Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10561


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'
AWHO ILI. HOMERO 4
Por quartel pago dentro de 10 (lias do 1. mez ...:.. 5JQ00
dem depois dos i.0' 10 das do comero e dentro do quartel.... 6J00
Porte ao correio por tres mezes.......,,.,,:. 750
QUINTA FEIRA 5 D JANEIRO DE 1865.
Por anno pago dentro do* i O iias de 1. mez ', ,
forte ao correio por un anno.........
19J000
3$000
ENCARREGADOS DA Sl'BSCRIPCO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima ;
Natal, o Sr. Autouio Marques da Silva; Aracaly, o
Sr. A. de Lemcs Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; MaranUo, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudne Falco Das; Bahia, o
Sr. Jos MarlinS Alvs; Rio de Janeiro, oSr. Jos
Ribeiro GasparBho.
PARTIDA DOS EsTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagOes da via frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Allinlio, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom Con-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgaeiro e Ex, as quartas feiras.
Serinhem. RioFormoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas feiras.
liba de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao meio dia.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE JANEIRO.
4 Quarto cresc. as 1 h., 22 m. o 52 s. da t.
11 La chela as 8 h. 40 m. e 10 s. da t.
20 Quarto ming. aos 16 m. e 52 s. da m.
27 La nova as 7 h., 10 m. e 46 s. da m.
AUDIENCIA DOS TRIBL'NAES DA CAPITAL.
Tribunal do dommcrcio: segundas e quintas.
Relacao: ler as o sabbados s 1U horas.
Fazenda qu ntas s 10 horas.
Juizudo commercio : segundas s II horas.
Ditole orphsios: tercas e sextas as 10 horas.
Prirneira vari do civel: tercas e sextas ao meio
Segooda vara docivel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde.
DAS da semana.
2. Segunda. S. Isidoro b.; S. Argeo m.
.'! Terga. S. Aprlgio b. de Bja; S. Antero p. m.
4. Qurta. S. Prisco presb.; Aquilino m.
5. Quinta. S. Simeo Estellita; S. Syncletica.
6. Sexta, cga Epiphania do Sentior. (Dia de Reis.)
7. Sabbado. S. Luciano presb.; S. Clero diac.
8. Domingo. S. veverino ab.; S. Theophilo diac.
PREAMAR DE HOJE.
Prirneira as 10 hora e 54 m. da manha.
Segunda as 11 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30 para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos das 14 dos mezes de Janeiro, marco, maio,
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 6 e 8, dos proprietarios Maneel Figueiroa de
Faria & Filho.
PARTE QFFICIAL
ni.VINTKHIO DA FAZEUfDA*
DECRETO N. 3,339 DE 14 DE NOVEMBRO DE 1864
D providencias sobre os dinheiros que o banco do
Brasil recebe etn conta corrente, e sobre a repar-
timo dos seus dividendos.
Considerando a necessidade de providenciar se-
bre os dinheiros que o banco do Brasil recebe em
conta correnle simples e a juros, bem como a res-
peito do quantitativo do dividendo que poder re-
partir pelos seus accionistas : hei por bem deter-
minar que em quante nao se abrir de novo o troco
dos seus bilhetes por ouro, se observe o seguinte :
Art. 1." As sommasque o banco do Brasil rece-
ber em conta correnle simples serao consideradas
como parte integrante da emissao em eirculacao ;
e daquellas que receber em conta correnle a ju-
ros s poder empregar o equivalente a tres
quartos,
Art. 2." Os dividendos que se reparttrem d ora
em diante pelos accionistas do banco, nao oxcede-
ro a 12 |o ao anno, e os lucros que restar em se-
rao applicados a augmentar o fundo de reserva.
Carlos Carneiro di Campos, do mea conselho,
senador do imperio, ministro c secretarto de esta-
do dos negocios da fazenda, e presidente do tribu-
nal do thesoor'o nacional, assim o tenha entendidd
o fac* executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 14 de novembro
de IS i'i, 43. da independencia e do imperio.
Com a rubrica de S. M. o Imperador.Carlos
Carneiro de Campos.
1I11YISTERIO DA JUSTINA.
DECRETO N. 3,348 DE 28 DE NOVEMBRO DE 1864.
Orgamsa a guarda nartonal dos municipios de Ip
e Tamboril, da provincia do Cear.
Attendendo proposta do presidente da provin-
cia do Cear, hei por bem decretar o seguinte:
Art. I." Fica creado no municipio do Ip da
provincia do Cear, mais um batalho de infanla-
ria rom olio compannias, e a designago de 38 lo
servico activo, e urna seccao de batalho de tres
compannias, com a designado de 11 do servico da
reserva.
Art. 2. Fiea igualmente creado no municipio
de Tamboril, da mesma provincia, um batalho
de infamara com seis companhias, e a designago
de 39 do servico activo, e urna companhia avulsa
de reserva.
Estes corpos e o batalho de infantaria n. 26,
j nrganisado no pnmeiro d'aqoelles municipios,
formam um commando superior, e tero as suas
parabas nos lugares que Ihes forem marcadas pelo
presidente da provincia, na forma da le.
Francisco Jos Furtado, do meu conselho, pre-
sidente do conselho de ministros, ministro e secre-
tario do estado dos negocios da juslica assim o te-
nha entendido e faga executar.
Palacio do Re de Janeiro, em 28 de novembro
de 1864, 43." da Independencia e do imperio.
Com a rubrica de Sua Mageslade o Imperador-
Francisco Jos Furtado.
MINISTERIO DA CUERRRA
DECRETO.
Comiserando-mc das circumslancias em que se
acham os militares dos difterentes corpos do ejer-
cito, c os da guarda nacional em destacamento,
que tiveram a infelicidade de desertar, apartndo-
se das suas bandeiras : hei por bem perdoar-llies
o crime de prirneira desergo, e o de segunda sim-
ples, aprsentando-se os reos dentro do prazo de
tres mezes, contados da publicar do presente de-
creto, em cada urna das comarcas do imperio ;
ioeluindo-se neste indultos que j estiverem seu-
teneiados e para sentenciar.
Henrique de Beaurepaire Rohan, do meu conse-
lho, ministro e secretario de estado dos negocios
da guerra, assim o tenha entendido e faga exe-
cutar.
Pa'acio do Rio de Janeiro, em 22 de dezembro
de 1864, 43 da independencia e do imperio.
Cnn a rubrica de S. M. o ImperadorHenrique
de beaurepaire Rohan.
AVISO DE 19 DE DEZEMBRO DE 1861.
Declara a maneira de contarse o prazo para a
prescnpciio das dividas de que sao credoras as
as pracas de pret da armada.
i.* scejo.-Ministerio dos negocios <'a marinha.
Rio de Janeiro, 19 de dezembro io 1864.Foi
presente a S. M. o Imperador a duvida suscitada
por essa conladoria, sobre a poca de que se deve
principiar a contar o prazo marcado para a pres-
eripeao das dividas, de que sao credoras as pracas
de pret da armada; e mandado mesmo augusto
senhor declarar a V. S. que, na forma do disposto
no aviso de 14 de abril de 1848 e orden n. 33 do
tribunal do thesonro, de 23 de margo de 1851, o
quinquennio para a prescripcao das dividas das
pracas de pret, sojam do exercito ou da armada,
deve ser contado do dia em que ellas sao escusas
do servico, porque s de ente para diante dei-
xaro de estar comprehendidas no 1." do art. 7."
do decreto n. 857 de 12 de novembro de 1857. o
que communico a V. S. para sua inteligencia e
execucao.
Dos guarde a V. S. Francisco Xav/n- Pinto
Lima.Sr. contador da marinha.
(OYEtf0 DA PROVINCIA.
Eipitdiente do dia 2 de Janeiro de 186o.
Officio ao Exm. eon-elhoiro presidente do supre-
mo tribunal de justica. Communico V. Exc. que
o tjmcharel Joo Francisco da Silva Braga, reassn-
m em 30 I mez laja o ejercicio do cargo de
juta de direito da comarca de Palmare; nesta pro-
vincia.Communicou-se a thesouraria de fazenda.
Dito ao Exm. viscoado da Boa-Vista, comman-
dante superior da guarda nacional do Recife. De
officio do coronel commandante das armas desta
da^a, n. 8, consta que o 2* batalho. de infantaria
da gur.r I,, nacinal dest* municipio, deixou de dar
horiti-m as guardas da casa de detengo e do arse-
nal de marinha, falta que foi suppnda pela l1 li-
ntfa que dobrou nesse servico : o que communico
a V. Exc. a flm de que se sirva de providenciar a
sefaelhanle respeito como for de lei.
/Dits ao coronel mandante das armas.-Apreseo-
to)a V. S. para terem o conveniente destino as In-
clusas relagoes de alteraces occorridas no mez
de/novembro prximo passadn, com o alferes Ja-
cintho Gomia de Mello e soldados Manoel Jos do
Na^rimento e Manoel Joaquim Pinto, pertencentes
ao ?) batalho do infantaria, as quaes me foram
indiadas pelo Exm. Sr. presidente da provincia da
Santa Cathariana, com offlcio de 14 de dezembro
f">'k>.Commuflicoa-se ao Eira, presidente deSan-
ta vaharina.
tyta ao mesmo.Visto como, ha nrgencia, se-
gui'iilo se depreliende do sea offlcio de 31 de dezem
br prximo fiado, em mandar V. S. urna praga
motilada ao centro da provincia com offleios aos
commandanles dos destacamentos das villas de S.
Bento, Granito, Ouricury e da freguezia de Aguas
Bellas, no sentido de regressarem a esta capital as
pravas pertencentes aos batalhoes 2o e 7 de infan-
taria, remello o passe requisitado em dito offlcio,
para o transporte d'aquella praca pela via-ferrea
at a estago de Trombetas, cabendo-me dizer a
V. S. por esta occasio, que a presidencia nao tera
direito a dar transporte gratuitamente para ca-
vados.
Dito ao mesmo.Queira V. S. informar sobre o
que pede no incluso requerimento o sobdito bel-
ga Emilio Carlos Jordo.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de informar
acerca do (ue pede no incluso requerimento, o ans-
pecada Jos Patricio de Meodonca.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. S. de informar so-
bre o que pede no incluso requerimento, o leuente
reformado do exercito Francisco Gongalves de
Arroda.
Diio ao mesmo.Queira V. S. informar sobre o
que pede no incluso requerimento, Ignacio Joa-
quim de Sant'Anna.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Com os recibos annexps a conta que devolvo em
dupplicata, relativa a despeza na importancia de
6115680 feita com a conduco dos utenciiios do
2 batalho de infantaria, que foram recolhidos ao
arsenal de guerra, satisfago a requisico de V. S.
constante de seu offlcio de 29 de dezembro prxi-
mo passado, sob n. 773, e por isso pode mandar
indemuisar essa quanlia ao 9 batalho da mesma
arma, como recommendei em 3 d'aquelle mez.
Dito ao mesmo.Em vista da folha junta em du-
plcala e nao havendo inconveniente, mande V. S.
pagar os vencimentos, relativos ao mez de dezem-
bro ollirao ts ofliciaes empregados no recruta-
mento aesle municipio e no de Olinda.
Dito ao mesmo. Remeti inclusa V. S. para
os convenientes exames, as contasda receitae des-:
peza da enfermara do presidio de Fernando rela-
tivamente aos mezes de setembro e outrobro do i
anno prximo (indo, acompanhadas do parecer da
junta militar de saade.
Dito ao mesmu. Constando de offlcio do Exm.
presidente do Rio Grande do Norte de 29 de de-
zembro ultimo, que ainda nao leve execucao nes-
ta capital a lei d'aquella provincia n. 539 de 23
de junho do anno prximo passado, que por copia
acompannou ao offlcio dirigido por meu anteces-
sor a e.-sa reparlicao, em 30 do citado mez de de-
zembro, e a vista da qual deve ser pago um quar-
to addieibnal de um por cento aos cinco por cenlo '
a que esto sujeitos o algodo, assucar, coaros
salgados e outros gneros de prodaeco da mesma
provincia no acto de sua exporlaco, recommen-
do a V. S. -a expedico de suas ordens, se anda o
nao tiver feito, para que a mencionada le reja
executada com promptido na parte relativa a
esse imposto, conforme solicito aqaello presiden-
te no seu precitado offlcio.Communicou-se ao
Exm. presidente da provinc's do Rio Grande do
iNorte.
Dito ao mesmo. Haja V. c. de contratar com
brevidade e pela maneira que julgar mais vanta-1
josa a fazenda nacional o foruecimento de agua
para o consumo da fortaleza do Huraco e do labo-!
ratorio de fogos, visto que o preto canoeiro Agos- j
tinho, nao quiz sujeitar-se, como melhor se v das
informacoes por copia inclusas, a fazer o referido i
fornecimenlopelagratificacao diaria de 800 rs.
como V. S. propoz em seu "offlcio n. 747 de 21 de I
dezembro prximo flndo.Fizeram-se as necessa-
rlas communicacoes.
Dito ao mesra.A' vista do pret incluso man-
de V. S. adiaotar sem demora, como solicitou o i
commandante das armas em offlcio n. 7, desta da-
la, os vencimeBlos de 3 pracas de cavallaria que'
seguem em diligencia ao centro da provincia.
Comraanicou-se ao coronel commandante das
armas.
Dito aornesmo.Mande V. S. abonar em os de-
vidos lempos a consignajo de 10 mensaes que,
a contar do 1 do correte em diante, pretende
deixar do respectivo sold nesta provincia o alfe-
res do stimo batalgo de infantaria Joo Baptista
de Menezes, para ser entregue a sea procurador
Joaquim Rodrigues Tavarer de Mello.OIBciouse
neste sentido ao coronel commandante das armas.
Dito ao mesmo. Aunuindo ao que sjlicitott o
Exm. presidente daParahiba, ou ofHcio de 31 de
dezembro ultimo, sob n. 6441, recommendo a V.
S. a expedirn de suas ordens p*ra que na pri-
moira opportunidade seja remettido para all o
saldo existeute nessa thesouraria, proveniente dos
direitos d'aquella provincia arrecadados nesla.
Communicou se ao Exm. presidente da provincia
da Parahiba.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Garahuns.Por nao ter vindo sellada, nao
pode ser attendida, e devolvo a V. S. a petigao que
veio junta ao seu officio n 10, de 20 do mez lindo,
e em que o alferes da 5a companhia do batalho
n. 29 de infantaria da guarda nacional dessa co-
marca, Antonio Severo Lins. pedia guia de passa-
gem para a provincia das Alagoas.
Dito ao mesmo.Por nao ter vindo, sellado o
requerimento do tenenle-quarlel-mestre do bata-
lho n. 28 da guarda nacional dessa comarca,
Francisco Antonio Monteiro dos Santos, junto ao
officio de V. S. n. 12. de 20 de dezembro prximo
flndo, leve nesta data o despacho seguinte:sella-
do voltee o devolvo aqoi junto.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.De
conformidade com o aviso da repartico da marinha
1 de 20 de dezembro prximo flndo, aatoriso V. S. a
I mandar estender a illuminaco desse arsenal at
onde se acham as bombas de apagar incendios e
seus pertences, e collocar os bicos de gaz que
forem necossanos, na sala da esludo dos a prend-
zes arlilices, nao excedendo a respectiva despeza
de 167500 em que foi oreada segundo o seu offi-
cio n. 777 de 9 de novembro do anno passado,
i ficando V. S. na inteligencia de que ser satisfei-
i ta essa quanlia, loco que o Ministerio da fazenda
; autorise o supprimenlo della por cor.ta da que foi
' destinada para a verbaobrasdo municipio da
, corte no correnle exercicio.Communicou-se a
j thesouraria de fazenda.
Dito aos empreiteiros da ponte de ferro do Reci-
fe. Envi a Vv. Ss. para seit conhecimento e di-
reccao copia do aviso do ministerio da agricultura,
! commercio e obras publicas n. 34, de 9 de dezem-
bro ultimo solvendo a duvida proposta pelo enge
I aheiro fiscal das obras dessa ponte acerca da con-
' tradieco encontrada nos desenhos relativos a
| mesma ponto. Communicou-se ao engenheiro
fiscal.
Dito ao commandante do corpo de polica.De-
1 termine V. S. que daas pracas do corpo de sea
commando indo ao hospital Pedro II, conduzam
| d'ali para o hospicio dos alienados em Olinda, o
demente Manoel, crieulo.
Por esta occasio recommendo a V. S. que quan-
! do tiver baixa o soldado de polica, que est louco
; me communique islo mesmo, alim de se Ihe dar
igual destino'de accordo com a junta adminis-
trativa.
Dito ao director do arsenal de guerra.Remello
inclusos por copia o officio do coronel comman-
dante das armas datado de 31 dezembro proxinn
' flndo, e a relacao de ebjectos a que elle se refere,
1 para que Vine, faga recolher aos armazens desse
i arsenal os que foram dados em consumo menos os
lcncdos e camisolas de brira que q mesmo coronel
marnlon reduiir a pedacos para estraco de.
guez, segundo se affirmava ha poucos dias, chamas-
se a sua prejsenca o marechal Saldanha.
Um jornal de Lisboa dava como certa a salu-
da do min sterio do Sr. Joo Chrisostomo de
Ab eu e So iza c Mendes Leal, o prlmero da
pas a das obras publicas, e o segundo da pasta
(ios. Commanicou-se ao coronel commandante
das armas.
Dito ao mesmo.Remello nelus > o offlcio que
sob n. 28 e data de 20 de dezembro ultimo, me
dirigi o Exm. presidente do Ceara, alim de que
Vmc informe sobre a falta de 61 bornaes de brim
que se encontrn na remessa de artigos de farda-1 da iiarinha. por causa da siluaco que ultimamen
ment e equipamento feita no vapor Persinun- te t m tomado as negociacoes com a corle de Ro-
ga. j ma '/i sentaba passada, outra folha de Lisboa, as-
Dlto ao Dr. juiz de direito do Pao d'Alho.Rece- set rava qaj) mesmo antes da abertura do parla-
li a seu ofHcio de 21 de dezembro prximo (indo, I mei lo haviajrecomposico do gabinete, sahindo to-
e fleo sciente de ha ver Vmc. condemnado a i5 dias : dos >s ministros e (cando o actual presidente do
de priso simples e um mez de suspenso, grao:con elho, dqque de Loul, oncarregado de propor
mnimo do artigo 181 do cdigo penal, o 3* sup- ce roa o wjvo ministerio,
penle do delegado desse termo, Luiz Candido Car- Escusado) dizer-lhes que este boato foi logo
neiro da Cunha.Cemmunicou-se ao Dr. ehefe de desmentido pelos peridicos ministeriaes ; e creio
polica. | efectivamente que nao fundado.
Dito a cmara municipal do Recife.Responden- j Quanto feicao que apresentar a futura coma-
do ao offlcio que me dirigi a cmara municipal do ra; quanto j eslabilidade governamcntal da sua
Recife, em 17 de dezembro prximo (indo, pedindo maiprla, fazem-se muitos e muito encontrados jui-
autorisago para contratar com Manoel Al ves ;zos.| O mais! seguro, ser o que se flzer na 2* sesso
Dizem de Braga a 5docorrente que, o banco (porto) fez-se no dia 4do crreme, ao meiodia,o
Guerra o planto de arvores as pragas ras e caes
desta cidade, mediante condigoes seguras, sem to-
dava declarar quaes sejam ellas e por prego de
05000 cada arvore, cabe-me dizer a mesma c-
mara, que por ora nao e.-tou disposto a conceder a
autorisago pa-'ida.
do Minho vai en'rar muito breve no exercicio de
suas operagoes. Algumas pequeas difficuldades
que se haviam suscitado depois da eleigao dos go-
rentes, acham-so felizmente removidas, e bom foi
que se aplanassem, porque seria ama vergonha
para Braga, se, por pequenlnas Dagatellas, se dei-
xasse morrer nascenga um estabelecimenlo, que
tanto pode concorrer para o mximo desenvolvi-
mentodo commercio e da agrrultura.
Dos cavalleiros escolhidos para gerentes do novo
banco ha ludo a esperar, porque sao pessoas que
reunem a urna bem firmada reputago de caracte-
res probos, honraaos e intelligeutes, a circomsian-
cia de possuirem avuliadas fortunas. Srs. Joo Evangelista de Souza Torres e Almeida,
Francisco Casimiro da Cruz Teixeira e Manoel Luiz
Ferreira Braga.
A escollia nao podia ser mais acertada, porque
dillicil seria eneoutrar quem com mais zelo e acti-
vidade podesse
desempenhar to laborioso como
da legislatura, porquanto ordinariamente pouco importante cargo. A' grande pratica de transac-
proaanciadn a physionomia dos parlamentos no in-' ges e difTerentes negocios commerciaes que teem
troilo legislativo. los futuros gerentes do banco do Minho, accresce a
-- Foi suscitada urna quesio ltimamente en-; aptido e o zelo que todos elles teem mostrado, j
tre difTerentes peridicos governainentaes e oppo- como directores da compauhia geral bracarense,
sicionstas,! acerca da creago em Macu de urna j como directores do iheatro de S. Geraldo.
Dilo a ca. .ra municipal do Bonito.Cumpre escola de meninas sob a dirego, regencia e ensino Trata-se em Braga da construego de um tribu-
que a cmara municipal do Bonito remella com
urgencia as informacoes e copias das actas de que
trata o seu offlcio de 29 de novembro ultimo.
Dito a cmara municipal do Limoeiro. -Recebi
o offlcio que me dirigi a cmara municipal do Li-
moeiro, em 22 de dezembro prximo flndo, e em
resposta lenho a declarar-lbe que ser tomada em
considerago a petigo em que alguns dos mora-
dores da povoagao do Bom Jardim, pedem a crea-
go de urna cadetra de iostraego primaria para o
sexo feminino na mesma povoagao.
Dito a me-ma. Remello inclusa cmara mu-
nicipal da villa do Limoeiro a cerlidao aposenta-
da pelo respectivo juiz de direito, na qual esto do-
clarados os nomes dosjuizesde facto que faliaram
em difTerentes dias a sesso do tribunal do jury,
aflra de que a mesma cmara promova a arreca-
dago das multas impostas por semelhantes faltas.
Communicou-se ao predito juiz de direito.
Dito ao subdelegado da freguezia da Varzea.
Na inclusa copia do art. 1 da lei provincial n. 600
de 13 de maio do anno prximo passado, encontra-
r Vmc. os esclarecmentos que solicitou cm seu
offlcio de 30 de dezembro ultime, acerca da divi-
sao entre essa freguezia e a do S. Lourengo da
Matta.
Dito ao regente do hospicio de alienados em
Olinda Luiz do Reg Barros.Receba Vmc. e con-
serve nesse hospieio o preto alienado Manoel, visto
como nao se tem encontrado o vce-proveoor, a'.im
de dar esta providencia.
Dito ao escrivo do jury c execugoes criminaes
Esteves Clemente.Em vista do que representou
me o Dr. juiz de direito di I* vara resolv desano-
jara Vmc. a bem do servigo publico, afim de con-
tinuar no exercicio das lunegoes do sea officio.
Communicou-se ao Dr. juiz de direito da 1' vara
desta capital.
Dito ao capito Miguel da Fonseca Soares e Sil-
va, ajudante de ordens desta presidencia.Recom-
mendo Vmc. que entendendo-se com o coronel
commandante das armas dirija-se ao quartel da
companhia de cavallaria em Santo Amaro, alim de
que procedendo a um minucioso exame cont os
lampeoes que all existem e flzerm parte da ami-
ga illuminago desta cidade, dando-me parle do
numero que encontrar e do estado em que se
acham.Offlciou-.se neste sentido ao coronel com-
mandante das armas.
Dito aos agentes da companhia Brasileira de pa-
quetes a vapor.Podem Vmcs. fazer seguir para
o sul o vapor Paran, amanha a hora indicada
em seu officio desta data.
Portara.O vice-presidente da provincia, atten-
dendendo ao que requereu o 2 lente dn 4 bata-
lho de arlilharia a p Jos Antonino Ribuiro de
Freitas, e tendo em vista o parecer da junta mili-
tar do sade, resolre conceder-lhe 2 mezes de li-
cenga de conformidade com o dsposlo no art. 106
do regulamento de 27 de outnbro de 1860 para
tratar de sua saude nesta provincia.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de paquetes a vapor mandem dar transporte para
a capital do Maranho, por conta do ministerio da
marinha, no 1 vapor que passar do sul ao grumete
desertor do hiato de guerra Rio de Contas, Bernar-
nardo de Souza Barbosa.
Expediente do secretario doyevemo do dia 2 de
Janeiro de 186i>.
Offlcio ao Baro do Livramento, vio.e-provedor da
Sania Casa da Misericordia.S. Exc. o Sr. vice-
presidente da provincia manda commnnicar a V.
S., que pelo seu officio de 31 de dezembro flndo,
das irmas de S. Paulo de Chartres.
A escola' foi pedida por alguns habitantes de Ma-
cu, e approvada pelo governador Jos Rodrigues
Coelho do lAmaral.
O ministro da marinha j na sesso passaia do
parlamento foi aecusado por este facto, justitican-
do-se en to muito bem, por nao poder tomar reso-
luco alguma sem se informar offlcialmente do que
a tal respeito havia.
Agora yoltou de novo este objecto lela da dis-
cusso. O Diario publicou no dia 28 do mez pas-
sado os documentos, que na realidade sao muito
importantes para at certa poni justillcarem o
prneedimento. e principalmente para se concluir
que as irmas francezas de S. Paulo nao podiam
ser admitlidas a dirigir um collegio de instruego,
nal no palacio dos pagos do conselho. Para este
flm j a cmara municipal pedio autorisago ao
governo, e de esperar que elle mande applicar
para all alguns meios.
Sahio em Braga o pnmeiro numero litterario
intitulado Nova Athenas. E' impresso na lypogra-
phia dos Orphos e redigldo por alguns mance-
bos da classe escolar.
Acham-se quasi concluidas as obras do palacio
do governo civil. A nova escada que se abri li-
cou muito bem Ianga4a e elegante. As da ra
estrada, vo um pouco atrasadas, devido ao muito
invern que tem havido este anno.
Trabalha-se activamente nos preparativos da
grande exposigo internacional, estando a impri-
mirse a toda a pressa os programaras. Sao estes
segando .o sea proprio Instituto, nem o governo,; escriptos em portuguez, franeez e inglez. Os ni-
qua-expulsou de Portugal as irmas de S. Vicente timos sao publicados e distribuidos em Ingla-
de Paula, pode coherentemente consentir as outras trra.
"acu, ou to pouco demorar a existencia da E grande o numero de programmas pedidos por
regago. casas estrangeiras, tendo algumas solicitado j lu-
s ejitatutos das irmas hospitaleras de S. Pau-' gar no palacio. De algumas consta que pedirn)
ablfcados no Diario, claro que ellas tem por ja todos os esclarecmentos, e declarando que se
rgof nico servir e soccorrer a humanide en- esta^am combinando para concorrercm junios a
a du indigente nos Itospiaes e estabelecimen- j esta grande festa civilisadora. Entre estas, citarei
tosscmlhantes. a Companhia anonyma de Bruxellas, Sendel & Ha-
m disto, as irmas obrigam-se a passar a vi- 'gens, de Bremen, Bladeen & Prince, de Londres,
da pobre e laboriosa, e na escola de Maiu dos I Ailken & Rodger, de Glasgow, Laurenl el Vicel, de
estatutps que recbenlo ero seu proveito as mensa- Pars, Gran & Paschke, da Sazonia, e Gebr. Pap-
| penheim Eschwege, da Allemanlia.
E' presidente da exposigo S. M. el-rei 0. Fer-
idades.pagas pela alumnas.
V''M mesmo pelos documentos que o Diario deu '
estampa, que o ministro da marinha tem procu-
nand vice-presidents, os viconde d'Avila, conde
do termo do Recie,_Jaqdim Francisco da PaulajVado imformar-se e adquirir lodos os elementos, de Castro, visconde de Villa-Maor.
O grande conselho da exposigo compSe-se do
marquez de
para proceder com prudencia e energa.
J no lempo do governador vsconde da Prala
Gran e se tentou fazer a admisso em Macu das
irmas da caridade; porm elle sempre respoadeu
com evasivas a estis propostas.
1 presidente; visconde de Villa Maior,
i Souza Holsiem, econde deFicalho, vice-presidente;
] Sebastio Jos Ribeiro de S e Jos Joaquim Ro-
' drigues de Freitas Jnior, secretarlos honorarios.
Asi hostilidades das folhas da opposigo contra o Sessenta merabros, tirados das prlncipaes corpora-
g5es scientiflcas, technicas, industriaes, artsticas e
municipaes do reino, completro o grande conse-
lho. Entre estes, vem-se os nemes dos Srs. Joo
de Andrade Corvo e Fradeno da Silveira.
Pelo ministerio da marinha e ultramar se publi-
cou a seguinte portara :
Estando annuncada urna exposigo internacio-
nal, como j Ihe noticie!, que ha de ter lugar na
cidade do Porlo, no mez de agosto do anno proxi-
minisiro da fazenda continan) cada vez mais im
placaveis. A guerra tornou-se ltimamente airos-
sima. J nao a pessoa do Ilustre ministro qua
se discute ; nao sao os seus actos ; nao a vida |
publica do secretario de estado que est na arena
da discusso. Os tiros procuraran) a seu irmo, o .
actual commandante geral da arma de arlilharia,
Francisco de Paula Lobo d'Avila, que foi membro
da junta do Porto e ministro da guerra da junta, e
cumstancias horriveis; o assassinado era o advo-
gdo Agoslinho Julio. Poram condemnados os cum-
p ices.
Dizia-se porm que havia alm do perpetrador
do crime um mandante. Os tribunaes deixaram II-
libada a honra de Francisco Paula Lobo d'Avila
que os seus inimigos apontavam como interessado,
na morie do infeliz advogado. A historia tenebrosa
do assassinalo de Soululho correa de bocea em
' bpca pela provincia do Minho. A deciso dos tri-
i 6 .ra de,qUe enlritx^ e mez no diver-, pozera termo as imputacoes nao provadas
sos estabelecimectos a cargo da Santa Casa de Mi- ,ie ent5_ F y
queje pessoa muilo considerada por seu talento,. mo de 1865, e sendo de grande ereconhecido pro-
seryigos a causa da liberdade e energa. Ha pouco' veito que os productos daspossessoes portuguezas
foi-lhe confer la a medalha de ouro do valor mili- concorram a esta exposigo, mandn el-rei, pela
tari e a de prala de comporlamento irreprehensi- secretaria de estado dos negocios de marinha e ul-
vel ; tramar, recommendar aos governadores das pro-
A confederago rcagenica progressisla de Porlu-' vincias ultramarinas a prompla eeacta observan-
gal lemhrou-se, dizem, de offerecer o malhete (va-! cia do seguinte :
got de gr.-.m.-. aquello cavalleiro; muitos dos ami-| 1." Que devem desde loga intitar cuidadosamen-
gds da siluaco lembravmse da conveniencia de te o zelo de todos a quem competir ou interessar.e
Ihie ser entregue a pasta da guerra, sahindo o ge-; adoptar as providencias necessarias para que os
niral Passos, como se espera. Estando as cousas productos especaes das respectivas provincias,
neste ponto, a opposigo eseolheu-o para victima quer da industria, quer da agricultura, sejam re-
expiatona do prestigio proprio e muilo mais ainda mettidos para Li>boa o mais breve possivel;
d que seu irmo, o ministro da fazenda tem obli- 2." Que devem esmerar se em persuadir a todos
do pelo acert de suas medidas. Foi se desenterrar que neslas exposigoes nao se atiende s perfei-
um processo flndo ha quinze annos em que a re- gao absoluta dos productos, mas principalmente
gao do Porto havia pronunciado o seu veredic- sua valia relativa, ao seu prego, sua applicagao.
ti m. Houve nesse lempo um homicidio com cir- sua ulilidade pratica, d'onde militas vezes derivan)
ensaio geral do Te-Deum, composlo pelo pianista
Miguel Angelo e por elle offerecido commisso
do monumento, que na Batalha se erige memoria
do Sr. D. Pedro V.
Este Te-Deum hade ser executado, qoando, como
remate do mesmo moaumento, se collocar sobre o
pedestal a estatua do mooarcha muito amado.
O ensaio foi desempenhado pela capelta do Sr.
Silvestre.
A composigao merecen os elogios dos entendedo-
res pela propriedade cem que est escripia, nao se
amistando o autor do estylo drico, que o proprio
das composlgoes deste genero.
Tem pegas de magnifico effelto, merecendo es-
pecial mene.ao um quarteto e a fuga final.
A parle do orgo foi executada pelo autor.
Foi grande a concurrencia, estando presentes
militas senhoras.
Sahram luz tres fascculos do 2 volme
dos Xnnaes do nosso observatorio physico, corres-
pondentes aos tres primeiros mezes do actual anno
meteorolgico, dezembro de 1863, Janeiro e feverei-
ro de 1864. O anno meteorolgico conta-o este ob-
servatorio, como quasi todos os mais, de dezembro
a dezembro.
O pnmeiro fascculo contm : Descripgodo ba-
rmetro, thermomelro e psychrometro, (hygrome-
tro) de registro continuo photographico, pelo Sr.
Fradesso da Silveira Derrola da barca Mara,
pelo Sr. Brito Capello, Porto de Campo-Manir,
pelo Sr. Gama Lobo ; e as observagoes atmosphe-
ricas de dezembro de 1863, pnmeiro mez do actual
anno meteorolgico. Estas observagoes sao de ho-
ra em hora para o barmetro, thermomelro, psy-
chrometro, e velocidade do vento ; e de duas em
duas horas para os rumos dos ventos. Compre-
hendem alm disso os mximos incrementos e de-
crescimentos da presso, temperatura e humidade
do ar, e forga do vento ; varias confronlagoes des-
tes achados; o aspecto do co, e phenomeoos acci-
dentaes.
A publicago das observares magnticas seguem
outra ordem e pocas.
O 2. fascculo contm :
Descripgo do anemmetro de Liad e do anemo-
tro de Robison, pelo Sr. Fradesso da SilveiraFor-
ga dos geraes do ocano atlntico, pelo r. Brilo
Capello Posto meteorolgico do Porto, peio r. Ga-
ma LolioDescripgo do anemmetro e udmetro
de registro mecnico (reimpresso); e as observa-
goes atmosphericas de Janeiro de 1864, segando
mez do anno meteorolgico correte.
O 3. fascculo contm:
O telegrapho e a meteorologa, pelo !r. Fradesso
da Silveiraa Porga dos geraes (conlinuaco), pelo
Sr. Brito CapelloPosto da guarda, pelo Sr. Gama
LoboDescripgo do primeiro barmetropadro
do observatorio (reimpresso); e as observagoes
atmosphericas do raez de fevereiro, 2* do corrente
anno civil e 3* do anne meteorolgico.
No dia Io deste mez pelas 4,1, horas da tarde
se collocou a prirneira pedra da nova fabrica de
fundigo estabelecida no sitio do Ouro na cidade
do Porto, que os Srs. Luiz Ferreira de Souza Cruz
4 Irmo vo levantar.
Antes da ceremonia da bengo o Sr. Dr. Jerooy-
mo Antonio de Faria, leu um discurso adqoado ao
acto, exaltando o genio industrial do Si. Cruz, pro-
prietario da fabrica.
Concluida a ceremonia, que se fez com todas as
formalidades usadas em casos taes, oSr. Dr. Fran-
cisco de Paula Albano da Silveira Pinto dirigi
urna allocugo, que terminou com enthusiastices
vivas ao Sr. Cruz e aos operarios, que o acompa-
nharam, seus amigos leaes, assim como ao estabe-
lecimenlo, que se luvanUva, e que era a fabrica
do Bicalho, rejuvenecida e regenerada.
Ainda houve outro discurso, pronunciado pelo
Sr. Joo de Souza Soares.
Findos estes discursos assenlou-se a prirneira
pedra definitivamente, sendo langada a respectiva
cal pelo reverendo sacerdote, que langou a bengo.
e pelo Sr. Dr. Domingos Pinto de Faria.
A concurrencia foi muito numerosa; estiverara
presentes muilas senhoras e cavalheros.
sercorda os mordemos mencionados no referido
offlcio.
Dte a cmara municipal de Cimbres.S. Exc.
o Sr. vice-presidente da provincia manda declarar
a cmara municipal da villa de Cimbres que rece-
ben com o seu offlcio de 15 de outubro ultimo as
copias das actas das eleigoes de vereadores e juizes
de paz a que se procedern) nesse municipio ne
da 7 de setembro prximo lindo.
novas fontes de riqueza e de commercio
3." Que todo o producto apto para permutagoes
muito digno de altengo, e por isso os producto-
res nao devem hesitar em remetter quaesquer ob-
jectos por considerarem que sao de pouca valia c
nao merecem as honras de figurar n'um grande
concurso ;
4." Que Ihes cumpre enviar todas as indicagoes
relativas aos pregos dos productos que remetieren),
ao valer annual da produego de cada expositor ;
ao numero de bragos que empregar e respectivos
salarios, prestando igualmente informagoes pelas
quaes se conhega qual a extenso que tem no paiz
a produego dos objeclos cujos especimens forem
mandados dita exposigo ;
&.' Que muito convm que os difTerentes exposi-
tores, declarem logo se aolorisara a venda dos
respectivos productos, (inda a exposigo, e bem as-
sim se annuem a que se possa dispor dos que lo-
rem mandados como simples amostras.
Pago, em 3 de dezembro de 1864.Jos da Silva
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIAS BO DIA
RIO DE PEBSAHBCCO.
UNMA.
18 de dezembro de 1861.
Cartas de Roma dirigidas ao jornal fraocez Le I
Temps, que se publica em Paris, dizem que o ma- '
rechai Saldanha de vera voltar a Roma para apre-
sentar a sua santidade as suas cartas credenciaes,
isto as cartas que do por terminada sua ein-
baixada na capital do mundo catholico.
A poltica de hoje foi exhumar o cadver do as-
sassinado ; desencjntou os boatos, aecusa altiva, e
bate em brecha, com o clamor de immoralidade o
JDverno porque nao condemna ao ostracismo o ge-
eral Avila, em vez de Ihe dar um commando im-
poriantissimo e de Ihe cobrfr o peito de honrosas
distincgdes.
Foi o Nacional do Porlo que levantou o brado.
Os outros jornaes da opposigo fazem-se-lhe echo,
primando em virulencia o Jornal do Commercio e a i Mendes Leal.
: Revolucao de Setembro, A cmara municipal do Porto, deliberou so-
A corporago da artilharia faz protestos honrosos! bre_uma proposta do viscnde de Figueiredo para
para abonar o conceito que Ihe merece a pessoa do! que' a cmara solicite autorisago do governo para
| general Avila. Este, diz-se que prepara activamen- desde j, e sem as formalidades do costume, poder
| te um folheto para elucidar a verdade dos factos;' contrahir um emprestimo extraordinano de......
i mas ate agora ainda nao respondeu com urna un- j 25:0005000, destinado s obras e mclhoramentos
I pa phrase aos doestos e analhemas. Hoje vem nm municipaes, que a exposigo internacional que se
jornal descalpando arleiramente o general, com j
requintadas ironas para mafs fundo Ihe cravar na
Se assim o marechal Saldanha ou regressa a
reputacao as settas da offensa.
; Amanha, pede-se o perdo do assassino de
'Agostinho Julio, que est na cadeia, veltao e pen-
te, visto que se deixam liberdade e honraras aquel-
lo que aecusam como mandante do crime. E' urna
verdadeira montara, mas nova, orignalissima,
triste por causa da imprensa, triste peloeffeito que
ha de ter produzido l fra ; triste pela impresso
Lisboa ou vai representar Portugal em alguma ou- que deixa em todos os nimos ; triste emflm por
tra corle estrangeira. |'
Os boatos a este respeito nao sao conformes. Uns
dizem que o marechal volta decididamente para
Lisboa, e outros, pelo contrario, querem que se Ihe
tenham feito reiteradas instancias para aceitar ouf
tra misso diplomtica.
E' certo que se disse ter o papa escripto um i
carta a el-rei o Sr. D. Luiz, sobre o conflicto di
confirmago do blspo de Macu, mas nao se divu -
goulo conleudo dessa carta pontificia.
Eis-aqui urna noticia da Poltica, jornal de Ma-
drid, que me parece de muito interesse para esta
questo.
Suscitou-se altlmameraerTim conflicto ntrela I
corte pontificia e o govenrt portuguez, a proposito
que se argumenta com a venalidad de julzes de
segunda insUnc.ia, hoje mortos ou aposentados, que
a voz publica podia ter deprimido, mas que nao fo-
ram condemnados por tal.
Ha dias, qnando os jornaes publicaram um an-
nuncio do tribunal de fallencias inglez, prometien-
do cem libras de premio a quem prender Mr. Hall
Gladstone irmo do actual ministro da fazenda da
Gra-Bretanha, por ter fallido, e depois se haver
ausentado para parte incerta com valores da massa
fazam aqu as folhas hostis ao gabinete portuguez
um paralelio atroz entre a mora'idade ingleza e a
de Portugal as regides do governo.
s folhas ministeriaes refulam e dizem ser tudo
calumnia. As adversas nao cansara. E' um espec
de urna questo que exisle ha mais de um secufo, i taculo novo, mas u:<) tanto cannibal. A justileago
e que se refere nomeaco do bispos portuguezes plena do general Avila nao se far esperar, assim
no Indosto e no indo-China. O papa manifcsiam a se er geralmente, mas creiam que este episodio
el-rei de Portugal que eslava resolv do a tomar poltico ollerece novidade mas altamente descon-
uma medida grave, e embora nao dissesse ciara- solador.
meato qual ella seja. Por mais este motivo sa julga que a prr i Esta rwoinco fez com que o governo por a-- sessio parlamentar dever ser agitada,
prepara nesta cidade, torna indispensaveis. E' de
crer que o pedido da cmara do Porto nao deixar
de ser attendido.
As obras do palacio de crystal progrdem com
admiravel rapidez, e exclam tanto o interesse e
curiosidade do publico, que todos os das para all
corre urna romaria de gente.
No dia 4 nao eram menos de mil pessoas que no
campo da Torre de Marca (hoje de D. Pedro V) aa-
davam a ver as obras do palacio, jardins e alame-
das. All tudo movimentn e actividade.
A sociedade do seguro de vidas, denominada
aProvidente, fundada e administrada pelo ban-
co Allianga, da cidade do Porto, tinha no dia 23
do mez flndo 589 siihscrpgoes com uin capital
subscripto de 233:169#000.
A sociedade comecou as snas operag5es ainda s
em 4 de agosto do corrente anno ; e poi aqu se v
0 impulso, que em lo pouco lempo ella tera toma-
do, e que de esperar contine.
No dia 29 do mer. flndo, langou-se n'agua a
barca Firmeza, no estaleiro do Ouro (Porto) per-
tencente aos Srs. Antonio Lua Gomes Lima e An-
tonio Cardoso dos Santos.
No mesmo estaleiro estao quasi promptos para
ser langados agua mais dnus navios, um d'aqoi
a 15 dias, e outro para os lins do mez.
E' o primeiro a barca Nova Palmara, proprieda-
de do Sr. Joaquim Adrio da Rocha de Lessa da
Palmeira, e o segundo a Santista, propriedade bra
lleira, c de que aqui consAgoatario
teiro Leao.
1 -* o mag/siosQ templo de S. Bento da Victoriav heraaea
Concluida a ceremonia, e antes de ser abena a
leuda, 0D que se achava um bem servido lunch, o
Sr. Francisco Antonio, proounriou um discurso,
que, como os outros, foi muito applaudido.
Eslava ama banda de msica, a de cagadores
9, e houve muit fogo do ar, sendo a musir e
o fogo custa dos operarios que se quotisarara
para esse fim, porque quizeram tomar parte activa
em funego de lano gosto para o sea chefe.
0 local da nova fabrica achavase lodo embandei-
rado, assim como os pontos principaes da fabrica,
que por ora esta em barracoes.
E assim conlinuou, em exposigo at ao dia
seguinte s 2 horas da tarde.
Foram mandados melter em processo tres
facultativos, que estando o outro dia no Gremio
litterario se recusaram a ir prestar os soecorros da
medicina a urna mulher que se linou pouco lempo
depois.
Sahio no dia 5 do corrente para os portos
das nossas conolias da frica occidental, o vapor
Inglez Earl de Grey, que o governo freou para
esse flm.
Conduzio este vapor o reverendo hispo de Ango-
la e a sua comitiva, alm de mutas ostras pes-
soas ; islo 60 passageiros ae todo.
O Sr. Carlos Testa, foi despachado, por por-
tara de o, para reger por dous annos a radeira de
direito martimo internacional da escola naval.
Um despacho de Londres do dia 3, diz o
seguinte:
Londres, 3.O ministro americano no Rio
de Janeiro, foi censurado pelo sea procedimenlo
no incidente do vapor Floiida, capturado pelo
Wassuchct -na Baha; o governo de Washington
promelteu completa satisfago, mas as regioes
ofliciaes do Rio de Janeiro duvida-se que se d essa
satisfago.
El-rei o Sr. D. Luiz, em consequencia de ter
sido no dia 2 o anniversario natalicio de S. M. o
imperador do Brasil, dea um jantar no pago le-
gagao brasileira.
O vapor americano Sacramento, surto no Tejo
tambern embandeirou, e salvou com 21 tiros.
Diz-se que esta saudago do commandante do
vapor Sacramento ao anniversario natalicio de S.
M. o Imperador do Brasil, veio confirmar a noticia
de haver o governo dos Estados-Unidos desaprova-
doo procedimenlo do commandante do vapor Wat-
schel as aguas da Babia, quando captaron o
vapor Florida dos estados confederados americanos
do sul.
uiz-se que o governo americano resolver dar a
satisfago pelo o insulto feito ao Brasil com a cap
turago do vapor Florida.
L-se no Popular jornal de Coimbra:
i O nosso patricio o Exm. Sr. Manoel Freir de
Andrade, coronel reformado do exercito brasileiro.
fez doagao de todos os seus bens a Santa Casa da
Misericordia desta cidade, cora applicaco a sus
lentago dos orphos dos collegios da mesma Santa
Casa, e querendo desde j desfazer-se das suas
quintas da Cruz dos Marougos, fez venda Ollas,
entregando o sea produelo que parece foi de
l:5W)iO0O Misericordia, para que pondo este
capital a juro, va accumalando o >eu rendimento
o Sr. Mon-! ao mesmo capital at sua raerte, por occasio da
qual a Santa Casa tomar eopVl de toda ta
-i---------
->
i


J>
I
n
i
__________.
Diarlo de Pernambnco Quinta felra 5 de Janeiro de 1 65
A mesa la Sarita Casa vai pedir licenga a este esquadras franceza a hollandeza sistissom as fu-
tienemerito e phylantropico cifladSo, para coiiseo-1 liebres cerf monas.
tir em ser (irado ja o scu retrato, para enllocar na | O Sr. Eduardo Clarke reside ha muitos atos
gallera que pesque dos numerosas lerufc llores dos a Japo; souue alcangaf a conflanea da^ueHe
orphos, das viuvas e dos desfavorecidos da for- poros, e pela sua influencia ten ooruervaao no
luna. melhor p a hossas relagdes com o governo'da-
Sahio no dia 30 do mez passado, do dirjoe a quelle imperio,
corveta Sagres, tendo medido mu novo" qeijo, Est em Lisboa lia poueos dias Mr. Rochet,
peca importante construida pela primeira ve estatuario italiano que tolo autor do monumento de
bo nosso arsenal de mariaba. P*dro I do Brasil, e vern ao concurso para a feitu-
Logo em seguida enlrou no mesmo diqoe a cor- ra do monameato de D. Pedro IV,
\ta Goa, aflm de limpar e rever o fundo jnrta- Segundo consta, o numero dos concurrentes
mente porque *em de desempenhar urna impertan- superior* 60. ...
te commi.-sao longqua. "" A companhia do caminlio do norte e leste ja
A Toa vai a Macau e Tmcir onde conveniente apresentoa no ministerio das obra publicas o re-
o apparecimento de wn navio de guerra. qoerUesto para as expropriag5es que se fazem
Parece que esta corveta far escala por Mogam- desde o arsenal do exercito at eslagao actual
t,que daquella linha frrea, para o largo e ra em frente
A sabida da divisao naval para o Rio de Janeiro da nova eslagao.
e Rio de Praia, qee na minha Itima lhe dizia es-1 As expropriagoes sao na importancia de perto
tar para lao breve, (con demorada pela necesslda- de -900 sontos de res.
de de tazar entrar no dique a -corveta Bartholomeu Annunna-se giande movimento no tabaco,!
Has, o que se verifica luje oa amanha, doude se logo que acabe o me-nopolio. So na ra do Ciliado
presume que antes do flm de mei nao sahiro. abrir-se-ho des estancos, on tojas de vesta de ta-1
Os preparativo estavam todos fritos quando se baco. Os mais importantes sero o estanco dos ac-
deu orrtem para esta demra imesperada. tuaes contratadores ; o dos antipos caxas do ecn-1
ConiiRiiam os trabamos deestudo docaminho trato, estabelecnlo na loja oode eslava aotes o sea
estanco,o de nina companhia fra necia ou belga,
que se estabelece na loja da esquina do predio na
ra nova da Trindade, onde agora est um eslabe-
lecimento de venda e comestiveis e vioho.
O inqueluio desta loja tinha-a trespassado para
tem o publico sabido acerca do atnctecimento da
aguas.
O ministro nao se tem delle descaidado, prepa-
ra-se, conforma consta, para dar-lbe prompla con-
cluso.
Segundo se affirma, o rio Arviela a principal
orlgera d'oade Lisboa pode ser convenientemenTe
abastecida, e anda que, para isso, a despeza nao
pode deixar de ser absolutamente avullada, pare
lar de curador feral das herancas jacentes e bens
de difuntos e ausentes do termo da capital da pro-
vincia da Baha ;
Carlos Angosto de Sqiteira, ajudante do admi-
nistrador das apatazias da alfaadega da corte,
para o logar de administrador.
lor decreto da^referida data foi exonerado do
lugar de inspector da Uiesouraria de fazenda da
provincia do Moranho, Andr Cursino Benjamim,
de ferro da Regoa at larca de Alva.
O tragado dos dous primeiros kilemetros da pri-
meira serian (Regoa ao Piulio), que termina na
Quima da Vacraria, foi remetlido, ha cerca de
duas semanas, ao inspector.
__No da 7, em beoelicio da atriz DelphiBa, foi urna mercearia, recebendo pela chave 500*; o
scena, no thealro de D. Mara 1L a comedia dra- merceeiro trespasson-a a companhia franceza ou
ma do >r. Florencio Sarment, intitulada No lempo belga, que llie deu pela chave 9003 I
dos FYnnrezes. Desle modo o merceeiro ganhou sem nenhum
E' o beneficio de ma das mais talentosas actrl- trabalho a somma de 4005.
zes porluguezas e a eslreia de um autor dra- A renda da loja de 500,3.
matico. ^a lJa on(je eslavo o chapelleiro Solero, tam-
l-rei o Sr. Fernando no dia 5, no paco bem se abre um estanco, pertenceote urna casa
das Neeessidades den um jamar ao seo angosto hollandeza de Amsterdam.
filbo, el re o Sr. Luiz, Jamar para que foi con-1 Na praia de Santos, segundo consta, estahele-
vidado o duque de Loul. cen-se tres fabricas, outra em Belem, da nrma
Alarmase que o ministro da guerra val vi- Pinto 4 C.
corosamenle promover as demoligoes de qoaesqaer O estanco que a compaDhia ranceza ou belga
edificacSes, que se achem as esplanadae dos rar- estabelece na loja, a esquina d? ra nova da im-
tenos, a beira mar, e pragas de guerra, dentro da dade, no Chiado, segundo dizem, sera um estabe-
areia do 600 bracas, lecimento de muito luxo.
Aecresc-nla-se, que nao tardarao talvez dias que Dizia-se que o governo propna na propna
se nao expegam as ordens para formar processos sesso algurnas modillcacSes importantes no sys-
xontra os que fnvadirem os terrenos do estado, tema tributario, tendentes a augmentar os rend-
contra as preserpgdes do repulamento provisional mentos do estado.
do real corpa de engenheiros de 1812. Foi nomeado vogal elTectivo do conselho das
Eta-se imprimindo. na imprensa da univer- alfandegas o Sr. A. J. Dnart Nazareth.
sidade, a traduegao do drama intitulado, As Dra- j Foi elevado dignidade de grao-cruz da
gmalas de Luiz XIV, feita pelo Sr. Valle, estudan- i Torre Espada, o conde de Carapanlia, ajudante de
te do quinto an no jurdico, precedido de nraa bella campo de S. M. el-rei D.Fernando; comeados
iotrodurcu sobre a Importancia e influencia do commendadores da mesma ordem, o conselbei;o
catholicisuK), comparado com o christianismo puro: D. Antonio Jos de Mello, chefe da primeira atrae-
dizem ser obra muita para lr e apreciar. cao do miblsterio da guerra o Sr. Jos Mara Bal-
Consia ter chegado um navio carregado de dy, rom mandante da segunda divisao militar ;
tabaco, cojos direitos subiro ao valor de 200 commendador da erdem de Christo e Sr. Altano
cont,. j de Miranda Lemos; ecavalleiros da Conceigao os
governo geral de Angola narra em diffe- Srs. Eduardo Ta vares, segundo oflkial do tbesouro
rentes offlcios um caso succedido no porto de publico, e Luiz Augusto de Lemos, negociante por-
Loanda a um navio portuguez de nome Annibal tuguez na cidade do Rio de Janeiro.
O caso contado pela seguinte maneira : Foi apreseutado ha dias no minlslerio do rei-
No dia 4 de setembro ultimo fundeou no porto no, um phenomeno que admirou lodos quantos o
de Loanda o brigoe Annibal procedente de Lis- virnrn.
boa. Qaando ainda se aehava a bordo as visitas' E um rapaz de idade de vinte e dous annos, na-
de polica, alfandega e capitana de porto, atraccu, luial da Guarda, que lera de.altura, quando muito
ao navio um escaler da corveta a vapor ingleza cerca de sessenta centmetros.
Archer, snrta naquelle porto, subindo ao brigoe I Apezar da excessiva pequenez, a cabera e de ta-
nm offlcial, com o flm de tomar-lhe o registro, ao, manho natural; mas nao tem barba,
que o capilao se negou. Alm da cabera, tem o tronco, que, com quanto
O capite do navie achoa rslrani.0 este facto e de acanhadas diuieases, completo; sendo inlei-
participou ao director da alfandega e este ao go- ramente desnrovido de bragos e pernas.
vernador, que em seguida exigi lego urna expli- Para escrever, serve-se da bocea com a qual
ca^ao do cnsul inglez sobre aquelle facto. agarra a penna.
O cnsul iBglez respondeu duendo que o offlcial O seu rosto prasenteirn, e parece qne disfructa
da corveta jlmttr nao tinha ido boTdo, lomar i sande, com ser disforme aborto. Pode tambem ex-
o registro do Annibal, mas sim suppondo vr da i ercer todas as fuocgoes.
Europa, Iba dsse noticias, e se tinha trazido no- Em 30 de novembro ultimo, tinha o banco
vidades. Parece que o capite do Anntba, tratara ; Uniao obtido 6.899 subscriptores por um capital de
o oficial da Archer incivilmente, e que por isso : 2,513:3055000 para a sua secgo de seguro mutuo
houvessem estas reclamagoes. de vida.
O governador sa>fez-se completamente com as E' chegada a poca principal de subscrever para
expheacoes dadas pelo cnsul inglez. | esta til iostiiuigo, para comegar a vigorar o se-
0 goverm acaba de ordenar por portara do guro desde o primeiro de jauciro, em que princi-
ministerio da fazenda de 29 do mez fiBdo ao pro-' piam os quinquenio^.
curador regio da relagao commercial, que em har-1 E' de esperar que at entao augmente conside-
monia com a legislacao applicavel se instaure im-! ravelmente a subscripgao do banco Uniao.
mediatamente no juizo de primeira inslancia cem-1 No m do mez comegaram os trabalhos da
mercial de Lisboa a competente acgu contra a collocacao de doze para-raios no edilicio da alfan-
commissao liquidataria, que representa hoje a ex- dega grande de Lisboa. Ja chegaram os mate-
" riaes.
Por aviso de 22 do cor rente, foi nomeado o ca-
pito-lenente Heurique Antonio Raptista couiman-
dante da corveta eneonragada Brazil.
cera, todava, insigoiScante, se altendermos im- chefe de sacc.ia da thesouraria do Rio Grande do
preterivel necessidade da obra, a se ponderarm is ,sul ; e demit'ido Eduardo Vax da Carvaitto, aovni-
tambem que a agua, como objecto de (irmeira ne- tistrador das capalazlas da alfandega da corte,
cessidade, e de abundante cousummo cm una vas- p0r portara anda de 21 de dezemhro de 1364.
ta povoago hade por forca dar logar a mu eres- ro imadado addir alfandega da corle, com os
cida receita. i vencimentes de segundo cocironte da mesrna re-
fio Jornal de S. Pelersbunjo l-se nm artigo particao, o administrador demltiido das capalazlas
necrolgico relativo a nossa compatriota a Sra. Eduardo Vbz de Carvalho.
condessa D. Julianna de Slrogonow, que ha pouco
falleceu n'aquella capital.
As grandes distinc^Ses que recebeu a Ilustre fi-
nada durante a sua looga residencia na Kussla,
vem all descriplas; foi condecorada com as mais
disuadas nroeai do Imperio, leudo a grande hon-
ra de receber o retrato de sua mageslade a impe-
jatriz para usar delle, como ordem, dlstincgao es-
la a maior que pode receber urna seuhora no im-
perio da tama.
O mais lisougeiro para a Ilustre Gnada, era de-
ver todas estas distiacg5es, que tanlo henram a
sua memoria aos relevantes servicos que lizera a
favor das classes infelizes.
Eslabeleceu as primeiras salas d'asylo, as qaas
serviram desalas modelosa muilas outras que
depois se crearam no imperio ; e fui eleta ma|s
tardedireelora d'aquelles eslabelwcimento, elel-
go que por muitos annos se repeli cora applausb
geral, sendo sempre confirmada por decretos im-
periaes em que se agradeca a nossa Ilustre com-
patriota os grandes servigos que prestava as clas-
ses desvalidas.
Os seus ltimos momentos foram os de urna ver-
dadeira chrisia. A idade e a falta de torgas cor-
taram-lbe a vida, mas at aos ltimos momentos
oceupeu-se sempre dos asylos das classes iufelizcs,
as quaes dedicava a sua existencia havu muitos
tela real oompanhia nias ilircanlU para haver
del la o pagamento do importanlissiino saldo de
res 647:4355150, que aconta corronte da mesmaines d'Aguiar.
companhia com o Ihesouro publico aprsenla a fa- Esto encoramendados
A direcgo est commettida ao Sr. Joaquim Nn-
vor de>te.
No primeiro dia do correte foi assignado o de-
crete nomeando o Sr. Alfonso de Castro governa-
dor da provincia d Tmor.
Bievemente parle pelo Mediterrneo para Bata-
via, onde esp. rara pela corveta Goa, que leva tro-
pas, cora as quaes entrar em Tmor.
A mesma corveta trara para Lisboa o governa-
dor Moura e seu secretario, para responderem pelos
seus actos.
Os Srs. condes dejnafiel deram no dia 5
deste mez um jantar atfSr. Roure, enviade ex-
traordinario e miniftro plenipotenciario do impe-
rador dos Francezes junio esta corle. Foi grande
o numero dos convidados, c entre eliescontavam,
se os condes de Lumiares, |conde de Musquitella,
viscoodes de Almeida, e o filho do vscoude de
Santa Isabel.
Foram agraciados com a commend de Chris-
lo o Sr. Jos Dogo Masrarenhas Mousinho de Al-
buquerque, e com a da Conceicao os Srs. Sebaslio
do Canto e Castro, e Joaquim 'Nones de Aguiar, e
eom o titulo do conselho de Sua Magestade os Srs.
Joio Palta de Faria Lacerda e Manoel Jos Julio
Cuerra.
Foi publicado aqu o seguinte annuncio :
DA SOLIDAD.
Das causas que a fazem amar das snas desvan-
tagens, e vantagrns c da sua rnfluencia sobre as
paixes, sobre a inaugoragao, sobre o espirito, e
sobre o corago.
Por Joo George Zimmermann. Traduzida em
romance por Casimiro Jos de Moraes Sarment,
doutir em sciencias sociaes e jurdicas, e advoga-
do dos auditorios da cidade ao Recife.
E' esmerado em Lisboa o principe Othon, Ir-
man de -un Magestade a raiuha Mara Fia.
Sua Alteza couta 18 annos de idade, e dotado
de um talento raro.
A as Ultramarino, flcou adiada para 16 do crreme
mez, per nao poder o governador do mesmo ban-; sanies
co, que se acha gravemente enfermo, ultimar o re- > boa.
e comprados, notos
apparelhos luminosos para os phares da Guia e
de Nossa Senhora da Luz, bem como um pharul
para o forte de Santa Martha, prximo de Cas-
caes.
Procedeu-se j ao enflamento necesserio para fa
cuitar a entrada da barra de Lisboa, durante a
noite, pela combinago das luzes de Sania Martba
e da Guia.
Este inelharamento requisitado pelo corpo com-
mercial de Lisboa, vae em breve reahsar-se.
Foi vendida por cinco contos de ris (mais
tuslo mecos tustao) a galera russiana Arthur que
esteva muito lempo no Tejo, tendo a quilha por
prtalo e que loi eondemuada por innavvgavel.
Faila-se que vae ser reformado o quadro dos
empregados da cmara municipal da Lisboa, e pa-
rece que foi nonieada urna commisso para esse
um.
Diz-se tambem que o servigo dos incendios tam-
bem vae ser reformado, na capital.
No da 8 do correte o novo inspector dos
incendios passou revista no campo de Sant'Anna,
ao pessoal e material dos incendios, que o se-
grate :
5 carros de escadas, com 20 homens cada nm,
100 homens.
15 bombas, cada urna cora 14 horneas, 210 ho-
mens.
i bomba do commercio, com 22 humeas.
1 bomba a vapor com 22 homens.
1 carro ua ferramenta com 12 homens.
Cada bomba tem om primeiro e nm segundo pa-
iran, e 1 aspirante, que vem a ser 51 homens.
E' pois o pessoal do servigo dos incendios, alm
do inspector e do sen ajudante, de 417 homens.
A bomba e o carro de escadas do arsenal do ex-
ercito, quando sabem para os incendios, sao con-
duzdos por aguadeiros dos chafanzes da Praia, e
de Deutro; mas nem esta bomba, nem o carro,
nem a gente que os cunduz, iro revista.
Alm destas ha a bomba da alfandega com pos
apparelhos, e a da escola normal de Lis-
gulamento interno, e relatoro do conseibo da ad-
minislrago, trabalhos a seu cargo, de forma que
os podesse no dia 1* apresentar.
Foi no dia 7 de manba capturado pela poli-
ci;do governo civil, o editor responsavel do Luci-
fer, Joaquim da Assumpgo Guedes, que est pro-
Foi proposla no tribunal do commercio de nuuciauo, sem flanga pelo enme de exlorquir dt-
Lisboa, a acgo dos accionisias dssidentes do Por- j nheiros a varias pessoas com ameagas de publca-
te contra o respectivo governador, o Sr. Francisco | gao de latios desairosos.
de Oliveira Chamico, pora o flm de se desligarem
do banco.
O8r. Chanco, negociante muito conhecido:pessoasd'elrei.
O preso tambem est pronunciado pelo crina de
abuso do liberdade de imprensa, por injurias a
esteve gravemente doente e em perigo de vida, es-
ta felizmente livre do perigo.
O Diario poblicou a participarlo offlcial do
naufragio do brigue sueco Diana, feila pelo oten
Eslava elle pcrleitameiite bom, elaborando o re- denle da marrana do Porto, em que pereceram 4
latono que tinha a apresentar no dia 2, na assem-'
bla geral do banco Ultrarorrino, que estava con-
vocada, e coordenando as coalas com que tinha de
acoinpanhar. Sanio do banco para ir jantar, mas
foi-lhe aecessario voltar mmediatamenteeconti-
nnnu nos trabalhos.
Foi um excesso, que pooco lempo lhe demons-
tran nao devera praticar. Aehoa-se incommodado,
e j d'aJH fui em bracos para casa.
Brioso como ferido na lealdade do sen procc-
dimenio, disem que o magoara em demasa ora
pessoas da trpulagao.
O Diarib de Lisboa de 6 do corrale publica
o seguate desmentido:
t Tendo algons peridicos afflrmado e deffendi-
Je que dera o governo ordens ao Sr. conselheiro
Jos Ferreira Pestaa, novo governador geral da
India portuguera, para que se demorasse em al-
gom porto da Italia, declara-se que absolutamen-
te destituido de fundamento semelhanic boato.
Sua mageslade el-re o Sr. D. Luiz recebeu
novo protesto, que lhe tinham intimado os dissi- na segunda feira o Sr. Mathias de Carvalho, direc-
dentes do Porto, duvidando da exislencra dos .... lor da casa da moeda, que teve a honra de lhe
500:0005, cora que tora aotorisado a fuaccionar o apresentar o dlslioeto grabador belga Carlos Vn-
banco, e pretendendo por isso embaragar-me a ac- ner.
gio das snas operagdes. Entrn no Tejo o vapor franeez ArAche, vn-
As aegoes qoe feaiisaram a entrada dos 23 p. e. do do Mxico com um batalhao de 1,500 pragas,
excedem a 20,0004 pols mais qoe o aecessario. qne relira-se para Pranga. Picoa de qaarentena.
E j se v iue os 5 p. c. entrados no acto, nao fa-1 .- '.^ -- ..
zem parte daquelle fundo de 500-0005 "belliao Antonio de Abranches Loelho, ja
Acba-se em Lisboa Mr. E-iua'rdo Clarke M resiiiuido, como era de jnstica, ao sea lugar,
cnsul portuguez em Kondagavra no Japao. I O Sr. Manoel Lotireneo Baeta Naves, bene-
Este cavaheiro veio de propo>ito daquelle Ion- *r"o poringuex, residente em Barcarena; no
giquo imperio a Portugal, para contrecer o paz Brasil, juntou s muttas e generosas provas qne
que tao dignamente representa. repetidas vexes tem dado do seu patriotismo e do
Em 186 toi Sr. Claike qoem com e tolo de MB erra natal, mais urna eloqaente signi-
ancarregado de negocios de_S. M. F. ratiBcon o De*ao-
tratado entre Portugal e o Japo, eoncorrendo para Aquelle bom portoguez mandn para a Igreja
3ue de todos os tratados que por essa occaslin se pamehial de Cadafax, no conselho de Goes, otn or-
zeram com aquella potencia, fosse o nosse o que gao com doze registros para ser collocado no cOro,
se celebruu Com mais vantagem. e alm disso 300 varas de panno de algodao de
O 8r. Charke ao receber a infausta ova do fal- Minas, para no da da colloeago do orgio, na
lecimenlo do 9r. P. Pedro V a de sens augustos ir- mencionada igreja, serem repartidas por 100 po-
naos, mandn fazer, a expensas suas, exeqoias bres, reda um dos qnaes receber tres varas,
solemnes por alma do chorado monarrha ede Sms Depois que o ministro das obras publicas den
Alteza, consegrando para tornar este acto mais companhia das aguas o flm a qne ella de fea tnul-
imporlaute, quo os almirantes e efflciaiidade das lo se havia coodemnado legalmente, pouco mais
Por portara de 21 da correte foram Romeados:
Antonio Flix do Reg Pinto, para o logar de
agente do comi da villa de Cabrob, na provin-
cia de Pernambuco, vago por fallecimento de Ro-
n ano Francisco dus Santos;
Antonio Cavalraali de Albuquerque, para o de
ajudante do agente do da villa do Altiaho, na
mesma provincia ;
Joaquim Gongalvcs Meirelles, para o de agente
da villa da Uniao, na provincia doPiauhy, vago
por rallecimento de Honorio Jos de Salles.
" 27
Enlrou honlem do Ro Grande do Sul, onde tora
levar o t0 batalhao de infamarla, o paquete a
vapor Prnceza. As folhas qoe nos trouxe adian-
lam apenas quarro das s que recebemos pelo
Gerente, isto a 2! de corrate.
m dia 20 desembarcara e for aqaartelar as
trlncheiras o referido batalhao.
Por cartas do Jagurao chegaaas no dia 18 cons-
tara que o no.-^o exercllo de operages chegra
percuntando repelidas vezes comVmhjr do arroio do hospital ao Serr Blanco e que dalli
.angue-fro, ao seu medico asistente, se lhe resU Si,h'r? Pa[a r|acao do Pere.ra, cammho de Pay
ram ainda alguos momentos de vida para tomar As mesmas cartas noticiara ter chegado
as ultimas disposicoes a favor daquellas classes e fl*" e'3^ u"i major da partida do Sr. Fide-
da sua familia nsqne se aehava na Cachilla Grande reuniodo
Com a mair coragem e animo deu as ultimas torfs: e a puem se tinham apresentado muitos
ordens sobre a forma do seu funeral, morreado oldadps e alguos offlciaes do partido otoo,
abracada cruz do Redemptor, depois de ter re-
sendo recebido pelos ?rs. quartel-mestre general,
ajudante-general interino e seu ajudaota de ordeas
efeefe da eslago naval Parker, befe de divisao
Laraego, director do arsoaal seas ajudante*.
Immediatamente um dos ajudantes de campo de
S. M. levarftou vrvas 9. M., famiha imperial e
ao exercito branleiro, que foram fervorosamente '
correspondidos, e traramittio as ordaos necessarias,
para comegar o embarque e dstribuigao da tropa
lelos vapores Oyapock e Cruzeiro do Sul.
No acto do embarque deu se nm facto solemne.
O Imperador, que nao despegara os olhos dessa
porgo de bravos que marchavam sastentagao de
nossos direilos, iMiidaa vir istia presenga lodos
os offlciaes, e a todos abracou como om pai extre-
ino abracara os Albos na hora da despedida, agra-
decendo-lhes a promptido com que acudiam ao
cebido os ltimos soccorros da nossa santa reli
gio.
Eis a iraducgo dos delalhes do seu funeral que
o mesmo Jornal de tf. Pelersburgo publicou ; e pe-
las honras que se lizeram filustre tiuada pde-se
avallar o quanto eram apreciadas as suas alus
qualidades na corle do grande imperio da Russia.
i 0 funeral da Sra. I) Juliana Slrogonow cele-
brou-se hoje, 17 de novembro. A missa fuoebre
foi caolada na igreja calholica de Santa Calharina,
assslindo urna assembla numerosa, da qual fa-
ziam parte sua alteza imperial o prncipe Nicolao
Maximlianovtch Romanowski, duque de Leuch
Da fronteira de Santa Victoria havia noticias
at 15 do crrente. Eis o que escrevem ao Dia-
rto do Rio Grande :
.. Nos aqu vamos sempre de sobresalto em
sobresalto. Quamto pensavamos que os taes ofan-
cos nos tinham deixado com o espirito socegado,
pela retirada que thifiam feilo para o centro de
sna repblica, eis que de novo voltam. e acha-se
urna forra de 700 e tantos homens commandada
pelo coronel Apparicio, na Mariscal' e outra di-
visao ao mando do coronel Joo Ba.rios, na villa
de Rocha.
A forca de Apparicio voltoa do passo de Bar-
rancas a marchas toreadas e oceultas, a ver se
temberg, e sua alteza imperial' o principe deffl- W?1 '^e,.9?'?tal10lT,orSl8,,JM
deniburco aehava acampado no Bal de egnuda, em descuido,
Quasi todos osmembros do corpo diplomtico Pela retirada que aquelies tinham feito;eisto
esuvam presentes, tendo sua frente o embaxa-1 S?22 2 n,5 fo,Se T mmen} a"3ado>..I"!
dor de Hespanha. 15r [" deram lempo a fazer montar a cavallo e
Eutre os altos dignatarios do imperio via-se o. *"^diaate delles, passando a galope no passo
vicechanceller do imperio, e adjuucto do ministro. ds Pedrns, para o outro lado do Cebolaty.
dos negocios cstrangeiros, e ministro do interior,!, Tem entrado estes das muitos emigrados e
nimios offlciaes generaes, altos funcionarios, etc. familias bras.leiras, que anda se conservara pr
O lado esquerdo da oavo estava oceupado pelas '.s0 com J"' da approximasao delles (os
seohoras. eputagoes de creaogas das diUtretes, bancos) e Braz.leiros nao esperara lao pouco, por
salas do asylo rodeavam o fretro.
o Imperador velo de Toarsko-
Sua Magestade
Seto, para assistir sabsolvigoes.
Acabadas as orag5es dinglo-se o prestito fne-
bre para a estago do eaminho de ferro de Tsurs-
ko-Selo, aonde espera va um trem especial, que
conduzio os despojos moraos cidade onde a Sra.
condessa D. Julianna Slrogonow traba mostrado
desejos de ser sepultada.
O carro fuoebre era seguido das pesseas da fa-
milia e dos raeinbros de adranistragao das salas
de asylo, o precedido das insignias das diffe.ren(es
' quo os que elles agarrara vao servir na nfantaria.
Finalmente, aqu estamos entregues Divina
Providencia e sujeitos vontade dos blancos ; por-
que se os taes bandidos qutzerem nu intentarem
invadir nossa fronteira, elles que tm talvez 2,000
homens, qaem so lhe pode oppr ? a gitarnigo do
Chuy e de S. Miguel, que consta de 150 guarda
naeinaes de cavallaria, eem Santa Victoria 60
soldados de linha ? E' mesmo urna miseria.
t Me convengo qne elles nao fazem correras no
nosso territorio, nao que lhes falte vontade, mas
porque ternera algo em sua retirada : cnmindo, a
Os servigos prestados pela companhia augmen-
tara de dia para daa, a trteos oomsige o augmento
das rendas que tae sensivel se lera tornado entre
nos.
Coolinue alia com a pontoalidado, ejoe a tem ea-
racterisado, que nm da tero lim os sacrificios
que tem feito, a contina a faam
Coosta-nos qoe o hiate Sant'Anna, sabido do
Aracaly, para o nosso porto, e do qual era mestre
o Sr. Alves. sossobrra na ahora de pono com o
morro do Cuma Alagado. Qoo a lancha fura ter
praia no Cruar, assim como um caixote eom
peanas de ema, que fazia parta 4a carga do mesmo
hiate.
Nenhuma noticia ha da fasta one com indo tana
probabilidade do se haver salvado as saccas do
algodo, que compunhara o seu carregament, al-
apnello da patria. | guias das quaes de presumir viessem noconvs.
No semblante desses militares transluzio radioso ] Consia-nos mais que vmha algum dinheiro para
orsulho, e o prazer que expressavam apagando os ser entregue aqni.
tragos da saudade revelava quanto se peuhoravara \ Admira-nos que ain la se conne iocertexa de
peta prova de alTeelo que lhes dava o monarcha. ; viagens de navios a vela, e a mos de passsgeiros
Nao lcou esta ah ; |ior ordem do Imperador, quanlias as vezes grandes,que alias sao cooduzidaa
destaeou-se um soldado de cada batalhao, e a cada MOje pelos vapores com toda a seguranga por frates
um abragou S. M., dizendo-toe que transraittisse i nimio ridiculos.
esse abrago aos seus camaradas. o hule Artista que do nosso porto bavia sa-
E-ta nova demonstrago de amor o patriotismo hd0 para o do Aracaly, achava-se fondeado lora
Mstra o mais vivo enthusiasmo tanto na tropa que tomando algodo, e ja havia perdido doas ancoras
embaruava como as pessoas que assistiam a sua e parie das torrentes.
partida ; e de tolos os labios, ou antes de todos os i i)eva seguir para aqal no dia J oa 3 do cor-
coragoes, prororaperam repelidos vivas ao impera- rente.
dor, aos valemos que partiam, e a cada corpo, cu-! Veio honlem, com clfeilo, a bordo do Tocan-
jas bandas exeeulavam uesse momento o hymno /ms o Exra. Sr. marquez de Olioda. Desembarcan-
nacional. o no caes 22 de novembro, d'ahi seguio para a
Hourando os defensores de sua patria, recebeu Bai)iugao da Exma. viuva do commendador Ma-
assira o imperador urna prova del da dedicagaoque noe| Goucalves da Silva, onde acba-se hospedado.
os anima quando o dever os chama ao campo da' por avso do ministerio da fazenda de 23 do
bataJna. torrente, foi prorogada por mais cinco mezes -
Foi urna mamfenagao esplendida, urna scena subsiiaic*o sem descont das notas de 2005 da 2*
grandiosa; de um lado, o monarcha demonstrando e 3. e-tainpas, deveudo comegar no da de maio
ao exercito o grao elevado de sua sympathia e so- 8 descont na razao progressiva de 10 /. em cada
licitude, do outro, exercito e povo associades na j inez>
mesma mogo, applaodiodo o monarcha nessa ex-1 Chamamos a attengao dos nossos leitores para
pansao dos seus sentimentos. I um arIg0 MUH publicamos na nossa otUva pagiea.
Si Magestade dirigio-se depois para bordo do da peona do Sr. Joo da Silveira Borges tavora,
vapor Oyapork, onde assislio ao embarque do 7 S0Dre uma questao rajtorUute do nosso direilo.
batalhao de nfantaria, e seguio para o Cruzeiro Reparticao da polica.
do Sul, qoe j tinha recebido os outros enrpos. Extracto das partes do da 4 de Janeiro da
Em ambos esses vapores Sua Magestade foi sau-, 1865.
dado com estrepiteso* vivas, regressando ao arse-1 Foram recolhldos casa da detengao no. dia i
nal de guerra as 11 3/1 horas. 0 correnta :
Segundo nos consta, a direcgo deste estabeleci- A' ordem do lUra. Sr. Dr. chefe de pol icia, Fran-
mento esraerou-se no tornecimento dos arligos pre- cisco, africano livre, por infraeco de posturas.
cisd< para a tropa : vai toda ella convenientemen-1 a' ordem do subdelegado da Boa-Vista, Antonio
le fardada, equipadla e bem moniciada, sendo a ar- Lino dos Santos, por ferraentos ; Joaquim da Pa-
lilluna raiada e do m-Hior systema e as armas
portatiis de fogo a Mini, de uma das melhores fa-
bricas da Europa, accreseendo que conduz todo o
aba racamento que lhe compete.
go e d^anada^tova^^e" TtofoSfc xisteacia dessas torgas na vizrahanga dn< fronteira
veU segundo o tosturae. ^ nos ajo* nada, e. ^jg*^ g -*
INTERIOR.
RIO DE JiMllHO
2i> de dezembro.
Pelo miaisterio do imperio expedio-se, em 23 do
correle, aos blspos das diversas dioceses o aviso
seguinte :
t Declaro V. Exc. Rvm., cm aditamento ao
aviso de 30 de julho de 1862, que, quando V. Exc.
Rvm. renovar as provisoes de nomeagao de sacer-1
dotes estrangeiros para contiouarem na mesma ou
diversa parochia no exercicio do cargo de vi-
railias e .ligninas tem j retirado-se para o inte
rior.
O que posso afiangar que se os taes bandidos
se approximarem de nossa linha, vista do desa-
nimo que existe nos habitantes, val haver uma re-
bordosa diablica.
Estamos em projeclo (os habitantes de Santa
Victoria) de f irtiflcarmos a povoago, tapando as
embocaduras das ras jnnto praga cora tijollo,
taboas, barricas eom ara, etc., etc., para, no caso
de invaso, defencrmos nossos inlercsses a todo
o transe ; pois a populacao bstanle numeroa e
todos somos soldados. u pondo a familia a salvo
tico descansado, eson ura de tantos que havemos
disputar nosso solo palmo a palmo.
L-se na snpraciada folha com data de 20 :"
Consta-nos que o Exm. Sr. presidente da pro.
vincia querendo providenciar a respeito da segu
ciencia, por embriaguez.
A' ordera do de S. Jos, Antonio Jos e Felicida-
de Pires da Luz, por disturbios.
A' erdem do da Capunga, liara guacia da Luz
e Rrasiliana Auaslacia da llesurreico, por desor-
dem.
A' ordem do do Peres, Manoel Jos Mara, por
crime de ferraentos graves.
O chefe da 2* secgo,
J. G. de Mesquita.
Passageiros do vapor nacional Tocan tins,
viodo do Hio de Janeiro :
Exm. marquez de Olinda e 1 criado, Dr. Fran-
cisco Carlos Brando e 1 escravo, Dr. Cicero Alves
dos Santos, Dr. Ernesto Feliciano da Silva Tavares,
Amelia Januaria de AadraoV, Manuel Ferreira da
Fonseca Lyra, soa mi, irma e 1 filho, Joo An-
tonio Cardoso, Francisco Xavier Correa, Antonio
Ferreira de Oliveira, sua senhora, I filho el.s-
crava, Mathide Urobelina do Carino e 1 nina, An-
tonio Ignaro Cardoso, J. G. Moreira Lumachi de
Mello, Antonio Marti os Pereira, irmaa Alies, Mi-
guel Marques Nogueira, Francisco Aoastacio Pires
Loureira, 7 ex-pragas e 1 escravo a entregar.
Seguero para o norte :
Antonio Joaquim de Magalhes Castro e soa se-
nhora, Marcos Bricio Partilho Bentes, Joaquim Al-
ves Feitosa e sua senhora, Auna Felicia da Annun-
ciago de Lima, Fehsberto Gomes de Argollo Fer-
"" '' ---------- I rao, 1 nlho, 1 nelo e 3 oscravos, Luiz da Franca
L-se na Revista Commercial de Santos de 24 do I ira da Silva, Antonio Cyriaco de Souza Caldas,
No da 21 do crreme fallecen na sua fazenda
no municipio de S. Joo do Principe e sepultou-se
no cemiterio da villa o Sr. desembargador Jos Ri-
cardo de Reg.
S. Exc. servio como juiz de direilo em diversas
qrovlncias, presidio a de Minas, e por vezes a do
Rio de Jaiwiro.
'Fallecen e sepnltou-se honlem no cemiterio de
S. Fraocisco de Paula o Sr. commendador Joaquim
Antonio Caminha, chefe de divisao honorario, ex-
intendente da marraba e chefe da secretaria da
Santa Casa da Misericordia e da empreza fune-
raria.
Tambem fallecen honlem sbitamente o Sr. ba-
rio de Cayrd, Beato da Silva Lisboa Exercera o
finado o eargo de ministro dos negocios estrangei-
ros em 1832 e I8i6, era commendador da ordem
de Christo, gra-cruz das ordens de Nossa Senhora
da Conceigao de Villa Vigosa de Portugal e de S.
Iinnario Honra de Franga e da real ordem b*lga de S. Leo-
poldo, e membro de varias associagocs scientiucas
e luteranas.
corrente :
t Arrbou no dia 22 dn corrente a este porto o
brigue nacional Argonauta, capilao Antonio Fran-
| Francisco Maooel Pioheiro, Jos Mana H.-ut Ra-
| cellar, Jos Rodrigues de Azevedo, Dr. Maras Al-
1 ves de Vascencellos, Francisco Antonio Cariro
da Cuniia. Jos Mara Correa de Fras, Trajanc
gga iasr.taf.ss5ESE3flS5a5
para o K10 da Prata. I ... ,K'K i\,.a \v..\ ,....- .^ 1 .,r.
par

pode
Consta que por Talla de vento favoraval nao I f^O Roubach DavidI Weil Arlhur Aron Uzare
consegrar aWida no porto de Sania Catha- Levi fraile Levi Ignacio da Costa Gadelha, 16
ria, e proe.urou eu&> esta barra, onde enlrou com ^%Sfc Maceio .
t'Hl
gario cncommendado, deve solicitar a approvagao ranga edefesa das nossas fronteras de Quarahv e
de que trata o mesmo aviso, e de que depende o S. Borja, a-aba de ordenar a organisago de uma
pagamento das respectivas congruas. ; divisao ligelra de guarda nacional, que sera com-
_____ posta da segrale torga :
'"" A divisao lera duas brigadas e cada uma des-
Expedio-se pelo ministerio da guerra aos presi- tas a torga abaixo mencionada,
ntes das provincias o aviso seguinte : 1* brigada.Compe-se :
_ .. ..___. 1 Dos corpos ns. 22 e 23 com 806 pracas da
Tf!Ld0 r!!^d._^T^q"f,d?.ra1,)!S:!r^ "arda nacional do commando superior do i Bor-
ja, qoe se chamaran a servigo de destacamento,
de
disposigo contida na ordem do dia n. 270 de 20
de julho de 1861, relativamente s inspeegoes das
pragas de (.re do exercito, declaro V. Exc, para
seu conhecmento e execugo, que d'ora em dianle
as mesmas inspeegoes de vem ser le tas por ordem
dos commandantes das armas, e as provincias
em que os nao houver, por determinagao dos res-
pectivos presidentes, licando assim revogada aquel-
la disposig.
entrando no numero desta torga 400 guardas na
conaes que ja haviam sido chamados a servigo
telo general em chefe.
Dos corpos os. 10 e II de 403 pragas cada
um da guarda nacional do mesmo commando su
agua aticrta
Consta-nos que j se procedeu a uma vistoria
do navio.
Mutas vezes j qneixamo-nos do receber
Jomes das provincias do norte pela mala da cap- j
tal de S. Paulo. \
t 0 mal contina e parece nao ter remedio, llif
je as cousas vo a melhor.
t Procuran lo hontem na agencia desta cidade a
nossa corresoondenca dos portos do sul, vindo pelo
Impciador, encontramos entre ella jomes da Ra-
na, que como o Sr. agente nos disse, vieram por | = TETfi
este vapor.
t Se verdade o que nos toi afflrmado, felicita-
mos o correio pelo progresso no seu expediente.
DIARIO DE PERAMRUCO
O vapor Tocantins. chegado hontem larde dos
portos do sul, trouxe jornaes do Rio al 27 do pas-
sado, da Baha al 1 e de Alagoas at 3 do cr-
renle.
Rio oe jANEino.-Por decretos do 26 do passado:
Foi penloada ao reo Joo, crioulo, a pena de ga-
les perpetuas a que tora couderanado ua provin
Parte hoje para o Rio Grande do Sul no vapor
Gerente, em commisso do governo, o Sr. tenente-
general Joo Frederico Caldwell.
Fira o seu immediato enearregado da direcgo
da repartigo do ajudante general.
uh, U-8u..ua.,r.U.,<.. uo ...esmu uumi.mnuu su-j j s de homicidio, a
perior, que ja ex.sl.am em servigo de destaca-1 FXJ^a a cumpri'r no anQ0 e im
Fui remettido ao arsenal de guerra pira bordo
do vapor Crnz"ro do Sul ao qual vai servndo de
armamento, nm parque completo de artilharia de
bronze de calibre 4, do systema de Htte.
monto
t De toda a guarda nacional de infantera do
servigo activo do referido commando superior, que
se manden chamar a servigo de destacamento.
a 2* brigada. CompSe-se :
t Do corpo n. 17 J destacado da guarda nacio-
nal do Quarahy, com 403 pragas.
< Do dito n. 18 j destacado, e da mesma guar-
da nacional, que se mandou elevara 403 pragas.
Do dito n. 1 com 403 pragas da guarda na-
cional da Cruz Alta, que se chamaro a servigo de
destacamento.
De dito o. 21 com'103 pragas da guarda nacio-
qne se mandou chamar a ser-
do infamara do
Quarahy, que so
nal de Quarahy,
vigo.
De toda a guarda nacional
Fallecen e sepultou-se aole-hontem o Dr. Anto- referjdo commando superior de
no Ferreira Pinto, lente da Faculdade de medio- mandou chamar a servigo.
na do Rio de Janeiro, uma das inlclligencias mais Foram nomeados para com mandar esta torga:
vigorosas, e muito respeitado pela sua sciencia e: Commandaote da divisao, o bngadero Da-
' vid Caaba rro.
i < i* brigada, comraandanie o coronel Antonio
Fernandes Lima.
< 2* brigada, comraandanie o coronel Joo An-
tonio da Silveira.
Corpo n. 17, commandante o tenentecoronel
- 26
Por decreto de 21 do corrente, fez-se merc a
Pedro Henriques de Almeida Seabra, do foro de
mogo tidilgu com exetvicio na casa imperial.
Por cartas imperiaes da mesma data toram na-
toralisados cidado brasileiros os portugoezes Pe-
dro Fagundes de Lemos, Bernardino Jos Teixeira
Rodrigues e Jos Terquato Nogueira de Ssuza.
Por decretos de 23 e 24 do corrente foram no-
meados :
O juiz da direilo Pedro Francolino Gomares,
chefe de polica aa provincia da Babia ;
O bacharel Felppe Dallro Castro, juiz munici-
pal e de orphos do termo de Jacobina, aa mesma
provincia;
Francisco Manoel da Cunta Junor4 capilao se-
cretario geral do commando superior da guarda
nacional dos municipios de, Carurup e Turiass,
da provincia do Maranho ;
Foram dispen>ados do exercicio por lempo inde-
terminado :
O coronel commandante superior da guarda na-
cional dos municipios de Pombal e ann>-xns da
Benlo Martius de Mcnexes.
c Lonsta-nos tambem que o Exm. Sr. presidente
deliberou dar erganlsagao regular s torgas que
reuni o 9r. general Netto, para o qne as constitu
em brigada, e nomeou a este commandante da bri-
gada.
c A brigada flcou com a seguinte torga :
c O 4* corpo de guardas nadonaes do comman-
do do tenente-coronel Camillo Mercio Pereira.
c O corpo o. ti, organisado das torgas reunidas
pelo dito general.
c Para este corpo j nomeoo S Exe. os respec-
tivos offlciaes, bem como para uma companhia
avulsa, para a qual j havia torga, devendo esta
companhia servir de ncleo s numerosas reunides
que se esperavam, com as quaes se organisar eu-
tro corpo.
As folhasa qne nos temos referido dando as no-
ticias receidas pela fronteira do Jaguaro, do ata-
nrovmeia Parahvba Dan le Oliveira 1ne de Pyand e do anrisionamento do vapor
cional da coraarcade Sobral da provincia do Cea- Tm^!6 qrl,?n^ L "S Tr,Tt
r Joaquim R.beiro da Silva ; de Mato-Grosso. E>ta noticia quanto a nos, nao
btommte,eoronal commandante do baulho de J^*^"i"^aen? rTh?^ eDC0D'
iofanunan. 26 da guarda nacional da provincia ^r^lTJZ ^,,^
do Maranho, Joao Manoel de Magalhes.
nem as
outros acon-
Por decretos de 21 de dezembro de 1864 to-
ram nomeados:
Francisco Jos Games Pereira, contador da the-
souraria do Maranho, para o lugar de inspector
da mesma repartigo ;
Jos Carlos Pereira de Castro, ebefe de secgo
da thesouraria do Maranho, para o lugar de con-
tador da mesma repartigo;
cartas por onde seubemos daquelles
teetmentos.
Por noticia particular, communicada ao gover-
no, consta qoe as torgas reunidas tomaram Pay-
sand.
Foram comnladas
Em 10 annos de priso simples a pena de 15 an-
nos e dous mezes imposta aos reos Jos Leandro
Cavalcanli, M noel Fraueisc.o de Souza, Jus Viei-
ra da Silva, Joo Rayinundo Cavalcanli, Loiz Kan-
tista Fialho e Agostinho Jos de Souza, pelo jury da
villa de Porto Alegre, da provincia do Ro Grande
do Norte, no anuo de 1851.
Em 3 annos de priso com trabalho a pena de 6
annos e mulla, a que foram condemnados os reos
Joo dos Sanios Prazeres e Manoel Ui-siderio da
Silva, pelo jury da capital da provincia da Babia,
no corrente anno.
Era qnalro annos de priso com trabalho a pena
de oito annos de galos a que foi condemnado o reo
Antonio Pedroso de Mello pela relagao do Mara-
nho no anno de >8S7.
Por portara da mesma data, foi nomeado
Conrado Ernestina Xavier Ramos, pira agente do
correio do Limoeiro, em Pernambuco, vago por
exonerago de Marcelino Alves Pereira ; e foi de-
m'ntido de ajuoante da mesma agencia, Rento Jos
Gongalves Guimares, i seu pedido
Baha. Entrara o brgue-barca ltamaracd, no
da S 0 do passado.
Acha-se no porto a galera americana Kate
Prince, que foi visitada em riagem pelo vapor Se-
nendoah, e cuja entrada lora prohibida, pelo go-
verno imperial, nos portos do imperio.
Sahiram para Pernambuco, a29 do passado-
brigue mperatriz Thereza, patacho D. Luiz e bar
ca ingleza Elisa.
PERNAMRUCO.
Verlflcon-se hontem, conforme annunciaramo?, o
embarque detropa para o Rio da Prata.
O 1* batalhao de artilharia e o I* de infamara
apresentaram-se no arsenal de guerra s 8 1/2 ho-
ras da manhaa, e alli em columnas cerradas espe-
BaVhaVeic'arios de Souza' Martins para o lugar raram as ordens do embarque elTectivo.
de procurador fiscal da thesouraria de fazenda do As 9 horas chegon S. M. o Imperador acompa-
Pituhy i nhado de seus semanarios, ajudantes de campo e do Aracaty em direitura, com
Bacharel Arsenio Rodrigues Sellas para o la-' ministros da justlga, dos eetrangeiros e da gnerra, I godo.
REVISTA DIIAIA.
O empedramento da roa Imperial achando-se
muito deteriorado, convm que se cuide de fazer
desde j os respectivos reparos, pois do contrario
em pouco haver necessidade de emprehender-se
nm empedramento geral.
Nao ser possivul aoSr. fiscal desta freguezia
de Sanio Antonio reparar para essa fonte d'agua
ptrida, que manando de ura quintal, se desusa
pela roa do Cabug a embriaqar o olfacto dos mo-
radores e transentes 7
Ha quem diga que elle o pode fazer, mas nos que
somos um pouco espirito forte, queremos velo para
crer.
Pela cmara municipal desta cidade distri-
buem-se exempiares Improssos, em que exposio
um novo methodo para a plantaco do cafeeiro.
Pelo ministerio de agricultura, commercio o
obras poidicas foram nomeados os Srs.:
Joo Eugenio da Trindade para ajudante da
agencia do correio oa cidade da Victoria.
Manoel Isidro Falconieri para igual lugar na vil-
la de Bezerros.
O vapor Mamanguapt da companhia Pernam-
bucana, enlrou honlem em nosso porto, procedente
715 saccas de al-
FraOcisco Ribeiro Pinto Guimares, Joaquina
Ponles Miranda, sua senhora e 2 escravos, Joaquim
Luiz Culho, Francisco Vae Pereira, Carlos Andr
Auslin Jnior e Felppe Gendolfe.
Passageiros do vapor Parahyba, vindo de Ma-
celo e portos intermedios :
Antonio Augusto Pereira da -ilva, Antonio Jos
de Viveiros Sabugo, Joo Augusto de Carvalho Ma-
rloho, Pedro Ciaudino Ruarte, Bernardino de Aze-
vedo Cruz, Antonio Jos de Shjueira PraVres, Do-
mingos Jos Souza Peixoto e 2 manos menores,
Miguel Ro-
dolpho, Francisco Ferreira dasts de Amorim, Joo
Nunes Trigueiro, Jos Manoel Baplista e 1 nlho
menor, Almeida Guimares, Joaquim de Souza Sil-
va Cunha, sua senhora e i criado, Pedro da Miva
Reg, Belarmino Pinto de Araujo, Manoel Jos de
Amorim, Manoel Jo.- de Lima, Antonio Ferreira
Prado, Dr. Francisco Jaeralho de Sampaio, Vctor
Acioli Wanderley, Dr. Miguel Feiippe da Costa,
JosHygino Albuquerque, Jos Goedes Nogueira,
sua seuhora e 2 escravos, e 1 praga do "' b.ulbo
do exercito.
Movimento da casa de detengao do da 2 de
Janeiro de 1865.
Existiara....... 392 presos.
Entrara 111...... 14 >
Saturara....... 10 >
390
A saber :
Naeinaes..... 315
Estrangeiros... 16
S
Estrangeiras... S
Escravos...... 45 >
6
390
Alimentados a costa dos cofres pblicos___157
Movimento da casa de detengao no dia 3 de
Janeiro de 1864.
Existiam .
Entrara m.
Sahiran..
390
11
11
Existcm...... 30
saber :
Naeinaes..... 317
presos
Estrangeiros...
Mulheres. ....
Estrangeira....
Escravos......
Escravas......
17
6
2
42
6
390
Alimentados a custa dos cofres provinciaes, 157
Obituario 00 cbmitrrio publico no da 2 de
JANEIRO DK 1865.
Anua Mara de Oliveira Medeiros, Pernambuco, 27
annos, casada, Boa-Vista ; eclampsia.
Antonio d Moita e Silva, Pernambuco, 34 annos,
Boa-Vista ; phly.sira pulmonar.
Joo Francisco Regs, Pernambuco, 56 annos, ca-
sado, S. Jos ; epilepsia.
Maria, frica, 60 annos, soileira, escrava, Boa-
Vista; entorile.
Maria Ftorinda Gomes, Pernambuco, 18 annos, ca-
sada, Recito ; molestia interior.
Daroio, Pernambuco, 25 annos, solteiro. escravo,
S. Jos ; ttano. \
Maria Jos da Conceigao, Pernambuco, "" ?nno#,
soileira, Boa-Vista ; bexlgas.
Julia Maria Boulogue, Franga, 38 annos, casad)*.
Boa-Vista : surrhu do estomago. \
Bemvindo, Pernambuco, 2 dias, S.Jos; espasmA.
Pamilla,-Pernambuco, 2 metes, S. Jos ; convo-
s<3es.
Joo Jos Pereira de Lyra, Pernambuco, 33 anno*,
casado, Recito ; hypelrophia no corago. >
Januario, escravo, frica, 95 anuos, solteiro, Sanfo
Antonio ; paralisia.
Felismina, Pernambuco, 18 motos, S. Jos
vulsdes.
GOBRESPORDEIICUS
s, S. JoavcoW
CUS \
Srs. redactores. Casada com o Sr. Aurelio
s da Costa, altores do stimo baulho
tarla de linha, aeompanhei mea marido
corte, quando seguio para all a ala direit destec
Larelio lo-
do in fja-
lo pira} a

1
~4-


Dterf fl> IVitmMw ttriirr tetra ft # ><* d #
trno, no Brme proposito de ir em aoa .companhia
para qualquer parla onde o destino e a honra {mi-
litar e a do pafz exigissem a sua presenca e ser-
?COS.
Chegando ao Rio a aU esonarda, emtwroou o
ly, consignad* a companhia Peraambueana, manl-
Para os fuzileiro) navaes.
Grvalas da couro da lastre.
Para os imperial ruarioheirw e aprendizes
Utos.
Lencos de seda preta.
festouo segulnle
50 saceas com 306 arrobas e 25 libras de alo
das ; a Parate Vianoa.
. 93 ditas eom 361 arrobas 1 libra de algodao ;
batalhao para o sul e per ordena do gaverao im- .a Franciscj Gomos da Mallos Jnior.
paria! segndo rae afflrmarara, nao se permiiiio as 16 ditas com 52 arrobas o 17 libras do dito : a
esposas dos offlciaes acompanhar scus maridos, Francisco Antonio Guiraaraes de Mallos,
pelo qae o meu, entregndome sos cuidados do 189 dita* com 902 arrobas 21 libras de dito; a
Sr. capitn Lyra saa familia, que vial para Jos de S Leilo Jonlor.
Pernambueo, aqui chegoet hontem no vapor Te- 246 saceas com fOii arrobas o 89 lloras d* di- esguucha*, $ escrivaniahas de metal, 20 laoieruas
camlms ; mas, Srs.redactores, qual nao foi a mi- dito; a L. A. Siqnetra. de palate, 20arrobas de raialhar branca, 100 pe
nha sorpreza, ao apresentar-se-me a bordo a mi- *2 sancas com 64 arrobas e 31 libras de dte ; jas de merlun, 40 arrobas do chambo em barra,
nha bagajera, e quinde vou aarir o mea bah a Fraaelseo Rodrigues de Andrade. SO escotas ingleza, 3 duxias de la bas de cedro
para tirar a roupa de que precisa va, vendo o mes- j Barca ingleza Wuwlrf entrada de New York, de 3|4de grossura, preferndose as de maiox com-
ino bab feriado, a (echadura reprenda, e al- censijraada a Phipps Brothers & C. maniteslou o primelo.
tando-me a importancia de tres mezes de sold que segninte : Sala do conselho de compras navaes de Per-
rneu marido me liavia dado, e a maior parle da 3,360 barricas farinha de trigo ; a Phipps Bro- narabuco 30 de dezembro de 1864.
roapa qae traiia, deixando-se-me qaasi nat I f thers & C Alexandre Rodrigues dos Aojos
50 votanses candeeiros, chamins etc.; a ordem. Secretario.
Barca ingle mon, entrada de Philadelphia, I Existe nesla subdelegaba, e ser entregue
eonsigaada a Matbeus Austla & C. manifesiou o a quem provar pertencer-llie, duas cabras, sendo
segninie :
5:160 barricas tartana de trigo, 300 barriqni
Para Lisboa
O veleiro e bem eonbecido brigue portugus
ConctirSoAe Uitita, eaptfo Janunrio Jos de O-
veira, pretende seguir eom mura brevidado, lem
Recorr ao Sr. coramandaote do vapor, e a en-
tras pessoas que se acluvatn presentes, e neehu-
iaa providenciaoative, nanlium caso sa fez de mi-
nhas queixas 111
Eis a sorte quo aguarda a familia de um servi-
dor do estado 1 daqaelle, que a estas horas est : Has bolaxioha 1,080 resmas de papel de orabru
talvez derramando oseusaugue pela patria, pug- Hh 200 cartas kerosine, lOcadeirasds balanco, 7
nando em desafronta dos bros e dtgnidade dos barricas e eaixa lampadas, torcidas o chamins, I
1) ras i I ciros! I
Mi nha familia com poe-se de urna velha rai,
tres irmias, e um trmo menor, todos pobrtssi-
ini-, q i' nao p vJend i suppnr as snas aecessiia-
Como vivirei ea at que chage a noticia a mea
marido, sem vistan a quasi nni, porque tuno me
rouharam a bordo do vapor f 11
Etm. Sr. viee-presideule, Exm. Sr. comraan-
daote das armas, III ni. Sr Dr. chefe de polica I
pee. i-lhes pelo amir da Daos, providencias para
esta minia Infelicade.
Amelia Jamiana de Andrade.
FiSBlISACfiES A PEDIDO.
Ao Eim. Sr. dse nbarj?, lor vice-p resi-
dente tlesh provincia.
federa respeit Manante m pobres moradores de
algunas ruis da freguezia da S. Jos ao Etm. Sr.
daseinhargaior vice-pre>idealc o augmento de
mus dus cltafarizas um no largo do Terco e ou-
tro u ii Pauha, nuis n;.!s>ino nesles lugares
lo qae no largo daS. Go-icalo e G*mpo-verde por
ser a agua m lid barata na>sa freguezia (para quem
a i te n 11' n a v buscar no cnafariz) do que
n 111.' la, nao obstanta ser a mais pobre da c.ipi-
tal, e oaflidos ai carcter justicairo de S. Exc.
sperain sar attenrtidos
Um dos pobres da freguezia.
HUM
eaixa machina para copiar, 1 dita machina para
den lisia; aos mesmos.
Recebedorla de rendas Internas
geraes de Pernambueo.
Randinenio do da 2 3......... 1 ::i2:l40i
dem do da 4................. 676109
1:9995313
Consulado proTlnelal.
Rendimeatodo dia 2 3........ :555849
dem do dia 4................ 5:8841530
que urna ten cria (nichos) daas g rrafas deesseu-
cia de alfazema, urna de essencia de aaii, dous
copos, e tres pares de chinelas, duas de couro
branca e urna de marroquui gaspiada com couro
de lustre.
Subdelegara de polica da freguezia da Boa-
Vista 31 da dozerabro de 1864.
D. de Aquino Fonsera.
R' paitica das siirs publicas.
Pela reparticao das obras publicas se annunria,
que no dia 9 do eerrente vai em praea todas as
madeiras velhas qae existem oas proximidades da
ponte provisoria e as do antigo telheiro do Gym-
nasioi
4 de Janeiro de
MOYIMENTO DO PORTO.
O'r .ti a
LESTIA ULCEROSA
ur
T frer molestias acrofolosiui, ulcerosas, ou srphi-
litkaa, alada mesmo ivs reputadas do jx-ior
nat'i/a, a]'nas necessito de lr o soguinte
caso niaravilliopo, jjera que se sintii.i inteira-
mensa convcnciilos que a sna propria cura,
nSo e .'.' meramente r>ssircl mas sim ab^olu-
tamonte certa.
Joa Job& FKr.RF.iiiA Baruoza, residente
na Cldade de Maranliao, tinha todo o seu
corpo eoberto de chacas ulcerosas, o dui-ante
algunos annos se achara dbaixoda tratnmento
de mdicos os mais afamados, toado usado
durante todo este icui]io quasi toda a usiiecie
de nr-dreinas que em taes casos empreada
pela faeiddade medica, ixm'm deluilde sem
obter o menor beneficio ou alivio: achando-se
poa em taes apuros elle finalmente resolveu-
JP, ddJ>!S i!e repetidos e baldados esforcos
3'azer uso da
Salsaparrilha
No todo elle aptn chogou a tomar Cinco
Snalas de StdsaparriUia e quiltro frascos das
Puna* Vegetar* Asauearcda*, e o resultado
toi elle obter una completa e perfeita cura.
*)s Seiirs. Feukiua & Cia., Droguistas de
MaranhSo, torio quem supprirao os medica-
mentos, e analto i perfei lamente ao facto
d'este caso, e os mesmos Senhores, nao s se
.".cliflo promptos confirmar o mesmo, como
tambem em fornecer o actual adresso do Seiir.
Uahhoza, i toda e qualquer pessoa que por
ventura se deseje informar da rerdade.
Recommenda-se mui particularmente aos
Doentesque tonho o maior cuidado na esoollia
doate exceUente remedio, nao usando outro
nao ser a Genuina SalsaparrUha da Briatol,
* qual inclusivamente preparada por
LANMAN&KEMP,
le NOVA YORK,
pois que todas as mais sio iuefficazes e de nen-
lium prestimo.
Vende-se as boticas de Caors & Barbosa,
C. Bravo & C.
&m
.loro baneode Pernambueo.
EM 4 DE JANIRO DE 188.
O banco descont letras aa presente semana a
10 0/0 ae aano at o praso de quatro mezes e a
11 0/0 at o de seis mezes ; toma dinheiro a juros
a i'raso nunca menor de tres mezes, e saca sobre a
prara da Bahia.
Alfandega
fiivi lmenlo do dia 2 3..........
dem do dia 4........,........
rit*-'
52:3495519
32.2265136
81:6695973
wovlmento da alfandega
Veame* entrados com fazendas...
* > com gneros..
tfciumessabidos eom fazendas....
* eom gneros pela
1" 2" e 3* porta..
337
337
118
772
- 890
;
Desearregam no dia 5 de Janeiro de 1865.
TJirra ingleza Tickler- diversos gneros.
Barra inglezaUnion diversos gneros,
Birca inglezaWfltuWfarinha de trigo.
Brizne portuguezConstante diversos gneros.
Barca inglezaCorea-diversos gneros.
Hule nacional.Notanarinha de trigo.
. Itnportaco
Vapor nacional il Navios entrados n* dia 4
Araraly7 dias o 14 horas, vapor nacional Ma-
manguapt, de 337 toneladas, cammtndante Mi-
noel 11 dos Santos Moura, carga algodao.
Macei e partos intermedios12 horas, vapor na-
cional Paralaba, de 104 toneladas, commandau-
te J. I. Martins.
Rio de Janeiro e portos intermodios Vapor na-
cional Tocanttns, de 7U0 toneladas, commandan-
le prmeiao leante Pedro 11. Duarie, equipa-
gem 55.
Philadelphia35 dias, barca ingleza Union, de 183
tooeladas, capitao Haarc, e.|uipagem 13, carga
2,000 barricas com farinha da trigo e outros ga-
naros ; a Malheus Austin & C.
New-York 34 dias, barca ingleza Wavelet, de 388
toneladas, capilo Oshorne, equipagem 10, carga
3,360 barricas com farinha de trigo; a Phipps
Broleers S G.
Navios snhidos no mesmo da.
Rio Gronde do Norte Hiate nacional Bous Ir-
mitos, capito Joaquim Antonio Goncalves San-
tos, carga farinha de mandioca.
LiverpoolBarca ingleza Look Out, capilo J. F.
Chavalier, carga assoear e algodao.
ParahibaBarca ingleza Dorotny, capito W. Ja-
mes, em lastro.
Oftswuirao.
Suspendeu do lamarno a bircr ingleza Salween,
capito Scott, com o mesmo lastro que trouxe do
Rio de Janeiro.
Reparticae das obras publicas,
1865.
O secretario interino,
Uanoel Lourenro de latios.
18:440379 Crrelo gera.
__ Rilars das cartas seguras rindas d* sul telo
Tapar iTofaniius para esseiberes abaii* de-
claradas :
i Dr. Augusto Krederico d'oiiveira.
' Antonio de Paula Fe mandes Lira.
Carlos Maranno Iscracson,
Francisco Lourenco d'Araujo.
Dr. Gabriel Soares Raposo da Cmara.
Hyppolito Jos Roberto.
Igmio Pereire do Vallo.
Jos Custodio dos Santo?.
Dr. Jos Narciso Camello.
Fr. Seraphim de Catania.
D. Vlcencia Mara da Concei;o.
Crrelo.
Pela adminislraco do correio se faz publico,
que hoje (o) s 3 horas da tarde em ponto fechar-
se-bao as malas que o vapor Tocanlms, tem de
conduzir para os portos do norte. Os jornaei se-
rio recebidos al t 112 hora da tarde, e as cartas
admettidas a seguro as 2 horas.
i erreie geral
Tamdem o coaselhe prowove no referido da e parte de seo rarrwzameato promfrtoi para o resto
por igual forma a compra dos seguinus olijeclos quelho falla trau-se com os seus costsignatarios
do material da armada: 1 ancoreta de 4 quinta*., Antonio Luiz de Otiveira Azevedo 4 C no sea es-1
1 dtta de 6 quinues, 2O0 canelas, 30 chapeos dejcriplorio raa da Cruz n. 1.
oleado. 145 cavados de damasco verde de seda, 50----------------------------=,----------------------
Para Lisboa
pretende sahir com a possivel brevtdade o brigue
portuguez Relmpago, para o que lem grande par-
te da carga tratada : para o resto e passageiros, a
quem offereee aceiados eomraodos, trata-se rom r>
consignatario T. da Aquino Fonseca, ra do Viga-
rio n. 19, prlmelro andar.____________________
Para Ijlaleoa
sahir nesie? dias o muito eoahecido brigue por-
tuguez Constante, de primeira marcha, por ter
prompto quasi todo o seu carregament, recebe
anda alguma pouca carga que Ihe falta, pasta-
geiros : traia.se no escriptorio de Manoel Ignacio
deJiveira & Flho, largo do Corpo Sanio n. i9,
ou eom o capiao a bordo.
PARA'.
O palhabote nacional Novaes segu breve para
aquelle porto per ter parte dooarregamento prom-
pto : para o resto trata-se cora os consignatarios
Maraues, Barros c C, largo do Corpo Santo n. 6.
PARA O ARACATY EM DIRElTRA.
Segu no dia 8 as H horas da manha o vapor
Mamnngitape. Recebe carga para all 5, 6 e 7
do correte.
Trata-se ne escTiptoiio da companhia Pernam-
bttcar, largo da Assembia n. 1.
LEILOES.
BIJA NOVA
JOSEPH
i l TII-IIIIO
tem a honra de prevenir as pessoas que
tem qualquer concert ou aruolaeo em
mies delle que venham os buscar aleo
(Im de Janeiro, es que fiearem dessa dala
sero vendidos para pagamento dos mes-
mos, ne se aitendendo a reclamacao al-
guma passado esse prazo.
Approveita essa occasiao para avisar
aorespeilavel publico, que elle tem para
vender os
AFIADORES
1 e sua invenco,
PRIVILEGIO
pelos quaes obteve um
DE 15 ANNOS
Omethodo Oastilho.
Manoel Jos de Faria Siincies, professor de ine-
traredo elementar pelo.melhodo Caslllho, partici-
pa aos pas de seus alumnos e ao publico iin no
da seguodafeira, 9 do crreme, estar abrrla a
sua aula na ra do LiTraim.uk>, sobrado n. 20, se-
gumlo ailas.
Alugam-se dous grandes obradoTcom com-
modos para numerosa familia, novo? e aceiados,
eom jardiro, eocheira, nstriBaria oatras coombo'
didades, aa Iravessa de JoSo Pernander. Vieira :
a iratar na ra da Senzala Nova n. 42._______
Atten#Lo.
Antonio Alves VMella roga a todos os seos de-
vedores para que al o ultimo do corrente raez ve-
nham saldar suas cootas, quamlo nao facam, ver-
se-ha obrigado a entregar a relacao de seus dc-
dores ao seu procurador.
Precisa-se de urna ama de meia idade para
cozlnhar : no largo do Paraizo n. 6
oa de Melio Cosa Oliveira fas .cenle ao
respeilavel pnblteo, eespeeialmenle ao rorpo com-
mercial di'sla praca, que lera contralado dar so-
eiedade a Malhias Jorge da Silva em seu arma-
I zem silo na ra da Praia desta cidade n. 18 ; a
I qual derer gyrar sob a Jazo da Olvelra A Sil-
i va, tenlo cumi-co do Io do corrente.
Precisa-se deorti ama forra ou captiva pa-
ra comprare cozinhar pata casa de rapaz soltei-
| ro, agradando paga-se bem : a iratar no largo do
Carib n. 9.
.eilo de
e bol.
nma carroca
HOJE
Por conta de quem pertencer o agente Pestaa
farHIo de urna carroca boi em bem uso:
i quinla-feira 5 do corrate pelas 12 horas da ma-
nha no largo do Corpo Santo ao p da Associaco
Commerclal.
seguras disientes
DEOUfiKOES.
Companhia intleaiaisadora
Os Srs. accionistas da companhia da seguros
martimosIndemnisadora -sao convidadsa reu-
inr-seem assembia goral no escriptorio da me<-
tna companhia no da 3 do crrente, ao meio dia,
alim da resolvar-so acerca do exigencias fritas
pelo governo imperial, para que |m-vuh ser dam-
livinwnte approvados os novos estatuios. Recife,
2 de Janeiro de 186a.Os directores, Francisco
Joao de Barros.Miguel Jos AJves.Joao di Sil-
va Regadas. i.
CONSULADO PROVINCIAL.
Pela mesa do consulado provincial' se faz pbli-
co, que os trtita dias utais marcados para a co-
braga a boeca do eofra do 1?, semestre do aono
linanceiro correnta de i8Gi l8li3, dos impostos
da decima dos predios urbanos das freguezias des-
ta cidade, o da dos Afogados, e de cinco por cen-
lo sobre a renda dos bens de raiz pertencentas a
corporagoes de mo morta., findarn-se no dia 7 do
corrente mez, ticando sujeitos a multa de seis por
cenlo todos os que pagarem depois daquelle dia.
Mesa do cousulado provincial da Pernambueo, i
de jaueiro de 1865.
Antonio Carneiro Machado Ros.
Administrador.
A cmara municipal desta cidade em conse-
quencia do pedido que Ihe fez a coramisso encar-
regada de erigir na capital do Maranho um mo-
numento que perpetu a momoria do poeta Anto-
nio Goncalves Dias, deliberou abrir urna subscrip-
co para dito lim, e convida quelles dos seus mu-
nicipes que quizerem concorrer para a mesma
subscripto, dirinirem-se sua secretaria as ho-
ras do expediente.
Paco da cmara municipal do Recife 29 de de-
zembro de 1864. Luiz Francisco de Rarros Re-
ro, presidente.Francisco Canuto da Boaviagem,
secretario.
Na sejretaria da cmara municipal desta ci-
dade distribuem-se, de ordem da mesma cmara
Relacao das carias
, na adminislraco dt correio dcsla
citli-ile para os senhures ali.io de-
clarados.
i Antonio Marques da Costa Soares.
Franci.-co Forjas de Lacerda.
Jos Amonio Pereira do (iarvalho.
Manoel Firmino Ferreira.
D. Francisca de Jess Mara Marques.
Felippe Nery dos Sanios.
Francisco do Mello Rarreto.
Herculano Mamout Franco.
Joaquim Feiippe da Costa.
Padre Joaquim Maurico Wanderley.
Dr. Jos Ferreira Druvalle (i).
AfISOS M1BITIM0S.
sLeilo de una loja de ckarntos.
Martins far leilo por erdem dos credores de
Pedro Coelho Pinto de sua loja de charutos sita na
ra da Emperatriz n. 43.
HOJE
As II horas do dia, o balanco pode ser exami-
nado pelos pretndanles a ra da Cadeia do Re-
cife n. 48, primeiro andar.
.ello de 80 aaeeos com inilho
O agente Pestaa vender por conta e risco de
i quem pertencer 80 saceos com milho muilo novo
em umou mais lotes a vonladc dos compradores :
quinta-feira 5 do corrente pelas 10 horas da ina-
ll lia'i no antiaz-'in do Atines.
^ a sua superioridade sobre lodos os que
f8t; appareceram al hoje de sebre-mo^
|& do provado pela extrareo que elles lem
^ no Rio de Janeiro, aond'e sao muito aprc-
$ ciados.
mmm wmwMmmmwM
Precisase de nma ama que compre e co"
zinhe, para casa de homem solteiro, prefenndo-se
escrava : na ra do Queimado n. 17.__________
Precisa-se de urna ama que atiba cosiahar e
engommar bem; na ra da Cruz do Recife n. 43
primeiro andar.
Ao commercio.
Jeronymo da Costa Lima, e Manoel Joaquim
Augusta da Cunha, avisam ao commoreio e ao pu-1
bheo em geral, que desolveram amiRavelmenle a |
sociedade que linham nesta praca, em o arraazrm
de molhados, sob a lirma de Lima & Cunha, conti-
nuando a mesma casa cargo do socio Lima, o
qual fica responsavel praca por todo passivo da
extincla lirma; passando de hoje em diaule a casa
gyrar sob a razo de Lima it C.
Recife, 31 de dezembro de 1864.
Jeronymo da Costa Lima.
________Manuel Joaquim Augusto da Cunha.
Aula Harlir.ular.
O abaixe assignado, professor particular, provi-; padas d galinha e de peixe, e lamben haver ior-
sionado pela directora geral da lustrucco iiablica timento de paieis Unos, fiambre e doces paia cha
para ensinar prinieiras lettras, lalim e francez, para o dia de reis.Galheaus d L. Rov.
participa ao respeilavel publico e igualmente aos Recebem se encotnmendas paia asa bolos al
senhores pas de seus discpulos que segunda-feira j quinta-feira de lardea 1, 2J e 35 a libra : esles
9 do corrente lem de continuar no en;ino das su-! bolos contera urna fava, e est como ma. a pes-
praditas materias, admitlindo matricula alumnos soa que enconlrar a dita fava comprometiese a
Lcilo de 23U caixas com cha.
O agenle Pestaa, vender por conta e risco de
quem pertencer, 116 caixas com cha da India, di-
versas marcas, em loteo, quinta-feira o do corrente
pelas 10 horas da manha no armazem do Aunes
defronle da alfandega.
Para o Rio de Janeiro
pretenda seguir at o da 12 do crrante a b. rea
Rio de Janeiro, s recebe escravos a frete o carga
miuda : tratase com o- seus consignatarios An-
tonio Luiz d Oliveira Azevedo & C, no seu cs-
criplorio ra da Cruz n. 1._________
Brigue Marque/ de Olinda.
Vende se o brigue Ma.iquez de Olinda, surto
neste porto, onda pode, ser examinado pelos pre-
tndanles : trata-se no escriptorio de Manoel Ig-
nacio de O.iveiraeSi Flho, largo do Carpo Santo
n. 19. ________________n
COMPAIH i PSRNAMBUCANA
DR
IVavegaeo costeira a vapor.
lina de Fernando
No dia 14 do crrante ao meio
dia sahir para o porto cima
Indicado um dos vapores desta
companhia. Recebe carga somen-
te al o da f3; encommendas,
passageiros e dinheiro a frete al as 10 hnras da
Milua do dia da sahida : escriptorio no Forte do
Manos n. I.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
0 DB
Mavegaco costeira a vapor.
Aracaj e escalas.
No dia 14 do corrente as 5 ho-
ras da tardo sahir para os portos
cima mencionados o vapor Pa-
rahyba, co inundante Martins.
Recebe carga somonte at o dia
13 ;encoinmeadas, passageiros e dinheiro a frete
at as 2 horase do dia da sabida : escriptorio ao
do Matles n. 1.
Leilode 70 aeces da Companhia do
Bcbcribc
Quinla-fejra 5 de Janeiro em frente a Associaco
Commorcial.
__O agente Pinto legalmente autorsado far lei-
lo ^e 7t) accoes da Companhia do Babcribn de
305 cada urna, as II horas do dia 3 do correnle,
na praca do Commercio em frente a Associaco
Conimercial.
Eicilao de niua parle ao sitio
Afilelos que foi do finado Dr.
Foo Don legues da Silva.
Sabbad 7 do corrente.
Legitmente autorisado o agente Pestaa por
conta e risco da quera pertencer far leilo da
unta parlado sitio denominado Afflicios na estra-
da dos Aflictos, eom mu i tos arvoredos, com casa
detnoradiaem bom eslado, o qual foi do finado
Dr. J io Domingues da Silva : o leilo lera lugar
sabbado 7 de corrente. pelas 12 horas da manha
no larga do Corpo Santo junto a As-ociacao Coov
inercia!. Os Srs. pretendentes podem examina-la.
CONFEITARIA DOS ANANAZES
Ruada Cruz o. 16
Hoje quarta-lfira, sexta e sabbado, havor em-
externos, pensionistas e meie-pensionistas. A pra-
licade 19 annos consecutivos no exercicio de sea
magisterio, sua inteira dedicado e ;ua mnralldade
sao garantas que offereee aos senhores pais de fa-
milias, que desejam a sa e til educaran a seus
liltios.
Quem pnrtanto qnizer confiar ao mesmo akaixo
assignado a edueaco de seus lilhes, pode dirigir se
a quah|tier hora do dia aoterceiro andar do sobra-
do n. 58 da raa Nova, onde ha muito lempo esta
establecido.
Jos Hara Hachado de Figueireto.
O Sr. Miranda que tnni rarebide um Otario
na rualmperal com o nnim deJoao Krause queira;
vraosla typographa desmanchar um engao.
pagar a champagne. Em Fr
esles bolos muilo em uso.
anc,a e na corte esluo
.elo de um Sabbado 7 do correnle.
O agente Pestaa, vender por conta e risco de
quem pertencer, dos gneros, armarn e mais uten-
cis, qae existem na mesma taberna, sabbado 7 do
crrenle, pelas 11 horas em ponto, na ra da Sen-
zalla Nova n. 6.
No da 10 de Janeiro prximo em diante te-
r lugar o leilo publico na alfandega do Rio
Grande do Norte, do 0,000 taboas de pmho de
diversas grossuras e compritnentos, tudo madeira
de primeira qualidads, como tambem velas, fer-
ramenus, machinas, moitdes, cabos de rame e
de linho, correles ele. ; ludo novo e cm bom es-
: tado, assim como umapnreo de provisoes do na-
vio naufragado Tevioldale. Nos nllimos dias ser
vendido em leilo a galera T'violdalt de 1,500 to-
neladas, nova e de nina construyo forte, fazendo
a primeira viagem, naufragada na praia de
Zumby.
Antonio Ignario do Reg Hedeiros tran-
sido de dr pelo prematuro passamento de
sua mol idolatrada esposa Anna alaria de
Oliveira Medeiros, cheio de reconheeimenlo
agradece com toda a effusao de seu curasao
a honra que Ihe fizeram todos os que se
diguaram acompanhar o cadver da mesma
al o sen jazigo no cemtlerio.
Elle roga encarecidamente mais o duplo
favor de assistrem a urna missa, que pela
ua alma ser rasada na matriz do Corpa
Santo s 7 horas do dia 7 do correnle.
Offereee se urna ama soasa sem lilho para
casa de pouca familia ou homem saoro : na nu
deS. Bom Jess das Cnoulas n. 23.
i ---------------:----I----------------------------------- -
Os abaixo ssignados fazern sciente ao res-
peitavel publico pspecialment! a cor|i de com-
inercio quj. dissolveram amii.'avi'linanle a socie-
dade que liaban) na loja de fni naai sita na ra
do Livramento n. 2, que gyrava na razo social
j de Honfira & Andrade, tirando a cargo do sociu
Andrade todo activo e passivo do mesmo estnbe-
leeiraenl. Recife i de Janeiro da 1863.
Bereardioo Jos M">nleirr.vV Irmo.
____________Jos Francisco de Andrade Junior
O secretario da irinandandaude de Noaea
Senhora da Rao-Viagem, convida a lodos os seos
Irmos, parareuniao de mesa geral dominso 8 du
correnle pelas 9 horas da inank'i, alim ila pro-
[ ceder-se eleico dos fuucoionarios que tem de
de reger a irtnandade no faturo auno de 1863 a
' 1866.____________________________________
I'rec.isa-se alugar um escravo da meia idade:
nos Caemos, ma dos Prazeres n. 10.
Arrendase ara sitio no Jacar, esirada d'A-
gna-Fria, com casa de pedra e cal altrmamenle
construida, com bastantes arvores de differentes
fructas : a tratar com o solicitador Barroso, ra
da Concordia n. 34.
Precisase de nm menino de la 13 annos
para caixeiro, que seja portuguez : na ra do Ran-
gel n. 23, loja.
Manoel de Oliveira Costa M lia. subdito por-
tuguez, vai a Kuropa tratar de sua saude.
pelos senhores agricultores desta provincir, exem-
piares Impressos do novo methodo da plantago do V^?!
caf, escripto pelo Dr. Luiz Torquato Marque de
Oliveira : quelles dos ditos senhores que os qu-. Rio de Janeiro
zerem, podero mandar procurar na referida se-1 O patacho nacional Capuan pretende seguir at
cretaria. i o da 10 do corrente, s recebe carga miuda e es-
Pa^o da cmara municipal do Recite 28 de de- cravos a frete, para os qaaes tem excellentas com-
inodos: irata-se com os seus consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo criptorio ra da Cruz u. I.
Para o Porto,
zembro de 1864.O secretario,
Francisco Canuto da Boaviagem.
Capitana do Porto de Pemambuct 31 de dezem-
bro de 1861.
Era vista da* circunstancias melindrosas em
que se acha o paiz, sendo necessario que lodosos! A bem conhecida e veleira barca portngueza S.
brasileiros concorram para a sustentado dos brios Manoel 11, capito Pedro Jos da Rosa, pretende
seguir at o da 10 de Janeiro : para o resto da
carga e passageiros, para os quaes tem excellentes
commodos. trata-so cm os consignatarios M. J.
Ramos e Silva & Genros, no seu escriptorio, ra
do Vigario n. II, primeiro andar.
e dignidade nacionaes. comproraettido* na gaerra
com as repblicas do Uruguay e Paraguay, manda
olllm. Sr. capito do Porto, em virtude d r(ue Ihn
foi recommendado por S. Exc. o Sr. ministro e se-
crelariode estado dos negocios da marinha, con-
vidar nao s aos matriculados, como a todos os
cidados que se qtteiram alistar na qualidade de
voluntarios para a armada, a se apreseuurem nes-
ta capitana nos dias nteis das 9 s 3 1|2 horas da
tarde.O secretario da capitana,
Decio de Aquino Fonseca.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda se faz publico, que no dia U do cor-
rente mez, a 1 hora da tarde, parante a junta da
mesma thesouraria estar em hasta publica, para
ser arrematada quem por menos fizer a obra de
".5,-eaneno .'anco do caes que tem de ligar o en-
contr da ponte "S kC'!hJ0 .Recife ao c.a.s do
Passeio Publico. O orcamenlo e condices sero
mostrados na mesma thesouraria aos pretenden
tes. As pessoas. a quem convier a sobredita ar-
remalaco devero comparecer na sobredita the-
souraria no dia o hora indicados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambueo, em 4 da Janeiro de 1865.
Servlndo de offlcial maior,
Manoel Jos Pinto.
Do ordem do Illm. Sr. inspector se faz publi-
co, que no da 7 do crrante > hora da tarde es-
tar em hasta publica, perante a mesma thesoura-
ria, par.*, ser arrematado a quem por monos llzer,
o fornecimento d'agua potavel a fortaleza do Bura-
co edo laboratorio de fugos. As pessoas a quem
convier o sobredito fornecimento, devero compa-
recer na sobredita thesouraria hora indicada.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
bueo, em 4 de Janeiro de 1863.
Serviado de offlcial maior,
Manoel Jos Pinto.
Consellio de compras navaes.
Contrata o conselho no dia 5 de Janeiro prximo
Leilo de differentes objectos
de rhapelarlae dividas activas
da loja de chapos da ra da
Cadeia n. 46
Terea-feira 10 de janeire.
O agente Pinlo far leilo a requerimento de
Joaquim Luiz Vieira e por despacho do Illm Sr.
Dr. juiz especial do commercio, de urna porcao de
chapeos e objectos de chapelaria, assim como as
dividas activas da extincta firma viuva Vieira &C,
ra da Cadeia n. 46, onde se effectuar a leilo s
10 horas do dia sapradito, pudendo os pretendentes
.nlli exatninarem os dites objectos, e em poder do
agenle encontraroa relacao das dividas.
Para Lisboa
pretende seguir com brevld^de o brigue portuguez
Soberano por ter quasi todo seu carregament
prompto: para o resto que Ihe falta (300 saceos
com assucar ou seu equivalente) e passageiros,
aos quaes offereee oons commodos, trata-se com o
capito na praca, ou com o consignatario T. de
Aquino Fonseca Junior, na Iravessa da Madre ee
Dos n. 3, primeiro anear.
AVISOS DITEBSOS.
Instituto Arebeolagieo e Geographico Per-
oanbacano.
Quinta-feira 5 do crrante reunir-se-ha o Insti-
tuto em sesse ordinaria as horas do costume.
No impedimento do secretario perpetuo
Salvador Henrique de Albuquerque,
2* secretario.
Para o Para pretende seguir em poucos das
' o palhabote Dous Amigos ; para pouca carga que
Ihe falla, traa se com os seus consignatarios An-
'tio Luiz de Oliveira Azevedo i G SS !* es-
criptorio ra da Cruz u. 1.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com multa brevidade o brigue es-
cuna Nao Sei, tem parte do sea carregament
prompto : para o resto que Ihe falla e escravos a
frete, para os jjuaes tem excellentes commodos,!
trata-se cera os scus consignatarios Antonio Luiz'
de Oliveira Azevodo di C, no seu escriptorio ra
paCruz n. 1.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
M
NavegaeSo eosteira a vapor.
Parabyba,Natal, Mido, Aracaty, CearaJ
Acarac c Granja.
cima mencionados no dia 7 de
|ineiro as 5 horas da tarde. Re-
_ 'cebe carga at o dia b. Encom-
mendas, passageiras e dinheiro a frete at s 2 ho-
vindouro, sob as condenes do estylo, ern""su ras^a larde do da da sanida: ejcriptorio no Forte
de propostas recebidas at as 11 horas da manha flo ,t,* '
o fornecimenio dos objectos abaixo declarados,
para completo do de fardamento no trimestre de
janeiro marco de 1865.
Para os aprendizes artfices,
Cobortores de la, colchas de algodao, colchoes
de linho cheios de palha, lencos de sed* preia e
Iravesseros de linho eheios de- palha.
w
&
Aos 6:OUUoO.
Terca-reir 10 do corrente mez, se ex-
j-ahr a segunda parte da primeira lotera
(!') a beuaiioio d? hospital Pedro II, pa-
ra canalis da igreja de Nossa Senhora do Rosario d
freguezia de Santo Antonio.
09 billietes, nios e quartos est3o a ven-
da na respectiva thesouraria a ra do
Crespa n. *5.
Os premios de 6:000jIOOO at 100000
serio pagos una hora depois da extracc3o
at s 4 hwas da tarde, e os outros ao dia
seguate depois da distrihuicaodas listas.
As encommendas serJo guardadas so-
0 vapor Jaquahbe, commandan- menteJta "ite da vespera da extraccTio
te Lobato, sahir para os portos como de COStumo,
O thosoureiro,
Antonio Jos Rorlrignes de Soma
Para a Bahia
Pretende seguir com brevidade a sumaca Har-
tencia, tem parle da teu carregament promplo
parao resto que lh falla trata-se eom os seas
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no seu escriploriorajk da, Ciiu.a. 1.
CASAS PARA ALUGAR.
Alugam-se duas meias aguas.seodo orna na praia
do forte n. 1, e a onlra na ra da Nassente n. *A i
a miar roa do Queimado com Azevedo. d
Irmao.
Est fgido o prelo Thom, baixo, eorpo ra-
forcado, bem prelo, rosto largo, elhos grandes e
tem ond direito un pouco inchaio, auwJaganhaa-
do ea S, Jos : na raa o Imperad a. Ti, nrs-
ineiro andar, se gratificar a quem. e yogar.
Aos Sis pais de familia
Faz ver o abaixo assignado, professor da se-
gunda cadeira publica primaria da freguezia det Precisa-se de 3009 a juros, dando-se por hy-
Santo Antonio do Recife, que os trabalhos lectivos polheca um bom moleque de 18 annos : na Ira-
da escola a seu cargo rotnrean no dia 7 do cor- vessa deS. Jos n. 20 se dir qu^m precisa,
rente mez dejaneiro. O mesmo, devidamente li-
lulado pela directora gersl dos esludos, continua
a leccionar na casa de. sua residencia o latim e o
francez, e por casas particulares nao s essas duas
lnguas, mas anda as primeiras lettras, ensinando
todas as materias que conslituiam o extracto se-
gundo grao, e comprometindose a dar o alumno
fallando e escrevendo o franct-z, assim elle eslude
e tenha gosto. As pessoas que de seu presumo
se quizfruiilisar podem procralo ra da Pal-
ma n. 23.
Cnlli'yin de S. Joaquim.
ana As nulas deste collegio tanto as do cur-
8 so das ferias como as do anno lectivo
H principiaro a funcciouar a 9 do cor-
an rente.
niaisn^ii
O abaixo assipnado tendo em seu poder o li-
quido producto da venda feta
na sita na Capunga, pertencente ao ausente Jos
da Silva Sanios, pede aos credores da mesms para
apresentarcm seus ttulos no prazo de oito dias, e
Ando este proceder ao competente raleo. Recife,
4 de Janeiro de 1865. j
Francisco Alves Monteiro Jnior.
O abaixo assignado scientiflea ao respeilavel
corpo do commercio desta praea que lem admit-
Attencao.
Aluga-se a loja da casa n. 18 da praca da Boa-
vista, propria para deposiio de padaria. taberna,
ou outro qualquer eslabelecimenlo, por 2i>9 men-
saes a tratar no lim da ra ostrera do Rosario
ao vollar para o pateo dn Carmo n. 47.
ATTENA.
O abaixo assignado declara que desde selembm
do anno passado tem deixado de comprar escra-
vos, e que contina, vislo adiarse incoinmodado
em sua saude.-Antonio Ricardo do Reg.
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar
bem, para casa de tres pessoas : na ra do Sebo
n. -29.
Precisa-sede um coziuheiro : a fallar no e>-
em le da taber- criptorio o Dr. Alcolorado na ra do Crespo, ou
no Calduireiro em casa deste.*
Precisa-se de unta ama :
mero 6.
na roa Xova nu-
Coiioha-e, lava-se e engomma-se com per-
feie,o e por mdico preco : na ra do Arago
nomsTO 3._____________________________
Precisa-s de ama ama para cozinhar o com
tido como inleressado de sua "casa commerclal o Prar : Da rua das Cruies n- seu caixeiro Vicente Coelho de Magalhes, plo
que do Io do corrente passou a mesma a gyrar
sob a razo de Francisco Alves Monteiro Juni.r
Je Companhia.
Francisco Alves Monteiro Janior.
Abraham Haligne
ra-se para o Para.
subdito marroquino reti-
Alu&am-se duas casas sendo urna assobrada-
da e ambas tem commodos para numerosa familia,
na estrada de Reg em Sanio Amaro, confronte o
hospital inlilez: a tratar com da Silva Ferreira ou
Jos Jiicniho deCarvalho no dilo lugar.
EmOl; nda
no caes de Yaradouro, taberna n. 17, aprompia-se
alilo e jantar para pessoas dhtinctas ou familias
que vo passear mesma cidade.
ALUGXMSE
as lojas de sobrado n. 48 de esquina na roa de
Aguas-Verdes com 5 portas sendo nma para o bec-
co, bem collorada para qualquer eslabelerimento
orna loja pequea dentro do becco para morada,
A bordo da liare fraoreza Virgtle tem urna
pon;lio de vasos para Dores e alguidarrs vidrados:
as pessoas que desejarem comprar drijam-sc ao
capito da mesma, em casa de Tissct Frerrs, rua
do Trapiche.________________________________
B-se 4003 a premio sob bypolhcea de urna
casa terrea nesta cidade : na prac da Indepen-
dencia n. 16 se dir quem da._________________
Os abaixo assignados fazera seiente ao publi-
co, principalmente ao corpo do commercio, que
tem dissolvido amigavclmenle a sociedade qae li-
nham na loja de fazendas da rita do Livramento
n. 4, que girava na razo social de Lopes v\ Sa.
ticando a cargo do socio S todo o activo e Ha.-aiv >
do cstabelecimento.
II :cife, i dejaneiro de 1863.
Joo Fcrnandes Lopes.
Joao Evangellsla de S.
ANNUNCIO
Rogase s pessoas que livcrem conras peque-
as a rereber da casa de Soulall Mellors & C, de
i as apre.-eotar no prazo de tres das para seram
nm grande salao no rondo do primeiro andar mu- paga's Recife, 2 dejaneiro de 1864.
to grande, proprio para aula de primeiras ledras r
ou outro qualquer arranjn que se queira applicar,
O Sr. morador da rua Nova que se
urna casa terrea na rua "dos Fagundes, junto a ri- lacha a dever 6 quarteis de assignalnns des
.StWST SS rapr2SSte aDiari-' rira "'^i m>r pt
andar. |assim como elle gosta de recebar a pagado
- O Sr. Antonio Jos Marques qua morou na >* servico deve- atUnder a 1 )S OU-
raa do Padre Ftoriano n. 41, queira vir a Praca tros, principalmente o do Diario em que
dn"noSpendenca ns. 6 e 8 a negocio de scujnteNtrabalhaTn mais de 60 pessoas.
reste.
Preclsa-se deflS ralxelro de menor idade
qae d fiador a sua conduela : na roa do Soeego
n. 49. .
'safFn
Human.
Anda cootiiwia a preciiar-se de urna sealtoVa do
idade e de boas costumes (sao tendo lhos) que
Alnga-se nm sobradintio de untaodfi'r, na roa .hando-se desvalida queira recolher sa a urna ca-
dos Copiares, de n. 1, e a loja do sobrado n. 3 da d( fara|ia para tratar de alguns meninos, dao-
mesma raa : a fallar com Jos Dias da Silva, na ^e-lbe cama, mesa e urna gralilcacio que se
i do Imperador, sobrado n entrada pela de ,raur : a qoem convier, pode procurar na roa
S. Francisco.
No Instillo do Bom Conselho precisa-se de
ama pessoa que d fiador a sua conduca para
exercer as funceoes de portiro : a tratar com o
director no mesmo eslabeleciiaento.
Manoel Jos 'le Albuquerque, prafessor par-
tieular de primeiras ieHras autorisado pela direc-
tora geral da instrurcao publica desla cidado, avi-
sa ao respeilavel pabliea e aos pas dos seos alum-
nos que abrir a sua anta no dia 9 do corrente no
pateo do Terco, sobrado n
onde pode ser procurado: assim como recebe
alumnos atemos que por ventura moraren fra
da cidade
dos Guararapes n. !&, sobrado, que achara com
quem tratar.
A htga-se
o silio da estrada do Jacar do Monsenhor Muniz
Tavares : a tratar na rua da Concordia n. 34, so-
brado do armazem do sol.
CWADO.
Precisa-so de um criado e que,
ca val los, rua da Crui n. 6.
Sociedade hecrciatha JinfuiuuV
De ordem do Illm. Sr. vlce-presdente, sao con-
! ..c. g h vida1os todos os socios, para que no dia 8 do cor-
A< rente, s 10 horas da manbaa. compareca na
sala das sessoes.aflm de em assembia geral seres
de novo approvados os estatuios. Sala da sociedad*
Recreativa Juventude, 3 de Janeiro de 1865.
Alves Ferreira,
! Secretario.
saiba tratar de
.
rtili

i


de rcnuiabueo tuluta Ictea & de metro de i & .
JOS OJIES VILLAR
Com loja de fazendas ra do Crespo n, 17.
Pretendendo ir muito breve a Europa tratar de ma saude, pede aos seas devederes
tanto do mato como desta praca que saldem saus dbitos quanto antes, assinacouio
Usa liquidando
o seu importante estabelecimento de fazendas, vndente tado per preces que na realida-
de admiram; aproveitem Ezcellenlissimas senhoras
As fazendas de apurados goslos
As fazendas de apurados gostos
As fazendas de aparados gostos
E por precos que admiram
E por precos que admiram.
GERAL ItKCOMMKtfDA^AO
CASA DA FORTIM
Uim CONSERVATIVO
23Largo do Terco23.
Joaquim Simio dos Santos, dono deste bem sonido armazem de melbados faz sciente erg
reeommendaeo aos seus amigos, freguezes e a todos em geral, que est resollido a vender os seus
bem conhecidos eneros de primeira qualidade, por menos de 10 a 20 por ccnto, menos do que em ou-
traqualquer parte a dioheiro coudo, e todo o comprador que comprar de 505 a 1005 tera o descon-
t de o a 10 por cento pelo seu prompto pagamento; e por isso se faz annuncio de ilguns gneros,
para com este melhor se certificaren!.
AOS 6:000,000
uiluctes garantido
A' ra de Crespa n. 23 e cusas de entune
O abano assiguado venden nos seas muito feli-
ce* bilbetes garantidos da lotera, que se acaboa
de extrabir a beneficio da Si na Casa da Mise-
ricordia, os segrales premios:
Deus quartos n. 1137 com a serte de 6:000500
Dous quartos a. 797 com a sorle de 1:400OO
Ira meio n. 1510 com a sorte de S0OV 00
E outras muias sortes de 100,405 e (5.
Os possuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sera os descont? das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da segunda paite da
.primeira lotera a beneficio da Sii.ia Cata di Mi-
sericordia, para canalisacao d'agua e gaz no hos-
pital Pedro II, que se extrabit r.o dia 10 de
aueiro.
Presos.
Bilbetes inteiros..... 75800
Meios......... 114500
Quartos........ 1*900
Para as pessoas que compraren)
de 1004 para cima.
Bilhetes...... 6*W0
Meios........ 35250
Quartos......, 1*700
Manoel Martint Finta .
I
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, continaia a residir na ra do Impe-
rador n. 17,5 jndar, onde pode ser pro-
curado a qualquer iiora do diae da noite
para o xercicio de sna profisso de me-
dico', sendo (,ue os chamados, depois de
meio dia at 4 horas da tarde, devem ser
deizados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o estudo das
molestia* do interior, prosegne, com o
maior affinco, no das mais diffleeise deli-
cadas operares, como sejam dos ergos
onrinai ios, dos olhos, partos, etc.
m
Casa de educarn.
Jeronymo Pereira Villar transfiri o seu esta-
belecimento de instruejao primaria e secundaria
! para a na larga do Rosario, sobrado de dous an-
Idaresn. 22 ; e participa nao s aos Illms. senso-
res, pas de seus alumnos, como ao respeitavel
publico, que as aulas estaro abortas no dia 8 de
Janeiro do anno vindouro de 1803._________^^
6\
Mascas para sopa macarro, talharim e aletria a
240 rs. a libra e em caix a 5*.
Toucinho de Lisboa alvo muito superior a 280 rs.
a libra e 8*800 a arroba.
Caf do Rio de primeira e segunda sorte a 260,280
e 300 rs. a libra e a arroba ou sacco a 8* e
8*500.
Chouricas as mais novas do mercado a 360 rs. a
libra e em barril a 12*.
Passas vindas pelo ultimo vapor a 400 rs. a libra
Milho alpista e painco muito limpo a 140 rs. a li-
bra e a arroba a 4*400 e i;200.
Phosphros do gaz vindos por conta propria a 180
rs. o mago e a 2* a groza.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e o ga-
lio a 2*800 e a caada a 4*500.
Serveja das marcas mais acreditadas a 500 rs. a
garrafa e a duzia a o*800.
Figos de Comadre muito novos a 280 rs. a libra e
em barril ou caixa se. far abatiroento.
Batatas em pigos de 35 a 40 libras por 2*400 a ar. I arroz do Maranhao c Java a 100 e 80 rs. a libra
robae a 80 rs. a libra. e a arroba a 2*800, 2* e 2*400.
Cb hysson miudinho supeior jualidade a 1*200, | Assim como ba um grande sortimento de charu-
2*000, 2*500 e 3} a libra. : tos e genebra de Hollanda, tanto em frascos como
Vinho de Figueira, Porto e Lisboa em pipa a 560, em botijas, bolachinhas de soda, conservas, choco-
500, 400 e 6i0 rs. a garrafa. late, marmelada, vinho engarrafado e outros mui-
Idem proprio para neaocio a 320 e 360 a garrafa tos gneros que enfadonho menciona-Ios, e se al-
e a caada a 2*400 e 2*700. i gera duvidar venha ver.
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
lina flanea era daher*>, depositado dos cofres do estado, garante a boa ad"
ministracao da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA DIRECQO GERAL
O Banco de Hespaaha Madrid : Ra do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoss de supervivencia dos seguros
sobre a vida. .
Nella pode se lazer asubscripeo de maneira que era nenhum caso mesmoJpor morie do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes. .m
Sao tao suprehendentes os resultados que produzein as suciedades da ndole deA >auu-
NAL,que ainda raesmo diralnuindo urna terca parle do interesse produzida em recentes liquidares,
combinando o cora a mortalidade da tabella de Depareieih que e adoptada pela companhia Paraos
Paris
Hamburgo
Barcellona
Madrid
Cdiz
Sevilha
Valencia
Ao amanhrcer do dia 20 de outubro do co*
'rente annode 1864, furtarara do cercado do en-
genho Aldea, da freguezia do Rio Formeso um
quarlo de carga do mesmo engenho, o qnal
1 rugo pombo, grande, castrado, nao nevo, tem no
olho esquerdo urna belide, e pouco ou nada v
pelo dito olho, tem um callo velho no espinhaco,
lugar em que leve urna bexiga, levou o topete cor-
tado rente, carrega baixo, e tem estampado no
ladodireito da anca o ferro do engenho em lettras
maiusculas como aqui se v- ALDEA. Adver-
te-se que os cavallos assim ferrados, nao sao tro-
cados nem vendidos, e os que forem encontrados
som ser servico do mesmo engenho sao fua-
dos, e devem ser apprehendidos ; portante roa-
se s autoridades policiaes, e mesmo a qualquer
pessoa do povo, que sendo encontrados ditos ca-
| vallos sejam apprehendidos eremettidos ao admi-
| nistrador daquelle engenho ou ao abaixo assigoa-
do proprietario de mesmo engenho. que reside na
nSK'& Ballista! I cidade do Radie. Hospicio ..
Jaime Meric.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C
Agentes do Banco Lniao do Porto.
Competentemente autorisados sacam por todo
paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, e para as segnintes agencias.
Londres sobre Uanh of London.
Frederic S. Ballin & C.
Joao Evangelista de S Sonto Malcr, mora-
dor na ra do Livramento n. 4, faz sciente ao Amarantes,
respeitavel publico que havendo ontro de igual Arcos de Val de
nomedadata deste assigna-se por Joao Evange- Vez.
lisia de S. ______________________! Aveiro.
Salsa parrilha de Ayer jjj<*. '
PARA A CURA DA Braja,
e todas as molestias
provenientes dekla
Crdito commercial.
i Gonzalo Segoria.
. M. Perera Y. Hijos.
Em Portugal.
Angra Terceira.
Caminha.
Castello Branco.
Chaves.
do Recife, 26 de outubro
da eilva Santiago.
de
Cidade
1864.Caetano Jos
Coimbra.
Covilha.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinhal.
Porto-alegre.
Thomar.
Villa Nova
Portimao.
do
tedas as molestias da
pelle
eherjsipellas, tumores, nlceras.
sarnas,
nascidas, emp'uigrns,
REUMATISMO
SYPHILIS
em todas as suas formas, assim como todo
o mal que provm do uso excessivo do
MERCURIO
Ulccraeao do ligado
e em summa todos os males que tem sua
origem na
IMPUREZA DO SANGUE
um alterante poderoso para a
RENOVAgAO DO SANGUE
e para dar nova forca e vigor ao corpo j
enfraquecido pela doenra.
Vendc-se na ra Direila ns. 12 e 7C e
Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambueo:
na pharmacia francesa de
P.MAURO & C.
RA NOVA N. 18.
Figueira.
Guarda.
Guimares.
Lagoa.
Lagos.
Lamego.
Leiria.
Monro.
Moncorva.
Regoa.
Setnbal.
Vianna do
tello.
Villa Real.
Madcira.
S. Miguel.
Cas-
d'Aze-
meis.
Penafiel.
i Tavira.
[Villa do Conde.
I Villa Real de Vizeu.
S. Antonio. Faial.
No'impebio.
Baha. Maranhao.
Bio de Janeiro. Para.
Qualquer gamma prazo ou vista,podendo logo
os saques nrazo serem descontados no mesmo
Banco a razio de 4 por cento ao anno : a tratar
na ra da Cruz n. 1.
Aluga-sc baratas unas meias-aguas, na en-
trada dos portees da travessa das Barreiras, bair-
ro da Boa-Vista : a tratar na ra do Cotovelo
n. 5.
Soclcdade particular Thalla
Pernaiubucana.
De erdem do Illm. Sr. presidente da sociedade
Thalia l'enmmbucana, faco sciente aos Srs. socios
instaladores, que no flia 8 do correte, pelas 10
horas da manha, em casa da residencia do mesmo
Sr. presidente, tera lugar a sesso ordinaria que
deve eleper os novos empregados do conselho
.administrativo, conforme determina o art. 49 dos
estatutos que regem a mesina sociedade, assim
romo previne o mesmo Illm. Sr. o cumpriraentodo
g nico do art. 51, que determina que s poder
votar e ser votado o soc o instalador que estiver
quite para com a sociedade.
Secretaria da sociedad* dramtica Thalia Per-
nambucana, 2 de Janeiro de t865.
T.-. B.-. Lins de Barros.
I. secretario.
COMPRAS.
lo 100$
produz em effectivo metlico
No fim de 5 annos.
> de 10 >
de 15 >
> de 20 > .
> de 25
1:1195300
3:9425600
11:208*260
30:2565000
80:3315000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais considcravois.
Prospectos e mais informacoes serlo prestadas pelo subdirector ne.sta provincia o Sr. Jerony
mo Joaquim Fiuza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12, estabe
lecimento dos Srs. Raymundo, Carlos, I.eite & Irraao._________________________________________
COMPENDIO DOLOROSO
que contera o olficio de Nossa Senhora das
Dores; o modo de rosar e offerecer a co-
roa, um setenario e mais outros exercicios
de piedade e devoco; ordenado pela ir- j
mandaderos servos da mesma Senhora,
(jue se acha erecta na egieja de N. S. da
AVISO.
No dia 7 de Janeiro em diante, princi-
pia a funecionar a aula particular para
o sexo feminino, a ra estreita do Rosa-
rio n. 38. segundo andar.
piiMsi mm mmmm
PIUMEIRAS LETTRAS.
Joao da Silva Ramos, medico pela Uni
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em quaj-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o proenrarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manlia.
Tem gtu casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operaeao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 25500
Terceira dita.... 25000 >
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tera gozado.
Aos senhores pais de familia.
O padre Flix Barreto de Vas-
concellos, com aula particular de la-
tim na ra do Imperador n. 35, 4.
andar, contina a receber alumnos
de todas as classes, durante e de-
pois das ferias. Tambem est dis-
poste a abrir um curso de primei-
ras lettras e de francez, logo que
naja numero sufficiente de alumnos
para cada urna destas materias, e
assim tambem a receber como in-
ternos alguns meninos,de cuja edu-
ca?o o quizerem encarregar. Os
pagamentos sero por trimestres
adiantados, e os precos declarados
pessoalmente na occasio do ajuste Wt
para a entrada do alumno. jm
rs
dito
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: na loja de bilhetes da prag-a da Inde
i pendencia n. 22.____________________________
Compra-se effectivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem :
na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
Compra-se un escrava que seja moca e
; perfeita cosinheira : na ra da Cruz armazem nu-
mero 26.
Compra-se urna negrinha ou mulatinha de 5
a 7 annos de idade : na ra das Cruzes em Santo JJ |Jr2"a" 255(l,'diio de IMrt <
Antonio n. 41, segundo andar.
DENTISTA DE PARS
19Ra Nava19
Frederico Gautier, cirurgio dentist 1,
faz todas as operacs de sua arte, e ct-l-
loca dentes artificiaos, tndo com superio-
riJade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentifcio.
s
8
m\ El! CACHANGA.
Aluga-se urna casa nova muito fresca com ex-
eellen'esoto sita no Cachang defronte do enge-
ulio Poeta : a tratar na ra do Crespo loja de An-
drade A Reg.
hospicio dos reveren-1 JIJEES SJ5SUZ&X I
pessoas que lhe quizerem dar a honra de lhe
confiaren! suas meninas para lhes ensinar of
necessario s materias de pnmeiras lettras e|
lingoa Iranccza : far todo o esforz para que andar, por cima do armazem Allian^j.________
ellas oblenham o desejado aperfeigoamento afilan-1 joj,0 de pava Mallos, sua mulher e um i-
cando-lhe a boa lettra, e lhe tirar qualquer vi- lno menor) e sua ta Claudina Cndida retiram-se
dos padfes missonarios apostlicos capu-
chinhos italianos de Pernambueo, approva-
do por S. M. I., que Deus guarde ; dado
luz por devoco do muito reverendo
padre Fr, Placido de Messina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia_____________
"~ joaquim Jos de Saut'Anua Barros com aula
particular de instruego primaria, na ra da Cruz'
n. 31, priraeiro andar, participa nao s aos Illms. |
Srs. pais de seus alumnos, como ao respeitavel pu-
blico, que abre sua aula uo da 9 de janeiro cor-
rente.______________________________________
THESOUHO HAS MIS
Providencia das criancas
COLLARES ROYEK
. Electromagnticos
OBAMDOS
COLLARES ANODINOS DE DENTICO
Contra as eonvulsoes e para facilitar a
denli^ao das criancas preparados e inventa-
dos por Royer.pharmaceuticoda esco-
la superior de Paris, successor de Cherean,
membro da academia de medicina,
amiga casa de Bouillon-Lagrange, pharmaceutioo
do imperador,
chefe dos trabalhos chimicos da escola po-
lytechnica, director da escola de pharmacia de
Paris, e membro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-se tnicamente na loja do
G1II0 Vigilante ra de Crespo n. 7._____________
Aluga-se a lOflOOO mensaes a casa
terrea n. 263 da ra imperial, concertada,
ei'.rla e pintada, propria para estabeleci-
mento de negocio e moradia: a tratar na
rm do Crespo n. 15, das 10 horas do dia
as 4 da tarde.
AMAS.
Precisase de dua., amas forras ou captivas,
sendo urna de leile e outra para servico de casa :
no sobrado da ra'do Imperador n. 57, segundo
ci na pronuncia, se o tiverem. Sua escola estar pm nia ,je g Miguel.
Companhia fldeltdade de
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no
855o de Janeiro.
AGBNTRS EM PBPN'AUUUCO
Antonia Luiz de iiveira^Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
m
YENDAS.
[Uva litfuuaco de fauno a t f
do mez, para ecfctr fatlaras uair- i til
barata, por ser aliinio mn it ftta, \tt
frcjnczrs docmaptoTfilr : na leja t uunim
da Arara, ra da Imperatriz 56, de Uarti-
(0 Pereira Mendcs Gnimarc.
Fazeddas especiacs para seabara.
Vndese ricos corles de volido de la a Varia
Pia para senhora de bonitas barras a 84,114. i'-if,
11 e 1 o corte : na ra da Imperatriz u. 56,
loja da Arara.
A Arara vende a 24C0
Cortes de chita de cores fizas cero 10 tmtm
a 400 e 35200 ; cassas de cores a 3*0, 360 e
400 rs. o covado : na rna da lmper*lriz 56,
loja da Arara.
Caries de cambraia de salpicas a ?(M(.
Vende-se cortes de cambraia de salpico a
WOO, 35 e a 4*000 a peca, ditos de can braia
liza e lina a 35500,45500.55300 e 65, liras tar-
dadas para enfeitar vestidos e ntremelo* a l#
a 152OO : na ra da Imperatriz n. 56, loja
Arara.
Seateabarqnes a 7, 8, e a 1.
Vende-se soutembarque de laaiinbas de ruin
para senhoras a 75, 85 e a 1 ('5, dito de pn*-
pie preto muito entestado a 205, 255 e 305 : ricas
capas de grosdenaple a 265. 255, 305 ''^- Isr*
liquidar : na ra da Imperatriz n. 56, loja 4a
Arara.
A Arara vende de coma Ipakapara vestid.
Vende-se alpaka decores para venido' a 26
. o covado, challes de lazinhas a 1JM0 e 52tO
to de merino a 45500, ditos Unos *im>, 75t
85 : na ra da Imperatriz n. 56. leja da Aura.
Cassas da Arara a 280, 320 t 100 ttk rvad.
Vende-se cassas de cores a 280. 320 e 400 r..
covado, lencos de *eda a 800 e 15 : '" rf*
Imperatriz u. 56, loja da Arara.
Lazinhas a Mara Fa a SCO r*.
Vende-se lazinhas a Maria Pia para yuticVs,
com palmas de seda a 500 rs, o covado, dil; de
cores a 320, 400 e 500 rs ditas lijas le rer fa-
r capas e vestidos a 560 r?. o covado. ri> 1 niras
para capas de senhora a 15800, 2>(.0 t- 35 :
roa da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A Arara vede cbilas a 240, 280 t 320 rs.
Vende-se chitas de cores fizas a 240. e 2FO rs.
o covado, ditas francezas a 320, 360, 440 e Wt rs.
e covado, percallas para vestidos finos a .rC0 e NI
rs. o covado, camisionas para senhora a 15- !#
35 e 45500, gollinhas para senhoras e meninas a
240, 320 e 500 rs., cnleilts paia rabera a Nana
Pia a 15, 15400 e 25, para liquidar : na rea da
Imperatriz n. 56.
Baldes americanos para srnbara.
Vende-se baloes americanos, os mellirns qu*
tem vindo ao mercado, de 20, 25. 30 e 35 jicos a
255O0,35 e 35500 e 45, ditos de brilh>ntira e
musselina a 45500 : na ra da Imperaniz n. 56,
loja da Arara.
Fazendas para baen.
Vende-se cortes de calcas de briro para limrm
a 15600 e 25, ditos de rasemira a 35, 3/i.t0 e
45500 35 : na ra da Imperatriz n. wj da
Arara.
Roopa feifa para bonrn t ledas as raliire'rs.
Vende-se palitolsde I rim de coro a '.>. ;."(Oe
o l.i.< a 55,
ditos de alpaka de cores e bramos a 55, di'*^ de
meia casemira a 45500 e;;5, Mits de rn ira a
1*5,85,105, 105, lf'5-205. ditos dep>M fr.o
prelo a 85. 05, 145. 05,205 e 305, ri\ de
brim de cor a25 e25500, dua de dno brinco a
25 ditas dedito de Imho a 35300 c 45, rollen s de
cores a 25, de brm a 25500, de cem miras de
cores e prelas a 35500 e i5. calsas de casmira a
35, 65 e 85, de meia casemira a 5 e :'.'( <'. ca-
misas francezas .1 25 e 25500, de linbo inplezas e
pregas largas a 35 e 35300, gravita* de toda as
qnaldades de 500, 800, 15 e 15100, collaiirho
s, raa li-
na ra da lmcra-
FOLIIIXIIAS
Para 1805
Acham-se venda na livraria ns. 0 e 8
da praca da Independencia:
A.FOLHINHADE PORTA, abrangendo O! diodos os tamanios e'mn7to bem feilos,
kalendatio civile ecclesiastico, tuliellas de| qaidar por sertempo de fe.ta
feriados.de emolumentos dos tribunaes t izn.5
do commercio etc. a 100 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Rainha em verso,o Stabat Materem
verso, devoco ao agonisante,coraco de
Jess, cntico em louvor do Santissimo
Rosario, cntico a
Colchas para rama a ?>.
Vende-se colchas de chita para carra a 2?, ditas
de damasco a 45. ditas de fusto a 5c, rfcMa* ira
cobertas a 320, 360, 400 e 500 rs. o covado : na
ra da Imperatriz n. 56. loja da Arar,
A Arara rende uiadapul IBfrttt a 4#.
Vende-se pecas de martapolo entestada a \-> a
dito inglez de 24 jardas de n. 30, a 63. de I
a 65300 a 75500, n. 6 i-ZLW.
Virgem feria^Nossa r&MB -
Senhora, trinta e tres chistosasanedoctas. % 95000, R. D. P. 105, ZZI115, n. 2o. dito a
um indito poema sobre as aventuras dej 15a peca alitndioziDbo marra. a SfTM, dito
m ..ncinhmrn n ,-nnlf> rlp lima Rflltftira ***A7* **** '-'H> A'!?
a Uo e 125,
ra ii.a da
um cosinbeiro, o canto de orna solteira pau fcrro a ^ dj(o gL> a m d||o T
(poesa), crescido numero de mximas e|(lit0 SjCll,lira a soo, para liquidar,
pensamentos, urna historia como muitas | imperatriz n. 56, leja da Arara,
fromancoj, e vintc o cinco novas e pi- PitiMa de alpatt. #
Ihericas charadas a 320 rs i Ven-ic-se Pait..ts de alpaka prefa dr 5 e :r-:/n,
ditos linos de cordao, lizas e brancas a i*: ra
------s-------1-----------------------. 'da Imperatriz n. 56. Iota da Arara.
Ao baroleiro da ruada Imperad iz n. Sf.
Vende-se seroulas a 15280, ditas iram-i zas a
15000e 25 : e ontras mmto boas fazendas que o
1'\ freguez encontrar na leja da Arara, rua da Im-
peratriz n. 56.
rtierla de 9 de Janeiro em
matriz da Boa-Vista n. 84.
dianle : defronle da.
I
Maques sobre Portugal.
O abalzo assipnado. autorisado peio
Banco Mercantil Portuftt_se. e na ausencia
do Sr. Joagaiflr da Silva Castro, saca ef-
fgfii! Tmente por t as pracas de Lisboa e Por.0, e mais Inga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso ; podendo, ot que temaren
saques a praso.receberem i* ista, no mes-
mo Banco, descontando 4 0|0 ao anno: na
loja de chapos da rna do Crupo n. 6, ou
na rna do Imperador n. 63, saudo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Mala
inmi Han* BES
O Sr. J. J. de Souza Serrano tem urna carta
ne ta typoaraphia.______________
s
m
5
s
Ao publico.
Fonseca Rocha julgam nada
dever nesta praca ou fora della, se
porm alguem se julgar seu credor
tenba a bondade apresentar sua
conta para ser incontinente salis-
feita. Recife 31 de dezembro de
1864-
Antonio Lopes Uraga faz sciente ao publica
! por este meio, e particularmente ao corpo do com-
I mercio desta praca, que nesta data tem formado
sociedade entre si e sea csixeiro o Sr. Francisco
HUA DO IMPERADOR N. 22.
O armazem de tintas um grando deposito de
; productos cbimieos e utensis os mais empregados
1 e usados na pharmacia, pintura, photographia, tin
, turara, pyrotechinia (fogos de artificio) e em outras
industrias:.
Moniado em grande escala, e snpprindo-se di-
rectamente as principara drogaras de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvcrs Lisboa, pode offerecer
i productos de plena eonlianca e satisfazer qualqner
encommenda a grosso trato e a retalho, por pregos
i razoaveis.
Prvidos de machinas appropriadas satisfar
pedido da tintas tnoidas
.8
Oabaizo assignado, vem declarar por este
Dino, que est prorapto a recompensar generosa-
mente a quera lhe entregar os objectos menciona-
dos n'um annuncio do Diario de 29 al o dia 30 de
dezembro.
O carroceiro
Francisco Alves de Mello.
CASX
Aluga-se a casa ainda nova sila na rua dos
Prazeres da Boa-Vista n. 1 B, com bons commo-
dos e pelo barato preco de 1*5 mensaes : a tratar
com o major Joaquim da Cunha e Figueiredo das
9 as 3 horas da tarde na alfandega, e fora desta
hora na casa de sua residencia estrada de Joao
t Barros.
.Aluga-se um sitie na rua do Cabial da
cidade de Olinda, com casa terrea, com co-
piar nfrente, bota os fundos para a estra-
da e tnargem do rio Reberibe, com com-
modos para familia, estribara para cavallo
e capim para sustenta-los, arvoredos b
fructos, sem visinho defrpntg nem pelo
fando.com opirnos passsios, sala e gabi-
nete na frente, muito propria para passar a
festa, e tambem se alugar poranno : a fal-
lar no Recife, nal i vrarian. 6 e8 da praca!
da Independencia, e em Olinda na casa con-1
ligua como capitfto Antonio Bernardo Fer-'
mmmmm m-mmmmmmm
O ba cha re
. com promptldao qualquer .
Adverte-se ao Sr. Feliciano Joaquim a ole'0) cuj; qMi,4ade e pureza de seus logradle*
de Aguiar, que a sua assignatura deste tes poder ser czaminada pelo consumidor, o que
tDiario est por pagar desde OHtubro do nao fcil lazer cora aquellas que san importadas,
i So^seToraes'eo .". ta^a. .Qn'S I anno passado, que o proprietario da loja e f^^Z^rTviT^*
ra; continuando o seu estabelecimento no mesmo de ourives da rua larga do Rosario n. 40, formatos, desde urna itava at deieseis oncas de
gyro de commercio debaizo da razo social de An- tem declarado que nao se responsabilisa, capacida'de ; de vidros para vidracas e diamantes
tonio Lopes Braga 4 C, oceupando-se alem disso .._. s c anpra mandar satisfa7er nes- para corta-Ios; de pincels para fingir madeira com
do negocb de commissoes. A liquidacao das tran- porianw s. s- qneira manuar sausiazer nes edade e ou,r. de ^pcis dourados 8 pra.
saecSes pendentes flca a cargo da nova firma ; e o ^a tvpograpnia.___________________________ leados e folhas de gelatina para ornamento; de
annunciante espera que os seus amigos e fregu-! Na oraca ""independencia, loja de ourives papel grande e pequeo formato devanas cores
I zescontinuem a depositar nos seus associados a n 33, compram-seobras de ouro c prata. e pedras para embruiho, para forro de casa, para desenlio
mesma confianza que tem tido a fnrtuna de mere- preciosas,assim como se faz qualquer obra de en- com fundo j feito ; de papel albuminado e Bristol,
Becife 2 de Janeiro de 1865. 1 Co(nmenda, e todo e qualquer concert. ; verdadeiro saze para photographia e para filtrar,
-----------------------'y..^!T-------------------- e outros ; vernizes de essencia para quadros, de
f% m TJ%0 espirito |iara madeira. copal para o interior e ez-
. r teiior; oleo grazo, oleo seccativo, oleo do linha^a
SOS terceil'ilS fie N. r raOCISCO, clarifirado, oleo de oielel, secativo de Harlim, ouro
Chegou a verdadeira estamenha para hbitos, a verdadeiro em p ; prata, ouro, o estanto em fo-
qual se vende mullo barato : na rua do Queimado Ibas de varias cores; tintas vegetaes, inoffensi-
! car-I hes.
Precisa-se de nma ama que saiba cozinhar e
; engommar com perfeicao ': na rua do Sebo n. 39.1
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na rua da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercici de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
Io molestias de elhos ;
2 de peito :
3 dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
ro examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os das d s]
6 as i O da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
n. 39, loja de 4 portas.
vas proprias para confeitarias ; la de cores, e
olhos de vidros para imagens ; tintas era tubos c
telas para retratos ; untas em pastis e em p pa-
ra aquarella ; essencia de rosa superfina, de ne-
roly, jastnim, bergamota, aspice, patchouly, mbar,
boquet, llmao, alraraiva, mellas, ortela pimenla,
lotiro, cereja, alfazema,
anis da Bussia, canella,
Portugal, lima, junpero,
cravo e mu i tos outros ob-
Na rua Augusta, taberna n. 31, deseja-se fal-
lar ao menor Manoel Carlos da Silva, natural de
Portugal, a negocio de sen interesse, ou declaro
a sua residencia por este jornal.________________
A abaizo assignada professora particular que
morava no predio incendiado n. 29 na rua das
;Cruzes; scientificam aos Srs. pais de suas alum- Jetos qesocom a vista poderao ser mostrados.
I as que acha-se hospedada com a sua pobre fa- jofa petro das Nevtt,
1 milia no bairro do Becife, na casa do Sr. Joao; Gerente.
Licio Marques, na rua do Vigario n. 7, e que nao
lhe sendo possivel abrir a sua aula no dia 9 de
; Janeiro prximo, como tene.ionava; emprega toda
faUaligencia em arhar urna casa onde se possa es-
labelecer; resoluta a continuar no seu laborioso
eraprego: espera quo os mencionados senhores
lhe fQam o favor de ter paciencia por mais alguns
ias : bera cerlos que envidar todos os esforcos
possiveis para evitar qualquer demora sejam quaes
forem os encommodos que tenlia de soffrer.
Maria Jos Amalia de Miranda.
Vende-se em casa de Marcelino & C, na rua
do Crespo n. 5, um paleo de damasca de
branca, vindo de Lisboa pelo ultimo vapor.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos Coelho,
lina doQueimddo V 19,
Vende-se o seguiste :
Altenco! I
Ricas lazinhas, fazenda a melhor que 1. m vt-
1I0 ao mercado, tanto em goslo como em qualida-
de, pelo baralissimo preco de 560 rs. o covado.
Ditas miudinhas carmezins. proprias para tcftf-
dos de meninas e camisinhas a 640 onvad.
Cortes de laa com 15 rovados, pelo barato preco
1 de 65.
Cobertas de chila da India a -,V>' e '."..
Lences de panno de linho a 25 e 25-'>0".
Pecas de cambraia de forro rom I 112 varas a
35200.
Toalhas alcochoadas proprias para mies a .'>5 a
duzia.
Ricos cortes de la com barra Maria Pia a
185.
Peras de platilhas de algodo cera 10 varas,
proprias para saia a 45.
Algodao entestado com 7 l|2 palmes de largnra
a 15100 rs. a vara.
Esteira da India, propria para forro de sala de
4,.'), e 6 palmos de largura, por menos preco do
que em outa qualquer parle.
Neste estabelecimento tambem se encontrara
um grande sortimento de roupas feitas, e per me-
dida _^___^^___^^_______________
ARMAZEM G tRANTIA.
14Rua do Imperador 14
Esquina da travesea de Oevider
Grande rcduicao de precos ueste armazem de
inolhadus, que foi completamente ref< rcado, ende
o publico encontrar srmprr nm rsrolbide serti-
~"to dos raelhores grneros que v< m ao aereado,
garantindo-se o bom peso e qoalladr. r Muand*
Vende-se nina morada de casa terrea com
commodos, quintal grande e murado, em muito
bom estado : na rua Direila n. 62 povoa;o dos
Afogados ; para se ver ao sachrlsto da matriz
daquella freguezia. e para se tratar na rua da
Cainba do Carmo n. 8 : tambem se trocar por
predio nesta cidade.
Vndese a loja de funileiro da rua do Uan-
gel n. 46 : a tratar na ri.a Direila n. 85________
sedat nj0 agradar o genero ao comprador. rrlituir-.e-
ha a sua importancia sem o menor ronsirangirr n-
0 proprietaric
Francisco Angosto da Costa
AOVefiADO
Aula de Instrueeio primarla.
Manoel de Souza Cordeiro Simoes avisa aos pais
de seus alumnos que no dia 9 do corrente se
achara abena sua aula particular a continuar os
seus exercicios, na mesma casa n. 16 da rua da
travessa dos Expostos; e ao respeitavel publica,
si'^..^
nos, pensionistas e meio pensionistas, asseverande
aos pais que lhe confiarem seu- (illms. todo esme-
ro em iinprimir-lhes sentimentos de san moral e
de religio. ____
A ttengo*
Carlos lomiBrie, alfaiale de Paris, previne ao' S^JJ^LfSSIJL S^L im^s Machado declara ao corpo do
publico drsta cidade, qne se acha estabeleeido na &MMm0 MWMm &WmMm commercio que por haver 011 tre de igual aome,
rna da Cadeia n. H, por cima da loja de relojeiro, Preefsa g0 de ^ d h j d assignar Jos Antonio da
primeiro andar, aonde se encarrega de apromptar eras n. 24. Silva Machado
toda e qualquer obra de sen oflleio com perfeicSo ------r---------------------------______________
e commodo preco. ~ Aloja-se o sobrado de done andares da rua
------Aluga-se a loja da rua da Penha n. 29
fallar na rna da Camboa do Carmo n. 6.
da matriz da Boa-Vista n. 26,
modos e muito fresco
dos Prazeres n. 10.
oom bastantes com-
Precisa-e alugar orna ama forra 00 eserava
. a tratar nos Ceejhos, rna 4, segundo andar. Na mesww casa aluga-se nma
eserava boa qotiaadeira.
Rog.i-se as autoridades policiaes e capiles de
campo a apprehenso da escrava, mulata, de nome
Rosa, idade de 35 annos, altura o corpo regulares, "irVcnde-se urna preta de 22 annos, qne cozi-
com falta de dentes na frente sentouse no di ha ,ava cose ch5a na rua de HorUs 24
3 do corrente, levando veslido de chita escuio, cor nr' rn .n(i.r
de rap, e chales de laa azul desboUdo: qttem a prinw>ro_J^:-----------------------------------^_^
pecar leve-a rua do Sebo n. 7. Vendem-se seis meiaguas no Campo Verde:
-i_ .-------------. _.-----.. o. n------r. a tratar na rua do Cotovello n. 17.
O abaizo assignado lembra ao Sr. ..., e a _--------_---------------------------------------------------
outros que rom elle sociam, todos moradores na Esperanea
villa do Bonito, que occopein-se com a sua vida, Lavas de pellica, brancas, pretas e de cores ;
e nao com a alheia; porquanto o abaizo assignado em as brancas ha especialidade e nma forma in-
teiraraente nova, cadeias de ac polhdo e faciadas,
vallas de contasazues lurquzas, brincos balao a
800 rs. o par, Polceiras do cabello a 55000, graiza
econmica a 320 rs. a caiza, tinta commonicativa
que depois de 8 dias se pode tirar copla para esta
especialidade ainda nao appareceu plagiario, en-
feltes com rifa de froco, a Esperanga teve pelo va-
por estes enfeites, nao constando qne alguem mais
tivesse recebido, porm nem n""" ,s* 0$ vender
por mais de 3a000. muitas especialidades que nao
lamento muito mohecido, e sabe dar compri-
mento aos seus deveres.
______Paulino Jos Soares de Souza.
Preetsa-se de urna que saiba cosinbar ua rua
Nova n. 7, leja.______________________________
- Na travessa dos Ezpostos n. S8, segundo an-
dar, precisa-se 4e urna ama. _______________
Aluga-se a -casa terrea defronte da igreja do ,
Miguinho n. 44, lem duas salas e dois qaartos, podemos annunciar por serdespendioso: vio a roa
murada e cacimba rem muito boa agua : a tratar do Queimado n. 33 A, que se vender barato e a
na rua lie Madre e eos n. 14. dinhelro.
to. O proprietaric de:le eslabrlerimonto tem a
a conscieneia de que ninguetn poder servir me-
lhor o publico, e pr preces mais mdicos, portea-
do tambem aGancar, que no sea esubelrriaieote
nao se Ilude pessoa alguma, por isso nao anana-
da precos, pelos quaes nao possival vrnder-sc -.
venham, pois, ao armazem garanta sortir se de
bons gneros, que nao se arreprndero, confiande
o proprietario que as pessoas qne all forem ama
vez, continuaran a freqnentar e sen esLibelerin-ea-
to, que aguarda a conenrrencia dos que gosiana
do bom e barato.
Libras esterlinas.
Vende-se ao proco correte de 05 por
cada urna : na rua do Crespo escriptorio
n. 15._______________________________
roa a:quisicAo.
Jee do Amara I Rapaza lendo em vista miniar
de negocio resolve vender a sna taberna n. )Ml
do largo das Cinco Ponas, t' na veidade ezrel-
lente arquisieo para quem >e quiier estabelrrrr
com um armazem de mnlhados, do genero dos
vulgarmente chamados Pregressosji par ter
ps melnores proporcoes e accommodaedrs irrrs-
sarias e j pela snperieridade de loral, vista ser
estabelecimento mais prozimo da estadio da ra-
minhe de ferro : a pessea qne quizar entrar rm
qualquer ajuste dirija-se ae referid estabeleri-
mente que achar cem qnrm tratar.
rrirc"


Diario de Peruaiujmco 4|uiata elra 5 Je Janeiro de le?*,
-i
HNJ
Diarratras e a >!-
aac* pradailda*
prlna elafcarafoea
atrfectuaaaa loa all-
nnlM.
As pastilhas digestivas eem a pepsina de Wat-
tman, emprego se rom successo h j alguna
annos pelas celebridades medicaea de Pars,
Londres, Vienna, etc., em todas as incommodi-
dades em as quaes a digeslao difficil, penosa,
imperfecta ou mesmo impossivel: eis o melhor
remedio para curl as
Gastralgia*.
Mapenalaa.
Bmbararo a !<
A gaatrlte.
Aa arfrrcoca erRMol-
eaa lo rl4inaffO.
Em todas as molestias empregSo-se miude u
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichy,
e igualmente aspastilhas de Vichy. Esse meio i sd
effica quando se trate de dispepsias de curta du-
ravao, mas o prolongado uso das agua* e pastilhas
de Vichy, tem grandes inconvenientes, por quanto
8 alcalinos empobrecen) o sangue e isso de tal
maneira que Ihcs arreblhio a parte vivificante,
nutritiva e reparatriz. Com a pepsina, a contraro,
como ella ama substancia orgnica, albuminosa,
transformarse ao mesmo lempo que se effectua a
transformavao dos alimentos assimilhando-se
como elVcs e ajudo tabem como elles a nutricio
5eral. Sua accio vivifica o sangue e os ergios
e tallarte que, ath as pessoas que sem soffrer as
affeccecs gstricas cima mencionadas sao nica-
mente fracas ou d'um temperamento um poueo
eb1, < necessitao substancial alimento para for-
tificar se, acho no emprgo das pastilhas pep-
sina de H'ksi-wk, um poderoso meio para a isso
Chegar.
A vi!o importante. 0 successo das pastilhas
pepsina de Wastnan diu cansa a se fazerem fal-
silicacdes e imilaccs d'esse producto que os
mulos se querem desfazer. Pois por falta d'uma
boa preparaco pepsina que n'ella entra, jaz
a alterada. Seremos ao abrigo Teste inconveniente,
"exigendo os compradoras que as pastilhas tenhio
asiniciaesB. P. e saiio da pharmaciaChevrior.
Depsito geralem Pars, pharmacia Chevrier,
SI, Fsnbourg-Montmartre, e em todas as bou
phamncts de Franca e dos paitas estrangeiro.
|U|
.t>"9-^g g
S. 6 t i o <
o 3 ~ O (8
Grande liquida#to. .
Ra da Imperutrix n.BO.
Loja de fazendas do pavo de Gama & Silva
Acha-se este estabelecimento completamente
-oriido de fazendas inglezas, francezas, allemas e
suissas, proprias tamo para a praca como para o
mato, prouiettendo vender-se mais barato do que
ere outra qualquer parte, principalmente sendo em
porgiio, e de todas as fazendas do-se amostras,
deixando litar peulior, ou mandam-so levar em ca-
sa pelos caixeiros da luje do Pavo.
Vestidos a soutambarqne.
Pelo ultimo vapor francez chegaiam riquissimos
vestidos souiambarque, os mais modernos quo
ueste mercado tem apparecido, os quaes eslo
| promptos com saia, corpinho e seu competente
soutambarqne, ludo guarnecido de seda, velado e
| renda. Quera tver born gosto dirija-se a loja do
Pavo, na ra da Imperatriz n. 60.
0 VIGILANTE AOS TKES MIL VESTI-
DOS.
Na loja do Pavao, a 3$. 4$
1A1E
RIA DO Ql I3I3IA9IO H. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
i
e 7,?000.
Vendem-se lindissimos cortes de vestidos india-
Kua do Crespo o. V.
O galio vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
poso Ballisa, na sua ordem do da, e pela Branca
' Aguia, apesar de que, para estes o Gallo com seus
agudos esporoes nunca os offender, antes os agra-
ciar na mesma conformidade, para que o Baliza,
possa marchar em frente, a Branca Aguia possa; nos, sendo todos bordados e de listras de cores e
levantar seu vo,{levando no bico as palinbas seu brancas,proprios para casamento, pele baraiissi-
ninha ; e o Gallo ficara em seu espacoso campo mo prego de 35 cada corte por se 1er comprado
dando de novo o sea canto annunciando a seas urna grande porgo, sendo fazenda que vale 65,
bous freguezes e aorespeilavel publico \ ditos a Mara Pa, tendo quatro pannos, fazenda
L ... ... ... P* corPo com os competentes enfeiles para o
0 jrande sortimento de objectos de mulo gosfo que mesmo, pelo baratsimo preco de 4,5 cada um,
acaba de receber. ditos de todas as cores com as barras bordadas a
Ricas carxinhas com msica ricamente enfeita-, crox,_sendo cada um em seu cartio, tendo cada
NOV1DADE
f Pereira Rocha 4 C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Glarim Ccmmer-
ial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que tem ao nosso mercado os
luaes 6er5o vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencioneda; garante-se (bom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
das para costura, proprio para uro delicado me-
nino.
Riquissimos cofresinbos com cadeados d metal
para guardar joias.
i Ricas caixas cora estejo, contendo todos os per-
leuces para homem.
Riquissimas voltas fingindo perola.
Ditas com lacinlio de lita.

Rea %
ans-?0!*!'*
- 3 c
2.2.2 o S
M-il
ivfi

H

M
2 zr
a
La
3 a
- 2 o B
2-2 1
.t-ik. s
=r3g2 Si H
-I o-l -2' s-a
rv i., c.
um todos os enfeiles precisos, pelo baratsimo
preco de 7$ cada um, ditos com babados multo bo-
nitos, mas sem ser em carlao, pelo diminuto pre-
co de 3,5500 cada um; advertindose que os donos
da loja do pavo vendem estes vertidos por to di-
minuto preco por terem comprado ama grande
quanlidade e convir Ihe liquidaren) logo, na sua
loja, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Ditas de lindas cures e preta, de todas as gros- AOS VUlte mil COVaUOS f laa.
Lindos aderecos com pedriuhos fingindo bri- rande pecblncha, a 40
litantes. e 3SO rs.
Ricas iivellas para violo, de todas as qualidades Veadem-se as mais bonitas lazinbas trnspa-
e bom gesto. rentes, sendo com llslras e quadrinhos miudinhos,
Iticos cintos do ultimo gosto de Pars. e lisas, tendo de todas as cores, assim como prelas
Grande sortimento de lindos enfeites para cabo- e roas para luto, pelo Uaratksimo preco de 240 o
(a, sendo do ultimo gosto e de todos os precos. covado,dilas transparentes com palminbas de seda
Flores muito tinas para noivas. Mara Pia, tendo de todas as cores, e lambem
Luvas enfeitadas e meias de seda para noivas. alsomas proprias para luto, pelo barato prego de
Chaposinhos, sapatinbos e meias de seda part 320 cada corado, Mo por haver urna grande por
B-ilg B -" fifi
f.ea.s'i
s o
ajo.
Sga?
I|W
II ii
s S-s
o
o 2
i
s^" i
4
o S
o"2 -
s a

OS
OS
o
Di
?SS
D.aq
i
c
I*
GRAGEAS
GLISEXIONT
Approda pela Academia a* rotdiui.a d* Parii.
Resulta putos dous relstorios, adopuidns pela lita
Academia em 1840 em 1858, que as <;i\i,i as de
LIS e CONT cao o melhor e mais cl'licaz remedio
ferruginoso para curara rhlorosis (alias fluor-albo), os
fluios brancos, a 'fraquea de complenae nos dous
sexosjk lambem para ajudar a menstruafao das mocas.
Estas Grageas nao sao vendidas senao m caixinhas
eu vidros cobertoa eooi rotulo e fechadotcom una tira
levando a firma de depositario peral : laiif.i.owk,
.pbarmaceutico, re iRourbon-Villeneute. 19. Pars.
Oeposito geral em Pernamhuce ra da
Cruz n. 22 em casa de Caros cV Barboza.
A UGiTIMA
baptisado.
Riquissimas Titas de todas as qualidades para la-
co, cintos e cinteiros.
Camisinhas c golinhas para senhora.
Riquissimos jarros e figuras para ornamento de
i sala.
Grande sortimento de gravatinbas tanto para se-
nhora como para homem.
Luvas de pelica branca e decores.
Cascarrilhasde bonitas cores.
Tratcinhas, galao e maravilbas para enfeites.
Transelins de cabellos e de retroz par* reloglos.
Papel amisade e de oulras qualidades.
i Bolsas para viagem.
i ntremelos e babadinlios de lindos padrSes.
; Lencinhos de Hubo bordados.
Meias para homem, senhoras, meninos e meni-
1 as.
Fitas de retado lisas e com matme de todas as
larguras.
Taesouras e caivetes de todas as qualidades.
Grande sortimento de sabonetes.
Lindos vasos com banha para offerecimentos.
Caixinhas com seis frasquinhos.
Essencias de todas as qualidades.
Agua verdadeira Florida.
j Agua da Colonia, era garrafas grandes, e em
i'frascos quadrados cgarranhas.
Pomada lina de toas as qualidades.
Superior baoha em frascos e copos de todos os
lamanhos.
Sabo Inglez em paos grandes e pequeos.
Escovas de cato de madrepcrola, marfim e de
ISSO, para denles.
Pentes para desembarazar, com friso de metal e
i sem elle.
Ditos de tartaruga e de mnilas outras qualida-
(le-
Pentes de tartaruga para senhora.
Ligas de seda -e de algodiio, assim como muitos
outros objectos de gosto que seria impossivel inen-
<-inar, que a vista far f, s no Gallo Vigilante,
ru uu Crespo n. 7.
Volliuhas.
PREPilUDA iflCAMEKTE POR
UX1AN & KEMP,
NOVA YORK
Comaposla de substancias, gozando de
propredades eminentemente depurativas;
apjHiAaJ;i pelas juntas e acadenitas de me-
dicina ; usada no* principara ho^pitacs, ci-
vis. militares e da marinha as Anlilias e
no continente americano ; receitada pelos
facultativos os mais distinctos do imperio de
Brasil e da. America lie-panhola
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rlieum.it ismo, escorbuto, eav
fermidades venreas e mercuriaes, chagas
antigs, morphea e todas as molestias pro-
venientes d'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existen, varias imitarles e
fateificacos, preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Biistol vende-se por
CAORSd BARBOZA
JOO DA C. BRAVO & C.
Casaes de pmbas e borrachos.
Vendem'*e rases de potnho* bons batedores, e
borrachos : na ra larga do Ro*;trio n. 26, tercei-
ro andar.
__ Vende-se um comomftro marilimn ingler do
molhor fabricante Charly Frodshan, affian^ando o
seu regulameuto, por diminuto p'eco : a tratar
na ra Nova o. 21, Uja de Francisco Jos Ger-
mano._______________________^
Veide-se eaiiies vazios proprios
para bahnleirts e faiileiros a i $760
radana; aesta typegraaliia._______
VedTso a loja de selei-o da ra Nova n.
38, eem todas as faxatvlas, ou smente a armaco,
sendo esta teda de madera de amarello, e ptima
pira qnal^ueroowo esiabeJeioienU) : a irafar *
misma laja.
cao: na ra da Imperatriz n 60, de Gama &
Silva.
Latas e copos com banha Ana.
1 A aguia branca, na ra do Queimado u. 8, rere-
Leu esta eslimada banha fina em latas e copos, isso
alem de oulras em diversos frascos.
Asmodi inissimas laziuhas de una s
cor, a imitaco de gorguro, ven-
de o p* vio.
Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
modernas laazinhas de cordozinho, as mais pro-
prias e mais lindas que tem viodo, proprias para
vestidos, soutambarques, capas, etc., dam-se amos-
tras deixando penhor, e vendem-se pelo baratissl-
mo preco de 560 rs. o covado : na ra da Impe-
ratriz n. 60, loja de Gama e Silva.
As lazinbas do Pavo.
Vendem-se laazinhas de quadrinhos transparen-
tes, boa fazenda, pelo preco de 280 rs. o covado,
ditas largas mullo finas a "400 rs., ditas estampa-
das, cor segura, padres muidos e grandes a 320
rs. o covado, ditas transparentes com palminhas
de seda a 400 rs., ditas esrocezas a o60rs., isto lu-
do para liquidar : na loja e armazem do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60.
Os (jrosdenaplr-s do Pavo.
Vendem-se grosdenaples pretos, fazenda supe-
rior a 15600 rs. o covado, ditos largos muito en-
cornados a 2i00, 25600, 25800 e 35000, ditos
brancos, cor de rosa, azul e amarello a 25000 r.s
o covado : na loja de Gama & Silva, denominada
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60.
As novas litas garibaldinas a 500 rs.,
oa oja do Pavo.
Vondem-se as mais modernas laazinhas garibal-
dinas, fazenda inteiramento nova no mercado, sen-
do todas com listras miudinhas. e transparentes,
icom lustro a imllaro das sedinha?i tendo varias
jcores, sendo azul,"cor delirio, cirmezim, cinzenta
I e cor de tiavana, ele.; i>te a 500 rs. o covado para
i vender depres>a: na loja do Pavo, ra do Impe-
1 rroz ido Maranhao, India e Java a 60, 80 e
1001 rs. a libra, e .0800, 20600 e 30000
a arrolla.
Ameiias francezas em latas e cm frascos a
10200 e 10600, e em frascos grandes a
2*500.
Idemlem caixinhas elegantemente enfeitadas
codi ricas estambas no interior das caixas
a 10200,10400, 10600 6 2.
Aroejidoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
gfandes a 960 rs. a garrafa,
Iderii de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Arafuta verdadeira de matarana a 320 rs. a
llora.
Avelinas muite grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1030o rs.
Bolachinbas de soda, latas grandes, a 20 rs.
lata,
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinhae a 200 rs. a libra.
Bahha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10600, 20,
20500, 20800 e 39000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Ceneja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 900 rs. a garrafa.
1 Conservas a 720 rs. o frasco.
; dem, s de pepino, a 720 rs.
| dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
20000, 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs: a libra e805OO a 80800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhos francezes muito novos e
bem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
libra,
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior s 220
Painco a 200 rs. a libra. rs. a libra.
Polvo seceo muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800 Figos de comadre e do Douro em caixinhas
dem prato. i de oito libras e canastrinhas de 1 arrota a
dem londrino chegado no ultimo vapor a 10800, 50500 e 280 rs. a libra.
900 rs. a libra. Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs dem de Higo a 120 rs. ? libra.
cadajum.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 6( 0
libra.
Eigos em caixinhas emticamente lacrarlas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocaje Chamisso e Outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e em caixa cora urna du-
zia a 90000 e 100000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs.
a duzia.
dem Morgauxe Chateaulumini de 1854, a 10
a garrafa.
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs? a garrafa e
102OOrs. a caada.
Genebra de Hollanda verdadeira marca YI>
a 560 rs. o frasco e 00200 a frasquera.
dem em parrafees de 3 e 5 ga'es a 50500
e 70500 cada um com o garralao.
Graixa a 100 rs-. a lata e 101CO a duzia.
Licores muito finos a 700 is. a garrsfa.
dem, quaiidade especial em garrafas mu'to
grandes, a 10800 a garrafa,
dem em garrafas mais pequeas a 80 rs.
dem, em garrafa forma de pera e roll-as de
vidro, a 10000, s a garrafa va!c o fc-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamenie flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 810 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates cm barril a 480 rs. a libra
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos mellares eoBMrvtr
ros de Lisboa a 60'i rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos prsr.il**,
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Macas finas para sopa: estrellinha, prvide.
rodinha e aletria a 600 rs. a lil-ra t a 40
a caixinba com 12 libras.
Nezes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixt em latas preparado pela prime.re irte
de cozinha a 10 a lata,
Paliios de dentes a 160 rs. o maco.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-1 dem de dentes a 120 rs.
mos grande porco de outros que deixamos i dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudoser vendido por, Amendoas confeitados a 900 rs. a iibrc.
pecas e carnadas, tanto em porces como j Doce de goiaba em latas o melhor pon
retalho- 20 e em caixao a 640 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima te- Palitos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 por cento. jPassas muito novas a 480 rs. a libra.
rador n. 60 Lindas voltmhas de perolas falsas com cruzm/ias (|B m:c ,ni,H,n0 .;cii/1ne Matan* Pia
(ingindo brllnantes, assim como cruzhas avnlsas I Us mdls j1 tTflf9i >
e voltinhas, pelo barato preco de 15 e 15200, as lia loja to FaUlO, 16$
cruzes avuls asa 400 rs. s no Vigilante, ra do! Vendem-se finissimos vestidos a Maria Pia com
Crespo n. 7. os COrpinhos difTerenlt-s, -tendo todos os oreparos e
Leques. rom o competenio sinlo : na ra da Imperatriz n.
Riquissimos lofoes de madreperola tanto para 60, loja do Pavo.
fenhoras como para meninas, pelo liaralo preejo
i!\! 125 e 145; ao Vigilante, ra -do Crespo
t. 7.
GRANDE Ni VIDADE.
Sft no v. lame.
Riquissimos enfeites de todas as qualidades para
scahoras e muninas, .chegados hoje da alfandega.
lotos
(Riquissimos sintos de fila larga e eslreita com
(velas grandes e pequeas, com brilhantes falsos,
cousa de muito gosto.
AI l)li 11*.
Tambem chegaram os riquissimos akb'jus para
50 retratos, com rapa de tartaruga e de marfim,
eoosa muitochique : so na Vigilante, ra do Cres-
po b. 7.
li'tli lus.
Rirjsissimas golinhas e manguitos, omelhor gos-
to Desnivel, a 25, 255OO e-35; s no Vigilante,
ra da Crespo n. 7.
Enfeiles para eahora.
Riqoeissira enfeites com ,laoo e sem I ac e de
oulros.muitos goslos a 15, 15390 e 35: s no Vi-
gilante, a do Crespo n. 7.
TraneeliBe.
Lindos trancelins ce cabello para relegie on lu-
netas, peto iiaratissimo preco de 1500, ditos de
retroz a 200 rs.
Cabadinhos fiUreJnektt.
Riquissimos babadinhos enlremeioe com lindo;
desenhos tapados e transparentes, neto baralissimo
preco de 15206, 15500, 25 e 35; s mo Vigilante,
ra do Crespo a. 7.
Cascarrilhas.
Grande sottimeato de cascarrilfeas de diversas
larguras, assim cono galaozinho e (ranciabas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, ra o Cres-
po u. 7.
filas.
Grande sortimento de litas de diversas larguras
e quaUiades, per precos que admiram aoc com-
pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e peca
de 9 varas a 20; s no Vigilante, ra do CresK>
n. 7.
Filas de lia.
Fitas de la de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a peca; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
lucos csprlbos.
Riquissimos espelhos com moldura deurada'
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim como com
cnlnmnas de differentes lamanhos a 25,35,45, 85
e 65; s no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Liados jarras e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para pos de arrai.
Riquissimos vasos com oera para pos de arroz,
eousa de multo gosto a 15500 e 25, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos oa vasos com dis-
tinclivos e offerecimentos as sinhasinbas dos me-
lhores e mais afamados autores de Haris e Inglater-
ra, assim como 01 grandes copos de banha japoneza
a 25 e a 15, assim como outros objectos que nio e
posslvel por hoje annunciar, e vista dos fregue-
zea se far todo negoejo na loja do Gallo Vigilante,
n df Creipi f. MI I
tamisiitliasa .OAO-
Veadem-se camisinhas com manguitos, sendo
muito bem enfeitadas. proprias para senhoras e
meninas, palo barato preco de dez tustoes cada
; urna : na loja do Pavao, ra da lmperafriz b. 60,
de Gama & Silva.
Vestidos para meninas.
Vendem-ses mais modernos vestidinhos para
meninas, sendo mutto bem enfeitados Maria Pia,
tendo de difier*ntes lamanhos, pelo barato preco
de 65 cada um : na loja do Pave, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Cama & Silva.
I.iuiaa fcila kirala.
Vende-se um grande soriimecio de roupa feita
para homens, sendo caigas de bnm brance e de
cor, di tas de rasemira preta e de cores, ditas de
meiacasemira, paletots saceos e sobrecasacos de
casemira e panno preto fino, coHetes de todas as
qualidades : na luja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Suva.
Grasdenapledeior a i 600 f covado.
Vcndc-se grosdena,pJe de cor azul, raneo e pre-
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, .de Gama &
Un.
Panw de linfa a 700 rs. o cacado.
Vende-se o verdadeiro panno de linho proprio
para lences, toalhas e-ceroulas, pelo baratfo preco
de TOO rs. a vara : na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Ecenomia d Pavo.
Vender para acabar, nma perefo de reUthos
delas ecassas de todas as qualidades, e por pre-
cos mailo em coiHa; quem tem economa 4ue
pode apreciar : isto na Ic'a do Pavao, ra da Im-
peratriz n. CO, de Garrt & Silva,
Madapoti a 70000, s na loja da Pava.
Vende-se superior madapolo muito encorpado,
tendo 20 varas eada peca, com 4 palmos de largu-
ra pelo Iiaratissimo prego de 75000 a peca, ditos
muito finos a 85, 05 e 105000. E' pecbim-ha, na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cortes de eassa a 30000.
Vendem-se muito bonitos corles de cassa, tendo
7 varas cada corte, com desenhos muito delicados
pelo Iiaratissimo prego de 35000 o corte; s na
loja do Pavo, ruada tmperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cortes de chita franceza.
Vendem se finissimos corles de chita fran-
ceza, com 12 covado?, tendo, padroes escuros e
alegres de cores fizas pelo baratsimo prego de
45000 o corte; s na loja do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60 de Gama & Silva.
Cambraias lisas, na laja do Pavia.
Vendem-se pegas de cambraia lisa muito fina,
tapada e transparente, pelo baralissimo prego de
45OOO tendo 8 1/2 varas cada pega, ditas multo fi-
nas a *5, 85, e 95 a pega, ditas Victoria com 10
varas pelo baralissimo prego de 75, 95 e 105, di-
tas Garrames fazenda muito encorpada, fazenda pro-
pria para forro a 160 rs. a vara ou 5600 a peca ;
isto na loia do Pavo, ra da Imperatriz n. 60," de
Gama i Silva.
Caries de lia a 40000.
Vendem-se cortes de las garibaldinas, raalisa-
das e de qnadrinhos, tendo 1-2 ovados cada corte
pelo baralissimo prego de 45000 o corte; isto na
loja de Pavo. roa da imperatriz a. 60 de Gama &
Iva.
Frascos com gomma arbica
dissoivida e pincel.
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja da
aguia branca.
N> vos albuns.
A aguia branca acaba de receber outra encom-
menda de bonitos e bem encadernados albuns de
capas de velludo, massa, tartaruga e marfim, al-
|guns dos quaes com microscopio para augmentar
o tamanho dos relralos, continuando a serem veu-
didos prpregos commodos : na ra do Queimado
loja da aguia brancan. 8.
; G lanterias para fes tas
A aguia branca nao ressa de encommendar do
que ha de melhor e maisagradaw-l.e por isso aca-
ba de receber diversas figuras e vasos de p de
pedra com lina banha, assim como bonitos frascos
de excellentes extractos e lindas caixintias de ma-
deira envernisada com finas perfumaras, tudo
mui proprio para presentes de festas etc., havendo
dmteirodirija-se o pretenderte a ruado Queima-
do b. 8, loja da aguia branca.
Ail fino para engom-
inado
A a beu glbulos de ail tino e /rasquiuhos com es-
sencia de dito para engommados.
Outros enfeites.
A aguia branca acaba de reoeber por este ulti-
mo vapor um novo sortimento de bonitos e delica-
dos enfeites de'moldes inteiramente novos e de nm
apurado gesto, assim pois compareeam os preten-
dentes munidos de dinheiro e com disposigo de
gastar : na loja da aguia branca ra do Queima-
do u. 8.
Pequeos pentes de tar-
taruga
A aguia branca na ra do Queimado n. 8, rece-
ceben novamente esses peqoeuos penles de tarta-
ruga que por .tus qualidades de pequeos, lisos,
bonitos e bem feilos tanta estima tem merecido pa-
ra as senhoras segurar o cabello quand* atado ; a
aguia branca porero avisa aquellas pessoas que os
haviam encoffi meada do e a quem mais queira
aproveitsr a occasio de os comprar continuando
a serein vendidos pelo mesmo preco de 49 cada
um.
Estando brancos ficam pretos
O bom resultado e o rpido effeito que produz
a untura de chroraacoma, e mesmo e facillimo
modo de applicar tem se tornado mni conhecido e
apreciada por todos que usam della e per conse-
guinte augmentado a exlracio, pelo que a aguia
branca mandou vir mais o novo sortimento que
aeatoa de receber constando elle de
Caixas com cliromacoma para tingir os cabellos.
Frascos com coloricoma para lustrar ditos.
Ditos com hydrocallethrichina para limpar ditos
Ditos comory.'hromantina para limpar as unhas
Sabonetes brancos para lavar os cabellos.
Pomada eallicomiphila para dar cheiro aos di-
tos sem otTender a preparago feita.
Sapa tos de marroquim dou-
rado para bailes.
Esses apatos do grande lom vendem-se nica-
mente na ra do Queimado loja da aguia braia n.
8 a 65 o par.
Meias finas para senhoras
gordas
Vendera-se na ra do Queimado loja da aguia
'""anca n. 8.
Esponjas finas para rosto
Vendcm-se na rna do Queimado loja da aguia
ranca n. 8.
Cylindros para pada*
ra.
Na padaria da ra Direila n. 84 ha para vender
os canhecldo* e acreditados cylindros americanos
pira tpabatho de padaria ultimamante chegados.
RIVAL SEM SEGUNDO. MACHINAS EPTLN i
Ra do Queimado ns. 49 e 55, loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia est continuando a
vender muitc barato, pois seu genio dar a fazen-
da por todo prego a vista dos cobres.
Cartas de altinetes francezes da melhor quaiidade
I a 80 rs.
Grosasde pennas de aro inglezas da melhor qua-
iidade a 640 rs.
Caixas decolchetes francezes de superiores quab-
dades a 40 rs.
Grosasde boloes de madreperola muito finos ao6(
e 640 ris.
Carreleis com 4 a o oiiavas de retroz preto fino a
640 rs.
Resmas de papel de peso liso muito superior i
25000.
Gravatas da liga e de outras murtas qualidades a
500 rs.
Caivetes para penna com 3 folhas fazenda boa i
800 rs.
Duzia de botes branco para casaveques de senbe-
ra a 100 rs.
Pegas de lita de eos eslrertas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Portuguez para os meninos a prender
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren-
der a ler a 15000.
Cartilhas da doulnna christaa, finas e superiores a
320 rs.
Pentes Unos de marfim a 15000, 15200 e 15500.
Pares de luvas de seda para homens e senhoras a
500 rs.
Gollinhas para senhora o melhor que ha a 320 e
500 rs.
Frascos com superiores bannas a 240, 320, 500 e
15000.
Livros que serve para assenlar roupa, pelo diminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cordo branco para esparlilbes muito superior, 1
vara a 20 rs.
Carritis com 150 jardas de linha branca a 60
ris.
Cartoes com 200 jardas de linba branca garanti-
da a 60 rs.
Grosas de pennas de ago superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
Ihas a 160 rs.
Pares de botes de punho, oh que pechincha a
i 20 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro cora superior tinta a 100 rs.
Grosas de botes de louga prateado* muito fino a
160 rs.
Tesouras para costura superior quaiidade a 500
ris.
Escovas para limpar dentes, superiores a 200 rs.
Caixas com superiores phosphoros de segnranga a
160 rs.
Caixas com 100 envelopes o melhor qne ha a 640
ris.
Caixas com 20 quadernos de papel amizade, mmtt'
fino a 600 rs.
Quadernos de papel pequeo muilo fino a 20 rs
" V abo da Madeira d do Porto
Vende se o superior vinho da.Jdadeira e do Por-
te, em caixas de urna e dnas duzias : s na loja
do Vigilante, roa do Crespo n.7^____________
Ra da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
ellins e silnBes inglezes, candieiros e cstr-
eles bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de uat e dous cavalloa, e relogios de
ouro patente inglez.
Ra U SeiMl.ii Nova 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tac ci
Ierro coado libra a i 10 rs., idem d eLo*
Moorlibraa.20rs._________________
Farela superior de Lista lji saeet.
Tem para vender Antonio Lnfz de Oliveira Ate-
veda & C. n,o sen escriptorio rna da Cruz n. 1.
Albinas
para 20 at 200 retratos, mnito bons e por meos
preco qne em outra qualquer parte: na ra de
Crespa n. *,
1
de
trabalhar nao para
descarla? agoto
faurk:adas
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Estas ix nmcj
podemde.-tr..i';ar
lualqner especia
'"j^ oe aigoda sea
estragrr r tic,
- sendo ta.-tan;
duaspessoas par*
oliabalho: | our
desearogar urna
arroba de aigc-
do em r?roco
em 40 mitiirtos.
oa 18 ariobas
por dia vn ir-
rolni de aigottic
limpo.
Assim romo machinas para serem movais rcr
animaes, qne descarogam 18 arrobas de algafes
limpo, por dia.
Os mesmos lem para vender un lelissimo va-
por que pode fazer mover seis cVstas machinas
mencionadas ; para o que convidase aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodiio, no largo da ponte nova n. 47.
Saunders Brolhers k C.
IV. II, pra^a doCorpo ^ai**
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO:
Ra do Queimado ns. 49 e 55 loja do Rsraieiro
conhecido j como tal, esl di.*| oudo ds fazenta
por todo e prego para apurar dinheiro, qner.i qi>-
zer ven ha ver e traga o cobre, c ver o seguinic .
Raralhos de cartas para voltarete muitc
finasa......................... ..
Miadas de linba troza p;.ra bordar a....
Pares de palos de (ranga de lodos os
lamanhos e titos a...................
Massos de superior grampos para cabellos
Duzias de palitos de gaz superiorrs a. ..
Libras de arda preta muilo superior a. .
Frascos de superior macag oh o a----
Ditos de dito perola a..................
Ditos de oleo de babosa mnito finos a 320
rs. e...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de banba mnito fina a............
Ditos de cheiros muilo finos para o preco
aris.............................
Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
160, e............................
Novellos de Haba com 400 jardas a......
Carritis de lmha de cores com 200 jar-
das a.............................
Novellos de linha de gaz de todas as ce-
res a.............................
Pegas de litas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a.......................
Frascos de superiores cheiros, pequeos, a
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a res..............................
Varas de bicos francezes, superiores a...
Opiata para denles da melbor que ha a..
Frascos de agua para dentes, superior a
tudo a............................ 1508P
Pecas de tranca preta liza mnito fina a. 60
Caixas com 4 papis de agulhas Victoria a 200
Varas de fi'a preta com colxetes a...... 40
Libras de lia sorlida de todas as cores a 65JSOO
Bonecos de choro mnito bonitos a......
Carias de obreias de asa ssamuto novata
Varas de franja .branca e dores para
toalhasa..........r..............
Frascos de oleo Pbilocomeseopenor a...
Ditos com superior tinta a320 e.........
Caixas de linha de gai rom 50 novellos a
Enfladores para esparlho ........4
Dnzias de botdes encanados para yesu-
jt ..........................
201'
21*
X.'.iiO
33
m
ICO
200
500
40*
64I>
600
sjr
80
60
30
240
200
400
40
tjno


l>lart de PrrnnbiKo Qalata fetal de *xaetro de <
-.
AURORA BRILHARTE
GRANDES ARMAZENS
DE
MOLHADOS
Largo da SantalR
Cruz ns. 12 e 84,&
-jesquina da ra do 5
ESPECULES i^ebo.
Largo da Santa
fgCruz ns. 12 e 84,|$
j|*-s juina da ra dojjS
IvCebo. ta
O dono dos ja multo acreditados armasen de moldados denominados Aurora
Irilhante, acaba da r-eeeber da sua propria encommenda, muitos gneros delieados
pniprios da presente esucao, e lando grande sortimento comprado aqui,aanra que lodos
os seas gneros sao de i." qaalidade.
A seguintb tabella servir a todos de base para ajuste de contas aos por-
taderas.
Nenbum armazem vender mais barato, a melhores gneros do que a Aurora
Briltaaate, j pelo grande sortimento que tem, j mesmo por sea dono se achar encom-
raedado ein sua saude e ter de vender una de seas arraazens agora, e o outre na pr-
xima primavera, por isso dove-se aproveitar orna quadra destas para se comprar
barato.
\
Laus eom 8 libras de chouricas muito novas,
a 7*390.
Ditas grandes com paixo em postas mteiras,
mais de 12 qualidades, a 1*000. I280 e
i0i9O.
Ditas com ostras, excellente petisce para fre-
gideira, a 7S0rs.
Unas com ervila novas, ensopadas, a
720 rs.
Ditas com favas, a 640 rs.
Ditas na ameixas a 10200, 1*800 o 3*500.
Ditas com mannelada do afamado fabrican-
ciato Abren, a 880 rs.
Dilas de massa de tomate, a 500 rs.
Ditas com liso* de comadre, novos, a 1*300,
23 e 2*300.
Di'isi-om bolachinhade soda muite novas, a
25000.
Ditas rom biscoiliulios inglezes de militas
qualidades, a 10400.
Chocolate.
Chocolata
15200.
telharim e aletria amarella.a libra
superior muito novo, a libra a
(lk Micarro te
ojh a 80 rs.
'lp >iio dito di!
dita branca, a libra a 400 rs.
Caixas com estrelinha, pevide e outras mas-
sas, a caixa 3*300.
Di. dita era libras a 640 rs.
Saj, a libra a 360 rs.
Suvadinha para sopa a libra a 240 rs.
Brvilhae seccas, a libra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
Panana de araruta verdadeira, a libra a
00 rs.
Airo/, do llaranhao, em sacca a arroba a
2*400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 3*200 e a
libra a 100 rs.
Toucinho de Lisboa a 9*300 a arroba e a 320
rs. a libra.
Dilo de Santos, a arroba 7*000 e a libra a
20 rs.
M ilaoi rom 123 soblas grandes, a 13280.
Hostarda franceza caixa com 2 duzas a
'8*000.
Frascos com mostarda preparada em vina-
gre, a 400 rs.
Ditos com conservas inglezas e francezas,
a 640 e 800 rs.
Ditos com sal reOnado fino, a 640 e a 300
ris.
Ditos com a verdadeira genebra de laranja
a 1*200.
Ditos de 2 garrafas de Hollanda verdadeira,
1*000.
Ditos de 1 garrafa de Hollanda verdadeira,
a 640 rs.
Botijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
(iarrafos com 2 gales com dita, a 6*000.
Servaja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 6*000.
Vnho mscate! de tetuba, a garrafa a
1*J00.
Marrasquinho verdadeiro, frascos a 800 rs.
e a 1*200.
Cnampigue, a duzia 20*000, e a garrafa a
25900.
Azeite refinado portaguez e francez, a gar-
rafa a 1*000.
Caixa de vinho iiordeaux muito superior, a
73,8*, 9* e 10* a caixa.
Ditas com dito branco, a 7*000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a 20*.
l>u is com duque da Parta verdadeiro, a
1*5000.
Ditas com chamisco superior, a 14*000.
Ditas com Porto velo a outras mullas mar-
cas, a 12*000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640,
720 800 rs.
Dito de Lisboa muito bam, a caada a
3*200, 3*500 e 4*000, e a garrafa a 500
a S60 rs.
Dito da Figueira. das seguintes marca, (N.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
4*500 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
que j est engarrafado e lacrado com o
rotlo do armazem.
Ditos de marcas mais deseonhecidas, a cana-
da a 3*500 e 4*000 e a garrafa a 480 e
520 rs.
Vinho branco uno, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 3*500 e a garrafa a 480 rs.
Gemina.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se
engommar, a arroba a 3*000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a-Hora a 200, 240 e 280 rs.
Panana.
Sacras grandes cora farinba de Goianna mui-
to nova, a 5*000.
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 8*,
8*300 e 9*000.
Cha.
Cha temos uestes gneros o melhor possivel,
hyssou, a libra a 2*600.
Dito perola a 3*000.
Dito uxima 2*700,
Dito hysson muito Uno a 2*800.
Dito redondo a 2*500.
Dilo preto de p'rimeira qualidade a 2*500.
Dilo mais baixo a 2*000 d 1*600.
Erva mate.
ExceJIente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espermacete. r
O masso rom 6 vellas do espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prlas para mimos a 4* e 2$500.
Mates.
N'ozes, a hbra 160 rs e arroba a 4*000.
Alpisla e paineo.
Alpista e paineo, a arroba 4*000 ea libra a
160 rs..
Cartas.
Cartas finas parajogar, a duzia a 2*500.
Caslnnhas.
Castanhas novas viudas neste vapor, a arro-
ba 4*000 e a libra 200 rs.
Altitonas.
Barns com azeilonas novas a 1*3C0
Manteiga.
Manteiga flor, a libra a .1*000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a libra a
660 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Qneijos.
Queijos n'ivos vindos neste vapor a 3*200 e
3*500.
Dilos londriuos muito novo;, a libra a
1*000
Papel.
Papel almaco pautado, a resma a 4*800
Dito dito lizo de linho, a resma a 4*300
Dito de peso lizo e paulado, a resma a
2*500
Dito de embrullio bom a 1* 1*200.
Vinho Hadeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 1*300 e 2*.
Temperos.
Folha de louro, pimenta do reino, comiaho
e cravo, a libra a 4''0 rs.
Velas de carnauba.
Mas sos com 6 velas de carnauba refinada a
48 rs.
Ameadeas.
Amendaas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixaes de doce de goiaba, grandes a 1*400
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de liuipar.
Tijolos de arcar facas a 140 rs.
Graxa.
Duzias de boioes de graxa n. 97 a 2*600, a
de latas a 1*000, e os boioes a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos lios.
Charatas finos dos melhores fabricantes da
Baha por diversos precos, caixas e neias
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
A 4 8 0 CORTE.
Pechincha sem igual.
Lindos corte* para vestido de percales de cores
claras e escuras com grande variedade de padrees
pelo baratissimo prego de A$ o corte: na laja das
clumnasrua do Crespo n. 13, de Antonio Cor-
rea d$ Voseo ncdlos A C.
Farelo de Lisboa.
Vendase superior farelo en sneos grande?, a
por prego coramodo, viudo pelo nllimo navio-: na
ra do Amorim, armazem n. 50.
P0TA88A

Veide-se potassi em harria a commudo-Bieca a
na ra da Crnz n. 23, primeiro a*dtr, seriptorU
da Antonio de AUneida tomes.
NEM COROAS NEM MITRAS
0
GRAIUE 1RHAZE1H
RA DO IMPERADOR IX. 4
Junto a sf brado em que mura a Sr. 0> borne,
Duarte Almelda A C, rrceberam ole na propria eicomnen-
da o mais lindo e variado sortimento de molliados, proprlos
da presente esta^ao.
Manteiga ingleza Ma$as brancas
da safra nova vinda no ultimo vapor a l,ooo'para sopa a melhor queso pode desojar,
rs. a libra e em barril a 8oo rs.
Manteiga francesa
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a060rs.
1 Amendoas
confeitadas de lindsimas cores a 800 rs. a
luna.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2j)(400, muito propios para mimos.
Cartees
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 14300,
Chocolates
de todas as qualidades a 10000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos redos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 26oo.
feneijod
ebegados no ultimo vapor a 2#600 cada um.
jueij
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de encellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro a a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinbas ric.imente douradas,
proprias para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
o melbor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
30 a 20600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que tem viudo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talharim e aletria a
480rs. alibra.
COGVtC
o muito afamado cognac Pal Brandy a l,8oo
macarrao, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinko
Figueira J A A e outras militas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisbaa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado ds melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas sao as seguintes: Chamisso AFilho,
F. A M., Nctar ou Tinho dos Denzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de baiitia a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica damesmaque
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r? .di bra.
Cervejas
dos melhores fabricantes|e de todas as mai
cas d^ 44500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutok Thom Pinto,. Reis e outros em
meiasj caixinhas a 10500.
Arroz
do MaranhSo a 100 rs. a libra, e da India
a 80 H. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1.a e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 803f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Garraioes
com 4 '/ garrafas com vinagre a 10OOOt*j
o garijafo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
DEM
em frasjqueiras de Hollanda a 50800 com
12 frascos.
GENEKRA
de Holanda verdadeira era frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdddeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
des a l.ooo e 8oo rs. a garrafa.
capo
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
de excellente qualidade a 20200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulho de l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l.ioo rs. alibra.
Vinagre
PRRem ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o mol lio.
Alpista o tainco
o mais novo do mercado a 1 iu rs. a libra,
e 40400 a arroba.
CEBLAS
rs. a arrafa e de outras muitas qualida- finos dejtodas as qualidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra
Presunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhfio, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,boo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e era caixa ter abaUmento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo b
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixjas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas muito oras
em qua|*tos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra,
Chocolate
portug^iez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
chegadjs ltimamente, pera, pecego, gioja e
outras muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
a 600 |e 10-ocaixa.
GOMMA MUITO NOVA
ROUPA FUTA
NO
ABHAZB9
UBTREIHO 1TEBOK.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo da roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senioras,
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 350 e 300000 {Ditos de setim preto. .
Sobrecasacas iem, 300 e 250000 dos de ditos e seda branco,
Paletos idem e de cores, 250,
200, 15* e......10,5000
Ditos decasemia, 200, 150,
120, 100 e...... 70000
Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50, 40 e...... 30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. 30000
Ditos branco de linho, 60,50 e 40000
Ditos de merino preto de cor-
d5o, 100, 70 e.....50000
Calcas de casemira preta, 120,
# .......
Ditos de gorgur5o de seda
pretos e de cores, 60, 50 a
Colletes de fustao e brim bran-
co, 30500, 30 e ....
Sarouias da brim de linho,
2046 e......
Ditas de algodao, 10600 e. .
Camisas do peitos de buho,
40, 30 .
Ditas de madapolio, 20500,
2e........
Chapeos de massa, pretos fraa-
W......70000; eases, 4, 90 .
70000,
Ditas de cores, 90, 80 e.
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e. ....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 40506 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e......70000
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
4*e........
20400
10400
90900
10600
80500
20OtO
Ditos de filtro, 50, l& 30500 e
Ditos de sol, de teda, 120.
40000: 110, 70 e......
CoUarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. .
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas parroste, duzia, 110,
e........
Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores. .... 40000 1
Lenees de bramante de linho. 30000 jB
Cobertas de chita chineza.. 20500 apj
40000.
205091
20500
40000,
30500
DE
J. VIGNES.
M. 55. 11UA DO IIIPEIiASOB. M. .
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz coahecidos para que seja necessario insistir sobre
sua superioridade, vaniagens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas iocoalesU-
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta pra$a ; odo-
suindo um teclado e machinismo que obedecem todas as voatades e caprichos das pianistas, sem-
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos impw-ua-
tissimos para o clima deste paiz ; quanto as vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muilo agrada-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encoramendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exp*se.oes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um esplendido e variado sortimento de musir* dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos commodos e razoaveis.
CONSULTORIO MEDHMIRIRGICO
DO
muito novas a 10000 o cento na na do Que:- em paieiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar- robe 140 rs. a libra na roa do Qoei-
go do Car ni o n. 9
GRAO DE BICO
muito novo a 30100 a arroba e 140 rs, a li-
mado n- 7, ra do Imperador n. 40 e largo
do Carino 3 9
BOLACHINHAS
bra na ra do Queimrdo n. 7, ra do- em laitas de defferentes qualidades a 10200
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.1 a lata
QUEIJO SUISSO- QUEIJOS FLAMENGOS
muilo fresco a 800 rs. a libra na roa do chegados neste ultimo vapor a 20800 na ra
pueimado n. 7, ra do Imperador n. 40 e i dol Queimado n. 7, roa da Imperador n.
largo Jo Carmo n. 9 I 40J e largo do Carmo n. 9.
Os proprietarios do grande armazem o Vprdadeiro Principal declaran aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesmes precos nos seguintes lugaresc
0 Verdadeiro Principal na de Imperador n. 40
NOVIDADES.
Queijos do \lentejo. ditos das ilhas o mais fresco que se pode deso-
jar a 10200 a libra, e sendo inteiro ter algum abatimento, ricas caixinhas
redondas enfeitadas, proprias para raimo da fesla pelo barato preco de 40
cada ama, ricas caixas de figos tambem prprias para mimo de 800 10500
cada urna. Veode-se nicamente no armazem Verdadeiro principal, ra do
Imperador
GAZ GAZ GAZ
Veme-se gaz da melhor qaalidade a
110 a lata : nos armazens da ra do Im-
perador o. 16 e ra da Trapiche Novo n. *8
OTfflS
/\fj
Teae-ie s>ior vlnh da Parto en eaxas de
1 ***,**{* : 9 ^ *''Msto. Pater 4 C, roa
A'fria i. 3.
Superior cal de Lisboa.
Vendo-se perwr cal ti as** a raais novj
que lia se cercado, tanlo em porcaa romo a reta-
lho, por barato pr^i,aflancandase aos compra-
dores uperior qoalidade : a tratar as segni&ies
ruasl: Crespo n. 7, Imperador u. 51, Fcrt do Ma-
tos, armazea do Sr. A vil la, defronta o ira pie'., c
> ajodao.
Viada da Porta saaertar
ea iwris de oltavo e derlmo, veadi Aitwlo Lal
de i Ituquerqne Azevedo C: tasen ecriporto
ra a C/uj w. 1
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO HOSCOSO,
11EDICO, PARTE1RO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundo 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s 1
horas da manilla, e das 6 e meias 8 horas da noite, excepcao dos dias santificados
. Pharmacia especial homeopatfrica
No mesmo censultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnaraisacoes e pelos precos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 tubos grandes. 300000
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se izer, e com os ram)li
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meiaonca 10'-OO.
Sende para cima de 12. custarao os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada nm a 500 ris.
LIVRON.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,
dons grandes volumes com diccionario.......'..... 203000
Medicina domestica do Dr. Hering,........... 100000
Repertorio do Dr. Mello Moraes......; ....... 60000
Diccionario de termos de medicina ........... 30000
Os remedies deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensan) portan-
te de seren novamente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
daderos, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservado, tinturados mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparacao, e portento a maior ener-
gia e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operaco, para o que o annuntiante julga-se sufficientemente habilitado.
O tratameoto o melhor possivel, tanlo na parte alimentar, como na medica,
funecionando a casa a mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cujo conceito se ni
pode duvidar, que pdem ser consultados por aquellos que desejarem mandar seos
doentes.
Paga-se 20000 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 1#500.
As operaces serlo previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos preco
aroaveis que costuma pedir o annunciante.
AGENCIA
DA
Vinko do Porto especial.
O mais generoso e genuino Tinho do Porto, mar-1
cas novas e especiae?, em caixinhas de 12 parra- inTTtWTl TAVIT uaa
fas.scndomarcaRainha de PortnRal-a 180000 AoLilLlA LrV'illUUjL
a caixa, e marca Pedro Va 160 ; em perca* Raa da Seazalla mt a 42.
6. No mesmo armaiem ha tambe* exeeiiente ^ Complet SOrmentO de moendas e WW
vinho do Porte em ancoretas de 32 garrafas a 300. moendas para engenho, machinas de vapor
cada ama, om porco por meaos alguma cona e tachas de ierro batido e coado, de todos Oo
Vendem-se charutos da Baha de rarias qna
lidartes : em casa de Monhard A C, ra do Tra-
piche *. ta.
Vnde-se orna boa casa terrea na ra da
soledade n. 41, com 6 quarlos, S salas, cosinha fu-
ra e bom quintal : a tratar a ra da Imperatriz
i. 6 ou ao Mondego n. 24.
! Fabnca uonceioilo da |
Aorada A Reg, recebem coaetante-
meate e tem a venda no ara armazem a.
34 a ra do Imperador, alBodio d'aoaol-
ta tabrica, praprm para saceos do asen-
car, embalar alffodao empluma etc., eio.,
peto preco mais raxeavoi.
mmm
amanhos para ditos.
Arados americanos e msAin;WT,f ^^
lavar roapa: em asa de S. P. Johnston C.
ra da .Seazalla Nova n. 42.
Vende-se
um excellente carro americano com 4 ro-
llas e arreios para um e dous cavados sen-
do muito maneiro e leve, o qual tendo si-
do todo reparado de novo se acha m me-
lhor estado de perfifie aaieio: 0 tratar
com Antonio Jos Rodriffvet de Soga aa
ra do Crespo n, 15, das lo horas do dia at
as 3 da terde.
Vendo-s a armaoio da leja 0* tMtleire 4
ra Direita a. 31, juste leja de Vrpiiii 4a Sr.
Braga.



>


Diario de
cea Quinta 'el' delro de I 6
MAGNIFICO SORTIMENTO
A
DE
MOLHADOS
NO
GRAIDE ARMAXEM
DA
LIGA.
O Rti HOVA CO
tasa da esquina junto a ponte ta Itoa Vista.
MUITA ATTENCO.
Parece que o respeitavel publico se achara bastantemente convencido de que a
directo deste importante estabelccimento tem sido sempre c?racterisada pelo maior
gosto e capricho, nao s com relajo ao asseio, superioridade das mercadorias, como
na sinceridade do trato e maneras altenciosas dos empregados da casa para com todas
aquellas pessoas que se dignam defrequenta-la.
Muitas senhoras pernambucanas e cstrangeiras, cojo trato ameno e delicado nSo
pode ser concedido a qualquer individuo no recinto de um estabelccimento da ordera
da Liga tem vindo possoalmenle refazer as suas despensas nesta casa e rollado as'ss
satisfeitas.
E' preciso fazer desapparecer desta importante capital estas nojentas tascas cheias
sempre de escravos embriagados, onde as chufas sao jogadas sem respeito.
O importante e magnifico arniazem da Liga se'acha felizmente muito fra
dessas condicc5es. E' necessario vfi-lo para bem se prestar crdito a nossas palavras.
A mercadoria nunca ser bem comprada se ella nSo fr de boa qualidade.
sobre este ponto que chamamos a attencao das pessoas que nos qui/erem honrar-com
a sua freguezia; porque o nosso grande estabelecimento se aclta completamente previ-
do de superiores gneros, que em sua mxima parte foram comprados a dinbeiro
vista, e recebidos directamente de Londres, Paris e Lisboa.
Ninguem se acha entre nos cora mais proporcoes para vender barato.
As pessoas que compram para negociar, fariam muito bem ?e quizessem se cer-
tificar do quanto liavemos expendido pro jurando afreguezar se com nosco.
NSo duvidamos vender a crdito a quem nos der conhecimento de sua probidade.
Amendoas confeitadas em trascr s de vidro, ditas com casca mole
dura Ameixas franeezas em frascos de vidro, ditas em latas,
ditas em cartoes, ditas a tarejo =Alpiste e mitho miudo.As-
sucar refinado linp, dito baixo. Azeite doce em barril, dito
em boioes, dito engarrafado, dito francez e pertuguez refinado.
Arroz do Maranhao, dito de Java, dito da India, dito de Penedo.
Azeitonas de Lisboa, dita do Porto.Banha de porco em barril
dita em latas, dita retinada em barril e latas. Batatas emgigos,
dita em caixas, ditas a varejo. Bolaxinhas finas de diversas
qualidades, ditas de soda, ditas para lanche, ditas americanas.
Bisontes inglezes, .Mixede, Medura, Cabio, Seed, Soda, Cuddy
Cracknel, oval Thim tapiam e outras mais, ditas de leite de
Edimburgh, etc.Caf do Rio de I.*, 2.a e 3.a qualidade, dito
miudo.Cha, o que ha de melhor existe em nossos armazens,
uxim, miudo, dito hysson de 1.a, 2.a, 3.a e 4.a qualidades, dito
preto homeopathico, dito commun.CliarutsMussissipis, ditos
Panetelas, ditos regala imperial, ditos suspiros, ditos delicias,
ditos NapoleSes, ditos Parisienses, ditos aprazrveis, ditos lancei-
ros, ditos imperiaes de diversos fabricantes. Chouricas mou-
riscas deLi-boa, ditas em latas.Chocolate de diversas qualida-
des e de diversos fabricantes. Cerveja Basse, dita Victoria,
ditas Alesops, dita tenenie, dita H, dita XXX, dita em barril
branca e preta.Conservas inglezas, dittas franeezas, ditlas ali-
menticias.Cevadinha de tranca. Chanpanlia superior de di-
versas marcas.Cognac inglez, ditto francez. Ceblas de Lis-
boa em molhos, ditas em resiias.Copos lapidados para agoa
ditos para vinho. Doce de calda em latas de diversas qualida-
des, ginja, alperch, pera, pecego, doce de goiaba, em latas ditos em
caixoes ditos era frasco de calda de assucar, ditos de cognack.Ervi-
lhas em latas, ditas em casca, ditas sera casca.Espemcele de 5 e 6 o
maco.Figos em latas de 4 e 8 libras lindamente enfeiladas, ditos em
caixas grandes e pequeas em barril. Farinha de trigo de diversas
marcas, dita de araruta, dita do Maranhao, dita do AracatyFumo
do Bio em latas dito em rolos, dito em lata (do Pai) para cigarros.
Genebra ingleza marca gato, dita dita em fro-cos, dita de II llanda era
frascos, dita dita em botijas, dita de Hamburgo em frascos, dita em bo-
tijas, dita em garrafoes.Graxa em latasLimonada de diversas fruc-
tas.Licor inglez, dito francez, dito allemao. Manteiga ingleza flor,
dita de 2.a qualidade, dita de 3.a, dita de 4.a, dita fianceza de 1.a qua-
lidade, dita dita de 2.aMassas pira sopa, macan o, talharim e aletria,
dita cstrellinha epevide branca eamareda.- Marrasquino de zara de 1.a
. qualidade, dito 2.a dita, dito 3 a dita. Mai melada muito fina.Molho
inglez, dito francez.Moslar-a ingleza, dita 'ranceza. Presuntos in-
glezes para fiambre, diios americanos, ditos doPoito para tempero,
dito de Lisboa. Passas de Malaga, ditas de Corinthias para podim.
Pomada do P rto.Pimenta do reino. Peixes em l>tas, .-avel, curvi-
na, pargo, espada, congro, chermy prt-par. do pelas melhores artes de
cosinha.Papel greve branco, dit pautado, dito almaco, dito de peso,
dito amarello.Palitos lixados para denles, ditos ditos cora flores, ditos
americanos, ditos do gaz.Queijos inglez e londrino, dito flamengo dito
opiato, dito suisso.Rap Meuron, dito francez Sal. me em latas de 1
libra o melhor que aqui tem vindo. Sardinha de Basse, dito de A.
L'Auile. Sabao nacionol, dito massa e nao massa, dito inglez. Sal
nacional, dito ingles a varejo, dito em vidros. Toucinho d' Lisboa e
Porto, dito de Santos.Tijolos para limparfacas Vinho:-, nesie gene-
ro os nossos armazens tem o melhor soitimrnto que se pode im ginar,
duque do Porto, lagrimas do Douro, C-moes, Bocage, Maria Pia, D.
Luiz, Pedro II, Malvazia, Madeira, Cherry, Bordeaux, ludo engarrrf- do
Prevenimos io publico de que no armazem da liga s tem vinhos engar-
rafados no estrangeiro, dito em pipa do Porto, Lisboa, Figueira e de Sete,
dito em b rril de todos os paires, dito em ancoras, dito chamisso mui-
to proprio para casa particular em barrilinhos com 10 garrafas por
preco a satisfazer o mais exigente comprador euquanto a qualidade
garantida por nos e peles seus importadores, dito em caada por preco
baretissimo, dilo brancopara mi>sa.Vinagre puro de Lisboa, dito ham-
burguez, dito em garrafoes. Vassouras do Porto, ditas americanas.
NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaram os modernos vestidos de dentelle de seda com barra, inleiramenu novos
em gosto e qualidade : loja das columnas,na ra do Crespo n. 13, de Auiouio Correia
de Yasconcellos & C, suceessores de Jos Moreira Lopes.
Eazendas de bom gosto
Para vestidos de sendera
Superiores eortes de seda de cor, ie morante, de g.rgurao e de selim imperial.
Dilos de lilond, de earabria branca bordados.
Dilu de laa com barra grande variedade em cores e padrees.
Ditos de organdys com barra *
Linda seda de cuadros escosseza e miodai.
Superiores las lisas com grande variedade de cores.
Ditas com slticos, eom llores e de quadros.
Lindas pampohnas de quadros e de (lores, hienda inteiramcete nova.
Superiores caas de core, e lindas cambraias organdys.
Grande variedade de chita de cores, de percaha e ouiras muitas fazendas de goslo.
Para hambres de sentara
Lindas capas e bournoux de casemira de cor.
Ditas de laa e de seda.
Grande variedade de %ou('embarques de seda de 185 a iftl.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino eslampados Anos, de catbimira com listras de
seda e de fil preto.
Camizinhas modernas, zuavos kraaeos a de cores, clleles de cambraia, tildas gol-
liDhas com punhos e outros mu tos artigos.
Para cabeca de senhora e menina
Superiores chapeos e ebapellinas de palba de Italia enfeitades para senhora.
Ditos de feltroenfeitados para seahen.
Ditas da palba enlejiados para menino.
Grande sortrroeato de eefeiies modernos de retroz, de ree, de cabello de flores,
para aannora.
Na loja das columnas da raa do Crespo n. 13, de Antoiie Correia de Yasconcel-
los & C
AO PUBLICO
Mena o menor consran-
glmento se entregar o
Importe do genero qne
nio agradar.
ARMAZEM
ATTENQKO
s preces da seguate
tabella para todos, po-
deado asslna servir do ten-
se para o ajaste de contas
com os portadores.
4 0\MI.II<
DE
RA DA CAREIA BIO RECIFE 3. 53.
(Lego possando o are da Cenceifie)
Cirande redneeSo de precos, equivalente a dez por cento menos do qne ontro qualquer
annunclante.
Collegas.Nio posso por mais lempo sustentar o preco da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
amitos objectos, etc., dando com isto ocasio a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo 111 Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
Deixai que os Hunos du civibsafao vu* prcgcim
economaparaos ps 11 Esta parle no corpo
humano por certo aquella que, i.tIi i i i. -
cessita de maior a^asalho: pela huraiditr bos i.s
se introduz a grande raaioria das molestia, e nm
estas a perda da saude e da vida I! I Fra com as
bolinas e gapalee lewsc; reforma-k
45-Eua Dereiti-45
Borzeguins (rancezes para bomem
Ditos inglezes dem a 8^, 7 e
Ditos para senhora
Ditos para menina
Sapaloes esmaga cobra
Ditos de Nantes de duas solas
Ditos dito de sola e vira
Sapatos de borracha para senhora?
Ditos de Una para meninos
Ditos de tapete para homens e se-
nhoras a 800 e
Sapatos de lustre para senhora a
Ditos para rasa
Chinelas raas do Porto
no
.SUMO
IfOfO
tiWK
ata
IJ600
Assncar cryslalisado da fni iea
2 He Jultw
Nz Bahii.
NoOMMBSn d roa da Madre de Dm> n. ?f,
ha venda o n.ullo uperiar iMMr n\-iu>;i-<
systnema que vim encontrar, de so se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reduego de precos, como veris em saceos e 2 arrobas, ao preto de i rat -.-
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo mea bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil n3o rJo^_________________________
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a l,6oo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da redcelo a que | aueljos e batata.
estao obrigados, encarando todos os das de seus freguezes rclamac3o de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro potadores Queijos do vapor jl900, eaixa c. m deas
al informado deste novo estabelecimento. para he vender gneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim ?I['!bisle^alalas, 2*"M?'em ''l'.60 '
t30 Smente Obter >">'"^;< a hum. s'8 *.m qurlos_a -i, em libr?s a 400 r>..
a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabeleeimento, e mais que ludo apremplidSo e entei-
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem davida rae darao a protecc5o e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir podero mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratices, pois
serio to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda reeommendacSo, aflm de que n5o vio em outra par te
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente rs. e em barricas de 4 duzias se faz abat- Antonio de Lisboa em latas eom 6 libras
escolbida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz aba timento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a 5oo rstdf
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
dem perela o mais. superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
dem preto homeopathico por ser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra,
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o l.Goo, I,8ooe 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ment.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e njcoo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a ?.4o
e 28o rs. a libra, e 7,8eo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,oeo
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. i
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
ao que se vende emoulra parte por 2,~4oo Massa de tomate em latas de I e 2 libras a
e 2,6oo rs. 6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8 rs. a libra.
libras, ermeticamente lacradas a 5.5oe rs. 'Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
garante-se serem superiores aos que Tem: bra, e 9,ooo rs. a caixa.
em barris. i dem e lalherim branco a 32o rs. a libra,
Chouricas e paios em barris de raeia e urna estas massas tornam-se recomendaveis as
arroba a 8,ooo rs. e l.ooo e 6oo rs. a libra, i pessoas doentes por serem propriamente
Queijos flamengos muito frescos chegados' feitas para esse lim.
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
passado a l,6oo e I,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas portuguezas em latasj pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 6oo rs. a libra.
Prezunlo do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. alibra.
Copos lapidados'para a gsa a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l,ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,ooo rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
da, salmao, ostras e chernee, vezugo em
latas grandes a 8oo e J.ooo rs. cada urna.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
rliniin-
ea* frescas a 720 a libra, maulaipa inti7.i fl< r a
9C0 rs., franceza a 680, cha mindo a *fiO e 9*.
caf a 280 e 240, vinho Figueira a J(M> a ,-;.iu-
da e 440 a garrafa, Lisboa a 2600, e 360 c.r-
rafa, vinagre a 200 rs., azeite doce a fiff \<.. :.
pista a 140 a libra : no armazem da Estrella, far-
o doParaizo n. 11.
Bixas de Hamburgo
Vendem-se na ra Nova n. 61.
ESCEAYOS FU&IDOl
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas
de3 libras por l,5oo rs.
Ameixas franeezas em latas de 1 e meia libra
por l,2oo; ditas em caixinhas de deversos Fug0 sal)bado 26 de wmmm
tamanhos com bonitas estampas na caixa Sii0 0 escravo pardo de nome adioihc, \L*
exteriora 1,200, l,5oo, el, 8oors. de 20 annos, pouco mais ou mea, m t>s :i.
Azeite doce refinado Penanol eu do Kempes naesseguintes : magro, aliara nSular, m>'(..iT.
I ihna a Sin r a oarrafn c J Soe a Pria. na"'em barba e com bastarle.-, n sicas <
List 3'3t bex.gas, falla branda, foi escravo ciia to 7
| Joaquim Cavalcanti de Albnquer<|ue ie rrcfIi^o
Araguarida frepurzia tle Barreiros, nesta cidade em vender agua, pon'm ai ... n irgrs
e dias santos andava calcado, de paletol l>ire
frasco e chapeo do chile e benpalinba Ora, cuna i,i.. >e'
intitnlava de ser livre, guando fugio ui^se a aige-
a garrafa
duzia.
de Lisboa a
caixa com urna
Batetas muito novas a 5o rs. a libra e 2,eoe
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o
B.oo a duzia.
Vassnnnw rt psrva nara esfrecar casaa 32o I?as pessoas a ^wm Vndia ** wtsn Mra
vassouras ae escova para estregar tasa ** Barreiros, e que somente voltava dc|oi> i!a ffi
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
do natal : roga-se s autoridades pWirrars e r p-
les de campo de o appn-herdercm r irn4inn
entregar na roa do Qncimado n. 77, a Alfisulie
Jos da Silva, que receropeasar n n M.
No da 9de teiunbn. de 1864 li yiL'tt ti>a
desensenboro escravo Herculano. (.arrio rsren..
com 35 annos, alto, cabellos carapihcs, olhtsi-
orelhas pequeas, tem apenas bigcdc e r'ra. iti-
Lentilhas excellente legume para Spa a 200 na? e andar de quebra-mangoe, imri... i e eaa -
do torto e sabido para fra eeste pala d# sen. i
p.ir isso poxa alguma rousa prla ierra staedi
Sal refinado em frasco de vidro com rolha
mesmo a 5oo rs.
! Cerveja branca e preta das marcas mais a-
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3>ooo e 3,8oo rs. I $00 a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. alibra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
a rea Direita n.
compensado.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa era. caixa de 1 duzia
a 8,ooo e a 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vera ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., ladeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de i duzia de 9,ooo a
lo.ooo rs. ea 9oo e l.ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bo achinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 2io rs. a
libra,
das que tem vindo ao nosso mercado a I Bolachinha de soda em latas com diversas
6,000, 7,ooo e 8,oeo rs. a caixa, garante- qualidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade superior, quo outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. | para mimo a 64o rs.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5,7oo rs. a frasqoeira. libra e 6,ooo rs. a caixa com 28 libras.
dem de laranja verdadeira de A'tona em Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grandes a l.ooo rs. o tnsco, e I,8oo rs. a caixa com 8 libras.
11 ,ooo rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
Fugio pela m.-mha do da >> ee r. revele >
ffijtadii m*jfcmmnfrVm ST^^KJ^^lS.
dos, cabello carapinho, estatura icpular. rlei*..1..
corpo, muito cuntiendo por anclar eei Vw u-
zendascom um caixeiroda casa dos Sr. Vetri ..-
CharutosdetodososfabricantesdaBahiaedas"0*.^ iJ^^^S?* t5L"'_ H ,fv
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
1,080 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo;
cada um.
Farinha de araruta
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas franeezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento; ditas em
molhos com cento e tantas por l,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
:. r :i
a
O
lem de motilado
81--MJA DO 1HPER1DOR-81
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Oollegio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfacSo de avisar aos seus freguezes e ao respeitavel
publico que, estando restabelecido de seus incommodos de saude, acha-se novamente
com um bello e bem sortido armazem de seceos e molhados primorosamente escolhidos;
como sempre caprichou terdas melhores qualidades, e francamente affianca s pessoas que
se dignarem comprar em seu estabelecimento,que all de preferencia outra qualquer par-
te sero mais bera servidos, em qualidade e precos, como em pesos e medidas, no que
sempre o a anunciante foi escropulo.-o, em summa, nao itlude a pessoa alguma.
Aos Srs. de engenho e lavradores que o qaeiram honrar como seu comitente Ibes
assegura que o producto de sen laborioso trabalho ser o mais bem reputado no merca-
do desta praca, para oquesejulga convenientemente habilitado pela longa pratica com-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteza, depois de se-
rem fielmente umprido as suas ordens.
Fornecer gneros aos Srs. agricultores e negociantes que lhe merecam confianca, fa-
zendo um abale vantajoso aos que pagarem a vista suas mercadorias, e encarrega-se da
venda de qualquer genero do paiz, mediante urna mdica commiss5o, entregando de
prompto sea pn docto, e sendo este applicado a compra de gneros em sea arraaae,
prescindir da commissao.
Dos seus antigos e benignos fregaezes espera o annuncianle sua valiosa proteceo, fre*
qoentando como ootr'ora sua casa, e pelo reconhecimento que Ihes tributa offerece expon-
taneameme seos servicos.
Julga desnecesario publicar a tabella dos precos de seos gneros: sao seus recursos
garanta sullkiente de poder accr.mpanhar os menores precos de idnticos a mesaio de
mais apparatosos estabelecimentos, lendo somente era vista o augmento de suas vendas
diarias.
Frevenc neeessaru.
Tendo sido o proprietario estabelecido raudos annos com o mesmo ramo de nego-
cio na mesma ra, julga prudente advertir que s affirma e se respensabilisa palo que
tem declarado no que disser respeito ao armazem.
mmm
SI-RITA lili IMPITRADOR-St
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Qollegxo,
-c"3
3
8 I*,
u> o
5 -s
o
O. a ^ g
ce S' o c w
S-5 So S-g-o-e
o> __ a> ce ^

~ g- B fg
flu-si

a; CO
9!
o omj
o. ts
en o O f
^-* B
cu
% I
cu
\
!
casa dos mesmos na ra do Crespo n. 5, que
generosamente recompensado.
Fugiu no da de segunda-feira 56 e> rif7~e.-
bro deste anno, o mnlal Manoel, eciavo d< :
xo asslpnado. o qual tem os signars eicinlea :
baixo, cheto do corpo, fr fiara, rali Um yrarden
e penteados, metade de nm dente da (reme brado, retama andair-falcado, de palrt. e n-
dilo em caixoesa 6oors. P.levou 'c* e <56tnisa branfa. .,<< n.u*r.
| foi escravo do Sr. Antoeio da Silra Gusn a e r-
a a oa* *. luma dlIfr qu' livre: roga se a Udas as aet).-
verdadeira a zo rs. a rdades polieiae* e capitaes de campo d> a>-
! prehenderem e levar asen Sr. Freocrico Gaettrr,
dentista, roa Nova n. 19, que sera bem xtttm-
pensado.
_____________________Freerico Gr.niier.
Auscnton-se em 29 de eaemhre i aa eugeebo L'tinja de cima, no Cabo, a n.ui.imra
libra Jonna, de 14 annos provaveis, cnn| rada a *G iim,
no Keciff, a Joe Fimino *e Med iri s 11 r pn ru-
ra'.'o de sua ave Jospha liarla dos Pruzere. mi-
radores ambos no Brejo da Madre de Dc siiinaes seguintrs : cor alvarenta, S>eiee nr>
risto, cabello carapinho e ru^o, com urna rieeMe
na testa, corpo regular, com todos os Vafee, c
peitos, as pernas finas, vestigios antigos de CMreti
no corpo, padece de bobas as partes eeralne, a
falla as veres viciosa : rogase s antondadfs a
sua reatara, e a qualquer particalar, podendo >fr
remettido para o referido engenho. ou a Mo l de Carvalho Maraes Filho, roa de Quemado n. V,
que serae gratificados.
loo^oon
Anda fgido o escravo Luir, crionlo, do Pianay,
alto t grosso do corpo, cor fula, com Miaen m
bexigts, sabe ler, e.-erever o Irabalha de sapatw-
ro, da-se'OOfi de graiiflcacao a quem VIlt der
noticia certa a seu senhor, na ronfeitaria d larga-
do Capim, na corte, ou a Antonio Luiz de Oliveira
Aievedo 4 C, na roa da Crn n. t, em Perra*
bur, pagando se tambem as despeas em raso de
apprehenso.
Fugio no da 30 do orrente o preto Loa-
rengo, alto, seceo, cabellos e barba branca, rasca-
da, belfos gressos, arangnlado, faltanev-ih ib
dente na frente, ama ferida em nma perra. \r
feios, chapeo de palba, caira de algodo azul, ra-
leiot branco, camisa de atgedo branco. Jolp^e
andar pela estrada do norte ati a Parahyta, r
eostuma encnlcar-se de pobre, para a.im \* dar
passar ; roga-seis autoridades policiaese reailiee
de campo a arpr^benso do mesmo, a entregar ux
i ua do Sebo e. 54, que ie gratifica.
Desappareceu do engenho Pereiririla ra fre-
guezia de Agua-Preta, os escravos abano. nniM
signaes seguintes : Pedro, denac.5o. mas pareree
do crioolo por ter vindo molrque, estatura regu-
lar, secco do Corpo, um pooro falo da cor, barta
toda branca, cabellos da cabera, rarbaco e braecs
tambem branros, testa cantoda. pee c< mprides o
seffos, falla fino, principalmente quando canta, o
algnnra eoosa raneneiro qoando anda, idade if>
annos, pouco mais ou meaos, se bem que pare ca
muito mais velho, fugio no t* de Janeiro de IfC
Mara, conhecida por Cabula. rrlonFa, baixa,
secca do Corpo, eof fola, rosto descamado, dente*
limados, ees earte e chatos, pernas om tanto ar-
queadas ama marea em um dos bracas j bastat-
te anflga, fugio ema de Htembro pronrrro passa
do ; o seu senlwr proteste sobre os dias de servi-
cos de ditos sens escravos contra quem o Uver
acoutado.
Rogase a qualquer autoridade policial oo capi-
taes ae campo a apprehensio dos referidos escra-
vos, que seriw entregues no Recite aos *enlw>re*
Cimba, Irmaos & C, oo neste engeeho a sea te-
nbor, que ser satisfejta qiialqoerriesreza.
Dp-Wapoo-J rr*-*. O O *
" c S 5 6
a.
o.
o.
u
o.
03
5" S.S S. t eY ~ C
2 B 2|
o Son je a
o ai o 2.51 <

i" i "
m a> $
flf
o o
S|
n>
i
na
B3
a.
o
03 S-

s
e
e
l
Agua Florida,
Para restabelecer e conservar acor natural
des cabellos.
A agua florida aie urna tintara, ficto esco-
rial a contestar, a mesma agaa dando a cr primi-
tiva ae cabelle. Compesea de etaetas exticas e
de lebstaecies inaffensivae, rtla ten a propriedaoV
de restituir aos cabellos o prinripio corante que el-
les tete perdido. D*uma salobridade iecontesta-
vel, a Agua Florida entretem a limpett la cabe??
Seatre ee caspas e impede os cabelles de ate-
Ole ie Florida
GoeaBeeto de subsunciis veaetaes exticas, elle
constiie poderosamtr' con a Aga Florida,
torca, a belleza e a conservacao dos cak^x.
Em Paris, casa de Qutslaor n. tf, f*a de Riehe-
lkSr f S' boulevar,l MoBlmarTr.
Todos os frascos, ao tendo intaeto e elre, ir
timbre prale.de da casi, sie reputarte* falsos.
Deposite, raa do Imperador, pharmacia n. 31.
*- Desappareceu no dia i de Janeiro do corren,
te anno, o escravo crioolo de Dome Ji-ao, de Idade
18 afinos pouco mais ou menos, rom os signaes
lesointes : gress* do corte, llore regular. r*to
redondo, sem barba, cr beee ereee, denles booilos
faltando om na Irente da parle inferior, ps gran-
des : natural de Queteramobim (serto do Ot-
rl) (fonde *l condnzldo por ierra paca este pra-
a: leven vesllde ttamlea breare, calcas dcm de
riscedo e onira acal, e chapee de eooro : rogase
s autoridadegpollfiae e capilSes de fampodea
apnrehendM1 e matiflarem-o eeirefrar d
Direita o. 90. a h+ Mecbede da
que recompensar generosamente.

fii r^n #n i




s
Diarlo de r ernambuco -- Qalaia felra ft de faarlro de i8#ft.
Desunir a culpa civil da culpa
crime, j em relacSo ao poder
dejulgarj em relacSo ao poder
de agraciar, e J em relamo
le, o cissumpto.
A justica violada peda reparlo : em conse-
quencia, dada a offensa, resulta a necessidade da
pena que a salisfagao do estado que se ofendo,
offandeado-so ao cidado ; e o contracto por delic-
io que o onus civil peloqual tica o offendido com
hypotheca nos bens do offensor para satisfaga do
damno causado com o delicio.
S Eis a pena contra a culpa crimo em satisfagoao
oslado, e eis a culta civil garantida pela hypothe-
ca para indemnisagao do damno causado cem o
delictoao cidado ofTcadido ; e desta forma come-
ta a culpa civil a separarse da culpa crime, pro-
curando cada urna sen frojurisdidonal.
Sobre a colpa crime reaga a justiga, e sobre a
pena velara os poderes consumidos ; o jury, a ros-
peito das que sao de sua competencia, e o modera-
dor a respeito de todas, e ds todos ns crimes.
Km regra nao ha crime sem damno civil, em-
fruauto que se concebe o damno sem crime ou de-
udo ; e 6
delincuente
sado pelo escravo at o valor deste. (Cod. Crim.
arl. 28 Io).
O crime que affecta a seguranga publlea, so
publica seguranca compete resolver a medida do
CJstigo que a pena, em salisfagao do estado ; mas
o damno civil que s interessa ao cidado offendi-
do e a seus pareles, s a estes compete resolver o
interasse que vira da culpa civil do offensor, que
tambera vira do sens prenles. Cit. Cod. arl. 29.
O perdo, a minoraco da pena ; a amnista que
apaga todos os vestigios do crime, a absolvico do
juizo criminal, negando o facto o autora do crime,
nada influe e nem de leve estremece a salisfacao
Sem abrigo da sciencia e regras de diroito cm iras tres, que se aproiimavam de espingarda ao qaerda entre Klein-Gorschen e Starsiedel. A mas-
maleria de interpretagab, que o verbo e harmo- hombro. A aldeia, que fleava entre nos n valle, \ sa do cavallaria rus na de todas as lels nSo se poder desempenhar aj eslava a arder, os tectos de colmo flamraejavam, o
justica que pede reparagao.
Desla horrivel interpretado resulta irrecnsavel-
raente lodos estes grandes absurdos :
Primeiro, apparecer o poder penal jufgando por
amagues maraes e por meio de urna aeco sura-
maria em que nao ouvido o olfendido, a satisfa-
fnmo suba at ao ceu ; e sobre ama encosta, i es-
querda, vamos correr, atraz das trras de lavra,
urna tonga fileira de pegas que haviam de fazer-
nos fogo transversal.
Seria meio ia quando as seis columnas se pose-
rain em marcha, e sobre os dous lados de Gross-
sol nascente, por detraz de Grune-Bach, quera
cercar-nos; mas o 6. corpo tinha ehegado para
cobrir-nos, e os regimentos do marinha eram flr-
tiros de espingarda, mas como se eslivesse a o- (jijando tres ou quatro balas cahiram no meio del-
nhar. Sem duvida esse estado htm Igum lempo., ie5> qneharnr ama roda e os cobriram de Ierra.
Quando abr os olhos, os Prussianos corriam pe
lo becco. J enchiam a aldea, e no jardim que ti
cava defronte eslava um general velho, com a ca-
cao do damno, que em todos os casos s pode ser Gorschen se desdobraram massas de hussares e de
pedido por accao civil perante o poder ordinario; cacadores a cavallo. A nossa arlilheria, collocada
e contencioso : j a(MX dos (jaad| a(jQ^ aQ a[l0 da encosta) ,B|ia aber.
>egundo, ficar privado o offendido pela decisao l0 um fogo ,errivel sobre os artillielros prussianos,
do poder penal, da queixa e da acgo civil conira que lbe respondiam em toda a iinha. Os nossos
ooffensor, que alias lhes sao perm.tldas pelo art. tambores coraegavam a tocar nos quadrados para
n do cod. do proc, e pelo art. 68 da ciuda lei da adverlir que 0 Qmig0 seaproximava, Ouviamos-
e orm l'os como um zumbido de moscas durante urna
Tereeiro finalmente, fazer a decisao crime, mu- trovoada, e no tundo do valle os prussianos grita-
dar o direito de pedir o damno, em obrigaco de vara lodos : Valeriana l Valeriana!
satisfazer o hiero-emule e damno emergente, o seu fogo por batalboes, medida que iam su-
desde que o escravo damnicador passou ao do- bndo a C0||ina, cobria-nos de fumo, porque o ven-
minio do poder penal at o da d sua emancipa- t0 SOprava para o nosso lado, o que nos impeda
cao em que voltar a prestar servieos a sen senhort de ve.log- ApeMr disso> linhamos comecado o
nno- era nosso denlas. Haveria am quarto de hora que alo
se entenda nem se va nada, quando os hussares
prussiaoos entraram no nosso quadrado. Nao sei
como aquillo fui, mas sei que estavam ali, curva-
dos sobre os cavallo?, volteando direita e os-
obrigacao de o satisfazer, fazendo que o primitivo
e legitimo offendido, passe a ser o verdadeiro of-
fensor ; e eis, damnos, uns, sobre outros, autori-
sados pela doutrina que resulta da interpretacao
por issoqae o senhor, posto nao seja o que combato, que alias sustentada por ama il- da> g aout||aBdo como endemon.nhados. Da-
te, obrigado catisfacSo do dan cau- lustrada maior.a t varaos-lhes bayonetadas e gritos, e elles al.rava.n-
Esla interpretacao nao pode subsistir, porque n0s tiros de pistola a cabega. Kmflm, ora urna luta
ataca radicalmente o bom senso, a pedra de toque raedonha. Zebedeu, o sargento Finio, eu e mate
da justiga de lodos os povos, que segundo a lei uns vinle dl companhia, resistamos obstinada-
moral, o bom senso, a recta justiga revelada a mente. Tada a mlnba rida hei de ter na memoria
lodos, e a cada um em particular. aqaelles bigodes ruivos. aquellas caras furiosas,
Ou prevalece, ou nao prevalece a opiniao que com a barretina entiada at s orelhas e o jugular
combato : se prevalece, vlr necesariamente o hor-, debaixo da barba ; aqaelles cavallos que se levan-
rivel absurdo de ser o senhor do escravo morto tavam com os olhos esbugalhados, aqaelles mentes
obrigado a pagar ao senhor do escravo matador os. de mortos e da (eridos ca|cados aos ps. Heide
das de servlgo de todo lempo que esteva seb a j0uvirserapre aquellas gritos, nossos ed'ellos, nos
guarda da justiga publica : ,se nao prevalece, tri- \ em a||emo, outros em francez. Elles chamavam-
ampha a opiniao qae sustento, na qaal se nao en-
contra nm absurdo egual aquello, devendo por isso
do damno civil, que em todo caso deve ser a mais.esla OP1"'*0 ser abracada, e nao aquella ; porque
completa possivel Cod. cit. art. 22, e av. de i de segundo o direito, a epiniao menos absurda, ser
.ctembro de 1833.
a mals verdadeira.
Pelo arl. 31 do dlo cod.. que foi revogado polo
A interpretacao que combato, alm de estar fo-
nos : Schwctnpelz t E o velho sargento Pinto nao
cessava de lhes gritar :
Bravo, meninos, brvq I
Nunca pude imaginar como sahimos d'ali. Mar-
chavamos ao acaso por entre fumo, a andavamos
n'um sarilho no meio dos tiros de espingarda e
das estocadas. Tudo o que me lerabro, que Ze-
bedeu megrltava a cada instante : Anda I an-
da I e que por fim chegamos a um campo em
declive, por detraz de nm quadrado que anda re-
sista, com o sargento Pinto e mais sete ou eito da
tos, que na verdade sao, como a luz, que nada dei- nWlL Etavarnos como carDCeiros.
xa a desejar sobre a materia :
Que a acgo para indemnizar o damno prescre- Toroem a cancar disse o sargento.
I ve no lim de trinta annos, como prescreve qaal i E enl5o> carregando outra vez a arma, vi que
preferir a accao civil criminal, aqui diz que a sa- qQerobrigaco civil.Art. 36 da citada lei da re-'; navia sangue e cabellos na ponta da bayoneta, o
ttsftejo do damno em todos os casos ser pedida forma, eart. 274 do respectivo regulamento : que provava que, no excesso do furor, linha euda-
por acciiocivil ; logo o raesrao direito, e aonde Qae a aegao para panicao dos delictos inafian- do golpes terreveis.
se d o raesmo direito, d-se a mesraa razao e a gaveis, prescreve no fim de dez annos; nos alian- Ao cabo de um minuto, o velho Pinto tornon :
meen disp-isigao, e por coosequeuca pela lei da caves no flm de seis. nos dt oulras categorias, no Escutem : nao podemos correr atraz do regi-
refonna que so nao pode confundir a culpa civil flm de um, estaodo o delinqueote ne termo emqae ; meato... Aquellas patifes dos hussares acotila-
com a culpa crime. | perpretara o delicto sem interrupQo.Arts. 271, rara meUde... Depois o encootraremos... Ago-
nas se >e disser que esta theera autorisa a pos" 272 e 273 de predito regulamento. i ra o que preciso impeder que a infantera prus-
sibilidade de decises contrarias sobre um raesmo ora, se por estas claras disposices a culpa ci- s'ana on,re na aldeia- A Dm de fundo' e em freD,e;
Objecto de modo a romper a harmona c uoiformi- vii permanece na pessoa do delnqueme por trinta marcha 1
art. 68 da lei de 3 dezembro de 1841, o offendido ra destas commodas e suaveis teoras do direito, e
na j polia pedir a satisfacao do damno antes da da mora|f opp5e.se ao dreil0 do presCnpcao, sa-
condemnacSo do offensor em juizo criminal por; prem0 regu|ador das materias unidas por delicto.
sentenga passada em Julgado, salvo preferindo o A prescrip{ao como disse, que a medida dos
offendido a accao civil criminal contra o delin- dreiios em geral, estabelece os segnintes precei-
quente | 3 do mesmo art. 31.
A doutrina deste paragrapho nao foi revegada,
pelo contrario a mesma da primeira parle do cit. j
art. 68 ; porque se ali diz que o offendido podia
mes como rochas. Toda a planicie formava urna befa descoberla, os cabellos brancos, montado em
nuvem, onde se viam scintlilar os capacetes, e as* am cavallo prelo. Gritava com urna trorabeta que
lancas aos railheiros. trouxcssem pegas, e alguns offlcaes partlram a to-
Do nosso lado ucuavamos serapre, quando de do 8alPe para executarem as suas ordens. Ao
repente passou diante de nos urna cousa como um P delle- em P-sme maro adeado ,de raor^*'
raio: era j marechal Ney que chegava a todo o om dos seus cirurg.ors llgava-lhe nm braco Por
galope, acompanhado pelo seu estado maior. Nun- *elr. do oulro ,ado>larnbem estava a cavall um
ca vi urna pMsienomla asslm. Os seus olhos Tais- offlcial russo- muit0 delado' amda rapM' e com
cavara: as suas faces tremiam de colera. Em um um cl,aPu de P|mas TO,rdes 1l,e cah,a ,m foa
seuundo correu toda a linha e achouse na frente de ramalhele. Vi ludo n um momento : o velho,
das nossas columnas. Todo o mundo o segua co- com seu Brande ri*> soa rronie espagosa e cha-
mo levado por alguma cousa extraordinaria; era Ila' seus ol,,os v,vos e ^u aspecto altivo ; os outros
, que oslavam de redor de e, o c rara ao, hemem
lugar de recoarem, todos marchavam ao encontr!4 ,""" .....
dos Prussianos, e dez minutos depois estava tudo ba,x0- calvo e de oculos- e no fundodo valle' a
em fogo. Mas o inimigo resista vigorosamente; QU^enlos seiscenios passos entre duas casas,
julgava-se j senhor do campo e nao quera dar 'os n05S0S soldados qno tornavam a formar em or-
do mi vicioria; e de mais a mais estava sem- dem- Tenho ,udo iss0 Presen,e na men>oria como
pr a receber rebreos, o nos estavamos fatigadis-
simos por cinco horas de combate.
Desta vez fleava o nosso batalho na segunda li-
nha; as balas passavam-nos por cima s duzias, c
nesses zuidos alguma cousa me affeclava os er-
vos : era o tinir da metralha as bayonetas; era
o assoblar de urna msica terrivel que se ouvia de
bem longe.
No meio dos gritos, das vozes de commando e
do espingardear continuado, comegavamos a des-
cer outra vez sobre um monte de mortos e as nos
sas primeiras divisos cntravam em Klein-Gors-
chen : all o combate era de cara a cara. Nao se
se eslivesse tuda diante dos olhos.
J nao se fazia fogo, mas entre Klein Gorschen e
Kaya, erguiam-se gritos terriveis; ouvia-se o rolar
de objectos pesados, relinchar, praguejar, a estalar
de chicotes. Sem saber para que, arraste-me para
fra do reg e encostei-me outra vez aomnro, com
as pernas encolhidas. No mesmo instante, duas
pegas de dezeseis, cada urna a seis cavallos, do-
braram a esquina da primeira casa da aldea, os
anilheiros a cavallo picavam com toda a forga, e
as rodas entravam nos montes de mortos e feridos
como em palha : os ossos eslalavam I E' d'ah que
vinham os grandes gritos que eu tinha ouvido; os
va de longe seno coronhas de armas no ar, c ge-1 cabellos arripiaram-se-me.
neraes a cavallo com a espada na mao no meio da Aqu grit9U 0 ve|n0 em a|iemao. Apontem
lula como soldados rasos. |a para baix0j entre aqe||as doas casas ao p da
Aquillo durou alguns minutos. Nos diziamos fonje_
nas flleras:Isto vae bem.. -isto vae bem I tudo j As duas pe?as forain |0g0 aSsestdas. Os carros
avanga I -Mas tendo ehegado novas tropas do la- de pe|vora e de metralha chegaram a galope como
do dos Prussianos, fomos obrigades a recuar pela a> pegas 0 ve)ho foj ver> |cvando o brago esquer-
segunda vez, e infelizmente tao depressa, que do ao peito, e quando subia a ra, ouvi que dizia
muilos dos oossos s pararam em Kaya. Essa al-1 apressadamente ao joven offlcial russo :
deia estava na encosta e era a ultima da frente na Diga ao imperador Alexandre que estou em
estrada de Lottep. Sao duas compridas tileirasRaya. A balalha nossa se me mandarem refor-
de casas, separadas urnas das outras por pequeos i eos. Nada de deliberar. E' preciso obrar. Deve-
jardins, cavalharieas e colmeaes. Se o Inimigo
nos rompesse em Kaya, o exerci'o fien va dividido
em dous.
mos esperar um ataque furioso. Napoleao oo lar-
da. Eu bem o sinlo. D'amji a meia hora te-lo-he-
mos comnosco e mals a sua guarda. Custe o que
Correndo, lem'braram-me estas palavras do Sr.! custar. hei de resislr-lhe Mas, peloamor de Deus
Goulden : Se por desgraga os alliados nos bate- j nao se perca um minuto e a victoria nossa I
rem, virao vingar-se nossa patria de tudo o que
lhes temos feito nestes dez annos I Eu julgava
perdida a batalha, porque at o marechal Ney, no
meio de am quadrado, recua va, e os soldados pa-
ra poderem escapar refrega, acarretavam offl-
caes feridos sobre as espingardas dispostas ma-
neira de andas. Emflm, o negocio levava mu ca-
rainho.
Entrei em Kaya pela diroita da aldeia, sallando
sebes, galgando pequeas palissadas que separa*
vam os jardns.
Eu a a dobrar a esquina de um alpendre,
! quando, levantando a cabeca, vi uns cincoenta of-
| ficiaes a cavallo parados no alto de urna colima
O offlcial parta a galope para o lado de Kleio
Gorschen, e no raemo instante disse alguem que
estava ao p de mim :
Aquelle velho Blucher... Ah I patife, que
se eu tivesse a mnha espingarda !...
Olhei para o lado e vi um velho sargento secco
o magro, com fundas ragas pelas faces, assentado
e encostado a porta da granja.com as mos deiladas
ao chao como maletas, porque tinha os rins que-
brados por una bala. Os seus olhos amarellos se-
guiam de travs o general prussan; o sea nariz
adunco, j paludo, curvava-se como um bico nos
seus grandes bigodes : tinha am ar terrivel e al-
tivo.
Se eu tivesse a minha espingarda, disse elle
amda outra vez, havias de ver se a batalha era
Urna peca cahiu para o lado, dous anilheiros es-
tavam mortos e doas ferida*. Eolio sent ama
maoque me agarrava um brajo ; virei-me e vi o
velho sargento meto mora, ajrae aKiava para mim,
rndo-se com ar feroz. O tedo da casa que nos fl-
eava ao p ia cahir ; o maro carvava-se, mas nos
nao lhe prestavamos attengao. Nao vamos, se-
nao a derrota dos inimigos, e oaviamos no meio
de lodo esse eslrondo horreroso, os gritos cada vez
mais prximos dos nossos soldados.
Do repente, o sargento, muito paludo, disse
Elle ahi esl !
E inclinado para diante, sobre os Joelhos, com
urna mao em (erra c a outra levantada, gritn em
voz de trovo:
Viva o imperador I
Depois cahia para diante e nao se moveo mais.
E eu, inclinndome tambem pasa ver, vi Napo-
leao. que subia no meio do fogo de fnzileria, com
o sea chapu muito mettido na sua grande rabpea,
com osea capote pardo, aberto, com urna larga
faxa vermelha atravessada sobre o rollete branro.
tranquilla, fro, e como allomado pelo refl>xo da
bayonetas. Tudo recuava dunte delle, os anilhei-
ros prussianos abandonavam as pegas e galgavam
o muro do jardim, asesar dos gritos dos offlciaes,
que queriam conle-los. Essas coasas, en vi-as.
ficaram como gravadas a fogo na minha idea .
mas desde esse momento nada mals me Ierabra da
batalha, porque com a esperanga da victoria, per-
di os sentidos e fiquei como morto no meio de to-
dos aquelles mortos.
(Continuarse ka.)
vossa
Eramos as nicas creaturas vivas naquelle ean-
dade dos julgados, uns a negar o facto e autora do annos e passa a seus parete Art. 29 do citado i Desceraos urna pequea escada que ia dar a um I que fleava em frente ; mais longe. por detraz dfl-
enme, e outros a reconhece-los, e por esla forma cod.crjm. e a cu|pa crm8 pi)r der anno,; e ns0 jardtm de Klein-Gorschen, eentramos em urna ca- les, corriam pela estrada de Leipzig massas de ar-
destruida a f da justica 1 i passa da pessoa do delnqueme. Const. citada, sa cuja parla atravancou o sargento pelo lado dos j tilhara com Incrivel rapidez. I,to fez-me olhar
Primeiro que tudo c da nelos ureceitos e regras de direito, e depois dis-; Peitaves opinioes, que segundo o citado art. 68 da dlsS(., mostrando-nos a porta da ra : | pooeo adiaole dos outros; estava assentado como, ^ cheo de ^^
(.uaoprocedea objeegao, porque nisto mesmo', mes na le da reforma, nao ten, lugar aacgaoci-; ^ em urna cadera sobre o seu cavallo branco. Des- EUi peosando qae irIam ,a,vez enterrar-me no
qQL Isisle o livre exercicio e independencia das \ ^ liando as ques.oes, do fado e da autora, se | ^'J* aSL'St. um aoosento-'bas-! ^^iSf^^Jf^J^SJ^ dia Seu'" ,odos os oulros n0 jardira. ^ *
las iurisdiges civil a crimina, acerca do conhe-1 Kt^^^^u
emento de fados mixtos, que onem materias di->
versas, como os de qae se trata.
E que nteresse vlr para o homem collectivo, e
Subimos ao primeiro andar, a um aposento bas- i Nao se movia( e com 0 ^ ocu|0 examnava a ba-
que a colpa civil ,ante lsrg0 ,|ae formava o ngulo ao p da encosta.. ,alha
acompanha o delnqueme e seusparentes por mais Ainda me Parece f,n? estoaa 'el- Tinha UaS ja" I Esta vista deu-me tal alegra que desatei a gri-
dous tergos de lempo, do que a culpa crime, e que nellas 1. davam "*" ?**+ ^.^L^' tar : Vica o imperador 1 com todas as minhas for-
dentro de trinta annos pode o offendido usar da bre a collina toda coberla de fumo "de cont.naa-, depos entre( m fM de Kjya> por uma ave.
panohoraerand.v.dual daunyomdadedosjul.. veiconira Qo(f QU M flca da ; va a troar o fogo de Alas e da arlilheria No tan- ^ ^ as ca8as anlig;is. Era eu^um dos
Smenlos, que alias e a forma bl Irel de se ver a ^ ^ ^ do da ? o em uma alcova> estava uma cama desfella, e, imeir0Si e ainda vi gente da aMeat hornna,
,ustica, e que rauitas vezes com ella nao tem rea-, necessario dizer. nao mais isto, e nem ao p dalla um bergo ; os moradores de certo ti- i mulb m corram g (oda g
-. a v,..kl>M (< A timn imrincinin Piintra ^ imi*..m f,,rwiA,-, no nnmonA ra hollina mac, nm C;o i *
gao ? Nenhum antes ama imposigao contra a ^^ ^ g ^^ g desanida
rectajustiga que pode ser v.sta por d,fTeren.es rao-, r^.rairaente cjv da ^
Am sem desmerecer de sua divinnaue. ... ...
ao- sem aesmern-u ue ,______, tambem lica evidente ; mas sim, que a restituigao
O dogma e uniformisar os julgamentos coma -,,,.'. j -. -----r--------------
justiga, porque esle o preceto que traz a cora- Por delicio ou por quas, delicto, e ura direito per-; como um sonho
moda convrgo dos jugados, que a razao da P 'W d odo que na duvida o art. |
122 do dito cod. crim. manda resolver em favor do
nham fgido no comco da batalha ; mas um cao,
com vasta cauda branca, orelhas direitas e focinho i
comprdo, meio escondido debaixo das cortinas, i
olhavapara nos com olhos de fogo. Tudo isso me
para os subterrneos das casas.
Maltas pessoas a qnem tenho contado isto, teem-
me censurado por ler corrido tanto ; mas eu res-
pondo-lhes que quando o marechal Ney recua va,
tambem Jos Rertha podia recuar.
cava em fenle, e que nao tornara a ver Calhari
na, corria-me as lagrimas em fio, e nao pude dei-
xar de dizer comgo :
Agora tudo est acabado !
O sargento onta.olhou para mira de esguelha,
a vendo que eu era ainda tao novo, perguntoa-me:
Que tens, conscripto ?
Urna bala no hombro, meu sargento.
No hombro melhor do que nos rins, como a
minha. Pde-se escapar.
E com voz menos spera, depois de ter espera-
do em mim, accreseentou :
Klipfel, Zebedeu, o sargento Pinto, todos os que Nao te assustes... has de tornar a ver apa-
0 sargento acabava de abrir umajanellae atira-
m*raa justica nareligiao^ do direito. offendido" e^nom favor "do reo," contra a regra I va j para a ra, por onde avangavam dous ou ea conheca na companhia, ainda estavam fra, e 1 tria.
A administrado da instiga que tanto '"ieres de direit0 ,ogo tarabetn evidente, que,, tres hussares prusssianos, entre montes de carros e ouvia um rumor espanioco de que nao se pode i pensei que elle tinha da da mnha mocidade, e
sociedade e ao c.dadao.nao se mantera com tal un.- |. Aa 0itrmi>, 7.Hhndfin ft m olltros. am
formidadede julgamentos, mas pelos differentes qualquer que seja a ma er.a unida por aeiicio, nao
eics que empregam os julgadores para descobri- pode a decisae crime ultrapassar a lei de sua or-
rem a verdade jurdica, sem assombrar um ao ganisagao que toda especial.
outro- Devo agora por tanto resumir todas as provas
Revogada foi o resto da doutrina do dito art. 31 dfl dml0j qa veem incertag nesle ma |lumi|de
com a do 3 do art. 269 do cod. do proc., por esta- parecer) co|iOCando, urnas em face das oulras, qHe
rem cm antinomia com a do cit 3, que o mes- 6 Q mc|bor sysieroa de sefen, aprecadas em con-
mo art. 68 manda guardar de ura modo mais dis- c,Qsao qQe lambem 0 lerm0 d(J qaa|quer acqui.
tinelo e positivo, sem deixar duvida sobre as di- si?ao nstraclva.
e de eslrume ; Zebedea e os outros, em p por de-1 tiJpT jde,a Massas de fumo passavam sobre os
traz d'elle, estavam em observago com as armas! ,ect0S) as lelhas cahiam na rna, e as balas met-
promptas. Eu deitei os olhos para a encosta. [jam den(r0 M paredes 0 despedagavam as vigas
para ver se o quadrado continuava a resistir, | com estampdo horroroso,
e vi-o a quinhentos ou seisc^-ntos passos, re
versas origens das materias unidas por delicto.
Os que opinam dizendo que nao tem lugar a
aegao civil, quando por decisao crime for negado n
laclo e a autora, firmara na segunda parta doait.
68, que diz assim :
c Nao se pder, porm, questionar
sobre a existencia do facto, e sobre
quem saja seu autor, quando estas
. questes se acharen decididas no cri
me.
Diz, o aviso de 4 de seterabro de 1835, que a
amnystia, que apaga todos os vestigis do crime,
n.lo obsta a indemnisaga do damno :
Diz, o direito de prescripgo, que a obrigaco
de satisfazer o damno, s desapparece no fim de
trinta annos, a contar do da em qae fra o fado
perpetrado :
Diz, a primeira parte do citado art. 68 da lei da
reforma, qae a satisfago do damno ser pedida
em todos os casos por a -cao civil de modo que nao
que quera consolar-me. Mas ea senta o meu pe
to como esmigalhado, e isso tirava-me toda a es-
peranga.
O sargento nao disse raais nada : s de tempos
Cra, quera nao v que esla disposigao e pura- havefa casQ a(?um em qae pQSsa scf obslada es,a
mente criminal, trata smente de ordenar a mate- aci;io> anteg d(J (rjnla annos .
ria de sua respectiva jurisdigo, o que nada tem D1 flna|mente 0 ar, 22 supraetado, que a sa-
cora a lademnisago do damno, materia puraraeu-1 lsfa?a0 do damno .sera sempre a ma(S comp|e,a
mente civil ordenada tambem pela primeira parle, que for possve|) sendo no ras0 de duvdaj a faTor
do mesmo art. 68 nos segnintes termos : | do 0n-endido, de manera, que, basta davidar da
. A satisfago do damno em todos os jei, par ter lugar a indemnisago do damno.
. casos ser pedida por aegao civil, fi- j Ejs vorUato desanida a culpa civil, da culpa
. cando revogado o art. 31 do cod. crim., i rme) ja em re|a5o M poder de ju|gari ja
. es5* do arl. 269 do cod.do proc. Iem (elagIo aQ ^^ de agraciai.f e ja em
ue outra forma seria estabelecer a confasao em, re|a5-0 a w g por consefIQencia morla a questa0
materias de jurisdigees-distinctas.como exista es-1 qae se |evantou contra 0 |vre exercicio de cada
tabelecida pelo arl. 31 e 5 do art. 269 sapraci-
tados, que foram revocados por este grande incon-
veniente.
Nem outra a ioterpretago a dar s duas par-
te do citado art. 68 que se acham expostas, uma
acaulelando a materia civil da criraiual para que
nao volle a confasao em que estvera pelo revoga-
do art. 31; a a outra ordenando que seja guarda-
da a verdade moral da decisao crime, de modo que
nao se possa mais.revivar o processo, conforme
dispe a coosU pol. do imp. art. 179 gg 12.
K- sempre m a interpretacao que deixa pesar
no interprete era vea de salisfacao, tal a que de-
balo ; porque lende a estrellar a esphera dos di-
reitos recaando-lhe seus limites naluraes.
Pela interpretacao que combalo, e depois da de-
cisao crime, o que resta fazer o offendido a quem
a lei d ampio direito para asar da accao civil ou
criminal, ou de ambas seraultaneamente ? Dar
mabv um gemido, que a salisfagio nataral do af-
ilelo, e o resaltado da decisao do poder publico
qae apenas podendo usar de ama aegao, o priva de
duas como a lei determina.
Horrivel interpretagao, como sao todas, que nao
alargara a esphera dos direitos do cidado, e por
isso que digo, que as peiores questes oas questes
sao as de uterpretago," I*rqne qoasi sempre em
vez de calma, vem o caprTcho tortorar o direito; i
eipor a jwti$a a novas violagSes.
um dos poderes de organisago judclaria.
Nao obstante, submetto a questao e o mea hu-
milde parecer, aos meslres, 'que sao os que podem
jolgar com criterio e sapiencia.
2 de Janeiro de 1865.
JOAO DA SlI.VEIRA BORGES TaVORA,
Soiicitador do foro do Recife.
cuando em boa ordem, e fazendo fogo pelos quatro cos> por rimadassebea e palissadas dos jardms
lados sobre a massa de cavalleiros que ocercavam. j entravam os nossos soldados, virando-se para traz
Atravez do fumo, va o coronel, hornera grosso e; para fazerem r0(j0. Havia-os de todos os regimen-
baixo, a cavallo no meio, com a espada na mao, ,0?( sem barretinas, rotos, cobertos de sangue,
e ao p d'elle a bandeira tao despedacada, que com 0 olbar fur030, e agora que ponso nessas
nao era raais do que am trapo cabido pela hasta coasai!) depois de passados tantos annos, lembro-
abaxo. me de que todos eram rapazes, verdaderamente
.... ,.___.nh.* I.W.. rapazes: em cada qninze ou vinte nao haveria um
Mais onee. a esiiuerda, una columna immiga ... ,
B 7 k i que tivesse b godes : mas a coragem innata na
desemboca va na volta da estrada e marcha va so-." 1 j
bre Klein-Gorschen. Essa columna queria cortar- i ra5* ranceza .
nos a retirada, apossando-se da aldeia ; mas al- \ E quando os Prussianos-commandados por ve-
guns centos de soldados em debandada tinham ihos offlciaes que gritavam : Forwarz 1 forwarz f
ehegado como nos, e continuavam a chogar mais (avante I)-chegavam galgando por cima de tudo
de todos os lados, uns voltando-se para traz de como lobos famintos, nos, ao canto da uma gran-
cincoenta em cincoenta passos para atirarem os'ja, a vinte ou trinta passos, em frente de um jar-
seus tiros, outros feridos, arrastando-se para che" dim onde havia um pequeao colmeal e alias cere-
garem a alguma parte. Entravam as casas, e jeiras em flor que me pareee estar anda a ver,
como a columna se ia aproximando sempre, co- comegamos nm fogo de enernzilhadas sobre aquel-
megou o fego de todas as janellas. Isto obrigou-a les malvados que queriam escalar um muro pe-
a parar, ainda mais porque no mesmo instante, asno que ficava por debaixo, para enlrarem im-
sobre a encosta direita, comogavam a desenvol- mediatamente na villa.
ver-se as divisoes Brenier e Marchand, que o Qnantos daquelles Prussianos, chegando ao mo-
prlucipe de Moskowa mandava em nosso auxilio.' ro cahiram para traz sobre os que osseguiam, nao
Soubcmos depois que o marechal Ney linha segu- sei ; o que sei que vinham vindo sempre outros.
do o imperador para os lados de Leipzi?, e que s Centos de balas assobiavam aos nossos onvidos e
entao voltava chamado pelo troar da artilharia. | se achatavam contra as pedras, o reboco cahia, a
Porlanto fizeram alto os Prussianos
Ao mesmo tempo, de todos os lados, pelos be- a lempos fazia um esforgo para levantar a cabega
a ver so chegavam as nossas columnas. Praguejava
HISTORIA DE DI CONSCRIPTO DE 1813.
POR
Erekmann-Chatriai.
XIII
(Continiiaclo.)
Fomos mal succedidos Idsse-me elle-Mas
o qae se qaer e que o imperador venba de pressa,
porque elles sao vinte vezes raais do que nos; e o
qnese qner qae traga arlilheria.
Nao fallava senao em ter urna condecoragao. Ea
othei por cima do hombro para ver se aioda era
vivo o sargento, e vi o a lirapar traoqui llmente a
soa bayoneta.
A soa physionomia nao tinha mudado. Algren-
me aquillo. Bem quitera saberse Klipfel e Fur.-t
anda estavam as suas fileiras, mas entao a voz
de commando -.hombro armas I fez-me pensar
nm outra cousa.
As tres primeiras columnas inimigas tinham pa-
ra 'o na collina deGross-Gorschen espera dasou-
o reboco
: palha dependuravase as vigas, a porta esquer-
a .' da eslava crivada, e nos, por detraz da granja, do-
e cesson o fogo dos dous lados. Os nossos quadra-. u* "" v ,nmc
a en- P01* de ,ermos carregado oulra vez, faziamos es-
forgos, quasi sempre Inutels, para atirar sobre o
maior numero. Isto s levava o tempo preciso pa-
ra fazer pontana e descarregar, e apesar disso, j
cinco ou seis dos nossos estavam cahidos esqui-
s5s flieram alto em frente de Kaya, castoa-nos I na do palheiro ; mas a nossa ralva era lo proruo-
reconhecer-nos. Fez-se a chamada da nossa com- j da qae nem lhes davamos attengao.
panilla e viu-se que s havia quarenta e doas ho- Quando eu ia para fazer fogo pela decima vez,
mens; Leger e o gigante Furst j nao existiam ; cahiu-me a espingarda da mao ; abaixei-me para
dos e as nossas columnas lornaram a subir
costa defronte de Starsiedel, e todo o mundo, na
aldeia, se den pressa em despejar as casas para
reunir ao seu regiment. O nosso estava mistu-
rado com outros dous ou tres; e quando as di vi
mas Zebedeu, Klipfel e eu tinhamos salvado a pel-
la dos perigos da peleja.
Infelizmente ainda nao estava todo acabado
porque os Prussianos cheios de insolencia por can-
sa da nossa retirada, ja fazaro novas disposiges
para atacar-nos em Kaya ; chegavam- lhe$ massas
levanla-la e cahi sobre ella linha nma bala no
hombro esquerdo : o sangue corria-me pelo peito
como agua queate. Esfercei-me para levantar-me,
mas ludo o que pude fazer foi assenlar-me e en-
costar-me a parode. Entao s sangue deseen at
coxa, e veo-me a idea que ia morrer ali, e ater
de relorgos, e vendo isso pensei que, par general: rou-me esse pensamento.
lo experimentado como era, o imperador linha ti-
do bem m deia slendndo-se' para Leipzig, e
deixando-nos surprehender por am eercito de
raais de cera mil homens.
Quando estavam para tornar a formar atraz da
divisa Bremer, dezoilo mil soldados expelientes
da guarda prussiana sublam a encosta a marche-
marche, com as barretinas dos nossos mortos na
pona das anas bayonetas em signa! de victoria.
Ao mesmo lempo pnHongava-se o cotn*afe
Os mens camaradas continnavam a atirar por
cima da minha" cabega, e os Prussianos respon-
diam sempre.
Lembrando-me que ootra bala poda dar cabo de
mim, agarrei-me por tal forma com a mo direita
ao ngulo da parede, para sahir d'ali, que cabi em
um reg por onde passava agua da ra para o
jardim-
O mea braco esquerdo
estava pesado como jpwador
por eutre os dentes, e por Dm deixon-seescorregar,
ficando com o hombro arrimado ao canto da por-
ta, e dizendo:
Estou arruinado !... mas o mariola pagou-
ui'as bem.
Ueitava os olhos para a sebe que fleava defron-
te, onde estava cstcndido de costas um granadeiro
prussiano. com a bayoneta ainda alravessada na
barriga.
Seriara entao seis horas : o inimigo oceupava
todas as casas, jardins, pomares, ra e beccos. Eu
tiuha fri por lodo o corpo, e sentia-me entorpeci-
do, quando me despertou outra vez o troar da ar-
lilheria. As duas pegas do jardim e muitas outras
por detraz della, assestadas na aldea em pontos
mais altos, faziam fogo, cobrindo a roa com o ca-
rao de cada tiro.
De todas as jaoellas se fazia fogo tambem. Mas
isso uao era nada comparado com o fogo dos Fran-
cezes na collina fronteira; em baixo, no fundo, su-
b!a a guarda imperial em columna cerrada, a mar-
che-marche, os coronis, commandames e gene-
raes a cavallo no meio das bayonetas, e como as
espadas levantadas : tudo isso pardacento, allu-
miado de segundo em segundo pelo claro de oi-
tenta pegas que o imperador tinha mandado per
era amas balera para favorecer o moviraento.
Essas oitentas pegas faziam um eslrondo horroro-
so, e apesar da distancia, a velha herdade a que eu
me encostava trema at aos fundamentos. Na rna,
as balas derribavam fileiras de Prussianos e Rus-
sos, esmo a foicinha do segador abale a herva.
Chegara-lhes a vez de unir fileiras.
Tambem ouvia, por detraz de miro, responder a
arlilheria inimiga, e pensava :
Meu Deus, meu Deus I... Se ao menos ago-
ra vencessem os Francezes !... os seos pobres
feridos seriara recolhidos e tratados. Mas estes
Prussianos a Cossacos s ho de cuidar dos seus,
a deixam-nos morrer aqui a lolos.
Eu j nao dava attengao ao sargento. Nao olha-
va seno para os anilheiros Prussianos, que car-
regavam, apontavam a atiravam, e amaldigoava-os
no fnndo da minha alma. Ouvia com profundo en-
levo os gritos de Viva o imperador t qae romera-
vam a subir do valle, e que se percebiara era ca-
da inteivallo dos trovoes da arlilheria.
Emflm, passados uns vinte minlos, eomegaram
os Russos e Prussianos a recnar ; passavam em
mullido pelo becco onda nos estavamos, para se
langarcm sobre a encosta. Os gritos de Viva o im-
aproximavam-se. Os anilheiros qae ei<
chambo, e a cabeca andava-me i. roda. Ouvia os avarn na mmi fran'e liavam romo furiosos
UM POUCB DE TUDO.
No Bazar Vo'anle l-se o seguate :
UM PASSKIO ARREO.
Eu sei que a inveja um neceado mortal.
Mas no domingo de tarde Uve devoras inveja d ;
intrpida arconauta miss Isabel Case.
Pois nao! Sentir-se a gente ir gradualmente so-
brado, sobindo, chegando emfim a ama posigao raais
alta que a do enforcado e a do sineiroque entre-
tanto sao bem altase isto a vista de nma molti-
dao boquiaberta e de cara virad* para o cea romo
quem busca ama rima fugitiva on estada stro-
nomia!
Desta vez deu-se am feto notare!o balo rou-
dou de posicaoem vez de estar de cintura para
baixo, ficon d cabega para eima.
Que inveja senil.
Qnanto deixei de gozar.
Como todas as creaturas se tornariam bellas e
inoffensivas, tienta n distancia.
Quando ernHm-, como nma agota qne derassa o
cu e encara o sol perto, eu tivesse-deixado a trra
l em baixo no denso nevoeirorespirara rrrre na
atmosphera pura, sem poeirite, sem miasmas de
carrogas de meio.
Ahi nao vera o charco da rna de S. I.tiiz, em S.
Domingosque promette em breve tornar-se a La-
ga dos Pato verdade, porm mais perigosa ; doce refugio de
ras e mosquitos, que cantam a ladainha do de-
'eixo dus llustrissiraos da Praia grande.
Ahi nao vera as vaceas tonnnas em estado mais
que mteressante- a percorrer a eidade ao som da
melanclica campanhia qae trazem ao peseoco e
dando am liqmdoqae ser tudo menos hite.
Nao vera os mnitcophobos dr> Rio de Janeiro,
qnai nova praga, nao do Egypto- mas da Italia e da
A Hean ha. cerearem-nos por toda a parte. Kfrin-
gindo-nos forciori as suas poucas deleitosas me-
lodas.
NSo vena theatro prorisor permanente- doto-
rosa honor andar comopeteca em mo de ereao-
ga, ou camondongo em unha de gato.
Nao vera tantos sujetos e tantos vidros... que-
brados.
Nao vera tanta farda sen lacaio, e tanto lacaio
sem farda.
Nao vera......
Muitas cousas nao vera, mas havia dt ar ou-
tras que corapensariam o perlgo, e, porlaaio, miss
Case, cont comigo breve, se o tempe, a per-
mitin:

M.M.IES SE ETTENDR.
Ninguem se entende,
O tempo do tirar-se-lhe o chapu :
Sem escarcu.
Ningnem se enlende, ea disse e voa prova-lo
Tao cerro remo um sino ter badalo.
Era ver um ricaeo, ver banqueiro.
Ver ao presente um homem sem dioheire..
Se coalavas pecunia, linha onro,
Agora ten; papel,
E elle nm aranzel
Que nem ao menos vale o triste cooro
Das eras da Babel.
Traza o estadista cabellara.
Presentemente ;oga capoeira,
Em vez de embaixador
Que geilo empregno e lino,
Credita-se um mofiuo
Um desarranjador.
Diziam ser matrona na liberdade.
Vede como lhe do miooridade!
E' logo demitlido o temerario
Que do erario
Com zelo os cofres guarda,
E dea senlinella
O bom prente
Ou adherenle
De quem baca eneher sua escudeila.
Ordem do da, eousa principal ;
Dar commaodos em campo eleitoral,
Do pavilh do estado era defcia
A fortaleza, ,
J surdo, quedo, pois o seu" caoho
Deixa langa-lo ao chao.
Pergunta-se a qualquer: Como vae isto ?
E" resposta que vera : Mal, esl visto,
Qum nasre no Brasil flca estrangelro,
Pertence ao mondo inteiro,
Menos ao proprio ninho !
Que raminho 1
Tanta balburda vejo, e trabnzana
Que vae certo o batel dar em pantana.

Qaal dos senhares presentes costuma ler as
relages das pessoas que somanalmente vo cum-
primenlar a SS. MM. ^
Eo...
Eu....
Ea...
Bom I j vejo que todos loen); pois bem di-
gam-me : que semelhanga tem essas relages com
a louga.
Ora esta I... Qae paridade pode baver eolre
doas cousas tao opposias T
Pois tem; taolo as relae5es como a loaca
veem por flm a dar em cacos. .
PtSRNAMBlU&-VFi,P: J>R M, F, D1F7& FlLHQ

/






;
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ER56OGQXT_2J12PP INGEST_TIME 2013-08-27T22:03:09Z PACKAGE AA00011611_10561
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES