Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10562


This item is only available as the following downloads:


Full Text

-
I

AMO ILI. HUMERO 5
Por qaartcl pago drntrt de 10 das de 1. mez ...
dem lepe dos'i." i t das de conecoe dentro do qnartel.
Porte a correio por tres meies .,,,,...,..,
5S000
6)006
780
SABBADO 7 DE JANEIRO DE 1865.
Por anno pago dentro dos 10 lias do 1. mez
Porte ao correio por um anno.......
19S000
3J000
ENCARREGADOS DA SIBSCRIPCAO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Nalal, o Sr. Amonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maraulto, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves A
Filhos; Amazonas, o Sr. Jtronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudine Falco Dias; Bahia, o
Sr. Jos Martins Alv.s; Rio de Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagoes da via frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, BomCon-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex.nas quartasfeiras.
Serinbem, RioFormoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas feiras.
liba de Fernando todas as vetes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia.
EPIIEMERIDE8 DO MEZ DE JANEIRO.
4 Quarto cresc. as i h., 22 m. e 52 s. da t.
11 La chela as 8 b. 40 m. e 10 s. da t.
20 Quarto ming. aos 16 m. e 52 s. da m.
27 La nova as 7 h., 16 m. e 46 s. da m.
AUDIENCIA DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relago: tercas e sabbados s' 10 horas.
Fazenda. quintas s 10 horas.
Juizo do commercio : segundas s 11 horas.
Dito de orpbos : tergas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbadcs a 1
hora da tarde.
DIAS DA SEMANA.
2. Segunda. S. Isidoro h.; S. Argeo m.
3 Terga. S. Aprlgio b. de Bja; S. Antero p. ni.
4. Qusrta. S. Prisco presb.; ".Aquilino m.
5. Quinta. S. Simeao Estellila; S. Syncletica.
6. Sata. t% Epiphania do Senhor. (Dia de Reis.
7. Sabbado. S. Luciano presb.; S. Clero diac.
8. Domingo. S. severino ab.; S. Theophilo diac.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 0 hora e 30 m. da tarde.
Segunda as 0 horas e 54 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos das 14 dos mezes de janeire, margo, maio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Rccife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos propietarios Manuel Figueiroa de
Faria & Filho.
PARTE OFFIGIAL
MINISTERIO DA MA Itl SHA.
AVISO DE 19 DE DKZEMBIIO DE 1864.
Declara que os oIBciaes raannheiros coudemnados
.. mais de u.n anno de priso, sao ipso flelo re-
baixados ciarse de mtrinheiro.
i.j Murcio. -Minisioris dos negocios da marinha.
Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 1864.
Illa; e Exm. seohor.Sua Magestade o Impera-
dor por inmediata resolucao de 8 de outubro ulti-
mo, tomada sobre consulta do conselho supremo
militar de 3 do mesmo mez, conformando-se cora o
parecer nella exarado ; ha por bem mandar decla-
rar V. Exc. que, tendo sido equiparados pela im-
perial resolucao de consulta desse mesmo tribunal,
de 29 de junho prximo passado, os oraViaes tna-
rinheirosaos inferiores do exercilo, e estando pre-
ceituado na imperial resolucao, ainda da referido
tribunal, de 22 de dezembro de 1860, que o infe-
rior coudemnado mais de um anno de priso,
deve ser rebaixado a simples soldado, o oficial
marinheiro, sentenciado idntica pena igualmen-
te deve ser rebaixado a marinbeiro, pereebendo os
vencimentos dessa classe, onde ser conservado
at que se torne digno de accesso.
O que communico V. Exc. para sua iutclli-
gencia e ex cu rao.
Dios guarde V. ExcFrancisco Xavier Pinto
Lima.Sr. chefe de divisao encarregado do quar-
tel general da marinha.
t
GOVEMO DA PROVINCIA.
Kipediente lo dia 3 de Janeiro de 186o.
flicio ao Exm. presidente da provincia da Ba-
ha.Tendo recebido do encarregado dos negocios
o Brasil em Turim, inclusa carta, com a recom-
meudago de faz-la chegar com a uiaior seguran-
a e brevidade ao seu destino rogo V. Exc. a bon-
lade de, nos termos da referida recommendago
transraitii-la ao tonente-coronel Joaquim Ferreira
de Oliveira, a quem a mesma carta dirigida.
Dito ao Exm. presidente da provincia de Goyaz.
Acenso recebido com o offlcio de \r. Exc. de 20
de outubro ultimo, dous exemplares do relatorio
que V. Exc. apresentou a assembia legislativa
dessa provincia, no acto de sua installago em o
primeiro de julho do anno prximo passado.
Dito ao Exm. visconde da Boa-Vista, comman-
dante superior da guarda nacional do Recife.Re-
metiendo incluso por copia o offlcio que sob n. 1 e
data do primeiro do correle, dirigime o coronel
coiiimandante das armas, tenho a declarar V.
Exc. que convem attender ao que elle pondea
acerca do quartel para allojamento da Torga da
guarda nacional qne tem de substituir a que se
aclia destacada no quartel do Hospicio.
Dito ao coronel commandante das armas.Da-
claro a V. S. para seu conhecimento que em offl-
cio de 31 de dezembro prximo passado, coramu-
nicou-ine o inspector da ihesouraria de fazenda
ter-se enviado ao collector da villa de Flores, em
12 d'aquelle mez, pelo alferes quartel-raestre do
corpo de guaruigo a quantia de3:600AuOO is. pa-
ra occorrer aus pagamentos da forga de primeira
liuha all destacada do primeiro deste mez at 31
de margo viodouro, sendo que por isso nao ne
cessano fazer nova remes-a de dinhelro pelo l-
ente Manuel Joaquina Machado, a qnem V. S. in-
dicuu para esse fim.
Dito ao mesrao.Recebi o offlcio de V. S. desta
data, sob n. 16, e lico scienle de terem sido reco-
lbidus ao arsenal de guerra por parte do comman-
dante do 9 batalho de infamara, sem despeza
de couJugao, os artigos de fardameuto, equipamen-
to e muuieOes perteuceoles ao corpo de guarnigao.
Dito oo mesmo. Ao couhecimeoto do Exm. Sr.
niiuistro da guerra, vae ser submettido o offlcio n.
15 desta dala, em que V. S. participa nao se ter
distribuido no principio desie mez, es artigos de
fardaineulo a que leiu direito as pragas do 9o ba-
talliao de iufantaria.
Dito ao mesmo.Convenho em que fique adiada
fara o primeiro vapor que passar do sul depois do
aran, a ida do aospegada do segundo batalho
Jos Patricio de Mondonga para a corte, visto que
se acha gravemente euferma a mulher delle, como
consta do ofTicio de V. S. h. 14 desta data.
Dito ao mesmo.Remello incluso o requerimen-
to do subdito Belga Emilio Carlos Jordo, e o at-
testado que elle me apresentou, do quat consia
acbar-se desembaragado pelo respectivo cousula-
do, para que V. S. de i-onformidade cora a sua in-
forinago n. 9, de 2 do corrente, mande assentar-
Ihs praga no exercilo, urna vez que seja conside-
rado apto para isso em inspecgo de sade.
Dilo ao Dr. chefe de polica. -Tendo sido leste-
muuha dos esforgos empregados por V. ., dele-
gado do primeiro districlo ueste termo, e suoiele7
gados, para circumscrever e extinguir o incendio
que sulfreu o predio n. 29 da ra das Cruzes des-
ta cidade, no da 29 do mez que acabnu, e de que
V. S. deu conta no eu offlcio n. 1634, de 30 do
mez lido, cbeme louvar seu procedimento es-
perando que aproveite, de qualquer regulamenlo
bom sobre exlincgo de incendios, as disposigdes
que forera apphcaveis as nossascircumslancias, ou
organi.-c algum adoptado a esse servigo, para o
ilm indicado eu seu citado offlcio e para evitarse
a desordena que V. S. muito bem notou e que fl-
Iha da boa vontade e dedicagao com que o povo
presta seus auxilios em semelhantes occasides.
Dito ao inspector da thesourana de fazenla
Mande V. S. por em hasta publica a obra de um
pequeuo lango decaes, que tem de ligar oencou-
tro da ponte de ferro do Recite ao caes do Passeio
Publico, servalo de base a esta arematago o or-
namento junto por copia e a planta tambera junta,
que. nesta data approvei, e devendo a respectiva
despeza correr por conta do crdito consignado
para obras publicas geraes e auiilio as provin-
eiaes, no crreme exercicio conforme indicoa V-
S. em sua informago de hootem sob n. 6.Com-
municou-se ao ciijfeoheiro Domingos Jos Rodri-
gues, encarregalo da flscalisago das obras da pon-
te de ferro do Recife.
Dito ao mesmo. -Mande V. S. entregar ao Dr.
Braz Florentino Henriquos da Souza, que tem de
se apresentar na corte, como merabro da commis-
so revisora do projocto do cdigo civil, a quantia
de l:200ji, que pela ordem do thesouro n. 193 de
21 de dezembro ultimo, foi posta a minha disposi-
go, para pagamento da ajuda de custo arbitrada
ao mesmo doutor. Communicou-se ao predilo
domar.
Dito ao mesmo.Communico V. S. para seu
conhecimecto, que, seguado constou de participa-
gao da secretaria de estado dos negocio? de agri-
cultura, commercio e obras publicas, de 24 de de-
zembro ultimo, foi nessa data nomeado Antonio
Cavalcanti de Albuquerque para o lugar de aju-
daute da agencia do correio do Altinho, com ven-
c menij do agente quando flzer as snas vezes.
Igual commuuicagio se fez ao administrador do
correio.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Era vista da inclusa folha, e nao havendo Inconve-
niente, mande V. s. indemnfsar o corpo de polica
da quantia de 883320, proveniente das diarias tor-
neadas, a contar de jnlho dezembro do anno
prximo passado, dous calcetas empregados no
servigo do quartel daquelle corpo, segundo consta
de offlcio do respectivo commandante, datado de
hontem e sob n. 3.Communicou-se ao comman-
dante do corpo de polica.
Dito ao cnsul de Hamburgo.Recebi o offlcio
que me dirigi o Sr. C. L. P. Roock, cnsul de
Hamburgo nesta provincia, e tenho a dizer-lhe em
resposta, que mandei passar portara recommen-
dando que as fortalezas e registro do porto se nao
ponha impedimento a sahida do subdito hambur-
guez Leonhard Mittler-Ramp que vai para a Euro-
pa, flcando deste modo satlsfeito o que solicitou o
mesmo Sr. cnsul, a quem renov os meus protes-
tos de eslima e consideragao.
Dito ao inspjctor do arsenal de marinha.Man-
de V. S. collocar na barra do porto desta cidade,
defronte das fortilicagoes do Brum e Buraco, em
distancia de 600 a 630 bragas, como solicitou o co-
ronel commandante das armas em offlcio desta
data, os alvos fluciuantes que j estiverem naquel-
les lugares.Communicou-se ao coronel comman-
te das armas
Ditoao director do arsenal de guerra.Remello
por copia a Vine, para os Qns convenientes, a pri-
meira via do conhecimento dos objectos que o ar-
senal de guerra fez ltimamente seguir para esta
provincia no vapor Oyapock.
Dito ao mesmo.Autorisando-me o Exm. Sr.
ministro da guerra, por aviso de 14 de dezembro
ultimo, a mandar substituir por caplos os ponches
de panno que esse arsenal tem de fornecer a com-
panhia de cavallara desta provincia : o que com-
munico Vmc para que leve a effeito semelhante
substituiro.Communicou-se ao coronel comman-
dsnte das armas.
Duo ao chefe Interino da repartigo das obras
publicas.Para que eu possa resolver acerca do
pagamento, por Vmc. solicitado em offlcio de V
de dezembro ultimo, relativamente a 2a prestago
dos reparos e era bar rea me uto entre os marcos de
5 a 8 mil bragas da estrada do sul, faz-se preciso
que seja ouvido a esse respeito o engenheiro da
respectiva secgo.
Dilo ao mesmo.Pedindo o inspector da thesou-
rana provincial em offlcio de 23 de dezembro ul-
timo, sob o. 560, providencias acerca do estado de
ruina em que se acha o ladrilho do corredor que
d entrada para o edificio em que funeciona aquel-
la repartigo, e bem assim o da casa, da respectiva
guarda, recommendo a Vmc, que v ou mande
examinar aquelles ladrilhos, apresentando-me o
orgamenlo da despeza a fazer-se aliiu de serem con-
venientemente reparados.
Dito a cmara municipal da Victoria.Pelo of-
ficio que me dirigi a cmara municipal da cidade
da Victoria, em 17 de dezembro Ando, flquei scien-
te das razoes pela qual nao assignaram o termo de
arreniatago do imposto de 100 rs. sobre cargas de
baralho, carne e peixes seceos, os mesmos verea-
dores que linnaram o offlcio de 12 de novembro
ultimo, a que veio annexo o citado termo tirando
essa cmara inteirada de que deve datar os o Ule i os
nos dias em que sao elles feitos, e nao antidata-los.
Ficaapprovada a arrematago do imposto cima
mencionado, e a que se refere o citado offlcio de
12 de novembro.
Dito ao director da companhia do Beberibc.
Informe Vmc. com o que se lhe offerecer sobre a
conveniencia de estabelecerem-se registros nos en-
canamentos das ras mais distantes de chafarizes,
alini de que em occasioes de Incendios haja agua
ao alcance das bombas, e com mais facilidade se
coasiga aextinegao dos mesmos incendios.
Dito ao delegado de Santo Anto.Expega Vmc.
suas ordens ao commandante do destacamento des-
sa villa, aflu de que directamente e ndepenente
de intervengao dessa delegacia, preste ao Juiz mu-
nicipal desse termo as pragas que requisiiar para
as exigencias do servigo publico.Communicou-se
! ao juiz municipal de SaDlo Anto.
Portarla ao gerente da companhia Pernambuca-
! na.Em lugares de estado de que dispoe esta pre-
sidencia, mande Vine, dar passagem para o porto
| da ilha de Fernando, no vapor que para all tem
, de seguir no mez crreme a Mara Felippa daCon-
': ceigo e Francisca Joaquina Pessoa, casadas esta
I com o sentenciado Jos Flix Rodrigues e aquella
com o de nome Minoel Gomes da Silva Jnior, cu-
! jas comedorias sero pagas por ellas,
DitaO vice-presidente da provincia, attenden-
do ao que requereu Manoel Jos de Souza Nunes,
resol ve conceder-lhe licenga para embarcar para o
; presidio de Fernando, no primeiro vapor da com-
panhia Pernambucana que para all seguir, os g-
neros e objectos constantes da relago junta, assig-
nada pelo secretario do govemo, nao podendo po-
rm eflectuar o'desembarque dos ditos gneros,
sem que por parte do commandante do presidio se
proceda a exame, para se verificar se ha agur-
denle ou outra qualquer bebida espirituosa.
Igual licenga foi concedida a Henrique Jos Viei-
ra da Silva.
Dita.Os senhores agentes da companhia Bra-
silelra de paquetes facam transportar para a corte
por conta do ministerioda guerra, no vapor Para-
n, o soldado desertor do segundo batalho de in-
famara Vicente Luiz Seabra, que vai recolher-se
ao mesmo batalhoCommunicou-se ao comman-
dante das armas.
Expediente do secretario do governo do dia 3 de
Janeiro de 1865.
Offlcio ao coronel commandante das armas.S.
-Exc. o Sr. vice-presidente da provincia manda
communicar a V. S. que por despacho desta data
autonsou-se o director do arsenal de guerra a sa-
tisfazer o pedido do commandante da fortaleza do
Brum a que allude o seu offlcio de hoje, sob nume-
ro 20.
fiscal; aguardado o resultado que ella produziria
no decurso de um anno.
Apraz-me informar V. Exc. que esse resultado
excedeu a toda espectativa, dando urna receita
muito superior a dos annos anteriores.
O movimento dos trens e todo o mais servigo do
trafego se efTectuou sem sensivel regulandade.
O trem rodante, que emprega a companhia con-
tina a ser insufflciente; resultando d'ahi que com
grande embarago possa haver algma regularida-
poder ser feila pelos habitantes d'aquelle lugar,
urna vez que a elles aproveila a construego do
paiol em outra parte.
Depende, pois, de solugo detlnitiva este nego-
cio, para o qual chamo a attengo de V. Exc.
ARSENAL DE GUERRA.
Este estabeleeimento publico alm de outros
misteres, ressente-se de falla de espago para me-
Ihor satisfazer s exigencias do servigo.
Do aviso do l. de agosto prximo Ando para o
de nos transportes das mercadorias. E' impossl- qual chamo a attengo de V. Exc, se v que o go-
vel dar maior desenvol'imento ao trafego da eslra- -
da, se o governo imperial nao procurar remover
aquello obstculo.
O estado deploravel em que se acha a actual es-
tago central das Cinco-Pontas tem occasionado al-
guns inconvenientes.
Alm de arruinada nao oferere ella os comino-
dos necessarios ao seu movimento ; a incerteza de
sua conservago naquelle local tem contribuido
para que a companhia nao realise os dispendiosos
reparos que ella reclama.
A commisso liquidadora da garanta de juros
desta estrada de ferro tem fuoccionado regular-
mente. Os embaragos, creados aqui pela gerencia
da companhia, tem sido removidos, e actualmente
a commisso nao encentra mais difflculdades no
cumprimento de seus deveres.
Pela garanta do semestre prximo, terminado
em 20 de junho ultimo pagou o governo imperial
companhia 295:6843347 proveaiente dos juros
de 7 O/o ; desta quantia pertence esta provincia
pelos juros addicionaes de 2 O/o a que se compro-
metteu, 84:481^242.
Para mais desenvolvidos esclarecimientos encon-
trar V. Exc. na secretaria do governo os relatnos
do engenheiro fiscal, era que, comprazo-me de o
dizer, encontrar a adtmnistrago de V. Exc. um
auxiliar valioso.
CONTRATO MILET.
RELATORIO
com que o Exm %r. Dr. Domin-
gos de ftouza i.eo entreson a
admlnistraco desta provincia
ao Exm. Sr. vice-presideute
desembargador Anselmo Fran-
cisco Perettl.
(Concluso.)
ESTRADA DE FERRO.
As obras desta estrada conservam-se em condi-
goes muito regulares, gragas principalmente ac-
tividade, znio e intelligencia que tanto distinguem
o sea digno engenheiro fiscal, Dr. Manoel Buarque
de Macedo.
as suas ultimas secgoes substttuiram-se por
outros de maior dnrabilidade mullos dormenles ar-
ruinados.
A companhia, cujo cargo se acha esta empre-
za, procura prolongar a linha frrea at o centro
da cidade. Julgo esta medida de grande alcance
para o futuro da estrada ; della se tem oeenpado o
governo impvial, que espera v-la brevemente
realisada.
A estrada arrecadou no decurso dos onze mezes
fiodos em novembro ultimo 370:0684703 tendo
despendido em seu costeio 311:943*481, ou 84,
2 O/o ; segundo se infere das contas da compa-
nhia
Circularam no mesmo periodo 137,955 passagai-
ros de diversas classes.
Os trens percorreram 94,836 milbas.
O governo Imperial mandou adoptar provisoria
mele a nov tarifa confeccionada pelo edgenhelro
verno imperial procura providenciar acerca dessa
necessidade.
ARSENAL DE MARINHA.
Nada tenho de accrescentar ao que o raeu ante-
cessor expoz a assembia provincial em relago
aos melhoramentos do arsenal de marinha.
Em consequencia de pedido meu, por aviso de
17 de junho ultimo autorisou o ministro da fazen-
da requesigo do da marinha a demoligo, que
j se acha concluida, de tres pequeos edificios
velhos, de propredade nacional, situados em fren-
te do mesmo arsenal.
A demoligo desses edificios trono a dupla van-
tagem : l. de fazer desapparecer a agglomeragao
de pessoas de mos eostumes, que nelles se abri-
gavam; offerecendo funestos exemplos de corrup- i
gao aos aprendixes menores do arsenal, e desagra- i
daveis scenas aos outros habitantes circumvisi- i
nhos; 2." de proporcionar urna praga, que ajard-
nala, e plantada de arvoredos, servir de lugar
de passeio para distraego agradavel aos morado-!
res do bairro do Recife, onde nao existe nenhum '
melhoramenlo publico dessa ordem.
Ordenei ao respectivo procurador fiscal que pro-
movesse e procurasse adiantar a solugao de ques-
toes suscitadas por alguns proprietarios, que se \
dizem com direito a urna pequea parte dos terre-
nos contiguos aos em qne estavam os referidos edi-
Befes. Sei qne j aquello funrronario tem dado
alguns passos no sentido indicado.
MELHORAMENTO DO PORTO.
Para este fim nenhuma obra nova se ha empre-
bendido.
i
^5
3
2
I
o
s
ca
o
3
Cl
S
2 a. o
2

5
O) "1
O
3 O
a
S fe B
I
'
n
>
Convencido da necessidade de ampliar a zona de
actividade da estrada de ferro desta provincia, no
intuito de diminuir os grandes encargos que a ga-
ranta de juros faz pesar sobre os cofres pblicos,
centratei com o engenheiro Milet para fazer um re-
conhecimento geral d mesma zona, aQra de que se
possa determinar a abertura. de novas estradas,
que, augmentando os productos dessa parte da
provincia, fac litera o seu transporte para a via-
ferrea, e coatribuam assim para sua maior re-
celta.
O mesmo engenheiro, alm de outras condigoes
constantes do seu contrato, se obrigou igualmente
a apresentar um relatorio acempankado do estudo
dos trabalhos e obras, tendentes quelle lm, em
exeaso nunca menor de 25,000 bragas; consis-
tido nos respectivos orgamentos com as necessa-
rias plantas, em qae se achem o trago das estradas
e os convenientes perfis, tanto Icngitudinaes, como
transversaes.
Effecluando esse contrato tinha em vista habili-
tar a presidencia para com dados precisos, solicitar
da assembia provincial, em sua prxima reunio,
os fundos necessarios para a realisago de um ser-
vigo que considero urgente e de incontestavel uti-
lidade.
O facto de nao achar-se a repartigo das obras
publicas cora o sea pessoal completo para poder
entregarse aquclle genero de trabadlo, e a incon-.
veniencia deadia-lo para quando se dsse essa pos-
sibilidade em poca diflcii de precisar, me levou a
contratar o estudo, de que trato, cora o engeuheiro
Milet, era quem alias sobram as necessarias habili-
tagoes para bem descrapenhar a tarefa de que se
incumbi.
EMPREZA CAMBRONE.
Os embaragos que esta empreza tinha encontra-
do para a execugo do seu contrato, provinham da
intelligencia a dar-se disposigo do art. 41 do
mesmo contrato, no qual seestipulava que nenhum
outro systema de latrinas seria erapregado, seno
o adoptado por ella.
A ioterpretago perm dada pela lei n. 552, que
declarou ser obrigatorio para todos e nao faculta-
tivo o servigo contratado, fez desapparecer aquelles
embaragos.
Em vista disio o emprezario foi a Londres levan-
tar os fundos de que precisava para proseguir nos
trabalhos j comegados ; mas c negando alli a no-
ticia de que a assembia provincial hava revogdo
aquella lei, nao pode realisar a incorporago de
urna companhia, que pretenda tomar a si o con-
trato datmpreza.
Entretanto nao tendo eu sanecionado o acto da
assembia provincial, a que cima alindo, de es-
perar que possa agora e mesmo empreiario levar
a effeito esse negocio.
CAMIN'HO DE FERRO DESTA CIDADE A' PO-
VOACO DE APIPL'COS.
Acha-se definitivamente contratado com o baro ^l^8? 1"e- em P2'zes coino" noss0"' encoa
do Livramento, Dr. Jos Bernardo Galvao Alcofo-1,r" ,r*"os,dejsa ordem-. ...
rado e Antonio Lu.z dos Santos, a construego do nJf^J^d1eni! caminho de ferro, ou tr.lhos urbano, de qu tirata Q,m ecn")' resolymo favoravelmente, pode
a lei provincial n. 518 de 21 de junho o>186I, fiSSSitSSMSS Vf'Ll^'
desde esta cidade at a povoago de Apipucos. I ^ "p,ro.pr,,do?, par-a a -Unda,;a0 da ffenda' .
K v yv Pelo custo de situagao tao conveniente, como a
Autorisado pela assembia provincial na sna ul- que el'fis offerecem e pelo proposito de evitar
tima sesso flz o contrato, de accordo rom os em- maiores sacrificios ao thesouro provincial, dirigi-
Ainda o governo geral nao resolveu sobre as di-
versas propostas ltimamente apresentadas para a
execugo do melhoramento do nosso porto, neces-
sidade cuja satisfago sentida por lodos e jalgada
como urna das condigoes do desenvolvimento da
oossa riqueza.
Os trabalhos comegados continuam a ser execu-
tados, sobre tudo a escavagio do porto, do que de-
pende principalmente a conservago do fundo suf-
ficiente para facilitar a entrada dos navios.
Tendo o isthmo de Olinda sido corlado pelo mar
em 31 de maio entre b forte do Buraco e a, Cruz
do Patro mandou o governo imperial, em vista
do que lhe crorauniquei, em offlcio de 2 de Janei-
ro, quojo capitao-tenente d'armada Geacomo Raya
Gabaglta viesse examinar o isihmo e esludar as
consequencias, que o arrorabameclo feto pelo mar
podena traaar para esta capital e para seu porto.
Nenhuma i rovidencia at hoje foi tomada, depois
da retirada do referido capilo-tenente, que de vi-
va voz rae assegurou nao inspirar nenhum receio
para esta cidade aquello facto, o qual tambem no
seu sentir de poaca importancia seria para o
porto.
LAVOURA.
Conhecendo praticamente o estado pouco lisn-
geiro em que, por causas complexas, vive a nossa
industria agrcola, ameagala incessantemente de
completa ruma, consignei no relatorio que apre-
sentei a assembia provincial algumas ideas que
me pareceram ser-lhe aproveitaveis.
Entre outras lembrei a fundago de urna fazen-
da modelo, cujas vantagens procurei ento desen-
volver.
Em seu zelo e patritico interesse pela prospe-
ridade da provincia concedeu a mesma assembia
ao- nosso Instituto Imperial de agricultura urna
subvenco annual de 23:0005000, dorante um
quatrieanio, no caso de fundar elle urna fazenda-
modelo, destinada a cultura da canna e respectivo
fabrico do assucar.
Por urna ouira disposigo foi tambem concedida
ao presidente da provincia autorisago para reali-
sar no exercicio preseote alguma opergo de cr-
dito at 100:OOJ5<)00, com o Ilm de comprar terre-
nos e utensilios tambem destinados ao referido es-
labelecimenlo.
Empenhado na effectuago de um melhoramea-
lo, ii qne contino a ligar a maior importancia
tratei com afflnco de estudar os meios pralicos pa-
ra sua consecugo; inierpondo todos os recursos
que me podiam proporcionar nao so s relagoes
offlciaes, mas at as de pessoas de minha amizade.
Reconlieci por propna ex|ieriencia que me nao
engaara na previso dos tropegos e embaragos,
que encontrarla na execugo da ideia indicada;
mas estou ainda convencido de que a perseveran-
ga, secundada pelo lempo, conseguir superar as
c
i
e-

ts,
ti
o
a
s-
, a
I ?
prezarios, as modificagoes que me pareceram mais
rasoaveis c conformes com o interesse publico.
No archivo da secretara do governo encontrar
V. Exr. o contrato qne me reflro.
At o presente ainda nao se iniciaram os traba-
lhos dessa obra de tao recorrhecida vanlagem.
OBRAS MILITARES.
rae ao governo imperial, impetrando a concessao
desses terrenos, que foram por mira designados.
Minislrei para esse lim os esclarecimentos, que
me foram exigidos.
Obtida a concessao ter cessado um dos mais
graves embaragos para a realisago do projectado
estabelecimento.
No archivo da secretaria achara V Exc..todos
,,.,... i os dados o documentos que respeitam este as-
Por falta de crdito na verba competente nao se | sumpl0 para 0 qaal invoco a especia| altenC5o de
tom podido realisar os pagamentos reclamados por y C
diversosarremaiantes de bras contratadas pela #Na expectativa de preparar os elementos neces-
repartigao das obras militares. I mios e de adquerir as precisas inforraagoes, que
Os inconvenientes que d ah resultara para o devara servir de base qualquer resolugo do
servigo e para os inleresses da fazenda, nao esca- '
parao por corto prespicacia de V. Exc.
Submetti ao conhecimento do
Instituto deixei de o convocar.
SECRETARIA DO GOVERNO.
governo, algons
reqoermenlos, qne me foram apresentados acerca
de taes pagamentos: at o presente nenhuma so-
lugao foi dada.
Tendo expedido ordem para ser construido no
lugar denominado Torre o palol, para onde deve
ser transferida a plvora do deposito era qne ac-
tualmente se acha, em cumprimento dos avisos
expedidos pelo ministerio da guerra em 22 de ju-
nho do anno passado e 1. de fevereiro ultimo,
mandei sobr'estar na execugo dos trabalhos; em
vista de varias representages, que me dirigiram
os moradores d'aquella localidade, fazendo ver o
risco, a que Ocavam expostos, e o obstculo que
se oppunha edificago .futura em um lugar lo
azado para o augmento desta cidade.
Parecendo-me attendiveis ests raides, mandei
fazer os estudos necessarios no lugar denominado'
Iburaque, como se veriflcou, offerece condi-1
g5es vantajos para a construego de uro paiol,' go para que sua admlnlstrago seja mais un novo
sera ter os inconvenientes, apontads as repre- i titulo ao alto conceito de que goza, aproveito-me
sentages, a que alludi. da occasiao para assegurartbe os senlimentos de
Entretanto, tendose j verificado a compra pela"' perfeita estima e consideragao, que tributo a pes-
thesoararia de fazenda do terreno preciso para a se* de V. Exc.
construeco do paiol na Torre, na Importancia de Palacio do governo de Pernambuco, 1.a de do-
2:0005000, entendo que a fazenda nao deve ser zembro de 1864.
prejudicada em essa despeza, cuja indemnisaco Domingos de, Souza uao.
Esta repartigo encontra na marcha dos seus
trabaloos, embaragos dev los defflcencia do seu
pessoal, qae se conserva o mesrao desde 1836,
poca em que as necesidades do servigo publico
nao eram to extensas, como hoje.
Os empregados da secretaria sao em geral me-
recedores do considerado, pela maneira por que
seconduzem no exerclcio de suas funcg5es; e
faltara justiga, so aqui nao menclonasse espe-
cialmente o nome do seu digno chefe, Dr. Francis-
co de Paula Sales, caja intelligencia e zelo no cum-
primento dos seus de veres o tornara credor de to-
do o aprego elegi.
Tenho concluido as breves inforraagoes que
aeerca dos negocios pblicos julguei necessarias
ministrar V. Exc, cuja pratica administrativa,
illustrago e patriotismo suppriro o que ha de
defectivo Hesle trbame:
Manifestando V. Exc. os sinceros votos que fa-
S
o
V
S
o'
a.
ts
O.
a
TJ E
&
C3
a
-
.a
c
o.
o
>
o
o.
r.
c
a
o-
Ci
o
c
<
2.
5"
o

o
99
o

-i
c
<
n
a
c
o
o
-1-^-1
-i
i f
I I
=; 5
y.
3'
o
o
i i
f E
11
o o
o
o
o.
>
3
S?
S?
<
n
a ~
3
S f
= 8j r?
S5

< s.
en 3
O. B

S
O s.
y >i
V n
c
o o CT
M O
o a.
3 a
> i2Sfs
i |
>
a
&S.
c
n
3
a
B'
o
a.
CD
>
a

3
o.
P
m a m
&3J ^ ~*
a.
a
a
o

c
es
o
S-
!?
<
o.
f
"
2.aOO
H "Z2.t
* w s
BiSfe
o o o
c
i
3 i si
llai
o .
I
iiifl
2
cl

O
>
o
o
3 --
z
ce
>
a
9Q
9
o
o
O
a.
VI
ts
v
S9
O
o
a.
ro
O
-
O
o
c
e
a
o
o.
>
en
o
o
D
S
BE "
O
o
c
S
u
a
o
n

o
B
S: ^
S 5. > P
B 9 5
a.
o
S
v

c
93
c
C
O
s
o

n
i
c
> =
3
n p"
I
a
D
--
V)
a
o
Vi
o
S
o
>
a
o
3. >
o a
9
o
en
o
3
i |
2.
o.
S
9 K
9 S
gp
? i
? <
&
o
i I I
=" 3. 2.
S o o
11 i
o o a
-- a. c
5 i
B n o
I
i > S
: f
; s
S VI
a
i 1 P
T3
EU
B
s
W
O.
>
3
H.
O
K
o.
o
a.
a.

L.
3
c
D
O
3
i CQ
I V>
b O = o
3,?1B
g

* 5
o 3
flf
Di -
i
o S;
^(.3
g3! i f gf S
b. j. 2: gf
: s o : c-:
. o : : :
mace
n n n
* LioL
Ss?
3 2.3
o *
S"
u> ce
o
"9
O OO

2 32: <== o
2 S. Si cd = o
' Bl-ss'i 5'
sffsi 3 H*K lili
u
= 9
2 9
5 2
>
*!?c?
o
o _
a
.c
oo O
C=3 S
CC n
=1=3 B
2 *
3" o
B
o< o
a
E*? as
o o a o o ;* r
- es. ^j
a
w
Q,.
ce .
<
g 2.
So.
a"
SSE
C Oa3
3 g"H?-
<
>t5|
O 2.
ce o
r.
ce
vj Da O 2,
' a a O
-j i a-
Epi :
= N
. 2
CD ^ .
^'co
. o o.-
o .
KS
w a a.
r -
S m "
O. M v> 5
~- -* O O
__0 O O D
ni! p
O
2'-
2. P
o -: c =
ce.. c
: S
3
o
3
1
w
S' 2.
2. es. "3-
o
IWJ
D o o 3
2. O O =
atg
2 B "
w* 2
5.CD0Q
l||!
0 = 0 -5
s> S 1
< r> n<
2 "
2S
o.: S v>
f:|;
??
M -i
-1 dj 2
S = 3
ce o 3
IfJ
O CD
O. i
> "
as?
3 i.->
: es$
u ,
2 -"-t
;i]
*
c
3
6
9
9
O

a
2
a
m
m
sr
B

3
B
a
n
i
B
SI
3
w
9
t
O
EXTERIOR.
O sossobro do Florida.
Se o despacho do almirante Poster anaunciando
a delruicaa do vapor corsario Florida, por aca-
so, pode ser considerado exacto, eremos que o pre-
sidente proceder logo urna minuciosa e diligente
investigago sobre a, circunstancias do facto, de
modo que liqueinlelramenlo esclarecido. Como est
concebido esse despacho o incidente tem um aspec-
to equivoco. Se tiver-se dado que essa destruigao
fora ordenada por algum empregado do governo
alim de acabar urna desagradavel questo de di-
reito internacional, nao vemos punigo assaz se-
vera que possa serjresposta aos miseraveis, que
assim langaram sobre nossa reputago nacional
urna lo negra mancha.
Mas se o accidente foi o resultado do descuido,
essa negligencia mostrase com circumstancias
equivalentos um mine. Nossa posigo relativa-
mente ao Florida era a de depositarios ou guar-
das. Capturados por nos, nem por isso era pro-
predade nossa ; estava em nosso poder, mas co-
mo um deposito que devia ser religiosamente con-
servado at que os tribunaes decidissem se foi
justa sua capturr, ou se devia ser posto em seu an-
tigo estado. Qualquer" damno que lhe acontecesse
estando sob nossa guarda, seria urna grande des-
graga, para ser de leve considerada ; um tal acci-
dente comprometi a boa do governo e da nago,
e antes queremos que JetTerson Davis teuha urna
frota de Floridas, do que tolerar a mnima sombra
que possa fazer duvidar de nossa probidade e a-
racter oacioqal.
Talvez, como suggere um jornal desta manha,
que um excessivo zelo tenha levado o capitao a
cortar um no, que antes devia ser desatado. Sendo
assim receba elle o castigo que merece, e seja um
aviso futuro a todos os homens corruptos e inep-
tos, para que melhor procedan.. Por conseguinle
a questo relativa ao Florida deve proseguir, co-
mo se elle anda estvesse fluctuando no surgidou-
ro de Hampton. Deve ser accntalo entre o go-
verno brasileiro e o nosso o que recto e justo era
suas premissas, e qualquer que seja nosso de*er
quando for dada essa deciso, crea todo o mundo
que ser executada na melhor boa f, inda que ti-
vessgmos de construir_um novo Florida e mnda-
lo para a Bahia. ., .
Naturalmente nossos inimigos externos dirao
que o sossobro do Florida ura estraiagemo yan-
\ue, e recusarlo crer que foi um mero accidente
que o metteu a pique. L'm Ul povo pode por si
julgaros outros povos. Mas se fosse um estrata-
ma nao seria por certo testratagema yankee que
ordinariamente tem o cunho da sagacidade ; mas
urna estpida e grosseira pega semelhante do
compromisso que serrasse o ramo sobre o qual es-
tvesse sentado, entre si e a arvore, e assim com
elle se precipitaste.
Assim, pois, a vista dos fados, o caso do Florida
de urna tal ualureza, qua nossos inleresses de
corso n'uma futura guerra, sero immensaraenie
heneflclados pelo presidente de entregamos este
navio pelo pedido do Brasil. Pode soppor-se que
um offlcia.1 de mriaha velbaco capturoi-Oj s6 com
o lim de que sua entrega poderla estabelecer um
precedente importante, para nos seria urna pega
propria da Velhacaria yankee- mas urna delibe-
rada dostrulgo do navio ba existencia de taes cir-
cumstancias, seria urna ineptido que nao podemos
crer que qualquer que esteja aflecto ao publico
servigo, possa tornar-se della culpado. E' o que se
deve tornar a todos patente.
Adagemos a esperanca de que urna urgente e
severa investigagao ser'ordenada pelo presidente
a respeito de todas as circumstancias desse nego-
cio ; se foi inevitavel, como se diz, o facto dever
apparecer com a mais iodubitavel evidencia ; se
nao foi inevitavel,como os inimigos da nag.io asseve-
ram, o governo esclarecer o publico do melhor
modo possvel. Os proprios instinctos de honesti-
dade e cordura do Sr. Lincoln sao por demais for-
tes, para se admittir que elle desprese ou mesmo
posponha urna materia lo essenclal nossa repu-
tago nacional.
(The Ecening Post de 29 de novembro do 1861.)
PERNAMRUCO,
REVISTA DIARIA.
Reunio-se hontem o Instituto Arckeologico e Gto-
graphico Pernambucano, sob a presidencia do Exm.
monsenhor Muniz Tavares e com assislencla dos
Srs. Drs. Joaquim Portella, Soares de Azevedo e
Witruvio Pinto Bandeira, padre raestre Lluo o ma-
jar Salvador Henrique.
Lida e approvada a acta da sesso precedente, o
Sr. secretario perpetuo d conta do seguinle expe-
diente :
Dous exemplares do Ensato Litterarto, offereci-
dos pela redaegao.Recebido com agrado, mao-
da-se archivar.
Varios nmeros do Brasil Histrico, oflerecidos
pelo Sr. Dr. Figueiroa.Recebido cora agrado, sao
mandados archivar.
Varios nmeros do Constitucional Pernambucanor
offerecidos pela redaegao.Recebidos com agrado,
sao mandados archivar.
De vendo entrar era discussao varios pareceres,
sao adiados para sessSo mais oppoi tuna.
O Sr. Dr. Witruvio Pinto Bandeira come relator
da commisso de fundos e orgameoto requer, que
lhe seja mandado dar o orcamento vigente da re-
ceita e despea, alim da mesma commisso orga-
nizar o orcamento futuro e poder instituir o exa-
me das contas apresentadas pelo mesmo tbesourei-
ro..E' mandado fornecer.
Nao havendo nada mais a tratar, levanla-se a
sesso, sendo designado o da 19 para a prxima.
No dia 29 do mez ultimo inslallou-se na ca-
pital da Bahia a associagio de colonisago polaca,
no palacio da presidencia ; compareceram os mem-
bros fundadores desta sociedade convidados peto
encarregado desta insumiese ao Brasil. A sesso
foi presidida. prvYisoriaaea* mo Eso. Sr. arbe-
bispo, e sob os auspicios do Exm. Sr. presidente
da provincia coraegarara os trabalhos.
S, Exc. o Sr. presidente pronuoclou um Incido
discurso sobre o assumpto, e depois de lar a eircu-
fcr Sa assoclicJo de Peroambqco (que depois pu-



HIHHHHBHBHHHHHHIHHI
HM^PHHV
r
mmmmmm
i

alarlo de Pernambuco Sabbado 9 de Jauch o de l S65.
_

Micaremos) entregou ao Exm. Sr. arccbispo a di-! C esloo em Oliuda, ou, antes n'uma Cidade ca-
reccao dos trbalas, 'daver.
O Exm. prelada profera igualmente urna alio- Sabe o que hoie a vetusta capital de Pernana-
cncio obre a materia, firmando na ret*ao a ffr taw, desenthroaada e de-crepita, dVsewnabiVi
inspida, como urna velUa narjec.il com preta-tajjees
deloureira? Concdame etTio fazer-lhe urna
analyse suscfnta do lugar tao decantado nos an-
naej da historia patria, e hoje de maior prestigio
eraageado pelas exhalacfles do tmulo, na bella
pbrase doimraortal autor da Primavera e Outono,
por quanto, como dlsse e repito, Olinda nma ci-
dade cadver.
Soppunha vr para um lugar, so nao transpa-
rente, pele menos opaco : illudi-me, encontrei-o
tenebroso.
que nntro na realsaco da grandiosa idea du col-
nisac.o entre os doifs pbvds.
Sao membros fundadores :
S. Exc o Sr. arcebH>o da Babia, presidente ho-
norario, servtado provisoriamente.
S. Exc. o Sr. D. abbade de S. Bento, vtee-presi-
deote honorario.
Dr. Joao Jos Barbosa de Oliveira, secretario
interino. fc ,
Dr. Domingos Rodrigues Seixas, 2 secretario in-
Aoprimeiro aspecto, sent confranger-se-me o
termo. i
Coramendador Frvncisco Exequiel Meira, teen-1
te-coronel Joao Josiele, major Costa (Soimaraes, coracao, como ao penetrar do liminir de nma ha
Dr Amonto Januario de Fana, Manoel Belens de bjtacao de mortos. laminhei por suas ras ma-
Lima Dr. lose Martins Alves e commandante das cuentas e quasi desertas, e em breve deparei com
armaj hahitaco que me fura reservada. Feliz ou infe-
Na mesma occasio foram lembrados para mem-; lmenle, era urna casa de apparencia lgubre,
bros conselheh-os os Srs. : defrontaaa pelo ohio de um templo (que nio direi
Dr Satu.-tiano Ferreira Souto, Dr. Antonio do anciao, pleonasmo mtoleravel nesla trra), consa-
Araajo Arago Buleo, Antonio Francisco de La- erado ao Pescador'PontiBce, e intitulado twtw-
cerda, Dr. Antonio Alvares da Silva, Francisco Fe-
reir Vianna Bandeira, Candido Pereira de Castro,
tenente-coronel Domingos Antonio de Oliveira Me-
relles, Manoel Jos de Ftguetredo Leite e Joaquim
Pereira Marinho.
Para membros protectores os Srs.:
Coronel Antonio Pedroso de Albuquerque,| Joao
Cezimbra, eugenheiro Francisco Pereira de Aguiar,
Jos Mana Cardoso, Dr. Antonio Pedroso de Alhu-
querqni-, GencMo Alves Guimaraes, Francisco Xa-
vier* Mirln^ Dr. Seba<>Uo Pinto de Carvallio e
Thebdoro Teraeira Gomes. -
Oira huinauitario des-a assoeiaeao toca a todos
os rJbracdes e a todos os povos.
j- ^Remellen) nos o segrate :
nao por anlilhese e sira porque o epitheto llie fra
conferido desde o berco, e inimulavel devera per-
manecer.
Sahi noite e dirigi-me i igreja do Amparo,
eonduzdo pela minlia inclinacao festiva. Entrei.
Cantava-se um Te-Deiim. A decorado era pobre,
a msica era pobre. Pauperismo em tudo, sem to-
dava achar-se um antagonismo com a immensda-
de de Deus. Era urna fe>ia evanglica. Havia tam-
bem alguns fulgores. Vi urna eslrellinha seinlil-
lante e innundei rne com seu brilho. Lcnilivei um
pouco o tedio do isolamento. O co que cobra Olin-
da tambem tem seus recamos.
A' tardado da immediato, sahi a pereorrer os
pontos uiais notaveis da cidade, cen o designio
bjvenoo abbado 7 do correte aquarlelaro lnguido de contemplar o fastigio da anoiquiaco.
* batalhao de infanteria da guarda nacional, para fciilrantaei-me pelas suas ras sinuosas, por suas
renero f da mesma arma deste municipio, que
se acha no Bospkio, venllo por intermedio sua
-evlsta pedir-ino que se digne lembrar a s. Exc. o
Sr. presidente d* provincia, que attendendo a oue
o referido 2 bataliio da freguesa do S. /us, o
madde acuartelar na fortaleza das Cinco Pon tas por
estar desocupada, e mesmo por ser mais|coinmodo
aos anisas, por quanto sendo quasi todos mora-
dores na mesma freguezia llies ser menos oneroso
o prestar alli os seus servicos que no Hospicio
De erdem do Dr. delegado esta capital foi
preso e acha se recomido casa de detenco Jos
Rufino da Silva, 9 conductor da< orto sao-as de al
ladeiras ingremes. Ora, vejamos o que sao as ras
de Olinda. A mor paite, dellas calcada. 0 seu
calcaBtente-anie-paralelliptpedoseinelna archipela-
gos, em que o mar ierra. Desafio a quatquer
gymnastico a passear por ellas sem cambalear,
sem trpeear. A vegetafo se ostenta prodiga, mas
urna vegelaeao hedionda. Quenj passea em Olin-
da, est isenio de um ahairoanienlo. Ha de eeon-
trar poucas almas : em compensacao, ver-sa-ha
importunado pp|a raca canina, suina e caprina, I
que em borbot5es vaguea inclume. Os piifsrios |
de Olinda que uaoeslao ioieiramente dissoltfidos,
sao irregulares e inconsequentes. Caminha-se
vezes un tanto suavemente, e .mando a gente nie-
l-fachada do templo tem um nao sel que de mages-
toso. Suas duas torres, una deltas j Inanida, cir-
cundam-o de um aspecto de gravidade medita-
tiva.
Era noite. Se eu nao me houvesse imposto um
compremisso, fa-lo-hia entrar cornralgo. Podena
dizer-lhe o que cntao vi. Diria que a sua nave
era quasi deserta, e apenas um grupo de mulhercs
piedosas entoavam um saudoso canuco VIrgem
fflii; que a brisa cada as ogivas fazia tremular
a luz paluda dos cirios moribundos ; que as abo-
badas enegrecldas pareciam repercutir ainda as
oraches liarmontpsas dos Levitas que os accordes
suaves das orchstras n;io se tinham esvaido intei-
ramente, o que as ondas perfumosas do incens
Agua florida.
Agua Florida ok Mcrrat e Lanman.Existe
por certo urna qualidaue altamente sanitaria, suave
e deleitavel na deliciosa fragrancia desta agua po-
pular que de tao grande ornamento serve ao loa-
fcador.
Ella como por encante aos fax lembrar o dul-
csimo incens florido de verao ou a fmilacao de
Sabao.......... 120
Sai.......... rquftire 400
Salsa parrllha....... arroba 255000
Seeo em rama...... > V 3JJ000
dem em velas........ 7*000
Sola em vaqueta...... nma 2>>00
Tabeas de amarello. .... duzia 1401000
dem diversas. ...... 87,|O0O
um favorWo tom de msica amigo, o qual porven- Tapiocas......... arroba 3000
tura nos faz recordar aquellas soenas j passadas, Tatajuba......... quintal 1iQW>
durante os quaes ouvimo-lo pela m prlmeira. E' Travs ......... urna ttJJOOO
espiritoalisante^e delicado como o aeoma da ge- Unhasdeboi....... Cento 200
nalea agua de Colonia, e com tndo o sen perrtHBe Vassouras de piassava. ... 101000
mais profundo e duradoura, e a sua fragrancia Ditas de timb .....
nunca Rinda nem enfraquece, como acontece .com Ditas de carnauba
mandei fazer o presente edilal que ser affixado
dos lugares do eostume a publicados prla im-
prensa.
Dado e pssado Desta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 12 de dezembro de 1864.
Eu Manoel de Ca valbo'Paes de Andrade, cscri-
vao o escrevi.
Trittao de Alencar Alarife.
DEClAHAfuES.
pareciam elevar-scespiraUeT^ .........canada 500
riMlco do Allissimo. Poderia tambem duer ne V0|alis ^ y i Alandega de Pernambuco, 31 de dezembro de
ao longe, o pagado brome funerario fazia ouv.r | As f0nn0ras n qes geralmente soflrem de do- 184- .
. .s nervosas de cabeca, Iho do a preferencia (Assignados):
os seus clamores nungntlsiinu>,.revelando lalvez res nervosas decbeca,' Iho do a preferencia
Dira que eu eni.no approximan- ,oda e qnt|oar uma voulra aoplicacao local, como
do-me a um altar grandioso que encerravac.nze-in.ne^^ meio de ,,,,,. dorcJ
lada a imagem da tragedia sublime do Clvano,
seu apparato pavoroso ore e deslum- j duea[e elle por sem duvida eminetemene
em todo
brei-me
No exterior do templo, confronte su entrada
principal e nica, eleva-se, em base (Irme, o cm-|
blema venerando de nossa redempcao, que exten-
deudo os bracos protectores, parece relembrar con-
tinuamente s gera;d>s, que emquauto ellas per-1
passam, translornando a ierra com os vestigios do '
seu orgulho, at que a humilhacao do tmulo as
venha confundir, s o seu imperio tem permanec-
do inquebrantavel, e de ver assim atravessar a
tenebrosidadd dos seculos.
Apesar de homem, tive enlao nns desejos de
chorar. Se aqu nao possuisse os affqalos da fa-
milia, tria reemigrado. Repassei-roe de saudade
reecordando as nossas digressoes poticas, nessas
noltes argentinas, pula.-, ras esmaltadas do nosso
bello Reci Te.
. e em
qualidade de um perfume para o quarlo de um
re-
frigerante e agradavel.
Referimo-hos tao smente quanto agua flori- '
da de muhray e i.amnan. Quanto s imiacoes sao,
, ellas despresiveis e nao merecem a mais leve
(menco.
Acha-se era todas as lojas de perfumaras.
Vende-se tnicamente em as pharmacias de'
Caors & Barbosa e J. C. Bravo & C.
SOMMEBGIO.
0 1." conferente, Joaquim Aurelio WanJerley.
O 2. conferente, Jos Thomoz de Cumpos (Jua-
resma.
Approvo. Alfandega de Pernambuco, 31 de
dezembro de 1864.A. Eulalto.
Conforme.O 3." escriptHrano, Joao dos Santos
Porto.
Recebedorla de resmas Internas
ge raes de Pernambuco.
Rendimento do dia 2 4......... l:999&13
Idera do du 3................
O dia natalacio, em Oliuda. surpreendeu-me.
Bandos de mocas invadiam as roas. Era um ar-
ruinar bera bello. Oliuda respirou. A Pompeia
fossil renimou-se.
A' noite, em falta de uma diversao raelhor, fui
um diminutivo de iheatro. Representago c-
mica. Mentena, dizendo que ultrapassou as raas
do soffrivel.
Xoro naneo de Pernambnco.
EM4 DEJANKIRODE1863.
O banco desconta letras fia presento semana a
10 0/0 ao auno at o praso de quatro mez'es e a
12 0/0 at o de seis mezes ; loma dinheiro a juros
a praso nunca menor de tres mezes. esaca sobre a
praca da Baha.
Alfandega
Rendimento do dia 2 a i..........--
Hem do dia, o.................
8t:669973
33 303*376
119:9731331
t I
as saudain
odie, que fiaviam ,ido roobadas em a noite de 20 '' ,ant0 t- -
de deiembro ultimo, do armazem da estaco cen- nos P"*. encontra-se a margem de um meio peda des.'reca unmobilise-os.
Volamos entrados com farendas.,
com gneros...
tral da estrada de Ierro as Cioco Puntas.
-^ PelaS seis e meta horas da tardo de 4 do |
'torrente o portuguez Frederico Antonio Pereira
asios, ferio gravemente ao portuguez Gaspar Pe-
reira da Silva, com taberna ra do Cordoniz n.
8, serviado-se para smj de um caivete de mola.
Na maoha do 1 do corrento Bastos tivera urna
altcrcaco na taberna da Gaspar, com um outro
portngez, que the dera urnas boroadas com uma
acha de lenna, quebrando ha oecasio umeopo que
Bastos tinha na mo, em consequeocia do que sa-
hio Bastos ferido.
O portuguez que havia esbordoado Bastos eva-
dio-Se, conseguindo este prender a Gaspar, qne foi
levadw presenca do subdelegado, que o sollou,
ponjuanto verincuu dita autoridade que Ga.-par nao
tioh tomado parte iiidirecla ou directamente as
paneadas que havia soflrido Bastos, salvo ter ven-
dido a te bebidas ateoolicas em sua taberna.
Qnte Bastos que hoavesse procedimenlo a ex-or-
tooGonirno seu olIen;or, uo sendo elle pessoa
-sera ve I; pois percebe jornal superior a tres mil
; diarios, quaiid trabalna por seu ofDeio de ta-
eiro ; sendo gue despeitado com a ^oltu^a de
topar e nao tendo conseguido a prisao de seu of-
"r, resolver, segundo consta, vingar-se do
no, a quem nao encontrando a sira a Gaspar,
i ra da Moeda, lancou se contra ello, e com o
fveie em ptinho descarregou tres caclvetadas,
certaodo vina as costas, outra junto a fonte es-
Slerda e outra prxima ao estomago ; pelo que
aspar esta em perigo de vida.
O ferido foi promptamente soccorrido pelo Dr.
Jos Juaquim de Souta e Sen offenor foi preso por
pesstoas do povo, depois de perseguido na fuga que
levava. E a nao presenca unmediata do subdele-
gado da freguezia, talvez Basto* uvesse soffrido
violencias; pois as pessoas presentes s haviam
revOllado com semethante crime, visto ser ooffen-
dido pessoa estimada e muito parala.
Joao Mauricio Wanderley, pouco amigo ao
trabalho, entendeu que levia regalar-se com uma
fibra de linguicas que para si, havia comprado uma
praja de polica que eslava assentado no caes da
roana Aurora, junto a ponte d* Boa-Vista.
Fet preso para correccu e deve elte tlcar saben-
do, *e o ignorava, que quera qaer comer linguicas
compra-as.
RUPARTIC. AO DA POLICA.
Extracto das parles do da o de Janeiro de
1863. ,. ,
Fdram recomidos casa de detenco no da i
do aorrente :
A1 ordem do illm. Sr. Dr. chefe de polica, Seve-
nno Pereira Belem, Joao Atves Feitosa e Francis-
co Jbs de Oliveira, como desertores ; e Severino
Joaqhim Jos de Jess, como.recruta, viudo do ter-
mo de Goiaona.
A' ordem do subdelegado, do Recife, Firmino Jo-
s de Souza Lima, por insultos : e Antonio Bene-
dicto do Sacramento, para correceo.
A* ordem do de Saulo Antonio, Felicidade Ma
lia do Espirito Santo, para correccao.
A' ordem do de 8. Jos Josepb* -Mari a da Con-
ceico, Maria Francisca da Conceico e Araancio
Jos dos Santos, por disturbios.
O chefe da 2" seccao,
/. G. de Uesauila.
Mdvimento da casa de detenco do da 4 de
Janeiro de 1863.
Existiam....... 390 presos.
Entraram...... 12
Saturara....... 14
abysmo. Aqu ossaltimbancossao inevitaveis.
Vejamos os edilicios.
A editt'-aco em Olinda parece ter sido presid*
Olinda uma cidade somnolenta. Seus habi-
tantes se entregam cedo s delicias de Morpho;
poivui a aurora. Sao um tanto insocia-
veis. Parecem exclusivistas do cu. Talvez o her-;
linda una cidade trrida. Seus habitantes: Volumessabidos com {alendas...
vivem resequidos. Uma guita de agua uma gt- "Jni08e!|fros Pela
ta de sangue. A mais potavel nao passa de sollri-! i z ej porta..
tiovlinento da alfandega
13
378
114
411
391
da pelo genio da incoherencia. Sua- casas inteira-1 ve'l, para quera se inebriou do chrystalino Prata.
mente discordantes enire si, sao era geral caave-1 Olinda uma cidade trrida. A'forea de cho-
------ 323
Desearregam no dia 7 de Janeiro de ISG'J.
rosas. Um esboreameuto co:itinuoa vez da camisa branca, vestera a camisa verde, e pranto. r Barca ingleza-Liiwn-diversos gneros,
esta mesraa p lempo o cncarregado de veli-la.! Olinda uma cidade trrida, apesar de haver
388
saber :
Nacionaes..... 318 >
Estrangeiros... 16
8 >
Estrangeiras... 4
39 >
5
388
Alimentados a custa dos cofres pblicos.... 16i
Obituario do ceiiitkiuo publico no da 4 dk
iihm F* 1865.
Francisco, Pernarabueo, 6 meze>, Boa-\ ista ; be-
xiga
outr'ora saciado os habitantes de sua predilecta Q-
Iha, apesar da irona idcessante das aguas salitro-
sas do aeccano.
Olinda uma cidade cadver. O seu todo se-
pulcral. At a sua illuminaqao lgubre. Os
lampeos apenas sao accesos, comecara logo o seu
lagrunejar de fogo, extinguindo o alent assim.
Se apparecem ainda algumas hablacoes tenras,
com sua roup igem branqueada, sao como os mar-
mores polidos do sepulchro, que procurara disfar-
car a hediondez da dlaico.
Olinda ablicou. A sua abdicaciio motivou-lhe a
morte.
Eu nao sou apostlo do septicismo, e por isto
pense que se o poder competente, aquel le quem
delegada a importante missao de espargir bene-
Ocios, ntenusse, (o que bem possivel.) levaa- c !!d^J? '
la-la do estado de abatiraento em que se acha hoje, .-.,fmZ B o* u,*,
Jos Gonealves de Miranda, Pernambuco, 44 an- com os toilettes aqnaticos denominados banheiros.
i (-Vi:___l_ !.!._..?> falana ll f\ 'iiIrA rui Jiu-i ,ulir .-,i A *n Ik. .> --1,.......
Muitas sao orgulhosas, nao gostam de narmoia, e
por isto vivera retiradas reciprocamente. Algemas
vetes, sao ligadas por velhos muros sem lisura,
uns jalao vacilantes, que umaapprotimacSo reve-
la audacia. Sao as babitatides das tremulants la-
gariixas. Tambera ha muros de fachinal.
Passemos aos templos.
Os principaes tra a bondade da grandeza, falta
Ihes pdrem a bondade da belleza. Olinda templa-
ra como Roma." Ha igrejas innmeras, desde a
cathedral magnifica, al a capellinha modesta. O
breoze echa inCessautemeute.
Volvamos primeiramente as vistas para a cathe-
dral gigante, j pelo seu ponto culminante, j pela
grandeza de sua construceao, j pela sua nobiliar-
chia occle.-i.'isiica.
Deleohamo-nos um pouco sua entrada. Que
espectculo magnfico i Que dePicioso panorama I
De ura lado,estende-se ura longo circuito dfljnon- pen0i quo a||e poderia sen-o dizer-lhe Leva-
tanhas elevadas.com seus toucados verde-netjros,: la.t(! Lzaro, ao menos, embalsama-la.
^)Qm.,lUa.Ve|,'!aca.0JeX,":"dlda ,varrenlJo,J"f"'a-; Uma locomotiva, em miniatura, ser-lhe-hia de
memo, ue outro lado, apos um ligero serai-drcu- Um prestigio grandioso. Innumeraveis meios de
,l i? m,"10sa ,,"la d?s ""fi* D2Ss Ve' restauraeao, aue nao devem escapar a perspicacia
neza lao sublime cora suas orlas candidas de espu- de um ^veruo illusire, podero felicita-la. Tai-
ma con. a sna atalaia pedregosa cora os seu idi- vez denominem LMo-imaginacio Infantil. Tai-
lleras fluctoantes e as suas cas.nhas brancas al ve-! vei me classifiquem de incoherente. Pessimsta
jando ao longe, como bandos de cysnes sacudindo nSo so nem tambera pesso tecer-lhe uma apo-
a pluinagem borrifada cora a salsugem do mar. : lne0s8 Com,udo, Olinda tem bellezas, (fue era
au. se eu tora poeta t ou saberia descreve-las, nem comporta lai-fcia esta
Tudo isto e mu cello, verdad*, e eu digo com carta (|Ue a vai bem |onBa_ 9
madama Girardm, quaudo se ama o que se feliz.
Para mim um iupp/icio TantaUco. '' Aguard 'impaViet 'uma noite'de'lar,' para
Que fachada de templo gigante, que campanario conlemplar os campos onde existi Troya, do cvs-
colosso I Entremos Aqu detenho-ine. no Montuano. Quero interrogar o ahvsmo e oovir
Miguel Angelo, ensraa-me a eomprehenderfa nossa epnpeia. As ruinas de Palmyr devem ser
arte eucyclopedica, peta qual litaste iramerre- de um emt0 transcendente, inundadas de luz pal-
flouro----- i,^ jiessas noiies o Coly.-opovoado.
Naoposso: arcadartas altaneiras, columnas de, ^o se que rande Cnme Olinda
nao sei que ordem, altares espacosos, nave somp- parater a sorte da Jerusalem Deicida.
tuosa, pobreza de arabescos, iitsip-dex de relevos, i Quanto mim, considero-a reliz ainda, porquan-
Fiquemos aqu, ou antes prosigamos em nossa l0i no diZHr judic[0S0 e nm grande homem, -no
peregrinacao. Recobre alguma paciencia e eu pro- pcanena gloria saber {az ingratos.
metto nao invadir mais outra igreja, para nao im-
portuna-lo (apezar de seu carcter de religiosidade)
com a insipidez de mmhas obscuras descripces :
Nenio dal quodmn habet, nec plus quamltabel.
Jleste intuito, voltelos a esquerda, deixemos
dreila o Seminario com o ceuobilismo dos seus
habitantes, passemos pela greja franciscana de
uma communidade populosa, e em breve aehar-
nos-heinos era uraa vasta planicie phcnominal, em
cujo centro se eleva magestosamenle o convento
do Carino que transmittio Ihe o nome.
^ E' um passeio pittoresco frequentado pelas
Nymphas, que ao desponior da aurora e ao eahir
do crepsculo, correm pressurosas a iramergir-se
as crespas ondas do azul setira. As Nyades tro-
cam as mimosas vestlraanias pelos gmsseiros es-
tofos. A' nao ser assim, a Venus de espuma surgi-
ra deslumbrante. Tambera lia os seusTriioes.
Olinda est mythologica pea fama de seus ba-
nhos ocenicos. Nelles confaBdm-se a coquelte e
a (jriselte. Sao recomendados pela sua hygienica
iufluencia. NSo ha affervo physica e moral que
Ihes resista. Sao mais Infalliveis que a homeopa-
thia e o prompto allwto.
On humanidade soffredora I Depende as ceras
da desgrana, dae tregoas s lamentagoes e aos ge-
midos l Raiou a poca venturosa do progresso,
que Alvares de Azcvedo idealisra tanto Vinde
Olinda t
Esquecvme de que escrevia uma carta particu-
larissiin, e dirig uraa circular ao mundo in-
leiro I ...............
Olinda pode fascinar durante o dia, como tudo
onde ha sol. Envplia, porro, no crep negro da I
noite, tnmular.
Dirigi-me em uma bella tarde ae lugar dos lo!
poticos banhos. As margehs do ocano estavam >
quaii deserta. A' poura distancia elevavam-se
pequeas castbres de pescadores, confundindo-se
Brigue portuguez'Constante diversos gneros.
Barra inglozaCotca- diversos gneros.
Mate nacionalNovaesfarinha de trigo.
lnii,oi-la<,o
Barca ingleza Tickler, entrada de Liverpool, con-
signada a Saunders Brothers & C, manifestou o
seguiotej:
376 caixas sabao ; a Johnston Pater & C
8 caixas phosphoros; a F. Valehte.
6 barricas vidros; a Tasso Irmos.
3 ditas ferragns; a Brender a Brandis.
2 ditas ditas; a S. P. Johnston.
1 dita cuteleria ; a Henrique S Azcvedo.
10 fardos com 1000 saceos para assucar *, a H.
Forster 4 C.
22 barricas enxadas, 4 ditas e 114 gigos loura,
di la mostarda, 1 dita mo-
Consnlado provincial.
Rendimento do dia 2 4........ 18:440^349
dem do dia 5................ 10:287626
28:827*975
perpetrou.
A dos sou, como sempre, sen amigo affeetnoso.
Olinda, 27 de dezembro do 1864.

261 gigos e 32 barricas loue, USO caixas sa-
bio, 906 saceos arroz, 348 barricas cerveja, 124
pezos da trro, WO caixas folha de flandres, 50
safras, 9 barricas ferragens, 1 cofre de ferro, etc.;
a >aunders Brothers & C.
Vapor nacional locantins, entrado do Rio de Ja-
neiro, manifestou o seguinte:
Gneros estrangeiros.
I caixote typos; a Felippe Nery Collaco.
1 ditos livros impressos e nobreza; Jos No-
gueira de Souza.
Gneros nacionaes.
1 caixo cigarros; a Palmeira & Beltro.
190 rollos fumo; a ordem de diversos.
Brigue nacional Imperatriz Thereza, entrado da
Baha, consignada a Amorira Irmaos, manifestou o
seguinte: (
92)3 arrobas de carne secca de charque, 30 ar
robas de sebo em pues e 90 couros seceos a or-
dem dos mesmos.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO,
ALTA DOS PREQO DOS CENKROS SUJIITOS A DIRF.IT0 DB
EXPORTAQXo.SEMANA DE 2 A 7 DO MEZ DE JA-
ZEMBUO DE 1864.
Mercadorias.
Unidades. Valores.
PBLIC9ES A PEDIDO.
i
es
nns, asado, Olinda, inflammacao interior.
Mwnoel, Pernamauco, 10 das, Santo Antonio
pasmo.
Manoel, Pernambuco, 2 dias, Boa-Vista;; espasmo.
LONDON & BRASILIAM BANK. LIMITED.
Capital do banco 15,000 atcoes
a S 100........-13,3-11:333*330
ArcdX emittidas 11,000 ll.Soo.tfttlUO
Capital pago a 40 por accao 4,6.'2:22*r*i!-0"
) AL ASCO DA CADtA tIUM. I FP.NASfBUGO, KM Si
BE DECEMBRO M 1864.
Aclirs.
|>ttras descontadas.....
Cnitto* diTorws, eros *anees
e caixas flliaes......
Caica *. e moeda crtente .
2,M8:94*430
1,6*4 MOtSM
2:564*760
Rola

Petateo.
Capital {onecido pela carea ma-
triz..........
Depsitos.........
Creertos diversos, trosfaMcnc
e caixas flliaes >......
5,v63:27690
-..-------
Becife, 5 de Janeiro de 184.
888:888*890
?,680:738*360
*,594:801*440
W. J. iWjfWW.
.aeconta.
-w
COUsufliciSOS.
Predilecto or/^.^BeBJd*}'fjrto Bois'fslasi
e roeiboits entradas de auno. Bis as sh&arHenlaes
da aetoslitladfl, que apetat ftp sediCas, no e39
jqteiramaite gasfaf.
Ja o astro-re despedira-se, e as trevas rehaviam
seu imperio. Contrato celebrado com o Divino
Arehileelo, desde o momento fulgorante do fiat
lux. Entret-tnto o co eslava diaphano. Algumas
saphyras bordoavam-no. Parei exttico na con-
templacao que resumbrava de nma tal perspec-
tiva. O ocano Ilimitado, com seu rugido monto-
no, vinha pagar o tributo perennal de homenagem
a deeahida paira dos hroes. Era a sublime or-
dem de que falla o nosso Bossnet nao passarf
d'aqui.-Vm murmurio saudoso cono a nenia
planente dos sepuichros echoava ao Jonge. Pare-
ca entao que Oiinda ergua o seu sudan de gra-
nito, e com a voz estridente dos espectros, excla-j
raavaassim :
Oh das mitmas fllhas a mais linda I Oh gentil
Manrira I Por que razio tu permaneces estatua
ao meo suspirar agonisante T A pequea aguta
apenas pode ensaiar;nm vo mais aodra, logo es>
quece os matemaes carinhos. Tu qures imita-la ?
Onde essa plelade ilustre de mancebo?, eTses fl-
Ihos devotados de Minerva, para os quaes a 1wi
rrMibatorio ? A silencia era cfeanca ; rol cres-
cendo, e -nm dia, olviou o berco. Oh minha
ingrata filha I drminoe comigo orna diminuta par-
te do sangue que gvra em tuas veias e en revi-
vtereDi 1.........".
A voz so extingua pouco a pouco, e en jofgoei
oovir Hialar do esqueleto revolvido.
Rrcesei-me nm fragmento de Maravifh, qne
a vuragem tyrannica dos tempos atti depasviire ;
e espargrado olivares melanclicos para o incom-
mensuravet docl arnl claro, e o immenso tapete
azoi esenro, sclsmel ba eternidade.
A (requena distancia de mim. em nma qnasfe-
mtnenfta, sobresano* as paredes qwe ladeam o
""J6"10 5 Carm. Uioiseleiire nt. historia do sen
nwnge. Oonteinplei efeseg andrajos de arohrtecto-
a, que pareiwm provocar ainda o rancot rnrlbun-
o as proclfjs. Atravez de sbi junellas des-
arndas, trnspareclra os pcdaeM de co, de que
falh o BJiVlosb pdela dos Miiertn'ris. Tntpbem
bavia tfm estrella, parecendo eramolduradh. A
\;t sentida morte
DA EXM.* SU.* D.
Anua Mara de Oliveira Mcciros.
Uuta lagrima
0FFE11ECIDA AO SEU INCOJSOLAVEI. ESPOSO
O Illra. Sr.
Antonio Ignacio do Reg Hedeiros.
E' a vida um mysterio I... Quem ousara
De;venda-lo no mnndo ?...
S reiigio cabe enienaor-lhe
O sentido profundo.
O espirito do homem mal penetra
Os juizos de Deus;
E humiihado respeita em toda a parte
Altos decretos seus.
Na flor que surge, que viceja e esvai-se,
Ha um sublime arcano :
Assim comer ; e des'parece e Anda
O existir humano.
Ha pouco, um novo exemplo eu vi, na trra,
Desta iuimen-a verdade :
Casta esposa fiel, cheia d'encantos,
Voou eternidade I
Na primavera do existir to pura
Sorria ao temo esposo,
E Ihe afagava candida esperanca
D'amor no doce goso.
Era um anjo de paz, brincando alegre
No enlevo da vrtude,
E adornada de gragas ineffaveis
Em florea juventade.
E o consorte feliz, etnbevecido
Em to bella unio,
Nada mais almeja va, na ventura
Lhe arfa va o coracao.
Abanos......... cento
Agurdente de cana. .... canada
dem resllada ou do reino
dem caxaca.........
Idera genebra....... i
dem alcool eu espirito de agua- >
ardente....., *
Algodo em caroco..... arroba
dem em rama ou em laa.
Arroz cora casca.......
dem descascado ou pilado
Assucar mascavado.....
Idera liiaiieo.........
dem refinado....... t
Azeite de amendoiin ou inendo-.
bim......... canada
dem de coco....... >
dem de mamona.....
Batatas alimenticias..... arroba
Bolacha o diara, propria para
embarque....... >
dem-fina........
Caf bora........
dem esculla ou restolho ... *
dem torrado....... libra
Caibros......... um
Cal........... arroba
dem branca..... >
Carne secca (xarque)
Carneiros........ um

mt
E quando Ihes nascia delieado
Innocente lilhiuho,
Fructo do sed amor, lindo objecto
Do conjugal cariulio.
Ella definha, e, como a flor, desraaia,
E lnguida esmorece;
E para sempre singular belleza
0 bnlho s'emmurcheoe 1
Hoje, bem sei, amigo, bem comprehendo
Qual a tua dr 1
0 thesoiro perdesle mais querido,
Do "mais frvido amor.
Longe da cspoa, que saudade acerba
Te acabruuha o existir I...
Quando encaras o Qlho, inda mais dura
lias de a magua sentir l
Mas consola-te, amigo; a Providencia
au te abandonar;
L no sa;o de Deus a terna esposa
De ti se lembrar.
Por um amigo.
. .
. .

Carvo vegetal...... arroba
Cavernas de sicupira .... nma
Cera de carnauba em bruto. libra
dera dem em velas .... *
Cha...........
Charutos........ cento
Ceratias (porcos)...... ni
Cocos (seceos)....... cento
Colla......... libra
Couros de boi, salgados ...
Idea dem seceos espichados. >
dem idem verdes.....
dem dem cabra cortidos. nm
dem dem de osea .....
Doces seceos....... libra
dem em gela ou massa.
dem em calda .
Espanadores grandes
dem pequeos.......
Esteras para forro de estivas
de navio. .
Estopa nacional
Farinlu de de mandioca. .
dem de araruta.....
Fcijae de qualquer qudlidade.
Frechaes .......
Fumo em tolha, bom .
dem ordinario ou restelbo t
dem em rolo bom......
dem ordinario va restolho
Gallinbas........ tima
Gamma......... arroba
I-iecaciianha (raiz)......
Lenha em achas...... cento
Toros. ......... *
Linhas e esteres....... nm
Mei on nMktoo....... canada
Milho........... arrota
Papagaios. ....... nm
Pao Brasil........ quintal
dem de jangada. ..... um
Pedras d amolar..... urna
dem de filtrar......
dem de reboto...... >
Piassava. ...... momo
Bontas, on chifres de vaccas on
novilhos........ cento
Prancboes de amareflo dedous
coStailbs........ nm
dem de loaro....... i
Rap.......... libra
1*300
800
800
400
800
900
0*730
23*000
1*800
2*600
2*000
3*600
3*120
2*000
1*600
800
1*200
3*000
7*000
7*400
6*000
440
360
280
00
3*200
4*000
1*000
8*600
300
300
13*000
4*ooe
000
180
340
108
330
10*000
**88
300
41009
2*009
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no din 3
Babia-11 dias,, escuna brasilera Etisa, de 129 to
neia pagem 10, carga charutos e ootros gneros ; a
Palmeira & Belirao.
Bio Grande do Norte 4 dias, hiate brasileo, Gi-
gante, de 13 toneladas, capitao Manoel Caetano
de Araujo, equi( agem 3, em lasiro ; a Jos Dias
Pimenta Jnior : Iraz a tripolaco da galera
ngleza Teviotdale, composta de 23 pessoas in-
clusive o capitao Clark, naufragada ao norte do
II io Grande do Norte.
Bahia 6 dias, brigue nacional Imperatriz There-
za, de JC6 lonelaoas, capitao Francisco fbeiro
Chaves, eqoipagt-m 12, carga 9,600 arrobas de
carne secca a Amonm Navios sahiilos no memo da.
LiverpoolBrigue inglez Alma, capilo T. Muller,
carga assucar e algodo.
Liverpool Barca ingleza Nelherton, capitao Mor-
rish, earga assucar e a!
Porlos do-norte Vapl
commandanteo Io ten<
Natos sah*d>
Mcei Barca ingleza
Lean, em lastro de assnc,
CanalBrigue sueco Activo',
ga assucar.
0>*n*cac7.
Nao houveram entradas.
zodo.
ir hrasileiro Tocantins,
le P. H. Duarte.
no dia 6.
jnstance, capillo Me.
pilae Lorgnst, car-
ente
arroba
alqueire
arreea
*
um
arroba
i

O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa, e jniz de dirito especial
do commercio, nesta cidade do Recife, capital
da provincia'de Pernambuco, por Sua Magestade
Imperial e constitucional o Sr. D. Pedro II,
quem Detss guarde etc.
Faco saber aos que o presente edital virem e
delle uolicia liverem que no dia 13 de fevereiro do
anno prximo vindonro, se ha de arrematar por
venda quem mais dr em praca publica deste
juiso o escravo seguinte :
Amaro, cnoulo, representa ter 14 16 annos de
idade, sem defeito algum, avallado por um cont
e quinhentos mil ris, o qual fra penhorado por
execuc de Joaquim Elviro da Silva, contra o te-
nente-coronel Francisco Santiago Ramo?.
E nao havendo lancador que cubra o proco da
avaliago, arrematacao ser feita pelo prejo da
adjudicarlo na forma da lei.
E para que chegue ao ronheclmento *!e todos
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa e affixado no lugar do co-turne.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 19 de dezembro do anno do nasci-
mento de Nosso Senhor Jess Christo de 1864.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Na.-crnj.ento, cs-
crivao o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe,
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da iml
penal ordem da Rosa, jniz do direito. especia-
do commercio, da cidade do Recife e sen termol
por Sua Megestade Imperial e Consttuciona,
o Sr. D. Pedro II, quem Dos guarde etc.
Faco saber aos que o prsenle edital virem,
e delle noticia tivercm que a requerlmentode P.
J. Foulkes fra rescendido a concordata de Cami-
nha & Filhos pela sentenca do theor segrate :
Vista a malcriada peticao de folhas919, na qual
expe o supplicante Pedro Joao Foulkes que os
sapplicados Vicente Ferrcira dos Santos Caminha,
Manoel Ferreira dos Santos Caminha e Alexandre
Ferreira dos Santos Caminha, socios da firma fal-
lida Caminha & Fimos nSo enmpriram a concorda-
ta que Ibes foi concedida por scuscredores na for-
ma do antodefolhas 696, e moslrando-se pelo do-
cumento a folhas 929, que com effeito a concorda-
ta nSo foi cumprida, deixando o supplicante de ser
pago na forma convencionada cora falta de boa f
e premito domesmo supplicante ; julgo rescindi-
do a concrdala, e mando que sejam os credores
convocados nos termos do art. 139 do regulamento
n. 738 para se irat-r da formagao do contrato de
uniao ou de nova concordata, devendo a reunio
ter lugar no dia (8 da eutubro do corrento anuo
pelas 11 horas da manha na sala para o que se expedirao editaes conforme o art.
133 do citado regularnento. Os curadores fiscaes
ja nomeadbs reassumiro as suas fuucgoes re-
querendo o que entenderera bem da raassa fal-
lida, que pagar as cusas.
Recife, 23 de junho de 1864.Tristao de Alen-
car Araripe. __,
_E mais se nao continha em dita sentenca ; mas
nao tendo os curadores tiscaes reassumido os seus
cargos por se haverem recusado, assim como ou-
tros credores que foram nomeados, ficou a mes-
ma curadora affecta ao Dr. promotor publico, que
presiou o devido jaramente, e devendo-se proceder
a nomeafao de depositario da referida mas^a,, sao
pelo presente convocados os respectivos credores
a compareeerem na sala dos auditorios no dia 19
do correte mez s 11 horas da manha, e para
que tenha lugar as diligencias prescriptas no art.
139 do regularnento n. 738, cima indicadas, sao
os mesmos credores convocados pelo presente a
compareeerem no mesmp lugar no oa 20 de feve-
reiro do anno nroxrmo futuro pelas ditas horas;
advortiDda,porv que nenhum credor ser ad-
mittido por procurador se este nao ti ver poderes
J esieciaes para o aelo, e -que a proruracao nao po-
18*000 der ser dada a pessoa qtie seii dovedora aos fal-
1*600! lides. Brth nm mesmo pfccnftSor represenlar por
deas diversos oredore; oatrosirn qne sero ortdo
aos votos da maioria dos credores presentes, os dos
credores que que deixarem de comparecer.
K para que chegue ao eonbecimonto de todos
ser o presente publicado pela imprensa e affixado
na forma da lei.
Cidade do Recife de Pernambuco, aes i5de
outuliro de 18G4.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, escri-
vo o subscrevi.
IVt*/ad de Alencar Araripe,
CONSULADO PROVIN IAL.
Pela mesa do consolado provincial se faz publi-
co, que os ti iota dias uleis atareados para a ro-
branca a bocea do cofre do 1 seme.-tre do aono
financeiro correte de 186i a t865, dos iroposios
da dcima dos predios urbanos das freguezia des-
ta cidade, e da dos Afogados, e de rimo por cen-
to sobre a renda dos bens de raz pertenrenlM a
corporaedes de mo mora, findam-so no da 7 do
crrente mez, 'cando sujeitos a mulla de seis per
cento todos os quo psgarem depois daquelle dia.
Mesa do consulado provincial de Pernaroboco, 2
de jaueiro de 1863.
Antonio Carneiro Machado Ros.
Administrador.
A cmara municipal desta cidade em conse-
1:460*129 Qaenc'a do pedido que Ihe fez a commisso enrar-
_^________j regada de erigir na capital do Haranbo nm roo-
3:459*6*421 numento c|ue perpetu a momoria do poeta Anto-
' nio Gonealves Dias, deliberou abrir uma subscrip-
to para dito lim, e convida qoelles dos seos mu-
nicipes que quizerem concorrer para a mesma
subscripcao, dirigirem-se sua secreUria as ho-
ras do expediente.
Paco da cmara municipal do Recife 29 de de-
zembro de 1864. Luiz Francisco de Barro* Re-
no, presidente.Francisco Canuto da Boaviagem,
secretario.
Na secretaria da cmara municipal desta ci-
dade dislribuem-se, de ordem da mesma cmara,
pelos senliores agricultores desta proviocir, exem-
plares impressos do novo meihodo da ptaniaro do
caf, escripto pelo Dr. Luiz Torqoato Marques de
Oliveira : aquelles dos ditos seobores qoe os qui-
zerem, uodero mandar procurar na referida se-
cretaria.
Paco da cmara moniripal do Recife 28 de de-
zembro de 1864.O secretario,
Francisco Canuto da Boaviagem.
Capitana do Perle de Pcrnambuce 31 de dezem-
bro de 1SCI.
Em vista das circunstancias melindrosas m
que se acha o paiz, sendo necessario que rodos oe
brasileiros conrorram para a sustenia^ao dos bros
e dignidade nacionaes, compromeltidns Dagutrra
com as repblicas do Uruguay e Paraguay, manda
o Illm. Sr. capilo do Porto, em vrtude do <,ue Ihe
foi recommendndo por S. Exc. o Sr. ministro c se-
cretario de estado dos negeeios da marinha, con-
vidar nao s aos matriculados, como a lodos os
cidados que se queiram alisiar Da quadade e.<
voluntarios para a armada, a se apreseiii*rem nes
la capitana nns dias uteis das 9 s 3 l|2 horas da
tarde.*-0 secretario da capitana,
Deere de Aqoino Fonseca.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesonra-
ra de faznda se faz publico, que ne dia 11 do cor-
rente mez, a 1 hora da tarde, perante a juma da
mesma thesooraria estar em basta publica, para
ser arrematada quera por menos fizer a obra de
um peqoeno lanco de caes qoe tero de ligar o en-
contr da ponte de ferro do Recife ao caes do
i'asseo Publico. O ore-amento e condices sero
mostrados na mesma thesouraria aos pretenden
tes. As pessoas, a quem convier a sobrrdiia ar-
rematacao deverao comparecer na sobredita the-
souraria no dia e hora indicados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, era 4 de Janeiro de 1808.
Servlodo de offlVial maior,
Manoel Jos Pinto.
De ordem do Illm. Sr. inspector se faz publi-
co, que no dia 7 do corronle hora da larde es-
tar em hasta publica, peranie a mesma thesoora-
ria, pan ser arrematado a quem por menos fizer,
o fornecinicnlo d'agna potavel a fortaleza do Bura-
co e do laboratorio de f.gos. As pessoas a quem
convier o sdbredito fornecimenlo, deverao compa-
recer na sebredita thesouraria bora indicada.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco, em 4 de Janeiro de 1868.
Servindo de offirial maior,
Manoel Jos Pinto.
Existe nesta subdelegacia, e sei eniregne
a quem provar pertencerlhe, doas cabras, endo
qoe uma tem cria (bichos) duas g rrafas de esen-
cia de alfazema, uma de essenria de aniz, d^os
copos, e tres pares de chinelas, duas de rouro
branco e uma de marroqnim gaspiada com ronro
de lustre.
Subdelegacia de polica da freguezia da le a
Vista 31 de dozembro de 1864.
D. de Aquino Fonseca.
Rppartico das ottms publicas.
Pela repartico das obras publicas se aononeia.
que no dia 9 do correle vai em praca todas as
madeiras velhas que existem as proximidades da
ponte provisoria e as do amigo telheiro do Gym-
nasio.
Repartico das obras publicas, 4 de Janeiro de
1868.
O secretario interino.
Manoel Lourenro de Huttos.
Inspecco do arsenal de nu rinha.
Faz-se publico qoe a commisso de peritos exa-
minando na forma determinada no regularnento
annexo ao decreto n. 1344 de 5 de fevereiro de
I83i, os cascos, machinas, caldeiras, appareih. s
mastreaco, veame, amarras e ancoras dos vapo-
res Jagnaribe e Camaraifibe, aquel le pertenrentc a
eompanhia Pernarwbncaa de'navegaco cesleira,
e este a eompanhia Vigilante, achm lodos estes
objectos em regular estado
Inspecco do arsenal de marinha de Pernambu-
co, 5 de Janeiro de 1864.
O inspector,
M. A. Barbosa de Almeids.
AVISOS MABITIMOS
3*000
4*000
2*800
0*000
14*000
8*060
8*800
s*ot
(500
f*fW)
25*800
2*000 O Dr. Tristao de Alencar Araripe, offlcial da impe-
11*000
8f00O
240
909
39MO
5*000
4*000
nal ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio desta cidade do Recife de Pernambu-
co, seu termo, por Sua Magestade Imperial e
Constitucional o Senhor D Pedro II aqnem Dos
guarde etc.
Faco saber aos que 6 presante edital virem e
delle nocia liverem que no dia 6 do mez de feve-
reiro, do aono prximo vindonro se ha de arrema-
tar por vonda a quem mais dr, em praca publica
1*000 deste juizo, depois da audiencia respectiva, duas
I0 pipas cun vintiPiguelra,avahadas em 50* cada
' nma. as quae* sao perlencentes a Jos Riboiroda
3*50") Curiha Guimaraes, e van a praca por oxecuco de
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir at o da 12 do crrenle a turra
Rio de Jantiro, s recebe escravos a frete e carga
miada : traia-se com os seus consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azcvedo A C, no ru ts-
criptorio ruada Cruz d. 1.
Krignc Mrquez de OIladaT
Vndese o brigue Uauquez de Olinda. sorlc
neste porto, onde pode ser examinado le'os pre-
tendentes : trata-se no escrlpiorio de Manoel Ig-
uacio de Oliveira & Filho, largo do Carpo Sanio
19.
COMPANHf x PERNAMBUCAA
DE
^Taregavo cestelra a vapor
liba de Fernando.
No dia 14 do correte ao meo.
dia sabir para o porto arima
Indicado um dos vapores dota
eompanhia. Recebe carga soroea-
at o dia 13; encon.mendas,
passageiros e diuheiro a frete at as 10 horas da
matiha do da da sabida : escriptorio no Forte do
Mallos n. I.
COMPANHIA PERNAMBUCAA
H
_\"aregacSo costeira a rapor.
Aracaj e escalas.
N da 14 do torrente as 5 ho-
ras da tarde sahir para os porte*
cima mencionados o vaior #>-
\rahyba, rommandante Martina,
ecebe carga somente at o dia
13 ; encommendas, passageiros e dinheiro a frete
at as 2 horase do dia da sabida : eseriptorio no
Forte do Maltes n. 1.______
III* de fawefr*
O patacho nacional Capwrrii pretende seguir at
o dia tO do corrente, s recebe carga mioda e es-
cravos a frete, para es qnaes tem excellentes con-
mndos: trata-se com os seos consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no sen es-
eriptorio roa da Urnz o. 1.
i Para o Pra pretende seguir em poneos dia*
Campiaoo & Cordeiro. E aa falta de licilaetes ser opalhabote Doms Amigos ; para pooca carga qoe
a arrematacao Teita pelo preco da adjudicaco com lhe falla, trata se cora os seos consignatarios An-
o abatimento respectivo da fei. | tonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C, no sen ea-
E para que chegue ao conheciraenTb de todos criptorio ra da Cruzn. 1.





Diarlo fWfcfrtw ftabhtilo de mmrlr* d t
Para o Porto.
\ b'n conheeida e veleira barca parluguea S.
Manoel II, capilo Pedro Jos da Ros, pretende
seguir al o da 10 da jaewiro : p-r reato da
carga e passageiros, para qs quaes lem aj.cellentes
commodos. tratase era os consignatarios M. i-
turnas e Silva A Genros, no seu escriptorio, ra
do Vigario n. 11, primeiro andar.
Para Lisboa |
pretende seguir cora brevidade o brigue portnguer.
Soberano por ter qaasi todo seu earregameolo
prorapto : para o resto que Ihe (alia (500 saceos i
com assucar ou seueqaivalenle) e passageiros,
aos quaes offereee bons commodos, trata-se con o,
capilo na praca, ou com o consignatario T. de
Aqui no Pondera Jnior, na traressa da Madre ee
Dos n. 5,primeiro andar.
Consultorio
rara o Rio de Janeiro
pretenda seguir com multa brevidade o brigue es-.
cana .Vio Sei, tem parte do seu carregaroente'
prometo : para o resto qne Ibe falla c escravos a
frete, para os quaes tem expelientes commodos,
trata-se com os seas consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo C., no seu escriptorio ra
pa Cruz n. 1.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
di
Navegar*) costelra a vapor.
Parahyba, Natal. Mco, Aracaty, Cear,
Acarac e Granja.
O vapor Jagaanbe, ommandan-
te Lobato, sanir para os pnrtos
anua mencionados no da 7 de
ianriro as 5 horas da Urda, Re-
_ wbe carga at o dia 5. Encra-
mendas, passageires e dinheiro a frete at s 8 ha-
ras da tarde' do dia da sahida: e-criptorio no Forte
do Mallos n. I.___________________________
Para a Babia
Pretende seguir com brevidade a sumaca Hor-
tencia, tem parte de seu carregamento prompto
para o resto que Ib" falta trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz da Oliveira Azevcdo
Si C, no seu escriptorio roa da Cruz n. 1.
Para Lisboa
O veleiro e bem conhecido brigue pnrtuguez
Conr.eicao de Mana, capitio Januario Jos de Oli-
veira, pretende seguir com muita brevidade, tem
parte de seu carregamento prompto ; para o resto
que I ha falta trata-se com os seus consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu es-
criptorio rna da Cruz n. t._________________
Para Lisboa
pretende sabir com a possivel brevidade o brigue
porm^uez Relmpago, para o que tem grande par-
te il.'ic ircra tratada : para o resto e passageiros, a
quem onVreea aceiados commodos, trata-se com o
^asignatario T. de Aqnino Fonseca, ra do Viga-
rio n. 19, primoiro andar.
Para Itshoa
sahir aestas-dias, o muito conhecido brigue por-
tiiiruf.z Cottate, de primeira marcha, por ter
prompto linas! todo o seu carregamento, recebe
aluda alguma poura carga qne Ihe falla, e passa-
(eiros : trata.se no escriptorio de Manoel Ignacio
de Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo n. 19,
ou eom o capitoa bordo.__________________
~PARA\
O palhabote nacional apwet segu breve para
aquello porto par t*r parte do carregamento prom-
pto : para o resto trata-se com os consignatarios
Marones, Barros & C, largo do Corpo Santo n. 6.
PARA O ARACATY EM DIREITi:RA.
Segu un dia 8 s II horas da manhaa o vapor
Miminvape. Recebe carga para all 5', 6 e 7
do eirrente.
Trata-se no escriptorio da companhia Pernam-
bncana, largo da Assemhla n. 1.__________
Para a Bahia nreten-la sahir em poucos dias
a veleira c-cuna Elisa, capito Belmiro Baptista
de Snuza, tem a maior parre da carga tratada, para
o penco que Ihe falta tratase com os consianata-
rios Palmare & Bjltrao, largo do Corpo Santo n. 4,
primeiro andar.________________________
Parto por Lisboa.
Pretende seguir com brevidade a mtti'.o veleira
barca portngneza Corea, por ter grande parle da
carga engajada paro'o resto e pa^sageiros aos
quaes offereee os melhores commodos: trata-se
com o consignatario T. de Aqoiao fonseca Jnior
na traressa da Madre de Dios n. 5, primeiro an-
dar, ou com o capilo na praca.
Aos 6:OOUsOOO.
Terca-feira 10 do corrente rae*, se
trabir a segunda parte da primeira lotera *
(Ia) a bene'ioio do hospital Pedro II, pa-
ra canalisacjto d'agoa e gaz, no consistorio
da igreja da Nossa Seuhora do Rosario da]
fregueziade Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos esrtao a ven-
da na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 18.
Os premios da 6:00041000 at lOjjlOOO
serio pagos ama bora depois da extraerlo
at s 4 eras da tarde, e os outros no dia
seguate depois da distribuieodas listas.
As encommendas serao guardadas so-
mente at a noite da vespera da extraeco
como de costumo,
O thesoureiro,
edieo-cairnrjieo < raa larga do Ro-
sario n. 20.
O Dr. Joo Ferrerra da Silva regrestando i stia
casa, contina em o exerolcto de sua proSatto,
ex- aao m> na parte medica como tamben eWrur-
Precisase de urna ama qae compre e co-
zinhe, para.casa de hornera soltetro, preferindo-se
escrava : na ra do Queimado n. 17.
na ra das
Precisa-se de orna ama que salba cosiahar e
igommar bem; oa ra da Cruz do Racife a. 43
Antonio Jos Rodrigues de Sooza primeiro andar. __________________
Ao conanaercio.
Jeronymo da Costa Lima, e Manoel Joaquim
Augusto da Cnnha, avisam ao comraorrio e ao pu-
blico em geral, que desolveram amigavelmente a
sociadade que linham nesta praca, em o arroazrm
de moldados, sob a firma de Lima A Cunha, conti-
nuando a mesma casa cargo do socio Lima, o
qual flea responsavel 1 praca por todo passivo da
|Precisa-sa alugar um maleque
Larangeiras n. 10, hotel.
Precisase de um caixeiro que entenda algu-
ma cousa de pharmacia : na botica da ra do Ca-
bug n. i i.
Precija-se alugar um pequeo andar qne
contenha dous quartos, na ra da Aurora on Santo
Amaro : a pessoa a quem interessar dirija-te por xtincta firma; passandode'hoje em dianle a casa
Lsllao de hua parte no sitio
Afllctos qae foi do flaado Dr.
ioo Uoiuinsues da Silva.
sio.ii:
Lagalmenta antorisado o agente Pestaa por
ConU e risco de quem perleneer far leilo da
mi parlado sitio denominado Afflictos na estra-
da I is A IB otos, com mnitos arvoredos, com casa
de moradia m bom esiado, o qual foi do finado
Br. J ao Djmingucs da Silva : o leilo ter lugar
salida lo 7 de correle pelas 12 lloras da manhaa
no larga do Corpo Santo junto a Asrociac.ao Com-
i rcal. Os Srs. pretemJcntes podera examina-la
Leilo de noi.i taberaa.
HOJE.
O agente Pestaa, vender por conta c risco de
quem pertencer, dos gneros, armago e maisuten-
cis, que existem na mesma taberna, sabbado 7 do
corrente, peas 11 horas em ponto, na ra da Sen-
zalla Xova n. 6.
Nidia 10 de Janeiro prximo em dianle te-
r losar o leio publico na alfandega do Rio
Crande do Norte, do 10,000 taboas de pinbo de
diversas grossnras e comprirnentos, tudo raadeira
d! primeira q lalidads, como tarabem velas, fer-
n n iitis, michinas, moiloes, cabos de rame e
de lititn, correles etc. ; tudo novo e em bom es-
1111, assira orno anaaporfBo de provisoes do na-
vi i naufragado Tevioldale. Nos ultimos dias ser
v i li lo em leilo a galera Tevioldalt de 1,500 lo-
n ila 11>. nova e de urna conslrugo forte, fazendo
a primeira viagem, naufragada na praia de
Ziimby.
Iaello de differentes objeetos
de fhapelariae dividas activas
da loja de ehapos da rna da
Cadeia n. l(i
Terra-feira 10 de Janeiro.
O agente Pinto far leilo a requerimento de
.lia |iim Luiz Vieirae por despacho do Illin Sr.
Dr. juiz especial do commercio, de urna porcaode
chapeos e objeetos de chapelaria, aspira como as
dividas activas da extincta firma viuvaVieira &C,
rna da Cadeia n. 48, onde se.effectuar o leilo s
10 doras do dia sapradito,podendo os pretendentcs
al i e'.aminarem os ditas objeetos, e em poder do
agente encontrarlo a relaeao das dividas.
Iaello de 36 eaisas eom cha da
India
Terca-feira 10 do correnle.
O agente Pestaa far leilo de 36 caixas com
superior cha da India ehegado ltimamente em
nin oa mais lotes : terca feira 10 do corrente pe-
las 10 horas da manda na porta do armazem Jd
Annes, |____________________
Iaello de importantes dividas.
Martins levar novatnenle a leilo por despacho
do Ulin. Sr. Dr. jo.ii espacial do commercio, as di-
vids activas da massa: fallida de J laqnim Vieira
Cocido & C. na importancia de 81:S6132& rs.,
sendo 5tt:58l,$963 em conta de livro e 31:070*359
fs. em letras.
TerQa-feira:il do corrente.
Em seu escriptorio r un da Cadeia do Recife n.
9, as 11 horas do dia. i
AVISOS DITEISOS.
O Sr. Francisco Ji F. fiuimares, queira de-
rijir-pe a praca da Independecla n. 6 e 8, que so
Ihe deseja fallar. ^_^_^_^__
O Sr. Antouio Jos Marques, tem urna carta :
a praca da Independencia n, 6 e 8.
escripia, declarando o respectivo preco do aluguel,
ao escriptorio na praea do Corpo Santo n. 15, pri- i
meiro andar._____________________________ '
O preposto Jos Izidoro Martins lem o sen es-1
criptono a ra da Cadeia n. 9, onde pode ser pro-
curado das 9 horas da manhaa s 3 da larde.
(lili.'iap.s de alfa-ate e eostHreira.
Na ra da Cadeia do Recife n. 11 primeiro andar, P^a ensinar prinieiras
preciza-se de ofQriaes de allaiate a costnreira.
gyrar sob a razo de Lima & C.
Recite, 31 da dezembro de 1864.
Jeronymo da Cosa Lima.
Manoel Joaquim Augusto da Cunha.
Joaquim Francisco de Paula Enteves Lle-
mente, agradece cordialmenta a todas as
pessoas, qno se dignaram assistir as ultimas
exequias feilas a seu finado lho Jos Anto-
nio Estaves Clemente Antunes, a igualmente
ri.ga a lodo os seus amigos o obsequio de
assUlirem a missa do stimo dia me ter
lugar na matriz da Boa-Vista, no dia 7 do
corrente mez de Janeiro, pelas 7 l|l horas
da manhaa.
Precisa-se de um criado no Gymnasio Pro-
vi nrial._________________________________
Escoit central d inethod 'astil lio.
E>t aben i desde o dia 8 da Janeiro, na ra da
Capunga n. 9, anslna as materias, do primeiro a
segundo graos, recebe pensionistas a meio pensio-
nistas a prego comraodo. nao sxcedendo elles a 1-
annos de idade.__________________________
Corta-se ecoze-se com perfeigo para senhe-
ras e meninas e principalmente para noivas, qnal-
quer especie de costaras, por preco commodo :
na ra Direita sobrado n. 4, segundo andar.
Aula particular.
O abaixa assif nado, proessor particular, provi-
sionado pela directora geral da instr-ccio publica
lettras, lalim e franOr,
participa ao respeitavel publico e igualmente aos
endures pas de seus discpulos que segunda-feira
9 do corrente tem de continuar no en'ino das su-
praditas materias, adraittindo matricula alumnos
externos, pensionistas e meie-pensionistas. A pra-
ticade 19 annos couseculivos no exercicio de seu
magisterio, sua inteira dedicacao e rat moraliJada
sao garantas que offerece aos senhores pais de fa-
milias, que desejam a sa e til oducacao a seus
Sinos.
jQuem perianto quizer confiar ao mismo aoaixo
assignado a educaco de seus fildas, pode dirigir se
a qualquer hora do dia aoterceiro andar do sobra-
do n. 58 da ma Nova, onde ha muito lempo esia
estabelecido.
Jos Mara lachado de Figutiieio.
AosSra pais de familia
Faz ver o abaixo assignado, professor da se-
ronda cadeira publica pr'marla da freguezia de
Santo Antonio do Recife, que os trabalhos lectivos
da escola a seu cargo comeeam no dia 7 do cor-
rente mez dejaneiro. O mesmo, devidamente ti-
tulado pela directora gerai dos estudes, continua
a leccionar na casa de sua residencia o lalim e o
francez, e por casas particulares nao s cssas duas
lingtias, mas anda as primeiras lettras, nsinando
! todas as materias que constituan) o extracto se-
Instrucco primarla.
Tertuliano Ernesto de Moracs Carvalho, proles- gundo grao, e comprometindose a dar o alumno
sor de instruego ^leiuealar, participa aos pais de
seus alumnos que sut aula ac.har-se-ha aberta no
dia 7 de Janeiro, na ra de lionas sobrado n. 106.
" da
Aloga-se o primeiro e segundo andares
casa da ruado Nogneira n. 19, para ver a chaves
acha-se na mo do morador da loja da mesma ca-
sa, e para tratar na ra da Cadeia n. 26, esquina
do Becco Largo escriptorio.
Fugio na dia do corrente,o prelo Joaquim,
de naco, cor preta, nariz chato, ro-i > comprido,;
bardado, de oceupaco martima, levou vestido I
caiga e camisa de alLrodo azul a bonet de la pro-1
prio de marojo : pede-se -s autoridades pol'ciaes j
o favor de o apprehender no caso de o eacontrar, \
e aos capitaes de campo de procurarem com este* |
siguass e (ireoder levando-o ao largo do Corpo
Sanio n. _1. primeiro andar, ou a bordo do brigue
Principe kffonso, defronte da alfandega, que
ser recompensado.
Precisarse de urna ama de lale sem filho :
a tratar na ra da Cadeia n, [1. au na rcfiaago
da Senzala Nova n. 'i.
O padre Joaquim Malicio Maciel avisa aos
xrs. paes de seus alumnos e a quem mais con-
vier, que jase acha aberta a sua aula de latina na dirija-se
mesma casa da ra Nova n. 65, segundo andar.
fallandoe escrevendo o francez, assim elle estado
e tenha gosto. As pessoas que de seu prestimo
se quizerem ulilisar podera procura-lo ra da
Palma 23.
Joo Jos Rodrigues.
Abraham Maligne subdito marroquino reti-
ra-sc para o Para.
Precisa-se de urna que ssiba cosnliar na ra
Nova n. 7, loja. /
Ira Oli.da
no caes da Varadonro, taberna n. 17, apronjpta-se
almogo e jantar para pessoas difundas ou familias
que vo passear mesma ridade.
ALUGuMSE
as lojas do sobrado n. 48 de esauna na ra de
Aguas-Verdes com 5 portas sendo urna para o bec-
co, bem collocada para qualquer eslabeleeimento
urna loja pequea dentro do becco para moradia,
um grande salao no fund do primeiro andar, mili-
to grande, proprio para aula de primeiras lettras
ou outro qualquer arraujo que se queira applicar,
urna casa terrea na ra das Fagundes, junto a r-
bera, ludo por prego commodo : quem pietendcr
a ra do Imperador n. i i, lerceiro
andar.
O abaixo asignado scienlica ao respettve1
corpo do commercio desta praga que lem admiiti-
do como interessado de sua ca>a c.ommercial o
seu caixeiro Vicente Coelho de Magalhes, pelo
que do 1* do corrente passou a mesma a gyrar
sob a razo de FrauciscoAlves Monteiro Jnior A
Cumpauiia.
Francisco Alves Monteiro Jnior.
O Sr. Antonio Jos Marques que morou na
ra do Padre Floriano n. 41, queira vir a Praga
a negocio de seu inle-
resse.
Ciymnasio Provincial.
*Bo dia 16 de fevereiro em diante, estaro aber- da Independencia n$. 6 e 8
tas as matriculas das seguintes aulas do Gymnasio'
Provincial: primeiras letras, lalim, francez, iu-
glea, grego allemo, malhemaiica, geographi.i e
historia, eloquencia e potica, philosophia, linirua
e iitteratura nacional, sciencias naturaes o-ousica.
Nesse estadelenniento medanle a mdica quan-
tra de 1-3 diario*, lem os alumnos internas roopa
lavada e engommada, medico, botica, barbeiro,
luz, penna, papel, tinta e creados para o servigo.
Os meios-pensionistas pagara raetade dessa ijuau-
tia e os externos 15J por trimestre, podendo fre-
quentaras aulas que quizerem.
O secretario, Cabral.
RA
IJOSEPil PRAIHMS
CLTILEIRO
tem a honra de prevenir as pessoas qne
tem qualquer concert ou amolagu era
mos delle que venham os buscar at o
fim de Janeiro, es que ficarcm dessa data
sern vendidos para pagamento dos mes-
mos, nao se atlendendo a reclamagSo al-
guma passado esse prazo.
Approveita essa occasio para avisar
ao respeitavel publico, q je elle tem para
vender os
Precisa-se de um caixeiro de mepor idade
que d fiador a sua conducta : na roa do Socego
. 49.
Aluga-se um sobradinho de um andar, na roa
dos Copiares, de n. 1, e a luja do sobrado n. 3 da
mesma ra : a fallar com Jos Dias da Silva, na
ra do Imperador, sobrado n v, entrada pela de
S. Francisco.
No Iastituto do Bom Conselho precisa-se de
urna pessoa que d fiador a sua conducta para
exercer as funegoes de porteiro : a tratar com o
director no mesmo eslabeleeimento.
Manoel Jos de Alduquerque, prafessor par-
ticular de primeiras lettras antorisado pela direc-
tora geral da nstruegao publica desta cdade, avi-
sa ao respeitavel pablice e aos pas dos seus alum-
nos que abrir a sua ania no dia 9 do corrente no
pateo dn Terco, sobrado n. 141, segundo andar,
onde pode ser procurado : assim como recebe
alumnos internos que por ventura morarein fra
da cidade. ^^^_
CRIADO.
Precsa-se de um criado e que
cavallos, ra da Cruz n. 6.
saiba tratar de
CASAS PARA ALUGAR.
Alugam-se duas meias aguas,sendo umanapraa
do forte n. 1, a a ontra na ra da Nassente n. 14 ;
a tratar ra do Queimado com Azevedo Si I
Irmo.
AFIADORES
le
sua invengo, pelos quaes obleve um
PRIVILEGIO DE 15 ANNOS
a sua superioridade sobre todos os que >
appareceram at neje de sobre-mo- S
do provado pela extraeco que elles tem 9
no Rio de Janeiro, tfondo sao muito apre- !
ciados.
SW S_KSK _soa *
Indeinnlsadora.
A direegao da companhia de seguro* martimos
Inderanisadoraconvoca os Srs. accionistas a
reunr-se em assembla geral, do escriptorio da
mesma companhia no dia 9 do corrente ao meio
dia, afim de se ultimaren! os trabalhos adiados tu
sesse de boje. Recife 5 de Janeiro de 1865.
Os directores,
Miguel Jos Alves.
Joo da Silva Regadas.
Francisco Joo de Barros.
Attenc&o.
O abaixo assignado* pedem a qaem quer que
ibes tirn urnas cartas do crrelo, entre as quaes
urna no valor.de i60 do Srs. Manoel Jos Lopes
da Silva A Sobriohos negociantes na capital da
Babia, rametUda a um dos desta praga que Ibes
venda entregar em sua casa na ra do Socego n.
26, como tambero prevnem a qualquer negocian-
te a quem for aprosenlada esta ordem, que nao a
pague e no caso de ter recebido parlicipago, que
annuncie por este jornal. Recife 5 de Janeiro de
1865.
Benjamn Alves de Carvildo.
Bemvenute Alves de Carvalho.
3 -RCA ISTRIITA DO R0SARI0--3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar denles artillciaes tanto por meio de
molas como pela presso do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquom a vontade de seus doee, tem pos
outras preparages aa mais acreditadas
para couservagio da bocea.
Jos Antonio Machado declara ao corpo do
commercio que por ha ver outro de Ignal nome de
Fugio ao dia de seguada-feira 26 S dezem-
bro oeste annp. o mtalo Manuel, eeeravo do abai-
xo assignado, o qual tem o- signae- seguintes :
baixn. t'iieio do corpo, cor clara, caballos grandes
e perneados, metade de um dente da frente que-
brado, cosiuma andar calgado, de paletot a chapeo,
levou caiga e camisa branca. Este mulato foi es-
cravo do Sr. Antonio da Silva Gusmo, e cosiuma
dizer que livre : rogase a todas as autoridades
policiaes e capitaes de campo, de o apprelende-!
rem e levar a seu senhor, Frederico Qantier, den-
tista, i ra Nova n. 19, que ser bem recompen-
sado.
INJECTION BROU
PERFUMARA MEDICA HYGIHICA
| Da J.-P. LAROZE, qumico, pharmaceutico do la Escola especial de Parle.
E*U producios sio o resultado da pliciijio d*s lcis da hygiene i ptrfaMaria, que se ergfte <
I trnate pharmaeia da pelleta, enenrrogada de prorer i hygiene da pelle, dos cabellos, dos denles,
[retos toa iniportanief; entao evita e dattros as cantas das doenca* que sua traan mais Teliw,
I i pharmacia prapcianaate ehamada, tem auc curar.
OSO -TELA mruMASO pira reaadlar a
duraba sa cabellos a a sua atona, o vidro. 2 fr.
VntlIU TOILETTB avr-MOK pela sai
saavidada e sua ao^lo refresaan*, a vldro. 1 fr.
oa OREM SUPERIOR para conservar a palla
clara, frasca, a diaphaM, e evitar os mfcos efreUas
da aso du ctrea, o pota......1 fr. se
___(para onrar Imesiataniente as
daraa ou ralvas de denlas; o vidro 1 fr. K
\ roa DB-nr-K-oa onu na rosa aam baaa 4a
Hafaasia, para branqiear a conservar os denlas ;
a vidro.....i......f fr. SA
OHAte EMTmuOIO para fortificar aa fengivas
a avilar as aevralgias ifantsriaa i o pata 1 fr. SO
OSJHATIVO SMTAU0 para traur at damas
cariadaa antas do ckuinbanianio, a avilar oa ab-
cassos a dares ; a vidro eom o instrumento a fr.
| OCA leucodermiiia, para conservar a frescura
a as fuaccoaa da pe; aidro S fr.
I aUFIRITO DE AHIZ RBOTiriCADO, complemento
do aeeio da bocea dspota da comer; a vidro 1 fr. 26
| BABO LEHITITO MTBBJianf AL, de vio!:la,amcnd.vi
amarga, bouquet, a pa*.......2 fr.
IR-at- B- tA-O LBMITIVO MEDICINAL de
Ismas da *\ot, para evitar aa faadas, frieiras a
oeacas de palle, da vldleta, de bouque'., o pao 2 fr.
| REME DE BABO LtJHTIVO MEDICINAL em
ps. Ella especial gara a barba, a acaie das
seaaoras a daa chancas, o vidro. 2 fr.
| ODA LDSTRAL para conservar e erabellezar os
cabellos, e fortiear aeka railes, o vidro. S fr.
PILLAS CAT-AMCAS M ATM.
Estas pilulas vegelaes sm j-
fiapudas a todos os uses de tim
purgante as familias, pois io
perfeiame'nte innocentes, e tm
quanio nil.arw de pessoas coa-
fessam com gftitidao que (bram
coiipdas por ellas de molestia.-
scTcra perigosas;nao ha
um s casa) em qae baja tuspei-
tas do mais leve resultado inju-
rioso por seu uso.
Publicamos aqu alguns u
attesUdos que temos de curan
nota veis feitas ltimamente.
Um caso notavel de
ACDA D- SOLOMA 0-BJOB, co- eu sem
mbar; permanencia de seu perfuma o fat bascar
para o tseador, banbos geraes e locaes, o vidro 1 fr.
PASTELAB OtUBNTABS do Dr. Paul Ciernan!,
para tirar o chairo de tabaco e para madilicar os
hatillos ferias; 1 a 2 fr. a caixa.
AGUA DE I-LORBS DE ALFAEEMA, cosmtico
bascado para tirar as comichees, fortificar e re-
frescar cenes orgflos, a vidro.....1 Ir. 25
ESPUUTO DE HOBTELAH SUFERTINO. Elle e
apsrfeitoamanlo isdispenaavcl d* aceio da baces
depois da comer, a vidro......f fr. 25
fOMMSDA OOMS-RVABORA de quinina pura
para fertiUcar os cabellos, os ambellezar a avilar
a encaneceato proaturo, o pola.. S fr.
Deposites em cada cidade, era caza dos pharmaceutieos, perfumistas, caballcireiros, negociantes de
moas e de rucadas. Tanjo: Pbabiucia Larozb, ru Neuve-des-i'eiits-Champ, 26.
Kipadicoa: ai caza ele J.-P. Laroze, rae des Liont-Saint-Peul, n' 1, em Pars,
rafia iin linpi-railiir n 38. Imtic li'mce'a.
XAROPE
DE CASCAS de LARANJAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimico,
>B*MACEBI1C0 DA ESCOLA SDPBBIOR BB PABIB.
Esti xarope, regalarisando as fanccQes do estomago e intestinos, destroe essas
ndisposicoes proteiformes, e faz abonar as molestias de qae sao indieios precurso-
res. Mdicos o doentes tem roconbecido que restabelcee as indigestos, fazendo
desappareeer os pesos de estomago, que calma as enxaqueeas, espasmos, a eaimbras,
que sao resultado de digestoes penosas. Seu gosto agradavel c acilidade com que
se auporta, e-tem feilo adoptar como especilico infallivel das docncas nervosas,
gastritis, gastralgias, clicas de estomago e de entranhas, palpitadles, dores de
coraco, vomites nervosos; sua accSo sabr as funcedes assimiladoras tal, que os
mdicos mais Ilustres o tem adoptada por rescipknte real dos dous primeiros
agentes therapcuticos: o odureto de Potassa e o Proto-lodureto de ferro, lende-
observado que debaixo de sua influencia, o primeiro perde sua aeco irritante, e o
segundo seu cflcito adslringentc.
XAROPE FERRUGINOSO
^
XAROPE DEPURATIVO
De cascas de laranjas amargas com Ie-
duretoida potassa.
0 iodareto de pbussa, administrado em
solucao ou dtbaixo ila forma solida, causa ao
doente urna grande repugnancia, ou determina
accidentes que o arro & renunciar a esta
medieacao fficaz. I
Unido porm ao Xarope de cascas de laran-
jas, elle nao causa nem gastralgias, nem per-
lurbacao do estomago c intestinos, e graca* a
este salvaguarda, os iraiamemos depurativos
sio continuados sem interrupcao, as affec-
i.oes eicrofulotat, tUberculoias, canctrotat
tiaj secundarias t terciarias, mesmo reuma-
tliismees, as quaes elle o meis seguro espe-
cifico. A dose est definida de tal maneira
que o medico pode verial-a s sue voatade :
0 frasco: 4 fr. 50 o.
De cascas de laranjas amargas com
proto-iodureto de ferro.
A associacao do sal ferro ao Xarope de cas-
cas de laranjas tanto mais racional ejuanto
que este xarope, empregade s, para estimu-
lar o apnlite, active a secrecio ilo aucco g-
strico, e por fim refularisa as fuRcees abde-
minaes, neutraliza os mos effeilos dos ferru-
ginosos e dos ioduretos (peso do cabete, pri-
sao de ventre, dores epigstricas) em quante
que facilita sua absorpeo. Dissolvido no
Xarope, elle se toma e se supporta fcilmente,
por achar-se no estado puro mais assimilavel;
e assim pode continuar-se a cura da pallidez,
corrimentos brancos, anemia, affeccSes escro-
fulosas c racbitismo:
0 frasco: fr. 50 c.
Os Inapta de J.-P. LAROZE estae s^mpre em frascos especiaes
(nunca em meias garrafas nem em frascos redondos). Expedicfies: em casa
J.-P. LAROZE, ru des Lions-Saint-Paul, 2, Pars.
Uu.'i do lni|i.'i .i lu1 m US. U'iitra .i iici.l.t.
I.
53

cu
a
a
a
5
-
a
O?
*
a
e
_
*
t
e

m
s
o

T
D
S
a
3

ww
0 5-
*
3-2"
-
W
twm?
arf"
al P
;e e>
2 2.
%
*J
6^:
- '
S-e
M
t-
o
al
C o
N
_
?
O
Z fc
o a
SrS
- a

WWi
m
8r#Ba|a-3'af_SiSS2 I
l^_rllfl_:f3*l!5.1
S 5 o ? 3
-0 = 0
ai ts
3 J,r B^_- CL
- >|>_r_i

sf|2f|t3
V*a-%r_,
irilBr
ej-ss--,,
lis' Ui?f
Soa^=
la.lliflS
2 x i Z-SO^nf
5 EOp5 = rar-
si|JifsiS
E'-i < ci o. B*.
5 S M v^CQ,
<* -1 re n P*f o
50
e

et>
rx
2.
5'
o
O
5B
>

ix
l"-
v <= = -.t a o
o

z
-1 a, -3
3i!
IfHIfr
Vende-se na ra ilo Imperador botica franceza n. 38.
Affecri enronica de
lLLU. Su.
Juiz de Fra, M ie fever*i*> de 1864.
Tendo feito usr> das pilulas rathartica
de) Ayer, que rae fez faror de dar on t-
dro, tendo lirado um resultado nao espera-
do ; padecendo ba mais de doze annos en-
fermidades do ligado e baco, con o dn
das pilulas posso Ihe assegurar que eston
bom, pos ten lo desapparecido um ?rand
I engorgitamento que soffria, militas dores
; sobre a regio do figado e costas, dores de
cabeca, inchaco do ventre, nao podendo
, deitar-me seno do lado dircito, isso mes-
; mo procurando posito para ter socego, lo-
je me acbo livre d'esse padecitu<.iito ; como
por aqu anda as nao hnja, eu como tenho
i este proprio que de casa, Ihe rogo man-
1 dar-me alguns vidrog, e o custo elle Ibe sa-
tisfar, assim bem como do cbarope de
cereja, que tive occasio de experimentar ;
em mu ataque de guellas que tve urna
preta que com elle curci, faro uso d'eites
as tosses cm minha fain-Ua sempre en
I bom resultado, e por isso que peco ftn
\ mandar alguns frasquinhos, e mesmo a pi-
lulas pode montar a doze, 'porque tenho
feito uso d'ellas para uso da familia e al-
gumas pessoas, todas teem tirado granie
resultado ; sou
De V. S. atiento abrigado.
Francisco Ferrkira Paw.
RhfaBalisui e ataques henorrfaeidars.
Im.m. Sr.
Ouro-Prelo, 30 de marro de i 864.
Posso certificar-lhc quo- as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer sao excedientes, pois
que soffrendo eu dores pelo eorpu. e aroe
suppunba ser rbcuinatismo, (mole>tia esta
queja bavia solTrido ha annos e solTieado
tambem de ataques hemorrhoidaes. e de
I um ouvido, pois que al j;i [iouco ouvia, e
acompanliado de tima dr do qucixo, ron-
' sullei a um dos nossos' mediros, e este me
disse que devia fazer uso tia salsa : por-i
lendo eu o almatiack do mesmo doutdr,
comprei em sua casa um vidrinho das mes-
mas pilulas e por minba conla principiei a
toma-las, e sem as fin3lisar arho-me sem as
dores pelo corpo; e sem sentir, sare; do
ouvido, e mesmo dos ataques bemorrboi-
daes: portanto sao para mim as taes pila-
las as melhores que tenho experimentado ;
isto em abono da verdade. Sou
De V. S.
Amigocerto, venerador e obligado.
0 brigadero
Joo Rodrigues Peo de Carvalho.
Gastrite.
Ouro-Prelo, 29 de marro de I8I.
Atteslo que tendo feito uso, aconselbado
por um amigo, das pilulas do Dr.'Ayer,
fiquei perfeilamente bom de tima gastrile
que soffria e que privava-me de andar apor-
tado, noje felizmente nada sinto.
Al'GL'STO GOLLATINO DE MELLO.
Attenc^o.
Alaga-sa a loj% da casa n. 18 da praga da B01-
Vi.-ta propria par,1 depusilo tle pallara, taberna
oa outro qualijuer estabelerimento por 20$ men-
saea: a tratar no lint da ra cstreita do Rosario
ao voltar para o pateo do Carino n. 47.
Approvaia por varia* Academias t atlas
summiduiUi medica.
O que necasiona em H''rl as mnlcsliai abaixo
designadas a eata%Dauo do sangue ni colas
partes do corpo, a qual prodiuilu pelos resfria-
mrnlos e mu ilas oairascauzus, uitjo dvclarn-sc
OS /iAeumritfDUi, Gol, P-irn/jsfa, Flaqueza
det mcmbrBt, fitonUpacim. KkftHntiaais ou
Peritas luchadas, el orct Keroosas.
O wo da escota ELECTRO -ni A CKI-
TICA tem soccesso corto para a cura do lelas
estas, molestias, sem recorrerse a nenliumn ouira
medkaca. Ella tetn urna forma oiui manejnvel'
c produa, iToulade,dequeni d'cllj usa, soos mais
otis e fcliies resultados. Seo nnprogo preserva
cas molestias acime. Par mais informaron con-
sul-lc-se a Noticia que accompanha eada Estova.
Deposito Ge bal
Boulnart iu Priatt Eaaiue, 1S, Par.

Vende-se na ra do Imperador botica
franceza n. 38.
-j

TINTURARA.
O tnUireiro da roa do Rangel n. 38 att-
sa aos seus fregoezes ~qH6 OQudou sua
n^.!^^h^Via^*^r0Tn m^m* sidoncia para a rea Direita d. (16. ende
que saina cosnliar: na ra da Crui sobrado d. ,, __ -,-.*
hejeemdtaHtaasslgDasBlos Anlonto 4a Silva' 64, segunda andar. Na mesraa easa alu>-wj ubi continua a tlglC para queque!1 COJ e O
Machado. I escrava boa quitandeira. mais barato possi?t'l.
NOVO SYST4
Retrato* em porcelana
Retratos era porcelana
Retratos em porcelana
Retratos em porcelana
Retratos cm porcelaoa
S conhecido na America
S contiendo na America
S sonriendo na America
S conhecido na America
S conhecido na America
Est prompto e ensatado
K-ta promptoe ensaiado
Est prompto e ensando
Est prompto e ensaiado
Est prompto c ensatado
Para servir ao respeitavel publica
Para servir ao respeitavel publico
Para servir ao respeitavel panuco
Para servir ao respeitavel aublico
Para servir ao respeitavel publico
eaina ra do Imperador.
livro do Poyo.
O livro do povo, obra ornada cem estampas,con-
tando a vida de Nosso ennoriPsusOrislo, e mui-
los atfii?o Blets. Este livro daa familias rerom-
meudad aapprovado pelos Bxms. vrs. D. Luii
hispo A Harn lian e D. Manoel arcebispo da Ba-
ha, veoda-se a 1,5000 cartoriado, nalivrariade
Jos Nogaeira de Souza, iua do Crespo n. i.
~T RBLOGIOS,
Vonde-se em casa de Johnston Pator d
C, ra do Vigario, n. 3. um bello sorti-
mento de relogios de ouro patente in-
gle, de um dos mais afamadoi farbrcantes
do Liverpool, e tambem urna variedade de
boniosttrar.celins para os mesmosU
Falta de apetite.
Ouro-Prelo, _4 de fecereiro de I8G4.
Sendo eu affectado do figado ha muiloi
annos, e ltimamente soffti falta de apetite,
hoje dou grabas a Deus por acliar-ine sao
e perfeito com o uso das pilulas calbarlicas
do Dr. Ayer.
Amonio Rento Vii:ia.
Canstipario, dores dr cabrea.
Ouro-Prelo, _8 de marco de 1864.
Atiesto que achando-me atacado de urna
forte eonstipacfio (jue Irouxe-me dores por
todo o corpo e na cabera, soffri horrlvel
mente por espaco de quatro dias; entSf
um amigo aconselhou-me tpie tomasse pi
lulas atliarticos do Dr. Ayer: rom ellas 111
quei sao e completamente resiabellecido em
tres dias, de sorte que estou no ffirme prc -
psito de aconselliar o aso das ditas pilulas
?' todas as pessoas que forem affectadas d^
instipacoes.
Agostinho Jos da Silva, negociante de fa-
zendas. ^^^_^^_^
irritar io eslomaaa.
Ouro-Preto, 29 de marco de 1864.
Attesto e juro, se necessario fr, que. sof-
frendo ha muito tetapo excessiva irritan.
de estomago, pouco apetite e diflicil dies-
13o, d'ella tenho experimentado sensivei*
memoras depois que tenho feilo uso das pi-
lulas calharlicas do Dr Ayer.
Antonio Hermogenes Pkreira Rosa.
Laafcrigas.
Ouro-Prelo, 28 de marro de 1864.
As pilulas do Dr. Ayer (calbarticas), fu-
ra m empregadas com grande vantagem por
mira era urna menina de dez annos, qne
soffria de vermes intestinaes, notando-se-
que os sympiomas que entao apiesentava
eram de molestia bastante pergosa.
RAYMtNDo Nonato S. de Tiiiago, phanaa>
centico.
Nevralgia.
Urna carta do lllm Sr. Francisco AJva-
reega de Aaevedo.
Ha mais de sete annos que soffria. dores
no hombro c as costas, loraei una infini-
dade de remedios som achar alivia alguci.
Dr, angustia, tormento sao paiawas for-
tes, porm nao exprimem o que tenho sof-
frido: ltimamente tomei as pilulas car-
tharticas do Dr. Ayer. S6 faz 0K0 dias, e es-
tou completamente restablecido ; ha tres
dias que nao sinto a mais leve dr no hom-
bro nem as costas.
Estas pululas acham-se venda as prin-
cipaes boticas e drogarias do Imperio, e no
Rio da Janeiro, ra Direita n. 45.
Vende-se em Pereambuco:
* phar-aacia france-a 4e
P.MAURER i C.
RA NOVA N. 48.

II
IWI
1 r



Diario de rernambu ... abbado 9 e laaeiro de IMi,
)
'.
JOS 12 GOMES VILLAR
Com loja de fazendas ra do Crespo n, 17.
Prelendendo ir multo breve a Europa tratar de sua saude, pede aos seas devederes
Unto do aat con* desta praga que saldera seus debito quaoto antes, assim como
lista liquidando
o mu importante estabelecimento de fazendas, vendeado tudo por precos que na real ida-
de admirara; aproveitem Bxeellentissimas senhoras
As fazendas de aparados gostos
As fazendas de apurados gostos
As fazendas de apurados gostos
E por precos qae admirara
E por precos que admiras
ERAL RECOMME YllAViO
ARNAZEN (MSERVATI
23-Largo do Terco-23.
Joaquina Siawi dos Santos, dono deste bem sonido armazem de sitiados faz sciente erag
reeommendaco aos seus amigos, fregaezes e a todos em geral, que esta resolrido a vender os seus
em conhecios geieros de priraeira qualidade, por meaos de 10 a 20 por cento, menos do que em ou-
tra qualquer parte a dioheiro contado, e todo o comprador que comprar de 504 a 100,5 lera o descon- j
to de 5 a 10 por cento pelo seu prompto pagamento; e por Isso se faz annuncio de algnns gneros,
para com este melhor se certifcarem.
CASA DA FORTUNA.
AOS 6:000.000
BUhetes garantidos
A' rsi it Crespa a. 23 e hu la eistone
O abano assignado vendeu nos seas muito feli-
es bilhetesgarantidos da lotera, que te acabou
de exirahir a beneficie da Sitia Casa- da Mise-
ricordia, os seguales premies:
Deus qaartos o. 1137 com a serte de 6:400000
Dous quartos i. 797 com a sorle de 1:4OO08O
Umeio n. 1510 com a sorle de SOOftOO
E outras muitas sortes de 100. 40* e 2( &.
Os possuidores podem vlr receber seus respec-
tivos premios sera os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se venda os da segunda parle da
primeira lotera a beneficio da Sania Cata Mi-
sericordia, para canalisacao d'agua e gaz no hos-
pital j'edro II, que se exirahir r,o dia 10 de
Janeiro.
Precos.
Buhe tes inteiros..... 7*600
Meios......... 3*800
Qaartos........ 1*900
Para as pessoas que comprarem
de 100* para cima.
Bilhetes....... 6*500
Meios........ 3*250
Quartos...... 1*700
_________________Manoel Martins Finia______
Joo Evangelista de S Souto Maicr, mora-
dor na ra do Livramenlo n. 4, faz sciente ao
respeitavei publico qne havendo cutre de igual
nome da data deste assigna-se per Joo Evange-
lista de S.
t O Dr. Carolina Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na ra do Impe-
rador n. 17,2* indar, onde pode ser pro-
curado a qualquer hora do diae da noite
| para o exercicio de sua proflssao de me-
I dico ; sendo qae es chamados, depois de
< meio dia al 4 horas da tarde, devem ser
! deixades por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estado das
molestias do interior, prosegue, com
maior afflnco, no das mais diffleeise deli-
cadas operares. como srjam dos ergaos
ourinarios, dos olhos, partos, etc.
mmwmm mmmm mmmmm
Antonio Luiz de Oiiveira Aze-
vedo Agentes do Banco Uniao do Porto.
Competentemente autorisados sacam por todo
paqaetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, e para as segointes agencias.
Londres sobre Banh of Loodon.
Pars Frederic S. Ballio & C.
Hamburgo Joao Gabe & Filho. I
Barcelloaa Francisco Rahoba i Ballista.
Madrid Jaime Meric.
Cdiz > Crdito commercial.
Sevilha Gonzalo Segoria.
Valencia M. Perera Y. Hijos.
Em Portugal.
Casa de educar.
Jeronymo Pereira Villar trasferio o seu esta-
lecimenlo de iostrueco primara e secundaria
para a ra larga do Be-ario, sobrado de doas an-
dares n. 22 ; e participa nao s aos illms. senho-
res, pas de seus alumnos, como ao respeilavel
publico, que as aulas eslarao abortas no dia 8 de
Janeiro do anno vindeuro de 1865.
Ao amanhecer do dia 20 de outubro do cof
rente anaode 1864, furiaram do cercado do en-
genho Aldea, da freguezia do Rio Formeso um
quarlo de carga do mssmo engenhe, o qnal
rugo pombo, grande, castrado, nao nevo, tem no
olho esqaerdo ama belide, e pooco oh nada v
pelo dito olho, tem um callo velho no espinhaeo,
lugar em que teve urna bexiga, levou o topete cor-
tado rente, carrega baixo, e tem estampado no
ladodireilo da anca o ferro do engenho em letlras
maiosculas como aqu se v- A LI) EA. Adver-
te-se qae os cavados assim ferrados, nao sao tro-
cados oem vendidos, e os que forera encontrados
som ser servco do mesmo engenho sao fua-
dos, e devem ser apprehendidos ; porlanio roga-
se s autoridades policiaes, e mesmo qualquer
pessoa do povo, que sendo encontrado* ditos ea-
vallos sejaro apprehendidos e remedidos ao admi-
nislrador daquelle engenho ou ao abaixo assigna-
do proprietario de mesmo engenho, que reside na
cidade do Recife, ra do Hospicio n. 50. Cidade
do Recife, 26 de outubro de 1864.Caetano Jos
da >ilva Santiago.
Massas para sopa mar-arrio, talharim e aletria
240 rs. a libra e em caixi a 5*.
Toacinho de Lisboa alvo muito superior a 2?0rs.
a libra e 8*800 a arroba.
Caf do Rio de primeira e segunda sorle a 260,280
e 300 rs. a libra e a arroba ou sacco a 89 e
8*500.
Caouricas as mais novas do mercado a 560 rs. a
libra e em barril a 12*.
Passas vindas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
e a caixa a 8*.
latatas emgigus de 35 a 40 libras por 2*400 a ar.
robae a 80 rs. a libra.
Cha hvsson miudinho supe ior laalidade a 1*200,
2*000, 2*500 e 3j a libra.
Vmho de Figueira, Porto e Lisboa em pipa a 560,
500, 400 e 640 rs. a garrafa,
dem proprio para negocio a 320 e 360 a garrafa
e a caada a 2*400 e 2*700.
Milho alpista e paioco muito limpo a 140 rs. a li-
bra e a arroba a 4*400 e 4j>200.
Phosphros do gaz vindos por conta propria a 180
rs. o maco e a 2* a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga-
lao a 2*800 e a caada a 4*500.
Serveja das marcas mais acreditadas a 500 rs. a
garrafa e a duzia a 5*800.
Figos de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
em barril ou caixa se far abatimento.
Arroz do Maranhan e Java a 100 e 80 rs. a libra
e a arroba a 2*800, 2* e 2*400.
Assim como ha um grande sortimento de charu-
tos e genebra de Hollanda, tauto em frascos como
em botijas, bolachinhas de soda, conserva?, choco-
late, marmelada, viudo engarrafado e uniros mal-
los gneros que enfadonlio raenciona-los, e se al-
guna duvidaF venha vr.
.A. NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL ECRETO DE 21
DE DEZEMBRO E 1859
boa ad"
ltoa flanea em dioheird, depositado nos cofres do estado, garante a
ministi-aco da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Baaco de Ilespaoha
DIRECgO GERAL
Madrid: Ra do Prado n. 19
seguros
do se-
Esla companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de supervivencia dos
sobre a vida.
Nella pede se lazer asubscripcao de maneira que em neuhum caso mesmo'por morte
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to saprelieadentes os resaltados que prodazera as sociedades da ndole deA NACI
NAL,qae anda mesmo dmluaindo ama terca parte do interesse prodazido em recentes liquidacoes, i
e combinando o com a mortalidade da tabella de Depareieax que e adoptada pela companhia para os I
seus clculos e liqaidacoes, em segurados da idade de 3 a 19 annos, urna imporsico annuzl le 100*
prodoi em effectivo metlico :
No fim de o annos.......1:119*300
de 10.....: 3:942*600
de 15 .......11:208*200
de 20 .......30:256000
. de 25 .......80:331*000
as idades menores de 3 annos c matares de 30, os producios sao mais considerareis.
Prospectos e mais informacoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia o Sr. Jerony!
mo Joaquim Finza de Oiiveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista raa da Imperatriz n. 12, esfabe!
lecimento dos Srs. Rayraando, Carlos, Leite & Irmao. j
Jlo da Silva Ramos, medico pela Uni
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isstt designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccorridos era qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem si'.a casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o qae
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3*000 diarios.
Segunda dita.... 2*500 >
Terceira dita.... 2*000 >
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera qae elle conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tem gozado.
Antonio Lopes Braga faz sciente ao publica
, por este meio, e particularmente ao corpo do com-
1 mercio desta praca, que nesta data tem formado
sociedade entre si e seu caixero o Sr. Francisco
Jos Gomes e o Sr. Jos Joaquim da Costa Perrei-
ra; continuando o seu estabelecimentono mesmo
gyro de commercio debaixo da razito social de An-
tonio Lopes Braga & C, oceupando-se alem disso
do negocia de rommissdes. A liquidado das tran-;
saccSes pendentes (lea a cargo da nova Arma ; e o
annunciante espera que os seus amigos e fregue-
zes conlnnero a depositar nos -seos associados a
mesma confianca que tem tido a fortuna de mere-
cer-lhes. Recife 2 de Janeiro de 1865.
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar e
engommar com perfeico : na roa do Sebo n. 39
Amarantes. Angra Terceira.
Arcos de Val de Camnha.
. Vez. Castello Branco.
Aveiro. Chaves.
Barcellos. Coimbra.
Bastos, Covilhaa.
igeja. Elvas.
i Ba- Extremos,
i Braganca. Evora.
Faro. Fafe.
Oiiveira d'Aze- Pinhal.
meis. Porto-alegre.
Penanel. Thomar. Viannado Cas-
Tavira. Villa Nova do
Villa do Conde. Portimao.
Villa Real de Vizeu.
S. Antonio. Faial.
No'imferio.
Bahia. Maranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somraa prazo oa vista,podendo logo
os saques praze serem descontados no mesmo
Banco a razo de 4 or cento ao anno : a tratar
na rea da Craz n. 4.
^ lfiftl? *'*?*&$>
Figueira.
Guarda.
Guimares.
Lagoa.
Lagos.
Lamego.
Leiria.
Monjao.
Moncorva.
Regoa.
Salaba!.
Vianna do
te I lo.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
Aluga-se baratas urnas meias-aguas, na en-
trada dos portOes da travessa das Barreiras, bar-
ro da Boa-Vista : a tratar na ra do Cotovelo
n.25.
Antonio Ignacio do Reg Mederos tran-
sido de dr pelo prematuro passamento de
sua mu idolatrada esposa Anua Mara de
Oiiveira Mederos, cheio de reconhecimeBlo
agradece com toda a elTuso de seu corceo,
a honra que Iha lizeram' todos os que se
digaaram acompanhar o cadver da mesma
at o seu jazigo no cemiieiio.
Elle roga encarecidamente mais o duplo
favor de assistrem a urna missa, que pela
sua alma ser resada na matriz do Corpo
Sanio s 7 horas do dia 7 do correte.
Aos senhores pais de familia.
O padre Flix Barreto de Vas-
concellos, com aula particular de la-
tir na ra do Imperador n. 35, 1.
andar, contina a receber alumnos
de todas as classes, durante e de-
pois das ferias. Tambem est dis-
poste a abrir um curso de primei-
ras letlras e de francez, logo que
haja numero sufliciente de alumnos
para cada urna destas materias, e
assim tambem a receber como in-
ternos alguns menino.sde cuja edu-
caeo o quizerem encarregar. Os
pagamentos serao por trimestres
adiantados, e os pregos declarados
pessoalmente na occasi3o do ajuste
para a entrada do alumno.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
1 e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua prosr
sao medica, e com especialidade
sobre 9 seguinte
1* molestias
;=,. 2
3o
COMPENDIO DOLOROSO
que conteta o oflicio de Nossa Senliora das
Dores; o modo de rosar e offerecer a co-
ra, um setenario e mais outros exercicios i
PRIMEIRAS LETTRAS.
Mara Bartholeza da Cooceicao partecipa acs
Illms. senhores pais de suas aliimnas e a todas as |
pessoas que Ihe quizerem dar a honra de Ihe j
onfiarem suas meninas para lnes ensinar o'
necessario s materias de primeiras lettras e
de piedade e devocao; ordenado pela ir-1 imgoa tranreza : far todo o esforco para que
mandade ios servos da mesma Senhora, ellas obtenham o desejado aperfeicoamento affian-
que se acha erecta na egreja de N. S. da
Penha do imperial hospicio dos reveren-
dos padres missonarios apostlicos capu-
chinhos italianos de Pernarabuco, approva-
do por S. M. I., que Deus guarde; dado
luz por devocao do muito reverendo
padre Fr, Placido de Messina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia________
THESOURO DAS MAIS
Providencia das enancas
COLLARES KOVl'K
Electromagnetices
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DENTICO
Contra as eonvulsoes e para facilitar a
dentiGo das criaocas preparados e inventa-
dos por Royer.pharmaceuticoda esco-
la superior de Paris, successor de Chereau,
membro da academia de medicina,
amiga casa de Bouillon-Lagrange, pharmaceutipo
do imperador,
chefe des trabalhos cbimicos da escola po-
lytechnica, director da escola de pharmacia de
Paris, e membro da academia imperial
d- medicina.
I-Mes collares vendem-se nicamente na loja do
Gallo Vigilante roa de Crespo n. 7.
Aluga-se a 105000 mensaes a casa
terrea n. 263 da ra Imperial, concertada,
calada e pintada, propria para estabeleci-
mento de negocio e meradia: a tratar na
ra do Crespo n. 15, das 10 horas do dia
as 4 da tarde.
1
Saques sobre Portugal.
O abaixo assignado. autorisado pelo
Banco Mercantil Portueuse. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
fectivamente por todos o paqaetes sobre
as pracas de Lisboa e Por .0, e mais laga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso ; podeodo, o qae temarem
saques a praso.receberem ista, no mes-
mo Banco, descontando 4 0|0 ao anno: na
loja de chapos da ra do Crupo n. 6, oa
na raa do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa MVia.
cando-lbe a boa leitra, e Ihe tirar qualquer vi-
cio na prenuncia, se o tverem. Sua escola estar
rberla di" 9 de Janeiro em diante : defronte da
matriz da Boa-Vista n. 84.
Ao publico.
Fonseca & Rocha julgam nada
dever nesta praca 011 fora della, se
porm alguem se julgar seu credor
tejaba a bondade apresentar sua
conta para ser incontinente salis-
feita. Recife 31 de dezembro de
1864-
de olhos;
de peito :
dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rlo examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos \
doantes de olhos.
Dar consultas todos*bs dias d s)
6 as 10 da manhaa, menos nos do-1
mingos. <
Praticar toda e qualquer opera-1
Cao que julgar conveniente para o ]
prompto restabelecimento dos seus i
doentes.
DENTISTA DE PARS I
19Ra Nova-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentist 1,
faz todas as operaedes de sua arte, e ctl-
loca denles artiflciaes, tudo com superio-
ridade e perfeico, que as pessoas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos dentificio.
CON'FEITARIA DOS ANANAZES
Ruada Crui 11. 16
Hoje quarta-teira, sexta e sabbado, havor em-
panas degalinhae de pexe, e tambem havera sor-
timento de pastis linos, fiambre e doces paia cha
para o dia de res.Gatheaus de L. Roy.
Recebem se encommendas para estes bolos ate
quinta-feira de tarde a 1-5, ?3 e :i a libra estes
11 bolos contera urna fava, e est como praxe, a pes-
!soaqu enconlrar a dita fava compromette-se a
I i pagar a champagne. Em Franca e na corte esto
I ssles liolu- inuio en) uso._____________________
j Os abaixo ssignados fazem scieBte ao res-
i petavel publico especialmente ao corpo de com-
i mercio que dissolveram amigavelmente a socie-
1 dade que linham na loja de fazendas sita na ra
do Livramento n. 2, que gyrava na razo social
de Montare 4 Andrade, licando a cargo do socio
Andrade lodo activo e passivo do mesmo estabe-
leciraenlo. Recife de Janeiro de 1865.
Bersardino Jos MonteroA- Irma o
_____________jus Francisco de Andrade Jnior
O secretario da rmandandande do Nose
Senhora da Bao-Viagera, convida a todos os seus
Irmos, para reuniao de mesa gpral domingo 8 do
corrente pelas 9 horas da manhaa, aflm de pro-
ceder-se eleico dos funcoionarios que temjle
de reger a irmandade no futuro anno de 1865 a
1866.______________________________________
Precisa-se alugar um escravo de meia Idade:
nos Coelhos, ra dos Prazeres n. tO^_________
Arrendase um sitio no Jacar, estrada d'A"
gua-Fria, com casa de pedra e cal ltimamente
construida, com bastantes arvores de diteentes
frucias : a tratar com o solicitador Barroso, ra
da Concordia n. 34.
s
OQMPBAS.
Compra-se ouro e prala em obras velhas
daga-se bem: na loja de bhetes da praca da Inde
pendencia n. 22.______________________
m\ EM GACHAKGA.
Aluga-se urna casa nova muito fresca com ex-
eellenlesoto sita no ('achanga defronte do enge-
nho Poeta : a tratar oa ra do Crespo loja de An-
drade A Reg.
Compra-se electivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-sc bem :
na ra larga do Rosario n. -24, loja de ourives.
Compra-se urna negrinha ou mulatinha de 5
a 7 annos de idade : na rua das Cruzes em Santo
Antonio n. 4l, segundo andar.
Aluga-se o sobrado de dous andares da rua
da matriz da Boa-Vista n. 26, oom bastantes coiu-
modos e muitojYesco : a tratar nos Coelhos, rua
des Prazeres n. 10.
CASA,
Aluga-se a casa anda nova sita na rua dos
Prazeres da Boa-Vista n. 1 B, com bons commo-
dos e pelo barato preco de Iti mensaes : a tratar
com o inajor Joaquim da Cunha e Figueiredo das
9 as 3 boras da larde na alfandega, e fora desta
hora na casa de sua residencia estrada de Joo
de Barros.
Companhia fldefldadc de
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEPNAMBUCO
Antonio Luiz de Oiiveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio rua da
Cruz n .1.
Aula de instiueeio primaria.
Manoel de Souza Cuideiro Smoes avisa aos pais
de seus alumnos que no dia 9 do corrente se
aehar abena sua aula particular a continuar os
seos exercicios, na mesma easa n. 16 da rua da
travessa dos Exposlos; e ao respeitavei publice,
que contina admitir alumnos externos e nter- Adverte-se ao Sr. Feliciano Joaquim
nos, pensionistas e meio pensionistas, asseverando de Agtliar, que a sua assignatura deste
ao= pas que Ihe eonfiarem seu-lhos. todo esme- r.. s- j 1 j
ro em imprimir-lhes sentiraentos de san moral e: Diario esta por pagar desde OHtubro do
de reigiao. armo passado, e que o proprietario da loja
- Jos Antonio Machado declara ao corpo do; de ourives da rua larga do Rosario n. 40,
commercio que por haver ontre de igual nome, tem declara lo que nao se responsabilisa,
liante se assignar Jos Antonio da portantoS. S. qneira mand3r satisfazernes-
Ita typograpbia.
E19 i S.
FOLHISIIAS
t'ara lh(5
Acham-se venda na livraria ns. (i e
da praca da Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
kalendario civil e ecclesiastico, tabellas de
feriados, de emolumentos dos tribunaes
do commercio etc. a 4(0 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBE1RA contendo o
Rova liqnidacaode fazmoas ?l o fin
d mez, san techar fadiius Tindt-s aiiiita
barate, ior ser o'iIidio n;cz ile Irsia, que is
refieus deven sprevtiUr : na loja t :inszrn
da Arar, na da Imperatrix o.S6, de lourrn-
eo Pereira lendes (juimares.
Fazeddas especiaes para srnbora.
Vndese neos cortes de vestido de la a Mara
Pia para senhora de bonitas barras a 8$ 10. i.'IJI,
lii e 16* o corte : na rua da Imperalriz n. 56,
loja da Arara.
A Arara vende 1 2(0
Cortes de chita de cores Oxas com 10 covados
al400e3,J200;cassasdecorcs a 320, 360 e
400 rs. o covado : na rua da Imrcrilriz n. 56,
i loja da Arara.
Certes de cambraia de salpicas a 2f!(P.
Vende-se cortes de cambraia de salpiros a
2*400, 35 e a 42000 a peca, ditos de can braia
liza e lina a 35500, 45500.5*500 e 65, tiras ho%.
dadas para enfeitar vestidos e entremeto* a 1* e
a 15200 : na rua da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
Senlenbaraaes a 7, 8, e a 16.
Vende-se soulen.barque de laaiinhas de erres
para senboras a 75, 85 e a 105-dito dr firsC ra-
pte preto muito enfestado a 205, 255 e 305 : tieu
capas de grosdenaple a 2P5, 255, 305 e 365. jara
liquidar : na rua da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
A Arara vende de cores* Ipskapara vestid*.
Vende-se alpaka decores para mtlo* a 360
rs. o covado, challes de iazinhas a UflO i- lSfcO
dito de merino a 45500, dito.1 flpcs a IJfiU', 't>'..*
na rua da Imperatriz n. 56. leja a Alara.
Cassas da Arara a 280, 320 e 400 ris .ud*.
Vende-se cassas de cores a 280. 320 e 4C0 r?.' o
covado, lencos de seda a 800 e 15; ra rua /a
imperatriz n. 56, loja da Arara.
Lazinhas a Mari* Pia a f 0 rs.
Vende-se iazinhas a Maria Pa para yi.iidos,
com palmas de seda a 500 rs, o covado, ditss de
cores a 320, 400 e 500 rs, ditas lijas de re n s pa-
ra capas e vestidos a 560 rs. o covado. r<*>iF*s
para capas de senhora a 15>80i, 255C0 e 35 : na
rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A Arara rende chitas a 240, 280 e 320 is.
Vndese chitas de cores lisas a 240. e JfO rs.
o covado, ditas francezas a 320, 3C0, 440 e ,rX0 rs.
e covado, percallas para vestidos firos CC0 1 560
rs. o covado, camisinhas para senhora a 15_l|CCO
35 e 45500, gollinhas para senboras e rreninas a
240, 320 e 500 rs., enfeites para rabee* a Mura
Pia a 15, 15406 e 25, para liquidar : a ira da
Imperatriz n. 56.
Ralcs americanos para srubtra.
Vende-se baldes americanos, os melhcns que
lem vindo ao mercado, de 20, 25. 30 e 35 MfO! a
25500, 35 e 355(0 e 45, ditos de brilbactu.a e
musselina a 4*500 : na rua da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
Fazendas para homrm.
Vende se corles de calcas de trim |aia turnta*
a 15000 e 25, ditos de ca.*emira a 35, t-O e
455OO 55 : na'^ria da Imperatriz n. 66, Kja da
Arara. .-/"""
loupa ffila [tarjifcfirrc de tfd:s zs e,talid:des.
Vcnde-se palTlclsde l-rilP de coks a ?,?*?<
35, ditos branco a 256C0, dito e lii 11 11; i .' 5,
ditos de alpaka de reres e I ianios a 65, diltf de
meia casernira a 456(i0 e 6'5, dks ce ih n lia a
65, 85, 105, 105, lt"5 e 2('5, ditos ele 1:111 tro
preto a 85, 105, 145- iii,^^ t .'('5, rabas de
brim de rr a 25 c 25500, dita di dnc linio a
25 ditas dedilo de liona a 356C0 c 45, rollehs de
cores a 25, cores e pelas a 35500 e h, ralsa de rana iia a
55, 6 e 85, de r*eia ra en ira a ."'5 f :<. ra-
misas Iranrezas a 25e 25500, de tubo lutlm* e
pregas largas a 3j e 35500. gravitas de loca as
qHalidades de 500, 8d, 15 el,Vi(0. rillaiirho
de todos os lamanhos e muito Leni feiles, | na li-
quidar por ser lempo de fe.ta : na ma da !n | (1a-
triz n. 56, loja da Arara.
Colchas para <; n ;: a 2.
Vende-se colchas de chita para enia a 2?. ditas
de damasco a 45. ditas de fusio a 6;, rl.ias 1 na
cobertas a 320, 360, 400 e 500 rs. o covado : na
rua da Imperatriz n. 56. loja da Arar,
A Arara vende madapole enfrslsda a t.
Vende-se pecas de madapolo enfestada a ',-', a
1 peca, dito inglez de 24 jardas de n. 30, a 65. de 1
I a 55500, n. 250 a.65500 e "55(0. v. 5 8#CdO,
I vi%> 95000, R. D. P. 105, ZZZ 115, n. 20. dim a
,I45a peca ; algodaoznho marra a 55r0, dito
; carne vacc a 75, dito d.-n c>tiffc a 75(0. dito
] pau ferro a ,, dito SL9 a 105, dte T a IOJ e i;"5,
Idito sienpira a 85500, para liqiiidi.r. la ma d
' Imperalriz n. 56. leja da Arara.
Palitots de alpaka.
Vende-se palito t de alpaka prela d. 35 e :;:,:,(0.
ditos finos de cordao, lizas e brancas a : rua
da Imperatriz n. 50. loja da Araia. ,
Ao barotriro da rua da taparsfritl.SC
Vende-sc seroulas a 15280, dilas trancezas a
1 tSCOOe 25 : e outras muito boas torcidas i;i:e o
freguez encontrar na loja da Arara, rua da lm-
. perairiz n. 50.
8:No armazem de fazendas la-
ratas de Santos Coelho,
llua do Qiieimddo 'n. 19.
Vende-se o seguinde :
Silva Machado.
Atlencao!
Ricas Iazinhas, fazenda a melhor que tai 1 in-
do ao mercado, tanto em gosio como em nalida-
mesmo que aquella e mais urna nova de> pelo Lara,5simo preco de 560 rs. o covado.
Salve Rainba em verso, o Stabat Materem j uitas miudinhas carmezns, prara* |ara vesti-
verso, devocao ao aponisante-, coraco de dos de meninas e camisnhas a twotate*.
Jess, cntico em luvor do Santissimo .Cortes de 13a com 15 covados, pelo barato prec
Rosario, cntico a Virgem M^ria Nossa
Senbora, trinta e tres chistosasanedoctas.
um indito poema sobre as aventuras de
Precisa-se alugar urna ama forra 00 escrava
quesabsceznhar : na rua da Cruz, sobrado n. > PCa da Independencia, loja de ourives
64, segundo andar. Na mesma casa aluga-senma'n" i' eornpm-seobras de ouro e prata, e pedras
escrava boa quitandeira.
um cosinheiro, o canto de tima solteira
de 65.
Cobertas de edita da India a 25500 r 35.
Lences de panno de linho a 25 e 25500.
Pecas de cambraia de forro com X Ii2 varas a
35200.
Attenefto.
Antonio Al ves Vilella roga a todos os seus de-
'i* veddres para que al o ultimo do corrente mez ve-
nham saldar suas cootas, guando nao facam, ver-
; se-ha obrigado a entregar a relaco de seus deve-
a dores ao seu procurador.
preciosas,assim como se faz qualquer obra de en-
! cornmenda.e todo e qualquer concert.________
AVISO
aos terceiros de S. Francisco.
Chegou a verdadera estamenha para hbitos, a
Aluga-se um sitie na rua do Cabra
cidade de Olinda, com casa terrea, com CO- : Precisase de urna ama para cozlnhar e com
piar nfrente, bota os fundos para a estra- prar: "'rua das Cru"s n- 9' ^SggIgL
da e margem do rio Reberibe, com com-! -.A bordo da barca franceza VirpU tem urna
porcaode vasos para uores e algoidares vidrados:
Roga-se as autoridades policiaes e capitaes de
campo a apprehensao da escrava, mulata, de nomt a tratar na rua do Cotovello n. 17.
Rosa, idade de 35 annos, altura e corpo regulares,
com falta de denles na frente, auseniouse no dia
Toalhas alcochoadas propras para maos a 55
(poesa), crescido numero de mximas e dU/ja.
pensamentOS, uma historia como muitas Ricos cortes de laa com barra
rromanco; e vinte e cinco novas epi-j* de p.at.ihas de
Jhencas charadas a 320 rs____________ pr0pnas para tala a 45.
Vende-se a oja de selei-o da ma Nova n. Algodao enfestado com
28, com todas as fazendas, ou somente a armacao, a 15100 rs. a vara.
sendo esta toda de madeira de amarello, e ptima | Estelra di India, propria para forro de sa'; de
largura, por menos pre^-o de
parte,
nto tambem se encentrara
Hara Pia a
algodao cero 10 varas,
7 i|2 palmas de largura
qual se vende muito barato : na rua do Queimado Pa qualquer outro estabelecimento : a tratar na 4, 5, e 6 palmos de I;
n. 39, loja de 4 portas. 8" fr________________________________| qU^eeSa2"|eCTmei
Roca-se as autoridades noliciaes e caoitaes de Vendem-se seis mei-aguas no Campo Verde: ; e'B,J! 1|''m''
modos para familia, estribara para cavallo as pessoas que desejarcm comprar dirijam-se ao 3 do corrente, levando vestido de chita escuio, cor
ecapim para sustenta-los, arvoredos de capto da mesma, em casa de Tisset Fre'res, rua
fructos, sem visinho defronte nem pelo do Trapiche.
fundo, com ptimos passeios, sala e gabi-| o Sr. morador da rua Nova que se
netena frente, muito propria para passar a acha a (iever 6quarteis de assignatnns des-
festa.e tambem se alugaraporanno: a fal- te Diario, queira manda-las pagar pois
lar no Recife, na livraria n 6e8 da praca assim como eHe g(Jsta U recebem paga de
da Independencia, e em Olinda na casa con-; seus serviCos deve attender a d oa-
ligua com o capillo Antonio Rernardo Fer-, tros> principalmente do Diario em que
ra* 'trabalham mais de 60 pessoas.
m
O hachare!
Francisca AngHsU da Costa
Preeisa-e de um menino de 12 a 18 annos
para caneiro, que seja portoguez: na roa do Ran-
gel n. 23, loja.
A ttenco*
ADVOCADO
J Rua do Imperador numero 69. {
Omethodo Oastilho.
Manoel Jos de Paria Simoes, professor de Ios-
trueco elementar pele melhodo Castilho, partici-
parlos i)omm*rie, alfaiate do Paris, previne ao a aos pais de sens alumnos e ao publico que no
publico desta cidade, que se acha estabelecdo na da segundafeira, 9 do corrente, estar abtrtaa
ATTENQO.
Anda contina a preclsar-se de orna senhora de
cidade e de bons costumes (nao tendo Sinos)' que
achando-se desvalida queira recolher-se a uma ca-
sa de familia para tratar de alguns meninos, dan-
do-se-lhe cama, mesa e uma graliflcaco que se
tratar : a quem convier, pode procurar na roa
dos Guararapes n. 28, sobrado, que achara cora
quem tratar.
A tugase
rua da Cadeia n. II, por cima da loja do relojeiro,
primero andar, aonde se encarrega deaprnmptar
toda e qualquer obra de seu offlcio com perfeico
r eomraodo preco.
sua aula na rua do Livramento, sobrado. 20, se-
gando andar.
e sitio da estrada do Jacar do Monsenhor Muir.
Tarares : a tratar na rua da Concordia n. 34, so-
brado do armazem do sol.
Precisase de 300} a juros, dando-se por hy"
pQlbeca um hora moleque de 18 anuos : na Ira
vessa deS. Jos n. 20 se dir quem precisa.
Manoel de Oiiveira Costa Maia, subdito por-
tuauez, val a Europa tratar de sua saude.
Alugam-se dous grandes sobrados com cera-
modos para numerosa familia, novos e aceiados,
Jos de Mello Costa Oiiveira faz sciente ao j0?1 jardim, coeheira, estribara oalras eomme-
respeitavel publico, eespecialmente ao corpo com- j d,ddes, na traversa do Joao Fernanda Vieira :
mercdal desta praca, que tem, coniraudo dar so- a_atar '?*. ?a Senzala Nova *.__ 1 _At0gam-se duas casas sendo uma assobrada-
ciedade a Haihias Jorge da Silva em seu arma-1 Precwa-se de uma ama forra ou eapUv pa-' da ambas lem commodos para numerosa familia,
zera sito na rua da PMia desu cidade o. 18; a ra comprare .unhar para casa de rapa sottei-! na estrada de Reg em Santo Amaro, confronte o ..
qnal devera gyrsr 10b a JazSo de. Olrrtlra 4 Sil- ro, agradando pagase bem : a tratar ao Urgo do, hospital tnhtet; a tratar com da Silva Perreira ou 4 de Janeiro de 1865.
va, tendo comeco do 1* do corrate. i Carmo n. 9. | Jo8 t^^ dcCarvalho no dito Itifar.
de rap, e chales de laa azul desbotado: quem a
pegar leve-a rua do Sebo n. 7.
O abaixo assignado lombra ao Sr. B..., e a
outros que com elle sociam, todos moradores na
villa do Bonito, que oceupem-se com a sua vida,
e nao c>m a alheia; porquanto o abaixo assignado
nao teme as suas linpuas, porque o seu compor-
tamento muito condecido, c sabe dar corapri-
mento aos seus dereres.
Paulino Jos Soares de Souza.
O Sr. Miranda que tem recebido um Diario
na rualmperal com o nome de Joo Krause queira
vira esta typographia desmanchar um engao.
Na ira ve dar, precisa-se de uma ama.
Aluga-se a ca Manguinlio n 24, tem duas salas e dois quartos,
murada e cacimba com muito boa agua : a tratar
na rua da Madre de Dos n. 14.
O Sr. J. J. de Souza Serrano tem uma cari*
ne la lyopgraphia.
Bixas de Hamburgo
Vendem-se na rua Nova n. 61.
um grande sortimento de ronpas felas, e por me-
did a
ARMAZEM G iRANTIAT"
14itua do Imperador14
EsquiBa da travessa do Cnvidor
Grande redueco de precos ueste aimazim de
melhados, que foi completamente icfrirad, < re
o publico encontrar srmpre nm rsrolbido scrii-
. Vende se
uma taberna com poneos fundos e fax-se todo o
negocio por sea dono ter -de retirarse para a Eu-
ropa, na rua Imperial n. 195 a tratar na mesma. i ment dos me Inores gneros que vi m ao n orada,
________________________ !garantindo-se o bom neso e qualidade. e c.iux-rie
A TT17\T P AO 'nao agradar o genero ao comprador. rfstilnir->e-
Ai X Jj1\ |>Y v/i ha a sua importancia sem o menor ronslraDgin'en-
Em Santo Amaro no principio da estrada det0- O proprietaric de-;ie eslabelrrimcnto um a
Belm casa encarnada vmde-se 9 moradas de ca- i consciencia de qub nnguem podei servir we-
sas pequeas de podra e cal, chaos proprios, cm I 'ior publico, e pnr preces mais mdicos, podea-
quintal de 160 palmos de fundo e 16 de largo, ten- d tambem afiancar, que ne sen esiabeleriment
do a casa 40 palmes de fundo a 400*. rendem 651 nao 'Ilude pessoa algoma, por isso nao anann-
pormez. Vende-se mais no mesmo lugar dous -oi pregos, pelos quaes nao pessivel vrnder-se ;
sitios com boas casas de vivenda, cacimba d'agua enham, pois, ao armazem garanta soilirse de
de beber, dous gr?ndes vveros de peixe, tendo < Dons gneros, que nao se arreprndero, rtrifianda
um 115 brca3 de comprido e mais 4 pequeos, | proprietario que as pessoas que all f. n m 1 rra
muitas arvores com mais de 40 qualidades de vrz> continuarao a freqm-nlar c >t\ e>i:.l,eitcin en-
Collegio de S. Joaquim.
As aulas deste collegio tanteas do cur-
so das ferias como as do anno lectivo
prlnrpiarao a funccionar a 9 da cor-
rele.
fructas, grandes baixas de rapim aonde se con-
serva ludo anno, um banheiro de pedra e cal,
cercado para gado e carral, proporcoes para ter
sempre 0 vaccas de leile, ierra cultivada para
plantacdes aonde j tem mandioca, algodao erva-
cioedoerioulo, 300 ps de caf novos, grande
plantacao de sraruta etc., nao tende estas proprie-
dades necessidade de cercas por ter nainraes,
tendo alm disso excellente porto de embarque
dentro do mesmo sitio, alm das excelleotes casas
de moradia qee tem e ser chaos proprios, tem de
to, que aguarda a concurrencia dt>s qoe goslai
do bem e barato.
Libras esterlinas.
Vende-se ao preco corrente de 93 por
cada uma : na rua do Crespo escriptorio
n.<5.__________________ ____________
ROA AQUISICAO.
Jee do Amaral Rapaz* lendo em vista modar
n. li*
mal. a mais mu.a lenha de mangue : vende-se -J-y^g-J ^^SL e^H-
fo .C.Z,^ faS" aC'ma annanciadas la^- i lente a^uisifo para quem se qn.zer establecer
to ou separado._____________________________ com um armazem de mol hados, do genero dos
riV]" f?riri a. i~k rjrjd^^ir | vulgarmente chamados Prngressosj* per ter
ll^IJuV4Jl.U JDJtiVl j ps melbores proporcOes e accommodarSes nerrs-
Remedio infallivel COBtra t gnorrheasisariase j pela supefieridade de local, vikl* ser a
aoresenlarem seus tnlns no prazo de oito dias, e antiffas a recentes nico deposito tako- estabelecimento mais prximo da eslarao dar-
proeederao competente rateio. Recite,, fi^* rua'ia Crozrn. n
Francisco Alves Monteiro Jnior.
O abaixo assignado tendo em seu poder o li*
quido producto da venda feta em leilaoda taher* 1
na sita na Cspunga, pertencente ao ausente Jos
da Silva Santos, pede aos credores da mesms para '
ica franceza,
Ico 3|
pre-
minhe de ferro : a pessaa qne quizer
qualquer ajuste dirfja-se ao referida
ment que a .har com quem tratar.
mirar em
estabeleci-
-T *-
i\ #r-i



I
MMl

COXSELHO
Dtt
______w^
Dexai que os Hunos da civHtsaelo vos nreoi'P"
economapata os ptjl Bita parte do corpo
humano por certa aquella que, neste diva ne-
eessita de maior a*asalbo: pela humidade nos ps
se iiroduz a grande maioria das molestias, e com
estas a perda da saude e da vida 111 Fra com as
botinas e sapatos velhos ; reforma-Ios
45-Rua Dereite-45
Borzeguios francezes para homem f>eM
Ditos inglezes idem a 8, 7 e 6*000
Ditos para seabora 1*800
Ditos para menina 2000
Sapatoes esmaga cobra o000
Ditos de Nantes de duas solas 5*000
Ditos dito de sola e vira 4*000
Sapatos de borracha para senhoras 1*400
Ditos de dita para meninos 1*000
Ditos de tapete para homens e se-
nhoras a 800 e 1*090
Sapatos de lustre ara senhora a 1*080
Ditos para casa 500
Chinelas rasas do Porto 1*100
GRANULOS e XAROPE
D'HYDROCOTYLE ASITICA
de J. LEPINE
Remita pela* experiencias feitai as lidias a <
Franca peloa maia afamado! mdicos que aa 6BANB-
LAS 6 O XAROPE HYDROCOTYLA ASITICA M
J. ltine alo o ptimo remedio eoatra todas >i -
cica da mpiGens ou hbrpes ontraa moleatiaa a
pella, at u maia nveteradaa, aiaim como a letra
OU MORPBEA, a 8IPBILIS, as MOLESTIAS E8CAO-
rULOSAS, os 1W1FI M AT1SM0S chronicos, ate.
Deposito geral em Parit, em casa de rouRNimit
LAREi.wvye. ra Bourbwt-VilUneuvt, II.
XAROPE
deLABELONYE
Kmpregado com iBTariaiel auceeaso desde 30 aaaoe
pelea Mdicos de todos os paixea contra aa moleatiaa
erfanieaa on Bfto orgnica do eoracie, aa dTersashj-
dropisias e a maior parta daa moleatiaa do peito a dos
tronchios (pneumona, caarrhnt pulmonares. aitkm*l.
infammtcin mrtoias dos bronckioi, ctlarrhiirai, etc...)
O XAROPE de 1.ABKLUN YE ai ae 'ende seuo
KTafas com rotlas de cor e fechadas com urna chapa
ando a firma de idrentor.
tu pars, rata B*Br*>an-vlUeneuve, IO.
Deposito geral em Pernamboco roa da
Cruz o. 22 em casa de Caros & Barboza.
0 VIGILTE
Ra do Crespo
n. t.
Perfumara e sabonetes de
Toilet
da casa Violet, perfumista .com privilegio,
fornecedor das casas de S. M. impera-
triz dos Francezes e da rainha Isabel II
de Hespanha.
As flores as mais esquisitas, as plantas as mais
ricas em aroma, os blsamos os mais odorficos,
servem a composlco dos produelos exclusivos da
rainha das Abelhas.
Sa bao real t e Trida eco.
O nico recommendado pelas celebridades me-
dicas como hygienlca da pelle.
Balsamo de Vilela. .
Pomada fluidificada pelos oleo virgen- para o
servico dos cabeleireiros. \
Gotas de Violetas.
Extracto da flor natural, perfume de S. Jd. a rai-
nha Victoria.
S'alio de balsamo de Violetas.
Honit-nagcm a S. M. a Imperatriz.
Agua da belleza de Sua Magestade a
Imperatriz.
Locgo benfica para o toilet das damas.
Flor de arroz rosa-la.
De S. M. a Imperatriz Eugenia.
Perfume de nctar.
Este p refrigerante preserva a pelle de todas as
alfecroes donnacs.
Kos-do das abelhas.
Locgo refrigerante para o toilete e os banlios.
Crome ponpador.
Da belleza da pelle.
Para prevenir as rusgas e refrescar o rosto.
(reme Sevigu
Composiciio especial, para lustrar e fixar os ban-
do/ (cabellos.)
treme fri espumoso.
Segredo da belleza.
Para refrescar o tes.-ido dermal.
Perfumes das hrias de ma'.o.
Delicias do> lencos o saldes.
Dicado a S. M. a Imperatriz da Kussia.
Caixa de Jivenci.
Cofre mysterioso.
Encerrando talismans, segredo para iieza.
Vermelho da Chin i, preto indio e branco
de Lys.
Para passeb e soires.
P hirisoatal
Pas a- tinhas o brilho de nacarregado.
Pe fumes borisoiitaes.
Para perfumar as cartas, toalhas e os quartos.
Vdnde.se na ra do Imperador n. 38, botica
rraoreza.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
poso Ballisa, na soa ordem do da, e pela Branca
Aguia, apesar de qne, para estes o Gallo com seus
agudas espordes nunca os offender, antes osagra-
ciar na mesma conformidade, para que o Baliza,
I possa marchar em frente, a Branca Aguia possa
Grande liquid$o.
Hua da Imperatriz n. 60.
Loja de fazendas uo pavao. de Gama & Silra
Acha-se este eslabelecimentfl" completamente
sonido de fazendas ingieras, francezas, allemias
suissas, proprias tanto para a prara como para o
mato, urouieltendo vender-se mais barato do que
em ouira qualquer parte, principalmente sendo em
porcao, e de todas as fazendas do-se amostras,
deixando ficar penbor, oumandam-sojevar em ca-
fa pelos caixeiros da loje do Pavao.
Vestidos soulambarqrie.
Pelo ultimo vapor francez chegaram riquisslmos
vestidos souiambarque, os mais modernos que
neste mercado tem apparecido, os quaes eslo
promplos com saia, corpfnho e seu competente
soutambarque, tudo guarnecido de seda, veludo e
renda. Quem tiver bou gosto dirija-se loja do
Pavao, na ra da Imperatriz n. 60.
AOS TKES MIL VESTI-
DOS.
Na loja do Pavao, a 3$.
C L 4 R111
COMJUERC
RA DO QUEIMADO Wo 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
e 7#000.
Vendem-se lindissimos cortes de vestidos india-
nos, sendo todos bordados e de listras de cores e
evantarseu vo, mo prego de 3 cada corte por se ter comprado
urna grande porcao, sendo fazenda que vale 6,
ditos Mara Pa, tendo quatro pannos, fazenda
para o corpo com os competentes enfeites para o
mesmo, pelo baratsimo prego de 4,5 cada nm,
ditos de todas as cores com as barras bordadas a
crox, sendo cada um em seu cartao, tendo cada
um todos os enfeites precisos, pelo baratissimo
prego de 7 cada um, ditos com babados muito bo-
nitos, mas sem ser em carlo. pelo diminuto pre-
co de 3500 cada nm; advertindo-se que os donos
ninho ; e o Gallo ficara em seu espagoso campo
dando de novo o sen canto annunciando a seus
boas freguezes e aorespeitavel publico
0 grande sor tmenlo deebjectos de imito goslo que
acaba de receber.
Ricas caixinbas rom msica ricamente enfeita-
das para costura, proprio para um delicado me-
nino.
Riquissimos cofresinhos com cadeados de metal
para guardar oas.
Ricas caixas com estejo, contendo todos os per- .I0ja ao Pavao venem estes vestidos por tao di-
minuto preco por terem comprado urna grande
quantidade c convir-lhe liquidare logo, na sua
loja, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Aos vinte mil covados de laa.
Grande pechlncha, a 2 40
e 3e rs.
Vendem-se as mais bonitas laazinhas transpa-
rentes, sendo com listras e quadrinhos miudinhos,
e lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
e rdxas para luto, pelo baratissimo preco de 240 o
covado,ditas transparentes com palminbas de seda
Maria Pa, tendo de todas as cores, e tamhem
alpuroas proprias para luto pelo barato prego de
320 cada covado, isto por haver urna grande por-
cao : na ra da Imperatriz n 60, de Gama &
Silva.
Latas e eopos com banha fina.
A aguia branca, na ra do Queimado u. 8, rece-
beu esta estimada banha fina em latas e copos, isso*
alem de outras em diversos frascos.
As modernissimas laazinhas r"e ama so
cor, a imitaco de gorgaro, ven-
de o I' uto.
Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
modernas laazinhas de cordaozinho, as mais pro-
prias e mais lridas que tem viudo, proprias para
vestidos, soutambarques, capas, etc., dam-se amos- ,
tras deixando pender, e vendem-se pelo baratissi-! 'Oem, so de pepino, a 720 rs.
mo preco de 560 rs. o covado : na ra da Iinpe- dem, S de azeitonas, a 750 rs.
Grande arma/eni de tintas.
RL'A DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grande deposito de
productos chimicos e uteiisi!1 os maisempregados
e usados na pharmacia, pintura, photorapha, tin-
turara, pyrotechinia (fogos de artificio) eem outras
industrias.
Montado em grande escala, e supprindo-se di*
reclmenle as principan drogaras de Pars, Loo
teneos para hotnein.
Riquissimas voltas fingindoperola.
Ditas com lacinho de lita.
Ditas de lindas cores e preta, de todas as gros-
suras.
Lindos aderemos com pedrinhos fingindo bri-
ncantes.
Ricas fivellas para vinto, de todas as qualdades
e bora gesto.
Ricos cintos do ultimo gosto de Pars.
Grande sortiraento de lindos enfeites para caba-
os, sendo do ultimo gosto e de todos osprecos.
Flores muito finas para noivas.
Luvas enfeitadas e metas de seda para noivas.
Chaposinhos, sapatinhos e meias de seda pan.
baptisado.
Riquissimas fitas de todas as qualdades para la-
go, cintos e cinteiros.
Camisinhas e goiinhas para senhora.
Riquissimos jarros e figuras para ornamento de
sala.
Grande sortmento de gravatinhas tanto para se-
nhora como para homem.
Luvas de pelica branca e decres.
Cascarrilhas de bonitas cores.
Trancinbas, galao e maravillas para enfeites.
Transelins de cabellos e de retroz para reloglos.
Papel amisade e de outras qualdades.
Bolsas para viagem.
ntremelos e babadinhos de lindos padrees.
Lencinhos de linho bordados.
Meias para homem, senhoras, meninos e meni-
nas.
Fitas de veludo lisas e com mtame de todas as
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as qualdades.
Grande sortmento de saboneles.
Lindos vasos com banha para oilerecimenlos.
Caixinbas com seis frasquinhos.
Essencias de todas as qualidades.
Agua verdadeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grandes, e em
frascos quadrados egarrahnbas.
Pomada Una de, todas as qualidades.
Superior banha em frascos e copos de todos os
tamaitos.
Sabo inglez em paos grandes e pequeos.
Escovas de cabo de madreperola, marfira e de
osso, para duntes.
Pentes para desembaracar, com friso de metal e
sem elle.
Ditos de tartaruga e de mnitas outras qualida-
des.
Pentes de tartaruga para senhora.
Ligas de seda e de algodao, assim como muitos
outros objectos de gosto que seria impossivel inen-
cinar, que a vista far f, so no Gallo Vigilante,
ru do Crespo n. 7.
Vellibas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzin'aas
fingindo brillantes,, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato prego de 15 e 1200, s na loja (lo Pftftt, a 16$
cruzes avuls asa 400 rs.; s uo Vigilante, ra do \'endem-se finissimos vestidos Maria Pia com
crespo n. 7. os corpnhos differentes, tendo todos os preparse
Lequs. |(>nm o compelento sinto : na ra da Imperatriz n.
Riquissimos leques de madreperola tanto para 60, loja do Pavao.
Mi ii imam
no no ABE
P Pereira Rocha & C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 43 um armazem de molhados denominado Glarim Commer.
eial, ondeorespeitavel publico encontrar sempre um completo sorjimenlo dos melkores gneros que tem ao nosso mercado os
i|uaes serao vendidos por precos muito resumidos como o respeilavel publico ver pela tabella abaixo mencioneda; garante-se obon
peso e boa quaudade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranho, India e Java a 60, 80 e Prasmcas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior s 220
J"5"r a i,bra-e *4800, 2(60O e 3,5000 Painco a 200rs. a libra. rs. a libra.
a- Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeile e Ervilbas portuguesas a 640 re. a lata.
muito novo a 6O rs. dem seccas muito novas a 200 rs. a libra
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800 Figos de comadre e do Douro em caixinhas
dem prato. de oito libras e canastrinbas de 1 arroba a
dem londrino chegado no ultimo vapor a 1)5800, 5W0 e 280 rs. a libra.
900 rs. a libra.
Am.eaas francezas en> latas e em frascos a
***> ei5600, e em frascos grandes a
250O.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 10200,10400, 106OOe2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs;
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito (no em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellas mnito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
10300 rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10600, 20,
20500, 20800 e 39000 a libra,
dem preto maito superior a 20000 a libra.
Ceneja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 300 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inplez fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
ratnz n. 60, loja de Gama e Silva.
A laazinhas do Pavao.
Vendem-se laazinhas de quadrinhos transparen-
tes, boa fazenda, pelo preco de 280 rs. o covado,
ditas largas multo finas a 400 rs., ditas estampa-
das, cor segura, padroes miudos e grandes a 320
Charutos dos melhores fabricantes di Bahia
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
20000, 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
rs. o covado, ditas transparentes com palminbas Caf do Rio muito snrmrinr a 98 p 190
de seda a 400 rs., ditas escocezas a 560rs., isto tu- i re ,.?'" SL P?Ia .
do para liquidar : na loja e armazem do Pavao, [r ia "Drae805Ofa 80800 rs. a arroba.
ra da imperatriz n. 60. ] Lartoes de bolinhos francezes muito novos e
Os ornsViiaplPs de Pavo. bem muito enfeitados a 700e 600 rs.
Vendem-se grosdenaples pretos, fazenda supe- ; Chonrigas e paios muito novos a 800 rs a
mr 9 aIiIIII r A pfiviiln ilifi.c lirrrrve mmln on_ \:\___
rior a 15600 rs. o covado, ditos largos muito en-
corpados a 25100, 25600, 25800 e 35000, ditos
brancos, cor de rosa, azul e amarello a 25000 r.s
o covado : na loja de Gama & Silva, denominada
do Pavao, ra da imperatriz n. 60.
As i!evis laas garibaldinas a 500 rs.,
oa 'oja ifo Pa>o.
libra,
a
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs
cada um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 6( 0
libra.
Eigos em caixinhas emticamente laSradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor qne
ha neste peero e de varias marcas, como
sejnm : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira. D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e era caixa com urna du-
zia a 90000 e 100000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
Farinha do iMaranhao a ICO rs. a libra.
dem de trigo a 120 rs. ? libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
dem em garrafe* de 3 e 5 gales a 5#C00
e-705CO cada um com o parrafao.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, qualidade especial em garrafas Buito
grandes, a 10800 a garrafa.
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera e roll s e
vidro, a 10000, s a garrafa vale < -
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente f!6r. desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda qualidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maga de tomates em barril a 480 rs. a libra.
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500, dem em lata a 640 rs.
e 40 a caada, ] Marmelada imperial dos melhores conserve.-
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs. ros de Lisboa a 60" rs. a lata.
agarrafa. Marrasquinho de Zara, frascos granees,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700 800 rs.
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs. dem regular a 500 rs.
a duzia. Magas finas para sopa: estrellinha, pevida,
IdemMorgauxeChateauluminidei85i, a 10. rodinba c aletria a 600 rs. a libra .. -5
a caixinhacom 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixc em latas preparado pela primti;;
de cozinha a 10 a lata,
Paliios de dentes a 160 rs. o mago.
-te
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa
102OOrs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 108OOrs.
Alm dos gneros cima mencionados te-1 dem de (lentes a 120 rs.
mos grande porgo de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudo ser vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
pegas e carnadas, tanto em porges como Doce de goiaba em latas o melhor pOM
retalho- 20 e em caix5o a 640 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima te- Palitos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 por cento. ,'Passas muito novas a 480 rs. a libra.
Frascos com gomma arbica
dissolvida e pincel.
loja
RIVAL SEM SEGUNDO MACUIMSEFA1L
da
Ra do Queimado ns. 49 e 55, loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia est continuando a
vender muit( barato, pois seu genio dar a fazen-
da por todo preco a vista dos cobres.
Cartas de aluetes francezes da melhor qualidade
a 80 rs.
Grosasde pennas de ac inglezas da melhor qua-
lidade a 640 rs.
senhoras como para meninas, pelo barato preco
de 125 e 145; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
GRANDE XOVIDADE.
S no Vigilante.
Riquissimos enfeites de todas as qualidades para
senhoras e meninas, chegados boje da alfandega.
Slntos
Riquissimos sintos de fila larga e estreta com
flvelas grandes c pequeas, com brilhantes falsos,
cousa de muito gosto.
AlbllUK
^ Tambem chegaram os riquissimos albons para
50 retratos, com capa de tartaruga e de marflm,
cousa muito chique : s no Vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
Goiinhas.
Riquissimas goiinhas e manguitos, omelhor gos-
to possivel, a 2*, 2500 e 3#; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfeites para senhora.
Rquosssim enfeites com lago e sem lago e de
outros^muitos gostos a 1, 1$500 e3j: s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Tranceln.
Lindos trancelins de cabello para relego ou la-
dres, llamhur<:<), Anvers e Lisboa, pode offerecer
productos de plena confianza e satisfazer qualquer nelas> Pel baratissimo prego de 1*V>00, ditos de
eni'oniinenJa a grosso trato e a retalho, por precos re'ro1 a "00 rs.
razo veis. Babadinhos enlremtios.
Prvido- de machinas appropriadas satisfar Riqnissimos babadinhos entremeios com lndoi
com prom.itlilao qualquer' pedido de tiutas muidas desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
a oleo, cuja qualidade e pureza de seus ingrudien-, prego de t200, I500, 2 e 3; so no Vigilante,
tes poder* ser examinada pelo consumidor, o que' roa do Crespo n. 7.
nao fcil fazer com aquellas que sao importadas, Cascarrilhas.
e que se encontram no mercado em latas fechadas. Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
Tem grande Cullecc.no de vidros de differentes larguras, assim como galozinho e trancinbas pro-
formatos, desde urna oitava at dezeseis oncas de pras para enfeites: s no Vigilante, ra do Cres-
capacidade ; de vdros para vidracas e diamantes po n. 7.
para corta-Ios ; de pinecis para fingir madeira com i fitts
S^taefiSass T*M.ai;ssivas',2ss
e outros ; vernizes de essencia para qnadros, de
espirito para madeira. copal para o interior o ex-
tenor ; oleo graxo, oleo seccalivo, oleo de linhaca
clarificado, oleo de oielet, secatvo de Harlim, ouro
verdadeiro em p ; prata, ouro, e estanto em ra-
lbas de varias cores; tintas vegetaes, inofensi-
vas proprias para confeitarias ; laa de cores, e
olhos de vidros para imagens; tintas em tobos o
telas para retratos ; tintas em pastis e em po pa-
ra aquarella ; essencia de rosa superlioa, de ne*
roly, jasmim, bergamota, aspice, patchouly, mbar,
bouquet, limo, alcaraiva, mellssa, ortela pimenta,
lonro, cereja, alfazema, Portugal, lima, junpero,
anis da Rnssia, canda, cravo e muitos outros ob-
jectos que s co-n a vista poderao ser mostrados.
Joan Pedro das Netet,
Gerente.
Vende-se um comometro martimo nglez do
melhor fabricante Charly Frodshan, afancando o
seu regularaento, por diminuto prego : a tratar
na ra Nova n. 21, leja de Francisco Jos Ger-
mano.____________________________________
Vende, se caiies vazios proprios
para bahileiros e fanilciros a 1(760
cada na; ueste tyyograyhia.______
Vende-so em casa de Marcelino A C, na roa
do Crespo n. 5, nm paleo de damasca de seda
branca, vindo de Lisboa pelo ultimo vapor.
n. 7.
Fitas de lia.
Fitas de laa de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Ricos espelbos.
Riquissimos espelbos com moldura dearada'
sem ella de 8, 10, I2 e 15, assim como com
celumnas de differentes tamanhos a 2, 3,4, 5
e 6; s no Vigilante, roa do Crespo n. 7.
Lindos jarres e juras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana Hna(
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
tem apparecido-, s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para sos de arrsz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arrox,
cousa de multo gosto a i500 e 2, assim cmo
pacotvs s com os pos a 320 rs. cada nm; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos' e bannas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dls-
tinctivos e offerecimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Pars e Inglater-
ra, assim como os grande? copos de banha Japonexa
a 2 e a (, assim como outros objectos qoe nao e
possivel por hoje annunciar, e vista dos fregu-
es se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
ma do Crespo n. 7.
< amisinlias a IftOOO'
Vendem-se camisinhas com manguitos, sendo
muito bem enfeitadas. proprias para senhoras e
meninas, pelo barato prego de dez tustoes rada
urna : na loja do Pavao, ra da lmperafriz n. CO,
de Gama & Silva.
Vestidos para neni n;> s.
vendem-se s mais modernos vestidinhos para
meninas, sendo muito bem enfeitados Maria Pia,
tendo de differentes tamanhos, pelo barato prego
de 8 cada um : na loja do Pavao, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Ruiipa feita barata.
Vende-se um grande sortimento de roupa feita
para homens, sendo caigas de bnm branco o de
cor, Hitas de casemira preta e de cores, ditas de
meia casemira, paletols saceos e sobrecasacos de
casemira e panno preto fino, rolletes de todas as
qualidades : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Grosdenapledecor a 10600 o covado.
Vende-se grosdenapie de cor azul, branco e pre-
to, pelo barato prego de l600 o covado : na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
l'ann de linho a 700 rs. o covado.
Vende-se o verdadeiro panno de linho proprio
para lenges, toalhas e ceroulas, pelo barato prego
de 700 rs. a vara : na loja do Pavao, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Economa do Pavao.
Vende-se para acabar, urna pergo do retalhos
delas ecassas de todas as qualidades, e por pre-
cos mnito em coala ; quem tem economa que
pode apreciar : isto na Ir;a do Pavao, roa da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva,
Madapol a 70000, s na loja do Pavit.
Vende-se snpenor madapolo muito encorpado,
tendo -20 varas cada peca, com 4 palmos de largu-
ra pelo baratissimo prego de 7000 a pega, ditos
muito finos a 8, 9 e 0000. E' pecbincha, na
loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cortes de cassaa 30000.
Vendem-se muito bonitos cortes de cassa, tendo
7 varas cada corte, com desenhos muito delicados
pelo baratissimo prego de 3000 o corte ; s na
loja do Pavo, ruada Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cortes de chita franetza.
Vendem-se finissimos corles de chita fran-
cesa, com 12 covados, tendo, padroes escaros e
alegres de cores fizas pelo baratissimo prego de
4000o corte; s na loja de Pavao ra da Impe-
ratriz n. 60 de Gama & Silva.
Caabraias lisas, na loja do Pava*..
Vendem-se pegas de cambraia lisa mnito fina,
Upada e transparente, pelo baratissimo prego de
4000 tendo 8 1/2 varas cada pega, ditas muito fi-
nas a 7, 8, e 9 a ptf{a, ditas Victoria com 10
varas pelo baratissimo prego do 7, 9 e I0, di-
tas Garrazes fazenda muito encorpad*. fazenda pro-
prla para forro a 360 rs. a vara oa 2*600 a peca ;
isto na loia do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,"de
Gama & Silva.
Cartea de lia a 10000.
Vendem-se cortes de las garibaldfnas, marina-
das e de quadrinhos. tendo 1-2 covados esda corte
pelo baratissimo prego de (000 o corte : isto na
loja de Pavao, ra da imperatriz n. 60 de Gama A
Silra.
Vendem-se as mafs modernas laazinhas garibal- mSTSS" "** ***"* 8'
dinas, fazenda inteiramente nova no mercado, sen-, .' .,
do todas com listras miudinhas, e transparentes, \. 1JOS (tiUll'tS.
com lustro a imitaco das sedinhas, tendo varias i
cores, seudo azul,'cor de lirio, oarmezim, cinzenta AaQlafM araba de receber outra encom-
e cor de havana, etc.; isto a 500 rs. o covado para "".*,? "olto e bem encadernados albuns de .. TO ia.
vender depres.-a: na loja do Pavo, ra do Impe- caPas ae velludo, massa, tartaruga e marflm, al- Caixas de colchetes francezes de superiores quab-
rador n. 60 de Gama & Silva. I ?U.?Lao{ 1uaes com microscopio para augmentar dades a 40 rs.
Grosasde boles de madreperola muito finos a56i
e 640 ris.
Carreteis com 4 a "6 oitavas de retroz preto fino a
640 rs.
Resmas de papel de peso liso muito superior
2000.
Grvalas da liga e de outras muitas qualidades i
500 rs.
(aniveles para penna com 3 folhas fazenda boa i
800 rs.
Duzia de botoes branco para casaveques de senho-
ra a 100 rs.
Pegas de fita de cs estreitas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Portuguez para os meninos a prender
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren-
der a ler a i000.
Camillas da doulnna christa, finas e superiores a
320 rs.
Pentes finos de marfira a i000, !200 e 1500.
Pares de luvas de seda para homens e senhoras a
500 rs.
Gollinhas para senhora o melhor que ha a 320 e
500 rs.
Frascos com superiores banhas a 240, 320, 500 e
i 000.
Livros que serve para assentar roupa, pele diminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos muito linos a 500 rs.
Cordo branco para espartilhes mnito superior, l
vara a 20 rs.
Carritis com 150 Jardas de linha branca a 60
ris.
Cartes com 200 jardas de linha branca garanti-
da a 60 rs.
Grosas de pennas de ago superiores a 00 rs.
Varas de franja branca e de cores Isrga para toa-
lhas a 160 rs.
Pares de botes de punho, oh que pechincha a
120 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de betoes de longa prateado mnito fino a
Tesouras para costura superior qualidade a 500
ris.
Escovas para limpar dentes, superiores a 200 rs.
Caixas com superiores phosphoros de seguranga a
160 rs.
Caixas com 100 envelopes o melhor que ha a 640
ris.
Caixas com 50 quadernos de papel amizade, mnito
tino a 600 rs.
Quadernos de papel pequeo muito fino a 20 rs
(Id mais un flor rus vielflns i Marn Pia Umar!no ds retratos, continuando a serem ven-
ia, didos prpregos commodos: na ra do Queimado
loja da aguia braman. 8.
Galanteras para fes tas
A aguia branca nao cessa de encommendar do
que ha de melhor e maisagradavel.e por issoaca-
lla de receber diversas figuras e vasos de pede
pedra com fina banha, assim como bonilos frascos
de excellentes extractos e lindas caixinnas de ma-
deira envernisada com finas perfumaras, tudo
mui proprio para presentes de festas etc., havendo
dinheirodirija-se o pretndeme a ruado Queima-
do n. 8, loja da aguia branca.
Ail fino para engom-
ina do
A aguia branca na ra do Queimade n. 8, rece-
beu glbulos de ail fino o frasquinhos com es-
sencia de dito para engommados.
Outros enfeites.
A aguia branca araba de receber por este ulti-
mo vapor um novo sortimento de bonitos e delica-
dos enfeites de moldes inteiramente novos e de um
apurado gosto, assim pois comparegam os preten-
dentes munidos de dinheiro e com disposigo de
gastar : na loja da aguia branca ra do Queima-
do n. 8.
Pequeos pentes de tu r-
tarvga.
A aguia branca na ra do Queimado n. .8, rece-
ceben novamenteesses pequeos pentes de tarta-
ruga que por suas qualidades de pequeos, lisos,
bonitos e bem feitos lana estima tem merecido pa-
ra as senhoras segurar o cabello quando atado ; a
aguia branca porm avisa aquellas pessoas que os
haviam encommendado e a quem mais quera
aproveitar a occasio de os comprar continuando
a serem vendidos pelo mesmo prego de 4? cada
uro.
Estando brancos ficam pretos
O bom resultado e o rpido effeito que produz
a tintura de chromacoma, e mesmo o facillimo
modo de apphcar tem se tornado mui conhecido e
apreciada por todos que usam della e por coBse-
guinte augmentado a extrago, pelo qne a aguia
branca mandou vir mais o novo sortimento que
acaba de receber constando elle de
Caixas com chromacoma para tingir os cabellos.
Frascos com coloriroma para lustrar ditos.
Ditos com hydrocallelhrichina para limpar ditos
Ditos com oryehromantina para limpar as unhas
Saboneles brancos para lavar os cabellos.
Pomada callicomiphila para dar cheiro aos di-
tos sem offender a preparago feita.
Sapatos de marroquim dou-
radopara bailes.
Esses sapatos do grande tom vendem-se nica-
mente na ra do Queimado loja da aguia braia n.
8 a 6 o par.
Meias finas para senhoras
gordas
'ndem-se na ra do Queimado- loja da aguia
trocan. 8.
Esponjas finas para rosto
Vendom-se na ra do Queimado loja da aguia
Tanca n. 8.____________________
Cylindros para pada*
ria.
Na padaria da ra Direita n. 84 ha para vender
os eeaheeldos e acreditados cylindros americanos
para trabalho de padaria ultirnamante chegados.
Vnhe d* Madeira o do Porto
Vende se o superior vinho da Madeira e-do Por-
te, em caixas de urna o dnas dnzias : s na loja
do Vigilante, roa do Crespo 0^7.______________
Ra da Senzalla b. 42.
Vende-se, em casa de S. P Johnston & C,
setlins e silhes inglezes, candieiros e casti-
ces bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros do nm o dous caTallos, e relogios de
ouro patente inglez.
Rm 4a SeuaUa Ntva i. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tac f i
(erro coado libra a 140 rs., idem d eLoi
Moer libra aliOrs. ______________
Farota superior de Lisbta a 50 o saeta.
Tem para vender Antonio Luiz de Olveira Aze-
vedo & C. n.,o seu escriptorio roa da Cruz n. i.
tVfi
de trabalhar mo para
desea roca r aigodo
PANUCADA*
Por Plant Brotlrers & (;.
IDAH
Estas ma, i na?
podemd.ii-2!. ;.i."
qcalqoer t.; "ce
de algooao sem
e^ragar c fio.
sendo ba.-ianle
dOMMMoas | ara
O trabalho; fotte
descarorar i.ms
arroba "de a'g-
do em carero
em 40 talos,
ou 18 arnba-
por dia ou K ar-
robas de a!("..'v
limpo.
Assim como machinas para serem Batidas por
aniraaes, que descarocam 18 arrobas de a.'fcd.
limpo, por da.
Os mesmos tem para vender um belliss m(> v-
por que pode fazer mover seis destas rrart ra
mencionadas ; para o que convidase aos Sr*.
agricultores a virem ver e examina-lo, no i m>-
zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47
Saunders Brothers k C
M. II, praca do Corpo Sanio
RECIPE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUND07
Ra do Queimado ns. 49 e 55 loja do Bafaicir*
conhecido j como tal, est dependo da (alenda
por todo o prego para apurar dinlinro, qsr n. qm
zer venhii ver e Haga o cobre, e vera o Scfuast:
Baralhos de cartas para voltarele muilo
finas a............................ --i--
Miadas de linha fioxa para bordar a----- it>
Pares de sapatos de tranca de ledos M
taruanlios e fiuos a................... ..,u
30
0
100
ICO
m
500
400
40
eoe
MO
89
CO
30
?0
f!C
Massos de superior grampos para cabellos
Duzias de palitos de gaz superiores a. ..
Libras de ara prea muilo superior a...
Frascos de superior macag oleo a------
Ditos de dito perola a..................
Ditos de oleo de babosa mnito finos a 3SG
rs. e...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de banha muito fina a............
Ditos de cheiros muilo finos para o prerc
a ris.............................
Sabonetes de todas as qualidades a $0 r.
160, e............................
Novellos de linha com 400 jardas a......
Carrltes de liaba de corea com 500 jar-
das a .............................
Novellus de linha de gas de todas as co-
res a..............v...............
Pegas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidas a.......................
Frascos de superiores cheiros, peqoenos, a
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a ris..............................
Varas de bicos francezes. superiores a...
Opiata para dentes da melhor qne ha a..
Frascos de agua para denles, superior a
tndo a............................
Pegas de tranca preta Iha mnito Una a..
Caixas com 4 papis de agulhas Victoria a
Varas de fita prola com colxetes a......
Libras de laa soriida de todas as cores a
Bonecos de choro mullo bonitos a......
Canas de obreias de ma ssa moto ovas a
Varas de franja .braara e dewrespara
toalhas a.........................
Frascos de oleo Pbloeomescupenor a...
I Ditos com sopenor linta a3SO e.........
Caixas de linha de gaz rom SOnovelios a
O
coe
i#cee
m-
200
w
900
160
O
ae
Albuns
para 20 at 200 retratos, muito bons e por menos Enfiadores para espartilbo
prego qao era outra aualquor parle: na ra do Duzias de boides encangos para veso-
Crespo n. 4. > >........ ................;.'
i
e0
.W
r


mmmmmmmmmmmtKm
"VHBBMHHBBIHHHIHHHIM
Uinri* de Pcraanntaro ... abbado 9 de Janeiro de f Sftft
.'
AURORA BRILHAWTE
GRANDES ARNAZENS
E
MOLHADOS
BllSSSWI
Largo (Ja SantaH VA II Afl B Larg0 da Sant ,
ages juina da ra do ^ 2|esquina da ra dojg,
f C,L ESPECIAES ^ebo.
O dao do$ j muito acreditados armazens de molhadc* denominados Aurora
rilhaole, acaba de receber de sua propria encommenda, muitos gneros delieados
propri i; da presente estagao, e tendo grande sortimento comprado aqui.aanra que todos
os seas (eneros sao de >.' qualidade.
A seguinle tabella servir a todos de base para ajuste de contas aos por-
tadores.
Nenhum armazem veBder mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
Brilaaate, j pelo grande sorUmento qae tem, j mesmo por seo dono se achar encom-
modado era sua saude e ler de vender um de seus armazens agora, e o outra na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveitar urna quadra destas para se comprar
barato.
Lalas com O libras de chouricas milito novas,
a 7,5591).
Ditas grandes com peixe em postas inteiras,
mais de tz qualidades, a 1OO. 18U e
i*wo.
Ditas com ostras, exceilente petisce para re-
sieira, a 7i0rs.
Ditas co:n ervilbas novas, ensopadas, a
729 rs.
Ditas com lavas, a 640 rs.
Ditas cu,n ameixas a i0. I800 c 3,5300.
Ditas eom raarmelada do afamado fabrican-
cante Abreu, a 8*0rs.
Djus ia masa de tomate, a 500 rs.
Dita* com figos de comadre, novos, a 10500,
2J e 230.
Ditas,:om bolachinha de soda muito novas, a
25J0.
Ditas com biseoitinlios inglczes de militas
qualidades, a 1S.400.
Caoealate.
Chocolate superior muito novo, a libra a
i 290.
Mtcarru telUarim e aletria amarella,a libra
a 180 rs.
"ito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Caitas com estrelinlia, pevide e outras raas-
sai, a i i x a 3J300.
Ditas dita em libra a 640 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
Sevadioba para sopa a libra a 210 rs.
Brvlmsj sacras, a libra a 160 rs.
Ritas descascada*, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
Farinha de araruia verdadeira, a libra a
500 rs.
Arroz do Maranho, em sacca a arroba a
2'i00 c a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 35200 e a
libra a 100 rs.
Toucinho de Lisboa a 95500 a arroba c a 320
rs. a libra.
Dito de sanios, a arroba 7000 e a libra a
269 rs.
M')hos rom 12.'J soblas grandes, a 1JJ280.
51 istmia franceza caixa cora 2 duzas a
88J90.
Frascos'com mostarda preparada em vina-
gre, a 400 rs.
Di!)s Cira conservas inglezas e francezas,
a 6i0e800 rs.
Ditos com sal refinado fino, a 640 e a 300
ris. v
Di ios com a verdadeira genebra de laranja
a 13200.
Ditos di 2 garrafa* de Hollanda verdadeira,
1500:).
Daos de 1 garrafa de Hollanda verdadeira,
a 6i0 rs.
botijas com dita propria para negocio, a
49'J rs.
Garrafoos com 2 galSes com dita, a 6*000.
Serven boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 65000.
Yinho moscatel de tetuba, a garrafa a
i 5300.
Marrasquinho verdaieiro, frascos a 800 rs.
e a 15200.
Champagne, a duzia 205000, e a garrafa a
2 5000.
Azeite refinado portuguez e francez, a gar-
rafa a 15000.
Caixa de vinho Hordeaux muito superior, a
75,85, 95 e 105 a caixa.
Ditas com dito branco, a 75000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a 205.
Dius rom duque do Porta verdadeiro, a
115000.
Ditas com ehamisco superior, a 145000.
Bilas com Porto reino e outras mullas mar-
eas, a 125000.
Yinho do Porto da pipa, a garrafa a 640,
729 e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bem, a caada a
35200, 35500 e 45000, e a garrafa a 500
e 60 rs. -
Dito da Figaeira, das seguintes marca, {>.)
(J. A. A.) (J. L. O) (O. M.) a caada a
45300 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
qa'i'j est engarrafado e lacrado com o
rotlo do armazem.
Ditos de marcas mais desconhecidas, a cana-
da a 35300 e 45000 e a garrafa a 480 e
526 rs.
Yinho branco lino, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garra a
800 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 35300 e a garrafa a 480 rs.
Gamma.
Sacras de 4 arrobas, a verdadeira de se
engommar, a arroba a 35000 e a libra
Sabio rassa, a liora a 200, 240 e 280 rs.
tartana.
Saccas grandes coni farinlia de oianna mui-
to nova, a 55000.
Cafe.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 85,
85500 e 95000.
Cbi.
Cha temos nestes genero? o melhor possivel,
liyssou, a libra a 25600.
Dito perola a 35000.
Dito uxima 25700,
Dito hysson muito lino a 25809.
Dito redondo a 25500.
Dito preto de primeira qualidade a 25500.
Dito mais baixo a 25000 4 15600.
I iva mate.
Exceilente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Esper ncele.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600,
CO e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prlas para mimos a 45 e 2jJ500.
Utes.
Nozes, a hora 160 rs e arroba a 45000.
Alpista e paioro.
Alpista e paii.90, a arroba 45000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
Cartas finas parajogar, a duzia a 25500.
Caslanuas.
Castanbas novas vindas neste vapor, a arro-
ba 45000 e a libra 200 rs.
Azeilonas.
Barns com azeitonas novas a i>300
Mantriya.
Manteiga flor, a libra a 15000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a libra a
6G0 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Queijos.
Queijos novos vindos neste vapor a 35200 e
35500.
Ditos londrinos muito novos, a libra a
15000
Papel.
Papel almaco pautado, a resma a 45800
Dito dito lizo de linlio, a resma a 45500
Dito de peso lizo e pautado, a resma a
25500
Dito de embruilio bom a 15 e 15200.
Vinho Hadeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
dera a 15500 e 25-
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 40 rs.
Velas de carnauba.
Manas com 0 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Ameadeas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Dee.
Caixoes de doce de goiaba, grandes a 15400
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
Dorias de boioes de graxa n. 97 a 25600, e
de latas a 15000, e os boioes a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Baha por diversos precos, caixas e meias
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
48 0 CORTE.
Pechincha aern igual
Lindos cortes para vestido de percala de cores
claras e escuras com grande varitdaie de padrots
pelo baratissimo preco de A$ o curte : na Inja das
e lumnasdrua do Crespo n. 13, de Antonio Cor-
reia de Vaseoncellos k C.
Farelo de Lisboa,
Yende-se superior farelo em saceos grande?, e
por prego eommodo, viudo pelo ultimo navio : na
ra do Amorim, armazem a. 50.
POWSSA
NEM CQROAS NEM MURAS
0
E
GRANDE ARMAXEM
RIJA IlO IMPERADOR 40
Junto at sobrade em qae mura o Sr. Osberne,
Duarte Almelda & C, receberaan de ana propria cacomnaen-
da o mais lindo e variado sortimento de mo!nados, propiios
da presente estaco.
Manteiga ingleza Ma$as brancas.
da safra novavinda no ultimo vapor a 1,000; para sopa a melhor qne se pd* esejar,
Tesde-se potas: en barris a eommodo preco o
a roa da Cruz a. 23, primeir arfar, eseriptori:
do Aatoa de Almeida 6omes.
rs. a libra eem barril a 800 rs.
Manteiga franceza
da safra nova a 60o rs. alibja, e em barril
a 560 rs.
Amendoas
confeitadas de lindissmas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidru com 3 libras liquido a
2400, muito prqpios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um. .
Latas
com bolachinhas de soda de tedas as qua-
lidades a i;soo.
Chocolates
de todas s qualidades a 1 <5O0 a libra.
Presuntos irilezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambero
temos velbos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a ^too.
Qneijos
chegados no ultimo vapor a 2^600 cada um.
Queijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de encellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricimente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que ontro
qualquer nao pode vender por menos de
U a 25600.
dem perola
especial qualidade a 25700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 25600.
Massas amarellas
para sopa, macarro, talharim e aletria a
480 rs. a libra.
cocwc
o muito afamado cognac Pal Brandy a l,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a l.ooo e 800 rs. a garrafa.
COPN
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo. a i,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
de exceilente qualidade a 200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulho de i,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 rs. a libra,
Fumo
o verdadeiro fumu americano em chapa a
l,4oo rs. a libra
Vinagre
PRRem ancoretasde 9 caadas al0,000 rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercad: a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista o hiiu#)
o mais novo do mercado a lio rs. a libra,
0 40400 a arroba.
CEBLAS
moito novas a 15000 o cento na ra do Que-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
GRAO DE BICO
muito novo a 30400 a arroba e 140 rs. a li-
macarrao, talharim e alejria a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
. ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem le Lisboa
e. de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas s2o asseguintes: Chamisso AFilho,
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica damesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r M bra.
Cervejas
dos melhores fabricantes|e de todas as mai
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Res e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranho a 100 rs.'a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1.* e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 805f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafdes
com 4 Vi garrafas com vinagre a 10000 mm
ogarrafo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de U0OOC
a caixa.
-DEM
em frasqueras de Hollanda a 50800 con
12 frascos.
GENESRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeirospalitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa. .
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa tura abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo b
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas muito novas
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frats em ealda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
a 600 e 10 o caixe.
GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar-
roba el 40 rs. a libra na ra do Qoei-
mado". 7, ra do Imperador n. 40 e largo
do Carmo ?.. 9
BOLACHINHAS
ROUPA FEITA
NO
ABBAZEJS
%W^ Si W^>
EJBTREXRO VEROS.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem-se manda fazer por medida, vontade do* concur-
rentes, para o que tem um dos melhores prhfessores, assim como tamben tem mu
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 350 e 300000
Sobrecasacas idem, 300 e 250000
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e.....: 100000
Ditos de casemira, 200, 150,
120, 100 e...... 70000
Ditos de alpaca, 50, 40 e 305001
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50,40 e 30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 305OOe. .
Ditos branco de linho, 60,50 e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 100, 70 e.....
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80e. .- .
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de c-
res, 50, 40500, 40 e .
| Ditas de ganga de cores, 30 e
i Colletes de velludo preto e de
Ditos de setiai preto. .
Ditos de Atoe e seda braco,
le.......
Ditos de f orgullo de seda
pretos e da cares, 60, 50 e
Colletes de fustao e brim bmt-
co, 30500, 30 e .
20590
Seroulas de brim de linho,
20490 e ......
Ditas de algodio, 10600 .
Camisas de peitos de linho,
4#, 30 e......
Ditas de madapolo, 20500,
ale........
Chapeos de massa, preto* fran-
cezes, 100, 90 e. ,
70000 Dites.defltro, 50,40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
40000, 110, 70 e......60000
Collarinhos de linho fino, ulti-
40000! ma moda duzia. .
I Sortimento completo de grava-
20500! tas.
20500, Toalhas parroste, duiia, 110,
30000
40000
50000
70000
00
10400
2|500
106M
80500
60000
I
60000
| e........
cores, 90 e......70000 Chapos deso, de alpaca, pre-
Ditos de casemira preta, 50 e 400001 tos e de cores.....40000
Ditos de ditas de cores 50 i Lences de bramante de linho. 30000
40 e........30500 Cobertas de chita chineza.. 20500
DE
J. VIGNES.
\. 55. RA DO IMPERADOR N. 55.
Os pianos'desta antiga fabrica sao hoje assaz coahecidos para oue seja necessario insistir sobre t
sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; odo-
suindo um teclado e machi ni smo que obedecem todas as voatades e caprichos das pianistas, sem-
nunca falliar, por serem fabricados de proposito, e ter-se fito ltimamente melhoramentos importaa-
tissimos para o clna deste paiz; quanto s vor.es sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as expsicSes.
No mesmo estabelecimento se aeha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos eommodos e razoaveis.
9.
bra na ra do Queimrdo n. 7, ra do- em latas de defferentes queiidades a 10200
a lata
QUEIJOS FLAMENGOS
chegadosneste ultimo vapor a 20800 na ra
do Queimado n. 7, ra ds Imperador n.
40 e largo do Carmo n. 9.
Imperador n. 40 e largo do Carmo n.
QUEIJO SUISSO
muito fresco a 800 rs. a libra na ra do
Queimado a. 7, ra do Imperador n. 40 e
largo do Carmo n. 9 I
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declarara aos seus
freguezes e amigos e ae publice m geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipuJaram os mesmos precos nos segulntes lugares:
0 Verdadeiro Principal na do Imperador a. 40
NOVIDADES.
Queijos do .Uentejo. ditos das ilhas o mais fresco que se pode dse- mB
jar a 10200 a libra, e sendo inteiro ter algum abatimento, ricas caixinhas *
redondas enfeitadas, proprias para raimo da festa pelo barato prtco de 40 '
cada urna, ricas caixas de igos tambem proprias para mimo de 800 10500
cada urna. Vende-se nicamente no armazem Verdadeiro principal, ruado
Imperador n. 4.
CONSULTORIO MEDKMIRIKO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LORO MOSGOSO,
MEDICO. PARTEIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
horas da manliaa, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepeo dos dias santificados
Pharmacia especial liomeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos precos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os rensJi
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meiaonca 10' 00.
Sende para cima de 12, custaro os precos estabelecdos para as carteiras..
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,
dons grandes volumes com diccionario ......'....... 200000
Medicina domestica do Dr. Hering, ........... 100000
Repertorio de Dr. Mello Moraes............. 60000
Diccionario de termos de medicina......., 30000
Os remedies deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensam portan-
te de serem novamente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
daderos, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar deleite, nota veis pela sua boa conservadlo, tinturados mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparacao, e portante a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o que o annunciante julga-se suficientemente habilitado.
O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
funecionando a casa a mais de quatre annns, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, que pdem ser consultados por aqulles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 20000 por dia durante 60 dias ed'ahi em diante 10500.
As operacoes sero previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
aznaveis qae costuma pedir o annunciante.
Vinho do Porto especial.
O.mais generoso e genuino vinho do Porto, mar-
eas novas e especiaes, em caixmhas de 12 jrarra-
fas, sendo marcaRainha de Portngala 18^000
a caiia, e marca Pedro V a IS#; em poreS
far-se-ha m abate raioavel: do armazem de Per-
reir & Matheus, jto a reo da Conreieaon.
66. No mesmo armazem ha tambem exceilente
vinho do Porto em ancoretas de 32 garrafas a 3QJ
cada ama, em porgo pop mao algnm* coma
Venem-se charutos da Baha de varias qna-
i lidades : em rasa de Monfcard & C, raa do Tra-
, piehe a. 4S.
AGENCIA
GAZ GAZ GAZ
Vnde-se'gaz da melhor qaalidane a
0 a lata : nos armazens da ra do Im-
perador o. 16 e ra do Trapiche Novo n. "8
C
at
Yeaat-M suoorior viano do Porto m 4ixa* da
ma amia : en casa de JoboMot-Paler fc .C, ra
do A Suierior cal de Lisboa.
Vende-se superior Cal ii JtAj* a mais nova
que ha ae aereado tanto em porjao como a reta-
lho, por teriatjalaWltf**?*11'0'** aos comPra-
derej aaerraFSJJMade: a tratar aas segnilts
raas : Crespo a. 7, Imperador a. 51, Forte do Ha-
tos, armaien do*r. Avilla, deftaate trapicho
> aigodao. .....
Viihi t ?trt nperitr
en barris de ottave e deeimo, veade Aatoaio Laiz
de Albdquerque Aievedo 4 C.: na sea scriptorto
n& aCmn. 1
abrica Cnceigao da
BaMa.
Andrade k Reg, receben) constaate-
mente e tem venda no seu armazem a.
. 34 da ra do Imperador, algodao d'aqael-
L la fabrica, proprto para saceos de assu-
1 ear, embalar algodao emploma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel

mmmmmmm
Canes de Bombes e borrachos,
Vendem-se casies de pombos boas batedores, o
borraenos: na roa Itrga do Rostrio B. M,lmi-
ro andar. a c'
AGENCIA L0W-M00I.
Rna da Seanlla aova a. 12.
Neste estabelecimento contina a haver
om completo sortimento de moendas e meiat
moendas para eogenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamaitos para ditos.
Arados americanos e aaad>iwM para
lavar roupa: em easa de S. P. Johnston d C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se
tira exceilente carro americano com 4 ro-
das e arreios para um e dous cavados sen-
do muito maneiro e leve, o qual tendo si-
do iodo reparado de novo se acha no me-
lhor estado de perfetcSo easseio: a tratar
com Antonio Jos Rodrigues de Souza na
roa cWOrespo n, 15, das 10 horas de- dia at
as 3 da terde.
Veude-oe- wa preta de ti aaaos, qao eoxi-
nba, lava e cose cha : na ra do Heras a. M,
primeir andar.
i
1

I I
1% Mi
-*+


Diarlo Je rrnimWt* SaftbatlO 9 de
Ir de !8t MAGNIFICO SORHMENTO
DE
MOLHADOS
NO
ORMDE AUUIAZEJ1
DA
LIGA.
O KUJl hova oo
Cata la esquina junto a poste da Boa Vista.
MUITA ATTENGAO.
Parece que o respeitavel publico se achara bastantemente convencido de que a
direccjfo deste importante estabelccimenlo tem sido semprc caracterisada pelo maior
gosto e capricho, n3o s com relaejo ao asseio, superioridade das mercadorias, como
m sinceridade do trato e maneiras attenciosas dos empregados da casa para com todas
aquellas pessoas que se dignara de frequenta-la.
Muitas senhoras pernambucanas e eslrangeiras, cujo trato ameno e delicado nao
pode ser concedido a qualquer individuo no recinto de um estabelecimento da ordena
da Liga tem vindo possoalmente refazer as suas despensas nesta casa e rollado asss
satisfeitas.
E' preciso fazer desapparecer desta importante capital estas nojentas tascas cheias
serapre de escravos embriagados, onde as chufas sao jogadas sem respeito.
O importante e magnifico armazem da Liga se acha felizmente muito fura
dessas condiceoes. E' necessario v-lo para bem se prestar crdito a~hos.iaspalavras.
A rnercadoria nanea ser bem comprada se ella nao fr de boa qualdade. E
sobre este ponto que chamamos a attencao das pessoas que nos quizerem honrar com
a sna freguezia; porque o nosso grande estabelecimento se acha completamente prvi-
do de superiores gneros, que em sua mxima parle foram comprados a dinheiro
vista, e recebidos directamente de Londres, Paris e Lisboa.
Ninguem se acha entre nos com mais proporces para vender barata
.As pessoas que compram para negociar, fariam-muito bem e quizessem se cer-
tificar do quanto havemos expendido pro. uraudo afreguezar se com uosco.
NSo duvidamos vender a crdito a quem nos der conhecimento de sua probidade.
Amendoas confeitadas em ti asees de vidro, ditas com casca mole
e dura Ameixas francezas em frascos de vidro, ditas em latas,
ditas em cartSes, ditas a varejo =Alpiste e milho miudo.As-
sucar refinado fino, dito baixo. Azeite doce em barril, dito
em boioes, dito engarrafado, dito francez pertuguez refinado.
Arroz do Maranhao, dito de Java, dito da India, dito de Pepedo.
Azeitonas de Lisboa, dita do Porto.Banha de porco einbarril
dila em'latas. dita refinada em barril e latas. Batatas emgigos,
dita em caixas, ditas a varejo.Bolaxinhas finas de diversas
cjualidades, ditas de soda, ditas para lanche, ditas americanas.
Biscoites inglezes, .Mixede, Medina, Cabim, Seed, Soda, Cuddy
Cracknel, oval Tbim Lapitam e outras mais, ditas de leite de
Edimburgh, etc.Caf do Rio de i.*, 2.a e 3.a qualidade, dito
miudo.Cha, o que ha de melhor existe era nossos armazens,
uxim, miudo, dito hysson de 1.a, 2.a, 3.a e 4.a qualidades, dito
preto homeopathieo, dito commum.CharutosMussissipis, ditos
Panetelas, ditos regala imperial, ditos suspiros, ditos delicias,
ditos NapeleOes, ditos Parisienses, ditos apraziveis, ditos lancei-
ros, ditos imperiaes de diversos fabricantes. Chouricas mou-
riscas de Li-bo'a, ditas em latas.Chocolate de diversas qualida-
des e de diversos fabrkanies. Cerveja Basse, dita Victoria,
ditas Alesops, dita tenenle, dita II, dita XXX, dita em barril
branca e preta.Conservas inglezas, ditlas francezas, dittas ali-
menticias.Cevadinha d Franca. Chanpanha superior de di-
versas marcas.Cognac inglez, ditto francez. Cebo.las de Lis-
boa em molhos, ditas em restias.Copos lapidados para agoa
ditos para vinho. Doce de calda em latas de diversas qualida-
des, ginja, alperch, pera, pecego, doce de goiaba, em latas ditos em
caixes ditos em frasco de calda da assucar, ditos de cogna<;k.Ervi-
Ihas em latas, ditas em casca, ditas sem casca.Esperra?cele de 5 e 6 o
maco.Figos em latas de 4 e 8 libras lindamente enfeitadas, dilos em
caixas grandes e pequeas em barril. Farinha de trigo de diversas
marcas, dita de araruta, dita do Maranhao, dila do Aracaty.Fumo
do Rio em latas dito cm rolos, dito em lata (do Para) para cigarros.
Genebra ingleza marca galo, dila dita em fro-cos, dita de II llanda era
frascos, dita dita em botijas, dita de llamburgo tm frascos, dita em bo-
tijas, dita em garrafes.Giaxa em latas.Limonada de diversas fruc-
tas.Licor inglez, dito francez, dilo allemSo. Manteiga ingleza flor,
dita de 2.a qualidade, dita de 3.a, dita de 4.a, dita franceza de 1.a qua-
lidade, diadita de 2.aMassas para sopa, macan3o, talharim ealetria,
dita estrellinha epevide branca eamarela.- Marrasquino de zara de 1.a
qualiade, dito 2.a dita, dito 3 a dita. Marmelada muito fina. Molho
inglez, dito francez.Moslar-a ingleza, dita franceza.Prestlos in-
glezes para fiambre, ditos americanos, ditos doPotto para tempero,
dito de Lisboa. Passas de Malaga, ditas de Corinlhias para podim.
Pomada do P< rto.Pimenta do reino. Peixes em tetas, t#Ml, corvi-
na, pargo, espada, congre, chermy preparado pelas melhores artes de
cosinha.Papel greve branco, dit pautado, dito almaco, dito de peso,
dilo amarelloPalitos lixados para denles, ditos dilos com flores, ditos
americanos, ditos do gaz.Queijos inglez e londrino, dito flamengo dito
prato, dito suisso.Rap Mearon, dito francez Sal; me em latas de 1
libra o melhor qne aqu tem vindo. Sardinha de Basse, dito de A.
L'Tiile. Saho nacionol, dito massa e nao massa, dito inglez. Sal
nacioriil, dito inglez a varejo, dito em vidros. Teucinho d- Lisboa e
Porto, dito de Santos.Tijolos para limpar facas Vinho, neste gene-
ro os nossos armazens tem o melhor soitiov nto que se pode imiginar,
duque do Porto, lagrimas do Douro, C Luiz, Pedro II, Malvazia, Madeira, Cheny, Bordeaux, tudo engarrrf do
. Prevenimos ao publico de que noarmazem da liga stemvinbos engar-
rafados no estrangeiro, dito em pipa do Porto, Lisboa, Figueira e de Sete,
dito em b-rril de todos os paires, dilo em ancoras, dito chamisso mui-
to proprio para casa particular em barrilinhos com ISO garrafas por
preco a satisfazer o mais exigente comprador en quanto a qualidade
garantida por nos e peles seus importadores, dito em caada por preco
baretissimo, dilo branco para mi>sa.Vinagre puro de Lisboa, dito ham-
burguez, dito em garrafes. Vassouras do Porto, ditas americanas.
NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaram es moderaos vestidos de dentelle de sea com barra, inteiramentz novos
em gosto e qualidade : toja das columnas na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia
de Vasconcelos de C, successores de Jos Moreira Lopes.
Faztjndas de boin gosto
Para vestidos dtsenhora
Superiores cortes de seda de cor, de mcriante, de g-rguro e de selicu imperial.
Ditos de blond, de eambra branca bordados.
Dtes de la com barra grande variedad* ni cares padrees.
Ditos de organdys com barra
Liadas sedas de Superiores las lisas com grande variedade de cores.
Ditas com salpicos, com llores e de quadios.
Liadas pampolmas de qoadros e de flores, tazenda intoirameate lava.
Sapertores cassas de cores, e tardas earobrias organdys.
Grande Tariedade de chita de cores, de perealia ootras mnftas Tazenda* de gosto.
Para hrabro de seniora
Lindas capas e bournooi de casemira de cor. _______
Ditas de la e de seda.
Grande vartedade de *oui'embarques de sed* de ISJ a 40*.
Manteletes do seda.
Superiores basquinas. ,
Soperiores chales de seda, de merino -estampados finos, le cachimira eom listras le
seda e de t preto.
Caniziobas modernas, zuavos braocos a de cores, colietes de cambraia, liadas gol-
linhas com panhos e outros muitos artigos.
AO PUBLICO
Sem o menor constran-
glmento se etregar o
Importe do genera qne
nao agradar.
ATTENQAO AGUA FLORIDA
O oreos da seguate
tabella para todo*, po-
dendo asslua servir de ba-
te para o ajuste de eontas
com os portadores.
XXE3
MURRAY & LANMAH
A agm
ARMAZEM
RA DA CAIIESA llO RKCIFE Z. 53.
(Lojo passandt e arce da Ceaceieae).
rancie redneeo de precos, equivalente a des por cento menos do qne ostro qualquer
annunelante.
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o prego da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros.
amitos objectos, etc., dando com isto ocasi3o a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em I .)(, 1(,nois _... f "tn h
alta voz, que podem vender pelo preco que eu rendo! 11 Ora, eu ofendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo ,} '_ :. ,'
lloria iic llurray A- L-ucnrri,
olhada como um artigo de perfume, nao
tem podido ser igualada pelas preparagoes
as mais custosas: conserva seu aroma.romo
se formasse parte da prenda a que ella se
applica. Sua eflicacia to delicada^ como
elegantes sao seus multiplicado* usos, qoer
seja empregada como artigo de loucadef,
siiavi'adi r
que podem vender pelo preco que eu rendo! 11 Ora, eu olfendido com estas" obscuridades e receioso"em adoptar o mesmo u^^^^^TZ^^j^^Ll^uii
systhema que vim encontrar, des se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reduccao de precos, como veris j. f ah tu' as ou vinawar o
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de mulhados Uniao Mercantil 3o
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de f,4oe a l,6oo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que
D snavidade, brilho e
so cauta ucuuiii pic^u uc UKiiicigd iugicci a uwmi u uo r,*uo d i,uuu IS. d llura. HOJB iJOit'Ill, i fsCilllUUb U4 Ituui^u a ijuo fOmnleilPS dPOOR dP SP ha\
esto obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes recIamac5o de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores .. jLt3'f=- 1ap Prun,fs n
al informado deste novo estabelecimento. para Ihe vender goueros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu lm *---------rr l'b .
I3n SmpntP nhtP.p > rnnrnrrpnria do elasticirinde r,s
er lavado; :>!-
ordinarias: f*
aspecto dos
pannos, das sardas do rosto, ruga? c toda a
casia de ebulicoes, e d vigor e frescura a
t3o smente obler a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidie, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromptido e entei- Sf "^tSria^n 1?nthlii?7. ir"
reza com que serao tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem dovida me daro a proteccao e preferencia na compra JJ 'J,, JfJUd "';""', '
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir poderUo mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratices, pois : ta^nrn^hmnilnS mSbhm;
ser3o tao bem servidos como sevissem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao,afimde que nao v3o em outra parte
faz abat-'
| Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolbida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz aba tmente,
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a 5oo rs.
Chhysson de superior qualidade a 2,-Coo rs.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem buxim o melhor que se pode desejar
ueste genero 2,600 rs.
dem preto homeopathieo por ser de superior
qualidade
Para cabeca de atibara e neiins
Superiores chapeos e ehapellinas de palba de Italia enfeitadas para senhora.
Ditos de frltroenfeitados para sendera.
Ditas de palha enteiladps para menino. "'
Grandesortimenlo de enfejtesaoderBoB4*Wrx, de free, deeanello edto tore,
para senhora.
Na leja das columnas da roa do Crespa 0. 12, de Autoaie Cerreia.de Vasceacel-
les A C.
?S^ ^^^^^^^
a 2,ooo rs. a libra,
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o l,6oo, 1,800 e 2,ooe rs. a Painco e alpista
libra, garante-se ser muito regular, igual I rs. a arroba,
ao que se vende em outra parle por 2,4oo Massa de tomate em latas de
rs. e em barricas de 4 duzias se
ment.
Gaf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8eo
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,000
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
. a arroba.
a 14o rs. a libra, e 4,3oo
e 2,6oo rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
libras, emticamente lacradas a 5,5oe rs. Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
garante-se serem superiores aos que vem
em barrs.
Chouricas e paios em Larris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e l,5oo e 600 rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a l,6oo e l,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
viudo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz aba!monto.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas porluguezas em latas j pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunlo do reino vindos de casa particular
a 56e rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para Hambre ebegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gwa a 5,000 e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
1,000 e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contundo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambemtem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talterim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendareis as
pessoas doentes por serem propiamente
feitas para esse lim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 43,000 rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, i Cerveja branca e preta das marcas mais a-
Antonio de Lisboa em latas eom 6 libras
por 2,5oo; ditas doce em latas cem e mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes emlatas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas era latas de 1 e meia libra
por l,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, i,5oo, e i,80ors.
Azeite doce refinado Penanel eu do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oe a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5q rs. a libra e 2,ooe a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sepa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes ^aj^.ooo rs. e H ,00o a duzia-
Palitos para dentes a 14o e IGors. o maco.
Sal refinado era frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
rem ao mercado como-sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D: Lniz I., Madeira secca, Malvazo fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
J10,000 rs. e a 9ooe l.ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo aomercado a64o rs. a garrafa.
Srdinhas^e Nantesem quartos e meias latas
8^360 e^6o rs. cada urna.
Sardnhas portuguezas em latas grandes
[preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
da, salmao, ostras echernee, vezngo em | BOlachinhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 800 e i,000 rs. cada urna. cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita- libra,
das que tem vindo ao uosso mereado a Bolachnha de soda em latas com diversas
6,000, 7,ooo e 8,oeo rs. a caixa,garante-! qualidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. | para mimo a 64o rs.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5,7oo rs. a frasqueira. libra e 6,000 rs.*a caixa com 28 libras.
dem de laranja verdadeira de A'tona em Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grandes a 1.000 rs. o h asco, e
1 !,ooors. a duzia.
f(jem de Hollanda em botijas grandes a 4oo
1,800 rs. a caixa com. 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolchnhasd'agua em sal da fabrica do Beato
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2.000, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charu'.os.
Cognac inglez das melhores marcas a
1,080 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixes a 600 rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,goo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Matte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
ISO ].[ ,'|-
eptico, nos
concursos e assemblas numerosas, as lo-
calidades infeccionadas, na alcova e um
enfermo, assim como um antidoto excel-
lente para os desmaios causados por cansa-
co ou sufTocacSo. Preparada nicamente
por Lanman 6 Kemp, Nova York, e a venda
porCaors cV Barbosa.
_______Joo da C. Brava & C.
Assucar erystalisads da fabiicaT
2 de Julho
Na Babia.
Noaimazesn d> ra da Madre de Dos n. 28,
ha venda o n.uito superior assucar rryslali>.o,
em saceos e S arrobas, ao preco de S cada ai-
T'j'a:
Queijos e batatas.
Queijos do vapor a ?S00. caixas con do?
arrobas do batatas a 250O, em libra 60 rs.. pj.
sas un qnartosa JUt librs a 4D0 rs., clicori-
ga frescas a 720 a libra, manteiga ncrtia flVr a
900 rs., francpia a 680, rh miudo a i(M c 2$,
caf a 280 e 240, vinho Frgueira a 3200 a r; lia-
da e 440 a garrafa, Lisboa a 2AS00, t .1(0 a gar-
raa, vinawre a 200 rs., azeite doce a 600" rs.. ai-
pista a 140 a libra : no armazem da Etrella, lai-
go do Paraizo n. li.
Esperaaea
Lavas de pellica, Dranras, preas e de rrf s ;
em as brancas ha especialidade e una forma o
leiraroente nova, caJeiasde acopollii! e (tejadas,
volias de contasaiues turquezas, brinco* haito a
800 rs. o par, Ptilceiras de cabello a 5 econmica a 320 rs. a caixa, tinta ronununratira
ijue dppois de 8 dias se pode tirar copia para f'a
especialidade ainda nao appareoeu plagiario, en-
feles com rifa de froco, a Espranos leve ptJt> %
por estes enfeites, nao conslandu o,hp algueir tr.t
tivesse rerehiri, porm nem por isso o- venoera
por mais de 3}000. muitas esperialidaric* ijtio >a
podemtis annunciar porSerdespenflio.-o: vas i rao
do Queimado n. 33 A. que se vender trate f a
dinheiro.
O
cm de motilado
8.-HI A MI lllPEr%BOR-81
Segunda casa do lado direito iado do pateo do Collegio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfacao de avisar aos seus freguezes e ao respeitavel
publico que, estando restablecido de seus incommodos de saude, acha-se novatnente
com um bello e bem sortido armazem de seceos e molbados primorosamente escolhidos;
como sempre caprichou ter das melhores qualidades, francamente afliancais pessoas que
se dignaren comprar em seuestabelecimerrto.que allide preferenci outra qualquer par-
te serlo mais bem servidos, em qualidade o precos, como em pesos e medidas, ne qae
sempre o annunciante foi escropuloso, em summa^ n5o illude a pessoa alguma.
Aos Srs. de engenho e lavradores que o qttfranr honrar como seu comitente Ihes
assegura que o producto de seu laboriobo trabalho sera o mais bem reputado no merca-
do desta praca, para o que se julga convenientemente habilitado pela longa pratica com-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteza, depois d se-
retn fielmente umprido as soas orflers.
Forneccr gneros aos Srs. agricultores e negociantes qae lhe merecam confianca, fe-
rendo um abate vantajoso aos que pagarem a vista suas mercadorias, e errearrega-se da
venda de qualquer genero do paiz, mediante urna mdica conrmisso, entregando de
prompto seo pr. duelo, e sendo este applicado copr* de gneros em seu armazem,
prescindir da commisslo.
Dos seus amigos e heoi^nos freguezes espera o annunciante sna valiosa preteceo, te-
qaentando como ootr'ora sua casa, e pelo reeonhecimento que abas tributa offerece expoc-
nearoen'e seus servcos. > .
Julga desnecesarb publicar a tabella dos precos de seus gneros : sao seus recursos
garanta sulkiente de poder acc<'.mpanliar os menores procos Aq idnticos e mesmo de
mais apparaiosos esUbelectmeolos, leudo soaiente era vista augmento de sois vendas
diarias.
Prevoneio necessaria.
Tendo sido o propietario estabelecido mtiitos annos com o mesmo ramo de nego-
cio na mesma ra, julga prudente advertir que s affirma e se respensabilisa pe* que
tem declarado no que disser respeito se armazem.!
3g5S-S-LEr-a!s8
a:
ir.
wa
c- a
Q.-
_I aioi
0.g w C o cb
TJ M CD c'
So w
_ OOQ
ca c
O B
!S o

V3
es
CA
*s
ESCBAVOS FGIDS,
Fugiosabbado 26 de noven Lro prexin orar-
lad* o scravo pardo de noine Antotiio. (ie itfdo
de 20 annos, pouco mais ou lenos, rem c-s >ff-
naesseguintes : magro, altura ngular, r*lorB>.
prido, nao tem barba e rom bstanle] n.ijcas oe
bexigas, falla branda, foi escravo e cria >, Sr.
Joaquim Cavalcanti de Albuquerqne rio err-Mj
Araguari da freguezia de Barre iros, enpregava-se
nesta cidade em vender agua, port'm *o> da irp
e dias santos andava.caljao, de paktot braaro,
chapeo do chile e bengaliuha Boa, ccrsia ,ce se
intitulava de ser livre, quando fogio disse a aif li-
mas pessoas a quem venda agua, qne se-;iiia rara
Barreiros, e qne somente voltava riereis 'fa f^ta
do natal : roga-se s autoridades noticiare c -
taes de campo de o apprehei derem a n-aoJiua
entregar na ra do Queimado n. 77, a Altxar.e're
Jos ria Silva, que recompensar >rni M:.
V
2.K.
3BS.
m

c-
B
ota 2 S
a> "ra. noS
5 c s K
a" r, 1 o> 1
es*
ce
e
n
9
C
3
f
o
-8
B
I
o>
i
9
&"
e
s
i
No da 9de deztmlirode !>>(ii rugi *< iasa
desensenboro escravo Herculai.n, pare* errare,
com 3o annos, alto, cabellos carapinhos. olk'se
orelhas pequeas, tem apenas bigode e pera, per-
as e andar de quebrawiangue, le nrio o pe" e.-ji:*r-
do torto e sahido para fra ctmo pala df sen, o
por isso puxa algnma ronsa pela perra fiando
anda, levou vestido caifa branca rfmerdaria e ca-
misa branca, levando chapeo de palha, ccadnio
igualmente toda roupa que possue, suproc-> an-
dar aqu memo pela cidade: quera o pegar leve o
a ra Direita n. 54, que ser gecerosamenie. re-
compensado.
Fugio pela mantisa do da 28 do ti fre if o
escravo de Gome Paulino, erm rs signaes >ffi-
tes : cabra, cara picada de lexigas, deatrs lins-
dos, cabello carspinho, estatura icgnlar, chciedo
corpo, muito conhecido por andar veideario a
zendas com nm raixeiro da casa dos Srs. Marrtli-
no 4 G. : roga-se a qnem e pegar, de o levar a
casados mesmos na tua do Crespo n. 5, que sera
generosamente recompensado.
Anscntou-se cm VJ de deiembro passado do
eugenho L'linga de cima, no Cabe, a nml-l i.ta
Jonna, de 14 annos prevaveis, romirada a ti i ir. .
no Hecife, a Jos Fiminp da Medeins ptr pruu-
rago de sua ave Josepha Mara dosPrazeres, mo-
radores irnbos do Brejo da Madre de Dos, v rr. os
signaos segnintes : cor alvacenta, marc i.; < j
resto, cabello carapiabo e rugo, cen urna ricaln
na testa, eorpo recular, com todos os denles kb
pellos, as pernas finas, vestigios amigos de chirote
ao corpo, padece de bobas aas partes ormiias. a
talla as vezrs vicieoa : roga-se as autoridades a
ana raptara, e a qualquer particniar, pedendo ser
remettido para o referido eagenho, en a Jo J. -e
de Carvalho Mnrae Filbo, ra de Queimado 13,
qae eerae gratifteadoa. .____________________
Est tosido o proo Thom, baixo, eorpo ro-
forcado, bem preto, roeto largo, albos grande- o
tem o p direito um pouco incbaio, andagabaD-
do em S. Jos : na rna do Imporador d. 73, pi-
oire andar, so f rarPfteari a quem o pegar.
IB
1
81-BU.l O IMPEBADOB-81
Segunda casa do lado direito indo ao pateo do Collegio,
Agua Florida.
Para restaselecer e conservar a eftr natural
dos cabellos.
A fua 'torlda nao ama rrntnra, flete esseo-
cial a contesur, a mesma agua daade a rer primi-
tiva SO caben. Commosta de plaala exeticas e
de substancial inoftenaivas, ella tea a prepriedade
de restituir aos cabellos o principio corante qae el-
le tem perdido. D'effla salubridade iacentesu-
vel, a Agna Florida entreten a limper ih cabeca "j
dntroe na etapas e impede os cabelles de taair
Oleo de Florida
Comaest de aubstancias vegetaes exetieas, elle
constitne poderosamet**. com a Agua Florida, a
Horca,'a belleza e a conservacao des eab*"^.
Era Paris, casa de Qmshur n. nm de Krefee-
lieu, o 14, boBfcwd Montrnerre.
Todos os frascos, nao tendo iatacto e claro, 0.
timbre prateade da casa, ti reputados falsee.
Deposito, ra do Imperador, pbarmacia n. 31.
Desappareceu do oogeobo Pereiriaba na fre-
guezia de Agua-freU, os escravos abano, coa es
signaes segnintes: Pedro, de nacjio, n-as parecen-
do crioulo por ter vindo moleque, estatura rega-
lar, secco do corno, nm pouco fulo da cor, barba
toda branca, cabello* da oahet, cachar e biabes.
tambera braocos, testa cantada, ps compridos o*
seceos, falla fino, principalmente quando canta, e
alguma consa cangueiro qoando anda, idade O
annos, poveo mata a menos, te bem qne parnca
muito mais velan, fogio no Io de jaeeiro de I MI
Mara, conheciaa por Canuta, crioula, baixa,
secca da Corpo, cor fula, rosto descarnado, dentes
limados, ps enrtos e cbatos, pernas m tanto ar-
quead**, anta marea em na dos bracos j taita*
te amiga, ngio ora de nooerabro prximo atea-
do ; o seu seohor protesta sobre os das de servi-
dos de ditos seas escravos contra qnem o titee
aootado.
Rog-se a tnakwer autoridad* n*ieat on eapi-
taes de campo a apprebeaoao dos referido escra-
vos, que serao entregues no Rocife aos seoboros
Cnnha, Irm3os&C, 00 neste eneetbo a sen so-
ntaor, que ser satisreita qualquer despeta.
i Ia ^mtis. sa


^


s
Diario de PerBanbue* Safefcado 9 de Janeiro de l*ie5.
LTIERTRA.
I
HISTORIA DE l'M CONSCRIPTO DE 1813.
POR
EickraaDii-CatriaB.
XIV
(Continuacfo.)
Acordei de noute. Tudo era silencio. Alga-
i as nuvens atravessavam o cu, a loa conlerupla-
va a aldeia Iluminada, spelas estendidas pela
ierra c os montes de mortos, como contempla
desde o principio do mundo a agua que corre, a
herva que germina e as folhas que cahom no ou-
tomno. O homens nao sao nada ao p das cou-
sas eternas. Os que estao para raorrer compre-
l.endem isto melhor do qne os ootros.
Eu jl nao poda mover-me o soffria muito : s
o meu braco direito tinha ainda movimento. Com
lado cheguei a erguer-me sobre o cotovello, e vi
os mortos amontoados at ao fundo do beco ; a
la illuminava-os; estavam brancos como nevo ;
uns com os olhos e a boca abertos ; oatros com
o rosto contra a trra, a patrona e o saco s cos-
ta.-, a rao aferrada espingarda. Eu via tudo
i so de orna maneira horrorosa e os cabellas arri-
p:avam-sc-me.
Quiz chamar (soccorro ; ouvi ura grito debil
como de cranla que solaca. e cahi desesperado.
Mas esse fraco grito com que eu tinha rompido o
silencio, despertara outros.em todas as direcces.
Todos os feridos jnlgavam perceber a chegada de
soccorro, e os que podiam quenar-se, cbamavam-
Esses gritos duraramalgunsinstaotes depois calou.
se ludo, e nao ouvi raais do que o lento resfolegar
de um cavallo, ao p de mim, por detraz da sebe.
Quera levantarse ; eu via-o erguer a cabeea e
depois abaixar-se.
A minia ferida tomara a abrir-se pelo esforco
que eu acabava de faxer, e eu senta outra vez o
Magna a correr-me pelo braco. Euto fechei os
olhos para esperar a morte, e todas as cousas pas-
tadas, desde o lempo da miuha primeira infancia,
as causas da aldeia, quando rainha pobre mae me
tinha nos bracos e canta va para adormecer-me, o
quarto pequeo, a velha alcova, o nosso cao Pum-
iik r. que brincava eommigo e me atirava ao chao;
meu pae que noute vinha de fra muito elegre,
com o machado ao hombro, o me levanta va e bei-
jara ; todas essas cousas passavam-rne pela ima-
gmacao como um sonho t Eu dizla mentalmente:
Ah pobre mulher.-.meu pobre pae I...se
tivesseis sabido que creaveis vosso lho cam tanto
amor e trabalho, para elle um dia raorrer misera-
veimente, s longe de todo o soccorro... ai, meu
Deus I que alfliccao nao seria a vossa, e que mal-
diroes contra quem o reduziu a esse estado !___
So estivesseis aqu 1 ..se eu podesse ao menos
pedir-vos perdao das affiieces que vos dei I
E pensando nessas cousas, as lagrimas cobriaro-
me, e o peito pareca querer estalar. Fiquei mui-
tj lempo cm soIugcs.
Aldea de Catharina, de minha tinha Gredel, do
bondoso Goulden, tambera se assenhoreou de mim
e entao oi urna cousa espantosa, como um espec-
tculo que estivesse apassar-se minha vista :
eu via o sea assorabro e o seu susto quando sou-
btram da grande batalha : via a tia Gredel acor-
rer todos os dias a estrada para ir ao correio, em
quanto Catharina a esperava a rezar; e o Sr.
Goulden, s m sed quarto, a Icr na gazeta que o
8* corpo era o que tinha perdido mais gente, e a
passear com a cabeea cahida sobre o peito, e as-
sentar-se muito tarde banca do trabalho, com
ar pensativo. A minha alma estava la com elles,
c esperava porta do correio com minha tia, e
voltava abatida aldeia, e via Catharina na rnaior
aflliccao.Depois, urna manhaa, o carteiro Roedig
passava nos tQuatro Ventos. com asua bloze, e a
sua mala de couro, abra a porta da sala, e apre-
sentava um papel a minha tia, que ficava tomada
de susto, e CHharina era pe por detraz dclla, p-
lida como mora. Era o mea atteslado de olmo
que chegava Eu ouvia os pungentes solucos de
Catharina cahida no chao, e as lualdicoes de mi-
nha tia, que, com os cabellos em desordem, grita-
va que j nao havia justica, que seria melbor que
as boas pessoas nunca viessem ao aundo, visto
que Deus as abandona I E entao chegava o bom
velho Goulden para consola-las. Mas logo que eu-
irava, punha-se a chorar com ellas, e todos cho-
ra vam com indizvel amargura, gritando : Ai, po-
bre Jos pobre Jos I
lito rasgava-me o coracao.
Tambem me passou pela Idea que trinta ou
quarenta mil familias em Franca, na Bagan, na
AKemanha am receber a mesma noticia, e mais
terrivel arada porque grande numero dos infelizes
entendidos no campo da balalha tinham pae e
mae ; aligurou-se-me isso cerno ama cousa pavo-
rosa, corno um grande clamor do genero humano
que se ergua ao cu.
Foi entilo que recorde aquellas pobres mulhe-
res de Phalsburgo, que resavam na egrela depois
da grande retirada da Rassia, e comprehendi o
ia na sua alma I.... Lembrou-me que Catharina
tambem l ir brevemente, e qae rezara aonos e
annos pensando era mim. Sim, eu tinha esse pen-
samento porque nos amavamos desde a infancia, e
bem sabia que nanea ella poderia esquecer-me.
O meu enternecmento era lo profundo, qae as
lagrimas seguiam uma3 s outras ; e com lado
fazia-me bem essa confianza qne eu tinha nella, e
certeza do que conservara o seu amor al ve-
Ihice, que rae teria serapre diante dos olhos e que
nao quererla outropara marido.
Na madrugada comecou a cabir orvalho. E>se
ramor montono sobre os [ciliados, no jardim e no
beco era tudo o que quebrava o silencio. Ea pen-
savj em Ueus,qae dese o princio dostempos faz
as mesmas coasas, e cujo poder sera limites; que
perdoa[as culpas porque bom e eu esperava
que elle me perdoasse era considerado aosmeus
soffrimentos.
Como o orvalho era forte, chegou a encher-se de
agua o reg, ue lempos a lempos ouvia-se na al-
deia cabir urna parede, ou abater-se um teeto ; os
ammaes, amedrontados pela batalha, toroavam a
cobrar confianca e appareciam ao alvorecer : urna
cabra balava na manjadoura visinha ; um enorme
cao de pastor passou olliando para os mortos; o
cavallo, quando o va, comecou a resfolegar de
urna maneira que fazia medo, porque o tmara
ulvez por um lobo, e o cao fuglo.
Lembro-me destes pormenores, porque qaem est
para morrer v tado, e como que diz para si :
Oiha, escuta... porque est a cnegar o momento de
nao ouvlree era veres mais nada neste mando I
Mas o qae me fez urna impressao bom diversa,
o qae en nanea poderia esqaecer anda qne vives-
se cem annos, qne ouvi ao longo um rumor de
rozes. Ob I eomo e u desper tei... come escuto i...
como me levante! sobre o braco para gritar : Soc-
corro I Ainda nao era da, mas j havia nm ponco
de luz paluda no cu ; muito ao longe, atravez da
chuva qae corlara o ar, movia-se nm arenle pelo
meio dos campos, como ao acaso, panado aqu e
acola, e ea vi entilo vultos escaros qae se levanta-
Vam um pouco de redor delle; eram s sombras
confusas; roas havia mais quem vlsse a mesma
iaz, porque de todos os lados se ergulam como
suspiros grito queixosos, vozes tao Iracas como de
cranciahas que chamassem por sua mae.
Mea Deas, o qae a vida ? De que e ella feita,
para que tanto apreco se Ihe d T Bato miseravel
sopro que tanto nos faz chorar e soflrer, porque
que recelamos perde-lo raalsdo que tlb ? O que
que nos est destinado para depois da vida para
que assim nos apavore qualquer idea de morte ?
Quem sabe ? Ha seclos e seculos que todos os
homens fallara e discursam sobre isto, e maguera
pode dize-lo.
Eu, na minha ancia de vi ver, olhava para aquel-
la luz como olha para a praia um desventurado
qae esl em perigo de morrer afogado... Pregava i
o cotovelo no chao para poder erguer a cabeea e
v-la, e o meu coracao estremeca de esperanca.
Eu quera gritar, mas a voz nao me passava dos
labios; o rumor da chuva as arvores e nos te-
diados cobria ludo, e apezar disso eu dizia comigo :
Elles ouvem-me elies vera ah !_Parecia-me ver
0 archote subir a vereda do jardim, e a luz crescer
a cada passo ; mas depois de ter vagueado alguns
instantes no campo da batalha, entrou vagarosa-
mente em urna ondulacao do terreno o desappare-
ceu. Cahi sem sentidos.
XV
Foi no fundo de ura grande alpendre, todo apola-
do sobre pilares, que eu recobrei os sentidos. l)a-
vam-me a beber vinho e agua, e eu achava muito
boa essa bebida. Quando abr os olhos, vi um sol-
dado velho de bigodes risalhos que me levantava
a cabera e me chegava o copo bocea.
Ento disse-me elle com ar de bom humor;
entao como vae isso ?
E ea n3o pude deiiar de sorrlr-lhe lcmbrando-
me que ainda estava vivo. O meu hombro esquer-
do e o peito estavam slidamente enfaixados. Sen-
ta um cousa como queimadura, mas nao importa-
ra : o essencial era estar vivo.
Primeiro puz-me a olhar para as grossas vigas
que se crusavam no ar, e para as tedias que dei-
xavam passar a luz do dia em mais do qae um
ponto ; depois voltei a cabeea e reconheci qae es-
lava em um daquelles vastos alpendres onde os
fabricantes de cerveja daquelles sitios abrigam as
snas pipas e carros. De redor de mim, sobre en-
jergas e molhos de palha estavam deitados muitos
feridos, e no meio sobre ama grande mesa de co-
slnha, um crurgio-far e dous ajudantes, com as
mangas arregazadas, cortavam ama perna nao sel
a quera. Faziam aquella operacao famando nos
seus cachimbos, e o ferldo gemia. Por detraz dal-
les eslava nm monie de pernas e 'bracas ecada
um pode imaginar que pensamentos rae passarara
pela cabeea.
Mais cinco ou sei g soldados davam de beber aos
feridos. Todos tinham buhos e copos.
Mas o que me fez mais impressao, foi o cirur-
gio em mangas de camisa, que cortava sem ouvir
nada ; tinha nariz comprido, faces cavadas, e a ca-
da instante se irntava por causa dos ajudantes que
nao Ihe davam tao de pressa como elle quera as
facas, as pincas, os fio?, o panno de linho, ou que
nao lavavara depressa o sangue com a esponja.
Todava o trabalho nao corra mal, porque em rae-
nos do um quarto de hora j tinham cortado duas
pernas.
Do lado de fra, encostado aos pilares, eslava
um carro grande chelo de pama.
Quando se acabava de estender na mesa urna
especie de crabineiro russo qne teria pelo menos
seis ps de altara, com o pescoco furado por ma
bala ao p da orelha, e o cirurgiao pedia nao sei
i que instrumento para fazer-lhe nao sei o que, pas-
[ sou outro cirurgiao por fra do alpendre, cirurgiao
de cavallaria, grosso, baixo, bexigoso e risonho.
' Levava urna pasta debaixo do braco, e paroa ao p
do carro.
Ola, Foret! dsse elle em tom alegre.
Ola, Duchene I responden o outro olhando
para traz. Qaantos feridos ha ?
Dezesele a dezoito mil.
C'os diabos! E ento, correm-te bem hoje as
cousas ?
Nao correm mal. O qne eu quera era achar
urna bodega.
O nosso cirurgiao pegou no cacimbo que tinha
poisado na beira da mesa.esahiudo alpendre para
apenar a mao ao seu collega. Puzeram-se a con-
versar tranquilamente, emquanto os ajudantes be-
biam um copo de vnho, e o russo olhava desespe-
rado para todos os lados.
Olha, Duchene, nao tens senao a ir at ao
fim da ra : defronte daquelle poco ; vs ?
Vejo.
Pols raesmo defronte achas urna gerianla.
Ah, bem, bem obrigado : l vou j 1
E deitou a correr e o nosso gritou-lhe :
Come-lhe bem e bebe melhor, Duchene I
Depois tomou para o seu russo que o esperava,
e comecou por abrir-lhe o pescoco, desde a nuca
at ao hombro. Fumava cora ar de mu humor, e
diza aos ajudantes :
Vamos, senhores, vamos I
O Russo gemia como se pode imaginar, mas elle
nao Ihe dava attenco, e por fim atlrando urna ba-
la ao chao, poz-se a cozer-lhe o pescoco com urna
agulha grossa, e disse :
Fra d'aqui!
O Rasso foi tirado da mesa e estendido em urna
enxerga ao pe dos outros, e depois delle foi para a
mesa o vizinho.
Eu nunca teria pensado que taes cousas se pas-
sassem no mundo ; mas anda vi outras que nao
tem de esquecer-me tao cedo.
A pequea distancia de mim estiva um velho
cabo de esquadra, com urna perna enfaixada ; pis-
cara os olhos e dizia ao seu vizinho a qaem ac-
bavam de cortar um braco :
Conscripto, olha para aquello monte. Aposto
que j nao conheces o leu braco.
O outro, muito paludo, mas que tinha mostrado
a maior coragem, poz-se a olhar, e alguns instan-
tes depois perdea os sentidos. Ento o cabo desa-
10a a rir e disse :
Por fim conbeceu o braco. E' o que esta al
por baixo, com urna marca azul... O effeilo
sempre o mesmo.
E admirava-se de ter feito essa descoberla, mas
ninguem ra com elle.
A cada momento gritavam os feridos: Tenho
sede .'E quando um pedia de beber, pediam lo-
dos. O soldado velho parece qne sympathisara co-
migo, porque quando passava apresentava-me sem-
pre o copo. ,
Nao estire ali raais do qne ama hora. Mais uns
1 dez carros tinham rindo enfllelrar-so com o pri-
! roeiro. Aldedei da localidade, de jaqueta de rela-
do e grande feltro preto, de chicote ao hombro, es-
i peravam segurando os cavallos peta rdea. Che-
| gou logo nm piquete de hossares. O quartel raes-
tre apeoo, e entrando no alpendre, disse :
Desculpe-me, mea major, mas est aqu urna
ordem para escollar doto carros de feridos at
Lutzeo. E' aqu qne hao de ser earregadoa ?
E', aqnl,responden o cirurgiao.
E lego se comecoa a carregar a primeira Qlei-' duras; um ajudante eslava ao p da cama com
ra. Os aldeoes e os empregados da ambulancia,' ama bada de agua quente. O major examinou a
antes de nos levantarem, anda nos davam de be- minha ferida ; todos os outros se aproximaran) pa-
ber outra vex.
Logo que estava cheio um carro, parta, a che-
gava-se outro. En estava no terceiro, assentado
em palha, na primeira llleira, ao p de ura recru-
do 27 que licara sera a mao direita; por detraz
estava outro sem una perna, outro tinha 'a cabeea
aberla, outro os queixos quebrados, e assim ato ao
ultimo. .
Tinham-nos dado os nossos capotes de azul es-
curo, mas era lal o fri que sentamos, apezar do
sol, que ninguem nos poderia ver seno o nariz, o
bon ou a tira de panno de linbo por cima das go-
las. Ninguem fallava, porque nao fallava a todos
em que pensar.
Havia momentos em que me gelavanm fri ter-
rivel, e depois sobrevinham baforadas de calor que
me corriam todo o corpo : era o principio da Ha-
br. Mas quando saht de Raya ainda tudo a bem,
eu via as coasas claramente, e s mais tarde, por-
to de Leipzig, foi que me sent muito mal.
Eraflm foi da maneira queja disse qne nos met-
leram nos carros : os que ainda podiam ter-se em
p, iara assentados nos primeiros carros, os outros
estendidos nos ltimos. Os bussares, a cavallo ao
p de nos, conversavam acerca da batalha, fuma-
vam e nam sem olharem para nos.
Quando atravessava Kaya que eu vi todos os
horrores da guerra. A aldea era um montao de
rumas. Os telhados tinham cnido ; s havia em
p algumas escadas exteriores ; as vigas e ripas
estavam esraigalhadas; atrez dos tabiques quebra-
dos viam-se as saletas com suas aleo vas, portas e
escadas interiores. Os pobres moradores, mnlhe-
res, creancas, velhos, entravam e sahiara profun-
damente aflictos, sobiam e desciam como em raj-
las descobertas. Em alguns pontos, ama chamin
de sala, um espelho e ramos de buxo moslravm
que rivia ahi urna rapariga em lempos de paz. -
Ah I quera poda prever entao qae um da toda
essa fiicidade seria destruida, nao pelo furor dos
ventos ou pela colera celeste, mas pela raiva dos
homens, que terrivel por um modo bem diverso I
At os pobres animaos linbam ar de desamparo
no meio daquellas ruinas. Os pombos procuravam
os seus pombaes, os beis e as cabras os seus cur-
raes e redis, aodavam como descoronados pelos
beccos, mngindo e balando era lamentos. As gal-
linhas procuravam poleiro as arvores, era to-
da a parte se encontravam os sjgnaes das balas
Na ultima casa, nm velho de cabellos brancos,
assentado a porta do seu predio em ruinas, tinha
entre os joelhos urna creancinha. Vio-nos passar
sombro e carregado. Va-nos ? Nao sei. Mas a
fronte soleada por largas ragas e os seus olhos
embaciados aannnciaram a desesperado. Quan-
tos annos de trabalho, qae economas e soflrimen-
tos para assegurar o repouso da sua velhice I E
agora tudo estava reduzido a nada, e elle e aquel-
la creancinha nao linham urna lelha para abriga-
ren! a cabeea I
E aquellas vastas covas de meia legua, onde to-
da a gente d'ali trabalhava pressa para Impedir
que a peste acabasse a destruico do genero huma-
no, tambem as vi do aito da col I i na de Kaya, e des-
viei os olhos com horror. Sim, vi as mmensas
vallas em que sao enterrados os mortos, Rossos,
Prussanos, Francezes, todos juntos I Ali estao...
ali se abragam... e se alguraa cousa nelles revi-
ve, como devemos esperar, amam-se e perdoam
uns aos outros, araaldicoando o enme que, ha
tantos seculos, impede que sejam irmos antes da
morte !
Mais o que ainda era mais triste, era a compri
da linha de carros que levavam os pobres feridos
esses desgranados de que nao se falla nos relat-
nos das batalhas seno para Ibes diminuir o nu-
mero, e que morrem nos hospilaes como moscas,
longe de todas as pessoas que amara, emquanto se
do salvas de artilheria, e se canta as egrejas em
signalde regosijo por se teretn matado alguns mi-
litares de homens I
Quando chegamos a Lutzen, estava a cidade tao
cheia de feridos que o nosso comboio s cora mili-
to custo pode passar na ra principal. Nao se via
seno desgranados mais do que meio mortos, es-
tendidos nos passeios, sobre palha. Foi preciso
mais de urna hora para chegarmos defronte de urna
egreja, onde foram dcscarregados uns qulnzes ou
vinle dos nossos que j nao podiam supportar o
movimento do carro.
O quartel mestre e a sua gente, depois de terem
refrescado em urna bobega esquina da prac,a,
montaram outra vez a cavallo, e conlinuamos o
nosso caminho para Leipzig.
i-.Qtao j eu nao ouvia nem via. A cabeea anda-
va-me a roda, os ouvidos zmbiam, e as arvores
pareciam-me homens; tinha urna sede que nao se
imagina.
Havia maito lempo que outros que lambem am
nos carros se tinban posto a gritar e a tresvariar,
a fallar de suas miies e a querer levantarse e sal-*
tar para o camiuho. Nao sei se liz o mesmo ;
acordei como no lim de ura mu sonho, no mo-
mento era que dous horneas agarra vam em mim
pelas per as, e me sobracavam pela cinta, e me
transportavam por urna praca sombra. O ceu es-
tava coalhado de estrellas, e no frontesplcio de um
grande edificio que se destacava em preto as (re-
vas, brilhavam luzes era grande numero : era o
hospital do arrabalde de Halle, em Leipzig.
Os dous homens subirara urna estada de cara-
col. Chegando cima, entraran) era uraa salla im-
mensa, onde havia camas quasi pegadas urnas s
outras em tres linhas era todo o coraprmento do
salo, e deitaram-me ara uraa dellas. Nao para
poder imaginar-se o que se ouvia de gritos, pra
gas e queixas; desses centos de feridos nao havia
um que nao tivesse febre. As janellas estavam
abenas, e as lanteroas tremiam com a correte de
ar. Enferraeiros, mdicos, ajudantes com o avenlal
atado ao pescoco, andavara constantemente de um
lado para outro. E a surdo rumor das sallas
inferiores, e da gente que suba e descia, e de raais
carros qae chegavam a praca, os gritos dos con-
ductores, o estalar dos chicotes, o estropear de ca-
vallos, tudo fazia perder a cabeea.
l*oi abi que, pela primeira vez, quando estavam
a despir-me, sent no braco urna dr lio aguda
que nao pude conter os gritos. Um cirurgiao che-
gou nessa occasio, e reprehenden os qae nao ira-
lavara os feridos com cuidado. Nao me lembra mais
nada dessa noute porque eu estava como doudo;
chamava em meu soccorro Catharina, o Sr. Goul-
den e rrinha tia, segando o qne depois rae conloa
nm meu visinho, soldado velho de artilharia a ca-
vallo, que nao podia dormir por causa do mea de-
lirio.
S no dia seguinle, pelas oito horas da manhaa,
quando me flzeram o primeiro curativo, qae vi
melbor-a talla. Ento soube que liana quebrada o
osso do hombro esqnerdo.
Quando depertei, eslava no meio de urna duzia de
facultativos:.om dalles, hornera grossa e marao,
a qnem ctiamavam bario, desapertar*-m*as Hga-
ra ouvirem o que elle (a dizar. Pallou-lhes por al-
guns instantes ; mas tudo o que pude entender foi
que a baila tinha entrado de baixo para cima, que
tinha partllo 0 osso e sahido pelo lado das costas'
Com olTetO-assm devia ser, porgue os Prussanos
lin un aiirdo debaixo para cima do muro do jar-
dim, e por consegrante aballa devia subir. Elle
raesmo lavou a ferida e tomou a por a ligadura
em ura abrir c fechar de olhos; de maneira que o
meu hombro nao podia mover-se, e tudo ficava co-
mo convinrja.
Eu seulii-me muito melhor. Dez minutos depois
ura enferraftiro foi vestirme urna camisa sem ma-
goar-me, perqu eslava muito habituado quelles
servicos. |
O cirurgiao tinha parado ao p da outra cama e
dlzia:
Ola, rneu velho, ests aqai outra vez ?
E' verjdade, Sr. baro, sou eu mesmo outra
vez, respondeu o artilbeiro satisfeitissimo por ser
reconji'.'i'iilo, a primeira vez foi em Austerlilz, por
causa de um tiro de metralla ; depois era lena, e
depois em Smolensk por duas laucadas.
E* verdade, disse o cirurgiao como enterne-
cido, e agora que tens?
Tres espadagadas no brago esquerdo por de-
fender a minha peca contra os hussares prussa-
nos.
Podes fazer idea da minha colera, Josephel. De. corra p^ Q(1) espaco a9 30 p ae cumpriraento,
calculou-se qne anda em cada hora meia legua !
l.'m operario hbil pode cortar por da lU.OO
canecas d'alflaetes I
E* insalubre o offlcio de alfioeteiro por ser ve-
nenoso o oxydo de cobre.
Quanto mais se devide o metal, unto man peri-
goso : penetra no nariz, na boca e no estomago
(apezar d'um quadro de vida qae se aju-ia cara)
o p que sae de todas aquellas operacoes, e qne
pouco a pouco vae seccando as fonles da vida : o
oxydo de cobre, que tinge de verda o cabello.
O uso dos alrlneles s em 15*0 principoa em
Franca. Catharina Howard, meJtMT de Henriqoe
-VIH, introduzi-os na Inglaterra en 1543.
o cirurgiao desligou-o, e ouvi que perguntava Bas
por pus e por pedras ; qait fazer tudo em caeosi
E logo que me disseram que Passauf estava na fa-
brica de cerveja do Veado Grande, endireitel para
l sem olhar para traz. Logo que entrei conheci-o
em uraa extremidade da mesa, ao p de.nma ja-
nella do pateo, defronte da bomba. Bebia o seu
quartilho e na com ires on quatro malandrins co-
mo elle.
Quande me viu, poz-se a gritar :
Ora esta I s l, Christiano Zimmer 1 Como
vaes t Christiano t recomraendacSes de Margre-
del.E piscava os olhos. ,
Eu deitei logo as mos a urna billa e quebrei-
h'a na cabeea por cima da orelha esquerda, d-
zendo :
Vae levar-lhe isso da rainha parle, Passauf j
o meu presente de uoivado.
Como era natural, todos os outros cahiram sobre
mim, e ainda csteadi dous ou tres com nm cangi-
ro ; depois trepei a urna mesa, e saltel por urna
janella para a praca, onde tratei de me por em
salvo.
( Conttnuar-se-ka)
UM POUCO DE TUDO.
Do -Bazar Volante l-se o segrate :
phovisOes para O hospital.
Alm das dietas, vinho ele. para os doentes, tra-
ga queijo londrino, sardinhas de Nantes, serveja
Conta 0 Evening-Star que do palacio de um no-
bre de Sussex foi afflxado o segrate aviso :
< De hoje em diante nenhuma criada poder
usar de crinolne estando em servieo.
t A infraccao dcsla ordem egnivalera a nm
caso de despedida, e as infractoras serao despedi-
das immediatamente.
s,e...
ao artilhelrol:
Tu tenis a cruz T
Nao, Sr. baro.
Como te chamas?
Chrisliano Zimmer, quartel-mestre do 2o de
artilharia a cavallo.
Bom! |bom I
Enlretanti ia curando as feridas, e por fim le-
vantando-sej disse :
Para quem ?
Para os doentes que j estao bons...

Que'differenca ha entre os; requerentes do
hesouro e a guarda nacional ?
E' que quelles dao o cavaco quando vio esbar-
rar em exeraos indos, e esta suspira por ver /in-
dos os exercicios.
Comraandante .Soldado por que Injuriaste o
cabo de esquadra ?
Soldado : -Perdoe-me V. S. Sr. commandante,
Tado ha de ir como se qaer.
E conversando com os outros, sahiu depois de (er
dado algumas ordens aos enferraeiros.
O velho artilheJro pareca cootentissimo. Como ,
eu entend pelo seu nome qae elle devia ser da' mas eu n5 iDuriei- d.sse-lhe que elle era ord.-
Alsacia, falli Ihe na nossa liogaa, e mais contente' na"^*'.''
se mostrou anda.
dinario.
Commandante :Ento isso nao urna in-
juria ?
Era um hjjmemzarrao ae seis pos de altura, de Soldado :Nao Sr. e posso provar.
hombros redondos, testa chata, nariz grosso, bigo-, Commandante :Vamos a isso.
des ruivos, duro como urna rocha, mas excellente '. soldado : O cabo de esquadra esl cima dos
sugeito. Os eus olhos eacrespavara-se quando se gf3 0m.Ciaes ?
Ihe fallava lingaigem da Alsacia, as orelhas in- ., _.
6 .. ,. Commandante :Nao, esta abano,
teiricavam-ie-lhe, e se elle tivesse alguma cousa,, So(dado ._Esl- acifna dos nferjores T
tado me da .ase tudo Ihe ped.sse em alsac.aao ; Commandaate _NSo> ainda esta abaix0.
mas o pobm nao tinha senao cada apenar de raao So,dado abaj][0 dfl nferior 30 est 0 or.
que era de fazer estalar os ojsos. Chamava me
Josephel como de aso na sua trra, e dizia-me:
Josephel, acautela-te com os remedios qne te
derem. Nao engulas nada sera saberes o qae ...
O qae nao Cheirar bem nao presta para nada. Se
nos dessera cada dia ama garrafa e Rikevir, de.
pressa estaramos finos; mas tica mais barato ar-
rasar-nos o estomago cem ama mo cheia de her-
va ma e cosida era agua, do que coasolar-nos com
vraho branco de Alsacia.
Quando eju mostrara medo da febre e do que va
azia elle m cara, e dizia, olhando para mim com
os seus grandes olhos pardos:
Decidadamente a eschola ultra-romantica est
mora e bem morta ; perdeu o seu melhor recurso,
a sua mais bella siinacao !
Qual.
Os desmaios.
E' boa I eoto j nao ha licenca de perder os
sentidos ?
A licenca existe ; mas pondere : urna dama
sentimental desmatando, e o intrpido e robusto
I amante transportando-a nos bracos, e reflicta na
! oosico embaracosa para ura, e na figura mconve-
Tu estas maluco, Josephel? De que tens me- t""'*" .,';.. .L.
, J \ 1 niente para outro que obrigarii. a tomar
do? Pois mi me han es como nos podem morrer
Acaba de assigoalar-se um Inglez por nm testa-
mento, que na apparencia singular, mas em ver-
dade nao seno desapiedadamente logice.
Ha tres annos que elle, filho segando e sem for-
tuna, herdou as riquezas e os ttulos de nm to
immensamente millionario e considerarelraeole
qualicado, que cahira no descoco de se deixar
matar em duello, apezar de todas as razoes qne
tinha para gozar da vida.
O sobrinho, gozando farla todas as prosperida-
des deste mundo, devidas a urna bala ou a ama
eslocada, raorreu tres annos depois de ter logrado
o fructo da msrie de sea tio, e ralla de herdeiro
directo, instituiu universal herdeiro da sua in-
mensa fortuna o homem que fra a causa dessa
fortuna, o hornera a quem a devia, o adversario
de seu tio no fatal duelio de ha tres annos !

Qual a virtude qne nao enrelbece?
F-menina.
Qual a mentira mais conveniente ?
PWa lgica.
Qual a ola qae serve para engidar os to-
los ?
Fa-isca.
Qual a letra de mais espirito!
A-devnho.
Qual a mais dada a lavoura ?
tf-rocero,
Qual o aposento que morde ?
Cosa-cao.
Qual o que todos teem no rosto?
Caiamento.
Quaes sao as letras raais inmundas ?
O cano e "-valla.
Que letra melhor indica o que vale I
C-100.
Que maior incoa ven tente pode ter ama casa?
Sm-telha.
Qual a bebida mais usada no matadanro ?
CA-gado.
em um hospital? Oral deixa-te disso.
Aquillo era bom de dizer, mas todas as manhas
os mdicos que faziam o seu turno, achavam seis
ou oito j mortos e acabava sempre o negocio pela
tumba que vamos passar aos hombros dos enfer-
maros I do maneira que ninguem sabia se para
viver convnba ter muito fri ou muito calor.
Zimmer dizia-me :
Tudo isto, Josephel, dos pessimos remedios i
que os medios inventam. Vs ali aquel le estafer.
mo magro com oculos? Pode gabar-se de ler ma-
tafo mais homens do que nma peca de campanha;
parece que est sempre carregado de metralla, e
de raorro acceso ao p. Pois aquelle boneco de
suissas 1 Se I eu estivesse no lugar do imperador,
mandava-o aos prussanos e aos russos, porque
Ihes matara raais geote do que um corpo de exer-
cto.
Seria capaz de me fazor rir se eu nao visse pas
sar as padiolks.
Ao cabo de tres semanas o osso do meu hombro
comecava a lortalecer-se, as duas feridas fechavara
pouco a pouco. e ea j nao soffria quasi nada. As
pranchadas que Christiano tinha no braco e no hom-
bro tambem iam muito bem. Davam-nos cada ma-
n'.aa um bom caldo que nqs reanimava, e a noute
um bocqado de vacca cora meio copo de vinho, de
que btstava a| vista para alegrar-nos e mostrarnos
o futuro come urna cousa bonita.
Por esse teilnpo tambem nos permittiram ir rass
Quem ?
O balo da moca.

N'UM ALBl'f.
Senhora I
O alhum....
Pois nao, cora muilo prazer,
n'elle escreverei com gosto
mas simples prometter....
v- Escreva : son eu quem manda,
Ponha a modestia de banda.
sear em um
as trazeiras
das arvores,
s proprietaros,
algodo.
A estacio if magnifica ;
vam-se sobre
asi jardim.povoado de velhos lamo-
do hospital. Havia bancos debaixo
8 nos passeavamos como verdadeires
de grande capote pardo e barrete de
Do mesmo
e pela frente
os nossos olhos alonga-
0 Parta, orlado de choupos. Esse
rio desagua n > Klsthef.a esquerda,formando gran-
des linhas zoes.
lado se estende urna floresta de faias.
passam duas ou tres estradas que
atravessam planicies de trigo, cevada e aveia, plan-
tajes de luptjilo, emfim tudo o que possivel ima-
ginar agradavel e rico, principalmente quando por
cima se estende o vento e todas essas searas se cur.
vam e iudire ara aos raios do sol.
O calor do mez de junho annunciava ara bom
anno. Muilalvez, vendo este bello paiz, eu pensa'
va era Phalsburgo, e punh-me a chorar. Zimmer
dizia-me:
Quem me dera saber porque diabo choras,
Josephel 1 Em lugar de termos agarrado a peste
de hospital, do termos perdido um braco ou urna
perna, como acontecen a muitos outros, estamos
aqu regaladamente assentados a sombra ; temos
boa sopa, carne e vinho. Deixam-nos fumar quan-
do temos tabaco. Que mais queros t ? Que te
falta ? *
Entao eu fallava-lhe das mnhas relacoes com
Catharina, dos meus passeios pelos Quatro Ventos,
das nossas bellas esperanzas, das aossas promessas
de casamento emfim de todo aquelle bom lempo
que j nao era mais do qae ura sonho. Elle escu"
'ava-me fumando no seu*cachirabo.
Sim, sim, dizia elle, isto triste. Antes do
recrutamenta'i> t7J8, tambera eu estava para ca-
sar com una rapariga da minha aldeia que se cha-
mava Margredel, e a quem eu quera como as me-
ninas dos olhos. Tinhamos feito juramentos um
ao outro. e durante toda a campanha de Zurlch
ou nao passava ara dia sem pensar em Margre-
del.
Mas quando ti ve a primeira baixa, cheguei a al-
deia, e qne fui ea lijsaber ? Qoa havia ires mezes
que ella liaba casado com om sapateiro visinho
chamado Passauf.
O' musa, desee do Pind
Vem o meu estro ajudar.
Nao vs, diva, desla fronte
Alvosuor a pingar ?
Anda, musa vem geira,
Chibante, bella, faceira I
Pede ao nosse pae Appollo
Tres libras de inspiraco.
Um diccionario de rimas,
Urna lyra... e um bordo :
E traz mais, musa bondoza,
Phantasia cor de rosa !
Porm, querida senhora,
Pode accaso acreditar,
Que a musa licou casmurra
E eu rouco de a chamar ?
Nao se moveu do Parnaso,
Nao fez dos meus rogos caso !
Em niveo papel de Hollaoda
Fiz longo requerimento:
Mandou-me Apollo o despacho
Ei-lo, aqu p'ra meu tormento :
Inieferido su cousa.
Apollo Uanoel de Souza.
Lemos no Mercantil :
Em um anno fabncam-se em Paris luvas no valor
venal de 15 milhes de francos ,2:700 contos); es
partilhos 8 milhoes e meio (1:530 contosj chapus
30 milhoes (5:400 contos); calcado 87 milhe*
(15:760 contos); phosphoros milho e mel (270
contos) ; dentes artifioiaes i milhoes (360 contos)
perfumaras 22 milhoes (3:950 contos): leqnes 5
milhoes (900 contos); flores arlificiaes 28 milhoes
(5:040 c'ontes): peales 5 milhoes (900 centos) I
pennas 5 milhoes e meio (990 contos).
Consomera-se 153 milhoes de francos de carnes
(27:540 contos); 95 milhoes de pao (17:100 con-
tos) ; 193 milhoes de vinho (34:740 contos) e mais
de 10 milhoes de cerveja (1:800 eontos).
i A media das casas de pasto 3:332 com nma
reeeila de 105 milhoes de francos (18:900 contos).
Amedia dos H6gocos dos alfaiates pode avalar-se
em 100 milhoes de franco; (18:000 contos de
ris).
Quatorze operacoes successivas exige o fabrico
da tao pequenino objeclo, e constitae cada urna
d'ellas, as manufacturas, ama especialidade aque
exclusivamente se consagra um pobre operario.
E' preciso amarellecer o o de lalo que da for-
ja sae negropassa-lo para um cilindro de madei-
racorta-lo de certo cumprimentoadelgaca lo
n'uma das extremidadesfazer-lhe o bicofazer
separadamente as cabecascorta-lasreun-las
ajusta-las-branquear sto-estauba-lo seca-lo-
preparar o papele pregar neRe emfim os alfine-
les em certa ordem.
Um s homem pode n'uma hora flr 600 toezas
de fio de iato ; ora, como para isso precito que
Na Semana Ilimitada l-se o seguinle :
Dr. Semana.Adeus, Exm., desejo-lhe prospera
vagem, e meu moleque o vae acoropanhar, ale a
entrada do Mallo, para dar-me noticia de sua che-
gada a salvamento.
Moleque.Nao ha de acontecer nada, nhonb,
porque aqu levo com que defender o Carneiro dos
'obos.
Urna carta de Alcira Correspondencia de lr-
panha diz o seguinle :
O namero de pessoas que perecern na innun-
darao chega a 23.
Afogaram-se 1,003 cabecas de gado e 168 ani-
maes domsticos: 217 casas estao em ruin:.- e o
numero das que foi pieciso escorar de 635.
O arcebispo de Valencia ordenou preces publi-
cas, por tres dias, para Implorar a misericordia
divina ncsla inmensa affliccao de toda a pro-
vincia.
E.-I-se formando em Londres urna companhia'
que lem por tira comprar e explorar em Assam
(India) cinco planla^oes de cha, que j se acham
reduzidas a cultura.
A corapanhia denominar-se-ha Baugparah Tea
Estates Company of Assam e ja foi foi publicado o
seu prospecto.
O capital da companhia fixado em 200,000 li-
dras sterlinas, dividido em 20,000 aceoes je 10 li-
bras cada urna.
Os terrenos qne a companhia pretende comprar
teem urna extensao aproximada de 1,820 hcclares
dos quaes 200 estao j reduzidos altura de cha.
e em 50 heclares desta porco de terreno cultivado
tem j esta planta 4 a 5 annos de crescimenlo.
Calcala-se que em 1868, anno em qae lera de
ser feito o primeiro dos cinco pagamentos d<> 50.000
libras sterlinas, haver mais de 600 henares, qne
produziro para cima de 160.000 kilogrammas
de cb.
Diz-se que o vendedor das planlacoes, que tirara
sendo ainda director por lempo de tres annos. ga-
rante um mnimo de 10 i, por anno.
Ha na Allemanha, diz um jornal fraacez. om
grande namero de leis qae datara do feudalismo e
fazem um triste contraste com as ideas moderaas-
Alm das disposicoes barbaras qae permittem as
bastonadas no cucado de Mecklemburgo-Schwenn,
temos dous novos fados, raais revoltantes ainda,
ltimamente aconlecidos na Prussia.
Nos termos de ama antiga le, que ainda vigora
na Prussia, os guardas das maltas taem direito de
alirar sobre todas as pessoas qae roubam lenba.
Ha pouco urna pobre molber, grvida, qne apa-
nhou lenha do bosque, foi mona nos arrabalde* de
Berln, na occasio em que, pela faga, procurara
sabtrahir-se s conseqnencias do delicio.
as provincias rhenanas. um guarda fiscal dis-
parou sobre um homem que contrabandea va, fe-
rindo-o mortalmente.
Amira que a Prussia, ambicionando marchar
frente dos Estados allemaes, tenba conservado na
sua legislaco dispasicoes lo ierriveis e lo con-
trarias aos rerdadeiros principoa da* leis penaes-
isto de que a pena dera sempre ser proporc
nada ao delicie.
ERRATA.
No anigo publicado na oitara pagina do Diario
de 5 do crreme, na segunda columna, haba 8t,
em vez dedireito perfeilo por exerpeo,ieia-s*
direito perfeilo por excepcao de axcepco etc.
rV-^
PERNAMBUCO.-----TYP. DE M. F. DEF.A F1LBO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWPAJJ3WB_FR3L1Y INGEST_TIME 2013-08-28T01:23:54Z PACKAGE AA00011611_10562
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES