,
a justiga, todas as outras virtudes polticas, com
que o mundo se governa: d quem eram governa"
das, e de quem eram ? *
Da alma.
< Se o corpo de um sanio, a huraildade, o zele,
a conlemplago altissima das cousas divinas, o*
cxtaFes, os raptos, snblndo o mesmo peso do corpo'
e suspendido no ar: que maravilha!
Mas Isto alma.
Finalmente os mesmos vicios nos dizem o que
ella .
lina cobga, que nunca sefart, umasoberba'
Em um tempo, em que o Interesse o elemento
i primordial da soeiedade humana; em que o scep- que sempre sobe, uma ambicio, qae sempre aspi-
tal, vimos por delraz da oarede de um oaleo. duas < H
UberneirasParabu.antes quenavam de eber'de d., SKo,^^?oSuilV. de te v^ "' nm 'T' ^ T "S^Z^ "*"?
mais um senumenio ae osiemagao, que ae rervo- ,je que loj0 0 mun,i0 a nao enche, como a de
ma dos seas carros. Havia ali cagadores, couracei- rna. ...j.,!., .,., vn, so a. ,,llvr nfl mpn Aa ... ... .' ,
m, i,,o!,nc K.,0^n, N.iw-Z. laTit-k. *. rw piedade' um*.,I se de%e ouvir no meio do Alexandre, uma altiveza, como a de Adao, que nao
povo, que llie lembre a necessidade, qae tem de se contenta menos, que cero, ser Dens: tudo isto,
E quando olhavamos, atravez das trvas, para
Agora todo o univero esta contra nos; to-
dos os povos querem o nosso exterminio; ninguem
pode ja supportar a nossa gloria I
Mas depois reflecliaraos que tinhamos a honra
rer.
No meio destas cogitacoes veio apparecendo o
dia. Ainda nada se mova, e Zebedeu disse-me :
Que fortuna se o inimigo nao tivesse cora-
gem para atacar-nos I
Os offlciaes conversando uns com outros, falla-
vam de um armisticio. Mas de repente, pelas oi-
lo horas e meia os nossos batedores chegaram a
todo o galope, gritando que o inimigo se mova
em toda a linha, e immediatamente troouocanhao
ros, lanceiros, hussares, infantara de linha e da
guarda, tudo misturado, rotos, com as barretinas e consagrar algum tempo ao rult0 de Dfcs. porque,
os capacetes amassados, sem penachos e criva- sendo vda material puramente transitoria, e a sublime, ardete, grande, .mmenso. a alma. Alea
dos de balas. E toda aquella gente pareca fa- espiritual nanita e eterna, tem o hornera na pas-, mCsma formosura, que parece dote proprio do
m, a" sagem terrestre de se preparar, para ser bem re- corpo, e tanto arrebata e captiva os sentidos hu-
uous ou tres dragSes, em pe sobre a parede, ao; ccbjdo na prcsenga de Jess Chrsto, que o tem de
p de uma panella chela de alcatrao a arder, com ,n|nar
os bragos cruzados debaixo dos compridos capotes ,________:
Por raais ignorante que seja o hornera, e mais
incrdulo mesmo, elle sent em si um lampejo de
luz, ou presente alguma cousa que Ihe adverte o
senlimento da mmortalidade, e por isso deseja fa-
zer ou pralicar actos que Ihe perpeten] a memo-
ria -, e isto lanto verdade, que mesmo" entre a
gente da plebe existe um anexim, que o tempo tem
conservado e que tem passado entre os povos, co-
mo lei sem explicago : Morra o hornera, mas
fique a fama I
E o que fama .'
E' o senlimento da mmortalidade, que elle pre-
sente e deseja ; porm que nao comprehende, por
I se nao ter embebido na lei que Jess Chrsto espa-
|hou sobre a face da trra.
No meio do infortunio, dos perigos e nas proxi-
midades da morte, nao ha quem se nao lembre de
e no da seguate repetirn, a mesma cousa-era chame m seQ soccorro se 5t0 se da,
occasiao de d.zer:-Cada um por s. ; Deus por ] jda da outra viJa ta desla>
todos I ^ ...
A historia do genero humano esta prenhe de fac-
i?, que justificam o que dizemos; e sendo esta
verdade, quando comprehendida. que melhora a
condigo humana, e o que torna o hemem digno
brancos, estavam cobertos de sangue como carni-
celros.
Logo Zebeden, sem me dizer nada, emporrou-me
com o cotovello, e entramos no pateo, emqnanto os
outros centinuavam o seu caminho. Foi-nos preci-
o ai\ quarto de hora para chegarmos aos carros.
Levante! um escudo de seis libras, e a taberneira,
ajoelhada por detraz do barril, apresentou-me nm
grande copo de agurdente com um pedago de pao
alvo, e recebeu o escudo. Beb e pase o copo a
Zebedeu qne o despejou. Depois costn nos sabir
da multido; olhavamos nns para os outros com
ar sombro, abramos caminho com os hombros e
com os coto vellos, o era occasao do dizer-vendo
aquelles aspectos duros, aquellos terriveis semblan-
tes de homens que tinham atravessado mil mortes!
No mete da aldeia disse-me Zebeden :
Tens pao f
Tenho.
Pai o meu pao em duas parles e de-lhe urna-' 0 seu ser> ,pol8, s por meio da religio que elle
lamos comendo e caminhando a passo largo. Ao p5,je ser feliz, dorante o tempo que vive sobre a
jonge ainda se ooviam tiros. Ao cabo de vinte mi- trra, como tem esperanca de o ser em ootra exis-
nutos, tinhamos alcangado a columna e reconhe- teDCia c "ozos.
raos o batalhao pelo capitao ajudante Vidal que t g^ a lt>rra e||e nao mas do que om pere-
marchava ao p delle. Entramos nas flleiras sem grino qae anda incerto, ora llludido pelo que
que ninguem tivesse notado a nossa ausencia. 1 se cnama ffl|lcdaae> e ora atormentado de dores,
Quanto mais nos aproximavamos da cidade. ^$0 da sua pr0pria natureza.
maor era o numero de destacamentos, de pegas e, o meio do que chama felicidade, tambem en-
de bagagens que encontravamos correndo a teda a | C0Dtra os p(!rigO!) as afflicgoes e as amarguras; e
pressa para Leipzig. por (jm roto 0 vu que encobria a realidade, s v
Pelas dez horas atravessamos o arrebalde de Ren. adanle e si a ^ e o- nada das illusdes dos sen-
dnilz. O general da brigada Fournier tomou o nos
so comraando e mandou-nos obliquar a esquerda
A' meia noute (.-negarnos aos compridos passeios na
margem do Pleisse, e fizemos alto debaixo das ve.
Ibas tilias despidas de foihas. Ensarilhamos as
armas. Uma comprida (Reir de fogueiras trema
no meio donevoeiro at ao arrebalde de Randstatl.
Quando a labareda suba, allumiava magotes de
lanceiros polacos, linhas de cavallos, pegas e car.
ros cobertos, e de longe a longe algumas senlinel-
[as immoveis na neblina como sombras. Grandes
rumores se erguiam da cidade, parecia augmenta-
ren! sempre e confundiam-se com o sardo rodar
tdos.
O hemem material e valdoso, que nao compre-
hende mais que as appanracias mundanas, lim-
ta-se as suas paixdes, e at na morte busca osten-
tar grandezas; sem se lembrar que, desligada a
alma das prisoes do corpo, este em breve entra em
fuso ptrida, e o que era ainda ha pouco tao for-
moso, tao seductor, nao agora mais do que urna
porgo de materia informe, asquerosa, e raais qae
muilo desprezivel.
E porque isto !
E' porque, cumprida a Quilo espiritual na tr-
ra, a alma se retlrou do corpo; e toda essa belle-
dos nossos transportes na ponte de Lindenau. Era l ^ t0(]os esses doles> lodos esse5 attractvos, todos
o principio da retirada. Ento cada um poz a mo-; essei la|tnIOS> ()Ue se viam no hornera, como bera
chilla ao p de ama arvnre, e pousou en cima a I d5se 0 ce|eberrimo padre Antonio Vieira, eram da
cabega, dobrando um brago debaixo da orelha
Passado um quarto de hora, todos dormiam.
(Conttnuar-seha.)
talha.
Sobre as colimas, em frente do rio, duas ou tres
divisoes, com suas bateras uos inlervallos e a ca-
vallaria nos flanees, esperavam o inimigo; raais
longe, por cima das ponas das bayonetas, viamos
os prussianos, os suecos e os rassos avangar em
profundas massas de todos os lados; parecia uma
cousa sera fim.
Vinte minutos depois, chegavamos em linha, en-
tre duas collinas, e vamos diante de nos cinco ou
seis mil prussianos que alravessavam o rio, gri-
tando todos ao mesmo tempo :Valeriana t Va-
iniand I Aqullo formava um Immenso tumulto,
semelhante ao das nuvens de corvos que se reu-
nem para demaadarem as trras do norte.
No mesmo Instante se travou #o fogo de uma
margem para a outra e o canhao comegou a rugir
de tal modo que nao se podia ouvir mais nada. O
barranco onde corre o Partha encheu-se de fumo,
e j os prussianos estavam sobre nos, e mal os
vamos com os seus olhos furiosos, com as boceas
contrahidas, e aspecto de fras. Entao crguemos
at ao cu um grito nico: Viva o impera-
dor I > e corremos sobre elles. A Iota tornoo-se
tremenda; em dous segundos as nossas bayonetas
crusaram-se aos railhares; uns efflpurravam, ou-
tros recuavam; uns davam tiros queima roupa-
oolros baliam-se s coronhadas; todas as ftleira>
se coofundiam, e passavam todos por cima dos que
cahiam; a artilharia trovejava, e o fumo que cors
ria lento sobre a agua escura entre as collinas, o
sibilar das balas, o estrondear da fusilarla, faziam
o barranco semelhante a um torno, onde os ho-
mens se entranhavam como achas para seren con-
summdos.
A nos, movia-nos a desesperago, a ancia de
vlngar-nos antes de morrermos; aos prussianos,
era o orgulho de poderem dizer :Desta vez va-
raos vencer Napoleo! -O? prussianos sao os mais
orgulhosos de todos os homens; as suas victorias
de Gross-Reeren e do Kalzbach tinham-lhes dado
volta ao juizo. Mas pagarara-n'as bem pagas no
rio; sim, bem pagas I Tres vezes passaram a agua
e correram sobre nos em massa. Eramos toreados
a recuar, por cansa do seu grande numero, e que
gritos elles davam enlo parecia que nos que
riam comer! Era uma canalha damnada. Os seus
offlciaes, com a espada no ar entre as bayonetas,
repellara continuamente : -Forwarz I forwarz !
e todos avangavam como ama rauralha viva, com
grande coragera : nao se pode dizer o contrario.
As nossas pegas ditlmavam-nos, mas avangavam
sempre; perm, no alto da collina cobravamos
novo alent, e la iam elles aos empurros outra
vez at ao rio. Ficarlam todo esmagados por pos
Se nao fosse uma das suas bateras, defroBte de
Mockeren, que os apaohava obliquamente e im-
peda qae os levassemos at mais longe.
Isto durou at s duas horas; a melado dos nos-
sos officiaes eslava tora de combale : o comman-
tava como no principio da batalha, todos estavam
frios e pallidos torca de raiva.
Os offlciaes tinham deitado a mo espingardas
e mordiam o cartucho como soldados, uepois das
casas, defendiam-se o: jardins e o cemiterio onde
eu tinha dormido na vespera ; havia ento mais
mortos por cima do que trra por baixo. Os que
cahiam nao se qoeixavam, os que nao cahiam reu-
niam-se atraz de um muro, de um monte de rui-
nas, de uma sepultura. Cada pollegada de terreno
cnstava a vida a alguem.
A' noute chegou o marechal Ney com retorgo
nao sei d'onde ; era o que restava da diviso Ri-
chard e da segunda de Souham. Todos os restos
dos nossos regimentos se reuniram e foram lsnga-
dos os Russos para alm da ponte, que j nao ti-
nham guardas por Ih'as terem destruido as balas.
Assentaram-se na ponte seis pegas dedoze, e at s
sete horas nao cessou ali o-fogo de artilharia.
us restos do batalhao o de raais alguns na reta-
guarda defendiam as pegas, e lerabra-me que o seu
fogo se estendia debaixo da ponte como relmpa-
gos, e que se via ento os cavallos e os homens
mortos a passarem por baixo dos arcos escuros.
Isto nao dura va mais do que nm segundo, mas
eram terriveis vises.
As sete horas e meia, quando avangavam sobre
a nissa esquerda grandes massas de cavallaria, e
que as viamos redemoinhar em volta de dons gran-
des quadrados que se retiravam passo passo, re-
cebemos emlim ordem para a retirada. J nao ha-
via mais de dous a tres mil homens em Schoenfeld
com as seis pegas.
Voltamos Kohlgarten sem sermes perseguidos
e tomos acampar de redor de Rendnitz. Zebedeu
ainda era vivo. Havia vinte minutos que mar-
chavamos silenciosos nm ao p do outro, escutan-
do o fugo de artilharia que nao cessava do lado do
Elster apesar da noute, quando elle me disse de
repente :
Como qae ainda aqu estamos ambos, Jos,
quando tantos militares de homens tem raorrido ao
p de nos ? Agora j nao podemos roorreT.
Eu nao responda.
Que batalha I tornoo ello ; j houve alguma
cousa assim antes de nos 1 E' impossivel.
Tinha razo; era uma batalha de gigantes. Des-
de as dez horas da manhaa at as sete da tarde, ti-
nhamos affrontado trezentos e sessenta mil homens
sem recuar uma pollegada, apezar de serrrros s
cento e trinta rail 1 Ainda nao so tinha visto nada
egual,
Deus me livre de dizer mal dos alternaos; com-
batan) pela independencia de sua patria; mas pa-
rece-me que nao teero razo para festejaren) todos
os annos o anniveraario da batalha de Leipzig.
Quando sao tres contra um, nao ha de qae bla-
sonar.
Nas proximidades de Rendnitz marchavamos so-
l POUCO DE TUDO.
Traduzimns do Club o seguinte :
No ultimo invern, o marquez de H. cahiu lo
gravemente doente, que os mdicos declararam
um dia que elle nao chegaria ao seguinte.
Nessa mesma noule, seu irmo e cunhada, o
conde e a condessa de H., davam um grande baile,
como para prepararem-se a um grande lulo.
Felizmente uma grande crise appareceu, ainda |
nessa nonte, e o marquez escapou.
O conde e a condessa de H. reflecliram, e o re
sultado de suas reflexes foi que um dia podia
morrer o marquez de II., em consequencia de uma
cnse menos feliz, cabendo-lhes uma boa parte de
alma, e ella tudo levou comsigo.
Ougamo-lo :
Mostrou Deus orna alma a Santa Magdalena
de Pazzi, c 8 das ficou fra de si arrebatada de
assombro, de pasmo, de estranheza s na memoria,
na admiragAo, na novidade do que vira. Isto uma
alma? Isto .
A' Santa Catharina de Sena mstrou-lhe Deus
tambera uma alma, e dizia (como refere Santo An-
toninc) que nenhum homem haverla, se tivesse
visto uma alma, que nao dsse por ella a vida cem
vezes cada dia, e nao pela propria, seno pela
alheia. De sorte, que toda a differenga, e toda a
. i desgraga est, em que o mundo, cpm que o demonio
nos engaa, visivel, e a alma invisivel.
Mas por isso mesmo haviamos nos de estimar
multo mais a alma, se tiveramos juizo. O mundo
sua fortuna, com que mandariam dizer missas e crislvel, a alma invisivel: o mundo v-se, a alma
poderiam dar grandes bailes. nao se v* '
Logo muito mais preciosa a alma, moito raais
O marquez tornou-se o alvo de mil attenges, vaie que todo o mundo.
com o Dm de arredar delle seu filho e mulher. fc ... ..
Ouvi a S. Paulo: Aon contemplantibus mobts,
Tantos esforgos desinteressados mreciam uma quai videnltir, sed quee non vidcntur; qum enim
recompensa. O marquez de II. raorreu : eis o seu videntur, temporalia sunl, quee non ridenlur,
testamento : (eterna. Nao havomos de admirar, nem estimar o
Instilo legatario universal meu filho, com a que se v, senao oque se nao v, diz S. Paule; por
obrigago de entregar ao conde e condessa de H.> que o visivel, o que se v, temporal: o invisivel
meu irmo e cunhada, as duas estatuazinhas de o que se nao v, eterno,
porcellana d Saxe, que esto em meu gabinete, .
representando um casal de msicos, chamados O mundo, que o demonio me mostra, v.si-
Pi/ferari, que elles devem acceitar em recordago've' i Priue temporal, como o corpo: a alma,
de ra*" *'" *""" """ A""'m "* "" '> >- ue o demonio me nao rodo mostrar (nem me ha-
14 de
a morle.
E vero, non trvalo.
im e do baile que deram na noute de 13 para \ 1ue demonio me nao pode mostrar (nem
e fevereiro, quando eu eslava entre a vida e via de mostrar, se podra) invisivel; [
E' do Sr. Jefferson Mirabeau esta poesa :
Amei I
Amei-te nao sou culpado
De seres meiga e gentil.
Amei leu rosto engragado,-
Amei-te o bello perfil.
Amei as sombras de rosa '
Que assomam na face tua,
Quando a brisa perfumosa
A beija ao claro da la.
Amei a tranca luzenle
Do retroz de leus cabellos,
Na epiderme transparente
Desenrolando os novellos.
Amei a flor dos teus labios,
Fingidos de carmes ro,
Onde nao chegam resabios
Dos que me amargam a mim.
Amei-le o fogo dos olhos
Dando cenlelhas flux.
Mestram da vida os abrolhos
Essas torreles de luz.
Amei-le o eolio de garga
A tremer ancias de amor.
Nao sei... tambera sou comparga
Da mocidadeno ardor
Amei a mo delicada
Ero que descangas o rosto,
Quando ao romper da alverada
Inventas algum desgosto.
Amei a breve cintura
Do ten corpinho de fada.
Quem sabe se a creatura
Foi por anjos modelada ?
porque e
eterna, como Deus, e assim como os olhos nao
podem ver a Deus por sua soberana, assira nao
podem ver a nossa alma.
Nao a nossa alma tao baixa, que a houvessem
de ver os olhos, veem o mundo, veem o cu, veem
as estrellas, veem o sel: a alma nao a podem
ver porque nao chega l a sua esphera.
< Mas j que somos to corporaes, e damos tanto
crdito aos olhes, os mesmos olhos qaero, qae nos
digam, e contessem o que alma.
Queris ver o que uma alma?
Oluae, diz Santo Agostmho, para um corpo sem
alma : se aquelle corpo era de um sabio, onde es-
to as sciencas ? Forara-se com a alma; porque
eram suas. A rhetorica, a poesa, a philosophlat
as malhematicas, a theologia, a jurisprudencia,
aquellas razes lo fortes, aquelles dicursos to
deduzidos, aquellas senlengas to vivas, aquelles
pensamenlos lo sublimes, aquelles escriptos ha-
manos t divinos, que admiramos, e excedem a
admirago, tudc isto era a alma.
Se o corpo de um artfice, quem fazia vi ver
as taboas, e os marmores? Quem mollecla o
ferro, qaem derreta os broozes, quera dava nova
forma, e novo ser mesma natureza? Quem en-
sinou naquelle corpo regras ao fogo, fecondidade
trra, caminhos ao mar, obediencia aos ventos, e
a unir as distancias do universo, e metter todo o
mundo venal em uma praga ?
f A alma.
Se o corpo morto de nm soldado, a ordem
dos exercitos, a disposigo dos arraiaes, a fabrlc*
dos muros, os engenhos e machinas bellicas, o va'
lor, a bisarria, a audacia, a constancia, a heora, a
victoria, o levar na lamina de nraa espada a vida
propria, e a morte alheia: quem fazia
isto?
mauos, aquella graga, aquella proporgo, aquella
suavidade de cor, quelle ar, aquelle bro, aquella
vida : que tudo, senao alma ?
E seno vede o corpo sem ella, insta Santo
Agostinh: 2Von faeit corpn.t unde ametur, nisi
ammus. Aquillo, que amaveis, e admiraves, nao
era o corpo, era a alma: fecessit quod non tidetur,
remansit quod cum dolore vtdeatur.
Apartou-se o que se nao via, flcou o qne se
nao pode ver.
< A alma levou tudo a que havia de belleza,
como de sciencia, de arte, de valor, de magestade,
de virtude; porque tudo, ainda que a alma se nao
via, era a alma.
Sendo, por tanto, tudo da alma, de que servem
tmulos, nnusolos riquissimos, para abrigo da
materia, se ella pertence a ierra, de que se forraou
e aliraentou!
E seno diga o poeta: (visconde da Pedra
Branca.)
A morte refrigerio da desgraga,
E' para o justo a noute de um bom dia,
A morte espanta s quando pensada,
A morte nada; a eternidade tudo.
Cercado estou de tmulos.......abri-vos
Reino da morte, abrigo do infortunio!
De chimeras caducas, desengao.
Erguei-vos mestas, pavorosas lousas 1
Ossos myrrados, lvidos despegam,
Ftidas carnes, podres ligamentos,
Que impuros vermes em silencio passem
Ascosos, restos de formosas formas.
Eis os profundos admirados sabios,
Os res altivos, grandes e temidos !
Nem teus visos belleza aqu se estremam.
Igual poeira do, cajado e sceptro,
us farrapos do pobre, e a regia purpura
Na sepultura tudo se confunde;
Tudo assim passa; a morle acaba tudo.
Da humana vida, a aurora, e o ocaso tocam-se.
E' como a luz a vida, apaga-a um sopro.
Sabemos vida ter, porque sentimos,
Vem de fra o sontir, a vida nada.
Se a vida nada, e se a eternidade tudo, em
lugar de se prep'arem tmulos para o descanco do
eorpo, sem duvida, muitas vezes de um crapuloso,
de um assassino, ou ladro, prepare-se, por aeges
virtuosas, no bem fazer, a alma para vida
eterna.
Vida sem fim, e nao essa que marca
Oscillages do pndulo, e que passa
Como a roda do carro que rodando
Encarta o espago : e nem como da nev.
A proa, qne aps si as vagas deixa.
E o que em si um tmulo t
Nos j o distemos : uma expressao que nao
mente, que exprime em um s vocabulo, a crea-
fo e a eternidade ; o mundo e a morte; e prin-
cipio e o fim ; as glorias transitorias e vas do
mundo, e o silencio sem fim.
Um tmulo o desengao da vida ; a verda-
de eterna, que o homem proclama contra o seu
orgulho; a expressao sublime da grandeza do
i'.ierno. o nada da existencia mundana.
E como se conseguir a vida eterna ?
Pelo culto de Deus, pela f em Jess Chrsto,
que veiu ao mundo sendo Elle o verdadeiro Se-
nhor, por um espantoso milagro, remir o genero
humano, e ensinar, com o exemplo e com a pala-
vra, o perfeito conhecimento do nosso Creador, e
o seguro camoho para o Reino do Cu, que o
muito amor a Deus e a caridade entre os homens.
Em Niza, perto do sitio onde outi'ora se ergua
a egreja rural de Santa Perpetua, dcscobriu-se lia
pouco um grande numerle sepulturas romanas.
Urnas sao sepulturas ordinarias formadas por
grandes lages sobrepostas ; duas sao \erdadeiros
sarcopliagos com lampas ornadas com esculptu as
outra parece ser de uma creanca, e talvez de duas.
Esta uma pedra cavada om dous compartimen-
tos eguaes, um dos quaes estava exactamente fe-
chado por uma tampa de pedra, que entrava em
um entalhe, e o outro por urna simples iage sobre-
posta.
Em ambos havia restos de ossadas incineradas,
mas no primeiro havia mais ama urna de vdro,
um lachrymatorio, dous lindos vasos de vidro de
feitio muito raro e elegante bocal, uma pequenina
lampada de bronze pousada sobre uma trpode do
mesmo metal ; eraflm, urna patera de bronze com
aza.
Todos estes objectos esto ero perfeito estado de
conservago.
Em principios de selembro passado, conta uma
f jlha do sul da Franga, om sugeito, que precisou
de servir-se de oleo de vitriolo (acido sulphurco).
commetteu a imprudencia de deixar sobre uma
mesa o vidro que continha o liquido corrosivo.
Uma menina de quatro annos, pensando talvez
que era uma bebida para ella, engalo am gole.
Chamados pelos gritos a queaobrigavam asquei-
maduras inteinores produzidas pelo terrivel acido,
debalde se estorgaram seos paes por all vala.
Um facultativo prescreveu nm vomitorio, mas ti-
nham bastado algumas /otas para produzirem no
estomago a formago de abeessos, que brevemen-
te impossibilitaram a absorpgo dos alimentos.
Dorante dous mezes e neto, a pobre creanci-
nha apenas se alimenten com algumas colhresde
lquidos sabstanciaes, que eogulia com a maior
difflculdade.
Aos crueis soffrimentes cansados pelo acido des-
truidor ajunlavams as torturase da tome.
Foi s em 18 de novembro que a morte poz ter-
mo ao supplicio d'aquella victima de am descuido.
A alma.
Um medico do campo chamado para examinar
suicidio por asphyxla, teve de preencher os clares
todo do attestado impresso qne Ihe apreseniaram ; e.
aoade dizia Cansa da morle elle eserevea-o
carvio. .





Se o corpo de um principe, a magestade, e PERNAMBUCO.TYP.DE M. P. DE F.4 FILBO
L f-*.-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EA9337VF4_XAG9RU INGEST_TIME 2013-08-28T01:00:36Z PACKAGE AA00011611_10566
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES