Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10550


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO 11. MUSEO 294.
Por tres meies diaiiiados ftgOO
Por tres mezes vencidos 6$UO0
Porte ao corrcio per tres mezes. 7o0
ii *
Por ateo adiantad*......9$(IO
Porte aocorreiopor un sqho 3$01K
SEXTA FEIRA 23 DE DEZEMBRO DE 1864
j^ft-- _
.*...^k. i*.* -*V .-' *&* --
Ck AIUUSuAUS Da SL'baUhli'CAO NO NOR'IE
Parahjba, o Sr. Antonio Alexandrino do Lima;
Wata!, s Sr. Antonio Marque da Silva; Aracatv,o
Sr.A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos'de
Oliveira; Marauhao, o Sr. Joaquirn Marques Ro-
ingues; Pira, os Srs. Manoal Pinna ro & C; A-
Ha2i.aas, o Sr. Jeronymo da Costa.
INCARR'GADOS DA SUBSCR'PCAO NO SL.
Alagas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Baha, o
rr. Jos Martius Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
rlera Martius & Gasparino.
1 -.--iii'A .'.'(1.5 l'.5..vr,iA,V
Onda, Cabo e tscaua toaos os das.
Iguarassu', Goyauna e Parahyba na* segundas e
sextas-feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Garuar,
Altioho e Garaohuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesquetra,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacarat.Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' cas quartas feiras.
Sennhaem, Rio Forraoso, Taraandar, na,Barrei-
ros,Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
liba de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partero ao /i dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
6 QUarto cresc. as 3 h., II m. e86 s. da m
13 La cheia as 4 h., 52 m. e 26 s. da m.
21 Quarto ming. as 2 b., 42 m. e 56 s. da ni.
28 La nova as 7 h., 1 m. e 44 s. da m.
PRRAMAR DE HOJB.
Primeira as 11 horas e 42 minutos da Ecariiaa.
Segunda as 12 Doras o 6 minutos dajiaros.
ta Ji>* HOj VaORS COSTURO^.
Para o sul at .iJaras a fj e 25; \.i?* o norte at
|Granja a 7 e z decad;: raer; para Fernando nos
dias lides mezes dejan, marr.,niaio. jal. sel. en.
PARTIDA DOi OMNIBL'i.
Para o Recife: do Api pucos s 6 A, 7, 7 Vi, 8 e
8 Vi da m.;' de Onda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6 Vi da m.; do Casanga e Varzea s 7
da m.; de Bemfiea s8 dam.
Do Recife.: para o Apipucos as 3 Vi, 4,4 Vi, 4 Vi,
8, B Vji 6 Vi e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manha e 4 '/i da Urde; para Jaboatao s 4 da
tarde; paraCachang e Varzea s 4 Vida tarde;
para Bemfiea s 4 da tarde.
aUDENC a DOS rRlBNASS Da CAPiIAL
Tribuna, do commercio: segundas qnintas.
Relaco: tercas e sabfcaos s 10 horas.
Fazenda: quinta.- as 10 horas.
Juizo do coinmereio: segundas s li horas.
Dito de orphsos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do ci /el : tercas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas sabbados a 1 hora
da tarde
KMUU.
10. Segunda. S. Harto na,;! Syndoniom.
20. Imim. 8. Domina >.- d. Sil al,.;
21. Qnarla. S. Thouii ap.; S. i
2. Qtiita. ?. II nunto ni.: S. Ftaviami m.
13. Sella. Si Mied nm e Mar.!..ni. mot
24. Sabbado. S. Delpbiao b.:S. Tarsrtta m
25. Douiiiigo. Kasctanto i N. s. j. r.t.r.-:
AMiGNA-SB
no Recita, em a librara da praca da lioVp. aden
ca ns. 6 e 8, dos preprieunos Maco*: Fu
de Faa & Filbo.
lRTE offgil
wmm DA PROVIKIA.
xrjidirnlc do dia 20 de dezembro de 1861
Oilico ao Exm. presidente do supremo tribunal
de justica.Transmuto V. Ble. a resposta que
em li do corrente deu o juiz de direito Jos Quin-
tino ile Castro L-o a portara, sobre reclamaco
de autiguidade do juiz de direito Joronymo Mxi-
mo d" Oliveira e Castro.Communicoii-se ao juiz
de direito do Limoeiro.
Dito ao coronel commandante das armas.Com-
muoico a V. S., que segueamanha para a villa de
Flore o alteres do corpo de polica Joaquim Her-
culano IVreira Caldas Jnior, afim de assumir o
com liando do destacamento do mesmo corpo que
ali existe.Commuoicou-se tambera ao respectiva
del) gado de polica.
Dio ao mesrao.Srvase V. S. de envlar-me a
corlido dos assentamentos do soldado da rompa-
Dhia de arlifices ArseairoDias dos Saatos, afim de
ser remeltida ao Exm. Sr. ministro da guerra que
a exigi em aviso do Io do correte.
ijo ao mesmo.Tendo de seguir amanhaa a
tarde para a villa de Ipojuc* 6 praeas de corpo de
polica ali n de substituir o destacamento de 1* li-
nlia que ali existe, iiaja V. S. de expedir as suas
ordens para que este se recollia a capital quanto
antes.
Dilo ao Dr. chefe de polica.Traosmittiodo por
copia i. V. S. a informaco ministrada em 13 do
correnie, esob n. 153, pelo Exm. viscondeda Boa-
~visu, commandante superior da guarda nacional
desle municipio, a quem onvi sobre a materia do
seu oftVio n. 149-5, de 29 do nw. (Indo, ciunpre
que os inspectores de quarteirao sejam escolhidos
entro pessoas que nao sao guardas nacionaes, ou
que o s;io de reserva : e que quando forem esco-
lliidos para taes cargos individuos pertenceutes a
guarda activa se solicite a esta presidencii as or-
dens necesarias para sua dispensa, no devon-
do em caso algum racahir a escolha em in-
dividuos que queiram servir os lugares de inspec-
tores -ara eximirem-se do servico da mesma guar-
da nacional, porque, por via de regra nao pode
ser limn inspector, aquello que tiver sido omisso e
nrpli-'ente no camprimeoto de seus deveres como
guarda.
niio ao iospoctor da thesounria de fazenda.
O juiz municipal e de orphiio do termo do Limoei-
ro, barharet Emiglio Marques Smliago entrou em
12 do correte ao goo da licenca de 45 dias que
obtuve de meu antecessor: o que commuaico
V. S. para seu conhecimento.
Dito ao mesmo.O promotor publico da comar-
ca de P.ilmares, bacliirel Meado de S Brrelo
Sampaio parlicipou que em 13 do crrante enirou
no g3o da liceRca do 15 dias que Irte foi concedi-
da : 0 queoommunico a V. S. para sua inteligen-
cia.
Dito ao mesmo.Remeti V. S. para os fias
convenientes, os mappas nominaes das ocurren-
cias que houveram no pessoal da? enfermaras do
hospital militar na primeira quinzenado mez cr-
reme.
Dito ao memo.Constand i-mi do offieio do co-
ronel commandante das armas, n 2248, que se
acha em man estado e m^sm > indi-cent.! o quario
em que est alojada a guarda da alfandega, recom-
meado V. S. que d as provid.mrias necesarias
no sentido de ser elle conservado com asseio, for-
necendo-se-lheos utensilios que forem precisos.
Communicoo-se ao corooel conitnaadante das ar-
mas.
Dito ao mesmo. Determinando o Exm. Sr. mi-
nistro da guerra, em aviso de 3 do corrente. que
pague ao procurador do alteres do 2o batalho de
infamara Jd3o Domingues llamos, a quantia do
365000, a que lira elevada, a cootar do Io de Ja-
neiro nr iximo futuro, a coosignarao mensal de
245000, pie eslal.elereu nesia provincia para ali-
mento de sua familia ; assim o commuoico V.
S. para ler a devida execueo.Coramuuicou-se ao
coronel eommandaote das armas.
Dito ao mesmo.Mande V. S., com urgencia,
adianlar aos offiriaes do brigue-barra llamnrar,
as comedorias relativas ao mez de Janeiro vindouro,
vi-to (pie esse navio lem de eguir para a corle,
com escala pela Bahia, no dia 21 do crrente, s-
gundo declaren o respectivo eommandanie em ofQ-
cio n. 185 desta dala Communicou-se ao com-
manilant. do brigue-barca ftamarac.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Tendo indefendo, em vista de sua informaco de
17 d.> correnie, sob n. S4I, o reqnerimento em que
a iruiandade do Santissimo Sacramento da fregue-
zia da Boa-Vista nesla ehlade, pedia para ser con-
servado em poder do thesuureiro das loteras at
final deci-ao desta presidencia, a importancia do
beneficio da parle da lotera que foi extrabida no
Io deste mez, a favor das obras da reja matriz
aquella fr-guezia, a-sim o declaro V. S. para
seu conliecimento, prevmindo-o ao mesmo tempo
de que as informaces exigidas deV. S podem ser
da las com a hrevidade que for possivel, pois que
reconheco o servico que pesa sobre essa reparticao
e sei o grande numero de informaces que lem
ella de dar.
Dilo ao mesmo.Nao bavendo inconveniente ou
dnvida a oppor por parte dessa tlwsouraria, mande
V. S. pagar ao arrematante da conservacao do 3o
termo da e-trada da Victoria, em vista do compe-
tente certificado, a quantia de 1725050, que tem
direito, segundo consta de offlc.io do chufe interino
da reparticao das obis publicas, datado de hon-
tem, e sob'o. 319, por haver curoprido as condi-
co s do seu cooiralo, durante o mez de novembro
ultimo. Cmmuniciu-se ao chefe interioo da re-
particao das obras publicas.
Dito ao mesmo.Em vista de sua informaco
de hontem, sob n. 552, e do que expoz o cIMe in-
terino da reparticao das obras publicas, em offieio
D. 317 de 17 do corrente, conveoho em que a obra
da varanda de ferro da p>nte de Sanio Amaro seja
novamente posta em praca com o augmento de 20
prcenlo, no valor do respectivo orcamento : o
que declaro V. S., para seu conhecimeato e devi-
da execujo. Comniuoicou-se ao chefe ioteriuo
da reiiarligao das obras publicas.
Dito ao cooimaodanle superior da guarda nacio-
nal de Flores, Villa-Bella e Iarazeira.-Para cum-
prioienio do disposto no aviso da reparticao da
justica de 22 de novembro ultimo, informe V. 5.
com brevidade, que destino leve Candido Pereira
de Suuza ou Candido Pereira Horges, que por de-
creto de. 8 de feverelro de 1856 foi Horneado capi-
tn secretario geral desse commando superior.
Dito ao juiz de direito de Santo Antio.Haja
Vmc. de declararme a que pena foi condemoado
Francisco Gomes da Silva, ttloo de Jos Lourenco
da Silva e de sua mulher Igoacia Maria da Coo-
ccicao.
Dito ao juiz municipal de iVaiareth.Pelo seu
offieio de 21 dr novembro prximo lindo, flqaei
6Cieote de ler Vmc. noraeado Manoel Virginio de
Almeida Chacn para exercer temporariamente o
offieio de contador e partidor desse juizo, no impe-
dimento do respectivo serventuario.
Dito aoju.z municipal supplente em exerdeo
do termo de Olinda.=Vou ouvir a junta adminis-
trativa da Sauta Casa de Misericordia desta cida-
de, sobre a enanca desvallida de que traa o seu
offieio de 16 do correte, a qual no entretanto
convem que seja tratada e ser todava conduzda
a roda, se por ventura nao for possivel esperar-se
pela resposta que vou exigir com urgencia daquel-
la junta.Exigio-se a informaco de que se trata.
Dito ao delegado de polica de Garanbuns. -
Tenbo presente o offieio de 2-desle mez em que
Vmc. pedo a expeJico de oedeos pera fWgameo-
to dos guardas oariouaes em servico nessa villa,
desde aquella da, e como destacados.
Em resposta tenho a dizer-lhe que nao isso
possivel, em vista das determinares do governo
imperial, com que o inspector da thesouraria de
fazenda impugna pagamentos semelhantes.
Espero, porm, que Vmc. ira f.iz-n lo com os
guardas qoe forem acudindo sua requisigo o
servico que for compativel, nos termos do arligo
86 da le n. 602 de 19 de setembro de 1850, at
que o mesmo goveroo imperial, a quem ja solic-
tei, couceda aulorisacao para aquartellar alguos
guardas nacionaes, porque ento reservarei para
essa loralidade certo numero del les.
Dito ao subdelegado do 2o districto de Pao
d'Alho, l.uiz Candido Carneiro da Cuoha.Accu-
sando a recepeo do offieio que Vmc. rae dirigi
em 14 do corrente, felicitando-me pela nomeacao
de vice-presidente desla provincia, tenho a dizer
Ihe em resposta que muito agradece a maneira
benvola com que me (rata, e cont com a sua
eoadjuvaca >, assim como com a boa vontade e
cooperario das demais autoridades para o bom
deseinpmho da ardua larefa que me foi coofiada.
Dito ao superintendeote da estrada de ferro.
Tomando em ceosideracao o que expoz o Sr. su-
perintendente da estrada de feno era offieio de
16 do corrente, e tendo em vista o que a esse res-
peito informou o respectivo engenheiro fiscal em
19 deste mez, animo a que os precos para os lele-
grammas do publico destinados" s estacoes de
Frecheiras e Aripib, sejamos mesmos qu o- da
Escada, bem como que os de Agua Preta sejam
os exigidos actualmeole para Gamelleira.Com-
municou-se aoengenheiro fiscal.
Dilo ao gerente da compaohia Pernambucana.
Pode Vmc. fazer seguir para os portes do oorle o
vapor P<-rstnunga, e directamente at o Aracaty o
Mamanyuapr, nos dias e horas iodicados em seu
offieio de 19 do crrenle.
Portara.O vicepresidente da provincia atten-
dendo ao que requereu o juiz de direito da co-
marca de Santo Anto, baiharel Jos Filippe de
Souza Leo, resolve prorogar por 15 dias a licen-
ca de igual lempo, com vencimentos. que Ihe foi
concedida na forma da le, para tratar do sua I
sade.
Dita.O vt*e-presidente da provincia tendo em !
vista o que i formaram os juizes de direito da 1" i
e 2* vara desta cidade, sobre o requeriinenlo do
promotor publico desta comarca, bacharel Jos
Paulino da Cunara, resolve conceder a este um
mez de licenca com os respectivos vencimentos,
na forma da fei, para tratar de sua saude.
Dita. -O vice-presidente da provincia attenden-
do ao que requereu o bacharel Emygdio Marques
Santiago, resolve prorogar por dous mezes o pra-
zi> que Ihe foi concdido para apreseotar a apos-
tilla de sua remoco no lugar de juu municipal e
c orphos para o termo do Limoeiro.
Dita. O Sr. gerante da compaiihia Pernambu-
cana mande dar transporte ale o Rio Granie do
Norte, no vapor que para all segu no dia 22 do
correnie. em lugar de re, destinado a p.issageiro
de estado, a Franci>co Jos Pereira Cavalcauli de
Albuquerque.
Expediente do secrelario do governo dp dia 20
de dezembro de 1861.
Oficio ao inspector da thesouraria de fazenda.
O Exm. Sr. vice-presidente da provincia man
da coinmunicar a V. S. que foi entregue o Exm.
i r. ministro da justica, como estr declarou em
aviso de 30 de novembro ultimo, o oficio de 19
danuelle mez, com que V. S. Ihe remeth.u o or-
camenloda despeza que setem delatar aqn no
futuro exerncio de 1866 a 1867 com o servico
daquelle ministerio.
EDITAL.
2* seccaoSecretaria do governo de Pernam
buco, 20 de dfanibro de 18l.
Pela secretaria do governo se faz constar aos
Srs. Francisco Manuel de Almeida e Marcelino
Ferreira da Costa, que por aviso do ministerio da
justica de 5 Ueste mez, foi declarado que o offieio
de porleiro dos auditorios do tormo tiesta cidade
nao pode s-r prvido em face do disi>osto no de-
creto o. 2,530 de 18 de fevereiro de 1860.
O secretario,
Dr. Francisco de Paula Salles.
Despachos do dia 19 de dezembro de 18G1.
Requenmentos.
Antonio Soares de Lima.Aprsente o suppli-
cante atiesta lo de seu parocho para provar que
sustenta a lilha e a tem em sua compaohia.
Antonio Carneiro da Cunha.-Como requer
Vista da informaco.
Abaixo assignado de mernbros das coofrarias c
irmaodades. -Informe o Sr. Dr. chefe interino da
reparticao das obras publicas.
Antonio Malaquias de Macedo Lima.Informe o
Sr. Dr. chefe uterino da reparticao das obras pu-
blicas.
Benedicta Maria da Aonunciafo.Informe o
Sr. caiiito do porto.
Bacharel migdio Marques Santiago.Coocedo
por dous mezes a prorogaco do prazo pedido.
Fuldgm Broillires. Como requeren! vista da
iuformaco.
F-hx Ferreira da Cunha.Nesta data foram ex-
pedidas as convenientes ordens a cmara munici-
pal do termo do Bouito afim de ter lugar o qqe o
supphcanie requer na presente pelicao.
Fbireutino Velloso Cavalcaoti de Albuquerque.
Informe o Sr. Dr. director geral da iosirucco pu
bliea.
Bacharel Jos Paulioo da Cmara.Informem os
Srs. Drs. juizes de direito da primeira e segunda
vara de-ta comarca.
Jos Pereira de Alcntara do O'.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Mqor Jos Francisco da Silva.Como requer a
vista da iof >rmacao.
Julo Ferreira ao Lacerda.Passe a lomar na
mais seria consideraco o que os supplicantes, pre-
sos na casa de detencao, alegam na presente pe-
tico.
Joan Pita Viraes.Por ora nao tem lugar apezar
da informaco'.
Jo.- Elias Machado Freir.Como requer a vis-
ta da informaco.
Jorge Rodrigues Sidreira.Ioforme o Sr. raajor
director do arsenal -le guerra.
Bacharel Jos Felippe de Suuza Leao.Como re-
quer.
Joaona Mara da Conceicao.Informe o Sr. Ba-
o do Livramento vice-provedor da Santa Casa da
Misericordia.
Jos Barbosa Carneiro.Informe o Sr. Dr. juiz
municipal da primeira vara.
Bacharel Maximiano francisco Duarte.Infor-
me o Sr. Dr. juiz de direito da comarca do Pao
d'Alho.
Manoel Pereira Quaresma.-Remettido ao Sr.
Dr. chefe de polica aflin de que proceoVndo as ne-
cessrias informaces os faca chegar com a possi-
vel brevidade a esta presidencia, e desde j ex-
pega as convenieotes ordeas afim de que as auto-
ridades policiaes, a que se refere a prsenle peti-
cao cumpram o sen dever.
Paula Maria das Dores.Informe o Sr. commao-
dante do porto.
Saiyro Jos dos Prazeres. Informe o Sr. inspec-
tor do arsenal de raarnha.
Virgilio Vieira da Costa Pinto.Informe o Sr
Dr. director geral da insiruccao publica.
OVERKO DOBISP4DO E
Piiwiumo
SEb VAOiNTt
Dezembro de 1861.
Expediente do dia 19.
Offieio ao Exm. Sr. vice-presideote da provin-
cia. -Tenho a honra de aceusar recebido o offieio
de V. Exc. firmado em 14 da correte, iraosmit-
tiudo-me a copia do aviso do governo de S. M. o
Imperador, acerca dos capitulares que se ausentara,
sem licenca, da sede das cathedraes.
Ja o Exm. ministro do imperio em offieio de 23
do prximo pascado me havia recommeodado a
execueo do referido aviso, que me remetieu im-
presso, e que eu maad-M registrar nos livros da ca-
thedral, para ler immedita execueo
Dito ao vigario de Macelo. Pode V. Rvm. nu-
merar e rubricar por esta vez o livro que tem de
servir para laucarnenlos de baptisados da cidade
das Alagoas, como solicita o parocho respectivo.
Fica assim respondido o seu offieio de 12 do cor-
rale.
- 20 -
Circular ao cura da caihedral de Olinda, e aos
vigarios das quatro freguezas da cidade do Reci-
fe. -Sondo costume geral nesta diocese coneorre-
rem os liis missa de natal, que se celebra a meia
noite era tolas as matrizes no dia do nascimenio
do Menino Deus, a pouto de ficarem os templos
quasi vasios na occasio era que se celebrara outras
missas durante esse dia, e canin lo oeste anuo a
soleumidade do natal ao domiogo prximo, 23 do
corrente, convm que o peridico religioso OUo de
Dezembro seja distribuido depois da missa solem-
ne da meia uoite ; e como nessa occasio ha de
ser raaior a eoucurreocii do povo, mandara V. S.
procurar na typographia do Sr. Dr. Felippe Nery
Coliaco, 500 templares para esse domiogo to so-
ineiile ; seud, que aos outros domingos continua-
ra) a ser distribuidos os 300 exeuiplares, que j
desguei para cada freguezia dessa cidade e para a
caihedral de Olinda.
Dito ao vigario da cidade das Alagas.Tenho
prsenles os dous afinos de V. Rvro., de 26 de ou-
tubro e 30 de novembro, acompaatiados de docu-
mentos, em que me expoe a diffieuldade em que se
acha de exercer as suas funecoes parochiaes acer-
ca das sepulturas dos s-us parochianos, era conse-
queucia de haver a Illraa. cmara municipal dessa
Cidade transiendo arbitrarla e inconvenientemente
os eoterrameotos dos cemiinrios, que ah exisiem
em uurnero e tres, para o claustro do convento
de S. Francisco, com oensa dos seus direitos, por
que os respectivos religiosos lem feilo eocoramen-
dacoes solemnes, sem Ihe darem parte, fundados
em que uo interior de seu convento nao lera V.
Rvm. inspoccio: e islo cora offensa mesmo da lei,
que prohibe os eolerramentos as igrejas, e com
grave prejuizo dos pavos, que alm dos direitos
parochiaes, pagam aos religiosos o que elles exi-
i: "o pelas sepulturas.
Compreheodo a oecessidade que ha de fazer
ces>ar esse estado de eousas, esse conflicto ; mas
nao depeudeodo isse someote de mim, e querenlo
eu obrar cora a prudencia e circumspecco que a
gravidade do caso exige, nesta data me dirijo ao
Exm. Sr. presidente dessa provincia, levando ao
seu conliecimento o ocrorrido, alim de dar as pro-
videncias que julgar convenientes; e ao Rvm,
guardio do conveuio de S. Francisco dessa cidade
aura de inf rmar-me acerca da queixa de V Rvm.
Ditoao Exm. Sr. presidente da provincia das
Alags.Tenlose dado um desagradavel conflic-
to entro o parocho da cidade das Alagas e o guar-1
dio do convento de S. Fraurisco do mesmo lugar,
ein consequencia de haver a IHraa. cmara muni-
cipal ordenado que os enterres que all se faziam
em ires cemilenos diversos, passassem agora a l'a-
zer-se lOilos uo claustro docouveuiode S. Francisco
da mesmacidade, e islo com notavel offensa dos di-
reilos parochiaes, por que os respectivos religiosos
tem feilo ledas as eneominendaces solemnes sem
darem pane ao vigario, prevalecendo-se da isenco
do seu convento; e havendo alm disso nolavel vi i-
lacodale, que prohibe os enierramenlos as igra-
jas, cabe-me levar o occorrido ao conhecimenti) de
V. Exc, aquem tenhoa honra deremetter por copia
os offices do Rvd. parodio e documentos por elle
ministrados, afim de que V. Exc. se digne provi-
denciar na parle que Ihe comete.
Dilo ao guardio do convenio de Francisco da
cidade das Alagos Compro que V. paterntdade
Itvma. me informe circuinstauciadamente, e cora a
posiivel brevidade sobre a oceurreura que se tem
dado entre V. palernidadc Rvraa. e o parocho dessa
cidade, a respeito dos euterramentos que, fazen-
do->e at agora em tres cemiierios dilferentes pas-
saram todos a ser fetos no clau-lro do seu con-
vento : sendo que, apesar de haver Vr. palernidade
Rvnia. cedico cmara municipal esse claustro, o
qual por esto modo licou constituido cemiterio pu-
blico, comludo aiuda V. palernidade Rvraa. impe-
de que o Rvd. vigario ah faca eneomineodaces.
Uito ao presidente do coro da S.Remello io-
clusa a portara imperial de 4 de novembro prxi-
mo paseado, pela qual o Rvm. Ihesoureiro-mr da
caihedral, Pedro Jos de Queiroz o Sa foi dispen-
sado da residencia do coro por lampo indetermi-
nado; com o veocimento da respectiva congrua ;
afim de que seja registrada e se Ihe d imraediato
curapriraento.
21
Offieio ao conego cura da s.Tenho presente o
seu offieio de 20 do corrente, no qual V. v rae de-
Clara que, leodo distribuido na caihedral o Io e 2o
uumero do peridico religioso Oio de Dezembro,
oao s pelas pessoas estrauhas, como pelos Rvms.
capitulares, lodos o aceitaran! com satisfaco, ex-
cepto o Rvm couego Joao Clirysostomo de Paiva
Torres, o qual repello publicamente o 1 numero ;
e quando d'ahi a oito das V. S. eniregou ao m=s-
mo Rvm. capitular o 2o numero, elle igualmente o
repdlio em puolico, dlzendo que s aceitara esse
jornal se fosse por paga, ou se fosse por obedieo-
cu a mim na qualidade de vigario capitular : e
me pergunla V. S. o que den fazer oeste caso.
Teudo eu ordeuado que se distribuisse gratuita-
mente esse peridico religioso, todava a nioguem
irapuz a obrgacao de o recebar ; seo lo livre a ca-
da um aceila-lo ou rejeialo, conforme Ihe ditar a
sua eooscieuca. Portante continua V. -. a distri-
buir na caihedral o Oito de Dezembro por todas as
pessoas indislictamente; e se o Rvm. eapitular
joo Chr\>osloino de Paiva Torres nao o quer acei-
tar, nao Ih'o entregue.
Dito ao vigario de ..Tenho presente o seu
offieio de 7 do corrente, em que me diz que, tendo
F... se opposto ao casamento de sua fltha com
A... por quem a raesnia fra raptada, e procuran-
do o raptor supprir o consenso pateroo, V. Rvroi.
me consulta o que deve fazer quando Ihe for apre-
seutado o consenso do juiz Competente.
Kmquaoto nao fr sanado o impedimento, nao
pode Y. Rvraa, realisar o casameato em qaestSo.
Mas apresentandose-lhe supprimeulo do conseuso Em coosequencia de achar-se era obra a s
patinodado pela autondade compleme, e tendo. de Olinda, os Rveds. capitulares celebram a festi-
precedido para a obtenco desse consenso cilacao vdade do natal, constante de malinas e missa so
e audiencia do pai da mesma raptada, e nao cons- lemnes, na igreja do seminario da moma ci-
tando a \. Ilvma. outro impedimento, nem Ih'o op-, dude.
pondo o pal, ou por appeMacao, ou por qualquer I Iloje se extrahir a ultima parle da 10.' e
outro meio, nesse caso, depois de aecurada averi- j 1." da 11.a lotera, da matriz da Boa-Vista (12i.*),
guacao, p le V. Rv.oa. celebrar o matrimonio en- sendo os dous oaiores premios IU.O00500O e
Ir esses contrahenles, senalis de jure servandis. 3:0005000.
Reparticao da polica.
Extracto da parle do da 22 de dezembro
de 1864.
Foram rccolhidos casa de detencao no dia 2i
de corrento :
A' orden do subdelegado do Recife, Eduard
Funccionou hontem o Instituto Archeoloyco e l^"*' i|lgle2' re'luisl5 do respectivo con-
tSXUSfSSSA apresideDCiad^de^uSomi,,oaV,s,a- e,cbttd
Em falta do secretario perpetuo, o 2 secretario ye5
^AntTfls^^aaK ssfdo Ptre?i A,narojos deSu"'
ferias : i' n-cruia.
'm exemplar da Folhinkn Cathclica para oan- c,hpe d. 55^52'
no de 1865, pelo Rvm. Dr. Manoel da Cosa He- j Movimento da c,JXa"olloLn de
PERNAIVIRUC07
REVISTA DIJUUi.
es, escravo
de Mello, por ferimenlos gra-
com agrado, mandou-se ar- dezerabro de 1864.'
norato. Recebido
chivar.
Um quadroestatistico da divisa) civil, julciaria
e ecclesiastica da previncia da Parahyba, e varios !
mappas parciaes sobre a mesma diviso pelo res-1
pectivo auior o Dr. Luiz de Albuquerque Martius
Pereira. Recebido com agrado mandou-se ar-
chivar.
A commissao de trabalhos histricos e archeolo-
gicos apreseolou os tres segrales pareceres; os
quaes vo a imprimir para se discut'rem na pr-
xima sesso :
t A commissao de trabalhos historeos e archeo-
logcos do Instituto Archeologico e Geographico de
Pernamburo, teodo examinado a proposta do so-
cio major Salvador Henriqua de Albuquerque, de
parecer que se man le collocar na frente da casa
em que residi e falleceu o geveroador Joao Fer-
nandes Vieira, na ra de S. Rento da cidade de
Olinda, urna lapida conmemorativa com esta ins-
cnpco : Casa onde habitan e fallecen Joo Per-
nanars Vieira, restaurador de Pernambuco. O Ins-
tituto Archeologico e Geographico Pernamimcano
mandn gravar esta lapida commemoratha aos...
de... de...; precedendo a devida permtsso do res-
pectivo proprietano
c A commissao julga que esta obra ser de
grandiosa utililade provincia de Pernambuco, e
de gloria iramorredora para o Instituto ; de utili-
dade provincia, porque ella vai chamar a alten-
cj de todos a recordarera-se dos feilos assignala-
Exstiara___ 379 3 7 presos. 1 >
A saber : 375
Nacionaes..... Mulheres...... Estrangeiros... Estrangera ... Escravos...... 290 3 22 2 47 5 l I
375
Alimentados a cusa dos cofres provnciaos. 155
Movimento da enfermara do da 22 de dezembro
de 1864.
Falleceu :
Manoel do Sacramento.
CMARA MLMCII'AL
SESSAO FATRORIN'AIUA AOS 20 DE OUTl'BBO
DE 1864.
Presidencia do Sr. Reg e Albuquerque.
Presentes os Srs. Hnrique da Silva, 1,-al Seve,
Gustavo do llego, Mello, e Janeiro, ahre-se a ses-
so, e lida e approvada a acia da antecedente.
Contiauou a a pura cao geral para vereadores,
dos do ncansavel restaurador de Pernamburo do i principiada hontem, e quando tratara a e-amara de
jago hollandez ; de gloria ao Instituto, porque des-1 apurar a acta da eleicao procedida n tasorte faz elle desapparecer os pootos de duvida, dos Afogados, apresenia-se o cidadLjos Thomaz
em que at agora se ha laborado acerca da verqa-
deira casa, onde residi e falleceu o referido gever-
oador Fernandes Vieira
Cavalcaoti Pessoa, 1" juiz de paz do 2- districto da
mesma freguezia, e por meio de petico documen
lada, que aprsenla ao Sr. presidente, declara que
A commiisao anda v oa execueo daquella ; protesta contra a validadedaquella eleico. e o seu
obra, um acto sobremaneira patritico e de grande protesto foi acceile.
dedicaco ao objecto a quem se consagra. A velha Tendo de proceder-se a apuraco da eleico da
Europa nos ha d*do ejemplos bem signiicavos. O freguezia da Varzea, e acliando-se sobre a mesa
imperador N'apole > III mandara logo 110 principio duas acias, urna da que se fez na igreja matriz, e
de seu governo, collocar na humilde casa aonde presidida pelo 4" juiz de paz Francisco Xavier Car-
residie Xapoleo I, antes de tocar o lastigio do neiro Los, e outra feita oacapella do engenho S.
throno, ao lado do Sena, urna lapida commemorati- Francisco da mesma freguezia, presidida pelo juiz
va de marmore preto, gravadas em letras de ouro,! de paz mais votado bario de Muribera.
as competentes nscripces, e ltimamente a cama- j o Sr. vareador Mello pede a palavra e propoe
ra municipal da cidade de Lisboa, mandou averi- qUe fosse apurada a arta da eleico presidida pelo
guar a casa cm que falleceu o grande poeta Luiz de i a, ,1c p^ [)0j< ,|U., ;i outl.a d(,va ser consde.
Camoes, para,no caso affirmativ,), ser col locada na ra(ia milla em consecuencia de ter sido presidida i
frente delU urna p.'dra commemorativa. | pelo 4o juiz de paz, por falta de comparecimento do l
-ala do Instituto Archeologico e Geographico 2o votado Francisco de Paula Corma deAraujo;1
Pemambucano, 7 de dezembro de 1864. Padre entretanto que se observa da mesma acta otar elle i
Lino do Monte Carmello Luna. los dos Aojos considerado como tendo votado, qnando seachaval
Vieira de Amorim. fazeudo parle da mesa presidida pelo mencionado |
A commissao de trabalhos histricos earcheo- jUz dt ,,az mas votado.Posta em discusso esta
lgicos de Inslituto Archeologicos c Geographico proposta, o Sr. Gustavo do Reg pede a palavra, e
Pemambucano. examinando a proposta do.soco 0pp6e-se a ella, daclaraudo nao nao d
major Salvador Henrique de Albuquerque, julga
ser mui conveniente copiar-se pelo syslema liiho-
graphico, como costume, e se adopta em traba-
lhos dessa ordem, o retrato do governador Joo
Fernandes Vieira, com a proporco necessaria,
alim de que possa juntarse a um dos nmeros da
Revista do Instituto.
E' com efleito louvavel a idea de tornarse co-
nhecido e divulgado entre o povo o retrato de um
hroe, cujos esforcos e dedicaco sem igual, deve
hoje Pernambuco a sublracao d'j jugo Latavo. que j-, recoohecido.e que e>laque.st.iolendo sido p'o-la a
ievia ser apu-
rad 1 por nao ser legal.
Nao havendo mais quem fallasse, fui posta a vo-l
los a mesma proposta e approvada, votando contra
o Sr. Gustavo do Reg.
Priocpiaodo-se por fim a apuraco da arta da
eleico feita em S. Lmrenco da Malta, o Sr. R>-go '
e Albuquerque declara qu protesta contra a vaii-
dde da mesma eleico, por se ter dado nelia nul-'
lidades insanav.-is, laes como nao adnnltir-se para
a formaco da mes, ovlo de um eleilor-su|iplenti
tintas atrocidades e lyranias Ihe causara naquella
era.
t E' incontestavelmenle um preito que se rende
' memoria de to afamado athleta.
O Instituto Histrico e Geographico do Rio de
Janeiro, j era idntica:, circunstancias, deu um
vetes, e bavendo impale o juiz de paz presidente a
desempatou com o voto de qualidade, que a le nao
Ihe da.
Terminada, pois, a apuraco, sommados os vo-
tos, e Prado o secretario publicado os nomes dos
nove Cldados mais votados, mandou a cmara fa-
GOMMUNiJADOS.
bollo exemplo de gratido, mandando lillographar lKr a a,.|a, marcou sessio para o dia segrate para
e juntar no numero de suas Revista* o retrato do assigna-la, e levantan a presenta
: governador do Rio de Janeiro Salvador Crrela de gu Francisco anoto da II taviagem, secretario o
jS, homem que prestara aquella capitaoia, inpor- subscrevi. Birros Rogo, presidente. Henri-
I tautissimos servigo-. ques da Silva.Reg.-Leal Seve.Mello.Ga-
f Sala do Instituto Archeologico e Geographico uieir(j.
de Pernambuco, 7 de dezembro de 1864. Padre
Li no do Monte Carmello Luna. Jos d->s Alijas SS!
Vieira de Amorim.
c A commissao de trabalhos archeologicos do
lo-tituto Archeolosico Pemambucano, examinando--------------------------------------------------------------
? p W nf ?*:S0C0S major ^""'^'if.i'e.n'' 0 Sr. lavares Bastos e os seus communirados do
Lino, de parecer que so promovam os meios con-
venientes, afim de tornar-se effecliva a patritica Jornal do Liininercio*.
1 idea de se inaugurar as praeas e lugares indica-' Nesle paz abenooado a grande forundidade de
' dos na dila proposta, as estatuas dos quatro hroes seu slo, admirada por nacionaes e estrangeiros, e
que tantos triumphos e ovaces alcancaram na maravilha que lira muito a quem da facilniade ex
guerra dos Hollandezes, para Pernambuco. trema com que fl irescem de improviso os dosmm
t Quando em todos os paizes civilisados se ha estadistas. Plantas languaritas, oasrdas para ^t-
1 erguido monumentos que terosm niemoraveis os tmgir apenas urna altura mediocre, vo crescendo
nomes de seus hroes; quando em diversas cida- com pasmosa rapidez, ao sopro de alguma viraco
des da Franca v-se e>tatuas levantadas em honra protectora ; e um bello da, a maneira desses ar-
de mouarchas distnctos; quando Genova inaugu- bustos mgicos dos prestidigitadores, furmam in x-
ru, nao ha multes annos, urna soberna estatua de paradamente, e como por encamo, moa copa freo-
marmore a Chrislovo Colombo, qumdo, emfira, dosissima, ruja ramagem parece ter a louca pre
Porlogal trata de erguer urna outra em honra do tenco de fazer sombra aos carvalbos mais anuo
grande poeta Luiz de Cames, o Brasil, Imita- sos unde esto a seiva eas raizes que dio alunen-
jo desses paizes civilisados, deve tambera inau- te a tanto vico, o que naturalmente pergnotam
gurar monumentos aos seus mais dislinctos he- os que n.io conlvcem os segredos da nossa m igica
roes ; pois, Peroambuco que muito deve a sua publica. Os avisados do esta simples, n as concei-
restauraco do jugo hollandez bravura dos qua- tuosa explicacu : Sao cousas da nossa terral...
! tro heroas Fernandes Vieira, Vidal de Negreiros, XSorommetteremis um erro da botnica se c|as-
Cainaro e Henrique Dias, Pernambuco, s pagar sficarmos o Sr. conselheiro Saraiva na familia des
; essa divida de eterna gratido, expoodo a conside- sas arv.ires felices.
! raeio publica as estatuas, que se levantarem cm Juiz municipal, presidente de tres provocas(ou
' honra de lo denodados guerreiros, as quaes, alm de quatro, pois que regeilou ama) ministro da mu-
de fazerem lembrar de continuo os nomes e fetos rinha e do imperio, rteputado, diplmntaa especial,
nobres desses guerreiros intrpidos, accresce que chele da liga na Babia, e incluido o'uoia lista tri
ellas coocorrem para o aperfeicoameoto e belleza plicepara senador, S. Exc. promelte galgar rom
dos lugares, em que forem collocadas. mais dous pules o ultimo deg-o da herarchia so
t Sala das sesses do Instituto, 15 de dezembro cial. Promovido por merecnneulo, j que Ihe falta
de 1854. Jos dos Aojos Vieira d'Amerira. [a coadico de anliguidade, compl-io aoachrooi-ioo
I Padre Lino do Monte Carmello Luna. nesta quadra de pr grrsso e liberdade, *-lle exhibe
O Sr. thesoureiro apresenteu o balango da re- apenas em sua fe de oficio dous servicos impor-
ccita e despeza do correte anno.E' remettido tantissimos : urna misso... mallograda, o a mu-
1 commissao de fuodos e ornamentes. danca da capital do Piauhy para Tiierenna, em-
Nao bavendo mais nada a tratar, o Exm. presi- preza herclea cujas circuinstancia> eonstitnem o
deole levanta a sessao, marcando o dia 5 de jaoei assumpto predilecto de suas narrativas ne>ses mo-
' ro para thr lugar a seguinle. mentos deexpansao em que S. Exc, prndente os
Ohteve a irmanlade daNossaSenhora do Ro ouviotes o'umaespecie de p^.smaceira beata, sa re-
1 s rio da Boa-Vista, que antes e depois da missa de monta s diffiruldades qite lave da vencer, cense-
natal em ua igreja se prestasse a sooiedade mu- guinde um triumpho glorioso contra o ministro
; sical Bella Uniao a tocar varias pecas, para maior que eotao era, o Sr. Zarharias, boje um dos seus
brilho na solemoidad. amigos cordeaes, mas que naquelle tempo, por
Esta socledade f i creada e heregida. pelo pro-. bir a ou por ciunie, imphcava duramente cora os
1 fessor Felippe Nery de Barcellos. Isonhos douradus do Ilustre presideoie:
Dolado de um faro mui fioo pan ci.nherer op-
portunamente as ttmmctas da ci'oc.i, e am d.i
a ellas, S. Rae tem feilo ImttmRm na sua vMta pe-
linea, evitando a grande asneira de sarrlrar-se
pele emperi amento. Conservador la, voten Contri a lei do circuios, idea lil
cuja realisaeifi incumbid i na tinado (Bar.fi
Paran, e servio aos umigos d.s fati..
annos, al au ca un que d>cubriu oII-> imu,
nodoas de rcrmelhidao. D'ahi romecuu a mu, ler
me do dos iberaes. .
Im pouco iocomprclieosfvel na suas omhoa
coes, o di-tincio bahno nis-ae twra da pre>"l-'n-
cia de Pernambuco quando vio sjlur do nHMs>ierw
o Sr. Xabuco, par dar lugar ao Sr. tiara de Mu-
riiiba. Mas pwMO depois S. Exc entrara par. um
gclunete composlo de vermelkos rumo os seoimrt-.
inarquez de Catias. Sa>o Lobato. ParaalkM. Ma-
noel Felizardo e Joaqun! Joni Ignaro, Hfioen-
lo amar.Ho era reprc-eaudu p, los Srs. Sirai e
Sa e Albuquerque. A liga nao pareca p.-iel
desla vez. O elemento amarelio de>houv^ -> cm
o eleipeulo vermelho, porque uao *e boba io\.-ou-
do anda o syslema de fralerinar el- nenh hetero-
gneos, roo5er\ando cada um ttkt a *ua amo
ma. O Sr. Saraiva de 1861. nao BM i m*iii* Sr.
Saraiva de 1857, o mod-Mi. mim-tr da manota
no .ibuiele Olinda.
Depois de ua relirada into -a. i illostrt oa-
biaou coospiroa entaemui franr.un-iiler.mlr ea<
anligos rhefes, que passou i rnioT f-ssris S
Esc quena nada HWMM fM .-uo-iitu !>* pHa ra-
pataada espennfon. Nao >t- ctoMM de ele-
var se a si ; lima a humilde pretendo oV pa>*ar
carias de estadistas a bOHMH n .v i-*, qu- ilie >er-
rissem ao meoai > tempo tb dcgroai e ee irombe-
las, sem Ihe poderem bser itmn W MMi
des homensqueas|iir^(ii uuiaa ., i, r k>
cil go.-larem dos silelile ipi- im ; -iijauui-
erclipsa los, e olliarcra de rovot para r"veti-
dores pr-rijosos. -Mas seja dilo em a!> ni o> v.-rja
de; a preferencia dada Mi Hoiiuli.... a,,. hoOB
guas, aos Pintos Limas, aos Pe ir. Mein/, -obre o-
Euzebios, ltaborali)>. l'ruguays. Ibmeiii,,. |tn
e Uulos oulros vultos venerandos i|ue ena
enumerar, nao pode rwniidorM H um levt^muo
favoravel ao criterio do illusire con-elkeiro.
Islo, porm, nao cousa de pasmar para o pie
conhecem de peno o carcter do Sr. Saraiva. Com
seus modos deinasiadamenie e>-olastiro^. S Eae.
mal pode desfarear o exeessivo amor proprio que
o domina. A insistencia com ipi- apruveiu ocra-
sies para fallar de si, d^pen>ai 11 de cerlo os ^ce-
goeiros do seu merecimenlo. A pes-oa de S. Etc.
parece sr a uuica cousa que o pieoreupa. fur
amor della foi conservador, e afa>Utu- dos ; foi ligueiro, e parece ja e.-ur de-.iviu.ii, cm
os seus, n iva phe qua iraiisluz na regeieu da
presidencia da Babia. Amauha S. la*, -.-ra tai-
vez liheral decidido, anda <|oe ou lia >eguinv
declare em unidad', romo hoje, nymriiioiii nli, e
em tora de rochu-ho, >e esta confesando oSr Mo>
c.nide de Abael, um don feMMOM mal- BoOvr
pela lirmez.a rahaoaiatci de .-cu- prinnp -
ticos....
Mas deixemos este ponto que pode lev ir-aos a
longa digrei>so. VuUmm* ao Sr. su.,i...
A coralidade familiar de S. Exc. pan
do seu sequile cowtroiU inieiramenle rom a dtfle-
renca que, mudadas m cncumsi i:, is. .lie tjni
.sabido manifestar para ruin .. quem na
ve-pera moslrava agiadecuiM-nio e aHect., appa-
renteiiienie sincero.
Xo exercicio dos eaffOi pblicos, s. Bw. exami-
na ludo pur alia : nao eulia noi ,/ I .ue a
risca a mxima De mim mis mm m *t Ir,tur -.
exitellenti preteSlO para a nesondW e-luil.,- tra
balbOi enfadonh ,> mtt um pMM cvrineu p4e
fazer. nesta caso o lempo ro.iba.lo a p.iie-ira lira
livre para leiturai in-lrurliva? ousimpiesoM-ntedi
vertidas
as presidencias o Sr. Saraiva pared- \ '
mente cuino pioredia corlo liii.ei... qne Iteu- haja
Faz algUina COWa que p..-a tm prel.xt., HO a|>-
plausos dos aluiiradorcs MM mi ni d ixade
aier muitacoosa un e possivel; e muda lo^ar
logo que prev a p>sil,ilida,le de u
Contrallado eui IVruarnburo na qu- -im M em-
pn-tuno que prcteudia cuiitrahir n. Kmv* pora
cousas grandes, o Sr. Saraiva con i i|ue
d'ahi Ihe proviera alguma quebra na (>rra mral
de >ua autondade ..
Tralos os senoes. sempre fira a Ex- ama
boa d-e de valor.
Quanto a>s sea- !il utos nada liram-^,|
nao falla quem m'os apregAe. braMtt: a
riaco do tlenlo a c ui-. n. a, n.i
sa deste mundo. Em noca apunan
laienio o que aswala u i uu i recio. ., r- i
dadein utilida le. Meia iium pa bw-
nilas, r 'aleadas por rilo Ofttmh ai i tal-
la quem isdiga u la lom, onde nao uMm me-
diorndades para a opima i mrtL Ao voos. ri.m
relaco a cala individuo, SMaofOaffnfon uua al-
ma raridosa que se ala-l- deba.
Ja us parece estar oovind
benvolo por cansa da rrlacao roM a rpiyraitbe
deste ai ligo e o que teios dito i examen: A uoi-
ca culpada de ludo islo a maldita a- ,.;>> e
ideas. Pde-se dizer (|ue boje em lia a pe--, a \>
Sr. Bastinhos completa a pessi.a d Sr. S .r
Aquelle esl para com e-lc na m- ,ih raa. em
que a parte esta para o todo l"ou r.dua i
lillcou de gcmeu.i de Sitio. O Bazar \' senla o r. Ita-tuiti n mm bfm do Sr. Sir.iva
Ha pleno fuudam mu lano na qualiiiea,;.". roa
no syinbolo.
O Sr. Saraiva, sem mais anterclente?. engra-
cou-.-e da Igora pequenina t! i --r. Ha-!
nao Ihe poda faz t Mimbra Acb -u-lhe g-tt-
cobriolhe um lahnlo aproceitarel para a- roncas
grandes, e sem mais pruvaocas aenlou d.- dar Ihe
o diploma de slaili-ia. E naos- c intenta em
gua-lo. Eui seus acos-os de t.mura .jua-i iaier-
nal, t.jma-o nos braco-, vai ate m.i-lra I lora do
paiz. com a pielli ufana de mi ridiculamente -x
[ramosa, que quer por forra i oeui.'ir romo OJIOI
za as imperfeic s man fastas d i crunra.
Por Ma parle, justica conlessa |.>, o Sr. ILm-
ohos mostrase mui reenhe.-i lo acarinho-a *.ei-
tude de s-u pra.-e.,t >r. Se o Sr. Siruva sai do
ministerio, o Si. Idstinhos arrepelia-*e em plena
cmara, e com aquella voaMm e-gaaica-la Oe me-
nm i que v balerem no papai. vinga-e em r-p-ti-
dos apoiados as explirar.-, ao mem<> lem{M> alti-
vas e queixosas. do nobre ex -ministro do im-
perio.
Sa o Sr. Saraiva fira de mau humor pelo resol-
tado de sua mis-o especial, ah temos lambe* o
Sr. II i-i i iili ,s rhamando a noiti- ns mnu-ir-
Anda cm verde* annos, sem onlras halMiit^es
alm dessas que mnsluem M talentos compriwumx
dos 14 anno>, o Sr. -ia>liiiIios. n depulad eieiln o
reeleiie por im|Ki-'ra > ofliclal, reroOMwadad aeto
patronato, ja falla em lom pr. tenr^.,, aUioo e
dogmtico; e chegoii ao i>onto de fazer reasovas
bruscas ai ministro da marinha. sem ler ut a
lembranca de pedir previamente a degiis cargr.decnnliinea que oceupava na secrelaru. Mao
0 ministro, rom os hbitos militares de um Una
veterano, fez o seu dever. O Sr. BhMM *.>
advogar em Vassouras. Escusa tu du-r que rri-
taram muilo contra a severidade do irot*uv.
1 aquelles mesmos que hoja p*ilo invocando a r*i
v. /*
ILE6VEL


1
Diaria e FrrnaiakHe Hcxta felfa 83 de Dezeninro e ltSt.
,1 too sim convenrtf-to de que o Exm. Sr. conelheiro e frenticamente applaudida, com especialldade os
irlanda 'Pinnino incapaz de vingangas, pois f|Ui', se as Srs. Pontes, e joseu Henrique a quem vemospela
O que nao se ver nesta quadra de prjgresso K depois auerem explicar o phenomeno
belizmmte os passos do r. Saraiva, segundo as rapan nVcfoto pelu insahordinicao e impar...-
np'riiia'0tR b> Sw .B'lil,nnos' "io foram de todo nnarcftfca fos/i6rra. E" boa I mandan generaes qutzesse exercer" ha muito tria cabido sobre o primeira ver "o goslo de ver trab.tlhar. Emlim,
lerutaos. ,. hxe, toi mmto clara em Manten- de papel c preleiulem que as legues obedream. Pro- Sr. Vasco, j como presidente do tribunal do com- foi para todos os espectadores urna noite de pleno
aeo a nossa atlilutlepcrantc o governo orientut,eem .curamos cabos e sargentos para o commando da [ mercie, j asando do prestigio de sua autorisada no regosije. Resiando-ns em nosso nome, e de
uuenos Agres fortaleceu as nossaslisongriras reta- \phalange, quando a palrulka conservadora escolht palavra aote os seus dignos antecessores. todos os moradores de Olinda, coograiularrao-oos
c com o governo da llepubltca Ar- os cliefes mats prestigiosos. No outro proccdimen- | Cnegue-se porlanto o Sr. Va.co a razao, e faja com todos os artistas e pedir-Ibes que ames de se
gentina ; reslituio ao Brasil a repntacao perdida lo e o acose que prevalece.
de energa ; assegurou ao imperio sgmpathias que
Ijusliga aquelle conselheiro, procurando talvez a retiraren) para a provioeia da Parahyba, onde nos, Barca inglesaDorofAyideai.
passo 6 prlnripio de confian-ja para justificar repe-
lida': deslitniroes......
Nao percainos lempo com os tragos caract cos doSr. Bastinhos. Ja descrevemos o Sr. Sarai-
va................ o............ talis arbor, talis
fruclus.
O nosso fim principal apreciar os communica-
dos que fazem o olijecto da epigrapbe. Por elles
se ronheccr o quilate do talento comprimido, ae energa ; assegurou ao imperio sgmpathias que Ne-te ponto o r. Bastinhos faz um protesto ener- origen) de' sua desliluigo oos Tactos, qoe afama consta que'vio trabalhar, nos
Coniega o Sr. Bastinhos por assignater um tarto me fullavam, e que aheuaram acontecimentos em giro que parece nenia. publica aprega praticados por S. S. na provincia vez o praw de apreciannos
ja mu sbulo, a gravidade da situagao. h pena que o novo plenipotenciario nao tere a menor Os liberaes de !86i leem preteneo de viver com das AlagCas. lico.
que elle nao se lembr*se de confessa-lo seoao parte. dignidude dH acabar com honra. ''Nao querem des-' Podamos invocar oontra 0 Sr. Vasco o testomn-
depois de seus arrufas iiifanlis. Ao menos desta Lm vez de albos, o Sr. Saraiva trouxe-nos boga- cer apedrejados, tendo subido victoriosos. Nao con- nho do Sr. Tasso & Irmo, do Sr. Dr. Manuel Loo
vez o pequeo representante das Alaguas nao Ihos. Queramos reparaco.'s m Montevideo, e o senlem que os condemnem, porque se rebellam con- renco da Silveira, mas na) o Taremos, pois, romo
ganha a palma da inveacao. IW. Saraiva arranja-nos sympatbias em Buenos- tra ministros incapazes. Nao desejaoam o poder j dissemos, o nosso fim nao exporo Sr. Vaseo
t Por onde quer que es olhos se estendam, des- Ayres I ,*./ vaidade. Aspnam ao governo, porque sao os ao desar.
cem as na veos, e afretan a luz: motores que E apezar disto o Sr. Bastinhos teima em fazer nicos capazes de felicitar o paiz. Nao comprehen- Releve-nos estas poucas lfnhas em jota defesa
cr'unt altis de moriti'vts umbra: Preseutem-se as acreditar, que o cumprimcnto~da missao especial dam que. j se qunra inaugurar a ponte guardada de um amigo, que nem por e-Uar sobraacewe aoa-
trulazas de urna ooulo d Enverno que se avisl- nada dcixou a desejar, e que a nova misso una pora os seus adversarios, quando est's jazem nm luinnte, devemos deixar passar os arrancos do des-
nlia. Sumiros acauros rebeutam de recaotuS in- perfeita intilidade. \ sombras do esquccimenlo, c s tem revelado na des-
E atemdisto qur-no impingir romo frtelos es-1 groen urna qtutltiade notavel, a inlemperanca da
com gneros.
Volumes sabidos
i
com
com
aiecdas...
gneros...
um
Dcscarregam no dia 11 de novefcro
Barca ingl.-z*h>uk Um4-m*i,>.
M7
St
7 i*
------ 7
d^ anda por uina
o sei ment artis-
m espectador.
Sinislros acouros rebeutam \: recaotoS in-
visivois. O corarao dos homens stncros arfa
inquieto, e pleno-de amargores aucia o all vio da perados das taes eympatbias'a remocao dos emba
discossao. > reos da situago, o silencio do Paraguay, e a
E-te pedaciR'no, adubado com seu texto latino, distrirao da parte dos representantes europeas I
revela por si s o talento romntico do joven diplo- Que sympatbias feeundas croou-nos otiuo admi-
mi.ta, quepareee enbrinhado as novillas de Anua ravel do Sr. Saraiva I
deBadclifTe. Xuvens, luz frouxa, tristezas, nnutes Sobe de ponto a indiijnaao do Sr. Bastinhos
de inverna, sinislros agouros, recantos invisiceis, quando coiiiidera que o governo enviou o r. Pa-
san um amenloadode palavras de arripiar cabeflas, mohos pelo desejo de descantar, e desembarazar-
se a gente nao [Imitl advtuiar os motivos porque se para continuar a saborear tranquillo a sua iner- ^oes.
O eorayo do Sr. Bastinhos est arfando inquieto, c cia habitual, para matar o lempo em conferencias^ Vamos por partes,
anejando pleno de amargores. t passeos a S. Chrtttotao, pudendo desculparse O Sr. Bastinhos quer qae se aproveitem as ph-
S. *. nao traz para o assumpto resentimentes com tlizer : ha um rcsponsavcl sobre quem se utire langes novas. E' a idea Oxa do Sr. Saraiva, que
Bem despeflos.' E'elle que o diz. Assim podeste- a censura. [seguramente nutre a pretendi de commanda las,
mos nos arredita-lu .Mas o que que fez o ministerio Zocharias se- j t-ndo por ajudante de campo o Sr. Bastinhos. Um
Dos operarios da presente situacao, poneos nao isto mesmo ? Mandou o Sr. Saraiva com pin-, nome tem urna significaco, como nos ensina o la-
pJio, que o aggride.
,pa\ucia
j O Sr. Bastinhos, que nao se contenta com o des-
dan, ve as nuvens correr velozes para os horison-
, tes, escuros conclue o segundo communirado repe-
lin lo com a historia : Quando os caprichos con-
: vertem a nobre arte da poltica em um enredo de
mulheres, nao sao os partidos smeute que se es-
tragam, mas compromettem e perigam as institui-
podem, como nos, ainda que o mais 03scuro, contar nos poderes, e firou de>cansando em qnanlo o re-
tautas venturas e tanto sucresso. Fonios dos mais presentante brasileiro transmillia em Montevideo
renles, e ainda nos suppomos dos mais fcli- as impresses do seu partido,
es. Podemos ser imparcial porlanto. Agora vao perguniar ao ouvido do Sr. Zacha-
S. S. apadrinha a fabolice com a modestia. Obs- rias, ou do Sr. uias Vieira, que era como boje
curo, o mais obscuro,<\ie.m conta ldi\las venturas mini>lro dos negocios cstrangeiros... vao pergun-
e tanto suceesso, confessando-se dos mais felt- tar-lhe -sobre quem se deve atirar a censura pelo
zeslt..... idesazoda missao...
Que o Sr. Bastinhos foi um dos mais felizes da Que o procedimento (U Sr. Saraiva fol desappro-
situacao, somos capazes de jurar. Quando nao vado (ao contrario do que diz o Sr. Bastinhos) d-
bese a depoUeio de mi beijaia, bastava a dita monstra-o essa nova missao especial, enviada pelo
inapreciavel de acompanhar o Sr. Saraiva n'uinaj mesmo ministro que enviou o Sr. ,-araiva.
viagem divertida NgiSe do Prata As delicies embaixada tinha produzido seus effeitos, para
do trato hespanhol deviam ter offerecido compen-
sayao sobeja ao malUgro da missao.
O que negamos redondaoienle 6 quo o Sr. Basti-
nhos si-ja imparcial.
Observemos agora e pequeo diplomata a espo-
liar ao longe pelos mares escuros a sua luz consola-
dora. Grande tempe>tade se annuncia, e para
levar a au do estado a salvamento, elle vai servir
de pharol, deseavolendo tres quesilos.
E' necessana ama nova missao no rio da
Prata? /
E' conveniente a escolha do Sr. Paranhos?
enfo inventivo do pequeuo diplmala. E por cou-
seguinte o nome do Sr. Saraiva nao devia arris-
carse a um eclipse pela superiondade do Sr. Pa-
ranh'is para o bom resultado da misaio.
Em primefro lugar diremos que urna siloacac
nova, o por conseguinte milindiosa, priacipaluien-
te quando 6 to fecunda em erises e successos la-
mentaveis, exige antes a experiencia, a illuslraQae,
a gravidade dos fosseis, da quo a esperleza dos no-
vatos.
Depois, nao sao as votacoes das cmaras que de
Sj a, ordinario resoWem a vidaje mortedos ministerios?
que Nao conta a sitaacao urna immensa maioria na ca-
Desmentido solenme a sup-
postas suspeitas.
O afcaixo i*ajrnadt>esnarTmrhT,fnttanamaoTrnrs
sagrado dever, se deixas?em pelo presente de patea-
lear pessoa do Sr. Francisco Xavier do Andrade
e sua virtuosa consorte a Exma. Sra. D. Maria o
Lendo o Diario de Permmbuco de 1J de dozem- mais vivo reconhecunento e gratidao pelas manei-
bro, deparei cora urna correspondencia contra o ras affaveis e delicadas com que fomos tratados
benemrito e honrado cidadao Audr Cavalcanti em seu eogeohn Boa-vista, durante o periodo de
de Albuquerque, d qual pude colligir que sua quinze mezes que em sua propri^dade residimos.
Iinguagem com inaudita injaslica e inconseqnen- Cora quanto espirites malignos pr*cura.-sem indis-
cias em nada lionram seu autor, pois desde o pre- por-aos com o r. Xavier de Andrade, pbantasian-
facio ateo fim sua liogiiagem envolta em um la- do-nos terrores e phantasmas que deviam appare-
magal muito inquerente para qh>m condece do cer em nossa jornada, somos obrigados a confes-
perto como en o digno ancio cima derlarado. sar que, despresando estas insinuacoes, conhece-
Communicando alguein de Pedras de Pogo, dis- mos ter partido ludo da maldade e inveja que em
seram-me que ahi a voz publica conderaua como todos os lempos procurara morder aquelles que
autor da correspondencia ao Dr. Antonio wrftar- sao de bons sentimentos e virtudes.-Jos Xavier
dio (conhecido por Dr. Mnmbaba), promotor da Faustino Ramos Jnior. Maria liuta Xavier
villa do Pilar da provincia da Parahyba, ao que Ramos.
inteiramente oppoWme, e at mesra > duvido que ____
quem ahsou os bancos da academia injurie assim
a classe dos hachareis, lancando mo da peona e AaaCiIlla pcitoral de lcmp.
dizendo pJr% o publico, de quera est longe de me- A celebre anacahuita peitoral de Kemp, de cu-
recer attengo, cousas que s 6 dado assim dizer jas virtudes especificas tantos anuuncios appare-
um destes mole [irazer quando ergo a voz para defender a conduc-
ta illibada de um cidadao qne se acha no caso do
Sr. Andr Cavalcanti, hoje morador em Pedras de
Pogo, estabelecido com urna casa de drogas.
Este hoi!i"m rospiitavel por suas qua Mudes,
E' una composicio de vegetaes peitoraes, e nao
contera nenhura astringeuto venenoso ou mortal-
mente naeotice.
E' preparado em forma de um xarope delicioso,
e um poderoso e eflicaz remedio para irrilacao
que militou as fileirasde 1817, e depois de pas- dos pulioes, anginas, catharro, loss'e, resfiamn
sada esta crise recofheu-se ao silencio, fazendo lo, ruuquidao, affeci;oes, calharros, esc-arros de san-
mandar outro 7 I mar temporaria f Nao sao os uiinistrosesrolhidos seraPr8 Por viver. hontmeote, pois com seus gue, e todas as innumeravois molestias que afltc-
Apreiiemos agora urna tirada do ?r. Basti-. d'entre aquelles que no parlamento teem mais un- iacto8 ""repreheosiveis o tem provado : consta-me Um os orgos da respirado,
nhos : estirada, mas vale a pena rcproiazi-la poruncia entre seus cornllgionarios? A qoaliflea-' Dor ler muiIas vws observado ter elle por diver-: Cuidadosa e scienillicamente preparada por L'a-
para entrelenunento do leitor. gao de generaes depa t A malignidade explica de outro modo a via- sr. Bastinhos irroga aosseus amigos? fi'u> estonde.ndo sobre elle sua mao benvola, d-r-1 Acha-se a venda as lujas de Caors e. Barbosa
gem de um plenipotenciario intelligente ao rio da Se o partido progressisla nao tem circulo em que ramani,'> sbre estes a coasolacao de trata-ios, dis- ra da Cruz, Joo da C. Bravo 4 C. ra da Madre
Barca huWul.nthiai-t^m.
Barra irauccraHio ffriflr hifilee
Brigue portugofi Round* Brigue austraco -Anntlacm -familia !
Barca franeeza Vrosleimtn* gencree.
Brigue arguniio-.i4n/a_rtttr.|n-
Pataca hopanhola Vmjeuo dem.
Importar o.
Polaca nacional Maria Jme. entr.ida 4 ITo
Grande do Sol, consignada a Amorfa Ua au-
nifes-loii o seguinte :
8,304 arrobas de riiir.pi->, 217 tt- ie pan
em bixii:.i. 731 ditas dito m p.--, i bu
com M) ditas de dita COM, U
2 hirris coin 800 Miaba* em Mi nmura : a rO^e.
lliale nacional Invernar*!, entrado '. \
ecusigeado ao mes i re Ivti- Juaquiia Alves da -
va niaiiifcrtuu o seguinte ;
41 sacros com lili arrobas d-> cera de rarnau-
ba, 17 molhos com 4I."> iilsewe de palha Ha rar-
naoba ; a Antonio Itaymun.lo raas .1.. I
26 sacras rom 108 arrobas e IV libra alf -
dan, e 334 meios de >ola ; a Prenle Vunea.
."lOcaixas eoffl U arrobas n li li!>ras v x, la
de carnauba ; a Prifico Comes l M
30 caixas rom 2*J arrobas e 6 iibras le v
a Antoiiio da Silva L*iie.
US saceos co.n 6i arrolus de rera o> r.n:-.
ha, caixas eesi :l I arr,.|.;. ,!, \>las .1 i
ba. 3S.'t mei is de sola, 00 weaN eaaj i...
e 13 libras de aigodo, I saco rom 60 bl i
cera amarella. 20 mullios eun trl
427 counulios com cabello, i paceti
de pennas ; a ordein.
Patacho nacional Barros l, entrad) do l'.io
Granue do -ui, consignado a Mata & E~
to manilestou o st guile :
13,894 arrobas de ehari|iie, 213 ditas de sebo
em rama, l'.K) diia- degraia em buxiga i ,
c 3 netas com lli3 arronas c graxas e 60 coot.is
vaceum de refago ; aord-m.
Rccebeslorla Ue rcauan latleratas
geraes de Peraaaubara.
Rendimento do dia i a 21......... 2!'.::104*^
dem do du 22.................
que nao sejam incapazes, o
Prata; explica-a pela insnGBeieucia dos acunes se esrolham minisiros
ministros, ou do actual ministro dos negocios es-: mal vera d
Irangeiros. Na verdadej nao vivemos naquellas; pode lia ver-
pocas patriarchaes em que de um sachristao lira- j So^ asseinelham-se a caprichos de mulheres os
va-se um deputado, de um inestre-escola um mi- d.sazos que anniquilain o partido dominante, cum-
nistro, e de um bom padre um regente 1 O honra-. pre recordar que sao homeus como o Sr. Bastinhos
do Sr. ministro dos eslrangeiros poder ensinar- que catrera taes caprichos,
nos como Felinlo tentou restaurar a lingua vern-
cula, ou repetir-nos um curso fastidioso de rheto-
Que sentido tem ella para os liberaes ?
Logo no prinripio da deirmnsiracao fiea-se sa- nos como Felinto tentou restaurar a lingua verna- Se e pretende inaugurar a ponte fatal para os
bendo que o gaaioete Zacharias nao teve rasca na j Cilla, ou repetirnos um curso fastidioso de rheto- adversarios qae jazem na sombra do esquecimento,
as-sadura. 0 Sr. Saraiva foi sam bitola, mas com rica em seminarlo de provincia; mas iflustrar-nos a conclu^ao rigorosa esta uo seguinls dilnmma:
plenos poderes e p/i liberdtule para encaminhar', sobre as questoes exteriores, ter as raaos os flis Ou os proprios correhgi niarios do Sr. Bastinhos
a sua nova poltica em Montevideo. Se sahio-se ; dos altos nogocios, inspirar do seo gabinete a lin- j reconlncera qne a situacao est podre, que da par-
mal, s se pode qneixar de sua estrella. I goa e a peona dos representantes do Brasil no es- to dos sectarios della existe com elL-ito nsubordi-
Agora vejamos o qne que fez o Sr. Sarai-! trangeiro I... Se nao parece o competente, se-lo-1 na?ao e impaciencia anarchica; e a culpa recatic |
va. Teve a perspicacia de me entrar no assumpto i ha nenhum de seus pobres eollegas representantes, priin-ipalmente sobre os directores de uina tal si-
f tnbuindo suas droas e officios. Oxal que todos de eus.
ah mesmo, e para elle s um remedio ros*cm """"'dos de sentimentos iguaes. Em diver-:
r_a resignacao. : sas criSfis <" epidemia elle pode provar com aties-
lados fse quizer) o quanto se preslau e disto uun-,
ca fez ostentlo ou alarma.
Quando vejo lana injustica feita a quem a nao
merece, e combino o procedimento do lao digno
anciao, lembro-me de referir utn pensamento que
vi e aproveilei, do qual rae vou servir aqu :
Medicina.
Qae imparta qne a turba estulta
Nao te saiba comprehenler ?
Se no lodo e na materia
Hatee e morre sem viver f
m fado de bastante pezar, me faz lembrar ao
publico algnmas considerarles, que julgo uttis.
A Sra. D. Francisca Augusta de Albuquerque,
consorte do lilho do men eslimavel amigo Dr. Ma-
noel Lourengo da Silveira, moca robusta, que go-
zava da melhor sade, acaba de suecumbir quasi
de re(iente, e foi classlcada a muleslia pelo hbil
medico que a assistio, por febre perniciosa cere-
bral.
muaw
o calumniado a
,, ,, ,,. Fiqnei sorprendido quando recebi a carta de
Peco ao respeilavel publico que suspenda seu Pnn-V, mr. ,c,vi,r a n int..rrn imann rom.
restricto da misso, antes de tratar de urna questao] por assim dizer, de austro ou cinco pontos obscu tuayao : ou ento os correligionarios do Sr. Basti- juizo a respeilo, pois nao tardar que exhuberan- S^EL!?iEI h m.rHn i^.ra^h* m n
prejudicial, e que .:om elleilc veio a ser prejudt- rissirnos da carta poltica do imperio ? Nao ; a es-1 nhos sao to ineptos qne fabricara essa ponto sera teniente pros-e
cial.....para o paiz. sas paragens Invias nunca chegnu o echo remoto | consciencia do que fazem : o neste caso o pequeo | respndeme.
Essa questSo consisti em pretender o Ilustre I das nossas pendencias do Rh) da Prata. diplmala que se qneixe da plmlange e de si raes-
enviado pacificar o Eslado Oriental, em vez de Nao tomaremos as dores pelos remoques ferinos I mo, por terern escolhido raaos cabos e mes sur-
obter as reparages que exigamos, e que eram o que o Sr. Bastiuhos dirige ao gabinete, e especial-, genios, era vez de imitaren! o procedimento sensato
mente ao ministro Dias Vieira, a quem elle to do partido conservador.
mal paga a nomeago de secretario do embaixada. j Singular phenomeno I O* directores de urna si-
Todos pert-ncem situacao, e ningu-'in deve met-1 tuaco, tomaado o trabalho inglorio de fabricar
ter-se em qoeslSas e resingas de familia. urna ponte para seus adversarios, que jazem as
A pouca delicadeza cora que o infante diplomata sombras do esquecimenlo, e lera por nico mrito a
objecto restricto da misso.
Para conseguir o sea desidertum o Sr. Saraiva
fuiz nada menos que o seguate: Ohrigar o presi-
dente da repblica a crear um governo provisorio
de homens mlelligenles e moderados, enxolando os I
minislros ine)los e violentos. Deste modo Agoirre' allude ao ,-ulto venerando de Fuij. que nao devia {inlemperanca da palavra I
obtiuha w armisticio, concessoes opporlttnas,'ser regente por serum bom padre, llamis urna mea
desarmamento dos partidos, e liberdade de voto] da antii atina consagrada aos fosseis, antipathia
as eieiodes de deputados e do presidente da re-
pblica.
Eviilentemente o Sr. Saraiva com as suas visitas
larcas quiz intervir na poltica interna de Monte-
video, pan liando ali urna liga como a que se ope-
reu ne;te aventurado paiz. Nao Ihe serviim nem
Nances nem colorados, isto nem vennelhos nem
liberaes gemimos; servia-lhe agente amarella,
intelligenle e moderada.
Bem disse o Correw Mercantil, que o Sr. Sarai-
va ni levar a Montevideo as irapressoes de seu
partido I
No empenho de estender a mao aos pobres
poltltros de Montevideo, mastrar-lhrs o caminlio do
ilerer. e exercer pTfSsao sobre tiQttell'ix rnhe^-aa en-
fermas pelo odio' e feriaos aa triste seguesra do
partido, o Sr. Saraiva entrn de parceria com os
Srs. Eiizalde e Thornton. D'ahi nasceu a misso
conjunta, da i|ual lez parte o re n sentante da
Gra-Bretanha, com a qual j tinhaiuos rompido as
rea roes diplomticas!
Ainda no esirangeiro. o Sr. Saraiva nao perito o
habito de arrebauhar prestantes cyrineus. Esta-
mos porm cortos de que no raso de bom e.xiln, os
dous representantes da Inglaterra e da Repblica
Aigenlina lorian sido apenas ajudantes de or-
dens. A gloria hava de recahir smenle no Sr.
Saraiva, refleetiado um pouco na fronto do seu
pequeo secretario. ? '
o liorisonte devassado pelas vistas largas do
plenipotenciario brasileiro havia talvez um ponto
que o Sr. Bastinhos evitou descortinar aos olhos
profanos. O Sr. Saraiva quena de urna cajadada
malar dous colhos : arranjar os negocios eni Mon-
tevideo segundo as impres-oes do partido progre---
Sista, e ao uiesuio lempo ler a gloria de preparar
ou facilitar a nossa reeonciliaco cora a Inglaterra,
meri-d da complceme iBlerveneao do Sr. Thorn-
ton em negocio que mteressava particularmente
o Brasil.
O Sr. Saraiva nio homem para emprezas
facis.
O peior foi que o --r. Aguirrc nao quiz estar
pelos aatoS. E vendo o Sr. Saraiva ijueelle POi-
u/'ii-st para a extrema esquerda do partido domi-
nante, a qual vero a ser assim urna eoosa a modo
de .eiit-' vcrmtlli'i, mandn incontinenti proceder
as repi e-a has. Nao podendo obter nada pelos
VMM conciliatorios, o >r. Saraiva, ardido como ,
fez traiisieo brusca para os recursos b.-lli-
cora que o Sr. Bastinhos se lera inspirado as
ligoes edificantes do Sr. Saraiva. Mas enifim...
Feij foi liberal ; o Sr. Bastinhos tambera diz que
o Aos patriarebas da seila incumbe a correceo
paternal.
O Sr. Bartinhos, cusa do Sr. Das Vieira,
exalta n metecimento do-Sr. Paianhos que supyre
a insuficiencia do ministro.
Implcitamente o Sr. Bastinhos tambera p6e as
Pora situacoes novas, homens novos. Pois em tao
I pouco lempo ja nao se esgotou com tanta soffre-
guido, em experiencias esteris e ate nocivas, a
lista dos novatos mais aproveitaeis? O propno Sr.
Saraiva, o luceiro mais saliente dessa eonstellaf
brilhante, nao foi aproveitado para nina misso
imiiortaniissiina, e nao deu com os barros n'agua?
Nao acaba elle de rejeilar a presidencia da Babia ?
Nao foram convidados (jara o mimslerio e nao re-
' jeitaram a prebenda ( dando era seu lugar homens
: ?io!>os) algumas personagens procedentes do part-
pri este dever,
acompanhava em sua dr, e saber como tinha
aquella mocasuccumbido.e de que?D isse-me qwe
^s**^.*********** ??! tinha t.do ella urna indigesto, que tal tinha sido
a infelicidade delle e della, >ue nao tinha encontra-
do utn medico naquelle da, e que este farlo Ihe
reclnenlo do digno e benemrito cidadao Andr
Cavalcanti de Albuquerque.
amigo da terdaiie.
CORRESPONDENCIAS
grimpas o -r. Saraiva, que obron por si s, tendo do progressisla, como o Sr Oclaviano, que alias
um ministro como o Sr. Dias Vieira, que nao tns- j deposita va as suas mais caras esperanzas na joven
pira do\seu gabinete a lingoa e apenna dos repre-': plmlange? Pois o eslado ha de coostituir-se urna
sentantes do Brasil. | escola de aprendizagem sem ftoi, ajm circo de gla-
O ex-secretario fez espaldafato grande com seus ; diadores amigos que vivem era bita constante en-
cnimunicados. E" um ra|* enrgico. Cbamou I (ro si meamos, eranora vao a garra os mais caros
pobres os polticos de Montevideo, maldisse de interseos publicos 1
Afoirre e dos respectivos ministros, poz pea ra
da amargura o partido conservador, gracejou cora
as ras do padre Feij, deu de rijo no gabinete
actual, e qnabficou de ponfos obscuriosisstmos, de
paragrns invias, algumas provincias do iuiperi',
consderando-as lio atrasadas, que nao noderara
nunca ouvir o echo, ao menos amortecido, das
nossas |iendancias no Prata.
Como o despeno pe patente o espirito imoleran-
le de cortos partidarios I Qualquer motivo, peone*
nio as vetes, Ibes serve dejiretexlo para rebellar-
se contra homens que ibes davain tauta considera-
cao, immerecida talvez!
Clamava-se porque eram depreciados os filhos
das provincias. Hoje um liberal, liberaiissimo, do
norte, faz punto do censura era serein chamados
para os conselhos da cor i representantes dessas
parapens invias. Que mesquinha qnest.io de pro-
vincialismo I O caso nao 6, saber se os ministros
proceden) de paragens invias. O que convera
averiguar se eslao na altura do seu cargo.....
O porque parece inconveniente a escolha do Sr.
O Sr. Paranhos, era seu estylo nimiamente pli-
do, disse algnmas palavras Vum communicado
em resposta as profundas reflexdes do Sr. Basti-
nhos. Mas se a-nos licito observar que, n'esla qua-
dra de completo carnaval, os homens serios, res-
guardados por trai das gelosias, podera rir das
summidades carnavalescas, mas sem nunca expo-
rem-se a chocarrices, trocando com elles sua pala-
vra autortsada, que seria uina honra e um novo
incentivo para a triste celebrid.ide que preteudem
adquirir a lodo transe ceos ures da poca.
Ao protesto doSr. Joao Vasco Cabra), acerca do
cassamento de sua provisao para advoear na pro-
vincia das Alagas, inserto no Jornal do IXecife de
13 do corrente, j se respondeii pelo Diario de
l'ernambuco, de 10 do mesmo mez, e concludente-
raenle se provou quo ao Exm. presidente da rela-
jan cabia e cabo a salutar aliiiliuicao de cassar
autorisacSes dessa orden), toda vez que assim o
conven) ao bem e morali lade punlica I Na corle
Paranhos objeelo de resposta longo, qneoSr. Bis- 0 Sr. Valdelaro procede de igual moda
linlios adi para o parlamento, onde o debite ser
franco e lugo O joven diplomata promette fazer
um ctti so de nossa historia internacional contem-
pornea pira uso dos ministros.
Neste ponto arfamos e andamos, nao do plenos
amargores, que nao ha motivo para isso, mas de
desejo, desejo immoderado d-aproveitar e curso.
Explicada pelo Sr. Rastrallo", sob as inspirares do
Sr. Saraiva, a hstoria deve ser bem curiosa!
Mas sobre este ponto o Sr. Bastinhos nao tem
anda plena liberdade por causa do obstculo da
Ilhn. Sr. redactor.A respeito do coramnnicado,
que foi hoje pnblicado na ultima columna do sea
Diario de n. tli'i (de 22 do corrente raez), o abai-
xo assgnado, smente por satislaco ao respeila-
vel publico, julga dever observar e seguinte :
1., quo, se smente agora appareceu a luva, de
que falla, foi porque, scndo-lhe absolutamente ne-
cesaria cerlidv dos fados releridos na oilava pa-
gina do Diario de hentem. e tendo-a requerido lo-
go depois do concurso, smente se Ihe mandn dar
no meado do mez de novembro prximo passado.
2.a que inteiramente falso que o duelista sou-
besse, que o desaliado sahira, ouse dispuuha a
sabir para dizer as niissas do Natal.
3.*, que tambera falso que pedisse instante-
mente- mna rososla.
4." que o coinmunicante, quem quer que lor, e
absolutamente incompetente para decidir de ante-
mao qual dos dous duelistas luteranos sabir
triumphante, o se tal nao julga, tome sua parte
no inesino duello (debaixo da assignatura de seu
nome), e convenca o respeilavel publico por raeio
do seu tnumpho, que alpuina razio leve para sa-
bir, quanto sabio, dos limites da prudencia, civili-
dade, sizudez e circumspecQao, no primeiro e ter-
ceiro periodos do seu incivil (-ommunicado.
Dr. Lourenco Trigo de Loureiro.
Consiliario provincial
Rendimento do dia 1 a 21......... 97 '
dem do dia 22................ 3.W.>'.'7!
1i .

E2T1E3.
Attenco.
ahalava o espirito, e fazia crer, que, se ella fesse
soccorrida logo, talvez nao sucenmbisse ; disse-lhe
eu : V. porque nao foi a um boticario ortico
para Ihe ensinar o qae devia fazer, nao v que a
primeira rousa que o medico receitou foi um pur-
gante de oleo de ricino, e que tira purgante de oleo
de ricino ou de citralo de magnesia nunca cen
corren para o mal de ninguem, vi-to qne V. nao
tinha alguma pessoa era casa, que Ihe ensinasse o
qne^devia fazer.
Quantas vezes urna mai de familia, ou urna pes-
soa qualquer, que tenha a devida ortica, salva um
doente por sen saliere experiencia.
Eu poderia explicar raudos lacios desta ordem
cora pessoas de minha casa o al comigo, mas pa-
ra nao me turnar prolilo o nao faro, limitando-mc
a explicar o que iulgo de mais utilidade. A urli-
ca e experiencia me tem feito convencer, de que
as febres e outros ataques que accommettem de
repente, os medicamentos, quo se devem nppUonr,
sao aquelles que ajudam os esforcos da naturezi;
e (|ii(> n>< mndanfs das csia^Oes, se e-la vendo
senipre os accommettimentos de molestias, quer na
primavera, no verao, outono, e mesmo no invern,
e os faclos de laineutar-se todos os das se e-i.io
succedendo, porque no principio de urna mole.-tia
nao se sonbe atalhar devidanienie. Nao se e.-t
vendo todos os das que febres, que accommettem,
e que n-io apresentam louo mo signal, o deleito,
i o despreso do lugar a que appareca a dissolucao
podre do sangue, que d'ahi resudara as febres de
mo carcter.
Nao quero com isto dizer, que, logo qne alguem
se sinta.areommeltido de qualquer molestia, que
se sangre, use de vomitorios, purgantes violentos,
e appbque-se visieatonos : nao? Nao quero que se
perturbe a natureza; masque,Roaccomraeltim'.>nlo,
qualquer que seja, se uze dos remedios, que os jul-
go inofensivos, o que reclamo: ninguem dir
que era qualquer febre nao se possa usar de nm
prgame de limonada gasoza de cdraclo -de mag-
nesia.
Eu explico o que tenho praticado nesses casos,
e que me tenho dado mudo bemmando, que to-
me uma garrafa de citralo de magnesia as chica
E, pois, temos necessidade de recorrer ainda
imprensa, pela ultima vez, para contrariar a ma-
ligna e aUeivosa asserco, de que se servio o dito
Sr Vasco, a vaneando que o a'-to, alias ju>to emo-
ralisadr.de sua destitmeo. tora filho do despedo
e vinganca do Exm. Sr. conselheiro Firmino pelo
motivo de se ter elle pago da comminaco de 20 u
por rento a que: se ohr.gara o dito Sr conselheiro Q conCr^u ser mmi
ao.ncurah.-lo da cobranca de dividas, que aqu ^Q(.0 UnJo apeIlas no Ul?a
comprava 1
O Exm. Sr. conselheiro Firmino Antflnio de Son-
eos. Um porque de artilhana. dous balallioes dequestfn pendente, embora esta considerarlo nao o za por s>u carcter elevado e conducta todos os
mfmiara regular, e outros l'iutns carpos de infan-
tado da guarda nacional seriom bastantes para
que diante da nossa bandeira se abrissem de par
em par as portas de ttontevido.
Mas o nosso governo enlendeu que nao devia
escalar por ora. Inie ira t
As velleidades do Sr. Saraiva, ninguem dir que
sejam c.onlorines a um espirito eminentemente li-
beral, nem ts reclamarSes que nos leem merecido
as violeucias do goveruo ingiez. Intervir nos ne-
gocios domsticos de um paiz estrangeiro, Impar
a demisso de ura ministerio e nomeacao de outro,
chamar para esta empreza o representante de um
goveruo cora quem e>iamos desaviados, e no flra
ie tttdo ordenar represalias, porque o chefe orien-
tal nao quiz aceitar imposicoes sobre o rgimen
peculiar do estado I...
E note-se que as represalias, novo germen de
detive-se as revelacSes que fez, to ineonvenien- respeitos dlstiocta, esta tan cima de insinoacSes e
tes nao s para elle proprio c para o chefe da era alleivosias dessa ordem, que s por amor ao publi-
baizada, como para a questao pendente-----Seo co deseemos a contestar, sobre esse ponto, o men-
Joao Mauricio Wanderley abaixo assignado,mo-
rador no eugenho Pedia de Amolar do termo de
Seriuhem, pelo presente previne em peral ao res-
peilavel publico, e era particular a qualquer pes-
soa a quera iuieressar possa, que ninguem tran-
sija ou faca negocio algum cora o Sr. Francisco I ras, ou urna das ptalas purgativas de veame, el
Simoes da Silva Mafra. morador na freguezia dos: cima de.-ta, um copo d'agua cora assncar e o suc-
Afovados, acerca de uma nota promissona de co de meio limo grande e maduro en de um seo-
i:626* passado em 3 de julho de 1859, a favor pequeo, e se ooospaco do dia nao laer o ef-
de Sautiago & Innao, vencida em 23 de julho de feito purgativo e odesembaracaniento das ourinas.
1860; por quanto essa letra falca, visto como mando tomar segunda do mesura modo; pillla, e
sendo pausada smenle da quantia de 1265foi fal- limonada, e as otes al t.rceira. A noite mando
cilicada accrescentando-se-lhe 1:5005, fazendo-se meter os ps era agua quente na oscasio do aga-
6 e autepondo 1 ao 6, assim falsiticado, para salho, e dar ama chicara de cha de flor de sabugo
a nota assignada era tambera quemo cora assucar, e se nao sentir me-
?ar competente em le- Ihorar da dor de caneca, qne quasi setnpre acom-
tra de algarisrao a cifra 1265, da qual ames do paoha esses ataques, unselbo que applique sana-
venciraeoto pagou o abaixo assignado 1005, flean- pismo na barriga das peritas; nao tenho em lem-
|do sa dever 265, do qae tem testemuahas que. branca que com este methodo tirasse mo resolta-
Sr. Saraiva nao encommendou b serraao, ha de Pi-
car nimiamey.te incomraodado ..
Por agora o joven diplomata. de pescocinho teso,
COnlenta-seem lomar contas ao Sr. Paranhos; por
ter antes favorecido no Uio da Piala a causa dos
parti'los, cuja influencia contraria agora o pensa-
mento ila nossa poltica, em vez de alentar as espe-
luncas dos liberaes das duas repblicas vtsi-
nhas.
Al ha pouco pareca o nasso empenho favo-
recer no estado oriental odominio dos blancos con-
tra os colorados, a quera aidamos em 185 e
cionado Sr. Vasco, que r.erlamente tanto ousoa,
supt'oodo assim adquirir mais celebridades I
E' falso e falsissimo que o Exm. -r. conselheiro
tenha jamis comprado divida..; sendo que desa-
fiamos ao dito Sr. Vasco para que exhiba, sob pena
de falsario e calumniador, o nome de qualquer ce-
dente, do quera por parle do memo conselheiro
tivesse em lempo algum recebidu dividas/
E' verdade que o Sr. Vasco, quando se anplicra
a cobrar dividas, fol enrarregado pelo dito conse-
lheiro de receber, mediante a citada coraniis-So,
do finado commandante superior do Penedo Ma-
noel Antonio, a importancia de ura debito, nao
abandonarnos era 1852 a 1858. Hoje volvemos as
ideas de 1851; ainda que sinceramente desejemosl comprado ou negociado aqui, mas debito proveien-
praticada a poltica de nao intervencao nos neg-1 te de seus negocios e haveres, quando residente
diffl.-uldados/esto excitando recla.naces por par- fio domsticos nos paues visinhos, ntw,md^m.s no Penedo; e havendo depois incumbid ao mes-
te dos ministros eslrangeiros residentes na Repu-: 's*"''lar V'*0* *?" agradarel o restabelecimcn- rao Vasco, que para isso se ofTereceu ofciosamen-
bliea, que talvez venha a proper-nos alguraa re-1l0 S? *? co'0,a'tos t-stado Oriental.
Anida esta vez o Sr. Saraiva, pela bocea peque-
a de seu secretario, revela o empenho de favore-
cer um partido em ierra estranha, para alentar as
esperanzas dos liberaes das repblicas visinhas.
te, de receber, mas nao de cobrar judicialmente,
urna nutra Importancia da mo do coronel Bittan-
rourth, do Penedo, eflectivamente recebeu, ha cinco
annos, 66I5OOO, com que se lirn desde enlao, pa-
i ra s agora restituir, nao os 6GI50O0, mas soraen-
couvenco I
E o irefego Sr. Bastinhos, j no quarlel da sa-
de, e inspirado pelo genio bellicoso de seu precep-
tor est impaciente por saber noticias de que as E aS!,firi r(.baixa-se nina questao internacional ao te 5025, pois que tanto lleou liquido da quantia de
balas estao sibiiando as ras de Montevideo, e o j nvl de uina luta de partidos, com todo seu corte- 5165 depositada pelo dito Vasco na thesuuraria
general brasileiro encanado na casa do governo. iJ0 e inconvenientes I i das Alagas I
Nem smente a impaciencia que o peque- j o Sr. Bastinhos quera que o governo imperial, | Se quera assim procede e abu no diplmala manilesta. Birrento e colrico, como ^ bandeira hasteada pelo redactor do Correa outrem, dove exercer a nobre e distincta nroti-so
infante que s.tTreu paraca, grita contra n tnrrcii Mercantil, perseverasse no proposito de escolher ho de advogar, diga-o o hora senso publico, ma-o a
com que se andan emprear soldados, tanca o des- men!l nwos para situac5l,s mvns, Nao obstante, o propria consciencia do Sr. Vasco I
falque de miin-co** nos arsenaes a coate do par-. Sr. Basiinhos con:entava-se cora o Sr. viscomto de E se bem que esse fado s por si fosse incenti-
tido conservador qoe deixou todos os srmeos pa- Abael, que nao novo, mas que tera perfume de vo bastante para mover o dito Sr. conselbeir- a
Mieos em liqmdaeao arada nao concluida pelo gentileza e suave gravidade; e com o Sr. Zac.ha- tomar essa providencia, nao o fizera, porquanlo,
progresso, cuino resa a cartilha do Sr. Ottoni : e ts, qne, mo sendo novo, tem talento vigoroso. como presidente que era do tribunal do commercio,
inaimente clama contra o rgimen do papel e4esi-\ Mas nao : ministros liberaes commeiiem o gran- nunca Ihe cassou, como podia, as autora-oes cora
de peceado de mandar ura coramissario tem o be-
neplcito de seus amigos, representados pelo Sr.
que lequeria no juizo comraercial; e assim pode-
mos afflrmar-llie que consideraroes de mitra or-
dio habitual se nao mcapactdade de estadistas
nnalphabelos que compromettem as nossas mais
graves questoes.
E depois de arranhar assim sem piedade o gabi-
nete Fuado, o Sr. Bastinhos revela nos a inten-'s^'rfo/jMftfwoe monopolio dos ronhecinuntns etra- se nao liraitou pessoa do Sr. Vasco, que nao p
cao do Sr.Saraiva com a entrada do exercito bra- \dicprs por amor do obscurantismo! Do razao ao de ignorar que Igual providencia foi tomada acer-
Bastiuhos, na ausencia do Sr. Saraiva. Ministros dem acluaram no espirito de S. Exc. para toma-la;
em teuipo sero producidas, sendo que nessa oc-
casiao disse-lhe o Sr. Leopoldino Jos Filippe San-
tiago, era desculpa de Ihe nao entregar a nota,que
a letra se tinha perdido e passou-lhe um recibo por
coula, e de ento por dianle nunca mais cobrou e
era respondeu as cartas, cm que o abaixo assig-
nado Ihe pedia a predita nota, at que era 1862
quiz ver se o lograva mandando por mais de uma
pessoa solicitar reforma, ao que nao se prestou o
abaixo a-si/nado em face da velhacada com elle
praticada, convindo notar que at o dito auno de
1862,nao exista ses-o ou pertence algum na re-
ferida nula, como se provara epportumente; en-
tretanto que agora apparece um pertence fraudu-
lento, e aun datado de agosto de 1860 ; o que de-
monstra que o Sr. Mafra nao alheio a tratanti-
ce de seu genro Leopoldino, contra quem protesta
o abaixo assignado usar civil e criminalmente dos
direitos, que Ihe permille a le; nao s para nao
si-r victima dessas falsidades, como tambem para
do, e ninguem dir que este tralamenlo possa ser
nocivo em nenhum caso.
No principio de uma febre, indigpstao, 011 mo-
lestia desta ordem, a natureza geraimenie solicita
evacuar por vmitos, ou por baixo; e se se jala
pelos meios correspondentes, contribuir muito
moderar a violencia da enfermidade: e por esta
razao que a experiencia rae tem convencido, que
uma, 011 duas plalas purgativas de veame, e em
cima agua, assucar e limo, se pode usar sem ne-
nhum risco, e a noite o cha de flor de sabugo, e o
mais como explicado tenho, n.io usando smente
das limonadas de citrato d> magnesia e as garapas
com liinio, as mulheres quando estao regradas, fa-
zendo tudo, mas s com a snspencao destes dous
artigos, e smente com as pillas, e agua e assu
oar.
Se no estado de sade algumas pessis, qne tem
usado das pilulas purgativas de veame, se tem da-
do bem na dse de mei.. pilula na occasiaj da co-
que sejam punidos os criminosos. E para qae do ; mida, e oulros uma, para regularisar a digestao,
exposto chegue a noticia a todos, e as repartieses
do sello se acauteleni para nao sellar sem a com-
petente nralidaco, o tal pertence falso e anli da-
tado, uma vez que j delle usou, sem sello o Sr.
Mafra para chamar o abaixo assignado a juizo se
faz este annunrfo.
Pedra de Amolar 21 dedezpmbro de '861.
Joao Mauricio Wanderley.
Theatro de Olinda
Domingo 18 do corrente levou o Sr. Lessa em
seu beneficio no theatro desta cidade o drama
Modesta, representado por alguns artistas do thea-
tro de Sania Isab I. Foi uma noite de completo
prazer, a que livemos a salislacao de assistir, por-
que alera de o drama ser uma coroa de louro para
o seu amor o Sr. Santos Lima, foi lao bem desem-
liheraes prestam-se a manter em cer lo ramo do e tanto fui ella dictada pelo hera do servicn, que peonado, que os applausos parliam espontneos e
geraes dos expectadores. O Sr. Pontes mostreo ser
um artista do ment, e a Sra D. Maria Pontes
nada deixou a desejar, e j to conhecido o sea
artstico lrabalbn, que seria loucura era nos o fal-
lar nelle. O Sr. Barges trahaihou prfidamente na
parle de Luciano : mostrou o quanto um artista
ple subir quando mitre siooero desejo de gloria.
A Sra. Bernardina, a joven ing-nua que tantos ap-
ca de um nutro Sr. advogado, na Anadia, dames-
ma provincia.
E, pois, perguntamos : seria tambem por di-s-
peito e vingangaa deslituieo dese outro advo-
gado ?
Nao, Sr. Vasco, Ih'o afllrmamos; vista como o
siteiro em tfontefMa : Flores orgonisar a ad- Constitucional contra o Correio Mercantil ; va
minietracao provisoria ate que em marco a nova buscar entre os adversarios do governo o nome do
a'Simota escolha o nov ministerio Nessa poca seu delegado.setn lembrar-.se de que um uome tem
urna misso especial alcancnm as medidas e repa- umosigmficaeo, como ensina a grammalica.
tacies solicitadas do actual governo. E o Sr. Bastinhos receja cora razao que este.
E l vai Agulrre pelos ares I E' o que quera o absurdo conslttua o enredo e o desfetlio da comedia
8r. Saraiva 1 Transmdtir as impressdes do seu poltica que se esi representando I j Exm. Sr. conselheiro i'rraiuo, no que diz respeito plausos mereceu 00 Santa Isabel, colle mais uina
panno em Montevideo, derrotando alli oque eslava A causa de tudo isto c o a-tual gabinete, que, aucumprim"nb> dos seus deveres, nunca se desli- flor para sua coroa de artista. Os Srs. Lssa e Jor-
no poder, e dando o batao a Flore*, que se revol- magna spes altera Roma, surgi attonilo, desconhe- sou um > apiee da senda da lei : nunca por con- ge j de nos conhedidos, tambera foram applaudi-
tara contra o governo legal. Bella misso, de cer- cido, vaallantej descreve a passos largos a curca sideragao de affeico ou desaffeicao foi levado a dos era seus trabamos. Finalisou o diverlimento
to, para um representante liberal ou pr gressista para o occidente, porque fa'la-thea confianca nos piaib-ar actos menos dignos de si I Onnssofllo a bella e chis osa comedia do Sr. Abran, bes. O
que vai apenas entender se rom um governo reco- proprlai forcas, t a Ierra he foge debaixo dos nfio de modo algum augmentar ador ao af- conde de Paragara, que foi mu lo
como nao se usar no estado de molestia? Nin-
guem poder negar, que aquellas Baturras, que
nao cursam, e nao tem asourinas deserah tragadas
regularmente, vao bem, por que isto, nao s es-
quema e inflama o sangue ; mas os escrementos
deudos mudo tempo'no corpo se fazem acres e po-
dres, de que se seguem ms consequenrias; por
isso mui conveniente usar-se de meia ou uma
pilula purgativa de veame, ainda mesmo no meio
da comida; pois a sua com,-osigo tal, que nada
tem que possa enjoar 011 encoinmodar o estomago.
Mesmo peta econoinia san ellas preferives a oulras
pillas purgativas que ahi se vendem, porque uma
faz o mesmo effeilo qae Ires ou qualrs das ontras;
e fcilmente sao ellas divididas. Nao impede que
se tome em cima, principalmente no calor, gara-
pas de tamarindos, de limo, de maraenj, e que
se nze das fructas, que aestagao do lempo nos tem
proporcionado, e dos bandos quer tepidos, quer
fros e geraes.
Jos da Rocha Paranhos.
COMMERCIO.
Alfandega
Rendimentododial a21........ 666:6^5708
dem do dia 22................ 43:8655616
710.125321
nhecido, aiim de obier reparagdes I
Ps.
.Hovltnenlo da alfandega
ifltcto, expondo o Sr. Vasco a aior desar mas hendido, ereprseuwdo por todos magesiralmeote, I Yol ornes entrados com faxendas... 234
liara corapre-
0 Dr. Trislo de Abracar Araripe, otficul di m
perial ordem da Rosa, juiz de diredo tJpttttU do
commercio desta cidade do Rerife de Peraam
buco e sen termo por S. M. I. e Eonstifurioaal i
Sr. I). Pedro II a quem eus guarde ele.
Fago saber aos que o prsenle edi al viresa
delle noticia iiven-in, que Antonio jo.- Paul-, de
Carvalho por seu advogado me dirigi a petigo de
theor seguinte :
Illin. Sr. br. juiz do commercio.Diz Antonio
Jos Paula de Earvalho, que quer faz^r rilar a sea
devedor Manoel Soares de M< ura, para os termos
de uma argo sumarla, pela qual Ihe pretende pe
dir o pagamento da quantia de l'-'.'JiVM r-. qae
Ihe devedor, e por que o snppbcado M arhr aa-
sent em lugar nao sal.i lo, r-'quer que ju-tinVaaa
a ausencia, se passem editaes para por e.-ie *ew
se effectuar a citaco, visto ja eslaren rsg. laati
os meios conciliatorios, pena de revrlia peste a
V. S. que distribuida esta ihe diCra na funn. ra
querida. Espera n-celier mt-n i:Sooza Katgel
Segundo o qoe cima se cooimlia en dtia
cao, na qual dei o desparte) do theor seguinte: jus
tiflque a ausencia no dia 12dn corrente m-i '
da audiencia. Recite, 10 de ana mbro de l?*4.
Alencar Araripe.
Segundo o que cima se rontinha em dtn des
pacho | or furga do qual f..j f-.-ita a di-ird un;* do
e.Mi-ivo desli-' men juizo, Manoel (fe 'arva'h- I
de Andrade ; e ,.r nluiimlu o tmojmthttnmU m
lemunhas que il. poseram coavanteanrainaa arraa
da ausencia do >uppheado Manad ><.jr. .).- &>u-
ra. o respectivo escrivo faieade >- II u
os autos me os fez coartase*, n>>s qua>.> d-1 t pro-
feri a sentenga do Iheur e(uinie
llei por jii-lilicada a au-inci.i -lo
se mostrou acbar un lunar lae rte, ptkt njm maa-
do ipie se(a citado por edito* de M ..fine
requerido a foteas duas. RraV, 17 de dV-Z'-atacc
de I86i.Tristo |g Alenrar Ar.inpe.
Segundo o que cima se conl.nha em dita sea-
teiiga depois da qual-e ir.osira que o re>peeiivi
escrivao Manuel de CarvjMu Par- m Atol
este subscreveu e f. z passar o pre-ente ejiui rom
o praso de ;I0 dias, pelo qual e -i-n th->ur chama,
cita e hei por citado ao meuriuo;..! sapa tead
seute, para que compareea ante i |smm attaBM>
doe provando tudo quanto for a b--m d-
lo e justiga sob pena de r->r. li i. p,,rl..:
qualquer pes-.oa, prenle, amigo (.;i rnnle ,
mencionad.-. iatmead i aaMate, poder-lbe-ha fcuer
scii'iite de lodo o eapendido.
E para qn riiegue ao .onh.virvenro i
mandei fazer o presente rdtfs-J cora o avaas t -**)
dia, que ser aflixa publicado pela iuiprensa.
Dado c passadn unta ridade do T.
nambuco, aos 20 .le d.-7.-ml.ro de 186*.Fu M
Boei de Carvalho Paes de Andrad-, esrrivoe saa-
screvi.
Tnslio sValInaav Araripe.
Pea nspecg.o da alf iaaajja se faz puldwc
que no dia 2i do corren.- SMC, a i hora ita lar*
a |.i rte da mesan repartir a, -o bao de arr- mal ir
lina de direito, ao atraananate, aaaa aanaa mar-
ca W. nmeros I -.'. vm-ta do Porto u barra
porloguem S. Manoel II, entrada em #>-ie met;
coiitndo broto 2)!'.) Iibr de marmatrnta rm lat<-
avaliadas pela tarifa era i.'.9&;:.i r.-i- :
caixas foram aband madas natal UWmWtM Margues
Barros Jj i;, aos r.s|.ectivos rtir.-ito-,
't.' seceo da alfandega de IVrnarebur 22 de
detembr de 1864.
O 3 en rq lor ano,
J. do> S. Porto.
DECLA11C0ES.
Pela thesonraria provincial se faz pnhlieo
qa* eonotirs.)para iire-nchun-nto da vaca le
segando escriplon. da nasaa tie-oanri.i innnn
ciado para o dia 26 do corrente, n-a e-parado ja-
ra o dia 16 de jamuro prximo vind..nro, em C"-
sequencia do balango da mes mi thesonraria qne
lera principio naquelle dia.
Secretaria da r.ie>ourarii provincial de Peraasa-
buco 17 de dezembro de 186*.
O secretario,
A. P. d'Annunrigo.
A companhia de cavallaria preersa rontraiar
o forncrimento dos (eneros abaixo de>cnplo-, para
o 1* semestre de 1865.
Para o rancho.
Assucar refinado, arroz, azeiie dore, baratea.),
carne verde, dita serra, rafe moiife. f.-rinha. feij.>>,
tenha em arias, man tuga, pao de 6 oogas. loat-
nho, verduras e vinagre.
Para f irragem.
Capim de planta, saina, freb> e mei, teno la-
dos estes gneros de boa qaali-Mde.
As [iropnslas devem ser entnf ne a 24 da enr-
rente al ao meio oa, na secretaria da mrma
companhia.
Qnartel no Campo das Prinreza 20 de dezeasava
de 1864.O capitn commandante,
Manoel Perlino de Castro Araujo
Insppcco i arseaal di* > naba.
Faz-se publico que a eommio de pent-r ca-
minando, na forma det.r.niada no reguiameio
annezo ao decreto n. 1324 de 5 de fevereiro da
1854, o casen, machina, tal-frira, apparemn, w>a-
tracn, veame, amarras r an- oras do vapor Fer-
sinunga da companhia Pernambnraaa > navera-
cao cstei ra, actiou lodos estes objvetos em regu-
lar estado.
ln<|iecrao do arsenal de martnha de W i n nja
co 20 de dezembro de 1864.
M. A. Barbosa de Almeida.


Diarlo de PtrMw*bu$9 *cxa felr 2$ de Dezcmbro t 1334.
Crrelo.
Pela admioistraeao do crrelo desta cidade se
faz publico que era rtrtudo di convengo postal,
celebrada pelos governos brasitoiro e francez, se-
ro expedidas malas para Europa no dia 30 do
correle pelo vapor francez Esltemadure. As car-
tas serio recebidas at 3 horas antes da que for sate* desl< aono-
marcada para a aluda do vapor ; e os jornaes ato
de, urna pret de nacao perfeita quitandeira, um
cabriolei quasiievo eum cavado para sella.
- Conleira itnoe* ro^a i todos seas coinmi-
temes e amigo*, que tem contas a receber e a pa-
gar que hajam de virem satisfazer e receber tuas
Sociedade recreativa
Terpsichorer
Por ordem do Sr. presidente desta sociedade
iaiporlaariar visto querer fechar todas as irn- onvido os seBhores socios a reiw+rem-ie hoj* (43;
m assembta geral, pelas 6 1|2 horas da tarde, j
aflin de tratar-se da mudanza da mesma para a'
casa onde funecioneu o Club Commerciai.
LEIL40
DK
M. D. de Figuoiredo
1 secretario.
, O ^r. Joaquim Marques Santiago rogado de
UtW lOJl (le CMWUWSybWtmhotel italiano a negocio de seu inleresse.
4 horas antes.
Administraran do correio de Pernambuco 20 de
dezembro do 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Arremataco.
A sociedade de matanca de"gado para o consn- Antonio Mpnteiro da Cunha far leilo com an- Est por alugar seuin segundo andar ua rna
mo desta cidade, sob a firma do Llbanio Candrdo torisacio de seus credores, por intervencao do i A huas Verdes, e um priraeiro na ra do Kosa-
Ribeiro & C, Tara no dia 28 do crreme ao meio preposto Martins, das fazendas e armacao existen- no da Boa-Vista : quem pretender dirija-so a ra
dia arrematado dos faios das retes que diarla- tes em sua toja da rua estreita do Rosario n. 16, '>* Cruies n. 9, de manhaa ale as lu oras, ea
mente matarem, e tambem dos comeres e maia a qual se acha em excedente localidade, o balance '
pnennos que sari explicado na nccasiao da arre- pode ser examinado em rio do mesmo Mariins.
Diatacao, a qual lera lugar ua ruada Gloria, casa MOJE
s 11 horas do dia.
do socio Denlo dos Santos Ramos.
JRfitffifHfPf Trastes, relajos, objectos de raro etc.
ArlrU'U'U* Amaahaa sextarfeira 23 do correrte.
GRANDE E VA'hDO ESPECT- 53~arma/.em ra da Cadeia do Recife53
CULO.
Principiaro as 7 hu ara em poni
Gymnastica acrobtica*
Sa libado, e domingo.
Onde irao trabalhos escolhidos e bem executa-
dos, o qual a cimpanhia se esforzara para satisfa-
zer o publico, constando do homein raio, a cadeira
aeria, corda lesa, saltos mortaes no arco do fofo
Trapesio aerio, a sempre applaudida Cefamna
Gracioria constando do fogo elctrico eouir!
bem exeoutados trabalhos.
Bilhetes para homein e senhora a 1-5.
Para meninos a 500 rs.
Os billieles acbam-so venda no lugar do eos-
uuie.
**------ ....
MISOS MARTIMOS.
OLYMPIO
O =r. Theophilo Oroxioho da Cunha Souto
Haior queira aparecer na ra estreila do Rosario
a negocio que nao ignora._________
Aluga-se a casa terrea da roa de Hurtas n.
74 : a tratar na ra larga do Rosario n. 36, de-
posito._____________________________________i
Anda pedimos providencias.
Os moradrvs da ra larga do Rosario anda
respetosamente pedem ao lilm. r. Dr. chefe de
far leilodos objeetos acuna e outrus minios que
esta rao ao exarae, as 10 horas lera principio.
LILAO
DE
HOJE
Martins far leilo do urna mobilia de faia ,
a ida e de mais alguns movis e adornos de casa, ft ser,do mater-lius, e lendo os a sou todo,
loporautorisacaode urna pessoa que vende enwgonhem das_*uaspropms_ac5M:Uni-
GASA DA FOBTIM
AOS 101000,000
Hllhetes garantidos
A' rna do Crespa n. 23 e cagas do costme
O alai 10 signado vendeu nos seus muito Mr*
tes bilheies garantidos da lotera, que se acabou v^
de extrahir a benellcio da matriz da Boa-Vista,
os se^'uiutes premios:
Um quarto o. 1796 com a sorlo de*6.0005000
l))i- quartos n. 24H8 com a surte de I :iO_W0.
Um quarto n. 2S0i com a sorle de 5003000.
E outras muitas surtes de 2005,100;, 40 e 20
Os p'issuidore podem vlr receber seus respec-
tivos premios sem os descorito* das leis na Gasa
da Fortuna ra do Crespo n. 13.
Acham-se a venda os da ultima parte da de-
eiraa e primeira da dcima primeira lotera a be-
neficio da matriz da It ia-Visia, que te extrahir
no da 21 do crreme.
Presos.
Bilhetes inteiros..... 12,3000
Meios......... 62000
Quartos........ 33000
Para as pessoas que comprarem
de 100^ para cima.
Baeles....... ti 000
Meios........ 55500
Quartos......, 25750
Manoel Martins Fiuza
Salsa parrilha de Ayer
PARA A CURA DA
Diano, sobre os escndalos impdicos que as mi- negocio do scuinteresse.
chelas de rerto lupanar de dita ra, praticain
vista das familias honestas ; tendo estas que terem
los Antonio Gomes Jnior vai mandar para
o preloum novo syslema de escripturaco mercan-
as suas janellas ^Wtetoiwnrtwrtqae U| d ,;,, eAniJlrMh\0 cada con-
os adolescentes Pandan _^wS ta o u,lit e crdito em -onta crrenle, e coma
J! ^_t^JS___P-%__;<-a_i_ deten.,,, (letras 0.1 outros ttulos com venci-
COMPANHIA BB_vSILEIIlA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do sul espe
at o dia 30 do crreme un:
vapores da companhia o qual de-
pois da demora do costume
por precisarn : na ra da Gadeia armazem n. 48,
evta-feira -4, 11 horas em ponto.___________
LE1LA0
DK
^-4
&.-- *-t*ji*fjgm gUr_ para os portos do nort
Desde ja recebem-se passageiros e engaja 11
carga que o vapor poder conduzir, a qual dev a
ser embarcada no dia de sua chegada: eni M
Terga feira 27 do corrente.
O agenle Pestaa far leiliio por conta e risco
': quem prtencer de urna escrava negra, moga,
q ie i'osinha, engomma e lava, um negro de norae
' .as o um negro oioqo pro^rio (iara todo o ser-
j : terca-feira 27 (Ti corrente pelas 11 horas da
: uhaa no largo do Corpo Santo.
zoramos DOnca lancar raaoda penna para chamar-
mos a atteii^o da polica para os actos indeceotes
i distas, infelizes raulheres ; mas se nos vendarmos
i os olhos a tantos escndalos de elirienata libido, e
!os bonens que teem a seu cargo o rgimen das
i leis do paiz nao providencirem estes abusos, en-
tre pouco tompo sero as meretrizes a vergonlia
das disiincta ramilias que ornam esta segunda
veueza.Os amigos do recalo^________^______
mendas e dinheiro a frete aleo diada sabida
horas, agencia ra da Gruz n. 1, escriplon 1
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & G.
^MPAHIAT PERNAMBCNA"
DK
Navcga^io costeira a vapor
Macei e escalas,
No dia 30 do corrente se'
nm dos vapores da companh!
ra os pertos cima indicados '
horas da tarde. Recebe car il
__lo dia 29. Encommcndas,
geiros e dimieiro a frete at 2 horas
dia da sahida : escriplorio no
o. 1.
AVISOS DITO-SOS.
Irm-jndade dos Passos da Recife.
Em nome da mesa regedora convido aos nossos de qualquer numero de arroba, libra e oneas.
ment _XO, a pagar oa receber); a eaixa demons-
tra o dinheiro em ser, e as lelras que 0 commer-
eiaolo tem a pagar 011 receber, por dinheiro toma-
do 011 dado a juro, empreslimo ou comjira de titu-
lo":, e finalmente o balance geral demonstra o saldo
por liquidar e por que ttulos, qur a debito qur
a crdito, e de cada cunta por si, e em totalidade,
e qual o saldo feita a sublracco.
Gonlm mais esta obra urna taboa com nmeros
fixos, pelos quaes condecido 0 prego de urna arro-
ba (seja elle qual for) de qualquer genero, por
una simples multiplicarlo se conheee o impone
irmaos a comparecer na matriz do Corpo Santo
no dia 23 do corrente, ao meio dia, para a posse
da nova mesa.O escrivo,
Jos da Cunha.
__ A! 1- a casa terrea com com mu. los, na
ra de Santa t'hereza n. 24 : a fallar na cainboa
do ('.armo n. 8.______________________
__ Precisase de 1305 sobre peniiores de prata :
O padre Flix Barreto de Vasconeellos tem quem os liver anntincie._________ ________
i\ rio um curso particular de latim durante as 1 pju dia i) de dezembrodn 1864 logio de casa
ferias, em sua casa na ra do Imperador n. 35, \e sensenhor o escravo Herculano, pardo escuro,
nt-iro andar, somente para a ciaste dos senho-. m 35 annos, alto, cabellos carapinhos, olhos e
estudantes provectos qne se quizerem prepa-1 orelhas pequeas, tem apenas bigode e pera, per-
ni para fazerem seus exames em marco do anno!na; e andar de quehra-mangue, tendo o p esquer-
dooro. do torto e sabido para fra como pata de sen, *
Subscreve-se a 25 por volunte, brochnra, pagos
na occasiao da entrega, na loja de livros dos Srs.
Guimarae.s Oliveira, rna do Imperador, e em
casa do autor (las 4 6 horas da tarde) ra do
Uestino n. 3.
Os senhores que antes de subscrever quizerem
examinar dita taina, caixa e balanco, alim de co-
nhecerem a utilidade da referida obra, diram-se
a casa do autor era qualquer dia, das 4 as 6 oras
-la tarde.
m\ EH CAIIIWfil.
Alupa-si" iima.caa or mu! trr rellimle solo sita no Car nanga .Lfr.mti- 1 mar-
JbwiyKf Flt1 1JJ-L.-*. nl1" l'ueU ''' lra!" "* f" d" '-rc-,o |..p ._
diade A Reto.
v todas as Rioles.ia
provcuietes dela
OTIipt-l
todas as molestias da
pelle
^eherjsipfllas, lanerrs, nlcfras,
sarnas,
nascidas, eni]iiugens, -
REUMATISMO
si Pifiis
em todas as siias formas, asiin como lodo
o mal que provena do oso excessivo do
MERCURIO
l'leeraeo do ligado
e em sumina lodos os males que lena sua
erigena na
IMPUREZA DO SANGUE
um alterante poderoso para a
RENOVACO DO SANGUE
e para dar nova forra c vigor ao corpo j
enfraqueeido pela doenra.
Vende-se na ra Direila ns. i- e 7S e
Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmacla franceza de
P.MAURER & C.
____________RA NOVA W. 18.__________
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo A C
Agentes do Banco Unan do Porto.
Coapeleatemeoie aatortsad >s sacam por todo
paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, e para as seguales agencias.
Londres sobre Baah o London.
Frederic S. Ballin & C.
Joao Gabe A Filho.
Francisco Bahoba Jaime Meric.
Crediio ci 1 Gonzalo Segoria.
1 M. Perera Y. Hijos.
EM I'UHTLT.AL.
------;-----------.-------1 _^. : por isso puxa aiguma cousa pela perna i|
CirUTffiaO Leal mUdOU anda, levou vesiMo calca branca remendad.
Fone do sua residencia da ra do
COMPANHI1 PERNAMBUGANA
Xavegaeo costeara a t-
Aracaly em direitura.
\:
mangunpr. commandanle
no da 24 do corrente s 5
da tarde. Recebe carga al
__F_t; encommendas, passa;
dinheiro a frete al as 2 huras do dia da s.
escrlptorio no Forte do Mallos n. 1.
iieimado para a ra das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
neiro andar, por cima do
e
quando
\ e ca-
misa branca, levando chapeo de palha, conduzio
igualmente toda roupa que pos-ue, su|ipoe-so an-
dar aqni mesmo pela cidade: quem o pesar leve-o
a raa Direita b. 54, que ser generosamenle re-
eem pensado.
_ Previne-se aSra. Maria Joaquina de Oliveira
Campos que nao pague a ordem sacada, pela Sra.
B. Maria Joaquina de Jess, a avor de Joaqmm
t-mazem Progressista, aon- SSWnSSS. w,ia r
Io molestias
2o
3o
de-Oliveira Naves, a qual se
ras
i
3 o acharao como sempre
prompto a qualquer hora pa-
gu
sencaminhou do poder do mesmo
corrente.
hontem 22.ilo
oopanhia _____'" exercicio de sua pro-
de 5sao, cb amado por escripia ?c novo: a tratar n
I9._^UKTBS A VAPI -Adverte-seaoSr. Feliciano Joaquina '
JL fcJRffSliSm e.Agohr. que a sua asignatura deste
por Pavana, commandaote .?- Diario esta por pagar desde oatubro do
lEpitao de trapata Sama Barbara, -c anna passado, e que o proprietario da loja
i ourives da ra larga do Rosario n. 40,
Alujra-se urna casa terrea nos Arrombados,
com commodos para grande familia, com 2 salas,
4 quartos, cozmha grande, perto do ri i, com iia-
ilheiro novo, a casa foi reedificada e esl piulada
no armazem do Sr. Aunes de-
do
K-cjfl____^'loaI depois da demora
THSB reeb^se^aSiSelros e engai e_ declara lo que nao se responsabilisa,
carjia que o vapor poder conduzir, a qual d i .orlant-j S. S. qneira mandar satisiazer nes-
ser'eniliarcada no dia de sua chegada, encon i i [a tvpograplia.
tS ?SSSMStA SSufc -OSrjLTdeSouza Serrano tem umTaTta
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Precisa-se de um hom cozinheiro, um copel-
ro e um criado para um estabelecimenlo publico :
na ra do Trapicho n. ti. ________________
reiue.
Sorvele de creme hoja ao meio dia : na ra do
Trapiche n. 18. __________________________
Ama de leite
ta lypographia.
' Na ruada Cadeia do Recife, n. i2 lerceiro an-
dar, ha urna boa ama, sem cria, chegada ha pou-.
eos das do mato.
Para o Para pretende seguir em pouco?
o palhabote Dotis Amigo ; para pnuca carga
ihe falta, trata se com os seus consignatarios An
tonio Luiz le Oliveira Azevedo & G, no sen J-
criptorio ra da Cruz n. i.________________
-ura o Rio de Janea
pretende seguir com muita brevidade o brigu es-
cuna Nao Sei, lem parle do seu carrega
pr mi iio : para o reslo que Ihe falla e osera
frele, para os quaes tem excellenles como
irata-se cem os seus consignatarios Antonio
de Oliveira Azevodo i C.,'no seu escriplon
da Cruz n. 1.
'JE&R.
mmmw

Para Lisboa
Babia
O veleiro e bem contiendo brigue pnrt
Conrricao de Marta, capillo Januario Jos di "i
veira, pretende seguir com milita brevidade.
parte de seu carregamenlo promplo; para o
que Ihe falta Irata-se com os seus consigna is
Amonio Luiz de Oliveira Azevedo & G, no s
eriptorio ra da Cruzji. 1. ____________
Para a
Pretende seguir com brevidade a ramaca .
tenria, tem parte de sen carregamenlo pr
para o resto que lh falla trata-se com os seu*
con signatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
<5 C, no seu escritorio ra da Cruz n. 1.
Rio de Janeiro
Segu no dia 2.'i do corrente o brigue Cattri i
recebe escravos a frete, o qual trala-se na i
Trapiche n. 4.
j ttua Mona n 34
loseph Pradines, eutileiro, tem a honra
de prevenir as pessoas que tem qualquer
1 concert ou amolacao em iiiiios delleque
venhain OS buscar ate o lim de Janeiro,
es que Qcarem dessa data sero vendidos
' ,* para pagamento dos meamos, nao se at-
-' lendendo a reciainacio alguma passado
esse prazo.
Approveita essa occasiao para avisar
ao respeitavel publico, que elle tem para
vender os afladores de sua invenco, pe-
los quaes obleve um privilegio de 15 an-
nos a sua superiondade sobre todos os
| que appareceram at boje desobre-mo-
- do provado pela extraeco que elles tem
no Rio de Janeiro, aoude sao muito apre-
ciados.
\
Ellni. r. Veota-ratada.
Nao exacto que eu vendesse carne, em Una,
Idilio por arroba : o que certo que sua
mac, compra por qualro e vende por tres, e ga-
nba ciuco ; mas era por isso paga integralmente
aquello quecomiira;do forma que os seus eredores
levara continuados calotes. Mo posto, espera-se
que o Sr. Venla-ratadu cuide mais no seu nego-
cio que na vida os seus visinhos.
O Frederico.
O Dr. Cosme de S Pereira conti- H
na a residir na ra da Cruz n. 53, SS
Io e 2o andar, onde pode ser procu- j|g
rado para o exereicio de sua profis- B
sao medica, e com especialidade g
sobre a seguinte
de olhos;
de peito:
dos orgaos geniti
urinarios. ffi
Em seu escriptorio os doentes se- c
rao examinarlos na ordem de suas 9
entradas comejando o trabalho pelos ^
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d s|^[
6 as 10 da manhaa, menos nos do- j9j
mingos.
Praticar toda e qualquer opera- 9
Cao que julgar conveniente para o jlg
prompto restabelecimento dos seus M
H doentes. lii
yte MMMWi W MM W '?% :i
Precisa se le u u canolfO >le 14 a 18 anuos
paraarmizena de m)iha-lo3 rom n-aliea ou sem
ella: a (r.it.ir na ra- >li Imperador n. 81.
A'o.'i-s> un casa junio da do Sr. commen-
dador Joao Pinto do Leraos, na ra de S. Pedro
Apostle em Onnd >. propria para os baulios sal-
gados : ni m.ido li:i amanenlo n. I'.
Esta ain la para alupar nina casa ua ilha de
Benihca junio a ponte da Passagem, com rninmo-
S dos para familia, banlio, pintada, o pelo barato
lalugoel de 130.5 por anno : na ra larga do Bo-
sarlo n. 3G se dir quem aluga._______________
Relira se dosta provincia Tii-unaz Boom e
sua mulher l>. Rwa Ebom, e snasduas filhas me-
nores I-ab'l e Maria, quem tiver contas com elle
P i era procralo para receber ou pagar, em sua
casa no largo do Corpo Santo n. 21 ou na ra do
Imperador n. 28.
Th. Kabom.'.'I. R. 18.-.
Cas-
taris
Hainburgo
Barcellona
Madrid
Cdiz
Sevilha
Valencia
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
BarcoJlos.
Bastos.
Beja.
Braga.
Braganca.
Faro.
Oliveira d'Aze-
meis.
Penafiel.
Tavira.
Villa do Conde.
Villa Real de Vizeu.
S. Antonio. Faial.
No'lMFKRIO.
Bahia. Maranhao.
liio de Janeiro. Para.
Qualquer somma prazo ou vista.podndologo
os saques prazo serem descontados no mesmo
Banco a razo de 4 or cenlo ao anno : a tratar
na raa da Cruz ji. 1._________________________p
Atienen o.
Mr. Noel F.yvaui, tendo vindo de Pars pelo pa-
quete francez Bstremadnrt cnegado em 13 do cor-
rente, troaie nm rico sortiment de rendas de cro-
xcom imitacao velecianas: pode r procurado
no hotel italiano na roa do Tr.inichpn. 'i.________
0 Sr. Antonio Gomes de Alocua lem tuna
carta vinda de Lisboa : n ra da Cadeia, escrip-
torio n. 47.
81 aeg-ros _iarltl_ios e fer-
rcstreu estabeleelda mo
Itlo de Janeiro.
AflCTU em PirsAsurr.,)
Aileiii Lnii dr Oliveira AiruJe k C,
mM compelenlemcule autorisa-.
\\ loria da conipanbia de sf.nri > F,dftu_-
Sde, tomam seguros de navi *, mrrido-
rias e predios no seu escriptorio ra da
Gruz n .1.
mmmwmmmmmm
Precisa-se de urna .--enliora lui.mi_U.
rfenos, a cnsinar bem prtuii ira.- I Ira-, trisr.
de msica e piano, r lraha!h<<- de ..gnlfca. mmr
qneira ir para a com; .m'm da orna tamil, me-
rail.ra n'um engenho prximo a un
da estrada de ferro, RKrtMSW tre- mancas : ra-
rantindo-se Iralamrnlo e paya runvrnirBtrs :
traiar na ra do Trapir,,* n. 13.
Precisa-te alujar nina preta nue >ai|.a row-
nhar e engomioax : na ra da Palca m. 41, ta-
berna.______________________
L'm rapaz brasileiro n> praitra ir ra>i*?r
!offerere-se para ser empregado nn luja de Lie*
j das. escriptorio. ou miro qnl^tirr r>iaheirri>rj
| lo, dando fiador a sua conduca : ipn ni vrertf^r,
i procure na lainca da iravrssa lo Cartea t,
caes do llamos.
Aluga-se uiii sobrado em 9M (maro, rBi
don* viveiros para peixe, baixa para ra|m. r- algum arvoredo : a traiar aa ra larga is R --
rio n. 10.____________ ___
Ainda est para ressa do Remedio na fregaran M M .:*W"- a.
21 : quem o pretender, uinja-.-e a raa d- S. Fraa-
cisco. sobrado n. 10.
Na praga da Irepeaawana. jp >!: raanaj
n. 33, compram->eobras de oare e i rala, ^r^M
preciosas, as.-im eonosa faz ajaatajacr 'bra v rs-
coininenda, e lodo e qualquer c*m-rr>.
Lia roa eslreia do llosa.-i a. 34
(Angra Terceira.
Caminba.
Caslelk) Branco.
Chaves.
Coimbra.
Covilhaa.
Bisas,
Extremos.
Evra.
Fafe.
Pinhal.
Porto-alegre.
Thomar.
Villa Nova
Portimao.
do
Figueira.
Guarda.
QoimarSas.
Lagoa.
Lagos.
La mego.
l.eiria,
Mon^o.
Moncorva.
Regoa.
Seinbal.
Viauna do
tollo.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
Urna boa casa terrea para familia
el poralugar-se h ra da l'nion.
39 : quem pretender dirja-se ra
a Aurora n. 10. Tambem almram-
se ns lojas n. 44, rna da Aurora
~ Precisa-se alugar nm ou doas pretos panto
servico de reQnacao : na rna do Rangel n. 43.
Advocado Afonso de Allm
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer hora ; aas sesb -
oirs, porm, na villa do Ot>.

- O Dr. Camlini Praaiisre de Lima 5an
tos.contina a re-jdir aaraada
redor n. 17.2o indar, onde po.e >r pn-
curado a (piab uer lera do da .'. .'.-
para o cxi'i.ic.o de -ua pr ii--..o de me-
dico ; sendo i ue ai chamad'-s, drpms a
meio dia al j 4 horas da lardr, t n
deixados por rseripto. o re
nao abandi>i indo nunca o rsaaaa da*
molestias de iaUrior, pn
maior afnco. no das mais dilire: e deli-
cadas opcr.'-'oes. rvmo si-pm ; ._ -
ourinarios.dos ulho.-, parlas, ele.
i
i
m
i
m
-i
I
m
Publlcaco Iliteraria.
Sabio luz o psenlo intitulado
v lic::rd.idf:
NO
Est occulta.
Precisa-sede ama ama forra ou captiva i>ara
: casa de punca familia, que saiba cozinhar : na
ra da Praia n. 9.
Rogi-se ao Sr. Mariano Lopes Rodrigues pie
se digna declarar sua residencia para Ihe ser en-
tregue urna carta. ____
Maranhao
Para o Maranhao segu o Oaribahh em i ;
dias, tem parte da carga prompla : a tratai ;oai
Trfsso Irraao.
LEILOES.
Aos 8:0005000.
Sexta-feira 30 do carrate mez, se ex-
trahir a primeira parte da primeira lotera Retratos em porcelana
(122a) a beneiieio do hospital Pedro 11, pa- Retratos em porcelana
ra canalisac3o d'agoa e gaz, no consistorio Retralos em porcelana
da igreja de Nossa Senhora do Rosario da
fregucia de Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos estao a ven-
la na respectiva thesouraria rna do
Crespo n. 15.
Os premios
ero pagos urna hora depois da extraeco Est prompto e ensaiado
..t s 4 horas da tarde, e os outros no dia Est prompto a nsa'ado
egninte depois da distribuigodas listas.
As .encommendas sero guardadas so-
liente al a noite da vespera da extraeco
como de costomo.
O thesonreiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza
A pessoa que lem occulta em casa a prela Bu-
fina, queira entrega-la quanto aules a seu senhor
do outrano lera de soltrer as penas que a lei
marca para quem tem escravos escondidos;______
Consultorio medico-chirurgiee na ra larga do Ro-
ODr.loaoFerreTraVa'sifvl'regressandosua! Oniayicojesuta qm, Calcando aos
casa, contina em o exereicio de sua protisso, pes as leis da Honra e do honeslo, procura
'. nao s na parle medica como tambem na
gica.
ATTE^i
a
a
C
B rr n
-1 -i 7. ^j
T7i / . -- M
/- - _^, P -1 P
* O O
p J O-Ou Bi CP
O 5 c d CA CA 9 n -i P _-O-
I o
= 2 2=-
l 5 3
3 > <,
rt a -
\0V0 SISTEMA
Betratos em porcelana
Retratos em porcelana
S conhecido na America
S conhecido na America
S sonhecido na America
s conhecido na America
S conhecido oa America
de 6:0O0;JO00 at 100000 Esl prompto e ensaiado
DE
Tina taberna sita na C a purga ria lias Traspassa-se o arrendamento do enge-
Peroambucanas, primeira (ia es- \ho Sani'Apna, meente e corrente, com boa
quina. afra errada, perto do embarque meta h-
BIl U;| e mu't0 Pert0 ^a ^"a ''e Serinhem :
O agente Pestaa "" ptada ;, S P3? ^e Pretenferem ..rijar.-se 6
procurador do ausente Jos da Silva; Saoi i. iua iJiretia b,^_____________________
leilo por conta e risco de quera pertenr r dps __ Alug-SC a 10?000 mensaes a
(meros,arraacao e mais ulenciliosVexisJen'.is na
Est prompto e ensaiado
Est prompto e ensaiado
Para servir ao respeitavel publico
Para servir ao respeitavel publico
Para servir ao respeitavel publico
Para servir ao respeitavel publico
Para servir ao respeitavel publico
icana ra do Imperador.
chirur-.desaereditar-me com annunrios lio vis co-
ima o individuo donde partem. publicados
no a Diario de Pernambuco, sabe perfeita-1
mente a minha casa, e quando quizer pa-
gar o que se me deve por litlos tao sa-;
'grados, e cuja taita de pagamento me temj
causado tantos desgoslos e torturas, achar-j
me-ha prompto a receber, qualquer qii3
seja a moeda em que o remorso o obrigue '
ao pagamento. Recife 40 de dezembio de
1804.Basiliano de Magalhes Caslro.
0 Sr. morador da ra Nova que se
acha a dever 6 quarteis de assignatnns des-
te Diario, queira mandaras pagar pois
assim como elle gesta de receber a paga de
seus servicos deve atlend-r a d)S ou-
tros, principalmente o do Diario em que
trabalham mais de 60 pessoas.
casa
No armazem de fazendas ka-
ratas de Santos Coelho,
RHa doQueimddo l. 19.
Vende-se o seguate:
Altencao u
Ricas lazinhas, faxenda a inelhor q tem rie-
gosto como ai nuaSoa-
t^^^^^i^raT^v^^^^l 'erre n. 263 da ra Imperial, concertad, do ao mercado, tacto em .
muito propria para qualquer principiante por t;r caiada e pintada, propria para estabeleCV de, pelo baratissimo precode 560 rs. eevade.
poicos undos : ter logar o leilSo no dia exta- ,uent de eftCO e meradia: a ratr OH "* ni*fls earineww, proprias para TeeU-
refra 23 do corrente pelas 12 horas da raadu ua rua fo CretpO 0. 15, das i0 horas dp ffjt
mesma taberna.
LEIiaiO
DK
as 4 da tarde.
dos de meninas v camisiahas a 64C o eevade.
Cortes de laa com IS covados, pelo barato prect
de.
JaQua-se a casa terrea n. 2G da iaOO' ^^rtas de chita da India a 250 t.3*.
mubj" .P
Iprte, estando bem concertada, catada e p de cambraa de forro com I lia vara*
" 3*200.
caiada e
i .Hitada a 185 mensaes : a tratar na rua do
Movis. eserat. cabriorels, cav.iltus,
arroces, piaaw, jaias de ouro as 4 durde. COfXt6 ^ a l0m bar* Maa pta
? (tros 'nuitOS arligOS dr ------- AttCa0i | I8fecas de PIatas de algodao cem 10 vara*,
*StO. A ? ?T proprias para sal a 4#.
HOJE A,"*a-.S8 a nn assobradada n. 36, sita na rna Aign(1rl0 enfesiado com 7 Ii2 palmas da largnaa
CordeiroSimoesfar leilo por conta e risco i ***.V W*rt'ftf> **"!!" ^A*! a 15100 rs. a vara.
es, por quem sempre esleve ocenpada
na rua do Mondego, ciara n. 13.
a tratar
de quem periencer, ao correr do mariello. para
ei-har contv. de venda, de tod^s os objectos ei s-
tfntes no armaiem da rua da Cadeia do Recife r. Alll^l-^P
4S, os quaes serao vendidos pelo maior preo. _t.iu^a li
Na mesma ocoasrao vender em leile urna pr- [ a casa terrea da rua da Matriz da Boa-Vista n. 12:
de v.o sem habilidades, ura preto de meia ida-1 a traiar oa rua da Madre de Dos n. 16.
Estelra darndla, pmpria para Ibrro de sala de
4, 8, e 6 palmos de largnra, por menos prego de
que em outa qualquer parte.
Nesie eslabelecimento tambem aa encontrara
um grande sorlimcoto do roupas feilas, e por me-
dida.
Precisa-se de urna ama para casa d fami-
lia de duas pessoas : no paleo do Tergo n. 27, pri-
raeiro andar.
Estrada de ferro do Recife a
Sao Francisco.
Por esta superintendencia dar-se-ha urna
graliicnco de 100J a qu^ra descobrir o
au'nr do roubo de algumas saccas com al
godaoetc, feito noarraizem da estacao das
Cinco Pontas na noite de 20 para 21 do
crrente.
Assignado Ricardo Austin,
Superintendente interino
Js. Lehmann relira se da provincia.______
A luga-se
o lerceiro an-lar da casa da rua Direila n. 30, o
qual lem commodos para grande familia : a tratar
no segundo andar da mesma casa, ou no Recife na
rua da Cadeia n. 3.
mmmmm wmwm JHmh
M Simnes soin-c Portugal. g|
w O abaixo a'signado, autorisado pelo g
m Banco Mercantil Portneuse. e na ausencia
g| do Sr. Joaquim da Silva Caslro, saca ef-
K lectivamente por todos o paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Por.o, e mais Inga-
I res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso ; podendo, o que tomarem
W&t saques a praso,receberem osta, no mes*
Hj mo Banco, descontando 4 OjO ao auno: na
loja de chapos da roa do Crtjpo n. 6, ou
81 na rua do Imperador n. 63, segundo an-
1(1 dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
mh www m
Dividendo.
Hassa fallida dft Amorim. Fragoso, San-
tos & C.
Os administradores eslo autorisados a papar o
Precisa-se de nma ama para servigo de pou-
ca familia ; na rua Nova n. 11.
Io dividendo de cinco por remo, devendo porm
realisar se do dia 2 de Janeiro prximo em diante,
em virtude de ordem 00 111ro. Sr. Dr. juiz especial
do commenio. O pagamento ser feito de meio
dia as 2 horas da tarde, no escriptorio da rua do
Vicario n. 21, primero andar.
"HHHMHT
Aos senhores pais de familia.
O padre Flix Barreto de Vas-
concellos, com aula particular de la-
tim na rua do Imperador n. 35, 1.
andar, contina a receber alumnos
de todas as classes, durante c de-
pois das ferias. Tambem est dis-
poste a abrir um curso de primei-
ras lellras e de francez, logo que
naja numero sulciente de alumnos
para cada urna destas materias, e
assim tarabem a receber como in^ f
temos alguns menino,de cuja edu- \x
ca?o o quizerem encarregar. Os \
pagamentos sero por trimestres
adiantados, e os procos declarados
pessoalmente na occasiao do ajuste
para a entrada do alumno.
_ag___N
POR
Affonso dr Alln;-i:ci ''ir .'.' ''
Coaridam-se osassigmntts tma4 -i r
seus eaawplaiM na praca ila laiiprilarii i. t
e 8, que aerio entregue* a v-ia das rertfcws !
signataras; alo aibem ests r\;
3#B00 cada um. Si> sob os -as
materias de que se orcopa :
Inlroducran.Xof ida liberdaV. f) B
lonia.Revoluta d 1^17A lad pearfmi A
consliluinl"Acin-t;liin;i.i A r-'*.'1 m
A expulsao ou abdicaro. ArapJruria ii.r. 1#
partido regressista.Ameara i'.< i rorrai I >- ipie-
da dos livres. A regencia t
males da ri-L.-n^ia hvre. I:
maioridade. Prtaripi do r. i
Revolta de Minas s.paulo.-Daa I
Litzi.i.O dominio liberal n i ii
cundas.Felos do dominio lilcral. I
chorrosenatoria. A remlla e a r>-v.. ih. <>
1848 A constituate.-A ronsUM tnm
da revoluco. N-'gori.ico *V li-n-tm. res aa iibe-
raes :traidores.Venda da bandeara ila roae-
tiluinle. O partido liberal duran!.- m *Bt*\wm sa-
nos do chamado oslracisni".-'-
liberaos duranle osqiiator/>- KM.-Caprivetrn re-
signado e voluntario dos Mina duraeJr m lorze annos.0 povo cominda. I H i rirHtur e
os sabios.A situario profiriameat : ln
Itilucoos livres, e direiius poiiiic.is ,|:i uvease
at o liiil da regencia livre, coque i-lnalio. i>
I temos rin lucar di lies.Os re|i-i-.hi.i:' i
Sao e das provincias.Mlnarao ailioin.-ir.iia.
i que sao nella oa ParUfaam. I
no obrigado a corromper o paiz a base tkm
sempre maior mal.Come se mnlipli i > i ra
a clientella do (overno para -u-t i.;.i-
riocorcunda.-0 pria'uii-ul.ii peeeaea tara-
marca. Dos cargos, do- rrimes e da >.X
instiga.Juizes muiripae*.Juiws <-
Tribunaes.Os das IMaces.Triaj '^ia-
mercio.Supremo Tribunal eJaMf n pn
Os advocados.CoeKlnsaa. Garaaaia :
A moral publi-a.Do rrimfs r!. i. '--
C.orollario da obra sa pian-iiia. -O i i a-
rtia. Situagao para com e eManar. Si'
liuanecira.-As liuaiigas do i-sudo.- A t_n*tav
Perigo e salvamento dos corrun las. A :
Como se conjrregam os elemento para :;.. i
sideracoes reirospeclivas. A cons'.nir.if. Pr. -\-
ros antecedentes.-Conciliagio e oii-i
mentar.Monta a l?a.O que lia .- ibrraes aa
liga.Que bem farao n mwtn ."^> r."-7 -> prn-
gresso.Seus feitos.O qne <' o 11
far.Como se deve viver n<;a ton >---h*j:aaa
ao progresso.Porque o projiresso a -m <<-
pleiar nos.-as despracas e sea maja rrmmm Sa
ha salvaran para nos qual seria > nvio r r*m b-
cil. Resumo. A's cinco aruafaeta | nas. Hi>torico e polilira turunda rv qnr pro-
vena miseria. Como se corrompe na I,-- m .A
restrigao da llberdade apar do pregresso di mano-
ral idade.Cnrollario.
Precisa se de um caiviro para Uberni. dan-
do liador a sua conducta na rna dt Waar a.
2. Na mesma aluga-se urna escrava qne laa i
engomma.
Na padari-i da rua do EUngrl pr.vi-. in
nm BBJM de masseira, da-se-lhc bou ***.' >
agradando. ____
Alie' cao
Aluga-se a casa assobradada n. 36, sita na rna
da Aleria, rouilo propria para os senhores estu-
dantes. por quem sempre esleve oceupada : a ira- j (-Ja&a de eil ili'iDJl.
tar na rua do Mondego, plana u. 13.__________Jeronyrao Pereira Villar transfeno o seu eslaa
_ A^Dessoa que tera levado da esUgaodo Di-' belecimeolo do instruegao primaria o secundan- Antonio Anlunes Lobo dolara ao pnUie a
beirao os Diarios do Sr. lenenle-roronel Zeferino para a rua larga do Ro>ario, sobrado de dous an- com especialidad a t corpo VelUsodaSilveira, do psente anno, qneira raan- daresn. 22 ; e participa nao s aos Illms. senho-
dar satisfaier soa importancia, alias se annuncia- res, pais de seus alumnos, como ao respeitavel
rao seu nome, para ser conhecido como recebe-, publico, que as aulas estarSo abenas no dia 8 de
dor do alucio contra a vontade de seudoao. Janeiro do anno viadouro de 1865',
iMi
ktunco.
Chamamos x alientan do Sr. asea', d.) IU.%e p*-
ra pie lanco suas vi-lai a rua Ai Torr
ninguera da e noite eaaar totoV na W_rW riw.
porque deitam das varandas. rert nn^a'1
agna soja, e as vetes oonoa podre, que inmmaM-
da a rertos visinhos que junio merair.__________
Aluya se a cs>a a cobrada la a. M mu na
rna da Palma, a entra casa terrea na praui d
Caldeireiro n. :7 : a tratar na prara da I.!.-. u
dniria a. 32^___________________________ _
Arrenda-se a mata da praprKilade Apit hmk
nos dias 27, 28 e W do tur ruto, pH_ h. r.- -a
tarde, na ca
dor, major JoSo Francisco to llego aia. and r-
derao ver ns pretndanles as r.mdi. 4a mr-na
arrematarlo -n qoab|uer dia.
cidade, que O 8r Antonio Jos* de irivrira I
deixou de ser sen eiixciro e emarrefad ^
reucia da sua loja de muid* da ro 0*r_'-
mado n. 73, deid* o da i d-! dezeiubro do mi.
IvlUTiLADO
-
.


Diario e l-ertaambaeo ... Sexta letra 83 ale Dezembro de i 884.
XAHQPE DEPURATIVO
IjK
BROMO-SULPHO-IODURD
P
Este novo producto multado de urna trplice combinado de tres metalloides cujas proprie-
dadessao mu. conhec.das o Bromo,oEuxofreeo lodo, oceupa hoje a primeira ordem de
entre todos os depurativos dos quacs 6 o mais poderoso
As experiencias dos mdicos mais nolaveis Jos hospitacs de Paris, os senhores Cazenave,
Puche Daz.n, Dlache, Gmbout, Baroschct, Danel, Legroux, Vassc c Aubrv, etc., demonstraran
sua poderosa cfticacia as al.ecvdes seguientes:
DENTISTA DE PARS
19Raa Nava-49
Frederico Gautier, cirurgio dentist i,
faz todas as operagoes de sua arte, e enl-
loca dentes artificiaos, tudo com superio-
ridade e perfeigo, que as pessoas enten-
didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos denuncio.
i
Dornca de pcllc
nnrtrun r boibulbua de toda capele,
Plura* inucoaan,
ObHtrureea I j luphndcOA,
Paprlru,
K-< roliilu,
Abcc*o, po..lcnin.N,
Cnncroa,
DI cera,
Tinaa,
Exroi buto.
Plan ou Huilln, (do Brazil},
I rainbof.1,
Humerea i lux,
Rui IiIiUiiiii.
Opliihalmiu i'HrrofuIoaa e chronlra.
Tnica escrofulosa,
Afi-rcra Mjphlllllraa,
ElepbanllaMia doa Grcyoa,
E todas as doencas oi-casionadas por nm vicio do
sangue, e j tratadas sem neuhum successo pelas
preparares vegetaes, iodadas e o oleo de ligado
de bacalbo.
com
crianzas
superior neste emprego ao oleo de ligado de bacalho e aos xardpes depurativos e anti-escor-
buticos que se administravo at agora.
Deposito geral, cm Pars, na botica Boullay, membro da Academia imperial de Medicina de
Paris, olficial da Legio de Honra, e em todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
Precisa-se alugar um sobrado de um
andar 8 soto que tenha comtnodos para
familia, no bairro de Santo \ntonio ; a tra-
tar na travessa do Vigario n. 1, escriptorio,
priiueiro andar.
XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
Doulor da Faculdadede Seiencias, membro da Academia imperial de Medicina,
Oficial da Legio de Honra,
Ra dos Fosss-Montmartre, 17, Paris.
Este xarpc composto mais de vinte anuos pelo sabio lente Boullay, constitue a melhor
mancira de administrar o Ether. He empregado com successo cm todas as doencas que tirao sua
origem de um crilhisnio nervoso, como sao as:
Enxaqucea,
Netralitlua,
E|inanioa,
Attaqnra de ervos,
Vei-ilgcn,
Syncopea,
Cnlnibi-o. de estomago,
IitrilucHtes,
Conviilacs,
AcceHKOs hjatcrleos e hypo-
condrlacoa.
Clicas Ycnloans 0U nervo-
sas, hepticas flatulrntas,
Accessos de gota e de rheu-
matlanio.
Canoa de cnvenenleniento,
etc., etc., etc.
Deposito geral, cm Pars, na botica de Boullay, doulor em Seiencias, membro iperial de Medicina de Caris, oficial da Legio de Honra, ra des Fosss-J
un pe
cm todas as boticas de Franca e dos paizes csrangeiros.
-Montmartre, 17, c
Joo da Silva Ramos, medico pela ni
versdade de Coimbra, d consultas era
sua casa das 9 as 11 horas da raanhaa, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isse designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serio soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procuraren) no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manha.
Tem sea casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodes apropriados e nella pra-
jWS tica qualquer operagao erurgiea.
Para a casa de sade.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 23500
Terceira dita.... 2,5000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianza de que sem-
pre tem gozado.
Alugam-se baratas urnas mei-sguas na estra-
da dos portos da traveseadas Barreiras do bairro
da Boa-Vista : a tratar na ra do Cotovello nu-
mero 23.
= Compra-se urna vacca qne tenha bom e abun-
daateleite: na ra do Crespo n. 15, oa em Api-
pucos, na casa junto a do Sr. Jos Alfonso.______I
Compra.se urna prela de uieia idade que co-1
znhe bem o diario de urna casa : na ra Direita I
numero 17. |
Comprara se ese-ratos que irvaui para ser-
vigo de campo : na ra Direita n. 3. (
Comprase um baleo de amarillo que tenha !
voltaj na.rna do Cotovello n. I, taberna._______I
No caes de Apollo n. 34 comprase um es-
cravo que jeja bom boleejro, moco e boa conduc-1
ta, e urna escrava que emenda bem de cozinha e
ensahoado, pois se pagar bem eseu mereclmento.
Compra-se urna taberna com psneos fundos
sendo em bom lugar to bairro do Santo Antonio,
que esteja bem afreguezada para a trra : qo6m
liver e quizer fazer negocio, annuneie.
4:000^000
Compra-se urna casa terrea cojo valor nao ex
ceda de 4:0005000. Na ra da Concordia n. 71
junto ao aobrado do Sr. Manoel Firmino.
YENDAS.
Romance.
Vende-se na prava da Independencia li- e 25-
vraria ns. 6 e 8, o romance Martim o en-
NOVO IIIVAL
LOJA DE MIUDEZAS FINAS
16Ba do Uueimado16
Enfeiles de cab-ca.
Bonitos enfeites com lagos I#80.
Ditos ditos com lagos e vidrilhos 15600.
Dilos ditos cora lacos e frocos 25.
Ditos ditos enfeitados com frocos oa frente
23300.
Ditos ditos ditos rom cascarrilha 23 e 33.
Ditos ditos feilio de chafozlnho 43-
Dilos dilos enfeitados e flor na frente 55.
Ditos ditos ricamente enfeitados de (lores part
bailes e calamentos 83-
Bonitas canellas para meninas e noivosa 13.
13300, 23 e 45-
Bonitos rhapozinhos ricamente enfeitados para
baptisados 43 e 33-
Bonitas touquinhas de hloode de seda enfeitadas
para baptisado 15600 e 23.
Sapatinhos de selim para baptizado 23.
Ditos de merino bordado idem idem 13600 e 23.
Hiquissimas grvalas de poma bordada para se-
nhora 13.
Ditas ditas com lagos feitos idem l-80, I5&0'J
t
i 0\SKLIIO
DE
v
se-
Luvas de Jouvin enfeitadas para bailes e casa-
| geitado ou Memorias de um escudeiro, obra l"*i52S 'ditas sem enfeites 23.
do distinelo escriptor Eugene Sue, autor'
das melhores obras conbecidas, pelo dimi-
nuto prego de 25500 por 4 voluntes em
broxur.
ASTHIWA ASTHMA ASTHMA
SUFFOCgAO NERVOSA E 0PPRESSA0
nico remedio elicaz para combntlir estas molestias, acalmar umattaque d'asma e impedir a
volta o Xarpc aromtico Succino [mbar ai.iarcllo) do Dr Danet. boscoberia inleiramente
recente, este novo |>roducto se tem propagado com extrema rapidez gravas aos admiraveis resul-
tados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, ra do Comercio, Paris-Grencfle, e era todas as
boticas de Franca e do estrangeiro.
Deposito geral em Pernambuco ra da Cruz n. ti Jem casa de Caros & Barbosa.
Para a festa.
Alugase um sitio na ra do Cabral da ci-
dade de Olinda, com casa terrea, com co-
piar na frente, bota os fundos para a estra-
' da e margem do rfo Beberibe, com com-
tnodos para familia, estribara para cavallo
e capim para sustenta-los, arvoredos de
fructos, sem visinbo defronte nem pelo
. fun lo, com ptimos passeios, sala e gabi-
1 nete na frente, muito prnpria para passar a
; festa, e lambetn se aluyar por aiino : a fal-
car no Recife, na vraria n. 6e8 da praca
da Independencia, e em Olinda na casa con-
tigua com o capito Antonio Bernardo Fer-
reira.

m^t
FOLUIXIIA
Pura 1(>5
Acham-se venda na livraria ns. G e 8
da praca da Independencia:
AFOLHINHADE PORTA, abrangendo o
kalendario civil e ecclesiastico, tabeHas de
feriados, de emilumentos dos iribunaes
do commercio etc. a 100 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Rainba cm verso, o Stabat Mater em
verso, devoco ao agonisante, coracao de
Jess, cntico em lomor do Santissimo
Rosario, cntico a Vngem Mara Nossa 2i0 rs."e 320 rs.
Deisai que os Hunos di riili>a.;io o- pregaba
economapara os |a*> 11 E>ia |-arle 0 rara
humano por mto atjut lia ftte. i^-t^ rka,
cesMta de mai,.r a$*ma: jela hin.idadV r
se iniroduz agrand.- Batera te n estas a perda da saudc < da vida I.' MiM M
botinas e sapalos vtlhos ; rrftrma lo a
45-Rua Dereiti~45
Borzeguins francezes para hto.tni
Ditos inglezes idem a 83, 73 e
Ditos para senhora
Ditos pai a menina
Sapatoes exnaga robra
Ditos de Nantes de duas solas
Ditos dito de sola e vira
Sapatos de borracha para sentara*
Ditos de di'a para meninos
Ditos de tapete para hotnens e
nhoras a 800 e
Sapatos de lustre para acabara a
Ditos para rasa
Chinelas rasas do Porlo___________
Aova liquidaraode ritaa|
do niez, para/rebar factarss aaV-a
Barato, por ser alliaia mu ir U%
frrgurifsdfvraiaproiriur : ia laja t aisiri
da Arar, roa da Imprratriz t.lit, ir lart-
(0 Perrira Mrudrs Guinarrs.
Fazeddas especiar para seahara.
Vndese ricos cortes de vest.,'.) de la V:<\
Pa para senh.ra de bonitas barras a *3, |n. 1 ;
143 e 163 o corle : na ruada Imperatriz
loja da Arara.
k Arara veade a 2->t00
Cortes de chita de cores h*\as c. m !<-
a 2-5400 e 33200 ; cassas de cores a 1U :.(*
33*W)
S3MO
I3M*
I4-)
lii0
l<4 0
Voltinhas de aljofares 13, 23 e 33-
Pulseiras de aljofares c cuntas G40 rs.
Voitas grandes a Hara l'ia 13 e 13G00.
Ditas lapidadas mais pequeas 13.
Bonitas litas de sarja lisas e lislradas de todas as
I cores proprias para eufeites de dous dedos de lar*
gura 400 rs. a vara.
Bonitas filas de grosdenaplos li.-as de todas as
cores proprias para lagos e cintos de 3, 4 e o dedos
de largura a 800 rs., 13280 e 13300.
Hiquissimas fitas de grosdenaples lavradas, bo- 4t Js- C0Vadu : na '" < Iniperatriz n.
nitos padroes e de todas as cores,'proprias para l0Ja "a AT3T'-
lacos e cintos de 3 1/2, 4 e 3 palmos de largura a
13, 13280, 13300, I3G00, 13800 e 23-
Pegas de cascarrilha de seda de diversas cores e
larguras 1-5200, 13600 e 13800.
Ditas ditas de seda de duas cores eslreita e larga
a 136<;0 e 23.
Ditas de fitas de velludo de differentes larguras
a 13, 13280, '3'00e 13800.
Ditas de titas de la para debrum de vestido
800 rs.
Ditas de filas de linlio para debrum de ditos
ATTENCA EXCELLENTISSIIVIIIS SENHORAS
3-3399909%
i Chales de rendad
de muito bom S
Exccllciilissimas
Evci'llcnlissimas
r^39999993SS
v: Chales de renda!)
de muito bom ri

'** gosto. rj\cciiciiiiMiuua goslo.
999 1998999991
Para tisi.sn do gallo
A Iflja ta na io Crespo n. 17, tit J>c fiomes Villar.
Recebeo de Parla chales pretos de renda o que ha de mais chique, para as
u*,
1 missa (f/> aailo
,, rom os sens vestidos brancos, pelo prego de i<"3 o 205! !! admirav.-l perbincha !
Vestidos a Mara l'ia de diversas cualidades, casaedes, capas e soutembarque

as,
IGNES.
X. 5i%. RA DO IMPERADOR Pf. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz eonhocidos para que soja necessario insistir sobre
sua superioridado, vantagens e garantas que ofTerccem aus compradores, qualidades estas incontesta-
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tora apparecido nesta praca ; odc-
suiudo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, serr-
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tissimos para o clima deste paiz ; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito aerad:-
veis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposefies.
No mesmo estabelccimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assira como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
pregos commodos e razoaveis.
CONSULTORIO iEM(MIRlR(.CO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCSO,
. MEDICO, PARTKIRO K OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa do Fundao 3
O Dr. Lobo Hoscoso d consultas gratuitas aos pobres lodos os das das 7 s 1
horas da manltaa, ed.is t> e meias 8 horas da noile, excepgo dos dias santificados
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacoes e pelos preces seguintes
Carteiras de t tubos grandes. idJOOO
de 24 tubos grandes. 18 de 36 tubos grandes. 24,5000
de 48 tubos grandes. 30000
de 60 tubos grandes. 3.^5000
Propara-se qualquer carteira conforme o pedido que se flzer, e com os nmedi
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tfntura de meia onca {& 00.
Sendo para cima de 12, custaro ns precos estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,
dons grandes voluntes em diccionario............ 20(500
Medicina domestica do Dr. Hering,........... O^OOO
Repertorio do Dr. Mello Moraes............. 6000
Diccionario de termos de medicina......., 3#000
Os remedies deste estabelecimento sao por dermis conhecidos e dispensan) portan-
to de serem noyamente reeommendados aspessoa> que quizerem usar de remedios ver-
daderos, enrgicos e duradores : ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de ver-
dadero assucar de leite, notaveis pela sua boa conservac5o, tintura dos mais acreditados
estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparaco, e portanto a maior ener-
ga e certeza em seus effeitos.
Casa de sade para escravos.
3--RLA ETREITA DO R0SARI0-3
Francisco Pinto zorio contina a col-
^ locar denles artificiaes tanto por meio de
23 molas como pela pressao do ar, niio re-
S cebe paga aiguma seta (|ue as obras nao
K Dquem a voutade de seus donos, tem pos
S e oulras preparagoes as mais acreditadas
fj para conservago da bocea.
Ao amanherer do dia 20 de ontubro do cor
rente annodc !8Ci, furtaram do cercado do en-
genho Aldea, da freguezia do Rio Formoso um
quarlo de carga do mesmo engenho, o qual
rugo pombo, grande, castrado, nao 6 novo, tem no
olho esqoerdo urna belide, e pouco cu nada v
pelo dito olho, #tem um callo velho no espinhago,
lugar em que te've urna bexiga, levou o topete cor-
tado rente, carrega baixo, e tem esiampaao no
ladodireito da anca o ferro do engenbo em lettras
maisenlas romo aqni se v A L E A. Adver-
te-sc que os cavallos assim ferrados, nao sao tro-
cados nem vendidos, e os que forem enconlrados
som ser servigo do mesmo engenho sao fua-
dos, e devem ser spprehendidos ; portanto rosa-
se s autoridades policiaes, e mesmo qualquer
pessoa do povo, que sendo encontrado* ditos ca-
vallos sejam apprehendidos e remedidos ao admi-
nislrador daquello engenho ou *o abaixo assigna-
dopropri"lario de mesmo engenho, que reside na
cidade do Recite, ra do Hospirio n. 50. Cidade
do Recife, 26 de outubro de 1864.Caetano Jos
da Iva Santiago. ______________
Precisa-se alugar urna cosinheira escrava ou
forra: na ra da Madre de Dos n. 36.
&VJMIS S V^_*K'.SSV>!
Senhora, trinta etres chistosas aneductas.
um indito poema sobre as aventuras de
um cosinlteiro, o canto de .. olteira
(poesa), crescido numero de mximas e
pensamentos, urna historia como muitas
(romaneo,), e vinte e cinco novas e pi-
lhericas charadas a 320 rs.
--- Vende se caixoes vazios proprios
para halinleiros e funciros a l$7G0
t-ailauu; nesta lypographia,
GRANDE NOVIDDBl
S no Vigilante.
Riquissimos enfeiles de todas as qualidades para uvas e pediinhas 'i,5-
sehhoras e meninas, rhegados hoje da alfandega.
lotos
Riquissimos sintos de fila larga e estreita com
fivelas grandes e pequeas, com brilhantes falsos,
cousa de muito gosto.
Albitas
Tambem cheearam os riquissimos albuns para
50 retratos, com capa de tartaruga e de marliin,
cousa muilochique : s no Vigilante, ra do Cres-
po n. 7. _____
GAZ, GAZ, GAZl
Recentemente chegado.
Primoira qualidade.
Na rtia de Apollo n. 2.
KSPEhA>C\
Rccebeu correntes de ago polillo e faciado para
relogio, laques de sndalo, notos de velludo de co-
res o mais bonito que tem vindo ao mercado, Itine-
: tas de tartaruga, bfalo e de aro douradas, intei-
' ramente novo o modf lio, luvas de pellica pretas,
de, cores e brancas, graxa econmica, tinia com-
innnicaliva para escrever c copiar, dando provas
depnis de 8 dias de escripia, aderegos cam.feu,
botos camafeu para punlios, brincos balaodonra-
dos, enfeiles modernos ele. : na ra do Queima-
do, loja de mindezas n. 33 A.
Caries de cambraia de salpicas a lIM.
; Vende-se cortes de cambraia de nim
';5'00, 35 e a OOO a pega, ditos ie ,.,
za e fina a 3s500, 45o0,5*500 e 6, liras b. r
ada- para enfeitar vestidos e (ntreonni- a l e
i 1^200 : na ra da Imperatriz n. 5ri. b Ja
Arara.
Souleaibarqnes a 7. S, t a t;>.
Vende-so soutembarque de laa;mhas ir. cors
para senhoras a "*, S a a tOJ, dito ir gr- se. s-
ele preto muito entestado a OJ, i."i P ::t'. : riraa
tapas de grosdenaple a 20,5. 255, :* e 35*. | ara
Iquidar : na ra da Imperatriz n. 56, |. j.i da
Arara.
A Arara vende alpaka de reres para frauda.
Vende-se alpaka decores para v.
s. o covado, challes de laazmbas a M(au i;;s.,
lito de merino a 45500. dit. t finr-:. S.mi. 75 t
5 : na ra da Impiratriz n. 56. 1. ja da Ai. u.
Laaziubas a Hara fia a SM rs.
Vejide-se laazinhas a Mara Pa jara v. -
tom palmas de seda a 500 rs, o c..vad., .!its de
fores a 320, 100 e 500 rs ditas N*aa de n i
dita dourad'os c com pedriuhas "dem r* rapas e vestid, s a 5C0 rs. o oa unas
pira capas de senhora a I5S0O, 255U) e 35 : ta
Ditas com 2o varas de trancinha branca estreiti-
nha lisa para bordar vestidos 400 rs.
Lavas de cores para montara 500 e 800 rs.
Chicotes para montara 640 rs., 15280, 2500 o
35OOO.
Bulsas pretas para viagem 252G0.
Penles de borracha para regago 500 e 800 rs.
Ditos dilos douradus 15-
Ditos ditos domados com pedrinhas 15600.
Dilos de concha esmaltado para segurar cabellos
15000.
Ditos de dita com pedrinhas idem 15 e 15500.
Dilos de
25000.
Bonitas guarnigoes (lpenles para segurar c- ''ua da linperaUlz n. M, loja 4a Ama.
bellos e m.irrafas dourado lino com cachiuhos de> A Arara vende cuitas a 210. 2.S0 r 320 is.
Vende-se chitas d- cores fizas a 2li>. 1 M 1-
Peiites de borracha com costas de melal 15- o covado, .litas fraselas a 310, 360, i'.r 1' r-
Duzias de colheres de metal do principe para covado, pereallas para v.-: d. -
cha e para sopa 15800 e 35200. :;. o covado, camisinhas para M-nLora a 15
Ditas ditas de concha grandes 25- '5 e 5300, collinhas para Makeras e n emt
Caixinh.is cen 100 envelopes 610 rs. 2lti, 320 e 500 r.., enfeiles para
lora
Caixinhas com papel amisade paulado G00 a 610 ja a 15, l<5'iO0 e 25, para liqui.T : 1..1 r; a da
itoperalriz 11. 56.
\ lia loes americanos pira sf ibera.
'Vndese baldea aaatriraaa. aa awfaaces .|ne
.em vindo ao mercado, de 20. 25. 30 e 35 arro a>
25300, 35 e 35'0 e 45. dMaa da ai ataa e
musselina a 45500 : na ra da Inqn-rainz n. 3,
gosto para (aja da Arara.
Cassas Ja Arara a 2S0, 320 r MI rita itasa
Vende-se cassas de cores a 2*<>. 3SOr '.' r
rs.
Pacotes de papel de beira dourada 800.
Calimbas de pennas caligraphiras 15280
15600.
testinhas de costuras muilo bonitas com perten
ees 500 rs., 15280, 35, 45, o^, 85 e 125.
Neste artigo ha oojectos de muito
mimos.
Botes de punlio a 2C0 o 800 rs.
Dilos com as
l280.
Bonitos quadroTgnndecom mo^ra donrada!f?^.!ri,p^e .^ ^^ 'J ;'a r,w *
de varios santos, como. S. Jos, S. Antonio, o Bom ,
Pastor, a Virgen) com o Menino, a Ceia larga, Des-
ciment da Cruz, frnrtas difieren!, s, a safra do tri-
go, a safra das uvas e outros dinVrentes de muilo
goslo para adorno de sala ele. aSfi.
Bonitos albuns para 12 retratos 25 e 25200.
Ditos ditos para 20 d.tos 25-00 e 25500.
Dilos ditos para 100 ditos 65.
Ditos ditos de vellido para 100 ditos 105.
ImperaIriz n. 56, loja da Arara.
Fazendas para harnea.
Vende se curtes de caifas i I riw ara 1
a 1-5600 e 25, dito de .a.- imia a 3*\ :i.'
15000 55 : na ra da imp. ratrii
Arara.
lietipa feita para boo-.t m de ledas as qraliibilM.
Vende-se palitotode i ran di ron 1! .
:i-;, .liiiis bran.-o .1 25500, dito de lii 1 1 m 3
As so deiras
m
O bacharcl
Francisco Augusto da Costa
ADVOCADO
Ra do Imperador numero 69.
mnmmtamam
Precisase alugar urna escrava que saiba en-
gorainar, lavar e coser, que seja forte ; tambem
um eanooiro que seja forro ou captivo : em casa
do Sr. Cambroneein Santo Amaro.
TIIESOt'llO DAS MAIS
Providencia das crian cas
COTiiLAKES ROYEK
Electro--mageelicos
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DENTICAO
Contra as convulsoes e para facilitar a
dentigao das eriangas preparados e inventa-
dos por Royer, pharmaceutico da esco-
la superior de Paris, successor de Chereau,
membro da academia de medicina,
antiga casa de Bouillon-Lagrange, pharmaceutico
do imperador,
chefe dos trabalhos clumicos da escola po-
lytechnica, director da escola de pharmacia de
Paris, e membro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-se nicamente na loja do
Gallo Vigilante ra de Crespo n. 7.
Assadeiras de "porcelana de todos os tamaitos :
na ra do Queimado n. 32, vendem Azevedo &
Ir mo.
Pendras.
Receberam grande sortimento de peneitasde
rame, proprias para padaria e pharmacia ; na
ruado Queimado n. 32, loja de Azevedo & Iruiao.
lindes de Ipnjuca
As rerdadeiras brides de Ipojuca : vendem na
ra do Queimado n. 32 Azevedo & Irmao.
tacas de cabo de unicorne e
marfim.
Vendem Azevedo 4 Irmao, na ra do Queima-
uo n. 32.
Espaulosapecbineha.
Algodao superior largo com um pequeo defei-
to em urna das orelhas a 65 a peca cem 20 varas :
na ra da Madre de Dos n. 16, loja defronte da
guarda da alfandega.
Vemlem-se Ihesouras de Guimaraes para lo-
fisias, rabelleireiros c costura : na ra da Cadeia
ilo Recife n. 44, loja de ferragens.
Na rus do Trapiche n. 16, vende-se papel de
linlio de 1' qualidade para cigarros._______ _
Attenco pechincha.
Vende-se urna boa armagao propria para miu-
dezas ou oulro qualquer negocio por prego bara-
lissimo : a balar na ra das Larangeiras n. o.
t'rtes de la a 5,U0 rs.,
com 13 cova los de lindos desenhos, cheguem a
elles, que pelo prego est acabndose : na loja da
ra da Madre de Dos n. 16, defronte da guarda
da alfandega.____________________^^__^_
Veinlese um raalatinho de 20 annos, sem
vicios nem achaques, prnprio para pagem : a tra-
tar na ruado Encantamenton. II.
Yiros para >idr?c,
Grande sortimento de vidros de todos os taa-
nnos : na ra da Cadeia, loja de ferragens do
Bastos.
Dilos dilos de marroquim Chagrain nquissima dilos de alpaka .fe e res bran c* a .
enradernacao e papl de relevo para 100 rs. m^-ia rasemira a 1550U e .">5, Aim en mira a
Retratos a 135,205 e 255. 55,85, 105, 105, 165 e 205, dii tino
Bonitos albuns com sortlmeDlo completo de ti- preto a 5, 105, 145. IW 205 > de
nissima perfumara 6*5 85- brlm le cor a 25 e 25500, dita
Bonitas ceslinhas cora frasqainhos de extratos a >} i ~ d.-dit > .i,- i,i,. a
15280.
Caixinhas com 6 garrafoziDhos de extratos a
15.
Ditas con 12 garrafinhas de ditos 15600.
Frasquinhos de varios extractos 160
2i0, 500, 800 i?, Ic280 15300.
cores a 25, de brira a 255tKi, de .. :
cores < pelas a 35500 e i5. taifas de ira a
5, 6? e 85, de mna rasemira a -5
misas franeezas a 25 25500, de IibJn
rs., 200, iregislargas a 39 e 3550*>, gra
uallda.les de 500, 8dO, !">'. 154*0, 1
Frasquinhos de essencta para lenco Ii300. de iodos os tamannos a noilo bem f. it. -.
Garrafas de estratos fiaissimos 2;500, 39 6 qnidar por ser tempo de fe. la : na roa
35500. ti is n. o), luja da Arara.
Fraseos d'agoa de Colonia 400,500 ni-. Colchas para tama a 2:5.
Garrafas de dita de dita 500 rs., 1*500, 2-5000 e! Vende-se colchas de chita para raaaa a 2-.
*oOO. de damasco a 45. ditas de olo a
Frascos com vinagre aiomalico de \enus para cofterUs a350, 300, 400e 500rs. o cavad. na
dor do caneca iSOOO. rua da Imperatriz n. 56. loja da Arara,
Frascos de Oleo hiloome /20e 1:080. 1 i,.1,j.m,1i.B,i;.11f.ti.j, :
Frascos de oleo de babosa 100, 500 e 600 rs. ,,0L j m'*'P]3 J**?*
Dilos de banha franceza 600 a 8u0 rs. **" PS9*'J*f* "''" *"*.; :":'..,'
Cepos de christalcom banha franceza 15280 e flHdf"''"g^ *J5aS^iS-3 s
a ..5'>00, n 2o0 a 6r>>00 e jo-s->i<.
*,^ 95O0O, R. D. P. 105, 7.7.7. 115, n. 9, dito a
145 a peca ; ak'odaozinho marca ^ a ">-V'". 'ti
cae vacca a 75, dito dsmcytieo a '','
paj ferro a 85, dita SL9 a 10-5, dito f a W5 c |;5,
dito sicupira a 85500, para liquidar, na ra da
Imperatriz n. 36. leja da Arara.
I'nlihils .le alpaka.
Vende-se palitois de alpaka prelada I
ditos linos de cordo, lizas e brancas a 45: ra
15500.
Sabonetas de bola grandes 280 rs.
Pacotes de pos de arroz 600 a 800 re.
Escovas para dentes, 160, 320 c i0 rs.
.
encao
A
A' nova loja de miudezas de Manoel Joaquim ^ Imperatriz n. 06, loja da Arara.
Dias C, ra da Imperalriz n..78 que tem o lam- j 4o baroteiro -Ja ra da Inprraltz n. '.&.
piao na segunda porta, por baixo do sobrado do. Vende-se seruulas a 15280, ditas laaawaaaa a
Sr. Dr. Pitanza. Este estabelecimento contina a IJKOOa 25 : nutras muito ftea a^aias aja* a
venderos lindos enfeiles de gestos modernos que freguez encontrar na luja da Arara, ra da Irn-
recebe por todos os vapores, e juntamente as mu penuria n. 56.
procuradas rivi las de tartaruga e oulras douradas 1-------- ----------------------------------->
cravadas com brilhantes pedras, bav.ndo mas-----MUCIIIIIUS (16 Vill)Or 0 l'.'L-
umas oulras que servem para sintos de meninas.) 1 i
Assim como se vende um completo sortimento de yft (XCgJfll'OCcir tlJiOOUO.
litas achaualotadas para sintos, e outras de sarjl
de todas as cores, temos para completar o brilhan- MQ6Il(UlS Q ITIOIIS mO^HUaS.
tsmo do urna menina os seguintes objectos, como 1 1
bem : lindas pulseras de contas imitando perolas, laiXtlS (16 teiTO iltllllL Cl >l-
volias a Mana Pa, gravatinhas de lodas as cores, '
pentes de quairo dentes cravados com pontinhos (|(j Q ([o COurG
de cores, dilos dourados e cravados com pedrinhas I '
imitando a brilhantes, gustos modernos, e outros |\0(mS H ftPIlfl t'lontlul*' G
muitos objectos que se tornam enfadoubo mencio- o > t
nar. Advertimos, porm, que tambem se manilam J(J CfllTOCl COI1 T!lflH"'JlS 0
Cilobos pura canriieiros a gaz.
Vende-se no armazem de louca de Duarte, Pe-
reira & C, ra do Crespo n. 16, por prego com-
nioilo.
Cyimdros para pada*
ra.
Na padaria da ra Direita n. 84 ha para venr'er
os conhecidos e acr. dilados cjlmdros americanos
para trabnlho de padaria, intiinamante ch.-g.idos
os calxi-ros com os objectos cima mencionados,
as casas que por ventura nao tenha por quem
mandar .omprar
1,50<> rs.
COMPRAS.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer ftgff bem: na loja de bilhetes dapragaalnd
So, para o que o annunciante julga-se sufficientemente habilitado. | Peadencia n- "____________,____________
Vendem-se queijos de Minas
mero 61.
na ra Nova aa-
Vende-se conservas de hortaltce em caixas
do duas duzias d frascos e a verdndeira graxa n.
97 em latas, ludo por prego commodo no armazem Cruz n. tt em casa de Caros d- Barboza.
defronle da ponte da alfaudega.
operacao
O-atamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, el Compra-se eTectivamente
funecionando a casa a mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cuio conceito se nao oaro e rata !ra_obras velnas Pgando-se bem :
podo duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus,na rua larea do Ro5ar' "' 24'loja de onrives-
doentes. Conjpram-se dous escravos que sejam bons
Paga-se 2J000 por dia durante CO dias e d'afei em diante 10500. I e"re{ '. *" rua do Trapifhe "'3"_______
t^^J^^^^^^ se ^^e quizerem sujeilaraos fr^\^i^Si^^^S&^
azoareis que costuma pedir o annunciante.
, cife n. 48.
Vendem-se laranjas doces, f m pe nase glandes qwantidades, a prego coin-
modo : no sitio do sobrado atraz do Ara-
paro. 1 _______________
Parte de engenho.
Vende-se urna parte do engenno Italienga
sito na freguezia de Pao d'Alho: quem a
eixos de patento.
Rua doBruinn. 38, fun li-
cu do liowman.
Para a festa.
Qneijos frescos a 35, pas.-as novas en .jiiart. s
a 25, e a libra a 400 rs., figoj a 160, mar nidada
a JOO rs a libra, azeilouas a l#00 a aan uta. a
garrafa a 320, maateiga ingleza ILr a '."OO e mo
rs.. dita Iranreza a 640, cha miudnh a 6i O e
35, caf I" aorta a 280 a libra, e >540O a arriba,
do 2* sorle a 240 a libra e 75500 a arr< la. ar*M
a 100 rs. a libra e 35 a arroba, toii. r I alte a
2>-0 a libra, stearnas a 620, palitos para ira* a
Deposito ireral em Pernambuco rua da l*0o n,asC0, dogaza 200 rs.chonr.cas a ) r
a h'ira, comrna a 120, sabao massa a 200 r<., -al
em peles de vidro a 440. roncervas a 400 r. b>
lascom b-'lacbfnhaa 15400, alelria e talr-aiiu a
400 rs. a libra, cerej branca e prria a 5*0, vii.be
lino iln Porto enparrafado a I520 o X> r, kra-
co para mlssa a 500 r*., tinto de l.i-toa a "Wi a
garrafa e 25600 a ranada, da Figr.eira a 440 a
3520. azoite doce a 600 r. a garrafa, de rarra-
jr-
XAROPE -
deLABELONYE
Kmpregadu com nvariarel successo desdt 30 mnoi
pelos Mdicos de lodos os paizes contra as molestias
orgnicas ou nao orgnicas do corabas, as diversas hjr-
ropisias e a mainr parte daa molestias do peito e dos
broncbioi (pneumonas, catarrhos pulmonares, aslkmts.
i*fiamma(6es nervosas dos bronchios, catarrhtiras.ctc.)
0 XARerB de LABELONTE nio s* endesenio en
!;arrafas com rotulas de cor e fechadas com una chapa
m
levando a firma do inventor.
Boa PARS, rua Baurron-VllleiiPUTe,
SO.
Vovo deposito de sa>o.
Acha-se aberlo um novo deposito de sabao na
rua do Rangel n. 34, ua antiga fabrica italiana,
aonde os ftvguezes encontrarlo completo sorti-
mento de sabo de todas as qualidades ; assim co-
mo a vantauem qne enconlram para abreviarem a al0 tw vjna(!re a ^qO r gaz a 48 :
qualquer freguez por ser muito perlo, e o dimino? man.m da'Estrella, largo do Parazo 14.
to carreto que tem de pagarem.
Hoinho de podra para ilk.
Grande porg.o dotes excellentes moinhr. se
J. KeHer c C. vendem superior vt-
pretender dirija se a esta typographia onde nho linio de Bordeaux, tanto em quartola Chegados a'ru da Cadeia loja de ferr-grtr
se dir com quem se deve tratar. como era caixas de duzia de garrafas. Bastos, os quaes se vendem ornis bar ptailaa
y






Diario de Pernaiubuco Sexta lelra 93 Je Dezembro de i?81.


,0 GRITO DA GUERRA JA' SE FEZ 0UVIR.
LA VAI BOMBA
!
SENTIDO.
O
m^ rtwwiki
i
-3
m
0 assumpto importantissimo.
0 assumpto importantissimo.
0 assumpto 6 importantissimo.
Ningucm interrompa o orador.
Ninguem interrompa o orador.
Ninguem interrompa o orador.
Reine o silencio era todas as columnas.
Heine o silencio em todas as columnas.
Reine o silt neto-era todas as columna'.
Nao se admitte vxfriLestat
Nao se admitte contcstafao.
iS'ao se admitte contestado.
Os apoiados sao prohibidos.
Os apoiados sao prohibidos.
Os apoiados sio prohibidos.
I

i
ADVERTENCIA.
Antes de entrar na materia-o nonpvel Baima nao pode prescindir.dt
'fazer o seu tqtu de horror as doiradas toras e mal fetas mitras dos falsos^
apostlos do progresso, inimigos do poro e chupadores do sangue da humam- *
i dado. ,'V
A detestare! sede de oiro tem tibsec-caflo seus coraces de vampiros.
nao sabom ter f neir.
--
Querem fazer fortuna com a rapidez d coriseo-
esperar.
Sao os perfeitas unos da civilisarad-
Malditos sejam ellesj que nao .nc'ssivel ao Baliza por-lhes as mitras ;^
Jna cabera os bculos na mo e os sapaesVH puh'ico por tres dias.
OKUE3I
0 ACHADO E A SINCF.IHDADf
>melho
escoll
[General.
Nao sendo
__9J predicados que smente tivesseme
archega'(o'para bco" dardomesticada e ecanlaPwa aguia brama, esto dadas as,l
oais terminantes ordenspara que d'ora d diante se redobce as attences parag
^com todos os freguezes, deforma que se optfc .a mais perfeita tiga de enteres-
tses recipro&js, a fazer oveja a todos at ao jfopno cavalletroa esquiea da ra'
Quando ao disponlar dabrilhante, a/*r jouvif o garboso gallo vigilante, com aquella/ bisama que Ihe e propria, o seuj
canto sonoro, signal de chamada dos amaveis freguezes e predilectas freguezas,
tamben o solicito Baliza estar paompto em or-dem de marcha, agradavel omoj
'a aguia branca, diligente como o gallo, grave como o propheta, no mais per-*
i feito e eontinuo awvimeBto, sarvtAo a todos, e a todos contentando.
Grande liquidago.
Ra da Imperatriz a. O.
Loja de fazendas do pavo de Gama A- Silva
Actia-se este estabelecimento romplelamente
soriiJn de fazendas ingieras, fraocezas, allt-mas e
sui-sas, proprias lano para a praca como para o
mato, promeltendo vender-fe mais barato do que
em uuira qualquer paite.principalmente sendo em
porrao, e de todas as fazendas dao-se amostras,
^-liando ficar penhor, ou mandam-sc levar em ca-
sa pelos raixeiros da loje do Pavao.
As laazinhas da exposicao do Pavao.
Veiidem-se laazinhas as mais modernas que tem
vindo ao mercado, proprias para vestidos e sou-
tamiiarijues por serem lisas e de cores muito dc-
lieadas a 560 e 500 rs.; ditas lisas eom um lustre
que pan-re seda a io rs. o covado, ditas com
quadrinhos de seda a 500 rs. o covado, s para
acabar : na loja e armazem de Gama & Silva, ra
da Iniperatriz n. 60.
O l'avao vende para luto.
Vendem-se superior setim da china, fazenda
toda de laa sem lustre, leudo 6 palmos de largura
proprio para vestidos, capas, paltots, ralsas etc..
pelo baratissimo preco de 2J, 25200, 2S00 e 3
o covado, cassas pretas lizas, chitas prelas largas e
estreilas, manguitos, colarinhos, punhos, e eofei-
tes, tudo preto proprio para loto fechado, e muitos
outros artigos que se vendem por presos mais
em conta do que em ontra qunlquer parte por es-
lar liquidando ; s na loja do Pa*ao ra da im-
peratriz n. 60, de Gama v Silva.
Os bordad' s do Pavao.
Vende-se camisinhas com manguitos e pollinhas
bordadas, pelo barato prego de IJI e 1)5280 cada
um, manguitos s a 500 rs. cada par, ditos com
ollinha a 800 rs., gollinhas a 400 e 180 rs., de fil
a 240 rada gollinha bordada, romeira de rassa e de
fil muito bem bordada a 25 cada urna, manguitos
que serven para caltiulia de meninas a 640 cada
par, camisa com manguitos e gollas com a rompe-
tento grvala de seda, fazenda lina, pelo barato
prego , e niiasoutras bordadas que se ven-
dem por precos muito em conta: s na loja do
Pavio ra da Imperatriz 'n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos soutambarqne.
Pelo ultimo vapor francez chegaram riquissimos
vestidos soutambarque, os mais modernos que
neste mercado tem apparecido, os quaes estao
promptos com saia, corpinho e seu competente
soutambarque, tudo guarnecido de seda, veludo e
renda. Quem tiver bom gosto dirija-se loja do
Pavao, na ra da Imperatriz o. 60.
O Pavao.
Na loja do Pavao vende-se moder-nos mantele-
tes de grosdenaples a imitagode rapas, as quaes
sao bastante compridas -, assim como tem um sor-
timento decapas prelas as mais modernas que ha
no mercada, sendo ricamente bordadas. Ditas en-
feitadas tudo por prego commodo : na loja de Ga-
ma & Silva, ra da Imperatriz n. 60.
As iuiI'Tnissimas laazinhas de urna s
cer, a imitadlo de gorgoro, ven-
de o p vo.
Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
modernas laazinhas de cordozinho, as mais pro-
prias e mai lindas que lem vindo, proprias para
vestidos, soiitambarques, rapas,etc., dam-se amos-
j iras deixando penhor, e vendem-se pelo baratissi-
mo prego de 560 rs. o covado : na ra da Impe-
ratriz n. 60, luja de Gama e Silva.
As laziulias do Pavo.
Vendem-se laazinhas de quadrinhos transparen-
tes, boa fazenda, pelo prego de 280 rs. o covado,
ditas largas mullo linas a 400 rs., ditas estampa-
das, rr segura, padroes miudus e grandes a 320
rs. o covado, ditas transparentes com palmiuhas
de seda a 400 rs., ditas eseocezas a 560 rs., isto lu-
do para liquidar : na loja e armazem do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60.
Os grosdenapfcs do Pavao.
Vendem-se irosdenaples pretos, fazenda supe-
1^600 rs. o covado, ditos
'-,'
11
<*
RA UO QU12UIAUO X. -l&.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
NOVIDADE
Pereira Rocha 4 C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominad.. .ai ro i M
ial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que Tem mm ri.nai!.. i
luaes serao vendidos por presos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abai.xo raencior-eda ; gar;i.i<- <. I. r
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, India e.Java a 60, 80 e Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra.
100 rs. a libra, e 1,5800, 2$600 e 3^0001 Painco a 200 rs. a libra.
a artoba. i
Ameixas francezas em latas e em frascos a
15200 e 1)5600, e em frascos grandes a
2.-500.
Cevadinha de Franca muito urie-i
i rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas portogMBM a 640 rs.
Mera seccas muito novas a 2 < i *. a i
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 15200,15400, 1560e28.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 45600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira dematarana a 320 rs. a
libra.
Aveli5asmuite grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1530" rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 25 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 35000 abarri-
quinhae a200rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 15600, 25,
255dO, 25800 e 3*000 a libra,
dem preto muito superior a 25000 a libra.
Cerve.a prela e branca, das melhores marcas
que vera ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 55800 a duzia.
Cognac inglez fino a DO'1 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, sde pepino, a 72" rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especidmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 15800,
250' iO, 25200, 25500, 2,0800, 35000 e
35500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 85500 a 85800 rs. a arroba.
Cartes de bolinhos francezes muito novos e
bem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
a
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego era calda de aztile e
muito novo a 60 rs.
Queijos flamungos do ultimo vapor a 25800 Figos de comadre c do poror
ilion nratn de oitu libras e canastrmha* de l arr< i
rior a 15600 rs. o covado, ditos largos mnito en-
cobados a 2i00, 23600, 25800 e 3-5000, ditos
branoos, cor de rosa, azul e amarello a 25000 r.s Chouricas e paios muito novos a 800 rs
o covado : na loja de Gama & Silva, denominada ; libra
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60.
As nevas laas garihaldinas a 300 rs.,
na !oja do Pava.
Vendem-se as mais modernas laazinhas garibal-
dinas, fazi nda inliiramente nova no moroadn, sen- i
do toilas com litras mmdinhas, e transparentes,
cun lustro a imitaeo das sedmhas, te.ndo varias'
cores, sendo azul, cor-de lirio, earmezim, cinzenia I
e cor de havana, etc.; isto a 500 rs. o covado para
vender depresca na 'leja do l'avao, ra do Impe-
rador n. (0 le Gama & Silva.
Usmais niuderoos vestidos Harta Pia,
na loja do Pavao, a 16$
Vendem se finissimes vestidos Mara Pia com
os cutpinhos dinVrentes, lendo todos os preparse
com o 60, loja do l'avao.
lanmiiritasa 1$000'
Vendemse camisinhas rom manguitos, sendo
muito bsm enfeitadas. proprias para senlioras e
meninas, pelo barato preco de dez lustocs cada
una: na loja do Pavao, ra da Imperafriz B..60,
de Gama ;S Silva.
Vestidos para mcHin.is.
Vendem-se os mais modernos vestidinhos para
meninas, rendo muito bem enfeitados Mafia Pia,
tendo de differfliiles lmanteos, pelo barato preco
de 85 cada um : na loja do Pavao, ra da Impe-
158UO, 55500 e 280 rs a libr.
Farioba do MaranhSo a ICO r. a III ra.
dem de Irigo a 120 rs. ? libra.
Genebra de Hatada verdadeira mam
a 560 rs. o farseo c 652U> a ras;i.
dem em garrafoes de 3 e *> pKm i'
e 75500 cada um con o gam
Graixa a 100 is. a lata c l:;l" >
Licores muito finos a TOO rs. ? |M \
dem, quaiidade especial em garrafei n i
grandes, a l(>800a garrafa,
dem em garrafas mais eqn MI i
dem, em garrafa forma de teta e r< I j da
vidro, a lU>0, s a garra
nheiro.
Manteiga inploza perft'itav.fnN* rr-
barcada de pouco a 900 rs. a
de segu.da quaiidade a b(0 -.
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor a
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs
cada um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 61 0
libra.
Eigos em caixinhas ermetiesmente lacradas
a 15600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Marta Pa,
Bocaue Chamisso eoutiosaSOO, 900 e
15000a garrafa, e eta caixa com urna du- dem francez muito nova a 641
zia a 95000 e 105000. dem de tempero a 460 rs.
dem empipa, Porto, Lisboa e Figueira a Maga de lmales em barril a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 35, 35500 dem em lata a 640 rs.
e 45 a caada. Maimelada imperial dos melberi
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs. ros de Lisboa a 6
a garrafa.
dem de Bordeaos, Medoc e S. Julicn a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 75000 a 75500 rs.
a duzia.
IdemMorgauxeChateauluminide 1851, a 15
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
15200rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a I 800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-1 dem de denles a 120 rs.
mos grande porco de outros que deixaraos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudo ser vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. a
pecas e carnadas, tanto em porces como Doce de goiaba em latas o melhor r. -
relalho- 25 c em caixao a 640 rs.
Quem comprar de 1005000 para cima te- Palitos do gaz a #200 a groa.
r o abate de 5 por cento. Passas muito novas a 100 rs. a l..
Mariasquinho de Zara, fr
800 rs.
dem refiular a 500 rs.
Macas linas para sopa: estn i
rodinha e alelria a t'00 rs. a
a caixinha com 12 un*.
Nozes muito novas a 160 rs. a
Peixt em latas preparado pela |
de cozinha a 15 a tala,
Pal i ios de dentes a 160 rs. o n


GRANDE E SMPTOSO ESTABELECIMENTO
DE
\OVOS E ESCOIIHDOS CiEEHO^
TANTO EM GROSSO COMO A RETALHO
oo --mu jl no va -- m*
L'kima easa juato a ponte da Roa Vista.
MACHINAS DEPAli; I
de trabalhar mo .
dcscat'Of.ir .ijodo
Por Plant Brothers &
E-i

BAS PALAVRAS.
i


4 -i-,'
:-. Oiiu
!
.'i > ,i
:n ,
; r (Ha i "ir
m
ill
Os preco do grande sortimento d'c6te Uagnif.co armazn, se acham cou-
sideravelrnene reduzidos, e a respectiva laliella deisa de ser publicada por que
\a alma do negocio o segredo. Os fregueses irecon>>ecerao m vista do objec-j
(to que pretender que o preco que se Ihes p|edir ser t3o rasoarel que nenhuma(
ireclamac5o offerecero. Venham todos a
H
RA I>0 LIVBUJMO 3S
AO GRANDE ARMAZEM DE MOLIIAOS
I
DO
BALIZA
PROPRlRojltE
DE
M. PEDRO DE MELLO.
ratriz n.OQ, de Uama & Silva.
R Vende-se um grande sortircecto de roupa feita
para horneas, -s^ndo cairas de bnm brance .- de
ror, ditas de casemira preta e de rores, ditas de
meia casemirn, paletots saceos e sobrecasacos de
casemira e panno preto tino, olletes de todas as
qualidades : na n. tiO, de Gama & Silva.
Grosdeuapledecor a 156GC o covado.
Vende-se grosdenaple de cor azul, branco e pre-
to, pelo barato preco de !600 o eovado : na luja
do Pavao, ra da mperalriz n. 60, de Gama t
Silva.
Panno d linko t 700 rs. o es vado.
Vende-se o verdadeiro panno de baho proprio
para len(es, toalhas* ceroubs, pelo barato preco
de 700 rs. a vara : na loja do Pavao, rui da Im-
peratriz n. 60, de Gama Silva.
Economa do Pavo.
Veade-se para acabar, urna porgao dorclalhos|
de laas ecasr-as de odas as cosTiao em couta; quem tem economa .que
pode apreciar : itona Ic'a do Pavao, ra da Im-
peratrie a. 60, de Gam & Silva,
Madapslo a 7^000, s na loja do Pavo.
Vndese superior madapolao muito encorpado,
tendo O var^s cada peca, com 4 palmos de largu-
ra pelo baratsimo preo de 7^000 a pega, ditos
muito linos a -3, 9j e 10,5000. E' pechincha, na
loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
i:.)! Ir.--Io rassaa :l.-)O0O.
Vendem-se muito bonitos cortes de cassa, tendo
7 varas cada irte, eom desenhns muito delicados
pelo baratissimo prego de 35000 o corte; s na
loja do Pavao, ruada imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Corles de cbita franceza.
Vendem se Inissioos eories de chita fran-
ceza, com 12 eovado?, tendo. padrSes escaros e
alegres de cores lixas pelo baratissimo preco de
45000 o corte; s na loja do Parao roa da Impe-
ratriz n. 60 de Gama \- Silva.
Cobertores a f#8f&
Vendem-se cobertores de 2 faces, sendo baslan-
tantes grandes, pelo barato prego de IJ.800 cada
um ; f na loja do Pavao, ra da Imperatriz nume-
ro 60.
Cambraias lisas, na loja do Pavo.
Vcndem-se pegas de camhraia lisa muito fa,
tapada p transparente, pelo baratissimo prego de
15000 i^ndo 8 i/i varas cada pega, ditas muito li-
nas a "5, ><5, e 05 a pega, ditas Victoria com 10
varas pelo baratissimo prego de "5. 95 e 105, di-
ta* Garrazes fazomla muito encorpada, fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a" vara ou 5600 a pega ;
Isto na foja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60,"de
Gama 4 Silva.
Corles de lia a f<$000.
Vcndem-se orles de las garibaldinas, malea-
das e de quadrinhos, tendo l envados cada corte
pelo baratfcsimo prego de 45000 o corte ; isto na
loja 1J9 Pavji>y roa da imperatri B. 0 de Gama &
Wva.
t Cesse ludo quanto a antiga niu;a canta
t Que outro valor mais alto se alevanta.
Acha-se a disposicSo do respeitavel publico este grande e magnifico estabeleci-
mento de molhaos', talvez o primeiro e nico hoje existente em sna c-specialidade, por-
que o malor capricho de mos dadas eom mais apurado gosto de abrir um eslabeled-
mento modelo cremoveratn a esflolha dos mais superiores gneros do nosso mercado, tQTlrllnrnn i,~irrm -ffr ti i ni la
que porserem comprados em grande quantidade e pagos q/tasi todos a dinheiro a vista Zt-'in de algod.o, no largo da ponte r.
Assim como marhiaas para er<
animr.es, que desrarofaoi M arrates !
limpo, per dia.
Os mesmos tem para verder m i
por que pode fazer BOrer <*u A :
mencionadas ; para o q>i<> eoarMa i
deu lugar a obtenco de vantagens, que repartidas como vo ser pelas pessoas que se
dignnrem de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanza de agradar a
lodos, Dioso pelo emprego das maneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-
pazes. como pela pratiea da promessa que fazemos de vender polos presos quasi do pri-
meiro custo o nosso magnifico sortimento.
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diversas classesda nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que achanto
em nosso armazem os melhores e mais esquisitos vinhos, licores, champagne queijo^etc.
etc etc, e quellesque nao podem dispor de grandes recursos, que i compram oneces-
sar.o, promeitemos-lhes servidlos de gneros novos e sadios, escolhidos ao seu contento.
Saandcrs Brothers 1 f.
.\. II, praca iloCorpo mbi>
RECIFF.
Os nicos agentes ne:-'.e paix.
RIVAL SEM SEGUNDO
Kua do Qiwioudo as. 19 e :> lija di | ,.
conhtcidoja cono tal, o'.i ili-, r.'lo da U
por lo.lo o prego ira aparar dit.h. ir.,
zer venha ver < traga o ct ;>\ .- wr i
O real do pobre sera recebido com tao boa vontade, como a mee da de ouro do Bratros de cuta- para nrtiarrta R
homem rico. lina-..................'......
As pessoas que nos fizerem a honra de entrar em nossa casa, qoer seja para com- .ia<,a*1e ii"l,n fr','r'' ''"r''' :' r -'
prar pa.-a seu gasto, ou para negociar, voltarao satisfeitas, n5o s pela boa quaiidade dos (^anli^'e'mVi ****** l!'
objectos, como pela Qdelidade dos precos, e bom acondicionamento. jras><.s te superiorcraaMei panol
O futuro nos justificar. Doiias de pallloi de gai soperiom a.
Libias de ;iia prela miiitu Mpavtff a
CAVACO NECESSARIO ItiSi^TB?,?*?.*
Devernos ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que D,t0.s de oleo *b:>hc*3 n a *
ac
adoptamos. Ei-las.
I Ditos de agna de colonia sof erior. garac-
Existindo neste vasto e florescente imperio um grande partido poltico com a> da.
denominaco de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente, JJttide Danha n"1"''' .......
capaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos, ;Dil0S .dt ('hpir'" n-'ijlr l!Rs rara o .' ^..
- Ilia-se quem quizer, porque nos tambera nos riremos- mas nao se zangue seiesde" todas"' ninguem. j (6o, e........................ ..
O nome urna voz com que se do a conhecer as cousas. esta a mais i Noveilos de linha com ioojardas.....
breve, clara e sincera explicacao que, pelo metliodo repentino, podemos dar. Carl,teis de IDha dL' n'res C'R1 !<' iUm
Mas a quem nao seguir o partido desse systema diremos mais : i 'af 'ga \ a:;.;.;
Nao e oriundo do Brasil o imponente titulo do nosso estabelecimento. Foi al res a............:............
muitas centenas de leguas que apanhamos a nossa Liga. P-'!.'as de litas elsticas com io -.-ara. p>
Na sriberba e opulenta Inglaterra houve um rei que instituio a mu honroza or-f
lem da Liga. O acaso nos fez deparar com a narraco desse acontecimento, que tan-
to sorprehedeu a corle desse monarcha. Agradou-nos esta historia e gostando sum-
.namente do trage do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenliar, e col-
locando-o no oiUlo do nosso estabelecimento, temos assim feito distingui-io dos outros
que se assignalaram com mitras e coras.
Honnl solt qni mal y-peose.
para 20 at OO retratos, muilo hons o por menos V1H0 (10 xOlTO C^l 1*I*<1 iO
prego que em outra qualquer parle: na ra do Vende-se superior vinho do Porto denominado
Crespo n. 4. O. Pedro V e rainha de Portugal, em caixinhas de
-------.-------------------------------------!; urna duzia de garrafas : na ra da Cadea do Re-
e 3o tomos das biogra- cife n. 66, armazem de Ferreira & Malheu.
phlas de alguns poetas e outros homens lluslres
da provincia do Pernambuco. pelo commendador
A. J. de Mello ; obra que todo Brasileiro, e mor-
nunte todo o Peroambucano deve cephecer dar a '
|e; i *us Qlhos : na rus do Imperador a 4.
Bixas de Hmburgo
Veodem-se na ra .Vova n. 61.
I Frascos de fuperiores eMfW, prqnen>;. a
Pares de ligas nmilo superiiies e beMM
a ris............................
Varas de Lieos franreze*, lapariarai ^
Opiata para denles da me.'r.r >.o 1 ,
Frascos de agua para denlis, -uperi> r a
ludo a.................,.........
Pegas de tranga preta iza mnito flr.a a..
Caixas coa i papis fe agarbas Tifio* a a
Varas de fila pnta com tefaetn a......
Libras de la sortija de todas as ca a
Bonecos Je rhro mnilo b. ni tos a......
Canas de obreias de ma s-a;nuto Mfl
Varas de franja .branca e dei>'res para
toalhas a.........................
Frascos de oleo Philocomesrupenor a...
Ditos com sopenor lima aJH e.........
Caixas de linha de gai rom ~A) ni v, H
Enfiadr.rps para cspartilho ......
Dnzias de boics enc.-..uaos para ve.-
?O
m
A
m
en
30
O
*')
.",
CJ
n
so
M
i- .10
KO
40
I i
M
M )
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO


Alaria de Per*as_r*B.eo Sexta letra 33 de Dczembro de I8f.


AURORA BRILHANTE
GRANDES ARMAZENS
OLHADOS
ESfiBEClAf.S
Largo da SaataM
^Cruz ns. lc 84,ag;
ll'esquina da ra dojl
NEM CROAS NEM MITRAS
D
E
GflAMIll.
ARSIiZEM
DE
RIJA DO IPERADOR V. 40
Junio ao s<-lirado em qa mora a Sr. Os ha me,
lliarte Almelda & ., receberam de sna propria encommen-
da o usis lido e variado sortimento de molbados, proprlos
da presente estaeo.
Mauteiga ingleza Macas brancas
da safra nova vinda no ultimo vapor a 1,00o para sopa a melhor que se pode
rs. a libra eem barril a 800 rs. macarro, talharim ealeiria a
NOVOS VESTIDOS DE PIIANTASIA
Chegaram os modernas vestidos de dentelle de seda cra bam, iaMrarr.en/.> aovo*
em josto e qualidade.: Io]a das rolumn.v, na ra do Crespo n. 13, de atonic Cora ia
de Vasconcellos & C-, s>nccssores de Jos Moreira Lepes.
Fazendas de bom gosto
Para vestidos de scobora
Snperieres cortes de seda de cor, de moriant, de g*rfaraa e de jpri rMpertaf.
Ditos de btond, c de cambria branca bordados.
Ditos de la com barra e grande vanedade em cores o radrCes.
Ditos de organdys com barra
Lindas sedas de.inadros eseosseza e miadas.
Superiores laas lisas com grande varK-dade de cores.
Ditas com salpico?, com llores e de quadros.
Lindas pampolinas de quadros e de dores, (azenda intcirameate ora.
Superiores cassas de cores, e lindas rambraias ergandy.
Grande variedade do chita de cores, da perralia tontras maitas
Para homilas deleoLora
las de fasto.
Cebo.
O dono dos ja multo acreditados armazens de molhados denominados Aurora
Brante, aeaba de receber de sua propria encommenda, muitos gneros delicados
proprios da presente estadio, e tendo granda sortimento comprado auui.afianra que todos
os teas gneros sao de l. qualidado.
m
A
tadures.
fentura
Briiuanie, ja polo grande sortimento que ten, j mesmo por sen dono se adiar encom-
modatio em sua saude e ter de vender um de seus armazens agora, e o oulre na pro-
por isso deve-se aproveitar urna quadra destas para se comprar
seguiute tabella servir a todos de base para ajuste de conjas aos por-
armazem vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
xiiiia primavera,
barato.
> Latas com 8 libras de chouricas rauito novas,
' J<* a 7j'0D.
Ditas grandes com peixe em postas inteiras,
mais de l qualidades, a t^OOO, l#z0 e
U5-" I #00.
,0% Ditas coa ostras, escellente pelisce para fre-
Sra gideira, a 720 rs.
. Dius com ervilhas novas, ensopadas, a
&jp Ditas cpia favas, a 6't0 rs.
> Ditas com amellas a '.OO. 15800 o 3,5500.
/^ Bitas com marmelada do afamado fabrican-
> cante Abreu, a 880 rs.
I Ditas de massa de tomate, a >00 rs.
Ditas com ll<;os de comadre, novos, a 15300.
23 e 2*500. '
Ditas coiri bolachinha de soda muito novas, a
!*000.
Bitas com biscoitinhos inglczes de muitas
qualidades, a 15400.
Chocolate.
superior muito novo, a libra a
Chocolate
15200.
1

1
a-, a caixa .'155*00.
Ditas dita em libras a 640 rs.
S a libra a 360 rs.
>.:.> Imlia para sopa a libra a 240 rs.
Ervillns seccas, a libra a 160 rs.
Ditts descascadas, a libra a 200 rs.
'fu. 11 muilo nova, a libra a 280 rs.
Parinha de ara-uta verdadeira, a libra a
SOOrs.
Arroz do Maranhao, em sacca a arroba a
[400 e a libra a 80 rs.
Diie da ludia o Java, a arroba a 35200 e a
libra a 100 rs.
Toucinlio de Lisboa a 955*00 a arroba e a 320
rs. a libra.
_j Dito de autos, a arroba "5000 e a libra a
260 rs.
'"> M :>< .im 12" s.-bols grandes, a 15280.
'..la franceza caixa com 2 duzas a
85000.
'') rom mostarda preparada cm vina-
j gre, a 400 rs.
Ditos cim conservas inglczas e francezas,
) a 610 o 800 rs.
j Ditos com sal refinado fino, a GiOca'OO
ris.
Ditos rom a verdadeira genebra de laranja
') a 15200.
. Dilo< d" 2 garrafas de Ilollanda verdadeira,
' '
' r le 1 garrafa de Hollanda verdadeira,
' a 640 rs.
Botijas com dita propria para negocio, a
irrafdes com 2 gales com dita, a 65000.
Serv 1 boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
) duzia a 65000.
P Vinho mucatel de tetuba, a garrafa a
-o 15000.
7.6 Marrasqninho verdadeiro, frascos a 800 rs.
>S*> o a 15500.
r'-n Cliainn-iiie, a durla 2050OO, e a garrafa a
. (>,'> 23000.
J Azeite refinado portuguez e francez, a gar-
' rafa a 15000.
~'K Caixa de vinho Rordeaux muito superior, a
--> 75, 85, 05 e 105 a caixa.
, Ditas com dito branco, a 75000 a caixa.
' i. Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
3 10, a 203.
, Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
vfg 18.5000.
1 Ditas com cliamisco superior, a 145000.
' Ditas com l'orto velho e oulras mullas mar-
:\\1 cas, a 125000.
*J Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640,
Jv" 720 e 800 rs.
.H. Dito de Lisboa muito bom, a caada a
:3 35200, 35300 e 45000, e a garrafa a 500
fe 560 rs.
Dito da Figueira, das seguintes marca, (N.)
(J. A. A.) (J. L G) (O. M.) a caada a
45300 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
r?j) que ja est engarrafado e lacrado com o
.r3 rotlo do armazem.
v1 Ditos d1 marcas mais desconhecidas, a o.ana-
rff) da a 35300 e 4,5000 e a garrafa a 480 e
*-3 520 rs.
Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa i
SOOrs.
Vinho verde superior.
A caada a 35500 c a garrafa a 480 rs.
Gemma.
Sacras de 4 arrobas, a verdadeira de se
engonunar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a liDra a 200, 240 e 280 rs.
r'arinba.
accas grandes com farinha de Goianna mui-
to nova, a 55000.
Cat.
Caf do Itio muito superior, a arroba a 85,
85500 e 93000.
Cha.
Cha temos nestes gneros o melhor possivel,
liysson, a libra a 25600.
Dito perola a 35000.
Dito uxima 25700,
Dito hysson muito lino a 25800.
Dito redondo a 25500.
Dito preto de primeira quahdade a 25500.
Dito mais baixo a 25000 15600.
Erva mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Csperiaacete.
O masso com 6 vellas de esperraacete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prlas para mimos a 4* e 2J500.
Jiozes.
Notes, a libra 160 rs e arroba a 45000.
Alpista c painro.
Alcista e painro, a arroba 45000 e a libra a
160 rs.
Carlas.
Cartas finas parajogar, a duzia a 25300.
Castanhas.
Castanhas novas viadas neste vapor, a arro-
ba 450OO e a libra 200 rs.
Altitonas.
Barns com azeilonae novas a 15500
Haoteiga.
Manteiga flor, a libra a 13000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita era barris e meios ditos, a libra a
660 rs.
Dita para '.empero a 400 rs.
Qaeijos.
Queijos novos vindos neste vapor a 35200 e
33300.
Ditos londrinoa muito novos, a libra a
15000
Papel.
Papel almaca pautado, a resma a 43800
Dito dito lizo de linho, a resma a 45500
Dito de peso lizo c pautado, a resma a
255OO
Dito de einbrullio bom a 15 e 15200.
Vinho "ilailcia.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 13300 e 25
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a 1 i lira a 4'0 rs.
Velas de carnauba.
Hasties com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libA a 320 rs.
Doee.
Caixees de doce de goiaba, grandes a 15400
e pequeos a 640 rs.
lijlos de 1 iinpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Graxa.
Duzias de boioes do graxa n. 97 a 25600, e
de latas a 15000, e os boioes a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs. t
Charutos finos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Baha por diversos precos, caixas e meias
caixas.
Manteiga franceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a 560 rs.
Amendoas
confitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Aineixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
21400, muito propios para mimos,
Cartees
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a I 5300.
Chocolates
de todas as qualidades a 15000 a libra.
Presuntos ingiezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos ?elhos para 500 rs.
Qaeijos flamengos
chegados noste ultimo vapor a 2^6oo.
Qaeijos
chegados no ultimo vapor a 2G0O cada um.
Quejo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas in^lezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e i#200.
Cht uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
30 a 2l600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hvssofl
o mais aromtico que tera vindo ao nosso
mercado a 2#600.
Massas amarellas
talharim e aletria a
desejar,
400 rs. a
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
para sopa, macarro,
480rs. alibra.
COGVAC
o muito afamado cognac Pal Brandy a I,8on
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a l,ooo e Son rs. a garrafa.
COPN
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 c 5oo rs. cada um.
PAPEL
'^p almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
' de excellenle qualidade a 27$200 a resma,
PAPEL.
I azul e pardo para embrulhode l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo 15. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oo rs. alibra.
Vmagre
PRRem ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
CcMlas
as mais novas do mercad. a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista o tu.iu(?o
o mais novo do mercado a 14o -s. a libra,
e 45400 a arroba.
CEBLAS
moito novas a 1,-JOOO o cento na ra do Qne!
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
GRAO DE BICO
muito novo a 30400 a arroba e 140rs. a li-
bra na ra do Qaeimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
QUEIJO SUISSO
48 0 C
Pechincha seni iguL
Lindos cortes para vestido de percalbs de cares
claras e escuras com grande variedade de padrees
pelo baratissimo prego de 4$ o corle: na laja das
s lumnasrua do Crespo n. 13, de Antonio Cr-
rela de Vasconcellos A C
.
Folha de Flandres.
Ven le-se na fabrica da travessa do Carioca
I caes dfl Rimo, superior felha de Flandres:
ver o tratar na mesma fabrica.
POTASSA
Vende-e potas* em barris a eommado preco o
na ra da Craz n. 23, primeiro aadir, eseTiptori:
de Aatonio de Almeida Gomes.
libra e 4500 a caixa.
m Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado dos melhores fabri-1
cantes da cidade do Porto a 10 e 15200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas so as seguintes: Chamisso AFilhe,
F. & ^f., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica da mesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r^ .it bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arres
Lindas capas e bournoux de casemira de cor.
Ditas de laa e de seda.
Grando variedade de sout'embarques de seda de 185 a 405.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados finos, de rachimira eom li>tra J>
seda e de fil preto.
Camizinlias modernas, zuavos brancos e de cores, coefes de cambraia, lindas fat-
linhas com puntios e outros muitos artigos.
Para cabeci de scilwa e menino
Superiores chapeos e cbapellinas de palha de Italia eofeitadas para senli ra
Ditos de feltroenfeitados para seolmra.
Ditos de palha enfeitados para menino.
Grande sortimento de enfeiles modreosle retroz, de froco, de cabello e de tora,
para senhora.
Na toja das columnas da ra do Crespq n. 13, de Antonia Crrela de VafCMcel-
los & C. .
JA DO OfPEKUftOK-ttl
Segunda casado lado direitokindo do pateo do Colindo.
Francisco Jos Leile, tem a satisfaco r> avisar aos seus fn-guezes .' a<> res-peitatel
publico que, estando restabelecido de seus-incommodos de saude, acha-s.- notamente
com um bello e bem sonido armazem de se como sempre caprichott ter das mcllicres quildade?. francamente affianras |*am pi
se dignarem comprar em seuestabelecimento^ue all de preferenciioura -|u il.pier j>ar-
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India:te spr0 inais btin scrv,iJos. em qualidade e prados, como em posos e nirdida, iw> \on
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1. e 2.1 sorte do Rio de Janeiro a 803f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a lib?
Carrafdes
com 4 *'i carrafas com vinagre a i 0000 ja
ogarrafo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110060
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e2o rs. cada caixinha.
LICORES
unos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos -a Ooo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs. S
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatiraento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Ratatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas mnilo novas
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra,
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dscc da casca da goiaba
a 600 e 10 ocaixe.
GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar-
roba el 40 rs. alibra na ra do Qoei-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e largo
do Carmo ?,. 9
BOLACHINHAS
em latas de defferentes qualidades a 10200
QUEIJOS FLAMENGOS
sempre o annunciante foi escropulo>o, em sinma, nao illude a pessAi algunii.
Aos Sis. de engenho e lavradores quejo que-rain honrar como Mi imtenle fen
assegura que o producto de sen laboros tabalho ser o mais bem reputado do narra-
do desta praca, para oquesejulga conveniiemento habilitedo pela teap pnlmeae-
mercial que tem exercido, sendo seus porta4|rcs despachados com presteza, depoi k $-
rem lielmente cumplido as suas ordei.s.
jnegociantes que llie mi-recam-onfianra. &-
vista suas mercadome, a Mnajeei la
urna mdica commisso, en>refaade4e
compra de generoi :n ttmtnmmmt
Fornecer gneros aos Srs. agricultores
zendo timbale vantajoso aos que pagareml
venda de qualquer genero do paiz, mediai
promplo seu pr< duelo, e sendo este applic;^
prescindir da commisso.
Dos seus antigos e benignosfregoezes espera oannnnciaole sua valiosa prot.'.-.-.v.. fre-
quentando como outr'ora sua casa, e pelo re mbecimeiito que Ibes tributa poo-
taneamentc seus serviros.
Julga desnecesario publicar a tabella doi precos de seus eneros: rito seus iivnrsoe
garanta suficiente de poder accr.mpanhar s menores precos de idnticos n>-o e
mais apparatosos estabelecimentos, leudo ament em vista o augmento de Mas vendas
diarias.
Prevcneo necessaria.
Tendo sido o proprietario estabelecido muitos annos com o mesmo ramo 'U*
ci na mesma ra, julga prudente advertir ane s aflirma e se responsabln pelo i
tem declarado no que disser resucito ao ana/.em.
.,,! m
Segunda casa do lado dir
mil
PERAEIOR-^1
indo do pateo do Colltgio.
fe TOftfc
do Queiraado n. 7, ruado Imperadorn.
40 o largo do Carmo n. 9.
muito fresco a 800 rs. a libra na ra do chegados neste ultimo vapor a 20800 na ra
Queimadon. 7, ra do Imperador n. 40 e
largo do Carmo n. 9
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares :
0 Verdadeiro Principal roa do Imperador n. 40
NOVIDADES.
Queijos do Alenlejo. ditos das ilhas o mais fresco que so pode dese-
jar a 10200 a libra, e sendo inteiro ter algum abatimento, ricas caixinhas
redondas enfeitadas, proprias para mimo da festa pelo barato preco de 40
eada urna, ricas caixas de figos tambem proprias para mimo de 800 10500
cada urna. Vende-se nicamente no armazem Verdadeiro principal, ra do
Imperador a. 4.
5#ooc:
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
4i a lata : nos armazens da ra do Im-
perador u. 46 e ra do Trapiche Novo n. "8
fflSlil
Vn*e-se ssnerlor rlahe do Peno em cdias de
nma doeia : era easa de Jo*ostra Pater Jt C, roa
do A'ffario b- 3.
Superior cal de Lisboa.
Vende-se superior cal ti ~is' a mais nova
que ha ne mercado, tanto em porcSo como a reta-
lho, por barato pr^o, aflancando-se aos compra-
dore uperior qualidade: a tratar oas segniUes
ras : Crespo n. 7, Imperador n. 28, Forte do Ma-
tos, armazem do Sr. Avilla, defronte trapictu;
algodao._____________________________
Vinlio em harris de oitavo e dcimo, vende Antonio Lnl*
de Allmquerque Aievedo H C.: sea aseriptorio
roa a C/oz n 1
asa tD$ ibmwiim
UBTKUEiiRO VCKDE.
Neste estabelecimento ha sempn. um sortimento completo de ronpa ffita de \
todas as qualidades, tambem se mai^a fazer por medida, vontade dos cooror-
S rentes, para o que tem um dos melhore3 professores, assim como tambem tem um
sR grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para scnboras,
M homens e meninos.
)jj| Casacas de panno preto, 350 e 3O0too Ditos de setim preto. .
m Sobrecasacas idem, 30* e 250HH) Ditos de ditos e ^a ^0,
v Paletos idem e de cores, 250, 6)j e
9 200, 150 e.. IOMMi Ditos de'gorgu'ro d seda"
3 Ditos de casemira, 200, 150, | prelos e ,ie ^^ Mt ^ e
m 120, 100 e ... 70JIOO Colletes de fusto e brim bran-
Ditos de alpaca, 50, 40 e 3*400, co, 30500, 3* e .
m Ditos ditos pretos, 90, 70, | ^, u ,,. hrira
j 50, 40 e...... 30OO k
5 Ditos de brim e ganga de co-
>^ res, W500, 40, 30500 e. 30OOO
9 Ditos branco de linho, 60,50 e 40OQO
Wk Ditos de merino preto de cor-
$ do, 100, 70 e..... ty
M Calcas de casemira preta, 120,
g 100, 80e......7v
S Ditas de cores, 90, 80 e. 70000
de linho,
2*400 e ......
Ditas de algodo, 1*600 e. .
Camisas de peitoe de linho,
4*, 3*e......
Ditas de madapolo, 20500,
2*e........
Chapeos de massa, prelos fran-
ceses, 10*, 9* e. .
Ditos defltro, 5*, 40,3*500 e
2*500
2*t0O
liO
2|00
Ditas de meia casemira de co-
res, 5*000 e.....4*000
! Ditas de prineeza e merino pre-
to de cordao, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 5*, 421500, 4* e .
Ditas de ganga de cores, 3* e
Colletes de velludo preto e de
Ditos de so), de seda, 12*,
H*. 7* e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. .
Sortimento completo de gravi-
tas.
2#*0 Toalbas parroste, dozia, 11*.
40O
2500
I e........
cores, 9* e......7|000 Chapeos de aol, de alpaca, pre-
Ditos de casemira preta, 5* e 4JW0O tos e de cores.....
Ditos de ditas de cores 50 Lences de bramante de linho.
4* e........30500 Cobertas de chita chineza.. .
6**>0
6*000
I
6*000
4*000
3*000
2*500
iCi l .l.lll,
Aeha-se venda os seguintes testamentos,
proprias para enlreler do galo, da gatint t, o
parco, a pcleja entre S. Miguel, urna alma e
bo, da onca lygre, e do vigario feito em
do sooho paroehial, a 160 rs. cada exempl
ra do Imperador n. 15, defronte de S. Fr
onns
Novidade.
ia e o dt-
n \ i rico
nplfr: na
Frafcois-o*
Di4.,
Cheparam loja de Manoel Joaqnlm
ra da Imperstrlz n. 78, que tem o lampio na se
canda porta, os ricos sintos a travura, que se ven-
dem por mdico precio,
14-Rua Wreita-14
l'nieo dapesito d*>rapi imperial do fahrieaaa*
Isaac Esnuiy ; afflanca a soa boa qaali superior a* rap de Lisboa e ao rape rea prru.a
prova faz f : vende-se a retalho a 14 a tit.ra,
em porcao de 10 libras para n ais a 8M r.: um-
bem abre crdito aos compradores en trata cor-
rete.
ATTENgAO.
Vende-se nma morada de casa tema t
frpgnezia da BoaVita na roa do Socef o a. 19.
Campo Verde em ehios proprios a Indar aa
ra da Imperatru loja n. W
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO 1
MUTILADO


Diarl* 4e Pe?atboe Sexta Icira 83 Deiembro de l4.
0 VIGILANTE
Rna de Crespo n. 9.
0 gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom
poso Ballisa, na sua ordem do dia, e pela Branca
Aguia, a|esar de que, para esles o Gallo rom ?eus
agudos esporoes nunca os ofTender*, inles os agra-
ciara aa mosma conformidade, para qoe o Balita,
possa marchar em frente, a Branca Aguia possa
levantar seo voo.'levando no bico as palinnas seu
ninlu ; e o Gallo (cara em seu espaepso campo
dando de novo o sen canto aonunciando a eus
bons freguezes e ao respeilavel publico
0 grande sorlimento de objeclos de muilo gosto que
acaba de receber.
Ricas caixinhas cem msica ricamente enlata-
das para costura, proprio para um delicado c-
ni no.
Riquissimos cofresinhos com cadeados de mtol
para guardar joias.
Ricas caixas com estejo, eontendo todos oslper-
tences parahomem. .
Riqusimas volias fingindo parola.
Ditas com lacinhode lita.
Unas de lindas cores
suras.
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado os. 40 e 55, luja de miudeza:
de Jos de Azevedo Maia est continuando a
vender torito barato, pois seu genio dar a faien-
da por todo preco a vista dos cobres.
Cartas de alnetes francezes da melhor qualidadt
a 80 rs.
Grosas de pennas de ac inglezas da melhor qua-
lidade a 640 rs.
Caias de clcheles francezes de superiores quali-
dades a 40 rs.
Grosas de boldcs de madreperola tnuito finos a56(
e 40 ris.
Carreteis com 4 a 5 oitavas de retroz preto fino a
640 rs.
Resmas de papel de peso liso muito superior a
23000.
Grvalas da liga e de outras muitas qualidades a
500 rs.
(.'aniveles para penna com 3 follias fazenda boa a
800 rs.
Duiia de boloes branco para casaveques de senbo-
ra a 100 rs.
Pecas de fita de cs eslreitas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Portuguez para os meninos a prender
a ler a 00 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren-
der a Icr a 13000.
Carlillias da doulnua ebrslaa, finas e superiores a
320 rs.
POMes tinos de marfim a 13000, 1*200 e 1*500.
Pares de iuvas de seda para homens e senlioras a
500 rs.
AO PUBLICO
Sem o menor constran-
glmento se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
ATTENQAO
Os preeos da seguate
tabella para todos, po-
dendo assim servir de ba-
se para o ajuste de contas
com os portadores.
RA HA CAMBWUk 1$0 BEIFE US. 3.
(Logo passsndo o arco da Conccirao)
Grande rednceSo de preeos, equivalente a dez por cento menos do que outro qualquer
annunclante.
Agua Florida.
rara reslabelecer c ronsen.r a dos cabello.
A apta florida nao urna ;
nal a contestar, a mesma ayua fea
tiva ao cabello. CufJMata n. |
de sulistaocias inoffet:ivas, ella t: i | .
de restituir aos cabellos o prinrii
les Un perdido. D'uma salulnd
vel, a Agua Florida eiilrelem ai"
de.-lroe as caspas e inorare* ral
Oleo de ori la
Composto de substancia.-- *|
ronstile poderosamrr,a cora a .', : i na, a
forca, a bell za e a taaeui w^ie fe* i I
Em Par;, casa de QejaJaar n. 12, i
lien, e 21, l.oulevard M ntin.-"-
Todos os Iraarea, nio leafe intai
timbre prateado da i-asa. Al p-i )
Deposito,ra do Imperador, afean
I
Im l*pscbrini"iito Ecmn
Collegas.Nao posso por mais lempo sustentar o prego da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
avuilos objeclos, ele, dando com islo ocasiao a ludas as espeluncas acabarem porbom preco a manteiga de tempero, e grilarem em
alia voz, que podem vender pelo preco que eu vendo I! I Ora, eu ofTendido com estas obscuridades e receio^o em adoptar o mesmo
e preta, de todas as
0 Sondo Sciculififi imainmauritr o :<
Gollmiias para senhora o melhor que ha a 320 e' systhema que \im encontrar, de s se vender com um por cenlo a carola, resolv faacr esta grande reducc3o de preeos, como veris
pela seguitite tabella, pois como sabis ca pelo mcu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molbados Uniao Mercantil nao
se sabia de outro prego de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oo a i,Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da redueco a que,
esto obrigados, encarando todos os das de seus freguezes reclamacao de preeos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores \
al informado deste novo estabelecimento. pora lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu um
t5o smente obler a concurrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senlioras o aceio que presidie, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromptido e entei-
reza com que seriio tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me darlo a protecc-ao e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir poderao mandar seus portadores, anda que ses sejam pouco praticos, pois
sero tilo bem servidos como seviessem pessoalmente, havendopara com estes toda recommendago.afimdeque nao vaoemoulra parte
..
Lindos aderejos com pdrinhos fineindo jri-
Ibantes.
Ricas fivellas para cinto, de todas as qnalid.les
e liom gesto.
Iticos cintos do ultimo gosto de Paris.
Grane sorlimento de lindos enfeites para cha-
fa, sendo do ultimo costo e de todos os presos.
Flores muito fmapara noivas.
Luvas enfeitadas e metas de seda para noivak.
.haposinhos, sapa linios e meias de seda pt,
baptisado.
Riquissimas fitas de todas as qualidades para-
so, cintos e cinteiros.
Camisinhas e goflnhas para senhora.
Riquissiraos jarros e figuras para ornamento te
sala.
Grande sorlimento de gravatinbas tanto para e-
hora como para hornera.
Luvas de pelica branca e de cores.
Cascarrilhas de bonitas cores.
Trancinhas, galo e maravilhas para enfeites.
Transelins de cabellos e de retroz para relogl
Papel amisade e de outras qualidades.
Rolsas para viagem.
ntremelos e babadinhos de lindos padrees.
Lencinhos de linho bordados.
Meias para homem, senlioras, meninos e meni
as.
Fitas de veludo lisas e com mtame de todas a
largaras.
Tesouras e caivetes de todas as qualidadeS
GraBde sortimento de sabonetes.
Lindos vasos com nanita para olTerecimentoip
Caixinhas com seis frasquinhos.
Essencias de todas as qualidades.
Agua verdadeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grandes, eem
frascos qttadrados egarrafinhas.
Pomada lina de todas as qualidades.
Superior banha em frascos e copos de lodsf os
tamaitos.
Saho inglez em paos grandes e pequeos. ]
Escovas de cabo de madreperola, marfimdde
sso, [iara dentes.
Peni-'s |iara desembarazar, com friso de mtlal e
?ciii el/e.
Ditos de tartaruga e de muitas outras quJda-
des.
Pintes de tartaruga para senhora.
Ligas de seda e de algodo, assim como m"
outros objeetos de posto que seria i?ipossivel tni
cinar, que a vista far f, s no Gallo Vigilan e,
ra do Crespo n. 7.
Lequcs.
Rlquissimos loques de madreperola tanto paja
senlioras como para meninas, pelo barato prejo
de I2 e 14; s no Vigilante, ra do Cres
n. 7.
Penles
500 rs.
Frascos com superiores banhas a 240, 320, 500 e
15000.
Livros que serve para assentar roup, pelo diminu-
to preco de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cordo branco para espartilhes muito superior, i
vara a 20 rs.
Carritis com 150 jardas de linha branca a 60
ris.
Cartoes com 200 jardas de linha branca garant-
d' s a 60 rs.
Grosas de pennas de ajo superiores a 500 rs.
i Varas de franja branca e de cores larga para toa-
Ihas a 160 rs.
Pares de boloes de punho, oh que pechincha a
120 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro cora superior tinta a 100 rs.
Grosas de bates de louca prateado muito fino a
160 rs.
Tesouras para costura superior qualidade a 500
ris.
Escovas para limpar dentes, superiores a 200 rs,
Caixas com superiores phosphoros de seguranca a | Wem per0|a 0 mas SUperior do mercado a
Caixas com 100 envelopes o melhor que ha a 640
ris.
Caixas com 20 quadernos de papel amizade, mnito
fino a 600 rs.
Quadernos de papel pequeo muito fino a 20 rs
Libras esterlinas.
Vende-se qtiem as-quizer comprar no armazem
n. 33, da ra da Praia, se dir quem as vende.
Frascos com gomma arbica
dissolyida e pincel.
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja
aguia branca.
N< vos albuns.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 5(io rs. a libra, e em barril ou
meios a ioo rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,Goo rs.
a libra.
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
nesle genero 2,6oo rs.
dem preto homeopailicoporserde superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra,
dem hysson, huxim e perola mais proprio
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abat-
ment.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de Superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do MaranhSo a Ido rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem da India monto alvo egraodo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a "arroba,
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba,
para negocio o I,Coo, l,8oo e 2,ooe rs. aPainco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
da
libra, garante-se ser muito regalar, igual
ao que se vende emoulra parte por 2,4oo
e2,too rs.
Linguicas, cliourigas e paios em latas de 8
libras, emticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chourigas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,ooo rs. e I,5oo e 6oo rs. a libra.
na'ffim" ^ | Queijos flamengos muito frescos chegados
augmentar, neste ultimo vapor a 2,2
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de I e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Alelria, maearrao e talharim a 4oo rs. a" li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para csse lim.
A aguia branca acaba de receber oulra encom
meada de bonitos e bem encadernados albuns de
capas de velludo, massa, tartaruga e marfim, al-,
guns dos quacs con. microscopio para augmentar neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor Estearinas a 5Go rs. a libra, e em caixa com
o tamanho dos retratos, continuando a serem ven- passado a 1,000 e l,8oo rs. 25 libras a 52o rs.
?AW0H'i.^^?.ommooOS: na rua do Queiraado, dem londrinos os mais superiores que tem Vinho do Porto muito fino excellente qua-
loja da rguia braman. 8.
Galante as para fes tas
A aguia branca nao ressa de encommenclar do
que ha de melhor e mais apradavel, e por issoaca-
ba de receber diversas figuras e vasos de p de
pedra com fina banha, assim como bonitos frascos
de excellentes extractos e lindas raixin'>as de ma-
vindo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz aba)metilo.
Iilem prato muito fresco a 8oo rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
deira euvernisada cum finas perfumaras, tudo i Ervilhas C favaS porlllguezas em latasj pre-
mui proprio para presentes de testa* etc., ha vendo paradas a 64o rs.
dinheirodiiijase o pretndeme a ruado Queima- Mnrmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa aTioo rs. a libra.
Prezunlo do reino vindos de casa particular
a-5fio rs.- a libra, e a oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
don. U, loja da aguia brauca.
Ail fino para' c?igom-
inado
A aguia branca na rua do Queimade n. 8, rece-
beu glbulos de ail fino e frasquinhos com es-
sencia de dito para engommados.
Outros enfeites.
A aguia branca acaba de receber por este ulti-
mo vapor um novo sorlimento de bonitos e delica-
lambem cheparam os riquisstmos pentes de conch dos enfeites de moldes inteiramente novos e de um
de tartaruga e de massa lina, que se vende por2Jl apurado posto, assim pois comparecam os preten-
35 e 55; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7. I denles munidos de dmheiro c* com disposigao de
Canelas. I gastar : na loja da aguia branca rua do Queima-
Riquissimas caotas de madreperola propribjt do n. 8.
para qiialqinr presente, pelo batatissimo preco d
15500 e 25.
Sapatinhos e meias de seda.
Piquissimos sapatinhos de seda e de merino eil-
feitados, assim como meiaszinhas de seda, gorrau-
nhas e tonquinhas para as cnancinbas se baptiza-
rem; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Vullinhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzin'/ias
fingindo brilhantcs, assim como cruziubas avulsas
e voltinhas, pelo barato prego de 15 e 15200, as
erares avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, rua de
Crespo n. 7. .
Celinhas.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
Pequeos pentes de la r-
tarvya
A aguia branca na rua do Queimado n. '8, rece-
,?eben novai-.enle esses pequeos pentes de tarta-
ruga que por suas qualidades de pequeos, lisos,
tiouitos e bem feilos tanta estima tem merecido pa
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo eooo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,onn o 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,ooo e a 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das mlhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Dottro, Duque do Porto, DuqucGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Feloria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
lo.ooo rs. e a 9oo e l,ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
l.ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas eontendo G libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa- a 30o e 5(io rs. cada urna,
rente e de superior qualidade, tambem tem Sardinhas portuguesas em latas grandes
de 12 por libra propria para carro. preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-1 boa a 84o rs.
da, salmao, ostras e chemee, vezugo em Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
lalas grandes a 8oo e J,ooo rs. cada tima. I cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita- libra,
das que tem vindo ao nosso mercado a Bolachinha de soda em latas com diversas
G,ooo, 7,ooo c 8,ooo rs. a caixa, garante-1 qualidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nfio pode vender p.tr este preco. | para mimo a 64o rs.
novas de carnada a 4oo rs. a
ra as senlioras s. gurar o cabello quando atado ; a 4U!"1 u ,' eu,ier [Kr eSte pTevm para m "
aguia branca porm avisa aquellas pessoas que usjGenebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito
haviam encoiumendado e a quem mais queira 5,7oo rs. a frasqueira. libra e 6,C
8a
V
t-raip
te
.
to possivel, a 25, 25500 e 35; s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Enfeiles para senhora.
Riquosissim enfeites com la^o e sem laco e de
ontros.muitos gosios a 15, 15500 e 35 : s no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins de cabello para relegio ou lu-
netas, pelo baratissimo preco de 15500, ditos de
retroz a 200 rs.
Babadinhos ntremelos.
Riqnissimos babadinhos enlremeios com lindo;
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
preso de 15200, 15500, 25 e 35; s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Cascarrilhas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim corno galanzinho e trancinhas pro-
prias para enfeiles; s no Vigilante, rua do Cres-
po u. 7.
Filas.
Grande sorlimento de fitas de diversas larguras
e qualidades, por preeos que admirara aos com-
pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e peca
de 9 varas a 25; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Filas de lia.
Fitas de 15a de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a peja; s no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7
Reos esprines.
Riqnissimos espedios rom moldura dourada
sem ella de 85, 105. 125 e 145, assim romo com
efllumnas de differentes lmannos a 25,35,45, 55
e 65; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
' Lindes jarres e figuras.
Riqnissimos jarres e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto queaqui
tem apparecido; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Pera ees de arree.
Riquissiraos vasos com bonecla para pos de arroz,
eousa de multo gosto a 15500 e 25, assim como
pacotes s com os pos i 320 rs. cada um; s no
Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Perf/aaarias.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos rom dis-
Unctivos e offerecimentes as sinhasinhas dos me-
ibores e mais afamados autores de Pars e Inglater-
ra, assim como os grandes ropos de banha japonexa
a 25 e a 15, assim como ontros objeclos qne nio e Lindi
possivel por hoje a anunciar, e vista dos fregu- mais mi
es se far todo negocio; na loja do Gallo Vigllanto, vapor
rna do Crespo n. 7. imado n
aproveitar a occasio de os comprar continuando
a serem vendidos pelo mesmo prego de 4-; cada
um.
Estando brancas ficam pretos
I O bom resultado e o rpido effeito que prodni
a tintura de ebrornacoma, e mesmo o facillimo
nodo de applicar tem se tornado mui conhecido e
apreciada por todos que usam della e por conse-
grte augmentado a exlracao, pelo que a aguia
blanca manduu vir mais o novo sorlimento que
ataba de receber c&n.-tando elle de
Caixas com chromacoma para tingir os cabellos.
Frascos com colonroma para lustrar ditos.
dem de laranja verdadeira de A'tnna em
frascos grandes a l.ooo rs. o fiasco, e
ll,or. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes 4oo
ooo rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
Antonio de Lisboa em latas com 6 libra
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes emlalas
de 3 libras por 1,566 rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por l,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas eslampas na caixa
exteriora l,2oo, l,'5oo, e l,8oors.
Azeitedoce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o ts. o frasco
8.;ino a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Melho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a Soo.rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquinoo verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e H,ooo a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o maco.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Bahiae da?
mais acreditadas marcas conhecidas no
r.osso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
1,090 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaha em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixoes a Goo rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e to.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por l,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
AGENCIA
DA
AGENCIA LGW-MOL
Kua da Senzalla hoy n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
Ditos com hvdroca elhric una para impar ditos .____. ,___,____. ,. _,__. .
Jitos com ofy.broman.ina para limpar as unhas I a completo sortimento de moendas e metai
Sabonetes bramos para lavar os cabellos. tuoendas para engenho, machinas de vapor
pomada ealliconiiphila para dar cheiro aos di- ( e tachas de ferro batido 6 COado, de todos 01
tamanhos para ditos.
SORTIMENTO PARA A FESTA
rw
dou-
tos) sem offender a preparacao feta.
Sapatas de marroquim
rado yara builrs.
I Isses sapatos do grande lom vendem-se unica-
me ite na rua do Queimado loja da aguia braia n.
G5 o par.
Meias finas para senhoras
gordas
endem-se na rua do Queimado loja da aguia
ca n. 8.
syonjas finas para rosto
ndem-se na rua do Queimado loja da aguia
Arados americanos e machinas para
lavar rompa: em easa de S. P. Johnston & C,
rua da Senzalla Nova n. 42.
ar ca n. 8.
para
nio I
ralri
rato;
Botiecas
hoja da Aurora na rna larga do Rosario n. 28
rfccel en riqoissimas horneras enfeitadas tanto de
louc,a como de seJa, finalmente sao muilo proprias
PPL,
Fabrica Coiicei$io da
Bthia.
Andrade k Reg, recebem constante- ^
5 mente etem venda no seu armazem n. jjfj
f 34 da rua do Imperador, algodo d aquel- ?p
i la fabrica, proprio para saceos de assu- ***
( car, embalar aip.odo empluma etc., etc., %&>\
mz pelo preco mais razoavel. gag
mmmmmm mmmwmmmm
Roa da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston ; C,
H CONSERVATI
dar de mimo a qualauer menina Assimeo-1 e|]i si,hBes illg|ezes candieiros e castt-
imbem reeebeu riquissimos er.feites a impe-. c .
cousa de muito gosto o qual se vende ba- caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
IZ cousa ue rnuiio gosto o quai >e -eiiue v rs. a 11111.1.
;lquem duvidar mande buscar para ver o gosto chicotes para carros e montana, arreif/s para I fassas para sopa a 480 e 440 rs a libra.
_ LINDOONFEITS-
Pai "a senhora a Maria Pia e a Garibaldi.
Cnei garam para as lojas do Reija Mor lindos en-
feites
mais I
novos
n. 63 d
carros de um e dous cavatlos, e relogios de
ouro patente inglez.
Bna da Senzalla iXova o. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tac
(erro coado libra a 110 rs., idemd eLov
Moor libra a 120 rs.
23Largo do Terco23.
Joaquim Simo dos Santos, dono deste armazem de melhados avisa aos amigos do bom e ba-
rato que se venham sortir dos bons gneros este estabelecimento que nao se arrependerao, se lhe
(ara a differenca de 10 a 20 por cento, pelo seu nrompto pagamento ; e por isso se faz annuncio de
iiguns gneros, que tendo ssmpre este estabelecimento um grande e vanlajoso sortimento de tudo
manto perteucente a este e.stabelecimento.
Sentido! Von fallar com o f.enscrvalio !!
Queijos mais novos do mercado a 2J500 e 25800.
Serveja das melhores marcas, tanto branca como
preta a 500 rs. a garrafa e a duzia a 5800.
Sabio amarello massa a 180,200 e 240 rs. a libra.
Charutos da Rabia dos melhores fabricantes de
lj.200, 2,5000, 2500 e 33 a caixa.
Miilio alpista e painco a 160 e 140 rs. a libra.
Vinho de Figueira verdadeiro a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa das melhores marcas a 400
dem do Porto em barril superior pinga a 640 rs.
dem branco proprio para missa a 500 rs. a dita.
I lera do Porto engarrafado a800elj, tomando
mais de urna caada de qualquer umdestes ter
grande abatimento.
Conservas inglezas e portuguesas a 500 e 40 rs.
Biscoitos e bolachas de soda a t400 e 2.
Massa de tomate a 600 rs. a libra.
Gen*bra de Olaida em frascos enotijas de la-
ranja de 480 a 640 e 42200.
1 jhouricas as mais novas a 560 rs. a libra.
Latas cora 1 e meia libra de amenas a 1,5200.
Azeite doce de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 32 o
galo.
Manleiga ingleza de Ia e 2' sorte a 809, 900 e 12
a libra.
dem franceza em barril a 600 e 640 ris t. li-
bra.
Toucinho de Lisboa a 300 rs. a libra e 82800 a ar-
roba.
batatas em caixas e gigos 12200 e 22000 a ar-
roba.
laf de primeira e segunda sorte a 250, 280 e 300
rs. a libra.
vrroz da India, Maranhao t Java a 100 e 80 rs. a
libra.
Phosphros do gaz a 22 a groza e 180 rs. o maco.
'assas novas a 480 rs. a libra.
Velas de carnauba Aracaty composicao a 400 e 440
rs. a libra.
tfarmellada dos memores fabricantes de Lisboa de
1 a 2 libras a 640 rs. a libra.
Cha hysson o melhor deste genero a 22800 a li-
bra.
dem perola miodinho a 23500, 22000 e 32000 a
libra.
Banha ingleza aira e superior a 480 rs. a libra.
A (omjhshu Aicahni
'litoral ilc hcn:p.
Por espaco de muito tetap* se ha
tensamente em Xutpico pan ;. i -
tsica notta;
CATAREV. ASTHMA.
BROri'JFJTE, TCSSE C02YULU
CHUPO OU GAMOTUaO, i
Inflamma9es da Garganta e '
c isto com uin resultado to Un i .iaiiet-
raHieutu assoiuliroso o p.'io >n ni.-. :.-> ,i'nrii
arvorc >juc chainio Aka xu: ita. t
se cncontra no Unieai,
A Composicao Anacahm*a P ito-
ral de Kemp um XmnpeJrtit <. it^
nimento differeute na .na i
todo os mais Paitaran < Exp mn-
nufactura'los da fraetoa aatn .anwr.
e rutea, &'-., toeano ao cr>ntem bmJmmi
Aeidt Pmixteo ou outro qnacM| dientes vcneiio*os.
Todas as molestias e affcoriV da garaante
e dos pnlniocs daaaaaaaraeaai aran ;
mgico enranto, mediante a ac<;
nparavel c irreaistivel remedio.
venda as boticas de Gm
rua da Cruz, e Joo da C. I?ra>
da Madre de Dos.
sa g
-----
o
g'go.tlgO-, -
y- T o ^ x a
saT-gSyB'fr: s
= S-? 3 o
o a,
-; "2
re w
o
Q.
^3'
3 g t -^ rr r/. .. *
re 3
-* 3
o w re
> 2> o
re re
2f5
O O CJ3
Si re ~
.


B
r_
re
j-.
re
as
M

3 ~ a
O.CS95
ai M
*l i
o7312
t, -a re
. 5?
8
o
--5
c
o.
e
-- -
e__,
c -
II

%
*
Vinho do Porto mpccial.
O mais generoso e genuino vinho <*. P rt tur
ras novas e esperiaes. em caixinha< 1^ l'in
fas, sendo marcaRainha de purii
a caixa, e marca Pedro Va i63 : '" ;re
hr-se-ha nm abate razoavel : r.o arr Prr-
i'eira iV iMathi-us, junto ao arco di ( i ion
G6. o mesmo armazem ha lam
vinho do Porto em anmretas de B pawi i y*Z
cada tima, e em porfi por meno* algtima > m%
Que bello presente!
Chegaram de novo a rna Nova, loja n 7. i4.i
bonecas ricamente vestidas, as quacs rh-niaa) pa
pai e ma-mai; este um dos mais mi r -'aa'e
presente que se podo fazer mtnina* de 6 a !
annos de idade.
a Mara Pia e a Garibaldi, os melhores e os
indos que tem vindo por serena de poMos
: as lujas do Deija Flor rua do Queimado
69. I"____________________________________________ Vende-se um comomeiro martimo inglez do
t Untos para senhora a Maria Tia. VPTldP-SA melhor fabricante Charly Prodshan. afflanando o g Iggncsr msUlisad* 4* CnMtl U
Ches' aram tambem Kndos sintos com fivelas de1 ,u a 7! \ ; sen regu lamento, por dimieuto p-*co : a tratar "*
nedra; i Maria Pa, os mais lindos e mais moder- superior farinha de mandioca, a bordo dos brigoes M rua iNova o. SI, leja da Francisco Jos Ger-, 9 de JulllO
e t*m vindo : s as lojas Oo Beija Flor cimas Principe, /). A/fonso e Nao Sei, atracados mano.
Queimado n. 63 e 69. eo caes do Baran do Livramento a tratar ator-________________________
Ppntps de tartaruga do, oo o largo do Oirno Sant n. i, primeiro en- trr1s^ Aa Pnrfn
penfes de ,.T p.fa'atar cabel.o os dar.escr.ptorioje Palmeir, BHtrao. | YinO G FOrtO.
idernos por serem chfcados pelo ultimo Vendem-se charutos da Baha de varias jua-
nos qn
rua do,
Na Baha.
Noa.'mazCTT. i> rna da Madre de Cees a. M,
Vende-se superior vinho do Porto, em barris de he venda o n.olto superior assuoar crystalsado, Velha n. 1.
ESCBAVOS FVGILGS.
Fugio da ca>a do majnr Amarlo H
Gusmooseu escravo pardo de awan Lata, foaW-
cido por Luiz Monteiro, idade i\ ain.i >.
mais ou menos, bastante alto,serio, l. m aairri
tiernas compridas, ror -tara, fraeltaa i < haMta*aia>
uhoto, e o principal signal ter eni rtan fttn
inao urna estrella azul c tres pinta.- tal i
formando um triangulo em rada tara o r -,,
ifDcial de pedreiro. pintor e raiatior : aaMMH
ioga-se s autoridades ptiliriaes. aoam n n i> <
senhores de engenho e proprtciark aajaje tifr fcr
trabalhar,inlittilando-se forro, lauto apila fi
cia como fura della, que o faca atraen r ra>t
ter ao sobredito senhor, qoe papara hatae w c
pezas, assim como a quem o cunuuzr frafl aa
tioa gratiflca(,o._________________________
Fugio sabhado 26 de novembro prxima aas-
ssdo o escravo pardo de nome Aiumno. n *>*
de 20 annos, ponco mais ou meno-, rom -ip-
naesseguimes : magro, altura regular, nrtiNa>
prido, nao tem barba e com bstame- n air> da
bexigas, falla branda, foi e-cravo e rrn da 5r
Joaquim Cavalcanli de Albuquerque do n|>ihi
Aramiari da freguezia de Itarreiro-, iiniregava-*f
nesta cidade em vender agua, pnrem aaa i irf<*
e dias santos andava calcado, de pal.-n i I raara,
chapeo do chile e bengalinha fina, rotxia qor ra
intitulava de ser livre, quando fngio di-sr a alga-
mas pessoas a quem venda apua, aajg argata taro
Barreiros, e que somenle voltava iraaai m Pr-u
do natal : roga-se as autoridades aatartan e rsaa-
ilaes de campo de o apprehei der-m e nanil?r , estregar na rua do Queimado n. 77, a AlrxaooYa
' Jos da Silva, que recompensar rom 503
Anda eorrtinda fgido nm preto de
[ M.inofl, de naci Costa, desde marro do armo
: sado, renres^nta ter 50 annos da idad
{ s autoridades e capites de campo o apprr
lam e mand'rt i ca-a do ahaixo a*si<.
receberSo'1002 de cratifiracao, m roa da r>
Faz-se a prseme derlaraeao para ata
sTnMlo5ElKl,flW reTdolffi lldadesTem cas dela^oiartcC, raador-' vigsimo,em"as de FVrreir&"& MtheusJ'naroa|emsaeco e 2 arrobas, ao preco de52'ada ar- continuar a pagarai lata, salvas, elle aupamn.
3 o i pichen. 48. > da Cadeia do Reelfe n. W. no. I Jase Goocaivea Torrn.

MELHOR XEMPLAR ENCONTRADO l


Dlarl* r t>era*thnc* Hexi felfft S3 e fercmhro r i ft.
-
Entao calava-se, e ea fioava horas e horas a pon- vel qae no gelo do Rheno tivesse passado grande da esla cancho, comecavamos oulra. As tres ho- Era Cossipore, onde est a secco o Clemmce et
LiTTERATDR.
UlSTdfil DE IM CONSCRIPTO BE 1813.
( POR
Ekiiiann-ClialriaB.
Fein da 24 de setembro de 18(2 que cli-gou mais f,rl,!S> e Qnaade ainda nos falta a experiencia A porla da Allemanha via senlinella,embrulha-
das grandes miserias.
Depois das geada*, tanta neve cahlu que os cor-
reos nao pideram passar na costa dos Quatro Ven- a manga para nao gelar os dedos no ferro; e as
sar no que elle dira. Imaginava os nossos soldados quantidade de lobos.
em marcha, a correrem para aquecerem. Mas vi- AinJa nao eslava aopdaegreja e j tinha le-
nha logo a idea de Catharina, e depois tenho re- vantado o cabeceo do capote, que era de pelle de
flectido muitas vezes que quando um homem fe- raposa, para agazalhar as orelhas. O fri era to
liz, pouco Ihe importa o mal dos outros, principal- agudo que pareca que andavam agulhas no ar, e
. mente na mocidade, que quando a* paixoes sao a gente enear.juilhava-se da cabe?a at aos ps.
licia da nossa grande victoria d Iloskowa
ir o ii u prximo.
i'.; i das dupois, srabe-se que estavamos em
das grandes miserias. da no seu capole pardo, mettida como um santo
saltara de coulentameuto c todo o nHPis das geada*, tanta nev cahlu que os cor- no fundo da guarita. Apcrlava a espingarda com
I dizia :
. A : n, ramos lar a paz... Agora est luS' 're reee^ di-' nao poder ir a casa de Caiha- guias dos bigodes eram de gelo. Ninguem eslava
>i guerra ai il.ada. rina no '"a dos S3as *"oos; mas duas companhias na ponte nein na casinlia da barreira. Um pouco
Alguns gracej dores de miu gosto diziam que t '"fantaria sahiram cora alfides, e talharam na mais adiante, fra da povoago, vi tres canecas
atada faltara conquistar a China ; ha sempree em neve enaurecida urna etradi que dsse passagem no meio da estrada, com as suas grandes canica-
toda a parte d'esta geule que se diverte a morlili- as carruagens, estrada que durou al entrada do das brilhantes degeada. Tinhara-nas deixado all
mez de maio de 1813. depois de tirados os cavallos. Tudo parecia mor-
Entretanto aproximava-se o anniversario nata- to i todo o Mego vivo se esconda, se acocorava
u. a malar e mais rica cidade da Roana ; ca-1 lir' de Ca"arina, e a minha felicidade crescia a em algura buraco. Nao se ouvla sen3o o ranger
i! i um hnagi iava o .saque que iamos comer, e al me',llla da aP<"oximacao desse dia. Eu ] tinha os do gelo, que estalava debaixodos ps.
i quem pensasse que isso ia diminuir as con- J.nn'a e cin francos. mas nao sabia como havia Correndo junto ao muro do cemiterio, cujas
M i- r irreu logo voz que os rseos ti- j n.!. ao Sr' Gou|den que quera comprar o re- cruzes e sepulturas luziam no meio da neve, disse
uli un laucado o fogo cidade, e que quem nao |f Qlllzera 1U! r"3*e tudo um segredo profun- comsigo : Os que dorme alli j oao teem Wo !
sse morrer de fome havir de retirar-se para a p0^ue era coasa em que ne m queria fallar. E entao apertei o capote para o peilo e metti o
oala. Eraflm, na respera, das seis para as seto horas nariz na guarnigo de pelles, agradecendo men-
Ko se rallara em oulra cousa as hospedaras,', Ure' esliaio a trabalt'" s lenciosos, com a talmente ao Sr. Goulden a boa lembranya que li-
na fabricas de cerveja, no mercado de cereaes e !ldm|)a(Ja eQtre ns> ^raei de repente a minha re- n"a tido. Enei bem os dedos as luvas, puxeios
soiucao e disse : j manguitos at aos cotovellos e deitei a correr por
O Sr. Goulden lembra-se de Ihe ter fallado oda aquella triocheira sem flm que os soldados
n'um comprador para o relogio pequeo de prata ? tinham feito desde a cidade at aos Quatro Ven-
- Lembro, sim ;respondeu elle sem suspen- ts- Eram muros de gelo. Em lugares varridos
der o trabalho, mis esse sngeito ainda nao veio. P^lo noroeste, via-seo,'barranco do fundo de Fiquet,
ras, minha ta den nos bolos ( kuchlen ) com canel" Leonie, am navio de ferro foi pousar sobre os ba
la, e cada um d'elles era comido por nos ambos, nhalows de urna fabrica de assucar, e dz-se que
que riamos como plenamente felizes, e minha tia deste ponto nao se v mais do que um vasto
dizia s vezes : monte de cascos sem maslros, era vados as ter-
Entao que isso ? parecem-me cranlas I ras. '
E mostrava ares de enfado, mas bem se via nos p,,r l0(ja a pane) caminhoe de ferro e telegra
olhos franziJos que eslava a rir l por%deniro. Is- pho teem soffndo mais ou menos rom a tormn
to durou at as quatro e meia da larde. Eolio a ,a; citamse estacos arracadas "e longas linhas de
noule comecou a aprox.mar-se, as sombras j en- fios c.,hij05 na ex"len:i5o de miIiUs milhas.
travam pelas pequeas jaoellas, e rellecliudo que a jasante do ro os arrabaldes nnundados, sub-
bem depressa nos separaramos, assentamo nos mergid >s fazem ura monte de ruinas; as aatapfo
tristes ao pedo lar, onde daosava a labareda er itelegrapliicas foram invadidas pelas aguas: asea-
melha. Catharina apertava-me as maos, e eu, cora sas da intendencia do sal distrudas.
e i lo la a parle ; urna pessoa que encoutrasse ou-
nao saina dizer senao o seguiute :
Ora esta !... islo nao vae bem... assim nao
b im. A retirada j comecou.
11 a gente andav assu^tada, e porta do cor-
i i baria centenares de aldeaos que esperavam ,
i' pela manliaa al noule, mas n'io chegava
una caria. Eu passava alravez de toda essa nuil-
t; lao si-m Ihe dar muila allengao, porque j tinha
\.-l nmilas cutisas extraordinarias. E alm dis-
:-j tmtia urna idea que me alegrara o corafao, e
q i me mostrava tudo pelo lado melhor.
fiarla cinco mezes que eu queria fazer um mag-
presenfe a Catharina no da dbs scus annos,
qua era em 18 de dezemhro. Entre os relogio*
que Go'ikteo tinha cm expo-icao as vidracas, ha-
via aih pequemno, decaixa de prata, com peque-
as eirruMs gravados, que o faziam luzir como
ura estrella. iNo poda ser mais bonito. De
.redor do mostrador, por haixo do vilro, tinha um
filete de cobre, e o mostrador tinha pintados dous
" i i'i ira los que pareciam e>tar no momento de
u ra declaradlo, porque elle dava saa querida
om ramilhele do flires, e e'la abaixava modesta-
iii -ole os olhos, estendendo a mo para recebe-lo.
No primeiro dia em que vi aquello relogio, disse
-I )go comigo ; E' preciso nao o deixar escapar.
Vare ser para enharina. Ainda que eu tenha de
trabattiar todos os das at meia nojle, e-te relo-
gio ha-de ser meo. Meu patro, depois das sele
horas, deixava-me Irabalhar per minha conla. Ti-
nhamos relogn* reinos pira limpar, para concer-
! ir ni para lhes dar corda. Era um trabalho que
caslava bailante, e todas as vezes que o desempe-
ntnva, o lio Uelcbior pagava-me rasoarelmeute.
M is o deseja-lo relogio valia trinta e cinco francos.
I nagine-se, pn.-ianio. quantas horas da noule tive
d pastar a irabalhar para Ihe poder chamar meu.
.'in sel que se o Sr. G.iuldftn sonbesse que eu o
qu.'ria. fazia-me presente d"elle ; mas eu que
nao queria dar por elle nem menos nada do que
. lia, e dizia f para mim : E' preciso ganha-
'&. Nao quero dew-io a niRgeem senao a mim.
Smente, com recelo de que, nesse alguem que
o eomprasse, guardei-o n'uma caixa, e disse ao to
Mec ior que havia comprador para aquelle re-
a cabeca cabida sobre o peito, teria dado a minha
vida para ficar. Estivemos assim urna boa meia
hora al que a lia Gredel disse :
Jos... olha... sao horas de I res embora
A la nao nasce antes da meia noute. Nao tardar
que la fura seja tudo oscuro como um prego, e por
esle fri que vae tao fcil acontecer urna des-
grana...
Estas palavras eram am golpe profundo e eu
senta que Catharioa me prenda a mao. Mas mi-
nha lia tinha mais razae do que nos.
~ Basta disse ella, levantndose e tirando o
capole da parede.Tornars a vir no domingo.
Nao bouve remedio se nao calcar as galochas)
enar os manguitos e cobrir o capote do Sr. Goul-
den.
Eu bem quera prolongar por e"em annos estes
preparativos de sahida, mas a lia GrcJel ajudava-
o carvalhal e a montanha azulada ;como se esli- me, e depois de me abrigar as orelhas- com o ampio
cabeco, disse-me :
Venha um abraco, Jos l
Abracei primeiro a ella, depois a Caliisrina, que
O comprador sou eu.
Entao levantou-se cheio de assombro. Tirci do ressem muilo peno, por cansa da claridade do ar.
bolso os trinta e cinco francos e pn-los nobre a ban- Nao se ouvia ladrar nem um cao das herdades.
ca do trabalho. Meu mestre nao tirava os olhos de Para os caes tambem o fro era muito.
mim- Apezar de tudo isso, a lembranga de Catharina \ nao dizia urna paa^-ra. Abr a porta c s> terri'vel
- Aqnillo, Jos, n5o ura relogio para ti do aquecia-me o corado, e nao tardou muilo qne eu | frio que en[rou de repenle fez-rae ver qus nao de-
que tu precisas e de ura relogio grande qne te en- avstasse as primeiras casas dos Quatro Ventos, i va esperar mais.
cha bem o bolso, e que indique os segundos. Es- As chamins e os ledos de colmo, direita e a es- j Avia-te, avia-te disse minha tia
ses relogios pequeos nao sao bons senao para mu- querda da estrada, mal sobresahia-m aos montes Boas no'utes, Jos, boas noutes ; disse Ca-
de neve, e a gente daquelles sitios tinha aberto^harina nao te esquejas- de vir no domingo.
Ainda me voltei para traz para Ihe dizer adeus
eom a iao, depois deitei a correr sem erguer a
eabeea, por que o frio era-de tal natureza que me
fazia ehorar, apezar do agasalho do pello de cab?a-
( C'outmuar-se-ha )
Eu nao sabia o que havia de responder. O Sr. urna valla junio s paredes dos alvergues, at ao
Goulden, depois de ter reflectido um pouco, disse- flm da aldea, para passagem de ornas casas para
me sorrindo: outras. Mas nesse dia todas as familias estavam
- Bem sei, bem se; agora entendo. A'manha de redor do lar, e viaiw-se as pequeas rdracas
faz annos Catharina. Ah est porque trabalhavas redondas como se tivessem um ponto vermclho no
de dia e de noute. Bem; guarda isso, eu nao quero meia, por causa das fogueiras que am i dentro.
Ao p de cada porta estara estendido um feixede
palha para nao entrar o frio por baixo.
Na quinta porta a direita parei para tirar luvas
o teu dinheiro.
A minha confuso era extrema.
Sr. Goulden, agradeco-lhe de todo o coraco,
UM POUCO DE TUPO.
O onsfftirHonel d os seguales promenores so-
mas o relogio para Catharina, e tenho muilo con- e manguitos abr, entrei e fechei logo. Era a \ bre o temporal em Calcuta :
teniamento por t lo ganhado. Se o senhor nao acei- casa de minha tia Gredel, vhm de Melausse Bauer
tasse o dinheiro, afflgir-meia tanto como se nao e mae de Catharina.
me vendesse o relogio. Quando cu entrei a tiritar de frio, e a ta.assen-
No replicou. Pegou nos trinta e cinco francos ;' lada ao lar, voliou a cabeca, muilo admirada-pelo
abriu a gaveta, escolheu urna bonita cadeade ac meu farlo cohete de raposa, Catharina, vestida de
com duas chavinhas de prata dourala, e pola no domingo, com urna bonita saia riscada, lenco de
relogio. Oepois f-chou ludo n'uma caixa com Qta franja compnda com as ponas cruzadas sobre o
cr de rosa. Fez tudomsq lentameole como eoler- peito, e cordo do a venial vermelho aperlado na
necido, e por flm deu-rae a cana.
logio.
Apora ldos poddin rimprehender que todas
aqu la- historias de guerras me entraran por um
ouvid e sahiam pelo ouiro. Qindo irabalhava nao
i.: sihia da iia a alegra de Catharina ; duran-
t; cinco mezes nao tive oulra cousa diante dos
- : imaginara o gesto com que olla receberia
o rn -a presente, e perguniava a mim mesnr.o :
Q io Jira ella? Outras vezes vinha-me imagi-
n fa i que ella exclamara : Oh, Jos, como te
i mbr u tal cousa ? Isto bonito domis para
mim. Nada... nada.-. nio posso acceitar um
, igio tao bonito. Ento obrigavaa a recbe-
lo, e mettia-lh'o n'um bolso do avental, dixendo-
l'.i i : Ora essa I pois has-de dar-nie esse desgos-
to, CnlharnaT Eu bem via que ella tinha vonia-
(11 de possuir o relogio, e que me dizia aqnillo s
por liairir que nao o acceitara. O ilras vezes ima-
ginaba-1 muilo enrergonnada, ergu^ndo as maos
e lixand i-me : Ai, meu eus, asora vejo eu
qn ni' lens muito amor E' abracaramecom
lagrimas nos olhos. Eu nao cabia ern mim de
CO'i'-llli'.
A tia Gredel senta tanto conlentamento como eu.
Eraflm, mil e mil pensamentos semelhantes nir
passaram pe a idea, e noute, quando me oeitava,
dizia para mim mesm> : Nao ha ninguem feliz
Como tu, Jos Pelo teu trabalho podes agora
fazer Catnarina um presente de esiimicao. E
podes ler a certeza que tambem ella prepara algu.
ina cousa para o dia Bou leus annos, porque niu
pensa seno em ti. Sois ambos muito felizes, e
dep >is d.' casados lulo ha-de c >rrer s maravilhas
E-.tes pen>amentos enterneciam-me, e nunca
imita sentido lamanha salisfaco.
E' um lindo presente, Jos. Catharina deve
ter-se por muito feliz por ter um namorado como
tu s. E' urna boa rapariga. Agora vamos cear !
poe a mesa, em qnanto eu vou buscar a ceia.
Depois tirn Sr. Goulden do armario ama garra-
fa do seu vinho de Metz, que guardava para as oc-
casies solemnes, e claraos quasi como dous cama-
radas, porque durante todo o sero fallou-me con-
tinuamente no bom lempo da sua mocidade, dizen-
do que j tinha amado urna mulher, mas que no
anno 9f tinha partido para a leva geral de tropas,
por causa da invaso dos Prussianos, e quando re-
gressou a Fenetrang'', a liaha achado casada, cousa
muilo natural, porque elle nunca linha tomado a
liberdade de Ihe fahar do seu amor; mas isso nao
impedia que se conservase fiel sua memoria.
Meu mestre fallava cora ar grave. Eu escutava-o
pensando em Catharina, e foi s s dez horas, quan-
do passava a ronda que renda as sentinellas de
viole ent vinte minutos, por causa do grande frio,
qne atiramos duas achas para o fogo, e foraos
emlim detar-nos.
I
Ne da seguinte, 10 de dezembro, acordet s
seis Loras da manhaa. Fazia um frio horroroso-
A janelhnha do meu quarto eslava cubera com
um lencol de geada.
Eu tinha tido o cuidado, na vespera a noute, de
cinta delicada, lindo barrete de seda azul cora
guarnicoes de velludo preto a emmoldurar-lhe o
rosto rosado e louro, com ossem. olhos cheios de
suavidade e nariz um pouco levantado, gritou :
E" Jos f
E sem maisycorreu n'um salto a abra^ar-me.
Era na vespera do da da fesia da Doorga, que
os naluraes cetebram todos os aones, na poca do
estabelecmento da moncao.
Mal se esperaba entao o que baria de acontecer
no dia sogufnte, posto que o veotosoprasse e que a
chuva canteas toda> a noite.
De manhaa ainda o rento soprava dobrando em
riolencia..
Pelas dezhoras j nao havia que dvidar; pas-
Isara sobre esia regiao om dos terrrveis cyclones
dos marco-da Indiay c Calcuta la vr-e no centro
desse terrivel tlgello.
O pengo aproximava-se e o furor tos elrmen-
Eu bera sabia que o frio nao te estorvaria.de I,os d(! rir. rio, semeando em toflas os pontos a ruina e a de-
Eitlo eu, tiio feliz que nem pedia fallar, tireio | vaslafJio.
capotj, que dt'pendurei na parei juntamente com E' claro 'I516 5 mr.ieres receios na.~ciam do es-
os manguitos ; descalcei as galochas de Mr. Goul- lado do rieJ-onde en, haT'a mais -230 navios,
den, e senti que eslava paludo de felicidade. Bem se8und os ullmos clculos.
queria dizer aiguma cousa agradavel, mas nao me Esperav>se qu, apezar da noleneia-da lormen-
necorria nada, e s pude dizer d repente : ta, as embarcagoes poderiara sustentar-se c sof-
Olha, Catharina, para e-dia dos teus annos, fier araiias, de cerlo graves, mas que nao altingi
Mas primeiro venha um abrace-antes de abrir e ram as proporcoes que infelizmente toraoa a bor-
caixa. rasca.
Apreseniou-me urna face do rosa e depois che- Desde as-dez da manhaa al urna depois do meio
gou-se para a mesa. A tia Grodel tambem foi ver da, nao bouve nada de gravdade a asstgnaiar.
o que era. Catharina desatoc.o laco e abri. Eu Mas enlo o Maurittus, grande barco ..vapor, que
estava por detraz d'ella : e o meu coraco potara, estava ar> p da Pon la-do-Forte, quebr as amar-
puiava, e rtcetei n'esse momento que o relogio nao ras, e baiondoem outro oavio, foi enca!barna praia
fosse bem bonito. Mas, passado um nstame, (a- opposta.
tharina, juntando as maos, suspirou baixnho: Ir..-..,
E impossivel descrever o espectaccia Oh, meu Deus, como bonito !.. E' uare- apresentou o ro.
8 Os navios cahiam nns sobre o; oitros, emba-
E' verdade disse a tia bonito, muito tiam-se, quebravam-se, iam a pique, cu arremes-
bonito. Nunca vi um relogio asiim. E parece sados eia direcces differentes, iam sncaihar longe
inesmo de prata. | da praia.
Mas prata, po's nao ? perguntca Ca- Um barco a vapor-, o Tgunder, foi levado para
junto de urna estrada pela forja Ua-s yagas e do
estender as costas de urna cadeira a miaba casa-
ra azul celeste de abas pequeas, a minha caiga e tharina, voltando-se para nial.
o meu rollete de pello de cabra, e sobre a mesa; Enlo disse eu :
tima camisa branca e o len^o do pescoco. Tudoj Po vocemec pensa^ minha tia, que ou fosse
estava em ordem; as minha* meias e os meus sa-' capaz de dar um relogio do cobre prateado a^ quem impeldo de urna margeno para a cuira, foi pousar
iiatos bem engraxados tinhaos ao p da cama ; amo mais do que minha vida ? Se eu bsse ca" em um terreno de Bishop's Collego.
era s vestir-me. Mas o frio que senta na cara, | paz do tal, despresava-m a mim mesmo como Ura navio francea L'Amiral Ca$ arrojado em
vento.
O Bmgalt da Companhia Peninsular e Oriental,
l,-n qnanto assim trabaJhava, pensando s na
minha alegra, chegou o invern mais depressa do
que. cosiumava, pelos principios de novemhro. Nio
oomegou por neves, mas por um fro secco e for-
tesgeadas. Em alguns da* cahiram todas, as fo-
[has, aterra fez-se dora como pedra. e tudo se
Cohriu de gelo telhados, calcadas e ridracas. Foi
precis fazer fgo n'este anno para combater o
frio. Quando a perla eslava aberta um instante,
lodo o calor desapparecia; a lenha eslalava no fo-
j;i ; arda como palha, rangendo, e as chamins
despejaram bem o fumo.
Tudas a.- miriias apressava-me a lavar as vi-
dracas d loja com agua quente ; mal fechava a
a Janella, cobri-as logo a geada. Ouvta-se ua ra o
soprar das pessoas que passaram, com o nariz inel-
liJo no cabecao e a? ruaos euliadas n-is bolsos. Nin-
guem parara. As portas das casa fechavam-se
Binito cedo.
A So sei para onde tinham ido os pardaes, nem
se craut utortus ou vivos ; mas nem um piava uas
chamias, e salvo o loque de alvorada e de reco-
I her nos dous quarleis, nao havia mais nenhuut
luido que corlassc o silencio.
A's vezes quando o fogo eslalava bem, o -r.
Goulden suspenda de repente o seu trabalho, e
olhando para os ridros branqueados, dizia:
Ai, pobres soldados, pobres soldados 1
E era lao iriste a voz com que dizia isto, que
senta o corajau confranger-se-me, e respondia-lhe:
Mas, Sr. Goulden, agora bao-de elies estar Ba
Polonia em bons quarleis: porque imaginar que
criaturas humanas possam suffrer um fro assim,
impossivel.
Din frio assim ?dizia elleSiui, verdade.
Aqu faz frio, muilo frio, pur causa das correles
de ar da m .ntanha : mas que este fro compara-
do cara o do nuri-, na Russia e na Polonia ? Deus
qu-ira que se nao demoren) por l muito tempo 1...
M-u Deus, meu Deus I que pesada carga teem aos
hombros os que govcrnam bomens I
o aspecto dos vidros e o fundo silencio que ia por
fufa, faziam me estremecer. Se nao fosse o dia
de auno de Catharina, deixava-me lcar no ninho
at ao meio dia. Mas essa letnbranca ez-me sal- d|sc p,
lar pressa da cama e levou-me n'um pulo at ao
higareiro da louga vidrada, onde fleavam sempre
afumas brazas da vespera, as cinzas. Achei
duas ou tres, ajuntei-as avivei-as, lancei lhes por
cima alguns caracas e depois duas achas, c com
outro pulo fui metter-me oulra vez entre os len-
ces.
O Sr. Goulden, coherlo pelos seus ampios corti-
nados, com a col xa puxada at ao nariz e o barre-
te de algodo at aos olhos, estava acordado de ha
pouco. Ouviu os meus movmentos e disse :
Jos, nanea assim estere um fro ha qua-
renta aunos para c. Que invern que vamos ter!
J o estou a adivinhar.
Nao Ihe respond Examinava de longe se o
figo pegava : as brazas fizerara bem o seu offlcio
e n'um momento havia lume farta. Os eslali-
dos da labareda consolavara ; mas foi mister mais
de meia hora para sentir o ar ura pouco quente.
Ergui-me outra vez para chegar ao fogaretro a
bacia das raaos, que nao tinha seno caramello,
porque se me melleu na cabeca rapar a peougem
da cara, a que eu dava o notne do barba.
Por lioi Ii-vantei-me e vesti-me. O Sr. Goulden
ia fallando, mas eu pensara s em Catharina e nao
abria a bocea. E quando, por volta das oito ho-
las, ia para sahir, gntou-me o Sr. Gouiden, que
me vira andar de um lado para o oulre :
Jos, que mana essa, toleiro ? Pois tu
ama dos meus sapaljs r I farlaaa carreira, enirauhuu-se em om arrozal: au-
Caiaarina, quando isto ouvo, enlagourme o pes- tr0 foi a"emessado ao Jardim Botnico,
coco com os uracos, e quando estavamos assim, Wous paquetes da Companhia Ri-ninsnlar e 0-
riantal, o iWilMSW e a Nubia, sollos tamben dos
E' o mais bello da da minha vida I IW* ancoradouws, cahiam sobre outro na.v.10, e o
Nio podia deixa-la, e a tia Gredel Rcrguntava :' transporte H/nduslan, esmagado entre as duas po-
O que que r-sa pintado no vidro ? derosas massas, ainda fluctuou. alguns inflantes e
Eu j nao tinha torga para responder, e s de-depois foi a pique.
pois de assentados um ao lado do ousro que pe- O" paquete Alpheu, que estava perto desse ponto,
guei no relogio o disse : | chegou depois de grandes diBculdades a evitar as
Esla pintura, tia Gredel, representa dous ena i abordagens que o ameacavaaii
morados que se amam mais do qae possirel di-1 Em distancia o Bmtlnnk, depois de-ver varrido
zer : Jos Bertha e Catharina Barwr. Jos offerece o convea, e fetus em pedamos os s?ns botes, foi
um ramo de llores sua querida, que estende a' arrojado a Ierra e ficou jiiulo do edificio da altan-
mo para recebe-lo.
Depois que a ta Gredel exanainou bem o relogio,
disse :
Anda c, Jos; tambem le quero abracar. Bem
vejo que te foi preciso nonpar muito e irabalhar
muito para ter e>te relogio. E' urna bonita ac-
?o... T s um bom artista e ds-nos honra.
Eoto abracei-a na alegra de minha alma, e des-
de esse momento at ao meio dia, Catharina e eu
nunca mais desprendemos as maos e eramos fe-
lizes a olhar um para o outro. A tia Gredel an-
dava para c e para l de redor do lar a preparar
um pfankonge com ameixas seccas e kuchlen mo-
Ihados em viuho de canella e outras cousas de ap-
petite ; mas nos nao Ihe davamos attengao, e s
quando minha lia, depois de ter vsldo as suas roo"
pinhas vcrmelhas e calcado es seus tarnancos pre
dega.
Emfim, por toda a pajb, em lodos os pontos do
rio, em Sangor, em Diamon-Itarhonr, ha a assigna-
lar sinistros, dolorosas perdas, cujos promenores
sao dados pela folha do paiz.
Seria nunca acabar se quizesse assignalar um
! por um lodos os episodios que s conlam, e deagra
cadamente anda nao se sabe quaoto grande a
extenso do mal.
Entre certos pontos ninguem v senao ruinas,
navios grandes o pequeo* langados uns. contra
oulros em mo loaba confiso, tendo tolas icada
aquella bandeira, signal do perigo e das angustias
A agua subi mais de 22 ps.
No meio desia geral confu-ao, destacadamen-
te muito certo que morreram muitos naluraes do
paiz.
At agora era impossivel indicar-lhes o numero,
ao menos aproximadamente.
Os pobres coolies, bloqueados as suas casas lao
pouco solidas, acharam a morte de mil modos, e
ba sitios onde j foram encontrados muitos cada-
veres.
Os qne eseaparam, segundo conlam os peridi-
cos, esiao em algum.is a'dpias, qiai complelamen-
merosas avarias, que s cora muito tempo sero
reparadas, mas tambem perdas de earregac, 5es. de
mercaderas depositadas em armazens ou em bar-
cos de descarga, distruicao de proprtedades de
tolas as especies, casas, templos e edificios pbli-
cos.
Ser diffliil a companhias como Companhia
Peninsular e Oriental reparar e por a navegar os
se^ navios para ;> partida prxima, isso por falla
de bracee.-
te desprovnlos de lodo, mesmo da magra prtanca
com que se contenta o radio.
No meio (7este terrivel desoslre ha anda moitas
perdas de que nao tem sMb possivel fazer idea ex-
acta, apezar deja seren passados tres das.
Ha, com ef'fto, nao s distruicao de navios, nr-
(h mais antigos habitantes de Clenla, mesmo
os que presenciaran) os lemporaes de 1812 e 1852,
dizem nanea terers assistdo atiio terrivel cyclone
ao qaal nio houve nada que podsse resistir, es-
carnerendo das abras mais solidas qne tenha cons-
truida a mo do hornem.
A persa total imraensa ; avaha-la agora nao
^possivel, e esta rpida' narracao mr.i dar remola
idea do qae na verdade.
Oann de 186'* c a cThta de 5 de ootubro ficaram
na memoria dos residentes europus- como na dos
natraes da paiz por urna1 das mais espantosas ca-
lastrophes qoe teem presenciado.
Os peridicos das tidadss martimas da Sueria
reem cheio? de lastimosos pormenores sobre os
raals causados pelas ultimas borrascas-,
Perderaip-^ oito navios ao p de Colmar e a*
praias estao juncadas dossens de>trocos; mais Ires
desgarraram ?e e nao se sabs-o que Mro delles
um bripue inglezsossobrou ao p do Sol*tadtroem.
Na costa dtiolhlandia a lempeslade durou trin-
ta e duas hora;; e urna dalia de navios qae deram
rosta naquoas paragens fo.^m espedajados pe-
la.- vagas.
Muitos marishetros e passagsiros morreram nes-
sa medonha tormenta ; era to violenta em Jasa*
ko'piug, cm dr>corrente, quj- os homens que se
arrtscavarf) a sahir s ras eram laucados por ier-
ra ; as vagas do lago de Weltern passavam por ct-
m da cpula e {rfiarol, e enorme quantidade de
p ixes foi atirada a tima distancia muilo conside;
r'.;t) para o Inerior das Ierras.
Em urna carta de Albere, nos Pyrenetis Orien-
taos, acha-se o seguiBie:
Terrivel tormenta, como nao 'embra a ninguem
dostes sinos, eslaluu em 20 de calubro ultimo no*
coacelhos de Albere e Laroque. ocausou prejuizos
irfeparaveis em todas as ierras.
Mas anda ah nao licou o mal:
Os agrieul:vres apenas tinham-tido tempo de fa-
.-.erem algutms reparace* as snas propfiedades,
quando na t:.; e do 1 de noverabro ama tromba
de agua, dez vezes mais forte do que a prxneira, e
MOmpanhada de saraiva muilo groasa, oa'nu sobre
a, radeia dos Alberes, desde Banyuls sur-Mer al
o Perlhus. %
i Desta vez nada foi poupado ; colheitas e trras,
ludo desatpareceu debaixo das mas d'agua
que nao cc-isaram de cahir dusanlc-unik noule n-
leira.
Vasques.- E' muito simples ; nao res que a pla-
tea esl ebeia. de Russos T
INTERROGATORIO POLia.U
Sua edade ?
Hesenove aanos.
Solieira ?
Sim.
Ou casada ?
Mm.
Como ? ambas as romas Bao pod r.
Sim, senhor; ( como V. S. pergootoo prt
meiro eu era solleira ; agora esl la.

CREDO POLTICO.
Crcio as pIpco-s, q0 consttueni orna dira*-
de toda poderosa, creadora de logros e depradea-
Creto no nteres*so. ura s seu filho nossa per
dicao, a qual foi concebida pela f,|fa *, tafrioCi-
mo, nasce da pouca verponha e BfnBM cos
o indiferentismo do* que Ha qn,, p,.r(1,.r
Creio em nosso afgiaaln a'trazarDento qne
preparado por mrio de iws prejndiriaes. d inferno e subi chelo de viialidid a lomar a. direita da* .anguesogas da patria d nd.- ha e
vir a r-reju lcar ou ames- a annj ,.,i,ar tnie.rane
le nossa hoora e faz- oda.
Cre.) no angmen.o de M*, parjl arrnma^
de >fllbadosaiHsaoqoeB,reolBBo.-.-
na c,mnlllni,, ^ ^.^ ^^^^
dlnhe,ro dos cofres publieo*. na resurr-
NH do enme e na desgraca eteraa
I Amen.

ranaae.
Para a menina sniieira
Que de tudo se aborrece
E na janella appar.-ce
De semblante enlresierido,
Mas trajando b^m fareira.
Cm marido.
Para a vplha rabugenta
Qnp quando a fallar romeca
Qu>*hra spra d a rabera
De qupm Ihe diz o contrario
Das idea qne sustenta,
l'm rosario.
Para o relbo namoraJo
Qne, de In-ngala e loneta,
Anda a fazer i i n.-ti.
Como se fra ora f-delho
Do coero ha ponro urdo,
l'm conselho.
Para quem sem rumo ha posto
As coosa* d<> Pronsono,
Onde nao ha, notorio.
De direceo hom s y lema ;
Por um Garca composto
l'm poema.
Bf^Mf de Fonrcirre, de Lyos). noiieia as cid.
que BVSMMBJ as sanias reliquas da Paisin
\> pri rf/i n i/r.
\s-iiiaieres poroes e.-lio na raihedral de Pa
rh aa egreja da Santo Cruz de Jerusalesa erar
Ra).
. -i.''./vo da cruz.
< taboiha sjbn- a -;uai eslava a inseripeao J_
-^ J. est egua'm -nn na egreja de anu Cruz.
eil*f usalem, que foi toniruida para cooter o pe
da i ctuz e a lahoicna.
hainaa de r>pinh/i<.
lia na calhedral de Pars, m desarovida dos
sspsloa, que toram d-v.ribuid<>* aJUarsaiu egre
Jas.
C t'.-ry .
'vnmeiro foi lan;:..;f. ni xa.' Adritico por
Islea para apai:poar a* k>mpe*iad 'i|js d'aqn> lie mar. 0 segundo forisu a rel
blcesroa de Ierro dos reis do Italia O terceirc
e r.n lathcdral de l'aris.
Caminhcs, pontoes, planticoos- beira d'agua
diques, tedo fot levado pela agua.
fcra urna cousa horrorosa I
As ccvrenlcs tinham-se convertido em ros cau
dalosos que arrancavam com grande eslrondo a
vores e- rjichedos; e a este terrivel ruido casava-s{.
ainda g dostroves.
o ,raai
r. Ac
Vcl
A hora em que escreva, ameaca-nos terccii
inundacao, a chuva copiosa e os rio? creses
sempre.
E' no momento em qae se traa de transfortsi
Flocenca em capital da Etalia que terrivei* innun
daeos devastam a Toscana, causando estrago
ceoaiderareis.
A, va frrea foi levada cm Empoli, SieBBB, Uv
ehia o oulros pontos.
O Amo rumpeu os seus diques, destruaos pv,.
los lelegra piucos e submergiu os trabalhos l;
construejao.
Em Florencia Ivda a parte baixa foi uindadf
O Arno subtu no. nivel dos parapeitos.
Por toda a paite reinava a consternacao.
I
soffrida*, qnn significa na telegraphia nutica : pe- perecea iQgUem.
Urna correspondencia de F geras (HeepaBni
diz, em data de 6 de novembro, que, em tDfa.
quencia das ores chavas, o rio Manol tinha trMn
bordado, innuudand um vasto, territorio, no |,aaa
se perdern as sementeiras o algum gado, mas ,1,
fo o piloto d) porto, pedidos reiterados que em tal
occasio sera impossivel satsfazer.
E' hoje mais fcil contar os navios qae escapa-
1
qneres ir aos Quatro Ventos com esses vestuarios?
Murrias antes de chegar aomeio do caminho 1 Vae
ao meu gabinete, pega no canute, as luvas de la
e nos sapato* de duas solas forrados d-- flanella.
Eu julg va-rae tao guapo, que me puz a reflcc-
tir sobre o seu con-elho.
Olha,disse elle, vendo a minha hesilac.o
honlem achou-se um hornera gelado na encista
de Wechem ; o doutor Steinhrenner disse que,
guando Ihe baliam, tinha o som de um bocado de
i>au secco. Era um soldado, que tinha sabido da
aldeia das seis para as sete horas ; s oito eslava
no outro mundo. J vs que negocio de pouco
lempo. Para ficaros cora o nariz e as orelhas ge-
ladas, basta sahir a porta para fra.
Entao vi que elle tinha razo. Calcei os sapa-
tos grossos, calcei as luvas e cobri o capo.e. Foi
assim que sahi, agradecendo ao Sr. Goulden, que
me recommendou que nao fosse para casa muito
tarde, porque a nonte crescia o frio, e era prpr-
tos, bradou muilo contente : Para a mesa, meus ram do que indicar exactamente o estado d'aqoel-
fllhos I que nos vimos a bonita toatha, a farta les 1ue soffreram.e ainda menos daquelle cuja sor-
terrina, a bilha do vinho e o pasielao de ovos (p/an- ,e ignorada.
knngcn ) muito redondo e dourado, n'uma ara.da ** d'a lgubre o vento acompanhado de chu
travessa no meio da mesa. Isto deu-nos alegra va forle- supruu alternativamente do
vista, e Catharina disse :
Jo*, assenta-te ali, d"fronte da janella, para
en te podr ver bem. Mas primeiro pe-me o re-
ngo como deve ser, por que nao sei onde se poe.
D5ilellhe acadeia ao pe*coco,e depois de assen-
lados, comemos com magnifico appeiite. O fogo
estalava no lar, e fra nao se onvia nada. Estava
ama temperatura agradavel n'aqnella espacosa ce-
sinha, o o gato pardo, nm pnuco bravo, olhava para
Em Grons os ros engrossavara e timiamas*. fa-
nundaes.
As chu vas continuas teem prodozido inon,, a.
{5es em todas as provincias.
A* noticias de cataloja se muito asn*tadnras.
Um trem de exploraban leve de retrocpder e ,0
mano ne cnu- condUCtor diz que se ouvatn ao longe grilDS de
nirdesie,les- Um(,nUc6es.
te e sudeste. O govemador partu com nm engenhei
Ern trra era a mesma scena de assolacSo. medico; um destacamento da guarda civil e
Em Calcuta, durante a tormenta as ras estavam ros.
desertas; s um ou outro individuo tratava de cor- Em Aleira temen-sa grandes desgragas.
rer a algum navio seu. Cahiam casas, e arvores
seculares eram violentamente arrancadas e arre-
messadas a gran 1: distancia
No forte William, j nao ha arvores as aveni-
I upo*ja.
Con-erva se em RonM ca cgrj;c ie Latraa.
.1 :oin;o.
Est tambem em Rema.
O Itnfol.
A cidade de Turim sn" pOssuic .'tapreciusa relv
,!2.
O -Milano.
Tema er tam!>m pasaaar o panao de liako r m
fue Vernica I impon o roela ? :2ttt3to.
! turnea.
Esl na pgr.-ja la Argenleuik Fui dada p.ir "Jar-
os Magno ao prior de ArgeMMul. onde uu i.-av-f
re abbadessa.
columna da /'jig.'.linrao.
Esla na egreja de Saini-Pro^ced*. en, K.tu V
evada para Boma no aaaaaaa di XIII Minan.
Segundo a L'mln-llaliii'Jt, di M
'Turim urna chana tomad \ em Verona, con: a qaa'
faziam bilheles de l,UU) francos.
Foi trahalhada p r timgravator allcmc, aqjBa>
eustou cinco anno* de trabalho. e dizem ? qiie>a
viram. que urna obra prima, que pndero, asa
caso de njcessidaJo. subsiituir a rh^pa. verJa-
deira.
Os bilhotes ale faUUU-ados rom tal r-iftoie* aja*
08 pro^Dc-s admini.'-lr.-i lores de banca, que a**if-
naram es bilUels verdadeiros, di' '.-meal. t. ehe-
cem os falsos.
Em urna da* ultimas BBadJai x academia das
seiencias moraes e polticas de Par*, ocVertor ge-
ral da admini>lraeao dos soecorru.. pubeae. Bbb-
son, apresentou um iii(eresanb! Uabalao sbre i
estado anual da popuUrao iadigeaie, snrrorrp-a
em sua casa em Par-, BBf intermedio das euii
de caridade.
Moslra este documenta qae sobre ama r-vi-
fSo de |iert> de 1,700,000 habitantes alojada* esa
mais de .V>,OO casas espalhados em ama soprt-
ele de 7,450 hectare*. a capital c rata hoje '01.730
indigentes, que reeubcm das casas de In-aeVtneia
soccorros ordinarios ou aonuaes. extraafShBjBfiae
on temporarios.
Mais de 40,000 familias represenum eu peae
lacao indig-nte. que participa aim do s-venetee
da caridade publica | 28.000 chefe destas famdtaa
nasceram nos departamentos; 2.000, pone mal
ou menos, sSo eslrangpiros. e a>eiia* lapBO pei-
tencem em realidade ao elemento parisiease.
L-se na Semana Ilustrada o seguinte
IM CAVALLO ESPANTADO.
Cocheiro. Que diabo de cavalb este 1
lo ha
das quasi todos os edificios soffreram mais ou pelintra nenhum, que nSo o assusie I Arre
nos de longe atravez da balaustrada da escada, ao raeD0S gilmente
fundo, sem se atrever a desear. No aquartelaraeuto de Barrackpore, o mesmo
Catharina, depois do jamar, cantn com ama voz desastre, as mesmas ruinas, e es-as quasi comple-
suave, que se ergua at ao cu, a aria : Den lie- ,as-
ben Gott 1 Eu cantava em voz baixa, s para Em Serampore, o Hougly, transformado em fu-
acompauha-la, c a tia Gredel, que nunca podia es- rioso mar cubra tudo. destruinaona sna passagem
lar sem fazer aiguma coasa, mesmo nos domingos arvores, casas e jurdins.
tinha-s? posto a fiar. O sassurro da roda quebra- A tropas de Barrackpore estao sem quarleis, p
y?. O silencio e pos estamos enternecidos. APba- acampan) agora debaixo de barracas.
EM CASA DP. UM CAIIKl l.RinF.IRO.
Faca favor de nao arraucar-mo os poup-
bellos que tenho.
Ca ne fail ren, M'sieur; isto agora! fabel-
leira da moda ; rhima-se la Mtssao especi

TIIEATRO DO GMNASIO.
Graca.Porque ser que o publico esl I hoje taq
frio ?
l'ma obra noblicada recentemente por am B-
gpnhpiro hespanhol, da pormenore* mniw inleres-
sanles sobre os cabo* elctricos sobmarieas.
Ha hoje mais de 60 cabos deste genero.
A rnmpanhi da Gntlaprrrhn. em Inrlaierra. fe-
hricnn, no* nltimn* 11 anno*, a forro inl**Vr de
44 rabos representando um comprmanlo de I MtA
kilmetros.
S urna companhia operon a roHncarao de 30
cabos de om romprlmenin de 10.705 kilmetro, e
nao despenden cinco reis em reparaeoes.
*
pgRNAMBl'CO.------TYP. VF. M. F. DE F.* F1LH0
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENVS7UG86_W4YRV3 INGEST_TIME 2013-08-27T21:51:59Z PACKAGE AA00011611_10550
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES