<%BANNER%>

Diario de Pernambuco ( Friday, December 30, 1864 )

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10556

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Friday, December 30, 1864

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10556

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10556

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Friday, December 30, 1864

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10556

Full Text
'
%
AMO XL. ifUMEBO 309
Pr tres Mezes adiautados . 5JO00
Pr tres mezes vencidos . 6$t)00
Porte ao correio por tres mezes. 750
r\
SEXTA FEIKA 30 DE DEZEMBRO DE 1864
Por anuo ad imitad o. .... 191000
Porte ao correio por na anne 3$00
Cu ARREADOS DA 6UB3CRJJ>CAO NONORIE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, Sr. Antonio Margues da Silva; Aracaiy.o
ir. A. de Lemos Draga; Cear, o Sr. J. Jos de
Olivcira; llaraano, o Sr. Joaqium Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro i C; A-
nazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
NCARRKGADOS DA UTBSCR'POAO NO SUL.
Aiagdas, o Sr. Claudino Falco Das; Bahia, o
rr. Jos Martins Alvos; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martius & Gasparino.
FaRMiA O06 SaArBiAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Samo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho e Garaonuns as tergas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira,Flores.Villa Bella, Tacaran, Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhern, Rio Formoso, Tamandar, na,Barrei-
ros,Agua Preta e Pimenteiras as quintas eiras.
liba de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas pariera ao >/t dia.
EPHEMERIDES DO HEZ DE DEZEMBRO.
6 QUarto cresc. as 5 h., 11 m. eS6 &. da m.
13 La cheia as 4 h., 52 m. e 26 s. da m.
21 Quarto ming. as 2 h., 42 m. e 58 s. da m.
28 La nova as 7 h., 1 m. e 44 s. da m.
PRKAMAR DE HOJB.
Primeira as 5 horas e 18 minutos da manha.
Segunda as 5 horas 42 minutos dajtarde.
V*R>a -O Vhi-'ORij M)SliURO.>.
Para o snl at Aiagoas a o e 25; para o norte at
a Granja a 7 e i de cada raer; para Fernando nos
dias 14 dos mezes de jan. marg., maio. jal. set. e nov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife: do Api pucos s 6 l/lf 7, 7 /s 8 e
8 >/i da m.; de Oiinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboato s C Vi da m.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bemtica s S da m.
Do Recife: para o Apipucos s 3/. 4,4 /,, 4 Vi,
5, 8 Vi, o Vi e 6 da urde; para Olinda s 7 da
mantisa e 4 Vt da tarde; para Jaboate s 4 da
tarde; para Cachang e Vanea s 4 '/i da tarde;
para Bemflca s 4 da tarde.
AUDiENC n DOS IRBUNA8S DA CaP1?AL
Tribuna, docommercio: segundas quistas.
Relagao: tareas e saobados s 10 toras.
Fazenda: quintas as 10 oras.
Juizo do ccmmercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tergas sextas ao meio
dia.
Segunda vara docivel: quartas sabbados a 1 hora
da tarde
' DAS DA 5EMA1M.
26. Segunda S. E-levo porte-inartyr
27. Teiga. S. Jnnap. c evang : aS Throdoro
28. Quarla. Ss. Ceeojr, Osario r A$apio h
29. (niiUa. S. Tlii.iuaz mcda Intimara m
3U. Sexia. S. Sabinob. ni.: S. Aui.-m, h. a.
31. SahbaJo. S. Silve-lre p. m.; >. >mMMl x
1. Domingo. S. Almachio ni : S. Mag w> .
ASS1GNA-SI
no Recife, am a livraria da pnea da fann! r.
ca ns. 6*8, dos proprieuno Maaoe! F*kjcir
de Paria & Pilho.
O senhorcs assigoantes deste que providencie com urgencia, afim de evtarem-se
Diario, que tcm ilelv.ulo o pa-
gamento de sna subscrlpco pa-
ra o uimo do quartel, quei-
raiu manda-la pagar ( razo de
G# como sao brlgados) at o
ultimo do corrate mez, cu que
elle se flndam, pois nao pos-
sivel prolongar por mals teinpo
semelliante pretexto: attenden-
do ao atrazo em que alguna se
aclmiii. somos obrlgados a tan-
car mao de urna medida para fa-
zer cessar este abuso que I lie
deve ser poneo agradavel, mas
a punca attenco que a-guu.s
tem tido em pagar a to pesado
servico isto nos obrigar.
PARTE 0FFIC1AL
VERSO DA PROVINCIA.
Exepdienle do dia 27 de dezembro de 1 si; i
Oflirio ao coronel commandante Jas armas.
Sirva-se V. S. de mandar ouvir o coronel com-
mndame do forte do Buraco, sobre o incluso offl-
cio em que o director do laboratorio de fogos, de-
clara nao se ler fornecido agua a esse estabeleci-
cimento desde 20 do corrente.
Dito ao mesmo. Queira V. S. informar acerca
do que pede no incluso requenmento Jos Fran-
cisco conhecido por Jos Soldado.
Dito ao mesmo.Recebi o oflcio de V. S. n.
2,288. do 24 do corrente, e em resposta lenho a
dizer-lhe que estando ja o arsenal de guerra da
corte autonsado por aviso de 30 de agosto ultimo,
a reirn-iler ao desla provincia, o panno verde ne-
cessario para a manufacturago do fardamento a
que tem direito as pragas do 9 batalhao de ufan-
taria, convm aguardar ulterior deliberacao do
Exm. Sr. ministro da guerra, a cujo coohecimento
vou submetter o seu citado offlcio, bem como de-
monstrar a necesslila'le que ha, ou de apressar a
vinda do ja autorisado, ou a compra delleno mer-
cado desta provincia.
Dito ao mesmo.Em vista do que representou
ao Dr. Btice de polica o subdelegado da fregu-
zia da Boa-Vista no offlcio junto por copia, cumpre
que V. S. expega as suas ordens afim de que o
servico de roudas noturnas seja regularmente
fi'it>. No mesmo sentido offii:iou-se ao comman-
dante do corj> le polica e communicnu-se ao Dr.
ebefe de polica.
Dito ao Dr. chefe dp polica. Accusando a re-
ceptan do offlcio n. 1,710 de 2} do corrente, em
que V. S. communirou-me ter sido inmediata-
mente preso Antonio Joaquim Manoel de Araujo,
por liaver ferido a Faustino Jus da Fonseea na
manli.ia do dia 23 leste mez, cahe-me dizer-lhe
que eu j tinlia sciencia desse facto, c que folgarei
sempre que a polica poder conseguir a captura
dos delinquemos, como no presente caso.
Dito ao mesmo. Informe V. S. com o que Ihe
occorrer, onvindo o subdelegado do dislneto do
Peres, acerca la representado do tenente-coronel
commandante lo < batalhao de infantaria da
guard i nacional deste mnniripion offlcio que aqui
junto, coberto com o do respectivo commandante
superior, de 26 do corrente.
Dito ao mesmo.-Pela leitura do offlcio de V.
S. o. 1,012, de 21 do corrente, fi.|uei sciente de
que senilo recolllldo caleia da cidade de Olinda
no lia IS ti.) corrente, a requeriim-nto de seu se-
nlior. o pardo Marcellmo, suicidara-se este no
am:inlieeerlo dia seguidle.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Informo V. S. com o que Ihe occorrer acerca da
despeza a fazer-se com o laneo do caes para ligar
a ponte de ferro do Re;ife ao caes do passeio pu-
blico e sobre que versam os inclusos papis, que
me serao devolvidos.
Dito ao mesmo.Informe V. S acerca do pedi-
do de 10 armas, que faz o eommandante suporior
as ruinas ijue essas amarras pdem causar ao mes
mo caes com o jogo proJuzido pela correnteza ou
pelo movimento do mar. #
Ditaao comiiianJanitao corpode polica.Man-
de V. S restituir ao teaente coronel recrutador a
ordenanca de urbanos que liaba, visto como Ihe
foi tambem lirada a praca de linlia que eslava as
suas ordens para o servico do recrutamento.
Dito ao presidente do conselho de compras na-
vaes. Antes de resolver acerca da compra dos
objectos mencionados no offlcio que V. S. me di-
rigi em 19 do corrente, julgo conveniente remet-
ter-lhe as informacoes da thesouraria de fazenda
constantes das coi las inclusas, para que o conselho
de compras navaesreconsidere o seu pedido, tendo
em vista nao s o que pondera aquella repartigao,
mas tambem as recommeudacoes que por vezes ha
feto o governo no sentido de nao serem excedidos
os crditos consignados para os differentes servicos
dos ministerios.
Dito ao commandante da fortaleza .do Brum.
Nao tendo o capitao da galera brasileira Mindello,
pago as soldadas devdas ao marujo Francisco Jos
de Freitas, a quem alm disto fez desembarcar e
remetter como recruta para o servico da armada,
nao obstante o mesmo Freitas solTrer de glancoma
de 2i de outubro de 1832 vista da informago da dos -reparos da estrada de Pu d'Alho, entre os
thesouraria de fazenda. marcos do i a 10:000 bragas o de 13:000 do ulli-
Jos da Fonceca e Silva. Remedido ao Sr. Dr. mo e seus accrescimos; por ter o respectivo arre-
juiz de direito da etmarca do Rio-Formoso, afim matante excedido sem as concluir, o praso nelle
do que proceda contra o supulicauo nos turnio* u. io>iiuuJado, e os ue prorogagoes que Ihe ioi
to ultimo, approve a deliberacao que tom>u esta Veu.se
cmara de arbitrar ao cirurgiao encarregado do ajaj0
a destruigi cumple! d> pr*Jio larim
curativo dos presos pobres da casa de detengao
desla capital- Praneisco Jos da Silva a gratiticacao
li! 6005 por contar mals de 31 annos de servigos
le, mandan^o"o mesmo Sr.rDr. juiz de direilo, an-j cedidos, senJo por isso multado na conformidad^ e pretender continuar no e'xercico de uu em-
tes de tudo, seja preeachida alguma formalidade Ido artigo 32 da iei n. 209, que ento era obser-1 prego.
que por ventura falte na presente petigo. vada. Por offlcio de 29 de outubro prximo findo, con-
Joo dos Santos Farias. O supplicanle tem do Por actos de 11 e 17 de outubro ultimo, e nos ced a mesina cmara autonsagao que pedio para
ser brevemente inspeccionado, como consta da in-: termos do artigo 46 da le do orgamento vigente,! despender a quantia de 005 cornos fstejos, que
fonnago exigida seu respeito. resolv conceder aos arrematantes dos impostos de ella tinha deliberado facer em imnifestago de re-
Alferes Joo Francisco dos Santos Jnior.Co- i Flores, Boa-Vista, Gabrob e Tacarat, a 3* parte gosijo pelo consorcio de Sua Alteza Sorenissima a
mo pede vista da informagao. dos pregos porque arremataram estes impostos, Augusta Prnceza Imperial, com Sua AUeza o Hon-
Jos de Aquino Fouseca.Ao supplicante sejaui por indeinnisagao da renda de 2fio00 que dexa- de d'Eu, qne se elfectuou no dia 15 daquelle moi.
entregues os documentos que pede, e que o sup-' ram de cobrar, era observancia do li do artigo i Cmara de Ofi'nd'i.Em vista do que me pon-
plicado depois de te-Ios em seu poder, juntou a 44 da citada le, do gado que for mono para o jderou esta cmara em ofllcios de 22 de junho e 7
sua resposta. j consumo privado. i de julho ultimo, autorisei-a, como pedio, a despen-
Quanlo ao mais nada tenbo que deferir a visla ; Pelo mesmo motivo coucedi ao de Garanhuns! der no exercicio de 1863 a 1864 a quantia de........
da citada resposta. l:0O0A00O ao do muuicipio do Brejo 638000 ao; 1065 pela verba eieicSes, visto acharse esgolada.
Joo da Cruz Amoriai.Quando o filho do sup- i de Cimbres 3615240 e ao do Bonito l :5005000. Conced tambem a essa cmara o empreslimo de
pilcante sahir da enfermara, onde se acha para ' Estas inddiniusaces importara na quantia an-1 l:0>i05 que. solicitou em olflcio de 10 de novemhro
ser observado, como se v da Informagao do Sr.! nual de 3:1194ooo e devem ser effectuadas pro
commandante das armas, volte o ncesrao suppli-; poreoiialuienle ao valor das letras dos ditos arre
cante com a presente petigo. I matantes, quaudo houverem elles de paga-las.
Ludgero Theodoro de Ohveira.Deferido avista OBRAS PUBLICAS
da informagao.
I
IlEPAIITigAO DAS OBRAS PUBLICAS PUOVINCIAKS.
Manoel da Silva Carvalho.Como pede avista da I Autonsado pela le n. 584 de 9 de maio deste an-
que o torna incapaz daquelle servigo, reeommeodo I inlormago. Ino, reforraei a repartgao das obras publicas, dan-
a Vmc. que nSo nao deixe sahir a referiJa galera | Manoel de Azevedo Sanios Como pede arista i do Ihe o regulameoto de 9 de julho prximo lindo,
que ja ir.ve a competente portara no dia 24 do da informagao. O quadro des empregados. dessa repartigao, e
corrente, eraquanto o seu commandante nao se Maria Francisca das Chagas.Concedo a licen-'cuja iiomeagao perlenco ao goveruo da provincia,
mostrar quite para com o citado Freitas, urna vez ga pedida avista da informagao. : anda nao se acUa completo,
que. se vai embora, e nao volta mais a este porto. Mara Francisca de Leles Branco.Informe o Fallara o engeuheiro era chefe, engenheros, con
Dito ao regente do hospicio dos alienados em Sr. baro do Livrameato, vice-provedor da Santa ductores e pralicantes, cujos logares eslo por
Olinda.Faga Vmc. recolher a esse hospicio, len- Casa de Misericordia. preencher.
do-o em seguranga o alienado Manoel Jos Antu- i Pedro Manoel da Conceigo.Informe o Sr. ins-! O pessoal technico, que actualmente existe, io-
nes.Communicou-se ao vice-provedor Santa Casa pector da thesouraria de fazenda. sulflcienie para a boa llscalisago, marcha e desan-
de Misericordia.
Dito ao superintendente da estrada de ferro. -
Toma ido era considerago o que ponderou o Sr.
superintendente da estrada de ferro em offlcio de
22 do correte, relativamente a flxago de um m-
nimo de prego, alm do qual oo deve a companhia
conceder trens especiaes para o servigoao publico,
bem como a conveniencia do urna reduego no rus-
to miliar para a volta dos ditos trens, quando estes
circulen! em dirorgo as offleinas onde se tem de
recolher, cbeme dizer ao mesmo Sr. superinten-
dente, que em vi.tado que informou a esse respai-
lo o engenheiro fiscal da mesma estrada, tenbo re-
solvdo que nenhum trem especial a que se refere
o art. 93 do regulamenlo interno do servigo da
predita estrada, seja expedido por prego inferior a
255, qualquer que seja a distancia que tentia de i
percorrer ; podando o prego da miliagm de que
trata o citado artigo ser reduzido at 50 por ceute,
para as viagens de volta daquelles trens que te i
recolherem s offleinas ou aos seus depsitos. !
Communicou-se ao engenheiro fiscal da estrada de
ferro. .; v
. Capitn Jos.f Joaquina dos Santos e Silva.Na1
secretaria nao cxistiMobre a materia do presente
Silvana Mara da Conceigo.Como requer avis- volvimento do servigo.
ta da informagao. Este inconveniente, porm, parece que nao tem
^^^^^^ I podido ser lo promptainoule removido como era
---------- mister, em vista da falta de habilitagoes que seex-
' perimenta na provincia para empregos daquella
11 lili 1TOIIIO ; oatureza.
COHl qne O Eim. Sr. Dr. Domln- Entretanto para reraov-lo, solicitei do governo
SOS de SOIIZa E.eSo entregOll a i impef'al a viuda para esta provincia de ara enge-
ului InUl.-lort tltxit-A rAvln<>li ^ nheiro habilitado para chefe da repartigao. e para
aaministracao aesta provincia 0 (,rVlinenl dos oulros |gares mandel prCeder
ao iViu. Sr. ?ice-preslaeote a concurso, que terrainou antes de hontem, e cujo
desembargador Anselmo Fran-
cisco Peretti.
(Conlinuaqao.)
FINANQAS PROVINCIAES.
A receita do exercicio prximo Ando elevou-se
a 1,483:8495033 superior a orgada era234:4805033
e maior do que a do precedente exercicio.....
168:1555018.
Este resultado devido ao augmento qne lite-
rain as rendas de alguns mposlos, r principalmen-
te a extraordinaria de 195.6625607 dos direitos do
algodao, que excedeu a ao exureicio anterior
em i30:798;931, nao s por causa da maior sa-
requerimento, se n/o das petigoes urna assignada i f""a. e, da j'C do P^eco desle genero, como por se ; 6, E
joxBarreto e a outra por di- ler e,e,a* taXa desle dire,lS. !> antenormen- tra,Ja
por Jos Paulo do llego
versos, havendo n'.sta ultima petigo, sido proferi-
do o despacho definitivo desde 16 de abril de 1862,
nao havendo na mesma/Secretaria esses papis de
que falla o supplicante", c que diz, nella se acharen)
ha dias.
Jos Carneiro Pessoa de Mello.-Remeltido ao
Sr. juiz coinmissario do municipio do Bonito, para
que ao suoplicante oo'seja por parte das autori-
dades tolhidoo uso-fructo do terreno que comprou,
resultado deixe esclarecida apreciago de V.
Exc. para sobre elle resolver, como for de justiga.
As obras a cargo dessa repartigao e que se exe-
culara nao s por adminislragao, mas tambem por
arrematagao, sao as segrales :
OBIIAS POR ARRRMATACAO.
1*. Estradas do norte e Nazareth. fempreza Ma-
mede). |
2". Estradas de Bujary cidade de Goianna.
3". Caitamente da cidade.
4". t.oncerto da pontes do Santo Amaro, Vara-
j douro na estrada de Olinda.
ii~. liinl/iirrcBiirnto o i'
su
rabarreatoeato do 2o
lanco
te era 2 0/0.
DESPEZA DO EXERCICIO PRXIMO FINDO.
A despeza verificada naquelle exercicio montou
a 1,334:2935764, e com o movimento de fundos a
1,482:9825403.
Comparada esta cifra com a receita que flea aci- nreza Uaniedj
ma mencionaila, v-se que o saldo no ultimo do '
lito exercicio Ioi de 8565630 e seria de 148,8565630
se nao se tivesse emprestado caixa do exercicio
7". Dito do 3 lango idem
8*. Concertos da cadea de Serinliem.
9. Conservarlo do 3o termo da estrada da Vic-
toria.
10* Dita do 3U termo da estrada do sul. Da em-
lindo, para occorrer as despezas a fazer com o Te-
Ueum que desojara mandar cantar era acgo de
graga pelo feliz consorcio de Sua Alteza a Serenis-
snna Prnceza Imperial, com o Sr. conde d'Eu, ti-
rando obngada a indemnisar os cofres provinciaes
dessa quantia pelo rendimento dos bens do seu
patrimonio.
Cmara de Caruaru'. Era 9 de agosto prximo
passado autorisei esta cantan a despender, como
solictou, mais a quantia de 100} com as verbas
designadas no orgamento municipal ae 1863 a
1864 para expediente, jury e eleigoes, e agua e
uz para a cadeia, as ques -> aehavam nelas.
FORCA PUBLICA. /
KXERCITO.
Por aviso de 6 de outubro ultimo, determnou o
governo imperial que embarcassein para a corte
os ' e 7. batalhdeS de infamara, que se acha-
vam na guarnigo desla provincia.
O priineirodai|uelles doiis batalhoes, e ala direi-
ta do segundo, J seguiram seu destino ; falta a ala
esquerda d 7. batalhao que nao poda partir no
Cruzeiro do Sal que ltimamente pasma do norte
para o sul, por ter este vapor de conduzir o 10
batalhao de infamarla estacionado na provincia da
Bahia, segundo me foi declarado por aviso expedi-
do pela repartigao da guerra em 2 do mez prximo
passado.
Para cumprir o primeiro dos j ritados aviso fiz
recolher a esta capital todos os destacamentos per-
tencentes aquellos corpos, alguns dos quaes por se
acbarem no alto seriad ainda nao chegaram a esta
capital.
Com a retirada daquelles batalhao ficou a forra
de linha nesla provincia redunda aos batalhoes 9."
de, infantaria o 4. de artlharia, pie contara um
pequeo numero de pragas dispooireis, o ao corpo
fixo, composto de duas companhlas, urna das quaes
tem o seu quartel na villa de Tacarat, e a outra
na do Ouricury.
Nao sendo possivel cora to diminuta torea fazer-
da mesma es- j se o servigo da guarnigo, como representou-me o
coronel commandante das armas, resolv chamar a
servigo de destacamento a guarda nacional man-
dando aquartellar nesla cidade 30.) pragas, que se
achara reducidas a 281 para auxiliar a' (ropa de
lu ha.
Igual providencia tambem tomei para a cidade
de Olinda, onde se achara aquarlelladas 2() pragas
Iado da otlrada do
pois os que se dizem donos desse Ierren, como I corrente 148,0005000 para que polesse occorrer
parte de urna sesmaria que devero usar dos Ias respectivas despezas no trimestre de julho a se-
raeios estabelecidos na lei para haverem o que Ibes
receberam-se no corrente auno os
17 e 18 tangos provisoriamente, e o 13* definitiva-' e um subalterno.
mente o se despondeu a quantia de 30:2905000. Nao sendo Dorm possivel fazer iguaes destara-
Acba-se concluida e entregue ao traozilo publi- \ mentos em todas as comarcas donde foi retirada a
co a ponte sobre q rio Araripe, falta porm
A experiencia, pois. do acatamos de ter *-
incendio, oeeorrl to na ui em que esta esHB^te
cida a nona offiruin, e a demora M o^rorfos
cala vez nos eonvMiuw mals ii ner-s^i lile * a
regrrtwnlo o da rreaffto de um lirHUK 4> *
cendios para dar erg.nisacai aos irahalhos pr>-
prios de semelhantis occa-iWs, podend i^e re-
gulameuto ser feito pela polica e ajq*vad pelo
governo, que por cerlo oisto nao exhorbiura a^
atlribulges que Ihe sao propnas.
Com effeiio este incendio revela-lo a* 8 3|k ho-
ras di manida, sendo e tel de polica. netm-M que e-t.i lic-.u inrrt>. tm
meia hora depon nbmh a locar ch.nta, ap-
parecendo all as 9 i|2 nene. qiiaad> la tem eo-
raegaram a vir as bombas > pes-nnam^ete sr-
vdas, que s meia hora lepois . que Ungivam
agua sobre o incendio : Ora, sena h>v,r uiui Ji
reccao, nao pode haver ordem : e len-4e pudrfa
esiabelecer urna linln de conductores d'ayua
ehafarix do Panno al a casa. cera paseo*, nada se fez nesie entnlo, e ao <*Mtra-
rio pozerara se a carrejar en pequeos bable* par
escassamente tornera urna boinb -. de orl? hk.
no centro da cidade, pouc di-tante do enraaa-
mento de Beberibe, que passa na praca Ja IneV-
pen lencia, tornou se elle motil em ul e,ipi.
porque nao havia quem o franqueare | e aiyim..
visinhos, que lera uenna d agua, n.i p-bam f >r
nece-la, por|ue sao lo escas-as e-Us i-Ma<. (
a i|ue fornece mais agua, a da n-ta Ivpofrraittwa.
lera apenas um lubo de um juarto d poiega.la e
esse mesmo trancado cora regi>tro qne ni (>rar-
ce mais de dous baldes por hora ; o qn^
vida antes alimentaria o fogo do qo i
Ao lugar do incendio comparecern o Exm. ir.
viee-pri-sidenle la provincia, os Srs. Dr*. rhefe 4<
polica e delegado, o* Srs. engenneiros lliiarqae *
Mac-edo, Gervazio i'-aineello. Jo- Tilnirr. Cuar-
go Jnior, e Canda lUlo, sMeea iiliraM ev
inannlia e de trra e nutras autoridades nuis.
O prejuizo causado avaliasiiiuilan>*n: -
um maii de 20.00OjO0O. snm enirar ih-s-a *a
gao a importancia do predio incendiado .
no causado as duas casas terreas contigua.
as avenguagoes procedidas pelo Dr. iHegadw
alim de entrar no conli'Ciinento la man Bftjfan-
ra do incendio, complicouse um official do esta**-
lecimenlo, e por is-o foi mandando recolher a pri-
so, onde sia incommuaicavei.
\l'.\;.'.Z .!i O lummim iim ?tVl >a E(M.
Srs. DI). Mana Jo* Amalia de Miranla e lana
Nazareth Angustia de M.ran la. as je** s^
cavara aoensino primario, deque tiravam o* mew>-<
de honesta subsistencia; n assim aclara-** n.
maior penuria possivel actualmente. pM* lml>>
quanlo lites perlencia foi redundo a rm/a*. -U
situago affliitiva, des.-jariam as mesnta* >*ntyn*
que as almas compadecida* r pMMHBi feHPr**rni
de considera-las sob a *ua pmecfjMK, alnceirawt
llies as dficuldvles em que as colioceo a maV dJ>
fatahdade.
= Im-orta que a aulordade e>>mp<-tente lare
sitas vial is para o porto do itio da Ja |i*-wa em
Ponte d'UeMa visto que ah. *em respia a pu-
dor das familias e a ni ralidad.- pnbliea. v.io turnar
banhos mutos tanM Ins*, sjn SSM ! eivnpMa-
mente nos, praiiram areoe. nter ornen pruMM-
ciara palavre* de lupanares em altas t*s.
As familias d'aquellas pr-ximid ides, ^rn ul *s-
(ado vem-se foreadas a umi rclosioem ra-
pertencer.
tembro.
A este saldo deve-se tambem
.n a con- tropa de linha, determine! por circular de S de se-1 on,,,. sc ,h),s-,a A< clusao da estrada que vai encontrar o rio Bu, onde tembro prximo lindo, que os curara andantes su- |as a,...0(>s jmmorae*. nao leiiam todava A- ir f-
addcionar os das
Dito ao juiz de direito de Garanhuns.Pelo seufe,?u,!t-,a''s de calgamento das ras desta cidade, e
om.no de 12 do mez passado fiquei inteirado de ter d amortis gao do capital, juros das apolices, que
Vrac uoraeado a Manoel lloso Egidio Josu para | nportaram ambas em 23,002539o.
servir interinamanle o ofTioio de esenvo do jury Comparada tambem a retenda despezado,
do termo do Garanhuns era,substitu
nlio Ferreira da Silva Asvedo, qu
t '
SCnVO QO llirV wini/ei n'it inuti/uni d ii-'i-i i i.t iir^|rrr/,a uu
igo de Agosti-: 1.334:2935764 com a de 1,375:164*706, decretada
que exercendol l*',ra lnB;'",0 exercicio, resulta a differenga para
imhera 'iuterin~amen'te"iimtTle'carso, pedio e oble- menos dt 40:8705942 procedente das sobras de ai-
ra demsso. guraas consignages que se elevara a 93:963#011
deve sor collocada una ponte de ferro. j periores prestassem aos juizes de direito das
Dependendo, porm a collacagao dessa ponte de marcas e delegados de polica dos termos o nu
direco que so deve dar a estrada, determioeique I mero de pragas que fossem precisas para o servico
se lizessein os estudos precisos, a tifia de se resol- ordinario da "guarda das eadeas e deligenriis po-
ver sobre o assurapto. j liciaes, nos turnios do anigo 86 da lei n. 602.de 19
Na estrada de Pau d'Alho os trabalhos pro guem com menos actividade, de modo, |ue ainda
eo
c- I rir-lhes os
Dito ao Dr. Joo Juvencio Ferreira de Aguiar.- |S 0"'ras crasgnagOes nao fosera excedidas era
Acenso a recepgo do offlcio de 26 do corrente, era oo:0925969 por eradnos suppleraentare-. conced-
que Vmc. rae coraraunicou acharse no exercicio I d.os.u.e confurmidade com o disposto no artigo
do cargo de promotor publico interino desla co-,
marca, para que foi nomeado pelo juiz de diroito No exercicio a que me retiro ficou por pagar

idicando o meio de suppnr "" XSigr* SLSCTi-r "g'""wy,."" guem regularmente,
edida a adoptar-se para con- 2:87957b de re^.tu.goes bc.a para a ronda pro- d d Serinhaera.
orlante seja contrario ao in- P"? dj exercicio i:8bi5'K>l.-
nao se recebec lauco algura no corrente animo.
Vo era grande adiaiitatnento os trabalhos da
estrada do Bujary, cojo arrematante tem cumprido
bera as condigoes do seu contrato, e ha recebido
duas presiagu-s ua Importanoia de 9:i03.
O calgamento da ciJade poderla ter receido
maior impulso, se nao tosan a falta de pedra, que
leve o einpreileiro, de molo que os trabalhos exe-
cutades no exercicio passado nao absolvern! a
quoli volada para elles, queimportaram era . .
8i:9oJ>700 rs. ; licando a quantia de 32:36jque
foi despendida no trimestre addcional de julho a
setembro.
Os trabalhos de conservaco de estradas prose-
c beni assim os concertos da
dos de conformidade com o disposto
da le n. 576.
a
da ! vara no impedimento do elTeetivo. Iiwntia de 62:4435036 inclusive 57:7535414 do
Dito ao chefe interino da repartigao das obras engenheiro Mainede por msulliciencia do crdito
da comarca de Nazareth, no incluso offlcio n. 186 i pnblicas.Tendo sido a cidade de Olin-la muito votado ......
de 9 do corrente, tendo em vista a informagao. abundante em agua, aaora falta-lhe esta, de modo A receita do corrente exercicio ate o ultimo de
tambem inclusa, ministrada a esse respeito pelo que compra-se urna carga d'agua por 800 rs. e 15; ootubro importou em 484:o0851oo dos quaes de-
director do arsenal de guerra, a qual me ser de- fax-se de mister que Vine, informe cora o que Ihe! duzrado-s.i 85W630 saldo do exercicio prximo hn-
volvda com o predito offlcio. occorrer a respeito, indicando o meio de supprir |do- ,9o: W**9 de movimento de dos, e..
Dito aa mesmo.Remello a V. S. para sua' osta falta, embora a m
sciencia e direccao, a inclusa relago, da qual! seguir-se flin tao importante seja
consta os nomes dos meRores da companhia de' teresse individual, ou mesmo a algutn interesse
aprendizes do arsenal de guerra, que obtiveram publico de ordem menos elevada.
lieenea para estar era companhia de seus pas ou Expediente do secretario do governo do dia 27 de
prenles que os pediram. deiembro de J8(ii
conforme soliciten o comm.ndant, das rraas era J. f Kjff so,,r 1" * "W
. "i *Z Ki.m ck .
batalhao de infantaria foram rccolhidjisAo arse-; j> a 'Ul- re,er.e v;.?;
nal de. giierra.-Ce.nrauniccu-se ao^oroal cora-; Despachos do da 21 e 2b de dezembro de 1861.
mandante das armas. J\^J Requerimentos.
Dito ao inspect'jr da thesonrar/a ^MflnCial Antonio Soares de Luna. Soja o supplicante,
Recommendo a V. S. que/era yrW^&-Tnclsa posto em lberdade, visto como provou existir eni outubro 411:2295524 sendo era aegoes das compa- al boje a quantia de 17:6775010 rs.
centa que me foi reniettida pelo "ciiefe do polica seu poder isengo legal. / | unas da estrada de ferro e de Beberihe, e da divi-
com ffleio de hontem, sob\. 1,610, mande pagar Alexandre Ainerico de (baldas Brandao.Couce- da provincial 33:8I158jO que garautem as quan-
ao negociante Manoel Rheiro^de-Ca'rvalho a quan- do a licenga requerida, sendo observada a disposi-, tias jue por adianlaraento se derara para diversas
tia de 2065000 despendida durante o mez de no- ?:i do arl- 49 do regulamenlo da thesouraria pro- obras, e o contracto do calgamento da ras desta
vembr ultimo', com o sustento dos presos pobres vincial, segundo a informagao consunto do offlcio
da cadea da villa de Garunhuns. n. 564 do respectivo inspector.
Ao concluir, recommendo-lhe mais, o cuidado Antonio Alves de Miranda Guimaraos.-Atlen-
que costuma ter essa repartigao no exame desta e deudo as diversas informagSes do Sr. inspector da
de ootras despezas que se fazem no centro da pro- thesouraria provincial, luelusive a que consta do
vincia. apesar de que a coala a que cima me re- offlcio n.558 de 24 do corrente atten leudo outro-
Uro, arha-se assipnada pelojuiz de direito daquella sim ao parecer fiscal, que veio annexo a ditoom-
comarca Dr. Carlos de Ccrqueira Pinto, horaem ci, as razSes da presente, e mais que ludo ao dis-
digno de crdito e sisudo.Communicou-se ao Dr. posto no art. 1 % 2 da le provincial n. 60* de U
befe de polica. de maio do presente anno, reformo o despaeho de
Dito ao mesmoEm visla da terminante dispo. 3 de outubro prximo fiad, proferido no requer-
sicao do aviso c xpedid pelo ministerio da guerra manto junto, devendo a hesourana fazer ao sup-
tm 17 de jnlho de 1862, mande V. S. pagar a Ber- plcante, se se mostrar habilitado como procurador
nardo Ferreira de Barros Campello, o a pessoa dos herdeiros de Joo Vieira Lima, effevtivo paga-
por elle autorisada. conforme soticilou o chefe de ment da quantia votada n'aquella lei para resti-
toico aos mencionados herdeiro do sello do lega;
do dexado ao hospital Pedro II, nao tendo lugar
por partes dos empregados reposigao da porecn-
iagera que receberara, pois do contrario a citada
lei leria feito especial mengSo desla circunstancia,
e noteria velado toda a importaucia do sello re-
A despeza reallsada at o ultimo do outubro por
conta das consignages da le do orgamento vigen-
te somma em 424:6865050, e com o movimento
de fundos em 443:0905910 ttcondo por pagar por
deficiencia da renda 27:689500 > de obras i-xecu-
tailas pelo Bario do Livramento e o engenheiro
Mamede.
Era vista testa despeza e da receita cima refe-
rida o saldo foi de 49:4075245, que reunido aos das
caixas especiaos do calgamento das ras, e d'araor-
:iaru- t .ario do capital e juros das apoliecs ficar era
\42:36959I4 ou em 17:3695914 abatemlo se....
25:0005000 que se tomaran) de emprestimo cai-
xa de depsitos.
Exista era deposito no ultimo do mesmo mez de
OBRAS POR ADMINISTRADO
Por adraiuistrago executam-se as seguntes
obras :
I." Reparos da ponte provisoria do Recife ;
2.a dem do passadigo de Motocolorab ;
3.* Limpeza e reparos do cano de esgolo do an-
tigo caigamenlo da cidade ;
4.' Conservago da parle de algumas estradas:
. Conclusao da obra encampada dos reparos
da estrada de Pao d'Alho.
6.a Reparo da ponte dos Arrombados;
7.* dem da ponte da Tacaruna ;
8.* dem da ponte do Caxanga.
Todos estes trabalhos proseguem com mais ou
menos aciividade, e com elles se tera despendido
Son o primeiro a reconhecer que pesado o sa-
crificio que se exige dessa hrio-a guarda cvica :
mas as necessidades do servigo o exigen) na insuf-
ficiencia da tropa de linha e de polica.
GUARDA NACIONAL.
Por'decreto n. 3223 de 4 de feverein deste anno
foi creado un osquadrao de cavallaria no munici-
pio lo Santo Anto com o numero 8. e para major
commandante do mesmo foi nomeado o capitao
Francisco Jos Alvares por decreto do 2 de margo.
Algumas outras nmneacocs de ofllciaes se deram,
que constara da secretaria.
J expnza V. Exc. os motivos queobrgaram-me
a mandar destacar nesla cidade 300 pragas da
guarda uacional e ua de Olinda 20 pragas e um
subalterno.
Fongv POLICIAL.
Consta de duas sergoes : a urbana coinposta de
150 pragas c a rollante de 250 :
Esta "acha-se destribuda em destacamentos em
diversos pontos ; e aquella oceupa-se das deligcn-
cias dentro da cidade e seus arrahaldes. Vivera
em contnuajlo atrpelo e nao chegam para as
emergencias do servigo.
( roninuar-c-/ia)
soticilou o chefe de
polica em offlio de hontem, sob n. 1615, a quan-
tia de 765 em que segundo a conta junta em du-
plcala, importa o aluguel, vencido desde o 1* de
setembro at 16 de novemhro, ludo deste anno, da
casa que servio de quartel ao destacamento da
villa do fabo, devendo esse pagamont^ ser efTec-
tuado pela verbaeventnaesno corrente exerci-
cio. Communicou-se an Dr. chefe de polica.
Dito ao director geral da instruego publica.
Para poder resolver definitivamente sobre o o'qec-
to de sen offlcio de 20 do corrente, sol n. 255, Taz-
se de mister que V. S. me declare se as senhoras
colindo aos cofres proviniiaes.
Carlota Francisca de Paula. Como requer
vista da informa o.
Francisco Antonio de Miranda.Seja satisfeita a
exigencia da thesouraria.
cidade ; tm letras provenientes dos contratos de
rendas que se acham realsados 366:6865761 ; e
em dinbeiro proveniente d: beneficise saldos do
loteras 10:7305963 ou antes 35:7305963 contn-
dole com os 25:0005000 que emprestaran) cai-
xa do corrente exercicio, como cima flea dito.
A divida activa verificada o liquidada at o ulti-
mo do exercicio prximo Ando importa em......
375:0085241, e|se acha escripturada em dia, em jui-
zo para ser cobrada-
A divida passiva de oxercicios flndos liquidada
requerimento das partes, e a que resultnu do ju-
GOHAfBM) DAS ARMAS.
Achara.se era praga para serem arrematadas as
seguntes obras :
i.* Reparos do empedramento da
Victoria entre os marcos de 8 a 12 mil bragas ;
2." Varanda de ferro da ponte de Santo Amaro ;
3." Aterro ua ra do I.ima na cidade Nova de
Santo Amaro ;
4.* Conclusao da -.adeia e casa da cmara da
villa do Bonito ;
5.' Ponte do Motooolomb ;
6.' Conclusao do raio central da casa de de-
tengao.
As stmmas despendidas com as obrai publicas
no exercicio passado, segundo informa o inspecior |
da thesouraria provincial, subiram a 394:2275723
rs.; sendo cora os reparos e conservago das es-
rodo 270 garantido pela provincia a companhia'da | IMdas, pontes e edificios 133:742t823 rs., com o
estrada de ferro, vencido de 9 de feverero de 1858 calgamento das ras desla cidade 37:6095400 rs.;
a sO de junho do corrente anno, somma era.....I cora as estradas do contrato Mamede 52:6505:
808 8615754 importando a deste juro 745:8I05H80' com as pontes de S. Joao e Brumzinho 53:23452)0
eos mais em 63:050874 inclusive a de....... rs.; cora as mntrii.es 19:9955; com o Gymuasio
57:7535424 pertencente ao engenheiro Mamede, 4965200 e com outras obras 4:5005-
Quartel do eommando das armas de Pemambiict,
na cidade do Recife, 29 de dezembro de 1861.
OREM DO DIA t. 21.
O coronol commandante das armas, determina
que na manha do dia 2 do mez de Janeiro vindou-
ciilade da ro se P*ss rev'sla Keral dt mostra aos corpos mo-
vis do exercito e coinpanbas soladas desta guar-
nigo pela ordera seguinte:
A's 6 horas da manha a companhia de artfices,
s 6 'i a de cavallaria, s 7 o 9 balalho de in-
fantera e finalmente s 7 X *> 4o balalho de ar-
tlharia a p.
(Assignado.) -Joaquim Jos. Gonqalves Fonles.
Conforme.0 capitao Jos Francisco de Moraes
e Vasconcellos.
ouvldr.s os laes palavroVs, nv-rn-i m
sua reetusid forcul.i, pudendo >-( > hav-r u-
sequencias ponco conveniente*, con riw^vi*eu
mentos de pessoas nolav-is, quaniln raiMdn *
esperar a inlreferencia liem-rtca da MniridMp.
snbstitiiireni-n'a para desforco p.'-s,,.l
Iloje se extralura a prinuira parle da pvi
meira loteriado ho-pini Pedro II para nann
d'agua e gaz ('22'i, s-nd i o maior pjMBKt > i**>^
nemellananee o segrate
O administrador da ras de .W^nc* p^aV mn*
que declaremos, ser in manta a nald i i |iv>sBa-
rojos da aalera Minde'o, re olludos a>intl> rasa
ven le-sem a roiipa para nao rnorr^rem a tamu'
receben diariamente alimentar"!, igual a .|tf -
deslrioue aos presos afem de estak, pnr mte par >
mais nao esta elle adminisirador aulorisado.
RKPARTigAO DA F-'l.li IA.
Bitnrte da parte do da 2!) le d>zemhro d- |*%
Foram rerolhidos a ca-a de detrnro ao *ra
do corrente :
A' orilem do sub|,!,_'.11 < de Sin. \
baslio a Minoel, e-cravos. e Mamita *
tal, e aqnelle de Antonio da Itch FMila, pri
meiro por embriaguez, e o ultimo para ntren,
a' ordem do de Sin Jos, Maaoel >h* V mN>
Anna e Antonio Jos- F>rreira, ambos par di Mr
bios.
A' ordem do da Caponga, >n^rta Maria da 8m>
ceigo, iior disturbio weJllBi.
O rhefe da 2* **
J ti. ie JJV.ifwift?.
drtenro ao dia JN 4-
pre- '
como acuna o disse.
A divida das apolices emittidas em virtnde oa
autonsagao concedido pelo artigo 31 da le n. 488,
acba-ee reausida a 56:5505000 devendo ser paga
no corrente exercicio a de 3:3005000, bem como
1:7905168 de juros vencidos, logo que o exigirem
os respectivos redores.
Os contractos celebrados pela thesouraria e que
Florencia do Amor Divino.Como requer vis-, nao eslao finaos, vo sendo cumpridos regularmen
que'eoa'porr'eram anxame, de que trau o sou ci- U da nformaco te pelos respectivos contratautes. ^.a--.
tado offlcio nao tem, sendo aporovadas como fo- Heoriqtie Jos Vieira da Silva. Remeltido ao, Excepluara-se porem os do imposto de 25o00 do
ram MinpleWote de submetler-se novo exame, Sr. inspecior da thesouraria de fazenda para man- gado vacura do consumo le Uliuda, e de 20 0|0
a apnrovaco imples que alrangaram Ibes d dar pagar ao supplicante o jue justamente se Ihe d agoardente da Victoria, Limeiro.e Cabo, que del-
t s a approvago .imples que alrangaram
direitii a cadeira, que pretendam, apesar de serem dever.se ja foram satisfeita as exigencias dessa
reprovadas no segundo concurso. reparligo, corno ao memo supplicanle foi deler-
Dito aoeapitio do porto.Constando-me que na minado por despacho de 9 do correute.
volta do Forte do Mattos alguns r.avios tem as suas Horacio de Gusraao Coelho.Concedo ao suppll-
ancoras fincadas em trra, de raodo que as amar- oanle a licenga pedida cora o veucimento de mela:
ras passara por cima do ees, rccommeno a Vmc. de do seu ordenado nos termos do arl. 93 da le
xarara de pagar algumas de suas letras na irapor
tan ca de 2;5963300.
Nos que termimam no exercicio prximo findo
i en-se tambem a falla de pagamento de 2:2175140
de duas letras do podagio da ponte de Jaboato.
Nesse ro?smo exercicio foi rescendidoodas obras
PONTE DE FERRO DO RECIFE.
Os trabalhos desla ponte proseguem regu'ar-
mente.
Desde margo ultimo que se acha desobstruido o
rio das ruinas da anliga ponte de pedra, e pouco
falta para conclu r-s: o trabalho do afflnc.amento
dos esteios que formam os cylinJros, sobre que
devem assentar as Rraodes columnas da ponte.
Se nao fossem a Irregularidade e demoradas
viagens dos navios, que tera transportado de In-
glaterra para eata provincia a ferragem da raesma
ponte, os seus trabalhos poderiam ter recebido
maior impulso
Entretanto essa importante obra, se nao houver
algura caso extraordinorio, pode Ocar prompta, co-
rtto juiga o engenheiro fiscal em agosto do anno
prximo vindouro.
NEGOCIOS ML'NK IPAES.
Cantara do Recife.Por ofllcios de 31 de agos-
R8VISTA DIA8IA.
Hontem por obra das 9 horas da manha mani-
feslou-se um incendio na loja de trastes do Sr. Joa-
qnira Pacheco da Silva, sob o sobrado de un an-
dar n. 29 da ra das Cruzes, e essa manifestago
j foi era tal grao de intensjdade que, apezar dos
soecorros prestados, ardeu todo o predio com dam-
nillcago das duas casas terreas contiguas, em
conseijuencia de cortar-se qualquer communica-
go que se podesse dar para os demais predios
visinhos.
Os primelros servigos de soccorro foram presta-
dos pela visinhanga, primando nisto os anisus des-
ta typographia, que lograram safar todos os tras-
tes dos armazens e da casa prxima, sendo ao de-
pois continuados taes servigos peta polica com a
presenga das bombas dos arsenaes de inarinha e
guerra, da capitana do porto, do corpo de polica
e da ponte do Reeife, que estavam guarnecidas
pelos competentes empregados.
No entretanto, i forga confessar que a incuria
havida, pela manifestago do incendio, da parte da
gente da referida loja, a aaarchia do servigo de-
Movimento da casa de detr
dezembro de 1864.
Kii-iien------- 379
Kniraram----- 10
Sahiram..... 1
Exislem..... 3*1
A saber :
Nanonaes----- .100
Mulheres. 4
Estranseiros.. 15
Estrangeira... 2
Escravo*..... VS
Esrrava*..... a
m
Alimentados a rusta dos cofres prov nrta**. NI
Movimento da enlerraana do da K> de Fieman
de 1864.
Te ve alta.:
Manoel Joaquim di* Lima
Obituario do ckmitkbio w;aturo 50 ma t ?
DKZKMHIUi DK 1864.
Hosanna, Pernambuco, 1 anno. Rrrife. inl
pulmonares.
Florinda Maria de Jess do E-pinto
nainbuco, 30 annos, casada. Boa-Vista,
pulmonar.
Anna Margarida Lopes Ferreira,
annos, casada Poco da l'aaella. pMhvstra
nar.
Domingos. frica. 50 annos, solteiro, carraco. Re-
cife. desnteria.
Joanna Maria dos Praxeres, Paruiiha, fie) anat*.
solteira. Sao Jo-, romrastao eerrfcral.
Maria, Peruaraaoco, 1 hora. Sonto Aatoam. m tra-
balho d" parto.
Lourenco, Peroamtioeo, 40 anno, Metro, srra-
vo, anio Amonto, hydrnpesia.
Antonia. Pernambuos 6 annos, esrrava. Ron-Visa.
tubrculos pulmonares.
W
Francisco Pinto da Suva, Pernanwnn. 17 anne*,
Boa-Vista, anemia.



-j.J
-A*.
--!-**_______i-J
filarlo <3e PeBari*-He Sexto tetra $0 da Dezcnibro 4e 18 24.
CIIR0MC4 JUD1CURU
TRI Bl \ % I, 10 COWMEBCIO
ACTA DA SESSO ADMINISTRA-
TIVA DE 29 DE DEZEM11H0 DE 18G.
E tila icertadas c justas tem sidoJ as providen-i Fl'VsDPlIa !C*UTOS *e boi> salgados .
I a'S le esse magistrado tem tonudo em prol da 1 '' f |dem idera seceos espichado*.
\ nrtnha eaom, que a da Justina, que tenho f ro-! 0 medicamento que com mais influencia e ener- Mem dem wrdes ....
I busta de que minha honra violentada e ultrajada gia tem combatido essa terrivel nfermidade, tetn dem idem cabra cortidos. .
i ser legatmenie desaeirrafada, e me ser, com mi- sido o xarope alcoolico de veame, I dem dem de onfa ....
nha chara filha, restituida o repouso e tranquilli-! Urna escrava da rai do Sr. Francisco Firmino Doces seceos......
presidencia iNTEMNA no EXM. sr. DESKMBA.RGAD0R da,|e de que goxava, e de que fui abjectamente e>- Mooteiro, pessoa bem conhecida nesta cidade, dem era gela ou massa. .
. ai.exanre bernardino oos neis e sii.va. poliado por esses homens, .pie teodo em nada sna arhandose de cama, e com as perras bastante in- dem em calda......
As 10 horas da manhaa, estando reunidos os primriadignidade,menospresaroesacriflcara aseus chadas, e cheia de tumores, tomando o xarope de Espanadores grandes um
se miores deputados Lentos, Rosa, e snaplente caprichos a alheia, com desdonro dos cargos que veame, acha-se hoje boa, prestando servaos, dem pequeos....... .
sto. e presente o Sr. desembainadoi- lineal, o indignamente oceupam. i A mana da Sr. Jos Francisco Pinto, morador na Estoiras para forro de estiva
Frometto dar conhecimento ao publico do segui- roa Direito n. 31, tendo sido accommettida do mes- de navio........cento
ment destas tamenlavis e dolorosas oceurrencias mo mal, aeha-se tambem boa. Estopa nacional......arroba
>
um

libra
>
Peni o Porto.
presente o Sr. desembarpador iical, o
Exm. Sr. presidente declarou aberla a sessao.
Lida, fui a pprovada a acta da sessao antece-
dente.
EXPBBIENTB.
Foi presente a cutaco ofllcial dos presos cor-
rentes da prata na semana Anda. Archive-se.
Foram distribuidos para seren rubricados pelos
senhores depurados, os n'vros Diario e Copiador
da casa ccrameroal de Jos de S Leitio Jnior,
os da de Jos Marcelino da Roa & Filho?, os Ha de
Oliveira Silva, o Diario da de Manuel Ignacio
de Oliveira, o da de Antonio Franci-eo Martins di-
Miranda e o da de Bernardino Jos da Silva Mjia.
DESPACHOS.
3>o requerimento de Jos Antonio Murara Das,
pedindo sua rehabilitacao de fallido : Autoado
pelo amanuense Chacn, a qnem se nomeia escri-
vo, naja vista ao Sr. dcseniharcartor fiscal.
no de Bailar A Oliveira, allegando nao poderem
satisfacer o despacho du 19 do correnle para que
possatn ohler a carta de registro do seu patacho
Bemfica :Satisfeitas as formalidades legaes, pas-
se-se a carta requerida.
No d loe A momo Ferreira Vinhas e Emygdio
Jos Gnncalvcs Serra, pedinoo que seja registrado
o sen contrato de sociedade :Vista ao Sr. desem-
bargador fiscal. )
No de Olympio Goncilves Rosa, pedinlo que
seja registrado o sen contrato de sociedade com
Antonio Ferreira daCunha :Vista ao Sr. desem-
No de Domingos da Costa R.-i.iniretro, pedindo
que se registre urna procurado que aprsenla :
Repistre-se.
o de Ohvier Laniusse, capitao do navio francei
Olivier Jean Marte, pedindo que a junta dos cor-
retores certifique anal fui a pe (o dirigida a este
tribunal por Wilson A Hett, e qnal o atlestado da-
do pela mesma junta ero vista daquella peticao :
Como requer.
No de A. Andonnrd, capitiio do navio franre
S. Michel. pedindo que a junta dos rorretores Ihe
d por eertidfio qual (ui a peti^ao dirigida a este tri-
bunal por Wilson & Hett, e qual o aitestado paga-
do pela mesma junta em vista de dita petiro : -
Como requer.
No de Antonio Domingues Pinto e Jos Antonio
Teixeira, pedindo que seja registrado o seu contra-
to de sociedade, visto pelo Sr. desembargador fis-
calRegistre-se.
Nada mais havendo a tratar, foi pelo Eira. Sr.
presidente encerrada a sessao ao meio-dia.
at sea final desfecho, confiado na iodefectivel jas-' A Sra. D. Senhotinna Umhelina dos Santos, nio- Farinha de de mandioca.
tica de S. Exc. o Sr. desembargador presidente da' radora na ra das Calcadas n. 38, achando-se ata- dem de araruta.....
provincia, de quem sollicito tambero aquellas pro-' cada de erysipella as coxas, com quatro tumores Feija de qualquer qudlidade.
videncias, que em sna sabedoria, c reconheeido'bastante volumo-os, no estado indolente, que a pri- Frechaas.......
espirito de Justina que com todos sabe distribuir, vasa de por-se de- p ha muito emiio, com o uso Fumo em tolha, bom
entender.
Garanhuns, 17 de de?, mhro de 1S64.
Manoel Jos Menes Bastos.
alqueire
arroba
t
um
arroba

lf50 Cidade do Recife de Pernambuco, aos 15 de i
240 outubro de 186*.
100 Eu Manoel Maria Rodrigues do Na-cimento, escri-1 A bem eonfcaeida c veleira barra p-vtog i-ra
355 vao o subscrevi. Manoel II, capuao fe Ir.< Jqm da Rosa, pr-i
105000 Tristao de Alentar Araript. |seguir al o da '0 de joein : |*ara > t***k
I5OOO O Dr. Trislo de Alenrar Araripe, ofllcial da impe-' carga e iiassajreiros. par* 05 quac u-m *\rrin Mas
320 riai ordem da Rosa, juii de direitoeapeeinl do, ombmkmIun toala-se * M cimnwnri'>- M. J.
IDO commercio desta cidade do Recife de Pernanilm-1 Kaints e Silva & Genro, m ta enenptor, roa
4JQW co, seu termo, por Sua Magestade Imperial e do Vicario n. 11, primer* aa-lar._________
#000 Constitucional o Seohor D. Pedro II a quem Dos i
guarde ele.
Faco saber aos que o presente edital virein e
del le noticia tiverem que no dia 6 do inez de feve- j
reir, do anno prjimo viudouro se ha de arrema-
tar por venda a quem mais dr, era praca publica
destejuizo, depois da audiencia respectiva, duasl
CGMMNICiDOS.
Para S. Exc. e Sr. desembargador ucelmo Fran- jaf^ Gomes Villar.
Os abaixo assigoados^em vista' de procedimento
que leve a directora do Club Pernambucano no
da i6 do crrenle, em assembla geral, declaran-
que desde aquella dala deixaram de fazej parle
iessa seciedade.
Francisco Mamede de Almeida.
Augusto Hygino de Miranda.
Dr. Joao Thom da Silva Jnior.
Dr. Domingos Jos Roirrigues.
Juo BapliMa do Oliveira.
Marcelino Jeronymo de Azevedo.
Jos de Azevedo Andrade.
Antonio Baptista Nugueira.
J1 wto Francisco Antunes.
Dr. Alf-",- i uuuiii uastos.
'.cciliano Rodrigues do Pjsso.
Manoel Antonio Goncalves.
Dr. Jos Tiburcio Pereira de Maalhies.
Dr. Joo Gouyalves da Silva Montarroyos.
Dr. Joao Jttvencio Ferreira de Aginar."
Dr. Miguel Jos de Almeida Pernambuco.
Dr. Hermogenes Scrates Tavares de Vasconcellos.
Dr. Cypriano Fenelon G. Aleoforado.
Dr. J.>s Bernardo G. Aleoforado Filho.
Florencio Domingues da Silva.
Francisco Gomes de Olivrlra Sobrinho.
Dr. Joaquiui Antonio Carneiro da Cunha Miranda.
Dr. Jos Paulino da Cmara.
Francisco Ignacio de Oliveira.
Man.iel Porfirio de Castro Araujo.
Dr. Eugenio A. Pereira da Cunba Mello.
Dr. Joaquim de .-mua Res.
Jt-suino Barbosa de Mello.
Jos Rodrigues de Souza.
Juaquim Aurelio Wanderley.
Joaquim Bernardo de Mondonga.
Joao Alvcs Meigiilhao.
Dr. Jos Mamede Al ves Ferreira.
Jas Candido da Silva Franca.
Antonio Pires Ferreira Filho.
Dr. Emilio de Moraes Dias.
i Jos d'Assnmpcao Oliveira.
do xarope alcoolico de veame e pilulas purgativas dem ordinario ou restolho
! do mesmo, acha-se restabe|pcid~,e no uso dos me- dem em rolo bom.......
dicamentos os tumores terminaran! pela supura- dem ordinario ou restolho
Cao. Galbanas........ urna
A Sra. D. Rita, moradora na ra de Santa Rila Gomma......... arroba
n. 13, primeiro andar, soffrendo do mesmo mal ha Ipecacuanha (rair)...... ^
muilos annos, poisque a erysipella atacava amia- Lenha em achas...... cento
dadaroente, depois que tem tomado esse remedio Toros.......... .
nunca mais Ihe deu. Linhas e esteios....... um
Outros muilos factos desta ordem deixo de raen- Mel ou melaco....... caada
cionar aqu para nao me tornar prolixo e enfa- Milho.......... arroba
donho. Papagaios........ um
Sendo a erysipella urna molestia que sera duvi- Pao Brasil........ quintal
da effeito de materia gerada no corpo como ex- Idera de jangada...... um
[le.'n alguns escnplores de medicina, e em con- Pedras de amelar..... una
sequencia da febre lanc&da na pelle, onde pro- dem de filtrar.......
duz inflammacao, e que multas pessoas, por nao se dem de rebolo
155000
1*600
8*000
4*000
8*500
5*000
145000
85000
850.10
550OO
600
2*500
2.S5000
2*000
11*009
85000
240
900
35000
55OOO
55000
800
ParaL !*>:>
pretende seguir com hfevi.l-de o bogue pnrtnfan
Soberano \or l-r qoa-i M4o <-u 1
promplo : para o re*lo qin* Ihe <>
com atsu.-ar mi seu e-|uivaMi(-; <
aos quaes ulferere aons cowmodo, iraO-se 0*1
o. T *
Mare^
Dos n. 5, primeiro andar.
cisco l'crelli, diynissimo presideute desta pro-
vincia lr e providenciar, cerno eui sua sabedo
ria eoteuder.
O abaixo s>i{!nado cidadao porluguez, nego-
ciante domiciliario a vinte anuos na villa de Gara-
nhuns nao pode deisar de, por meio da imprensa,
a que recorre como lenitivo sua dr, erguer um
brado de iMgnaco contra certas autoridades do
termo de Garanhuns, quo esqueceodo-se ao i tilosa-
mente de que devem a si, e sociedade, ousam
eom o maior cynismo e impudencia affrontara ho-
neslidade, a honra e e repouso das familias, por
haverem elles mesnios renunciado bona volntate
a esses nobres sentimentos que sao os elementos
da viOa humana.
Passarei sem rommenlarios a narrar o inaudito
faele coiiiigo succedldo, que por si s revela a im-
nioralidade subida dessas autoridades a que allu-
do, e s provoco para que mo dasmialaoi s
a tanto se atrevem.
o dia 9 do correle o Sr. Dr. Jos Roberto da
Cunha Salles, que o propno genio do mal nelle
enramado, que veio adrjar D6SUS parageHS, reu-
nido ao seu especialissimo amigo esocio o juiz mu-
nicipal Dr. Fraurisco Antonio Cesario de Azeve-
do, a um ruuhado desle Jos Ildefonso de Mello, ao
ofllcial de jusra Ju> Atlinso Jlaniues Portugal,
ao inspector de quarteirao Jos Lourcnco e ao
Ilvd. coaOjuclor de.-ta fngue/.ia, que parees do
naco hespanhola, capturaram nnuie urna minha
lilha de uoine Mai ia, que apenas tonia trexe annos
de idade, e a conduzraiu conjuntamente com urna
minha e.-crava Eduvges, para casa do delegado
de polica o lente Francisco Rexerra de Va&eon-
cellosque mora em distancia de duas leguas
desla villa no sitio Genipapo.
A filie tu, sem saber o que fizes;e, no dia seguin-
te nuute fui com miaba mulher ao sitio daijuelle
delegado, a ver se persuada miaba filha a voltar
para casa, visto como nunca eonsentirei no seu
casamento : nao se me permillindo porm ve-la.
e muilo menos eom ella fallar, voltei de.-a|.ontado,
e na maior desolaran, nao tanto por iniui como
por minha mulher, que iicou como aniquilada.
No dia i I, porm, nao pude deixar de condes-
cender otra minha mulher, consentindo que ella
fosse pela segunda vez a casa daquelle delegado,
onde foi encontrar o proprio juiz municipal Dr.
Cesario, que tocava violo, e cantava modinhas 0111
conipauhia do Dr. Salles, que tambera all es-
tiva.
l'oi enlao que minha mulher, debulhada em la-
grimas o n um estado contrislador e afllictivo pedio
para ver sna filha, que n'um quarto se debata dos
bracos do Sr. Dr. Salles, que a impeda de appa-
recer a sua mi !
E prcteudeudo minha mulher all peruoilar por
ser adianiada a hora da ooute, com sua filha, por
quem se tran.-ia de saudades, foi -quem acredita-
ra ? Ialm de alrozmenteameacada por um gru-
po de houiens armadosbrutal, groneira e indig-
namente eX|KiHida de casa pelo proprio delegado,
que nao cunseiitlo anda oonralescia de um parlo rcenle, em vorda-
deira aluiccao, que causava d e eompaixaoao lio-
mem de coracao o mais emperdeuido, licasse ao
menos no terreiro, ou sob as biqueiras da casa,
pretendeudo-se por essa occasiao esnancar a urna
sua escrava, que a acompanhava s pelo fado de
lamentar que sua senhora fosse tao desabridamen-
te maltratada por quem a devia acatar I
Mas nao fui s essa contrarielade que mais des-
apoutou minha mulher, e sim o proprio Dr. juiz
municipal, esse h..mem sem bro e sem pundonor,
em sua presenta, e por entre as baforadas de seu
charuto, aconselhar ao estulto delegado, para que
conseiitisse, que ella, a alDicia mi licasse, com
tanto que se entregasse a lilha concupiscencia do
seu amigo Salles ; o que com elfeiln. borribile dic-
tu, se reaiisou, porque sobre as pisadas de minha
rnuiher seguio para esta villa acompanhada do
desmorali-ado Dr. juiz municipal minha infeliz fi-
lha, que durante duas nojtes e um dia passou
portas trancadas dentro desta villa com o seu rap-
tor Sr. Dr. Salles, casa de quem mandava
aquelle juiz o almoco e janiar, sendo que depois
foi minha filha, rom a escrava Eduviges conduzida
alta noiie pele seu raptor, rodeado de dous espole-
tas ai mailos para a villa de S Bento com destino,
pelo que se diz, comarca do Unjo da Madre de
Deus 11
Se nao fura eu um homciu pacilico, toado a meu
cargo urna numerosa familia, teria me cerlamente,
por forca das circuinstancias, precipitado na car-
reir dos comes, porque rvofesso qu nao tenho a
detestavel fleuyiw im>abilnlaile, pudenda e
wummdSo do Sr. Dr. juiz municipal-
Em meu desespero, porm, nao tenho desanima-
do pela conviccao de que temos segura garanta na
pes*oa4e l-nrado e probo aiagutrado, que preside
a esia comarca, nico *u.U:iitaculo da honra, vida
e propriedado do cidadao, que e.-iar iam merc
dessas cairuptas e desmoralisadas autoridade, se
nao fura a energa e providencial sol icilude do
Exm. Si-. Dr. Carlos de Cerqueira Pinto, meretis-
siiii juiz de direito desta comarca, que tem sabido
com prudencia a par de bem entendida severidade
comer a cada uro aa desenlreada ca reir de seas
desvarios e desrcgramenios.
A este integerrimo magistrado modelo, em quem
Oniramenle todos sem excepeo dejiositam illimita-
dis.-ima conianca, per ler sido a tthwfju dela co-
marca, que se nao tem conflagrado em atlencao e
Jiespeito suas altas virtudes, como todos unisones
confessam, cora reconbeciroentu e viva gratidao,
dirig minha queixa contra essas desnaturadas au-
toridades, que tem merecido a bem pronunciada
reprovayo desse nobre, elevado o esa-madissimo
carcter, que nao sabe condescender rom os pre-
varicadores e relapsos, qoe espavoridos correm a
nra simples olhar sen.
Jos Pereira da Cunha Juni.r.
Cyrillodo Lemos Nunes Fagundes.
Manoel de Almeida Macado Sudr.
Hemvindo Gurgel do Amara!.
Dr. Tristao de Alencar Araripe.
Adolpho Lamentia Luis.
Dr. Joo Maria Seve.
Joio Jos de Carvalho Moraes Filho.
Dr. Franrisco Cordeiro da Rocha Campello.
Dr. Bernardo Pereira do Carino Jnior.
Baraodo Livramenlo.
r. Alexandrede Souza Pereira do Carino.
Baiu de Uliuga.
Jos Joaquim de Faria Machado.
Luiz Pereira de Farias.
Dezembargador Custodio Manoel da Silva Guima-
res.
Jos Moreira da Silva.
Jos Francisco de Barros Reg Jnior.
Dr. Manoel de Souta Rolin Alencar.
Candido Alberto Sadr da Molla.
Manoel Pereira da Cunha.
Dr. Manoel Caetauo de Oliveira Passos.
Dr. Joao Ferreira.
N. B.-Reunido o numero destas assiguaturas,
ao dos socios que deixaram de assignar por nao
quererera ijue seos Domes figurasein. calculamos
em 100 o numero dos que effecivaintule so reti-
rara m.
S ARN\S!
< Maquina o impo contra o justo :
E range contra ello seus deutes.
Soldados I O cbaa charlatanismo o requinta-
dos disparates que o no--o tambor-mr aprsenla
de novo ao publico desta cidade, por meio de um
anmincio todo zigue-zague, por demais pelu-
anle.
Quem nao conhecer bem quem o nosso in-
signe tambor-mr, te-lo-hao. por enearregado da
fater acabar com todas as casas commerciaes que
costumam a agradar de maueira aos freguezvs a
nao deixa-los ir provirein-e dos genuinos yeBeros
que exclusivamente vein das placas da Europa
para o 860clntant, magnifique, e somptuex ma-
gasin de molhados. Na verdade, soldados, o nos-
so celebrrimo tambor-mr ha-se revestido d'uma
certa lemeridade que os no-sos executores das leis:
desta heroica provincia deviain fazer cessar.Em
que naco se vio, que um triste peregrino quo se j
acha debaixo das suas leis, possa dictar leis pe-!
ranle o publico?Em que cidade algum da Eu
ropa se vio ja, que estrangairo ou nacional, collo-
casse na fachada de seus estabulecimentos, bustos
de prophetas que no principio da era christa
apregoaram s gentes barbaras a doulriaa do
Santo Evangellio?Onde se vio j, que os com *
merciantes desiguassem seus estabelceiineuto com i
um nome da poltica que tem a seu cargo a vigi-
laneia do paizT-Com que direito pode dizer qual-1
quer homem do povo, que se Ueve acabar com
certos estabelerimenlos que sao suscepliveis a em-
briagarem-se escravos ?Por ventura nao ha na
Franca, na Inglaterra, e era toda a Europa -slabe-
leeimentos de todas a naturias 7Nao >ao estas
casas que tiram o merecimenlo a urna cidade; o
que tira o mererimento as leis desta trra dei-
xar impune os defloramentos das tristes coitadi-
nhas que ao depois se arrastam para o abysmo da
prostituieao. Talvez contine.
O 1 . sargento do batalhSo.
terem convenientemente tratado, suecumbem rom
o pernicioso uso de que, nos tres das nao devem
usar de remedio algum, o que faz-se eslender o
mal por nao se ter a principio combatido; por is-
co, ,. Lsentir atacado de tal mal, deve provocar a transpi-
raeao toiuaudo ao principio urna colherinha de cha
do xarope alcoolico de veame dissolvido em urna
chicara de infusao de flor de sabugueiro quente,
adocando-a com maisassuear; continundonos tres
diasjnesse tralamenlo.nofim dos quaes usar do xa-
rope de veame na forma proscripta no receituario,
tendo todo o cuidado de se abafar, afim de suar
convenientemente, alm de conservar o ventre cr-
reme, que conseguir tomando urna ou duas pilu-
las purgativas do mesmo veame.
Todos quantos suecumbem desta molestia se diz:
fallecen de erysipella recomida; ao contrario
alguns expositores presumem ser o desenvolv
inento da pulrefacco no sangue, tanto que o lugar
inflammado que, eitto a sua cor era encarnada, se
troca em lvida ou negra, e termina em gangrena
e por essa razio que conveniente o xarope al-
colicode veame na infusao de flor de sabugo, pra
se conseguir resolver a inflammacao, ou pelo me-
nos terminar pela supporaco, impedmdo assim a
gangrena.
Os efleitos do xarope alcoolico de veame appli-
eado na flor de sabugo aodoente, naos de van-
tagem por sua qualidada diafortica, como pela
antisptica, para impedir a pulrefacco as mo-
lestias.
Na erysipella nao deve o enfermo nos primeiros
tres dias usar de comidas e bebidas que possam
esquenlar e inflammar o sangue.
A comida durante esse tempo deve ser do reino
vegetal, como sag, farinha do MaranhSo, pao tor-
rado, bolacha, etc.
Anda sao vi expositor de medicina qne aconse-
Ihasse que nos primeiros tres das de accommetti-
mentos do nial, nao se usasse de medicamentos;
o que elles repeliera sao os ungentos, unturas e
emplastros, por serem de natureza gordurosas que
obstruem mais e repellem do que promovem a eva-.
cuaco da parte; a que convm trazer o lugar
atacado e bem agazal hado para ajudar a transpira-,
cao, e defender do ar.
O verdadeiro xarope de veame vende-se na boti-
ca da ra Direila, n. 88, de Jos da Rocha P-
rannos.
150OO
120
l'iassava......... molho
Pontas, ou chifres de vaccas ou
novilhos........ cento
Pranches de amarelio de'ftous
contados........ um
dem de lonro.......
Rap.......... libre,
Sabo..........
Sal.......... alqueire
Salsa parrilha....... arroba
Sebo em rama.......
dem em velas....... *
Sola era vaqueta...... urna
Taboas de amarelio..... duzia
dem diversas....... >
Tapiocas......... arroba
Tatajuba. '........ quintal 2*000
Travs......... nma 6*000
l'nhas de boi....... Cento 200
Vassouras de piassava. ... 10*000
Ditas de timb...... > 85000
Ditas de carnauba..... 6*000
Vinagra......... caada 500
u, unas v ------------------------------.
pipas com vinho Fgueira.avaliadas era 250* cada "P"a "* l"-^- o ">" y
ama. as quaes sao perteucentes a Jos Rihe.ro da '
Cunha Guimares, e vis a praca por execui;ao de;
Campiano 4 Cordeiro. E na falta de licuantes ser | Para o Para preien le seguir em faara.*
a arremaiaeao feta pelu preco da adjudicaeao com o palhabole Dous mifM ; para p<>ura raraa
o ahatimento respectivo da lei. Ihe falta, trati *e cm o- --n- r 1
E para que chegue ao conhecimento de todos, Ionio Luiz Je Oliveira Azevc.Jo 4 C,
mandei fazer 0 presente edital que ser aflixado criplorio ra da Cruz n. I.
nos lugares do coslume e publicados pela m-'
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 12 de dezembro de 1864.
Eu Manoel de Caivalho Paes de Andrade, escri-|C
vao o escrevi. .
Bu s-U
rara o Itio de Janeiro
Tristo de Alencar Araripe.
BECL1EACES.
pretende seguir cora muita brevolada o l>ngna e-
.SVi, tem pana do tai rarof aaaata
promplo : para o reate que Ihe f..li.i Mnmi
frete, para os quaes tem exrrllcnle* catwadu-,
tratase ri.m os seus consignatarios rImhi Lata
de Oliveira Azevedo i C.. no seu esrrpl ..orna
da Cruz n. 1.
205000
105000
i 000
120
400
255000
5000
7*000
25MK)
1405000
875000
O hospital militar contrata para o trimestre
viudouro de Janeiro marco o seguiule : carue
verde, azeite doce, atena, cauella em p, manlei-
ga frauceza, macarro, po-de-l, sag, hostea,
areia preta, canelas, (aniveles, lapis a livrosMU
liuinro de SO, 400 SO ful lint, as |i,-sso.is que se
propoierem ao fornecimento de laes arligos, apr-
sentera as suas proposlas no dia 29 do correle, as
10 horas da manhaa.
Hospital militar de Pernambuco 24 de dezembro
de 1864.O eserivao,
Jos Carolino Alves daFoiiseca.
Nesta delegada foi entregue por um carro
ceiro urna cajxa de madeira, dentro da qual exis-
CO.VIHANMA PKUYWIBt <;\\ V

^iavegac/o coslrlra a vapor.
Paratiyba.Natai. Maco, .\racat_\. 'ara.
Acarad Gnqp.
'* vapor I niTiaarfaa
te I...halo, s.iinra para <* |afi
ari'na m.*nrioaail. a ata 7 a>
gaadan as 5 hora* 4a ura*. R.
irbcearpaaia di* b. Enc-m
inendas, |ts-a-.-. ir..> e tinheiru a frrta al s S Ho-
' ras da tarde do dia da sabida: c-i'ripfsrio 1
do Mallos n. I.
35000! tem alguns ohjectns : quem julgar-se, pois, com
AJur/inho
Alfandega
18t>4.
de Pernambuco, 24 de dezembro de
(Assignados):
0 1..
conferente, Jos Affonso Ferreira.
0 2. conferente, Franrisco Affonso Ferrara..
Approve. Alfandega de Pernambuco, 17 de
dezembro de 1864.A. Eulalto.
Conforme-.O 3. eseriplurarto, Jodo dos Santos
Porto.
liecebedorla de renaas Internas
geraes de Pernaawbaco.
RendRnento do da 1 a 28......... 41:2085609
dem do du 29................. 2:071*201
43:3695900
=33=3130
Consnlado provincial.
Rendimento do dia 1 8......... 144:1655099
dem do dia 29................ 6:8085539
0:979*632
M07IMEST0 DO POETO.
OOMMEB^IO.
Cotaccs offlciaes.
PRACA 1)0 RECIFE
29 DE uEZEMRRO DE 1864
Algodao prirnelra surte23570(1 por uU.i
Cambios sobre Loudres 90 d|v. 27 Ii4 d. cor
1*000.
Dubourcq Jnior, presidente,
uimares, secretario.
N0V0BANC0
PEirviiViJiuco
EM 27 DE DEZEMBRO DE 1864.
O banco descoma letras na presente semana a
10 0/0 ao auno at o praso de quatro mezes e a
12 0/0 at o de seis mezes ; toma dinheiro a juros
a praso nunca menor detresmezeS; esaca sobre a
praga da Dahia.
Nii ios entrados *o dia 29.
Baha15 dias, polaca brasileira Marinho, de 261
toneladas, raplto Antonio I. dos Santos Pereira,
eqnipagem 12, carga 4,500 quintaes hespanhoes
de carne ; a Amorim Irmo.
Baha8 dks, barca ingleza Meteor, de 322 tone-
ladas, capitao G. Wart, eqnipagem 13, em lastro
ajames Ryder & C rectbeu ordem e seguio
para a Parahyba.
ObservarSo.
Nao houveram sahidas.
EDIT1ES.
Alfaudega
Rendimento do dia 1 a 28.......
idem do dia 29...............
842:197*599
19.3835850
861.5815449
Hovluiento da alfandega
Velames entrados com fazendas...
com gneros... 471
Volumes sabidos
com
cora
Nos abaixo assignados raarujos da galera bra-
s.leira Mindello, declaramos que nos tem sido for-
necido pelo Sr. administrador da casa de deten-
Co, a seguinte alimentaco diariamente : para o
almoco urna tij.-lla de caf preto adocado e um
pao de trens aneas, e para o jantar urna tijella de
piro e urna libra de carne cosinhada, e para
constar fazemos a presente declaraco.
Casa de detencao 29 de dezembro de 18Q4.
Antonio Jos Goncalves.
Jos Agoslinho de Souza.
Antonio Goncalves Belcluor.
Joao Pereira Gomes.
Antonio Tarrozo.
Tedas as dares ou denteras sao perigosas.
Quando a enfermidade ataca os orgos da res
piracao, a sua marcha progressiva, terrivel e r-
pida, e o.doente nao dev perder urna s hora em
lancar mo do peiloral de aoaohuita de Kemp,
quando o tosse, as .soffocaedes, oeatharro, e a dif-
liculdade do respirar aununciam, que a enfermi-
dade comecou desenvolver-se c a contaminar as
delicadas membranas e leudos cellulares dos or-
gos da respiraco.
Urna s dse lomada em lempo evitar rouitas
durie* e soJIrimenios. Pqrm, por majs formidavjs
que .-i'jaiu os symptomas, por mais arraigada e in-
veterada que se acbe a molestia, nem por isso de-
veis desesperar.
Os casos re'putados como incuraves pelps med
ees os mais experimentados, sao allviados e cura-
dos diariamente, medanle o uso desle admiravel e
raaravilhoso balsamo pulmonar.
Nao deixeis, pnis, de acodir elle immediata-
meBte que se aprsente a approxmaco da enfer-
midade, porquanlo existe imi periodo as affeccoes
pulmimares, em que preciso infelizmente perder-
se toda 9- f sporanca. Nio arrisquis, pois, vyssa
vida por meio do mal cabida IdiJajoes e innuteis
demoras.
------471
fazeedas... 123
gneros... 602
------725
Descarregam no dia 30 de novembro
Patacho nacional -Jaboataodiversos gneros.
Brigue porluguez Soberano idem.
Ilrigue porluguez Relmpagomercadorias.
Brfiue inglezPortiabacalhao.
Barca iuglezaConf(incbacalhao.
Barca Tranceza Virgile- mercadorias.
Brigue inglezMan ferro (.ara a ponte.
Galera frauceza- Thokim salitre.
Barca inglezaCorea sal.
Polaca hespanhola' Viajar o- charque.
Vapor inglez Magdalena mereadorias.
luiportaeo.
Polaca nacional Marinho, entrada do Rio Grande
do su I, consignada a Amorim Iranios, manifestou
o seguinte :
3,617 quintaes de charque e 60 couros seceos ;
a ordem.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, ofllcial da im-
perial ordem da Rosa, e juiz de direito especial
do commercio, nesta cidade do Recife, capital
da provincia de Pernambuco, por Sua Magestade
Imperial e constitucional o Sr. D. Pedro 11,
quem Deus guarde etc.
Faco saber aos que o prsenle edilal virem e
delle noticia tiverem que 110 dia 13 de fevereiro do
anno prximo vindouro, se ha de arrematar por
venda qnem mais der em praca publica deste
juiso o escravo segrate : ,
Amaro, cnoulo, reprsenla ter 14 16 annos de
idade, sem defeito algum, avahado por um cont
e quinhentos mil res, o qual fra penhorado por
execuco de Joaquim Elviro da Silva, contri o te-
nenle-coronel Francisco Sautiago Ramoi.
E nao havendo laucadjr que cubra o preco da
avaliaco, arremataco ser feta pelo pre^o da
adjudicaeao na forma da lei.
E para que chegue ao conherimeiilo de todos
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa e aflixado no lugar do co-turne.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 19 de dezembro do anno do nasci-
mento de Nosso Senhor Jess Christo de 1864.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Na.cimento, es-
cri vao o subscrevi.
Tristo do Alencar Araripe,
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO,
AUTA DOS .P11ECO DOS GNEROS SUJEITOS A DIREITO DE
EXPORTAC.AO.SEMANA DE 26 A 31 DO MU DE BE-
ZEUU1I0 DE 1864.
Mercadorias.
Unidades. Valores.
Abanos.........cento
Agurdente de cana.....caada
dem restilada ou do reino
dem caxaca........ ,
dem genebra.......
dem alcool eu espirito de agua-
ardente....., .
Algodo em caroco.....
dem em rama ou em la. .
Arroz com casca......
(dem descascado oa pilado .
Assucar mascavado.....
dem branco........
Idera retinada......
Azeite de amendoim ou menV
bim.........
dem de coco.......
dem de mamona.....
Btalas alimenticias.....
Bolacha o dinaria, propria para
embarque.......
dem fina........
Caf bom........
Idem esculla ou restolha .
i
i
*
arroba
caada
| O Dr. Tristo de Alencar Araripe, ofllcial da iml
perial ordem da Rosa, juiz de direito. especia-
do commercio, da eidale do Recife e seu termol
por Sua Megestade Imperial e Constituciona,
o Sr. D. Pedro II, quem Dos guarde etc.
Faco saber aos que o presente edital vircm,
e delle noticia tiverem que a requerimento de P.
J. Foulkes fra rescendido a coneardata de Cami-
nha a; Filhos pela sentenca do theor segrate :
Vista a materia da petic.io de folhas9l9, na qual
expe o supplicante Pedro Joao Foulkes que os
supplicados Vicente Ferreira des Sanios Caminha,
Manoel Ferreira dos Santos Caminha e Alexandre
Ferreira dos santos Caminha, socios da lirma fal-
lida Caminha & Filhos nocumpriram a concorda-
ta que llies foi concedida por seus .-redores na for-
ma do anto de folhas 696, e mostrando-se pelo do-
cumento a folhas 929, que com effeito a concorda-
ta nao foi cumprida, deixando o supplicante de ser
pago na forma convenc,nuda com falta de boa f
e preiuizo do mesmo supplicante ; julgo rescindi-
do a concordata, o mando que sejam os credores
convocados nos termos do art. 139 do regulamento
n. 738 para se tratar da formaeo do contrato de
unan ou de nova concordata, devendo a reunio
ter lugar no dia 18 de outubro do correnta anuo
pelas 11 horas da manhaa na sala das auditorios
para o que so expediro editaos conforme o art.
135 do citado regulamento. 0 curadores fiscaes
23*000 J nomeados reassumiro as suas fuurcoes re-
1*500 querendo o que entenderem bem da massa fal-
2*600 Ilda' 1ae Paar as costas.
Recife, 23 de junho de 1864.Tristo de Alen-
car Araripe.
E mais se nao continha em dita sentenca ; mas
nao lando os curadores liscaes reassumido os seus
cargos por se haverem recusada, assim como ou-
tros credores que foram nomeados, Iicou a mes-
direito a mesma, apresenle-se na repai lico da po-
lica para, provado quaolo baste, ser-lhe entregue
dila caixa e os objeclos encoulrados dentro da
mesma.
Delegaca de polica do 1" .ustrino do termo da
cidade do Recife 26 de dezembro de i86i.
O delegado,
L. A. Marlins Pereira.
NSo se realisando hoic a arremataco do
fornecimento de carne verde, por falta de concur-
rentes, o Sr. director deste hospital mauda convi-
dar o< preiendentes a esse fornecimenio a apre-
sentarem as suas propostas no dia 3 de Janeiro
prximo as 10 horas da manhaa.
Hospi.al militar de Pernarobuco 29 de dezem-
bro de 1864.
0 escri vo,
Jos Marcelino Alves da Fouseca.
O corpo de polica compra50 bonets de gua-
nta para a seceo volante : queai quizer fornecer
aprsente suas propostas em carta fechada na se-
cretaria do dito curpo, as II horas do dia 2 do cor-
rente.O tenente-secretario,
Luiz Jeronymo Ignacio dos Santos.
De ordem do Sr. inspector se faz publico que
foi transferida para o dia 2 de Janeiro vindouro a
arremataeSo de 63 barris coa figos, annunciado
por edilal de 26 deste mez, deelaraudo-se pesar
cada barril 32 libras blatas e 26 ditas liquidas.
4* seccj da alfaudega de Pe.rnambuce 28 de
dezembro de 1864.O 3o escripturaio,
Manoel Pomes de -a.
A cmara municipal desta cida le em conse-
quencia do pedido que Ihe fez a couimisso encar-
regada de erigir na capital do Maranho um mo-
numento que perpetu a momoria do poeta Anto-
nio Goncalves Dias, deliberou abrir una tabsarip-
Co para dilo fim, e convida quelles dos seus mu-
nicpes que quizerem concorrer para a mesma
subseripeo, diriirirem-se sua secretaria n'as ho-
ras do expediente.
Paco da cmara municipal do Recife 29 de de-
zembro de 1864. Luiz Francisco de Barros Re-
KO, presdeme.Francisco Canuto da Uoaviagt-m,
secretario.
Na secretaria da cmara municipal dasUei-
dadedistribuem-se, de ordem da mesma cmara,
pelos seniiores agricultores desta provincir, exem
piares impressos do novo methodo da plantacu do
caf, escripto pelo Dr. Luiz Torqualo Marques de
Oliveira : aquellas dos ditos sepbores que os qui-
zerem, podero mandar procurar na referida se-
cretaria.
Paco da cmara municipal do Recife 28 de de-
zembro de 1864.O secretario,
Francisco Canuto da Boaviagem.
Crrelo.
Pela adrainisiraejio do correio desta cidade se
faz publico que em virtude da couvenco postal,
celebrada pelos governos brasileo e francez, .-.--
rao exped.ias malas para Europa uo da ..u do
correnle pelo vapor francez Eslremadure. Asear-
las serao recbalas at 3 horas antes da que for
marcada para a saluda do vapor ; e os jomaos at
4 horas antes.
Administraeao do correio de Pernambuco 20 de
dezembro do 1864.0 administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Para o Maranho segu o GanbmUt en
dias, tem parle da cuu pruiupu : a tratar
Tasso Irmo.
ftini Lisboa
O veleiro a betn roaheriao briie i*rtawi
Cuam.;ao de Murta, capiio Jaonarta Jase d-
veira, pretende seguir com minia hrevirfaaV. trm
parte de sea rarregamento promplo : para o r^io
le Ihe falla tratase c.m os em renifratir
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no sra es
criptorio ra da Cruz n. I.
Para a Babia
Pretende s -gair r(.m hrevitlart* a amara H
teneia, tem parle de seu carreram^ni pr^aaaaa
para o resto que Ib falla Iraia-s* rai **%*
consignatarios Antonio l.niz de Oliveira .\i*i*4.;
4 C, no seu escri plorio roa da Cruz n. 1.
Para Lixboa
pretende sabir com a pBfnM brevidada a arifa
porlncuez Relmpago, para o tjne lem grande aar-
le dncarta tratada : para o resto e pas^agrire*. a
qurnn offi-rece ac-iados iomni,.|.s, traa
oiisignatario T. ,le Aq.iino Fon rio n. 19, primeiro andar.
LEILuES.
LEILO
Dt
Trastes, relogi*, corrmtes r
mil ron nrtitjMf.
OLYMPIO
Faz Irilo
53Arniuzfiu ia i na da (it\x-- 3
no ai:
;s 12 horas.
TraitfeffjMM para hojp
LEILAO
k
1>A
Taberna e casi de paMo ala
dan Crazes
O leil.io da takarai .- caaa ga pnan anaammoa
para hoiiieiui.jo pode ter lug.r era ra/. aa ia-
cendo na vjsinhai.,;.. t o tera !i,j.' a- t I, ,i is 1
manhaa n mesmo estabelecinnrat.. n
\\d CONnIIIRO DE KSPJ.M.!~
l.'spoo
de Bcrlo Anloaio (on &1

Sahhado 31
correnle ae meia dia n
\j6O0
800
800
400
800
900
55730
>
arroba

i
>

Idem torrado.......libra
Caihros. .
Cal.....
Idera branca .
Carne sueca (xarque) .
Carneiros.......
Carvo vegetal.....
Cavernas de sicunira . .
Cfra de carnauba em bruto,
idera idem em valas .
Cba.........
Charutos .......
Cevados (porces).....
Acha-se a renda em Cocos (seceos).......canto
'Colla.........libra
um
arroba
*
um
arroba
urna
libra
i
>
cento
ara
3*600
5120
2*000
IAG00
800
1*200
3*000
7*000
7*,00
6*000
i&O
360
280
S00 reir do auno proxinoe-fotacp pelas ditas horas
3*200 advertiudo, pur.im, que nenlmm credor sera ad-
4*600 mittidopor procurador se este xjao_ ti ver poderes
1*000 espaciaes-para o acto, a que a proeuraco nao po-
8*000 dei ser dada a pessoa que seja dovedora aos fal-
300 lidos, nem um mesmo procurador representar por
300 dous diversos credores; outrosim que serao unidos
i*500 aos votos da maioria dos credores presentes, os dos
9*500 credores que que deixarem de comparecer.
15*000 para qoe chegue ao conhecimento de todos
mu curadora afeela ao Dr. promotor publico, que
prestou o devido juramento, a devendo-se proceder
a nouieaco da depositario a referida massa,, sao
pelo presente convocados os respectivos credores
a coinparecerem na sala dos auditorios no dia 19
de correle mez s 11 horas da manhaa, e para
que tenha lugar as diligencias proscriptas no art
139 do regulamento n. 738, cima indicadas, sao
os mesaos credores convocados pelo presente a
comparecerem no mesmo lugar no dia 10 de feve-
COSIPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado
at o dia 30 do corrente um dos
vapores da conipanhia o qual de-
pois da demora do costante se-
guir para os porlosdo norte.
Desde ja recebem-se passageiros o engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada : encom
mendas e dinheiro a frete ateo diada saluda s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptoro de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
ni:
IVavegaeSo costeira a vapor.
Macci e escalas,
No dia 30 do corrente seguir
um dos vapores da companlna pa-
ra os portos cima indicados s 5
horas da tarde. Recebe carpa al
O dia 29. Encommendas. passa-
geiros e .liniieiro a frete ate 2 horas da tarde do
dia da sahida : escriptoro no Forte do Maltes
o. 1.
comr iiia
DAS
ESSAGERIES IHPEI.I.LFS
No da 30 do
corrente mez es-
pera-se dos pol-
los do sul o va-
gggffj
O agenU Pestaa, compi-tenlemrnte aotari fara leilao no largo do Oirpo Santo, a> ai. laaa a
casa n 87, ,-iU a ra du PiUr, aerirnceate a>:
espolio -ima.
LjEIflyAO
DE
Importap tes dividas
Marlins levara notamente a le lio ar desaarfc-
do lllm. Sr. Dr. juiz especial do niia>errio aa en-
vidas activas da massa fallida de Jraqnian Wir-
Coclho & C. na nnp, riancia de i h6li:i4 r.
Sablia ' 31 dornrrrmr
No priin-iro andar da ra da Cadea n \*. \
11 horas.
AYISOS 91TEU0S.
Prorisa-s de nm
esle Diario: na prara
ns. 6 e 8.
I.''tribuido! pan
da ln.
e la .No. o qual
depois da demo-
ra do costume seguir paraBordeoux toendo em
S. Vicente e Lisboa.
Em S. Vicente ha um vapor em corresponden-
cia com Gore.
Para fretes, condiccoes e passagens trata-se na
agencia ra do Trapiche n. 9. ________________
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOK
Dos portos do norte espera-
do al o da 31 do correnle o va-
por Paran, comraandanle o ca-
pitao de fragata Santa barbara, o
ual depois da demora do coslu-
me seguir para os portos do sul.
Desde j rerelem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir. a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
Joaqun Pacheco .|j Silva, proprie-
tario do esubeJecimento Ja ra d.i> i
ti. 29, onde se deu o incenda e horik-m,
vm agadecer, I-m|.is is eiu rumbos r
demais jM'ssuasi|i'i:nn,,,iT--r.im para a ev
tinevo du incendio e salvamento do que b-
nlia no sen estalielecinniilii. a |>r com que acudiram e o empenho qm* ptrz^-
ram em eviiar-lho granih-s prejuuos. Ap
proveita a o.casio para convidar aqueta
fc>;pesMias..i,.ps,-Ju:.Mi',-ni um cradurai n
tramadure. com-1 uuse,Iu,IJ "e apresentareni suas onfas. me
mandante Auiuy serao pagas, tu ra da Cruzes n. 40, oB-
cina de marciueiria.
j^luipenal Instlele ir \eva
nhoM do I!tu ensrlie
4*006 ser -o presente publicado pela imprensa e affjxado ras : agencia, ra da Cruz n. 1, eseriptorio de An-
600 na forma da lei. ionio Luir, de Oliveira Azevedo & C.
As aulas do curso dr feria deste insti-
tuto abrera-se no dia 2 de jamtra pntii-
mo. No dia 9, porm. e.-taro abata*
ioda as aulas do anno lectivo.
DI1NHEIRO A PREMIO
Quem precisar U 700* a premio, iw4 ktya-
Iheca em hens de rair. dirijan a i>rea 4% |m|-
aendenria ns. 6 e 8 qne se dir qn*m las r*te s-
gocio ; assim romo e dir qnetn aa a jarm nma
quantia com hypothera em ama casa torra tenha hons cominodos, e rujo alngoel rnrri "anmli
ao premio mensa I.
Precisa ta de urna ama para ronhar e raaa
prar : na ra das Cruaas a. 9, segando ialir
- \


s
.Alarlo a> rcrnanbneo toexta ffrra ao * Br/taabro ae i4.
Aa* 6:0()U*(MM,.
Terca-eira 10 U Janeiro de 18(^5, se ex-
trahir a se^uodt parte da priajeira lotera
(1) a bne.i^itf d BasaiUI Pedio II, pa-
ra cauals.tc5ada#oae jai, oo consistorio
da igreja du No** Saaawa. 4a Rosario da
fregueia de StQt'ibtmm.
Os biluetes, da aa respectiva tp.esuraria a ra do
Crespo n. 15.
Os premios 4:09GQOQ at 10,9000
serlo pagos ama hora apoto da extracto
1 COMPENDIO DOLOE0S0
que coatea o odkio da Nasaa Seniiwa das
I)6rs; o modo de resar e ofleracdr a ca-
rpa, um setenario emais outros exercicios
de piedade e davocao; ordenado pela ir-
madade dos servos da mesaia Senhora,
que se ada erecta aa egreja de N. 8. da
fenlia do imperial hospicio dos reveren-
dos padres missonarios apostlicos capn-
chinhos italianos de Pernambuco, pprova- .
do por S. M-1., que Deus guarde; dado *QriS a mann5a> edas 6 e meiaas 8 huras da noite, eicepcSo dos dias santificados
CONSULTOBIO MCO-CIRIRGICO
DR PEDRO BE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
HIJDICO, P.IRTE1RO E OPKBAMR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Hoscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s I
casa o mmt
AOS 6-*000.000
a luz por devoco do muito reverendo
padre f r. Placido de Messina.
Vende-se a 320 rs. na livraria ns. 8 e 8
at s 4 hars da tarde, e os antros no dia da praca da Independencia
seguinte depois da distribuicSodaslistas. | Alagare acaaa~trrea coa sotao cita
As encomunendas serio guardadas so- a r da Alegra n. 46 : a tratar na ra de
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimaato e carteiras
tobos avulsos, assim como tinturas de varias dymnaratsajjoes e pelos preces seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 12000
de 24 tubos grandes. 164000
de 36 tubos grandes. 2400
de 48 tubos grandes. 300f>e
de 60 tubos grandes. 3S0OQQ
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se Iker, a com os raaiadi
que se pedir.
Um tubo avutso ou frasco de tfntura de meiaonca 1^' 00.
Senda para cima de 12. costaro os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
mente at a noite da veipeta da extracrao Aguas Verdes sobrado n. 61, no primeire
como de costurao, | andar.
ii^ 1 t a^fftcI O _________Antonio Jos Rodrignes de Souza ves tea una eatla na ra da Cadeia o. 26, escrip-
Saude dada a todo o mundo.------^ t^
Pelos preciosos ramlicameitss dos Srs. trimaiU k AIIJSlNyAU.
C, altar BHceiiias d L A. I. l riaeiaeSa-' A mesa regedora da venrravel ordem tercira
aaleae, na do (a Feailiade 7 ea Pars de s- Francisco desta cidade faz sciente ao respei-
Purque es Srs. mediros e o pirtrtk* usara de pre tavel pnblieo joa a? easss perteneeates aos br-
krelria dos medicamentos aapeaiaM dos Srs. Gri- ?e'ro.$ d *|ao J"se Jranciseo Eiras, na ra Bel-
mault a, pharaweuiiees em Paris, can es fuaes i', ao foreiras a sen patrimonio.____________^
lies tem sempre obtido as curas as mais extraor-' Precisa-se de um forneiro perilc em *ua ar-
"f*? ; t. a quem w. dar um ordenado correspondente 1 inprtnrin A X\r Mm
!. Porque wta casa sendo ra eontralta a aoliom desempenho de sua proflssao: quero sai Hepertono % l)r. Mello Moraes............. ,5000
mais importante de Par's, honrada com aclientella achamestas circemstancias pode dirigir-se a ra | Diccionario de termos de medicina ..,...,... 33000
de urna parte da corte, pateneada por S. A. I. o larga do Rosario a. 16, padaria, que achara cora Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecidos e disi>ensam portan-
caria'recSheffi S ?'Bde pro,lnc,os do uma effl': qB,nl T*_______________,___________M b serem novamente recommendailos aspessoas que quizerem usar de remedios ver-
i- Porque esses medicamentos representara as ~0WS .StfSS SSS!!lS Sfe ener8i^)s1 duradores : ha ludo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
ma.s recni.. conouisias da medicina e da ctM-15**: J25?"J?HE25U52aSSi'T^Sfii,^^fB,lp,* "tWeiS pela sua boa conservaco, tintura dos mais acredidos
18, loja de Manea) estabelecimenlos europeas, a mais exacta e aecurada preparacao, e portanto a maior ener-
A mellior obra da homeopalhia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,
tlons grandes Totumes com diccionario............ 204000
Medicina domestica do Dr. Hering,........... lOiSOOO
slbeles garaaHiatoa
A' roa i irttf a. 23 e caaos de etttaoH
O abano ssiguado vendeu unsseus miululeli-
zes bihetes garantidos da lotera, que se arabou
de extrabir a beaeflcio da nutriz da Boa-Vista,
e* tejuino premios:
D#us q.i.vlos a. *S7:!com a sorte de 10:0004000
ijus quano{* a- ill.'13 cun a sorle de 3:000^000
E nutras muitas surtes de tOj, 404 e 2l'.
Os possuidores podem ir reeeber seos rspee-
OM premios san os deacoitos das ieis na Casa
da Fortuna ra Oo- Crespo a. 33. .
Achara-se a venda os da primeira parte da
priraeira lutria a benetteio da Saota Casa da Mi-
sericordia, que se exiratar iw dia 30 do cor-1
rente.
I*rceos.
Bilhetes intuiros 7J0O0
Meioi......., 3*000
artos........ 1JM00
Para as pessoas que compraren)
de 100$ para cima.
Bilheta....... 63.WO
Meios........ 3#ir0
Quartoa......, 1*700
___^_ M*notl ihtrtmt Fiaa
CASA EM CACHWG.
Alug3-.e ama casa aova mulo fr-r> **. n.
relente olio sin no Carkanra ~kmtt- a fBf ..
nh.i Poeta : a iralar * raa de (>*>(, leja g> ^B.
, drade a Mego.
mmmmwm..
C reatres eal^beleelda
Rio ale .
Asnrras bm rermewrn
Aateaie Lak de Onnr .Ue.ei A C,
cenapetealeaieaie aafari-*suj pr trur-
toria da rompanhia de sr^.-os Fidetida-
de, lomara sjrnrw de nav.. mr rea do-
nas e predios no sea escriptirw raa 4*
Cruz a .1.
-8
Precisan de urna srnhura lia >:nuda, pr
Taenos, a cnsiaar beai primeira I- ira., ariar
de msica atoaa, e irabala- a* >^alka, n^
, qusira ir para a torepanln de unu faaMla. *
i radara n'uHi engenho aroiiaM a urna daj rstarav -
da estrada de ferro, leerionar tns frtajBM ; ta-
ranliBdo-se tratm I tratar na ra do Trap-;.a a. 13
Prerisa-se aiucar uma preu oa# >a4aa aw;-
mhare eagomiaar : aa ra da Palma a H.u
Lerna.
Atten^ao.
JS 0*1 E>'*!,d' toB,,n v*od') d< P*?J?10 i-1 m rapa/, raaakaw roa. prai.ra r .w.
mttwaQA
caes do liamos.
Ha roa crtreita da Ranria a. 34
tos, com todas as commml
tratar na ra do Queimade n.
Ribeiro de Carvalho.
recente* conquistas da medicina e da cht-
mica.
3 Porque tem lodos um gnsto agradavel, satis
azein a rista, e pem ser administrados sera pe
rio, tamo a enancas cerno as pessoas adultas, i m P9-iSoa habilitada offer-ce-se para tec-
4.* Porque ellcs differera inteiramenle desses re- conar p >rtugez e francez era al|um engenho, oa
medios iulezes e americanos, preparados por tn- para administrador do mesmo : quem precisar di-
dustriaes estranlios, tanto a mediana como a phar-, nja-se a ra do Vigario n. H, pnmei.-o andar___
Diacia, dos quaes nao tem nem a seineja netn os Alaga-se a casa terrea da raa Farinosa n.
liWto. l : a tratar oa praca do Carpo Saats n. 17, prl-
3.* Poruue estes medicamentos s se appllcam a metro andar.
um in-...iero limitado de doenras, e nao as curam : ~rr------i------------rz-------r-------;----------------- r~~v u
todas.com.) os remedios de qne acabamos de fal-i (J ClTUTi?l(lO LOtll IQUdOU N^eales.
iar;emr.m cada producto lera sea appl.eacao par- rpc^11Pia ^q vn<, \J Paga-se 2.JO0O por dia durante 60 dias e d'ahi e diante 1,5500.
* OO As operac5es serao previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
da,S azoaves 1& costuraa pedir o annimeiaote.
des dos [irincipaos medicamentos dos >rs. Gri- Z~~ -. l""v* *" ***"
uruzes sobrado n. .36, pn-
_ 3 T
gia e certera em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operacao, para o que o atmunciante julga-se suffieienterneote habilitado.
O tratamento 6 o melhor possiveL tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa a mais de quatre aonns, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, que pdem ser consultados por aqoelles que desejarem mandar seus
O r. Theopiilo Orozinho da Cunlia 3ol:io'
Maior queira apiwivcor aa ra estreiu de Iloaari.. AClVOniaO AlOllSO (lC AIU
a negocio qae nao ignora. xt ,, ****'**
qii(-Tqiie MpIo,
tieular.
Pur isso pensamos prestar um serviro a todo o .-.
munrlo, indicando aqui as importantes proprieda- yilGlDlldO Dini 3, TUl
inci|iaos medicamentos dos >rs. firi-
mault & (',.
Karope Eoi|iregado com successo certo em lugar do oleo
d.^ Sgado de bacalho, lao desagradavel, to difll-
cil a digerir. B* o especifico o mais certo contra
as e>crophuI:is, o lyiniihatismo, a moleta das car- i^ i ~
nes, os humores das cnangas, a papeira. os rheu-1 &Q O AGDStTW C01H0 Seipr
malismos, o escorbuto, as affeccoes da pelle, asi______ _, r
m lonas do peno. pronipto a qualquer hora pa-
Tudos os mdicos de Paris o empregarn como o i J
depurativo o mais poderoso, e o recommendam em Tl O GXBFClClO U.0 SH& PF6"
odosos casos que preeia-se corrigir a acrimonia' / i j T .
do >uUue, e dar-ihe todos os nriDcjpios vitaes que iissao, co amado por escripia
perdeu, seja pelos excessos. pelas afecgoes lyin-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
10 LARGO DO TERCO iO
pode ser procurado a qnalqner aora ; na?
o ira<. porm, na villa do <"je-.
sta
^j^eir-:%3cim
O Dr. Candn ?raorisco de Lima Sn-
fcis, contina a rpsidir na ra do Impe-
rador n. 17.2* mrtir, Ha* p*>dr mt ar<>-
curado a quah.uer hra dr da- da noiio
para o aterrona de soa arafasia de me-
dico ; sendo me aa eaavM I asli
meio dia al h<.ra> da nardo. eWeai wr
deixados por esrripto. O referi lo |a
nao abandonando nunea n <-;a'lo da
molestia di interior, prorgaa, rom o
maior alUncr. no das mai- 'X
cadas opera' oes. romo i
^ ourinarios, dos olho, partos, fie.
H
a al
i
318

*
pliaticas, escrophulosas, e venreas.
Xarupe de ruginoso.
u.i associa^ao dos dous poderosos remedios da
materia medica que sao : o ferro um dos princi-
paes elementos de aosso sanyue e a quina que o
tnico e o febrfugo por excellencia.
Este delicioso medicamento ag adavel ao paladar
e a vista, tem um resultado admiravel as Dores
brancas, dores de estomago, falta de appetite, po-
breza de sangae. Elle sobretodo til as senho-! fl
ras e as mocas delicadas, para desouvolver e re-1 52
gulariar a menslruago e suspeudor os efTeitos Sa te
perniciosos das llores brancas, que sao a causa de
tantas doencas. Elle soberauo depuis das con-
valeceacias de molestias graves, elle o reparador
das toreas e da saudc para os doentes enfraqueci-
dos pelo Irabalbo, os excessos, as alfur^Oas scro-
phuiosas ou WBWrt,
As ruis de familia acbarao nesle xaropo um me-
dicaraento sem Igual, para foriiticar e desenvolver
. systema osseodas eriaaaas a as preservar das
Oes i'scrophulosas.
;:J\Si' digestivo de pepsioa.
Delicioso licor que. omipa 0 primeiro luyar en-
tre as novas conquistas da scienria, a pep.-ina nos-
site com elleito a propriedade importante de fazer
digerir os alimentos quasi sem .-uccorro do esto-
mago, o remedio soberano das frastrtes, pastral-
gia-., das iii!lammac<5e> do estomago, dos Ogados e
dos intestinos. Elle sopprime os gazas, as nauseas,
as piluites, o desposto dos alimentos,e presta 'liu-
cipalmente umimmepso servido as senhoras n'rnna
posicao interessante da qqal supprime os vmitos.
As pessoas que padecem de cancro no estoma-
go ou nos intestinos, verao sua vida prolongada
piio uso do elixir de pepsina, e os velhos e Conva-
lecen teso sustento de sua saode e o reparador de
sua? forcas ; porque com urna boa digeslao sempre
se gosa de boa saude.
Xarope peitoral de H. Jorge.
Novo especifico, spm opio, reeonhecido como o
melhor medicamento para curar a tosse. defluxo,
catarrho, grippa, irrila^ao do peilo, anginas, dores
de garganta, c*|ueluxa,etc.
E-to delicioso xaropo popular em toda a Franca
foi desooberto pelos mmges da abbadia de S. Jor-
ge, DO Anjon, o actualmente preparado pelos Srs.
Gnmault & C, nicos proprielarios da verdadera
recita. Recorameoda-se aos doentes que usem ao
mesmo tempo das deliciosas pastlthas peitoraes .10
surco de al face de loureao-ccreja dos Srs. Gri-
mault & C, este excellente remedio romposto
co.n as duas substancias as mais calmantes e ao
mesmo tempo as mais inoffensivas da materia me-
dica, e nao contera opio.
aujeceo e capsulas naatico.
E-t s dous propnelos que constituem a mais re
cente e a mais importante mediaco para curar os
Tinentos e as ni deslias veneraes do homem e
da nuillier, sao exclusivamente vegelaes nao con-
ten mercurio, e sao piparados com as folhas do
matico arvore do Perou. Nao ha molestia conta-
giosa antiga ou recente que resista ao uso desses
dous meios. Sua rapidez de aeco superior a
tudo quaoto se tem feito al hoje. As capsulas
nunca cansam o estomago nem os intestinos como
as capsulas de copahyha, cubeba e outras ; a in-
jucco nunca produz o eslreitamento como aconte-
ce com as injeccoes com base metlica aconseja-
das at hoje.
Tojos estes productos vendem-se as prncipaes
pharmarias do Brasil, arenle para vender por ata-
rado, no Rio de Janeiro, E. Chevolei, em Pernara-
bueo, Caors A Barbosa, aa ra da Eruz n. 28, na
Batea, Lima k Irmaos ? em todas as boas phar-
macias do Brasil.
D.-ve-se exigir sempre i assgnalura Griraault &
C, por que ha falsifieacoos perigosas.
Vimde-se na botica fraoeeza ra do Imperador
n. :!8.
It.lll.
Precisase de uma ama para casa de pouca fa-
milia : na camboa
lojeero.
RA
Carmo
i
josephVraiiines]
(ITILLIHO
m a honra de prevenir as pessoas qne 3_
tem qualquer concert oa amolagao em 9H
maos dclle que venham os buscar at o >g
fim de Janeiro, es que firarem dessa data w
sero vendidos para |iagamenlo dos mes- 5$5
mos, nao se .-itlendcndo a reclamafo al- ^
gum passado esse praco. Wl
Approveita essa occasiao para avisar
aorespeitavel publico, qje elle tem para jigc
vender os
Esta nova padaria aberta ao publico (e parla da estaro do caminho e
ferro), acha-se montada com espaco mais que sufficiente para poier fabricar codb
llmpeza e acelo toda a qualidade e quantidade de bolacha. p5o, bolachinhas, bis-
coitos e todas as magas que se desejar a procos mdicos e razoaveis.
O dono do estabeleciment nao potipar exforcos para bem servir ao publico
'e aos seus amigos e freguezes, asseverando-lhe desde j que s empregartl farinhas es-
i de" re- colhidas e das melhores que vierem ao mercado, ou das que receba de conta propria.
Ao publico em geral e aos seus amigos em particular pede que experimenten!,
para se convenceren! do que assevera cm seu annuncio!
Ioainiiu Caetana de Carvalho.
DE
Francisco Pinto Ozorio comina a col-
locar denles artiliciaes tanto por meio de
molas como pela pMfese do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
, fiquem a voutade de seus donos, tem pos
i % oulras praparaodes as mais acreditadas
para couservagao da bocea.
Puhlicaco Iliteraria.
Sabio luz o opsculo intitulado
no
EA SIL
ren
A/frinso dr Albnqiwipie MfM
Convidam-se aaasajaaaaM i ataad ana rerrber
seus exemplares na praca da iBdracaaaana aa. $
e 8, que sero entrems a vista d 11 c! i !a aa-
sign.-turas aW lambem Maa oajpaoaai venda a
J. VIGNES.
i AFIADORES
de sua invenco, pelos quaes ohteve um^
PRIVILEGIO E 15 ANNOS ]
sua superioridade sobre todos os que J
appareceram al heje de sobre-mo-
S do provado pela extracciio que ellcs tem ?jg
no Bio de Janeiro, aonde sao muilo apre
3*% ciados. *&;
^^^^aS *-$& 'M^[W alS (aW ffii Salaaal
TINTURARA.
0 tintureiro da raa do Rangel n. 38 av;
sa aos seus freguezes quo mudou sua re-
sidc-icia para a ra Direita n. 1IC, onde
continua a tingir para qualquer cor e o
mais barato possiveL
S. 55. RA DO I.IR PESIAROS* N. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje issaz conhecidos para que seja. uecessario insistir sobre 11
tv sua superioridade, vantagens e garantas que efferecem aos coui|iradores, qualidades estas incontesta-
g ; veis que elles tem delinitivameiite conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta pra^a ; odc-
|^ | suindo am teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem-1
nunca falhar, por seren fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importas-
g tissimos para o clima deste paiz ; quauto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
t i veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposieoes.
No mesmo estabelecimento se acba sempre un esplendido e variado sortiineulo de msicas dos:
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, seudo tudo vendido por
precos commodos e razoaveis.
iOUltlI
m\ 110 IMPERi
DOS N. 22
Graae armaiew de Untas.
Tem a venda :
i Productos ehimicosmedicinaes as
mais importantes em medicina.
t. Productos cbimicos e utensis
para photographia e oulras industrias.
3. Todas as materia? e utensis
empregada na pintnra a oleo e a col-
la para pintores, tiutureiros, enver-
oisadores, donradores e vidraceiros.
Joao Pedro das Neves,
(3 Gerente.
SI:
Pordea-se um-bilhete do al n. 221!, assig-
nad i no verso Peltcians Primo de ouza, sendo da
4S lotera : quena o achou leve-o a ra de Vigario
numero 14. _______
" Precisa-se de um forneiro : na padaria em
Santo Amaro, atraz da fundijao do Sr. Starr.
Roubaram no dia 27 de dezembro de I86i, de
uma casa no mato os objectos seguintes: t
Iba com 4 voltas de corda fino, 1 cruxifko
2 ditas de dito graso, I cruz de ouro da uma
com uma efUgie de cor diversa, 1 anel de cabello
largo porm sem cabello nem firma, I ane.o gran-
de cem j>edra, 1 anel de ouro com uma cobra de
prata cravado de podras brancas, mais 2 aoeis de
ouro lisos, 3 livelas de prata para collete, 1 pon-
teiro de prata, 1 faquinha tambem de prata, 1
iranseiim lino de relocio com uma cassoleta, 2
botoes de abertura, I efflgie de S. Joao, 1 alrlnete
de onro e um par de brincos e li libras esterli-
nas, todos estes objectos estavam dentro de uma
caixinba de flandres : pede-se aos Srs. pan ves e
a todas as pessoas que taes objectos offeregam de
apprehender quera os offerecr e participar ao Almeida Cruz na ra rtas n. 114, que serao
recompensados cenerosameule.
Consultorio medicu-ebirurgico na ra larga do Re-
sari o n. 20.
O Dr. loao Ferreira da Silva regressando sua
casa, contina em o exerelei de sua
nao s aa parto medica como tamba
gica.
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 E DEZEMBRO DE 1859
lima lianra em liiiihcir.-, dcpo.sitadu hos eafrea do estado, garaatc a boa ad-
iniiiisliuio da eom{iau!iia.
DANQUEIROS DA COMPANHIA
O Cauco de Hespauha
ia ^ro9,
Retratos em porcelana
Retratos em porcelana
Retratos em porcelana
Retratos cm porcelana
Retratos em |iorHana
S conhi-cido na America
S conbecido na America"
S soabecido na America
So conbecido na America
S conbecido na America
Est prompto e ensatado
Esta prompto e ensaiado
K-in prompto e ensatado
Est prompto e ensaiado
Esta prompto e ensaiado
Para servir aorespeitavel publica
Para servir ai) respeitavel publico
Para servir ao respeitavel pnfeheo
Para servir ao respeitavel publico
Para ser-wr ao respeiiave puWSee
_______caina ruado imperador.
Fufio pela manhaa do dia 2* do crrente o
escravo denome Paulino, cpia os signaes seguin-
tes : cabra, cara picada detexipas, dentes lima-
dos, c ibellu carapiuho, estatura regular, cheio do
corpa, 6 mnilo conhecida por andar vendendo fa-
zen.lascow um caixeiro d* casa dos Srs. Marceli-
no A B. : roga-se a qtrem o pegar, da o levar
casa dos mesmos na rus do Crespo n. , qus ser
generosamente recompensado.
INJECCAO BROW-
Remedio infallivel coatra as gnwrheas
antigs a cecales, nica deposito i.aka-
.ica franceza. ra a Cruz n. 22 pre- pewsM.8edaamaaa:
CO 3$ (Rosario a. 18, primelro andar.
ANAC
Companliia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
A'1vert>;-S' ao Sr. Fctici;no Joaquim
de Aguinr, que a sua assignatura deste
Diario est por pagar desde uutubro do
auno passado, e que o propa-ietario da loja
de ourives da ra larga do Rosario n. 10,
tem declara io que nao se responsabilisa, JW cada um. Sao sob os seguate titub w
portanto S. S. qneira mamhr satisfazer nes-; "SJUS '1,;-'|U,' 5T; ,
,. Introdurcao.Nocaoda liberdade.- ; Bra
ta typngraphia.______________________ loaia.-Rcvorncfade lr -a i. i. I ari
Aluga-se a casa terrea n. 2Gda ra doHs'''nteAeoasbtaico-A r.-
Forte estando bem roncertad) riiulj e "~A ''M"'^'''"" abdicara. Aieg-iva uvre. -
rue Lsidiitio uetu cuiicerwua, catan partido regressista.-Aa*rara dos ciue-
pintaila a 1H> mensaes : a tralar na ra do da dos livres. a masar mu ida rima 4m
Crespo n. lo, das 10 horas da manhaa at ** da regeacia wm. ataara nda a
as 4 datarle. maioridade.Priaripwa dn rtiaaa a 1 I
----------------tTi'?ci->i-u.> i..c ul----------------- l'c.dla do Minas , y |'.,.,i.- !....,.,,.. ,1. 1
IHhbObR UAS MAlh Luzia.-U domir.io Maaral ai" aaqpwaaiii
Providencia <1(IS crin nCOS cuodas.Feiuw dadoatalo BfernL .'. atai
__ _---, t.. __-__;_,__ .chorrosenatoria.A rev.ilu , a i m. d-
COLLAKIa^ RO a ER18W- a ...i,M.miiite.-A .
Electrooiagaelicos ida revolucao. Negoeaafio Iham eaa a aa
uivmvdos 1 raes : traidores. VenJa da laicU.ra da rnaa-
COLLARES ANODINOS DE DENT1CQ' Uu"T-" '''!"do li,'l!;'1 ,lui,"1,
cnmr. .^n.ii . f..iin "llS dochainado osirarisiiK.. (u .. e r-
membro da academia de medicina, ,1|u -,s |jvii. ^^ *
barmaceut.co a, 0 ,im ,,a r.--en. ia livr...
antiga casa de lljuillon-l.agrange,
do imperador,
chefu dos rakilhos cbimicos da escola po-
lytechnica, director da escola de pliarmacia de
Pars, c membro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vondem-se nicamente na loja do
Gallo Vigilante ra do Crespa n. 7.
- Alu4.1-.s3 a i030O mensaes a casa
terrea
caiad
ment de negocio e moradia : a tratar na
ra do Crespo n. 13, das 10 horas do dia
as 4 da tarde.

<> ajaa a- nialnwat>>
temos em lupar delles. <>s lapieaia 1 aa-
';:o e das proviu.-ias. siiiiai-n atliKi.ii.-iraiiTa.
0 que sao aella os l'nriu^iu-r.'-. E >a|
no iibrigado a corromper o aal 1 a i..ri Ibr
sempre malar mal.Coaw se muli.pra e
aclientella di> governo para -;i : :i..i, -> .. Mnr--
rio corennda. O procnsul11 ir v-oi a re-
marra. Dos rargos, do- erimes e da aai :._". .A
rrea n. 253 di ra Imperial, concertada, iS-f11'1,? Ju'!r!i::""~ '.::'''," Z&ZtZ
1 . 1 .Tribunaes.Os das Relaciifs.nbunaesaV la.m-
iada e pintada, propria para estabeleci- merrio.-Suprerm.Tribm'ni dr Ja-ti.-a.-o iun.
D1RECCA0 GERAL
ISadrld : Ulna do Prado n. l?>
Esta companhia liga pelo syslema mutuo todas as combinares de supervivencia dos seguros
sobre a vida.
Nella pede se tazer asubscripgao de maneira que em nenhum caso mesmo'por morte do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to supreheudenles os resultados que produzem as socit.-ddes da ndole deA NACI-
NAL,que anida mesmo dimlnuindo uma terca parte do interesse produziilo em recentes liqudagocs,
e combinando o com a mortalidad* databella do Depareieux que. c adoptada pela companhia para os ,
seus clculos e rtqadaetas, em segurados da idade de 3 a 19 annos, uma imporsicao aonu.l lo 1005 :
produz em effectivo metlico :
No lim de Sanaos.......1:1193300
de 10........3:942*600
de 15........11:2085200
de O........30:206500o
de 23........80:331,8000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30. os productos sao mais consideraveis.
Prospectos e mais inortnaeoes serao prestadas pelo sub-director nrsta provincia o Sr. Jerony
mo Joaquim Pinza de Oliveira, ra da Cadeia n. 53, ou a Boa-Vista ra da'Imperatrz n. 12, ostabe
lecimento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite & Irmo.
CREADA.
O abaixo assignado, possuindo na ilha de S.
Miguel do reino da Portugal, um morcado coas-
Prerisa-se de uma criada portugueza que lanle de casas terreas e muitas bemfeiorias, o,
engomme bem e cozinbe : a tratar na ra do quer vender pela autorisago que Ihe concede a \
Jeao da Silva Ramos, medico pela Un
versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
.as 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em snas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos cm qual-
quer occasiao. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encentrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem sea casa de sade regularmente
montada para reeeber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodt'S apropriados e nella pra-
tica qualquer operacao cirurgica.
Para a-casa de sade.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 2o00 a
Terceira dita.... 2O00
Esle estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a coutian^a de que sem-
pre tem gozado.
Crespo n. 6.
No paleo do Terco n. 2 i se dir quera preci-
sa de uma ama forrau captiva.
William Sneppard val. para o Re de Janeiro.
D. Auna Joaquina do diveira Saraiva e
Francisco da Silva Saraiva coavidam os pa-
remos e amigos da finado Patricio Jas da
Silva Saraiva, para asststirem a urna asissa
que pelo eterno repouso de sua alma tem da
maudir celebrar na igreja matriz da Bua-
Vtsta s 7 horas da uunliaa no dia 31 da
dezembro seum dia do seu fallecimento.
le daquelle reino de 94 de ,ulho de 1860: as pes-
soas que pretenderen! negociar devero compare-'
cer, que enoonlraro no mesmo abaixo assignado
a melor vontade para euVluar a veupa.
Joaquim Soares Raposo da Cmara.
Aluga-se o segundo andar u* sobrado n. 44
da ra da Aurora, pintada de nevo e com o gaz :
a tratar na praca do Corpo Santn. 17, primeiro
apaac
Suprcrn rniiunai o> juMi^. n jury.
Os advaajados.Coactasin. (ar.iniia des rtr
A moral publica. Bas Crimea. ea,
Corollario la obra sama. 8 qar a pa-
rta. Situaran para cora evlrra r- ?i:i..,*
linanceira. As IInaneas ,1, ,
Porigo o salvaiueii'o d> em tas a \
Como se congregam os elementos para rila. Lea
sideraeJesretrospectivas. A cii.-umal'*. Pispa-
ros antecedentes. Conciliacao r opp< siro parla-
mentar.Monta a liga.O i' ,vs o>
| liga. Que-hem farao os aaWaaa aa [SizO pro
gresso.-Seus feitos.O que 1 .^re** r aar
far.Como se deve viver aaaja fcrra r t
ao progresso. Porque o aeaaree >., ri
pletar tiossas desgranas f acta aaaai r>n.,!:.
ha sal vacio para n? qual sena a aa m f-
cil.Resumo.A's cinco prov :,an.hura-
as. Histrico e politlra corr:iinla. rV qa>> are
vm a miseria.-Como se ciTrompe na eieirio.A
restrico da liberdadu apar do peegrej'u d uaeaa-
raltdadc. Corollario.
Abwa se a casa assi.ria ra da Palma, e outra casa terr -2 na praia d
l".aldeir*iro n. 37 : a tral.ir n* prora 4a lndrtn
dencia n. 32.
Casa dr eduraraa.
Jeronymo Pereira Villar anaaearfM aeeaieaaaa
bolecimento de instrnece primaria e >mielari-
paraa ra larga do Rosario, sobrado de duuj an-
dares n. 22-; e participa bm,i s ans lllms. -*! ,.
res, pas de seus alumnos, ruin ao re-p ar, |
publico, que as aulas eslariu al, rus no ,~ a da
Janeiro do anno vindouro de 186o.
Precisa-se do uma preta de idade quB saiba
avar e azer compras, ou de um preto para fazer
compras e outros servicos da ra : na ra do
Qaeimado n. 16, loja.
i 1
Ama
Precsa-se de uma ama para tratar denm meni-
noidismarnaojnaruadolosp^
Aluga-se urna escrava para todo o servico de
uma casa de familia : na ra de Aguas-Verdes n.
6. Na mesma precisa-se de uma ama para todo o
servico.
Os abaixo assignados fazem sciente a seus
devedores que oSr. Joo Jos Augusto Pereira da,
Costa deixnu de ser sencaiielro de cobrancas des
de o da 27 do correase/ e ao- teso nao ser atten-
djdo qualqner recibo do mesmo senhor, lo dita
data eui diante.
aa ra estreita do
P 2 i. 3 i i i er b f a 0 H
fjl -1 5 0 E > I a. 9 3 B < 0 - S
x 2 3 P 3 O ;: '/ s 0 2 O S 3 /. S 3 i a) 1
No pnraeiro andar do subrado n. 44 da roa da
Impcratriz precisa-se de uma ama para comprar e
cuziiK.ar, preferindo-se escrav.
Precisa-se alugar uma escrava para o servi-
co interne a externe de uma casa de pouca fami-
lia : quera pretender dirija-se a ra do Cabuga u.
, loja.
ftaajues obre Porngal.
O abaixo assignado. autorizado pelo
Banco Mercantil PortueL.se. a na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva ('astro, saca e-
foctivamente por todos o paquetes sobra
as pracas da Lisboa e Por.0, e mala luga-
res de reino, por uuaJquet soraraa vis-
ta, e a praso ; podeodo, ot que tomaron
saques a pras'o.receberem s sta, no mes-
mo Banco, descontando 4 0|0 w anno: na
loja de chapos da raa do Crespo n. 6, ou
na ra do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaqun da Costa MVia.
2
A laga-se
o tercriro andar da casa da roa Direita n. 36, o
qual tera commodos para grande familia : a tratar
no segundo andar da mesma casa, ou no Recife na
ra da Cadeia n. 3.
O Sr. J. J. d-s Sonza Serrano tem uma carta 2
ne ta tynographia i fff^
Na praQa da Independencia, loja deounvesi|K
a. 33, compram-se obras de ouro e prata, e prdras 1 yi
preciosas, assim orno se faz qualquer obra de ea-' i
commenda, o todo e qualqner concert.
Ao amanliecer do da 20 de ouiuoio jj ,, r
rente anno de 1864, furtaram do rtrradn * #-
genho Aldea, da freguexia do Hm K<>rnts<> aa
quartao de carga da mesmo aaaaaaaa, avial
ru^o pombo, grande, rastrado, nao 1 va, ira* 1 ,
olho esquerdo uma helide. e pouro 1 j paila \t
pelo dito olho, ten um rallo vrlh no eeasaaasr*,
lugar emque leve ama bexiga. lavoa aasaaai ar-
tado rente, earrega baixc-, r trm esMaaaaaj ni
ladodireila da anca o ferro do rucea*, ras Mira*
maiusrulas com, aqui sa v Al.lHt A. Advrr-
te-se me o cavallva assim ferrad-,*, * >ao rr-
cados aem vendiilv, e os que forr) eoroairar'
som svr servico do mrsmo tag-aho 5o fnrta-
dos, devein ser apnrrhrndidos pnriaat rofs-
j se s autoridades pounaes, mesase a ouaiijarr
' pes,soa do pnve, qxe sendo raroBlradi d,i, ra*
vatios seja .ipprehrndid. , nistrador daquelle rripenU) on ao abait a*sign-
lo proprilrio dr, mesmt engn! n. ,)!!: rr>Mtfi m
; cidade do Rm-lfe, ra da Hospicio n. sa. ( .Ji*.
do Rorifc, 26 dr outubio de 1864. -(arUaa J>.-e
da *ilva Santiago.
m
O fearharrl
Francisco Aupasta da Casta
ADVeSXDO
Ra do Imperador aampro f?t.


Iai-1 c rmiMlriBi Sexta letra SO _c Dezembro e 18*4.
PttULAS CATHART1CAS DE AYER.
Estas pilotas vegetaes sao a-
daptadas a todos os usos de um
^purgante as ramillas, pois s5e
'perfeitamenle innocentes, e em
quanto milhares de pessoas con-
fessara com gralido que foram
curadas por ellas de molestias
severas e perigosas;nao ha
um so caso em que haja suspei-
tas du mais leve resultado inju-
rioso por seu uso.
Publicamos aqui alguns dos
altestades que temos de curas
notaveis fe i tas ltimamente.
Um caso notavel de
Affecro chronica do figado.
Ili.m. Sh.
Juiz de Fra, il de fevereiro de 1864.
Tendo feito uso das pilulas catbarticas
de Ayer, que me fez favor de dar um vi-
dro, tendo tirado um resultado n5o espera-
do ; padecendo ha mais de done anuos en-
femidades do ligado e baco, co_ .o uso
das pilutas posso Ihe assegurar que eston
bom, pos tento desapparecido um granda
engorgitamento que soffria, militas dores
sobre a regia do figado e costas, dores de
cabeca, inchacjo do ventre, nao podendo
deitar-me senao do lado direito, isso mej-
rao procurando posico para ter socego, bo-
je me acho livre d'esse padecimento ; como
por aqui anda as nao baja, eu como tenhe
este proprio que de casa, Ihe rogo man*
dar-me alguns vidros, e o custo elle Ihe sa-
tisfar, assim bem como do-cbarope de
cereja, que ti ve occasiao de experimentar;
em um ataque de guellas que leve urna
preta que com elle curei, faco uso d'elles
Das tosses em minha familia sempre em
bom resultado, e por isso que peco para
mandar alguns fmsquinhos, e mesmo as pi-
lulas pode montar a doze, porque tenhe
feito uso d'ellas para uso da familia e al-
gurrns pessoas, todas tecm tirado grande
resultado; sou
De V. S. attento abrigado,
Francisco Fkiirkira Paes.
Para a festa.
0 Sr. morador da ra Nova que se
. acha a dever 6 quarteis de assignatims des-
Aluga-se ums.t.o na ra do Cabra 1 da ci- t6 ,Diarie, qeira manda-las pagar pois
dade Ut Olmda com tasa trro, com co- assim como elle gesta de receber a p^gade
piar na frente botaos fundos-para a estra- tm seTVt(0S _eve atender a dos ou-
daemargem do ro Bebenbe, com com- tros princpaimente o do Diario em que
modos para familia, estribara-par* cavallo tr-haiham mai* ri un mi
e capim para sustenta-tos. arvoredos de
fructos, sem visinbo defronte nem pelo
fundo, com ptimos passeios, sala e gabi-
nete na frente, muito propria para passar a
festa, e tambera se alugar por anno : a fal-
lar no Rectfe, na livraria n. 6 e 8 da praca
da Independencia, e em Olinda na casa con-
tigua com o capito Antonio Bernardo Fer-
reira.
trbalham mais de 60 pessoas.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo <_ C
Agentes do Banco Iniao do Porto.
Competentemente autorisados sacam por todo
paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, e para as segu ntes agencias.
Londres sobre Banu of London.
(-O.VELHO
DE
Deixai que os llunus da eivilisacio vos pregqera
economapara us ps! I Esta parle do corpo
humano por cerlo agella que, ne.-ic clima ne-
cessita de maior amaino: pela humdade nos ps
se introduz a grande maioria das molestias, e com
estas a perda da saude e da vida 11 I Fra com as
botinas e sapalos velhos; reforma-Ios
45~Rua Dereita-45
Retirase dosla provincia Tluimas hom e
sua mulher D. Rosa Ebom, e suasduas filhas me-
nores Isabel e Maria, quera tiver conlas com elle
poder procura-lo para receber ou pagar, em sua
casa no I arfo do Corpo Santo n. 21 ou na ra do I
Imperador n. 28.
_________________Ths. Kabom.-. I. R. 18.-.
_ Aluga-se urna das melnoresfcasas na povoa-
co de Cachaog : a tratar no Cachang defronte
da igreja.
Na praca da lija-Vista u. lo ha para se en-
tregar a qaem perdeu diversas chaves em urna, ar-
ga.___________ _____________
Hma boa casa terrea para familia
est poralugar-se ra da Uniaon.
39: quem pretender dirija-se ra
da Aurora n. 10. Tambem alugara-
se as tojas n. 44, na da Aurora
Len f.hapehn, subdito francez, vai Macei
a negocio.
Quem tiver urna lancha e qoixsr vndela,
dirija-se a ra da Cadcia do Recife n. 57.
AMAS
Preci:-a-sfe de duas amas, forras ou captivas,
sendo urna de Icite e oulra para servico de casa :
no sobrado da ra do Imperador b. 57, segundo
andar par cima do armazem allianca.
O abaixo assignado faz scienteao corpo do
commercio que deixou de ser caixeiro dos Srs.
Goes & Bastos desde odia 27 de deZembro de 1864,
c ao mesmo lempo agradece o bom tralamento que
recebeu do socio Sr. Goes durante o tempo que
esteve em sua casa.
Joao Jos Augusto
Pars > Frederic S. llallin C.
Hainburgo > Joao Gabe Filho.
Barcellona > Francisco Raboba Ballista.
Madrid > Jaime Meric.
Cdiz i Crdito commercial.
Sevilha Gonzalo Segoria.
Valencia > M. Cerera Y. Hijos.
Em Portugal.
Amarantes. Angra Terceira. Figueira.
Arcos de Val de Caminhn. Guarda.
Vez. Castello Branco. Gniraares.
Aveiro. Chaves. Lagoa.
Barcellos. Coimbra. Lagos.
Bastos. Covilhaa. Lamego.
Beja. Elvas. Leiria.
Braga. Extremos. Monean
Braganca. Evora. MoDta0-
Paro. Fafe. Moncorva.
Oliveira d'Aze- Pinhal. Regoa.
meis. Porto-alegre. Seiubal.
Penafiel. Thomar. Vianna do Cas-
Tavira. Villa Nova do tello.
Villa do Conde. Portimao. Villa Real.
Villa Real de Vizeu. Madeira.
S. Antonio. Faial. S. Miguel.
No'lMFEMO.
Baha. Maranhao.
Ro do Janeiro. Para.
Qualquer somma prazo ou vista,podendologe
os saques prazo serem descostados no mesmo
Banco a razio de 4 por cento ao anno : a tratar
na rna da Cruz n. 1.
Aos sehores pais de f mili;.
O padre Flix Barreto de Vas-
Aluga-se urna excellen
do Monteirn, junto ao sobrado
tratar como r. Jos Camello na mesma povoaco i
sto Perelra Cosa. _g concellos, com aula particular de la- *
te casa na povoac3aj|fe tirona ra do Imperador n. 35, 1." ?
o do Sr. Siqueira ; a i _ andar, contina a receber alumnos 31
de todas as classes, durante e de-
neiro.
Rheumalisni e ataques lirinorrliaidaes.
Ii.i.m. Sr.
Ouro-Preto, 30 de marro de 1864.
Posso certilicar-lhe que as pilulas ca-
tharticas do l)i\ Ayer sao expelientes, pois
que soffrendo eu dores pelo corpo, e que
suppunha ser rhoumatismo, (molestia esta
que j havia solrido ha anuos) o soffrendo
tambem de ataques hemorrhoidaes, e de
um ouvido, pois que al j pouco ouvia, e
acompanhado de urna d6r no queixo, con-
sultei a um dos nossos mdicos, e este me
disse que devia fazer uso da salsa ; porm
lendo eu o almanack do mesmo doutor,
comprei em sua casa um vidrinho das mes-
mas pilulas e por minha conta principiei a
toma-las, e sem as finalisar acho-me sem as
dores pelo corpo; e sem sentir, sarei do
ouvido, e mesmo dos ataques hemorrhoi-
daes: pnrtanto sao para mim as taes pilu-
las as melbores que tenho experimentado ;
isto em abono da verdade. Sou
De V. S.
Amigo certo, venerador e obligado,
O brigadeiro
JoAo Rodrigues Feo de Cabvalho.
(j.islri/e.
Ouro-Preto, 29 de marro de 1804.
Atiesto que tendo feito uso, aconsclliado
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
liquei perfeitamenle bom de urna gastrita
que soffriae que privava-me de andar aper-
lado, hoje felizmente nada sinlo.
Augusto Gollatino de Mello.
Falla de apetite.
Ouro-Prefo, 24 de feoereiro de 1804.
Sendo eu affectado do ligado ha muilos
annos, e ltimamente soffri falta de apetite,
hoje dou gracas a Deus por achar-me sao
e per feito com o uso das pilulas catbarticas
do Dr. Ayer.
Antonio Bento Vieiha.
Constiparfin, dores de caliera.
Ottro-I'retq, 28 de marco de 1804.
Attesto que acharulo-me atacado de urna
forte constipado que trouxe-me dores por
todo o corpo e na cabeca, soffri borrivel-
mente por espaco de quatro dias; entu
um amigo aconselhou-me que tomasse pi
lulas atbarticos do Dr. Ayer : com ellas lii
quei sao e'completamente restabellecido em
tres dias, de sorte que estou no fflrme pro
psito de aconselhar o uso das ditas pilula.i
todas as pessoas que forem affectadas d
jnsti pagues.
Ac.osTiMio Jos da Silva, negociante de fa-
zendas.
Irritars do estomago.
Ouro-Preto, 29 de marco de 1864.
Attesto e juro, se necessario fr, que. sof-
frendo ha muito tempo excessiva irritacao
de estomago, pouco apetite e diflicil di;es-
to, d'efla tenho experimentado sensiveis
melhors depois que tenlio feito uso das pi
lulas catnarticas do Dr Ayer.
Antonio Hermogenes Pereira Rosa.
- George Edward Buck vai para o Rio de Ja-^ pois das ferias. Tambem est dis-
poste a abrir um curso de primei-
ras letlras e de francez, logo que
haja numero suficiente de alumnos
para cada urna destas malcras, e
assim tambem a receber como in-
ternos alguns meninos,de cuja edu-
cacao o qnizerem encarregar. Os
pagamentos serao por trimestres
adiantados, e os precos declarados
pessoalmenle na occasiao do ajuste
i! para a entrada do alumno.
Perdeu-se um bilhete do Rio de n. 2147 da i
2* lotera da (kmceicao, assignado no verso por
Dias Martins & Villares : quem o achar lave o i
Soledade n. 70, que se graliliea ; oulro sim pede-
seaos sentares rautelislas nao trnquem nem pa- 'i.
guem o dito bilhete, raso esteja premiado. |S
Deseja-se saher se existe nesla provincia,!^
para negocio de seu interaese, o Sr. Epiplianio Jos %$
de Seuza, que para aqui veio do Pao de Assncar, i ^
no Rio de 5. Francisco : uo largo do Corpo Santo ^
n. 4, primeiro andar. ^J-
Precisase aloyar um eseravo para servico
de rasa estrangeira: no caes 22 de Novembro'nu-' ^^'if^^S''xitMi.
mero 17.__________________________________ i &&&&&&&*
Precisa-se de uina escrava que saiba cozi-1 Precisa-s para um engenho distante duas
nhar e comprar, para casa de pouca familia, e legoas da estaco da Escada (na via frrea) de urna
tambem se precisa de urna ama forra para o ser- senhora com as condicoesdesufBciencia para pre-
vino interno : a tratar nesla lypographia. ceptora de meninas, devendo a mesma encarre-
-"As'peVsoaslue aferiram" seus "pesosTmT'di- FJ do ^inode Primeira letras," aritbmetica,
das, podem procurar os bilhetes em mi do aferi-, r*nc*l\ZLJt? 5S._!SS!? C
dor e i MlSo nromnto^ esliver "as circumslancias que sao exigidas, po-
aor, qe ja e.-iao prompios.----------------------------- der dirigir se para tratar do seu engaiamento

Precisa-sede urna mulher forra para engom-1 com Albnj Jos
atado6 timbeado, para casa de pouca familia .! s. Pedro n. 17.
ua ra Direita n. 112, primeiro audar.
Na noile de 24 para 25 do correle foi ex-1
traviada urna caisa de (landres contendo os objec-
los abaixo mencionados, quando coudnzida para a
povoaco do Monteiro pelo carroceiro Tico : pede-
se a quem qiier que delia tiver uoliria que se di
rija ao primeiro andar da casa n. 13 da ra do
Imperador : 1 adereco de coral, 1 par de brincos
de cornalina, I15H00 em dinheiro, 2 pares de
manguitos, t corte de vestido de laa, 12covados
de chita, 10 ditos de brim azul, 4 1|2 ditos de brim
mesclado, 2 1|2 varas de brim de cor, 3 lencos, 1
calca e 1 colleie com abotoadura de onro marra
P. J. P., i calca branca mana M. R. M. P 1 sinto
largo, pares de meia, 2 pequeos (landres, cai-
xa com um ponte de tanaruga, 1 livro de horas
raarianas, 2 relalhos de mad dezas e ontros (-bjertos.
ngajamento
neira da Cunha, no largo de
DENTISTA DE PARS
19Ra Nava49
Fredenco Gautier, cirurgiao dentist i,
faz todas as operacoes de sua arte, e c( I-
loca dente artificiaos, tudo com superij-
riJa.ii- e perfei^io, que as pessoas enten-
didas Ihe recouhecem.
Tera agua e pos deutificio.
Borzeguins francezes para homem
Ditos inglezes dem a 85, 7 e
Ditos para senbora
Ditos para menina
Sapates esmaga cobra
Ditos de Kantes de duas solas
Ditos dito de sola e vira
Sapatos de borracha para senhoras
Ditos de dita para meninos
Ditos de tapete para homens e
nhoras a 800 e
Sapatos de lustre para senhora a
Ditos para casa
Chinelas rasas do Porto
se-
5J000
65000
45800
25IXKJ
55000
:5000
45000
15400
15000
15000
I5OOO
500
15600
Livro do Tovo.
O livro do povo, obra ornada com estampas, con-
tendo a vida de Nosso Senhor Jess Christo, e mul-
los ariigos uteis. Este livro das familias recom-
mendado capprovado pelos Exms. srs. D. Luii
bispo do Maranhao e D. Manoel arcebipo da Ba-
bik, vende-sc a 15000 cartoriado, na livraria de
Jos Nogueii a de Souza, ra do Crespo n. 2.
Vende-se urna vacca grande, preta, do pas ]
to, com uina cria de 4 mezes, manc,a, auostumada 1
mais de ires annos em estribara, com abundan-
le leite e bom, no sitio junto a ponte da Passagem
n. 24 : quem pretender, pode ir ve-la, e as 6 bu-
ras da manhaa assistir auraro leite.___________
Vende se urna mulata moca, de boa figura,
que sabe bem coser, engommare eozinhar : a ira-
tamo principio da ra do Hospicio, primeiro so-
brado de um andar com portao de ferro a esquer-
da, iodo-sc da ra da Imperalriz ou prara ea Boa-
Vista.____________________________________
Vende-se nma armaco du amarello em bom
estado, serve para qualquer estabelecimento :
quem a prelender dirija-se a ra Nova n. 50.
Panno de llnho do Porto
Vende-se pecas de panno de linho enfes-
tado de superior qualidade : na ra da Ca-
deiaescriptorio n. H._________________
Para parlara.
Na padaria da ra Direita n. 81 ha para vender
multo hons hlalos vindos do orlo, praprios para '
earregar bolacha.____________________________ 1
Vende-se a casa terrea edificada ha nove me- j
es, sita na ra da Soledade, rom 2 salas, 2 quar-;
tos, cozinha fra bastante grande, quintal planta-:
do e cacimba s : quera a prelender dirija-se a
mesma casa n. 36.___________________________j
Vidros para vidraca.
Grande sortimento de vidros de todos os lma-
nnos : na ra da Cadeia, loja de ferragens do
Bastos.
Ra da Imperatriz n. 43
Vende-se a arma^ao e mais penenecs da loja
de charutos da ra da Imperalriz: a tratar na
ra larga do Rosario n. 30, tendo commodo para
pequea familia, e serve para qualquer principian-
te por ter poneos fundos.
Bixas de Hmburgo
Vendemse na ra Nova n. 61
Sova liquidaco de taeitao at o Gui-
do Bex, pira fechar facturas vtnde-s aila
barato, por ser o allime mrz de festa, que a&
freguczrs deven aproveilar : na loja e arnazem
da Arara, rea da imperalriz 11.06, de Lourtu-
ee Pereira Mondes tiuimares.
Kaieddas esperiaes para senber.
Vndese ricos cortes de vestido de laa a Maria
Pia para senhora de bonilas bairasa 85,105,135,
145 e 165 o corle : na ra da Imperalriz n. 56,
toja da Arara.
A Arara vende a 2400
Cortes de chita de cores fixas cora 10 covados
a 25400 e 35200 ; cassas de cores a 320, 360 e
400 rs. o covado na ra da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
Corles de cambraia de salpicos a 26-100.
Vende-se cortes de cambraia de salpicos a
25400, 35 e a 45000 a pega, ditos de cambraia
liza e lina a 35300,45500,55500 e 65, tira bor-
dadas para enfeiur vestidos e entremeto a 15 e
a 15200 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
Saulembarqnes a 7, 8, e a 16>.
Vende-so soulembarque de lazinbas de cores
para senhoras a "5, 85 c a 105, dito de grosdena-
ple preto muito entestado a 205, 255 e 305 : ricas
capas de grosdenaple a 25, 255, 305 e 355, para
liquidar : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
A Arara vende de coresa Ipakapara vestido.
Vende-se alpaka decores para vestidos a 360
rs. o covado, challes de iazinhas a 15600 e 152S
dito do merino a 45,'iOO, ditos finos 45500, 75 e1
85 : na ra da Imperalriz n. 56, loja da Arara.
Cassas da Arara a 280, 320 e 100 ris o covado.
Vende-se cassas de cores .1 280. 320 e 400 rs. o
covado, lencos de seda a 800 o 15 : na ra da
imperalriz 11. 56, loja da Arara.
I.a/iiihas a Hara l'ia a bOO rs.
Vende-se Iazinhas a Maria l'ia para vestidos,
com palmas de seJa a 500 rs, o covado, ditas de
cores a 320, 400 e 500 rs ditas lizas de cores pa-
ra capas e vestidos a 5C0 rs. o covado, casewiras
para capas de senhora a 15800, 25500 e 35 : na
ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A Arara vende chitas a 240, 280 e 320 rs.
Vende-se chitas dd cores fixas a 240, e 280 rs.
o covado, ditas francezas a 320, 360, 440 e 500 rs.
e covado, percallas para vestidos finos a 500 e >60
rs. o covado, camislnhas para senhora a 15,15600
35 e'45300, gullinhas para senhoras e meninas a
240, 320 e 500 rs., enfeiles para cabeca a Mara
Pia a 15, 15400 e 25, para liquidar : na ra da
Imperatriz n. 56.
Balees americanos para senhora.
Vende-se balfles americanos, os melhores que
VIGILTE
Ra do Crespo n. 1
O gallo vigilante tendo sido aprariado p*k>i
poso Balli>a, na sua ordem dn da. e pela Rraars
Aguia, apesar de que, para esles o Ga lu roa >ei
agudos espore> nunca i>> off.-nuVr , antes o agra-
ciara na mesma conformidad.-, para qu<* o Baliza,
possa marchar ero frenle, i a Branca Af 01a po> evantar sen vo, levando no bieo as paiatoa a --a
nicho ; e o Gallo tirara em seu npapn raanp*
dando de novo o seu casto auiiuiiri.L.: a -. u-
bons freguezes e aorespeilavel publico
0 graide sorlimtnlo de enjertos de ;! faala o/k
acaba de recebrr.
Ricas caixinhas com musir rtraaaenic rnf. :ia-
das para costura, propr.o para uiu dcii. d-j u.e-
nino.
Ui luissinios rofresinhos coa radrado de meiai
para guardar joias.
Hiras canas com estejo, contendo v^ios os per
letvcei para bomem.
Hiquissimas volias tiogindo perola.
Ditas rom lacinhode lita.
Ditas de lindas cores e preta, de todas at gne-
suras.
Lindos aderecos com pedrinbos lagiaMi* tn-
lhanles.
Bieas fucilas para cinto, de tedas as qnaUcnn
c bom gas 10.
Bicos cintos do ultimo acaba de lari.v
Grande >oriimenio de l.iidos enliiirs para
(a, sendo du ulnn o goslo e de u di o: 1
Flores muito Isas par. mm.
l.uvas entenadas e n.tias de .-da isYl r
thaposinbos, sapatiiil.t 11, i-ie i*c (;r
tem vindo ao mercado, de 20. 2o. 30 e 35 arcos a baplisado.
25500, 35 e 355t i0 e 45, ditos de brilhactina ej Hiquissimas Um i Mate a- fa-MftlN |aia 'a
musselina a 55500 : na ra da Imperalriz n. 56, eo> CUMOSe eiKIeiros.
loja da Arara. Camisinhas c polmhw para srnr. ra.
Fazendaspara homem. Bquissimts jarros 1 l|*raa \* aanaawaai de
Vende se. corles de calcas de brim para homem sala,
a 15OOO e, 25, ditos de casemia a 35. 35500 ej Graide sorlimrnlo it fiavaMkbM r/o j-ra f-
45500 55 : ua ra da Imperatriz n. 06, loja da nhora c, mo para homem.
Arara. l.uvas de | etlea l/ianra e de cres.
Roupa feila para homem de todas as qnalidades.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia : a tratar na ra do Itangel n. 38, primei-
ro andar.
Jos Antonio Gomes Jnior vai mandar para
o prel'iuin novo syslema de escripturacao mercan-
til por partidas dobradas, demonstrando cada con-
ta o debito e crdito em conta crrente, e conta
de lempo (letras ou outros ttulos com venei-
mento flxo, a pagar ou receber); a raixa demons-
tra o dinheiro em ser, e as letras que o commer-
ciante tem a pagar ou receber, por dinheiro loma-
do 011 dado a juro, emprestimo ou compra de titu-
lo?, e finalmente o balaneo geral demonstra o saldo
por liquidar e por que li tu los, quera debito qnr
a crdito, e de cada conta por si, e em totalidade,
e qual o saldo feita a subtracqao.
Contm mais esta obra urna tahua com nmeros
fixos, pelos quaes ronhecido o preco de urna arro-
ba (seja elle qual for) de qualquer genero, por
urna simples multiplicado se conhece o importe
de qualquer numero de arroba, libra e on^as.
Subscreve-se a 2.5 por volunte, brochura, pagos
na occasiao da entrega, na loja de livros dos Srs.
Guimaraes & Oliveira, rna do Imperador, e, era
casa do aulor (das 4 as 6 horas da larde) ra do
Destino n. 3.
Os senhores que antes de subsrrever quizerem
O abaixo assignado faz ver ao corpo do com-
mercio, que tem comprado a armacao da taberna
da ra de S. Pedro n. 16, que pertencia ao Sr.
Joao Marcelino Biheiro Hastos.
I)-se a quanta de 20 a 2-">5 pelo aluguel de
urna negra ou negro para o servico interno c ev
lerno de urna casa de familia: a Iraiar na ra dos
Guararapes n. 18, sobrado. ____ j
Cai-ciro.
Offerece-se para caixeiro urna pessoa com bas-
tante pralica de taberna, e d fiador a sua eon-
ducta : na ra larga do Horario n. 48.
COMPRAS.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: na loja de bilhetes da praca da Inde
pendencia n. 22.
Compra-se effectivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem :
na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives:_
Compram-sc dous escravos que sejam bons
carreiros : na ra do Trapiche n. 13.
Compra-se tima carteira rom duas faces para
escriptorio : no armazem da ra da Cadeia do Re-
cife n. 48._________________________
= Compra-se urna vacca que tenha bom eabif
examinar dita taboa, caixa e bataneo, afim de co-1 ante leite : na ra do Crespo n. 15, ou em Api
nhecerem a utilidade da referida obra, driam-se | pocos, na casa junto a do Sr. Jos Affunso.
a casa do autor em qualquer da, das 4 as 6 oras 1 Compra-se um cavallo para cabriolat: na
i ra do Crespo n. 20, esquina.
Lombrigas.
Ouro-Prrto, 28 de marco de 1864.
As pilulas do Dr. Ayer (catbarticas), fo-
ram empregadas com grande vantagem por
mim em uina menina de dez annos, que
soffria de vermes intestinaes, notando-se
que os symptomas que entao apresentava
eram de molestia bastante perigosa.
Raimundo Nonato S. de Tiiiago, pharma-
ceutico.
Nerralgia.
Urna carta do Illm. Sr. Francisco Alva-
renga de Azevedo.
Ha mais de sete annos que soffria dores
no hombro e as costas, tomei urna infini-
dade de remedios sem achar alivio algum.
r, angustia, tormento sao palavras for-
tes, porm n5o exprimem o que tenho sof-
frido: ltimamente tomei as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer. S faz oito dias, e es-
tou completamente restabelecido ; ha tres
dias que nao sinto a mais lere dr no hom-
bro nem as cosas.
Estas pululas acham-se venda as prin-
cipaes boticas e drogaras do Imperio, e no
Rio de Janeiro, ra Direita n. 45.
Vende-se em Pernambueo:
na pharmacia franceza de
P.MAURER & C.
RA NOVA N. 48.
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 33,
4 o e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre o seguinte
4 o molestias de olhos ;
2o > de peito :
3o dos orgios geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rio examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d si
6 as 40 da manhaa, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prorapto restabelecimeato dos seus
doentes.
YENDAS.
e h
Aluga-se um sitio para plantaces.
Est por ser alugado um grande sitio na estra-
da do Rosarinno, com exrellente pomar de laraa-
jjeiras e mullas ouiras fructeiras, tem trra bas-
lante para qualquer plantacao e baixa para ca-
pim, casa de vivenda eom coramodos para grande
familia, estribara, telheiro cora cacimba, elD. etc.:
quem o pretender arrendar, dirija-se a ra do
Hospicio n. 41, ou ao Forte do Mallos, prensa de
algodan n. 22. _______
A bordo da barca franreza Virgtle tem urna
porejo de vasos para flores e alguidares vidrados:
as pessoas que desejarem comprar dirijam-se ao
caphao da mesma, em casa de Tisset Fiares, ra
do Trapiche.
Coznha-se, la*ase e ngomma-se com per-
feceepor odico preeo : na ra do Aragao
nomero _j_________________________________
Precisase da urna aa para lavar e engom-
mar : na roa da AgBs-Yr.d#s n. i2.
Pura lb(>5
Acham-se venda na livraria ns. 6
da praga da Independencia:
A FOLI4IM1A DE PORTA, abrangendo o
klendario civil e ecclesiastico, tabellas de
feriados, de emolumentos dos tribunaes
do commercio etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALG1BE1RA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Rainha em verso, o Stabat Materem
verso, devogo ao agonisante, coiago de
Jess, cntico em louvor do Santissimo
Rosario, cntico a Virgem Maria Nossa
Senhora, trinta e tres chistosasanedoctas.
um indito poema sobre as aventuras de
um cosinheiro, o canto de una solteira
(poesa), crescido numero de mximas e
pensamentos, urna historia como muitas
Promanco), e vinte e cinco novas e pi-
lhericas charadas a 320 rs.
Vndese caixocs vaziosproprias
para halinleiros e funileiros a i $700
cada ora: nesla lypographia._______
Vende-se um mulato eseravo, o qual tem
boas qualidades, como bem, muio fiel, bem copei-
ro e boleeiro: a tratar na ra da Cruz n. 46, pri-
meiro andar.
RELOGIOS,
Vende-se em casa de Johnston Pater
C, ra do Vigario, d. 3, um bello sorti-
mento de relogios *de ouro patente in-
glez, de um dos mais afamados fabricante;
de Liverpool, e tambem fuma variedade de
boojottirancelios para os mesmoslt
AI buns
para 20 at 200 retratos, muito bons e por menos
preco que em outra qualquer parte: na ra do
Crespo n. 4. __
Vende-se ou alogf-Se urna morada de. casa
com commodos, quintak grande, na ra Direita
dos Afolados : a fallar naquelle povoado com o
sarhristo da matriz para ver, e tratar nesla cida-
de na rna da Camboa do Carmo n. 8.
Muas vaccas de Icilc
Vendem-se duas vaccas com dous bezerros, por
commodo prego : nos Afflictos, sitio do Sr. major
Barros : para ver e tratar do ajuste, de manhaa
al as 8 horas, e de larde das 4 1|2 al 6 oras.
Nova exposiejao de candiei-
ros a gaz.
\a rna \va n. 2 1.
O proprietaro deste novo e bem conhecido es-
labelecimento avisa ao publico, que tem recebido
um riquissimo sortimento deobje.ctos de todas as
qualidades, como sejam artigos candieiros, obras
de zinco. quadros, nonecas bstanle grande, jogos
de muitas qualidades, tamboretes para cnangas,
quadros de todas as qualidades, diversas vistas
da Europa, gravuras finas perlencentes a historia
sagrada c outros muilos artigos que por gosto se
pude visitar este novo eslabelecimenlo, o qual
franco desde as 6 horas da manhaa at as 9 da
noite, tudo por precos bastantes commodos que
agradarao aos pretendenles : na ra Nova n. 20,
loja dj Carnero Vianna.
i\ova exposiedo de ferragens e
objectos de metal finos.
\u rna Xova n. SO.
O proprietario deste bem conhecido estabeleci-
mento avisa ao publico, que lem recebido um ri-
quissimo sortimento de todas as culilerias e me-
taes, em todos os gneros que se pode desejar, to-
dos os pretendenles firarao bem satisfeilo em ver
um riquissimo sortimento de objedos.quepor gos-
to se podem comprar todos por preros mulles com-
modos : na ra Nava n. 20, loja de Carneiro
Vianna.________________________,____________
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos Coelho,
Rna do Queiuiddo n. 49,
Vende-se o seguinte:
Attencao II
Ricas Iazinhas, fazenda a melhor que tem vin
do ao mercado, tanto em goslo como em qualida-
de, pelo baralissirao preco de 560 rs. o covado.
Ditas miudinhas carmezins, proprias para vesti-
dos de meninas e camisinhas a C40 ocovade.
Corles de 15a com 13 covados, pelo barato preer
de 6*.
Cobertas de chita da India a 22500 c .12.
Lences de panno de linho a 22 e 22500.
Pecas de cambraia de forro com Ii li2 varas i
32200.
Toalhas alcochoadas proprias para mos a 52 >
du/.ia.
Ricos corles de Ua com barra Maria Pia >
182.
Pegas de platilhas de algodo cora 10 varas,
proprias para s.iia a 42.
AlgodSo enfestado com 7 4|2 palmos de largor
a 12100 rs. a rara.
Esleir da India, propria para forro de sala de
4,5, e 6 palmos de largura, por menos preco do
que era outa qualquer parte.
Neste estabelecimento tambem te eacentrar
um grande sortimento de roupas feitas, e per me
did______________________________________
Vende-se urna mulata moca com urna filha
de 3 annos, e com as segnintes habilidades : cose
bem, engomma, faz toda e qoalquer qualidade de
bolos, doces, acados, etc., e cozinha : a tratar no
caes do Ramos n. 2._________________________
Libras esterlinas
Vende-se quem as quizer comprar no armazem
n. 33, da raa da Praia, se dir quem as vende.
Vndese urna rarroga c um boi gordo :
quem prelender dirija-se a ra da Concordia nu-
mero n. 12._________________________________ '
Vende-se em easa de Marcelino 4 C., na roa
do Crespo n. 5, um paleo de damasca de seda
branca, vindo de Lisboa pelo nltimo vapor. j
QaeiJAS do Alen tejo
Chegon aos armazens da Anrora Brilhante no
laro da Santa Cruz ns. 12 e 64, os verdadeiros
queijos do Alentejo muito freseaes, a libra a 12,
e esleirs a 900 rs.
Vende-se palilols de brim de coresa 22, 22500 e
32, ditos branco a 22500, dito de linho lino a 52,
dilos de alpaka de cores e bramos a 52, ditos de
meia casemira a 42500 e52, ditos de casemira a
62, 85, 102, 102, 162 e 202, ditos de panno fino
prelo a 82, 102, 142. 162,202 e 302, calsas de
brim de cor a 22 e 22500, dita de dito branco a
22 ditas dedilo de linho a 32500 e 42, colletes de
cores a 22, de brim a 22500, de c.asemiras de
cores e pretas a 32300 e 42, calsas de casemira a
52, 63 e 82, de meia casemira a 32 e 32500, ca-
misas francesas a 25 e 22500, de linho inglezas e
pregas largas a 3? e 32500, grvalas de todas as
qualidades de 500, 800, 15 e 12400, collarinho
de lodos os tamanhos e muito bem feitos, para li-
quidar por ser tempo de festa : na ra da Impera-
triz n. 56, loja da Arara.
Colchas para rama a 2->.
Vende-se colchas de chita para cama a 2;, ditas
de damasco a 42. dilas de fustao a 55, chilas para
cobertas a 320, 360, 400 e 500 rs. o covado : na
ra da Imperalriz n. 56. luja da Arara,
A Arara vende madapoln enfeslada a \$.
Vndese pepas peca, lito Ingles de 4 jardas de n. 0, a 68, ile 1
a 52300, ii 250 a 63500 o "5300, n. 5 5500,
8Bc_i 92000, R. D. I*. 105. ZZZ 115, n. 20. lito a
142 a peca : algodozinbo marea s a 52560, dito
carne vacca a 73, dilo dsmestico a 72500, dito
pau ferro a 85, dito 6LH a 105, dito T a 105 e 125,
dito sicupira a 82500, para liquidar, ua ra da
Imperatriz n. 56, leja da Arara.
l'alitols de alpaka.
Vende-se palitots de alpaka pela de 35 e 35500,
ditos linos (Je cordo, lizas e brancas a 43 : ra
da Imperatriz n. 56. loja da Arara.
4o Itaroteiroda rna da Imperalriz n. Sf.
Vende-se seroulas a 12280, ditas trancezas a
I5600e 25 : e outras muito boas fazendas que o
freguez encontrar na luja da Arara, ra da Im-
peratriz n. 56._______________________
~J.Keller_C. vendem superior vi
nbo tinto de tiordeaux, tanto em quartola
como em caixasde duzia du garrafas
Xoro lc|>oo de mu o
Trairinltas, galio e ntia Transelins de cabellos de reNM jar. r>U|sa*.
Papel arolaade e de oulra.- .oalidadFs.
Bolsas para viap m.
ntremelos e MndJMMl i!e lind'>s padrees.
Leociabos da liafeo karaM,
Meias para homem, senhora*. MaW I rreut-
nas.
Fitas df- vi ludo lisas i rrm rrsr re de ImIs* as
larguras.
Thesoura- a ranivi-irs t'e tedas * ipnlia-i'.
Grande MWtMMln de M_H__i
Lindos vasos con banba para i(T. r
Caixinhas com seis fr3qiiinho*.
Essencias de todas as ajalidade".
Agua verd; deira Florida.
A;ua da Colonia, em carrafas gTaadc. r
frascos qnadradns cgarr.ilii I W
Pomada fina rie indas a qi'a!ida Superior baiiha t ni fr:i-n-e ropos it '
tamanhos.
Sabao inglez rm paos erand e rqnM
Escovas de cabo de aaainamlB, atartM l
osso, para lenles.
Pf-nlc" fiara'l.-rmlarai;.ir. mrn tn-o ir :
sean elle.
Dilos de tartaruga e de muas notras aatataia
dos.
Penl's de lartaraga pira -enhnra
Ligas de v'l i e d-- :i!^ !.* .
outros obj -ctos de goMe que ti mi ; i --'.i Mea
einar. que a ri>|a f.ua ! 'ilaMf.
ra do Crespo n. 7.
Volita*.
Lindas vollitilas >!. p.-t-i.i- i.il-.- r-i irrjas
Dagiodo brlhaoles, a >im n_n<<
e voliuih.is, pelo I i .: aavea de 13 13**'
cruzes avnls a-a ita r.; -o'n >. i_n
Crespo n. 7.
LaBjMB,
Rlqiii>si:ii"i- leqnes de madreprrola l;a*i3ra
teaboras eoaMpara menin.-,-. pdi larai* |-r.r
de 122 e 145; av no Vtgitauie, roa 4 '[<>f
n. 7.
CHANDE NoVIIMPK.
S no Vuilaale.
lquissimos iiifciti i) iahd_*>
Acha-se aberlo un. novo deposito de sabao na choras e m. ninas.j-hc_rado._bor da alfa.!.
ruado Itangel n. 34, na antiga fabrica italiana,
aoode os fregueses enrontrarao completo sorti-
mento de sabao de todas as qualidades ; assim co-
mo a vanlagem qne enconlram para abreviarem a
qualquer freguez por ser luuiloperlo, e o diminu
to carrete que iem de pagarem.
Atsadeiras
Assadeiras de porcelana de todos os tamanhos :
na roa do Queimado n. 32, vendem Azevedo 4
Irino.
Penetras.
Receberam grande sorlimenlo de peneiasde
rame, proprias para padaria e pharmacia ; na
ruado Queimado n. 32, loja de Azevedo Irmo.
brides de Ipajuca
As verdadeiras brides de Ipojuca : vendem na
ra do Queimado n. 32 Azevedo Facas de cabo de umeorne e
marfim.
Vendem Azevedo A Irmao, na ra do Queiina-
uo n 3.
U --.
GRAGEAS
GLISE CONT
Apfror.ii pala _MiM o Medicina da Farn.
Reiullt pulas dous rclilorios, adoptados pcli dita
Academia em 1840 e em 1858. que as GRAGKAS U
Gi.ts e co.\T sio o melhor e mais elfu-ai remedio
ferruginoso para curar a chlorosis (alias fluor-albo), os
Huios brancos, a fraqucu de compleisia nos doua
sexos, e tambem para ajudar a mcn&lruapio das mocas.
Estas Grageas nlo sto Tendidas sent em camnhas
a vidros cobertos eom rotulo e fechados com ama tira
levando a firma do depositario geral : i.ahei.ovye,
fharmaecutico, rut Bourbon-Villeneute. 19. Pars.
Deposito (?eral em Pemambuce ra da
Cruz n. 22 em casa de Caros Mucms de vapore pa-
ra descarocar algodlo.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido, coa-1 *$******* i
doe de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e
Minio
Riquissimos >inlos de tita larga e eii
liv. las nuiea i peajM, rom bnliiai
cousa de muilo fcolo.
Albaais
Tambem rhe^aram os nqnisim'v altas P'f*
50 retratos, rom rapa de larlaroga e V arlim.
cousa muilochiqne : s m Vieitaale. roa e> I
po n. 7.
______
Riquissimas golmbas i mangatlos. owifMwr fes>
to possivcl, a 2. iSW e :t; s o Viciiaate,
ra do ('respo n. 7.
Kiifetlfs para seabera.
Itiquosissim enleites coro taco e sem tefe e oulros.muilos gosios a l. I WO e M s* Ti-
gilante, ra do Crespo d. 7.
TraarcliM.
Lindos tranceln de cabello para rel^rte m l-
elas, pelo haralissimo prejo de l3*, eHa
reiroz a 00 rs.
Babadiahes ralrraffiea.
Riquissimos bal-anhos entreiww rna Iraato;
desenhos tapados e iran^p-irente, pelo Laraii-- n-..
precio de 15200, I500.1 e 3; s ao Tjilaat*.
ra do Crespo n. 7
Cascarrilba.
Grande sortimento de ra-rarrilhas de diver aa
larguras, assim rumo gaU/iabo r iraaraahaw pro-
prias para enfctlrs; s no Vigitenie. roa dW i'jtt-
po u. 7.
Fitos.
Grande sorlimenlo de lilas a> diverNH largaras
e qualidades, por preces que adn raa ata r*a>-
pradores, havendo lilas largas prot>ria aara raa-
leiros que se pede vender a 300 rs. a vara. sra
de 9 varas a 1; so no Vigilaste, roa d* i'jrf
n. 7.
Filas d lia.
Fitas de laa de toda* a qnalid_des, ara**
ra debrum de vestido a 700 rs. a peca;
gilanle, ra do Crespo n. 7
Rices eupelbes.
Riqnissimos espelhos nm moWora
sem ella de S. I0. lj lU. assias i
relumnas de diflerentes umn hj> a t. 3, t, H
e 6 ; s no Vigitenle, roa do Crrss* a 7.
Liadas jarrea t ajara.
Riquissimos jarros e figura de aoreclasu laa,
para enfeite de sal, sendo o melhor geste easrasaa
s no Vigilante, rna dk> ''re
W Vi-
Para ps de arres.
Riquissimos vasos rom ht>nf\ para p d# ame,
cou>a de muito goslo a l5W e i. a*Maa rcaae
, pacnies s com os pos a 3SO rs. rada asa; s a
de carrosa com matara tjti'.tm_<&_> ?.
eixos de patente.
IluadoiJrumn. 38, fundi-
co do Bowman.
Vendemse 75 jardas de oleado de superior
qnalidade, para forro de sala : na rna do Queima-
do d. 34.
Perfeaurias.
Grande sorlimenlo de extractos e
das, assim como de lindo* rafas on ra< i
lnctivos e offereciinenlos as sintniiaa_
Ihores e mais afamados aassrrseli t*ari el
ra, assim como os grande- ropos deroaaa j
a 2 e a 1. assim romo nirn< ohjerfos aaie ai. e
possivel por boje annunriar. e a vii d frgw-
zes se far todo nepocio: na loja de Gallo Vigilaale,
rna do Crespa n. 7.
,


Diario de l'crttaoiouco fteUa eUa O de Dezemoro de i***-
AS ARMAS!
lO GRITO DA GUERRA JA' SE FEZ OUVIR.
LA Vil BOMBA
!
SENTIDO.
..
j
O
>
BALIZA
W^ ^ %W^

Q
Grande liquida^.
Ra da Imperalriz n. .
Loja de fazendas do pavo de Gama Silva
Acha-se este eslabelecimeoto completamente
soriid de fazendas inglezas, fraocezas, alinalas e
sutssas, proprias lamo para a praga como par o
mato, prometiendo vender-se mais barato do que
em ooira qualquer pai le, prinfplmenle sendo-em
porco, e de todas as fazendas do-se amostras,
deixando ficar penhor, ou mandam-so levar em ca-
sa pelos caixeiros da luje do Pavo.
Vestidos soulanibarqne.
Pelo ultimo vapor francei chegaram riquissmos
vestidos soulambarque, os mais modernos que
nesle mercado tem apparecido, os quaes estao
promptos com saia, corpinlio e seu competente
soutambarque, tudo guarnecido de seda, veludo c
renda. Quem tiver boto gosto dirija-se. loja do
Pavo, na ra da Imperalriz u. 60.
408 TRES MIL VESTI-
DOS.
Na loja do Pavao, a 3f, U
e 7#000.
Vendcra-se lindissimos cortes de vestidos india-
nos, sendo lodos bordados e de listras de cores e
brancas, proprtos para casamento, pela baratissi-
mo prego de 34 cada corte por se le comprado
urna grande porco, seudo fazenda que vale o*,
ditos Maria Pa, tendo qualro pannos, fazenda
para o corpo com os compelenles enfeites para o
mesmo, pelo baratissimo preco de 44 cada uro,
ditos de todas a cores com as barras bordadas a
crox, sendo cada um ewi seu rartao, tendo cada
ara todos os enteites precisos, pelo baratissimo
prego de 74 cada tm, ditos com babados inuito bo-
nitos, mas sem ser em cartio, pelo diminuto pre-
co de 35300 cada um ; adverlindo-se que os donos
da loja do pavao vendem csies vestidos por lao di-
minuto preco por terem comprado urna grande
quanlidade e convir Ihe liquidaren! logo, na sua
loja, ra da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Aos vinte mil covados de laa.
aiO
03
CL1RI
AL.

RA DO QfJlHLlIAIIO W. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
mmim i! wmsm
NOriDADE
luaes serSo vendidos por breos muito resumidos como o respeitavel publico vera pela tabella aba.xo menciona, garam
peso e boa quaitdade dos gneros comprados neste armazem.
Arroa do Maranhao, India e Java a 60, 80 eI Praaseccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de *m* mu.to supenor a *
100 rs. a libra, e 10800, 20600 e 30000 Painco a 200rs. a libra. " "" ...
a arroba. Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. &*$*?*Zrk0 tu
Ameixas francezas em latas e em frascos a I Presuntos de Lamego em calda de azeiie c g1" ?? iS va* a 200 \< a'liara.
10200 e 10600, e em frascos grandesa muito novo a 640 rs. vT iTTtXmo i \ i \3
h . f LJ ssssr1"d0 ullimo vapor a im ^ASi-SE Zi S:
dem em caixinhas elegantemente enfeiladas **
as
-
-
Graa-e pechlucha,
e 3 s rs.
Vendem-se as mais bonitas iaacinhas transpa-
rentes, seno com llslras e quadrinhos miudinhos,
e lisas, tendo de todas as cores, assim como pretas
e rxas para lulo, pelo baratissimo preco de 240 o
covado, ditas transparentes com palminhas de seda
Maria Pia, tendo de todas as cores, e tambero
algumas proprias para luto, pelo baralo preco de
320 cada covado, isto por liaver urna grande por-
co : na ra da Imperatm n 60, de Gama &
Silva.
batas e copos com banha fina.
A aguia branca, na ra do Queimado u. 8, rece-
ben esta estimada banha fina em latas e ospos, isso
alem de outras em diversos frascos.
As nodernissimas lazinhas re urna so
cor, a imitaco de
de o pfvo.
Chegaram pele ultimo vapor fraacez as mais
modernas lazinhas de cordozinho, as mais pro-
prias e mais lindas que tem vinde. proprias para
vestidos, soulambarque?, capas, etc., dam-sc amos-
tras deixando peillior, e vendem-se pelo baratissi-
mo preco de 560 rs. o covado : na ra da Impe-
ralriz n. 60, loja de Gama e Silva.
As lnrlnhas do Pavo.
Vendem-se lazinhas de quadrinhos transparen-
tes, boa fazenda,.pelo preco de 280 rs. o covado,
ditas largas mulla linas a 400 rs., ditas estampa-
das, cor segura, padres miudos e grandes a 320]
com ricas estaabas no interior das caixas
a 10200,10400, 10600 6 2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra o a 40600 a arroba.
zeile doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa aiO rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de malarana a 320 rs. a
O assumpto importantissimo.
O assumpto importantissimo.
O assumpto importantissimo.
Ninguera Interrumpa o orador.
Ninguem interrompa o orador.
Ninguom interrompa o orador.
Reine o silencio era todas as columnas.
Reine o silencio em todas as columnas.
Reine o siltncio em todas as columnas.
N5o se admilte oootestacao.
Nao -se admilte contestafo.
Nao se ndmilte mtestac-ao.
Os-agolados sao prohibidos.
Os apoiados sito prohibidos.
Os apoiados sao prohibidos.

ADVERTENCIA.
Bauza nao pode prescendir de
las e mal -ferias mitras dos falsos .>x
Anles de entrar na materia o inconsave.
'fazer o seu signal de herrar as doiradas coreas
'apostlos do progresso, inimigos do povo e chupadores do sangue daiiumani-
i dade. <...._ MI
A detestavel sede de oiro tem obseccado seas coniroes fie vampiros. o^
Qaerem fazer fortuna cora a rapidez do coriseonao satem ter fe nem
jesperar.
S5o os perfeitos .tinos da civ:saco.
Malditos sejam ellosja que no possive! ao Baliza -pur-lhes asmitrasu
,'na cabeca os bculos na.mo e os sapales maga cobras noeps e cxpol-os aoq^
publico per tres dias. d
OKDFJI 1IO DI
N'estacasa nao se iiludeao povoos pesos est5o aferidofi a balanca do{
.meiiios fabacante-e os gneros, partindo do soffwel at o oplano, podemr<
'esoalhidos a vontade por todos, desde o pobre agoaiado Ciaron .ate o mais auo^
Nao sefido o agraimiica sinceridbe predicados que smenle livessem-
.cheeado oarahico da domesticada e encantadora afitia branca, Slao dadas a,
mais terinwt4 ordens para fle d'ora em diante se redobre as altencoes para*
com todos os regueies, de Jornia que se opere a mais per/eita hga de enteres- s
'ses recprocos, a fazer inveja a todos atao proprio oavalletro da esquina da ruaw
'^buando ao dispontar da biilanle, aurora ou -da aurora brilhunte, fizerg
>ouvir o garboso fallo vigilante, cos aquella bisarria ^ue Ihe e propria, o seu^
'canto sonoro sK*al de chamada dos amaveis freguezes e predilectas/rcjjMWM,.
Umbem o solicito Baliza estar proapto em ordem demarcha,>agrada^ comoj,
]aTaZ branca, diligente como o gallo, grave como o prophea no mais per-^
i fello continuo nwwmento, sen-indo a todos, e a todos contentando.
ADDITANENTO.
Os uracos do grande sortimento d'este magnifico armaze. se achara eon-l
sideraVeCte reduzidos, e a respectiva Ubella deixa de ser publicada porque
[T^Tnegocio i o segred*. Os freguezes reconhecerao em vista do ob ec-
^ qu pretender que o preco que se lhes pedir ser tilo rasque nenhuma
ireclamacao offerecero. Venham todos a
RA DO MVIIAMEXTO S8
AO GRANDE AR14ZEN DE MOLHADOS
DO
BALIZA
PUOPRlISADK
DE
N. PERRO DE MELLO.
gorgiro, \eo-
libra.
Avelinas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
10300 rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 abarri-
quinbae a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10600, 20,
20500, 20800 e 3WJO0 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Ceneja preta ebranca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 508 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 901 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, so de pepino, a 72" rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
20000, 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor a
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs
cada.um.
Sardinhas de Rafales a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tiiolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 6 0
libra.
Eigos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 10600.
Yinho do Porto engarrafado o roelhor que
rs. o covado, ditas iransparenles com palmrnhas Caf do B0 muito Superior a 280 e 320
de seda a WOrs, ditas escocesas ai SOrs isto tu-1 rS- a irbra e mon a um rs a arroba>
do para houider : na loja e armazem do Pavao, n__-. .. T .- ^
ra da imperatm n. 60. : Cartoes de bolinhos Trancezes muito novos e
Os grosenaples *) Pavo. bem Ttraito enfeitados a 700 e 600 rs.
Vcndem-se prosdenaples pretos, fazenda supe- Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
10800, 5);HX) e ~m \>. a libra.
Farinba do MarauMo a ICO ra. a ikca.
dem de trigo a 120 rs. ; lilis.
Genebra de llullanda wradvira marca \
a 560 rs. o ftraacfl e 5Jtl 8 Irasfi
dem cm garifcs de 3 e 3 gaU>> j .5ta>
e 70500 rada um com o garrafi.
Graixa a 100 rs. a lata. 10100 a \..\-
Licores muito finos a 700 is. a gaira.
dem, qualidade especial em garraas moiti
grandes, a 10800 a garrafa,
dem em garrafas mais j rqm-nas a M
dem, em parrafa forma de pera e roHiss A
vidro, a 10000, s a garrafa vaie I
ha neste nenero e de varias marcas, como nheiro.
Lj"m Velo de 1815, Duque do Porto, Manteiga ingleza ^l fc"
Madeira, D. Pedro. D. Luiz I. Maria P.a, barcada de pouco iJJ M**> *
Bocaee Chamisso e outros a 800, 900 ei de segundaquahdade a 8(0 s
11000 a garrafa, e era caixa com urna du- i dem francez "*%">' * "kra
, q nnn P toAOOO Wem de tempero rtOO rs.
dem ^^PorTSsboa e Figueira a | MaCa de tomatera barril a fl
Stf a ^ C3"' ^^^St^dsmelbor. M -n,-
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs. ros de Lisboa a m n. a lata
agarrafa. Marrasquino de Zara, aYlM
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700 800 rs
e 800 rs a earrrafa, e 70000 a 70500 rs. dem regular a ! A 7ia Macas finas para sopa : estrellml.a 11
IdemMorgauxeChateaulurainide 1854,a 10 rodinba e MltOOn. a H
a oarrafi a caixmha aim 12 libras.
dem moscatel a 800 rs a garrafa. Nozes muito novas a 160 rs. Mn
VinTge'Lisbte tf a garrafa e Pe t em latas prepara* pela Pnm,
16200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a lASOOrs.
Alm dos gneros cima mencionados te-1 dem de denles^a 20 r>.
mos grande porcSo de outros que deixamos. dem de flor a 2CM n.
de menciona, e que tudo ser vendido POrj^cpitjiAMtlNi M
pecas e carnadas, tanto em poreftes como : Doce de gowha emjata, o m-
retalho-
libra,
Ja
rior a I^GOOts. o covado, ditos largos mullo en-
corpados a 2&40O, 25C00, "2^800 e 35000, ditos
brancos. cor de rosa, azul e amarello a 2,5000 r.s
o covado :-na'loja de Gama* Silva, denominada
do Pavo, ra da Imperalriz B. 60.
As novas las garibaldinas a JiOd rs.,
b o i :* do Pavo.
VenoVw-se as mais modercas laazinhas;aribal-
dinas, fatenda inteiramente nova no mercado, sen-
do todas com litras miudinOas, e iransparenles,
com lustro a- mitacao das sednhas, leudo varias
cores, sendo anu, cor de liria, carmezim, ementa
e cor e ta-vana, etc.; isto a 600 rs. o covado para
vender
rador
Os mais
na rejado Pavao, a 16$
Yendem-se "Tmissimos vestidos Maria Pia com
os corpintios difiVrentts, tendo todos os preparse!
com o ompoteote sinto : na roa da Imperalriz n. i A agma branca nao cessa de encommenda
60, lija de 'ato.
fte&inlias.a 1$000"
de coziuha a 10 a lata,
i Paliios de dentes a 160 rs. o I
20 c em caxao a 610 rs.
Frascos comgomma arbica $R|VAL SEIW SEGUNDO
dissolvida e pincel.
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja
aguia branca.
N> vos lbum*
A aguia branca acaba de receber oulra encoin-
menda de bonitos e bem encadernados albuns de
e marm, ai-
ra augmentar
o a serem veu-
pr precos commodos: na ra do Queimado
loja da aguia branca n. 8.
Galanteras para fes tas
Quem comprar de 1000000 para cima te- Palitos do paz a 20200 groa.
r o abate de 5 por cento. Pm mu.lo novas a .80 r. ll
ffl.\CUI\iASItl'li
Ra do Queimado ns. 49 e 5o, loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia est conlinuando >>
vender iiiuik barato, pois seu geaio dar laieti-
da por todo preco a vista dos cobres.
Cartas de allinetes fraocezes da nielhor quilidad-
a 80 rs.
Grosasde pennas de ac inglezas da mellior ijua
lidade a 640 rs.
Caixas de clcheles francezes de superiores quau-
dades a 40 rs.
Grosasde boloes de niadrepcrola niuilo linos a3(X
e 640 ris.
Carreteis com 4 a oilavas de relroz prt lo lino a
640 rs.
Resmas de papel de peso liso muito superior
2000.
de i raba I ha r ana* par
deiarovar aEiEoo
raaBKai >
Por Plairt Jirothers &
MJil
VeadeaMB earr.isinhas com manguitos, sendo
muila bena en/etUidas. propriS para senkoras e
melho c" mars agradavw'ro'p'o'isTo'acV-1 ^ c de or " 1ualidades
ba de receber diversas lisuras e vasos de p de >V r-s- _ ,. ., .___j. ... ,
pedra oem lina banha, assim como bonitos frascos ****** Para Penua co,n folhas fazonda "* *
de excellcntes extractos e lindas cahtinnas de ma- 8U J*- __n......____Ar__^-
deira euvernisada com finas perfumaras, tudo Duz.a de: boloes branco para casaveque de senhe-
meninas, pt&o barato preco de dei tusloes cada! mu proprio para presentes de feslas ele, havendo! ra a W,rs- ........ ,m .--
urna : na Jaj do Pavao, ra Ua Imperafriz n. 60,' dinheiro dirija-se o ^tendente a roa do Queima-1 Pecas de lila de eos estrellas com 9 \aras |
de Gama Silva. Hnn s ina/ii mnii hranra rs.
iVstifJes para meninas.
vendem-se s mais modernos vestidinhos para
meninas, seodoimuito bem enfeitados Mari* Pia,
I
tendo de difTeenntes lamanhos, pelo barato pffeco
de 8l cada um : na loja do Paria, ra da Impe-
ralriz n. 60, de-Gama & Silva.
Uipa feita barata.
Vende-se um prande sortimento de roupa feita
para liomens, sendo-caJ^as de bnm branca c de
cor, ditas de casemira jireta e de cores, ditas de
aeia casemira, jalelots -saceos e sobrecasacos de
casemira e pano preto fino, cohetes de todas as
cualidades : na loja do Havo, ra da Imperatrlt
a. *.'(>. de Gama & Silva.
Grosdenapl4 cor a 1<$600 o.orado.
Vende-se grosdeoaple de cor azul, branco e pre-
to, pelo barato preco de 1,5600 o covado : na loja
do P?o, ra da Imperalriz n. 60, e Gama &
Silva-
Panno de liaba a JOOrs. o covado.
Vend-se o verdadeiro panno de linbo proprio
para lenres, toalhas eroulas., pelo battto preco
de TOO rs. a vara : na loja do Pavao, ra da lm-
peralriz c 60, de Gama & Silva.
Economa 4o Pavo,
Vende-5e?ara acabar, urna pci-eo do retalhos
laas ecaas de todas as qualidades, e por firc-
oos muito era couta; quem lem -economia qne
pcU; apreciar : Utpna kja do Pavao, ra da im-
peralriz d. 60,de Gami & Silva,
Madapolo a 7^000, s na loja i Pavo.
Veade-se suparior madapolo muito eacorpado,
tendo 20 varas cada peca, com 4 palmos de largu-
ra pelo baratissimo preo de 70OO a pega, ditos
muito Osos a 8, 94 104000. E' pechincha, na
loja do Pari, ra dafmperatriz n. 60, de Gama&
Silva.
Cortes de casa a 36000.
Vendem-se mailo bonitos corles de cassa, tendo
7 varas cada corle, com eenlins muito delicados
pelo baratissimo preco de 30OU o corte ; s na
loja do Pavo, ruada Impealriz n. 60, de Gama Si
Silva.
Cortes de cuita fraoceza.
Vendem se finissimos cortes de chita fran-
ceza, com l covados, tendo, padrSes escuros e
alegres de cores lisas pelo baralissimo preco de
44000 o corle ; s na loja do Pavo ra da Impe-
ralriz n. 60 de Gama Cambraias lisas, na loja do Pavo.
Vendem-se pecas de cambraia lisa muito fina,
tapada e transparente, pelo baratissimo prego de
44000 t^ndo 8 l/ varas cada pega, ditas muito fi-
nas a 74, 84, e 94 a peca, ditas Victoria com 10
varas pelo baratissimo preco de 74, 94 e 104, di-
tas Garrazes fazenda muito cncorpada. fazenda pro-
prla para forro a 360 rs. a vara ou '4600 a peca ;
Isto na loia do Pavo, ra da Imperalriz n. 60, de
Gama & Silva.
Corles de la a 5000.
Vendem-se cortes de las garibaldinas, matea-
das e do quadrinhos, tendo 12 covados cada corte
pelo baratissimo prego de 44000 o corte : isto na
loja do Pavo, roa da imperalriz a, 60 de Gama &
Ova.
\"Hii\. ll-v WIIIJM iTV V |yi^l' JM m
do n. 8, loja da agnia branca.
Ail fino para engom-
mudo
A aguia branca jia ra do Qoeimade o. 8, rece-
beu glbulos de ail fioo e frasquiuhos com es-
sencia de dito para eugommados.
Outros enfeites.
A aguia branca acaba de receber por este ulli-
mo vapor um novo sortimento de bonitos e delica-
dos enfeites de moldes inteiramente novos e de um
apurado gosto, assim pois comparegam os preten-
dentes munidos de dinheiro e com dtsaosicao de
gastar : na loja da aguia branca ra do Queima-
do n. 8.
Pequeos pentes de tar-
taruga.
aguia branca na ra do Queimado. n. .8, rece-
ceben novamenleesses pequeos pentes de tarta-
ruga que por suas quaUdadeside pequeos, lisos,
bourios e bem feitos tanta tstinia lem merecido pa-
ra ac senhoras srgnraro cabello quando atado ; a
aguia A ranea porm avisa aquellas pessoas que os
haviam eucoramendado e a quem mais queira
apruv.'iiar a occasio de os comprar continuando
a serem .vendidos pelo mesmo preco de 4 cada
um.
Estando brancos ficam pretos
O bom resultado e o rpido effeilo que produz
a tintura de ebromacoma, e mesmo o (acuilmo
modo de appbcar tem se tornado mu conbecido e
apreciada por lodos que usam della e per conse-
guinte augmentado a extraco, pelo que a aguia
branca mandou vir maia o novo sortimento que
acaba de receber constando elle de
Caixas com ebromacoma para tingir os cabellos.
Frascos com coloricoma para lustrar ditos.
Ditos com hydrocallelhrichina para limpar ditos
Ditos com oryhromanlina para limpar as unhas
Sabonetes brancos para lavar os cabellos.
Pomada rallicomiphila para dar cheiro aos di-
tos sem oflender a preparaco feita.
Sapatos de marroquim dou-
rado para bailes.
Esses sapatos do grande lom vendem-se nica-
mente na ra do Queimado loja da aguia braia n.
8 a 64 o par.
Meias finas para senhoras
gordas
Vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Esponjas finos para rosto
Vendcm-se na ra do Queimado loja da agnia
franca n. 8.
O Expositor Portnguez para os meninos a prender
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren-
der a ler a 14000.
Cartilhasda doulnna christa, finas e superiores a
320 rs.
Pentes tinos de marfim a 14000, 14200 e 14-m
Pares de luvas de seda para homens e senhoras a
500 rs.
Gollinhas para senhora o mellior que ha a 320 e
oOOrs.
Frascos com superiores banhas a 240, 320, 500 e
14000.
Livros que serve para assenlar roupa, pelo diminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs. f
Cordo branco para esparlilho muito superior, 1
vara a 20 rs.
Carritis com 150 jardas de linha branca a 90
ris.
Candes cora 200 jardas de linha branca garant-
di s a 60 rs.
Grosas de pennas de ago .-uperiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
lhas a 160 rs.
Pares de boloes de punho, oh que pechincha a
120 rs.
Tlnleiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de bet5es de louga prateado muito lino a
160 rs.
Tesonras para costura superior qualidade a 500
ris. ___
Escovas para limpar dentes, superiores a 200 rs.
Caixas com superiores phosphoros de seguranca a
Caixas com 100 envelopes o mellior qoe ha a 640
ris. ~
Caixas eom 20 quadernos de papel amizade, anal
fino a 600 rs.
Quadernos de papel pequeo muilo fino a 20 rs
Boa rsrrava.
Aa ra dos Pires junio a caixa d'aguia n. 62 ha
umaexcellenie escrava que cozinha o dia io de
urna grande casa de familia, muilo areiada, criou-
la, de 38 annos, muito fiel, e com mais habili
dades.
H
fata-.-i.-' -
-
o raba-'!M
dVrpirar sata
>rr.-t.a e *!?
dio em can-.
roa 40 Bunur
oa I" i-
por Ou "U -m
reos a> al
Ita.pv.
Ai-sim como machinas para MMai m'vtidj
animaes, que descarogam 18 arrobas V- a
limpo, por dia.
Os mesmos tem para vender um Mi r
por que pode fazer mover -eis dista* mar
mencionadas ; para o que n>nvi.ia -
agricultores a virem ver e examina-!<>. .
zem de algodo, no largo da ponte nova d 47
Saundcrs Brolkers i ('.
X. , pra<-a daCarpoMaa^
tasan.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SE6UKDC
Ra do Queimado ns. i!) a 5."> hija Ai l
conhecidoj como tal, Mli di.-iind. da
por lodo o proco para apurar disheir
zer venha ver traga o cobre, r vrra o
Barallios de cartas para voitarete mnit
finas a...........................
Miadas de linha iroaa pan :<>nbr a---- !
Pares de .-apatas de tranca de lodo o
lamanhos e lino, a...................
Ma.-.-os de uporioi grampos para rakeUw
Dazias de paliios ric az M|MBN a. ..
Libras de an-a prela muito superior a. .
Frascos de superior nicaca oleo a-----
Ditos de dito perola a.................
Ditos de oleo de babosa muilo lii.o.- a -.If
rs. e...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de banha muito fina a............
Ditos de cheiros muito tinos para o prego
a ris.............................
Sabonetes de todas as qoalidades a 60 r
160, e............................
Novellos de linha com 400 jardas a......
Carritis de liaba de corea em 200 jar
1 das a............................
I Novellos de linha de caz de todas a te-
res a .............................
: Pegas de litas elsticas com 10 varas pa-
.- m
'
*
4>
m
um,
ao

t-----------------------------1-----7, j f ra vestidos a......................
VinllO (10 PortO CllrarraaUO Frascos de superiores theiros.pfquenos, a
* x"" . n0,. .____;n,A, Pares de ligas muito superi-m-s e bornta-
Vende-se superior vinho do Porto denominado a -. e ~
D. Pedro V e rainha de Portugal, em^eaiilahasde Varas 'tmtmm'm^ii^u..
nma duzla de garrafas; na ra da Cadea do Re
cife n. 66, armazem de Ferreira & Matheus.
Trelo de Lisboa.
Vende-se superior farelo em saceos grande, e
por preco commodo, rindo pelo ultimo navio : na
ra do Amorim, armazem n. 50.
Que bello presente!
Chegaram de novo rna Nova, loja n. 7, lindas
bonceas ricamente vestidas, as qnae ch-mam pa
pal e ma-roai; este um dos mais ^ressanle
presente que se podo fazer a menina de 6 a 10
annos de idade.
- Vende-se a casa terrea n. 91 da roa Imperial
o sobrado de um andar na mesraa roa n. 95, e a
casa terrea da ra da Mansueira. na Roa-Vista n.
12 : a tratar eom Lonrengo Ribeiro da Cunha e
Oliveira, na ra da Praia n. 76.
~Vnh daTladeira d do Porto
Vende se o superior vlnho da Madeira e do Por-
to, em caixas de uma o duas duzias : so na loja
do Vigilante, roa do Crespo a. 7.
Opiata para denles da melhor qoe ha a..
Frascos de agua para dentes, superior a
todo a..........................
Pegas de tranga prela liza ntoit tina a..
Caixas com 4 papis de agulhas Tietoria a
Varas de fila prela con colxet-.* a......
Libras de la sorlida de todas as reres a
nonecos de choro muito bonito* I......
Caixas de obreias de ma ssamnto nova; a
Varas de franja .branca e >tres para
toalhas a.........................
Frascos de oleo Philocorue Topenor a...
Ditos com superior titila a320 a........
Caixas de linha de paz eom 50 BO*d
Enfiadores para espartilho ......
Duzias de boloes eoeao*aos para re^u-
voa............................
i4"t..
i"
M
Kt
r
u*-
.
-



Mari e Pernaantenea sexta fefra 3 O rfr Dezc mbro ae 1104
NEM COROAS NEM MITRAS

AURORA BRLMTE
o-
GRANDES ARMAZENS
DE


MOLHADOS
'
,v Cebo.
ni-aa,*
o
Largo da Santa
Cruz as. lie 84,'
es juina da ra doa
VIMOS
Largo da Santa
Cruz us. l-ieSi
Ei^nr^i.^A ^esquinada ruado]
E8PECIAES gcebo. ^
dono dos j multo acreditados armazn de molhados denominados Aurora
rnaaaie, acaba de reeeber de
aro
os seus gneros sao de I." qualidade.
A seguiule tabella servir .a todos
[adores.
R,,ih,D"Ur" .arraaze,m veBder mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
nnanie, ja pelo grande sortimento que tem, j mesmo por seu dono se aehar encora-
"2* em sua saud e tr de vender um de seus armaieus agora, e o outra na pro-
bante "nUWfc por ,S0 deve-se aproveitar urna quadra deslas ps
- sua propria encommenda, muitos gneros delicados
I, ',, 2PS*i*?* e, !,eB,do nduaoriinento comprado aqui^Danra quo todos
de base para ajuste de contas aos por-
para se comprar
<$? La'",r2,n 8 libras Je courleas rauito novas,
V&\ DiUs.S'aiides eom peixe em postas inteiras
r& ?iu> l' ,lualidades' a t&m> '^8 e
Ditas com ostras, excellente petisco para fre-
gideira, a 720 rs.
Dllii* C9,n ervillias oras, ensopadas, a
:',',$ Ditas eom favas, a 640 rs.
(JjjJ Bita* coui ameixas a t,g0, 1800 e 5o00
: eaate Abreu, a 880 rs. %
) Bitas da massa de tomate, aJBOO rs.
-\ ^i1: cara.!|S? de "nadrefuovos, a 1*500,
Bitas nm bolat-hinhade soda muito novas, a
Ollas rom biscoitmhos inglezes de muitas
qualidades, a 1*490.

Choealate.
Chocolate superior muito novo, a libra a
1*290.
M, arrio lularia e alelna amarella.a libra
i 0 rs.
'itj dito dita branca, a libra a 400 rs.
i", uvas com estpelinha, pevide e outras mas-
i as. a caixa 35300.
Unas dita eiu .libras a biO rs.
*a?. a libra a 3G0 rs.
Seradinha para sopa a libra a 240 rs.
Brnlb i* seecas, a libra a 160 rs.
Ditas descascad*, a libra a 300 rs.
Tapioca muito novaa libra, a 280 rs.
Facialia de araruta verdadeira, a libra a
500 rs.
Arrsi da Maranhao, em saeca a arroba a
35100 e a libra a 80 rs.
Dito da India < Java, a arroba a 35:200 e a
libra n 100 rs. *
To i Mili o de Lislma a 'J300 a arroba e a 320
rs. a libra.
Dito de -antos, a arroba 73000 e a libra a
2S0 rs.
''; i no* cun 12-j sebolas grandes, a 15280.
i < irda francesa caixa com 2 duzas a
a i m.
i i'. a 400 rs.
Ditos c i ;i raasexvas itiglezas e
a 610 a 800 rs.
Ditos rom sal refinado fino, a G40eaj00
ris.
Ditos rom a verdadeira genebra de laranja
a 15200.
Dito< d 2 garrafas de Hollamla verdadeira.
I 5000.
Ditos de 1 garrafa de llollimda verdadeira,
a ti 10 rs.
Bo'ijis com dita propria para negocio, a
400 rs.
UarraBes rom 2 galdes com diu, a 6*000.

preparada em vna-
francezas.
-,
Sorreja boa, marca, a 300 rs. a garrafa, e a
duzia a 6*009.
Vinho moscatel de letuba, a garrafa a
I .) i*ooo.
, Marrasijiiinlio verdadeiro, frascos a 800 rs.
e a 15200.
i::iain:i-iiie. a duzia 205000, e a garrafa a
... R 25000.
..-' Azeite refinado portuzuez e rancez, a gar-
rafa a 15000.
Caixa do vinho Itordeaux muit superior, a
75. 85. 05 e 105 a caixa.
Ditas cora dito brauco, a 75000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a 205.
Dit is <-om duque do Porto verdadeiro, a
I 500.).
Ditas com cbamisco superior, a 145000.
Ditas com Porto velbo o outras mullas mar-
cas, a 125000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640,
720 b 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a
35200. 35300 e 45000, e a garrafa a 300
e 5t0 rs.
Dito da Figu'ira, das searuintes marca, (N.)
(J. A. A.) (J. L. G.) fO. M.) a caada a
45300 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
qui* j est engarrafado o lacrado com o
rotlo do armazem.
Ditos de mareas mais dosconhecidas, a cana-
da a 35500 e 45000 e a garraa a 480 e
20 rs.
Vinho branco uno, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
SOOrs.
Vinho Terdc superior.
A caada a 3*600 e a garrafa a 480 rs.
Goinuia.
Sacras do 4 arrobas, a verdadeira de se
engommar, a arroba a 3000 e a libra
120 rs.
Sabo massa, a-libra a 200, 240 o 280 rs.
arinba.
Saecas grandes com farinha deGoianna mui-
to nova, a 3*000.
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 85,
85300 e 95000.
Ai.
Cha temos nestes gneros o meluor possivel,
livsson, a libra a 25600.
Dito perola a 35000.
Dito uxma.25700,
Dito hysson muito fino a 25800.
Dito redondo a 25500.
Dito preto de primeira quahdade a 25300.
Dito mais baixo a 2*000 Erva mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
tsueruiacete.
O masso eom 6 vellas de espermacete a 600,
610 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prlas para mimos a 45 e 2j500.
ftozes.
Nozes, a hbra 160 rs e arroba a 45000.
Alpista e painro.
Alpisia e paiiico, a arroba 45000 e a libra a
100 rs.
Cartas.
Cartas fiuas parajogar, a duzia a 25500.
Caslanhas.
Cistanhas novas rindas neste vapor, a arro-
ba 45000 e a libra 200 rs.
Azeouas.
B.irns com azeilonas novas a 15500
HtaMift.
Manteiga flor, a,libra a 15000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a
660 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Queijos.
Quei]n<- novos vindos neste vapor a 35200 e f
35300.
Ditos londrinos muito novos. a libra a
15000
Papel.
Papel almaco pautad., a resma a 45800
Dito dito lizo de linbo, a resma a 45300
Dito de |.e.-:. lizo e pautado, a resma a
25300
Dito de enibruilio bom a 15 e 15200.
Vinho Madeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 15500 a 25.
Temperos.
Folhas de iouro, pnanla do reino, cominbo
e cravo, a libra a 4"0 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendeas com casca, a libra a 320 rs.
oee.
Caixees de doee de goiaba, grandes a 15400
e pequeos a 640 rs.
lijlos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Grata.
Duzias do boidos de graxa a. 97 a 2*600, e
de latas a 15000, e os boioes a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos linos.
Charutos Anos dos melhores fabricantes da
Baha por diversos precos, caixas e meias
. caixas.
libra a
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabeleciuientos, que deixain de an-
nunciar-se.
GRADU ARUUlZEI
RIJA OO IMPERADOR X. 40
Juilo m serado em que mura o Sr. 0>tMrne,
Duarfc Almelda A C, receberan de.sua prrla rnromitien-
da o mais linde e variado sortiment* de molhado, proprlos
da presente estaco.
Manteiga inglesa Ma?a brancas
d safra novavtnd uoullimo vapor a 1,000; para sop a melbor qoe se pode desojar,
rs. a hbra eem barj-U a 800 rs. macarrao, taluariru e aleiria a 400 rs. a
Jlaaciga francesa libra e 4OO a caiaa.
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril Vlllin
NOVOS VESTIDOS DE PHAJVTASIA
Chegaran os modtrnos vestidos do dentelle de seda com btxn iM
em gosto e qoalidade : loja das eolomm.--, a ra do Crespo u. a' JT^t^'iZrr.,-
de Vasconcellps L O, suceessares do Jos Meroira Lepes. *,lonl0 Lorreu
Fazendae de bom goste
Para vestidos de senhora
3cpenares corles de seda de cor, de moranse, a frfara* e da sena i rriif
Ditos de blond, e de cambria branca bordados. "r
Ditos de la com barra e grande rariedade era cores e padrees.
Ditos de organdys rom larra
Lindas sedas de'quadros esresseza t minias.
Superiores las lisas com grande rariedade de cores.
Ditas com salpico., com llores e de quadros.
Lindas pampolinas de quadros e de floras, fazenda mieirajuealc nova.
Superiores cssas Grande rariedade de abitare caaes, do percalia a outras maitar aaaadac de gaatx
Pan hwilirii de senhor*
1 j a 560 rs.
Amendoas
confeiUdas de liadissimas coras a 800 rs. a
M0
Anieixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolaeb.inV.as de sod,a de todas as qua-
lidades/a jjfflO.
/ Glioeolates
de toda as qualidades a 10000 a libra.
Presuntos inglezes
dos meihores abricantes a v00 rs., tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados ueste ultimo va^pr a j^fioo.
chegado.s no ultimo vapor a 2^600 cada um.
londrino o,mais fresco que se pode esperar
c de excedante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, ;a retalho.
Conservas malezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinltas ricimente douradas,
proprias para mimos a 900 e i)jaoo.
Oli uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
30 a 20600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem byssoD
o mais aromtico que tem viudo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, taliarim e aletria a
480rs. alibra.
f'OfiV*C
o muito afamado cognac Pal Brandy a l,8oo
rs. a (racrafa e de outras muitas qualida-
desa l,ooo e 800 rs. a garrafa.
COPOS
lapidarlos para agua a
ao e 5,ooo rs. a
duzia, e a o'_e^rrre.-cada um.
V---------^papki,
almaco, grve, peso e de outras muitas qua-
hdades de 2,2oo,a4,5ooa resma do me-
luor.
Papel de botica
de excellente qualidade a 20200 a resma,'
IMPKL
azule pardo para embrulho de l,4ooa2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 is. a libra.
Fumo
O verdadeiro fumo americano em chapa a
Moors. alibra
Vinagre
PRRem ancoretas de 9 caadas a !5,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista o Painco
o mais novo do mercado a 1 io rs. a libra,
e 40400 a arroba.
CEBLAS
muito novas a 10000 o cento na ra do Quev
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carino n. 9
GRAO DE BICO
omito novo a 30400 a arroba e 140rs. a li-
bra na ra do Queimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9
QUEIJO SUISSO
Figera J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Poro
generosos engarrafado das melhores fabri-
cantes da cidade do Porto-a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas sao asseguintes: Chamisso Filho,
F. & M., Neetar ou vinho dos euzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banha a 40000.
BolacMnlia iagleza
a 10800 a barrica da me9ma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120c* A bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
as de 40500 a 0500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranh5o a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de l.' e 2.a sorte do Itio de Janeiro a S05f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Carra fdes
com 4 V* garrafas com vinagre a 10000 a,**
ogarrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, ede H0OOC
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 coa
12 frascos.
GNEKRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeirospalitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a oo rs. a
Libra.
Pregunto
o verdadeiro pre/.unio de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,00o, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas muito novas
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dscc da casca da goiaba
i a 600 e 10 o caixae.
GOMMA MUITO NOVA
;em paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar-
roba el 40 rs. alibra na ra do Qoei-
madon. 7, ra do Imperador n. 40 e largo
do Carmo ?.. 9
BOLACIIINHAS
em latas de defferentes qualidades a 10200
a lata
QUEIJOS FLAMENGOS
Lindas capas e bournoux de caseraira de cor.
Ditas de 15a e de seda.
Grande rariedade de sout'embarques aseda de I8J a 40V
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados finos, de eaebimira ron lislra* o>
seda e de fil preto.
Cammnlias modernas, ruaros brancos o de cores, colletes de cambraia hadas eol-
linhas con punlios a outros muitos artigos. "
Para eabeci de sciktra e laetiiio
ore.
el-
Superiores cliapo* a chapelHna de pallu de Italia eanNeds para aanbora.
Ditos de eliroenfeitados para senhora.
Ditos de palha enfeitados para Menino.
Grande sortimenio de eufeites aoderoo< de retro*, da fraeo de ctodo e i
para senhora.
Na loja das cohmnas da ra do Crespo o. 15, do Aatonm Correto de Vi
los a C
V. O Hl
81-B5JA IM* IME3 BC ilMMl SI
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Co!lo Francisco Jos Leite, lem a sasfaco de avisar aos setu fregtiezes o ao re^*Tfa*t
publico que, estaado restabelecido de seus incommriilns de saude. a,ha->,> n.,%annn^
com um bello e bem surtido armazem de seceos e mnlliados [>rimomsaai>nt^ f como sempre cawicbuu lerdas melhores qualidades. <>francamente afnar.-i
se dignarem comprar em seu eslabelecimento,que alli de prferenci i i outra uu,
teserao mais bem servidos, em qualidade e pregos, como em pesos c medida
sempre o anuunciante foi escropulOiO, em summa, nao illude a pessoa al^unia.
Aos Srs. de engenlio e lavradores que o qneiram honrar como sen n.m'it.
assegura que o i>foducto de seu laborioso trabalho ser o mais bem rejMii.i.io Bo miau
dodesta praca, para oquesejulga convenientemente habilitado pela tonga prctearonv
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteza, *xs d< ae-
rem fielmente' umprido as sitas ordens.
Pornecer gneros aos Srs. agricultores e negociantes que Ihe mereram .-..nfianra n-
zendo timbate vantajoso aos que pagaran a vista suas metradonas. e" en.arrea-s a
venda de qualquer genero do paiz, mediante urna mdica rommissiio. entregando**
promplo seu pr.'ducto, e sendo este appcado compra de gneros em sen amazea
prescindir da commissao.
Dos seus antigos c benijjnos freguezes espera oannuncianle sua valiosa proteo .. fra-
qnentando como outr'ora sua casa, e pelo reconhecimento que Ihes tributa oflertr* xpoa-
taneamente seas servicos.
Julga desnecesario publicar a tabella dos pregos de seus gneros: na mm n nnm
garanta sulliciente de poder accempanhar os menores precos de Meniiroa e me de
mais apparatosos estabelecimenlos, temi somente em vista o augmento o> diarias.
Prevenco neeessaria.
Tendo sido o propietario estabelecido muitos annos com o mesmo ranu
CO ru mesma ra. jolya prudente advertir tem declarado no que disser respeito ao ainia/.em.
e >c
r. spwnsabiljsa pe ejne
1

>
1-SIUA VM* IMPERAIIOK-JHI
Segunda casa do lado direito indo do paleo do (Jollm.
U ^"^^'"TSiRUXi*fBOS:;Vj'"*^P*'/ >' v-',-' y* *x< *** *^v
immwxmmmm
FEITA
no
ARH1ZEI
DE
^ &*
>&t>

Pechincha aein igual.
Lindos cortes para vestido do percales de cores
claras e escuras com grande variedade de padres
pelo baralissimo prego de 4$ o corte: na luja das
c lumnasrua do Crespo n. 13, de Antonio Cor-
rcia de Vasconcellos A C.
n !maH S S", a. llbra na rua do ichegado-sneste ultimo vapor a 2J800 na roa
,"n- 7 ruand0Imperador n. 40 e do Queimado n. 7, rua da Imperadorn.
laigo do Carran. 9 | 40 e largo do Carmo n. 9.
fr.a,,a,liS PrPnelari08 do grande armazem o Verdadeiro Principal declarara aos lena
SSS am,g0S e ao publ,co era geral' * Para facilitar a commodidade de todos es-
tipnlaram os raesmos precos nos seguintes rogares:
0 Verdadeiro Principal rua do Imperador n. 40
NOVIDADES.
Queijos do Uentejo. ditos das ilhas o mais freseo que so pede dese-
jar a 1,5200 a libra, e sendo inteiro ter algum abatimento, ricas caixinhas
redondas enfeitadas, proprias para mimo da festa pelo barato prego de 4
cada urna, ricas caixas de figos tambem proprias para mimo de 800 14500
cada urna. Vende-se nicamente no armazem Verdadeiro priacipal, rua do
Imperador n. 4.
MTREXSO VERJOE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de ronpa
I todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade do*
| rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 35$ e 30(5000 Ditos de setim preto. .
Sobrecasacas idem, 305 e 25,5000 Ditos de aitos e H^ ipj,-,
Paletos idem e de cores, 25|, G5 e .
20,5 15^ e.. 105000 Ditos de'gorgurlo d sed
D,tfs de casemira, *, 155, I pretos e de cores, fi5. W e
125, 105 e ... 75000 Golletes de fust5o e brim bran-
Ditos de alpaca, 55, 45 e 35W00, co, 35500, 35 e .
"t, Zpretos: *.": o*5SS5 b **
Ditos de brim e ganga de c- 'ivSa ---^- i^ *
2 Camisas de pe.toa de linho,
im 45, 35 e. .
Ditas de madapolao, 25500,
550O0( 24 e......
- .' Capeos de massa, pretos fran-
75O0t cezes, It5, 95 e. . .
75000 Ditos defltro, 55, 45,35500 e
4|000'Dil.<,?..>l. de seta, 12#,
fcila de
res, 45500, 45, 35500 e. .
Ditos branco de linho, 65,55 e
Ditos" de merino preto de cor-
dao, 105, 75 e.....
Caigas de casemira preta, 12#,
i5, 85e......
Ditas de cores, 95, 85 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 55009 e.....
Ditas de prineeza e merino pre-
to de cordio, 45500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 55, 45500, 45 e
5J00t9
45oeol
25500
nJn
15400
25500*'
, 115, 75 e.
Collarinhos de linbo fino. oKi-
ma moda duna. .
Sortimento completo de fraga-
tas.
Folha de Flandres.
Vsnda-M na fabrica da traressa do Canora '.
", cis do llamos, superior folha de Flandres: (a
ver e tratar oa mesma fabrica.
P0T4SS4

Vende-se potas*, em barris a commedo prego o
na rua da Cruz n. 23, prinaelro adir, eseriptori:
de AMoaia de Almelda Gnet. V
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
li.5 a lata : nos armazerrs da rua do Im-
perador n. 16 e rua do Trapiche Novo n. *g
Venw-3e saperior vinho do Porto em etixas de
I na darla : em casa de Johastoa Pater 4 C, rua
o A'P" 3.
25500
Ditas de ganga de cores, 35 e 85500. Toalhas pera rosto, duzia < f #
Colletes de velludo preto e de | e .
cores, 95 e.. 7|O0 Cbapos de sol, imk/m. >r
Ditos de casemira preta, 55 e 45000 tos e de cores. 7/ .
Ditos de diUs de cores 55 Lenges de bramante de linbo
*# e '........ 35500 Cobertas de chit chineza.. .
m
8|500
2J000
65000
I
65000
45000
35000
25500
\
Superior cal de Lisboa.
Vende-se superior cal - Jfr&g* a mais nova
que ha n= mercado, tanto em porcao como a reta-
Iho, por barato pr-v,, aGangandu-se aos compra-1
dores uperior qualidade : a tratar as segnities
ras : Crespo n. 7, Imperador n. IS, Porte do Ma-
tos, armazem do Sr. A villa, defroute ..trapica
"* algodan.
Vinho do Porto uperior
em barris de oitavo e dcimo, ende Antonio Lnit
de Albnqnerqiie Aevedo & C.: aoteo escriptorio
roa a Cruz a t
14-Rua Dirdta-14
l'nico depesito do rap imperial do fabriraan
Isaac Esnaty ; amanea a sua boa qualidade e ser
superior ao rap de Lisboa e ao rap ara prela.a
prova faz f : vende-se a relallio a lia libra, f
em porgiio de 10 libras para mais a 8(0 rs.: tam-
bem abre crdito aos compradores em conta cor
rente. ______
Parte de engentan.
Vende-se urna parto do engenho Itahenga
sito na fregoezta de Pao d'Alho: quem a
pretender dirija se a osta typographia onde
te dir cora quem so deve tratar.
Vinho do Ptrto etpmmL
O msn generosa r (rrauino rinho do Porir, rar-
cas novas e esperiaes, em raninba* > 12 rarra-
fa, sendo marraRainha de Portikfal a tPftm
a caixa, e marra Pedro V-a 1: em MtHn
ar-se-ba um abale raroavel r.o arr. >*m ir >r-
relra t\ Madama, junto ao arrt> da 'Vn.n. >.
b6. No ini'uio armairt ha lainlrm eirc,|rk>
inlM>do Porto em anroaetas de :t parrafas a 30$
cada nnn, e em porraa por meaoa al|
Taorrio.
Vende-se nma taberna na ma da Ef _.
Vi (Soledade) em muito bom logar, mallo f pr*
para principiante ; a tratar na aMMtt.

-


\
- ~ --

*

lilil de rr*Mt ae exta ielra SO e Drifiihio de 114.
MAGNIFICO SORTXMEJVTO
0
DE
MOLHADOS
NO
CRAIDE ARMAZEM
DA
GO -Hti NOVA o
Casa da esquina junio a ponte da Boa Vista.
MUITA ATTENQO.
AO PUBLICO
Hcm o menor eonstran-
gimento se entregar
Importe do genero que
nao agradar.
ATTENCAQ
Os preeos da segnlnte
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajuste de coutas
com os portadores.
I Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a f:
* dos cabellos.
A ayo* florida n5o urna fimrr-1 r
nal a coutesur, a mesma agua d-ueo .. <* \
liva ao cabello. C<-nipnta d p> >bi re-
de substanciar- incflri;.-iva, rlia lea ;<
de restituir aos rabeiloft o pnnci| : rm
les lem perdido. I dina SW iidr tonal
vel, a Agua Florida tatfi I ni i
de.-iroe as caspas e iwirit.- t ra
Oleo p Fifi!'
Composto de substancias vegeta,
conslitde poderosaoirr'" rom a A|u fhjSB, <
I torca, a belh xa e a conservarn di
Em Par;.-, rasa de tantear n. 12,
lien, e 21, bonlevard Minin.;-'"
Todos os frascos, nao tem" mi .
timbre prateado da casa, >o reputa)
Dt-pOMio, na do Imperador. ;
RA HA CA13EIA DO REIFE W. 53.
(Logo passando o arco a Concfico)
Grande rednceSo de preeos, equivalente a dez por cento menos do que entro qnalquer
annnnelante.
LINDOS ENFElTJuS
T 1
USCfann para a* tojas do Brija ilr SaSn ,*
eites a Mara Pia o a anbalJi. <
i mais liados que lem vindw r r
1 novos: as lujas do Beija Flor ra J fiw
! n. 63 e 69.
SiBtOepara senhora a Maria I,_
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o preco da manteiga ngleza a l.ooors. a libra, bem assim o de ontros Chegaram tarubem ii, j^s.j,
tnuitos objectos etc., dando com islo ocasio a todas as espeluncas acabarera por bom preco a manteiga de tempero, e gritaren) em pedra a Maria Pa, os mais ifcMtaa ,
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo!!! Ora, eu offendido com estas bscuridades e receioso em adoptar o mesmo * JJqJJJn; | "6S9 "* u *
Parece que o respeitavel publico se achara bastantemente convencido de que a systhema que vira encontrar, de so se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reduerao de preeos, como veris Pentcs fc ^
direceso deste importante estabelecimento lem sido sempre caracterisada pelo raaior pela segumte tabella, po.s como sabis ca pelo meu ba.rro a e a abertura do momoravel armazem de mdbsgsU^ottMartd tito Lind(is p,nl,s UIteI|!a J
costo e ranricho nao & com relacao ao asseio suoeriondade das meicadorias, como se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a I.Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que
com todas ,estao obrigados, encarando todos os das de seus freguezes reclamado de preeos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado deste novo estabelecimento. para lhe vender gneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu Cm
t5o smente obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
-
na sinceridade do trato e mane iras altenciosas dos empregados da casa para
aquellas pessoas que se dignam de frequenta-la.
Muitas senhoras pernambucanas e estrangeiras, cujo trato ameno e delicado nao
pode ser concedido a qualquer individuo no recinto de um estabelecimento da ordeni
da Liga tena vindo possoalmenle pefazer as suas despensas nesta casa e voltado asss
satisfeitas.
E' preciso fazer desapparecer desta importante capital estas nojenlas tascas cbeas
sempre de escravos embriagados, onde as chufas sao jogadas sem respeito.
O importante e magnico armazem da Liga se acha felizmente muito fura,
dessas condiocoes. E' necessario v-lo para bem se prestar crdito a nosfaspalavras. !^anlega ngieza (safra nova) especialmente
A^mercadoria nunca ser bem comprada se ella nao fr de boa qualidade- El escolhida a 8oe rs. a libra, em barril se
sobre este ponto que chamamos a aUcnfo das pessoas que nos qui/erem honrar com j faz abatimento.
a sua freguezia; porque o nosso grande estabelecimento se acha completamente prov- [,jem franceza a mas nova que tena vindo ao
do de superiores gneros, que em sua mxima parte foram comprados a dinheiro mercado aStio rs. a libra, eembarrou
vista, e recebidos directamente de Londres/ Pars e Lisboa. meios a 5oo rs.
Ninguem se acha entre nos com mais proporooes para vender barato. Cha hysson de superior qualidade a 2,6oe rs.
As pessoas que compramipara^negociar, ariara muito bem sequizessemsecer-1 a iiDra>
lificar do quanto liavemos expendido pro.urando afreguezar se com nosco. i(jem perela o mais superior do mercado a
N3o duvidamos vender a crdito a quem nos der conhecimento de sua probidade. j 2,800 rs.
dem huxim o melhur que se pode desejar
* .Amendoas confeitadas em ti asees de vidro, ditas cpm casca mole
e dura Ameixas francejas em frascos de vidro, ditas em latas,
ditas em cartoes, ditas a varejo =Alpiste e milho miudo.As-
sucar refinado lino, dito baixo. Azeile doce em barril, dito
em boioes, dito engarrafado, dito francez e portuguez refinado.
Arroz do Maranh3o, dito de Java, dito da India, dito do Penedo.
Azeitonas de Lisboa, dita do Porto Banha de porco em barril
dita em latas, dita refinada em barril e latas. Batatas emgigos,
dita em caixas, ditas a varejo.Bolaxinhas Onas de diversas
qualidades, ditas de soda, ditas para lanche, ditas americanas.
Biscoites inglezes, Mixede, Meduia, Cabial, Seed, Soda, Cuddy
Cracknel, oval Ihim Lapitam e outras mais, dita* de leite de
Edimburgh,etc.Cafe do IUode i.*, 2.* e 3. qualidade, dito
miudo.Cha, o que ha de uielhor existe em nossos armazens,
uxim, miudo, dito hysson de 1.a, 2.a, 3.* e 4.a qualidades, dito
prelo horaeopalhico, dito commum.Charutos Mnssissipis, ditos
Panetelas, ditos regala imperial, ditos suspiros, ditos delicias,
ditos Napeleoes, ditos Parisienses, ditos apraziveis, ditos lancei-
ros, ditos imperiaes de diversos fabricantes. Cliourjcas mou-
riscas diLi-boa, ditas em latas.Chocolate de diversas qualida-
des e de diversos fabricantes. Cerveja Basse, dita Victoria,
ditas Alesops, dita tenenle, dita II, dita XXX, dita em barril
j mais modernos por senm tfcrgMM
apor : s as tejas do I-.t ..a t < 1 UM <
ado d. 63 e (V.
ka
Senhores e Senhoras o aceio que presidie, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromptid3o e entei-
reza com que serao tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me darSo a proteccao e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratices, pois
serao to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendac3o, afim de que nao vao em outra par te
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati- Antonio de Lisboa em latas com 6 libra8
branca e preta.Conservas inglezas, dittas francezas, dittas ali-
menticias.Cevadinha de Franca. Chanpanha superior de. di-
versas marcas.Cognac inglez, dillo francez. Ceblas de Lis-
boa em molhos, ditas em resiias.Copos lapidados para agoa
ditos para vinho. Doce de calda em latas de diversas qualida-
des, ginja, alperch, pera, pecego, doce de goiaba, em latas ditos em
caixoes ditos em frasco de calda de assucar, ditos de cognackErvi-
lhas em latas, ditas em casca, ditas sem casca.Esperm; cele de 5 e G o
maco.Figos em latas de 4 e 8 libra lindamente enfeitadas, ditos em
de diversas
caixas grandes e pequeas em barril. Farinha de trigo
marcas, dita de araruta, dita do Maranho, dita do Aracaly Fumo Copos lapidados para a gua a 5,oooe 5,5oo a
neste genero 2,6oo rs.
dem prelo bomeopalhico por ser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra,
dem hysson, huxm e perola mais proprio
para negocio o l,6oo, l,8oo e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se vende em outra parte por 2,4oo
e2,too rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, ermeticamenle lacradas a 5.5oe rs.
garant-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e 1,5oo e Goo rs. a libra.
Queijos flaraengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a l,6oo e l,8oo rs.
i dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs, a libra entei-
ro se faz abatimento.
hiera prato muito fresco a 8eo rs. a libra.-
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e Cavas portuguezas em latasj pre-
paradas a G4o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
a 5Go rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
ment.
Caf do Bio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Ceara de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranho a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco ealpisla a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas dele 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarrao e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse (im.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 48,ooo rs.
por 2,oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes emlatas
de 3 libras por i,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por l,2oo; ditas em caixinhas de deversos
lmannos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, e l,8oors.
Azeile doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a Soo rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa cora 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. fraseo e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Melho inglef em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos mclhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4 00 rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a 1,00o rs. e II ,00o a duzia-
Palitos para dentes a 14o e IGors. o mago.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
a o- 9
1 ai 3
w fi feZ,
<. zr. se x > *-
as c O O 1
-1 c.c m
S s STaTc.
3 C ui C
----- 13 J------_
O. J3 C
~ 8 % 5 f
3 = =:. = 1. b
er c. = 2 3 S
5- 5 S
5? cv> m
~ a -
o =-:? -
1
P .
= < f- ~ --

"2 m
m -
^^n WZ Z ? C *
Sr*3 3 5. =, - - =. =
^- S r;

t -
3"* m u ro
ce

a o
-1 -5
CD '
1
I I *
o S-5
ii
<" B 5:
ai c
; a<
C
2 E^
%
i
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, Cerveja brancae preta das marcas mais a-
crediUdas que vem ao mercado a 0,000 e
garrafa.
rnl
l
do Bio em latas dito em rolos, dito em lata (do Para) para cigarros.
Genebra ingleza marca gato, dita dila em fro.-cos, dita e II llanda em
frascos, dita dita em botijas, dita de Hamburgo tm frascos, ditaem bo-
tijas, dita em garrafes.Giaxa cm latasLimonada de diversas inic-
ias.Licor ingle/., dito francez, dilo aliento. Manteiga iugieza llor,
dita de 2.a qualidade, dita de 3.a, dita de i \ dita fianceza de 1.a qua-
lidade, dita d'ia de 2.aMassas p.ra sopa, macan ao, talharim e aletria,
dita cstrellinha e 1 evide branca e amareila.- Marrasquino de zara de 1.a
qualidade, dito 2.a dita, dito 3 a dita. Maimelada muito fina.Molho
inglez, dito francez.Moslar a ingleza, dita irancvza. Presuntos in-
glezes para fiambre, dios americanos, ditos doPoito para tempero,
dito de Lisboa. Passas de Malaga, ditas de Corinlhias para podim.
Pomada do P rto.Pimenta do reino. Peixes em Utas, fcavel, curvi-
na, pargo, espada, congro, chermy preparado pelas melhores artes de
cosinha.Papel greve branco, dit paulado, dito alniaco, dito de peso,
dito amarelloPalitos lixados para dentes, ditos ditos com flores, ditos
americanos, ditos do gaz.Queijos inglez e londrino, dito flamengo dito
piato, dito suisso.Bap Meuron, dito francez Sal me em latas de i
libra o melhor que aqui tem vindo. Sirdinha de Basse, dito de A.
L'Auile. Saho nacionol, dito massa e nao massa, dito inglez. Sal
nacin il, dito inglez a varejo, dito em vidros.Toucinho d Lisboa e
PortC, dito de Santos.Tijolos para limpar facas Vinho>, nesle gene-
ro os nossds armazens lem o melhor soitimmto que se pode im ginar,
duque do Porto, lagrimas do Douro, C mes, Bocnge, Maria Pia, i).
Luiz, Pedro II, Malvazia, Madeira, Cherry, Bordeaux, tudo engerrrf do
Prevenimos o publico de que no armazem da liga stem vinho engar-
rafados no eslrangeiro, dito em pipa do Porto, Lisboa, Figueira e de de te,
dilo em b rr de todos os p*eg> dito em ancoras, dito chamisso mui-
to proprio para casa particular em bjrriluihos com UO garrafas por
preco a satisfazer o mais exigente comprador eu,quanto a qualidade
garantida por nos e peles seus importadores, dito em caada por preco
baretissimo, dito, branco para mi>sa.Vinagre puro de Lisboa, dito ham-
burguez, dito em garrafes. Vassouras do, Porto, ditas americanas.
ATTENCaO EXCELLENTtSSIMAS SENHORAS
duzia,
Chocolate francez, suisso e hespanol a 9oo
l,ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacele em caixinhas contendo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualiiladqg(gnibem tem
de 12 por libra prnpria paracpro.
Peixe em posta sovel, corvina, OTs. pesca-
4oo e5oo rs. a garrafa, em caada a 2,800
3,ooo o 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia do 9,ooo a
10,000 rs. e a 9oo e l.ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 0G0 rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
da, salmo, ostras echernee, vezugo em' Bolachinhas inglezas as mais novas domer-
latas grandes a 800 e J,ooo rs. cada urna, i cado a 2,800 rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Uordeaux das marcas mais acredita-' libra,
da? que tem vindo ao nosso mercado a'Bolachinha de soda emlatas com diversas
6,000, 7,ooo e 8,oeo rs. a caixa, garante-! qualidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. para mimo a 64o rs.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
o,7oo rs. a frasqueira. libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
dem de laranja verdadeira de A'tona em Figos de comadre a 24o rs. a libra e
fChals de fendag ExcelleBtissimas achato de reudajg
de jbhU bom m de muito bom S
I osto. Excellentissimas osio.
Para mlssa do gallo
A leja 4> ra do Crcsp a. 47, de Jss Gomes Villar.
Recebeu de ParU chales pretos de renda o que ba de mais chique, para as Ex-
feeentissimas senhoras levaren.
A misw do gallo
com os seus vestidos trancos, pelo procede lo'e 20*111 adiravel pechincha I
Vestidos a Maria Pia de diversas qualidades, caraces, capas e soutembarques.
frascos grandes a 1,000 rs. o basco, e
H,ooors. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes.: loo
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
5,5oo a duzia e 48o rs. a
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Babia e das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,ooo, 3,ooo,
*3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l,oo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de "4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixoes a 600 rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito freseas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,500 a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,000. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
Irritacao dospulmoes,
Angina, tosse,
Escaos de sanruc,
Crupo 011 garrotilhf
Catarrho, ronquidfio.
e todas as innuroara\eis m<>>|ias qu 'r-
lectam aos urgaos da respirad.
DESAPPAIthCKM
mediante a act.o da bsmmi 1 *?t.
ANACAHUITE
1
AGENCIA
DA
AGENCIA LOW-MQOI.
Kua da Senulla aova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sormento de moendas e meiat
moendas para engenho, machinas de vapor
e lachas de ferro batido e coado, de todos 01
umanhos para ditos. _____
Arados americanos e machinas para
lavar rovipa: em easa de S. P. Jolmston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42. I
Fabrica Conceico da 8
Bahia. i
Andrade k Reg, recebm constante- S
| mente e tem venda no sen armazem n. fH
i 34 da ra do Imperador, algodao d'aquel- y
H !a fbrica, proprio para saceos de assn- _]
H car, embalar ai;odao em pluma etc., etc., |H
MB pelo preso mais razoavel.
SOBTIMENTO PARA A FESTA
NAZEIt CONSERVATI
Cylindros para pada
, ria.
Na padaria ja ra Direjta n. 84 ha para -ronder
os conhecido e ftmdM-tM eyhadros amananos
ESPEHA^\
Recebeu correntes de ac polido e finado para
relopio, leques desndalo, sint"s de elldo de co- ferro COado libra a
res o mais Lobio que tem vindo ao mercado, lune- U(jor Hhra a 120 rs
ntei-
Rna da Senzalla n. 42.
Veode-se, em casa de S. P. Johnston C,
sellins e sitboes inglezes, candieiros e cast-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
onro patente inglez. ________________
Roa da Senzalla Iova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tac> i
UO rs., idead eLon
Vende-se
,.n ."mnig rhpraiin tas de tartaruga, bfalo e de ac donradas,
para Irabalho de padarta, atlnnamante ehegaao. .^ myoo'moMio ,uvas^de pe_ pretai!>
v_nj ._ u-inic rtWM m nprnie-'de cores e brauca?'Kraxa econmica, tinta com-
venaem-se imvum uvws, m v^y mHnicativa para escrever e copiar, dando provas saperior farinha de mandioca,a bordo dos brigues
as e glandes Cuantidades, a preCO COm-i^^ig^g^s ^ escripia, adfreer CMWfm, scunas Principe, D. A/fnnso e A'o Set, atracados
modo : 00 Sitio do Sobrado atraz do Am- botos amafeu para puohos, briaeos balan doura- ^ rae< do Bario do Livrampntn a tratar a bor-
dos, enfeiles moderos ele. : na ra do Queima- _o, oa no largo do Corpo Saato n. 4, primeiro ao-
23Largo do Terco^~23.
Joaquira Simo dos Santos, dono deste armazem de melhados avisa aos amigos do bom o ba-
rato que se veoham sortir dos bons gneros este esiabeleciment que uao se arrependero, se lhe
(ara a differen5a.de 10 a 20 por cento, pelo seu prompto pagamento ; e por Isio se faz annuncio de
ilguns gneros, que tendo sempre este estabelecimento um grande e vantajoso sortimento de tudo
juanto pertencente a este estabelecimento.
Sentido! You fallar con o Ccnservativo !!
Queijos mais novos do mercado a 24*00 e 25800.
Servia das melhores marcas, tanto branca como
preta a 300 rs. a garrafa e a duzia a 5800.
Sabo amarello massa a 180,200 e 240 rs. a libra.
Charutos da Babia dos melhores fabricantes de
1^200, 2000, 19390 e 3f a caixa.
Milbo alpista e painco a. tflOe 140 rs. -libra.
Vinho de Figueira verdadeiro a 500 rs. agarrafa,
dem de Lisboa das melhores marcas a 400 a dia.
dem do Porto em. barril superior pinga a 640 rs.
dem branco proprio para missa a 500 rs. a dita,
dem do Porto engarrafado a 800 e 14, tomando
mais de urna caada da quaJquer um desies lera
grande abatimenio.
Conservas inglezas e portuguezas a 500 e 640 rs.
Bisceitos e bolachas de soda a 14400 e 24-
Massa de tomate a 600 rs. a libra.
Genebra de Ola ida em frascos e botijas e de la-
ranja de 480 a 640 e 14200.
i_ioaricas as mais novas a 360 rs. a libra.
Latas>com 1 e meia libra de ameixas a 14200.
Azeite doce de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 34 o
galae.
Manteiga ingleza de 1' e 2' sorte a 809, 900 e 14
a libra.
dem franceza em barril a 600 e 640 ris a li-
bra.
roucinho de Lisboa, a 300rs. a libra e 84800 a ar-
roba.
Batatas em caixas e gigos 1J200 e 24000 a ar-
roba.
'.af de primeira a segunda sorte a 250, 280 e 300
rs. a libra.
utoz da India, Maranho e Java a 100 e 80 rs. a
libra.
Phosphros do gaz a 24 a groza e 180 rs. o maco.
*assas novas a 480 rs. a libra.
Velas;de carnauba Aracaly composigao a 400 e 440
rs. a libra.
Massas para sopa a 480 e 440 rs. a libra.
-armellada dos melhores fabricantes de Lisboa de
1 a 2 libras a 640 rs. a libra.
Cb hysson o melhor deste genero a 24800 a li-
bra.
dem perola mmdmho a 24500, 24000 e 34000 a
libra.
Banha ingleza al va e saperior a 480 rs. a libra.
PEITORAL de KEMP,
a nnacalmitn mtxicann, i\w A.\
especial esto incomparavd reu ubm
arvore. cuja oudeira por bu
da u>ado no Tampicu para a c
fonnidades cima iieiKiooauas. i-i imu
bem ensaiada o approtadi \ U ickIi,b-
medka de Berlim.
O peitoral de Kemp > un rw ,
cioso inteiramenle Bvre de 10 ln bj-
drocianici e*outros agre i
A' venda as drugueiras ib- Cali-
nosa, Bravo & C o todos ofl 1 4ab
tos nharmaceulicus do imper.0.
fer
Vndese doce de caj s*cro a r Urjj
mais barato do que em entra faalMMf piarte, ta.i
to a relalho como em grande |'urr".,>. a| tm^ti 1'
de encommendas para fora da provincia
precisar, 1rija->e a ra Augusta a. 61. a q
hora do dia.
ESCRAVOS FUGILCl..
Fogio silibado 26 de o\rir.I r irmn
sado o e*cravo pardo de nome Amonio. 4t \4.
de 20 annos, pouco mais ou nt-m 5. na 1
naesseguinies : magro, altora ftpKt, mam,
prido, nao lem barba e com ha-lanie varr >< #
hexipas, falla branda, foi ecravo p ni >
Joaquim Cavalcanii de Aibuquerqur i ri %-r
Arat'iiari da fregnezia He Barreiros, enirrfaTj..
ola cidade cm vender agua, porm a< d< ie:*>
e das santos andava raleado, de palatal kr.1.1,
chapeo do chile e hengalisha fina, ri.psia ;#
intiiulava de ser livre, quando fugio __* a alo-
mas pessoas a quem venda agua, que -efiiu f ai.
Barreiros, e que somenie vi liava epoh da mn 1
do natal : roga-se s autoridades p-MM -p
lies de campo de o apprehei derem e mavilarca
entregar na ra do Qneimado n. 77, a .Vrtaedi-
Jos da Silva, que recompensar crin !W4.
Vende-se um comometro maritimo inglez do
melhor fabrican Charly Frodshan, aflhncamto o
sen regulameato, por diminuto preco: a tratar
na ra Nova n. 21, leja de Francisco Jos Gar-,
mano.

paro.______________
Globos vara eaudlelros a gaz.
Vende-se no armaxem de louca de Duarte, Pe-
roiraAC.,rBadoCrw|>o n. !, por preco cw-
jaodo.
do, lija de mmdezas n. 33 A.
Faral superiar de Lisbaa a || o ucee.
Tem para vendar Antonio Luiz de Olivaira Aze-
vado & C. d,o sen eteriptaria na da Cruz o. 1.
dar,escrlplorio de Palmeira 4 Beltrao.
Vendem-se ebarutos da Baha de varias qua-
lidades : era casa da HoBkard & C, ra do Tra-
picha a. 41.
"1
Tinho de Porta
Yende-se saperior vinho da Porto, em barris de
vigsimo, em easa da Ferreira & Malain, aa roa
da Cadeia do Reoife n. W.
Jlssicar eryslalisaio da fabrica
SI de Julho
Vz Babia.

Noa/roaiem* roa da Madre de teas n. 28,
ha venda o r.elto soperiar asawar arysulisado,
em saecos e i arrobas, ao preco de 8| cada ar-1 Pilar nrl3, primeiro andar,
rib.
No da l de deiroabr de I8t>4 fugin aV <.-
deseosenboro escravo Flwculano. pardo emrp.
com 35 annos, alto, mMKm carapinbo. <
orethas peqsena*. tem a|ienas bif.Mle e pera, ptr-
nas e andar de quebra-mangne, lend^i o p e-^ut.
do mrto e sahido para fra romo pata de en. e
p,ir isso pnxa algnma eonsa pe Pj i'a*.
anda, levoa vesiido caira branca remendada a*
misa branea, levando chapeo de palha. mnfr>
iaoalmente toda ronpa ane pos-, $nri-e m
dar aqui mesmo pela cidade: qaem pairar lae-o
a ra Bireita . S4, tu sari yereaaaiata re
compensad*
Escravo fgido
Fugio 00 dia 2 de junho do crranla aaao o *-
cravo Joaquim, rrioulo, de 20 ann^s de i'tade. moa
os signaes secnintes : alio, magr". Cira meia re-
donda, cor fula, com Bma qoeimadora a* ro-ia a
lado direilo, rendido de ama verilha, aaaaa a.
nede-sa aes Illms Srs. subdelega* da Vanea.
Peres a Afogados, Pasagem da Wagdaleaa. ifna-
rasstl e maifrefnenas,em aeivfcar i***
campo, que o arpreheadam. une erie. crata
pelo abaJia awifKd_, aa Fra de P^rta,
Manoel a Silva T*r*--


\
/

V"

Diaria ^.
profundo silencio. Eu entrei em casa milito triste
e disse ao Sr. Goulden :
O sorteio depeis de amaoha.
oh aprovetam bem o tempo, nao ha duvi-
da. O negoci de pressa.
E fcil imaginar a minha afflicgo durante esse
da e no segrate. Nao era senhor de mim ; per-
in, salvo as suas familias.
Dizia-me s vezes o Sr. Goulden, quando estova-
mos sos a Irabalhar:
- Se os ijui nos governam, e que dizem que
Deus os mandou a esle mundo para fazerem a nos-
ia falieidade, pudcssem marinar, no principio de
i campanha, os pobres velhes, as desgranadas
mies, a qucm roo lacerar a alma o as entranhas,
se pudossem ve/-lhes as lagrimas e oovir-lhes os
gemidos no momento em que Ihes vira dizer al-
guetii :
O sen filho est morto___nunca mais o vera.
Horren debaixo dos ps dos cavados, cu esmga-
lliado por urna bala, ou no hospital, em trra es-
tranha, depois de ter sido operado, sem consola-
giJes, sem nada, quand.i chamava por si rom toda
. ornara de filho... se pudesse imaginar as la-
grimas dessas mcs, parece-me que nao haveria
anj tao brbaro que fosse capaz de continuar a
guerra.
Mas ellos nao pensam em nada. Acham que os
luiros nao amam os seus lllhos tanto como elles.
Cnganam-se. Todo osea grande genio militar, to-
tal as suas grandes ideas de gloria nao sao nada,
I i que s ha una cousa que deve levar ao corn-
il' um povo inteiro, homens, mulheres. velhas e
r-rancas : quaudo se ataca a nossa liberdade
i (.ui em 9i.
Entao morrem todos ou triumpham todos. O que
fica atraz um cobarde, porque qoer que os ou-
trds combatam por elle. A victoria nao para al-
gutas, para todos. O filho c o pai defendem a
ja familia. Se morrem 6 urna desgrana, mas
morrem pelos seus direitos. Aln est a nica luta
I usa, de que ninguem pode queix.ir-se.
Assiin me fallava aquello santo homem, e eu
lensava exactamente como elle. Mas de repente,
im H de Janeiro, pregou se um grande aviso na
casa da cmara, em que se lia que o imperador ia
levantar, com um senaius consulto, como ento se
di:ia, primeiro 150:000 retratas de 1813, depois
'QO cohortes da primeira coHvocaco de 1812, que
i. se juigavam salvas, depois 100:000 conscriptos
de 1809 a 1812, o assim por diante at ao fim, de
aneira que lodos os buracos sriam tapados, e
que as leriamo; um oxerctto malor do que antes
de ir a Russia.
Quando o vldraCeiro Fouze veo, urna manhaa,
dar-nos noticia d'esse aviso, estire quasi a perder
os sentidos, porque disse commigo :
os paes de familia desde
LITTERATDRi.
HISTORIA D lII COXSCKU' 10 DE 1813.
POR
Erckiiianu-Chalriaa.
Alguns das depois, annuucou a gazeta que o dia a cabega ; va a cada instante aproximarse o
.^rndoresiav.em Par.se que la ser coreado o momento de deiiar aquella trra. J me pareca
re i!e Roma ea imperatriz Mana L.iiza. maire, nnfl fim,. ,.0i.ic ,,. ,, ...
.... tl<", ,H'a peas tlore>las rora.com os policas a raz
, : ,cto e os eouselhe.ros mumcpaes nao falla- de nijm gr|(are|n A _
ramsenao.dosdire.tos do throuo cate foi fe.Uo pois pensava na dr de Camarina, da ha Gredel e
,ii i). curso expressamenle na sala da casa da ca- ,io Sr ;oni.t,.ii n,m. .
i uuor. uouiuen Algumas vezes pensava marchar
!Dara" .' a as lileiras com muitos outros infelizesa quem
O professor Borgnei snior fol quem o fez, e -egiitava : Avancar bayoneta I e iio em
qaeu o leu foi o bario Parraenlier. Mas os ouvin- quanlo as balas iam derrubando eompanhias intei-
lefi nao se commoveram, porque todos receiavam o ras- Eu ouvia o zumbido e o assobiar desss ba-
novo recrutatoenlo. Bem se sabia que haviam de as* Emf.m o meu estado era lamentoso,
r precisos muitos soldados, e isso dava em que Socega, Jos, dizia-me o Sr. Goulden
...mar a muita gente. Eu emmagrecia a olhos na" ,e afflijas assim. Lembra-te que de todos os
vistos, O Sr. Gi'ldim dizia-uie : recruias nao baja lalvez dez que possam apresen-
No teuha medo, Jos, t nao podes ir. I.embra- tar lao Doas raze. como tu para nao entrar no
t<; que una crcalura tao coxacomo tu s Dcaria no sorIe,- Sena preciso que fo*>e ceg o cirurgio
eaminlio no p'rimeiro da de marcha. j 1ue le mspeccionasse. E eu ainda hei de Ir fallar
Mas com isto od me serenava o Sr. Goulden as'eom scnnor commandante da praga. Socega.
: lobas nquictacoes. I Estas boas palavras nao podiam tranquillisar-
ia ninguem se lembrava dos que ficaram na Rus- me- Foi assim 1ue Pssei duas nouts em extra-
ordinarios transes, e quando chegou o dia do sor-
,eio, que era urna segunda-feira pela manhaa, es-
lava tao paludo, lo abatido, que todos os paes dos
recrulados desejavam urna appareneia como a mi-
nha para seus lilhos.
Aquelle diziam elles tem probabilidade de
escapar. Nao agenla urna marcha..... Ha ho-
mens que nascem debaixo da influencia de boa
e.-trella!
VI
Tinha que ver a casa da cmara de Phals-
burgo na manhaa de 15 de Janeiro de 1813, du-
rante o sorteio. Hnje cusa ser sorteado, ser abri-
gado a separar-se da familia, dos amigos, daaldeia.
dos bois, dos campos, para ir aprender, sabe Dous
onde -Vm... dous!... um... dous!... olhn a
direittt... esquerda... firme etc. etc.Custa,
verdade, mas torna a gente para casa ; pode se
dizer com alguma confianza : |. Daqui a sete an-
nos, tornarel a ver. o meu velho nlnho, meus paes
e talvez tambem aquella que muito amo... Terei
visto o mundo... terei mesmo ttulos para ser
guarda florestas ou soldado da polica I Isso con-
sola os que nao sao mus de contentar. Mas nesse
tempo quem tinha a desgraca de flear recrutado
bom sabia que mutas vezes de cem nem um vol-
tava a casa. A idea de partir definitivamente nao
podia melter-se na caheca do ninguem.
Ora, nesse dia os de Harberg, de Garburgo e dos
Quatro Ventos deviam ser os primeiros sorteados,
depois os da cidade depois os de Wechem e de Mit-
telbroner.
Levantei-mo de madrugada, e com os cotovel-
ios sobre a banca do trabalho, puz-me a ver desfi-
lar toda aquella gente : rapases de bluse, pobres
vemos de barrete de algodao e niza, velhas de roa-
pinhas e saia de laa, pallidos, abatidos, curvados,
de pu ou guarda-chava debaixo do braco. Iam in-
do por familias. O sub-prefeito de Sarrehurgo, com
a sua gola bordada a prata, e o seu secretario,
tainbem eslavara a ver a jmila do Doi Vermelho,
para onde tinham ido na vespera.
A's 8 horas poz-se o Sr. Goulden ao trabalho,
depois de ter almocado. Eu nao tinha comido nada
e continaava a olhar para aquelle movinumto
quando o Sr. maire Parmenter e sea adjunto fo-
ram buscar o Sr. sub prefeito.
O sorteio comecoii pela nove horas, e oovlo-se
logo o clarinete de Ptlfer-Karl ea rebeca do corpu-
lento Andrs, que tocavam as ras. Era a marcha
dos Suecos; foi com esta msica que muitos ru-
inares de pobres diahos deixaram para sempre a
velha Alsacia. Os conscriptos danfavam, balancean-
do o corpo de mos dadas, e levantavam gritos es-
trepitosos, e batiam no chao com os tacoes agitando
os chapeos, esforzando se todos por parecerem
contentes em quanto tinham dr de morte no co-
racao. Emfim, a moda ; e Andrs, esgoio, secco,
teso, amarello como pu de buxo.com o sea cama-
rada refeito e baixo, de bocherhas gordas at s
orelhs, faziam lembrar entao os que levam um
defunto ao cemiterio e vao conversando sobre cou-
sas i n difiere mes.
Aquella msica e aquelles clamores entrisle-
eiam-ma. Eu acabava de vestir a minha casaca de
abas esguias e tinha pegado no chapen de castor
para sahir, quando minha tia Gredel e Catharina
entraran), dizendo :
Bonsdias.Sr. Goulden; nos tambem vamos
ao sorteio.
Era sombro o sen aspecto, mas ria-se. O spu
irmao Joo, que aioda era pequeno^cnorava atraz
delle, gritando: ^^"^
Nao, Jacob, a fita prela n5o t
Mas Pinacle j ata va a fita prela ao chapeo do
ferreiro em quanto este dizia :
Em cima j tinham sido inspeccionados mals de
vlnte e cinco recrutas que se diiiam enfermos, e
tambem mais de vinle e cinco, asentados em um
banco encostado parede, cabisbaixos e com os
olhos pregados no chao, esperavam a sua vez.
O velho soldado da polica Kelz, com o seu gran
Aqu e.-t do que precisamos agora....... So- de chapu de bicos, passeava de um lado' para o
mos todos morios.........devenios trazer lucto oulro. .Quando me viu, parou como maravilhado,
Pr nos ; e depois exclamou :
E com voz selvagem gritou : Muito bem muto bem. Ao menos aqui
Viva o imperador! esl um a quem nao custa partir. Luz Ibe nos
Eu estava mais cunlente de ver aquella fila no 0,l,os o amor da gloria,
seu chapeo do que no meu, e mettl-me logo no meio E pondo-mc una mao no hombro :
da muuidao para escapar a Pinacle. *"" Muito bem, Jos ; desde j te afflanco que
Custou-nos muito a eulrar na casa da cmara, e no fim da ca a trepar a velha escada de carvalho, onde a roulli- Mas na0 vt *iae soa exo ' clartei ea como
do sabia e descia como Im verdeiro formiguel- '"d'gnodo.
ro. No salo passeava o polica Kelz, maniendo a ^oxo disse Kelz, plscaado os olhos e sor-
ordem quanto era possivel. E na cmara do con- rin,lo> coxal Nao importa: com essa cara vae
selho, ao lado, onde est pintada a justica com urna 4uem ^uer at ao am do "'""do-
faxa sobro os olbos, ouvia-se annunciar cada nu- Nist aDriu-se a sala da Juala de nspecgSo e o
mero que saha. De lempos a lempos sahia um
conscripto com as faces quasi a espirrar saogue
prendendo o sea numero ao barrete, e atraves-
sando cabisbaixo a multidao, como um touro fu-
rioso, que nao v um palmo do trra, e que vae
marrar contra urna parede. Pelo contrario, outros
oulro soldado da polica, Werner, deilando a cabe-
ja fra da porta, bradou conv-voz spera :
Jos Beriha !
Entrei, coxeando o mais que podia, e Werner
fechou a porta. Os maires do canto estavan as-
sentados em cadeiras dispostas em ser,i-circulo, o
passavam paludos como mortos. As janellas d0 sab-prefeito e o maire de Pbalsburgo no meio, em
edificio estavam abertas; ouvlam-se fra cinco ou
seis msicas locando todas ao mesmo lempo; era
horrivel.
Eu aperiava a mao de Catharina, e muto deva-
gar bogamos, aira vez de toda aquella gente,
sala onde o sub-prefeito, os camaristas e os secre-
tarios pronunciavam os nmeros em voz alta, como
quem le senieneas; porque lodos os nmeros eram
verdadeiras senlencas. j
cadeiras de bracos, e e secretario Froelig sua
mesa. Estava a acabar de vcstlr-se om conscrip-
to de Harberg. O soldado de polica, Descarries,
ajudava-o a apenar os suspensorios. Esse cons-
cripto, com os seus compridos cabellos ca>tanhos
cabidos sobre os olhos, o pescoco descoberto ea
bocea aberta para suspirar, pareca am homem
que esilvesse para ser enforcado. Doos mdicos,
o cirurgiao-mrdo hospital e oulro de uniforme,
conversavam no meio da sala. L'm delles olhou
Esperamos muito tempe. Eu j nao tinha urna Para mim e disse-me :
gou de sangue as veias, quando me chamaram Dispa-se.
pelo meu norae. Dei alguns passos para a frente, E despi me ate a camisa, que me foi lirada por
mas nem va nem ouvia. Mettiamao nacaixaetirei Werner. O sub-prefeito disse :
um numero. O sub-prefeito gritou : n. 171 Enlo '
sahi sera dizer urna palavra. Deseemos praca, e
quinde respire, um pouco de ar desaogado, lem-
brei-me de ter tirado o n. 17.
Mas eu sou coxo, Sr. stib-prefeilo.
A tia Gredel pareca confundida. Os facultativos nlharam para mim, e o do hos-
Eutinha-te mettido umaecusa no bolso, disse pilal. a quem docerto me tinha recommendado o
ella, mas aquelle bregeiro de Pinacle pregou-te commandante da praca, otase :
A perna esquerda um pouco curta.
Ora I disse o oatro, mas segara.
Ah est um rapaz capaz de vender sade.
Aquellas palavras irritaram-me ; apesar disso,
respond em voz alia :
Agora vai ludo
1809. Estu peroidol
O Sr. Goulden deitou-me agua na cabega, por-
que eu deixra descahir os bracos, e estava ama-
relio como um defunto.
Nao era eu o nico em quem produziu esse ef-
I lito o aviso da casa da cmara, porque nesse an-
iij muitos rapazes se exirniram de partir: ons
qtii'bravam es dentes para nao poderem morder o
cartucho, outros esmgalhavam os pollegares a ti-
ro jle pistola para nao poderem segurar a espin-
garda, outros fugiam para os montados e bosque*
liram chamados refractarios e nao chegavam os
toldados de polica que hava para perseguirem to-
dos os fugitivos.
E foi nessa mesma occasio que as miles de fa-
milia tiveram coragem para de certa nianeira se
revoltarem e aiiimarem seus filhos a desobedece-
rem polica militar. Ajudavam-nos por todos os
modos ao seu alcance e clainavam conlra o impe-
rador.
Eu, no mesmo dia em que se pregou o a viso
fui aos Quatro Vent >s; mas nao era entao com
lo.la a alegra do coracao, era como o mais de.-
grajado de todos os desgranados privado do seu
amor e da sua vi Ja." Nem poda ter-me as per-
itas ; e quando l cheguei, nao sabendo como ha.
va de annunciar a minha desgraca, vi ao entrar
que ja ludo se sabia em casa, porque Catharina
chorava como se a quizessem matar, e minha lia
lava aimrella de indignado.
Primeiroabracamonos em silencio, e as primei.
ras palavras que me disse a lia Gredel, puchando
desesperadamente os cabellos para (raz dasorelhas,
foram :
< Ma que lu n vaes I Que me imporlam c
estas guerras 1 Al o senhor cura Dianer j disse
jue isto nao tinha geito nenhum e que se devia fa-
tor a paz. Nao vaes l----- Nao chores, Cathari-
na, que eu te protesto que elle nao ha de ir.
Eslava verde de colera, e empurrava as panella
e failava sempre.
Pelo amor de Deus, minha ta, cale-se, falle
mais Laixo ; disse-ll.e eu, correndo a espreilar
lauella olhequea podem ouvir, e Acarnos todos
perdidos.
Jos tornou ella tu nao has de ir. Nao
quero que vas ; has de fugir para os mallos com
Hans Krafi, Ludwig Benie e todos os rapazes daqui
que teem coragem. Iris pelas monlanhas para a
Suissa, e tanto eu como Catharina iremos fazer-vos
companhia at que acabe a morlandade.
Entao a ta Gredel foi se calando, e em lugar de
os fazer um janlar ordinario, anda nos fez um
melhor do que no outro domingo, e disse-nos com
firmeza :
Comam, e nada de sustos Tudo isto vae
-mudar.
Entrei s quatro horas da tarde em Phalsburgo
um pouco mais animado do que quando sahi. Mas
fluando subia a ra do Assentlsta, oavi, ,i esquina
fj i coliegio, o tambor do polica Harmanlier, e vi
muita gente de redor delle. Corr para ouvir as
pubbcagdes, e cheguei justamente no momento em
que comecava a leitura.
alguma pega.
Ao mesmo tempo tirou de um bolso da minha
casaca um bocado de corda. Cahiam-me da tesia
grandes golas de suor; Catharina estava palllda
como urna defunta, e foi nesse estado que voltamos
a casa do Sr. Goulden.
Que numere tens, rapaz? perguntou elle
logo.
Dezesete, respondeu minha ta, assentando-se
com as mans pousadas nos joelhos.
O Sr. Goulden ficou um pouco embaragad, mas
depois disse:
Tanto faz esse numero como oulro___todos
no de ir....... preciso encher o quadro. Mas
isto nao tem nada com Jos. Irei ter com o raaire
e com o commandante da praga. Nao para Ihes m,nha P,ITTa de 1ue a pern segura
E depois, pondo-me uam mao no peito :
A construegao exeellente : ora tussa.
En tussi o mais brando qoe pude, mas ainda
assim achou qae linba bom metal de voz, e disse :
Olhem estas cores : isto o qae se chama
bom sangue.
Entao en, vendo que nao escapava s- nao dis-
sesse nada, respond:
Eu bebi vinagre.
Ah, sira f isso pro va que voc tem am bom
estomago que se d bem com o vinagre.
Mas sou coxo. senhor I gritei en affltefb.
Entao qjie isso I nao se afffija ; dooMhe a
mentir. Toda a cidade sabe qu- Jos coxo; mas
com a presea podia ser que nao se reparasse
nisso. E' por essa razao que irei fallar com
elle. Nao se afllijam......... o caso nao para
desesperar.
Estas palavras daquelle sanio homem deram,
animo a Catharina e a minha tia, que voltaram '
para OS Quatro-Wntos. plieae da hac oeparau-
gas; mas eu, era ontra cousa. Desde esse mo-
mento nao Uve mais um minuto de tranqulllldade
nem de da nem de noute.
Nesse tempo os recrutas nao folgavam muito
tempo em casa. Logo depois do sorteio havia a
junta de inspecgo, e alguns aias depois passava-
se-lhes a guia. Nao se fazia como aquelles arran-
cadores de dentes, que mostram primeiro ao pa-
ciente os ferros, e Ine examinam muito a bocea, de
maneira que elle agarra urna dor de clica antes
que elles se tenbam resolvido a fazer a extraccao.
Era ir logo s do cabo |
Oito das depois do sorteio, estava na casa da.
cmara a junta do inspeegao com todos os matones
E' verdade ; disse entao o maire, mas este
rapaz tem coreado desde que nasceu ; unvfac-
to que todos sabem em Phalsburgo.
Nao ha duvida que a perna esqnerda mui-
to curta ; disse o medico do hospital, umeaso de
isengo.
Sim, tornou o maire, estou certo de que este
rapan nSo pd soffrer urna marcha looga, o que
flearia no camioho logo no primeiro da. E" esta
a minha opinin
u primeiro medico calava-se. e eu j esperava
estar salvo, quando me perguntou o sub-pre-
feito :
Voc ne-se chama Jos Bertha ?
Sim, senhor.
Ora entao, meus senhores, disse elle, tirando
urna carta da soa carteira, queiram ouvir.
E poz-se a ler a earta em que se conlava que,
seis mezesantes, eu tinha anortado ir a Saverae e
voliar mais depressa do que Pinacle ; que tinha-
mos perrorridn esse caminha em menos de tres
ho.as, e que eu tinha ganhado a aposta.
Desgracadmente aquillo era verdade. O palife
da ierra e algumas noiaUlidades, para darem in- j. n- . ^
. p" do Pinacle chamava-me sempre coxo, e zangado
formacoes se fossem precisas. ___. ,. u . -^,
11 v com isso. tinha felo com elle a aposta. Toda a
Na vespera, o Sr. Goulden tinha envergado o-sen gentfi sabia, por conseguinte nao podia suten-
ampio capote castaoho e ageitado a sua cabelleira tar r' "ortrario.
\ ?ndo que eu ficava confundido, disse-rr o ci-
ruiTao-mY :
vi logo quanto Catharina tinha chorado, parque
os seus olhos estavam vermelhos; e em quanto mi
tilia tia andava de redor de mim a examinar-me,
,:rou-se ella ao meu pescogo.
O Sr. Goulden disse-lhes :
Nao serio j horas para os da cidado ?
Sao, sao.Sr. Goulden;disse Catharina meio
suffocada-os de Harberg j ;cabaram.
Bem, bem... Ora eniao, Jos, tempo de
iresdisse elle. Mas nao te afflijas. E voces nao
se assustem Isto de sorteio s urna formalidade:
ha j muito tempo que ninguem se livra, e quem
se livra l vai cahir d'ahi a deus ou tres annos.
Todos os nmeros sao mus. Quando se reunir o
conselhe de inspeegao, ento veremos o que ser
bom fazer? Hoje o tirar sorte orna especie de
satisfagao que se d ao povo: mas todo- o mundo
vae.
Nao importa, disse a tia Gredel.Jos nao
ser recrutado.
Ah.sim, sim...-responden o Sr. Geulden,
sornndo isso nao pode deixar de ser.
Enlo sahi com Catharina e com sua mae, en-
tramos na praga, onde se apinhava a multidao. Em
todas as lojas, dnzias de conscriptos ajustavam fi-
tas, apertando-se contra os mostradores; choravam
cantando como possessos. Outros, as esialagms,
abragavam-se solugando, mas caotavam sempre.
Duas ou tres mulcas dos arredores, as do cigano
Waldteufel, de Rosselkasten e de Wolf Adara, cn-
fundiam-se com gargalhadas e clamores pungentes
e terriveis.
Chatarma apertava-me o braco e a tia Gredel
segua-nos.
Defronte do corpo da guards, vi ao longe o bi-
fariuheiro Pinacle, com a sna sacca sberta sobre
urna mesa pequea, e ao lado ama comprida vara
guarnecida de fitas, que elle venda aos recru-
tas. Eu passava rpidamente quando elle me
gritou:
Ola, coxo, espera, espera ah I olha, vem c I
tenho aqui urna bonita fita para U.....,.!.. pre-
cisas de urna magnifica............a tita dos que
escapam.
E volieava por cima da cabeca uma.g/ajide fita
preta, e eudescorei, apesar doesforeo que fizpara
para ir acertar o relogio do maire e o do comman-
dante da praga. Voltra de cara alegre, e disse-
ra-me:
A cousa arranja-se... O Sr. maire e o cr.
commandante bem sabem que s cxo. Eisso
urna cousa que se v. Responderam-me logo :
Oh, Sr. Goulden, esse rapaz cdxo ; para que
vem pedir por elle ? Fique descansado. Nos nao
queremos enfermos, queremos soldados.
Essas palavras tinhain-me derramado blsamos
no coragao, e nessa noute dorm regaladamente-
Mas no dia segmnte veiu outra vez o medo a con-
Esl resolvida a qoestao : visla-se.
E depois, voltando-se para o secretario :
Est- no> caso de servir.
(Conlinnar-se-ha.)
Outro offlcioso segara-a nos bracos, > a citamos eu Tefha terra k Gallias e o cava *
escada, acotovela o poro, e vae leva-la casa da cinco annos.
visinha.
EM POICO DE TUDO.
No Bazar Voltil* l-se :
Domingo passado um grande incendio lavrava
pelo largo da S.
s torres mudas a&sisiiam meia hora aquelle
tas comigo. Pensei em quantos homens marcha- expectaculo; a polica dorma, os bombeiros gosa-
vam apezar de serem cheios de dbitos, e em qnan VM1 nas ^ ^ delcja5 da |jnha horsonta|.
tos tinham o descaro de os inventar paja illudircm smen,e as nefw minas alvorote(laf) comccavam
a junta ; por exemplo, engulir cousas nocivas para a dar sgna, -^ a]ar|M>
se fazerem paludos, ligar urna perna para crear
varizes. ou fingir ceguera, surdez 01 imbecilidade. Foram os S*"50* do Capitolio.
E pensando nessas cousas, tremi por nao :.cr bera E' Q"e to8Ja tinha engulido urna casa do
rxo, e resolv ter tambero um ar de achacoso. anu- e aHwa?av devorar outros- emporios dessa.
Tinha ouvido dizer que o vinagro faz soffrer do es- indisira garantida pela constituido,
'omago, e sem previnir o Sr. Cuiden, bebi todo o D'ahi a hf,ra che?a V^ I Ja nhan
vinagre que estava na garraHnha do galheteiro. "*>* easas: me.a hora depois apparecem as
Depois veni-mejulgando ter urna cara de desen- borabas! Q^ndo estas iam funecionar, lembra-
terrado, porque o vinagre era muito forte e traba. ***** * ,allava uma COUia nu,il nsignican.
Ihava enrgicamente no estomago. Mas ,,uan(,0 e a aua. Mais meia hora de espera, fran-
entrei no qnarto do Sr. Goulden, exclamen elle do as cf'vas che"am H outra casa de asg ti-
logo : nha ard,d0 '
Que isso, Jos ? esls vermelho como um E os bombeiros, impacientes por mostsuem pro-
pimentao digios de valor, assish>ro, quaes caes wieorrenta-
Olhei para um espelho e vi qoe, com effeito, at do*> ao expectaculo epigrammatico do miseravel
s orelhas e al pona do nariz todo era verme- incendio de uma casa de ang em eote delles e
Iho. Fiquei aterrado ; mas em vej de empallide- de suas bombas.
cer, fiz-me ainda mais vermelho, e clamei na m | Em quanlo se passava esta scena muda de boro-
nha desconsolado: Deiros, os ofliciosos invadem om sobrado contiguo
Agora estou perdido I Vou parecer um rapay. s casas que ardiam, e, titnlo de salvarem o que
sem defeilos e at com muito boa sade. E' o vi. encontram, vo atirando pelas janellas espelhos,
nagre que me sobe caheca. I commodas, pianos, baeias de porcelana, jar-
Que vinagre ? perguntou o Sr. Goulden. ros e(c
O vinagre que eu beb para perder a edr,
como se cinta da menina Sclapp, organista. Mea m offlcioso de incendios nm typo que os nos-
Deus, que m lemhranga eu tive I | ^ romancistas e dramaturgos nao teem ainda ex-
Isso nao le tira o ser cdxo ; disse o Sr. Gonl- P|orado
den, mas o peir.r que queras enjtanar a junta, e V'
Isso nao bonito. Mas ahi d3o as nove e meia e
Werner avisou-me hontem de que serlas Inspeccio-
nado s dez. Porlanto, avia-te.
Foi preciso ir naquelle estado, O fogo o vina-
(fazer prodigios de valor em fogo gritar muito,
puchar carrogas,aggarrar pretos para carrogarem
agua, etc.)
Os mais val?ntes nvestem para uma casa que
D'ahi ha um quarto de hora est a raulher mu-
dada para a ra.
O incendio felizmente no'ehega at a easa,e no
dia seguinle, em quanlo a mulher arruinada tal-
vez para sempre, lamenta a perda de sus trastes
e quem sabe se de seu dinheiro e de suas joias, o
offlcioso recebe um elogio por todas as folhas pu-
blicas, e em recompensa de seus servigos conde-
corado com o habito da rosa I
A's 3 horas da madrugada estava felizmente
apagado o incendio do largo da S.
VF.nDADES TRISTES.
Meditem e lucrurao
(f. G. de Freits.)
A litteratura < am sacerdocio augusto.
Ora, al ahi, morren o Neves I
Sim ? mas de que morren o Neves i
De fome cerlamente que nao foi, pois nao me
consta que o Neves fosse poeta.
Era a esle ponto qne en qneria chegar.
Nao sei que fatal sina acompanha aos pobres
levitas deste culto, para que, quando descem das
repioes do ideal proca mundana, setea rmli-
dnde (como muito bem chama o Faustino de No-
vaes) nao achem na trra, qup, entretanto, re-
putada fecunda, o necessario para a funego mals
ail potica, e, infelizmente mais necessaria,adi-
geslao.
As nurens, o sol, a estrellas, dao auna, ralpr,
luz; porm feijao com carne serca s o taberneJro
do canto (porque raro encontrar canto sera ta-
berna) que pode fornpc.e-los.
Ah I s os poetas nao tivessem barriga I
Muita gente falla da ambrozia e principalmente
os poelas ;' ( os qae pensam ser) entretanto Li-
neo diz que ambrozia o cheiro do re-
zed.
Ora por muilo agradavcl que seja esse per-
fume e matar que seja a porcao respirado, nao
dou de conselho ningaem que procure fazer ca-
lar os suspiros Indiscretos de um estomago em je-
ium com semelhante receita.
Um bife com btalas fritas prosaice, nao' ha
duvida, mas preenche meltior o fim.
Porm, ou seja sina, ou teima os filhos das
musas (que sao solleiras) desde o lempo em que
se atavm os caes com lingaiga, al hoje em que
se iazem as linguigas com a carne dos caes, vo
por diante no seu fadario ingiorio, na sua quares-
bm eterna.
Homero, qoando vivo, mendtgava o pao, morto,
negam-lhe at a exisienca.
Torquato Tosso prdia lume aos olhos da sua gata
para escrever um soneto, visto qHe nao tinha di-
nheiro para comprar uma vela de sebo non
avendo i'.andellc imemere i mioi MPff.
Lineo que sabia 3 que era ambrozia remen-
dava os sapatos com pedagos de papelo.
E se nao oito mais alguns exemplos porque :
1." Nao sei.
2. Nfo tenho paciencia para Ir bscalos onde
elles se acham.
3. Nada lucrara com o maior ou menor nu-
mero.
4." Estoescriptoj vae longoe o Bazar Vo-
lante que me franquea as nas columnas nao do
lamanho do Jornal do Commercio. Meditem e lu-
crurao.
E' do Sn. J. Freitas estapoesia :
of.v>:ieio.
Foi ti ina noule de luar sereno
Que vi, louco d'amar, uma donzella .
Aos cus pediam um s volver seqaer
Meus olhos implorantes, Helos n'ella.
Meu Deus, qoe goso t que prazer eu tinha
Quando .seus dedos a coser eu va
Sobre o teclado de marfim; e, meiga,
Seus grandes olhos para mim volvia.
Era ao acaso, porm ao menos via
Quem vive, louco, s a pensar n'eUa-;
Era ao caso, porm me metigava
01b3r de fogo cravar no meigo d'ella.
Descuidosa de mim, nao me olhnnmais:
Que esgosio, meu Deus, que dr enlo !
Carrancuda a noute parecen
Seguir lambem na dor meu coragao.
Apertei-lhe a mao som forca, e ella nao;
Vi-liie o rosto emadeus, ijuanln era bella!
Partido de saudade eu vim p'ia casa
Velei, dormi, sonhei com ella I
Na China o condemnado morte levado com
uma eadeta ao pescoco ao local onde se ha de ef-
fectuar a execueao. Dous soldados segurara os ex-
tremos desla cadeia, e, armados com pus, est*
promp'.os a baler no condemnado, se elle faz a mais
pequea resistencia. Pe-se-lhe nas costas urna re-
gua -Je madeira,-qne se eleva cima da cabega e
e sustenta uma insaripgao resutninde o erime com-
metlide.
cortejo aberto por um oEcial, portador de
uma langa e fachado pelo arrasco, que ameaga
a todo o instante o condemnado com a espada que
Lhe vae por termo a vida.
Um supplicio maior anda o do garrote; o pa-
ciente colloeado sobre uma cruz, qu 1 atado
c-m cordas que lhe aper.arn os bracos e o co/po
todo. Os cabellos sao-lhe arrancados. Pelo no. for-
mado das eordas reunidas pascase um grosso jun-
co, o qoal torcido para aperiar vigorosameoB os
membros do condemnado e fazer com que as arte-
ras rebeniem e salte o sangue.
Emfim, o lerceiro supplicio imposto aos filhos
do executado. A cabega deste mettida em uma
gaiola de maileii j. Esta gaiola suspensa em uma
vara qoe se fixa no chao da casa do sHppliciado;
depois obrigam-se os filhos a virem contemplar os
restos hediondos de &eu pae, e assim ss ibes ins-
pira o terror das impas leis do celeste imperio I
A respeilo do banquete de carne de cavallo, que
hume em Lyon, d o Fgaro a seguinle noticia :
Coraeu-se um cavallo de cinco annos... em
doze pratos difTerentes,
E' o que se podo chamar uma pega de transfor-
mages.
Os gastrnomos parisienses de maior nomeada
nao faltaram ao banquete, e s nao compareceu o
Sr. Monsclet, que mandou as suas desculpas em
um palimpsesto commovente,^]ue arrancn lagri-
mas aos mais endurecidos.
gre eatua-me s faces. Quando encontr! minha * mo'tis veaes 20 bracas do fogo, e agora o
Harmantier lenque, pelo senatns-consnlto de II, me mostrar ndinVrente. Mas quando subiamos os minha tia.
tia e Catharina, que me esperavam porta da casa
da cmara, quasi que nao me coaheciam.
Q' ar de contentamento tu trazes, disse-me
veris.Nao se incommode, minha senhora, antes
do fogo c chegar tudo ha de estar salvo. E el-lo
que atira pela janella um cesto de louga que faz-so
em cacos.
Corteio devia ser no dia j5. Estavamos a 13 e degraus da casa da cmara, descia um conscripto,
por consegninte s tinta dous das. Isto censter- chamado Klipfel, ferreiro da Porta de Franga; ara-
ou-me. bava de tirar o n. 8 e gritou de longe :
Todos os qoe se acharan presentes desfilaran! __ a fita preta, Pinacle, a Ota preta........d
uns para a direiia, culros para a esquerda, no mais c.,..,. custe o que oustar,
Se e vinagre nao livesse mo em mim, de cerlo Senhoi I diz-lhe a dona da casa banhada em
desmalava quando ouvi isto. Sub a escada na pranto, tetina pena de mim.
maior perlurbago, sem poder mover a lingua para E o eslrondo de um guarda roupa que, cahindo,
responder ; tanto era o horror que tinha nes?e mo- quehrou as podras da calcada, atira a mulher sem
ment a tolice em que caluro. | sentidos de encontr a orna cadeira.
Peito, ps, cascos, tudo bom para comer.
Alguas- enthusiastas migaram a crina e come*
rama em salada.
Os ultrr.s devoraram os arreios eos estribos com
molho de violio branco.
Houve mesmo algumas rivalidades por causa
deste guisado. 0 presidente leve de por o chapeo
na cabega e de chamar ordem os tumultuarios,
fulminndoos com o dito de Talleyrand ;
Trop de zle....
Sem contar com esle incidente desagradavel,
passou-se o dia om muilo regosljo, e disso feli-
No Cruzeiro do BraiU l-se o segmnte s^ere o
Evaigelho de S. Mathens, cap. M, v 13 a i\
fat a Otar qm rtCnmr
Como era oLsUuda a g^-ira do .nMu prnm
hebraico a respeilo do afa untas ** pr-
mell.do, e sempre minuco-ament
! P00'"" prophwia^ rom m* km+n
combinar em logar. ,empn rir,,,,.r
2?.2T ChrM0' 'Hlas erara ni
.e.M'lnadas ms nn.gog,, pe,,,, ,
e lu-m coRheciara elles ,,ae tempi) * h. ga*,.
O "Itimo dos propheus tinlu WUdo n.. pr-ur-
sor e que este o apiana ja mstMo emrr H->
De farto, S. Joan Baptla, n'oaa 4U em ,im-1*
zendo PaSSaVa' J'1 lh"'S ^r*2*>*-
" ~a E!f aqni , C8r,'''m *> Dra. an^ tora es
neceados do mundo. Ecre Ajmmt Dn i
E sna vida toda santa sua *mirina t.vla.
confirmada por tao estupendo* milatr- -
duvida deixava a seu respeito.
Entreunto por ellrs regenada aa >iwm a
sua doulrma combatida p.>r mil maneira* eaetae
seus milagres atinbn.do. ao pod,-r .V Jatanar
As sorprezas, os tramas para o ri?.rMn e* ai -
gnma falla, em aiguina coniradirran .arrr limas aos outros, e raen Me vez EvanawHo trv e
de consignar em sena paginas ama i< ?iai* ra i-
loas que>ioes.
Nos seus fraaduienlos de-igams M rtowlmj
descobrem a mais delirada qieiio. e .*e spfe^raa
em vir presenca de Je*ns Otruto, a.
com a hypocrisia e rom fingida n-verro-n. pmpnr
Ih'a, isio :iSe era lint ou ni tocar aitli s. a.
um i>ranno que av.issall.tva loda aaraj naca * -
Porm, para melhor so niMouarrm eitrs eia animo, traiam d unir a e*u importante eraraeia
um preludio de looror, dizendn-lh-
t Mestre, nos sabemo* qm m TiialBiH
nas vossas palavras, e que ensinae* r rfrafce d
Deus segundu a verdade. sem re>peiU). ram.ii e
sem declinar nem para urr nem para raer* m*
Quando elles j se hoingeavam e> ver **
Chrlsto rompromellido pela respou e a> pierna
prosegnir era seus damnados .oteMOs po.-ar
la negativa leriam exuberante eanMa par* .*. a<-
cusar de sedicioso e inimigo de Cear. e peU aflr
mahva o puderfam arrusar de lisoa^rire e> mi
poder eslranho, que alrozmeoie of.pr ia Um n
nago, e que ella lano odiara, Je* Cari-*
trata de hypoeritas, Ihes mostra aoin. i
Deas devawava seus mais recndito*
os desorienta em seu nefando* ptau.
os de hyimcrius, e o confunde com a pirnta e>
de sua sabedoria, resolvewto iao rapcin feMS
sem se compromelter nem cora o innai enr
cora o pera.
- Moslrae-me a moeda. o hvpornu*. .Vs u
Jess Christo. De quem ntiinupci f
Hespondem eles:
De Cesar.
Dae pois a Cesar o qoe de Cesar, lhe* t rm^
Jess Christo, e a Deas e qae de Dn '.
E' o Divino Mestre |*-m mais ama re aa*
manda po-iiivaraente obediearia e iulmm ** m
autoi idades. /
A- Deus devemes adoraco i hoiani >
nossa inteiraobedienci.i comoSaarvnn miaur **.
cus e da ierra, e a seu fHho ^r.o s-ih r,
Christo con-ubstannal e Deus rwao elle, i
ador de lo'las as ragas, o resoraaur eV in4a> ae
olensas pelo sacriflcM da cruz, repeneran.l--aue
com sen precioso saogue, o autor e eua*aaa nossa f, o fundador desla egreja rvrna> onira a
qual nao prevalecer* as portas do infera, **.
mos egualmenie. honra e obedtearn.
E' o Divino Mestre que tambara mais araa vez
nos impoe o J. ver de obediencia e- >-*> a-
auloridades (finporacs
ae a Osar o qae de Cesar. <
E o apostlo 9. Pedro reitera **u v.inna
na sua e|>istnla, quaade diz :
Sede obediente* a luda a autor:d*le teraanral.
seja ao imperante por causa de *w> dipaaraa a-
prema. seja aos magistrados rianin asea
poder.
S. Prnlo nos diz :
iPagae trbulo a quem devais iriaaCo. e I
& MMI ili-rei.* lii'iira .
Desobedecemos pois gravemente i ifeas
nos sutitrahimos a col mandato e ao* eara#a<
pblicos, porque s as-im damos,i Deas ajar *,
de Deus, e a Cesar o que de Cesar.
a a e
Razode sobra teem aquelles qoe rmnaaiira. ni
contra as uliunas reformas da ins-arorru pcMiea
da corle.
A' simples leitura de! las pan loga se Vpara rara
a pouca vi.ntade, que houve de j favorerr? a*
elasnes menos protegidas da f-riuna.
Porm nao su e-te o mal -jue mato ira ars
regulament en in-trucgI
Os homens da nossa ierra, se ti ea*ian J.. >.vo
nao fazem uma me canoa, tambera nao ema'vfMB
meio aigum para tira-bi do abatimenio e p.V ' ao
nivel do araswH, romo se faz aos panes ma. tal-
los da sabia Baan,
E' que, entre no*, aquelles qae eaaram. |u*
enranecem na servigo da patm. tniiiiaii a
mocidadir e lhe en-inando o*, me.o* de aera -rvir
a Dea o a sorieiUde, -aa jul/ads earaengadae
iecundarios, e pelo proprio governo i n limaran
agentes saaaliefMe,
E qpe prova m..i- rabal que^raon ao qor >qae
se tem dado, por arcariae dos etaate, jar\ a
os ctirsos superiores do impero?
Beare por vaataaa aigum mmi-iro toe, par *
ilem do imperador, mamUs*e aicraderer exast-
naores i|ue ali gasiam seu u mpo. dibheiro?
Ao passo qne se galardoa.n erviea* rlriijrji .
i|UH se fazem publiramenie >caip
commandantes que Uingem as parados ita unarda
nacional, nom uma pa'avra de agraaVennrnia
aas examinadores, n-m i. miaima rondi i i^j^a
aos dhartana, aos mesires da mm-xtade '
B se por ventura algara^era i aa.-uri
rspnblica aprsenla como ululo r*e (earapn, oara
conseguir algn, enq.rrjo. anda 'j< ae Vr^aada
ordem, o- governo ri-se vnlu-Mie a* rats.
Nao uma fbula : e governo do p>ia amare
ou nada era feilo pela noa juveataoV, toga de.
melhor sorte.
At certo tempo linhamos aul poatk-a* > (a-
lim. philosophia. inglo/. frawez. tr Veiu e*sa damno>2. reforma .*nc%*i omr i
o qpe. rom lano zelo a cui Ja^la lerac
anlepassados.
Risla duermo* timo n'iioia erle Be
para cuna de 300 mil habitante*, ha unir ,
uma esrola era cao ireguesta, baraad
extensas apenas Ju.i-
E o que aconlece ? Os meninos s
nm professor e um adjinin sao w*nl
dar va-o a lo enorme uuanii eis o pouco aproveiunwiti>, a Ji-piirearo, o asa-
co caso e Otilias conse+ucacias eawaaaas d B*
errnea prem.ssa.
Accresce oulro muUvo de graaat
Nem sompre as aulas se achara en
renlraes distancias enorme* privara a rama
vezes os. esludantes de as.*i*tiretn as ela*aa.
Quando <> e>iailu divide a ras em reamm
de quar.eiroes, subdirnte a* serreUna m i|i-rna-
de sercoes.iima, quando mml dua* aula aberra-
das para freguezias exien-i**ian, coran ae de
Sania Anna. Enirenho Velho. Sacranvato, n
qne seria'longo enumerar.
Deste modo, eom semelhante prorfdVr, i as
pobres qoe perdem. porque o* na,
meios sobrados para cur>arrm colegran
lares. ,
E' ido derido aopessimo sv*tnaa*e>
que tudo envenenae damna. a raasa |
vez do atrazo em que se acham nuiue da*
consas, ainda as mais impuruoie*.
A intrucgo o primeiro pa*o para a
do progresso, um dos grandes I
gao de u m paiz,
E nao s a inslruccao secundaria, nal a a
instrurgao primaria, mas beboU era nptnwe rw>
sitnres.
Eis a razo porque a Allemanaa aaesa par ser
o fovo mais rivillsado da Europa.
Eis a razao porque Portugal tanto priata. e
nesie ponto lanolemexceiiilo ao Rraori.
E' noeque all o* governos >5u gocemos, tratara
dos interesses da nago, procurara irrtrnir o pvaa,
dar-lhe o meio de nrer derentemenie.
Entre n* o contrario.
Pouco se trato da in*trnrr.v> do pobre, e g.v
rerno o primeiro a tazer pooro i
'

PERNAMBCO,------TYP lF X F DEF.&Fn.lin