Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10543


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIIO II. HOMERO 287.
Por tres Mezes adiaatados 5$000
Por tres mezes vencidos 6$00
Porte ao correio por tres mezes. 750
QUINTA FEIBA 15 DE DEZEMBRO DE 1864.
saKtj- .
Por amo adiaalado.....9J00O
Porte ao correio por aano 3$00'J
Ck Alv.-ALOS DA ftJiUUgAO NO NOB1E
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
natal, a Sr. Antonio Marques da Silva; Araeaty.o
Sr.A. de Lernos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Olivoira; Maranhao, o Sr. Jaquim Margues Ro-
dnsues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazcnas, o Sr. Jeronymo da Costa.
KNCARBEGADOS DA SUBSrRIPgAO NO SUL,
Alagas, o Sr. Claudino Falco Das: Babia, o
IT. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins di Gasparino.
lUiDA DOS EalA^iAd.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyauna e Parahyba as' segundas e
sextas-eiras.
Samo Anuo, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Alttnno e Garanhuns as torgas feiras.
Pao d'AIho, N'azareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacara:,Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Serrahaem, Rio Formoso, Tamandar, na,Barrei-
Jjfrfi?? reta e ttroenteiras as quintas feiras.
liba de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao / dia.
EPHEMERIES DO MEZ DE DEZEMBRO
6 Qiarto cresc. as 3 h., 11 m. e 56 s. da m.
13 La cheia as 4 h., 32 m. e 26 s. da m.
21 Quarto ming. as 2 h., 42 m. e 58 s. da m.
28 La nova as 7 h., 1 m. e 44 s. da m.
PREAMA!t DE HOJB.
Primeira as 3 horas e 18 minutos da manha.
Segunda as 5 horas 42 minutos da tarde.

FRTlA DOS VArOItBS COSIrlROi.
Para o sul at AlagOas a 5 e 25: psrs o r^orte at
5Sf?V a 7 e 22 Je cada rae-'5 para Fernando nos
das 14dusmezes dejan, maro.,maio.jul. set. e nov.
partida dos omnbus.
Para o Rerifo: do Apipucos s 6 % 7, 7 Vi, 8 o
8 V* da m.; de Onda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6 Vt da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos s 3 Vi, 4,4 %, 4 Vi,
o, o / 8 Vi e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
mannaa e 4 V* da tarde; para Jaboatao s 4 da
tarde; para Cachang e Varzea s 4 V da tarde;
para Bemfica s 4 da tarde.
ADiENC a DOS TRBUNAE DA CAPiAL
Tiibmial docommercio: segundas quintas.
Relago: tergas e sabbados s lo cotas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do crrel : tergas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas sabbados a 1 hora
da tarde
Di?S DA MaML
12. Segunda. S. Sereno; S. Epimarho m.
13. Torga. S. Luzia v. m.; s. KiisfranV. r.i
14. Quarta. S. Ageito ib. m. S. Arseoio m
15. Quinta. S. Albina m.: S. Cerilano m.
16. Sexta. S. Ensebio Yir nuil ais b. ni.
17. Sabbado. S. Floriaoo m.;S. Golanico m
18. Domingo. S. Esperldio b. c; S. Theotimo m.
ASSIGNA-SK
no Recife, em a livraria da praga da Independen
cians. 6 a 8, dos proprieiarios Manoel Firaeim'
de Faria & Filho. *^M
Rogamos encarecidamente aos nos-
sos assignantcs de fra que quizc-
rcm reformar as suas assignaturas,
para o anuo prximo, hajam de dar
as suas ordens pura que, antes do
anuo corrente, cstejam as mismas
reformadas, para nao haver inter-
nipeao na remessa. .
a.- maaaBBBBBm
PARTE 0FF1CIAL
governo m mmm.
mop^;^^^^^^- se -amem todos os circuios eem todos os jor-1 minutos da tarde mix,oas_8 horas o 17 minutos, .Que,oro exerceu urna Jurisdicgo que .he
Sr?jbslsriaras?V jsrtSR e assu",pvco^' ffii^sw^! s sua? pe, d,,cride 6 de *de
^S.a.r..re?aDc Para ser sa"sfeito guando houver | r por certo de pedir urna reparago ao governo j nhaa, '
teftft i'iKRiper rnccr a .exorf,ci', encerrado, dos Estados-Unidos pelo attentado perpetrado con- I Partida de Badajoz -comboio do correi
OS C"tt ao Dr. ch:fe de ira a soberana e direitos de um p'aiz independen-; e 13 minuto* da tarde meSorafa
O mesmo peridico, por esta ------:'
Sr. ss= crta sda di-1 ~-swsswr tlss% sn %t$&iarde> mixto as 9 horas
mo bouve S. M. o Imperador por bem prorogar por
dous mezes coni ordenado a licenga concedida ao
io6 horas
9 horas e
e 58 uiinu-
gando
assim uas penas do arl. 2:16 do
ndeu-se na sua contestagao, alle-
lA|u'dipnlc do dia 12 de dezenibro de I MI i.
Offlcio ao Exm. visconde da Boa-Vista comman-
dante superior da guarda nacional do Recife.Sir-
va-se V. Exc. de informarme se j foram remetti-
dos os prets e olhas dos vencimentos da (orga da
guarda nacional destacada nesta cidade, concer-
nentes a seguuda quiozena do mez de uovemlro
prximo lindo.
Dito ao dezembargador presidente do tribunal
do i-oinmercio. Sirva-se V. Exc. de informar acer-
ca do incluso requerimento em que Francisco Be-
iarmino dos Santos Freitas, pede a S. M. o impera- de novembro ultimo
dor a grasa de conceJer-lbe a serventa vitalicia do
olli'-i de appellagoes e aggravos e protestos de le-
tras desse tribunal.
Dito ao mesmo.Queira V. Etc. Informar sobre
o incluso requerimento, em que Minervino Au-
gusto de Souza, pede ao governo .mperial a ser-
venta vitalicia do offlcio de escrivo de appella-
goes e aggravos e protestos de letras desse tri
bunal.
Dito ao coronel commandanle das armas.Re-
mello inclusos a V. S. os papis da divida de.....
115450 de que Aquilino Pereira Simas solcita pa-
gamento, proveniente do altiguel da casa em que
'e>ti\'eram aquarteladas as pragas que destacaram
na povoaeSo de TYjucupapo, em virtude do offlcio
da presidencia de 30 do novembro de 1863. alim
de ser autlieniicada a canta dessa despeza, como
exilie a thesouraria de fazenda, pelo commandante
desst: destacamento se por ventura estiver ellenes-
t;i capital.
Dito ao mesmo.Faga V. S. retirar com toda a
urgencia as 2 pragas de cavallara queestao actual-
mente as ordens dos delegados de polica dos ter
ios de Santo Antao e de Flores, Ib-ando V. S. cer-
to de que neste sentido expego terminantes ordens
a aquellas autoridades.
ueste modo julgo satisfeito o que V. S. solcilou
em seo offlcio 11. 2,204 desta dala. Expediram-se
as ordens que trata o offlcio suppra.
Dito ao mesmo.Remeti a V. S. os inclusos
{apeis alim de que se sirva de rub car, como so-
icita o raspelo? la Ihesourari de fazenda no t-
ficio que aqni ajonto a conta da despeza na impor-
tancia de 'Jrj'JiU feila pelo capitao do 4" batalho
du artilbaria a p Jos Augelo de Moraes Reg,
com objectos de expediente para a 5" companliia
que commulativamente commandou com a 1* do
rnesmo baialno no mez de oulubro ultimo.
Dilo ao mesmo.Sirva-se V. S. de informar
acerca do que pede no incluso requerimento Joa-
quina Jos de Sant'.Anna.
Dito ao mesmo.-Srva-so V. S. informar acerca
da que pede no incluso requerimenlo o 2o sargen-
to graduado e reformado Antonio Jos de Souza
Tuxeira.
Dito ao mesmoRespondo ao offlcio de V. S.
n. 2,074, firmado cm l'.i de novembro ultimo, re-
ineitt-ndo-liie por copia a Informaco do conseihei-
ro presidente da relacae de 29 Ilaquelle mez, da
qual consta ter-se mandado submeller a novo jul-
garaonto o processo do soldado do 8o batalho de
infamara Antonio Luz da Silva, aquealluds oseu
citado .offlcio.
D.to ao mesmo.Pelo reprovado costume adop-
tadopeos eseravos nesta cidade.de acompanba-
rem as rnuscas militares, dando a urna ou a oulra
vivasou morras, apparecerem desagradaveis con-
Oictos e isto lia muilo. llontem, seguudo me in-
fnriiiam, o parlidisia de urna dt-ssas msicas
Melquadespreto, escravo, deu no meio dos gri-
tos de nm e ouiro lado, urna Tacada no pardo lam-
ben) escravo, Elias, dizendo-se ser o oleiisur par-
tidista de una das msicas c o olensor de ou-
tra.
Anda nao chegou ao meu conbecimento parte
por escripia da repartido da polica, relativamen-
te a esse faeto, tanto ruis lastimoso, quaoto o of-
desembargador da relago d.'sta provincia Antonio
de Barros e Vasconcelos para tratar de suasade;
assim o communico a V. S. para sua intelligen-
cia.
Dilo ao mesmo.Juntas adiar V. S. para o fix
indicado cm seu officio u. 5'3l de 9 do corrente, a
conta em original da despeza feita com o sus-
tento dos presos pobres da cadeia do termo do Li-
moeiro no trimestre decorrido de Janeiro margo
deste anno, e por copia as informaces ministradas
pelo juiz de dreito daquella comarca em 20 de
maio e 26 de junbo subsequente e pelo chefe de
polica em ll de oulubro ultimo.
Hielo com a Ioglaterra.
Enfeude porm o Constitutionnel que n'estas cir-
cunstancias enmure ao governo de Washington
- igualmente
um decreto concedendo ao banco nacional ultrama-
rino, o comego das suas operagoes logo que as
iH'K P'liv,.. I .!,.. J -..:._! .1. -/Vrt ..iA.,.AAA
Que nao commetteu o crime de que aecusado
de exercor funegoes proprias do empregado pu-
blico sein titulo ou causa legitima;
Que os fados, que refera a aecusagao, nao
constituiam crime, porque o nao commclte quem
usa do direlo que Ihe asslste ;
Que as fuucges que o reo exerceu sao essen-
ciaes e nhereules ao rgimen da egreja, e dentro
das faculdades que as leis cannicas concedem aos
prelados de Mocambi jue, o que nao pdem ser
derogadas por um decreto ;
Que o reo era horacm despido de ambiges, pa-
rieam assim corladas as difficuldades sobrevm-' cifico e iucapaz de levantar bandos facciosamente
teiennao- fas com o protesto dos accionistas do Porto. eu de servir de quaiquer pretexto para bostilisar
u decreto diz na sua integra o seguinte : os poderes do estado.
Tornando em conslde.race o relatorio dos rainis-1 Este processo comcen em abril de 1853, em
suas caixas tenha entrado o capital de 500:000*000
examinar, se deve lomar a responsabilidade da in- res ; e reduzindo o subsidio de 30:000j}000 res
juna, ou limitar-se a censurar o offlcial da sua ma-1 annuaes, na mesma proporgao. O decreto pre-
nnha e o cnsul pelos excessos que praticaram I-cedido de um relatorio a'ssignado por todos os
>o Jornal do Commercio de Lisboa publicou-se membros do gabinete,
ha poucos dias um artigo sobre a repblica orien
tal do Uruguay e o imperio do Brasi
so a olTensa feita na sua capital pelo ministro bri
lannico Christie, e ultimamer.ie na Baha pelo va-
por federal Wassucliet faz echo ao brado de geral tros e secretario de estado' de todas as repartigoes :
indignagao que taes acontecimentos causaram na hei por bem decretar o seguinte :
hu-opa, adiando justo que o Brasil receba da I11-1 Artigo 1. O banco nacional Ultramarino cuios
stados americanos do norte s re- estatutos foram approvados por decreto em data de
paragoes devidas s provocagoes e affrootas que
{1 de agosto de 1864, em conformidade carta de
lei de 16 de maio do mesmo anuo peder dar co-
te opima'o ^^KJSTm dreKO-a | lenna *' enK5oScapa,qde MO 'ZmS
Dito ao inspector da lliesonraria provincial.A' i soffreu.
Vista das inclusas iulormagoes ministradas pela di- Na segunda parte reterc-se repnblica do Uru-
na do arsenal de guerra e o respectivo aju- :_.s.
daute com referencia ao seu offlcio n. 496 de 23
nforme V. com o que Ihe
occorrer, nao s acerca do que se praticou com os
lampioes o ferragens a estes pertencentes. eque fo-
ram recolhidos aquella repariigao, mas lambem
sobre a circumsiaocia de nao poderem ser entre-
gues os lampioes necessanos illuminagai) publi-
ca da cidade do Ro Formoso, que se acha em pra-
ga para ser arrematada.
Dito ao director do arsenal de guerra da corte.
Pela leilura do offlcio constante da copia inclu-
sa, licara V. S. certo de que foram abortos pela
comoiissao para isso nomeada os 9 caixoes de que
trata o seu efficio n. 543 de 28 de novembro uli-
mo, os quaas continham exactamente os artigos
mencionados no conhecmento que acompanhou o
citado offlcio.
Dito ao dommandanle superior da guarda nacio-
nal de Olinda e Iguarassu. Consta de participa-
gao da directora geral da secretaria de estado dos
negocios da justiga de 22 de novembro Irado, que
por decreto de 3 do mesmo mez houve S. M. o
Imperador por bem eonceder reforma no mesmo
posto ao coronel da guarda nacional desta provin-
cia Francisco Joaquina Pereira Lobo : o que com-
munico V. S. para seu conhecimrato e alim de e
fazer constar ao referido coronel.
Dito aocommandanto do corpo de polica. In-
forme V. S. com urgencia se existern tora desta ci-
dade, offlciaes do corpo sob seu commando, que
noesicjaui commandandodestacamentos no inte-
rior da provincia, remetiendo V. S. urna relago
nominal dos una ostia na captol, ..-. ,,,i:...- ../.{.
nar que se apresentem neste palacio amanbaa s
i0 horas do dia, e oulra dos que esto no interior,
com declaragao dos lugares em que se acham.
Dito ao mesmo.Constando do mappa do corpo
sob seu commando do da 10 do corrente que de
11 pragas que se acbo doenles s exislem duas
recollndas ao hospital, baja V. S. de informar se
sao tra;adas em suas casas, e desde quando as no-
ve que no mesmo mappa sao consideradas como
doentes no quartel.
Dilo ao mesmo.-Expeca v. S, suas ordens para
receber lambem do governo brasileiro urna repara- res.
cao pelos aggravos deque se queixa. Artigo 2. O bao proporcionar as suas ope-
fcsta opiotao entreunto para ser fudamentada ; rages ao capital mencionado no artigo antece-
completamente, carece por ventura de certos ele- j dente.
memos que nao sao ainda do desvio da imprensa; Artigo 3. Da mesma forma e na mesma propor-
europea, embora Ine asssta o dreito de manifes- gao ser reduzido o subsidio de 30 cootos de res
,a''a- I annuaos concedid) ao banco pelo artiglo." da re-
u que entretanto nao foi bem recebido pelo pu- ; ferda carta de lei de 10 de maio do anno corrente.
-I-5. P,ortu.!?uez* e. modo com 1ue ali se '"'inuam Artigo 4." Se no prazo de um anno a contar da
operagoes das mas graves, e que a terem a vera
cidade que ali se Ihes attribue, faram representar
ao governo imperial um papel que nao esta em
data do presente decreto o banco nao tiver as
suas casas pelo menos o capital exigido pelo ni-
co do artigo 1. da mesma lei de 16 de maio do
harmona com os principios da sua poltica. O Bra-1 corrente anno, sera retirada a minha reg
sil, que em suas relagoes externas tem sempre ma- vagao aos estatutos approvados pelo decreto de 12
nirestado a malor cordura de certo se justificar; de agosto ultimo, e o banco entrar em Iquidag.o
plenamente do seu procedimsnlo para com aquella para todos os elfeilos.
repblica. Artigo 5. O governo dar conta as cortes na
u carcter da poltica braseira, segundo a op- sua prxima reunio das disposges comidas no
mao mais geral na Europa, o que resulta de um j presento decreto.
quaiquer idea de
assas definido desnteresse de
augmentar o territorio.
Desde a guerra de Montevideo em 1828, nao ap-
parece na sua historia, como sabido, o mais leve
vestigio de ambiciosas velleidades.
E' por estas consideragoes que o artigo a que
me retiro pareceu aqu dictado por demasiada se-
vendade embora os principios que sustenta sejam
ver.ladeiros e de perfeito accordo com as mais ele-
mentares nogo.'s de dreito internacional.
as folhas publicas do Porto l-se o seguinte
annuncio offlcial :
Espomqao internacional portuqueza.
solvcu em sessao de 4 de novembro, celebrar urna
pomposa festa do trabalho no seu magnifico edificio
e jardinscom urna expjsigo internacional de 21
de agosto de 1865, a qual foi approvada pelo go-
verno de sua magestade em portara de 17 de ou-
lubro, e cujos programlas voser immedialamen-
le distribuidos.
Preste intuito, e para tal fim, convidam a este so-
lemne concurso, e invocam a cooperago de lodos
os artistas industraes, productores e guantas ou-
tras pessoas do reino, coionios e estrangeiros quize
que se recolha sem demora ao quartel do corpo j rein ostentar os seus productos ou gosar os praze-
sob seu commando o alferes que "se acha destaca-
do em S. Lourengo da Malla, licando o insignifi-
cante destacamento daqualla povoaco sob o com-
mando do cabo que alli existe, sfflcienle para
coiniuaiidar a 4 pragas.
Dilo ao mesmo. Pelo offlcio de V. S. n. 550 de
10 do corrente fiquei inleirado de tero soldado do
corpo sob seu commanao Antonio Jos da Silva
conirahido novo engajamento.
Dito ;.o presidente e vogaes docoiiselho admi-
nistrativo. Auloriso Vv. Ss. a comirarem para
o arsenal de guerra nos termos do regulamento
de i i de dezembro de '852, os objectos mencio-
nados nos pedidos ns. 106 o 107 rubricados pelo
diredor daquella repariigao.
Do ao admi .istrador 'do correio. Transmiti
por copia a Vrnc. alim de providenciar como fr
conveniente o offlcio que.em data de 20 de no-
vembro uliimo, me dirigi o juiz de dreito da co-
marca do Limoeiro commnnieaiido que o ajurlan-
te du agente do correio daquella comarca liento
Jos Gongalves Guimaraes que sempre lia exer-
cido o cargo pela ausencia do agente, acba-se
feudido est em perigo de vida, mas sei que tendo! c,""l'telauiente demente de nodo que corre pongo
me ,,or um nuar- correspondencia offlcial, ja porque po le haver
; extravio, o j pela demasiada demora que se d
i na entrega della.Communicou-se ao predito juiz
'de direilo.
Dilo ao juiz de direlo do Limoeiro.Setenio de
i qnanlo Vmc. me commmiicou em seu offlcio n.
38 do primeiro do corrente, relativamente aos
trabalbos da ultima sessao do jury desse termo,
exijo que infirme com brcvidade se o delegado
sido Melquades preso em flagrante por um qu;
di urbano, de nome Domingos Jos Itodrigues, foi
este espancado por um cadete do 9o batalho de
infaniaria do nome Armenio Barbosa, o que deu lu-
gai^afuga do preso.
Ojinmiiniarido a V. S. semelhanle faci, rogo-
lbe que se digne de informar a este respeilo com o
que Ihe occorrer, lembrando-me ao mesmo lempo i
o que julgar convenienle, afim de qUe se evitem i ;.,".'". Te "V. V" j '
tas samdas das msicas, occorrenc.asdesagrada- d',',S?*i2S Mlllfl" Ef^S par* SerV'r
ve, a naquella sessao, bem como se pode \ me. provar
Dito ao Dr. chefe de polica.Em vista do que
consta da certl lao e offlcio do subdelegado da fre-
guesa dos Alfogados, junio ao de V. S. n. 1,542
de 10 de-te mez, recomihendo V. S. ao mesmo sub-
delegado que nao deve chamar para o servico de
rondas nocturnas, a Marcolmo Ferrara da Costa,
visto ser guarda nacional re reserva e doente.
I que o predito delegado de accordo com us advo-
cados Jos Antonio da Silva o Mello e Clirisiovo
Souto Maor. trabalharam como diz cm seu offlcio
para nao funecionar o jury por falla de juizes de
faci.
Dito ao juiz municipal de Tacarat.Constando
a esta presidencia qud o tabelio o Escrivo de
orphos desse termo Francisco Jo< da Rosa, a
res das grandes assemblas, aonde vem compet
rein glorioso desalio os primores do engenho hu-
mano, olTerecidos pelas diversas nacoes cultas.
O edificio permanente, construido'de podra, fer-
ro o ciystal. de asss ampias dimenses, e a sua
situacao sem alguma duvida a melhor adoptada
e propria para os seus diflerentes u>c e destinos
e alm d'isso offerece aos olhos um panorama lao
formoso e variado, e pittoresco, que
encanta.
O palacio de urna construccao apropriada ao
clima, calculada para offerecer a estagao calmosa
suave frescura, e nos rigores do invern grata ame-
nidade, por queja foi tudo de antemo hbilmente
combinado e disposlo para se conseguir estes Im-
portantes resultados.
Tem espagosos saldes e salas de concert, assim '
estado de todas as
entendido o fagam
Os ministros e secretarios d
repartigoes assim o tenham
executar.
Pago, 12 de novembro de 1864.Rei.-Duque
de Luul. Gaspar Pereira da Silva.Joaqum
Thoniaz Lobo d Avila.Jos Gerardo Ferreira
Passos.Jos da Silva Mondes Leal.Joao Chry-
sjstomo d'Abreu e Souza.
As difflculdades provenientes da dissidencia por
parle dos subscriptores do Porto, que dexando do
entrar coma sua presiaco, om tanto diminuiam o
fuudo que o banco podo ter em caxa, o a crise
monct-;v3, sito factos aheios aos administradores
uw ixiiiLU i'<>rii|iii-i.iiMi-i!'.i.- lliurpi-liueiiics uc. .-u..
vontades, e que os coilocam na impossibilidadede
satisfacer de promplo a condieo do I. da lei de
16 de maio,
Por um ouiro lado a collsao entre liquidar o
banco, ou couceder-se-lhe, que comece com urna
quanlia menor a obrigago sob pena de liquidar,
de remetter em caixa dentro de um anno, sao con-
sideragoes que juntando ajustificago do banco, ao
receiode ver dissolver-se urna sociedade de crdi-
to, que pelos exemplos d'outras nages, o pelas
necessidades da nossa, d esperangas de influir
bastante em o nosso progresso colonial, levaram o
governo a dispensar na le, siijeilaudo-se a ler de
pedir depois as corte um bil de indemnidade.
Sao e-tas em resumo as razos dadas em um
bem escripto, e estudado relatorio, que precede a-
lei.
Assevera-sc que o reverendo bispo da Guar-
da se recusara a receber os paramentos e vasos
sagrados do convento supprimido ltimamente
deslumhra e naquella diocese, porque inio reconbece ao go-
verno portuguez direilo de se ingerir em cousas
que perlencem Moma, visto como Portugal no-
meara um plenipotenciario para aecordar com a
curia sobre o negocio da suppressa., das casas re-
ligiosas actualmente existentes; e que sobro este
poni nada ainda se resolver. A questo da re-
i cusa do reverendo prelado, est pendente.
A noticia de que o hisp de Macau ia ser trans-
tem feto o mesmi a respeilo de ouiros
narios em idnticas circunstancias.
finivi
Naufragou dianta do Porto o nav > russo. Mmi.
cuja tripuladlo foi salva pehn Poraj.)*-i*.-if.>rg.as
de marinheiros e pilotos porluguezes e oulras pes-
soas do Porto.
E' com .0 titulo de cartas escripia* a tan
mar, que ral publcar-se um livro, da Sr. iagMa
Fibppe Simoes, professor do lyceo chrenle bi
bliutliecaro da bibliolheca de Kvora.
O Diario comegou a publicar o r--sudado <\ > re
censeamento da populago rlhiliiad 1 m ta M de
setembro de 1863. A parte publicada ref.-re--- ao
distrelo de Lisboa. Assim os conselhos desje dis-
tricto tem a seguinte populago
Alcacer do Sal ......
Alcocbete.........
Aldeia Gallega do Riba-Tejo .
.ilmquer.......
Ahilado.
Arruda........
Azambuja........
Ilarreira .......
Belm........
Cadaval .......
(Miseaes........
Ctzimbra.......
Cintra ........
Orndola.......
Lisboa, bairro de Alcntara.
I lem dem de Alfama. .
dem idem do Alto. .
dem dem do Bocio. .
Lourinh.......
Mafra........
Mota.......
Oelras.....
Oiivaes.....
Seixal.....
Setubal.....
S. Thiago de Casem.
Torres v'edras .
Villa-Franca do Xira
7:Slf
4 3
:Wtt
17 7*1
H>.V:i7
'.:4->l
7I7
l:5U
t*.6\7
iim
fi!'4l
5 7:7
> 7'.'I
1 wm
9i.ua
44 909
37:9H
MiXi
7.X2
B-.74S
vwo
6541
15 M3
um
II 043
24:720
12:303
como um magnifico orgo no fundo da nave cen- ferdo para Cabo-Verde completamente falsa, e
iral ; tem lugares apropriados para galenas de pin- nao passou de urna espcculago opposiconista.
i> e gabinetes de leilura, e bem assim salas para O r. Feij ser, no consistorio de dezembro futu-
ro, confirmado hispo de Macan, sem a junsdgo
cafs o restaurantes de primeira e segunda cl.'isse.
A exposieao dever durar de 21 de agosio at
lias de dezembro ; e O clima da cidade do Porto
tem a precio-a vantagem do proporcionar aos seus
visitantes, alm das variadas scenas e recreagoes
das grandes festas do trabalho, a pureza e seren-
Oade do seu co, a moderajao da sua temperatura,
a bondade de suas aguas, de mado que os hospedes
viudos do norte multe se alegrarlo de aqui logra-
dt'terminadana concordata e sem proceder nomea
cao do cabido para aquella s como se disse a Cu-
ria iinpiiiilia.
Vira, pois, a confirmicao e o cabido de Macau ser
organisado e dotado depois da partida do Sr. Feij
para a sua diocese.
Sao estas as informages mais aulhenlicas que
ha sobre o assumpto. luformaccs recentes con-
rom condigoes topographicas lio salubrrimas, como firmara a noticia de que as desavengas com a Cu
as mais famigeradas da Italia. | ra Romana esta.-am prestes a terminar-se, sem
i [naj,j -m nm c offensa da dignidade da nagao porlugueza.
nm ZISESa q"e aS,e. -pregM ?*? I P>r ** Ja desamor isaco dus heos das
^SSm^XSSSA '? "Jdu,r,as, sera al' treim. apresenram-s alguns mdividuos, como
i ^ S ",,,d fcSleja.d Pr l0d?5" "i" < l-ossnilures de predios das mesmas corpo ages,
n.emreIa^?lPerlaS,nfirUt"Ia%COn,1U,SlaS ,* aprcsenianJs nicamente, como documentos au^
hiSrK^ rim 'TJ "Y* filSfJ"*^!! PT!? ,,'cnlicos e oniprovalivos d posse, ttulos particu-
PSr i'3S i es d P"**80 UI'' lares, em que se declara que receberam os predios
IS -'fiaS^S Pe'ai SUa,S ge""le ,as de ein Psamete de dividas das mesmas corpo-
armas, grandes navegagous e aventurosos deseo- racQes
brimentos, dessas recordagoes da passada gloria se | A ,-e'partigo por onde correm
prevalece para cobrar novos bros, com o lim
na cidade invicta, berco do uume portuguez,
do
no
os processos de
desamoilisagao besiloii em considerar vlidos es-
tes iWtpUcissimoi documentos, o sobre o assumpto
lindTJPS^t!fS^VSSm^ pierde otesti";*mfi&]^de^^^j^^^ES^ o
do seguir para a corlo no vapor que se espera do
norte, recommendo V. S. que mande abonar aos
respectivos offldaes o sold at o lim do mez cor-
rente e a etapa al 15, e s pragas de pret o sold
e gratifieaglo at o mesmo dia em que embarca-
ren ; praticando de igual molo com os offlciaes o
pragas de pret do 2o batalho da mesma arma, que
3egirom no mesmo vapor com igual de-tino.
Communieou-se ao coronel commandante das
armas.
Dilo ao mesmo. Com a inclusa copia da infor-
magao ministrada pelo iospector do arsenal de
marrana acerca da indetnniaao que a essa the-
souraria tem de fazer o baro do Livramento, pe
licenea, e retiiou-se para a povoacae de Fazenda
Grande, onde se ada negociando, e tratando de
seus negocios particulares, convm que Vine, in-
forme oqueh.. a semelhanle respeito.
Portara.O vice presidente da provincia ti ndo
em vista o que requeren Aitonio l.uiz Martins da
Rosa, guarda da alfaudega desta cidade, e bem
assim o que a esse respeito informaram as repar-
ligoes competentes, resolve concedor-liie 30 dias
de licenea sem vencimentos'
Expediente do secretario do governo do dia 12
de dezembro de 186 i.
Offlcio ao administrador do correio. S. Exc. o
Sr. Vice-presidenle da provincia manda commu
los servigos prestados pela barca de escavagao n. I, mear a V. S. para seu conbecimento que o agente
na obra da nova ponte do Recife ; fi m assim sa- do correio da cidade de Caruar participou em
tislelo o que V. S. solicitou em seu offlcb n. 710 offlcio ee 2 do corrente haver entrado noexercicio
de 9 do corrente. do seu emprego no dia pnmeito deste mez.
Dito ao mesmo.Allendendo ao que requereu o Communicou-se a ihesourari de fazenda.
juiz de direlo da comarca de. Olinda bacharl Ah-1 ..... inifM
lio Jos Tavares da Silva, reconvnehd) V. S., '
que reconsiderando abonadas as faltas que deu
mencionado bacharl, contar de 21 24 de no-
vemiiro ultimo, dias em que por doente deixon elle
exercicio do seu cargo, como se communcou a
essa ihesourari cm 29 de novembro ultimo, man-
do pagar-lhe integralmente os seus vencimentos,'
relativos qnelle mez.
EXTERIOR.
CORBESPOMDEffCIAS BO DIA
RIO E PJERSAHBUCO.
LISBOA.
28 de novembro.
As noticias que se referiam ao acontecimento oc-
Dito ao mesm). Restiluo V. S. os 2 inclusos
prets em duplcala, na importancia do 1365480 rs.,
e proveniente das elapes abonadas a 6 recrutas
remetii los para esta capital pelo delegado do ler- corrido na Baha contra o vapor confederado Fio-
mo de Flores, cap i lao Aurelio Joaqum Pinto, com rida, foram reproduzdas pela imprensa ingleza e
destino ao servigo do exercito, afim de que, de con- franceza.
formldade com a sua informagao de 9 do corrente, O fado produzia profunda sensagao, o que bem
sob n. 708, datada com referencia da contadora se deixa ver pelas consideragoes que feralmente
cosmopolita. C da curen plaga occidental da tambem o da coroa.
luropa, o Porto faz o prego, o convite, acenamlo a
lodos os pevos com aquello nobra pendo. Quem \ A resolugo tomada, diz-se que fdra a de se
de altos espirites de lioerdade o a glora nao esti- respetar a posse em que se acham taes radivi-
mara visitar na sedo da exposieao a morada e por dos, i^ieniando-se, porm, accao judicial e civel
que aonde o foragido hroe da Italia, Carlos Al- contra elles. para se couhecer se soou nao rritos
berto, oplou finar-se para livre morrer entre os li- e nullos os Ululas com que justlicam essa posse.
vres 7 O Porto, j lao affamado e conhecido pela l'm fado desia ordem, deu-sc com os heos das
excedencia o singulandade de seus vstenos, ufa- freirs d- Sarnid.
na-se de primeiro na pennsula ibrica saudar .
confraternisago internacional das industrias.
Respondei a saudago, povos da trra ; vinde a
festa de civilisago.
Porto e secretaria da commissao central 21 de
novembro de 1864.
Publicouo Diario urna portara, ordenando
que a commissao de inquerito nomeada por porta-
ra de 20 de agosto ultimo, para informar sobre o
estado dos caminhos de ferro de norte, leste, sul e
oeste, proceda immediatamcnle aos exames neces-
Em audiencia de 23 do corrente, foi julgado no
segtrado districto criminal D. Izidoro Caetano do
RosarioNoronha, acensado pelo ministerio publico
de exercer funegoes proprias de um empregado
publico, arrogando-se esta qualidade sem Ululo ou
causa legitima.
Por parle da aecusagao so allegava que o reo
por decreto de 3 de agosto de 1846, fura nomeado
e apresentado na prelaza de Mogambique, haven-
du sido reservada para tempo opportuno a expe-
digao dos desparlios necessanos para ter elfeito a
sanos noque diz respeito ao material das referidas dita apresentagac
linhas, propondo o numero de machinas carroa- Que por decreto de 6 de julho de 1833 foi revo-
gens, c wagoes, de todas as classes que julgar in- gada a nomeagao e apresentago do reo, e o res-
dispensaveis para que o servigo da explorago se peclivo decreto declarado nullo para todos os
elfedue como conven, e afim do que o governo effeitos;
possa proceder como for de jusiiga, necessaro aos Oue o reo, apezar desta rega resolugo, que Ihe
interesses pblicos e fiel exeeugao dos contratos, foi convenienteinenl? communicada, considerou-se
Foi approvado o novo horario dos comboios as prelado da egreja africana, e exercendo funegoes
lmha do norte e leste, que principiou a vigorar prelaticias, taes como apresentar prior da s de
no da 23 do corrente. O novo horario o segumto. Mogambiqoe em 12 de fevereiro de '837, o paro-
Linha do norte-partida do Lisboa, comboio do cho Joaquim Correa de Barros e S ; retirar ao
correio 8 horas e lo minutos da larde comboio prosbylero Jos Ljnrengo Vaz, em 3 de abril de
de mercaduras, 5 huras da manha, mixto, 7 ho- 1837, a delegagao de poderes quo Ihe havia confe-
ras e 33 minutos da manha, e 4 horas e 30 mi- rido em II de dezembro de 1843 para reger e
nulos da tarde. pastorear e prelaza, nomeando em s?u lugar o
virtude de urna portara da secretaria de estado
dos negocios da marrana e ultramar, de 23 de se-
leinbro de 1837.
Oreo foi pronunciado pelo crime, punido pelos
arts. 130 I.e 307 do cdigo penal de continuar
no exercicio das funegoes de empregado publico
dopois de Ihe ter sido cfflcialmeute intimada a sua
demissao, aggravou do despacho de pronuncia,
fundando-so 110 breve de Paulo V, de 1612 m
supereminenti | mililantis ecclrsia; promulgado a
instancia de Philippe II, equedcsinembrou da juns-
dgo ordiuaria dd arcebispado de Ga, provincia
do distrcto de Mogambique com as ilhas e ierras
adjacenles, e o erigiu em vigararia perpetua com
jurisdigo episcupal ou quasi episcopal. Preten-
da o reuni pjJer ser demiltido por um decreto,
em virtude do breve citado e de outras leis can-
nicas, que apontava, e assim ter legalmente con-
tinuado no exercicio de suas funegoes.
A relago nao deu provimenlo ao aggravo, e rc-
correndo o reo de revista o supremo tribunal de
justiga desattendeu as razoes adduzidas pelo re-
crreme para justificago dos fados incriminados
e mandou-o pronunciar pelo crime de exercicio am ,. .... **'**
de funegoes proprias de um empregado publico J^A^^^JJ^S^S^SJmt^ ""'[
sem titulo encausa legitima, punido pelo arl.236 mZSJ^Jat& mm.J*m !
do cdigo penal n,u" P,1C0- 0i irabalhos loram evidentemente
O rj recusou 10 juradas, c o ministerio pu- HSfSL. j^ton,n* ** to,m! *
blico 6 populago de parte de algum.as (regnrzas exira
Tanto o ministerio publico como o defensor do SHS 5ffS Sebas,ia0- ?* 2 *
reo prescindram das testemunhas que haviam E SJ:,:^
dado em rol lazendn parle da capila1, teremns Lisboa povoada
Sustenten' a aecusagao o Dr. Jos de Abreu Ba- g?*^?_ ftRJ/!?* esU W**
cellar, delegado da lerccra vara, mostrando que e^ff"?-" {^2^.ni V1.
os jurados nao ticham aconhecerda questo cano- -93*" Sa$~.? i'ih* 'T
nica, mas simplemente da desobediencia do reo Ea RW
ao governo e do facto de ter exercido funeges .TzL,
publicas sem titulo legitimo. Demonslrou tambem ^122 d** f, da, reed'^^:l
que o crime eslava classificad 1 p a enmnetencia Pnmara *"* Pares ja gaslou luda a somma bOiOOOfi
este ribnal liadas0s remo BSR ffSlS *""* JS2ST! "L
cdo;queporcon4uinte, toda a questo cano- LC *Zl. ^ ""fl.,,0i e>UT P.romPu 3
nica era mal cabida agora, por ter ja sido debat- ^ "' "SiEK r ,qU ^'"^ \ "*'
da e resolvida por quem competa. ?5 (me se abrira nm crdito extraordinario para
Para prova que os soberanos de Portugal podlara mSSfiSXL-* .h a
revogarasnomeagoeseapresentagoes los'prela- JXen!?0oK? '"""
dos das prelazias desmembradas da junsdgo or- ao" P *;''",. 1 u 1 ,
diara, leu um alvar de 1600, onde expressa- ,,,7, f.?mp5'^'a,d;' cam,n ho,' u>.^" ', "" -
mente dizta o imperante, referndo-se prelaza ":'J-'ai re,entou no min.-ter.o das obras pu
de Tnomar, que t.uha direilo de nomear c retirar i^JJTE^US'Z as ex';ro',fruS'*-s '""
as nomeaces a taes prelados, quando Ihe aprou- fJZSt? u "u do f,e.rf"" ">"""<:' -*
ve5sc i- 1 'a estagao actual daquella hnha frrea, para o larg->
O delegado concluio, que estando provado o LE^ "ftfSJ!J5!* j?& K
fado incriminado e at confessado, e om vista da fg06" na ,mP<>* & qumhentos conios oV
resistencia do reo aos decretos d o poder temporal! c _,,,,. ., .. .
edareaecu que cada dia se va manitesUndo L ~F"fi"2* *Lpo"cos d,as B fh"n?>
por parte do poder ecclesiastco. contra OS direltOS ISSE^STSSC a1"lm^lra,-a0 >e faienda
da cra, esperava a condemnago do reo. I Slurria r, ^m Dn ,lira', ":n "Subm-nto
O Dr. Druschy, advogado do 'reo, iralou longa-1 *"*&_ para o serv.go dos pharoes.
monte a questo cannica,
monstrar que no facto acusado puderia haver um
11 [H'-adamenti-
esta tralanika
do
neceado, mas nao am crime, que por isso esteva Jf"" ** *******
^tt&XSS nao provado por una-' SSl SS S2S ^ ^
nimiladc pirilo publico com alguma polmica animad 1
-Publicou-se um decreto nomeando urna s dinheiros dos as>los de ,nfi""'a *
commissao composia do senhores Antonio Atber-
r
to Moraes de Carvalbo, ministro de estado hono-
rario, Joo Baplisla da Silva Foi rao de Carvalho
Martins, ministro de estado honorario, conselheiro,
Guilherme da Silva brante-, presidente do conselho
de sade publica do reino e medico da cadeira do
Limoeiro, do conselheiro Jos Antonio Ferreira
Lima, juiz da relago de Lisboa, do conselheiro
Levy Mara Jor lao. do Dr. Antonio Ayres Gonva,
do bacharl Henrque O'neill, e do cngenliciro
Joaqum Julio Pereira de Carvalho, para cscolher
entra os syslemas conhecidos e praticados nos ou-
tros palzes, na applicacSo da pena de prs.ao peni-
tenciarir, aquellc i|iic llie parecer mais digno de
ser adoptado em Portugal, allendendo ata princi-
pios de direilo penal; necessidade de regenerar
moralmeiite os criminosos pelo castigo, dando Ihes
ao mesmo lempo a cdncago moral e religiosa, in-
Comer agora esta, qne segundo os habito"
peninsulares, dentro em pouco -.- andera.
Foi ltimamente agraciado com o grao de
cavalleiro de Nossa Senhora da Conceigo o Sr
Luz Augusto de Sema, negociante poringuei na
cidade do Itio de Janeiro, em atiengo ao> -.
por elle feiios causa da liberdade, e como cm
tpstemiinho do apr>go pelos actos de beneficencia
que tem pralicado a favor de KM teipalltetas re-
sidentes na Babia.
Foi dada a gra-cruz da Torre e K-pad.i ao
conde de Campanba, ajudanle de campo de S. .M.
el-rei o Sr. D. Fernando II.
A associaaio promotora it MMfii 1 f-ibnl
publcnu em diverso! jornaes de Lisboa o segninte
annuncio :
t endo chegada a poca em que o conselho ge-
ral das alfan legas, para cumpriui nlo do art. 4
do seu regulamento, deve apfrtmlav ao | .\ rn
tellectoal e professional, a cuja falla quasi sem-1 uma nova pluta M dreiIl)< r<.,.,iv,. 0 7[, n
adimnislrativo da associariio promotora da mln>-
trin fabril reunir algumas informages e uixnrt-
llas consideraco do conselho geral das alfan
degas.
t Para qne estas informages sejam sal-fu-1.
ras, e possam por este conselho ser ali.-n.iida- na
organisago do importante trabalho que lh>- pm-
pete fazer. convm que os indu-lnaes diripim para
o escriptorio da assoria<;io promotora IHII .,- aa-
clarecimentos, pudendo cada um do- raiere--ado>
rcmeller o seu parecer escripto, at N la n
bm prximo, ao secretario do conselho adiniai-tri
tivo da associacao promotora.
t Para ouvir as exph ages ve.-baes, o cim-elb>
administrativo da associago promotora esta re
nido nos dias 1, 5 e 7 de dezembro das 7 as 10 h -
ras da noite.
c Sao convidados :
Para a reunio do dia Io de dezembro os m
teressados as classes 1' e II* da pauta 1 materia
animaese vegetaes, e soas manufactura-1.
Para a do dia Sos interessados as cla.<-x>s *
e 13' (mdaes e inraeraes).
t Para a do dia 7, os interesados as elasaas
14" o 1!H (rabricagoesdiver-isi
O secretario do conseibo administrativo, Jw*
CfaV de Andrade.
Nidia 3 de dezembro prximo sahe para
pre devido ( crime, s condigoes de segurauca,
hyciene e bom tratanento dos criminosos; aos
dallos cslatisticos da crminalidade do paiz e n-
dole, carcter e costumes das classes d onde sahe
o maor numero de ondemndos de organisar um
projecto de lei estabelecendo as regras e princi-
pios geracs necessarios para a instttuigo do sys-
tcma cs-olliioo : de resolver quaiquer duvida pro-
posta pelo engenheiro encarregado do levanlamen-
to da planta para a coustnicco da priso central
penitenciaria.
O engenheiro encarregado do levanlamento da
planta deste edificio, o Sr, Joaqum Julio Pereira
de Carvalho, e o lugar escolnido para esta priso,
para as bandas de Campolides.
Todos os cavalleiros que forrnam parte da com-
missao sao competenlissimos para bem desempe-
nharem.
J esto prmpios os planos e orgamer.tos do
edificio a con-truir para os banhos sulphureos do
arsenal da marinha. A obra licar boa o o edificio
elegante, elevndose no terreno adjacente ao lor-
reo da secretaria da guerra.
Ter iras trinta metros de frente, sobre quarenta
de fundo de um lado e sessenta de outro.
A altura du edificio ser de oito metros. Ter
assim lujas e primeiro andar Deve coiitcr oitenta
tinas, nao s para banhos das aguas mineraes. ro-
mo para d'agua doce. A despeza com o edificio
calcula-se em 31 contos e com a mobilia e machi-
nas im 53 contos, podendo estar concluido dentro
de um anno. E' de crer que o ministro da marinha
aprsente s cortes alguma proposta para melhorar
esta construego, que to necessaria se terna. Den-
tro do arsenal ha para este edificio o terreno pre-
ciso, sendo apenas necessaro conquistar a uma
caldeira (quo est hoje cheia de vaso) un* tres
metros do largura.
O governo contina supprimlndo alguns conven-
ios, cujos religiosos nao constituem numero lega i
e applioanlo os bens para dotago d-i clero e ins-
truegao publica.
O ministro da fazenda contina a sofTrer
grap.des accusagScs, por ter gratificado o bario de
Partida do Portocomboio do correio as 5 horas presbyiero Joaquim torrea de Birros e S, prior. V'Vla-Cova como administrador da alfandega mu
e 36 raioutos da larde, mercadorias as 7 horas e 15 da s do Mogarablqne ; \ nicipal. Ontros ministros om differentes pocas
Cabo-Verde, S. Thome e Principe, Ambr>z. Loao-
da, llenguella e Mossamedes, cum escala pua tlha
da Madeira o vapor raglez F.arl de Grey, afretada
polo governo portuguez.
O vapor-paqoele GalUleo de IJverpnot qne
esperava aqui no da 22 do corrente para sri
para os portes do Brasil, secundo eslava an
do, arribou a Fa'mouth. Traha-me previaata |
essa mala, e o que ento escrevi Vmcs. receberu
juntamente com e-la correspondencia.
Diz-se qne as emprezas do Jornal a C*m~
memo e Correspondencia de PortuatL vio fftr-
se brevemente, t-untinoando porem o* doos juraaes.
sendo a juneco nicamente das emprezas. '.%\a
fago mais do qne repetir um boato.
Ha das comegou o reconhecimeato do terre-
no do raminho do Ierro do Porto para Braga, satai
Srs. Souza Brando e Ega Vicente.
0 lmar do Porte que da este noticiar *? qne
1


ILE6IVEL


-
Mari* <3e erF.*mte Quinta (Ira 15 4c Dczenibro c 1**1.
as montanhas que so antepSern alm do Ave na* i haver commettido por abruma infraceo, ou qoan-
deixm fazer unta litiha to tlireia romo era para do mesmo no mleresse dclle nao heconvicr refor-
desejar, mas que p.em ver isso o terreno se pode malas.
dizer difficil pe* linha escolr ida. Aproxma-sc do1 Oulro decreto abrindo um crdito extraordinario
Santo Thvrso e de Villa-Novj. do Famaliro, e tal- a favor do ministerio da guerra al a quantia de
vez un dia o camhiho de ferro para Guimaiaes 15:000 000 para se concluir o edificio do hospital
possa partir do pnmeiro laneo, se se nao apresen- militar de D. Pedro V na cidade do Porto,
tarem muito mos terrenos ,-ara deseer o Ave nes- Outro, abrindo um crdito extraordinario a favor
la direccao. do ministerie das obras publicas at quantia do
E ter esta linha a vantagem de servir todas as 80:000 000, para pagamento das expropriacoes dos
povoacoes da costa alm da Povoa de Varzmi, ou predios comprehendidos entre a praca do Pclouri-
por ua estrada no literal, ou por um ramal do nho, ra Direita do Arsenal, ra urea e ra No-
caminlio de ferro. va de El-re, que forera necessarios para a cons-
A ponte do caminho de ferro sobre o rio truccao dos edificios destiuados a diversas reparti-
Douro e.-l oreada em 800:0005- <;es publicas.
Tainbem se diz que as obras para a construccio Foram avaliados, para expropriafao os dous
desta ponte cometario no futuro mez de Janeiro. predios da esquina da ra do Ouro para a dos Ca-
Os esludos do eaminlio de ferro lo Porto Re- pellistas. os nicos que escaparan! ao povoroso in-
goa estfio ipiasi concluidos e brevemente serio re- cendio que consumi os edificios dos pacos do
medidos ao respectivo ministerio, concelho, c predios annexos.
Reci-beu-se em Lisboa, a triste noticia de ha- O peridico Alganicnse, que ha tempo tinha
ver fallecido affogado, em Tunes, o Sr. D. Vasco da suspendido a sua publicado, comecou novamente
Gama, filho dji -r. marqnez de Niza. a apparecer.
Como se sabe, o Sr. Vasco servia como offl- Parece que foi levada smaos dorespeclivo mi-
eial na esquadra ingleza. Parece que.regressando nislro una prope*ta em que liguram alguns dosmas
da cidade para bordo do navio, um golpe de vento respeilaveis capitalistas de Lisboa, tendente a dar
fez vollar o escaler com os seis homens que con- o maior desenvolvimente possivel s futuras edifi-
dnzia. e entre os quaes ia o filho do Sr. marquez capes lisbonenses.
So um homem escapon. O Sr. I). Vasco ainda ha A sociedade de crdito predial, que ha tempo
pouco merecer os elogios dos lords do almiranta- Ihe disse estabclecer-se-hia o predio do conde de
do por oecasio de passarem revista em Inglaterra Sobral, no Calhariz, j comprou e predio defronte
esquadra do estreito. da S. onde morou o negociante Shore, e ani esta-
lla das, escrevra um dos jornaes da capital um beln o seu escriptorio.
bem elaborado artigo pedindo ao governo que fi- No Io de dezembro vai publicar-se em Lisboa
zesse trasladar os restos mortaes do grande Vasco urna folha intitulada a Independencia. E' o anni-
da Gama, ascendente dos marquezes de Niza, e des- versano da gloriosa restauradlo de 1610, aquelle
cobridor das Indias, para o famoso templo dos Je- que os fundadores do novo jornal destinam para
ronymos em Belm. E' de crer que as reliquias maugura-lo.
sejam'Jrisiladas |ior narionaes e estrangeiros no canram a 26 de setembro prximo passado. A
saudoso monumento de I). Manoel. cidade continuava em soc.ego, nao tendo oceorrido
Em Lisboa esta venda as prinripaes livra- cousa que mereja especial menso. A respeito do
ras o Io volunie do Diccionasio Ilespanhot e Por- Japao communiea o governador da reienda pro-
luguez, do Sr. Manoel de Canto e Castro Mascare- vineio o seguinte:
linas. lllm. e Exm. Sr.Tenho a honra de partici-
Com esta publicacao presta o Pr. Mascarenhas | par a V. Exc. que as forras navaes ainadas, que
um grande servico ao nosso paiz, pois sabida a no dia 23 de agosto ultim, partiram de Yokohama,
falta que sentamos de um diccionario das linguas 'f no Japo para os estreitos de Simounsakl. destru-!
de dous povos visinhos e quasi irmaos. ram todas as fortalezas e bateras do principe de '
Preveniente ser dado estampa um livro do j Choshio, tirando aberta ao rommcrcio de todas as i
Sr. Alfredo de Castro, eque se intitula Historia do nacoes a navegacao do mar Interior.
nosso estabelecimmto em Timor. O combate principiou no dia o do crreme, e
E'esta obra dividida em duas partes: na pri- contnuou at ao di* 7, em que as hostilidades
meira, trata especialmente da historia do eslabele- ceisavam por ter o principe de Choshio mandado
cimento daquella possessio ; na segunda, sao as a bordo da esquadra parlamentarios pedindo tre-
cxploraroes e considerarles econmicas. :guas, e declarando annuir ao que fosse proposto
Vai sahir a lume um jornal identifico e lil- pelos almirantes ingloz francez. Diz-se tambem
terario, intitulado Civittsacao, dedicada educa-, que o principe declarara que fra em virtude de
cao popular. E' collaborado por conhecidos eserip- ordens do mikado e do taicnn que violentara a
tores, os Srs. Antonio Feliciano de Castilho, Rebel- navegacao dos estreitos, fazendo-llie mandados pelo
lo da Mlva, Latino Coelho, Silvcira da Motta, Julio j proprio tacun todos osartigos de guerra
de Castilho, Andrade Faria, Bulho Pato, Luiz Fe
lippe l.eiti', etc.
O Diario de 13 do correnie publcou dous
decretos : um creando urna cadera de ensino pri-
mario na cidade de Horta pelo melhodo simultaneo,
em lugar de outra de ensino mutuo, o outro decre-
to aprestando em um canonicato fia r patriar-
chai o presbytero Manoel da Gama Haro, bem co-
nhecdo anliqoario e numismtico.
Foi publicado o decreto, concedendo a pres-
tacjio mesil de 2n,$ a cada urna das religiosas do
convento d; Santa Clara de Trancoso, na diocese
de Penaliel.
Foi nomeado inspector dos incendios em Lis-
Jboa, o bacharelem mathematica, oSr. Jos Augus-
to Correa de Bastos, e que servio de engenheiro da
empreza Salamanca.
Fallcceu em Pars o Sr. Joaqoim do Robore
do primeiro bariio em 14 de novembro Jo 1831 e
primeiro visronde de Roboredo em 6 de agosto de
1839. Nascera era 8 de dezembro de l08e casara
com a Sra Isabel Zahsimann. Foi ministro de Por-
tugal em Berlin e hoje eslava na disponibilidade.
Era irmo do Sr. secretario geral do ministerio do
reino.
Soube-se que no dia 13 do corrente foi lau-
cado no mar, em Liverpool, o novo vapor de guer-
ra portuguez Zarco, que so acha em construcc/io
naquella cidade.
O Diario publcou mais os seguintes decretos
e portaras:
Exonerando o baro de Porto de Moz do cargo de
presidente do tribunal de eontas, e determinando
quando o seu estado de sailc o permitlir, passe
a di'sempenhar as funecocs de vogal ordinario na
ordem do precedencia que Ihe competir pela sua
^iiticuidade. rjisierjios doarl. 2o do decreto de 19
Os alliados, alm de desirurem os fortes, en-
cravaram as pecas, trazendo para bordo 60 longos
canhes de bronze de manufactura russa.
Ao principio os Japonezes bateram-se com
muito valor, manejando destrmenle a suaarlilha-
ria. Faliam ainda os minuciosos detalhes desia ac-
cao, e apenas consta ter sido pequea a perda dos
alliados.
Os embaixadores japonezes, que ltimamente
vsitaram a Frenca, d'onde regressaram em junho
sem terem visitado as outras nacoes, como tencio-
navam fazer quando partiram do Japo, foram de-
mitlidos e desamorados pelo tair.un, por terem as-
signado em Paris urna convenci, pela qual o go-
verno do Japo se obrigava a "abrir os estreitos de
Simonosaki, tres mezes depois da sua chegada ao
imperio.
O gabinete de Yeddo negou-se tambem a ratificar
a dita convenci, dizendo que os embaixadores nao
podam fazer o que nao estavam aulonsados, pois
que as suas instruccoes erara s para tratar do en-
cerraniento de [okohama com as nacoes relaciona-
das por tratados com o Japo.
O con.-ul de Portugal em Konagawa tambem
participa que Ihe foi offjcialmente comraunicada a
demissio dos supraditos embaixadores, e a nomea-
cao de outros que brevemente devem visitar as de-
ferentes cortes com quein o Japao tem tratados.
Os novos embaixadores sao llosino Bittouno no
Kami, Isoe Kahawa ladzama no Kami e Motski.
O mao estado do commercio em que se acha
o Japo, era geral, deve cessar com a victoria dos
alliados ganha nos estreitos, e natural que a no-
va lico por que acaba de passar o partido conser-
vador ri nova face aos negocios polticos daquelle
paiz excepcional.
DeUS niariU' V Rrc Mar.iii t rio coiam-
uro o 1801. -Illm. o hxm. Sr. ministro e sccreta-
j rio de estado dos negocios da marinha e ultramar.
,Jns Rodrigues Codito do Amoral, overnador
de Macau. >
Ha noticias da Jodia que alcancam a 7 de
a 30 de agosto pas
de agosto de
Nomeando o vi-conde de S. Bartholomeu, conse-
Iheiro vogal do tribunal de eontas, para o luar de
presidente do mesmo tribunal, lugar que tem
exercido interinamente desde 2 de maio de 1861.
Approvan lo a pmposta do engenheiro chefe das ] outubro, e de Mocambiqu
linhas frreas de sul e sueste para a reduecao dos saao.
precos de transporte do gado sumo entre Reja e ; Communiea o governador geral da India conde
Evora, e o Barreiro ou Moita; ficando estabeleci-; e Torres Novas, ter recebido o decreto da sua
dos para o transporte do gado suino, por cada exonerac/io e esperar pelo seu successor para se
wagn, cuja carga ser de 20 porcos grandes ou 30 retirar. Participa as razes porque nao soccorreu
pequeos, incluidas a< d'spezas accessonas, os'-
prwns seguintes: de B<-ja ao Barreiro ou Moita, |
13:300; d Cuba ao Barreiro ou Moita, 12$093; de
Evora ao dito, 10J180; da Casa Branca ao dito,
K;323 res.
Fazendo merc do ttulo de visconde de Villa
Verde, cm sua vida, ao Sr. Fernando Maria Peroi-
ra dos "'antos Jnior, sobrinho da visrondessa de
mesmo titulo, L>. Joaooa.
Fazendo merc do titulo de conselho de S. Mages
tade, ao guar-mr da alfandega do Porto, o Sr.
Jos Azevcdo Pereira e Silva.
Elevando digndade de gria-rrnz da real or
dem militar de Nosso Senhor Jess Christo, o mar-
quez de la Ribera, ministro plenipotenciario de S.
M- Catholica que ha pouco tempo deixou a capital
de Lisboa.
Conredcndo ao concelho da Praia e concelho de
Santa Cathanna, de Cabo Verde, brazoes d'armas
para distinclivo honorfico daquelles coocelbos.
Est a imprimir por ordem d i Academia
Real das Sciencias um tratado sobre direito publi-
co portuguez, redigido pelo Dr. Sevy Mana Jor-
do. A obra consta de duas parles e dous volu
mes: 1* parte, direito publico phlosophico; 2*
parte, direito publico portuguez.
A nocas conquistas, o titulo de um expel-
iente Pokmeto, pompoico do Sr. Thomaz Ribeiro,
e dedicado por este cavalheiro, s c'asses laboriosas
representadas na pessoa do presidente do centro
promotor dos melhoramentos das mesmas classes.
Este pequeo trabalho luterano, do qual o elogio
esta em o nome do seu autor, tornase ainda re-
conimendavel pelo bom gosto artstico que presidio
sua impresso.
.4 n.ssoci ses, recebeu dos directores das obras publicas dos
districtos de Vizeu e de Braga mais tres caixoles
com amostras de materiaes de construeco do nosso
paiz; em breve possuir urna collergo mui curiosa
e completa, sendo a primeira que desta natureza se
tenha feito em Portuga'
Acaba a mesma associacao de convidar os secios
fundadores da sociedade arrheologica Lusitana,
para nomearem orna commissao, que reunida a
outra daquella associacao Ihe proponha a maneira
mais condecente para se continuar rom as esrava-
coes em Troia, defronte de Setubrl, afim dse
aproveitarcni aquellas precios aotiguidades, que
os Bomanos deixaram no solo portuguez.
Por parte da associacao des architectos foram
nomeados os socios amadores os Srs. Miguel Osorio
Cabra! e Castro, conde de Penaliel e o architecto
Joaqoim Possidoeio Narciso da Silva.
A mesma associacao sobre proposla do socio
fundador o Sr. Paulo Jos Ferreira da Costa, deli-
berou neraear urna commissao composta dos Srs.
Joaquim Possidonio Narcioso da Silva, Paulo Jos
Ferreira da Costa e Jos da Costa Sequeira, encar-
regada de apresentar um trabalho em que se de-
signe qual deve ser o curso completo de esludos,
que d jus aos architectos civis obtiverem os seus
diplomas.
Esta assoeiacso tornou novamente a requerer a
cmara municipal de Lisboa, a antiga igreja do
Carmo para ali estabelecer o museu de archeolo-
gia.e neste. requenmento invocon o nome de S. M.
el-rei o Sr. D. Fernando que o protector do
museu. "
E' de esperar que a eamara, acceda desta vez a
nm pedido justo e de grande interesse para o
paiz.
O Diarto publcou um decreto concedendo
guias de transito de entrada e sabida de ravalga-
duras, que se empregam na coodueco para Hes-
panha de productos narionaes ou nacionalidades,
aos estrangeiros que nao tenham domicilio em
Portugal, urna vez que prestem flanea idnea.
Estas guias sero validas em quanto o individuo
a qoem orem passadas e empregar no referido
irafico, salvo o
Timor.
A corveta Damiio, est prompta a dar a vela pa-
ra Portugal.
Communiea o reverendo arcebispo primaz do
Oriente que se celebraram no da 6 do referido
mez as exequias solemnes por oecasio da trasla-
dado dos ossos de D. Gaspar de Leo para a s
primacial da cidade velha de Coa.
Em conforinidade com o programma publicado
no Boletim do Gocerno, coucorreu aquelle acto o
clero das ilhas, nina deputacao oo seminario de
Rachol, a maiora dos desembargadores da relac/io
ecclesiastica e grande numero de pessoas. O go-
vernador geral mandou para all urna guarda de
honra, e raeio parque de artiihara para dar as
descargas do estylo.
Tencionava o mesmo reverendo arcebispo em-
barcar no dia 8 cora destino a Salcet, afim de dar
comeco a sua visita pastoral n'aquella provin-
cia.
Continuavam com grande activdade os traba-
dlos da casa da escola da lingua ingleza, afim de
ser coocluida e inaugurada a 31 de outubro, an-
iversario uatalicio d'el-re I). Luiz.
Est em cunstrucc.ao a estrada que esmera da
porta da praca de Agoudos at a Sinquerim.
O novo macbinismo do p>>arol de Agouda, man-
dado vir pelo conde de Torres Novas, vae breve-
mente ser collocado na sua pmpeteme torre.
A cultura do arroz tem sido muito boa. A tran-
quilizarle publica contina inalteravel.
Tomou posse do governo de Quilmane a 15 de
outubro de 1863, o major do exercito de Portugal
e Vasconcellos. ',
Falleceram no dia 13 de junho desteanno o l-
ente" coronel reformado da provincia de Mozam-
bique, Joito Ferreira Portugal da Grac.a; em 4 de
julho, o contador geral da junta da fazenda, Ma-
noei Luiz Alfonso, major da provincia, Tilo Au-
gusto d'Araujo Sicard.
Participa o governador geral que o bispo britan-
nico Poser, lendo-se retirado da provincia com toda
a sua comitiva all vollra do novo na corveta
Oresles com destino paraZamzibar.
No acto de dar entrada no porto a corveta D.
Joao I, havia este vaso de guerra enealhado.
A O, Joao I ia partir dentro em 16 dias para
Quilimane.
P. S.Partiram effectivamente dentro em pou-
cos dias para o Bio de Janeiro as crvelas Bar-
tholomeu Dias, Estephania e Infante D. Joao. Diz-
se que ir o visconde de Soares Franco como com-
mndame em vez do conselheiro Saraiva.
INTERIOR.
RIO DE ,9 WII1O
26 de novembro de 1864.
Por decreto de 23 do correnie mez foi nomeado
o Dr. Antonio Teixeira Rocha para o lugar de len-
te da cadera de anatoma geral e pathologia da fa-
culdade de medicina da corte.
Por al vara da mesma dala foi concedida licenca
ao Dr. Domingos de Lima Ferreira de Brito para
cfTerluar o seu casamento com D. liarla Leopoldina
de Paiva de Andrade Pinto.
Por decretos de 22 foram nomeados :
Francisco Theophilo Ferreira, major comman-
dante da 7' sereno do hatalho de reserva da guar-
da nacional da provincia do Cear;
O capillo Jo'j de Dos Pires Ferreira, lente-
coronel commandaote do hatalho n. 34 da guarda
narional da provincia do Maranh.lo ;
Aureliano Bodngnes Coelho, capilo secretario
geral do commando superior da guarda nacional
de Braganca, Orem, Cintra e Vizeu. da provincia do
caso de Ihe serem cassadas porlpar.
Antonio Pereira Paos da Silva, capitao eirargio-
mor do mesmo commando supeaior.
Foram removidos a pedido:
O juiz municipal e de orphos Mart'raho Avelino
da Silva Prado, dos termos reunidos de Porto-Fe-
liz, Capivary e Prapora,paraodaConslluc.o,todos
da provincia de S. Paul:;
O juiz municipal e de orphios Joao Baplista da
ilva Ferraz do termo daConstituicopara os reuni-
dos de Porto-Feliz, Capivary e Pirapora, na mesma
provincia.
Foi reformado no posto de coronel o lenente-co-
ronel Antonio Pires Ferreira, oommandante do 31
batalho da guarda nacional da provincia do Mara-
nho.
Em 22 do corrente foi nomeado Felippe Nery de
Olivoira para o lugar de patrao-mr da provincia
do Espirito-Santo.
Entrou horilem de Baltimore a barca argentina
Adelai'le, capit) James P. Williams, consignada
aos Sis. Phipps Irmaos & C. Teve elle em viagem
un encontr com o corsario confederad Shenan-
doah da qual um passageiro, testemunha ocular
de toda a oceurrenca, nos forneeeu a descripso
seguinte :
t Hoje 12 de novembro de 1864, pelas 8 horas
da manliaa, achando-nos em lat. Io 46' N. e long.
9o O., appareecu-nos pela popa um vapor armado
em corveta, andando com fogo e velas latinas; se-
gundo-nos mo.-trou bandeira ingleza, ao que cor-
respondemos icando a nossa bandeira argentina.
Vinte minutos depois do meio dia, tendo-nos che-
gado a 30 bragas por bombordo, arriou a bandeira
ingleza e icou a dos Estados Confedorados, firman-
do a cora ra tiro de plvora secca. Immediaia-
mente atravessamos as velas grandes e esperamos
pelo escaler, que enlao se laneava a bordo do va-
por.
Chegando este, abordaram-nos tres olRciaes da
marinha confederada, os quaes exigiram do nosso
capitao que Ibes mostrasse os seus papis, o que
esto logo fez. Depois de os examinar disseram os
offlriaes que Ibes era necessario leva-Ios aoeom-
mandaBte da corveta, ao que o nosso capitio an-
nuio.
t Parti entio o escaler, e, estando ausente cer-
ra de meia hora, voltou com os mesmos offlciaes,
que declararan: ser preciso que o nosso capitao e
o seu piloto fossem a bordo da corveta para darera
certos esclarecimientos ao commandanto relativa
mente ao nosso navio, visto que este nao eslava sa-!
tisfeito cora o exame que passara aos nossos pa-
pis.
O capitao e o piloto obedecern) indo a bordo
da corveta acompanhados por ura dos ofilciaes, fi-
cando os outros dous a nosso bordo. Meia hora
depois regressaram, viudo com elles ura reforgo
de niarinheiros e offlciaes cora ordem de de des-
truir o nosso navio por meio do fogo, depois de so
baldear toda a bagagem dos passageiros e datripo-
laco.
' Rom a nosso pezar obecemos promptamente,
c no fin de duas horas tnhamos tudo a bordo da
corvel?, para o que serviram os nossos dous esca-
leres por ordem dos confederados, ficando a bordo
da nossa barca nicamente a carga que consiava
de 3,280 barricas farinha de trigo, e todo o mcame
e panno que linhamos quando atravessamos.
Alienas effeciuou-so esta bardeago os confe-
derados metleram.maos a obra afim de queimar o
nosso navio, abrindo para isto as esrolilhas da proa
e r, as quaes laocaram urna porgo de alealra >,
que cobriram com palha das camas dos passagei-
ros, pondo-lhe em cima penha embebida em azeite
e agua-raz; o mesmo lizeram na cmara, da qual
tinham tirado previamente todos os instrumentos
nuticos do capitao, assim como lodos os comestives
da despensa c palores.
c Nesse Interino examinava o commandante a
bordo dacorveta.onde j estavamos,a corresponden-
cia particular que levava o nosso capitao para o
Rio de Janeiro, na qual encontrou urna carta que
o convenceu de que nio eramos presa legal como
j tinha declarado.
t Felizmente para nos foi feita esta descoberta
ainda a tempo de salvar o nosso navio, quo este ve
prestes a ser incendiado. Immediatamente pela
decso de um conselho de guerra reunido a boido
da corveta deram-nos ordem para regressar a bar-
ca rom a promessa de que logo nos entregriam
tudo como fra adiado, o quo succedeu nao tendo
nos perdido nada das nossas Lagagens; perdemos
apenas urna cama e almofadas.
Examinando, p)rm, depois os nossos comes-
tiveis, vimos que a nossa despensa soflrera urna
paada uull o = ............ ... fcau J>> .tu.,
que deitaram ao mar, e que nos servia nao s de
ornato como de grande conveniencia; achou tam-
bem o capitao falta dealgumas barricas de farinha,
da arqueayo, carta de sai'ide, manifest, clareza da
alfandega, julgando alm disto faltaram-liie jlgu-
mas cartas que levava para o Rio de Janeiro.
t Aso 1/2 horas da tarde largou-nos a corveta
fazendo proa de LO. Lotava ella 1,400 toneladas,
montava 8 boceas de fogo, das quaes seis pareeiam
ser artiihara raada de calibre 90, e duas peque-
as aos prtalos de 12 ; tera mais ao menos a for-
ca de 400 cavallos, a hlice ; pareca ler a oflicia-
fidade completa, mas muito poueos niarinheiros.
Chama-se Senandiak.
t Depois de mettermos os nossos cscaleres a
bordo braceamos as vergas grandes e seguimos a
nossa viagem, dando gracas a Providencia por ter-
mos esrapado to fcil e felizmente.
Comta-nos, por alguns offlciaes da mesma
corveta que j tinham destruido diversos na-
vios : o cominandanle chama-se James \V. Wad-
dell.
Declarou elle tambem que s respeitava car-
recmenlos perlencentes a neutraes, mas nao
a bandeira de qualquer naci que cobrisse cargo
do norte.
Algumas das cartas que trazia o Adelaide fo-
ram restituidas abenas ao sen rapitao.
O relatono do capitao do Adelaide apenas addi-
la-a estas nformaco-s o que se passara entre elle
e o commandante do vapor; interrogou-o este
acerca da nacionalidade dos seus consignatarios e
declarou-se persuadido de que o carregamento
pertencia a algum cdadio americano, pelo que
condemnava o navio como presa dos Estados Con-
federados.
Na entrega deste disse anda o commandante do
vapor que responsabilisava os consignatarios pelo
valor do carregarr.enlo, na importancia ae 38,000
dolais, pagaveis trinta das depois da independa
dos Estados Confederados.
O capitao do Adelaide diz que achou o seu navio
no estado o mais miseravel, em conseqnencia dos
preparativos que soffrera para ser queimado.
27
Por portarlas de 25 do correnie :
Foi exonerado a seu pedido o conselheiro Jos
Maria la Silva Paranhos, do cargo de fiscal da
liquidagio das casas bancras de Montenegro,
Lima & C e de Oliven a ,\ Relio, e norteado em
seu lugar o bacharel Francisco de Assis Vieira
Bueno.
pede comprir este santo sacrificio, quatro das
antes do seu passamento I
-28-
Por decreto de 26 do correnie foi perdoado a II.
Harrs o resto do lempo que faltava para cum-
prir a pena de 4 annos e meio de pnso com tra-
balho, a que fra condemnado pelo juiz de direito
da primeira vara crime da corle.
guera de Lacerda, Saturnino Vieira de Car-
valiio.
i de dezembro
Para o conselho de guerra que tem de julgar o
capitio de mar e guerra Gervasio Mancebo, ex-'
commaudante da divi-ao do 2dlsiriclo naval, pela
responsabilizado que Ihe allribuida, do faci oc-
eorrido no porto da capital da provincia da Baha,
entre os vapores Wassuchet e Florida, conforme o
Por portara de 23 do corrento foi nomeado o aviso que publicamos ua Parte Oficial, foram hon-
capio de estado-maior de segunda classe Jos tem nomeados os seguintes ofllciaes :
Ignacio de MeJeiros Reg Monleiro para o lugar Presidente, chefe de divisio Raoliael Mendes de
de director da colonia militar de Pimenb'iras. Moraes e Valle. Vogaes, chefe de divisao gradua-
Da ordem do dia n. 424, publicada a 22 do cor- do Francisco da Silva Lobio, captes de mar o
rente pela reparticao do ajudante-general, consta guerra Antonio Flix Correa de Mello, Francisco
o segrale : Xavier de Alcntara, Benjamn) Carneiro de Cam-
NomeacSes.Do Sr. brgadeiro graduado da ar- pos, Fernando Lzaro de Lima.
ma de cavallaria Joao Antonio de Oliveira Lo.bo,
Fez-sc honlem a eleeio da junta de corredores
que tem de servir no anuo de 1863, sendo eleilos
os Srs. :
Diogo Me. Kinnell Giacie.....
Eugenio Arislides Pois-on.....
Franrisro Domingos Machado. .
Benjamn! Moniz Brrelo.....
Antonio Casimiro de Moraes Ifesquita.
19 votos.
16 >
16 >
13
13
para inspeccionar os co>-pos do exercilo em guar-
nido as provincias do Paran, S. Paulo, Minas e
Goyaz.
Dos Srs. capitao Jos Cezar de Mello Sampaio e
lente Jos Dias da Costa, ambos do primeiro
regiment do cavallaria ligeira, este para secre-
tario e aquelle para ajudante de ordens da inspec-
rao dos corposdo exercilo cima mencionados.
Primeiro lente do corpo de engenheiros Chry-1
slito Ferreira de Castro Chaves, ajudante da di- >
rectora uas obras militares da provincia de Per- irado de Santa Calharina, que se perdeu ua entra-
nambuco. da da Laguna o patacho S. Miqucl, a bordo do qual
Tenente do 5o batalho de infantaria Felippe iam de passagem dous lilhos menores do Sr. Luiz
Guilherme de Miranda Lisboa para quarlel mestre Jo< Dias de Pinho, e accresrenta que ignora se se
do me^mo batalho. tinha salvado a tripolacao, tendo sabido a noticia
A nomeac-io do Sr. alferes reformado do exer- j por um correio vindo da Laguna Santa Calhari-
cito e coronel da guarda nacional, Francisco Joa-: na, e nao tendo indagado mais por nao contar vir
Refere o capitao do brigue loria Virginia, eu-
quim Pereira Lobo, para recrutador na provincia
das Alagoas (ordem do dia n. 418) com o venci-
mento mensal de 180& como recrutador geral.
Aviso de 21 de outubro prximo passado.
Transferencias dos Srs. : tenente do 7o bataP.o
de infamara Jos Libanio de Souza, para o corpo
de gnarni(o de Mraas-Geraes.
Alferes do Io regiment de cavallaria ligeira
Joo Antonio de Avila, do lugar de secretario para
a lileira do mesmo regiment, como requercu.
Alteres .ajudante do 2-baialho de infantaria
Alexandre Gomes de Argolo Ferro, para o Io da
mesiiia arma, e alferes desia batalho Joo Manoel
de Lima Marz Sarment, para aquelle, como re-
qnereram.
Segundo cadete da companhia de cavallaria de
Pernambuco, Laurindo dos Santos Vieira, para o
com urna viagem de quatro das a corle.
2
Por decretos do 28 e 29 do passado :
Foi nomeado procurador da rora, soberana o
fazenda nacional da relacio da Babia o desembar-
gador Manoel Libanio Pereira de Castro ;
Foi designada a comarca de S. Jos de Mpibti,
na provincia do Rio-Grande do Norte, para nella ter
exercido, o juiz de direilo Caelano Estelu Caval-
canli Pessoa.
Foram removidos:
O ju'z de direito da comarca de Rezonde, de 2"
enlrancia, Frederico Augusto Xavier de Brito, para
a de Angra dos Reis, de 3', ambas ua provincia do
Ro de Janeiro;
O juiz de direito da comarca de Guaratingoel,
de I" entrancia, na provincia de S. Paulo, Antonio
o regiment de cavallaria ligeira, como requereu.; Carneiro do Campos, para a de Rezende, de 2', na
do Rio de Janeiro ,
O juiz de direito da comarca do Ro Paran, de 1'
Segundo cadete do 1 btalnio de infantaria
Manoel Carlos Cavaleanli Negreiros, para o corpo
de guarnieo do Cear. Em 19 do corrente mez. entrancia, na proviuda de Goyaz, Tito Augusto Pe-
Segundo cadete do corpo deguarnifio do Ma- reir de Mallos, para a de Garanlinguet, del',
ranlio Annibal Antonio Rodrigues de Araujo, pa-1 na de S. Paulo, a seu pedido ;
ra um dos cornos do exercilo em guarmeo na pro-
vincia do Rio Graude do Sul, como requereu.
Segundo cadete do 1 batalho de infamara
Amcrico Vespucio Vieira, para o asylo de invli-
dos desta corte.
Licemas concedidas. Aos Srs. capilao do corpo
de estado-maior de i' classe Francisco Raphael de tina, a seu pedido.
O juiz municipal Antonio Brrelo Cutrim de Al-
meida, do termo da Chrislina para o de Tres-Pon-
tas, ambos na provincia de Miuas-Geraes, a seu
pedido ;
O juiz municipal Joao Capistrano Bibero de
Alckmin, do termo de Tres-Pontas pan o da Chris-
Mello Reg, tres mezes. Aviso de 16 ao corrente
mez.
Capitio do corpo de guarnico do Espirito San-
to Tilo Lvio da Silva, tres mezes com sold e eta-
pe, em prorogaco da que obleve ltimamente,
para tratar de sua saude.
Capello capitao da reparlico ecclesaslica do
exercito, padre Manoel da Vera Cruz, tres mezes
com lodos os seas vencimentos, para tratar de soa
saude, onde Ihe convier, deixaudo em seu lugar
ura sacerdote idneo. Aviso em 21 do corrente
mez.
Tenente do Io batalho de infamara Francisco
de Lima e Silva, dous mezes, com sold e elape
Em 13 do correnie mez.
-egundo tenente do cerno de artfices da corte
Fortunato Jos Fazenda, seis mezes com sold e
etape para tratar de sua saude.
Segundo cadete do Io balalhao de invantara
Gervasio Pereira Coelho, Ires mezes com sold
e etape para tratar de sua saudo na provincia de j ca do Para.
Santa Catiarina. Foi reduzido seis companhas o balalhao n. 13
MenagemAo Sr. capilao do corpo de cavallaria da guarda nacional da mesma provincia.
de Malio-Grosso Barlliuliuo de A>ruda Martinsj ------
concdala por menagem a capital da provincia de Por decreUs de 30 do passado foram nomca-
Foram nomeados :
Flix Jos de Souza, coronel commandante supe-
rior da guarda nacional dos municipios do Ip e
Tamboril, na provincia do Cear ;
O Dr. Luiz Ignacio Leopoldo de AlbuqnerqneMa-
| ranho, tenente-coronel commandante do batalho
n. 23 da provincia da Parahyba ;
Foi reformado o tenente-coronel Salvador Qua-
resma Douralo Mello, no poslo de coronel da guar-
da nacioual da provincia do Piauhy.
Foram creados :
O commando superior da guarda nacional dos
municipios do Ip e Tamboril, ni provincia do
Cear, com os batalhoes de infamada ns. 38 e 39,
urna sec$o de batalho c una companhia de re-
serva, ora creados, reunidos ao batalho de infan-
taria n. 26.
O balalhao n. 23 da guarda cacional da provin-
cia da Parahvba ;
O batalho n. 38 da guarda nacional da provra-
la pelo governo do iww imperador foi di yrtni
com altivez e insolencia.
Para desaggravar a noa dignidad, aara
manter o deroro e soberana de no-a aacao.
ebler reparaco dos males, per^uir.- r r-i
feilos ao no?>os patricios, ri nos re-la o rtrwno
s armas.
t A's armas, sollados I
c A ju-lica de no**a santa raia no* ha iV ira-
zer a victoria, o Deu dos eterrilos ?rr. r.t
noseo.
Nessa cruzada de honra que levanta n > im-
perio de Sania Cruz, se nio somos do* priraem*,
nao MIMi dos ullnnos a turnar parte
t Soldado-^ I o vosso romman lante e coragem nos combato-, ronrtanria o- traba, *
resignaco no- asares da lula.
Em premio de IMM tftdlgM i--r- a |*-ra-
da vossa victoria, a- li-m i..- i|.- v.i.so* im-
primidos e os d'-e- ampl< m d.- m o-. *tf
sas e irmas, qMflfeeni de enthn-Masrao e pa-
lismo filara os odios em vessas arma-.
a O vosso rtiefe nao prensa reromn
disciplina, moralidj'e, arana, i rcligm i
as propriedades e familia- dos babilanlm i
do Oriental.
Nossos mimigos raa somnif aqticlb*. <
rem M armas na ma-> se apr.-enlare umr nos; veili idos 00 de-anni! >* irs.
c Soldados e companheiros de arma* I 1i mc-
mento do pengo veris semprit a par so commaiidaiiie, e |endir.ti-vo< que i mm* |l"Ni
so morriT com as arma- n:i ni.io. IV fK
sera honra e srm digndade.
Avante, soldados .
O Sr. conselheiro IbmIm Marr.-irvVx ,
e S reassumio antelion'em o nrmnnto*
co'- de mini-iro e secretan de e*lado *
nos da agricultura, commercio e obra.* yt>Vj>.
Por derretos de 10 do m.>/ nrotiiiM pa- -a*i lo
ram transferidos Je un> para outros e, rt>* n
exercito ns seguintes olliriaes :
Pan o 1 balalhao de iofamaria, o majr Ai
DO de guarnico de Mina-l.erai. J.w.- Mamas .
os rapilaes d 13* bataMo, Man el it. m.. .t* a
drde. para a I* companhia : do 2* dito. |Uv*nm*o
Jos da Souza, para a 4* companhia; n **!.,
Manoel Joaquim Guedes, para a o rompanltia. ;
Manoel Jo aV ImM, para a 81 companhia
Para o 2" balalhao de infamara, o maj>>r balalhao de infamara llerrnlaao Sanche* da Mva
Pedra : o capitao do dito batalho. .hrtov* de
Abreu Carvalho Omreias. para a nm^mtm.
Para o 4 batalho de infamara, o cipili *
1 batalho Jos Thomaz Goncalve*. para a I* m-
panhia e Joo Maria de Mello pana -K
Para o 6 batalho de infantaria. o carita* *>
corpo de guarnico de Minas-Getaes. Jos a SHa
Pinheiro, para a ti' companhia.
Para o 13" batalho de infamara, o capitn d
Io balalhao, Joo Aotonio Gareez Palha. pira a
companhia.
Para o corpo de gnarnirio de Mia*-ra*-
major do 2* balalhao. Krann-eo Mwtf c* ae Man
Mascarenhas.
Por decretos da mesma dala foram rrfc-rntatn*.
na ennformidade das dispo-in>e* n i do art. *
da le n. 6i8, de 18 de agosto t IH.V2, o* >aft>*
Leandro Correa do Lago e Luiz Hilario SrMtol,
este do 6 e aquelle do 12* natalriao V infaman,
e conredeu-se demisso do servico do exern a*
pharmaceulico alferes Joaquim do Prado de Araojo
Leite.
Por portara de 3H do dilo mez foi no meado te-
nente-coronel do corpa de eDyeaheir*. < Jin-tiaao
l'ereira de Azeredo Coulinho, para o lugar > r-nv
inandanle do distrirto militar do Itano-i'ar ?ua*.
na provincia de Matio-Gros->.
Matto-Gresso, em quanto durar o conselho de
guerra que tem de responder.
Dispensa do servico paraestudar. Foi conce-
dida ara malricularem-se na escola preparatoria
desia corte no anno prximo vindouro, se salislize-
rem as conuco-s para esse fim exigidas, aos sol-
dados : do I" balalhao de aulilharia a p, podro
II. ... :.,..~. 4w ftt.... .Jo (V addido ao balalhao de engenheiros, Carlos Clemen-
| lino Carvalhaes; do 1 regiment de cavallaria li-
! geira, Julio Braga Jardim e Augusto Alberto Per-
dos
Thesouraria de Minas.Chefes de secrao os pri-
meiros escrplurarios Francisco de Paula e Souza e
Francisco de Paula Airea Branco ;
Primeiros escriplurarios, o segundo Francisco de
Assis Ferreira, c o offlcial da respectiva secretaria,
Antonio Pinheiro de Ulha Cintra ;
*..,#...,.!.. oripimniK. os larcatroi Francisco
Ferreira da Silva e Eugenio Ribeiro dos :?aotos
Monleiro.
Thesouraria de Goyaz.Inspector cm commissao,
nandes; e do batalho de engeuieiros, Joo Carlos' o primeiro escriturario da de Minas, Rento Jos
Lobo Botelho, Joo Felicio dos Sanios c Diogo Fe- j Marlins de Menezes.
Thesouraria do Para.Ofiicial da respectiva se-
cretaria o amanuense Hilario Honorato da Cunha
Meninas.
Por decretos da mesma data foram :
Aposentado, o chefe de seceo da thesouraria de
Minas, Manoel Jos de Oliveira ;
E exonerado do lugar de inspector da dei Goyaz,
lieio dos Sanios.
Concessao de antiguidade do servico militar.
Ao Sr. alferes do corpo de guarnico da provincia
do S. Paulo Jos da Costa Monleiro. o lempo de-
corrido dt 19 de Janeiro de 1846 a 4 de fevereiro
de I8i7, em que servio no corpo de municipaes
permanentes na mesma provincia : na forma do
art. Io do decreto n. 1,021 de 6 de julho de i839. o segundo escripturano do thesouro Joo Baplista
Ao Sr. segundo cadete do regiment de ca- Carneiro.
vallara ligeira Manoel Antonio do Moraes, o,tem-i ------
po decorrido de 9 de outubro de 1833 a 28 de se- ] Effecluou-se hontem a eleico di commissao di-
temiro de 1839, m que servio anteriormente no redora da praca do commercio que lera de lunccio-
exercito ; na forma da provjso de 7 de dezembro nar durante o anno de 1863.
de 1833. Aira aram-se 160 cdulas, sendo eleilo os seguin-
Desujnarao de reforma.Ao Sr. coronel do cor- j li s Srs. :
po de estado-maior de 2' classe Antonio Fernn- Biasileiros : Dr. Caetano Furquim de
des Padilha, no posto de brgadeiro, vencendo o | Almeida..... l'* votos.
respectivo sol lo por iuleiro, na eooformidade das Veador Jos J >aquim de Lima e Silva. 128
leis do Io de dezemi-ro do 1841 e 14 de julho de Purluguez Vicente Cyrllo Rodrigues
1833.Patente de 3 outubro lindo. de Castro
A do Sr. capilao do corpo de artiihara de Mal- j luglezet: 1. Levl Monlelire.
to-Grosso, Manoel Pereira de ouza, no mesmo
posto, vencendo 15 vegessmas quintas parles do Allemiio: David Moera
respectivo sold, pela tabellado i de dezembro de
1841 e lei de 14 do jolho de 1833.Patente de 21
do outubro lido.
Alfredo Mae Kinnell.
149
94
73
138
70
120
A bordo do brigue dinamarquez Auna Jones,
entrado hontem deXew-Vork, vieram dous ca-
ptes e seis marinbeiros, dos seguintes navios
norle-americanos tomados e metlidos a pique pelo
vapor coufederado Slienandoali :
larca D. Godfrey, capilao Hellt, carregando
Francez: Augusto Lehricy. .
Ilespanhnl: U Antonio de Aranaga. .
yorte-Amcricano : Joo Merven Car-
rre..........126
Zargo, entrado hontem do Ro-
recebemos folhas que alcancam
Pelo patacho
Grande do Sul
20 do passado.
No Diario de 18 l se :
O Sr. general Xetto achava-se no da 6 em S.
vanos gneros de'Boston para Valparaso ; foi Luiz, no Eslado-Orieulal, cora urna forja de 800 vo-
desiruido no dia 7 de selembro em IM 26 26' N. luntarios.
Fot expedida pelo ministerio da fazenda s
thesourarias de fazenda a circular seguinte :
Carbs Carneiro de Campos, presidente do tri-
bunal do thesouro nacional, declara aos Srs. ins-
pectores das thesourarias de fazenda, para sua in-
telligencia e devidos effeilos, que quando na co-
branza da divida activa tiver intervindo algum
agcnle fiscal fra da sede do respectivo juiz,
como collector, adminstaador da mesa de rendas,
etc. se deve deduzir da quantia arrecadada os 10
por cento da lei de 29 de novembro de 1841 e
circular de 31 de outubro de 1837, abonando-se
I por cento ao dito agente, e procedendo se quan-
to aos 9 por cento restantes, a divisao do art. 16
g 3" da referida lei pelus empregados a quem na
forma das disposicoes em vigor se abonam por-
centagens as provincias em que nao ha juizo es-
pecial.
L-se no Sapucahy, da Campanha da Prin-
ceza, de t5 do corrente :
t Falleceu em S. Joaquim da Serra Negra, ter-
mo da villa Formosa de Alienas, D. Lucia de tal,,
com 113 annos de idade, natural da Villa Rica,
onde estere por oecasio da revolucao de 777
da zagaiae de onde sahio por oecasio da incon-
fidencia do Tiradentes.
c Pareca cagoada verse dous octogenarios la-
mantando a morte de sua mi, comando um des-
tes que ha cinco annos levou urna grande sva de
correia de sua progenilora, por terse demorado
longo delta, na provincia do Rio de Janeiro, por
mais de um anno Ntese que Isto verdade
nao tinha Lucia fraqueza cerebral e seu filho Joa-
quim nao fallava a verdade, pois testemunha sua
liumdade com o parodio e mais pessoas gradas
da freguezia de S. Joaquim.
Lucia ha annos bastantes que todos os dias
ia a mif=a por seus ps, e em seu perfeito juizo
e long. 27" 13' O de G.
Rarca Elisa, capilao Slaples, com um carrega-
mento de ferr de New-Port para Buenos-Ayres;
foi destruida no da 29 de outubro em lat. 16' 40
N. e long. 26 45' O. de G.
30 -
Foi expedido pelo ministerio da justca presi-
dencia da provincia do Maranhoem 19 do corren-
,e o aviso seguinte :
Respondendo ao officio de V. Exc. datado de 12
de julho ultimo, relativamente ao tenente do 2 ba-
talho de infantaria da guarda nacional dessa pro
vincia, Jos Caelano de -ouza Nogueira. que, sendo
ha muito tempo guarda-livros do banco Commcr-
cial, requerra dispensa do servico nns termos da
le, depois de ter sido nomeado e aceitado aquelle
posto, tenho a declarar-lhe, para seu conhecmento,
que o governo imperial, nao concordando com a
decso d ida por V. Exc, manda indel'erlr seme-
Ihante pretendi, por isso que a lei de 19 de se-
tembro de 1830, concedendo dispensa do ervico
aos guarda livros e caixeiros das casas commer-
caes, nao comprehendeu por certo aquelles que na
mesma guarda aceitara postos, aos quaes lie a livre
o arbitrio de renunciarem as patentes se quzerem
gozar do favor oulorgado pela citada lei.
Por decreto de 26 do corrente foi concedido o
foro de fidalgo cavalleiro da rasa imperial aos ha-
chareis Adolpho de Barros Cavalcanti de Albnquer-
que Lacerda, Pedro de Barros Cavaleanli de Albu-
querque, Henrique de Barros Cavaleanli de Lacer-
da e Alfredo de Barros Cavaleanli de Lacerda, fi-
Ihos legtimos do fidalgo cavalleiro Pedro Alexan-
drino de Barros Cavalcanti de Lacerda.
Por decreto da mesma dala foi concedido o habi-
to da Rosa ao bacharel Estevao Benedicto Franca e
ao alferes Jos Longuinho da Costa Leite.
i'or carta Imperial da mesma data foi natnrali-
sado o subdito portuguez Francisco Ignacio
Mendes. *
Por decreto de 24 do corrente foram promovidos
aos posto: de 2 tenente da armada os seguintes
guardas-marinhas :
Jos Candido Guillobel, Julio Carlos Teixeira
Pinto, Magno Alexandrino de Olveiro Brito, Joa-
quim Antonio Cordonl Maurity, Antonio Pedro Al-
ves de Barros, Julio Cesar de Noronha, Dionisio
Manhes Brrelo, Francisco Flix lia Fonceca Pe-
reira Pinto, Antonio Maria do Coulo, Manoel No-
l'm distnclo offlcial reformado, que lambem
voluntariamente vai fazer parte dessa cruzada glo-
riosa, e-creve-nos d'alli as seguintes linhas :
Hoje ahracei a meu amigo amigo general Nel-
to acampado nesta localidade cora 800 praca* bem
armadas e montadas, dispostas a iriumphar do par-
tido blanco ou suecumbir na heroica lula. De to-
das as partes da provincia acodem em tropel as
reunies; todos querem partilhar da glora, dando
o ultimo garrote ao partido blanco; assira estao
dispostos os nimos.
A divisao ainda permanece em Pirahy; nao
comprehendo os primeiros cnsaios do grande baile
que se pretende dar, ao passo que se apparenta as-
annos distantes do rompimento da guerra. O 4
regiment de cavallaria da suarda nacional, que
eslava no quadro da divisao, foi hontem desprend-
do para fazer p-rle da forra de Nelto, por conse-
grante a ponta do veo mysleroso foi levantada, e
as boas disposicoes estio descobertas. Cinco car-
retas de armamento estio dsposie/io do general.
A mesma folha publica a seguinte proclamacio
do Sr. tenente-coronel Gamillo Mercio Pereira,
commandante do 2 corpo provisorio da guarda na-
cional :
Acampamento do corpo provisorio da guarda
nacional n. 2, em Pirahy-Grande, 30 de outubro
de 1864.
Ordem do da n. 5.
t eoldados e companheiros de armas Vi des
levar vossas armas ao territorio oriental do Uru-
guay devastado ppla guerra civil
t'Quarenta mil Brasileiros, nossos concdados,
debaixo de um governo brbaro e tyrannlco l ge-
mem rurvo, oppressos e quasi escravos.
f Urna horda de vndalos, que se intitula exer-
cito do governo, j dzimada pela espada vingadora
do valente general Flores por onde quer que tem
passado, leva diante de si a morte, a deslruiro e
a ruina.
t Nossos irmaos all residentes sao massacrados,
suas familias ultrajadas, e seus direitos os mais sa-
grados calcados aos ns.
c Vos ides levar proteceo a essa popnlaro pa
ciflea, em cujo solo lavra o incendio c a dcsolacao.
Pugnar pela seguranza e vida dos nossos com-
patriotas, defender a honra de suas familias, pro-
teger as suas propriedades, reivindicar os seus lo-
ros postergados e viogar as injurias cu-pidas s
faces de nossa nacionalidade, eis a vossa importan-
te e gloriosa misso.
O ultimo appelloamigavel feito no Ro da Pra-
ajnB*
|>r:..;i
-eap-
t-iTli -
Por decreto de 30 de novembro Diurno fot no-
meado cavalleiro da ordem de S. Reni !
coronel do e-Mado-maior de 2- da*- I \
de Amonio Bezerra.
O vapor Princeza. entrado hontem do Rio fraav
de do -til. trouxe datas desla cidade ale
sado e de Porto Alegre at 23.
O Sr. presdeme da provincia devja pirtira
da 4 do correnie para Pelota*, onde vae niar a
sua residencia por algum temo*.
Acompanharam a S. Exc. o *r brgadeiro Ga
briol de Aojo Silva, o secreUrw ito pn*rm e
una seceo oa secretaria conifei|a do* primeiros
olliciaes Germano SerertoM do Silva. Vnlao na-
res Amav.l de (ll-in.iu. J i.opum Peilro Oe II-i
Oa o Joao t-'ranri-i-o de -ou/a l'mt i
Joo Ulraio de Oliveira e Antonio Jaoi de Larra
Pinto o um roiitinuo ou MMR
As loliias da ultima dala, dando noiicia de Bo-
g, dizera soa o nosso exercito devia pi-sar ao E*-
lado Oriental no da 2 do correnie, em mmocto de
6,000 homens. e que o numero de voirieCarno oo
o commando do Sr. general Netto suma ja a
1,400.
L-se no Diario :
lina noticia muilo desagra.iavel foi boMm
comraunicada ao Sr. gen-ral eu
guarnirn pei.i Sr. maj>ir Bueno
Ironleira d Chuy.
Em dala de 26, as 7 horas .la tarde, iwttrioa
o Sr. major Bueno que o coronel W**-' I
famoso astamo, se aelnva na lar.l
acampado no arrojo da India Mmta. l-> :.
(ante da froiileirt, com urna forra de mm mil Iw-
raens mais ou nteno- que o coronel cok* to i j-
r abajo, que se acha va com set.cento* horneo* oa
.Minas, foi obngado a retirar-.'. -u-tenlan>l>i httti
uerrilhas corn aquella honla Saaem sua pa-sagem fizia pn-ioneir>- a' i...'. .
Brasileiros que riiconlrava. mandando
aquelles que nao se pre-liram a aaooaon
em sua infantaria, eque pareca qnooMr
proximaria a linha e invadira nooo
rio ..
Estas ntKrias, como fcil I de prever, raono
ram nesta ciliado geral sen-aco, pelo Itnasf jue
ha de um as-alto o**M vndalo*.
11 Sr. general coinmamlanle da enano
moii Iogo (odas as providencias, nnViao-l
coronel Thomaz Jos de (ampo- para reoor soto
a guarda nacional de seu commando. ano > In-
zer seguir para Tahim. ponto de reama, para ion-
pedir que o assassino S.aa rom seus *yrano
lera saquear esta imprtanle cidade e S. S. o i
coronel Cim|ios, sempre p rompi ac* rerlamo* i
palria. nao -o fez iminediatamenle expeilir
ordenando reunio em Povo-Novn. E-i:eiio r
tardas, como mesmo ja segu hoje en pc*a
para T ahim a rollocar-se frente da gn afa na-
cional ile seu commando que se vae rennindo
O Sr. general Itangel lambem oaarioa
Pellas, pedindo algn* re forros: eja an
segu o segundo baialho que hontem
da corle, devendo ir embarcados at os Ca
dos.
l) vapor Proteceo segoio hontem condew-
tume as 10 horas para Porto-A legre na altara do
norte, porm tendo o Exrn. Sr. rna-ieamro
de Porlo-Alegre visto a entra la do Prin
Rio, dirigio-so ao commandante do Pretee^m, e
disse-lue que era prudente v,.liar pan .aar m
noticias da corte, no que cedeu
Sr. coinmandaute tiuiihenne WailiajfOMk, e i
a dar fundo em seu trapiche, saloadu eatio <
pelas duas horas da tarde.
Foi por Den.* ter voliado o Proterrm.
nao s levou a desagradavel m-ticia Ja ,
cao do assassino Saa a fronteira, corno rae>mo ur-
que encontrndose com o Mana i|oe riaba de fe-
Iotas, recebeu dclle um senhor oOk-ial do oleras)
que trazia im|K>rtaoie.* officios com Ires hfo par
a presidencia.
A Atalaia Jaguaro de 20 diz :
Chcgou ao Serr Largo o coronel R-ye*,
exc-rcito de Flores, nomeado pelo mesmo general
chefe poltico do Serr Largo, e lamaem coro, lao-
trurres para o coronel Fidelis, e roaMa oja> este
marchara apena* com 70 horneo* pan o ar
ment de Flores, aflm de receber orden*
neral, e at esta dala nao regresson, deiaojan
reeto da forra ao mando do major Galiao na Sosa
Largo.
< Consla-nos mais que o coronel Reyes raa-se
de falta de Rag. para onde linha ido en r naij
sao do general Flores pedir ao general J.ao Pn-
picio Menna Brrelo tres batalhoe* de n
aflm de dar um ataque derisiro as forra* i
ral Ma.ic.) Servando Gomes, de rojo ataan
dia a paz do governo, ou a tranquiliidade do par-
tido colorado, mas nao do Brasil; motivo pHo nal
o general Menna B>rreto negon-lke, tennaa,,,,
se procedimeoto, alias acertado e de san isaaiil de
lino e amigo do seu paiz.
O Sr. prisidente da provincia mandara
sar em Nonohay orna companhia de 70
as aldeados que se oftereceraa para eatra
campanha.
0 vapor l'nio, segando notician as Unas de
ILEGIVEL



Diarlo de P rnsnhaco Quinta felra 15 t Dezcmbro 4e i'54.
Porto-Alegre, estove em imminente perigo indo de
viagera do Rio Grande para aquella cidade.
A's 8 horas da noiie de 26,-ao passar em frente
do pharol de Itapoo, um forte e violento lufo id-
lo adornar sobre urna das rodas, e so depois de
muitos estarces por parte da iripolaco o passagei-
ros que sahio de to arriscada posigo. Feliz-
mente s liouve que lamentar alguns ferimenlos
de pouca monta.
O Especuladlo, em viagern para Pelotas, esteve
tambem em grande risco no dia 28, por se terem
incendiado dous caixoes de acido sulphurico que
levava no poro.
Dando noticia da diligencia a que proceda
o cheta de polica da provincia, diz o Correio do
Sul:
O Sr. Dr. chefe de polica seguir a 10 para a
l'ruguayana; teodo adiado acephala a delegada
de Algrete, porque o delegado mora em sua es-
taucia fura do municipio, o primeiro supplente es-
tava fura da cidade coin a senhora gravemente
enferma, os lugares de segundo, terceiro e quarto
acham-se vagos, e o quinto supplente andava em
viagem. ^ Fumeionava o sexto, o Sr. Manod de
Freitas Valle, a quem devera a cidade muito bons
servieos, porta esse mesmo ltimamente adoe-
cra.
A subdelegada do primeiro e segundo dstrc-
to estavam igualmente vagas, e vagas como ellas
iodas ou qu.iM todas as supplencias.
Nao admira porm nao haver i|uem sirva, se-
gundo o apoto que taes autoridades parecem adiar
na tarca publica; pois nao s uiio tara nem sequer
patrulhas, como nem apparece um soldado aran-
do urna tentativa de raorte, pondo em alarma a
povoacao toda faz que at o juiz de dreito corra
pessoalmenle a cavallo aps dos assassinus.
Entretanto quaudo osse fado se deu, dix-se
que o commandante do destacamento, tenente Moy-
ss de Almeida, e seu alferes Francisco Xavier
Caldeira, andavam de passeio a cavallo as ras
da cidade.
i Assim o estado de seguran? publica era de-
ploravel. A casa do Rvm. parocho fra apedreja-
da; a do negociante Pado, roubada; um Cosario
tle tal, assaltado e amarrado no ansio de urna ra,
conduzido ao erino, e ahi brbaramente turrado ;
e por ultimo, aceommetlido mesmo em sua casa,
o horas da larae, o major Antonio Ferreira
Meados por Felisbino Soares, que Ihe desfechou
um tiro; o que, apezar de enrgicamente perse-
guido polas pessoas de casa e outros particula-
res, conseguio livrar-se a nabas de parelheiro.
L-.-e na mesma fulba :
A L'ruguayana leve o seu 10 de Outubro a
noite de 27 do passado.
Seriam 9 horas quando chocaram-se por cima
de electrieidade.
A sua marcha no espaco era de urna mages-
tade sinistra. Cercavam-as relam|iagos, i]ue as fa-
ziam s.-melhar a dous meteoros imuieusos quecru-
zassem na e>curido nocturna.
O choque foi tremendo. L'm furacao medo-
nho rompeu unisono do seu contacto; os raios ca-
hiam em chuva, e coni ellos urna saraiva grossa,
<|ue viole quatro horas depois anida cobria o slo
ce m urna carnada de mais de palmo de espes-
sura!
Quinze minutos durou esse catadysmo horri-
vel, quo se durasse outros quinze teria reduzdo a
ruinas a consternada villa.
i Nao liouve casa que nao soffresse estrago, nao
liouve muro que nao viesse abaixo. Era um dia de
juizo, em que todos tremiam, c para nnguem ha-
va conforio.
Varias casas cahiram totalmente, multas mais
em parte, muitissimas ficaram abaladas.
Houvo diversas mortes, e muitas contusoes e
fermentos. A alfandegaperdeu um guarda, o jo-
ven Kandolpho Carvalho, liiho do major Faustino
Carvalho. Aehavaso de servico no porto, e ator-
doado pelo graniso, arrastado pelo furacao, foi dar
com sigo no rio, adiando no rio morte. Tres
guardas naconaes escapavam em misrrimo esta-
do, o grecas to somonte a terem se deisado cahir
no meio de urna porco de madeiras que all esta-
vam deitadas e que os drfendeu de serem arreba-
tados como o joven Kandolpho para o rio.
As chavas quasi os malaram ; porm tanto
que s un delles pode a duras ponas ir por seu
p ao quartol avisar o que sepassava, sendo pre-
ciso transportar os outros.
Um mancebo de l annos, desaliando a cara
em que morava com a sua familia, sabio fugindo
ra, onde o granizo matou-o.
O Sr. Dr. Soler Coelho, em idntico caso, re-
ceben diversas contusoes e ferimenlos graves.
i O arvoredo lirn todo arrasado. Ura o furacao
arrancava-OS de raz, rolan'lo-os como arRuciros,
ora o graniso esfrangalhava os completamente. On-
de licram de p, pareciam mais esqueletos de ro-
ca do que arvoredo. /
t Em tres chcaras contiguas perderam-sc mais
de seis mil arvores.
t As borlas e someados ficaram arrasados ; os
curraos despidos. A oolheita, que se apresentra
uhora, eslava completamente frustrada. A desoa-
cao era grande.
E todava.o vendaval foi peor para o outro
lado. Na Restauracin linham sido enterrados sete
cadveres, e havia dezoito feridos muito graves em
tralamenlo custa do governo.
Por toriuna o temporal nao alcancou mais de
.una legua fra das margens do rio ; porm a es-
cassez de maleriaos e operarios para reparar os
dainos, occasionauos por elle projectavam-lhe os
nales muito aim dos seus elTeitos immediatos.
Tudo eslava pela hora da morte, e as familias sof-
friam.
Este desgranado successodava lugar anda em
cima a urna confroulaco desagradavel entre a po-
lica da Restauracin e a da L'ruguayana.
t Esta nao se fez sentir durante o catadysmo,
seno pela sua ausencia ; aquella desde o primei-
ro instante esteve no meio das ruinas e dos desa-
bamentos.
c A nossa ainda tres das depois nao podudes-
. rever ao certo, nem o que apropria guarnico do
seu mando solrera ; a alheia no mesmo prazo li-
aba jfeito a estatisiica de todas as desgranase
estragos quoa sua junsdicco padecer.
< Ada L'ruguayana nao dera providencia algu-
na para valer os maltratados por essa catastrophe;
n da Restauracin puzera-se resolutamente tesia
do soccorros pblicos.
Descobrira-se em Taquaryo plano de urna nsur-
reieo de escravos, que, segundo se afirroava, ti-
nh;i vastas ramilicages. Os que erain considera-
dos caneca;, em numero de 12, havo sido pre-
sos, e remettidos para a capital.
O Sr. conselheiro Miguel Maria Lisboa, chegado
-nnte-honlein no paquete Paran, foi portador do
contrato nupcial de S. A. Sereuissima a Sra. prin-
eeza D. Leopoldina com S. Alteza o Sr. duque de
Saxe.
Por decretos de 3 do corrente foram nomeados :
O bacharel Antonio Carlos Ribeiro de Andrade,
juiz municipal e de orphos do termo de Barbace-
na, na provincia de Minas Geraes, Picando sem ef-
feto o decreto de 4 de outubro ultimo, que o no-
meou para o termo de Plndamouhangaba, na pro-
vincia de S. Paulo.
O amanuense da secretaria da polica da provin-
cia do Rio Grande do Norte, Joaquim Gulherme
de Souza Caldas, secretario da mesma repar-
t cao.
Foi exonerado pedido :
O bacharel Hippolyto Dornellas de Albuquerque
c Mello, de juiz muniupal e de orphos do termo
4e Barbacena, na provincia de Minas-Gcraes.
Foi removido o juiz municipal e de orphos ba-
charel Americo Antonio Ayres, dos termos reuni-
dos de Apiahy e Itapeva da Faxina para o de Pu-
Foi declarado sem effeito o decreto de 19 de
marco deste anno, que nomeou o capitao Antonio
Lipes Braga para o posto de tenente-coronel chefe
do estado-maior da guarda nacional da provincia
do Amazonas.
Foi reintegrado o tenente-coronel Raymundo
Egydlo da Costa Barros no lugar de chefe do esta-
do-maior da mesma guarda.
Foram reunidos : o termo de Ica'.u ao do Kosa-
rio, e o do Riachao ao da Carolina, todos na pro-
vincia do Maranho.
Por portara dj Io do corrente foi nomeado se-
cretario do corpo do engenheiros, o tenente do cor-
po de estado-maior de 2" classe Jco Carlos Cor-
loa Lemos.
Por decreto de 3 do corrente foi nomeado yogal
do conselho supremo militar obrigsdeiro Jos Ma-
riano de Mallos.
Por decreto da mesma data foi transferido para o
corpo' de sade do exercito o 2* cirurgiao do da
armada, Dr. Manoel da Silva Romo, contando sua
anuguidade no exercicio da data desta transferen-
cia, bem como concedeu-se demisso do servico ao
capello alferes da reparlicao ecclesiastlca doexer-
cito padre Lourenco de Albuquerque Loyola.
Por aviso do Io do corrente foi nomeado o capi-
tao de mar e guerra Francisco Cordeiro Torres e
Alvim, commandauto da divisao naval do 2 dis-
trito.
6
Entrou hontem do Ro da Prata o paquete inglez
Mersey, com datas de Buenos-Ayres at 29 e Mon-
tevideo 30 do passado.
No Estado Oriental prosegua a guerra sem suc-
cesso algum nolavel. O geueral Flores tinha frac-
cionado as st>as tareas e nao se sabia ao certo on-
de parava Noticias vindas porBuenos-Ayres do o
a retirar Salto com mil e tantos homens. Servando
Gmez e Saa pelo contrario tinham feilo j uneeo e
o exercilo governsla reunido debaixo daquelles
' douscabos dizia-se subir a 4,000 homens.
Nao se falla de empreza alguma tentada polo ge-
neral Netto com os voluntarios do seu commando.
O governo de Montevideo via crescerem-lhe a to-
do o momento os apuros financeiros, aperar de
quantos meios empregava para levantar dinhero,
emprestimos e novos imposios. A imprensa, porm
dava como (brscente o estado dos negocios, e in-
culcava segurissimo o auxilio do Paraguay, che-
gando mesmo a dizer que oexercitode Lopzj se
approximava da fronteira brasileira. A demora
do paquete paraguayo, at ento detjxemplar re-
gulandade, inspirava alguma dosconlianca.
As nossas forcas navaes continuavam a bloquear
Salto e Payssand, sem que se tivesse dado desin-
telligonca com os neutros.
Da repblica Argentina s podemos mencionar
algumas invases de indios, e o mo estado sanita-
rio da capital, onde se linham dado alguns casos
de cholera.
O governo mostrava-sesempre animado das me-
lhores disposicocs a nosso respeito, mas na im-
prensa mesmo as folhas que mais enrgicamente
susteutam a nossa causa, prindpiavam a censurar
a demora que Ibes pareca inexplicavel da entrada
do nosso exercito no territorio oriental.
Consta-nos que est designado o dia lo do cor-
rente para o casamento de S. A. a Sra. princeza u.
Leopoldina com S. A. o Sr. duque de Saxe.
Por decretos de lo e 18 do passado foi creado
mais um batalhao do infamara do servico activo
da guarda nacional na freguezia de Ooirs e mu-
nicipio da Unio, na provincia do Piauhy.
Por carta imperial de o do corrente foi nomea-
do presidente do Alagas o desembargador Joo
Baplista Goncalves Campos.
Foi expedida com a data de 30 do passado aos
presidentes do provincia a circular seguate :
Reeommendo muito particularmente a V. Exc.
que proceda com a mais severa economa e llsca-
lisacao quando houver de autonsar quaesquer des-
pezas, de modo que em caso algum excedam s
quantas consignadas para os diversos servieos
deste ministerio nossa provincia; e bem assim que
a thesouraria de fazonda apphquo todo o cuidado
a respeito dos pagamentos que houver de realizar,
observando restrictamente as ordens em vigor,
empregando a maior exactidao as contas e ins-
truindo-as com os motivos das de>pezas.
O mesmo procedimento reeommendo a V.
E.\c. quanto ao orcamento da despeza que tem de
ser enviado a osteminislerio e que dove aqui es-
tar na poca determinada pelas ordens anteriores:
ahi devem s ser incluidas as quanlias indispen-
saveis para que cada servico soja preenchido sa-
isfactoriamente, justilicaudo-se quaesquer aug-
mentes que se jnLjuem precisos e indicndose as
antorisaces ou disposicoes por que as despezas se
effecluain. Alm disso compre que se declare :
1." As obras que tenham de ser emprehendi
das ou continuadas por conla deslc ministerio:
que quanlias se tom despendido em cada urna d'a-!
qucllas que j eslo em andamento; quanto ser
preciso para eva-las a elTeito, e a sua maior ou
menor urgencia, afini de se espocilicarera, de con-
formidade com o art. 14 da lei n. 1,040 de 14 de .
setembro de 839, no orcamento que tem de ser
presente cmara dos dopulados.
2." Quanto percebem os parodios encommenda-
dos, nomeados na vacancia das grojas ou no im-j
pedimento dos collados, e por que autorisacoes ou
disposicoes de lei sao regulados os seus veocimen-
tos.
Por aviso de 29 do mez passado foram promo-
vidos a guardas-marinha os aspirantes que con-
cluirn! os tres primelros anuos do respectivo
curso.
'Por avisos' c ao c 3o ao mez auo inanaou-se
rtadmiltir praca de aspirante a guardas-mari-
nha, nos termos do art. 4." da loi n. 1,204 de 13
do Maio do corrente anno, satisfoita a cotidicao i.'
do art. 13 do regulamenlo n. 2,11)3 do 1. de Maio
de 1858. os alumnos paisanos Joo Olympio Tollos |
de Menczes, Henrique Pioheiro Gnedes, Eduardo
de Barros Gonda e Francisco Flaviano de Cauta-
lce.
Por portara do 24 e 30 se concedou tres mezes
de liconca aos aspirantes Luiz de Paula Mascare-
tilias e Adolplio Paulo Galhardo.
A respeito do boato que corra no Rio da Prata
sobre o que corneo vapor Mrquez de liwla se ]
deu na ASSampcSo, e de que falla o nosso corres-
pondente, diz a Nacin Argentina, folna de Bue-
nos-Ayres :
t E' incerto ludo quanto so tem dito relativa-
mente a osle vapor.
t Nao se pJo crr que, tando elle apagado as
suas caldeiras ao fundear na Assumpco, p^desse
tornar a acendlas o safar-se sem ser presentido.
As pessoas que conhocerem o porto da As-
sumpco coucordaro comnosco em que se nao po-
da inventar pulha mais inverosmil.
t Alm dislo, havia no porto quatro navios de
guerra paraguayos, superiores em marcha e con-
dicoes ao Mrquez de. OUnda, que barco morcan-
te e vai carregado, de sorle que sahida logo se-
ria alcanzado c meltido a pique pelos navios pa-
raguayos.
t Repelimos, do que se tem propalado nada
certo.
Refere-se a mesma folha :
A corveta Bberbe, de guerra brasileiro, ao
descer do Uruguay vrou nos baixios de Marcos
por ter baixado consderavelmente o rio.
* Nao ha, porm, nada que temer por este na-
vio, que se acha em perfeito estado, aguardando
nicamente que o rio cresca para safar.
i Algumas pessoas avisaram o almirante brasi-
leiro que havia um plano formado pelos blancos |
para se apoderarem deste barco com lauches pa-
ra issa armados.
O baro de Tamandar agradecendo o aviso,
respondeu que nenhum cuidado Ihe dava seme-
Ihante tentativa, que s poda dar em resultado
um escarment aos que se meltessem em camisas
de onze varas.
Nogociaram-se os soberanos a 9;350 e as oncas ;
da patria a 29 600 e 2!>;8i\>.
< Desconlaram-se oti-.OOOj & \0\
Nao consta m vendas de caf. >
Sabio para Pernambuco, 29 do passado, a
escuna ingleza Europa.
I Baha.Fallecern: o juiz de dreito Dr. Evaristo
Ferreira de Araujo, e o juiz municipal Dr. Ernesto
Goncalves Marlins.
As chuvas no interior aa provincia, c princi
i plmente no reconcavo, erain abundante?.
L-se no Jornal:
< Se continuar, como prometle, a actual safra
desta provincia rlquisslraa. No dia 30 de no-
vembro o assucar armazenado subia a 300 mil
arrobas mais do que em igual poca no anno pas-
sado, quasi exclusivamente dos engenhos da pro-
vincia, nao tendo ainda chegado a forra da safra,
de -ergipe; o algodo subia tambem a tres mil ]
saccas mais do que no anno passado; o caf do
mesmo modo acerca de cem mil arrobas mais.
< Somonte no tabaco e na agurdente tem havido
dimiuuico, mas espera-se que a safra do fumo,
por mais tarda, nao ser pequea 1 >
a Hontem (30) foi com toda a solomnidade
conferido o grao de doutor era medicina aos
t Senhores :
t Ernesto Carneiro Ribeiro.
Joaquim de Carvalho Beltamio.
Jos Rodrigues de Figueiredo.
< Ignacio Luiz Vercosa Pimentel.
t Antonio Carlos Pires de Carvalho e Albuquerque.
i Americo de Souza Marques.
Manoel Joaquim Saraiva.
c Joo Pedro de Aguiar Filho.
Manoel Sim3os Dallro e silva.
a Manoel Jos Borges.
Joaquim Nicolao Mananni.
< Antonio Joaquim Je Cerqueira Mendos.
Frederico Augusto de Motira.
O capitao do brigtio nacional Comeiro, que
hontem entrou do Aracaj, noticia que no dia o do
correte, pelas 9 para 10 horas da manha, na lat.
S. 12. 23" long. O. 37. 40" encontrou um vapor,
que presumi ser corsario, e que se fazia ao mar,
levando a reboque um navio que reconheu ser pa-
tacho. Nenhum dos dous navios levava ban-
deira. >
Arrbou, a 3, a sumaca Esperanca, que sahi-
ra a 21 do passado para Pernambuco, por ter
abertc agua.
Sahio, 1, para Pernambuco, o palhabote
Dous Irmaos.
Chegou, procedente de Pernambuco, a 9, a
barca inglez Meter.
Achava-se carga para o nosso porto, a
escuna Elisa.
Alaoas. -L-se no Diario:
Tevo lugar hontem (2) a benco da prmeira
pedra para a obra do encanamento d'agua polavel
que deve ser trasida do riacho Bebedouro para
abastecer esta cidade.
c O aclo religioso foi exercdo pelo Rvm. Sr. Ma-
noel Amancio das Dores Chaves, sendo padrinhos
o Exm. Sr. vice-presidente da provincia, Drs. Jos
Angelo, Espindola e engenheiro fiscal Carlos do
Mornay.
c Foi pequeo o concurso dos assistentes, por
ser o lugar da bencao distante da povoacao e em
lugar onde nao poda" ir carro.
c Tocou durante o aclo urna banda de msica,
e subiram muitas girndolas.
t Feila a benco, o Sr. padre Amando entregou
a pedra a S. Exc que, a depositou no lugar
competente com a respectiva afta, assignada por
lodos os assistentes, algumas moedas de ouro, pra-
ta e cobre, os jernaes do dia, e alguns cartoes de
visita ; depois do que dados os vivas do cosame
rollaran para a povoacao onde o Sr. engenheiro
empresario, Dr. Carneiro Montero deu aos sous
convidados um excellente aimoco, durante o qual
continuava a tocar a banda de msica.
Nelle se fizeram differenles brindes, sobresa-
bido entro olios um do Sr. Dr. secretario do go-
verno ao Ilustre clero alagoano, representando
pelo Sr. padre Amancio, e que foi solemnemente
correspondido.
Pela nos>a parte, como obscuro membr do
clero alagoano, agradecemos ao Ilustre Sr. Dr.
Carvalho Moreira, e aos honrados convivas a men-
co honrosa que se dignou fazor do clero desta
provincia.
Findou o aimoco a 1 hora da tarde.
Escravos......
Escravas......
r*
48
8
352
COKMEBSIQ.
Alimentados a rusta dos cofres proviuriaes. 141
Muviincnlo da enfermara do dia 15 de dezeuibro
de,18G4.
Ttvvram baixa.
Antonio Joaquim de Lima, anemia.
Joo Marcelina dos Santos, rheuniatismo.
COMMUNIGABS.
Tkeatro.
Iloje d a empreza dramtica do nosso
Santa Isabel, a sua ultima ivpresentaco i
deste anno, levando scena o applaudido e
apparatoso drama em 8 rjuadros denomina-:
do Vida, milagres e imrlijrio de Santa
Ciciliia.
Nao nosso intento analysar este drama,
ou dar sobre elle o nosso incompetente
juizo ; porm, nio obstante o nosso plano
de trabalho, de passagem diremos duas pa-
lavras.
Escripto no gosto aatigo, aclia-se boje
recomposto e corriendo com vantagem pelo
Sr. Germano Francisco d'liveira, que com
o seu talento e pratica tbeatral nao poupou
exforcos para leva-lo scena como convi-
nba, satisfazendo por esta forma o publico,
cujo gosto, na quadra actual, inclinava-se
para representaces deslc genero.
Os applausos que obleve foram a recom-
pensa do digno emprezario, e o seu des-
fcmpenlio esteve de harmona com o gran-
de pcnsamenio do drama. As honras
couberam em grande parte ao incontes-
tavel talento da Sra. I). Antonina Marqoelou,
que identificada com o papel da protogo-
nista o desempenbou como cosluma a fazer
a todos aquellos de que se encarrega.
A empreza que boje se despede de nos,
tem sido urna das que mais tem satisfei-
to o nosso publico e com especialidade os
seus dilletanti. O repertorio composto de
dramas das diversas escolas conhecidas,
agradoa na sua lotalidade ; alm disso de-
corado o vestido com aceio e elegancia,
nada deixou a desejar.
Fazemos votos para que os poderes da
provincia prolejam aos dignos emprezarios
que tanto se bao esmerado pelo aperfei-
coaraento da arte que professsm, procuran-
do collocar o tbeatro no grao de distin-
co de que digno.
Consta-nos que o Sr. Germano d'Olivei-
ra, segu em breve para a corte, com o
intuito de organisar urna nova campa*
nbia.
Desejainos-lhe prospera viagem, e que
seja feliz em seus projeclos, aflm de que
possamos, para o anno, gosar cnlretidas
ailes de tao til quanto honesto passa
lempo.
REVISTA nUBIA.
Em outro lugar deste Diario, vai publicado um
annuncio do cobrador da recebodoria de rondas
internas, declarando a perda dos conhecimontos
de uipostos de escravos do bairro da Boa-Vista,
podindo para que ninguem pague seno a elle ou
respectiva repartido.
O Extmnadure, que hontem soguio paraos
portos do sol, levou em transito 170 passageiros.
Procedente do Rio para a Babia, entrou na
terca-feira a canhoneira franceza Lutin, tundeando
no Lamarao urde do mesmo da.
Veio recober platico, e segu para o Para.
Amanha so extrahira a i" parlo da 10a lo-
tera da matriz da Boa-Vista (1201;, sendo o maior
premio G:000::000.
Como haviamos annunciado sahio hontem
para os portos do sul at o Aracaj, capital da
provincia de Sergipe, o vapor l'arahyba da com-
panlia l'ornambucana, conduzndo os jomaos des-
ta cidade em que se liaviam dado detalhaJamonlo
as noticias assim commerciaes, como polticas do
volho mundo, e que haviam sido irazidas pelo va-
por francez Extremadure.
Foi alm disso portador das resposlas da corres-
pondencia vinda de Macelo, pelo vapor do Ro o
Paran, que hontem mesmo chegou ao nosso porlo.
Tero assim da.^uclla capital a troca da corros
pondencia em 48 horas.
Este e outros inelhoramenlo3. que devemos ao
zelo da gerencia daquella companlua, muito teein
cooperado para o augment da renda, que to son-
sivel se tem tornado na nossa provincia.
Passageiro do brigue brasileiro Aurcliano,
vindo do Rio Grande do Sul :Francisco Jos da
Slva.
Passageiros do vapor brasileiro Parahtjba,
sahido para Aracaj e portos intermedios :A.
Pereira dos Sanios, Manoel de Araujo Moraes Coh,
Adelaide Umhelina Goncalves, Jos Miguel Rodo!-
pho Franca, Miguel Jos Soares, Candido Vieira da
Cunha, Joo de' Almeida Montero, Francisco Xa-
vier de Mallos Tollos, Joaquim Carlos Maciel l'i-
nheiro, 1 escrava de Jos Pereira Magalhes, alto-
res quartel-mestre Bernardino Candido do Araujo,
3 cadetes, 13 praeas Jos Ramalho dos Res.
Passageiros do vapor Paran, vindo do Rio
de Janeiro :Dr. Jos Rodrigues do Paco, Dr.
c otiufH offlciaes.
PRACA-DO RECIFE
14 DE uE7,EMBR0 '^ 8o't
Algodo primeira sorio 25000 por arroba.
Algodo da Parhiba(LV 27,5000 por arroba
posto a bordo.
Algodo de Guarapes (Rio Grande do Norte) -26
por arroba posto a bordo.
Algodo de Macei 265000 por arroba posto a
bordo.
Assucar mascavado Canal regular de Macei
25100 por arroba posto a bordo.
Cambio sobre Londres 90 d/v. 27 li4 e 27
1(2 d. por 15OOO.
Alfandega
Rendimentodo da 1 a 13........ 401:715*99'.)
dem do dia 14................ 40:220378
Egas Sancha Ribeiro.
Francisco Antonio do Albn jnrrque Mrllo.
Jos Joaquim Bozcrra.
Padre Jos Antonio dos Santos l^ssa.
Jos Ferreira Das do Santos.
Dr. Jos Sergio Ferreira.
I). Lauriana Mara Kanv>.
Subdelocacia do polica d.. frogneza da Boa-
Vista 13 de dezciiil.ro de 186i.
Nesla subdelegada existe um rarn.-ro ama
rarter* que ser euiregue a quera provar pert*-
cer-lhes.
441:9365377
Temos vista jomaos do sul do imperio, trasidos
pelo vapor Paran, alcanzando: os do Rio a 7, da
Baha 10 o de Alagas 13 do corrente :
Sob a rubrica Interior vai o que de mais impor-
tante ha; alm do que s encontramos o se-
guate :
S. Paulo.No dia 3 leve lugar a collaco do
grao de bacharel em dreito 80 alumnos do 5
anno da respectiva Faculdade, orando por parte da
mesma o conselheiro Ramalho o por parte dos ba-
charelandos Souza Lins e Fortunato de Ca-
margo.
Rio de Janeiro.Foram nomeados por decretos
de 4:
t Dama de palacio, D. Rila Augusta de Lima
do Laraare:
Veador da imperial casa, o moco da imperial
cmara guarda-roupa Joaquim Raymundo de La-
mare.
Creou-se o lugar de juiz municipal e orphos
no termo de Humana, no Para, e marcou-se o or-
denado de GO;0(J0 ao .promotor de Aquirar, no
Cear'
Acerca de commercio diz o Jornal do Com-
mercio:
Fecheram-se hoje (5) transaccoes regulares de
cambio. Sobre Londres sacouse a 23/ e253/4 d.
em letras de banqueiros, e 26, 26 % e 26V4 d. em
ditas commerciaes, e sobre Hamburgo 100,000 m.
b. a 680 rs.
t Vender m se 196 apolees geraes de 6 % ao
par, 50 airues do banco do Brasil a 205 de premio,
100 ditas do banco Rural e Hypothecano ao par, e
579 ditas da companhia Brasileira de Paquetes a
Vapor a 90f cada urna.
CORRESPONDENCIAS
Sr. redactor.0 Sr. Miguel Pires Branco, em
urna declaraco por elle Orinada e inserta no Jor-
nal do Recife n. 177 do 5 de agosto ultimo, tove o
proposito de. fazer recahr sobro mim a autora da
tentativa de assassinato de que afrmara ler sido
victima na noilo de 28 de julho ultimo.
Ferido por esse molo em meus direilos, por de-
ferencia c respeito ao publico o ao dislincto corpo
do commercio, a que lenho a honra de pertencer,
charneta inmediatamente a responsabilidade pe-
ranio o Illm. Sr. Dr. juiz municipal da 1* vara,
|Tcrmi>?eni-s Scrates Tavares de Vasconcellos, cu-
ja ITTistrara 1 e inteireza sao goraimeme reeome-
cida, e leudo este digno magistrado sabido man-
tor a fiagestade do direito, o o Iriumpbo da jusli-
ca, como sempre cosluma fazer, pronunciando o
dito Sr. Miguel Pires Branco pelo crime de calum
nias impressas, peco-ihe, Sr. redactor, digno-so de
fazor publicar aba'ixo da presento, a sontouc.a de
prenuncia a que me lenho referido ; no que muito
o muito penliorain ao do V. S. constante loitor,
Aiifonio Alces Bulbosa.
Recite, 12 i dezembro de 1864.
Certifico avista des aulos do qneixa crimo ins-
taurado a requer ment do sapplicante Antonio
Alvos Barbosa, contra Miguel Poros Branco, ser a
sentenca de pronuccia a que se refero o mesmo
suppllcante na pelieo retro, do llieor o frn:a se-
guinte :
Vistos estos autos. Altcndeudo que a respon-
sabilidado doS papis impressos exigida pelo art. 7
Io do cdigo penal ha urna garanta dos direilos
do eldadSo o liberdade de imprensa quo nao dove
oslar acoberto da sanccSo penal, (uando abusar,
injuriando ou calumniando; allendendoque esse
o meio de se proceder contra o verdadelro delin-
quente,ou na falta, di se proceder contra quem
quer quo so responsabilisou pelo escripto, por que
a lei que un responsavel, ainda que nao seja o
vordadeiro autor; aliendendo quo o escripto de
folhas est asignado polo roo, quo ainda mais con
fessou sor o seu autor em differenles pecas destes
aulos; atiendendo quo a assignatura e reconhtci-
monto do escripto de folhas pelo reo, sana essa falla
do formalidad que a le prescreve para lomar evi
denlo a autora do fado criminoso e nao para sua
omisso invalidar o procedimento criminal quando
o autor do escripto o assignasse e confossasse era
juizo ser olio obra sua ; altondoiido que assim nao
tm fundamento a allcgaco do reo nesse ponto ;
atlendendo que o reo com o escripto de folhas....
declarando que havia soffrdo urna tentativa do as-
sassinato, o que nao conhecia inmigo algum a nao
ser o queixoso, altribue falsamente ao queixoso um
crime em que cabe o procedimento offidal da jus-
lica, pois que aquellas palavras combinadas com
as seguintes : e como receio que se repila a ma-
lograd! tentativa do referido da 28, faco a presen-
te d-idaraeo para o bom governo das mesmas au
ramente a entender
crime, tanto que o
me declara a au-
seolfira^TuhaV4"imTa, J6tdeCaperto|loriddes e ao publico,'para seu governo, que o seu
Coelho Cintra, Joaquim Antonio Goncalvez, Rodol- \ nico immigo o o queixoso, como para que aquol-
pho Lovingon, Jos Candido Marnho de S, Ere- las tenham toda a cautella com o autor para que
lides Magno de Froitas, Ignacio M. P. da Cunha,!se nao repita o crime; atlendendo que o reo nada
Pedro Bariholomou, Polidono Manoel Duarle Gui-! provou com rolagao a auloria do tacto criminoso ;
maraes, coronel Francisco Joaquim Pereira Lobo, atlendendo que aquillo que o reo depoz porante a
Joo Nones Trigueiro, Joo Antonio das Chagas au "ri dado Pohr la I nao Ihe pode fazer carga, por
Carneiro, uma Pompilo Pasos, Alexandre Ma-
rz da Fonseca, Antonio L'lysscs de Carvalho, Ma-
noel Das Souto, Dr. Francisco Rodrigues Pessoa
.de Mello e 1 criado, Jos Guedcs Nogueira, Luiz
Jos dos Reis, Jos Miguel Rodol pho Franca, Mi-
chel Vctor, 2 soldados, 1 ex-praca do exercito, 13
escravos entregar.
Seguem para o borle :Dr. Antonio de Brito
Souzo Gaozo c 1 escravo, Joaquim da Silva Coe-
lho 1 escravo, Dr. Frederico Augusto de Moura,
A. Joaquim da Silva, D. Anna Amelia da S. Porto
e 1 fliha, Cosme da Silva Vianna, Chardan, R.
Brto Gomes de Souza c 2 escravo-, Rufiuo Amo-
nio de Almeida, Izidoro Jos Belfort, Dr. Manoel
Jos Borges, Theod-ro Jos de A. Sobrinho, major
Jos Mara da Costa Araujo, Carlos Frederico da
S. Calisto e sua irma, Manoel Esleves Feijo, Ma-
noel Francisco, Guilherme da Cosa Rabello, Cae-
tano Jos da Silva Vianna, Raymundo da Cosa
1 que era obrigado a dizer o que senta, e havendo
urna obrigaco nao pode ella converter-se em um
crime, por ludo isto, pronuncio o reo como incur
so no art. 232, combinado com os arts. -229 e 230
do cdigo penal, a priso o livramento, a o con-
demuo as custas. O escrivo lanee o nome do
reo no rol dos culpados, e passe mandado de prisao
contra o reo.
Recite, 6 de dezembro de 1864.
t Hermogenes Scrates Tavares de Vasconcellos-
.Hovlmenlo da alfandega
Volumes entrados com fazendas.
com gneros.
Volumes saludos
com fazendas...
cora gneros...
134
563
------697
150
299
------ 449
Dcsearregam no dia 15 de novembro
Brigue suecoAcf/'rotaboado.
tingue inglezMan -mercadoras.
Brigue banoveriano Stephenson mercadoria s
Patacho hanoveriino Jaculasgenebra. alcalro
e garrafes yanten.
Barca ingleza Cmnocopiamereadoras.
Patacho inglez'fiara diversos ceneros.
Barca portogueza S. Manoel II diversos g-
neros.
Galera francezaToukin salitre.
Barca inglezMiranda -diversos gneros.
Brigue nacional -Alfredo carne de charque.
Brigue argentinoAila charque.
Polaca hespanholaViajeiro idem.
Brigue inglezSegetia earvo.
Brigue inglez Alma earvo.
Barca ingiezaIjilhian -ideiu.
Barca ingieraHelia Poule-earvo.
Barca inglezaI,ook Out -earvo.
Barca ingleza DoroHig{dea.
Barca francezaOlivier Jean Manecarvao
Barca francezaSanta Michel earvo.
necebedorla de rendas Interna*
geraes de Pernambuco.
Rendimento dodia 1 a 13......... 13:5355551
dem do da 11................. 3:4655895
17:00I5U6
Coasniado provincial.
Rendimento do dia 1 a 13 ........ 47:9635722
dem do dia
ii.
2:8365411
50:8005133
SEGURARES.
THE4TR0
Bf
. ISABEL
EMPREZA
(f-RU.iM) k C0I1BRA.
l'ltiiua recita.
no.fi:
Subir scena pela ultima vez o drama san
em 8 actos e 8 quadros
QllUA-KKIKt, lillt i> i/mimo DE Mi
A VIDA, MILAGRES E HIT.Bit
M
SAWA CECILIA
PROTECTORA DA MSICA
O quadro final da gloria nchi melhorado, t.tn
to de inachiuismo, como di- pintura.
I^me^ar s 8 horas
A empreza conduindo, rwn'f e-p^f larulo. .k
seus irabalhos 110 presente anno, fatiarij a asa dos
mais sagrados deven* se nao waNjprjsMi api
um lostemunbo de gr.ildit, n<> s aos r>|swin
vallfiros que a protegern), rom ao potan em
geni, pola constanif frequonria que lh- i**.
O arhsia Germano acha-se encarregado da or-
ganlsacto da companhia quoiem da tmMtsmmm >
proxinio futuro anno llioairal. rupis ir.i .
verlo cimecar em marco pruinm : par* em htt
ve para o llio de Janeiro, e a etfJpHn coo&t <|n>>
osle artista nada poupara para o bom r--uMa.li. .le
Ma iticumbeuda. o que presentara unu r -mpa-
nhia que salisfaca a expectativa publica, e ilo tm
relaco ao mrito m nossos NMMi e
da empreza,
AVISOS MIMTIMOS.
7BLI0AG9ES 1 PEDIDO.
Salsa de Brlstol.
Poucos remedios ha que tenham produzido tan-
Freir, 2 ex-pracas e 2 soldados, 1 ex-imperial ma- tos benellcios no mundo como este. E' a nica pre-
rinbeiro, 1 escravo entrogar. parago que ataca invariavelmente no sangue ;\
Movimento da casadedetencao dodia 13 de origem das enformidades ulcerosas e eruptivels
extinguindo ao mesmo lempo a causa e o effdto.
i Podemos pois confiadamente afflancir quo com sua
' purifiradora influencia, a corrupcao se transforma
em incorruplibildado. As chagas escrofulosas e to-
! das as molestias externas grandolares e cutneas
communs aos panes trpicos cedem prompiaraento
a sua poderosa agencia. Seus effeilos curativos as
affecgoes do ligado e no rheumallsmo nao sao me-
nos sorprendentes.
Acha-se a venda as boticas de Caors &-Barbo-
sa e de J. da C. Bravoo & C,
dezembro de 1864.
Existia ni.......
jJtitrarara..
345 presos.
19 .
Sahiram....... 12 1
Existem....... 352 t
A saber :
Naconaes..... 270
Estrangeiros... 83
Mulheres...... 4
Eslrangoiras... i >
Santa Casa da Misericordia do Kecife.
A lilma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Hecife mauda fazor publico qui-
no dia 15 do corrente, polas 4 horas da tardo, na
sala do suas sessoes, tem de ser arrematado por
quem mais vantagens offerecer, o forneciment dos
gneros que houver de consumir nao so os esta-
bolecimontos de caridade, como lambom os colle-
gios de orphos, no trimestre de Janeiro a marco
do anno do 1865. .
Estabelocimentos de caridade.
Manteiga franceza, libra, tapioca, idem, c/if em
grao, dem, assucar branco em torro, arroba, di-
to refinado primeira sorlo, dem, dito dit/ segunda
sorto, idem, arios pilado do Maranho, dem, ba-
calbao. dem, toucinho de Lisboa, idem, sabio
amartillo, idem volas de carnauba, idem, tilia es-1
pormacetc masso do I libra, familia do mandioca'
da torra, alqueiro, vinho linio do Lisboa, caada,
dilo branco, idem, agurdenle branca, idem, vina-
gre de Lisboa, idem, azoite doce, idom, dilo dej
Garrapato, idem, farello de Lisboa, sacco,' carne j
verde, libra, pao o bolacha, idem.
Collogio do orphos.
Assucar relinado, libra, caf em pro, dem,
maaan%a nauwsa, lavw, u....^ ,.....j_ .
libo, idom, btalas, idem. aletria, dem,'carne ver-
de, dem, peixe fresco, idom, pao e bolacha, idem,
toucinho de Lisboa, idom, fariulia do mandioca,
alquere, feijo, idom, azeile doce, garrafa, vina-
gre de Lisboa. dem, cal, cuia, lonha 0111 achas,
cento.
As propostas devem ser apresentadas em carias
fechadas, devendo ser especaos, j para os estabe-
leciraentos de caridade o j para os collogios do
orphos, sa tambem aceitas propostas sement
para a carne vera e para o pao o bolacha, tanto
dos eslabeledmentos do caridade como dos collo-
gios de orphos.
Os pretndeme* pdeon dirigir-se a esta secreta-
ra as horas de seu expediente, alm de colherem
as informaeoes que jnlgarem precisas, e no aeto
daarrematacodevem comparecer acompanhads
de sous fiadores, ou munidos do cartas dostos, quo
licaro responsavcis pelo intoiro cumprimeuto dos
respectivos coutraios.
Secretaria da Santa Ca-a da Misericordia do
Recife, 7 do dezembro de 1864.
O escrivao,
F. A. Cavalcanli Coussero.
Sexta-foira 16 do corrente tem de ser arre-
matada, linda a audiencia do Sr. Dr. jnz de or-
phos, pela ronda do tros annos, a casa n. 59 na
ra do. Santa lula, na razo de 1445 por anno,
cuja casa tem muitos commodoseseus fundos dei-
lam para a ra nova de Sania Rita, tendo nestes
una me-aguaetellieiro, o porlo largo, acommo-
da mais de um morador, c offorece vantagens a
quem tiver carros ou carrosas; as condeoes sao
facis como se pode ver do "escripto em poder do
porteiro Amaro ; a ultima praca.
Conselho le compras navaes.
Contrata o conselho no dia 17 do corrente mez,
sob as eondicoes do ostylo vista de propostas em
carias fechadas recebid'as al as 11 horas da ma-
nha, o fornecimento no trimestre vndouro de Ja-
neiro a marco de 186- dos seguales objeclos de
fardamenlo.
Para a companhia de aprendizes artfices.
Bonets de uniforme, ditos para o servico, blusas
do brim branco, ditas de algodo azul, calcas de
brm branco, ditas de algodo azul, camisas de
algodoznho, cobertores de la, colchas de algo-
do, fronhas de algodoznho, longos de seda para
grvalas, lences de algodoznho, sapaloos fetos
no paiz, saceos de guardar roupa, e travesseiros de
linho cheios do palha.
Para os Imperiaes mariuhoiros e aprendizes
ditos.
Bais de panno azul, camisas do brm branco,
cahjas de algodo azul, ditas de brim branco, dilas
de panno azul, camisas de algodo azul, frdelas
de panno azul, lencos de seda prea para grvalas,
sapatoes foitos no paz, e saceos de lona de inari-
nhagem.
Para os fuzileiros navaes.
Bonets de chapa e pala, calcas de brim branco,
ditas de panno azul, camisas de br.m branco, far-
das de panno azul, frdelas de brim branco, grar
vatas de couro do lustre, polainas de panno preto,
e sapatoes foitos no paiz.
Cotnina o conselho a receber em todas suas
sessSes propostas acerca de madeiras que precisa
o arsenal de marinha para constriiccao de um
transporte de guerra ; assim como contrata mais
1 no referido da 17 do corrente mez, tambem sob
' as eondicoes do estvlo e vista de proposus re-
cebidas, a lavagem de roupa dos estabelecimentos
de marinha no mencionado trimestre de Janeiro a
margo de 1865, bem como o fornecimento durante
o mesmo tempo do carne verde aos navios da ar-
mada, e diios estabelecimentos de marinha.
Sala do conselho do compras navaes do Per-
uambuco 13, de dezembro de 1864.
Alexandre Rodrigues dos Aojos
Secretario.
COPEIO GRAL
lelaco das cartas seguras vindas do sul pela
vapor brasileiro < Paran > para os senhores
abaixo declarados :
Antonio Jos do Miranda Falco.
Antonio Rezerra de Menezes.
Clorndo Ferreira Clao.
Carlos Mariano de Albuquerque GavalcantL
COMPANHIA BRASILZIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Do< portos do n..rtc o espera-
do at o dia 17 do corr.-nte va-
por (htmmtk, c01111n.1n.laMe An-
tonio Manvlino ia I'..n'.-. I'.ibri-
ro, o qual depois d.i demora d->
cosiume seguir para os portos do >ul.
Desde j recebem-se pa^sasdros rn^aja-** a
carga que o vapor poder conduzr, a qual devera
sor embarcada no dia de sua chegada: encasa
mendas e dinheiro a froto al o dia a sabida a t
horas, agencia na da Cruz n. I, escriptori db
Antonio Luiz de Oliwira Azevedo A C.1
n^oliT*AAiTATi^.vnccA r \
DE
rVavcgaco rosleira a vapor.
Parabyba,Natal, Hsco, Ara.ats, Cear 0
Aearaen.
No lia 22 d. frrenle seguir
':"::J.> ." TJ<. ^v ra o- p.'il"- ai'inia indicailos. ii '
''horas da larde. Ite-vlora rargaai-
o da 21 : cncraruonila-. pa.* gelros e dinheiro a fretc at as 2 ham m urA?
do dia da sabida : escriptorig 110 Pwtl do MaMw
n. I.______________________________________
COMPANHIA PCUNAMUCCANA
DK
XavegacSo co.stelra a *a;>r.
M.iiv-i'i o (oal.is.
IfO dia 3(1 do oorrenl.' n'goir.i
um dos vapores da rompanfiri pa-
ra os porlos acuna tmMttm a* -'
horas t\ larde. Rwttl eirga al
'o lia t. Encomrnoii lis. pi--a-
geiros o dinheiro a froto al 2 taras da tar* l
dia da sahida : escriptoro no Forte l> Mili-
n. 1.

Part Lisboa
O brigue portuguoz Lta //. capilo A. V. Vid-
ra vai sahir com brevidado por ter a maior par:
do sonoarrogamento armalo: quem n> ir.. >mo
quzorcarregir ou ir de aassasent, dirija-9e ai
seo consignatario E. R. Rabello, roa da Qafeai a.
.>5. escriptorio.
Para o fio de Janeiro
O bem conhocido o velero brijme 1 I mi Al-
mirante, capl) Jo.- Moroira Mai 1. pn-ieade se-
guir com muila brovidad*. tem parle de Mi rar-
regamento prompU) : para o rolo quo Ihe falta 1:
escravos a frete, para os aojara tem excoUrale*
commodos, trata-se com os seas eoaaifjaaajatai Aa>
tonio Lniz de Oliveira Azevodo & C, no sen es-
criptorio ra da Cruz a. I.____________________
Para Lisboa
O velero e bem conhocido brigne portugaez
Concetro de Maria, capitao J.muario mm de Oli-
veira, pretende seguir com muila t.FeviJadc, leni
parte de seu carregamento prompto : para o rei
que Ihe falta tratase com os seu* consii.'Baiar>
Anlono Luiz de Oliveira Azevedo A C no sen es-
criptorio ra da Cruz n. I.
Para o Porto.
segu al o da 20 do crreme o brigue portugnez
S. tbsoel /, capitao Carlo Ferreira Siares ; que
no mesmo quizer carregar ou ir de pa-isagom, di-
rija-se a ruado Vigerio n. 11, eatrriplorio Je H.
1. Ramose Silva t Genros.
Para a Baha
pretende seguir com muita brovUlade o palhabote
Dous Amigos, tem parto do seu carregamento
prompto ; para o resto que Ihe falla, trata *e roa
os seus consignatarios Antonio Luiz de iMivrira
Azevedo & C, no seu escripiorio ra da Chai nu-
mero 1.
LEILSES.
LEIliAO
DE
20 arris com mantei -
ga ingleza
HOJE
O agente Pestaa rara leil.'io por ronla e r. .
de quem pertencer de 20 barris com maaietf a in-
gleza em um ou mais lotes : qaiata-foira I j >
torrente as 10 horas da manha no armazesa .!>
Annes.
DF.
Urna taberna na ra
da Lingocta.
iioii:
Marlins far Iollao por ordem do Sr. coasni t
S. M. Fdelissima, da taberna sila na ra da Un-
goela n. 5, em um ou mais lotr a vootaic dc>
compradores, cuja taberna ponencia ao suMM*
porluguez ausente Antonio Je-e Vieira Braga.
O leilo ter lugar na mesma laberaaa II ho-
ras do dia cima, os pretndeme padein fian
nar o balanca que se acha em ralo do me?
Marlins.



Mario de Pe
! tutela tetra 15 LEILAO
Urna
DE
casa terrea na ra
vera l n% 36
m]
Sexla-feira 16 do correnlc.
0 aponte Pestaa far leilao por conta e risco
de quem pertencer de urna casa terrea sita ua ra
Augusta n. 30, eiu frente a nova matriz, de pedra
e cal rom 2 salas, 3 quartos, cosinha Tora, quintal
e cacimta, acabada de concertar ha das de que
ficou como nova : o leilao tora lugar soxtafeira 16
do correnle pelas II horas da manhaa no largo do
Corpo Santo, os Srs. pretendentes podem examna-
la antes do leilao de vendo acbar-se a chave ero
mo do agente.
LEILAO
DE
32 pipas de vinho Figueira
minea MX
Sexla-feira 16 do correnle.
Por conta de queni pertencer o agente Pestaa
vender 32 pipas com excellentc vinlio Figueira
desembarcado ltimamente ser vendido cin um
ou mais lotos a vontade, sexta-feira 10 do corren-
te pelas 12 horas em ponlo.no largo da alfandega.
modas, lavatorios, espedios, aparclhos de louga
para jamar, de porcelana para al mogo, crystae*,
urna urna de casquinho fino, igualmente um carro
americano de 4 rodas, 1 cabriolei em bom uso,
urna carroca, grado de ferro para galhinheiro e
muitos outros artigos apreeiavois e que no acto se-
rio patentes.
Segunda-feira 13 do correte
as 11 horas da manhaa na casa da residencia do
mesmo Sr. Rvd. Au>lin, na estrada defronto da
igreja da Soledade indo para a do Manguinho por
delraz do sit'o do Sr. Accioli Llns.
AVISOS MYERSOS.
PILI LAS CATHARTICAS DE AYER.
Estas pilulas vegelaes sao a-
dapladas a todos os usos de um
purgante as familias, pois sao
perfeilamente innocentes, e.em
quanto militares de pessoas con-
fessam com gralidao que foram
curadas por ellas de molestias
severas e perigosas;nao ha
um so caso em que naja suspei-
tas. do mais leve resultado inju-
rioso por seu uso.
Publicamos aqu alguns dos
attestados que temos de curas
O padre Flix Barreto de Vasconeellos tere
aberto um curso particular de latitn durante as
ferias, em sua casa na ra do Imperador n. 35, notareis fetas ltimamente,
prlmeiro andar, somenle para a clas res esludanles provectos que se quizerem prepa-
rar para fazerem seus exames em marco do anno
vindouro.
Um caso notavel de
i ,750 acedes da Companhia Pernani-
bocana.
Sexta-feira 16 dedezembro as H horas, a
porta da Associaco Commercial.
O agente Pinto levar novamente a leilao 1,750
arges da Companhia Pernambncana perlencentes I
a massa fallida de Rostron Rooker & C, as 11 ho-
ras do dia 16 do correte em frente a Associaco
Commercial.
LEILAO
de
Aos 6:000s0O0.
Corre amanha.
Se.vta-feira 16 do correte mez, se ex-
trahir a quarta parte da decima lotera
(lO1) a beneficio da matriz da Boa-Vista,
no consistorio da igreja de Nossa Senhora
do Rosario da freguezia de Santo Antonio.
Os bilbetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 6:000^000 at 100000
serao pagos urna hora depois da extraeco
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuido das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
AOTeeeio ebronica do ligado.
Illm. Sr.
Juiz de Fra, 17 de fevereiro de 1864.
Tendo feilo uso das pilulas catharticas
| de Ayer, que me fez favor de dar um vi-
dro, tendo tirado um resultado nao espera-
do ; padecendo ha mais de doze annos en-
fermidades do figado e baco, coai o uso
das pilulas posso lhe assegurar que estou
bom, pois ten lo desapparecido um grande
engorgitamento que soffria, militas dores
sobre a regiae do figado e costas, dores de
cabeca, incbago do ventre, nao podendo
deitar-me seno do lado direito, isso mes-
mo procurando posico para ter socego, lio-
je me acho livre d'esse padecimenio ; como
por aqui anda as nao baja, eu como tenho
este prop o que de casa, lhe rogo man-
dar-me alguns vidros, e o custo elle lhe sa-
tisfar, assim bem como do charope de
que Uve occasiao de experimentar;
Trastes, rehuios e outros mu
tos artigos.
Sexta-feira 16 do corrente, s
armazem da roa da Cadeia
numen 53.
11 horas, no
do Recife
O LY NI PI
. cereja.
0 CrUT?O Leal mudoil em um ataque de guellas que leve urna
.S i -, preta que com elle curei, faco uso d'elles
a SUa reSldCllCia da ra dO as tosses em minha familia sempre em
bom resultado, e por isso que peco para
mandar alguns frusquinhos, e mesmo as pi-
pri" hilas pode montar a doze, "porque tenho
fcilo uso d'ellas para uso da familia e al-
gumns pessoas, todas teem tirado grande
Companhia Odelldade d
seguros martimos e ter-
restres estabelecida no
Ufo de Janeiro.
AGENTES EM PEPNAMUCO
Antonio Lniz de Oliveira Azeredo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia do segaros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu cscriptorio ra da
Cruz n .1.
Forneiro. i
Precisa-se de um forneiro: na ra larga do Ro/
ario n. 16.____________________________
Aluga-se a casa terrea na Soledade n. 17 : a
tratar no pateo do Carmo n. 15.___________
O irmo da GooceMn dos Militares que tro-'
cou o chap depois da fesla, deixando um velho:
e levando um novo, tenha a bondode de ir igre-,
ja desfazer o engao, cntendendo-se com o zelador,
a cuja guarda esiavam os chapeos, dentro do ar-
mario da saehristia, do contrario me verei forcado
a ir busca lo em sua casa. \
Caixeiro.
Prccisa-se de um menino hbil para caixeiro de j
taberna, preferindo-se eom alguma pratica de ne-!
roco : a tratar no largo do Terco n. 32, que se
dir quem precisa.
Precisa-se de um bomem casado para feitor.
de um sitio, dando conhecimento a sua conducta : j
pode ir tratar na ra do Hondego n 107, fabrica
de rap.
(lasa de educaco.
Jeronymo Pereira Villar trasferio o seu esta-i dos por Royer.'pharmaeeutieoda'esco-
belecimento de instruccao primaria e secundaria la superior de Pars, successor de Chercau,
para a ra larga do Rosario, sobrado de dous an-1 membro da academia de medicina,
dares n. 22 ; e participa nao s aos Illms. senho- amiga casa de Boullon-Lagrange, pharmaceutico
res, pais de seus alumnos, como ao respeitavel' do imperador,
publico, que as aulas estarao abortas no dia 8 de | chefe dos trabalhos chimicos da escola po-
janeiro do anno vindouro de 1865. lytechnica, director da escola de pharmacia
mMmm mwmm mwtmmmm mmmtm
TIIESOURO DAS MAIS
Providencia das cianeas.
COLLARES ROYER
Electromagnticos
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DENTICAO
Contra as convulsoes e para facilitar a
denticiio das enancas preparados e Jnventa-
L\luOrphiailr.4liirrl tMk\
Rtia da Cruz n. 4G.
Ruara.
Esleestabclcrimcnioantifo e otnilora-
nhecido nesta prac* lervio ndo por falU
de emprcgai'os na ohrigaga de r.iri-
gir os seus trabalhos durante !t am* me-
zes,'aeha->e afora rm t -tul *V arra-
laros Irabalhus os mais delirados jac
se podem fazer em chapa d> pedra. i<**m
fomocartrs de risita CMS o rrtraio a
pessoa (muito em oo na tee) looa
classe de desenhos, mappas f-ytiyhirm
e qualquer trabulhorcMivoa.<(-.>HMMrrM
bem exerutado e por prefo* rair-aTrt.
COHIMMIIA
Precisa-se de urna ama para comprar e co-
zinhar para urna pessoa : no Decco do Lobato n
1, a entrada a esquerda.
Irmandade de \ossa Senhora da Conceico dos
Militares.
O nosso rmao presidente manda convidar a lo-
dos os rmaos para reunirem-se no respectivo
consistorio as 4 horas da tarde de 15 do correnle,
e em sessao de mesa geral eleger-se os membros
que leem de reger ne futuro anno d 1865, con-
forme os eslatutes.O secretario,
Luiz Jeronymo Ignacio dos Santos.
------------------------r-2--------------------i n. 3J, compram-se obras do ouro e prata, e pedras
O br. Antonio Jos Marques, que mo-! preciosas, assim como se faz qualquer obra de cn-
rou na na do Padre Floriano n. 41, queira 'commenda. c todo c qualquer concert._______
vir a praca da Independencia ns. 6 e 8 | = Precisase de um cosinheiro escrava c
negocio de seuinteresse. ; &** beni agradando
DK
Seguros Martimos Uilida-
de Publica
A dirercfiodesta companhia pasa o II* divtf. -
do a razo de 285 por arro, no ccrip|i>rio da
mesma, ra da Cadria n. 42, lodvs os dia< -*.-i*
das 10 as 4 horas da larde.
Recife 9 de dezembro de 1864.
Os directores
Feliciano Joe r-. mr*.
_____________Domingos II xlrigm-s 4t Aff*nfii
Ao amanh-Ti-r do da 20 de nuiul.ro d r r
rente anno de 1864, furlaram do rrrrado > r-
genho Aldea, da freguezia do Rio Kormvso o
quarlo de carga do mesmo rngenh, o iuM
ruco pombo. grande, rastrado, nao | n-v. irta no
olho esquerdo ama belide, c ponro ou nada v
pelo dito olho, tein um rallo elh<. no r-ptatata.
21 : quem o pretender, uinja-se a ra de S. ran- |u?ar ,.m que tere urna bexiga, levou o ftfm r.'r
cisco, sobrado n. 10._______________________ tado rente, carrega baixo, e tero e.-umpado no
Na praca da Independencia, luja de ounves ladodircito da anca o ferro do engenlio rn k-itra-t
de
Pars, e membro da academia imperia
de medicina.
Estes collares vendem-se nicamente na loja do^
Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
Quem li?er uin molegne de 14 a 16 annos
para alugar, dirija-so a ra da Cadeia n. 55, pri-
meiro andar.
Anda est para ser vendido o sitie da tra-
vessa do Remedio na freguezia dos Afogados n.
das
ra
36,
cima do
Queimado para a
Cruzes sobrado n.
meiro andar, por
armazem Progressista, aon- aunado; soa
j i. De V. S. aliento abrigado.
de o acnarao como sempre
prompto a qualquer hora pa-
vender em leilio diver.-os trastes novos e usa-
dos, sendo lavatorios, apparadores, duzias de ca-
deiras brancas, 1 sanciuirio de iacarans, relo- _,_ ^^.~^~;^ ,1-
gios de algibelra, correles para relogios, mach- Ka 0 eXei'ClClO (1Q SUa prO-
nas pequeas de costura, comm idas o outros mui-'!__ _i, ^ ] _____^_x
tos objectos que -starao,.tenles no dia do leilao. USSaO, C ailiattO P0r OSCripta
Ra da Cadeia n. 53.---------------------------------------------------------
Francisco Ferreira Paes.
LEILfiO
w
%
DE
Urna casa terrea no a.
Sexta-feira IG de dezembro*
O agente Pinlo far leilao as ..II l|2 horas do
urrea da ra do *oeogo
eobterem as chaves no piiin.iro andar do sobra-
do da ra da Cruz n. 38, escriptorio do referido
agente, aonde se effectuar o leilao no dia c hora
supradito.
LEILAO
DE
Movis, escravos, pianos, ca
vatios c outros muitos ar-
tigos de gosto
Amanha 16 do crreme s
SI
II horas.
Tender em leilao p-ir conta de urna pessoa que
se retira para fora da cidade urna mobilia de ja-
caranda, i dita de atnarellOj um sancluario, um
de bataneo, fawtorTjs, marquezas, apparadores^
quarlioheiras, e outros muitos artigos de casa que
se torna eiif.iJonho mencionar. Sara eSectnado o
leilao na ra da Cadeia n. 48.
Rhcumalismo e ataques bemorrhoidaes.
Illm. Sr.
Ottro-Prelo, 30 de marro de 1864.
Posso certiicar-lhe que as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer sao excellentes, pois
que soffrendo eu dores pelo corp, e que
suppunha ser rheumatismo, (molestia esta
que ja liavia solrido ha annosl e soffrendo
tambem de ataques bemorrhoidaes, e de
um ouvido, pois que al j pouco ouvia, e
acompatihado de urna dr no queixo, con-
sultei a um dos nossos mdicos, e este me
disse que devia fazer uso da salsa ; porm
com ason de 10:0005000 lem, eu al,II;,nack do_ raesmo doulor,
Dous quartos n. 2021 com a sortede 3:0005000. compre em sua casa um vidrinho das mes-
jus quartos n. 67 com a sorte de 8005000. ; mas pilulas e por minha conta principie! a
Quairo quartos n. 3241 com a sorte de 4005000.; loma-las, e sem as finalisar acho-mc sem as
Bontras multas sones de 1 fl* ** dores pelo corpo; e sem sentir, sarei do
ouvido, e mesmo dos ataques bemorrhoi-
daes : porlanto sao para mim as taes pilu-
las as melhores que tenho experimentado;
aos g:ooo.ooo
llilhetes garantidos
A' ra do Crespo n. 23 e casas do eostnme
0 ahaixo assignado venden nos seus muito feli-
zes buhles garantidos da lotera que se acabou
iodo Iheatro de Santa Isa-
premios:
leis na Casa
Os possuidores poJern vir receber
ti vos premios sein os desconlos das
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se venda os da qnarta parte da de-
cima lotera a beneficio da matriz da Boa-Vista,
que se extralur no dia 16 do correnle.
SBre9.
1 Bilhetes inteiros..... 75000
Meios......... 35500
Quartos........ 15900
Para as pessoas que compraren!
ds 1005 para cima.
Bilhetes....... 65300
Meios........ 35250
Quartos......, 15700
isto em abono da verdade. Sou
De V. S.
Amigo cerlo, venerador e obrigado,
O brigadeiro
J0A0 Rodrigues Feu de Carvaluo.
de
Depo-ilo de pio, bolacha c gneros ih
ra da
Sabbado
Lingeeia n. 0.
17 do correte.
Caixeiro.
Precisa-se donm caixeiro que tenha pratica bas
: a tratar na ra da Madre de fado, hoje felizmente nada sinlo.
-------I Augusto Gollatino de Mello.
Gnslrile.
Ouro-Preto, 29 de marco de 1864.
Atteslo que tendo feilo uso, aconselhado
Po. ana anjil, ilus [(lidias" U0 L)r. AJ'Cr,
liquei perfeilamente bom de urna gastrite
que solivia e que privava-me de andar aper-
Precisa-se alugar urna ama para
e cozinhar, e que prf-A a comprar
Caldeireiro n. 12.
engommar
na ra do
pa-
na ra da Madre de Dos
n. 36, primeiro andar, das 8 as 2 horas da tarde.
maius.ulas como aqui se s A I.!) E A. Atoa*-
te-s(! qoe os cavallos assim ferrado, ni *o tro-
cados nem vendidos, e os que fortn rnroniraas
som ser servico do mesmo engenl.o -i. fua-
dos, e devem ser apprehcodidos; por la ni' > roba-
se s autoridades poliriaes, e mfsmo a qoalqutr
pessoa do povo, que sendo rnrunlrado diu.s ra-
vallos sejam apprehendidos ercroetdos ao admi-
Precisa-sc
numero 69.
de
Padaria.
um amassador
Est anda para alugar urna casa na ilha de
' Bemlica junto a ponte da Passagem, com commo- nislrador daquelle engenho ou ao abaiio a-i-ni
---------------- dos para familia, banho, pintada, e pelo barato do propriptario de mesmo engenho, ejn*fMa na
jaluguel de. 1505 por anno : na ra larga do Ro- cidade do Recife, ra do Hospicio n. .TO ijda*
na ra Direita : sario n. 36 se dir quem alaga. ________' do Recife, 26 de oulubro de 1864 iU tao Jo-*
da i I va Santiam.
DECLARACAO
Aluga-se a casa com solio no largo do Pilar
n. 10, e oulra na travessa do Tambi n. 24 : quem
! pretender, dirija-se a ra do Queimado, loja n. 13,
0 abaixo asslgnado com casa' de relojoeiro na IQ" no largo da Soledade, sobrado n. 48.
ra do Rangel n. t7, faz ver ao respeilavel publi-j a Ilirin .,n
co que nao pretende passar, como alguem tem in-1 /n llllJLl-oL
FOGO Dll AR
> No armazem da bola amarella no oio. a n>
. cretaria da polica, rece! em-se encninmendas d ventado, a sua casa a outra pessoa, invencao essa, 0 lerceiro andar da casa da ra Direita n. 36, o rogo do ar para dentro e fora da provincia.
que tem por fim nico desconceitua-lo perante o qua| tem commodos para grande familia : a tratar
publico e perante seus amigos e freguezes; ao no segundo andar da mesma casa, ou no Recife na
contrario pretendo nao s continuar com a mesma rua ja rjadeta n 3
casa como abrir outra de differente proflsslo e de
sociedade com pessoa para i tante qualquer cousa que alguem espalhe, a nao %as ,Jkir. lnA%% M
Ser o que o abaixo assgnado declara, ser reputa- gg /\ t.lll IMUVll Ib. O
do como falso e conhecido o seu inventor como aR-r __ _i. i mi ._ _i'!?
mmmm
ro?
A aguia branca recebou luvas de pellica.
Precisa-se alugar urna rosinheira rsrrava o
forra : na rua da Madre de Dos n. 36.
o temmo yLoja de madama IheardS 9
abaixo assignado prevenido qualquer jzo teme
rario que por ventura delle possam fazer, restan-1
do acrescentar que o respeitavel publico encontra-
lo-ha sempre disposto a bem servir relativamente.
a sua proiisso
___________________Fernando Garzoli.
Ama de leite.
Precisase de urna ama de leite pjra criar urna
crianca : na rua da Senzala Velha n. 140, lercei-
ro andar.
Na padaria da rua Direita n. 84 precisa-se
de um caixeiro para taberna na cidade da Vic-
toria.
Aluga-se a casa n. 6 na rua dos Coelhos com ^
bous commodos para familia : a tratar na rua dj i f
Mondego, olaria n. 13. S
Offerece-se um oplimocozinheiroquem de seu I ^
prestimo precisar, annuncie por este Jimio para JlK
ser procurado, declarando sua morada. W
O baeharel
Francisco Aosasto ta Cssta
Este eslabelecimento se acha hoje mais
que nunca bem sonido de objectos de
moda do melbor que pode vir ao merca-
do e nao se menciona cada um de per si
por se tornar demasiadamente enfado-
nho para seus numerosos freguezes osan-
do lerem o prsenle aviso pelo que limita-
se em lembrar alguns artigos, como se-
jam : chapelinas de dinas de palha de
Italia, de seda, de crep branco e preto
ADVeOADO
Rua do Imperador
- Precisa-se alagar urna prea njM '' rnz>-
nhar c engommar: na rua da Palman. '.
berna.
L'm rapaz brasileiro com praiira d<- eatnaaM
para luto, chapeos redondos de pama dan offercrc-se para ser empregado em loja .'e
Dos, armazem n. 18.
Malta alterna
i
Falla de apetile.
Ouro-Preto, 2i de fevereiro de i80i.
Sendo eu affectado do finado ha muitos
Emlim descobro-se nao s o aulor do furlo de
um relogio e crreme, ambos de ouro, sublrahidos
da noite do 10 do prximo passado mez, de urna
casa da rua larga d) Rosario, senao tambem o lu- annos, e ltimamente soffri falta de apetite,
O arente Pinto far leilao por conta de quem %"mil ^eA2?^!?-?!*J!??L*8.!fi!?- hoje ^ou ?raCas a Deus por acbar-me sao
pertencer da armacao e gneros do deposito" da I !3.M*J?*S P>par um desgosto ao an- e perfeito com o uso das "pilulas catharticas
rua daLingocta n. 6, s 11 horas do dia cima di- nunc,an,ft e uma 'rgonha ao -r. prevno-
lo no referido estabelecimento.
DK
16 meia-aguas de pedra c cal na roa
do Caiiiaro n. S A.
Sabbado i7 do correnle.
O aginte Pestaa legalmente autorisado por sen indicara quem precisa.
dono far leilao de 16 meias aguas muito bem edi-
licadas de pedra e cal o. 1 a 16 sitas na rua do
Catnaro n. 5* A : sabbado 16 do corrente pelas II
horas da manhaa junto a Associaco Commercial,
qualquer dellas tem sala, alcova e cosnha. Os Srs.
pretendentes podem com antecedencia examnalas
e o agente acha-se prompto a qualquer esclarec
ment.
se-o o roga-se-ihe que ludo se conclua sob o in-
cgnito; podendo elle, caso nao nos queira obrigari
a procednnento ulterior e mesmo criminal, entre-1
par tudo por intermedio de um terceiro por exem- i
po, em a loja do Sr. Antonio Augusto dos Sanios
Porto Por ora o conselho ainda de cmara-
da I I
do r. Ayer.
Antonio Bento Vieiha.
DE
loriantes dinidas.
Conslipacao, dores de cabca.
Ouro-Preto, 28 de marco de 1804.
Atiesto que achando-me atacado de urna
- Precisa-se de urna mulher nara servlcos de fojf COOStipacSo que trouxe-me dores por
, una casa de homem viuvo sem illms : em 'Santo l0Uo C01*P 6 na cabeca, SOffl'l liornvel
Amaro junto a fundco, taberna doSr.Rego.se mente por espaco de quatro dias ; cntu
um amigo aconselhou-me que tomasse pi
- Hermenegildo Barbosa, subdito portuguez, lulas atharticos do Dr. Ayer : com ellas fl i
vai para Hucnes-Avres._____________________ quei sr,0 e completamente reslabellecido em
- Precisase alugar um ou dous pretos para o tres dias, de sorte que estou no ffirme pro-
posito de aconselhar o uso das ditas pilota
todas as pessoas que forem affectadas de
nstipagoes.
Agostinho Jos da Silva, negociante de fa-
zondas.
Precisase alugar um escravo preto que seja
robusto e desembarazado, para servico leve e que
nao prejudica a san de, dase-lhe comida e pagase
mentalmente segundo o que se convencionar : na
rila lilr.ilii n A': I..,-.
Precisa-so de um bom trabalhador
ra : na rua Imperial n. 39.
Italia amarella e de outras cores para
senhoras, ditos para meninos e meninas,
ricos cortes de blonJe, ditos de moreanli-
qoe de diversas cores, ditos de seda, as-
sim como sedas de cores para se vende-
rem a covados, ditas escocezas, cortes de
vestidos retos bordados a agulha, final-
mente um variado sortimento de fazen-
das finas e grossas, na mesma casa fa-
zem-se capas, manteletes, vestidos para
noivas, vestuarios para meninos se bap-
tisarem e ludo quanto perlence ao toilet
de urna senhora e reeebe-se Ogurinos to-
dos os mezes das ultimas modas de Paris.
Ama
Precsa-se de urna ama para andar com um me-
nino, e outra para engommado : na rua do Hospi-
cio n. 36.
Precisa-se de una mulher para os servigos
de urna casa de pouca familia : na rua da Cadeia
do Recife n. 31 se dir quem precisa.
Precsa-se alugar urna escrava que saiba en-
gommar, lavar e coser, que seja forte ; tambem
um canoero que seja forro ou caplivo : em casa
do Sr. Cambroneem Santo Amaro.
de nada-1 'wlSGUKfKHS'i 1 t..v-.-si msiiBiimOmOmJ
Companhia de reboque Vigi-
lante.
A companhia precisa contratar o fornecimento
de carvo de pedra para o vapor Camaragibe, para
o trimestre do 1" de Janeiro al I de abril de 1803,
propostas em cartas fechadas, enlregam-se at o
dia 20 do corrente mez ao meio da na gerencia
rua do trapiche n. 18 escriptorio de Rolhe & Bi>
doulac.
Precisa-se de am amassador qoe saifca bem
desempedrar o seu lugar : na pad.-.ia & Doins,
rua da Imperalnz n.
A!ogu-se a casa terrea da rua Imperial u.
das, escriptorio, ou outro qualquer eslaMrrmit-n-
to, dando fiador a sua ron procure na fabrica da travcs>a do Ornea r.. 2.
caes do Ramos. ______
"_~..\luga-so a loja da rua dos M.uhri a. i :
a tratar na rua do Crespo n. I.'i.
Sahiu luz o quarto numero da hnmta Jo
Instituto Archeologtco e Ototrtmtm Firmmmmrm-
no, conlendo, alm das ses-iVs do Instituto, o nim-
io interesante relatorio da nmtfmta iaratrpn-
da de d-.'scohrir o jazigo de Joan F>riiand< \ i. i-
ra, e una curiosa etali*tica da nwt la > 17:i;
em Pernambuco. chamada a aaem ano im
Acha-se A venda n.i loji da Hvre t l S
raide ouza, ao Arco d; Santo Ai:t->n:
acham lambemos nnmerns aananavr*.
i Assignalura por auno ">5, numero avulso I >">)
serv
Costa da 1'tinga.
O Sv.
O Sr. Joaquim da Silva Costa vem pro-
testar contra quem rebater letras sua a meu
favor superior a qualrocentos e tantos!
de mil ris dizendo que s se responsabi-
Importantes dinidas, ilis,a P* os!n-. Nno en,,. (1 JSr- Cosla s'
M,r,in' ,, esta letra, tenho mais outra de quasi tres
doE^'r^'Sr^omXio^^t! ^tos, e outra de um cont, de r'is, sendo
panbeiros, que seu protesto pela imprensa
nao que exibe nem delle as pagar, nem
de eu as rebater, esta dilculdade de tal
rebate nao rin da dtivida da verdade das
letras, e da firma nellas postas, mas sim
da dilculdade da cobranca Pois o Sr.
Costa s paga guando est com os ps
na porta da cadeia, assim foi com o Sr.
commendador Joaquim Francisco Paes Bar-
reto'; assim foi com os Srs. caites Jos
vidas activas da massa fallida de Joaquim Vielra
Coeiho & C. na importancia de 81661,8324 rs.
Sabbado 17 do corrente.
o primeiro andar do sobrado da rua da Cadeia
n, 48, s II horas do dia cima.
ni;
Fabrica de sabo da rua Im-
perial e todos seus pertences
Segunda-feira 19 de dezembro.
O agente Pinto fara leilao requerimento do ad-
ministrador da massa fallida de Rostron Rooker &
C. e por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial do
cnmmercio, do edificio e mais objectos da fabrica
de sabo da rua Imperial, assim como levar a no-
vo leilao os objectos pertencentes a mesma massa
expostos em leilao do dia 5, servindo de base os
precos obtidos if aquella occasiao, os quaes sero
degnilivamante vendidos e entregues no leilao de
diasegunda-feira 19 do corrate, ua raosraa fa-
brica.
Principiar s 10 horas.
DE
MOBILIA
A 19 do correnle.
Por ordem do Rvd. C. A. Austein o a?eMe Pes-..
tana far leilao da esplendida inobilia da casa de balno de cozmha, bem como jamares extraordina
inora lia do mesme, consisiindo em mesa redonda, I ros, saraos, halles, lanehes; assim como apromp-
dit'i d.) abas, sefs, cadefras nsoaes, de bracas t la com l Ja presteza vanacoes de pegas geladas : i
de balango de Jacaranda com molas e sem ellas, | queindo seu presum se quizer utilisar, dirija-se !
espdhos ludo no melhor estado para a<"orno de fuad_a Cru^ttte, primeiro andar.
sala de visitas, muitos outros objectos para sala
de jantar, cuno mesa elstica, apparador, guarda
louga, armario de gosto, cadeiras, estantes, um
Irritaran do estomago.
Ouro-Preto, 29 de marco de 186i.
Attesto e juro, se necessario fr, que. sof-
as ditas ultimas provenientes de dinheiros frendo ha muit0 teinP excessiva miagad
a premio, e a primeira de menor quantia de estomago, pouco apetite e difficil diges-
de transages de negocio. O Sr. Costa l5- (lella tenno experimentado sensiveis
sabe mni bem que me acceilou estas le- melhoras depois que tenho feilo uso das pi-
tras, assim como devem saber seus com- lulas palharticas do Dr Ayer.
Antonio Hermogenes Pereira Rosa.
Lonibrigas.
Ouro-Preto, 28 de marco de 1864.
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas), fo-
ram empregadas com grande vantagetn por
mim em urna menina de dez annos, que
soffria de vermes intestinaes, notando-se
que os sympioinas que entilo apresentava
eram de molestia bastante pertgosa.
Raymundo Nonato S. de Thiago, pharma-
ceuiico.
da Silva Cisneiro Guimares e Jos Paulo
do Reg Barreto, e assim foi at com o seu
proprio sogro. Com isto tenho respondido,j Neiraljia.
e as letras ainda nao foram ajuizadas por! Urna caria do Illm. Sr. Francisco Alva-
no estarem todas vencidas, o que ja agora renga de Azevedo.
nao esperarei mais para demandar pelas i ____
Perdeu-se no dia 9 do correnle mez um pa-
leto! com urna carteira contendo alguns papis,
sendo todos escriptos em inglez ; por isso pede-se
a pessoa que laes objectos achou e os queira en-
tregar, e por de nada lhe servirem, os levar a rua
do Trapiche n. 28 que se gratificara, e nao que-
rendo que se saiba baja de bolar por baixo da
porta que se lhe ficar obrigado.
- Aluga-se a casa terrea n. 42 da rua da Ma-
triz da Boa-Vista : a tratar na rua da Madre de
Dos n. 16.
Precisa-se de urna ama cozinheira, livre ou
escrava : a tratar na rua larga do Rosario n. 36,
primeiro andar.
Jos Gomes de Amorim manda para Europa
seu fliho menor Mauoel Goncalves Gomes de Amo-
rim, subdito brasileiro. __________________
Joo Lortet, subdito francez, tendo ehegado
no brigue Olinda, trabalhando de feitor e jardi-
nero, offerece-se para tomar conta de qualquer
sitio : a fallar na rua do Pilar n. 6o, justificando
que homem de bem nos seus negocios.
Aluga-se urna casa commoda na povoacao do
Monteiro : a tratar na rua estreila do Rosario nu-
mero 26.______________________________
Rernardino Pacheco dos Santos faz sciente ao
publico e muito principalmente ao respeilavel cor-
po do commercio, que vendeu sua taberna Ma-
noel Fernandes de Faria; e por sso toda a pessoa
que se considerar credor do annnnciante, deveri
apresentar sua conta na dita taberna, sita no lar-
go do mercado'da ribeira n. 23. Recife 13 de de-
zembro de 1861.
79 S a tratar na taberna da rua do Rangel n. 7.
II c
S
Francisco Gomes Simos do Amaral, cobrador
Jo imposto de escravos do bairro da Boa-Vista,
por autorisagoda recebedoria das rendas internas
geraes desta provincia, tendo perdido hontem,
I pelas i horas da tarde, na rua da Praia, um mas
i so de conhecimentos de taixa de escravos, cons-
tante da relacFio, a qual deixa de ser publicada
hoje por falla de espaco, o quo bremos n'oulro :
pede a toda o qualquer pessoa a quem for apre-
senlado alguns destes conhecimentos do nao paga-
rem seno ao mesmo cobrador, ou na competente
reparlicao, onde j consta este estravio ; as>tm co-
mo o mesmo eticarregado pede a qualquer pessoa
que tenha achado ditos conhecimentos, de os en-
tregar no largo da Paz dos Afogados, casa n. 13,
isto no praso de 24 horas, sob pena do abaixo as-
siguado proceder contra quelle, em poder de
| quem for encontrado ditos conhecimentos, sendo
estes conhecimentos pertencente ao exerciciode'
1863 a 1864.
Francisco Gomes Simoes do Amaral.
Precisa-se de urna senhora habilitada, pelo
menos, a ensinar bem primeiras letras, principios
de msica e piano, o trabalhos de agulha, que
queira ir para a companhia de urna familia, mo-
radora n'um engenho prximo a urna das estagoes
da estrada de ferro, leccionar tres criangas ; ga-
ranlndo-se tratamento e paga convenientes : a
tratar na rua do Trapice n. 13. _____
. ma ilr leite
Precisase de tima ama de leife sea tilh-
tratar na rua do Imperador n. ">4.
H Joao da Silva llamos, medie, pela l'ni
lMj versidade.de 'inibra, d co;i-o!i.- am
SS sua casa das 9 s II horas da BHoMa, r
tt das 4 s 6 da larde. Visita os d-T,'-,~
9n em suas casas regularmente d.k I
J9U Para lss0 designadas, salvo os ca>o ur-
W[ gentes, que sero soccorridos em .|.i.il-
W quer occasiao. D consultas a r'1 <
B que o procurarem no hospital ire l.
j& aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem sra casa de satide regulareanntl
montada para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o qnr
tem commodos apropriados e nclla
lica qualquer o|ieragao nrargir*.
Para a casa da sade.
Primeira classe 3000dfarios.
Segunda dita.... i**)
Terceira dita... 25IKJO
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servigos que tem prm>
lado.
O proprietario espera qne elle conti-
nu a merecer a contianga de qne vm-
pre tem gozado.
I^
K
pra-

Ra rua estreila
do Rosario 3i
Advocado Alfonso de Albu
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer hora ;
o iras, porm, na villa do Cabo.
as sen. -
fterece-se para administrar engenho um j Quem tiver urna boa escrava que saiba cc-
mogo com bastante pratica : quem precisar dri- zinhar, e a queira alugar para urna casa de pouca
._.._:.. Correia em Trom-1 familia, dirija-se a rua dos Pires n. 24, que
ja-.-e a casa de Manoel Antonio
beta.
Aluga-se um sobrado de um andar e sotiio
na rua do Calabooco, e urna casa na Capnga mili-
to fresca : a tratar na travessa da matriz de Santo
Antonio n. 8.___________________
Precisa-se de urna ama forra ou escrava que
sirva o diario de una casa e compre o que for ne
eessario : na rua da Cadeia Nova n. 37.
vencidas.
Recife, 14 de dezembro de 1864.
Antonio Francisco Lins Wanderlev.
ptimo piano e caixa para msica de Jacaranda,
cadeiras da diftVrenles qualidades e eilios, corti-
nados de sala e tapetes, leitos, guarda roupas,
marquezas, diversas marquezas o tnesinhas, com- jdrade t Rugo.
Ha mais de sete annos que soffria dores
: no hombro e as costas, tomei urna inini-
; dade de remedios sem adiar alivio algum.
AndrpT,Onf? ^r' anus,ia' tormento sao palavras for-
jmuiojjuug tes, porm nao exprimem o que tenho sof-
Encarrega-se de toda e qualquer funccSo ten- f do uitmamente lome as n|.,|a, fn_
dente a sua arte, tanto nesta cdado como nos ar- "' 2n?*K e # -.P
rabaldes, fornecendo o servigo necessario, incum- tharticas do Dr. Ayer. So faz oito das, C CS-
bindo-seda direceoe execugo de qualquer ira- tou completimente restabelecido ; ha lies
dias que nao sinto a mais leve dr no hom-
bro nem as costas.
Estas pululas acham-se venda as prin-
cipaes boticas e drogaras do Imperio, e no
Rio de Janeiro, rua Direita n. 15.
Vende-se em Pernambuco:
na pharnaaeiu franeeza de
CASA EW (MIIANG.
Alnga-Sfi urna casa nova muito fresca com ex-
cellenle sotSe iita no Cachang defronte do enge-
nho Poeta : a r*,tar na rua do Crespo loja de An-
Ninguem se engae na arremalago da cata
da rua Augusta n. 36, annunciada para leilao io
dia 16 do corrente, que pertencendo ella e as r,ue
lhe flram contiguas ao abaixo assignado emtora
nao sejam collocadas defronte da matriz nova, ne-
huma transaegao por ora pretende fazer com el-
las c porque nao ronstanao haver em urna s rua
mais de um numero igual, slmplesmente faz a
presente declarago.
Manoel Pereira Lenme.
P.MAURER & C.
BA NOVA N. 18.
i) abaixo assgnado faz verao respeilavel pu-
blico e com especialidade ao corpo do commercio
desta cidade que o edital publicado no Diario de
hoje em relago a arremataco de duas pipas com
viuho da Figueira avalladas em 250 cada urna,
s tem por fim injuriar o raesmo abaixo assgna-
do, pois apenas deve urna bagatella de castas e
nao de principal como se deprehende do referido
edital, cuja cusas nao mootam mais de 605 I
- por sorpreza desta ordem vodem ser molesta-
da* o< iiomens de melhor boa f que acreditam
em paJavrinhas de certos Impostores. Assim, pois,
com a presento dnelaraco, lica demonstrado de
que )ao es a boa f.
Jos Ri-eiro da Cunta Guunaraes.
se
precisa, e d?t-se boa papa e bom tralamento".
No caes de Apollo n. 54 compra-se um es-
cravo que seja bom boleeiro, mogo e boa conduc-
ta, e urna escrava que emenda bem do eozinha e
ensaboado, pois se pazar bem oseu merecimenlo.
Consultorio medico-chirargico na raa larga de SU
sarie n. 20.
O Dr. loo Ferreira da Silva regrt s.-ando na
casa, cootina em o exercicio de sua pr.-il--.i-.
nao s na parte medica como tambero na rbirur-
gica.
Para a festa.
Aluga-se um sitio na rua do Cabra! ib ci-
dade de Olinda, com casa terrea, cota co-
piar na frente, bota os fundos para a Ira-
ua e margera do rfo Beberibe, coas ronv
Nao tendo lidolugar a arremalago do escra- modos para familia, estribara para cavado
vinho Ismael, peuhorado a D. Francisca Candida e capim para SUStenta-loS, arvoreiios >
fructos, sem visinbo defroole nem pHo
Pede-so roupa de senhora para engommar
rom toda perfeigao : na rua da Imperalriz n. 48.
de Miranda na audiencia do r. juiz municipal da
V vara do dia 13 do correnle, tem de ir nova-
mente a praga na audiencia do dia 16 do mesmo
corrente mez, pelo cartorio do escrivao Saraiva.
Irmandade das almas da Boa-Vista.
O abaixo assignado, thesoureiro interino da ir-
mandade das almas, erecta na matriz da Boa-Vis-1 da Independencia, e em >linda nacasaron-
ta, tendo de entregar dita thesouraria, o julgando, fa^ CQg, Q C9T)\^0 Antonio Bernardo Fer-
uada dflver, convida a toda e qualquer pessoa que
por qualquer titulo so julgar credor de dita ir-
fon io, com ptimos passeios, sala e rab-
nete na frente, muito proora para passar *
festa, e tambem se alu/ara por anno: a tal-
lar no Recife, na livraria n. 6 e 8 da pra^a
reir.
mandade, de apresentar-se ao mesmo abaixo as-
signado, quo ser incontinente pago.
Antonio de Pars Brando Cordeiro._ '
Aluga-so urna ca a em lleberibo, no lugar |
'do Porto da Madeira, caiada e pintada de novo.
com 2 salas e 2 quartos, propria para se passar a j
fesla por ser maito perto do no, pelo barato prego
de 503 os tres mezes de festa : a tratar na rua ;
Direita n. 8._____________________________ !
Aluga-se a casa da rua da Matriz da Boa-
Vista n. 4, caiada e pintada de novo, o com com-
modos para familia : a tratar na raesma rua nu-1
maro 51, taberna.
Precisase de urna ama para cwinnar anata
servigos de casa de ama pessoa ; no fcereo do Lo-
bato n. 3, sobrado a direila. __________
Prccisa-se de um
rua doAlecrim n. 2.
caixeiro : na Ub-rn m
Xa rua Velha da Boa Vista i. 43, loja, ka
um moleqne de 16 annos para se alagar.
Aloga-sc a casa da roa do DrMiao nVft; a
tratar na rua da Matriz da Boa-Vista n. 54, ta-
berna.^_______________
Ricardo Martins da Silva
1 tugal tratar de sua saade.
Borje vai a p.jf-
ILEGVEL
I


Diario de Peruaiubuco Quinta ielra i Je Dezembro de lhtt-1.
saques sobre Portugal.
0 abaixo assignado, amormado pelo S
Banco Mercantil Porluei.se. e na ausencia 9
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef- |
fectivamente per todos o < paquetes sobre g
as pracas de Lisboa e Poi.o, e tnais luga- *
res do reino, por qualquer somma vis- _|
la, e a praso ; podcndo, os que tomarem
saques a praso.receberem asista, no mes- g
mo Banco, descontando 4 OO ao anno: na g|
loja de chapos da ra do Crt*po n. 6, ou _
na ra do Imperador n. 63, s.-gando an-
I dar.Jos Joaquim da Costa MVia.
m
m
I
Urna boa casa terrea para familia
est por alugar-se ra da Uniao n.
39 : quera pretender dirija-se rus
da Aurora n. 10. Tambem alugam-
se as lojas n. 44, ra da Aurora
Aos senhores pas de familia.
O padre Flix Barreto de Vas-
concellos, com aula particular de la-
lim na roa do Imperador n. '-V, i."
andar, contina a recetor alumnos ;[
de todas as classes, durante e de- an
pois das ferias. Tambem est dis- ^
DE
TZWDAQ
>X*v- m i
N. 10Kua do Orespo-F. 10
Cortes, vestidos de cambraia, branco com lista, finos a &05OO.
Soutambarques pretos ricamente enfe'ilados 25(5(060
Organdvs d'uma s cor, fazenda moderna 8(0 rs.
Grande"variado sorlimento, chitas largas de 280 ;>00 rs.
Bramante de linho, espantosa largara 2)9400.
Cortes de vestidos de linho de llores 15)9000.
m completo sorlimento de chapeos francezes 80500.
Na roa do Crespo n. 10, loja do Principal Barateiro.
5 poste a abrir un curso de primei-
^ ras lellras e de francez, logo que
/& baja numero suficiente de alumnos
3|| para cada urna destas materias, e
6 assim tambem a receber como in-
t^ temos alguns meninos,de cuja edu-
cacao o quizerem encarregar. Os
S|R pagamentos serao por trimestres >p
adiantados, e os precos declarados nj
H pessoalmente na occasio do ajuste g_g
m para a entrada do alumno. K
O portuguez Albino Baptista da;
Rocha, relojoeiro e dourador na
pra^a da Independencia loja n. 12, |
faz qualquer concert de relogios e
dourado por prec,o mais barato do
> que outro qualquer e responsabi-
'lisa-sc pelo seu trabalho, e espera
protecco de seus compatriotas.______________
Risica
Previne-se a certa certa sennora "da ra da I.....
que s
pois
lia.
urna senhora bem casada, e nao continuar a pra-1
licar o que se tein presenciado, do contrario,.....
O pal de familia.____
Est occulta.
A pessoa que tem occulta era casa a prea Ru-
fina, queira entrgala quanlo antes a seu senhor ,
do contrario ter de soffrer as penas que a lei,
marca .pira quem tera escravos escom Idos.______'
__ Alunm-se o 1 e 2 andares da casa da ra ;
do Noeueira n. 19 ; para ver-se, a chave acha-se |
na IDM do morador da loja da mesma casa, e para
tratarle, na ra da Cadeia o. 26, esquina do bec-
co Largo, escriptorio.
ra do Queimado n. 8
B Grande sortimcnte de objec-
tos de gosto.
^ A Agola Branca antes mcsmo de ser condecor-
is da com o pomposo titulo de domestica, conferido
B pelo gaBinete do intrpido e asi'
Vende se caixocs vazios proprios
para bahnleiros c funilciros a ft|76ti
rada mu; nesta tvnoraphia.
DE WASMAN
Balisa, mandou
As pasthat digestivas com a pepsina de Wat-
man, empresto se com succcsso ha ja alguns
aivnos pelas celebridades medicaes de Pars,
Londres, Vienna, etc., cm todas as incommodi-
sua boa freguezia no numero da qnal contempla o remedio para curai as
infante, c por que para estes ella j mais abrir ob- (;ni-ut_in.
vio para os beliscar, deseja que tambem se livrem
dos agudos exporoes do vigilante gallo.
Eis o que ha de bom :
Finas capellas brancas para noivas.
Meias brancas de seda para ditas.
Bonitas ligas de seda para dilas.
Ligas.
Ditas ditas para manguitos.
Luvas de pellica enfeitadas para ditas.
Ditas do seda brancas bordadas para noivas.
Grvalas brancas bordadas para dilas.
Rosas e ramos de flores finas para noivas e con
vidadas.
Fitas brancas e de cores, lisas e lavradas, o que
Nl>c|>*la-
Fmllmiro* glrlcOB.
A galrilo.
Al affeecm orgAnl-
ran tlO -hIiiihii K-
Dlarrheaa c a coimtl-
pueae producidas
pelas cldlioruroea
drfocluoHaadoa nll-
uic-nlOH.
COMPRAS.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: na loja de bilhetes da praca ca lude
pendencia n. 22.__________________________
Compra-se eflectivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem :
n3 ra larga do Bosario n. 24, luja de ourives.
Compram-se dous escravos que sejam bons
carreiros : na ra do Trapiche n. 13._________
Compra-se parraras e botijas razias, na fabrica
de licores ra das Cruzes n. 36.__________
Compra-se urna burra, estando perfeita :
quem a liver annnncie para ser procurado.
Compra-se una carleira com duas faces para
escriptorio : no armazem da ra da Gadeia do Re-
cito n. 48.______ ____
Carrora
adrepcrola.
brancas c de cores
para enfeites de vestidos.
Lindos aderecos de perolas falsas.
Outrosde bonitas e agradareis cores.
utros de mosaico.
Palceiras, brincos e rosetas de dito.
Outras de aljofares trancos e decores.
Oulras de cornalina, e chapa de corista!.
Voltas de aljofares breos e do cores, finos e
grossos.
Fivelas grandes de tartaruga e dmradas.
Outras pequeas de ac, douradas e com pedra.'.
Bonitas e encorpadas litas para csl.:s.
Cintos largos de diversas qualidades.
Talhci'es para crianzas.
Acham-se de novo a venda na loja da Aguia
Branca : ra do Queimado n. 8.
Xavalhas linas.
A Aguia Branca na ra do Queimado n. 8 acaba
de receber cssas estimadas navalhas linas de ac
refinado, dos acreditados e bem conhecidos fabri-
cantes J. Bogers & C. : cojos nomes bastam para '{
| justificar a bondade dolas.
Tambem receben aliadores e massa.
; Uufeiles bonitos para bailo, ca-
samentas c passeios.
A Aguia Branca na ra do Qm-imado n. 8 est
! completamente provida de bonitos erjfeites de 11o-
! res, e nutras dilferentes qualidades, e todos de gos-
tos modernos conforme ver o preiendente que
comparecer munido de dinlieiro. Tem tambem
bonitos de marroquim para bailes.
.tnvclopes inui grandes para o'-
ficios.
Acham-se a venda na ra do Queimado n. 8, loja
da Afciuili 1 jruno:\. o l.um mmibm oulroa |iul|M>H Al
Miiidezasdeprimeira qualidade.
Como geraluicnit sabido a Aguia Branca pre-
Em todas as molestias empregao-se a miude as
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vicky,
c igualmente aspastilhas de Vichy. Essc meio 6 s
eflicaz quando se trate de dispepsias de curta du-
raoao. mas o prolongado uso Jas aguas e pastilhas
de Vichy, tem grandes inconvenientes, por quanto
os alcalinos empobrecem o sangne c isso de tal
maneira que Ibes arrcblhao a parte vivificante,
nutritiva e reparatriz. Com a pepsina, a contrario,
como olla urna subsiancia orgnica, albuminosa,
transforma-sc ao mcsnio lempo que se eflectua a
transformaco dos alimentos assimilhando-se
como cllcs c ajudo labcm como cllcs a nutricio
eral. Sua accSo vivifica o sanguc c os drgaos
e tal sorte que, alh as pessoas que sem soffrer as
affccc6csga,slricas cima mencionadas sao nica-
mente fracas ou d'um temperamento um pouco
dbil, e necessilao subslancial alimento para for-
tificar se, achao no emprgo das pastilhas pep-
sina de Wasi-ian, um poderoso meio para a isso
chegar.
Aviso importante. 0 succcsso das pastilhas
pepsina de IFfl.smn diu causa a se fazerem fal-
siheacocs c imilacocs d'essc producto que os
mulos se quercm desfazer. Pois por falta d'uma
boa preparacao a pejisina que n'clla entra, jaz
alterada. Seremos ao abrigo d'estc inconveniente,
exigeodo os compradores qne as pastilhas tenho
as iniciaos B. P. csaio da pharmaciaChevrier.
Depsitogeralem Paris, pharmaciaChevrier,
21, Faubourg-Monlmartre, e em todas as boas
pharmacias de Franca e dos paizes estrangeiros.
3-
* 8 s.g
|'&ial,i.f
E.; ci i- ,3.
IS3h|Ib..
5 L
y
("nninra-so nma carioca une seia nova e bem
compra l uhm i ai < -<< J |ef sempre 0 b&111 para bf,m ger,ir a s,ia boa
construida e de boas madeiras .na ma iarca o f ^ ^ v|r a(,aU dc rece.
Bosario n. 3*. __________^^
tiarrafas e vidros
Compram se vidros e garrafas vasias que nao
_. .* I r-, I -. I' .'itl.l TI '.'
sejam do azeito : na roa larga
botica.
do Rosario n. 34,
Compra-so um rtojio de miro patente jnglez
bom regulador : na ra do Livramento n. lo.
VENDAS.
o.
5
"i
3

5'
9
I
I
n
r
3
o
o.
'2.2.3
n n
& g
SspS
O
-.
5
c

i 1
XI
c
a


o
o
o*
o
~
en
a
i
Romance.
Vende-se na praca da Independencia li-
vraria ns. G e 8, o romance Ifartim o en-
geitado ou Memorias de um escudeiro, obra
do distincto escriptor Bagae Sue, autor
das melhores obras conbecidas, pelo dimi-
nuto prego de 2-J^OO por 4 volumes em
hroxur.
Para 1(>5
Acham-se venda na livraria ns. G e 8
ta praca da Independencia :
A FOLHINIIA DE PORTA, abrangendo o
kalendario civil e ecclesiastico, tabellas de
feriados, de emolumentos dos tribunaes
do commercio etc. a 160 rs.
A VOLHINHA DE ALGIBEIRA contando o
inesmo que aquella e mais urna nova
Salve Itainba cm verso, o Stabat Mater em
verso, devoco ao agonisante, coraco de
Jess, cntico em louvor do Santissimo
Bosario, cntico a Virgera Maria Xossa
Sentara, trinta e tres chistosas anedoctas.
um indito poema sobre as aventuras de
um cosinheiro, o canto de urna solteira
(poesa), crescido numero de mximas e
pensamentos, urna historia como muitas
(romaneo;, e vinte e cinco novas e pi-
lhericas charadas a 320 rs.__________
fibras esterlinas.
Vende-se quem as quizer comprar no armazem
n.33, da ra da Praia, e dir quem as vende.
14--Rua Direita-14
l'Hieo depesito do rap imperial do fahricante
Isaac gsnaty ; affian?a a sua boa qualidade e ser
superior ao rap de Lisboa e ao rap ara prela, a
prava faz i : vende-se a retalho a 15 a libra, e
em porco de 10 libras para mol? a 860 rs.; tam-
bem abre eradito aos compradores em conta cor-
rente. _
Assocar cristalisado da fabrica
2 de Julho
Na Babia.
Nofcvmazerc ha venda o r.ulto superior asnuar crystalisado,
em saceos o 2 arrobas, ao preso de 5* cada ar-
/!)
Vende-se no segundo andar do sobrado da
ra do Trapiche junto a casa do Blandin (entrada
pela ra dos Tanoeiros) os segrales objectos.
anda em multo bom aso : sendo urna mobilia de
amarallo, urna cama francera e um lavatorio do
me.smo pao, urna mesinha dc Jacaranda para jogo:
as pessoas que pretenderen), podem procurar ver
a toda hora do da.___________________
Vinlio do Porto superior
em barris do oltavo e dcimo, vende Antonio Luiz
de Albuqaerque AtSYfldo 4 C,; oeq escriptorio
roa tiros d. 1
3 *
ir. e
a- Z
3,
3
ber i.m variado sortinieulo de miudeza dc primci-!
ra qualidade e difTiceis de se encontrar cm outra
qualquer parle, constando elle de eaixinhas dc ex-
cellentes linhas de novel los grandes e pequeos.
Caixinbas de linhas para cronchet e ponto de
meia.
Carteiras com superiores agnlhas.
Caixinhas eom dilas e (uc caa papel snrlido
Fita liua c elstica para abanhados de vestidos,
Dita de puro linho e de dilferentes larguras at
para coz.
Mu bom rordiio francez em pecas grandes para
vestidos.
Trancinhas de algodao de dilferentes e bonilos
mordes para enfeites.
B-loes finos le osso c inadreperolas.
Outros de velludo e seda para vestidos.
Clcheles francezes de boa qualidade em caixi-
nhas redondas.
Carteiras ou estojos com agnlhas e cabo para
cronchet.
Ddaes de marfim e madrepcrola.
Agulheiros do dilo.
Caetas de inadreperola.
Escovas de dila e marfim para nnhas c dente
Algodao avariado
na ruado Queimado n. 21, loja
de Custodio, Carvaiho fc U.
Dinheiro avista
35700 e l| a peca de algodaozinho com peque-
no loque de avaria : na ra do Queimado n. 14.
Para igreja ou eapella particular
Vende-se um torno pequeuo comporto de qaatro
gradames e quatro banquetas proprias para altar :
para ver e tratar, no aterro da Boa-Vista n. 82,
loja de pintor.____________________________
Assadeiras
Assadeiras de porcelana de todos os tamaitos :
na ra do Queimado n. 3, vendem Azevedo &
Innio.
Pendras.
Receberam grande sorlimenlo de peneias de
rame, proprias para padaria e pharmacia ; na
ra do Queimado n. 32, loja de Azevedo & Irmao.
Brides de Ipojuca
As verdadeiras brides de Ipojuca : vendem na
ra do Queimado n. 32 Azevedo & Irmao.
tacas de cabo de umeorne e
marfim.
Vendem Azevedo & Irmao, na ra do Quema-
uo n. 32.
LINDOS WFESM
Para senhora a Maria Pia e a Garibaldi.
Chegaram para as lojas do Beija Flor lindos en-
feiles a Maria Pia e a Garibaldi, os melhores e os
mais lindos que km vindo por serem de goslos
novos : as lojas do Beija Flor ra do Queimado
n. 03 e 69.
SintOspara senbora a Maria Pia.
Chegaram tambera lindos s.ntos cora fivelas *al~;_T^E__SJB~_g>
podra a Maria Pa, os mais lindos e mais raoder- r^..'L' Jl_--------.-----------------
nos ano tem vindo : s as lojas do Beija Flor! HmIIIIO de [iC'ill Cira DQ1I110.
ra do Queimado n. 63 e 69.
Pentes de tartaruga,
Lindos pentes de tartaruga para atar cabello o
mais modernos por serem chegados pelo ultimo
vapor : s as lojas do Beija Flor ra do Quei-
mado n. 63 e 69.
BUJA 1IO QU.I3IA1IO IV. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
NOV1DADE

Pereira Rocha A C. acabara de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem .le moll.ados denominado Uanm Umm -
ial, ondeo respeitavel publico encontrar sempre um completo sorlimento dos mebores generes que wm ao noss-u k> >*
luaes serao vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella aba.xo mcnc.onrda; garank-se obom
teso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 e> Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra.
100 rs. a libra, e 1J800, 2#600 e 30O Painco a 200 rs. a libra,
a arroba. Polvo secco muito novo a 400rs. a libra.
Imeixas francezas em latas e em frascos a Presuntos de La mego em calda de azeile e
1(5200 e 1)51600, e em frascos grandes a muito novo a 610 rs.
Qucijos flamengos do ultimo vapor a 2800 tigps de comadre e doDonro m., a,:.
dem nrato ; llc0ll libras c canaslrnihas .lo I an a
dem londrino chegado no ultimo vapor a 11800, WJOO c 0 rs. i
900 rs. a libra. Familia do Maranhao a 1
Covadinha de Franca muito superii r .-. 220
rs. a libra.
Cafada a 80 rs. a libra.
Ervilbas portagnezai a 5*0 ra. a tala.
dem seccas muito novas a 2 2)500.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 10200,1,5400, 10600 c 29.
Araendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avelinas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Iliscoutos inglezes de diversas marcas a
10300 rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 abarri-
quinhae a 200 rs. a libra.
Banha de poico refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10600, 20,
20500, 20800 c 38000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 901 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e especnlmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
200 10, 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
I rs. a libra e 80500 a 80800 rs. a arroba.
Cartes de bolinhos francezes muito novos e
bem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
Chottricas e paios muito novos a 800 rs. a
libra,
dem delrigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marra \\>
a 560 rs. o frasco e tt$200 a fras.,.;-
dem cm garrames de 3 e '> gafies a J^
e 70500 cada um com o garrafal'.
Grana a 100 rs. a lata c ilOO a du_ia.
Licores muito linos a 700 is. a pmaa.
dem, qualidade especial em gnalos
grandes, a 16800 a garrafa,
dem em garrafas mais pequeas a 8cC rs
dem, em garrafa forma de pata e roli-t
vidro, a 10000, s a farra* u.'t i -
nheiro.
Manleiga ingle/a perfeitamenti- P'
barcada de pouco a 900 rs. a libia.
de segunda qualidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a obra
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates em barril a 480 rs. a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500, dem em lata a 640 rs.
t a caada Maimelada imperial dos melhores .-
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs. ros de Lisboa a 60>rs. a lata.
Sal refinado em frascos de vidro a GOO rs
cada'um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 6( 0
libra.
Eigos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto* engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz 1. Maria Pa,
Bocage Cbamisso e outros a 800, 900 c
10000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 90000e 100000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Ftgueira a
', Marrasquinho dc Zara, firatCM gran<
,-.
'arrafa
a garrafa.
dem de Bordeara, Medoc e S. Julien a 7001 auurs.
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs. dem regular a oOO rs.
.1(lll7a Macas finas para sopa: eslrelimba, r
dem MorgauxeChateauluminidc 1854, a 10i rodinba e aletria a 600 rs. a lora c M
acaixinhacom 12 libras.
Ngzcs muito novas a 160 rs. a fibra.
e Peixt em latas preparado pela primen- trtt
de cozinha a 10 a lata,
Paliios de denlos a l(>0 rs. o i
Aem"dos'"generos acma mencionados te-i dem de (lentes a 120 rs.
mos grande porco de outros qae deixamos dem de fior a 200 rs.
de mencionar, e que tudoser vendido por Amendoasconfeitados a 900 rs. a i.i.....
pecas e carnadas, tanto em porces como ; Doce dc goiaba em latas o ndhor i
retalho- -^ em caixr' a '''t0 rs-
Quem comprar de 1000000 para cima te- Palitos do gaz a 20400 a groas.
r o abate de 5 por cento. 1 Passas muito novas a 480 rs. a irix a.
a garrafa,
dem muscatel a H00 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a
102OOrs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
?uo
ilii'
* t t i / a
- T' '
K\8lbP4il .
dc
1 m m^ m ^m jl m ,_
GRANDE E SMPTOSO ESTABELECIMENTO Q
(rabaHana1 ia?> v-.-
Por riiiiil Srotiers &

DE
GRAGEAS,
GEtSECONTE
ApproHd pela Academia de Medicina da Paria.
Resulta polos dous relatnos, adoptados pela dila
Academia em 1840 e em 1858, que as GRAGEAS de
GLIS e CONT sao o mellior c mais eflicaz remedio
ferruginoso para curar a clilorosis (alias fluor-albo), os
fluxos brancos, a fraqueza de compleixo nos dous
sexos, e tambem para ajudar a menstrua;ao das mocas.
Estas Grageas nao sao vendidas senao em caixinhas
ou vidros cobertos com rotulo e fechados com urna tira
levando a tirma do depositario geral : i. aiili.o\ vk,
pharmaceutico, ra lourbon-Villeneuve. 19. Paru.
Deposito geral em Pernamnnce ra da
Cruz n. 22 em casa de Caros Barboza.
Macliinas de vapore pa-
ra descarocar algodfto.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido, coa-
do e de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e
de carroga com mangas e
eixos de patente.
RuadoBrumn. 38, ftmdi-
#lo do Bowman.
ENMilTES A MARA FIA.
A loja da Aurora, na roa larga do Rosario o-
38, rerebeu novos gostos dc enfeiles a Maria ia
com plumas de froro no frente, obra muito dc.i-
cada, assim como tambem tem do muitas mais
qualidades, riquisslmos siulos de Illa larga de clis-
malote com fivelas, tambem largas esmaltadas dc
pedras, rii|uissimas filas largas do cbamalote la-
vradas, proprias para fazor sintos de pontas ca-
hidas; (nalmenle tem grande sorlimento dc miu-
dezas tinas, que s a vista faz f : na loja da Au-
Fo/ha de Flandres.
Vende-se na fabrica da iravessa do Carioca ln.
2, caes do Ramos, superior falla dc Flandres: [a
ver e tratar na mesma fabrica._____________
Vende"s~caooiTe barro para esgoto de la-
liarlo*; na ra do Raogel n. i.
Grande porco dees excellentes moinlws, sao
chegados a ra da Cadma loja de ferragens .
Bastos, os quaes so vendem omais barato pcjsivoj
~^T Vende-se uotis laxos dc cobre grandes pro-
prios para rdflnacao, o duas chapas de ferro para
os mesmos. ludo em moitn bom eslado: na ra
do Queimado n. 2, loja do Preguica
Espantosa ppfhiucha.
\lgodao superior largo com tun pequeo defei-
lo em urna das reiras a 03 a pee* cem 20 varas :
na rtia .ta Madre de 0?os n. \ gnard 4a alfandfga.
HOTOS E ESCOMimOS EMEIWS
TANTO EM GROSSO COMO A RETALHO
ao iiua tovamm
l'iliata casa junto a ponte la Boa Vista.
DUAS PALAVRAS.
t Cesse ludo quanto a antiga musa canta
t Que outro valor mais alto se alevauta.i
Aclia-sc a disposico do respeitavel publico este grande e magnifico estabeleci-
mento de molhados, talvez o primeiro e nico boje existente em sua especialidade, por-
que o maior capricho de maos dadas com mais apurado gosto de abrir um estabcleci-
mento modelo promovern a escoltia dos mais superiores gneros do nosso mercado,
(pie por serem comprados em grande quantidade e pagos quasi todos a dinheiro a vista
deu lugar a obtenco de vantagens, que repartidas como vo ser pelas pessoas que se
dignaran de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanza de agradar a
iodos, nao s pelo emprego das maneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-
pazes. como pela pratica da promessa que fazemos de vender polos precos quasi do pri-
meiro custo o nosso magnifico sorlimento.
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diversas classes da nossa sociedade. asseguramos aos abastecidos da fortuna que acbaro
era nosso armazem os melbores e mais esquisitos vinlios, licores, champagne queijo, etc.
etc etc, c quelles que nao podem.dispor de grandes recursos, que s comprara o neces-
sar.o, promeltemos-lbes servi-los de gneros novos c sadios, escolludos ao seu contento.
O real do pobre ser recebido com tao boa vontade, como a moeda de ouro do
homem rico.
As pessoas que nos fizerera a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com-
prar para seu gasto, ou para negociar, voUarao satisfeitas, nao s pela boa qualidade dos
objectos, como pela fidelidade dos presos, e bom aeondieionamento.
futuro nos justificar.
CAVACO NECESSARIO
Devemos ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que
adoptamos. Ei-las.
Esistindo neste vasto e (brscente imperio um grande partido poltico com a
denorainaco de Liga, parecer o titulo to nosso armazem um gracejo inconveniente,
capaz de fa/.er zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
__Ria-se quem quizer, porque nos tambem nos rireraos mas nao se zangue
ninguem.
__O neme urna voz com que se do a conhecer as cousas. L esta a mais
breve, clara e sincera explicaco que, pelo methodo repentino, podemos dar.
Mas a quem nao seguir o partido desse systema diremos mais:
Nao oriunlo do Brasil o imponente titulo do nosso estabelecimento. Foi a
muitas centenas de leguas que apanbamos a nossa Liga.
Na soberba e opulenta Inglaterra houve um rei que instituto a mu honroza or-
lem da l_iga. O acaso nos fez deparar com a narraco desse acontecimento, que tan-
to sorprehendeu a corte desse monarcha. Agradou-nos esta historia e gostando sum-
.namente do trage do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenliar, ecol-
locando-o no oito do nosso estabelecimento, temos assim feilo dislingui-lo dos outros
que se assignalaram com mitras e coras.
liouui solt qni mal y-pense.
f8 ^
^
K-t.'- au

ioal r
ato taslantu
- i) Iraialho ; ,
di --.:- i;ar um
arroba " dao em carolo
em 441 miaotar,
oa 18 arrqftas
nur dia oa I m-
robas ite aigaaS
limpc.
Assim tomo machinas para serem movkla' r
animacs, ijuc descarla 18 arrobas i
limpo, por dia.
Os inesnms lea para vender nm Matotwio va-
por que pode fazer movT seis cvcl i~
mencionadas ; para o quo conviiia-se ao-
agricultores a virem ver e examina-lo, no anMi-
zem de algodo, no largo da ponte nova n. 47.
Saundcrs Brolbers k C.
X. II, pra?a do Corpo Manto
HECIFE.
Os nnicos agentes MM paiz.
RIVAL SEIH1SEQRCC.
llua do Queimado ns. '! 5", <>. rf.i ;.,,
conliecidoj como lal, esla dbj
por tolo o preco para apurar ilii :
zer venha W a lrat;a o cobre, r rra "
Barallios de cartas para voltarrie amito
linas a..........j.................
Mialu- de Haba fraka pan k im a___
Pares de mpaMa ha tran;a di
tamanhos e lino a................... :-->
Massos de superior grampos para cabello*
Duzias de palitos Ale gaz Miperiorcs a. .. I
Libras de arta p/c. nmiio superior a ..
Frascos de tmpmm macara oleo a___
Ditos de dito pe/ola a................ ; i
Dilos de oleo dJtalwsa muito finos a .T0
rs. e......../....................... .mo
Ditos de agua de colonia snperiur. parao-
tida......./...................... m
Ditos de banhaj muito tn i a............
Ditos de cheirts muito linos para o prcro
a ris.....I......................'. m
Saboncti-s de odas as qualidades a CO r.
ieo, c............................ >
Novellos de I aha com ,00 jardas a......
nha de cores eom if! jar-
ha de gaz 1e todas M ro-
Albnns
para 20 at 200 retratos, muito bons e por menos
preco que em outra qualquer parte: na ra do
Crespo n. 4. _
Vendem-se o 1* 2o e 3o tomos das biogra-
pliias de alguns poetas e outros homens Ilustres
da provincia de Pernambuco, pelo commendador
A. de Mello ; obra que todo Brasileiro, e mor- i
mente todo o Pernambucano deve cophecer ? dar > !
ler a seos Qlhos ; na na do Imperador n 4. '
Vinho do Porto engarrafado
Vende-se superior vinho do Porto denominado
D. Pedro V e rainha de Portugal, em caixinhas de -
urna duzia de garrafas ; na ra da Cadeia do lie-
cife n, 66, armazem de Ferreira & Matheus.
Bixas de Hraburgo
Vendem-se na ra Nova o. 61
Carriteis de I
das a.....
Novellos de I
res a..
Pocas de lilas|elasticas com 10 varas pa-
ra vestidos
Frascos de superiores rheiros. ptajBl -;.
Pares de ligas muito superiores e b-.ni!as
a ris..............................
Varas dc lucos francezes. MMfa-Mi a...
Opiata para dentes da melhor que ha a..
Frascos de agua para denles, superi. r a
tudo a...........................
Pecas de tranca prela liza muito fina a..
Caixas c,->ro 4 pappis ile a^nll>as VtoJ
Varas de lila preta eom rolletes a......
Libras de la surtida de todas .i- cores a
Ronceos de chore muifo bonitos a......
Caixas de obrejas de ma ssamoto novas a
Varas de franja .branca e deires para
toalhas a.........................
Frascos de oleo Pniloeomeseoperior a...
Ditos com superior tima a3K> e.........
Caixas de linha de gaz com ."0 novellos a
Enffadcres para esparlilbo .........
Duzias dc botoes encunaous para vesti-
os a........ ...............
: :
--< I

I )
m
n
.>
0)
**
.a.
i ^
**>

***


1'
Diario de reriuHira minia fclra 15 de Dczenibro de 18Q4.
I
MOLHADOS
& Largo da Santa
^jfCruz ns. 12o84,
esquina da ra do
*m
Largo da Santal
JCruz ns. 12 e 8,&\
__ SKesquina da ra do'
ESIMCCIAES i^o.
JR
m
O dono dos j rauito acreditadas armazens de molhados denominados Aurora
Hninar.lt', acaba de receber de sua propria oncommenda, muitos gneros delicados
propnos da presento cstaco, e tendo grande sortimenlo comprado auui.alianca que todos
os seus gneros sao de I. qualidade.
A seguinte tabella servir a todos de base para ajuste de contas aos por-
Xenhum armazem vender mais barato. 8 raelhores gneros do que a Aurora
Branle, j pelo grande sortimenlo que tem, j mesmo por seu dono se acbar encom-
modado em sua saude e ter de vender um de seus armazens agora, e o outre na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveitar urna quadra destas para se comprar
WD Lalar2,r!}.8 Iibras de chouricas muito novas, i Vinho branco fino, a garrafa a GiO rs.
a 7,5300.
Ditas grandes com peixe em postas inleiras,
mais de 12 qualidades, a 1,5000, t__8 e
IrSiOO.
Ditas com ostras, excellente petisco para fre-
gideira, a 720 rs.
Ditas com ervilhas novas, ensopadas, a
720 rs.
Ditas com favas, a GiO rs.
Ditas cora ameixas a 1^.200, 1,5800 e 3*500.
Ditas com marmelada do afamado fabrican-
cante Abreu, a 880 rs.
Ditas de massa de tomate, a 500 rs.
dSb Dl'a*com "Ks de comadre, noves, a 1,5500,
|B 2,5 e 25500.
o|p Ditascom bolachinhade soda muito novas, a
2,5000.
Ditas com biseoitiohos inglezes de rauitas
qualidades, a 15400.
Chocolate.
Chocolate superior muito novo, a libra a
15200.
Macarro telliarim e alelria amarella.a libra
a i80 rs.
r f'ito dito dita branca, a libra a 400 rs.
u vS Caixas com estrelinha, pevido e outras mas-
<-jjp gas, a caixa 35500.
{fa Ditas dita em libras a 640 rs.
ffK Sa, a libra a 360 rs.
}:J Sevadinba para sopa a libra a 240 rs.
-^ Ervilhas seccas, a libra a 160 rs.
.'.|K Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
i Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
t-Tt\ Partaba de aramia verdadeira, a libra a
}>M 500 rs.
C;p Arroz do Maranhao, em sacca a arroba a
21 25400 e a libra a 80 rs.
.^.?X Dito da India e Java, a arroba a 35200 e a
Ja libra a 100 rs.
u;-' Toucinlio de Lisboa a 95300 a arroba e a 320
. rs. a libra.
Diio do santos, a arroba 75000 e a libra a
r 260 rs.
\yfl Mullios com 125 soblas grandes, a 15280.
,.; Vj Mostarda franceza caixa com 2 duzas a
;;a_ 3000.
?\fh ''"'"'^os com mostarda preparada em vina-
j gre, a 400 rs.
W a6l0e800rs.
": j Ditos .-Diii sal refinado fino, a 640 c a 500
\/ reis.
Ditos cora a verdadeira genebra de larania
J a 1-5200.
c> Ditos de 2 garrafas de llollanda verdadeira,
15000.
fy&l Ditos de 1 garrafa de llollanda verdadeira,
M~ a 640 rs.
O) Botijas com dita propria para nezocio, a
g 400 rs.
ai Garrafoes com 2 galoes com dita, a 65000.
tt) Serveja boa. marca, a 500 rs. a garrafa, e a
g O duzia a G5O00.
*%r Vinho scate! de tetuba, a garrafa a
f'.o l|M)0.
rAifij Marrasquinho verdadeiro, frascos a 800 rs.
%f e a 15200.
Champagne, a duzia 205000, e a garrafa a
25000.
Azeite refinado portuguez e francez, a gar-
rafa a 15000.
Caixa de vinho Bordean* muito superior, a
75, 8.3, 95 e 105 a caixa.
Ditas com dito branco, a 75000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a 205-
Ditas com duque do Porto verdadeiro, a
185000.
Ditas com chamisco superior, a 145000.
Ditas com Porto velho e outras multas mar-
cas, a 125000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640,
720 e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a
35200, 35500 e 43000, e a garrafa a 500
e 560 rs.
Dito da Figueira, das seguintes marca, (N.)
(J. A. A.) (J. L. G) (O. M.) a caada a
45500 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste
w|y que j est engarrafado e lacrado com o
c$ra rotlo do armazem.
Ditos de marcas mais desconhecidas, a cana-
da a 35500 e 45000 e a garrafa a 480 e
520 rs.
Dito de caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Vinho verde superior.
A caada a 35500 e a garrafa a 480 rs.
Gomma.
Saccas de 4 arrobas, a verd_ueira de se
engommar, a arroba a 35000 e a libra
120 rs.
Sabao massa, a libra a 200, 240 e 280 rs.
r'arinba.
Saccas grandes com farinlia de Goianna mui-
to nova, a 55000.
Caf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 85,
85500 e 95000.
Cha.
I Cha temos nestes gneros o melhor possivel,
hysson, a libra a 2,5600.
Dito perola a 33000.
Dito uxima 25700,
Bilo hysson muito lino a 23800.
Dito redondo a 25500. -
Dito preto de primeira qualidade a 25500.
Dito mais baixo a 25000 15600.
Erva mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Esperuiacete.
O masso com G vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prias para mimos a 45 e 2$500.
Nozes.
N'ozes, a libra 1G0 rs e arroba a 45000.
Alpista e paioco.
Aloisia e paii.co, a arroba 45000 e a libra a
160 rs.
Carlas.
Cartas finas parajogar, a duzia a 25500.
Casluuuas.
Castanhas novas vindas neste vapor, a arro-
ba 43000 e a libra 200 rs.
Azeilona?.
Darriscom azeitonas novas a 13500
Manteiga.
Mdloig flor, a libia a 10OOO.
Dita mais ab.'ixo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e meios ditos, a libra a
660 rs.
Dita para tempera a 400 rs.
Qiieijns.
Queijos novos vindos neste vapor a 35200 e
33500.
Dilos londrinos muito novo?, a libra a
13000
Papel.
Papel almaco pautado, a resma a 45800
Dito dito lito de linho, a resma a 45500
Dito de peso lizo e pautado, a resma a
23500
Dito de embrulho bom a 13 e 13200.
Vinho Hadcira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
deira a 15300 e 25.
Temperos.
Folhas do lonro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libra a 4"0 rs.
Velas de carnauba. ,
Massos com 6 velas de carnauba refinada a '
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixoes do doce de golaba, grandes a 15400
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
raxa.
Duzias de boioes de graxa n. 97 a 25600, e
de latas a 15000, e os boioes a 240 rs., ca-
da um, e as latas a 100 rs.
Charutos linos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Bahia por diversos precos, caixas e raeias
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixaui de an-
nunciar-se.
Pechincka aeiri igual.
Lindos cortes para vestido de percales de cores
claras e escuras com grande variedade de padres
pelo baratissimo preco de A$ o corte : na loja das
c umnasrua do Crespo n. 13, de Antonio Cr-
rela de Vasconcellos & C.
NA
RITA. IIO IMPERADOR IV* 40
Junto ao sobrado em que mura o Sr. Osbarne,
Duarte Almeida k. c. receheram de sua propria eneonmeu-
da o nsals lindo e variado sorfimeoto de molhados, proprlos
da presente estaeSo.
Manteca in/deza I Macas brancas
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
LLINCA
z
da safra nova linda no ultimo vapor a I.ooo.para sopa a melhor que se pode desejar, para esse fim.
Silva & Souza
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de peores
5 a O por cento menos odree que sepnan p io mj ira nal-
quer parte.
Gneros especialmente escomidos por tira dos socios que na Europa se adu
rs. a libra e em barril a 800 rs.
Manteiga franceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a 560 rs.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a l&iOO.
Chocolates
de todas as qualidades a 1,5000 a libra.
Presuntos inglezes
I dos melhores fabricantes a 800 rs., tambera
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 2#6oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 2^600 cada um.
Queijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
#1
Vndese quatro ornamentos com os serts
prrtences para celebrar missas, damasco portu-
guez, todos govos, sendo dous de coeiro branco,
encamado, roixo e verde, por preco commndo:
na casa do sacristo da ordera terceira de S. Fran-
cisco.
P0T4SS4
Vende-se potasss em barris a commedo preco o
na ra da Cruz n. 23, primeiro apdr, eseriptori:
de Antonio de Almeida Gomes.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Eigos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1$200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
30 a 20600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarro, talbarim e aletria a
480 rs. a libra.
o muito afamado cognac Pal Brandy a !,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a 1,00o e 800 rs. a garrafa.
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almajo, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
de excellente qualidade a 20200 a resma,
PAPI21,
azul e pardo para embrulho de i.ioo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano era chapa a
l,4oo rs. a libra
Vmagre
PRR ?m ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Celbllas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista c Pain^o
o mais novo do mercado a 1 io rs. a libra,
e 40400 a arroba.
CEBLAS
macarro, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar-
cas sao as seguintes: Chamisso AFilho,
F. & t., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muito.
Latas
com 10 libras de han ha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica da mesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r* . Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1. e 2.a sorte do Rio de Janeiro a 805f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafdes
com 4 V2 garrafas com vinagre a 10000 c
o garrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
DEM
em frasqueiras de llollanda a 50800 com
12 frascos.
GENERRA
de llollanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha,
LICORES
unos de todas as qualidades, a 10,000 a caixa
com nma duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa tora abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas Dinio novas
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra,
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
a 600 e 10 o caixe.
GOMMA MUITO NOVA
ment.
E grande a vantagem para todas as pessoas que compraren neste ritdnlcri
Os propietarios garanlem todos os gneros sabidos de seu j nuito acreditado
armazem.
AO PUBLICO*
Nao nos servimos de exordios como constantemente estamos vendo em annnr-
cios deste genero, pois sao palavriados de que sempre nos abstivemos, e de que laatteai
estamos certos nenhuma attenrao j merecem do publico. O nosso fim, pois. simple-
mente fazer ver que o verdadeiro e principal interesse de todos est na tabella dos pre-
cos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos toda a attenfo.
Vinho verde.
i
Chegou o muito desejado vinho do Cartaxo vende-se nicamente neste anuuen
a 600 rs. a garrafa e 3o,ooo rs, a ancora com 7o garrafas.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
64o rs. a libra,
dem de casca mole a'io o rs. a libra.
Ameixas ftancezas em caixinhas com lindas
estampas a l,2oo e l,5oo rs.
dem em fiascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oe rs.
dem em latas de 1 */j libra a l.loo rs.
Arroz do Maranhao e da India o melher que
ha nesta genero de 80 a loo rs. a libra,
e de 2,5oo a 2,800 rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e 10,000
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs. a auco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4,4oo rs.
a arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,ooo e l,5oo rs. a
lata e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
3anha de porco refinada a 600 rs. a libra e
em barril a 58o rs.
Batatas a 2,000 rs. a caixa.
Champagne das melbores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, 1,80o rs. a garrafa, c 9oo rs.
as meias garrafas.
Lcnlilhas muito novas excellente legua* pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualnlaoVs
de 7oo a 9oo rs. a garrafa:
Manteiga ingleza perfeitamenU fler a 800 e
l,eoo rs. a libra, desnecesario mais
elogios neste genero, que so se pude te-
rilicar com a vista,
dem franceza a 64o rs. a libra, e em barrd
se far abatimento.
Marmelada do primeiro fabricant df Lisboa
a 7oo rs. a libra, ha latas de 1, I lie
2 libras.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 lil>ras a
600 rs. a libra.
Macarro. talharim caletria a .',00 rs. a libra.
dem branca a 32o a libra.
Mostarda franceza preparada a loo rs.
frasco,
dem ingleza em p a O'.o rs. o fr isro.
Molho inglez em garralinhas rom roibas d*
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a 1,000 r:
agarrafa, e lo,ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs a lil>i 1.
Ostras preparadas em latas a 7oo s. a l.itv
Prezunto pata hambre inglez \rda garanlindo-se a qualidade a 800 rs. a libra.
Passas novas de carnada a 6io rs. 1 libra e
6,5oo rs. a caixa.
dem para sopa estrellinha, pe\id en dicha
etc. a 3,5oors. a caixa, e a 56o -s. a Id .a.
Cha uxim
libra,
dem peroaqualidad
fl II 1 lli. yu UC Mf I O. Xf Jliuiisi
idemiiysson o melhor que lia neste genero jlem do g:'iz a 2oo rs.
a 2,ooo, 2,4ooc 2,6oo rs. a libra.
o melhor possivel a 2,7oo rs. a
especial a 2,7oo rs.
Peixe em latos hermticamente fe hadaste
seguintes qualidades: savel. corvina, gnras
cavallinhas. e pescada a l.ooo ; lata.
Palitos para lentes lidiados a 14>> rs. o ma-
co de 2o rs. 0 macinlios.
a duzia. e 2.I00 rs.
muito novas a 10000 o cento na ra do Qoe"-; em paneiros de le 2 arrobas a 30500 a ar-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
GRAO DE BICO
muito novo a 30 iOO a arroba e 140rs. a li-
bra na ra do Queimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
QUEIJO SUISSO
muito fresco a 800 rs. a libra na ra do
Queimadon. 7, ra do Imperador n. 40 e
largo do Carmo n. 9
roba el 40 rs. alibra na ra do Qoei-
madon. 7, ra do Imperador n. 40 e largo
do Carmo a. 9
BOLACHINHAS
era latas de defferentes quzdades a 10200
a lata
QUEIJOS FLAMENGOS
chegados neste ultimo vapor a 20800 na ra
do Queimado n. 7, ra do Imperador n.
40 c largo do Carmo n. 9.
Os proprielarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
rreguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade do todos es-
tipularan! os mesmos precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeiro Principal roa do imperador n. 40
FRITCTAS
MA^lA, PERAS E UVAS
chegadas neste ultimo vapor, vende-se na ra do Imperador n. 40, Verdadeiro Princi-
pal.
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a cor natural
dos cabellos.
A agua florida nao urna tintura, fado essen-
cial a contestar, a mesma agua dando a cor primi-
tiva ao cabello. Composta de plantas exticas e
de substancias inofensivas, ella tem a propriedade
de restituir aos cabellos o principio corante que el-
tes tem perdido. D'uma slubridaa'e incontesta-
vel, a Agua Florida entretem a limpeza da cabera
Bestroe as caspas e impede os cabellos de cahir
Oleo de Florida,
Composto de substancias veitetaes exticas, elle
constite poderosamfrr, com a Agua Florida, a
terca, a belleza e a conservacao dos cabtfLc.
Em Parij, casa de Qnislaur n. 12, ra de Riche-
lieu, e 21, boulevard Montm?r*rr.
Todo3 os frascos, nao tenda intacto e claro, o
timbre prateado da casa, sao reputados falsos.
Deposito, ra do Imperador, pharmacia n. 38.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
1S.# a lata : nos armazens da ra do Im-
perador n. 16 e ra do Trapiche Novo n. '8
a
dem preto homeoptico a 2,ooo rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia, e50o rs. a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol e suisso a 1,000,
l,2oo e I,4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
tado de Simas e outros da Babia como
sejam regaba, trovadores, guanabaras,
deliciase suspirosa l,6oo, 2,ooo, 3,ooo
e 4,000 rs. a caixa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco,
dem francezas surtidas ou de urna s qua-
lidade cada fra.vco a 5oo rs.
Cognac francez e inglez a 1,00o rs. a garra-
fa, e lo,ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a 9oo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4,800 5,ooo
e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 3oo rs. a libra,
e 7,5oo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba superiorem latas a 2,ooo rs.
Ervilhas portuguesas em latas chegadas l-
timamente a 64o rs. a lata,
dem ceceas a 16o rs. a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinba de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo
rs. cada urna.
Favas portuguezas era latas chegadas lti-
mamente a 640 rs.
Frutas idem em calda, pera, pecego, ;.iper-
se, rainba Claudia e ginja a 9oo rs. a lata.
Graixa nova a loo rs. a lata c l,loo rs. a
duzia.
Gomma muito al va e nova a 16o rs. a libra.
Genebra de llollanda em frasqueiras com 12
frascos a 5,800 rs. e 560 rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs. cada urna,
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafao.
dem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem inglezas em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro qualidade superior a
l.ooo rs. a gaprafa.
dem de laranja veruadeira a l.ooo rs. o
frasco e H.ooo a frasqueira de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida suissa a
l,8oo rs. a garrafa. |
Painco muito novo 12o rs. a ll< a e 3,ooo a
arroba.
Queijos flamengos, doullimo v;por, a 2,5o
rs.
dem londrino muito meo a 800 rs. a libra.
Sal refinado em potes de vidre a 5oo rs. rada
um.
Sevadinba de Franca a 18o rs. alibra.
Sevada a loo rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 24o 32o rs. libra.
Tijolo para limpar facas a 15o rs. ch um.
Vinagre de Lislxja a 2o > rs. a garrafa e
l,4oo rs. a caada,
dem em garrafoes com
rs.
5 garrafas a l.oor
Ibem r-i escovas
cada urna.
Velas de espermacete
a libra.
par. lavar casa a 36o rs
superiores a 56o rs
dem de carnaub-i refinada e de composii-.To
a iiors. a libra, e de 15,ooo a It.ooo'rs.
a arroba.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Fipnrin
das marcas menos condecidas a 4oo rs.
a garrafa e a 2,8oo rs. a caada,
dem Figueira especialmente escolbido neste
lugar a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo rs. a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muito fresco s>m
composico a 600 rs. a garrafa, e 4,5o
rs. a caada.
dem de Lisboa branco uva pura a 56o rs a
garrafa, e a 4,5eo rs. a caada.
dem Porto fino em pipa a 56o rs. a jrarrafa.
dem engarrafados generosos Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, D. Lniz I, D
Pedro V, Nctar, velho secco, Malrasio
Genuino, Particular a 9ooe f.2oors.affar
arafa, e a 10,000 rs. a caixa com orna du
sil.
dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a garra-
fa, e a 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a l.ooo rs. a garrafa.
dem Bordeaux das acreditadas marras St
Julien, St. Estepb, cbateau la Rose, chata*
Margonx e outros a 6,5oo rs. a caia. e
56o rs. a garrafa.
ira
Venoe-se superior vinho do Porto em .xas de
urna duzia : em casa de Johnston I'ater & C, ra
do A'gar'0 n. 3.
Superior cal de Lisboa.
Vende-se superior cal ti risica a mais nova
que ha r,s mercado, tanto em porcao como a reta-
lho, por barato prr^.., afiangando-se aos compra-
dore; uperior qualidade : a tratar as segnif.ies
ras : Crespo n. 7, Imperador n. 28, Forte do Ma-
tos, armazem do Sr. Avilla, defronte trapc
y algodao.
CE UVE JT A EM UIIUUL
a OO rs. o copo
tneljo de ninas chegado no vapor
dem prato milito fresca
dem snisso superior
dem londrino superior.
57 Ra do Imperador 57


Diarlo e FeruuMkae Quinta tetra 15 dc^Dezenibro de 1804.
Grande liquidado.
Ra da Imperatriz n. O.
Loj a de fazendas do pavo de Gama & Silva
Acha-se eslo estabelecimenlo completamente
sonido de fazendas inglezas, francezas, allemas e
soissas, proprias tamo para a piaca como para o
malo, prometiendo vender-se mais barato do que
cm outra qualquer parte, principalmente sendo era
porgo, e de todas as fazendas do-se amostras,
g-ixaitdo flear penhor, ou mandam-se levar era ca-
sa pelos caixeiros da luje do Pavo.
As lazinhas da exposico do Pavo.
Vendem-se lazinhas as mais modernas que lem
vindo ao mercado, proprias para vestidos e sou-
tambarques por seren lisas e de cores muito de-
licadas a 560 e 500 rs.; ditas lisas com um lustre
que parece seda a 640 rs. o covado, dilas com
quadrinhos de seda a 500 rs. o covado, s para
acabar : na luja e armazem de Gama & Silva, ra
da Imperatriz d. 60.
O Pavo vende para lulo.
Vendem-se superior setim da China, fazenda
toda de la sem lustre, tendo 6 palmos de largura
proprio para vestidos, capas, paletols, falsas etc.,
pelo baratissimo prego de 2, 2,5200, 2S0O e 3>
o covado, cassas pretas lizas, chitas pretas largas e
estreitas, manguitos, colarinhos, punhos, e enfei-
tes, tudo preto proprio para luto fechado, e mu los
ouiros artigos que se vendem por preeos mais
em coma do que em ontra qualquer parle por es-
tar liquidando ; s na leja do Pavo rua da iin-
pcralriz n. 60, de Gama & Silva.
Os bordados do Pavo.
Vende-se camisinhas com manguitos egollinhas
bordadas, pelo barato prego de 15 e 1,5280 cada
um, manguito.'! s a 500 rs. cada par, dilos com
gollinha a 800 rs., gollinhas a 400 e 480 rs., de fil
a 240 cada gollinha bordada, romeira de cassa ede
fil muito Uin bordada a 2 cada urna, manguitos
que servara para calcinita de meninas a 640 cada
par, camisa cora manguitos e (ollas rom a compe-
tente gravata de seda, fazenda fina, pelo barato
prego de 35, a muitasoutras bordadas que se ven-
dem por preeos muito em conta : s na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, du Gama &
Silva.
Vestidos soulambarqne.
Pelo ultimo vapor francez chegaram riquissimos
vertidos soutambarque, os mais modernos que
neste mercado tem apparecido,-os quaes esto
proraptos com saia, corpinho e seu competente
soutambarque, tudo guarnecido de seda, vellido e
renda. Quem tiver bom gosto dirjase loja do
Pavo, na ra da Imperatriz n. 60.
O Pavita.
Na loja do Pavo vende-se moder-nos mantele-
tes de grosdcnaples a imitagao de rapas, as quaes
sao bastante compridas ; assim como tem um sor-
ttmento de capas prelas as mais modernas que ha
no mercada, sendo ricamente bordadas. Ditas en-
feitadas tudo por prego commodo : na loja de Ga-
ma & Silva, ra da Imperatriz n. 60.
Asmodcrnissimas lazinhas de una so
cor, a imilaeao de gorgaro, ven-
de o pavo.
AO PUBLICO
Sem o menor constran-
glmento se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
0 VIGIUNTE
Ra do Crespo n. 7.
ATTENQO
Os presos da segulnte
tabella para todos,
dendo assim servir de ba-
se para o ajuste de cantas
com os portadores.
Para a festa.
Queijos frescos a 35, passas novas rni qnario*
a 25, e a libra a 4(0 rs., figoj a 1641, maiir-l-da
a 300 rs. a libra, azeilonas a 15800 a ;-:..< r-i.
garrafa a 320, au cipa ingina fl.r a Mi *;"
rs.. dita Iranceza a 640, cha miudiuho a 2Mt
pO- 35, caf 1J aarle a 280 a libra, e 84i.O a ..naa.
I de 2* sorle a 240 a libra e 75500 a arr. ia, HM
a 100 rs. a libra e 35 a lllaaa, I
2M) a libra, slearinas a 620, palitos ara rwtrt
140 o nasw, dogaz a 200 rs., il- ui t i .iu r-
a libra, comma a 120, sabo m**>* a Jtw t<. al
em potes de vidro a 440, ronce na- a '. H
las rom bolachinhaa 15400, al. tria e latlisr:i
400 rs.a libra, cerveja brama e pM i '" M
lino do Porto engarrafado a 15120 *u< r.. I ua-
co para mi.-sa a 500 r:-., linio d I < i *
garrafa o 25600 a caada, da Figurra
$5200, azolte doce WMi rs. a parr-'a. ara-
pato a 260, vinagre a 500 rs.. paz a MI
mazem da E.-lrella. largo do l'araizo n. I i.
m. 53.
RA DA CAIMBIA 1IO
(Logo passando o arco da Coneeieio)
Grande redueco de presos, equivalente a dez por cento menos do que outro qualquer
annunelante.
Collegas.Nao posso por mais lempo sustentar o prego da manteiga ingleza a i,ooors. a libra, bem assim o de eutros
amitos objectos, etc., dando com isio ocasio a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo preco que cu vendo!! t Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
I systhema que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reduegao de preeos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molbados Unio Mercantil nao
0 grande sormenlo de objectos de muilo gosio que se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de I,4oe a I.Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da redueco a que
acaba de receber. egta-0 0brigados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamaco de preeos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado deste novo estabelecimenlo. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu Cm
tao smentc obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senboras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromplido e entei-
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proteceo e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pogam vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco praticos, pois
Duas de lindas cores e prea, de todas a gros- sero to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendaco, afim de que nao vo em outra par te
s ras.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
poso Ballisa, na sua ordem do da. e pela branca
Aguia, apesar de que, para estes o Gallo cora seus
agudos esporoes nunca os offender, antes os agra-
ciara na mesma conformidade. para que o Baliza,
possa marchar em frente, a Branca Aguia possa
levantar seu vo, levando no bico as palinhas seu
ninha ; e o Gallo cara em seu espacoso campo> a]ta voz, que podem vender pelo prego que CU vendo
dando de novo o seu canlo annunciando a seus'
bons freguezes e aorespeitavel publico
Ricas caixinhas com msica ricamente enfeita-
das para costura, proprio para um delicado me-
nino.
Riquissimos cofresinhos com cadeadus de mclal
para guardar joias.
Ricas caixas com estejo, conteodo todos os per-
lences para homem.
Riquissiraas vulias fragindo perola.
Dilas com lacinhode lila.
Lindos aderegos cora pedrinhos fingindo bri- ; Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
lhantes. escolhida a 8oo rs. a libra, em barril se
Ricas fivellas para tinto, de todas as qualidades' faz abatimento.
aeraras do DlUrno posto de Paris. Idem frat!ceza* maS n f **
Grande sortimento de lindos enfeites para cabo-; mercado a 5b0 rs. a libra, e em barril OU
ca, sendo do ultimo gosto e de todos os pregos. meios a ooo rs.
Flores muito linas para noivas. cha bysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
Luvas entenadas e metas de seda para noivas. i
thaposinhos, sapalinhos e meias de seda para,' lu,d'
baptisado. dem perola o mais superior do mercado a
Riquissimas filas de todas as qualidades para la
co, cintos e cinleiros.
Camisinhas c gollnhas para senhora.
Riquissimos jarros e figuras para ornamento da
I sala.
I Grande sortimento e gravatinhas tanto para se-
nhora como para homem.
Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
modernas lazinhas de cordozinho, as mais pro-
prias e mais lindas que tem vindo, proprias para
vestidos, soulambarques, capas, ele, dam-se amos-
tras deivando penhor, e vendem-so pelo baratissi-
mo preco de 560 rs. o covado : na ra da Impe-
ratriz n. 60, loja de Gama e Silva.
As lazinbas do Pavo.
Vendem-se lazinhas de quadrinhos transparen-
tes, boa fazenda, pelo prego de 280 rs. o covado,
ditas largas multo finas a 400 rs., dilas estampa-
das, cor segura, padres miudos e grandes a 320
rs. o covado, ditas transparentes com palminhas
de seda a 400 rs., ditas esrocezas a 560 rs., isio lu-
do para liquidar : na loja e armazem do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60.
Os grosdeaaples do Pavo.
Vendem-se grosdenaples pretos, fazenda supe-
rior a 15600 rs. o covado, ditos largos minio en-
corpados a 2540O, 25600, 25800 e 35000, ditos
brancos. cor de rosa, azul c amarello a 25000 r.s,
Luvas de pelica branca e de cores.
Gascarrilhas de bonitas cores.
Traneinhas, galao e maravilhas para enfeites.
Transelins de cabellos e de reros para reloglos.
Papel amisade e de oulras qualidades.
Rolsas para viagem.
Knlremeos e babadinhos de lindos padres.
Lencinhos de linho bordados.
Meias para homem, senhoras, meninos e meni-
nas.
Fitas de veludo lisas e com mtame de todas as
larguras.
Thesouras c caivetes de todas as qualidades.
Grande soriimento de sabonetes.
Lindos vasos com banha para ollerecimentos.
Caixinhas com seis frasquinhos.
Essencias de todas as qualidades.
Agua verdadeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grandes, e em
frascos quadrados egarralinhas.
Pomada lina de lodas as dualidades.
Superior banha era frascos e copos de todos os
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
dem preto homeopathico por ser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra,
dem bysson, buxim e perola mais proprio
para negocio o l,6oo, I,8oo e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se vende em outra parte por 2,4oo
e 2,6oo rs.
Linguicas, cbourigas e paios em latas de 8
libras, emticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se seren superiores aos que vem
em Larris.
Cbourigas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,ooo rs. e l,5oo e Goo rs. a libra.
Queijos flamengos muito f escos ebegados
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do Maranho a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Paingo e alpisla a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propiamente
feitas para esse lim.
cnp<;r:z5:> > r. s =: ~ -r-
. D- B C 5 O
- 3
^5 o:

t/5
,
v. en O
" i r. ~.
<2=Sg> -2.jr
a = ^ a. = g c.
< I
3 '* u _
e =.
1-O-5 9*1
5* .
z ^

a
te
vi
c
r.
3
E. 9 '<"
3 o
a g
llpi
w re ^
w 1 i
v. as o
re' K w c.. .

V.
|||
u u r-
'j.
aj T
_, -i
-
r
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor. Estearinas a 5Co rs. a libra, e em caixa com
passado a l,6oo e l,8oo rs. 25 libras a 52o rs.
dem londrinos os mais superiores que tem Vinbo do Porto muito fino excellente qua-
o covado : na loja de Gama & Silva, denominada tamaitos.
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60. Sabao inglez em paos grandes e pequeos.
AS llOVaS las garibaldinas a 500 rS., Escovas e cabo de raadreperola, marlimede
n*i !! Ha Pavn osso, para denles.
na ioj.1 00 ravan. Pentes para desembarazar, com friso de meial e
Vendem-se as mais modernas lazinhas paribal- Sem elle,
dinas, fazenda inleiramenle nova no mercado, sen- Ditos de tartaruga e de muilas oulras nualida-
do todas com listras miudlntia?, e irauyparcmes, t ues.
cora lustro a imitaco das sedinhas, tendo varias ( Pentes de tartaruga para senhora.
cores, sendo azul, cor de lirio, carraezim, einzenta; Ligas de seda e de algodao, assim como mu los
e cor de havana, etc.; isio a 500 rs. o covado para outros objectos de goslo que seria impossivel raen-
vender depres~a: na loja do Pavao, ra do Irapc-. f nar, que a vista far fe, s no Gallo Vigilante,
radur n. 60 de Gama & Silva. rua do Crespo n. 7.
(Js mais moderos vestidos Maria Pa,! Leques.
ni Irtinlnl'u'ni -I A na nua """V1 "# __'senhoras como para meninas, pelo barato prego
Vendem-se fimssimos vestidos a Mana Pa com
de 125 e 145; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Penles
lambemchegaram os riquissimos pentes de concha
de tartaruga e de massa fina, que se vende por 25
os corpinhos diflerentes, lendo todos os preparse
com o compelento smlo : na rua da Imperatriz n.
60, loja do Pavao.
i amisinlias a 1$000*
Vendem-se camisinhas cora manguitos, sendo 35 e i>5; s no Vigilante, ruado Crespo n. 7.
muilo bem enfeitadas. proprias para senhoras e j Caetas,
meninas, pelo barato prego de dez lusles cada j Riquissimas caetas de madreperola pToprii
urna: na toja do Pavao, rua da Imperafriz n. 60,! para (|Ua|qUPr prsenle, pelo baratissimo preco d
de Gama & Silva. 15500 e 25.
Vestidos para mCDiuas. SapaliuLos e meias de seda.
Vendem-se s mais modernos veslidinhos para; Riquissimos sapalinhos de seda e de merino eu-
meninas, sendo muito bem enfeitados Maria Pia,; feitados, assim como meiaszinhas de seda, gorrai.i-
tendo de dilTer^ntes tamaitos, pelo barato prego nhas e touquinhas para as crianciuhas se baptiza-
de 85 cada um : na loja do Pavao, rua da Impe-' rem; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei
ro se faz abatimento.
Idcm proto m4 froooo a Qoo i-o. u HUia.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas porluguezas em latasj pre-
paradas a 6io rs.
Uarmslada tnpprial os mais acrpilitarlns fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
PrezoDlo do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro."
dem inglezas para fiambre ebegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
amia,
Choculate francez, soisso e hespanol a Ooo
l,ooo e l,2oo rs. a libra.
Espcrmacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
da, salmao, ostras e chernee, vezugo em
latas grandes a 800 e !,ooo rs. cada urna. \
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-!
das que tem vindo ao DOSSO mercado a
6,000, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante-
rairiz n. 60, de Gama & Silva.
Ruupa feita barata.
Vende-se um grande sorlimento de roupa feita
para homens, sendo calcas de bnm branca o de
cer, dilas de casemira preta e de cores, ditas de
meia casemira, paletots saceos e sobrecasacos de
casemira e panno preto fino, colletes de todas as
qualidades : na loja do Pavao, rua da Imperatriz
n. 60, de Gama 4 Silva.
Grosdenaple de cor a 1$600 o covado.
Vende-se grosdenaple de cor azul, branco e pre-
to, pelo barato prego de 15600 o covado : na loja
do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama di
Silva.
Panno de linlio a 700 rs. o covado.
Vende-se o verdadeiro panno de linho proprio
para lenges, toalhas e ceronlas, pelo barato preco
de 700 rs. a vara : na loja do Pavo, rua da Im-
perairiz n. 68, de Gama & Silva.
Economa do Pavo.
Vollinlias.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzin'/ias
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato prego de 15 e 15200, as
r.ruzes avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Golinhas.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 25, -'5-jOO e 35; s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Enfeites para senhora.
Riquosissira enfeites com laco e sem lago e de
oulros.rauilos gostos a 15, 15300 e 35 : s no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins de cabello para relegio ou lu-
netas, pelo baratissimo prego de 15300, ditos de
retroz a 200 rs.
Babadinhos enlremeios.
Riquissimos babadinhos enlremeios cora lindo
lidade proprio para engarrafar era ancora-
tas com 9 canaria* p<-. +>wo rs.
-v-iiiuuue pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e5oo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
10,000 rs. e a 9oo e l.ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bclachinha de soda em latas com diversas
qualidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. para mimo a 64o rs.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e: Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5,7oo rs. a frasqueira. libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.:
dem de laranja verdadeira d&A'tona em Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grandes a 1.000 rs. o h asco, e
H,ooo rs. duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
40*o Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
Antonio de Lisboa em latas com 6 lbras
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por l,2flo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, e l,8oors.
Azeitedoce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2.000 a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para estregar casa a 32o
Nozes muito novas a 160 rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidre eom
rolba do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza era potes ja preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente lcgnme para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l,ooors. e 11,000 a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o maco.
3i i-eiinauo cm irasco Ue viro com rollia cv
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a 5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nesso mercado a 2,000, 2,3uo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l.oeo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; ditoemcaixesa6oors.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
Azcite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Matte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
S&LSAFA&RIL24
DE BE18TOL.
As curas mitas
V../V
Vende-se para acabar, urna pergao do retalhos, desenos tapados e transparentes, pelo baratissimo
de laas e cassas de todas as qualidades, e por pre-; prego de 15200, 15*500, 25 e 35; s no Vigilante,
AGENCIA
DA
eos muito era couta -, quem tem economa e que
pode apreciar : isto na le"a do Pavo, rua da Im-
peratriz D. 60, de Gama & Silva,
rua do Crespo n. 7.
Cascarrilhas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
Uadaoolo a 7,5000, s na toja do Pavo. I larguras, assim como galaozinho e traneinhas pro-
Vende-se superior madapolo muito encorpado, prias para enfeites; s no Vigilante, rua do Cres-
tendo 90 varas cada peca, com 4 palmos de largu-1 po u. 7.
raVio baratissimo preco de 75000 a pega ditos Filas.
muito finos a 85 5 e 105000. E' pechinrha, na : Grande sortimento de filas de diversas larguras
lnK do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama & e qualidades, por pregos que admiram aos com-
Siva pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
fortes de cissa a 3&000. I teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega
Vendem-se muito bonitos cortes de cassa, tendo de 9 varas a 25; s no Vigilante, rua do Crespo
7 varas cada corte, com desenhos muito delicados n. 7.
elu baratusirao prego de 35000 o corte ; s na Fitas de laa.
nia dn Pavo ruada imperatriz n. 60, de Gama & Fitas de la de todas as qualidades, proprias pa-
Siiva ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
Cortes de chita franceu.
Vendem-se fimssimos cortes de chita
ceza, com 2 covados,
ra debrum
gilanle, rua do Crespo n. 7
fran- Rices espelhos.
tendo, padres escuros e Riquissimos espelhos com moldura donrada
aleares de cores flxas pelo baratissimo prego de sera ella de 85, 105, 5 e 45, assim rao com
kOO o corte; s na loja do Pavo rua di Impe- columnas de diflerentes lamanhos a 25, 35,45, 55
rairiz n 60 de Gama 4 Silva. e 65; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Cobertores a 1(5800. Lindes jarros e figuras.
VAnrtem-se cobertores de 2 faces, sendo bastan- Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
.JS pelo barato prego de 15800 cada para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
um ; so na lojdo Pavo, rua da Imperatriz nurae- tem apparecido; s no Vigilante, rua do Crespo
ro 60 In* ^'
Caobraias lisas, na laja de Pavo. Para pos de arroz.
Vpndpm-sA oecas de cambraia lisa muito fina, 1 Riquissimos vasos com bonecla paraje de arroz,
lanada e trasparente, pelo baratissimo prego de Cousa de muilo gosto a 15500 e 25, assim como
M000 t-ndo 8 1/2 varas cada pc$a, ditas multo fl- paCotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
as a 75, 85, 95 a pega, ditas Victoria com 10 vigilante, rua do Crespo n. 7.
varas pelo baratissimo prego de <*. 9* e lUd, di- Perfumaras.
tas Gar^azes fazenda muito J^J-J^g, ^^SJ,. e banbas, poma-
Gama & Silva.
Cortes de la a -1,8000.
de las garibaldinas,
linctivos e offerecimenles as siuhasinhas dos me
Inores e mais afamados autores de Pars elnglater-
matisa- ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
AGENCIA L0W-M00&.
Rua da Senzalla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
am completo sortimento" de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
8 tachas de ferro batido e coado, de todos 01
.amanhos para ditos. _____ _____
^Arados americanos e machinas par
lavar roepa: em easa de S. P. Johnston 4 C,
rua da Senzalla Nova n. 42.
SORTIMENTO PARA A FESTA
rw
nraniB STraamcAs,
Erysipelas. Rh3"matismo,
iMevratgidS, EM&tttiUto,
clf.. e*<\.
l:ol
<|iui i.-mi rrangpn
imiH' a
re
Salsaparrilha de T::
por todas partee : miivor .
ciii(Miti' devi Iri- n

nica Logitna c
SALgAPAEHUA DE m
r.n'iw v EtESf ;.:
Mediante a rectitud />,. t'.V '.'
A venda as boticas deCaors '
rua da Cruz, e Joo da C. Bravo (... 1
da Madre de Dos.______________________
\ovo deposito le a> .
Aeha-se aberlo nm novo defOMlo r 1 a ca
rita do ltangel n. 34, na amiga fabrica
aonde os freguezes enronlrar.io 1 1 | -rfi-
meolo de sabo de todas as qnalid..
mo a vantagera qne enr< niram para ni a
lualquer freguez por ser muilo perl, 11 n in
to carreto que tem de paearem. ________^^
Vendem-se sarcos para assw
Brander a Rrandis A C. ; rua da GriMi
ESCBAVOS rUGIDOS.
Esta Furido.
Fabrica Conceigao da |
Baha.
Andrade & Reg, recebem conslante-
| mente e tem venda no seu armazem n.
K34 da rua do Imperador, algodo d'aquel-
m la fabrica, proprio para saceos de assn-
jf car, embalar algodo empluma etc., etc.,
mjc pelo prego mais razoavel.
AZEM CONSERVATI
23-Largo do Terco-23.
Joaquira Simit dos Santos, dono deste armazem de molhados avisa aos amigos do bom e ba-
rato que se venham sortir dos bons gneros este estabelecimento que nao se arrependerao, se rae
(ara a differenca de 10 a 20 por cento, pelo seu prompto pagamento ; e por Isso se faz annuncio de
ilguns gneros", que tendo sempre este estabelecimento um grande e vantajoso sortimento de tudo
juanto pertencente a este estabelecimento.
Seitido! Von fallar com o Conservano !!
Rua da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston A C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez._______________
Rna da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tacij <
[erro coado libra a O rs., idemd eLon
VJoor libra a420rs.
Manteiga ingleza de i* e 2' sorle a 800, 900 e 15
a libra.
dem franceza em barril a 600 e 640 res i li-
bra.
Toucinho de Lisboa a 300 rs. a libra e 85800 a ar-
roba.
flautas em caixas e gigos 15200 o 25000 a ar-
I. roba.
Saf de primeira e segunda sorte a 550, 289 e 300
rs. a libra.
irroz da india, Maranhao e Java a 100 e 80 rs. a
libra.
Phosphros do gaz a 25 a groza e 180 rs. o mago.
Passas novas a 480 rs. a libra.
Velas.de carnauba Aracaty composigo a 400 e 440
rs. a libra.
Massas para sopa a 480 e 440 rs a libra.
Marmellada dos melhores fabricantes de Lisboa de
1 a 2 libras a 640 rs. a libra.
Cha bysson o melhor deste genero a 25800 a li-
tdem 'perola mmdinho a S5S0O, 5000 e 35000 a
Banha ingleza alva e superior a 480 rs. a libra.
Vende-se
Contina a estar fgido o mualo araborlade de
nome Marcelino do abaixo >uj|i> Irte n oa
lo de altura regular, bastaulu reforgad du > (r
po, tem raaos e ps grandes, cabello corrida, cara
redonda, nariz chato, barba *K.uca. M todos ca
dentes, e quando falla mais a| recado gafuejt.esl
fgido ha quarenla das : reiummnda-* ao -rs.
capilaes de campo o quirara pegar e l^var a rna,
do Imperador n. 55, que serlo reeompeasadws.
Antonio Miz dos Sanios._________________
^~Fugio da casa do major Antonio d:i i.v
Gusmooseu escravo pardo de nome l.inz, < nha-
cido por Luiz Moateiro, idade 24 aons pur
mais ou menos, bstanle alto, serco. I>t-m parerid,
pernas compridas, cor clara, cabellos ra*bia.t.^.ra-
nhoto, e o principal signal I ter em rinia ti r.ia
mo uma estrella azul e lre< pinlas t.irr.I <'m
formando um triangulo em cada ladn d.> rci.
official de pedreiro. pintor e raiadnr pnrtaniu
loga-se s autoridades policiaes. a>>un n-ma aos
senhores de engenbo e propnctario* aontie eil# hv
trabalbar, intitulando-se forro, tanto ne-ta provin-
cia como fra delta, que a faga prendar e ft
ter ao sobredito senhor, que pag.tra Mm as >
pezas, assim como a quem o coodozr dar MM
boa gratilicago.
Fugio sabbado 26 de novpmbro prximo pau-
sado o escravo pardo de nome Antonio, de idada
de 20 annos, pouco mais ou mem. coa o* >if-
naes seguintes ; magro, altura npV, ruio roav
prido, nao tem barba e rom bstanles marca- 4a
bexigas, falla branda, foi escrava a cria do 9r.
Joaquim Cavalcanii de Albaqoerqoe do eot-aho
Araguari da freguezia de Barreiros, enibri-gava-Hi
ncsla cidade em vender agua, porem Mi d. mingos
e dias santos andava calgado, de palett hranra.
chapeo do chile e bengalioba fiaa. coalla i|nr m
intitula va de ser livre, quando fugio di*- a alja-
mas pessoas a quem venda agua, que t-guu para
Barreiros, e que somante vnliava a>pis da ffia
do natal : roga-se as autoridades poliriaes rapa-
les de campo de o apprehei derem e rnanUr. m
Azeite doce de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 35 o eBtregar na rua do Queimado n. 77, a AltuMl
galao.
Queijos mais novos do mercado a 25500 e 25800.
Serveja das melhores marcas, tanto branca como
preta a 500 rs. a garrafa e a duzia a 55800.
Sabo amarello massa a 180,200 e 240 rs. a libra.
Charutos da Babia dos melhores fabricantes de
15200, 25000, 25500 e 35 a caixa.
Milho alpista e paingo a 160 e 140 rs. a libra.
Vinho de Figueira verdadeiro a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa das melhores marcas a 400 a dia.
dem do Furto em barril superior pinga a 640 rs.
dem branco proprio para missa a 500 rs. a dita.
I Jera do Porto engarrafado a 800 e 15, tomando
mais de uma caada de qualquer um destes ter
grande abatimento.
Conservas inglezas e portaguezas a 500 e 640 rs.
Biscoitos e bolachas de soda a 15400 e 25-
Massa de tomate a 600 rs. a libra.
Genebra de Olaada em fraseos e botijas e de la-
ranja de 480 a 640 e 15*00.
Ghourigas as mais novas a 560 rs. a libra.
Latas com 1 e meia libra de amenas a 15200
Vende-se um comoraeiro martimo inglez do
melhor fabricante Charly Frodshan, afflangando o
seu regulamento, por diminuto p-ego : a tratar
superior farinha de mandioca, a bordo dos brigues na rua Nova n. 21, leja de Francisco Jos Ger-
scunas Principo, D. Affonso e Nao Sei, atracados mano_
eo caes do Baro do Livrameoto r a tratar a bor-
do, ou no largo do Corpo Santo n. 4, primeiro an-
dar, escrlptorio de Palraeira & Bellro.________
- Vende-se um boi cora uma carroga e pipa
Vinho de Porto.
nara agua, eoulra para cavallo com todos os seos vigsimo, em casa de Ferreira & Matneus, na rna
Jertences: na rua dos Prazeres n. 7.
i da Cadeia do Recite n. 6.
Bordados finos.
A loja da Aurora, na rna larga do Rosario n.
38, receben bordados de cambraia transparentes
muito finos, que tanto serve para
Jos da Silva, qne recompensara rom 505-
Escravo fugid
Acha-se fgido a esrravo Firmiao, perfcrcala
tripulago do biat'- lindo Pafurte, pr*t alnra-
caraisas como no, de 48 annos de idade, estatura r> guiar, ratfa
frra-
para vestidos o saia de senhora, pois que Isto fo- comprido, barba pouca, e fallo de deofc-s ea frr
ram amostras que s a loja da Aurora fei quem te ; levon camisa e raiga de algodio azol roca-
receben destas fazendas : qualquer senhora de se as autoridades policiaes e qualqorr ootra j^ii-
bom gosto que protender usar destes modernos soa a respectiva apprehenso, pela qual se tiara
bordados, queira mandar quanto ^ntes cemprar, uma gratificago na rua da Cnu w, priae ra
pois chegaram poucos e eslo se acabando. I andar.



*
8
Diarlo de PenuMbneo Qnlufa letra 15 e Itezembro de 1S64.
i
.IMTR
E' frloronta a regio da morte....
Man quem l chega nunca volla mais.
E'que se ha gelo nos portaos do tmulo
Nao ha tortura arrancando ais.
UM P0UC6DE TUPO.
Muller, um instante antes de raorrer, confessou 1ae. 6 lum'lo ? precioso leito
o ci une Je que era acensado, e dous Instantes an- ^ue aTasla os soabos que nos doira o mundo.
los negara-o. Confessou-0 j com a corda na gar- Se ''ort'0 dorme nos lences da morte,
ganta. Ninguem o abala no dormir profundo.
Estara senhor do si .' Se tem vermes morder o corpo
Quando dira a verdade ? '-uc ponsa inerte na friez da arga
No ultimo instante ou no anterior ? ,(,m as ondas que revolvem a alma
Nao pode haver cousa mais barbara do que o Q,iando pn,re dres vacillanteoscilla.
que se passon nesse dia ca capital da cultae chris- Horror I ... as trovas descozer osfios
1:1 .i Londres. Desse mysterio pavoroso e trdo I
Uavor um homem que annnnclava urna janella Da eternidade no limiar sombro
pira ver a execueao, duendo, para agujar a cu- francos phantasmas encarar sem medo !
riosidade, que da sua janella se viam ate" as ultimas r ,
convulso do sopplicado. 'Cl *m** ** *o
Trocar os tragos de urna vida eivada !
E a janella alugou-sc por 16 libras Dcixar as dores, o tormento, o mundo,
E esto povo repolle os combates de touros como 1>','f> alendo que traduz o nada !
selvagas o crueis ; ,
Antes o escuro que transborda a campa
A ctvilisacao christaa e.-t anida bem atrazada I Doqueter luzcs sem poder filar;
Eis a noticia desse drama sanguinolento e cruel. Oh I que sao fezes de lelhal veneno
representado em Londres no dia 14 do corrente : O ter amores sem poder amar.
No domingo, vespera da execurao de Muller, ____
rcuniram-se nnlhares de pessoas em Newgale, riMf-..ij
...,,,,. .. i.j a 'eso no Jnnl do Commemo :
Un i>aile\ enas mmcliacoes. O mau lempo obn- nMi^ni-..,.. .
,',... .. v u x-tencnlo \\ eslermayar conseguio attrahir s
gou os curiosos a d.spersarem-so por vezes. be suas fileira* um grande numero de crdulos, que
noute armn-* o calafalso, estando promplo s 4 jogavam na lotera, aos quaes venda alguns u-
t .ras da manh.n de segnnda-foira 14, A chuva meros, dizendoque deviam see infallivelmeule pre-
coatinuadanaodeiiou agglomerar a mnltido de miados, com qoanlias importantes,
noute ; mas ao romper do da, como o lempo me-' .,,, j u .., .
Ihorou, era immenso e nao poda sor matar o con-! AcrU"* de abS COntra a credul.dado e con-
curso de povo ; de todos os lados se ouviam os
das das exportacSes de tabaco dauTurquia e de Ar- lava. O velho Jubel vu isto, e avancou al fren-
gel em Franca ; as exportares da Turqua duran- te da columna : t Malditos, exclamou elle, com
te o nltimo anno, foram de 400:000 kilogrammas. a VM estridente que Ihe propria, sois vos que
No anno precedente tinham-se elevado a mais de haveis malograda os resultados desta batalha. e,
um milhao de kilos. A exportadlo d'Argel foi de
perlo de C milhoes de kilos. E' fcil comprehen-
der que a diminuicao da exporlacao da Turqua
devida ao augmento que provem da frica fran-
cesa.

N'uma reuniao que ltimamente houve em
Keswig, um ecclesiaslico Iralou da inffuencia das
bebidas nos assumplos polticos, especialmente as
eleicjes Inglezas.
E' escarranchado n'um barril de cerveja, disse
elle, que cada um dos membros dos communs
levado ao parlamento.
Rerommemdou porlanto a necessidade de urna
petieo dirigida camarados communs.para que fa-
ca fechar todas as tabernas no Reino; Unido, du-
rante a semana que precede e a que segu as elei-
coes na Gran-Bretanha.

Segando escrevem do Colonia rebentaram as
caldeiras do rebocador Mutheim-sur-la-Ruhr n. 3,
fazendo explosionaparlesuperiorda ponte de Colo-
nia. O barco desfez-se em pedacos. Os fragmen-
tos foram arrojados a grande distancia. Qatro
homens da equipagem Dcaram gravemente fe-
ridos
l m delles, que era o machinisla do vapor, mor-
reu na manhaa seguinle ; o fogueiro eslava a pon-
to de suecumbir ; e s havia esperanza de salvar os
com todos os diabos, haveis de ser vos que a aju-
dareis a salvar. Avanea : cora mil raios I
Feridoialvez pela obeservaeao, ou pela firmeza
do commandante, o regiment avancen rpidamen-
te, econseguiu tomar todas as posioties a marche
inaiclie.
*
Na qoinia-feira continuaram as ropresentacos
no theatro italiano de .Madrid, com a opera Rober-
to do Uiiibo, desempenhada pelas damas Penco e
Vitall; tenor Nicolmi e baixo Selva.
A opera foi receida com enlhusiasmo.
Cumpre nolar que alguns dos arlistas, cora o o
lenor Nieoiini e a dama Vitali, tinham desagrada-
do, qnando o iheatrose abru, e haran) orcasiona-
do a tormenta, que levou o empresario a suspen-
der as representaees.
La donna mobile, canta o tenor no Rigoletlo
e poJia elle parodiar o romance, dizendo // publi-
co mobile.
Os artistas, que tama bulla provocaran), agora
foram ouvidos com enlhusiasmo.

Alguns jornaesapontam como um faci natural
c sem precedente na historia, as frequenles visitas
das testas coreadas a Pars, desde a exaltacio ao
threno do imperador Napoleao. Nodeixa, pois, de
ser curiosa a recapitulado dessas visitas.
O actual imperador Alexandrc II o terceiro dos
outros dois, um dos quaes o filho docapiliio, que I czares r,ue teem pisado o solo francez desde o prin-
apenas ter de perder urna perna- O machinisla | cipio da monarchia de Clovs at o imperio.
gritos selvagens e sanguinarios, costumados pesias njt.|,
occasides.
., ,, O seu interrogatorio provocou o riso no audilo-
Os aprendizes de ratoneros fazem uestes dias rio, o at mesmo nos prprios juizes.
a suas provas publicas, e por isso a polica pren-! ^ .
a j i delegado do reu diligenciou afaslar a acensa.
deu grande numero de menores de um e outro c5o, allegando Q ^J ^oiSSSo
por furtos .ndus.noso, Alugou-se por 16; com eertos algar.smos, era! por conseq'uenc do
libras urna janella, d onde, segundo dizia o aluga- i boa f qae fazia o seu pequeo commercio
demnado tm primeira instancia a anno e meio de eslava ll0rrivelmenle mutilado. A carne do corpo j 0 primeiro imperador da Russia que visitn l'a-
prisao, appelloa da sentenca para o tribunal de Mu- do ros' eslava completamente separada em pe-, ris f Ped 0 Gran(1 em ,8|7 Alexamlre fj
or, se podiam gozar at as ultimas convulsoes do
snppliciado.
Outras se alugaram por 10 e menos, segundo a
distancia.
A's8 horas, leve lugar a execucao. Muller, at
o fin, acompanhado do reverendo eapellSo Davis e
do !)r. Cippeil, pa-lre da egreja luiherana allema,
nngon sompre o crme, e insisiu em deelarar-se
i inocente ; mas quando j eslava sobre o fatal es-
tiad i, o dopois do carrasco Calcraft Ihe deitar o
capuz branco pela cabeca, houve o seguinte dialo-
go em allemao :
Dr.CappeJI:Muller, d'aqui aun) instante vae
appareeer diante de Deus. Pela ultima vez Ihe
.pergnnto so est innocente ou culpado ?
Muller :Eslou innocente.
Dr. Cinpcll :E Holler, com voz traca : Gott vetes teas ich Ih hube (Oens sabe o que eu fiz.) J rado n'um quartocom o numero 14,Alguns diasde-
l)r. Capell :Entao Deus sabe que commetteu o: poismandaram-me para a fortaleza,onde meguar-
ctim ? daramno quarlo n. 3i, e estes dois algarismos pro-
Muller nao respondeu. duzem lambetn 7 liUal
Deus, diga, rommetieu o crime ?
dacos. Deixa mulher e filbos, assim como o fo-
gueiro que eslava a morrer.
As cavernas do vapor conlinnam a boiar nolthc-
no. L'm navio lii mandado para carregar os ob-1
jectos que se podessem salvar.
O vapor, cuja pupa eslava um pouco submergi-
da, apresentava um espectculo horrivel de devas-
lac,So.
pequeo commercio.
A experiencia tem demonstrado, disse WesteJ
mayer Be seu inlerrogator.o, que eertos annos e a que fieou reduzdo rebocador.
cenas dalas exercem urna infl uencia desaslrosa,
D3rPlnr0aVndV?U3SVmaS,amb7naSBera55eS': l'mJrnal espiro diz que Mr. Rothschild
, TJL ?Ta0 V 48, esom- recebeuuliimamenteuuia carta, concebida uestes
mae os algansmo de que se compSe, e tereis 3 iPrmr>
vezes 7. i iermnos '
Senhor barao.
Entrei no servijo a 13 de julho de 1841 : notae j Depois de muitos esforcos, pude afinal devas-
esla dala fatal I primeiramente 13 numero funes- sar os segredos da natureza. Posso, pois, setiver-
to ; julho o stimo mez do anoo, e 1841 contera des a bondade de me mandar 100,000 francos (uns
duas vezes 7.
a Pars em !8'5e Alexandre II esleve em Franca
ltimamente, 1864.
Napoleao III tem sido visitado pela rainha de In-
glalerra e pelos res da Prussia, Havera, Italia,
Portugal, Grecia, Hollanda, Blgica, Suecia o lies
panha. Tambem fez conhecimeoto pessoal com o
actual imperador da Austria, em Villa-Franca. seus habitantes o gozo do beneficio desta nova ah-
menlacao; e parece que a esta hora esl ja as
raaos do prefeilo do norle urna representado a
Depois de urna tentativa do suicidio,eis o que
se conta :-A senhora de Hochwaechler declarou
a um honrad) padre calholieo de Dusseldorf, que
nao saba explicar como seu marido linha podido
arrancar Ihe urna confissao que era falsa, comple-
tamenle falsa.
Mr. de Ilochwaeehter intenlou porm um pro-
cesso civil contra o conde de Fnerstefflberg, e esta
ciivumslancia veio complicar este singular roman-
ce da vida real, que leve um desfecho sanguino-
lento.
Como, anexar de todas m tentativas deHochw
acter, o conde recusava firmemente dar qualquer
salisfacao, o innao do primeiro resolven provocar
o conde. Este leve de acechar a provocaeao, e se-
gundo parece matou o seu adversario.
Um menino de 10 uos.Quero ser general,
hispo, governador, ministro, presidente de urna
repblica.
Um joven de 20 nnnos.Rosa. Julia, Herminia,
Eslephania.. .parvas, enlo nao me queriam pi-
Ihar I
Um homem de 30 unnos J me conlenlava ahi
com uns 40 conlos.. .com 40 conlos!
Outro de 40 annos.O que a sorte Com lu-
do isto j posso ir at Madrid.
De SO annos.Em que maos est mettido o
paiz I Esle governo sempre multo corrupto I
De 00 annos.A que lempos chegamos I nos
meus lempos nao succedia isso I
De 70.J se nao pode viver nesle mundo !
Fui 7annos alferes do ti regiment de linha, e
no dia em que foi despachado lente para o 13."
regiment, nao esperava que me aconlecesse infe-
lcidadealguma. Masefleclivamentefuiexoneradoa
7 deabrlea7demaioprenderam-me,dameianoote

os algarismos 7 e 3 exercem no seu deslio, devia
Irinla contos) fazer com que vivis li' annos,
nem mais um dia, erdade, mas era menos um.
O doutor, .
Mr. do Rothschild nao hesitou! Lanc,ou logo
mo da peona e respondeu :
Senhor.
A vossa proposta Isongea-me, mas nao posso
acceita-la, pela simples razio de se oppr a minha
religio a que eu reaja contra a eleruidade.
Sobre os progressos da hyppopliagia no norf*.
d a Gazeta de Cambraya os seguinles esclarec-
menlos:
Lille e muilas oulras ridades de menor impor-
tancia possucm, baj algnm lempo, taihos de car-
ne de cavallo. Hoja, que est exuberantemente
[trovado que esle alimento sadio c agradarcl,
Cambraya est na resolueo de proporcionar aos
fim de conseguir autorisaciio para abrir um novo
s lallip que nao exponha ao consumo publico ouira
Um correspondente de Berln refere o seguinte:
O conde de Fuerstemherg-Slammheim bateu-se
ltimamente com Mr. de Hocwasehter, prximo de
Vaer, no territorio hollandez. Mr. de Hochwaechler I crte n5o seja a d( rava,|o
ucou mortalmente ferido.
Julgo exactas as informaijoes que pude obter i
desie lgubre acontecimento; todava nao posso
garantir a sua autenticidade quanto a alguns por-
menores.
Em Deulz, prximo de Colonia, viva ha alguns
anuos, um major Mr... Tinha duas lilhas de rara
belleza, conde Fuerslemberg-Stanunheim, des-
cendente do ultimo principe bisp'o de Hildeshein, e
possuidor de urna fortuna colossal, visiiava assi-
duamente aquella familia. Passado algnm ternpo,
o primeiro mordomo do conde, Mr. Hochwaechler.
amigo offlcial do bossardi, cason cimi urna das
duas meninas. O conde doou a esto par um dos
seus numerosos castellos, para sua residencia.
Mr. de Hochwaechler inslallou-se al effeciva-
No Oro/i, l-se sobre a origem da [riao rhaota-
da riolon, o seguinte :
< Parece que em lempo de Loiz XI os moifc
desordeiros que affluiam ao templo de IVom em-
tum ivam levar ci>m>igo grande nnmero de pnrMM
que se espalhavaa depois pela sala ebanuda n
Pas/'eidus.
Juntavam-seaoale mohos estudaoies e varia-
pessoas de difireme* classes da sociedad*, tmr
faziam um motii.i insupporlavel.
t Para obslar a esle mal, um oftVial de Mira
destiton urna sala balsa i me para mrt-
ter temporariamente, e ,'. .luranle a< au-li-nrii-.
os principaes amotinad.tres daquelles hl- ruaos e
dillerentcs 6MIM.
Como, porm, pelo facto de ali Ur. a j^rtira
nao exercia a sua ace.io s> bre aquella p '
o offlcial de juslica leve a feliz id*a d.- man.1ar
pendurar urna rabeca na parede da pn.'.,.. para
que os caplivos de algnma- horas pade-em M r-
tir-se de nm modo decente; porque >al.ido iw
quera canta edanca nao tuiJa em fazer naJ.
Eis, pois, como sala de deten.;:.) .1.. pirL.rre ni-,
veio, com o and:.r dos lempos a eharoar-se
du violn.
Conta o Duilij-Sncs que umsujeiio de birmHtf-
liam, |.or nome Tiiornlon, possue um dos nMwro
dolos de cobre, que j mais foi el* naqncHe paa.
c que lera excilado a admiraro de quaaioso i a
ido ver.
Esle dolo famoso
Boudha.
nada meaos qne o
Acaba de ebegar [icio Manchester Couirier a
noticia da morte de Julio Gerard, o celebre viajan-
te, mais conhccido pelo nome de Matador de
teoes.
O peridico que citamos diz ter elle morrido as-
phyxiado no rio Yong, a 120 milbas de distancia
da Serra Leda.
t Mas, recusando, consola-inc leinbrar-me que mente. Mas anda nao tinha decorrido a la de
Muller : la, ich habe es getkan und ntemnnd elara'lt^'Padamente persuadido de que o seu re-
anderi kat damtt zu thun gchabl. (Sim, commetti, e ^^ dev,ia ser reS^^'h porque o tribunal se
ninguem mais me ajudou.)
Nesle momento cahu o al;apao. Muller agitoo"
se no espado, e alguns segundos depois eslava
morlo.
compoe de 7 pessoas, que oceupam 7 cadei
ras ; as duas mesas que havia no tribunal con-
tavam 7 ps, e at o proprio gendarma que
podis applicar a vos o metliodo qae haveis des-
coberto, viver 130 annos, [ubre, talvez ; mas sa-
U ?"",a* raeios pecuniarios nao constituem a
felicidade.
O nome do general confederado Early terase, ha
algum lempo, tornado familiar ne publico ameri-
cano, em consecuencia da recente campanha do
niel, quando o conde recebeu do seu mordomo
urna missiva muilo singular. Mr. de Hochwaech-
ler expunha naquella carta, que antes do seu casa-
mento uvera tido relaces intimas com o conde.
-t ^-., ..ntinln rrran.l.- uuua, lo-miou
com esta pergunta : Que me resta fazer em pre
sepca de semelhante siluacao?
U conde de Fuerstemberg que tambem acabava
O Dr. Cappell ia desmaiando, e retirou-sc encos-
tado aoseu col loga.
O ItaiM de 10 traz urna carta do Dr. Cappell, j A reputacao dos tabacos do Levante bem co-
que confirma a narradlo feila por este jornal, rec- nhecida. A Turqua produz de todas as especies,
(ideando apenas urna circumstancia nao essen-
.cial.
acompanhava o acensado, vesnaum uniforme que ~"Z^TkZTZ. Z 7? de casar com a princeza de A .. mostr., a cuta
A noticia
fianca.
Iransmillida por pessoas de con-
E' do Sr. Jeferson Mirabeau esta poesa :
AO EU AMIGO JOAQI'IM DA KO.VSECA E SILVA.
Tedet animam meam vito? mea;.
Job.
Eu quero a morle, como quer a vida
Qnem unir o gosose disfaz em riso.
1*] no silencio lumular que esto
Morenas as llores que nao mais diviso.
O que a morlo ? csquccimcnto eterno
Do tormentoso solucar da vida ;
Vaga que esconde no voraz abysmo
A flor que ao vento se entregou perdida.
Para os que soffrem, natural remanso
Onde se abrigara do calor mundano ;
Ponte que mala ao viajor demente
A sede ardenlc de um andar insano.
; jaE*K53i
FOLHETIffl
ROMANCE ORIGINAL.
POR
GAVILLO CASTELLO BRANCO.
(Continuaroo do n. iHS.)
XXIII
Bstavamos em S. Roque da Laraera, na gracio-
sa e abandonada alameda, sob-posta ao muramen-
to das Irincheiras de 1832.
Antonio Joa(uim apontou com o dedo urna casa
deslelliada, rola, e destrocada de balas, entestando
com o monto.
Ali morreu meu lio Carlos Le te ha vinle o
oilo aunos, em 30 do setembro, horas depois do
desesperado assallo s llnhas do Porto em dia de Plmho nos seus Tradados de Moral.
doces o aromticos, como os da Syria, e da Asia-icurl0';i'la'J/s da gaerra- E" um homem de enne
menor, c do mais forte como os da Thracia e da | CtjrPll,e,li:ia. c01" urnas faces lao boehechudas que
faz lembrar a la cheia. Tem seis ps de alio, mas
o corpo descreve urna especie de pyramide cnica,
A sua voz sa como um trovac, o saindo-lho da
bocea reflecte a urna grandissima distancia.
De invern traz a cabeca coberta com um bonel
les circumsiaocias a respeilo deste offlcial
Mr. de llomperch foi do opiniao que esle negocio
O velho Jubal Early, a quom o general Lee cha-' era urna tentativa astuciosa, e que era preciso nao
ma amigavelmente o meu velho Jubal urna das ifazer caso delta. Todava o negocio Iranspirou ;
lornava-se necessario o escndalo.
Macedonia.
Neste ultimo paiz, que como se sabe, urna
provincia central da Turqua da Europa, urna
oilava parle das torras cultivadas deslina-se
cultivadas do tabaco, vivendo d'esta explora-
cao vlnte mil familias. Se a cultura desta
de lia, earregado sobre as orcinas, e o seu alenta-
planta estivesse espalhada em toda* as provn- do corpo e*ta envolvido n'um paletot de panno da
eias, como est em Macedonia, o Turqua vende- Virginia, que Ihe chega al aos ps. As pernas es- \ Ilochwaeehter foi sollo.
ra Europa as mais excellentes qnalidades que lSo envolvidas em grandes polainas do mesmo pau-
se tem obtidonas ilha
Unidos
boje
ci, em consequencia da guerra. i Brosonlou pode rivahsar com elle.
Toda a nobreza da provincia foi convocada em
conseio de honra, e pronuneiou-se n? sentido da
opiniu de Mr. de llomperch.
Mr. Ilochwaeehter, homem de umtereperamento
violento e fogoso, veudo que o seu cartel era igno-
miniosamente repellido, lau(ou-se um dia a Mr. de
llomperch, e encheu-o de soceos, na estacao do ca-
minlio de ferro de colonia. Instaurou-se um pro-
cesso perante o tribunal correccional, mas Mr. de
Xo entretanto em consequencia das syndicancias
em obtido as ilhas do Atlntico e nos Estados- no, trazendo enroladas desde os ps at aoj.elhc k.lUi pdu (;orp0 dos om,;iaS em ^J^ r
dos, pr.ncipalmente estando estes, como eslao cimas de algodao branco. E' lo valenle, como nao' ||... leve de dar a suaderaissac, em preseoca dos
8, na irapossiv.lidade de se darem ao conmer- e vulgar encontrar egual; diz-se que s o Rev. boatos que o aecusavam de complcente culpabi
A extensao queacullura do tabaco tem tomado Conta-sc a sen respeilo nm grande numero de dragonas, eve notar-so que nao havia o menor
complacente cuip
hdade. Xo se quera que continuasse a usar das
em Argel, por impulso dos Inspectores da regie ancdotas, que caracterisain o seu genero de elo-
franceza, prova bem os resulladoscom que se po- qiicncia, e a influencia que exerce.
deria contar, se esle ramo de explorado se estn- avase a batalha de Wildwness. Tendo um re-
desse a todos o lilioral. Em seguida publicamos al- gimento da Carolina do sul recehido ordem para
gumas informacoes que indicara asquanlidadesme- carregar o inimigo-ifosse qual fosse a razo hesi-
indicio de prova.
Como.nalural tolos estos fados augmcnlaram
a notoriedade de um drama, que era necessario que
nyesse mais peripecia, tornando malores propor-
e rica ; e nao mais respondeu s cartas da noiva, lanices aos olhos das raulheres incautas. O e nem senta o grvame da sua quebra de palavra. neo desunha as presas dos ees. Ora, como a po- podra desraizar o coraco do terreno era que il.o
Era hornera afe.to aos gozos da soc.odado, gala e licia nao lera aleuda sobre estes scelerados, ne-! cultivara sua mae, senhora de costuraos antgos.
praxcnte.ro, bem-qu.sto e amado ; e, de repente, cessario desaulhora-Ios dos seus foros de homens \ O homem com apparencias por demasa munda-
desprendeu-se de todas as all.ancas cora o mundo escorreiios; ed.sio procede correrem fado cora | naS eontradissera a fama de anas leviandades ju-
venis, amando com alma casia a mulher formosa,
maiiielada s columnas do aliar. Nunca se Ihe de-
leve no raco afogueadoo pensainoato de dispu-
tar violencia, paternal a dcil victima de especu-
lacSes de familia, oflertada sacrilegamente Deus,
como se o Creador anianlissimo de suas crealnras
dos felizes ou que apparentam se-lo e refu-' reputacao de nescios os quo arranjam urna fonte
giou-se em solidao, apenas perturbada pelas obri- \ de Vaucluse em cada ra, e se fazem Petrarchas
gacoes multares. L]e esquina.
Urnas pessoas lastimavam-o, oulras conipade-! ,
-.. i j j ... i A socieda le reprova egua mente o extremo od-
ciam-se. A sociedadc n se dos amores frivolos,! ,,. .7
,__. ... posto. Runos taiuliem dos que se amiseram e des-
e n se tambem dos amores que ecm o ar serio de l, ^ !
i cabellara por que a sua darra os desdeaha desamo-
enorme soffrimento. Do homem que possue um mvelmente, oa por que as contingencias da vida podesse ser engaado e lisongeado com os coracoes
coracaopara cada mulher, e urna paixq em cada
semana, que diz a sociedadc ? um latela Se
elle anda a penar pela mesma mulher mrtade de
sua vida, a sociedade que diz ? t urna lastima I>
Nao achas que assim ?
E' assim ; e fazemos nos muto bem, nos, a
sociedade.Respond com a empolla philosophica
de um dos sele sabios da Grecia, com o abdomen
bem arredondado das comezanas historiadas por
Passando dous sujeitos perlo de urna senhora
mullo moca, disse um delles :
Eis-aqul a mulher mais linda que tenho
visto.
A e-las palavras, volla ella, a cabera, e acban-
do-o muilo feio, accrescenta :
Eu estimara muilo. em signal do meu re-
conhecimcnlo, poder dizer outro lanto a V. S.
Ah minha senhora, replicn pile entao,
porque nao mente V. Exc. como eu.
i- se no Jornal do Commercio de Lisboa o se-
guinte :
Em Saragoja leve ltimamente lugar um gran
de combate entre uin elephante do Ceyliio e dous
toaros, u eiepnanle lutou com caua um separa-
damente. O gigante d'Azia, depois de passciar com
muita gravidade, esperou tranquillamenle o seu
adversario qnasi porta da gaiola.
Sabio o primeiro touro, e comquanio se achasse
face face daquulla massa enorme e formidavel,
nao hesitou era atacar de frente o seu adversario,
que, recebendo-o as suas defesas, o lancou por
ierra cora a mesma facilidado com qae urna enan-
ca arremora urna larauja. Duas ou tres vezes vol-
lou o touro a carga, al; que atinal o depilante o
crivou de golpes com as suas formidaveis defexas,
estendendo-o morlo no campo. Depois des*a ten-
tativa, o vencedor leon muito tranquillo, e coma
com grande appetite o alimento que guarda Ihe
lava.
O segundo touro lancou-se menos energa con-
tra o elephante, que em pouco lempo o lancou por
Ierra morlo ao lado do primeiro. Depois deslc du-
plo Iriumpho, o gigante eslava lio fresco e dispos-
to como se ni la livesse feito, o pareca com for-
cas para desafiar um rebanho de touros.
O louro adversario pouco temivel para o ele-
phante, por que, atacando-o de frente, vai de-
Irair-se contra as formidaveis defexas do colosso
asitico.
Tem mais de sele pe de aliurn. e e urna da* me
horas pecas de cobre que em lempo algn se I
fundido.
O Sr. Thomion mandou collwar su pren ...;
de n'um pateo da sua habitacao.
Aquella magesl.tsa deidad? f.ti arbada n um qoar -
lo subterrneo do seu lem.-lo. I rm 1JUC tota
sido escondida provavehnenie Im ni! aon
nos antes; e sem den, >ra a Uzcmii Irao^porur
para a capital unive^al des lerre.r.,, 1 hmmi
Mas, do esperar que o Sr. Hmmtm f.;a pvmn
te ao municq.io daquella amo>ira amanai da>
falsas divindadesindiiu;>; eii.... m iu-!imo l
M.ddland sera coulkida a guarda e coosrvar>> a
quella randade.
Quera dira que depow de dous mil t- qumbeaiu
amios, o terrivel Buudlu, irau>poru^a ouiro hr*
imsj.herio, viria habnar n'um lemplu em que re.
na, como soberana, >o e unicameale a M-iencu, e
onde nao despertara ou4ra cousa que nao fo?se a
curosidade dos sabios '.
Oxal que Male moderr-o templo elle exis ti,
to tempo como o que exisiio no de ScotUTunaj
donde ltimamente tafee.
L-se na evolur/w de Srtembro :
Carlas de Paris dizem-nos que brevemente v ,*.
r admirar n'um dos princij>ae Iheatrm d >(oela
corte um novo prostigiudor filho de um prinripe
russo, artista que f.ira es.juecer o nome de Her-
mn n, por que os seus trabnos sao veritkVxos
milagrea.
Trahalhar n da cintura para cima para, tor-
nar mais sorprehendente as suas empalm ic>>.
Os objectos desap|iarecem por entre os seo le-
dos e nos tours de cartas i maravilhoo.
As mesmas cartas nos diiem que esle pre-ijyi'a-
dor e apresentari bramataH em Lisboa.
" uiiisiraa IoUm p<.rii>-ne nos da afrada-
vel nolicia de urna patritica rata!
pela cmara municipal do Porto na sesso *t 1
ta-feira ultima sobre proposia do Sr. Jmj Mo-
reira Pinto da Costa. Foi que se CaHaamn .i 1 ca>a
n. 37, .'Id o il ,1a ra do l'.atvarlo dannell.-t rxiae
'onde nasceu o inspirado aviar do CaaV*, i 1 r l.niz di Sottza e Arco de Santa Anm, a .-eguinie
inscripcao comiaeoontira :
CASA ONDE NASU.EU
AOS
4 DE FE VER RIBO DE ll'ji
JOAO BAPTISTA DA SILVA LKIT \..
DE ALMEIDA GARIIKTT
MA.NDOI GRATAI A MKMO;|.\
DO GRANDE PuETA
A CMARA MUNICIPAL DESTA (ID.MK
EM
INt
Depois de esi'orcos inuiilnu-nte feilos por a%mu-
cultores das lettras patrias e admiradores do jilo
eogenbo de Garren, sincero louvor cabe a. Sr A-, -
gusto Moreira por haver conseguid., i-ie hoavesse,
ao menos, urna lapide a lembrar de roilin> a
Porto 0 nome de um liiho que tanto o mu-ira.
os eslorvam de se minearen) com
os anjos Ibes mandaran), e as bo
Ibes prendern), ao pousarem-se ellas neste solo
i amaldi^oado, onde o dinheiro visgo para as aves
dos viveiros celestiaes. Nao se consentem sandeus
em amor, por que o amor que a sociedade absolve
o amor discreto. Menos se consentem os lagrimei-
ros babosos, por que o amor honesto o amor ale-
gre. Respond.
S. Miguel -disse Antonio Joaqun), e proseguiu :
Meu lio era coronel no exercito sitiante. Nao sei
se os huraaoissimos senlimenlos da llberdade im-
pelliam o espirito de Carlos Leite a sympalhisar
com a causa briosa dos cercados : pode ser qae
meu tio pensasse como philosopho, como socialista,
como christao da eschola de Jess Consto : pensa-
rla ; mas vai grande stadio do peosamento ao acto.
A disciplina do soldado prevaleceu aspiracao do
philosopho. Meu tio militava sombra das ban-
beras que jurara.
Desde 1826 at 1830, Carlos Leite residiu no
Porto cominaodando um regiment. Era lente
coronel aos quarenta e cinco annos e amava, desde
os vinle, urna senhora, que elle vira entrar, aos
quinze annos, violentada, em um dos conventos do
Porto, onde prolessou aos dezeseis.
As duas almas, que se haviam encontrado urna
s vez, na ante-vespera da entrada de Marianna
no vento, nao pode a celebracao tremenda dos
sponsaes divinos desnni-las. Meu to havia-se com-
prometido em casamento com urna prenla bella
(Observacao entre parenlhesis : os sabios da
O pouco que entend da respostareflexlo-
Grecia, discutan) os fundos mysleros da nature- nO Antonio Joaquimhabilita-me a suppr que
za com o estomago repleto. A occupiciio medici- Saloman j centava cimtigo, quando disse que o
nal de nos abslermos de trabalhos de espirito, por numero dos tolos era infinito. E' um sabio a julgar
espaco ,1e tres horas depois de janUr, faz que j oulro sabio Aor* vanlrtS nistria, que d'aqui a
se nao criem sabios do chorurae o plpa dos gre- P0UC eslas salvo da lileira e de mim-
gos. O bom intendmento claramente diz que, em "" Estas engaado!aecud eulPro va vel mente
quanto os alimentos se esmem, a porcao material irei comligo em quanto farejar no bojo da tua me-
da fabrica humana esl empenhada n'esse cosi- moria um romance indito. Sou o teu vampiro, An-
menlo: o entao que o intelleclo se acha de todo tonio Joaquim I Hei de suotar-te seis volumes da
desembarazado para cogitar. Os grandes livros, alma. Seis volumes, que serao as seis columnas dn
ojie os frades escreveram, sao eternos pregoelros ,eu suppedaneo-no templo dos immortaes l... Que
disto. Aquelles robustos pensadores, se lio so- to depois teu lio? Diziasiu que urnas.pessoas t-
mente pensassem e escrevpssem com o estomago nnam do delle, e oulras rlam-se.
esvasiado, nao teriam pensado nem escripto Carlos Leite, quando o< expedicionarios das
nunca.) Ibas desembarcaran) no MinJello, e-uva aqu no
Fazemos nos muito bem-repetper que a Porto, a guarnlco relirou desconsideradamente e
boa razo, mae ou filha do senso commnm de al- acossada pelo terror pnico. Meu lio nao pode des-
guns particulares, diz,quo o commura de alguns pedirse de Marianna pessoalmenle. Deixou-lhe
particulares, diz que o hornera muito dado a femi- um bilhete com estas Dalavras: t Nao nos veremos
nilidades, e amador por offlcio, urna besta-fera. mais. Eu desejo morrer.. Vera ahi dias em que a
Faz-se mister que a sociedade o domestique for- morte se ha de facilitar aos amigos, e alcancar os
(a de oraelter a riso, e vesti-lo de histriao de ga- desaffeicoados quo Ihe fugirem. Al eternidade
as pombas que 1Uft ?e ",R atiram espedacados ao sen sanctoarki!
zes dos homens Carlos Leite de sobra conhecia que o allissimo
nao seria o ecandalisado, se a freir fugisse do
seu carcere e rasgasse as vestes inonaslims, a al-
va de condemnado a nm lento patbulo. Sabia-o, e
via-o luz deste seculo, que j entao lampejava
furtivamente nos espiritos, a despei'o da vigilancia
dos tonsurados c das baionelas rircumpostas em
sentinellass trevas do altar e do Ihrono. Com lu-
do, a religiosidado do infortunio de Marianna fez
daqnelle homem um sublime padecente, um am-
paro alma desfallecida, um desgraciado que se
atormentava espontneamente para que ella se con
solasse com dar a outrem metade das suas agona?.
Aqui tens por que meu to q'ieria morrer. J o des-
alent o ia cegando para as vlsSes de alem-tnmnlo.
Os annos pesavam-lhe. Ksperan;.as de felcidade,
aqu onde ella se entende e comprehende, nenhu-
mas. Esperar do cu I... Oh I que nectario enleio
e ancear deve ser esse I mas meu lio, bem quo re-
ligioso, era meii'os asctico, muilo menos que os
poetas, por via de regra, gente boa, que se illnde
para se nao parecer com a ontra gente. Que 6 isto
de aprazarmos as mulheres que nos fogem nesle
mundo, para as bem-aventarancas do outro T ..
Eu eslou persuadido que as venturas do cu sao
de outro quilate. Multares e homens no cu, meu
amigo I Sexos na presenca de Deus I... Parece-me
que sena insustentavel por um trimestre a boa or-
dem do reino eterno I...
Olha que a la linguagem vae destoando do
som funeral da narrativaobserve! meu amigo
Ha tanto tempo que leu lio sabiu do Porto. Te-
nho empenhadas todas as faculdades do meu e.-pi -
rito em saber o que fez a freir depois.
Quando os liberaos entraran) no Porto, algumas
religiosas assusiadas cot a perspectiva do desaca
lo aos conventos, saturara, c recolheram-se casa
dos seus prenles. Marianna, recelando que sm
pae Ihe censurarse a deliberado, por suspeita-ta
criminosa, foi procurar o abrigo de prenles as
cercanas de Paco de Sinza. Cirios Leite eslava
em Ponte Ferreira, quando ella passon. em rorapa-
nhia de suas criadas. Aperlou-lhe a mo, susteve-a
sem alent nos bracos, dissellie breves palavras
em tom paterna!, e mandou soldados acompanlia-
la casa de seus prenles. Descom) que o inten-
to da religiio era assistir primeira batalha, c
procurar .1 morte onle o seu amigo esperava en-
contrada.
Meu lio recebeu algumas vezes noticia do Ma-
rianna, e escreveu-lhe carias que po que ncnhnm offlcial superior do exercito de D. Mi
guel antevio como ello o xito da luta. Em urna
das cartas, diz elle : cNs defendemos o rei ; os
cerrados defendera a vida. Nos somos oiteuta mil
confiados na juslica da <;ausa ; elles sao quinze
mil confia los na salvacao do proprio esforco. Os
nossos frades j nos allam da proteccao de Deus
e dos santos. Os cercados animain-se uns aos ou-
tros, e nao so .iieem coadjuvacao de S. Jorge ou
S. Thiago. Necessariamente bao de vencer elles.
E depois de algumas linhas, ajuutava : Eu nao
verei a derrota nem a victoria.
Formado o "cerco, o regiment de Carlos Leite
avisinhou-se daslinlias. s batalhis dos primeiros
raezes, como se collige de urna balbucante histo-
ria que ahi temos, foram pouco para herosmo?.
Nao de vemos crer sem reserva o que or contara
os veteranos, que, de una c outra parte, conser-
vara as cicatrizes e a memoria desses dias infaus-
tos. Meu lo almejava urna grande e decisiva pe-
leja. Foi dos que se alegraram com o programma
do assalto geral as linhas em dia de S. Miguel.
Eneontrou, finalmente, a sua desejada bala. Ca-
hu do cavallo debaixo da batera do Bomlim Era
mortal o ferimento. Os soldados transportaram-o
|oja da casa que te mos|ro|, Reqnisitaram-se da
ambulancia os ungentos para o curativo d f r:
da, que saograva d-bano di cUvicua .1
Meu lio fez um ge-lo negativo, e murmure! :
N:o rae atorra )nt;m mns. Depois, rnama a
puridado um sargento da sua conli..n-;i. e ilewe-
Ihe :Tome conta dos pipis d: minha 'nficrm,
e mande ib'os. Se eu pode-se. escrevi. I. tara ->
meu sangue duas linhas... Para.ju *. .Xm
inolil...
Proferidas estas palavras, enlroa ru hriji non
mulher traj^da de aldea, em afean clamores. F.ra
a religiosa. Ajoelhou-se a ferbmlaCferlajl
Cahu de sobre os joelhos com a face as lag.s
Meu tio levantou-a ; e, no esforco qae ez iara
a estrellar ao seio, perdeu o alenio, e al najas**
Marianna nao Voltou mais a., mo-i.-iro. ae-a ao
abrigo da familia. Sei que a reeoliieram at-.r
bricantes de S. Iloqnj da Lamein, j-iig.-in
de lavradores. sargento, ec-irre.-j l, :
gar-llie os papis de meu lio, minen paavaa mi-
nutos depois do seu coinmaodanie. A bagag. n f o
enviada para casa de miuha mae pelo camara.1*
de meu lio.
Dous metes volvido?, Marianna, aompae
pelo camarada de Carlos Leite, ao rahir 4-
noute tempestuosa, foi dar a minha ea*a. s .11-
do chamou minha mae de parte t> (laaMfei :
la senhora a freiri que o meu comiaaa faata
amou dez annos..-Pois se disse minha mi-. e
ama-la-hei toda a vida.
Marianna entrn na nossa familia. Eu chama va-
Ihe lia ; minha mo chamava-lhe irmaa V.-u- in-
te parentesco dnrou vinle m-zes. Lcnahra-nie qie
ella linha orna fonnosura de calaver; antes ra?,i-
lado o rosto pelas minchas da pnlrefteca. O $nr-
riso, com que agradeca nossos cariah >s, faiu
tristeza. No outini de 1*1, o cahirem as pri-
metras folhas, inclino.i a sania do amor e lia aaj>
dade ao seio de minha me a fronte branca o fria
de marmore, e pirn, balbuciando
v-lo
Ve*
(Con/#aaa).
PERNAMBUCf..-TVP. DE M. P. DE P. FILHO.
/


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYCCE9W73_2UAD4X INGEST_TIME 2013-08-28T01:14:49Z PACKAGE AA00011611_10543
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES