Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10542


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XL. mimo 286
Por tres Mezes adiaiitados 5SOU0
Por tres mezfls veocidos 6$UUU
Porte ao eorreio por tres mezes. 750
aaawffy -i-.---------
OUARTA FEIBA 14 DE DEZEMBBO DE 1864.
Por 400 adiaoudo.....19^000
Porte ao eorreio por un anuo 3g0U
amim -
Qi' ARREADOS IA jUBbLRi gAO NO NOR1E
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Ohveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
Htazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
INCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SL.
Alagoas, o Sr. CJaudino Falco Dias; Babia, o
tr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins i PAR'fiDA LsO ESAfit'Ai.
Olinda, Cabo e Fscada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Paraliyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho e Garanhuns as tergas feiras.
Pao d'AIho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacarat.Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu" as quartas feiras.
Sennhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros.Agua Preta e Pimeuteiras as quintas feiras.
Ilha de Femando todas as vezes que para aii sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao y, dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
6 QUarto cresc. as 5 h., II m. eSC s. da ni.
13 Lna cheia as 4 h., 52 m. e 26 s. da m.
21 Quarto ming. as 2 h., 42 m. e 58 s. da m.
28 La nova as 7 h., 1 m. e 44 s. da m.
PKKAMAR DR HOJB.
Primeira as 4 horas e 30 minutos da tarde.
Segunda as 4 oras 54 minutos da manha.
PARtin DO VAiOR-;* COSTtaROJ.
Para o sui at /agas a 6 e 25; par* o uorte at
a Granja a 7 e 22 de cada me;; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan. marg.,maio. jal. set. e nov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife: do Apipucos s 6/, 7, 7 /-,, 8 e
8 Vi da^n.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6 / da m.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bemfica s8 dam.
Do.Recife: para o Apipucos s 3 Vi, 4,4 >/* 4 Vi,
5, 8 y,, 6 Vi e da tarde; para Olinda s 7 da
manha e 4 Vi da tarde; para Jaboatao s 4 da
tarde; para Cachang a Varzea s 4 Vi da tarde;
para Bemfica s 4 aa tarde.
AUDiSNC a DOS TRIBUNAE3 DA CAP?AL
I Tribunal docommercio: segundas quintas.
i Relaco: tercas e sabbados s 10 horas.
I Fazenda: quintas s 10 horas.
Jsizo o commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: trras e sextas s 10 horas.
Primeira vara do ci vol : tercas sitas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas c sabbados a 1 hora
da tarde
DIAS DA SEMANA.
12. Segunda. S. Sereno; I Kpimarhn m
13. Terca. S. Luna v. m.; s. Eustrario m
14. Quarta. S. Agnello ab. ni. S. Arseaio m
15. Quinta. S. Aihina m.: S. Cerina, no.
16. Sexta. S. Btense Wrselrn-e I. m
17. Sabbado. S. Florinno m.; S. u-.iann-o m
18. Doniiugo. S. Esperidio l. c. S. Tneuorao ni.
AMIGNASB
no Recife, em a hvraria da praca da Iadepenyn
cians. 6 8, dos propietarios Manoei Futo,,,
d Paria & FUho. *
PARTE QFFICIAL
G0YER1I0 DA PROVINCIA.
xpedienle do dia 10 de dezembro de 1861.
Offlcio ao Exm. presidente da provincia da Pa-
rahyba.-Em resposla ao offlcio do V. Exc. de 28
de novembro ullimo, cabe-me dizer-lhe que dos
exaraes procedidos nos corpos em guamieao nesla
provincia nao se colligio como V. Exc. melhor ve-
r da informago do commandante das armas cons-
tante da rpia inclusa, ser desertor de algum delles
o individao de nome Maximiano Jos da Silva nao
se tendo feito igual exame no stimo batalho de
infamara por ter seguido o archivo para a corto
com a respectiva ala direita.
Dito ao conselheiro presidente do supremo tri-
bunal de jusliga.Transmiti a V. Exc. a resposla
que deu o juiz dedireilo Jos Pereira da Silva Mo-
ra-s, portara que veio junta ao offlcio do V. Exc.
de 29 de outubro ullimo, sobre reclamacao de an-
tiguidade do juiz de direito Jeronymo Mximo de
Oliveira e Castro.
Dito aocorouel commandanle das armas. Sr-
va-se V. S. de informar acerca do que pede no in-
cluso requerimento o sargento almoxarife da for-
taleza de Tamandar Jos Hygino Xavier da Fon-
seca.
Dito ao mesmo. Em resposta ao ofino dosse
commando das armas n. 586 de 29 de marco ulti-
mo, tenho a declarar a V. S. que nc pode ser sa-
tisleila a despeza constante do documente que de-
volvo por nao haver crdito na verba Diversas
despezas do ministerio da guerra no exercicio de
1863 a 1864 a que deve ser levada a referida des-
peza secundo iiformou o inspector da ihesouraria
de fazenda em offlcio de bontem.
Dito ao mesmo.Queira V. S. ordenar ao com-
mandante do forte do Buraco que mande fornecer
diariamente ao laboratorio pyrotechnico dous bal-
des d'agua pela canoa que est empregada no ser-
vico do mesmo forte, apresentando meosalmente
na thesouraria de fazenda a conta dessa despeza
para ser satisfeita.Fi:eram-se as necessarias com-
municacoes.
Dito ao mesmo.Convm que V. S. providencie
convenientemente para nao ser empregada no ser-
vico a peca de artilharia em que por duas vezes
se lem dado explosao, cando inutilisadas duas
praeas.
D'ito ao mesmo.' Respondo ao offlcio que V. S.
me dirigi hontem, sob n. 2179, declaraodo-lhe
que pode mandar fazor as despezas cora a condu-
cho dos utensilios do segundo batalho de infan-
taria para o arsenal de guerra, certo de que ser
indemnizada pela thesouraria da fazenda a respec-
tiva importancia vista da conta por V. S. rubri-
cada.Offlciou-se ao inspector da thesouraria de
azenda.
Dito ao Dr. chefe de polica.Nesta data levo ao
conhecioienlo do Exm. Sr. ministro da jusiira a
materia do offlcio de V. S. a. X'td'i de 3o do roes
findo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda
Communico a V. S. que o bacharel Ludgero Gon-
calves da Silva enlrou no exercicio do cargo de
juiz de direito da comarca do Itio Formoso no da
8 ile novembro prximo lindo. Cominunicou-se
ao Exm. conselheiro presidente do supremo tribu-
nal de justica.
Dito ao mesmo.Remello incluso o requerimen-
to que me inderccu o capilo Candido Leal Fer-
reira, que tem de seguir para a corle a reunir-se
ao -2 batalho de infamara, alim do que V. S.
mande abonar em os devidos lempos a cnsignaco
de 4O3OUO res, mensaes, que elle pretende dexar
do respectivo sold nesla provincia para alimentos
de sua familia, a contar do Io de Janeiro prximo
vindouro em (liante.Communicou-se ao coronel
ciinimanilante das arma?.
Dito ao mesmo.Expeca V. S. as stias ord^ns
para que sfjam guardados nessa n-pariicao dous
caixSes eoutendo o archivo do exlincto hospital re-
gimcMial, que se achava depositado no quartel do
." batalho de infamara, licando V. S. certo de
que aulorisei o commandante das armas a fazer a
despeza com a condueco dos referidos caixoes a
qual deve ser indemnisada por essa thesouraria.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.Km
vi-.la dos inclusos documentos e nao havendo in-
conveniente, mande V. S. pagar a Joo Pereira de
Gouveia Torres Gallindo, a qnantia de 30rO()() res,
proveniente do alugnel vencido desde julho al de-
zemhro deste anno, da casa que serve de caleia e
quartel ao destacamento no termo de S. Il-nto, se-
gundo constado ofQcio do chefe de polica datado
de hontem e sob n. 1532.Communicou-se ao Dr.
chefe de polica.
Dito ao mesmo.Nao havendo inconveniente
mande V. S. pagar a Francisco Ludgero Nanea
Vianna a quania de 7996'JO res, despendida cora
o sustento dos presos pobres da cadeia de Olinda
durante os mezes de agosto a novembro desie an-
no. como se veda inclusa conta, que para esse fim
me foi remeltida pelo chefe de polica com offleio
de nontem *ob n. 1533.Communaou-se ao Dr.
diere de polica.
Dito ao commandanle superior da guarda nacio-
nal de Goianna.Em vista das razes exposlas em
ofllcio do r. chefe de polica n. 1537 fle 9 do cr-
reme, e do que este solicitou, expec* V. S. as suas
ordens alim de que o furriel da 5 companhia de
balalhao n. 12 de Infamara da guarda nacional
dpsse municipio, Jos Tavares Bezerra de Menezes'
seja dispensado do servico da mesma guarda na-
cional em quanto oceupar o lugar de inspector de
quarteiro.do dislricto de Goianninha.' emmuni-
cou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito a Francisco Xavier da Costa Aguiar e An-
drade.Transmuto a V. S. para os flns convenien-
tes, o ofllcio em original que em data de 9 do cor-
rente, me dirigi a commissao encarregada do
ajuste das contas da estrada de ferro desta provin-
cia, e bem assim o bataneo da receita e despeza da
mesma estrada no mez de novembro prximo
lindo.
Dito ao commandante do corpo de polica.De-
clarc-me V. S. com breviilade que forga desponi-
vel existe hnje no corpo sob seu commando.
Dito ao director do arsenal de guerra.Fornega
Vine, a mesa regedora da irmandade de Nossa
Senhnra da Conceigo dos Militares, mediante in-
demnisacSo, o cartuxame que fr preciso para dar
o parque de artilharia as salvas do costme.
Dito ao mesmo.De conlormidade com o que
solciton o Dr. chefe de polica, mande Vine, forne-
cer ao subdelegado da fregueza da Bea-Vista desta
cidade, 8 pistolas e igual numero de espadas com
centur'oes para o servigo de rondas.Communi-
cou-se ao Dr. chefe de policia.
Dito ao cngenhelro Domingos Jos Rodrignes.-
Para que eu possa resolver acerca da construccao
do pequeo lanco de caes que deve ligar o encon-
tr da ponte de ferro do Recife ao ca-s do passelo
publico, e sobre que versa o seu offlcio de 25 Je
novembro ultimo, faz-se preciso que Vroc. organise
o orcamento dessa obra e m'o remella.
Dito ao juit de direito do Pao d'AIho. -Informe
Vmc. com brevidade o que Ihe constar acerca do
proccdimento do recrutado Manoel Ignacio de Car-
val ho Mendonca, que Ja residi nessa comarca e
sobre que verso os odelos inclusos e que me
serio devolvidos
Dito ao mesmo.Ioteirado pelo seu offlcio de 28
do mez passado, de ter Vmc. nomeado o bacharel rao do Livramento, viee-provedor da Santa Casa
fergeoiino Saraiva de Araujo Galvao, para exer- da Misericordia,
cer interinamente o cargo de promotor publico
dessa com marca, durante o impedimento do hacha-
re! Banholomou Torqualo de Sonza e Silva, tenho
a dizer-lhe em resposta que sobre a licenca de um
mez, que este ullimo pede, acabo de mandar ouvir
a Vmc.
Dito ao juiz de direito de Nazareth.-Com offlcio
desse Juixo de 3 desie moz, recebi os mappas esta-
tismos dostrabalhos da 2 sesso ordinaria do jury
desse termo no correte anno.
Ditoaojuiz de direito de Olinda.-Pela letura
do offlcio que de Vmc. recebi, em dala de 3 deste
mez, fiquei sciente de haver funeciooado o tribu-
nal do jury do termo de Olinda desde 24 al 29 do
mez lindo.
Dito ao gerente da companhia Pernambuca-
oa.Convenho em que e offlcal, pragas de pret e
caxo.s, quealludem as portaras de 6 e 7 do
crreme, sejjm transportados na vapor Parahuba,
at o porto da cidade do Penedo, como Vmc. se
florece a fazer em seu (fflcio desta data, visto que
tem essa embarcago de tocar em dito porto, e
agradego a boa vontade com que Vmc. fez esse
offereclmenlo constante do dito seu offlcio, apro-
veitado presidencia.Fizerarase as necessarias
commuoica cites.
overuo no itis'ino ii-:
ii:rvvhbi co
SEUE Vi:tTfi
Dezembro de 1861.
Expediente do dia 7.
Offlcio commissao administradora das obras
da nova matriz de S. Jos. Acompanha esta of-
licio a quamia de oito centos vinte e dous mil e
seiscentos ris (8224600), que sao o producto das
esmolas que as commissoes das freguezias do Re-
cife e Boa-Vista obtiveram para a festividade da
naugaracao da nova matriz de S. Jos; sendo a
(piantia de qunhentos e vinte e nove mil rls
(329^000) proveniente das esmolas colhidas na
freguezia de S. Pedro Gongalves do Recife; e du-
zentos noventa e tres mil e seiscentos ris..
(2935600) obtidos entre os parochianos da fregue-
zia da Boa-Vista.
Queiram pois Vv. Ss. recolher essa quanlia, e
dar-lhe a applicago a que destinada.
Dito ao vgario de S. Pedro Gongalves do Reci-
fe. Nesla data remello commissao encarregada
das obras da nova matriz de S. Jos, a quanlia de
Portara.O vce-presidente da provincia, to- mando em coosiderago o que expz o chefe inte-'receDi da parte da commissao encarregada de pro-
rio da repartigo das obras publicas em offlcio de n?.ref ne?M freguezia as esmolas para a solem-
hoje, sob n. 344, resolve nomear o lente Julio 1 D'dade da inaugurago do novo lemplo.
ompeo de Barros Lima, para exercer interina-! Oueira V. S. agradecer em raeu nomeja mesma
mente o lugar de conductor daquella repartigo con)missao a sollicitude com que se preslou a con-
para a qual foi approvado no concurso a que "se co[1er Para uma obra de tanto alcance para a re-
procedeu nos dias 28 e 29 de novembro ultimo,-e; J8'ao > paraa^sociedade,^ qual a da inaugurago
ordena que neste sentido se fagam as necessarias
as necessarias com-
communicages.Fizeram-se
municacoes.
Dita.O vicepresidente da provincia, tendo era
vista o que requeren o promotor publico da comar-
ca de Palmas, bacharel Mendo de S Brrelo
Sampaio, e bem assm o que a esse respeilo infor-
mou o respectivo juiz de direito, resolve conceder
ao mencionado b.charel 13 das de hcenga com
vencimentos para tratar de seus interesses particu-
lares fra da comarca.
Despachos do dia 9 de dezembro de 1861.
Requerimentos.
Alexandrina Maria do Espirito Santo.Informe
de um novo templo : inangurago, cujos fructos o
glorioso patriarcha S. Jos ha de, cora o seu pa-
trocinio, conseguir que se esledara a todos os fiis
que nella tiveram parle.
Igual ao vigario da Boa-Vista, acensando o rece-
bioaenlo da quanlia de duzentos, noventa e tres
mil e seiscentos reis (293*600) producto das es-
molas obildas pe la commissao daquella freguezia,
agradecerte mesma commissao, e declarando
que remelle a referida quantia para a commissao
encarregada das obras de S. Jos.
9
Offlcio ao administrador da casa de delengao.
Nao podlt por certo passar desapercebida a solli-
citude com que V. s. promove o bem temporal e
o Sr. inspeclor da thesouraria de fazenda, deca- spirilual dos infelizes que vivera nesse estbele-
"Jl ..'IVl.i ?.rtla^0.d!mos,ra d0.10!bl,a!nao' cimento confiados direcgo e cuidados de lo es-
clarecido e zeloso administrador.
quando esteve nesta provincia se Antonio Quirino
dosSantos pertenea a este corpo.
Capilo Antonio Mana de Castro Delgado.De-
ferido em conforiuidaoe da informaco.
Bacharel Bartholomeu Torqualo de Souza e Sil-
va.Informe o Sr. Dr. juiz do direito da comarca
de Pao d'AIho.
Clara Joanna da Fouceca Gama.Informe o Sr.
baro da Livramento, vice-provedor da Santo Casa
da Misericordia.
Custodio, Carvallio & C. Nao tem lucir, un
vista da lufermago.
Capilo Candido Francisco de SanfAnna e Oli-
veira.Nao foi encontrado o assenlamenlo cuja
certdo requerida, como so v da inf^rmago do
commandante das armas, constante do offlcio sob
n. 2,166. 0
Francisca Mara da Conceigo. Informe o Sr.
director do arsenal de guerra.
Fehppa Antonia da Cancoigo. Informe o Sr.
inspector do arsenal de marinna.
Francisco Jos da Paz. Iodeferdo vista da in-
formago.
Francisco de Paula Cabral. Informe o Sr. di-
rector do arsenal de guerra.
Francisco da Silva Fialho.Deferido em confor-
midade da informago.
Honorata Maria da Conceigo. Informe o Sr.
capito do porto.
Henrique Jos Vieira da Silva. Deferido em
conformiJade da informaqo da thesouraria, cujas
exigencias devem ser satisfeilas.
Joo Moreira da Cunha.Informe o Sr. leneme-
coronM recrutador, tendo em vista os dous docu-
mentos juntos.
Jeronymo Francisco da Cunha.Como roquer,
vista da informago,
Joo Pedro de Mello Homem.Nao tem lugar,
vjsta da nformago.
Lnfz Cyriaco da Silva. Informe o Sr. director
geral da instruego publica.
Mana Magdalena de Carvalho. Nao possivel
que a supplicanle seja atleinlida, sera juntar docu-
mentos que provem a isengo legal, que milita
favor de seu lilho.
Bacharel Mendo de S Barreto Sampaio. Con-
cedo a icenga requerida.
Presidente e membros da soeiedade Unio dos
Mestres de Architectura Naval. -Como pedera.
Tnereza Febronia Bsleves Alves.Informe o Sr.
bar 1 do Livramento, vice-prevedor da Santa Ca'sa
de Misericordia.
Dia 10
Adrianno Lns da Cunha Paiva.Informe o Sr.
barao do Livramento, vice-provedor da Santa Casa
da Misericordia.
Antonio Sorano do Reg Barros.Deferido em
conformdade da informago, observando o disposto
no art. 49 do regulamento da thesouraria provin-
cial.
Antonio Luiz Martins da Rosa.Concedo a h-
cenga requerida som vencimentos.
Custodio, Carvalho & OA' vista da informa-
go da secretaria nao pode ter lugar a entrega da
petigo dos supplicantes.
Francisco Antonio de Almeida.Iodeferdo
vista da informago do commandante das armas.
Francisco Gomes Continho.Concedo o prazo
de quioze das para e fim requerido, sendo este
despacho levado ao conhecimento do Sr. comman-
dante das armas.
Honorata Maria da Conceigo.Informe o Sr.
inspector do arsenal de marinna.
Irmandade de Nossa Senhara da Conceigo dos
Militares.Foi expedida a erdem requerida.
Ignez Luzia do Espirito- anto.Informe o Sr.
Dr. chefe de polica, ouvindo o administrador da
casa de detengo se o spplicante recebe rago,
alias se o marido da supplicante recebe rago, se
elle prvido pela casa de que Ihe preciso para
trabalhar pelo sen offlcio.
Jos Caeano Pires da Silva.Concedo a licenga
requerida.
Jo Jos Rodrigues.Informe o Sr. Dr. juiz de
direito da comarca da Boa-Vista, o qual dar to-
das as providencias que em suas atlribuigoes cou-
borem afim de que nao lenha lugar a reproduego
I do Tacto, de que faz mengo a presente petigo.
Josepha Mara do Nascimento.-Informe'o'r.
baro do Livramento, vice-provedor da Santa Casa
da Misericordia.
I Joo Pereira de Goveia Torres Galindo.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria geral.
Luiz Elias da Silva Albuquerque.Remettido ao
Sr. Dr, juiz de direito da comarca do Pao d'AIho,
afira de proceder contra o supplicado na forma da
lei.
Manoel Ignacio de Carvalho Mendonca.Informe
o Sr. Dr. juiz de direilo da comarca do Pao d'AIho,
declarando se o snpplicante quando esteve na re-
ferida enmarca liona em sua compaahia e susten-
uva a tres filtras.
Mana Rufina de Paiva c Paz.Informo o Sr. ba-
V. S. perfeita
mente tem comprehendido que os crimes desses
homens provm pela maior parte da ausencia quasi
absoluta dos salutares principios da moral e da
doutrina ; e por isso trata de promover entre elles
a instruego religiosa, e de excitar nos seus cora-
goes os sentimentos de piedade e de ternura que s
a nossa religio sabe inspirar.
Tendo eu pois conseguida qoe se publicasse um
peridico exclusivamente religioso para ser dis-
tribuido prntuitamcuto petara olanora motiva lllus-
tradas, a cuja capacidade elle doptado, nao po-
da por certo esquecer-me dos infelizes encerrados
nesse estabeleclinento, os quaes, por mals crimi-
nosos que sejam, nem por isso deixam de ser fi-
ltras de Deus, remidos com o sangue de Jesns
Christo, cujos bragos eslo sempre abertos para os
receberem no instante em que eiles quizerem ar-
repender-se de suas passadas culpas.
Com este offlcio receber pois V. S. cem exem-
piares do peridico OITO DE DEZEMBRO, para
serem distribuidos exclusivamente pelos presos
dessa casa de detengo no prximo domingo 11 do
corrente, por occasio de celebrar-se ah a festivi-
dade da Conceigo Imrnaculada de Nossa Senhora,
padroeira do imperio, padroeira desse estaheleci-
mento, e protectora do mesmo peridico, sob cujos
auspicise elle publicado.
Devendo esta distribuigo continuar nos domn-
j gos seguintes, espero que V*. S. mandar todos os
sabbados procurar cincoonta exemplares do OITO
DE DEZEMBRO na typographia doSr. Dr. Felippe
Nery Collago.
Dito ro'ramisso da freguezia de Santo Anto-
nio. Tenho prsenle o offlcio de Vv. Ss. datado de
2 do corrente e hoje receido, no qual me parti-
cipa que, tendo promovido entre os fiis dessa
freguezia uma subscripgo para coadjuvar as des-
pezas fazer-se com a inaugurago da nova ma-
triz de S. Jos, e leodo obtids a quanlia de sete
ceios mil ris (700J0I) me declaram que essa
quanlia se acha na mao do Ihesoureiro da com-
missao, o Sr. Jos Joaquim da Costa Maia, afim de
que eu Ihe d o conveniente destino.
Agradego cordealmnte Vv. Ss. o zelo com que
procuraram desempenhara commissao de que tive
a honra de enearrega-los: e o glorioso patriarcha
S. Jos_conseguir de seu Filhoe de sua Esposa
que, nao s Vv. Ss. como aquelles que concorre-
ran cora o seu obulopara a pomposa solemnidade
da inaugurago do novo templo, encontrem nesta
vida e na outra a recompensa que e Senhor cos-
luma prodigalisar aquelles que se interessam pelo
era da igreja e dos fiis.
Nesta data offlcio commissao da nova matriz,
afira de que receba do Sr. Jos Joaquim da Costa
Maia a quantia por Vv. Ss. recolhlda.
Dito commissao administradora das obras da
nova matriz de S. Jos.Queiram Vv. Ss. receber
oq mandar receher do Sr. Jos Joaquim da Costa
Maia a quantia de setecentos mil ris que a com-
missao encarregada de promover na freguezia de
S.ciio Amonio algumas esmolas para a inaugura-
go do novo lemplo obieve da piedade dos liis
daquella parochia.
10
Offlcio ao vigario de Caruar. Pelo seu offlcio
de 8 do prximo passado fleo sciente de haver V.
itvma. tomado conta da sua freguezia a 25 do
mesmo, visto ter-se-lhe lindado a licenga que ob-
tivera para tratar da sua saude.
Dito ao vigario da vara de Mnrlcy. Respon-
dendo ao seu offlcio do primeiro do corrente, pelo
qual me pede Ihe remeta a tabella dos emolumen-
tos que, na qualidade de vigario da vara, deve
exigir pelas licengas que der para se benzerem
sinos, assim como para se celebrar mlssa na nonte
de natal nos oratorios privados, tenho a dizer-lhe
que Ihe nao remello tabella nenhuma, porque por
essas licengas nao se percebe emolumentos, e nem
V. Rvma. es deve receber, como se pratica nesla
cidade e em toda a diocese.
Pode V. Rvma. dar as bengoes nupciaesass seus
parochianos que se receberem em matrimonio nes-
te tempo do advento, e fica assim respondido
igualmente seu offlcio datado de 6 do corrente.
12
Ofllcio ao vigario d'Agua Preta. Estou de pos-
se do sen offlcio firmado em 29 do prximo passa-
de declarando que, havendo-lhe sido concedido
pelo Exm. prelado fallecido qne <*s livros da saa
matriz fossera numerados e rubricados pelo coad-
juctordossa freguezia, e havendo-lhe alm disso
prometlido o mesmo diocesano, por despacho de
4 de setemhro de 1861, que os langamentos folios
nos mesmos livros fossem assignados pelo mesmo
coadjutor, em razo da falta de vista que V. Rvma.
padece, me pede Ihe conceda a prorogago dessa
graga visto continuar o mal anda com mais inten-
sidade.
Concedo licenga para o Rvd. coadjutor assignar
os langamentos nos livros no impedimento de V.
Rvma. Quanto porra numeraeao e rubrica dos
mesmos livros, quando estes forem comprados no
Recife, d ordem V. Rvma. para que sejam entre-
gues nesta secretaria e eu os maodare numerar
e rubricar.
Dito ao vigario da villa do Teixoira.-Nesta da-
|do mando passar proviso de coadjuctor dessa
', freguezia a favor do Rvd. Jos Jacome de Fontes
Rangel e de fabriqueiro dessa matriz a favor do
secular Llaudino Jos da Silva, ambos por V.
Rvma. apresentados e recominendados nos seus
dous officios datados de 6 de novembro prximo
I passado, os quaes ficam assim respondidos.
DIARIO DE PERSAIWBUCO
Pelo vapor francez Extremadure. recebemos
carias e.joruaes da Europa, com dalas : de Ham-
burgo at 20, de Londres at 23 e de Portugal at
29 do passado.
Da leilura de uns e de outras colhemos o que
segu :
A imprensa europea oceupa-se quasi exclusiva-
mente dos debates do parlamento italiano sobre a
convengo de 15 de setembro.
O parlamento tem, porm, adoptado todas as
propostasque Ihe foram ubmeltidas pelo governo.
A mesma cmara que em 1860 votou que Roma
fosse a capital da Italia, votou agora que a capital
fosse transferida para Florenga, fazendo todava
as convenientes reservas. Este faci pdese con-
siderar como um grande progresso leito no cami-
nhe da poltica de conciliago.
A ailitnde dos hefes do partido desde Ratazzi e
Ricasoli at Crispi e Mordini, que acceitando as
Ideas do governo, approvaram a convengo e trans-
ferencia da capital, uma garanta de forgas o,ne
augmentou, em piesenga da.firmeza cem que o
gabinete anstriaco lem as doatrinas proclamadas
pela convengo.
Os estadista* italianos erocuram deste modo
melhorar as, coiidigoes do paiz, e consolidar uma
ordem de coasas que possa estabelecer em bases
solida a ordem e a liberdade. O desarmamento de
uma parte do exercito, reclamado pelas necessida-
des financeiras, a firmeza com que o governo se
oppoa as tentativas contra Veneza, tudo i conside-
rado como nova seguranga de que a Italia nao op-
por meios violentos para se constituir. As medi-
das e precaugoes tomadas a respeito dos insur-
gentes veneziauos, cujo moviraenlo se attribue aos
partidarios mazzinista's, produziram excdeme im-
presso -?m Franca. Todos estes factos mostram
que a maioria sensata dos italianos comprehende
que a cansa daunificago lucra mais dndose for-
ga moral ao governo. do que subslitaindo esta pela
acgo violenta dos partidos.
O general Lamormore declarou que a conven-
cao recorda os servigos prestados pela Franga, o
exprime toda a conlianga no imperador, e ha de
auxiliar a questo de Veneza. O marquez de Pe-
[ A1 A1 |un a o9n'onoM orn n baca dt ntlifina
da Euiopa liberal, e que a sua regeigo destruira
o crdito e arrstar a Italia a omprezas arris-
cadas.
Mr. Teechio declarou que a convengo era o re-
conheeimento implcito do poder temporal e que o
seu tira era distruir o voto de margo de 1861, que
proclamou Roma, capital da Italia.
As palavras do orador foram as mais robustas;
e nao foram bem vistas pelo parlamento. O rela-
tor da commissao quando resumi a discusso ge-
ral disse que o imperador dos franceses, declarara
mais de uma vez, que de manera alguma conf-
derava Roma como uma propnedade de mo mor-
a do mundo calholco ; e concluio as suas expli-
cagoes interpretando a carta de Napoleo a Mr.
Tliouvenel em sentido muito hvoravel emanci-
pago dos romanos.
A discusso correu sempre tranquilla ; as opi-
noes contraras ao convenio mamfestaramse li-
vremente, e o governo em todas as questoes res-
pondeu sempre com mima lealdade e franqueza,
apreciada devidamenle em lodos os crculos poli-
ticos.
Grande numero de municipalidades contina a
olTerecer ao governo a antecipago do imposte ter-
ritorial.
A cmara approvou o projeclo financeire do mi-
nistro Sella, de que j de nos irona as nossos lei-
tores, por 1 >6 votos contra 77, e volou o projeclo
tendente a reter os emolumentos dos funeciona-
rios.
O senado approvou a le de fazenda por 108 vo-
tos contra -27. O ministro do interior apresenlou
cmara dos diputados projectos para a promulga-
co em todo o reino do cdigo civil, e outros pro-
jeclos de le entre marinna e commercio.
A Patrie publica um despacho de Mr. Drouyn
de Lhus, de 7 de novembro em que se expoe ser
impossivelapplicar rigorosamente o principio de
nao iiitervengo em Roma, sJe do calholicismo.
Diz-se que logo depois do voto do parlamento
Italiano sobre a convengo franco-italiana, o car-
deal Anlouelli enviar para Pars uma nota de res-
peilo da mesma convengo. Eotretanto as inten-
goesda corte de Roma continuam a involver-se no
rnaor mysterio.
De um jornal inglez que o general francez La-
moricire aceitou do papa o encargo de organisar
o exercito pontificio, mas nao tomou o commando
em chefe das tropas. Alflrma-se tambem que de
Marselha partir j um destacamento da zuavos
pontificios, que assisliram a batallia de Castollidar-
do e (depois da Catastrophe conlrahiraiu o com-
promiso de concorrer em defesa do papa ao pri-
meiro appello d S. ^anlidade.
Contina ser contradilorias as noticias da tenta-
tiva de Ficoli Emquanto alguns jornaes dizem
que nos combates que lera havido ficam muilos fe-
ridos e morios no campo, outros sustentara que
sao exageradas esias noticias, por isso que os ban-
dos insurgentes dispersan apenas apparecem as
tropas imperiaes.
A Perseceranca annuncia ura enconlro dos in-
surgentes cora os Austracos prximo da Maniago,
no dia 8, em que houve-muitos morios e feridos.
A Gazeta de Aneona annuncia que um bando de
insurgentes se diriga para os montes do Tyrol,
marchando iropas austracas para guardar as pas-
sagens.
Em differentes pontos sao as tropas austracas
atacadas pelos insurgentes. A ponte sobre o Bren-
ta, por onde passa o caminhede ferro que liga Ve-
roa a Uaina foi destruida, e as communicagoes
entre os dous pontos interrompidas. Os sublevados
temaram tambem destruir a parte Jd > Tagliamon-
le que uma das mais largas da Europa, e l-lo-
hiarn conseguido se as tropas austracas nao tives-
sem naquelle ponto opposlo resistencia muito enr-
gica.
No da 16 tiouve um rendido combate entre os
voluntarios que partiam para Veneza e as tropas
italianas prximo 'de Bapolino na Lombardia, do
qual resullou um grande numero de mortos e fo-
ndos, ticando prisioneiro uma parte do bando, e
sendo o resto dispersado,. Os prisioneiros foram
entregues acgo dajustiga.
A Gazeta de Tnrim declara que o governo des-
approva os movimentos dos Insurgentes, e que ha
de impedir por todos os modos, a formago de ne-
vos bandos e a sua passagem pela fronteira, nao
se deixando arrastar nem comproraelter.
Eqtretanto em aples as commissoes conti-
nuam a promover donativos para auxiliar os gru-
pos garibaldinos formados no Fnnoli, evian1o-
Ihes dinhero e armas. Consta que apezar das me-
didas tomadas pelo governo, no da G partir de
aples uma expedigo de 200 voluntarios, per-
feitamente armados, segurado um navio grego rom
rumo costa de Veneza. A autoridade apprehen-
deu grande numero do proclamacocs revoluciona-
rias, dirigidas aos Venezianos, e'que eram vendi-
das publicamente. +
Annunca-se tambem a organsago de um cor-
po garbaldino da fronteira de Niza, e que o con-
selho federal suisso chamara a attengo do gover-
no italiano, para os planos que se julga tercm si-
do combinados naquella parle da fronteira.
O general Pinelli aconselhou ao governo italiano
a marcha que se devia seguir para reduzir a Aus-
tria a evacuar Veneza. O presidente do conselho
repellio eoergicamente esta proposta.
O governo austraco proclamou a lei marcial nos
distnctos de Friuli e Trevissa, a contar do dia 18:
nao licaro sujeitos pena de morte os que se
apresenlarem voluntariamente ; as senlinellas de-
vem fazer fogo depois da primeira intimago.
Estas medidas tomadas pelo governo austraco
denunciara as dimensdes do movimento de Friuli,
e apezar das declarages e protestos do gahiiete
de Turim, pensa-so em muilos circuios austracos,
que a Italia nao absolutamente inditTerente a uma
tentativa sobro Veneza. Km apoio desta oiinio
citam-se as commissoes revolucionarias cujo cen-
tro em Turim, e que empregam lodos os esforgos
para dar desenvolvimenlo a guerra no paiz vene-
ziano.
Troraram-se em Vienna as raclificacoes do
tratado de paz concluido entre a Dinamarca e as
potencias alieines. Ja comegou a evacuago da
Jutlandia, e deve ficar concluida no prazo de tres
semanas, estabelecido no tratado.
O governo de Copenhague j acreditou proviso-
riamente um representante junto da corte de Vien-
na. A Prussia o a Austria tambem vo mandar
para Copenhague os seus agentes diplomticos;
esto pois reslabelecidas as relagoes diplomticas
entre os tres paizes.
A Prussia e a Austria reeomtcaram as negocia-
goes para a evacugo do Holsteim pelas tropas fe-
deraes.
A commissao dos 36, que em Francfort repre-
senta o congresso dos deputados allemes, publicou
uma proclamago contra o tratado de paz com a
Dinamarca, declarando que esse aclo contraro
ao direito allemo, na parte emqua o rei Cbnslia-
no cede Prussia os seus direitos de soberana so-
bre os ducados.
Diz a commissao que o rei Christiano nao tioha
titulo para ceder uma soberana de que elle mes-
mo nao eslava de posse. Conclue a proclamago
pedindo a convocago de uma assemhla nacional
nos ducados, para se pronunciar acerca do tra-
tado.
A dieta resplveu alm disso nao retirar no Hols-
teiin as tropas-feJeraes. enrauanto nao estiver de
cidida a questao da successao nos ducados.
Diz-se que o gabinete prussiano expedio para
Dresda e Hanover um despacho, convidaudo estes
dous goveroos a retiraren) as suas tropas dos duca-
dos em virtude da estipulago do ullimo tratado de
Vienna, era que o ser da Dinamarca faz eedencia
dos seus direitos Austria e a Prussia. Parece
que Mr. de Bismark declara nesla communicago
aos dous governos que a conservago das suas tro-
pas no Holsteim sera considerada como um ataque
il ti;rante aos direitos das duas grandes poten-
cias.
O rei Christiano da Dinamarca, me a confede-
raco germnica nunca recouheceu como soberano
dos ducados, nao lenha na opinio da dieta o di-
reito de os ceder a Austria e a l'ru sequencia da guerra, as duas pot-mcias se torna-
rera senhoras daquelles territorios acham-se a res-
peito da dieta, polo que loca a organisago poltica
do Schleswig-Holsteiin, na mesma slluacao em que
eslava o rei Christiano antes do rebenlar a guerra.
A Austria e a Prussia antes da guerra, votaram
em Francfort todas as resoluees ledente* a esta-
blecer o concurso da dieta na maoeira porque
deveria ser reculada a questo dos ducad'is.
Apezar de correr que a Russla abandonou o seu
candidato a soberana dos ducados, o gro-duque
de Oldemburgo envinu a,'or.i a dina germnica, a
memoria em que justitica os seus direiloi. Neste
documento, mant*m o gro-duque lodas as suas
pretenges na qualidade de cessionario dos direi-
tos que pertenciain ao imperador Alexandre. O
principe de Augustemburgo arapliou com explica-
ges novas as pegas justificativas que ha lempos
havia apresenfado a dieta.
Os jornaes allemes dedicam longos artigos a
analyse da men.oria apreseulada pelo gro-duque
d Oldemburgo.
Explica-se a mudanga do gabinete de S. Peters-
burgo a respeito do seu candidato desta man'ira :
O parti lo scandinario procura, fazer prevalecer
na Dinamarca a idea de que estando anuuilado o
tratado de Londres pela sesso dos ducados a Prus-
sia e Austria, o re Christiano perder o titulo que
tinha ao throuo da Dinamarca, titulo que/ nica-
mente se fundava naquelle tratado. Nesles\asos
o apoio prestado pela corle da Russia as prelen-
ges do gro-duque de Oldemburgo, seria da par-
le do imperador Alexandre, o reconhecimeoto da
annullaco do tratado de Londres, privando deste
modo o rei Christiano de um titulo que eftVcii-
vamente a uuica arma deste soberano contra o
partido ante-dymnaslico dinamarquez.
O imperador Alexandre nao quer por cerlo cor-
correr para 0 destronamenio de um soberano, a
cujos filhes se vae ligar o herdeiro da cura da
Russia.
O discurso proferido pelo duque de Augustem-
burgo em Riel revela bem a sua irrelinago para
a poltica prussiana. O principe nao occultou que
os ducados devem reconhecimento a Austria e a
Pussia, pela sua separago da moiiarchia dina-
marqueza; mas alludio especialmente aos sacrifi-
cios fritos pela Prussia, mostrando que os duca-
dos podiaro prestar grandes servigos a esla poten-
cia, nao s pt ndo a disposigo da sua mar inda os
vantajosos portos que tem, mas concorrendo com
os inarinheiros para tripular a esquadra prus-
siana.
Nao se confirma ter havido negoclag5es entre es
gabinetes prussiano e austraco a respeito de Lu-
xemburgo; a imprensa prussiana d a entender
que a Austria diffli-ultua a exe>rage dos planos de
Mr. de Bismark, porque o recoohecimento das
proteng5es de Luxemburgo sena o primeiro passo
nos projectos annexionistas da Russia a respeito
dos ducados.
Entretanto acreditase que o gabinete do Vien-
na sem tomar neste assumpto iniciativas, jamis
consentir na annexaco do Luxemburgo a Prus-
sia, nma vez que do posto do gabinete de Bertim
seno cooseguisse o compromisso de ser a questo
da successao do Schleswig-Holstein. Atlribuem-
se ao novo ministro dos negocios etrangeiros da
Austria, ronde de Mensdorff, estas ideas, julgando-
se que o negocio de LuxoiMiurgo, nao ser defini-
tivamente regulado, sem que lenha sido resolvida
a questo da successao.
Abrio-se no da 14 o Reichrad anstriaco.
discurso da abertura do imperador Francisco Jos
tem sido apreciado de diflerente modo pela im-
prensa.
Os jornaes francezes afflrwam asa a npiaw.) pu
blica recebeu com -atisf.ieo a.juel.e d(-. ar->, ..-
jasfolhas belgas, su~ienum quo olsawss)
I rial, d-'ixando a uns descomentes, nierecou a com
pleta desapprovaco de ouiros.
Esporava-se uaqueii, documento o prograroma
do novo governo. ou pelo menos um iikIh-xi evi
dente de uma mudanga pollina, que >ub sysiema al agora seguido pela Austria e Je mte
se lera lirado lo procanoi resultados.
O discurso da cora manifesu lutences cooc
liadoras. quanto a poltica geral, mas nio injic
as condignos cora que deseja a paz, e em qne cam-
po a pode sustentar.
Espera que a Prussia abrir ao coromerri e
industria do imperio as partes dp Zolvere; es-
j pera que as complieages allemes se ko eV a?
. planar diaute do patriotismo dos governos; espera
! que a Hungra se fara apresenur no rei.-hr.uh.
capitulando com o sy.-tema ceotrali-ador de Sr.
1 Smeshng; espera qne a prosperidade do paiz. que
lem declinado debaixo da pre*so de nreumsli*
! cas desfavoraveis se resubelera brevemeote o
espera que o delicil se hade distinguir.
Nota-se porm que o discur.-e da cor.'.a nao
I apoma os meios jwrque se ho de realisar lio boas
esperangas, nao apresentando de real o poortivo
seno o aouuncio de novos empresiiawo 9 da me
didas que lem por fim crear novo recursos.
O orgarneuto do imperio apreseniado pelo m
nistro da fazenda arcusa um dficit de Innta nu-
Ihes de florins. O ministro rootra cobriu esta
somma com o reembolso das despozas da guerra.
passes pelos ducados, e com algumas operace da
rredilo que se propoe fazer.
Fot adoptada pela cmara a ensagem iiperial.
Na cmara dos enhores di-se o ende de Reeh-
berg que a Austria precisava da allianca da Pros
sia, como a Russia da da Austria, pois ledo o go-
verno austraco deve manter a alhanga com o es
lados medios da Allemanha, que as grande- poten
cas allemas e os estados medios de.em 1 larrhar
unidos e na melhor intelligenria MriH doear*
de vista de uma poltica externa que ass^gsre a
sua respectiva independencia e de uma poltica in-
terna que identifique os seus inieres-es materiaes
Ha no parlamento uma grande oppo>ic>> contra
0 ministerio. A esquerda liberal da cama a, toa
depois da abertura do reichrath, reuni ^r. adop
tar os meios de se constituir em partido forte ras-
tra o governo. O motivos de de em que se apoia a opposico tem por base poa-
co resultado obtido pelo ministerio em todas as
tentativas feitas a respeito da Hungra, a tuaco
do crdito publico, e a preroo exerrida tabre a
imprensa.
A opposigo rombinou nos ?eguintes pontos de
ataque :praclamago do estado de stUo na fia-
lilzia, que careca do consentimento do rekhratb :
ultimo empr-stimo contrahago, que 1 1 iiamawie
; de divida publica s quer reconhecer det>;.H"d.-
cenas condiges ;emiirestimo para e 1 ment rin piwaaly JloJ>l|>lio( qm* Ja m^tt*. Ji
1 versas questdes difllceis. O partido liberal c-xtn*
dou na necessidade de resp..nder d.-^env. IvioV
menle ao discurso do imperador, espocifK-aodo o
ponlos que deveriam ser locado-.
Pretende alm disso a oppwsigo tratar da qoes-
to consiitucional a respeito de Yenrza, pe*ndo
que naquella provincia seja uma reali.1 .
tema constitucioBal. Quanto a questo allema f 1
uninimemente de opinio que a naeii* .gem a ra-
maradeveriade-approvara allianca rom a Pr i^-ia
i recordando as vautagens nullas que a Au-iru roa
' de sua allianca.
O partido liberal, sustentando a asgaaaMi eV
estabelecer o equihbriu das linaneas do estado, pe
de nao s a reduegu do exercito, mas a pre-enia-
gao de urna lei de responsabilidad* miin-l -nal
Sendo interpollado o governo sobre e-ta le. mi-
nistro Mr. Smerling, sem dar explicar*-* sobre x*
inlengoe* do governo, pr mietteu rasasaiH
occasio. Os deputados nio licaraiu siti-fn!
Receia-se muito em Vienna aaj iaftsati iksm
um conflicto monlenegrino, |>or isso que o pcieri
pe convidou o seu povo a inunir-se de armas e
muniges. As autoridades militares austraca, da
quelle ponto da frontera, ja recoberam urden pa-
ra lomar as me lidas conveniente
Dizem da Ahemanha que existe um aciue
entre a Russia, a Au-lria e a Piu
selharem o re da Saxooia a affastar A. governa do
reino o baro Beust, quo os tres gabiuaie jomjmi
como principal autor da re-isiem ia as* oypoetn aj
estados secundarios poltica das gr imie pnea-
cias allemas.
A Baviera tambem se nao molrou muiu atfei-
goada poltica prussiana. t) BRsssdanta 4 cuose-
Iho bavaro adversario de Mr. de Bi-maik. aiada
que se afflrme que vai sor substituido a ;nianrias
da Prussia, julga-se que a substituira nas(>-s 1 *os
um homem abs,lulamente pariiuano da liga aUe-
ma a que a Prussia nao i tambem muit 1 alh-
coada.
A segunda cmara do gro-ducado de Badn ap
provou por Irinla votos contra oito, um nraaoeto
de lei instiluiodo o jury para o julgainenlo do- de
lelos polticos e de imprensa.
Acha-se constituidos a commissao dirartra
do congresso das sociedades operaras da Allema-
nha. Acominisso vai tratar da* assoeiacoet pro
dadivas, da fundago de um Cofre para rrli-r.nu- .
da constituigo de casas de operario; da -
das Jis routra a liberdade de trabalho ; 4a iaak-
luigo de conselhos para julgar das coo)ie entre os operarios e os einpreiteirus ; da eraacia
de letras de crdito para os operarios (pie viajaia.
do ensillo das classes operaras, e ficalm nif da
abolgo dos exercitos permanectes. A rommi<-o
directora dirigi uma circular ao* grande* fabri-
cantes para prestaren! o seu apoio a esta* socieda-
des, afim de que pessam instruir os operario*, tor
meio de oradores pblicos, nao s a respeito eV
seus interesses como acerca das leis eeoaonsstas e
sociaes.
liouve tambera em Berln a reunio da a bla geral da associago para o progresso das cie-
ses operarlas na Prussia. Traiou-se da qpestao re-
lativa ao futuro dos operarios, jnlgaado-se neres-
sarioa reforma das ca xas eceooiniras. E*u a*o-
ciago tiuba organisado orna a>*emh'a de 00 'a
ros, para discutir sobre a abolgo das leis roe ira
a liberdade de trabalho. A di*casao f.- longn, to-
mando parle de ura lado algnns eronomKias ao-
taveis, e do eutro os operario* ; a assewMa nre-
nunciou-se pela abolgo das lei* qoe regulan esto
materia.
A attitnde que toma a classe operara na Alie
manha, causa serio* cuidado*, pois a* exig nriao
desta classe, sao rada vez mais noUei*. Ao ruov
gresso de Leipzy tem se *asoido otra* relaae. a
em todas ellas sobresahe e mesmo carcter mr
pendente e exigente.
Falla-so em modiflrago ministarial no 1
nete de S. Petersburgo, o apooia-se a roa*
de estado Milutin para ministro da imperio.
Curre que o partido russo germanin, cujo 1
o general Rey, deseja a allianca iatima do m
rio com a Austria e moilo priacipalweao em* a
Prussia, e diz- e qoa esta disposto a fas*r<
sdes nobleza polaca e ao railv.lirismo. O 1
russo-narional a roja frente est Miluiin.
os principios democrticos, e reeommandn a allia*
. ga entre, a Pruuia e Frasga.
1 Se se effef tua esla mudanga pdese fuer a afra.


Diarle ie Beraa!Ba Qnarta felra 14 *3 Dezenibre tf tsftft.
ximagao entre a Russla a a Franga as relativa? a
All maulla.
AQlnna-so que se vai publicar um ukase do im-
perador da Russia approvaode a abolicao dos ron-
Teios, que tomaran) parle na insurreigo da Polo-
nia, e que os poucos que fleam subsistiodo flearo
sob a vigilancia da polica.
Verilirarani-se as formalidades babituaes do
todas as san forcea obro Chariestodn ; 'os ran- 24 s. 6 d. 29 s. par cwt; mascapaja 18 s. H
doa dizem ijuelluod nao pudendo desalojar Sher- s.; dito branco da Bahia 23 s. 2$6.,# laascavad
man d'A llanto nem conquistar a sua base de ope-1 18 s. 22 s, 6. d.
Os couros seceos do Rio de 7 d. 9 d. por lib*:
ditos salgados do Rio-Grande de 4 I. 8(8 6 d.
5|8 por Ib.
rago ein Chattaooga emprehendera um mov-
men para o norle, no estado do Tenessee. Diz-se
que o exercilo de Hood compoe-se de trita mil
homens.
O presidente dos estados confederaos Davis disse \
prorogamento do parlamento inglez. O lord chan-: na reuuio do congresso, quo os federaes linham i
celler declarou que o parlamento licava adiado, regatado todas as tentativas de negociago, e que, I
para 13 de Janeiro. Como nao foram proferidos | nao se deveudo conter eoiu urna intervengo es- j
para a expedlgao dos negocios pblicos o par trangeira, quo nao desejava s a victoria;por meio
lamento s para esse (ira convocado. d*s armas, poderla assegurar a paz e a indepen-
O Globe dv 24 contraria as assergoes do Morning- drncia, que o reconhecimeato da independencia
Post relativamente reduceae do orgamento da : era nm acto de Justina,
guerra e da marinha de Inglaterra. Os jornaes de Ro-hmond aeonselham o alista-1
Falleceu era Londres no dia 11 de novambro ment e armamento dos eseravo, quando gover-, tes a reparlicaa das "bras publicas,
pelas 3 horas da manlia, Mr. Mac-Culloch, econo- no de Washington recorrer nma medida analo-i 0 Sr. lente Julio Pompeo da Barros Lima
mista poltico nascido em Wili.lnrs em 1789, tiulia. ga. O partido demcrata, tanto eo norte, eomo no f0 naraeado inierinamenlo para o "
7o anuos. Foi inultos anuos cellaborador do > sul, soltou um bralo do ludignago contra o Pen-' ductor da msnia
Sctnsman. lira professor de economa poltica na | samento de collocar um liomein de cor a par de
nova universidade de Londres, -ir Roberl-Peel (I- [ um soldado braneo. No norte desapparecerara os
zera-lhe volar urna pensao de 200 libras semanaes i preconceilos a este respeito, a a prensa confe-
pelos seus servidos iliterarios. Tinha composto! derada pretende que no sul se adopte o mesmo
um diccionario de commerc e de navegacao com- systema. Se o consegue, d-se um golpe fatal na
escravidao, que a origem da terrive
DoSr. desembargador Domingues da Sil va aoSr.
desembargador Caelano Santiago
A appellaqao civel.
Appellante, D. Joanna Neves Quaresraa Duarto ;
appellado, Joaquim Francisco Duarte.
A' i)i boras da tarde encele & mi a sosso.
Mesmo pela economa se ellas preferiveis a oulras
pilulas purgativas que abi se vendem, porque nma
faz o mesmo effeito que tres ou quatre das unir?;
e fcilmente sao ellas divididas. Nao Impede que
se tome em cima, principalmente no calor, gara- i
pas de tamarindos, de limao, de maraenj, e (|ue
i")*.
Tliomaz, crioulo, de idade de 6 anuo, en
Basilia, crioula, de 45 annos, em ojl
Raj mundo, de nar.o, de idade de 50 ao em
Os quaes sao perlenrentes Francisco Anead
Pereira da Silva, e Ihe foram penhorado* por nm-
_____PERNAMRyCO.
REVISTA DIARIA.
Foram nomeados os --rs. Joaquim Jos Moreira
e Rodopiaeo Florencio de Carvalho Calumby parai
exercerem interinamenie os lugares de escreveu-
A laorts de Antonio Nicnlio do
Reg Barros, sua IrnSa
i-:xma. ra. D Alejandrina vi-
cenela do Reg Barros, espo-
sa Ao Illni. Sr. foo da Fon-
i-cca e Silva.
mercial ; una estatislica de Inglaterra, e um dic-
cionario de geographia. Era membro do instituto
de Franca.
A cmara dos representantes na Blgica ap-
provou o orgamento da divida publica, oceupando-
se depois de quesloes relativas adminislrago in-
ternas.
Julga-se prjima urna modicago ministerial,
nao se pode por ora provar o sentido de mudencas
de poltica, mas ne sojulga proveilosss ao partido
ratholii'o belga.
No da 13 da novembro tveram lagar em
Cenebra as eleig5es para o grande, conselho. Hou-
ve a mais viva agitago, e algumas tentativas de
desordem que foram reprimidas palas tropas de
eccupago federal.
O resultado fui favaravel ao partido conservador
progressisia ou indapendente. A lista do partido
radical passou porin inlrirameole no collegio da
uiargem esquerda onde Mr. James Fazy foi reeleito
com lodos os principaesaceusados QOs acoolecimen-
tos de 22 de agosto.
A assembla nacional da Grecia cumprio a
suamissao votando a novacoustituigao, queaienas
depende da sanego real. O re da Grecia agrade-
ceu n'uma mensagem a assembla nacional o voto
da cocstituigo, flxando o diapara ojurameoto
deste cdigo. O facto da mensagem tem sido pu-
blicado antes da sua leitura na assembla, deu mo-
tivo a que a opposigao propoiesse um voto de cen-
sura ao ministerio ; o roto de censura foi porin
regeitado por 177 votos contra 18.
A consliluicao hellena est a par das censtitui-
goes mais liberaes. O machinismo do governo
fundase na realeza invielavel, na rasponsabldade
dos ministros, e n'uma s cmara, lha do suffra-
gio universal. A successlo ao throao perteuce
aos descendentes directos e legtimos de re Jorge,
preferindo os descendentes do sexo mascoliuo.
Como condigao absoluta o berJeiro da cora deve
professar a religiao orihodoxa.
Eslo determinadas na censtituigo as atlribui-
(oes legislativas da cmara, e as prerogativas dos
seus raemhros, remo nos mais paizes consiiiucio-
naes. O dreto do apresenlar proposlas do lai,
pertence tanto ao re, como a cmara ; mas todas
as leis dependen) da sancc/io real; pertence ao
conseibo de estado como corpo consultivo, a re-
dacgo dos projectos de lei.
O rei pode addiar ou dissolver a cmara, ou
suspender a abertura das suas sessocs ; tem o
direito de nomear os membros dos tribunaes
judiciaes, mas sao inamoviveis, para garanta da
independencia da justiga.
Fica abolida a pena de marte tos crimes polti-
cos ; consagrado o principio da igualdade pe-
raute a le, e a obrigagao de todos eoncorrerem pa-
ra os encargos pblicos. Sao inviolaveis u domi-
cilio do cidado, e a liberdade individual ; ga-
rantido o direite de a^sociagao ede reuniao, sendo
as condigdes de seguranga publica regulados por
lei. A impreosa livre, sendo prohibida a appre-
bensao dos jornaes, salvo nes casos do ataque con-
tra a religio chnstaa ou contra a pssoa do re.
A assembla nacional oceupa-se agora da lei
eleitoral ; no projecto que est em discussao todo
o grego inaior, que estiver no goso dos seus direi-
tos civis e polticos, eleilor ; cada disli icio que
liver dez mil habitantes, elege um depulado. Pa-
rece que esta lei ser brevemente volada sem op-
posico.
A" assembla nacional rehabilitou o ministerio
chamado de sangue, que eslava privado dos seus
direitos civis, em cousequencia de urna resolucSo
da cmara, depois da queda do re umon. u
actual ministerio, om prese ga dos desejos mani-
festados por el-rei tencionava tomar a iniciativa,
mas foi prevmidopela opposigao, cujo tim era po-
ltico, por isso que subordinara a execugao do seu
projecto a um ataque previo contra o actual ga-
binete, por occasio da apresenUgao da mensa-
gem real, cuja responsabilidade a opposico attri-
b'.iia excluivaiiieiitti ao ministerio, qerendo o
obrigar a largar a administn.gao publica.
A assembla deve ser dissolvida logo quo termi-
ne a disrusso da lei eleitoral, pelo menos deixar
o carcter de cmara consiituinte lomando as
funeges de poder legislativo, pois se torna ur-
geuie a votago do orgameoto e o exame de outras
leis importantes de administrago.
(.orrespondeiicias particulares de Tamatava
de 22 de Miembro, dzem que os embaixadores
nalgachios deviam ser recehidos pela raiuna a 5
de uutubro, alim de a informaren) do resultado da
sua viagem a Paris e a Londres. Esperava-sc
que e>le passo seria o ponto de partida de urna
poltica mais conciliadora da parte do governo
dos hovas. A rainha Roso-aherina dotada de
melhores intenges, mas teme o partido exaltado,
que a amega constantemente com sorte igual a do
seu marido. O prlmeiro ministro, anda que ani-
mado de melhores ioteugoes que o seu predeces-
sor, obrigade, pelo ruedo a praticar aeges me-
nos digoas. Deu rdem para mediante urna in-
domnisagae seren exuulsos mullos estraugeiros
que esta rara ha quinze annos ao servigo dogo-
remo de Madagascar, entre estes figura va um eu-
geuheiro francez que se achava a lesta dos tra-
badles execclados as propriedades da rainha.
Hehetrou no Japao a guerra civil. As reso-
lugfirs tomadas p-io chefe do poder temporal tai
conn a favor do convenio e das nagoes da Europa,
tem irritado os partidarios do mkado chefe do po-
der espiritual, que sao opposles ao estabelecimen-
to das relagdes entre o imperio japonez e a Euro-
pa, e a lodo o pregresso. A residencia do mikado
oi investida o queimada depois de um violento
combate, vendse brigada o propro mikado a
procurar refugio n'um dos seus templos.
A revolugo dinge-se contra as tendencias ab-
solutas e os seus resaltados serao em proveito da
civilisago.
Na Havana declaron-se fcbre amarella com
grande incremento, fazendo eonsideraveis es-
tragos.
Diz um tolegramraa do Mxico que os fran-
eezes declararam Matamoros porto franco. As
otieias daquelle novo imperio sao as mais favo-
raveis.
= Communieam de Argel, qne a situagao das
tropas francezas diante da iasarreicao das tribus
dos rabes e muito favoravel, e que as operagoes
militares continuaram durante o invern e prima-
rara.
Foi eleito Abrahao Lincoln, presidenta dos
Estados-Unidos, por ama raaiona de 400 mil vo-
tos. 9 general Bullir foi nomoado govrnador Uu
Mova-Yurk. Ftideuiittido MaoClellan. No acto da
aleigo para a presidencia houve aigans tumultos
desordens entre os partidarios de Lincoln e os
de Mac-Clollan.
O general Sheridan persegoio os confederado*
at Uonut-Jackson, onde suspendeu a sua marcha
em consequencia4ae acliarem muito roduzidac
as suas breas. O relatorjo 4 general confederado
Early, diz que es le lomara no dia 111, i 8 pegas de
amibaria, fazendo 1,300 prisioneiros ; o general
federal diz que tornara 30 pegas, nao sendo a per-
da dos oofuderados inferior a mil homens. O que
certo, porm, que es (edenes depois da bata-
iba, nao perseguirn) es arus adversarios. gene-
ral Lorstre.it foi dt novo chamado ao servico ac-
tivo allanto e disposicoes a que se d imior im-
portancia.
Os confederados assegurara ter tomado todas as
guerra que
ha quatro anuos devasta urna repblica outr'ora
to flerescenie.
Parece ene o governo confederado vai chamar s
armas 600,000 negros, para se preparar para ne-
vos combates.
O norte lua para a conservagfo da unio ame-
ricana; o sul combato pela sua independencia;
mas seja qual fr o resaltado da guerra, o negro
reconquistou a sua liberdade. Mal sabiam os
brancos quo tantos sacrificios havia de fazer para
dar a emancipagao ao homem de cor aue elies
despensavam.
O presidente Lincoln tem declarado as suas
mensagrns, que natural o apoio que os homens
de cor tem prestado no exercito federal.
Os estados federaos acabam de reunir federa-
gao e territorio de Nevada, que ha quatro aunos
sustentado costa da California e de Uiah, coota-
va a|>enas vinle e sois mil habitantes, a maior par-
to indios. As suas minas deonro e prala attrahi-
ram alb grande numero de emigrados, e a popa-
lago augmentou rpidamente. A posigao e re-
curses deste territorio eonstituem e novo estado,
um dos mais prosperes da parte oriental da unio
americana.
A lucta oleitoral na Hespanha corre pacfica,
as oleiges terminaran) iranqniliamenle, os esfor-
cosda unlo liberal foram inefflcazes, dianle do
overnamental que obteve maioria.
Os jornaes da opposigao fallam do aovo em re-
composigao ministerial, e paraprovarem que entre
os membros do gabinete lavra a desintelligeneia,
apnntam os ataques que algumas folhas minisleriaos
dirigem oontra os Srs. Goozalez Bravo o Lho-
rente.
Chegam-se a apontar para os individuos qae di-
tera ir reformar o gabinete, o sao o Sr. Benavides,
para o reino, o Sr. Fernandez de la Hurto para a
jiistira, passaado o Sr. Arrazle para os eslrangei-
ros.
As lolhas minisleriaos procuram desmentir estes
boatos, afllrmaodo que o gabinete se apresentar
peranle a cmara, mas deixam presa a possifaili-
dade da sul.slituigao de alguus de seus membros,
passadee os primoiros das da sesso parla-
mentar.
A quesiae peruana eonserva-se no mesmo estado.
A tranquillidade apparente que existe no Per
respailo do conflicto hade-se alterar de um instan-
te para outro. Um dos membros do governo de-
clarou na cmara aue procurara conseguir a alu-
enga de todas as repblicas da America hespanlio-
la. Parece, porm, quo estas repblicas se nao
prestan) a um apeie decidido. Os reforgos recebi-
dos pelaesquadra hcspa,nhoIa tinham produzdo no
IVrii grande sensaco.
O Chile preparase oara uina attitnde neutral.
Recusou fornecer de earvo do podra um vapor do
guerra hespanhol, sob pretexto que o earvo con-
siderado corno contrabando de guerra.
As folhas publicas ua cidade do Porto ioserem,
com dala de 21 de nuvembro o convite internacio-
nal que a Sociedade do palacio de chi ystal por-
tuense dirige a tedas as industrias nacionaes e
estrangeiras, para a grande exposigo que all de-
ve inaugurar-se 21 de agosto de 18lto, prolon-
gando-se at fuis de dezembro do mesmo anno.
Aquello brado patritico mais um documento
do espirito de iniciativa que earaeterisa nao s os
benemritos promotores daquelle commellimento,
mas em geral a lodos os habitantes da cidado in-
victa. Commettimenlo, repelimos, porque o sem
duvida, r Purtugal. na extrema da Europa, e nado
o nos seus recursos, fangar tainaulio pregao ao
mundo intero. Oxal que esse corajoso esforgo
leuha de sorcoroade do melhor xito, para ongran-
graudecimento de um paiz cujas glorias bordadas,
sao nossas tambera.
O estado sanitario do reino era excellente.
Foi promettido ao banco nacional ultramarino
por um decrelo recente, o poder comrgar as suas
operges logo que as suas caixas leuha entrado
o capital de 500 cotilos do ris. Foi reduzido o
subsidio de 30 conlos annuaes na mesma propor-
go. '
Tinha sido julgado no segundo dislricto cri-
minal de Lisboa (na Boa hora) o presbylero D.
hidoro do Noronlia, bispo demissiouano de Cabo
Verde, por desobediencia ao imperante. O jury
nao deu o crime por provado e D. lzidoro foi ab-
solvido. O processo foi curioso. O Dr. Brusohi era
defeusor do aecusado.
A coinpa.iliia dos camiolns do ferro do norlo
o leste havia apresenlado no ministerio competente
um requerimeuto para expropriages em Lisboa
junto a eslagao central, para o largo e roa que se
ho de fazer. Suba a 00 conlos fortes o valor
de.-ta.-. expropriagoos.
A associacao promotora da industria fabril tra-
lavadeubter iuformagoes dos iudustriaes paraor-
ganisar o parecer que tinha do enviar ao conselho
geral das alt'audegas. O conselho em comprimen*
lo da le deve apresenlar brevemente ao governo
urna nova pauta de direitos.
Estavam prestes a terminar sem ofensa da dig-
nidade da cora portugueza, nem quebra dos prin-
cipios estipulados, os desaccordos mais recentes
do governo de Portugal com a Santa S.
Eslava prxima a partida das crvelas Bartho
lomen Utas, Estefana e Infante D. Joao para o
Rio de Janeiro. Afirinava-se que a esquadulha
seria commandada pelo visconde de Soares Franco.
Em Janeiro iam principiar os trabalhos da
grande ponte sobre o Douro, para o transito do
caiumbu de ferro. Os estudos da linha frrea do
Porlo Regoa estavam quasi concluidos. Os do
caminho de ferro do Porto draga, j lioiam prin-
cipiado.
Arribara a Falmouth o paqutle vapor Gal-
Mee, que tuina sabido de Liverpool para os porios
do Brasil, deveudo tocar em Lisboa e Pernam-
uco.
Tratava-se de um inquerito s indnstrias,
ero que se fun lasse a nova reforma das pautas.
Publicara-se effectivamente o resultado do re-
censeamento geral da populago effectuada em 31
de dezembro de 1863. A parte publicada refere-
se ao dislricto de Lisboa, qne se acnou ter 443,177
almas.
la ser reformado o systema de cadas. Urna
cominisso muilo competente estudava o anti-pro-
jecto que servir de base s propo*tas que o go-
verno levar s corles na prxima sossn legislati-
va, para implantar em Portugal o systema peniten-
ciario.
lugar de con-
repartgo.
O Dr. Porgeutiuo Saraiva de Araujo Galvao
estexercendo interinamente a promotoria publica
da comarca de Pao d'Alho.
A 28 do pastado entrou em exercieio do jui-
zado de direito da'camarca do Rio Formoso o Sr.
Dr. Ludgero Goncalves da Silva.
Deve neje ter lugar o concurso para o pre-
vimente da cadeira de francez da villa do Ouri-
cury.
Depois d'amanhaa se extrahir a quarta par-,
te da dcima lotera da matriz da Boa-Vista (120') Era d'elle o crneo, que guardava glorias
sendo o maior premio de 8:0005000. Ganhas custo da um valor inundo.
ItEPAiiTigo oa rouciA. Era d'olle o corpo, cujo um alma pura,
Extracto da parte do da 13 de dezembro de "
1861.
Foram recolhdos casa de detengo no da 12
do crreme:
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, An-
tonio Joaquim de Lima, como sentenciado.
A' ordem do Dr. juiz municipal da primeira va-
ra, Joao Rapozo da Silva, a roquisigao de Joo Lu-
Ci,!'i"s; tJ Coitada d'ella: mas que digo? Nao!...
A ordem do subdelegado do Recife, Joaquim Cuitado, sim, de quem habita a ierra I...
Affonso, por bnga. I Ella era um aojo foi, ergue-se ao co,
A ordem Uo de Santo Antomp, Trajano Nunes; e hoje pousa onde a gloria encerra I...
da Silva, por embriaguez.
A' ordem do de Jos, Joao, eseravo de Jos .....................................
Ignacio, por suspeto. ...
A' ordem do da Boa-Vista, Jos Gualberto da Sil-: Pena.s nnos Tinte e nove tinha
va, sem declarace do motivo. i Quando eis ron*e jetumbou menvu...
O chefe da i' seocao, iais amigos solucaqdo a v-lo,
J. G. de ilesquiht. Correra a braear-.e ce prenle sea !...
toviraento da casa de deteago dodia 12 de Abi ralados pela dr immensa
Juigam no praoto inda dar-lhe vida :
Mas qual T... J o glo da ferrenha morto,
Roubado ao corpo havia esl'alma querida I
Ilontem vi-te graciosq
Hoje mudo e ja sem vida :
Honlem rizos; hoje pranlos,
Sob a lagem carcomida.
i Verde inda o fructo l pendeu do galbo,
; E pelo rijo norte foi prostrado ao cnao.
Tal elle joven foi!... Tombou no tmulo
I Restando ierra nao mais que a ora gao !...
Buscava ao eIher de prazeres rindo !...
i A concha linda qae habilava praia
Beijada s ondas do esoumoso mar ;
Veio um tufan arremessou-a as aguas,
Roubando a potjre do xlremose lar l...
se uze das fructas, que a esugo do tempe- nos tem C0io do Dr. Jo J.wmim de sUza ;
proporcionado, e dos banhos quer tepidos, quer; apparega langador que rubra o prego da aejdJmgh
fros e geraes. ser a arrematac.io feta pele ec-co' da adjudM-icii
Jos da Rocha Paranhos. com 0 abale da Jei w i
------- E para que e presente rhegw ao ronh
Pilulas vegcaes assucaradas de ttt?JZ*9mmmm' e*a"*
Idenp. Cidade do Recile, 10 de desembr de 'Sti*. E
i Agradaveis a visla, isentas de todo o sabor e re-1 Manoel Mana Rodrigues do !fas<-iment.> escrivo o
pugnante, to suaves qno efOcazes, tnicas, etc., I snbscreri.
I purgativas eslas famosas plalas, possuem, pois to-j Tristao de Mrncir Arar:n*.
;das as inapreciave qualldades pwlenceates a uml 0 nim. Sr. inspector da n>-i:H-um'jEm>
cal em cumprimento da ordem d i K.im Sr. prv-
i remedio calholico, alterativo e restaurante. Tal o
o juizo medico conlirmado pela experiencia de mi
Ihares de doentes.
sidentc
, | fazer publico qne o roncurs.) para ire^n.-hime
Quando as funegoes do figado o do ven re se da vaga de 2'escriplurario da n.e^u ,^73
acham por qualquer forma desarrapadas devem
ser restituidas a boa ordem e regulandade com es-
tas pilulas litesistiveis. Ellas sao tao infalliveis
quanto sao agradaveis e sem controversia alguma,
e o meihor aperitivo geral; o nico remedio anii-
hlioso qne se pode conseguir quer neste ou em
qualquer um outro paiz.
Em consequencia dellas seacharem acondiciona-
das em frasqoiehos de crystal, o lempo nao altera
as suas propriedades.
A' venda nos estahelecimentos pliarmacenticos
de Caors & Barbosa, ra da Cruz, o J. da C. Bravo
eV C. ra da ladre de Deus.
Entraran)...... 10 i
Sahiram....... 7 B
Existem....... 345 1
A saber :
Nacionaes..... 273
Estrangeiros... 17
Mulheres...... 3 >
Estrangeiras... 1
Eseravos...... 46
Escravas...... 4 f
345
J o templo v-so reduzido lulo:
Ardentes cyiios ao redor de era'ga :
Toada triste geroe o campanario.
E o memento fnebre logo abi comeca t...
da provincia, de 22 da CVJTCSMr, matvta
ment
. _ne,
lera lugar no dia 26 de dezembro prximo vhbOM-
; ro, devendo os pretendenles ser -nmianoVa tm
j grammatica da hngua nacional, e.-eriptura .ao por
I partidas dobradas, arimrthinetira e SfJpj ar'pbca-
lefle*. com especialidade a redurgo de moeda-*. pe-
( sos e medidas estrangeiras. o calculo d rfesmeMei,
juros simples e emporios, >eiido preferido r* mte
i liverem boa letira e sonlierem lingual i tnegiirao.
Os pretendenles devem apresenlar eos requer-
mentos Dosla Ibes jurara, rom documenr
provem que sao maiuies de 20 anno- e t m lv
; comporta ment.
E para constar.se mandou publicar o
pelo jornal.
Secretaria da lhrouraria provincial de I'r
nambuco, 23 de novembro de 11
O BHNPJrJo^
A. F. da Annnm-ia
O llim. Sr. inspector da Ihesoiiraria pr> v>a
cial, era cumprimento da ordem do Exm. Ir. vire
presidente da proviucia, manda fazer publico .pie
I no da 22 do rorrenif, perante a jaala da faz*nHa
da mesma Ihesouraria, vai novamenle a prara para
ser arrematado a quem por mono* fuer, os repare
, do impedrameoto da estrada da Victoria entre as
marras de 8 a 12,000 Braca, avahada em *<*a
E para constar

mymcjo.
NOVO BA\C0
PE UU VUII tJCO
EM 13 DE DEZEMBRO DE 1861.
O banco descoma letras na presente semana
10 OA) ae anuo at o praso do quatro mezes e a
12 0/0 at o do seis roezos ; toma dinheiro a juros
a piase eunca meuor de tres mezes, e saca sobre a Jt* 0l,*Ur ** mM<,0U pDb,,r*r '
praga da Bahia.
Dubourcq Jnior, presideele.
Alffandega
RendimoBtodo dia 1 a 12........ 361:66S382
(den de dia 13................ 40.050i7
4l:716909
rmente da alfandega
E flndon-se e memento!... Em crep envoltos
Seguem os amigos leva-lo lousa:
Fatal momento I... l.orpo tao fri,
Enlre impos vermes ja hoje repousa ?...
Alimentados a cnsta dos cofres provinciaes. 141
Movimenloda enfermara do dia 14 de dezembro
de 1864.
TfiV8 Jk\\&
Joio Louronco de SanfAnna. *2 fiVfS dfb,??se 5J*
- Passag.iros de vapor francez Ettramadure, ^X^J^f^tffJ^ftL^
entrado de Bordeaux e portes intermedios t-Ey- WJS&Z^S&S** "mh
rerud Noel, llermann Streull. Rumpf Martin, Mi-; ^'desfolhado pelo mo tubo.
noel Joan Joseph, Sourner Louis Armand, 1. Jo
sephina dos Santos Miro, Jos Joaqiim da Costa
Pereira, Jos Candido de Moraes, Domingos Alves
Maia, Jos Fernando da >ilva e sua sennora, An-
tonio Lourengo Teixeira Marques, Januano Simoes
da Silva, Elisa de Souza Goncalves, Jos Maximi-
no Pereira Vanna o sua sennora, Ernesto Anto-
nio Pereira Laporte.
Novembro 12 de 1864.
A. GttAciKio Lobo.
Medicina.
Um faci de bastante pezar, me fez lembrar ao
publico algumas considerages, que julgo uteis.
A Sra. D. Francisca Augusta de Aibuquerque,
consorte do Gibo do raeu eslimavel amigo Dr. Ma-
noel Lourengo da Silveira, moga robusta, que go-
zava da melbor sade, acaba de suecumbir quasi
de repente, e foi clarificada a molestia pelo hbil
medico que a assistia, por febre perniciosa cere-
bral.
Fiquei surprendido quando recebi a caria de
| convite para assistir o seu enterro, e quando cum-
pri este dever, fui ao marido declarar-lhe, quo o
CHROMCA JUMGURI4
TIIIIII 'SAIi DA RELAMI.
SESSAO EM 13 DE DEZEMBRO.
PRKSIUKNCIA DO EXM. SR. CONSELIIEIRO
SOUZA.
As 10 horas da manhaa, presentes os senhores
desembargadores Caelano Santiago, Gilirana, Al-iacompanhava era sua ddr, e saber como tinha
meida o Albuquerque, Asss, Doria, Molla, e Do- \ aquella moga succumbido.e de que ?D isseme que
mingues da Silva, faltando os Srs. desembarga- tinha Udo ella urna ndigeslao, e que tal tinha sido
dores LourengoSanliaco allehoa r.ivalcanii. ninin.. ^ mr..u.>.i .,i.. a..n.. .. .un. ina ja iinha anonmr^.
se a sessao. do um medico naquelle da, e que este facto Ihe
O Sr. desembargador Guerra, procurador da co- i ahalava o espirito, e faza crer, que, se ella fosse
roa, nao compareceu. soccorrida logo, lalvez nao suecumbisse; disse-lhe
Passados os feilos e entregues os distribuidos,' eu : V. porque nao foi a um boticario pratco
deiaui-se os seguintes j para he ensnar o que devia fazer, nao v que a
JULGAMENTOS I primeira cousa que o medico receitou foi um pur-
Agyravos de petizo. gante de oleo de ricino, e que um purganto de oleo
Aggravanle, Domingos Jos Pereira da Costa
Volames eatrados com fazendas..
a com gneros.
Veinaaes sabidos
cora
com
fazendas...
gneros
125
324
2M
375
449
877
Secretaria da ihesouraria provincial de Per
buco 7 da dezembro de 1864.O secreun
A. F. daiAnauamgo.
DECLA1A0ES.
Desearregam no dia 14 de nerembre
Barca inginaLmk Out -earvo.
Barca ingleza torothyi den.
Barca ioglezaBella Poultiearvo.
Barea fraecezaOlivier lean Maneesrve
Barca francezaSanta Vichelearvo.
larca inglezaLofasmdem.
Brigue inglezSegetia carve.
Bnga* inrlrz -Alun tarvao.
Galera francezaToitkinsalitre,
rigae suecoAcd'rolaboade.
Brigue nacional Alfred* carne de eliarqee.
brigue argentinoA7o-eharqe.
Polaca hespanhola Viajen dem.
Brigue inglozMtntt fsrragens.
Recebedorla de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 12......... 12: i53489
dem de da 13................. 1:38140*0
13:5354551
Cnnsnlado nroTlnclal.
Rendimento do dia 1 a 9 ........ 31:6284494
Ideas do dia 10................ 6.9494674 orphos, eje.
de ricino ou de citrato de magnesia nunca cen-
j correu para o mal de nnguem, vislo que V. nao
' linha alguma pessoa em casa, que Ihe eusinasse o
1 que devia fazer.
Quantas vezes urna mai de familia, ou urna pes-
aggravado, o juizo.
Relator o Sr dnscmliargador Assis.
Sorteados os senhores desembargadores Doria,
e Motta.
Negaran) provimento.
Aggravanle, D. Auna Joaquina Teixeira Caval-1 doen'lo por su saber e experiencia,
canti ; agravado, o juizo. Eu pedera explicar muitos tactos desta ordem
Relator o Sr. desembargador Doria. l com pessoas de miuha casa e al comigo, mas pa-
Sorteados os senhores desembargadores Asss, ra nao me tornar prolixo o nao fago, limilando-me
38:5784168
mauluiiKo a de uimuibro
de 1HM4
Revista commerctal.
O mercado, na quinzena paseada, limitou-se ao
supprimento do con.-umo, apezar de maior abun-
dancia de yimerarin.
Caf.Nao recebemos supprimentos directos,
com excepcao de nm carregamenlo de Sanios, que
acaba de ciegar. As qnalidades correnles do Rio
e Santos tem exiraccao regular, como sempre,
nesta estago, e por oonsequenca os deposito^
tornar-seho limitados e os pregos sublro. As
a explicar o que ulgo de mais utilidade. A prali-
ca e experiencia me tem feito convencer, de que
as febres e outros ataques que accommettem de
repente, os medicamentos, que se devem applicar,
sao aquelles que ajudam os esforgos da natureza;
e que as Hiudangas das eslagoes, se est vendo
sempre os accomnietlimentos de molestias, quer na se aderecen a venda.
banco de Franga baixou no dia 23 o descont
a 6 0(0, e o de Londres a 7 0|0- No banco de Pa-
ris o numeraria augmentou 24 1[4 milhoes de frs.;
os depsitos diminuirn) 20 4i5 milhoes, e as nota*
14 1|4 milbdes.
Londres 25. Os consolidados a 89 7|8, e os 8 Om
porluguezes a 44.
Paris 25. Os 3 0M cotaram-se a 64,95 os de 4
l|O|oa 3S, 2.
Madrid 25. Os consolidados a 48. Os dlfferidos
a 43.
Lisboa 28. 8 0|q a 48 1|4 a 48 l|l.
Ttulos de S aeges do banco de Portugal 5584
Banco commercial do Porto 2541 a 2581.
Dito Unio >Vt$ 1304.
Dito Allianca 714 a 724.
Dito Mercantil Portuense 2544 a 25*4.
Da carta de nosse correspondente de Londres
primavera, no vero, outono, e mesmo uo invern,
e os factos de laraentar-se todos os das se estao
succedendo, porque no principio de uina molestia
nao se soube atalhar devidamente. Nao se esta
vendo todos os das que febres, que accommettem,
e que nao apreseutam logo mo signal, o deleixo,
o despreso do lugar a quo apparega a dissolugao
podre do sangue, que d'ahi resultan) as febres de
mo carcter.
Nao quero com islo dizar, que, logo'que alguem
se sinla accommettido de qualquer molestia, que
se sangre, ase de vomitorios, purgantes violentos,
e apphque-se visicatorios: nao? Nao quero queso
perturbe a natureza; mas que,noarcominettimento,
providencias para oceupar e conservar aquella po-' extrahinaos as seguintes noticias :
"Su n.-,~j ... L- ( Bm Liverpool e nosso algodao subi na nlti-
Sao ceotradielona< as noticias ah. Atilaota ans ra quinzena na razae de i Ii2 d. por lib., havendo
dae-na como teda pelo general federal Sherman e diminuido o deposito e augmentado o pedido. O
atacada por tool i outros dan como falsa a noti- de Pernambaco e Maranho flea cotado a 2o "
ca da tomada de Allanta, t dizem qae Sherman
arenca com dous corpo* do exercito para ata-
car. O primoiros dizem qae Sherman reco-
nhecendo a Imnosiibilidade de defender aquello
ponto, resolver destruir Alian e marchar com'
Santiago.
Negaran) provimento.
Aggravanle, Joaquim Francisco de Paula Esteves
Clemente ; aggravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Molta.
Sorteados os senhores desembargadores Gilirana,
e Santiago.
Negaram provimento.
Carta testemunhavel.
Aggravanle, Joo Manoel Carneiro de Larerda ;
aggravado, Ignacio Francisco Cabral Cantanil.
Relator o Sr. desembargador Almeida e Albu-
querque.
Sorteados os senhores desembargadores Assis,
e Domingues da Silva.
Nao tomaran) conhecimento.
Appellaioes cireis.
Appellantes, Francisco Pereira de Carvalho e
outro ; appellada, a viuva de Antonio do llego
Barros.
Confirmada a sentenga.
Appellante, Antonio Joaquim de Vasconcellos ; qualquer que seja, se uze dos'remedios, que os jn-
appellado, 0*car Destibaux. go inofensivos, o que reclamo : ninguem dir
Confirmada a sentenga. qne em qualqoer febre nao se possa uar de ura
Appellante, Francisco Xavier Mendes da Silva ; purgante de limonada gasoza de citracto de mag-
appellado, Manoel Barbosa da Silva. nesia.
Desprezaram-se os embargos. Eu explico o que tenho pratcado nesses casos,
Appellacoes crimes. t c que me tenho dado muito bemmando, que lo-
Appellante, Antonio Rosalino_Correia ; appella- me urna garrafa de citrato de magnesia as chica-
do, Joao da Cunha Freir. i ras, ou urna das pijlas purgativas de veame, em
Improcedente. ;cima desta, um copo d'agua com assucar e o suc-
de um sen-
t tiz.-r o ef-
purgativ.i e o desembaragament das ourinas,
nesiRMACAO dr da. i mando tomar segunda do mesmo modo; pulula, e
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes' limonada, o as vezes al lerceira. A noite mando
fei'os : meter os ps ern agua queule na oscasio do aga-
As appellacoes civeu. salho, e dar urna chicara de cha de flor de sabugo
Appellantes, Dr. Antonio Ferrera dos Sanios Ca- tamben) queme com assucar, e se nao sentir me-
minha e tilhos ; appellado, Jos Vicente Ferreira Ihorar da dor de cabega, que quasi sempre aeom-
de Frenas. panha esses ataques, aeunselho que applique saoa-
Appellanle, Jos Marcelino Alves da Fonseca; pismo na barriga das peruas; nao tenho em lem-
aepellada, a fazenda. pranga que com este methodo tirasse mo resulta-
, passagens do, e nnguem dir que este tralameulo possa ser
Do Sr. desembargador Gilirana ao Sr. desembar- nocivo em nenhum caso,
gador Lourengo Santiago No principio de urna febre, ndigeslao, ou mo-
As appellacoes crimes. lestia desla ordem, a natureza geralmeBte solicita
Appellante, Jos da Rocha Wanderley ; appella-' evacuar por vmitos, ou por baixo; e se se ajada
do, Jos Joaquim Ferreira de Mello. I pelos uieios correspondentes, contribuir muito
Appellante, o juizo; appellada, Jos Flix Rodri- moderar a violencia da euferraidade; e por esta
8ues- i razan qu a experiencia rae tem convencido, que
urna, ou duas pilulas purgativas de veame, e em
soa qualquer, que tenha a devida pratica, salva umj ultimas vendas foram de 14 mil saccas do Rio e
Santos a 6 i|4 e 7 3|4 sh. Colamos o caf regular
ordinario do Rio a 6 5|8 e G 7|8 sh.
Assucar.O morcado contina firme, o os pre-
gos nao soffreram allerago. Notamos a venda de
700 raixas do masravado da Bahia.
Tabaco. Extiacgo de regular, de tabaco brasi-
lero as vendas foram do 7'3 bailas peles ltimos
progos ; ha em deposito 4,500 bailas da mesma
qualidade.
Algodao.Mostra melhor tendencia, mas pouco
zmproceueme. cima uesta, um copo d agua com assuc
Appellante, D. Anna Francisca de Brito ; appel- co de meio limao grande e maduro, ou
lados, Zeferino Jos Coutnho e outro. do pequeo, e se no espago do dia nao
Confirmada a sentenga. feito purgativ.. c o degembaracament d
l|2d
por lib., o da Bahia e Macei 26 d.
O cafe de 1* qaalidade de 70 s. 77 s. per cwt;
2* dita W s. 71 *., e ordinario de 54 s. 05 9. por
112 arralis inglsze>.
o O assucar branco de Pernambuco e Parahyba
A appellacRo civel.
Appellante, D. Joviua Simphcia das Neves; ap-
pellado, Victorino Pereira Maia-
DoSr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
Sr. desembargador Assis
AappellagSo civel.
Appellantes, Joo Gomes da Costa e outro ; ap-
pellado. Joaquim Jorge de Mello.
Do Sr. desembargador Assis aoSr. desembarga-
dor Doria
A appellqo civel.
Appellante, Vicente Mendes Wanderley ; appel-
lada, a parda Gnilhermina.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Motta
A qvpellacdo civel.
Appellante, Antonio da Silva Pessoa appellado,
Themoteo Ferreira Lima. ,
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Ucha CavaTcanti
A appelhigSo civel.
Appellado, Jos Victorino de Carvalho Cavalcan-
te ; appellante, Antonio Ma.rqaes de Araujo Caval-
cante.
Cacao.Sem novdade.
Jacaranda.Venderam-se 49 mil libra, e em
'chao 73 mil libras do da Babia a 8 marcos, a 100
libras le roto medio.
l'ouros. >em mudanga : venderam-se 2,000
do Rio Grande do Su .
Nos ltimos quinze das partirn) para o Brasil
es navios :
Fremett, para Pornambnco e Cear.
Delphm, para o Rio Grande do Sul.
E entraran) :
Iris, de >antos, com 2,38* saccas de caf.
Snudade, da Bahia, eom 806 bailas de tabaco,
100 feches de piassava, S83 mil couros.
Navios carregando para o Brasil.
Escher A Sophit, Resolutien, Mathtlde e M, pa-
ra o Rio de Janeiro.
Ltbiu e Alaria Louise, para Santos.
Merek Eunomia, paia a Baha.
D. A. N-, para Prrnambuco,
JtiArisfina, Speculant e Ettse, para o Rio Grande
do Sul.
CAMBIOS.
Sobre Londres, 3 m. d. 13 marcos c 2 schil-
lings por Sf ; prazo curto a 13 e 5 3|4 sch.
Sobre Paris, 3 m. d. i92 francos por 100 marcos
baica, e prazo curto 189 francos por ditos.
obre Lisboa, 3 m. d. 45 l|t sb. banco por 14-
Descont a 3 1|2 e4 1|2()|0.
MOVIMENTO DO PORTO.
cima agua, assucar e limao, se pode usar sem ne-
nhum risco, e a noite o cha do flur de sabugo, e o
mais como explicado tenho, nao usando somente
das limonadas de citrato de magnesia e as garapas
com limao, as mulheres quando estao regradas, fa-
zendo tudo, mas s com a suspengo desies dous
artigos, e somente com a pilulas, e agua e assu-
oar.
Se no estado de sade algumas pessoas, que tem
usado das pilulas purgativas de veame, se tem da-
do bem na dase de me pilula na occasio da co-
mida, e outros urna, para regularizar a digesto,
como nao se usar no estado de molestia? Nin-
guem poder negar, que aquellas naturezas, que
nao cursara, e nao lera as ourinas desembaracadas
regularmente, vao bem, por que isto, nao s es-
quema e inflama o sangue; mas os escremeotos
Navios sahtdot no da 13.
Bahia Escuna hanoveriana Hesmet, capito P.
Suerkon, carga parte da ene trouxe de Amors.
LiverpoolBrigue inglez Glaucus, capilo W. Jo-
nes, carga assucar e algodao.
ShangharHiato americano Syren, capito G. D.
Lester, em lastro.
Rio de Janeiro e BabiaVapor francez Estrama-
iuri, eommandante A. de la Noe.
Obscrra.o.
Fundeou no laraaro urna canboneira franceza
mais nao tere comrnunicago cora a ierra.
EBITAES.
delidos muito tempo no"corpo se fazem acres ep em"i:0QM.''" ,0 aD'S dad#* "iUi*
O Dr. Tristo de Aleucar Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa e juiz especial do eemmerrio
desta cidade do Recife de Pernambuco e seu
termo, por S. M. L que Deus guarde, etc.
Fago saber aos quo o presente edital rirem e
delle noticia liverem, que no dia 6 de fevereiro do
anno prximo futuro, lea lugar a Meme lili) do
seguintes escravos;
Aquilino, crieulo, de 20 annos de idade, avahado
Crispo, crioolo,
Santa Casa da iliserieriia < eriff.
A lllma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recfe inania fazer ocbiiro pac
no dia 15 do correrte, pelas 4 boras da tarde, za
sala de suas tessoes, tem de ser arremata*) per
quem mais vanlagens offerecer, o foraecimeato da
gneros que bouer de roosnmir nao s os eu-
| belecimenlos de caridade, como tambera rolk-
gios de orphos. no trimestre de jaaeiro a marco
do anno de I8(i.'i.
Eatabelecimentos de caridade.
Manteiga franceza.-ljbra, tapioca, idea, rafe em
grao, dem, assucar branco em torro, arrota, da-
lo retinado primeira sorte, dem, dito diu segn la
sorte. dem, arros pilado do Maranho, idrm, ta-
calhao, idera, toucinho de Lisboa, idem, >abic
amarillo. dem velas de carnaoba, idera, dita ev
perraacete masso de 1 libra, farioha de miediiu
da ierra, alqueire, vinho tinto de Lisboa, castada,
dito branco, idem, agurdente branca, idera. vina-
gre de Lisboa, idem. azeite doce, idea, dito de
carrapato, dem, f are lio de Lisboa, aacco.
verde, libra, pao e bolacha, idem.
Collegio de orphos.
Assucar refinado, libra, caf era grio,
maoleiga franceza, dem, arros pilado o
nho. idem, batatas, idem, aletria, idea, caree ver-
de, idem, peixe fresco, idem, pao e boiarha. idea,
I toucinho de Lisboa, dem, fannha de mandara,
alqueire. frijo, idem, azeite doce, garrafa, voza-
gre de Lisboa, dem, cal, cuia. leona em arbaa,
cenlo.
As propeslas devem ser apresentadas era carta
fechadas, devendo ser especiaes, ja para os r>Uae-
lecimentos de caridade e j para os collegio-' de
Umbcm aceitas proposlas sonvae
para a carne ver.la e para o pao e bolacha, laito
dos estahelecimentos da caridade como dos ro le-
gios de nrphos.
Os pretendenles ojodea diri.-ir-se a esla secreta-
ria as horas de seu espediente, afim de Reta rea
as iiiformages que jnlgarem preei-.- :. arte
da arrematara.) devem eompneHV acorapaatades
de seus Madores, ou aaeMea de carta- .le-r-, .pv
lieai o responsaveis pelo inteiro cumprimento toe
respectivos contratos.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia aV
Rlpjife, 7 de dezembro de 1"<64.
o escrivae, I
F. A. Caralcanli CmaeoJm.
Sexta-feira 16 do corrento ir ni de er arre-
matada, linda a audiencia do Sr. Dr. jniz de or-
phos, pela renda de Ires annos, a raa n V *i
roa de Santa Rita, na razo de 144-4 por taza
cuja casa tem nrnitos ce-mmodose sen- fi nd
tara para a ra n nm de Santa Rila, tendo ates
urna mei-agua e telheirc, o porlao largo, aroam
da nais de um morador, e efferer* vantagvaa a
ijuem liver carros ou carrogas: as rondir'** .)
facis como o pode ver do esrripto era Aer do
portriro Amaro ; r a ultima praga.
(Juarta-frira 14 do correte mez, depois da
audiencia do Illm. Sr. jniz do paz do di-trirto
da Boa-Vi>ta, iro praga II cadnras de.
J consolo*, e sof da mesma madnra, p-ir ei'-i-
go de A. II. *. Fonseca, contra Marcelino Frae
cisco Aires da Silva.
4 ou s; l;i pro v lacia I.
Pela mesa do consulado provincial e faz prtrt.
co que os 30 das estao mareados para a rot.rarwA
a bocea do cofre do l semestre do anno Un.-u-rT
ro di 1804 a 18fi5 dos imposios da dcima dos re-
dios uibaos das freguezias desb ndaoV a d.K
Afogados, e de 5 */ sobre a venda dos
raiz perlenrentes a corporago de mo i
lirinripiara a contar do 1 de dezembro vn
licando sojeilos a mul de 6 /. tdos os r.*iri^
buinles que pagaren) depois de lindos os ditos M
das.
Mesa do consulado provincial de Pernar l ko
26 de novembro de 1864.
Antonio Carneiro Machado Ros
Administrador.
De ordem do Illm, Sr. Dr. procurador H-eal
da ihesouraria provincial a risa-va o- oVvedoro de
decima e de diversos eetros imposto?, ojae aa re-
lagoes respectivas se acham em sea poder pira
serem ajuizadas ; aquelles, pois, que qnzerera pa-
par com izuias da mesma prrcuradora, pueVra
solicita-las no eseriptorio da ra do Creipo para
o que se Ibes concede o praso de .10 dia, p. 'nuto-
do hoje. Re-1 re 3 de dezembro de 1864. o ,li-
ciador da fazenda provincial,
Joo Pirmioo (x>rreia de Araujo.
das
dres, de que se seguem ms consequeucias; por
isso mui conveniente usar-se de mi ia ou urna
pilula purgativa de veame, anda mesmo no meio
da comida; pois a sua composigo tal, que nada
tem que possa enjoar ou eucoxnmodar o estomago, do da vtrilha, em 4004.
Josepha, erioula, de 18 annos de Idade, avahada
emi:i004-
Rita, de nagio, de 45 annos, em 6004.
Leandro, crioulo, de idade de 40 annos, qoebra-
No dia soxta-feira 16 do crreme na s
audiencias e Anda a do Illm. Sr Dr. miz rauetei-
pafda primeira vara, eeerttia Baplista, se ni. de
arrematar os seguintes predios p.-nhorado eer
execucan ene a Jos Rodrinues do Paso mnvem
os herdeiros de O. Mananna Dorothea J odoiaa
1 sobrado dp 2 andares na ra da Scnzal* Ve-
Iha n. 128 pe 3:f>4. e
1 sobrado meia agua de tres andares na rta do
Trapichen. M. por 7:2004
1 casa terrea na roa da Gloria n. 6' por I ofld*
1 parte na casa terrea da roa do Apollo n. 14
por 1164374 rs.
1 sitio no logar do Salgadieho denominado Cor-
tnaopor 40004.
3 excellentes casas terreas na poroago d^ Br-
beribe todas de pedra e cal sendo ota por 8804,
ontra por 1:6004, outra por 1804, a-sim como al-
guns solos, obras de ouro e prata ; a allima pra-
ga e ve pelo prego da adjudicaco conforme o ee-
cripto era mo do porteiro do juizo para ser exa-
minado.
CONSULADO DE PORTTGAL EM PERNAMBTCO
Por ordem do consulado de Portugal ea Per-
nambuco tem de ir em basta publica os neos ep
ficaram por fallrcimento to subdito portugorz Jo-
s de Oliveira Ramos o Silva morador i roa do
Imperador n. 52, constando de ama mobilia e ee
jeetos de eosinha.
Subdel-sacia de polica da freguezia da ftaa-
Vista 13 de dezembro de IS64.
Neste snbdelegacia existe om carneiro e orna
earteira que ser eutrcgje a quem provar penetv
oer-Ilio.
J>


Diarlo de l*t__s__b_eo -- Quara fclra SI de JDezembro it i8_.
en* de eveao.
Arremata-se hoje, liada a audieucia do Dr. pro-
vedor dos reziduos, um sorda, de oaro e um sue-
co com ferragens.
Pftla subdelegada do dislriclo da frague-
zia da Mirnanguape foi appreliendido no dia do
correnta um quarlo com eaogalha canilluda por
um individuo que declarou ser desertor ter fur-
tado em Fra de Portas: quem se julgar com di-
reilo, compareca na rpoim subdele.jcu oaia do-
cumentos legaes que provm ser sua propriedade.
Subdelegada do f distrioio da freguezia de Ma-
ranguape 6 de dezembro de 1864.
Joao da Cn Fernandos Soma.
Consulado de Portugal
Eot Peroambuce.
No da 13 do crreme mez teui de ir a leilao a
taberna do ausente subdito portuguez Antonio Ja-
s Vieira Braga, sita na Lingoeta n. 7 ; previne-
se por consequencia aos davedores deste estabe-
lecimento, que pelo consulado de Portugal em Per-
nambuco traia-se da arrecadaeao da lodos os bens
do subredito Braga, para que elles vio ao raesmo
consulado pagar seus dbitos, do contrario serio
a isso obrigaios judicialmente.
O coRselho administrativo para fornecimento
do arsenal de guerra precisa comprar o seguiste :
Para o V* batalhao de infamara.
1,000 varas de brim branco.
500 varas da algodaoanho.
iiid bonets redondos.
100 estelras.
100 mantas de lia.
As pessoas que quizerem vender taes argos
apresentem suas propostas em carta fechada na
secretaria do consulta as 10 boras do dia 1* do
corrale.
Sala do ccnselho administrativo para foraeci:
ment do arsenal de guerra, 7 de dezembro de
1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Seba-ii.io Jos Basilio Pyrrho,
Vogal secretario
LEILAO
DI
20 arris com mantel
ga ingleza
Qulntu-feira 15 do corrate.
O agenle Pestaa far leilao por conu e risco
de quem pertencer de 20 larris cora nUnteiga in-
gleza em um ou inais Iotas : qulnia-feira

corrente as 1# ngras da manbaa ao
Apoe*.
15 do
ariaazera de
LEao
TMEATKO
DE
Urna taberna na rua
da lingoeta.
Quiota-feira 15 do corrente.
Mariiiis tara leilao sor ordein do Sr. cnsul de
S. M. Fidelissima, da taberna sita na ra da Lin-
goeta n. 5, em uin ou mais lotes a vouta2e dos
compradores, cuja taberna pertencia ao subdito
portuguez ausente Antonio Jes Vieira Braga.
O leilao ter lugar na mesla taberna as 11 ho-
ras do dia cima, 9 pretenderles podein exami-
nar o balance que se acha em roo do mesmo
Martins.
LEIL%d
EMPREZA
-EIUMI I COIMERA.
HOJE
QARAA-FEIRI, 11 DI ulZEMIItlO DE ilti.
l'enul t ii;i recita.
Ter lugar a representacao do muito applaudido
drama sacro em \ actos e 8 quadros
A VIDA, HILAtilES E M.RTYRIO
H
SiI\TA CECILIA
PROTECTOR/-DA MSICA
O quadro final da gloria acba-se melborado, tan-
jo de machiaisrao, como de pintura.
Corae.ara s 8 horas
Os Srs. assignantes tem preferencia aos seus
camarotes e cadeiras.
AVISOS M1BITIM0S.
CO__P___r___IA BBASILEIBA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte 6 espera-
do at o dia 17 do corrente o va-
por Oyapock, commandante An-
tonio Marcelino de Pon tes Itibei
ro, o qual depois da demora do
costume seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaia-se a
carera que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua cargada: eueom
meadas e diuheiro a frete ateo diada sahida s 2
horas, agencia ra ta Cruz n. 1, escriplorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo C.l
K
Urna casa terrea na ra
Imperial n* 36
Sexta-feira 16 do corrente.
O agente Pestaa far leilao por conta e risco
de quem pertencer de urna casa terrea sita na ra
Augusta n. 36, em frente a nova matriz, de podra
e cal com 2 salas, 3quarlos, cosinna fora, quintal
e cacimba, acabada de concertar ha das de que
flcou como nova : o leilao ter lugar soxta-fmra 16
do crranle pelas 11 horas da manhia do largo do
Corpo Santo, os Srs. pretendentes padem examina-
a antes do leilao devendo achar-se a chave em
mo do agente.______________________________
LEILAO
DE
32 pipas de vinho Figueira
marca MX
Sexla-feira 16 do corrente.
Por conta de quem pertencer o agente Pestaa
vender 32 pipas com excellentc vinho Figueira
desembarcado ltimamente ser vendido emum
ou mais lotos a voaiade, sexta-fxira 16 do corran-
te pelas 12 horas em ponto, na largo da alfandega.
COMPANHIA BiLASLEIRA
PAOUETOS A VAP9H
. Dos portos do sul espera-
fPJi-.n\ do at o da li do corrento o va-
\5S?t^T^w por Paran, commandante o ca-
Siv''-" LtgJpitao de trpala Sania Barbara, o
'i*SiyHBPiIual depois da demora do costu-
me seguir para os portos do norle.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada. encommen-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriplorio de An-
t)nio Luiz do Oliveira Azevedo & C.
Para Lisboa
O brisue portuguez Lnia II, eapltao A. F. Viei-
ra vai sabir com brevidade por ter a maior parte
de seu carregamento promplo : quem no mesmo
qaizer carregar ou ir de passacem, dirija-se ao
sen consignatario E. B. Habello, ra da Cadeia n.
55. escriptorio.
Sara o ttio de Janeiro
Obem conhecldo e veleiro brigue nacional Al-
mirante, capitio Jos Moreira Maia, pretende se-
guir com muita brevidade, tem parte de seu car-
regamento prompto : para o resto que Ihe falta c
escravos a frete, para os quaes tem excellentes
commodos, trata-se com os seus consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu es-
criptorio ra da Cruz a. 1.
Para Lisboa
O veleiro e bem conhecio brigue portuguez
Conceiro de Mara, capitao Januario Jos de Oli-
veira, pretende seguir com muita brevidade, tem
parte de seu carregamento prompto : para o resto
que Ihe falta tratase com os seus consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo C, no seu es-
criptorio ra datraz n. 1.
Para o Porto.
segu at o dia 20 do corrente o brigue portuguez
S. Mnwcl I, capito Carlof Ferreira Soares ; quem
no mesmo qaizer carregar ou Ir de passagem, di-
rija-se a ruado Vigerio n. ti, escriplorio de 11.
J. llamse Silva & Genros.
Para a liibia
pretende seguir com muita brevidade o palhabotc
Dous Amigos, tem parte ele sea carregamento
prompto ; para o resto que Ihe falla, trata-se com
os seus consignatarios Anteaio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, no seu escrlp.erie ra da Cruz nu-
mero I.
COMPANH1A PEKNAMBUCAiNA
SE
Navegado eostera a Yapor.
Araeaj encalas.
O vapor Parahyba, commandante Martins, se-
guir para os porlos indicados no dia 14 do cor-
rente as o horas. Beceber carga at o dia 13 : en-
commendas, passageiros a diaheiro a frete at as
2 horas da tarde do dia di sahida ; escriptorio no
Forte do Mallos a. 1.
1,750 acawes aY Companhia Periiam-
bncana.
Sexta-feira 16 dedezernbro as li horas, a
porta da AssociagSo Commercal.
O agente Pinto levar novameote a leilao 1,750
accoes da Companhia Peruambucana pertencentes
a masa fallida de Rostron Beoker & C, as 11 ho-
ras do dia 16 do corrate em frente a Assuciacao
Commercial.
LEILAO
- DE
Depo- i o re pao, bolacha e gneros da
roa da Lingoeta n. ti.
Sabbado 17 do corrente.
O agente Pialo far leilao por coala da quem
pertencer da armaco e gneros do deposito da
ra da Lingoeta o. 6, s II horas do dia cima di-
to oa referido eslabclecimento.
LEILAO
DK
16 mcia-aguas de pedra e cal na rua
do Cuiuufo ii. 1 A.
Sabbado 17 do corrente.
O agente Postana b-galmente autorisado por seu
doao far leilfio de 16 metas aguas multo bem adi-
licadas de pedra e cal n. 1 a 16 sitas na rua do
Camaro n. 5 A : sabbado 16 da cerrente pelas II
horas da manha junto a Assaciaco Commorcial,
qualquer dcllas tem sala, alcova e cosiha. Os Srs.
preteudenles podem com antecedencia examiaa-las
o o agente acha-se prompto a qualquer esclarec
ment.
Fabrica de sabo da rua Im-
perial e todos seus pertences
Segunda-feira 1!) de dezembro.
O agente Puto fara leilao requerimento do ad-
miuistradarda massa fallida de llosiran ltaaker k\
C. e por mandado do lllm. Sr. r. jaiz especial do
commercio, da edificio e mais objecios da fabrica
de sabo da rua Imperial, assim ramo levar a ne-
vo leilao a~ objeclos pertencentes a mesma massa
expostos em leilao do dia o, servinde de base os
precos obtidos naquella oceasio, os quaes ser.e
deguilivamante vemlidos e entregues uo leilao da
diaseguada-feira 19 do crrante, na mesma fa-
brica.
Principiar s 10 liaras.
AOS 6:000,000-
Illlhetes garaatldos
A' roa do Crespo n. 23 e casas do costume
O abaixo assiguado vendeu nos seus muito feli-
zes bilholes garantidos da lotera que so acabou
de extrahir peqeflcio do theatro de Santa Isa-
bel, os sejuintes premios:
Um mejo n. 585 com a sorto de 0.00OAOOQ
Dous qaartos n. S021 com a sorte de 3:0005000.
1) ius qtartos n. 67 eom a sorte do 8005000.
Quatro quartos n. 32U com a sorte de 400000.
uuiras muitas sortes de 100. V e 205.
Os nossuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
' da Fortuna rua do Crespo n. 23.
Acham-se venda os da quarla parte da de-
. cima lotera a beneficio da matriz da Boa-Vista,
! que se exiralnr no dia 16 do corrale.
Presos.
Bilhetes intuiros..... 75009
Meios. ,...... 35500
Quartos........ 15900
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes ....... 65500
Meios........ 35250
Quartos......, 15700
I_________________Itanod Martins Ftuza
Jos Itaphael Batalha, subdito portuguez, re-
tra-se para fori do imperio.___________________j
Na padaria da rua Direita n. 8i precisa-se
de um caixeiro para taberna na cidada da Vic-
toria._____________________________________
Precisase de urna ama para casa de peque_
na familia, prefere-se escrava, que cozinhe e com
pre na rua : a tratar na rua de Santo Amaro uu
cero 14.___________________________________
Aluga-se a cas a. 6 na rua dos Coeihos cem
boas commodos para familia : a tratar na rua da
Mondego, olaria n. 13.________________________|
Precisa-se de um horaem casado para feitor
de um sitio, dando couhecimenta a sua conduca : ;
; pode ir tratar oa rua 4o Mondego n 107, fabrica
| de rap.___________________________________i
tferece-sa un ptimo cozinheiro faeno de seu
presuma precisar, ainuaeie por este Diario para
ser procurada, declarando sua morada. i
Poraeiro.
Precisase de am forneiro : na rua larga do Ro-,
sarie n. U._________________________________i
Aluga-sc a casa terrea na Soledade n. 17 : a \
tratar no pateo do Carmo n. 15.________________
O inno .a Conceea des Militares que tro-
tn o chapea depois da fasta, deixanda am veibo
a levando um aova, tenia a bondede de ir igre-
ja desfazer o engaa, eolendendo-se caa a zelader,
a cuja guarda estavam os chapeo*, dentro do ar-
mario da sacbrisiia. do contrario me verei forrado
a ir busca-w em sua easa._____________________
Caixeiro.
Precisa-se da um menino hbil para caixeiro de
taberna, preferindo-se eom alguma pratiea de ne-
gocia : a tratar ao largo do Terco a. 3-, que se
dir quem precisa.
Casa de edacara.
Jeronymo Pereira Villar transferio o seu esta-
aelecimeato de instraccao primaria e secundaria
para a rua larga do Rosario, sekrado de dous an-
dares n. 2 ; e participa nao s aas Illms. senho-
res, pais de seas alumnos, camo ao respeitavel
publico, que as aulas estarao abertas no dia 8 de
Janeiro do aneo viadeuro de 18j.
Precisa-se do urna ama para comprar a co-
zinhar para ama pessoa : no neceo do Lobato n
1, a entrada a esquerda.
IrraaHoade do Nossa Srnaara da Conceiro des
liilitares.
O nosso irmo presidente manda convidar a to-
das as ruiaes para reuniremsa no respectivo
consistoria as 4 horas da tarde da 15 do corrente,
e em sesse de mesa geral eleger-so os memhros
que leem de reger na futura anao de 1865, con-
tarme os estatuas.O secretario,
Luiz Jeronymo Ignacio dos Santos.
'wssm
Precisase de um caixeiro para taberna ; na rua
fia Rosario Largan. 18.
>lnga-sc a casa terreiT~da ruado Jasmim,
com 2 quartos, cozinha, quintal e cacimba, pelo
commodo prejo de 1.5 mensaes : na rua do Pe-
res n. 64. ^^ _______
NoPasseio Publico, loja n II, ha para alu-
gar um moleque de 16 annos. ____________
J. D. S. Santos vai ao Rio de Janeiro.____
Vendem-se quatro ornamentos com os seus
pertences para celebrar missas, de damasco por-
tuguez, todos no vos, sendo de duas cores, branco e
encarnado, rxo e verde, por prego commodo na
casa do sachristo da ordem terceira de S. Fran-
cisco.______________________________________
Casa na rua dos Prazeres
Alnga-se por 165000 a de n. 1 B, sita em dita
na. bairro da Boa-Vista : a tratar na rua estreita
do Rosario n. 28.
--"
AVISOS PIVEESQS.
O padre Felii Brrelo da Va6coneellos tem
aborto um corso particular de latiu durante as
ferias, em sua casa na rua do Imperador n. 35,
prlmeiro andar, somenle para a clas*e dos senho-
res estudantes provectos que -se quizerem prepa-
rar para fazerem seus exames em margo do anno
vindouro.
LEIL8ES.
LEILAO
DK
9 4 barrls de viali de Collares
' MOJE
Por con* risco de quem pertencer o agenle
Pesuna far leillo de 24 barra com vnno de Col
lares em um ou mais lotes, assegura-se a raelhor
jualidade a. ter lugar o leilao ^uaru-eara 14 do
correnn pelas 10 horas da maohaa, _a p_ru dui
Auncs-defronte da alfandega.
5i
Aos 0:0110-0110.
Corre depois d amanlia.
Se_ia-f_ir l. da corrente mez, seex-
trahir a quarta parte da decima lotera
(l(V) a beneficio da matriz da Boa-Vista,
no consistorio da groja de Nossa Senliora
do Rosario da freguezia de Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se
renda na respectiva thesoararia rua do
Crespo n. 15.
Os premios de 6:000 sero pagos urna hora depois da extraccao
at s 4 oras da tarde, e os outros no dia
seguate depois da distribuidlo das listas.
O thesoureiro,
_______Antonio Jos Rodrigues de Sonza.
Milita attengao,
Emfim descobrio-se nao s o autor .do furto de
am relogio e corrente, ambos de miro, subtrahidos
da noite de >9 do prximo passado mez, de urna
casa da rua larga di Rosario, senao tambem o lu-
gar onde est e a pessa em cujo poder so acha.
Como se quer anda poopar um desgosto ao an-
nunciante e urna vergonha ao r. previne-
se-o e roga-se-lhe que ludo se conclna son o in-
cgnito; podendo elle, caso nao nos queira obrlgar
a procedimemo olteripr e mesmo criminal, entre-
gar ludo por intermedio de um terceiro por exam-
plo, era a loja do Sr. Antonio Augusto dos Santos
Porto Por nra o conselho anda de .amara-
da 1J1
Cou-pat-hia de reboque \ igl-
laate.
A companhia prerisa contratar o fornecimento
de carvao de pedra para o vapor Cimarngibc. para
o trimestre do 1* de Janeiro at I de abril de 1865,
' propostas em cartas fechadas, entregam-se at o
i dia 20 do corrente mez ao nieio dia na gerencia
! rua do trapiche b. 18 esciiptorio de Rolhe & B-
[doulac^___________________________________
. Quea precisar de ama ama portu^ueza para
casa de familia, dirija-se ao becco dos Ferreiros,
na Boa-Vista, ao porio que lica defronte da casa
do Sr. Jos Alves Lima, que achara com quem
tratar.______________
Preeisa-se de um amassader que saiba bem
desempenXsr o seu lugar : na pad&lia da Deiris,
rua da lmpealnz a._______________________
"^"Alogu-se a casa terrea da rua Imperial u.
79 S a tratar na taberna da rua do Rangel n 7.
Cozinheiro t copeiro.
Precisase de um cozinheiro e ara eopoiro : no
hotel Trovador, rua larga do Rosario n. 44. Tam-
bem precisa-se de um negro para todo o servico,
paga-se bem.______________________________
O Sr. Antonio Jos Marques, que mo-
rou na rua do Padre Floriano n. 41, queira
vir a prara da Independencia ns. 6 e 8
negocio de seuinteresse._________________
Precisa-se alugar urna ama para ^engommar
e cozinhar, e que pr*a-a a comprar : na rua do
Caldeireiro n. 12.
Precisa-se
numero 69.
de
Padaria.
um amassador
na roa Direita
Precisa-so de urna raulher para servigas de
ama casa de homem viuto sem nios; am Santa
Amaro junta a fundgao? taberna do Sr. Reg, se
indicar quem precisa._______________________
DECLARAC/VO
O abaixo asslgoado com casa de relojoeiro na
roa do Raagel n. 17, faz ver ao respeitavel publi-
co que nao pretende passar, como alguem tem in-
ventado, a sua casa a ojulra pessoa, inyengao essa
que tem por fin nico deseonceitua-fo perante o
publico e perante seus amJgoa a freguezes; ao
contrario pretende nao s continuar com a mesma
casa como abrir outra de difireme profissao a de
i socledade com pessoa para, no habilitada. Por-
i tanto, qual juer cousa que alguem espalhe, a nao
' ser o que o abaixo assignado declara, ser reputa-
do como falso e conhecido o seu inventor como
um vil calumniador. Com esla deelaracao tem o
abaixo assignado prevenido qualquer jizo teme-
rario que por ventura dalle possara fazer, restan-
do acrescentar que o respeitavel publico encontra-
lo-ha sempre disposto a bem servir relativamente
a sua profissao
,___________ Fernando Garzoli.
Ama deleite.
Precisa-so de ama ama d< leiia pira criar urna
manca : na rua da Sanzala Valha n. 140, Uicei-
re auilir. .
INJECTION BROU
perfumara medica hygienicaA.
De J.-P. LAROZE, qumico, pharmaceutico de la Escola especial de Pars.
Istf producios si* o resullitlo da aplicarm das leis da bjgieae i perfumara, que se ergac e
tonuse pbarmacia da belleza, encarrgaJ do provvr a hygiena da pelle, doa cabeUos, dos deules,
rgies tas importantes; cutio evita e dealro as causal das doemas qn_ sua irman mais velba,
i aharmaeia propriamenle chamada, tem que curar.
ailIlHUCIO par. curar imcdialemenle as
deres ou raivai de deules; o vidro t fr. _>
ros D-N'i'irmaios con db rosa com base do
-linni i, para braa.Kier e co_terr as dtnles ;
_3ro .".........I h.
OPIATO MMTU-1GI0 par* fortificar as gengiva
avilar as uevralgias dentarias; o pote 1 fr. Sd
CURATIVO BTTAB10 para iraur os dpatei
cariadas aau do clturabamento, avilar os ab-
cit doras; o vidro esv o iDitriuuaaio k fr.
AOOA IXUCO-ERMIHA, para cuoiervur a frescura
a as fuoc(0es da pella ; o vidro 3 fr.
SPIIUTO DB AB1- mcnriQADO, complemenl.<
doatoiodaboocadesaolade comer; vidro 1 fr. 2j
ABAO __ITreai_BBl_-A_,dcvok'.i,a:n.nJoi
M>ar|a, bauquet, pa.......1 fr.
CBKMB SABAO LEMITIVO MEDIOINAL de
Jemas da ovo., para avilar as tandas, lucirs c
seseas de pella, do violeta, de bauquet; o po 2 fr.
dflEMB DB tABAO LENITIVa MBD1CINAL ca
pa. Ella 4 aapeeiai para a barba, o aceto das
aeahoras ada-crianca, vidro.....2 fr.
OLEO -a AVE-A -BurUMADO para remadiar a
duren des cabellos e a sua atona, o vidro. t fr.
VIMAGUB DB TOILETTE SUPERIOR pela sua
auavidada a aua aoceo refrescauta, a vidro. i fr.
COLD OBEAM SIBMOR para conservar a pulli
clara, frasca, a diaphaaa, o avilar as mos cITmtes
do uso das cores, o pele......I ir 58
ASOA DE COLOOBA SUPERIOR, cem OU sem
mbar; permanencia de seu perfume o faz bascar
para o locador, banhos gerues e lecaes, o vidro 1 fr.
PASTH.HAS OIUBMTAES do Dr. Paul Ciernen!,
[ara tirar a chairo do tabaco e para modificar os
ailitos fortes; 1 a 2 fr. a caisa.
AOUA DB PLOitBS DB ALPAZEMA, cosmtico
bascado para tirar as coaiicboes, fortifuar a re-
frescar cortos orgSos, a vidro.....1 fr. 2
ESPIRITO DB HORTET.AH SUPERFINO. ENe O
apartcieoamento indispeosavel do aceio da bocea
depois de comer, o vidro......1 fr. 25
POMADA CONSERVADORA da quinina pura
' para forlilcar os cabeMos, os embctlezar a evitar
o encanecimeBlo prematuro, o pote.. i fr.
AGUA LUSTRA- pata conservar a ombellazar os
caballos, a fortificar suas raizas, o vidro. S fr.
D.posilos em cada cldade, em caza dos pharmaceuticos, perfumistas, caballairalros, Negociantes de
modas e de faiendas. Varejo : Puarhaxca lt-BOU, ru >'euve-des-l'etiu-Cliainp, 26.
Expe-ifoes: em caa de J.-P. Laroze, rae das Lions-Saint-Paul, n'2, em Pars.
Itna fio Imperador n. 38. botica francesa.
XAROPE
DE CASCAS de L ARAN JAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimico,
(aaaa-CBOTico da escola superior o par.
" Sste xarope, regiilarisando as fnnegoes do estomago e nicsiinos, dostroc cssas
indisposigoes proteiformcs, c faz abortar as molestias de que sao indicios precurso-
res. Mdicos o deciites tem reconhecido que restahelece as indigestos, fazendo
desapparecer os pesos de estomago, que calma as enxaquecas, espasmos, e caimbras,
que sao resultado de digesles penosas. Seu gosto agradavel c a facilidade com que
se suporta, o tem feito adoptar como especifico ini'allivel das docncas nervosa*,
gastritis, gastralgias, clicas de estomago e de tntranhas, palpitacoes, dores de
coraco, vmitos turvosos; sua aeco sobre as funecocs assimiladoras tal, que os
mdicos mais Ilustres o lem adoptado por rcscipicnle real dos dous primeiros
agentes thcrape_licos: o lodureto de Potassa e o Proto-Iodureto de ferro, lendo
observado que dcbaixo de sua inlluencia, o primeiro perde sua acc_o irritante, e o
segundo seu effeito adstringente.
XAROPE DEPURATIVO
De cascas de laranjas amargas com Ie-
dureto da potassa.
0 iodurcto de poiassa, administrado em
soluc.ao ou debaixo da forma solida, causa ao
doentc urna grande repugnancia, ou determina
accidentes que o forttto renunciar s esla
medicacio ciiicaz.
Dnido poretc ao Xarope de cascas de laran-
jas, alie nao cansa asm gastralgias, nem per-
lurbacao do estomago e intestinos, e gratas a
este salvaguarda, os tratamentos depurativos
so continuados sen interruptao, as affet-
ces escrofulosas, tuberculosas, cancerosas e
as secundarias terciarias, mesmo rcuma-
thismaes, aas quaes elle o mais seguro espe-
cifico. A dote esta definida de tal maneira
que o medico pode varial-a a sua vontade:
O frasee: 4 fr. 50 e.
r
XAROPE FERRUGINOSO
Da cascas da laranjas amargas com
proto-ioureto de ferro.
A associacio _0 sa| ferro ao Xarope de cas-
cas de laranjas i tamo mais racional quanto
que este xarope, empregado s, para estimu-
lar o apetite, activa a sccrooio do sueco g-
strico, e por fin rcgularisa as fuaeces abde
minaes, neutraliza os mos effeilos dos ferru-
ginosos a dos toduretos (peso da eabeea, jiri
sao d ventre, dores epigstricas) am quanto
que facilita sua absorpcio. Dissolvido no
Xarope, elle se toma e se supporta fcilmente,
por achar-se no estado puro mais assimilavel;
e assim pode cotitinuar-se a cura da palltdez,
corriinentos brancos, anemia, affeci,Ses escro-
fulosas e racbitismo:
O frasco: 4 fr. 50 c.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE esto sempre em frascos especiaes
(nunca em mcias garrafas nem em frascos redondos). Expediy'es: em casa
J.-P. LAROZE, ru des Lions-Saint-Paul, 2, Paris.
Rua lio lni|)'i;iiorii. li. oiaa ir_uc_za.
w_:isH?ilf_.l-|s=|'g.s"_i||f
Kisl!'l a = 5&lfi
$ i S Z 3 =- L v, >- S s "
- -S in_ -.
Ea-8
CC3
_

00
c
t_
00
2.
5'
ce
_
CJ!
O
=o td
5= yi'3S-
- -', ;
M 5 .-.-I

B- _if|!_: Ij ?sag
M
5" i.tyl a. ? 3
Bf

Vcnde-se na rua do Imperador botica franceza n. 38.
&b UMA GRANDE LIQUIDACAO
Kxccllc_:tisli-as senheras
k loja da rua do Crespo n. 17, de J> Gomes Villar.
Rcceheu do sua eneommenda vindo de Paris, as melhores faiendas que tem -indo
a esta provincia.
Corirs de blonde completamente preparados com Capella e Dores etc., etc. propnos
para casamentes.
Cortes de mcreanlique para noiva, mantas e capellas proprias para noiva, baloes de
todas as qnalidadcs para senhoras, ricos cortes de seda prela de cores e moreantique pre-
to, grosdeoaples preto e de cores, cami.-as de rambraia bordadas para senhoras.
Chapeos depalha para senliora assim como para menina o que tem vindo de me-
llior, peites bordados para camisas de homem, cassas de tures, orgrqdys de lindas caesr,
(lulas de todas as qualidadrs.
Capas pretas de gorgurao importantissimas, siutembsrqucs pretos, assim como de
cores o mt'lhor, casacSes. pelerinas, pellives etc., etc., casaveques cumpridos de grs pre-
tos e de gorgurao, fazendas importantissinias.
r__a___. ^-^^% '\__'_e_r ".fetSbcr
I A-, rotada par rmrias Atrntimi. i
sammidadn mtUta.
O nur i tcn^iciij ''ni j-r-l _> nu k.-:a al4i_
.tfsffuadas c a o!a^,!i.ii -o do s.m-, iw ,-i_
: parli. do corpa, j qiulcpriKli ;.: ,.
( nii-iilu< mullasuili.:aa_Bhral mor jr .o-_-
'n fUrrain.rriniuu, I. i-. Parotfai I
fdoa mnorat, 1'mri 'iIum ki
tKtmaa incluida*, ti om Strwam s
O tM i r-om UECnO-MUtCN.
TICA U_ imci-i <.Ttopa;.i a rtiti dr fi il m
<_!asaiHlr--_a. -_> riTwrrrr .--Iiwij BBN
irn Yvtqin. Kil.i lili BMB fi-BM mi _.
t' piodi.r. I \Hiii-iii* iTr i^ui'iM o'ctlj j, w mal*
t-;. i- el'mts reskMhs S. n mpr. o pnp_i j
d.is malesli.- arinw, Pju mtmmtaMmtamitamWsim
SIli-lC-SL' .1 UU IC'J l|ll< J' C>H,l|l:il,kl i -_ _SCM_,
Deposito Cehs_
Bottteemrt d* Prima*Bstp .. II, Par,-..
\
VeO-e-se n;i na do ImfMT.idor ioti.-a
fraiiiT/.a n. :W.
Precisas.' lar a-.iir.a< da f.ut.lia 4
Alonso de Alruiquarqua, fn tp Mk
Braca de suida lo ou i* rasmeal< rav.li.r As
curie : a fallar com o rpita l'iirtrK, cmmn-
_aule da aunipaahia da rafallaria.
Piecisa-se alugar um rerav. prrUt que *tyx
rahosto e deseinliaraeado, para srrtir.) Iea o/m
nao prejudica a saude, da .-o-llie r.-MJa a ^a/a
mensalmenle secundo o i|ue M < niennerar : n
rua Direita n. 45, loja.
O abaixo assigoa lo, morador _u pon>a<(>> d*
; (lameleira, lendo alugado urna soa -asa oa tu* da
. e-taciu do m-smo po'oado, ao Portuguef Ant-wi'i
Fernandes Corradaro, ha doo* mei** qoe ** -rka
ella feeliada s--m se >al>er nolieia tu Sr. Cnrreito-/
i ro, que auenioa- 1 do procurado sera que te saiba de tu moraata.
precisando o annuncianta t>mar re. ta tfe sua ea-.
para nella morar; pelo pre-eni. rtiaHM a Sr.
Corredora para lli'a BOlreuar ala o ta I. 4a .
i ranie, depois do que recorrer a picia para ser
ella abena a Ihe Mr entrene, liamelfir.-. d
ezembro de 1AC4.
_______________Roberto B >raes P nheiro.
Madre de Dees 15 de eirabra da Ittt
Ficam encerrados hoja os trahalh < I.titoj _*s-
la aula, e abi r-se-lio da no-a a 7 de j.aetra _
anno *lndoHro de 1865. Os dM-ipala. >p_e l_*_-
rem muores ferias n.naum direiio lerao a aW
!cont as mensalidades, urna vez .te a>b~ e_a
aula funecionanda dj referido da 7 da janeir aas
diante.
Precsa-< de nm nom trabalhilor de pada-
ria : na rua Imperial a. .;'..
Ama
Precisa-se de urna ama para andar eom om me-
nino, e outra para engomaudo na rua da ie-~f
co n. 38.
Precisa-sa da urna mulher para as >ariM
de urna casa de pouca familia : na roa da Cadeia
1 do Recife n. 31 jf dir quera preci-a. ^_^^^
Precisa-se alugar una escrava qae -aib. em-
' jommar, lavar e coer, que t-ja forte tak>-ni
; um ranoeiro q e leja forro ou captim do Sr. ('.ambrolle cm Sanio Amaro.
Pcrdeu-se na dia da crrante nsmm'p*'
letot rom urna carteira conieod i Uriius pat-n-,
sendo todos eseriplos pin ingtez : \>"t sm) pida ae
a pessoa que laes ehjartoi hImm I M queira a
tragar, e por di' nada Ihe servirero, o- lear a rua
do Trapiche n. -X que se. grati ira a. e
rendo qae se saiba haja de botar por haiv da
; puna qae se me ncara Dorig-OO.
Aluga-se a-casa larrea n. 4i la rua d.t M_-
irii da Boa-Viva : a miar CM da U-dra <
Dos n. 16.________________________^^^^^
Cai_.cirt>.
Prerisa-se de um caxeiro que te il i raliea kaa-
tantede moldados: a tratar na rua _; Hidra de
Deas, armizein n. 18.
Precisa-se de urna ama e >zmhira. lirre an
[ escrava : a tratar _a rua larga do I ma a. '<.
primeiro andar.
i Preeisa-se alugar um nu mh pfi' -
; service de relinafo : na rua d Rar {.el h. 4 '
Joao Gomes de Amorirn man 'a p.i a C a
i sau li lio menor Manuel Ginralv toases 1m Aj_>-
[ rim, subdito brasilejro.__________________
Joao Lorie!, subdito Iranr-z, unX> rhegad
i no brigue linda. Irah.nlhando | neiro, offerece-se para tomar rr.nta de ifualqajer
silla : a fallar na rua do i'ii.tr n 65. jaNiicaada
que a homem da bem tus seus ne-.'rwfcx.________
Aluga-se urna casa e:nm.d i na hmhS d >
Maateiro : a tratar na rua e-lr,ila do Rosario au
aiero J6.___________;_______________________
Bernardlno Pacheco do Saniitu veanle aa>
publicoe muito principalmente a re pe do commerrie. que venda a sua laberoa a Ka-
noel Fernandes de Faria ; pe. ian H a a^-saa
qae se considerar credor do anntinrianie, devara
apresentar sua reala na dita i.i--rna, Ma a lar-
go do mercado de hortalizas u. 21.
Off-rere-se para admim-.rir eagenho usa
a_o{o com bastante pralca : aajaaj preemr dih-
ja-se a easa de Manoel Antonio G>rreia eus Trata-
beta.____________________________________
Aluga-se um sobrada de am atinar __
na rua da Calaaonr;e, e ama ota na C-punea mul-
te fresca : a tratar oa travesea da mal'iz de aa>
Antonio d. 8._______________________________
Francisco de Paula Pereira, soViito porta-
guez, vai a Europa.___________________________
Frecisa-se de urna ama forra ou eerava qne
sirva a diario de urna casa e compre a que fur ae-
ressario : na rua da Cadeia Nnv.i n. 37.
Hermenegildo Barbota,
vai para Uuenos-Ayres.
subdito portuguez,
Precisase alugar urna
na roa da Iroperatrlx n. 17.
ama para oozinuar
VlUrla,
Vinho tinto sem confeicoo
SOI IOO Em AWCORET AS HE 9 CAIABAS 30,OO
luico dcposjio ui 'ernambHcoi-ua da i.adea a. i.
Esla n va qualidade de vinho recebida directamente e diversos lavradores de
Torres Novas (provincia da Estremadure) como _ltesta_j os bilnetes do caminho de fer-
ro que trazera os cascos, provando sua origem e procedencia, recommemia-s a todas as
pessoas que queiram ter a certeza de beber viaho puro de uva como o que se bebe nes-
gas trras aoude nao panetiou ainda > ejpirito de falsificarlo. E' preciso que o publico
se convenc de que os vinhos que aqui se importam nao vindo directamente do lavrador
chegam peta maior parte oh quasi tod -s sobrecarregados de preparos nocivos saude
causando bem graves transtornos no nppardo digestivo .
O annunciante offerece a analyse dos professionaessta nova qaalidade de viaho
que expe a venda, e d um- premio de 1:0004 a q.uera descobrir no __esi_o algum cor-
po estranho a naimvza da uva de que feito
N. B. Para evitara falsificado, o annunciante declara que o nico propnetano
e importador deste vinho o qual vende somen.e no seu arraazem da rua da Cadeia do
Reoife n. 1.
Ninguem se engae na arrtuuaiar da ra^.1
da rua Augu.-ia n. 36, annunciada para leilao _
dia 16 do corrente, que perlencendo la a as qom
Ihe Iram contiguas ao ahaixe assignado aa_r_,
nao sejam enllocadas defrante da aialnz aova, sa-
huma transaeco par ora pretende faier cora el-
las e porque nao canstanao date em urna > raa
mai de um numero igual, slmplesmenie fax a
presente declarara o.
Manael Pereira Lerao.
O abade assrgaada faz ver ao respeitavel po-
dlica e com aspacialidada ao carro da eapan
desta cidade qoa u edital pabiieado av f_j/'_> _
doje em rJlac,ao a arremaiajo de oas ipas rum
viuho da Figueira avalladas era 2.10^ rada urna.
s tem per nm injuriar o rnesaan aban asigna-
da, piis apenas deve nma bagatella de f a-ta e
naa de principal como se deprehende do resand
edita!, eujas castas nao moota.- aaai de Oi '
por sorpraza desta ordt-m codera ser aieleCi-
dos os homens de meltior b#a f que arredium
am palavrinhas de certos Impostoras. Asssm, pois.
cara presente fieelarae.io, dea deaaontra.Ja da
quf lade est a boa f. __'_..
' jjs Rtbeiro da Cnah.- Umatarae.
TINTUHAKIA.
O t'ntureiro da rui do R.tngpl n. 38 avi-
s;i aos seus fregueze> qui mudou >ua re-
sidecia para a rua Dire'm n. 116. '>odr
centinua a tingir para qualquer c6r e o
mais liarato possivel.
IN.TECCAO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrlvas
antigs e recentes, nico deposito bo-
ka francza, rua
C0 3*
da Cruz a. _
\



alarlo de Fcnaia^ue Quarta felra 14 e Dezeaibro 4e 184.
Salsa parrilha de Ayer
PARA A CURA DA
c todas as molestias
provenientes dekla
todas as molestias
pelle
ehfrTsfpflls, tomorts, ulceras,
sanas,
misadas, empingens,
REUMATISMO
Si .'fEBI.IS
Saude dada a todo o inundo.
Pelos preciosos medicamento dos Srs. (ii imaolt 1
C, hariuaceulieos de S. A. I. o principe Na-
poleo, rna de la Fetillade 7 em Pars.
Porque es Srs. medico* e o publico usam de pre-
ferencia dos medicamentos especiaes dos Srs. Gri-
mault & C, pharmaceuiieos em Paris, com os quaes
elles tem sernpre oblido as curas as mais extraor-
dinarias T
1> Porque esta casa sendo sera contradila a j
da mais imporunte de Pars, lionrada com a clientella
i de urna parte da corte, patenteada por S. A. I. o
j principe Napoleao s veide.produclos de urna efltt-
cacia rerenhecida.
2.* Porque esses medicamentos representam as
mais recentes conquistas da medicina e da chi-
mira.
| Coinpauhia fldeildadc de
m seguros martimos e ter-
restres estabeleelda no
H Rio de Janeiro.
JH AGENTES EM PEPNAMBUCO
S Antonio Luii de liveira .heredo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
Sde, tomam seguros de navios, mercado- |
ras e predios no seu escriptorio ra da J
Cruz n .i.
wmm mam mWnmmm m
THESOURO DAS MAIS
Providencia das enancas, m
Qucm liver um molegue de 14 a 16 annos
para alugar, dirlja-se a ra da Cadeia n. 35, pri-
meiro andar. ,
Ainda est para ser vendido o sjlie da tra-
vesa do Remedio na freguezia dos Atogados n.
21 : quem o pretender, irija-se a ra de S. Fran-
cisco, sobrado n. 10.
3 Porque tem todos um gosto agradavel, satis- ) O i Wi IRRfi
fazem a vista, e potan ser administrados sem pe-.
ROERM
| rigo; tanto as criancas cerno as pessoas adultas! Sa^JE"1*"*
em todas as shhs formas, assirn como todo medios inglezes e'americanos, preDantdn tarl! COLLARES ANODINOS DE DENTlCAo'l
0 mal que provm do USO exce:SVO do dustriaes estranhos, tanto a medicina como a phar- \ Contra as convuises e para facilitar a'
MERCURIO macia, dos quaes nao tem nem a sclncia nem os i denticao das criancas preparados e inventa-
rbnr ii"i,. ,1 ilnuln litlos. dos par llover, pliarmaceutico da esco-
i < i ., ao uo ug.iuo 5. Porque csles me(icameiitns so se app|jcam a la superior de Paris, successor (Je Chereau,
l OS males que tem Sua um numero limitado da doencas, e nao as curam membro da academia de medicina,
L\ Iliisir;iilii;i de Alhcrl iiuleu\
Ra da Cruz n. 46.
RECIFE.
Esteestabelecimcntoantigo e muilo co-
nhecido nesla prar* tendo sido por falta
deempregados na obngacao de restrin-
gir os reas trdbalnos duranic alguns me-
zes, adiase agora em estado de ejecu-
tar as trahalhos os mais delicados que
se podem fazer em chapa depedra, assirn
comecartes de visita com o retrato da
pessoa {muito em oso na corte) toda
classe de desenhes, mappas gcographicos I
e qualquer trabalho relativo aocommercio j
bera executado e por precos razoaveis.
origem na
IMPUREZA DO SANGUE
um alterante poderoso para a
RENDVAUO DO SANGUE
e para dar nova forca e vigor ao corpo j
enfraquecido pela doenca.
Vende-se na ra Direita ns. ii e 76 e
Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambueo:
na pharmacia franceza de
P.MAURER & C.
___________RA NOVA N. 18._________
Consultorio medico-chiruryieo na rui larga do Ro-
sario n. 20.
O Dr. Joao Ferreira da Silva regressando sua
casa, conliua em o exercicio de sua profisse,
nao s na parte medica como tambera na chirur-
gica.
todas, corno os remedios de que aeabamos de fal- amiga casa de Bouillon Lagrange, pharmaceutico
lar ; emfim cada producto leui sua applicaciio par- i do imperador,
ticular. j chefe dos trabalhos cbimicos da escola po-
Por isso pensamos prestar um servico a todo o lytechnica, director da escola de pharmacia de
mundo, indicando aqu as importantes proprieda- Pars, e membro da academia imperial
des dos principaos medicamentos dos Srs. Gri-! de medicina,
mault & C. Estes collares vendem-se nicamente oa loja do
Xarope de ralfort lodado. iGa"0 Vigilante ra do Crespo n. 7
Empregado com successo certo em lugar do oleo
l ttencao
COIPA.AHIA
FOLHIXHAft
hira 1865
Aehara-se venda na livraria ns. G e 8
da praca da Independencia :
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
kalendario civil e eclesistico, tabellas de
feriados, de emolumentos dos tribunaes
do commerclo etc. a 100 rs.
A FOLIILNHA DE ALGIBEIRA cootendo o
mesmo que aquella e mais urna nova'
Salve Rainlia em verso,0 Stabat Mater em' A Aguia Branca ante* me-mo de ser roadWora-
verso, devocao ao aaonisante, coraco de da c<"" P0?050 ",ul de doradura, rofrrdo
Jesus ranlici> i>m Innunr Ar> iinticimn Pelo gabinete do intrpido e gil Balita, maaoViu
S'. emlOUVOr do SantlSSimo ver o grande sortimento de objeelee de gesto que
Rosario, cntico a Virgem Mana Nossa agora acaba de receber e np6 lo a apr.ria.io de
Senhora, trulla e tres chistosas anedoctas. sua boa freguezia no uomeru da qual cuot/mpta o
um indito poema sobre as aventuras de "!an,e.e P* 7"e *"? ""s*-1' i abrirn-
um co-iolieiro o canto de urna sol.eira. JK ^S ^tff^S'" Km"
- Eis o que ha d- bom :
ra do (Jutimado n. H
Grande sortimente de objec-
tos de gosto.
(poesa), crescido numero de mximas e
pensamentos, urna historia como muilas
Tomancoj, e vinte e cinco novas e pi-
Ihericas charadas a 320 rs.
Vende se eaixes vazios proprios
Q.^ ir SS tt.'1'j para balinteiros e funilciros a 1$760
begurOS Martimos Utlllda- rada un; esli tvDosraohia.
de Publica
chegado nova loja de
A
miudezas
de Manotl
A direccaodesta companhia paga ol* dividen-
do a razao de 285 por accao, no escriptorio da
mesma, ra da Cadeia n. 42, todos os dias uteis
das 10 as 4 horas da tarde.
Becife 9 de dezembro de 1864.
Os directores
Feliciano Jos Gomes.
_ __________Domingos Rodrigues de Andradc
Prer.isa-se de um criado forro cu captivo pa-
ra o servico interno e externo do gvmuasio pro-
vincial.
de flgado de bacalho, tao desagradavel, to difD-
cil a digerir. E' o especifico e mais certo contra
as escrophulas, o lympliatismo, a moleza das car-
nes, os humores das enancas, a papeira, os rheu-
matismos, o escorbuto, as affec^oes da pelle, as I
molestias do peito. Joaqun Dias& C, ra da Imaeratriz n. 78, que
Todos os mdicos de Paris o empregam como o tem o lampi.o na segunda porta, pop baixo do Sr.
depurativo o mais poderoso, e o recommendam em Dr. Pitauga, um completo sortimento de objeclos
todos os casos que precisa-se corrigir a acrimonia de goslo para senhora, como bem : ricas n" velas
do sangue, e dar-lhe todos os principios vitaes que de tartaruga para sintos, ditas douradas cravadas i ruc orande ra<;,rad
pardeo, seja pelos excessos, pelas affec.oes lym. joo podnnhaa^pedae a^oeto, enfeites a in-1 ^ Pe"querd"oS beUde "e pouco oT'nadT v
Sf rP""T moderno ditos a prince- pe|0 dito olho, tem um callo velho no espinhaco,:
*&E?2E!fl 2^ri2!f *St0> mui k&* em <\ W urna bexiga, levou o topete cr-
del.cado propriamene para alar cabello, volus a; Udo rente carrega baixo, c tem estampado no
^fflHW
Ao amanhecer do da 20 de outubro do cor
rente anno de 1864, furtaram do cercado do en-
genho Aldea, da freguezia do Bio Formoso um
quarto de carga do mesmo engenho, o qual
D'IODURETO DUPLO
de FERROeQUININA
i$&mm*%
phaticas, escrophulosas, e venreas.
Xarope de quina vei-nielha fer-
rogluoso.
VKHM ||--u D: ~ Vn* W 'II. ,. ------ MWI ll-IIIC, LrilICKcl UclIAU, U ICIII CMdlllUctUU HU
Ouassociacao dos dous poderosos remedios da ""'* ?? 0rm;,';, brilh(anle ^ue fe Pod ^^', em ladodireito da anca o ferro do engenho em lettras
materia medica que sao : o ferro um dos princl- gst0' Pulseiras de co'as de noves gostos para se-1 maiusculas como aqui se v ALDEA-. Adver-
paes elementos de bosso sangue e a quina que o ?hsras f me"'nas>um completo sortimento de fitas
tnico e o febrfugo por excellencia. Il'a? lavradas mais. moderno que se pode en-
Este delicioso medicamento agradavel ao paladar 2?1" 8?t0 para sm,os' s1n(, de 2 a b ded("'
e a vista, tem um resultado admiravcl as flores f aval,nhas de gosto para senhora, e outros mui-
brancas, dores de estomago, falta de appetite, po- ,os 0,lectos 1ue. torna eofadonho mencionar e
breza de sangue. Elle sobretodo til as senho- J" s0 c"\a vlsta ?e Pode dar a dvida atten?o
ras e as mocas delicadas, para desenvolver e re- ". mandando caixeirosem casa com alguns dos
gularisar a mensiruaco e suspender os effellos ol)Jtos mencionados.______________________
perniciosos das flores brancas, que sao a causa de Na pra^a da Independencia, loja de ounves
tantas doencas. Elle soberano depois das con- n. 33, compramse obras de ouro e prata, e pedras
valecencias de molestias graves, elle o reparador preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
das forcas e da saude para os doentes enfraqueci-1 commenda, e todo e qualquer cencerto.
dos pelo trabalho, os excessos, as affeccoes escro- i ~Pre~csa-se deTma
Para
a festa.
Aluga-se um sitio na ra do Cabral da ci-
dade de Olinda, com casa tqrrea, com co-
piar na frente, bota os fundos para a estra
da e margem do rfo Reberibe, com com-
modos para familia, estribara para cavallo
e capim para sustenta-los. arvoredos de
fructos, sem visinho defronte nem pelo
fun lo, com ptimos passeios, sala e gabi-
nete na frente, muito propria para passar a
festa, e tambem se alujar poranno : a fal-
lar no Recife, na livraria n. 6 e 8 da praca
da Independencia, e em Olinda na casa con-
tigua com o capitao Antonio Bernardo Fer-
reira.
ATTENCSO.
Aiugasee sitie dos urilis com c machinisme
da lavagem de ronp.i, em perfeito ostade, e tam-
bem se ta iT.'.-a : a tratar na ra do Rangel n. 4.
Precisa-se de urna ama para cozinhare mais
servicos de casa de una pessoa ; no boceo do Lo-
bato n. 3, sobrado a direita.
Precisa-se de um eaixeiro de 14 a 16 annos
de 'lailr, r. i/iie looha .il^nuid picica de uiulbailuij
na roa do Imperador n. 83.
Aluga-se o sobrado n. 26 da ra da Matriz da
Boa-Vista : a tratar nos Coelbes, ra los Prazeres
numero 10
Aluga-se a casa com sola no largo do Pilar
n. 10. e outra na travessa do Tambi n. 2i : quem
pretender, dirija-se a ra da Queimad, loja a. 13,
ou no largo da Soledade, sobrado n. 48.
Amo, Precisa-se de una aim de Icile sen filhos : a
tratar na ra de Imperador a. oi.
Joao da Silva Ramos, medico pela b'ni
versidade de Coimbra, da consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
ero suas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccorridos em qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Tem sua casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodes apropriados e nella pra-
tica qualquer operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3A000 diarios.
Segunda dita.... 24500 >
Terceira dita.... 2006
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianca de que sern-
pre tem gozado.
Ka ni i estreila de Rosario a. 34
phulosas ou veoereas.
As mais de familia acharao nesle xarope um me-
dicamento sem igual, para fortificar e desenvolver
o systema osseo das criancas e os preservar das
affeccoes escrophulosas.
Elixir digestivo de pepsina.
Delicioso licor que oceupa o primeiro lugar en-
tre as novas conquistas da scieneia, a pepsina pos-
sue com effeito a propriedade importante de fazer
digerir os alimento quasi sem soccorro do esto-
mago, o remedio soberano das gastrites, gastral-
gias, das nflaminages do estomago, dos ligados e
dos intestinos. Elle supprime os gatos, as nauseas,
as piluites, o desgosto dos alimentos, e presta prin-
cipalmente um imrnenso servico as senhoras n'uma
posleo ioteressanle da qual supprime os vmitos.
As pessoas que padecem de cancro no estoma-
go ou nos intestinos, verao sua vida prolongada
pelo uso do elixir de pepsina, e os velhos e conva-
lecentes o sustento de su saude e o reparador de
suas furcas; porque com urna boa digesto sempre
se gosa de boa saude.
Xarope peitoral de H. Iorge.
Novo especilico, sem opio, reconhecido como o
melhor medicamento para curar a tosse. defluxo,
catarrho, grippa, irrilacao do peito, anginas, dores
de garganta, coqueluxa, etc.
Este delicioso xaropo popular em toda a Franca
foi descoberto pelos monges da abbadia de S. Jor-
ge, noAnjou, e actualmente preparado pelos Srs.
rimault & C, nicos propietarios da verdadeira
receita. Recommenda-se aos doentes que usem ao
mesmo tempo das deliciosas pasthas peitoraes ao
bucoe iic iliface de louretro-cereja dos Srs. (iri-
mault t (]., este excellente remedio composto
eom as duas substancias as mais calmantes e ao
mesmo lempo as mais inoflensivas da materia me-
dica, e nao conten opio.
Injeceo e capsulas matico.
Estes dous productos que constituem a mais re-
cente e a mais importante mediacao para curar os
corrimentos e as molestias veneraos do homem o
da mulher, sao exclusivamente vegelaes nao con-
lm mercurio, e sao pieparados com as folhas do
malico arvore do Perou. Nao ha molestia conta-
giosa antiga ou recente que resista ao uso desses
dous meios. Sua rapidez de aegao
: familia
aadar.
ama para casa de pouca
no pateo do Livramento n. 20, segundo
COLEGIO DE
JOAQUN.
is deste cilegio func<
S. I
As aulas deste ciTlegio funecionam du-
rante as ferias e tem principio no 1 de
dezembro : os Srs. que pretenderem fa-
zer seu exame em marco dirjjam-se ao
mesmo collegio a inscrever-se no livro
de matricula, assim come encontrarlo
urna lista com os nomes dos Srs. lentes,
e as horas em que devem funecionar as
aulas.
Precisa-se de um cosinheiro escravo e pa-
ga-se bem agradando : na ra da Madre de Dos
n. 36, primeiro andar, das 8 as 2 horas da tarde.
Est ainda para alugar urna casa na ilha de
Bemhca junto a ponte da Passagem, com commo-
dos [iara familia, banho, pintada, e pelo barato
aluguel de 1505 por anno : na ra larga do Ro-
sario n. 36 se dir quem aluga.
te-se que os cavailos assim ferrados, nao sao tro-
cados nem vendidos, e os que forem encontrados
som ser servico do mesmo engenho sao fua-
dos, e devem ser apprehendidos; portanto roga-
se s autoridades polieiaes, e mesmo qualquer
pessoa do povo, que sendo encontrado ditos ca-
vailos sejam apprehendidos e remeltidos ao admi-
nistrador daquelle engenho ou ao abaixo assigna-
do proprietario do mesmo engenho, que reside na
cidade do Recife, ra do Hospicio n. 50. Cidade
do Recife, 26 de outubro de 1864.Caetano Jos
da MI va Santiago.
' F0G0DOAR
No armazem da bola amarella no oito da se-
cretaria da polica, recebem-se encommendas de
fogo do ar para dentro e fora da proviucia.
A aguia branca recebou luvas de pellica.
Precisa-se alugar urna cosinheira escrava ou
torra : n ra da Madre de Dos o, 36.
m-mmmmmmm
Os elementos que compoem esta preparacio, o
ferro, o iode e a quina, a collocAo no primeiro
grao das preparacocs ferruginosas. Basta attestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
laes, e os relalorios dos prcticos mais eminentes,
que confirmro sua poderosa elicacidade as
seguintes affeccoes:
cuimlurrnf de ton-
ga* molcallan.
Moll-.ltll I ITIOflllO-
.
rapclra.
ObHlrucca* 4mm ln
lili.
Huiiiiiri-* frisa,
liumorra braaeea.
narhltlame.
Atreruem ranrrraim
ajrahllltlcaa.
Felire typholdon.
Varile, Ce, etc.
DE PARS
19Rna Nova-19
Frederico Gautier, cirurgiao dentist i,
faz todas as operacoes de sua arte, e enl-
loca dentes artificiaos, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentificio.
Antonio Luiz de Oliveira
vedo A C
Alenle* de Banco Unio do Porto.
Precisa-se alugar urna prela que saiba coz-
nhar e engommar : na ra da Palma n. 41, ta-
berna.
Um rapaz brasileiro com pralira de eaixeiro
offerece-se para ser empregado em loja de fazen-
das, escriptorio, ou oulro qualquer estabelecimen-
to, dando fiador a sua conducta : quem precisar,
procure na fabrica da Iravessa do Carioca n. 2,
I caes do Ramos.
Aluga-so a loja da ra dos Marlyrios n. 2 :
a tratar na ra do Crespo n. 15.
Vitiva Morcira & Filho sacam sobro Lisboa.
Sahiu luz o quarto numero da Revista du
' Instituto Archeologico e Geographico Pernumbuca-
no, contendo, alm das sessoes do Instituto, o mui-
! to interesante relatorio da commisso encarrega-
j da de descobrir o jazigo de Joao Fernandes Viei-
i ra, e urna curiosa estatistica da revolta de 1710
battS em Perna,n,,uco. chamada a guerra dos mscales.
JOTlK Acha-se a venda na luja de livros de Jos Noguei-
| ra de ^ouza, ao Arco de Santo Antonio, onde se
Aze- iacham tambemos numems anteriores.
Assignatura por anno 55, numero avulso 1J.1I
familia

II
Mlnifoa no langae.
Frnqueza.
Anemia.
Chloroae ou Ictericia.
Menstruo.
Arfrcror do tero.
Supprcdsoea dan re
Kraa e doNordea na
ni rn trun ran.
Affecrno pulmonar e
phlhlale.
Moleatlaa d'eatdmago.
GaatralKlaa.
Perda d'appetlte, etc.
Vojie te os bulletins de therapeutica medica
e cirurgica de 30 de novembre 1560; a Gauta
dos hospitaes de 2S dejulho 1860, etc., etc.
Alm das pilulas de iodureto duplo de (erro e de
quinina de febillon, os Mdicos aconselho
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
ierro e de quinina do mesmo author para as
pessoas que nao goslao de medicamentos sob for-
ma pilular c os meninos. Este xarope nao tem
como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
de altcrar-se e de se nao poder conservar.
Pcca-se o folhelo que se d de graca em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para-se evilarem falsilicaces, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Paris, pharmacia Rebillon,
442, ru du Rae. e em todas as boas pharmacias
de Franca a dos puizes eslrangeiros, etc.
GRANULOS
I PE BISMTH
DE CHEVRIER
Chevrier bem
preparacocs de
e superior a
ludo quaulo se tem feito al boje. As capsulas Competentemente autorisados sacam por todo
nunca cansam o estomago nem os intestinos como os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
as capsulas de copahyha, cubeba e outras ; a in- Lisboa, e para as seguintes agencias.
Urna boa casa terrea para
esl por alugar-se ra da Uniao n.
39 : quem pretender dirija-se ra
da Aurora n. 10. Tambem alugam-
se as lojas n. 44, ra da Aurora
juccao nunca produz o estreilamento como aconte-
ce com as injeccoes com base metlica aconseja-
das al hoje.
Todos estes productos vendem-se as principaes
pharmacias do Brasil, agente para vender por ata-
cado, no Rio de Janeiro, E. Chevolet, em Pernam-
buco, Caors & Barbosa, oa ra da Cruz n. 28, na
Baha, Lima & Irmos em todas as boas phar-
macias do Brasil,
eve-se exigir sempre i assignatura Grimault &
C por que ha falsificares perigosas.
Vende-se na botica franceza ra do Imperador
i n. 38.
Londres sobre Banh of London.
Paris Frederic S. Baliin & C.
Hamburgo Joao Gabe & Filho.
Barcellona Francisco Rahoba & Ballista.
Madrid Jaime Meric.
Cdiz i Crdito commercial.
Sevilha > Gonzalo Segoria.
Valencia M. Perera Y. Hijos.
Em Portugal.
Angra Terceira.
Advogado Affonso de Albu
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer hora
o iras, porm, na villa do Cabo.
as seitt -
.4 tugase
o te reviro anar da casa da ra Direita n. 36, e
qual tem com modos para grande familia: a tratar
no segundo andar da mesma casa, ou no Recife aa
ra da Cadeia n. 3.
AIIMliOMilM.
Com este titulo sahir brevemente luz o pri-
meiro numero de um jornal, o qual sahir todos os
sabbados, e tem por fim advogar os int;resses por-
tuguezes nesta zona do imperio da Saota Cruz.
Muito ha que se fazia sentir a neussidade de
um jornal exclusivamente porluguez, cuja missu
fosse cimentar quanto possivel,a concordia que en-
tre irmos deve reinar ; e levar ao mximo de-
renvolvmento as sociedades portuguezas aqui es-
tabelecidas, que tiverem por Gm o bem e-tar e
utilidade dos portugoezes aqui residentes. pon-
to incontroverso, que as nossas sociedades sem o
estimulo de um jornal nosso, que luve ou censu-
re, conlormeomerecerem, osados daqueJles unc-
ciooarios das nossas sociedades que bem merece-
rem ou prevaricarem no exercicio dos respectivos
cargos ; jamis podero attingir o apogeo da sua
lorecencia.
Por estas razSes que se adduzem e outras que
se calam, sahir semaealmente a Hebdmada coja
assignatura ser de 65 por anno e 3500 per se-
mestre, pagos no acto de se receber o primeiro
numero.
m
Maques obre Portugal.
O abati assignado. autorisado pelo
Banco Mercantil Portuei.se. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
fectivamente por todos o paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Por .o, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso ; podendo, os que temarem
saques a praso,receberem asista, no mes-
mo Banco, descontando 4 OjO ao anno: na
loja de chapos da ra do Crt.;po n. 6, ou
na ra do Imperador n. 63, & gundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa MVia.
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Barcellos.
Bastos.
Beja.
Braga.
Braganca.
Faro.
Oliveira d'Aze-
meis.
Penafiel.
Tavira.
Villa do Conde.
Villa Real de Vizeu.
S. Antonio. Faial.
NoJimperio.
Caminha.
Castello Braceo.
Chaves.
Coimbra.
Covilhaa.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinhal.
Porto-alegre.
Thomar.
Villa Nova
Portimo.
do
Figueira.
Guarda.
Guimaraes.
Lagoa.
Lagos.
Lamego.
Leiria.
Monco.
Moncorva.
Regoa.
Setubal.
Vianna do
tello.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
Escravo fugkl*
Acba-se fgido a escravo Firmino, pertencente
tripulaco do hiate Linde Paquete, prelo africa-
no, de 48 annos de idade, estatura regular, rosto
comprido, barba pouca, e falto de dentes na fren-
te ; levou camisa e calca de algodo azul : roga-
se s autoridades polieiaes e qualquer outra pes-
soa a respectiva apprehenso, pela qual se dar
urna gratificarlo na ra da Cruz n. 23, primeire
andar.
Os granulos uu bismuth de
superiores a todas as outras
bismuth rmpregadas antes com o maior successo
pelos mdicos ue todos os paizes, para prevenir e
curar as
nlarrliraa ehronlrus. Mh d!gpstes.
DysNrntrrina. Guntrltra.
Dorrs d'ealontago. Galtrulglaa, ele.
Dyapcpalaa.
Os primeiros symptomas d'essas formidaveis
affeccoes se manifesto ordinariamente por diges-
tores laboriosas, azidumes, falta d'appetite, pesos
d'estmago depois de cada comida, caimbras es-
tomacae*, c, muitas veces, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuido, trai ine-
vitavelmente, que seja:
Moleatlaa de ligad.
A Ictrrrla.
ral limeo de coracao
Dores nos rlns.
Finas capellas brancas para noiva-,
Meias trancas de seda para ditas.
Bonitas ligas de seda para ditas.
Ligas.
Ditas ditas para manguito.
Luvas de pellica enfeilada* para ditas.
Ditas de seda brancas bordadas para aotva.
Grvalas bram-as bordadas para ditas.
Rosas e ramos de flores finas para noivas e es
vidadas.
Fitas brancas e de cores, lisas e lavradas o aoe
se pode encontrar de melhor.
Bonitos port bouquets.
Leqoes de sndalo e madreperoh
Casearriihar. maravilhas brancas e de eare
para enfeites de vestidos.
Lindos adereros de perolas fal>a<.
Outros de bonitas e agradaveis cares.
Outros de mosaico.
Pulceiras, brincos e rosetas de dito.
Outras de aljofares trancos e derores.
Outras de cornalina, e chapa de ihrisial.
Voltas de aljofares truncos e de con- Gato, e
grossos.
Fivelas grandes de tartaruga e doorada.
Outras pequeas de ac, dvnradas e rom pedr
Bonitas e tncorpadas filas para e>i_-
Cintos largos de diversas qualidades
Talherea para eriaBea*.
Acham-se de novo a venda na loja da \zuu
Branca : ra do Queimado o. 8.
Naval has Una*.
A Aguia Branca na ra do Queimado A araba
de receber esas estimadas navalhas linas d- ap
refinado, dos arredilados e bem roohecido* fabri-
cantes J. Rogers & C. : cujos nomes bastaos para
ju.-tilicar a bondade deilas.
Tambem recrbt-u afiadores e ma.-^a
lufrilos bonitos para baile, ea-
samt-u.os e paeios.
A Aguia Branca na ra do (Ju> iroado n. M r completamente provida de bonitos enfrite* de lo-
res, e outras ditfereotes qoalidades, r Uidm de gus-
tes modernos conforme ver o pretendite que
comparecer munido de dinhriro. Tem tinto
bonitos de marroquim para bailes.
Anvelopes mnl graueles para ofl-
flclo.
Acham-se a venda na rna do Queimado n. 8. loja
da Aguia Branca, e bem assim estrs prqneno.
.lindezas de primeira qualldade.
Como geralineni.' sabido a Aguia Branca y re-
sume ler sempre o br.m para bem servir a soa boa
freguezia, e por isso mandou vir e araba de rere-
ber i m variado sortimi-nto de miudcza de primei-
ra qualidade e difflreis de se encontrar em outra
qualquer parte, constando elle de i aixinhas di- n-
ceMenles linhas de novellos grandes pequen. -
Caixiobas de linhas para rronchet ionio de
meia.
Carteiras com superiores agulhas.
Caixinhas com dilas e qne car'a panel i sonido.
Fila Gna e elstica para abanhado- de vestid.
Dita de puro linho e de differentes larguras ati-
para coz.
Mui bom cordao franrez em pec,as grandrs para
vestidos.
Trancinhas de algodo de differentes e bonitos
mordes para enfeites.
Baldes linos de oso e madreperola-.
Outros de velludo e seda para -
Clcheles francezes de boa qualldade em .am-
ollas redondas.
Carteiras ou eslojos com aeiilba- <-ra!o para
croni-hi't. !
Didacs de marfim e madreperola.
Apulheiros de dilo.
Canelas de madreperola.
Escovas de dita e marlim para untas e .lentes
RML SEM SEGUNDA
Rna do Queimado n-. '.'.i e Vi, I
I
Opprcaaoes.
Dores de cabera,
rrllaerade hcr.lga e
da uinirlK. etc.
GOMPBS.
Cas-
Bahia. Maranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma prazo ou vista,podendo logo
Offerece-se um rapaz portuguez para criado os saques prazo serem descontados no mesmo
quem pre-1 Banco a razao de 4 por cento ao anno : a tratar
na rHa da Cruz n. 1.
de casa estrangeira ou para embarcar:
cisar annuncie pelo Diario.
fina Nova n. V i
[Loja de madama Theard
Preclsa-se de um cozinheiro ou cozjnlieirs,
como lambem de um criado de servir ; no largo
do Corpo Sanio n- 6, segundo andar.
Este estabelecimento se acha hoje mais
que nunca bem sortido de objectos de
moda do melhor que pode vir ao merca-
do e nao se menciona cada um de per si
por se tornar demasiadamente eofado-
nho para seas numerosos freguezes quan-
do lerem o presente aviso pelo que limita-
se em lembrar alguns artigos, como se-
jam : chapelinas de dinas de palha de
Italia, de seda, de crep branco e preto
para loto, chapeos redondos de palha da
Italia amarella e de outras cores para
senhoras, ditos para meninos e meninas,
ricos cortes de blonJe, ditos de moreanti-
que de diversas cores, ditos de seda, as-
sim como sedas de cores para se vende-
rem a covados, dilas escocezas, cortes de
vestidos prelos bordados a agolha. Anal-
mente um variado sortimeoto de fazen-
das Snas e grossas, na mesma casa fa-
zem-se capas, manteletes, vestidos para
noivas, vestuarios para meninos se bap-
tisarem e ludo quanto pertence ao toilet
de urna senhora e reeebe-se flgurinos to-
dos os mezes das ultimas modas de Paris.
O Sr. J. Krause que morou em urna das es-
tacoes da estrada de ferro, e que de presente di-
zem se mudara para o Afogado, tem urna carta de
importancia nesta typograpnia.
O Sr. Joaquim da Silva Campos que mora
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: na loja de bilhetes da pra^a da Inde
; pendencia n. 22.
Compra-se effecti va mente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem :
na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
Compram-se dous escravos que sejam bons
carreiros : na ra do Trapiche n. 13.
Compra-se garrafas e botijas vazias, na fabrica
de licores ra das Cruzes n. 36. __________
Comprara-se diarios para embrulho, pagase
bera : na padaria da ra da Imperalriz n. 66.
Compra-se urna burra, estando perfeila r
quem a tiver annuncie para ser procurado.
Comprase urna carteira com duas faces para
escriptorio : no armazem da ra da Cadeia do Re-
cife n. 48.
Os granulos Chevrier s3o ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir cssas diver-
sas molestias e cural as quando sao tomados a
tempo.
0 preco de cada frasco de 4 francos.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
eslrangeiros.
NIASSA E XAROPE
BERTH
ilu-
de rer, z preto fino a
peso liso muito superior a
qnaiidades a
fazenda boa a
i-
com !> varas garan-
nova e bem
as proximidades da poveaco do Afogdo, pede- construida t de boas madeirs : na ra larga do
Carroea
Comprase urna carroea que seja
COM CODEINA
Preconizados por todos os mdicos contra
as Defluxos, a Grippa c todas as Irritacdes
do peito.
AVISO
Falsificares reprehensiveis excitadas pelos
successos do Xarope e da Afasso de Berth,
nos obrigo a recordar que esses productos
Uo justamente
nomeados nSo se
entregao seno em
boectas e em fras-
cos com a assigna-
tura aqui indicada. /-"''"inUpium
151, ru Saint-Honori, NA PHARMACIA W>
. I-Uvre, e em todas as pharmacias.
(SR se quando vier ao Hecife, appareca na livraria ns.
> 6 e 8 da praca da Independencia, que se lhe pre-
5 cisa fallar.
| msmm mmm wmmwm
; O Dr. Carolina Francisco de Lima San- 5
I i 91 tos, contina a residir na ra do Impe- jj|
i *J nidor n. 17,2 indar, onde pode ser pro- iss
5 curado a qualquer hora do diae da noite E
9l para o eiercicio de sua profisso de me- 3R
jj| dico ; sendo que os chamados, depois de ms
3 meio dia at 4 horas da tarde, devem ser
58 deixados por escripto. O referido Dr.
ES nao abandonando nunca o estudo das
s molestias do interior, prosegue, cora o
| maior aflincc, no das mais difflceise deli-
M cadas operacoes. como sejam dos ergos i
E ourinarios, dos olhos, partos, etc.
Rosario n. 34.
Deposito geral em Pernambnc roa da
Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza.
Garrafas e vidros
Comprara se vidros e garrafas vasias que
sejam de azeite : na ra larga do Rosario n
botica.
de Jos de Azevedo Maia e>ta cuniinoaii>l> a
vend.T muiti barato, poi sen g.-nio dar a :
da por ludo prego a vista dos cabrra.
Carlas de alliueles fraucezes da melhor qualidade
a 80 rs.
Grosas de peonas de ac inglezas da melhor
lidade a 640 rs.
Caixas de clcheles francezes de superiores quah-
dades a 40 rs.
Grosas de botes de madreperola muilo fins a 540
e 640 ris.
Carreteis com 4 a o oitavas
60 rs.
Resmas de papel de
2000.
Gravatas da liga e de outras muitas
500 rs.
Caivetes para peona com 3 folhas
800 rs.
Duzia de boloes branco para rasaveques de senho-
ra a 100 rs.
Pefas de fita de cs estrellas
(idas a 320 rs.
O Expositor Portuguez para os meninos a prender
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os menino a pren-
der a ler a i000.
Cartilhas da doutrina christa, finas e superiores a
320 rs.
Penles finos de marfim a 1*000, 1*200 e IJ.m
Pares de luvas de seda para homens e senhoras a
506 rs.
Goilinhas para senhora o melhor que ha a 320
300 rs.
Frascos com superiores banhas a 240, 326, 500
1*000.
Livros que serve para assenlar roapa, pelo diminu-
to preco de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rt.
Cordao branco para esparliihes minio superior, a
vara a 20 rs.
Carriteis com 150 jardas de linha branca a 60
ris.
Cartes com 200 jardas de lioha branca garant-
d< s a 60 rs.
Grosas de pennas de ajo superiores a 500 rs.
Varas de franja branca c de cores larga para ina-
nias a 160 rs.
Pares de botes de pucho, oh que perhiocha a
120 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a ISO rs.
100 rr.
moito fiao
Compra-se um boi
na ra Imperial n. 176.
para carroea : a tratar
Compra-se um relejio de ouro patente ioglez
hora regulador : na ra do Livramento n. 15.
VENDAS.
---- i i Tinteiros de vidro com tinta a IM) r
Machinas ae vapor epa- iDitos de ^m sDPerior iinu
nao 3 i!.: Grosas de botes de looca trateado
. 34, ra descaocar algodo. m rs.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido,
doe de cobre.
Rodas d'agiii, dentadas,
Trilhosde ferro do Recife a APipucos.
Tcndo defazerse para Europa a encommenda
do material para a emprezados tnlhos de ferrado
Recife a Apjpucos, o abaixo assignado pede a to-
dos os senhoro; correctores que estao agenciando
accionistas para a mesma empreza, o favor de
engotn- manda rem at o dia 10 do correte mez noescrip-
mado de rouna de fjornm, tom toda a Der- ,orio.d^ rua do ,mPerdo-p 55. segundo andar,
(a\r-,n a -.<,*. Aimtmi. ,,. dii- ~ I* rfilacao que cada um tem em seu poder, com os
reicaoeaceio;dirigr-6e a rua Bella, so- nomesvdo.s accionistas. Bedfd 7 de dezembro de
brado -Jo 2 andares, o. 37. I WV-Aoonio Luiz dos Sanios.
Precisa-se de urna familia
se qtieira enearregar da varrela
de carrosa com mangas e
eixos de patente.
Rua dojjruin n. 38, fundi-
Romance.
Vende-se na praga da Independencia li-
vraria ns. 6 e 8, o romance Martim o ch-,
geitado ou Memorias de um escudeiro, obra (fyo (Jq BOWman.
do dislincto escriptor Eugne Sue, autor
das melhores obras conhecidas, pelo dimi-
nuto preco de 20500 por 4 voluntes em
broxur.
Vinho de Porto.
Vende-se canos de barro para esgoto de te-
Ihados: na rua do Rangel o. 4. ________
Vinho do Porto superior
em barris de oilavo e dcimo, vende Antonio Lniz
de boquerque Azevedo A C.: no seu escriptorio
rua da Cruz n. 1.
Vende-se superior vinho do Porto, em barris de
vigsimo, em casa de Ferreira A Mathcus, na rua
da Cadeia do Recife n. 66.
Vende-se quatro ornamentos com os .ens
pertences para celebrar missas. damasco poriu- i
guez, todss uovos, sendo dous de cociro branco,'
encarnado, roixo e verde, por preco commodo :' I t>rda da ilfandega.
na casa do saeristo da ordem terceira de S. Fran-1 Vendem-se saceos para
Tesouras para costura superior qoalidade a
ris.
Escovas para limpar dentes, superiores a 500 rs.
('()a_ Caixas com superiores phospboros de seguraaca a
160 rs.
Caixas com 100 envelopes o melhor qne ba a 40
ris.
Caixas com 20 quadecnos de papel amizade, muilo
fino a 600 rs.
Quadernos de papel pequeo muilo flno a 20 rs
Libras esterlinas.
Vende-se quem as quizer comprar no armazem
n. 33, da rna da Praia. se dir quero as vede.
Folha de Flandres.
Vende-se na fabrica da iravessa do Carioca T.
, caes do llamo, superior felha de Flandres : [a
ver e tratar na mesma fabrica._______________
Espantosa lerbiarba.
Algodo superior lrgo rom um peqene afei-
to am urna das erelhas a 6* a peca cem 20 varas :
na rua da Madre de Dos n. 16, loja d. froete at
cisco.
i Drander a Rrandis & C.
as.Miear, i-m rasa de
rua da Codeta n. 50,



Diario de Pernambuco Qaarta ielra .4 Je Dezembro de 1&II4.
COMME
Rll UO QUI_II?f A1M N. 45.
assand o becco da Congregado segunda casa.
wmm
NOV1DADE
Pereira Rocha 4 C. acabara de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Commer-
cial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimenlo dos melhores gneros que Tena ao nosso mercado os
quaes sero vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencioncda; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
Painco a 200 rs. a libra. I a llb"- ...
Polvo secco muito aovo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeile e, Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. I Wem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Quciios flamengos do ultimo vapor a 2*800 Figos de comadre e do Douro era caixinhas
l1<>m nratn de oito libras e canastnnhas de i arroba a
Arroz do MaranhSo, India e Java a 60, 80 e
100 rs. a libra, e 10800, 20600 e 35000
a arroba.
Atneixas francezas em latas e em frascos a
10200 e 10600, e em frascos grandes a
2*500.
dem cm caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 10200,10400, 10600 e 2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez jnnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
vbra.
Avellaas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoulos inglezes de diversas marcas a
1030 rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 abarri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10600, 20,
-20500, 20800 e 33000 a libra.
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Corvea preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 90^ rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
Mem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especi lmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 15800,
2,50 10, 20200, 20500, 20SOO, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 80500 a 83800 rs. a arroba.
Cares de bolinhos francezes muito novse
bem maito enfeitados a 7O0e 600 rs.
('.huiricas e paios muito novos a 800 rs a
libra.
dem andrino chegado no ultimo vapor al **?> 5*500 'L280 5J libn-
900 rs a libra Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
Sal refinado em 'frascos de vidro a 600 rs.i Mera de trigo a 120rs. a libra,
cada "un.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 60 ti.
libra.
Eigos em caixinhas ermecamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocaje Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e era caixa com urna du-
zia a 90000 e 100000.
dem em pipa. Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
ldera de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
c 800 rs. a gamafa, e 70000 a 70500 rs.
a duzia.
dem Morgauxe Chateaulumini de 1854, a 10
a garrafa.
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
102OOrs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porco de outros que deixamos
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
dem em garrafoes de 3 e 5 gales a 50500
e 70500 cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata c 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, quaiidade especial em garrafas muito
grandes, a 10800 a garrafa.
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de
vidro, a 10000, s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamenle flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 60't rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes,
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Macas finas para sopa: estrellinha, pevide,
rodinha e aletria a 600 rs. a libra e a 40
a caixinha com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixt em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 10 a lata,
Paliios de denles a 160 rs. o maco.
dem de dentes a 120 rs.
dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudoser vendido por Amendoas coneitados a 900 rs. a libra,
pecas e carnadas, tanto em porces como Doce, de goiaba em latas o melhor possi\
retalho- 20 e em caixo a 640 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima te-1 Palitos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 por cento. I Passas muito novas a 480 rs. a libra.
MACHINAS DEPATENT
de traba I bar ino para
descarocar agodo
1 m m^ -. ^jm -. 9
GRANDE E SUMPTOSO ESTABELECIMENTO
CE
\OYOS E ESCOIiHIDOS GNEROS
TANTO EM GROSSG COMO A RETALHO
GO MUA iwva oo
i liiuia easa junio a ponte da Boa Vista.
DUAS PALAVRAS.
< -Cesse ludo Cuanto a.antiga musa canta
c .Que outro valor mais alto se alevanta.*
Acha-se a disposico do respeitavel publico este grande e magnifico eetabeleci-
mento de molhados, talvez o primeiro e nico hoje existente em sua especialidad*, por-
que-o matar capricho de mos dadas com mais apurado gosto de abrir um estabeleci-
mento modelo promoveram a escolha dos mais superiores gneros do nosso mercado,
que per serem comprados em grande quantidade pagos quasi todos a dinheiro a vista
deu lugar a obtenco de vantagens, que repartidas como vo ser pelas pessoas que se
dignaran de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperaBca de agradar a
todos, nao s pelo emprego das raaneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-
pazes.', cerno pela pratica da promessa que fazemos de vender polos piejos quasi do pri-
meiro cuito o nosso magniGco sortimento.
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diversas classes da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharo
em nosso armazem os melhores e mais esquisitos vinhos, licores, champagne queijo, etc.
etc ete, e quelles que nao podem dispor de grandes recursos, que s compram o neces-
sar.o, pfomettemos-lhes servi-los de gneros novos e sadios, escolhidos ao en contento.
u O real do pobre ser recebido com to boa vontade, como a moeda de ouro do
hornera rico.
A pessoas que nos fizerera a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com-
prar para seu gasto, ou para negociar, voltarao satisfeitas, nao s pela boa quaiidade dos
ybjectos, como pela fidelidade dos precos, e bom acondicionamento.
O futuro dos justificar.
CAVACO ECESSARIO
Devemos ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que
adptanos. Ei-las. .
Existindo neste vasto e (brscente imperio um grande partido poltico com a
deooraiaaco de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente,
rapaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
__Ria-se quem quizer. porque nos tambera nos riremos mas nao se zangue
ninguem. .<,
__ O neme urna voz com que se dao a conhecer as cousas. E esta a mais
breve, clara e sincera explicacio que, pelomethodo repentino, podemos dar.
Mas a quem nao seguir o partido desse systema diremos mais:
N3o oriundo do Brasil o imponente titulo do nosso estabelecimento. Foi a
muitas centenas de leguas que apanhamos a nossa Uga. ...
Na soberba e opulenta Inglaterra houre um re que instituto a mu honroza or-
1era da Liga. O acaso os fez deparar com a narraco desse acontecimento, que tan-
to sorprehendeu a eorte desse monarcha. Agradou-nos esta historia e gostando sum-.
mmente do traga do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desrabar, ecol-j
locando-o no oitao do nosso estabelecimento, temos assim feto dtstingui-Io dos outros |
que se assignalaram com mitras e coras.
Ifonnl solt qnl mal j -pense.
r Mlllll.AlJAS
Por Plant Brotiiers & C.
OLDAM
Alhuns
para 20 at 200 retratos, maito bons e por menos
prego que em outra qualquer parle: na roa do
Crespo n. 4. ,
Vendem-se o Io e 3 tomos das biogra-
phias de alguns poetas e outros homens Ilustres
da provincia de Pernambueo, pelo eommendador
A. J. de Mello -, obra que todo Brasileiro, c {nr-
mente todo o l'ernambucano deve conbecer e dar a
ler a teas Albo : na ra do Imperador n. 14.
Vinho do Porto engarrafado
Vende-se soperior vinho do Porto denominado
D. Pedro V e rainha de Portugal, em caixinhas de ,
urna duzia de garrafas ; na ra da Cadea do Re- ;
clfe p, GS, armazem de Ferreira & Malheus.
Bixas de Hmburgo
Yendem-se na ru >'oya o, 01,
Estas machinas
podem descarocar
qualquer especie
J,'de algodao sem
estragar o fio,
sendo bstanle
duas pessoas para
otrabalhoi pode
descarocar urna
arroba de ago-
do em caroco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por da oa o ar-
robas de algodo
Mmpo.
Assim romo mar binas para serem movidas por
animae, que descaroeam 18 arrobas de algodao
limpo, por da.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destae machinas
mencionadas ; para o que convida-ee aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodao, oo largo da ponte nova a. 47.
Saunders Brelhers & C.
\. II, praca do Corpo Santo
RECIFE.
Os uticos agentes ueste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Una do Queimado ns. 49 e 55 loja do Barateiro
eonhecido j como tal, est dispondo da fazenda
por todo o prego para apurar dinheijp, quem qui-
zer naba ver e traga o cobre, e ver o seguinte :
Baraltos de cartas para voltarete muito
Dnasa........................ .... 206
Miadas de linha froxa para bordar a___ 20
Pares de sapalos de tranca de todos os
lama unos e finos a................... 1>00
Massos de superior grampos para cabe06 30
Duzias de palitos de gaz superiores a. .. 200
Libras de ara preta muito superior a... 100
Frascos de superior macaca oleo a .... 400
Ditos de dito perola a.................. 200
Ditos de oleo de babosa muito finos a 320
rs. e............................... oOO
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida.............................. 400
Ditos de banha muito fina a............ 640
Ditos de cheiros muito finos para o preco
a ris............................. 600
Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
160, e............................. 400
Novel los de linha com 400 jardas a...... 80
Carriteis de linha de cores com 200 jar-
das a-----......................... 60
Novellos de linha de gaz de todas as co-
res a............................. 30
Pecas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a..............^........ 240
Frascos de superiores cheiros, pequeos, a 200
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a ris.............................. 400
Varas de bicos francezes, superiores a... 40
Opiata para dentes da melhor que ha a.. IJWOO
Frascos de agua- para denles, superior a
tudoa............................ 1*000
Pecas de tranca preta liza muito fina a.. 60
Caixas com 4 papis de agulhas Victoria a 200
Varas de fila preta com colxetes a...... 40
Libras de lia sortida de todas as cures a 6*500
Bonecos de choro muito bonitos a...... 160
Caixas de obreias de ma ssa mulo novas a 40
Varas de franja .branca e deires para
toalhas a......................... 80
Frascos de oleo Philocomescupenor a... 600
Ditos cora superior tinta 320 e......... 800
Caixas de linha de gaz com 50 novellos a 800
Enfiadores para esparlilho a........... 60
Duzias de boioes encarnados para vesti-
dos a.............................. J00
Nova liquidiu'aode fazi-niiasni o fin
do tnez, para fechar facturas vende-s amito
barato, por ser o ultimo uicz de fcsla, que os
freguezes devetu aproveilar : na loja e armazem
da Arar, ra da Imperatriz n.oC, de Lourtu-
oa Pereira Hendes Guimares.
Fazedilas rspeciaes para senhora.
Vndese ricos cortes de veslido de la a Maria
Pia para senhora de bonitas barras a 8*, 10*, 13*,
14* e 16* o corte : na Yua da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
A Arara vende a 2.->i00
Cortes de chita de cores fizas com 10 covados
a 2*400 e 3*200 ; cassas de cores a 320, 360 e
400 rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
Cortes de cambala de salpicos a 2 100.
Vende-se cortes de cambra la de salpicos a
2*400, 3* e a 4*000 a peca, ditos de cambraia
liza e fina a 3*500,4*500,5*500 e 6*, tiras bor-
dadas para enfeitar vestidos e entremeios a 1* e
a 1*200 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
Son (embarques a 7, 8, e a 16.
Vende-se soutembarque de laazinhas de cores
para senhoras a "*, 8*ea 10*, dito de grosdena-
ple preto muito entestado a 20*, 25* e 30* : ricas
capas de grosdenaple a 20*, 25*, 30* e 35*, para
liquidar : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
A Arara vende alpaka de cores para vestido.
Vende-se alpaka decores para vestidos a 360
rs. o covado, challes de laazinhas a 1*600 e 1*2S0
dito de merino a 4*500, ditos finos a 4*5G0, 7* e
8* : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Laziohas a Mara Pia a b'00 rs.
Vende-se laazinhas a Maria Pia para vestidos,
com palmas de seda a 500 rs, o covado, ditas de
cores a 320, 400 e 500 rs ditas lizas de cores pa-
ra capas e vestidos a 560 rs. o covado, casemiras
para capas de senhora a 1*800, 2*500 e 3* : na
ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A Arara vende .bitas a 240, 2S0 e 320 rs.
Vende-se chitas de cores fixas a 240, e 280 rs.
o covado, ditas francezas a 320, 360, 440 e 500 rs.
e covado, percatlas para vestidos finos a 500 e 560
rs. o covado, camisinhas para senhora a 1*, 1*000
3* e 4*500, gollinhas para senhoras e meninas a
240, 320 e 500 rs., enfeites para cabeca a Maria
Pia a 1*, 1*400 e 2*, para liquidar : na ra da
Imperatriz n. 56.
lialoes americanos para senbora.
Vende-se baloes americanos, os melhores que
tem vindo ao mercado, de 20, 25, 30 e 35 arcos a
2*500, 3* e 3*500 e 4*. ditos de brilhantina e
, musselina a 4*500 : na ra da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
I Cassas da Arara a 280, 320 e 400 ris o covado.
Vende-se cassas de cores a 280, 320 e 400 rs. o
covado, lencos de seda a 800 e 1* : na ra da
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Fatendas para homem.
Vende-se cortes de caigas de brim para homem
a 1*600 e 2*, ditos de casemira a 3*, 3*500 e
4*500 5* : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
Koupa feita para homem de todas as qualidades.
Vende-se palitots de hrim de cores a 2*, 2*500 e
3*, ditos branco a 2*500, dilo de linho fino a 5*,
ditos de alpaka de cores e tiramos a 5*, ditos de
meia casemira a 4*500 e 5*, ditos de casemira a
6*, 8*, 10*, 10*, 10* e 20*. ditos de panno fino
preto a 8*, 10*, 14*. 16*, 20* e 30*, calsas de
brim de cor a 2* e 2*500, dita de dito branco a
2* .litas dedito de linho a 3*500 e 4*, colletes de
cores a 2*, de brim a 2*500, de casemiras de
cores e prelas a 3*500 e 4*, calsas de casemira a
5*, 63 e 8*, de meia casemira a 3* e 3*500, ca-
misas francezas a 2*e 2*500, de linho inglezas e
pregas largas a 3 e 3*500, grvalas de todas as
qualidades de 500, 800, 1* e 1*400, collarinho
de todos os tamanhos e muito bem feitos, para li-
quidar por ser tempo de fe:ta : na ra da Impera-
triz n. 50, loja da Arara.
Colchas para cama a 2-5.
Vende-se colchas de chita para cama a 2S, ditas
de damasco a 4*. ditas de fusio a 5,-), chitas para
cobertas a 320, 360, 400 e 500 rs. o covado : na
ra da Imperatriz n. 56. loja da Arara,
A Arara vende madapolo entestada a i:5.
Vende-se pecas de madapolo entestada a 4* a
pega, diio inglez de 24 jardas de n. 30, a 6o, de i
a 5*500, n. 250 a 6*500 e 7*500, n. 5 8*500,
*# 9*000, R. D. P. 10*, ZZZ 11*. n. 20, dito a
Ufa j.u...-> ilrmrinzinhn marra M a 5*500. dito
carne vacca a 7*, dito dsmcslieo a 7*.00, dito
pau ferro a 8*, dito SL9 a 10*, dito T a 10* e 12*,
dito sicupira a 8*500, para liquidar, na ra da
Imperatriz n. 56, leja da Arara.
Palitots de alpaka.
Vende-se palitots de alpaka preta de 3* e 3*500,
ditos finos de cordo, lizas e brancas a 4* : ra
da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Ao baroteiro da ra da Imperatriz n. !>6
Vende-se seroulas a 1*280, ditas trancezas a
l*000e 2* : e outras muilo boas fazendas que o
fiepuez encontrar na loja da Arara, ra da Im-
peratriz n. 56.
Perfumara e sabonetes do
Toilet
da casa Violot, perfumista com privilegio,
fornecedor das casas de S. M. impera-
triz dos Francezes e da rainha Isabel II
de Hespanlia.
As flores as mais esquisitas, as plantas as mais
ricas em aroma, os blsamos os mais odorficos,
servem a cotnposlgo dos producios exclusivos da
rainha das Abelhas.
Sala; real de Tridaco.
O nico recommendado pelas celebridades me-
dicas como hygienica da pelle.
Balsamo de liolc'a.
Pomada fluidificada pelos oleo virgens para o
servico dos cabeleireiros.
Golas de Violetas.
Extracto da llr natural, perfume de S. M. a rai-
nha Vielorla.
Salta de balsamo de Violetas.
Homenagem a S. M. a Imperatriz.
Agua da belleza de Sua Magestade a
Imperatriz.
Loccao benfica para o toilet das damas.
Flor de arroz rosada.
De S. M. a Imperatriz Eugenia.
Perfume de nctar.
Este p refrigerante preserva a pelle de todas as
alfeceSes dormaes.
Kosado das abelhas.
Locco refrigerante para o toilete e osbanbos.
Cierno poupador.
Da belleza da pelle.
Para prevenir as rusgas e refrescar o rosto.
Cierne Sevigu
Coroposicao especial, para lustrar e fixar os ban-
dos (cabellos.)
leme fri espumoso.
Segredo da belleza.
Para refrescar o tessido dermal.
Perfumes das brisas de maio.
Delicias dos lencos e saines.
Dicado a S. M. a Imperatriz da Russia.
Caixa de Juvencio.
Cofre mysterioso.
Encerrando talismans, segredo para belleza.
Verraelho da China, preto indio e branco
de Lys.
Para passeios e soires.
P horizontal
l'a- as unhas o bnlho de nacarregado.
Perfumes horisoulaes.
Para perfumar as cartas, toalhas e os quarlos.
Vende-se na ra do Imperador n. 38, botica
franceza.
"_ Vndese a casa terrea n. 25 da ra de Ma-
thias Ferreira, na cidade de Olinda : quem a pre-
tender dirija-se a casa n. 59 da ra Angusta, que
achara com quem tralar._____________________
JIinlio de pedra para milho.
Grande porgio destes excellentes moinhos, sao
chegados a ra da Cadaia loja de ferngens do
Bastos, os quaes se vendem ora ais barato possivel
0
iiiiiieiii
81-RUA DO 1MPER* IIOR-81
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Culivgio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfacSo de avisar aos setis freguezes e a. respeitavel
publico que estando restabelecido de seus ineommodos de saude, acha-se mv.imefUe
com um bello e bem sonido armazem de seceos e molhados primorosnin.-uto i.- :<> lii como sempre caprichott lerdas melhores quaiidade?, efrancamente affiancafa pes.-oas que
se dignarem comprar em seu establecimento, que all de preferencia a nutra qnalyu-i ci-
te sero mais bem servidos, em quaiidade e precos, como em pesos e medidas, no que
sempre o annuciantt foi escropoloso, em suma, nao illude a pessoa algunia.
Aos Srs. de engenho e lavradores que o qneiram honrar como sen comitente wm
assegara que o producto de seu laburio>o trabalho ser o mais bem reputado no marra-
do desla praca, para oquesegulga convenientemente habilitado pela Innga pralira enm-
mercial que tem exercido, sendo seus portadores despachados com presteza depois do ter
fielmente comprido suas ordens.
Forneser gneros aos Srs. agricultores e negociantes que lhe merecam ronfianca, U-
zendo um abate vantajoso aos que pagarem a vista suas mercadonas. e encarrega-so venda de qualquer genero do paiz, mediante urna mdica commisso, miregatulti tie
prompto seu pr< ducto, e sendo este applicado a compra de gneros em seu armazem.
prescindir da commisse.
Dos seus antigos e benignos freguezes espera o annuncianlc sua valiosa protec.io, fie-
qnentando como outr'ora sua casa, e pelo recoahecimento que lhes tributa aflHii e o| H -
taneamente seus servicos.
Julga desaecesario publicar a tabella dos precos de seus gneros: sao seus ncm
garanta suficiente de poder acr.mpanhar os menores precos de idnticos e _fMW
mais apparatosos estabclicimenlos, lendo somcnle cm vista o augflolo de suas vi,.
diarias.
PreveDco necessaria
Tendo sido o proprietario estadelecido muitos anuos com o mesmo ramo
ci ni meema ra, julga prudentejadvertir quesaffirma e se responsabilisa pelo tem declarado no que disser respeilo ao armazem.
81-RUA DO IMPERADOR-SI
Segunda casa do lado direilo indo do pateo do CoUt
(10.
;cgy
NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaram os modernos vestidos de dentelle de teda com barra, inteiramenie novos
em gosto e quaiidade : loja das columnas, na ra do Crespo n. 13, de Antonio Orreia
de Vasconcellos A C, siiccessores de Jos Moreira Lipes.
Fazendas de bom gosto
Para vestidos de senhora
Superiores cortes de seda de cor, de morante, de g^rgurao e de setim imperul
Ditos de hlond, e de cambria branca bordados.
Ditos de laa com barra e grande variedade em cores e padroes.
Ditos de organdys com barra
Lindas sedas de <|uadros escosseza e miudas.
Superiores laas lisas com grande variedade de cores.
Ditas com salpicos, com llores e de quadros.
Lindas pampolinas de quadros e de flores, fazenda inteiramente nova.
Superiores cassas de cores, e lindas cambraias organdys.
Grande variedade de chita do cores, de percalia e outras muitas fazendas de esto.
Para hombros de senhora
Lindas capas e bournoux de casemira de cor.
Ditas de laa e de seda.
Grande variedade de sout'embarques de seda ae 183 a V>*.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales do seda, de merino estampados finos, de cachimira com MU
seda e de fll preto.
Camizinhas modernas, zuavos brancos e de cores, colletes de cambra, lia
linhas com punhos e outros muitos arligos.
Para cabeca de senhora e menino
Superiores chapeos c eliapell'mas de palha de Italia enfeitados para senhora.
Ditos ae feliro cnreilaaos para sunliuta.
Ditos de palha enfeitados para menino.
Grande sortimento de enfeites modernos de retroz, de froeo. do (-bello e de fl .
para senhora. ....
Na loja das columnas da ra do Crespo n. 13, de Aniomo Crrela de tasco -


DE
FAUNDftS BARATAS,
Chapeos de palha enfeitados para senhoras e meninas de 6 a 10'j.
Bonitos vesdos de la com barra a Maria Pa a 18$,
Cortes de ditos dita estampados Anos a 6f$80.
Capas de grosdenaple preto bem enfeitados a 255 e28#.
Soutembarques e capas brancas bordadas a 105.
Organdys mimo do co de lindos padres a 10.
Grande e variado sortimento de chitas largas de 300 a 500 rs.
Bramante de linho de espantosa largura a 25500 rs.
Adrairavel sortimento de gravatas de seda a 320, 400 e 180 rs.
Na ra do Crespo n. 1 junto ao arco de Santo Antonio.
Loja do barateiro!
B-sscoo-i rr1-; S o o
s?-

i? ai _
2. i"*
y S rd
a> -y

". a. v>
S *5.
as
Cr;
o c -
S.S
3 -
en Q.
s
O H
_
0)
o

Si

'
l_B'-iO-a>
= i
-, -- C6
69 -
O -1
._.ai_a8
_^g-
a -
s B "
Vi
o E2 3 j
S! 3
III
oso. a.
5"_
~t o a.
a = o.
O Jt-'ft Q.
CU O -
as
ET


- -1
9
O-CD OQ
a c
O. -I
oo M S
. i a
9 o
"g
as
-i
1
o
S3
&s a
o sr
_
"1
a>

O
as
r_
o
g
a
>
Para a festa.
2
os a,
m B o
3
SE.
o"
a
cr
as
o'
9
nr
J

6
g
e
se
Queijos frescos a .'t, pnaM !>
a 25, e a libra a 100 rs., gos a HKi, mar" larfa
a 300 rs. a libra, azeitonas a I800 a mw la, a
garrafa a 320, rnaaleiga ingle/a fl r l '00 e >W>
rs.. dila tranceza a 640, cha miudiuho a i < r
3, car 1' sorte a 280 a libra, e K*00 a errata
de sorte a 240 a lil ra e T-.Mmi a arr
a. 100 ra. a libra e- 3 a arroba, lonrlobo ;
280 a libra, stearinas a 620, palitos para VMea a
140 o masso. do gaz a 200 rs., chouncas a S'.n r.
a libra, gomma a 120, sabio massa a 200 r., 'al
em potes de vidro a 440, coacervas a 400 rs., la>-
tas com bolachinhaa 14400, aletria e tafcatiu a
400 rs. a libra, cerveja branca e preu a ."#, \mIk>
fino do Porto engarrafado a 14120 o 800 r brin-
co para missa a 500 rs., tinto de Lisboa a 36* a
garrafa e 24600 a cacada, da Figueira a 440
3520o, azoite doce a 600 rs. a garrafa, de rarra-
pato a 260, vinagre a\200 rs., gaz a 480 : m> ar-
mazem da Estrella, largo do Panizo n. 14.
s
14-Rua Direita-14
mico depesito do rap Imperial do fabricante
Isaac Esnaty ; affianca a sua boa quaiidade e ser
superior ao rap de Lisboa e ao rap ara preta, a
prova faz f : vende-se a retalho a 14 a libra, e
em porco de 10 libras para mais a 860 rs.: (ae-
bem abre crdito aos compradores em conta cor-
rente. ____
ENKKITES A MARA PIA.
A loja da Aurora, na roa larga do Rosan.> o.
38, receben novos gosto de enfeites a Maria [ .a*
com plumas de froco no frente, obra muito taj-
eada, assim como tamben tea da muitas mais
qualidades, riquisslmos sin tos de Ota larga ta -i -
malote cora fivelas, tanbem largas esmaltada* 4o
nedras, riquissimas Alas largas de chamalot* la-
vradas, proprias para fazer sinlos de pr.nta< < a
hidas ; finalmente tem grande sortimtnle dr m>b-
dezas finas, que s a vista faz f : na leja da Au-
rora, ra larga do Rosario o. 38.
Assucar cnslalisade da fabrica
2 de Julho
Na Bahia.
No armazem da ra da Madre de Dos n. 28,
ha venda o multo superior assucar crystahsado,
em saceos de 2 arrebas, ao preco de 84 cada ar-
roba.
Vende-se no segundo andar do sobrado 4a
ra do Trapiche junto a casa do Blandi (entrada
pela ra dos Tanoeires) os segninies oajeri**
ainda em mnitu bom nso : sendo orna moMlia V
amarallo, ama cama fraoceza e um lavatorio do
mesmo pao, orna mesinha de Jacaranda para tc
as pessoas que pretenderen, podem proenrar ver
a toda hora do da.__________________________
Yidros para vidrara^.
Grande sortimenlo de vidros c de todos M ta-
manhos ; na ra da Cadeia loja de ferragens do
Bastos.
Vende-se dous tazos de cobre grandes nn>-
prios para reflnaco, e duas chapas de ferro para
os mesmos, todo em mnito bom estado: na ra
do Queimado n. i, loja do Preguica.


~x
Diario de Peraasooceo Qaarta fclra 14 de Dezemfrro e 1*.
"^a^p
AURORA BRILHARTE
GRANDES ARNAZENS
I>E
MOLHADOS
wsm
Largo da Santal
[Ccaz ns. 2e84.
{esquina da ra doj
Cebo.
ESPECIAES
Largo da Sant
&Cruz ns. 12 e 8l,M\
esquina da ra doJj
iCebo.
^ -iu ? d , Dninaiu* acaba de recetor de sua propria encommenda, muitos gneros delicados
9lsi Pri,rr|,J? ,la presente cstacao, e tendo grand* sortiraento comprado aqui.aanra que todos
(f9 os seus gneros sao de l. qualidade.
tadreA Se*Umta tabella servir a todos de fca8e Pira aJusla de contas aos Por"
o ih ?eB5UB arma^em vender mais barato, o melhores gneros do que a Aurora
Kriiiiaui-, ja pelo grande sortimento que tem, j estro por seu dono se adiar encom-
m4to t-m sua saude o ter de vender um do seus armazens agora, e o outre na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveilar orna quadra destas para se comprar
Latas cm 8 libras de chouricas rauito uova=.
a 7fiOO. '
Ditas randes com peixe em postas inteiras,
?2iftA '* ''ualidadtS> a liOOO, 13280 e
Ditas ctim ostras, exccllcnte petisco para fre-
Siiisira, a 70rs.
Dita* com ervilnas novas, aseadas, a
S 720 r.
y Ditas com favas, a 640 rs.
J Ditis rem ameixas a i200, 1^800 o 3,8500.
3 Ditas ooni marmelada do afamadt fabrican-
cantt Alireu, a 880 rs.
Diua de massa de tomate, a 500 rs.
l!* C9"' -R,,s de cuadre, noves, a 1*500,
Ditiis.-om bolachinhade soda mue novas, a
2 000.
Ditas rom biscoitinhos inglczes de muitas
qualidades, a iJIM^
Chocolate.
Chocolate superior muito novo, a libra a
15200.
Wb Macan ao telhariui e aletria amarella,a libra Si10 redondo a f*800.
Vinho branco fino, a garrafa a 640 rs.
Dito de caja muito superior, a garrafa
809 rs.
Idilio verde superior.
A caada a ;3oO0 e a garrafa a 480 rs.
Cemma.
Saccas da 4 arrobas, a verdadeira de se
engomroar, a arroba a 3*000 e a libra
120 rs.
Sabo raassa, a libra a 200, 240 e 280 rs.
Fariuha.
Saeea grandes com arinha de Goianna mui-
to aova, a 5*000.
Cafe.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 8*,
8*500 e 90090.
Cha.
Cha temas oestes goneros o melhor possivel,
hysson, a libra a 2600.
Di la aerla a 3*009.
Dito uxim a 2*709,
lita hysson muito fino a 25809.
a 480 rs.
' ite dito dita branca, a libra a 400 rs.
Canas com estrelinha, pevide e outras mas-
cas, a raixa 3*500.
Dilas Sap. a libra a 360 rs.
Savadinha para atoa a libra a 240 rs.
Ervilnas seccas, a libra a 160 rs.
DiUs descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 280 rs.
Familia de aramia verdadeira, a libra a
S0O rs.
Arr-iz do Maranhao, em sacca a arroba a
8*100 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 35200 e a
libra a 100 rs.
Teucioho de Lisboa a 9*500 a arroba c a 320
rs. a libra.
Do de -antos, a arroba 75000 e a libra a
260 r>.
Mii.vs com 125 sebolas grandes, a 15280.
Uostarda franceza caixa com 2 duzas a
8*000.
Fra gra, a 400 rs.
Dltua em rousWYM i'ui;k-,..!> o tranecta!, i
a 6';(>( 800 rs.
Dit; oin sal refinado fino, a 640 e a 500
Dito prete de primeira qualidade a 9*599.
Dita mais baixo a 25000 Erva mate.
Excellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Espermaceti.
O masso com 6 vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixas de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prias para mimos a 45 e 2gu00.
Nozes.
Nozes, a libra 160 rs e arroba a 45000.
Alpisla e paiofo.
Alpista e pair.eo, a arroba 4*000 ea libra a
169 rs.
darlas.
Cartas Anas para jopar, aduzia a 2*500.
Casfanhas.
Castanhas novas vindas neste vapor, a arro-
ba 4*000 c a libra 200 rs.
Aieitona?.
Barns cem azeitonas novas a 15500
Mantean.
I Manieiga flor, a libra a 15000.
! Dila mais al. uxo a 800 rs.
Dita menos superior a 640 rs.
,. r; ... ... i Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
. i& a verda,le,ra enebra de laranja Dita dita em barra e meios ditos, a libra a g)
a i&zuv. ccq rs
>s !, 2 garrafas de Hollanda verdadeira, Dita para' tempero a 400 rs.
1*000.
Drtos do 1 garrafa de Hollanda verdadeira,
"" "? a OiO rs.

Bwtipis com dita propria para negocio, a
100 rs.
Garrafoes com 2 salces com dita, a 65000.
terraja boi, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
dazia a 6*000.
Tnha injscatel da tetuba, a garrafa a
1*000.
UaraM|iiinho verdadeiro, frascos a 800 rs.
o a 15200.
C'tampiime, a duzia 20*000, e a garrafa a
25900.
Azeite retinado portaguez e francez, a gar-
rafa a 15000.
Caix-i rtfl vinho Bordeaux muita superior, a
75. 85. 95 e 105 a caixa.
Ditas com dito branco, a 75000 a caixa.
bitas com dito lagrimas do douro verdadei-
ra, a 205.
Ditas rom duque do Porto verdadeiro, a
18*000.
Tiias com chamisco superior, a 14*000.
Diis com Porto velho e outras mullas mar-
eas, a 12*000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 649,
720 e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a
35200, 35500 e 45000, e a garrafa a 500
e 360 rs.
Dito da Figueira, das seguintes marca, (N.)'
(J. A. A.) (J. L. G.) (0. M.) a caada ai
45500 e a garrafa a 560 e 640 rs., deste \
Qneijns.
tucijos novos vindos neste vapor a 35290 e a
3*500.
Ditas londrinos muito novos, a libra a
1*009
Papel.
Papel almajo paulado, a resma a 45800
Dito dito lizo de linho, a resma a 45500
Dito de peo iizo e pautado, a resma a
2*500
Dito de embrulho bom a 15 c 15290.
Vinho Hadeira.
Garrafas eom n verdadeiro viche Xerez e Ma-
deira a 1*500 e 25-
Temperos.
Folhas de louro, pimenta do reino, cominho
e crave, a libra a 4'K) rs.
Telas de carnauba.
Masses com 6 velas de carnauba refinada a
4*9 rs.
Amendoas.
Ameidaas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Canees de doce de goiaba, grandes a 1*400
a.peqaenos a 640 rs.
Tijolos de lmpar.
fjalos de arear facas a 140 rs.
fiffJHb
Dazias do bm'des de graxa n. 97 a 2*600, e
de latas a 1*000, e os beioes a 240 rs., ca-
da ubi, e as latas a 100 rs.
hh ja osla engarrafado e lacrado com o
tolo do armazem. Gharuts MS-
Ditos il i-..arras mais desconhecidas, a nana-1 Charatas finos des melhoras fabricantes da
da a 3*500 e 4*000 e a garrafa a 480 o i Baha per diversos presos, caixas e metas
:o rs. 1 ealxas.
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
:....
48 OC
Peehineha sem igual.
Lindos cortes pnra vestalo de percales de cores
claras e escuras com grande variodtiie de padrees
pelo baratimmo preco de $ o corle: na loja das
e lumnasrua do Crespo n. 13, de Antonio Cor-
rea de Vasconcelos A C,
Vede-se nm koi coi nma carroca e pipa
para asna, e ouira para cavallo com todas os scus
pertences : na ru dos Prazeres n. 7.__________
J. Koller & C vtiiJero superior vinho tinto
de Ilonl-aux, tanto em quartoU como em caitas
do dazia de garrafaf.
P0TASS4
Tenle-se potassa em barrls a commedo prego o
na ra da Cruz n. 23, primelro andar, eseriptori:
de Antonie de Almeida Gomes.
NEM COROAS NEM MITRAS

GRAMB12 ARMiZEH
ESPLENDIDO ABMAZEK DE MOLHADOS
LIANC \
va
Silva & Souza
57 RA DO IMPERADOR 57
i
Grandes reformas de peores
/BIJA DO IMPERADOR J*. 40
/ jBBtn ao sebrado em qoe mora o Sr. Osbone,
Duarte Almeida l C:.. reeeberam de sna propria eneoninnen
da ZJZZ^tlTilA****0 orlmcnto de molhados, proprle 5 a O por ceno menos odreco que ........ pA. ., irn al.
M + l nr quer parle. *
Ugleza Ma^aS brancas Gneros especialmente escollados por um dos socios p. Da Europa se atk,
da safra novavinda noaltimo vapor a l,000'para sopa a melhor que se pode deseiar,'para esse fim.
rs. a lihra ftp.m barril a 8nn rs macarra iaU.it.Trw nni;>;n mn.n r-___
rs. a libra e em barril a 800 rs.
namtelga franceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a 560 rs.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2^400, muito propios para mimos,
CartSes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
eom bolachinhag de soda de todas as qua-
lidades a i300.
Chocolates
de lodas as qualidades a 15000 a libra.
Presuntos inglezes
dos raelhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velaos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados oeste ultimo vapor a 26oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 2^600 cada um.
Queljo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo ioteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricimente douradas,
proprias para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
U a 2,5600.
dem perela
especial qualidade a 2700 rs. a libra.
dem hvsson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 2#600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, taluarim e aletria a
480rs. alibra.
COGXAC
o muito afamado cognac Pal Brandy a l,8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a i.ooo e 800 rs. a carrafa.
COPO
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 000 rs. cada um.
PAPEL,
almaco, grave, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,000 a resma do me-
lhor.
Papel de botica
de excellenle qualidade a 2#200 a resma,
PAPEL,
azul e pardo para embrulho de i,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corintliias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
I,4oo rs. alibra.
.Yiagre
PRR era ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
caa urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e i,ooo rs. o molho.
Alpista o Laiuso
o mais novo do mercado a 1 io -s. a libra,
e 4)9400 a arroba.
CEBLAS
muito novas a 14000 o cento na ra do Qoev j em paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar
madon.7, ra do Imperador n. 40 e lar- roba el 40 rs. alibra na ra do Qoei-
go do Carmo n 9 mauo n. 7, ra do Imperador n. 40 e largo
baUO Dfi RICO do Carmo a. 9
muito novo a 34400 a arroba e 140 fs. a li- BOLACHINHAS
bra na ra do Queimrdo n. 7, ra do- em latas de defferentes qualidades a 1*200
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9. a lata
m ., WWW SUISSO QEUOS LAMENG0S
muito iresco a 8S0 s. a libra na ra do chegados neste ultimo vapor a2800 na ra
Quetmado n. 7, ra do Imperador n. 40 e do Queimado n. 7, ra de Imperador n.
largo do Carmi tt. I 40 e largo do Carme n. 9.
Os propnetarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
rreguezes e amigos e ae publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesraos precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeiro Principal na do Imperador b. 40
. *haa. peras e uvas
chegadas neste ultime vapor, vende-se na ra .do Imperador n. 40, Verdadeiro Princi-
pal.
macarrao, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 4J500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
Idea de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 15 e 11200
a garrafa e de 10-5 a 125 a caixa, as mar-
cas sao as seguintes: Chamisso AFilbo,
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros mu i lo.
Latas
com 10 libras de banha a 4#Q00.
Bolachinlia ingleza
a 15800 a barrica da mesraa que
vendem a 25000 e 25400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120c* uU bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 45500 a 5500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outres em
meias caixinhas a 15500.
Arro*
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a lihra, e 25500 a 35000 a ar-
roba desses que vendem por 35400.
CAP
de 1. e 2.1 sorte do Rio de Janeiro a 85f
e 85800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
CiarrafSes
com 4 '/i garrafas com vinagre a 15000 c
o garrafo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 15000 o frasco, ede H5O0C
a caixa.
DEM
em frasqueras de Hollanda a 55800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a 10,000 a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a hbra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,000, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 5Go rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Raalas novas
em caixas de 2 arrobas a 55 a caixa e 60 rs.
a Hbra.
Passas mailo novas
em qnartos e inteiros a 25 o quarto e 65590
a caixa e 400 rs. a libra,
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frats en ealda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
a 600 e 15 ocaixe.
GOWA MUITO NOVA
ment.
armazem.
grande a vantagem para todas as pessoas que compraren neste ntiheleci
Os propietarios garanlem todos os gneros sabidos de seu j maito aeredifjdo
1
AO PUBLICO*
Nao nos servimos de exordtos como constantemente estamos verwlo em aunr.n-
cies deste genero, pois sao palavriados de que sempre nos abstivemos, e de qne -mi
estamos certos nenhuma attenco j merecem do publico. 0 nosso fim, pois, i impl. -
mente fazer ver que o verdadeiro e principal interesse de todos esti na tabella dos pr
(os que passamos a mencionar, e para a qual pedimos toda a atien-cio.
Vinho verde.
Chegou o muito desejado vinho do Cartaxo vende-se nicamente ne>te
a 600 rs. a garrafa e 3o,000 rs, a ancora com 7o garrafes.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
64o rs. a libra,
dem de casca mole a 4o o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a l,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a l,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oe rs.
dem em latas de 1 ',* lihra a l.loo rs.
Arroz do Maranbo e da India o melher que
ha tiesta genero de 8o a loo rs. a libra,
e de 2,5(io a 2,8oo rs. a arroba.
.Vzeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e lo,ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,000 rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4,4oo rs.
a arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,ooo e l,5oo rs. a
lata e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melhores marcas a .l,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
Banha de porco refinada a 600 rs. a libra e
em barril a 58o rs.
Batatas a 2,ooo rs. a caixa.
Champagne das melhores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, c 9oo rs.
as meias garrafas.
Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a
libra.
dem perola qualidade especial a2,7oors.
a lihra. 1
dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2,000, 2,4ooe 2.600 rs. a libra.
dem preto homeoptico a 2,ooo rs_a lihra.
Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia, e56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol e suisso a i,000,
l,2oo e I,4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
tado de Simas e outros da liahia como
sejam regala, trovadores, guanaharas.
Lentilhas muito nova* excelleate legme pe-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as quaiiuade
de 7oo a 9oo rs. a garrafa:
Manteiga ingleza pereitamenU flor a 800
1,000 rs. a libra, desnecessaha auis
elogios neste genero, que so sti pd e-
rificar com a vista,
dem franceza a 64o rs. a libra, e em barr
se far abatimento.
Marmelada do primeiro fabricante de !.i*Kea
a Too rs. a libra, ha latas de 1, I t t
2 libras.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. a libra.
Macano, talharim ealetria a 4oo rs. a labra.
dem branca a 32o a libra.
Moslarda franceza preparada a 4oe rs.
frasco,
dem ingleza em p a 64o rs. o taam
Molho inglez em garrafinhaa com rolhas da
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasqumho verdadeiro de Zara a 1,000 r:
a garrafa, c lo,ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs- a libra.
Ostras preparadas em latas a Too rs. a lat;.
Prezunlo para fiambre inglez \eu
garantindo-se a qualidade a 800 rs. a libra.
Passas novas de carnada a 6io rs. 1 libra e
6,5oo rs. a caixa.
dem para sopa estrellinha. pe>i.! ercdir.l <
etc. a 3,5oo rs. a caixa, e a 56o rs. alibra.
Pcixe em latas hermticamente fechadas i.i*
seguintes qualidades: savpl. cortina, pnra*
cavallinhas, e pescada 1 1,000 a lata.
Palitos para dentes lidiados a 14o rs. o ma-
co de 2o rs. o macinlios.
dem do gz a 2oo rs. a duzia, e i.l> r-.
a groza.
Painco muito novo 12o rs. a libra e 3,ooo a
arroba.
Queijos flamengos, do ultimo \apor. a _
rs.
dem londrino muito fresco a 800 rs. a libra.
Sal refinado em potes de vidroa Soo rs
um.
delicias e suspirosa l,6oo, 2,ooo, 3,oox> eva<,nha a *8o rs
a Inff rs a mica bevada a loo rs. a libra.
a Imra.
e 4,000 rs. a caixa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco,
dem francezas surtidas ou de urna s qua-
lidade cada frasco a 50o rs.
Cognac francez e inglez a l,ooors. agarra-
fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. alibra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a 9oo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4,800 5,ooo
e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs. cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 3oo rs. a libra,
e 7,5oo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiabs superiorem latas a 2,ooo rs.
Ervilhas porluguezas em latas chegadas l-
timamente a 64o rs. a lata,
dem ceceas a 16o rs. a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo
rs. cada urna.
Favas portuguezas era latas chegadas lti-
mamente a 640 rs.
Frutas dem em calda, pera, pecego, alper-
se, rainha Claudia e ginja a 9oo rs. a lata.
Graixa nova a loo rs. a lata e 1,100 rs. a
dHzia.
Gomma muito alva e nova a 16o rs. a libra.
Genebra de Hollanda em frasqneiras com 12
frascos a 5,8oo rs. e 560 rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rl. cada orna,
dem em garralties de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafo.
Klem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
Toucinho de Lisboa a 24o e 32o rs. Id>ra.
Tijolo para limpar facas a 15o rs. ca>!.-i un
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa 1
l,4oo rs. a caada,
dem em garrafoes com 5 garrafas a I
rs.
Ibem de escovas para lavar casa a SI
cada tima.
Velas de espermacete superiores a Nh rs
a libra,
dem de carnauba refinada e de comp<
a i 4o rs. a libra, e de !5,ooo a 11,000 rs.
a arroba.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Firoeirn
das marcas menos contiendas a 4o.
a garrafa e a 2,8oo rs. a caada,
dem Figueira especialmente escofbido nest*
lugar a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo rs. a
caada.
Agua Florida.
Para restabelecer e eenservar a cor natural
des cabelles.
A agua florida ale urna tintura, fcto astea-
cial a contestor, a mesma agua dando a cor primi-
tiva ao cabello. Composta de plantas exticas e
de substancias inaffecsivas, ella tem a propriedade
de restituir aes cabellos o principio corante que el-
les tem perdido, l'uma salubridade incontesta-
vel, a Agua Florida enirctem a limpeza da cabega
destroe as easpas e imaede os cabellos de cabir
Olee de Florida.
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
coostite poderosamentf, eom a Agua Florida, a
forra, a belleza e a censervacao dos cabellos.
Em Parts, casa de Qaislattr n. 12, ra de Riebe-
lieu, e 21, boulevard Uoutmartre.
Todos os frascos, i!o tendo intacto e claro, o
timbre prateado da casa, sao reputados falsos.
Deposite, roa Se Imperador, pharmacia n. 38.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
IVA a lata : nos armazens da ra do Im-
perador n. 16 e ra do Trapiche Novo n. -g
dem inglezas em garrafas brancas bordada.
com rolda de vidro qualidade superior a
l.ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o
frasco e 1 l.ooo a frasqueira de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida suissa a
l,8oo rs. a garrafa.
dem Lisboa em ancoras ton 9 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muito fresco sea
composico a 600 rs. a garrafe, e 4,5o
rs. a caada.
dem de Lisboa branco uva ura a 56o rs. a
garrafa, e a 4.5oo rs. a caada.
dem Porto fino em pipa a 56o rs. a garnf
dem engarrafados generosos Lafhaus eU
I>ouro, Duque do Porto, D. Loiz I. I
Pedro V, Heciar, velho serr, Malva*
Genuino, Particular a 9oo e 1,2o rs. a gar
arafa, e a lo.ooo rs. a caixa con ama da
zia.
dem Madeira legitimo a I,Soo rs. a garra-
fa, e a 12,ooo rs. a duzia.
dem Mu sea te 1 a l.ooo rs. a garrafa.
dem Bordeaux das acreditadas mareas *.
Julien, St. Estepb,cbateau la Roso chata*
Margoux e ouira} a 6,5oo rs. a caixa. t
56o rs. a garraa.
Venoe-se superior vinho do Porto em caixas de
nma duzia : em casa de Johnston Pater & C, ru
do A'gario n. 3.
Superior cal de Lisboa.
Vende-se superior eal de Lisboa a mais aov
que toa no mercado, tanto em porcSo como a reta-
lho, por barato preco, afianzndose aos compra-
dores a superior qualidade : a tratar as segaintea
ras : Crespo n. 7, Imperador n. 8, Forte do Ma-
tos, armazem do Sr. Avilla, defreate do trapiche
algodo.
CEKVEJ4 1291 IIAIIIII I,
a SOO rs. o copo
OhoIJo de Minas 1 bc-ado no vapor
iem prao mnifo fresco
dem salsso superior
dem londrino superior.
57 Ra do Imperador 57



>
Grande liquidadlo.
Ra da Binperati-lz a. 60
Loja de l'azendas do pavao de Gana Silva
Acha-se este estabelecimento completamente
unido de fazendas inglezas, franoezas, allrmaas e
soissas, proprias lamo para a praea como para o
mato, promettendo vender-se mais barato do que
cm ouira'qualquer parle, principalmente sendo em
poreao, e de todas as fazendas do-se amostras,
g-ixando ficar penbor, ou mandam-so levar em ca-
sa pelus eaixeiros da oje do Pavao.
As laazinhas da expsito do Pav3o.
Vendem-se lazljihas as mais modernas que lem
vindo ao mercado, proprias para vestidos e tou-
tambarques por serem lisas e de ee-res muito de-
licadas a 860 e 300 rs.; ditas isas rom um lustre
que parece seda a G40 rs. o covado, ditas com
quadrinhos de seda a 800 rs. o covado, so para
acabar : na loja e armazem de Gama & Sirva, ra
da Imperalriz n. 60.
O Pavao vende para luto.
Tendem-se superior seiim da china, fazenda
toda de laa sem lustre, tendo 6 palmos de largara
proprio para vestidos, capas, paletols, ralsas etc.,
pelo baratissimo prego de 2, 2,5200, 25500 e 35
o covado, cassas pretas lizas, chitas pretas largas e
estreitas, manguitos, eolarinhos, punhos, e enfel-
tes, tudo preto proprio para luto fechado, e rouitos
outros artigos qtte se vendem por piceos mais
em conta do que em outra qualquer parte por es-
tar liquidando ; so na loja do Pavao ra da im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os bordados do Pav3o.
Vende-se camisinhas com manguitos e gollinhas
bordadas, pelo barato prego de IJe 12H0 cada
ara, manguitos so a 800 rs. cada par, ditos com
gollinha a 800 rs., gollinhas a 400 e 480 rs., de fil
a 240 cada gollinha bordada, romeira de cassa e de
file muito bem bordada a 25 cada urna, manguitos
que servem para calcinba de meninas a 640 cada
par, camisa com manguitos e gilas com a compe-
tente gravata de seda, fazend fina, pelo barato
prego de 35, e muitasoutras bordadas que se ven-
dem por precos muito em conta: s na loja do
Pavao ra da Imperalriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos soutambarqne.
Pelo ultimo vapor francez chegaram riquissimos
vestidos soutambarque, os mais modernos que
oeste mercado lem apparecido, os quaes esto
promptos com saia, corpiobo e sea competente
soutanibarque, tudo guarnecido de seda, vellido e
renda. Quem tiver bou gosto dirjase i leja do
Pavao, na ra da Imperalriz n. 60.
O Pavao.
Na loja do Pavao venie-te modernos mantele-
tes de grosdenaples a imitacao de capas, as qoaes
sao bastante compridas; assim como lem um sor-
tlmento de capas pretas as mais modernas qm ha
no mercada, sendo ricamente bordadas. Ditas en-
feitaaas tudo por proco ebmmodo : na loja de Ga-
ma & Silva, roa da imperalriz n. 60.
As modernissimas tnzinhas de orna so
cor, a iUco de
de op*vo.
Chegaram pelo allimo vapor francez as mais I
modernas laazinhas de cordauzmho, as mais pro-;
prias e mais lindas que tem viudo, proprias para
vestidos, soutambarque?, capas, etc., dam-se amos-
tras deixando penhor, e vendem-se pelo baratissi-
mo prego de 860 rs. o covado : na ra da Impe-
ra ;nz n. 60, loja de Gama e Silva. ,
As laazinhas do Pava.
Vendem-se laazinhas de quadrinhos transparen-
te?, boa fazenda, pelo preco de 280 rs. o covado,
ditas largas multo linas a 400 rs., ditas estampa-
das, cor segura, padres miedos e grandes a 320
rs. o covado, ditas transparentes coa palminhas
de seda a 400 rs., ditas escocezas a 60 rs., isla tu-
do para liquidar : na loja e armazem do Pavao,
ra da Imperalriz n. 60.
Os aresdeeaples do Pavao.
Vendem-se grosdenaples pretos, fazenda supe-
rior a 1,5600 rs. o covado, ditos largos muilo en-
cobados a 25*00, 25G00, 2,8800 e 35000, ditos
brancos, cor de rosa, azul e amarello a 25000 r.s
o covado : na loja de Gama & Silva, denominada
do Pavao, ra da Imperalriz n. 60.
As novas las garibaldiuas a 500 rs.,
na 'oj;i do Pavao.
Vendem-se as mais modernas laazinhas garibal
luto c rcnaBUea Qettrta H** 14 lIllUfciB de !*.
PUBLICO
enor eonstran-
g!mcnto>Vs-Iltregar 0
Importe o\^,eiP0 qne
nao agradar.
ganara*, >
0 flttIL.il*
Rna do Crespo n. 9.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
poso Dalllsa, na sna ordem do dia, e pela Branca
Agui, apesar de que, para estes o Gallo com seus
agudos espordes nuuca os offender*, nles os agra-
ciara na mesma conformidade, para qne o Baliza,
possa marchar em frente, a Branca Aguia possa
levantar seo vn, levando no bico as palinhas seu
ninho; e o Gallo tirara em seu espagoso campo
dando de novu o seu canto annunciando a seus
bons fregnezes e aorespeilavel publico
0 jraudc sor liuienlo de objeclos de muilo gesto que
acaba de receber.
ATTEHQAO
Os precos da seguate
tabella para todos, po-
se para o ajaste de cenias
eoai os portadores.
Ricas caixinhas com msica ricamente enfeila-
das para costura, proprio para um delicado me-
nino.
Riquissimos cofresinhos com cadeados de metal
para guardar joias.
Ricas ca xas com es tejo, contendo lodos os per-
tences para bomem.
Riquissimas voltas ngindo perola.
Ditas com lacinho de lila.
Diias de lindas cores e preta, de todas as gros-
soras.
Lindos aderegos com pedrinhos Dngindo bri-
Ihantes.
Ricas fivellas para cinto, de todas as qualidades
e bom goslo.
Ricos cintos do ultimo gosto de Pars.
Grande sortimeulo de lindos enfeites para cab>
ga, sendo do ultimo gosto e de todos os pregos.
Flores muito linas paca mu vas.
Luvas enfeitadas c meias de seda para nolvas.
Lhaposinhos, sapatinhos e meias de seda par.
baptisado.
Riquissimas fitas de (odas as qualidades para la-
go, cintos e cinteiros.
Camisinhas e gollnhas para senhora.
Riquissimos jarros e figuras para ornamento de
sala.
Grande sortmento de gravatinhas tanto para se-
nhora como para homem.
Luvas de perica branca e de cores.
Cascarrilhas de bonitas cores.
Tiancinhas, galSo e maravillas para enfeites.
Transelins de cabellos e de relroz para reloglos.
Papel amisade e de outras qualidades.
Bolsas para viagem.
Enlremeios e bahadinhos de lindos padrees.
Lencinbos de linho bordados.
Meias para bomem, senhoras, meninos e meni-
nas.
Pitas de veludo lisas e com mtame de todas as
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as qualidades.
Grande sortmento de sabonetes.
Liados vasos com banha para offererimentos.
Caixinhas com seis frasqonhos.
Essencias de todas as qualidades.
Agua verdadeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grandes, e em
frascos quadrados e garralinbas.
Pomada tina de todas as qualidades.
Superior banha em frascos e copos de todos os
tamaitos.
Sahao inglez em paos grandes e pequeos.
Escovas de cabo de madreperola, marfim e de
osso, para denles.
Pestes para desembaragar, com friso de metal e
sem elle.
e de muitas outras qualida-
RA DA CAMBIA 1IO REIFE W. 53.
Logo passande arco da Ceneeifo)
Grande redtmeeo de precos, equivalente a dea por cento meaos do qne oatro qnalqacr
aannnciaate.
Collegas.N5o posso por mais temp sustentar o prego da manteiga ingleza a i.ooors. a libra, bem assim o de eutros
tnuitos objectos, etc., dando com isto ocasiao a tdas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vodo!! I Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema que vim encontrar, de s se vender comsim por cento a carola, resolv fazer esta grande reduccSo de precos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo me bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uni3o Mercantil nao
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a n8iser o de l,4oe a l,6oo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da redncc5o a que
estao obrigados, encarando todos os dias de seus leguezes reclamacSo de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado este novo estabelecimento, para lfe vender goncros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu Cm
tSo smente obler a concorrencia de seus freguees.
Para bem do todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presic, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mai que tudo apremptid e entei-
I reza com que sero tratados, convida a urna vizita o mesmo, certos de que sem duvda me darao a proteceo e preferencia na compra
! dos gneros que precisarem, e quando nao pocaawir poderao mandar seus portadores, aiada que estes sejam peaco pratices, pois
| sera o tilo bem servidos como se viessem pessoalmene, ha vendo para com estes toda recommendacao, afim de que nao vo em outra parte
No armazem de azendas ba-
ratas de Santos Coelho,
Kua de |mm a. 19,
Vende-se seguate :
Atlengo II
Ricas laazinhas, fazenda a nnlh< i ua* id v,u-
! do ao mercado, tanto em (Me i n. m qaaaaV-
dentlo assim servir de oa- ^ iie\0 baratissimo prego de 5C0 rs. .> w*m.
Uitas miudinhas carniezins. pn pibe era
dos de meninas e ramisinlias a 640 < r m.
Cortesde laa com 15 covados, pelo barata prc;c
deCS.
Cuberas de chita da India i SJS f .".
Lenges de panno de linho a -i r *'j S9.
Pega's de cambraia de forro rom 8 I," ra i
34200.
Toalhas alcochoadas proprias para a.iv> i .'S a
dula.
Ricos cortes de laa com barra Baria
183-
Pegas de platilhas de algodao raa 10 eajae,
proprias para s.tia a Ki.
A'godao enfestado com 7 1|2 palmas da !a:fei.
a 15100 rs. a vara.
Esleir da India, propria para forro .'r aaJa 4
4, 5, e 6 palmos de largura, por a.enos i r*e *
quo em outa qualquer parle.
Nesle estabelecimento tambem w i
om grande sortmento de roupas fcitas,, pe* ex-
dida.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz abattmente.
dem franceza a mais nova que tem viodo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a 5o rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim melhor que se pode desejar
ueste genero fc,6oe rs.
dem preto homeopathico por ser de superior
qualidade a ,ooo rs. a libra.
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o l,6oo, l,8eo e 2,oeo rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se venda em outra parte por 2,4oo
e,Uoo rs.
Lioguicas, ctiouricas e patos em latas de 8
libras, emticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
ea barris.
Cbouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,ooo rs. e ,5oo e 6oo rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
rs. tem barricas de 4 duzias se faz abati-
mero.
Caf d Rio a 2t5o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8joo rs. a arroba,
dem lvado de primeira qualidade a 3oo rs.
a liht, e 9/>o dem o Cear de superior qualidade a 2So
e 28 rs. a Kbrt. e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroa.
Arroz ^o MaranhSo a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. arroba,
dem dIndia muito alvo egraudo a loo rs. a
libn e 3,000- rs. a arroba.
Hern e Java a 8o rs. a Kbra, e 2,2oo rs.
a aroba:
Paincoe alpisla a 4o rs. a libra, e 4,3oo
rs. arroba.
Massa ce tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo -s. e de barril muito superior a 5oo
rs. i libra.
Aletria macarro e talharira a 4oo rs. a li
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem etallierim branco a 32o rs. a- libra.
estas raassas tornam-se recomendaveis as
pesetas doentes por serem propriamente
feitas para esso Um.
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor i Estearias a 56o rs. a libra, e em caixa com
dinas, fazenda inteiramente nova no mercado, sen-, oj|0S e tartaruga
do todas com listras iniudinhas, e transparentes, 'do.
com lustro a imitagao das sedinhas, tendo varias Pentes de tartaruga para senhora
cores, sendo azul, cor de lirio, carmezim, cinzenta Ligas de seda e de algodao, assim como nviitos
e cor de havana, etc.; isto a 500 rs. o covado para outros objectos de gosto que seria impossivel inen-
vender depresca: na loja do Pavao, ra do Impe- Cjnari qUe a vista far f, s uo Gallo Vigilante,
rador n. 60 de Gama & Silva. rua do Crespo n. 7.
Leqties.
Riquissimos leques de madreperola
Os mais modernos vestidos Maria Pia,
na loja do Pavao, a IOS
Vendem se finissimos vestidos Maria Pa com
os corpinhos differentes, tendo todos os preparse
com o competente sinto : na rua da Imperalriz n.
CO, loja'go Pavao.
i amisinlias a \ $000*
Vendem-se camisinhas com manguitos, sendo
muito bem enfeitadas. proprias para senhoras e
meninas, pelo barato prego de dez disides cada
urna : na loja do Pavao, ra da Imperafriz
de Gama & Silva.
Vestidos para meninas.
vendem-se s mais modernos veslidinhos para
meninas, sendo muilo bem enfeitades Maria Pia,
tendo de differ-ntes lmannos, pelo baralo prega
de s-i cada um : na loja do Pave, rua da Impe-
ralriz n. 00, de Gama & Silva.
Ronpa feita barata.
Vende-se um grande sortimente de roupa feta
para homens, sendo caigas de anm branca a de
cor, ditas de easemra preta e de cores, ditas de
meia casemira, palelots saceos e sobrerasacos de
casemira e panno preto fino, colletes de todas as j
qualidades : na loja do Pavao, rua da Imperalriz
n. 60, de Gama & Silva.
Gresdeiaple de cor a I .)600 o covado.
Vende-se grosdenaple de cor azul, branco e pre-1
tp, pelo barato prego de 1J600 o covado :^na loja |
tanto para
senhoras como [i'ara meninas, pelo barato prego
de 125 e I4f; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Pentes
lambemchegaram os riqusimos pentes de concha
do tartaruga e de massa tina, que se vende por2'
3e; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Caetas.
Riquissimas caetas de madreperola proprias
* "i para qualquer presente, pelo baratissimo prego d
1*500 e U-
Sapatinhos e meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino ea-
feiados, assim como meiaszinhas de seda, gorrar.i-
nhas e louquinhas para as cnancinhas se bapliza-
rem; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
V'oltinbas.
Lindas voltinhas de perulas falsas com cruzin^as
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato prego de 15 e 1200, as
cruzes avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Glinhas.
Riquissimas goliphas e manguitos, o melhor gos-
lo possivel, a 2, 25500 e 3 s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Enfeites para seBhera.
Riqnosissim eneiies com lago e sem lago e de
ilo Pavao, rua da Imperalriz n. 60, de Gama &: ouiros.muilos gosto a 15, 15500 e 35: so no Vi-
Silva. i guante, rua do Crespo n. 7.
Panno de linho a 700 rs. o covado. I'rancelins.
Vende-se o verdadeiro panno de linho proprio Lindos trancelins ae cabello para relegio on lu-
para lenges, toalhas e ceroulas, pelo barato prego netas, pelo baratissimo prego de 15500, ditos de
de 700 rs. a vara : na loja do Pavo, rua da Ira- relroz a 200 rs.
peratriz n. 60, de Gama & Silva._ Babadinbes enlreajeies.
! Riquissimos babadinhos enlremeios com lindo.
desenbos tapados e transparentes, pelo baratissimo
Vende-se para acabar, urna pergao do retalhos
de laas e cassas de tortas as qualidades, e per pre-
gos muito em couta; quem tem economa qne
pode apreciar : isto na lc> do Pavao, roa da.lm-1
peratriz d. 60, de Gao-a & Silva,
Hadapolio a 75000, s na loja do Pavo.
Vende-se superior madapolo muito encoraado,
tendo -JO varas eada peca, com 4 palmos de largu-
ra pelo baratissimo prego de 75000 a pega, ditas
muito finos a 85, 95 e 105000. E' pechinrha, na
loja do Pavo, rua da Imparatriz n. 60, de Gama 4
Silva.
Cortes de cassa a 34000.
Vendem-se muito bonitos cortes de cassa, tendo
7 varas cada corte, com esenhos muilo delicados
pelo laralissimo prego da 35000 o corte; s na
loja do Pavo, ruada Imperatrlan. 60, da Gama &
SilTa- .. .
Cortes de chita franceza.
Vendem so finissimos cortes de chita fran-
ceza, com 12 covados, tendo, padrCes escures e
alegres de cores flia pelo baralissimo prego de
45000 o corte; s na loja do Pavo roa da Impe-
ralriz u. 60 de Gama 4 Silva.
Cobertores a 58OO.
Vendem-se coburtoras de 2 faces, senda bastaa-
tantes grandes, pelo barato preco de 1#800 cada
om ; s na loja do Pavo, rua da Imperalriz nume- tem apparecido; s no Vigilante^ roa do Crespo
Cambraias lag, na loja do Pavao. Para pos de irru.
Vendem-se pegas de cambraia lisa muilo fina, Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
upada e transparente, pela baratissimo prego de eonsa ja mUjto gosto a 15500 e 25, assim como
paroles s com os pos a 320 rs. cada um; s no
prego de 15200, 15500, fg e 35; s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Cascarrilhas.
Grande sortmento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galaozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, rua do Cres-
po u. 7.
Filas.
Grande sortmento de filas de diversas largaras
e qualidades, por pregos que admirara aos com-
pradores, havendo filas largas proprias para cin-
teiros que se pede vender a 300 rs. a vara, e peca
de 9 varas a 25; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Fitas de lia.
Fitas de 13a ae todas as qualidades, proprias pa-
ra dsbrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7
Rices espelhos.
Riquissimos espelbos com moldura dourada
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim romo com
columnas de dlfferentes tamanhos a 25, 35> 45, 55
e65; s no Vigilante, roa do Crespo n. 7.
Lindes jarras e lijuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo omelborgosto que aqu
passado a l,6oo e 1,800 rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
dem do Atentejo o qu se pode desejar de
fresce e superior a 800 rs. a libra, a elies
antes que se acaben.
Ervilhas e favas porluguezas em latas j pre-
paradas a 64o rs.
Marnjelada iinDerjal dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prczunto do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado noste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a ga a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
I,ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermaccte em caixinhas contendo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambemtera
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
da., salmo, ostras e chernee, vezugo em
latas grandes a 800 e 3,ooo rs. cada urna.
VirihoBordeaux das marcas mais acredita-
I 25 lbras a 52o rs.
Vinho lo Porto muito fino excellente qua-
lidad proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 4o,ooo rs.
Vinho depipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e5oo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 000 rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
a missa em caixa de 1 duzia
Vinho branco nara i_
a 15,000 e a 680 rs. a garrata.
Vinho do Porto das raelhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., ladeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
lo,ooo rs. ea 9oo e t.oooa garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinbas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinbas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
das que tem vindo ao uosso mercado a | Bolachinha de soda em latas com diversas
6,000, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante- j qualidades a i,3oo rs.
se ser de qualidade superior, quo outro 1 Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco.
Genebra de Hollanda.a 5Co rs. o frasco, o
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de A1 tona em
frascos grandes a 1.000 rs. o irasco, e
H,ooo rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes too
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
i,8oo rs. a caixa cora 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditasimperiaes emlatas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ametxas francezas em latas de I e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora i,2oo, l,5oo, e l,8oors.
Aaeitedoce refinado Penanol en do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,500 a
caixa com. urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra c 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. fraseo e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escota para eafregar asa 32o
Nozes mnito novas a 16o rs. a libra
Mam inglez em garrafa de vidre com
rollia do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melbores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sepa a loo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara m garrafas
grandes a l.ooors. e H,oeo a duzia-
Palitos para dentes a 14o e lors. o mago.
Sal refinado em frasco de vidre comrolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das mareas mais a-
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de-Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Baha e das
mais acreditadas marcas conhecidas
nesso mercarlo a 2,000, z,Ovo, 0,000,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas
1,090 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; ditoemcaix0esa6oers.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32e rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,000. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento; ditas em
molhos com cento e Untas por 1.200 rs.
Matte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
45OOO tendo 8 1/2 varaa eada paca, das murta -
as a 75, 85, e 95 a paca, ditas Victoria coa 10
?aras pelo baralissime preco da 75> 9y e *> dl"
tas Garrazes rateada maito eneorpads, fazenda pro-
pria para forro a 160 rs. a vara oa 5600 a peca ;
isto na loia do Pawo, roa da Imparatriz 00, da
Gama A Silva.
Cortes de lia a 15000.
VfgilaBte, rna do Crespo n. 7.
Perfumadas.
Grande sortmento de extractos e banhas, poma-
das, assim coran de lindos copos oa vasos coa dis-
tlnctivos e oferecimentos as siBhasiohas do6 me-
lbores e mais afamados autores de Pars e Ipglater-
Vendem-se corles de las garibaldinas, matisa- r^aaifa^h/eyflMde eopoa *gg5H
das e de quadrinhos, tendo 12 covados cada corte a 25 e a 15, assim como ostras ""M"***J
pelo baratissimo prego de 45000 o corte ;.isto na passivel por baje aanunciar e a vista ?
foja da Pavo, rua da iaaeratm n. 60 da Gaaa A &" todo negocio; na loja do Gallo Y^U>ae,
5jTa, roa do Crespo n. 7.
AGENCIA
DA.
AGENGIi L0W-M00B.
Roa da Senzalla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
am completo sortimento de moendas e meiai
tnoendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas par*
lavar roupa: em casa de S. P. Jobnston de C,
rua da Senzalla Nova n. 42.
mmmmmm mmm.mmmmm
! Fabrica Conceicao da
Bahia,
Andrade & Reg, recebem constante S
mente e tem venda no seu armazem n. fH
K 34 da rna do Imperador, algodao d'aqael- Sg
^P la fahriea nronrin nara sacro* rt a la fabrica, proprio para saceos de assu
car, embalar algodao em pluma etc., etc.,
pelo pre^o mais razoavel.
sortmento para a festa
C0NSERV4TI
23-Largo do Terco-23.
Joaquim Sm/> des Santos, dono deste armazem de molhados avisa_ aos amigos de bem e nit-
rato qne se venham sertir dos bons gneros este esiabeleciraenlo que oao se arrepeadero, se Ihe
(ara a differenca de 10 a 20 por cenlo, pelo sea nrompto pagamento ; e por isso se faz annaocio de
ilguns gneros, que tendo ssmpre este estabelecimento um grande e vantajoso sortimento de tudo
juanto pertencente a este estabelecimento.
Sentido! Von fallar com o Conservativo !!
Ra da Senzalla n. 42.
Vende-se, era casa de S. P. Johnston C,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para earros e montara, arreios para
carros de um e doos cavados, e relogios de
ouro patente inglez.
Rna da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tac& <
ferro coado libra a 110 rs., idemd elor
Moor libra a 120 rs.
Vende-se
tfanteiga ingleza de 1' e 2' sorte a 809, 900 e 15
a libra.
Idea franceza em barril a 600 e 640 ris a li-
bra.
rouemho de Lisboa a 300 rs. a libra e 85800 a ar-
roba.
Batatas em caixas e giges 15200 e 55000 a ar-
roba.
Caf de primeira e segunda serte a 250, 280 e 300
rs. a libra.
,Utoz da India, Maranhao e Java a 100 e 80 rs. a
libra.
Pbosphros do gaz a 25 a groza e 180 rs. o maeo.
Passas aovas a 480 rs. a libra.
Velas.de carnauba Aracaty camposigao a 400 e 4*0
rs. a libra.
Sassas para sopa a 480 e 440 rs. a libra.
Marmellada dos melhores fabricaates de Lisboa de
l a 2 libras a 640 rs. a libra.
Oj hysson o melhor deste genero a 25800 a li-
bra.
dem aerla mindnae a 25*00, 25000 e 35000 a
Baalia iagleza alva e superior a 480 rs. a libra.
Queijos mais novos do mercado a 25500 e 25800.
Serveja das raelhores marcas, tanto branca come
preta a 500 rs. a garrafa e a duzia a 55800.
Sabao amarello massa a 180,200 o 240 rs. a libra.
Charutos da- Rabia dos melhores fabricaates de
15200, 25OOO, 255OO e 35, a caixa.
Milhe alpista e painco a 160 e 140 rs. a libra.
Vinbo de Figueira verdadeiro a 500 rs. a garrafa.
Idea de Lisboa das melbores marcas a 400 a dia.
dem do Porto em barril superior pinga, 640 rs.
Liem branco proprio para inis>a a,500 rs. a dita.
Uem do Porto engarrafado a 800 e 15, tomando
mais de urna caada de qualquer um lestes ter
grande abatimenlo.
Conservas inglezas e porluguezas a 500 a 640 rs.
Btscoites e bolaebas de soda a 15400 e 25.
Massa de tomate a 600 rs. a libra.
Geaeara de Ola ida em frascos e botijas a de la-
ranja de 480 a 640 e 15200.
Cbouricas as mais novas a 560 rs. a libra.
Latas com e meia libra de amenas a 15200.
Azeite doce de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 35 o
galo.
superior farinha de mandioca, a bordo dos brigues
sconas Principe, D. Affonso e Nao Sel,' atrarades
eo caes do Barao do Livra ment : a tratar a bor-
do, oa ao largo do Gorpe Santo n. 4, prirneiro an-
dar, escrlptorio de Palmeira & Bellrao.
Veude.-se a taberna da rua Direita a 48 com
poneos fundos, propria para principiante, e muilo
afroguezada : a tratar na mesma.
Vende-se um comometro martimo inglez do
melhor fabricante Charly Frodsnan, afiancando o
seu regutaaento, por diata prego: a tratar
na rua Nova a. II, leja de Francisco Jos Ger-
mano.
A ttert cao.
Vndese a casa tarrea da rua Imperial a. 172,
aoderna, grande quietal, cacimba e perlao paraa
maro pequea, lado de pedra e cal, nova, chao
I proprio : a tratar na rua do I-aperador n. 47.
BerMoa iae.
A loja da Airara, aa rua larga da iesaria a.
38, receba* bordadas de cambraia transparentes
auito fino, qne lano serve para camisas coma
para vestidos e salas de senhora, pois qoe Isto lo-
ra a amostras qne s a loja da Aurora fet qwa
recebe deslas fazendas: qualquer tenaera
bom go'to que protender usar destes modernos
i bordados, queira mandar qaanto antes comprar,
1 pois chegaram poutos estao sa acabando
GRADE CA
IMI1 TODAS 18 NLKsnvs |:
1, rui u a
V-
AS
Pillas Yegctaes AssBcaru*s
Be Kcmp
Oompostas dea dois novo r*!;.' :!> '.im*-
dos FoDOPmuxv c tawurpaiWA, e iiiteie*
mente livre? de Mercurio 011 itroi aeaa
minoraos ou netaTIieos, s;To do grana n&
iladc nos paizes clidos eni caafif da
DISPEPSIA, ENCHAQECA,
f onMipacao on Priz5o do Ventre,
PADECiMENTOS DO FIGABO,
AffeccOes Biliosas,
HIMOLRHOILAS, CLICA,
ktfrieia.
FEBRE GASTEO-HEPATICA,
t eutrasrnfrrmir!:iilriaalft^a.
Eliui t:o rapitUniente nottatiUriiMfo o* mnt'fu
purgantes drsticos.
A veada as boticas de Caors Barbara,
rua da Crnz, e Joo da C. Bra\o & C, re
da Madre de Dos.___________________
Vende-se caixas de figos com ti libras a
13500 res, cada urna para acabar na tatema da
rua do Imperador n. 83, confronta aa n mo.
Xovo deposito de? sa a.
Acha-se alerto um novo taeaM #e sato *a>
rna do Raagel n. 34, na antiga abrir inkatax
aonde os freguezes encontrarlo c um lata
ment de sabo de todas as quahu...le- a-m, r*
moa vaniHgrm qno encoDtram p.nra a.-rrx i, qualquer freguez por ser muilop to carreio que tem de pacarem.
Atteiicno.
Vende-se urna mulata de 20 anno-. rae*, ea-
nha e engonuna com perfeir^ao, unta rrwaa i-naa
as mesmas habilidades, nmadna de 13 .mu,
duas de 8annns, nm moleque d I ama*, rrm-
latinho de 6 annos, dons pretos d-- ?"> a "Oananj
fortes para lodo o servico : na rna das lavajajaf
ras n. 18 segundo andar. ______
PAKTE DE ENGENHO.
Vende-se una parle do engenbo lianb-nra na frt-gnezia de Pao d'Allio : quem arriaaie* ria>>
pra ladirija-se a esta Ijpographia aaaj se dir .-ata
quem deve fallar.
ESCRAVOS niGLIOS.___
Est Futido.
Contina a estar fgido o lato acabarla
neme Marcelino do abati ajaajaaaa. E~ t a *-
to de altura regular, bstanlo rpfurpaa a ea*>
po, lem ii:aos e p-grande, eaavMa n,n, *aaa
ri-donda, nariz chato, barba p< ura. H u, m a
dentes, e quando falla aaisapre->a.t gag ,-. m*
fgido ha quarenla das : recomo,-nv^ i#- w.
capiles de campo o quiran peear e Irvar a raa
do Imperador n. lio, que serio roa>p. iu-
Antonio Luiz dos Sanl$s.__________________
Fuga no da ti do coireote do raavabu a-
pan da villa do Cabo o negro Pedro, rrion a, aa .
a 3o annos, pouco mais ou Braaa, bana, roiap
regular, cora faltado denles na frenir, aai a.riaa
dos, com as pernas um pouca faraaabM para iraa
quando esta em p, o qoal preto ja e>ieve |r
mais de tres annos fngido, e ataaada m j,>
Hilario Paes Brrelo, morador na villa do l'jr, 4
Camuragihe da provincia das Alapoa*.
O referida preto bastante ladino rosinma rm-
briagar-se, suppondo-se com bon- fundamentos qae)
tenha voltado para aqaelle logar, alirn de t,p>-
siar-se no eagenbo de Jas Mara Paes lUrrria,
onde se achava ao lempo em que toi eniregna >
seu senhor Joo Paes Brrelo de Larrram, erapiM
lario do mencionada engenho Mii| aa : r,^-,
porlanlo, quem o capturar, o favor de o aaaaaal
ao supradiio eagenha Mupan, ou a r.i-a aa Sv
commendador Pedro Alezandriao valcanti, na rna da Saudade da baino da aVa-
Vista.
Fugo da ca^a do major Antonio da !v
Gusmaooseu escravo pardo de mime Luiz, curka-
cido por Luiz Honteiro, idadt 24 eaaae, paaia)
mais ou menos, bstanla alto, serr, Ub p-rei .#>
pernas compridas, cor clara, cabellos rarbu,a>,rav
bIiqi*, e o principal sigaal ttr em rbaa de caria
mo urna estrella azal e tres pinta> laabra m**,
formando um triangulo em cada lado 1 ra*aa,
efflcial de pedreiro. pintor a catador : poriaaea
1 oga-so as autoridades polica*, aaeaa roa* aaa
senhores de engenho a propricUrio. aonr tu- ar
irabalhar, intitulando-se torro, tanto nr-ia pravay
cia como fra della, que a faca praato rrairt-
ler ao sobredito senhor, qoe pagara todas as dra-
pezas, assim coao a. quem o conduzir ara 1
boa gratificacao.___________________
Fogia sahbado 25 de novembro 11 j\ki.o i
sado o escrave pardo de come Antonio, de ida4a
de 20 annos, pouca mais oa meaos, rom os >ig-
naes seguales : magra, altara r>guiar, ro-m ri-
prido, aae laa barba a iom bastaaies marran
aeiigas, falla branda, fui freravo e cria do:
Joaquim Cavalcanli ae Albnqorrque do eof<
Araguari da fregnezia da Barreiro, emi rria*a-
aesta cidaa aa andar agua, aorm aa> dono*
a dia* santo anda va cajeado, da pali>t branca,
chapeo do chile e bengalioba Dna, ^on^U ,,u^ >
intitula va de ser livre, quaade fugio di>c a -'fa-
mas pessoas a quem venda agua, qoe segu. 1 ara
Barreiros, a que saaaeate otan depu* a fr-i
do natal : raga-sa a attariaade polu ia* 1 cu-
lacs de canap de a appreheiderem e macarra
entregar na rua do Queimado n. 77, a Akxandre
Jos da Silva, que recompeasar eom S0V

MUTILADO
,


/
*
Diarlo de Peraaaifeaea Qnarte feiri 14 e Dezembro e i *4.

/
LITTERTRA.
>to Imaginoa, que esta guerra fornecia-l'oe uma liouameote, e occasionarara-lhe que passasse as
UoZrL! p 2 8rcan,e glria e riiaezas sem nou,es sera lorrair, pelo qu. priucipiou a soflrer
aoexcesso da mesa, e a passar as noutes beD/ndo Filho de Deus vivo que desceu i ter* tet Achara-* anda no tercairo e segundo secuto'
e cheio de diversas eoterraidades, determlnou lo- elle nao poda era verdade dissimular es seos le- Soa eu porventura obrigado, obrigado em con- nerada pa^roteslanies, de oo quererera con
mar sobre si a guerra contra Mithridates, re do' mores. Estes pegamentos atormentaram-no con- scienca, sob pena de rebellio contra Deus, a con- fessar-s^seaao a Deus. tPor coosequencia, ezela
riD,- ?I<*IMM occasiao de artnnirir ^j-i.:. _,__......_
SIM; porque a conQsso dos peccados feito-* dlS!l8 : ,T muito perigo.
neral do exen
aproprar-se da primeira e mas
o para i
A contestado tomou s-
de guerra de todas as onza clama. Pe mamar*
que, altalas todas as erenlaalioaaV, *> MDJno
raadle, toi intilmente que a aenbor eutregou as homei ,,, deTerao ^har.M jebaixo *T;
i ares do cu a Egreja ? Seria em vao que Elle M5fi d8 >W)H|0 ^^ 0 mnhm
liosa 1\. J ,.....I.J: < n j( com seus amigos e dependentes. Por este reamen
dentro em pouco inflammou o seu sangue. F^ ata-
cado de urna febre, que accommetteu-lh&ogo a
cabega, e no delirio s referla-se guerra cm Mi-
tridates : elle imaginava que tiuha o comeando i
a niaiina ue vinyar.
De\N3 confcssar-se, que nenhuma paixao tem pro- T"l'!,ar"se aa Pnmeira e mais gloriosa provin-
dui:do effeito irais terriveis do que a smbigo ; e c,a ; '01 Pr 'sso designado para o comraanda pelo
coiutud, parecc-me, que a amuelo s un vicio senado. Mario oppoz-se
n'um espirito vicioso. N'um espirito virtuoso ella ,*,, __,
(i tuna virtude, o sua cor ser a do carcter da- P^porgoes, e seguiu-se uma guerra civil.
quelle em quem ella se adiar. | sy,la Poe em sitio a cidade de Moma, e Mario
riamos. I ur'gado, para salvar-se, a fugir. Svlla fa* uma al-
teraco no governe, e expedo-se um decreto a to- e nao s fallava' como fazia geslos> e ,,ma* a *'"
cidades da Italia, para que fosse preso e ,ilude de ura nomem que peleija, ou de m geoe-
i encontrado. De- ral dando ordeDs. lao violenta e ineurail era a
paixo, elo profundas raizes tinhacreadiem seo
coraco essa paixo, que, reunindo-se imbigo
e iuveja, Ihe haviain inspirado tao viemente
desejo daquelle commando.
Mr. Manlia era um patricio de uma das mais il- das
aires esas de Roma. Tinha sido cnsul d-: morlo Mario"o"nde"q"uer qu*e Tsse
qan ido muito maior reputagao pelos gloriosos fei- DQ|, d. vao,r .' "","**" '
tos ;eem particular pelos importantes servic.s, I JmZ^^m^^^' *"*"*""*
que tinha prestado a sen paiz, salvando o capitolio 7^orTJlnl ES ^"^ ""'
quando esleve a ponto de ser tomado pelos Gaule- TaS T *?* f' eninB!o le-
gado atioal na praia de uma provincia inimiga
sem auxilio, sem defesa, e abandonado por lodos!
Um ludo nao entregou-se, porm, atravessando o nico homem que foi cnsul sete veis, e que
pantanos, fossos cheios d'arua e trras lamacontas, possuio riguezas, que podfam ter bastadaara dif-
ciiegou por fim a pobre choupana de ura lenbeiro. ferentes res, lamentado na maior indig'enia.mor-
ren-se ao partido do povo e fez 11 !?,!!' a9 P'S' Ped,u-|ne 1Qe salvasse, "o antes de realisar suas vistas. Infeliz Huo em
restricta liga com os tribunos. Fallou com de<- i ', e>capasse, o remunerara generosa- i vez de gozar dos dons da lortuea com fatida,
! permittiu ser despojado do presente, engomando-
homaro para nos salvar.
Abramos porUnto o seu F-ngelhe e ahi en- mundos sobre as nces-idades da conssao
centraremos duas palavras^osso div.no Mestre, ] mK^uZ^1^S^SSZ a
nos livros dos amigos doctores, mui notaveis leste-
feita
es ; porem uma secreta vaidade e amblcao, que
Manlio permiltio cnvai^ar-so no seu coraco, cor-
romperam todas as suas grandes qualidades, e In-
'eiramente mancharan) sua gloria. Como nao se I
acreditara lao considerado pelos senadores, como!
Assim, diz Plutarcho, na edade de setea annos
prezo dos senadores, e lisongeou a multido. E, i
em uma palavra, preferio (er uma grande uma
boa reimtai' : nada o poda salisfazer senao a su-
prema autoridade.
As medidas remtudo, que elle empregou para
realisar seu designio foram tao mal concertadas,
qu Manlio foi citado para dar conta de sua con-
ducta. Teve o arrojo de dzerem reunioes em sua
casa, que os senadores se linbam apropriado do di-
iihciro destinado ao pagamento das tropa> auxilia
res, e que tinham subtrahldo grandes thesouros"
4be pertenciam ao publico.
Mmlio teve ordem para provar sua aecusacao, e
que nao podendo fazer, foi recolhido a prisao como
sedicioso, e falso aecusador. Vendo-se preso como
dictador, nada omittio para fazer com que o povo
se pronuaciasse em seu favor. Invocou todos os
deuses, que habitavam o capitolio, implorando-lhes
que o ajudasse, pois que tinha lao corajosamente os
defendido.
Como, dsse elle, as maos que preservaram
vossos templos da furia dos Gaulezes nao de ser iu-
famadas par vis cadas ? Todo o povo foi tocado
da mais viva afllicgao. A multido passou nao s
o dia, porm tambera a noute perto da prisao, e
ameacava arrombar as portas. O senado resolveu
abr-las, porque ellas seriam arrombadas, e Manlio
foi posto em liberdade. Porm por esta poltica ti-
morata ara voz de suffocar-se a sedicao, deuse-lhe
um cablea.
Manlio lvre da prisao, lornou-se mais violento e
menos acautelado : em breve seu designio de des-
truir o grerno, e de escravisar o povo foi tao evi-
dente, que oi de novo preso. Comecou eolio a
perder todas as suas esperanzas, e os olhos do povo
foram de todo abertos; roohecerm que linbam
sido engaado.
Quinto a Manlio, quando foi soffrer o seu inter-
rogatorio, compareceu triste ; sem um s senador,
paren!', amigo, e at sera seus proprios irmaos ao
seu lido para acompanharem-no em sua ddr. Tan-
to o amar da liberdade. e o leinor da escravido
prevaleca no coraco dos Romanos sobre todos os
lagos de sangue e da natureza! Depois de uma
importante audiencia foi condemnado a ser sacudi-
do do alio do capitolio ; e o mesmo lugar, que foi
o theatro de sua glora, tornou-se o de sua vergo-
Dha e infamia.
O aldeio. conhecendo-o e imprssionado pela!Se "'"'" Utur ch"uenco-
altura e magestade de sua figura, que seu infortu-' E ""n twto Mario foi ura dos mais farasos ro-
mo nunca abateu, respondeu : que se elle un- "anos. Porm, certamenle quando M.io, ou
camente precisa va de descanco, poda acha-lo Ale"ndre o Grande, Julio Cesar, ou no lempos
em sua cabana; porm, se fugia de inimigos, muilernos Luiz XIV, sao considerados graJes iio-
elle quera mostrarlhe um retiro mais seguro.ilnens ou "eroes, presa-se o exemplo maislagiau-
Mario, tendo acceilado o ultimo oferecimeBto o 't<5 d3S fra,,uezas d0 8eQero ^"Jano, queem an-
borasm o cooduziu para um lugar concavo perto DeXad a 'dea de r*ndeza e herosmo a :lal arte
de um pantano, onde cobriu com folhas, juncos e de dtSlru,r sua espacie : e que pode adralir, que
canijos. Apenas Mario eotrou no misrrimo reti- tal ae,ois,no Pode subsistir cora os vicios Bis per-
ro, seniiu seus inimigos em sua perseguido. Estes i D'C1050S a sodedade-
pergunlaram, insisliram e ameagarara o lenheiro Sua fur,una Parece apenas mais digna e enve-
por oceultar um Inimgo da repblica, condemna- Ja do 1ue sua conducta de louror. Porqu si, em
do morte pelo senado romano. Nao restara vez de de'xarmo-nos deslumhrar pelo valoso es-
Mario nenhum recurso : deixou o retire, despiu- P,endor das rlqaans e dignidades, censierarmos
se e metteu-se na negra e lamacenta agua do pan- 1ue custou-lhe adquirir e segurar a posj deltas;
tao. Este immundo asylo nao pode occulta-lo. 0(,ae intri8as caballas, anciedades t Acrescen-
Seus perseguidores correram a elle,epxando-o le-se a isso os tormentos da inveja, temoes, vexa-
d'agua n, e todo coberto de lama,'pozerara-lhe mes, sendo rauilas vezas toreado a rndese, e ul-
uma corda ao pescogo, e arrastraram-no at Min- tmenle a deploravel circumstancia desua fgi-
da ; se elle nao tivesse sido mais feliz -anqulllo
no obscuro estado, em que nasceu cultivado o pe-
queo terreno, ou deixado por seu pai, u adqui-
rido por si mesmo, teria passado a vida sent de
cuidados e perigos
Aos precdanles exemplos en acresceilarei s-
mente o da propra Roma, de que Maio foi ao
mesmo lempo salvador e algoz. Era qui torrivel
situagao eslava ella ao meio de suas prospridades
e grandezas.
Ella era victoriosa de todos os seus amigos, e
lyrannsada por seus proprios cidadoe. Pinna em
fuga e desbaratava os exercitos iniroigos,3 affoga-
Tal foi a fim de um homem, qne poda ter sido o
ornamento do paiz, se nao houvesse nascido em um
oslado lirre. Vemos oaji como diversas quaiida-
des excellenles e gloriosas lornaram-se nao s inu-
ois, mas tambem odioas e dcfstaveis pela ambi-
guo de reinar. (Liy. I. IV c. 42.)
Mario, tao famoso na historia romana, foi um ho-
mem que s teve uma paixao, o desejo de elevar-
se, ao que nunca teve escrpulo algum de sacrifi-
car fosse o que fosse; porque nunca conheceu in-
|egridadc, sinceridade, ou gratido, quando iraia-
ra-se de realisar suas vistas. Foi a amhigao, que
o fez deixar o arado e abragar a profisso das ar-
mas, pela qual tinha esperanga de fazer fortuna
Elle chegou muto alm de sua espectatlva : po.
rcm depois de tar gozado de todas as honras no
goveruo romano, tendo adquirido uma coosideravel
fortuna, e eito uma boa allianc.i, casando-se com
Julia, ta de Osar; longe de salisfazer-se com seu
successo nao vulgar, e gozando do fructo dos seus
Irabalhos e perigos, a edade de setenta aunos,
quando elle eslava excessivamente gordo e pesado
W
FOLHETIM
VIlTK IIOIUN DE I I I I 111 \
ROMANCE ORIGINAL.
POR
GAMILLO CASTKLLO BRINCO.
(Conmuafffo do n. 284.)
XXII
Umdestesdas, comoeuestivesse accendendoum
phosphoro da fabrica de Galliza, reparei as figu-
ras da caixinha. Era um camponez, embebendo
n'um tengo as lagrimas do olho direito ; e, com o
trago esqaerdo esteniido cariciosamente a um boi,
dizi'a em Hespanliol : Em vez de hijos tengo un
buey, que me d qrande satisfacciones. A satyrica
referencia que os nossos visinhos dio a este dsti-
co nao a sei. O que se v menos mal desenhado
um sujeito, commovido a praulos, alTaifando um
boi, que, mingua de filhos Ihe d muta satisfa-
ga. \ s-lo n'uraa caixa d* phosphoros gallegos, a mim
Cocou-me n'alma cora singular melancola, porqu1*
me trouxe lembranea uma historia que Antonio
leaquim me coutou, depois que almogaraos em
ValiongQ.
A liieira passou por entre urna grossa manada
de bois que Traba do Porto, com destino a Ingla-
terra. Os corpulentos e nedios r minantes cami-
nhavara tristes, r.'lanceando sobre a ruidosa loco-
CBotira os seus magnficos e lnguidos olhos. Se as
duas pessoas, queiam na liteira tossem gente pen-
sadora, calculaJra, e versada era economas poli-
deas e ou'ras ciencias attinentes X prosperdade
das nages, enirariam a dlscorrer sobre a conve-
niencia de mandarmos aos Inglezes os bois gordos,
e comennos os bois magros por alto prego. Recor-
daramos espantados a estupidez de nossos pae>
qne comiam bois gordos muilo em conta, e eljes
ne*mos andavam gordos, e tinham multo dinheiro
sem mandar bois para Inglaterra-
Da censura ignorancia de nossos pae, pausa-
ramos ao elogio dos nossos sabios contemporneos
e dos magarefcs, que aproveitam m lis qne os agri
Cnltores, e que os sabios ; u, depois de largo e fun-
de discursar a proposito de bois gordos, adorme-
ceramos ambos ahi pelas altaras de Rio Tinto, e
gonharUmos com as raceas magras do son no de
?hara, sonho d tome, que, a meo rer nao foi
urna, onde enlregaram-no aos magistrados.
Ser-me-ha permittlde aqu pedir ao Ieitor, que
considere alternamente Mario em seu deploravel
estado nesse momento ? Que pensaaientos seriara
eniao os seus I Quaoto devia ter abominado essa
fatal ambigo, que d'altura e grandeza da gloria, o
mergulhou no abysrao de miserias abaixo de ludo I
E que ligo esta para aquelles qne nunca se con-
tentara com a sua condigo, e quo maginam que
necessitam de todas as cousas, quando apenas ura
s objecto Ihes falta para sua n-aciavel avidez I
Porra taes sao as vicissitudes da vida humana,
que, quando a esperanga o linhi abandonado, e va"se em eu Pi"Po sangne.
quando j a mo eslava levantada, elle escapu \ A ambigo a prepara para dar leis a todas as
0 golpe- i nagoes ; ao mesnw lempo ella na pode importar
Do estado mais baixo da miseria elle com tudo a 8i mesma, e mua a cada instante com a capri-
elevouse ao cume do que falsamente chamado chos dos tyrannos que a supprimem : e certa-
honra e grandeza. Pelas intrigas de uma faccao mente esta prosperrdade, que d origem a (Odas as
roltou para Roma, onde deu as mais tristes proras 9uas calamidades.
que sua infelicidade nem o tornou mis sabio,! Modesta e feliz emnuato toi fraca e himide,
nem melhor. nem Ihe ensinou a huraildado, com- a boa fortuna, que introduz o mais horiveis-vi-
paixao, nem moderagao. Sendo principiosomen- cise calamidades em seu seo. Tai o ero e in-
le protegido por Cuma, que eolio era dominador certeza das cousas humanas f Tao-ignorantes sao
de Roma, affectou um ar de tristeza ; porm sua os horneas a respeitodaquilloque constiue a real
iusaciavel ambigo tornou o logo a alma do parti- felicidade f Concluamos, pois, que s ha urna so-
do. rendo ento a espada na mo e ardendo por da felieidade, quer para os estado*, quer para os-
vinganga e indignagao, corlou todos os obstacu- i particulares, a pratica da virtude, e que a virtude
los, que se Ihe antepunha; naturalmente deshuma, i mai, ma'5 amia e companheira da medocri-
no e cruel, nao poupou nem edade, era dignida-1dade do 1ue da mai 8rzote elevago de fortuna,
de, nem virtude: um nlhar. nm .....-. Jmu mina
va logo a sorte das pessoas mais Ilustres; aquelle
a quem anlpathisava, ou de quem suspetava, era
morto sem a menor forma de processo. Ao assas-
sinio acompanhavam os roubos das casas e as mais
criminosas violencias, que duraram cince das e
outras tantas noutes em Roma, que se tornou orna
scena geral de horror ; desprezados clamores e
gritos eram ouvidos de todas as partes, os canaes
regorgitavam de sangue humano, em quanto os
corpos sem vida, al dos mais omnenles senadores
eram calcados aos ps, porqne era prohibido dar.
n catacumbas teem sio escuertas multas
relativas confisso dose*ccados e ao poder dado cadeiras que por sua forma e posigo as capellas
por Elle a seus ministros para perdoar em ^eu etc. eram evidentemente confessiouaries.
nome todos es pecados. Emlim, no proprio livro dos Actas dos Apostlos
-. i .i ... veni-se os ua^os convertidos d Ephezos, doceis a
-^pr.msva destas palavras i a prometa feita Voz do apostolSs. Paulo. .Vir em multido paba
per Jbsus Chbjsto a seus apstelos de Ibes dar este cosfassar suas Acges.
poder. A segunda o cumprimento desta pro-! E que o que confessa seno aeges culparais
messa. ou peccados T
E o que significa esta passagem dos lirros des
1.* Aprotnessa. Acha-se no erangelho de S. Ma- Actos dos Apestlos, se nao indica a confisso dos
theus, cap. 18." Tudo o que vos ligardes na trra, Peccados T
tere um nos cus, e tud, o que desligardes na n Bem v,1e*' P* c"0i ,eilors- T '' 222
. j i i yM < Daus, o nosso alvadorr, quem nos ara a confisso
tena ser desligado nos ceus.* como remedio para o/males de nossa alma, como
2.* A realisago da promessa (S. Joo cap. 20) meio do readquirir a7 graga do nosso Pae celeste.
no dia de Paschoa, e no proprio dia da Resur- Foi uma invengo fle misericordia, de docura e
roii-ao. de ternura. Mas lalvez vos digaes que urna cou-
n.t^.ai a ir. sa aborrecida ir confessar os peceados
O que este divino poder que Jisos Chaisto ras Pis Umbera nio se vos diz que seja uma ceusa
conferir a seus apostlos, seno o poder de resus- agradavel.
citar as almas moras pelo peccado T ^em sempre divertido tudo o que bom e
til.
Os apostles estao reunidos, tremendo de susto, Nao divertida lomar remedios qaando se est
na sala do cenculo. Estao fechados por medo dos doente ; e todava lomamo-los para nos curarmos I au'rar"a"aMria sena
iudeus que mataram a seu Mestre na aate-vesae- iN'ao *'"** trabalhar desde pela manhaa mis ni teilll)S aihados a qo-m nao pdi'
ra... De repente, estando fechadas as nonas aona- *t a DOI,e' para annarmos Tlda e Prowmos a i um nomem nftm lim fraoco
. ^'cpouie, BMauuo lat-uauaa as ponas, appa- $US|eniacao j, ossas familias, para fazermos al- quando n5o ha va Iutia mmmm
rece JKsesno meio delles, e dirige-lhe as seguin- gumas economas, para tormos que comer quando .
tes palavras: A pjz seja comvosco: sou eu, nao i>ao pdennos trabalhar.
temaes. Os apostlos ficara atterradas ; nao que- *Jas ''! tU, mas "cessaro ; e trabalhamosj
___ ... anda mesmo que o trabalha saja duro, dcsagrada-
rern crer o que vm seus olhos. Tocam o corpo fel e peeoso.
sagrado, as cliagas das raaos, dos ps, do lado. Ca- Assim acontece com a confisso ; ura remedio '
conde Pnllili, s amia 378,000, eo
os carabineiros. Compre ajoatar 4.l
do serrieo das alfandegas que entre nos sin rmw
deradus t in>truidos romo oMaalea, aja* em
tempo de campanha nassaaa dr*poiraj do smbs
tro da guerra, os 220 batalhes > goarttw mo-
ris, decretados pela parlamento por aiopiM ate
Ganbaldi, o no d^ anda mats |.i.'i> -.iMx
de sorte que l-mos ao todo M-'l.10> fc.Tj.rn, t-
nalmenle os voluntarios de Ga/itak. Pur emm-
quencia a liaba iwdpria eompear a raenpaamo raen
perto de 660,01 Imanas, 600 Porras aV toe, o N*>
navios de guerra, armados coa 1,424 peo o
23,000 horneas.
A Italia pe em armas sera eforro oaa amanan
por cada 38 habitantes. Mas, aiaa aana asfca nVa.
Segundo o ollimo relalorio do miai^tr da laornor
a Italia tem 1,997,5V) guarda* narioaars. e*t*<
1,230,988 activos, 706,553 de re^erra o 72n\tfT
mobilisados. Oeste nreiro, aa> aMoaena arma
do de cada ooze habitantes nada or>tona
em tempo de guerra e de reralarao e ararmm to-
dos em cata 1 Nrnlium delles tomara a npyir-
da que a nago Ihe confiou para correr eos -ua
defeza no supremo perigo '
A Austria acha-sa abrigada atraz do se
davel quadrilalero : mas. porrenlora a
acampa na Italia fin lerrano ami.-o ? O Vrajp*, o
Tyrol, nao foram uada absolaumrale a^ia. nao
adquirir a lil*rdade de respirar o ar italiaaa. Fi-
I naliuenla, esta porventura provado qoe a haa ira
*ei
hem aos pos do Salrador resuscilado, e adoram-o. "kcssario.
Jess batoja-o, dizendo-lhes : *Nao e Para P,e d,vert,r 1U8 eu ma,esso> e
para me curar, o para rae preserrar. -_^
Tende portanto mais energa, Icitorc.
Nao ros deixeis vencer pela grande doenga do
nosso secuto, qne o enfraquecimento da estima e
do DEVER.
O pever, esta grande e sublime palavra, j nada
UM POUCO ME TUDO.
Na Estrena do Sul IS-se o seguiote :
quem iHVKirroD a coicntso ?
Eis uma grande questae.
Compreheudets o seu alcance, amigos leiDres ?
Se foi Deus quem a inventou, cumpre rjue nos
submeltamos a seus divinos preceitos, porque se-
ria loucura resistir a Deus. Se nao foi'Elle, mas
um homem como ros, en o zomhemos delle e da
sua invengo que a mais desagradavel que se
Ihes sepultura. Eram esses os gloriosos Iructos da
ambigo Por elles sern duvida Mario tentou tor-1 Confessar dizer os peccados a um padre, di-
nar-se grande e feliz; porm succedeu inleira- aer-lhe tuda quanto se tem feito de mal,, por mais
mente o contrario. O estado de prosperdade em vergonhos que seja.
que elle se achava noacalmou as inquietagoes oc-1 Mas' \>eram ea> 1,avera eousa raais
casionadas pelo temor da volta de Sylla, que esla-
va em guerra com Mithridates.
t Hecebei o espirito Santo ; assim como meu
Pae me enviou a mim, eu vts envi.
Assim corao mea Pae rae enviou Salrador dos
horaens, a ralm que sou egoal a meu Pae, Deus
eterno e todo poderoso como Elle, assim tambem I significa para milas almas,
eu vos envo. Eu vos novio salvadores de vossos j Nao comprehendara seno o piiazer.
irmaos; eu vos envi depositarios dos thesouros
da salvago que tenho andado a juntar para os es-
pal liar pelos borneas; depositarios e dispensado-
res de meus sacramentos) nos quaes eu eocerrei
Acautelae-vos dessa fraqueza deploravel, brae-vos dojulgamento de Beus 1
O deputado Italiano F. Petrucelli de la GaltiBa-
eonlinuando a serie das suas cartas a ara jornal de
lodos os mereetmentos de mintia Paixo e de mi- Pars escrere de Flofenga em 16 do enrrente.
nha morle. 'Como meu Pae me enviou eu vos en-' Estamos- entalados aeste dilemma : desarmar
vio. Recebo Espirito Santo. Serao perpoa.os os J <*% ^!%*j^S!^
peccados daqublles a quem vos os PERDOARBES, r na0 n0 parlamento, mas Ba consciencia publica...
nao serao pnROOAOos aquelles a quem os nao t A Italia najo neste cahos administratiro de
perdoaudes. quatro anuos Bao tem feko seno uma cousa,
' o exerclto : a umdade italiana nao real at o
Pergunto agora, na alguma necessidade de dls- prt.senie seno noexercilo e na marinha. Se temos
cutir estas palarras- T jorgnlho legitimo, desculpa dn nosso desperdicio
uem ousar negar que Jetos Ckbisto d em naneeiro, as nos*as tentaiwas administrativas,
, uma esperanca, urna jactancia de nossa patria,
laes palavras, a seus- apostlos, primeiros padres, en3o eXerct0 e ca marinha. Quando os bellos
primeiros peslores da sua Egreja, o poder de per- batalhoes, modelos de modestia, de abnegagao,de
doar.ou nao os peccados conforme julgarem cenre disciplina, que compreheodem Cudooquehade
,>,, I animoso, de affouto, de juvenil, de dedicagao, de
_ _. _. raocidade e de enthusiasmo na Raha, atravessam
Quem peder negar que Elle os estabelooe aqui | nossas cidades, palpitara com altivez nobre os
junes das consciencias, juizes cera pleno poder de | nossos coracoes e nundam-se de alegra. E deve-
perdear ou de nao perdoar T I riamos desfaer-nos de lado isto, rebalsar o espi-
Loeo toi eUa Jess Cananmi (Uhn d Hum (,-ii.'rit0 da naao' roenhir na anciedade, escurcear-nos
aigo oi ene, jesls luihsto, mno de euo lena M|e a carrancuda Catadura da Austria, e abys-
homera, que quiz, que ordeoou que todo o homem mar na desesperacao o Tyrol e o Vneto? Nao :
que commettesse um peccado^ e que quizessa ob- astae certos dfe que a Italia nem sequr olhar
ler delle o perdo, recorresse ao ministerio de seus Para a Pon,a do diiemraa que diz : desarmar....
.^.^ ...- A escelha a fatal", mns esta feito :combater f
padrea que estao encarregados da julgar essa al- ,
ma e de pronunciar, em norae de .eus, a ,u, sen- osSSSSfiSSi S^f^
tenca. Passo a expor a nossa situagoy c decidan). Sbe-
Logo oi Elle, quem mstiluiu, ordenou e impoz mos perfeitamenio com que lemos d harer-nos.
ao mundo a confisso. Sabemos que o exercito austraco e depois-do exer-
Em verdade, de que servira ao padre de Jess cito (raocez o primeiro da Europa que os seus
Chiusto este poder de perdoar ou nao peccados, fflciaes br&* ^tale\[^a[fJ\^rLlnlSl
F *"" wu """ r" u" > dos generaes alguns se mancharam do infamia e ;
se houvesse um nutro meio de obter a reraisso erueldad%os Huynau e Benedek sao raros; qne a
delles ? Austria fortt) e pode trazer aos campos de bata- \
n ... Iba 712,000 horaens e 1,500 canhoes, com orna!,
Oue sentido leara a* nalavrae rtn Unhnr T | m^im, d. 1B Hn.. 1,070 tcaa A* f.>o. <
Para que servira dar as ehares da porta 15,750 liomens. Sabemos ludo isto,. o de nentona t Aeaso os italianos de ims.-; lero deti
aa guarda se se pode entrar na casa por um oulro nwdo nos illudimos, nem quanto as complicagoes; de 1848, 1849 e 1859? i tasamos arrestar man o
,i0 f que podassom surgir de orna insurreigo na tlun- j gigante de face quando eramos o panana David
,, w .- i j gna, era quanto deserco dos Hngaros que e agora ndo etato
fonanto os chnslaos sao obr tgados a confessa Mrrem sob a bandeira austraca. Apenar de tudo, a ser re recuara diar.to do gigante Nao- a nan>
suas faltas a seus padres, se querem que Deu- anda clamamos -combater I era por serem su-! vra desarmar, aoda mesmo kgiiimaaa. neta ne
vergonha.
Pretendemos nicamente desfrs allii
nos aliancem para com a confederarlo |
de qne nao queremos uma i->llegada m
allemo, e que se pelas erentoalidades da l
tormos obrigados a passar as frmieira* da nmn>
deaco nao sera por acto de nosiilidade roara
ella.
Eis o que exigimos da Franca o da Inajtaterra
esta garanta moral do domo resaeo e anana
amisade relativamente Ademan*.
< Em taes condicoes podemos eajeatnr a
sem que nos taxem de audacia, iiiojiilnaii
rancor, inspirados simplesmeate petn nonso
e pelo sentimento do nosso direito. Deiso a r*
posta hisbirit;
c Desde 18 de marco de 1848 ato julao n> |ft3"
os Italianos e oa Austracos sanattmtraraaa de ar
mas na mo quarenta e quatro mes: iMto exrta
si ra mente desses encontrn eme naarcaram sea
nome nos annaes das duas aacdev a ao a e*ra-
ramog s, das. pequeas sortdas de praras. das pe-
quenas refregas das ar aneadas. NeMr* msareara
e quatro encootros tona ito.oarafaaaa omnto re-
res, em Cornada, em Caimanera ani-idati i pri
meiro renridos por fim, em Santa Liria, em Carta
tone (35>,000 Austracos rootra *,8a7 lmrmm). em
Vicenza duas rezes, em duas lentatiras rantra
Verooa (20,000 Piemoniezes) centra lodo o evreiio
Anslriaco, em Con na, em Saliona rearedrf- a
principio e vencido no da segiiiote, bem como em
Valeggio. em Castoia (tl,mju Piemooieaes roarra
70,000 Austracos) em Muriara, em Novara, rm
Brescia depois de ama resistencia i|ae orna dan
glorias iralianas, assim como a de Vicenta a Wi&o
(3.00 Piemontezes contra 40.000 inimiaw. em
Ancona bombarOeada, em Marrnera. em \eaea
bombardeada:
t Em toda* estas derrotas, em grande p-m* de
volntanosr que oasaram atacar 05 roteraaxx bata-
lhoes da Aortria e seas sanios gsaerars, o n-jmero
dos Austracos toi sempre muilo e muilo soperior
ao dos nosso com a maior per ira deseo* ense-
nes, ras igacidade e relba experiencia do erare
chai RadeUki.
Vencemos, porm, e em parte lama na rom
voluntarios 26 taan. Expulsamos no aaaOr u'
de Milo, de Venrza e de todas as no*a raaaajs
e os desbaratamos em Goilo. Mozanahaa. Bor/htie.
25,000 Piemontezes em frente de 7,el Au-tna
eos em l'asiren". em Palmaaova, Weaza, Pov
chiera, Kivoli, Marghera, de noro ana Miaa, em
aliozze, Sommarainpagna, Volta. Prr-nlnjn-- trr
Sfortescne, Ca>telbzo, Csale. Brcowto. Patean*.
San-Mariino, Como, Vrese.
t E nestas victorias tambem o nonero nt Aas-
triacos toi sempre mono superior ao dos mo-
lanos.
Aeaso os Italianos de 1865 ferao i
Ihes perdoe ; aconfisso i, de dreil divino o ca- Redores os nossos recursos T De certo que nao.
minlio do perdo : quem quer os flos qur tam-' -T"T s alnaris,nos communicados pelos no . H mioi bem os meios ; quem-nao omprega os meios nuu- do 1863, e aelfo que temos em arma entre esta-
ca conseguir os lins. dos maio-es, infamara, eavallaria, c -juira.- armas
Assim, em todos os scalos se teem os christos 203>785J iometa no p de paz ; que temos 100
confessado aos padres. JSwoSiiS^' ^."nVJSSS^SnfS
. de 27,000 eavallos, com Ij3x4 pega e 2J,00 no-
A hisioria rocorda-nos o nomo do confessor de niens. Mas, como aproseniarei pelo que loca
Carlos Magno no seculo nono. Austria o numero do p de guerra, eis- a pii agora
Tao formidavel vingador fez Mario tremer, e
desagradavel ?
Que maior sacrificio se pede pedir ao orgullio
do homem ?
E' necessario fazer este sacrificio ?
V-so no quano seculo o grande S. Ambrosior! 20B,, da" ""^ ^ ^^ ^^ mtm,m
bispo de Milao, dedicado a ouvir as confissoes dos O reeruumenio italiano se eflecta -.ornando por
eessidnde finanreira, torio desbimra.
Estar a Austria em estado de .'amada mai*
prospero que o nosso e lera mais r-edito mse o
nosso f A sua divida publica da perto de nato
rail milnoes; e nada que aaton ervir n>nratonto
a uma garanta, a qoaloner bypthTa
A nossa dlrida de qoairo m:toares !- ro
Ihoes, ojao tem por garanta ama somnaa sajan*
egual em bens naatotoJM o de mn-m..rta
O
orgamento aa.Mnaeo saldavse rom nm
dficit egoal ao nosso em o reror) dad eeonn-
mias que nos podemos. o.ae nos dsvemo* (aaer
.ot" largamente ua aduiiiii>'ravao civil e ins Mr SeNa
penitentes ; e o autor contemporneo da sua vida base dous homens por mil habitautes, Napoleaoje Mr. Saraceo ja prcpooin n'nma somma da n
acerescenta : tque elle chorava de tal modo pelos no S6U lempo-toinava oito. De urna popula, o de millios.
peceados que 11 confessavam, que os peccadores i ?2 mJll,e* d ^!il1aates (J'amia,nos loti0i ,anno>
----.-----?.. ... H,t ^ ao exercitu 4o,000 liomens. O ser vico militar na
se v.am obngades a chorar cora elle. fo,,, drt onie aun0S) cle0 ein ariItavs e seJS cnv
Santo Agostrnho, na mesma poca, langa em licenga Ilimitada : o pede paz coinpoe-se portae-
rosto aos hereges- de frica a preiengo, depois ve-1 to das cinoo primeiras classes de soldados; o p
Bl
A guerra inerjuvel. A Ajstrw nena >
sabe. .Nos estamos pr.xnptos. O uiumaaa eo
revez nao- esto dora a van te na* mao- do* as-
mens : Ma a historia eos da conluaca aa estrella
da luiia.
acertadamente interpretado por Joscph. O rei do ouro para as orelhas da Rlha. Theraza conseguiu
Egypto sonhava com os agougues de Portugal no a bem qnerenga do pae aos seus bezerrnhos, e
seculo XIX. j den-se toda a cuidar delles com muilo contenta-
Que magnfica boiaia Idisse euO boi ment. Quando elles, j saciados de pasto, se dei-
o quadrupede que mais se parece com um philoso- tavam nos prados a ruminar, Thereza sentava-se
pho. V tu o passo mesurado, grave, e cadente de I entre elles, anediava-os, acarciava-os, e adormeca
um boi! O olhar meditativo I a sisudeza do aspee-1 com a cabrea apoiada nos mollos- flancos dos ra-
to 1 o ar revelalivo de um complicado trabalho in-' movis almalhos que a remiravam com temos olhosj
tellectual que se est elaborando naquella enorme ; Se mugiara, Thereza cuidava que os seus novilhos
cabega I Ha grandes philosophos inqnestionavel-^chamavam pelas mes; e, compadecida, redobrava
mente menos serios e cogitativos que o boi I De cer-1 caricias, e l se la s praderas a colher abadas das
to sabes, amigo Antonio Joaquim, a importancia ervagens que elles escolhiam e maU saboreavam
social, legendaria, symbolica, e mythica do boi na
antiguidade.
Nao sei isso bem;disse modestamente o
nosalmargeaes.
Quando elles, j louros, mugiam com maises-
trondo, Therezinha cuidara ainda que eram sau-
meu amigoo que eu sei deste prestadio animal dades das mes, e affigavaos, dizendo-lhes bran-
que a humanidade o come ha mutos seculos, e que' duras ce m tanto sentimento qne os boizinaos pa-
nos jaotares de Cressus e Luculus appareciam bois reciam alternados a escuta-la. Nao eram j sauda-
nteiros assados, e relo que no convento de Mafra des o mugir dos lustrosos e irrequietos toaros.: era
tambem se assavam inteirosos bois.
i uma voz do brado indigente formado por todas as
os Fhenicios e os Indostanicos...
Eram boisatalhou Antonio Jojquira.A
Principiando um pouco depois do dilurio,! rozes de todos os seres, que vivem debaixo do cu.
torne eusabers que os bois, catre os Egypcios, Buffon, o interprete do Muro, diz que o seu mugi-.
do amor: Le laurean ne muqit qu- d'amoue. Da
varea nao diz ello o mesmo : medo e terror o:
considerago qne me mereces ha mutos annos, e a' que llw desenlranhaos barros prolongados...
franqueza com que me tratas, anima-me apedir-le Se nao queresinterrompi euque dscorra
que me nao digas nada da importancia do boi na acerca da importancia que tiveram na Phenicia,
l'henicia, no Egypto e no Indosto. As lileiras sao no Egypto, e no Indosto, os bois, dspensa-me de
locomotivas proprias e talhadas para esses e ana- saber a razo por que berram as vaccas. Esses
logos discursos; porra j que at a^ora podamos conhecimentos lingsticos podera interessar aos
aligeirar as horas sem carregarmos o espirito de raqueiros, e aos professores de philologia.
erudigo lateralmente bovina, pedia-te que rae ou- Pois tens razo, que eu, se rae nao atalhas
visse uma hislorinha de bois em que entra uma iaensinar-te um vocabulario muilo mais int^lligi
paixo das que lavam a vida a pique, e uma tormo- vel que as raizes das linguas afghan, pehlvl, e in-
sa mega das que a natureza faz cora o loque da sua doustanica. Fica na tua igaorancia, e vames aos
vara mais prodigiosa de magias.
E' uma historia sentenciosa e seria como a
dos persevejos de Bailar?perguntei.
Nao. E' triste, e mereca ser bem contada.
A lour Tkeresinba da Gingeira era uma rapa-
touriuhos de Thereza.
Chorou amargamente a moga quando os seus
bezerros, ao terceiro anno de edade, foram sub-
meliidos aojugo. Pediu ella que a deixassem
gula-Ios no ensin i. Os loaros obedeciam-. voz
riga minha vlsinha, filha de ura bom lavrador. Ti- della, e nao obedeciam aguilhada do larrador,
nha vinie anuos alegres carao as alvoradas dos que Ihe ensaaguentava os ilhaes. Thereza pedia
aassariohos. As faces puniciavam-se-lhe como as lavar aquelle sangue com o sou praotn
guijas que sobre a janella do seu quarto Ihe pen- A' primeira re que ns pozeram a eabeeada de
diam em festoes da corpulenta arvorel que dava o! um carro de lenha por uma ladeira ingreme, os
nome casa do lavrador. I bois geraiam, filando na sua amiga os olhos bas-
Thereza, quando tioha doze annos, herdou de sos e morligos como se os deividrassem as lagri-
sua madrloha doas novilhos. O pae delxoa-lh'os mas. A maca, ao dia seguinte, nao engalla boc-
crear como proprjedade della, bem que a me os cado, e passou as horas de sesta na corte dos be-
quizesse iogo vender, e empregar o producto era erros a refrigera-los com p pendi do milho, co-
hido na frescura. da.manhSa. O lavrador fez-se
d fel e vinagre com a tolice da rapariga, e c!>e-
gou a araeaga-Ia de vender os louros na primeira
fcira, para acabar com as c Hijrencionices como
elle chamara corapaixao da filha. Thereza pro-
raetteu nunca mais queixar-se, com a promessa de
Ihe nao venderem os seus boizinhos.
O que ella fazia era esconder bons boceados pa-
ra os mimosear hora do descango. Dava-lhes
farinha na agua, batatas-cozidas, abadas de espi-
gas, ludo que por baixo. de mo poda carrajar pa-
ra um recanlo da corte.
Aos seis annos de edade a Junta de bois do meu
?isinho era a mais chibante o guapa das dea fre-
guezias em roda. Nao Ihe faltara um s dos sig-
naos que revelam a perfeigo de um boi; cabega
curia, pontas negras testa ampia, orelhas gran-
des, aveludadas e unidas na raiz, olhos rasgados
e escuros, focinho grosso, ventas bem abenas, bei-
gos cor de azeviche, pescogo carnudo, espaduas
anchas, papada at aos joelhos, wns largos, flan-
cos salientes de polpas musculares, membros re-
forgados, tombo direito, cauda pendente e farta de
cabello, couro Dexivel e espesso, pella sedoso, ma-
cio e eocaracolado na testa.
E' a descripgo mais completa que tenho ou-
vido de um boi Iobservei eu.Parece incrivel
que tu, assim conhecedor e enihuslasta da parte
plstica e escultural do boi, rae nao lenhas per-
roittdo que eu te coatasse a importancia do boi
ao Egypto...
Na Phenicin. e no Indosto acudiu elle eom
um sornso de igaorancia philauciosa.Pois nao
sei que mais te possa dizer da admiravel juma de
bois, que continuaran) a ser os affactos de There-
za, O lavrador, se a feira cahia em da santifica-
do, punha-lhes as cabegadas ricas de frcos escor-
iales, e i ia com a sua junta deshancar as melho-
res concorrentes. Se Ih'os punham a prego, pedia
duzentos mil ris por dizer alguma eousa; e The-
reza fazia-se de mil coras, receando que o com-
prador offerecesse algumas poueas raoedas meaos,
de modo que o pae cedesse tentacao. Os dias
de fcira para a pobre mega eram dias de inenarra-
vel fhgflllago.
Tinham os bois assamido i sua mxima corpu-
lencia. Orgavam por nove annos, e petaran!, o
da nm, trinta boas arrotas.
O pae de Thereza foi convidado a comprar ama
bouga, que parta com trras delle. A bouga es-
tara a prego de quarenta moedas, e o lavrador nao. dor consenta que o cirurgio ihe vm* a toiu.
as nona. Os boisiiaviara medrado muito, e peu- ja nose riu quando facultativo lee dis.e Eu
co trabalharam ja, de pesados e inertes, que se ereo poder, assererar-lbe que sua tuna morre -
iam fazendo de dia para dia. Pensou em vende- ( De que ?l perguntoit o pae. Dn saamnda* das
los; refieciiu alguns minutos na afflicgo da filha d seus bojs ,_E eiUo ^ ha cori niiri,|B| _
a mulher disse-lhe que nao fosse basbaque, e fizes- i retorquiu elle Ha. Deixe estar o* bus espo-
se o seu negocio. De feito, o cruel veodeu os bois re que SU3 fl|na tenta manito ou ^^ m
a oceultas da muga, receben o signal, e Hcou de I distraa dos Ik.s que ella creou, e. Vnois
receber o restante no Porto, onde elle havia de I da-os. ,
conduzir os bois ao embarque.
Soeu logo na freguezia a nova da.venda. Nun-
ca se haviain vendido bois por lo alto prego. Era
a questo do da nos saraos, uos adros das egrejas
e as safras. Thereza. ao sanir da missa, ouviu
palavras que Ihe assaitaram o corago como Tre-
chas dilacerantes. Erara d'um velho quo-ltie di-
zia : Quareula moedas de oa/o ; V la t, ra-
pariga, no que deu a heranga de tua raadrinha !
Tuu pai bem pode darle um cordo de dous ar-
ralis INao. que elle, disse um iuvojosoveu-
deu os bois para comprar a bouga, e filha nao
capaz de. Ihe dar unas socas.
Tii'.-re/.a j nao ouviu as derradejras palavras
Pruroinpou n'um alto choto, que pareca linar-se sualer as lagrimas.
O lavrador nao tinba outra tuba. Coasaatoa _
mulbar, a qual, abalada peosusto do marido. .-^
tiu em si um esnemecimeato da coraeao matrr-
nal. Foram a cama da doente, e titim me
que ja eslava desfeiio o roatrato. F*i ra
do cu que ciioveu .sobre a flor
Purpurearam-se-lne as taces ; arceteroor^a I
pulso com a febre soarusima da elegru.
logo erguer-se, amparada a maus asa paos, ajar
boijara sofregaraenla. Nao Uaaa toreav ; ma* c
jubilo deu-lhas imlagrosas. Desceu a (orto, r
rompeu em vehementes e amorareis apo9tropt>r~
aos bois, que a farejavam, n loe aiuiaen>ra.a to
faces o nina. Presencie! este lancty e na poda
de.angusita. Accercaramn'a mulheres sahnas da
egreja, e a mai entre estas. Uinas riara, oulras
choravam, sabida a causa de lamaaha lamuria.
Mas me para dispersar o ajaulamenio, levanlou
a Ulna de repello, deu-lhe um murro aas costas, e
fe-la &pei lar o p dimite de si.
Tnereza chegou a casa, fei corte dos bois veu-
didos, e abafou os gritos no pescogo d'eiles em que
se abragava com vertiginosa anciedade. Leva-
rain u'a d'alli a empurres, e obrigarau-n'a a lo-
mar de sobre a mesa a ligella do seu caldo. Os
solticos resistiram violencia da deglutigo. A
atlnbulada moga pediu de joelhos que a deixassem
ir para a sua cama, que eslava a raorrer de fro.
Quando isto mu coularatn, ped ao lavrador que
delxasse ser visitada sua filna pelo cirurgio de
miuha casa. O alarva riu se, e disse : < O reme-
dio era desfazer a venda, e deixar raorrer os bois
em casa E vocemec antes quer que Ihe mor-
ra a filha repliquei. O lavrador espirrou-me
' uma cascalhada alvar no rosto, e exclamou : < O
Sr. nio me parece homem de estudos I J se viu
1 n'este muodo morrer alguem p'ra mor de uos
bois 1
Thereza. tinha ataques febris todos os dias, e
i seccaram-se-lhe a este fogo as lagrimas. O lavra-
em
Revigarara as gragas peregrinas de Thernan
poucos das.
Este caso deu-se ha quatro anana. Os nois lem
boje quaiorze. O lavrador espera que a i
incline a outros effeclos mais raei.Miaes para
der aos inglezes a carne rija uaquella Jos dato-
sos quadrupedes. Suspeito, purea, aae ana Ma
de raorrer velhos, eocostaodo n rugosa ..-abe^a no
regago de Tnereza. Quando isto acontecer, poda
ser que o corago da miaba tormos risiaaa aa
dedique a algum oulro animal menos danantoto,
e menos agradecido.
A tua visinhadisse eo em quaatoa mam.
se nao fabulosa como a Pasipbae, lem inaaan i
e coraco de vaoca I Perdua-me, se nao enana
entorueeido cora a tua historia. E' rerto mt aa
loadas antigs contara casos, qae tam soa referen
cia, mais ou menos mytbolonea, synwoaira. e___
Vaes-me contar a importancia a% nato na
Egypto, na Phenica, e no Indosto !.. Pee,, Reen-
ea aos leus UKores para le mandar augur... Nao
eotrndesle o corago da pobre Thereza. Tn a
emendes o amor ao bol. desfeilo em natos aa al-
mondegas t
rContonaar m *a)
PERNAMBCO.-TYP. WL3L f. DE F. FUR)

-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESZ5UYOAM_HHJEL7 INGEST_TIME 2013-08-27T21:22:22Z PACKAGE AA00011611_10542
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES