Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10549


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XI. IUIERO 293.
^
Por trea mezes adiantados .
Por tres mezes veocidos .
Porte ao correio por tres mezes.
UJir' 'I II "iTpumiii .
5SO0
mm
750
OIHTA FEIRA 22 DE DEZEMBRO DE 1864
Por amo adiaoUdo.....49$00O
Porte ao correio por nm anno 3$00U
Ca AKRoADS DA SUBSCRPCO NO NORIE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Fatal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty.o
8r.A. de Leinos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C.; A-
nazonas, o Sr. Jeronyaio da' Cesta.
NCARREGADOS DA BOBSOUPCAO NO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Faicao Dias; Bahia, o
rr. Jos Martins Aires; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins & Gasparino.
1'aR.IDA DOS EMAfKl'AS.
Oiinda, Cabo e Escada todos os dias.
guarassu", Goyanna e Parahyba as segundas e
sexias-toiras.
Santo Amao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho e Garanhuns as tergas eiras.
Pao d'Aiho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacarat.Gabrob,
Boa Vista, Ourieury e Exu' as quartas feiras.
Sennhaem, RioForraoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros.Agua Preta e Pimenteiras as quintas .'eiras.
liba de Femando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafotas partem ao Vi dia.
EPHEMERIDES DQ MEZ DE DEZEMBRO.
6 QUarto cresc. as 5 h., 11 m. e 56 s. da m.
13 La cheia as 4 h., 52 m. e 26 s. da m.
21 Quarto ming. as 2 h., 42 m. e 58 s. da ru.
28 La nova as 7 h., 1 m. e 44 s. da m.
PRKAMAR DB HOJE.
Primeira as 10 horas e 54 minutos da manhaa.
Segunda as 11 toras 18 cientos da tarde.
PARTIDA LOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a f e 2o; pars o norte at
a Granja 7 e "i de cada me?; para Fernando nos
dias 14 dos mezes de jan. mire- maio. jal. set. e nov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife: do Apipucos s 6 Vi, 7, 7 */,, 8 e
8 V da m.; de Oiinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6 >/s da m.-, do Caiaug e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos s 3 Vi, 4,4 '/<41/s>
5, 5 Vi, 8 Vi e 6 da tarde; para Oiinda s 7 da
manhaa e 4 Vi da tarde; para Jaboatao s 4 da
tarde; para Cachang e Van s 4 Vi da tarde;
para Bemfica s 4 da tarde.
AUD12NGA DOS TRIBUNASS DA CARXIL
Tribuna! docommercio: segundas quinta.
fielago: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazeuda: quintas s 1U oras.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito ds orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas sextas ao meio
dia.
Segunda vara docivel: quartas a sabbados a 1 hora
da tarde
19.
20.
21.
22.
i't!
21.
5.
no
CM
de
mss da sauju.
Segunda. S. Daro ru.; S Sj i r. | na.
Terra. 8. Domingo.- de Sil ah.; -. Juliora
Qnarta. S. Thom ap. S. I les m.
Qaiala. s. Honorato .; s. F.iviann m.
SeXIa. Ss. Migdor i M;u lunn mm.
Sabbado. S. Dt-lphino b. :S. Tarsifaa m.
Doming'. Nascimeuto de >". s. J. Cbn.-to
ASSIGNA-U
Racite, ra a lirraria da praga da IndepeaoVn
ns. 6 a 8, dos piow oanos Mumm F^neirai
Paria & Pilho. >.
PARTE GFFEIAL
G9VER.N0 da provincia.
Ftpedienle do dia 19 de dezembro de 1864
Ollicio ao Etm. Sr. visconde da Bja-Visla, com-
mandante superior ds guarda nacional do Recife.
Queira V. Exc. iuformar.me se o batalhao n. 2
de infamara da guarda nacional deste municipio,
den iKintem alguma torca para guarnigo da pit-
ea, declarando em coso contrario se dito batalhao
era obrigado a dar essa torga em cumprimento de
ordena superior, e qual o motivo porque o nao fez-
Dito ao coronel commandante das armas.Ex-
pela V. S. as suas ordens para que o teneolo Ma.
noel Joaquim de Oliveira Gurchaluz S3 recolha a
esta capital quanto antes.ODciou-se ao comman-
dante do corpo de polica para designar um alto-
res que v substituir o predito offlcial.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de informar
acerca do que pede Joaquim Severiano Leile no
incluso requerimento.
Dito ao Sr. Dr. Cheto de polica.Gonstando-me
que do secundo andar de um sobrado na ra das
Larangeiras precipiiou-se urna preta menor, que
succiimbo em consequencla da queda, haja V. S.
de informar acerca desse fado, mencionando as
circunstancias que se deram e tenham chegado
ao seo conhecimento.
Dito ao bario do Livramento, vice-provedor da
Santa Casa de Misericordia. Tendo sido tratada
no hospital de caridade, como torra, a parda Maria
da C onceigo, que segundo me informara anda
Dio obteve cita, apezar de j se ter dado a quan-
tia exigida para a sua libertada, sendo que ella
pertenre a vuva do fallecido Joaquim Jos da Sil
va Castro, haja V. S. de providenciar em ordem
que seja passada a referida carta ou a senhora da
mesma Maria da Gonceicao pague a importancia
do curativo, como sempre toi e-tylo seguido em a
Santa Casa de Misericordia de que V. S. digno
vice-provedor.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Recommendo a V. S que nos termos do meu offl-
cio dD 13 do crrante, mande pagar os vencimen-
tos relativos a primeira quinzena deste met, da
forca aquartellada do l batalhao de iufantaria da
guarda nacional deste municipio, as quaes cons-
tan) dos inclusos documentos, que para esse fim
me foram remettido* pelo respectivo commandan-
te superior corn oficio n. loi, datado de antes de
bontem.Coramunicou-se ao Exm. commandante
superior
Dito ao inspector da ti.esourarla provincial.
Autoriso V. S. em vista de sua intormagao de 17
do correte, sob n. 545. dada com referencia a da
contadoria dessa thesouraria, a mandar pagar aos
empresarios da illuminacao publica desta capital,
conforme solicitou o chefe de polica em officio n.
1,480 de 26 de novembro ultimo, a quantia de
45:13600. proveniente do gaz consumido com a il-
lumiuago da casa de detengan durante os mezes
de julho e setembro deste anno. como se ve das
tres contas que inclusas devolvo.
Dito ao mesmo..Autoriso V. S nos termos de
sua intormacao de 13 do corrente, sob n. 537, a
mandar entregar, mediante fianca idnea, ao ad-
mini-trador da capaila de Santo Antonio de Pedras
de FOii'), oa 1ro Antonio Generoso Bindeira a quan-
tia de I :OO05 votada na tei do orcameuto vigente
para as obras daquella capella.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional de Olin la e Iguarass. Nao podendo, em
vista das informacSes do inspector da thesouraria
de fotendo, pagar-se os vencimentos do destaca
ment da guarda nacional que o meu antecessor
mandn estacionar na cidade de Oiinda, exped
ordem para que amanhaa, 20 do corrente, scjaelle
substituido por outro de 12 pracas e um inferior
do corpo de polica, afiui de guarnecer respectiva
caileia.
Expela, pois, V. S. suas ordens para ser dispen-
sado o da guarda nacional sob seu commando,
logo que alli chegue aquello do corpo de polica.
Outrosim, convm que V. S. faca em seu nome
urna represemacao para obter-se do govorno im-
perial aatorisaeao para o pagamento dos venci-
m- nlos daquelles guardas nacionaes.
Entretanto, agradeco a V. S a solicilude com
qu': cumprio a ordem de meu antecessor, e cont
com igual cooperacao de sua parte.Fizcram-se
as neresssrias coininnnicacdes.
Dito a cmara municipal do Bonito.Tomando
em coosideracio o quejezpot o proprietario Feliz
Ferreira da Cunha no requerimento documentado,
sobre qnc versuu a intormacao da cmara muni-
cipal o I!"luid, de 22 de setembro ultimo, e leu-
do em vista o que a e-.se respeito lambem infur-
mou o respectivo juiz de direuo, em offl:io de 30
de novembro prximo flodo. recommendo a mesma
cmara que mande retabelecer a antiga estrada,
que dava communicagao do engenho Estrella
d'Alvapara o denominadoE-lrella do Norle,
em direeeo a via farrea, a qual toi inulilisada por
delilieraeo da predita cmara
Dito ao superintendente da estrada de ferro.
Pazcndo ver o engenheiro fiscal da estrada de ferro
em ollicio de boje, a conveniencia de collocar-se
na estacan das Cinco Ponas um guindaste destina-
do ao servioo da descarga, alim de evitar-se nao
s os accidentes que ja se niio dado, mas tambem
0 estrago que experimenta o material rodante da
mes n i estrada por oecasiao do desembarque de
madeiras, recommendo ao Sr. supenntendente'que
se sirva de tomar em consideraban essa medida.
Commnnicou-se ao engenheiro fiscal.
Dito ao mesmo.-Convindo evitar duviJas acer-
ca da iotelligencia a dar-se ao artigo quinto do re-
gulamento interno do traleg, como ltimamente
tuve lugar, recommendo aoSr. superintendente da
estrada de ferro, que mande aliar as estacoes
da mesma estrada os avisos necesarios, de con-
formidvde com e que Ihe toi solieitado pelo enge-
nlieiro fiscal, seguudo este me declara em ollicio
desta data.
il-i ao engenheiro fiscal da estrada de ferro.
Em vista de sua informado de "8 do torrente,
contenta) em que continuem a prestar os seus ser-
vicos na estacao central desta cidade, s duas pra-
cas de urbanos que alli se acham para esse fim.
Dito ao juiz municipal do Cabj.Tenho presen-
te e offi io de 14 do correte, em que Vine, solici-
tou a expeaicao de ordens para Ihe serem apre-
sentadas dez praca* e um inferior, atlm de auxilia-
ren! os oIBciaes de justica na diligencia, a que al-
lude.
Em resposta tenho a dizer Ihe que, por ordem do
foverno imperial seguiram para o sul dous bala-
Ih6es de primeira linha : a torca regular que res-
ta c insuffieieiite para guarnecer as fortalezas e a
praga. de modo que toi necesario a quartellar um
contingente da guarda nacional nesta capital.
O corpo de polica est distribuido em destaca-
mentos, e nao tem pracas disponlveis ; tanto que,
expedinno eu ordem para ser salUfeiu a requi qho que fez o cheto de polica, om ollicio n. 1527
de 7 deste mez, de algumas prpgas para e-coltar
presos, respi.ndeu me o cummandante d'aquelle
corpo, em officio n. 549 de 10 do mesmo mez, que
nao as poda dar |H>r nao as ter.
tos ervicos para formar um destacamento em
Oiinda, onde o da guarda nacional existente vae
ser dispensado, por oppdr-se a thesouraila de fa-
zenda ao pagamento dos seus respectivos venci-
mentos por falta de ordens do governo imperial:
pelo que nao possivel attender a sua requisico.
Goncluirei por fazer ver Vmc. que, se requi-
sitar torga da guarda nacional desse municipio,
deve recommeodar que a diligencia se eltoclue
com loda a moderaga alim de que nao haja abu-
so. neo se cummeita alguma violencia.
Portara. O vice presidente da provincia, at-
I tendendo ao que requereu o mestre da ofllcina de
ferreiros do arsenal de guerra, Antonio Joaquim
Pires.Je tendo em vista a intormagao do respectivo
director, datada de 17 do corrento sob n. 116, re-
solv! prorogar por trinta dias com o salario que
percebe, licenca que por portara de 27 de ou-
tubro ultimo, Ihe fui concedida para tratar de sua
sade.
' Dia.-0 vico-presidente da provincia, attenden-
do ao que requeren o tenente-coronel commandan-
te d j batalhiio n. 27 da guarda nacional do muni-
, cipio de caruar, Joo Vieira de Mello e Silva, re-
1 solve conceder-lite tres mezes de licenga para tra-
tar de sua sade. Co:nmuncou-se ao respectivo
i commandante superior.
Expediente do secretario do governo do dia 19 de
dezembro de 1861.
OHcio ao coronel commandante das armas.S.
Exc. o Sr. vice presidente da provincia, manda
communicar V. *. que por despacho desta data,
' aulorisou-se o director do arsenal de guerra a
mandar sati-fazer o pedid do commandante da
fortaleza do Brum, a que allude o seu officio n. 2235
de 17 do crreme.
Despachos do dia 16 de dezembro de ISG.
Requenmentos.
Antonio Eugenio Paz.Informe o Sr. cheto in-
terino da reparlicao das obras publicas.
Alexandre Americo de Caldas Braniao.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Alvaro Paulo Noblato.Informe os Srs. Drs. juiz
de direito e juiz municipal de Nazareth.
Bebiana Jovinuina de Mello Albuquerque.In-
forme o Sr. Bario do Livramento, vice provedor
da Santa Casa da Misericordia.
Bernardo Jos da Cmara.A obra que entende
o supplicaute, ser precisa para que os animaes de
seu engenho nao sejam offendidos na via torrea,
deve ser feila a sua costa, como se v da informa-
gao do engenheiro fiscal, dada sob outro requeri-
mento do supplicate, que nao pode queixar-se de
falta de previdencias, quando delle que depen-
dem as medidas necessarias para garantir a sua
propriedade.
Irmandade do Sanlissimo Sacramento da fregue-
zia da Boa-Vista desla cidade.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Irmandade do Senhor Bom Jess das Dores em
S. Gongalo.-Nao tem lugar oque requer asup-
plicante, pois que a sua prelengao s seria realisa-
vel com allerago da tabella approvada e prejuizo
de outros concessionarios na mesma tabella con-
templados.
Joao Moreira da Cunha.Seja posto em liberda-
de o tillio do supplicante, ou escuso do servico se
j liver assentado praga, visto existir a seu favor
isengao legal.
Jeronymo de Souza Coelho.Deferido em contor-
midade da intormacao, ficando arbitrada ao suppli-
cante, a gralilicagao de 3005.
Joaquina Mara do Espirito Santo.A' vista da
intormacao s pode o neto da supplicante, ser alis-
tado na companhia de aprendizes marinheiro, se
tor julgado apto para o servico, a supplicante
quizer.
Joo Jos Pereira de Lima.Concedo a licenga
requerida vista da intormacao.
Maria Francisca.Seja escuso do servigo o filho
da supplicante, visto ter elle a seu favor isengao
legal.
Maria da Annunciag.o Gavalcant.Informe o
Sr. Barao do Livramento, vice-provedor da Santa
Casa da Misericordia.
Maria Rosa do Nascimentd.A' vista da intor-
macao do commandante das armas, nao tem lugar
o que requer a supplicante.
Presidente e miembros da soriedade l'nio dos
Mestres Archiletura .Naval.Remeliido ao Sr. ca-
p Lio do Porto, para timar era consideracao o pe-
dido dos supplicantes, e proceder a respeito na for-
ma da le.
7 -
Antonio Eugenio Paz.A' vista da intormacao
concedo a prorogago requerida do prazo do con-
trato do supplicante.
Antonio Joaquim Pires. Concedo licenga re-
querida vi.ta da iriformagn.
Antonio Jos de Castro.A' vista da informago
nao tem lugar determinado a intimagao a que se
refere o supplicante que devora usar de meios con-
venientes para conseguir o que pretende.
Domingos Anlunes Villaca.Seja dada a certi-
do pedida.
Damrao Rodrigues Lopes.Nao lera lugar vis-
ta da intormagao.
Feliciano Pinto de Vasconcellos.Informe o Sr.
majnr director do arsenal de guerra.
Irmandade do Sr. S. Sacramento da frcgueza da
Boa-Vista deMa cidade.Informe o Sr. inspector
da thesouraria provincial.
Jos de Aquino Fonseca.Informe o Sr. juiz de
paz supplcadn.
Tenente-roronel Joao Vieira de Mello e Silva.
Concedo tres mt-zes^le licenga.
Joaquim Nicolao Barbosa.Informe o Sr. Dr.
cheto de polica.
Gapito Jos Joaquim dos Santos e Silva.=lntor-
me o Sr. Dr. engenheiro fiscal.
Joaquim de Barros Corri de Queiroz.-rDeferido
j toi o supplicanle desde 26 de novembro ultimo.
Mana da Oonceigao e Oliveira Iutormo o Sr.
baro do Livramento, vice-provedor da Santa Ca-
sa de Misericordia, que dever ter em vista que a
supplicante me parece nao eslar no caso de obter
a graga que requer, pois o meio indirecto de que
ella usa agora oara tirar do collegio o filho, cuja
entrega j requereu e nao conseguio.
Miguel Joaquim,das Chagas. Informe o Sr. ma-
jor director do arsenal de guerra.
Macario de Luna Freir.De-se a cerlidao re-
querida nao havendn inconveniente.
Manoel de Garvalho Paes de Andrade.Nao tem
lugar, vista da intormagao.
Manoel Querino da Eucarnagao.Concedo o
prazo de quinze dias conlaios da presento data,
alim de que o supplicante pravo a isengao legal,
que tem a seu favor, urna vez que nao appareceu
quem procurasse esta petigao, onde igual prazo
Ihe tora concedido ; sendo este despacho levado
ao conhecimento da auloridade competente.
DE
COVERXO DOBISP1DO
ii:it\ tHiti co
SEiifi VA ;i\Tti
Dezembro de 1864.
Expediente do dia 15.
Olncio ao vigario do Cabo. Tenho presente o
sen olncio de \> do prximo, passado, pelo qual
me declara que no domingo 25 do mesmo, pelas
quatro e meia horas da Urde, teve lugar nessa
matriz aabjuragn, profisso da f catholna e a<|-
mnistrago condicional do baptismo o Guilher-
mina Joaooa Carolina FUcher, *mo o acto muitfi
concorrido, assistindo diversos sacerdotes, e for-
mando alas alguns irmos com capas do Sanlissi-
mo Sacramento
Nao de admirar esse regosijo que V.-Revma.
diz ter-se apoderado da populagao dessa frcgueza,
pois em todos os lempos participaran! os fiis da
Sloria e do jubilo Ar MJI & "ossa Santa Ma
re Igreja, quando v entrar para o seu aprisco
mais urna ovelha que andava tresmalhada. E'
bella a descripgo que V. Revma. faz dagravidade
e compunego com que se houve a Neophta em
todo o acto, maravillando com o seu porte os cir-
cunstantes, entre os quaes se achavam alguns pro-
testantes que davam mostras de assistir cora sar
tisfago aquelle acto.
Fleo ceno de que a Neophita se confessou logo
no dia seguinte, e recebeu o Sacramento da Eu
charistia com um fervor o recolhmento nao vul-
gares. Queira a Virgem Santissima toma-la de-
baixo da sua proteccao, alimentar no seu corag.lo
o fervor de que agora se aclia animada, e faze-la
perseverar at morte nos caminhos da piedade
I e da virtudc.
Portara. -O Revd. esenvao da cmara faga lan
gar no compelente livro de registros a certido de
, abjuracao de anligos erras, profisso da f caluoli-
' ca e baptismo de Guilhermina Joanna Carolina
; Fischer, passada pelo vigario da villa do Cabo, o
Revd. Jos Luiz PVreira de Queiroz ; e recolha ao
' archivo d'essa cmara o original incluso.
', Cerlidao a que se refere a portara cima.
Por commisso do Exm. e Re fin. Sr.Deo Dr. Joa-
quim Francisco de Faria vigario capitular da diocose
i de Pernambuco, recebi a abjurago das heresias e
i a profisso da f catholica apostlica romana, que
fez Guilherraina Joanoa Carolina Fischer, subdita
do reino da Dinamarca, na igreja de Santo Anto-
nio da villa do Cabo, e a absolv da excoramunho,
na forma que manda n sagrado Concilio Tridentt-
iio, e Ihe administrei o Sacramento do baptismo
sob condigao, sendo padrioho o Ravd. Augusto
Adolpho Soares Kusewetter, e estando presentes
as testemunhas abaixoassignadas. t para cons-
tar mandei passar a presente em que comigo as-
si gnou a conversa, o padrioho, e as testemuohas.
Freguezia de Santo Antonio do Cabo, 27 de no-
vembro de 1864. Sobscrevj e assigoei, o vigario
Jos Luiz Pereira de Queiroz.Guilhermina Joan-
na Carolina Fi res Kusewetter.Manoel Clemente Ribeiro Vare-
jo.Jos Eloy de Paiva.
- 16 -
Officio ao Exm. Sr. presidente do Rio Grande
do Norte.Tenho a honra de acusar recebidoo
officio de V. Exc, datado de 28 do prximo passa-
do, remettendo-me um exemplar impreso da col-
lecgao de ieis dessa provincia promulgadas em
1863 e na secgao extraordinaria do corrente
auno.
Dito ao vigario d'Agua Branca. Respondendo
ao seu officio de 21 do prximo passado, no qual
me pede licenga para vir ao Recife preparar-se
para o concurso das freguezias que se acham va-
gas, tenho a declarar-lhe que nao ha per agora
concurso, e por laso nao tem lugar sua pretengao.
Cabe-me outro sim adverlir-lhe que quando V.
I Revma em occasio opportuna pedir urna licenga
dessas, deve declarar-me qual o sacerdote que
pretende deixar na freguezia fazendo as suas
vezes, visto como mo nao consta que essa parochia
tenha coadjutor.
Dito ao vigario da villa da Palmara. Informe
V. Revma. se j fez a trasladagao das imagens para
a nova capella de Nossa Senhora das Dores do
Riacho Fundo, do que tratou o seu oflicio de 22
de outubro ultimo; ese nao tiver tollo dita trasla-
dagao e bengo da capella, procure concluir esse
acto com a possivel brevidade, e me partcipe logo
que o bou ver feito.
Dito ao vigario da Independencia. Informe V.
Revma. sobre o incluso projecto de lei n. 47 da
assembla dessa provincia,que crea urna freguezia
no lugar de Caissara : declare o estado da igreja
que se quer erigir em matriz, e qual a conveni-
encia de tal creacao; o que tudo V. Revma. fara
com a possivel brevidade, embora nao tenha por
agora de funecionar a assembla.
Igual aos vigarios de Bananeiras e Maman-
guape.
17 -
Officio ao Excm. Sr. vice presidente da provin
vincia.Eitou de posse do officio de V. Exc .data-
do de 13 do corrente, aeompanhando um exem-
plar da obra intitulada Historia Sagrada, pelo co-
neg Sclimid, alim de que eu ihe presto a minlia
approvago para poder sarvlr para o uso das au-1
las de inslrucgao primaria da provincia.
NSo po lendo pelas minhas oceupagoes exami-
nar por mim mesmo essa obra, encarreguei oe.-te '
trabalho pessoa habilitada ; e logo que se houver'
concluido, serei solicito em remetler V. Exc. dito
livro com o meu parecer.
Dito ao vigario de Macei Acenso recebido o
seu officio de 12 do corrente, communicandome
que tendo procedido s pesquizas necessara8 para
ver se descobna em mo de a'gum seu parochia-
no as biblias falsificadas, cuja apprehenso Ihe
recommendei no meu officio de 25 de outubro ul-
timo, me declara que os encarregados de distri-
buir taes b'blias nao liveram nessa freguezia
acetlago alguma; antes foram repellidos pelo povo
sempre que quizeram exerrer a sua propaganda ;
sendo que pelo contrario tem tdo grande aceta-
co as biblias approvadas por S. Exc. Revma. o
Sr. arcebispo da Babia, as quaes tem sido ahi
muito procuradas, nao obstante o alto prego por-
que sao vendidas.
Louvando os sentimentos ortodoxos dos seus pa-
rochianos, recommendo a V. Rvma. que continu a
incuiir no povo esse amor e essa fidelidade verda-
dera religio, alim de que o espirito do erro jamis
o contamine; para o que convm sobretudo que
V. Rvma. se conserve vigilante, e nao deixe em
tempo algum que as suas ovelhas sejam devoradas
pelo lobo, qnd muitas vezes se acoberta com os
exteriores de christo zeloso.
^ Dito ao conego secretario do cabido.Registre
V. S. no livro compelente o officio e aviso incluso,
que em dala de 23 do prximo passado me remet-
leu o Exm. ministro do imperio, tendente aos ca-1
pilulares que se ausentara sem licenga da sede
das calhedraes, e extrahidas tima copia, a enviar j
ao Rvm. prio-te da ealhadral, alim de que se d
immediata execugo ao aviso. Convm que tanto o
officio do Exm. ministro do imperio como o im-
presso qne o acompanha me seja remettido, logo
que esleja registrado.
Dito ao conego prioste da ealhadral.Nesla data
remello ao Rvm. conego secretario do cabido o
o aviso que em data de 23 do prximo passado
me toi dirigido polo governo de S. M. o imperador,
mandando por em execugo a resolngo imperial
de 19 de novembro prximo passado tomada sobre
consulta do conselho de estado, alim de qne depois
de registrado seja remeUida a V. S. urna copia au-
thentica para ter dito aviso immediata execugo,'
como recommenda o mesmo governo imperial.
Aviso $ rexolucSo a qne se refere o oficio sttpra-
6" secgao.Rio de Janeiro.Ministerio dos ne-
gocios do imperio, era 23 de novemhro de 1864.
Exm. e Rvm. Sr.- Foi ouvida a secgo dos neo- i
cios do imperio do conselho de estado sobre o ofll-'
ci de 13 do mez lindo, em que V. Exc. Rvma.
consulta se os capitulares podem ausentarse por
qualqqer titulo da sede das calhedraes sem licenga
express,- dos prelado* diocesanos:
E lendo-se conformado S. M. o Imperador, por
sua inmediata resolaco de 19 do corrente mez,
| com o parecer da dita secgao, exarada em consulta
de 8 do mesmo mez, passo s maos do V Exc.
Rvma. copia desse parecer, afim de que V. Exc.
Rvma., em cumprimento daquella imperial resolu
Cao, o faga observar na parte que Ihe diz res-
peito.
Deus guarde V. Exc. Rvma.Jos Liberato
Barroso.Sr. hispo da diocese do Rio Grande do
Sul.
Consulta a que se refere o aviso cima.
Senhor.V. M. Imperial toi servido ordenar que
a secgao dos negocios do imperio do conselho de
estado consullasse com seu parecer sobro o officio
cia ou errneas presumpgSes possain crear en> al-; ru j------ -----... .... .
guns espiritns, torga declarar qu- uns annuncios,(n ; ", r ".
que tem sabido oeste Diario, relativos protesto; d.ao ca. 11 *l, "^"'iT '*
de letras c outros negocios'de goal especio, nao! v,.s S,t', fll.., i"1^ "V rew*,U 3
se entendern com o Sr. Joaquim da Silva Costa, [ J ..*,,
commercianle nesta cidade, onde oem conhecido i
por sua honradez e pontualidade.
Aquelles annuncios, como delles se reto-
rem-se a um senhor de igual nome; o qual
proprielsrio do engenho l'tinga, na villa do
Cabo.
Chamamos a attenco do respectivo fiscal
para a ra do Torres, onde nao tem limites, segun-
do nos informam, a inmundicia que por la ral,
urna vez quefazem da ra o logar de despejos. Bom
sera que, verificado o fado, e reconhecidos os au-
o qu ha determinado
do Rvd. bispo do Ro-Grande do Sul, relativo au
sencia dos conegos para torada cidade sem licenga tores, se imponha a estes
do prelado. as posturas niuuicipaps.
O officio como se segu : De novo recebemos queixas contra o guarda
Tenho a honra de consultar a V. Exc. se os re- municipal, que acha-se na ribeira de S. Jos, pois
verendos capitulares por algum privilegio parlicu- continua a inlorpercer nao s as afericoes das
lar, que eu ignoro, polern ausentarse por qualquer medidas, como a oppr-se ao fornecimeto dellas,
titulo de suas calhedraes ;-eui licenga expressa do \ alm de maltratar aos matulos com grossarias e
prelado diocesano, ainda mesmo quando seja sob o ameagas de prisao, segundo as niesmas quoi-
pretexto de gozarem dos dias chamados de eslatu- xas.
_ pur ja f
atisfeilo tal exigencia
Outro di juiz de paz. supliente do i* di-lrirWi (i.
; freguezia dos Af.gados. J .io Ignacio o- ^1
llego, coininunicando que nao p,i^ a,-,.,.ltar ^^
cargo, em razan de sua sdbetrvMaia do cargo :
depuialo do tribunal do cominercio aa |>tovnh
cia, alm de eiicoiumodos de sauJ, que n obn-
gam a estar em (Miada em uzn da l>auhos Que em vista de semellianle resposu. se cnaauss
o immediato a vr prestar juramento.
Outro do adinni>irailnr do ceiniteii,. pitMic.)
duendo que leudo S. M. Imperial pee aaiMa a.
3310 de 14 de sciembro ulilrno, comeli'loenuori
pacao a lodos'os Africanos
perio, pede
e\l.tr-IIIi'n B.II
para engajar c
tos, os quaes nanea se conceder nos dias classicos
e solemnes.
E' preciso, pois, que o Sr. fiscal syndique sobre
taes argugoes para providenciar, o sentido de
No caso negativo, rogo V. Exc. se digne infor-! collocar aii um guarda mais cordato, que nao airo-
mar-me se os pontos que I lies forem marcados, sao
| contados em favor dos reverendos capitulares pre-
; sentes, ou descornados na thesouraria.
Julgo muito conveniente a prompta resposta disto
que consulto V. Kxc, pois que no cabido desta
diocese j se vo dando casos de se ausentarem
alguns capitulares para torada capital quando bem
Ihes parece, sem licenga do diocesano ou ao menos
parlicipago dos motivos dessa ausencia.
Io ponto.Que os conegos nao podem sahir para
fra da sede das calhedraes sem licenga dos prela-
dos, o que determinara todas as Ieis eclesis-
ticas.
Mas, como as mesmas Ieis aulorisam a interrnp-
cao do exereicio dos olficios divinos por algum lem-
po, o qual pelo concilio Tridenlioo nao pode exce-
der de Ires mezes por anno; e nos estatutos das
calhedraes se eostuma fixar o mximo desse tem
po, chamado por isso do estatuto ; d'aqui vera que
alguns conegos do bisnado do Rio Grande do Sul,
aproveitaodose desse indulto, auseniam-se da ca-
pital, a seu arbitrio, e quando bem Ihes parece.
Antes de todo cumpre observar, que o lempo
j chamado de estatuto nao concedido para que os
conegos possam deixar de assistir aos olficios divi-
nos quando bem quizerem. Elle suppoe sempre
ama causa justa de ausencia ; e sem esta causa
nao podem elles em boa consciencia de.-fructar as
rendas do beneficio.
Alm disso, o tempo de estatuto nao dado para
que os conegos com este titulo abandonem suas
obrigngdes com prejuizo das funegoes sagradas na
cathedral.l Se muilos conegos o tomarem ao mes-
mo tempo, o trabalho vai recahr sobre poucos; e
pode acontecer que faltem ministros para os exer-
cicios diarios, ou pelo menos que falle o numero
neressano para que os actos se celebrem com as
solemnidades proscriptas no ceremonial.
Anda na oulras consideragoes que condemnamo
arbitrio de os conegos se ausentarem sem licenga
para fra da capital.
Durante o gozo do estatuto pode sobrevir a ne-
cessidade de convocago extraordinaria do cnido,
e pode haver algum motivo de regozijo publico
pelo qual o bispo tenha de celebrar mi>sa pontifi-
cal. Nestes casos, se os conegos esliverem tora da
cidade, nao podero comparecer, como seu de-
ver ; assim como nao poderao comparecer as fes-
las e nos artos de que nao san dispensados.
Por estas raides costume haver as calhedraes
urna auloridade a qnem os conegos communicam o
gozo do estatuto ent que vio entrar ; e esta auton-
dade pode regular este ohjeclo de modo que nao
solTra o servigo divino com a ausencia dos conegos.
Se, pois, sahida dos conegos para fra da capi-
tal Iraz estes embaraces, nao se pode negar ao bis-
po o direilo de ser informado do motivo que a exi-
ge, e de a autorisar concedendo a necessaria li-
cenga.
A secgao contorma-se com o parecer do cnsul:
tor desta secretaria, o qual se exprime deste modo :
Se, pois, na diocese do Rio-Grande os conegos se
ausentan! da cidade, prevalecendo se da dispensa
pelle aos matulos, bem como de forneccr as pre-
cisas mcdjdas desde meio alqneire at a menor,
para se nao repetir essa especie de monopolio que
fazem das mesmas medidas.
Amanhaa, se extrahr a ultima parte da 10a
e 1" da II lotera, da matriz da Boa-Vista (121"),
sendo os dous maiores premios 10:0005000 e
3:0005000.
Passageiros do hlale brasleiro Novo Invensi-
vel, entrado do Aracaiy : Antonio Raymundo Paes
de Lima, Domingos Jos de Castro e Silva, D. Bar-
bora Correa de Luna, e nm filho menor.
Passageiros do brigue porluguez Florindu,
entrado de Lisboa : Andr Maria Pinheiro, Fran-
cisco Jos Ferreira Jnior, e Franriseo Jos Ro-
drigues da Silva.
Passageiro do palarbo porluguez Novo Lima,
sahido para o Porto : Jos Raphael Batalha.
REPAIlTigAO oa polica.
Extracto da parte do da 21 de dezembro
de 1864.
Foram recolhidos casa de delengo no dia 20
do correnlo :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. cheto de polica, Ma-
noel Joaquim de Sant'Anna, Joo Teixeira de
Abreu Peixolo, Galdino Ferreira Ramos, Joo Luiz
Maria, Jos Veilez de Abreu, Luiz Gonzaga da
Silv3, vindos de Sanio Antilo, como crimosos.
A' ordem do subdelegado de Santo de Antonio,
Adrin", escravo de Joo Francisco do Reg Maia,
por fgido.
A' ordem do da Capunga, Claudino Jos Dias,
por insultos.
O chefe da 2 secgao,
J. G. de MesQuita.
Movimento da casa de detencao no da 20 de
dezembro de 1864.
ivres
a cmara perml>san ,
dous que se acham ao servigo daquePe est.iheieri
ment, pagando cada um ..s veiicunenii que pa-
ga a um servente, pois ipie euatti lera, qne -oi-
go dos mesmos uidi-pensavcl ao l III liniiH
Aulorisou-se o engajamolo, e ranta teaMo
inandou-.-e officiar ao administrador
MaHdou-se por novam-nle em pr .ca |h>o prvn>
porque tora arrematado o anno pawada iitpwir
de 80 ris por carga de farinha a lefmr- h \ nd*do
nos mercados pubtic >s. e bem aim as de mai-
rendas muoteipaes que nao foram anda arremali
das.Prinripinu a cmara a .ipnrac.o eral de o
los para venadores e nao temi coriclni.l., marrna
sessao para o da 20 do corrente, alim de ultimar
A mesma appurago.
Despacharan.se as petgoes de Antonio JJkaOM
va do Brasil, Antonio Fernandes Velloso, It-rnar-
dino Jos Leo, Clinstiano de Souza Leal, iKiinin-
gos Jos Ferreira, uomingos da silva Campo*. Dio-
nizio Ferreira Cavalcanle (), Felipa Bello Ma-
ciel d'Olinda, Francisco de Marros i", .rrea, Fran-
cisco de Paula Burga* Icha, Fran i>c> Jo- Ca-
bral, Jos Bernardo Galvo Alcotorado, M
Ferreira da Co>la. Joaquim Francisco de Paula
Esleves Clementes, Ignacio Joaquim jmm da Silva,
Maxiiuiano Jos de In.jou, Til irafj Ferreira da
Costa, Jos Paulino da Silva, Joo Soares da Fon-
Ceca Velloso, Jos Dmizda|Silv.i, J.,.,. fnm
de Menezes Amorim ; elevantou-.-o a aaealra
Eu Franci-co i anulo da Boaviagern, secretario o
subscrevi.Reg e Albuquerque pro pre-idete.
Ilenriques da Silva.Heg. -Leal Se ve.Mello.
Gameiro.
Existiam___ 378 presos.
Entraram___ 10 i
9 *
Existera...... 379
A saber :
299
Mulheres...... 3
Estrangeiros... 21 i
Estrangeira ... 2 t
Lsrravos...... 49 i
Escravas...... 5
CQMMUNICADOS.
Alimentados a cusa dos
153
A oilava pagina do > Diario de beilem Taada
pelo Etm. Sr. ronselheiro Dr. Laurear Trij 4*
Lourriro.
Os duelistas luteranos on .-cchIiIos qiundo
teem sua origera no amor da silencia ou das le
tras, sao um bem, e at denotam da part d>- que
os eslabelecem um intento honesto, mas de-de que
sua origein o despeito, e sen fim o vasar hal-, mi
alimentar polmicas mal entendida-, para riesafea-
fo de um amor proprio. rarunch-o e mal compre
hendido, parece qne nao s no se pre-'i -erro
algum a snencia. mas ar, iran-tornan'ki a po.
que compele a um hornero de leiiras, incummoda-
se o publico sensato, muito emliora os posipinos *.
transatlnticos ttulos que n rumine como >*pigra-
pht-s : islo. ju-laineiite se d na luva. que p>.|o
duelola acuna toi alirada a um examinador do^
mncnrrenie cadeira de latim vaga no Cullfgi-i
das Artes.
A isto anda accresce. que sendo o desaCado aao-
rador Desta cidade, e nella tendo permanecido ate
378
cofres provnciaes.
Movimento da enfermara do da 21 de dezembro agora, mena depois do concurso, tempo em tfte
de 1864. sabio para dizer as missas do Nalal.oque satmio
Tiveram alta : pelo duelista, s agora appareivua luva : paree-
Thomaz Gomes da Sil'.i. que nao era oecasiao muito azada para semHhanie
Ignacio Jos de Moura. desafio, tanto mais quanto o autor do duelo pede
Tiveram baixa : instantemente urna resposta ; entretanto nao
I Manoel Joaquim de Sant'Anna. lando presente o desaliado, e nein convindo qo m
Manoel Jos do Espirito-Santo.
Luiz Gonzaga da Silva.
Obituario no ck.mitkhio publico no da 20 ME
EZK.MR0 de 1864.
dos estatutos, quanto ao servigo do coro, o diocesa- Luiza Mara do Patrocinio, Pernambuco, 3o annos,
no pode chama-Ios aos seos deveres privando-os viuva, S. Jos; cancro uterino.
da congrua, o processando-ns pela falta de resi- Zulmira, Pernambuco, 2 mezes, Santo Antonio:
dencia. E isto pode fazer fcilmente, porque as convulses.
thesourarias nao pagam as congruas sera atlestado Apolinaro Romualdo de Pinho Borges, Pernambu-
dos diocesanos.
E ser legitimo impedimento para assistir aos
ponilicaes o facto do eslar o conego no uso de es-
tatutos T Entendo que nao: olegitmi impedi-
mento est definido pelo concilio Tridentino as pa-
lavras tnfirMttas, seu justa et corporalis necessitas,
aut eeidens ecclesur utitttas
Desde, pois, que o diocesano julgar nao legitimo
esse melivo dos estatutos para deixar de compare-
cer a certos actos de ceremonial solemne o cone-
go ; e desde que o nao considerar licenciado para
sahir para fra da cidade, s pelo facto de estar no
gozo de estatutos nao pode o conego receber con-
grua na thesouraria, participando-lhe.
Entende, pois. a secgao que os conegos nao po-
dem sabir tiara fra das capilaes sem licenga es-
pecial, ainda estando no gozo do tempo do estatuto.
2 ponto.A secgao concorda tambem neste pon-
to com o parecer do conselho consultor, coja subs-
tancia : que, dada a falla por esta causa, se de-
duza da congrua em favor dos interessautes a par-
te correspondente aos pontos, segundo a tabella es-
tabelecida para estes; o excesso deve ficar na
thesouraria em beneficio desla, fazendo-se mengao
de ludo na folha que tor remettida thesouraria,
ou ao presidente da provincia, conforme estiver
era uso. V. M. Imperial resolver como melhor
parecer em seu alio juizo.
Sala das conferencias da secgao dos negocios do
imperio do conselho de estado, em 8 de novembro
de i864.Mrquez de OhndaVisconde de Sapu-
cahu.Bernardo de S-uza Franco.
Como parece.Pago, 19 de novembro de 1864.
Com a rubrica de S. II. o Imperador.Jos Li-
berato Barroso.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Consta-nos, por carta de 30 de outubro, qne no
termo de Ex lem-se ltimamente desenvolvido o
recrutamento de modo brbaro, parecendo antes
urna cagada de homens do que regular escolha de
pessoas que estao as coodiges de servir ao paiz
as lileiras do exercilo.
Chamamos, pois, a attengo das autoridades
superiores para que providonciem de modo a evi-
tar a contiunago de tal calamidade, que ainda
m.i se tem agravado com a lamenlavel secca que
(emalfigido a populagao daquella localidade.
II ] lera lugar a festividade religiosa de
Nos>a Senhora do Amparo, em Oiinda. Os orado
co, 35 annos, casado, Boa-Vista; hydropisia.
Maria, Pernambuco, 18 anno*. solteira, escrava,
Recife; iuflammagao nos intestinos.
Pedro, Pernambuco, 16 dias, S. Jos; espasmo.
CAUIU 1ILMI ir\L
SESSAO EXTRORDI.N'ARIA AOS 19 DE OUTl'BHO '
DE 1864.
Presidencia do Sr. Barros Itego, continuada pelo
Sr. Reg e Albcquerque
Presentes os Srs. Henrique da Silva, Leal Seve,
Gustavo do Reg, Mello, e Gameiro, ahro-se a se-;
sso, e lida e approvada a acta da antecedente.
O Sr. presidente Barros llego, aprsenla a se-'
guiule proposla, aqual toi uouimeuie appro-
vaila.
Devendo-se ter realisado no dia 15 do corrente, o :
concordo de Sua Alteza a Augusta Pnnceza Impe-
rial, com Sua Alteza o Conde d'Eu, e sendo nm i
tal a eont -cinienio de toda a importancia nos des-
linos deste imperio, e da augusta din >stia reinante, |
cuja sorte se acha eulagada, cora a do povo Urasi-: leia-scprincipio.
terrompa as foorfdm de seu iioni-i.-no para vir
levantar a lu-a alinda teaapa de festa, lempo im-
proprio para se brigar, convm que o p Mico -ii-
penda j seu juizo, poi* que nem padrinnos amia
ha, al a volta do desafiado, muito embira a
do Bim. Sr. r Lonrciro. vafi.amloum p-mro ^m-
poeirada emquanto nao levantada, po's a colpa -
sua.
O Etm. ranii to
no duelo, e j pelo final, peroracan, conrln-'io. etc
mostra bem que d'anle ma i se re. lina
ros colhidos em semelhant- f.nt ilh.i. ni 111
ner semper tilia flvrent do poeta I M
convm observar, que os (lirihildi- nao I -m :.;
provado muito no serillo XIX : entr I i I
creio pamente na conlianca do MBW, r
macaco velho, c por t mto nao mette mri na m bar.
Recife. 21 de dezembro de 1*64.
Tendo acontecido, qne a cnrr'-pondennt ai|-
nada |M'lo Dr. I.ourenco Trigo ia l.-oireiro. p
blicada na oilava pagina deste jornal. l> n. ?. de quarta feira 21 do corrente Mea de rtVfwbr".
sahisse da iinprensa rom hem grande numrrn le
erras, alguns dos quaes Ihe alterara seninlo. a>-
rece-se por isso s pessoas, que a leram a -eguiet"
errata :
Na 1- columna, 3* periodo. 6- linha-
doleia-seou quando.
Na 1" col., Io per., penltima lin.prinrif.
-00 c 4JBMB-
leiro ; proponho (pie esta cmara d signlicagao
dos sentimentos de que se acham inspirados o-
seus mnnicipes nomiando urna commisso, que em
nome della faga apresemago dos volos que tor-
mam pela felicidade de augusto consorsio. E por
que nao deva passar esse a contecimenlo sem ma-
uifestago do jubilo publico, por isto proponho mais
que se nomei urna commisso de dentro ou de to-
ra da cmara para dirigir os festejos que devem
servir para commemorar de modo bnlhante lo
fausto a contecimento, mgo que aqu chegue a no
ticio delle.
E no intento de tornar realizavel a segunda par
te da proposta, indico que se officio ao Exm presi-
dente da provincia, sollictaudo autorisago de nm
crediio extraordinario que nunca dever, ser infe-
rior a quantia de seis contos de ris.
Conclu-o indicando para a Ia commisso os
Exms. Srs. marque: d'Olinda, viscnndo de suas-
suna, baro de Pirapam.Barros Reg.
O mesmo Sr. prsidente Barros Reg nomeou lo-
go a segunda commisso, que deve se encarregar
de dirigir os festejos, aqual ficou composla do se-
grales Srs. Dr. Ilenriques da Silva, major Gusta-
vo do Revo, tenente-coronel Leal Seve.
L-se o seguinte
EXPEDIENTE :
Um ofQcio do inspector da alfandega desla cida-
de, dizendo que tendo de se proceder a venficagao
da capacidade de alguns cascos com vinho, e se-n-
do preciso para isso bem dos interesses do fis-
co, que a medida empregada tenha o cunho de in-
teira localidade, roga ao presidente da cmara se
Na I- col., 9 jier., 2* linqne se devialeu--*"
que se diria.
;Na 1 col., 9o per., 9* lin.immoveis, os oikns
leaseimmoveis os olhos.
Na 2- col., 2* per.. 4' lin.por outrosleia-se
por oulras.
Na f col.. 4" per 8" lin. rasuro Una-
rustico.
ja-tIUcarkta-v
ine a gallina
malhaleu-
res sao rio Evangelho o Rvm Antonio d: Albu
querqoe Mello, e 00 Te-Deim o Rvm, Jos Esteres' sirva confiar a medida padro do ranada, a qual
Viann&. I ser devolvida logo que se lindar o exame lo-
Afira de evitar a confujao, que a malevolen-' teirada por ter sidu j cumprida essa exigencia
Na2'col.5ptr-. 1*' ln.-
jiMillcar.
Na 2* col. 7 per. nlliraa
leia-sce as galhnhas.
Na 2" col.. 7 per., ultima lin. de
sede iri.aili.i-.
Na 2- col., 8 per., 2" lin. einda leia-se
ainda.
Na 2* col., 11* per., ultima lin.hacleia-ie
haec.
Na 2 col.. 13* per., 3* e 4* lio.-(* <<< *H
lease (de finita est.)
Na 3 col., 2 per.. 9- lin. Mal leia-s
finita.
Na 3* rol., 3* per., penuliima iin.i-hVrtide
leia-se rellectido.
Na 3' col., 4* per., penltima lin.Futirtetar-
se ffarfri
Na 3' col., 5 per., lin.Paraleia-seSe-
gundo, para.
Na 3* col., 5* per., lin.FiHirrm
Finia
Na 3" est, 3 per-, 6* lin.aTM a-agudo -
som agudo.
Na 3" col., b> per., 11" lio.Unto al
'.eia-setcito abandono.
Na 3 col., 6 per., 7* lii,-t*r
nociera.


filarlo de ^ereasafcae Quinta felra 8* S Dexenibro de lli.
Na 3" Col., ? per., lin.em pratieasMase
em pratica.
Na 31 col., 8 per., ultima lin.-isto :leia se
isto :
Na 3" col., 10 per., 1" lin.rasteirolea-se
rasteira.
Na 3" col.. 10* per., Ia lin.carrigo leia-se
carrica.
Na 3' col., 10 per., 9* lin.o fazia-leia-se
o taria.
Xa 3" cok, 3o por., verso, ullima palavra bu-
xitoloia-scbuxeio.
nao se swrtw atalhar dcvIJamenle. IWo so est
vendo todos os das que fchres, que accomniellem,
c que nao apresentam logo ino signal, o deleixo,
o despreso dao lugar a que appareija a dissolucao
poJre do sangue, que d'ahi resultara as febres de
mo carcter.
Nao quero com isto dizsr, que, logo que alguem
se sinla accommeltido de qualquer molestia, que
se sangre, use te vomitorios, purgantes violemos,
e applique-se visicatorios : nao t Nao quero que se
Na 4'
Na 4'
Na 4'
Na 41
Na 4'
rit lo.
Na 4
gemmeique.
Na 4' rol.
ruhenlibus.
co'., I'
col., 4
col., 4-
col., 5'
col., o1
per., v.fragoatIcia-sefragrat.
per., v. Truceoleia-seTruces.
per., v. alto--leia-se-atia.
per., v.inerme-leia-se inermi.
per., v.prurilum -leia-sepru-
8 por.,
perturbe a natureza; mas que,Boarcommettimento,
qualquer que seja, se uze dos remedios, que os jul-
go inofensivos, o que reclamo : ninguem dir
que em qualquer febre nao se possa usar de um
purgaule de limonada gasoza de cilracto de mag-
nesia.
Eu explico o que tenho praticado nesses casos,
e que me tenho dado milito hcmmando, que to-
col., 7o per., v. genuncique lea-se me urna garrafa de citrato de magnesia as chica-
ras, ou urna das pilulas purgativas de velante, cm
v. rubentbus, leia-se cima dcsta, nm copo d'agua com asquear e o sue-
co de meio limao grande e maduro, ou de um sen-
Na 4* col., per. ultimo, v. phasiano leia-se pequeo, e se uo espaco do dia uiio llzi-r o ef-
phasiana. feito purgativo e o desembaraeamento das ourinas,
Na 4o col., (i) nota, 3o per., lin. ult.-por cxt.on- mando tomar segunda do mesmo modo; pillla, e
so leia-sepor extenso terreno. limonada, e as vezes at terceira. A noite mando
Na 4" col., nota <4), 1* per., 5* lin.vegetales, meter os ps em agua quente na oscasiao do aga-
saino, e dar urna chicara de cha de flor de sabugo
per., 11" lin. signitivos tambem quente com assucar, e se nao sentir mu-
Ihorar da dor de cabeca, que quasi sempre acom-
per., 16" lin.distingad panha csses ataques, aconselho que applique sana-
pismo ua barriga das peritas; nao tenho em lem-
per., 18* lin.-(femea branca que com este melhodo tirasse mao resulta
leia-se vegeto,
Na 4" col., nota (4), Io
leia-semj ntica l vos.
Na 4* col., nula (4), 1
O leasedistinga do.
Na 4' rol., nota (4), Io
leia-se-(femea) d. e ninguem dir que este tratamento possa ser
Na 4" col., nota (7), 1 f er., 0a lio-creraleia- nocivo em aenhum caso,
secrer. ; X'o principio de urna febre, indigestao, ou mo-
Na 4" col, nota (7), Io per., 19* lin.a significa- lestia desta ordem, a natureza geralutenle solicita
50 barris manteiga, 10 caixas e 56 fazenda de
linho, e de algodao ; a J. Pater.
7 caixas e 74 fardos fazenda de algodo e de li-
nho ; a Patn Nash A C.
31 caixas fazenda de algodao, 3 barris carne e
lingoas ; a Sempson C.
9 caixas e 1 fardo velbutina, fazenda de algodo
a de lia ; a Th JefTi-ries A C.
2 caixas o 2 fardos f.izenda de algodao e de la ;
a Th Chrisliansen 4 C.
1 caixa queijos a Perein & Rocha.
'2 dita*] camisas de linho ; a Joao Keller & C.
2 barricas ferragens; a Prenle Vianna & C.
20 fardos e 6 caixas fazendas de algodo e de
linho ; a Roberts Ligttltsum.
2 caixas queijos, 2 barris presnntos e 5 caixas
c raservas ; a R. B. Lasserre.
14 caixas e 16 fardos kzenda de algodao, cuales
de dito e alpaca ; a Mills Lathain A (].
1 caixa diversos objectos; a J. Ryder & C.
1 dita idem; a W. F. Danson.
50 barris manteiga, I caixa chapos de feltro, 1
dita ditos de sol de seda e grvalas, 1 dita cutile-
ria, 1 dila ferragens, 1 dita diversos objectos, 9
diia*s e 9 fard*s fazenda de algodao e de linho ; a
ordem.
19 caixas e II fardos fazenda de linho e de al-
godao ; a Southall Mellors & C.
8 caixas e 18 fardos fazenda de algodao, 2 bar-
ricas culileria ; a Greenup S Schwend A C.
Kccebedorla de reouus fraternas
de Pernanabnco.
DECLARARES.
COMPANHIA
DO
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegac* eostetra a vapor.
Macei e escalas,
No dia 30 do corrate seguir
em dos vapores da companhia pa-
ra os partos acuna indicados s 5
horas da larde. Recebe carga at
dia 29. Enrommendas, pas.-a-
geiros e dinlieiro a frete al 2 horas da tarde do
M
o
Havendo-so aborto um chafariz entre as
duas pontes da Passagem da Magdalena, dia da sahida : escriptorio no Forte do Maltes
para com maior commodidade vender-se "L:___________________________________
agua aos habitantes d'aquelle lugar, a i- COMPANHIA PERNAMBUCANA
rectori'o pe cm arremataco pelo tempo j DE .
que decorre desta data ao ultimo de jonho' navegara costeara a vapor.
proaimo"futaro. Os pretndeme poderao,'3')'03'1^131. Macao, Araeaty, Cear e
apresentar suas propostas cm carta fechada i-lruj
per.,
caoleia-se signilicac".
Na 4* col., nota (7), 2" per.,
se rure.
Na 5" rol., nota 12, 2 per., 9
pient lease-levou o sapient.
Na 5' col., nota <13), 2 per, 11
leia se dao a essas.
Na 5" col., nota (17), 1
doctorleia-setraditzir.
Na o- col., nata (22), 6"
leia sesinistras.
Na 6" col., nota (22), 6'
doleia-seimmnndas.
Na 6" col., ota (23), 1
leia-seEuxino.
Na 6' col., nota (23), 1
leiase e nao.
o* lin.vureleia-
in. levou sa-
ln. dao essas
6* e 7* lin. tra-
per., 12" lin.sinislro -
per., 13' lin. immun-
per., 11* lin.Euzino
per.,
geraes
Rendimiento do dia 1 a 20------
dem do da 21............,
27:8545612
1:4835680
29:3405292
evacuar por vmitos, ou por baixo; e se se ajuda
pelos meios correspondentes, contribuir muito
moderar a violencia da enfermidade: e por esta
lin. levou sa- razio que a experiencia me tem convencido, que
urna, ou duas pilulas purgativas de veame, e em
cima agna^ assucar e limao, se pode usar sem ne-
nhum risco, e a noile o cha de flor de sabugo, e o
mas como explicado tenho, nao usando gmente
! das limonadas de citrato de magnesia e as garepas
! com limao, as muflieres quando eslao regradas, fa-
j zeudo tudo, mas s com a suspencio destes dous
artigos, c somenle com as pilulas, e agua e assu
aar.
Se no estado de sade algumas pessas, que tem
usado das pilulas purgativas de veame, se tem da-
12" lin. e xo I do bem na dse de meia pilula na occasio da co-
[mida, eoutros urna, para regularisar a digesto,,
No alto da 4" col., 3* lin. da iradticco em lu- como nao se usar no estado de molestia ? Nin-
gar de marlasleia-se -muras na 4" lin. em gera poder negar, que aquellas naturezas, que
vez de buzoleia-sebuxona 6" lin.em vez de nao cursara, e nao tem as ourinas desembarazadas
accomitladoleia-se-accumulado. regularmente, vo bem, porque isto, nao s es-1
____ quenta e inflama o sangue; mas os eserementos
. detidos muito tempo no corpo se fazem acres e po-
Arrogando a si o Sr. An orno Jos Ilecnque, dres, de que se seguem ms consequencias; por
subdelegadoemexercicio do Verde, 2 dislricto.de iss0 mui conveniente usar-se de meia ou urna
Bonito, a jurisdi.cao do sitio Alvodoengenho Bom- pi|u|a purga,va de velame, ainda mesmo no meio
Desuno em Agua-Prela, por que diz elle que o dis- da comida. pois a sua comi trido de Bonito poraquelle lado parte barra do tem que possa enjoar ou encominodar 0 estomago.
Pirang ao lageiro da heira da estrada, e d ah se- Mesmo p(.|;l ec0nomia se ellas preferiveis a oulras
gue para o engenho Chamban ; o que nao porte p|u|as purgativas que ah se vendem, porque urna
prevalecer avista do arl. 2 da le provincial n. la/ faz 0 niei.mo effet0 que ,res ou qualre das out|.a5.
de 3i de marco de 1846, que boje vigora emvir- e facj|me(Ue sao el|as divididas. Nao impede que
tude de outra de n. 42o de 2 de junho de 18o7,; se tome em cimaj prncjpairaente no ca|or gara. I
pela qual se v que a Imha divisoria parle da bar- j pas de iarnarindos, de limao, de maraeoj, e que
ra de Pirangi en linha recta ao logar Larangei-, se uze das fructas, que aeslaco dn tempo nos tem
ras, etc., onde hoje o engenho bstrella do Norte ; prop0rcionado, e dos banhos quer tepu
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 20........ 88:2155123
dem do dia 21................ 9:479*847
97:G945'-)70

Navios entrados no da 21.
Araeaty14 das, hiate brasileiro Noro Imencivel,
de 4o toneladas, capitao Jjs Joaquim Alves da
Silva, equipagem 6, carga algodo e outros g-
neros ; ao mesmo.
Lisboa23 dias, brigue portuguez Florinda, de
223 toaeladas. capito Joaquim Augusto de Sou-
za, equipagem 12, carga vinho eoutros generes;
a Amorim Irmao.
Navhs sahtdos no mesmo dta.
Porto Patacho portuguez Ao
Theophilo Jos Soares, carga
gneros
at o dia 21 do corrente, lanzando sob a ba-
se de 20,3000 por mez.
Escriptorio da Companhia do Bcberibe
la dedezembro de!8rJ4.
O secretario,
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo para forneeimenlo do
arsenal de guerra precisa comprar o seguintes :
Para o arsenal de guerra.
5,000 lijollos de alvenana batida.
5.000 tenas. "T
40 aiqueires de cal prela.
10 dito de dita branca.
4 custadinho de pao carga com 23 27 palmos
de comprimento, e 13 16 polegadas de largura.
1 arroba de gomma laca.
12 duzias de follias de papel lixa sortijas.
500 caada i de azeite de Garrapato.
Para os fortes do Buraco e Brum.
3 bandeiras grandes Imperiaes de flele.
Para a fortaleza do Brum.
3 chapeos.
5 esteiras.
No dia 22 do corrente seguir
o vapor Persinunlia, rommaiidnlc
Ratiis para os partos arima indca-
los, s 5 horas da tarde. Recebar
carga at o dia 21 : enrommendas,
passageiros e dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde do dia da sahida : escriptorio no Forte do
Mattos n. 1.
COMPANHIv PERNAMBUCANA
- DE
Navegaeo costeira a vapor.
Araeaty em direitura.
10:ftOOflOU e 3:000*000.
Corre aotanlaa.
O ahaixo aatifnB leudo marcado a
pera do natal para a exlraiv.lu da i.Iibm
parte da dcima e pniwira da do I
uifira lotera (121') da alriz d.i II
ta, resolveu pedidn mudar par.i ..... an-
terior (23j atiin de poder pasar
premios antes desse lao aijjMfcaia
Acham-se, pois, a tema os M
meios equartos na respectiva thr-ourai.a
ra do respe n. It.
Os premios de lU:(rt)>MK>< ate MEOW
seo pp^< s urna lora d |
ts i-boras fia tarde, o ntr a
kribwia4a* fe*tat.
i :'iiardad5 tr-
\espera da extracta
seiuite depois ua dis
As MMmodaa
mente at a mU da
como de costumn.
O thr-soureiro.
________Antonio Jos RiHlrijjoes d-- >
O abarxf
i^nadii i a ,
adiado o roquerimento abano rop
Segu direciamenle o vaper 3/d-favor''nlri'P''r orertono Jamad, l
idante Moura, | *>r- tabeliia., IV.
manguape. commanda
dro.
no da 2i do corrente as 5 horas
da tarde. Recebe carga at odia
_'3; encommendas, passageiros e
dinheiro a frete at as 2 horas do dia da sabida :
escriptorio no Forte do Mallos n. I.
qui- II

COMPANHIA B&ASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
de dezembro de 1864.
gratificar, pois foi | eriio
torio.
Ricife, 21 de d. z.-mhro de 1864.
Jo-e R' di :Qe*** P-
Diz Jo> Ilodrigiii's dus !';. ,,.
deste joiao HM<*nras. que r nftrn ....-
bunal ila retacan, roalra Joa |
randa (badin I), pela qu il foi jnlcada aulla
rcmalacao feia pelo snpi iie.nio la par:.'
das activas, que robt-ram a Miiiiiiirjil
os portos do norte e espera- d,iro \le de m mulliw;i> ^ ,
do ate o da 31 do corrente o va-1 cuja ^fJuini a principal e de I- :, .,. |
os juros, que exced^in aoulri> lan'
o supphcado, no intuito di- nludir o
plicante, taleja a alhear o- l^-ns. qnr fcaam
que partem daqoella heranca. ? !-ti ;
cura tornar irre.ili-avel a xeciira* i- jiI:...,.
o que pruva u sui-pliaiile ai 'ir.-> .
i mantas de laa. 'a*^K!^T$i.\ por Paran, commandante o ca-
As pessoas que quizerem vender taes artigos, ^^SSB&^ui-m de fragata Sama Barbara, o
apreseniem suas propostas em carta fechada na 3S|9qual depois da demora do cosa-
secretaria do conselho no da 23 do corrente s 10 mesegUr para os portos do sul.
norasjia manhaa. | Desde j recebera-se passageiros e engaia-se a
,AL5hr?5u?5 C0B9eIh0 administrativo, 16 carga que o vapor poujr conduzir, a qual dever
i n. -,. n ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-1
Antonio Pedro de S Barreta, das rtnhPirn a frete at n dia d-i sihida a* 2 hn-' Jumo;e ,om" ""',"' r' ~im l'r*VJ"
oas e ainneiro a ireie ate o Ota ua sanioa asz no- e ma w, e ao MppNeaata cate o di.. i
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An- rar garaMiM rarultauas por le. para .
judicado.
Coronel presidente.
Sebastio Jos Basili Pyrrho,
vogal secrelario.
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Pela subdelegara do Peres se faz publico qoe
mima canitio fe acUa recolhida na casa de dttenco a preta de pa'habote Oous Amigos ; para pouca car
asquear e outr'o na?r'- 1ue dE chamar-se Sophia e ser escrava do lhe falla, traa se com os seus consignatario
' Sr. Dr. Moura. Assim como tambem foi recolhi- tomo Luiz le Oliveira Azevedo & C, no s
Para o Para prelende seguir em poucos dias
carga que
tarios An
eu es-
Lterpool por Cear-brigue inglez Sagita, capillo do a d^,osil u cavall ruco M^ 1* velhc- : criplorio ra da Cruz n. 1.
Wilsoo ; em lastro.
EDITiES.
e fora de duvida que dito sitio fica quem desta
linha perlcncendo nicamente ao termo de Agua-
Preta, e nao ao de Bonito, lauto assim que o juiz
municipal de Agua-i'rria tem exercido alli no sitio
Alvo actos de junsdieco.
Hogo a Voten., Srs. r. dadores, o favor de inse-
rir era seu jornal estas linbas para sciencia de
quem ainda ignorar possa os limites do Agua-Pre-
ta com oiiito por aquelle lugar.
tr morador de Agua Preta.
frios e geraes.
quer tepidos, quer
Jos da Rocha Prannos.
COMMEBSIO.
FtfBLIOAgQES A PEDIDO-
Chamamos a altenco do t\ii. Sr. vi-
gario c.-ipilulai- de i'i riiaiuii'o
Leudo o Mora de l'ernambuco de 19 do cor-
rente mez, dep&rei com um annuncio do secreta-
rio da injiaihl.ul'' de Santa Cecilia do Livramenio
em que, eliminando a dous irmos seas por ordem
da mesa, sem mostrarem os artigos de seu eom-
promisso, ou em que se fundaran), para fazerem
tal eliminaco, chama a atteoyo das rerdadeiras
irmandade- do imperio (logo devem haver faltas)
para tam!)em coicederem as mosoias sem garan-
tas ; tiqnei em grande confuso, sem sa!.<-r como
possa haver irmandade religiosa, sem sr verda-
deira, (e assim seesieja profanndolo culto divino),
por isso julguei, pedir ao milito digno vigario ca-
pitular, para respooder-me : l., se pode haver ir-
mandade falsa, logo que por compromissos appro-
vados pelos poderes eompetentes, esleja constiiui-
da : 2, se nao pode una poreao de devotos Ins-
tituir urna devocao em qualquer templo, e n'ellc
festejaren), e assim o rateado, se pode classificar-se
de (alsa ; 3., se piohibido haver duas irnianda-
Cota?es offlciaes.
PRACA DO RECIFE
21 DE iiEZEMUItO DE 1K61
Assucar mascavado americano23230 por arroba.
Dito dito purgado -2J2J0 a 2233U por arroba.
Cambio sobre Londres d/v. 27 lii d. or
13000.
Dubourcq Jnior, presidente.
Alfaadega
Rendimento do dia 1 a 20........ 628:1703189
dem do da 21................ 38:476J519 despacho' seguiiile:Como requer.Freguezia de
S. Jo.' do Hecife, 6 de dezembro de 186i. Cha-
0 cidadao Francisco Antonio das Chagas, juiz de J
paz do 4. anno desta freguezia de S. Jos do IJ'
Hecife em virtude da lei etc.

Faco saber aos que a presente carta de editos
virein ou delta noticia liverem em como Evaristo
Meudes da Cunha Azevedo, me fez por escripto a
peticao do theor seguinte :
Illm. Sr. juiz de paz da freguezia de S. Jos-
Diz Evaristo Mendos da Cunha
querendo fazer citar Manoel Xavier
buquerq
cante
66S3O00
cipiaram a correr do dia 16 de julho de 1863, co-
mo se v da escriptura de hypoiheca, que o sup-
plicado fizera a elle supplicante de seus dous es-
cravos Francelina e Anizio; precisa faze-lo por
editos, visto o supplicado ter-se mudado desta pra-
ca e achar-se era lugar lacerto, para cujo Jim re-
quer a V. S. quo procedendo a devida juslilicaeao
julgada por senieuca, mande passar os editos na
forma da le.Nesies termos. P. a V. S. deferi-
mento.-E. H. Mee.Manoel da Fonseca de Arau-
jo Luna, procurador. E niais se nao continhaem
dila peticao, a qual me sendo apresentada dei o
I quem for seus donos compare^, que provando,
ihe ser entregue. Subdelegada do Peres 19 de
dezembro de 1864.O subdelegado,
Alejandrino Martins Correia Barros.
O hospital militar contrata, em vista das pro-
postas que lhe sero apresentadas no dia 2i do
crreme as 10 horas da manhaa, e sob as condicSes "^Z^ ,
ja estipuladas; nao so a iavagem e costura da rou- de Oliveira Azevedo A C
pa e o alugael de bixas hamburguezas, como tam-
bem o fornecimento de vveres e outros gneros
para osea consumo no trimestre de Janeiro a mar-
o vindouro.
Para as dietas e rac5es.
Arroz pilado, assucar rendado, azeite doce, ale-
ma, bolacha*, bolaxinhas Bglezas e de araruta,
biseoitos, bananas, caf moido e de caroco, cha
^ara o Rio de Janeiro
pretende seguir com muila brevidade o brigne es-
cuna Nao Sei, tem parte do seu carregamento
prompto : para o resto que lhe falta e esrraros a
frete, para os quaes tem excellentes commodos,
Antonio Luiz
no seu escriptorio ra
da Cruz n. 1.
Para Lisboa
O veleiro e bem conhecido bripne porluguez
Conreirao de Mura, capito Januario Jos de Oli-
veira, pretende seguir com muita brevidade, tem
parte de seu carregamenlo prompto ; para o resto
que lhe falta trata-se com os seus consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu es-
Azevedo que hyson, carne verde, salgad.o de porco, canella em
r de Sa e Al- pe-, chocolate, doce de goiaba e de banana, carvao
que, aim de vir conciliar-se com o suppli- (em sacces), frangos, farinha de mandioca, de trigo cnptono ra da Cruz n. 1._________
sobre o integral pagamento da quanua de ede araruta, feijaopreto, galinhas, lenha em achas, pnn PnUio
H) e juros de 2 por cento ao mez, que prin- leite em garrafas, bramas, manteiga ingleza el I al ti U JJtlilJd
franceza, marmelada, macarrao, ovos, pao de lo, I Pretende segnir com brevidade a sumaca llor-
paes de 2, 4 e 6 oncas, rap, sal, sag, toucinho de tencia, tem parle de seu carregamento prompto
Lisboa, vinagre, vinho do Porto e de Lisboa, vas
souras de piasaba, velas de carnauba e de esper-
macele.
Para a capella.
Cera branca em velas, ostias e vinho branco de
Lisboa.
Para o expediente.
Areia preta em libras, caetas, caivetes, lapis, Trapiche n. 4.
livros em branco de 50, 100 e 200 folhas, papel al-
maco pautado, em resmas, dito de hollanda, mas-
grandes
para o resto que lh falta trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
C., no seu escriptorio ra da Cruz 11. 1.
Iti de Suueiro
Segu no dia 2j do corrente o brigue Castro /,
recebe escravos afrete, o qual trata-se na ra do
066:6163708
Sov'iiicno da alfandega
Volaraes entrados com fazendas..
com gneros.
Volumessahidos
com
com
fazendas...
gneros...
439
1,803
------2,002
204
67o
------879
Descarregam no dia 22 de novembro
Brigue portuguezFlorindadiversos gneros.
Brigue austraco -Anastacio farinha de trigo.
Patacho inglezTiara mercaduras.
Ilrigue ingiezMnttd. ferro.
des da mesma iovocaeo em urna provincia, e ha- \ |arca francezaCe/i/i-i/rnercadorias.
veudo, se se podara iz-t que nao v.-rdadera a Jarca franceza I irgile-cemento,
segunda, nmfando-se assim da regio, e fazendo- *arca '"gb'zaBella Poule-carvao.
se que de algum modo cresca a descrenca em o arca ingleza-Loo/V Oi/-carvao.
nosso espirito. 1 Bar('a mgleza-oro/ij/idem.
Resolvidos estes tres pontos, pedimos a S. Exc. Uarca inglezaLoi/imn-idem.
Rvma. que lome providencias para que annuncio gue argentinoAnitacharque,
desta ordem se nao reproduza, e que urna poreao
de atheus, nao eslejain a motar da devocao, e do;
culto que se fazem s imagens denominando-as
verdadeiras a urnas e falsas a nutras, como acon-
tece com annuncios mandados publicar pela illus-1
tradissima, in.-truidissima mesa do Sania Cecilia
do Livramento.
O Catholko.
sos grandes e pequeos, em cadernos, dito mala-
borro, em cadernos, pennas de ac, em caixas de
gas. E mais se nao eonilDha era dito despacho, dore duzias, e tinta preta, em garrafas,
por fon-a do qual o jnstilicaiiie, prodiuio suas tes- Hospital militar em Pernambuco, 19 de dezem-
lemunhas, e subindo-me os autos conclusos, dei a bro de 1864.
Jos Marcelino Alves da Fonsocd.
Escrivao.
Pela thesouraria provincial se faz publico
que o cononrso para preenclumento da vaga de
segundo escriptorio da mesma thesouraria annnn-
ciado para o dia 26 do corrente, tica espacado pa-
ra o dia 16 de Janeiro prximo vindouro, em con-
soquencia de balanco da mesma thesouraria que
ter principio naqnelle dia.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
sentenra do theor seguinte.Julgo justificada a
ausencia o incerteza Uo domicilio do justificado
Manoel Xavier de S e Albuquerque, em vista dos
depoimentos de tolhs e folhas mando que se pas-
se carta de editos com o praso de 30 dias para e
fim requerido na peticao de folhas 2.Pague o
justilicante as cusas.Freguezia de S. Jos do Re-
cife, 16 de dezembro de 1864.Francisco Antonio
das Chagas.E mate se nao continha em dita sen-
IEILES.
tenca, por forra da qual o escrivao passou a pre-
sente carta de editos com o praso de 30 dias, pela j buco 17 de dezembro de 1864.
qual e seu theor se chama, cila e hei por citado O secretario,
ao justificado Manoel Xavier de S e Albuquerque
para o lim declarado na fetigao aqu nesta trans-
cripta, afim de que compareca na primeira au-
A. F. d'Annuncicao.
A companhia de cavallaria precisa contratar
o fornecimento dos seeros abaixo descriptos para
Polaca hespanholaViajeiroidem.
Importacao.
Brigue portuguez Florinda, entrado de Lisboa, ue lica exposto, sob pena de revelia. O porteiro
manifestou o seguinte do juizo alixar epubli-ar aprsente no lugar
100 saceos farello, 144 barris azeite doce, 110 lo costme e ser publicada pela imprenca. Dada
ditos toucinho, lo ditos e 17 pipas vinho, 10 fardos 9 passada nesta freguezia de S. Jos do Recife, aos
diencia deste juizo, que ser a immediata depois o Io semestre de 1865.
de findo dito praso, por si ou seu procurador bas- j Para o rancho,
tante para conciliar-se cora o supplicante. Pelo Assucar refinado, arroz, azeite doce, hacalho,
que toda c qualquer pessoa, amigos ou conhecidos carne verde, dita secca, caf moido, farinha, feijao,
do mesmo juslicado o poderao fazer scieule do lenha em adas, manteiga, pao de 6 oocas, touci-
" nho, varduras e vinagre.
Para forragem.
Capim de planta, milho, farelo e mel, sendo to-
DE
Urna taberna sita na Capi*$a ra das
i'cmamuucanas, primeira da es-
. qnina.
Sexta-feira 23 do corrente.
O agente Pestaa legalmente autonsado pelo
procurador do ausente Jos da Silva Saulos far
ieilo por conla e risco de quem pertencer dos
gneros, armaran e mais utencilios existentes na
taberna sita na Capunga ra das Pcrnamhiicanas,
muilo propria para qualquer principiante por ler
poneos fundos : lera lugar o Ieilo no da sexta-
feira 23 do corrente pelas 12 horas da manhaa ua
mesma taberna.
Por isso reqoer o tapflanaox que jnrMM
verdade expendida, se digne V. S. emer+r mam-
dado de embargo em Mu ai bH 4 jayaln le
inclusiveis os que Maii por elle hytwQgra.1
sim como na parle que lhe po*a ralKr m rt^n
cao qM boje elle e uuirns hrrdeirt* de Miruaaa.
Dorothea Joaquina prosegueni contra o sappfwa*
cante por esle juizo. esrnvo Kapn-t.i
o depositario seral o deposito dr gada de lal execuro ; o -uppln-aoie a b^m
cumeolos jumos se obriga no tndoo a dar
cacao lestemunliavel;
Por isso, pede a V. S. Illm. Sr. Dr juiz
pal da primeira v^ra defennir-nto E K. M
Pereira Ae SUl"
D. J. P, M- Recife, 20 de dezembro de WUL-
Tavares de Vasconcelos.
Seguc-se o termo de juramento na mxmi *lx
do despacho, e juntamente o maiHljdn: B !
exista junto ao mesmo requerinmnl.i unta rdaric
dos predios que o barharel J uqaim Kraa i-n<'r
Miranda tem hypothecado, ao Sr. Aalooc I
Ca.-lro, sendo todos os bens de raiz qnr i
hachare! possuia, todos os bens por lO.Of
elusivo o sitio de Sani'Anna.
A politia
Salsa de Brystol.
A salsa-parrilha de Brysiol exene suas propne-
dades purificantes por todo o systcma nervoso,
neutralizando o virus produzido e accumulado pe-
las ulceras, escrophulw, abscessos e tumores, o
escorbuto, assim como todas as mais molestias das
glndulas, da carne e da pelle.
A bi-loria dista preparacao tem sido pelo espa-
co de tiinta anuos urna serie nao nterrompida do
curas as mais admirareis e ladres. Todo o mundo
medico admiti que o melhor antisptico vegetal
e anli-escorbutico at hoje conhecido, e pde-se
com toda a certeza afianzar que o nico remedio
especial para a cura to rheutnatismo e de todas
alfazema, 100 ancoretas azeitonas.at) ditas idem, i
barricas cera ; a Euzebio Rapbael Rabeho.
300 saceos semeas, 100 ditos farello, 50 caixas
I ceblas, 2 barris vinho ; ordem.
80 barris cal, :)0 ditos e 8 pipas vinagre, 2 cai-
xas man, 4 barricas cera em grume, 37 caixas
velas de dita ; a Manoel Joaquim Ramos e Silva c
Genros.
12 pipas e 40 barris vinho : a R. B. Lasserre'.
&C.
20 barris azeite doce'; a Luiz Jos da Costa
Amorim fli C.
120 ditos toucinho, 2o ditos viDho, 20 ditos, o
ppas e 4 meias ditas vinagre. 6o caixas, 130
meias e 260 quartos passas ; a Thomaz d'Aquioo
Fonceca.
3 meias pipas e 28 barris vinho, 10 ditos, 8
28 meias ditas
16 de dezembro de 1864.-Eu Jos Goncalves de
S, escrivao o escrevi.
Francisco Antonio das Chagas.
O Dr. Trsto de Ahincar Araripe, ofllcial da im-
perial ordem da Rosa, juiz de direilo especial do
commercio desta cidade do Recife de Pernam-
buco e seu termo por S. M. I. e Constitucional o
Sr. D. Pedro II a quem Deus guarde etc.
LEILA
DE
Urna loja de charutos
Antonio Monteiro da Cunha far Ieilo com au-
torisacao de seus credores, por intervengo do
! stu?r>aaKSfft~ceLulas
Encontra-se venda na botica de Rravo ^ C,. e
de Caors & Barbosa.
Medicina.
Um facto do bastante petar, me faz lembrar ao
publico algumas consideracoes, que julgo uleis.
A Sra. D. Franeisea Augusta do Albuquerque,
consorte do lilho do meu estimavel amigo Dr. Ma-
noel Lourenco da Silveira, moca robusta, que go-
zava da melhor sadc, acaba de suecumbir quasi I
de repente, e foi classicada a molestia pelo hbil
mlico que a assistio, por febre perniciosa cere-,
bral.
100 caixas batatas ; ao captilo.
100 barris cal ; a Jos Joaquim Lima Bairao.
24 moios sal ; a Amorim Irmos.
1 caixa e 2 barris vinho ; a Joaquim Ferreira
d'Aranjo Guimares.
30 caixas ceblas, 100 ancoretas figos, 200 ditas
; azeitonas, i0 barricas e 60 meias ditas sardinhas;
a Joaquim Augusto de Souza.
4 caixas marmelada; a Joaquim Ribeiro da
Gama.
6 ditas vinho; a Jos Felippe de Barros.
i0 barris vioho ; a Joao Ribeiro Lopes.
100 aucorelas azeitonas ; a Manoel Jos de
Souza.
100 ditas figos, 120 ditas azeitonas; a Custodio
Flqnei surprendido quando recebi a carta de
convite para assi.-tir o seu enterro, e quando cum- Jos Alves Guimaraes.
pri este dever, fui ao marido declarar-lhe, queo 50 ditos vinho, 10 ditas e 10 barris vinagre, 25
acompanbava em sua dr, e saber como linha ditos azeite ; a Manoel Ignacio de Olivara & Filho.
aquella moga succuKibido.e de querD isse-me qae
linha tido ella urna indigestao, e que tal tiaha sido
a infelicidade delle e deila, me nao linha encontra-
do mn medico Baquetie da, e que este facto lhe
ahalava o espirito, e fazia crer, que, se ella fosse
soccorrida logo, ulvez nao suecumbisse; disse-lhe
eu : V. porque nao foi a nm boticario pratieo
para lhe ensinar o que devia fazer, oo v que a
primeira cousa que o medico receiiou foi um pur-
anle de oleo de ricino, e que um purgante de oleo
e ricino ou de eitrato de magnesia nunca con-
curren para o mal de niiiguem, visto que V. nao
tinha algnma pessoa em casa, que lhe cnsinasse o
qoejdevia fazer.
Quantas vezes urna mi de familia, ou urna pes-
soa qualquer, qne lenha a devida pratica, salva um
doentu por seu saber e experiencia.
Ea poderia explicar muitos lactos desta ordem
com pessoas de mmha casa e al comigo, mas pa
3 pipas e 15 barris vinagre, 25 barris azeite ; a
J. Amonio da Silva Jnior.
50 caixas, 100 meias e 200 murtas passas a
Tasso & Irmao.
209 varas de lagedo ; a Manoel Ribeiro de Car-
valho.
8 pipas, 2 meias ditas e 5 barris vinho ; 100
saceos farelo, 50 caixas, 100 meias c 200 quartos
passas; a Palmeira& Beltro.
Vapor inglez Galileo, entrado de Liverpool, con-
signado a Saunders Brothers & C, manifeslouo
seguinte :
20 barris manteiga ; a F. G. de Oliveira.
200 ditos dita, 8 caixas e 8 fardos fazenda de li-
nho, de la e estopa, 73 caixas cha, 2 barris cerve-
ja, 1 dito carne, 1 caixa queijos, 10 ditas e 2 far-
dos fazenda de algodo. e de linho ; a Linden
Wild & C.
3 caixas fazenda de algodo ; a Phipps Brothers
ra d3o me tornar prolixo o nio faco, limitando-me C.
a explicar o ca e experiencia me tem feito convencer, de que dao e de laa; a Rabe Schmettau & C.
as febres e outros ataques qu accommeltem de 6 caixas fazenda de algodao, 30 barricas cerve-
repenfc, os medicamentos, que se devem applicar, ja, e 190 barras de ferro ; a Izidoro Netlo < C
ae aquelles que ajudam os esforcos da natureza; 28 fardos e ll) caixas fazendos de algodo e de
e que as mudancas das esiacde, se est vendo linho ; a Ferreira & Arauo.
sempre osaccommettimentos de molestia,quer na, 1 caixa fazenda de la ; a Carneiro & No-
primavera, no verio, outono, e mesmo no invern, guefra.
eos facto* de lamentar-se todos os das ae esli 5 fardos fazenda de linho; a S. P. Johnslon
uceedendo, porque no principio da ama molestia & C
Fajo saber aos que o presente ediial vlrem e
delle noticia tiverem, que Antonio Jos Paula de
Carvalho por seu advogado me dirigi a peticao do
theor seguinte :
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio.Diz Antonio
Jos Paula de Carvalho, que quer fazer citar a seu
devedor Maaoel Soares de Moura, para os termos
de uina arco sumaiia, pela qual lhe pretende pe
dir o pagamento da quantia de IMIjtiOO rs., que
lhe devedor, e por que o supplicado se ache au-
sente em lugar nao sabido, requer que justificada
a ausencia, se passem editaes para por este meio
se efTectuar a citacao, visto j estarem esgotados
os meios conciliatorios, pena de revelia : pede a
V. S. que distribuida esta lhe detira na forma re-
querida. Espera receber merc.Souza Rangel.
Segundo o que cima se continha em dita peti'
qo, na qual dei o despacho do theor seguinte: jus"
titique a ausencia no dia 12 do corrente mez depois
da audiencia. Recife, 10 de dezembro de 1864.-
Alencar Araripe.
Segundo o que cima se continha em dito des-
pacho por forca do qual foi feila a distrituicao do
escrjvo deste meu juizo, Manoel de Carvalho Paos
de Andrade ; e produzindo o supplicante suas tes-
temunhas que depozeram convenientemente acerca
da ausencia do supplicado Manoel -oares de Mou-
ra, o respectivo escrivao fazendo sellar e preparar
os autos me os fez conclusos, nos quaes dei e pro-
fer a senieuca do theor seguate :
Hei por justificada a ausencia do supplicado que
se motrou achar em lugar Incerto, pelo que man-
do que seja citado por editos de 30 das para o fim
requerido a folhas duas. Recife, 17 de dezembro
de 1864.Trsto de Aiencar Araripe.
Segundo o que cima se continha em dita sen-
tenca depois da qual se mostra que o respectivo
escrivao Manoeldp Carvalho Paes de Andrade, que
este subscreveu e fez passar o presente edital cora
o praso de 30 dias, pelo qual e seu theor chama,
cita e hei por diado ao mencionado supplicado au-
sente, para que compareca ante osle juizo allegan-
do e provando tudo quanto for a bem de seu direi-
to e justiga sob pena de revelia. Portanto toda e
qualquer pessoa, prente, amigo ou conhecido do
mencionado justificado ausente, poder-lhe-ha fazer
sciente de todo o expendido.
E para qn ctiegue ao conhecimeato de todos
mandei fazer o presente edital com o praso de 30
dias que ser aluzado nos lugares do costume e
publicado pela imprensa.
Dado f passado nesta cidade do '-Recife de Per-
nambuco, aos 20 de dezembro de 1864.Eu Ma-
noel de Carmino Paes de Andrade, escrivao osub-
cscrevi.
Trislao iejtencar Araripe.
dos estes gneros de boa qualidade.
As propostas devem ser entregues a 24 do cor- preposto Marlins, das fazendas'e armago existen
rento at ao meio dia, na secretaria da mesma tes em sua loja da ra eslreita do Rosario n. 16,
companhia. a qual seacha em excellente localidade. o balanco
Quartel no Campo das Princezas 20 de dezembro. pode ser examinado em mo do mesmo Martins.
de 1864.-0 capjtao commandante,^ ^ SeXta-fia 23 do COriCUte
HOSPITAL PORTUGUEZ
DE
ke\i:fixi:y i v em nmvvti-
BUCO.
Em virtude do impedimento por grave molestia
; do Illm. r. provedor, acha-se em exercicio da pro-1
i vedoriao mordomo *r. Joao Pereira Rabello Bra-
|ga, o que se faz publico para constar a quem in-
! teressar possa ; e bem assim que o acharo promp-
; to a qualquer horado dia ou da noite para provi-
(denciar a admssao de doentes que demandem as
t enfermaras do estabelecimento : na sua casa, ra
; da Cruz da Recife n. 19, das 7 horas da noile as
, 8 da manhaa, e oas de mais no seu trapiche, lar-
go da Assembla n. 15.
Secretaria do Hospital Porluguez de Bedeficen-
cia em Pernambuco 21 de dezembro de 1864.
Joaquim Ferreira Mendes Guimaraes
I" secretario.
Pela subdelegada da freguezia do Poco da
Panella se faz sciente que existe deposiiado desde
o dia 28 de novembro prximo passado um caval-
lo, o qual j foi anounciado pelo Diario de Per-
mimbuco e pelo Jornal do Recife : quem for seu i
j dono e dando os signaes eertos lhe ser entregue.
Subdelegada de polica da freguezia do Poco da
Panella 13 dedezembro de 18640 subdelegado,
Joao Paulo Ferreira.
Crrelo.
Pela administracao do correio desta
i 11 horas do da.
Trastes, rclo?ios, objectos de oiiro etc
Amanhaa sexta-feira 23 do corrente.
5.1irma/em ra OLYMPIO
far Ieilo dos objectos anima e outros minios que
estaro ao exame, s '0 horas lera principio.
HL40
DE
Movis, escravos, cabriolis, cava los,
carracas, pianos, joias de onro e
pial) (i oulros muios artigos de
goslo.
A man a as 10 boras.
Cordero S i oes far leilao por canta e risco
de quem pertencer, ao correr do mariello, para
fechar con tas de venda, de todos os objectos exis-
tentes no armazem da ra da Cadeia do Recife r,
48, os quaes sero vendidos pelo maior preco,
Na mesma occasio vender em leilao tima
Os moradores da ra larga do Rosan
A poluta pedem a sua ali-ncu.
P'ra que baja de dar providencias
.N'uin certo sobrado de prostiiuirao.
_ J por diversas vezes temo* chamad" a tUmm
cao da polica para Carlos prostbulo-', que *\
uarua larga do Rosario, afonde faier t>Ur i
aquellas cu-culoras da concupiscencia araOiyii
laolmmod.rainenle.aos oibos das illu-tr.
que lhe> ticam froaMraa, actos que a anua nw>
saco reprova. Porra a potera ua sido surta a<
DOMOS iiijju.-. por que al. Um JaoV. yf+
videncias.
Aquellas pro~titutas prnataaMOMI de irrcic
certa iollueiicia para cun atajMM lili awinrida
des, entendeo), que sao ella* .jn. m dfTrn
queixar da- pe-soas hone-tas, mmmmm !-ar z
stia lascivia ao ti mili da depravarlo, e 4e jiailtai
escama radas fazerem toiU a qualiiUJe de juUimhi
a homcus e madamoesellas, que por xa*t> rjii-gf
a janella. Sendo a ra O) Maatia una na 4c
milito commercio, e onde habiuin manta btrntia*
distnctas, nao sedevia cun.-eclir que aii mur^ena
iiierelnzes ; vi-to nao se paftaxi in
respailo vi.-iuhanca. .Na Europa lu bairro-, ra*,
prnpriamente destinada^ para esu.- pu-
blicas.
E se ha algumas que muran as priari^a^s twm
das cidade-, e por que nio jo-jiu la auimiitt
policial, e sabeui caprichar de manetra a au le-
rem inveja de qualquer materna, uo qu diz
peito ao seu pncedimento extei it. e ro iite a
sua visinlianca.
A' vista, pois, do que cima lica expwsH, pedi-
mos ao illm. Sr. r. chele de polica, qu- ,
sisudeza e dislin^o, se digne piuvidencur o >(ue
respetosamente be olicitanus.
Os umiijos Uo rttml.
preta
cidade se de nacao sem Irabilidades, um preto de meia Ida-
faz publico qae em* virtude da convenci postal, de, urna pret de nacao perfeita quilandeira, um
celebrada pelos governos brasileiro e francez, se-
ro expedidas malas para Europa no dia 30 do
corrente pelo vapor francez Estremadure. As car-
tas sero recebidas at 3. horas antes da que for
marcada para a sahida do vapor ; e os jornaes at
4 horas antes.
Administracao do correio de Pernambuco 20 de
dezembro de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
ATEOS MARTIMOS.
COMPANHIA BEASILEIRA
DB
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado
portos do sul esperado
at o dia 30 do corrente um dos
vapores da companhia o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
cabriolet quasi novo e um cavallo para sella.
Cordeiro im5es roga a todos seus commi-
tentes e amigos, que tem contas a receber e a pa-
gar que najara de virein satisfazer e receber suas
importancias, visto querer fechar todas as tran-
sarles deste anno.
AVISOS DIVERSOS.
O padre Flix Barreto de Vasconeellos lem
aberto mn curso particular de latim durante as
ferias, em sua casa na roa do Imperador n. 35,
prlmeiro andar, rnente para a clase dos senho-
res esludantes provectos que se quizerem prepa-
rar para fazerem seus exames em marco do anno
vindouro._____________________
Theairo Ondense.
Henrique Jos de Pontes em sea nome e de seus
companbeiros d'arte, agradece cordialmento a to-
dos os illustres espectadores que na noite de 18
do corrente assisram no mesmo tneatro a repre-
Desde ja recebem-se passageiros e eogaja-se a "> senlac1ao em benedcio.do Sr. Lessa, as pro vas de
carga qu o vapor poder conduzir, a anal devera i considerado a sympathia que lhe prodigalisaram,
e sua chegada; encom P^ta que jamis olvidar espectadores
ser embarcada no dia de
mendas e dinheiro a frete at o dia ca sahida s 3
horas,
bondosos e cavalheiros.
to
horas, agencia ra da Crtu a. 1, escriptorio de Preclsa-se de ama ama para servico de pou-
Antonio Luiz de Oliveira Aievedo 4 C. ca familia na roa Nova d. 11.
O matjicnjesuta, i|iu\ raleando ans
ps as leis da honra e do hoiK nrc
desacrcilitar-me com annuncios Ijo \ -
mt o inili\iiliio donde partero, pul
no Diario de Pernninhiir, Hc irr.-ila-
mentea minlia casa, c <|uand< i \a
gar o que se me deve poff lituii- Ba sa-
grados, c cuja faita de pagamento me !
causado tantos desgosios e torturas, acbar-
me-ha iimmpto a recebi-r. i
seja a moeda em <|tie o mm o ohrigae
ao pagamento. Recife <> da d./ctnl-f
18(54.Hasiliano de Magalh.-s Caslro.
O Sr. morador da ra No\a (! -
acli3 a dever 6i|iiarU?is de assignati.n-
te Diario, queira manda-las papar
assim como elle gesta de receber a p l
seus serviros deve allender a tros, principalmente o do Diario em cjk
trahalham mais de KO pesoas.
OS'. Basiliano de .Magalli-Vs i'JMr*
queira annunciar sua inorada, que se lhe
deseja fallar.
O Sr. l-'raiiciscu L'jureo<;o de Ai .uij--,
natural da cidade da Babia, qneira se dirigir
a padaria i\ Torre a negocio de seo inte-
resse.
O Sr Mano 11 Joiquim Correia de \l-
meida empregad' no sello queira sedirunr
a padaria da Torre a negocio de sen mte-
resse.
0 Sr. Pedro Mindello empreado m
f bras publicas queira se dirigir a padaria
da Torre a negocio de sen interrsse
Precisa-se de urna ama para casa de Mau-
lla de duas pessoas : no paleo do Terco a. i", pri
meiro andar. ______________________
Estrada de ferro do Kecife a
Sao Francisco.
Por esta surierintendencia dar-se-ba nina
gratificarlo de IOOjJ a quem descnhri o
au'or do ronbo de algumas sartas coa al-
godo etc., feito no armazem da estaro das
Cinco Pontas na noite de 20 para 21 do
corrente.
Assignado Ricardo Anstm.
___________Superintendente ioteriao
Js. Lebmann retira se i% proviacia


Diarlo t Perxambnca -- Quinta felra 99 de Dezcmbro e 19*4.
Atlencao*
Chamamos a alienlo do Sr. iscal do Reeife pa-
ra que lance suas vistas i roa da Torres, visto
ninguem da e noite poder pa&sar Da referida ra,
porque deitam das varandas, eerlos moradores,
agua suja, e as vetes ourina podre, qoe, ineommo
da a rertos visinhos que junto inoram.
Aluga se a casa assobradada n. C8 sita na
ra da Palma, e outra casa terrea na praia do
Caldeireiro n. 37 : a traUr na praca da Indepen-
dencia n. 32.
Arrenda-se a mata da propriedade Apipucos
nos das 27, 23 e 29 do correle, pelas A horas da
tarde, na casa da residencia do actual administra-
dor, majar Joao Francisco do Reg Maia, onda po-
derao ver os pretend-ntes as condicOes da mesma
arremataco em qualqucr dia._________________
Alujase a excellente casa e sitio onde mo-
rou o Sr. cnsul inglez, silo na estrada dos Afflic-
tos, com todas as commotlidades necessanas : a
tratar na ra do Queimado n. 18, loja de Manoel
Ribeiro de Carvalho. _____________________
5J Antonio Antones Lobo declara ao publico e
cora especialidade a > corpo do commereio desia
cidade, que o Sr Antonio Jos de Oliveira Lobo,
deixou de ser seu caixeiro e encarregado da ge-
rencia da sua loja de miudezas da ra do Quei-
malo n. 75, de-de o da -21 de d7.embro de I8tii.
O Sr. Antonio Gomes de Arocha tem una
carta vinda de Lisboa : na ra da Cadeia, escrip-
torio n. 17._________________________________
~ Preeisa-se de um caixeiro de 14 a 18 annos
para aroman de molhados com p-atiea ou sem
ella : a tratar na ra do Imperador n. 81.
" Aluga-se una casa junto da do Sr. commpn-
dador Joao Pinto de Lemos, na ra de S. Pedro
Apostla em Olinda, propria para os banhos sal-
gados : n.a i na di Eneanlaraenlo n. I'.
GompaDhia da airada de ferro
DO
Reeife a Silo Francisco.
G4SA DA FORTUNA
AOS 1O-.000.O0
Bilhetes garantidos
A' roa do Crespo n. 23 e casas tstame
O abaixo assignado vendeu nosseus muito feli-
zes bilheles garantidos da loteria, qne se acabou
de extrahir a beaeflcio da matriz da Roa-Vista,
do Cabo' Acham-se a venda os da ultima parte da de- Solvi-me a comprar um frasco e fazer uso
cima e primeira da decima pnmeira loteria a be- >iia .. ^ ..,,,,..:. n_mm f,.a,.
necio d* matriz da Roa-Vista, que se extrahtr u e,ld e antea ae concluir o primetro Iias-
Pede-se ao Exm. -r. presidente providencias
afn da polica garantir os estabelerimentos e po-
bres malulos de tantos ratoneiros, pois estSo as
rn is i ommerciaes desta cidade sendo assattadas
diariamente por quadrilhas, que roubam as lojas
e o? malulos, que a ellas se dirigem a fazer suas
compras, estas quadrilhas sao compostas a maior
parte por escravos.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C
Agentes do Banco Unio do Porto.
Co npetentemenie autorisados sacam por todo
paquetes sobre o mesmo Raneo para o Porto s
Lisboa, e para as seguintes agencias.
Londres sobre Ranh of London.
Em raiao de ter havido divergencia na nter-'os seguales premios:
prefacio dada ao art. 5 do regularaento desta es- Um quarto n. 1796 com a sorte de 6.000060
irada para prevenir futuras duvidas, por esta su- D*us quarto* a. 2468 com a sorte de 1:4005000.
perintenoia se declara que os bilheles enjillidos L'm quarto n. 2802 com a sorte de 5005000.
para ida e volta do direito someute a ida no trem K outras muitas sones de 2094,100}, 405 e 205
para o qual forem comprados e a volta dentro de Os possuidores podem vir receber seus respec-
24 horas ou de 48 horas, conforme disp8e o men- i livos premios sera os desconlos das leis na Casa
clnalo art. 5o do regulamentoabaixo transcripto. da Fortuna ra do Crespn. 23.
bscriptorio da suporlnlendencia villa
10 de dezembro de 1864.
AssignadoR. Austin,
Superintendente interino.
A TICO 5
Os bilhetes para viagens de ida serao validos
Hnicamento no dia em que forem distribuidos; os |
de ida e volta, porm, circularlo em todos os |
irens dentro de 24 horas ou 48 se nellas se com-
prehender domingo, dia santificado ou do festa
nacional e se rilo vendidos com o abat ment de i'
por cento. _________________________
Publicado Iliteraria.
Salii luz o opsculo intitulado
A LIBEKDADE
NO
SALSA PiIRILHl DE AYEK.
Transcrevemos aqu alguns
dos mu i tos altestados que temos
recebido das virtudes da salsa
pairilha do Dr. Ayer.
Rheamatlsaio.
DE JOO JOS DOS SANTOS.
Ottro Preo.
Soffri rlteumatismo por mui-j
tas vezes, e vendo annuneiado
em um jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re-
CASA El CAi:ilA\G.i.
Alug-e una cas nova muito fresca eom ex-
relleniosflto sita no Carhang defronle. do enge-
nho Poeta : a tratar na ra do Crespo loja de An-
drade A Reg.
mm mmmm wmmmmm
)j)| Coai#auuia fldelldade de |
seguros uiaritliuo e ter-
f*t restres estabeleclda no
Rio de Jauclr.
AGBBTBS KM PEPNAMHl'CO
gg Astenia Luis e Oliveira Atevede k C,
competentemene autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz b .1.
Para a festa.
Aluga se um sitio na rua *lo Cabral da ch
dade de O;inda, rom rasa it-rret, ft-ia co-
piar na frente, bota os fund-s para a aira-
da e mrgm modos para familia, estribara ara o\all>
e capim para SMCenta-tos. arvoreVs *
fructos, sem vMnbo defroute na i |..
funto, com ptimos pas.eio5. sala t pbi-
netc na frente, muito propria para po>>ar a
festa, e lambom se alu^ai peranao: a fal-
lar no Renfe, na livraria n. Hp8 da prar,
da Indeperjdenria, e em OUnt na casa r.n-
tigua com o capilo Antonio Bernardo Fer-
reira.
no dia 23 do corrate.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 25000
Meios......... 65000
QUartos........ 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes....... 115000
Meios........ 55500
Quartos. ..,..,. 25750
_________________Manorl Martins Finza
(Jasa de ciluciu o.
Jeronymo Pereira
menos.aensinar bem primerras
de msica e piano, e
co, achei-me forte e sem sentir a mais leve
I dr nos joelhos ; a parte do corpo que es-
jtava affectada d'ess^ terrivel encommode
: queTotibou-me tantas nuiles de somno.
ilrupces. borbulhas, piistiilas,
I. Hleeras, e todas as molestias
da pelle.
DO sr. joAo PAULA DE abreu E SOL'ZA. tratar Barua do Trapiche n. 13.
I Rita de S. Pedro.Rio de Janeiro. "Precisa-se alagar ama prcta"que saiba cozi
Prodsa-te alugar uina ana para rotiolur e
engommar, eqix prstese a rua.prar : na ra
do Caldeireiro n. 12.
Precisa-se de urna sentora habilitada, pelo -------kn -m.i.rir-sn------^.. .------
, ,.n.r h.v, nrinwtfaM. i.t... i-Lj^ Ao amanhrper do da 20 ir Mitmbrto cor
etras, principios _._, .
e piano, e trabalbos de agnlba, que \ "?ho aiT* ,u,,:,ra", ^ <"** *'
queira ir para a companhia de urna familia, ni".QUar.i '1''
f-
radoran-um engenho prximo a urna das estacoes ;"Z,,.J *! m" '-'^
da estrada de ferro, leccionar tres eriancas ; ga-|IS? P:fraD,,e> S2^- nj" f
rantindose trata.nenlo e paga convenientes: a ?X2? ***L*9S*
da fri'g" carga > mmou etif***. qual c
?' Ir Bo
r uro oh Bada v
pelo dito o!lio. ti-ni um rallo vrlho m .nt r.>.
lugar em que leve urna b.iiga. leron o :.,-ir r.'r
lado rente, rarrega baix*, e tem pvr.Tipi.io aa
Soffria mais de dous annos de uma nhar e engommar : na ra da Taima n. 41, ta- lado direito da anca o ferr'o do nprnhu Va Iniras
erupr-iio sypliilitica em todo o corpo, mos-
berna.
maiusrnlas come aqni se v A !.!) I A Advrr-
por
Paris Frederic S. 1 Tallin & C.
IlinUrgo > Jo) Cabe & Pllho.
Rirc-.-lloaa Francisco Rahoha & Rallisla.
Madrid 1 Jaime Meric.
Cdiz 1 Crdito commercial.
Sevilha Gonzalo Segoria.
Valencia . M. Perera Y. Em Portugal. Hijos.
Amarantes. Angra Terceira. Figueira.
Are is de Val de Caminha. Guarda.
Voz. Castello Rranco. Guimaraes.
Aveiro. Chaves. Lagoa.
Barceilos. Coimhra. Lagos.
Bastos. Covilhia. Lamego.
Beja. Elvas. Leiria.
Braga. Braganea. Extremos. Evora. Moncao.
Faro. Fafe. Mnncorva.
Oliveira d'Aze- Pinhal. Regoa.
meis. Porto-alegre. Setubal.
PonaAel. Thomar. Vianna do Cas-
Tavira. Villa Nova do tello.
Villa do Conde. Porlimao. Villa Real.
Villa Real de Vizeo. Madcira.
S. Antonio. Faial. S. Miguel.
NO IMPERIO.
Rahia. Maranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qaalqner somma preso ou vsta,podendologo
os saques prazo serem descontados no mesmo
Banco a razio de i por cento ao anno : a tratar
na ra da Cruz n. 1.
Hit 11 ifiW^iia^
K pessoa que tiver ordem da Rahia para entre-
gar ao espdante Domingas Anbmio Rodrigues
Giimtries Jniora quantia de 705, queira de-
clarar o lugar em qne pede ser procurado.
~_ precisa-se alujar uma escrava ou um es-
cravo pu-a lodo servido de urna casa de pequea
fam lia: a tratar na ra do Cabug n. 4, loja de
miudezas.
0 CAF RESERVADO
da ra das Larangeiras convida aos seus fregue-
zes tolas as noites, das 8 hras em diante, irem ao
superior sorvete a 240 rs.
Atteugao.
Mr. Noel Eyvaud, tendo viudo de Paris pelo pa-
qu te franeez Bttremadtart chegado em 13 do cor-
rale, transa nm rico sortimento de rendas de cro-
% com iraitacao velecianas : pode .er procurado
no hotel italiano na ra do Trapicho n. 5.
Alfonso de Aiuquirque Mello
Convidam-se os assignantes a mandarem receber
seus exemplares na praca da Independencia ns. G
e 8, que serio entregues vista dos recibos das as-
signaturas ; ahi tambem eslo expostos venda a
35OOO cada um. Sao sob os seguintes ttulos as
materias de que se oceupa:
Introduccao.Nocaoda liberdade.O Rrasil co-
lonia.Rcvolucao de 1817A Independencia A 1
constitulnteAconstituijaoA revolucao de 1824.
A expulsao ou abdicago. A regencia livre. O
partido regressista. Ameaca dos eorcundas e que-
da dos livres. A regencia corcunda.Causa dos
males da regencia livre. Regencia corcunda e
maioridade.-Principios do reinado de D. Pedro.
Revolta de Minas e S.Paulo.-Dominio da Praia!^
Luzia.O dominio liberal nao inquietava os cor- fS
cundas.Fetos do dominio liberal.A praiaeChi-\jg
chorrosenatoria.A revolta e a revolucao de i g
1848 A constituinte.A constituinte.Derrota II
da revolucao. Negociacao de Honorio cora os libe- 29
raes:traidores. Venda da bandeira dacons;^
tituinte. -O partido liberal durante osquatorze an- SS
nos do chamado ostracismo.Os eorcundas e os ||
liberaes durante os qnatorze annos. Captiveiro re- 9
signado e voluntario dos liberaes durante os qua- 9
torze anuos. 0 povo corcunda, ou os vermelhos e 3
Villar transferio o seu estaa trando-se sempre com mais violencia na ca- Um rapaz brasileiro com pralica de caixeiro |,e'^'lu<* os'avallas assim .ViriU--. pa*ea w-
belecimento de instruccao primara e secundan- ra nnivci mnitns mnili.-.mniiirw o ,-nncnlioi 0"*erec-se para ser empregado em loja de fazen- catfos nem vendidos, e os qw f.-r. n armirad'is
para a ra larga do Rosario, sobrado de dous an- **',:'.'. "" meuicdinttiios 1. consuitei daSi escriptorio, ou mitro qualquer eslabelccimen-. sera servir., do rnesmn r.g-ntt a>. furia-
daresn. 22 ;e participa nao so aos Illms. senbo- m,lll)s mdicos, e estava quasi desanimado to, dando fiador a sua conducu : quew precisar, 1 d>s..e devem *er appr^idid. ; fariasm rota-
res, pais du seus alumnos, como ao respeitavcl quando vi OS annuncios da Salsa parrilha procure na fabrica da travessa do Carioca a. i, se as autoridades pulirais, uimw a.|.i.:.;u.r
I publico, que as aulas estar.ao abortas no dia 8 de do Dr. Ayer : comecei a fazer USO d'ella o raes "Q Ramos.________ _______________ 1 P"soa "" V"\o, qne tno eBcaatra* Mm ra-
Janeiro do anno vindouro e 186o.----------------^_ noS pmuciros das a eruprao agravou-se, i A.uga-se arasa da ra da Matriz da Roa-; ^^^^^.^^l^.
Padaria. porem antes de acabar 0 segundo frasco ti- Vis'a a-L0*Jada* pintai,a de novo- rom com'dopropriptario d me^nu mnl ., ttm na
Precisa-se de um amassador: na ra Direita nlia o mal desapparecido completamente de sfiarf.fn'm : a lraUr na raesma rua DB" ** 'lo *""*< *^' 5*'- r.a.
numero 69. ,()do K m0_D*' taberna.-----------------------------------------| do Rprift. M d(V oulubro de ,sov r^.im,, u
rg*y*e*m*vi*yai n^ n'.. ',.. ,r___________ ______ Aluga-se um sobrado em Santo Amaro, com da -ilva Santiago.
M63JVSK ,v ,, *, luga-se um sobrado em Santo Amaro, com
rni&HW I'octor Do.v Jos Valdks Hkiuif.ra, prokes- dous viveiros para peixe, baixa para capim, com
Aos senhores pais de familia.
O padre Flix Brrelo de Vas-
concelos, com aula particular de la- H
tim na rua do Imperador n. 35, 1.
andar, contina a receber alumnos
de todas as classes, durante e de-
pois das ferias. Tambem est dis-
poste a abrir um curso de primei-
ras leltras e de franeez, logo que
haja numero sufficiente de alumnos
para cada uma destas materias, e
assim tambem a receber como in-
ternos algtins meninos,de cuja edu-
carlo o qnizercm encarregar. Os
pagamentos serao por trimestres
adiantados, e os precos declarados
pessoalmente na occasiao do ajuste
para a entrada do alumno.
SOR DE medicina Y CIRI'RJIA, SU1IDELEG/ DO algum arvopedo : a Iratar na rua larga do Rosa-
EM AMBAS AS FACULTADES DEL SESTO DIS- | r' *-
metoHabana.
-'
)s sabios.-A situacao propriamente poltica.Ins- hg>^^^^*re>^r>SfrrBy>S
:ituicoos livres, e dreilos polticos que tivemos WlfBU&mU&Z/&UBl &f&&&'&MM
I
Certifico que be usado l Zarza parril- i
la del Dr. Ayer, y como depurativo he ob-
tenido de ella los mas felices resultados en:
los casos de ulcera crnica, como asi mismo!
ensayado las Pildoras catrticas del mismo
autor y las considero como um purgante,
cuya accin ademas de ser segura, ha sido
muy eficaz en el tratamento de las enferme-
dades (jue exsigeu el uso de los purgantes,
y no vacilo en recomendar estas preparado-:
nes. Y para los fines que puedan convenir!
doy la presente en llegla 7 de Setiembre'
de 1800.
Dor. Jos V. Herrera.
Kscrofula.
ATTESTADO DO ILLM. Si. FRANCISCO FERBJrt
dos Santos.Ouro Prto.
Me ado ha quasi dous anuos affec'ido
. Uma boa casa terrea para familia
esl poralugac-se rua da Uniaon.
39: quem pretender dirija-sc rua
da Aurora n. 10. Tambem alugam-
se as lojas n. 44, rua da Aurora
-"- i
MUTA ATTEiMAO
os
tituicoos
at o lira da regencia livre,' e o que actualmente n c.. Antonio Jos.- Mai nes une m- j ""' ac,"" Qa quaSI 0IIS annos allecMU I
temos em lugar delles.-Os VepresUtan.es da na-! "JjJ JS!e JJll nnSre d esCrofulas' e tcilu S(>IT,ilio tailto 9^ aH
cao o das provincias.-situacao administrativa.- rou na r,ia a^alre tlor ano n. 41, queira glimas vezes quasi que diego a des/nimari
que sao neila os I'ortuguezes.-Como o gover- vir a prora da Independencia ns. 6 e 8 a (la V|J milli/er da minln infeliz sorte-
no obrlgadu a corromper o paiz e a fazcr-llie negocio do SCUinteresse. .",, ei ,,t mi", V Avis0 aos chores e senhoras
sempre maior mal.-Como se multiplica e se paga ?----------r.-------^7-------------------------- teillin Sld Halado por inultos medlioS d es- Avso aos senhores a senhoras
aclientella do governo para sustentar-se o impe- ~ 1"'caes ue Apollo n. 54 compra-se um es- {a cidade, C nenhum pode vencer j tenaci- Aviso aos senhores senhoras
rio corcunda.-O proronsui.-O procnsul ,ia ro- [f^l^l^^^^^^S^Sie de miaba moleslia, eslava ten espe- Aviso aos senhores e santoral
marca. Pos cargos, dos cr mes e da punicao.A "J"? LMTa*8 'loe enienoa uun ae coznna l -..-i.--- :...... e,..,lp mi,n,in Av!S0 aos senhores e senhoras
justica. -Jnises municipaes.-Jui7.es de direito.- I cn>aboado, poisse pagara bem oseu mcrecimento. raneas Ue ecobi, 1 a mmha saude quando Avis0 aog senh()re e s,,nhoras
Tribnaes.s das Relacoes.Tribnnaes do Com-1 Jos Antonio Gomes Jnior vai mandar para ltimamente resolv lazer USO da salsa pai- Aviso aos senhores e senhoras
mercio.Supremo Tribunal de Justica.O jury. o preluum novo systema de escripturacao mercan- rillia do Dr. Ayer. Completa n-SC hoje j Aviso aos senhores c senhoras
Os advogados.Concluso. Garanta dos direito?. til por partidas dobradas, demonstrando cada con- trillla e SCle dias f|U0 COIDOCej com CSt Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras.
A moral publica.Dos primes.As eleieoes. ta o debito e crdito em conta correnle, e conla
Corollario da obra saquarema.-O que a pa- de lempo (letras ou outros ttulos: com venc--
rtia. Situacao para com e exterior.Situacao ment Iko, a pagar ou receber); acaixa demons- senliao que tentio COnvicniO lie em Drcve
linanceira.-As (lnancas do estado.-A miseria. traodinheiro era ser,e as letras que o commer- recobrar a minha saude, perdila ha tanto..
IVrigo e salvamento dos eorcundas.A liga. rante tem a pagar ou receber, por dinheiro toma- lempo.
Como se congregam os elementos para ella.Con- do ou dado a juro, emprestimo 011 compra de ntu-' jv"'hl5is e molestias IllCI't'lll'laCS.
Do Ii.i.m. Su.
santo remedio, e tantas melhi-ras tenlio,"
Aovo sortiraenlo
Novo sortimento
Novo sortimento
Novo sortimento
sideracoes retrospeciivas. A constituinte. -Prepa- los, e finalmente o balance geral demonstra o saldo *'"*'." J "T""c*''"'>"**!,i"*".* "A* """ amwm' De caixinhas e quadros
ros antecedentes. -Goneiliacio e opposieSo parla- por liquidare por que ttulos, qur a debito qur 1 ooium. sr. lr. jackso, De caixinhas e quadros
mentar.Monta a liga.6 que sao os liberaes na a crdito, e de fiada conta por si, e emtotalidade, Medico matto couheado as pro-metas do pe caixinhas e quadros
liga.Que bem far.ao os liberaes ao paiz.O pro- e qnal osaldo feita a suhtracco. suido Brasil. [ De caixinhas e quadros
gresso.Seus feito*.O que o progresso e que Contera mais esta obra urna taboa com nmeros
(ara.Como se deve viver nesta ierra echegada flxos, peles quaes condecido o preco de uma arro-
ao progresso.Porque o progresso s vera com- ba (soja elle qual for) de quaiqoer genero, por
pletar nossas desgrac.as e sem mais remedio.Se urna simples multiplicaciio se conhece o impone
ha salvacao para nos qual seria o meio e bem fa- de qualquer numero de arroba, libra e oneas.
cil. -Resumo. -A's cinco provincias pr-rnambura- Subsereve-se a2-3 por roame, brochure, p^gos
as. -Histrico e poltica corcunda. He quepro- na occasiao da entrega, na loja de livros dos Srs.
vm a miseria.-Como se corrompe na eleicao.A Guimaraes & Oliveira, rua do Imperador, e cm
restncao da liberdade apar do progresso daimmo- casado autor (das 4 as C horas da tarde) rua do
ralidade. Corollario. Destino n. 3.
Os senhores que antes de subsrrever quizerem
J. Keiler & C. vendem superior vi-
examinar dita la boa, caixa o balanc.o, afim de co-
n!io tinto di Bordeatix, tanto em quartola. nhecerem a ntilidade da referida obra, dirijam-se
C tmi emcaixas de duzia de garrafas I a casa do autor em qualquer dia, das 4 as 6 oras
Precisa se de um caixeiro para taberna, dan-
do Qador a sua conducta na rua do Hospicio n.
24 Na inesraa aluga-se uma escrava que lava e
eugomma.
O Sr. capito Francisco dos Santos
Saaes queira se d>rigir a padaria da Torre a
negocio de ^eu interesse.
Su padaria da rua d > Rangel precisa-se de
um mestre de nusseira, da-se-llie bora ordenado
i agradando.
da Urd
Tenlio receitado a Salsa pa rilha do t> caixinhas e 'ledros
Dr. Ayer nos casos mais inveterados de! SlinCa oSS
Syphilis constitucional e sempre com os| Caixinhas a 1*300
mais Mi/es resultados ; o melliOi alteran-, Caixinhas a 1,5500
te que ConbeCO, Caixinhas a 1*300
B.cco-..h;l c 0s.cS bres. gjgg Jj gf Jj
lomos cartas em que nos contina casos caixinhas de 3* por43
inveterados que foram radicalmente curados Caixinhas de 3* por 43
com um ou dous frascos d'esla Si Isa par-iCaisinhasde 3*por 4*
Recebi-ram-se lOimlraixa
'"''' Rec.eberam se 10 mil caixas
0. espaco nao nos permute trauscrever Beeeberam-se 10 mil caixa
todos os altestados que possaimos Jas vir-, Receberam se iO mil caixas
tudes d'este extrajo composto ue Salsa' Receberam-se 1railcaias
uienca
liasta det'arar ao
Carlc-s de visita
parrilha do Dr Ayer. ..^a ^o,. r crtses de visita
publico que tem sido empregado na mais Canses de visita
de vinte anuos pela profisso med .a tanto Cartees de visita
Antonio Perpetra da Motta Braga avisa ao Sr. das Americas como da Europa, se.n nunca Cartoes de visita
Luiz d. S. Mouiinho, da cidade do itecife, que desmentir a sua alia repuiacao.
existe em seu armazem, na fina do Jaidim, em|____
Barreiros, nm fa.do de fazendas qne tem escripto!_ ,. .
o no-ne do mesmo Sr. Mouiinho e mais as inic.aes; Para a cura radical de escrfulas e iffeccocs
Brasa
Precisa-se atusar orna ro>ii,h ira -rreva to
forra : na rua da Madre de Dos n. 38.
ihi m-Mm*mm &
& O baeharrl ^
Fraeisc A osaste da Cos!
ADVOCADO
Z
^ Rua do Imperador numero fil.
Aluga-so a loja da rua dos Mari-n .s n. C
a tratar na rna doCre-pu 11. l.
Precisa-se alujar uma esr ava ( b* -aifca rn-
Commar, lavar e coser, qm- seja r.Tt=- ; n 1 m
um canoeiro que seja forro N captivo esa ra-a
do Sr. Camhnini'em Santo Amaro.
THCSUl'RO HAS IIS
Providencia das cHattemg
(OlililEiEN RO
tlrrlru-magsrlirus
CBASAMM
COLLARES ANODINOS DE I>r\riiO
Conlra as ronvulsoes e para fariiilar a
denticao das enancas pttpunm I nr
dos por llover, pharmac-i t !.. :,.<
la suporor de Pars. succecr de Omnm,
membr daarailemia de iiiedirii.a.
amiga rasa di Riuillon-Lapr.in?!'. phurmaceutifB
do imperdiT,
chefe dos trabalhos chimicis da esrila pn-
lytechnira, director da escola o> 1 1 #>
l'ans,e inembro daaradesBia mienal
de n.i'Ji 11.a.
Estes collares vendem se unir ..mente na i.>ja >
Gallo Vigilaste rua du Cresta n. 7.
Ainda e vessa do Remedie na rrefssasaa dws Mhfa p.
21 : quem o pretender, uinja-se a roa > S. Frae>
cisco. ruinado n. 10.
Na praca da Independencia, loja ivewWs
n. 3l, compramse oliras de ouro c praia. (udras
preciosas,assim bosmm <-t. qualquer i.hra de u-
commenda, e iodo e qualquer firr.cerio.
Ra ru eslreita do llosarie i. Z\
UBTREXRO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
Wi todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor-
W rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um 55
! srand e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras, M
5,5000
IR todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concor
, grande
Mb bomens e meninos.
i Casacas de panno preto, 35,5 e 303000 Ditos de setim preto. .
I Sobrecasacas idem, 3W e 25^0001 Dtos ,je itos e seda branco,
'. n~i.~o Jna a Aa pnrs tS/t. Q ^t ......
500&
4,5000
24500
Paletos idem e de cores, 1W,
20, I55 e...... 10,5000 Ditos de gorgurio de seda
Ditos de casemira, 20/J, 15^, I pretos e de cores, 64, H e
^2 124, 100 e...... 70000 Golletes de fusilo e brim bran-
|^ Ditos de alpaca, 54, 44 e 34500 ,31600, 34 e .
\ Ditos ditos pretos, 94, 74, Semillas de brim de linho,
4jOO, a|400 e......24000
imm Ditas de afc0080 ,|'600 e-
iwJJ. Camisas de peitos de linho,
4^000, W, 34 e. .....
i Ditas de madapoln, 24500,
54000, 24e........
i Chpeos de raassa, pretos fran-
104, 84 e......740001 cezes, 104, 94 e.
Ditas de cores, 94, 84 e. 74000 Ditos de fltro, 54, 44,34500 e
'Ditos de sol, de seda, 124,
44000, 144, 74 e......
i Collarinhos de linho fino, ulti-
440001 ma moda duzia. .... 64000
; Sortimento completo de grava
24500 tas. 4
24500 Toalhas parroslo, duzia, 144,
. e........04000
J. M. L, cuja fardo embarcaram na barcaca Nep- i
tuno, propriedade do Sr. commendador Paulo de ,
Amoiim Salgado,da qual mestre Joao Manoel'
Vieira, e loi embarcado no dia sabbado, 10 do cor-,
rente, ou seg'.'nda-feira 12. !
Precisase comprar um cuarda-roupa que!
estoja era bom estado: quimtiver para vender, 1
dirjase a rua do Trapiche n. 26.
mmmmmmmm,
O Dr. Cosme de S Pereira conti-1
na a residir na rua da Cruz n. 53, 91
4 o e 2o andar, onde pode ser procu- Mj
rado para o exercicio de sua profis- |
sao medica, e cora especialidade
sobre e seguinte
4 o molestias de olhos;
2o de peito :
3 > dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d sjj
6 as 40 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
co que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
escrofulos, syphilis e molestias syphi-
liticas, ulceras, feridas, cliagas,
empees cutneas e
qualquer incomn.odo que
provm d'um estado
impuro de sangue,
TOMF.M A
Ai-Si l PAKallLHA DI. AYER.
A' venda na rua Direita, ns. 12 2(5 e 76;
A t'.i- a duna
A K'5 a duzia
A r.1 ~, a duzia -
A 10-3 a duzia
A 105 a duzia
A palera esta renovada
inrtn A Balera est renovada
3'A gatera esl renovada
A galera esl renovada
A galera esta renovada
Com ricos crtmados c tapetes
Com ricos cortinados e tapetes
Com ricos cortinadoa e tapetes
Com ricos cortinados e tapetes
Com ricos coriinados e tpeles
rua da Quitanda n. 51 ; praga da Constir Com Hadase variadas vistas de loade
. __ ^ nn 11__ m p r,o Cora lindas e variadas vistas
tuicao, n. 30 e Hospicio, n. 40. E na-comindase
s de fundo
. ariadas vistas de fundo
principaes pnarmacias c drogaras do tms c0m lidas e variadas vistas de fuBdo
Com lidas e variadas vistas de fundo
("asa americana
Casa americana
qenu.
Vende-se em Pernambuco:
na pliarmacia franeez de
P.MAURER i C.
KUA NOVA N. 48.
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
rua da Cadeia n. 3.
A litga-.se
o terceiro andar da casa da rua Direita n. 3C, o
qual tem commodos para glande familia : a tratar, A' rna ^Tmporador 38
no segundo andar da mesma casa, ou no Recife na' ^ rua (]0 imperador n. 38
i A' rua do Imperador n. 38
; A' rua do Imperador n.38
A' rua do Imperador n. 38
A' rua do Imperador n. 38
A' rua do Imperador n. 38
A' rua do Imperador n.38
A' rna do Imperador n. 38
A' rua do Imperador n. 38
54, 44 e
F* Ditos de brim e ganga de co-
9fe res, 44500, 44, 34500 e. .
^i Ditos branco de linho, 64,54 e
3& Ditos de merino preto de cor-
ffi do, 404, 74 e.....
fei Calcas de casemira preta, 424,
< Ditas de meia casemira de cd-
P* res, 54000 e. .
f$ Ditas de princeza e mermpre-
H to de cordo, 44500 e. ,
te Ditas de brim branco e de c-
&2 res, 54, 44500, 44 e .
S Ditos de ganga de cores, 34 e
Wl Gollete* de velludo preto e de
5fe cores 94 e......74000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
ty< Ditos de casemira preta, 54 e 44000 tos e de cores.....
| Ditos de ditas de cores 54 Lences de bramante de linho.
40 e........34500 Cobertas de chita chineza.. .
= Precisa-se de um cosuiheiro escravo e pa-
gase bem agradando : na rua da Madre de Dos
n. 36, priraeiro andar, das 8 as 2 horas da tarde.
Est ainda para alugar uma casa na Iba de
Bemnra junto a ponte da Passagein, cora commo-
do- para familia, panno, pintada, e pelo barato
aluguel de 150$ por anuo : na rua larga do Ro-
sario n. 36 se dir quem aluga.
84500
24O0O
Maques sobre Portugal.
O abalxo assignado. autorizado pelo
Banco Mercantil Portum.se. e na ausencia
do Sr. Jnaquim da Silva Castro, saca cf-
fectivamente por todos o paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Por .o, e mais luga-
res do reino, por qualquei somma a vis-
ta, e a praso ; podendo, o que tomarem
saques a praso.receberem >>sta, no mes-
mo Banco, descontando 4 OO ao anno: na
leja de chapos da rua do Crtjpo n. 6, ou
na roa do Imperador n. 63, Segando an-
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
i5*S|fKOCBB *tPaEra8*^t ?Sl!W
Dividendo.
le Amorifla
los & <:.
A. W. Osborne.
Precisa-se. alugar um ou dous pretos parae
servico de reflnacao : na rua do Ranpel n. 43.
r P S- i 8
a.
11 i 1 E
111* 11
lli'l't
niui
O M X -%
p
O. V
o
u
2 I
3 I
IS
Reiira'se dosta provincia Thomaz Boom o MaSSa fallida de AlDOrioi, FragOSO, Sail-
sua mnlher D. Rosa En-jm. e suas dua* lilhas me-
nores Isabel e Mara, quem tiver contas com elle
i poder procura lo para receber 011 pagar, em sua Os administradores estao autorisados a pagar 0|
rasa no largo do Corpo Santo n. 21 ou na ruado 1 dividendo de cinco por ceuto, devendo porem
Imuerador n. 28. realisar se do da 2 de Janeiro prximo em dianle,'
impe Ths. tabora.-. I. R. 18.-. em virtnde de ordem do Illm. 9r. DC- juiz especial ComHerio mediCB-chirnrgice na ma larga do Ro-
~Rm.te an Sr Mmnel Jo.nnim r,.rri "de do commereio. O pagamento ser feito demeio sarle n. 20.
AX^ST^7tSK^R^- "* as 2 horas da lare, no escriptorio da ruado 0 Dr. Mo Perreira da Silva regressando saa
vSa casa n 7 1 ienho^ Vigar.o n. 21, primeiro andar;________________' casa, contina em o exercicio de sua profiss.,1
era5ndt, d5 $K^ $!> dTpricipa ; O Sr. Manoel |>iroiralh-Andi*Je a costa- nao s na parte medica como tambera na chirur-
Advocado Afonso do Al I u
querque Mello,
pode ser procurado a ipialjuer hora ; as ex!. -
oirs, por^m, na villa do Cat*.
Cono-o.
O curioso que leve a audacia de tirar nma ; n
ta de urna ra-a nutn >H:o do Manfiinho, Mae a
bondade de trnala a por no seu lugar, di, r n-
trario levar-se-ha ao roi:hei-irn<'iiio da |Milira.
Compra-se nma taberna cm p*! fond.e.
sendo em bom lugar no bairro de Sanl" An-
que eslej bem afrepoesada para a ierra : qu>u
tiver e ijuizer fazer negocio, annurrie
J*
^J O Dr. Carolinc Francisco de Lima San- ,
los, contina a residir na rua do Impe- ^fe
rador n. 17,2" indar, onde pode ser pro- ^v
curado a qual> 11er hora do diae da mul ^
para o exercicio de -ni protKso de m*- .'
| dieo ; sendo (.ue o i bamadi.s. rter*** de
?^ meio dia at h horas da tarde, devem =er
S deixados por escriplo. O referido Dr.
> nao abaniieii.iinli 1 miara o estado das
K*" molestias do interior, proseiHe, rom o
maior afflnro. no das mais diBireis e >0. cadas operai.oes. romo seiam dos ergios ZJC
3 ourinaiios.d'os olhos, parios, etc.
WMmmwmmkt w&wwm
Precisa-se de tuna aim paraa -mha
ile nmi casa, prefere-ie escrava : ni ni.
Augusta n. 90
CLUB rR\A\
Areunio familiar do coman me/. IM4
lucarna noite do dia li.

3--RE1 1STREITA DO K0S.4KI0-3
Francisco Pinto Oiorio cootina a col-
locar denles artificiaos lano por BSB de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem qne a* obras e 1
fiquem a vonlade de seus dones, lem Bi
e outras preparaces as mais acredaJa.-
para conservacio da totea.


Est oceulta.
A pessoa qne tem orcnlta em ra> a preu
I fina, queira entrega-la uiiaolo ames a sen
R-
mt r
le
44000 I
34000 *
24500 $
mm
e juros 5 quando nao o faca nestes tres das, o mr a vender madeira* vindas pela vfa frrea, te- gira.
abaixo asignado ir polica para fazer scicnte nha a bondade de apparecer'na rua Direita n. 84 Preoisa-se de um coinhero no Gymnasio do c mtrano lera de soffrer as wa qne a
deste negocio.-J. F. da S. C. 1 a negoeio que nao ignora.___________________ Provincial. marra para quem tem e<.-r*vn* e<-..n-ii-i..
Precisa-se de uma ama forra ou captiva para Precisase de dous trabajadores para nada-, I a pessoa que tem lev.olo iu e-t,. o Ki-
casa de ponca funilia, que saiua cozinhar : na' ria e que entendara bem do trafico : na rua larga 1 Alie' tai) beiro os Diarios do Sr. lente -mr-.n-1 Ze'enw
rua da Praia n. 9. ^___^^ do Rosario n. 21. 1________^______ AUiga-se a rasa assobradada n. 36, siu na rua VelUso daSilveira, do p esi--ite :;n qei a -
Roga-se ao Sr. Mariano Lopes Rodrigues que Na rua da Imperatriz padaria do Sr. CBsiB, da Alegra, mullo propria para os senhores estu- dar satisfater su* mportanrh. alia-, se ai -nm
=c dignj de.-brar sua resiUencia para the sor en- se dir quera precisa de uma escrava cosinhwra dantes, per quem sempre estove orcunada : a ira- rao seu nome, para ser eonheri.lo n.m.. 1
trege uma carta. para pequea familia. lar na rua do Moudcgo, olana u. U
' dor do alhoio contra a vunla Je de sen *>i


Diario de Feraamltae* Quiua felra ate Dezembro te 1S64.
INJEGTION BROU
PERFUMARA medica hygienica
De J.-P. LAROZE, qumico, pharmaceutico de la Escola especial de Pars.
Estes producto sio o resultado dt aplicado Jas Mi da hygiene i ..erfainaria, qoe se reme e
tornase pharmacia da billeta, encarrcgada de prever i hre, ene da pelle, dos cabellos, dos denles,
ergios tao importantes; entio evita e destroa as causas das doencas que sua irinan mais velha,
i pharmacia propnaiucnte chamada, teui que curar.
que
eirriniicio pira curar Imediatamenleas
d.res ou raivas de dantas; o viero 1 fr. 25
ro DEHTirnicao cor ni rosa com base de
Magnesia, pira branquear e conservar os denles ;
riro...........1 r. S5
OFIATO DCMTimicio para ferlicar as genitivas
evitar as nevralgias dentarias; o pote 1 fr. 30
CWRATivo DENTARIO para tratar os denles
cariados antes do chutnbamento, e evitar os ab-
cessot e dores ; o vidro con e Instrumento a fr.
MOA LEDCODERMTBA, para conservar a frescura
e as fuaccoes da pello o vidro 5 fr.
BSPIRITO DE AH! RECTIFICADO, complemento
do aeeio da bocea despois de comer; vidro t fr. 25
AAAO lenitivo MEBIcoiAL, de violeta, araendoa
amarga, bouquel, e pao.......2 fr.
E 8ABO LENITIVO MEDICINAL de
OLEO DI avila FERFUMADO para reaediar a
dureza dos cabellos e a sua atona, o vidro. 2 fr.
VINAGRE DE TOILETTE SUPERIOR pela IH
suavidade e sua aceio refrescante, e vidro. 1 fr.
COLD CREAM SUPERIOR para conservar a palle
clara, frasca, e diaphaaa, e evitar os mos effeiles
do uso das cores, o pote......1 fr. 59
AOOA DE COLOSNA SUPERIOR, com u sem
mbar; peruanoncia de seu perfume o faz bascar
para o tocador, baaos geraes e locaes, o vidro 1 fr.
PASTTLHAS ORIENTAES do Dr. Paul Cl.-ment,
Eara tirar o chairo do tabaco e para modificar os
allllos fortes; 1 o 2 Ir. a caixa.
AOVA DE fXORES ALFAIEMA, cosmtico
bascado para tirar as comichees, forlifliar e re-
frescar cortos orgflos, o vidro.....1 fr. 25
Iemas de ovo, para evitar as fendas, frielras e
otacas de pelle, violeta, de bouquet; o po 2 fr.
REME DE SAIAO LENITIVO MEDICINAL en
pia. Ella especial para a barba, o aceio das
seahoras e daa criantes, o vidro.....2 fr.
AOOA lcstral para conservar e embellezar os
cabellos, e fortificar asas raize, o vidro. S fr.
Depsitos em cada cldade, em caza dos pharmaccuticoi, perfumistas, cabelleireiros, negociantes de
modas e de fazendas. Varejo: Puaimacia Laroze, ru Nenve-des-Pets-Camp, 6.
Expadieoes: em caza de J.-P. Laroze, rae des Liona-SaiDl-Paul, a* i, em Pars.'
Rn.'i 'Id Imp^Rutnr n. 38. Itotica francesa.
ESPIRITO DE HORTELAH SPERriNO. Etie I O
aperfeieoamento indispensavel do aceio da bocea
depois de comer, o vidro......1 fr. 25
POMMADA CONSERVADORA de quinina pura
para fortificar os cabellos, oa embellezar e evitar
o encaaecimeato prematuro, o pota.. 5 fr.
XAROPE
DE CASCAS de L ARAN JAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimico,
PBARNACEUTICO DA ESCOLA SUPERIOR DE PARII.
Eslc xarope, regularisando as funecoes do estomago c intestinos, destroe essas
ndisposicoes preleiformes, e faz abonar as molestias de que sao indieios precurso-
res. Mdicos e doentes tem reconhecido que restabelece as indigestScs, fczcdo
desappareccr os pesos de estomago, que calma as enxaquecas, espasmos, o caimbras,
que sao resultado de digestfies penosas. Seu gosto agradavel c a facilidade com que
se suporta, o tem feito adoptar como especifica infallivel das doencas nervosa'
gastritis, gastralgias, clicas de estomago e dt tntrankas, palpitares, dores de
coraco, vmitos nervosos; suaaccao sobre as funecoes assimiladoras tal, que os
mdicos mais Ilustres o tem adoptado por rescipicnte real dos dous primeiros
agentes therapeuticos: o odureto de Potassa c o Proto-Iodureto de ferro, lendo
observado que debaixo de sua influencia, o primeiro perde sua aceio irritante e o
segundo seu effeito adstringente.
XAROPE DEPURATIVO
Do cascas de laranjas amargas com I-
dureto de potassa.
O iodureto de potassa, administrado em
solucao ou debaixo da forma solida, causa ao
doente tima grande repugnancia, ou determina
accidentes que o forcio renunciar a esta
medioevo eflicaz.
Unido porcm ao Xarope de cascas de laran-
jas, elle nao causa nem gastralgias, nem per-
turbarlo do estomago e intestinos, c grabas a
este salvaguarda, os tratamentos depurativos
sao continuados sem interrupcio, as affec-
ces escrofulosas, tubsrculosat, cancerosas e
as secundarias e terciarias, mesmo reuma-
thismaes, as quaes elle o mais seguro espe-
cifico. A dose est definida de tal maneira
que o medico pode vari l-a a tua vontade:
0 frasco: fr. 50 c.
XAROPE FERRUGINOSO.
De cascas de laranjas amargas com
proto-iodureto de ferro.
i associacao do sal ferro o Xarope de cas-
cas de laranjas tanto mais racional quanto
que este xarope, empregado s, para estimu-
lar o apetite, activa a secrecio do sueco g-
strico, e por fim regularisa as funecoes abdo-
minacs, neutraliza os mos effeitos dos ferru-
ginosos c dos ioduretos (peso de cabeca, pri-
sao d ventre, dores epigstricas) em quanto
que facilita sua absorpcio. Dissolvido no
Xarope, elle se toma e se supporta fcilmente,
por achar-se no estado puro maisassimilavel;
e assim pode continuar-se a cura da pallidez,
corrimentos brancos, anemia, afecccs escro-
fulosas e racuitismo:
O frasco : 4 fr. 50 c.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE esto sempre em frascos especiaes
(nunca em meias garratas nem em frascos redondos). ExpedicSes: em cas*
J.-P. LAROZE, ru des Lions-Saint-Paul, 2, Pars.
Ra iio Imperatlor 11. 38. botica franceza.
Vcnde-se ama do Imperador botica franceza n. 38.
g DENTISTA DE PARS
Bm 19Ra Nova-.s>
Frederieo Gautier, cirurgiao dentist l i
fax todas as operaefes de sua arte, e ct-l-
loca dentes artificiaes, tudo com superio- P
ridade e perfeicao, que as pessoas enten- 1
didas lhe reconnecem.
Tem agua e pos denuncio.
mm-mmmm-mmmsL-mmm
No primeiro andar do sobrado o. 44 da raa da
Imperalriz, precisa-se de urna ama para comprar
e cozinhar.
C0MPB1S.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: naloja de bilbetes dapracada Inde
pendencia n. 22.
Compra-se effectivamente
ouro e prata era obras velhas pagando-se bem.:
na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
Compram-so dous escravos que sejam bons
carreiros : na ra do Trapiche n. 13.
Compra-se urna carteira com duas faces para
escriptorio : no armazem da ra da Cadeia do Re-
cife n. 48.
= Compra-se urna vacca que tenha bom e abun-
dante leite : na ra do Crespo n. lo, ou em Api-
pucos, na casa junto a do Sr. Jos Alfonso.
Garrafas e vidros.
Comprara-se vidros e garrafas varias, que nao
sejam de azeile : na ra larga do Rosario n. 34,
botica.______________
Compra.se urna prela de meia idade que co-
zinhe bem o diario de urna casa : na ra Direita
numero 17._____________
Compram-se escraxos que sirvam para ser-
vido de campo : na ra Direita n. 3.
Comprase um baleao de amarillo que tenha
volta : najrua do Cotovello n. 1, taberna.
YENDAS.
Romance.
Vende-se na praca da Independencia li-
vraria ns. 6 e 8, o romance Martim o en-
geitado ou Memorias de um escudeiro, obra
do distincto escriptor Eugne Sue, autor
das melliores obras conhecidas, pelo dimi-
nuto preco de 2#500 por 4 volumes em
broxur.
Foi/iiiviit*
Para 18(>5
Acham-se venda na livraria ns. G e 8
da praca da Independencia :
A FOLHINHA E PORTA, abrangendo o
kalendario civil e ecclesiastico, tabellas de
feriados, de emolumentos dos tribunaes
do commercio etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que aquella c mais urna nova
Salve Rainha em verso, o Stabat Mater em
verso, devoco ao agonisanle, corago de
Jess, cntico em louvor do Santissimo
Rosario, cntico a Virgem Mara Nossa
Senhora.'trinta etres chistosas anedoctas.
um indito poema sobre as aventuras de
um cosinbeiro, o canto de urna solteira
(poesa', creseido numero de mximas e
pensamentos, urna historia como mudas
^romaneo), e vinte e cinco novas e pi-
lhericas charadas a 320 rs.
NOVO RIVAL
LOJA DE MIUDEZAS FINAS
16Ra do Oueimado--l(3
Enfeites de caldca.
Bonitos enfeites com lagos (280.
Ditos ditos com latos c vidrilhos 1*600.
Ditos ditos com lacos e frocos 2*V
Dilos ditos enfeitados com frocos na frente
2*300.
Ditos ditos ditos com cascarrilha 2J> e 3-
Ditos ditos feilio de chai'ozinho 4.
Dilos dilos enfeilados e flor na frente '>&.
Ditos ditos ricamenic enfeitados de flores para
bailes e casamenlos 85.
Bonitas capel las para meninas e noivos a 1 '>,
1*300, 2*5 e 4,.
Bonitos chapozinhos ricamente enfeilados para
baptisados 4* e 5*>.
Bonitas louquinhas dc'blonde de seda enfeiladas
para baptisado tcGOO e 2*.
Sapatinhos de selim para bapli;ado 2*.
Ditos de merino bordado idem idem 1600 e 2.
Riquissimas grvalas de pona bordada para se-
nhora i*.
Ditas ditas com lagos feilos idem i-280, 1609
e 2.
Luvas de Jouvin enfeitadas para bailes e casa-
menlos 3*.
Ditas ditas sem enfeites 2*.
Voltlnlias de aljofares i, 2* e 3*.
Pulseiras de aljofares e contas 640 rs.
Voltas grandes a Mara Pia 1* e 1*600.
Ditas lapidadas mais pequeas \f>. .
Bonitas filas de sarja lisas e listradas de ledas as
cores proprias para enfeites de dous dedos de lar-
gura 400 rs. a vara.
Bonitas fitas de grosdenaples lisas de todas as
cures proprias para lagos e cintos de 3, 4 e o dedos
de largura a 800 rs., 1*280 e 1*500.
Riquissimas fitas de grosdenaples lavradas, bo* |
nitos padrdes e de lodas as cores, proprias para
lagos e cintos de 3 1/2, 4 e 5 palmos de largura a
i*; 1*280, 1*500,1*600, 1*800 e 2*.
Pegas de cascarrilha de seda de diversas cores e
larguras 1*200, 1*600 e 1*800.
Ditas dilas de seda de duas cores estreita e larga
a 1*600 e 2*.
Dilas de fitas de velludo de differentes larguras
a 1*, 1*280, 1*500 e 1*800.
Ditas de tilas; de la para debrum de vestido
800 rs.
Dilas de fitas de linlio para debrum de ditos
240 rs. e 320 rs.
Ditas com 25 varas de trancinha branca eslreiti-
Bba lisa para bordar vestidos 400 rs.
Lavas de cures para montara 500 e 800 rs.
Chicles para montara 640 rs.. 1*280, 25000 e
3*000.
Bolsas prelas para viagem 2*200.
Peales de borracha para regagu 500 e 800 rs.
Ditos ditos donrados 1*.
Ditos dilos douradus com pedriohas 1*600.
Dilos de concha esmaltado para segurar cabellos
1*000: i
Dilos de ilna com pedrinhas idem 1* e 1*300.
Assadeiras
Assadeiras de porcelana de todos os tamanhos :
na ra do Queimado n. 32, venden) Azi-vedo &
Irtnlo.
Penetras.
Receberam grande sorlimenlo de penelias de
rame, proprias para padaria c pharmacia ; na
ruado Queimado n. 32, loja de Azevedo & Irmo.
Brides de pojuca
As verdadeiras brides de Ipojuca : vendem na
ra do Queimado n. 32 Azevedo & Irmao.
Facas de cabo de umeorne e
marfim.
Vendem Azevedo 4 Irmao, na ra do Queima-
o n. 32.
t o\sf:lii<>
M
fc
tt
3-iffS "q-3 '! 3S?
Q r1 a ni 95I"1,
-a
O. cu
C.a> w
%
W 5S CO -^ -*, D-
o. S Si i*!
^ t *
O
9 3
tfa
DDO
"2 3
g,g
si
o. err
Deixtri que os Hunos d ivii^i.-a. vws
-economapara os pea 11 Wm parle w
liumanot- |*r rerlo aqurlla c|ie. BaBfj rln m
cessiia de maior a/asalbo: |la hoadaeV ao* pe*
se introduz a grandemaioria das mclesiia, e e,m
estas a perda da saude e da vida I Fra roas aa
45-fiua Dereiti-45
Borzegoins francezes para boatm
Ditos inglezes idem a 8*, 7* e
Dilos para senhora
Ditos pata menina
Sapates esmaga cot.ra
Ditos de Xantes de duas solas
Ditos dito de sola e vira
Sapatos de borracha para seoborK
Ditos de dila para meninos
Ditos de tpele para homens *-
nhoras a 800 e
Sapatos de lustre para senhor* a
Ditos para rasa
Chinelas rasas do Porto
OSMIO
MMI
W
2HM
Htm
MM
.-Ml
l*W
....
"

3 r- ~' S h,-a P- =. 2"5co
S"!
2 5
2 3
i O rS
"
r.
o o en
P s
Cfl Cb
^2 6
3 = w
S. ce
o a.
y> ai o
5 8
-I CD
g ,
Q. co f5
C



S3
as a o
'y. ~.
-
-i
"3
O
a
cu
a-
-a g
tu -t
S 3
o
>
cr
g
e
Espantosa perbincha.
Algodo superior largo rom um pequeo defei-
em um a das orelhas a 6* a pega cem 20 varas:
r ua da Madre de Dos n. 16, loja defronle da
%< da da alfandTra.
DE PEPSINA!
|||B[DIGE$TIVAs1ffiM
DE WASMAN
As pastillias digestivas com a pepsina de Was-
8 dila dourados e com pedrinhas dem ^^^J&ffi^^J j fe8
2*000.
Bonitas guarnigoes de pentes para segurar ca-
bellos e marrafas dourado fino com cachinhos de
uvas e pedtinhas4*.
Peotes de borracha com costas de melal 1*.
Duzias de colheres de metal do principe para
cha e para sopa 1*800 e 3*200.
Dilas ditas de coocha grandes 2*.
Caixinhas com 100 envelopes 640 rs.
Caixinhas com papel amisade pautado 600 a 640
rs.
Pacotes de papel de bera dourada 800.
CaiTinhas de pennas caligraphicas 1*280 a
annos pelas celebridades medicaes de Pars,
Londres, Vienna, etc., cm todas as incommodi-
dades em as quacs a digestao difficil, penosa,
imperfecta ou mesmo impossivel: eis o roelhor
remedio para cnrl as
CantralKlan.
T)Upc|iHlnx.
EmbararoH gotrleos.
A cholle
Aa mtlreeoe orennl-
ran do eHtdmngo.
Diarrheaa e a conatl-
pnra areilii7.lriaa
peina elaboraeoea
ilcfc-1 uo.ua doa'all-
anento*.
Em todas as molestias emprcgSo-se a miude as
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichy,
e igualmente asp.ulilhas de Vicky. Esse meio 6 s
efficaz quando se trate de dispepsias de curta du-
.. ,, l i. n.i. m..-, t. "vo tiunuuu bc uic o aispeps as decuria au- tem v iiuo ao mercado dea
ce, 500 rs fSSSSSSSfS't 7 ^^ !?^,m" ***** us 4* P^tiUuu 2*500, 3* e 3*5.=0 e 4*. di
l i,!r22* ZnLnfAZl,*- ie Y uhy J!^0 S h jeCl0S demu,t0 gosto para os alcalinos empobrecen o sanguc c issede tal loja da Arara.
S3nTUC
""i^-w d....i. aro onn maneira que lbe's arrebjlho a parte vivificante,
Bo oes de panno a 200 e 800 rs nulrilva c rC|,aratriz. Com a pepsina, a conirario
Ditos com as armas impenaes 1*280. como ella 6 urna substancia orgnica, albuminosa
Bonitos quadros grandes com moldura dourada transforma-sc ao mesmo lempo que se effectua a
de varios santos, como, S Jos, S. Antonio, o Bom transformacao dos alimentos assimilhando-se
Pastor, a Virgem cora o Menino, a Ceia larga, Des- como ellos c ajudo labem como elles a nutricio
___VetllIP SP MTAM vafiaa nPAnrna I LT^iw! V"""7' frUClaS ^'"f^* f*^ '"> fi- geral. Sua aceto vivifica o sangue e os drgoa
teiuese CaiXOeS VdZlOS prO|II10S|go, a safra das uvas eoulros differentes de muilo de talsortcque, aih as pessoas que sem sofircr as
affeccoes gstricas cima mencionadas sao nica-
mente hacas ou d'um temperamento um pouco
dbil, e necessilo substancial alimento para for-
tificar se, achao no cmprCgo das pastilhas pep-
sina de Wan-ian, um poderoso meio para a isso
chegar.
_ Aviso importante. 0 successo das pastilhas
pepsina de Wasman diu causa a se fazercm fal-
siheacoes c imiacoes d'csse producto aue os
\ov liquidarn fi a.a, a|r f
do mrz, aara fechar laclaras iraaV *uu
fcarale, por ser a alliaw un ir Irsia, tu aa
fregaeies dtvtm aprstritar : aa leja e aiaura
da Arara, roa da laiprralrix a. 5C. dr Learrs-
(4 Pfreir Hendts Cuiaara>a.
Faieddas especiara para srafcera.
Vende-se ricos corles de venido ir I/a a Varia
Pia para senlmra de bonitas barra a 8*. 10* i"*
11* e 16* o corte : na ra da Imperalrix a. :A,
loja da Arara.
A Arara vende a 2>HM
Cortes de rhila de cores fixas com Ir) t>*u<1m
a 2*400 e 3*200 ; eassas de cores a 320. :,!.-> *
400 rs. o covado : na roa da Imperatru o. :
loja da Arara.
Caries de canaraia de ulpkas a 24M.
Vende-se cortes de cambra de salpiros
2*400, 3* e a 4*000 a pega, dilos dr ra.t.ra.
liza e fina a 3*300,4*500,5*300e 6*. liru- -
dadas para enfeiur vestidos e eDlreinrio* a 15 e
a 1*200 : na ra da Imperatru n. X, toja da
Arara.
Sonlrmbarqnes a 7. R, e a 1t.
Vcnde-se soutembarque de laazinhas dr revea
para senhoras a 7*, 8*ea 10*. dno oV aKstna-
ple preto muito entestado a 20*. 23* e .Di* : nraa
capas de grosdenaple a 20*, 23*, 30* .15*. para
liquidar : na ra da Imperairiz n. 56, tota da
Arara.
A Arara Tfnde alpaka dr cares para vrsiieV
Vende-se alpaka decores para \
rs. o covado, challes de laazinhas a IJ& li I5>0
dito de merino a 4*500. dii. (r- >, '.
8* : na ra da Imperairiz n. 36. h ja da Arara.
Laaziokas a Haria pia a :>( 0 rs.
Vende-se laazinhas a Mara Pia para vfisia.
rom palmas de seda a 500 r.. o rotado, dilas de
cores a 320, 400 e 500 rs. dilas liza de rorr* pa-
ra rapas e vesldi s a 560 rs. o rovido. ra' uira^
para capas de senhora a 15800, 2*5CO e 3* na
rita da Imperalriz n. 56. loja da Arara.
A Arara vende rtiita.% a NI, 2X r 32* rs.
Vende-se chias .1 cores tm a 2iO. e 2M rs.
o covado, dilas franc. jas a 320. .tto. Hta *>.
e covado, percallas para vestidos lino a .*. r IHG
rs. o eovadA, ramisinhr.s .ara >enh.r.i a I*. I*t0
35 e 4*300. pollinhas tara senhoras i n enira-< a
240, 320 e 500 rs., eafera para rabera a Maris
Pa a 1*, 1*400 e 2*, para liquidar : a roa da
Imperalriz n. 56.
Baldes americanas para seaasra.
Vende-se baHea americanos, os mollwvres jae
tem viudo ao mercado, de 20. 25. 30 r 33 ar
los de brilhanlina e
da Imperalriz n. .V5.
para l.ahnleiros c funilciros a .$760,;go;' P,*ra "orno dt "'J et?- a,sh* a*a
1 w w Bonitos albuns para 12 retratos 2* e 2*200.
Cada IIIU ; nCSla IVpOgl-ipllia. Ditos ditos para 20 ditos 2*200 e 2*500.
GRANDE XOVIDADE.
S no Vigilante.
Riquissimos enfeites de todas as qualidades para
senhoras e meninas, chegados hoje da alfandega.
Slatoft
Biquissimos sintos de fila larga e estrella com
fivelas Brandes e peijuenas, com brilhanles falsos,
cousa de muilo gosto.
Albuns
Tambem chesaram os riquissimos albuns para
50 retratos, com capa de tartaruga e de marfim,
cousa muilo chique : s no Vigilante, ra do Cres-
po n. 7.
gaz7gaz, gaz.
Recentemente chegado.
Primoira qualidade.
____Na ra de Apollo n. 2.
Ditos ditos para 100 ditos 6*.
Ditos dilos de vellido para 100 ditos 10*.
Dios dilos de marroquim Chagrain nquissima
encadernagao e papl de relevo para 100 rs.
Retratos a 15*, 20* e 25*.
Bonitos albuns com sorlimenlo completo de li-
produclo que os
mulos se querem desfazer. Pois por falta d'uma
nissima perfumara i
Bonitas ceslinhas com frasquinhos de extraios a boa preparacao a pepsina que n'clla entra, jaz
1*280. alterada. Seremos ao abrigo d'cste inconveniente,
Caixinhas com 0 garrafaozmhos de extratos a
1*.
TTENQAO.
Vende-se urna morada de casa terrea e nova na
i freguezia da Boa-Visla na ra do Socego n. 18, no
Campo Verde em chaos proprios : a tratar na
ra da Imperatnz loja n. 2.

ncao
Ai'pn-rada j\ r ntiiiis Academias t atlas
smimmUsuUs medicas.
O (r oeeaiona CM rtI ns molestias abaito
designadas < :i esln^nai.io do s^ii-ue em certas
pm les ilii corno, > quaie produiida pelos resfria-
inrniiis e iniiiasuhiras calizas, ento tleclaro-w
os i'Jn utuAtsmos, Oolii, l'::ralysia, Fvaqueza
... s mimOi-vs, <'viislipufact, Ktcrhc.ittimis ou
t-ii tiiij itc/iii.!iis, el Dores crvosas.
O u. i da cscova ECTRO-MACiVE-
TZCA ti ni snetnao certo para a cura de todas
<^i!jt lili lesiias. sen recorrer Be a iieiil.oma oulra
imd.cit.'.i. KUa 1.1" nuia forma mili riuiiejivel
c |ii iiilu/, raiiUMj* ileipiein il'ellu usa, seo iiiaia
niii> e Mtcc- rcsnliailos. Seoempregopraerva
das ei.ileslias icima. Pan mus inlorniagocscon-
tul-tc-sc .i no'ea (|iie accoinpanlia cadaEscova.
Deposito Gekal
Boulcvurt du 'i'rince Eugne, 18, Parit.
Vende-se na ra do Imperador botica
franceza n. 38.
Alugam-se baratea urnas mei-sguas na estra-
da dos pnrloes da iravessadas Barreiras do bairro
da Boa-Vista : a tratar na roa do Cotovello nu-
mero 23.
O Sr. Antonio Jos Marques Pombal uuera
dingir-se a e=ta lypographia a negocio qoe lhe diz
respeito.
P-ecsa-se alugar um sobrado de um
| andar e sot'to que tenha comtnodos para
familia, no bairro de Santo Antonio ; a tra-
tar na travessa do Vigario n. 1, escriptorio,
primeiro andar.
Joao da Silva Ramos, medico pela Un
versidade de Coimbra, d consultos em
sua casa das 9 s H horas da manilla, e
das 1 s 6 da larde. Visito os doentes
em suas. casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccorridos em qual-
quer occasio. D consullas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6.
s 8 horas da raanhaa.
Tem sr.a casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o qne
tem coramodos apropriados e nella prv
tica qualquer operagao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3*000 diarios.
Segunda dito.... 2*500 >
Terceira dita.... 2*000
Este eslabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servigos qne tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianga de qne sem-
pre tem gozado.
A' nova loja de miudezas de Manoel Joaqum
Das & C, ra da Imperalriz n. 78 que tem o lam-
piao na segunda pona, por baixo do sobrado do
Sr. Dr. Pitanza. Esle estabelecimento contina a
vender os lindos enfeites de gostos modernos que
recebe por todos os vapores, c juntamente as mu
procuradas fivelas de tartaruga e outras douradas
cravadas com brlhantes pedras, havendo mais
limas outras que servem para sinlos de meninas.
Assim como se vende um completo sorlimento de
fitas achamalotadas para sintos, e outras de sarja
de lodas as cores, temos para completar o brilhan-
Dias com 12 garrainhas de ditos 1*600.
Frasquinhos de varios extractos 160 rs., 200,
240, 500, 800 1, 1^280 1*500.
Frasquinhos de essencia para lengo 1S500.
Garrafas de extratos fiHissimos 2j500, 3 e
3J500.
Frases d'agua de Colonia 400,500 e 1*.
Garrafas de dila de dita 500 rs., ljoOO. 2*000 e
2;500.
Frascos com vinagre aromtico de Venus para
dr de cabrea lj>000.
Fraseos de oleo hilocomc 720 e 1060.
Frascos de oleo de babosa 400, 500 e 600 rs.
Dilos de banha franceza 600 e 800 rs.
Copos de chrislal com banha franceza 1*280 e
1*500.
Saboneles de bola grandes 280 rs.
Pacotes de pos de arroz 600 e 800 rs.
Escovns para denles, 160, 320 e 480 rs.
I.ivi-os em branro.
Chegaram no ultimo vapor da Europa jogos de
livrosdiario e razode muilo snporlor oualida-
de : na livraria econmica ao p do arco de San-1
to Antonio.
exigc-ndo os compradoras que as pastilhas tenho
as iniciaos B. P. e saino da pharmaciaChevrier.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
21, faubourg-Montmartre, e em todas as boas
pharmacias de Franga e dos paizes estrangeiros.
I *8ff
m
_i
_v- -1/
V ,--- X __ ---a, O ~.
o ej'~~-T73 to
IflftWiB-i^'s-.H,
BifSIflfli
I* 5 S
N ^ O Q. V) 3 O
I2.fl |1 B.Br*M
kl
ll
Acha-se venda os seguintos testamentos, obras
proprias para entreterdo galo, da pilona, do
tismo de ...na menina os-seguntes" objectos, como I }!r d' *&?** -S" MgUel' Uma alma e dia-
bem : lindas nulseiras de rnnlas imitando nernle *".
bem : lindas pulseiras de contas imitando perolas, i ^'^.^Xal a 160 rs
voltas Maria Pia, gravatinhas de todas as cores, tt23S 15 defr
penles de quatro denles cravados com pontinhos r
de cores, ditos dourados e cravados com pedrinhas
imitando a brilhanles, gostos modernos, e oulros
muitos ohjeclos que se tornam enfadonho mencio-
nar. Advertimos, porm, que tambem se maodam
os caixeiros com os objectos cima mencionados,
as casas que por ventura nao lenha por quera
mandar comprar.
re, e do vigario feito em virlndc
. cada exemplar : na
defronle de S. Francisco, i
Todas as pessoas qua tiveram algodao na
prensa de Manoel Antonio Ribeiro e que foi quei-
mado pelo incendio havido em margo deste anno,
na mesma prensa, queiram apresentar-se com os
seus competentes ttulos afim dse proceder ao di-
videndo que lem de tocar a cada um pola impor-
tancia do altrodo salvado no escriptorio de N. O.
Beber & C. Successores, na da Cruz n. 4, at
sexia-feira 23 do corrente, e nao se poder atten-
der a reclamago algurna depois desta data, de
SPEHA^\
Recebeu rorrenles de ago polido e faciado para
relogio, toques de sndalo, sintos de velludo de co-
res o mais bonito que tem vindo ao mercado, lune-
tas de tartaruga, bfalo o de ago douradas, inlei-
ramente novo o modello, luvas de pellica pretas,
de cores e brancas, graxa econmica, tinta com-
muncaliva para escrever c copiar, dando provas
depois de 8 dias de escripta, aderemos camafeu,
botos camafeu para ponhos, brincos balo doura-
dos, enfeites modernos etc. : na ra do Queima-
do, loja de miudezas n. 33 A.
ovidade.
Chegaram loja de Manoel Joaqum Dias & (',.,
ra da Imperalriz n. 78, que lem o lamplao na se-
cunda porta, o* ricos sintos a travtata, que se ven-
dem por mdico prego.
i rtcs de la a 5,QU0 rs.,
com 15 covados de lindos desenhos, cheguem a
el'es, que pelo prego est acabando-sc : na loja da
ra da Madre de D.os n. 16, defronte da guarda
da alfandega.
Vende-se um molatinho de 20 annos, sem
vicios nem achaques, proprio para pagem : a tra-
tar na ruado Encantamenton. ti.
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
quera naotiver'entregue em lempo os ditos" mulos" antigs e recentes, UnC0 deposito IA bo-
Veitdem-se alguns caibros inleiros, e una
porcao de Iravesoes proprios para andaimes, e al-
gomas cordas com pouco oso: quem precisar di-
rija-ae a ra da Guia, padara n. 56.
.\'ovo deposito de saoo.
Acha-se aberlo um novo deposito de sabao na
rita do Rangel n. 34, na antiga fabrica italiana,
aonde os Jreguezes encontraran completo sorli-
menlo de sabao de todas as qualidades; assim co-
mo a vanlagem qoe encontrara para abreviarem a
qualquer freguez por ser milito perlo, e o diminur
to carreta que tem de pagaren).
Vendem-se ihesouras de Guimaraes para lo-
jistas, cabelleireiros e costura : na roa da Cadeia
do Recife n. 44, loja de ferragens.
Vendem-se charutos da Rahia de varias qua j
lidades : em casa de Monhard & C, rna do Tra-
plebe n. 48. -. '____________^^^ l
I i
n
a
=r
m
CA
cr
3
8
3.
l

E3 2,
11S K
n 5-3 i 1
= 2 O
e>as
S 8
si
1! i
-
8S a
hit*
OO
stf *
s Ia
32
g-g.3
B n w"
B"!
Srp
sajf
i V u. i
B
|[l
r
o 2
O
lS
1 H
E
Vende-se
um cavallo castanho andrino, bom carregador bai
xo, e de bonita figura : na ra do Cabog, loja de
cera n. 5.
GRANULOS e XAROPE
D'HYDROCOTYLE ASITICA
de J. LEPINE
Resulta pelas experiencias feitas as Indias ni
Franca pelos mais afamados mdicos que as GRAivw-
LAS O XAROPE de HYDROCOTVI.A ASITICA A*
a. (.riNB sio o ptimo remedio contra todas aa tapa-
ele* de iMriGKNs on HERPES e outras molestias a
elle, at as mais inyeteradas, assim como a i.episa
n mortiiea. a sirim.is. as tjOLESTIas ESCaV*-
FtJLOSAS, OS RIIEI'MATISMOS clironicos, etc.
Deposito peral cm Paris, em casa de focrnier e
LABELONVE. ra Bourbon-Yillrneure, 1S.
Deposito geral etn PernauDuce rita da
ojai
Cassas da .rara a 280, .120 i 100 res rs-ada.
Vende-se cassas de cores a iHO. 30e 400 r*. o
covado, lencos de seda a 00 e l : na rna Ji
Imperalriz n. 56, loja da Arara.
Fazendas para asara*.
Vende se corles de calcas de Lrim rara Iwaa
a ItWOO e tS, dito de rssiaasfa aJ ::m
4*4900 j'5 : na ra da linteralriz a. 56, fc-ja da
1 Arara.
uiipa frita para honirm dr Helas as usaU^rs.
Vende-se palih ls de I rim '.- c-r. -: ". Si-'i >
3,5, ditos braneo a SfSOO, dii" do ssata *
ditos de alpaka de n res e hnm n a '-Z. aisao de
meia rasemira a ii.'io rS$, smm na*n kn *
0-3. x-j. 10,5, H'v. ICi'ii. dii... .!. panno fa
preto a H. 1U3. I4V I6J. f e ">'. r..\-i* de
brim de er a 2-3 SaWM, (lili ato sM fcranen a
5 dilas dediio do Imho i :;.;.:.| 0 i trs >
cores a 25, de bnm .i 2Uon ras >
cores e prelas a :i:a) e i. i
)5, 6-3 o 85, de meia rasemira a 3W MM
misas francezas a 2-3 2."iiai
pregas largas a 3; e 1|m, crav;.'.-,. ,. .
qualidades de OO, UO, J.j e 1-3
de lodos os tamanhos e muilo bem Mea, i ara li-
quidar por ser lempo de fe la : ua ra da Irafera-
Irl n. ii6, loja da Arara.
Colchas para rana a t/y.
Vcnde-se colchas de dula para rama a t?, ditas
de damasco a M. dilas de fn-ii> a R?, rhila* para
roberas a 320, 360. 400 e 300 rs. o covado : aa
na da Imperalriz n. 'i6. k>ja da Aran.
A Arara vrndr madapala rafrslsda a lg.
Vende-se pecas de madapolo eof^>tada a V.3 a
peca, dito inglez de 24 jardas de n. 30. a -">
a .3,5500, n. 250 a 655UO r ~&:'AiO, n .3 *SmW.
vi.P 9*000, R. D. P. 1(1.5. ZZZ 11-5, n. l>.
I i3 a peca : alL'idozinho marcx> a ."-3-1 "
carne vacca a 7(5, dito dsme-lieo a '.', i '
pao ferro a 8J, dito SI.9 a 10*5, diio T a Vi e i;.
dito sicupira a 8J500, para liquidar, aa rna ta
Imperatnz n. 56, leja da Arara.
Palilols dealpaLa.
Vende-se palilols de alpaka prela de -15 r Z&tm.
ditos lios de cordo, lizas e branca* a ii raa
da Imperalriz n. 56, loja da Arara.
Ao baretriro da rea da Isaseralrii a. 53.
Vende-se seroulas a t&tW, dilas iranerzas a
I5600e 5 : e ontras moilo boas fazenda ^ne r>
freguez encontrar na loja da Arara, roa da lav
perairiz n. 56.
Machinas de vapore pa-
ra descarocar algodao.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido, coa-
do e de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e
de carrosa com mangas e
oixos de patente.
Ra doBrumn. 38, fundi-
co do Bowman.
Para a festa.
Vende-se a armago do deposito da ra da
Lingoea n.6, propria para fabrica de charutos e: Cjqz *d 22 eni casa de Caros & Barboza.
cigarros : a tratar na ra do Apollo n. 23.
Vende-se um selhm quasi novo, pois s ser-
Queijos fresco; a 3J, paseas novas rnaaMrfasi
a 24, e a libra a 400 rs., Agos a ICO, snarmrlaeta
a 300 rs. a libra, azeilonas a 144800 a ancorera, a
garrafa a 320, mantriga ingleza flor a i*M r *>
rs.. dita Irn reza a 640, rh mindiB*tt> a 5JW>
3J>, caf 1" sorie a 280 a libra, e 8*400 a al rafal.
de 2* sorle a 240 a libra e "500 a arrota, arria
a 100 rs. a libra e 3*5 a arroba, tonriano ala a
280 a libra, stearioas a 620, palitos para Vafes a
Vendem-se duas "casas terreas e m sobrado ,t,. mass. o *" ebooricas a MO r^
de nm andar, sendo tima dellas sita na ra Impe- "bra, gomma a 110, sabao massa a m' rs., -al
vio uma vez, com todos es arrrios, como tambem ra| e otitra na ra da Mangtieira da Boa-Viata. e em P,es de v,dro *^- conrrrvas a M rs. a-
uin par de botas brancas de montara : na ra de 0 sobrado tambem na ra Imperial, por pre'co ,aAcom bolachinha a 1*400. alrtria a zalharm a
Santa Isabel n. 9. commodo : a Iratar na rna da Praia. com Lonren- *,ibra. ferTeJa bT>nri/,IraJjfn- lnt*
co Ribeiro da Cunha e Oliveira n. 76. fino >o Porto engarrafado a 1*5120 800 r.. Maa>
-------------------------------------------- co para missa a 500 rs.. linio dr Lisboa a J* a
OllP IiPIii TiTPSeTitP I garrafa e 2*5600 araada, da Figorira a MO*
Chegaram de novo a ra Nova, loja n. 7, lindas .,ato a 260, vinagre a 100 rs.. tai a 480 : a*
bonecas ricamente vestida?, as quacs chmam pa- mazem da Estrella, largo do Paraso a. 14.
pai e ma-mi; 6 este um dos mais inure's;mle
O Sr. i. i. de Souza Serrano tem uma carta I -ica franceza, J*ua da Cruz n. 22
ne u typograpbia. (q ty
pre-
vmho do Porto especial.
O mais generoso e genuino vnho do Porto, mar-
cas novas e especiaes, em caixinhas de 12 garra-
fas, sendo marcaRainha de Portncala 18*5000
a caixa, e marca Pedro Va 16*5 ; em porcao
far-se-ha um abate razoavel : no armaiem de Fer-
relra & Malnens, junto ao arco da Conceicao n.
66. No mesmo armazem ha tambem excelente
vinho do Porto em anroretas de 32 garrafas a 30*5
presente que se pode fazer meninas de 6 a 10
annos de idade.
Mffinho de tera para ..
Grande porfi desles exrellentes mtHmksn. sia
Na rus do Trapiche n. 16, vende-se papel de chegados a ra da Cadia loja de ferrafeas i
cada uma, a em porjao por meooe algoma coas .'liaho de V qualidade para cigarros. Bastos, oa qnaes se vendem ornis barato c .<..*



Diarlo de Pernaubuco Quinta felra Je Dezenibro de iU4.

AS ARMAS!
>0 GRITO DA GUERRA JA' SE FEZ OUVIR.j
LA TAI BOMBA!
SENTIDO.
BALIZA
1*\^ Wb%^*
*
-
-
a
i 0 assumpto importantsimo.
1 O assumpto 6 importantissimo.
O assumpto importantissimo.
Ninguem interrompa o orador.
Ninguem interrompa o orador.
Ninguem intcrrompa o orador.
Reine o silencio em todas as columnas.
Reine o silencio em todas as columnas.
Reine o silencio em todas as columnas.
Grande liquidacilo.
Ra da Imperatriz n. O.
Uoja de fazcndas do pavao de Gama & Silva
Acha-se esle estabelecimento complelamenle
sonido de fazendas inglezas, francezas, allemas e
suissas, proprias tanto para a praga como para o
malo, prometiendo vender-se mais barato do que
em outra qualquer parte, principalmente sendo em
porgiio, e de todas as fazendas do-se amostras,
g-ixando flcar penbor, ou maodam-so levar em ca-
sa pelos caixeiros da loje do Pavo.
As lazinhas da exposico do Pavo.
Vendem-se lazinhas as mais modernas que tem
vindo ao mercado, proprias para vestidos e sou-
lambarques por serem lisas e de cores muito de-
licadas a 560 e 500 rs.; ditas lisas com um lustre
que parece seda a 646 rs. o covado, ditas com
quadrinhos de seda a 500 rs. o covado, s para
acabar : na toja e armazem de Gama & Silva, ra
da Imperatriz n. 60.
O Pava vende para luto.
Vendem-se superior setim da China, fazenda
toda de 15a sem lustre, tendo 6 palmos de largura
proprio para vestidos, capas, paletols, calsas etc.,
pelo baratissimo prego de 2, 2,5200, ^SOO e 3
o covado, cassas pretas lizas, chitas pretas largas e
estrellas manguitos, colarinhos, punhos, e eufei-
les, ludo preto proprio para luto Techado, e mulos
outros artigos que se vendem por precos mais
em conta do que em outra qualquer parle por es-
lar liquidando ; s na toja do Pavo ra da im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os bordadus do Pavao.
Yende-se camisiohas com manguitos e gollinhas
bordadas, pelo barato prego de ie l,>280cada
um, manguitos s a 500 rs. cada par, ditos com
Rollinha a 800 rs,, gollinhas a 400 e 480 rs., de filo
a 240 cada goHr&ha bordada, romeira de cassa e de
fll muito bem bordada a 2 cada urna, manguitos
que servem para calcinha de meninas a 640 cada
par, camisa com manguitos e gollas com a compe-
tente grvala do seda, fazenda tina, pelo barato
preco de 3& muitasoutras bordadas que se ven-
deni por presos muito em conta : s na loja do
Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos soulambarqne.
Pelo ultimo vapor francez chegaram riquisslmos
vestidos soutambarque, os mais modernos que
oeste mercado tem apparecido, os quaes esto
promptos com saia, cor prono e seu competente
soutambarque, todo guarnecido de seda, yeludo e
renda. Quem tiver bom gesto dirija-se loja do
Pavao, na ra da Imperatriz 60.
O Pavac*.
Na loja do Pavao vende-se moder-nos mantele-
tes de grosdenaples a rmrUteaode capas, as quaes
sao bastante compridas; assim como tem um sor-
limento de capas -preas as mais modernas que ha
no mercada, sendo ricamente bordadas. Ditas en-
feitadas tudo por prego oommodo : na leja de Ga-
ma & Silva, ra da Imperatriz n. 60.
As raodernissimas lazinhas de tima s
cor, a iinitaco de
de o p*vao.
Chegaram pelo ultimo vapor frsncez as mais
modernas lazinhas de cordozinho, as mais pro-
prias e mais lindas que lem vinde, proprias para
vestidos, sotitambnrques, capas, etc., dam-se amos-
tras deixando penhor, e vendem-se pelo baratissi-
mo prego de 360-rs. o covado : na ra da Impe-
ratriz n. 60, loja de Gama e Silva.
As lazinhas do Iavo.
Vendem-se lazinhas de quadrinhos transpsren-
tes, bafazcnda,>pelo prego de 280 rs. o covado,
ditas largas mullo finas a 400 rs., ditas estampa-
das, cor segura, padroes muidos e grandes a 320
rs. o covado,di;as transparentes com palminhas
de seda a 400-rs., ditas escocezas a 560 rs.,-isto tu-
do para liquidar : na loja e armazem do 'Pavo,
ra da Imperatriz n. 60.
Os grosdenaples o Pavo.
Vendem-se grosdenaples pretos, fazenda supe- (^0 de bolinhos frnncP7p rior a IJOOOrrs. o covado, ditos largos multo en- i ^driwls ae o"nnos rrancezesmuiio novos e
corpados a 23400, 25600, 35800 e 33000, ditos I Dein. moflo enfeitados a 700 e 600 rs.
brancos.er de rosa, azul e amarello a 33000 t.s Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
RA DO QIJISOIAIMI 3f. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
BE 11
NOVIDADE
Pereira Rocha 4 C. acabara de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Uar.m l uiiav-
ca, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que ven ao nosso mi
quaes serao vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencione" pMM 11
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Nao se admitte cooesia(;;io.
Nao se admitte contestar.
Nao se-admitte contostagSo.
Os aporaoos sao prohibidos.
Os apoiados sao prohibidos.
Os apoiados sao prohibida.
ADVERTENCIA.
gorgarao, ven-
Arroz do Maranhao, India c Java a 60, 80 e
100 rs. a libra, e 10800, 20600 e 30000
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
10200 e 10600, e em frascos grandes a
2*500.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 10200,10400, 106OOe2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpisla a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 Ys. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
AvellSas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
10300 rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 a BSrri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10600, 20,
20500, 20800 e 38000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Corteja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac in'glez fino a 90T rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, sde pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
200)0, 20200, 20500, 20800,
Franca muito somti .- --
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de
Painco a 200 rs. a libra. rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400rs. a libra. | Cevada a 80 rs. a "ora.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e.Ervilhas porlugiiezas a 640 rs.
muito novo a 640 rs. i dem seccas muito novas a 200
Queijos flamengos do ultimo vapor a 24800 figos de comadre e do pniiro r-rr
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor a
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs
cada.um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 60 0
libra.
Eigos em caixinhas emticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor qne
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, Pedro, D. Luiz I. Mara Pa,
Bocage Cbamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e era caixa com urna du-
zia a 9000e 100000.
rs. a hUr
de oilo libras e canastrinhrs I
10800, 5;V)00 c 280 rs. a l.ra.
Farinba do MaraaaJo a It'.O rs. a Mi
dem de trigo a 120 rs. z ll.ra.
Genebra de llollanda verdadeira mar
a 560 rs. o frasco c 62l' a Irva/a a .
dem em garrafes de 3 e 5 gales. a '.>&'
c 70500 cada um com o gil rafia
Graixa a 100 rs. a lata e I#i00 a di
Licores muito finos a 700 rs. a pmfc.
dem, quaiidade especial em garrafa* au
grandes, a 10800 a garrafa.
dem em garrafas mais pequeas a II 0 rv
dem, em garrafa forma de pera e naaa te
vidro, a .10000, s a ganafa \..le a -
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitanafn!*" n.'i .em-
barcada de pouco a 900 rs. a 1:1 .. ta
de segunda quaiidade a N0 r.
dem francez muito nova a 4> 11
dem de tempero a 400 rs.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a Maca de lmales em barril a 480 rs. a ,i
480, 500e 500 rs. a garrafa e 30, 30500 dem em lata a 640 rs.
Marmelbda imperial dos melhorfs. < n Ci-
ros de Lisboa a 60*rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, fravcoa pi
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Macas finas para sopa: tNatofta, | tate.
rodinha c. aletria a 600 rs. a abra 11
a caixinha com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a fiara
c Peixt em latas preparado pela pral
, de cozinha a 10 a lata,
i Paliios de denles a 160 rs. o mace
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa,
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70OOO a 70500 rs.
a duzia.
Idem.MorgauxeChateauluminide 1851, a 10
a garrafa,
dem muscalel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa
102OOrs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 10500 rs.
denominada! libra.
rs.,
Antes de entrar na analeria o oconsavel Bamzy, nao pode paesoendir de
Ifazer o seu signal de hor-ir as doiradas coroas e mai feitas mitras dos falsos^
'apostlos do jprogresso, -inimigos do ,povo e chupadores do sangue da;humani-\jr i
idade. $$
A detestare 1 sede de oiro tem obseccado seus coraoocs de vampiros. |>.
Querem fazer fortuna-com a rapidez do coriseonao sabem ter f nem v
esperar.
Sao os perfeitos unos da clvimacSb.
Malditos sejam ellesja que niio.t possivel ao E/jza pr-lhes as mitras^
^na cabeca os bculos na moos sapates esmaga cabas nos ps e es,polos aocsf
L publico por tres dias. f^
4
iiiiii:*i aio da.
N'esla casa ne se illude ao povoos pesos estao afeadosa balanza do^
)mlhos fabricaote ecolliidos a sontade por todos, desde o pobre agoniado (Harim at o mais alto^r
^General. fm
Nao sendo o agudo e a iTiscEiuDAnE predicados <|ue rnente tivessenicp;
,chegado para bico da domesticadas encantadora aguia bretiot, esto dadas ae
2mai6 terminantes ordens para que Tora em diante se redobre as attences para
com todos os freguezes, e forma que se opere a mais perfeita liga de enteres-
Ises recprocos, a fazer ioveja a todos at ao proprio cavalletro da esquina da ra
'Nova.
Q*ando ao dispontar da brilhanle, aurora aa da ONfafli Minante, fizer
{ouvir o garboso gallo vigilante, com aquella bisarria que Ihe propria, o seu
canto sonoro, signal de diamada dos amars freguezes e predilectas freguezas,
Uambem o solicito Baliza estar prompto em ordem de marcha, agradavel como
' aguia branca, diligente como o gallo, grave como o propketa, ao mais per-
ifetto e continuo raovimento, servndo a todos, e a todos contentando.
ADDITAMENTO.
O precos do grande sortimento d'e6te magnifico armazem, se acham con-j
sideravelmente reduzidos, e a respectiva tabella deixa de ser publicada por que
\a alma do negocio o segredo. Os freguezes reconhecerao era vista do objec-,
'to que pretender que o preco que se lhes pedir ser t5o rasoavel que nenhuma'
q reclamacae fferecer5o. Venham todos a.
RA l>0 I.IVIlAMi:\TO 88
h% GRANDE AKMAZ DE I0LHADOS
DO .
BALIZA
PROPRIEDADE
DE
M. PEDRO DE MELLO.
o covado : >na loja de Gama fie Silva
do Pavao, ra da Imperatriz a. 60.
As uevas:iaas garibaldinns a 3Q0
na loja do Pavo.
Ven(!f{n-ce as mais modernas lila/Julias gaiilial-
dinas, fazenda inteiramente nova no mercado, sen-
do todas com lislras miudiriha?, e transparentes,
com lustro a milarao das sertmhas, >tendo varias
cores, sendo azul, cor de lirio, rarmezim, cinzenta
e cor do Iwvana, etc.j isto a -500 rs. o covado para
vender depfesfj; na loja do Pavao, ra do Impe-
rador n. GC de Gama &.Silva.
Us mais ttoderees vestidos Mara Pa,
r. loja do Pavo, a 16$
Vendem se finissimos ves;idos M.tria Pia com i
os eorpinltos differentes, todo lodos os preparse
rom o complenlo sinto : n^ ra da Imp&ratriz n.
1 G0, loja do!avao.
Umisiiiliasa ljjOOO"
Vendem-se camisinhas com manguitos, sendo
muito bem rafeitadas, proprias para senlioras e
meninas, pelo bai'alo preco de dez lustes cada
urna: na loja do Pavao, rilada Imperafriz b. 60,
3 Gama & Silwa.
Vestidos para ti;eninas.
.vendem-se os mais modernos vestidiohos para
^meuinas, sendO'tnuilo bem entallados Mara Pia,
itenrto de difiranles tamanbos, .pelo ralo prego
de-S cada um: na loja do Pave, ra. da Impe-
rairiz n. 60, de Giima & Silva.
Ruupa feita bar(a.
Vende-se um grande sortimento de roupa feila
para hov^ens.^endo calcas de brm brance e de
cor, ditas de casemira prela e de cores, ditas .de
meia casemira, paletos saceos e soareeasacos de
casemira .e panno preto fino, coUetes de todas as
qualidados : na loja ie Pavao, ra da Imperatriz
n. 60, de Cama & Silva.
lirdsilMiapIcde ror a IC0O o ewado.
Veode-sefjrosdenaple e cor azul, Irasco e pre
to, pelo ralo prego de 1^600 o covado; na loja
do Pavo, ra da Imperatriz u. 60, de Cima &
Silva.
Panno de Jinfao a 706 rs. o covade.
Vende-se o vrdadeiro panno de bnho proprio
para lenges, toallias e ceroulas, pelo barato prego
de 700 rs. a vara : na loja do Pavao, ra da im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
EcADMiia do Pavit.
Vende-se para acabar, urna pergio do retallas
de laas e cassas de loda6 ac qualidades, e por pre-
gos mnito em coula; quem tem economa que
pode apreciar : istona lr> do Pavao, ra da Im-
peratriz d. 60, de Garr. & Silva,
Hadapolo a "000. s na loja do Pavo.
Vende-se superior madapolo muito encornado,
tendo 20 varas cada peca, com 4 palmos de largu-
ra peto baratissimo prego de 7,}000 a pega, dilos
muito unos a 85, <5 e 105000. E' pechiocha, na
loja o Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cortes de cassaa3000.
Vendenvse muito bonitos corles de cassa, tendo
7 varas cada eorle, com desenhos muito delicados
pelo baratissimo prego de :i000 o corte; s na
loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Corles de cbita franeeza.
Vendem-se finissimos cortes de chita fran-
eeza, com 12 covados, lendo, padroes escuros e
alegres de cores (Isas pelo baratissimo prego de
45000 o corte; s na loja do Pavao ra da Impe-
ratriz n. 60 de Gama $ Silva.
Cobertores a 1800.
Wndem-se cobertores de 2 faces, sendo bastan-
lantes grandes, pelo barato prego de 15800 cada
nm ; so na loja do Pavo, ra da Imperatriz nume-
ro 60.
v' Cambraas lisas, na loja do Pavo.
Vendem-se pegas de cambraia lisa mnito fina,
tapada e transparente, pelo baratissimo prego de
45000 lendo 8 i/2 varas cada pega, ditas muito fi-
nas a 75, 85, e 95 a pega, ditas Victoria com 10
varas pelo baratissimo prego do 75, 95 e 105, di-
tas Garrazes fazenda muito encorpada, fazenda pro-
pria para forro a 360 rs. a vara ou 5600 a peca ;
isto na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Cortes de lia a 5*5000.
Vendem-se corles de las garibaldfnas, malea-
das e de quadrinhos, lendo \-2 covados cada corte
pelo baratissimo prego de 45000 o corte; isto na
loja de Pari, roa da imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
35000 el.
34500 a caixa. Alm dos gneros cima mencionados te- dem de denles a 120 rs.
Caf do Rio muito sperior a 280 e 320 mos grande porreo de outros que deixamos, dem de flor a 200 rs.
rs. a libra e8^500 a 85800 rs. a arroba. | de mencionar, e que tudo ser vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. a 1..
pe?as e carnadas, tanto em porcoes como 1 Doce de goiaba em latas o melhor .
retalbo- -# e em cai*3 a fii<) n-
Quem comprar de I00;>000 para cima te-: Palitos do gaz a 23200 a pal
r o abate de 5 por cento. I Passas muito novas a
480 rs. a
MACHINAS liEPW-
i
de
1 m ujimiil
GRANDE E MJMPTOSO ESTABELECIMENTO
DE
\OYOS IL I>C OI.IIIIHS ^eKO
TANTO EM GHOSSO COMO A RETALIIO
60 RII4 MOVA O
lltma cana junto i ponte da Boa Vista.
trabalhar a maa j
descaroear aigo4}r.
Por Plant Brotber &
OLMS

magnifico estabeleci-
DUAS PALAVRAS.
Cesse tudo quanto a amiga mua canta
c Que outro valor mais alto se alevanla.
dia-se a diptoicjQ do respeitavel publico este grande e
ment de molhados, talvez o primeiro e unioo boje existente em sua especialidade, por-
que o mior capricho decaaos dadas com mais apurado goslo de abrir um estabeleci-
mento raoelo promoveram a esoolha dos mais superiores gneros do nosso mercado,
que por serem comprados em grande quantidade e pagos quasi todos a dinUeiro a vista
deu lugar c cbtencSo de vataagens, -que repartidas como vo ser pelas pessoas que se
dignaren! detonrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanza de agradar a
todos, nao ;pelo emprego das maneiras condesoondentes o delicadas de que somos ca-
pazes. como pet pralica da promessa que fazemos d-; vender polos pre;os quasi do pri-
meiro custo o no6so. magnifico ortknenio.
Pesando .muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diversas classes da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharo
em uosso armazem os melbores eraais esquisitos vinboa, licores, champagne queijo, etc.


rota
ei
vin '"
di H
1 rana
MM i
lunpu.
jr-
AttHR como machina^ para r
animaes, que detcarocaj 18 arrol 3
limpo, por dia.
Os mesmos lem para vendr
por qne pode fazer niovr ,- i ,
mencionadas ; para o que conviia<- a
agricultores a virem ver e examir... rn--
zem de algodo, no largo da ponte m .
Sittindfrs Riothers t
X. II, praca *oormoH%tto
IIEC.IFK.
Os nicos agentes neste paiz.
ni
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do yneimaitu u. 49 ,;,,,
etc .etc, e qaelles.oue nao podem dispor de grandes recursos, que s compram o neces- connecidoja como tai, Miadi-j. n'o na i.
sano, promeltemosilhes servi-los de gneros novos e sadkas, escolhidos ao seu contento. SSSVJSi o'cb tr?
O real do pcfcre sef recebido com t5o boa vontade, como a moeda de ouro do Baraihos de canas para aaaWa> maTiT
homem rico. i finas a......................... .
As pessoas que nos fizerem a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com- jff****** "* lrox:i 1 a I "
prar para seu gasto, ou para negociar, voltaro satisfeitas, nao s pela boa quaiidade dos jSaSac'J finla ,^:"la,1 :
objectos, eorao pela Gdelidade dos presos, e bom acondicionamento. Masaos ce superiorrmpo*'para rateaos
O futUXO nOS justificar. P.0"as de Pa|ilos de gaz soperierrs a
Libras de ara preta rnuitu superior .
Frascos de superior macara oleo a
Ditos de dito perola a.
CAVACO NECESSARIO
Devemos ao respeitavel publico algumas palayras relativas ao pomposo ltalo que m5*._ .'' m"" r'rr< a 3i0
adoptamos. Ei-las. Ditos de agua de colonia oprior'.nraa-
Existindo oeste vasto e florescente imperio um grande partido poltico com a 1 tida............................
denominaco de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente, i JjJfJ ^e ba.n!ia_ "I"'1.'.'fioa *
capaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
Ria-se quem quizer, porque nos tambem nos riremos mas n3o se zangue
ninguem.
O nome urna voz com que se dao a conhecer as cousas. esta a mais
breve, clara e sincera explicacao que, pelo methodo repentino, podemos dar.
Mas a quem nao seguir o partido desee systema diremos mais :
No oriundo do Brasil o imponente titulo do nosso estabelecimento. Foi a
muitas centenas de leguas que apanhamos a nossa Liga.
Na soberba e opulenta Inglaterra houve um rei que instiluio a mu honroza or-
1em da Liga. 0 acaso nos fez deparar com a narrai.Tm desse acontecimento, que lan-
o sorprehendeu a corle desse monarcha. Agradou-nos esta historia e goslando sum-
.namente do trage do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenbar, e col-
locando-o no oitSo do nosso estabelecimento, temos assim feito dstingui-lo dos outros
que se assignalaram com mitras e coras.
Iloiiui soit Albuiis
para 20 at 200 retratos, muito bons e por menos
prego que em outra qnalquer parle:
Crespo n. 4.
Vendem-se o 1* 2o e 3o tomos das biogra-
phlas de alguns poelas e onlros homens illuflres
da provincia de Pernambueo, pelo eommendador '
A. J. de Mello ; obra que todo Brasileiro, e mor-
Batata todo o Peroambucano deve cerhecer ? dar a
ler a teas Qlbos : na ra do Imperador ni. '
Yinho do Porto engarrafado
na rna do Vende-se superior vinbo de Porto denominado
D. Pedro V e rainha de Portugal, em caixinhas de
urna duzia de garrafas -, na ra da Cadea do Re-
cite n. 66, armazem de Ferreira & Matheus.
Bixas de Hmburgo
Vendem-se na rna Nova n. 61
Ditos de cheiros muito linos para o preta
a ris...........................'
Sabonetes de todas as qnalidades a CO r
160, e............................
Novellos de linba com 400 jardas a
Carriteis de linba de cores com 200 ar-
das a.............................
Novellos de linba de gaz de todas a< cu-
res a............................
Pegas de fitas elastic; s com 10 varas pa
ra vestidos a......................
Frascos de superiores cheiros, pequeo*, a
Pares de ligas muilo superiores e Uf-nita*
a res............................
Varas de biros Irancezes, saperiorr a .
Opiata para denles da melhor ne ha a .
Fraseos ie agua pan denle?, superkr a
ludo a.........................
Pegas de tranca prela ua ninilo lira 2 .
Caixas com 4 papis deagolha* Vicloiu a
Varas de fija prela rom colxetes a......
Libras de 15a sorlida de todas as afM a
Booecos de choro mnilo bonitos a......
Caixas de obreias de ma ssamolo novas a
Varas de franja .branca e deires para
toalhasa.........................
Frascos de oleo Philocomescopenor a...
Dilos com superior linfa a350 e........
Caixas de linba de gaz rom .OnoTello; a
Eofiadores para espartilbo .......
Dnzias de boies enrartMdos para vesti-
os a..............................
m
>:-
30
2TI>
aj
1
a
19


Otarle de reraasfeaeo Qulnia fetal sea de liezembro e 1131

AURORA BRILHANTE
GRANDES RMZE\S
RE
10LHADOS
Ei
Largo da Santa;
fgjfprai ns. 42e84,S
A s^esjuioi da ra doj
Iv^:?
** W*
Largo da SantaJf?
JCruzns. 12 e 84,W
. Sesquina da ra do 34$
ESI'ECIAES b3q. f
O dono dos ja mullo acredilaulos armarens de molhados denominados Aurora
un.unte, acaba de receber de sua propria encomtnenda, muitos gneros delicados
l-iM.-ri da presente eilaeuo, e tendo randa sorlimeiito comprado aqui.aanra que todos
os seus gneros sao de i.* qualidade.
iadyr t seguia,e Ubella setvir a ... ^nhuin armazem vender mais barato, o melhores gneros do que a Aurora
uriinante, ja p.o grande sortimento que tem, j mesmo porseu dono se achar encora-
inoJadd em sua saude e ler de vender um de seus arnjazensagora, e o outre na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveitar ama quadra dess para se comprar
Latas com 8 libras de chourigas muito novas,
a 7)ju0.
D:as grandes com peixe em postas inteiras,
bwiide 12 qualidades, a 1,f$000, 10*80 e
Ditas com ostras, excellente petisco para fre-
friJeira, a 7*0 rs.
0ll-% .CJI" ervlnas novas, ensopadas, a
Ditas rom tara, a iOrs.
OJJ Ditas com ain.ixas a i200, 1ft00 e 3J300.
-r5rc. Oitij com marmelada do afamado fabrican-
;^,0> iite Abreu, a 880 rs.
A> PlUs Me massa de tmale, a 500 rs.
, Ditas com ligos de comadre, dovos, a 15300.
Bilis com biscoitinhos inglezes de muitas
qualidades, a l^'i^O.

:,>
Bitas com bolachinlia de soda muite novas, a
25000.
Chocolate.
Charlale superior muito novo, a libra a
15200.
. S3 Macarriio telbarim e alelria amarella.a libra
'i, a 480 rs.
, ; dito dita branca, a libra a 400 rs.
,: \ Liias cun eslrelinha, pevide e outras mas-
:/ *as. a caixa 35500.
.'i^r. Hilas ilia era libras a CiO rs.
'M Sag, a libra a 360 rs.
Sevadinha para sopa a libra a 240 rs.
Brvilh is seccas, a libra a 160 rs.
DitJS descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca nimio nova, a libra a 280 rs.
Parinha de araruta verdadeira, a libra a
600 rs.
Arroz do Maranhao, em sacca a arroba a
25W0 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 35200 e a
libra a 100 rs.
Toacraho de Lisboa a 95300 a arroba e a 320
v. a libra.
Di'a da -auto?, a arroba "5000 e a libra a
260 rs.
M >:hos rom 12o sebolas grandes, a 15280.
J -' ir la franceza caixa cora 2 duzas a
83000.
\') Frascos com mo?tarda preparada era vina-
'- .] ttrt, a 400 rs.
e francezas,
-
s
1



Ditos < .o conservas ingleza
a : le 800 rs.
Ditos com sal refinado fino, a C40ea500
ris.
Ditos rom a verdadeira genebra do larania
a 13200.
Ditos iIh 2 garrafas de Hollanda verdadeira,
S000.
Ditos de 1 garrafa de Hollanda verdadeira,
a 010 rs.
B;':- com dita propria para negocio, a
400 rs.
larrafoca com 2 gal5es com dita, a 65000.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 65000.
Vlnno mscate! de tetuba, a garrafa a
, p Irj ".'0.
/i Ifarrasqaioho verdadeiro, frascos a 800 rs.
/ c a 15203.
. CiMinp.'jne, a duzia 2050OO, e a garrafa a
. '! \ 2-3000.
Azeite refinado portuguez e francez, a gar-
rafa a 15000.
, fA Caixa di) vinho Bordean* muito superior, a
V 7-3.83, 95 c 105 a caixa.
1',-. Ditas cora dito raneo, a 75000 a caixa.
. .) li 1 is rom dito lagrimas do douro verdadei-
C y> 10, a 205.
Bitas com duque do Porto verdadeiro, a
83000.
Ditas c un chamisco superior, a 145000.
Ditas com Porto velho e outras mullas mar-
cas, a 125000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640,
720 p 800 rs.
Dilo de Lisboa muito bam, a caada a
332IH), 33500 e 45OOO, e a garrafa a 500
e 560 rs.
Do da Figueira, das seguales marca, (N.)
(J. A. A.) (J. L. G) (O. M.) a caada a
45>00 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
nup j est engarrafado o lacrado com o
rotlo do armazem.
Diios d" marcas mais desconhecidas. a cana-
da a 33500 o 45OOO e a garrara a 480" e
520 rs.
Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 35500 e a garrafa a 480 rs.
Gorama.
Sacras do 4 arrobas, a verdadeira de se
engomraar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs.
Sabo massa, a libra a 200, 240 e 280 rs.
r'arinha.
.-acras grandes cora krinba deGoianna mui-
to nova, a 55000.
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 85,
83500 e 150OO.
Cha.
Cha temo3 uestes gneros o melhor possivel,
hysson, a libra a 25',00.
Dito pcrola a 35000.
Dito uxima 25700,
Dito hysson muito tino a 25800.
Dito redondo a 25500.
Dito pr> :o de primeira qualidade a 25500.
Dito mais baixo a 25000 d 15600.
Erva mate.
Kxcellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espermaccte.
O masso com 6 vellas de espermaccte a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prlas para mimos a 45 e 2go00.
Nozes.
Notes, a libra 160 rs e arroba a 45000.
Alpista e painco.
Alpista e painco, a arroba UO00 e a libra a
160 rs.
Cartas.
Cartas finas parajogar, a duzia a 25500.
Caslanhas.
Castanhas novas viadas neste vapor, a arro-
ba 45000 e a libra 200 rs.
Azeitonas.
Uarris com azeitonas novas a 15300
Manleija.
Manteiga flor, a libra a 15000.
Hila mais abaixo a 800 rs.
l)i(a menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e nietos ditos, a libra a
660 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Queijos.
Queiiosflovos vindos neste vapor a 33200 e
35500.
Ditos londrinos muito novos, a libra a
15000 *
Papel.
Papel almaco pautad, a resma a 45800
Dito dito liza de linho, a resma a 45500
Dito de peso zo e pautado, a resma a
23300
Dito de embrulho bom a 15 e 15200.
Vinho Madeira.
Garrafas com o verdadeiro vinbe Xerez e Ma-
deira a 15300 e 25-
Temperos. (
Folhas de louro, pimeota do reino, cominho '
e cravo, a libra a 4"0 rs.
Velas de carnauba. 1
Massos cora 6 velas de carnauba refinada a '
488 rs.
Amendoas.
Araendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Calata de doce de goiaba, grandes a 15400
e pequeos a 640 rs.
lijlos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
(iraxa.
Duzias de boioes de graxa n. 97 a 23600, e
de latas a 15000, e os boioes a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos linos.
Charutos Anos dos melhores fabricantes da
Rahia por diversos precos, caixas e meias
caixas.
i E grande quantidade de gneros tendente
,>; a estes estabelecimentos, que deixain de an-
nunciar-se.
-v
' risa. ~'Q
Pechincha sem igual.
Lindos cortes para vestido de percales de cores
claras e escuras com grande variedaie de padrees
prio baratissimo prego de h% o corle: na luja das
g himnosrua do Crespn. 13, de Antonio Cr-
rela de Vasconcellos A C.
Polha de Flandres.
Vcnde-se na fabrica da lravcssa do Carioca 'a.
-,<'. n is, superior folha de Flandros: [a
ver e tratar na raesma fabrica.
0
NEM COROAS NEM MITRAS
ItAJ%'IIE
ARMAZEM
DE
RlIA DO I9IPRABOR \. O
Junto ae sebrado em que mora o Sr. Otbroe,
uarle Almelda & C, receberam de sua propria eucommen-
da o mais lindo e variado gortiinento de molhados, proprios
da presente estaco.
Manteiga ingleza
da safra nova vinda no ultimo vapor a l.ooo
NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaram os modernos vestidos de dentelle de seda com bam, ntatramtn'i novo*
em gosto e qnali.lade : loja das columna, na ra do Crespo n. |:i' da Aaiooio Correia
de Vasconcellos & C, snecessores de Jusc Mureira L*aes.
Fazendas de bom gosto
Para vestidos de seoliora
Superiores cortes de seda de cor, de morante, da r*|ara<> e de setinr imperial.
Ditos de blond, e de cambria branca bordados.
Ditos de lia com barra e grande vanedade era cores e r-adres.
Ditos de organdys com barra
Lindas sedas de quadros osrosseza a muidas.
Superiores laas lisas com grande variedade de cores.
Ditas com salpieos, com Dores e de qnadros.
Lindas pampolmas de quadros e de Ocres, fazeoda loleiramente nova.
Superiores cassas de cores, e lindas cambraias organdys.
Grande variedade do chita de cores, de percalia eooiras maltas faadas de gosto

rs. a libra e em barril a 800 rs.
Hanteiga franceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a 560 rs.
Araendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2M00, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolacbinhas de soda de todas as qua-
lidades a I 5300.
Chocolates
de todas as qualidades a 13000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chocados neste ultimo vapor a 2$6oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 2G00 cada um.
Queijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricimente douradas,
proprias para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
o melbor que se pode desejar, que outro
qualquer no pode vender por menos de
3 a 20600.
dem pcrola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que'tetn vindo ao nosso
mercado a 2,0600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talliarim e aletria a
480rs. alibra.
COG\iC
0 muito afamado cognac Pal Brandy a i,800
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a l.ooo e 800 rs. a garrafa.
TOPOS
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
Lindas capas e bournoux de casemira de cor.
Ditas de laa e de seda.
Grande variedade de sout'embarques de seda de .185 a 405.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados finos, de cachimira cora listra* d
seda e de Ol preto.
Camizinhas modernas, zuavos brancos e de cores, coctes de cambraia lindas col-
Iinhas con punhos e outros muitos artigos. *
Para cabeca de seniora e menino
Superiores chapeoe ohapellinas de palba de Italia eafeitades para senhtra
Ditos de feltro enfeltados para senbora.
Ditos de palha enfeilados para menino.
Grande sortimento de enfeites modernos de retroz, de froco, de cabello e de flore-;
para senhora.
Na, loja das colnmoas da ra do Crespo 0. 13, de Aatooie Correia do Vaacaaeel-
10^ O C *
1^^?53" r!Z*> '^^ G?Ki- -^^ rGO- -OCo
Maas brancas Tm hmim de mUn
para sopa a melhor que se pode desejar,
macarr3o, talbarim e aleiria a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e I
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado dos melhrires fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 102001
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar
cas sao asseguintes: Chamisso AFilha,
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica damesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a ISOr? M bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
^ftfcreou,ros m\BJBr^~ Sai^.tswtStSSSrS^
Arroa fss'm0k lra o clima deste pau: quanto as vozes sao melodiosas e flautadas e por isio Libt-S
do Maranhio a 100 rs. a libra, e da India! ve,s ^os UV,dos do,apreciadores. u,aaa- ,sto mu,t" ^ra**'
a 80 rs a lihra p S/fOfl a 1SOOO a ar- f^em-se conrorme as encommendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. BIomI.-! de Parv-* sori
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo v,ndidc oor
presos cornmodos e razoaveis. ^^ cui J. VIGNES.
M, &&. RA BO IMPERADOR A.
Us pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhe;idos para qne seia necesario insistir s.ib t
sua supenoridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores, qualidade e^*i5
SMtm? fS u dein,t'vamnte conquistado sobre todos os que tem a, jarerido nesS ,,rZ^lZ-
suindo um teclado e machnsmo me nfeedecem m,ie .. ,.,1,j.. .L':.l." I .,r*!a am^
CAF
de l.1 e 2.1 sorte do Rio de Janeiro a 803f
PAPEL,
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo. a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
de excellente qualidade a 20200 a resma,
PAPEL
! azul e pardo para embrulho de 1,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Coriuthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano eai chapa a
l,4oo rs. alibra.
Vinagre
PRRem ancorelas de 9 caadas a lb'.ooo rs.
cada urna.
CeMlas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l.ooo rs. o molho.
Alpista o Iraiuco
o mais novo do mercado a 14i, -s. a libra,
C 40400 a arroba.
CEBLAS
maito novas 3 10000 o cont na ra do Qne:-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Car um n. 9
GRAO DE BICO
muito novo a 30400 a arroba e 140rs. a li-
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
(arrleles
com 4 */> garrafas com vinagre a 10OOO9? i
ogarrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frase, e de 110000
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 com
12 frascos.
GENEMRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a Goo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES -
finos de todas as qualidades, a 10,000 a caixa
cora urna duzia e a 1,000 a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de esnermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas maito novas
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Osee da casca da goiaba
a 600 e 10 o caix5e.
GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar-
roba e 140 rs. alibra na ra do Qoei-
madoi. 7, ruado Imperador n. 40 e largo
do Carme r. 9
BOLACHINHAS
ATTENQA EXCELLENTISSIMAS SENHOBAS
^.'Chales de remla'i
^ de muito bom
gosto. i
Exccllentissimas
E\cellcntissimas
,."? 1
......
'..Chales dr renda i
de muito boa .
gesta. ,.
{ v
E
a
as I
Para missa do gao
A lftja (Ja ra do Crespo n. 17, de J Gomes Villar.
Receheu de I'aris chales pretos de renda o rae ha de mais chique, para
cellentissimas senhoras levarcui
A missa d> gallo
com os seus vestidos lirancos, rn^lo preco de Vi& o 205 11 admiravcl pechincha !
vestidos a Mura l'* de dvcr.-as (/iiaiidades, caaaeflaa, eapaa aeafaaalavajaw
^Mt
PSSlfDAe BAEATISSIlf^^
Sal
N. 10-Rua do Crespo-N. 10
Cortes, vestidos de cambraia, branco com lista, finos 8*500.
Soulambarques pretos ricamente enfeilados 250000
Organdys d'uma s cor, fazenda moderna 800 rs.
Grande variado sortimento, chitas largas de 280 500 rs.
Bramante de linho. espantosa largura i 20400.
Cortes de vestidos de linho de flores 15*000.
Um completo sortimento de chapeos francezes 8,->:>00.
Na ra do Crespo n. 10, loja do Principal Barateiro.
bra na ra doQueimrdo n. 7, ra do- em latas de defferentes qu?.:idades a 10200
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
QUEIJO SUISSO
a lata
QUEIJOS FLAMENGOS
muito fresco a 800 rs. a libra na ra do chegados neste ultimo vapor a 20800 na ra
Queimado n. 7, ra do Imperador n. 40 e
Urgo do Carmo n. 9
do Queimado n. 7, roa do Imperador n.
40 e largo do Carmo n. 9.
P0MS4
Vende-se potasa am barris a commedo prego o
na raa da Cruz n. 23, primeiro andir. eseripton:
de Aulouio de Almeida Gomes.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeiro Principal rna do Imperador b. 40
NOVIDADES.
Quoijos do Alentejo. ditos das ilhas o mais fresco que so pode deso-
jar a 10OO alibra, e sendo inteiro ter algum abatimento, ricas caixinhas
redondas enfeitadas, proprias para mimo da festa pelo barato preco de 40
cada tima, ricas caixas de figos tambem proprias para mimo de 800 10500
cada urna. Vonde-so nicamente no armazem Verdadeiro principal, ra do
Imperador n. 4.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
li.0 a lata : nos armazens da ra do Im-
perador n. 16 o ra do Trapiche Novo n. -g
ffSIi
Venoe-se superior viiho do Porto em caixas de
urna dniia : em easa de 1 olmston Pater C, ra
do A'gario n. 3.
0
Afn aun de uioSli&do
81RA DO IMPERADOR-SI
Segunda casa do lado direito iudo do pateo do Colirio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfaco de avisar aos seus freguezes e ao respeiiavef
publico que, estando restabelecido de seus incommodos de saude, acha-se novanunlo
com um bello e betn sonido armazem de seceos e molhados primorosamente e.scoilmloi;
como sempre caprichou lerdas melhcres qualidades, efrancamentaJfaacatpMn qu
se dignarem comprar em seu estabelecimento,que alli de preferenci i ;i nutra qualquer par-
te sero mais bem servidos, em qualidade e precos, como em pesos e medidas, n que
sempre o annunciante foi escropulo>o, om summa, tifio illude a pessoj alguma.
Aos Srs. de engenho e lavradores que o quetram iKmrar como seu comitente liif-t
assegura que o producto de sen laborioso trabalho ser o mais betn reputado no ni.-iv.i-
dodesla praga, para oquesejulga convenientemente habilitado pela louga pratica coffl-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachadus com presteza, depoistkse-
rem lielmente cumplido as suas ordens.
Fornecer gneros aos Srs. agricultores e negociantes que Ihe merecam cooanca, b-
zendo um abate vantajoso aos que pagdrem a vista suas mercaderas, e eocarrega-s da
venda de qualquer genero do paiz, mediante urna mdica commissao, entregando de
promplo seu pr< duco, e sendo este applicado compra de gneros em seu armazem.
prescindir da commissao.
Dos seus antigos e benignos freguezes espara o anauncianto sua valiosa proteceo, fra-
qoentando como outr'ora sua casa, e pelo reconhecimento que Ihes tributa offerere espon-
tneamente seus servicos.
Julga desiiecesario publicar a tabella dos presos de seus gneros : sao seus tecursoa
garanta sufficiente de poder accr.mpanhar os menores pr'egos de idnticos e mesao d
mais apparatosos estabelecimantos* leudo jmente em vista o augmento de suas vendas
diarias.
revenda neceasarla.
Teodo sido o proprietarfo estatielpeklo mutlos anuos com a nimo ramo de nego-
cio namesma ra, julga prudente advertir que.saffirma e se responsabilisa pelo qne
tem declarado no que disser respeito ao armazem.
Superior cal de Lisboa.
Vende-se superior cal z Js**i a mais nova
que ha os cercado, tanto em porcao como a reta- (
Iho, por barato fru^j, aflanando-se aos compra-1.
dores uperior qnalidade : a tratar as segnir.ips
mas : Crespo n. 7, Imperador n. 18, Forte do Ma-
los, armazem do Sr. Ayilla, defroute ^trapicho
algodao.
Vinho do Parto superior
em barris do oitavo e dcimo, vende Antonio Luis
oVWr^^ casa do lado direito indo do pateo do Collegio,
Si-RUA DO IMPERADOR-SI
ILEGVEL



Ditrl* 4c
hum -- Quinta /eir 99 de Descubro de S4.
r
l.<
flO PUBLICO
Sem o menor constran-
glmento se entregar o
Importe do genera que
nSo agradar.
ATTENQAO
Os preeos da seguate
tabella para todos, po-
dendo assim servir de ba-
se para o ajuste de eontas
com os portadores.
Una do Crespo n. .
0 gallo vigilante teodo sido agraciado pelo pom-
poso Balitea, na sua ordem do da, e pela Id anca
Agnia, apeer de que, para esles o Gallo com seas
agudos esporoes nunca os offender, antes os agra-
ciara na mcsiHa conforniidade, para que o Baliza,
possa marcharen) frente, a Branca Aguia possa
levantar seu vo/lcvando no bico as palinhas seu
Biaba ; e o Gallo licara em seu espagoso campo
dando de novo o sea canto aanunciando aseas
boas (rcguezes e ao respeilavel publico
0 grande sortimento deobjcctos demuitogostoque
acaba de receber.
Ricas caixinhas com msica ricamente enfeita-
das para costura, proprio para um delicado me-
nino.
Riquissimos cofresinhos com cadeadosd metal
para guardar joias.
Ricas caixas cora estejo, contendo todos os per-
teaces para homem.
Riqui.-simas volias fingindo perola.
Ditas com lacinhode lila.
Ditas de lindas cores preta, de todas as gros-
suras.
Lindos aderceos com pedrinhos fingindo bri-
lliantes.
Ricas fivellas para oto, de todas as qualidades
C l.'OIH gOStO.
Ricos cintos do ultimo posto de Pars.
Grande sortimento de lindos enfeiies para eabo-
ga, sendo do ultimo gosto e de lados os pregos.
Flores rouito finas para noivas.
Loras enfeiladas e meias de seda para noivas.
Chaposinhos, sapatinhos e meias de seda pan,
baptisado.
Riqusimas filas de todas as qualidades para la-
go, cinlosecinteiros.
Camisinhas e golinlias para senhora.
Riquissimos jarros e figuras para ornamento de
ala.
Grande sortimento de gravatinhas lano para se-
nhura como para homem.
Luvas de pelica branca e de cores.
Cascarrilhas de bonitas cores.
Trancinhas, galao e-maravilhas para enfeites.
Transelins de cabellos e de retro* para relogtos.
Papel amisade e de oulras qualidades.
Bolsas para viagem.
ntremelos e babadinhos de lindos padrees.
Leneiuaos de linho bordados.
Meias para hornera, senhoras, meninos e meni-
nas.
Fitas de Teludo lisas e com mtame de todas as
larguras.
Ttiesouras e caivetes de todas as qualidades.
Grande soriimento de sabonetes.
Lindos vasos com banlta para offerecimentos.
Caixinhas com seis frasquinhos.
Esseucias de lodas as qualidades.
Agua verdadeira Florida.
Agua da Colonia, era garrafas grandes, e em
frascos quadrados egarralinlias.
Pomada lina de todas as qualidades.
Superior banha em frascos e copos de lodos os
nannos,
Sabao inglez em paos grandes e pequeos.
Escovas de cabo de raadreperola, marlim e de
osso, para dentes.
Pentes para desembaracar, com friso de metal e
sem e/le.
Ditos de tartaruga e de muilas oulras qualida-
des.
Pentes de tartaruga para senhora
Ligas de seda e de aigodo, assim como m ltos
eutros ohjectos de gosto que seria impossivel men-
cinar. que a vista far f, s no Gallo Vigilante,
ra uo Crespo n. 7.
Leqnes.
Riquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato prego
de 12,J e 11,3; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Peales
lambemchegaram os riquissimos pentes de concha
de tartaruga e de massalina, que se vende por 2$
3,3 e 5* s no Vigilante, na do Crespo n. 7.
Canelas.
Riquissimas canelas de madreperola proprifii
para qualqner presente, pelo baralissimo prego d
1*500 e 2*.
Sapalinbos e meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
fcitados, assim como meiaszinhas de seda, gorrai.i-
nhas e louquiahas para as cnancinhas se baptiza-
jeui j s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
YoTlinhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruziraias
fingindo hrilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato prego de 15 e 15200, as
cruzes avala asa 400 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Miabas.
Riquissimas golinhas e manguitos, omelhor gos-
to possivel, a 25, 25500 e35; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfeites para senhora.
Riquosissim enfeiies com lago e sem lago e de
outros.muitos gostos a 15, 15500 e 3*: s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Traueelins.
Lindos trancelins ae eabello para relegie ou lu-
netas, pelo baratissimo prego de 15500, dilos de
relroz a 200 rs.
Babadinhos entremeios.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindo;
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 15200, 15500, 25 e 35 i s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Cascarrilhas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, roa do Cres-
po u. 7.
Fitas.
Grande sortimento de filas de diversas larguras
e qualidades, per pregos que admirara aos com-
pradores, tiavendo fitas largas propnas para cin-
teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega
de 9 varas a 25; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Fitas de lia.
Filas de la de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Reos espe.Ihns.
Riquissimos espelhos com moldura donrada'
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim como com
columnas de differentes lmannos a 25,35,45, 55
e C5; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Liados jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo omelhor gosto queaqui
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
n.7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
eousa de multo gosto a 15500 e 25, assim como
pacoteS s com os pos a 320 rs. cada nm; s no
Vigilante, roa do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sorlioenlo de extractos e banbas, poma-
das, assim como de lindos copos on vasos cora dis-
tintivos e offerecimentes as sinhasmhas dos me-
Ihores e mais afamados autores de Paris e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
a 25 e a 15, assim como ontros objeclos qoe nao e
possivel por buje aaftunciar, e vista dos fregue-
ses se far todo negocio; na ioja do Gallo Vigilante,
ra do Crespo n. f.
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado ns. 49 e 55, ioja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia est continuando a
vender muito barato, pois seu genio dar a fazen-
da por lodo prego a visla dos cobres.
Cartas de alfinetes francezes da melhor aualidade
a 80 rs.
Grosas de pennas de ago inglezas da melhor qua-
lidade a 64 rs.
Caixas de clcheles francezes de superiores quali-
dades a 40 rs.
Grosas de boies de madreperola muito finos a56<
e 640 ris.
Carreteis com 4 a 5 oilavas de retroz preto fino a
640 rs. w
Resmas de papel de peso liso muilo superior a
25OOO.
Grvalas da liga e de outras muitas qualidades a
500 rs.
Caivetes para penna com 3 folhas razenda boa a
800 rs.
Duzia de botoes branco para casaveqn.es de senho-
ra a 100 rs.
Pegas de fila de cs estreitas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Porluguez para os meninos a prender
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren-
der a ler a 15000.
Cartilhasda doutrina ebristaa, finas e superiores a
Pentes flns de mirGm a Ann 4X9nn. txstm allega*.N5o posso por mais tempo sustentar o prego da manteiga ingleza a 1,000 rs. a libra, bem assim o de outros
Pares de Um aaaata aanfmMM* *iVenhorasa tDUlt0S obJeclos- etc-' dando com isl ocas'a a todas as espeluncas acabaren) por bom prego a manteiga de tempero, e gritarem em
500 rs. alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo! 11 Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar 0 me^mo
GoHinhas para senhora o melbor que ha a 320 e systhema que vira encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reduccao de pregos, como veris
o(J0 rs- I pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados limito Mercantil nao
tSEJ0" suPeriores banhas a 240> 320> 50e: se sabia de outro prego de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a 4,60o rs. a libra. Iloje porem, resentidos da reduccao a que
esto obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamagao de pregos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado deste negro estabelecimento, para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
tao smente obter a concorrencia de scus freguezes.
RIJA DA CABEf A UO MECTFE R. 53.
(Logo passando o arce da Conceigo)
Grande reduccao de precos, cquSvalenic a dez por cento menos do que entro qnalqner
annnaciante.
LINDOS ENFEITES
Para senhora a arfa Pa c j '.
Chegarain para as lujas Jo Ifc-ija tlur \
U iles a Mara Pia e a GaribaMi, > i
tnais lindos que km vindo paf a i
novos: as lujas do Reija Flor ruu
n. 63 e 69.
Sintospara miM i Mar.. !
CheRaram taiildm lindos mu',- r
podra a Mara I'ia. m mai- linjfci- I i
nos qtn> tera viudo : s na< loja> ...< ,
ra u Qui-iniailo n. 63 e 19.
Pentes de tartaru^ .
Lindos penles ue lartarnga pan i
mais modernos por seren chfcaii
vapor : s nas lijas do Btija Hof
mado n. 63 e 69.

i
SALSAPARRI"
15000.
Livros que serve para assenlar roapa, pelo dimina
lo prego de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cordao branco para espartilhos muito superior, i
vara a 20 rs.
Carritis com 150 jardas de linha branca a 60
ris.
Cartes com 200 jardas de linha branca garanti-
da a 60 rs.
Vartfdt franja* ranc? e dTcOT Urgan toa- se" lSo bem seivillos como se viessem pessbamente, havendo para com estes toda recommendac'o, afim de que nao vao em oulra pa'cle
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio qoe presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromplido e entei-
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me darlo a proteegao e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco praticos, pois
Ihas a 160 rs.
Pares de boies de panno, oh que pechincba a
120 rs.
Tintciros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de betes de louga prateado muito fino a
160 rs.
Tesouras para costura superior qualidade
ris.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente i
escolhida a 8oo rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
a500! meiosaSoors.
' Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
Escovas para limpar dentes, superiores a 200 rs. a libra.
CaSSr$0in superiores pnosphoros de se8uran?a *' dem perola o mais superior do mercado a
Caixas com 100 envelopes o melhor que ha a 640 ^>oOO rs.
ris. dem huxim o melhor que se pode desejar
Caixas com 20 quadernos de papel amizade, moito neste genero 2,6oo rs.
fino a 600 rs. .9a,r dem pretohomeopatliicopor ser de superior
Quadernos de pape pequeo muito fino a 20 rs .Vi... ^ ." *\.. rv""'
*__________." K .-_"_!______________________ qualidade a z,ooo rs. a libra.
i-.. E,NKE,TES A MARIA P'A- dem hysson, huxim e perola mais proprio
A Ioja da Aurora, na ra larga do Rosario n. ,..,': ?nn i Bnn a '* F
38, receben novos gostos de enfeites a Maria lia; Para negocio O 1,600, 4,800 e 2,000 rs. a
com plumas de froco no frente, obra moilo de.i-; libra, garante-se ser muito regu'ar, igual
cada, assim como tambem tem de muitas mais I ao que se vende emoutra parte por 2,4oo
qualidades, riquissimos sintos de fita larga de cha- fi cj y0Q rs_
malote cora fivelas, tambem largas esmaltadas de k_ _.;_ i_. j a
pedras, riquissimas lilas larpas de chamaiote la- Lmguicas, choungas e paios em latas de 8
vradas, proprias para fazer sinlos de pontas ca- libras, emticamente lacradas a 5,5oe rs.
hidas; finalmente tem grande sortimento de miu- garante-se serem superiores aos que vem
dezas linas, que s a visla faz t : na Ioja da Aa- em barris
rora, ra larga do Rosario n, 38. ;------------------ | chourcas e paios em barris de meia e UB)a
Libras esterlinas. I arroba a 8,ooors. el,5ooe6oors.alibra.
Vende-se quera as qnizer comprar no armazem' QeJ0S flamengOS mu.to frescos chegados
n. 33, da ra da Praia. se dir quem as vende. neste ultimo vapor a 2,200 rs. e do vapor
-p ~~ ~ ^y~> passado a t,6oo e 4,8oo rs.
TASCOS C01H gOffilUl &r&DlCa|4dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
dissolvida e pincel.
Vend'em-se na ra do Queimado n. 8, Ioja
aguja branca.
yv vos lbum.
da
ro se faz abatimento.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a Koo rs. a libra, a elles
A aguia branca acaba de receber outra encom- antes que se acnbem.
menda de bonilos e bem encadernacios albuns de; p*rvilhas e favas norluKuoTas pm latas i nro
capas Ue veiiuuo, massa, mnaitfga e inaioui, i-| fj o guns dos quaes com microscopio para augmentar [ paraaas a 040 rs.
o tamanho des retratos, cuntinuando a serem ven- Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
didos por pregos commodos : na ra do Queimado
Ioja da aguia branca n. 8.
bricanles de Lisboa a 6oo rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
ha lanteriaS para eStaS a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inleiro.
A aguia branca nao oessa de encommendar do '"^
aguia I
que lia de melhor e mais agradavel, e por issoaca-
ba de receber diversas figuras e vasos de p de
pedra com fina banha, assim como bonilos frascos
de escolenles extractos e limias caixim as de ma-
deira envernisada com finas perfumaras, tudo
moi proprio para presentes de testas ele, havendo
dinheirodirija-se o pretendtnte a ruado Queima-
do n. 8, Ioja da aguia branca.
Ail fino para engom
mado
A aguia branca na ra do Qneimade n. 8, rece-
beu glbulo de ail lino e frasquinhos com es-
sencia de dilo para engommados.
Outros enfeites.
A aguia branca acaba de receber por este ulti-
mo vapor um novo soriimcnto de bonilos e delica-
dos enfeites de moldes inteiramente novos e de um
apurado gosto, assim pois comparegam os prelen
[m inglezas para fiambre
chegado
neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Chocolate francez, snisso e hespanol a 9oo
I,ooo e I,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,000 rs (raranle-se serem trarispa-
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do MaranhSo a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra, o 2,2oo rs.
a arroba.
Paingo e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 4 e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomeudaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse lim.
Estearinas a DCo rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 4S,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figup;r o Liauua uoao,
4oo eioo rs. a garraia, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
-odo o ioo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,ooo e a 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
/D. Luiz I., Madcira secca, Malvazio Ano,
Fetoria era caixa de 1 duzia de 9,ooo a
lo,ooo rs. ea 9oo e 4,oooa garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhasde Nantesem quartos e meias latas
qualquer nao pode vender por este preco.
dentes munidos de dinheiroe com disposicao de enebra de llollanda a 50o rs. 0 frasco, e
a 36o e 56o rs. cada urna,
rente e de superior qualidade, tambem tem! Sardinhas portuguezas era latas grandes]
de 12 por libra propria para carro. preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca- boa a 64o rs.
da, salmao, ostras e chernee, vezugo em Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 8ooe !,ooo rs. cada urna, j cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-' libra,
das que tem vindo ao nosso mercado a Bclachinha de soda em latas com diversas
6,ooo, 7,ooo e 8,ooo rs. a caixa, garante-1 qualidades al,3oo rs.
se ser de qualidade superior, quo outro, Bolo francez em caixinhas muito proprias
gastar : na Ioja da aguia branca ra do Queima-
do n. 8.
Pequeos pentes de tu r-
tarvga
A aguia branca na ra do Queimado n. :8, rece-
ceben novamenle esses pequeos pentes de tarta-
ruga que por suas qualidades de pequeos, lisos,
bonitos e bem feilos lana tsiinia tem merecido pa-
ra as senhoras segurar o cabello quando alado ; a
aguia branca porm avisa aquellas pessoas que os
haviam encomniendado e a quem mais queira
aproveitar a occasio de os comprar continuando
a serein vendidos pelo mesnio prego de 4j) rada
um.
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de A'tona em
frascos grandes a l.ooors. o Irasco, e
11 ,ooo rs. a duzia.
dem de llollanda em botijas grandes ioo
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a ioo rs. a
libra e 6,ooo rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 2io rs. a libra e
4,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes"
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes emlatas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 4 e meia libra
por 4,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas" eslampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, el,8oors.
Azeite doce refinado Penaflol eu do Kerapes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo' rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo r?. o frasco.
Mostarda franceza era potes ja preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e ll.ooo a duzia-
Palitos para dentes a lio e 16ors. o mago.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cor*oja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem u noeao > s ooo e
5,5oo a duzia e 4fio rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 2io rs. a libra.
Sevadinba de Franca muito nova a2oors.
CharutosdetodososfabricantesdaBahiaedas
mais acreditadas marcas conhccid3S no
nesso mercado a 2,oon, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l.oeo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; ditoemcaixoesa6oors.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas fruas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra c 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
mol I ios com cento e tantas porl,2oors.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
\ DE BRISTOI
, As curas milagrosas de
wnrri t,
ULCEIIAS,
(HAGAS AWTMIAft,
ENFERMIDADES SYPHITICAS,
Erysipelas, Rhonma I
Nevralgias, Escorbuto,
AGENCIA
DA
AGENCIA LOW-
Ra da Se malla aova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meiat
Estando brancas cam pretos J moendas para engenho, machinas de vapor
O bom resultado e o rpido efleito que produz! e ***** de ferro batido e coado, de todos 01
a tintura de ebromacoma, e mesmo o faeillimo lmannos para ditos.
modo de aplicar lem se lomado inui conhecido e
apreciada por todos que usam della e por conse-
grante augmentado a exlragao, pelo que a aguia
branca mandou vir mais o novo sorlirnenlo que
acaba de receber constando elle de
Caixas com chromacoma para Ungir os cabellos.
Frascos com coloricoma para lustrar ditos.
Dilos com hydrocallelhrichina para limpar ditos
Ditos cora orychroniautina para limpar as unhas
Saboneles brancos para lavar es cabellos.
Pomada callicomiphila para dar cheiro aos di-
tos sera oflender a preparago feta.
Sapatas de marroquim dou-
rado para bailes.
Esses sapatos do grande lom vendem-se nica-
mente na ra do Queimado Ioja da aguia braia n.
8 a 64 o par.
Meias finas para senhoras
gordas
Vendem-se na ra do Queimado Ioja da aguia
raDca n. 8.
Arados americanos e machinas para
lavar roapa: em casa de S. P. Johnston 4 C,
roa da Senzalla Nova n. 42.
MaaajnaMMaaajHaj ^^mm M^WW-W
2 Fabrica Conceicfto da i
Baliia.
2 Andrade k Reg, recebem constante- ^
JP mente e tem a venda no sea armazem n. $
m 34 da ra do Imperador, aigodo d'aquel- \
S a fabrica, proprio para saceos de assu- ^
Ql car, embalar aigodo empluma etc., etc., JI5
gs pelo prego mais razoavel. 'Mt
SORTIMENTO PARA A FESTA
CONSERVATIVO
23-Largo do Terco-23.
e2
sorte a 800, 900 e 1$
a 600 e 640 ris a !i-
Raa da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhes inglezes, candieinos e casti-
gaes bronzeados, lonas inglezas, o de vela,
Esponjas nnspara rosto chicotes para carros e montara, arreios para
Vendem-se na ru do Queimado Ioja da aguia: carros de um e dous cavaos, e relogios de
^anca n. 8.
Bonecas
ouro pavente inglez.
Roa da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tac 61
A toja da Aurora na ra larga do Rosario n. 28 (err0 jado libra a i 10 rs., idemd eLOW
recebeu riquissimas bonecas enfeiladas tanto de mnn- ir,r3 4 20 rs
louga como de seda, Analmente sao muilo proprias, "W1 ""'a q *w "'______________________
para dar de mimo a qaalaoer menina. Assim co-1 "y. ,1 c
roo lamhem recebeu riquissimos enfeites a impe-1 V "IiU."~o
ratriz consa de muito gosto o qaal se "ende ba-
rato-, quem duvidar mande buscar para ver o gosto
Joaquim Sira-i dos Santos, dono deste armazem de melhados avisa_ aos amigos do bom e ba-
rato que se venham sortir dos bons gneros este estabelecimento que nao se ai rependero, se lhe
'.ir a differenca de 0 a 20 por cento, pelo seu prompi pagamento ; e por isso se faz annuncio de
ilguns gneros, que tendo ssmpre este estabelecimento um grande e vantajoso sortiraenio de ludo
manto pertencente a este estabelecimento.
Sentido! Von Tallar com o Censcrvatho !!
Queijos mais novos do mercado a 23500 e 25800.
Serveja das melhores marcas, tanto branca como
preta a 500 rs. a garrafa e a duzia a 5800.
Sabo amarello massa a 180,200 e 240 rs. a libra.
Charutos da Baha dos melhores fabricantes de
1,1200, 2*000, 245OO e 31 a caixa.
Milho alpista e paingo a 160 e 140 rs. a libra.
Vinho de Figueira verdadeiro a 500 rs. a garrafa,
dem de Lisboa das melhores marcas a 400 a dua.
dem do Porto em barril superior pinga a 640 rs.
dem branco proprio para missa a 500 rs. a dita.
dem do Porto engarrafado a 800 e 14, lomando
mais de uraa caada de qualquer um oestes lera
grande abatimento.
Conservas inglezas e portuguezas a 500 f 40 rs.
Biscoitos e bolachas de soda a 1*400 e 2*.
Massa de tomate a 600 rs. a libra.
Genebra de Olaida em frascos e botijas de la-
ranja de 480 a 640 e 1*200.
Chourigas as mais novas a 560 rs. a libra.
Latas com 1 e meia libra de ameixas a 1*200.
Azeite doce de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 3* o
galo.
Vfanteiga ingleza de 1
a libra.
dem franceza em barril
bra.
toucinho de Lisboa a 300 rs. a libra e 8*800 a ar-
roba.
Batatas em caixas e gigos 1*200 e 2*000 a ar-
roba.
'.af de primeira e segunda sorte a 250, 280 e 300
rs. a libra.
irroz da India, Maranhao Java, a 100 e 80 rs. a
libra.
?hosphros do gaz a 2* a groza e 180 rs. o mago.
*assas novas a 480rs. a libra.
Velasdecarnauba Aracaty composigo a 400e 440
rs. a libra.
Massas para sopa a 480 e 440 rs a libra.
Marmellada dos melhores fabricantes de Lisboa de
1 a 2 libras a 640 rs. a libra.
Cha hysson o melhor deste genero a 2*800 a li-
bra.
dem perola mindinho a 2*500, 2*000 e 3*000 a
libra.
Banha ingleza alva e superior a 480 rs. a libra.
Vende-se um comomeiro martimo ingles do
melhor fabricanto Charly Frodshan, afflangando o j l8SnCapCpYstaIsadO d* fabrica
sen reirnlamento. cor diminuto prego : a tratar V i
ttengo pechincha
Vende-se urna boa armagao propria para miu-
dezas ou outro qualqner negocio por prego bara-
tissimo ; a Halar na ra das Larangeiras n. 5.
superior farinha de mandioca,a bordo dos brigues
seunas Principe, D. Affonso e A'o Sei, atracados
eo caes do Baro do Livramenlo : a tratar a bor-
do, on no largo do Corpo Santo n. 4. primero an-
dar, escrlptorio de Palmeira & Beltro._________
- Vende-so canos de barro para esjoto de to-
bados : na ra do Rangel n. 4.
seu regulamento, por
na rna Nova n. 21, leja
mano.
prego
de Francisco Jos Ger-
2
Vinho de Porto.
Vende-se superior vinho do Porto, em barris de
vigsimo, em casa de Ferreira & Malheus, na roa I em saeco
da Cadeia do Reclfe n. 66. ni.
de Julho
Nz Baha.
No?..mazm d rna da Madre de Deas n. 28,
ha venda o multo superior asacar crystalmdo,
o 1 arrobas, ao prego de 5* cada ar-
ele, eir.,
etc..
<\\io. tem grangaado 8 dado o all
110111c :i
Salsaparrilha de Eriitcl
por todas partes do nn\
gmente devidas
nica Legitima o Original
SALSAPARRILHA DE BR1WL
I"itKI'.\[AI>\ EXCLTSITAS
LAHIl i KEHP DK MV1 IWaV
Mediante a reeeado Dr. C. C. B
venda nas boticas de Caors & laVaa 1
roa da Cruz, e Joo da C. Bravo i r..,
da Madre de Dos. ^____
Agua Florida.
Para restabelecer e coronar a cbt
dos cabellos.
A agm florida nao urna imira. fa> 'o
cial a contesur, a mesma agua dai
tiva ao cabello. Composta de |*I**:
de substancias inonVu. iva.-. (lia l>< .
de restituir aos cabellos o princip* -
les tem perdido. Duina saloUi.l
vel, a Agua Florida entretem a lu
de.-troe as caspas e impele aa 1
Oleo de Florida
Compnin Ao gabMaacfai vegeta- t-^ 1.
conslile poileroanirr. in> a
forra, a hell za e a conservago do-
Era Pari.", rasa de Qraslaiir a. l 1
lien, e 21, bonlevard M'intmzr'"
Todos os frascos, nao teml<> ir. .
timbre prateado da casa. iaa n-piri.'
Deposito, ra do Imperador, r.har.. 1 n .W
14-Kna Writ--! '
I'nico depesito do rap i ni i r
Isaac Rsnaty : afflanga a sua be
-uperi"r ao rape de L'sboa e an r>|
prova faz R; : vende-.-c a Mal
era porfi de 10 libra- para nai- 1
lem abre crdito aos comprader- >
renle.
ESCR1Y0S FG-

Fugio da MM do major Ai l
Gusmaooseu escravo pardo de 1
rido por Luiz Jlunleiro, idadi- i
mais ou ineiio-, anatoMa alto, h rr< 1 1
peinas compridas, cor ran, tal
nhoto, e o pnmipal siftnal i 1 1
raao urna estrella azul c tr>- ;.ini..-
forrnando um liiaii|uln em rada 1
ollicial de pedreirn. pintor e ax
1 uj;a-se as autoridades paUtM
senharea aa oajaaaa a ananctart
irabalhar, iniiliilando-se fi.Tro, laat i
cia como fra della, que o faca 11 r..' 1
ler aosobredito senhor, que paca..
pezas, assim como a quem o cui :u :
boa gratificaro. ________
Fugio saldado 25 de n vea 111
sado o escravo pardo de neme Ani.
de 20 annos, puuro mais ou n 11 -. 1
naesseguimes : magro, altura p-c 11'.-. r< tu
prdo. nao lem barba e rom laaM
liexipas, bita branda, fui e-crav r ri
Joaquim Cavalcanii de AlliUijU'r,i h!
Araguari da freguezia de Bai reiro-, 11.
nesta cidade era vender agua, aarai a. -
e dias santos andava calcado, df | al. r.
chapeo do chile p benpalinha fin, aaaaaj ta sp
intitulava de ser livre, quando fugo ..-> > >lr
mas pessoas a quem venda agua,
Barreiros, e que fomente vi Itava ra<
do natal : roga-se s anurirtad.- 1 raa#-
taes de campo de o appreherder>m e ar.-area
eBtregar na ra do Queimado a. 77. a \i*4r-
Jos da Silva, que recompensara aa ..O*.
Na noite de 15 do trrenle tr- 7. .'
ceu de Sanio Amaro de Jab>aiao 1 n
de nome Henrique, que repriseoi.i 22 aun.. At
idade, cojo escravo de eftaiura 1 a r.m b
cicatriz em urna das faces, prnv*ni*T;> rf m
couce de cavallo, nao barbado. !
carreiro, presume-se que o me-:
ra esta cidade. onde existe a mai ; t 1 naaaa a
abaixo assignado p^de a captura d n r. -.4
escravo e a sua entrega ao Sr. 1 t>m
Guilherme de Barros, a quem deu a::t.ri-ar.
satisfazer a quem o pegar.
Andre" Ferrrlra rte -ir
Fugio o escravo Mh fM laaam ni o-r JC *
40 annos,calvo, alto, bastante ra'r
tanga por cima da roopa, ea'lawnrJ. 1 -ur a-
pre embriagado, conhecido por Jo <;ra*4.
Joo Muniz : quem o pegar leve a roa i C^mm
do Recife n 64. que era gratificad _________
Escravo fujil
Fugio no dia 2 de jnnho do rnrrent* aneo .
cravo Joaquim, de 20 annos de id.\ rnn .* -
naes seguintes : alm, magro, cara aeii ru aria,
cor lula, com urna queimadnra no roj-i* 4 la4a
dreito. rendido de orna verilha, me.> tar> : pea-
se aos lllms. Sr* sobdeletadr* da Vanaa, frr*+ %
Alegados, Passagem da Magdatma man u*t .a-
zias, e aos senhores rapitaes de cami-o qnp ai 1 ra-
hendam, que seo gratirados pelo atemo angaa-
do. na rna da Pilar n. 23, primfir andar.
_________________Maaoel 4 Mlva t#.
Anda con 1 i ma fgido um pri. aV aoaaa
Hanoel, de nago Costa, desde mar.- ti nno n--
sao. reprr?enta ter 50 anaas 4t rta.le prt* <
s autoridades e capitaes de eaaipo o aparHt*a-
dam e mandem casa do abaixo a*sina.l-. tptt
receberao 100* de gratifleagao, na rna >h ..dr.
Velha n. I. Faz-se a presente a>ciarfio para aia
continuar a pagar a laxa, salvo m rtu apaatan*
Jos GongaIes Torro?.


/
8
Diarlo e Permsmhnro minia felra e Hr^rml.ro e 1 *sj4.
UTTERATDRA. .
Dircilo publico ecclesiastico.
O beneplacilo regio nao con-
forme com a soberauia e indepen-
dencia Ja egreja.
procuroa abalar o throno e o altar, admittem Im- eslradas. Todos eram fldalgos, qae faziam gala de
plicitamente umadoulnoaperigosa; e vera a ser :! nao poupar cousa nenhuma.
onceder-se ao estado maiores direitos sobre a! Desde pela manha at noute, e mesrao pela
Ei-lo agora inteiramente modado physlca e rao-
ral mente. Eolio o que fez lie ? Confessa-sc...
D'antes. ..nao se confessava.
Para que serve a confissao ?
Perguntao-o aquello trabalhador, ha pooco to
.Nunca me ba de esquecer que isto comegou por
granadeiros que conduziamcaormes-carros pucha-
dos por bois. Esses bois faziam o servico de caval-
egreja, do que a egreja tern no estado, porquaoto,' noute adianto, eslava sempre meza posta na esla-' los, para virem a servir de vveres, depois de gas-
assim como nao pormitlido egreja conhecer laSera B<"' Vermelho. So andar de baixo, quem tas as muoicoes. Todos diziam :Que bella idea I
comforca de autoridade dos actos e deliberacSes ideitasso os olhos para qualquer das altas janellas, i Quando os granadeiros j nao tiverem que dar de libertino" lio t p7lVof^'"p^'tiirM! e
Po|,r dvil, asalta tambem a este nao pode ser! n5 v,a seniio gandes toalhas brancas, reluzentes comer aos bois, os bais darao de comer aos gra- lao tasto, to sobrio, lo arranjado, to laborioso, g'- mas a< sua* lwp tiobam-se engatado rpida
VtndfbenSencereswoUtSiefeali- f'!", I inlrome,ter-sa autorisadamente nos ac- de rvlco de prata o cobertas de caca e peixe, e nadeiros.-Infelizmente os que diziam isl) nao ja e tornado em pouco lempo o modelo de seus com- menle, 'luand CaUdonia os soeeorreu.
se'et del'rtat estlalmse da liberte ." del,beraCocs do poder ecclesiastico. de redor dellas eases viandantes, que se assenta- biam,que os bois nao pdem anclar mais de seis ou panrieros A mulher e os fllhos acham que a "omcns salvos ronta assim o acntemete
ctvile,polili(iue, et reiigieute. est argumento parece que ja estamos ouvn- vam ns ao lado dos outros. No espacoso pal? sote legoas poria, e que ao cabo de oilo dias de confissao serve para alguma coosa.
(3cHtnTBMBER0Bt, LIS LOB os nosss adversarios responder que o po- as lrazeiras s se ouvia o relinchar decavallos, o marcha carecem de um dia de descanso, pelo rae-1
i>e i/orore social.) der temporal nao indaga da materia religiosa que gri,ar de Pnstilhes, as gargalhadas de criados, o nos ; de sorto que os pobres animaes j tinham'os Par" qne serve a confissSo ?
A existencia de dim sociedades tamooral e ec- esIes ac,0 encerrara, e cuida apenas de"saber se Irodar de carrua8ens antente em offt'nda aos '""eresses do estado. Que eneenhosa e; eslalaS-m do Bo' erme"> nunca mais tera um nham pella e ossos. Durante tres semanas os nue rajrido... Por muitas vezas a infeliz tem queri
de latitude norte a 13 de longitud* oesle, a qoe t-
nha arvorado a bandeira de soeeorro.
Urna chalupa fol mandada mndiiniawMc asa
Caledonia ao brigoe qae a agua invada, e qae ji
nao poda cbaraar-se urna embareaco. Tres ho
mens da tripnlacao tinham sobreviv*) ao naofra-
Im
ca, era una necessidade que o Omnipotente em
quem jj resida a onnisciencia nao poda deixar de
seductora theuria I. Admitamos
Que engenhosa e
mesmo com os
os que
Tinha sabido de Miramichi, em K d- Tiaar..
com urna carregaco de mercadorias i\ r .- .
ra Ardrossan. At manha do domingo SI Jj
outubro corra a oossa viagem sob o mais kUtti
auspicios, quando, aos 50 graos e 30 miaoto* a
laliludc norte e II graos e 20 minutes de la
----- ----------... ....------------- -, *j o i_ ---- o"""v- ** v unan*? jt
tempo de tanta prosperidade como esse foi! passavam eram todos assim, e en vados de pcadel- acal,ar com a Vlda- Sustmha-a o pensamento de owtoj vj0|eD|a rajada de TeWo assa(luU
Tambem l se apuavam homens da cidade, co- 'as de baioneta. A carne veiu a ser barata, porque de neus e de scus fi'hos. Vae ao onessor...
i Eu nao sei o que elle Ihe diz, mas o que se
atteader a laucar os mais solidos fundamentos para def,'nso'"es do beoep!acito que o poder civil nao In-.
,,.,,' ,.,i.,- daga da materia re icios ** nlnn ----- -- nhecidos em outro tempo por andarem a cata de se maiavam muitos desses bois, mas poucosa que- ei
So?8 SSJST^ffl^ *da **i -552 SSZSS,enha secca na floresta ou de es,rume dd cavall3' riTcomer'por(,ue era doeQ1,a-No chesara'"a {que elh:T
LoasU e que a o rige m 2 nare- aida "** m nao se pode deixar de "as 6S,radas- Eram eneraes- """nandantes, co- andar vn.e leguas alera do Rh.no. ja -;ren.dade no rosto, soffre resignada suas penas,
ue r: L SEE2E SSZSl enxe' ^ar a '"dependencia e soberana TOf' ^ f ^ fpra de batt,tare,B em DePS dSS V,"0S deSlar maS S6na lan" "* ^ "" ^ ^ A
sociedade civil ou lemporal.com .,uantoseja o een- da <*+ :.poi,s aup' se sas disposiees discipli- ^JSSST^
tro em que o humem se refugia quandj ferido ?* a a'sada da eSreJa. cmo niagueni con-
i seas mais sagrados direitos invocando o auxi-
testara, porque a egreja cuida
O velho Melchior, com o scu barrete de seda
foro in"- preU puxado para eiIBa das comprdas orelhas ca- d'arm^s pela estrada real o sahia pela porta de Al-
liu do poder que dirige a coraraunhao, no toda-
va suQiciente para preencher todas as suas neces-
sidades, pori]ue o homcm espiritual.
A soeiedado civil sendo por sua nalureza desti-
nada principalmente a cuidar das uecessdades ter-
restres d) horaem, nao poda lambem cuidar ao
masmo lempo das suas mais vilaes necessidades,
d =; necessidades cspirituaes. E Jess Chrislo, o
reparador da human!Jade, foi enviado porseu eter-
terno como tambem do externo, a olla por conse- belludas> com suas Palpebras flacidas, seus beicos lemanha-
guinte e que compete nicamente a execucao des- delgados e seu nariz sPer|ado por grand-s oculos
ses actos de disciplina. de aros de chifre. nao podia deixar de pouar so-
Se a proteccao que o chere do estado deve as. bre a banca a Iente e a Pnngao, e deitar algumas
segurar egreja, diz o douto Moreno na sopra- vees uma oInadella Para a estalagem, mrmente
navio por estibordo e o deitoa de lado
O capilao e dous homens da tripularV> .1 rniiaia
' e entao na cmara e Acarara afogodo*. Ila-u ,a
meia hora que o navio eslava de lado qmaito roa-
segui cortar o estaes do mastro de avea. o aat la-
cas, espadas e capacetes. Tudo desapareca por seu mando... Este espanla-se com a mudanca c,|ltoa a sua qnda; quando elle cahio iJLi ,
debaixoda porta do FranCa, atravessava a praca dP ,ni"her, depois comeca a admira-la, depois j de me< '
sent que a ama, depois cuida de a imitar. Con- cntao |nT>ilH
tae agora : um suicidio de menos, urna pobre mae
conservada a seis ou sete filhos; uma boa casa, e
uma familia virtuosa.
Emlim, a 10 de maio de 1812, de manha mui'.o
cedo, os canhdes do arsenal annunciaram a chega-
da do senhor de tudo isso. Eu anda dorma quan-
do reboou o primeiro tiro, fazendo rufar as minhas
Depois desta pobre mulher ha um criado que
ha mutos annos fazia suas economas um pouco
citada obra, titulo para conhecer dos negocios Tando> corao anuncio da chegada de alguma vidr; gas como um tambor, e no mesmo instante o atrevidas, cusa de seu amo. Comecou o re-
Sr. Gouldeo, com uma
vela accesa na raao, entrou morso a inquitalo, e foi procurar um padre
no meu quarto dizendo : so 0 amo cuidasse do m da casa
Levanta-te I elle ahi est.
eclesisticos, cnto os dogmas da f sao os prr I P6^A ^ imPortan,!a> repetiam nos eccos das
meiros, que estao sujeiios ao examen juizo da '' mura,nas a* grandes chicotadas de postlhoes com---------.......--------
autoridade poltica, porque sao os primeiros na ?na" "8sadas bo,as' jaque,a cur,a e cabelleira Levan,a-,e' ^ a" est. \ que a despeza ja diminuindo sem naver me
ordera da proteccao e defesa, o se se confessa d enroscada.na nuca- Enlai> "va o ...es- Abrimos a janella. No meio da escurdade, vi \ a|terar5o no modo de viver.... Ura dia norem
.u Pae para fundar neste mundo uma sociedade, como forcadamente se ha de confessar, que esla em contemplacao e de lempos a lempos ouvia-: correr a trote rasgado, por debaixo da porta de recebe um bilhete de 100^000 ris de mo des
quecaidasse da salvaco das almas ; a egreja (protecgo) no involve faculdade al-uma para j eU palavras como eslas : Franga, uns cem dragoes com ardiles accesos; | conhecida.
entender, julgar, nem legislar a respeito delles
infallivelmeole, se ha de conceder o mesmo
quanto a disciplina e governo exterior, porque o
ossa i (ue ministra o balsamo suivisador
das cnfermidades do espirito.
O estado tem sempre relacoes com a egreja, disse
o -abio Moniesquieu, no seu immortal Espirito das
Lela (Liv. 83, cap. 21), poro ti no devemos esten-
der as palavras desse sabio publicista at confun-
dir os deslinos destas duas sociedades- e negar a
sua independencia reciproca.
A egreja e o estado representam sociedades dis- i *
telas e independemos por sua nstureza, uma e i *
outra leem em mira os fins para que foram crea-1'
da" e para alies caminham incessaotemente, uma j *
para na ontemplac.o e consecusso do que ler- j"
icno o ephemero, outra, porm, sbj s alturas do I *
sublime o celeste, e cuidaudo da sade das almas,!'
infunde aellas a doce esperanza da mmortalidade !'
dessa bomaventuranca promettida pelo Filho do'' *
fundamento o mesmo.
A protecgo real (contina o denodado e dis-
t tinelo defensor da autonoma da egreja) nao
a outra cousa mais que o soccorro que os raonar-
t chas prestara e devem prestar autoridade ec.
t clesiastica, para que suas les e decretos tenham
nteira execucao pelo auxilio da forca e penas
leraporaes que vene junlar-se s eclesisticas,
no para dispor, nem mandar as cousas que
cabera autoridade protegida, mas somente pa-
ra defender o que por esta se ache legtima-
mente estatuido, no para usurpar seus direitos
Ai, o filho do telhador fulano, da velha re- passarara com ura rebolico que fazia medo; o cla-
mendona Maria Anna ou do tanoeiro Franlz-Spel I rao dos archotes serpenleava no fronlespicio das
Tem a sua fortuna feita. Est coronel e de mais casas como (raguas de labaredas de um incendio,
a mais baro do imperio. Mas porque ser queje de todas as janellas se erguiam gritos sem fim :
no vae apear porta do pae, que mora ali na ra Viva o imperador 1
dos Capuchinhos f
Mas quando via que se dirigan) para a ra,
apenando a mo a todos os que os reconheciam,
ento mudava de aspecto e lmpava os olhos com
o seu grande longo de quadrados, murmurando :
Eu olbava para a carroagem, quando nm caval-
ls cahiu Hdo de encontr ao poste do carniceiro
Kiel, onde eram amarrados os bois ; o dragao ca-
hiu como uma massa inerte.com grande ruido das
armas, saltando-lhe o capacete ao fosso da estrada,
Ainda bem, anda bem : este nao tem bazofia,
um homem de bem. Queira Dtras que alguma ba-
la o no leve to cedo.
Uns passavam como envergonhados reconhecen-
lores d,^'"r0'*5 atravessavam altiva-
ampara-la dos ataques delles. mCDt ""**' P"a 'rem Ver Dma "^ uma
O sabio arcebispo oe Camnaya, tratando da egre-
Eterno, principo da paz, na phrase de Isaas.
A machina deste mundo, disse o papa S. Gela- i do eslado- 'ambera profssa a mesma doutrna
io (fallando a um imperador romano) repousa e : I01 aoloinenca que Ihe superabundante :
rola sobre duas potestades supremas ordenadas]
pela Providencia ; uma a sagrada autoridade dos '
pontfices, outra a Real dos principes. Do sunt ''
qutbus prwcipalUer mundus Ue regitur, aucloritas ''
Sacra ponlificum, et regalis potettai. ': '
As sociedades civis e ecclesastica, instituidas '
ambas pelo Crea lor, dislinguem-se por sua natu-''
reza e Ora. O reino fundado por Jess Christo, '
com 3 diz Pielppe, de ve-se elevar cima de '
todos os imperios terrestres, como tudo que sabe "
do pensamento divino, deve-se elevar cima da '
obras humanas, seu imperio sem limites.!
diz elle
Por maior necessidade que a egreja tenha de
ara prompto soccorro do estado contra as here-
sias e os abusos, ella precisa anda mais de con-
servar Ilesa a sua liberdade. No permita Deus
que o protector governe, nem prevna jamis em
cousa alguma o que a egreja regular, seu dever
apoiar e defender as decsoes que delta ema-
narem, sem se permittir, debaixo de pretexto al-
gum. o interpreta-las. (Fenelon-Obras-tom 47
pag. 18 e 119.) .
A legislaeo da egreja destinada a reinar so-
lire todo o universo, pelo contrario as legi-lacoes
dos estados sao diversas e aceommodidas s no-
cessidades, iudole e caracteres daquelles para quem
sao feitas ; s a ellos otirjjrn, nao se estendem a
outros. Os estados sao rautaveis, boje monarchlas,
annnhaa repblicas, a egreja ao contrario nua, im-
lUQtavel como scu proprio autor, segu a marcha
do genero humano al a coosummacao dos seculos.
Rt eg> sum vobiseum mnibus diebus tuque ad con-
summalionem seculi. IS. Math. cap. 28, v. 20.)
Estes diversos caracteres de distinego profunda
entre o poder espiritual c temporal implican, um
cairo de inleresse pratico saber-se que a egreja
c impreheode as coasas eternas c espintuaes, ao
passo qno o estada as teraporaes e seculares exis-
tera por tanto limites precisos a cada um dos pode-
rea, a dentro destes (imtese livre a rada um exer-
cersuas funcgdes, visto que sao independemos.
A independen a dos doas poderes se reduz, por
t-'.nto, a garantir a sua libardade reciproca em to-
So a egreja interamente ndependente do po-
der civil, a ella soraenle cabe estabelecer por meio
de leis a sua disciplina, se os decretos dos pontfi-
ces validos por si raesmos e pela autoridade <
que Jess Chrislo n >-:, au uevem esperar
.1^ poaer temporal seno submissao e proteccao ex-
terna, necessario qae, para a manutengo da uni-
dade e harmona entre os dous poderes, o estado
nao ouse tocar era modificar os decretos e leis da
egreja.
A autoridade que faz a le a mesma que deve
interprela-la : ejus esl legem interpretan, cujus
est legem condere Leg. 1, 9 e 12, 1-, Cod. de le-
gibas -, logo s egreja compete interpretar as
leis e decretos de concilios por ella fetos, s a ella
compete executar esses decretos, pois que esses de-
cretos versam sobre objectos que estao sob sua jo-
risdiccao, e por ronseguinle o poder temporal, no
tendo jurisdieco sobre elles, nao pode sujeita-los
sua concesso ou denegaco sem violar aberta-
mente a independencia da egreja.
Em conclusao citaremos a mu valiosa autorida-
de do finado e sempre chorado marquez de Santa
Que alegra que vae ter a pobre velha fulana 1! e no mesmo instante ama cabega nclioou-ie para
fra da carroagem, para ver o que se passava; era
uma bella cabeca, paluda e refeita, com uma- raou-
ta de cabellos na testa; era lapoleao. Tinha a mo
levantada como em accTw de lomar uma pitada, e
disse algumas palavras com voz spera. O oficial
que galopava ao lado da portinhola inclinou-se po-
ra responder. Napoleao toraou a sua pitada, e do-
brou a esquina, em quaato que os gritos redotrar-
vam e o canho trovejava.
Ahi est tudo o que eu vi.
O imperador no paroaem Phalsburgo. O canho
dava os seus ltimos tiro quando elle ja corri
pela estrada de Saverne. Depois restabelecea-se o
silencio. Os horneas que estovara e guarda por-
ta de Franca (evantaram a> ponte, e o velho relo-
joeiro pergonlou-rae :
Viste-l'oT
-Vi,
Ora, olha ; esse hornea tem
dos os seos respectivos actos, que tendera a reali
sacao do seu fim, ou com) diz Fenelon: t Esta n-! ^Tat acerca do beneplcito reglo :
dijpenlcneia significa que a egreja no p le se in- u,\. .(,.,:., rf ._ -. ,.. ,, ,
... c rea tnoona do beneplcito fdiz elle] nue sn-
trumeiter as eousas teraporaes, assim corao o esta- :!., ,.! k. : .. '
. j jeita touas as bullas e decretos pontificios, qor
Consoguinteniente a mais ampia liberdade deve! exame do poder civil, llca este habilitado legal-
ser deixada a cala nm dos poderes, eniraves no mcn|o para inlorpor nm juizo sobre a con-
poiem ser oppostas ao seu exercicio, loda a violen- j venienca das doutnnas da egreja, conforme as
cia oa aggressio de um sobre outro deve ser ab- i opinies do dia, ou do espirito que domina o go-
salinamente repcllida. E na verdade, encarregadi verno ou parlamento, e que se muda com o
os interesses da vida futura, como determina J PeM*''i e por conseguinte a suspender ou sup-
sus Christo, a egreja nao tem de involver-se com I primir as raals importantes decises do poder
es negocios da realeza, porque para cuidar destes: espiritua'-
nogorios e proteger esses interesses, foi tambera
instituido o poder civil como sabiamente diz Lo-';
reux.
No compete egualmente ao estado direilo algum
sobre o que do dominio esperitual, proteger a
egreja eis o nico dircto que Iho compete. A egre-
ja devu caminhar desassombrada no desenvolvi-
mento iIoj seus poderes, e por conseguinie nenhu-
ma autoridade temporal pode obstar o exercicio le-
gitimo da soberauia ecclesastica, sem inqualifiea-
vel violado do direito divino.
Uemicio, e>se sabio juriseonsulto romano, se de-
dara aberlamente contra a independencia da egre-
ja, porm lodos os seus argumentos cahem por tr-
ra dute daquelles que para refuta-las aprsenla
o douto Moreno, em sua obra Supremaca do
Papa, e quanJo esses argumentos no fossem
suficientes, bastara para derrota-Ios as palavras
do mesmo Chrislo em S. llameas, cap, 22, v. 21.
R'dtle qua sunt Cesaris, Cesari, et qua sunt Dei,
Deo.
Em vista de todas as consideraces que temos
expendido, de accordo sempre com autoridades
respeiiaveis, parece que no podemos deixar de
aahir victorioso na these que pretendemos sus-
tentar.
O beneplcito regio, ou o direilo que compele ao
imperante civil de conceder oa negar a execucao
dos decretos dos concilios, tetras apostlicas, e
quaesquer outras conslituces eccelesiaslicas no
se hannonisa com a independa da egreja de que
temos fallado.
Se, romo temos dito, de accorde com distinctos
cscriptoresido direilo ecclesia/tico, os dous poderes
alio livres e independentes dentro da esphera das
suas attribuicoes, o beneplcito regio no pode dei-
xar de ser considerado como um alternado sobe-
rana e independencia da egreja no circulo das
suas attribuicoes, porquanto esses decretos de con-
cilios versando sobre materias do dominio da
egreja, rao consegalntemente la aleada exclusiva
do chefe da mesma egrpja.
Aqn-lles que querem a todo o transe justificar o
beneplao.l,o qual,comodizo doutoabbade Andr,
filho de uma poca vertiginosa, em qne adrede se
J. M. Mendes da Cnha Azevedo.
HISTORIA DE l'M CONSCRIPTO DE 18G3.
pon
Erckmaan-ChatriaB.
I
Diz meu tio Jos que os que nao viram a gloria
do imperador Napoleao nos annos de 1810, 1811 a
*812, nunca sabero at que altura de autoridade
pode subir um horaem. Era uma cousa magnifica
e terrivol, e a; incrivel era todo o extremo. Quan-
do elle passava, raulheres, creanras o velho.', to-
dos Ihe sahiam alvorocados ao camnho, a ergue-
rem os bracos e a gritaren):Viva o imperador !
Pareca que era um Deus, e que se, por des-
graga, elle chegasse a raorrer, tudo sera acabado
para o inundo. Os que nesse tempo diziam que o
imperador podia cahir eram tidos na eonta de dou-
dos; isso era cousa que pareca contra a nature-
za, o at nem havia quem de tal se lembrasso.
Eu era aprendiz, desde 180i, do velho relojoei-
ro Melchior Goulden, em Phalsburgo. Como co-
xpava alguma coosa e pareca no ser mtiito forte,
qniz minha me que ea apn-ndesse um raister me-
nos duro do que os da nossa aldea, porque no
Dagsberg s ha lenhadores, carvoeiros e schlittei-
ro (cooslructores de trenos). O Sr. Gonlden que-
ria-me como a nm filho. Moravamns no primeiro
andar di urna grande casa que faz quina, defronle
do Boi Vermelho, ao p da porta de Franca.
Ahi que se poda ver a chpgada de principes,
embaixadores e generaos, uns a cavallo, outros de
sege, outros de beruda, com fardas agaloadas, e
guarnices de pellos, e pennachos e condecorares
de todas as oacoes I E ua estrada que era o ver
passar os postilndes, os estafetas, os combois d>-
polvora o de balas, as pecas de artlharia, os cal
xoes, a cavallarh e a i ufa otaria I.. .Que tempo I.,,
que n.ovirnento
prima ou outra qualquer pessoa de familia. Des-
tes fallava todo o mundo, como se toda a gente de
Phalsburgo trouxesse nos hombros as suas drago-
nas, no peto as suas condccoraces; os outros
eram to despresados ou ainda mais do que quan-
do varriam a estrada real.
Quas todos os mezes se entoavam Te-Deum por
alguma nova victoria, e o canho do arsenal dava
os seus vinte e um tiros, que iam abalar todos os
coragdes. Nos oilo dias seguintes, todas as fami-
lias estavam inquietas, as pobres velhas espera-
vam orna carta, e, se alguma chegava, toda a ci-
dade o sabia.Fulana recebtu noticias de Thiago
ou de Claudio Io todos queran] saber se n'a-
quelle papel havia alguma nova de Jos, de Paulo,
de Joo Baptista. J no fallo das promocoes,
nem dos registros de bito.
Contao um ladrao de menos ; seno fosse a con-
fissao talvez caisse naquella honrada familia a no-
doa d'uma deportaco ou d'um degredo, e o que
lez a confissao ? Tornou-o ara homem de cons-
cencla, um homem de bem.
Pura que serte a confissao ?
Perguntae-o aos pobres de tal freguezia. Havia
alli um propretario rico para quem era Indiferente
a miseria dos pobres, gastava comsigo todo o sea
immenso rendimento.... Ha algum tempo qne
elle se confessa... e agora o pae dos iofelzes,
reparte com elles as suas rendas... Esta pobre
gente acha qne a confissao serve para alguma eoa-
sal A confissao a egide da perseveranca e da vir-
tude; a casca asprale rade, verdade, mas cas-
ca protectora qne conserva intacto esse maravi-
lloso fructo qne se rhama consciencia.
E' a confissao qne d e conserva a paz do eora-
eo, sem a qoat nao ha fellridade.
E' ella que previne uma infinidade de crimes e
desgracas. E' elra que approxma o pobre pecca-
dor de Deus, dc-qual se separou por sea fraqaezal
E'ella principalmente que consola o moribundo,
prestes a comparecer diante de Deus, e seu juiz I
Que mudanza verfcw se toda a gentse confes-
Mse sincera e seriamente como se deve fazer I
As leis e os agentes de polica no teriam que
eserce-la. Haveria>nesta nica le degreja:
na sua mo a | confessars todos os peceados, ao menos uma
as promocoes loda j fosse, omundoliavia de ver ecusas espantosas, co-
a gente acredtava, porque era preciso substituir mo no tempo dos ris selvagene dos Turcos.
vida de nos todos. Baslava-e soprar sobre nos e ; ver, cada anno c-bastanle para regenerar ura paiz
la se ia quamo Martha liou. E' preciso- dar gracas
a Deus por elle no ser man, porque se assim no
os morios: mas quanto s noticias de morte, os
prenles esperavam ci,oran*,. porque no chega-
vam logo, e as vezes nunca chegavam, e os pobres
velhos conlinuavatn a esperar sempre, dizendo la
para s:-Talvez o rapaz estoja j prisioneiro..-
Voltara depois de fela apu Quaoios no leem
voltado que j a gente peosava terem morrido I
N'isto entroa em meditacesr e passado um mi-
nuto, tornou i
Vai-te deitar. Sao tres da manha.
Koi para o oou quarto e ea trrctti-me na minha
cama. O profundo sileneio que reinava fra pare-
eia-meexi.aoiainario depois de tanto tumulto, e
at a madrugad nao cessel de pensar no impera.
Mas o pcior era que a paz nunca chegava; acaba- j dor. Tambem pensava no dragaor e deseiava sa.
da uma guerra, comecava-se outra, e outra de- ber se tinha rr.orrido da queda. No dia segunte
da
pois desta, e era
imperador quizesse conquistar o universo.
Muitas vezes, na eccasio da passagem dos regi-
mentos que atravessavam a cidade,-de capote do
queda. Po dia seg
> nunca acabar, como se ojsoubotnos que tinha sido levado para O'hospital e
que no corra perigo.
Desde ento al ao fim do mez da selnmbro, can-
taram-se muitas Te-Deum na egreja, e- de cada
brado e [rajado a tracolo, de sacco s costas, de \ vez se at ira vara vinte e um tiros do peca. Era
polainas at cima dos joelhos, espingarda von:a-j quasl sempre pela manha. E GouWen exclamava
de, e marchando a passos largos, ora cobertos de i logo :
lama, ora de p -muitas vezes o tio Melchior, de-1 A(, Jos Y mais uma batalha ganha, mais cin-
pois de ter olhado com profunda attencao para .coental mil nomens mc.rtos, mais viate e cinco ban-
aquelle desfilar de tropas, perguntava-ire : deiras e cem boceas de fogo... Tado vae bem...
z-me c, Jos, quantos te parece que temos! todo vae bem' Ara so resta fater novo re"
vislo passar desde 1804? i crutaraento para substituir os que morreram I
- Oh I nao sei, Sr. Goulden; pelo menos qaatro' Abria a minha porla via-0> deoaliellos bran-
pelo menos t E quantos ten& vis-
ou cinco mil...
Sim, sim
tovoltar?
Enlao compreheadia o que ello queria dizor e
respondia-lhe :
E' verdade isso; mas talvez entrem por Ma-
guncia ou por outra estrada. era ple sac de ou-
tra maneira.
Mas elle abanava a cabeca e dizia :
Os que no viste voltar morreram, eomo ain-!
eos, calvo, em mangas de camisa, oom o pescoco
n, lavando orosto n'uraa baea.
E dizia-lhe com grande turvacio-de-animo :
Ento parsce-lhe que tambera chegar a vez
aos coxos ?
Nao, isso nao ; no te assustes, meu filho. Na
realdade tu aio poderas servir. Ha vemos de dis-
por as cousas convenientemente-. Trabalha t com
cuidado, e nao te inquiete o mais.
Elle bem via a minha inquietacao e affligia-se-
da ho de raorrer centenas e centenas da milhares. j Nunca eneonire um homem melhor. Ento ves-
Assentavamos-nos ao trabalho e as nBMBaa do tia-se para ir concertar relugfos na cidade, os do
Eu coxeava um pooeo da perna esqoerda ; mas ; soas nolaveis. Eu licava em casa. O Sr. Goi>lden
quantos no havia que tambem tinham defeitos e s voltava depois do Te-Dettm* Despia o seu easa-
nem^por isso deixavam de receber ordem de mar- cao cor de avelan, guardava ^ sua cabelleira, e pu-
0 mar tinha varrido as cobertas todo o fK
havia n'ellas, e as nossas provises de earae f
agua perderam-se como tudo o mais. A eaaura
eslava cheia de areia. e a agua liaba invatMo a
maior parte da embarcacao. No da segnmt-, con-
seguimos tirar da cmara um peqoeao sacra de
biscouto dclu.do em agua, porque havia vate e si-
to horas que eslava molhado.
Na segunda-fera segainie. eslando e?g.)ta la pro vi sao, matamos o rao, e vivemos do tem ra
daver durante dez dias. Em '.Oeste mez. as sas
horas da Urde, j nao havia mais do <|ue memm
Eram pas>ados dezesele dias depois qae batumo"
naufragado, e nao trabamos nada que comer.
Foi eni.io que o Caledoma nos salvou.
No sabbado ultimo, tiramos da cmara o cad-
ver do capilao James Grant e o do mariobeiro At
drew Hansen, e os laucamos ao mar.
O corpo do outro tinha desapparecido.

A rainha de Hespanha resolveu dar do sea ro
fre particular ura raiibao de reales K-.tMOjiiOO
para attenuar as terriveis consaejasattm das a>>-
astrosas innuada^des, que se deram na provtaria
de Valencia.

Vae correr era Hamburgo nm prorw* maMs
curioso entre um artista do Ihealro d'atjaetla eim-
de e o seu dirccior.
cha?
Estas cousas no me sahiam da idea, e quando
pensava muito lempo nellas, confrangia-se e con-
turbava-se-me a alma. Isto parecame terrivel,
no s porque eu no gostava da guerra, mas por-
xava para as orelhas o seu barrete de soda, di-
zendo :
O oxercto e'l em Yilma... ou est m Smo
hii-k.. E' o quo me disse o commandante. Deus
queira que ainda d'esta vez seja nossa a victoria
que queria casar com minha prima Catharina dos e que se cooclua a paz ; e quanto mais cedo me>
Quatro Ventos. Podamos dizer que tinhamos si- Ihor, por que na verdade aguerra urna cousa Ur-
do creados juntos. No havia no mundo uma rapa- riwt-
riga mais vicosa nem mais risonha do que Catha- Eu tambem pensava^ue se viesse- a paz, no ha-
rina, era loura.com bonitos olhos azues, faces de, vena necessidade de tantos homens e que poderia
rosa e deoles brancos como leite. Tinha quas de- casar com Catharina. E zoilo annos: eu orcava por dezenove, e a ta Mar- Dem' (*aem 1a6r Ple imaginar quanto eu pedi-
gredel no cabia em s de contento, quando me via [ria ao c*>a P* a gloria do imperador.
chegar a sua casa todos os domingos muitr cedo,
para almoear o Jamar com ellas.
Eu ia com Catharina para o pomar ; mordamos
ambos as mesmas mac/ias e as tnesmas poras. Eram
as duas creaturas mais felizes do mundo.
Era eu qae levava Catharina a missa do dia e
s vesperas, e em occasio de fesla no me dei xa-
va o brago e recusava dansar com os outros rapa-
zes da aldeia. Todo o mundo sabia que haviamos
de casar; mas se en tivesse a desgraca de pegar
em armas, eslava ludo acabado. Desejava ser ain-
da mil vezes mais coxo do que era, porque nesse
tempo tmha-se primeiro ohrigado ao servco militar
os rapazes solteiros, depois os homens casados sem
filhos, e depois os casados que s tivessem nm fi-
lho, e eu dizia comigo :-Por veutura os coxos va
( Con/inuor-i*-ftfi)
UM PIUC8 DE TUDO.
Lose na Estrella do Sul o seguinte :
Em o ultimo numero do nosso semanario mos.
tramos que Jess Chri'to, nosso Salvador, quem
estabeleceu a confissao. Occupar-nos-hemos ainda
hoj-i deste Sacramento que por isso qno to n-
commodo para os nossos defeitos, e levanta tantas
objecces.
Diz-se algumas vezes : para que serve a con.
lisso ?
I Primeiro que tudo, necessario que elle sirva
para alguma cousa boa, viste que uma instruc-
tora mais do que os paes de familia? ao poderei sa d,vi"a, e Deus nada faz sein raza>
eu servir em cavallaria -Esta idea causava-me I E_dema,!i vos pergonues para que s
funda tristeza e vinha-me s vezes o pensamento
de tigir.
Mas foi principalmente em 1812, no principio da
guerra contra os Russos, que o meu recelo ebegno
ao mais alto ponto. Desde o mez de fevereiro al
Era cinco ou seis annos o estalajadeiro Jorge fez I ao fim de maio, no vimos passar todos os dias se-
fortum ; eomprou prados, vergeis, casas e arran- jno regimentse mais reg mentes, drages, coura-
J"U dinheiro farla, porque lodos aquellos homens ceiros, carabineros, hussares, lanceiros de todas as
que vinham da Allemanha, da Snissa, da Kussia> cores, artlharia, caixes, ambulancias, carros, vi-
da Polonia e de outras partes nao olhavam para veres; era como um rio que corre e nunca se (he nhosos habilos degradavam, iraprimindo-lhe j nc
algumas mos cheias de ooro que deixavam pelas v o fim, j cemblante nm ferrete ignominioso.
serve a con-
fissao ? Confessae-vos e veris entdo para que ella
serve.
Veris que 'erve para tornar bom o homem que
mau ; veris que serve para o corrigir de seis
vicios, e para avaucar a grandes passos no cam-
nho das virtudes mais heoicas.
Para que serve a confissao ?
i'erguntae-o a e'se pobre rapaz ao. qual vergo-
e por um dique a todas revolucoes.
Julgae pois da arvore por sens fruetos.
Assim acontece coma confissao como com a re-
ligo ; no tem por- inimigas seno a ignorancia,
os prejuizos e as paixoes.
Vendes razo, a confissao multo til ; a mim
no mu custava confesar-me, quando era pequeo,
na-, agora, deste tamanho, dosta edade II
' como se ve-dissessei : Mas agora que eu
techo dez vezes mais necessidade de ir a confissao
nae-vou l I Mus agora que as minhas paladee
se esto desenvolvendo, que os perigos do mundo
me oercam, que aston exposto ao mal de todos os
lados, para que servem as precaucoes 7...
Pobre coraco humano .'
Gomo elle tresvara quando, era vez de obede-
cen razo, a dirige I
A confissao neces>aria em todas as edades por
que em todas as edades temos necessidade de cum-
prir com a le do Deus, promulgada pela egreja
caibolica.
Ora a lei de Deus ordena, a todo o hornea, capaz
ds necear, sem. nenhuma sxcepco, que cenfesse
ao. incuos uma vez cada aano.
Ein todas as-edades ha necessidade de confissao,
porque em tudas as edades se pecca, porque em
todas as edades se pode marrar, e s a confissao
o remodo di*ino que apaga opeccado, e prepara
a alma para, comparecer diante de Deus.
A medida que se vae avancande na vida, os
combates tomain-se mais frequentes, os ataque
mais amiuiladoso mais terriveis, os iniraigos mais
numerosos...
Ser este o momento de largar as armas?
Extrajimos o seguinte:
\ l.UNKT.VENCANTADA.
Um marido, cuja mulher eslava gravemente en-
ermx no sabia que-medico havia de chamar.
Un> nigromante compadecido de sua dr, deu-lhe
un luneta, que entre outras virtudes tinha a de
mostrar as sombras de todos os doentes, que li-
naam rnorrido s mos do medico que por ella
se via.
I Armado com esse precioso thesouro,correo pres-
suroso o infeliz marido a casa de varios mdicos
de grande nonaeada, mas asseolando-lhes a luneta
encantada, corra espavorido pela mullido de som-
bra que se Ihe apresentavara em redor dos escula-
pios.
Depois de correr qaasl todos os mdicos da ci-
dade, ltimamente foi a casa de um que morava
u'um quarteirao retirado e pobre. Logo entrou,
applirou-llie a luneta e vio-o escoltado apenas poi
duas sombras.
J exausto de fadiga, contentou-se cora esse adia-
do e encaminhou-se com o medico para sua casa.
Em caminho dizia-lhe muito atrapalhado o medien,
que muito eslranhava que da cidade onde haviam
tantas celebridades afamadas na medicina, viesse-
Ihe um cliente procura-lo a elle que apenas come-
eava a sua carreira, que no tinha quas clnica ao
i'onto de que apenas at ento tinha s tratado de
dous doentcs.
Essa declarago, como era natnral, rebentou co-
mo um rao aos ouvidos do desgranado marido,
que pregando de nnv > nos olhos a encantada lune-
ta repetiu baixinho eomo quem fallava comsigo
dous doentesl duas sombras! e desesperado
d-itou a correr como se a propra morte o perse-
goisse com sua fooce aleada, deixando todo confu.
m> e apatetado no meio da ra o pobre medico, que debaixo dos ps tem um papel em
amaldicoou,
.-oofldencia.
O primeiro tenor Soulheim. recaaon Ua
la cantar as opera de Wagner pela raae 6* m
er obrigado a cantar e nao a quebrar o feMn
tslo a sacrificar a vos. Para jasiilirar *wm re
sistencia invoca o julgamento de diversos mms>SJ
ide aemeada.
Espera-se com mfjciencia o resalla*) a"e<
ta quesio, sobre a qual leem de decidir m rr.bu
na es.
Per outro lado annuocia-se que ojovea r e
Raviera, encanlade com a mn-ra de Wagaer, cr*
reatisar nm dos sonhos deste eomposiior aeeu
mandando construir um theatro nacional, nm i
intenso de fazer representar n'ellc os &*+**-
gen.
Esperase que esse theatro estar ronrlmlr ao
fim de 67.
E" VSr. J. A. Seifert, c:U poesa
Osando do p.-jo
Brilha o rubor
Na faces loas
Adeja amor
i>. torget e Bmrtt
Etelvaa bella, o leu amor illude,
Como a virtudena inansao divina
Semeia os cantos da vida pura.
Na escessuraque teu amor fascina '
Eu sijtoainda na doce arena
Linda morenao teu ornar rsonho.
E' o suspiro braodo que meigo exhalas.
Xa voz que fallasqual visa en sonho.
E" doce instante d'um viver ando>o.
to melindrosoque devasta o peii.
Ouvir leus cautos d'essa. voz saudosa
To sonorosade suave etfciio I___
Oht Etelvina bella, ta. delirio ardenle.
Amec ferventele forme o eseaolo,
E co, mgico enleio ue forma o risa
Provoque o sisono cryslalino praato!
E' pois a ti qua na lyra cont,
Ao volver do mansno azul dos cu-,
E por ti que rae voto s dores
Destas flores de asselnados v.-us' I
Etelvina bella r> teu amor illade.
Como a virtudena manso divina
Semeia ,s cantos da vida pura.
Na espessuraqne tea amor fascina
A Correspondencia de Madrid noticia o sejtnime
Domingo, na praca dos touros em S*r.igo<*a. le-
ve lugar o grande combate aaouacia elephante de Ceylo e dous louros, porem o ele-
phante lutoa com cada um separado.
O gigante da Asia, depois da ter pasteado e m
multa gravidade, csper.m tranq/ullamente osea J-
versario,
O pruneiro louro sahia. e convpianto se ar-i
em presenca de uma massa enorme e f->rm;Ja I.
no hesilou em atacar de frente o seo adverstrio
que o rerubeu as suas ueiezas e o drnbu e tan
con |>or Ierra rom a rn'.vin farilidade que am me-
nino lancaria uma laranja.
Duas u tres vezes o loaro volton a rwf). v
que alinat o elephante erivou de feriiias ?: as
.-uas formidaveis deiexas e o estendea mosto a ten-.
Ps.
O vencedor licou depois lio soregado como nm
hornera que araba de helu-r am ees a"aeiM. e ea-
mia com grande appetue o mima sjaa sea amo Ibe
dava.
O outro louro lancon-se com meaos armj> nwsra
o elephaute, que no t.irdou a dVixa-k> morto M
lado do primeiro.
Depois deste duplo trinmpho o gigaat i firon to
fre-eo o tranquillo como se no lives e pareeia disposto a rombater lodo am rebaaha de
louro.
O tonro um adversarlo pouro terrivel para e
elephante, qae atacando de frente, nada put rest-
ira as formidaveis defezas do cotosse astatlro.
O Punch tradiizin em raricalora nm cel#fcre sls-
enrso de M. Pvrsigny sobre a liberdade de segasa-
te modo:
Itepro-entou o interior de nmaorarie d> r-mlp-
tor. o anista est na aeco de anear urna esuina
da liberdade que representoa cum os pselo mi*
entadeadas. a bocea fechada com ama mardn* e
1 ,":ra','vis..ador entrou neste momemo : Ms
Dull, a persoHifiracao do povo inf lex.
Estr olha, admira e camprimeaU o esculpios t
Os peridicos inglezes conlam os terriveis sof- Ihe diz coiiira.>vida
frimentos da tripulaeo de um navio perdido. ~ B,s ima^m fiel da escravidao
n. /,,... ... .. i O escoli-ttir cuja nna^m tera todas as Psete da
i barco a vapor Caledoma chegou de Nova-York y -e persiRny Ihe r*i.lira.
a Tail do II mk, com tres marnheiros do brigue Como! a escravidao I.. l liberdade.
byrshire-hass "Ardrossan, que encontrou, em 9 ________
do crreme, pelas 7 horas da larde, aos 85 graos PKHNAsWGO.-----TYP. DB M. f. DK f.h Fn.no


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6YG952U3_55XTZ7 INGEST_TIME 2013-08-28T01:44:31Z PACKAGE AA00011611_10549
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES