Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10565


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XLI. HUMERO 8

"'
o
V.
b

Par quartel pago dentro de 10 das do i. mez '....: : .
dem epois dos i.0110 diasdo comeco e dentro do quartel. .
Porte ao correie por tres mezes .*
5SQ00
6)000
750
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima ;
NaUl, o Sr. Antonio Marques da Silva: Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Ccar, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves A
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudine Falco Das; Baha, o
Sr. Jos Martins Alvi-s; Rio de Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS EsTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anio, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Allinho, Garanhun?, Buiqoe, S. Bento, BomCon-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ei, as quartas feiras.
OARTA FEIRA 11 DE JANEIRO DE 1865.
Por anno pago dentro dos.O iias do 1. mez ,,,.,. i9J000
Porte ao correio por iim anno.............. 3J000
Serinhem, Ro Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas feiras.
II ha de Fernando todas as vezes que para ali sal ir
navio.
Todos os estafetas parlem ao meio dia.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE JANEIRO.
4 Quarto cresc. as 1 h., 22 m. e 52 s. da t.
II La cheia as 8 h. 40 m. e 10 s. da t.
20 Quarto miog. aos 16 m. e 52 s. da m.
27 La nova as 7 h.. 16 m. e 46 s. da m.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relago: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda. quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: lergas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas c sextas ao meio
dia.
Segunda vara docivel: quartas e sabbadcs a 1
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
9. Segunda. Ss. Juliao e Baslica sua esposa mm.
10. Terca. S. Nicanor diac; >. Agalho p.
i1. Qusrta. S. liyplno p. m.; *. Sal vio m.
12. Quinta. S. Saiyro m.; S. Areadio m.
13. Sexta. Ss. Itermillo e Straconio mm.
14. Sabbado. S. Flix ni.; S. Macrina v.
15. Domingo. S. Amaro ab.; S. Habacuc prof.
PREAMAR DE IIOJE.
Primeira as 3 hora e 4o ro. da tarde.
Segunda as 4 horas e 6 minutos da inanha.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30: para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, marco, roaio.
julho, selembro c novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueira >
Faria Filho.
PARTE 0FFICIAL
fiOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente ilo dia 7 de Janeiro de 1865.
Officio ao Exm. presidente da provincia da Pa-
rahyba. -Communico a V. Exc. que deixaram de
seguir para essa provincia no vapor Tocanlins, da
companhia Brasileira de paqueles, os objectos de
que trata o meu officio de 5 do corrente, por estar
aquelle navio completamente abarrotado, segundo
declarou-me a agencia da raesma companhia.
Dito o Exm. presidente da provincia do Cear.
Communico V. Exe. que deixaram de seguir
para essa provincia no vapor Toiantins, da compa-
nao obtiver baixa do servido, as correles deter-
minadas nos respectivos regulamenlos, sendo que
dellas se tem feito merecedor por seu irregular
comportamento.
Picando assiu respondido o officio a que alludo,
aproveito esta occasio para renovar ao mesmo
Sr. cnsul os meus protestos de estima o conside-
rado.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.- Fa-
zendo V. S. parte da commisso encarregada de
ir a bordo do paqueteinglez saber de S. A. Imperial
a Sra. Isahel e seu augusto esposo o conde d'Eu, se
querem desembarcar nesta capital, recommendo-
Iheque por meio de signaes, que V.S. eslabelecer,
seja logo envadaaoarsenalderaannha.e d'ahi sem
perda de tempo a esta presidencia a resposta nega-
tiva ou alBrmaliva, que SS. AA. se dignarem dar ;
afim de no primeiro caso, nao salvarem as fortale-
Conforme.-O capitao /. F. de Moran e Yascon-1 Pessoas entendidas, que assistiram ao eosaio, as-
cellos.
EXTERIOR.
tinia Brasileira de paquetes, os arligos de farda- i
ment e equipamento de que trata o meu offlcb de i za*> nem lerem ,u8ar outras providencias, que tem
5 desie mez, por estar aquelle navio completanien-! sido Jomadas Para desembarque dos augustos
te abarrotado, segundo
tnesma companhia.
declarou-me a agencia da
viajantes.
Dito ao commandanle superior da guarda nacio-
Dilo ao vsconde da Boa-Vista, commandante su- nal Jo BoniI- Em respostao ao offlcio de V. s.
perior da guarda nacional do Recife.Recommen- datado d: Io do corrente, tenho a declarar-lhes que
dndome o governo imperial a creaco, pelo me- ? rorPs da guarda nacional al segunda ordem,
nos de um corpo de voluntarlos, tirados da guarda so devera reunir-se urna veaem cada mez para re-
nacional, sirva-se V. Exc. de comparecer a este I vis'a' e isl e,n suaj paradas,
palacio, acompanhado dos commandanles dos ba- Di' mesmo.A'visla das allegacoes feltas pelos
talhoes sob seu commando superior, afim de se uardas do batalho n. 27 de infantasia da guarda
providenciar sobre aquelle assumpto. I oconal do municipio deCaruarjFrancsco Hemi-
Dito ao mesmo.Declaro V. Exc, para seu co- i ner.vLno de Bnto e JosJoaquimFerreiradaSilva,na
Thecimento, e afina de providenciar como entender Peliao sol""e <|i* V. S. informou em offlcio de 24
mais conveuiente, que o inspector da thesouraria; de dezembro ultimo, tenho resolvido reformar de
OHRKSPO\lEfCIAS 1M> DIA
RIO DE FKRYAMIIlfO.
PORTO.
12 de dezembro de 1861.
A actividade commercial arada as pragas do
maior trafico costuma sempre reseaiir-se da
aproximago dos flns de anno.
Nao pois para admirar que no periodo que
medeou entre esta e a nossa ultima missva, se
circumscrevesse o movmento do mercado s prln-
cipaes urgencias do consumo.
Pouco animada davamos nos j ha lempos a
praca do Porto, mas essa falta de animacao proce-
da de causas por nos entao apontadas e que hoje
felizmente, pouco ou nada influem na vida com-
mercial da nossa praca, que de certo teria j recu-
perado o seu habitual viver commercial se nao
fosse esta a poca propria de limitar as transac-
c5es para facilitar o encerramenlo e ajustes de
contas do anno.
de fazenda parlicipoume em offlcio de hoje, sob n.
17, que o empreado daquella repartigo designado
para passar revista de mostra forga do bata-
conforraidade com a sua informago, a decisao do
conselho de revista daquelle municipio, pela qual
forara os supplicantes eliminados da lista do servi-
Iho de infantaria da guarda |nacional deste muni-! S ac"vo da referida guarda nacional; o que
communico a V. S., para que os mante contemplar
no batalho de que foram excluidos.
Dilo ao commandanle do corpo de polica.
Mande V. S. aprosentar com urgencia no Hospilal
Pedro II, as pravas do corpo sob seu commando,
que forero. aece:-sarias para escoltar o alienado Jos
Joaquim de Lima al o hospilal a que tem de ser
recolhido na cldado de Olinda.Communicou-se
ao vice-provedor da Sania Casa de Misericordia.
Dilo ao mesmo.Em resposta ao offlcio u. 96-
com que V. S. trouxe ao meu conhecimenlo a
petico do guarda da seceso urbana Antonio Jos
de Aodrade, tenho a declarar-ihe que deixei de
conceder a licenga por elle pedida para ir villa
do Limoeiro, por haver falla de gente para o ser-
vido da polica.
Dito ao major do corpo de polica.Recebi o seu
offlcio n. 12 de 5 do cerrente, e fleo sciente de
haver Vmc. assumido interinamente o commando
do corpo policial, em consequencia de ter dado
parte de doente o respectivo lente-coronel cora-
mandante,
Dito ao director da colonia militar de Pimentei-
cipio alojada noquartel do Hospicio, nao pode pas-
sar a dita revista por nao se achar aquella forga
para isso preparada.
Dito ao desembargador presidente interino do
tribunal do commercio.Recebi o officio de o do
corrente, em que V. Exc. me communicon ter no-
meado interinamente o deputado desse tribunal
Jos Marcelino da Rosa para servir de secretario,
em substiluigo ao ex-deputado Joao Ignacio de
Medeiros Reg, e tenho a dizer-lhe que muito ap-
provo semelhante nomeaco.
Aproveito esla occasio para renovar V. Eic.
os meus protestos de eslima e eonsiderago.
Dilo ao carene! commandante das armas.Sir-
va-se V. S. de informar acerca do qoe pede o re-
cruta Pedro Angosto Ramos de Mello, no incluso
requerimenlo.
Dito ao mesmo.Providencie V. S. para qoe se-
iara substituidas por pragas do 4 batalho de arti-
ihara, que devero seguir no vapor costeiro qoe
vai a Fernando este "mez, as pracas do 9 batalho
de infantaria all destacadas, as quaes devem r-
gressar no mesmo vapor, certo V. S. de que aesta
I severam que o Te eum urna bellsima eompo-
| sicao nesie genero de msica.
A reunie da assembla geral do banco nacional
l Itramarino, que devia ter lugar na capital em 2
do correute mez.roi addaila para oproxim-) dia 16
por motivo de naquella occasio se achar grave-
menle enfermo o Sr. Francisco de Oliveira Chami-
co, governador do mesmo banco.
Era vista das peripecias parque lem passado este
novo estaheleciraonto bancarib, de ve ser muito im-
porUnt* a assembla geral que se annuncia.
Em urna das nouies dos flns do mez passado,
loram roubados os livros dosassentos de baptsmos
da freguezia deCedofeila, desta cidade. desde 841
a 1852, e os dos casamentos desde 1827 a :845.
Estes livros estavara n'urrn casa contigua dita
igreja parochial, e o roubo foi effectuado, segundo
se diz, por meio de chaves falsas.
As autoridades toera empreado activas pesqui-
sas para descobriroscrirainesos, mas al hoj-j sem
resoltado algum.
O segnro iniitm
em 30
um capital
dade
subdelegado Didoro Mascarenhas cercado, no Ingar! g Pre"denle> *^ ** Mello,
de Encrnzilhaila, o criminoso Correia de Alhavde, SEGfINftA SFSSin nitniViHii r n nu
pode este evadir-se, ferindo com urna bala um d s,B'bi:*UA bS22SMA1iOB 17 DE Dfc
tro^a, e morrendo- no conflicto um cavallo. Cor-: PradnJ Ai tT nT-VV^, i mu
rea contina a percorrer aquellas vizinhancas,' i>J22"?SA*^*ll,!Fg* *"*-
^=^.d^ fi* ** t g-rda.coS,as, pV | JKBSaSK Z$SL fJ-
provada a acia da antecedente.
testando malar o juiz de direilo, cuja#poscao se vai
tornando critica.
A mesma carta diz que as cousas naquelle ter-
mo araeacam serios disturbios, nascidos de des-
avencas entre os membros do partido dominante.
Assim que o mesmo subdelegado Izidoro Masca-
renhas, dzem que por mera vinganca, l proces-
sou o capilo Joao Baptista de Athayde em crime
de morle, sendo que per este o outros factos se
ido Mascorenhas bastante mlrigado no t&X+XBXEr UhM'' *
L-se o seguinte
EXPEDIENTE :
Um officio do Dr. chefe de polica de 13 do cr-
reme, submeltendo a considerado da cmara,
urna copia do officio que na mesma data Ibe diri-
gi o subdelegado da freguezia de S. Jo, sotare o
faci de ter sido encontrado na (averna do Porto-
Jos de tal urna medida falsi
imparcialidade as
: lugar, e incapaz de exercer com
funegoes de seu cargo.
Assim tinalmenle, diz a mesma caria, que o ex-
promotor Jos Tavares da Silva se acha em guerra
com o delegado de
factos criminosos
Allianca,contava naquelle dia 604 secios com
capital bscripto no valor de 287:0195000.
No dn 30 (I > mez passado, receberam as aguas
do Douro, mais um navio construido no estaleiro
Os bancos portuenses descontam j letras sem a do ouro, desta cidade.
grande reserva que ltimamente guardavam. O! Fui a barca Firmeza, propriedade dos Srs. Anto-
joro continua a ser de 7 e 8 p c. mas tem de bai- nio Cardoso dos Santos i Antonio Luiz Gomes
xar porque o banco de Portugal e a sua caixa filial I Lima
nesta cidade, comecam hoje a-descontar a S p. c.
A existencia em dinheiro metlico era em 30 dt
novembro ultimo, nos principaes estabelecimentos
banrarios do reino, o segrate :
Banco de Portugal e as agencias. 1,473:401,5955
Commercial do Porto............. 334:8825897
Mercantil l'orluense ............. 318:8125080
UBlio (Porto).............;....... 659:2765762
data expego ordem ao teoenle-coronelcommandan-! ras-'?a?a ^mc- quanlo antes recolherem-so es-
' ta capital as pragas do nono batalho
te daquelle presidio para que emprejjue no servigo
de destacamento, de que faro parte, os sentencia-
dos militares, cujas penas estiverem por finalisar.
Communicou-se ao commandante do presidio.
Dito ao mesmo.-Quer* V. S. informar acerca
do que pede no incluso requenmento Deltina Se-
bastiana de Alencastro, viuva de Jeronymo Sebas-
tio de Aleicastro.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de informar so-
bre o incluso requerimenlo da Mara Magdalena
de t'.arvaihu.
Dito ao mesmo.Haja V. S. de informar sobre
o que pede Anna Maria do Carmo no requerimen-
lo que aqu junto.
Dito ao mesmo.Expega V.S. as suas ordens
para que com a maior urgencia se recolha a esta
capital as pragas pertencentes ao 9o batalho de
infantera,
d'Alho
de infama-
ra, que ahi se achara destacadas Communicou-
se ao ooronel ooraraandanto das armas. _
Dilo ao juiz de direilo de Pao d'Alho.Pelo seu
offlcio de 21 do raez Ando, flquei sciente de ter
Vine, nomeado o bacbarel Joao Silverio Marques
Bacalho para exercer interinamente o cargo de
promotor publico nessa comarca no impedimento
do effectivo, que entrou no gozo de licenga,Com-
municou-se thesouraria de fazenda.
Dito ao juiz municipal do termo do Cimbres.
Constando-me haver fallecido o individuo que
nes.'e termo exercia o offlcio de tabelho e escrl-
vo do civel e crme, orphos e capellas e residuos,
cumpre que Vine, rae informe se foi nomeado
quem preenchesse interinamente as funegoes do
mesmo offlcio, e se procedeu-se como prescreve
ira, e que se acham destacadas em Pao ja lei Para concurso e habililago dos pretenden-
i, Alaga de Baixo, Ouricury e Flores, e bem !les a" ofno em queslo, declarando-me Vmc, no
assim que se reunam aquelle balalhae as pragas!caso de nao Ier is,o s'do feito, qual o motivo de se
empregadas como serventes no hospital militar, as | naver preterido as determiaagoes legaes a tai res-
quaes devero ser substituidas nesse servigo por Peit0-
paizanos, cujo engajamento autoriso. Dito ao chefe interino da repartico das obras
Dito ao Dr. chefe de polica Expega V. S. suas Publicas.-Recommendo novamente Vmc. que
ordens para ern occasio opportuna ser remettido! mande sem demora tirar de junto da rampa em
para o termo de Santo Antao, como requisita o res-, frente do Campo das Prracezas, s raadeiras que
pectivo juiz municipal em offlcio de 2 do crreme.! a"' exislem pertencentes a essa repartigao.
junto por copia, o reo Antau, Estevo Tavares, que! DiU) ao mesma Para o flm indicado em seu
estando a responder all a um processo que nao officio de o do corrente, sob n. 366, remeti a Vmc.
est terminado pelo crime de furto, fi remettido a Planta nelle solicitada a qual me ser devolvida
para esla capital como recruta. Communicou-se 'S0 Que na se fizar mais necessaria.
ao juiz municipal daquelle termo. | Portara.Q vice-presidente |da provincia, at-
Dilo ao inspector da thesouraria de fazenda. tendendo ao que requereu Jos Feliciano Machado,
Transmuto V; S. para os convenientes exames resolve conceder-lhe licenga para ir ao presidio de
as inclosas copias das actas do conselho adminis- Fernando no primeiro navio que para all seguir,
tralvo do arsenal de guerra, datadas de 23 e 30 levando comsigo os gneros constantes da inclusa
de dezembro prximo lindo. relagao, assigoada pelo secretario do geverno, nao
Dito ao mesmo.Autorisando nesla dala o ns- podendo, porm, effecluar o desembarque dos di-
pector do arsenal de marinha a mandar retirar ls gneros, sem que por parte do commandante
des-a ihesouraria, como elle solicitou em offlcio n. d'aquelle presidio se proceda asxame para se ve-
811 de 5 do corrente, a quantia de 4475673 rs, riflear se ha agurdente ou outra qualqoer bebi-
sendo 2915014 rs. do peculio pertencente oito
individuos que foram desligados da companhia de
aprendizes arliQces do mesmo arsenal, e 1569659
rs. do individuo de nome Francisco Pedro Gauden-
cio Bezerra, que fez parte da mesma companhia e
se acha avulso ; assim o declaro a V. S. para que
mande entregar a que cima alludo ao capitao l-
ente Francisco Joao de Oliveira, commandante da
referida companhia.Communicou-se ao inspec-
tor daquelle arsenal.
da espirituosa.
Despachos do
186;).
dia 7 de Janeiro de
Reqiierimenlos.
Francisca Maria da Luz. Dse-lhe a passagem
pedida, havondo lugar vago de passageiros de es-
tado proa.
Galbino Jos Joaquim de Miranda. Passe-se,
estando na secretaria da presidencia o termo, de
que trata o supplicante.
Jovino Jos de Mello.Informe o Sr. major di
Dito ao mesmo.-Transmiti V. S. para o llm rftMnr""do'a7ser7,MM^^^^^
conveniente o incluso pret em duplcala j exami- pT^5S wstaSS2SrJ
w3?^^e^r,nia l "* -,m',ortancia,de-"" dos outros proponen.es ; decTa and, outro sira s
203o20 rs., relativamente aos vencimentos dos re- se ,pin exi"ido em i?ua arrematnos ,i
crulas nao apurados em deposito no nnrfi rfn 9- s,!iem.?xl,e,n. '?.uai rramatajoos que
, -.( J- Qa "" "*" --o quanei uo dorainda sendo muito conhecido e alionado mos-
balalhao de infantera, durante a 2* qorazena do tre ,er os bens livres
mez de dezembro ultimo, o qual velo annexo ao of-
flcio do coronel commandante das armas datado de
5 do corrente e sob n. 30.Commanicou-se ao co-
ronel commandante das armas.
Dito ao mesmo. -Atientas as razoes ponderadas
pelo contador doss* thesouraria, na representago
qoe por copia veio annexa ao offlcio de V. S. de 5
do corrente, sob n. 18. tenho res>lvido que conti-
nu a ser paga soba responsabilidadeda presiden-
cia nos termos do decreto n. 2,884 do 1" de feve-
reiro do 1862, a gratificaran mensal de 1805, a
que tem direilo o lenle coronel encarregado do
recmtamento neste municipio e no de Olinda.
Dito ao Inspector da thesouraria provincial.
Accuso recebido o offlcio de 5 do corrente, sob n.
10, em que V. S. me parlicipou haver Manoel Ma-
laquias Francisco, dando por fiador o proprietario
Ignacio Fraociscj Cabral Cantanil, arrematado
com o abale de 37 0|0 no prego do respectivo or-
gamento a obra dos reparos "do empedramento da
estrada da Victoria, entre os marcos de 8 10 mil
bragas, e em resposta tenho a dizer qne approvo
essa arremalago, visto como V. S. a achou conve-
niente aos ioteresses da fazenda provincial, cum-
prindn, porm, que faga ver ao arrematante que
dever bem acabar essa obra, sob pena de nao he
ter pasa a sua importancia.
Dito ao cnsul de Portugal. Tendo mandado
ouvir o coronel commandanle das armas, que por
sua vez onvo tambera o commandante do 4 bata-
e desembaragados, e final-
mente em virlude de que disposigo se exigi esta
prova do supplicante.
Jos dos Santos Silva Jnior.Como requer.
Padre Joas Vertuliaoo Curcino de Macedo.
Como requer a vista da informago.
Jovino Jos de Mello. informe o Sr. major di-
aeclor do arsenal de guerra.
Jos Feliciano Machado.Como requer, menos
pelo que diz respeito ao embarque de mel, e li
canao o assucar reduzido a metade, isto s po-
dendo levar cinco barricas, e cinco saceos.
Jovino Jos de Mello. Informe o Si*, major di-
rector do arsenal de guerra.
Sebastio Alfonso do Reg Barros. O suppli-
cante tem o tempo preciso para habilitar-se, urna
vez que a arrematagao da obra da casa de deten-i
gao foi addiada para 19 do corrente, segundo foi-
me comtnnnicade pela thesouraria provincial.
COMMANDO DAS ARMAS.
Quartel do commando das armas de Permmbuco, 10
de Janeiro de 1865.
ORDEM DO DA N. 25.
Tendo sido aesta data dispensados do servigo
medie i militar desta guarnigao os Srs. Drs. Ga-
briel Alcides Raposo datlamara, Frederico Schultz
e Joo Pedro Mnc-uro da Fonseca, que em falta de
Iho de artilharia a p, acerca da prisio que sof- cirurgides militares havi.im sido contratados, apraz
fre o soldado da-mesmo batalho Isidoro Vieira de ao coronel commandante das armasjdecl irar, que
Castro, e sobre a qual representoa o S. Dr. Claa- os referidos senhores sempre pontuaes a zeloaos,
dio d- Araujo Guimarcs, consol de Portugal nes- bem enmpriram com os seos deveres durante o
ta provincia, em offlcio de 30 de dezembro ultim, tempo em que se acharam empregados, pelo que
foi-me declarado que o referido soldado, actual- o mesmo coronel Ihes tributa os merecidos louvo-
mente recolhido ao hospital militar, se lem appli- res e agradecimentos.
cado a pena de pnsio por eslar snjeito, eraquanto Assignado,Joaprim io$ Gon<;alvt* Fontn,
2,786:3735700
Os cambios teem regulado : sobre Londres 90
dias 53 ,',' a 53 */; sobre Hambnrgo 3 ra. i. 47 >/2,
e sobre Paris, por 3 francos, 8 d. v. 545 e 100 d.
v. 535.
As vendas de assucar durante a quinzena forara
ae uns 900 saceos do de Pernambuco, 30 da Baha
e 34 caixas do Rio. O branco de Pernambuco re-
gula 25200 a 25430,osomenos 25 a 20100, o mas-
cavado 15600 a 15800.
A baixa do algodo em Inglaterra, como nao po-
dia delxar de ser, reflectio laqui.
As vendas limitaram-se s necessidades das di-
versas fabricas. A importago foi 174 fardos vin-
dos de Liverpool e 813 saceos do Maranhao. Para
aquelle porto exportaram-se 150 saceos do carre-
gamento vindo de Pernambuco no brigue Espe-
ranga.
Pareca negocio resolvdo que a estagao de
eamiaho ,d6 Ierro nerta Cidade seria em Cam-
panil, e nesta hypothese anda nio ha muito que
os jornaes portuenses deram a noticia de que os
trabalhos para a ponle que tem de atravessar o rio
Douro seriam comegados naquella localidade nos
principios do prximo Janeiro. Pois nao assim. O
governo, em portara de 24 de novembro ultimo,
ordena companhia de caminhos de ferro portu-
guezes que trale de elaborar e remetter ao respec-
tivo ministerio o projecto desta parle da. linha fr-
rea, de modo que satisfag* n< s melhor eolio-
cacao da gare do Porto, como melhor ligago dos
caminhos de ferro ao norte do rio Douro.
Por este documento offlcial v-se que o goverpo
nao approvou os planos que Ihe apresentou a com-
panhia relativos ponte do caminho de ferro sobre
o Douro e estagao em Campaah, fundndose
para isso na falta de solidez dos terrenos em que
tinham de ser langados os alicerces para a dita
ponte, e de ser improprio o local de Campanh pa-
ra a estag.-) desia cidade.
Era um dos seus considerandos lembra a citada
portara, que urna estagao que fosse enllocada no
Prado do Repouso ou as Fontaialias seria a que
melhor satisfara ao commercio da cidade do Por-
to. E na verdade esla a opinio partilhada geral-
mente nesta cidade.
Ha qaem appellide a cidade de Braga, capital da
bella provincia do Minho, de Roma portugueza.
B na verdade a historia religiosa e poltica da
antiga primaz da Hespanha, o espirito esscncial-
mente religioso e crdulo dos seus habitantes, e
geralmente de toda a provincia, aulonsa de algu-
ma forma aquella denominagao.
Vem isto a proposito para dizerms que o seu
seminario archiepscopal o mais rrequentado de
todos do reino.
Para o anno lectivo de 18641865 matricula-
ram-se as dilferentes aulas do dito seminario
1,039 alumnos.
A crse monetaria tem retardad o a organisagao
definitiva do banco do Minho, cuja sede na cida-
de de Braga. .
Foram nomeados para a direegao os Srs. Fran-
cisco Casimiro da Cruz Teixelra, ManoelLuiz Per-
reir Braga, e Joo Evangelista de Souza Torres c
Almeda.
Os trabalbos esto combinados para o dito banco
comegar a funccionar no prximo mez de margo.
Em Guimaraes, em urna das tardes do mez pas-
sado, dosabou parte da torre da igreja de Santos
Passos que se andava construindo.
Dos operarios que andavain na obra um morreu
insiantenearaejito e os outros sofTreram leves con-
tusdes.
A alfandega do Porto rendeu no mez de novem-
bro ulliroo t94:OOA3l, menos 4a:09d*09 que
em igual mez do anno passad*.
Entrou em 3 de dezembro, a galera Mana, do
Maranhao.
Esto fra da barra, ha dias esperando que o
mar Ibes permita a entrada no Douro, as barcas
Flix e Claudina, ambas procedentes do Rio de
Janeiro.
Os passageiros que conduziam desembarcaram
em Carreiros.
Saturnia.
Km 30 de novembro, a barca .Vota Cintra, para
o Para, por Lisboa.
Em 3 de dezembro, o patr.eho Marcial, para o
Rio-Grande.
A barca Silencio, para o Rio de Janeiro, e a
barca y'ov'a-Caroluia, para o Maralo.
Em 4, a barca Mana 4 Amelia, para a Baha.
gado de A fugados para
j cima, liavendo j rama sufflciente para os animaos-
Apezar disso os legumes ainda continuam por alto
prego, mas em abundancia.
Foi honletn p.-la madrngadaencontrado exposto
a porta da matriz d'esta freguezia de santo Anto-
uio q cadver de um prvulo do sexo femmino e
de cor branca.
Procedidas as competentes averiguagoes pelo
Sr. subdelegado Moura, e examinado cadver
pelo Sr. Dr. Silva Ramos, foi verificado ler sido
natural a mora; e assim mandou o mesmo sub-
delegado dar sepultura ao cadver.
Foi encontrada pelo mesmo Sr. subdelegado
urna menina de cerca de 4 annos, que Tora aban-
donada pelos proprioi pala, ao que parece, por alta
noite as ras desta idade.
Semelhante acto caractensa bem ios respectivos
autores.
No dia do corrente o Sr. major Bernardo
Luiz Ferreira Cesar Loureiro- dirigi ao Exm. Sr.
vice presidente o seguinte requerimenlo, em que
se offerece como voluntario para servir na presen-
te guerra que nos afllige. E' urna prova destnela
do seu patriotismo, e que por si s faz o mais
bello elogio do seu civismo.
Illm. e Exm. Sr.Quando o eslrangeiro, j
nao digo, esquecendo as leis, que rege ni as rela-
ges de nago a nago, porra todos os deveres de
humanidade, ousa postergar nossos direitos, fe-
rir nos em nossa honra e dignidade de nago,
para o brasilciro um dever sagrado o ser sol-
dado ; para elle urna gloria immorredora per-
tencer a essa phalange de bravos, que vingando
os bros nacionaes, far pagar muito caro aos
meolevideanos a perversidade; ao paragua\os a
traigo: a arabos a ingratido e a infidelidade nos
tratados.
c SebJtJo d<> prim.'iro mporlo, amigo leal do
primeiro imperador, conservador de principios e
nao por ioteresse pessoal, a minha fraca espada
desemtiainhar-se-ha sempre que a patria exigir ;
sempre que determinar o augusto herdeiro das glo-
rias de I). Pedro I; sempre que Lieos proporcio-
nar-rac occasio, para que ao throno do imraorlal
fundador do imperio seja augmentado mais um fio-
rao de gloria.
Portuguez Batan medra
do urna carga de milho que comprava a nm almo-
cruve; e bem assim a cerca do faci de venderem
os negociadores de familia e legumes na ribeira
daquella freguezia os ditos gneros por medidas
tambera falsificadas, a flm de que a cmara provi-
dencio como for conveniente.-Mandou-se infor-
msr ao fiscal de S. Jos sobre semelhante faci.
Outro do mesmo, procurando informar-se, em
vista do (.lucio que remetiia do subdelegado da
freguezia de 8. Jos, e requerimenlo que o acora-
panha, se sao permellidas pela cmara as transfe-
rencias de que trata o mesmo offlcio, a lim de qoo
habelilado com a informaco, pos a respeito como no caso couber.Igual destino.
Oulro do contador, communicando qoe acha -e
esgolada, e at j excedida na quantia de liT5IO
a verba de o:0005000 destinada na lei do orga-
mento vigente para cusas crirainaes, pede a c-
mara que se sirva providenciar.- Que se pedisse
ao Exm. presidente da provincia aulorisago para
continuarse a despender, litio que ainda exislem
minios mandados por pagar.
Outro do procurador iufnrmando a petico, na
qual Manoel Figueira de Faria & Filho, pedem
pagamento da quantia de 1805000, importancia
de tres conlas de impresso, encadernacao de dez
livros_ para bitos, mpressao de edilaes para a
reunio do jury nos dias 11 de julho, e 3 de selem-
bro ulnmos, e o quartel de seu contrato lindo em
selembro.Nesia occasio lembra o procurador
que o contrate feito com os peticionarios para a
publicago dos trabalhos mooicipaes se acha con-
cluido, coovindo que se faga novo por meio de ar-
remalago.Quanlo a primeira parle, mandou-se
pagar, e quauto a segunda, que se pozesse am
praca.
Outro do engenheiro cordeador, informando o
requenmeolo que develve, no qual Francisco Bo-
telho d'Aodrade arrematante do atierro da nova
ra c praga do Hospicio, pede a prorogago do
praso marcado para a conclu.-o da obra, declara
que examinando o referido atierro achou que de-
pos do pagamento da primeira prestago lem o
peticionario feito muito Irabalho, mas, qoe ron
lude nao chega para completar os dous tercos d.i
obra toraf. concedeu-se a prorogacSo, larramto-
se novo termo de contrato para ser assignado pelo
arrematante e seu fiador.
Outro do mesmo ioformando sobre.j) requer
ment em que Antonio Goncalves Preira Lima.
pede para que Ihe seja permeltido rasgar doas sa-
cadas as janellas lateraes da frente do segundo
andar de tea sobrado n. 61, sito a ra Imperial.
Assim pois deponho desde j aos augustos oes] J|f ',ue j exis,em 'acadas na Jane,la do *"">:
PERNAMRUCO.
REVISTA DIARIA.
Temos vista jornans do Cear, at 4 do cor-
rente, trazidos pelo vapor Persintinga, dos quaes
Era urna grande inconveniencia se a estacan do transcrevemos o*que segu :
caminho de ferro se estabelecesse em Campanh, Tendo oguardamr informado ao inspector
que dista um bom quarto de legua desta cidade. da alfandega. que dos barris salvos do naufragio
N urna das fregoezias da Povoa de Lanhoso, dis- na costa do Cascavel, tinham sido roubados gran-1
tncto de Braga, tiouve no dia 26 do passado des- de parte, consta-nos que a presidencia resolver
ordem entre o povo ea forga do regiment n. 8 mandar immediatamente o chefe de polica para
que ali foi para capturar um padre pronunciado tomar as providencias necessarias, afim de segurar
pelo roubo da urna, as ultimas eleicSes para ou procurar os objectos extraviados.! |
deputados, n'uma das assemblas eleitoraes daquel- c Hoje (31) chegou aqui a triste noticia de haver
le circulo. A forga militar chegou de noute, cer- suecumbido a nm ataque apopltico o coronel Ma-
ceu a casada residenciado padre, e ao amanhecer noel Jos Peraira Pacheco, do Aracatv, na madru-
deu-se a busca, porm nao appareceu o culpado. gada do dia 27. *
Quando a casa eslava cercada, reunio-se algum Eis o resultada de todos, os collegios, fallando
povo com sentido de obstar pnsao do padre, mas apenas o ae Inhamuus, com 43 cleitores lbe-
que a forga militar conseguio fazer dispersar sem raes
grande resistencia. Recolhendo a forga para o seu :
quartel da Povoa de L-raboso tocaram a rebate os
campanarios de duas freguezias, e alguna tiros fo-
ram disparados, durante a marcha, contra os sol-
dados, mas sem resultado.
O absurdo resultante da alteragao que ultima-
mente se fez no servigo dos correibs, e pela qual
alteragao s era concedida, n'uma das duas expe-
diges diarias de malas, a troca de corresponden-
cia entre Lisboa e Porlo, acha-se j remediado. O
de S. II. o Imperador a minha espada, aflin de que
faga parte do exercilo, que tem de obrigar os go
vernos de Moutevido o Paraguay a respelar nos-
sos direilos.
Portanto, supplico a V. Exc. que, aceitando
meu offereciiuento, d suas ordens, afim de que eu
seja addido ao 9 batalho de infantaria, apenases-
te parla para a corte.
Nestes termos o supplicante requer ao Illra. e
Exm. Sr. presldeule da provincia assim o delira.
E. R. M.
Recife, 9 de Janeiro de 1865. Bernardo Luiz
Ferreira Cezar Louiv/ro.
Em Beberibe deu-se hontera um assassinato
de urna raulhcr, cuja autora atlribuida ao pro-
prio marido, que desappareceu em seguida deixan-
do a casa fechada e a misera no seu leito de
morle.
Foi duscoberta o crme pela mi da assassinada,
que adiando a casa fechada e descobriqdo a chave
sob o balete da porta, abrio-a e deu com o hor-
rivel espectculo.
A polica proseguio em suas averiguagoes.
REP.UlTig.VO DA fOLICIA.
Extracto das partes do da e 10 de Janeiro de
1865.
Foram recolhldos casa de detengao no dia 9
do corrente :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Theo-
philo Marques Pinto, vindo de Serinhem, como
suspeito de ser criminoso.
A' ordem d3 Dr. delegado da capital, Francisco
Fortunato de Lima, para correcgo; e Jos, escra-
vo de Joaquim Ferreira dos Santos Coimbra, por
infraego de posturas.
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Anna Joa-
quina do Sacramento e Maria Rosa Correa Cardo-
Para deputado geral.
Conselheiro Jos Liberato Barroso........ 241
Dr. Jaguari.be.......................... 13G
Para provincial.
Moura............................... 216
Gustavo Gurgulino.................... 195 sV, por disturbios.
A noticia do prximo apparecimento do um i A' ordem do da Boa Vista, Manoel Maria da Sil-
livro importante sempre de grande festa no mun- va, por crime de uso de armas defezas.
do das lettras. q chefe da 2 secgo,
Lonsta-nos que o immortal cantor da primavera, J G. de Mesquila.
comboio mixto do caminho de ferro leva agora o sabio portuguez, o Sr. Amonio Feliciano de Cas- Movimento da casa de detengao do da 9 de
n a correspondencia para Avei- tilho, a convite e pedido de um amigo seu desta Janeiro de 1863: exisiiam 404 presos, entraran
6, sahiram 19, xeistem 39i.
ro, Corabra e Santarem. provincia, se resolveu a levantar ir.o de outros
Em viagem de recreio a que nao ser absoluta- irabalhos litterarios para consagrar algum tempo
mente alheia a poltica dos partidos, chegaram a traduego de obras importantes, como as prinri-
esta cidade no da 6 do corrente os Srs. Antonio paes orages Tunebres do grande Bossuet, do elo-
Maria de Fontes Perera de Mello, e Jos Maria do queme Flechier, e bem assim o Apologtico de Ter-
Casal Ribeiro, ministros no ultimo gabinete chaina-, lulano, um dos mais invensiveis controversistas
do da regeneragao, e que na actualidade sao os dos priraeiros seclos da igreja.
vnltos pnblicos mais preponderantes daquella frac- Consta-nos at que pelo ultimo paquete da Euro-
gao da familia liberal. Na estagao do caminho de pa fra j remettida pelo Sr. Cast'lho a verso da
ferro das Devezas, era Villa Nova de Gaya, foram orago fnebre de Turena por Flechier, e que nos
SS. Excs. esperados por muitos dos seus amigos afflrma pessoa competente acnar-se pnmorosssi-
que, em carruagens, os acompanharam ao hotel mmenle traduzida. Nem outra cousa se poda es-
Central, onde estao alojados perar do to profundo e notavel Iliterato que assim
A cmara municipal resolveu pedir autorisagao vem enriquecer a nosso idioma de mais este mo-
do governo para, sem as morosas formalidades da mmenlo, e proporcionar aos homens de lettras,
le, e atienta a proximldade da poca da exposigo especialmente aos- membros do clero de ambos os
internacional no palacio de crystal Portuense, con- palzes, nova, thesouro de erndlcgao e bellezas ora-
irahir um emprestimo de 25 contos de ris para lorias, to pouco conhecldo do vulgo sacerdotal,
obras e mellioramentos mais urgentes da cildade, E deleito, s um Antonio Feliciano de Ca>tilho
isto sera prejudicar a idea de um emprestimo em podia ser o interprete de genios taes como Terlu-
maior escala, que a cmara j pedir para ekccu- Mano. Bossuet, etc.
gao de obras de mais basto alcance. Fazemos votos pelo complemento de to elevado
Arada mais urna vez a direcgo da assoqiagao designio, e desde j promettemos auxiliar, qnanlo
Commercial desta cidade, procedes eleigSo dos em nos couber, a vulgarisagao e acolhimento de
doze provadores que, por parte do commercioj teem to exceilenta livro.
de fazer parte do jury qualilicador da novidade de No logar Cabuatam, da freguezia de Maran-
vi nhos do Douro no crreme anno. Navillada Regoa guape, foi assasslnado Joaquim Fslix por Manoel
nomea a lavoura os seus doze provadores, e estes Baptista, no dia 31 do passado, logrando fugir o
24 homens constituem o tal jury qualiflcador, que assassino.
um dos muitos absurdos das leis chamadas pro- Pelo delegado de Baixa-Verde foram presos
lectoras do paiz vinhatelro do Douro. Manoel Marinho, criminoso de raorte era Villa-Bel-
O Te Deum que o Sr. Miguel Angelo Perdira of- la ; Manoel Florencio Me Santa Anna, desertor do
fereceu commisso do monumento do Serihor 1).; stimo batalho ; Manoel Pereira de, Souza o advo-
Pedro V para ser executado no dia em que fr gado Antalo A.U>co de Souza Leilo, como Indicia-
inaugurada a estatua daquelle rol muito amado, dos em crime de estelhonato.
leve enaaio particular no dia 4 do correte, noj _"Uo |ugar &,-,.<, Branca, do termo de Ouricu-
lomplo de S. Bento da Victoria. A sua exesmcSu ,1 ry, foi assnssioado o velho Joaqun Quirraquiu.
esla conflua aos msicos da -apella do Sr.jSlIves- quim por Francisco Luiz do Macedo, que foi era
* continente preso e asta sendo processado.
A saber : nacionaes 322, estrangeiros 17, mu-
flieres 5. eslrangeiras 2, escravos 40, escravas 5,
total 391.
Alimeutados a custa dos cofres pblicos 163.
Movimento da casa de detengao no dia 10
de Janeiro de 1865: leve alta, Jos, escravo de
Joaquim Ferreira dos Sanios Coimbra & Guima-
raes.
Passageiro do hiate brasileiro Dous Amigos,
saludo para Peoedo : Joaquim Pedro da Costa.
Passageiros do vapor naoional Persinunga,
vindo do Araracu' e portos-iutermedlos :
Adoipho Eugenio Soares, Jos Benlo Grota, Jos
Antonio Parias, Amanera L-it- da Silva, Dr. Rufi-
no Tavares de Almeida, A. Nepomuceno Barbosa,
Julio Harthy, Julio Forylh, Henry Menpun, H.
Rogres, Thomaz Julin, Joseoh Parroi, S. Semuth,
Luiz Feroandes Torres Marinho, Manoel Pinto de
Carvalho, Raymundo da Costa Ribeiro, padre Ga-
lindo F. daSilveira Cavalcanti e I criado, Joaquim
Jos Rodrigues, Gulherme Joaquim da Silva Bra-
ga e 1 escravo, Aureliano Furtuna Pessoa, lenlo
Correa de >a, -everiano Aureliano de Figueiredo
e Conrado Ebergg.
CMARA MUNICIPAL.
Aos 15 de dezembro de 1861, tendo compareci-
do os 8.1. Gustavo do Reg, Mello, Leal Seve e
Maia, faltando o Sr. Gameiro por encommodado, e
os mais senhores sem comraunicaco, nao houve
sesso por falta de numero.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem, secretario
a escrevi, -Reg Maia, Leal Seve, Reg Mello,
que as posturas municipaes prohibem sacadas
nos segundos andares dos sobrados que nao leeni
mais de dous, como o do peticionario, porm que
Qxislindo no centro desse segundo andar orna sa-
cada, mais regular e bonito, que, 00 se acabe
cora ella, (cando todas tres janellas de pWu.nl.
ou que se ra>guem sacadas como pretende o peti-
cionario as duas janellas lateraes para que a>sm
liquem todas ires com a mesma forma.Conce-
deu-se a licenga.
Outro do mesmo, informando o reqoerimeoto no
qual Joaquim Francisco das Chapa e Silva pede
para que Ihe seja pennellido reedificar a freoie de
sua casa e o oito da mesma, sita a ra da Amiz.-
de {na Capuoga; sendo dilo oito de paredes do-
bradas ; diz nada ter a oppr, nina vez qne o pe-
ticionario faga a frente no aliohamento da casa ve-
zinha, e guarde o mesmo niveilameoto.-Concc-
deu-se conforme a informago.
Outro do fiscal da freguezia da Boa-Vista, pedni-
do se Ihe maode pagar a quantia de 295860 qae
despender com a condugo e enlerrameolo d se-
te animaes, que appareceram morios em diverso>
lugares da raesma freguezia, em dilferentes das.
Mandou-se passar mandado.
A commisso de peligdes apresentou o seo p?re-
eer no sentido de se informar favoravelmente m
Exm. presidente da provincia a petico, m qual
Joaquim Jos Bello actual fiscal da frestuezia do>
AITogados requer a sua aposentadoria.Foi appro-
vado.
Mandou-se ofllciar ao Exm. presidente da pro-
vincia, pedindo aulorisago para contratar rom
Manoel Alves Guerra, mediante condiges segtira>
o arborizaraenlo da cidade.
Despacharam-se as peligdes de Avelioe Amir
de Souza, Agostioho Jos dos Prazeres, bario !,.
Livrameolo, Billar & Oliveira, Francisco Boielho
d'Andrade, Francisco de Paula Leal, Juo da Cos-
U Braga, Jos da Cmara Leile, Jos Flix da Sil-
va, mesa regedora da irmandade do Saabssimn
Sacramento da matriz da Boa-Vista, Manoel Fi-
gueira de Faria & Filho, Manoel Alves Goern.
Manoel Martios da Paixo, Romo do Rogo B e levantou-se a sesso.
Eu Francisco Calo da Boaviagem, secretario
a subscrevi. Barros Reg, presidenteManriques
da SilvaReg Leal SeveMello wimeiro.
COMMUNICADGS.
Ha nesla cidade nm artista, que passa desro-
nhecido, e entretanto urna capacidade na so-
protJsso, um verdadeiro re na arte culinaria. (1
Sr. Aodr Loog, lal o seu nome, veio para o Bra-
sil em 1852, e residi na corte do imperio, no es-
pago de 11 annos, durante o qual preparen o
mais explendidos jantares, as nui.- snroptuosas
ceias, que all se deram. Tendo viado para esta
provincia por um contracto, qne deaois se lornnu
millo, aqui se acha agora residindo, e por isio re-
commendamos ao publico est excedente arii.-ta. o
nico no seu genera, entre nos. Haja vista a ex-
pleudido jantar dado ao -r. commeadador Domin-
gos de Souza Leo, e pelo Sr. Lea* preparado.
Manjares exquesilos e apetitosos, geiados eaperues
e cheios de sabor, altestavam, maravilhando a io-
dos os profundos conhecimentos deste habilissimc.
raestre na arte dillieil qne U0.I0 aprecioo Brilr-i;
Sevarain.
Vm amigo.
AO
Illm. H*. Dr. Joo
Ramos.
* HU%n
Principia V. S. o seo communicado qoe vaw
publicado no Otario de Pernambuco do 34 do ce#-
,^. 1 renle> pr dlier q0e est determinado a qoefcpar a
Aos 16 de dezembro de 1864, comparecern os ultima langa na questo medica em quu est em
ISr?. Barros Refo, Gustavo do Rogo, Mello e Seve,' peonado, ms qqa ffjra tfwte terreno B*o apaah





rr
^m^i
_____

....
Diario de r ernaiahuco Qnarta felra 11 de Janeiro de 865.

luva, rorque no qucr ver a ques;?.o dWnnal em
pouco transformada em troca dejnsnttos, como o
costme dar-se entre nos e & razao que tem V. S.
para sse seo exordio motivado pelos elogios
revestidoe de eronia, que eu Ihe dirig na minha
carta.
Permita V. S. que eu, procurando com toda
cautela palavras e phraees que nem por sonho
do n sciencia, eu me daria por satisfeilo conf as
expltrafaes que de o'Sr. l)r. Ramos, que sinto
dentio d'altrw nao me satisQzessem.
Todos sabem, at en sei, que no estado normal
os intestinos e as mais visceras contendas na cav -
dade abdominal, mesmo o peritoneo ( devo dtzer
por cautela que nao fallo da parte que forra a pa-
rede abdominal, por que o Sr. Dr. Ramos capaz
uossam conler o'ffensa V. S., (e desde j declaro de suipor que eu ignoro que o Teatro todo forra-
prio que rescumbra de lodas as suas palavras, nao; abrir um porco, um carneiro, um boi, at mesmo
ra de supiior que V. S. pensasse que nos elogios; urna gatlinha ou um per, lia de ver que os mes-
eme Ihe faco de intima convieco, podesse eocon- Unos estao todos sollos e separados das paredes do
trar nem ao menos Jaivos de eronia. \ centre e que se pode levantar estas sena ser pre-
Por mais que eu guindasse a phrase, por mais ciso cortar laco algum que as prenda aos intestinos,
que elevasseopeosamcnlo. por mais que subllmasse No estado normal o ulero est dentro da exea-
o estvlo, por mais que requinlasse o elogio, vacSo da oacia, e quando elle se desenvolvo em
nunca poderia atcaocar a altura em que V S. so consequencia da prenhez ou de urna molesiia vai
oolloeou; por tanto o meu amigo cheio de confian-, crescendo e lomando pouco a pouco o ventre e os
ca. como est, nos seus talentos e conhecimealos intestinos vo fkando pe Prte posterior d elle,
Drofe-sionaes eronia em e*pre=soes passadas pelo cadinho da sas dubras do peritoneo e que se implantara na co-
siocecidade. lumna vestiferal : no quinto mez da geslagao o fon-
Peco ao meu collega que me conceda que eu'. do do ulero est na aliura do umbigo, no sexto est
nao seja prolixo na mi'nha resposta, nao s para cimaid'el'e, no nono est quasi no que se chama
nao enfastia-loe as pescas que se derem ao traba- espinhela, em termos tecnichos appendice xifoi-
Iho de i-la como mesmo para evitar algum des- de : esta mesma sorte tem os intesimos nos casos
uide que prolixidade possa acarrelar de hydropesia ascite, Uto ficam bem encostados
Nao ha remedio senao declarar-lhe que anda a columna vertebrare as vezes bem opprimidos, e
estou as mesmas duvidas; e cada vez mais con- aiuda nao constou que alguem, fazendo a punecao
vencido que, o caso que estoriei, nao s mu.to abdominal para extrahir o liquido da hydropcsia,
raro como nao pode ser satis!'doriamente explica- furasse o intestino ou a dobra do penlenfo chama-!
do-, e *a.-so a dar as razes do meu dito. da grande epiploon. O Sr. Dr. Ramos se achar
Eulhe disse.econtirtuoaasseverrar-lhequeV.S. [ n isso alguma inexactidao ou erro, queira perdoar I
nao era capaz- de apresentar dous outros casos em : por queeu nao tive lempo de consultar algum tra-
m clnica idnticos ou semelhantes ao que faz lado de anatoma.
objeoto da minha historia: e que reunilido todos | Depois do parto o mero contrahe-se, e quando
os faeles que os nossos collegas tivessem observa- tem-se desembarazado da mr^ parle dos '"q'*
do, nunca ellcs seriam em tao grande numero que
S. S.: entretanto agradeco-lhe muito cordealmen-
te o-delicado favor que me fez, e nao querende
priva-lo do goslo de voltar carga, nao o dispenso
desde j de dar-me novas explicares; porem de-
sejo qae S. S. me permita que eu nao quebr a
oltima lanca nem esgole todas as mlhhas torcas
n'esta questao, que alias fra da raridade e espe-
cialidade do facto, nada tem de Interesante para
a sciencia, visto como foi Deas servidoique a pro-
la se curasse apezar de mal diagnosticada sua mo-
lestia,' e por conseguinte, mal medicada Ea de-o-
jo guardar algumas d'essas poucas forfas que me
restara para alguma oulra vez, em que- possa ter
preclsao.
Espero que o meu amigo e collega, |dando ex-
pansao a generosidade que symbolisa o! seu carc-
ter, desculpar todos os erros de doulrina a de
pratica que encontrar n'esta desalinhada arenga,
pois S. S. bem conhece a minha apone da Intelli-
goacia, e os nenbuns conhecimentos pfofissionaes
que possuo.
Retribuo ao meu amigo e collega na mesma d-
ze as meiguices de considerarlo e aniisade, com
que S. S. se dignou brindar-me por senseu amigo.
Dr. Lobo Mvscoso.
Recife, 27 de dezembro de 1864.
V. S. podesse dizer-casos tteste genero sao tao
frecuentes na pratica etc.
Na sua caria de M do corrente, diz V. S. que
hoje leria de modificar o seu asserto, dizendo que
factos desta ordem a sciencia os possur, se bem
que nao mui frequentes: mas que, fallando eu de
abeessos da fossa iliaca, das paredes do ventre, do
escroto, fenmenfos de armas de fugo, ele etc, era
levado a pensar, que eu desejo sabe como um tu-
mor qualquer pode estabelecer eommuoieacao com
o intesiino : j V. S. modifica a sua pruposigao
absoluta.
V. S. ha de permittir que eu Ihe reflicla, que em j
que eirchiarn seiis vasos aeha-se anda urna ou
duas polegadas cima do pubis, e proporgao que
se vai desengorgitando, dimiuue de volume al
que torne ao seu tamanho natural; mas quando as
cousas nao se passam desta maneira e que appa-
rece urna metrite, o tero augmenta de volume e
s vezes parece licar ainda maior do que quando
continha o fructo da concepeao ; c como elle logo
oceupa o lugar que tinha doixado a pouco de
suppor que conserve as mismas relacoes que tinha
d'antes e por conseguinte fique entre a parede ab-
dominal e os intestinos : nao sei se digo bem. O
Sr. Dr. Ramos emendar se achar errado.
Creio que nao ha aqu Invento nem negocio de
parte alguma dos meus dous communicados, V. S anatoma, poni scienlilico sobre que nao ha con-
PUBLICARES A PEDIDO.
Para um senhor, que nao quiz rcceberl a resposta
de una carta que esereveu a unini. ver.
Illm Sr. *
A estupida e insolente carta que agora mesmo
acabo de receber de Vmc. s tenho al responder
por ora, que quando um homem que tem bro e
honra se julga olfendido por algura seucredor, a
primeira cousa que hz pagar-lhe e depofs des-
aggrava-sc como quer ou come pode, e'no insul-
ta-lo e injuria-lo, como que buscando coim islo um
pretexto para nao faze-lo. Faca isto e depois achar-
me-ha ao seu dispr, e enlo provar-lhte hei que
nao sou cobarde, e que para possuir o pouco que
tenho nao me foi preciso fabricar lelras oom firmas
fahas, nem passar sedulas tambern falsas1; emen-
de, Sr. t
Reeife, 10 de Janeiro de 1863.
encontrar phrases, das quaes se possa logicamen- testacao ; e por tanto tudo que nao for isto e
------ do natural.
te inferir, oue cu desejava saber como e que
um tumor qualquer interno ou externo do A doenle de que se trata tinha tido a creanca e
abdomen, nde fzer communicacao com o intestl-1 logo a pos foi atacado de dores atrozesque se pro-
no : cu nao faco delira o juizo que V. S. faz de pagavam
por iodo ventre, e apezar d'isso foram
consideradas como dores de tortas: o ntero cies-
ceu immediaiamente e lomou lal volme, que pa-
reca que a preta ainda nao linha parido; d'ahi de-
senvolveram-se todos os mais symptomas descrip-
los por mim no primeiro cmmunicado, pelos
quaes supponho que nenhum medico deixana de
diagnolicar urna metro-peritonite: dias depois, e
quando pouco tinha amainado a agudeza dos symp-
tomas, faz-se a abertura do abeesso, e dous dias
depois a senhora da escrava d-me parte que a
enfermeira Ihe tinha cmmunicado que pela aber-
tura do abeesso sahia excremento : verifico, e ma-
terias excrementicias nao se confundem com oulra
cousa qualquer.
Devendo eslar naluralmeate os intestinos por
traz do tero que exceda muitas polegadas a re-
gio umbilical, era lo fcil explicar a adherencia
oelles com essa regio, como fcil comprehender
no caso de um abeesso na fossa iliaca? ou mesmo
si, porm tambem Iho peco que nao acredite que
eu ignoro as cousas mais comesinhas da sciencia
medica, aquellas que qualquer estndante do 3o e
do 4o anno do curso medico devem saber. Ignorar
isso, seria ignorar tudo : permita V. S que ao
menos eu saiba urna das cousas mais triviacs da
sciencia.
Tenho duvida, meu collega, como no caso histo-
riado por mira, se fez a communicacao com o in-
testino, e mais adiante exporei as razes em que
me riro, indo piimeiro moslrar que V. S. nao
apresentuu un s exemplar da molestia descripla
por mim.
Fallei de urna peritonite puerperal gravissima,
em ciijo estadio se apresentou um tumor na regiao
umbilical, dando sahida a pus e depois a materias
ecaes, que foram reconhecidas por lodas as pes-
oas da casa da doente e por mim e no espaco de
moitos das.
0 meu collega aprsenla, para sustentar a sua quando a nalureza procura trazer para o exterior
genrica proposito os seguinles fados. u colleccao de pbs, ou clculos, ou hydatides
{.' A quinta observaco das lercoes clnicas de formadas no ligado T
Dupuvieen : abeesso na fossa iliaca que depois de Pois e a mesma cousa estar um corpo enconsta-
dous bu tres mezes que se abri na pelle, come- oulro, ou estar separado a elle por meio de
carama sabir as materias fecacs pela SST fs- um outro corpo ate muito volumoso? Parece que
tula .53 ; so vonlade de achar paridades on exemplares de
! Um lanoeiro, tratado pelo collega deum ab-: molestia, e que se poder considerar semelhantes
cesso no ligado e sabida do pus pelo pulmo. om abeesso na fossa iliaca e um na regiao umbili-
3.- Conferencia acerca de urna doente, que de- cal das depois de um parto,
poii de um parto leve um abeesso que evacuou todo As adherencias sao formadas por meio da lym-
o seu cometido pela vagina. O collega nem ao me-' pha plstica, que se interpdem entre um e oulro
nos diz onde foi o abeesso: podia ter sido mesmo na orgao, COmo mu sabiameule declarou em seu arti-
vagina, cerno ainda nao ha muito lempo eu e o Sr. go o Sr. Dr. Ramos: ellas tem por fim prevenir a
Dr. Villas Boas vimos um caso. I inllltracau e derramamento dos lquidos na cavida-
4. Conferencia sobre um abeesso ii face inter- de das membranas mucosas que revestem os or-
IM da parede abdominal e sahida de pus pelo ca- gaos: sao por conseguinte um lecido denso que
nal intestinal. : vem reforcar os lugares por onde a natureza des-
o. Anda abeesso na fossa iliaca e que abtem- Una passar os productos mrbidos que quer eliml-
n prtc e n> incesino : sendo que este caso e o "* economa animal; e claro que qauuo nou-
de Dupuyteensc bens semelhantes ao referido por ver necessidade de ser trazido para fora um pro-
mim em quanto terminaco : < 6. Doente da clinica do Sr. Dr. Carolino ab- dos normaes como o interposto entre elles, e por
cesso na fossa iliaca e communicacao com o reto, lanl nSo escapara a carnada formada pela lympha
com a bexiga e com a pelle. plstica : mas quando o produelo que tem de ser
Ora aqu temos nos, casos de abeessos na fossa eliminado esta perto da pelle, como nos abeessos
iliaca e da face interna da parede abdominal para formados na parede do ventre, nao ha necessidade
serem comparados nma metrite puerperal segui- de seiem destruidas as carnadas ormadas pela
da e acompanhada ou terminada por um abeesso lympha plstica e muito menos as paredes intesti-
na regio umbilical, e depois sahida de materias naes, porque mais perto e fcil o caminho pela
fomra Pe"e do que pelo intestino, o que nao acontece
Admira que o nobre collega no seu doce enlevo cm os tumores internos, como abeessos no ligado,
de chegar ao conhecimenlo de que eu nao sabia, clculos biliares, hydatides etc., que nao sei se di-
por qoe maneira um tumor no abdomen pode fazer 6 be,n. mais fre jueolemeote abrem-se no tubo in-
communicacao com o intestino, nao trooxesse testinal do que na pelle.
baila urna reia duzia de abeessos no figado, sa- pode ser l^e seja esta a razao porque os abees-
hindo o pus pelo estomago, pelo duodemem, pelo sos da fossa iliaca quasi nunca se abrem no intes-
mteslinoou pelos pulmees.e oulra meia duzia de no, como tem succedido nos casos por mim ob-
anos anorraaes ou de fenmentos no ventre com sa- servados: e que poucos casos existam, como os
Inda e solucaode continuidade do intestino, para qu obseryou o Sr. Dr. Ramos, em alguns dos
provar a identidade d'elle.J, cora o caso sobre que! quaes somente depois de tres mezes se effectue a
Aina de Florida de Jlouray & Lanman,
Inteiramenle difireme generalidade dessas
intituladas agua de cheiro e extractos deesseneias
i para o toucador, as quaes nao sao mais que meras
essencias aromatisadas-; este rico e delicado per-
fume um cosmtico excellente, e ao mesmo lem-
po posse a necessana virlude de servir como um
grande remedio externo.
Diluido n'uma pouca d'agua pura, lorna-se urna
excedente e agradavel lavagem para a pelle, re-
movendo toda aspereza da pelle, mculas, empingens, sardas, etc., transmiltindo em seu lu-
gar urna clara compleigo, rosada e linda, macia e
formosa.
Applicada testa ou fontes, dissipa dores de ca-
beca, previne desmaios e verligens, dando urna
nova vilalidade refrigeradora ao espirito i empre-
gada como urna lavagem para os denles le o rosto
(quando diluida em agua) de urna' aromtica
fresquido sem igual, assim como serve de snavi-
sar e mitigar a ardencia da pelle depois que se ba-
ja feito a barba.
Em consequencia das multas iraitace existen-
tes por toda a parte, de summa importancia que
se repare bem que os noraes de Muirag i Lan-
man se achem imbuidos nos vidros das proprias
garrafas, assim como inscriptos sob cada envoltorio
e letreiro ; pois que na falta dos mesmus toda a
mais falsa.
Vndese na pharmacios de Caors & Barbosa e
J. C. Bravo & C.
versa a nossa questao.
Ainda cita o collega a Grossolle que fallando das
communicacao com o intestino.
Tambem pode ser que fossem estes doentes do
peritoniles parciaes diz que principalmente nleste numero d'aquelles que o medico v depois que el-
caso ( peritoniles parciaes ) que se v o derra-l 'es eslo mnito estragados, e que se houvessern si-
mamento abdominal se circurascrever e ler sa- *> medicados desde o principio, a medicaco con-
hida pelo intestino ou atravez das paredes abdo-
minaes.
Cita emfim Pedro Frank que refere um caso de
veniente leria evitado a solapa do pus consequen-
temente a eroso do intesiino: o r. Dr. Ramos
perdoar seestou me intromettendo em materias
urna mulher e nma menina affectadas de perito- que eu ignoro completamente,
nite, em que se abri i> abdomen junio regiao A nossa doente estava neste caso ? formou-se o
umbilical e por ?hi sahia grande qnanlidade de | abeesso em poneos dias, Tez espontneamente sua
materia puriforme. Materia puriforme nao pus : I abertura na pelle : nao havia motivo para esperar,
ainda n'isso ha dissemeihanca, por qoe puriforme que o Intestino se abrlsse para dar passagem ao
quer dizer com forma ou semelhanca de pus e nao! pus, pois que elle tinha-a franca pela pelle as ad-
pus legitimo : as serosidades accumuladas no ven-! herencias deviam ter tornado mais solida a parede
tre, no peilo, no pericardio, as articulares, na intestinal: por conseguinte para mim mais urna
tnica vagmal.s vezes tornam-se puriformes : por difflculdade para explicar o caso, por elle em va-
conseguinte pus urna cousa, materia puriforme rias circunstancias sabia fora das regras do costu-
oalra. me; nao se devendo esquecer, que na ordem na-
Alinal achou o collega dous casos de peritonite, iural dos intestinos se deviam achar encostados
mas nao puerperaes, terminando por suppuraco columna vertebral e nao entre o Clero e a parede
e sahida do pus pela regio umbilical. do ventre, para poderem contrahir fcilmente ad-
Eu apenas disseique o caso historiado erapara herencias com esla.
miminteiramenle novo e como lal o apreseniava Compela por tamo ao Sr. Dr. Ramos dar a ex-
consideraco dos collegas; mas nao disse que plicaco satisfactoria deste caso tao baseado como
elle era o nico, quer n'esta trra, qoer em todo o eslava em seus conbecimeutos e em sua pratica:
mundo. mas o nobre collega limitou-sa a dizer que se for-
0 Sr. Dr. Ramos disse que casos d'esta natureza ma nos teeidos visiones d'estes tumores urna n-
eram lo frequentes na pralica eachavam na scien- flammaco chamada adhesiva, etc.
cia espido to satisfactoria, qoe admirava-se Dcsejava lerminar aqui esle artig0> qae NDtra
como eu podesse ler esbarrado em cousa to sim-
ples e tao fcil, e para prova de sua asserco traz
casos de tumores na fossa iliaca em tanoeiros, em
negros do seu hospital, mas nao aprsenla um s
cas parecido rom o que por mim foi referido.
minha vonlade j vae extenso de mais-, porm ce-
rno o Sr.^Dr. Ramos diz em sua caria, que nutre
serias duvidas acerca do diagnostico feito por mim
de metro-peritonite seguida ou terminada por um
abeesso, dir-lhe-hei que nao sendo meu costume
urna
ou
pra
&rst*&is|!K c SS5ESSS5S3SS S
ammacoesdo pulmo, do estomago, do figado, da ^So^SSJ^S'JS^ "7* eSCUSa
Pa^o cenamenteestas para o rol das rarida- gjggjgjg 'fl0 eHde ?* 0dal e
des, eemotaes serio merecedoras de especial tS^S&^Sf!2SS^5^
meoejio p airigir-se a ellas o mformar-se do desenvol-
Asseguro aoSr. Dr. Ramos queeu tenho assisli- ttJS!LXS!SJ ff.SLS
do a diversos doentes de abeessos na fossa Iliaca, e STta?S22 de duv,dar W IB2te8tl*
ainda nao vi oenhu em qoe se fizesse communi- S^JSHSwSJS^SlSf1 Se deSen'
acaocom o inlestmo, e admirado .be causa ^S^^^^rSS dos pri,
SJ s fermafe iedadtTmEia? e nao fAVBSf. I *"** P" 'gfXf*
acontecer o mesmo a todos os nossos ..legas? que *% l^Z-TJV*?'1? lenh defe"
na n'isso que Ihe cause umanha extranhe^a 1 ^K SBSiSiZgB Kttff
Esta prela cuja observaco foi por mim publica- ais hominum morbis.
da, se nao fosse vista por mim e medicada como Que admira que S. *1 duvida do diagnostico, se
foi por muitos das, nao poderia ter sido por outro, duvida qoe eu nunca vlsse um abeesso da fossa
eu ignorar sua historia 7 iliaca apresentar materias fecae? Onde naoacha-
Parece-me ter demonstrado qoe o caso era raro, ra duvidas quetn de tudo qner duvldar ?
e nao tero Sr. Dr. Baos presentado muitos se- O caso por mim historiado foi o primeiro desta
mediantes nenhum, digo melhor para poder dizer, natureza que observei: por tanto para mim era
como dlsst com todo arregaaho : factot festa or- digno de nota : o 8r. Dr. Hamos nao apresentou
dem sao tao frequentes mi fptica etc. oulro idntico, nem na sua clinica,nem nade nos-
Passarei agora a moslrar que razo tive para sos collegas, e mesmo deitando" a livraria abaixo,
nao comprehender a maneira perqu se fex a os dous que encontrn bem semelhantes a elle fo-
cemmunicaco do intestino com o abeesso, no caso rara o de Dnpugtren e o do negro da casa de sa-
de que temos tratad, e se nao fosse o espanto que de de S. S., isto abeessos na fossa iliaca : por
causn ao Sr. Dr. Ramos o minha ignorancia a Moteen persisto oes mesmas duvidas, ama vez
resuelto de um poni alias tao fcil e tao conhecl- $aenaoacho salislactoria a explieaco iu me deo
Cotaves offlelaes.
PRAGA DO RECiFE.
10 de janeiro de 1865.
Assucar mascavado americano Lom 2|J05O por
arroba. i!
Cambios sobre Londres 90 d[v. 27 1|8 e 27 d
por ^UOO.
frrnco.
Leo 0|0
Cambio sobre ParsDO djv. 330 rs. por
Frete de algodo para Liverpool 3|4
poi 111)1 d.
Dubourcq Jnior,presidente.
Guimaressecretario.
Noto banco de Pernamfouco.
EM 4 DE JANKlRO DE 1865.
O banco descoma letras na presente semana a
10 0/0 ao anno at o praso de qualro mezes e a
12 0/0 at o de seis mezes ; toma dinheib a juros
a praso nunca menor detres mezes; e saca sobre a
praca da Baha.
Alfandega
Rendiraentododiaia9......... 137:330*889
liemdo di 10................ 4^:845197
199:176*086
Movlmento da alfandega
Velumes entrados com fazendas..,
com gneros...
Volumessahidos com fazendas..
* com gneros ..
117
4 117
87
-j 978
Desearregam no da 11 de janeirode 1865
Rarca inglezaTickler- diversos generas.
Barca inglezaWanefrfarinha de trigo.
Lugre tnglez/loAy idem.
Patacho hamburguez Los Hermanos iflem.
Brigue portuguezConstante lpedras de lagedo.
Brigue TnglezHenrielta bacalho.
Importac&o.
Brigue inglez Henrietta, ealrado de Tjra-Nova,
consignado a J. Pater & C, manifastou o seguinte:
2,300 barricas bacalho ; aos mesmosl
Recenedoria de renua internas
geraes de Pernambiun.
Rendimento do da 1 9......... il:736*362
dem do du 10................. I 354080
5:090*442
na m?sma relacao, so-lhe dev.idoros por ttulos
comprehendidos nos arU. 443 c 445 do cdigo cm-
mercial, cojos valores e vencimentos igualmente
vao declarados na mencionada relacao, sen 1o as
dividas provenientes de Iransaccoes mercantis, e
sujeitas s diepesices dos arts. 19 e 20 do regula-
nTento n. 737. E porque nao tenham sido pagas,
e aproxime-se a poca da preseripeo, qoerem os
supplicanles interromp la com relacao a cada um
dos seos devedores, e seus respertivos ttulos nos
termos do art. 353 3o do cdigo, tor isso vem pe-
ranle V. S, e em resalva dos seus direltos e para
effeite de interromper sobre cada om dos preditos
ttulos, e contra cada um dos citados deve lores a'
prescrlpelo, protestar contra esta, visto estar para
isso dentro do termo legal, assim requerem a V. S.
digne-se mandar tomar por tormo o seu protesto,
que ser intimado pessoalmente a cada um dos de-
vedores relacionados e residentes dentro do termo,
e quanto aos oolros por meio de edictos com o
prazo, dgnanda-se V. S. paro isto marcar dia e ho-
ra, afim de produzirem os supplicanles a respecti-
va prova da ausencia em lugar incerlo. Pedem ao
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio defenmento por
raerc. Advogado Castel lo Branco.
Segundo o que assim se continha cm dita petico,
na qual dei o despacho seguinte : Justifique a
ausencia no dia 15 do crrenlo mez as H horas da
manha. Recife, 12 de dezembro de 186*.Alen-
car Araripe.
Segundo o que assim se continha en dito despa-
cho, por torea do qual fra feita a dislribuicao ao ;
escrivSo desle meu juizo Manoel de Carvalho Paes
de Andrade, o qual lavrou o termo de protesto do
theor seguinte :
Aos 13 de. dezembro do dito anno, em meu car-1
lorio veio o solicitador Joo Caetano de.Abreu, pro-
curador dos supplicantes, e perante mim e as tes-
temunhas abaixo assignadas dlse, que nos termos
de sua peiicio retro que flea sendo parta dos pre-
sentes, prot'estava por todo seu conledo, e de co-
mo assim disse e proteslou fiz e.-te termo, no qual
se assignou cora as mesmas testemunhas. Eu
Faustino Jos da Fooceca, escrevente juramentado,
0 escrevi. Eu Manoel de Carvalho Paes de An-
drade, escrivo, o snbscrevi. Joo Caetano de
Abreu. Joo Jos de Paiva. Antonio Alves da
Fonceca Jnior. t>
Segundo o que assim s continha em dito termo
de protesto, depois do qual se mostra que, sendo
dito protest devidamenie intimado aos devedores
residentes dentro do termo, produziram os suppli-
cantes suas testemuuhas, que depuzeram conve-
nientemente acerca da ausencia dos demais deve-
dores constantes da relacao, que nesta vai trans-
cripta, depois do que o respectivo escrivo, fazen-
do sellar e preparar os autos, me os fez conclusos,
os quaes, sendo-rae entregues, nelles dei e profer
a sentcnea da lrma e theor seguinte :
Hei por justificada a ausencia do supplica dos
que se mostrou acharem-se em legar incerlo, pelo
que mando que os mesmos supplicados sejam cita-
dos por edictos de 30 dias para o fim requerido a
fls. 2, e fica deferida a materia da petifo a fls. 2.
Recife, 19 de dezembro de 1864.-Trito de Alen-
car Araripe.
Segundo assim se continha em dita sentenca,
depois da qual se mostra seguir a relacao dos de-
vedores ausentes, os quaes sao os seguinles :
Bento Jos Antunos Pereira, sacador Antonio
Carvalho de Albuquerque, Alvaro Barbalho Caval-
cante Urha, letra vencida em 6 de dezembro de
1839 333*480, Fulgencio Jos de Oliveira, dita
vencida no 1 de Janeiro do 1861 50*, o mesmo
dita vencida no Io de marco de 1861 50*, o mes-
mo dita vencida no de maio de 1801 50*, o mes-
mo em Io de junho de 1861 41*165, Jos Lopes da
Silva, letra vencida a 30 de marco de 1861 30*,
o mesmo dita vencida a 30 de maio de 1861 503,
o mesmo dita vencida a 30 de junho de 1861 50,?,
o mesmo dita vencida em 30 de setembro de 1861
30^503, o mesmo por urna conta acceita e vencida
a 25 de ontubro de 1860 30*500, Manoel LUiz de
Lima, letra vencida em 10 de setembro de 1863
75j220, o mesmo dita vencida em 10 de dezembro
do dito anno 75;210, Manoel Gomes Villar, por
sua conta commercial acceita e veucida a 27 de
Janeiro de 1860 71*710, Antonio Thomaz Pereira,
por sua conta commercial acceita e vencida em 29
de maio de 1861 123*840, o mesmo dita vencida a
4 de junho de 1861 32*, o mesmo, por sua conta
commercial vencida em 11 de agosto de 1861
52800, o mesmo, dita vencida a 27 de julho de
11861 64*780. Recife, 10 de dezembro de 1864.-
Ferrelra 4 Marlins.
Segundo o que assim se continha em dita rela-
1 cao, depois da qual se mostra. que o respectivo es-
crivo Ifunoel do Cnrvdlllo rao Oo Andrudo, .|ua
' este subscreven e fez passar o presente, pelo qua'
e seu theor chamo, -cito e hei por citados lodos os
| mencionados devedores ausentes, constantes da re-
lacao cima, para que dentro do prazo de vinto
! dias comparecatn ante esle juizo, allegando e pro-
i vando o que fr a bem de seu direito e juslica, sob
j pena de revelia.
Por lano, toda e qualquer possoa, (rente, ami-
go ou conhecido dos mencionados ausentes, poder-
Ihes-hao fazer sciente de todo o expendido. E para
que chegue ao conhecimenlo de todos man le fazer
o presente edital, que ser afilxado nos lugares do
cosiume e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 19 de dezembro de 1864.Eu Ma-
noel de Carvalho Paes de Andrade, escrivo o sub-
screvi.
Tristao de Alencar Araripe.
O tenente Decio de Aquino Fonceca, juiz de paz
do primeiro disiricto da freguezia da Boa Vista,
em virlude da ley, etc.
Faco sciente que as audiencias deste juizo, se-
ro dadas nos dias quarlas e sabbados de cada se-
mana, s 4 horas da (arde em a casa de sua resi-
dencia ra da Imperatrlz n. 47, segundo andar, e
quando esses dias foum santificados oo feriados
' ser a audiencia no dir antecedente. Recife, 7 de
Janeiro de 1863. Eu Francisco de Barros Correia,
escrivo que o escrevi.
O capilo Manoel Antonio Ribciro juiz de paz do
primeire anno em exercicio desta freguezia de
S. Jos do Recife, em virlude da le etc.
Faco saber a quem interessar possa que as au-
diencias deste juizo lero lugar as tergas e sab
; bados de todas as semanas, as 4 horas da tarde
em casa de minha residencia, ao pateo do Terco
n. 12, segundo andar, e despacho a qualquer ho-
ra eem qualquer parte.
E para que chegue a noticia de todos mandei
passar o presente.
Freguezia de S. Jos do Recife 9 de Janeiro de
1865.Eu Jos Gon calves de S, escrivo o es-
crevi.
Manoel Antonio Ribeiro.
mesma thesourari a substUuieo das notas de
5*000 da 4." estampa, e que eempo convenien-
te se annanclar o dia em que deve principiar o
descont mensal de 10 por cento no valor das no-
tas que al enlo nao tlverem sido substituidas.
Secretaria da thasooraria de fazenda de Pernam-
buco, 7 de Janeiro de 1865.
Servindo de offlcial-maior
Manoel Jos Pinto.
O Illm. Sr. inspector da thesourari de fa-
zenda manda fazer publico a todos os habitantes
desia provincia, que em virlude da circular do
Ihesouro n. 56 de 23 de dezembro do anno prxi-
mo passado, Mea prorogado ate o lira de abril fu-
turo o praso marcado para a substituico das no-
tas de 200*000 da 2.' e 3.-' estampas, de vendo co-
mecar do 1." de malo em dlante o descont na
forma da lei.
Secretaria da thesourari de fazenda de Pernam-
buco, em 7 de Janeiro de 1865.
Servindo de ofiicial-maior
Manoel Jos Pinto.
Capitana do Porto de Pcrnamboco 31 de dezem-
bro de 1861.
Em vista da* circunstancias melindrosas em
que se acha o paiz, sendo necessario que todos os
brasileiros concorram para a sustentaco dos bros
e dignidade nacionaes, comprometidos na guerra
com as repblicas do Uruguay e Paraguay, manda
o Illm. Sr. capito do Porto, em virtude do f,ue Ihe
foi recommendado por S. Exc. o Sr. ministro e se-
eretario de estado dos negocios da marinha, con-
vidar nao s aos matriculados, como a todos os
cidados que se queiram alistar na qualidade de
voluntarios para a armada, a se apreseutarem nes-
la capitana nos dias uteis das 9 s 3 l|2Qhoras da
tarde.O secretario da capitana,
Decio de Aquino Fonseca.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesou-
rari de fazenda desta provincia se faz publico que
fica novamente marcado o da 14 do corrente s 2
horas da tarde para ser arrematado a quera por
menos fizer o forneclmenio d'agua potav I a torta-
leza do Buraco e do Isboratcriode fogos. As pes-
soas a quera couvier o sobredito fornecimento do-
vero comparecer na mesma ihesourana no dia e
hora indicados.
Secretaria da thesourari de farenda de Pernam-
buco, em 10 de Janeiro de 1863.
Servindo de official-maior.
lanoel Jos Pinto.
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo para fornecimento
do arsenal de guerra precisa comprar os objec.os
seguinles :
Para a companhia de artfices.
2 colheres de ferro.
1 dita grande.
2caldeiras de ferr*para 50 pracas.
1 copo de vidro.
2 enxadas.
2 e>puraadeiras.
1 garfo de ferro.
1 lavatorio com bacia e jarro.
2 paes de ferro.
1 pralo de vidro para copo.
Para a fortaleza de Itamarac.
1 livro com 130 tolhas para registro de offlcio
do qnartel general.
Quem quizer vender laes arlgos aprsente suas
propostas em carta fechada na secretariado conse-
lho administralivo, s 10 horas da manha do da
13 do corrente.
Sala das sessoesdo conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra 9 de Janeiro
de 1864.
Antonio Pedro de S Barreta,
coronel-presidente.
Sebasliao Antonio do Reg Barros,
vogal secretario interino.
Crrelo geral.
Pela administrago do correio destacdade se
faz publico que em virlude da convenco postal,
celebrada pelos governos brasileiro efrancez.se-
ro expedidas malas para Europa no dia 13 do
corrente pelo vapor inglez Magdalena. As cartas
sero recebidas at tres horas antes da que for
marcada para a sahida do vapor, e os jornaes at
quatro horas antes.
Administrago do correio de Pernambuco 10 de
Janeiro de i865.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Rio de Janeiro
O patacho nacional Capitn pretende seguir ale
o dia (0 do corrente, s recebe carga muida e es-
cravos a frete, para os qoaes tem pxcellenirs con-
modos: traia-se com os seas eensignaurios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no su es-
criptono ra da Croa D. i._________________
Para o Para pretende seguir em pouros dia5
o palhabote Dous Amigos ; para ponca carga qne
Ihe falla, trata se com os seas consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C, no seu es-
ciiptorcio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com malla brevidade o brigue es
cuna AV/o Sei, tem parte do seu carregaaent
promplo : para o resto que Ihe falla e esrravos a
frete, para os quaes tem excedente* rommodcs,
trata-se cem os seus consignatarios Antonio Lnia
de Oliveira Azevedo & C, no sen escrii torio ra
paCruz n. 1.
Para a Baha
Pretende seguir com brevidade a sumaca la
tencia, tem parle de seu carregamenio prcmpio
para o resto que Ih* falla traase com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no seu escriptoriorna da Cruz n. 1.
Para Lisboa
O veleiro e bem conherido brigue p^rtgm .
ConceicCw de Mana, capilo JaDuario Jos de Oli-
veira, pretende seguir com moila brevidade, lera
parle de seu carrcgamenio promplo; para o ir si
que Ihe falla trata-se com os seus couicBalan<
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C, no sea es-
criplorio ruada Crozn. 1.
Para Lisboa
pretende sabir com a possivel brevidade o bripoe
portuguez Relmpago, para o que lem grande par
te da carga tratada : para o resto e passageiros. a
quem offerece- aceiados rommodos, Iraia-sr rrm o
consignatario T. de Aquino Fonseca, roa do Viga-
rio n. 19, primeiro andar.
Porto por Lisboa.
Pretende segnir com brevidade a muito vdeira
barca poringneza Corea, por ter grande parle da
carga engajada, paro" o reslo e pafsgeiros acs
quaes offerece os melhores commodos : traa-?
com o consignatario T. de Aquino fonseca Junii;
na iravessa da Madre de Dos n. 5, primeiro an
dar, ou com o capito na praca.
LEIL5ES.
AVISOS MAMAMOS.
COMPAIHIA
DAS
XESSiGERIES MPEHULES
At o dia 14
do corrente es-
pera-se da Euro-
pa o vapor fraii-
cez Guienne, que
depois da demo-
ra do cosiume
segu i r para
Babia e Rio de
Janeiro.
Para fretes, condiegoes e pssagens trata-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
Consulado provincial.
Rendimento do dial a 9........ 41:0094138
dem do dia 10................ i 4:336*122
DECUBAyuES.
(13:345*260
MOYIMENTO DO PORTO.
Navios entrados
los ne dia 10 .
ios9 dias, yapi
Acarac e portos intermedios9 dias, vapor brasi-
leiro PersmKMja, de 444 tonelada)*, comman-
dante Francisco Jos da Silva Rates. equipagem
20, carga alpodoe outros gneros.
Terra Nova-35 dias, brigue inglez Henrietta, de
175 toneladas, capilo Alexandre C. Marshall
equipagem 11, carga 2,300 barricas bacalho;
a Johnslon Pater & C.
Navios sabidos no mesmo dia.
Rio Grande do Sulbrigue brasileiro Adolpho, ca-
pillo Joaqulm Alves Moreira, carga sal e assu-
car.
Penedo-hiate brasileiro Dous Amigos, eapitao An-
tonio Baplista de Oliveira, carga differentes g-
neros.
Penedohiate brasileiro Amelia, capito A. J. R.
Pinheiro, carga differentes gneros. |
EDITAES.
O Dr. Tnstlo de Alencar Araripe, offlclial da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de direito: especial do
commercio desta cidade do Recife de Pernambu-
co e seu termo por Sua Magestade Imperial e
Constitucional o Sr. D. Pedro II a quem Deus
gnarde, ele.
Faco saber aos que e presente edita] virem e
deile noticia tiverem, que Ferreira t {Uartins, por
sen advogado, me dirigi a peticao (Jo theor se-
guinte :
Dizem Ferreira & Martras, commercSantes desta
praca, que as pessoas constantes da relacao inclu-
sa, essas residentes no termo desta cidade e outros
ausentes em lugar Incerto, como consta anotado
Consulado provincial.
Pela mesa doconsuado provincial se faz publi-
co que no dia 10 do corrente se principian)" a con-
tar os 30 dias uteis marcados para a cobranca
bocea do cofre do anno financeiro vigente dos im-
postes de 4 0|0 sobre casas em que se acharem
estabeleci mentes de commercio fora da cidade do
Recife, prensas de algodo, typographias, cochei-,
ras, botequins, hoteis, casas de pasto, cavallariccs
e fabricas, de 8 0[0 sobre consultorios medicse
clrurgleos, cartorios e escriptorios.de 20 |0 sobre
estabelecimentos de commercio em grosso e a re-
i talho, armazens de recolher, e os trapiches, de
504 por casa de bilhar e modas, de 1004 por casa
que vender roupa feita no estraogeiro, de compra
e venda de escravos, de correteros commerciaes e
agentes de leilo, de 1:0004 sobre casas de opera-
res bancarias com emissao e previlegios, de 600
pelas ditas com emissao e sem previlegios, de 4004
pelas ditas sem emissao, companhias anonymas e
agencias, de 2004 pelas casas de cambio, de 304
pelos escravos empregados no servico de alvaren-
gas, ue i4 por tonelada de~alvarenga e canoas
abenas, de 204 por cada bote ou saveiro, de 304
por cada balieira, de 104 por escravo ganhador ou
empregado em servico de transporte ou em arma-
zens, de 104 por cavallo de sella de aloguel, de
64 por cavallo particular, de 5 0(0 pela venda de
capim e o imposto de carros, carrocas e mnibus,
e tambem o Io semestre do de 20 0i0 do consumo
de agurdenle das freguezias dest cidade e dos
A togados, S. Lourenco, Santo Amaro de Jaboato,
Muribeca e Varzea, hcando sujeilos a multa de 6
0(0 sobre os seus debites depois de Ando o dito
praso.
Mesa do consulado provincial da Pernambuco
7 de Janeiro de 186S.
Antonio LVneiro Machodo Rios.
O nim. Sr. inspector da thesourari de fa-
zenda desta provincia, manda fazer publico a todo*
os habitantes da mesma provincia, que em virlude
da circular do tribunal do ihesouro n. 55 de 22 de
dezembro"do auno passado, adiase aberta da
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do sul
al odia 14 do corrente o vapor
j4po, commandante Carlos Anto-
nio Gomes, o qual depois da de-
mora do cosiume seguir para
os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte espera-
do at o da 21 do correle o va-
por locantins, commandante Pe-
dro Hypoliio Duarte, o qual de-
'pois da demora do costume segui-
r para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada: encom-
mendas o dinheiro a frete ateo diada sahida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir at o dia 12 do corrente a barca
Rio de Janeiro, s recebe escravos a frete e carga
raiuda : trata-se com os seus consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no sen es-
criptorio rna da Cruz n. 1.
Para a Bahia pretende sahir em poucos dias
a veleira escuna Elisa, capito Belmiro Baptisla
de Souza, tem a maior parte da carga tratada, para
o pouco que Ihe falta trata-se com os consignata-
rios Palmeira & Bcltrao, largo do Corpo Santo n. 4,
primeiro andar.
i.cilo de carne secn.
HOJE.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filhos faro leilc
por conta o risco de quem pertencer de porrao d
carne seca vinda do Rio Grande no patacho Via-
rao, ser vendida em lotes a vonlade de 1M> ar
robas para cima A bordo do mesmo patacho:
quarta-feira 11 do correle as 10 horas da ma-
nha.
Grande leilo de movis, escravos, ca-
briolis, carrocas, caval-
los e bois.
No armazem ra da Croz n. 57 s 10 horas
em ponto.
Cordeiro Simpes far leilo de diversos movis,
crystaes e oniros muitos objectos de gesto que se
torna enfadonho mtnciona-los.
Na mesma occasio vender um cabriole! mo-
derno, urna carroya com boi, nm cavallo para ca-
briolet, dito para sella, concloindo o leilo com
a venda de urna escrava de 18 anuos, sem nabili-
dade e 1 preto de meu idade proprio para qual
quer servido e outros sem habilidades.
Leilo de cognac.
Quinta feira 12 do corrente s 11 horas.
No armazem do Annes ilefroule i porta da al-
fandega.
OLYMPIO
vender om leilo alguns barns com legitimo
cognac^____________________________'
Leilo de difieren tes objectos de cfcaic-
laria e dividas activas da antiga
luja de chapeos da roa da Cadeia b, 46
Sexta-feira 13 de Janeiro.
0 agente Pinto far leilo a requerimento de
Joauuim Luiz Vieira e por despacio do Illm. Sr.
Dr. juiz especial do commercio, de nma porco de
chapeos e objectos de chapelana, assim como as
dividas activas da extincta Arma vinva Vieira &
('... ra da Cadeia n. 46. O leitao sera eflerinddo
s II horas do dia cima dito no armazem da ra
da Senzala n. 112, junto a cocheira, aonde encen-
trarlo os pretendales os referidos ojelos e a
relacao das dividas em poder do mesmo agtnte.
COMPANHIA PEKNAMBUCANA
DB
Mavega^So costelra a vapor.
liba de Fernando. .
No dia 14 do corrente ao meio
dia sahir para o porto cima
Indicado um dos vapores desta
ompanhia. Recebe carga somen-
at o dia 13; eneommendas,
passageiros e "diheiro a frete at as 10 horas da
maahaa do 3ia da sahida : escriptorio no Forte do
Mattos n. t.
COMPANHIA PERNAMBTJCAlNA
DR
JTavegaco eostelra a vapor.
Aracaj e escalas.
No dia 14 de corrente as 5 ho-
ras da larde sahir para os portes
cima mencionados o vapor Pa-
fahyba, commandante Marlins.
___Recebe carga sement at o dia
13 ; eneommendas, passageiros e dinheiro a frete
at as 2 hora se do dia da sabida : escriptorio no
Forte do Males n. i.
AVISOS DIVIESOS.
Aos 6:0000O0.
Terea-feira 17 do corrente mez, se ex-
trahir a primeira parte da qoarla lotera
(2a) a beneficio da Sania Cafa de Miseri-
cordia, no consistorio da igreja de Nos?a
Senhora do Rosario da freguezia de SaLlo
Antonio.
Os bilhetes, meios e qnartos estao a ven-
da aa respectiva thesourari ra do
Crespo n. i5.
Os premios de 6:0004000 at 100000
sero pagos urna hora depois da exlraccJo
at s 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuico das listas.
As eneommendas serio guardadas so-
mente at a noite da vespera da exiracco
como de costumo,
O tlresoureiro,
______Antonio Jos Rodrigues de Souza
Nossa Senhora do Monte de
Olinda.
S. Exc. o Sr. D. abbade de S. Bento, de accor Jo
com o abaixo assigoado, deixaram de fazer a tes-
ta d'aqueila Senhora em sua igreja, no dia por
cosiume marcado, em virlude de se achar em mi-
na a coberla da mesma igreja, e aliares, visto sua
aoliguidade, a ponto de ameagar deeabamenlo,
sendo concordes em o dia 15 do corrente solemni-
sala com toda a decencia possivel com nma missa
cantada, e cando o mesmo templo aberio at a
noite, para os fiis devotos, que o quizerem visi-
tar ; e depois deste dia tratarem de arrear a velba
coberla, para ser substituida por outra, e, promp-
ta qae seja, S. Exc. o Sr. D. abbade designar o
dia que deve ler lugar a fesla como de cogame
com toda a pompa e esplendor.
O abaixo assignado, antes desta concordata com
S. Exc. o Sr. D. abbade, que foi a 27 do prximo
passado mez, j havia apreseolado a eleico dos
juizes e juizas para saber qual suas esmolas; sen-
do-lbe declarado pelo Sr. juiz Jlo Maria de Albu-
querque Oliveira 1005000, a Illrra. Sra. juiza D.
Maria Felismina do Reg Costa 1505000, a lllma.
sra. juiza por devoco D. Anna Izabel da Costa
1005000 e a lllma. Sra. escriva D. Francisca Ca-
rolina Pontes Tasse 6005000, cujas esmollas nao
entraran na despeza da coberla da igreja; assim
ficaro reservadas para a fesla, tendo o abaixo as-
signado feito constar a S. Exc. o Sr. D. abbade as
referidas esmollas por ella obiidas, devendo tirar
dellas o quanto for preciso para a missa do dia
15.
Recife, 10 de Janeiro de 1865.
O juiz perpetuo
Manoei Luiz Viies.
AVI* "
aos terceiros de S. Francisco.
Cliegou a verdadeira estaraenha para hbitos, a
qual se vende mnito barato : na ra do Queima-
do n. 39, loja de 4 portas.

t


r._ _


MHHMH IH
avBHBBntvBaan

Mira fHra f i amrfro ale f 8*
9
DIO PROFICLO
$ para a cura das csertfulas,
glaudulas cufarladus, !u-
mores escrofulosos c affccces
deste genera.
O abaixo assignado entre as plantas
sobmettidas ao seu exame botnico da
que a muito se ha entregado, desde que
lnalisou seu tirocinio em dita sciencia
pelo extincto curso do antigo jardim oj-
ian ico de Olioda, e averiguando certas
proprtedades melicinaes que ikes traos- j
mitram de aleumas plantas, verificou '
que a vimia antiscrofula era um especi-
fico contra as molestias cima denomina-
das (na linguagem vulgar) alporcas. Re-
solveu te interesante medicamento em tintura,
em vidrinho do 1[2 ooca, que ura s vt-
drinli > bastante para a cura de um es-
crofuloso e Oca muito remedio.
Com os vidros acompanham um im-
presso, que explica a maneira da appli-
cacao e mais circnmstanclas.
Vende-se as boticas os Srs. Jos Pe-
reir Jacintho Jnior, Recite ra Direila
n. 13a, e oa do Sr. Joo Soares Rapozo,
Olinda ra dos Quatro Cantos. Preco de
cada vidrinho &.
Jos Eleuterio Ca/aeiro da Cunha.
Antonio Luje da Oliveira Aze-
vedo & C
Agentes do Bauco l'nie do Porto.
Competentemente autorisados sacam por todo
paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, ej>ara as seguintes agencias,
sobre anh of London.
Londres
Paris
Hamburgo
Barcellona
Madrid
Cdiz
Sevilha
Valencia
Frederic S. Ballin & C.
Joao Gabe & Filho.
Francisco Rahoba & BallisU.
Jaime Meric.
Crdito comraercial.
Gonzalo Segoria.
M. Perera Y. Hijos.
Esi Portugal.
Figueira.
Joaquim Jos da Sant'Anna Barros, com au-'
la particular de instruccao primaria na ra da
Cruz n. 31, primeiro andar, participa nao s aos
lllms. Srs. pais de seus alotanos, comoo respeita-
vel publico, quaabra saa aula no dU 9 de Janeiro
crrante.
Precisa-se de dous trabajadores de padaria
paia o mato : a tratar na padaria da" roa Imperial
n. 39.
GRMM MOSITO
2T*
D-se costnra da ponte
Fltiriano O. 26.
na ra do Padre
ma ni mm\
Amarantes. Angra Terceira.
i Arcos de Val de Caminha.
, Vez. Caslello Branco.
Aveiro. Chaves.
Barcellos. Coimbra.
Bastos. Covilha.
geJa- Elvas.
Braga. Extremos.
Braganca. Evora.
F?ro. paf.
, Oliveira d'Aze- Pinhal.
I meis. Porto-alegre.
Penafiel. Thomar. Viannado Cas-
Tavira. Villa Nova do
; Villa do Conde. Portimao.
Villa Real de Vizeu.
S. Antonio. Faial.
No'imperio.
Bahia. Maranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somraa prazo ou vista.podendologo
j os saques i prazo serem descontados no mesmo
Banco a razao de 4 por cento ao anno : a tratar
na raa da Cruz n. I.
Guarda.
Guimaries.
Lagoa'.
Lagos.
Lamego.
Leiria.
MoncSo.
Moncorva.
Regoa.
Setubal.
Vianna do
tello.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
AOS 6:000.000
ftilhetes garantidos
A' raa do Crespo n. 23 e casas de costume
O abaixo assignado venden nosseus muito feli
es bilhetes garantidos da lotera, que seacabou mnHne n.". r.mi. .
de extrah.r a benecio da Sama Casa da Mise- mdspara familia, estribara para cavallo
ricordia, os seguintes premios: e capira para sustenta-Ios, arvoredos de
O inteiro n. 1336 cora a sorte de 6:0005000 fructos, sem visinho defronte nem pelo
fundo, com ptimos passeios, sala e gabi-
Atuga-se um sitie na ra do Cabra I da
cidade de Olinda, com casa terrea, cotn co-
piar na frente, bota os fundos para a estra-
da e margena do rio Beberibe, com com-
Joo Manoel da Veiga o Seixas, subdito por-
lUfuez, retirase para Europa com n famHia,
Constante de sua mullier D. Mara Sophia dos San-
tos Sazes e Seixas e cinco filhos menores.
Precisase de urna ama para cozinbare ronr
prar : na ra das Crnzesn. 9, segundo andar.
__ A bordo da barca franceza Virgtle ten urna
porcaode vasos para flores e alguidares vidrados:
as pessoas que desejarem comprar dirijam-se ao
capo da mesma, em casa de Tisset Freres, ra
do Trapiche.
OSr. morador da ra Nova que se
acha a dever 6 quafteis de assignatnns des-
te Diario, queira manda-las pagar pois
assira como elle gesta de receber a paga de
seus servidos deve attender a ds ou-
tros, principalmente o do Diario em que
trabalham mais de 60 pessoas.
f
5 RUAIOVA-23
^..nJr!,. v rqS?.VoBMe^,cadV^*aeredl,adaeapada'>iafc9O Sr. Joo Pedro Vogeley,
I n J^ n M, ton a toara de aanoadaf ao mpettavel pobtfeo ! mesmo ,"" esPerando o annunciante que merecer a mesma eontianca que Uvera seu ante-
cessor.
Neste estabeleci
r^te,a"em4aes 0J melhores fabricantes da" Europa," as*col'hidTespec7almenVr este^cima
proprietano deste deposito entre os uielliores e mais acreditados que estiveram
universal em Londres.
Os amadores deste instrumento sao rogados a rirem apreciar as lell?.s vi
admirar a sua excellente conslrueejio nico nesta cidade.
No mesmo estabelecimeme continua-se aalugar, afinar econeerl
como nos arrabaldes.
O propeietario rosponsabilisa-se pela sua excellente qaaiidade.
____.
fran-
pele
exposeo
0^n na ultima
ozos dostes pianos e
na cidade
n
^s pjssuiuoics(jiMiom ni ictcuoi seu rospec- ai n necue, na uvrana n. o e o fla praca
?of ss ra .: sri3das leis oa *- fi;d;r ndeBc,e r, "ss na ca,sa r
\cham-se 'venda os da'primeira parte da ll"a^om o capitao Antonio Bernardo Fer-
n. 1336
Um mi'io o. 2085 com a sorte de
Bous quanos n. 876 cora a sorte de 50>3'i00 r
E oatm murtas sones de 200,5, fOOO, 40* e "ette Qa frenrle- muito propna para passar a
20*000. ,esta e tambem se alugar por anno : a fal-
os possuidores podem vir receber seusrespec- lar no Recife, na livraria n. 6 e 8 da praca
ti vos -'
daP
Acham-se venda os da prirneira parte -
qtiarta lotera a beneficio da Santa Ca?a da Mi- r ra-
sericordia, que se extraliir no dia 17 do cor-
rente.
Presos.
Bilhetes inteiros..... 7*000
Meios......... 3*500
Quartos........ 1*900
Para as pessoas que comprarem
de 100* para cima.
Bilhetes....... 65500
Meios........ 3*250
Quartos...... 15700
Manoel Martins Fiuza
O bacfaarel
Francisco Augusto da Costa
ADVSOADO
Ra do Imperador numero
69.
0"Sr. Rast>s que recebia na ra Imperial d.
12i o Diario, para oSr. J. Krause, aueira appare-
<-er na livraria n. 6e 8 da pra?a da Independen-
cia.
Veaeza do norte.
Ra das Cruzes n. 39, confronte a tvpograpiia do
Diario de IVrnaiiibiiPO.
Acha-se de novo nesta ra o botequim Veneza do
SVirrimni i foii nimn- ?or,e' qual principiara a fornecer comedonas
-S-2 5? H,,l?,t aa raJ>- de quarta-fera 11 de jane.ro em diante, tanto
liada C onecida do Peres. aeeio. i Tern na mesma para vender urna grande
Sexta-feira 6 do corrente teve lugar e principio armacao envidracada, sobre columnas torneadas
a moderna, tildo de amarado, envernisada, q:io
serve para qualquer esiabeleniment). Na mesma
precisa-se de um escravo para todo o servigo ex-
das novenas sendo cantadas em versos ao som de
una mu ica marcial, sabbado 14 do corrente as
11 horas da manhaa diversas eyrandolas de togo
annnnciarao aos numerosos devotos da mesma
Excelsa Virem ImmaculadaConceigao, a vespera
festivo dia lo de Janeiro as 8 horas da noite
tari lujrar o levantamento^a bandeira da Iinma-
ealada Conreigao, corren lo as ras principaes
conduzida por irraandade com 2 liadas figuras o
diversas virgenstrajando vestas candidas, sendo
cantados os versos da Excelsa Virgem ao som de
urna banda de msica marcial ; no da 15 do cor-
rente as 11 horas do dia principiar a tata, sol-
tando-se nesu occasio numerosas pvrandolas de
ogo, orando no Evangelno o distinco pregador
Fre Augusto da [inmaculada Goncei^So, n Orsbm.
tra ser dirigida pelo digno mestre Martins Ra-
-mas; s 3 horas da tarde havera urna linda e ele-
gante cavalhadas sendo acompanhada por 2 ban-
das de msicas marciaes, s 7 horas da noite ter
lugar o Te-Deum orando nesta occasio o Rvm.
Fre Augusto da Immaculada GonceteSb, a msica
marcial tcar nesta ocaasiao as melhores pegas
de seu repertorio. Finio o Te-Deum se legara a
bandeira ao novo juiz, sendo conduzida pelas lisu-
ras e diversas virgens em versos a Immaculada
'onceigao ao som da msica marcial, finalisada
que soja se indicar com o soltar de alguns baloes
rqais midamos qne ha. A mesa rege lora roga
con urgencia a lodosos nuradores existentes 5a-
quelle lugar o obsequio de illuminarem as frentes
de suas casas nos dias li e 13 pira maior pompa
e signal do regesjo e para maior brilhantismo pe-
de-sea concurrencia de lodosos devotos.
terno da casa.
SOCIEDADE DRAMTICA PARTICULAR
THILIA PERNABBI CANA
De ordem do Illm. Sr. presidente do conselho
administrativo desta sociedade, fago sciento a todos
os es. socios installdores, ijue o tendo compa-
recido numero sufDciente de ocios para qne po-
desse ter lugar a sessao de as.;embla geral an-
nunciada para 8 do corrente, foi esta transferida
para o dia 13 desle mez, as 10 horas da mauha,
na sede da sociedade. eramente scien'ilico aos
me.-mos senhores socios que de conformidade com
o pnr.igiaplio uni.u do rilgn H\ dos rps
estatutos, s poderao votar e serem volados na
prxima eleicao do conselho administrativo, que
ter lagar na referida sessao, quelles senhores
socios que se aeharem completamente quites com
a sociedade.
Secretaria da sociedade dramtica particular
Thalia Pernambucana em n de Janeiro de 1865.
Lins de Barros
______^ Io secretario.
Mara d'Assumpco d'AndraJe Lnua, pro-
fessora de instruegao primaria d terceira cadeira
de S. Antonio, faz saber a quem convier que ten
aberto a sua anla ra da Florentina n. 6.
Alugase a casa terrea n. 62 da ra ireita
dos Afogadot, : a fallar na camboa do Carino n. 8.
Agora que a impledade parece querer algar o
eolio orgulhosae audaz, e que os malvados, para
conseguirsens nefandos flns, se tem valido de
quintes impressos ha, at mesmo da sagrada bi-
blia, ji falsificando-a edislribuindo-a assim falsi-
ficada, j vondendo-a, j conservande-a era seu
poder, e fornecendo a sua leitura pessoas inex-
perientes ou ignorantes, e ja finalmente dando-a
mesmo gratis, nao pesso nem devo en. que, gra-
gas a Dees, disponho, livre de dividas, de urna ty-
pographia e de urna encadernago, deixar de,
abnndo mao de urna parte do que Dos me deu,
acompanbaro meu Exm. e Rvm. vigariu capitu-
lar em ieus constantes esforgos para o engrande-
cimento da nossa sania religio, e de concorrer
com o meu fraco, mas muito sincero contingente
para esse lo elevado tim. Neste intuito, cnten-
dendo que presto algum servigo causa desta
mesma religio, com a rp.imprefso da viaqtm de
um peregrino Jerumlem, e. tisila que fez nos lu-
gares sanios em 1817 Fr, Joao de Jess Chrtslo,
invicto filho de erapkico, patriarcha S. Francisco,
tenho resolvida por no preloesia obra, e pretendo
fazer a reimpressao da maneira seguinte : Reim-
primirei, 3,000 exemplares, destes serao destina-
dos 1,009 para todas as pessoas de om e outro se-
xo, que com documento legal dos seus reverendos
parochos se me apresentarem, e a cada urna das
qnaes ealregarei gratis um exemplar om brochu-
| ra ; 2,000 sero reimpiessos mediante assignatu-
ras, para as qttaee desde j convido a populacao ,
; dos fiis, e de todos solicito e espero o valioso con- jlecimen
curso, na razo de I* cada exemplar. Nao posso
prescindir, porm, de rogar, o pagamento adiania-
i do de cada assignatura, sm o ^ue nao me ser
permiitido effectuar essa reimpresso e conseguir
, apresentar ao publico urna edigao, j em si mes-
i ma grande e dispendiosa. Paia os que nao assig-
narem, o prego de cada exemplar vonda se--
determinado na occasio.
No sei qual ser o resultado dos meus esfor-
gos, mas seja qual for, de Dos espero a recora-
ponsa.Francisco Coelho de Simoes Silva.
Aluga-se a laja da ra da~Pulu n. 29 : a
fallar na ra da camboa do Carmo n. 8.
A NACIONAL
Companhia
SIA4 PtRRILHl DE AYEB.
TlU.X3CRKVKilOS aqui alglll)3
dos muito attesiados que temos
recebido das virtudes da salsa
parrilbado Dr. Ayer.
RhCEiuia(iuio.
geral hespanhola de seguros mutuos
sobre
AL'TORISADA PELO REAL
Erna fianc eui diuheir., oepositado nos cofres do estado, garaute a boa ad-
uiiuistraco da compauhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
a vida
DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
O Banco de llespanha
DIRECCAO GERAL
Hadrid : Ra do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinagoes de supervivencia dos seguros
Nella pdese lazer a snbscripgao de maneira que em nenhum caso mesmo'por morte do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao taosuprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que anda mesmo dimlnuindo urna terga parte do HMdras.se produzido em recentes liquidacoes,
ecombinandoo com a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada pela companhia para os
liquidacoes, em segurados da idade de 3 a 19 annos, urna imporsigao annul le 100*
produz em effectivo metlico
No fim de 5 annos.
> de 10
> de 15 > .
t de 20 .
de 23 .
1:1195300
3:9425600
11:2085200
30:2365000
80:3315000
rao Joa
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais cnnsideraveK
l rospectos e mais inrormages serao prestadas pelo sub-director nesta provincia o Sr.
a.juiin l'inza de Oliveira, ra da Cadeia n. 32, ou a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12,
unto dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite 4 Irmao.
Jerony
eslabe
| O Dr. Carolnc Francisco de Lima San-
flR tos, contina a residir na ra do Impe- I
4 rador n. 17,2" indar, onde pode ser pro- U
5 curado a qualquer hora do diae da noite S
SR para o exercicio de sua prolissao de me- j|
dico ; sendo one os chamados, depois de t
't me0 dia a, heras da tarde.'dcvem ser S
^5 deixades por escripto. O referido Dr.
jf nao abandonando nunca o estudo das j
U molestias de interior, prosegue, com o 3
W maior afnco. no das mais dlffiVese deli- J^
Wt cai1as operaroes. como'sejam dos orgaos T
S ourinarios, dos olhos, panos, etc.
Wmmi
- D.ea aiuntia de 205 polo aluaael de urna
ascrava para o service intoroo e externo de urna
casa de pequea familia : n iraiar na ra dos
(juararapes, sobrado n. 18.
Aos senliorejiais de familia.
O padre Flix Barrete de Vas- 9
jg concellos, com aula particular de la- t|
|K tim na ra do Imperador n. 35, ,1. $
MI andar, contina a receber alumnos 5$
;$) de todas as classes, (luanle e de- ^
S pois das ferias. Tamlicm est dis- S
S poste a abrir um curso de primei- <
m ras Ictlras e de francez, logo que jgj
2f baja numero stilTirieiitc de alumnos %H
W& para cada urna destas malcras, e ||f
ji| assim tambem a receber como in- B
^| temos alguns meninos,de cuja edu- >^
^ C3fo o quizerem encarrogar. Os S
fr< pagamentos scro por trimestres w
/*t adiantados, e os precos declarados
f jiessoalmenle na occasio do ajusle S
: ^ pira a entrada do alumno. a
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, coinpram-seobras de ouro e prala, e pedras
preciosas.assim como so faz qualquer obra de en-
communda, o todo e qualquer concert.
O Sr. Miranda que lem recebido um Dmlo
i na nnmperial rom o nome deJoao Krause queira
vira esta lypogxaphia desmanchar um encano.
Aos Sis pas de familia
Faz vrtr o abaixo assignado, professor da se-
gunda cadeira publica primaria da freguezia de
Santo Antonio do ltecife, que os trabalhos lectivos
da escola a seu cargo comegain no dia 7 do cr-
reme mei dejaneiro. O mesmo, devidamente ti-
tillado pela directora geral dos estados, continua
a leccionar na casa de sin residencia o lalim e o
franrez, o por casas particulares nao s essas duas
liuguas, mas ainda as primelras leltras, ensinando
todas as materias que constituiam o extincto se-
gundo grao, e comprometindola a dar o alumno
fallandie escrevendo o framvz, assim elle estude
e tenha goto. As pessoas que de seu presumo
se quizerem utilisar potlem procura-Io ra da
Palma n. 23.
___ _^______Joao Jos Rodrigues.
c O preposto Jos Izidoro Martins lem o seu es
riptono a ra da Cadeia n. 9, onde pode ser pro-
; curado das 9 horas fla manhaa s 3 da tarde.
I Precisa-se de um criado no Gymnasio Pro-
vincial.
Aluga-se o primeiro c segundo andares da
rasa da ra do Nogueira n. 19, para ver a chaves
acha-se na nio do morador da loja da mesma ca-
sa, e para tratar na ra da Cadeia n. 2G, esquina
do Becco Largo escriplmio.
Ao publico.
Fonseca d Rocha julgam nada
dever nesta praca on fura della, se
porm alguem se julgar seu creilor
tenba a bondade apresentar sua
couta para ser incontinente salis-
feita. Recife 31 de dezembro de
1864-
$$ 0 bacharel J urge Hora el las
>Jg continua a residir ra larga do Rosa-
rio n. 26, primeiro aodar, oude pode ser
procurado para exercer a sua prolissao :
Io de advogado nos auditorios desta ci-
dade i
2o de mejitre da lingua franceza, en-
snandoa tarde, e tambem noite a
pessoas cujas oecupages embaracem
aprende-la durante o dia.
Precisa-se na ra do Trapiche Novo n. 22
Caf e Restaurant do Commerciode um bom ro-
zinheiro e um moleque escravo para todo o ser-
vigo.
O abaixo assignado avisa aos seus numero-
sos freguezes tanto desta capital como os mora-
dore- do Peres, que se acha cora um grande sorti-
menlo de gneros e fructas que ha, por menes 20
p->r cento do que emoutra qualquer parte, tudo
com muita promptidao e brevidade, na taberna do
bati.
Candido Martins de Araujo.
Mi VSf. -Si VS< 'M -3* VS< :Sfl
Omethodo Onstiluo.
Manoel Jos de Paria Simoes, professor de ins-
truegao elementar pelo methodo Castilho, partici-
pa aos pais de seus alumnos e ao publico que no
da seguodafeira, 9 do corrente, estar aberta a
sua aula na ra do Livramento, sobrado n. 20, se-
gundo andar.
Alugam-se dous grandes sobrados com com-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
com jardim, cocheira, estribara oulras rommo-
didades, na travessa do Joo Feroandes Vieira :
a tratar na ra da Senzala Nova n. 42.
CASAS PARA ALIGAR.
Alugam-se duas meias aguas.sendo umanapraia
do forte d. 1, e a outra na ra da Nassente n. 14 ;
a tratar ra do Queimado com Azcvedo &
Irmo.
DE PARS
% 19lina Neta -15
Fredenro Gaulier, cirurgiao dentist i,
pg faz todas as operagoes de sua arte, e c( I-
i~ loca denlos artiliciaes, tudo cora supero-
t% r.iJade e perfeigao, que as pessoas entea-
C^ didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentificio.
Precisa-se de um
rnra n. .'0.
cupeiro : na ra da Au-
Fcltor.
Precisase de um hornera para tratar de um pe-
queo sitio : a fallar na Cpunga nova, ultima
casa no porto do Jacobina.
Precisa-se aluaar nina prela ou prelo para
earregar fazendas: na ra do Splelo n. 62.
Jos Gomes Villar declara ijue o sen annun-
ci publicado neste Diario dos dias 20 e 21 de de-
zembro prximo passado, chamando o Sr. Jos Fe-
liciano Machado, que nao se entende com este.-e-
nhor ditos annuncios, que houve completo engao,
pois a pessoa a quem se referia o annuncio a
Jos Fernaudino Machado, e nao a Jos Feliciano
Machado, que por diversas vozes contrahio dbitos
com o aonunciante, e senipre foi pontual em seus
pagamentos. #
Precisase de um cozmheiro ou cozinheira.
prefere-se escravos: na ruada Cruz n. 11,loja
O backarel
Jos dos Aojos Vieira de Amorim conti-
na a advogar em seu antigo escriptorio
U da*praga de Pedro II ou paleo do Colle-
K gio, como se chamou em outro lempo :
J& ah pode ser procurada das 9 horas da
*ol manhaa as 3 da tarde, e as horas di-
^5 versas destas, na casa de sua residencia
|H sbralo n. 33 da ra do Hospicio.
mmmm wmm mmm mmm
GABINETE
POliTTtilEZ t Lhiriiu EH PER-
NA H BUCO.
Ten lo a Illma. administragao actual do Gabine-
te Portuguez de Leitura dado balingo em novem-
lirirproximo passado bibliotheca do -mesmo Ga-
binete, que est a meu cargo, e da l\ por balango em noverabro de 1860,'^reriQcou-se
trense extrahidos durante este quatrieaio nove
volumes como da nota abaixo exarada, cuja im-
pirtmcia (vinlacernatos mil ri) o abano assig-
na lo tora de susfazer a Iltraa. directora. Algu-,
m is ddstal Oftras, a ,jue filia algara folutie, teenr
de ser pagas por intetfo, Coiu de lei. O aballo
altanada pede, pois, aos seahores associados, em
'>;) |uier exista algum do* voluraes indicados era
seguida, o especial obsequio de lhe fazerera a en-
<*eg% respeeliva para minorar o seu prejuizo, em-
J.tri, felizmente, nao seja este de erando conside-
ra gao.. .-.;
1' volume Revista Popular o. 10
dito Formysa Don'.el la de PerUi n. 192.
diio -Collar dilUinha n. 467.
dito Lagrimas Abengoadasn. 2,213.
dito -Lauca (a) n. 3,047.
dito Vida aos vnte aonos n. 3,284.
Jilo Dwmanto do coaiandjdor o. 3,142.
I' e 2' voluraes-Mjgj (o) Loiro u. 3,686-
Giiinete Porlugue/. de Leitura em Pernambttco
AMA HE LKITE
Precisase de urna ama que tenha bom leite
para amamentar um recem-nascido, aaradando
pagase bem : a tratar no largo do Corpo Santo
numero 19.
i Antonio da Funseca, subdito portuguez, re-
tira-se para eRio de Janeiro.
O abaixo assignado tendo em seu poder o li-
quido producto da venda feila em leilao da taber-
na sita na Capuuga, pertencente ao ausente Jos
da Silva Santos, pede aoscredores da mesma para
apresentarem seus ttulos no praso de oito dias, e
findo este proceder ao competente ratelo. Recife
4 de janeiro de 186o.
________ Francisco Al ves Monteiro Jnior.
O abaixo assignado deixou de ser caixeiro
do Sr. Antonio Marflm Lisboa desde o dia 8 do
corrente.Firmino Dias Crrela.
Domingos Rodrigues de Andrade saca sobre |
a praga do Rio de Janeiro, vista : quem preeisar
dlrija-se a ra da Cruz n. 33.
Aluga-se o 1* e andar do sobrado da rna
do Aragao n. 1, ou cada um de per si : a tratar
na ra da Cadeia do Recife n. 62, primeiro andar.
* Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar :
na ra Nova, loja n. 7.
Iastrnc$5o particular.
O abaixo assignado continua a leccionar latim e
francez no segundo andar da casa n. 32 da ra
do Queimado. L. E. R. Vianna.
Aviso.
A abaixe assgnada directora do collegio de
Santa rsula, previne aos paes de suas alumnas
que os trabalhos do collegio a seu cargo terao
principio no dia 16 do corrate.
__________rsula Alexaudrina de Barros.
MU) ANCA.
Manoel Ferreira Pinto Malheiro madou a sua
loja de onrires da ra das Larangeiras para a ra |
do Cabug n. 2 t, onde espera continuar a mere-
cer a couanga de seus amigos, e do publico em
geral.
Arrenda se um sitio no Jacar, esirada d'A-
' gua-Fria. com casa de pedra e cal ltimamente
construida, com bastantes arvores de diterentes
fructas : a tratar com o solicitador barroso, ra
da Concordia n. 34.
Pre.',isa-se alugar urna ama forra ou escrava
que saibr. cozinhar : na ra da Cruz, sobrado n.
164, segundo andar. Na mesma casa aluga-se nraa
, escrava loa quitandeira.
ASA U CACHABA.
Aluga-se urna casa nova muito fresca com ex-
cellente solo sita no Cachang defrorrte do enge-
nho Poeta : a tratar na ra do Crespo loja "de An-
drade A Reg.
mu**
Companhia fldelldade de
seguros martimos e ter-
restres estabeleelda no
Rio de Janeiro.
AOENTKS KM PKPNAMBITCO
Antonio Luiz de Oliveira Aievedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
Gasas pan lugar
na ruados Martynos.u. 1. na praia do Caldeireiro
n. 35. no largo da Paz n. 53, no Bu casa nova
com muitos commodos e sitio n. 124 : a tratar na
ruajlasCruzes n. 42, junto a typographia.______
Antonio de Souza Rangel, morador no sitio
denominado do Toque, gratifica razoavelmente a
quem pegar o sen escravo Francisco, que se au-
sentou de casa no dia 4 do corrente. O referido
escravo crioulo, de estatura baixa, de-dentado e
de ps grossos em razo dos era vos de que ha pa-
decida-.
BE JOO MU DOS SANTOS.
Ouro Prelo.
t SolTri rlieumatismo por mili-
tas vezes, e vendo annunciad*
em ura jornal desta cidade a
Salsa pan i I fia de Dr. Ayer, re-
solvi-me a comprar um frasco e fazer uso
d'ella ; eanies de concluir o primeiro fras-
co, acbei-me forte e sem sentir a mais leve
dr nos joelhos ; a parte do corpo que es-
lava a/Tectada d'esse terrivel encommodo
que roubou-me tantas nuiles de somno.
Unpedes, borbullias. pustulas,
ulceras, e todas as molestias
da pello.
DO SB. JOO PAULA DE ABBEO E SOUZA.
Ra de S. Pedro.Rio de Janeiro.
Solfria mais de dous annos de ama
erupcao syphilitica em todo o corpo, inos-
trando-se sempre com mais violencia na ca-
ra, prove muitos medicamentos e consultei
muitos mdicos, e eslava quasi desanimado
quando vi os annuncios da Salsa pan i Uta
do r. Ayer: coraecei a fazer uso d'ella e
nos primeiros dias a eiup-ao sggravoo-se,
porm antes de acabar o segundo frasco ti-
nba o mal desapparecido cornetamente de
todo o corpo.
Doctor Dox Jos Valdes Hkuhku, profes-
sor DE MEDICINA Y CIRfRJIA. S? DEI.EG> D
EM AMHAS AS FACL'LTADI-S DEL 3fi*IO DIS-
tricto. Habana.
Certifico que he usado la Zarza parril-
la del r. Ayer, y como depurativo he ob-
tenido de ella los mas felices resultados en
los casos de ulcera crnica, como asi mismo
ensayado las Pildoras catrticas del mismo
autor y las considero como um puntante,
cuya accin ademas de ser segura, ha sido
muy eficaz en el Iratamento de las enormi-
dades que exsigeu el uso de los purgantes,
y no vacilo en recomendar estas preparacio-
nes. Y para los fines que puedan convenir
doy la presente en Regla 7 de Setiembre
de 180.
Don. Jos V. Herrera.
Escrfula.
ATTESTADO DO Il.l.M. Sr. FRANCISCO FkRRA
dos Santos.Ouro i'rvto.
i Me acho ha quasi dous anuos affec'ado
de escrfulas, e tendo solrido lanto q.e al-
gumas vezes quasi que diego a desfnimar
da vida e maldizer da minha infeliz sorte;
tenho sido tratado por muitos mcdi s d'es-
ta cidade, e nenhum pode vencer i tenaci-
dade de minha molestia, eslava som espe-
ranzas de recobrar a minha saude ; quando
ltimamente resolv fazer uso da \salsa par-
rilha do Dr. Ayer. Completa n-.--e hoje
trinta e sele dias que comecei com este
santo remedio, e tantas melluras tenho
sentido que tenho conviccao de em breve
recobrar a minha saude, perdida ha tanto
lempo.
Sypuilis e molestias mermriaes.
Do Illm. Sr. Dr. Jackso:'.
Medico muito conhecido as pro netas do
sul do Brasil.
Tenho receitado a Salsa pa rilha do
Dr. Ayer nos casos mais invek rados de
Si/philts constitucional e samare com os
mais felizes resultados; o mellio, alteran-
te que confiero.
B,ciicrrha e flores brancas.
Temos cartas em que nos cont im casos
inveterados que foram radicalmente curados
com um ou dous frascos d'esta & isa par-
rilha.
O esnaco nao nos permitte trtuiscrever
lodosos atlestados ijue possuimos las vir-
tudes d'este extracto composto ce Salsa
panilha do Dr. Ayer. Hasta del'arar ao
publico que tem sido empregado ha mais
de vinte annos pela prolissao med a tanto
das merica^como da Europa, se.n nunca
desmentir a sia^alta reputa^o.
Jos Alfonso Serdeira subdito
tira-se para Portugal.
portuguez re-
!
1
t
l
t

V
Os irmaos do finado Benjamn Peres de
Albuquerque Maranhao, rogam aos seus
amigos e parentes o obsequio d a>slstrefn
a urna missa do stimo da, que ter logar
na. igroja de Nossa Senhora da Concedi
dos Militares, no dia 13 do corrente mez dt
Janeiro pojas 7 lr2 da maoliaa.,-.
iciro,
l
m
I
No dia 8 do eorrente furlaram, do silo do
Mangninho, onde reside o brlpadeira Menezes
Drummond, duas burras, urna ruca e outra casta-
nha, ambas mancas e halltuadas a andar em car-
ro ; tem as dinas feilas e esto bastante gordas ;
quem dellas sober, ser gratificado, dando noticia
oa levando-as ae referido sitio.
-- Precisa-se de urna ama para todo servico de
urna cas : na ra da Concordia n. 65.
O Possoa e Silva faz sciente aos seus fregu
zes desta cidade, como aos do centra, qae mudou
a sua residencia da ra de S. Francisco para a
ra larga do Rosario n. 33, segundo andar, onde
pode ser procurado a qualquer hora do dia para
os trabalhos inherentes a sua profisso.
Fugio hontem quando era levado para a casa
de detencfio por un praca da companhia urbana
o escravo pardo de nome Joao Candido, de idade
22 annos, alto, corpulento, ps e maos grandes,
cabellos caraplnhado, pouca barba, quem o pegar
lee-o a ra do Brnm sobrado n. 6 on rna do
Trapiche n. 4, que ser gratificado, e assegura que
o dito escravo acha-se em Olinda.
Andr Long
encarrega-se de toda e qualquer funecao tendente
a sua arte, tanto nesia cidade como nos arrabal-
des, fornecendo o srvico necesario; mcuinbe-se
daditsesSoeeaecueJo de qualquer trabalno de
cozinba, bom como janiares extraordinario, ta-
raos, Ilutes, lanches ; assim como aprompa com
toda apresiez rariic6es de pecas gatadas : quem
de seu presiono quizer u!ilisar->o dirija-se a ra
da Cruz n. 40.
Adverte-seao Sr. Feliciano Joaquim
de A guiar, que a sua assignatura desle
Diario est por pagar desde OHtubro do
anno passado, e que o proprietaro da loja
deourives da ra larga do Rosario n. 40,
tem declara lo que nao se responsabilisa,
portanto S. S. qneira mandar satisfazernes-
ta typographia..
Aluga-se a 100000 mensaes a casa
terrea n. 263 da ra Imperial, concertada,
caiada e pintada, propria para eslabelecl-
mentO de negocio e meradia: a tratar na
roa do Crespo n. 15, das 10 horas,, do dia
as 4 da tarde.
im mmmm mmm
Naques sobre Portugal.
O abaixo assignado, autorizado pelo
Banco Mercantil PortueLse. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
fectivamente por todos o paquetes sobre
as pracas -de Lisboa e Poi.o, e mais luga-
Yes do reino, por qualquer somma vis-
la, e a praso ; podendo, ot que (marera
8 saques a praso.receberem xista, no mes-
..o Banco, descontando 4 0|0 ao anno: na
Hola d chapos da ra do Crupo n. 6, ou
na ra do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaqnim da Costa Maia.
s
Primeiras lettras.
Escola central metaoi) Os-
tillio,
. Est abarla de.de 7 de j inelro. -en-ina as mate-
rias do l*ea* grao$, recebe alafciros peniiohistas
e meio lonnoniatas, por precos ,commoijo*; nao
13 de Janeiro de 188". -O guarda bibliotecario, hja d; cera da raiitrLVraTnfo n. '&)'
Aatoaio S. Xiver-dj S)uza. da Igrajain .
Prdnesas pira Santo Amaro
Pcrnts; bracos, peifcs, cabecas das todo feito ju (Mffeie>i por ar.ito pfeeo : aa P"^ oaCapAinga, rasa n.9.
'">, ao.p.'l Na rt*iVeit' n. %,'
l de. urna ama para couhhar..
Mara Barthuleza da Concei^o participa acs
Illm. senhores pas de suas alumnas e a todas as
pessoas que lhe quizerem dar a honra de lhe
confiaren) suas meninas para, lhes ensinar. o
necessario s materias de' primeiras lettras e
lingpa tranceza : far todo o esforco para que
ellas obtenham o desejado aperfeiroamonlo aman-
eando lhe a boa lettra, e lhe tirar qualquer vi-
cio na prenuncia, se o tlverem. Sua escola estar
rberta de 9 de Janeiro em dianio : defronte da
matriz da Boa-Vista n. 84.
.... ----------I O tachigrpho C. Falcao cha-se 's volt
refinaem>, precisa-so I e&ta cidade, erside aa ra Imperial a, io,
l rariro andar.
na- nu da
pri-
Para a cura radical de escrfulas e illeecoes
escrofulos, sypliilis e molestias syphi-
liticas, ulceras, feridas, chacas,
erupces cutneas e todo e
qualquer incomiv.odo que
provm d'um estado
impuro de sangue,
TOMEM A
MALtt.t I^.IRRILII.I ni-: AVBR.
A' venda na ra Direita, ns. R.26 e 7fi;
ra da Quitanda n. ol ; praga da Consli-
tuicao, n. 30 e Hospicio, n. 40. E na-
principaes phamlacias c drogaras do ma
qerio.
Vende-se em Pemambuco:
na pharutacl franceza de
P.MAURER & C.
__________RA NOVA N. 18.
Jos Soares de Azevedo, professor de lingo*
e litleratura nacional no Gymnasio Provincial do
Recite, tem aberto em sua casa, ra Bella n. 37,
um curso especial para cada urna das seguiUes
materias:
Lingua franceza,
Geograpbia e historia,
Philosopha nacional e moral,
Rhetorica e potica.
As pessoas que dest-jarem freqnentar quaJqntr
destas disciplinas, podem dirigir-se indicada re-
sidencia, de manhaa al as 9 horas, e de tarde a
qualquer hora.
. Ciyiuuasio Provincial.
Bo dia 16 de Janeiro era dianie, estao aber-
' tas as matriculas das seguintes aulas do liymnasio
Provincial: primeiras letras, lalim, rancer, in-
glet, grego alientan, mathematiea, geographia e
hlsioria, eioquencia e potica, philosopha, liot-ua
( e litleratura nacional, sciencias naturaes e^iusica.
Alusa-se-a casa da rui doTambi n. 30, asj Nesse estadelecimento mediante a mdica quan-
chaves esto ai praca da Boa-Vista a. 10 e trata- ; tia d* ti diarios, tem os alumnos tatemas roupa
se na ra de S. Thereza, n. 38.________________ lavada e ngommada, rtediro, botiva, barbwro,
Fugio da casa da ra dos Martyrio* n. 2 um 'ual"na. pap_el, Una o creados para o servico.
moleque de nome Matheus, de idade de 12 anno*;! ?s B)eios-pensionjstas pagam raelade dessa qnan-
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artiflciaes_tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquem a vontade de seua doaos, tem pos
e outras preparacoes aa mais acreditadas
para nonsenracao da bocea.
lia e os externos 15,5 Pr trimestre,' podendo fre-
pouco mais ou menos, com os seguales signaes- ; ~ .....i"-1 "" i"." >""<
cabeca urande, cor fula, pernas apalhetadas, levou qw"ras aulas qtje qurzere.
* ni iK ...i ..._ aJTTT i\ fi/.rrJii>i
caiga e camisa de algotlao azul : quem o pegar le-
ve-o a mesma caa, on ao paleo do Carmo n. 15.
O Sr. Kraawsco Perelra Libre tenha a b a-
dade de vir fallar em S. Pedro com Jaaquim Al-
ve.9 Gomes Velludo a ngocio de seu interesse.
I'reeisa-se d m caia-iro de idade de 14 a
16 annos, que tenha urlica de taberna : na ra
da Praia n..-
, recisa-se de urna aua secca ; no becco do
Padn n. 3.
------------------------------ --------------1 i .i -i _________________
Aluga-se a sala da frania con J quartns do
3o anda do sobrado n. 52. da ra do Imperador :
a tratar na mesma ra n. 54, loja da livros.
Precrsa-srde xrttt criado eozinheiro, homem
ou mulher : a tratar no paleo do Carmo n. 26, so-
brado contiguo i egreja d* Santa Tbateza.
& seorearia, Cabral.
O Sr. Franciseo If. Goimare*, queira de
ijir-e a praca da Indepeodecia n. 6 e 8. que s
lhe deseja fallar. *
Joaquim Jo- JeSant'Anna Carros ron aula
particular de inslroecao primaria, na rna da Crea
n. 31, primeiro andar, parteipa nao s aos lllms.
Srs. pais de us alumnos, como ao respeilaveI pu-
hlico, qae abre sua aula no dia 9de jannro cor-
recta. __________ .. _______
J. t. Dleraoer, suisa, vai para o norte.
~~Jos Ferretra AWes tendo de ir tratar de soa
saude, vende a sua taberna ao Vatio do Mattos, de-
flroaledo trapjfhe do Sr. Cunht.
Pregrsa-sa de uta coainheiro : oa ra da
Hortas n. 13.
r


.




- 4
Diarto de r erwualwM
lelra lt c Jaaeiro de lftttft.
Aula particular.
0 abaixe assignado, professor particular, pror-
sionado pela di rectora geral da instruccao pellica
para ensinar prioieiraa ledras, lalim e francez,
participa ao respeitavel publico e igualmente aos
senhores pais de seus discpulos que segunda-eira
9 do correte tem de rontinuar no en>iuo das su-
praditas materia?, admitimdo a matricula alumnos
externos, pensionistas e meo-penslonislas. A pra-
tica de 19 annos .consecutivos no e-xerclclo de seu
magisterio, sua inteira dedicacao e ua moralidade
sao garantas que offerece aos senbores pas de fa-
milias, que desejam a sa e til educarlo a seus
filaos.
Quem portanto quizer conflar ao mesrao abaizo
assignado a edncacSo de seus Albos, pode dirigir se
a qualquer hora do dia ao terceiro andar do sobra-
do n. 38 da ma Nova, onde ha muito tenpo est
estabelecido.
Jos Mara Hachado de Ftgueiredo.
Preclsa-se de urna ama de leite sem filho :
a tratar na ra da Gadeia n, 18 eu na refinacao
Ja Sentala Nova n. 4. ______i____________
(lasa iir edocacao.
Jeronymo Pereira Villar transferio o seu esta-
belecimento de instruecao primaria e secundaria
para a rua larga do Rosario, sobrado de don an-
dares n. ti ; e participa nao s aas lllms. senbo-
res, pais do seus alumnos, como ao respeitavel
publico, que as aulas eslarao abertas no dia 8 de
Janeiro do anno vindonro de 1865.
Precisase do urna ama para casa de htnem
solteiro : na rua da Guia n. it..
Manoel Francisco da Silva Carneo ora
residente em Macei, julga nada dever
nesta praca ou fora della, mas se algnem se
julgar seu credor qaeira apreseniar seu titu-
lo nestes 8 das, que depois de verificado
sera inmediatamente pago por Francisco
Ribeiro Pinto Gnimar5es (para isso autori-
sado) rua d'Apollo armazem n. 38. Reci-
te 7 de Janeiro de 1865.
O
MAGNIFICO SORTIMENTO
GRA1DE ARMAZEM
DA
10 PUBLICO
Sem o menor constran-
glmento se entregar* o
Importe do genero que
i alo agradar.
O professor de piano
J. Coelho da S. Araujo, contina a lee-
cionar, mora na rua do Livramento n.
21, segundo andar.
THESOURO DAS MAIS
Procidencia das criancas.
COLLARES ROIER
Eleetra-magaetices
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DENTigAQ
Contra as convulsoes e para facilitar a
denticao das criancas preparados e invena-
dos por Royer.pharmaceuticoda esco-
la superior de Paris, snecessor de Chereau,
inembro da academia de medicina,
amiga casa de IJjuillon-Lagrange, pharmaceutioo
do imperador,
chefe dos trabalhos chimicos da escola po-
lytechnica, director da escola de pharmacia de
Paris, e raembro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-seunicvmenle na loja do
Gallo Vigilante rua do Crespo n. 7.___________>
Veneravel ordem terceira de
N. S. do Carino.
Tendo a mesa regedora da veneravel ordem ter-
ceira do Carmo de mandar e lificar um sobrade de
um andar no lugar do que fo* incendiado na rua
das Cruies n. 29, sao convidados os mestres de
obras, ou quem quer que a dita edifleacao se
queira encarregar, a apresenlarem suas propostas,
sendo que para examinarem o referido sobrado,
pod-rao procurar a respectiva chave em mao do
guarda da mesma ordem, oud- existe o delalneda
obra a faier-se; e para ma-res explicacoes se
entender) cem o irmao prior rua da Cruz do
Recite n. 18.
Secretaria da veneravel ordem terceiro do Car-
mo 10 de Janeiro de 1865.O secretario,
Jernimo Emiliano de Miranda Castro.
COMPEAS.
fa Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-?e bem: na loja de bilhetes da praca da Inde
pendencia n. 22.
Compra-se elTectivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem :
na rua larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
Compram-se acedes da companhia de Bebe;
rie, no Recite, traressa da Madre de Dos n. 18 ;
e na mesma aiugam-se tres rasas terreas na fre-
guezia de '. Jo., i dita na rua d >s Acougninbos
n. 26. e 1 ditaao lado da fortaleza *1as Cinco Pon-
tas n. II, 1 dita na freguezia do Recie. Iravessa
do Star n. 5, em Fra de Portas, 1 sobradinbo
mei-agoa pegado a igreja de N, S. do Pilar : a
tratar das 6 as '0 horas do da.______________
Comprase urna batanea decimal nova ou em
bom estado, com os competentes pes >s e ijuh pese
20 arrobas : a tratar no escriptorio da Companhia
Pernambucana.___________________________
Comprain se garrafas vazias : na rua do
Cabug n. 18, armazem de molhados.
VENDAS.
ALMANAK.
Acaba de sabir dos pr-
loa de nossa typographia o
Almaaak Administrativo,
Mercantil e Industrial desta
provincia, correcto at 31
de dezembro, e vende se a
\jj>; na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia.
Para 18<>5.
Acham-se venda ra livraria ns. 6 e 8
da pra?a da Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
kalendario civil e eccleoiastico, tabellas de
feriados, de e nolumentos dos tribunaes
do coinmercio etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Rainha em verso, o Stabat Materem
verso, devoco ao agonisante.coraco de
Jess, cntico em louvor do Santissimo
Rosario, cntico a Virgem Maria Nossa
Senhora, trinta e tres chisto -asanedoctas.
um indito poema sobre as aventuras de
tira cosinheiro, o canto de urna solteira
.poesa), crescido numero de mximas e
pensamentos, urna historia como militas
' rama neo), e vinte e cinco novas e pi-
lhericas charadas a 320 rs___
4 Vndese urna prea
._ boa c.ozinheira e en-
gommadeira, de idade de 30annos, on troca-se oor
nutra quo se|a boa quilandeira : a tratar na fun-
di^o da rua do Brnm n. 84. ______________
-i- Vndese un molcqoe de 7 a 8 anpos, muito
botJila figura : no pateo do Terco n. 141
]-------------------VEJDE SE
umh escrava com um filho de idade de 9 annos, e
a visto do comprador se dir as haWlidade*. e a
razio porque se vende: no largo do Paraizo n. to.
Vendcm-sc
10 qadeiras de balanco com assento e encost fle,
palmaba, ltimamente ehegadas da Amerjjsa : no_
escriptorio de Matheas Austin & C. ua 45 Trapi-!
che B. 36. a
I '
1GA.
o RUA no va oo
Casa da esquina junto a ponte da Boa Vista.
MUITA ARENCA".
Parece que o respeitavel publico se achara bastantemente convencido de que a
drceao deste importante estabelccimento tem sido sempre caracterisada pelo maior
gosto e capricho, nao s cm relacSo ao asseio, superioridade das mercaduras, como
na sinceridade do trato e maneiras altenciosas dos empregados da casa para com todas
aquellas pessoas que se dignam defrequenta-la.
Muitas senhoras pernambucanas e estrangeiras, cujo trato ameno e delicado n5o
pode ser concedido a qualquer individuo no recinto de um estabelccimento da ordena
da Liga tem vindo possoalmenle refazer as suas despensas nesta casa e voltado asss
satisfeitas. .
E' preciso fazer desapparecer desta importante capital estas nojentas tascas cheias
sempre de escravos embriagados, onde as chufas sao jogadas sem respeito.
O importante e magnifico armazem da Liga se acha felizmente muito fra
dessas condiccSes. E' necessario v-lo para bem se prestar crdito a noss as palavras.
A mercadoria nunca ser bem comprada se ella nao fr de boa qualidade. E
sobre este ponto que chamamos a attencjfo das pessoas que nos qui/erem honrar com
a sua freguezia; porque o nosso grande estabelecimento se acha completamente prvi-
do de superiores gneros, que em sua mxima parte foran comprados a dinheiro
vista, e recebidos directamente de Londres, Paris e Lisboa.
Ninguem se acha entre nos com mais proporcoes para vender barato.
As pessoas que compram para negociar, fariam muito bem re quizessem se cer-
tificar do quanto havemos expendido pro:urando afreguezar se com nosco.
Nao duvidamos vender a credilo a quem nos der conhecimento de sua pi obidade.
Amendoas confetadas em lt asa s de vidro, ditas com casca mole
e dura Ameixas francezas em frasees de vidro, ditas em latas,
ditas em cartoes, ditas a varejo ==Alpiste e milho miudo.As-
sTicar refinado fino, dito baixo. Azeite doce em barril, dito
em boies, dito engarrafado, dito francez e pertuguez refinado.
Arroz do MaranhiSo, dito de Java, dito da India, dito de Penedo.
Azeitonas de Lisboa, dita do PortoBanha de rorco em barril
. dita em latas, dita re6nadaembarril e latas. Batatas emgigos,
dita em caixas, ditas a varejo. Bolaxinhas finas de diversas
quaiidades, ditas de soda, ditas para lanche, ditas americanas.
Biscoites inglezes, Mixede, Medum, Cabim, Seed, Soda, Cuddy
Cracknel. oval Thim tapitam e outras mais, ditas de leite de
Edimburgh,etc.Caf do Ro de l.\ 2. e 3.a qualidade, dito
mudo.Cha, o que ha de melhor existe em nessos armazens,
mira, miudo, dito hysson de 1.a, 2.a, 3.a e 4.a quaiidades, dito
preto homeopalhico, dito commum.CharutosMussissipis, ditos
Panetelas, ditos regala imperial, ditos suspiros, ditos delicias,
ditos Napeleos, ditos Parisienses, ditos apraziveis, ditos lancei-
ros, ditos imperaes de diversos fabricantes. Chouricas mou-
riscas deLiboa, ditas em latas.Chocolate de diversas qualida-
de:- e de diversos fabricantes. Ceneja Basse, dita Victoria,
ditas Alcsops, dita tenente, dita H, dita XXX, dita em barril
branca e preta.Conservas inglezas, dittas francezas, dittas ali-
menticias. Cevadnha de Tranca. Chanpanha superior de di-
versas marcas.Cognac ioglez, ditto francez. Ceblas de Lis-
boa em molhos, ditas em restias.Copos lapidados para agoa
ditos para vinho. Doce de calda em latas de diversas quaiida-
des, ginja, alperch, pera, pecego, doce de goiaba, em latas ditos em
caixoes ditos em frasco de calda de assucar, ditos de cognack.Ervi-
lhas em latas, ditas em casca, ditas sem casca.Esperra?cete de 5 e 6 o
maco.Figos em latas de 4 e 8 libras lindamente enfeimdas, ditos em
"caixas grandes e pequeas em barril. Farinha de trigo da diversas
marcas, dita de araruta, dita do MaranhSo, dita do Aracaty.Fumo
do Ro cm latas dito em rolos, dito em lata (do 1 ara) para cigarros.
Genebra ingleza marca gato, dita dita em frojcos, dita de H< llanda cm
frascos, dita dita em botijas, dita de Hamburgo tm frascos, dtaem bo-
tijas, dita em garrafes.Graxs em latas. Limonada, de diversas fruc-
tas.Licor ingle?, dito francez, dito allemo. Manteiga ingleza flor,
dita de 2.a qualidade, dita de 3.a, dita de 4.a, dita fianceza de 1.a qua-
lidade, dita dita de 2.aMassas pra sopa, macarrSo, talbarim e alelria,
dita estrellinha epevide branca eamareila.- Marrasquino de zara de i.a
qualidade, dito 2.a dita, dito 3 a dita. Mai melada muito fina.Molbo
inglez, dito francez.Mostarda ingleza, dita 'ranetza. Presuntos in-
glezes para fian,bre, ditos americanos, ditos doPoito para tempero,
dito de Lisboa. Passas de Malaga, ditas de Corinthias para podim.
Pomada do Pi rto Pimenta do reino. Peixes em latas, savel, curvi-
na, pargo, espada, cangro, chermy preparEdo pelas melhores artes de
cosinha.Papel greve branco, dit paulado, ditu almaco, dito de peso,
dito amarelloPalitos lixados para dentes, ditos ditos com flores, ditos
americanos, ditos do gaz.Quejos inglez e londrino, dito flamengo dito
prato, dito suisso.Rap Meuron, dito francez Sal*me em latas de 1
libra o melhor que aqui tem vindo. Sardinha de Basse, dito de A.
L'Auile. Sabo nacionol, dito massa e nao massa, dito inglez. Sal
nacional, dito inglez a varejo, dito em vidros. Toucinho d< Lisboa e
Porto, dito de Santos.Tijolospara limparfacas Vinhos, neslegene-
ro os nossos armazens tem o melhor soitimtnto que se pode im?ginar,
duque do Porto, lagrimas do Douro, C-mes, Bocagc, Maria Pia, D.
Luiz, Pedro II, Malvazia. Madeira, Cherry, Bordeaux, ludo engarrrf.do
Prevenimos ao publico de que no armazem da liga stemvmhos engar-
rafados no estrangeiro, dito em pipa do Porto, Lisboa, Figueira e de Sete, -
dito em b.-rril de todos os p;>i?es, dito em ancoras, dito chamisso mui-
to proprio para casa particular em barrilinhos com 150 garrafas por
preco a satisfazer o mais exigente comprador em quanto a qualidade
garantida por nos e pelos seus importadores, dito em caada por prego
baretissimo, dito branco para missa.Vinagre puro de Lisboa, dito ham-
burguez, dito em garrafes. Vassouras do Porto, ditas americanas.
NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaram os modtmos vestidos de dentelle de seda com barra, inteiramenti novos
em gosto e qualidade : loja- das coluatna, na roa do Crespo n. 13, de a ntonlo Correia
de Va*concellos & C, successores de Jos Moreira Lopes.
Fazendas de bom gosto
Para vestidos de senhora
Superiores orles de seda de cor, e riaBte, de g-ffuro e de seliro imperial.
Dilos de blond, e de eambria branca bordados.
Ditos de la cora barra e grande variedade em cotes e padrees.
Dilos de organdys rom barra
Lindas sedas de juadros eseosseza e sotadas.
Superiores las lisas com grande variedade de cores.
Ditas com salpico, com llores e de qnadroe.
Lindas pampolinas de qoadros e de flores, azenda inteiramenle nova.
Superiores cassas de cores, e. liadas eambralas organdys.
Grande variedade de ebita deeores, de percaKa tootras muitas faieodas de gosto.
Para hombros de seubora
Lindas capas e bournoux de casemira de cor.
Ditas de 13a e de seda. Lj.4a1.iEi
Grande variedade de sout embarques de seda de le* a *o#.
Manteletes de seda.
' u5eerior hales'de'sed, de merino estampado, Unos, de casimira com listras de
'camiiinhas^odernas, suaros braneos e de cores, colleles deeasabraia, lindas gui-
llabas oom punbos e outros amitos arligos.
Para cabec* de senhora e menino
aTTEMQAQ
O* precos da segua*1
tabella para todos,
dendo asslm servir de
se para o ajaste de contal
ia^=
1
com os portadores.
RVA A CAEIA RECIFE W. S.
(Logo passando o arce da Coneeirio)
rande redoeco de precos, equivalente a dea por cento menos do que outro qualquer
annunciante.
Collegas.Nao posso por mais lempo sustentar o prego da manteiga ingleza a 1,000 rs. a libra, bem assim 0 de outros
amitos objectos, etc., dando com isio ocasiao a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritaren em
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo 1! 1 Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reduccSfl de precos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu hairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Unio Mercantil n3o
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nio ser o de i,4oo a l.oo rs. a libra. Hoje porem, resentidos 4* reduccSo a que
estao obrigados, encarando todos os das de seus freguezes reclamac5o de pregos, e quaiidades, vingam-se do um e outro poitadores
al informado deste novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem qne o seu fim
tao somente obter a eoncorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aeeio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que ludo apromplidSo e entei-
reza com que serb tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me dars a proteceo e preferenia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nSo pocam vir poderlo mandar seus portadores, ainda que estes sejam poaco pratices, pois
sero to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao, afim de que nao vio em outra par te
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abat- Antonio de Lisboa em latas eom libra*
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolbida a 800 rs. a libra, em barril se
faz abatimento.1,
dem franceza.a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a 5oo rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim e melhor que se pode desejar
oeste genero 2,6oo rs.
dem preto homeopalhico por ser de superior
qualidade a 2,000 rs. a libra,
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o l,6oo, 1,80o e 2,ooe rs. a Painco e alpisla
libra, garante-se ser muito regular, igual rs. a arroba.
ao queso vendeem outra parte por 2,4oo Massa de tomate em latas de
e 2,6oo rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, emticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se serem superiores aos que Tem
em barris.
Chourigas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 r. e I,5oo e 600 rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados|
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a l,6oo e l,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abatimCnto.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
dem do Alentejo que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas porluguezas em latas j pre-
paradas a 64o r$.
Marmelada imperial dos mais acrAriitaHos fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezonto do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a o.ooo e 5,5oo a
dona,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
I,ooo e I,2oo rs. a libra.
Espermacele em caxinhas contendo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambera tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sorel, corvina, gors. pesca-
da, salm3o, ostras e chernee, vezugo em
latas grandes a 800 e J ,00o rs. cada tima.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que tem viudo ao nosso mercado a
ment.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.800
e 8,500 rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do MaranhSo a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,000 rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
a 14o rs. a libra, e 4,3oo
1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarr5o e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talberim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse iim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes*
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes emlatas
de 3 libras por l,5os rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2o.o; ditas em caixinhas de deversos
tamaitos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, ei,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro com
rollia do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a 1,00o rs. e H ,00o a duzia.
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o mago.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, jCerveja branca e preta das marcas mais a-
f". i..* .-\ V r, no a i-fM'H"l'.i un ,nrviil,< 1 ") ^AA I .1 a________. n makAiiIa ^ AAA A
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo, j
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branfifi para misan cm caUa de 1 duia
a 8,000 e a 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
10,000 rs. ea 9oo e l,oooa garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas porluguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 2io rs. a
libra.
Bclachinha de .soda em latas com diversas
6,ooo, 7,ooo e 8,oeo rs. a caixa, garante-1 quaiidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito propnas
qualquer nao pod vaader por este, preco. para mimo a 64o rs.
Genebra de Hullanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5,7oo rs. a frasqueira. libra e 6,ooo rs. a caixa com 28
dem de laranja vefdadeira de A'tona em
frascos grandes a 1 ,ooo rs. o irasco, e
ll,ooo rs. a duzia.
.(jem de Hollanda em botijas grandes 4oo
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
creditadas que vem ao mercado a5,ooo o
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutosdetodososfabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l,oo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixes a oo rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.-
Toucinho de Lisboa muito alto o alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,0oo. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento etantas porl,2oors.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
O
-mm
Sn*irior ehapdos e ehaperlinas de palha de Italia nfitads para senhora.
Dlios de fetlroenfeltados para senhora.
Ditas de pidtia enfeitados para menino.
Grande rtmenlo de enfeile modernos de retrae, de froto, de cabelle e de flores,
Pmifa Jojanas Oomoas da rua do Crespo n. 13, da Antoat* Crrela o Yasconcat-
las & C.
iiiiieni fie Biioihufio
81-RUJL IIO IMPERAIMIB-Sl .
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Ullegio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfacSo de avisar aos seus freguezes c ao respeitavel
publico que, estando restablecido de seus incommodos de saude, acha-se novamenie
com um bello e bem sonido armazem de seceos e molhados primorosamente escomidos,
como sempre caprichou ter das m'ellwres quaiidades, e francamente affiancaas pessoas que
se dignarem comprar em seu estabeIecimento,que alli de preferencia outra qualquer par-
te sero mais bem servidos, em qualidade e precos, como em pesos e medidas, no que
semproo annunciante foi escropnloso, em summa, nao illude a pessoa alguma.
AosSrs. deengenho e lavradores que o queiram honrar como seu comitente mes
assegura que c
de desta praca
mercial que tem
rem fielmente umprido as suas ordens.
Fornecer gneros aos Srs. agricultores o negociantes que lhe merecam connanca, ta-
zendo um abate vantajoso aos que pagarem a vista suas mercadonas, e encarrega-se da
venda de qualquer genero do paiz, mediante urna mdica commiss3o, entregando de
promplo seu pr< ductp, e sendo esle applicado compra de gneros em seu armazem,
prescindir da commissSo. j.
Dos seus antigos benignos freguezes espera o annunciante sua valiosa proteccao, rre*
quentando como oulr'ora sua casa, e pelo reconleciraento que lhes tnbota offerece expon?
taneamente seus servicos. ^
Jolga desnecesario publicar a tabella dos prtcos de seus gneros: sao seus recursos
garanta sufliciente de poder accempanhar os menores precos de idnticos o mesmo do
mais apparalosos estapelecimenlos, tendo somente em vista o augmento de suas venda
diarias.
rrevrco necesitarla.
Tendo sido o proprietario estabelecido muitos annos com o mesmo ramo de neg*
ci ni mesma rua, jolga prudente advertir quo s affirma e se responsabilisa pelo que
tem declarado no quo disser respeito ao armazem
o
coon<5T50>-;'ns:5e,*:-i2
*p-ajft>cOOTrr*-5t;OOso
3B3rbfiil!RP93t
0ilII-ll|fi||
O- 1^ 2b"t ^3 PT>
BJ 2. B ?T3 g.'O 3 5 S & 9 S'Sl '
sr3 e;S-" = I P3^ p.
09
2
o oa
oso.
v> o 5>
a
o

o.
-s?P
oS
si
o
8I-RUA BO IMPER1DOB-M
Segunda casa do lado dmto indo do pateo do Coilegio,
Agua Flordi.
Para restabeleeer e conservar a cor natural
dos cabellos.
A aran Oortda n5o urna tintara, fcto weo-
cial a contestar, a mesma agoa diado a cor primi-
tiva ao cabello. Composta de plantas exticas e
de substancias noffensivas, ella tem a propriedad*
de restituir aos cabellos o principio corante que el-
les tem perdido. D'nma salobridade ineontMa-
vel, a Agua Florida entretem a limpea da cab*#s
de.-lroe is caspas e impede os cabelle" de rahr
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
constitiie noderosamrr!* eom a Agna FlorHa, a
torca, a belleza e a conservacao dos ettzi'.x.
Em Pars, casa de Qnislanr n. 19, raa da Riche-
lien, e 5!, boaTevard Montmir"Tf.
Todos os frascos, nao tendo iatatto e clara, a
timbre prateado da casa, sao refalados fatsoa.
Deposito, roa do Imperador, pbaraaeia i. 31.
II l~***ii ir-i
K


..




J


1
Dla^o de Per-iaialmco uaria fclra i 1 Je Jame.ro de 1*84.
<&.
- ~
OKELH(

P
---------------------------------------------------------------------------------------------------'*
eiiai que os Runos a civiHsaeao vos preguen)
economapara os peal! Esta parle do corpo
humano por certo aquella qne, ueste elsea ne-
cessita de maior agasalho: pela humidade Dos ps
se introduz a grandd maioria das molestias, e com
estas a perda da sande e da vida 111 Fra com as
botinas e sapatos velhos; reforma-Ios
45-Rua Dereita-45

Borzeguins francezes para homem
Dilos inglezes dem a 82, 72 e
Ditos para senhora
Ditos para menina
SapatScs esmaga cobra
Ditos de Nanles de duas solas
Ditos dito de sola e vira
Sapatos de borracha para senhoras
Ditos de dita para menino*
Ditos de tapete para borneas e
nlioras a 800 e
Sapatos de lustre tara senhora a
Ditos para casa
Chinelas rasas do Porto
ee~
S2000
62000
42800
2,5000
."00(i
52000
40O0
11400
12000
1^086
12000
500
12600
E
PASTLHASl
DIGESTIVAslfflBll
DE WASMAN
As pastilhat digestiva com a pepsina de Was-
man, empregao se com successo ha j algtins
naos pelas celebridades inedicaes de Parts,
Londres, Vicnna, etc., em todas as incommodi-
dades em as quaes a digeslo difficil, penosa,
imperfecta ou mesmo impossivel: eis o melhor
remedio para curl as
Dlarraeaa e a naaM
paca* producidas
peina rlanoraeoea
crrclnoaaa don all
uirnloa.
Caatralalaa.
Mvprpalaa.
Batbararoa unirle
A gaalrlt*.
Aa affeecoea orcdal-
raa do tnltiuf*.
Em todas as molestias emprego-se a miude as
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichy,
e igualmente asputilka* de Vichy. Esse meio t s
eftkaz quando se trate de dispepsias de corta du-
0 YIGIL4NTE
llua de Crespo n. 9.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
poso Ballisa, na sua ordem do da, e pela Branca
Aguja, apesar de que, para estes o Gallo com seus
agudas esporSes nunca os oifendera, antes os agra-
ciar na mesma conformidade, para que o Baliza,
possa marchar em frente, a Branca Aguia possa
ievanlar seu voo.'levando no bico as paliabas seu
moho; e o Gallo Acara em seu espagoso campo
dando de novo o sen canto annunciando a seus
bons freguezes e ao respeitavel publico
0 grande sortimenlo deobjeclos de muito goslo que
acaba de receber.
Ricas caixinhas com msica ricameote enfeila-
das para costura, proprio para um delicado me-
nino.
Riquissiraos cofresinhos com cadeados de melal
para guardar joias.
Ricas canas cora estejo, conlendo lodos os per-
leuces para homem.
Riquissimas voltas fingindo perola.
Ditas coui laciuh de lila.
Ditas de lindas cores e preta, de lodas as gros-
suras.
Grande UqHda$Lo.
Ra da Imperatriz n.
Loja de fazeadas do pavao de Gama & Silva
Acba-se este eslabelecimento completameale
sonido de fazeadas iuglezas, fraocezas, allemas e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
mato, promeltendo vender-se mais barato do que
em outra qnalouer parte, principalmente sendo em
porcao, e de todas as fazendas do-se amostras,
denando icar penhpr. ou mandam-sc levar em ca-
sa pelos caixeiros da oje do Pavao.
Vestidos i" soulamLarqne.
.Pelo ultimo vapor francezchegaiamriquisslmos
vestidos a soulambarque, os mais modernos que
oeste mercado tem apparecido, os quaes estilo
promptos com saia, corpinho e seu competente
soulambarque, tudo guarnecido de seda, veludo c
renda. Quem livor bom goslo dlrlja-se loja do
Pavao, na ra da Imperatriz n. CO.
AftS THES MIL VESTI-
DOS.
C L i It M
COMME

RUA 1IO QUIIHIA1IO IV. 44.
Passand o becco da Congregaeao segunda casa.
m E
Lindos aderegos
lhantes.
com pedrinhos fingindo bri-
mancira que lhcs arreblbo a parte vivificante,
nutritiva e reparatriz. Com a pepsina, a contrario,
como ella urna substancia orgnica, albuminosa,
transforma-se ao mesmo tempo que se effectua a
transformacao dos alimentos assimilhando-sc
como ellos c ajudo tabem como elles a nutricio
5eral. Sua aeco vivifica o sanguc e os rgSos
e tal sorte que, atli<5 as pessoas que sem soffrer as
affecedes gstricas cima mencionadas sio nica-
mente Iracas ou d'um temperamento um pouco
dbil, e necessilao substancial alimento para for-
tificar se, acho no emprego daspasthas pep-
sina de Wasman, um poderoso meio para a isso
chegar.
Aviso importante. 0 successo das pastilhat
pepsina de fVasman diu causa a se fazercm fal-
sificaces e imitacScs d'csse producto que os
mulos se querem desfazer. Pois por falla d'uma
boa preparaco a pepsina que n'ella entra, jai
alterada. Seremos ao abrigo d'este inconveniente,
exigendo os compradores que as pasthas lenho
asiniciaesB. P. e saio da pharmacia Chevrier
Depsito geralem Paris, pharmacia Chevrier,
21, Faubourg-Montmartre, e em todas as bou
pharmacias de Franca e dos paizts estrangeiros.
g S.R 3 g-
. ? 3 =2..
if|iff.mft
liase iSs-fi
Rilf *4
Ricas fivellas para cinto, de todas as qualidades
e bom goslo.
Ricos cilos do ultimo poslo de Paris.
Grande sortimenlo de lindos enfeltcs para cabo-
$ai "ndo do ultimo gosto e de lodos osprecos.
Plores muito liuas para noivas.
Luvas enfeitadas e meias de seda para noivas.
Cnapeosinlios, sapatinhos e meias de seda pan
baptisado.
Riquissimas Olas de todas as qualidades para la-
to, cilos ecinteiros.
Camisinhas e golinhas para senhora..
Riquissiraos jarros e figuras parajjrnamento de
5313*
Graude sortimenlo de gravatinbas tanto para se-
nhora como para homem.
Luvas de pelica branca e de eres.
Cascarrilhasde bonitas cores.
Traucinhas, galao e maravilhas para enfeites.
Transelins de cabellos e de retroz para reloglos.
Papel amisade e de outras qualidades.
Bolsas para viagern.
ntremelos e babadinhos de lindos padrees.
Leridanos de linho bordados.
Meias para homem, senhoras, meuinos e meni-
nas.
NOV1DADE
Na loja dO PaVaO, a 3#. U\^:>^^^5tm^Zt^ rUa d0 O^ado n. 45 umarmazem de molhados denominado ClarimC.irri.H.
lSm^^SSSSl!SXStUk Sera,pro um comP'elo soriimento dos meltorea-genero^ que rem ao nosso nsercado es
&n"qSffr^ PUb,C0 > ^ M abaix/.encioncda; garante-se ebe
Arroz do MaranbJo, India e Java a 60, 80 e
lisas e com mtame de lodas as
i
8
B
B
s.
o*
o.
c
s||k
a 2 e.
O 3 O g
Isla:?' ?s
S'SSfr lif
si
61
5
stf*
B 3 o o
Eaj
K G O
T 4

lia
MASSA E XAROPE
BERTH
COM CODEINA
Preconizados por lodos os mdicos contra
as Defluxos, a Grippa e todas as Irritacdes
do peilo.
AVISO
Falsificacoes reprehensiveis excitadas pelos
successos do Xarope e da Ifojsa de Berlh,
nos obngao a recordar que esses productos
to justamcute
nomcados nao se
cnlregao seno em
bocetas e em fras-
cos com a assigna-
turaaqui indicada. rh*rm"itn,ii"^HfUriiaui
IW, ru Saint-Honori, NA pharmacia
k IX' vr, e em todas as pharmacias.
no
Fitas de veludo
larguras.
Thesouras e caivetes de lodas as qualidades.
Grande sortimenlo de sabonetes.
Lindos vasos com banha para oerecinientos.
Laixiohas com seis frasquiohos.
Esseocias de todas as qualidades.
Agua verdadera Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grandes, e em
frascos quadrados e garrafinhas.
Pomada lina de todas as qualidades.
Superior banha em frascos e copos de lodos os
lmannos.
Sahao Inglez em paos grandes e pequeos.
Escovas de cabo de madreperola, marlim e de
osso, para denles.
Pentes para desembaracar, com friso de metal c
sem elle.
Ditos de tartaruga e de muitas outras qualida-
des. '
Pentes de tartaruga para senhora.
Ligas de seda e de algodo, assim como muilos
outros objectos de gosto que seria impossivel men-
cioar, que a vista far f, s no Gallo Vigilante,
ru do Crespo n. 7.
Voltinbas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzin'-ias
tinglado brilhaotes, assim como ciuzinbas avulsas
e voltinhas, pelo barato prego de 15 e 1J200, as
cruzes avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Leqiies.
Rlquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras cooio para meninas, pelo barato prego
de 12$ e 14#; s no Vigilante, ra do Crespo
GRANDE XOV1DADE.
1 S no Vigilante,
i Biquissimos eufeites de lodas as qualidades para
; senhoras e mtninas, chegados boje da alfaodega.
latos
1 Riquissimos sintos de fila larga e estreita com
livelas graodes e pequeuas, com brilhantes falsos,
; cousa de muito gosto.
e 7#000.
Vendem-se lindsimos corles de vestidos india-
nos, sendo todos bordados e e listras de cores e
brancas,proprios para casamento, pele baralissi-
mo preco de 3S cada corle por se ler comprado
urna grande porcao, sendo fazenda que Tale 65,
ditos Maria Pa, teodo quatro pauoos, fazenda
para o corpo com os competentes enfeites para o
mesmo, pelo baratlssimo prego de 4* cada um,
ditos de todas as cores cojnas-^barras bordadas a
crox, sendo cada um^n seu csrto, tendo cada
um todos os enfelte*' precisos, pflo baratissimo
preco de 7 cada um, ditos com babados multo bo-
"j mas em serem cartao. pelo diminuto pre-
go de 35500 cada um; adverlindo-se qne os donos
da loja do pavo vendem estes vestidos por tao dt-
minulo prego por terem comprado urna grande
quaniidade e convirlhe liqaidarem logo, na sua
loja, ra da Imper^iriz n. 60, de Gama A Silva.
Aos vinte nil covados de laa.
Grande pecblncba, a 4
e 899 rs.
VeBdem-se as mais bonitas lazinhas transpa-
rentes, sendo com listras e quadrinhos miudinhfls,
e lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
e rozas para luto, pelo baratsimo prego de 240 o
covado,dilas Iransparentescom palminhas de seda
Maria Pa, lendo de todas as cores, e lambem
alpnmas proprias para luto, pelo barato prego de
320 cada covado, isto por baver urna grande por-
cao : na ra da Imperatriz n 60, de Gama &
Silva.
Latas e copos com banha fina.
A aguia branca, na ra do Qneimado u. 8, rece-
beu esta estimada banha fina em latas e copos, isso
alem de outras em diversos frascos.
As iuoVniissimas lazinhas de urna s
er, a imilaco de gorgorito, ven-
de o p*vo.
Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
modernas lazinhas de cordaozinho,
100 rs. a libra, e 10800, 20600 e 3^000
a arroba.
ATS/ra?c.ezas em latas e em bascos a
S. mo'e em frasCOS grandesa
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
r2Sf fsJaml)as no interior das caixas
al02Oo,|04OO, J06OO e2#.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a UDra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira dematarana a 320 rs. a
libra.
AvellSas moite grandes e novas *a 180 rs. a
libra.
Biscoutos nglezes de diversas marcas a
1(5300 rs.
Dolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata.
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porco reflnadaa 440 rs. a libra e
em barril a 400-rs.
!te5l-,ihuchin e Perola a 10600, 20,
205CO, 20800 e 3000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Lerveja preta e branca, das melhores marcas
qalt^J mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 901) rs. a garrafa.
inncornir o lan__- t___
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a c>20
Painco a 200 rs. a libra. rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Laraego em calda de azeite e Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. j dem seccas mullo novas a 200 rs. a libra
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800 Figos de comadre e do Douro em caixinl 3'
vapor a
600 rs
as mais pro
prias e mais lindas que tem vindo, proprias para n"t""r"" m" a T' TS'
vestidos, soulambarques, capas, etc., dam-se amos- r?B8erv?S a '20 rs. O frasco,
iras deixando penhor, e vendem-se pelo baratissi- 'dem. So de pepino, a 720 rs
mo prego de 560 rs. o covado : na ra da Impe- dem, S de azeitonas, a75o"rs
loja de Gama e Silva. Charutos dos melhores
ratnz o. 60
As lazinhas do Pavo.
vV"dem-se lazinhas de quadrinhos transparen-
tes, boa fazenda, pelo prego de 280 rs. o covado,
ditas largas multo finas a 400 rs., ditas estampa-
das, cor segura, padroes miudos e grandes a 320
rs. o covado, ditas transparentes com palminhas TofA fin
de seda a 400 rs., ditas escocezas a 560 rs., isio tu-
fabricantes da Bahia
e especialmente da fabrica imperial de
aSF.erreira Jorge da Costa a 10800,
SKft 2200. 2,5(500, 20800, 30000
^0500 a caixa.
Bio muito superior a 280 e 320
do para liquidar : na loja e armazem do' Pavao,! rsl a llbra e805OO a 80800 rs. a arroba.
ra da imperatriz ^ co i Cartoes de bolinhos francezes muito novos e
v, .os.Mples do Pa^ao. bem muito enfeitados a 700 e 600 rs
fiBuzsgjnsrisz rse p3ios <%*
corpados a 240O, 21600, 2,8800 e 3^000, ditos '
brancos, cor de rosa, azul e amarello a 2000 r.s !----------------------------------------------____________
o covado : na loja de Gama & Silva, denominada
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60.
As novas lias garibaldinas a 500 rs.,
na !oja do Pa>n.
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a
cada^um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo c novo a 260 rs
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 60 0
libra.
Eigos em caixinhas emticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira. D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
de oilo libras e canastrinhas de 1 arroba a
10800, 50500 e 280 rs. a libra.
Farinha do MaranhSo a ICO rs. a libra,
dem de li igo a 120 rs. ? libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca YO
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
a libra dem cm parrafees de 3 e 5 gafcs a 5*500
e 705CO cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700 is. a garrafa,
dem, qualidade especial em garrafas muito
grandes, a 10800 a garrafa,
dem em garrafas mais pequeas a 8C0 rs.
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de
vidro, a 10000, s a garrafa vale o d-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flOr, Am n--
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e j de segunda qualidade a 8C0 rs.
10000 a garrafa, e era caixa com urna du- j dem francez muito nova a 040 rs. a libra,
zia a 90000 e 100000. dem de tempero a 400 rs.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra.
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500, dem em lata a 640 rs.
e *? a cana^a- Marmelada imperial dos melhores conservet-
Idem branco de Lisboa muito fino a 500 rs. 1 ros de Lisboa a 60o rs. a lata.
a garrafa. I Marrasquinho de Zara, frascos grandes,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700, 800 rs.
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs. i dem regular a 500 rs.
Macas finas para sopa: estrelhnha, pnide,
rodinha e aletria a 600 rs. a libra e a 40
a caixinhacom 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs, a libra.
Pe'ixt em latas preparado pela primeira art
de cozinba a 10 a lata,
Paliios de dentes a 160 rs. o ataco.
a duzia.
dem Morgauxe Chateaulumini de 1854, a 10
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
102OOrs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 108OOrs.
Alm dos gneros cima mencionados te-!dem de dentes a 120 rs.
mos grande porco de outros qne deixamos. dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudo ser vendido por' Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
pecas e carnadas, tanto em porces como i Doce de goiaba em latas o melhor possn
retaln- 20 e em caixSo a 640 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima te-; Palitos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 por cento. j Passas muito novas a 480 rs. a libra.
.Vendem-se as naf modernas lazinhas garibal- U5?!!? na rua do Queimado
in:is faTnnili ni,.;,. ,,...., ...... _. .____i___ u6uia or.inra.
raseos com gamma arbica RIVAL SEM SEGUNDO
dissolvida e pincel.
n. 8, loja da
dinas, fazenda inleiramente nova no mercado, sen-
do lodas com listan miudinhas, e Iransparents,
com lustro a imilaco das sedinhas, lendo varias
cores, sendo azul, cor de lirio, carrnezim, cinzenu
e cor de havana, ole.; islo a 500 rs. o covado para
vender depreca : na loja do Pavao, rua do Impe-
rador n. 60 de Gama & Silva.
Os nais m.idernos vestidos Maria Pa, i didoT;rVe5osecommdCosn,iDuaudo a serem vei"
Ni vos albuns.
A aguia branca acaba de receber oulra encom-
menda de bonitos e bem encadenados albuns de
capas de velludo, massa, tartaruga e marflm, al-
iLi?uJaesC(?'n.microsc.0P'0 Para augmentar
Albuos
Tambem chegaram os riquissimos albuns para
oO retrato?, com rapa de tartaruga e de marfim,
cousa muito chique : s no Vigilante, rua do Cres-
po n. 7.
Gtlinhag.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 2*. 2500 e 3; s no Vigilante,
rua do Crespo o. 7.
Enfeites para senhora.
Ki uosissim enfeHes com laco e sem lago e de
ouir.. muitos gostos a ii, 1,3500 e 3#: s no Vi-
gilaue, rua do Crespo n. 7.
Tranceln.
Lindos trancelins ae cabello para relegio ou lu-
netas, pelo baratissimo preco de lioOO, ditos de
retroz a 200 rs.
Babadinhos ntremelos.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindo*
; desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de IJ2O0, 1*000, 2* e 34; s no Vigilante,
! rua do Crespo n. 7.
Cascarrilbis.
Grande sortimenlo de cascarrilhas de diversas
, larguras, assim como galozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, rua do Cres-
po u. 7.
Filas.
Grande sortimenlo de filas de diversas larguras
Deposito geral em Pernambuce roa da
Cruz n. 22 em casa de Caros & Barbn.
Tcfeerma e aoiigue.
Venda-se taberna e acougue uo caminho da
Poledade n. 26; tambo vende-se a iaberna e a
ar/na;o barata, visl) seu ow> precisar relirar-.e.
Vende-se por precisSo a armaciio da loja de e qualidades, por precos que admlram aos^com-
calcado, toda envidracada, da rua da Imperatriz i pradores, havendo Olas largas proprias para cin-
na Boa-Vista n. 13. o aloguel razoavcl, e a casa ,eir08 1Qe se P6de vender a 300 rs. a vara, e peca
tem ao interior botante paco (ara inorada : a de 2 varas a **' S6 no Vigilante, rua do Crespo
iralar na mesma loja cora a vluva de Joo Jo; 7-
Mendesda ilva. pUg it lia.
Fitas de la de lodas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 r. a peca; s no Vi-
na loja do Patas, a 16$
Vendem-se finissimos vestidos Maria Pa com
os corpinhos differentes, tendo todos os preparos e
! com o competente sinto : na rua da Imperatriz n.
60, loja do Pavo.
Camisinhas a 1$0fl0'
Vendem-se camisinhas com manguitos, sendo
mnito bem enfeitadas. proprias para senhoras e
meninas, pelo barato preco-de dez lustoes cada
urna : na loja do Pavao, rua da Imperafriz n. 60,
de Gama & Silva.
Vestidos para meninas.
Vendem-se s mais modernos vestidinhos para
meninas, sendo muito bem enfeitados Maria Pia,
tendo de differentes lmannos, pelo barato prego
de 8 cada um : na loja do Pavae, rua da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Ri.upa feita barata.
Vende-se um grande sortimento de roupa feita
para homens, sendo calcas de bnm branca o de
cor, ditas de casemira prel e d,e cores, ditas de
meia casemira, paletots saceos e sobrecasacos de
casemira e panno preto fino, rolletes de todas as
qualidades : na loja do Pavo, rua da Imperatriz
n. 60, de Gama di Silva.
Grosdenaplede cor a -I600 o covado.
Vende-se grosdena pie de cor azul, branco e pre-
to, rielo barato prego de 13600 o covado : na loja
do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Panno de linbo a 700 rs. o corado.
Vende-se o verdadeiro panno de linho proprio
para lences, toalhas e ceroulas, pelo barato prego
de 700 rs. a vara : na loja do Pavao, rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama Si Silva.
Economa do Pavio.
Vende-se para aeabar, urna perco do retalho?
delas ecassas de todas as qualidades, e por pre-
gos muito era coota; quem tem economa que
pode apreciar : istona leja do Pavao, rua da Im-
peratriz d. 60, de Garre. & Silva,
------------. na rua do Queimado
loja da aguia brancan. 8.
Guiante as para fes tas
A aguia branca nao cessa de cncommendar do
queha de melhor e mais agradavel.e porissoaca-
ua de receber diversas figuras e vasos de pede
peora com lina banha, assim como bonitos frascos
ne excellentes extractos e lindas caixinhas de ma-
deira envernlsada com linas perfumaras, tudo
mu proprio para preseulesde festas ele, havendo
amneirodirijase o pretndeme a rua do Queima-
do n. 8, loja da aguia branca.
Ail fino para engom-
inado
A aguia branca na rua do Queimade n. 8, rece-
beu glbulos de ail fino e frasquinhos cora es-
sencia de dito para engommados.
Outros enfeites.
A aguia branca acaba de receber por este ulti-
mo vapor um novo sortimenlo de bonitos e delica-
dos enfeites de moldes inteiramente novos e de um
apurado gosto, assim pois comparegam os preten-
aentes munidos de dinheiroe com disposigao de
gastar>. na loja da aguia branca rua do Queima-
U n. O.
Rua do Queimado ns. 49 e 55, loja de miudezat
de Jos de Azevedo Maia est continuando a
vender multo barato, pois seu genio dar a fazen-
da por lodo prego a vista dos cobres.
Cartas de alllnetes francezes da melhor qualidade
I a 80 rs.
Grosasde pennas de ac inglezas da melbor qua-
lidade a 640 rs.
Caixas decolchetes francezes de superiores quali-
dades a 40 rs.
Grosasde botoesde madreperola muito finos aS6<
e 640 ris.
Carreteis com 4 a o oilavas de retroz preto lino a
640 rs.
Ream,Lde PaPcl dc Pftoliso mullo Miperora
JfOSO.
Grvalas da liga e de
500 rs.
'MACHINAS DEPATEM
de
trabalhar mo para
descarocar aEgodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
MJil
outras n.mas qualidades a
Vendem-se saceos com 22 cuias de fejao rajado
do Porto por 114, em cuias a 520 : na rua irei-
ta n. 8. v
Vendem se esleirs depalha de rarnauba de
superior qualidade, vfndas do Aracatv : na rua
do Vlgario n. 26, prlmeiro andar.
Venda se urna morada de casa terrea com
bastantes caminados cacimba, quintal erando e
murado, na rua Direita n. 62 na povoaco dos A-
fogados ; tambem se permuta por mitra nesla ei-
dade : a fallar na rua da camboa do Carmo n. 8.
Bixas de Hmburgo
Vendem-se na rua Nova n. 61.
Vende se
nma taberna com poneos fundos o faz-se todo.o
negocio por seo dono ter de retirar se para a Eu-
ropa, na roa Imperial n. 95 a tratar na menma.
^ Vende-ye a taberna da rua do Socego, no
Campo Verde n. 4S, com poneos fundos e bem
afrgaada ; venderse por o sen dono se achar
doHi : quem quizer fazer negocio dirijae a
mesma.
Rilante, rua do Crespo n. 7
Ricos esperaos.
Riquissimos esperaos com moldura dourada'
sem ella de 82 10J, 12* e 14J, assim como com
celumnas de differentes lamanhos a ii, 32 42. 51
e 62 s no Vigilante, roa do Crespo n. 7. '
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto queaqui
tem apparecido; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Para ps de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
cousa de multo gosto a 42500 e 22, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada u>: s no
Violante, rna do Crespo n. 7.
Perfumarlas.
6rande sortimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos oa vasos com dis-
tinctivos e offerecimentos as sinhaslnhas dos me-
mores e mais afamados autoresdParsInglater-
ra, Mcim enmo os grandes eopos de banha japonesa
e a 12, assim como outros ohj*ctos qne ifjo e
Madapole a 7 Vende-se superior madapolo mnito encorpado,
tendo 20 varas cada pega, com 4 palmos de largu-
ra pelo baratissimo prego de 72000 a pega, ditos
muito finos a 82, 92 e 02000. E' pechincha, na
loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cortes de eaaaaa 006.
Vendem-se mulo bonitos corles de cassa, tendo
7 Tarascada corte, com desenhos mulo delicados
pelo baratissimo prego de 32000 o corte; s na
loja do Pavo, ruada imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Corles de chita fianteza.
Vendem-se finissimos cortes de chita fran-
ceza, eora 12 covados, tendo, padrSes escuro e
legres de eores fitas pelo baratissimo prego de
000 acorte; s na loja do PaTo rua da impe-
ratriz n. 60 de Gama & Silva.
Cambraias ligas, na loja do Pavo.
Vendem-se pegas de cambraia lisa muito fina,
tapada e transparente, pelo baratissimo prego de
42000 tendo 8 J/2 varas cada pega, ditas multo fi-
nas a 72, 82, e 2 a pega, ditas Victoria com 10
varas pelo baratissimo prego dc 72. 92 e 102,'di-
las Garrazes fazenda muito encorpada.fazendapro-
pria para forro a 360 rs. a rara ou U2600 a peca ;
isto na-loia do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama 4 Silva.
Cortes de ia a-14000.
Vendem-se cortes de laas garibaldinas, malisa-
das e de quadrinhos, tendo 13 covados cada cort
Pequeos pentes de tur-
taruga.
nh aguia braDra rua do Queimado n. .8, rece-
cenen novamente esses pequeos pentes de tarta-
ruga que por suas qualidades de pequeos, lisos,
bonitos e bem feitos tanlaestma rem merecido pa-
ra as senhoras segurar o cabello quando atado ; a
aguia Dranca porcm avisa aquellas pessoas que os
naviam encommendado e a quem mais queira
aproveitar a occasiao de os comprar continuando
a serem vendidos pelo mesmo preco do i cada
um.
Estando brancos ficam pretos
O bom resultado e o rpido effeito que produz
ra de ebromacoma, motmn abulia**
nlodo de ai
?firT,rJnina^D!inc3r,,e.i ?*l?, dos fregie-1 pelo baratissimo7prVc~W42eW' o eortTlsto"n
ra do Crespo D t 'n" Bi!ante' 8^'" Pav5' imPera'rir w ie n <*
.
, e mesmo o facillimo
jjpJmar tem se tornado mu conhecido e
apreciada por todos que usam della e por conse-
guinte augmentado a extrago, pelo que a aguia
Dranca mandou vir mais o novo sortimenlo que
acaba de receber constando elle de
Caixas com cliromauema para Ungir os cabellos,
rseos com coloriroma para lustrar ditos,
uitos com hydrocallethrchina para limpar ditos
uitos com oryehromantina para limpar as unbas
jabonetes brancos para lavar os' cabellos.
Fomada callicomiphila para dar cheiro aos di-
tos sem ofiender a preparagao feita.
Sapatos dc marrqquim dou-
rada para bailes.
Esses sapatos do grande tom vendem-se nica-
mente na roa do Queimado loja da aguia braia n.
o a o o par.
Meias finas para senhoras
gordas
brn ndem"se na rua do Queimado loja da agola
Esponjas finos para rosto
Veodera-se na rna do Queimado loja da aguia
"ranea n. 8.
Cylindros para pada*
| ria.
Na padaria da roa Direita n. 14 ha para vender
os eeahecido e acreditados cvlindros americanos
para trahalho de padarla ultimamante caegados.
Caivetes para penna com 3 foilias fazenda boa i
800 rs.
Duzia de botoes branco para rasaveques de senbo-
ra a 100 rs.
Pegas de lila de cs estreitas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Portuguez para os meninos a prender
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren
der a ler a 12000.
Camillas da doulrma christaa, finas e superiores a
320 rs.
Pentes tinos de marfim a 12000, 12200 e 12500.
Pares de luvas do seda para homens e senhoras a
500 rs.
Gollinhas para senhora o melhor que ha a 320 e
500 rs.
Frascos com superiores bubas a 240, 320, 500 e
12000.
Livros que serve para assenlar roupa, pelo diminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cordo branco para esparlilhes muito superior, i
vara a 20 rs.
Carrilis cora 150 jardas de linda branca a 60
res.
Cartoes com 200 jardas dc linha branca garant-
d< s a 60 rs.
Grosas de pennas de ago superiores a SCO rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
lhas a 160 rs.
Pares do botoes de punho, oh que pechincha a
120 rs.
Tinleiros de vidro cora tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de botoes de louca prateado muito fino a
160 rs.
Tesonras para costura superior qualidade a 500
ris.
Escovas para limpar dentes, superiores a 200 rs.
Caixas com superiores phosphoros de segnranca a
160 rs.
Caixas com 100 envelopes o melhor que ha a 640
ris.
Caixas com 20 quadernos de papel amizade, muito
fino a 600 rs.
Quadernos de papel pequeo muito fino a 20 rs
V'nlio da laricino Jo Port*
Vende se o superior vinho da Madeira e do Por-
to, em caixas de uma o duas duzias : s na loja
do Vigi'anie, rua do Crespo d. 7. _________
Rui da Senzalla n. 42.
Estas marloas
IKxlemdecamcar
qcalqoer especia
de algodao ->.
estragar o fio
sendo I um,i,!-
a donpessc.s para
o trabalbo; ; mi
descarogar nata
arroba de algi-
dao em earorc
em 40 minnioV,
on 18 airela
por da on 5 ar-
robas de alg'.dao
limpo.
Assim como raacliiuas para senil movidas por
Miman*, que dtscarogam 18 arrobas de ateedao
limpo, icr dia.
Os mesmos tem para vcxder um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis deatt* rracllras
mencionadas ; para o que convidase aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, do aina-
zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47.
Saunders Brothers k C.
IV. II, praca do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Rua do Queimado ns. 49 e 55 loja do Baraieiir
conhecido j como tal, est dispondo da fazenca
por lodo o prego para apurar dicheiro, qcem qoi-
zer venha vt'r e traga o cobre, c ver o seguinte :
Baralhos dc cartas paia vollarele mnito
finas a............................ 2Cr>
Miada.-- de linha Iroxa para bordar a___ so
Pares de sapatos de nanga dc ledos os
lanianliGs e finos a.................. 12266
Massos de superior grampos para cabellos 30
Duzias de palitos de gaz soperiores a.v .. 200
Libras de rea prela muito superior a... 100
Frascos dc superior niacag oleo a .... 100
Ditos de dito perola a.................. 200
Ditos de oleo de babosa mnito finos a 320
rs.e............................... 500
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida.............................. 400
Ditos de banha muito fina a............ 640
Ditos de cheiros muito tinos para o prego
aris............................. 600
Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
i0,e............................ S0
Novellos de linha com 400 jardas a...... 80
Carriteis de liona de cores com 200 jar-
das a............................. 60
Novellos de linba de gaz de todas as c-
' rs a............................. 30
Pegas de fitas elsticas com 10 varas pa-
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C, mJZJSSS^U >"*\...........
seffiDs e silbes ingleses, candiein* e casti- ^ftffi^;$Xl%u\ "
gaesbronzeados, lonas inglezas, nodeveIa,j aris.............................. 400
chicles para carros e montara, arroins para Vara- de ljeos fran''ff*lS|*|ltfflt*<--- -*<*
carros de um e rious cavaHos, e relogios de r^5Kl5?1^H '^*.a- '000
ouro patente inglez. ___________ | 'fff.^!:! >aU
En> da Cammlln N*vn I l^ ** ,rana preta l,M mUo flM
, Caixas com 4 papis de agnlhas Victoria a
iTT
Neste estabelecimento vendem-se: tac
ferro coado libra a
Moor libra" a 120 rs.
UO rs., idemd eLoi
ti Varas de fila preta rom colxfltes a......
Farelo superior de Lislua a 52 o sarro.
Te para vender Antonio Luiz de Olvera Azg.
vedo A C. n,o sen escriptorio rua da Cruz n. I.
~klfMlOS
para 20 at 200 retratos, mnito bons e por menos
prego qne em outra ualqoer parle: na rua do
Crespo q. 4.
Libras de laa sorlida de lodas as cares a
Bonecos de choro-multo bonitos a......
Canas de obreias de ma ssamolo novas a
Varas de franja .branca e deires para
toalhas a.........................
Frasco*de oleo* Phocomeseopenor a...
Ditos eom superior tinta a320 e.........
Caixas de linha de gaz com 50 novellos a
Enfladores para espartilho .........
Duzias de botoes encarnados para vesii-
ot a..............................
so
360
40
62500
IW
40
SO
6W
500
l*
200
*
I I l~a#%l\ #1



f
1
Diario de Pe-raamfei

Ildr Jaaelro de 1 8&
i
!
1
0 dono dos j muito acreditados armaaens de raolhados denominados Aurora
BriltaaHe, acaba da reeeber de sua propria encommenda, muilos gneros delicados
praarios da prsenle estadio, e tendo grande sortimento comprado aqui.aflanca que toas
us seas gneros sao de l." quaiidade.
A seguate tabella servir a todos de base para ajuste de contas aos por-
tadares.
Xenhura armazem vender mais barato, e raelhores gneros do que a Aurora
Brillante, j pelo grande sortimonto qoe tem, j mesmo por sen dono se aehar encora-
raedado ein sua saade e ler de vender um de seus armazens agera, e o oulro na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveitar urna quadra destas para se comprar
barato.
Latas com 8 libras de cheuricas muito novas,
a 7,5330.
Ditas grandes com peixe em postas inteiras,
mais de \i qualidades, a 15000, 15280 e
lM0.
Ditas co;n ostras, eicelleote petisce para fre-
gideira, a 70 rs.
Bitas com ervilhas novas, ensopadas, a
79 rs.
Ditas com fu vas, a OiO rs.
Di us ceui ameixas a 1.J200, I 800 e 3*500.
Ditas com marmeiada do afamado fabrican-
cante Abreu, a 880 rs.
Ditas de massa de tomate, a 500 rs.
Ditas cam figos de comadre, Boros, a 10500,
2 e 2500.
Ditasrom bolachinhade soda muito novas, a
25000.
Ditas com blscoitiohos inglezcs de muitas
qualidades, a 15400.
Chocolate.
Chocolate superiur muito qovo, a libra a
1*210.
MicanD telharim e aletria amarella.a libra
a i9J rs.
'lito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caixas com estrelinha, pevide e outras mas-
as, a cu xa :i5500.
Ditas dita em libras a 640 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
Sevadinha para sdpa a libra a 240 rs.
Ervilhas seccas, a Ifhra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
Parinha do aramia verdadeira, a libra a
100 rs.
Arraz do Maranho, em sacca a arroba a
25400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 35200 e a
libra a 100 rs.
Toucinho de Lisboa a 95500 a arroba e a 320
rs. a libra.
Dilo de Santos, a arroba 75000 e a libra a
2ti0 rs.
Molhos rom 125 soblas grandes, a 15280.
Mostarda franceza caixa com 2 duzas a
titeo.
Frascas com moslarda preparada em vina-
gre, a 400 rs.
Ditos com conservas inglezas e francezas,
a 610 e 800 rs.
Dilos com sal refinado fino, a G40ea500
ris.
Ditos com a verdadeira genebra de laranja
a 15200.
Dito< de 2 garrafas de Hollanda verdadeira,
15000.
Ditos de 1 garrafa de Hollanda verdadeira,
a 610 rs.
Botijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
(iarrafoes com 2_galoes cora dita,-a 65000.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 65000.
Vinho mscate! de tetuba, a garrafa a
15000.
Marrasquinho verdadeiro, frascos a 800 rs.
e a 15200.
Champagne, a duzla 205000, e a garrafa a
25000.
Azeite retinado portuguez e francez, a gar-
rafa a 15000.
Caixa de vinbo Hordeaux muito superior, a
75,85, 95 e 105 caixa.
Ditas com dito branco, a 75000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a 205.
Ditas cora duque do Porto verdadeiro, a
185000.
Ditas com ehamisco suserior, a 145000.
Ditas cora Porto veltao e outras mullas mar-
eas, a 125000.
Yinhe do Porto da pipa, a garrafa a 640,
729 e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bem, a caada a
35200, 35500 e 45000, e a garrafa a 500
e 360 rs.
Dita da Figueira, das seguales marca, (N.)
(J.'A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
45500 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
que j est engarrafado e lacrado com o
rotla do armazcm.
Ditos de marcas mais desconhecidas, a cana-
da a 35500 e 45000 e a garrafa a 480 e
52t rs.
Vinbo braneo fino, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrara a
800 rs.
Viuho terde superior.
A caada a 35500 e a garrafa a 480 rs.
emnia.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se
engomraar, a arroba a 35000 e a libra
Sabio massa, a liora a 200, 240 e 280 rs.
Hrintaa.
: accas grandes com farinha de Goianna mui-
to nova, a 5500t>.
Ca.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 85,
85500 e 95OOO.
Ca.
Cha temos uestes gneros o melhor posslvel,
hysson, a libra a 25600.
Dito perola a 35000.
Dito uxim a 25700,
Dito hysson muito lino a 25800.
Dito redondo a 25500.
Dito prelo de primeira quaiidade a 2&0UU.
Bito mais baixo a 25000 a 15600.
Erva mate.
Escolente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Esperncete.
O masso cora 6 vellas de espermaoele a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prlas para minios a 45 e 2$500.
(tan.
Nozee, a hbra 160 rs e arroba a 45000.
Alpista f paince.
Alpista e pah.co, a arroba 45000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
Cartas finas para jugar, a duzia a 25300.
Caslanhas.
CasUnhas novas viudas neste vapor, a arro-
ba 45000 c a libra 200 rs.
Azfiloaas.
Barris com azeitonas novas a 15500
Manteiga.
Manteiga flor, a libra a 15000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a libra a
660 rs.
Dita para tempera a 400 rs.
Queijos.
Queijos novo vindos neste vapor a 35200 e
35500.
Ditos londrinos muilo novos, a libra a
15OOO
Papel.
Papel almae.0 pautado, a resma a 45800
Dito dito lizo de linho, a resma a 45300
Dito de peso lizo e paulado, a resma a
2550O
Dilo de embrullio bom a 15 e 15200.
Violto Madeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 15500 e 25-
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 4i)0 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba retinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendaas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixes de doce de goiaba, grandes a 15400
e pequeos a S40 rs.
lijlos de limpar.
Tijoios de arear facas a 140 rs.
Grana.
Duzas de boioes de graxa n. 97 a 25600, e
de latas a 15000, e os beiSes a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Rahia por diversos precos, caixas e raeias
gcaixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nnnciar-se.
NEH COROAS NEW MITRAS lM
GKVYIE
DE

RA DO IMPERADOR *. 40
Justo tt sebrado em que mora e Sr. Osborne,
Duarte Almeida dr. C, receberam de ana propria eieonaei-
da o nsals lindo e variado sortiineco de molhados, proprlos
ia presente estaeo.
Manteiga ingleza Macas brancas
da safra nova vinda no ultimo vapor a 1,000 para sopa a melbor qoe se pode desejar,
rs. a libra eem barril a 800 rs. j macarro, talharim e aleiria a 400 rs. a
Manteiga franceza libra e 40500 a caixa.
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril Vinho
Flgueira J A A e outras muitas mareas acre-
ROPA FEITA
ff
o
ABBAZEI
M
XJETREXRO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
toda as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concer-
rentes, para o que tem um dos melhores professeres, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
SI
Pecnincha sem ignl.

Lindos cortes para vestido de percales de cores
claras e escuras com grande variedade de -padrees
pelo baratissimo preco de A$ o corte: na Inja das
c lumnas ra do CrcspQn. 13, de Antonio
rea de Vaseoncellos C.
for-
Farelo de Lisboa,
-
Vende-se superior farelo e saceos grandes, e
por preco commodo, viudo pelo allimo navio : na
ra da Amorlm, armazem a. 50.
P0T4SS4
30^000
253000
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2iS(400, muito propios para mimos,
Oartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 1*300.
Chocolates
de todas as^uadades a 10000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos vellios para 500 rs.
Queijos flamengos
cliegados neste ultimo vapor a 206oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 2^600 cada um,
Queljo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo iateiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas^
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricimentc douradas,
proprias para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
o melbor que se pode desojar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
30 a 20600.
dem perola
especial quaiidade a 25700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 2600.
Massas amarellas
para sopa, macarro, talharim e aletria a
480rs. alibra.
t'OHVAC
0 muito afamado cognac Pal Brandy a i,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a l,ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPO
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a O e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e deoutras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
1 de excellenle quaiidade a 2#200 a resma,
SER PAPEL
' azul e pardo para embrulho de 1,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo is. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumu americano em chapa a
1.4oors. alibra.
Vinagre
PRRem ancoretas de 9 caadas a i5,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caia
e l,ooo rs. o molho.
Alpista e htiuco
o mais novo do mercado a liors. a libra,
o 40400 a arroba.
CEBLAS
muito novas a 15000 o cento na ra do Qoev
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
GRAO DE BICO
muito novo a 30400a arroba e 140rs. a li-
bra na ra doQueimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carino n. 9.
QUEIJO SUISSO
muito fresco a 800 rs. a libra na ra do
Quetmadoa. 7, ra do Imperador n. 40 e
largo do Carmo n. 9
Yene-sa potasa m fcanis a eonm*> pfeco o
na m 4a Crui n. 3, arimeiro andar, senpton:
de Antonio te Alaeiia Sames.
*m
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisbea
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado dos melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas so asseguintes: Chamisso AFilho,
F. 4 M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro eoutros muitoi.
Latas
com 10 '.ibras de banda a 40000.
Bolachinha ingleza
a* 10800 a barrica da mesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r* .al bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas 6,40500 a 5500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outres em
meias caixinhas a 15500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1. e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 803f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafes
com 4 V tarrafas com vinagre a loOOOsaa
o garra fifo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de H0OOC
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 co
12 frascos.
GENE3RA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a Coo
rs. cada urna.
PALITOS'
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
nos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmeiada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
MaranhSo, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em cai.xa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a. libra.
Passas muilo aovas
em quartos e inteiros a 20 o quarlo e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mjis especial que se pode de-
sojar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao
Frutas em ealda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
a 600 e 10 o caixSe.
GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar
robae 140rs. alibra na pa do Qoei-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e largo
do Carmo ?.. 9
BOLACHINHAS
em latas de defferentes qualidades a 10200
' a lata
QUEIJOS FLAMENGOS
chegadosneste uRimo vapor a 25800 na ra
do Queimado n. 1, roa do Imperador n.
40 e largo do Carmo n. 9.
Ditos de setim preto. 5#tOdj
Ditos de ditos e seda braneo,
I .......wootj
Ditos de gorguro de seda
preto e de cores, 60, 50 e 40000\
Colletes de fust3o e brim bran-
co, 30500, 30 e 20500
Seroulas de brim' de linho,
20490 e......20*00
Ditas de algodao, 10600 e. 10400
Camisas de peitos de liaho,
4* U e.....\ 20500
Ditas de madapoISo, 20500,
20e........106*)
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. 80500
700001 Ditos de filtro, 50, 4 30500 e 20OtO
Ditos de sol, de seda, 120,
110, 70 e......60OO9
Coliarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. 60000
Sortimento completo de grava-
tas, i
Toalhas parroste, duzia, 110,
e........60000
cores, 90 e. ..... 70000'Chapeos deso, de alpaca, pre-
Ditos de casemira preta, 50 e 400001 tos e de cores.....40000
Ditos- de ditas de cores 50 Lences de bramante de linho. 30000
40 e........30500 Cobertas de chita chineza.. 20500
Casacas de panno preto, 350 e
Sobrecasacas idem, 300 e .
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e......100000
Dites de casemira, 200, 150,
120, 100 e...... 70000
Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50, 40 e......30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. .
Ditos branco de linho, 60,50 e
Ditos de merino preto de cor-
d5o, 100, 70 e.....
Calcas de casemira preta, 120,
190, 80 e......
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....40000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
Colletes de velludo preto e do
30000
40000
50000
70000
40000
20500
20500
r"K
DE
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularan! os mesmos precos nos seguintes lugares:
DE
J. VIGNES.
.V 55. RA DO IMPERADOR M. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para que seja necessario insistir sobre t
sua superioridade, vantagens e garantas que oerecen aos compradores, qualidades estas iacootesta-
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tra apparecido nesta praca ; odo-
suindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sea-
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos iniportaa-
tissimos para o clima deste paiz ; quanto as vozes sao melodiosas e Saltadas, e por isto muito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encomoiendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vigiles, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expasiedes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um esplendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo Tendido por
pregos commodos e razoaveis.
CONSULTORIO MDICO-CHUMO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundo 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
horas da manli5a, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepeo dos dias santificados
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisac5cs e petos preces seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes,
de 24 tubos grandes,
de 36 tubos grandes,
de 48 tubos grandes,
de 60 tubos grandes.
120000
180000
240000
300000
350000
0 Verdadeiro Principal rna do lustrador n. 40
NOVIDADES.
Queijos do .Vlentejo, ditos das ilhas o mais fresco que se pode dese-
jar a 10200 a libra, e sendo inteiro ter algum abatimento, ricas caixinhas
redondas enfitadas, proprras para mimo da festa pelo barato prco de 40
cada urna, ricas caixas de figos tambem proprias para mimo de 800 10800
cada urna. Vende-se nicamente' no armazem Verdadeiro principal, ra do
Imperador n. 4.

Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os raja i li
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco deftfntura demeiaonca 10' 00.
Sende para cima de 12. custaro os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris. -*
LITROS.
A melhor obra da homeopalhia, o Manual de Medicina Hotneopathico do Dr. Jahr,
dons grandes voluntes cem diccionario ........... 205000
Medicina domestica do Dr. Bering, |......... 100000
Repertorio do Dr. Mello Moraes. ......... 60000
Diccionario de termos de medicina........... 30000
Os remedies deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensam portao-
to de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios ver-
dadeiros, enrgicos e duradores : ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservado, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e accorada preparaco, e portanto a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casi de sade para escravos*
Recebe-se escravos para tratar de qualqer enfermidade ou fazer-sc-lhe qualquer
operado, para o que o annunciante julga-se suffieiinteanta Mililiilu.
O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa a mais de quatre annos, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, que pdera ser consultados por aquellas que desejarwn mandar seus*
doentes.
Paga-se 20000 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
As peracoes serao previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
azoaveis'que costuma pedir o annunciante.
Vinho do Porto especial.
O mais generoso e genuino vinho do Porto, mar-
cas novas e especiaes, m caixinhas de 12 garra-
fas, sendo marcaRainha de Portugal a 18000
a caixa, e marra Pedro V-a 160 ; em porcao
far-se-ha am abate razoavel : no armaiem de Fer-
r,elra & Matheus, junto ao arco da Conceicao n.
66. No mesmo armazem ha tambem excelente
vinho do Porto em ancoretas de 32 garrafas a 300
' cada urna, t em porgio por mpnos alguma etiasa
~Vendem-'se charutos da Rahia de varias qua-
[Odades : em casa de Monnard & C. rtia do Tra-
fiche n. 48.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz. da melhor quaiidade a
10 a lata : nos armazens da ra do Im-
perador n. 16 e ra do Trapiche Novo nr "8
UU------->--------.
Veoa-se supeaaar vlaha do Parto tm aaixas de
UXCSS to J-KWrrri. dTAihuqueTqrAxevedo C.: na sea escritorio
do A'fario a. 3.
Superior cal de Lisboa.
Vende-se sopertor cal j oMC* a mais nova
que ba ae mercado, tanto em porcao como a reta-)
Iho per barato tr_v>, ananc,aodo-se aos compra- \
aorta uperior qnaWade : a tratar as segnittes
ras : Crespo n. 7, Imperador n. 51, Ferte do Ma-
tos, armaiem do algadao-____________, -
"~" Vinho do Parte upfriftr
em barris do oittvo e dcimo, vena Antonio Liiz
rea a Cre 1.
Fabrica Conceicao da
Bahia.
Andrade ic Reg, recebem constante-
mente e tem venda no sen armazem n.
34 da ra do Imperado, algodao d'aqael-
la, fabrica, proprioara aaccos de assu-
car, embalar algodao em pluma etc., etc.,
pelo prec/> mais razoavel.
Casaes o pomots e bortacaas.
Vendem-se casaei da poraboa bons bateioras, e
borrachos. na ra larga do Rosarlo n. 5i, lercel- do Crespo 5, um paleo de
ro andar.
AGBNCIi.
AGENCIA L0W-M001.
' Roa da Senulla eva n. 41
Neste estabelecimento contina a haver
am completo sortimento de moendas e meias
moendaa para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos. _
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se
tun excellenle cirro americano com 4 ro-
das e arreios para um e douscavallos sen-
do muito maneiro e leve, o qual tendo si-
do todo reparado de novo se acha no me-
lhor estado de perfeicSo e asseio : a tratar
com Antonio Jos Rodrigues de Souxa na
roa do Crespo n, 15, das 10 horas do dia at
as 3 da terde. ____________ :
Vende-se en casa de Marcelino 4 C. na roa
dimane le sed
branca, vindo da Lisboa pelo ultimo tapar.


Ti


D lar lo de PerpaatbMc* arla letra i i de Janeiro de I SO&

JOS GOMES VIIiLlU
Coni loja de fazendas a ra do Crespo n, 17.
Pretndelo Ir muito brave a Europa tratar de sua saude, pede aos seos (levadores
tanto do mato como desta praga qae-Mldem seus dbitos quanlo antes, assim como
Est liquidando
o sen importante estabeleeimeato de fazendas vendendo tudo por pregos qne na realiaa-
de admiran; aproveitem Excellentissiraas senhoras
As fazendas de apurados gostos
As fazendas de apurados gostos
As fazendas de apurados gostos
E por pregos que admlram
E por presos que admirara.
UEUAIi ltECOMMKXA^iO
' 23-Largo do Trco-23.
Joaquim Siuw'i dos Santos, dono deste bem sonido armazem de raolbados faz sciente erag
recommendago aos seus amigos, freguezes e a todos em geral, que esta resolvido a vender os seus
bera condecidos gneros de primeira qualidade, por menos de 10 a 20 por cento, menos do que em ou-
tra qualquer parle a dinheiro contado, e todo o comprador que comprar de 505 a 100* lera o descon-
t de a a 10 por cento pelo seu promplo pagamento; e por isso se faz annuncio de alguns gneros,
para com esto melhor se certificaren!.
Massas para sopa raacarrao, talharim e aletria a
340 rs. a libra e em caixa a 5J.
foucinhe de Lisboa alvo muito superior a 281 rs.
a libra e 85800 a arroba.
Caf do Rio de primeira e segunda sorte a 260,280
a 300 rs. a libra e a arroba on sacco a 89 e
85300.
Choaricas as mais novas do mercado a 560 rs. a
libra e em barril a 125.
Passas viudas pelo-allirao vapor a 400' rs. a libra
e a caia a 85.
Batatas eragigos de 33 a 40 libras por 25400 a ar.
roba e a 80 rs. a libra.'
Cb hysson m i u din ha superior qualidade a 15200,
25000, 23500 e 3} a libra.
Vinho de Figueira, Porto e Lisboa em pipa a 560,
300, 400 e 640 rs. a garrafa.
dem propria para negocio a 320 e 360 a garrafa tos gneros que enfadonho menciona-Ios, e se al-
e a caada a 2400 e 25700. I gnem duvidar venba ver.
Milho alpista e paingo muito limpo a 140 rs. a li-
bra e a arroba a 45400 e 4; 200.
Pnosphros do gaz vfndos por conta propria a 180
rs. o macote a 25 a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga-
lo a 25800 e a caada a 45500.
Serveja das marcas mais acreditadas a 500 rs. a
garrafa e a duzia a 55800.
Figos de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
era barril ou caixa se far abatimento.
atroz do MaranhSo e Java a 100 e 80 rs. a libra
e a arroba a 23890, 25 e 25400.
Assim como ha um grande sortimento de charu-
tos e genebra de Hollanda, tanto em frascos como
em botijas, bolachinhas de soda, conservas, choco-
late, marmelada, vinho engarrafado e outros mui-
Nova liqoidacao de faztBbasal o fin
do mea, para fechar facturas vtnde-s nuito
arate, por ser o 1111110 Biei d fesla, que a
reeaeics deven apraveilar : na leja e araaum
da Arar, roa da Inaeratrix n. 56, de Loar-
co Pereira Mendes4uinaries.
Fazeddag especiaes para sensora.
Vende-se ricos cortes de vestido de lia a Mara
Pia para senhora de bonitas barras a 85,105,135,
145 e 165 o corte : na ra da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
A Arara vde a 2*5400
Cortes de chita de cores fixas cera 10 covados
a 25400 e 352OO ; cassas de cores a 120, 360 e
400 rs. o covado : na rna da Impera riz o. 56,
loja da Arara.
Caries de cambraia de slateos a 2^408.
Vende-se corles de cambraia de salpicos a
25400, 35 e a 45OOO a peca, ditos di cambraia
liza e fina a 35500, 43500,55500 e 65, tiras bor-
dadas para enfeitar vestidos e entrenwios a 15 e
a 15200 : na ra da Imperatriz n. f6, loja da
Arara.
Soulembarques a 7, 8, e a lGj.
Vende-se soutembarqne de lazinhas de cores
para senhoras a ~5, 85 e a 105, dito je grosdena-
ple preto muito enfestado a 203, 253 fl 303 : ricas
capas de grosdenaple a 2P3, 253, 305 e 353, para
liquidar : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
A Arara vende de coresa lpakapan vestido.
Vende-se alpaka decores para vestidos a 360
rs. o covado, challes de lazinhas a 1J6C0 e 15280
dito de merino a 45500, ditos tinosa 43500, 75Le
85 : na ra da Imperatriz n. 56, loja! da Arara.
Cassas da Arara a 280, 320 e 400 res o covado.
Vende-se cassas de cores a 280, 320 e 400 rs.'; o
covado, lencos de seda a 800 e 15 : na ra Imperatriz n. 56, loja da Aiara.
Lazinhas a Mara Pia a 500 rs.
Vende-se lazinhas a Mara Pia para vestidos,
com palmas de seda a 500 rs, o covado, ditas de
cores a 320, 400 e 500 rs ditas lizas de cores pa-
ra capas e vestidos a 560 rs. o covado, casemiras
para capas de senhora a 13800, 23500 e 35
ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A Arara vende chitas a 240, 280 e 320 rs.
Vende-se chitas de cores fixas a 240, e 2f 0 rs.
o covado, ditas francezas a 320, 360, 440 e SCOrs.
Palito! de alpaka. '
Vende-se palitots de alpaka pretade 35 e 33500,
ditos finos de cordo, lizas e brancas a 45 : ra
da Imperatriz n. 36, loja da Arara.
Ao baroleiro da ra da Impera ti z d. 06.
Vende-se serenlas a 15280, ditas iraneezas a
13000a 15 : e outras muito boas fazendas qne o
freguzencontrar na leja da Arara, ra da Im-
peratriz n. 56._________________________
AGUA FLORIDA
3QKH
MURRAY & LANMAN
A agu florida de Murray & Lanmaa,
olhada como um artigo de perfume, nao
tem podido ser igualada pelas prepararles
as mais cistosas: conserva seu aroma,como
se formasse parte da prenda a que ella se
applica. Sua efflcacia tao delicada, como
elegantes sao seus multiplicados usos, quer
seja empregada como artigo de toucador,
quer no uso dobanho, ou como suavisador
da pellp, depois que se tenlia feito a barba ;
j para limpar as gengivas ou aromatisar o
hlito.
D suavidade, brilbo e elasticidade as
compleHoes,depois de se ha>er lavado; al-
livia a irritacaude eropces ordinarias; fs*
desapparecor o desagradan el aspecto des
pannos, dasf ardas do rosto, rugas e toda a
e covado, percallas para vestidos fieos 3 SCO e 560 C3S|a q cbolitf, e d vigor fi frescura a
rs. o covado, camisinhas para senhora a 15,136^0
35 e 435C0, gollinhas para senhoras e meninas a
240, 320 e 500 rs.,'enfeit(s para cabera a Maria
Pia a 15,15400 e 25, para kquidar : na ra da
Imperatriz n. 56.
No armazem de fazendas ka-
ratas de Santos Coelho,
- Raa do Queimddo V 19,
Vende-se o segtiinte :
Atlengaol I
Ricas lazinhas, fazenda a melhor que tem vln
do ao .mercado, lauto em gosto como em qualida-
de, pelo baratissimo prego de 560 rs.o covado.
Ditas miudinhas carmezins, proprias para vesti-
dos de meninas e camisinhas a 640 o covado.
Cortes de laa com 15 covados, pelo barato prege
de 65-
Cobertas de chita da India a 23500 e33.
Lenges de panno delinho a 25 e 25500.
Pegas de cambraia de forro com 8 1|2 varas
35200.
Toalhas alcochoadas proprias para maos a 55 a
duzia.
Ricos cortes de 15a com barra Maria Pia a
185-
Pegas de platilhas de algodo com 10 varas,
proprias para saia a 45- ,
Algodo enfestado cora 7 j2 palmos de largura
a 151OO rs. a vara.
Este ira da India, propria para forro de sala de
4, 5, e 6 palmos de largura, por menos prego de
que em outa qualquer parte.
Neste estabelecimento tambem se encontrar
um grande sortimento de roupas feitas, e por me-
did-a _______________
Libras esterlinas.
Vende-se ao preco corrente de 9<5 por
cada urna: na ra do Crespo escriptorio
n. 15.
COMPENDIO DOLOROSO
que contem o officio de Nossa Senhora das
Dores; o modo de resar -e offerecer a co-
ra, um setenario e mais outros ejercicios
de piedade e devoco; ordenado pela ir-
mandade dos servos da mesma Senhora,
que se acha erecta na egreja de N. S. da
renha do imperial hospicio dos reveren-
dos padres missonarios apostlicos capu-
chinhos italianos de Pernambuco, approva-
do por S. M. L, que Deus guarde; jlado
luz por devocjSo do muito reverendo
padre Fr, Placido de Messina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia .
ulu
Feijao.
9- Rna Vende se feijao mulatinho novo, saceos de 22
filias, o mais novo que se pode desejar, e mais
barate do que em outra qualquer parle.
~ Vndese um sitio na estrada novando sobra-
do grande para diarite, defronte do sitio da viuva
do Villa Secca, coro portao encarnado : ijuem o
pretender, dlrija-se ao mesmo, que achara com
quem tratar.
Cozinheiro e boleeiro.
Vende-se nm esrravo mogo, cozinheiro e boleei-
ro, perito em qualquer destes offlcios : trata-se
na ra do Destino, casa terrea c. 18, com Seve-
rlano Muniz Pacheco.
baldea americanos para senhora.
Vende-se baldes americanos, os melhores qne
lem vindo ao mercado, de 20, 25. 30 e 35 arcos a
23300, 35 e 355*0 e 45, ditos de brilhanliua e
musselina a 45300 : na rna da Imperatriz n. 56,
loja da Arara. 1
Fazendas para henem.
Vende se cortes de caigas de brim para homem
a 13600 e 25, ditos de casemira a 33, 35500 e
45500 55 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara. ^
Koupa feita para hornern de Icdis as qnalidadrs.
Vende-se palitots de brim de coresa 23,25500 e
35, ditos branco a 25500, dito de linbo tino a H
ditos de alpaka de cores e trancos a 55, ditos de
meta casemira a 43500 e 53, ditos de casemira a
65, 83, 105, 105, 165 e203, ditos de panno fino
preto a 85, 105,145, <65, 205 e 305, calsas de
brim de cor-a 25 e25500, dita de dte branco a
25 ditas dedito de linbo a 35500 e 45. rolletes de
parle onde quer que se appiique. Sua efi-
ciencia e-elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso appli-
ca-la cmo eslimu'ante e antisptico, nos
concursos e assemblas numerosas, as lo-
calidades infeccionadas, a alcova de um
enfermo, assim como um antidoto exced-
iente para os desmaios causados por cansa-
fo ou suffocacao. Preparada nicamente
por Lanman & Kemp, Nova-York, e a venda
por Cao;s & Barbosa.
Joo da C. Bravo & C.
Vendem-se no Recife em casa de Caors &
Barboza e Joao da C. Bravo C.
Espei-aa^a
Xuvas de pellica, brancas, pretas e de cores;
em as brancas ha especialidade e urna forma in-
teiramente nova, cadeias de ago pollido e faciadas,
veltas de contas zoes turqoezas, brincos balao a
800 rs. o par, Paletina de cabello a 55000. graixa
econrmica a 320 rs. a caixa, tinta communirativa
23, de brim a 'soVde casimiras" de 1e depois de 8 dias se pode tirar copia para esta
cores e pelas a 35300 e 45, calsas de casemira a especialidade anda nao apparecen plagiario, e
55, 69 e 85, de meia casemira a 35 e 33500, ca- 'eites com rifa de froco, a Esperanga leve pelo va-
ratas francas a 25 e 25500, de linho inglezase por estes m^?*********^
nrPsIarifa a 3s l&soo oravatas de todas as tivesse recebido, porem nem por isso os vender
Seiudades de 500 800 le 15400 collarinho W mais de **m- mai,as especialidades qne naa
r,otsdoSs1aera\n0no8s0Luileffi
quidar por ser lempo de tota : na ra d Impera- ? Que.mado n. 33 A, que se vender barato e a
triz n. 56, loja da Arara.
Colchas para cania a 2.
Vende-se colchas de chita para cama a2#, ditas
de damasco a 45- ditas de fustao a 59, chitas para
cobertas a 320, 360, 400 e 500 rs. o covado : na
ra da Imperatriz n. 36. loja da Arara,
A Arara vende madapole entestada a ift.
Vende-se pegas de maJapolao enfesjtada a 45 a
pega, dito inglez de 24 jardas de n. 30, a 65, de I
a 53500, n. 250 a 63500 a 73300, 5 83500,
8B4J 93000, R. D. P. 105, ZZZ 113, n. 20, dito a
145 a peca ; alsodozinho marca S a 55500, dito
carne vacca a 73, dito dsmestice a M300, dito
pau ferro a 83, dito SL9 a 103, dito T al 103 e 123,
dito sicupira a 85500, para liquidar, na ra da
Imperatriz n. 56, leja da Arara.
Versos ao Divino
Acham-se a venda na ra do Imperador n. 15
defronte de S. Francisco por prego de 160 rs. ca-
da um exemplar em brochura, versos ao Divino,
propriospara se cantarera depois ou antes de
qualquer solemnidad?, testa, novena eu mesmo
em casas particulares.
Testamentos.
Acham se a venda os seguintes testamentos,
obras proprias para entreter em horas vagas na
ra do Imperador n. 15, defrente de S.Francisco :
da gallinha, gallo, per, leio, onga, tigre, caxorro,
vigario, porco, pelleja entre urna alma, S. Miguel
e o diabo a 160 rs. cada un exemplar.
Grande armazem de tintas.
RA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de Hutas um grande deposito de
productos chimicos e ulensis os maifempregados
e usados na pharmacia, piatura, phoio^raphia. tin-
turara, pyrolecninia (fogos de artificio) eeui outras
industrias.
Montado em grande escala, e suppnndo-se di-
rectaraentn as princlpaes drogaras de Pars, Lon-
dres, Haraburgo, Anvers e Lisboa, pode oderecer
productos de plena confianga e satisfazer qualquer
encommenda a grosso trato e a retatbo, per pregos
razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
com promplidao qualquer pedido de lilas raoidas
a oleo, cuja qualidade e pureza de seus iugrodien-
les podar ser examinada pelo consumidor, o que
nao fcil fazer com aquellas que sao importadas,
e que se enconlram no mercado em latas fechadas.
Tem grande collergo de vidros de differentes
formatos, desde ama oitava at dezeseis ongas de
capacidade ; de vidros para vidracas e diamantes
para corta-Ios ; depinceis para fingir madeira coro
propriedade e outros; de papis dourados e pra-
teados e folha* de gelatina para ornamento; de
papel grande e pequeo formato de vanas cores
para emhrulho, para forro de casa, para desenho
com fundo j feito ; de papel albnminado e Bristol,
verdadeiro saxe para photographia e para filtrar,
e outros ; vernizes de essencia para qnadrns, de
espirito para madeira, copal para o interior e ex-
terior '; oleo graxo, oleo seccalivo, oleo de linhaca
clarificado, oleo de oielel, secativo de Harlim, ouro
verdadeiro em p ; prata, euro, e estanho em fo-
lhas de varias cores ; tintas vegelaes, inoffensi-
vas proprias para confeitarias; la de cores, e
ollios de vidros para imagens; tintas era tubos e
telas para retratos ; tintas em pastis e em p pa-
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
roly, jasmira, bergamota, aspice, patchouly, mbar,
bouquet, limao, alcaraiva, melissa, ortela pimenta,
tiiro, cereja, alfazema, Portugal, lima, junpero,
ans da Russia, caoella, cravo e muitos outros ob-
jectos que s cora a vista poderio ser mostrados.
Joao Pedro das Neres,
Gerente.
ATTENCAOT
Em Santo Amaro no principio da estrada de
Belin casa encarnada vende-se_9 moradas de ca-
sas pequeas de pedrae cal, ctiaos proprios, com
quintal de 160 palmos de fundo e 16 de largo, ten-
do a casa 40 palmes de fundo a 4005. rrndem 65
por raez. Vende-se mais no mesmo lugar dous
sitios com boas casas de vivenda, cacimba d'agua
de beber, dous grandes viteiros de peixe, tendo
um 115 bragas de comprido e mais 4 pequeos,
muitas arvores cora mais de 40 qualidades de
fructas, grandes baixas de capim aonde se con-
serva lodo anno, nm banheiro de pedra e cal,
cercado para gado e carril, proporgoes para ter
sempre 6 vaccas de leite, trra cultivada para
planlagoes acede ja tem mandioca, algodo erva
co e d crioulo, 300 ps de caf novos, grande
plantar ao de sraruta etc., nao tendo estas propie-
dades necessidade de cercas por ter naturaes,
tendo alm disso excellenle porto de embarque
dentro do mesmo sitio, alm das excellentes casas
de moradia qee tem e ser chaos proprios, tem de
mais a mais muita lenha de mangue : vende-se
assim como as casas cima annunciadas tudo jun-
to ou separado.__________________________
Assucar ervslalisade da fabrica
2 de Julho
Na Bahia.
No ai mazera d. ruada Madre de Dos n. 28,
ha venda o ir^ultcrsuperior assucar crystalisado,
em saceos e 2 arrobas, ao prego de 55 cada ar-
r:;!^__________________________________
Vende se caixes vazios proprios
para hahnleiros e fnnileiros a 1$760
cada nm; nenia typegraphia._______
Vende-se ama escrava com 19 anuos de ida-
de, e urna cria : a tratar na travessa da Concor-
dia nJH._______________________________
Vende-se um escravo de 30 e tantos anno'
de idade : na ra do Rangel n. 58, sobrado.
Vendem-se alguns viados muito mansos,
tendo j crias : na ra da Gloria n. 75.
Fugio no da de segonda-feira-26 de dezem-
bro deste anuo, o mulato Mauoel, eseravu do abai-
xo'assignado, o qoal lem os signaes siguiles :
baixo, cheio do corpo, cor clara, eabi-Uoa grandes
e perneados, metade de um denle da fireale que-
brado, cosluraa andar calgailo, de paletut e chapeo,
levou caiga e camisa branca. Este mulato fui es-
cravo do Sr. Antonio da Silva Gusmao, coquina
dizerque livre : rogase a todas as auiorida.h-s
policiaes e rapiles de campo, de o appreh-nd
rem e levar a sen senhor, Frederico Gnotier, den-
tista, ra Ncva n. 19, que ser bem recompen-
sado.
Anda fgido o *scravo Manoel, de idade de 30 a
40 annos, baixo. reforgado, de cor jiret.i, partm
fulo, e tem 6 dedos em cada nio : qoem d,--
souber ou der noticia, dirija-se ao armazem dio
Jcajuim Antonio Pinto Serodio, ra do Bruto, iu
ra do Trapiche n. 36.
Fugio no da 8 docorreulc, um escravo de
nome Jos com os signaes seguintes: ( cabra es-
curo, estatura baixa, cheio do corpo, pa larjpn a
quando anda faz um geito as pernas para d>i.t.v,
tem pouca barba, cabello carapinbo e lem urna eatnz bem visivel em um lado do queixo, le vori
ve.-lido caiga de brim mel branco de quaJ iiiiiu:-,
camisa branca, chapeo do Chili de copa alia i le-
ma mais urna trdxa contundo urna calca de bri
escuro e outra de algodao nscaJo, urna caroi-a
brauca, uina ilp chita ja velha e rasgada, cojo -
cravo foi compr.iilo o Sr. capilo Silrino Goiiber-
mo de Barros junto com oulro e este senhor os
havia comprado ao r. Joao Cabral de N.uan .:..
por isso de suppor que lenha seguido para es:o
lugar : portanto pede-se a captura do mesmo e le-
ve-o a seu senhor na ra da Imperatriz retaaeia
n. 46, que se gratificara generosamente.
No da 9 de dezembrode 1864 frigio de casa
de-seuseuhor o escravo Herculano, i i.
com 35 annos, alio, cabellos carapinbos, leos e
orelhas pequeas, tem apenas bigode e pera, ter-
nas e andar de quebra-mangue, lendoo 1 ( fior-
do torto e saludo para tora como pata de aew, e
por isso puxa alguma cousa pela ierra acaede
anda, levon vestido caiga branca rtmeedada e ra-
misa branca, levando chapeo de paira, roedezta
igualmente toda roupa que possee, ef>ft>-re an-
dar aqu mesmo pela cidade : quem o Befar leve-e
a ra Direila n. 54, que ser generosanente re-
compensado.
ESCRAYOS IGID0S.
Est fgido o preto Thom, baixo, corpo re
forgado, bem preto, rosto largo, elhos grandes e
tem o p direito um pouco indiaio, andaganban-
do em S. Jos : na ra do Imperador n. 73, pri-
raeiro andar, se gratificar a qnem o pegar.
Fugio pela manhaa do dia 28 do cumie o
escravo de nome Paulino, com os MfMtt rtgbin-
tes : cabra, cara picada delexigas, ieMei mi-
dos, cabello carapinho, estatura regular, rl.ek.do
corpo, muito conhecido ro'r andar "vr-tdfr.rc fa-
zendas com um caixeiroda casa dos frs. arreli-
no 4 C. : roga-se a quem o pegar, de o levar a
casados mesmos na ra do Crespo n. 3, que .-era
generosamente recompensado.
Auscntou-se cm 29 de dezembro 1 astado do
eugenho Ulinga de cima, ne Cabo, a moiaiinlia
Joona, de 14 annos provaveis, comprada a fi Ira*,
ne Recife, a Jos Firmino de Medefrrs por pru-
rago de sua av Josepha Maria drs i'razeres. mo-
radores ambos no lirejo da Madre de Dos, itn os
signaes seguiotes : cor alvacenta, manchas n
rosto, cabello carapinho e rugo, com urna ricaiuz
na testa, corpo regular, com todos os denles, smd
peitos, as pernas finas, vestigios anligos de ehirofr-
no corpo, padece de hob&s 'as parles orrnias. a
falla as vezes viciosa : roga-se s autoridades a -
sua captara, e a qualquer particular, podendo ser
remettirto para o referido eBgenho. on a Jnao Jopa
de Carvalho Moraes Frlho, ra do Queimado n. t3,
que sere gratificados.
Desappareceu do eBgenho Pcreirinha na fre-
guezia de Agua-Preta, os escravos abaixo, roea 1
signaes seguintes : Pedro, de nagao, nas partren-
do crioulo por ter vindo moleque, estatura regu-
lar, secro do corpo, um pouco fulo da cor, baila
toda branca, cabellos da cabega, cachaco e bracos
tambem brancos, testa canturia, ps compridos o
seceos, falla fino, principalmente quando canta, o
alguma cousa raiiiieiro quando anda, idade 0
annos, pouco mais ou menos, se bem que par. ga
muito mais velho, fugio no 1 de Janeiro de I&C2.
Mara, conhecida por Cnula, crioola, Mili.
secca do Corpo, cor fula, rosto descarnado, dentcs
limados, ps curtos e chatos, pernas um lanto ar-
queadas, una marea em um dos l.ragos j bastan-.
te antiga, fugio em 8 de novembro prximo paeie-
do ; o sen senhor protesta sobre os dias de servi-
gos de ditos seus escravos contra quem o livor
acolitado.
Roga-se a qualquer autoridade policial ou eapt-
tes de campo a apprehensao dos referidos escra-
vos, que serao enlregnes ne Rpcife aos senhrres
Cunba, Irmos & C, ou neste engcnlio a sen se-
nhor, que ser satisfeita qualquer despeza.
LISTA GERAL.


i

1
DOS PREMIOS DA 2. PARTE DA I. ROTERA, A BENEFICIO DA SANTA CASA DA MISERICORDIA, CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 593, DE 13 DE MAIO DE 1864, PARA CANALISACAO D'AGOA E GAZ NO HOSPITAL PEDRO I/,
EXTRAHIDA EM tO DE JANEIRO DE 1865.
NS.
4
8
13
14
17
18
20
21
24
25
29
30
41
43
46
49
50
53
55
57
61
62
63
68
70
79
81
87
89
93
95
96
100
i
1|
14
19
23
25
29
30
39
40
44
45
47
48
O 54
08
62
67
69
75
77
PREMS.
65
105
105
63
103
103
65
105
65
405
205
103
65
65
405
105
63
NS. PREMS.
180 65
81
82 -
87
98
99 -
200 -
i -
2 -_
3
5 -
.7
13
15 -
21 -
22
23 -
26
33 -
36 -
39
40
46
47
49
52.
54
60
61
64
79
80
M
93
307
11
12
14
19
21
23
24
20
27
30
33
35
37
38
39*
40
41
44
46
405
105
105
205
105
205
65
103
NS. PREMS.
354 65
55 -
57 -
59
60 -
70
72
75
79
83
84
87
98
403
4
5
6
10
13
14
15
16
17
18
20
22
. 24
27
29
32
il
47
48
61
52
53
54
56
60
61
63
65
09
70
71
7J
74
79
82
86
89
93
94
99
500
403
65
NS.-PKEMS.
65
205
105
65
502
6
7
9
10
11
15
17
25
29
37
41
43
49
53
57
58
62
70
72
76
88
89
91
98
600
1
4
12
16
17
20
23
24
25
29
31
34
44
46
66
69
70
71
73
77
79
84
91
3
-98
99
700
3
105
105
65
105
65
NS. PREMS.
709 65
13
15
16
17
18
21
23
26
31
32
35
47
48
49
53
55
57
58
65
66
69
86
91
99
803
6
7
10
13
15
17
20
21
27
28
32
33
35
36
38
39
44
51
54
56
58
61
65
70
71
1003
63
105
105
1005
65
11
83
105
65
NS. PREMS. NS. PREMS.
889
90
95
903
5
6
7
8
9
12
13
20
21
35
36
39
42
44
46
31
52
55
60
62
63
64
67
" 70
73
79
82
87
97
98
99
1001
11
14
18
25
27
28
33
34
35
40
44
50
55
61
63
71
74
75
77
65
205
1003
63
105
203
65
1080
89
90
91
92
94
1106
15
16
17
19
20
22
23
24
28
29
30
33
36
42
53
5o
59
62
63
64
65
67
69
71
72
76
77
83
84
88
89
90
91
92
93
94
98
99
1204
5
0
16
18
21
23
i7
28
30
405
65
105
65
205
405
65
405
2005
65
NS. PREMS.
1235 65
36 -
38
42
44 -
43
47
30
51
52
55
56
58
61
62
63
65
69
70
73
74
77
78
82
84
87
89
93
97
99
1302
6
9
11
18
23
25
26 6:0005
27 65
35
40
41
.46*
49
50
52
53
54
61
65
70,
72
73
74
78.
63
105
65
NS. PREMS.
1379 65
88
90
92 -
93 -
94 -
97 -
1401
11
13
15 -
28
34 -
36 -
40
41
46
54
57
58
61
67
68
70
72
77
83
87
105
65
105
65
NS. PREMS.
1369 65
73
74 1
77 I
82
83
86
88
92 -
'94 -
89
91
93
98
1501
6
l
12
13
14
16
19
23
24
25
27
29
30
33
35
40
51
51
65
66
67
105
65
63
1604
7
8
12
29
34
35
36
38
39
40
45
46
53
59
60
66
67
70
71
80
82
83
84
87
88
90
91
92
95
97
98
1703
8
9
11
15
19
23
24
38
39
43
45
405
65
103
405
65
105
65
105
65
105
65
NS. PREMS.
1746 63
50 -
52 -
53
36
57 -
59 -
61
62
64
67
70
78
87
88
%
1801
o
6
10
15
18
19
20
22
24
25
27
29
34
36
38
39
40
44
45
46
47
55
56
59
60
61
62
71
73
75
77
79
80
84
86
88
89
94
205
65
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PRE
1895 63 2044 65 2254 65 2434 65 2618 63 2772 65 2982 65 3160
1900 46 55 42 23 76 87 61
4 105 49 57 49 24 77 88 63
6 105 51 63 56 32 81 89 66
8 105 58 - 64 58 36 83 94 72
12 63 61 - 69 65 -* 41 84 3001 __ 74
13 62 - 71 67 42 90 __ 3 __ 77
22 66 76 _ 70 44 92 4 mmm 78
23 70 1005 78 74 105 46 205 2802 _ 6 _ 81
24 72 65 86 75 65 55 65 4 7 ^ 83
25 _ 73 2300 _ 78 60 8 10 85 .
27 79 2 84 66 mm 10 __ 11 86
30 80 4 86 67 14 13 _~ 88
34 _ 84 5 205 87 70 ~ 23 14 __ 89
35 85 1:4003 8 65 91 71 29 _ 17 ^_ 90
38 88 65 12 92 73 30 _ 21 h,j 94
40 ^_ 93 16 _ 94 . 74 37 22 _ 95
41 _ 2111 17 _ 96 75 48 __ 23 _ 96
42 m^. 18 18 . 2502 79 105 50 25 1M 3200
43 _. 20 19 _ 3 81 83 84 85 89 91 92 95 98 65 52 33 __ 2
46 21 21 mm 8 "~ 54 34 7
50 _ 30 24 1 12 "" 59 H 36 _ li
54 _ 34 23 T- 14 60 _ 44 _ 19
56 _ 40 26 _ 15 72 ^_ 48 , 23
57 48 27 ^_ 16 ^~ 74 55 (^ 24
68 49 32 _ 17 " 75 _ 56 ^_ 30
69 50 41 205 22 105 76 5005 59 fg^ 32
71 __ 52 43 65 23 77 105 60 _L 34
73 _ 63 47 25 2700 65 80 65 69 , . 39
76 _ 64 48 __ 36 3 82 70 __ 44
77 M 77 54 _ 37 4 85 _ 77 _ 48
81 __ 78 55 _ 40 6 205 97 78 i^ 50
82 _ 79 59 _ 41 , 7 65 2908 80 __ 52
84 80 60 _ 46 8 n 11 87 ^ 60
85 91 1 61 _ 47 9 13 90 ^ 62
86 2200 63 _m 52 10 205 44 91 __ 63
87 _ 2 64 1 53 14 65 15 94 ^ 64
91 __ 7 66 _. 55 15 16 3 _ 70
95 _ 10 76 _ 63 17 , 26 97 L 71
96 _ 11 _ 80 _^ 67 18 105 27 9 _ 74
97 _ 19 _ 81 _^ 70 23 65 28 3105 ^_ 80
98 22 84 ^ 74 27 30 12 _ 82
99 23 85 _ 82 28 35 16 _ 86
2001 _ 24 , 87 ^B 85 37 38 17 __ 88
3 ^^ 26 105 90 __ 88 T 39 46 20 _* 89
?: 105 27 65 95 89 40 48 - 3 95
10 651 32 96 91 41 56 25 205 98
15 35 . 1407 __ 92 43 37 26 65 3300
18 1 37 8 _ 98 50 62 33 1005 1
21 _ 38 1S 99 51 63 36 65 2
29 mm 41 -_ 10 --- 2601 53 67 44 3
35 _ 42 205 22 2 55 < 71 r 46 . *
40 mm 46 65 28 4 63 71 50 105 11
41 105 47 29 4 105 64 76 51 65 49
42 405 4 31 65 66 .. 79 105 57 22
105
65
105
65
105
5
105
65
3
Mi
NS.
3323
26
35
36
37
43
62
65
66
68
69
75
76
79
81
91
92
93
95
97
3402
5
9
13
16
17
19
29
32
33
35
38
39
40
43
44
45
47
48
49
50
51
59
60
61
67
69
70
72
77
79
6
88
3
96
PREMS"
65
105
65
10
205
65

205
65
105
65
?
O crivao, Jos Pedro das Neves.
Pem.Typ. i M. F. ii Fari A 1*01865.



I
9
LITTERATRA.
HISTORIA DE UN CONSCRIPTO DE 1813.
POR
Erckmaon-CuatriaB.
XIV
(Conimta^o.J '
Nesse dia havia eu de saber porque que os
Allemaes pareciam to alegres depois da nossa vic-
toria de Dresde.
Doseiamos para o lado do duas pequeas barra*
cas, em volta das quaes ruminavam tres ou quairo
cavallos alguraa herva enfetada. VI ah o coronel
'Lorraio, destacado na margem esquerda do Elba
corr o 3* batalhao. Era nro hornera alto e magro,
de bigodos castanhos, e aspecto carrancudo. Olhan-
do para nos carregava as sobrancelhas, e quando
Ihe apreseniel a minha guia, apenas disse :
Vae para a tuacompanhia.
Bem ponsel que reconheceria alguns homens da
3*; mas desde Lnlzen urnas companhias tlnham
sido fundidas em outras, uns regimentos em outros
relimemos, urnas divseos em outras divisoes.de
maneira que quando chegoci ao p da encosta onde
cstavam acampados os granadeiros, nao conheci
ninguem. Os homens, vendo-me chegar, olhavam-
me de travz, como quem dina :
Este tambem quercrser da festa? Ha vemos
de ver com quanto entra.
Estava-me a custar perguntar pelo meu lugar
na companhia, qoando tima especie de veterano
ossuoso, de nariz comprido e curvo como tifn bico
de agaia, e largos hombros em que se dependurava
o capote muito usado, levantando a cabega e ob-
servando-me, disse com perfelta tranquillldade :
Ah, s tu, Jos I Eu cnidava que eslavas en-
terrado ha quatro mezes. '
Eoiao conheci o mea pobre Zebedeu. Parece
que o meo aspecto o enternecen, porque, sem le-
vantarse, apertou as suas as minhas maos, e
gritn:
Wkpfel, aqu est Jos !
Outro soldado, que eslava assentado ao p da
marmita vizinha, olhoa para iraz e disse-me :
E's lo, Jos l'ois tu nSo ruorreste?
E foram esses os campamentos que recebi. A
nvseria fizera aqaelles homens tao egostas que nao
p?nsavam senao em si. Apezar disso, Zebeden
amda conservava o seu oom coradlo ; disse-me
que me assentasse ao p da saa marmita, deitando
aos outros um daquelles olhares que o faziam res-
peitar, o'offereceu-me a sua colher, que tinha en-
riada Majoma casa do capote. Mas agradec-lhe,
porque Qa vespera tinha tido o cuidado de entrar
na loja do toacinhelro de Risa, e de metter na mo-
chila urna duzia de chouricos com um bom pedaco
de pao e urna garrafa de agurdente. Abr por-
tanto a mochila, tirei o rosario de ehouricos e dei
dous a Zebedeu. Vieram-lhe lagrimas aos olhos-
Eu tambem quera offerecer aos camaradas, mas
adevinhando o meu pensamento, carregou-me no
brago com ar expressivo, e disse :
O qne bom.ao se d I
E retiroa-se do rancho, e comemos chouricos e
bebemos schnaps ; os ontros nao diziam nada e
olhavam para nos de travz. Klipfef,"*"que senliu
o cheiro do alho, voltou-se para traz clamando :
Ola, Jos, vem comer da nossa marmita.
Que diabo I os camaradas sao sempre cama-
radas. \
Sim, sim, respondea Zebedeu ; para mim os
raelhores camaradas do mundo sao os chouricos,
porque me servem as occasides.
Depois fechou a miolia mochila e disse-me :
Guarda isso, Jos. Ha mais de um mez que
eu nao tinha comido tao bem. Olha que nao o
deitaste em sacco roto.
Heia hora depois tocn a reunir: os atiradores
ormaram em boa ordem, e o sargento Pinto, que
era um deHes, conheceu-me, e disse-me :
*.nto como isso? pois voc escapou? Es-
limo, estimo muito... Mas vem em m occasi3o-l
n guerra, m guerra esta, dizia elle abanando
a cabera.
O coronel e os commandantes montaram a ra"
vallo, e tudo se poz a eaminho. Os cossacos affas-
lavam-se, e nos lamos vontade. Zebeden mar"
chava ao p de mim, e cootavame o que se tinha
passado desde Lutzen, primeiro as grandes victo-
rias de Bautzen e de Wnrtschen ; as marchas for-
jadas para alcanear o inimigo qne iaem retirada i
a alegria que havia de correr para Berln. Depois
o armisticio, durante o qual tinham acampado as
aldeas; depois a chegada dos veteranos de Hespa-
nha, homens terriveis, habituados ao saque, e que
ensinavam os soldados novos a riverem cusa da
gente dos campos.
Desbragadamente, no flm do armisticio, todo o
mundo se tinha levantido contra nos; nao havia
ninguem que nao nos odiasse ; cortavam-nos as
pontes pela retaguarda, dava-se aviso aos Prussia-
nos, aos Russos e a todos dos nossos menores mo-
vimentos, e de cada vez que nos aconteca descoa-
Ihar-se um rio, em lugar de nos soccorrerem, es-
forgavam-se masera por nos affogarem. Para aca-
bar de nos perder tinham vindo as chuvas torren-
ciaes.
No dia da batalha de Dresde calua tanta que o
chapea do imperador vergava sobre os hombros.
Mas quem gannaa victoria riso com essas cousas;
nunca tem fri e tem sempre roupa para mudar ;
mas o peior quando se nao vence, e preciso fu-
gir por meio das lamas dos hussares, dragSes e
outros soldados que nao do qnartel, e nao se sabe,
quando ao longe se v as trevas ama luz, se
preciso avancar ou morrer no diluvio.
Zebedeu contava-me estas coasas miudamente.
Disse-me que depois da victoria de Dresde, o gene-
ral Vandamme, que doria fechar a retirada aos
Austracos, se tinha medido, do lado de Kuhn, em
ama especie de funil, levado pelo extraordinario
enthusiasmo, e que os que na vespera tinham sido
derrotados cahiram sobre elle pela frente, pela re-
taguarda, pela esqnerda e pela direita, e que o ti-
nham aprisionado com muitos ontros generaos e
destruid^ o sea corpo de exercito.
Doas das antes, a 26 de agosto, a mesma coas a
tinha acontecido nossa diviso, assim como aos
corpos 5% 6, e li as alturas d Lowenberg.
Haviamos de bater os prussianos por esse lado,
mas por um movimento errado do mareen a! Mac-
donald, o inimigo linha-nos sorprehendido em ura
barranco com as nossas pegas raettidas na lama,
a nossa cavallaria em desorJem e a nossa afama-
ra sem poder fazer fofo por cansa da maita cha-
va. A defeza tinha sido bayoneta ; e o 3 ba-
talhao chegoa, debaixo das cargas dos prussiaaos,
at ao rio da Kalzbach. Ahi levou Zebedeu de um
granadeiro duas coronhsdas na testa. A correte
arrastava-o era quanto elle sobracava o corpo do
capito Arooold ; e ambos se perderam se por
fortuna o capio, mesmo oo meio das trevas, Dio
tirqsse deitado as maos a om ramo de arvore da
outra margem. Disse-me que toda essa noute,
apesar do sangoe que Um sabia do naris e dos on-
vidos, liona eamiobado at aldela de Goldberg,
raorto de forne, de cansago o das coronhadas, e
que nm marceneiro tivera do delle, e lhe dra pao
ceblas e agaa. Contoi-me depois que no dia se-
guinte toda a divisio, seguida do* outros corpos,
passara em bandos atravessando os campos, cada
um por sna conla, sem receber ordens de ninguem
porque os generaos, os marechacs, todos os ora*-
ciaes superiores tinham tratado de fugir para lon-
ge com ruedo do serem agarrados. Assegurou-me
que cincoenla hussares os terlam prendido .todo,
mas que por fortuna Blucher nao pudera airares-
j saro rio, qne a moito chelo, de maneira que elles
chegaram a ajunlar'-se em Wolda, onde os tambo-
res de todos os corpos tocavam por toda a aldela
a marcha dos seus regimentos. Por esse meio,
cada soldado tinha ido para onde cumpria que
fosse, guindose pelo toque do seu tambor.
O mais bonito dessa derrota que um pouco
mais longe, em Bunlzlau, tambem se tinham en-
contrado os offleiaes superiores, muito admirados
de anda terem baialhdes para commandarem I
Ahi esta o que mecootou o meu cantarada, sem
fallar da descondanca que ara preciso ter dos nos-
sos alliados, que de um momento para outro nao
podiam deixar de cahir sobro nos. Disse-me que
o marechal Oudnol e o marechal Ney tambem ti-
nham sido derrotados, ,um em Gross-Beeren o o
outro em DennewiU. Era ama cousa triste, por
que em todas essas retiradas morriam os recru-
tai como mosqailos, de cansago, de doenga e de
todas as miserias. Os soldados velhos da Hespas
nha s da Allemanha, curtidos pelo tempo, eram o.
nicos que podiam resistir a essas grandes fadlgas-
Emflm, disse-me Zebedeu, temos lulo contra
nos : o paiz, as chuvas continuadas e al os nos-
sos generaos, cansados de tndo isto. Uns sao du-
ques, outros prncipes, e enfastiam-se de estar
sempre na lama, em lugar de se assentarem em
boas cadeiras de bracos; e outros, como Vandam-
1 me, tralam de arranlar o gran de marechal por
meio dealguma acgo de mo cheia. Nos, pobres
diabes que nada temos a ganhar senao o flearmos
estropiados para o reste da vida, e que somos fl-
Ihos dos paisanos e dos operarios que corabateram
para abolir a nobreza, havems de morrer para
crear urna nobreza nova I
Enlo vi que os mais pobres, "os mais desgraga.
dos, nem sempre sao os mais estupidos, e que l
forga de soflrer rhega a gente a ver a triste rea-
lidade. Mas nao disse nada e aplique! ao Senhor
qne me disse forga e animo para poder soff/er as
miserias que todos esses erros e injustigas nos
annnnciavam de longe.
Eslavaraos ento entre tres exercitos que que-
ran! reunir se para dar cabo de nos por urna vez:
o do norte commandado por Bernadolte, o da Si-
lesia por Blucher, e o da Bohemia commandado
por Schwartzemberg. Urnas vezes pensavaraos
que iaroos passar o Elba para cahir sobre os prus-
sianos e os suecos, oalras vezes que lamos arau-
SV sobre os ausiriacos para o lado das montanhas
como tiBhamos feiio eincoenta vezes na Italia e
em outras partes. Mas o inimigo tinha a Anal en-
tendido essa tctica, e quando davamos a conhe-
cer qne nos iamos aproximar, reliravam para lon-
ge. Desconflavam sobre ludo do imperador, que
nao poda estar ao mesmo lempo na Bohemia e na
Silesia, e por essa razo andamos de continuo em
marchas e contramarchas abominaveis.
O que os soldados pediam com mais empenho
ca o combate, porque forga de marchar e de
dormir na lama, e de estar a meia rago e coberto
de bichos, cada um delles olhava cora horror para
a vida, e dizia :
Bom sera que isso acabasse, fosse como fos-
se. E' de mais. Nao se pode soffrer tanto.
Ao esbo de alguns dias j eu me senta cansado
de tai-existencia ; senta que as pernas me entra-
vam at s costellas, e emmagrecia e deflahara-
me a olhos vistos,
Todas as noutes era preciso estar de sentinella
por causa do ura p me chamado Thielmann que
sublevava os aldeescontra nos, seguanos como
a nossa sombra, observava-oos le aldeia em al-
deia, as alturas, as estradas, na concavidade dos
valles o seu exercito compunha-se de todos os
que nos queriara mal.e tinha sempre muita gente. ':
Mas nao tinha necessidade de tanto nos preve-
roi tambera por esse tempo que se declararam ;-___..... j ,- *
.,.,.. x n ... c"*"".nir, porque todos lam de orelhas afiladas procu-
contra nos os da Bav.era.de Bade e deWurtem- rando sempre arvores grossas d'onde podessemob-
deLa8!^ a108 tDhamS ^ "* PeS servar von,ade antes depassarera alera. Veja-se
p ao qae podem homens pacficos estar expostos !
Emflm t.vemos a consolacao de ver quo o exer- Emflm, havia dea minutos que caminhavamos
cito se ajuntava como para urna grande batalha : assira sem vermos perigo, e j comegavamos a co-
em lugar dos cossacos de Platow e dos partidarios brar conanga quando estalou um tiro de espin-
de Thielmann as visinhangas das aldeias, encon- garda... depois outro, dous, tres, seis e muitos de
travamos hussares, cagadores, dragoes de Hespa- todos os lados ao comprido da nossa liuha, e no
nha artilhana, trensdas pontes. A chuva cahia a mesmo Instante vi cahir o meu camarada da es-
pantaros. Os que j nao tinham Torgas para mar- querda esforgando-se por agarrar-se a urna arvo-
charem, assentavam-se na lama ao p de algu- re. Isto fez-me por alerta. Olhe para o outro lado,
ore, e entregavam-se sua desditosa e que vi a uns eincoenta ou sessenta passos ? um
! soldado prussiano j velho, com a sua barretina
A' 11 de oulubro acampa vamos ao p da aldeia Dai"> cro o brago curvado e os grandes^ bigodes
de Lousg; a 12 ao p de Grafenlieinichen : a 13 ruivos cahidos sobre o fusil da espingarda a apon-
passavamos o Muida e vamos sobre a ponte avelha lar Para ra'm- Abaixei-me promptamente, mas ao
guarda e La Tour-Maabourg. Annunciava-se a mesme tempo parta a bala e alguraa cousa esta-
passagera do imperador, mas nos partimos com a ,ou so,,re a minha cabega ; eu levava dentro da
dviso Dombrowski e com o corpo de exerclio de barretina a escova, o pente e o lengo, e a bala do
Souham. ; maldijo prussiano esmigalhara ludo.Fiquoi ge-
lado
Nos mementos em que parava a chuva, e quan-1
do brilhava por entre as nuvens um raio de sol I ~~ EscaP*s'es della ba gritou o sargento dei-
d'ontomno, via-se todo o exercito em m'archa : a ,a"do a "'"rer. E en qne nao quera flcarnaquelle
cavallaria e a infamara avangava de todas as par- si,io' PO-me a correr atraz delle.
tes sobre Leipzig. Alm do Muida tambem res-' ,en*nle Brelonville, com a espada deba'xo do
plandeciam as bayonetas dos prussianos, mas ain- bra$0>JePelia :
da se nao va russos nem austracos; provavelmen- \ ~ Maxche- marehe !
te vinham por outra parte. ^ ma's ad'anttJ. do lado dreito, continuava se
A & 11 rii* *
No dia 14 o nosso batalhao anda fol ootra vez r, '
desucado para ura recoaheciraenlo cidade Z> .>""'o- claro onde hav.a
Aaken, onde estava o i-- "- ZZZL -
tiros de peca, e Acaraos
fantaria, cavallaria; e por detrai de nos, na estra-
da de Duben, viohara ontros, e tudo a galope I
Mesmo atravez dos campos,regimentos inteiros cor-
riam a toda a pressa.
No Um da estrada viam-se no cu as duas torres
de S. h'icolu e de S. Thomaz de Leipzig, e a di.
reita e a esquerda erguiatn-se, dos doas lados da
cidade, grandes nuvens de fumo atravessadas por
lampejos.
O zumbido crescia sempre, estavamos ainda a.
mais de urna legua da cidade e j era preciso fal-
lar alto para ouvirmos uns aos outros, e nns para
os outros olhavamos todo, pallldos de commogo)
dizendo tcitamente :Aquillo que urna ba-
talha I
O argento Pinto gritara :
E' negocio mais serio do. que em Eylau I
Elle nao se ria, nem Zebedeu, nem eu, nem os
outros, mas corramos e os offleiaes nao se farta-
vam de repetir:
Marche I marche I...
Ahi est como os homens perdem a cabega
amor da patria nao fallava era os, mas era mais
intenso ainda o furor de combater.
Pelas dez horas descobriraos emfim o campo de
batalha a urna legua adiante de Leipzig. Tambem
vamos as torres da cidade cobertas de gente; e as!
antigs muralhas em que eu tinha passado tantas
vezes pensando em Catharina. Na nossa frente, a'
1,200 ou 1,800 metros esta vara formados dous re-
gimetaos de lanceiros vermelhos, e um pouco a es-
querda, doas ou tres regimentos de cagadores a
cavallo, nos prados do Partha. Era por entre es-
ses regimentos que desQIavim os comblos que vi-
nham de Duben. Mais longe, ao comprido de urna
encosta, estavam como formando degrus as divi-
soes de Ricard, Dombrowski, Souham e oulras,
dando as costas a cidade. Pegas montadas e eai
xoes, artilheiros e soldados do trera a cavallo, tndo
estava prompto para marchar a piimeira voz. Em-
flm na retaguarda de tudo, de redor de urna da"
quellas antigs herdades de telhados abatidos e es-
pacosos alp-mdres, com ha militas por aquellas*
trras, brilhavara os uniformes do estado-maior.
Era o erercto de reserva, commandado pe0
marechal Ney ; a ala esquerda commnnicava com
Marmont, postado na estrada de Hall, e a ala di-
reita com o grande exercito commandado pelo ira
perador era pessoa. Desta maneira as nossas tro-
pas formavam, por assim dizer, um grande circulo
em volta de Leipzig, e os iniraigos qne de todos os
lados vinham chegando ao mesmo tempo, tratavam
de dar-se a mo para forraarem nm circulo ainda
maior de redor de nos, e fecharem-nos na cidade
como em urna ratoeira.
Entretanto, tres terriveis batalhas se davam ao
mesmo lempo; ama contra russos e austracos em
Wachan; ontra contra prussianos em Mockeren,
na estrada de Hall, e a terceira na estrada de Lut-
zen para defender a pente de Lindenau atacada
pelo general Giulay.
Estas cousas s as soube depois ; mas cada nm
deve contar o que viu ; deste modo o mundo sa-
ber a verdade.
O batalhao cornegava a descer a collina defron-
te de Leipzig para se eneoporar na diviso, quan-
do vimos um official de estado maior atravessar o
extenso prado que corra no fundo,edirigir-se pa-
ra nos a todo o galope.
Em dous minutos estava comnosco : o coronel
Lorrain corren ao seu encontr. Disseram algu-
mas palavras um ao outro, e o official vollou pelo
mesmo eaminho. Como este, andavam muitos cor-
rendo pela planicie a transmiitir ordens.
Hombros direitos frente I griiou o coronel, e
guiamos para um bosque que se estendia ao lado
da estrada de Duben no comprimento de meia le-
gua. Era urna floresta de faias, com alguns vi-
daeiros e carvalhos. Quando chegaraos raa do
bosque (vemos ordens para mudar as pederneiras
das armas, e para nos enlendermos em cagadores.
De hornera a horaem haveria uns vinle e cinco
passos, e nos avangavamos sempre, abrindo uhs
olhos como fcil imaginar. O sargento Pinto di-
I zia a cada minnto:
Nao se descubram !
na
sorte.
inimigo, que nos receben a T se,s-ironcs ae Ifossos carvalhos corta-
toda a noute sera quar.el 'T!" ^ ""10 d hfrva ^ e
qnartel
e sem pdennos accender urna fogueira por causa
da chava que eahia era torrentes. No dia seguinte
vollames a marchas forradas para a divisao. Nao
sel porque qne cada um dizia:
A batalha nao tarda I nao urda!
O sargeoto Pinto dizia qne lhe cheirava j a ni-
ero urna arvere que nos abrigasse. Apezar disso
avangavam muitos ousadamente, quando o sargen-
to nos disse :
Alto I... os Prussianos eslao com certeza
embuscados por aqu. Olho vivol
Anda nao tinha acabado quando assobiou pelos
perador. Eu nao senta nada, mas va que mar- ramos orna dezena de balas, ao mesmo lempo om
chavamos sobre Leipzig, e dizia comigo :Se hou- bando de Prussianos corra a internar-se mais Ion-
ver ama batalha, qaeira Deas que me nao acontega ge nos mallos.
Elles la vao ; marche disse o sargento.
Mas o tiro na minha barretina tinha sido nm
como em Latzen, e que ea ainda possa tornar a ver
Catharina I
Nessa noute o tempo thiha mclhorado a m pouco*
milhares de estrellas illuminavam o cu e nos mar- bom aV|S0> e eu tinn* 0,hos a""avez das arvores.
chavamos sempre. Ne dia seguinte, pelas nove Qaando o sargento qniz atravessar o claro, sego-
horas.ao pede urna aldeola, cujo nomo nao me re- P0"- ombragomostrando-lhe a bocea deuma
lembra, acabavam de nos dar a voz de talto I pa- espngarda qne sahia de entre altos tojos, do ontro
ra resprarmos, quando todos onvimos nao sei qu lado do charco> cem Passos M nossa frente-
como um zumbido forte nos ares. O coronel escu- Os nossos camaradas ebegaram-se e tambem o
lava a cavallo, e o sargento Pinto disse : viratn, e enlo disse o sargento em voz baixa :
A batalha est pegada I Ta, Jos Bertha, flea aqui, nao o percas de vista,
E logo 9 coronel, levando a espada, gritou : qae nos ramos de volta.
_ Marche I .__ 7. .. '..
| C foram logo uns pela direita e outros pela es-
E todo deitoa a correr; mochilas, palronas, es- j querda ; e eu de ceronha no nombra, por detraz da
plngardas, lama, ludo saltava; mas ninguem dava minha arvore, flquei como um eagader espera.
attengo a nada. Meia hora depois vimos, a alguns Passados dous ou tres minutos, o Prussiano que
militares de passos na frente do batalhao, ama co- ji nao ouvia nada, levantou-se de vagar. Era om
ratona que pareca nao ter fia, caiiSes, pecas, la- {rapaz, de bago louro, e corpo alto e bem feilo. Eu
estende-lo-hia, se quizesse; mas fez-me tal impres-
so matar aquello homem assira descoberto, que
sent iremuras. De repente elle descobriu-me e.
dei um salto para o lado. Eato alirei e respirei a-
lisfeito quando vi que elle ia correndo come um
veado atravez da malta. a>
Ao mesmo tempo desfecharam-se da direita e
da esquerda ornas cinco ou seis armas, o sargento
Pinto, Zebedeu, Kpfel e os outros passaram como
raios, e a cem passos adiante encontramos o Prus-
siano cabido, com a bocea cheia de saogue : olha-
va para nos aterrado, ergoendo nm brago como
para aparar alguma bayoneada. Mas o sargento
disse-lhe com ar alegre :
Nao te assastes I J l tens a tua conla 1
Ninguem tinha vontade de acabar com elle -, s
Klipfel deitou a mo a um bonito cachimbo que
lhe sahia de um bolso trazeiro, dizendo :
Ha muito tempo que ou quera une cachim-
bo. Nao podia acha-lo mais a geito.
Fuzileiro Klipfel, gritou Pinto, verdadera-
mente indignado, deixe flear esse cachimbo I Rou-
bar os feridos bom para cossacos I O soldado
francez nao conhece senao a honra.
Klipfel largou o cachimbo e partimos todos sem
olhar para traz. Chegamos ao flm dessa pequea
floresta que flndava aos tres quartos da encosta ;
mas havia anda uns duzentos passes al ao cimo
e esse terreno era coberto de matto alto e cerra-
do. Estavam nelle escondidos os Prnssianos que
tinhamos perseguido. De todos es lados os viamos
erguer para fazer fogo sobre nos, e abaixavam-se
logo.
Bem poderamos ficar al socegadaraente, porque
tinhamos ordem para oceupar o bosque, e nao ti-
nhamos nada com o mallo da encosta ; por detraz
das arvores onde estavamos, os tiros dos Prussia-
nos nao nos teriara feito mal. Ouviamos do outro
lado da encosta urna batalha (errivel, os tiros de
pega eram sem interrupgo o s vezes lo juntos
que pareca urna trovoada. Era mais urna razo
para nos deixarraos estar al. Mas tendo-se reu-
nido os nossos offleiaes, decidiram que o mato fa-
zia parte do bosque e que era preciso langar os
Prussianos fra da encosta. Foi a-causa de mui-
tos homens perderem a vida naquelle sitio.
Recebemos, porlanto, ordem para desalojar os
atiradores inimigo?, e como elles atiravam me-
dida que nos aproxi mavamos, e se escondiam lo
go, deitamos todos a correr sobre elles para que
nSo tivessem tempo de tornar a carregar.
Os nossos offlci aes tambem corriam, chelos de
enthu acabara o mato, e que enlo estenderiamos prus-
sianos s duzUs. Mas quando chegavamos cima
estafados, grita o velho Pinto :
Os hnssares I
Levantei a cabega e vi colbacks que snbam e se
ergum por delraz do cabego e corriam para nos
com o impeto do vento. Mal vi aquillo, voltei jiara
traz sem pensar em mais nada e larguei descer
em palos de quioze ps, apezar do cansago e da
mochila e de tudo. Adiante de mira via o sargento
Pinto, Zebedeu e os outros, que corriam qoanto
podiam.
Pela retaguarda, os bussares em massa faziam
tal ruido que dava arripios ; os efficiaes comman-
davam em allemao, os cavallos offegavam, as bai-
nhas das espadas batiam as bous e a trra tre-
ma I
Tinha deitado pelo eaminho mais curto para
chegar ao arvoredo, e pensara que j l estava,
quando, mesmo beira delle, encontr! n'nm da-
quelles largos fossos onde os alde5es vao cavar
barro para as casas. Tinha mais de vinte ps de
largo e uns qnarenta nu eincoenta de comprido.
A chuva que caha de alguns dias fazia-lrws resva-
ladicas s beiras ; mas como eu ouvia cada vez
mais o offegar dos cavallos que mo vinham mesmo
a chegar cabega, sem dar attenglo a cousa ne-
nhnroa, dei nm salto e cahi de bracos no buraco
saltndome para a cabega a patrona e o capote.
Jl estava outro fu zileiro que se leva na va naquel-
le momento.
Immediatamenle dons hussares levados da velo-
cidade adquirida resvalavam pelo barro as ancas
dos cavallos. O primeiro, com as faces em braia-
estendeu urna espadagada sobre a orelha do meu
pobre camarada, e qaando levantou outra vez o
brago para acabar com elle, metti-lhe com toda a
forga a bayoneU por urna ilbarga. Mas ao mesmo
tempo o outro atirava-me ao hombro um golpe que
me teria partido pelo meio se nao fosse a dragona,
la varar-me quando lhe abriu a cabega um tiro
que parti de eima. Olhei e vi um dos nossos sol-
dados enterrado no saibro at aos joelhos. Tinha
ouvdo o relinchar dos cavallos e o pragnejar dos
hussares, e correr at beira da cov para ver o
que l ia.
Ente, camarada t disse-me elle a rir, j era
lempo.
Eu nem tinha forga para lhe responder ; trema
como urna vara verde. Elle troH a bayoneta e es-
tendeu-me a ponta da ospingarda para me ajudar
a sahir. Entao apertei a mo daquelle soldado e
disse-lhe :
Voc salvou-me I Como se chama ?
Disse-me que se chamava Joe Pedro Vicente.
Tenho depois pensado mulas vezes que, se acer.
tasse de encontrar aquelle horaem, por muilo feli-
me dara servindo-lhe para alguma cousa ; mas
d'ahi a dous dias houve a segunda batalha de Leip-
zig, depois a retirada de Hanau, e nunca mais o
vi.
O sargento Pinto e Zebedeu appareceram nm
pouco mais tarde. Zebedeu disse-me :
DesU vez ainda escapamos nos, Jos ; somos
os ltimos de Phalsburgo a esta hora no batalhao...
Klipfel acaba de ser reUlhado pelos hussares.
Viste lo? disse en assusudo.
Vi : levou mais de vinte estocadas. Come
lie pritava : Zebeden I Zebedeu I
E passado um momento, aorescentou :
Sempre cousa horrivel ouvir gritar por
soccorro um antigo camarada da infancia, sem lhe
poder acudir I Mas j nao era possivel... elles cer-
cavam-no I
Isto entristecea-nos, e pensamos outra vez na
noisa Ierra. Eu imaginava a lia Klipfel quando
recebesse acuella noticia, e este pensamento tam-
bem me fez pensar em Catharina.
Dosde a carga dos hussares at noute o bata-
lhao ficou na mesma posigo, atirando sem ordem
sobre os Prussianos. Nao Ihes deixaram ocenpar
o bosque ; mas elles nao nos deixvam subir a
encosta.
No dia seguinte soubemos porqu. Essa encosta
domina todo o rio Partha, e o fogo je arlilhar'a
que ouviamos era da diviso Dombrowsk que ata-
cava a ala esquerda do exercito prussiano, e que
quera levar soccorro ao general Marmont em Mo-
ckeren ; ah, vinte mil Prancezes, poslados sobre
um barranco, continham os oilenta mil homens de
Blucher ; e do lado de Wachau, cento e qulnze mil
fraocezes davam batalha a duzentos mil austracos
e russos.
Troavam mais de mil e qninhenus pegas. O
nosso pobre espingardear na encosu de Wetlerich
era como o zumbido de uina abeiha no meio da
trovoada. Algumas vezes at eessavam de atirar
de ama e de ootra parle s para podermos ouvlr...
Parecame urna cousa horrorosa e por assim dizer
sobrenalnral; o ar esjava chelo de fumo de plvo-
ra ; a-terra trema debaixo dos nossos ps ; os sol-
dados amigos como era Pinto diziam que nanea ti-
nham ouvldo urna cousa assim.
Pelas seis horas, um offlclal do estado maior ap-
pareceu pela nossa esquerda Com ordens para o
coronel Lorraio, e tocou-se logo a retirar. O bata-
lhao tinha perdido sessedla homens cora a carga
dos hussares e o tiroteio.
Era noute quando sahmos da floresta, e na
margem do Parlhaentre os coraboios de moni-
gSes de guerra, os corpos de exercito em retirada,
os destacamentos o os carros de foridos que desfl-
lavam sobre duas pontes, foi preciso esperarmos
mais de duas horas para nos chegar a vez. O cu
estava carregado, e a arlilhana ainda ruga de es-
pago a espago ; mas as tres batalhas estavam aca-
badas. Havia muito Jquem dissesse que tinhamos
balido os austriacos o os russos em Wachau,|do
oulro lado de Leipizig; mas-ps que vuham de
Mockeren mostravam aspecto sombro e ninguem
griiava : tViva o imperador 1 como depois de
urna ncioria,
Chegado a outra margem, o batalhao desceu o
Partha no espago de boa meia legua al a aldeia
deS'-hrenfeld ; a noule eslava hmida, marchra-
mos com passo pesado, de arma ao hombro, com
os olhos fechados pelo sorano e a cabeca cabida
sobre o peito.
Atraz de nos, a comprida columna de pegas de
anilharia, de caixes de reungoes, de bapagens e
de tropas que reliravam de Mockeren, prolongava
o seu surdo eslronduar ; e por moment-s os gritos
dos soldados do trem e dos conductores de ani-
lharia para abrirem eaminho sebresahiam a todo o
tumulto. Mas esses rumores enfraquecam incen-
sivelmente, e chegamos emlim ao p de um cemi-
terio onde nos mandaram destrocar e ensarilhar
armas.
S ento ergu a cabega e reconheci Schcenfeld
claridade do luar. Quantas vezes tinha eu ido
all comer boas fritadas de toucinho, e beBCr vi-
nlio branco com Zimmer, na Usca da Pavea de
Ouru>, debaixo da ramada do to Winter, quando
o sol aquecia o ar e a verdura se espanejava de
redor de nos!... Esse tempo tinha passado I
Foram distribuidas as sentinellas e alguns ho-
rneas entraran na aldeia a procurar lenha e vive
res. Eu assentei-rae encostado ao muro do ceir
teo e adormec. Acordei pelas tres horas da raa-
nha.
Jos,dizia-me Zebedeuvem aquecer-te.
Se continas a estar ahi, arriscas-te a apanhar as
febres.
(Conlmiar-se-ha.)
No mesmo caso sa acha a liagoa ; om lado aao
seme nada, o outro ente um sabor amargo.
Se tomada em maior dse, ambas as partes do
corpe receben) a sua acgo tetnica, mas desigual-
mente.
Bm dse therapeuiica a strychnina excita as
funceies digestivas e cria apetite : acaba por de-
terminar intefrigamento oojogo dos msculo, nm
forraigueiro geral e vilenlo prundo na pello ca-
bellada.
Este prorido caracterislico ; a morpbiaa cos-
tuma produzi lo no rosto.
Acontece muilas vezes que, nos primeiros dias, o
medicamento nao obra de repente, a soa acgo
manifesia-se por accidenies tetnicos ; por coase-
guinte essuncial nao augmentar as dses e es-
perar.
Em um hornera sao, ura centigramma de strych.
niaa tem urna acgo muito pronunciada dous ou
tres centigrannos mattm um cao grande c ro-
busto.
Absorvida em dse forte, prodoz primeiro op -
presso as fontes, Inleiricamenio dos msculos do
queixo, rijeza dolorosa dos msculos posteriores
do pescogo ; rpidas sacudiduras musculares cha-
madas centelhat elctricas, depois feral intrinca-
ment tetnico, immobilidade do thorax, saspensao
da respirago e da acgo do corago, nsensibilida
de, coma e emlim a morie.
Explica-se amone pela asphyxia qae resulla do
inteirigamento dos msculos da respirago.
O contra-veneno da strychnina agaa icdada
No raso de envenenamento, preciso recorrer in-
mediatamente a emticos enrgicos e depois pres-
crever a agua iodada em grande qaaatidade.
E' tal o amargor da strychnina qne s em pila-
las pode ser appllcada.
UM POUCO DE TUDO.
Na manliaa de 5 do corrente, moveu-se todo o
povo de Grossenhayn, perto de Dresde, com a no-
ticia de um quadruplo suicidio.
Na vespera, urna mulher e urna sua filha de ida-
de de 16 annos tinham sido levadas a ura tribunal
correccional, por causa de um roubo de pouca
monta feito ao proprietario da casa que habiuvam
Confessaram a culpa e mostraran) to sincero ar-
rependimento, que foram absolvidas.
Na manha seguinte, pelas cinco horas, noton
um filho d'aquella mnlher, entrando no quarto de
sua rae, que o pavimento eslava coberto de san-
gue.
Ella esUva em sanguenUda na sua cama, deita-
da ao lado de outro lilho, que tinha 18 annos.
Em outra cama desoecupada tambem havia san-
gue.
Chamado um facultativo, verificoa elle que a
mulher eseu filho tinham aberto no punho dreito
um corte de duas polegadas de profundidade, mas
sem lesarem as arterias. Era consequencia da
perda do saogne, estavam em grande abatimento.
Conloa a^nulher que, nao podeado fugir ver
gonha do um crime, resolver morrer, assim como
seu filho e sua filha, e que, por urna hora da ma-
nha, o marido d'esla, joven commerciante, abrir
a arteria da mo direita a todos os tres e dra em
i igual golpe.
A -filha e seu marido, achando que a morte se
demorava muito, tinham sahido da cama para,o
jardim. Segurado o rastro do sangue at ao p de
um pogo, foram adiados dentro d'elle os cadveres
d'estes dous infelizes.
Esta catastrophe foi um motivo de verdadeiro lu-
lo para Grossenhayn.
Conta urna folha belga que se fez ha pouco em
Eysden, perto de Vis, urna de-coberU de grande
'nteresse.
, Alguns operarios, fazendo urna excavagao, des
'cobriram cinco esqueletos humanos, que parecem
pertencer ao periodo ante-diluviano.
Aquellas ossadas, perfeitamento conservadas, re-
pousavam directamente sobre saibro, isto esta-
vam cobertas por toda a carnada de alluvio.
Se verdade o que se dizia, tinham proporgSes
eslranhas.
Um medico, que foi chamado para examina-las,
disse reconhecer que pertenciam a urna raga gi-
gantesca.
Em alguns dos dias seguimos ainda se descobri-
ram outros esqueletos a alguns passos dos primei-
ros.
Diz a mesma folha que pode ser que este facto
lance alguma luz sobre urna poca de que-mu'
pouco sabem os sabios.
Se o facto verdadeiro, tambem assim o eremos;
mas ser bom deixar a responsabildade da noticia
ao peridico belga.
Transcrevemos da Estrellado Norte :
A BBANBURA
Urna irma de carldade com grande desvelo '.
affeigo servia os doentes de um hospital.
Entre estes havia um turco, e certameote nao
era o mais affavel.
A boa irma ihe trouxe um oro cozido.
Este selvagem Ih'o lancou rodemente ao rost,
e poz-lhe a roupa branca em estado, que nao
dlfflcil imaginar.
A senhora retira se, limpa-se tranqnillamente e
faz cozer um segundo ovo qae traz ao detente
Elle o recebe com ar colenco e faz o mosmo qa>*
ao primeiro.
A virtuosa irma nao se offendea ; fez cozer
um terceiro, e approximando-se do leito do -nabo-
metano, Ihe disse com um tora de graga que d a
innocencia :
Quauo a este, vos o tomareis pelo amor d*
Deu.
Com effeito elle o tomou, o entrando em si.
disse :
S urna religio dirina pode inspirar Ues
sentimentos.
O Sr. X pede-nos a seguinte publicaco.
peqvbna, roaooa f
Pequea, porque, as horas de somno,
Vivo velando, entre espinhos e dores,
E vejo-te a imagera vagueiando na mente *
Ao acaso te estrello, de jubilo chcio
Sorvendo em teus labios o rael da pureza,
Morrcndo d'amores.i.nntrindo mmb'alma
N'um mundo de rozas, cabindo-l'as plaalas,
E assim submisso te imploro ama graca.
Pequea, porque ?___
Vi vendo na vida, com a vida ideal,
Sem vida d'araor, com a rida da crenga.
N'aarora da rida, ea sonho um futuro,
, Pequea, porque ?...
Se a tua imagem meu Edem de gloria,
Se sonho um futuro, que Deas s conhece,
Com a febre d'amor, no ceu dos teus Ubios...
To perto... e to longe ... te vejo de mim.
Que pens cm mil coalas... em ti s pensando...
Pequea, porque ?
Nao creio, meu anjo, que sejas da Ierra...
No cimo do ceu le vejo risonha,
No manto d'estrellas que brilho vivaces,
as azas dos Zephiros que brincam no espato.
as nuvens douradas que abraco o horizonte,
Na cor ailada dos campos do ceu,
Na face argentina da la saudosa
Eu vejo te as granas e o Ulhe sublime,
Pequea, porque ?...
E cnarao-te anjo cora as fallas d'alma,
Sem vidaem meu corpo, ri rendo em leu ser ;
E quando as azas da verde esperanra
Minlr'alrua adormece sonhando delicias,
Eu vejte, anjo, velando ao mea lado,
Dando-me o balsamo, n'um temo sorriso,
E com lnguidos olhos deixando una lagrima
De crenga e de amor as faces banhar-me,
Pequea, porque ?...
Porque os teus olhos, n'um da feliz,
Com smeos se encontraran)em breremomen'o
E d'araor confiaran) aos meus os segredos
Que occulias, donzella, no leo coraco___
Segredos irroos dos que nutro o'alma
Dize-losno dero.. .bem basta que o saibas .'
E' cedo, inda cedo, desejo fugir-te...
Mas oh I impossivel 1 seguirle heide sempre.
Que um ceg no mundo percisa d'ura guia...
Bem sabes porqae I...
Parecemos quo ha mais a ganhar do que & per-
der com a leitura das segninles linhas sobre urna
substancia to venenosa como a strychnina.
E' um alcaloide descoberto por'Pelletier e Ca-
venton na fava de S. Ignacio, na noz-romica, e que
s se encontra nos vegeues venenosos da tribu das
strychnas, d'onde lhe vem o nome.
No estado de pnreza, branca, e apresenU-se
na forma de pequeos chrystaes prismticos de 4
I faces terminados por pyramides.
O seu amargor e insupporUvel, e doUda de
propriedades toxicas om extremo violentes.
Cinco centigrammas de strychnina sao de sobra
para produzir terriveis accidentes.
Tomada em pequeas dses, possue virtudes
therapeuticas, acta sobre os orgos contraotis e
pode ser proveitosa em cerlos casos de paralysia :
aessecaso preciso emprega-la com a maior cir
cumspecco e nSo ir alm de cinco a dez milli-
grammas.
O effeiio produzido manifestase especialmente
as parles paralysadas.
O doente sent urna comchao particular, ama
sensago ardente. Nos hemplegicos, isto no*
que tem paral y tica s.raeUde do corpo, muito
notavel o contrasto : a metade sa e"nserva-se no
et-do normal, mas a Outra metade passa por urna
agitace extraordinaria.
Do Club traduzimos :
Nao podis adevinhar aonde passei o domin-
go, dizia urna artisU dramtica, no ensate do ihea-
tro das Variedades.
Nao, por certo ; aonde foi T
Ful para o Jardim das Plantas.....
Todos os teus prenles- rio bem ? pergunia-
Ihe urna companheira.
Por mais que estojan com praliea cerlos usos,
algumas pessoas ha quo ainda corara qaando fallam
neiles.
Urna Sra. entra na laja de nm perfumla, afim
de comprar rebique a cores para avirar as nalu-
raes.
-Vliando a loja chala de gente, a Sr. approxi-
mou-se d'um eaixeiro, e disse-lhe aaeia z :
Dae-me um fraseo de p branco e ontro rer-
melho, mas dizei-me o prego englobado.
Sim, senhora.
E foi para o fundo do armazem procurar os doas
frascos, e de l perguntou :
NSo precises tambem de nm frasco de tinta
preta para as sobracelnas.
Urna senhora provinciana,. esUndo- n'um mni-
bus, faz signal ao cocheiro, o qual paron logo oa
cavallos. *
Eato senhora, nao deseis ? v
Nao ; eu vou Ternes..
Para qae entao fjjieis signaos f
Ea ros mostrava aquelle homem, qne es-
crivoem meu palz.



[PERIfAMBUCO.-TYP. DE M. F. DE P.4 FHJ
*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMOCJFIQ3_6DZWUN INGEST_TIME 2013-08-28T01:54:39Z PACKAGE AA00011611_10565
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES