Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10544


This item is only available as the following downloads:


Full Text
a
AMO XL, TMEBO 288
Por tres aezes adiantados 5gO00
Por tres mezes vencidos 6$0
Porte ao comi por tres mezes. 750
SEXTA FEIRA 16 DE DEZEMBRO DE 1864.
Por auno adlanudo.....19$00O
Porte ao correio por um anno. 3$0OO
Cu' ARRKGADOS DA bUBSCRIPCAO NO NOME
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques a Silva; Aracaty.o
8r. A. de Leir.os Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Olivara; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro <& C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
1NCARREGADOS DA 8UBSCRJPCAO NO SUL.
Alagas, o Sr. CJaudino FaJcao Das: Babia, o
rr. Jos Martins Aives; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins & Gaspariao.
niinH, n {AM^A O *5AHAS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
semsUfimaQa e Parabyba nas senn SaAmIaoVGrava.ta' BMerrs, Bonito, Caruar,
n e Garanhuns nas tercas feiras.
Pao d Alho, Nazarei, Limoeiro, Brejo, Pesqneira,
nW?" FIres'Via Bella, Tacarat.Cabrob
nJLs i, Hncury e Exu- nas quartas feiras!
Serinhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una,Barrei-
iih, 1 i.Ua Preia ^"teiras nas quintas feiras.
liba de Fernando todas as vezes que para ali sabir
Ha VI O. *
Todo.
os estafetas partem ao Vi dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
6 QUarto cr esc. as 5 h., 11 m. e 36 s. da m.
13 La ch6ia as 4 h., 52 m. e 26 s. da m.
21 Quarto ming. as 2 b., 42 m. e 58 s. da m.
28 La aova as 7 h., 1 m. e 44 s. da m.
PREAMAR DE EOJB.
Primeira as 8 toras e 54 minntos da manha.
Segunda as 7 toras 18 minutos da Urde.
PARfii)A lo VAPORES COSTE1R03.
Para o sul at Alagas a 6 e 25; par* o norte at
a Granja, a 7 e 22 de cada me?; para Fernando nos
das u dos mezes de jan. marc., maio. jul. set. e no v.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Par* Recife: do Apipucos s 6 Vi, 7, 7 /,, 8 e
8 >/t da m.; de Olinda s 8 da ra. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6 V da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos s 3 V, 4,4 V* 4 V,
o, 5 Vj, 5 i/t e 6 da urde; para Olinda as 7 da
manhaa e 4 / da tarde; para Jaboatao s 4 da
tarde; para Cachang e Varzea s 4 >/ da tarde;
para Bemfica s 4 da Urde.
Rogamos aos nossos assigoantes de
fra que qoizerem reformar as suas
assignaturas, |para o auno prximo,
hajam de dar as suas ordeus para que,
antes do li.n do corrente, estejam as
mesmas reformadas, para nao haver
inteiTupcao na remessa.
Igualmente rogamos puellcs, qne
se adiara deveido o anno presente,
manilem pagar seus dbitos, para evi-
tar que Ihes seja suspensa a remessa.
PARTE 6FFICIAL
GOVERIW DA PROVINCIA.
Cominuaoao do expediente do dia 12 de dezembro
de 1801.
OfQcio ao Exm. vsconde da Boa-vista comman-
dante superior da guarda naciunal do Recife.Em
vista do que expoz V. Exc. vcrbalmente e coocor-
dou com a presidencia, tenho resolvido que os cor-
pos da guarda nacional sob seu commando supe-
rior, excepto os desta capital, s se reunam para
re.ista urna vez por mez em suas paradas, (cando
deste modo alterada a circular expedida em 17 de
n vembro ultimo : o que declaro V. Exc. para
ter execugo.
Dia 13
Dilo ao Exm. Dr. vigario capitular desta diocese.
Passo s mos de V. Exc. o incluso exemplar da
obra intitulada Historia Sagrada pelo conego Sch-
mid afim de ser approvada por V. Exc. para o uso
das aulas de instrueco primaria da provincia.
Dito ao bao de Munbeca juiz de paz mais vo-
tado do Io districtoda freguezia da Varzea.Ten-
do reconsiderado a deciso que dei hontem con-
sulta feta por V. Exc. em ollb-io de 9 do corrente
AUDIENCiA DOS TRBUNAE8 DA CAPi?AL
Tribuna! docommercio: segundas quintas.
Relagao: tercas e sabbados s O horas.
Fazenda: quinus s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : urjas sextas ao meio
dia.
Segunda vara docivel: quartas sabbados a 1 hora
da Urde
DAS DA SEMANA.
12. Segunda. S. Sereno: S. Epimacho m.
13. Terca. S. Luza v. ni.; s. Eusirano m
14. Quarta. S. Acuello al, m. S. Arsenio m
15. Quinta. S. Albina m.; S. Cciiiano m
Ib. Sexta. S. Ensebio Wrselen-e I., m.
17. Sabbado. S. Flori.ino ni.: S. liolaniro n
18. Domingo. S. Esper.dio b. c.; S. Theotimo m.
A8S1GNA-SB
no Recife, em a linaria da praca da IndepenA>n
cians. 6 e 8, dos proprieunos Manoel fVarir. '
de Faria & Pilho. ir '
Circuiar todos os commandanles superiores
da gnarda nacional.Expega V. S. as suas ordens,
para que em vez de reunirem-se os corps com-
panhias da guarda nacional sob seu commando
superior como se determii.oa em circular de 17
de novembro ultimo, para revistas, e xer'cicips, o
sejam nicamente para urna revista raensal em
suas paradas. ,
Officio ao inspector do arsenal de marinha.
Remeti inclusas por copia as informacoes minis-
tradas pela ihesouraria de fazenda acerca do ofD-
cio, que V. S. dirigi presidencia em 28 de no-
vembro ultimo, afim de que sejam satisfeitas as
exigencias constantes do parecer da contadona
daquella repanigo.
Dito ao mesmo.-Visto que foi considerado apto
para servir na companhia de apremlizes man-
nheiros, o meuor Minervinj, lilho de Felippa An-
tonia da Coneeigo, como consta da sua inrorma-
ga n. 701, de 10 do corrente, mande V. S. abrir-
Ihe assentamento de praga em dita companhia.
Portara.O vice-presidente da provincia tendo
em vista o que requereu Antonio Soriano do Reg
Barros, praticante da thesouraria provincial,e bem
assim o que a esse respeito informou o respectivo
inspector em otlicio de 7 do corrente, sob n. 523,
resolve conceder-lhe tres mezes de licenga com
vencimentos para tratar de sua saiide. observndo-
se o disposto no artigo 49 do regulamentU'aquel-
la thesouraria. do irmandade do Divino Espirito Santo a
Dita-OSr. gerente da companhia Pernambu- gem de S. Jorge, conservarla em seuooder as rou-
cana. faca transportar para a capital das Alagas pas e pertences da
sua custa essa imagem ? para que a mandou vestir i exemplares destinados a essa freimena a ni far
%$^U^E?T& T ff^ribuir" 'natrizaCaShorfaTm ssa con/eT-
zerTresen,fJStoi & a T "* de '*,' Ilua 'Sejam qu2ts fjre,n as Pessoas lu se apre-
zer presente della a irmandade do Divino Espirito sent.irem para os receber
banto, pois nesse caso antes mandara esculpir Espero igualmente nue V S fari vp> an< spns
urna imagem de Nossa Senhora ou de um Santo,! parochianofo dever .me eHs tem de Mr ea fo-
que a irmandade colloca.-se em um dos altares; e Iha, e mesmo faze-la r p lo maior numero de
Sm amarV'"3 ^^ "* 6Slaf gU3rdada em pesfas "Ue flJrP0SS1V' alim de ver seTor e'e
OPtn nwhHA a !.. mod coseguimos ainda que lentamente derra-
DoS2Siy^lL,^^iS,,*fS2S ~rllPwo$ajnsirac5o religiosa e moral,
esculpir a imagem de S. Jorge tao somonte tao necessaria nos lempos em que vivemos.
Igual aos viganos de S. Pedro Goncalves
Boa-Vista.
e da
para servir na processo de Corpas Chnsti, que
elle todos os annos costumava fazer nessa cidade
sua custa : o como de ceno lempo em diante
fosse por elle determinado, que essa procissao ha-
via de sahir da igreja do Espirito Santo, eis a ra-
zao de ser a imagem ali conservada, eis a razo
porque elle encarregou essa irmandade do cuida-
do de a guardar, urna vez que pelo seu vulto nao Temos nsia Mn Q ft,... a
poda ella estar com decencia no palacio da soli- JZ jas* *'MES**1 '> -6 >
dade. \? uas 1ue 'ul portador o vapor Oyapok, alcan-
cas razoes, que occorrem mais simples refle- do Cear a'H ^L dLS -Maranho 9, os
xao, se acham confirmadas pelo fac.o nao s de Sffi A" 6rande *
conservarem-se no palacio da Solidado os vestidos
DIARIO DE PERIHAMRUCO
Leal, por estar doente o provedor da sade do
porto.
Encontrando este o commandante da em
Cao na Ponta d'Ara, soube delle que a bar
Dow, sahida em lastro de Benim, porto da
d frica, no dia 14 de agosto com deslino Per-
nambuco, dv>senvolvera-se-llie em novembro a bur-
do o escorbuto, de que solfriam presentemente 5,
tendo 1 fallecido 11 do mez passadD.
Exislindo apenas 3 pessoas com sade, haviam
arribado, sem ter quem podesse levantar o ferro e
marear o navio para o porto.
A' vista do exposlo, deu o Dr. Henriques Leal
permissao para que entrasse, fundeando na Ponta
d'Ara e sem communicar com a Ierra, seuo de-
pois de verificada a natureza da molestia.
Scguio para bordo a lancha, conduzindo um
I pratico e novo marinheiros enviados pelo Sr. Wil-
son aliui de trazercm a barca para o ancora-
! douro. >
fez do espolio do fallecido prelado.
Pois se o Exm. prelado diocesano houvesse doa-' SjJMlffS? ^T'- nenhumas fram as
irmandaiiAiin niuinn p^m. a.. r., "MMeB viudas do sal do imperio.
por conta do ministerio da guerra no prlmeiro va-
por que seguir para a linha do sul os ebjectos
mencionados na relacilo por copia inclusa.Offi-
ciou-se ao Exm. presidente da provincia das Ala-
gas.
Despachos do dia 12 de dezembro de 1SG4.
iequerimentos.
Antonia Maria da Conceicao.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica, ouvindo o subdelegado do Peres,
se o recruta Antonio Jos de Sant'Anna, raorava
em companhia da mae, que a supplicante.
Antonio Jos Varella. O Sr. Dr. chefe de polica
mande que o subdelegado de polica envi os do-
e attendendo que a disposicao do art. 2 das instruc- i ^umen,?<; <*ae assevera teria remettido para prova
coes que baixaram com o decreto n 2621 de 22 de .80* informaSao, se esta nao Ibe tivesse sido exi-
agosto de 1860, e a doutrina do aviso de 22 de no 'glda COm ur^ncia.
vtmbro de 1861 raelhor esclarece a materia do ar-
tigo 2 do decreto n. 1812 de 23 de agosto de 1856,
declaro V. Exc. que, para a orgahisaco da jun-
ta revisora dessa freguezia na 3* dominga de Janei-
ro prximo vindouro devem ser convocados os oilo
cidados immediatos em votos V. Exc. na lista
cos juizes de paz e nao os novos eleitores da fre-
guezia, por isso que a legiiimidade dos mesmos
anda nao foi expressamente recontiecida pelo po-
der competente, como exigem as instruccoes cita-
das de 22 de agosto de 1860.
K por que o aTiso de 20 de junho deste anno, ci-
tado naquella minha deciso, se ada em opposi-
co s referidas instruegoes, devo suppor que o
governo imperial cogtounellede hypothese diver-
sa da que fez objecto da consulla de V. Exc.
Fica is.-im respondido o seu olUcio desta dat.
Ditoao coronel commandante das* armas.Quei-
ra V. S. informar acerca do que pede Francisca
Mara de Oliveira no incluso requenmento.
Dilo ao mesmo.Queira V. S. informar sobre o
que pedi-m Manoel Ignacio de Oliveira & Filho no
incluso requenmento.
Dilo ao mesmo.Queira V. S. informar quando
o sentenciado militar Manoel paulo Peixoto acaba
de rumprira p^na a que foi c'ondemnado.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Preiendendo Joaquim Jos de Santa Anna eximir
do servco do exercto nos termos du 3 art. 3 da
le n. 1220 de 20 de junho ultimo, seu sobnnho
Clemenlno Jos de Lima, que se acha detidocomo
recruta no quartel do 9o batalho de infanlaria,
assim o declaro V. S. para que haja de mandar
recolher ao cofre dessa repartigao a quantia de
6005 que elle tem de ah apresentar para seme-
Ihanic lim Olllciou-se neste sentido ao coronel
commandante das armas.
Ditoao mesmo.Remetiendo inclusos os papis
da divida de ll450, de que solicita pagamento
Aquilino Pereira Simas, proveniente do aluguel de
sua casa qne esleve servindo de quartel ao desta-
camento da povoacao de Tejucupapo, tenho a de-
clarar V. S. que das duvidas mencionadas em
sua informaco n. 673 de 23 de novembro ultimo,
s nao e>ia plenamente satisfeila a ijue traa de
aulhenticidade da conu junta, e nem o pode ser,
visto que segua para a corle, como afflrm o com-
mandante das armas em seu officio de hontem
lambem por copia incluso, o alferes Domingos de
Azeredo Coulinho, a quem caba authenlicar a re-
ferida conta, em consequencia de ter commandado
o destacamento.
Assim, pois, parece estar o predilo Simas nas '
circumstancias de ser pago daquella quantia, co-
mo se ordi-nou em officio de 17 de ouiubro prxi-
mo passado.
Dito ao mesmo. A"vista dos inclusos papis,
maode V. S. pagar ao capilao Jos Angelo de Mo-
raes Rege, como solicilou o coronel commandante
das armas em officio de 7 de novembro ultimo,
que aqui junto, a quantia de 936't0 rs., que des*
pendeu o mesmo capilao com objectos para o ex-
pediente da quinta companhia, que mandou com-
mulatamente com a primeira do quario batalho d**-?*r,flnd?JRver" de P*ambaco, 13 de
j.....k.-i. x-__......____ ..!......____. dezenbro de 1861.O secretario, Dr. Francisco
Antonio Kodrigues de Albnquerque.Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Bacharel Anlono Columbano Seraphico de As-
sis Carvalho.Informe o Sr. Dr. juiz de direilo da
comarca do Bonito.
Associago dos praticos da barra.Indeferido
vista da iuformagao.
Antonio Martins da Silva.Nao tem lugar a vis-
ta da informaco.
i Padre Fraucisco Coelho de Lemos e Silva.
Informe o Sr. engenneiro fiscal da estrada de
i ferro.
Joaquim Francisco do Reg.Informe o Sr. ins-
i pector da thesouraria.
i Manoel Fernandes dos Santos.Como requer a
i vista da informaco.
MigUfl LinS da Purificacao.Informo o Sr. inc-
pector da thesouraria de fazenda.
Maria da Luz.Iuforme o Sr. major director do
: arsenal de guerra.
Manoel Joaquim das Trevas Marinho.Deferido
em conformidade da informaco.
I Vidal das Chagas Coelho. Prove o supplicanle
ser doente, e bem assim que morava em sua com-
panhia o seu lilho que foi recrulado.
- 13
Alberto Redoux.Deferido em conformidade da
informaco.
Anto do Sacramento Rosa Opporlunamente
ser atlendido.
Monsenhor Francisco Muniz Tarares Deferido
em conformidade da informaco, a qual declara
com que condico podem ser dmiltidas no colle-
gio das orphas as meninas, a que se refere o sup-
plicante.
Ignacia Maria de ant'Anna.Deferido em con-
formidade da informaco.
Jos Tavares de Medeiros.Deferido a vista da
informaco.
Jas Andi Lobo.Deferido a vista da informa-
gao.
Joo Fernandes Eiras.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Joaquim Jos de -ani'Anna.Deferido era con-
formidade da informago, sendo que o Exm. Sr.
commandante das armas se dirigir a conveniente
participagao.
Maria da Gloria Silveira.Informe o Sr. baro
do Livramento, viceprovedor da Santa Casa de
Misericordia.
Maria da Luz.Como requer a vista da infor-
maco.
Hontem (3) s 4 horas da larde fundeou o Je//
13 e os da'Pa-1 Davu Jnnl i mete a visita de sade. Examinado o estado dos
do Santo e todos os ornatos "o'servem na DTOCe* p**"015 '**'AcetM destas dnas provin-! }u?nle/- vorilicou o Dr. Henriques Leal ser escor-
so para o seu estado maYor" como de e^trarem es-! !'s ^ dt? ? nosso correspondente : bulo, desenvolvido pela lo.iga v.agem, u=o de car-
tes vestidos e esles ornatos no^nventar o que se I *l/ft2*m via8*m do vaPor ne.s f,adas por tao. Prolongatl0 lemP e Psimo
ue, se | pea trazepdo do ultimo porto, (Maranho) pouco I es'ado da agua que beba a tripolagao.
t Depois do inspector interino da sade ler con-
ferenciado com S. Ezc. o Sr. presidente, accorda-
ram ambos por um excesso de prudencia em se-
gregar os doentcs no lazareto da Pona d'Ara para
serem alli'lralados, e ordeuarque o navio seja bal-
deado, e caiados e fumigados o poro o cmaras
antes de vir para o estaleiro ver o fundo, como
pede o capitn. >
Cear.Encerraram-se no da 6 os trabalhos da
assembla provincial.
Rio-Ghande e Pabahyba.Nada occorreu, que
merec mengao.
mesma imagem 1 Se a ima-
gem pertencesse a essa irmandade nao Ihe perleu-
ceriam as alfaias e ornatos da mesma, e nao Ihe se-
nam estas entregues; pelos menos quando merreu
o doador ? E, em lugar de assim proceder, lem-
brar-se-ha algnem de fazer inscrever minuciosa-
mente no espolio do fallecido prelado, Indo quanto
pertencia ao mesmo Sanio, e que se achava encer-
rado em dois bahus I Nessa occasio se devia
lambem fazer mengao da propria imagem, cer-
to ; porra eu igoorava enio que o Exm. prelado
tivsse mandado fazer essa imagem, eu ignora va
que tal imagem existisse.
Dire lambem que o mesmo trecho da acta que
V. S. me remetteu por cerlido, posto que lavrado
pela propria mesa regedora e bascado no que de-
poe o irmo procurador geral, ainda assim nao diz
claramente que o Exm. diocesanc doara a essa ir-
mandade a imagem de S. Jorge. A acta diz : t O
- mperio
O mesmo succede pelo norte, porque as daqui
sao assas limitadissimas.
t Do Amazonas sbese pelo ultimo paquete que
anda funecionava a assembla provincial, ern op-
posigao a presidencia.
t Todos os lugares do alto e bata) Amazonas
licavam em plena paz Rescentia-se a cidade de
Manos da falta de algnns gneros de alimenta-
gao, tanto que a presidencia mandara comprar va-
rias partidas de farinha nesu provincia para re-
vender e distribuir na do Amazonas.
Desta do Para pouco lambem ha de notavel.
Em primeiro de dezembro corrente inslallou-
se dffinitivamente a associago commercial desta
praga, que desde entao para c tem funecionado
regularmente.
S. Exc. o presidente da provincia que se
achava ausento em Marojo a convalescer por mo-
tivos de molestia, regressou no da 6 esta cab-
ial, restabelecido dos seus incommodos.
- Por este motivo S. Exc.
irmao procurador geral apresentou em nome do ^*hn72JT3ta a i JZl mbm a cam ra
nosso irmo o Exm. Sr. D. Joo, bispo diocesano Sto"[%f(*LS* f,L\ ZtWl T
olferecendo a esta irmandade para Ihe ser entre- -,?-.a-eing,e *'penal no da 2 de de-
teio efligie
zembro.
Com effelio hi leve lugar no dia anniversario
IfJUSSPlfel"!* ,era.nome do Exm. preU-1 JhTSS ^ CrleJ' Cm '
gue a imagem de S. Jorge, que tem de sahir em
procissao de Corpus Christi.. A acU nao diz
do, offereceu a imagem'de S~lora7o7,Aca've'r- l'**, ua.,ropaua,'ul et'slente, e noite houve es-
toW.a,SKIl,*,^ rlE0 PubliC0J compareceram
se templo do Espirito -aoto ; diz oue offereca a n autor,da.de-,
Christi.
! nbeiro em Londres e em Paris.
i expresin' cm etomafS 'As DOlCiai DanciriSe commerciaes da corte
Evidentemente se v pois, que, ou o Exm.
Pela secretaria do governo se faz publico, que,
i de conformidade com as ordens do Exm. Sr. vice-
presidente da provincia, as passagens de estado
i quer para o norte e quer para o sul, d'ora em
diante s sero concedidas a pessoas reconhecida-
mente indigentes e soldados que tendo obtido
escusa do servieo militar quizerem regressar para
I as suas provincias, sendo por isso desnecessario
que pessoas em outras circunstancias se apresen-
lem para obter estes favores.
de artilharia a pea que perteoce, visto estar satis
feita a exigencia constante da sua informago de
10 deste mez.
Dito ao mesmo.Em vista dos incluos prets e
folhas em duplicaU que me foram remeltidas pelo
commandanle superior da guarda nacional deste
municipio, com officio desla dala, mande V. S. pa-
gar sob minha responsatulidade, nos termos do
decreto n. 2884 do primeiro de fevereiro de 1862,
os vencimentos dos 'officiaes e pracas do dcimo
batalho de infanlaria da guarda nacional que se
acham destacados. Cominunlcou-se ao Exm.
commandante superior da guarda nacional do Re-
cife.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Sendo quasi impossivel ao administrador da casa
de delengo, segundo se deprehende do officio que
elle dirigi ao Dr. chefe de polica em 7 do cor-
rele, restituir a spos donos as pequeas quantias,
que prefazem o saldo de 424763 rs. encontrado a
seu favor no ajuste de contas a que se procedeu
nessa thesouraria, por iodemnisagao das despezas
feitas no anno d? 186S, com presos que nao po-
dan) ser considerados pobres, lenho resollido que
aquella quantia seja applicada ao collegio das or-
phas, entregndose para isso pes-oa que o ba-
ro do Livramento, vice-director da Santa Casa de
Misericordia autorisar para recebe-la : o que de
claro V. S. para ler execucao na parte que Ihe
toca.
Neste sentido offlciou-se ao vice-provedor da
Sania Casa de Misericordia, e communicou-se ao
Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo. Em vista da inclusa conta, e
nao havendo inconvenienle, mande V. S. pagor
Faustine de Souza Ferraz, ou pessoa por elle
autorisada, conforme solicitou c chefe do polica
em officio de 10 do corronte sob n. '54 a quan-
tia de 54J despendida dorante o mez de setembro
ultimo, com o sustento dos presos pobres da ea-
deia do termo de Villa-Bella.Communicii-sc ao
Dr. chefe de polica.
de Paula Sales.
Pela secretaria do governo se faz publico, que,
de conformidade com as ordens do Exm. Sr. vice-
presidente da provincia, as duai passagens de que
dspoe o governo em cada vagem dos trens da es-
trada de ferro, na forma da decima terceira das
coudiges annexas ao decreto, n. 1030 de 7 de
agosto de 1832, s sero de ora em diante conce-
didas a pessoas, reconheeidamente indigentes ou a
i soldados que forem para seus destacamentos: sen-
do por isso desnecessario que pessoas em outras
i circunstancias se apresentem soliciundo taes pas-
i sagens.
Secretaria do governo de Pernambuco, 15 de
j dezembro de 1864.O secretario Dr. Francisco de
i Paula Sales.
OVERNO EMMIIM\IH l9
Ptilt.Vl.iIHOl'O.
SEllli Va<;*\T
Dezembro de 186i.
Expediente do dia 13.
Officio ao juiz da irmandade do Divino Espirito
Santo.Tenho presente o officio de V. S., firmado
em 10 do corrente, a companhando urna certdo
da acta da mesa regedora des>a irmandade, lavra-
da em 9 de novembro de 1860, que diz respeto
Imagem de S. Jorje, e a documento em que a com-
msso encarregada das obras da nova matriz de
Jos declara haver recebido dita imagem no dia 8
do corrente.
Respondendo ao que V. S., em nome da mesa
regedora, pondera rio seu citado officio, cabe me
dzer que, segundo estou informado, e segundo se
infere da nrdem natural dos factos, me parece que
jamis foi da intengo da Exm. prelado fallecido
fazer doaoao irmandade do Divino Espirito San-
to da imagem de S. Jorge, por elle mandada fazer.
nao foi bem compreheodido pelo irmo procurador
geral. V. S. ha de concordar comige que, se fosse
dft monto Ao Bam. |/i cladu f.i I l'-i 1 ilt i UUrfl UO Ullltt
ve/, aquolla imaxem, hava elle de impr necessa-
riamente algumas condicgoes, alim de evitar qual-
quer duvda que podesse haver com as mesas re-
gedoras, que para o futuro governassem a irman-
dade.
Eis aqui as razoes, nao pouco fundadas, como
V. diz no seu cit;do officio; mas, a meu ver,
muito relevantes, e que me lzcram persuadir de
que a imagem de S. Jorge com lodos os seus per-
lences nao propriedade desta ou daquella irman-
dade, desta ou daquella igreja, assim como nao fi-
ca sendo propriedade da nova matriz de S. Jos.
Tenho sempre respeitado o mantido, no que
possivel, as determinagoes do Exm. prelado de glo-
riosa memoria ; e eu nao hesitara um s momen-
to se, no caso ora vrteme, se me apresentasse urna
doai.ao legal. Mas essa irmandade deve envencer-
tambem correram bstanle para tranquilsar os
nimos da nossa praga ; pois haviam muitos prog-
R*tn$3 56SEtfJH neiroc!os.daj falencias deoois
de nndo o praso da suspensao do cdigo por espa-
go de dous mezes.
Hoje noia-se bstanle movmento para transac-
goes, lano para o sul como para a Europa.
A poltica por aqui vai-se extremando com
mais alineo ; pois que o Constitucional Paraense
-Nos paroxismos de tao cruel situago. os me
lizes polacos, levando a patria em seu* mafia
demandam hospitalidad* e soccoorros t.< inunde
civilisado.
O Brasil, essencalmente hospitalero e g^ne
roso, nao poder ficar surdo aos genlos de eu*
rmos. E, pois. no intuito de arulher aos iofel
zes polacos espalhados pea Europa, e aos
possam escapar s persegniges de ou; *> vi.;i
mas em sua desbragada patria, temos organlsado
nesU provincia una associago rum o fim de pr>
promover a emigrago desses iofelizes para o
Brasil.
-N'ago essencalmenle agrcola, professamlo .
mesma reli|uo, -nos gralo recoohecer qn* Ja
eolonisacao polaca no Brasil, resultar beoetk'm.
reaes para ambos os povos.
A Associago promotora da colonisacao polaca
no Brasil, oreada no da 10 de dezembro do roj-
rente auno na capital da provincia de l'eroambu
CO, compenetrada dos sanios principios de randa
de c patriotismo, se dirige aos seus dignos rompa
trelas nas deinais provincias do imperio, runvi
dndoos a compartilharem dess mesmos princi-
pios em favor desse. heroico o martyrisado povo. e
de um futuro lisongeiro para o nosso safe.
a A associago iwaeJMio dar a maior rxpansn
ao sou pensamenlo, e reconhecendo que nanea
recorre em vo benelioencia e ao patriotismo
dos brasleiros, lem a honra de solicitar, e o m-
vanecimento de esperar ronliadamente n > concar
so de lodos para a realisago de urna obra de al-
cance tao elevado. Ella deseja ardeutemeole ver
se ramificada em lodo o imperio debaixo do ir,c>
O vapor inglez Paran, chegado honlem do Rio Tp,! ?, ,'i, r' 'O"'* "*>
e Baha, irouxejornaes do primeiro al 9 e da se- ce." "'" d",* falsear seus .
gunda al 13 do corrente. I Aualmenle oceupa-se a associag:u> da elaoo-
As noticias que colhemos sao as que seguem. SS2 i eslalut0*- 1m d.evem r,,-",la os P"?
Rio de jA.NEino.-Por decreto de 28 do passado ??JS ;,l>',rovads. serao rem -ttid-s as sM
foi creado mais um batalho de infantera da guar- a" '^l'f JL ^ Crearem ^ d,fr<'r,*n,",s P[
da nacional na parochia de Santa Rita, da provin- !~Q5"* para,1'm, de "w-*>**
cia da l'arahvba. I integra ou modificados segundo as cir
Por decretos de 29 do passado reduzlo-se a
seis eompanhias o batalho de infantera n. 13 da
guarda nacional da provincia do Para, e creouse
mais um batalho de infamara no municipio de
Braganga, da mosma provincia.
Por decretos de 6 e 7 do corrente foram Ho-
rneados :
cumsiancias e a experiencia o aconselharem.
Associago promotora da colonisagio polaca
no Brasil, em Pernambuco, 15 de dezembro de
1864.
Dr. Pelro Aulran da Malte e Albuquerque, presi-
dente interino.
Dr. Jos Antonio de Figueiredo,
O bacharel Eduardo Augusto de Oliveira, juiz iJ'JiSfiK v ^
municipal o do orphaos do termo de Olinda na "liSSES* **"** **->
provincia de Pernambuco; I nr ? n, .
O bacharel Virginio Carneiro da Cunha e Alta-' J" JS^2S*.r2 ^K" P.nho.
querque, juiz municipal e de orphaos do termo de Baro dol m* Na=concellos.
primeiro secreta-
segundo :
balito Anto, na mesma provincia .
O bacharel Francisco de l'aula Guiroares, juiz
municipal e de orphaos do termo de Cael, na pro-
vincia de Mnas-Geraes ;
Joaquim Porfirio de Souza. tenente-coroncl com-
manaante uo uaiainao n. 6 do servieo da reserva aa
guarda nacional da provincia da Baha.
Foi removido o juiz de dreito Joaquim de
Paula Pessoa de Lacerda, da comarca da Parnahy
ba, na provincia do Piauhy, para a de Serid, na
do Rio-Grande do Norte, "ambas de l' entrancia,
e o Jornal do Para tem-se declarado em aberta Pr assim o haver pedido,
opposico a situacao da provincia ; entretanto o Foram designadas :
jornal do Amazonas nao tem deixado sem replica Acornara da Parnahyba, de 1J entrancia, na
a aggresso daquelles orgaos dos conservadores. provincia do Piauhy, para nella ter exercicio o juiz |
s factos argidos sao puramente mais pes- de direito Francisco de Araujo Lima ;
A de Aquiraz, de 1* entrancia, na provincia do
Cear, para nella ter exercicio o juiz de direilo
Hyppolito Cassiano Pamplona.
Foi declarado sem effeito o decreto de 30 de
maio ultimo, que nomeou o bachurel Arminio Co-
riojano Tavares da Silva juiz municipal e de or-
phaos do termo de Olinda, na provincia de Per-
soaes do que oulra cousa e por conseguinte pou-
co ou nenhuin interesse, podem merecer fura des-
ta provincia.
t Entretanto nos ltimos nmeros dos tres jor-
naes poder Vmc. encontrar mais minuciosamente
o que levo referido.
^ ^/?F?i^r^^^':^^^^ar;^b^s; ^;^i^^^ T^s di^ aeste por, hia,e
da mitra, a cujas expensas foi feila a referida ima-
gem, e qual por conseguinte ficou pertencendo.
Dito ao vigario interino de S. Jos.Accuso re-
cebido o seu officio de 12 do corrente, pelo qual V.
Rvma, me declara que a commisso por mim en-
carregada de promover nessa freguezia as esmjla*
para o acto da inaugurago da nova matriz de S.
vagem com agua
destino a Maranbao,
aberta. Este navio la com
a cuja praga perteoce.
t Eis-aqni as pequeas novidades do Para o por
nao me poder lambem alongar mais nesta occa-
sio, visto acbar-me bstanle oceupado findo esta
remellendo-lhe a nota do movmento de passagei-
ros e das embarcacoes entradas e sabidas deste
piona, thesoureiro da commisso encarregada das it-asileirns
obras do novo tamidn lirasiieiros 14
obras do novo lemplo.
Muilo me alegra ver como aquelles que menos
podem, quamlo se trata do culto divino e das fes-
tividades da igreja, sao os primeiros a tirar do
pouco que possuem para o empregarem com a me-
Ihor boa vonlade nas obras de Deus. Sei que o
Srazer que tiveram os seus parochlanos por verem
nalmente abenas a nova matriz muilo contrihuio
tambem para as suas generosas offertas; porm
isso mesmo prova o espirito religioso que os ani- ;
ma, e augmenta para assim dzer o valor dos seus
donativos.
Queira, pois, V. Rvma. agradecer em meu nome :
commisso dessa freguezia, o desvelo com que '
desempenhou a misso de que a encarreguei e
signilicar-lhe que o glorioso patriarcha S. Jos ha
de alcangar do seu lilho e da sua esposa que a de-
dicacao que lodos moslram pela causa da relig'o
seja recompensada cabalmente pelo Supreno Re-
munerador de toda a acgo boa.
Dito ao vigario de Nazareth.Foi-mo entregue !
o seu officio de 6 do corrente, no qual me diz que,
chegando-lhe s mos um mandado de commisso
que d'aqui foi para o coadjutor dessa freguezia, e
estando esse lugar vago desde julho do corrente
anno, mas que tendo algumas vezes encarregado
o| Rvd. Francisco Verissimo Bandeira da a'dmi-
mslraco dos Sacramentos, entendeu que obrava
em re.-ra entregando o mandado ao referido sacer-
dote para que Ihe desse inteiro e religioso cum-
primento. Diz mais o Rvm. que, nao adiando ou-
tro sacerdote que queira aceitar o lugar de coad-
jutor, me apresenta para esse lugar o mesmo Rvd.
Francisco Verissimo Bandeira, nao sotando se ha
iocompaiibilidade, visto ser elle professor de pri-
meiras lettras.
Sendo o mandado dirigido ao coadjutor dessa
freguezia, nao devia ser entregue a oulro sacerdo-
le que nao fosse o coadjutor; e se esse lugar se
achava vago devia V. Rvma. panicipar-me para
queen providenciasse como convinha.
Nao mando pasear proviso de coadjutor para o
Rvd. Francisco Verissimo Baodeira, por ser este
cargo imompalivel com o lugar que elle oceupa I
de professor publico de primeiras lettras dessa ci-
dade.
Dia 14
Officio ao vigario de Santo Antonio do Recife.
Estando eu convencido de que a distribuigo gra-
.vavios. Entrados. Sahidos
Brasileiros 14 14
inglezcs 9 ; 4
Francezes 2 2
Porluguezcs 1 4
Peruanos 1 0
Brmense 0 1
27 25
Passagelros. Entrados. Sahidos.
Porlngnezes 10 11
Inglezes 4 12
Francezes 1 4
Suissos 1 0
Hespauhes 1 0
Italianos 3 3
Peruanos 3 6
Bolivianos 0 1
Polacos X 0
Suecos 0 1
25
38
c o rendimento da alfandega no mesmo mez, foi
de 146:244*917.
Recebedjria 42:0975670.
Diversas reparliges liscaes 4:100,0000.
Cambios sobre Londres "27 1/2.
t Sobre Lisboa 95 100 por cento.
c Navios carga :
Helena, brigue bremense.
f Volant, patacho inglez.
Cidade de Belm, galera portugueza.
Navios descarga :
t Prcguno, hiate nacional.
t Albetross, patacho inglez.
Favorit, barca dita.
t Enterprise, dita dita.
Aracatjf, brigue dito.
< Jeune Ida, brigue francez.
i /'/,; Ventura, dito portugoez.
i Ernestina, escuna nacional.
t O vapor Oyapock segu hoje para o sul as 10
horas da manha. >
Maranho.No da 9 tomaram posse do cargo
de directores da Caixa Filial os Srs. Heurique Sea-
son e Antonio Frac cisco de Azevedo.
L-se no Publicador Maranhense :
c No dia 1", reunidos os assignantes da praga do
commercio. em numero de 41, elegeram para a
tuna do um peridico- exclusivamente religioso, nova rommissoos Srs.: Walter Granger, Luir, de
adaptado capacidade das classes menos Ilustra- Serra Pinto, Joo R. de Oliveira Santos, Agostinho
das, ser, com a prolecgo de Maria -antissima,! Coelho Fragoso, Pedro Jos dos Santos, Lniz Au-
um meio efflcacissimo de propagar o conhecimen- tran, Antonio Joaquim de Lima, Jos Antonio de
to, amor, venerago e observancia da rellgio e Mattos Freitas, Antonio J. de Azevedo Magalhes.
moral chrisia, e por conseguinte de promover o No dia Io tarde fundeou fra da barra urna
melhoramenlo, perfeicao e salvago dos homens, e' erobarraco ingleza, que.no quiz receber pratico,
a pro?peridade da religio e da sociedadc, e tendo declarando ter epidemia bordo,
conseguido que se publicasse neste sentido o pe-i t Sahendc. hoje S. Exc. desse fado por commu-
riodteo OITO DE DEZEMBRO, espero quo V. S.' nicagao que Ihe fez o vice-consul daquella nago,
se prestar a mandar lodosos sabbados procurar tralou logo de mandar providencias, fazendo seguir
E senao, vejamos: para que mandou ello fazer i ni casa do Sr. Dr. Filippe N?ry ICollajo tresentos 1 a bordo da lancha da capatazia o Dr. Henriques
nambuco.
Foi promovido o capito Joo da Malta Tinto
ao posto de major ajndanie de ordens do comman-
do superior da guarda nacional do municipio da
Cachoeira, da provincia da Bahia.
Por avisos de 5 do corrento foram Hornea-
dos :
Commandante da companhia de aprendizes ma-
rinheiros de Pernambuco, o Io tenente Antonio
Ferreira de Oliveira ;
Ajudante do inspector do arsenal de marinha da
Bahia, o capito-tencnlc Candido Custodio de Le-
mos ;
Secretario e ajudante de ordens do commandan-
te da divisao naval do 2- districlo, o Io lente
Fortunato Foster-Vidal.
Por aviso da mesma data foi exonerado do
commando da companhia de aprendizes marinhei-
ros de Pernambuco, o 2 lente Manoel Marlins
de Araujo Castro.
Por aviso de 6 foi nomeado commandante da
companhia de aprendizes marinheiros do Paran,
o capito-tenente Joo Pedro de Carvalho Ra-
poso.
Achavam-se
barca porlngueza
Cruzeiro do Sul.
Baha?Tomaram posse no dia 12 o marechal
Francisco Antonio da Silva Bittencourt, de com-
mandante das armas, capuo de mar e guerra
Francisco Cordeiro de Torres e Alvim, de chefe do
dislriclo naval, e coronel Jos Vicente de Amorim
Deserta, de inspector doscorposde primeira linha.
L-se no Jornal:
c A 6 do crreme devia ter sahido do Rio de Ja-
neiro em viagem de instruego a corveta nacional
Berenice, trazendo a seu bordo os aspirantes do 2o
e 3" anno da escola de marinha.
O itinerario da viagem vir Bahia, seguir
Macelo, Pernambuco e Fernando de Noronha, ro-
gressaodo depois ao Rio de Janeiro. >
carga para Pernambuco : a
Corea, e os brigues Belisario e
PERNAMRUCOi
REVISTA DIARIA.
Funccionou hontem a Associarao promotora da
colontsacao polaca no Brasil, sob a presidencia do
Exm. Sr. conselheiro Pedro Aulran, e com assis-
tencia dos Srs Drs. Figueir*do, Godoy, Sabino, Ja-
cobina, Witruvio Pinto Bandeira, Serfico, Joa-
quim Portella, Figueirrta, Menozes de Drummond,
monsenhor Pinto de Campeo, baro do Livramen-
to e commendador Accioli Lins.
Aberta a sesso, foi submettida disenssao a
redaego da seguinle circular dirigida a todos os
brasileiros.
AOS BRASH.EIHOS.
c Em pleno secuto XIX no seio da civilisago
da Europa, esiorce-se sob o peso do mais notavel
despotismo a generosa e infeliz Polonia.
t E' tal vez a peroracao do drama sangrento que
se representa ha mais de um secuto, dessa horri-
vel tragedia, cujas peripecias balbuciam. cm des-
espero um protesto coutra o iadlfferentismo das
nagoes civilizadas.
A Polonia oscrava nao tora hoje mais o direito
de ser smeole escrava. A sua perseguigo lem
sido levada a tal ponto de iocrivel barbaridade,
que se tem procurado extingui-la por mel do as-
Francisco Accioli de Goovea Lins.
Aotonio Witruvio Pinto Bandeira e Accioli d.'
Vasconcellos.
Joaquim Pinto de Campos.
Inujnlm ttlmmi M... i.-j i\,ri.,u...
i Innocencio Seralioo de Asms Carralho.
Dr. Antonio de Vasconcellos Meoezes de Drum
mond.
i Dr. Manoel de Figueira Faria.
Depois de approvada, passoa-sc a assignatura
. findaa qual levantou-se a sesr-o.
A referida circular tem de ser enviada para la-
idas as provincias do imperio, para o lim nHU
oonlido ; c ja hoje segu para a Baha e Rio de
Janeiro, onde a idea nao pode doixar de s^r acei-
ta com fervor patritico e sentimentos de huma
nidade para com os oppnmidMS.
Domingo prximo snlssannii n.asi cunvento de
Nossa Senhora da Conceii.ao de Olinda. a resper
liva padrorira.
Ora no Ecamjellw o Mvd. ft atonto Man nal da Ai
sumpgo ; c no Te-enm, o Rvd. Jos Estere-
Vianna.
No sabbado haver vesperas, sendo o pregadur.
o Rvd. Valeriano deAlleluia Crrela.
A barca ingleza Chile, commandante Mili-,
que carrejada de carvo segua de -uud. rl.ind
, ara Caldeira, arrlbou anlc-honiein a este port..
para concertar u anilro de proa, do qual ile>arvi>
rara por um luo que apanhou pela nianhi di
da 9 do passado na lat. N 29" 9' f long. O 24' do
meridiano de Greenwich.
O professor de instrurcao elementar de il i
pissnma Lniz r.yriaco da Silva foi transferido para
acadeira de Afogados.
Damos hoje uo romero do nosso I m pemn,
de tudo una seiitenga arbitral proferida pe
Jos Anii.nio Gomes Jnior, para a qual roavida-
inos a leitura do publico.
Hoje se extrahir a 4* parte da 10* Nena
da matriz da Boa-Vista (120). sendo o maior pre-
mio 6:0005.
Mappa dos doenlcs halados na enfermara
de cirurgia do hospital militar de-ta provinri i
a direceo do Io cirurgio Dr. Prxedes Piianfa do
Io de Janeiro 10 de dezrmbro de 'Hi\i
Existiam 58, eiitraram I.J.'l't. -alur.ua l,ii>
morreram 2, existe 29.
Entre os doenles em tratamento grande fu o an-
mero de syphililicos de todos os graos, sendo qne
alm disto houve um cresrido numero de moles-
tias de pelle que por sua variedade lornoo-se saoi
1o notavel e digno de attengo para quem Dtor>sc
observar o que moderuamenie escreven lt.i-m
Hordi.
O vapor Caldeo, chegado hontem de Li>U>a.
nada adiantou as noticias do vapor ioglez que an-
le-hontem rhegou.
O vapor inglez Paran irouxe dos port.>< d..
sul 73 passagelros, sendo 9 para o nosso porto e ftl
para a Europa.
Acha-se venda, a loja do Sr. Falque, ra
do Crespo n. 4, a polka Faceira, comporta prlo Sr.
Reichert e executada nos rncenos que den no
-ante Isabel. E' um bello irecho musical, qne
captiva pela meloda e praga.
Chegou honlem, procedente do Maranho. o
brigue-escuna de guerra hrasileiro Tonelero, que
dever em breve seguir para a Bahia.
Segu hoje para o Rio de Janeiro, a liordo
do vapor Oyapock, o resto dos batalbes 2* e de
infamara.
Rkpahtico da polica.
Extracto das partes dos das 14 e 15 de dezem-
bro de 1864.
Foram recolhdos casa de delengo no dia I i
do corrente:
A' ord.-m do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Aa
ionio Jos Goncalye, Jos Agostinho, Anl>io Tar-
roso e Antonio Gungalves Belehior, a reqojMcaodo
capito do porto, Paulo e Virsinio, escravas, e>ie
do capito Francisco de Paula Correa de Araujo e
aquelle de Alexandre de -onza Pereira do Carmo.
ambos a requenmento de seus senhores.
A' ordem do subdelegado do Recife, Jo.i Gon-
cnlves Gomes, Gulherme Joseph, a reqoi*ig>, o
primeiro do capilao da porto, e o segundo do cn-
sul francez, e Brai, escravo de Andrr Manoel Ar-
ruda, requenmento d'esle.
A' ordem do de Santo Antonio, Manoel P..i.i-;.
de Freitas e Jos Sergio da Costa, por disturbios.
A' ordem do de S. Jos Daraiao Jo de Barr~.
e Poncianna Mara da Conceiqo, por di-turr
, Vicente, escravo de uiu tal Campos, per embr>'
I guez,

ILEGVEL


Dlirl* de rerabme ftcxta ?elra 16 e nczenibro e 1861.
A' ordem do da Roa-Vista, Mara e Jernimo, es*
cravos. este de Joaquim da Silva Reg e anuctle de
Joaquim de Oliveira Mello, ambos requerimeato
de seus senhores.
- U
A' ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica, preso
pelo Dr. delegado da capital, Joo Peres Santiago,
como criminoso de morte no termo de lguarass,
A'ordem do Dr. delegado da capital, Ludano,
escravo de Emilia Eudacia de Moraes,- per ugda.
A' ordem dosubdelegado de S. Jos, Antonio Pe-
rcira Slmes, por su>peito.
A' ordem do da Boa-Vista, Marcelino Estevaode
Lima, para crretelo.
O chefe da 2' secco,
J. G. te 3lesquita.
Passageiros do vapor francez Extrumadure,
saludo para os portes do sul :
Antonio da Silva Ferreira, Gabriel Tourradet e
Jomj Das da Suva.
tVaaagelros do vapor inglez Varona, viudo dos
portos do sul :
Joan Xavier Paes Baareto, 1 enanca e 1 criada,
Fretz Romer, Juhn George Ecodecir e Jos Itodri-
gues Percha.
Passageiros do vapor ioglez Galilea, vindo de
Liverpool por Lisboa ;
Baro de Jaragua, 2 filhas, 1 neta e 1 sobrinha,
Joao Jos Guerreiro oliveira, Joo da Conceicao
Bravo.
Passageiros do vapor nacional Oyapock, vin-
do Para c portos intormedios :
Dr. Antonio de Barros e Vasconcellos e 1 escra-
vo, TiloBilTort Peppes, Antonio PeppesBarretto de
Vasconcellos, Jos de Alencar de Araripe, Dr. Joa-
quim Barbosa de Lima, sua senhora e lilhos me-
nores, Dr. Braz Florentino de Souza, Jesuino da
Silva Figueiredo, i escrava, Verissimo Jos da Cos-
ta, Manoel Joaquim de Miranda Seve, Jos Ignacio
da Silva Jnior, Luiz Emigdio Rodrigues Vianna,
Venancia escrava de D. Mana Francisca da Concei-
cao.
Seguem para o sul :
Cadete Domanciano de Araujo Pantoja, tenente
de engenlieiros Andr Piulo Reboucns, Affonso da
Cunha Lusrosa, Francisco Augusto Pereira de Ma-
tos e sua familia, 2 aprendizesniarinheiros, 18 re-
crutas para o exercito, Arihur Suchas, Kahu Cos-
bel e 1 criado, 7 escravos a entregar.
Movimenio da casa de deteneo do da 14 de
-dezembro de 1864.
Exista m....... 352 presos.
Entraram...... o
Sahirain....... 11 >
Existem......
A saber :
Nacionaes-----
Eslrangeiros..
Mullieres.....
Estrangeiras..
Escravos.....
Escravas.....
346
270
3
20

45
6
352
Alimentados a rusta dos cofres provinciaes. 139
Movimeuto da enlerraaria do dia 15 de dezembro
de 1864.
TevH alia.
Jos Joaquim da Silva.
Obituario do cemterio publico no du 13 de
tezembro i)f. 1864.
Josepha Mara dos Prazeres, Pernambuco, Han-
nos, solleira, S. Jos, tubrculos pulmonares.
Bartholomeo, l'ernambuco, 4 mezes, Boa-Vista,
diarrha.
Ventura, frica, 00 anuos, solleira, Boa-Visla,
dilataran na borla.
Antonio Jos de Frenas, 41 anuos, casado, Boa-
Vista, bexigas.
Francisco, frica, 50 annos, solteiro, Boa-Visla
phthisea pulmonar, escravo.
Joaquim, Pernambuco, 22 annos, solteiro, escra-
vo, -. Jos, hepalile.
Joao, Pernambuco, a mezes, Santo Antonio, con-
srulsoes.
Maria, Pernambuco, 1 mez, S. Jos, phthisica.
Theodoro, Pernambuco, 10 mezes, S. Jos, es-
pasmo.
- 14 -
Manoe!, l'ernambuco, 1 hora.. S. Jos, fraqneza
por congesto.
Joanua, Pernambuco, 16 annos, solleira, S. Jos,
escrophuas.
4) Exm. Sr. conscJhciro F. A. de Souza,
preside ule a relaco.
Acabamos de ler, transcripto no Jornal do Red fe
de hontcm (13 do crrente), um protesto requerido
pelo Sr. Joo Vasco Cabral contra o Exm. Sr. pre-
sidente da relaco do districto, por haver este ex-
pedido ordem aus juizes da provincia das Alagas,
para nao adinittirem aquelle a continuar no exer-
cicio d'advocacia, cessando assim os elTeitos da pro-
visto, por virtude da qual exercia, all, a profisso
de advogado.
Sem que orcupemo-nos da questo de fado que
o protestante pretenda fazer aceitar como fontc do!
acto pratic&do por S. Exc, visto como nao pode ella !
influir na legitimidadc ou illegitimidade do acto,
como questo de direito ; examinaremos apenas se',
cabe ou nao, as altrihuicoes de um prndenle de |
relaco, quando o interesse publico reclame, o po-
der, ou antes, o direito do proceder da maneira
porque se houve o Exm. Sr. conselheiro Firmiuo
Autouio de ;ouza a respeito do Sr. Joo Vasco Ca-
bral.
Nao recusaremos confessar a nao existencia de
lei clara, precisa e positiva, que confira aos presi-
dentes de relaco a altribuico especial de demit-
tir advogados provisionados temporariamente, e
mesmo, at o diremos, de suspemle-lus, porque,
primeira vista, prete que a mesma lei nao cogi-
tou dessas especies ; porm, ao mesmo lempo, nao
podemos deixar de reconhecer que, pela nussa le-
gislaban, existem direitos e obrigaeoes que, enibura
nao exjiressas na lei escripia, decorrem necessaria
e latalmente de suas disposicoes, de seu espirito e
de sua propria natureza.
A faculdade d'advogar sem contradiecao, um
nODOS publico, e o direito que se confere, quelles '
que, por necessidadee conveniencia de localidades, I
sao aulonsados a exercer, temporariamente, essa'
xobre prolisso, lica sempre subordinado s condi- i
^oes de sua nomeaco, porque aquello que nomea
te ni a permisso de impor todas aquellas reservas |
que possan inleressar o bem publico, primeira ne-
e-sidade de adminislraco da justica social. A
clausula sacramental e infallivel com que sao con-
cedidas provisoes de advagado individuos nao
formados, sempre que taes concessoes vigoraro,
emqnaolo os e.oncessionarws bem serviretn, resul-
tando daqui que, uina vez realisado (pialquer faci
suppressivo daquella clausula, apparece furcosa-
raente, da parte do que nouieia, o direito indispu-
tavel de fazer cessar os elTeitos da nomeaco e, por
onsequencia, a legitima faculdade de invalidar o
acto de que resultavam aquello effeitos, por isso
mesmo que a clausula ou cunaran imposta deixou
de existir.
O bem publico tem seus foros e suas exigencias,
que preciso nao desconhecer, nem despresar ^ e
intil seria a jurisdicao conferida por lei a alguus
altos funecionanos, as differenes ordensemque
se devjde a adminislraco geral de nm estado, se,
por acaso, pequeas ccn>iderag$ps de formula ti-
vessem a forca de obstar a adopeo de medidas sa-
lulares que, inmlas vezes, o interesse publico veri-
ficado reclama com iocessantes brados. Assim, se
i juizo da autondade que nomeuu o Sr. Vasco Ca-
bral, havja este perdido as qualidades que deter-
minarara a sua nomeaco; e se essas qualidades
perdidas consiituiam a'clausula do bem servir, de
que eslava dependente o exercleio; lgico,
mesmo jurdico que a faculdade de revogar a con-
cesso, nao s um indireito, porm anda era urna
obrigaco que cumpria fosse desempenhada por
aquelle que se acbava encarregado de fazer efecti-
va a mesma clausula.
Ainda mais. Nao citaremos leis geralmente co-
atiendas ; porm todos sabem que nao permiUi-
do conceder previ.-es para adyogar a homens nao
formados, naquelles lugares em que ba homens
formados, e fcilmente se comprehende a razo
philosophica de semelhante disposieo, para que
nos seja prdeiso entrar em seu desenvolvimento ;
otretanto,achand*-seo Sr Vasco Cabral provisio- j
nado para advogar na capital da provincia das Ala-
gas, onde existem hachareis formado* no exerei-
co dessa prolisso, ha de reconhecer que o seu ti-
tulo assentava em urna formal vjolacao de lei ex-;
pressa.e que, como tal, poda, lodo o momento, ser
cassado e rovogado, sem que esse acto exprimisse
violencia, nem feriase o oais leve direito de sua I
jarte. '
Nem se diga qne a ordem expedida pelo Sr.
conselheiro presidente da relaco do dstricio foi
atacar direitos adquendos, que cumpria fossem
respeilados. Nao, pois entendemos que at ahi
nao vai a forca dos tactos consumados, que, em
sua essencia, nada mais exprimem do que a ausen-
cia de direito e o Imperio da forca.
Todo o acto a que serve de base a fMaeio de
urna lei expressa, evidentemente nullo e, como
tal, nao pode produzir elfeitos legtimos suscep-
tiveis de respeito : se, pois, Ilegitima foi a nomea-
co ou conressao feita ao 8r. Vasco Cabral, para
poder advogar em Macei, e, por isso, irrita e in-
subsistente a sua proviso ; claro estaque esse ti-
tulo nao poda fazer-lhe adquenr direitos taes
que, por forca da lei, devessem ser acatados. E
sendo assim, a prohibido de advogar decretada
pelo Sr. presdeme da relaco, em relaco ao Sr.
Vasco, nao pode atacar, nem violar direitos que
este senhor nao leve, nem poda legitimamento ad-
quenr.
Embora nao possamos, de momento, assignalar
factos scmelhanles, occorridos em algumas pocas,
no districto desta relaco ; suppomos que suspen-
ses e revogac,es idnticas j ti vera m lugar, som
que apparecessem reparos ou reclamacoes ; e, se
a memoria nos nao falha, eremos que, mesmo na
crie, isso praxe o principio iuconiestados, por
quanio, ainda bem pouco lempo, as folhas daquella
cidade deram conltecimento aos seus leitores de
actos idnticos, praticados pelo Sr. conselheiro Val-
detaro.
Assim, se nao laboramos era formal engao e se
a lgica nao desmente a sua conliecida forrea, esta-
mos persuadidos de que o acto pelo qual foi cassa-
da a proviso do Sr. Vasco Cabral, contem-so e
sustentado pelo direito que implcitamente decorre
das altribuicoes e deveres do Exm. Sr. conselheiro
presidente da relaco, direito que, nosso ver, se-
ment excita reparos, porque o seo uso tem sido
sempre regulado pela mais prudente parcimo-
nia.
Nao nosso fim, com estas lindas, collocar a
questo de fado par da do direito, pois nao te-
mos necessidade de occupar-noj da primeira. To-
dava, nao podemos deixar de dizer que o motivo
allegado pelo Sr. Vasco Cabral, como base do pro-
cedimento que procura esligmatisar. ainda quando
fosse urna verdade provada e nao tlrasse a sua
origem da vinganca e do despeito, em nada poderia
influir no direito de que suupoc-se espoliado, e
menos imprimir o cunho de illegitimidade naquillo
que por sua nalureza, legitimo.
O banquete de IO do corrate
S. Exc. o Sr. commendador
Domingos de Sonza I.cao.
No dia 10 do corrente os amigos polticos do
Exm. Sr. Dr. Domingos de Souza Leao, desejmdo
dar-lite urna demonstrado do aproen, estima, e
considerarlo, em que tido, como cidado dislinc
to pelo respeito s leis, e s instiluicoes do paiz,
como poltico notavel pelo seu patriotismo esclare-
cido e desinteressado, como correligionario in-
estimavel pela autoridade de seus ronselhos, e pelo
consequente prestigio, de que se acha rodeado,
e como administrador celoso, illustrado, e justi :ei-
uffereceram-lhe um esplendido, e snmptuoso bao-
quete no grande salo do palacete do Sr. commen
dador Jos Joaquim de Moraes Sarniento.
L'ma mesa em forma de ferradura, preparada
para cent talheres, que foram o> copados, appare-
cia naquelle vasto salo, ostentando o que entre
nos tem liavido de mais delicado, e exquisito, em
iguarias, em fructas, em flores, em nonos, em
(rystaes, formando ludo isso jjm delicioso pano-
rama.
Entre os convivas, salvo as senboras, que da-
vam maior realce ao (ostial, s quatro a seis pes-
soas, nao eram correligionarios polticos de S. Exc,
e essas mesmas pessoas, por amigos particulares,
quizeram expontaneamenle, em homenagem s
virtudes do homem de bem, lomar parte no mes-
mo festim.
No centro da mesa esta va sentado o Sr. Dr. Sou-
za Leo, tendo a seu lado direito a Exma Sra. D.
Maria dos ^njos de Souza Leo, sua virtuosa, e
digua esposa. Do un e do oulro lado do mesa o
cavalheiro, achavain-se os depnlados geraes Drs.
Antonio Vicente do Nascimenlo Feilosa, Innoeen-
cio Seraco do Assis Carvalho, Luiz Felippe de
Souza Leo, Silvino Cavab-anti de Albuquerque,
Joo Silveira de Souza, e Caetano Xavier Pereira
de Brito, faltando por motivos justos, e participa-
dos osSrs. conselheiro Antonio Coelho de "o Al-
buquerque, e Dr. Antonio Epaminondas de Meilo.
K-[av.un tambern rnenles os depurados orovin-
ciaes, conselheiro Loureneo Trigo e Laoroiro,
Dr. Manoel Buarque de Macedo, Joo da Silva lla-
mos, Francisco de Araujo Barros, conego F. Bo-
chael P. B. de Medelros, Francisco de Carvalho
Soares Brando, c Francisco Amynthas de Carva-
lho Moura; os Dr. Abilto Jo^ T. da S., Jos Pe-
reira da Silva Moraes, cominead idor Jos Joaquim
de Moraes Sarniento, Augusto C. M. da Silva San-
tos, Luiz de Albuquerque Martin* Pereira, Eduar-
do de Barros Falco de Albuquerque Lacerda, Jor-
ge. Dornellas Pessoa, Jos dos Anjos Vieira de
Amorim, Jos Paulino da Cmara, Augusto de
S uza Leo, Luciano de Moraes Sarment, e Joo
Alvos Meiguilio, o barao dos Guararapes e outros
minios cidado* distindos, como os Srs. Eulalio
Monteiro, Luiz de Carvalno Paes de Andrade, An-
touio Carlos de Pinho Borges, Pereira Vianna,
Floriano Correa de Brito, Bernardo Jo^o da Cma-
ra, Feliciano Joaquim dos Santos, Epaminondas
Vieira da Cunha, Joo de Carvalho Baposo, Luiz
Jos Pereira Siines, Manoel Francisco de Souza
Leo, Alexandre Auguslo de Fras Villar, Luiz
Francisco de Barros llego. Marques Sitares, Decio
de Aquino Fonseca, Miguel Arrhanjo Mtndello, Sil-
va Paulo e ou'.ros mullos, cujos nomes me esca-
pam nesta occasio.
Por occasio do dessert eomecaram os brindes,
senno o primeira o que o Sr. Dr. Antonio Vicente
do Nascimenlo Feilosa, dirigi ao lllm. e Exm. Sr
Dr. Domingo", de Souza Leo nos segrales ter-
mos :
Ao administrador Ilustre que em urna poca de
serias dilllculdades polrticas soube collocar-se aci
ma das lutas partidarias e desempenhar conscien-
clusamertte na provincia o programma do gabine-
te, cujo delegado era;
Ao administrador distincto que no exercico das
alias funecoes de que fra encarregado, soube
respeitar lodos os direitos e animar todas as legiti-
mas aspiracoes;
Ao administrador conscencioso que dolado de
espirito brando e altamente respeitador das conve-
niencias e delicadezas sociaes, soube dar popu-
lacho que admiuisirara exeinplos que nao sero
olvidados e que assignalaro ao espirito publico
da provincia urna nova era ;
Ao administrador que cheio de confianca nos
actos que pratiera, nem urna s vez perder a
aiuenidade de seu carador diante das desarrasoa-
das e virulentas invectivas de seus adversarios
menos generosos;
Ao admiustrador pernambucano que a par do
respeito ao6 direitos do cidado, nada mais anhe-
lou do que o engrandec metilo da agricultura, fon-
te pripcipal da nossa riqueza ;
Ao Exm. Sr. Dr. Domingos do Souza Leao, ex-
presidente desta provincia, que ao entregar as re-
deas da administrarlo seu distincto successor,
deixa no roracao dos Pernambucanos sedimentos
de verdadeira estima, e entre seus comprovincia-
nos amigos sineeros, que jamis esqueceroos
ser ."icos prestados a bem da causa publica.
Aps esse brinde, que foi vivamente applauddo,
o Dr. Joao da Silva Ramos, apreciando os dotes de
coraco da Exma. Sra D. Mana.dos Anjos de Sou-
za Leo, e fazendo urna resenha dos actos por ella
praticados a bem das in-liiuiccs de caridade des-
ta provincia, acabou propaudo-lhe um brinde, que
foi igualmente applauddo.
O Ilustrado e digno Sr. conselheiro Lourenc
Trigo de Loureiro, considerando o partido pro-
gre.-sista, como o da liberdade regrada, e que a
unio dos conservadores e liberaos moderados, do
qual resultou aquelle partido, tornava-se cada vez
mais necessaria para a prosperidade do paiz, satt-
dtu S. Exc. o r. commendor Souza Leo, como
administrador atilado, que soubo sem esforz es-
trellar cada vez mais os la eos dessa unio.
Como era de esperar de convivas animados por
aquellas ideas, essa sade foi aceita com o mais
fervoroso enlhusiasmo.
O Sr. Dr. Martins Pereira, apoz urna breve ora-
(3o, na qnal mostrou as qualidades eminentes, e
os momentosos servaos do Ilustrado Sr. Dr. Anto-
nio Vicente do Nascimenlo Feilosa, concluio nos
segrales termos :
Senhores, sade do Pernambucano Ilustre, do
cidado preslimoso, do orador consumado, do dis-
tincto representante da nacao, do jurisconsulto co-
nbeeio e respeilado, do Exm. Sr. Dr. Antonio Vi-
cente do Nascimenlo Feilosa. (Appiausot geraet e
proIOHijados.)
O Sr. Dr. Manoel Buarque de Macedo dirigi
urna sade aos representantes da nacao, que esla-
va ni presentes, pelo que poderam fazer na sesso
passada a bem da causa publica, e pelo que o po-
vo tinha a esperar delles, apezar dos obstculos
de lola a ordem, que so oppunham ao cumpri-
mento de sua missao, e que elles procurariam so-
levar, animados como se acbam, pela prosprala-
de do paiz.
O Sr. Dr. Luiz Felippe, agradecendo esse brin-
de, que foi des idamente apitlaudido, propoz oulro
a asscmbla provincial, cujo biennio comee/m no
corrente anno, pelos actos que a bem da provincia
havia praticado na sesso prxima passada.
0 Sr. Floriano Correia de Brito fez o segtriate
brinde:
Esposa desveladamente a causa de quem quer
que teuha perdido pai. mi ou mando; constiluo-
le prolector e advocado de quantos vierem a ser
privados desses arrimos naturaes. Distnbuc com-
passivamente caridoso soccorro ao fraco.ao doente,
ao menino e ao velho, que por ventura t'o solicite;
da-te pressa em fazer assentar-se aquelle que nao
poder conservar-se em p; ergue pela mo aquelle
queuo poder levantar-se; auxilia e alema aquelle
a quem presentiros enfraqueeimedo, quer no cora-
co, quer na voz, quer as mos, quer as pernas;
reanima por las palavras a quem estiver abatido;
tranqoilisa a quem se irritar; procura commum-
car forcas a quem esliver enfraquecido ; contera
nos limites do respeito a quem se exaliar.
Em seclo que vai bem longe, e quando a litle-
ralura christa asseittava os primeiros marcos no
estadio donde deveria espancar o que se inspirara
no paganismo, era assim que se exprima rerto
pensador dbiincto ao aconselhar os magistrados o
modo como Ibes cumpria haverem-se no exorcicio
de suas importantes atlribuicoe?.
Taes mximas, Exm. Sr. commendador Domin-
gos de Souza Leo, como que sao o transumpto da
da juslirja; e vos nao as esquecestes um momenlo
sequer durante os dez mezes porque to bem de-
sempennasseis as funecoes de prtmeiro magistra-
do desta provincia (apphusos), a qual em sua ver-
dadeira roaioria, regosjava-so de que pautando
vosso procedimento por ellas, e sera nada condes-
cender cora as pretenges mais ou menos desarra-
soadas que sem borbulhar ere qualquer situago
nasceule, ieis consolidando a obra da regenerarlo
que soubera encelar vosso digno antecessor (/tocos
applausos) vencendo difficuldades sem conta e sor-
vendo a longos tragos o mesmo calix de amargura
que vos deram a beber esses que em nome e por
forca de exageracao dos partidos, ou antes das fac-
e/tes, buscara estragar a ludo e a todos.
E' por tanto iiicoiilestavel que, apreciada em sua
parte meramente administrativa, vossa presiden-
ca tem tanto de curta, como de gloriosa. (Applau-
sos geraes e prolongados.)
Quanto sua phase politica, propriamente dita,
nao vos grangeou ella menos renome, nao vos lor-
nou menos merecedor dos respeitos, consideracao
e estima de quantos tem bastado civismo para nao
quererera que suas conveniencias individuaos
sejam sacrilicados os grandes e momentosos inte-
resses da communlio a que pertencera. (Novas e
repetidos applausos.)
De feito, Exm. Sr., como todos os Brasileros
sensatos, crdes vos que nao haver verdadeira
prosperidade para o paiz, e que este vindo a ser
presa, ou do despotismo, ou da anarclua, abysmar-
sc-ha, desde que seja perturbado de qualquer mo-
do o consorcio harmnico, porque inspirado sem
duvida pela eterna sabedoria, o legislador consti-
tuido acertou de ligar o principio da liberdade
cora o principio da autoridade; e, tanto quanto de-
penden de vos, empenltaste-vos para que esses douj
priucipos nada fossem Interrumpidos em sua ac-
eao benfica e organizadora.
Se, pois, bem soubestes comprebender e desem-
peuhar a misso de admrnistrador, nada fleastes a
a dever do poltico. (Signaes de approvarao.)
E' por isse quo vossos amigos e correligionarios
se reuniram boje aqu para ollerecer-vos expunta-
neo, inequvoco c solemne testemunho de amor e
gralido.
E' por isso que eu, o menos autorisada desses
anigos e correligionarios, participando do enlhu-
siasmo que a todos domina, vetteo o acanharncnlo
lilbo da cooscieneia de minha nullidade, afitn de
du igir-vos a palavra, losca siro, mas sincera e cor-
deal, para sauda:-vos pelos Toiros que houvestes a
ventara de conquistar emquanio esteve a vosso
cargo a geslo suprema dos negocios de vossa Ier-
ra natal. (Applausos.)
Mas nao sotnente esle o fim a que me propo-
nho : vetiho tambem fazer-vos um.'i rogativa a
segrate:
Nao vos supponhaes dispensado dos encargos
polticos pelo simples faci de o haverdes sido da-
quelles que entendiam com a da presidencia que
a outrem acabaes de passar; nao volleis vida de
quietacao e repoose que vivieis desde que deixas-
tes de fazer parle do parlamento brasileiro; ao
contrario, viudo militar comnosco, e ajudar-nos
cora o poderoso auxilio de vosso lino e cireums-
peceo, (applausos) a quebrar, um a um, os obs-
tculos que ao partido progressisia, que o nico
e legitimo partido constitucional do imperio (mili-
tos e rene/idos applausos), se nao cancam de oppr
os que na sabem niauer-se seno a sombra do
desequilibrio social.
Esta rogativa, Exm. Sr. commeudador Domin-:
gos de ~ouza Leo, tenlto em f de que ser alten-
Sida por voz, que em vosso nunca desmentido pa-
IriotisfllO acharis o esforco ttecessano para sup-:
portardes os sacrificios que lera ella de sujei-1
tar-vos.
Sem que nada mais me occoraa dizer-vos Desta
Occasio, Sebo a vossa saude, Exm. Sr. commen-1
dador Domingos de .-ouza Leo, e peco aos que
tiveram a condescendencia de ouvir-me dgnem-se
de aeompanhar-me nessfl aclo, pelo qual, era festas
da ordem desta, que assistimos, se cosluma com-
primeutar aos cavallieiros, em cuja honra sao ellas
dadas. (Applausos geraes e prolongados.)
S. Exc. o Sr. commendador Domingos de Souza
Leo, era resposla e agradecimeuto ao brinde pre-
cedente assim se exprimi:
Meus senhores.Baldado seria qualquer esforco
de minha parle para patentear-vos toda a effuso
do meu reconlieciinento pela benvola manifesta-
go de apreco cora que me quizestes honrar, con-
correndo para esla brilbante icuno.
Ha senlimenls to vivos, to profundos que se-
no podem exprimir ; linguagem do homem fal-
tara o colorido e a forca da verdade para faze-lo : i
os que ora me dominara sao desta ordem. Limito-1
me pois a protestar-vos a minha mais sincera o
intima gralido.
O motivo desta festa poltica me enche de jubilo, j
nao porque indi jueo meu valorpessoal,quenenhum ^
, mas por ver que apreciasies a pureza e sinceri-
dade de intences com que era minha curta aditti-
nistraco exfoi cei-me para corresponder ao gran- j
de peusamento da aclualidade.
Por outro lado na presente demonstrado tenho
a pr jva do accordo e coheso das nossas ideas,,
i'nu lic"in indeclinavel para a consolidaco do gran-
de partido progressista, expresso lata das ideas e
dos principios, cuja realisacao aspirara todos os
homens lealmeute dedicados prosperidadee gran-
deza da palria.
Actuando a ardua trela de administrar esla
provincia prove que nao era indiferente aos ne-
gocios do meu paiz : nella contraht compromissos
que se noolvidam.
Asseguro-vos pois o meu fraco coocurso para o
desenvolvimento da nossa rehgio politica.
O Sr. Araujo Barros :
Senhores.Este Ilustre e numeroso auditorio
me encheria de temor pela sua respeitabilidade,
se eu nao tivesse ao mesmo tempo certeza de sua
benevolencia para com os oradores, que como eu
tem cooscieneia de sua fraqueza
Anirno-me por essa causa a propor um brinde a
um cavalheiro distincto, a um cidado Ilustre que
as repelidas commisses, cora que lera sido hon-
rado pela sabedoria do governo imperial, ha dado
provas iniqoivocas de raro talento administrativo,
de firmeza do vontade de dedicago causa publi-1
ca, e de lluslraco nao consieslada; quero fallar,
senhores do Exm. Sr. Dr. Joo Silveira de -ouza |
muilo diguo cx-presidente desta provincia. (Ap-
plausos).
Hbil poltico S. Exc. na sua econmica, justi-
reira e patritica adminislraco da provincia do
Maranho procurou reunir em bem da causa nacio-
nal os homens mais importantes des partidos al
entao hostis naquella provincia.
Osados polticos de sua adminislraco mostra-
vam sempre aquella tendencia.
Feita a eleigo de 1860 S. Exc. teve a gloria de
ver seguir para a corle urna deputaco rica de ta-
lentos, tirados dos dois lados, que oulr'ora se pro-
ffigavam.
Antes que fosse inaugurada a liga, e se formas-
se no imperio oactual partido pregressista, o Sr.
Dr. Silveira de Souza mostrava, ua provincia
do Maranho, que previa a modificarlo porque pas-
saram os partidos polticos do imperio.
Assim pois, meus senhores, quando em 1862 o
mesmo cavalleiro foi nomeado presidente desta
heroica provincia, j sua politica era conhectda,
assira como os seus honrosos precedentes. (Applau-
sos). Os que se oppnobam a actual ordem de cou-
sas, desmandaram-se logo contra a sua adminis-
iraeao, a qual por isso mesmo e pelo acert de suas
medidas foi appoiadj pela grande maioria da pro-
vincia. (Applausos).
Desde o primeira at o ultimo dia de seu glorio-
so e Ilustrado governo, o r. Dr. iiveira de Souza
soffrcu urna guerra desabrida dos seus adversa-
rios, mas sobranceiro s invectivas, e superior a
todos os ataques dirig los ratvosamente contra a
sua pessoa, S. Exc. calmo e tranquillo, como ver-
dadeira estadista que tem conscieucia de seus ac-
tos se engrandeca todos os das no conceito pu-
blico.
Os das do sua administrado foram marcados
por continuadostrlumphos (applausos prolongados)
A eleigo, apesar de disputada reohidaraente aos
que eslavam senhores das posices estrategas na
provincia, correo placida, regular e incruenta-
mente.
Era urna prova dupla do tino do administrador,
e do apoio, que elle encoulrava na maioria sensata
da populaco. (Applausos).
Convido-vos, pois, senhares, para que bebamos
sade do cidado Ilustre, de varo forte, do admi-
nistrador hbil, providente e jusliceiro, a quem
por seus talentos e por longa e proveitosa pralca
dos negocies pblicos, parece estar reservado um
brilhaute futuro na coraunhao brasileira, (Appluti-
sos prolongados.)
A esses brindes seguiram-se muiros outros, sen-
do os mais importantes os quo foram feitos pelo
teiiiMiie-coronei Epaminondas Vieira da Cunha ao
Ilustrado, e integerrino magistrado,Dr.Abilio Jos
Tavares da Iva, pelo Dr. Jos dos Anjos Vieira
de Amorim ao r. commendador Domingos de Sou-
za Leo, pelo Dr. Araujo Barros ao rriulo digno e
hoorado Dr. Jos Pereira da Silva Moraes, actual
chefe de polica da provincia, pelo r.-'Mauoel Bu-
arque de Macedo ao sabio medico, e ao consumado
poltico, Dr. Jos Joaquim de Moraes -armenio,
por este cavalheiro aos Drs. Nascimedo Feilosa, e
Araujo Barros, pelo lente-coronel Epaminondas
aos raesmos, pelo Dr. Nascimento Feilosa aos dis-
tindos correligionarios e prestrnosos alliados, o
sobredito teneme-coronel Epaminondas, major Pe-
reira Simoes, e teneote-cjroeel Bernardo Jos da
Cmara, pelo Dr. Abilio Tavares, ao dedicado e
prestimoso alliado o Sr Floriano Correia de Brito,
! pelo Dr. Silva Ramos ao nobre e leal conselheiro
Lourengo Trigo de Loureiro,
Depots desses brindes, o Sr. Dr. Eduardp de
Barros exphraio-se nos segulntes iermos :
Senhores.Eu vos convido para que me ?com-
panhels no brinde que vou dirigir a um amigo que
se acha ausente de nos por motivos extranhos a
sua voBlade, mas que ora nos acompaoha pelo pen-
samento desejando ( sem duvida ) poder tornar o
seu lugar de honra nVste feslim patritico.
Quero fallar-vos senhores do Exm. conselheiro
S e Albuquerque, o parlamentar distincto, o esta-
dista Ilustrado, o administrador modelo que fra
escolhido pela sabedoria da cora para ir prestar
na invicta provincia da Baha os importantes ser-
vigos de que todos nos temos noticia e que sero
devidamente registrados pela historia patria.
Vos todos que com tanta justlca applaudistes o
tino a circumspeccao e a sabedoria com que o dig-
no Sr. Silveira de Souza dirigi esta provincia, em
urna poca to difflcil e em circumslancias to es-
pinltosas, nao podereis de certo deixar de acompa-
nhar-me n'este momento no enthusiasmo de que
me acho possutdo. Sm, senhores, pois que para
ser em tudo iguaes as duas administraces deu-se
a notavel coincidencia de lutarem ambos o* presi-
dentes com as mesmas diflleuldades, de servirem a
mesma causa e de merecerem mesma confianca
da cora e da nago. (Applausos.)
Eu, pois, senhores, sado aquelle, de cujo nome
se recordara agradecidas a Baha, o Para, as Ala-
foas e a Paraluba; d'aquelle em cujo nome e por
cuja eleigo se empenhou n'esta provincia o pri-
meiro combate entre o partido que nascia, e o par-
tido que demanda va j ento o seu ocaso ; ( muiVo
bem, applausos ) emfira d'aquelle que por seu ci-
vismo e raras qualidades, soubo merecer dos seus
comprovincianos a honra de ser levado em primei-
ro lugar na lisia trplice para prehenchimenlo de
urna vaga de senador, e de oceupar hoje uina ca-
deira na cmara vitalicia.
Senhores, saude do distincto pernambucano,
do nosso illustrado e prestimoso alliado o Sr. con-
MMIlciro Alimiilo '.nem i uc da c AIL/u'juciquc. < \'
plausos prolongados. )
Findo o brinde anterior, exprimise assim o Sr.
Correa de Brilo :
Pois que do circulo dos personasen* presentes
se passou ao dos ausentes, seja-me permittido que
ao mais importante destes me encarre?^ eu de
dirigir ura brinde, apezar de reconhecer-me o me-
nos proprio para semelhanle misso, por ser o
mais obscuro dos individuos que concorrerain a
esle feslim.
O personagem a quem alludo, senhores, o ve-
nerando marquez de Oilftda ; ( applausos geraes ),
esse ancio respeitavel a quem Dos como que
nao tem prolongado a existencia se nao para cous-
titui-lo nm dos mais esforgados defensores das ins-
tituiges do paiz, e um dos mais desvenados guar-
das da sorlo futura desta provincia. ( Piros sig-
naes de adhesdo em todos os lados. )
Sem a influencia que to distinc.lo pernambuca-
no merecidamente exerce nos conselhos da cora,
sm o prestigio de sua incontestavel experiencia,
adquirida por longa e nao interrumpida ppatica na
geslo dos negocios pblicos, o partido progressista
houvera inorrido por ventura no nascedouro, e a
nacao Ittlra anda hoje acaso cora os railes que
estavam prestes a abysma lo.
Bebamos, pois, a saude de lao distincto e Ilus-
trado comprovinciano nosso, e enderecemos as mais
fervorosas preces ao Todo PoJero>o, para que poo-
pe a vida do eminente estadista, para qoa possa elle
guiar-nos na longa vereda que ainda temos a Iri-
Ihar, alim de quo levemos ao calvario a cruz da
redempgao politica do paiz, e por consegrante a
desta provincia. (Applausos vehementes e pro-
longados. )
Todo e auditorio pareca convencido naouellc
momento de que o Sr. Marquez de Olinda era um
personagem acunadas invectivas partidarias, tima
honra da provincia, urna gloria nacional. E de
certo, para que es homens refleeridos e que estu-
dain as cousas publicas, o Sr. Marquez de Olinda,
tem o seu nome associado ao quo ha de mais gran-
dioso, e immorredouro no paiz, e ao que de meihor
existe nesta provincia. O melhoramento do porto,
a navegago cosleira, a estrada de ferro, nestes l-
timos tempos.e em pocas anteriores os melhora-
raentos feitos, e iniciados por presidentes apniados
por elle sao motivos, mas que sufflcienles para que
lodos os Pernambucanos, que amartm a sua patria
venerera e acolitara cora entliusiasmoonome presti-
gioso do nosso primeiro vulto poltico.
O Sr. conselheiro Jos Thomaz Nabuco de Arau-
jo, educado entre nos, jurisconsulto de primeira
ordem, poltico consumado, nosso alliado natural,
um dos mais distindos parlamentares, o homem
em cujos saloes se rene constantemente o que no
paiz ha de mais distinti no partido progressista
at mesmo no partido adverso, tal o prestigio, de
que gosa, nao poda ser esquectdo no feslim, de
que se trata.
O Sr. Dr. Buarque de Macedo, exprimindo-se
pouco mais ou menos naquelle sentido, acabou pro-
pondo-lhe um brinde, que foi lo applauddo quan-
to o mereca personagem to- perfeitamenl" apre-
ciado entre nos, e em todos os pontos do Brasil.
Indo j adiaotada a hora o Sr. Dr. Domingos de
Souza Leo propoz o brinde de honra a sua mages-
tade o imperador ea familia imperial.
Es-e brinde iinmensamenlo applauddo terminon
seguido do hymno nacional tocado por urna banda
de msica militar, que ali |estava durante todo o
feslim.
Jutz por devogao.
O lllm. Sr. capitao Pedro Ignacio Waoderley.
Juza por devogao.
A Exma. Sra. D. Auna de Siqueira Cavalcant Cam-
boim.
Escrvo por eleigo.
O lllm. Sr. Francisco Antonio d Gusmo.
Escriva por eleigo.
A Exma. Sra. D. Irinea, esposa do Ilirn. Sr. Joao
Paulo Temporal.
Escrvo por devogao.
O lllm. Sr. Jos Carlos de Moudonga Vasconcellos.
Escriva por devogao.
A Exma. Sra. D. Josephina rsula de Mendonga
Vasconcellos.
Protectores.
Os lllms. Srs. :
Dr. Jos Nicolao Pereira dos Sanios.
Cap to Jos Francisco Bello
Joaquim Cavalcanti de Albuquerque.
Carlos lioberto Toll.
Ignacio Ferreira Timado.
Protectoras.
As Exmas. Sras. :
D. Isabel de Barros I.ins.
D. Briandina de Paula Lins.
D. Candida da Bocha Wandorley.
D. Alaria Amalia Bocha de S Pereira.
D. Adriana Accioli Iras.
Mordomos.
Os lllms. Srs. :
Francisco Paes Brrelo.
Francisco Claudino de Albuquerque.
Ligorio de Hollanda Periquito.
Aulonio Iguatio do Mel o.
Mordomas.
As Exmas. Sras. :
D. Joannade Vasconcellos Lins.
U. Josepha Cavalcanti de Albuquerque.
D. Mana Luiza dos Prazeres.
D. Francisca de Castro Accioli Paiva.
Procuradores.
Os lllms. Srs. :
Bernardino Joaquim da Iva.
Damio Justiniano de Souza Lemos.
Jos Candido de Miranda.
Conforme.O vigario, Baptisla.
Para os Esms. Srs. presidente e fommandante das
armas lerem.
O tenente Manoel fcrasrao de Carvalho Moura,
I offlcal perlencente ao 10 batalho da Baha, foi
' mandado para a freguezia do U' de Ipouca pelo
Sr. Joo -ilveira de Souza, em agosto do anno pas-
sado, commandar mu destacamento de 30 pragas
reclamado pelas exigencias eleitoraos, de entao. Es-
se destacamento acha-se a mu lo, reduzido a seis
1 pragas, e apear disao, ainda tena por commandan-
te o mesmo Sr. tenente MouraII
Que prodigiosa abundancia de olucaes ha em
Pernambuco I Eutretanto o 10 batalho j parti
para o sul e o Sr. tenente Moura est em Ipojuca I
Ainda sao milagros dagravdade da finada adrai-
: nistraco?
An 'calmita peitoral de Ki>nip.
Uina simples losse pode chegar a ser mortal se-
nao se atalhar a lempo, porm evitar-se-ha com-
pletamente o perijio fazendo-se uso immediato da
ANACAHOtTA PErTORAL de KEMf, a qual mediante a
sua benfica influencia faz ceder rpidamente a ir-
rilago dos pulnies e garganta, e restabelecer sua
aegao vigorosa, regular e saudavel.
()> que dizem que a asthnta tncuravel muilo
S3 engaa.
Esla fortificante compoMgao vegetal subjuga essa
afflctiva molestia ainda mesmo quando debaixo
das formas as mais obstinadas e aggravantes.
As anginas nunca terminar ernbronchitesa
; losse em phtysica-era a rouqudo era asthma,
se desde logo de seu principio forera atalhados cora
este balsamo vegetal sua visados e sedativo, seus be-
nficos effeitos sao promptainentc. notados as en-
ferradades dos pulmes, dos vasos bronchios e de
pleura.
Pde-se achar venda em todas as bolicas e lo-
jas de drogas.
BarcelonaPatacho hepanhol Venretr.
Jernimo Millele. algodo.
Rio-Grande do SulPatacho bra-tleiro B capitao Luciano Francisco Monteiro Juamr, car-
ga sal e aMHar.
LiverpoolB.irca ngleza Romd. raptto Gewgn
Aven, < arga assucar e atfwt.
Liverpool -Biguc inglez iMV ol ikt Em, capitao
Schrard, carga assucar aifod*.
Aracaj e parios intermedios -Vapor fc*ailein>
Parakgba, eommaadant* J. J. Mama*.
15-
Maranhao29 das, bngne cuna aonoaal de
guerra Tonelero, cominasalame I* lene*** Ma-
noel Carueiro da Rocha.
Para e portos taiermeJios-6 das e 21 horas e n
ultimo porto 12 hora*. vnr hr*ileirn Ofttpmrk
de 1080 l nelo 11<. tommamlanfe Antonio M*r-
Celllic de l'niile lllbeiro, e'jtlipageiil M. ra#ga
diHiTentes gtnaww.
Liverpool r-or Lisboa27 din vapor fiel 6nk-
leo, d 1271 tonel ula-, ca uLi It.i~ti. equ'pa-
gem i6, carga laicoda* e tuiro* Ken.o
Baha li dia-, niaie tm>" hrwtma, o
6'i toneladas, capilo Jonqaim Ari'. n
ves Santos, equipagern H, r^rga 2i'K> alqurires
do farinha de mandioca ; a Ta-sn lr
Biode Janeiro e Baha 6 da-, vapor iatnVz fwrm-
n(i, de 1720 tonelada-, imui i andante Keris.e<|ui-
pagera 132, carga diiTereotes genere.
MGLABiCQSsS.
GOMMERGIO.
Cota^cs offlciaes.
PR1C1 DO RECFE
13 DE UEZEMIIBO DE 18l
Algodo primeira sorte 235000 por arroba.
Cauros sainados seceos15") res, por libra.
Cambio sobre Londres uu d/v. 27 l|t o 27
3|4 d. por 15000.
Frotes do Parabiba a Liverpool 25| o 3 0|0 por
tonelada de assucar Ideo 0|0 por libra de al
algodo.
Alfaadega
Kendiraentododia 1 a li........ 4il:!).1653"7
tlera do dia 13................ Jo-OUltiaji
i7C.9i35":il
tlovltnento da alfandega
Volumes entrados com fazendas.. 183
i cora gneros... l,02i
------1,207
Volumes sabidos com fazeedas... 283
com gneros... 394
------879
Descarregara no dia 10 de novembro
Brigue inglezS't'i/Wracarvo.
Barca ingleza\Mhian -dem.
Barca inglezaBella Poule rarvao.
Barca ingleza horothi/dem.
Barca inglezaLole Out rarvao.
Barca ranccztS'inf'i Midiel carvao.
Barca francezaOlivier Jean Martecarvo.
Btrca inglezaArenadem.
Brigue sueco Activotaboado.
Brigue inglezMand ferro.
Galera francezaToukinsalitre.
Vapor inglez Ga/t^omercadorias.
Patacho ItanoverianoJacobusdiversos gneros.
Brigue argentinofluircharque.
Brigue nacional Alfredo carne de charque.
Polaca bespanhola Viajen o -dem.
Brigue hanoveriano Stepheuson diversos g-
neros.
Patacho portuguez-Far/oJera.
fteccbedorla de rendas laei-na*
geraes de l*ernaubuco.
itendimento do dia 1 a 14......... I7:00l544fi
dem do da 13................. 8385317
17:8395963
PUBLICARES 1 PEDIDO.
.! i ni m n ^aaa
i^li:h;1o
dos juizes e mais pessoas que lio de
festejar a imagem d \os-a Seniora
da i onceico na matriz da villa de
Barreiros*no futuro anuo de 1865.
Juiz por eleico.
O lllm. Sr.*commendador Paulo de Amorim Sal-
gado.
Julza por eleico.
A Exma. Sra. u. Olympla de Barros Wanderley.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio entrado no dia 13.
Bordeaas e portos intermedios 17 dia, vapor
francez Extremadme, de 1167 toneladas, cora-
mandante A. de la No, equipagem 113, carga
fazendas e outros gneros.
- 14
Rio de Janeiro e portos inlermeos6 dias e 20 ho-
ras, vapor brasileiro Paran, de 83o toneladas,
commandanle o capilo de fragata Antonio Joa-
quim de Santa Barbara, equipagem 63
Rio de. Janeiro23 dias patacho portuguez Farto,
de 203 toneladas, capilo Jos Alexandre Lopes,
equipagem 10, carga farinha de mandioca e ou-
tros geaeros; a Amorim Inno.
Rio Grande do Sul-30 das, patacho brasileiro
Agonio, de 177 toneladas, capilo Joaquim Per-
nandes de Souza, equipagem 13, carga 10,000
arrobas de carne serea; a Marques Barros o C.
Rro Grande do Sul30 das, brigue brasileiro Au-
reliano, de 233 toneladas, capilo Joo Esleves
Varzea, ei|uipagem 10, carga 9,300 arrobas de
carne seeca ; a Maia & Espirito tanto.
Sunderland -63 das, barca ingleza Chile, de 437
toneladas, capilo Mills, equipagem 13, carga
carvo ; a ordem. Arribou a este porto por ha-
ver desarvorado, seu destino era Caldeira (no
Chile).
Rio de Janeiro pela Bahia15 dias, canhoneira
franceza Lutin, commandante Barbotin, velo re-
ceber pratico e segu para o Para, pelos portos
do norte.
Navios sahidos no mesmo da.
Penedo.Hiate brasileiro Sergipano, capitao Fran-
cisco G. Torres, carga dfferentes gneros.
Rio-Grande do SulPatacho nacional Singular, ca-
pitao Angelo Custodio da Cunha, carga acucar.
Rio Grande do SulPatacho brasileiro Eurico, ca-
pitao M. M. da Costa Amaro, carga sal e outros
gneros.
COMPAMIIV
DU
t
Haveodo-se aborto um ehatariz ontri as
duas pontes da l'assayvni <>a MajMalrua.
para cota maior nniiin "liilaIe venil-T-***
agua aos liahitaitlcs ii'a<|ucl!e lugar, a di-
rectorp o poe em arrcipalacan pHo XrmfO
que decorre desta dalaa nllim. || inako
prximo futuro. Os preter-lentas p aprcseittar uas pTopo.~li- .-m .ir 11
at o dia 21 do corren'.-, lariyando sob a ba-
se de 205000 por mez.
Escriptorio da Compartida do Bel>rir>
la de dezembro de I rio i.
O secretaria,
Jos Eustaquio Ferreira Jaodttna
Sexta-feira 16 do correte tem de ser arre-
matada, linda a auliem ia do Sr. Hr. joiz or
phos, pela renda de tres annos, a um n ~>'> m
ra de Santa Rita, na razo de 1414 por ,
cuja casa tem muito* rnmmodosesro* fon
tam para a ra nova de Santa Kta, t>mfc>
unta mei-agua e telbeiro, porta largo, aron.mo
da mais de um morador, e offerece vanUfeta av
quem liver carros mi carroijas as rno4tc>s si
facis como se pode ver do esrnpto em poder do
porleiro Amaro ; a ultima praca.
r.oitselho de compras n;n;te>.
Contrata o conselho no da 17 do correarte mn.
sob as condeces do etylo vista de pronotas aa
cartas fechadas rei'bidas ale a< II hora* da a
nlta, o forneciinento n i trimestre
neiro a marco de 1863 dos segantes
(ardamenio.
Para a compaa de aprendaos arMres.
Bonets de uniforme, dms para o servir. I
de brira branco. ditas de alinda, azul, ra4ra de
brim branco, ditas de abjodo azul, caamea de
alsodozinho, cobertores de I ia, colchas t ahjav
do, frondas de al soda izinho, lencos de i
grvalas, lencues de algodioztnho, sap
no paiz, saceos de guardar roupa. e ira
linho cheiosde palba.
Para os imperiaes marinheiros e ipnndm
ditos.
B.mets de panno azul, camisas de brim r*ranrn
calcas de algodo azul, ditas de brim i r i..
de. panno azul, camisas de alg.fl.>> azul, tanOtas
de panno a/.ul. lencos de Mil preta para prava!*-
sapates feilos no paiz, e lona 4e mari-
nhagem.
Para os fntiMra M
Bonets de chapa epala, calcas de briaa fcraatce.
ditas de panno azul, fru m br.m braoc I*r-
ua< do panno azul, f ir.l. r i- .! brim l.ranr... ^rai-
vaus de couro de lu-tre, p. limas de panno pnrM.
e sapatoes feilns no pan.
Cotnina o conselho a rereber rm l-das sna--
sessoes propo>tas acerca de ma.leiras qne arnrwa
o arsenal de marraba para con-trurco de naa
trans|>o(te de gtnrra ; aim como contraa mam
no referido da 17 do rorrete mez, lamecn mb
as con.lieoes do aatflo a vi-ia de prot>o>r .-
cebidas, a Uvagem de rnupa dos e-ul>lei unemtas
de marinha no mencionado Inme-ire .le j.
mar^o de |86-*i, bem bobbi foriierlmrnio durante
o mesmo tempo de carne verde aos navio-. 4a *s
mada, e dito- estabelecimentos de murinbu.
Sala do cmseltio de compra^ navaes de rVr-
nambuco 13 de dezembro d-- IxiiV.
Alexandre llo.lngue> dos Anjos
."ecreiario.
Subdelepacia de p..licia da freguezia da Boa-
Visla 13 de dezembro de IH64.
Nesta subdele^aeia exi-te um rarn*-iro e nma
cari.-ira que ser eutregue a ijuem provar perten
cer Ihes.
No dia 17, pelas 4 horas da urde, perantte
juizo de paz dos Remedios vai a prap o alnm!
da casa de M:-no..'l PfMMen Stares, por eierucio
de Anlouio Joa-iuira Uonraivo d- Mello enejara
dito Soares, sendo a avaltaco de 64 per mez
0Hik4\lfl4
DE
Seruros Martimos Utilidad^
Publica,
A direcQo desla companha paga o II* di videra-
do a razo de 285 por acra, m esrripii.no da
mesma, roa da Cadea n. M, lodos os das ut'-t
das 10 as 4 horas da tarde.
Recife 9 de dez"iubro de 1884,
O director**!
Feliciano Jos Gome*'.
Domingos Rodrigues de Aadrade
Consulado de Porluja I
Por oidem do consulado de Portugal em V.rnam
buco tem de ir em ha.-u publica os hrns mi tVn-
rm por fallecimento do subdito porlnsnrt Jo-.
de Oliveira llamos < Silva, morador na ra do Im-
perador n. "2, constando de urna roobtua e enjer-
tos de cozioha.
Crrelo.
Pela adminislraco d.i rorrrto desta ridade e
faz publico que hoje (16) pelas 3 horas dn tardn
em ponto fechar-se-ho as malas nu*> o vapor Ojm-
poc*tern de condnzir para os porto* dosnL H
jornaes sero recebidos al I llora, e as cartas ad-
meltldas a seguro ale as i horas.
Na audiencia do 'Ihn. Sr. Dr. jnii de.
no dia 16 do corrente. [telas II horas dn
se ha de arrematar um terreno de vollo t f.r*n-
ro, no becco e tegitiroento da rna dos Ferrrtms.
freguezia da Boa-Vista, com 00 palmos de frrsne
e 200 de fundo, e divide por urna nova rn* nrn-
jectada, vista de sua localidade, avahado per
>00 ; lerr*no que vai a praca por venda a rer-an-
riraento de Manuel Martin> l-'uiza.
APIPLCOS
(iraade e ariad>s*ia especlacil*
Pela companhia nacional
eVll4STI4 E .i:RB\T\
Sabbado 17 de de. embro
Ir a cenaos niel dures e bem exeeulado* tra-
balhos, a sempre applaudida columna fvrauna
por toda companhia, o equilibrio d arma por tod
corpo, grupos, saltos, lulas e outro-* trabalnos.
A compauhia se esfurcara para satisfaxvr n res-
i eitavel publico e nos ratervallos tacara e cantara
varias pedacns do tro-ador, travista e dn mitran
operas para sal-facas e di ver tmenlo do publica
Bilhetes para homeus e senboras laOUO
Ditos para meninos 300
Principiar s 8 Ii2 horas em ponto.
ILEGIVEL
*


Diarla de PtrsiBbneii Hexta felra tt de Dezembro de i d.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE '
*:vcgac* elra a rapar
Parahyba, Natal, Maco, Aracaty, Cear e
Acarac,
No dia 22 do correte seguir
um dos vapores da romp.nhia pa-
ra os parios cima indicados, s 5
horas da tarde. Receber carga at
__Jo dia 21 : encommendas, passa-
Seiros edinheiro a frete at as horas da Urde
o dia da sahida : escriptorio no Forte de Mattos
n. 1.__________________________________.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
M
HJavegacSe cuteir a vapor.
Mace'io e escalas,
No dia 30 do corrente seguir
um dos vapores da companhia pa-
ra os partos cima indicados s 5
horas da tarde. Recebe carga at
_Po dia 29. KocommendaB, pasa-
geiros diuheiro a (rete al 2 horas da Urde do
dia da sahida : escriptorio no Forte do Mattes
O. i.____________________________________
Para Lisboa
O brigue portuguez Lata II, capito A. F. Viei-
ra vai sahir com brevidade por ter a maior parte
de sen carregamento proraplo : quem no mesrao
quizer carregar ou ir de passagem, dirija-se ao
seu consignatario E. R. Rabello, rui da Cadeia n.
55. escriptorio. ___________^^
Para o Porto.
segu at o dia 20 do crreme o brigue portuguez
S."Manoel I, capillo Carlof Ferreira Soares ; quem
no mesmo quizer carregar ou ir de passagem, di-
rija-se a ra do Vigerio n. i i, escriptorio Ue M.
J. Ramos e Silva & Genros.
LEILAO
DE
16 meia-agaas de pedra e cal na ra
dt Camarao n. 8 A.
Sabbado 17 do corrente.
O agjuie Pesua legalmentc autorisado por sea
dono far leilo de 16 meias aguas muilo bem edi-
ficadas de pedra e cal n. i a 16 sitas na rna do
Camarao n. 5 A : sabbado 16 do corrente pelas 11
horas da manha junto a Associacao.Coramercial,
qualquer dellas tem sala, alcova e cosinha. Os Srs.
pretendentes podem cun antecedencia examina-las
a o agente acha-se prompto a qualquer esclarec
ment._______________________^__^_
IjEIIAO
DK
importan tes dividas.
Martins levar novamente a leilo por despacho
do Illm. Sr. r. Juta especial do commercio das di-
vidas activas da massa fallida de Joaquim Vielra
Cociho & C. na imiiorlancia de siGl32 rs.
Sabbado 17 do corrente.
No primeiro andar do sobrado da ra da Cadeia
n, 48, s II horas do dia cima.
LEILKS.
.EI L A
DE
Urna casa terrea na ra
Imperial n, 36
EIO.IE
O agente Pestaa far leilo por conta e risco
le quera pertencer de urna casa terrea sita na ra
Augusta n. 36, era frente a nova matriz, de pedra
e cal co cacimi a, acabada de concertar ha dias de que
licou como nova : o leilao ter lugar soxta-feira 16
do corrente pelas II horas da manha no largo do
C-jrpo Santo, os Srs. prelendentes podem examna-
la antes do leilo devendo achar-se a chave em
man do agente. _______________^^__^_
DI
Fabrica de sabo da ra Im-
perial e lodos seus pertences
Segunda-feira 19 de dezembro.
O agente Pinto fara leilo requerimento do ad-
ministrador da massa fallida de Rostron Rooker &
C. e por mandado do lllm. Sr. Dr. juiz especial do
commercio, do edificio e mais objectos da fabrica
de sabo da ra Imperial, assim como levar a no-
vo leilo es objectos pertencentcs a mesma massa
expostos em leilo do dia 5, servinde de base os
precos obtidos n'aquella occasio, os quaes sero
dejinitivamanle vendidos e entregues no leilo do
dia segunda-feira 19 do corrente, na mesma fa-
brica.
Principiar as 10 horas.
LEILAO
DE
UM CAVALLO
HOJE.
Na porta do armazem da ra da Cadeia do
Recite n. 53. s 11 horas.
OLYMPIO
DE
MOBILIA
A i 9 do corrente.
Por ordem do Rvd. C. A. Austein o agente Pes-
taa far leilao da esplendida mobilia da casa de
moradia do mesme, consistinflo em mesa redonda,
dita de abas, sefs, cadeiras usuaes, de bracas e
de balanco de Jacaranda com molas e sem das,: i espetaos todo no melhor estado para adorno de
sala de visitas, muitos outros objectos para sala
de jantar, como mesa elstica, apparador, guarda
lonea, armario de gosto, cadeiras, es'antes, nm
ptimo piano e caixa para msica de Jacaranda,
cadeiras de differentes qualidades e feilios, corti-
nados de sala e tapetes, leitos, guarda roupas,
marquezas, diversas marquezas e mesinhas, com-
modas, lavatorio.*, espelhos, aparelhos de louca
para jantar. de porcelana para almoco, crystae=,
urna urna de casquinho fino, igualmente um carro
americano de 4 rodas, 1 cabriolet em bom uso,
urna earroca, grade de ferro para galhinheiro e
muito? outros artigos apreciaveis e que no acto se-
rao patentes.
Segunda-feira 19 do correnfe
s 11 horas da manha na rasa da residencia do
mesmoSr. Rvd. Austin, na tetrada defronto da
vender em leilo um cavallo andador
meio.
Sena, idem idem, idem 283 .
Pateo da Santa Cruz.
Numero, Claudios de leemos Caval-
cante, ulo n. 2, couhecimento
n. 77.........
Ra do Aragao.
Numero 22, Dr. Candido Jos Casado
Lima, ulo n. 2, conheci ment
n. 18...........
Ra da Concetgo.
Numero 7, Florinda Ferreira da Sil-
va, Ulo n. 2, conheeimento n 195.
dem 10, Anna Theophia Scheiler,
idem 1, idem 190......
Ra do Rosario.
Numero 33, Antonio Jos Vieira,
Ulo n. 1, conheeimento n. 227. .
Ra Velha.
lo a '?reJa da Soledade iodo para a do Manguinho por Kumero 3t Catharma Joaquina Vel-
u i .. -i -. > 1,, .1 -. C A n.i i \Li fine m n .--._*'_ t .. l._,
LEILAO
DE
32 pipas de vinho Figueira
marca MX
HOJE
Por conta do quem periencer o agente
vender 32 pipas
Peslana
com excellente vinho Figueira
desembarcado nltimainente ser vendido em um
OU nuil) lotee a ventado, exla-te.ira ll> do correa-
;e pelas 12 horas em punto, no largo da alfandega.
detrae do sit'o do Sr. Accioli Llns.
LEILAO
DO
Ilspolio do finado subdito por-
tuguez Jos deOliveira Ra-
mos e silva.
Terca-feira 20 do corrente.
Por ordem do Illm. Sr. cnsul de S. M. Fide-
lissima o agente Pestaa far leilo por conta de
quem perlencei do espolio do finado subdito por-
(ucuez Jos deOliveira Ramos e Silva, couMstinr'o
em algunia momita e diversos objectos de parce-
Una e ouro, turto se achara patente na ra do
Imperador n. 52, terceiro andar: terca-feira 20
do corrente pelas 12 horas da manha.__________
1,750 acedes da Companhia Pernam-
Itucana.
HO*E
Sxta-feira 16 de dezembro as 11 horas, a
poria da AssociaCao Commercial.
O agente Piulo levar novam-ote a leilao 1,730
accoes da Companhia Peroambncana pertencentcs I
i massa fallida de Rostron Reoker & C, as 11 ho-
ras do dia 16 do crlenle era frente a Associa\;ao i
Comtnercial.
Quarla-feira 21 do carrete s 11
53Armazem di ra da Cadeia do
horas.
Reare53
LEILAO
DE
Trastes, relogios e outros mu
tos artigos.
ME
Sex-feira 16 do corrente, s
armazem da ra da Cadeia
niimwo 83.
I! horas, no
do Recife
OLYMPIO
vender em leiAu diver.-os trastes nuvos e usa-
dos, sendo lavatorios, appara lores, duzias de ca-
deiras brancas, 1 sanciuirio de jacaraus, relo-
Kiosds algibelra, correntes para relogios, machi-
nas pequeas de costura, comraidas e outros inul-
tos objectos que e-itaro patentes no dia do leilo.
Ra da Cadeia n. 53.
LEILAO
DE
Urna casa terrea
noj.
O agente Pinto far leilo as (11
OLYMPIO
vender em leilo 1 pequeo prio meciiaiiico pa-
ra pe nenas impresso-s com diversas fontes do
typos e mais pertences necessano< ai trahalho.
LEILAO
DK
Quarta-feira l do corrente.
53-Armazem da roa da Cadeia do Recife53
nota.
12 horas do
n ... contendoa mesma 2 salas, 2 quartos, cosinha
fora, cacimba e quintal murado, edificada em
aliaos foreiros e rende 20a raensaes, os preten-
dentes podero desde j esaminarem a dita casa
o ohterera as chaves no primeiro andar do sobra-
do da ra da Cruz n. 38, escriptorio do referido
arente, aonde se effectuar o leilo no dia e hora
supradito.
LEILAO
DK
Movis, cscravos, pianos, ca
callos e outros muitos ar-
tigos de gosto
IIOJK
s 11 horas.
efj'fii!*o) Mu
vender em leilao por conta de urna pessoa que
se retira para fora da cidade urna mobilia de ja-
caranda, t dita de amarello um sanctuario, um
forte piano moderno, um cafre de ferro, cadeiras
de Inlanco, lavatorios, marquezas, apparadores,
qnartinheiras, e oatros muitos artigos de casa que
se torna enf.idonho mencionar. Ser electnado o
leilao na ra da Cadeia n. 48.
vender em leilo diversos escravos de ambos os
senos, entre eltes algumas escravas cosiaheiras e
eDgommad ciras.
AVISOS DIVERSOS.
O padre Flix Rarreto de Vasconeellos tem
aberto um curso particular de latim durante as
ferias, em sua casa na ra do Imperador n. 35,
primeiro andar, soraente para a clas res estudantes provectos que se quizerem prepa-
rar para fazerem seus exames em marc,o do anno
vindouro.
A os 10:000*000 e 3:000*000.
Sabbado 2i do corrente raez, se ex-
trahir a ultima parte da decima e primei-
ra da decima priueira lotera (121') a be-
neficio da matriz da Boa-Vista, no consis-
torio da igreja de Nossa Senhora do Rosa-
rio da freguezia de Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se
renda na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 10:000000 at 2O0OCO
serio pagos urna hora depois da extraeco
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuiejio das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
loso da Silveira, talo n. 2, conhe-
eimento n. 98........
dem 73, Antonio da Molla e Silva,
idem l.idem 211.......
Ra de S. Goncalo.
Numero 29, Antonio Gonzalo da Sil-
va, talo n. 1, conheeimento
n. 189..........
Ra dos Pires.
Numero 13,Clemenlina Maria Resones
de Almcida, talo n. 2, conheei-
mento n. 103........
dem :U. Antelo Jos da Rosa, idem
l, weiu n.........
Ra do Sebo.
Numero 21, Antonio Jos do Sacra-
mento, lalao n. 1, conheeimento
n. 136..........
Ra do Mondejo.
Numero 61, Caelano de Paiva Pinto
de Mesquita. talo n. 2 conheei-
mento n. 97........
Ra do Manpuinho.
Numero 51, Antonio Joaquim eve,
lalao n. 1, conhecnnenlo n. 87. .
Ra do Corredor do Hispo.
Numero 6, Antonio Luiz do Ainaral,
talo n. 1, conheeimento n. 252. .
Soledade.
Numero 2, Adolpho Merelle, talo
n. 1, conheeimento n. 82.
dem, Domingos de Lima Veigas,
idem 2, idem 119......
Ra do Rosario.
Numero 3, Frederico Marques do
Livramenlo Soares. lalao n. 2, co-
nheeimento n. 165......
Ra dos Prazeres.
! Numero, Francisca Maria da Con-
ceico, talo n. 2, conheeimento
n. 152..........
Travessa do Pombal.
Numero, Claudiua Maria da Con-
ceico, talo n. 2, conheeimento
n. 91...........
Capunga.
Numero, Angela Maria de Franga,
talo n. 1, conheeimento n. 151. .
dem, Antonio Jos Telxeira, dem
idem, idem 150.......
dem, Antonio Goncalves da Silva,
idem idem,idem 45......
Amisade Capunga.
Numero 23, Antonio Cardoso de Oli-
veira, talo n. 1, conheeimento
n. 254. ........
dem, Adolpho Stibyra Cache, idem
idem, idem 154.......
dem, D. Amhama Emilia de Miran-
da, idem dem, idem 249. .
dem, Rernardino Antonio da Silva
Lobo, dem idem, idem 279. .
Passagrm.
Numero, Frederico Lopes Guimaraes,
talo n. 2, conheeimento n. 180. .
Mondego.
Numero 9, Dr. Francisco Perelti Rap-
tista, talao n. 2, conheeimento
n. 236..........
Hospicio.
Numero, Francisca Maria da Concel-
co, talo n. 2, conheeimento
n. 247..........
LEILAO
l)cpo>ilo de pao, bolacha c gneros da
ra da Lingoela n. 6-
Sabbado 17 do corrente.
O asente Piolo far leilo por conta de quem
pertencer da armajo e gneros do deposito da
ra da Lingoela n. 6, s 11 horas do dia cima di-
to oo referido estabelecimento.
T
O abaixo assignado desejando servir as
pes6oas de fora desla cidade, tem resolvido
fazer correr a leteria de hoje as S horas e
meia da manha, afira de puder remetter-
lhes as listas hoje a tarde. O resto
bilhetes eslaro a venda at essa hora.
Thesourari das loteras 16 de dezembro
de 1864.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza-
Curioso.
O curioso que teve a audacia de tirar urna por-
ta de urna casa n'um sitio do Manguind, tenha a
bondade de torna-la a por no seu lugar, do con-
trario levar-se-ha ao cooheciraentn da polica.
Esperanca.
Numero 60, Francisco de Paula Bor-
ges, talo n. 2, conheeimento
n. 256..........
dem, Francijco dos Sanios Mon-
reira, idem idem, idem 263. .
Cajoeiro.
Numero, Francisco Jos da Costa
Araujo, talo n. 2, conheeimento
n. 277..........
Seve.
Numero 12, Francisco de Almeida
Leal Seve, talo n. 2, conheeimen-
to n. 280..........
Ra do Cotovelo.
Numero 36, Diogo Thomaz Esteves
Vianna, talo n. 2, conheeimento
n. 289...........
Ra da Gloria.
o ': Numero 72, Guilherme Frederico de
Sonta Carvalho, talo n. 2, conhe-
eimento, n. 294.......
Consellio.
Numero 22, Gertrudes Maria de Ott-
veira Cardoso, talo n. 2, conheei-
mento n. 296....... .
Ra da Aurora.
Numero, Henriques Angelo da Cesta
Guimaraes, talo u. 2, conheeimen-
to, n. 324.......
Ra do Rosario.
Numero 3, Ignacio Marques da Costa
45000
205000
Relaco dos cinheeimentos do imposte
de taxa de escravos do bairro da
Boa-Vista do eiereicio de 1863 a
1864.
Rna da Aurora.
Numero 24, Calharina Thereza de
Jess, talo n. 1, conheeimento
n. 303........... 8#000
dem 72, Antonio de Albuquerqae
Maranho, dem idem, idem 181. 125000
Ra das Saudades.
Numero, Eduardo de Barros Falco
de Lacerda Cavalcante Albuquer-
que, ulo n. 2, conhecimenio n. 132. 85000
dem, Francisco de Barros Falco
Cavalcante de Albuquerque, dem
idem, idem 150.......
Ra do Hospicio.
Numero, Dr. Antonio de Vasconeellos
Menezes Drummond, talo n. 1, co-
nheeimento n. 116......
dem 24, desembargador Agostinho
Ermilindo de Leo, idem idem,
idem 49..........
dem, desembargador Agostinho Er-
milindo de Leo Jnior, idem idem,
idem 50..........
dem, Francisco de Paulo Pereira,
idem 2, idem 193.......
Ra de Santo Amaro.
Numero, Dr. Clemente Jos Ferreira
da Costa, talo n. 2, conheeimento
n. 30...........
dem, Carlos Augusto de Lino Souza,
idem idem, idem 23......
dem, Antonio Lousa Guedes, dem I,
idem 255..........
dem, Antonio Jos Pereira, idem
idem, idem 113.......
Ra Formosa.
Numero, D. Anna Candida de Jess
Ribeiro, talo n. 1, conheeimento
n.115...........
dem 15, Rento Jos Ramos de Oli-
veira, idem idem, idem 277. .
Ra na lmperalriz.
Numero 36, Eugenio Zeferino dos
Santos, talo n. 2, connecimeoto
n. 136.........
dem idem, Faustlna Maria do Espiri-
to Santo, dem aera, idem 187. .
Paleo da Boa-Vista.
Numero 32, Antonio Franc>co das
Nevos, lalao n. 1, conheeimento
n. 149..........
Ra Atraz da Matriz.
Numero 26. Alexandrino da Silva
Salles, talo n. 1, conheeimento
n. 145..........
Ra da Gloria.
Numero 7, Aureliano de Almeida
Rodrigues Izare, talo n. 1, conhe-
eimento n. 102......
9, Bernardino Marcellino de
Soares, falao n. t, eonhecimenlo
n. 331......, .
Ra do Sebo.
Numero, Isabel Raymundo dos San-
tos, Pinbeiro. talao n. 2, conheei-
mento n. 334........
Conselho.
Numero 2, Joaquim Antonio de San-
tiago Lopes, talo n. 3, conheei-
mento ii. .........
Rna do Aragao.
Numero 41, Jos Dias Moreira, talo
n. 3, conheeimento n. 22. .
Ra da Gloria.
Numero 87, Jos Antonio de Azeve-
do Jnior, talo o. 3, conheeimento
n. 26...........
Ra da Alegra.
165000 Numero, Jus Joaquim Rodrigues
Lupes, talo n. 3, conheeimento
n.29...........
Boa-Vista.
Numero 18, Joo Malheus, talo n. 3,
conheeimento n. 42......
Ra Velha.
Numero 119, loo Pereira Damaceno
Chaves, talo n. 3, conheeimento
n. 49...........
12500)
45000
45000'
45000
85000 Ra da lmperalriz.
Numero 65, Jos Muniz Cordeiro
125000 Gitihy, talo n. 3, conheeimento
n. 50...........
Ra da Aurora.
Numero 41, Jos da Silva Ferreira
Jnior, talo n. 3, coBhecimento
n 52...........
Ra Velha.
! Numero 40. Joo Alvos de Carvalho
125000, Pono, ulo n. 3, conheeimento
I n. 78...........
45OOO: Hospicio.
Numero 5, Jos Thomaz de Aguiar,
lalao n. 3, couhecimento n. 85. .
Ra da Aurora.
Numero 10, Joaquim de liveira
Mello, ulo n. 3, conheeimento
n. 138...........
Ra de S. Goncalo.
Numero 9, Joaquim Dcmeterio de
I Cavalcante Jumor, ulo n. 3 co-
45000: nliernnento u. 149......
dem 7, Joaquim Raymundo de Men-
donc,a, dem idem, idem 169. .
Ra do Sebo.
Numero 30, Joanna Ana.-taeia Leal,
talo n. 3, conheeimento n. 177. .
85OOO Estrada de Joo Francisco Vieira
j Numero 34, Jos Antonio de Souza
Magalhes, talo n. 3, conheeimen-
to u. 178..........
45OOO Copunga.
Numero, Joaquim Pereira d^ Arantes,
talo n. 3, conheeimento n. 190. .
! E>taacia.
85000 Numero, Joaquim Galdino Al ves da
Silva, talo n. 3, conhecimenlo
45000 D. 200...........
dem, Joo Felippo dos Santos, dem,
idem, idem 212......
Manguinho.
45000 Numero, Jos Leo do castro, idem,
idem, idem, 206.
Hospicio.
Numero, Jos Thomaz Campos Qua-
125000 resma, idem, idem, idem 216. .
Estrada de Joo Fernandes Vieira.
N. 5. Joo Doameluz Jnior, idem,
4*000 dem, idem 238......
Santo Amaro.
45OOO : Numero, Joo Cab Aine, dem, idem,
dem 239........
Hospicio.
45000 S(. 10, Joaquim Arceuio Cintra da S.
idem, idem, idem 242.
dem, Jos Joaquim Barbosa Nery;
idem, dem, idem 247.
45OOO Joo Feruandes Vieira.
N. Jos Augusto da Costa Guima-
45OOO raes, dem, idem, idem 261 .
S. Goncalo.
N. 29, Juo Miguel de Oliveira Be-
raldo, idem, idem, idem 262. .
85000 E-lancia.
N. Joo Francisco Saraiva Marques,
idem, idem, idemiOi.
Uniao.
45000 N. 5. Joo Maria de Moracs Navarro,
idem, idem, Kiein 309......
10,9000 Hrentofo
N. Jos Rodrigues Peixoto, dem,
idem, idem 312......
lmperalriz.
45000 n. Jos llibeiro da Cosa Guiraaros,
iuein, idem, idem 327.
Mondego.
N. 4. Joaquim Conealves Ferreira,
85000 idem, idem. Idem 329. .
Conceico.
N. 41. Joanna Mana da Trndade,
85000 idem, id Matriz.
N. 28. Jos Paulino da Cmara,
45OOO idem, idem, idem 336.
llha dos Hatos.
N. Joaquim Pedro Brrelo de Mello
45000; Reg, dem, dem, idem 351
Corredor do Bispo
45000 N. Joo Manoel Mendes da Silva Aze-
vtdo, idem 4, idem, 19.
Aragao.
N. 14, Jos Luiz Alves de Azevedo,
45000 idem, idem, idem 24.....
dem, Maria Teixeira Hacellar Oli-
veira, dem, idem, idem 177 .
lmperalriz.
45OOO N. 43, Maria Carduzo Xavier de Bri-
to, idem, idem, idem 204 .
Deaenga no-
li. Manoel Joaquim da Silva, idem.
45OOO idem, dem 215......
Sodado.]
N. 38, Manoel Pereira de Castro,
45OOO idem, idem, idem 221 -
Colovello.
45000 N. 25, Mara Francisca n'Assumpco,
idem, idem, idem 224.
245000 Esperanza.
N. Manoel Gomes Ferreira da Cunha,
idem, dem, idem 228
lmperalriz
45OOO N. 2. Manoel do Carino Ferreira,
idem, dem, dem 239
45OOO Real.
N. 6. Maria de Jess Ferreira Fran-
245000 co, idem, idem, idem 255 ..
Capunga.
45000 N. Marcolina Mana da Conceico,
idem, idem, Idem 270
dem, Manoel Gomes de S, idem,
165000 dem, idem 296......
Rosario.
N. 7, Marianos da Cosa, dem, dem
idem 3u0........
45000 Pateo da Santa Cruz.
N. Maria Francisca S. Vicente Fer-
rer, idem, dem, dem 304. .
Ra do Pires.
45OOO Numero 2, Jos Alves Ferreira, talo
n. 4 conhecimonlo n. 28. .
Manguinho.
Numero 5, Jos Baptisia Gitirana,
talo n. 4 conheeimento n. 29. .
85000 Mattiias.
Numero 2,Dr. Joo Baptisla Casa No-
45OOO va, Ulo n. 4 conheeimento n. 33.
Trempe.
Numero 21, Joo Walpido de Mede[-
ros, talo n. 4 conheci medio n 35.
I25OOO l'ra^a da Boo-VisU.
Numero 21, Joao Jos Henriques,
talo n. 4 conheeimento n. 38. .
dem, Jos Joaquim Cavalcanli Lei-
45OOO te talo n. 4 conheeimento u. 49.
Passagem.
Henriques Bernardo de
talo n. 4 conhecioento
45OOO
MfOM
204000
85000
Numero,
Oliveira
n.68.
Aragao.
Ignacio Pinto dos Santos
i conheeimento
Numere 7
Sazcs, Ulo n.
n.70...........
Sebo.
Numero 27. Joaquim da CosU Don-
rado, talo n. 4 conheeimento
n. 87..........
Praga Real.
Numero 7, Jos Mathens, talao n. 4
conheeimento n. 95.....
Ponte Velha.
Numero 1, Luir Anaos de Andra-
de Leal, ulo n. & conhedmeoto
85000 u. 103..........
Formosa.
Numero i, Luiz Francisco Lins da
Albuqnerque, Ulo n. 4 conheci-
85000 melo n. 110........
Hospicio.
' Numero 23, Luiza de Franca Mello
Junior, lalao n. 4 conheeimento
45000 n. 115...........
Hospicio.
Numero 29, Luiz Antonio Rodrigues
45OOO de Almeida, talo n. 4 conheci-
nienle O. 127. ,.....
lmperalriz.
i Numero 33, Loorenca Pereira Meo-
45OOO des Guimaraes, talo n. 4 coohe-
mento n-13. ... ...
Gloria.
Numerr 89. Laureatino Jos de Mi-
45000 randa, taln o. 4 couliecimeoto
n. 138. ......
Ninfas,
485000 Nnmero, Mariahna lgnacia do Car-
ino e Silva, Ulo n. 4 eonheci-
menlo n. 149........
Pires.
4SOOo. Numero, Manoel Jos Gomes de Li-
ma, talo n. & conheeimento n. 155
Aurora,
' Numero 16, Maria Antonia da Cruz,
45000 I ulo n. 4 couhcciinenio 11. 135, .
Henriques Dias.
Numero, Marlanna Teixeira Barcel-
lar, talo n. 4 conhecimeulo n. 176
I25OOO Ra da lmperalriz.
Nnmero 28, Mecimilia Fulana Con-
nives da Cruz, lalo n. 4, conheci-
menlo n. 308........
Estancia.
Numero, Manoel Jos de Souza, idem
idem, idem n. 310......
85000 i Ra da Alegra.
Numero 14, Maria l'uibelinados Pra-
zeres Ramos, idem dem, idem
i n. 327 ..........
85000 ; Ba da Trempe.
Numero, Maria Isidoro Brrelo Lias,
dem idem, idem 337.....
Ra dos Prazeres.
85000 Numero 10, Manoel Antonio Cardo-
so, idem idem, idem n. 339. .
450001 Praca da Boa-Vista.
Numero 32,Neves4Cruz,idem idem,
idem n. 348........
125OOO Ra do Hospicio.
Numero 32, Pergentino de Aqnino
Fonseca biz, idem n. 1, idem n. 17.
Estrada de Joo do Barros.
85000 Numero, Rosa Maria Eugenia Costa,
idem idem, idem 11. 21.....
Ra da Sania Cruz.
205000 Numero 2, Rosa Maria da Concei-
co Pontual, idem id>-m, idem
n. 24...........
Ra Formosa.
85000 Numero, Theodoro Machado Freir
Pereira da Silva, dem dem, idem
85000 n. 63...........
Ra do Sebo.
Numero 55, D. Thomazia Barbosa
45000 Coimbra, idem idem, idem n. 65. .
Rna da Aurora.
Numero 8, Trajano Antonio Gon?al-
165000 ves Medeiros d'Oliveira,ideraidem,
idem n. 66.........
Ra dalmperairiz.
125000 Numero 36, Frederico Valeriano dos
Santos, Idem idem, dem n. 70. .
Ra da Fi?ueira.
45000 Numero 1. Theodoro' Adolfo Dame-
mur, idem idem, idem 11. 78. .
Roa da Sania Cruz.
205000 Numero, Trajano Alegra C. de Men-
donca, dem dem, idem n. 81 .
125000 Ra da lmperalriz.
Numero 1, Umbelina Leoncia Diniz,
idem idem, Idem 84......
Rna do Veras.
Numero 15, Victorino Jo de Souza
Travasso, idem idem, idem n. 96.
Rna da Gloria.
Numero 99, Zeferina Felicianna P.
Rarreto, idem dem, idem n. 114.
4)000
Furto.
Hontem as 9 horas do dia roobaram do sobrad
oa ra das Cinco Ponas n. 29, o seguinte : I f-
brecasaco, 1 ealca, 1 rllele do caseniira, e ludo
49OOO novo, I bahuzinho de couro chcio de ranga, 1 por
de borzeguins francezes j calvado. | cobertor, 1
I traves.-eiro de roslo, urna porfi de roupa suja e
1 oulros objectos : po.'lanlo roga mi as .'i! n.l.,!>
83OOO a apprehensode laes objccl's, |h.i< uiatillra-so a
quem descobrtr o ladrio, pos o dito fot un negro
de camisa de riscado.
Premisa-s de ura eoxinheiro ou rocinht-ira,
I forro 011 captivo, para casa de rapozn Mttteirw.
[agradando pagase Lem : a tratar na rna do Qaci-
1 ruado u. 7.______________ _.__
Francisco Reringuer Cesar do Aodrade, mo-
rador na villa do Brejo, M.idre de Dos, sncnliSra
ao publico que no dia 30 d > m<"z passato ttp+9*
o mulatinho, seu escravo, de nome t'inbeiiao. de
14 a 16 annos de idade, cor de laranja, rbew do
corpo, cabera pequeaa, cabellos Mirados iou.
nariz afilado, tem um denla na fenle de m--u >.-.
leva vestido camisa de algodozi iho araeri ano.
cal{a de algodo da torra e otapo de ronro dr
copa alia : quem o pagar tra^a ao referido >cu
senhor que ser generosamente raoompm>>
Pcrdcu-KC
as 9 horas da manha no dia 14 unir o cae* da
Ponte de Ucha e a Estancia, e-asa do Sr. J. J.
Monteiro) um rolo pequeo le papel ciiendo dua>
cartas escriptas na lingoa ingleza : qnem o tivrr
adiado, levando ao caes de Apollo n. 51, tora gra
tilirado.____________________________________
Alugam-so duas casas terreas em -aoto A-
maro, na estrada d Luiz do R >,\>, sendo urna as-
sobradada, pronrias para familias e p>r ser mnilo
frescas: que/O prelender iija-M aBmvVMo, ra
da Mangue-ira n. 20. que achara mm qnem^ratar.
Alaga-M urna casa na Matriz da Vanea, mu
na ra do Fogo, eom seu quintal que vai a entra-
da de detraz, ciiendo varios armada! la frucia
quem a prelen lor dirija-se M pateo do '"-armo, so-
brado que bota a frente para a ra Je Horlas o. 2.
primeiro andar.
125000 O secretario iui rio da irmaoami H W. f.
! da Boa-Viagem convida, de ordem do 9r. joir. a
todos os meinbros da actual mam regedora para
45000' urna reunio no respectivo consistorio, domingo
18 do corrente, pelas 9 horas da maabaa._______
8j000
49OOO
IfOQB
43OOO
89OOO
8^)00
4j000
45000
45000
15000
85000
2O5OOO
45000
45000
45000
45000
485000
45'!00
45000
45000
45000
45000
83OOO
12J000
12}000
45OOO
SfOOO
16;040
4J000
8{000
8J000
8J000
45OOO
24J000
85000
45000
45000
145 conhecimenlos na importancia de
45000
125000
45000
'15OOO
135000
45000
85000
45000
45OOO
45OOO
45000
285000
45OOO
1:1645000
Perdeu-se
um annel de hrilhante em a noiie le 8 do rorreo-
te, da -ua Nova a ra i Imperador n. 29 : quem
oachou, querendo restituir, dija-soao aeima
Francisco de Paula Pereira, r*liraiido-e
para Europa afim de tratar de su* sande, e nao
he sendo i.ossivel pelo sen estado de ocomm >-
dos, dispedir-se pessoalmente de tolas as pessoa*
com quem enirelem relacoes de amizade. o faz
pelo prsenle, e l*.es olfarece n san presumo na
ridade de Lisboa, aonde pretende demorar-*.
Precisase alagar non ama para camama 1
engommar, e que presle-se a comprar na ra
do Caldeir-iro n. 12.______________
I'recisa-se alagar um escravo que seja bom
enzinheiro : quem o tiver para alugar. pM diri-
gir-se a ra larca do Rosario, loja da Aurora n.
38, que se dir quem precisa^_______^^^___^
Precisa-se de um ealieiro para loja de mn
dezas, que tenha milita praliea d fiador a soa
conduela: quem estiver ne-ii rircum-ianria <|oei-
ra dirigir-se a ra larga do Rosario, loja da Auro-
ra n. 38, que se dir quem rerwa.
gaodo andar do sobrad.>da na
muilo fresca e com mnito boa
a iratar na mesma.
a n. 38, que se dir |
-4 Aluuacse o .-uguii
lo Hospicio n. 24, miiil
Recife, 14 de dezembro de 1864.
Francisco GomM Simo?* to Amara'.
Cobrador da recebedoriade rendas internas
geraes de Pernambuco. _
(ASA 1)4 F0BU\4
AOS 6.000*000
Bilhetes garantidos
A' rna do Crespo n. 23 e casas do costme
O abaixo assignado vendeu nos seus muito feli-
zes bilheles garantidos da lotera que se acabou
do extrahir a beneficio do theatro de Sania Isa-
bel, os seguimos premios:
Um meio n. 583 com a sorte de 10.0005060
Doiis qoartos n. 2021 com a sorte de 3:0005000.
D ius quartos n. 67 com a sorie de 8005000.
Qaatro quartos n. 3241 com a sorte de 4005000.
E ouiras mallas sones de 1005, 405 e 205-
Os possnidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se venda os da quarta parte da d-
cima lotera a beneficio da matriz da Roa-Vista,
que se extrahir no dia 16 do corrente.
Presos.
Bilhetes inteiros..... 75000
Meios......... 35500
Quartos........ *5900
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes....... Wj
Meios........ 352o0
Quartos......, *"00
Manoel Martins Fiuza
PFecisa-se de urna mulher para servidos de
una casa de homem viuvo sem filhos : em Santo
Amaro junto a fundico, taberna do Sr. Reg, se
I indicar quem precisa._______________________
Muita altencaom
Emflm descobrio-se nao s o autor do furto de
um relogio e corrente, ambos de ouro, subtrahidos
da noite de i9 do prximo passado mez, de urna
casa da ra larga do Rosario, seno tambera o lu-
gar onde esU e a pessoa em cujo poder se acha.
Como sequer ainda poupar um desgosto aoan-
nunciante c urna vergonha ao r. previne-
se-o e roga-se-lhe que ludo se conclua sob o in-
cgnito ; podendo elle, caso nao nos queira obriuar
a procedimento ulterior e raesmo criminal, entre-
gar ludo por intermedio de um terceiro por ejem-
plo, em a loja do Sr. Antonio Augusto dos Sanios
Porto Por ora o conselho ainda de camara-
da 111__________________________________
Garrafas e vidros
Compram se vidros e garrafas vasias que nao
sejam de azeite : na ra larga do Rosario n. 34,
botica.____________________________________
Compra-so um relojio de ouro patente mglez
bom regulador : na ra do Livramenlo n. 15.
Compra-se orna taberna com psucos fundos
rendo em bom lugar no bairro de Santo Antonio,
que esteja bem afreguezada para a trra : quem
tiver e quizer fazer negocio, annunrie.
d
vistas
bb Na roa da Roda n. 6 precisa-se de um bom
oozinheiro, prafBfa-M nacional. ___^_^^
p Precisa-se de uina ama ao* eoznhe, late a
engomme : na ra da Cadeia do R-ofe n. 22, se-
gundo andar, entrada ua ra da Senzala._______
Alaga-M o segundo andar da ram i 1 roa de
S. Francisco n. 68, de ornen de 165. cuja chave.
esia no primeiro andar para ver e iraiar na ra
Novado Santa Rita u. t, das I as 9 horas da mi-
nha.______________________________________
abaixo assignado av.sa ao Sr. Im>
smreiro das loteras tiesta provinn. ]
nao pague todo eqoak|nr pm 'l'"' f",r
sorte saliir na exlracc') d >s scstiinles bi-
Iu"tes que o abaixo asi,'nad<> |,T"l;ii. 'li-
jos bilhetes pertencentes a lotera i fM 'a
parle da deciini lotera a beaeHei di ma-
trizda Boa-Vista, ijue corre n dia 16 do
correle, cujos nmeros sao os se^nini.-
1138, 1423, 00,1470, B48 3i4, cuj.
premios que siliirem perteneeai *
assignado, e desde ft protesta ontraquem
os tiver adiado Recife !' de d,v.>nitro de
1864 JosNillo t/tmello P.sso.i.
45003
45OOO
45OOO
205OOO
45000
Offerece-se um homem de 30 a 40 annos para
feltor de algum engenho fra da cidade, cujo tem
crande pracado planta^o de canoas e seu culti-
vo auem de sen presumo precisar, dirija-se a
ruade S.Bom Jess das Crioulas n. 23 para tratar
Pr jeisa-se arranjar um homem de 30 annos
em alguma casa ou engenho para otrn prlmei-
ras letras a meninos, ou para enfermeiro, do que
lera pratica : quem de seu presumo precisar, 01-
rija-se a mesma ra para iraur, ou deixe sua re-
1 sidenria para ser procurado.
__ Precisase de um menino de idade de 14 a
' 16 annos, ou de um homem de idade para servico
5000 dt clmpo : quem a issi se quizer prop^r, dirja-
se ao sitio do Cafund, na estrada de Joo do
Barros.____________________________________
4*000 Precisa-se de um caixeiro que tenha ortica
i de taberna e de fiador a sua conducta : a tratar
i no pateo do Terco n. 141.
__ Precisa-se alujar um sobrado de um andar e.
soto que tenha cuimodos para familia, no bar
ro de Santo Antonio : a tratar na irave-sa do Vi-
gario n. 1, escriptorio, primeiro andar.__________
Na ra da lmperalriz podara d i Sr. >'. -11.
se dir quem precisa de urna esi rava cosinheira
para pequea familia.
No caes d'Apoo 11 i >. CWaTpBMl
um escravo que seja bom boHian, m
boa conducta, e urna escrava 0JM eutenla
bem de cosinha e ensaboado, pois < pagi-
r l)em o seu mereciment).________________
O abaixo assignad, e-crivo da irmanda.le
do Senhor Bim Joma das tama, por_ordem da
mesa rBgedora, convido a lo los os irmns da me*-
ma para o dia 16 do corrrnte, pelas 5 horas da
larde, no consistorio la irmandade. em mwa ge-
ral, allm de approvar a nova le que tem de reger
a msina.Jos Lucio do ('armo.___________
Pede-se ai inn. Sr Dr. eneT de ..liria que
d as providencias necessarias.am de quaeesae
abuso pralioado |>or um soleado a u.n obrador da
ponte do Cacanga, <|ue viv.-m laaommma, e a*
vezes querem dar bordoadas nos vandanl.'s que por
all passam, que pascando por deniro dagoa, eMe
querem cobrar como se foam pela ponte.
Um onenJido.
Attenco
Francisco Gomes Simoes do AmaraJ. cobrado
do imposto de eseravos do bairro da Boa-Viu,
poraulorisasoda recebedoria das reada loleruas
geraes desU provincia, t-ndo perdido honu-ai.
pelas 4 horas da urde, ua ra da Praia, ua mas
so de coohecimentos de Uixa de escravos, Mo-
tante da relaco, abaixo publicada pede a lod*
e qualquer pessoa a quem lar apre*-au*> at-
guns desle conhecimenlos de ote pag -'""***"**'
ao mesroo cobrador, ou na comneieaM rrparWpn.
onda j coosta este eslravio : as-im como o mesas
encarregado pede a qualquer pessoa que leafta a-
chdo diles conhecimenlos, da o entregar a*
largo da Paz dos Af.igados, casa a 13. que recom-
pensar generosamente, estes ronhi-cimeatos atr-
tencenie aoexercicio de i863a 1864.
Francisco Gomes Sim>s_d Ama ral.
li^diidriralmas da Boa-Visto.
O abaixo assignado, taesoureiro inienoo da ir-
mandadedas almas, ereu oa matri* da Boa-\i*-
ta, tendo de entregar dvU Ihesouraru, n )njmam>
nada dever, convida a toda e qualquer aessoa m>
por qualquer Ululo se julgar credor de *u ar-
mandade, de apresenUr-se ao meroo abaixo as-
signado, que ser uicontinenle pago
Antonio de Fari s Braitdo Cordeiro.
Aluga-so urna casa em Beberibe, no laftar
do Porto da Madeira, caiada e pintada de n..o.
com 2 salas e 2 quarlos, propria para se aassar a
frsta por ser mnito perto do no, pelo barato oieo
de 505 os tres meies de fesla : a ir.ur na raa
Direiu n. 8.


SALSA PiiRILIU DE AYEH.
Transcrevemos aqui alguns
dos muilos aitestados que temos
recebido das virtudes da salsa
parrilha do Dr. Ayer.
Rheumatlsmo.
DE JOO JOS DOS SANTOS.
Ouro Preto.
Sofli rheumatismo.pormui-
tas vezes, e vendo annunciadd
em um jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re-
solvi-me a comprar um frasco e fazer uso
d'ella ; e ames de concluir o primciro fras-
co, achei-me forte e sem sentir a mais leve
dr nos joellios ; a parte do corpo que cs-
tava affectada d'esse terrivel encommodo
que roubou-me tantas nuiles de somno.
Ernpces, boi bullas, pstulas,
ulceras, e todas as molestias
da pelle.
DO SR. JOO PAILA DE ABRE E SOUZA.
Ra de S. Pedro.Ato de Janeiro.
Soffria mais de dous annos de urna
erupeo syphilitiea em todo o corpo, mos-
trando-se sempre com mais violencia nada-
ra, prove muitos medicamentos o consultei
muilos mdicos, e estava quasi desanimado
quando vi os annuncios da Salsa parrilha
do Dr. Ayer: comecei a fazer uso d'ella e
nos primeiros das a erupcao aggravou-se,
porm antes de acabar o segundo frasco ti-
nba o mal desapparecido completamente de
todo o corpo.
Doctor Dox Jos Valdes Herrera, profes-
SOR DE MEDICINA Y CIM.IUIA, SUBDELEGA DO
EM AMBAS AS FACII.TADES DEL SESTO DIS-
tricto Habana.
Certifico que he usado la Zarza parril-
la del Dr. Ayer, y como depurativo be ob-
tenido de ella los mas felices resultados eR
los casos de ulcera crnica, como asi mismo
ensayado las Pildoras alarticas del mismo
autor y las considero como um purgante,
cuya accin ademas de ser segura, ha sido
muy eficaz en el Iratamenlo de las enfermi-
dades que exsigeu el uso de los purgantes,
y no vacilo en recomendar estas preparacio-
nes. Y para los fines que puedan convenir
doy la presente en Regla 7 de Setiembre
de I8GO.
Don. Jos V. Herrera.
Escrfula.
ATTESTADO DO LLM. Sr. FRANCISCO FERRAD
dos Santos.Ouro Preto.
Me acho ha quasi dous annos affec'-ao
de escrfulas, e tendo soffrido tanto q-.e al-
gumas vezes quasi que diego a desramar
da vida e maldizer da minlia .infeliz sorle;
tenlio sido tratado por muilos medie ta cidade, e nenlium pode vencer i tenaci-
dade de minlia molestia, estava ?.em espe-
rangas de recobrar a mmlia samle ; quando
ltimamente resolv fazer uso da aalsa par-
rtilia do Dr. Ayer. Cmplela n-se boje
trinta e sele dias que comecei com este
santo remedio, e tantas mellu ras tenho
sentido que tenho eonvicco de em breve
recobrar a minha saude, perd,'a ha tanto
tempo.
S philis molestias itiert iiriacs.
Do IlXM. Sr. Dr. Jackso;'.
Medico milito cotilleado as pro indas do
sitl do Brasil.
Tenho receitado a Salsa pa rilha do
Dr. Ayer nos casos mais inveh relos de
Syplulis constitucional e sempre com os
mais feJizes resultados ; o melho alteran
te que confiero.
i.oucoiiiica c flores brancas.
Temos cartas em que nos cont inveterados que foram radicalmente curados
com um ou dous frascos d'esta Si Isa par-
rilha.
O espaco nao nos permilte tnmscrever
todos os aticsiados que possuimos Jas vir-
tudes deste extra to composto ce Salsa
parrilha do Dr Ayer. JJasla deCarar ao
publico que tem sido empregado ha mais
de vinte annos pela profissao med a tanto
das Americas como da Europa, se. o nunca
desmentir a sua alta reputacao.
Diarlo de reranteaea Sexta felra c de Itezembro de 18 4.
Lyiho$rapfaadeAIeit Hideux
Ra da Cruz n. 46.
RECIPE.
Este eslabelecimcnto anligo e muito co-
nhecido nesla (iraca tendo sido por falu
de empregados na obrigacao de restrin-
gir os seas trabalbos durante alguns me-
zes, acha-se agora em estado de execu-
tar os trabalhos os mais delicados quo
se podem fazer em chapa depedra, as.-im
como cartoes de visita cora o retrato da
pessoa (muilo -em uso na corte) toda
classe de desenhos, mappas geograpbicos
e qualquer trabalhorelativoaocommercio
bem executado e por precos raioaveis.
COMPRAS.
I Compra-se euro e prata em obras velhas
aga-se bem: na toja de bilhetes da praca da tnde
pendencia n. 22._________
' Compra-se effectivamente
iouroe prata em obras velhas pagando-se bem :
na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
Compram-se dous escravos que sejara bons
carreiros : na ra do Trapiche n. 13.
Comprase garrafas e botijas vazias, na fabrica
te licores ra das Crnzes n. 36.
Compra-se urna burra, estando perfeita :
quem a tiver annuncie para ser procurado.
UPA FEITA
m
COIIPAMIIA
DE
Seguros Martimos Utilida-
de Publica
A direccao desta companhia paga o IIa dividen-
do a razao de 285 por accao, no escriptorio da
mesma, ra da Cadela n. 42, todos os dias uteis
das 10 as 4 horas da tarde.
Recife 9 de dezembro de 1864.
Os directores
Feliciano Jos Gomes.
_______________Domingos Rodrigues de Andradt
NO
ABHAZEI
DE
Compra-se urna carleira com duas faces para
escriptorio : no armazem da ra da Cadeia do Re-
cife n. 48._________________
Carroca
Compra-se urna carroca que seja nova e bem !
construida e de boas madeiras : na ra larga do
Rosario n. 34. ,
Precisa-se de urna ama para cozinhar em ca-
sa de pauca familia : na ra de Apollo n. 39.-
YENDAS.
Ao amanhecer do dia 20 de outubro do cor
rente annode 1864, furtaram do cercado do en-
genho Aldea, da freguezia do Rio Formoso um
quarto de carga do mesmo engenho, o qual
ruco pombo, grande, castrado, nao nevo, tem no
olho esquerdo urna belide, e pouco ou nada v
pelo dito olho, tem um callo velho no espinhaco,; broxur
lugar em que teve urna bexiga, levou o topete cor-
lado rente, carrega baixo, e tem eslampado no
ladodireito da anca o ferro do engenho em lettras
maiuseulas como aqui se v A LD E A. Adver-
te-se que os cavallos assim ferrados, nao sao tro-
cados nem vendidos, e os que forem encontrados
som ser servico do mesmo engenho sao furia-
dos, e devem ser apprehendidos; porlanto roga-
se s autoridades policiaes, e mesmo qualquer
pessoa do povo, que sendo encontrados ditos ca-
vallos sejam apprehendidos eremetlidos ao admi-
nistrador daquelle engenho ou ao abaixo assigna-
doproprietario de mesmo engenho, que reside na
cidade do Recife, ra do Hospicio n. 50. Cidade
do Recife, 26 de outubro de 1864.Caetano Jos
da >ilva Santiago.
Romance.
Vende-se na praca da Independencia li-
vraria ns. 6 e 8, o romance Marm o en-1
geitadoou Memorias de um escudeiro, obra1
do distncto escriptor Eugnc Sue, autor
das melhores obras conbecidas, pelo dimi-
nuto preco de 2;$:>0O por 4 volumes em
%Vlft% fe *V*m*
IJETREKRO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 350 e 30^000 Ditos de setim preto. .
Sobrecasacas idem, 300 e. 2500001 Ditos de ^^ e seda branc0f
fa
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e......1O0OOO1
Ditos de casemira, 200, 150,
120, 100 e...... 70000
Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
30.40 6......30500,
50000
50000
40000'
20500 j
A aguia branca recebou luvas de pellica.
Precisa-se alugar una cosinheira escrava ou
forra : na ra da Madre de Dos n, 36.
O hachare!
Francisco Augusto da Cosa
rsuuBoBBW
Precisa-se alugar urna prela que saina cozi-
nhar e engommar : na ra da Palma n. 41, ta-
berna.
Um rapaz brasileiro com pralica decaixeiro
offerece-se para ser empregado em loja de fazen-
das, escriptorio, ou outro qualquer estabelecimen-
to, dando fiador a sua conducta : quem precisar,
procure na fabrica da iraessa do Carioca n. 2'
caes do Ramos.
Auga-so a loja da ra dos Martyrios d. 2 :
a tratar na ra do Crespo n. 13.
FOLHIJ,HA$
Para 18(>5 -
Acham-se venda na livrara ns. 6 e 8'
da praca da Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
kalendario civil e ecclesiastico, tabellas de
feriados, de emolumentos dos tribunaes
do commercio etc. a IfiO rs.
A FOLHINHA DE ALGIBE1HA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Hainha em verso, o Stabat Mater em
verso, devoclo ao agonisante, coracao de
Jess, cntico em louvor do Santissimo
Rosario, cntico a Virgem Maria Nossa
Senhora, trinta e tres chistosas anedoctas.
um indito poema sobre as aventuras de
um cosinbeiro, o canto de urna solteira
(poesa), creseido numero de mximas e i
pensamentos, urna historia como mudas!
(romaneo A e vinte e cinco novas e pi-
lhercas charadas a 320 rs.
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. .
Ditos branco de linho, 60,50 e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 100, 70 e.....
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80e......
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 40500 e.' ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
Cohetes de velludo preto e do
.60 e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
Colletes de fustao e brim ran-
eo, 30500, 30 e .
Seroulas de brim de linho,
20400 e ......
im Ditas de algodao, 10600 e. .
hmnci Gamisas de peitos de linho,
W 40, 30 e......20500
! Ditas de madapolo, 20500,
50000 20e. .......
Chapeos de massa, pretos fran-
70000 cezes, 100, 90e. .
70000 Ditos defltro, 50, 40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
40000: 110,70 e. .
Collarinhos de linho fino, ulti-
40000 ma moda duzia. .
1 Sortimento completo de grava-
20500 tas.
20500 Toalhas para rosto, duzia, 110,
20000
10400
10600
80500
20000
Sahiu luz o quarto numero da Revista do
Instituto Arclieologico e Geograpldco I'ernumbuea-
no, contendo, alm das ses.-es do Instituto, o mui-
lo interes>ante relatorio da commissao en'carrega-
da de descubrir o jazigo de Joao Fernandes Viei- ?ua ,)0a freguezia no numero da qual
ra, e urna curiosa estatistica da revolta de 1710 'infante, epor que para estes ella ja mais abrir ob-
em Pemambuco, chamada a guerra dos mascates. vi Para os neliscar, deseja que tambem se livrem
Acha-se a venda na loja de livros de Jos -N'oguei- dos aPud('s exporoes do vigilante gallo.
Eis o que ha de bom :
Finas capellas brancas para noivas.
9:
na do Oueimado n. 8
Graude sortimente de objec-
tos de gosto.
A Aguia Branca antes mesmo de ser condecora-
da cem o pomposo titulo de domestica, cenferido
pelo gabinete do intrpido e gil Balisa, mandou
ver o grande sortimento de objeclos de gosto que
agora acaba de receber e exp lo a apreciacao de
contempla o
e
cores, 90 e......70000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
Ditos de casemira preta, 50 e 40000 tos e de cores.
Ditos de ditas de cores 50 Lences de bramante de linho'
** e........30500 Cobertas de chita chineza.. .
60KV)
60000
0
60000
40000
30000
20500
ra de *ouza, ao Arco de Santo Antonio, onde se!
acliam tambemos nmeros anteriores.
Assignatura por anno oS, numero avulso i$i00
Para a cura radical de escrfulas e idi-ecocs
escrofulos, syphilis e molestas syphi-
liticas, ulceras, feridas, chagas,
erupees cutneas e todo e
qualquer incomrr.odo que
provm d'um estado
impuro de sangue,
TO.MKM A
*AI-V% PARRILHA D13 AYER.
__*/-^1
daSilvn llamos, medico poli l'ni
versidade de Coimbra, d consullas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
em suas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem sra casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3000 diarios.
Segunda dita.... 25500 >
Tcrccira dita.... 2,5006
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianza de que sem-
pre tem gozado.
Meias brancas de seda para ditas.
Ronias ligas de seda para ditas.
Ligas.
IjI.i- ditas para manguito*.
Luvas de pellica enfeitadas para ditas.
Ditas de seda brancas bordadas para noivas.
Grvalas brancas bordadas para ditas.
Rosas e ramos de flores linas para noivas e con
vidadas.
Fitas brancas e de cores, lisas e lavradas, o que
se pode encontrar de melhor.
Bonitos porl bouquets.
Leques de sndalo e madreperola.
Cascarrilhao > maravilhas brancas e de cores
para enf"itesde vestidos.
Lindos aderecos de perolas falsas.
Outros de bonitas e agradaveis cores.
Oulros de mosaico.
Pulceiras, brincos e rosetas de dito.
Outras de aljofares trancos e de cores.
Este novo
producio resultado de urna trplice combinacSo .le tres metalloies
dadessao mu. conl.ecdas o Bromo, o Euxofrc c o lodo, oceupa hoje a primeira orlem de
entre todos os depurativos dos quacs e o mais poderoso i'i'rauu uruim ae
As experiencias (ios mdicos mais nolaveis dos hospHaes de Taris, os genitores Cazcnave
eccoes seguientes
IKieur.s de pello,
nal-tro. e borbullmH de oda m especie,
rluruH iimni.iih.
Ob.triaeccH lyniphatleos,
Papel nt,
EnerofulaN,
Abce.soH, pstenlas,
Cancros,
Ulceras,
Tlnua,
CHCOI'blltO,
Plan ou noubas (do Brazil),
Frninl.oe-la,
lluniores fros,
narhlilsmo,
ophilialiiila escrofulosa c chroulea,
Tsica escrofulosa,
ArfcrccN sjphlllllcas,
Elcpbandasls dos Greyos,
E todas as doenfu oecasionadas por um vicio do
sangue, e ja tratadas som nenlium successo pelas
preparai;es vegelacs, iodadas e o oleo de finado
de bacalho.
!H--f^2P2ff ao.okdf figad0 dc >>acall,.1oe aos xarpes depurativos c anti-scor-
duucos que se admimstravao at agora.
rS*3 S7' m P-r^ o b0lCa BouUay' mmbro da Academia imperial de Medicina de
Pars, ofiaal da Leyao de Honra, e em todas as boticas de Franca e .los paites estrantreiros.
Outras de cornalina, e chapa de cbristal.
Voltas de aljofares truncos e de cores,
finos e'
Na ma estreila de Rosario n. 34
A'venda na ra rela, ns. 12 2G e 7(5; | AdvOgadO AfblLSO de Albll IJSKSlK'wifi
a da Quitanda n. 51 ; praca da Consti- vvauv ^iiuiiau ue iU ,, Tambem receben afiador
grossos.
Fivelas grandes de tartaruga e duuradas.
Outras pequeas de ago, douradas e com pedras.
Bonitas c encorpadas fitas para estus.
Cintos largos de diversas qualidades.
Talheres para crianzas.
i Acham-se de novo a venda na loja da Aguia
Branca : ra do Queimado n. 8.
Xavalhas Anas.
A Aguia Rranca na ra do Queimado n. 8 caba
I de receber essas estimadas navalhas finas de ac
j refinado, dos acreditados e bem condecidos fabri-
cantes J. Rogers & C. : cujos nomes bastara para
30 e Hospicio", n. 40. E na-
pharmacias c drogaras do ims
ru
taicaOj n.
priricipaes
Vende-se em Pernamhuco:
ua pharsnacia franceza de
P.MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
m
mmwi
ana
S*S
Nova
n H%
^Loja de madama Thard-S
jai Este estabelecimento se acha hoie mais yj.
fiadores e massa.
qiierque Mello, Enfeites bonitos para bailes, ca-
pde ser procurado a qualquer hora ; as sexts -! amentos e passeios.
fl r*)C riiirm Mn inlln ,1, i. ..
D'ETHER
DE BOULLAY
boulor da Facuhhukde Sciencias, membro da Academia imperial de Medicina
O facial da Lcgio de Honra,
Ra des Fosss-Montmartre, 17, Paris.
sarape coniposto i mais de vinte annos pelo subi lente Boullav, consume a mo'lmr
maneira de a.l.n.nisWr o E.her. He empregado cm snecesso en, todas as S S
ongem dc um entliismo nervoso, como sao as: v a
Esto
ismo nervoso, como sao as
Enxaqueca,
IVetralulas,
K*|ia*im>*,
Altai|iicN dc ervos,
VcrllKcns,
Sjncopc,
Calmbroa dc esloinago,
Indi^estoes,
Convulsoes,
AccesHOs bysterlcos c hipo-
condriacos.
Clicas enlosas ou nervo-
sas, hepticas flatolentas,
Aecesson de gota e de rheu-
matlsmo.
Casos dc cnvenenlcmento,
etc., etc., etc.
Deposito gcral, em Paris, na botica de Boullav, doutor em
imperial de Medicina de l'aris, ofacial da Legiao de Honra r
em todas as boticas de Franca e dos paizes estrangeiros.
Sciencias, membro da Academia
ra des Fosscs-.YIontmartrc, 17, c
Nova liquidarn de fazni*: 't
do mn. para fechar (aclaras mit* m*
barato, por ser nliia mi V fcna, aja a*
fregoeirs dcTcm apratfilar .- n hjt a
da Arar, roa da-laipcralrii m.i. V Imrtm-
co Pereira Mrndrs baimarics.
Fazeddas especiaes para seaAara.
Vene-senros corles de natMi Pia para senhora de bonitas barra* a M, 114. i.tj,
IU e Iflf o corte : na roa da Imperairiz m. '-*
loja da Arara.
A Arara vende a 2M0
Cortes de chiu de cores ritas coa 10 1 insTaa
a 25100 e 300 ; cassas de cores a .1. Mft s
400 rs. o covado : na ra da Imperatris at. i
loja da Arara.
Cortes de raabraia de salpicas a 2 >M0.
Vende-se cortes de cambra ia V satpiws a
25100, :\& e a >O0t) a peca, dito* d.- raa>*ras
liza e Una a 3*:00, 4.iOO, 500 e -5, liras fcor-
dad2LC?ra ene,ur v'>odos e enircnietos a U e
a 15200 : na ra da Imperatnz n. 56, toia Ja
Arara. r
Sontembarqnes a 7. e a .
Vcnde-se soutembarque de laaziobas de cara*
para senhoras a 7*, 8ea 105, .M., de srn*dra-
ple preto muito enfestado a 20*. 5 e ^a ricas
capas de grosdenaple a 20$, 2, :ta e x& para
liquidar : na ra da Imperatnz n. 56, Ma da
Arara.
A Arara vende alpaLa de cares para esiid*.
Vende-se alpaka decores para volido* a :>
rs. o covado, challes de lazinhas a I jis e l2so
dito de merino a 45500, dito fino< 1 i5.*, 75 e
85 : na ra da Imperatnz n. 56, loja da Arara.
Lazinhas a Mara Pia a :m> rs.
Vende-se la;inlias a Maria Pia para TMlaV*.
com palmas de seda a 500 rs, o covado, dita.s de
cores a .lO, 400 e 500 rs, ditas liza> de cores pa-
ra capas e vestidos a 560 rs n rovad.. i-^niira-'
para capas de senhora a 15H00, 255T>0 e XS : na
ra da Imperatnz n. i>6, loja da Arara.
A Arara vende chitas a 2. 2M e )2 rs.
\ ende-sc chitas di cores (isas a 240. < js<.
I o covado, ditas francezas a 320, 360, iii .") r-
1S c wvado, percallas para vetidos no. .1;;.. ,
Ht' rs. o covado, camisinnas para senhora a 15.156W
J 35 e 45->0O, (ollinhas para senhoras e. m-nin
m i ^m\SLn%Sllmm para e*bm a Jbri3
gg Pa a 15, 5400 e 25, para liquidar : na ra da
yg lmperatriz n. 56.
fl: Balees americanos para senhora.
Vende-se baloes mmrtmm. os m.-lhore* qv
P tem vindo ao mercado, de 20. 25. :> e 33 arras a
M 25500, 35 e 35500 e 45. ditos de brillantina -
m mnsselina a 45500 : na ra da Imperatnz u. 56
2 'ja da Arara.
W 1 Cassas da Arara a 2S0. 320 r 100 rris cavado.
^ Vende-se cassas de cores a 2SO. ::n .> \>m\
covado, lencos de feda a SOO e 15 na
I lmperatriz n. 56, loja da Arara.
Fazendas para beaea*.
Vende se corles de raleas d.- Ir; mrra
a 15600 e 25, ditos de casemira a .V :i55M
45500 55 : na ra da lmperatriz n r* h.ia y
1 Arara.
louna feita para hnmcni de Istias as aaaHdaaVs.
Vende-se paHloLsde brim <- corea r-i. ^'."j"
35, ditos branco a 25500, dito de lint>.
ditos de alpaka .!. .-. r.-< ir.m n-
meia casemira a 45500 e 55, rtiis
65, 5, 105. 10*, 165 e 205. ilitos de r.annn lino
pelo a 85. I5. 145. 165, 2i>5 e 3i>5
bnm de cor a 5 e 25500, dHa ,ir isla hna
25 ditas dedito .le linho a 3M e 45. rllele de
cores a 25. de brim a 25500, de ea- m:ras aV
cores e preas a 3*500 e 45. rslni d.' rv-emira a
55, 65 e 85, de meia casemira a 35 e :t5*i*>. ca-
misas francezas a 25 25500, de linho lacknas
preps largas a 3.; e 35500. grvala* de leda as
qualidades de 500. 800, 15 e I5W. r llarinhc
de todos os tamaitos e muito han hskaa, nara li-
quidar por ser tempo de fe. ta : na ra da Impera
triz n. 56, loja da Arara.
Colchas para cania a 2 >.
Vende-se colchas de chita para cama a 2?. dalas
de damasco a 45. ditas de fustao a para
cobertas a 320, 360, 400 e 500 rs. o eawain : na
ra da Imperatnz n. 56. loja da Aran.
A Arara vende madapolo encsiada a .
Vende-se pecas de naadmpaMa amf "Os*
peca, dito inplez de 24 jardas dc n a 555OO, 11 250 a B5500 e 7-V-m n :.
IA> /././. tt-"i ;. ,|||n a
I4*a pir.i ; alffod iabo marr:i <
carne vacca a 75, dito d>ne-t
pan ferro a 85, dito M.'.i a 10*, lo r a II 1
dito sienpira a 8*500, para liiiaMar, na ma da
Imperatnz n. 56, leja na Arara.
Paliluts tle alpaLa.
Vende-se palitoU de alpaka prela
dilOS linos de curtan, liza- e I ra
da Imperatnz n. 56, loja Ao liarolciro da ra da Imperad u n. ><.
Vende-se seroulas a 1*280, ,< a
I)600e25 : e outras minio |.
freguez encontrar na loja da Arara ra da Ina-
perairiz n. 56.
r 11
'. e
RIVAL SEM SEGUNDO
oirs, porem, na villa do Cabo.
A Aguia Branca na ra do Queimado n. 8 est!
Consullorio^edic^b^^^
sano n. 20. | tes modernos conforme ver o pretndeme que
O Dr. Joao Ferreira da Silva regressando sua comparecer munido de dinheiro. Tem tambem
casa, contina em o exercicio de sua profissao, bonitos de marroquim para bailes,
nao s na parle medica como tambem na chirur- Anvelopes mili grandes para of-
flcios.
Acham-se a venda na ra do Queimado n. 8, loja
da Aguia Branca, e bem assim outros pequeos.
n ludezas de primeira qiialidade.
Como geralmente sabido a Aguia Branca pre-
m
%
hoje mais
que nunca bem sonido de objertos de
moda dc melhor que pode vir ao merca-
do e nao se menciona cada ura de per si
por se tornar demasiadamente enfado-
nho para seus numerosos freguezes quan-
do lerem o presente aviso pelo que. limita-
se ern lembrar alguns artigos, como se-
jam : chapelinas de dinas de paiha de
Italia, de seda, de crep branco e preto
para luto, chapeos redondos de palha da
ggg Italia amarella e de outras cores para
|K senhoras, ditos para meninos e meninas,
B ros cortes de blonde, ditos de moreanti-
wlg que de diversas cores, ditos de seda, as- 1
%gg sim jitio sedas de cores para se vende- ;
g rere a covados, ditas escocezas, cortes de
3 vestidos pretos bordados a agulha, final- i
&as mente m variado sortimento de fazen- |
* das Unas e grossas, na mesma casa fa-
Hg zem-se ca^as, manteletes, vestidos para
>at noivas, vestuarios para meninos se bap-
g tisarem e tudo qnanto pertence ao toilet
|djg de urna senhora e recebe-se flgurinos to-
ijas dos os mezes das ultimas modas de Paris.
*?i
Para a festa.
Aluga-se um sitio na ra do Cabral da ci-
] dade de Olinda, com casa terrea, coia co-
piar na frente, bota os fundos para a estra- ?ume IersemPre. bom para bem servir a saboa
da e margem do rfo Beberibe com cnm. 'reguezis' e P.or 15S0 mandou vir e acaba de rece-
K J.' ,,a,Bc'" uu ,IU wwwruie, com tom- ber t:m vanado sort ment de miudeza de nnmei-
modos para familia, estribara para cavallo ra onaiidade e difflceis de se encontrar emolltra
B e capim para sustenta-los. arvoredos de iual(iuer P^te, constando elle de caixinhas de ex-
I fructos, sem visinho defronte nem pelo ce"enl?s Jinhas de novellos grandes e pequeos.
Sjfunio.com ptimos passeios, sala e gabt-;meTa!*' para cr0DChel e pon, de
I nete na frente, muito propria para passar a I carteiras com superiores aguihas.
K festa, e tambem se alujar por anno : a fal-! Caixinhas com ditas e que cada papel sonido
r lar no Recife, na livraria n. 6 e 8 da nraca! n".a e clasllca Para abanhados de vestidos,
da Independencia, e em Olinda na casa con- mOt""**** di(Ieren,es ,ar8u-as at
[ ligua com o capitao Antonio Bernardo Fer
R reir.
ASTHME
ASTHMA ASTHMA ASTHWA
SFFOCgAO NERVOSA E OPPRESSAO
nico remedio efficaz para combattir estas molestias, acalmar um attaque d'asma c impedir a
e .en?elT """f ^ de fuccln0 ("mbaraioarelloj do 0' Danet. oscobcr.a inteiramntc
ESiXEffZSBEpropagado com cxlrema rapidcz eratas aos admiraveis resuN
boSSdiC ??rm'54'rua d0 Comerci0' Paris-Grcnclle-e ^
de retroz preto Sao a
peso liso muilo superior a
Deposito gerol em Pemambuco rua da Cruz n. 22 ;.;m casa de Caros AHjrbosa.
Espantosa per-bincha.
Algodao superior largo com um pequeo defei-
to em urna das erelhas a 65 a pega cem 20 varas .
na rua da Madre de Dos n. 16, loja defronte da
guarda da alfandega.
CONSELIIO
DB
Mu bom cordao francez em pecas grandes para
vestidos.
Precisase de um
roa do Alecrim n. 2.
caixeiro : na taberna da
Alnga-se a casa da ra do Destinon.8 ai
tratar na rua da Matriz da Boa-Vista n. 54 ta
berna. '
Ricardo Martins da Silva
tugal tratar de sua saude.
Borges vai a Por-
Precisa-se de urna senhora habilitada, pelo
menos, a ensinar bem primeira* letras, principios
de msica e piano, e trabalhos de agulha, que
queira ir para acompanma dc urna familia, mo-
radora n um enjrenho prximo a urna das estaces
da estrada de ferro, le.ccionar ires enancas ; ga-
rantindose tratamento e paga convenientes : a
Iratar na rua do Trapiei.f. n. 13.
Quem tiver urna boa escrava S saina co-
2inhar, eapira alugar para urna ca.^a de pouca
familia, dinja-se a rua dos Pires n. i, que se
Companhia fidelidade~ de
seguros martimos e ter-
restres estabeleelda no
Rio de Janeiro.
AGENTES KM PBPNAMBUCO
Aaionio Lah de Oliveira Aievedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu eseriptorio rua da
Cruz n .1.
Trancinhas de algodao de diferentes e bonitos
mordes para enfeites.
Bt5es linos de osso e madreperolas.
Outros de velludo e seda para vestidos.
Clcheles francezes de boa qualdade em eaixi-
nhas redondas.
Carteiras ou estojos com aguihas e cabo para
cronchet F
Didaes de marfim e madreperola.
Agulheiros de dito.
Caetas de madreperola.
Escovas de dita e marfim para unhas e dente
Deixai que os Hunos da civilisaco vos preguem
economiapara os pos 11 Esta parle do corpo
humano por cerld aquella que, neste clima, ne
eessita de mai..r a/asalho: pela humidade nos ps
se introduz agranda maioria das molestias, e com
estas a perda da saude e da vida 111 Fra com as
botinas e sapatos velho* ; reforma-Ios
45-Rua Dereita-45
Attentflo.
Vende-se urna taberna muito afreguezada, com
commodos para familia, dropria para principiante,
vndese por sea dono retirar-se para Europs
quem pretender dirija-se a mesma, na rua Impe-
rial n. 195.
precisa, e d-se boa paga e bom tratameHo,
CONFEITARIA DOS ANANAZES
lina da Cruz n. 16.
Hojo 16 do correte haver empadas de peixe e
mmm ammmM^i^MWtMU e g;'""-f.a'- a'sim r',m" lin>l,m vendem-se
- Airmiise a casa lerrp h^.TT raos ^tificiaes, figuras oropnas para casamentjs
7?! ir&Vla^1hT^^iS^,** ebaptados. .Va mesma casa precisa-se
;. a tratar na tauerna da rua do Bangei n, 7. utn moleqtw de 14 a 16 anJos de idade.
alugar
Borzeguins francezes para homem
Ditos inglezes idem a 85, 75 e
Ditos para senhora
Ditos para menina
Sapatoes esmaga cobra
Ditos de Mantea de duas solas
Ditos dito de sola e vira
Sapatos de borracha para senhoras
Ditos de dita para meninos
Ditos de tapete para homens e
nhoras a 800 e
Sapatos de lustre para senhora a
Ditos para casa
Chinelas rasas do Porto
se-
Itua do Queimado ns. 19 e -Vi, ftaj ,1,. M.in.tezas
de Jos de Azevedo Maia esta rurjlinoando a
vender muitt barato, poi> sru genio dar a fazen-
da [ror lodo preco a vista dos obr*
Cartas de allinetes francezes da melhor .mandada
a 80 rs.
Grosas de pennas de ac inglezas da m.lh..r -?na-
lidade a CiO rs.
Caixas de clcheles francezes de superiere traar--
dades a 40 rs.
Grosas de bot5es de madreperola muito finos a3n>i
e 40 res.
Carreteis com i a 5 oilavas
640 rs.
Resmas de papel de
25000.
Grvalas da liga e de outras muilas ..calidades a
500 rs.
Caivetes para peona com 3 folhas fazenda boa a
800 rs.
Duzia de boloes branco para casav.-ques de sende-
ra a 100 rs.
Pecas de fila de cs estrellas com 9 vara* garai-
tidas a 320 rs.
O Expositor Porluguez para os meninos a rrraacr
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a orea-
tl.r a ler a 15000.
Cariilhas da doulnna christaa, finas e saperk>re< a
320 rs.
------ -------------------Pentes finos de marfim a 15000, 15200 e i^-aj
LINDOS ENFEITES Pa-^drs.luvas de seda para homen5 e >eBboras *
n ,, .,,,. Golhnhas para senhora
Para senhora a Mana Pa e a Ganbaldi. 5o0 rs.
Chegaram para as lojas do Beija Hor lidos en- Frascos com superiores bandas a 240 3:
fetes a Maria Pia e a Garihaldi, os melhores e os 15000.
mais lindos que tem vindo por serem de costos Livros que ser\e para assentar ronpa, pelo dimaBB-
novos : as lujas do Beija Flor rua do Queimado to preco de 160 rs.
n. 63 e 69. Capachos redondos muilo Irnos a 500 n.
SintOspara senhora a Maria Pia. Cordao branco para espartilho muito superior.
Chegaram umbem lindos siutos com fivelas de varaa20rs.
pedra a Maria Pa, os mais lindos e mais nioder- Cnritis com 150 jardas de linha branca a b
nos que tem vindo : so as lojas do Beija Flor rls-
rua do Queimado n. 63 e 69. Candes com 200 jardas de linha branca garant
Pentes de tartaruga, rs-
Grosas de pennas de ac superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
lhas a 160 rs.
Pares de boloes de pnnho, oh que pechiarha a
120 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 r.
Grosas de betoes de louca prateados moiic fao a
160 rs.
Tesouras para costara superior qnalidade a 500
ris.
- Escovas para limpar denles, superiores a 200 rs.
45000 ^WC,'^/ Bland.n (entrada Caixas com superiores phos-horos dc segaran^ a
15400 p Tanoeiros) os seguintes objectos, 160 rs ^^
anda em muilo bom uso : sendo urna mobilia de Caixas com 100 enrelopes o oelbor ane ha a 640
um lavatorio do ris.
15000 7!!ZSSS^J!^1!S1SSS^ la?"nda para >0*0 : C3'*3* n quadernos de papel aaiza>, mmu
o melhor qne ha a 32 *
SOO
Lindos pentes e tartaruga para alar cabello os
mais modernos por serem chorado* pelo ultimo
vapor : s as lojas do Beija Flor rua do Quei-
mado n. 63 e 69.
55000
65000
45800
25000
55000
55000
Fot ha (te F landres.
Vende-se na fabrica da iravessa do Carioca !n.
2, caes do Ramos, superior fulha de Flandres: [a
ver e Iratar na mesma fabrica.
Vende-se no segundo andar do sobrado da
15000
15000
SOO
15600
amarallo, urna cama franceza e
mesmo pao, urna mesinha de Jacaranda para jogo :
as pessoas que pretenderen), podem procurar ver
a toda hora do da.
RELOGIOS, |
Vende-se em casa de Johnslon Pater
Vinlio lo Poi to superior 0 ------- -
em barris dc oitavo e dcimo, vende Antonio Luiz ? Vl&a.no> 3- m bello SOrti-
de Albuquerque Azevedo & C.: no seu escriptorio meDl(> e relogios de ouro patente 0-
rua aC/pip i ________________ glez, de um dos mais afamadog fabricantes
Vende-so urna escrava por barato preco : a dfl Liverpool, e tambem urna variedad de
tratar na cidade de OJioda, ruado S. Bento n. 9. boniositrancelins para os mesmosit
fino a 600 rs.
Quadernos de papel pequeo muilo Sao a W rs
Assucar crvslalisat! 6"a fabrica
2 de Julho
Na Babia.
So, mazeit d .na da Madre de Oeos a. 9a\
ha i venda o mullo superior as*r.car ery em saceos e 2 arrobas, ao prora 6* 55 cada ar-
nb*.


Diario de i-eruaubuco fceita era tt Je Dezeinbro de lf*4
.
AS ARMAS!
O GRITO DA GUERRA JA' SE FEZ OUVIR.
LA VAI BOMBA!
SENTIDO.
BALIZA
Vende se caixes vazios proprios
para babaieiros e funileiros a i$76
rada mu; nesta typograpMa,
Diari-hca* e conatl-
pncao proiinKldaa
pelas elnboraeea
defectuosas doa all-
uicntos.
^\
Qt
As pastilhas digestivas com a pepsina de Was-
man, emprcgao se com successo h j alguns
armos pelas celebridades medicaes de Paris,
Londres, Vicnna, etc., cm todas as incommodi-
dades em as quaes a digestao difficil, penosa,
imperfecta ou mesmo impossivel: eis o melhor
remedio para curl as
Gastralgias.
Dispepsias.
Emba neo gstricos.
A nalrltc.
Aa afteccoes orgAnl-
raa do estmago.
Em todas as molestias empreg8o-se a miude as
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichi/,
c igualmente aspaslilhas de Vichy. Esse meio s
efficaz quando se trate de dispepsias de curta du-
racSo, mas o prolongado uso das aguas e pastilhas
de Vichy, tem grandes inconvenientes, por quanto
os alcalinos empobrecem o sangue e isso de tal
mancira que lhcs arrcblhao a parte vivificante,
nutritiva c reparatriz. Com a pepsina, a contrario,
como ella 6 urna substancia orgnica, albuminosa,
transforma-se ao mesmo lempo que se effectua a
transformacao dos alimentos assimilhando-se
como clles c ajudo tabcm como elles a nutricio
geral. Sua accao vivifica o sangue c os rgos
de tal sorto que, alh as pessoas que sem soffrer as -
affecocs gstricas cima mencionadas sao nica-
mente iracas ou d'um temperamento un pouco
dbil, e neccssitSo substancial alimento para for-
tificar se, achilo no emprgo das pastilhas pep-
sina de Wasman, um poderoso meio para a isso
chegar.
Aviso importante. *0 successo das pastilhas
pepsina de Wasman diu causa a se fazerem fal-
silicacocs c imilacoes d'esse producto que os
mulos se quercm desfazer. Pois por falta d'oma
boa preparaco pepsina que n' alterada. Seremos ae abrigo d este inconveniente,
exigendo os compradores que as pastilhas tenhao
as iniciacs B. P. e saio da pharmaciaChevrier.
Depsito geral em Paris, pharmaciaChevrier,
21, Faubourg-Montmartre, e em todas as boas
pharmacias de Franca e dos paiies estrangeiros.
3
BA BO QU121MABO M. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
um
-
-
m
O assumpto importantissimo.
5 O assumpto 6 importantissimo.
O assumpto importantissimo.
Ninguem intoirompa o orador.
.Ninguem interrorova o orador.
Ninguem interrompa o orador.
Reine o silencio em todas as columnas.
Reine o silencio em todas as columnas.
Reine o siltncio em todas as columnas.
Nao se admilte contestacao.
Nao se admitte contestacao.
Nao se admilte contestado.
Os apoiados sao prohibidos.
Os apoiados sao prohibidos.
Os apoiados sao prohibidos.
ADVERTENCIA.
and ir
lates de entrar na materia o inconsavel Bauza nao pude proseis.. ,
, fazer oseu signal de horror as doiradas coras e mal fotos mitras dos falsos
'apostlos do progresso, inimigos do povo e chupadores do sangue da humam-
-dade. Bfc
A deestavel sede de oiro tem obseccado seus coracoes de vampiros.
Querem fazer fortuna com a rapidez do coriseonao sabem ter fenem^
esperar.
Sao os perfeilos unos da civilisagaa.
Malditos sejam elles--j que nao possivel ao Bauza por-lhes as mitras ,.
Ua cabeca os bculos na mao e os sapatOes esmaga cobras nos ps e expol-os ao_5p:
) publico por ares dias. q f
OBBE1I BO DA. N'esta casa nao se illude ao povoos pesos estao aferidosa batanea e do(
mellas fabricantee os gneros, partindo do sofirivel at o ptimo, podem serr.
escomidos a vonUdc por todos, desde o pobre agoniado Claran ate o mais alto
N5o sendo g aguado e a sinceridad*: predicados que sement tivessem
tdieeado para bico da domesticada e encantadora aguia branca, csto dadas as(
awis teriinantes ordena para que (Tora em diante se redobre as attencoes paraj
com todos os freguezes, de forma que se opere a maisperfeita liga de enteres-
ises reciproeos, a fazer inveja a todo? at ao proprio caealletro da esquina da ruaj
Nac
Guando ao dispontar da brilhante, aurora ou da aurora brilhante, fizer^
Jouvr o garboso gallo vigilante, com aquella bisarria que Ihe propria, o seu
canto sonoro, gnal de chamada dos amareis freguezes e predilectas fregueza,
& tambera o solicito Baliza estar prompto em ordena de marcha, agradavel como)
'a anua branca, diligente como o gallo, grave como o propheta, no mais per-<
ifeito e continuo movimento, sen-indo a todos, e a todos contentando.
VDDITAMEMO.
Os Drecos do grande sortimento d'este magnfico armazem, se acham con-H
sideravelmente reduzidos, e a respectiva tabella de xa de ser publicada porqoel
[a alma do negocio o segredo. Os freguezes recotfbecerSo em vista do objec-M
5to que pretender que o preco qoe se lhes pedir ser ?5o rasoavel que nenhumaS?
i reclamaco offerecero. Venham todos a Q
RIJA DO I.IVKVHi:\TO 38 q
AO GRANDE ARMAZEH DE MOLHADOS

DO
\
BALIZA
PROPRIEDADE
DE
M. PEDRO DE MELLO.
ado (.lariui Cummrr-
nxercado os
se i'b>m
NO rIB ABE
. Pereira Rocha & C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um rmaiemde**J*
;ial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos mcboies entro* luaes serao vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela taneiia auaixo unrmiu v e
ueso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 e |Peras seccas mulo novas a 600 rs. a libra. Cevadinba de Franca muito superior i i-
100 rs. a libra, e 1)5800, 2,5600 e 30O0
a arroba.

r, o o o 2 m
3-g3g3 ES s-B'3
Buba0 =rr= ".c-
B3 3 s o-o o.-
T
8>
8
ir. a
S s B
-o o J o. g
gl
o
3 i"
s.
o
d
s
; es
u to
<_ -
n
13 |
n
I
n
a
3
S
c
o

2.
2,
sj'
o
o
3
a.
o
"i
x
c
s
o.
S
a
a-

en
O"
cr
-i
re
e
5
-&

ca
B.
H
* K --So
3 3 o c
-
5
q
c
X re "-
o? e n
- o B p *
I- l t
gl-gg; g B-
a g a) cl a 2
I:s|8s
&s
h n 9 Z.
o 9 a
t^

^5
gB_
3 &
S? a o o
3 rere
S re E"2
_ o cero
3 o o
B
O
9
M-
-
5o
SI
3 9
, S t
? S e a
s? p
< a
e> S.
S n
i
9
m
en

Vmeixas francezas em latas e em frascos a
15200 e 10600, e em frascos grandes a
25500.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 15200,15400, 15600 e 2.
Amehdoas com casoa muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpiste a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito tino em garrafas
grandes a 960 ts. a garrafa,
dem de Lisboa 3640 rs. a garrafa.
Ar.-ruta verdadeira de malarana a 320 rs. a
libra.
Avellaas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
I530n rs.
Bolachinhas de soda, latasgrandes, a 25 rs..
a lata,
fdem inglezas muito novas a 35000 a barri-
quinhae a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perola a I 600, 25,
20500, 25800 e 39000 a libra,
dem preto muito superior a 25000 a libra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
. que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
j e 55800 a duzia.
Cognac infflez fino a 90^ rs. a garrafa.
! Conservas a 720 rs. o frasco.
' dem, so de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 15800,
2*0 )0, 25200, 25500, 25800, 35000 <6
35500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 85500 a 85800 rs. a arroba.
Cartes de bolinhos francezes muito no vos e
bem muito enfeitados a"7O0e 600 rs.
hourices e paios muito novos a 800 rs. a
libra,
dem prate.
dem londrino chegado no ultimo vapor
900 rs. a libra.
Sal refisado em frascos de vidro a 600 i
cadajum.
Sardirfhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320rs. a libra.
Tijotos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 6( 0
libra.
Bigos em caixinhas emticamente lacradas
a 15600.
Tinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, I). Pedro, D. Luiz I. Mana Pa,
800, 900
15800, 56500 e 280 rs. .
Farinhtdo HaraahJW i ICO rs. a til
dem de trigo a 120 rs. ? libra.
Genebra de Hollanda verdadeua mai.a \!
a 560 rs. o frasco e 2 a fr
dem em garrafes de 3 e 5 gales a :;CCO
e 75500 cada um com o Ramfto.
Graixa a 100 rs. a lata e l#tM a &mx
Licores muito finos a 700 is. a pmfc.
dem, quaiidade especial em garrafas mnit<
grandes, a 16800 a wfc.
dem em garrafas mais pequeas a 8 o i>
dem, em garrafa forma de pera e rolt.as l
vidro, a 15000, s a fafn aiti
nheiro.
Manteiga ingleza perfeilamente flor. .!c<-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, i
de segunda quaiidade a W I is.
rs. .i
Bocage Chamisso e outros a 800, !)00 c
15000 a garrafa, e em caixa com urna do- dem francez muito nova a I
zia a 96000 e 105000 I Mem de tempero a 400 rs.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a Maca de tomates em barril a ',80 n i
480, 500e 560 rs. a garrafa e 35, 36500, dem em lata a (,40 rs.
e 45 a caada i Marmelada imperial dos melhores rc-nsenei-
Idem branco de Lisboa muito fino a 500 rs. j ros de Lisboa a 6f>. rs. a lata.
ajTarrafa. Marrasquinbo de/ara, iraaros r
dem de Bordeaux, Medoc e S. Juen a 700 i 800 rs.
e 800 rs. a garrrafa, e 75000 a 755O0 rs., dem regular a :>00 rs.
a duzia Macas linas para sopa : estrelinha. \*%rt.
dem Morgauxe Chateaulumini de 185, a 15 rodinba o aletria a 600 rs. a lil-rn i a i
agarrafa a caixmhacom 12libra-.
dem muscatel a 800 rs. a garrafa. Notes milito novas a 160 rs a libra.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa c Peixt em latas preparado pela primar; M
16200rs. a caada. i ? "*" => **
Kirsk garrafas muito grandes a 15800 rs. Palnos de denles a 160 rs. o mafo.
Alm dos gneros cima mencionados te-j dem de dentes a 120 rs.
ii ios grande porco de outros que deixamos j dem de flor a 200 rs.
d mencionar, e que tudoser vendido por; Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
picas e carnadas, tanto em porces como I Doce de goiaba em latas o melhor
rutalho- -^ e em caixo a 640 rs.
Quem comprar de 1006000 para cima te-; Palitos do gaz a 2520O i pon.
r i o abate de 5 por cenlo. J Passas muito novas a 180 rs. a libra.
XAROPE
deLABELONYE
Empregado com invariatcl successo desde 30 anuot
peles Mdicos de todos os palies contra as molestias
orgnicas ou nio orgnicas do eoraco, as diversas hy-
dropisias e a maior parte das molestias do peito e dos
bronebios(neumonas, calarrhnspulmonares,asthmas,
inlamma(Bes nervosas dos bronchios, catarrheiras, etc..)
0 XAittti'E de i.abelo.we nio se vende sen&o em
Jjarrafas com rotulas de cor e fechadas com urna chapa
evando a firma da inventor.
Em TAniS, ra oourbon-vlllrncuvc, 10.
Deposito geral em Pernambuce ra da
i ijuz n. 22 em casa de Caros A Barboza.
Machinas de vapor epa-
radescarocar algodo.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido, coa-
do e de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e
de earroca com mangas e
eixos de patente.
Ra doBrum n. 38, fundi-
Oao do Bowman.
EXWitTES A MARA PA.
A loja da Aurora, Da roa larga do Bosario n.
38, receben novofgostos de enfeiles a Maria Eia,
com plumas de troco no frenle, obra muito dc.i-
cada, afsiin como tambem tem de muitas BiaU
qualMades, riquis>iinos siutos de fila larga de ehs-
malote com livelas, mbem largas esmaltadas de
podran, riquissimas lilas largas de chamalole la-
vradas, proprias para faier sinlos de ponas c-
nidas ; finalmente lem grande sorlimento de miu-
dezas fio, que s a vista faz fe : na loja da Au-
rora, riaa larga do Rosario n,38.
Moijiho de pedra para milito.
Grande poreao destes excellcntes moinlws, sao
chegados a ra da Cadeia loja de ferragens i
Bastos ns qnaes fe vendem ornis barato pc3>ive|
\ovo deposito de sabo.
Achase aberto um novo deposito do sabao na
ra do Bangel n. 3i, na antiga fabrica italiana,
aonde os ftvgueies encontrarlo completo sorti-
mento de sabo de todas as qualidades ; assim co-
mo a vanUgem qne enconlram para abreviarem a
qualquer freguez por ser muito perto, e o diminu
to carreto que tem de pagarem.
Assadeiras
Assadeiras de porcelana de todos os tamaitos :
na ra do Queimado n. 3, vendem Azevedo &
Irma).
Penetras.
Receberam grande sortimento de ponchas de
rame, proprias para padaria e pharmacia; na
ruado Queimado n. 32, loja de Azevedo & Irrao.
Brides de Ipojuca
As verdadeiras brides de Ipojuca : vendem na
roa do Queimado n. 32 Azevedo 4 Irmao.
Facas de cabo de unworne e
mar jim.
Vendem Azevedo 4 Irmao, na ra do Queima-
oo n. 32.___________________________
Algod&o avariado
na ruado Queimado a. 97, loja
de Custodio, Carvatho k C.
Uinheiro avista
34700 e If a peca da algodoiinlio com peque-
po toque de avaria : M rit fo Queimado 14.
MACHINAS EPiltM
de trabnlliar no pira
desi*arorar aflodo
KAliwli:.*D\-
Por Plant Brotheis & .
9LMI
(iRANDE E SUMPTUOSO ESTABELECIMENTO
DE
MOTOS E ESCOIiHIUOS .\E1U^
TANTO EM GROSSO COMO A RETALHO
60 iua wVA--ao
Ultima casa junto a ponte da Boa Vista.
DUAS PALAVRAS.
c Cesse tudo quanlo a amiga mu;a canta
c Que uutro valor mais alto se alevanla.<
Atia-se a tlisposico do respeitavel publico este grande e magni6co estabeleci-
rneoto de nolhados, talver o primeit'o e nico lioje existente em sua especialidade, por-
que o maior capricho de maos dadas com mais apurado gosto de abrir um estabeleci-
mento modelo promoveram a escolba dos mais superiores gneros do nosso mercado,
que por serem comprados em grande quantidade e pagos qttasi todos a dinheiro a vista
deu lugar a obtenco de vantagens, que repartidas como vilo ser pelas pessoas que se
dignaran de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanza de agradar a
lodos, nao s pelo emprego das maneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-
pazes. como pela pratica da promessa que fazemos de vender polos pre;os quasi do pri-
meiro custo o nosso magnico sortimento.
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diversas classes da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharao
em nosso armazem os melhores e mais esquisitos vinhos, licores, champagne queijo, etc.
etc etc, e quelles que nao podem dispor de grandes recursos, que s compram o neces-
sar,o, promeltemos-lnes servi-los de gneros novos e sadios, escoihidos ao seu contento.
0 real do pobre ser recebido com tao boa vontade, como a moeda de ouro do
homem rico.
As pessoas que nos fizerem a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com-
piar para seu gasto, ou para negociar, vollaro satisfeitas, nao s pela boa quaiidade dos
objectos, como pela Odelidade dos precos, e bom acondicionamento.
futuro nos justificar.
~~_____._____ Frascos de superior macara oleo a ...
rAVATO NFP.ESSARTO DitosdeditoproUa....*.........
VAAkV ,t? ^^ rfz .___*,> Ditos de oleo de babosa mnito finos a.TO
Devenios ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que r e ...........................
adoptamos. Ei-laS. Ditos de agua de colonia superior, garan-
Existindo neste vasto e florescente imperio um grande partido poltico com a tida..............................
denominaco de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente, St^SSmmSXmi'mn'i'i^
capaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos, a .........................; ;
Ria-se quem quizer, porque nos tambem nos riremos mas n5o se zangue Sabonetes de todas as qnatidades a 60 r*.
ningnem. > e#*,#;.......................
O neme 6 urna voz com que se d5o a conhecer as cousas. esta amis g2g J i'inha 55mMV jar-
breve, clara e sincera explicaco que, pelo methodo repentino, podemos dar. das a..........................'
Mas a quem nao seguir o partido desse sustenta diremos mais : Novenos de lini de gaz de todas m r-
N3o oriundo do Brasil o imponente titulo do nosso estabelecimento. Foi a res............................
muitas centenas de leguas que apanhamos a nossa Liga. TSS a Cm "" **
Na soberba e opulenta Inglaterra bouve um rei que instituto a mu honroza or- Frascos de superiores cbeiros.pwjuewH. a
lem da Liga. 0 acaso nos fez deparar com a narraco" desse acontecimento, que tan- pares de hgas muito superiores e tomu
to sorprehendeu a corte desse monarcha. Agradou-nos esta historia e goslando sum- aris...... ............."'.""
mmente do trage do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenhar, K*lKtffin0^V'.
temos assim feto dislingui-Io dos outros -
F,-U roarhiiu*.
de al)
o Iraitatitu: fn
df-i-.ii-'
.'.rrnl.a
m V mimBinA,
ou |H armen
por da 00 "> ar-
rollas de ilicnaffc j
limpc>.
Assim cono macbinas pan serem mnvid?-
animaes, qu-3 descarocam 18 arrobas de algcd'
I n 1". por da.
Os mesmos tem par vender um bel!
por que pode fazer mover sei< denla* marrir--:
mencionadas ; para o que MHHI aos Sr
agricultores a virem ver e examina-!-), do arma-
zem de algodio, no largo da ponte nuva d. I".
Sauntlcrs Brolher k ('..
IV. II, praca doC'orpoMant.-
RECIKK.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do Queimado ns. 49 e H oj; d<. Bar
conhecido ja cuino tal, esla dis|>udo ou (az.-mt t
por todo o prc-fo para apurar diolieim, qorm f*ni
zer venha ver e traga o cubre, e vera o trgutaie
Baralhos de cartas para voltarete anuo
finasa......................... .. 3^)
Miadas de Iml a frota para bordar a___ -f
Pares de sapalos de tranca de Indos os
lamanhos e Anos a................... IJfiW
Massos de superior grampos para rabea* >
Duzias de palitos de gaz superiores a. .. 3m>
Libras de ara prea muito sooerior a... II1)
I
:*)
W
O
m
r .
f
30
I
locando-o no oito do nosso estabelecimento,
que se assignalaram com mitras e coras.
llonui solt qul mal y-pense.
Aibun Yinho do Porto engarrafado
nara 20 at 200 retratos, mu o bons c por menos ... S .
Srejo qne emoutra qualquer parle: na ra do Vende-sesuperior vmho de Porto denominado
>Pr,n n i D- Pedro v e rainha de Portugal, em caixinhas de
ureapo n. ______^_____________=__ umj ^ulii ,je garra(as na rua ,ja Cadeia do Re-
Vendem-se o i* 2" e 3o tomo das biogra- cife n. 66, armazem de Ferreira & Malheus.
phlas de alguns poetas e outros homens Ilustras
da provincia de Pernambuco, pelo commendador 1
A J. de Mello t obra que todo Brasileiro, e mor-
mente todo o Pernambucano deve cebecer dar a,
ler a seus fitw; na rua do Imperador a i. '
Bixas de Hmburgo
Yendem-sc na rua Nova n. 61
Frascos de agua para denles, superk r a
ludo a...........................
Pecas de tranca preta liz.i iuuiw hna a..
Caixas com i papis de aguihas Victoria a
Varas de tila preta com colxetes a......
Libras de la sortida de todas as cures a
Bonecos de choro muito bonitos a......
Caixas de ohreias de ma ssa molo novas a
Yaras de franja .branca e detdres para
toalhas a.........................
Fraseos de oleo Phocomescopenor a...
Ditos eom superior tinta a.320 e.........
Caixas de linha de gaz rom -7) novelles a
EnRadores para espartilbo .......
Duzias de botoes encaraaoos para ves-
99 a......... .-.........
V-
A
ISO
m


Diario de Peraanfeaeo Sexta felra 16 de Dezembro de 184.

AURORA BRILHAKTE
GRANDES 4RIUZENS
he
TifS
MOLHADOS
'fejR.,^;
88 Largo da Santa!
_ $Cruz ns. 12c84,|
L'IV
fi
* ^pSesijuina da ra doa
8 ifcCcbo.
SlIlfH
I
ESPECULES
R Largo da Santa
gCruzns. 12e84jj
ftesquina da ra dojjf
Cebo. 2m
^
O dono dos j rauito acreditados armazens de molhados denominados Aurora
Aniante, acaba de receber de sua propria encommenda, maitos gneros delicados
propios da prsenlo eslagilo, e tendo grande sortimento comprado aqui,aanca que todos
os seus gneros sao do t.* qualidade.
A seguinle tabella servir a todos de base para ajuste de contas aos por-
tadores. F
Nenhum armazem vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
Brilhante, j pelo grande sortimento que ten, j mesmo por seu dono se achar encom-
iiiodado era sua saude e ter de vender um de seus armazens agora, e o outre na pr-
xima primavera, por isso deve-sc aproveitar ama ouadra tiestas para se comprar
barato.
novas, ensopadas, a
Latas com 8 libras de cbouricas muito novas,
a 75500.
Ditas grandes com peixe em postas inteiras,
mais de 12 qualidades, a 1,5000, J80 e
1 J I Jl'.
Ditas com ostras, excellente petisco para fre-
gideira, a 720 rs.
Ditas com ervillias
70 rs.
Ditas com favas, a 640 rs.
Ditas com ameixas a i200, 1^800 c 35500.
Ditas com marmelada do afamado fabrican-
cante Abreu, a 880 rs.
Ditas de inassa de tomate, a 5'00 rs.
Ditas com ixos de comadre, hovos, a !5500,
23 e 25500.
Ditas com bolachinhade soda muito novas, a
25000.
Ditas com biseoiliohos iuglezes de omitas
qualidades, a 15400.
Chorla te.
Chocolate superior rauito novo, a libra a
15200.
Macarro telbarim e alelria amarella.a libra
a 480 rs.
lito dito dita branca, a libra a 400 rs.
Ciixas com eslrelinha, pevido e outras mas-
sas, a caixa 35500.
Ditas dita em libras a 640 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
Sevadioha para sopa a libra a 240 rs.
Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
Farinha de araruta verdadeira, a libra a
500 rs.
Vinho branco uno, a garrafa a 640 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 35500 o a garrafa a 480 rs.
Conima.
Saccas de 4 arrobas, a verdadeira de se
engommar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs.
Sabo massa, a liora a 200, 240 e 280 rs.
Farinha.
Saccas grandes com farinha de Goianna mui-
to nova, a 55000.
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 85,
85500 e 95O0O.
Cha.
Cha temos nestes gneros o mellior possivel,
livsson, a libra.a 25600.
Dito perola a 35000.
Dito uxiraa 25700,
Dito hvsson muito fino a 25800.
Dito redondo a 25500.
Dito preto de primeira qualidade a 23500.
Dito mais baixo a 25000 a 15600.
Erva mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espermaceti.
O masso com 6 vellas de esperraacele a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caitas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prias para mimos a 45 e 2500.
Unes.
Arroz do Maranho, em saeca a arroba a Notes, a libra 160 rs e arroba a 45000.
23400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 35200 e a
libra a 100 rs.
Toucinho de Lisboa a 95500 a arroba e a 320
rs. a libra.
Dito de vintos, a arroba 75000 e a libra a
260 rs.
Molhos com 125 sebolas grandes, a 15280.
1 Mostarda [ranceza caixa com 2 duzas a
8,-3000.
frascos com mostarda preparada em vina-
gre, a 400 rs.
Ditos com conservas inglezas e francezas,
a 64(1 e 800 rs.
Ditos rom sal refinado fino, a 640 e a 500
ris.
Ditos com a verdadeira genebra de laranja
a 13-200.
Ditos de 2 garrafas de Hollanda verdadeira,
15OOO.
Dus de 1 garrafa de Hollanda verdadeira,
a 640 rs.
Biijis com dita propria para negocio, a
400 rs.
Garrames com 2 galocs com dita, a 65000.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 63000.
Vinho moscatel de tetuba, a garrafa a
15:00.
Marrasqtiinho verdadeiro, frascos a 800 rs.
e a 15200.
Champagne, a duzia 205000, e a garrafa a
2-5000.
Azeile refinado portuguez e francez, a gar-
rafa a 13000.
Caixa de vinho liordeaux muito superior, a
75, 83, 93 e 103 a caixa.
Ditas com dito branco, a 75000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a 203.
Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
185000.
Ditas com chamisco superior, a 145000.
Ditas com Porto veluo e outras mullas mar-
cas, a 125000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 610,
720 e 800 rs.
Al|iisla e painco.
Alpista e painco, a arroba 45000 e a libra a
160 rs. .
Cartas.
Cartas finas parajogar, a duzia a 25500.
Caslanhas.
Castanhas novas vindas neste vapor, a arro-'
ba 43000 e a libra 200 rs.
Azeitonas.
Barns com azeilonas novas a i 300
Huteiga.
Manteiga flor, a libra a 15000.
Dita mais abata a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita francesa nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a libra a
660 rs.
Dila para tempero a 400 rs.
Queijos.
Queijos hotos vindos neste vapor a 35200 e
35500.
Ditos londrinos muito novo?, a libra a
15000
Papel.
Papel almaeo pautado, a resma a 45800
Dito dito tizo de linbo, a resma a 45300
Dito de peso lizo e paulado, a resma a
25500
Dito de embrullio hom a 15 e 15200.
Vinho Hadeira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 15300 e 25-
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 4 0 rs.
Velas de carnauba.
Massos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixdes de doce de goiaba, grandes a 15400
e pequeos a 640 rs.
lijlos de limpar.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a T.:a,n, dp .,P,r- f,ras 140 rs
33200, 35300 e 43000, o a garrafa a 500 T,Jolos e arear Iaca,s a i4U rs>
e 560 rs.
Dito da Figueira, das seguintes marca, (N.)
(J. A. A.) (J. L. G.) (O. M.) a caada a
45500 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
que j est engarrafado e lacrado com o
rotlo do armazem.
Ditos de marcas mais desconhecidas, a cana-
da a 35500 e 45000 e a garrafa a 480 e
520 rs.
tiran.
Duzias de boioes de graxa n. 97 a 25600, e
de latas a 15000, e os boioes a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos finos des melhores fabricantes da
Bahia per diversos precos, caixas e meias
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecinientos, que deixam de an-
al nunciar-se.
48 OC
Pechinclia aein igual.
Lindos cortes para vestido de percales de cores
claras e escuras com grande variedade de padres
pelo baratissimo prego de 4$ o corte: na Inja das
c lumnas rua do Crespo n. 13, de Antonio Cor-
reia de Vasconcellos C.
NEM COROAS NEM MITRAS
GRAllfE ARMAZEM
RIJA DO IMPERADOR I*. SO
Junto ao sebrade em que mora e Sr. Osberne,
Ruarte Almeida <& C, reeeberam de sua propria eucomnicD-
da o mais lindo e variado sortimento de molhados, proprlos
da presente estaeo.
Manteiga ingleza Ma^as brancas
da safra nova viada no ultimo vapor a 1,000, para sopa a melhor que se pode desejar,
0
rs. a libra e em barril a 800 rs.
Hantelga franceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a 560 rs.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2$400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 15300.
Chocolates
de todas as qualidades a 15000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambera
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 25Boo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 2600 cada um.
Queljo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1(5200.
CM uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualqucr nao pode vendpr por menos de
3^ a 2G00.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem livsson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 25G00.
Massas amarellas
para sopa, macarro, talharim e aletria a
480rs. alibra.
COCtMAC
o muito afamado cognac Pal Brandy a 1 ,8oo
rs. a prrafo o do outras muitas qualida-
desa l,ooo e 800 rs. a garrafa.
COPO*
i lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
IMPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo. a 4,ooo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
de excellente qualidade a 23200 a resma,
PAPEL
[azul e pardo para embrulho de l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo is. a libra.
Fumo
o verdadeiro funv americano em chapa a
l,4oo rs. alibra
Viiiagre
PRR em ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
CeMlas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l.ooo rs. o molho.
Alpista e 1'cdnco
o mais novo do mercado a 1 k rs. a libra,
e 4)5400 a arroba.
CEBLAS
maito novas a 15000 o cento na ra do Qoel-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
GRAO DE BICO
muito novo a 35400 a arroba e 140 rs. a li-
bra na ra do Queimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
QUEIJO SUISSO
muito fresco a 800 rs. a libra na ra do 'chegadosneste ultimo vapor a 23800 na ra
Queimadon. 7, ra do Imperador n. 40 e, do Queimado n. 7, ra do Imperador n.
largo do Carmo n. 9 i 40 e largo do Carmo n. 9.
Os propietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
O Verdadeiro Principal rna do Imperador n. 40
FRfTCTAS
mac a. peras i: uvas
chegadas neste ultimo vapor, vende-se na ra do Imperador n. 40, Verdadeiro Princi-
pal.
macarro, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 43500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
23800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado dos melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 13 e 13200
a garrafa e de 103 a 123 a caixa, as mar-
cas sao as seguintes: Chamisso AFilhe,
F. A M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muito.
Latas
com 10 libras de baftba a 43000.
Eolacliinha ingleza
a 13800 a barrica damesmaque
vendem a 23000 e 23400.
Nozes
as mais novas do mercado a ISOr? bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 43500 a (3500 a duzia.
C-ARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 13500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 23500 a 33000 a ar-
roba desses que vendem por 33400.
CAF
de l.1 e 2.a sorte do Rio de Janeiro a 835f
e 83800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Garrafes
com 4 V* garrafas com vinagre a 13000*0
o garrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 13000 o frasco, e de 11300C
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 53800 co
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas ae qualidades, a lo,non a Caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 3'o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 53 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas mnilo novas
em quartos e inteiros a 23 o quarto e 63500
a caixa e 400 rs. a libra,
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsee da casca da goiaba
a 600 e 13 o caixe.
GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a 33500 a ar-
robac 140rs. alibra na ra do Qoei-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e largo
do Carmo ?.. 9
BOLACHINHAS
'em latas de defferentes qualidades a 13200
1 l'l f '1
QUEIJOS FLAMENGOS
lililieu fie miilhados
8I--RUA DO liMPERiDOR-81
Segunda casa do lado direito indo do pateo do CoHegio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfacao de avisar aos seus freguezes i ao respeitard
publico que estando restabelecido de seus incommodos de saude, acha-se novaaKale
com um bello e bem sonido armazem de seceos e molhados primorosamente escoihnl>3
como sempre capriebou ter das melbores qualidades, e francamente aflianm s pes>n.is q
se dignarem comprar em seu establecimento, que all de preferencia a outra qualquer por-
te sero mais bem servidos, em qualidade e precos, como em pesos e medulas, no qor
sempre o annuciante foi escropoloso, em suma, nao illude a pessou alfana,
Aos Srs. de engenbo e lavradoresqueo quoram bonrar como sen comitente liw-;
assegura que o producto de seu laburioso trabalbo ser o mais bem reputado no merca-
do desta praca, para oque se gulga convenientemente habilitado pela loam pratica coaa-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com pre.-teza depois de ler
fielmente comprido sitas ordens.
Forneser gneros aos Srs. agricultures e negociantes que Ihe m.-recam onfianra, fa-
zendo um abate vantajoso aos que pagarem a vista suas mercaduras, a encarrega-se do
venda de qualqucr genero do paiz, mediante urna mdica commisso, entregando cv
prompto seu pr< duelo, e sendo este applicado a compra de gneros em seu armazeai.
prescindir da commissSo.
Dos seus antigos e benignos freguezes espera o annunciaule sua valiosa proterco. fre-
qnenlando como oulr'ora sua casa, e pelo recomhecmiento que Ibes tributa offere^.' espon-
tneamente seus serviros.
Julga deswecesario publicar a tabella des precos de seus gneros: sao seus i ir -,
garanta sufficiente de poder acempanhar os menores precos de idnticos e me^m de
mais apparatosos estabeliciraentos, tendo somente em vista o augmento de suas \endas
diarias.
Prevenco necessarla
Tendo sido o proprietario estadelecido muitos annos com o mesmo ramo de nego-
cio ni meema ra, julga prudente|advertir quesafllrma e se responsabilisa pelo qo*
tem declarado no que disser respeito ao armazem.
I
GDEttaBm
81-RIJA RO IMPERAIIOR-Sf
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Collcgio.

NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chesaram os modernos vestidos de dentelle de seda cora barra, inteiramen'1 novo*
em gosto e qoalidade : foja das columnas, na ra do Crespo n. 13, de Antonio '.orrea
de Vasconcellos & C, successores de Jos Hureira Lopes.
Fazendas de bom gosto
Para vestidos de seuliora
Superiores cortes de soda de cor, de morante, de gurgoo e de setitr imperial.
Ditos de blond, e de cambria branca bordados.
Ditos de la com barra e grande variedade em cores e padrees.
Ditos de organdys com barra
Lindas sedas de quadros escosseza e miudas.
Superiores laas lisas com grande variedade de cores.
Ditas corn salpico-, com llores e de quadros.
Lindas pampolmas de quadros e de (lores, fazenda inteirainenle nova.
Superiores cassas de cores, e lindas cambraias organdys.
Grande variedade de chita de cores, de percalia e outras muitas fazndas dV gosto.
Para hombros de senhora
Lindas capas e bournoux de casemira de cor.
Ditas de laa e de seda.
Grande variedade de soul'embarques de seda de I8J a V).
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados unos, de cacliimira com li>iras d*
seda e de fil preto.
Camizinhas modernas, zuavos brancos c de cores. Golletes de cambraia. linda* gol-
liuhas com punhos e outros muitos arligos.
Para cabera de senhora e menino
Superiores cbapos c chapellinas de palha de Italia enfeitados para senhora.
f Ditos de feltroenfeitados para senhora.
Ditos de palha enfeitados para menino.
Grande sortimento de enfeites modernos de retroz, de froco. de calillo e de fl r -.
para senhora.
Na foja das columnas da ra do Crespo o. 13, de Antonio Corn-ia de Vasconcel-
os & C.
^t^i^^^G X&cf ^ay *&& t23T ^ i^S5s CcfS5?5 Wr ^R
Chapeos de palha enfeitados para senhoras e meninas df
Bonitos vestidos de 13a com baria a Mara Pa a I8f,
Cortes de ditos dita estampados finos a 6*800.
Capas de grosdenaple preto bem enfeitados a 25,-> e28.
Soutembarques e capas brancas bordadas a 10(5.
Organdys mimo do co de lindos padres a i&.
Grande e variado sortimento de chitas largas de ;)0O i
Bramante de linbo de espantosa largura a 25500 rs.
Admiravel sortimento de gravatas de seda a 320, 400 e
Na ra do Crespo n. 1 Junto ao arco de Santo Antonio.
do barateiro
500
180
rs.
rs.
Loja
UMA GRANDE LIQUIDACAO
Kxccllestissinias senhoras
A leja da ra do Crespo n. 17, de J* fio mes Villar.
Reeebeu de sua encommenda vindo de Paris, as melbores fazendas que ten viuda
a esta provincia.
Corles de blonde completamente preparados com capella e flores etc., etc. proprios
para casamrntos.
Cortes de moreantiqne para tiva, mantas e rapellas proprias para nmva, baloes de
todas as qualidades para senhoras, ricos cortes de seda prela de cores e moreaotique pre-
to, grosdenaples bfmo e de cores, camisas de cambraia bordadas para senboras.
Chapeos de palha para senhora assiin como para menina o que tem vindo de me-
lhor, peitos bordados para camisas de homem, cassas de cores, orgrndys de lindas cOesr,
chitas de todas as qualidades.
Capas pretas de gorpura imporlantisslmas, siulemharques pretos. assiin come de
cores o melhor, casacocs, pelerinas, pellives etc., etc., casaveques compridos de grs pre-
tos e de gorgurao, fazendas importantissimas.
Agua Florida.
Vende-se quatrc ornamentos cora os sens
prrlences para Celebrar missas, damasco portu-
goez, todos covos, sendo dous de coeiro branco,
enramado, roixo e verde, por prego commodo :
na casa do sacristo da ordem terceira de S. Fran-
cisco.
P0T4SS4
Vende-se potasa am barris a commodo prego o
na ra da Cruz n. 23, primeiro aud?.r. eseriptori:
de Antonio de Almeida Gomes.
Para restabelecer e conservar a cor natural
dos cabellos.
A agua florida nao urna tintura, fcto essen-
cial a contesur, a mesma agua dando a cor primi-
tiva ao cabello. Composta de plantas exticas e
de substancias inofensivas, ella tem a propriedade
de restituir aos cabellos o principio corante que el-
le tom perdide. D'nma sarabridade ineootesta-
vel, a Agua Florida entretem a limpeza da cabrea
deslroe as caspas e impede os cabellos de cahir
Oleo de Florida.
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
oonstite poderosamrr'0. com a Agua Florida, a
torga, a Men e a conservagao dos iMImCjS.
Em Pari, rasa de Qoislanr n. 12, ra de Riebe-
lien, e 21, boulevard Montmer"yf>
Todos os frascos, nao tendo intacto e claro, o
timbre prateado da casa, sao reputados falsos.
Deposito, ra de Imperador, pharaaeia n. 38.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
10 a lata : nos armazens da ra do Im-
perador n. 16 e ra do Trapich Novo n. -8
Venae-se superior vinho do Porto em ciixas de
urna duzia : era casa de Johnston Pater & C, ra
do A'gario n. 3.
Superior cal de Lisboa.
Vende-se superior cal ti ^is'-J a mais nova
que ha rs mercado, tanto em porgao como a reta-
lho, por barato pr v> afianeando-se aos compra-
dores uperior qualidade: a tratar as segnities
mas : Crespo n. 7, Imperador n. 28, Forte do Ma-
tos, armazem do Sr. Avilla, defronte a trapicho
i algode.
wm
FZmiDAQ SARATISSIUAC
N. 10-Eua do Crespo-N. 10
Cortes, vestidos de cambraia, branco com lista, finos 84500.
Soutambarques pretos ricamente enfeitados 2500O
Organdys d'uma so cor, fazenda moderna 800 rs.
Grandevariado sortimento, chitas largas do 280 500 rs.
Bramante de linbo, espantosa largura 25400.
Corles de vestidos de lindo de flores 155000.
Um completo sortimento de chapeos francezes 85500.
Na ra do Crespo n. 10, loja do Principal Barateiro.
Para igreja on eapella particular
INJECCAO BROW,
,. Remedio infallvel contra as gnon
Vende-seom lorno pequeo eomposto de qaatro,; recentps unicn dPBoaitn u 1
gradamos^ quatro banquetas proprias para altar: a.nuBf en rcenles, untco aeposiioia Do-
para ver tratar, no aterro da Boa-Vista n. 82,1" ica franceza, ra da Cruz n. 22 pre-
leja de pintor. co 35



Diaria ie Perjhno Sexta felra 16 dc^Deaembro de lt4.
i
Grande liquidado.
Una da Intperatriz n. CO.
Loja de fazendas do pavao de Gama & Silva
Acha-se este estabelecimento completamente
sortidu de fazendas inglezas, francesas, allrmas e
suissas, proprias tanto para a praga como para o
malo, prometiendo vender-se mais barato do que
ero outra qualquer parte, principalmente sendo em
porco, e de todas as fazendas do-se amostras,
g-iiando ficar peohor, ou inandam-so levar em ti-
sa pelos caixeiros da loje do Pavao.
As laazinhas da expsito do Pav3o.
Vendem-se laazinhas as mais modernas que tero
vindo ao mercado, proprias para vestidos e sou-
tambarques por serem lisas e de cores muito de-
licadas a 560 e 500 rs.; ditas lisas coro um lustre
que parece seda a 648 rs. o covado, ditas cum
quadrinhos de seda a 500 rs. o covado, s para
acabar : na loja e armazem de Gama 4 Silva, ra
da Imperalriz n. 60.
O Pavao vende pora luto.
Vendem-se superior setim da China, fazenda
toda de laa sein lustre, tendo 6 palmos de largura
proprio para vestidos, capas, paletots, ralsas etc.,
pelo baratissmo prego de 25, 2*200, 2fiS00 e 35
o covado, cassas pretas lizas, chitas pretas largas e
estreitas, manguitos, colarinhos, punhos, e ental-
les, ludo preto proprio para luto fechado, e uiuitos
outros artigos que se vendem por pregos mais
cm ronla do que em outra quilquer parte por es-
tar liquidando ; s na loja do Pavao ra da im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os bordados do Pavo.
Vende-se camisinhas com manguitos e gollinbas
bordadas, pelo barato prego de 15 e 1*280 cada
um, manguitos s a 500 rs. cada par, ditos com
gollinha a 800 rs., gollinhas a 400 e 480 rs., de fil
a 240 cada gollinha bordada, rotneira de cassa e de
fil muilo bem bordada a 2* cada urna, manguitos
que servem para calcinha de meninas a 640 cada
par, camisa com manguitos e gollas com a compe-
tente grvala de seda, fazenda fina, pelo barato
prego de 3*, e rouias oulras bordadas que se ven-
den) por precos muito em tonta: so na loja do
Pavao a ra da Imperalriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos soutambarqne.
Pelo ultimo vapor francez chegaram riquissimos
vestidos soutambarque, os mais modernos que
ueste mercado tem apparecido, os quaes estao
prompioe com saia, corpinho e seu competente
soutambarque, ludo guarnecido de seda, veludo e
renda. Quem tiver bom gosto dirjase loja do
Pavo, na ra da Imperalriz n. 60.
O Pavao.
Na loja do Pavao vende-se moder-nos mantele-
tes de grosdenaples a imitago de capas, as quaes
sae bastante compridas ; assim como tem um sor-
timento de capas pretas as mate modernas qne ha
no mercada, sendo ricamente bordadas. Ditas en-
feitauas ludo por prego rom muco : na loja de Ga-
na & Silva, ra da Imperalriz n. 60.
As moili'i-nissimas laazinhas de uiuu so
cor, a iuiitaio de gorgoio, ven-,
de o rvt.
Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
modernas laazinhas de cordozlnho, as mais pro-
prias e mais lindas que tem vindo, proprias para
vestidos, soutambarque?, capas, etc., datn-se amos-
tras deixando ppnhor, e vendem-se pelo baraiissl-
mo prego de 560 rs. o covado : na ra da Impe-
ralriz n. 60, loja de Gama e Silva.
As laazinhas do Pave.
Vendem-se laazinhas de quadrinhos transparen-
tes, boa fazenda, pelo preco de 280 rs. o covado,
ditas largas muito finas a 400 r., ditas eslampa-
das, cor segura, padroes miudos e grandes a 320
rs. o covado, ditas transparentes com palminhas
de seda a 400 rs., ditas escocesas a 560 rs., i>to ni-
do para liquidar : na loja e armazem do Pavao,
ra da Imperalriz n. 60.
Os grosdenaples do Pava.
Vendem-se grosdenaples pretos, fazenda sope-
AO PUBLICO
Hcm o menor constran-
glmento se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
0 VIGILTE
Ra do Crespo n. 9.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
poso Ballisa, na soa ordem do dia, e pela Branca
Aguia, apesar de que, para estes o Gallo com seus
agudos esporSes nunca os offender*, antes os agra-
ciar na mesma conformidade, para que o Baliza,
possa marchar em fn-nte, 6 a Branca Aguia possa
levantar seu *do, levando no bico as palinhas seu
ninha ; e o Gallo Picara em seu espagoso campo
dando de novo o seo canto annunciando a seus
bons freguezes e ao respeitavel publico
ATTENGO
tabella para todos, po-
dendo assim servir de ba-
se para o ajaste de con tas
com os portadores.
Para a festa.
Queijos frescos a 35, passas n >as >rr a 25, e a libra a 400 rs., ligo* a lt.0, nuinflada
a 300 rs. a libra, azcilooa* a 15*00 a an i a, *
...,, Aa aeeulnte 'garrafa a 320, niameiga ingleza fl r a vi.tr MO
preco ua c6 rs..diia Iraneeiaa640,eba miudinh.. a 25li*
35, caf l sorle a 280 a libra, e 85V n riela.
de 2" sorte a 240 a libra e '5500 a ai ni.. ara *
a 100 rs. a libra e 35 a airea, i. ni
2S0 a libra, siuarinas a 620, paMai pan aVaeM a
140 o masso, do gaz a 200 rs.. ti n.
a libra, gon ma a 120, sabo n^s-a a ?i > r* I
em potes de vidro a 440, NOtvrvM lea) r.. -fr-
as com bolachiuha a 15*00, al ti ia e
400 rs. a libra, cerveja branca e prn Mi 11
lino do Porto engarrafado a 1512" n t !.
co para mise a 3oO rs., linio de II,:
garrafa e 25600 a ranada, da Fifi ra
35200, azoite dore a 600 rs. a jrarra'.i i
pato a 260, vinagre a 200 rs.. caz ., -
mazcm da Eslnlla, largo do l'araizo v
RA DA CAIMHIA 0 RECIFE ] 1*3.
Grande redueco de procos,
(Logo passando e arco da Coneeicio)
equivalente a dez por cento menos do que outro qualquer
annunclante.
S
tr.nn >,C- ~ "- ~- '-
C. o vi S. -,
- :
s.
a

wa -su.
a -o
B

C C
a "O
>" ST... o
n
CO

JO
O.-,1
Ci C
5
mi
Collegas.Nao posso por mais lempo sustentar o preco da manteiga ngleza a 1,000 rs. a libra, bem assim o e outro
amitos objectos, etc., dando com islo ocasio a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gntarem eui
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo!!! Ora, eu oflendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema que vira encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande redcelo de precos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Um5o Mercantil nao
0 grande sorlimenio de objectos de muito gosto qne e sabia de outro pref0 fa manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a i.Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que
acaba de receber. I eSt3o 0brgados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamacSo de preces, e qualidades, vingam-se de ume outro portadores
Ricas caixinhas com msica ricamente enfeita- al informado deste novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu bm
to smente obter a concorrencia de seus freguezes.
das para costura, proprio para um delicado me-
nino.
Riquissimos cofresinhos com cadeados de metal
para guardar joias.
Ricas canas com estejo, contendo todos os per-
tences para homem.
Riquissimas voltas Gogindo perola.
Ditas com lacinho de lita.
Ditas de lindas cores e preta, de todas as gros
SULindos aderecos com pedrinhos Ongindo br- Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
Para bem de todos.
B 2 d
dades, vingam-se de um eoutro portadores! 3 -g. S
S-25 3
sSs e
O Si o. '.
i" B O
_ c os.__!
** ~ 09 n
Q 9; Z 3 B W K fr S i a 2
iiiiil'fil' ^|
_ a. 5 f. ^ o
"* -
*>\
-
C. "
O
a :-?
i
liantes.
Ricas fvellas para cinto, de todas as qualidades
e bom gosto.
Ricos cilos do ultimo gosto de Pars.
Grande sortimenlo de lindos enfeites para cana-
ca, sendo do ultimo gosto e de todos os piecos.
Flores muito linas para noivas.
Luvas enfeiladas e meias do seda para noivas.
Chaposinhos, sapatinbos e meias de seda pan.
baptisado.
Riquissimas litas de todas as qualidades para la-
50, cintos e ciuteiros.
Camisinhas e goilnhas para senhora.
Riquissimos jarros e figuras para ornamento de I
sala.
Grande sortimento de gravatinhas tanto para se-
nhora como para homem.
Luvas de pelica branca e de cores.
Cascarnlhasde bonitas cores.
Tranrinbas, galao e maravilhas para enfeites.
Transelins de cabellos o de relroz para reloglos.
Papel amisade e de oulras qualidades.
Bolsas para viagem.
ntremelos e babadinhos de lindos padrees.
Lencinhos de linho bordados.
Mei&s para homem, senhoras, meninos e meni-
nas.
Fitas de veludo lisas e com mtame de todas as
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as qualidades.
Grande sortimrnto de sabonetes.
Lindos vasos com banha para offererimentos.
Caixinhas com seis frasquinhos.
Essencias de todas as qualidades.
Agua verdadero Florida.
Agua da ColoDia, em garrafas grandes, e em
rior a 1,5600 rs. o covado, ditos largos muito en- frascos quadrados egarralinhas.
corpados a 240, 25600, 25800 e 35000, ditos Pomada tina de todas as qualidades.
brancos, cor de rosa, azul e amarello a 25000 r.s Superior banba em frascos e copos de lodos os
o covado : na loja de Gama & Silva, denominada tamanhos.
escolhida a 800 rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a 5oo rs.
Chhyssonde superior qualidade a 2,Goo rs.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.800
e 8,"ioo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
do Pavo, ra da Imperalriz n. 60.
As novas laas garibalilinas a 50Q rs.,
na Joja do Pavo.
Vendem-se as mais modernas laazinhas garibal-
dinas, fazenda inteiramente nova no mercado, sen-
do todas com Iblras miudinhas, e transparentes,
com lustro a imitaco das sedinbas, tendo varias
cores, sendo azul, cor de lirio, carmezim, cinzenla;
Sabo inglez em paos grandes e pequeos.
Escovas de cabo de madreperola, niarfini e de
osso, para denles.
Pentes para desembaragar, com friso de metal e
sein elle.
Ditos de tartaruga e de muitas outras qualida-
des.
Pentes de tartaruga para senhora
Ligas de seda e de aleudan, assim como mu tos
e cor de havana, etc.; isto a 500 rs. o covado para ouiros objectos de gosto que seria impossivel men-
vender depres.a: na loja do Pavao, ra do Impe-1 cinar, que a vista far f, s no Gallo Vigilante,
rador n. 60 de Gama & Silva. | roa do Crespo n. 7.
Os mais mudemos vestidos Mara Pa, Legues.
na \n\-: \ l-u-"i< -i i<\< Riquissimos leques de madreperola tanto para
Ud lOjd uu ididw, ii 1U9 senhoras como para meninas, pelo barato preco
Vendem-se finissimos vestidos a Mana Pa rom de l, 14- vigilante, ra do Crespo
os corpinhos diferentes, tendo todos os preparos e n 7 *
com o compelento sinto : na ra da Imperatriz n., Pentes
60, loja do Pavao. ^ (\\i\ lambemchegaram os riquissimos pentes de concha
I aiilMIlliaS a 1 |UUU* de tartaruga e de massafina, que se vende por25
Vendem-se camisinhas com manguitos, sendo, 35 e 55; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
muito bem enfeiladas. proprias para senhoras e
meninas, pelo barato preco de dez tustes cada
urna: na loja do Pavio, ra da Imperafriz n. 60,
de Gama Silva.
Vestidos para meninas.
vendem-se s mais modernos vestidinhos para
meninas, sendo muito bem enditados Mara Pia,
temi de difiranles tamanhos, pelo barato prego
de 85 cada um : na loja do Pava, ra da Impe-
ralriz n. 60, de Gama & Silva.
K upa le i la barata.
Vende-se um grande sortimento de roupa feila
para homens, sendo calcas de bnm brance e de
cor, ditas de casemira preta e de cores, ditas de
meia casemira, paletots saceos e sobrecasacos de
casemira e panno preto fino, colletes de todas as
qualidades : na loja do Pavao, ra da Imperalriz
n. 60, de Gama & Silva.
Cresdenaple de cor a i|600 o covado.
Vende-se grosdenaple de cor aznl, branco e pre-
to, pelo barato preco de 15600 o covado : na loja
do Pavao, ra da Imperalriz n. 60, de Gama &
Silva.
Panne de linho a 700 rs. o covado.
Canelas.
Riquissimas caetas de madreperola proprias
para qualquer prsenle, pelo baralissmo preco d
15300 e 25.
Sapatinhos e meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
feitados, assim como meiaszinhas de seda, gorrai.i-
nhas e touquinhas para as rnancinhas se baptiza-
rem; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Vollinbas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinias
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato preco de 15 e 15200, as
cruzes avuls asa 400 rs.-, s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Gelinhas.
Riquissimas golinhas e manguitos, omelhor gos-
to possivel, a 25, 25500 e 35! s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfeiles para senhora.
Riquosissim enleites com lago e sem laco e de
oulros.muitos gostos a 15, 15500 e 35 : s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Trancelias.
Lindos trancelins de eabello para relegia ou lu-
netas, pelo baratissinio preco de 15300, ditos de
2,8oo rs.
dem huxim e melhor que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
dem preto homeopathico por ser de superior
qualidade a 2,000 rs. a libra.
dem bysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o i,600, 1,800 e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se vende em outra parle por 2, ioo
e 2,6oo rs.
Linguicas, cheuricas e paios em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e 1,5oo e 600 rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a \,600 e l,800 rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e lavas porluguezas em latasj pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunlo do reino viudos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l.ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,000 rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpisla a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarrao e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse m.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 43,ooo rs.
Senhores e Senhoras o aceto que presidie, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromptidao e entei-
reza com que serao tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida rae darlo a protejo e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, o quando nao pocam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco praticos, pois
. I sero tio bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendaco, afim de que nao vio em outra par te
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditasimperiaes emlatas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, e l,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,oo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 000 rs.
Mostarda ingleza dos melbores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e H.ooo a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o maco-
Sal refinado em frasco de vidro com rollia o
mesmo a 5oo rs.
o
o
- i?
5
Um Pescobrimcuto Espa
0 Muudu Sfienlific aiaiimaotilc t
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e5oo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a ioo e 5oo rs. a garrafa, era caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
p. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
lo.ooo rs. ea 9oo e l.ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhasde Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas era latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
da, salmo, ostras e chernee, vezugo em, Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 800 e ,ooo rs. cada urna. cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita- libra,
das que tem vindo ao iosso mercado a \ Bolachinha de soda em latas com diversas
6,000, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante-1 qualidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade super;or, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. | para mimo a 64o rs.
Genebra de Hnllanda a 56o rs. o frasco, e.Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5,7oo rs. a frasqueira. | libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
dem de Iaranja verdadeira de A'tona em Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grandes a 1.000 rs. o Irasco, e
H,ooors. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes.: 4oo
l,8oo rs. a caixa cera 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 2io rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Bahiaedas
mais acreditadas marcas conhecidas no
nesso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,ooo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
1,000 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaha em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; ditoemcaixoesaoors.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ono rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a ioo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,000 a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
Vende-se o verdadeiro panno de linho proprio
para lences, toalhas-e ceroulas, pplo barato preco
de 700 rs. a vara : na loja do Pavao, ra da lin- retroz a 200 rs.
peratriz n. 60, de Gama & Silva. Babadinhos enlremeios.
Eeonomia do Pavo. j Riquissimos babadinhos enlremeios com lindo*
Vende-se para acabar, urna porco do retalhos | desenhos tapados e transparentes, pelo baralissimo
de las e cassas de todas as qualidades, e por pre-
cos muito em couta; quem tem economa que
pode apreciar : islo na lc> do Pavao, ra da Im-
peralriz n. 60, de Gama & Silva,
Madapolao a 76000, s na loja do Pavo.
Vende.-se superior madapolao muito encorpado,
tendo -'0 varas cada peca, com 4 palmos de largu-1 po u. /.
de 75OOO a peca, ditos
E' pechincha, na
preco de 15200, 15300, 25 e 35; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Casearrilhas.
Grande sortimento de casearrilhas de diversas
larguras, assim como galiozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, ra do Cres-
AG ENCA
Vk
AGENCIA L0W-M001.
Ra da SenzaJIa Beva n. 42.
Neste estabelecimento contina a hayer
am completo sortimento de moendas e meiai
tnoendas para engenho, machinas de vapor
a tachas de ferro batido e coado, de todos 01
.amanhos para ditos.________________
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston de C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
SORTIMENTO PARA A FESTA
rm
A Composirao Anarnhcita
Pfitoral de kfp.
Pof esparo tensamente em Tampieo pan can .k-
TSICA HHft
CATIBO, STHKA.
BRCviliTTE, T0S8E C0I7ULSA
CHUPO O GARH07M. e
Inflammac;es da Garganta e do Pe la,
r isto com na ihado t fel a < nlaOVv
lamente aaienbnwo i> pao o 1
arvore i que ehanio Ana< w:iir\. e
se encoutni no Mxico.
A Compo39o Anacahuita Peitov
ral de Kemp na Xm r ;-
lamento lillVivnte n:t raa O a ; r
todos oe ma Peitoraes e Expprt< **'
mifacturail.is de fraetoa astringente*,
e ranea, &e., o mesmo n:io cuitlo ii'-nliiim
Acida Prusxicu ou ontr. quaes'i
dientes venenoso.
Todas xs molestias e aflbeeAaa da _'iriaaU
c dos pulmocs daaaaajaaajaaaj i no p-.r tai
mgico encanto, mediante a ac<;
n nparavel e rrcsirtivel remedio.
A venda as boticas de Caors i
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo A C. r**
da Madre de Dos.
14-Kua Direita-14
l'nico depesilo do rac imperial A- I
Isaac. F.snaiy ; allianca a sna han quaii-i
superior ao rap de Lisboa e ao rape ara 1
prova faz f : vende-se a rctalho a IJanlrf.i.
em porgo de 10 libras para mai- a*< r* :
bem abre credilo aos compradores em coa!
rente.
Libras esterlinas
Vende-se quem as qoizer comprar no arasaxm
n. 33, da ra da Praia. se dir quem as vende.
Fitas.
ra nelo baratissmo prego oe /------.-,,
n..in finos a 85 95 e 105000. E' pechincha, na | Grande sortimento de filas de diversas larguras
loi" do Pavao rJa da Imperalriz n. GO, de Gama &, e qualidades, por precos que admiram aos com-
Hfci" pradores, havendo fitas largas proprias para cid-
Cortes de cassa a 3&000. teiros que se pae vender a 300 rs. a vara, e pega
Vendem-se muito bonitos cortes de cassa, tendo: de 9 varas a 25; so no Vigilante, ra do Crespo
7 varas rada corte, com desenhos muito delicados n. 7.
,Pin l,aratissiino prego de 35000 o corte ; s na; Fitas de laa.
Fnia do Pavao ruada Imperalriz n. 60, de Gama & Fitas de la de todas as qualidades, proprias pa-
Silva ra debrum de veslid0 a 70 rs- a pea; so n0 Vl"
Cortes de chita franceza. gilante, ra do Crespo n. 7
Vendem-se finissimos corles de chita fran-l Ricos espelhos.
,,,. pnm t2 covados, tendo, padres escuros e 1 Riquissimos espelho? com moldura donrada
aleerVi de cores flus pelo baratissmo prego de Sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim como com
aoOO o corte s na loja do Pavo ra da Impe-; columnas de differentes tamanhos a 25,35, 5, 5*
rarii n 60 de Gama Silva. a 65; s no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Cobertores aliJSOO. Lindos jarros e figuras,
vondnm-se cobertores de 2 faces, sendo bastan- Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
ni candes pelo barato prego de 15O0 cada para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
m ; s na loj do Pavo, ra da Imperalriz nume-; tem apparecido; s no Vigilante, roa do Crespo
. iq n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
fl
WWW
I Fabrica' Concecao
1 Bahia.
a
ro W.
Cambraias lisas, na leja do Pavo.
Vendem-se pegas de cambraia lisa muito Boa,
c transoarVnte, pelo baratissmo prego de Cousa de multo gosto a 15500 e 25, assim como
tinoo irndo 8 1/2 varas cada pega, ditas muito fl- Mentes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
nasT75, 85, H P, d,'_i/ic'/ fi? 1?, Vigilante, ra do Crespo n. 7.
T^^^^^ Grandesor^enre^sebanhas,poma-
Gama & Silva.
Cortes de Ua a 4i5000.
tlnctivos e offerecimenlos a/snhasinhas dos me
Ihores e mais afamados autores de Pars e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
Andrade & Reg, recebem constante-
mente e tem venda no seu armazem n.
34 da ma do Imperador, algodo d'aquel-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar aigodo empluma etc., etc.,
pelo prego mais razoavel.
Uanieiga ingleza de 1* e 2' sorte a 800, 900 e 15
a libra. ,, ,.
dem franceza em barril a 600 e 640 res a li-
bra.
Toucinho de Lisboa a 300 rs. a libra e 85800 a ar-
roba.
Batatas em caixas e gigos 15200 e 25000 a ar-
roba.
laf de primeira e segunda sorte a 230, 280 e 300
rs. a libra.
irroz da India, Maranhao e Java a 100 e 80 rs. a
libra.
Phosphros do gaz a 25 a groza e 180 rs. o mago.
?assas novas a 480rs. a libra. ,.,..
Velaste carnauba Aracaty composigao a 400 e 440
rs. a libra,
chicotes para carros e montara, arreios para gjugj -pa^e g lbdreaLisboa de
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
23Largo do Terco23.
Joaquira Sim:-. dos Santos, dono deste armazem de molhados avu aos amigos do bom e ba
rato que se venham sorlir dos bons gneros este estabelecimento que nao le;a^penderao, se^lhe
(ara a differenga de 10 a 20 por cento, pelo seu prompto pagamento ; e por teso se faz MNMit de
alguns gneros; que tendo sempre este estabelecimento um grande e vautajoso sortimenlo de ludo
luanto perlencente a este estabelecimento.
Sentido! Vou fallar com o Conservativo !!
Queijos mais novos do mercado a 25000 e 2^w.
ESCRITOS FGIDOS.
Ra da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silbSes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
Rna da Senzalla Xova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tac i
ferro coado libra a 110 rs., idem d eLo*
Vloor libra a 120 rs.
1 a 2 libras a'640 rs. a libra.
Cha bysson o melhor deste genero a 25800 a li-
Idem perola miudinho a 25300, 2*000 e 35000 a
Banha ingleza alva e superior a 480 rs. a libra.
Serveja das melhores marcas, tanto branca como
preta a 300 rs. a garrafa e a duzia a 55800.
Sabo amarello massa a 180,200 e 240 rs. a libra.
Charutos da Bahia dos melhores fabricantes de
15200, 25000, 25300 e 35 a caixa.
Milho alpista e paingo a 160 e 140 rs. a libra.
Vinho de Figueira verdadeiro a 500 rs. a garrafa,
dem de Lisboa das melhores marcas a 400 a diia.
dem do Porto em barril superior pinga a 640 rs.
dem branco proprio para missa a 300 rs. a dita.
IJem do Porto engarrafado a 800 e 15, tomando
mais de urna caada de qualquer um des es ter
grande abatimento.
Conservas inglezas e portngaezas a 500 e 640 rs.
Bscoitos e bolachas de soda a 15400 e 25-
Massa de tomate a 600 rs. a libra.
Genebra de Ola ida em fras.os e botijas e de Ia-
ranja de 480 a 640 e 15200.
Chourigas as mais novas a 360 rs. a libra.
Latas com 1 e meia libra de amenas a 15200.
Azeite doce de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 35 o
galao.
__ Fugio da rasa do major Antonio da ilva
Gusmao o seu escravo pardo de aome Loiz, roaoav
cdo por Luiz Monteiro, idade ** ann.s, 1 ar
mais ou menos, bastante alto, sen-o, bro< parrriA,
pernas compridas, cor clara, rabellus niMadl
nhoto, e o principal signal ter en finia r n*z
mo urna estrella azul e lre5 pintas tamhrm n*<,
formando um triangulo em cada lado o ro-ta. A
ufficial de pedreiro. pintor e catador [ ra*
1 oga-se s autoridades polinaes, as-im raaai
senhores de engenho e proprictarlos ai.no.* llr U r
trabalhar, intitulando-se forro, lant n*sta rr*>*av
cia como fra delta', que o faga prender e rrl-
ler ao sobredito senhor, que pagara ludas as *$-
pezas, assim como a quem o coodozr dar ua
boa gratificagao.
__ Fugio satihadn 26 de novembro prximo pas-
sado e escravu pardo de nome aisla, de i.'j4e
de 20 annos, pouco mais ou m> no-, n>m os >ij-
naesseguinies : magro, altura r-pu'ir, matera*
prido, nao tem barba e com basiani^s n,arca de
engas, falla branda, foi ecravo e cria ao Sr.
Joaquim Cavalcanli de Albuqurrqoa do cagrate
Arauuari da fregueziade Barreiros envreaava-**
nesta cidade em vender agoa, porm a.- !< mu ras
e dias sanios andava ralgado, de palw. t br.tnra,
chapeo do chile e bengalioha fina, n>n-ia ar *;
intitulava de ser livre, quando fugio di a alan-
mas pessoas a quem venda apua, i|
Barreiros, e que somente vrliava depi 1- da fr-fc
do natal : roga-se s autoridades poliriaes caai-
les de campo de o apprahe Vrem mao-lareai
entregar na ra do Qneimado n. 77, a Alejandra
Jos da Silva, que recompensar coa 505.
Vendem-se cortes de las /?r^*!J"',!.f: 'j e a 15, sstei* como outros objectos que nao e
das e de quadrinhos, tendo 12 covados cat _".V!K3 -----a ,... >ln>lMMM.
pelo baratissmo prego
cnrte'Tsto na possivel por'hoje aanunciar, e vista dos fregue-
1 es se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
iiiiu i >-v de 4#ouu o
loja do Pavao, ra da imperatriz D. 60 de Gama ^ c n 7
Silva.
Vende-se
superior farinha de mandioca, a bordo dos brigues mano.
scunas Principe, D. Alfonso e A'ao S, atracados
eo caes do Bario do Livra ment : a tratar a bor-
do, ou no largo do Corpa Santo n. 4,_primeiro an-
dar, escrlptorio de Palmeira & Beltro.
- Venderse canos oe barro para esgoto de to-
bados : na ra do Rangel n. 4.
Vende-se um comomeiro martimo inglez do
melhor fabricanta Charly Frodsban, afflangando o
seu regulamento, por diminuto prego :_ a traur
na ra Nova u. 21, leja do Francisco
.,.*. Escravo fuaid,
A loja da Aurora, na ra larga do Rosario n. Aeha-se fgido a escravo Firmiao. aertenraate
i Ger- 38 recebeu bordados de cambraia transparentes tripulagao do hiate Liado Poqnrlf, preio aftira-
mtto Anos, que tanto serve para camisas como no, de 48 annos de idade, estatura reblar, r.-a
nara vestidos e salas de senhora, pois que Isto fo- comprido, barba pouca, rallo de denles m rr'-
-----------== =-------5---------------------------ram amostras que s a loja da Aurora foi quem te ; levoo camisa e caiga a> m/mt arol rraa-
VlTlllO (le rOftO. recebeu dess fazendas; qualquer senhora de se s autoridades policiae l a q*lqo >utra yr*-
k ha Pnrm pm harns de bom eoto aue protender usar destes modernos soa a respectiva apnrehensao, pela quai M dar
2?tS Ferrera f &iSi?I?rS! boWof JS mandar quanto antes comprar, urna graticag. na roa da Cnu .. W, pr-
S2 SSi! V 66 & POi chegaram poneos e esuo se acabando. 1 andar.
1



8
Diarlo de reritakiM Sexta felra Ifi de Dezemfero de iSt4.
LITTERATRA.
ll POUCO DE TUDO.
Oflereeemos leilura publica a segulnte sen-
il bilral. cajee autos acham-se no carlorio do 'go 73 ;
cou o risco que garanta o segurador, e nao se
Pode invocar o abandono, quando houvesse sidofei-
to legalmente, porque foi expresso na apolice a
convenci das parles, que o seguro seria livre de
abandono, e portanlo nao podia ser feilo, nem ser
invocado por nao se verificar a hypothese do arti
jciivao i'aes de Andrade :
Dos prsenles autos d'acgo arbitralentre paites
Que o abandono smente pode ter lugar, quan-
istro se comprehende na apolice, e
francisco Jos da Costa Araujo, e RR os di. quando nao estipulado, que nao ter lugar ar-
recime da companhia de seguros l'iildadc 'go 725;
pedo para que sejam Qne 0
l ibllca consta que o A. i
Ass em 27 de novembro do anno prximo passa- n n_____Vi '. ,.
' >. (1863, e que estando accorde" na noraeagao c 'ZZTr v71* Ta qUe CDVen-
d-.-b.tros, constituir juizo arbitra,, eTTS ^Z^T*" & PP0S' ^
(Ja coniproraisso a ti. 3. All ._.._
Que o artigo 724 do cdigo commercial exige,
Allega o A. que, havendo segurado na compa-' que o abandono seja admittido pelos seguradores,
nhia de seguros tilidade publica pela quan- e que da apolice se v que fot expressamente ex-
lia de 5.0000u, a escuna nacional Emilia, que j cluido;
liaba de seguir viagem para o Ass a tomar um Que pelo mesmo 2 do artigo 733 invocado pelo
carregamento de sal, e tornara este porto, e que j A., e inadmissivel a sua pretengao, que foge da
tondo chegado cota feliz viagem ao porto de Maco aP0,tea e das clausulas nella expressas, para obri
OH le recebou o carregamento de sal, e d'ahi par- 8.ar'se nas Keraes> .ue Gcam subordinadas ao que
liu ni dia 20 de novembro do anno prximo pas- fr especialmente estipulado, como fica demons-
sado, (1863) levando a seu bordo o pratico Jos trado e 6 e*Pre*so na lei ;
Vicente Ferreira da Purificafo, o qual a fez fun-1 Que a avalia?aofeila nao s prora positivamente
dear ao lugar Passo, e que no da seguinte sus-'0 contrario do que se pretende, como ainda
penden e segua o canal da bacra, e chegando ao inexac'a. visto que da declarado, que se junta
banco de fra, em consequencia de muito mar el"' se v 1ue concerto feilo a escuna foi
1:1035220 ris, muto menos de metade do valor
do seguro;
Que dos mesmos documentos se v que o si-
nistro foi devido nao tanto a torga de mar, como
principalmente a falta de amarras;
Que nao se deu abandono em devida forma
nem o protesto foi feilo na conformidade do ar-
tigo 505 do cdigo commercial, 3C6 do regla-
mento.
Concluem os mesmos RR., que o pagamento do
snistro inademissivel, qur attendendo-se ao
mar e
vento, suinou para cima do referido banco e ah
encalbou, abra agua, e na mar seguinte safou-se
pata o canal e tornou-se para o Passo, onde fun-
deou a dons ferros, mas de noute refrescando o
vento, parliram-se as amarras e foi a escuna en-
albar na corOa do sota-vento, onde bateu toda a
nauta do que resulton passar a fazer vinte pclega-
dasd'agua em dez minutos, d'onze que antes disto,
o depois do primeiro encalho fazia, em quinte mi-
nutos, e pelos meios que se empregaram pode no
ia 8 saf.ir-se para o canal, e abi procedendo-se
a vistoria, foi declarada uoavegavd, e totalmente 1ue expresso na apolice, que a nica prova da
perdida, pois que, seudo segura em cinco contos obrigago contrahlda, quer as disposicoes do codi-
llo iis, calculou-se o seu reparo em mais de qua- t> commercial, pelo que pedem que, proseguindo-
iro contos de ris, visto como s quinhentas follias se nos termos da causa, se julgue aflnal nao
de cobre precisas para o concert deviam impor-' cmPetir ao A. a indemnsace pedida, sendo con-
tar em dous contos duzentos e quarenta mil ris,' demnado nas custas.
termo medio, e que sendo a escuna vendida em \ n ,,,, ,An ., ,
leilao, no estado em que se achava, produziu nove- i JTl"n n eXam,Dad' e altendendo "ue
cenioseoilenta mil res, que deve reputar. serl!lff2li L .TS^**
rt .... _,, ,, H guro da escuna brasileira Emilia foi effeetuado na
Hnr'oln '? T" ?"*ICOmPanh,a dt *" maritimos-Utilidade publi-
do proco em que a escuna foi segurada, podia a '
foi
mesma ser abandonada, como effectivamento foi.
Cdigo commercial artigo 753 2, e que as ex-
ea-na viagem ao Ass a tomar um carregamento
de sal e volta d'ali at o lamarao a deixar o pratico
para seguir seu deslino, sendo effeetuado dito se-
presses perda total, e livre de abandono judi- i guro, nicamente por-perda total, livre de aban-
cial c optantes na apolice, nao se devem enten-1 dono judicial-condigoes estas que esto de accor-
der absolutamente e sim de harmona com a le- j do com o codig) commercial artigo 667 8 7; e oue
gislacao commercial, pela qual se deve suppr re- o segurado longe de cumprir ditas condigoes, tra-
goladas todas as estipulares que a condigao too de fazer abandono, pralicando assim umaacco
perda total estipulada aa apolice, entendida se-
gundo o artigo 753 2 c 3, considera-se ivalisa-
da. logo que o concert importa em 3/, ou mais do
valor do navio segurado que a condigao livre
de abandono tambem estipulada, quer dizer que,
os segurados nao podero arbitrariamente abao-
donar o objeeto do seguro, porm nao pode excluir
tsos em que pelo citado artigo 753 permiti-
do; que pela 15." condigao exagerada na apolice,
a companhia da poderes ao segurado, seu procu-
rador, para heneliciar, zelar, fazer transportar os
objectos seguros, o at vende-los por conla da
companhia, o que nao poderia ter lugar, se nao
i>> Termina o A. pr-dindo que seja a companhia -
Ulilidade publica condemnada a pagar-Ihe a
importancia em que a escuna foi segurada, e cus-
tas abatida a soniina pelo A. recebida.
Os Hit, deduzino sua defeza allegam ; que os
dcumeotos em que funda o A. o seu pedido, cla-
ramente o exciuera, pois que, delles se v que nao
: tve perda total, e sim snistro que pedia re-
paro.
guradores, quando expressaaente se nao excep-
tuar em na apolice; altendendo que na segunda das
condigSes geraes da apolice a fl. 13 v. os segura-
dores mu positivamente exceptuaram os riscos de
rebelda, ou pratara-(cdigo commercial arti-
go 711 12) Altendendo que segundo a intelli-'
gencia mercantil debaixo da baratara, ou rebelda
comprehende-se tanto o dolo e fraude intencional, i
comoasimples negligencia, incuria, erro, irapruden-
ciaeimpericia docapitaoegenteda equipagem, pelo
que os seguradores (os RR) nao sao responsaveis. Se-
gunda condigao da apolice, e citado artigo 711
12. Altendendo que em 30 de novembro do anuo
prximo passado (1863) no porto de Maco, o capi-
tao de dita escuna Emilia fez o termo de mar, este
foi sellado, houve requerimento ao juiz para racti-
fleacao do protesto, foi deferido, sellado e autoado, i
passou-se mandado para serem as testemuohas no-
tilicadas foi sellado e assigaado pelo juiz; Joram
notificadas as testemuohas do que se pasou certi-
dao ; o capilao prestou Juramento do que se lavrou
o competente termo, assim como lavrou-se termo
de ractiGcago do protesto; o capito requereu vis-
tena, foi deferido, e o juiz nomeiou tres peritos, e i
procurador por parte da companhia ausntete (nao
tendo esto sido nomeado para a raetifleago do pro-
testo) passou-se mandado, foi sellado e assignado
pelo juiz, foram citados os quatro nomeadose mais
duas testemunhs, procedeu-se a bordo na vistoria
e avaliagoes, do que se lavrou a competente auto,
passou-se certidao para ser sellado dito auto de
vistoria e avaliagoes, lavrou-se termo de conclusao i
e o juiz julgoupor senleuga a mencionada vistoria e!
avaliagoes, lavrou-se termo de data, e termos de
publicagao, no cartorio, foi a seotengas iniimada ao
capilao, e con: quanlo conste terse feilo em dito dia
30 de novembro, ludo quaoto fica dito, todava nao
consta ter-se pago aquelle sello da vistoria, e ava.
liagoes para cujo fim se passou a mencionada cer-
tidao (a II. 45) e assim o juiz julgou por sentenga. a
referida vistoria e avaliagoes, sem se ter pago o
mencionado sello, sentenga esta que nao foi inti-
mada aquelle procurador Horneado na ausencia da
companhia, como proscripto pelo regulamento n-
737 artigo 234 que diz :
< A sentenga publicada na mao do escrivao nao
produz effeito sem intimagao das partes ou seas
procuradores.
Altendendo que as vestorias e avaliagoes a ti 43
e seguintes, nao estao legaes, deixando por isso de
ter valor jurdico, pois que, nao s se deixou de
pagar o referido sello, mas tambem longe de se-
rem avaliados os concerlos precisos para a escuna
continuar sua viagem do Ass (porto do sinistro)
at largar o pratico no lamarao, poito desta cidade
(fim di viagem segurada) se proceden a avaliagao
da reconstruego da mesma escuna, o que op-
posto ao citado artigo 756.
Attendendo que se procedeu a avaliagao das vin-
te e cinco bragas de corrente e tres ferros (a fl41)
autos consta e conformando-me com a opinilo do
Sr. juiz arbitro, Christovlo Guilherme Brecken-
feld, como da sua senteoca a fl 84, julgo impro-
cedente a presente aegao, absolvo os reos do pedi-
do, e coedemo o autor nas custas. Recife, 6 de
ju.o do 1864. Jos Antonio Comes Jnior.
O -r. Y romette-nos o seguinte :
PnOMETHE.
Episodio histrico.
(Offerecido J. N. de C.)
Corra o anno da graga
Em que frtil a irapaga,
yue os esplendores embaga
Dos arcanos da natura,
Quando em Compela s'ergueu
A chamma que escandecen
A mente de Prometheu,
Em lula com a desventura !
Fot cruel a sorle impia
D'esse re da Alexandria,
Que lutamlo, noute e dia,
Contra os revezos da sorte ;
Viu seu throno derrubado
E nao logo enforcado,
Porqne o brago d'um soldado
O arranca s garras da morte I
Alm desaba a montanha
Em que o general Saldanha
Trucida com horror e sanha
De Prometheu os imlgos I
D'elie a fortuna se arreda,
Todo o soccorro Ihe veda,
E s chora a sua queda
Sua av, comende figos I...
nullidadeda doagao, que no seu funeral servissem
nicamente os objectos que Ihe fossem encontrados
em casa. Estes objectos eram um bom caixao de
carvalho, um panno martuario para o cobrir o vic-
ie tochas de cera, que tinha guardados na gaveta
da sua commoda.
A velha foi para a prsao e o juix tkou na cer-
teza do tornar a condemna la brevemoote.
A Sra. English, citada pelo seu senhorio perante
o tribunal dos sheri/fs por nao querer pajar aea-
guel da casa, declara que, na sua qoalidaile >
Cantou-se urna missa, no meo do recolhimeuto ma,n(!r casada, nao esta obrigada a pagar. Diz o
senhorio :
Que a escuna foi avaliada no estado em que
so achava por 1.31)05000, mas foi vendida em has-
ta publica por'.)S0000;
Que os meios a que recorreu o A., sao contra-
i ios ao que se acia escripto na apolice;
Que contra as clausulas espociaes, que sao re-
guladas pela convengan das parles, nao permit-
aos ;
que nao sendo obngaloria por le (cdigo commer- que a mesma vestoria diz perdidos, quando da
cial artigo 754) mu. positivamente prohibida pelo iacta n'7 v" consta quea escuna deu rundo D0
contrato; attendendo que as clausula, on coodl-j?.'* 7 mv?mbro do annc> Proximo Passado
ges manuscritas na apol.ee, nao sendo contrarias (1 ) a ,dUS k"08',e (,ue pelas sete horas da
as leis, sao as que decidem da vontade dos contra-! ^J^ EL?.*?.!!!**H^H!^ ?-?"8
tautes e qualidade do contrato, de sorle que devem
prevalece,- a todas as clausulas contrarias que se
aehareal impressas (cdigo commercial artigo 673
5 I) devendo-se julgar estas nao existentes avista
daquellas; c que os contratos mercantis sao obri-
gatorios tanto que as parles se accordam sobre o
objeeto da convengo e os reduzem a escripto
sem recursos .d'oulros ferros, cahiu sobre a cora,
amarrando-se depois com um terceiro ferro em-
prestado, o que anda comprovado com o depoi
meuto de ouze lestemunhas.
Attendendo que tendo-se achado os dous men-
cionados ferros que se haviam perdidos, com elles
se amarrou a escuna, e foi entregue ao mestre da
cdigo commercial artigo 126). Attendendo que o barcaca Dous Amigos, o ferro que Ihe havia em-
segurador nao fica obrigodo senao pela perda re- Prestado, visto a mencionada escuna nao precisar
sultante dos riscos declarados na apolice. Citado', raa's dolle, como consta do documento a fl 79.
art. 667 7 e 710; attendendo que nao se deu per-1 Attendendo que a fl 44 na margem nas avalia-
da total, nico caso em que a companhia-UIIda. Ujes,e*li escripto por punho e tinta differente
de publica-(represeotada pelos RR) se responsa- 500 binas de cobre 2:240O(XX
bill.NOU, e que o abondono (atada mosmo Mando .... ,-,*-,.
_- .- .-.-., Attendendo que nas vestorias e avaliagoes so se
nao ha condigao expressa que o prohiba) nao e ad.: .... -. ..
n.i missivel por titulo de innavegabilidade, se o navio j
ca.i ... i.i. ___ \ pe o escrivao, assignado pelo juiz, partes, advoga-
sendo concertado pode ser posto em estados de con-
dos, arbitradores, e testemunhs (regulamento n.
737 artigo 2lol e nao o addicionado por qnem tem
inleresse nas mesmas vestorias, ou avaliagoes, e
nao constando do respectivo auto a mencionada
tinuar sua sua viagem al o lugar do destino, salvo
se avista das avaliagoes legaes a que se deve pro.
ceder se vier no coaliecimento de que as despezas
do concert, exceJenaui pelo menjs a 3/4 (75 por
/,) do prego estimado na apolice ; (cdigo com- \ qaan,ia de 2:2405000, nao pode esta ser admissi-
mercial artigo 756). Attendendo que a escuna nao jVtfl Por um sim')les dizer da Parle '"'"cssada.
uaufragou, mas sim soffreu sinistro menor, sup-1 Attendendo que as avaliagoes feitas polos peri-
ceptivel de reparo, e que o capitao e tripolago a tos dao era totalidad?, inclusive as vinte e ernco
abandonaram sem preceder deliberagao tomada em bragas de corrente e ferros 2:6505000, e dedu-
tido recorrer ao qoe' regulado para os casos ge. !juutacompostadeseuso(Iiciaes,equeoabandono(no zindo-se os ferros que se haviam perdido e depois
'jnsiilicado)queasgentesdomar fazem do navio, em foram adiados, fica 2:4505000, mas pelo docu-
! occasio de sinistro, est nas mesmas circuraslan- ment a fl 56 (nao contestado pelo autor) o con-
cias que a revolta (baratara) e em opposigao ao certo feilo a escuna imporlou em um cont cento
prescripto pelo cdigo commercial arligos 504,508 noventa e tres mil duzentos e vinte ris........
e 509 ; attendendo que pelo artigo 2i do regula- (1:1935220) isto monos de metade de ditas ava-
mento da casa aos seguros (fonte principal do nos-
so cdigo commercial no que diz respello) appro-
Que pelo artigo 667 7, permiltido declarar
na apolice, tod >s os riscos que o segurador ten-
coiia tomar sobre si, o que esta d'accordo com os
artigos 710, 724, 753 2 do cdigo commercial,
em virtude do que foi expressamenle estipulado
que o segurador smente corra o risco pela
perda total, e livre d'abandono judicial conven-
giio esta que nao pode fiear sem elTeito;
Que nao tendo havido perda total, nao se verifi-
FOLHETIM
viva: HORVtt ii: i.i i i:nt\
ROMANCE ORIGINAL.
pon
CIMILLO CASELLO BRANCO.
{Coninuiiio do ti. 286.)
XXIV
Parou a liteira na ra da Roa-Vista porta de
Francisco Eliziario, em cuja casa Antonio Joaquim
costumava hospedar-se. Despedi-me do meu ami-
go. Eu chorava com dores nos ossos; mas apro-
vetei estas lagrimas, attribuindo-as a um exalta-
do sentimento de gratido. Comtirometlemo-nos
em mis ajuutarmos no dia seguinte para, em suave
quietacao, uos deliciarmos conversando sobre cou-
sas c pessoas do nosso passado. Rccolhi-me dos-
canead > minhahospedaria.no intuito de me fazer
apalpar por um algebrista. Gracas s poges alca-
linas e fumigatorios, ao outro dia haviam desappa-
reuido os vestigios das vinte horas de liteira.
O meu priiitriro cuidado foi substanciar no meu
livrodo Ilade-hacer apontamentosdas historias que
o dadivoso amigo me contou. A este lvro de arca-
buucos de romances chamo eu do Hade-haver, por-
que all esto como embrionarias as quantias. que
li -i de receber do publico, nome trivial e um tan-
to plebeu, que, em mais fidalga linguagem, quer
di/er a pergo luminosa do paiz para quem, e em
honra da qual, os operarios do espirito esto de
continuo lustrando e facetando os seus avellorios.
Estes crditos o que teem de mau abortaren) s
vetes, por issomesme que sao embrides. A nao ser
isto, qnem possue um livro deste Hade-haver, em
Portugal, tem mais que o necessario para se fazer
contiendo do seu aguadeiro, e ser socio do Institu-
to de Coimbra. Para alm disto comega a immor-
talidade.
No dia segulnte recebi a visita do meu amigo.
Contou-me que em casa de Francisco Eliziario al
OS movis riam de jubilo. Adrianna, a esposa dito-
sa do marido regenerado, dera luz um menino
robusto como um elepbante. Commuoicou-se-me a
liagoes, e sendo a escuna segura em $:O00fUU,
regula o concert segundo as referidas avaliagoes
vado na capital do Imperio, em 30 de agosto de 1820 49 Por cerl0>,na* seundo o importe dos mencio-
as prevancagoes e faltas do capilao conhecidas pe- nadS BM,M* regula menos de 24 por cento, e
lo nomebaratara, ou rebelda de patro-so assini em uenhum dos casos pode ser invocada a
riscos comprehendidos na responsabilidade dos se.! innavegabilidad.-. Por ludo isto e o mais que dos
alegra daquella boa gente, e tambem me ri. To- vos 1ue aPenas attentam os ouvidos para saberem
dos os chamados bens supremos desta vida sao os nomes do felices.
mesquinhas e transitorias fruiges, em confronto
dos ineffaveis enlevos da paternidade, nielhor pro-
T o proprio Aguaparte,
Envolvido no estandarte
Mata Pedro Malazarte
Nas bateras d'Ormuz ;
Mas nem por isso o guerreiro
Prometheu aventureiro
Conseguiu ir ao Cruzeiro
Arrancar o pau da Cruz t
E l Prometheu gemia
Sob o p da tyrannia,
Quando despontou o dia
Da redempgao das nacoes;
Entao ergueram-se os povos
E com pi lombas e ovos
Descobriram meios novos
De fazer revolugoes.
Mas foi infeliz a idea,
Pois surgiu na Maurica
A eterna panacea
Do grito da liberdade ;
E entao morreu a esp'ranca
De voltar paz e bonanga
P'ra familia do Braganga
Nos reinos da eternidade !...
E assim passaram do mundo
Para o baralhro profundo
Os (litios de Segismundo,
Todos tres n'uma s hora I...
Entao Prometheu, com goloria,
Gritou tres vezes :vietoria I
Seu nome na voz da historia
Correu, fuglu, foi-se embora!
O Courrier de la Drcme d-i noticia do seguinte :
Urna menina de 11 annos, Maria D.., atogouse
nas seguintes circumstancias:
Esta menina viva ha lempos em Lachau com os
esposos M..., que, segundo o dizer da gente da
localidade, a tratavam com carinho que ella retri-
bua com iogratidao, por que era de um carcter
arrebatado e spero.
*"d outitbro, coi conmwjnoncia do urna Ira-
vssura e desobediencia, a mulher M... reprehen-
der com severidade.
A pequea Mara sahio lego de casa e andou
toa durante aigumas horas.
A mulher M... vio-a depois assentada sobre um
rochedo sobranceiro ao no, eogrossado pelas chu-
vas, e gritoti-lhe que sahisse d'alii.
A estas palavras, a pequea Maria, lc^antou-se
precipitadamente, recuou alguns passos para ga-
nhar impulso e langou-sa no abysrao que a sub-
mergo I
Foram inuteis os soceorros.
O corpo appareceu encalhado na arota a um ki-
lmetro do sitio.
L-so no Fgaro :
ltimamente morreu n'uma cidade de provincia
um artfice possuidor de urna modesta fortuna.
Por testamento oilographo legou todos os seus
bens a egreja da sua parochia, mas com certas
condigoes muito expressas.
Tendo elle mosmo toreado as mais minuciosas
disposigoes para o seu enterro, exigi sob pena de
geral, por que este artfice era muito estimado e a
sua morte geralmente sentida.'
Quando o offlelo fnebre eslava a-findar e que o
padre ia a proceder a absolvigo, urna repentina
mesquetaria langou o terror na pequea egreja.
De cada tditfjfcnava fogo para cahir em chuva de
estrellas de todas as cores.
No primeiro momento todos tentaram fugir, mas
tranquilisaram-se logo.
O artfice quiz que a sua morte fosse dignada
sua vida e p.-eparou vinte tochas de cera, obras
primas de pyrotechnia, que deva;n acompanhar o
canto gregoriano em volta do seu alaudee bombar-
dear a sua alma na eternidade.
O fogo de artificio eslava to bem preparado para
a circunstancia, que a ultima locha produzio a
mais forte cxplosao no momento em que se levan-
tava o corpo.
Transcrevemos do Commercio do Porto o se-
guinte :
Andando ltimamente o rei dos belgas a viajar
no mais rigoroso incgnito, entrn em Marselha no
Caf Bodoul e foi senlar se a urna mesa onde esta-
vara dous apaxonados jugadores de domin. S.
M. pareca observar a partida com grande interes-
Saber o Sr. juiz que esta senhora nao ra-
sada, ou antes e casada em exresso.
Comoseex|.licasso ? perguntao juiz
Perfeitamente ; ea senhora casou duas e-
zcs com dous Irados.
- Mas os raeus casamenlos foram legaes, acode
a lady.
A senhora de certo nao ignora que a le m.
gleza se oppoe aos casamentes com irrofws. lasou
no continente?
Que diz, Sr. juiz Eu casei em Inglaterra
mas preciso saber que os meas dous marido, nio
firam irmos, embora fossem irmaos.
Explique-se. Como se chamava o seu pn
meiro marido "'
English.
E o segundo 1
English.
Entao tinha eu razo ou nao ? atalhou
nhorio.
Pois digo-lhe eu que nao, porque o pao n
meus dous maridos casou duas vezes ; da ua pri-
meira mulher houve o meu primeiro marido e da
segunda o segundo, com quem casei em 186:), por-
----r. Vw._ .i .. f,M. t,UB ovni ui nuuc lint;) C3* n,,A n ..^.J. j ,
se e fez um leve movimento de impaciencia quan- Si" E* 2 mU" ^^ ^^ a"
do vio um dos jugadores empregar urna pedra por lDt' COm *" ,rawos oasaanainaK
outra.
O senhor nao jogava assim ?perguntou o
jogador mansamente, tendo percebido o movimento
do desconhecido.
Nao ; o meu jogo seria outrorespondeu o
rei Leopoldo.
O incidente nao passou d'aqui. Alguns instan-
tes depois, fez o rei o mesmo movimento. Entao o
jogador carregou o sobr'olho e disse :
Acha que ainda joguei mal ?
Parece-me que seim ;respondeu o soberano
belgano seu lugar, teria eu josrado doble-quina.
O jogador encolheu os hombros e respondeu por
entre denles :
Uutro offlcio I
S. M. levantou-se, pagou o que pedir e sahio.
No nicio dos euidados da partida e do dialogo
com oseu viznho, o jogador tinha visto um dos
serventes que Ihe lazia muitos gestos e signaos,
que elle nao comprehendla. Depois da sahida do
augusto dador de conselhos, perguntou ao mogo o
que significavam aquelles gestos.
Queria dar-lhe a entender que o senhor esla-
va a fallar com o rei dos belgas.
Ora esta exclamou o jogador. E parece-
me que nao Ihe fallei muito corlezmente.
O servente retirou-se com um ar polidamenle
incrdulo.

L'ma velha escoceza toi levada ao tribunal da
Malborongh-street, e o juiz que a reconheceu ave-
rigou que era a bicenlesima primeira vez que ella
ia sua presenga.
OpoHceman aecusador declarou que a velha ti-
nha ajumado grande numero de curiosos aa ra de
Od Compton, e dizia aos seus ouvintes :
Nao sabem que sou a lia de meu sobrinho f
E nac-sabem quem elle ? Pois fiquem sabendo
que meu. sobrinho o principe de Galles. E" como
Ihes digo; e o peior que o marola me est arrui-
nando, por que nao quer raconhecer-me. Os ma-
gistrados protegem-no e condemnam-me. Isto
um desaforo I
isto chegou-se suppc&ta tia o representante
da leire vendo o seu estado levou-a presenga do
juz, que perguntou ao polineman :
consaoguiotf":
nao sio irmos.
Apezar da alta gratidad ingleza, o auditorio ra
a grandes gargalhadas.
O caso singular, disse o juiz, e falta saber
se a lei ingleza, que prohibe o matrimonio de nina
mulher com dous irmos uterinos, auturisa me
acto com dous irmos consanguneos. Eu ere
que nao, mas ha argumentos afllrmativo*, e aa
duvida mando que as partes recorran a quem
cumpre.
Mas os meu: alugueis ? pergunta o senhorio.
Arranje-se l com a easeira ; a sna reclama
gao nao est nos limites da minha jurisdirrao.
O infeliz senhorio deu um suspiro e s disse. sa-
hindo do tribunal :
E' possivel que os alugueis da minha casa
dependan! de um sophisma da le ?
Era Nova York promoveu-se um pleito que
cheio de bastante originalidade.
uous homens disputara se a posse de ama dan
garna com quero ambos allegam ter ido rasados
um em Paraguay e outro em Peterbargo.
O primeiro expediente do juiz foi tambera muito
eurioso.
Ei-lo :
t Nao pode dar-se andamento demanda .in
quanlo cada um dos reclamantes nao prova jk
est em seu perfeito juizo. e que ni. promoveaota
causa era estado de desvario.
vada e definida do que ella est na lei romana, e,
pelos modos, no direito escripto e consuetudinario
portuguez.
Antonio Joaquim maidou buscar sua esposa e
mao, e os lilhos mais velhos para assistirem ao bap-
tsado do menino. Felicito-me de ter cumprimen-
lado estas duas senhoras, que se disputavam em
doce competencia o corago do meu amigo. A mao
caprichosa da natureza, j agora, quando quer fa-
zer mu'heres assim, esconde-se nas florestas do
Mioho, e n'outras florestas : o ponto est em que
a santa ignorancia embale no bergo as creaturas,
e v com ellas pela vida alm, at Ihes entregar,
beira da sepultura, a chave dos enigmas da outra
existencia. Nas cidades, a natureza nao pode ven-
Antonio Jaaquim escutava-o com semblante de
dr e espanto. Aproximei-me, e esculei tambem.
O essencial do seu discurso, nao interrompido e
precipitado, soava como isto:
Perseguem-me os astros. Ha urna conjurago
de cu, trra e mar contra mim. Os inlmigos aerios
tem corpos lucidos como faulas crispadas forjas do
inferno. Sao as potencias que obedecem ao meu
inimigo iniplaeavel. Quando a guerra minha po-
bre cabeca vem do nascentc, ou do meio da, te-
nho o ethna dentro do crneo. Nao pode vigar flor
nenhuma de esperanga em volta das chammas da
minha cahega. Esirondeam-me no tympano as po-
tencia! como se a humanidade arrastasse cnlhoes
sobre um pavimento de bronze. Isto infernal,
meu arno I Tu nao sabes quanto eu padegol
Antonio Joaquim relanceou-me os olhos cheiso
la ao abysmo. Seria esta mulher que fechou a
alma do pobre moco no abysmo das trevas infi-
nitas?
Nao sei
fugiu com a tfortuna, gallcismo atroz que busca
os seus predilectos na lama e Ihes converte a lama
em coxins do peonas; ao passo que empurra com
opaolamagal os bergos d'ouro em queabriram
Ella disse que so consiilerava com direito a
cora ?
Isso nao-; os seus delirios nao tomaram ta-
maitas proporgoes.
Sr- juiz. gritou a velha, eu nao comprehendo
urna palavra de ludo o que diz esse hornern.
me parece que da a entender queliebi mais do que
o regular ; mas isso nao verdade, por que desde
que me pozeram em liberdade a ultima vez nao
torne! a beber nem una gota.
Quando sahio Toc da priso ?
No sabbado.
E estamos em terca-fera. Voc incorri-
gvel.
Que quer, Sr. juiz f Sou escoceza.
Porque que voc diz cousas inconvenientes
nas ras ?
Juro que nao dl-sse nada.
Pagar cinco sctlmgs de multa ; se nao pa-
gar, passar quinze dias sombra.
Antes isso do que dar dinheiro.
D. Juan Juseo | Castaera escrereu a refataeaa
d'esla obrado Sr. E. Renn.
Parece que digno de toda a coasiderario, te-
las maltas e variadas reflexes que encerra, e pe'a
erudigo e profndela de conhennientos ihesfcgj.
eos que ostenta, e, mais que ludo so. pela Jrti-
cadezacora que rala a Renn. este escribo o
Ilustre calhedralico de theologia aa aniverstaair
central de Mudrid.
O summo pontfice dirigi ltimamente -ir
Dr. Castaera urna carta na qual Ihe loava a ata-
neira por que, refu:ando a doutrina. nao ofiVadr a
poema de Renn. afTastando-se nisto do irrito e.
guido por nao poucjs eccle de insultos o carcter alias
grande vulto da Franca.
respeiiavet
tasse, havias de v-lo euvelhecer rajado de amar-
guras e opprobios.
Ms doutrinas I atalhou. o meu cordato ami-
porm, desconfio que a razo Ihe go. Pois a pobreza oppprobrio e relaco de amar-
guras?
Nao: a pobreza umincantod'olhose de razo:
a pobreza nao opprobrio ; urna incessante glo
rificacao de honra. Um casaco surrado e no fio,
cer a arle. As esposas e as mes teem outra casta de laRrimas. e conlemplou depois o casaco, e as
de merecimentos que as realgam grandemente, e "'as e chaPu flameados, rotos e .mugentes
as aformosoam como matizes da sociedade : flta-
nos, porm, o dom diviuisador da ignorancia.
Passados os das da festa de Adrianna, o meu ~_ \ ultima
do seu amigo.
O desgragado tinha enlouquecido um anno an-
tes.
amigo, com o rosto quebrado de tristeza, entrou ao
meu quarto, e disse-me :
Que dos rapazes do Porto que ha doze ao-
vez que vi osle homem, disse me
depois Antonio Joaquim, foi ha seis annos.no baile
do conde de Que gracioso e galhardo mance-
bo elle era ento I As mulheres poderiam ama-lo.
nos foram a urea juventude desta trra? Onde mas nos os rapazes adoravamos-lhe a satyra elo.
eslo os alegres conversadores do meu quarto na quentP) a phme de dousgumes, a sentimental iro-
hospedana fraoceza? Entre nos botequius, e nao nadassuas revelacoes amorosas. Dizia-se quea
conheci ninguero. Morreram ? filha do conde <]c ... )nP qcPrh ar,aXonadament\
E' possivel que morressem. Urna duzia de Esperava-se que elle qotzesse aristocratisar os seus
annos um cataclismo. Em quairo mil trezentos e [ bens de fortuna, enlagando-se a ramilla que muit..
tantos das, a torrente de urna gerago vaza-se nos podia naqueMe tempo Plir(!Unlei.|n-0i quando ,.
boqueiroes dos cemiterios. Estranhas um successo ,0gavamos, depois do baile : disse-me que os seos
ualuralissi.no, Antonio I amores serios eram urna menina de doze annos,
O meu amigo sahiu mais triste de minha casa, [nda como o sorrso da creancnha de um mez
como quem volta as costas a um espirito ftil, n- adormecida, risonha como os anjos que levam a
digno de entender a saudade dos inortos esque- Deus a alma pura urna virgem. Acrescentou
cidos.
No outro da, encontrei-o no Passeio das Virtu-
des!. Eslava com elle um seu amigo da primavera
de ambos. Era...E' um preito aos grandes des-
gragados morios nao Ihes lembrar o nome aos yi-
que amava a menina de doze annos desde que a
vira aos nove, dancando, entre creangas, trucada
de flores brancas, sorrindo a todos com labios e
olhos em que Deus ou satanaz influir Q man, que
unto pode levantar a alma ao ctt, como despenha-
os olhos os predestinados como o teu amigo. Eu aos olhos desta christa sociedade, tem o valor es-
lambem o conheci na opulencia da razo e na opu- j tunativo de u:nas lapelas arr.-iadas da veneras e fi-
las. O hornera pobre, se quer hombrear com os
poderosos, nao tem mais que mostrar o seu braso
as botas rotas. Se s pobre, quebra a tua esc-
dela de Deogenes na cara de quem te aprouver,
que a baixella dos ricos est as tuas ordens: nao
tens mais que mandar dizer pelo guarda-porlao que
est no pateo um pobre virtuoso, que prefere pe"
dir o que a humnidade Ihe deve, a toma-lo por suas
maos onde se Ihe occasionar melhor e mais segura
opporlunidade.
E o irabalho ? A virtude do pobre que se-
nao o irabalho? atalhou Antonio Jonquim.
u trabalho, verdade ; virtude, assim co-
mo virtude comer, e dormir, e nao andar descai-
go, e gosar outras commodidades individuaes e re-
lativas. Emquanto a mim o trabalho necesslda-
de : chamar-lhe virtude sa poticamente. Con-
venho comtigo e com Rousseau : Tont homme oistf
est un fnpon.t Espero provarie pela vida fora, se
ainda o nao prove, que eu acclei de bom animo
e boa sombra a minha condemnago ao trabalho-
Quanlo repousar a cabega no regato da dependen-
cia, mou amigo, devo estar a deohna-la da depen-
dencia para o seio caridoso da morte. Ja vs que
nao me inspira a preguiga esta cousa que se te ap-
presenta com ares de the-e absurda.
Mas que eu ainda nao sei o que t queres
provar! interrompeu Antonio Joaquim. Isso que
l dizes, se these, nao me parece mais bem tecida
que as visos do mea pobre migo.
O que eu quero duer, com referencia ao teu
lencia do ouro. Nao Ihe sei de um erime, nem se-
quer de urna falla. Todos os desafortunados c des-
governados se consideravam eguaes perante a bol-
sa delle. Emprestava dinheiro com juro de graii-
do; mas perdoava logo o capital o o juro : assim
mesmo os perdoados ficavamdescontentes.porenlen-
derem que este modo de desquitar devedores era
nao querer emprestar mais com tamanha uznra-
Assira que empobrecen, o leu amigo distinguu-me
entre os seus conhecdos ; e assim que endoudeceu
fez-me o favor de me procurar. Aquellas visuali-
dades que o atormentam, e que t nao podeste for-
mular no teu espirito, sao as medonhas chymeras,
que andam a volta da monstruosa chymera chama-
do pobreza. Todo homem pobre, perdida a razo,
deve ver aquillo, e ouvr aquelles eslroudos. Os
pobre?, que nao perdem o juizo, se nao escutam
Deus, devem ver cousas peores ainda. Os pobres
que lem sete filho, veem sete rostos amarellos de
fome. A mae, que Ihes nao pode injectar no san-
Riie delles osangue dessorado das suas arterias,
v sete espectros, que Ihe dizem : porque nos has
t dado a vida, mulher viciosa e me descamada ?t
Aqui tens que as vsoes dos pobres com juizo sao
mais pavorosas. E" justo chorar o destino daque -
le moco que ambos conhoceraos nas condigoes mais
bem sorteadas e prosperadas; m?s eu chora-lo-hia
mais do centro d'alma, se elle tivesse luz de raza >
para se ver pobre, e andrajoso, e esqualido. Ama-
uha o teu amigo morre. (1) A congesto vae afo-
gar-lhea haspide que Ihe inorde o cerebro. Acaba-
se tudo: a demencia que o resgata. E, se nao
Ha das dirigise um sugeilo a proprieuri e
urna habitago em que havia rjuartos pira jln-
Kar.
= Quantos sao os raembros da familia !
Ponca gente. Eu. minha mnlher. a .-ra-
da, ero, Cleopatra, Marco, Aurelio e Cear.
O imperio romano em peso ?
Nao se assusle. ero um gato de loas
mezes; Cleopatra ama cadel.nha franeeza -. Jtarro
Aurelio um gato maltez, e Cesar um papagaio per-
nambucano.
Pois, senhor, tornou a dona da rasa
bichara nao me convea converter a
arca de No.
' nvn'i
ra?a em
! pobre amigo, que muitos na uosico desafortuna-
fosse a demencia, o a coragem do suicidio Ihe fal- ,
(i) M-.ineu, um anqo depois, em R.|hfolles,
em que elle flcou. depoi* de perder os bens. e
ames de perder i razan, mullos, repito, oa situacae
delle, emquanto buscara e nao achara trbala, ir.
prio de suas torcas, gastam o vigor moral a poaM-
dade que os estimula, a vonudeenergira le no-
bilitarem na pobreza Consumidas estas |a>.-o-
sas faculdades n'um. estorgo intil contra aaaaa a
organisago das coasas___
Mas o que chainas tu organisaci .li-
sas ?
E' o ministro da justlga que nao fez o teu
amigo delegada.
E' o ministro da fazenda que o nao fez venar -
dorda alfandoga.
E' o ministro da marraba que o nao fez secreto-
rio de um govorno do Ultramar.
E' o ministro do reino que o nao quiz para hr:-
gir urna fabrica dt deputado~ ni) vi era aae
barra ,'x
E o ten amigo era tachare! formado, uteiligea-
le, e sem mancha na sua vida de rapaz.
Aqui tens o que eu chamo wganisago das cou
sas.
O que queras tu qte elle se nzes.se Albad >
ro ? Cabelleireiro ? Accendodor de lampee *
Pego la razo Ilustrada urna rosposta.
Se elle tinha intolligencia disse Aatuaw
Joaquimficasse-se evcnptor.
Ouvido isto, bemzi-me, pus os olhos ao i
disse :
A providencia divina houve por bom inuvu-
dece-lo pelos processos ordinarios da loucara vul-
gar, antea de Ihe inculir a loucura exiraordinana
de fazer se escrintor em Portugal. Quo parudoxo f
A intolligencia do teu amigo nao Ihe ai.ria as
portas do funeconalismo publico Nao ; pois
bem ; fgase d'essa intolligencia alguma cou.-j !
Um escriptoro derradmro moster em que pode
ser aproveitado esse rato luminoso do corago de
Deus I..
O' meu amigo, o mximo favor que um portu-
guez pode receber do cu, indoudecer, na vspero
de fazer-se escriptor publico !
(ConttHtiar-se-ka.)
PERNAMBUCO. TYP. DE M. P.DE P. y Fin,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EADNT5B1U_N40HX9 INGEST_TIME 2013-08-28T01:16:41Z PACKAGE AA00011611_10544
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES