Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10553


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO I
T


297.
06J.-i.i--;--"1- ~
,
Per tres Hezcs aiiiautdos 5$OU0
Por tres mezes vencidos 6jjUUU
Porte ao correio por tres menes. 0750
TERCA FEIHA 27 DE DEZEMBRO DE UK
Por aine abantado.....198000
Porte ao correio por n aono 3$00u
*CAv*&p~-at- titi-e-
Cu ARfiSuADO >A >i>LKlPtAO NO NORiE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandriuo de Lima;
Natal, e Sr. AulOLio Marque* da Suva; Aracaty.o
Br.A. de Leraos Braga'; Ceara, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaaim M:.rques Ro-
drijsuss; Para, os Srs. Manoel i'inaeiro & C.; A-
ma:... tus, o ir. ieronymo da Costa.
INCARRRGADOS DA SUBSCRIPTA NO SL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Baha, o
rr. los Martins Afras; Rio de Jaueiro, os Srs. Pe-
riera Martias i IaAi'IOA U3 &3lAlf&kA.
Ounaa, Cabo b Escada todos os das.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-Ieiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Alttnho e Garanhun as tercas feiras.
- (juanas ...
Sennhaem, HtoFormoso, Tamandar, na.Barrei-
rus.Agua Preta e 'iraemeiras as quintas feiras.
liba de Fernando todas as vezes que para aii sabir
navio. ,
Todos os estafetas partem ao Va dia.
EPHEMERIDE8 UO MEZ DE DEZEMBRO.
6 QUarto cresc. as y h., 11 m. e 56 s. da m
13 La cheia as 4 h., 52 m. e 26 s. da ni.
2 i Quarto ming. as 2 h., 42 m. e 58 s. da m.
28 La nova as 7 h., 1 m. e 44 s. da m.
PREAMAR DE HOJS.
Primeira as 2 horas e 54 minutos da mancla.
Segunda as 3 horas 18 mnalos dagtarde.
FaRxIDa i-O VAipRi tO&ii.M).>.
Para o sul at Alagoas a 5 o 25; p&r% o aorte at
a Granja 7 e 22 de cada me:; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan. marc.,maio. jul. sel. c nov.
PARTIDA DOS OMNiRU.
Para o Reeife: do Apipucos as 6 V, 7, 7 V. 8 e
8 Vi da m.; de Oiinda s 8 da in. e 6 da tardo; de
Jaboato as G '/z da m.; do Casanga e Varzea s 7
da m.; de Beintica s 8 da m.
Do Reeife: para o Apipucos as 3 Vi 4,4 Vi, 4Vt>
5, 5 '/ 5 Vi 6 da tarde; para Oiinda s 7 da
mandria e 4 Vi "Ja tarde; para Jaboato s 4 da
tarde; para Cach&ug e Vane* as 4 Vt da (arde;
para Bemfica s 4 da tarde.
aUDKNC DOS RIBNAES DA CaPi^aL
Tribuna! docommercio: segnndrs quintas.
Relaco: tercas e saneados s 10 horas.
Fazenda: quinta; s O horas.
Juuo do commercio: segundas s 11 boras.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara docivel: qaartas sallados a 1 hora
da tarde
Das DA MANA.
2fi. Segunda. S. Estivas fctUByfcr.
27. Terca. S. JJoioap. t rvaaa*,. S. Tii .alora .
28. Quaiii. S-. Captor, Cesarte Agapio"
2t. Quinta. S. Tin ipaz arr. de Canillara m.
30. Sella. S. S;hi:-oli. m.:S. .Ui-ioo. m.
31. Sahbado. S. Silvestre p. m.-. s. N.munindo m
i. Domingo. S. Afosaran S. Magno m.
v AS3IGNA-S*
no Rectfe, *m a Livraru da praea da laaVpe-ide-
cians. 6 i 8, ios proprieaiics Maao*i Furu
de Faria & Filho.
Os senhores asignantes leste
Diario, que tem deivado o pa-
gamento de sna snbscripco pa-
ra o ultimo do quartei, quei-
ram manda-la pagar ( razo de
d*J ceno sao obHgados) at o
ultimo do corrate inez. cm que
riles se findam, pois nao pos-
sivel prolongar por nrais tempo
semelhantepretexto: attenden-
do ao atrazo em que alguns se
achain, somos ohrigados a lau-
car nao de urna medida para fa-
zer cessar este abuso que lhe
deve ser pouco agradavel, mas
a pouca attenco que a>guns
cm tido em pagar a to pesado
servico Isto nos obrlgar.
PARTE QFFICIAL
fiOVEKXO DA PROVINCIA.
Elidiente do dia 23 de dezembro de 1861
Offlcio ao Exm. conselhciro presidente do su-
premo tribunal de joMica.Transmiti V. Exc.
a resposta que em 15 do crreme deu o juiz de
direiio Ludgero Goncalves da Silva, portara so-
bre reclamaco de antiguidade do juiz de direito
Jeronymo Mximo de Oliveira e Castro.
Dito ao Exm. visronde da Boa-Vista, commaB-
dante superior da guarda nacional do Reeife.
Respondendo ao oflicio de V. Exc, n. 160 datado
de 21 do correte, lenho a dizer-ihe que aie pare-
ce conveniente ouvir V. Exc. o segundo tenenie da
guarda nacional Vicente Bjinar Pires de Figueire-
do Camargo, sobre o faci relatado na parte, por
copia ini-lu-a, do sargento que coinmandou a guar-
da da calta filial no dia 20 desle.mez, alim de
obter-se urna base segura tiara as providencias a
dar, trazendo V. Exc. quanto antes ao meu conhe-
cimento o resultado de suas indagagoes a seme-
Ibanie respeito.
Dito ao niesmo.-Em recosa ao ofDcio que V.;
Exc. me dirigi sob n. 1 ">t, e data de 20 do corren-
te, cabe-me dizer-lhe que me parece conveniente !
nao serem despensados os corpos da guarda na-
cional desta cldade, de dar a guarnico della nos
dias santos e domingos como V. Exc. solicitou, a i
contar de 25 deste mez at 6 de Janeiro futuro,
pois que, de semelbante despensa resultara grande ;
atropello e oneroso servir s pracas da guarda
naciunal destacadas e as dos rorps de linda, que
lem por duver acudireni a oulras vincrgencias do
Servico publico come rondas, diligencias c auxilios
policia atim de manter-se a segjranr^a Individual
e de propriedade, entretanto que os corpos a que
cima me redro, nao leem a dar mais do que 3
dias do servico na guarnico, sendo que j deixa-
rarn de a f,zer no dia 18 deste mez.
Dito ao coronel commandaiile das armas.cir-
va- IIrnrique Mariano Freir no incluso requeri-
mento.
Dito ao mesmo.Quelra V. S informar sobre o
que pede Mara Francisca dos Anjos no incluso
requerimenlo.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de declarar me
onde se achain indevidamenle ordenancas tiradas
da companlua de cavallana, alim de eu provideu-
ciar convenientemente sobre a retirada dellas,
ieando V, S. certo de que, estou disposto a reda-
zir a lima as duas que esto minia disposicao.
Dito ao Dr. chefn de polica. 0 delegado do
primeiro districlo deste termo, chamando para
servir peranie elle escrives das subdelegacias,
pelas raides constantes do oficio junto ao de V. S.
n. i.'87, de 20 do crrenle, tein procedido como
lhe penniltem as circunstancias, mas na > regular-
mente : porque a lei te n designado quaes os es-
crives que perante elledeve.in fuacciooar, e estes
nao u-iein eximir-so de o fazer, inixime agora
que o loro nao trabaltia.
Entreunto, vou levar o assumpto ao conheci-
mento do governo imperial, pira decidir como
julgar cnv-niente.
Dito ao mesmo.Em resposta ao oficio de V.
S. n. 1599, de 22 deste mez, lenho a dizer-lhe para
que taca saber q lando eile entrn no exercicij de seu cargo, J
arlioii o numero de pracas que ha pouco inda all
eslavam, porque as neces.-idades du servico pu-
blico nao exigan) a sua rednecao, mas que, tendo
sido diiuinuida a forra da guunicau dcsta cidade,
e fazeiido-se pr.ciso um destacamento para Oiin-
da, ooiro para Ipojuca, e um lerceiro para S. Ben-
to, foi misler que a presciencia lomasse a medida,
contra a qual reclama : que entretanto, havendo
boa vontade, milito pode este subdelegado fazer
coin as pracas que tem a sua disposicao, dando
promplameote de da as providencias que julgar
convenientes, acerca dos almocreves, barcaceiros
e peixeiros, a que allude, e requi.-itando auxilio,
que tle monieiita polerao vir do qu?rtel, ou de
qual^uer oulro lunar onde baja forca, asslm como
para as nuiles do baile de que trata, poder pedir
um refon-o, sendo que se o Exm. ministro dajus-
tica permiltir o aqiiarlalUm uto de certo numero
de guardas narlonaes em diversos pontos da pro-
vincia, como ped.-, serac subdelegacia do Reeife
restituidas a< pracas que a>ora foram tiradas por
precisao urgente do servico publico.
Dito ao inspectoi da ihe-onrana de fazenda.
Mande V. acondicionar em barricas, alim de nao
extraviarem-se as sementes de algodao, que lem
e ser remeitidas para a rete no vapor que se es-
pera do norte, e exlstem em saceos na allandega c
na secretaria da presidencia.
Dito ao mesmo.Par lecipando o juiz de direito
da comarca do Palm ires, que em 18 do crreme
BOniKtiU o bac.harel Jo- Bonifacio de S Pereira
para eurcer interioamenle alli o cargo do promo-
tor puhlico, por ter o elTclivo bacharel Mendo de
Sa Barrete Sampaio entra lo no goso da licenca de
15 das que obteve : assim o communico V. S.
ua inlelligencia.
au mesmo.I'arlccipando o promotor pu-
le>ia comarca, bacharel Jos Paulino da Ca-
que amanha entra no goso da licenca de
t que obteve : assim o communico a V. S. j
para sua inlelligencia.
Dito an mesmo.Partecipando o promotor pu-
blico deMa comarca, bacharel Jos Paulino da Ca
mar,
um mez que
par sua nlelligencia.
Dito ao mesmo. = 0 bacharel T-,rquato de Souza
e Silva pariecipou que em 20 do crranle, deixou j
o exepicio do cargo de promotor pnhlico da co- \
marca d.i Pao d'Allio, e entran no goso da licenca
de 30 das que obteve : o que commuoico V. S.
para seu reobecimenln.
Dito ao mesmo. -Com copias dos ofBcios do co-
ronel commandante das armas e do commandante
do nono haialho de infamara datados de 22 do
crreme, remello in'lu-a em duplcala a coma na
importancia de 69680 rs. despendida com a con-
dU'-co dos ulencilios e mais objedos, que perten-
ciain ao segundo da mesina arma, e foram reco-
Jhidos/ao arsenal de guerra, para que V. S. mande
indernnisar aquello batalhn de semelhante quan-
tia '(iiinmuntcou-se ao coronel commandante
das armas.
Dito as mesmo.Antorlso V. S. ora vista de sua
intbrmaeao dd 21 do corrate, sob n. 751, dada
com referencia a da eootdoria dessa thesouraria
lancada no verso do offlcio do coronel comman-
dante das armas n. 2188 de 10 deste mez, a man-
dar pagar ao capitao Aurelio Joaquim Pinto ou
pesso por elle aulonsada, a quantia de l*i5 des-
pendida pelo predito capitao (jnaiMio commandante
do destacamento da comarca de Flores, com o
frite de um cavallo que conduzo d'alli para a
villa do Ouricury, 2 caixoes conlendo arligos de
farda ment para as pracas do segundo batalho
de infamara, destacada naquella villa, como se
v do recibo quedevol.o cm duplcala.-Commn-
nicou-se ao coronel commandante das armas.
Ditoao bario do Livramenlo vice-provedor da
Santa (asa de Misericordia.Com a inclusa copia
da informaco ministrada pelo inspector do arse-
nal de marinha em dita de honlcm sob n. 802,
respondo ao ofTkio que V. S me dirigi em 19 do
crreme, acerca da admissao do educando incorri-
givel do collegio dos orphaos, Francisco Antonio
do Monte, na coinpanhia de apredizes daquelle
arsenal.
Dito ao coronel recrutador as AlagAas, Francis-
co Joaquim Pereira Lobo.A' vista do que infor-
men o coronel commandante das armas em oficio
n. 2.237, de 17 do crreme, nao pode ser prestad'o
a V. S., sem que preceda ordein do governo impe-
rial, a ordenanca de (avallara que requi.-itou o
Exm. presidente das Alagoas em olllcio de 13 (les-
te mez; o que lhe declaro para seu conheci-
mento.
Dito ao commandante do corpo de policia. Nao
tendo o alferes Joaquim II -rculano Pnreira Caldas,
DteJos para transportar se com familia ao interior
da provinria, e nao estando eu dhposlo a conceder
ajndas de casto, tiradas de fundos destinados
despezas secretas da policia, compre que V. S. no-
meie ootro alferes ou tenente, que seja solteiro
para substituir aquello, e seguir quanto antes a
seu destino, (cando V. S. certo de que qualquer
pedido de ajada de custo, depois que coin toda a
poblieidade recusei-me a presta-la ao referido Cal
das, equivaler! a um pedido de demissio, porque
considera-lo-hei como meio de nao aceitar-se a
eommissao : o que nao se da va-com o sohredito
alferes, que obedecen a ordein, c s na occasiio da
partida solicitou ajada de cu*to por se terem dado
exemplos de semelhantes concessoes al a sargen-
tos, aim de ter elle familia, e baver com esta feito
urna viagem, esle anno, de Ingaseira para a ca-
pital.
Dito ao mesmo.Sendo mais que nunca neces-
sario que o servico se fica com regularidade, por
isso poucas sao as pracas para guarnico e rondas
e no lempo da festa ceslumam os furtos e roubos
apparecer com mais frequencia; e leudo eu man
dado tirar das rundas de autoridades policiaes
pracas que estavo a sua disposicao por assim o
engiran as necesidades do servico, ordeno a V. S. I
qu nao tenha lugar lit-enca alguma de pravas vo-
lantes c urbanas do corpo do seu commaiido. (can-
do sem effeito qualquer que V. S. tiver concedido
e dndome parte das que o tiverem sido por
oulras.
Dito ao presidente do conselho administrativo.
Respondendo ao oficio que me V. S. me dirigi
nesla (lata sol) n. 85, tenbo a dizer-lhe que nada sei
de positivo acerca da enrammenda de instrumen-
tos de msica feila pelo Exm. presidente do Ama-
zonas, em offlcio de 7 de jullio ultimo, equo foram
comprados pelo conselho deque V. S. presidente,
tenho (orin ouvido dizer que taes instrumentos ja
foram pagos com dinheiro vindo daqueda provin-
cia, e que exl*le recibo as contas apresentadas
pel conselho.
Hito ao presidente e membras do conselho admi-
nistrativo.Antorlso a Vv. Ss. a cornprarem. nos
termos do regulamento de 14 de dezembro de 1852,
os ohjectos mencionados no incluso pedido, para
foriiecimento do almox.infalo do arsenal de guer-
ra.Coinmniiieou se a thesouraria de fazenda,
Dito a'cmara municipal do Reeife.-Para que
eu possa resolver acerca da antorisacao que pedio
a cmara municipal desta cidade, em seu odkio
n. 69, de 17 do frrente, faz-te necessario qu me
aprsenle um demonstrativo pelo qual se possa
saber a qtiem se devem cusas por processos cri-
minaos cm que lem decahido a Justina publica,
bem como a importancia do debita
Dito ao delegado de policia do 2o distrlclo do Be-
cife.Kecommendo a Vine, que das 3 pracas da
seceao urbana que se acham na freguezia de Muri-
beca, mande apresentar tuna com urgencia ao
subdelegado supplente do 1 distrieto da de Jaboa-
to, Jovino Coelho da Silva, -ommtimcou-se ao
commandante do corpo de policia.
Portara.O viee-presidente da provincia, alten-
dendo ao que requereu o juiz municipal do Pao
d'Alho, bacharel Maximiano Francisco Duarte e
cm vi-ia da infonn icao do respectivo juiz de direi-
to datada de 20 corrente, resolve conceder-lhe um
mez de brenca com veneimenlos para tratar de
sua sade onde lhe convier.
Dita.O vice-presidedte da provincia, tendo em
vi>ta o que requeren Antonio Eugenio Paz. arre-
matante dos repams e emnarreamento do 2 e 3
leos da estrada do sul, entre os marros de i a 8
mil bracas, e bem Sssim o qne a esse respeito in-
formaran] as renartiyes competentes resolve con-
ceder-lhe 2 iim'7"- e meto de proroga^ao das obras
dos seus contratos, a contar do da em que se lin-
dar o prasoque para isso lhe foi marcadaFizo-
ram-se as necessario commnnieacSes.
Dita.-O rice-presidente da provincia, attenden-
do ao que requeren o professor publico de in>truc-
cio primaria da freguezia do Salgueiro, Jos Co-
mes de Sonta Perraz, e tendo em vista a informa-
cao do director geral da insirticcao publica do corrente, sob n. 258, resolve c.onreder-lhe '2 me-
zes de licenca com veneimenUH para iratar de ua
sade.Communicou-se ao director geral.
EDI TAL.
Segunda seceo.-Secretaria do governo de Per-
nambuco, 23 de dezembro de 1864 Pela secreta-
ria do governo se faz publico para conhecimento de
quem mteressar possa que se acham de novo em
concurso o> dous offli-ios de partidores do termo
de Cabrob, creado* pela lei provincial n. 50i de
29 de maio de 1861, devendo um accumular as
funecues de contador.
Os prelendenles hajam de apresentar seas re-
querimentus no praso de 60 dias coiitado.% desta
data c instruido* na forma do decreto n. 8i7 de 3i>
de agosto de 185 e do aviso n. 232 de 30 de de-
zembro de 185*.O secretario, Dr. Francisco de
l'aula Salles.
<.o\ ::it\!) noBisPiuo ii<:
pi:r\ahkko
SElit VA'lvMR
Dezembro de i Mi i.
Expediente do dia 22.
OfHcio ao vicario oe Tracunhein. Tenho pr-
senle o sen offlcio de 20 do corrente, no qual me
participa V. Itvn a. que n Exm. hispo fallecido lhe
havia concedido a grac* deilispensar os proclamos
para casarem aquelles dos seus parochianos, que
fossem presos em razo de haverem offendido al-
guma moca, e cojos casamentos fosspui reqnisita-
dos pela policia : E osla licenca diz V. Rvma. ha-
veMhe sido concedida VQraiuicnb*, e sem que cons-
te de documento algum ; e me pede que Ih'a con-
firme principalmente agora que se d um caso
deste.
Nao podendo a prisao de um individuo por cau-
sa de defloramento ser em lodus os casos um mo-
tivo justo para que se lhedi>pensem o proclamas,
antes devendo baver para com esse maior vigilan-
cia, visto como pod elle lee causado igual daino
a oulrem sem que tenha chogado ao conhecimento
da policia; e podendo mesmo haver couloio, alim
de, com a prisao de alguns dias se evitar a publi-
cado dos proclamas que podiam trazer um impe-
dimento que o delnqueme receia, nao posso con-
ceder V. Ilvma. a conuuuaco da graca de que
esleve de posse.
Quando sederem casos desses proceda V. Rvma.
a urna avenguacao minuciosa sobre a conducta e
os precedentes do nubenle que estiver preso, e re-
metta-mo urna pelicc por V. Rvm. informada com-
petentemente e eu resolverei sem demora que a
occasio e as circuinslancias exiglrem.
Quauto ao caso ora vertente, proceda V. Rvma.
com toda a circumspecco indagago de que ci-
ma fallo, e no domingo prximo publique ao me-
nos um proclama na occasio em que na sua ma-
triz buuver maior reunio de povo, etnbora seja a
meia noite na missa de Natal; d a esse proclama
a maior pubiicidade, o se de ludo isso nao resultar
impedimento algum nem aimnde constar a V.
Rvma., dtspen>o os dous proclamas, o pode V.
Rvm. assistir ao receoimento desses conlrahen-
les.
Concedo licenca V. Rvma. para dar as hen-
eaos nupciaes aquelles dos seus parochianos, que
se casarem pelo tempo do advento.
Dito ao vigano de Campia Grande. Accuso
recebido o seu oficio de 4 do crrante, rela'ivo a
tres casamentos, cujos proclamas foram todos im-
pedidos, vindo juntamente com o referido oficio o>
proclamas com o compleme termo de impedimen-
to ; sendo que em dous desses proclamas, abaixo
do termo de impedimento vem lugo o termo de
desistencia tomado por V. Rvma. e ah mesmo la-
vrado.
S o mpediente que obstou ao casamento de
Custodio coin Antonia Mana nao a>signou termo
de desistencia abaixo do impedimento.
O processo regular quando apparece impedimen-
to udos os proclamas, remetter esse impedi-
mento para a cmara ecclestasliea, e vir a parte
impedida, com o termo de desistencia requerer pe-
rante mim. Attendendo porem a distancia em que
esses nubentes, attendendo sua pobreza, e ao in-
commodo e despezas que lhe causara lao longa
viagem, dou por tomada a desistencia que vem
exarada abaixo do impedimento, e pode V. Rvma.
celebrar os casamentos, visto como com a desis-
tencia cessou o motivo que os impedia. Se taes
casamentos forem celebrados anda no tempo do
advento, pJe dar-Ibes as heneaos nupciaes.
ua.mio p irm ao impedinieulo posto au casa-
mento de Custodio com Antonia, nao tendo o un-
pedienle desistido do seu impedimento, nao deve
V. S. celebrar o casamento emquanlo nao fr sa-
nado o referido impedimento. Mas sendo esses
nubentes lamben mu pobres, como V. Rvma. a(-
lirma, e nao devendo negar-lnes por coiiseguute a
graca que acabo de conceder aos outros, aulunso
a V. Rvma. para conhecer desse Impedimento, c
com cilaco e audieucia do impediente julgar co-
mo foi de direito, participando-me inmediatamen-
te de lodo o occorrido, c mostrando-me as razos
ein que houver fundado o seu juizo.
Dito ao arrediago prioste da cathedral de Oiin-
da. Constando-nn que no dous ltimos mezes
dra V. S. a congrua do Rvm. conego Bernanu-
vem, que se ada ausente, una appucaco diversa
da que lhe foi designada por accordao Ioleiiine do
cabido, compre que me informe quauto antes com
que aulonsaco a.ssim procedeti.
- 23
OlhVio ao padre Gil Braz de Mora Santissima.
Tenho prsenle o seu oficio de 5 do corrente a
que respondo.
O sacerdote que, tendo oblido a competente li-
cenca do parodio, casou uns nubentes sem que
fossem conessados por elle ou por outro sacerdote,
posto que nao obrasse regularmente, todava nao
fez um casamento nullo, porque elle linda licenca
do reverendo parocho respectivo, o a conflsso
nao essencial ao matrimonio. Mas irregular-
mente obrau o parodio respondendo por escripia
(segundo V. Rvma refere) que, se o sacerdote a
quein elle havia dado licenca para assistir ao ca-
samento tivesse alguma inhabiudade, recoreesse a
outro habilitado, e lhe commuutcasse a faculdade
de assistir ao casamento, o que felizmente nao
succedeu.
E tauto mais digno de censura esse parocho, i
quanto elle nao deve ignorar que a licenca passa-1
da a um sacerdote para assistir a um casamento,
s pode ser transferida para uutro sacerdote pelo
proprio parocho, que a passou, e nem i esle per-!
miltido dar uina licenca vaga para qualquer sa-
cerdote; polo contrario deve designar pelo nome
qual o ministro que lem de assistir ao casamento. I
Dito ao conego cura da cathedral.Chegando ao
meu conhecimento que tendo de celebrar-se na
igreja do Amparo no da 22 do corrente,s 7 horas
da noite o solemne Te-Deum coin que termiuava
nesse dia a festividade da padroetra do mesmo
templo, e achando-se V. S. na arhristia para pre- i
sidir ao acto, se retirara sem o (a?cr, dando por
motivo da sua recusa o ser o orador o Itvd. Jos
Esleves Vianna, seudo necessario que outro sa-
cerdote fosse desempenhar as funeges a que V.
S. faltara; a nao pudendo eu acre litar que V. S.
assim procedes?e coin escndalo de quantos se
achavam presentes, espero que me informe o que
houve a tal respeito. e qual foi o verdaleiro moti-
vo que o obrigou a retirarse sem haver presidido
aquella solemndade.
Dito ao vigarto de Campia Grande. -Receh o
seu oficio de 10 do correato 'em que me declara
exi.-iiram na sua freguezia duas pessoas j adultas,
a primeira das quaes estando, em perigo de vida,
foi baptisada em casa por um homem cuja eouduc-
la, ou carcter religioso ninguem sabe informar,
pois que elle desconhecido nesse lugar : a outra i
pessoa foi baptisada em perigo de vida, porem bap- i
tisou-a nm sacerdote, como declarara os pas da
mesma ; e perguula-me V. Rvma o que deve fa-!
zer uestes dois casos.
Quanto primeira, proceda as averiguacoes que i
pudor ; e havendo duvida racional acerca da val-!
dade do baptismo, administre-lb'o sub onditiom:.
Quanto asegunda, nao podendo baver duvida!
sobre a vahdade do Sacramento, por ler sido ad-
ministrado por um sacerdote, limile-se V. Rvm. a
applicar-lhe os Sanlos-Oleos.
Dia 24
Oficio ao conego prioste da cathedral.Acen-
sando recebido o seu offlcio, datado de hontem,
em resposta ao que lhe dirig em 22 do corrente ;
tenho a dizer-lhe que nao o isenta da falta, que
commeiteu, a desculpa que V. >. da de haver feito
o pagamento das congruas, vista das cotilas do
pnto, fetas por um capitular, por quanto nada
teuho com quem faz essas contas, o sim com o
prioste que o nico responsavnl quando se calla,
e concorda com urna infrarco flagrante do quo a
esse respeito determinou o Rvn. cabido.
E tanto e ventado ser V. S sabedor da alteracao
que se dava, que no seu proprio offlcio declara que
o Rvm. capitular, que lem feito as cuntas do poato,
consuliou aos companheiro* respeito da coagrua
do Rvm conego Bernenuvem, e uns lhe diseratn
que nao sabiam, outros que o Rvm. capitular au-
sent havia interrompido a ordem, que havia, e:
qne pareca ter terminado o destino desse dinheiro,
visto que a obra da salla do cabido eslava con-
cluida.
Portante nao ignorava V. S. d'antemao que se -
dava outio destiuo congrua do Rvm. Bernenu-
vem.
E nao sabia tambem que os capitulares solada-
mente nao podem derogar urna determinacao, e
um accordao solemne, lomado em cabido ? Nao
se lembrou V. -. de que o Uvin. Bernenuvem tam-
bem no anuo passado interrompeu a ordein, que
havia, e que isso uo obstante, coutinuou a mes-
ma ordein, logo que elle licou de perda, visto como !
o referido accordao nao faz esta excepcao ? Se
V. S. queria saber se a obra da salla capitular es-
lava terminada, porque nao perguutou a eommis-
sao encarregda pelo Rvm. cabido de apromptar a
mesma salla ? E embora as obras estivessein con-
cluida*, iridagou V. S. se eslavam salisfeitas todas
as dispezas ? Alm disso, nao esta bem patente,
bem visivel que anda se nao aeha completo o or-
nato da sala, por fallar a alcatifa para o estrado, a
qual anda se nao comprou.pur nao bave-la actual-
mente no mercado ?
tomo porm V. S., pondo de parte todas estas
consideracoes que ooeorrem mais simples refle-
xo, deu a congrua do Rviu. Bernenuvem destino
diverso do que ella devia ler, tira V. S., na quali-
dade de prioste, responsavel por essa congrua e
por qualquer outra, que, perlencendoao Rvm. Ber-
nenuvem, estiver as mesmas circunstancias, a
Gm de entrega-la referida commisso, quando
lhe for exigida.
Dito ao vigaro do Rom JardimEm data de
16 do correte officie a V. Rvma. dizendo, que,
exislino nesta secretara urna dispensa do paren-
tesco dos oradores Antonio Gomes da Rocha, e Ma-
na Thereza da|Conceic <, que por engao fra pa-
ra o Rio de Janeiro no numero das de pobres,
quando os oradores possuem dous conios e tanto,
e por eonseguime devem salisfazer as despezas In-
dispensaveis, misler que V. Rvm. falle com o
orador da dispensa e lhe faga ver a neessidade devir
elle ou um procurador seu a esla secretaria, a lim
de entender-sc com o Rvm. secretario do bispado,
para se ultimar o andamento de dita dispensa.
Agora pois, apparecendo portador seguro, nova-
mento recominendo a V. Rvm. qued cora priincn-
to ao meu oficio de 16 deste.
villa em Janeiro vindouro, e ento serei mais mi-
nucioso.
Tendo sido arrematado o aterro da ruado
Lima, em Santo Amaro, no dia 7 do corr nle. com
o praso de 20 das para se dar comeco aos traba-
Ibos, riforniam-nos pessoas all moradoras que an-
da uada se fez, com grave detrimento dos predios,
porquanto approximam-se as grandes mares de Ja-
neiro, em que elfes Acarno cercados d'agoa. Pe-
dem-uos que chamemos a altengao do Exm. Sr.
presidente da provincia para semelbante doleixo no
cumprimenio desse cntralo.
Deixou hontem o exereicio da subdelegara
da freguezia de Santo Antonio do Reeife, por in-
eommodo de saude, o respectivo subdelegado, o Sr.
Manoel Antonio de Jess Juuior, e as.-umio o exer-
eicio da mesma snbdeiegacia o Sr. Severiano Jos
de Moura, na qualidade de seu Io supplente.
ItErAHTIQAO DA POLICA.
Extracto das partesdos das 25 e 26 de dezembro
de 1864.
Foram recolhidos casa de detengo no dia 24
do corrente :
A'ordem do Illm. *r. Dr. chefe de policia, Jos
Francisco de Oliveira, vindo de Sennhaem, como
desertor do exercito.
A' ordein do Dr. delegado da capital, Joaquim
Correa Leal, para averiguages em rrime de es-
tellionato.
A' ordem do subdelegado do Reeife, Vrienel e
Deben, francezes, reqnisico do respectivo
cnsul.
A' ordem do de Santo Antonio, Francelino dos
Santos Araujo, por uso de armas defecas.
A' ordem do da Boa-Vista, Joaquina Mana do
Espirito Santo, para correceSo.
25
A' ordem do subdelegado da Boa-Vista, Maria da
Conceiro, por desorden.
O chefe da 2- seceio,
J. G. de UftQuita.
Movimento da casa de detengo do da 24 de
dezembro de 1864.
Existiara....... 379 presos.
Entraram...... 9
Sahiram....... 8 >
Gustav
PERNAMRUCO,
Existem....... 380
A saber :
Nacionaes..... 298
Estrangeiros... 24
Mulheres...... i
Estrangeiras... 2
Escravos...... 47 >
Escravas...... ->
REVISTA DIARIA.
Em eonsequencia de ter entrado no goso da li-
cenca o promotor publico des(a capital, foi nomea-
do Interinamente para'ezercer esso cargo o Sr. Dr.
Joo Juvencio Ferreira de Aguiar pelo Sr. Dr. juiz
de direito da 1" vara.
O nomeado j servio igual cargo na comarca de
Goianna em tempo, em que o referido Dr. juiz de
direito era all juiz; e assim sendo delle condecido
cabalmente provavel que a esta causa (leva a sua
nomeagao, que cortamente naa podia recahir em
pessoa "mais apta por sua reconhecida intelligencia
e por seu carcter.
O concurso que deve-so proceder para 2o es-
criplurario da thesouraria provincial foi transferi-
do para o dia 16 de Janeiro proximo|fiituro.
Da estrada de Belm rcclamam contra a
existencia de gado, que alli ha, com ncommodo c
destnneao tos sitios visinhos.
Faz-se preciso, pois, alguma providencia que evi-
te taes incommodtis, ou parta ella dos donos do re-
ferido gado, ou da autoridade municipal aqiiem
compila velar na observancia das posturas.
!nfonnando-se-nos que pela mesma estrada
andam individuos com armas defezas, chamamos
a altengao da competente autoridade policial para
semelbante abuso, que carece de ser coarctado da-
da a sua existencia real.
Pelo vapor Parakyba, entrado de Sergipe e
Alagoas, recebemos jornaes at 24 do corrente.
Em Sergipe nada occorreti, que mereca mengo.
Tomarara posse de presdeme das Alagoas, no
dia 15, o Exm. Sr. desembargador Joo Baptista
Goncalves Campos, e de chefe de polica, o Dr. Se-
basuo Cardoso.
0 Sr. Dr. Buarqiie de MaceJo endereea-nos
a seguinte recl.imagan :
Estrada de forro do Reeife S. Francisco.
Repartigao Oscal.Reeife. 26 de dezembro de 1864.
Srs. redactores da Revista Diaria.O appello
que Vine, faz boje em sua Revista aos poderes com-
petentes tiara providenciar contra as irregularida-
des batidas no servico de remossas da estrada do
ferro, obriga-nos a pedir a Vine, com o maior em-
penho e como um favor milito especial, que retira
na dita Remita os fados que conslituem aquellas
irregularidades, por quanto s temos conhecimento
das qt'B pravem da falta de trem rodante e ac-
comino-Jages na estagao das Cinco Ponas, do que
tem igualmente sciencia o governo e sobre o que
temos reclamado.
A circuinstancia de Vmc. calar outros incon-
venientes no scrvigo da estrada, como diz, na es-
peranga de os ver removidos, um desfavor que
nos presta, quando pelo contrario o temos rogado
por minias vezes que denuncie pelo seu coneeitua-
do jornal todas as faltas e abusos que se c.oinmet-
terein na estrada de ferro, alim de que nos seja
possivel providenciar contra qualquer acto menos
regular da coinpanhia que porventura escape
nossa ti-calisago. De Vmc. amigo alfeetuoso c
criado obngado. Manoel buarque do Monedo.
De Garanhuns escrevem-nos em data de 2i
de dezembro corrente o seguinte:
c A segunda sesso do jury deste termo princi-
piou a fiiuccionar no da 23 de uoveuibro do cor- j
rente anuo, tendo sido submetUdo nesse dia jul-
gainento Manoel Caetano dos Santos, reo appellado
pelo juiz de direito, o qual, acensado por enme de
nu.'te, foi absolvido por se ter pr vado que seme-1
lhante inorte fra casual; no da 24, foi condemna-
doa um mez de prisao Marcos Evangelista Paes, por
ferimentos leves; no dia >, Lzaro Francisco Be-
zerra solTreu a |iena do um auno, por ferimentos
graves : no dia 28, Manoel Vicente do Nascimento,
condemnado em um inez de prisao, por ferimentos
leves ; no mesmo dia, Josepha Maria do Espirito
Santo, r atflaiigada e aecusada de baver feito of-
fensas phystcas, foi absolvida ; no dia 29, Francis-1
co Xavier de Araujo, aecusado de ter morto a
av (II), condemnado a 14 annos de prisao-, no dia
30, Antonio Joaquim Dutr.i, aecusado pelo crime
de f-riinentos leves, condemnado em um mez de
prisao ; no 1* de dezembro, Antonio Manoel Can-
dido, aecusado de estupro, absolvido por peremp-
go ; no mesmo dia, Silviuo Melchiades Mumz, ae-
cusado de detloramnto, absolvido.
c Tambem tivvmos misses na povoacao do Cr-
rante, as quaes foram asss concomitas, distin-
Iguindse minio oca;iuchinho fr. Egydio. que foi
i incansavel em promover o augmento daquelle lu-
i gar, ja adianiando a con iruivo de nina bella
! igreja, e j rolhendo bom resultado da sua predica
I com o casamento de muitos concabinarios, e emen-
! da de um grande numero de chrstos que anda-
vam esquecidos dos seos deveres para com Dens.
1 i Aquello imssionario preleode vir pregar nesta
380
Alimentados a cusa dos cofres provinciaes 163.
Movimento da enfermara do dia 26 de dezembro
de 1864.
Tiveram baixa :
Jerenymo Ferreira de Albuquerque; indigeslo.
Manoel Amonio (tabello Seabra ; diarrha.
Movimento da casa de detengo no dia 25 de
dezembro de 1864.
Exisliam..... 380 presos.
Entraram..... i
Sahiram...... 1 >
24 annos, solteiro, atoVlNl; phv>-a fi
uionar.
Joo, Pernambuco, 8 das, escravo, B.-Vista: cea
vulsc.
Maria Francisca das Nevos. Pernambuco. ti Mi-
nos, viuva, Becife ; re|nliaanenle.
Domingos. Afrte*, .".", anu >s, e-rraro.-S. Jos ; !>
hercnlos \> tlNMMVS.
Jo>, Afnc, ."i5 anuos, escravo, Santo AMhm
ttano.
Manlahn, Pemambacn, 48 ann>s. :t iro, escrav
It i.:-\'~la ; hexi.'as.
lina manca encontrada na porta da capellada
Cimcric.io na Boa-Vista.
CAARA IllICML
SESSAO EXTltAORDI.NAKlA Mi DE HMaV
BHO DE 1864.
/'residencia du />-/<) e A/hn./ue^Hf.
Presentes os Srs. ||. nrique da Silva, tnl
do R-g i. Mello v (iameiro.
Aloe-se a sesso, e e lida e approvada arr*
da antecedente.
L se o seguinte
EXPEDIENTE
l'm offlcio do Exm. presidente da provincu.
commiificando, em rasenta a > ajan a caaaara lhe
dirigi sob n. .'i : declara que aaufea e> r\pe*r
ordeas para que os rorpw da guar.U n.vi.aal >
la capital marchem reunidos ai^ d I' linha.
a frente da matriz desta ireaaMki -le Stoai.
nio no dia 10 do corrente ,,. ti banatn
alim de as.-i-tircm ao Te Deum UaiBasa bk a
mesma cmara tem de ma-. lar can' o .. T.*> Fw-
deroso, em arcan de graras peki I mm$nm
de sua alteza a angnsla prinrez inip-r at. esa
sua alteza o ronde d'Eu.inteirad.i.
Ootro do mesmo, rec .mmendanl a cmara que
d em lempo as nere--arias pr.m n- i- ..rj ipap
se leunam as juntas qualilicadora dea frecavaaks
deste muniripio, na 3* dominga da aara -le pnrir<.
prximo vindouro, luyendo o ajai Man ara
que se faga reL'ularmeille t--! j o pi
liticagao, e tend t-se em viata para a .*gamsa\,
das respectivas listas n Vipojta no dacmli
Existem..... 380
A saber :
Nacionaes----- 298
Mulheres...... 4
Estrangeiros... 24
Estrangeira ... 2 i
Es ravos...... 47 ,
Escravas...... 5
380
Alimentados a cusa dos cofres provinciaes. 161
M I
-
v I
i!
: i
= f [3 B
I :
I :
! i '.
>
g
i Masculino, i > i i i l "*" 1 n 5 1 l I 1 1 \ 5
i i i S 1 Feminino. \ ~ 1 1 1 1 / E 1 1 1 ~: 1 O 1
s . . c s Masculino. m en H B g
M . Feminino. vi 'A a 2
hf> . i 1 1 Masculino. -i V-o > S9
I I
Femini
ino. I o
m
Masculino.

S


m
o
a.
S"
11
s
- N M l vi
ce 1 ^J
*- m ! *J
Femini
------1 ?2
inino. \
Masculino.
oe
U * a
- i 1
;~ 1
-~-i
Feminino.
> i
M | TOTAL.
14
O I
de 21 de dezembro de IHtii. e m.u- di-p..sier
Vigor.Inteirala, a que ne-te-cutid'cape
diseem as convenientes commn:
Lina petigao, com despacho d > Exm pre-i*.-
da provincia, mandando informar, na qnal Mi
Jos da Silva Marques recorren lo I KxI alle-
ga ter cuncorrido a arrematar o il< imi! ris por carga de fariuha i rjihm i rodi'JiH ae-
mercados pblicos desta capital, e que.ai>
admellido a langar no mesino ini|i >-; > s-di prent.
de nao se acharen em Nm aa d^-umeaioiaV
sua habililag.io; ronrlne i ITr-r.-ndo mais a QjBaa-
tia de 2(K>50(H), e por-lim pede ipi- lhe ) eaire-
gue a dita arrematarlo.(jne m mloroia--.1 cum a
occorrido, dizeado-se que a pr-t
cante n.io pode MT alien.lula.
Outro do subdelegaaV) da trajeara! i .k> Keeie.
Lua Antonio Gonralv-s Penna, t-Kinmunir.-in.tii
haver em 8 do corrente reassaiaMe o tianati
mesmo nrfn Inlriraiti
Outro do engenheiro cordead"r. inf.r:nan.|.> v>-
bre o requerimenlo, n> qual Ant.ino ,
do Brasil, prnprieiari i de um *itm na e>tr.uca r
Oiinda, junto do paaaaia de Smi> Aman, pede
para que Ih- se a peraM'ido fazer r m-iruir ama
porgo de muro em se.'inment-i a i pa I o;., j i exp-
ente no oilo do in-'-mn silm. i.bri^athfci-e por
ilermo a denmiir o dito muro tem iaili mm>
alguma. qnaado lionver de ser alargada a rm por ah passa diz que junto da oiiao it Mtm do
peticionaria passa com (T- it anua lanaraai aae
tem unte palmos de largara, mas ,:n- apeadaa
planta di lugar deve ser a'ar.-ada |. ni Vl) >*\n*-
entrando 40 palmos pelo dito sitio mi t :
cumplimento, desde a dita c*tr3fo de Oumla Mr
a direcco da ra da Aurora, paawaadi i-r terr-
nos alagados qae mui BfavaarJuaraai sao >erio tan
cedo beiieiiciados, nao bavaati i ruiMaaV
publica em ser desde ja de-apropriado aMaaaj
preciso tiara o alar^amento da ma asa qneM.
parecn-lhe que sem inconveniente pode conceder
se a licenga. Permit o se.
Outro do mesmo, informando sobre o requer
ment, n qual Izabel Mara Po*-a. propneiaria
da cara terrea, sita ra da camhoa do r^nan.
pede para qjaw lhe seja |>-nni:tido faz r na wrniaa
rasa urna solea conform- a fmmWm *m ir
declara que com quanto a cas nao tenha a
marcada as iiisma* |>-tiir-. i ia^ia >tai
alta, e as mesmas rirruin-'ati- n< -o i >i -
aeha lem a cmara pemriiido a outru-, o qpse a
peticionaria pede. Gaa*>4aa-*e.
Outro do li-cal da freguezia de Sanio Aatnaio.
Informaado a pehg.i na qual Fernamlo Sa) l pe-
de para ser dispongo de pasar o importo atraes**
que nutro- lii-araoi -v.-n in <| 11n t.> !-nb kh>
na casa n. 17 da ra .1 tanas!, onde aciaaliaemg
tem o siii.plicante o -. u esialt-lerimealo rei-
gios; i,;in a diler que o eaposlu ni .! ti pe
exacto, e as?iin d- ju-tica o pedido f-
nu-se.
ees
ADVERCENCIA.
Na lotalidade dos doentes existem 137, sendo
81 homens e 53 mulheres.
Foram visitadas as enfermarlas estes dias :
Pelo Dr. Ramos s 6 1|2, 6 1|4, 6 |4, 6 20,
6 |4, 6 1|4, 6 l|4.
Pelo Dr. Sarment s 1[4, 7 iil 8, 7 3)4,8
l|2. 9, 9 l|2.
Fallecen :
Jeronymo Telxeira ; laryngite ulceres.
Pasageros do vapor nacional Parahuba, vin-
do de Aracaj por Macei e pnrtos do norte :
Jos Alcaim, Dr. Salustiano Orlando Araujo Cos-
ta, sna senhora, 2 flibos e 8 escravos, Joaipiim Pe-
dro da Costa Moreira, Antonio Jo< Rodrigues Pi-
nheiro. Mara Palmira da Gloria Carvalho, Adelai-
de Carvalho, Georglna Carvalho, Dr. Ltvnio de
Bastos Varella, alferes Joo Baptista Menezes, sua
senhora ej 2 lillios, cadetes Joo do Reg Ha; ro>,
Julio Indio do Brasil Morana, Francisco Luiz de
Magalhes Fontora, cabo Lauriano Francisco, sua
senbora e 2 lilhos, anspecada Jes P. de Mendonga,
sua senhora e 2 litios, Francisco Manoel do Souza,
Joo Evangelista B -lio, Augusto Moreau, os Afri-
canos livres Adriano e Margrida, Manoel imdes
da llosa, Dr. Joaquim l*res Carooiro Monleiro, An-
tonio Teixeira Carvalho Lisboa.
OtlITUAniO 00 CBMITKni0?UBLIC0 NO DIA 24 DE
DKZEMHRO M 1864.
PrimiUVO, Pernambuco, 6 annos, S. Jos ; interite.
Prenbeo AMonlu da Silva, Rio Grande do Norle,
Outro do li-cal da Boa-Vista, rom'ouaiuada o
man e-lado i in qun se arba a ponl^zinha, iym da
entrada para o lugar da Baila Tarda aa Caean
de maueira que difli-uli< a pa-sagem. pede a ea
niara que su *irva providenciar pin qie n>a-
cerlo uece.-sario se fa;i. -Mandou-se r.ein au
engenheiro para lur examinar e orear <* c-mr t
tos.
Outro do fiscal de S J .s.-. informaado a prtici.
de Manoel Nuiles Bair.. ^ ,'-i. que p-ib-m para
estab- lerer urna |.adana rin a ra-a n. I da raa -
Pesradi-r-s ; declara que e exarto o que aUrfBaa
os supplicantes de existir anda na nv-ma
um forno, que servio fiara a padaria que oair'ora
all houve, nao I In- parerrnde haver iwuaeie
le em conceder-so a brenc, por i-so que a raea
esta enllocada a be ira do mar. e o furn lira rol la-
cado para a praia de Smii Hitu. -Permitlio-se a
licenca.
Outros (i) do administrador do eemiterio paaii
co da frajNMSla de S I. ureoen da Malla. reia>-
tendo os m-ippa- dos entei ramelos .pee n'aquelte
estahelecimento se lizeram desde II ate 31 de ua-
tuhro ultimo. Ao pr.^iirador.
Foi approvado nm parecer da cicnmii-.V de pe-
tigoes no sentido de M inf- rinar fav.iravelrpeale ao
Exm. presidente da pr-.vm. 1a, a pefig.i> do **eaj
do Reeife, em que pede au mesmo Exm. prirsatea
te sua aposenladoria.
Foi tambem approvado nm parecer da mn an
commisso. no seuiido de se aaAar papar a
Francisco Joo Honorato larra Grande, a ipa> -e
lhe estiver a aerar nm > porteiro 4 tribuna* da
jury, dando-e em seguida ordera ao rnntaaW pa-
ra fazer a sala, e dvp.as traier au roahacaaeal.i
da cmara para re-olver.
O engenheiro c-.rd-a.lor apresealoo a planta da
ra dos Martyrio- iadsaaaaV a alteracao a U*n-+r
na mesma ra, e a cmara re-olveu qne se oaV
cia-so no Exm. presi.tenle da prwviacia pudinda a
approvagn.
De|iacharam- c as petigoes de Antonio < ves de Moraes. dezeiuharga-lor A'exandre Humar-
dio dos Heis e Silva, Andr Maender, ienlo Jna-
liiiiii Gomes, Fernando Goyot, Fraari-ca Juw
1 Cabral, Gmlrt-rme Augnsio de Aloavde, !






Diario de Peraaaafeveo Terca felra 89 4c Dczenibro Je 1SC4.
I
cintiloiftibeiro, fos Utft Ferreira da Costa, Jos Dr, Jos Mamede Alvos Ferreira, pedindo pan realmente cmico e divertido, e desde entiic attra-' plicanie que V. Exc. prestando aos fados apona- Brigueanstriaco-Anasfocio-farinha de trigo,
rann-co de Menezes Amo- qmi ihe seja peamitiido reedificar o seu sobrado n | liti sobre si a nsola do povo. Para haver de Ungir dos a con>ideracao que cosimna dar aos negocios
rim, Joaa Gines da (losta, Dr. Jos liento da Cu
nha Flgueircdo, Dr. Jos Mamede Alves Ferre-
ra, Manuel Jo> Dantas, Manot-I Francisco Stares,
Manuel Ignacio d'Olivura Lobo, e levatilou se a
sestao.
Eu Francisco Canuto da Boav.agem, secretario
2 silo roa das Larangeiras, mas de modo que U-
qoe com tres portas de cinco e meio palmos no
pavimento terreo, e com duas no primeiro audar,
diz que, posto parega attendivel a pretendo do pe-
ticionario, a vista das rar.os-s por elle allegadas, to-
dava r-erlu que vai de encontr as posturas em
a subserovi. Bairos Reg, presidente llego e vigor.lndcf.-rin se.
Albuqwrque llenriques da Silva RegLeal, Oulro do lUcal supplenle da freguezia do fieci-
Scvo Mello ameiro. fe, pedindo a cmara houvesse demandar payar
SES-AO fcXTRAOIlDINARIA AOS 23 DE NOVEM- %. f****0, J"s Antonio Marques, a qusniia de
Bill) DE 1861 .***"0 rs- Presidencia do Sr. Uniros Reg. *? (>ua Cu,n elle proceder em 20 e 21 de agosto,
Presentas os Sis. llego Albuqu.-rque, Henriqaes 8 ** "elcmbro, 5 de outtibra e 4 de nove mbro cor-
ea Silva, Gustavo do liego, Leal Seve, Mello, e Ga- i "*"<>Ao contador para passar mandado,
ineiio, brese a sesso, e lida e approvada a! ..u'red. ">-'<* freguezia de Sauto Antonio,
MU da antecedente. ; duendo ja ter participado, que pelo otado de es-
L se o seguiito i a "ePueiia cercada de caes, fazia deposi-
FXPEDIEXTE : I,ar ein Var'os pateos, os liaos tirados diariamente
Um offlcio do Ex.... presidente da provincia, *>!d** r.":1.s' fr*"" bet-cos, e tendo bastante por
que se arreceiava du mim, cerou-se de guarda-eos-
Ntl e espoletas em sm casa, e delles se acompa-
tilma para toda a parte. Estes eapanpas, tilvez
para zonihetearem do pobre amo, llie d.ziam e es-
paihavam que a residencia do Sr. Voto era cir-
cumvigiada do vultos durante a noile. Miara su to-
dos do Sr. Victo e dos -eus espoletas e das suas
visagens, e al eu tamhem rir m-vhia, so nao visse
pblicos, digae-se de maudar proceder contra o
referido delegado.
Assira pede V Exc. deferimento E R. M.
Jos da Fonseca Silva.
Reeontieco verdateira a assienalura retro.
Recife 2i de dezembro de "861.
Em lesiemunlio d>> verdade (slgnal)O t*helliao
publico interino, Pedro Alexandriuo Rodrigues
! do crreme re-pondendo ao que ob n. SS Ule i S* "el,e W Pateos do C.nr.o, Paran e S. Pedro, ter eu tentado contra a sua vi.la t Ol! isso Ja el- Illm. Sr. Dr.che.fe do polieia.Jos
dirigido pela eainara, declara l< r naquella dala se recontare urgencia de ser removido para algum le tena no, sepodesse provar tao revoltanie im- e Silva, precisa que V. S. portea re>
dirigido officialmeote ao eu.-on.'l eommandanle das lu*;,r iregurza de 3. Jos, visto que nem ao putacao I Mas, embancados por esta impossilulida- pacho Ihe mande dar por eerlidao o
armas, para mandar presentar no Campo das 'enos alagados exislemji.i freguezia seu canto;
Princesas no da 10 do crrente, as horas da RO-K*"f? ?u_tor_ii?:,?ao./'ar_a..raMr.,**mS^J^
te duas das musirs dos corpos de lluba, *1im de
atii to.arem einquanto durar o foso de vista que
pretende, a mo.su.a cmara mandar soltar do referi-
do campo.ini.'liada.
Oolro do me.-mo,de 12do dito miz, recommon
dando que Ihe remeta at o ultimo de janeirw pro-
cessaria com a remoeao do mesmo lixo.Mandou-
se remover para o lugar que fosse mais convenien-
a trapassa que se esconde atravez de tal palhagaria. Lins.
Eu j sabia que o Sr. Victo Alves cura-sedo fei- N. 57.-(8cllo)-Du7enlosPagon duzenlosris.
tico, de que tem muito medo; o que nunca pen-ei Recife -24 de dezembro de 1864.ChavesSena,
que elle chegasse um da a ser tao Iblgato. A Rometlido ao Sr. Dr. jaiz de direilo da comarca
liga transformou-o em manequim. do Rio Fonnoso, afunde que proceda contra <* sup-
Acham-se o Sr. major Victo Alves e todos os da plicado nos termos da lei, mandando o mesino Sr.
sua nova seila no pleno goso das posices offlciaes, Dr. jaiz de direito antes de tudo que tija preen-
sem exceptuar beligiins e inspectores de quartei- chida algama formalidade, e que porveotuia falte
roes. Pois cun todos o.< recursos, do que actual na presente peticlo.
mente dispon aSr. Victo, nao me houvera procos- Palacio do uoverno de Pernambuco, 2i de de-
sado e metlido em rigorosa priso, se bsse exacto zemliro de I8.A. F. Peretli.
da Fonseca
peilavel des-
. theor do oll-
de. o 5>r. Victo e os seus aduladores contentau-sc ci do delegado do termo de Serinhaem, de i de
com publicaren esta e ouiras calumnias contra julho do crrente anuo, que acompanhou o indi-
mim nos joruaes do seu partido. Seu flm obterem viduo de nome Jos Francisco, conlieci-lo segundo
Galera franceza Thokin geueros de estiva.
Rccehedorla de reouan Interna
geraes de Pernambuco.
correnle pelo vapor francri MnMn. \* rar-
as >erao recibidas at 3 nra< anles da qiw (ir
marcada para a sahida do vapor ; e os jcinars ale
i 4 horas ante*.
Rendimeoto do dia 1 a 24.........
dem do du 26.................
3:5686::G
Consiliario provincial.
Rendimento do dia i a2i......... 118:3882383
(dem do dia 26................ 6:8870."tl
122:2754li
MOTIHEHTO DO POSTO.
Navios airados no da 24.
Rio de Janeiro 13 .lias, barca ingiera Mmning
Lcijth, de 786 toneladas, capillo Hermn I. Wa:-
ter, epiioagein 13. em lastro; llnry F'or>ter
ti C. Seguio para .New-York pelos portos do
norte.
para cumprir u dispo-lo no aviM eipedido peloiui-
nislerioda fazenda, rin 2 do correte, laz M preci-
so que a cmara Ihe remella rom toda abrevidade,
um quadro, cuino o domodello junto, de toda a sua
receiu com mdieace das diversas verbas, da le-
gislatjo (pie as crcou e regula, da inportancia ar-
recadada d.< cada nina dellai uos lie- ltimos exer-
cicios, e finalmente Oas cansas do seu augmento e
dimiuuieao.Que se remella.
Outro do.....sino, de 16 do correle, aecusando
recehido a de 9 do prsenle niez, em que a cma-
ra municipal remetteu a ln>ta dos qoatro juizts de
paz ultimainente eleitos para a freguezia de Sanio
Antonio, lecoinmenda a referida cmara que llie
envi urna l>la completa do resultado daqnella
eleieio, cuinpreheudendo os cidadaos minediatos
ein votos, e que nos casos previstos na lei tem de
subst1tt1ir.aqueliesj1117.es.- Que se cun.prisse.
utrudo mismo, de 18 do presente nuzde no-
vembru, reruimiiendandu a eainara que Ihe infor-
me com urgencia quantos cidadaos foram este au-
no qualilic.idos volantes na fregu**zia dos Afoga los
do seu municipio, nao s pela junta revisen, mas
lamben pelo conselbo municipal de reserva.Que
se infoi niasse.
Outro do mesnio, de igual data, communicando
ter reo-ln lo o da cmara de 20 de oiituhio ultimo,
remetiendo copia da acta da apurac.io geral da
elei(,-o de vereadores e juizes de paz, a que se pro-
cedeu uiliaiamenie na> freguezias deste municipio,
fazendo-a acoiii|.a:har de copia da eleieao da fre-
gue/.ia d S. Looreoco da Malla, dos que se tlzeram
na matriz e capdla do eugeiiho S. Francisco na
Ireguezia da Vorzea, e de urna petieau documenta-
da que a mesina mamara apresentara Jos Tnomaz
Gavakante Pessoa, protestando conlra a elcico da
freguecia dos A f. .gados.
Em respusta declara S. Etc. me cabendo-lhe a
aiti'ibuicao de juitar provisoriamente as eleicdes
de vereadores e jones oe paz,tem resolvido apprv*
var, a que se f. i na matriz da Vanea e determina
a cmara, que lomando em separado os votos da
eleieao feila no engenlio S. Francisco, inclua na
apuraban geral os da eleieao feta na matriz remol-
ienda Ihe o resultado para ser suhmeitido a appro-
vacao o derisao do governo imperial.
Posto em discus.-ao, o Sr. Reg e Albuqnerqiie
pedio a palana, e declaren i|ue.em vista da le a
cmara devia eumpnr a deliberacao o Exm. pre-
sid.-me da previnria e assim se reolveu.
O Sr. Mello em seguida, pedindo tambem a pata-
rra, reqir-reti que ipiamlu se remetie>>e a copiada
acia da nova aporacio a S. Exc: se Ihe pedi.vse
que rein.-ito.sse ao governo geral a copia da acta
da piimeira apuradlo, bem como as das eleice>
pro.- di.las na fiegnezia da Vanea e ds S. Louren-
<;o da Malla.
O Sr. Gustavo do llego pedio a palavra epronun-
cia-se contra o requ- rmi.-ntu feilo pelo Sr. Mello,
por jui^a-lo desiiec.e-sario, visto gue S. Exo. do fi-
nal de S--I1 i.lucio (|.ciaron que la siihui.-ller o re-
sultadu da nn-sina apnraco, a apreciacao e decisao ']',*''* s"s?ao.
do govemo mumrial.
Nao havea io mais qoem fallasse foi im-tu a vo-
tos o reqoeriuwnlo do r. Mello, e regeilado.
Oiiiro'ioiiie>mo,de 19dupresente niet, resimnden-
di) ao (la cmara de i do currenle SCb ll. 56, decla-
ra ter anclada ao director da reparllco ** obras
publicas, para r.-m.-lt r cum a |hi>sivel lirevi.la.le
urna copia da planta .ia estrada qu vai du Mangui-
nho para a Punte de Clia, pedida pela tnesma ca-
maia Inteirada.
Outro co Exm. vigano capitular, de 9 do corre-
te, aecu-audo ter recehido
Navios saludos no mrsmo da.
a minha demissao de commandale superior, lugar diz aquella autoridade por Jos Soldado, destina- Liverpool Galera ingleza Muru Hardi/, capitao
le, e deu-se ordem ao procurador para satisfazer ardenlempnte ambicionado por rssa entidad? iral- do ao servico do exercito. George BartteU, carea assucar algolao.
a importancia da desuela. coeira, quo sorrelfa impelle o Sr. Victo a desea- Nestes termos pedea V. -. Ihe delira. Mediterrneo-Barca franceza Itapide, capitao La-
Outros (i) do administrador do cemiteno publ-! hir em quotidianos delirios... Querem alcancar o Recife, 16 de dezembro de .864 U-se-lhe. valle, carga assucar.
co da freguezia de S. Lourenco da Matta, remet-1 commando superior cusa do descrdito alheio I Secretaria da polieia de Pernambuco, 16 de Liverpool pe i Parahyballirca ingleza Miranda,
capitao I. Congdon, em lastro.
certifico,' Aracaty Vapor brasileiro Mamanguape, com-
do theor I mandante Moura.
Nao b'juveram sahida=.
rinhaem, 4 Niipjoj entrados no dia 25.
um
d
31:786439*' Administracao do rorreio de Pernarr,! -" '
' 3:7825242 dezembro d 8t>\.Oa.lui.i.isirat. r.
__._______| Domingos dos l'a Miranda.
CORRHO G RL.
Rclacao das rarlas srf uras viadas dr l>rr arl
vapor co4riro l'arabiba r das rtislratra na
aJainistrjfio da carrrie drsa ridaaV fn **
sctiliorcs abiito declarada* :
Amonio A Saraiva.
Clorindo Ferreira (lilao.
f). Franci?ra de Je-us Maria Marqnes.
Francisco Anlonio de Albo pi-rque M II
Francisco de Meil.. It.rr. I
Felippe .Vciy dos Santo-.
I>r. (ncalo .le Aui.ir H .lo de M-neze.
Herciiiano Namot IV.-.n-o.
Joaquim PtUppe di (o>la.
Joaquini Jo- de Oiveira Mes p
Joaqoim Jorge de Mello.
Dr. o. Ferreira Druvalle 1-2).
klim MAHITIMGS.
um mappa dos enierraineiils que se lizerara no malfe.iores, criminosos de qualquer condu;ao que de julho de i$64. -Illm. Sr.Fago seguir por urna Aracaj por Micei e pi.rtos do norte rom 4 dias I ^1
dito estaheiecimento em todo mez de oulubro ulti-. sejam. escoltado destacamento desta villa, com deslino j Vap ir nacional Parahyba, de 101 toneladas, ^*7f:!'.
mo.Ao procurador. Declaro ao publico e ao governo, que, nem do ao reciut ment do exercito Jos Francisco, co- equipagem 21, comuian-jante Joaquim Jos Mar- i *-'.%'
A ommisaM de peticoes (Srs. Seve e Hcnriques Ceara, nem do Piauhy, nem desta provincia (Ma- nbecido por Jos Soldado, com trinta e cinco an- tins. ^.^'M
da Silva \ ain .'vi-nlun n ven uureeer vAhre a oro- runhlol V..A ini.nc .wciit-, minh, t n.,..l > am ......i.. ,,.,.u Vw. i .-...-.. r*>. mUJ*. ****,<-"7H
nos de ida.le.
Bsse individuo acaba de offender a urna menor
do quinze annos, aleijada de ambas as pemas nao
obstante est amasiado com a mai da misma, de
tllhos era casa delle.Nao tem
da Silva.) apresenlou o seu parecer sobre a pro- ranliio) veio jamis escolta minha fazenda em
posta feila por Manuel Alve Guerra para se en- ( busca de criminosos ;e que nunca foi preso em
carregar do planto de arveres nesta cidade, sen- i minha casa nern um s individuo se quer, stispel-
do a mesina commisi-So de apMo que se accei- tode crime.Desafio a qiiem quer, que se|a a que
ta^se a proposla com a modilicaco de ser o preso pro ve semelhante facto, a que demonstre haver-sc qnem tem dous
de cada una arvore plantada, engredada o cou-1 asyiado em minha casa criminoso algum em qual- isencao legal.
servada seni deliuhaHieiito por espaco de uin auno, quer tempo. i Deui guarde a V. S.Illm. Sr. Dr. Abilio Jos
contado do da em que o proponente con.muiiicar i Minha- vida, j bem adiantada por 56 annos de Tarares da Silva, digno rhcfe de polica.Manoel
a cmara, e fr por e.-ta verificada, de 20 em lo- idad;, e meos actos, sempre dictados pela honra e Nicols Rigueira Pinto de Souza, delegado de po-
gar de 25, t que a escolha das arvores fosse o dever, espressam cerlamente mais verdade do licia.
que as contumelias e reeriminacoes de v< detrae- E nada mais se continha em dito cfficio.
lores, que procuran) ferir-me de emboscada. Secretaria de polica de Pernambuco, 16 de de-
Tenho f em Deus o confio as instituicoes do zembrode 1864. Sub.-crevo eassinno. Osecreta-
meu paiz. A consciencia, que tenho, do meu hom rio, Eduardo deRarros Fab ao de Lacerda.
proceder da-me certeza de que triumpliare deste Pagou mil r^is.Affonso Ferreira.
sempre de accordo com a dita cmara.
Quauto a segunda parte da proposta, emende a
coHiinissao que nenhuma duvida devera encoutrar
o propooente, urna vez que o onVreca a garautia
tiecessaria (.ara a quantia do adianla'mento.
Finalmente emende a enmmiscao, queacceita a
proposta, deve a cmara designar um |irazo para
o romego da (ilantaco, e de-ignar urna mulla pela
falta de cumplimento. Fo. approvada c.oin a
emenda [irojiosla pelo Sr. Gustavo do Reg, da a
cmara nao lomar coala das arvores, senao depois
de passado o prazo, e quando estas tlvessem mais
de seis palmos de altura.
A ruqueriiiienio do Sr. Seve, mandou-se annun-
Nao houveram sahidas.
Navio entrado no dia 26.
New York 30 dias, patacho brasileiro Jaboatao,
de285 toneladas, capitao Jos da Cunta, equi-
pagem 8, carga 1300 barricas ron farinlia de
trigo e outros gneros ; a Henry For-ler Ji C
Nao houveram sabidas.
SDIT1ES.
mus imingos.
Desde 1836, em que tive ngresso nos negocios
pblicos de>la comarca, tenho exercido todos os
cargos, tanto de nomeacao do governo, como de
eleieao popular, e em cojo desempenno sempre es-
forcei-me por bem servir. E a approvaco que hei
merecido do governo, e a estimacao e applaaao dos
homens graves o honestos, bem como a sympalhia
com que me honra o povo em geral, asseguram-
Pela htspeccao da alfandegi se faz publico,
que no dia 20 do crreme a 1 hora da larde,
' porta da mesma reparlico, e bao de arrematar
N. 28-(SeIln) Duzentos.Pagonduzentos ris. livres dedireftosao arrematante, 63 barrilmhos da
Recife, 23 de dezembro de 1861.Chaves. marca com luos, viudos do Porto pelo navio por-
Sena. tuguez Novo Luna, avahados por 720 rs. cada um.
Conforme com es originaes que foram-me apre- abandonados pelos direitos, requerimento de Au-
sentados par os reduzir a puMIca forma, que lome Lopes Braga.
a presente, aos quaes me reporto, e os devolv a 4" sec.-ao da alfan.lega de Pernambuco 26 de de-
zembro de 186i. 0
pessoa que m'os apreseutou. zembro de 186*.U esenvao,
Recife, 26de dezembro do 1864 Escrevi e as- Manoel Gomes de S.
signo em tcstemunho de verdade.-O tabelliao pu- 0Dr. Tristao de Alencar Ararpe, offlcial da impe-
eiar, cbamando os proprieiarios dos terrenos oude : me de que bem comprehendi e cumpri os meus blico interino, Pedro Alexandrino Rodrigues Lins. I nal ordem da Rosa, ntz de direilo especial do
se projeela fater o passeio publico, para declara-1 deveres de cidadao e funecionario.
rem a eMeusao dos uiesuios terrenos e o preco que Quando em 1839 rebentou nesta provincia a re- \
poreiies querem.Resolveu-se a pedir ao Exm. belhao. ronheeida por halaiada, fui eu n.-sta comar-
Vo a mil maravlhas os negocios policiaes de
presidente da provmcia.que se dignasse resolver a ca quera primeiro procurou debellar os sediciosos.' Alegados, o Sr. Manoel Jos da Silva Grillo de-1
allera.;ao da planta da cidade na parte que com- Um anuo e oilo mezes mantive me com as armas pws de dous processos no costado por muitas gen-,
prebende a ra da Concordia, proposta pela cama- na mo, em defeza da monarchia, das institumbes 'lesas, que. praiicou, quiz soltar o bastan, e t
coininercio desta cidade do Recife de Pernambu-
co, seu termo, por Sua Magestade Imperial e
Constitucional o Senhor D Pedro II a quera Dos
guarde ele.
Faca) saber aos que o prsenle edilal virem c
COIIPANHIA BRA3JXZIRA
PAQUETES 'a VAPOR.
Dos portea do sal esperad-
al r. da .10 do rorrenle um dte
vanrua da > ..oipanhia o qual >-
pois da dt'Hi..ra guir (ara os portos do m>rlr.
Desde ja rectiiem-.Ne pa>sageirua < eii.-au* i
carga que o vapor poder eonduzr, a quai drwra
ser embarrada no da de sua rbrgada : encasa
nendas e diniieuo a Inte aleo diada sabtda a S
horas; agencia ra da Cruz n. I, eseripton >
Antonio Luiz de Oivera Azevedo J C
"COMPAaNHIa peUUMOCJT
DR
Xavega?5o costelra a ap>r.
Ala-pi e escalas.
No dia :W do mrrenle erair*
um dos vapore* na eeinprnhia a-
ra os pnrto arm.a inO.rad. a
ras da larde. Herede carga t
da 29. Enrnmmendas. paa-
eeiros e dinn.-iro a frele at 2 horas da tarrf d"
da da sabida : escri|.lorio ao Forte do Man
n. I.
COMPANHIA BRASILtlA
DE
PAQUETES A VAPOR-
Des pollos do Borle e espera
do al o da 31 du OVVaada u va-
por l'ainu, coinmandaDie o ca
iiitao de fragaU Sania barbara, w
'qual depois da demora do <-otu
me seguir para os porto- do sul.
Desde ja recebum-se passageiros e en^aia-M a
n
rico Amonio de Mello. Faucisco Boielhu de. An- ter. urna nova era ; o prestigio e nome que aqu goza
irade, Guilhermino Celestino do Carino, Guilher-1 Na guarda nacional segui desde os pistos de te- Sr- Lamrlle, nos owreee n
Rartioza de Olveira, joizescrivao e mais msanos; Como signilicacao de apreco a estes servicos, avaliador do juizo,
da irmandade do Saulisslmo Sacramento da Bia-(li(lno"se o magnnimo u.onarcha condecorar ine 8 as 9 horas, e voha das, ,4, e
vai ao Recife lodos os das das
asscia aqu'
luelra Barboza, Manoel Francisco Soares, Manoel j E |i.a.-s sao a* psssoas que lizerara acora tao
da ilv Jacorae Pessoa, Norborto Uun Teieira!P'*wo aeka^t Beses mesraos homens que me
Guimaries, Vicente Ferreira da Costa ; e levan-1 acompanharam desde nimios anuos, que lestemu-
nharain as minhas hitas e solTiimentos, o a ipiem
Eu Francisco Canuto da Boaviagem, secretario liz o bem que pude Sao eiles quo me ultrajan),
a subscrevi.Barros llego, prndenle.-Leal e- p na bem m.-r. cerera do novo partido aqueadhe-
ve Reg.Mello.Gameiro.
GOERSSPONBENCIAS
riram, estimulados por paixdes bem peqneninas.
i por seiiiiuienios inconfessaveis I Sao elles ipie
. me perseguem, para cmiseguirem que o lugar que
loecupu na guarda nacional,-ejt dado ao mais astu-
to e ambicioso d'entre estes fervorosos croles do
moderno ulkoran
Ao E\tu. Sr. dcsenibarqador vicc-presidcnle desta
provincia.
Pede-so ensareridamente ao Exm. Sr. desemhar-
gador v.ce-pre-
a?aci feta |..io p
o abatimeuto respectivo da fei.
E para que cliegue o conhecimento de todos
mandei fazer o presente edilal que ser aflixado
nos logares do cosluine c publicados pela im-
prpnsa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
naml.uco aos 12 de dezembro de 1864.
Eu Manoel de Caivalho Paes de Andrade, escri-
vao o escrevi.
Tristao de Alencar Ararpe.
O Dr. Tristao de Alencar Ararpe, offlcial da im-
perial or.leni da Ro-a, e juz de direilo especial
do cnmmi re o, nesta cidade do Recife, capital
da provincia de Pernambuco, por Sua Magestade
Imperial e constitucional o Sr. D. Pedro II,
quem Deus guarde, etc.
Paco saber aos que o prsenle edilal virem e
delio i oticia livrem que no dia 13 de fevereiro do
auno prximo vmdouro, se ha de arrematar por
venda a qnem mais der em praca publica deste
jui.-o o t-scravo segrale :
Amaro, crionlo, representa ter li 16 annos de
dia
Ihe falta, traa se com o< tonio Luiz le Oliveira Azeredo & C, no *et) es-
criplorio roa da Cruz n. I.
fara o lito de Jmmaro
pretende lajrair rom u.u..a brevidaoc o tnc*e es-
cuna NSe Sei, tem parle do seu carrei.-aB*tr
prompio : para o ralo que Ihe Ma e tMnanmi a
frele, para os quaes tem exeellenles roioiond',
trala-se cem os seus r..n-ignalatins nni.-ni Lai:
deOliveira Azevedo A C uo seu e>rni. no rya
da Cruz o. I.
Aarunko
Para o Ksranha i <"gn o Gai h\ m ; .-
dias, tem par' di c.-ir^a prompla : a taaM coa
Tasso Inno.
Para Lisboa
pinto mi-encr lioso edecidido patriotismo, so digne i da,,. fem (),.f,.i|(1 ,,-, avahado por ura cont'
providenciar com urgencia, para que .-s habitantes i e ,,,,.,1,, utos mil ris, o qual Om penborado por I
da cidado de Obu.la n t o conlinuem a estilar de se-1 (.x,.4.ur.;H,,),. j;lquim El viro da Silva, contri o te-
Senhorcs redactores. Ha ura anno in i perseguem
os meus adversarios polticos com as mais alrozes
calumnias, os mais cobardes aeintes eataqnes pes-
a mesma dala o, em j oaes. Raidos de fados, mas ol-tinados no s> u inil
que a cmara covidava-o para olinar no solemne j peusameiito de nodoareiu a inioha repulayao,
Te-evm que manda celebrar em aceao de gracas aquelles partidarios funo.-os at o delirio machi-
no Todo Poderoso, pelo fausto Consorcio de S. A. a
augusta princesa imperial com S. A. real o Sr. con-
de de Bu.
Agradecendo -.Exc acamara a alinelo que
qtiizera ter, declara que sera solicito em Compare-
cer na igreja matriz de "auto Antonio, no dia e ho-
ra aprasadaInteirada.
Oolro da cnuiinissao encarregada de erigir na
cap al do Marauho um moiium.-nlo que perpetu
a meiiioiia do poeta Anlonio G.nicalves Dias, sol
citniloaigu u donativo tiara o nobiv liin indii-ado,
ja |) -la ramara, e j abrindo ella urna sub>cri|i;a..
eup) producto Ihu seria enviado no mab breve
praso.
Pisto em diseussao, resolveu- a amara dzenio que a cmara ia annoneiar que
se aclnva aherta una snb-erieco paiao lline.x-
posto no citado ollicio da referida commis.-o, fa
sendo de sua parte o que fo-se pos-ivel para reali-
sar o reeemmenio de algum donaiivo.
Por esta occasio o Sr. Mello requer que nao se
tendo agenciado, como consta, mais quantia alguma
dasubsciipco para a etatoa de Jo- Bonifacio de
Andrada e Silva, se flzesse fwneesa da quantia
existenle.Assira seresolveu, daudo-se ordem ao
procurador.
Ontro do juiz munieipal da 2* vara Dr. Francis-
co de Ai aojo Barro-, remetiendo a cmara urna
ceriido de costas em que Tora a mesma condem-
nada, pe.le que se Ihe mande pagar.Mandou-se
passar mandado.
Ouli'4 do juiz de paz do 4 anno do 1 dislricto
da freguezia dos Afogados( Jos Buarqoo Lisboa,
dizendo ter-lhe couimimicado o ci.lado Mau.el Jo-
s Mauricio de Sena, que se deseneamnihara o ti-
tulo de escrivo daquelle joiwi que Ihe fura dado
pela cmara no auno de 1852 como dev constar
das actas lancada- no lvro competente, sullicitada
Mema cmara que Itie mande jiassar outro. visto
gozar o mesino Sena os requisitos da le.Que se
pas>a>se n<>Vu titulo.
Outro do proruradi r, apresentandoa= contasdas
gespMBS que por ordem da cmara, Olera com os
festejos do da 10 do corrente em significacao de
rryotJjo pelo feliz Consorcio de sua a'teza e au-
gu-ta princesa impenal, rum Ma alteza o conde
d'En, M importancia ditas despetas de.........
3:9605800 rs.Poste em diseussao, e tendo se ve-
rilicado a legahdade dos docoin- uto*: foram ap-
provadas as comas, mandou-se renietter ao conta-
dor para as laucar, o coiumunicar se ao procu-
rador.
Outro do engenheiro rordeador, it.formaiido fa-
voravelmente a |.eiicao, na qual Guilhennino Ce-
lestino do Carmo, nene para que Ihe seja permiti-
do fazer urna casa no seu terreno na travesa do
Mu.-iro frepnezia do Pocai.Concedeii-se.
Onlio do ni. sin.., informando o requerimento,
no qual Jos Luiz Ferreira da Corta pede para que
Ihe seja permutido construir urna solea em seu
sobrado de um andar sito na ra de Santa Rila n.
II declara nada ter que oppor a semelbante pre-
tenda" tameerteu-se.
Ontro do mesnio, declarando ter-sc dirigido ao
lugar da Baixa Verde na Canunga, para examinar
os reparo- de que p^eeisa a ponteunba que pasea
por aquelle lugar, declara carecer a me-ma ponte-
liona de ser reparada, importando esse eoneertu
na quantia de 36-. Mandou-se or.Mii ao ti.-al pa-
ra fazer o concert e rommuoiear ao procu-
rad. M\
Ontro do mesmo, Informando o requenmenti de
Manuel Ignariode Oliveira Lobo, que pede licenca
cordeafo i-ara construir um armaren) em seu
terreno no Porte do Mattos, liz nada ter que
oppor.Mandou-se dar cordeaeao.
nam constantemente as trevas contra miro, e ati-
ram a luz roso resollado das suas tenebrosas combiuaijoes I
Tomaran) para iiiiiiiinieiito ostensivo dessas
fraodu'eutas empreiladas o Sr. major Victo Alves
da (aisla, e este Ibes lera dignamente correspondido
a expectativa.
lira novembro do anno prximo passado, o Sr
Vicio arranjoii nina far^a burlesca, do que se fez
protoiroiii-la, miii desasado e desastrado. Entre os
-os familiares Ungi una tentativa de morte ron-
ira a sua pessoa, e mandn prupallar nesta villa
que [ora en o autor desse Vppo$tO(rme\ Nes-
le procediiii.'i.to, nao sel eu .pie mais admirese
a sua franilidade abalxo de vulgar,.oo a sua inso
lela i^ maldado levadas ao requinte. Como quer
|Ue seja. o seu pronosilo, como o dos
de, ou a beber a agu amare L. a rtnra a tolos os ,,(,,.,., rni.| Francisco Santiago Ramos,
respeins. Dos queira quo caiba ao no-so d.snnc- E |lA hawmj0 Imeador que cubra o preco da
E-tando ausente, no Piauhy, o honrado Sr. Dr. comprovinciano, o Exm. Sr. desemnarga.lor Pe- av;i|l;H.Sl(i a arrematacJo ser eita pelo preco da
Jos Luiz da Silva Moura, a quem competa mfor- retti, a subida gloria de prestar esse imporiante e | 8rtmdira?an na forma'da lei.
mar ao governo imperial a respeito da pretendida impagav.-l beneficio, e obra de misericordia aos I e para que chegne ao conhecimento de todos
tentativa contra o Sr. major Victo Alies, assegu- habitantes da sempre h-roica, mas injustamente rn,|1,j |1HSsar o presente que sera publicado pela
ra-sema que vai esta formular e dirigir a infor- desprezada cidade de Ohnda. imprensa e aflixado no lugar do co- lome.
maca..; elle proprio, o inventor de tal calumnia!!! Assira sopplieam e anhelan) os mesmos habi-
tantes, e cora espeei^hdade
0 venta teiro Pemambucano.
No entretanto, devo acreditar que, embora o Sr.
Victo nao queira mandar em seu nome a famosa
tnformaro, sera e.-ta em todo o caso amanhala e
preparada por ura oulro dos conidia los, tao eons-
ciencoso e leal cuno i Sr. major Vid. Alves ..
Como quer que hei de ter conhecimento dessa
peea, aizuardo-ine piraenio, a protesto que diante
do publico farei apparercr o despudor e a maldade
dos cobardes calumniadores.
Peco ao publico que rae revele alguma expresso
0 Coiislilucional PcrDambucaoo > c o enqcnliei-
ro liscal da estrada de ferro.
Devo zelar a minha reuulacao de funecionario
publico; p..r isto venho declarar aos dignos re-
dactores do Constitucional que esto mal avisados,
quando pensara que eu disponho de trens espe-
D.i lo e pa.-s.i lo nesta cola.le do Recife de Per-
nambuco, aos 19 de dezembro d anno do nasci-
mento de .\osso Senhor Je.-us Chnsio de 1864.
Eu Manoel .Mana Rodrigues do .Na:cuieuto, es-
crivo o subscrevi.
Tristao de Alencar Ararpe,
EUBAyGES.
0 veleiro o bem contiendo brizne p"ilyfz
Canceicaa de Mara, cap.o Jaouario J.e t
veira, pretende safnircmn mima asnunlnAa, mn
parte di1 seu rarrcgameuio |> role po: para .. ,
pie loe falla trata-se rom os ni> con-^n itasOM
Anlonio Lula de Oliveira AzeveJo A C nv cs-
criptono ra da Crm n. I.
Para a Baha
Pretende seguir com hreviito le a ornara
teneia, tem parle de -eu rarrecam^nlo pr-
para o re-to .pie lh falla Irla se SMi na etis
eon-igoalarios Antonio l.mx de (MTeira Azevedc
C, no seu esrrioiuriorua da Cruz n. I.
LEILES.
~m
LE1LA0
i'i-.
porvei.tii.a eiH'rgiea de mais, alten lendo a que ha caes m estrada de ferro para Obsequiar aos meus
mais de um anno ue.no em si'encio sob a vigorosa ainitzos ou s influencias da occasio.
presso de inslitas perseguiroes, tanto mais des- Nunca ped ireus o-peciaes para amigos ou in-
esperadoras, quauto lera por objeeto destruir a mi- fluencias, que nao fossera aquelles pagos por num
nlia boa reputacao o bem mais precioso, mais pelo proco da respe. Uva tarifa. Cstiimo, ver.la-
qneridoe amoravel ao Domen) de bem...... de, obsequiar aos meos amigos, sejam ou nao in-
Rogo nobre redaccSo du Diario de Penumbm- lloenrlas, dando-lhes b.lh. les para circularan na
A' cunta d.-ste miseravel empenho, afadigam-se
o Sr. Victo e os seus comparsas na pralica de urna
sene de acedes condenmaveis, quo julgam adequa-
das ao seu intento. Ora eserevem para os {ornaos
da capital de-cabelladas veirinas contra mira e os
meos amigos e rompartidaro- conservadores, des-'
Antonio.Carneiro da Silva Oliveira.
?Wm:A&n PED1B0.
. vincia, respondo quo esta isto autoiisado, pira o
' que tera o presidente um carro especial, e que
sendo a.pieild o priuieirc liscal da estrada de ferro,
nada tenho .pie ver c>m semelnante precedente.
Recife, 26 de dezembro de 1864.
Buarque de Uacedo.
meus principios e proceder, faiem echo a essas
uii-erave.s e criminosas falsidades dos seus pre-
tensos influentes desta loralnlade!
Oijecto e alvo de tantos manejos traicoeirss e
desairosns,eu arada nao julgra DUCessario que-
brar o silencio, coin que h. i observado taes indig-
nidades, se nao constasse agora que o Roverno ini-
lienal exige informacoes acerca da pliantasiada
tentativa de morte contra o
da Costa.
Se aqu estivesse o Sr. Dr. Jos Luiz
Serinhaem bachaml Nicolao Rigueira Pinto de Son- iglgas dk krmp. Era v.z d lodos esses immun
za, fados que con-tnuem crime de resttoBsabi'i- dos e perio-o- remedios vermfugos rorapostos de
dade, afim de que V. txc. se digne de mandar Wda a casia de mineraes, apreseuiamos um delicio
que o juiz de direilo da comarca do Rio Formozo W cenfeilo vegetal promplo e infallivel na -ua ope-
proceda conlra o mesmo delegado. raco, nao csanlo mus-as nein encorara .do de
Emilias do mez de julho do corrente anno, o qualidade alguma, produzmdo sempre o seu effe.to
referido delegado de polieia, sob prel-xfo de ne- d'uma maneira suave e completa, nao carecendo
cessdade de pumen, fez prender a Jo- Francis- depois a aislencia de qualquer um ontro porgan-
co, conhecido por Jo- Soldado, agricultor labo- te : til como um eacellente meio de fazer rerao-
rioso, morador no engenho Sant'Anna, na fregu- ver as obstrurgoes do venire, memo no caso de
zia de Serinhaem, atiribiiindo-lhe haver dellorado n;o exlstirem vermes alguns: e linalmente tor-
.derd.au'te'do publico as crueis machinaeOes dos ?*w5.m** 'a'"b,'", a d recruiar um cidad.to da C. Bravo A-C.
meus gratuitos inimigos. isenio de rerramenl por ser maior de trinta e mummwm^mm
Nesta provino; nao h'ouve ninguem nue acredi- c""1" a"n.0!!' em,K,r* delegado denunciado Ihe
Itsse ter eu tentado contra o Sr Victo, e nesta co- 'el,ha ** Tinta e cinco annos no mesmo
marca essa despresivel calumnia foi recebida com u0Cumeul0Ju10-
jiidiguaeao por toda a popula<;.o conlra snnelhan- Anda mais Jos Francisco, preso, mostrou-se
te torpeza e .-eus inventores. Foi inleiramente in- dipo-to a casar c.om essamenor.de quediziaoi
COMMERCIO.
dem do dia 26
781:598*197
7:32iJ323
788.922*820
Hovliocnlo da alfandega
Alfandega
verso o efTeito que aguardavam do boato adrede delegado ter lie sido o d"efiorador ""porm" o'd* | Rendimento do^dia 1 a 2i
a-soaliad. nunciado, arvorando-se mu tribunal de julga-
Excepto os cenluiados que me perseguem, todos ment, nao quiz que isso tivesse lugar, e sin. ,|U0
os cidadaos de qua'quer partido, todas as pessoas Jos Fanriscofosse punido como recrumento
de qualquer cundieao e posico, repellirara aqui o licando erahora a menor entregue prostituirn'
prfido boato, asseverando que eu son coiihecuio Assira proeedendo o delegado denunciado ar-
ha muitos annos ne.-ta provincia, e quo sempre te- rnc ,u a Jos Francisco do sua vida laboriosa
illm ino-trado repugnancia e horror ao crime. dando lugar a que o mesmo perdessn nao peqew-
Autes de bandearse ltimamente para osar- na soinma, iiorquanto iinl.a elle plantaco talve
raiaes da infeliz liga, o Sr. niajor Victo Alves da no valor de dous contos de ris.
pista militara ceteigo oas fileiras do partido i-ons- A desgraga para a menor, que o delegado dala
btocional. E' meu compadre e prenle por afliiii- deflorada por Jos Francisco, a de um lilho que
dade ;mantiveniQS SlHtas rel-.ci5ei de ami.-a.le ella araba de dar a luz, e a do proprio Jos Fran- Descarregam no dia 27 de novembro
durante rauilos anuos, e dzia-.-e meu amigo. Mais risco foram o resultado do arbitrio dessa autori- Barra ingleza oro/*vrnrvao.
que oulro qualquer, sane qual foi sempre e o imu dade, que assim esquecau o respeito que deve as Patacho naci. nal ~JnbMilSut-~ gneros de estiva,
modo de pensar e de proceder. Que nutra sansa, leisdopaiz. Biijiun puHU|wa lWlfaS\sieMmiiSiis jreneros
Val ornes entrados com fazenda s..
a cou gneros...
Volumessabidos com (azendas...
com gneros...
83
312
127
413
------540
Conselbo administrativo.
0 cou-. Ino administrativo para fomecimenio do
arsenal de guerra pieci-a comprar o .-eguintes :
Para pintura da fortaleza do R. um.
20 arrobas de oleo de linhaca.
20 ditas zarcao.
10 ditas aivaiade de zinco. >
1 dita por pelo,
o duas er.
48 broxa> surtidas para pintar.
Para coiiipanhia dos menores.
20 galos de gaz.
Para o ram-ho dos aprendizes menores nos mezes
de jaueiro e fevereiro.
Pao de 4 oncas.
R .laxas.
Toucinho.
(-arne verde.
D.ia seca.
Assucar retinado 2' torta,
Manteiga franceza.
Fejo oiulatiuho OU preto.
Arroz pilado.
Azeile doce.
Vinagre.
Caf em grao.
Cha livsiin.
Ila.allio
Parlaba da trra.
As pessoas que quizerem vender taes artigos,
aprsentelo suas propostas era caria fechada na
secretaria do coiiselho no dia 30 do corrente s 101
horas da inanha.
Sala das sesses do conselbo administrativo, 23 '.
de dezembro de 1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebaslio Jos Hasiti Pgrrho,
vogal secretario.
0 hospital militar contrata para o trimestre
vindouro de janeiro a marco o segrate carne
verde, azeite doce, aleiria, canetla em p, mantei-
ga franceza, macarra, po-de-l, sag, hosiea,
areia prela, ranflas, canivetes, lapis e lvros era
branro de 60, 100 e 200 foli.as : as pessoas que se
propozerein ao furneciuiento de taes artigos, apre-
srntem as suas propostas uo diaz9 do corrente, as
10 horas da manl.a.
Hospital militar de Pernambuco 24 de dezembro
de!86i.0 escrivo,
Jos Carolino Alves da Fonseca.
Nesta delegada foi entregue p..r um carro-
eeiro urna caixa de madeira, dentro da qual exis-! .
IIOJE
O agente Pestaa fara le.l.io por coma e rien
de quem perlenenr de wu escr.va ne*ra. a
i|ue osinha, en^omma e lava, um negro de me
lzaias e ura negro'T>of o prnerio para |. d.. nw
vi.;.. Irrca-feira 27 do correte pelas IS Loras 4a
manba uo largo do Corpo Sanio.
LLILiO
DR
Toucinho de Lislua c barris con lii-
juicas*
iioji:
O agente Pestaa vender por conta o risco aV
qnem pertencer Si) barns rom loneinho de 2 ar
robas de l.i-boa e barris com Impuras indo viadu
de la-boa e de-embarrado nlun.menle e eT
vendido em lotes a vontade do- cr mj-rad .r. s :
terca-feira 27 do corrente as 10 horas rm p.ntc
no armazem do Annes.
LEIUO
PR RDIOS
1 rasa terrea rom sotao na rn das fnro Pun-
tas n. 71, cora quintal, carimba e porio, nmist
prximo eslacao da e-Irada de ferro (em terreno
proprio.)
1 sitio na torre marpem de rio Capibanbe.
com una rica casa de campo de nin an-iar. -ala
estucadas, grande rorhe-ira e estrilara para 4 ra-
vallos, ptima sanzalla, o qual Un> i^xo *> la-
raogeira- e outros arvoredos, a p-irada e pe- pas-
i sagern da Magdalena, onde se vai rarro.
Martins autorlsado p.lo prornr** dos Sr?.
Pinto A Irniaos, far I. ilao ito< predios arima. m
pretndeme- p.Klem obter qnabp er int>rmrio do
mesmo Martins. ou na ra da Cadeia Btib a.
64, podendo ser pieviameoie examinadas ditos pre-
! dios
QlIXTA-FEIRl, 29 DE DE2KIIM ti l*l
395!
poii, o rompellin a fazer de in-truraento conlra
minha reputacao, seno os interesses da sua nova
poltica 71
Outro do mesmo, informando o requerimento do I Por essa occasio o Sr. ro?jor Yieto tornoa-se
E como quer que cora esse procediraento, or- Bnguo pnrlngiieziiWnmpii.romercaduras,
ginado pelo ..dio que a Jo- Francisco votouo de-1 Barca ranceza Kir^ile -gneros de estiva,
legado denunciado tnha este locorrido as penas! Rrigue inglesMua idem.
da art. 129 11 e i' do cdigo penal, espera o sup-1 Barca iraucezaRo Grande-trenos gneros.
tem alguns objectos : sjnejn julKar-se, pois, cora Porl* da Associaco Comu.ercial ao aaeio dia.
direilo a me-ma, apresente-se na repaitic.io da po-
lica para, provado quaoto baste, ser-lhe entregas
dita caixa e os objecios encontrados dentro da
mesma.
Delegacia de polica do 1 dislricto do termo da
cidade do Recife 26 de dezembro de i864.
O delegado,
L. A. Martins Pereira.
Crrelo.
1'iBii taberna e casa de pasto.
0 .aeente Pestaa, ven. era por ronu de i
pertenrer a armaca, gn, genero* e uteD-iiM 4a
taberna e rasa de pa-to da ru das Cruzes n. 3f,
Pela sdministraco do correio desta rbJade se em ura ou mais lotes, a vontade dvs compra-
faz publico que em virtude da convenci postal, dores.
celet.rada pelos governos brasilci.o e franrez, se- Quinta feira 29 do corrente, pelas 10 horas a
rao expedidas malas para Europa no dia 30 do raauba na mesma taberna.



Diario e Pernnmlinrir Tn-fa frffr ti e 9e*.embro e &.
VICE CONSULADO DE HESPANHA.
espolio
de Berfo Antonio c oiitiuhn.
SabbiJo 31 de corrale ao atei* da coi poni.
O agente Pestaa, competentemente autorizado,
far leilo no lar#e do Carpo Santo, de melado da
casa n 87, illa ra de Pilar, pertcaceBle ao
espolio anua.
AVISOS MTEiSOS.
0 cirurgio Lea^mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazein Progressista, aon-
de o acharolo como sempre
prompto a qualquer Lora pa-
ra o exercicio de sua pre-
sso, cb amado por escripia
Aos 6:0().Oi0.
Sext -feira 30 do eHVMto mez, se ex-
trahir a pnmeira parte da primeira lotera
({ii') a beneficio do hospital Pedro II, pa-
ra canasaco d'agoa e gaz, no consistorio
da igreja do Nossa Senhora do Rosario da
reauezia de Santo Antonio. -f
Os bihietes, meios o qtiartos esto a ven-
da na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 13,
Os premios de 6:000,-3;000 at 105000
cero pagos urna hora depois da extraccao
at s 4 horas dt tarda, e os outros no dia
seeninte depois da distribuiciodas listas.
As encornmendas serao guardadas g-
mente at a noite da vespera da extraccao
como de costumo.
O thesonreiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza
R A N O V A N. 3i
gJOSEPH miHNKSS
1 te
CONSULTORIO MEDIC0-CIROIGIC0
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSGOSO,
JIED1CO, PIRILSKO 12 OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundo 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os dias das 7 s 1
horas da manhaa, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepcao dos dias santificados
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avleos, assim como tinturas de varias dymnamisaces e pelos precas seguinies
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
de 24 tubos grandes. 185000
de 36 tubos grandes. 245000
de 48 tubos grandes. 3O50OG
de60 tubos grandes. 3&400Q
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os temed
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 15' 00.
Sendo para cima de 12, custarao os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris. /
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,
dons grandes volumes com diccionario............ 2O3OU0
C4S4IU FORTUNA CASA EH CAII\\\.
1050001 x'
Medicina domestica do Dr. Hering,
Repertorio do l)r. Melle Moraes. .
Diccionario de termos de medicina
Os remedies deste estabelecimento sao por demais conbecidos e dispensam portan-
te de serem novaraente recnmmendados aspessoai que qoizerem usar de remedios ver-
daderos, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservaco, tintura dos mais acreditado;
stabelecimenlos europeos, a mais exacta e aceurada preparaco, e portanto a maior enei -
gia e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
Recebc-se estraves para tratar de qualquer enformidade ou fazer-se-lhe qualquer |
operaco, para o que o annunciante jnlga-se sufficientemente habilitado.
O tratamenio o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
funecionando a casa a mais de quatro annns, ha militas pessoas de cujo conceito se nao
p'le duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 25000 por dia durante 60 dias ed'ahi era diante 15500.
As operacoes ser5o previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
azoaveis que costuma pedir o annunciante.
AOS 6:000.000
llllhete garantidos
1' roa du Crespo 23 e catas d tstame
O abano asignado venden nos seus mallo feli-
zes bilele> garantidos da lotera, que se arabou
de eairair a beuelicio da matriz da Boa-Vista,
os segualos premios: !
01is i) tartos n. 2373eom a sorte de 18:0005000
Djus .pianos o. 2033 com asorlo de 3:OOU000
& unirs mi mus sones de lOOj, 404 e 20
Os possuidore podem vir reeeber seas respec-
tivos premios san os descoutos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se venda os da prneira parte da
primeira lotera a beneficio da Santa Casa da Mi-
sericordia, que se extrahir no da 30 do cor-
rente.
Presos.
Bilhetes inteiros..... 7000
Meios......... 3000
Quartos........ I900
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes....... 6-"00
Meios........ 3J2"0
Quartos. ........ 15700
_________________ianod Marlins Fiuza______
Atten#io.
Mr. NTo.;| Eyvaud, tendo vindo de Par* pelo pa-
qu-le francez Estremnian r.liegado em 13 do cor-
Aluga-se ama casa nova moito fresca com i x-
erllente solio srf no Cachang de fronte rio enge-
nh.> Pneta : a tratar na ra do Crespo lija de Au-
drade 6 Reg.
\if-
l
Compaubla fldeliriade de
seguros martimos e ter-
restres estabcleclda no
Rio de AGENTES KM PBPKASUCCO
Antonie l.nii de Ol\eir Aievede A C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomatn seguros de navios, raercado-
rias e predios no sen escriptorio rna da
Cruz n .1.
intonio Luiz de Olireirn
vedo & C
Agente 4e Raice l'aiae e Per le.
Ci apatoolanaMa mtmtm anai por hii
pai|nelc* sobre o mesmo Hinr.. | ara o ron *
Lisboa, epara as srgnintes aernria*.
Londres sobre ISanh o \jh\\-w
Pars
Himlwfgo
Rarcelloua
Madrid
Cdiz
Sevilha
Valencia
' Amarante?.
j Arcos de Val de
Vez.
: Aveiro.
' Barrellos.
i Bastos,
urna senhora Uabilita la, peto j rj,.:a
irimeiras letras, principios urapa_
e piano, e irabalhos de agulba, que \ Uragaea.
ira a i'oinpanliia de urna familia, mo-|pnr~
Precisa-se de
eno<, a ensinar hem
de msica
queira ir para acompanl
radora n'um engenho prximo a urna das estacoVs I fjfiveira d*Aze
da estrada de ferro, leceiunar tres crstocas ;
rantimiose tratamento e paga convenientes
tratar na ra do Trapiche o. 13.
rente, trnue um rico sortimento de rendas de ero
freeisa-sealugar orna preta que jaiba con-
nhar o engomraar : na ra da Palma n. 41, la-
1 berna. _^_____________________
(Jm rapaz brasileiro com pratira de caixeiro
:ofTerere-se para ser empregado em loja de fazen-
PreUcn.- ^ Balda A C.
i Franns,. r.aboba &
Jaime Mtrt
Crdito rommernal.
> Gonzalo Srg . al. Perera Y. flij-.
Em PMrrtsM.
Anra Terreira 'Fijriieira.
Ca:unil:3. |<.iiarda.
Cj:I"IIu Branru.iiiiiimra*.
-- com imitacio eleeianas ; f. *0WU no hotel italiano na roa do Trapiche n. 5.
3W00; attfKB&a
"n | das, escriptorio, ou outro qualquer e-lahelecimf n-
to, dando fiador a sua rondueta : quem precisar,
prorore na fabrica da travessa do Carioca n. 2,
caes do Ramos.
Cara*. fjgoa.
Coimltra. lapM.
Civiihia. 'Ji*,eg*.
Elva*. I^ir.a.
Extremos. Evora. Mrw-i.

Fafe. Mnnri-rv.
I'inhal. R#f >a.
I'orto-alfgre. avaaWL
Tliniu.ir. \ urna
Villa Nova d- -lio.
Portimiio. Villa Un.
fama. Mal'ira.
Faial. S. M*wL
I ^ -
O f. Theophilo Orozinho da Cunlia Souto
Miior queira apnarecer na ra estrela do Rosario
ajtegocio que nao ignora.
JanVMM
Na ra esti-cila do Rosai io n. 34
Advocado Aftbnso de Albu
i Penaliul.
Tavira.
Villa do Conde.
Villa Real de
S. Antonio.
NoJUPKBIO.
Babia. Miraahao.
Rio de Janeiro. Pan
Qualquer somraa prazo ou a i os saques i prazo serem desrontad
| Banco a ra/o de 4 oor cenio ao aoao : a tratar
i na rna da Cruz n. I.

10 LARGO DO TERCO 10
querque Mello,
gjg : pode ser procurado a qualquer hora : as sext
' c iras, porm, na villa do (libo.
O Dr. Carolinc Francisco de Lima San- ?
tos, continua a residir na rna do linne- f?
rador n. 17,2 indar, onde pode ser pro- %tl
curado a qual.juer hora do diae da noite E
para o eiereico de sua proflssio de me- ^R
dico ; sendo qae os rliarnados, depois de
< meio dia at 4 horas da tarde, devem ser ^l
T deixados por escripto. O referido Dr. W.
^' nao abandonando nunca o estado das 2
jv molestias de interior, prosegue, com o
H maior afflncr-. no das maisdifficeise ddi- fr

m
..
m


m
.'
m
m a Innra de prevenir as pessoas que
tcm qualquer conc"erlo ou amolacao em
maos delle que venham o boscar at o
fim de Janeiro, es que liearem dessa data
serio vendidos para iiagainenm d" iiies- Sjs)
ms, nao se attendendo a reelamacSo al
guma passado esse prazo.
Approveita essa nerasiio para avisar
ao respeitavel publico, que elle tem para
vender os J"'"..
AFIADORES
de sua invencao, pelos qnaes nbteve um. |
PRIVILEGIO DE l."i ANNOS ^
a sua superioridad* sobre todos os que W
appareceram at boje 6 de sebre-mo- ^5
do provadopela extraccoqoe tiles tem xgj
no Rio de Janeiro, aonde sao muito apre- jf^
ciados ^j;
Esta nova padaria aborta ao publico (e perlo da estaco do caminbo e
ferro), acha-se moiuada eotti espavo mais que stifBcicnie para po ler fabricar com
linipeza e acrio luda a qnalidade e quaniidade de boldClia, po, bolachinhas, bis-
coitos o todas as macas que se desejar a precos mdicos e razoaveis.
U di no do estabelecimento nao ponpar exforcos para hem servir ao publico
e aos seus amibos e freguezes, asseveranriu-lhe desde j que s emiHrenar farinbas es-
colhidas e das melhores que vierem ao merca lo, ou das que receba de costa propria.
Ao publico em geral c aos seus amigos em particular pede que experimenten),
g! Francisco Pinto Ozono contina a col-
^ locar denles arOticiaes tanto por meio de
"a muas como pela pressao do ar, nao re-
Mj cebe paya algauu sem que as obras nao
jn liqut-.m a voutade de seus donos, tem pos
3? e outras preparacoes as mais acreditadas
para conservacao u L'O'Ca.
as
littcraria.
Sabio luz o opusenlo Imftnlado
A MUUKUAUi:
4s spnhnrrs pais de f mia.
i*
M O padre IVIix BarreL !- fae-
r coocoilos, c-'tu aul 1 p.irii' iiiai ni k>
Lia na roa do Impera** u. Xi, I.*
J9* andar, contina a reidor aliiiittins
f[;-: %ft de todas as dasse*. dnraaH eV-
' M. P's das ferias. Tannen w >li>-
posle a abrir mu am a pungi-
rs k'ttras e do fiatue/. logo que
baja numero siifuYicnti* >l<- aliininos
para cada uan ilwtiir amerias,
assim tamlM-iii a recctei raeje m-
teinos algtins tniMiitior.df ruja eilu-
eacSo o quizerem eararwaja?. 01
pagamentos serio pr* irieanlPBi
adiantados, e os precos decInradM
ai

m ranas opera*>'s. romo pejam dos rcaos f* -- ,
J ourinarios.dos olhos, partos, etc. C m P^ssoalmriile na octaa 1 til api
W1 \%' pira a filtrada do alumno.
Pnnileafo
:+:
:
*
m
x
I
4
*
No
l-^mlt^-

8 para se convencerem do que asseve a (
loaquisn Caetauo de Carvalho.
A Iverl-se ao Sr. Felici ino Joaqaim
de Aguiar, que a sua assignainra deste
D'uno es'. por pagar desde oalubn do
auno passado, e que o propietario da loja
de ourives da raa larga do Rosario n. 40,
tem dedara lo que nao m responsebilisa,
- y, v '<\ *5 ;i ;< .-v <\
Esta amia para a!uc.,r m I >-.i r>a Oh.i m
Hemlica junto a |K>nt>'da l'.i~-.Tr: r 1 ti.un-
alos para familia, banho. |.itii.i !.. lama*
jaluitaeHe ISOJ por aune m nu tarpa -
: .-ario n. 36 se dir quem aliaga.
P.-i'-i-; so da 11 ni am ipa
, ea familU : ni rna Xov 1 n I.
pon
Affnnso de Atbuqwrqut Helio
Convidam-se os assijfnantes a mandarem receba
seus exemplares na piara da Independencia ns. 6
e 8, que serio entregues a vista dos recibos das as-
-^n ituras; alti tambem esto exposio- venda a
35000 cada um. Sao sob os seiruiotes ttulos as
A pesmia i|il>- lew vad 1 da
bel rao os Diarios i!.. Sr. (Hiten
; Vi'll-.-n da Silveira, do i> -'i!
! dar salisfazer sua iuipurt unji.
r;ii ."] 'inna, para ser eonnWidn
dor do alheio Cl'lra a vontadi- M -
portanto S. S qoeira mandar satisfazer nes- materias de que se ocenua:
la typographia.
m
tm
di:
Coasanhia da estrada de ferro do Recite ao S.
Francisco
J. VIGNES.
IntroduceSo.Nuraoda liberdade. O Rrasil co-
lonia. Revolucao de 1817A IudeiH>udenria.A
^ Atilga-se a casa terrea n. 2b da ra do constitulnleAconsiimico-A revolucao de 1811
Porte,estando betn concertada, caiada ejAexpulsaoonabdicaco. Aroyeucialivre. 0
pintada a 18 > mensacs : a tratar na ra do' P|ar,'du rresslsta. Ameaca dos coi cumias e que-
f,-.,n. %% iM -.i., i". 1.-, -i- ,) mmLii o.'. ,!:l ''us "vrvt- A rep.'nria c.orcunda.Causa dos
Crespo 1. la, d 10 horas da manhaa ate mlKa da regen,.ia ,ivre.. 1Ulg,m.i;l (,in.nilli;i e
as 4 da tai de. raaioridade.Principias do reinado de I). Podro.
Precisa-soalogar urna escrava qaesaibaen- ftevolta i!; Minas e S.Paulo.Dominio da Praia
lavar c coser, que seja forte j tambem! wk-Ojlorolnlo liboral nao inquieta va os cor-
to U-
; I Z 'i'riN
, inrij.
irftja
I
m
riSTI DE P31
1
m
i
19Ra kMMBI
Frederico Gautier, cirur;rio
faz todas as Ofwra^oej de -na
loca deules arliliciae-, ludo coa sap*ri>
ridade e perfeirao, qoa as pea
didas ihe recounecem.
Tem agua e pos denuncio.
mmm-
i
gommar, lavar c coser, que
um canoeiro que seja forro ou captivo :
do Sr. Cambroneein Santo Amaro.
em casa
THESOURO oAS MAIS
Providencia das enancas
AVISO.
O abaixo assiftnado, superintendente interino
desla companhia, lendo deparado rom um artigo
in-erto na lliishi Diana > Diario de Pernanbufo
destadata, qoeixaiilu-se geralmente de irri-yula
ridales noservico da roesma estrada s^m porm
precisar os fados, pulo presente nao smenle roga
atlos os senhoros passageiros e oX|wdilores d
g ros que teuham sido prejudicados que apr-
sentem as suas quelles ao mesmo superintendente
ou ai Sr. A Duprat, chofe do trafego da ine-uia es-
ti ala para que se possa providenciar como fr pre-
ciso.
o mesmo abaix* assismado observa aos Srs. ex-
peditores que deixando ellos de proceder em casos
de que se traa pida frm 1 Indicada, a companhia
p ir ignorar v se mniiaa vezes na imnossibilidade
de eir.pregir os metok promptos e effleazes como
meeorap'te para remediar quaesquer faltas que
se possam dar no servico.
E-cnpiorio da superintendencia, em l'ernambu-
co, ^ Asignado Ricardo knsti
Superintendente mlerino.
estrada de ferro d Bscle a *.
Francisco.
Pela superintenleneia dwia companhia se faz
publico que d.i co'if inmdid 1 nuil a approvaco da
presidencia da provincia de 20 do crrente, eran
abortos de 28 do corrento iiroxim 1 futuro em dian-
te mais tres escnpt.irios telegraphic s, a saber :
as estacoes de Frecheiras, Anpili e Agua Preta:
(i- oreos dos avisos serai os -ejuintjs :
X. &&. RIJA DO B.WS'IRAU4MI W- ft&.
Os pianos desta antiga fabrica sao boje aanz conbecidos para que seja necessario insistir sobre
sua supenundade, vantagens e garantas que eflorecer aos compradores, qualidades estas incontesta- '
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; odo-,
suindo um teclado e machinismo queobedecem todas as vontarics e caprichos das pianistas, sea- (*,* jj w a >> m? fi ItnYfflI
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ler-se feito ltimamente melboramentos importec-, ^ tissimos para o clima deste paiz ; quauto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-, Eleclrouiayueticos
veis aos ouvidos dos apreciadores. chamados
socio I COLLARES ANODINOS DE DENTICO
Contra as coovulsoes e para facilitar a
oas do.-
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos cornmodos c razoaveis.
Precisa.-seata^u' iik >.n-. 1. de m
aro sutj > que tonta 1 eina
an
liinlia. 11
lar m irav
luir
ss 1
d Si i! i i'i i;i i tr>-
1 >'.." ir I. I, r-
cori
turnean*
De Frecheiras s Cinco
Puntas e vice versa... .
De Aripih dem idem..
De Agu Prt-ta idem idem.
.
V, a
0
u s
b
3 S
a ***
o. a
s ^i
-5 e
6 8J
'4b ^5
500 11000
500 13000
740 14480
es
8
s
11.100
ISiiO
observa<;ao
Deste numero de palavras em diante ser guar-
O Sr. Tbeophilo Orozinho da Cunba Sonto Maior
queira apparecer na ra estrella do Rosario a ne-
gocio que nao ignora.
Querr. qnizer comprar duas propriedades de
casas annexas una a outra, com (loas salas, ca-
inarinlia-, e boas cozuhas quintal com algunas
frurltdras, sitas ni [latrir&uriio de S Jo- da Ex-
trema, na pevoac da demarcacau da fr<-guezia da
E-caila, onde fji cajiellao o padre Miguel Joaquira
la >ilva, pode tratar com Antonio Duarle Pinto,
negociante, residente na ma.-ma, ou rom Amonio
Rimo-, residente na rna do encantamento 11. II,
no Reeife, que se acnam autorisados para a dita
venda.
Venerjivcl ordem terceira de
8. Francisco doRecifc.
A commissao encarreifada das obras, convida
aos peritos que se qoeiram enearregar da-, obras
que se precisara fazer-'se no .-obrado n. lo da ra
estreita do Rosario, perienceute ao patrimonio da
mesma ordem, a irem examinar dito sobrado e
apresentarem suas oropo.-las em carta fechada, na
secretaria da sobredita ordem.
O ex-secretario e archivista
TliomazJosda Costa e H.
CVBI\ETE
POKTttittZ iih LhMUHi 11 PliK-
WillUlMI.
Por ordem do Illm. Sr. presidente do enoselno
' deliberativo, convoco os memhros do misino cun-
! seibo para se reunirem em esso extraordinaria
na sala das respectivas sessoes, quarta-feira 28 do
I correal*, ^s 6 horas da tarde.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez de Leitura em Pernaiuburo -i de de-
zeinbru de 1864.
A. A. do* Santos Porte
Io secretario.
O Sr. J. J. de Souza Serrano tem urna carta
ne ta typographia.
f^f Joac. da Silva Ramos, medico"pela Un
jj versidade de Coimbra, d consultas em
y sua casa das 9 as H horas da manhaa, e
das 4 as 6 da tarde. Visita os doentes jgi de medicina.
w em suas casas regularmente as horas ffli Estes collares vendem-se nicamente na loja do
i para iss designadas, salvo os casos ur- j^ Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
Hf gentes, que serio socenrridos em qual- 9 ~Aln/a-sn a 1fl):"lfl nunsans a casa
m quer occasio. D consultas aos pobres W mu 1 .^u a iu>uu mwsaes a casa
kvH que o procurarem no hospital Pedro II, $% .terrea n. l dima Imperial, concertada,
aonde encontrado diariameute das 6 pi caada e pin'adi, propria para eslabeleci-
denlicao das criangas preparados o inventa-
dos por Royer, tiharinaceulcoda esco-
la superior do Pars, successor de Cherean,
menibro da academia de medicina,
amiga "casa de Bmillon-Lagrange, pharmaeentico Z&E "?"* "s orlfn--G-mo o gover-
d i un rador obrigadu a corrom|KT o paii e a fazer-lbe
chefe dos irabalhos ch.mico's da escola po- 18emFe "'>r "..--Como se mnlt.plica e se paga
lylechiiica, director da escola de idiarmacia de
Pars, y membro da academia imperial
cundas.Feios do dominio liberal.-A praiaeCbi-
chorrosenatoria.A revolta e a revolucao i!i
1848 a conslituinte.A consumile. Derrota
da revolucao. Negociaban de Honorio com os libe- \
raes:traidores.Venda da handeira da eons primeiro andar.
lituinte. O partido liberal durante os qoatorze au-1---------------,---------------- ----------
aos do chamado ostracismo.Os corcundas e 1- 1 Jll'il il Il'Stil.
liberaos durante osquatorzeanuos.Captiveiro re-
signado e voluntario dos liberaos durante os qua- Alnga-se um sitm na rna de l*w a sa ri-
torzeannos.-O povocorcunda, ou os vermelhos e Idade de O inda, rom casa ti'rrra. ii <-
os sabios.-A sitoaeao propriainantepoltica.-los- piar nfrente, bota os ..
ticos uno ovemos, .,.,,, (,(, rfo ,;,!,,,,,,. ,,,, m.
tllUiCOO:
livre-
e direitos pnlitii
po iivumi? i .
.al lim da regencia I i v re, e o que aclualmcnti '
' temos em lugar delies.Os represi-ntantes da na- moan* para lamina, estnbaria pava .i\j '
cao e das provincias.sitoaeao administrativa.|e capim para sustpnta-'os. n 1 m 1 > i!
frnctos, sen visinan del >-m pl>
fut lii, com ptimos passeins. sata < .
**!* 1U2^ Alu.-a-se a casa terrea corx
dada a me-ma nroporeao.
A labelli oigani-aiia em u 1- no jm Iprn-a cor 1 citl
reKiiUra em nido o mds concerneute ao servico :. f" 'e.a casa terrea com sotao cit.i
de-'"s novo" escrintori-s. l rna da Alegra n. 46 : a tratar na ra de
Villa do Cabo, 2. de dezembro de 1864. Aguas Verdes sobrado n. 6i, no priiueir-
II, Anslin
Superintendente interino.
' a praca da Rja-Visla n. 15 ha para se en-
tregar a quem perdeu diversas chaves em urna ar-
gola:_______________________________________
erece-se urna ama para e.M* da 1 mica fa-
milia, par* traiar de-meninos e andar eam ellos :
a pessoa que precisar, annuocie por e.-te jornal
para ser pmcurado.
andar.
Perdeuse um bilhele do Rio de n. 2211 da
48 lotera, assiirnado no verso por Feliciano Primo
de Souza : quera acXar leve-o roa do Vigario
n.14.
O r. Dr. Paulino Uodrigu-s Fernandes Cha-
ves tem urna carta na ra da Cadeia o. 26, escrip-
jorio.
Xa praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, rompram-se ohras de ouro e prata. e pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda, e todo e qualquer cencerro.
Piecisa-se de um furneiro : na iiadaria em
Quem ti ver urna laucha o uuizr_ vende-la,
dirija--e a ra da Cadeia do Renfe n. -*>7.______
Precis i-se do uua ama forra ou captiva pa- -
ra casa de ponen familia, qu saiba coziuhar e en- Saf),0 Amaro a(rajr ^ hm|| di( Sp S|arr
gomniar : na ra Velha n. 40. ^___________
~ Francisco Antonio Pereira da Silva leudo ~
feito negocio com o Br. Joao Joaqoira de goUza, f
contra elle move devo, ^g.
relativo a exerngan qne
portanto, se pelo e-lilal do Illm. Sr. juiz do com memo da ar-
lemataco dos seus escravos, como por exemplo,
no Diario de 26 do correle, segundo consta dos
documentos que exisletn.
Precisa-se de um
Diario: na praca
6 e .
deslrihiiidoi para
da Independencia
recisa-se de nm cozmheiro
da ra da Lapa n. .1.
para a casa de
pas
Precisa-se de um menino para caixeiro,.
14 a 15 aruios : na ra do Rangel n. 26.
fas 8 horas da manhaa.
TVm si-a easa de sado reguhrmente
montada para reeeber qualquer doente,
M anda mesmo os alienados, para o que
jjl tem cornmodos apropriados e nella pra-
B tica qualquer operaco cirurgica.
Para a casa de sanan.
Primeira classe 33000diarios.
Segunda dita.... 25500
Terceira dita.... 2/J000
9 Este estabelecimento j bem acredi-
iA tado pelos bons servidos que tem pres- s&S
' tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a conlianca de que sem-
pre tem gozado.
TINTURARIV.
0 tntureiro da rui do Ranee' n. 38 avi-
sa aos seus freguezes que mudou sua re-
side cia para a ra Direiti n. 116, onde
continua a tingir para qualquer cor e o
mais baralo possivel.
niint i do neg rio e moradia : a tratar na
roa do(>epon, lo, das 10 boras do da
as i la larde.
a clientetla do govorno para su.-teutar-se o impe-
rio corcuoda.-O procnsul.0 procnsul da co-
marca. Dos caraos, dos crimen e da pooicao.A
juslica. Juizes inuiiicipaes.Jui/.es de direiln.
Tribunaes.Os das Relaeoes.Ti bunaes do Com-
mercio. Supremo Tribunal de Ju>0ca.O jury.
Os advogados.Conclusao. Garanta dos direitos.
A moral publica. Dos crimes. As eleicfles.
i'.oroliario da obra saquarema. O que a pa-
rta. Siluac'io para com o exterior. Siluaco
linanceira. As Ruancas do estado. A miseria.-
Perigo e salvamento dos corenndas.A liga.-
Como se congregara os elementos para ella.Coa-
tf| nbo Sant'Apn 1, m tente a corrate, enm
sideracees retrospectivas. A con.-titumte. Pn-pa-
Tca-oissa-se o arr nJauiiinu do eiig." ros antecedentes. Cmciiiaco e opposicSo parla-
mentar.Monta a liga.O que sao os lila-raes na
liga.Que hem faro os liberaes ao paiz.O pro-
gresso. Seus feilos.Oque o progresso e que
far.Gomo se deve vi ver nesta trra echegada
ao progresso. Porque o progresso s vem com-
pletar nossas desgraCM e sem mais remedio.Se
. lia sal vacio para ns'qual seria o meio o bem fa-
- Prec.sa-se alegar urna preta para o servico i(.l.-Resumo.-A's cinco provincias pernambuca-
nas. Histrico e polticacorcunda.Deque pro-
vem a miseria. Como se corrompe na eleicao.A
restncao da liberdade pardo (irogresso da inimo-
ralidadc. -Corollario.
MI I
I safra cri id i, periodo embirqie meia le-
gua c miiilo porto da vida de S-rinbaem :
as pessoas que pretenderem dirijam-se a
' ra Direita n. 3.
neto na frente, muito proaria para 1 .--ar
festa.e tambem sa alo .-ai.i 1 araana : a tai-
lar na Recite, na livraria n. '",.- v | ,3,-,
da Independencia, e em HiNdaaaraaacM-
tigua com o capilao Antonio B*rnarb> Ftr-
rcira.
- Aliisn-sc utH.i 11-a t.-rrra 1
rom rommodos para grande familia, r >m S sa'a-.
i'quartos. coznba fraude, pwi" >\ n .. r m Ka-
nheirn novo, a rasa fm re..!i!i.".'l.i <
de novo : airalar no irm
fronte da aliandega.
Preci-a-se um Ikhii c .711 heiro. om rm>ei
ro e um r-ria.lo para um -1U
na ra do Trapiche n. S.
nlomn e externo d> urna casa de pouca familia,
, prefe.rindo-se que lenha de 40 annos para cima :
I a traiar na rna do Soeeg > n. 56. taberna.
ulT-rece-.-e um innlher cotn bastaule leite
para criar : na ra da Roda n. 47, loja.
Precisa-se de um preto para faier o servico
de urna casa estrangoira : na ra do Passeio Pu-
blico n. 17.
No largo da Sania Cruz n. 16 precisa-se de
um menino de 14 a '6 anuos de na le, e que ali-
anee seu comp'jrlamento, para caixeiro de taberna.
No armazem de izendas ba-
ratas de Santos Coelho,
Ra doQueimddo 11. 19,
Vcnde-se o seguate :
Altenco II
Ricas laazinhas, fazenda a melhor que tem Tin-
ao mercado, tanto em gosto como em qualida-
COMPENDIO DULUKu&u
que contera, o oficio de Nossa Senbora das
Dores; o modo de resar e oferecer a ce-
rta, um setenario e mais eutros exercicios
de piedade e devocao ; ordenado pela ir-1 do
mandada dos serves da mesma Senhora, de, pelo baratissimo preco de S60 rs. o cova'do.
que se acha erecta na egreja de N. S. da: Ditas mlodinh carmeiins, propria* para vest-
Penha do imperial hospicio dos reveren-1 d,,le meninas camisinhas a eWocovadn.
d..s padres missionarios; apostlicos capn- deCJ|esde l3a co,n 15 covadu,' pel barat0 pre?<
chinhos italianos de Pernambuco, approva- eonerus de chita da india a 25509 e 3.
do por S. M. I., que Deus guarde; dado Lences de panno delinho a Sf e 24300.
luz por devocao do muito reverendo JJg8 de carabraia de ,rro cra 8 'i2 Yaras
padre Fr, Placido de Messina. | T-(',alnas aleochoadM proprias pi(ra maos a us>,
Vende-se a O rs. na livraria ns. 6 e 8 du/a.
da praca da Independencia
RELOGTOS,
Vende-se em casa de Johnslon Pater &
C, ra do Vigario, n. 3. um bello sorti-
mento de relngios de ouro patente in-
glez, de um dos mais afamados fabricantes
de Liverpool, e tambem 'orna variedade de
boninstlrancelins para os tnesmnslt
Ricos cortes de lia com barra Mara Pia a
184.
Pecas de platilhas de algodo com 10 raras,
proprias para s.iia a 4.
Algodao enfestado com 7 1|2 palmos de largura
a 15100 rs. a vara.
Estelra da India, propria para forro de sala de
4 5, e (i palmos de largura, por menos preco d(
que em outa qualquer parte.
lcsle esiabeleciinento tambem se encontrara
um grnnd sortimonto de ronpas feitas, e por me
did a
INJECCAO BROW-
Remedio infallivel eontra as gnoirheas
antigs e recentes, nico deposito ia bo-
ira francesa, rna da Croa n. i
fo33
Consultarlo medicu-chirurgico na rea larga de Ra-
sa rio n. 20.
O Dr. I0S0 Perreira da Silva rrgressando i sua
tasa, contina em o exercicio de sua proflssao,
r1"6- nao s na parle medica com tsmbem na chirar-
1 gira.
Alnga su a casa a-sobradaila n. 68 sita na
ra da Palma, e nutra casa terrea na praia do
''.aldireiro u. 37 : a tratar ua praca da ludepen-
l^ncia n. 32.___________________'______________
Casa de cdui'are.
Jeronymo Pereira Villar transfeno o seu e.-taa
belecimento de in-trun;ao primaria e secundan-
para a ra larga do Ro-ario, sobrado de dous an-
dares n. 2J ; e participa nao s aos lllins. senho-
res, |>ais de seus alumnos, como ao respeitavel
publico, que as aulas estarao aberlas no dia 8 de
Janeiro do anno vindonro de 1SCS._____________
Ao amanhecer do dia 20 de outubro no cor
rente anno de 1864, furlaram do cercado do en-
genho Aldea, da freguezia do Rio Pormoso um
quarto de carga do mesmo engenho, o qual
ruco pombo, grartde, rastrado, nao novo, tero no
ollin esqnenio nina belide, e pouco ou nada v
pelo dito oih 1. tem um callo velbo no espinhaco,
lugar emque leve urna bexiga, bvou o topete cor-
tado rente, carregJ baixo, e tem estampauo H
ladodin.-ito da anca o ferro do engenho em lellra*
maiosculas con, aqu se v A 1.1) E A. Adrar*
te-se que os cavados assim ferradus, nao sao tro-
cados m-ni vendidos, e os que forem encongados
som ser servico de mesmo engenho sao furia-
dos, e devem ser appreheaddos ; portanto roga-
se s autoridades polieiaes, e mesmo ipialqu.-t
pesso do povo, qwe sen.lo encontrado 1M10* ca-
vallos -ejHiii apiirehendidof e reineitnlo ao admi-
nistrador daqueile eugvnho ou ao abaixo assigua-
do propri^lario do mesmo engenho, que reside na
cidade do Itecife, ra do Hospicio d. SO. Cidade
do Recite, 26 de mi-abro de 1864.Cae tao Jo-
da Nilva Saaltagfti
^: mm* m-mmmmm.
O bacharel
FraRcisco \iirus1o da Costa
ADYAfUBO
Ra do Imperador numero 69. ?
Ii'ma boa M t.'rrea para
r-i.t piraluyar-M- i rna 39: i|um pr|>mf rtir (.--* a raa
la Aurora n. lo. Tanati-m tnram-
-.: as lojas o. \\, a roa da
Precisa-s" alogar nrr oa dor *! rara 1
serve 1 de reflnaca : na rna di Kan.el n "I
m g" P T H a
m
8
5
i
m
m
w
<* laya-se
0 terceiro an-iar da casi da ra Du.iU n. Jt.
1 pial leiu commoilos para laarli r.imilia : a tratar
nu segundo audar da uirsiua caa, uu no R-ri;< *-*
rtM oa i.a Matinra aoltrc Poriu-^i.
O aballo assifnado aut riaib> prim
Banco Mercantil Portuev-r. e na ai..ra
do Sr. Joaquira da Suva 1 j-iro, oca ef-
fectivamenle por tuda paqu^ir* uni
as pracas de Lisboa e Pm.o. e mais li-*a-
res do reino, por qjualquet -"in-na a >
U, e a preso ; pwkrado, qa iniare
saques a praso.rwvrwrem a- - a*r-
Smo Uanrn. detroMaif I 4 0|O m xmnn: aa 1
Inja de chapos Oa nu do OUt a. *.
na ra do Imperador a. 43. a und aa- I
jjfl dar.J"-' JM|iiin da Canal iHha
mmmmswmmmmmmm
Diriilentln.
nssa fallula la Anorim, Frafe,Saa
to< *,
O* adminislradnre* -ii> aub rtraas a aa^ar .t
I* dividendo de ri"C'i por renio, Vrrada *
reabsar se do dia 5 ile Janeiro -rnnv a iliaaH*.
em virtnde de orib-m du Mn>. Sr Dr >i* e*f*nM
do commerrio. O p^ganirnto -r f-in <* an<
da as t horas da lar le, rm aaan^aaai di tm >
Vigario n. 21, primeiro aml.r.
MUTILADO


Mario 4c reraamltaeo Crea Iclra 9 c Dezcubro *c 1H*4.
alguns
SALSA PtRRILUA DE AYEli.
TllANSCHEYEMOS aqu
dos umitos altestados que temos
recetado das virtudes da salsa
parrilha do Dr. Ayer. .
Ethcci mutismo.
DE JOAO JOS DOS SANTOS.
Ouro Preto.
Sofiri rheumatismo por mu-
tas vezes, e vendo annunciado
em um jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de r. Ayer, re-
solvi-me a comprar um frasco e fazer uso
d'ella ; e ames de concluir o primeiro fras-
co, achei-me forte e sern sentir a mais leve
dr nos joelhos ; a parle do corpo que es-
lava affeclada d'esse terrivel encommodo
que roubou-me tantas noiles de somno.
Erupces, borbulhas, pastillas.
ulceras, e (odas as molestias
da pelle.
DO SR. JOO PALLA DE ABItEU E SOCZA.
Ra de S. Pedro.Rio de Janeiro.
Soffria mais de dous annos de urna
crupcao sypliiliiica em todo o corpo, mos-
fcv
(OVSLIJKl
DE
Deixai que os Hunos da emisario vos preguera
-economapara os pos 11 Esta'parle do corpo
humano por mo aquella que, ueste clima, ne
cesMia de maior a/asalho: pela humidade nos ps
se niioduz a granan roaioria das molestias, e com
esias a perda da saude e da vida 111 Fra com as
botinas e sapatos velhos ; reforma-Ios
45-Rua Dereita-45
Borzegums ranceies para bomem 5*000
Ditos inglezes dem a 8*, 7* e 6*000
Ditos para senhora 4*800
Ditos para menina 2*000
Sapatoes esmaga cobra 5*000
Ditos de Nantes de duas solas o*000
Ditos dito de soia e vira 4*000
Sapatos de borracha para senhoras 1*400
Ditos de dila para meninos 1*000
Ditos de tapete para homens e se-
nhoras a 800 e 1*000
Sapatos de lustre para senhora a 1*000
Ditos para casa 500
Chinelas rasas do Porto 1*600
Nova lupirdaco de fazi na al o iiui
do mez, (tara lechar facturas \cndc-s siuilo
barato, por ser o ultimo wcz de (esta, que c
fregueacs deten apweilar : aloja e armazn
da Arara, ra da Imperalriz 11.06, de Louren-
fo Percha Mendos Guiniaraes.
Fazeddas espeeiaes para senhora.
Vende-se rices cortes de vestido de 15a a Mara
Pa para senhora de bonitas barras a 8*, 10*, l.'l*.
14* e 16* o corte : na ra da Imperatriz n. 56,
teja da Arara.
A Arara vende a 2il)0
Cortes de chita de cores fixas com 10 covados
a 2*400 e 3*200 cassas de cores a 320, 360 e
400 rs. o covado : na ra da imperatriz n. 58,
teja da Arara.
Corles de eambraia de salpicosa 2^400.
Vende-se cortes de eambraia de salpicos a
2*400. 3* e a 4*000 a peca, ditos de eambraia
liza e fina a 3*500,4*500,5*500 e 6*, tiras bor-
dadas para enfeitar vestidos e ntremelos a 1* e
a 1*200 : na ra da Imperatriz n. 56, teja da
Arara.
Soulembarqnes a 7, S, e a 1G;>.
Vende-se soulembarque de lazinhas de cores
para senhoras a 7*, 8*ea i0*, diio de grosdena-
ple preto muito entestado a 20*, 25* e 30* : ricas
NOVO
assim como elle gesta de receber a paga de
seus servicos deve atiender a dM ou-
trando-se sempre com mais violencia na ca- i tros, principalmente o do Diario em que
t Sr. morador da ra Nova que se
acha a dever 6quarteis de assignalnns des- 22^jf firt,sdenapki a^P*, 25*, 30*^35*, para
te Diario, queira manda-las pagar pois
ra, prove muitos medicamentos e cnsultei
mitilos mdicos, e eslava quasi desanimado
quando vi os annuncios da Salsa parrilha
do Dr. Ayer: comecei a fazer uso d'ella e
nos prinieiros dias a erupeo aggravou-se,
porin antes de acabar o segundo (rasco ti-
nlia o mal desapparecido completamente de
todo o corpo.
DocTon Uo.\ Jos Valdes Herrera, phopest
SOK DE MEDICINA Y CIIIL'ltJlA, SUBDELEGADO
EM AMBAS AS FACULTADES DEL SESTO D1S-
thicto Habana.
*.ei tilico que lie usado l Zarza parril-
la del Dr. Ayer, y romu depurativo be ob-
tenido de ella los mas felices resultados en
los casos de ulcera crnica, como asi mismo
ensayado las Pildoras catrticas del mismo j
autor y las considero como um purgante,
cuya accin ademas de ser segura, ha sido i
muy eficaz en el (calamento de las enlermi-1
dades que exsigou el uso de los purgantes,!
y no vacilo en recomendar eslas preparacio-
nes. Y para los linos (pie puedan convenir
doy la presente en Regla a 7 de Setiembre
de 1860.
Don. Jos V. Herrera
ISscrot'ula.
ATTESTADO DO Ili.M. Sil. FRANCISCO FERRJnc
dos Santos.Onro I'reto.
Me acbo ha quasi dous annos affec'ddo
de escrfulas, e leudo solfi.lo tanto q'.c al-
gumas vezes quasi ipic chego a desi niinar
da vida e maldizer da minha infeliz sorte;
tenho sido tratado por muitos mediea& d'es-
ta cidade, e nenhum pode vencer i lenaci-
dade de miaba molestia, eslava ?.etn espe-
rancas de recobrar a mmha saude : 'dando
ltimamente resolv fazer njft ,ia salsa par-
rilha do Dr. Aijer. -"completa n-se boje
trinta e sy'.g jlas ,|Ue comecei com esie
S3fili remedio, e tantas melluos tenlio
sentido que lenho coaeiccSo de em breve
recobrar a minha saude, perdi l lia lano
lempo.
MyohilU e molestias mertiiriaes.
Do Ii.lm. Si, it. J acuso:'.
Medico muito conhecido tas provincias do
sul do Ura.41.
Tenho receitado a SaUa pa rilha do
Dr. Ayer nos casos mais invetl nidos de
Si/philts constitucional e sempre com os
mais felizes resultados; o melliOi alteran-
l que conbeco.
Leucor-rhca e flores frra.icas.
Temos cartas em (pie nos cont im casos
inveterados que foram radicalmente curados
com um ou dous frascos d'esta Si Isa par-
rilha.
O espaco nSo nos permiti ira iscrever
todos os aiiestados que possuimos las vir-
tudes d'este extra lo composto oe Salsa
parrilha do Dr Ayer. Hasta deiVarar ao
publico que tem sido empreado ha mais
de vinte annos pela prolisso med a lano
das mericas como da Europa, sen nunca
desmentir a sita alta repuiaco.
trabalham mais de 60 pessoas.
Ainda est para ser vendido o sitie da tra
vessa do Remedio na freguezia dos Afogados n-
liquidar : na ra da Imperatriz n. 56, teja da
Arara.
A Arara vende alpaka de cores para vestido.
Vende-se alpaka decores para vestidos a 360
rs. o covado, challes de lazinhas a 1600 e 1*280
dito de merino a 4*500, ditos tinosa 4*5(0, 7* e
6* : na ra da Imperatriz n. 56, luja da Arara.
Cassas da Arara a 2S0, 320 e 400 ris o eovado.
Vende-se cassas de cores a 280, 320 e 400 rs. o
r^co obrado n 10 Icovado- ,en08 rte Mda a 80 ** : M rua rfa
-------- '-----------------------__-------_ I Imperatriz u. 56, teja da Arara.
- Est oceulta. v La"iDlias a Maria ,)a a sors-
do cintrarlo tera de sofTrer as pena
marca para quem tem escravos escondidos.
. sen sentar ,.ort.s a 320j 400 e bm n ( di|as ,jjas d cores pa_
Ar~z a ra capas e vestidos a 560 rs. o covado, casemiras
""os- para capas de senhora a 1*800, 2*500 e 3* : na
J" rua da Imperatriz n. 66, luja da Arara.
AtteilQUO. Arara vende chitas a 210, 280 e 320 rs.
Aluga-se a casa assobradada n. 36, sita na na Vende-se chitas d-i cores Ras a 240, e 280 rs.
da Alegra, mui propria para os senhores estudan- eovado. i^ francezas a 320, 360, 440 e 500 rs.
tes, por quem sempre esleve oceupada : a tratar e covatlo> pcrcallas para vestidos lino a 500 e 560
na rua do MoadegO, olaria n. 13. rs- <'ovaJo. carnisiuhas para senhora a I*, 1*600
Para a cura radical de escrfulas e iffeCQOes
escrofaios, sypliilis e molestias syphi-
liticas, ulceras, feridas, cliagas,
eru|icoes cutneas 5 lodo e
0 Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na rua da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profls-
sao medica, e com especialidade
sobre m seguinte
Io molestias de olhos ;
2o de peito :
3o
dos orgaos geniti ]||
urinarios. g|
Em seu escriptorio os doentes se- ra
rao examinados na ordem de suas 55
entradas comecando o trabalho pelos |
doentes de olhos. 1@S
Dar consultas todos os dias d sJH
6 as 10 da manha, menos nos do- ^
mingos. S
Pfalicar toda e qualquer opera- jjS
cao que julgar conveniente para o g
prompto restabelecimento dos seus Wa
doentes. s]
t
3* e 4*500, goilinhas para senhoras e meninas a
240, 320 e.500 rs., enf.-iies para caneca a Maria
Pia a 1*, 1*400 e 2*, para liquidar : a rua da
Imperatriz n. 56.
Bailes americanos para senbors.
Vndese baloes americanos, os melhoresque
tem vindo ao mercado, de 20. 25. 30 e 35 arcos a
2*500,3* e 3*500 e 4*, ditos de bnlhantiua e
musselina a 4*500 : na rua da Imperatriz n. 56,
1 loja da Arara.
r'azrinlas para honicm.
Vende-se corles de calcas de Lrim para homem
a 1*600 e 2*, ditos de casemira a 3*, 3*500 e
4*500 o 5* : na rua da Imperatriz n. 56, luja da
Arara.
iionpa feila para bomem de todas as qualidades.
Vende-se palitotsde brim de cores a 2*, 2*500.1
LOJA DE MIUDEZAS FINAS
16Ba do Queimado-16!
KulViles de cablea.
Bonlios enfeiles com lacos 1*280.
Ditos ditos com lacos e vldrilhos 1*600.
Ditos ditos com lacos e (reos 2*.
Ditos ditos eufeitados com frjeos na frente
2*500.
Ditos ditos ditos com cascarrilha 2* e 3*.
Ditos ditos feilio de chai'ozlnho 4*.
Ditos dilos enlejiados e flor na frente 5*.
Ditos ditos ricamente enfunados de flores para
bailes e casamentos 8*.
Bonitas capellas para meninas e noivos a 1*,
1*500, 2* e 4*.
Bonitos chapozinhos ricamente enfeitados para
baptisados 4* e 5*.
Bonitas touquinhas de Monde de seda enfeitadas
para baptisado i?600e 2*.
Sapatinhcs de selim para baptizado 2*.
Ditos de merino bordado dem dem 1*600 e 2*.
Itiquissimas grvalas de ponta bordada para se-
nhora 1*.
Dilas ditas rom lacos feitos idt-m 1*80, 1*609
c 2*.
Luvas de Jouvin enfeitadas para balese casa-
memos 3*.
Dilas dilas sem enfeites 2*.
Vollinhas de aljofares 1*, 2* e 3*.
Polsciras de aljofares e contar 640 rs.
Voltas grandes Maria Pia t* e 1*600.
Dilas lapidadas mais pequeas i*.
Bonitas lilas de sarja lisas e lislradas de Indas as
cores proprias para enfeites de dous dedos de lar-
gura 400 rs. a vara.
Bonitas fitas de grosdenaples lints de todas as
cores proprias para lacos e cinto* de 3, 4 e 5 dedos
de largura a 806 rs., 1*280 e 1*510.
Riquissimas las de grosdenaples lavradas, bo-
nitos padi oes e de todas as cores, proprias para
lagos e cintos de 3 1/2. 4 e 5 palmos de largura a
1*, 1*280, 1*500, 1*600, 1*800 e 2*.
Pegas de cascarrilha de seda de diversas cores e
larguras 1*200, 1*600 e 1*800.
Ditas dilas do seda de duas cores estreita e larga
a i*(ii 0 e 2*.
Ditas de fitas de velludo de differentes larguras
a I*, 1*280, '*500e 1*800.
Duas de lilas de la para debrum de vestido
800 rs.
Dilas de filas de linho para debrum de ditos
240 rs. n 320 rs.
Dilas com 25 varas de Irancinha branca eslreiti-
nha lisa para bordar vestidos 400 rs.
Lavas de cores para moniaria 500 e 800 r<.
Chicotes para moniaria 640 rs., 1*280. 200 e
3*000.
Bolsas pelas para viagem 2*200.
Piules de borracha para regaco SCO c 8C0 rs.
Ditos ditos douiados 1*.
Ditos ditos domados com pedrinhas 1*600.
Ditos de concha esmaltado paraseguiar cabellos
1*000.
Os elementos que compoem esta preparacSo, o
ferro, o iode c a quina, a collocSo no primeiro
grio das preparacocs ferruginosas. Basta attestar
seus resultados ohlidos pelos Mdicos dos hospi-
laes, e os relatnos dos prcticos maiscmincnles,
que conlirmrao sua poderosa cfficacidade as
seguintes alfecces:
Incoa no -inUBMr.
FruqurEn.
Ant-mlii.
c.hloroxr aIctericia.
Mcnaliuo.
AfleceocM do ulrr*.
8up|ifc-HNrN di rr-
rii- e dcHOrdoM na
ii ir n*l r o jiro o
/\rr.-r lllilliUlf.
MiiIcnllaN trcHlnkafto.
(illHlriil^liiN.
I'nila (l'iip|-i-Illi-. rtc.
Con valrcpacH de -
Kan nmlrmliik.
Molmllaa eacrafnla-
aajaj,
Papi'lra.
Ohialrurcao daa Rlan-
dlllUH.
Ilnninrra irlo
lluniori-H braneoa.
l(H('llltMIIIO.
Affrcrra canecroaa
< -< plilliilcaM.
Frliri-M (j-|iboldrn.
Varlnlc, ele., ele.
Vejo se os bulletins e cirurgica de 30 de novembre IbtiO; a Gazeta
dos hospitai de 2s dejulho IfliO, ele., etc.
Alem (/na pilulas de ioilurelo duplo de ferro e de
quinina de Hebitlon, os Mdicos aconsrlhao
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
ierro e de quinina do niesmo aullior para as
pessoas que nao goslo de medicamentos sob for-
ma pilular c os meninos, t'.sio xarope nao tem
como o xaro|>c d'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-sc e de se nflo poder consonar.
Peca-se o folhcto que se d de graca em casa
dos pharmaccuiicos depositarios.
Para-se cvitarem falsilicaces, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito gcral em Pars, pharmacia Rebillon,
H2, rae du Bac, e em todas as boas pharmacia
de Franca a dos puizes estrangeiros, etc.
Ditos de dita com pedrinhas dem I* c 1*500.
Dilos de dila dourados o com pedrinhas dem
d*, ditos branco a 2*500, dilo de linho tino a 5*,; ono
ditos de alpaka de cores e bramos a 5*, ditos de .
mcia casemira a 4*500 e 5*, ditos de casemira a
ex s ia ia* ir.s.. qriR : n,,' uell('s B R^rraMs ccaraco ioo com cien anos de
#, f, IOi>, I(lf5, ll)*e.t)fl unos tie panno BU-, a nodi inhacJi
i.r/'^ OB H\m ,, ,, s.* .\nm t j t U* "> V pl'OI IDP3 Q*>.
nr-iC rt ou. ii5, 14*. lfi*, 20* e 30*, calsas de
brim de cor a 2* e 2*500, dila de dilo branco a
Bonitas guamiles de pentes para segurar re-
pentes de borracha com costas de metal I*.
Duzias de colheres de n elal do principe para
2* ditas dedilo de linho a 3*500 e 4*, rolletes de; c,,;i ra fl a 1800 3&i0'0
cores a 2* de brim a 2*500, de casemiras de, m, dltas de c*irha "^
cores e prelas a 3*500 e 4*, calsas de rasemira a :
5*, 6 e 8*, de meia casemira a 3* c 3*500, ca-!
misas francezas a 2*e 2*500, de linho inglezas e' r<
r.aixmlias com 100 euvelopes 640 rs.
Caixinbas com papel amisade paulado 600 aC40
ruc
No dia 25 do crreme mez furtaram do sobrado
n 2 da raa da Cadea do Recife, entrada pela rua
la Cruz, 4 pnlseirasde ouro, 2 alliinetes de peito,
i rordSo de ouro com urna vara de comprimento
ni orna li^-a : reeommenda-se aos senhores ou-
' ives ou a qualquer pessoa quem forem olTerert-
los taes ohjecios, participen) a Marcelino Jos Gon-
calves da Ponte, na rua da Cadefa n. 2.
Pacotes de papel de boira donrada 800.
Camohas de pennas caligraphicas 1*280 a
1*6C0.
lotinhas de costuras muilobonitas rom perlin
res 500 rs., 1*280, 3*, 4*, 5*, 8* e 12*.
Xe>le arligo ha ODjecios de muito gosto para
pregas largas a 3s e 3*500, grvalas de. todas as
qualidades de 500, 800, 1* e 1*400, collarinho
de lodos os tamanhos e muito bem feitos, para II-
quidar por ser lempo de fe:ta : na rua da Impera-
; iriz n. 56, loja da Arara.
Colchas para eaiua a !>.
! Vende-se colchas de cliila para rama a 2?, ditas mimos.
\ de damasco a 4*. dilas de fustao a 5;}, chitas -ara Botos de punho a 2(0 e 800 rs.
! cobertas a 320, 360, 400 e 500 rs. o covado : na ] Dilos com as armas Imprtaos 1*280.
i rua da Imperatriz n. 56. leja da Arara, Bonitos quadros grandes com moldura dourada
A Arara vende madapolao enfeslsda a 4*5-
Vcnde-se pecas de madapolao entestada a 4* a
peca, dito inglcz de 24 ardas de n. 30, a 65, de 1
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
su|>eiiores a todas as oulras preparaces de
bismuth cm prega das antes com o maior successo
pelos mdicos oe todos os pai/.es, para prevenir e
curar as
l>inri-hrn ebronlcna. Ma rflgeatori;.
jnBaenllas. flliliHa
IXlica i'i-Kiiiin-to. Badil aisla., ele.
O >|H'i.i:h
Os primeiros symptomas d'essas formidaveis
alfecces se manifsto ordinariamente por diget-
toes laboriosas, azidumes, falta d'appetite. pesos
d'estmago depois de cada comida, caimbras es-
tomacae-, c, rauitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuidlo, traz ine-
vilavelmcntc, que seja:
SIoIchIIhm ele Qjado.
A lelerii'la.
I'nl iiIihi ai. de coi aran
llrea non rlna.
(>l>|ireaitoea.
liiiri' de iihi-ra.
Irrlinrrn de boxita e
du muirla, etc.
i a 5*500, n 250 a C*50Q e T&iiOi), n. !> 8*600,
*^ 9*000, B. D. P. 10*, ZZZ 11*, n. 20. dito a
^ 14* a peca ; algodozinbo niarca s a 5500, dito
carne vacca a 7*, dilo dsniestico a 7*500, dito
| pau ferro a 8*, dito SL9 a 1(1*, dito I a 10* e 12*,
-------------------------------- dito"sicupira a 8*500, para liquidar, na rua da
Compra-so ouro e prata em obras velhas Imperatriz n. 56, leja da Arara.
COMPEAS.
Palilols de alpaka.
daga-se bein: na loja de bilhetes dapracaa lnde
pendencia n. 22. _______________________| Vende-se palitots de alpakapreta de 3* e 3*500,
Comp.a-se efectivamente i,1,0IsJi"?sn;!V.'^'lT^ lTZT a i5: rua
,,_ .. da Imperatriz n. ofi. lo a da Arara,
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem : ,' ...,,.
na rua larga do ltosario n. 24, lo a de ourives. Ao, ^roinn da na da Imprratr n. oC.
--------------------------------------------------. Vende-se semillas a 1*280, dilas tranrezas a
- Compram-se dous escravos que sejara bons; t.5,00e 2* : e outras minio boas fazendas que o
carreiros : na rua do Trapiche n. 13._________(freguez encontrar na loja da Arara, rua da Im-
Compra-so urna carleira rom duas faces para | perairiz n. 56.
escriptorio : no armazem da rua da Cadcia do Be
rife n. 48.
= Comprase urna vacca que tenha bom eabon
da ate leite : na rua do Crespo n. 15, ou e
pucos, na casa junto a do Sr. Jos Alfonso
Compra.se urna prela de meia idade que co-
zinhe bem o diario de urna casa : na rua Direita
numero 17.
Espantosa pechincba.
Algodo superior largo rom um pequeo defep
de varios santos, como, S. Jos, S. Amonio, o Bom
Pastor, a Virgen com oMmino,! Ceia laiga, Des-
ciment da Cruz, frnrlas diflereiihs,* safia do ir-
g, a .--afra das uvas o oulios dilTii ente* de muito
gosto para adorno de sala ele. a 5*.
Bonitos libaos para 12 retratos 2* e 2*200.
Ditos dilos para 20 ditos 2*200 e 2*500.
Ditos ditos para 100 ditos C*.
Dilos ditos de vellido para 100 ditos 10*.
Dilos ditos de rnarroqnim Chagrain nquissima
enradernacao e pap"l de relevo para 100 rs.
Iteiratos a 15*, 20* e 25*.
Boinios albiuis rom >orlimenlo completo de li-
nissima perfumara 6* 8*.
Bonitas cesliuhas com frasquinhos de exlratos a
1*280.
Caixinhas com 6 garrafaozinhos de extratos a
,1*.
Ditas com 12 garrafinhas de dilos 1*600.
Frasquinhos de varios exti actos 160 rs., 200,
.240,500,800 1, 1J280 iJSOO.
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias c coral as quando sao tomados a
lempo.
O preco de cada frasco de 4 francos.
Depsito gcral em Paris, pharmacia Chevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
estrauseiros.
GRGEASdeCUBEBINA
omCOPABAdeLBLONYE
Estes cuiiiciios ijue tem por Liase o [irin
cipio activo iprimeia cnbeba junto rom
icupaiiiiba pura, nfionausen n estomagad
Ellos fazem parar inimediatametite asmis
rebeldes gonorrhaSj roesmoas que ressti-
ram a cubeba o a cupabyba. isoladameote.
Deposito eral em Hornamliuce rua da
Cruz n. t'i em casa de Caros a Harhoza. :
OVIGILWTE
Una do CrrNpo o. 9.
O gallo vigilante tem i mJ0 a^racudo \*bmm-
1 poso lallUa, na sua ordi m do da. r prla Rraara
, Aguia, a pesar de que, |>ara esle o liaih n mi
i agudos esporoes nunca o^ off.nder.', ante< afra-
1 ciara oa iiiesnu conformidade. para qu- o Baha
possa marchar em frente, a Br-nra Afsaa p^a
levantar seu vo, levando no meo a* palinkas a >u
ninli.); e o Gallo tirara em sen e>paco>i- i,*n
daodo de noro o sen cnlo annun. i.!ud a e
bons freguezes e aore-peitavel publico
0 grande sortiarnto de bjretos de anit* jonto jae
araba de rrol, i.
Ricas caixinbas com RMMSra ricamer.te role ira-
das para costura, amafia para un delirado -
nio.
Itiquissimos cofresinhos com cadeaio- de BMaaa
para guardar |oias.
Ricas canas com eslejo, rootendo lodo o* ptt-
tences para homem.
Riqusimas voltas fingindo perola.
Ditas com laciuhode lila.
Ditas de lidas cores c | reta, de luda* a* if-
suras.
Liados adereces com prdriobos Ingindo Ui-
Ihantes.
Ricas livellas para cinto, de todas as quateU;*
| e bom pa-io.
Ricos cintos do ultimo gaata de Paris.
Grande .-ortimenio de Hadas enfenes para rai-
a, sendo do ultimo gosto i todo* o preco*.
Flores muito lina* para pnwa.
Luvas enfeitadas e sansa de >-.HIa para n<>ivaa.
Lhapo-inhos, sapatinhu* c meia- u> m da par
baptisado.
Itiquissimas lilas de todas as quadade* para to-
co, cintos e eiuleiros.
Casaisinhai s gollnhas para -enhi-ra.
liiquissimos jarros e IfWM pan oraaiot-t i de
sala.
Grande sortiraento le |rai NsahoM B H pan sa-
nhora como para basaam
Luvas de perica braaca c ds rari -.
Casearrilltai de baastas rrasL
TVanniilias, cal.o e scansatsa p ira i r.i
]':";:')'!:as d Cabello: e de retfua ara r I- pm
Papel amisade e de olra< qn >
Bolsas para viag.-m.
Knireineos e batadiafcaa deliadas
Leaeiahos de Mabo bord
Meias para boaina, nalwrai> Basadas* i mesd-
nas.
Filas de v.iudo li?a= o rom BK las as
larguras.
Thesouras c eaalretes de todas as pjalwJad s.
Grande sortum nto de laBaaaBBB.
Lindos va Caixinbas coa seis frasa^aatae.
BsseaefM de todas as qualidade-.
Agi.a verdadeira Florida.
Agoa da Coleis, em carrafa- sjtaade*, ea
i frascos (jiiadraJo- cgarralinha
Pomada lina de todas as .ualida !. -.
Snperior banha em frateos i rc o< de rodaa
lamanhos.
Sah.o inglez em paos grin le- r j
E>covas de cabo de BBadreperab, marBin e da
osso, para lienios.
Pentes para desombaracar, coro Aras de 'al e
| sem rile.
Ditos de tartaruga e do mnila- nuda
des.
Pontos de larlarnsa para iesri
Ligas de mI 11 e de :
oairos nbj tos Je _
. cinar. que a vista ar !. so so ii II \ sjsl
rua do Crespo n. 7.
No caes de Apollo n. 54 compra-sc um es-
cravo que seja bom boleeiro, mogo e boa conduc-1
qualquer incomtr.odo que | ta, c urna esrrava que entenda bem de cozinha e!
pi'Ovm cl'utn estado ensaboado, pois se pagar bem eseu merecimento. j
de sangue,
MaelniHih de vapor epa-
Frasquinhos de essencia para lenco l500. ra lP^JinVir llfrYWin
eabdn-|,oemnmadasttrelhasa6*apecacem20varas: _* d cxlralos "" 2;500, 3d 9 I<1 UCHtUrUyU aigWIilO.
m ^''Clnut^Zt^"-^' 'ja defrUn'e ^ Frases d'apua de Colonia 400,500 el*. MOeilUlS G lllCiaS TaOCildaS.
8 ;V ..... v---------------------------------------Garralas de dita de dila 500 rs., l-j500, 2*000 e Tawoa - Vndese umescravo de 20 annos de idade, 2 500. 1U1XUS (le (CITO aiKlO, 008"
doe de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e
pcrfeiio cosinheiro e perito boleeiro, dase acn- Frascos com vinagre aromtico de Venus para
lento, garaniindo-se qualquer das hahilidades : r de cabrea 1^000.
trala-se na rua do Destino u. 18, nos fuudos da Frascos de oleo hilocnme 720 e LrOeO.
abema do Lino.
Frascos de oleo de babosa 400. 500 e 600 rs.
Dilos de banha franceza 600 e 800 rs.
Copos de christal com banha franceza 1*280 e
impuro
TOMEN A
BALSA PIRHILH4 DE AYER.
A' venda na rua Direita, ns. 12 2(5 e 7(>;
t na da Quitanda n. 51 ; praca da Consti-
luico, n. 30 e Hospicio, n. 40. E na-
principaes pharmacias c drogaras do ims
qerio.
Veade-se em Pereamboeo:
na pliannacia franceza le
P.MAURER & C.
__________RUA NOVA N. 18.________
O Sr. Antonio Jos Marques, que mo-
rou na rua do Padre Floriano n. 41, queira
vir a praca da Independencia ns. 6 e 8
negocio de sjuinteresse.
~_ Juso. Antonio Gomes Jnior ra mandar para
o prelouin novo systeina do escriptoracJo mercan-
til por partidas dubradas, demonstrando cda con-
la o debito e nredito em conta corrente, e conta
le. loan* (letras ou nu'.ros ttulos com venci-
meril-i lixo, a pagar oa receber): a caixa demons-
tra o dinheiro em ser, e as letras que o eommer-
ciaote tem a pagar ou reerber, por dinheiro loma-
do ou dado a juro, emprestlmo ou romprl de titu-
lo', e linalmcnie o halan? (feral demonstra o saldo
por liquidar e por que ttulos, qur a debito qnr
a crdito, e de cada conta nr si, e em totalidade,
e qual o saldo feta a subtraecao.
Cintm mais esta obra urna taboa rom nmeros
liv>s |ilo< quae* corihecido o preeo de orna arro-
ba (seja ella qnal for) de qualquer genero, por
urna simples multiplicacao se conhece o irnporle
de qualquer numero de arroba, libra e oncas.
Suliscre.ve-se a 2* por volume, bruchnra, pagos
na occasiao da entreira, na loja de livros dos Srs.
Gnimares 6 Oliveira. na do Imperador, e em
casa do autor (da* 4 as 6 horas da larde) rua do
Di -lino n. 3.
Os senhores que antes de snhscrever quizerem
examinar dita Ulna, caixa e halanco, afim de co-
nhecarem a utilidad* da referida obra, diriiam-e
a casa do autor em qualquer dia, das 4 as 6 horas
da tarde._______________________________
R-tira se dota provincia Thomaz Rhom e
sin mnlhT 1). Rwa Blwm, e .nasdua* fllhas me-
nores Isabel p Maria. quem tiver contas com elle
poiler iirnciira I para recebar ofl papar, em sua
raa no largo -lo Corpo Santo n. 21 ou na rua'do
Imperador n. 28.
Ths. Kabom.-. I. R. 18.-.
~ Alosa se lima das melhores|casas na pnvoa-
co de Cachang : a tratir no Cachang defronte
da igreja._____________________________
Precia-se de 150* sobre penhores de prata :
quem os tiver anouoele.
Vkmis paia vidrug*,
Grande sortimenlo de vidros de "todos os tama- 15500
- Compra-se urna taherna com psucos fundos! nhS : na rua da rjadeta, loja de errage, do; Saboneles de bola grandes 280 rs.
Pacotes de pos de arroz 600 e 800 rs.
Escotas para denles, 160, 320 e 480 rs.
vendem superior vi- CJO do BoWlliail.
sendo em bom lugar no bairro de Santo Antonio,i Uastos.
que esteja bem afreguezada para a trra
,iver e quizer fazer negocio, annnncie
quem
V'nlio ta Madeim o do 'opto
Vende se o superior vinho da Madeira e do por-
to, em raixas de urna e duas duzias
4:1)000000
Comprase urna casa terrea cujo valor nao ex do Vigilante, rua do Crespo n. 7.
ceda de 4:000*00. Na rua da Concordia n.71 j Vllmus
junto ao aobrado do Sr. Manoel Firmino. _...., a/> ,)an r,,' ,;, ,
'--------------------------------------------------------------Pra zu ate w retratos, muito bons e por menos
Compra-se nm (avallo para cabriolat : na preco que em outra qualquer parle: na rua do
J. Keller & C.
s na loja | nho tinto de Bordeaux, tanto em quartola
como em cai.xas de du/ia de garrafas
rua do Crespo r>. 20, esquina.
i Crespo n. 4.
YENDAS.
Romance.
Vende-se na praca da Independencia li-
vraiia ns. 6 e 8, o romance Martim o en-
geitado ou .Memorias de nm escudeiro, obra
do dislinclo escrptor Eugene Sue, autor
das melhores obras couhecidas, pelo dimi-
nuto preco de 20500 por 4 voluntes em
broxur.
FOLUl\UAN
Hura 1S()5
Acham-se venda na linaria ns. 6 e 8
da praca da Independencia:
! Vendem-se o i' 2 e ;i tomos das biogra-
I phias de alguns poetas e outros homens Ilustres
i da provincia de Pernambuco, pelo commendador .
A. .1. de Mello ; obra que todo Brasileiro, e mor- lo carrete que tem de pagarem.
mente todo o Pernambucano deve ernherer dar aaL^_>i- ~.
ler a seus filhos : na rua do Imperador n 4 .. Partc de "gCDho.
\ivo deposito de sa o.
Acha-se aberlo nm novo dejiosito de sabio na
rua do Riogel n. 34, na antiga fabrica italiana,
aonde os freguezes cnconirarao completo sorti-
menlo de sabo de lodas as qualidades; assim co-
mo a vantagem qne encontram para abreviaren) a
qualquer freguez por ser muito perlo, e o diminu
lollinli^-.
Lindas voltii ).- | -ri ..
lingindo hrilhaotes, asim rmao n i
c vollinhas. |m?Io I..; lo pn eo de l*<
erntes avuls asa 'iOO rs.; so M Vi do
Crespo n. 7.
Lcqiifs.
Rlquissiiiios loques de madrepi ola
senhoras como para raanjaa, palo bai
de 12* e 14*: s no Vigilanir, ral do i.r'*>p*
n. 7.
GRANDE NOVID.M I.
S no Visitante.
Iliquissimos enfeiies ib-1 .das as aaaMadr i ^ra
senhoras e mininas, chegados boj' laail i
MwMm
Hiquissunos nritos de lila BBBJS e atTlia rr.ss
Dvelas graades e peqii'-nas, rom l rlsaasda I
cousa de muito |0to.
Aibisna
(16 CaiTOCa COm nicingaS eLTambemchegaram, r.qu.s,imos itMiapTa,
i 50 retratos, com capa de tartaruga a da aarbni,
01X0S (16 patGllTO. "usa muilochique : s,i no Vigilante, rua i'.rev
Kua do fjrum n. 38, fundi- '"" **.
Riquissimas eolinbas e wagnlln'
' to possivel, a 2*. 2*500 e :!*; so lo VigiUate.
AT-------------------. "-------i---------------iir rua do Crespo n. 7.
NOVa CXpOl(;aO de Caildiei-1 toffiles para scDb.,ra.
lvnrl Riquosissim enleites com laco e BBBB Baa r da
1 OS el' iaZ. oulros.muilos gostos a I*. I*SUU e .1* ai an Vi-
Xa rua Sfavii n. 4. silanl'- rua du ,:res' 7:
O proprielario deste novo e bem conhecido es- Iraieeliis.
tabeleciinento avisa ao publico, que tem reeebido Lindos Irancens oe cabello para re* co on la-
um ri.piisMino sortimenlo de objectos de lodas as Mtis> PwojbarBlBaiBiB paaa d. 15-ion, ilm? de
qualidades,como sejam arligos candieiros, obras;rc,r01 a 200 rs.
de zinco. quadros. bonicas bastante grande, jugos Babadiohes cntrnuciHs.
de militas qualidades, tamboretes para enancas, Itiquissimos l.abadinhos ntremelos rom lia,lo
quadros de lodas as i|iialnlades, diver.-as islas i dasanhas lanados a transparentes, sads nasal
Vei)de-se uma pait-i do engenbo Italienga da Bol-qpl, gravaras linas pert.mentes a historia proco de 1*200, 1*500, 2* e 3*; s no Vigilante,
VlULlO QO rOrtO engarrafado sitom rreguesa de l'ao d'Albo: quem a
urna dnzla d
cife n. 66, armazem de Ferreira & Matheus.
Libran esterlinas.
Vende-se quem as qnizer comprar no armazem
n. 33, da rua da Praia, se dir quem as vende.
Ksfabelecioientos.
Vende-se sem demora um dos eslahelerinvntos
de molhados denominados Aur ira Brilhanle, a di-
A FOLIIINIIA DE PORTA, abrangendo o'nheiroou a praso.com boas firmas, visto seu dono
kalendario civil e ecclesiastico, tabellas de <**; alada doente, faz se qualquer negocio ra-
Vende-sesuperior vinho da Porto denominado pretender dirija se a e>la lypogiapliia onde
D. Pedro V e rainha de Portugal, em raixlnhas de SO dir C0O1 quem Se deve Iralar.
'- garrafas ; na rua da Cad.ia do Re-
Hfi/to do Porto etiftcctal.
0 mais generoso e genuino vinho do Porto, mar-
cas novas e especiaes, em caixinbas de 12 garra-
fas, sendo marcaRainha de Porincala 18*000
a caixa, e marca Pedro Va 16* ; em porcao
far-se:ha nm alate razeavel : no armay.t-m de Fer-
reira & Malluus, junio ao arco da Conceicao n.
66. No niesmo armazem ha tamben) encllenle.
vinho do Porto em aoeoretas de 32 garrafas a 30*
cada nina, e em porcao por menos algurna colisa
sagrada i> outros mullos arligos que por go.-to se rua do Crespo u. 7.
pode visitar este novo estabeleritr.enin, o qnal Cascarrilhas.
franco d.'sde as 6 horis da inanliaa at as 9 da Grande sortimenlo deca-carrilh.i- da df".
noite, tudo por pregas bastantes commodos que larguras, assim como galaozinho e Irannabaa prn-
agradarAo aos pretndanles : na rua .Nova n. 20,' priaa para euleit.s: s no Vigilante, rua 6>, <"re*-
|o]a d^ Carneiro Vianna. po u. 7.
i\ovn KXpnsico de ferragens e,
... *, i / I Grande sortimenlo de litas de diversa^ larenras
OnjdCt'fS lie metal finOS. e qualidades. por procos que admiram aa aa0>
Xa rua iora n. 90. pradores, havendo titas largas proprias pira ria-
prra
O proprielario deste bem conhecido esiabeleci- ','ir''is 1ue se "f" v:nd,,r rs yjr*- "^
lent i avisa ao publico, que tem rtvebido um ri- dl' ^ varas a s* I so no *"* rua *>
uissimo sortimenlo de todas a< cutilerias e me- n" '
feriados, de emolumentos dos tribunaes
do commercio ele. a 160 rs.
A FOLIIINIIA DE ALGIBEIRA centendo o
niesmo que aquella e mais uma nova
Salve Rainha em verso,o Stabat Materem
verso, devopo ao agonisante, coiaco de
Jess, cntico em louvor do Santissimo
Rosario, cntico a Vugem Maria Nossa
Senhora, trinta etres chistosas anedoctas.
um indito poema sobre as aventuras de
um cosinheiro, o canto de uma solteira!
taes, em bulos os gneros que se pode desejar, lo-1 Mas de lia.
dos os pretndanles liearao bi-m satisfeilo em ver Fitas de la de todas as qualidades. propria- ja-
- Vendem-se 75 jardas de oleado de superior um riqnssimo sortimenlo de ohj.-ctos,quepor gos- ra debrum de vestido a 700 rs. a peca ; ao Vi-
zoavel, adverle-se que uma das casas tem grandes qiialidade, para forro de sala : na rua do Queima- to se pod-m comprar todos por preeos maltes com-, gilanle, ruado Crespn. 7
commodo para familia, e o lugar para negocio do ti. 34.
dos melhores na Boa-Vista : a tratar nos mesmos
a qualquer hora.
Farelo de Lisboa.
modos : na roa
Vianna.
Nova n. 20, loja de Carneiro
Boa eserava.
Na rua dos Pires jonlo a caixa d'aguia n. 62 ha na do monm, armazem n. 50.
uma expeliente escrava que cozinha o dia io de
tima grande rasa de familia, moito aeeiada, c.rinu-
la, de 38 aonos, muito fiel, e com mais habili-
dades.
A .^sa deiras
Vende-so superior farelo em sacros grande*, e i
por preco commodo, vindo pelo ulUmo navio : na | A,sartpjr.is dc vorcr^ g. ,0()os os ,amanhO!,
na rua do Qneiiuado n. 32, vendem Azevedo &
Taberna. irmno.
Vende-se uma taberna na rua da Esperanzan. PcilcirS.
Rua da Imperatriz n. 43
Vndese a armaran e mais penenc.es da loja
(niWial rrppirl nmern rW I laximas p '(le <,,,arntos da rua da Imperatriz : a tratar na
(poesa), crescicio numero oe mximas eL,, doRn?!irio n. 30, ,end commodo para
pensamentos, uma historia como multas pequea familia, e serve para qualquer principian- li alral:'r com Df,?W09??
fMUGB), e vinte e cinco novas e pi- te por ter pomos fundos. Oliveira, na rua da l raa n. 7b.
26 fSoledade) em muito bom lunar, muito propria \ ReCeberam graado sortimenlo de peneias de u. 7.
Rices rspflfcas.
Riqnisslmos espelhos com moldara df>ura-la!
sem ella de 8*. 10*, 12* r IV*. asim en o n-a
v.lniinias.de diflerenles lamanhos a 2*. :(*, 4*. ">*
e 6*; s no Vigilante, rua do Crespo b. 7.
Lindas jarres r ufaras.
Riquissimos jarros e liguras de porcrlaoa Tina,
para enfeite de sala, sendo omelhorgoslo aMeafai
tem apparecido; s no Vigilante, roa do Cre*p
para principiante : a traiar na n.esma.
rame, proprias para padaria e pharmacia ; na
Ihericas charadas a 320 rs.
Vende-se caixes vazios preiifins
para iialinleiros e fnnilciros a 1 $7a&0
rada un; nesla typojraphia,
Na ras do Trapicho n. 16, *ade-se papel e
linho de i* qualidade para cigarros.
Latas e eopoa com banha flna Aitencdo pechincha
A aguia branca, na rua do Queimado n. 8, re- Vende-se urna* boa armacao propria para mw-
cebeu esta estimada banha fina, em latas e copos, dous ou onlro qualquer negocio p*r preco bara-
isso alem de nutras em diversos frascos. tissimo: a Halar na rua das Larangeiras n. 8.
Vende-so
um predio no principio da roa
do Monleiro n. 5 com sahida para o rio; a datar
na-ua da Imperatriz n. 61, com 0 proprielario
CutftJio Ma&oeJ Gopcalves.
Cara ps de arres.
- Vndese a casa terrea n. 91 da rua Imperial, ruado Queimado n. .12, loja de Atevedo & Irmo. Riqnissimos vasos rom Imnerla para p* de rr.*,
o sobrado de um andar na mesroa rua n. 93, e a /^.../o ,1/j 1 ii/.V casa terrea da rua da Mam/noira na Boa-Vista o. i '" ,,*Vfl ,cc */' 'J '**'** ; pacotes s com os pos a 320 rs. radaum;an
llibeiro da Cuoha e i As verdadeira* brides de lpojura : vendem na Vigilante, rua do Cresp n. 7.
i rua do Queimado n. 32 Azevedo (t Irmao. Prrfamarias.
] FaCUS de Cal)0 de UniCOme e Grande sortimenlo de exlractos e banhas.peau.
das, assim como de lindos copos oa vaso pom ,bs-
intl rI til. lioctivos e offerecimentos as sinhasinhas dns mt-
Vendein Azevedo 4 Irmao, na rua do Queima- lhores ft ma,s afamados autores de Paris e Indavr-
qo n. 32. rai assim como os grandes ropos de banha peajajtaj
,----------;-----:------ =--------------- a 2* e a 1*, assim como outros objectos qne ai* a
Farele superior de Lisboa a H o sacco. possivel (tor boje annuneiar, e vista dos frifne-
Bixas de Hmburgo
Kendem-M na rua Nova n. 61.
i Tem para
' vedo A C. ty)
vender Antonio Luiz de Oliveira Aze- es se farlodo negocio na loja do Gallo VkjjrttM
i s.eu escriplerw rua da Cruz n. 1. roa do Crespo d. 7.
\


Diario de Peruambueo Terca (eir 99 Je Dezeuibro de 1&S4.
\
,0 GRITO DA GUERRA JA' SE FEZ OUVIR.
LA TAI BOMBA!
SENTIDO.
O
m ^W%^.


3
-
5
0 assumpto importantissimo.
0 assumplo importantissimo.
0 assumpto importantissimo.
m Ninguem interrompa o orador.
"'.\ Ninguem nterrompa o orador.
Ninguem interrumpa o orador.
Ilcine o silencio em todas as columnas,
iteinc o silencio em todas as columnas.
Reine o sikneio em todas as columnas.
Nao se admilte contestado. jSK
N5o se admilte contestacSo. %i'
NSO se admiti COOtestacSo. ctt)
Os apoiados sao prohibidos.
Os apoiados sao prohibidos.
Os apoiados sao prohibidos.
ADVERTENCIA.
A ules de eairar na materia o inconsavel Bauza nao pode piesoendir de
l fazer O seu signal de horror as doiradas roras e mal fcitas mitras dos falsos^
'apstelos do progresso, inimigos do povo e chupadores do -angue da humani-S^P
dade. fffl
] A. detestavcl sede de oiro tem obseccado seas coracSes de vampiros. g
Querem fazer fortuna rom a rapidez, do coriseonSo saben ter f nem
esperar.
S5o os perfeitos unos da eivilisaco.
Malditos sejam elles--j que nao possivel ao Bauza por-lhes as mitras!
>na cabera os bculos na mo e os sapates enmaga couvrsnos ps e expol-os ao
publico por tres das.
OltllOI IM DA.
N'esta casa nao a Ilude ao posoos pesos esto aferidosa batanea do.
SJrnellios fabricanteeos gneros, pailindo do solrivei at o ptimo, podetn ser|
jP escoltados a vontade por todos, desde o pobre agoniado Clarim at o mais alto
SE Gene ral. 3J
v''p Nao sendo o agrado k a sincebidadk predicados que smente UvessenKfg
?%):-'hegado para fcico da domesticada e encantadora aguia bratim, estao dadas asj
Signis terminaiites ordenspara que d'ora em diante se redobre as attencSes paraje
s^cam lodos os freguezes, de forma que se opere a mais perfeita liga de enteres-"^
E Rses reriprocos, a fazer inveja a todos atao proprio cavalletro da esquina da rua i
'^r'N'av.a. ^
i Quando ao dispontar da brilhanle, aurora ou da amora brilhante, uzerrf
}onv*r o garboso gallo vigilarte, com aquella bisarria que llie propria, o seu,^
cauto eonoro, signa! de chamada dos amaveis freguezes e predilectas freguezas,
itambeai o solicito Baliza estar prompto em orden de marcha, agradavel como
'a aguia branca, diligente como o gallo, grave como o propheta, no mais per-<
lfeito e continuo movinento, servindo a todos, e a todos contentando.
ADDITAMENTO.
Os precos do grande sortraento d'este magnifico armazem, se acliam con-{
'sideravelmente reduzidos, e a respectiva tabella deixa de ser publicada porque
\a alma do negocio o segredo. Os freguezes reconhecerao em vista do objec-
*to que pretender que o preoo que se Ihes pedir ser tao rasoavel que nenhuma*
ireclamacao oflrecerSo. Venham todos a
RA DO Livii:i.imvro 88
AO GRAM)E AUUZEM DE MOLHAUOS
DO
BALIZA
PROPRIEDADE
DE
M. PEDRO DE MELLO.
Grande liquidadlo.
Ra da Iniperatrlz n. O.
Loja de fazendas do navio de Gama a Silva
Acha-se este estabelecimento completamente
sonido de fazendas inglezas, fra acezas, allemaas e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
malo, prometiendo vender-se mais barato do que
em oulra qualquer parle, principalmente sendo em
porcao, e de todas as fazendas do-se amostras,
deixando tirar penhor, ou mandam-sc levar em ca-
sa pelos caixeiros da ioje do Pavo.
Vestidos soulambarqne.
Pelo ultimo vapor francez chegaram riquissimos
vestidos sontamliarqne, os mais modernos qne
neste mercado tem apparecido, os quaes estao
promptos com saia, corpinlio e seu competente
soulambarque, tudo guarnecido de seda, veludo e
renda. Quem tiver bom gosto dirjase loja do
Pavo, na ra da Imperatriz n. 60.
DOS.
Na loja do Pavo, a 3$. 4$
e 7$000.
Vendem-se llndissimos cortes de vestidos india-
nos, sendo todos bordados e de listras de cores e
brancas,proprios para casamento, pelo baratsi-
mo prego do 35 cada corte por se ter comprado
urna grande porcao, sendo fazenda que vale 65,
ditos Mara Pa, tendo qualro pannos, fazenda
para o corpo com os competentes enfeites para o
mesmo, pelo baratissimo preco de 45 cada um,
ditos de todas as rores com as barras bordadas a
crox, sendo cada um em seu carlao, tendo cada
um todos os enfeites precisos, pelo baratissimo
prego de 75 cada um, ditos com babados muito bo-
nitos, mas sem ser em carlao, pelo diminuto pre-
go de 35300 cada um ; adverlindo-se que os donos
da loja do pavo vendem estes vertidos por tao di-
minuto prego por terem comprado urna grande
quantidade e convir Ihc liquidarem logo, na sua
loja, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Aos vinte mil covados de 19a.
Grande pechiucha, a 'i S
o sao rs.
Vendemse as mais bonitas laznbas transpa-
rentes, sendo com listras e quadrinhos mudinhos,
e lisas, tendo de todas as cores, assim romo prelas
e rxas para luto, pelo baratissimo prego de 240 o
ovado, ditas transparentes com palominas de seda
Maria Pia, tendo de todas as cores, e tambem
algumas proprias para luto, pelo barato prego de
320 cada eovado, i>to por haver urna grande por-
cia : na ra da Imperatriz n 60, de Gama &
Silva.
Latas e copos com banha flna.
A aguia branca, na ra do Queimado u. 8, rece-
beu esta estimada banha fina em latas e copos, isso
alem de outras em diversos frascos.
As iuodernissimas lliabas de urna s
cor, a iinilaco de gorgorito, ven-
de o r-\ao.
Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
modernas laaziulias de cordaozinbo, as mais pro-
\ L.
RA 1IO 9fJ2I^IAINI IV. 45.
Fassand o becco da Congregacio segunda casa.
miitaaioi
NOriADE
Pereira Rocha A C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um arma/.ein de molliados deaftioafc (.Isiuj <
ial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sorlimenlo dos mel ti ores gneros que nm wm Minad
luaes sero vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo niencioncda pmlfrtt tU
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do MaranhSo, India e Java a 60, 80 e
100 rs. a libra, o 10800, 20600 e 30000
a arroba.
Ameixas francezasem latas e cm frascos a; Presuntos de Lamego em ca!d
10200 e 10600, e em frascos grandes ai mnito novo a 6i0 rs.
Peras seceas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muilo superior a 2H
Pain?o a 200 rs. a libra. rs. a libra.
Polvo Becco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
de azeite e Ervilhas |n)itugiie/as .. Hit i- lau.
dem seceas miiilu n> \;is n 2'" rs. a likr.
23500.
Idemem caixinhas elegantemente enfeitadas | dem prato.
com ricas estambas no interior das caixas I dem londrino chegado no ultimo vapor a
a 10200,10400, 1060o e 2J>. 900 rs. a libra.
Amendoas cora casca muito novas a 280 rs. Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs
a llbra. cada um.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba. Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellaasmuite grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1030" rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinhaea 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hyssnn, htichin e perola a 10600, 20,
20500, 20800 e :>00 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a dnzia.
Cognac in?lez fino a 90"1 rs. a garrafa.
Queijos flamengs do ultimo vapor a 28G0 Figos de conadre o du Doan> em
de oito libias e caii.i-Iritiljr;.- il. | j,-i.
looo, 5rv>(M i-, 280 is. a M ra.
Farinlia fio HtmiO i tflf i- iikr..
dem de liigo a 190 r?. ? I:' i >.
Genebia de Hoiiand.i mnbiifcl marr Vi>
a 560 rs. o frasco c r.:>2i;. : ...- (..
dem cm garraff <-s de :i .'> p a ':
e 70510 cada um con < (tarisO*.
Gr.iixa a 100 rs. a lata i ;' a.
Licores muito finos a 700 rs. a ;.ii;.a.
dem, quaiidade especial em gamtM p
grandes, a 1 r>800 a gai rafa,
dem cm garrafas IM MMM l I
: dem, em garrafa forma de | a t i
prias o mais Mudas .pie tem viudo, proprias para rnnsprva~. 79n _. fl.ei,A
vestidos, soDtarobarque, capas, etc., dam-se amos- i 7^am ,a /zu rs- asco-
tras deixando penhor, e vendeni-se pelo baratissi- dem, SO de pepino, a 72" rs.
mo prego de 500 rs. o eovado : na ra da Impe-, dem, s de azeitonas, a 750 rs.
ralnz n. 60, loja de (Jama e Silva.
As lnzinli.is lo Pavo.
Vendem-se laazinhas de qoadrinhos transparen-
tes, boa fazenda, pelo preoo do 280 rs. o eovado,
ditas largas mullo linas a 400 rs., dilas eslampa-
das, cor segura, padroes muidos e grandes a 30
rs. o eovado, ditas transparentes rom palminhas
de seda a 400 rs., dilas escocesas a 360 rs., isto lu-
do para liquidar : na loja e armazem do Pavao,
ra da Imperaliiz n. 60.
Os grosdenaples do Pavo.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especi dmonte da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
200 >o, 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
; rs: a libra e 8050 > a 80800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhns francezes muito novos e
bem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
Vendem-se grosdenaples pretos, fazenda supe- Chouricas e paios muito novos a 800 TS a
rior a tJOOOrs. ocovado, ditus largos muito en-, linra
corpados a 2400, 2^600, 2^800 e 35000, ditos
brancos, cor de rosa, azul e amarello a 25000 r.s--------------------------------------
o eovado : na loja de Gama t Silva, denominada
do Pavao, ra da Imperatriz n. 00.
As novas (as garibaidinas a ta oja do Pava.
Vendem-se as mais modernas laazinhas garibal-
dinas, fazenda nleiramente nova no mercado, sen-
do ludas com li.-tias iimidinhas, e transparentes,
com lustro a imitacio das sedtnhas, tendo varias
cores, sendo azul, cor de lirio, carmezim, cimenta
e cor de havana, ele.; isto a 500 rs. o eovado para
vender depreso : na loja do Pavao, ra do Impe-
rador n. 00 Je Gama i Silva.
Os mais modernas vestidos laria Pia,
na loja do Pava, a 16$
Vendem-se finissimos vestidos Maria Pia rom
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a W 0
libra.
Eigos em caixinhas ermetk;mente lanadas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor qne vidro, a I000, s a prft ralrt i
ha neste peero e de varias marcas, como nbeiro.
sejam: Velho de 8I5, Duque do Porto, Manteiga iogleza porf itsirenir Mr, i
Madeira, D. Pedro, D. Lu/. I. Maria Pa,', barcada de pOMo a MO rs. i H
Bocaire Cliamisso e outios a 800, 900 e de segunda quaiidade i Mt-
10000a garrafa, e eto caixa com urna du- dem fiancez muito nova a U4 t< ftia.
zia a 9,)O00 e I('0000. dem de temj ero a 400 rs.
dem em pipa, Porto, Lisboa c Fipueira a Maca de tomates em br.rnl a 80 r>. al
480, 500e 560 rs. a garrafa o 30, 30500 dem em lata a 40 rs.
e 40 a caada, ; Matmelada imperial dos mello i ver
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaui, Medoc c S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70SOU rs.
a du'/.ia.
dem Morgauxc Chateaulumini de 1854, a 10
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vin?gre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
l200rs. a caada.
Kirsk garrafas muilo grandes a 10800rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-1 dem de dentes a 120 rs.
mos grande porc3o de uutros pie deixamos dem de flor a 200 is.
de mencionar, e que tudo ser vendido por Amendoas confeitadns a 900 rs \ hhra.
pecas e carnadas, tanto em porces como Doce de goiaba em latas o meM.oi
retalho- -# e em caiiio a 640 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima le-
ra o abate de 5 por canto. v
ros de Lisboa a 60 i rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, fcatCM 800 rs.
dem regular a 500 ra.
Macas finas para sjia : estrrllinl i.
rodinba e. aletria a (100 rs a I.....i '>
acaixinhacom 12 libras.
Notes muito novas a 160 rs. a h
Peixt em latas preparado pela priwira *rt>
de co/inha a 10 a lato,
Palitos de dentes a 160 rs. o Baya.
Palitos do gaz a 20200 a gro/a.
. Passas muito novas a 40 rs. a libra.
Frascos com gomraa arbica
dissolvida e pincel.
Vcndem-se na na do Queimado n. 8, loja da
aguia branca.
N vos albuns.
A aguia branca araba de receber outra encom-
menda de bonitos e bem enradernados albuns de
capas de velludo, massa, tartaruga o inarlim, al-
guris dos quaes com microscopio para augmentar
o tamanho dos retratos, continuando a seren ven-
didos t-v presos commodos: na ra do Queimado
loja da aguia branca n. 8.
RIVAL SEM SEGUNDO MCIIiSRLT* ilTV
Galanteras para fe8tas\*ir'*ma .
Roa do Queimado ns. 49 e SS, loj de nriodeau
de Jos de Azevedo Maia esta coiitinuanuo a
vender muiU' barato, pois seu genio dar a fazen-
da por todo preco a vista dos cobres.
Cartas de alliueles francezes da melhor iiidade
a 80 rs.
rosas de pennas de ajo inglezas da melhor qua-
iidade a 6iO rs.
Caixas de clcheles fiancezes de superiores quaii-
dad Grosasde botos de madreperola muito linos ao6t
e 640 ris.
Carretela com 4 a .'i oilavas
piTU
o de oulra
de retroz prtlo tino a
iso muilo ^uperior i
militas qualidadea
03 corpinhos differentes, tendo todos os preparse
rom o competente sinto : na ra da Imperatriz n. [ A aguia branca nao ressa de encommendar do 2^000.
00, loja do Pavao. que lia de melhor e mais agradavel, e por isso ara- j Grvalas da liga
t'nmciiihaa ivil-'-ll- badereceberdiver.-asflyura.se vasos de pede! MO rs.
iflUIMIUiasa IJU*U I pedra com fina banha, assim como bonitos frascos' t-'anivetes para penna com 3 folhas fazenda boa a
Vendemse cainisinlias com manguitos, sendo de excellentes extractos e lindas caixim.as de ma- 800 rs.
muito bem enfeitadas. proprias para senhoras e deira envernisada com linas perfumaras tudo i Ooza de boloes bi anco para casaveques de senho-
meninas, pelo barato pre$o de dez lusloes cada mB ur0|)r,0 para prsenles de feslas etc., ha'vendoi ra a 100 rs.
na toja do l'avao, ra da lmperafriz n. Ii0, {dinheirodirija-te o pretndeme a ra do Queima- Pecas de lila de eos eslreitas com 9 varas garan-
do n. 8, loja da aguia branca. tidas a 30 rs.
nina:
de Gama & Silva.
Vestidos para meninas.
vendem-se s mais modernos vestidinhos para
meninas, sendo muito bem enfeitados Maria Pia,
tendo de dAerantes lmannos, pelo baralo preco ,
de 8& cada um : na loja do Pavae, ra da Impe- a agola branca na ra do Queimade n. 8, rece-
ratnz n. 00, de Gama & Silva. : neu R|0ba|os de ail lino e frasquinbos com es-
R._ <. i....,i isencia de dito para entornllalos.
upa feta barata. / ', fi < ,
Vende-se um grande sorlimento de roupa feita | "lili OS t-ul"lI"S.
para homens, sendo calcas de bnm branco e de j A aguia branca acaba de receber por esle ulti-
cor, ditas de casemira prela e de cores, ditas de mo vapor um novo sorlimento de bonitos e delira-
mwa casemira, paletots saceos e sobrecasacos de dos enfeites de moldes inteifamento novos c de um
casemira e panno preto fino, rolletes de lodas as apurado gosto,assim pois eompareyam os preten-
qualjdadesi: na loja do Pavo, ra da Imperatriz [denles munidos de dniheiro e com disposieao de
Ail fino para engom
'nado
a. 60, de Gama & Silva.
brnsileiiaplnlf cor a 1-5600 o eovado.
Veade-segrosdenaple de cor azul, branco e pre-
to, pelo barato preco de 1,5600 o eovado : na loja
do Pavo, rna da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
Panno de linlio a 700 rs. o eovado.
Vende-se o verdadeiro panno de bnho proprio
para lences, toalhas e ceroulas, pelo barato preco
de 700 rs. a vara : na loja do l'avao, ra da Im-
peratriz n. OQ, de Gama & Silva.
Economa do Pavo.
Vende-se para acabar, urna pcrcSo do retalhos
de laas e cassas de todas as quaiidades, e por pre- a^erein vendidos pelo mesmo preco
CM muilo em couta; quem tem economa que i um.
pode apreciar : istona l<> do Pavo, ra da lm
peratriz n. 60, deGarrt & Silva,
gastar : na loja da aguia branca ra do Queima-
do n. 8.
Pequeos pentes de Ur-
taruga
A aguia branca na rua do Queimado n. 8, rece-
ceben notamente esses pequeos gentes de tarta-
ruga que por suas quaiidades de pequeos, lisos,
bunitos e bem feitos tanla eslima tem merecido pa-
ra as senhoras segurar o cabello quando atado ; a
aguia branca porm avisa aquellas pessoas que os
haviam eucommendado e a quem mais queira
aproveitar a occasiao de os comprar continuando
de 4j cada
' Estando brancos ficam pretos
O bom resultado e o rpido cffeito que produz
a tintura de chromacoma, e mesmo o facillimo
modo de apidirar tem se tornado mu condecido e
apreciada por todos que usam della e por consi-
guite augmentado a extracto, pelo que a aguia
branca maudou vir mais o novo sorlimento que
acaba de. receber constando elle de
Caixas com chromacoma para Ungir os cabellos.
Frascos com colorieoma para lustrar ditos.
Ditos com bydrocallethriehina para limpar ditos
Ditos eomory.'hromaiitina para limparasunhas
Sahonetes bramos para lavar os cabellos.
Pomada callicomiplula para dar cheiro aos di-
Madapolo a 7000. s na loja do Pavo.
Vende-se superior madapolo muito ennorpado,
tendo 20 varas cada peca, com i palmos de largu-
ra pelo baratissimo prego de 7,8000 a peca, ditos
muito finos a 85, 9& e 10.5000. E' pee-hincha, na
loja io Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama cV
Silva.
Cortes de eassaa 3000.
Vendem-se muito bonitos corles de casta, tendo
7'varas cada corte, com desenhns muito delicados
pelo baratissimo prego de 35000 o corle; s na
loja do Pavo, ruada Imperatriz n. 60, de Gama & .
jCj r j tos sem oAender a preparacao feita.
Cortes de chita francesa. 'SapatnS (le mari'Oquim (loil-
Vendemse llnissimos cortes de chita fran-1 vnlix nnr/i /.-.'/rv
ceza.com U covados, tendo, padr5es esenros e rWU flUtru u'iun.
alegres de cores xas pelo barallssimo preco de | Esses sapatos do grande lom vendem-se nnica-
45000 o corte; s na loja do Pavo rua da Impe- mente na rna do Queimado loja da i>.iia braia n.
ratriz n. 60 de Gama Cambraias lisas, na loja do Pmo. I Mcift>i f'naS mVCl choras
Vendemse pecas de eambraa lisa muito fina,' (lOVilQS
!ai^ ";an^1arrnle' ',pl0, haratissimo prego de | Vendem-se na rua do Queimado loja da aguia
10000 tendo 8 l/i varas cada pega, ditas muito II-1 branca n 8'
as a "5, 85, e >5 a peca, ditas Victoria com i0| ., ,, .
varas pelo barallssimo prego de 75, 9* e 105, di-1 tspOjaS UWSpara 1'OSlO
las Garrazes fazenda muito enc.irpada. fazenda pro-i Vendemse na rna do Queimado loja da aguia
pria para forro a 360 rs. a vara ou -5600 a peca : branca n. 8.
isto na loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60,'de' --------------
| O Expositor Portuguez para os meninos a prender:
a ler a 800 rs.
j Os segredos da nalureza para os meninos a pren-
der a ler a 15000.
Cartilhas da doulnna chrisia, finas e superiores a .
320 rs. i
Pentes linos de marlin a 15000, 15200 c 15300.
Pares de luvas de seda para homens e senhoras a
500 rs.
Gollinhas para senhora o melhor que ha a 390 e
500 rs. i
frascos com superiores bandas a 240, 320, 500 e
15000.
Livros que serve para assenlar roupa, pelo diminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cordo branco para esparlilhws muilo superior, i
vara a 20 rs. I
Carritis com 150 jardas de linha branca a 60'
ris. '.
Cartes com 200 jardas de linha branca garant-
d' s a 60 rs
Grosas de pennas de ago superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
lhas a 160 rs.
Pares de boloes de pnnho. oh que pecbincha a
120 rs.
Tintelros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 r>.
Grosas de boloes de louea prateados muito tino a
160 rs.
Teseuras para costura superior quaiidade a 500
ris.
Escovas para limpar dentes, superiores a 200 rs.
Caixas com superiores phosphoros de seguranca a
160 rs.
Caixas com 100 envelopes o melhor que ha a 640
ris.
de (abalhi.r a MI para
iescarova* aigoilbo
Por riant'lirohcr & (J.
IUM1
j~ -- ; ;-" i i
'I. r
1 T
: r
Mmmh
dlUD pCJIlNI i- -3r
P^r" irilwlhi'; | :'*
i airoM de -'fo-
(Ifjo i'in rainfo
I em 40 mu
ou IX r
\ur ei.
r> b.i- de
-. .
:
A-.-im romo machinas para sert-m mmUh
animaes, que desearocaa 18 nrrofeai I
limpo, por dia.
Os inesmos tem pan vender nm r-i-i": -- rt <
por que pode fazer mover seis dMw malura
mencionadas ; para o fM convida se .
agricultores a virem M:r e exainina-l>', n<> \u<*
zem de algodo, no largo da ponte nova n. 47.
Saanders Brolbers &.
X. II, praca do C'r|> ^a&(t
RKCIFE.
Os nicos agenles neste paiz.
RIVAL SEM SEGURDO.
Rua do Queimado M. i'J t '>'< i.j. ,i,, |;.i
conbecidoj eoflM tal, est di-p. Ma c. I. .
por todo o prego ara .i[urar dinluiio
zer veuba ver e traga o a I re, t vrra > ej(u.: >
Barallios de caita- pira -. "..ri la i
linas a........................... :"
Miad is de linha frota para I i.br ...
Pares de sapatos lamanhcs c linr- a...................
Massos de superior grampos para ral i
Dll7.il- de calilos de ;a IMtrMM a. < #
Libras de aia pela muilo superior a K*
Frascos de superior MJMfi oleo a___ Mt
Ditos de dito penda a____"......... ... itfl
Ditos de olee de babosa mnito tinos a 320
rs.e.............................. soo
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de banha muito tina a............
Caixas com 20 quaderno* de papel amizade, muito Ditos de cheiros muito linos para a p*MJ
tino a 600 rs. aris.............................
Quadernos de papel pequeo muito fino a 20 rs Sabnnele.s de todas as qnaliJades a 60 r
________________! 160, e............................
Novellos de linha com 400 jardas a......
Carritis de liona de cores com < jar
das a............................
?0
lilil

A' nova loja de miudezas de Manuel Joaqnim
Oas & C. rua da Imperalriz n. 78 que lein o lam-
piao na segunda pona, por bailO do sobrado do
Sr. Dr. Pilan/a. Este estabelecimenlo conlina a
venderos lindos enfeilos de costos modernos que
recebe por todos os vapores, e juntamente as mui
procuradas tlv. las de tartaruga e outras doui adas
cravadas com brlhantes pedias, havendo mais
urnas outras que serven) para sintos de meninas.
Assim como se vende um completo sorlimenlo da
litas achamalotadas para sintos, e outras de sarja
de todas as cores, temos para completar o Irhan-
de gaz d' lodas t-
10 varas ja-
Gama Si Silva.
Cortes de la a i000.
Vendem-se corles de las garibaldinas, mafisa-
das e de quadrinhoa, tendo l rovados cada corte
pelo liaratissimo prego do 45000 o corte: isto na
loja da Paro. TU?, da imperatriz g: 60 de Gama &
Suya.
uo bello presente!
Chegaram do novo rua Nova, loja n. 7, lindas
nonecas ricamente vestida, as quaes chamara pa
pai o ma-mai ; e;p5 um dos mais intiressante
presente que ?c pijo fnf m< ninas de 6 a 10
anpos de idade.
Novellos de linha
res a.....
Peca de litas elsticas com
ra vestidos a.
Frascos de superiores cheiro. reiipe-
Pares de ligas muito .-uptriores r b..n:ia
a ris.............................
Varas de ticos francezes, if trtaw a ..
Opiata para dentes da melhor qo** ha a .
Frascos de agua para dci.:. -. N| I I
tudo a..........................
Pegas do tranga pteb U MM* fi.a i..
Caixas cm 4 papis de afathm Vfc : i... -
Varas de fila preta com colxeles a.....
Libras de la sortida d '.;das i* cures a
tismo de urna menina os sepuinles olijectos, como
bem : lindas pulM-iras de conlas imitando perolas, Boneeos de choro muilo bonitos a......
vollas Maria Pa, ravatinhas de todas as cores, Canas de brelas de ma s.-a mu.. M*a* a
pentes de qoatro denles cravados com pominhos Varas de franja .bracea e deirt-s para
de cores, ditos douradof c cravados rom pedrinhas toalhas a.........................
imitando a brlhantes, gostns modernos, o outros Frascos de oleo Pliiloeoni-superior a...
muitos objectos que se tornam enfadonho mencio- Ditos com superior finia a.'tiO e.....
nar. Advertimos, porm, que lambcm se mandam Caixas de linha de gaz r, n 50 r. \ '
os caixeiros com os objeclos cima mencionados, Enliadoies para esparlilho .......
as casas que por ventura nQ tenha por quem Duzias de boloes enea; u*ou para vcsr-
mandar comprar. va a.......... ..................
l'.i
M-'ia
i, m
M
n
i**
1O
W



fUrl r rerMBhHee Ter^a felra 99 de Dezerubro de iie.

AURORA BRILHAKTE
GRANDES ARMAZENS
OLHADOS

'M Largo da Santal
jffjpiia ns. lie 84,.^
A W,s'Iu'oai da raa u"0^
V *C9b0,
VIMIOS
E$PCIAE$
R Largo da Santal!*
gCruzns. iae8i,jg,_
gesquina da ra doj$
Cebo.
mam
-S
O dono dos j moito acreditados aromen: de militados denominados Aurora
rimante, acaba de receber de sua propria eneommenda, muitos gneros delicados
,jt> pr<*rios da presente cstacao, e teodo grande sortimentu comprado aqui.alianca que todos
-g o* s*a geaecos sau de 1/ quaiidade.
A seguate tabella servir a todos do base para ajuste de contas aos por-
ta dircs. v
Montan armazem vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
Brilhaate, j pelo grande sortimento qae tem, ji mesmo por seu dono se actor encom-
c-^ modado em sua saude e ter de vender um do seu* armazens agora, e o outro na pro-
YfiS sita primavera, por isso deve-se aproveitar urna quadra destas para se comprar
* .* barato.
' 'R Latas rom i
da a 74560.
18 libras de chourigas muito novas,
r-&t DiUs ri*"des 'ora peixe em postas intoiras,
i-.y mais ,lt 12 qualidades, a 15000, 15280 e
<->? DlUs c"in slraS expeliente petisco para fre-
'M gidetra, a 720 rs.
Oj) Hi"* coiu ervilhas novas, easopadas, a
c-'t 71 rs.
, SJ Da* coiu favas, a GiO rs.
^,. i Ditai coip aineixas a iWOO, 1^800 c 3S00.
rt. Bita* com mannelada do afamado fabrican-
8 rante Abreu, a 880 rs.
Bitas ila massa do tmale, a 300 rs.
A Hita c mi iios de comadre, novos, a l&iOO,
] 53 e -5.00.
') DiS'-om bolachinliadc soda muilo novas, a
, -.'OJO.
l-\^ Oias com bisooilinlios inglezes de muitas
qualidades, a (#460.
ij Chocolate.
."> Chocolate superior muito novo, a libra a
1*200.
''.i"? U arrao lolharim e aletria amarclla.a libra
1 a 180 rs.
' 'iui dito dita branca, a libra a 400 rs.
. f Cucas com estrellaba, pevido e outras mas-
"; sas, a caixa 3*500.
aL ')ll',s liila p,a Hhia* a 640 rs.
' rf) Saj, a libra a 3B0 rs.
$ y ...|,n!u para sopa a libra a 240 rs.
y K viiiiis sancas, a libra a 160 rs.
! D Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
T i i j i mailo nova, a libra a 280 rs.
'.' i'.i iah de aramia verdadeira, a libra a
jf) 509 rs.
f& Atiiz do HaranhSn, em sacca a arroba a
2*400 fi a libra a 80 rs.
?B Hito da India e Java, a ai roba a 35200 e a
; libra ;f 100 rs.
' T. iBinho de Lisboa a OSb'OO a arroba e a 320
rs. a lilma.
s -i '' "autos, a arroba 7^000 e a libra a
I;.) rs.
O Mi.ii~c.nn \1'\ soblas grandes, a 15280.
f.'.f-i 'l:i frauceza caixa com 2 duzas a
SjpiM.
:p Frascos pon mo-firdi preparada em vina-
.'j Rr, a 400 rs.
Vinho branco Qno, a garrafa a 640 rs.
Dito do caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Vinho verde superior.
A catada a 3*500 e a garrafa a 480 rs.
Gamma.
Sacras de 4 arrobas, a verdadeira de se
engommar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a lira a 200, 240 e 280 rs.
Karinha.
Sacra* grandes com farinha deoianna mui-
to nova, a >5000.
Caf.
Cafe do Hio muito superior, a arroba a 85,
8*500 e 95000.
Cha.
Cha temos nesies gneros o melhor possivel,
hysson, a libra a 25G00.
Dito perola a 35000.
Dito uxima 25700,
Dito hysson muito fino a 25800.
Dito redundo a 25500.
Dito prelo de primeira qualidade a 25o00.
Dito mais baixo a 25000 d 15600.
Erva mate.
Excellente clii medicinal, a libra a 320 rs.
Esjieriuaccle.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600,
GiO e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prlas para mimos a 45 e 2>o0.
Noies.
Ifosef, a libra 160 rs e arroba a 45000.
Aloisia e pnico.
Alpisla e paireo, a arroba 1*000 e a libra a
100 rs.
Carlas.
Cirtas fiuas para jopar, a duzia a 25300.
Caslanhas.
Cistanhas novas vindas ueste vapor, a arro-
ba 4*000 e a libia 200 rs.
Azeilnnas.
ISarnscom azoilonas novas a 15300
Hantoiga.
Di:-n rom conservas inglesase francezas,! Manteiga flor, a libra a 15000.
;) a640800rs. Dila maisabaixo a 800 rs.
;Q um eom sjI refinado fino, a 640 c a 00
-'
mu.
.-,, Ditos <*om a verdad'.'ira genebra de laranja Dita Mita em barris o meios ditos, a libra a Mk
v^) a 15200. 660 rs. [y DiPi . > l*W0.
1 Dilu 'fe 1 garrafa de llollanda verdadoir
f k 610 rs.
a,
->, Byiiias eom dita propria para nezocio, a
iOJ rs.
' (iarrafas com 2 galfies com dita, a 65000.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita francesa nova, a libra a 720 rs.
Q'.ieijos.
Queijos novos vindos neste vapor a 35200 e Cj;
35<"00.
Ditos londrinos muito novoc, a libra a
1*000
Papel.
fu Sarveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a *"
* ) d i'i.i a 65000. Papel almajo pautado, a resma a 45800
:.'/ v"iiho moscatel de tetuba, a garrafa a.'
:. I*'l00.
. /) tfarrasquinho verdadeiro, frascos a ttOO rs.
j 3 o a 15200.
C:rn:)i.4iie, a duzla 205OOO, e a garrafa a
. r\ S3oo.
' Azoite refinado portuguez c francez, a gar-
S. rafa a 15000.
-a Cais. de vinho Hordeaux muito superior, a
7j. 8-5. 94 o 105 a caixa.
Ditas Boin dito branco, a 75000 a caixa.
\R D.ia. com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, .1 205.
Sitas rom duque do Porto verdadeiro, a
182HMR
Ditas com chamisro stnerior, a 145000.
Ditas com Porto velho e outras muitas mar-
eas, n 1250OO.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640,
72:1 800 rs.
Dito de Lisboa moito bem, a caada a
35200. 35500 e 45000, e a garrafa a 300
'Ct rs.
Dito da Figii'Mra, das secrnintes marca, (N.)
(I A. A.) (J. L. G) fO. M.) a caada a
|f.TO0 c a garrafa a 560 e 640 rs., deste
qu- j est engarrafado e lacrado com o
rotulo di armazem.
Ditos d marcas mais desconhecidas. a cana-
da a 3*500 e 45000 e a garrafa a 480 e
320 rs.
Dito dito I7.0 i!e linbo, a resma a 4*500
Dito rio peso liso e pautado, 1 resma a
25500
Dito do einbrulho bom a 15 e 15200.
Vinho Uadeira.
Garrafas rom o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 15500 e 2*.
Temperos.
Folhas de louro, pntenla do reino, cominho
e cravo, a li->ra a 4 '0 rs.
Velas de carnauba.
Massns com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixiss de doce de goiaba, grandes a 1 400
o pequeos a 640 rs.
Tijolos de l'unpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
tiris.
Duzias de boioes de graxa h. 97 a 25600, e
de latas a 15000, e os boioes a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
lla'oia por diversos precos, caixas e meias
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, qne deixam de an-
nunciar-se.
w.aMB
48 OC
Pechincha &em igual.


Lindos cortes para vestido de percato* de cores
claras e escuras com grande variedade fe padres
pelo baratissimo prego de A$ o corte: na luja das
c iumnasrua do Crespo ?i. 13, de Antonio Cor-
reia de Vasconcellos A C.
;35fMl -
ves'c
Fot ha de F landres, j POT4SS4
Vn le se na fata le da travessa do Carioca 'n. J Vende-se potas> ?m harris a commedo preco o
2, nr-s do Ramos, superior flha de Ffandrcs: fal o rua da Cruz n. 23. primeiro aodir. eseriptori:
* tratar na musira fabrica. | <\q Antonio de Almeida Gomes.
0
NEM COROAS NEM MITRAS

GKAlIiE ARH1XEI
DE
&aj.
RUA DO I]HPRAOOR M 40
Junto ao sobrado em que mora o Sr. (Moroe,
Duarte Almeida t& C, receberant de ana propria encommea-
da o mala liado e variado sorllutento de molnadoa, proprlos
da presente estaco.
Manteiga ingleza Ma^as brancas
da safra novavinda no ultimo vapor a i,ooo;para sopa a raelbor qoe se pode desojar,
rs. a libra e em barril a 800 rs.
Maalelga frauceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e cm barril
a 560 rs.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Araeixas
em frascos de vidto com 3 libras liquido a
25>400, muito propios paja mimos,
Oartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinbas de soda do todas as qua-
lidades a ft&SOO.
Chocolates
de todas as qualidades a I #000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melbores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 26oo.
<|ueijos
chegados no ultimo vapor a liOO cadaum.
Qiieijo
londrino o mais fresco qae se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinlias rtcimente douradas,
proprias para mimos a 900 e i#200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qoalquer nao pode vender por menos de
3 a 2^600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hyssoD
o mais aromtico que tora vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarelias
para sopa, mnearro, talharim e alelria a
480rs. alibra.
'OfiVIC
o muito afamado cognac Pal Brandy a 4,80o
macarrao, talbarim e aleiria a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas mareas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem 4e Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e j
20800 a esnada.
dem do Porto
generosos engarrafado d<*s melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas sao asseguintes: Cnamisso AFilho,
F. A M., Nctar 011 vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de baulia a 40000.
Bolachinlm ingleza
a 10800 a barrica da mesma que
vendan a 20000 e 20400.
* Nozes
as mais novas do mercado a HOc? .ai bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 40500 a 0500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thotn Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1.a e 2.* sorte do Rio 'le Janeiro a 803f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafcs
com 4 V carrafas com vinagre a 10OOOw
o garrafao.
GENEBRA DE I.ARAXJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
DEM
em frasqueras de llollanda a 50800 coa
12 frascos.
GENE'mA
de llollanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinh.
LICORES
NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Cheeara os modernas c?tidos de dentelle de seda com barra, iaMramen'/ motos
em costo e i|oalidade : toja das olumons, na rua d<> Crespo o. lo, da AAloolo Currcja
de VasconccBos & C., xiccessores de Jo^ M.ireira L|t'?.
Fazendas de bom gosto
Para vestidos de scultora
Superiores ertes de seda de ror, de moriante, d f "rtor* e de ietior isapertat
Ditos de hlond, e de eamhria branca bordados.
Ditos de laa com barra e grande variedade em cores padridi.
Ditos de organdys rom barra
Lindas sedas de<|uadros ecrosseta e mindts.
Superiores laas lisas com grand* variedade de core.
Ditas com salpico.-, rom llores e de quadrov
Lindas pampolinas de quadros e de dores, (aienda isteirameat aova.
Superiores eassas de cores, e lindas rstralas organdys.
Grande variedad^ 4e chita de cores, d sen-alia ostras ihH; (aseadas oV rosta.
Pan htmlu'ii de sendera
Lindas capas e bournoax de case mira de cor.
Ditas de laa e de seda.
Grande variedade de sout'embarqucs de teda de I8 a l',5.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados Gnos, de eaehimira roa Wstra de
seda e do tilo preto.
Camizinhas modernas, zuavos brancos c de cores, coetes de cambraia, hadas f..l-
linhas com punhos e outros muitos artigos.
Para cabeea de se
a c meiiRo
*
Superiores chapos e cha; Ditos de feltroenfeitad->s para senhora.
Ditos de palha enfeitados para menino.
Grande sortimento de etifeites modernos de retroz, de froco, de cabello e de turo,
para senhora.
Na loja das columnas da rua do Crespo n. 13, de Antonio Corris d V
los C.
*$& te-
es*

'5^"^
%H9
81
J^
rs. a arrafa e de outras muitas qualida- finos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa;
des a l,ooo e 800 rs. a garrafa. com urna dazia e a l.ooo a garrafa.
rop?? K Maraielada
^$?HV duzta, e a 440 c 50o rs. cada um. jam A|)reu e oulros mui[os a |
i. SU IHlPEIt%l>01l-SI
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Crikgia
Francisco Jos Leite, tem a satisfaco'di avisar aos seus frc;.'iii/.es c M wjmm
publico que, estando restabelecido de seos incommodos de MMhs, acfca-n n<>v.imente
com um bello e betn sortido armazem de seceos e nmllindos 1'iiincrnsarnii
como sempre capricliott lerdas melhcres qualidades ffiaiicaiiiciit.- ^flinr .,
se dignarem comprar em seu eslabelecimento,que aili 'Je prefeienci 1 ;i outra quahpirr par-
te sero mais bem servidos, em quaiidade e precos. como em pesos 1 ni..lulas, no rpir
sempre o annunciante foi escropulo o, em summa, Dio Ilude a pesara alguma.
Aos S s. de engenlin e laviadoresqueo que-ram honrar cuno sm .-..mitenle Srs
assegura que o produelo de sen laborioso trabalho ser n mais liem re ut.i.lo nn merra-
do desta praca, para oquesejulga convenientemente hahilitado pela Iwafi pralira ruai-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presieza, ilfHM de s**-
rem lielmente cumplido a> sitas ordets.
Fornecer gneros aos Srs. ag cultores e negociantes que Ihe mereram ronfianca. fi-
zentlo um abale vantajoso aos que pagirem a vista Boas BaTudonas, t MnMHi da
venda de quilquer genero do paiz, mediante urna mdica comniissio, tntieyando de
prompto seu pr. duelo, e sendo esle applicado compra de gneros cm seu arwaiem.
prescindir da commissao.
Dos seus antigos e benitrnos fregoezes espera oannuncianie sua valiosa iroie.-co. fre-
quentando como outr'ora sua casa, e pelo reconheeimeato que Ihes tributa oiurt e expon-
taneamen'e seas snicos.
Julga desnecesario publicara tabella dos precos de seus gneros : srio aassa. lecnrMs
garanta sufficiente de poder accempanharos menores preros de Mentiros e mesn><> >le
mais apparalosos estabelecimentos, lendo somente em vista o augmento le su
diarias.
a*revpnc3o necessarla.
Tendo sido o proprielatio estabelecido muitos annos com o mesmo ramo de n*v*-
Cio ni mesmaj-ua, julga prudente advertir qnesaffinna e *e nsponsafuli-,
tem declarado no que disser respeito ao armazem.
I
J
*
iimD w
almaco, greve, peso c de outras muitas qua-
lidades de 2,oo, a 4,oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
!de excellente quaiidade a 2i00 a resma,
PAPKL
azul e pardo para embrulhode l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 is. a libra.
Fumo
o verdadeiro funu americano em chapa a
l,4oors. alibra
Vinagre
PRRsm ancoretas de 9 caadas a i5,ooo rs.
cada urna.
Oelullas
as mais novas do mercada a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista e LainQo
o mais novo do mercado a 1 lv rs. a libra,
e 4i?400 a arroba.
CEBLAS
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
I de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba era caixas de arroba a 9,3oo e
caixa o 34o rs. a libra.
Blatatas novas
em caixas de 2 arrobas a 5$ a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas muito novas
em quartos e inteiros a 25 o quarlo e 6$500
a caixa e400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas ca calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
1) sce da casca da goiaba
a 600 e i& ocaixe.
GOMMA MUITO NOVA
8I-RITA 1IO ISfPBKMat^l
fo lado direito indo do pateo do f'tdfegu,

muito novas a l,)00i o cento na rua do Que! ; em paneiros de 1 e 2 arrobas a 35500 a ar-
mado n. 7, rua do Imperador n. 40 e lar- roba e 140 rs. a libra na rua do Qoei-
% % ^%%V
UETRKXRO VEROS.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos coaear-
I rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim romo tambem tem um
8 grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para seoboras.
jflj homens e meninos.
j^ Casacas de panno preto, 355 o 305000 Ditos de setim preto. 5|t00
m Sobrecasacas idem, 305 e 250000 DioS de dilos e ses branco,
'm Paletos idem e de cores, 255,
go do Carino n. 9
GRAO DE BICO
muito novo a 35 vno a arroba e 140 rs. a
li-
mado n. 7, ruado Imperador n. 40 e largo
do Carmo n. 9
BOLACHINHAS
ver 6 tralar na meyna fabrica.
bra na rua do Queimrdo n. 7, rua do- em latas de defferentes qualidades a 15200
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9. a lata
QUEMO SUISSO QUEIJOS FLAMENGOS
muito fresco a 800 rs. a libra na rua do chegadonaste ultimo vapor a 25800 na na
Queimado n. 7, rua do Imperador n. 40 e do Queimado n. 7, rua do Imperador n.
largo do Carmo n. 9 I 40 e largo do Carmo n. 9.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaran) aos seus
freguezes e amigos e ao publico era geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesmosprecos nos seguintes lugares:
0 Verdadeiro Principal roa do Imperador n. 40
NOVIDADES.
Queijos do Uentejo. ditos das ilhas o mais fresco que so pode dese-
jar a 15200 alibra, esendo inteiro ter algum abatimento, ricas caixinhas
redondas enfeitadas, proprias para mimo da fesla pelo barato prtco de 45
cada urna, ricas caixas de figos tambem proprias par mimo de 800 IdSOO
cada urna. Vende-se tnicamente no armazem Verdadeiro principal, roa do
Imperador n. 4.
205, 155 e......105000
Ditos de casemira, 205, 155,
M 125, 105 e...... 75000
M Ditos de alpaca, 55, 45 e 35500
'* Ditos ditos pretos, 95, 75,
m 55. 45 e......35500
B Ditos de brim e ganga de c6-
m res, 45500, 45, 35500 e. 35000
ftt Ditos branco de linho, 65, 55 e 45000
M Ditos de merino preto de cor-
3g d3o, 105, 75 e..... 55OO0
ig Caigas de casemira preta, 12#,
*g 105, 85 e......75000
I Ditas de cores, 95, 85 e. .
S Ditas de meia casemira de co-
res, 55000 e.....45000
Ditas de princeza e merino pre-
45000
to de cordo, 45500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 55, 45500, 45 e .
Ditas de ganga de cores, 35 e
Cohetes de velludo preto e do
65 e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 65, 55 e
Colletes de fustio e brim bran-
co, 35500, 35 e .
Seroulas de brim de linbo,
25*00 e ......
Ditas de algodao, 15600 e. .
Camisas de pedos de bobo,
45, 35 e......
Ditas de madapolo, 25500,
24e........
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 105, 95 e. .
75000 Ditos defeltro, 55, 45,35500 e
Ditos de sol, de seda, 125,
115, 75 e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda'duzia. .
Sortimento completo de grava-
tas.
25500 Toalhas parroslo, duzia, 115,
25000
1*400
15600
85500
25000
25500
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualid?de a
1**5 a lata : nos armazens da rua do Im-
perador n. 16 e rua do Trapiche Novo n. -g
VetW-se saperior vinho do Porto em c!tas de
urna diuia : em easa de Johnstoo Pater & C, na
do A'&ario '
Superior cal de Lisboa.
Vende-se superior cal
uIS"
e........ 6|00O
cores, 95 e......70000 Chapeos deso, dealpaca, pre-
Ditos de casemira preta, 55 e 45000 tos e de cores..... 45000
Ditos de ditas de cores 55 Lences de bramante de linho. 35000
45 e ....... 35500 Cobertas de chita chineza.. 2*500
immmmwmmmmmm mmmmmxmmm
n
jir i nmv
Acha-se i renda os seguintes IfsUoasntOS, obras
a mais nova pruprias para entreter do oto, da galiana, do
quena ns Kifrcado, tanto em porcao romo a reta perro, a peb'ja entre S Mi^ut-I, urna alma e o dia-
Iho, por barato rr.v,afianrando-se ans rompra-1 bo, da onca typre, e do vigario feito rm virtude
dore* uperior quaiidade ; a tratar as sepni'.tPS
ras : Crespo n. 7, Imperador n. 28, Forte do Ma-
tos, armazem do Sr. Avilla, defroute trapick.
algodao.
Vinho do Porto nopertor
em harris de oilavo e derlmo, vende Antonio Lni
de Albuqnerqiie Azevedo & C.: no sea escripU'rio
roa Ooi o 1
<1o sonho parochial, a 160 rs. rada ejemplar : na
rua do Imperador n. lo, defroute de 3. Fraucisco.
Novidade.
l-Bua Direita~14
Caico depesito ds rap imperial do fAbriraatt
baae Esnaty ; affianca a sua U>a iiuaii.'adf e m
nftftja ao rap de Loboa e ao ra| aria prr;a.s
pruva f.i7. f : voide-se a ntalho a JA a iilr.
ero porfi de 10 libras para n-ai* a 8fV rs.: iss-
l'i'iii abre crdito aos compradores en coata rsf-
rente.
ATTBNCAO.
Chegaram loja de Man el Joaqnim Das h .,
na da Imperatrli n. 78, que tem o lampio na se-
cunda porta, rneos sintos a traviata, que se ven-' Campo Verde em chaos proprw
den por mdico pre^o. rua da Imporatru loja n. i
Vend-se urna morada de rs frp|iii"7.a da Roa Vi-la na rua do S-jrrgn n. 19.
a tratar




4e Peraaaabftco Ter^a letra 2? de Dczcnibro de 14.
MAGNIFICO SORTIMENTO
DE
MOLHADOS
NO

IIDE AlOlAXExU
DA
OO -RUI TOVAOO
Casa da esquina junto a ponte da Boa Vista.
IVIU1TA flTTENQSO.
0 PUBLICO
Seat o menor eonstran-
glmento se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
ATTENC^O
s precos da scgulnte
tabella c para todos, pu-
dendo asslaa servir de ba-
se para o ajuste de contas
com os portadores.
UUA HA CA1HSIA II REilFR tf. 53.
(Loga pnssindo o are* lia Canee irao)
Cirande reducco de preeos, equivalente a dez por cento menos do que outro qualquer
auBunciantc.
Agua Florida.
Para restabdecer c conservar a rr iiataral
dos cabellos.
A ngn* florida no urna i
nal a contesta.-, a n>e>a agua dand r mm-
ti va au raliello. Om posta iir i
de substancias M>MM) ella Ira* a i f t;%
de ref-tituir aos cabellos o prinr-i| a at-
les tem perdido. llUllia salubnd. nV BMaO>B>
vel, a Agua Florida onir I a I i r a
de.-lioe as ra.-pas e in^i-t ... r
Oleo ilc Klori.ln
Compnslo de sub*lancia> aajaaaaa aaaaaB*, Has
constite podero^-am--'- cin % i i'a, a
forra, a bell. za e a conservaran m ral... ,.
Em Par;;, rasa de Quislaur n. IS, i ... a*
lien, e 21, boult-vard M. n!iu;'"'
ToOM us Roms, n.'io M
timbre prateado da casa, sao n-,
Deposito, ra do Imperador, na
.1 coniei^o o espacilec _. .
expellir os fwtmm
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o preco da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de oulros
amitos objectos, etc., dando com isto ocasio a todas as espeluncas nrabarvni por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo 1! I Ora, eu ofTendido com estas obscuridades e receios.o em adoptar o mesmo
systhema que vim encontrar, des se-vender com um por cenlo a carola, resolv fa/er esta grande reducto de precos, como veris|
pela seguiite tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Unio Mercantil nao!
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de i,4oe a l.oo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da redoccSo a que
"ores
eu lim
Parece cwe o respeitivel publico se adiara bastantemente convencido de que
direccSo deste importante estabelccimento tem sido sempre caracterisada pelo ma'or
gosto c capricho, nao s com relacSo m asseio, superinridade das mercaduras, como
na sinceridade do trato e raaneiras altenciosas dos empreados da casa para com tudas estao otiriparios encarando todos os das de seus fregueses reclamacao de precos, e qualidades, vingarai-se de um e outro portad
aquellas pessoas que se difinam de frcquenta-la. aI infVrniado te*le "ovo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu
Muitas sentaras pernambucanas e estrangeiras, cujo trato ameno e delicado nao tao somente obter a concorrencia de seus freguezes.
pode ser concedido a qualquer individuo no recinto de um estabelecimento da ordem \ Para bem de todos
da Mga tero, vindo possoalmente refacer as suas despensas nesta casa e voltado asss;
satisfeitas. I Senhores e Senlioras o aceio qne presidie, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que ludo apromplido e entei-
E' preciso fazer desapparecer desta importante capital estas nojentas tascas cheias reza com que serio tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proteccao e preferencia na compra
sempre de escravos embriagados, onde as chufas sao jugadas sem respeito. os gneros que precisaren], e quando nao pocam vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco praticos, pois
O importante e magnico armazem da L.lga se acha felizmente muito fura serao tao bem servidos como seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendaco, afim de que nao vio em ouira parle
dessas condicooes. E' necessario v-lo para bem se prestar crdito a nos as palavras. Manleiga ng|eza (safra nova) especialmente
A mercadoria nunca ser bem comprada se ella nao for de boa qualidade E esculbida a 8oe rs. a libra em barril se
sobre este ponto que chamamos a aitencSo das pessoas que nos qui/crem honrar com faz abaiimento.
a sua freguezia; porque o nosso grande estabelecimenfo se acha completamente provi- Wem franceza a mas uova que tem vindo ao
-
do de superiores gneros, que em sua mxima parle f>iram comprados a dinheiro a
vista, e recebidos directamente de Londres, Paris e Lisboa.
Ninguem te acha entre nos coro niais proporcoes para vender baralo.
As pessoas que compram para negociar, fariam mu'uo bem fe quizessem se cer-
tificar do quanto havemos expendido pro urando afreguezar se cora nosco.
Nao duvidamos vender a crdito a quem nos der conhecimento de sua probidade.
Aroendoas confeitadas em trasc s de vidro, ditas com casca mole
e dura Ameixas francezas ero frascas de vidro, ditas ero latas,
ditas ero cartes ditas a varejo =^AIpiste e milho miudo.As-
sucar relinado lino, dito baixo. Azeile doce em barril, dito
em boioes, dito engarrafado, dito francez e portuguez refinado.
Arroz do Maranhao, dito de Java, dito da Iridia, dito do Penedo.
Azcitonas de Lisboa, dita do l'oito Banha de porro em barril
dila em latas, dita retinada em barril e latas. Batatas em gigos, e 2,oo rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
dita era caixas, ditas a varejo.Bolaxinhas linas de diversas
qualidades, ditas de soda, ditas para lanche, ditas americanas.
Biscoites ingiezes, Mixede, Medum, Cabim, Seed, So a, Guddy
Cracknel. oval Ihim Lapilam e outras mais, ditas de leite de
Edimburgo.,etc.Caf do Rinde i.a, 2.' e 3.a qualidade, diio
miudo.Cha, o que ha de melhor existe em nossos arm.izens,
uxim, miudo, dito hyssun de 1.a, .\ 3.1 4.a qualidades, dilo
prelo horneopalhico, dito commum.Charutos Hnssissipis, ditos
Panetelas, ditos regaba imperial, ditos suspiros, ditos delicias,
ditos Napoleoes, ditos Parisienses, ditos apra/.iveis, ditos lancei-
ros, ditos imperiaei de diversos fabricantes. Chouricas mou-
riscas deLi boa, ditas em latas.Chocolate de diversas qualida-
de; e de diversos fabricantes. Ceneja Basse, dila Victoria, dem praio muito fresco a 8oo rs. a libra,
ditas AUsops, dita tenenie, dita II, dila XXX, dila em barril dem do Alentejo o que se pode desejar de
mercado a 50*o rs. a libra, e em barril ou
meios a 5oo rs.
Cb hysson de superior qualidade a 2,6oe rs.
a libra,
dem perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem hnxim o melhor que se pode desejar
I neste genero 2,lioo rs.
i dem prelo horneopalhico porser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra.
', dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o I,6oo, t,8oo e 2,ooo rs. a j Painco e alpisla a 14o rs. a
libra, garante-se ser muito regu'ar, igual | rs. a arroba.
ao que se vende emoutra parle por 2,4oo Massa de tomate em latas de i e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
libras, emticamente lacradas a 5,So rs.: Aletria, macarro Utharm *ou rs. a li-
garante-se seren superiores aos que rcm: bra, e 9,000 rs. a raixa.
em barris. dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
: Chouricas e paios em barris de meia e umaj estas massas tornam-se recomendaveis as
arroba a 8,000 rs. e l,ooo e Goo rs. a libra, i pessoas doentes por serem propiamente
I Qoeijos flamengos muito frescos chegados! feitas para esse lim.
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor, Estearinas a 5(5o rs. a libra, e em caixa com
passado a l.ioo e l,8oo rs. i 25 libras a 52o rs.
dem londrinos os mais superiores que tem Vinho do Porto muilo
viudo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz abaiimento.
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-'
ment.
Caf do Bio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de priroeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,noo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 2io
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loors. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
libra, e 4,3oo
branca e prea.Conservas ingb-zas, dittasframezas, d.tas ali-
menticias.Cevadinha de Franca. Chaupanlia superior de di-
versas marcas.Cognac inglez, dilto francez. Ceblas de Lis-
boa era raolhos, ditas era res.tas.Copos lapidados para agoa
ditos para vinho. Doce de calda em latas de diversas qualida-
des, g'mja, atperch, pera, pecego, doce de guiaba, em laias dilos em
caixoes ditos em frasco de calda de assucar, ditos de cognark Ervi-
fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,000 rs.
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas iraperiaes em latas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deverss
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, el,8oors.
Azeitc doce refinado Penanol nu do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,coo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro com
rollia d<> mesmo a oo rs.
Mostarda indle/.a dos roelhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza era potes ja preparada
a ioo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.

Pasttftas
DE
Os iiKin.>
KBM P.
ellas Bao e >. ir
veis. A i-Icl'-'.'ii-':!. : i
cao, inoffero

Pastiihas Venifigas da *Lexy
o1
a 3,ooo e 3.5oo rs.
Vinho branco para missa era caixa de 1 duzia
a 8,ooo e a 68o rs. a garrafa.
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a elles
antes que se ai-ahem.
j Ervilhas e Cavas porluguezas em latas j pre-
paradas a 6io rs.
; Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
i bricantes de Lisboa a 6oo rs. a libra.
Preznnio do reino vindos de casa particular i Vinho do Porto das mehores marcas, que
Ibas cni latas, ditas em casca, ditas sem casca.Espeim, cele de 5 e 6 o 3 5fi0 rs. a libra, e a Sos rs. inteiro. vem ao mercado como sejam Lagrimas do
maco.Figos em latas de 4 e 8 libia- lindamente enleiladas, ditos em \t]cm inglezas para fiambre chegado neste1 Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
caixas grandes e pequeas em barril. Farinha de Irfco de diversas i vapor 72o rs. a libra. D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
marcas dita de araruta, dila uo Maranhao, dita do Aracaty Fumo Copos lapidados para a guaa 5,oooe 5,5ooa Fedoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
do Bio em latas dito em rulos, dito em lata (do Para) para cigarros. ^ dozia, io.ooo rs. e a 9oo e l.oooa garrafa.
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo', Vinho Colares o mais superior que tem
l,ooo e l,2oo rs. a libra. vindo ao mercado a 6io rs. a garrafa.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
por 4,ooo rs., garante-se serem transpa-'j a 36o e 56o rs. cada urna,
rente e de superior qualidade, tambem tem | Sardinhas portuguezas em latas grandes
] de 12 por libra propria para carro. j preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
| Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-1 boa a 64o rs.
da, salmo, ostras echernee, vezugo em Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a 1 ,ooo rs. e I i ,ooo a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o maco-
Sal refinado em 'rascode vidre- com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Vinho depipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, Cerveja branca e preta das marcas mais a-
4oo eSeo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo, j creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
3,ooo e 3,8oo rs. | 5^00 a uz\ e r^o rs. a garrafa.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-1 sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra,
dado a 4oo o 000 rs. a garrafa, emeanada Sevadinha de Franga muilo nova anors.
Genebra ingle/a marca gato, dila dita em fio eos, dita oe II llanda em
frascos, dita dila em botijas, dita de Il.mburgo tro frascos, dita ero bo-
tijas, dit< em garrafoes. Giaxa em Idas Limonada de diversas fruc-
las.Licor ingle*, dit francez, dito allein 0. Manteiga ingleza flor,
dita de 2.a qualidade, dita de 3.a, dita de 4 a, dita f ancezi de 1.a qua-
lidade, dita d la de 2 *Maesas pa sopa, macan 5o, talharim e aletria,
dita estrellinlia eievide branca eamareda.- Marrasquino de /ara de !.
qualidade, dito 2.a dita, dito 3 a dita. Maimelada muito fina.Molho
inglez, dito francez.Mostar a ingleza, dita iranetza. Presuntosin|
glezes para fiambre, dios americanos, ditos doPoito para tempero,
dito de Lisboa. Passas de M daga, ditas de Corintbias para podan.
Pomada do P rto. Pimenta do reino. Peixe em I tas, savel, curvi-
na. pargo, espada, congr, chermv pnpar du pelas roelhores artes de
cosinha.Papel greve bran:o, dit pautado, ditoalmaCjo, dilude pes ,
dito araarelloPalitos lixados para dentes, di! s dilos cun llores, ditos
americanos, ditos du gaz.Queijus ingle/, e londrno, dito flamengo dilo
palo, dito suisso.Rap Meu ron, dilo francez Sal me em latas de 1
libra o melhor que aqu tero vindo. S.rdinha de Basse, dito de A.
L'Auile Sat'o naciunol, dito mssa e nao massa, ditu inglez.Sal
nacin il, dito inglez a varejo, dit ero vidros. Tuucinho d Lisboa e
Porto, dilo de Sratos.lijlos para limpar facasVinho-, neste gene-
ro o< nossos armazens tem o melhor soilim uto que se pude im ginar,
duque do Poito, lagrimas do Douro, C mes, Boogc, Mara Pia, i).
Luiz, Pedro II, Hilvana, M-uleira, Cherry, Burdeaux. tudu engarrrf do
Prevenimos opuidio de qne no armazem da liga stem vintio- engar-
rafados no estrangeiro, dito em pipa du Porto, Lisbua, Figueira e de Sele,'
dito em b iril de todos os p i es, dito em auroras, dito cbamisso mui-
to proprio pira casa partiular era b.irilinhos cun 10 garrafas por
preco a satisfa/er o mais exigente comprador e q 'Mito a qualidade
garantida por nos e jeles seus importadores, dito ero caada por preco
bari-tissiroo, dito branco par., mi-sa.Vinagre puro de Lisboa, dilo ham-
burguez, dilo era garrafoes, Vassouras do Purto, ditas ameiicauas.
latas grandes a 800 e J,noo rs. cada urna. I cado a 2,8uo rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Bordeaux das maicas mais acredita-: libra.
das que tem vindo ao cosso mercado a Bclachinha'de soda em latas com diversas
6,000, 7,000 e 8,oeo rs. a caixa, garante-j qualidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade suportar, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. j para mimo a 64o rs.
Genebra de Humada a 56o rs. o frasco, e.Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5,7oo rs. a frasqueira. libra e 6,ono rs. a caixa com 28 libras,
dem de laranja verdadeira de A'tnna era Figos de comadre a 24o rs. a libra e
irascos grandes a l.ooo rs. o basco, e l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
11,00o rs. a duzia. Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo' Bolachinhasd'agua em sal da faUrica do Be3to
Charutos de todos os fabricantes da Bahiaedas
mais acreditadas mateas connividas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,Soo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a i-^ixa de loo charutos.
Cognac inglez das mehores marcas a
l,oo rs. a garrafa.
Doce da casca da guiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixDes a 600 rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a too rs. a libra
e :6o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
6lo rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2no rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,.*oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a I,tao o cento ; ditas em
molhos com cento etantas por l,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.

ATTENCAO EXCELLENTISSIMAS SENH3RAS
M3
Ev Chales de rendaj
de muito bom
gosto.
1
Exfolien lissimns
Exti'lleiilissiiiias
oaaasBaaasa
tChales de reoda
M de muito bom 5
gosio.
Para ntlssa do gallo
A laja da rna du Cn*p* n <7, d *> fiomes Villar.
Hcrclii'n de Paris chales pretos de renda o que ha de mais chique, para aa
cellentissima senhoraslevarem
A musa d (jallo
cota os seos vestidos braoeos, pplo pree de I5 c 203111 admiravel perhinrha I
Vestidos a Mara Pia do diversas qualidades, casacoes, capas e souterubarques.
^^Sa
AGENCIA
DA
AGENCIA LGW-MOGL
Uua da Seaulla aova 0. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
.n\ completo sortment de moeudas e meiat
duendas para engenbo, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
lamanbos para ditos.
Arados americanos e machinas para
..a., j lavar roupa: em casa de S. P. Jobnston & C,
^ I ra da Senzalla Nova n. 42.
.wmmjmsam
Jbabnca Couceicao da |
Baha.
And rele & Reg, rerebem constante- ^
mente e tem venda no seu armazem n. gK
3i da ra do Imperador, atgodo d'aqael- 2gK
!a fabri/a, proprio ^ara saceos de assa- H
car, embalar au>odao empluma etc., etc., j
pelo preso mais razoavel. m
Rna da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Jolraston d C,
seins e silhBes ingiezes, candieiros e casti-
faes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
SORTIMENTO PARA A FESTA
rw
(cnipesicao tsctaahraatvate I
fo estas pois ai
oomjiloias do toda
jiie se poan fa/.cr e c
cooeio na cat^oria duiu .
versal,
A spperioridatk .i:.--
Pastiihas de KemD
m
Bobre tuilaa :i prepax:
para < mmm fin !
pies eomporifi u .- n .1
vel i! ;i rapidez c nlallil
que alcanza a Vatrai^in lotal
LOMBRIGAS.
A venda as boticas df Cann
ra da Cruz, e Joo da C. Hr.. < C
da Madre de Dos
c n n < t. -z:
fe 3- a; a, c
a. =
3
= w
--. C 75
S fi
y u o

2. =:
r 3 P
si-.

s <*

-*t
t, J o
api 3
K.
8 = 5 a?
t w
i

I
o.

o
03
U
s

p
~!
.
a
1
v
t; ->

tt inlio de podra pra t !l:#.
Tirando porrio iNn cr I! r. t
rhfpadus a rna da Ci f"i vr<
li.islos, us quai-s se vt-iiitcni um ; .- -i
rles t Ua a I 6 r-..
com !-> rovados de lindos dei>> n! m a
elles. que pelo PT?C6 e>la fn\>;,i,.u
roa da Madre de DeM n. I'. dln.i ia func*
da alindola.
ESCRAVOS FBGH.
23largo do Terco--23.
Joaquira Sira-' dos Santos, dono deste armazem de molhados avisa aos amigos do bom e ba-
rato que se venham sortir dos bous gneros este estabelecimento que nao se arrependtrao, ** '
'.ira a dirTerenca de 10 a 20 por cento, pelo seu prompto pagaim-nto ; e pr isso se tai annuocio d>-
ilguns gneros, que lendo tmpto este estabelecimento um grande e vaotajoso sortimenlo de tudo
(uauto pe trcente a este e>tabWeeimeiilo.
Sentiilu! Vou fallar com o Censcrvalbo !!
Manteiga inglea de i' e 2' sorle a 800, 900 e 1^
a libra.
dem franceza em barril a 600 e 640 ris < li-
bra.
Toucinho de Lisboa a 300 rs. a libra e 83800 a ar-
roba.
Batatas em caixas e gigos i200 e 2000 a ar-
roba.
:af de primeirae segunda sorte a 230, 280_e 300
rs. a libra.
Arroz da India, Maranhao e Java a 100 e 80 rs. a
libra.
Phosphros do gaz a 23 a groza e 180 rs. o maco.
?assas novas a 480 rs. a libra.
Velas de carnauba Aracaty composicao a 400 e 440
rs. a libra.
Cyndros para pada*
ria.
Na padaria da roa Oireita n. 84 ha para vender
os conheci'tos e acreditados eylindros americano
para trabalho de padaria, ultimamaote chegados.
Vendem-se laranjas doces, em peque-
as e glandes qiantidades, a prego aaaa*
modo : uo sitio do sobrado atraz do Am-
paro. ___________^____^
Cilnbos para andielroa a faz.
Ven1t)-se no armazem de louca de Duarle, Pe-
reir & C., riu do Crespo n. 16, por prejo cora-
modo.
Receben correnles de. ajo polidn e faciado para
relofio, l^iues de sndalo, sint"s de velludo de co-
res u mais iiuniio i|iip tem vindo an mercado, lune-
tas de tartaruga, l>ufaln e d a^-o duurailas, inlei-
ramente novo o mudcllo, luvas de pellica pretas,
do cores a orancas, praxa eoon"mica, tinta com-
municatira para escrevor e copiar, dando pravas
do|H.is 4 H das t escripia, ad.-r'C'>i cam-lou,
botoes camafeu para puuhos, brincon batn doura-
do<, enfeites modernos ote. : na ra do Queima-
do, luja de mtudozas n. 33 A.
Vendom-so ihosouras do Guiraaraes para lo-
fislas, cahi'Ili'ireiros e costura : na ra da Cadeia
do Recife o. 44, luja de fcrragens.
chicotes para carros e montara, arreios para | Massas para'sopa a 480 e 440 rs a libra.
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
Roa da Senzalla IVova i. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tac r <
ferro coado libra a 140 rs., idemd eLov
Moor libra a 4 20 rs.
Vende-se
armeilada dos molliores fabricantes de Lisboa de
1 a 2 libras a 640 rs. a libra.
Cha hysson o melhor deste gonero a 2J800 a li-
bra.
dem perola mmdinho a 23500, 23000 e 33000 a
libra. .
Banha ingleza alva e superior a 480 rs. a libra.
Queijos mais novos do mercado a 23500 e 23800.
Serveja da mehores marcas, tanto branca como
prea a 900 r<. a garrafa a a duzia a 53800.
Sabo amareilo mas&a a 180,200 e 240 rs. a libra.
Charutos da Babia dos molh<>res fabricantes de
I32OO, 23OOO, 23500 e 33 a raixa.
Miiliu alpisla e painco a 160e 140 rs. a libra.
Vinho de Figueira verdadeiro a 500 rs. a garrafa.
dem de l.i.-boa das mehores marcas a 400 a dna.
dem do Porto em barril superior pinga a 640 rs.
dem branco proprio para missa a 500 rs. a dita.
Iiem do Porto engarrafado a 800 e 13. lomando
mais de nroa caada de qualquer um destes lera
grande abaiimento.
Conservas inglezas e portuguezas a 500 640 rs.
Biscoitos e bolachas de soda a 13400 e 23-
Massa de tomate a 600 rs. a libra.
Genf-bra de Ola ida em frseos e botijas e de la-
ranja de 480 a 640 c 13200.
Chouricas as mais novas a 560 rs. a libra.
Latas com 1 e moja libra do ameixas a 13206.
Azeite doce de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 33 o
galio.
- Vonde-se um comoim-tro marilni"' inglez do
melhor fabricante Charly Frodshan. amaneando o
seu rognlamerrto, por diminuio p-co : a tratar
superior farinha de mandioca,a bordo dos bngnes na ra Nova o. Si, leja de Francisco Jos Gor-
seunas Principe, D. Affonso e Nao Sci, atracados mano. '
o caes do liara i do Livrameiilo a tratar a bor-1
do, ou no largo de Corpo Sant" n. 4. orimeiro an
dar.escriptoriu de Palmoira & Boltrao.
Vinho de Porto.
Assncar crystalisada da fabrica
2 de Julho
Hi Baha.
Noimazersd rna da Madre de Beas a. 25,
Vende-se snperior vinlm do Porto, om barri9 de I ha ronda o c Vendem-se charutos da Rahia de varias qua
lidades : om casa de Monhard t C-, ra do Tra- vigsimo, em casa de Forrclri & Mathens, U rna em saceos e 2 arrobas, ao prego de 53 *ada ar
piche n. 48. I da Cadeia do Reslfe n. (6. ri.
Fugio da caa dn atajar AMm ri-
ijusniao osen esciavo pardo de bmm Lata, -irfcr
ndo |.r Luiz Monleiro, idae :i ata, ih
mais ou uieuos, Lasianle alio,>>n m,t>a ittm,
pernas compndas, car clara, cal pNm -< i .-,.. .
lili lo, c o |inni ij.al -ignal ti i i n m c
mo urna cslrellaaxui e tres pmla> i.n Iva ; jrr
formando um Inangulo em cada Uta a-n-'. a
oflicial de prdreiro. pintor e taaatfM {saaofe
loga-so as auloridados poliriai>, *--in ..p
senhori-s de ongenbo e propriciaT i ;rn i | r
Irahalhar,intitulando-so forro, lauto i-ia (?-
ca cuino fura drlla, que o fai aaMain io*a>
lor ao snbredito senhor, que |av--ia Mk o- w
pezas, asxm romo a quem o aasBaM as aaa
boa gralilirarjo.
Fugio sallado 21 de n<>vcn I in -. i. .
sado o escravo pardo do nomo Aii> i i r., es**
de 20 annos, pouco mais on oaaaw, rao i
naraseguimos : magro, altara rgui -
prido, nao tem barba e com loataao* asaras
hoxigas, falla branda, foi amia o rri t"n ft.
Joaquim Cavalcanli do Albni|iiMi:tio <*< opa
Ar.ii.uari da rpgufia do llariro -. -p.'. .u
m'sia eidade em vender agua, parra aaa Ooftaava
e dias santo* andava calcado, de aaaI lti,,
ehaiio do clule o liongalinha taa, i ^ia r,r
intitulav.i de ser livro, qnando fejfii ',- i >%a>
mas po>soas a qrwm venda agua, imo o^ia i'
Barreiro*. o que somente o Para ,.. .-^ t*~i
do natal : roga-se as autnridadr-> |.|n,,. r j ?.
tcs de campo d? o approhoi dor. i o i .mifarraa
entregar na rna do Qneimado n. 77, B ab-aaatai
Jnse da Silva, que rernnpoiiara r. m tt
No da de deti-ailirn de IWai Ingi Tojai
de sen aaajMf o escravo derruan... aa*** rwaaa,
com 30 annos, att, cabellos rara! ;>
orelhas pequea, tem ap*nas bit .i- e praa, yr
as c an>lar do quehra-maogue, ii-n-lon |k- r-^ttrr-
do torto e sahido para fra romo pala Vaara. o
p.r is anda, levou vrlMo calca branca mi o -
misa branca, levando chapeo fie palf.a. c- rdoj
igualmenlo inda rui>a qne p>uo. aa-
dar aqni mo>mo pola lidade: quem o arcar evt-#
a rna Direita a. 54, qne ser geooro-.irr.. nte ra-
compen>ado.
Escravo futrido.
No da 12 do aezemhro ae 180 Ijpai nn oora-
vo pardo de nonio Fructuoso. d-l eado do corpa, do Idade de 50 anro~, r-mm m\%
on monos, ron as barbas grande o nn< reara
brancas, a falla nm tanto pros" : arn n ai t*o-
sen srnaar J*- d<- >>*>*
Loan, no engento Maranao, faj ajaj
I pensado.


filarlo e PersMfeaeo Ter^a leira J de Besenbro ie 1 4.
L1TTEMTRA.
A Pharsalia de Lucauo
UVRO Vil
Balallia da Phnrsalia
Conliuiiac.io.)
lvmpeo, mal que notou a nrremetlida
das catervas hostis, viu claramente
Slr c-se o liin (la guerra, o da grande
pelos di-uses mareada ; assomltru o gell I
tLi tal horno tremer t jue estro agoiro ?...
Mas disarga o terror ; percorre o exercito
em seu nobre eorcel :
- i E' rindo exlama
o da que almiara o vosso esforgo,
da nvjl guerra o cubicado termo.
Qnantat. torcas haveis, sommae-m a todas,
que das lides a ultima. N'um'hora
- a sorlo das nagoes vae ser Ihada.
a Qnrm deseja rehaver palria, penates,
fllhos, mulhnr, as affeigoes antigs,
t ospada n peca ; em meio d'este campo
nos paz tudo sse um Deas. A cansa santa
rnnta co'os immorlaes. Encargo d'elles
o jue nin erris a pontana em Cesar,
i 3 de Cesar co'o sangue as leis romanas
- se firmem de nma vez.
O imperio, o mundo,
bem se r que a meu sogro o nao fadaram,
<> pois que aos annos resisto, c ancio pelejo.
Capitanear vos eo, prova que adversos
i nao san aos po\'os e cidade os Numes.
Todo augura victoria ao nosso campo :
i nos arares da guerra andam comnosco
dri moto proprio os proceres; contamos
. os netos d"S hroes n'istas ileiras.
Rgsnrgissem ns Curios, os Cantillos,
i Decios, nnhres victimas da patria,
miitavam d'aqui.
Nagoes em peso,
i c cidades sem cont, arrebanhadas
c desde o tiergo da aurora, a nos se aggregsm.
Viu-ne exercito egual ? Todo o orbe nosso.
Todo ; os signos do co do Noto ao Breas
. n.) vem um s inerme. Este n .:r d'homens
a sobra para afogar circunfnndindo-.se
s- o h.ind que l surge. A anniqnilal o
c solvjam pnooas tatos. As mais das hostes
cifraram na alarida o seu combate.
Nao basta i esar todo a tantos ferros.
; San credes ver as mes no alto dos muros
da patria liorna, para vos pendidas,
i. a coma esparsa ao venln, a afervorar-vos
i para a lacia suprema ? a curia annosa,
s a ijuem faltn vigor para seguir vos,
c rojar aos vossos ps as cas sagradas f
. o a grao cidade mesma ao vosso encontr
s correr, d'um jugo infame espavorida ?
a Sun o povo actual e o porvindoiro,
i todos urna o vosso amparo exoram :
c um qner li\re morrer, quer livre o outro
desabrochar luz.
Se aps taes prendas
i algfl vale Pompeo^ ro'a esposa e lilhos,
.". nao m'o obstar do cargo a magesiade,
a spplice me proslrra as vossas plantas.
i Se Dito vencis... banido, escarneo ao sogro,
a deshonra para vos, nada me resla
s mais que implorar a mnrie. Annos d'mfamia
' em remate da gloria... entrar j velho
a na cachola do servir... nao cabe qnelle
que vos e o mundo iolilulastcs Grande 1
N"etas do general sentidas vozes,
incendeiam-se os nimos, recresec
C romano valor. Todo?, se ha causa
para tanto agoirar, morrer protesiam.
Fervendo em furia egual as Uestes ambas
ao mesmn tempe unnimes se huscam.
O horror da escravidao, do imperio a sede,
arden) de c, de l.
O horrendo vacuo
que estas mais vio abrir na humanidade,
nao tem jamis de enrher-se : embora venham
depois da guerra airoz perpetuas pszes.
Ev.naga esle conflicto infindas gentes
por nascer. Mata em germe os que deviam
povos eneher o mundo ; e vira lempo
qne re- tahal va se tenba o Laclo,
lio Cabio-:. Veos, Cora, aos viandantes
s so amostran) minas soterradas.
Lares de Alba, penates de Laurenlo,
tois nao sao que urna gndara escalvada,
Onde s mora na prescripta nne,
a seo man BTada a Curia, e murmurando
que a le de N'uma qnelle rito a forc.
Nao foi o tempo oh nao, soherbas obras,
quem vos asim desfez I Cidade ermas,
s das lucias civis heis de qneixar-vos I
A que. o genero humano reduzido :
As ge rages que desde entao viemos,
podendo ncar os campos e as cidades,
cabemos toda* n'uma. Os chaos da Hesperia
lavra-os colono escravo. Os lelos podres
de nossos blsavs vo desahando
sem^sreaffar ningnem. Roma, sem fllhos,
da esco'ia da nagoes povoada.
fozemol-a a poder de morticinios
tm tanta rmsampcao, que annos tao largos
inda i guerras civjs Ihe nao do forcas.
Qh mal baja Pbarsalia! Ant os seus luctos
qu monta Canoas de feral memoria i
que foi Allia, essa macula indelnvel
dos fastos aariooaes ? us numes de ambas
a-sir-nalou-os Ruma entre os agoiros,
eeram naila a par d'este; o de Pharsalia
qniz que fotse vi>tadoa elerno olvido.
Tristes fados I As pestes, os roniagios,
fumes doidas, cidades abrazadas,
va>tas ass layos de terremotos,
Pido resarcira a somraa enorme
dus que all viudos do univesso mando
oiorn-r-im atarte misera- A fortuna
(em mal I ) asim o quiz. Dons que de Unto
andar a acenmular, arrebatnuos
iodos n'uma s hora, alardeando-os
anin os olhoa de principes e povos
amuregados all, s por que, oh Rema,
quanto eras grande em teucair mestrasses I
Eras entura largamente no orbe ;
siMunhal-o ventora ; e essa ventura
te apressava a ruina. Erarn-te os annos
Cantado i elo numera das guerras^
e a guerras pelo accrescimo da gentes
mbmissas a ten ngo. O sol te vira
CTe-cer para os dnis polos. Corto espado
se t- faliava do nal. Eo.
para chamaros ten a qaanto abrangem
sob o ether e-tollaete a Inz e a niU.
E obra de tantos erlos, dosfa-la
ffsta Emathia (rnala I este rnenlo
Contra o* faoos dnLuc'w. Agora nm oonsul
". nio |i6de Ir t"lher qne errantes Daas
nlam dos moros seas ; neo regacando-se
pora co'a relha a Sarmatas encerr.
Perpetua mente i mpone a Parthia fica.
A liberdade, que as faties discordias,
para nao mais voltar, de nos baniram,
alm do Tigre e Rheno achoa refugio.
Farta de nos que em sangue a procuramos.
volou nunca tornar ; agora adlta
, mansa e contente a Seylhas e Germanos;
nem j Ihe Ausonia lembra. Ai, liberdade !
' quem te nao conhecra em nossas trras I
quem dra que este povo desde a hora
em que os abutres reveando esquerda
auspicaram a Romulo a cidade
prestes repleta de sou torpe asv lo,
i tivera sido escravo al Pharsalia !
Mal hajaes ambos vos, heroico-. Brutos,
proscriptores de Res I Que prol colhemos
de haver a le regido, e so marcarem
os annos pelos cnsules ?
Di tosas
a Arabia, a Media, as trras do Levante,
de eterno despotismo avassalladas !
Dentro os povossujeios a senhores,
somos nos o misrrimo : servimos
corando de servir. E cr-se em Numes I...
A' la f que 03 nao ha para os Romanos.
Quem os evos arrasta 6 ceg acaso.
Reinar Jove mentira. Insania crerdes
que tendo o raio em puoho observarla
tranquillo do seu throno o horror Pharsalio
Grao jnsticeiro fulminar os cercos
de Phnloe, do Eia, os innocentes bosques
do Rhodope, e os plnheiros de Mimante...
c Cassio embora qne fumine a Cesar!
A' mesa de Thyeste, aos muros de Argos,
mandn sbita noile ; e noite sbita
nao cae sobre Pharsalia, onde flammejam
de paes e irmos em punho as mesmas armas I
, Nao, nao ha Deus algum que de homens cure.
Mas d'esta perdicao, quanto possivel
dos cos vingar-se a trra, alia vinganca
algum da ha de vir. Das civis guerras
iverse-hao Numes brotar, rivaes dos Numes !
A manes dar Roma, e raio, e c'roas
radiadas, estelligeras ; e aos templos
ir jurar esses vaos phanlasmas.
i
J finalmente as hostes inimigas
i devora ram rorrendo o espaco curto
sobre que impende acampo e campo a morte.
, S medeia orla escassa. Os adversarios
! reconhecemse j ; j vao co'os olhos
I elegendo^os rostos dos frontelros
onde o pilo aponlar, notando os bracos
: que mais urge temer. De animo feito
a mostruosas farc5s, co'os paes defrontam,
vem irmos ante si, sem que Ihes lembre
procurar outro posto. Lavra em todos
entretanto um torpor, um fri oceulto,
que Ibes congela o sangue: oni naturas 1
Quem pode anniquilar teus jus, leus foros I
J co'os pilos em risle, e os bracos tensos,
viram-se ali deterem se cohortes,
desde o primeiro aos ltimos soldados,
quaes estatuas de bronze, torvas, quedas.
Dm-le os Numes, nao morte (essa de todos)
: mas ser morto e sentir, a ti que a lanca
ali primeiro, Craslino, vibraste,
3 rempendo a batalha, ao chao dos Thessalos
I do sangue de llamaos dste as primicias.
Oh! furioso, oh! damnad > : qnando Cesar
seu ferro inda conlm, j t... De sbito
resirugem o ar clarins, e audazes tubas,
rebales de investir. A grita horri: ona
que entao se ergue insianianea, abala o ether,
chega aos eabecos ltimos do Olympo,
onde as nveos nao vao, nem quando troa
vae echo do troar. De l resurte
para as valleiras resonas do Homo ;
pelos antros do Pelion se duplica ;
rumoreja no Pind ; agita as penhas
do Pangeu ; vae gemer as rochas do Eta ;
0 os prnprios cuja furia alcou tal grita,
sentindo-a resurtir da trra toda,
no intimo eorago se apavoraram.
Fervcm os tiros, na intencao d'scordes,
que ancia d'uns fenr, e votos de ontros
que o dardo ao chao s era ve, e os deixe puros;
: mas o acao naquelie lorvelino
o que dirige tudo ; a sorte cega
faz reos aos que .he apraz.
Sao nada as mortes
i
qne vem de longe em voadores ferros.
i A espada, s a espada aos civis odios
pode satisfazer : que a espada leva
romana mito a visceras romanas.
Mas de Pompeo o exercito, cerrado
hombro por hombro, escudo por escudo,
1 qual frrea mnralha ; em m tao densa
!' mingua espaco ao menear das armas;
se as movessem, feriram-se a si proprios ;
tanlo o mastico dos immoveis cuneos!
I Tao solemne firmeza aos cesarinns
nao reporta porm ; furor, insania,
la os trazem voando a accommette-la ;
: ho de romper por armas e inimigos ;
as lorigas de aceiro embalde os cobrem :
rnalhas e entranhas de urna vez sao rotas;
cada golpe supremo.
Oh que batalha t
que om exercito a d*, agnenta-a outro I
'e>te. as espadas frgidas, inertes,
pendem,sem mancha, cinta: emmos d'aqaelles,
sacrilegas de sangue escorrem, lumam.
Fortuna, bem que a sorte do universo
aqu se jogue toda, irre>oluia
vagar nao quiz ; os fados, qual torrente,
espantosa ruina acceleraram.
Salla a cava lia ra pompeiana
sub e a ho>le aggressora, o n'um lampejo
Ihe afasia um lado e a outro as duas aies,
para js confins do campo afugentadas ;
traz a cavallara, as tropas leves
't us maiiiplos ltimos prorompem ;
e du funosoA uo cesano bando.
Juga ali cada povo a t patrias armas
D cuufusa lelrega ; alvo de todas
o Humano s. D'um Udo, sellas
siivam voaudo ; d'uutro, fachus ; d'outros,
pedras, glandes de chumbo, a quem o attrito
do ar que rasgam, aquece, inllamma, funde.
ltureus, Medas, rabes, catervas
sem ordenanga, e n>. arco ameagadoras,
nao miram alvo : para o co disparan).
Chovem co'as trechas pelo campo as mortes.
Nao nos culpo : sao barbaros ; o crlme,
o horrur, o sacrilegio, todo vusso,
pilos, armas laciaes.
Que frreo manto
cobre os cos I campia impende noite,
de tiros mil e mil enlreiecida.
Prevendu ja que um subitu rmpante
virla a desmmiior-lhn a prima fronte,
Cesar postado bavia aps as signas
cohortes aos d<>is lados; arremeea-as
dos campos atravez a dexira, a sestra
(ficando as azes em sea posto immotas)
no alcance dos vagantes inimigos.
Estes descorocoam ; d-lhes pouco
se o medo infama ou nao : desatam fuga ,
mostram bem que jamis flar-se devem
nacionaes guerras de estrangelros bracos.
Apenas um corcel, nos peitos roto,
sacudiu, fronte abaixo, o cavalleiro. ~-
e a palas o calcou, desordenou-se
toda a cavallaria ; as redeas voltam ;
remoinham ; abalroam-se ; ennovelam-se ;
esmagam-se entre si. Dess'hora avante
foi um matar sem modo, e nao batalha :
unsdeixam-se immolar; outros immolam.
Nobre guerra -la f I Por mais que ceifem
as cesreas espadas, mais enconlram
cada vez que ceifar.
Ai I possa ao menos
saciar-te, Pharsalia, e mar de sangue
que esses peitos barbricos te golpbam ;
nao queiras que outro os nos te avermelhe,
e ossos desse gento ostenta embora.
Mas, se romano sangue o que preferes,
poupa cnto esses miseros: que vivam
Galalas, Syrios, Cappadocios, Gallos,
e Ciliccs d'Armenia, e vos, Iberos,
vos arraianos do orbe. Exhausta a guerra,
o que hoje orasleiro, ha de ser Roma.
Mal que o terror n.vceu, lavra, derraraa-se ;
ninguem j loe resiste ; e caudalosa
de Cesar a fortuna ahi vae troaodo.
s legioes do centro, ao proprio cerne
do pompeiano exercito, j chega ;
a batalha, qne errava em todo o campo,
cifrou-se euto all; e all a dita
de Cesar vacillou. Nao sao j tropas
de auxiliares reis nem ventureiros,
quem Ihe oppe resistencia : l se enconlram
os irmos, la os paes. L tudo, Cesar,
que te incita o furor, a insania, o crlme.
Foge desle lugar, minh alma, foge.
Esta da lide abominanda phase,
afogue a toda o bratro do olvido.
Nao seja em verso meus que eras futuras
aprendam quaniomal cabe em taes guerras.
Percam-se embora lagrimas, lamentos ;
las arces nesta jornada, Roma,
nao as direi jamis.
Neste conflicto
Cesar, de quem aos seus vem toda a furia,
nem ponto quer perder de scelerar-se :
corre em torno as legies ; por toda a parte
nos nimos ja fogo irrita incendios :
nota a espada que toda escorre em sangue,
e a que o tem s na pona ; a mo que aperta
os copos a tremer ; os que meneiam
cora enthnsiasmo, ou com desleixo, as langas :
1o"1" hrigam por Toreada obediencia,
quaes por gosto espontanea ; u ^u.
morto um concidado. Nota nao menos
qoantos seu largo campo enchem cadveres.
Se com elles de envolta acha feridos
a esvair-se da vida, acode, oppe-lhes
as proprias maos aos borbotos do sangue.
Por toda a parle o vm ; qual nos combates
Rellona a sacudir sanguneo agoite,
011 qual Marte os Bistonios incitando
flageila, esfnrca de seu carro os brutos
da egide palladia espavoridos.
Que immenso cahos de fatacs horrores !
que assolar que alarido Um ai continuo,
descommunal, horrfico! um perenne
resoar d'armas co'o baquear dos corpos,
co'o retimtim das laminas cortantes,
que se enirebatem, se entrequebram I Cesar,
Cesar omni-presente, anda em pessoa
espadas repartindo aos que as perderam,
langas onde mster. Manda que aos rostos
apontem do immigo e os desfigurem.
Empuxa, encalga, arrasta avante as hostes.
Se algum se fica atraz, nos rins tem certo
da hasta cesrea o cont a accelera-lo.
Veda matar plebeus; mostra o Senado.
Sabe oude pul>a o coragao do imperio ;
onde as chaves de Roma eslo guardadas ;
onde em fim de urna vez pode extorqur-te
ao mundo tudo, augusta liberdade.
Premo uobreza o equeslres confundidos ;
os venerandos fere. A eito caem
(fera hecaiomba !) Lepidos, Metellos,
Corvinos, e os de reis, j reis mil vezes,
Torqnatos, grao prosapia : em summa quanto,
nao fallando em Pompeo, mais claro avulta.
Em plebeu morriam sumido o rosto,
porque os olhos basts te nao descnbram,
que heroico ferro, Bruto, has salvo a Roma I
O' da patria brazao I preclaro Bruto I
da Cuna ultimaesp'ranga! extremo resto
de geragao tao nr.bre I a toda a Ierra
os evos todos rediio teu nome.
Nao te arremeces de sobejo ardido
torrente inimiga ; aguarda ; cedo ;
a la hora final toca a Philippos.
Perecers tamhem nessa Thessalia,
mas depois ; hoje nao. Nesla jornada
tentaras em vao dar morte a Cesar :
inda nao atiingiu poder supremo ;
inda nao snpplantou a humanidade ;
car de um B ute s mos nao deve anda :
viva e reine I mereca a morte Ilustre I
Quanto adornava a Roma, ah jaz defuncto :
permistos em monlao patricios, plebe.
Por entre tantas mortes memorandas
sobre.-ae a do intrpido Domicio.
Que sorte a deste hroe Derrota grande,
nunca sem elle a hnnve I onde a fortuna
de Pompeo dsse qnda, achavao sempre I
Por Cesar, quanta vez nao foi veneldo I
Alfim morre, mas livre. Alegre sola
por golpes mil a vida. E' Ihe consolo
que outro ce.-areo indulto o nao espera.
Vendo-o extorcer-se em charco de sangueira :
t Qa I pois j do teu Grande as armas feges,
t meu successor Domicio Iexclama Cesar
com feroz zombaraassim nos deixas
a guerrear sem ti T
Purgando o alent
no arquejar afanoso, estas palavras
Ihe torna o moribundo :
1 Ao menos, baxo
elivre, seguro, e pompeando ao Orco,
tDos eximes teus o ahominavel premio
seqner nao tens por ora ; em trances ficas :
ineix anda a Pompeo maior que Cesar.
Parto, slm ; mas alegre co'a esperanea
de que has de ser vencido, e alto escarment
haveremos de ti : Pompeo, nos todos.... 1
Nao podo mais. Expira. O olbos cerra.
Caiu na Slygia noite.
Ah I que vergonha I :
no funeral do mundo eston chorando
morios a um e um I se os ha sem numero,
a que vem perquirir de cada morto
como o varara o ferro ? : o como um pisa
a proprla entranha aos ps; outro co'a espada,
que pela boca Ibe descera as fauces,
expede o sangue e o folego ; qual sbito
ao golpe se baqueia, e qual persiste
em p, j decepado ; os que alravessa
do peito ao dorso um dardo, o os que derraba
e curva ao chao a langa. Aqu o sangue
a espadaar da rola veia aos ares.
u'onde recae as armas do inlmigo :
dm fratricida all ormo degola,
longe arroja do corpo conheeido
a calinga, importuna leslimunha,
e o rouba: um filho, que a seu pae no rosto
j mutiinu, feroz o decapita,
por mostrar co'o requinte da inclemencia
que o nao reconhecea. D'esses trespasses
nenhum merece as honras de um queixumc ;
deter-me-hia a chorar sobro individuos ?
O exicio de Pharsalia excede aos outros f:
nos mais perda Roma alguns soldados,
perde povos aqu; nagoes, nao homens,
seus cadveres sao. L, derramava
sangue de Acheos, de Ponticos, de Assyrios ;
aqu, verta o proprio a par com os outros.
Nem se coalhava o sangue ; ia em torrentes.
A cresta que ho levado em tal recontro,
excdeu s quo os povos n'essa edade
podiam comportar. Mas nos perdemos
mais do que salvago, mais do que a vida :
ficmos para sempre escrvisados.
Das espadas de entao vencidos fomos,
os que Inda entao nao eramos ; e o jugo
que em nos pesa, bao de os soculos herda-lo.
Como em que nao merecido fllhos, netos,
na?cer para servir ? fomos nos outros,
quem balalhou a medo e a arrodelar-se ?
nao ; pagamos a alheia covardia.
Impor lyranno aos que depois nasceram,
e prva-los da guerra, duro, sorte 1
O Grande, o sem-ventura, alfim conhece
que os deuses, que os destinos dos Romanos,
transfugas se ho passado ao campo adverso.
Foi misler, e houve custo, exicio tanlo,
para o desengaar.
A um alto assobe,
a onae avista de longe os campos thossalos
alastrados de morios ; quadro fnebre
que at l no remonho da batalha
se Ihe havia oceultado. Ai I que do tiros
contra o deslino seu 1 Que de cadveres !
Figurou-se-lhe entao ser elle proprio
quem s em tanto sangue se esvaia.
Mas Pomoeo nao nautrago que anceie
ao sumir-se na ttrica voragem
evar tudo corasigo,' ou fc consol
de perecer ***< perecer do mundo :
porque do Lacio o mais Ihe sobreviva,
quer inda crer qae os ceos ho de escuta-lo :
lenta allivio no orar :
Numes exclama
nao destruaes de um lance os povos lodos.
Sem que o orbe se ala e Roma expire,
desgragar-me podis. Se vos nao basta
quanto j me heis ferido, havels-me a esposa,
haves-me os fllhos ; dei refens aos fados.
Nao basta ao genio das civis discordias
o esmagar-me co'os meus ? para hecatomba
quer comnosco a seus ps o mando inteiro ?
Ajoraste, fortuna, os leus esforcos
a calcar, a perder o quanlo existe f
Para qne ? nada meu.
Dsse. Percorre
por entre as armas, os pendoes, e as turbas
descorogoadas j : retrae, revoca
do inevtavel p'rigo os que inda o huscam.
Volvei;sombra- Ihes diz nao valhoeu tanto.
Nao que ao general valor falleca
de irarrojar-se s ponas das espadas,
garganta e peto descoherto aos golpes ;
que, se elle car, disfogem todos ;
se o chefe baquear, baqueia o mundo.
Ou nao soffre que morto o encare Cesar 1
Ah I que val, infeliz, que o tu nao soffras ?
Succxmbas onde quer que suecumbres,
tens do pascer co'a lvida cabega
os olhos de teu sogro nsaciavel.
Mais outra causa te constrange fuga :
nao vs comligo a idolatrada esposa,
e teu fado morrer aos olhos d'ella.
"a batalha se arranca redoa solta.
Nao teme que na espalda o coloam tiros;
oppe grandeza d'alma do infortunio.
Nao chora, nao suspira. A dor quo soffre
nao quebra a magestade : impoe respeilo :
a dor de um Pom,-eo no mal de Roma.
iNao demuda semblante olhando Emathia.
Se outr'ura vencedor nao f- soberbo,
vencido nao sucenmbe. As alegras
dos seus triumphos tres, hoje a fortuna
Ih'as descoma infiel : mas elle em ierra,
inda a vence : maior. Desapressado
dos deslinos de Roma e do universo,
partiu livre e seguro.
Auora has vaga
de rever na lembranga os bens de outr'ora ;
do esperar sempre em vo j sls liberto,
recogita sem medo o que tens sido.
Foge. rt'estas horrficas batalhas,
e altesta ao immorlaes que d'ora avante
quem as armas teimar, por ti nao morre.
Como o que hava de perder-se em frica,
na criminosa Munda, e phario pego,
tanto o mais do pharsalioo destrogo
depois de tua ausencia a ti nao toca :
j nao s nome popular pelo orhe,
nem facho marcial. Luctam na arena
(duello eterno I) liberdade e Cesar.
Vaos fgido, e o Senado inda peleja ;
a causa por quem morre, pois a sua.
Nao te hei de emboras dar vendo-le expulso
virar co.*ta; guerra, e livre agora,
de presenciar sacrilegos horrores,
e bandos de humen* a espumar quaes feras? 1
Vulve ao que te I fica os olhos d'alma :
vers rios de sangue oppor-se aos nos.
Tem d do sogro teu. Vencesse embora ;
com que animo ao pensar nesta jornada
entrar elle em Roma? Exul, errante,
s-inhn, em reuies desconhecidas,
lu sm padecers; e mais,e quanlo
soh o phario tyranno I E toilavia.
(ci nosei.s, er no fado amigo ha tanto)
peior fra vencer!
Veda lamentos ;
nao permitas que o povos te deplorem ;
desterra o pranto, o lucto. Adore o mundo
no zenith a Pompeo, Pompeo no occaso.
Nao snprdioe. mas firme, os reis encara.
Das cidades outr'ura leu dominio,
e dos -einos que has dado : Egypto, Libya,
escolhe ondo acabar teus da> queiras.
Foi Lanssa a primeira testemunha Nada temis, mas disse o )>, m
da ruina do hroe j'noore cabega annnnclarvos urna nova qae tori para toen
; que nem se humilha ao fado. Em chusma o povo objecto de grande gosto. II .je, na ritidi de
sae muralhas em fra a recebe-lo, vos nasceu nm Salvador que o Cnrist.
nem que venha em triumpho; e qaanto possam gis aqu o sfgnal que vol mra run* :
Ihe promettem chorando. Abrem-lhe os templos, I reis ura menino enfaixado dei Udo em nma
abrem-lhe os lares. Por merc Ihe imploram
nos infortunios seus os consocie.
( Quanto do immenso nome Inda te resla !
i s inferior a ti, podes anda
s armas as nages chamar de novo,
de novo os fados provocar a campo.
. Povos, cidades,Ihes responde o GiviiKf
1 que me valem agora ? estou vencido.
Dae preito ao vencedor.
Cesar, do cu me
de montos de cadveres, progride
a apesinhar as visceras da patria,
quando ogenro us nagoes j Ihe resigna.
Pompeo monta, e l parle, aps deixando
ais, pranios, ooeixas vas d'um povo inteiro
contra os deuses to barbaros. Agora,
agora que recebe a prova, o fruclo
do popular favor que ambicionava.
Como ha de o que feliz saber se o amam ?
(Continuarse-ha.)
f*z m
um mj
l'M POLCO DE TI DO.
NA8CIMEXT0 DE JESIIS CIIHIST0 NOSSO SENIIOR.
(Extracto da Homila 3* de S. Leao)
Rego=ijamo-nos no Senhor, meus charos irmos,
e entregumonos a um prazer inleiramente espi-
ritual I
ET chegado o da da nossa redempgo; o da que
repara as nossas antigs perdas, e nos consegue
urna felicidide eterna.
O Mysterio que celebramos ho]e, recorda-nos an-
nnalmenle a memoria do Mediador, que effecluou
a nossa salvago.
frometiido desde o principio, elle velu emfim na
pleniludo dos lempos, e todos os seculos gozaram
do effeilo das suas promessas.
Elevemos, pois, os nossos coragocs ao alto I ado-
remos esle divino mysterio com os sentimentos do
mais profundo reconheciment I
Solemnise a egreja em transportes de jubilo a
memoria de um to assignalado beneficio de nosso
Deus !
O Altissimo, cuja natureza a mesma bondade,
cuja vondade omnipotente, desde o instante, em
que a malicia do demonio nos mfeccionou com o
veoeno do seuciume, desiguou remedios efficazes
paraos nossos males, am de restituir-nos ao es-
tado, de que linhainos decahido.
Chegando o lempo, que tinh sido assignalado
redempgo do genero humano, o Filho de Deus
desee do cu trra e sem nada perder da gloria
que gozava, com seu Pae, nasce e apparece entre
nos em um eslado differente do quo Ihe pro-
prio.
Invisivelmenle por natureza, .quiz fazer-se visl-
vel: incompreheasivel tomou-se sensivel; exislin-
do antes de todos os lempos, quiz nascer em tem-
po; Senhor do universo occuliou o esplendor da
magestade debaixo da forma de servo.
Deus impassivel, nao se dedignou de fazer-se
homem passivel ; inmortal, sujeitou-se a lei da
morte.
Nao esqegaes, qae Jess Chrislo veiu ao mun-
do para nos livrar dos nossos peccados, sem con-
tralor a macula do peccado ; veiu Irazer o reme-
dio dos nossos vicios, sem estar sujeito ao vicio ;
veiu, como medico soberano das nossai almas, para
as suas feridas, e curar-nos da languidez da nossa
corrupgo natural.
O seu nascimento foi de urna nova ordem, para
imprimir nos nossos corpos pela sua graga urna
pureza inteiramente nova.
Vos, pos, que vos honraes com o nome decoris-
tos, entrae em vos mesmos, e dae graga de urna
tal rcconciliaco todo o aprego que ella merece.
Vos qne desfallecis em urna condigo to mise'
ravel; que estaveis excluidos para sempre da mo-
rada eterna ; qne linheis perdido toda a esperanga
de viver da wrdadeira vida, v> tendes adquirido
pela encarnago do Divino Verbo o poder de voltar
de to longe para o vosso Creador.
Vos nasceis de urna carne corruptivel ; mas o
Espirito de Deus vos f,>z renascer, e assim adqui-
rs um direilo, que a vossa natureza vos nao dava,
afim de que se om vrlude do espirito de adopgo
vos conduzirdes como lilhos de Deus, possacs com
confianc.i cbamar-lhe vos>0 Pao.
Libertados como estaes das penas, que faz sof-
frer a m consciencla, suspirao, chrisios, pelos
bens relestes.
Fortificados com o soccorro da graga, cumpri
em ludo a vontade de Deus; imitae sobre a Ierra
a virtode dos anjos ; nulri-vos com a substancia
mmortal.que vos dar esforgopara combater com
vaniagem as tenlagoes do demonio vosso inimgo.
Se observardes fielmente as regras da milicia,
nao duvideis de que o Re da Gloria haja de cornar
no cu as victorias que ganhardes sobro a trra,
quando depois da resurreigo fizer entrar na pose
do seu reino eterno aquelles que tverem vivido
pamente.
A natureza humana urna vez resgadatada da
sua primeira culpa, foi restabeleclda na sua amiga
dign'dade.
A morte foi destruida pela morte.
O nascimento de Jess Chrislo reparn o vicio
do nascimento dos homens, porque a redempgo li-
vrou-os do capllveiro ; a regenerago deu-lhes
urna nova origem : e a f justifica o peccador.
Tendo, pois, to grandes e bem fundadas espe-
rangas, permanecei firmes na f, que tendes abra-
cado, temendo que o tentador, de enjo Jugo vos li-
vrou a graga de Jess Christo, venha seduzr-vos
com seus artificios, e enveneno o prazer desla fes-
livid^de fazendo vos cahir nos seus lagos.
Por lano, meus charos irmos, louvae a Deus,
glorilicae-o em todas as suas obras, adorae os seas
Juizos; tendo urna f neonlrastave! no misterio do
seu nasiinieiito; honraecom o mais profundo res-
peilo o misterio ineffavi-l da reparagao do genero
humano ; tstemuuhae o voso reeonhecimento a
Jess Christo Nosso Salvador, afim de merecerdes
ver algum dia o Senhor da Gloria em toda a sua
magestade. reinando no cu com o padre, e o Es-
pirito Santo, na anidado da sua essencia divina
pela elernidade dos seclos. Assim seja.
OS PASTODES DE BRLKM ANTE A MANJADOLRA.
Era alia nnute.
Todos os habitantes de Belem ostavam entregues
ao somno e s alguns pobres pastares se achavam
anda no campo, velando junto dos rehanhos.
Chetos de simplicidaile, sua sincera piedade era
de melhanie do joven paatot David, que ontr'ora
tamhem apresentra sitas uelhas nesles lugares.
A" lempo que reunidos as tr vas da non te ve-
lavam junios, um aojo do Stnhor Ihes ap'paXrtO
de repente em toda a su gluria, um elaro celes-
te os circumdou e grandissiroo susto os lomou.
I doura.
No mesmo instante jnntoo-se ao aojo de numero de mensageiros ertostos loavaatte
Elorno e cantando este hymno divino :
Glori'i (i Ami m mais alto din com e
trra MU hnm'ns de boa rontale.
Nunca os pastores tinham .onlomph!.
espeelacuio. jamis tinham envido to
mooia, e por is>o licarain tonudos ao
po de sorpreza e alegra.
Os anjos snbiram outra vez para o co 0 oa
ores disseram uns aos oairos :
Eia, vamos j Betm e vejamos o que o
Senhor nos annanriou.
Apressando o passo clieiiarara arboqpana m/m
Ihe era bem condecida, e ahi acharan J?* t Ma-
ra, e vi nm posto na manjwl mra o mais gatmas
menino.
Aproximaram-s-' delle. (>eneira-k- d' santo t
profundo respeilo contempiaram-no rom wttltel
prazer e nao se cansavam de coosiilera-lo.
Mana c Jos se admiravam vendo m o kmoi-
mento do Divino Menino era ja sabido por !
homens : pirm a sua alegra fui anda maor
quando elles contaran) o que lites hab sido r
vellado pelos anjos do co.
Todos juntos se alegraram em commnm. glo-
rificaram a Hens.
Os pastores voltaram acradecentlo ao F>n>
pelo favor que Ibes tinha feito.
Divulgaran! tudo qne tinham visto o anvidn, .
todos aquelles quem ch -iroa a noticia >si-
acontecimento licaram maravilhados.
Mara conservon na memoria todas as pljvra-
que ouvira e as pas-ava para o en eoraoo.
Como Mara, gravemos em nosso corar*) esta
historia sagrada.
Todos aquellos que tverem alma para costar*
de ouvi-la ; porque ido< elles eorootrarao a sal-
vago cm Jess Christo.
E' do Sr. J. Tolentno esta pjesia :
Baarntaa.
(Ao mea amigo e coilega A. Panos M>ramiia>
Um povo Ilustre imprimido '
E' liberdadeo gemido
Que arranca do coracao t
E j morto em seos delirio
Exclama os^-es martyriosi,
Tudo o que oppress I
Liberdade Palavra doce,
Dom coleste que nos ironx'<
Deus a sombra da cruz '
Oh porque nao te gozamos '
Nao v, que exanges bradams
Vinde. sal vae nos. oh luz I
Oh quanlo mellvor nao fura.
Que a ltussu=forie oppressora,
D'amiga Ihe tM a mi '
K Ihe iiisses-el'dooia !
Surge, surge colonia
S como as outras sarao !
Coilada t... Na barbaria
A fronte abatida e fra...
Nao ha de vida um signal '
E o monslro fero, ernentu
Lhe crava a cada monvnto
Dentro do peilo o punhal
Oh 1 nao 1 n*> percas a esraara '
Aps o marlyrio a bonanga
A gloria aps o lular I
E o leu peilo apnshalado
Ser nm templo sagrado
Da liberdade ao altar !
Supporla o golpe infaman!,- '
Fila leus olbos. eontante.
Nos das do leu porvir '
Contempla, moJe a grandeza
De teu povo, e a uobreza
Da marlyr que morre a rir !
Entao nascer a a aurora !
E o povo que gome agora
D'oulro ao torpe grilhV>,
Banhadoda luz divina
Surgir !... Ninguem domina
As lois do seu coragao *...
Sim !... Surgirs vene
Polonia, e tua tataa
Quebrada pelo poder.
Ha de ser de novo erguida
De novos loiiros cingida.
Coberla de gloria ha de mf '..
Se o dominador do celeste imperio mamas 'aw
o* homens urna anlondade ittftlm, as nwl atfo-
mas, rom que o prendem o oso e a mhaarta tor-
nam-no mais escravo que o ulinn> <'.
ditos.
Vejamos.
Antes das qitatro horas da manhf-a nm ranarh.
munido de ama lanlornJ. vem rrov.>vi l***
arrncalo ao somno : chegam d-pois o* oriatlie.
do quarto, e os domsticos oncarrcgaJws dos pre-
parativos do cha.
Acabado o toilett-. e tomado o cha. o imporariur
passa ao seu gabinete, a onde o rsp^ram mague de
papis, deque necessario lomar ronlu-riM
Depois enche-se de mandarins a sala d-> I
o imperador apparece, lodos os assitenies
por ires vetes com a cabega so chao, e a audiearu
comega.
A's 7 horas a audiencia termina, o o amsvoaa
vae entao almocar szinho : como nao irm pama
Ibe seja gual nao admiile ninguem a sua nv-sa.
Do mesmo modo que Ihe nao permiliiilo o tr
mir quando tem somno, tamhem nao iwle comer
segundo o seu goslo : a lei lixa H praim qne 4o-
vem ser servidos mesa e sua smm*maaa cnin*
za ; os legumes e Iruclos obti por meios artificiaos sao ansolutamonie prokiU-
dos.
Depois do almoco. a eiqneta eoarrdc ao kfaa-
rador duas horas de liherille, soja para toranr *
ssia, seja para ne faior nada, so lhe apta*: e
depois volt* aos negocios do gabinete.
Aigumas chicaras de cha sao as unirs tkaarai -
goes que pode gozar o dommaiti.r do reb^a im-
perio, durante as horas do trabalno qnv ooccapaa
a maior parte do dia.
Chega assim o momento do jantar. mi Ksta i
regulada corn o mesmo rigor da roomia da ma-
nha.
Depois do janlar lom finalmenie o imfcratinr
alguns momelos de desrang >; pode ir awina
seus jardins ou nos aposentos d> >n.t familia, mus
estos prazeros domsticos lem ain'ta nm lat -
agradavel ; a hora da comida das priwnsm ^
das mulhere-, e como os rigores da Iri m\ ^ e
tendem a e>tes, o imporador pd* ler a frMi-a-
co de o ver regalar-so d comidas e do frurta-
em que Iho prohibido torar.
E' o supphcio de Tntalo.
Para corar o dia apenas o sol se escoma, m>-
cessario que o imperador, ogoal a Hle, laca otn
tanto para na manha soginnte roafitraar o mr-nw
fadario.
E' e.te o circulo em qne vivo, salvo as rra n-
oopeos dos das do f-*ta, qne si para oMe antes
de fadiga do qae do descanco, p-Tro" a otnaaeta
oas solemnidades redobra de lyrannia.
PERNAMBUCO.------TYP. DE M. F. fWF. RLH>


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EN5QY52ST_FO22EH INGEST_TIME 2013-08-27T23:31:30Z PACKAGE AA00011611_10553
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES