Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10541


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XL. PMERO 285
Pr tres Mezes dianUdes 5$O00
Per tres Mezes vencidas 6J000
Porte ao correie per tres Dieres. 750
DIARIO DE
TERCA FEHA 13 Di! DEZEMBRO DE 1864.
P*r auno adiantaU.....191000
Porte ao correio por om anno. 3|000
->mAnBJAAaMafcMBB>--
Cu ARRKGADOS DA SUBSCJAIPCAO NO NORiE
Paranyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, w Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr.A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
Eiazunas, o Sr. Jeronymo da Costa.
KNCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SL.
Alagas, o Sr. Ciaudino Falcao Dias; Bahia, o
rr. Jos Martins Aives; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
ricra Martins & Gasparino.
PaRHDA DO til'APiSf AS.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Paranyba as segundas e
seitas-feiras.
Santo Anto, Grvate, Bezerros, Bonito, Carnar,
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacarat,Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu as quartas feiras.
Serinhaem, RioPorraoso, Tamandar, Una, Barrei-
m.w5rl? Preta e Pimenleiras as quintas feiras.
Una de Peinando todas as vetes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partera, ao Vi da.
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
6 QUarto cresc. as 5 h., 11 m. e 56 s. da m.
13 La cheia as 4 h., o"2 m. e 26 s. da m.
21 Quarto ming. as 2 h., 42 m. e 58 s. da m.
28 La nova as 7 b., 1 m. e 44 s. da m.
PRHAMAR DB HOJE.
Pr.meira as 3 horas 42 minutos da tarde.
Segunda as 4 horas 6 minutos da manba.
Partida lo vai-ors.* costiro.-.
Para o sul at Alagas a 5 o 23; pan o norte at
a Granja 7 e 22 de cada me-; para Fernando nos
dias 14dosmezes dejan. marg.,maio. jul. set. e nov.
PARTIDA DOS OMN.BUS.
Para o Recife: do Apipucos s 6/, 7, 7 i/., 8 e
8 V da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6 Vi da m.; do Caiang e Vanea s 7
da m.; de Bemtica s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos as 3 Vi *, 'A, Vi,
5, 5 Vo 5 Vi e 6 da tardo; para Olinda s 7 da
manha e 4 Vi da tarde; para Jaboao s 4 da
tarde; para Cachanj e Varzea s 4 Vi da tarde;
para Bemfica s 4 da tarde.
AUDI3NCA DOS TRmUNAB3 DA CAPITAL
Tribunal docommercio: segundas quintas.
Relami: tercas e sabbados s 10 boras.
Fazenda: quintas s 10 boras.
Juio do commercio: segundas s 11 boras.
Dito de orphcs: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas sabbados a 1 hora
da tarde
DIAS DA BSKAJCA.
12. Segunda. S. Sereno; S. Epimacho m.
13. Terca. S. Lnzia v. m.; S. Eustracio m.
14. Quarta. S. Agnello sb. m.: S. Arseaio m.
15. Quinta. S. Albina m.; S. Cecilia no m.
16. Sexta. S. Ensebio VerseJeooe b. m.
17. Sabbado. S. Floriann m.;S. Golanico m.
18. Domingo. S. Esperldiao b. c.; S. Thcotimo m.
ASS1GNA-SE
no Recife, em a livraria da praca da Independen-
ca ns. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Figueirw
de Faria k Filbo.
PARTE OFFIGIAL
60VKM0 DA PROVINCIA.
Eisediente do dia 9 de drzetnbro de 1864.
Cilicio ao Exm. presidente da provincia de Ser-
gipe.Com copia da informacao do commandante
do presidio de Fernando, datada de 16 do corren-
te, passo as mos de V. Exc. a pelicao junta em
que o sentenciado de justiga dessa provincia Joo
Tliemuteo, impetra ao governo imperial perdao ou
cotnmutaco da pena de gales perpetuas, que est
cumprindo no mesmo presidio, afim de que ius-
truida com os documentos de que* trata o decreto
n. 2566 de 28 de marco de 186U, V. Exc. se digne
de dar-lbe o conveniente destino.
Dito ao coronel commandante das armas.Quei-
ra V. S. informar acerca do que pede no incluso
requerimento o segundo sargento do nono bata-
lho de Infamara Jos Raymundo da Costa Va-
lerio.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Seno bouver inconveniente e estando em termos
os inclusos documentos que me remellen o geren-
te interino da companhia Pernambucana, com ofli-
cio de 6 do correte, mande V. S. pagar a este a
quantia de otJHOO rs., proveniente de passagens
dadas por conta do ministerio da guerra, a bordo
do vapor Jaguanbe, pertencente aquella compa-
nhia.
Dito ao mesmo.Mande V. S. abonar em os de-
vidos lempos a consignago de 40000 rs mensacs
que o capito do segundo batallio de infamara
Antonio Maria de Castro Delgado, pretende deixar
de seu sold nesta provincia, para alimentos de
sua familia, a contar do primeiro do crreme em
diante.
Dito ao mesmo. Participndome o jojz de di-
reito da comarca de Tacarat bacharel Veriato
Aurelio da Cunba Gouveia, em oflicio de 29 de no-
vembro preximo lindo, ter nessa data entrado no
goze da licenca que lhe foi concedida; assim o
communico V. S. para seu conhecimento.
Dito ao me=mo. Com mu ni cando- me o promotor
publica da comarca de Brejo, bacharel Manoel Gal-
dino da Cruz, em oflicio de 28 do mez lido, que
nessa data deixou por molestia o exercicio das
unecoes de seu cargo, assim o communico V. S.
para seu conhecimento.
Dito ao mesmo.A' vista das inclusas folhas e
nao havendo inconveniente, mande V. S. pagar
com urgencia os sidos e vantagens a que tem di-
reito os otllciaes embarcados na canhonheira de
guerra a vapor Iguatimy, relativamente ao mez de
novembro prximo passado.Communicou-se ao
commandante da predita canhonheira.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Transmiti V. S. s suas inclusas contas docu-
mentadas, das despezas feitas no mez de novem-
bro ultimo, com a aliraentago e dietas dos presos
pobres da casa de detoneo, na importancia e.....
l:771J>10Crs., aura de que nao havendo inconve-
niente mande pagar a dita importancia conforme
solicitou o che fe de polica em oflicio de 7 do cor-
te sob n. 1528, Joo Carlos Augusto da Silva, for-
necedor dos referides prssos.Communicou-se ao
Dr. chele de polica. >
Dito ao mesmo. Em vista de sua informacao
de 7 do corrate, sob n. 526, auloriso V S. a
mandar por em hasta publica os reparos de que
precisa a rampa do caes do Ramos na importan-
cia de 1:380 .000 rs., ser vi ndo de base a essa ar-
rematado as clausulas e ercamento juntos por co-
pia, que nesta data approvei e me foram remedi-
dos com oflicio do chefe Interino da reparligo das
obras publicas, datado do primeiro do corrente, e
sob n. 332.-Communicou-se ao chefe interino da
reparticao das obras publicas,
Dito ao mesmo.Annuindo ao que solicitou o
chefe interino da reparticao das obras publicas em
oflicio de hoje sob n. 343, recomniendo a V. S. em
addilamento ao meu dfesta^lata, que mande entre-
gar ao agente fiel pagador daquella reparticao
mas 160t000, para occorrer as despezas j feitas
e as que tiverem lugar at o fim do corrente mez,
com os estados graphicos da estrada do nor-
te. Communicou-se ao predito chefe.
Dito ao mesmoAuloriso V. S. em vista de sua
informacao de 7 do corrente, sob n. 524, a mandar
adianlar ao agente fiel pagador da reparticao das
obras publicas em prestacoes semanaes conforme
solicitou o respectivo chefe, em oflicio n. 334 do 1"
desle mez, a quantia de 8:3005000, constante de
incluso pedido, afim de occorrer as despezas com as
obras poradmimstraco a cargo daquella reparti-
cao durante o mesmo mez.Coramunicou-se ae pre-
dito chefe.
Dito ao mesmo.Acenso a rerepgio do offlcio
de 7 do corrente, sob n. 5(8 em que V. -1. me par-
ticipou haver Joo Carlos Mendes da Cunha Aze-
vedo, dando por fiadores os proprietarios Antonio
da Silva Gusmo e Joaquim Canuto de Sant'Anna,
arrematado por um anno a contar do 1' de Janeiro
prximo vindouro, e por 290 res diarios cada lam-
pio, a illuminaco da cidade de Goyanna, e em
resposla tenho a dizer que appraso ess'a arremata-
cao, em vista das razoes expos'as no seu citado
oflicio. ,
Dito ao mesmo.Em addltamento ao meu oflicio
de 7 do corrente, declaro a V. S. que a excolta de
guardas nacionaes, vinda do municipio da Escada,
composta de 13 pracas inclusive o 2* sargento
commandante, bem como que os vencimentes a abo-
nar-se-lhe devem constar de 8 dias de sold e
etapa.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional de Olinda e Iguarassu.-Recebi o oflicio que
V. S. me dirigi em 8 do corrente, solicitando o
pagamento dos vencimentos das pracas da guarda
nacional destacar ca cidade de Olinda, em virtude
de ordem de 11 de novembro ultime, e em respos-
ta tenho a dizer-lhe que sinto muito nao poder
autorisa-la.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Man-
de V. S. fazer no edificio em que funeciona a capi-
tana do porto os pequeos uparos de que trata o
oflicio por copia incluso.Communicou-se ao
capitao do porto.
Dte ao mesmo.Concedo a autorisacao que V.
S. solicitou em seu oflicio n. 789, de 7 do corrente,
para mandar retirar da thesouraria da fazenda
113*781, importancia do peculio pertencente a
Manoel GYegoro e Alejandrino Ignacio de Olivei-
ra. que esto actualmente no quartel geral do cor-
po de imperiaes marinheiros, a qual deve ter o
<3eslino indicado no parecer a que alinde o aviso
da reparligo da marinha de 17 de oulubro ulti-
mo.Oflkiou-se ueste sentido a thesouraria da
fazenda.
Dito ao commandante do eorpo de polica.
Mande V. S. apresenlar ao Dr. chefe de polica
amanha as 11 horas do da 4 pracas do corpo sob
seu commando para escoltarem tim criminoso
at o districto de Cursnipa no termo do Agua Pre-
ta. Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo. Preste V. S. ao Dr. chefe de
polica 20 pracas do corpo sob seu commando a
flm de escoltarem varios criminosos da villa do
Limoeiro at esta capital.Communicou-se ao Dr.
chefe de polica.
Dito ao director das obras militares. Devolvo
inclusos os ornamentos e plantas para a edifica-
cao de nm quartel, de urna prisao segura, casa de
mercado e serrarla movida por agua na colonia
militar de Pimenteiras para que V. S. mande fa-
zer neles as alteracoes e correccoes de que trata
! o aviso da reparticao da guerra de 12 de novem-
; bro ultimo, e ofBcio do director do archivo mili-
tar de 31 de oulubro constantes das copias anne-
xas, bem como juotar-lhes os esclareciraeutos exi-
gidos era ditos aviso e oflicio.
Dito ao chefe interino da reparticao das obras
publicas.Concedo a autorisacao por Vmc. pedida
em offlcio de hoje, sob n. 340 para mandar por em
hasta publica urna porcJo de madera inutilisada
que fura tirada da ponte provisoria do Recife por
occasio dos concertos nella feitos.Communicou-
se a thesour." ^; provincial.
Dito ao administrador do correio. Para cum-
primento do disposto no aviso da reparticao da
agricultura oommercio e obras publicas de 7 de
i novembro ultimo, apresente-me Vmc. a lempo de
ser enviado a mesma reparticao at e primeiro de
fevereirodo anno prximo vindmro um relatono
circunstanciado do estado do telegrapho, decla-
| rando se precisa de reparos e qual a despeza pro-
vavel com esse servico. Pediram-se outros rela-
torios a diversas reparticoes.
Portara.O vce-presidente da provincia tendo
em vista o resultado do concurso a que se proce-
den para preenchimento dos lugares de escreven-
I tes da reparticao das obras publicas, e tomando
em considerado o que expoz o respectivo chefe
interino em oflicio de 7 do corrente sob n. 339 re-
j solve noinear a Joaqnim Jos Moreira e Rodopiano
; Florencio de Carvalho Calumbi para exercerem
i interinamente dous da.juelles lugares e ordena que
j neste sentido se expecao as convenientes ordens.
i Fizeram-se as necessaras communicaepes.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambuca-
na, mande por a disposicao da familia de Jos Se-
| verino de Brio, as passagens de proa que vierem
vagas no primeiro vapor que regressar do presidio
de Fernando para esta capital, correndo a despeza
de comedorias por conta do mesmo Jos Sevenno.
Expediente do secretario do governo do dia 9 de
dezembro de 186-1.
Oflicio ao coronel commandante das armasO
Exm. Sr. vice-presidente da provincia, manda com-
municar a V. S. que por despacho desta dala, au-
torisou o director do arsenal de guerra a satisfazer
o pedido do commandante do 9o batalho de infan-
tarla, a que allude o oflicio de V. ., sob n 2,165.
Dito ao director do arsenal de guerra.S. Exc.
o Sr. vice-presidente da provincia, manda declarar
V. S. que por despacho, desta data concedeu ao
menor da companhia de aprendizes desse arsenal
de nome Joo Lourengo da Rocha, um mez de li-
cenca, como solicitou a mi do mesmo menor,
Francisca Maria da Cenceicao, no requerimento a
que se refere a sua informacao de hoje, sob n.
105. v J
Dito cmara municipal de Agua-Preta.-S.
Exc. o ^r. vice-presidente da provincia, manda
communicar cmara municipal da villa de Agua-
Preta em resposta ao seu offlcio de 30 de novem-
bro ultimo, que oesla dala se dirige ao exm. sr.
ministro da agricultura, commercio e obras publi-
cas, solicitando a concesso do terreno devoluto de
que trata o seu citado oflicio.
Dito ao padre Vicente Maria Ferrer de Alna-
querque, capelln da colonia militar de Pimentei-
ras.S. Exc. o ^r. vice-presidente da provincia,
manda communicar a V. S em resposta ao seu
oflicio de 4 do corrente, que lhe concedeu permis-
so para vir a esta capital, onde se portera demo-
rar 3 dias, afim de submetter exame medico, vis-
to ter-se aggravado notavelmente o seu padecimen-
to.Fizeram-se as necessarias cominunicacoes,
REVISTA DIARIA.
O Exra. Sr. vice presidente acaba de ordenar
aos commandantes superiores do centro, que dis-
pensen) as formaturas e revistas no decurso da
safra presente. Esta medida de -. Exc. por
certo muito acertada pois atteodea urna necessida-
de de grande importancia para a nossa agricul-
tura ; e assim, nao podemos deixar de consignar
esta providencia sem manifestar um agradecimen-
to ao Exm. Sr. vice presidente.
Em outro lugar publicamos um escripto sob
a assignatura do G. N. aquai telado, em que sao
solicitadas providencias com relaco ao pagamento
de prets da mesma guarda nacional ora era ser-
vico.
Sem duvida que sao precisas essas providencias,
visto serem procedentes as razots nelle indicadas;
mas podeines garantir que se nao foram remettidos
os prets, a que all se allude, para a thesouraria
afim de serem pagos, ongina-se islo dos mesmos
nao terem sido al hontem ao meio dia dirigidos a
presidencia para aulonsar o respectivo paga-
mento.
A companhia de seguros martimos Ulilidade
Publica paga o sea undcimo dividendo na razo
de 283000 por accao.
Deu no sabbado ultimo a sociedade Fraler-
nidade das Familias a sua partidade; a qual correu
folgada com ordem e satisfaco dos seus convi-,
dados.
Ante hontem leve lugar a festa de Nossa Se-
nhora da Conceicao dos militares, cora a pompa do
costume, orando no Evangelho e Te-Dim os ds-
tinctos prgadores Fr. Joaquim do Espirito Santo
e padre Leonardo Joao Grego.
A msica sob a direceo do Sr. Colas, esteve a
nao haver nada a deseja'r, bem como a armacao do
templo.
Fez as honras devidas urna brigada composta de
2 batalhdes e 1 um parque de artilharia.
Deixeu de se soltar o fogo de vistas, que os de-
votos e os moradores da ra Nova, mandaran) fa-
zer em consequencia de nao terem ficado promp-
tas algumas pegas delle, por causa de molestia
sobre vinda ao artista quem foi o mesmo fogo
encarregado ; deveudo portanto effectuarse a res-
pectiva quoima domingo 18 do corrente, oitavario
da festa d'aquella padroeira e dia da fusta de San
la Anua aa mesma igreja.
Com data de 11 do corrente, escrevem-nos de
Pao d'Alho o seguiste :
c A tempos nao lhe dou noticias desta localida-
des ; desculpe-se.
Cemecou trtbalhar efectivamente o jury
aqu no dia 24. Foram apresentados 6 processos
preparados, sendo 3 de reos aflancados; e destes
2 requereram Picar para outra seccao.
t Entraram pois em julgamento 4 reos, 2 dos
quaes foram absolvaos, e 2 condemnados; mas das
absolvieses appellou o juiz de direito e promotor
publico.
Hontem a noute dentro da villa um falano
Correia deu ama facada em Lourengo de tal, que
ficou concluir-se, o criminoso evadio-se. Adeos.
Amanhaa sobe scena no Sania Isabel pela
quarta Vez o magnifico drama sacro denominado
Vida, Uilagres e Marlyfxo de Santa Cicilia.
Sendo urna recita extraordinaria e livre da as-
signatura, flea espago aberto aos diletianti que nao
sao assiguantes, para irem apreciar o bello mara-
villoso deste drama, que se manifesta no desen-
volviraeoto da accao por meio de um prodigioso
mashipisojo cuja belleza nio Oca a quera d'aquelle
dos Martyres da Germania, que com justiga foi
to applaudido pelo nosso publico.
Passagelros da barca mgleza John Matheus,
sabida para Philadelphia: Capita Danham e
sua senhora.
Passageiros do hiate brasileiro Santa Anna,
sahido para o Aracaty : Jos Bezerra de Medei-
ros, Manoel Jos de Oliveira, Pedro Jos de Amo-
rm e Floripe Liberato C. do Amaral.
Passageiros do hiate brasileiro Santa Cruz,
sahido para o Aracaty : Antonio Monteiro Tor-
res Castro, Jos Monteiro Torres Castro,'Jos Cy-
riaco e Mello e 1 criado.
Passageiro da galera franceza Adelle, sahida
para o Havre pelo os portos do norte : .Joo Bar-
roso de Carvalho.
Reparticao oa polica.
Extracto das partes dos das 11 e 12 de dezem-
bro de 1864.
Foram recolhidos casa de detengo no da 10
do corrente:
A' ordem do subdelegado de S. Josa, Leandro
Hispo de Alexandria, por disturbios.
11 -
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Ba-
silio e Joaquim, escravos, este de Jos Estevo de
Oliveira, e aquelle de 0. Maria Chaves, o l. para
avenguagoes sobre crime de furto, e o ultimo por
infraegao de postaras.
A' ordem do de S. Jos, Luiz Nepomuceno da
Motta, e Francisco Manoel da Pedade, por distur-
bios ; e Manoel Antonio da Rocha, para averigua-
g5es.
A' ordem do da Boa-Vista, Jos Roberto de Sou-
za, por ferimentos, Cosme Jos Damio dos San-
tos, por furto; e Amnelo Jos Rodrigues, para
correcge.
O ehefe da 2* secgo,
J. G. de Mesquita.
Movimento da casa de detengo no dia 10 de
dezembro de 1864.
Exstiam..... 341 presos.
Entraran..... 2 >
Sahiram...... 7 >
Existcm......
A saber :
Nacionaes.....
Muflieres......
Eslrangeiros...
Estrangeira
Escravos......
Escravas......
336
267
3
16
2
44
4
336
990
Alimentados a cusa dos cofres provinciaes. 136
Movimento da enfermara do dia 12 de dezembro
de 1864.
Tiveram baixa :
Tbomaz Gomes da Silva ; febre.
Darao (escravo) seutenciado; chaga.
Movimento da casa de detengo do dia 11 de
SLCIIIIU dr 100%.
Exisliam....... 336 presos.
Entraram...... 8
Sahiram....... 2 >
Existem.......
A saber :
Nacionaes.....
Eslrangeiros...
Mulheres......
Estrangeiras...
Escravos......
Escravas......
342
271
3
16
2
46
4
342
Alimentados a custa dos cofres provinciaes. 143
i '''
o EL
3
I :
: l
i :
o
>
>
O
o
>
CK -I Ir, s Masculino. I o
g fc* 1 Fcminino. ?0 1 O "5
. A A te Masculino. M H u. V. m O &
A . 1 Feminino. 1
?^ - , 1 Masculino. 1 U V o y 9) r > < o Vi o a.
m A * I Feminino. a Ate c_ O*
S A * Masculino. i O D f Bl i:?
J * - ^1 Feminino. 5 o-i e
00 . . . -4 Masculino. O 9
* a A I Feminino. i
1 TOTAL.
ADVERCENCIA.
Na totalidade dos doentes existem 130, entre
homens e mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes das :
Pelo Dr. Ramos s 6 1|2, 6 1(4, 6, 6 1|4, 6 1|2,
fl 112 6 |4.
Pelo Dr. Sarment s 9, 8 1|2, 9 3|4, 7 l|2, 7
9, 7 3|4, 7 1(2.
Fallecen :
Mara Joaquina, entente cancerosa.
Obituario do cemitkrio publico no da 1# dr
dkzeubro de 1864.
Angela, Pernambuco, 8 mezes, Boa-Vista ; coa-
vulsSes.
Manoel, Pernambuco, 1 mez, S. Jos; erysipela.
Flix, Pernambuco, 8 mezes, Santo Antonio ; den-
tigo.
Eduardo, Pernambuco, 1 auno, Santo Antonio;
denligao.
Jos de Oliveira Ramos, Santo Antonio; indges-
to.
Joanna Guilhermina Pessoa d'Albaquerque, Per-
nambuco, 29 aunos, soltera, loa-Vista; tubr-
culos.
11
Mara Egina da Luz, Pernambuco, 46 aunos, sol-
tera, Santo Antonio; erysipela.
CI1R0MGA_JDDIC1ARIA
VRUBUXA L DA 11 EL VC, AO.
"" SESSAO EM 10 DE DEZEMBRO.
presidencia do exm. sr. conselheiro
SOUZA.
As 10 horas da manha, presentes os senhores
desombargadores Santiago, Gitirana, Lourengo San-
tiago, Almeida e Albuquerque, Assis, Doria, Molla,
e Domingues da Silva, faltando o Sr. desembarga-
dor Ucha Cavalcanti, abrio-se a sessao.
O Sr. desembargador Guerra, procurador da co-
roa, nao compareceu.
Passados os feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
JULGAMENTOS
Aggravos de petico.
Aggravante, Joaquina Maria" de Albuquerque ;
aggravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Gitirana.
Sorteados os senhores deserabargadores Assis,
e Molla.
Negaram provimento.
Aggravante, Joo Romualdo ; aggravado, o
juzo.
Relator o Sr. desembargador Almeida e Albu-
querque.
Sorteados os Srs. deserabargadores C Santiago,
e Motta.
Negaram provimento.
Appellarao crime.
Appellante, Feliciano, escravo; appellada, a
justiga.
A' novo jury.
Appellacoes citis.
Appellante, Joo do Reg Barros Acciol; appel-
lado, BentoJos Ramos de Oliveira.
Reformada a sentenra.
Appellante, Joo Lopes Cavalcanti; appellado,
Jos Antonio de Mendonga.
Nullo o processo.
Appellante, Manoel Lopes da Silva ; appcllado,
Luiz Jos Pinto da Costa.
Confirmada a sentenga.
Appellante, Felino Freir de Andrade ; appella-
do, Joo Velho de Mendonga Furtado.
Confirmada a sentenga com deelaraco.
Appellante, a prela Caetana ; appelada, D. Ma-
ria Joaquina da Silva Manta.
Receberam-se os embargos.
Appellanies, Santos Si Rolim ; appcllado, Jos
Moreira Lopes.
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, a viuva de Joo Henriques da Silva ;
appellado, o Dr. Adolpho de Barros Cavalcante de
Lacerda.
Desprezaram-se os embargos.
Habcas-corpns.
Negaram ordem a Ignacio Esteves Moreira da
Costa.
._ DESIG.NAg.AO DE DIA.
...yiinlu-.'u ala |/ai a JUlgiitlICUlu 4o. ..fluinloc
feitos :
As appellacoes creis.
Appellante, o bacharel'Luiz Rodrigues Villares ;
appellada, a Santa Casa da Misericordia.
Appellante, a mesa da ordem terceira de S. Fran-
cisco ; appellado, o juiz de capellas.
A appellaco crime.
Appellante, D. Anna Francisca de Brito ; pppel-
lados, Zefcrino Jos Coutinho c outro.
DILIGENCIAS CIVEIS.
Com vista ao Sr. desembargador procurador da
coroa
A appeltaco citel.
Appellante, a fazenda; appcllado, Dr. Jos Joa-
quim de Moraes Sarment.
PASSAGENS
O Sr. desembargador Caetano Santiago passou
ao Sr. desembargador Gitirana
A appellarao civel.
Appellante, Jacintbo Alfonso Bolellio ; appellado,
Manoel Elias de Moura.
A appellarao crime.
Appellante, Jos da Rocha Wanderley ; appella-
do, Jos Joaquim Fcrreira de Mello.
oSr. desembargador Gitirana aoSr. desembar-
gador Lourengo Santiago
As apprllaroes citis.
Appellante, Joao Correi'a de Araujo ; appellado,
Manoel Joaquim de Albuquerque e sua multier.
AppellarSes crimes.
Appellante, D. Antonia Mara Jesuina Borgcs;
appellado, Bento Alvos da Cruz.
Appellante, o juizo : appellado?. Manoel \ictor
da Silva e outro. 4
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida e Albuquerque
As appellacoes aris.
Appellante, a administrarlo dos recolhimentts
da Gloria e Conceigo ; appellado, Joo Anlonif de
Oliveira.
Appellante, Monica Ignez da Silva ; appellada,
Thereza Catliarina da Conceigo.
A appellarao crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Luiz, escravo.
DoSr. desembargador Almeida e Albuquerque ao |
Sr. desembargador Assis
A appellarao civel.
Appellantes, o juizo e Frmino Thcolenio San-
tiago ; appellados, o juizo I Joo do Reg Barros
Falcao.
Do Sr. desembargador Assis aoSr. desembarga-
dor Doria
A appellarao civel.
Appellante, JosSoares'do Reg ; appellado, Jos
Joaquim de Oliveira.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Motta
As appellacoes civeis.
Appellante, Francisco Xavier Mendes da Silva;
appellado, Manoel Barbosa da Silva.
Appellante, Antonio Joaquim de Vasconcellos ;
appellado, Osear Deslibanx.
Appellante, Jos Marcelino Alves da Fonseca;
appellada, a fazenda.
Appellante, D. Maria Francisca dos Santos; ap-
pellado, Manoel Joaquim Limoeiro.
A appellacao crime.
Appellante, Antonio Rosalino Correia ; appella-
do, Joo da Cunha Freir.
O dia de apparecer.
Appellado, Jos Victorino de Carvalho Cavalcan-
te ; appellante, Antonio Marques de Araujo Caval-
cante.
Ao Sr. desembargador Domingues da Silva
A appellacao civel.
Appellantes, Dr. Antonio Ferreira dos Santos Ca-
minha e lillios; appellado, Jos Vicente Ferreira
de Freitas.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Ucha Cavalcanti
As appellacoes civeis.
Appellante, Jos Benlo de Oliveira; appellado,
Jos Joaquim do Araujo Pinheiro.
Appellante, Gabriel Antonio ; appellado, Fran-
cisco de antiago Ramos.
Appellante, Gaudencio Goncalves Chaves ; ap-
pellado, Martlnho Gomes da Silveira.
A' 1 horas da larde eacerrou-se a sessao,
THIBLA AL DO CO1MI.IU IO camento nao autonsasse ao subdelegado procc-
ACTA DA SESSAO ADMINISTRA- der ex-ofllcio contra os seus autores ?
TIVA DE 12 DE DEZEMBHO DE 1864. Vamos agora a Jos P.tssariuho, que nao era
presidencia interina do exm. su. desbmbargador senienciado, como por m f se disse, mas pronun-
. alexandre beiinardino dos res e silva. ciado, por offensas phisicas classiGcadas como
As 10 horas da manba, estando reunidos os se- .graves,
nhores deputados Lemos, Rosa, C. Alcoforado e E' verdade que elle estava no engenho do que
Basto, e presente o Sr. desembargador fiscal, o se irata, ha poucos mezes.
Exm. Sr. presidente declarou abena a sessao. O que fez porm o praprielario desse engenho
Lida, foi a pprovada a acta da sesso anteec-, cuja proteegose acolheu Jos Passarinho? F-lo
dente. recolher-se voluntariamen e acasa de detengo para
expediente. ser julgalo,havendo bem poucos dias que foi absol-
Foi presente um oflicio da junta dos corretores, | vido pelo jury,
acompanhando a cotago ofllcial dos pregos corren- j Procedeu como costuma, esse cdado, cujas
tes da praga, relativa a semana fiada.Mandou-se virtudes e carcter honesto a toda prova o com-
archivar.
municante nao capaz de enxovaihar com suas
aleivosias infames.
Como esta, sao as outras; e nao se peja o
communicanle de ser assim convencido de refalsa-
do e mentiroso ?
O farinheiro atropellado
despachos.
No requerimento de FrancUce Ferreira da Sil-
va, por seu procurador Antonio Martins de Car-
valho Azevedo, Francisco Jote Rodrigues e Jos
Rodrigues Beiro, pedindo o registro do contrato
de arrendamento feto por aquelle a estes, visto
pelo Sr. desembargador fiscal.
No do Guilherme Jorge Fumellez, pedindo o re- Friictas do lempo.
gistro de um contrato celebrado entre elle e Mellors Na Gazeta do Cear lemos o relatorio apresenta-
4 Southal de Liverpool, visto tambem pelo Sr.des- do assembla legislativa daqnWla provincia pelo
embargador fiscal. respectivo presidente o Sr. Dr. Lafayelle Rodrigue^
No de Jos Augusto de Araujo, cidadao brasilei- Pereira.
ro, natural da Babia, pediudo r admltlido ma- j S. Exc. foi empregado publico de ordem secon-
tricula, o igualmente visto pelo Sr. desembargador dara na cidade do Ouro-Preto, capital da provin-
liscal :Malricule-se. cia de Minas-Geraes. Teve a rara hahilidaile de
Nos autos de rehabilitagao de Joao Baptista Tel- malquislar-se all com Gregos e Troynnnos, ipezm
les, vistos pelo Sr. desembargador fiscal : O tri- de ser proverbial a ndole pacifica da-juella boa
banal concedeu a rehabilitagao. gente. E taes cousas fez, qu o Sr. mmMn
Nada mals houve a tratar, e foi pelo Exm. Sr. Carneiro de Campos, hoje ministro da fazenda. e
presidente encerrada a ses>ao as 11 horas e meia entao presidente daquella provincia, vio-se obriga-
da manha. I do a demitti-lo na poca da concilianio.
----- O Sr. LaiayetU tran SESSAO JUDICIAIUA EM 12 DE DEZEMBRO i banca de vi\,<.,.,, e com seu amigo Flav o Parns
DE 1864. arvorou so em i d -lor da AcluaMade, estampando
PRESIDENCIA INTERINA DO EXM. SR. BESEMBARGADOR SeU nomo ll I tr i| [f iriodO peridico. *pelHAj
a. n. dos res e silva \ com o Sr. Carnevra de Campos, assar.)a-Hw ra
Secretario, Julio Guimaraes. ', doestos mais nno 'Ivendo-lhe at a rula pri-
Ao meio-dia o Exm. Sr. presidente abri a ses- vada. juanete a til fio nascente. sal* ewpie-
so estando reunidos os senhores desembar- cer as offensas odas, e at f,.z timbra
gador Accioli, e deputados Lemos, Rosa, Candido disso. Os inimig -amigados r.-u/am os
Alcoforado e snpplente Basto. copos no banquete so, .aadam-se rom
Lida, foi approvada a acta da sesso antece- urna cordialidade U ao admira portanto
denle. | que o Sr. Lafayette ai iid. -ja presidenta i oan>lo o
Foi apresentado ao Exm. Sr. presidente o offlcio Sr. Carneiro de Campo- ministro. Ha O'sto ama
datado de hoje que lhe dirigi o Exm. Sr. desem- especie de negocio do pastad; na bella jvhrase do
bargador Custodio Manoel da Silva Guimaraes, l Sr. Jos Bonifacio.
commutiicando nao poder comparecer presente j Mas voltemos ao Sr. Lifayette. Eir lernoo-
sessao por incommodado. | se amigo e protegido do Sr. Ottooi, porque sobe
Nao tendo comparecido e Sr. desembargador; defender a liberdade, e dizer rousas minio pieante>
Silva Guimaraes nao pode haver julgamenlo. I gente cermelha. Na distrihuigo dos quinhoes.
Agizravo de instrumento do juizo municipal e d coube ao ex-em,iregado d>; Minas a presid-iwia da
commercio de Goianna. I nroviHcia do Cear, onde elle esl irado? indo
Aggravante, Jos Pinto da Costa ; aggravado, o ; fados as ligues edificantes com que na ua folh;
juizo. j pretenda moraltsar e regenerar o paiz.
O Exm. Sr. presidente negou provimento. | Nao ha melhor industria flo que o jornansao na
Nada mais houve. e eitcerrou-se a sesso om corle. Por elle se faz fortuna com rerl^a. Sao
quarto de hora depoisde abena. j?>-|it o memo wienecuiai >e aquilate am em
** i muito mais do que vale realmente.
Nao v agara o lelor pensar que no qn*ri*iiios
rebelar contra o aproveitamenlo do Sr. Lafayrn*.
S. fcxc. era um dos talentos comprimidos iwrmle
aa*~mmmmm 0s faiaes quatorze annos, e agora esta em --na
O farinheiro atropellado lea com especial agrado lazendo brilhaturas luz do progresso, e jwtifiraB-
ocommunicado inserto no Otario de Pernambuco do o alto conceito que delle formaran).....snn
de 7 do correle, em que se procurou responder "'ffo*-
s suas pergnnlas innocentes. N,m '0I elle o remido da situago. As
Quem qoer que seja, communicante, parece dencias, principalmente, foram o* labiados
que anda mais atropellado do que o proprio fari- midos para os primeiro* ensaios tos tallos com-
nheiro; porque na defeza que produzio em favor primtdos. E se duvidam, recorram a variada rol-
do subdelegado do Peres fez o qu se chama cantar lerC;'o de ancdotas impagaveis que os jorn** pn-
a palinodia : coufirmou Indos os fictos da aecusa- blicam, c lam os relatnos presidencia**. K nm
gao, dando Ihes apenas um certo cplorido, afim de |o*to ter como abundam neas pegas doutinas
desvanecer a m impressao que ellespodcssem ter sedigas, miiharcs de veze* rei>etidas as vate pro-
causado, vincias do imperio,e que ja iarnrahindo em iu*wm
Lamenta, entretanto o farinheiro que o mesmo em documentos daquella ordem. Ira mmmm
communicanle, na ausencia de razoes com que de recente data, querendo aulonsar a* iheor,.
acobortasse aquellos fados, recorresse hi.-torias f"6 emillidas, e que so tinham o pequeao ilefeiio
de escravos de certo egenho, e de um tal Passari- dt \er mui ^m."*, engrasou no re .lorio peri. d.w
nho. que nao vinham ao caso, e com as quaes nada de diversos autores, e algn* lmannos, que -ra
tm o farinheiro, smmlc para torcer a questo c um lo"vr a Deus. Foram chamados i baila t>-
leva-la para o terreno da poltica, que a capa de mmalinenle Goncalves Di*, Cotisin, Emili.!
mnilos abusos e crimes das autoridades subal- rardin, Leibnuz, Verg, He Falln o Ju> Er-
rante, que ja vimos figurar em peca idntica
COMMNICABOS.
ternas.
Com quanto nao seja exacto que o ;r. subdele-
gado do Peres achasse ali usanga de mercado, e
apenas a tolerasse, como affirraa o communicante,
por quanto,> urna ou eutra vez foi tomada essa pro-
videncia, en occasioes de completa cscassez de
gneros; todava, o farinheiro entende que nao
deve fazer quc.-tao por isso : 0 que quer que lhe
DeiXMMS. porem, em santa pazos tatrni
primid-s. Sejam elles symbolisados pelo Sr. 1.a-
fayetle, desta vez.
Traiiscreveremos algn* |>edacinl)o- de uiir
eslo engastados no importante relatorio de S.
Exc.
Venho, cheio de prazer, assiitir a installa<_-ii>
digam quera autorisou o imposto que se cobra pela de vossos irat>alho. Lompartilho das al^gn.,- .
subdelegacia do Peres o que o commuuicante diz das esperancas que a vo>sa reama* d^peru n.-
ser de 80 ris, e nao de 120, como se dsse as habitantes desta bella provincia (I .
perpuntas.Isto ficou no linteiro. O contmrimmto (t) de que a grandeza e pr. >-
O communicante nao por certa, farinheiro;se Pfirldade da patria de^odem da r.srra;a.. e da
o fosse e tivesso visto o seu terem rasgado em tra- pratica pacitira de nossas inslituicoes, e n.- nina
vessias, quando fugisse da garra policial, e se j : cre"Sa nacional. *
livesse gozado por urna longa noute as delicias do A caranga individual anda mu prr-ran
tronco de slcuplra, lao celebre nestes tempos,! na provincia. A loviolal.ilidade da vialidad* hu-
depois de saborear urna boa dose de supapos, por "" (J),wo c um senlimenio profundam-ni.
entender que poda dispr de sua propriedade, dicado...
quando, como e onde lhe confiese, nao vinha dizer ,A possibilidade da pnmgao entra ao* calente*
que os pobres almocreves se prestara a tal usanga d ddinqueote, e a convn-gao de sua cerina rara
da melhor vonlade. I vez deixa de anniquillar no espirito a resolucao *
Ninguem porm o acredita crime. (1 tem^ir j-
E o imposto? Quem deu ao subdelegado ai eqpAWArm
attrlbuigao de impr conttribuigSes em seu distric-1 ~~~------;----------------------------------
lo? Para onde vai o producto dessa contribuigo W S. Exc. nao se limita a sentir prazer par Ma
de 80 ris, que cstabeleceu o subdelegado do Peres, conla- Compartidla das aleqnai do* Cear-ar>. Je
comoconfessaocommanicante? Jess! Jeasl Onde periodo que forma o introito p.dia r. I
est a le? Era que trra vivemos nos...... menores proporgoes. em ah-ijar o pelamen-
Negra o communicante que se tonham feto cerl todava que a sattsfarao, o jubilo, n pmm o
depsitosemmo do subdelegado: foi infeliz na ne- i contentamento, e quanto* *)nonynw exprmvm
raijva. abundancia de coragao seriam pouro* para expan-
0 farinheiro comprehende e tolera o desalinho do dr o sentimenlo de que S. Exc. poda Auatrar urna defeza impossivel; mas acha arrojo demasa
donegar-se fattos de toda a evidencia, e ao alcance
do teslemisnho geral!
Negae-se tambem que esse subdelegado, que to
patriarchalmente exerce o argo, rera uns poucos
de escravos empregados em vender a relalho a
farinha que elle compra em atacado aos almocre-
ves, j se sabe, por vonlade delles, para manter a
nsanga do mercado, e satisfazer o povo.......
o alvn as allnso.'s que
possuido if urna occasio lio solemne
(2) O Sr. Lafayette nao qoiz empregar a palavra
(onn'iro, que mui rasteira e usual. Eslava iw
seu direilo.
(3) Aqui o Ilustre; presidente fugio itv rasiepM-
na imitagn de phrases repelidas. Imrmtmmmmir
da vidaltdade. alm de ser nina phra-w de ruuho
original e gracioso, fornere ronsoanle para AA
verso. Nao encareceremos o mrito de*fa mr^o
bnlhant Ha bellezas que nao se denvMstran.
mostram-se...
(4) Faremos aqui am escarceo maior. ponaae aa
O communli^ante errou .
fez ao farinheiro sobre cerlos fados, que, diz, foram
a causa das suas perguntas innocentes, referindo-se \ verdade o caso serio. Para pmipar ao leimr o
s assuadas que faziam escravos de certo engenho, trabalho de bater na testa afim de 4, tfrtmemw o
surras que davam em horaens livres, meltendo-os. pensamento do autor, lomaremos a bos nn>a trete
no ronco, e homisio que teve ah um Jos Passari
nho, sentenciario.
O farinheiro, simplorio como admira-se de
unto desfagamento, e nao pode deixar a tangente
sem resposta.
A fabrica desse engenho a que allude o commu-
nicante compoe-se talvez de mais de oitenta es-
cravos que passam diariamente d'ahi para outro
engenho prximo; e, nao tendo sido anda preso
nenhum desses escravos, sendo todos os agente*
de polica do lugar inimigos do proprietario do
mesmo engenho; de duas, urna :ou os escravos
sao mui disciplinados, oa a palela relaxada.
A historia doespam-ameDlo em homens livres:
urna alelvosia miseravgl.
Basla esta simples considerago para refuta-la
cabalmente : crivel que ama fabrica desordena-
da e malfaseja espancasse um hornera e nao o
1 maltratasse de maoeira quo o resultado do espan-1
tao ingrata. O primeiro memoro do periodo e f-
cil de entenderse, embora nao tenha aterir da
invengo da plvora. No segnmlo memoro aae
est o bus-illa. Com urna grande eonleasa de en>
pirilo p le-se hem adevinhar o njne S. Ee. per
dizer, e o segrate : a certeza da prniica rara
vez deixa de anniquillar no espirito a re*olnri dto
crime. Parece que acertamos. GrammatH-almen-
te qae a cousa dura de justmVar c m Eer.
seria mais feliz, sena qnuesse enrosrar lanfo o
phraseado. Para qu- essa ronrccio de am rwrte-
zafK qaem se refere o poe-ivo jmi ? pnm-
gao ? Mas neste raso tem elle de saltar por rm
dos clculos do deltnquente para enleirar-*e mm
a pumeo, substantiva qae fi>a mais remlo.
rwo/iifdo do espirita nao ser ama redundancia -
cusada ? O corpo, j lodo* sabera que oa frandw
mindrio incapaz de retolrer-se.
El* abi o presidente qae Sr. /arharias *-*
i.


Diarle te Persas? feae Terca felra 13 d Dezembro e*e 1364.
Tteatro.
Seahores.Nao sou frequentador de thaetros,
nao porque nao gosle, mas porque sendo matuto,
poucas vezes lo ni i o occasio do vir a cidade. No
enlamo sempre que os meus negocios me trazem a
capital, e que ha espectculo, nao dispenso, e ho
de ver-me repimpado na platea, que dizem cuslar
dez lustoes e que a mim me levam mil e quinheu
subdelegad. Islo seria bastante para fazer tran-
quilisar a conciencia de qualquer homem escru-
puloso, o fazer corar de vergonha a quem de ver-
gonha fosse susreptivel; entretanto consta-me, que
o Sr. Cunha declara, que o meu escravo, nao sen-
do a pessoa, que elle procurava, todava livre.
Bem v o publico, que essa imputacao, a ser
verdadeira, propria de quem a faz ; e se tal a: mos tambem do delegado
convieco do Sr. Pedro da Cunha, que promette sombra do Sr. Chaves vai
tos, tambem nao sei porqn* ; ouvi dizer que eram disto informar ao Sr. chefe de. polica, provoco-o a
cambistas que negociavam com os bilheles s quan- que prove o que afflrma, sob pena de ser um ca-
do haviam entlente : se assim que Ihsfagabom lumniador despresivel, e anda urna vez prometto
proveito. i confundi-lo, pois tenho urna reputacao a zelar, tenso de Flores.
Bom seria que os freqoentadores nao desemitol- era quanto o Sr. Pedro da Cunha, na ignorancia "
cassem mais daquillo que esta estipulado, porque de tudo, ignora tambem o que seja honra e digni-
dah re.uli (|ue podendo irera duas vezas, vao dade, e d'ahi a facilidade com que se atira a repu- i
urna s, pois<|ue Ihes custao bilhete o dobro : ain-1 taco alheia. E' por ora, e sobre o faci em ques-!
da se o resultado fosso para os senhores das re-
presenlacoes, v frito ; porque realmente, eiles
trabalho muitu bonito) mas, para especuladores
que nenhuma fadiga teem, muito mal feilo. E
nao havera quem ponba cobro a isto T Emliin, es-
tamos na quadra do progresso, e este ha de ser um
del les.
Mas que me importo eu com os cambistas, com
o prego dos bilheles ou com o progreso? O meu
flm outro, combar a narrar desde ja, e da ma-
neira que me peculiar,o que vi,e o efeito que me
causou os milagres da Senhora. -anta Cecilia,
mais ;oda essa infinidad de cuinas de que fui tos-
dar andamento i alguna feilos por cinco, seis 8
dose mezes ( o processo do professor Marcolino )
com maioria de razao devem ser seriamente consi-
derados pelo governo.
Breve estaro o pu- lico e o governo a par da his-
toria vergonhosa de um magistrado pequeo em
ludo e para tudo, e nessa occasio nos oceupare-
de Baixa-Verde que
soffrivelinenle tasqui-
g0-
Barca pertugueza S. Mantel 11 diversos
eros.
Barca inglezaMiranda -diversos gneros.
Ingue hanvriano Slepheus$n mercaduras
Brigue argentinoAni/a-charqao.
Brigue nacional -Alfreda carne de charque.
Galera francezaToukinsalitr.
arca francezaRapide sal.
Brigue inglezMani
Baixa-Verde, S3 do novembro de 1864.O ba- Brigue Inglez -Almiarrio
larel J. Tavares da Silva, promotor publico sus-; Barca francezaSanta Michel
PUBLICIS 1 PEDIDO.
8o, o que me rumpre dizer em saptisfaco ao pu-!
bllco, ao dominio do qual pie elle chegar sum- j
mmente aderado, se assim aprouver ao digno
subdelegado d progresso, que tanto progresso i nacional aqturteldl vencido m SO'aVmSz"uro"
lern feilo na mentira. I -=----------1-
Ferea da guarda nacional aquartolada
Anda est por pagar o pret da forca da guarda
Kngenho Ba-Vista na freguezia
24 de novembro de 1864.
Franctsco Xavier de Andrade.
Ao governo e ao publico.
Aos governoscorre o rigoroso de ver de na
ordem interna fazer prevalecer a jostra, e na or-
temunha ocular na noite de 10 do corrente no | d>m externa, as relaces de nacu nae.o man-
theatro de Santa Isabel. E tudo isto para me nao i ier o respeilo, esqueeer, pois que tenho de historiar o caso a nn-! (ado.
nlia dona quando cliegar a casa, que ella curiosa
como todas.
To sagrada urna quanto outra dcstas obriga-
coes. O primeiro dever exige como condiegao in-
xi.mo pa>sado.
lte> Como se sabe, a mor parte dos guardas nacio-
naes sao artistas que percebem de salarios fra do
quartel de 15300 a 3000, que sao pagos integral-
mente todos os sabbados, sao chamados para o ser-
vico do aquartelamento onde percebem de sold
550 re. o do quasi diariamente toda a guaroigo
servico de rondas, regulando a folga em dia e meio
e a meio dia, e onde vo estes pobres homeus
buscar o necessario para manter-se a si e a sua
familia se al o mesquinho sold que percebem
nao lhe pago em dia?
carvao.
! Barca inglezaloo* Oul -carv.
Barca ingleza Dortthyiiem.
i Barca inglezaBella Potife-carvao.
i Barca francezaOlivier Jean Manecarv3o
Barca inglezaMinan -idem.
. nsanp4>f*caeao
Bngu hanoveriano Slephenson, entrado de Lon-
dres, consignado a Rothe 4 Bidoalac, mantfestou
o seguinte :
i caixa livros velhos; a Odenco da Cmara.
60 toneladas de carvao; aos consignatarios.
20 caixas canella; a L. J. da C. Amonm.
20 barri tinta ; a Izidoro Netto & C.
2 barricas graxa, 2 caixas biscoutos, 2 ditas
ferragens; a T. T. Bastos.
30 barricas cimento, 200 saceos arroz, 1 caixa
vidros, 1 dita papis para moscas, 12 ditas panno
de oleado, retretes, leitos, brinquedos, miudezas
ele, 2 fardos tpeles e lecidos do la ; a Tasso Ir-
maos.
5 rolos chumbo, 1 barril pregos de cobre, 1 dito
no entanto que a tropa de
linha que arranchada recebe no diado Terna-1 tinta, 1 fardinho merino Vi 7osVa.~m" Das,
mente-dos prets 1 caixa piano ; a M. S. Nogueira.
protectora da msica, era o que eslava annun-1 Wi garan.idras d'aordem Vda paz" publica*; JJ.TJVITJWI* fjS^SSi.d? barri> **>.2 cais ^ogas, 1 v6lume cidos;
ciad. mormente aquelles que tendo por funeeao
vida, milagres e martyrio de santa Cecilia, dispcnsavel que sejam punidos os infractores das
A hora competente, corri e efe-ote sentado a oa-1 e especial fazelas valer e observar, trahindo a sua
vir a msica, que diga-se a verdade, boa, Lo-1 missao as transgi-tdem. Para esse Hm vem o
mecoua pe?a, e todo eu ra attencao, vi.ouvi pre-1 abaixo assigna.lo nao como-promotor de Flores ;
senciei, escutei e at ao remate da obra que Um a mas como particular trazer ao conhecimento do
vista da gloria, eslive completamente salufeito, nao governo e do publico os crimes a erros de um
houve cousa alguma que me nc agradasse. lima | empre.sado, ao qual desbragadamente acha-se con-
senhora que apuareceu logo de joelhos, que de- iada a diraeco primordial da justica na comarca
pois conheci que era a Santa, era mesmo urna de Flores o bacharel Joao Rodrigues*Chaves.
Santa, fallou muito bm, sempre com o pensamen-
to em Beos, sempre com bonitas palavras, aconse-
jando a todos, convidando-os a praticarem o bem, | abertura da correicao do tefmo de Flores ulterior-
e prometiendo am recompensa a bemavenlu-
ranc.a I povoajao de Baixa-Verde Diogo Soares Carneiro
Era urna perola! aquella
(a ser urna perfelta creatura, .ju^ ^... .... 3Ciii aiunm raigo, como se vera ua acia ua coi- propnt'la
sabe infundir no animo de quem a escuta senti- reicao, que aqui transcrevo textualmente na parte Collocada
relativa esse fact.
E passou ( o juiz de direito ) verificar
licas, e provincia se digne mandar pagar o pret vencido, e a Caors & Barbosa
propria providenciar aflu de que seja d'ora em dianie pa- I l cesto, 5,barricas e 3 caixas drogas; a P. Man-
go o mesmo pret uos das de seus vencnnento-
0 guarda nacional aquartelada.
Ao publico.
O directorio do partido liberal desta freguezia,
no justo empeuho de manter o direito de seus
membro*, e considerando o que elles tem soffrido
Aquelle bacharel va.doso, e presumido colloean- e possam soffrer como desabafo de paixoes mes-
do-se acunadas leis suspenden na audiencia da quinhas, ,|Ue tem sua origen na poliiiea, nao pode
mente fechada (11 do crreme ) ao juiz de paz da arVrado em SUuJe-,egad0 do dis'tricto de s! Yee* i i dita rtulos
ser indifferenle ao que acaba de praticarum lopeira Pater X C
arvorado em subdelegado do dist
senhora leve por for-1 Ikiir^^mS^SSo, om que7everia JBISIITsf^SJt
\S rescuuS i ^ ^^^-COm !?J5 L^.*L2t I SSffi!r;ngenhosCBoaXV
e de caridade. Pareca mesmo
i cediowoto desse subdelegado em relago um dos
rer & C.
139 saceos arroz, 50 barricas cerveja, 2 caixas
cha, 1 dita brago para machina ; a Thom B. &
Roberls.
2 caixas Uvatorio e retrato ; a Wilson 4 Hette.
10 barr linta, 10 ditos sal de Epson, 1 dito
trin<-al, 5 caixas drogas, 2 ditas penles, perfuma-
ras, ele, 5 caixas gomina lacea; a Dencker &
Barroso.
120 barricas cerveja, 1 caixa retabulos; a J.
passada;, pesando 23 libras avahadas pela tarifa
em 84836 res, cuia mercadera foi abandonada
dos respectivos direilos por Eusebio Rapbael Ra-
bel lo.
?. Seccao da alfandega de Pernambnco, 10 dj
dezembro de 1861.-0 terceiro escripturario, Joao
dos antos Porto.
O Iltm. Sr. inspector da thesourarla provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. vice-
presidente da provincia de 9 do corrente, manda
fazer publico que no dia 29 do mesmo, peraote a
junta da fazenda da mesma thesourana, se ha de
arrematar a quem por menos iizer os reparos de
que precisa a rampa do caes do Ramos, avahados
em 1:3800M.
A arrematacao ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 13 de mam de 1834, e sob as
clausulas especiaos abaixo copiadas.
As pessoas que se proposerem a essa arremata-
cao comparecam na sala das sessoes da referida
cidade com loja de fazendas em gro**9 a nr-
taiho.
Secretaria do tribunal do rom memo de Prnani-
buco 1U da dazembro d 1.H64.
O onViat-amer.
Julio itammxn.
J'oisulad it Ptrlsai
Km Pernamburo.
No da 13 do crrante mu l>-m >fc ir a ;.-; a
taberna do ausente suhduo portugus Antooi Jo-
s Vieira Braja, sita oa Linela n 7: yr %me
se por consequencia aos d*vedor-s a ->Ml>
leciment. ijue pelo consulado de PorMfSi rm IVr-
nambuco Irata-se da arreeadacao tnt m bw
do subredito Braga, para que es vo a* mmm
consulado pagar seus debiio*. do contrario seta*
a laso obrigaJoa judiciainvnt-
O conselho aduiini>trativo para fnrneo
do arsenal de gu-rra pn-n-a comprar
Para o 9* batalhao de infaMana.
1.000 varas de bnm branro.
junta, no dia acuna mencionado, pelo meio dia
competentemente habilitadas.
E para conslar se maudou publicar o presente "i0<) varas ''- al/ndozinho.
pelo jornal. i'W bonets redondos.
Secretara da thesouraria provincial de Pernam- ,l)0 esleirs,
bueo 12 de dezmbro|de 1864. manas de lia.
O secretario As pescas que quizerem vrndfr ta^
Antonio Ferrctra d'Annunciara. npresentem suas propostas em raru (rrnada
Clausulas especiaes pura a arremat'aco. secretaria do conselho a> |i> horas do dia IV do
1." As obras dos reparos da rampa do caes do cerrente.
Ramos serao executadas de conformidade com o
orcamento na importancia de l:380JJM0.
z.* Os trahalhos devera ser principiados no,
prazo de lo dias, e concluidas no de 2 mezes, am-
bos contados da data da arrematacao.
3.* O pagamento ser realisado em duas presta-
ces iguaes, a primeira, quando o arrematante
houver feito metade da obra, a segunda e ultima,
Sala do conselho administrativo
nvnlo do arsenal de guerra, 7 de
18i.
ara lmerj
dearnibro Je
Ant.mio IVdro dj |
O>ronel pfrs
Seba.-li.io Jo-.- I!a-i
Vapnl -epretari.-
- .No da len-a-f.-ira 13 *i rjrr--*.
as palavras acertadas da filha,e conver | nao Ihe d o direito de suspender o juiz de paz por
falta de titulo legitimo : diz apenas que o juiz de
direito representar ao governo a necessidade de
serem suspensos, os juizes municipaes e de or-
ptiaos, delegados, subdelegados, ejnizes de paz, que
esiiverem servindo sem apreseniarem titulo legi-
timo. Logo aquelle empregado xorbitou, exer-
ceu um acto, que Ihe nao competa, c commetteu
montos religiosos
inspirada 1
Perguutei ao mon visinho da esquerda, quem
era ella, e respondeu-me que se chamavaMar-
quelou.-Possm, senhores, onome nao ala muito
bonito, mas olho que o trabalho lindissimo, liquei
encantado.
Todos os ontros Srs. expheavam-se mutlo bem ;
apazar de que nao goslei daquelles que queriam
com raiva : mas, o velho dopae era bom homem,
escutou
teu-se.
E o noivo t Esse levou-o o diabo, que era seu
conselheiro Fez strepolias de todo o tamanho,
e por fim de contas la se foi para os profundas...
Assim deve acontecer todos aquelles qu a Torga
querem obter tudo quanto imagiuam, sem guarda-
ren as conveniencias e razoes. Muitos conheco
eu ca neste grande thealio do mundo que Ihes ha
de acontecer o mesmo.
O pobr do gvernador, que assignou a senlenca
de morle dos chrisiaos, que erara criminosos s
porque adoravam a verdade, por arles do diabo,
fieou doudo, e isto pelos remorsos de perseguir a
lllilni'-ncia 1
E que tal o exemplo ? un Mirem-se na-
quelle espelho. Mas, muito itei, quando a san-
ta, que protega todos os desgrasados e arrepen-
didos, lha restiluiu a razao 1 Bem feito milagre I
E o hornera das cubras ? Vote 1 Se l no mato me
apparecessem semelhantes enderaoninhadas deila-
va o pequeira a correr, e nao para va seno quando
estivesse no quartel da sade. Mas aquelle ho-
mem era mu ; depals de se ver livre, por milagre
da sania, das laes sanguesugas, como elle chama
va, vae a querer lr a sentenca de morle dos pe-
bres christos, e ei-lo por esses ares, sentado na
cadeira do juiz, e isto depois de ter posto a vela
no sau lugar, que tambem cresceu, como para lha
dar aviso de que acuriosidade inconsiderada um
peccado. Gstei muito de tudo aquillo, e j me
doiam as ilbargas de lauto rir, de son qua o meu
visinho da esquerda ja se eslava incommodaado :
p-wrui. cu Illa i us^ulJUiCIOIScaiia ijtiair -*W
que gosta, e eu eslou no meu direito.
E aquelle sug'ito gordo vestido de chrislo ?
Nao gestei delle por ser gago ; niio sel como um
homem com esse Uefeito, admillido n'um officio,
mais prestrnosos cor-
Xavier de Andrade,
ngenhos Boa-Vista e Pindoba.
a questo no seu verdadeiro ierren
j era impossiyel. que desassemos de aquilatar o pro
lulos dos emprega'dos e mais pessoas sujeitas a cor- >. D0S38s raais importantes alijados na altura em que
reic
d
eicao, e resolveu o juiz de direito suspender o juiz l e||e deve de SHr (.0mprehondido
e paz do Baixa-Verdc Diogo Soares Carneiro Ju-1 Hara que nfli lhe emprestassemos a sua verda-
uior marcaudo-lhe o prazo de 10 das para apresen- dcira signicaco cump.a, que esse subdelegado,
digno '
lar titulo legitimo determinando que quanto antes
passasse o exercicio desse cargo seu imuiedialo na
forma da lei.
Ora o artigo 26 do decreto n. 834 de 2 da outu-
bro de 1851. que regula a forma das correicoes
por tanto o enme previsto no artigo 139 do cdigo d'Albuquerque tirando-s
criminal. Este Ilegitimo proceder teve lugar em 0 0 gr chefe de polica
plena audiencia da abertura da correicao, e foi ous subalternos, recom'r
testemunhado or lodos os empregados pblicos
abi presentes !!!
O mesmo magistrado julgando definitivamente
Antonio Atlico Leite de Suza do crime de moeda
lalsa, de que era aecusado, julgeu-o sem dar a
sua sentenca antes de retirar-se para outro ter-
mo com formalmenle Ihe ordenado no artigo
14 do decreto n. 707 de 9 de outubro de 1850, e
ausentou-se antes de o fazer para a povoacao de
Baixa-Verde no lermo de Flores, d'onde s voltou
para abrir o jury ; (cando entretanto o aecusado
sem ser sentenciado at a concluso da sesso do
jury. Ora diz o ai ligo 129 i sero jugados preva-
ricadores os que por... odio ( sabido e ha prova
de que elle odiava o aecu-ado Leite por motivos
polticos) infringirem ( 2) qualquer lei ou re-
in lamento.
Tambera tendo-se aberto o jury na Inrrazeira
o anno passado foi entregue a aquelle magistrado
( em setembro ) um recurso de um individuo de
uome Bitpueta, que dormo em seu poder de cinco
para seis mezes; em quantoaquelle empregado em
xnmu-mto passava regauuamenie em riaixa-
Verde os mezes de janeir, fevereiro, marco, lem-
po em que creio ter sido despachado ( senao mais
tarde) aquelle processo. Este facto Ilegitimo deve
tambem ser capitulado no artigo 129 6.*, ou en-
omisso no
para o qual necessario ter urna falla clara e m-1 to considerado como negligencia ou
telligivel, para que a gente possa perceber tudo cumprimento de seus deveres,
quanto se diz, sem o que nao se sabe do enredo da | Igual omissao ou neglicencia deu-seem um (.ro-
pec.a I Em summa forara tantas as cjusas que cesso tirado por denuncia do capitn Domingos Jos
presenciei, que nem todas me ficaram bam na me- Alves de Siqueira contra os raptores de sua filha
mona, e nem possivel a ninguem de urna s vez
decorar ludo quanto es>e acta contera, eemquanto
me demorar aqui ria cidade nao perco : la me le-
va Dos, hoe outra vez, e se todos os que me le-
rem quizerem um bom conselho, farao o mesmo,
que nao tero de que arrepender-se. A peca, alera
de muitissiino divertida, edificante e encerra li-
ces de moral e exemplos que se devem seguir
todo o transe : assim o eutende o
ilatuto.
a proposito de um recurso
delinquentes.
inleutade por um dos
da poca e da situaco a quem serve, ze-
lando a moralldada do seu cargo, ostentando a
; mais completa exarcao no cumprimento de seus
j deveres, que nao ignorando-os completamente e
I prelendendo desmoralizar quem sabe mais do
que elle o que *eja honra e dignidade, prucedesse
d'oiiira maneira, livesse outro procedimento.
Nao temos, porm, o direito de esperar cousa
milhor de quem, na pratica dos mos actos, faz
timbre em somente seguir o que Ihe dita os seus
pervorsos instincts eaconselha-o a sua brutalida-
dc sem limites.
E' assim, que o Sr. Pedro da Cunha Cavalcante
-se de sous cuidados, e ten-
em circular dirigida aos
ous subalternos, recommendado a captura d"um
homem livre, de nome Manoel. vendido como es-
cravo era 1862 ; tratou de intimar nesse sentido
nm escravinho que possue desde 1856 aquelle nos-
so prestante correligionario, e sem que lhe com-
peliste essa averiguado por demorar fra do seu
districio o engenho do nosso amigo, incapaz por
corto de pralicar acus desta ordem, ao contrario
delle, que nao poder dizer outro tanto, para alli
se dirigiu e procurando interrogar o referido es-
crayo, previamente iustruid, passou pelo dissabor
seno deeepco de velo tergiversar o afastar-se
do que lhe fura insinuado, mas oceultando tambem
o seu verdadeiro nome, porquanto sendo ella com-
prado em 1856 com o nome do Raymundo, o
| aquelle sobre que versava a averiguacao do es-
crupuloso (nem sempre) subdelegado de nomo Ma-
noel, declarou chamar-se Jos.
Finalmente e para nosermos prolixos, o nosso
amigo, reveslindo-se de loda prudencia, que nao
, teriamos por certo dcs4o o momento, em que, re-
I couhecida a sua incompetencia para tanto, o ti-
mu legtimamente possuia o seu escravo, retiran-
do-se uepois disto o di lo subdelegado que, para
aparentar o seu acto, com o qual s teve em vista
tirar ao nosso amigo o prestigio, de que merecida-
mente gosa, ostentar o seu podero, que nenhum
, desde que lhe falta a forca moral precisa ; tem
feito circular, qu realmente nao era aque'.le que
procurava, nao deixaudo por islo de ser igual e
reconliecidamente livre I
Chamanao a attencao do publico para o que a
respeilo ter de publicar o nosso amigo, em que
provoca do modo mais solemne a essa inepta au-
, a Menson & C.
5 dlas cha, 1 dita candieros ; a F. G. de Oli-
ve ira.
60 ditas folha de Flandres, 1 barrica estanho ;
a Isaac Esnaty.
50 pegas de cabos; a Maia & Espirito Santo.
1 caixa tapefs, 1 dila chapeos de sol ; a Car-
neiro 4Nogueira.
1 caixa calandra; a Henry Forster & C.
55* caixas cerveja, 5 barris oleo de linhaca, 20
ditos salitre ; a Paln Nash 4 C.
1 rote de vapor; a C. L. Siqueira.
15 caixas, 2 saceos, 1 fardinho, 9 barris diversos
aoligos ; aos gerentes da companhia da estrada de
ferro do recife a S. Francisco.
6 caixas cobre em folha, 1 barril pregos de di-
to, 10 feixes vaioes de dito, 3 barricas estanho, 1
dita louca0 4 ditas ocre, 25 caixas fundos de co-
bre, i dita colheres de lalo, 1 dita castices, 28
barris oleo, 26 ditos salitre, 1 dito pos para tinta,
32 caixas vinho, I dita retrete, 1 dita livros, t
fardo papel, 10 caixas Tazeodas etc.; a ordem de
diversos.
Brigue nacional Mrquez de Ohnda, entrado da
Babia, consignado a Manoel Ignacio de Oiiveira,
manlestou o seguint :
1>,342 arrobas do charque, 400 ditas de graxa
em bexigas e 13 barricas com 845 arrobas de se-
bo coado; a ordem.
Patacho nacional Tupa, entrado do Rio Grande
do Sul, consignado a David F. Baltar, mamfestou
e seguinte :
8,888 arrobas de charque, 114 ditas de sebo em
rama, 77 dilasde dito em pes, 278 ditas de gra-
xa em bexiga, 5t barricas com 325 arrobas de se-
bo coado, 66 couros vaccuos de refugo ; a ordem.
Reeebedoria de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 10......... 10:5655527
dem do da 12................. i:588536i
quando tiver concluido o entregue definitivamente audiencia do Dr. juiz muni -ipal .la
todas as obras.
4." Para ludo o mais que nao estiver especifica-
do as presentes clausulas seguir-se-ha o que de-
termina a lei.
Conforme
A. F. d'Annuuciacao.
O tenente-coronel Jos Antonio Pinto, juiz de paz
do 3o anno desta freguezia de S. Jos do Recife,
e presidente da junta de qualifici^ao em virtude
da lei, etc. ^
Fago saber que, devendo procedpr-sc, na lercei- rao rrbida^ at
ra dominga de Janeiro prximo futuro (15 do mes- da para a sabida
vao. M ba
nscarao V
de arrematar o moleque l-,n >ei, por
1 castas,encaminhada couira Fraon- a
Miranda.
Correio geni
Pila admmistraeo do rrreio >fa ndadp
faz ublicj que en virtude da .*vem;.a a it.
ewabrada pelas eoverno* brasilero has* .-. *
rae xpedidas malas para Europa no da 13 >
crrnte: pe vapnr inglez Par,i*.,. A- .
I bora> aia< la que for orea-
do vapor e o* joraaes ai V b*>
12:1535891
MOViJHENT DO PORTO.
O mesmo empregado avocon para o jury de Fio-: [ndade a a ver,JaJe dfl (a0 {^ JQ.
l?Jr V'l amella um processo tirado por mor-1 siuu ao a nos 1Hlitaremos a iV,que esso
tedeum tal rur riel iconlraus seus assass.nos,, enl(J Jeg(.n^rado lem razo quando julga os mais
ijuando apenas resiava um dos c-ros, tendo os
outros j sido julgados pelo jury de-Villa-Bella.
O intuito com um tal proceder foi fazer mais este
servico ao vigario Burg.is, de quem aquelle ma
gistrado insensivel se quer a toJ custo aproximar,
indicam as suas intimidades com o subdele
degenerado tem razao quando julga
capazes de ostentar o procedimento, que s nelle
asseuta, de que s elle capaz.
Concluimos protestando contra tanla arbilraric-
dade desde o modo pouco digno ponjue essa au-
toridaae procurou, para chegar a seus fras, em-
CORRESPONDENCIAS
Srs. redactores.~T3.ran me convenc, que nin
g;uem esta sent de soffrer as paladas d'um burro.
e os coices d'um sendelro. Nunca era minha vida
merec a attencao da polica e menas foi posta em
duvida a minha reputaco. Eslava islo reservado
ao Sr. Pedr da Cunha Cavalcante da Albuquerqoe,
por infelicidad subdelegad do districto da S. Vi-
eente nesta freguezia, onde, falla de bons ins-
trumentos, encontrou a liga o que procurava nes-
sa celebridade digna do eternas luminarias E'
verdade, e seja dilo de passagem, que a falla de
elementos, de qu* aqu se rusente o partido pro-
gressistu, s poderla ser dignamente preenchida
p >r um Pedro da Cunha, que, com a mesma faci-
lidade, com que deixou de ser progresslsta por
nao ter sido subdelegado, diz-se hoje membro des-
se partido, a quem aprouve remover essa difficul-
dade.
Nao o honra, por certo, a acquisico. Mas pres-
cindirei disto para tornar saliente o que acaba de
pralicar essa aotoridade, que na ausencia de todos
o> sentimentos de dignidade julga os mais por si...
Tendo o sr. chefe de polieia em circular aos
subdelegados da provincia recommendado a cap-
tura d'um supposto escravo, de nome Manoel, ven-
dido como tal em 1862, sendo entretanto livre,
julgou o Sr. Pedro da Cunha quo nao poda ser
mais propria a occasio nao s para dar de si a
melhor ideia como autoridade policial, como para
xercer urna vendida poltica, porque, felizmente
para mim e infelizmente para os homens da situa-
<;o sempre encontraro difScyldade em augmen-
tar coraigo o numero dos transrugas polticos.
Assim foi, que esse pobre homem, revestid do
cargo, que exerce, emhra sempre ascgas ande,
como vai ver o publico, para quera escrevo, as-
sentou de, por interposta pessoa (um seu inspec-
tor) ensmuar um escravinho, que possuo sem con-
testacao desde 1836, e quando o julgou senhor da
lico appresentou-se em rntaha casa e tratou d'in-
terrogar o referido escravo, que, chamaado-se
Raymundo, effeclivamente procurou dar outro no-
me, tendo neste ponto errado a licao, por quanto
em vez de declarar chamar-se Manoel, di-so sor o
seu verdadeiro nomeJs o que contrariou so-
bremodo o Sr. Cunha, que de cuulia serviu em lu-
do isto, quando souber o publieo, que o meu en-
genho nao pertenee ao districto desse pobre ho-
mem, que aisim o invadi sraenle pelo prazer de
commetter urna arbitrariedade.
Confeso, qua fui em demasa prudente quando
supportei por tanto lempo as asneiras desa figura
de entremez; nao me arrependo, porm, porque
tive occaio de mostrar-lhe, que outro, e na o
meu eseravo, era o que elle procurava, confun-
dindoo com o titulo, que prova a legitimidade do
meu direito sobre o escravo, e a declaraco d
mesmo em como, para assim proceder, fora dev-
daraente instruido por certos canaes, que tinham
sua fonte mais ou menos prxima na pessua do
como muium as suas mi.m.naaes cora o suoaeie- hora illerjilimos, illegaes, insinuar o referido es-
gado Mascarenhas, a quem a mezes falla aquelle ,r d lemos ^s inas robU;.taj al
hornera infeliz a mais atroz desapiedada guerra.'
Ora nesie seu proceder huve um arro; visto se
adiar prevena a lurisdieco do tribunal
Bella.
Oulro erro ou omisso deu-se Igualmente por
parte do mesmo magistrado expedindo como j o
tem sido atiesiado pela escrivo de Ingazeira, urna
appellaco fra de tempo.
O bacharel Joo Rodrigues Chaves, esquecendo-
se de sua funecao de magistrado para s se. lem-
brar que era poltico sem escrpulo, tem conserva-
do aberto, sem haver ainda lhe dad andamento o
processo do professor jubilado Marcolino Antonio
Xavier, a quasi anno e meio processado 1
Era a espada de Damocles erguida sabr a cabeca
daquelle empregado fim de obter delle cncesss
polticas.
O abaix assignado infelizmente promotor pu-
blico desta comarca, e nao poucos e pequeos tem
sido os embarazos forjados diante de seus passos
por aquelle bacharel enfatuado e impostor. Nao
mencionar aqui os actos illegacs, as vingancas
xercidas contra a sua pessoa por aquelle magis-
trado.
ainvasod'um distncio alheio cora manifesia ex-
i horbitaocia de suas attribnicdes, e promettemos
" villa- acompanhar essa autoridade em seus desmandos,
' desatinos e perseguii;es.
Freguezia de S. Vicente, 21 de novembro de
1864.
Jos Luiz Pereira Palma,
Presideote.
Padre Joaguim Francisco de A. Tmente!,
Vice-presidente. ".
Antonio Vicente Pereira Cavalcanli,
Secretario.
nao ser em nada ioferior ao Dr. Jos Bento Jnior,
que, alias, nos seus relatnos, nunca deu ao leitor
Nao a por isto que elle se dirige opinio pu-
blica e ao'govern ; ao inverso por se achar con-
vencido que a juslica converle-s em revoltante e
[ incomportavel injuslica quando para diante dos po-
derosos e dos subidos em posicao.
Esperames pois que o governo do Brasil ser
bastante forte para nao recuar diante de um juiz
de direito, ou procnsul de urna comarca.
E' como particular, qae nos dirigimos ao gover-
no, eio mesmo carcter que fallamos opinio
publica, e esperamos quea opinio e o governo uo
serao inertes emeondemnar taes actos.
Como empregado nao o poderiarnos fazer por
acharmos-nos suspensos pelo mesmo juiz de direi-
to, que sabendo da nossa resolugo de levar todos
estes factos ao conhecimento do publico apressou-
se em suspender-nos na audiencia final da correi-
cao, que hontem ( 22 ) teve lugar, pelo iraportan-
lissimo motivo de termes demorado alguns proces-
sos em nosso poder pele tempo de dous mezes, nao
obstan! os motivos que expendemos nos mesmos
processo justificando a demora havida, e nao obs-
tante ter sido a mesma demera em alguns deter-
minada por pedido do proprio Dr. Chaves, que jul-
gou poder fazer-nos o instrumento dos seus odios e
caprichos!! Quando irritado contra o Dr. Estevoe
o padre Burgos pelo negocio de Baixa-Verde qoiz
que nos lancassemos contra um e outro ; quando
quiz perseguir as familias Campos e Atahydes, pre-
tendeu tambem inpelhr-nos contra estas e obre
tudo centra o capito Joo Baptista de Atahyde si-
queira; quando squoso de perseguir familia
Pereira, procurou igualmente lancar-nos contra
esta. Conhecendo pela resistencia que opsuz
maiana de sous intentos e projeclos que eu nao t-
nha gosto algn om agradar os empregados supe-
riores com condescendencias servs e Ilegitimas,
queixou-se que eu era um estorvo, e da queixa
passou guerra. Acceitei a guerra por entender
que naquelle homem poder-se-hia encontrar alguns
sentimentos elevados : enganei me prfeitaraent :
Pastilhas vermfugas de Kemp.
As pastilhas vermfugas de Kemp sao por sem
duvida alguma infinitamente mais eflicazes e uteis
do qu todos os mais remedios perigosos e nausea-
bundos que existen] para a expulso das lombrl-
gas. Ellas nao sraente expeliera c distroem es-
ses encommodos parasylas, mas tambem removem
a raucosidade era que elles se engendram impedin-
do por esta forma a sua reproduccao. Ainda nao
se encentra ura s cas em que ellas tenham dei-
xado de praduzir o desejado effuito d'uma manei-
ra satisfactoria. Em virtude de se arharem exerop-
tas de ingredientes irritantes, nao causam ellas
dr ou encommodo de qualidade alguma, o por
meio da sua an;o balsmica suavzam o ventre e
o delxam no estado d'uma salubridade perfeita.
As enancas as.confundem fcilmente com outros
conieitos ordinarios em raso da sua apparencia e
sabr e gostam deltas tanto quanto gostam de pro-
prios doces. A' venda as boticas de Bravo C.
e Caors 4 Barbosa.
OOMMERCIO.
nm pedacioho que cahisse tanto no goto com esse I xercia.
o homem eslava innitaraenie abaixo do cargo qu
qua deixamos referido O 8r. Zacharias enganou-
se. Ha una cousa era que o Sr. Lafayette supe-
rior ao Sr. Jos Benlo :e na origmalidade.
Creio que se dous mezes s um motivo sufH-
ciente para urna snspenso, a emisso e negligen-
cia daquelle magistrado deisando de despachar, e
Cotaees offlciaes.
PRAC1 DO RECIFE
1-2 DE uEZEMBRO DE 1864.
Cambio sobre Londres 90 d/v. 27 lii e 7
1|2 d. por 1JO0O.
Cambio sobre Pars 90 d(v. 340 e 345 rs. por
frrnco.
Dubourcq Jnior, presiden.
uimars, scrtar.
Alfandega
Readinuato de dia 1 a 10.......
dem do dia 12................
321:7895714
39:875J668
361:6655382
Movlmento da alfandega
Velamos entrados com fazendas... 125
com gneros... 324
Yolue8sabidos com faiendas... 202
> com gneros... 375
449
ATrct entrado fXO ititt II.
Troon62 dia barca ingleza Arena, de 362 to-
neladas, capilo Dale, equipagem 11, cargi car
vi; a ordem.
Liverpool 35 dias_ patacho inglez Ieara, de 148
tonelladas, capilo J. Colgni, equipagem 8, carga
de differenles gneros ; a Johnston Pater & C.
Baha20 das brigoe brasileiro Mrquez de Ohn-
da, de 208 tonelladas, capito Agostinho Gomos
da Silva, equipagem '0, carga 11:109 arrobas
de carne ; a Maia & Espirito Santo.
Navios saltillos no mesmo da.
Ro de Janeiro e Haba Canhoncira brasileira
Iguatemij, enmmandante primeiro lente Justi-
no Jos de Macedo Coi mora.
LiverpoolPatacho inglez Spray, capilo Melbust,
carga assucar e algodao.
Liverpool pelo CearPatacho inglez Artaxerxes,
capito G. Eduard, em lastro.
PhijadelphiaBarca ingleza John Matlieus, capi-
lo Long. carga algodao.
Aracaly Hiate brasileiro Santa Anna, capilo
Antonio Joaquim Alves, carga differenles g-
neros.
NoviM entradas no dia '2.
Rio Grande do Sal52 das, patacho brasileiro Tu-
pa, ae 187 toneladas, capito Antonio da -ilva
Soares, equipagem 10, carga 9,000 arrobas de
carne secca ; a David Ferreira Bailar.
Rio/le Janeiro22 dias, sumaca hespanhola Vo-
mitara, de 158 toneladas, capilo J. Betran,
equipagem 12, em lastro ; a ordem.
Marseille39 dias, barca franceza Virgile, de 204
toneladas, capito Dragn, equipagem 12, carga
vinho, cimento e outros generes ; a TissetFrere.
Rio Grande do Sul -50 das, patacho dinamarquez
Johann, de 125 toneladas, capilo J. Vielheer,
equipagem 7, carga 11,356 arrobas de carne a
Bailar Navios sahidos no mesmo da.
Aracatyhiate brasileiro Santa Cruz, capito Jos
Victorino das Nevos, carga differenles gneros.
Rio Grande do Sulbrgi escuna nacional Ctjsne,
capilo Jos Monteiro da Almeida, carga diffe-
renles gneros.
Havre pelos portos do nortegalera franceza Adel-
le, capito Gallier, carga algodao e outros gene-
ros.
mo raez), a revlso da qualiOeaco ua conformida- ras antas.
de do art. 25 da lei de 19 de agosto de 1846, se faz Administrar,." do correi d* Pernaaba. o 15 o>
mister que os eleitores e supplentes abaixo desig- dezembro "e 1884.-O admimrr i
nados comparecam, aflm de proceder-se forma-; Dooiingas dos Pa*so- Mir.in la.
cao da junta de qualificaco : pelo que, em execu-t Na audiencia do Sr. Dr. joiz de orpt*, a
cao do arl. 4 da referida lei, convocos para que dia 13do correle, pelas II hora- da man'
se achem na igreja matriz desta freguezia pelas 9 hado arrematar um terrea da vollo liareis*.
horas da manha da mencionada terreira dominga n beac e seguimento da na d#s Frr>n>. frv
de Janeiro do anno prximo vindouro, sob pena guezia da Boa-Vista, cra 100 palm<\* o> frente e
de incorrerem na mulla coinminada pela mesma 200 de fundo, e divide por urna nova roa pmjee
lei, ficando os Srs. eleitores e supplentes na intel- tada, i vista de sua local dade, avallado por 50VJ
ligenca de que a juma ser organisada segundo o trreno que vai apra;a por venda a roaueffj
disposto no g Io do art. 1" do decreto n. 842 de 19 \ de Maneal Martins Foxa.
de setembro de 1855, combinado com o art. 4" e'
seguinies do decreto n. 1812 de 23 de agosto do
dito anno.Eleitores os senhores : Juvino Ep-
" da Cunha, Jeronymo Emiliano de Miranda
EDITIS.
O Dr. Trsto de Alencar Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio desta cidade do Recife de Pernambu-
co, seu termo, por Sua Magestade Imperial e
Constitucional o Senhor D. Pedro II a quem Dos
guarde ele.
Faco saber aos que o presente edital virem e
delle noticia tiverem qua no da 6 do mez de feve-
reiro, do anno prximo vindouro se ha de arrema-
tar por yenda a quem mais dr, em praca publica
deste juzo, depois da audiencia respectiva, duas
pipas com vinho Figueira, avahadas em 250$ cada
urna, as quaes sao pertencentes a Jos Ribairo da
Cunha Guimaraes, vo a praca por execuco de
Campiano A Cordeiro. E na falta de licitantes ser
a arrematacao feita pelo preco da adjudicaco com
o abatnenlo respectivo da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos
maodei fazer o presente edital que ser afiliado
nos lugares do costume e publicados pela ira-
prensa.
Dado e passado nesla cidade do Recife de Per-
nambuco aos 12 de dezembro de 1864.
Eu Manoel de Carralho Paes de Andrade, escri-
vo o escrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
De ordem do Sr. inspector da alfandega se
faz publico que o prazo para o contrato das obras
desta repartico. annuacada por edital de o do
fano
lastro, Braz Antonio da" Cunha e Albuquerque, Ju-
lio da Silveira Lobo, Juvenclo Aurehano da t'unha
Cesar, Pedro Rodrigues de Souza, padre Albino de
Carvalho Lessa, Aprigo Jos da Silva, Emilio Ame-
ricano do Reg Casumbj, Francisco Antonio das
Chagas, Francisco Ferreira dos Santos, Francisco
de_Paula Silva Lns, Dr. Galdino Ferreira Gomes,
Joao Jos de Albuquerque, Leopoldino Ferreira da
Silva, Manol Antonio Ribeiro, Maxmiano Henri-
ques da Silva Santiago, Jos Francisco de Menezes
Amorim, Manoel Joaquim de Souza Viegas, Augus-
to Coelho Leite, Joo Pacheco Alves, Cielo da Costa
Campello, Custodio Manoel Theodoro. Joo Antonio
de Mello, Jos Franci;co de Souza Lima, Joo Ta-
vares da Cruz Fonceca, Joo Joaquim de Figueire-
do, Joo das Virgens Molla, Modesto Francisco das
Chagas Canabarro.
^ Supplentes os senhores : Romarico Luiz de
Freitas, Pergentino Netlo de Azeredo Coutinho,
Tiburcio Valeriano Baptista, Pedro Tertuliano da
Cunha, Jos Antonio Gouzanga d'Oliveira, Adalber-
toiBellarmine da Silva, Antonio Gncalves Pereira
Lima, Autonio Emigdio Ribeiro, Fraucisco Pacifico
do Amaral, Manoel Joaquim Baptista, Manotl Eleu-
tero do Bogo Barros, Antonio Rodrigues de Albu
qu.-rijue, Belmiro Pessoa Esteves, Olympio do Sou-
za Gal vo. Amaro Jos dos Prazeres, Francisco de
Paula Meira Lima, Ignacio Jos de Paula, Joo
Francisco Monteiro, Jos Francisco de Sailes Ba-
ra da Luz, Sebastio Antonio da Silva, Francisco
dos Res Nonas Campello Jnior, Antonio Jos
Pinto, Candido Jos da Fonceca, Francisco Mximo
Ferreira, Jo? Xavier Faustino Ramos, Bernardo
de Sena Ferreira Leite. .'
E para conslar mandei passar o presente para
ser afilxado nos lugares pblicos, e publicado pela
nnprensa.
Freguezia do S. Jos do Recife, 13 de dezembro
de 1864. Eu Jo^ Goncalves de Sa, oscrivo do
juizo de paz, o escrevi.
Jos Antonio Pinto.
TIIEUHJ)
l>L
BESUJU5CE5.
. ISABEL.
EMPREZA
GER1AW I C0I1BI1.
Recita extraord'Mria. livre ola
asslgojatara.
Terca-feira 1-1 Reprcsenlar-se-ha pela quarta vei o amito ap-
plaudido e apparaloso drama am natro artos a
oito quadros
A VIDA, MILAGRES E IAIT .11
DI
SANTA CECILIA
PROTEO rOR\ DA MSICA
Coraecara as 8 horas
ATOOj MARTIMOS,
COMPAJHIA B&ASiLIaLA
M
PAQUETES A VAPOR.
Dos porto de surte e etpera
de ale o da 17 do encfss va
por Oyapock, rrmranoiaboMe Mm-
lonio Marcelino de P-rnte tet-
ro, o qual ilepot da deoaers 4
costume seguir para os nono do rH.
Desde ja recetiem-se passageiros o encaja
carga que o vapor poder coodmir, a qnal .
ser embarrada no dia de sua rbegasa:
mendas e dinheiro a frele aleo dia da *a!a a t
horas, agencia na da Cruz a. I, b iiissiiiu sa
Antonio Luiz de Oliveira Aaeosdo A CJ
COMPANHIA BiLASJXlUJtA
DE
PAQUETES A VAPili
lii portos de -u! I boj -i
do at o da t i do rorrease va-
por Paran, cuinmandaste o eav
pilie de kafasi S.*;a Barbara, s
qual depoi> dadeasora ds essna-
me seguir para os porto? do n- r!-
Desde j recebero-se paa4T,'iros e o^aja-s* a
carga ijue o vapor poder conducir, a >}uai severa
ser embarcada no da de ana i negada, "araisin
das e dinheiro a frote al o dii da casida ao t as-
ras : agencia, ra da Cruz n. I, escr'.
Ionio Luiz de Oliveira Azevedo A C.'

JMiaMYIII l
DAS
ICSSAGERIES IMRIUTS
Ate s da |%
pera-e dos psr-
fi da Esreps*
vapor rranre ir*
trama-tnrr.'i .pial
- da deats-
sogoira parfa
iraca Sania Cusa da M>sei-icoriia do Recife,
_ A Illma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
no dia lo do corren!, pelas 4 horas da larde, na
silla de suas tessoes, tem de ser arrematada por
quem mais vantagens offerecer, o foinecimeutodos
gneros que nonver de consumir nao s os e>ta-
belecimentos_de caridade, como tambem os colle-
gios de orpnos, uo trimestre de Janeiro a margo
do anuo de 186o.
Estabelecimcntos de caridade.
Manteiga franceza, fibra, tapioca, idem, caf em
grao, idem, assucar blanco em torro, arroba, di-
to refinado primeira sorle, idem, dito dito segunda
sorte, idem, arros pilado do Maranho, idem, ba-
calho, idem, toucinlio do Lisboa, idem, sab.io
amarsillo, idem velas de carnauba, idem, dita es-
permacete masso de 1 libra, farinha Ue mandioca
da ierra, alqueire, vintio tinlo do Lisboa, caada,
dilo branco, idem, agurdenle branca, idem, vina-
gre de Lisboa, idem, azete doce, idem, dilo da
carrapaio, idem, farello de Lisboa, sacco, carne
verde, libra, pao e bolacha, idem.
Collegio de orphos.
Assucar refinado, libra, caf em grao, idem,
manteiga franceza, dem, arros pilado do Mara-
nho, idem, batatas, idem, aletria, dem, carne ver-
de, idem, paixo fresco, idem, pao e bolacha, idem,
loucinho de Lisboa, dem, farinha de mandioca,
alqueire, feijo, dem, azete doce, garrafa, vina-
gre de Lisboa, dem, cal, cuia, lenha em achas,
canto.
As propostas devem ser apresentadas em carias
fechadas, devendo ser especiaes, j para os eslabc-
leeimentos_ de caridade e j para os collegios de
orphos, sa tambem aceitas propostas somente
para a carne verda e para o pao e bolacha, tanto
dos estabelecimentos de caridade como dos colle-
gios de orphos.
Os pretendentes pdem dirigir-se a esta secreta-
ria as horas de seu expediente, afim de colherem
as informages que jnlgarem precisas, c no acto
da arrematacao devem comparecer acompanhads
de seus fiadores, ou munidos de cartas deste, que
(carao responsavcis pelo inteiro cumprimento dos
respectivos contratos.
Secretaria da Sania Casa da Misericordia do
Recife, 7 de dezembro de 1864.
O escrivo,
F. A. Cavalcanli Cousseiro.
Sexta-feira 16 do crreme tem de ser arre-
matada, linda a audiencia do Sr. Dr. jniz de or-
phos, pela renda de tres annos, a casa n. 59 na e!eiro e bem contiendo brome perttajmex
ra de Santa Rita, na razo de 144,1 por aan, Canceiro de Maa, capilo Jaaoano Jos de oti-
cuja casa tem muitos commodose seus fundos del- i Te'ra preleode seguir rom moia brendade, usa
tam para a ra nova de Santa Rita, tendo nestes Parle seu rarresamenlo prompto
urna mei-aguaetelheiro, e porlo largo, acommo- lue lne falta tratase cora o seos
da saais de um morador, e (Tereco vantagens a An,oni Luiz de Oliveira Azevedo A C, as
quem tiver carros ou carrogas; as condigoes sao criptorio ra da Cruz n. 1._____________
facis como se pede ver do escripto em poder do I n~rrrjTZr:
porter Amaro a ultima praga. L aTa O X OllO.
Qnarta-feira 14 do corrente mez. depois da segu at o dia 20 do corrale s sri
Bahia e Rio de Janeiro.
Para tretes, conaigoes e pa--
agencia na do Trapichen. 9.-
Pnra Lisboa
O brigue portuguez La II. capito A. F. Tie-
ra vai hircom breviilade |">r ler a amor parla
de seu carregamento prompto ^oem as aaraaes
quizer carregar ou ir de pasacera. diraa-ss i
seuconsignaurio E. R. Rabello, roa da adea a
55. esi riplorio.
Para o Rio de Janeiro
O bem conberido e aajjpjaj briane
mirante, capilo Jos Moreira Maia.
guir com mu i la brevidade, lem parle de t*v rar-
regamento prompto : para c resto ane Hte falla s
escravos a frele, para os quaes tem enana)
commodos, tratase com o- eU< con>ignalatfas,
tomo Luiz de Oliveira Azevedo & C., na sea
criptorio ra da Croz o. I.
Para Lisboa
acsia reparugao. annunciaua por euuai ae o ao .i.-wu. uV uninm ma, aepoi aa segu ate o da 'O do crreme o nriga psrtagawt
corrente, devera ullimar-se no da 20 do presente, *ud'enca do lljm. Sr. juiz de paz do 1 districto S. Manoel l, capito Carlo Ferreira Soaraa ; jasan
oque se declara para conhecimento dos preten- da Boa-vista, irao a praga it cadeiras de anaics, no mesmo quizer carregar ou ir de aaaaaasm. da.
Desearregara no dia 13 de novembro
Barca inglezaCornocopiamercadoras.
Barca inglezaC/i/fon-farinha de trig.
Paiacho hanoveriano /aeoomeraadorlas.
Brigu suecoActirtaboado.
877
dentes.
Quarla secge da alfandega de Pernambuco, 9
de dezembro de 1864.
O terceiro escriturario,
Joao dos Santos Porto.
Pela Inspecgao da alfaduya se faz publico que
no dia 14 do corrente, a I hora da tarde na porta
da mesma repartigao, se ha de arrematar livre de
direito do arrematante, l aurrelas com ameizas
rija-se a ra do Vigerio a. II,
J. llamse Silva t Genro.
scnanria
consol*, e sof da mesma madeira, por oseca-
cao de A. H. Fanseea, contra Marcelino Fran-
cisco Aires da Silva.
Tribual do ronmercio. prelende --* ^ a*u ,
Pela secretaria d tribunal do commercio de Dous Amigos, lera parle de sea rriais
Pernambuco se faz publico qu nesta dala fai ad- prompto ; para o resto que lhe falta msT
MttMoa matricula na qualidade d comiaercian- os seus consignatarios Antonio Luiz ds Oih*n
to Jos ornes Villar, eidado portuguez, de 20 Azevedo A C, no seu escrlplsrie ras da OsTa
anaos de idade, domiciliado e eslabeleoido nasu mero 1.

'
MUTILADO


DUvlo de f*trnaBfcaff Terca feira 13 de Dezembro de 19S4.
k
COMPANHIA PERNAMBUCANA
M
.^'avegaco eos tetra a vapor
Aracaj t escalas.
O vapor Parahyba, commndante Martins, se
gira para os portos indicados no da 14 do cor
rente as 5 horas. Receber carga at o da 13 : en
comniendas, passageiros a dinlieiro a frcte at as
2 horas da tarde do dia da san Ja : escriptorio no
Forte do Mallos n. 1.
Saude dada a todo o mundo.
Pelos preciosos medieamcHtos dos Srs. Grimaull &.
C, pharmaeeutieos de S. A. I. o principe N-
poleao, roa de la Keuilladc 7 em Pars.
Porque os Srs. mdicos e o publico usam de pre-
ferencia dos medicamentos especiaes dos Srs. Gri-
I mault & C, pharmaceulicos em Pars, rom os quaes
LEILOES.
0 cirurgiao Leal mudou
a sua residencia da ra do
. Queimado para a ra das
;0ruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cuna do ji1n^ra?seu,preoblLdo
arma^m Progresaste, aon- JSSSS^TKSMtn5&
de o acharao como sempre ^5^^-gsSit-
prompto a qualquer hora W-^ggSi-i -
ra O eXerCiClO de SUa PrO" mm recentes conquistas da medicina e da ciu-
DE
as curas as mais xlraor-
mica.
fi lisadUi ou amauu yui oamipw fa2em B y|sla e podem ser admniStrados sem pe-
Precisa-se de urna ama para casa S duas rigo, tanto s crianzas cerno s pessoas adultas,
pessoas de familia : na ra estreita do Rosario n. | 4. Porque elles diflerem inteiramente desses re-
1!, segundo andar.
Precisa-se de
Imperador n. 2.
' medios inglezes e americanos, preparados por In-
.,, ZSSZBS n, ni An dustriaes estranhos, tanto a medicina como a phar-
um coznheiro na ra ao ,_ ?_ ._.:.___ lA _,
I macia, dos quaes nao tera nem a scincia nem os
-----------------------_ i ttulos.
Padarla. 5." Porque estes medicamentos se se applicam a
Precisa-se de uro amassador : na ra Direita um numero limitado da doencas, e nao as curam
numero 61 1 todas, coaio os remedios de que acabamos de rai-
entenda per- '?r ;, em0m cada Producto m> sua aPP,lcacao Par"
Urna taberna na ra
da Lingoea.
HOJE.
Martins far leilo por ordem do r. cnsul de
S. M. Fidelissima, da taberna sita na ra da Lin-
goea n. 7 a qual pertencia ao subdito ausente
Antonio los Vie.ra Braga. | Precisase de um caite.ro que cu.:-- f- ,icnlar.
O leilo ter lugar na mesma taberna ao meio fetamente de molhados, seja Del, inteitigenie, e Pr ss0 peHsamos prestar um servico a todo o
ia I saiba desempenhar suas obrigacoes, despachando raundo indicando aqui as importantes proprieda-
-----------------------------------------------o expediente da casa na ausencia do patrao ; ten- djs princpaos medicamentos dos ->rs. Gri-
KHi% fc do as habilitares exigidas e dando fiador a sua mau|t & (
conducta, nao se pora duvida dar-se um terco nos Jarope de raif ort lodado
lucros: quem jugarse com as habilitacoes ne-
cessarias deixe carta fechada nesta typographia
n ., com as iniciaes B. B. B. para ser procurado. Pre-
rllCir I vine-se que calxeiros para encher nmeros nao se
Martins preposto do jente Almeida far leilo | precisa, pois ha de sobra. ____
requerimenlo dos administradores da massa fal-
MUTA ATE^iO
dia.
Uma casa
DE
terrea
na ra do
Aviso aos senhores o senhoras
Aviso aos senhores o senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores o senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras.
Novo sortiraento
Novo sorlimento
Novo sortimento
Novo seru ment
Novo sortimento
Emprendo com successo certo em lugar do oleo De caixinhas e quadros
de figado de bacalho, tq desagradavel, to diffl- {* caixinhas e quadros
lida de Amorira Fragoso Santos & C, e por man-
dado do Hlm. Sr. I)r. juiz especial do commcrcio
de una casa terrea sita na ra do Pilar n. 3, em
terreno proprio, pertencente a mesma massa
HOJE
Defronte da Associaco Commercial, is 11 ho-
ras do dia cima.
Antonia Joaquim Goncalves Fraga agrade-
ce cordialmente a todas as pessoas que
arompanharam ao cemiterio publico desta
cidade os restos mortaes de sua presada es-
posa e convida igualmente para assistirem a
raissa do stimo dia que ha de celebrarse
na matriz do Corpo Santo, terca-feira 13 do
correte, s 7 horas da manhaa.
Movis, piaoDos,cr)siaes, joias deouro
e prata. mu earroca e dous cnval-
los para cabriolis.
HOJE
AS 10 l/j HORAS.
Cordeiro Stmoes, vender em leilo por conta de
umapessoa que se retira parafora, 1 ricoadereco de
ouro. 1 grande salva de prata e outros muilos ob-
jeclos de ouro e prata, i pianno de armario mo-
derno 1 sancturio de Jacaranda, 1 secretaria para
escriptorio. 1 par de apparadores, 1 lavatorio, 1
cabriole!, 1 lavatorio com espelho, 1 commoda, 1
guarda roupa, 1 mobiha de amarello, marquezas
i*< 1UII1IU, MU UMOjlHVl"Vi, w j
cil a'digerir. E' o especifico o mais certo contra Ue caixinhas e quadros
as escrophulas, o lymphatisrao, a moleza das car-. caixinhas e quadros
nes, os humores das enancas, a papeira, os rhou-
malismos, o escorbuto, as alfec-Qoes da pelle, as
molestias do peito.
Todos os mdicos de Pars o eropregam como o
depurativo o mais poderoso, e o recommendam em
todos os casos que precisa-se corrigir a acrimonia
do sangue, e dar-lhe todos os principios vitaos que
perdeu, seja pelos excessos, pelas affeccSes lym-
phaticas, escrophulosas, e venreas.
Xarope de quina vermelha fer-
roglnoso.
Ou associaco dos dous poderosos remedios da
materia medica que sao : o ferro um dos princl-
paes elementos de eosso sangue e a quina que e o
tnico e o febrfugo por excellencia.
Este delicioso medicamento ag'adavel ao paladar Cartoes de visita
e a vista, tem um resultado admiravel as flores Qarioes de visita
brancas, dores de estomago, falta de appetite, po- carl5es de visita
breza de sangue. Elle sobretudo til as senho- cartoes de visita
ras e as mocas delicadas, para desenvolver e re
De caixinhas e quadros
Caixinhas a Io00
Caixinhas a i3'00
Caixinhas a 1A500
(aixinhas a lJo'OO
Caixinhas a Io00
Caixinhas deSS por i5
Caixinhas pe 5& por 4
Caixinhas de >3 por 43
Caixinhas de 53 por 43
Caixinhas de 53 por 43
Receb'!ram-se 10 mil caixas
Receberamse 10 mil caixas
Receberam-se 10 mil caixas
Receberamse 10 mil caixas
Receberam-se 10 mil caixas
DR. AYER.
N> ha n"-ces ral em umV>> <> parm f>
de um ftirifinlf i|im> 9*p_
mosiiH) lempo mnocenle.
e 1 li^iu 1 de Unta a o>n&in<..i.
As pilulas ijih; ..ra ndere
mos .i" |)Mi'i) p^1
tmt^m ; p'w p'le str 1-
mailas pelas pom mais Araras
sem P*np nl^iiaw. rat lemlnrm
sua com pos i; metrwm amo
oulro ingredienie im>- a san-
de, mas sendo ei>m(M)$ti) le a-
gentes vegetaes mu forles. sao
ellicieiites activas para punlkar us
mais robustos.
Kstas pilulas explorain e pnrihVam Inda
a utensto do canal alimenticio, e di> *i|r"r
a ludas as partes do organismo. nrTigid
sua acro viciada e fazeml nvupcnr na
vilalidade
Um remedio ineslimavel coHtra ** 4r
"T ."^"^r'T ",',-. i~~J- Z a ~r cabera nervosa, en.rao Meen, pri** 4 em-
Antonio Luiz de Oliveira -[iT,u,,..,,, mSmim !> fr**,. fe-
vedo A C \bre gastro-hepatica, e ludas as mle*hm
biliosas i/iir tttM MI meiitn 1I0 figado ipie causa a escas-**i di
bilis na indammacao d'esle urgo
3--REA ESTRIITA DO ROSARIO-3
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes articiaes tanto por meio de
molas como pela pretsao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao i
fiquem a vontade de seus donos, tem pos
e ootras preparacoes as mais acreditadas
para canservac.o da bocea.
Agenle* do Banco Inio do forte.
Competentemente autorisados sacam por todo
os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, e para as seguintes acencias.
Londres sobre Ranh ol London.
Frederic S. Ballin & C.
Joo Gabe & Filho.
Francisco Rahoba & Ballista.
Jaime Meric.
Crdito commercial.
Gonzalo Segoria.
M. l'erera Y. Hijos.
Em PORTl'OAL.
se torna enfadonho mencionar; na mesma occasio da Fortuna ra do Crespo n. 23.
AOS 6:000.000
iBllhetes garantidos
A' raa do Crespo n. 23 e casas do costme
O abaixo assignado venden nos seus muito feli
res bilhetes garantidos da lotera que se acabou gularisar a menstruacao e suspender eeeiwiios
de extrahir a beneciodo theairo de Santa Isa- i perniciosos das flores brancas, que sao a causa de
bel, os seguintes premios: tantas doengas. Elle soberano depois das con-
Um meio n. 58o com a sorte de 10:0003090 I valecencias de molestias graves, elle e o reparador
Dous q'iartos n. 2021 com a sorte d< 3:0005030. | das forcas e da saude para os doentes enfraqueci-
I) >us BoarKM n. 67 rom a sorte de 8003000. I dos pel trabalho, os excessos, as afleceoes escro-
Quatro'quartos n. 3241 com a sorte de 4003000.' phulosas ou venreas. 1 A ga|era est renovada
E outras muitas sones de 1003, 403 e 20*. As mais de familia acharaonestexarope um rae- A j^ eg(4 ren9vada
a
ada
Cartoes de visita
A 103 a duzia
A 103 a duzia
A 103 a duzia
A 103 a duzia
A 103 a duzia
A galoria est renovada
Tanas c estrellas, sofaes, cadeiras de balanco, di-I Os possuidores podem vir receber seus respec- dicamento sem igaal, para furticar tesenvoiitr A galera est renovad
tas para raeuinos jamar e outros mtiitos argos que tivos premios sem os descont^ das leis na Casa ^y^tema osseo dw criansas e o prescrva uas A ga|eria es(a renovad
Angra Terceira.
Camnha.
Casiello Branco.
Chaves.
Coirabra.
Covilha.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinhal.
Porto-alegre.
Thomar.
Villa Nova
Portmao.
do
Figueira.
Guarda.
Guimaraes.
Lagoa.
Lagos.
Lamego.
Leiria.
Monco.
Moncorva.
Regoa.
Seiubal.
Vi.mn 1 do
tello.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
se vender cavallos para cabriolet e 1 carroca :
noarmazem ra da Cadeia do Recite n. 48.
LKILIO
J'ara pagamento.
Cordeiro Simes
por conta e risco de quem pertencer far leilo
dos escravos seguintes os quaes se vendera para
pagamento nesta praca, sendo nina escrava cnou-
la, idade 2"> annos, com urna cria de o annos e
urna mulalinha de 5 annos pouco mais ou menos.
HOJE
sll horas, no armazema ruada Cadeia do lle-
cife n. 48._________________________________
LEILO
DK
Z4 barra de vtaho de Collares
Qaarta-feira I i do corrale
Por conta e risco de quem pertencer o agente
Postan* Ur leikoo do ii barris com vinifo de Col-
lares em um ou mais lotes, assegura-se a melnor
nuaiidade e ter lugar o leilo qaarUfeira li do
corrate pelas 10 horas da manhaa, na porta do
Annesdffronte da alfandega.__________________
Acham-se venda os da quarta parte da de-
: cima lotera a beneficio da matriz da Boa-Vista,
i que se exlrahir no dia 16 do correle.
Preeos.
Bilhetes inteiros..... 73000
Meios......... 33500
Quartos........ 1*900
Para as pessoas que comprarem
de 1003 para cima.
Bilhetes....... 63300
Meios........ 3#2S0
Quartos......, t*?00
Manoel Martins Fiuza______
Jos Raphael BatalhaT^bdito [iTluguez, re-
lira-so para fora do imperio.
afleceoes escrophulosas.
Ulixlr digestivo de pepsina.
Delicioso licor que oceupa o pruueiro lugar en-
tre as novas conquistas da sciencia, a pepsina pos-
sue com effeito a propriedade importante de fazer
Com ricos entinados e tagetes
Com ricos cortinados e tapetes
Com ricos cortinados e tapetes
Com ricos corliuados e tapetes
Com ricos coriinados e tapetes
digerir os alimentos quasi sem soccorro do esto-: Com lindase variadas vistas de fundo
Uma
M
casa terrea na ra
Augusta n< 3ft
Soxta-feira 16 do crrante.
O agente Peslana far leilo por conta e risco
de quera pertencer de uma casa terrea sita na ra
Au-usta n. 30, em frente a nova matriz, da p^dra
cal com 2 salas, 3 quartos, cosin^a fora, quiutal
o. cacimba, acabada de concertar ha da de que { Pre(.isa.se de llin nomem casado para feilor
Ucoa como nova : o leilo ten lugar soxta-teira 10 (t damti) conher,,,ient0 a sua conduca :
do correte pelas 11 horas da manhaa no largo do
mago, o remedio soberano das gastrites, gastral-
gias, das inllammaces do estomago, dos ligados e
dos intestinos. Elle supprime os gases, as nauseas,
as pituitas, o desgosto dos alimentos, e presta orin-
cipalmente um immenso servico as senhoras n'uma
poslco iuteressante da qnal supprime os vmitos.
As pessoas que padecem de cancro no estoma-
go ou nos intestinos, verao sua vida prolongada
pelo uso do elixir de pepsina, e os velhos e coiiva-
lecenles o sustento de sua saude e o reparador de
,____________ suas forcas; porque com uma boa digesto sempre
Na padaria da ra Direita n. 84 precisa-se se gosa de boa saude.
deumeaixeiro para taberna na cidade da Vic- Jarope peitoral deS. dOS'ge.
loria._____________________________________ Novo especifico, sem opio, reconhecido como o
Precisa-se de uma ama para casa de
na familia, prefere-se escrava, que cozinhe
pre na ra : a tratar na ra de Santo Amaro nu-
mero 1 i.___________________________________,
Fugis sabbado 26 de novembro prximo pas-
sado o escravo pardo de noms Antonio, de. idade
de 20 anuos, pouco mais ou meaos, com os >ig-
naes prido, a tem Duriia e com bastantes marcas de
bexias, filia branda, foi escravo e cria do Sr.
Joaquim-Cavalcanii de Alhuquerque do en^unlio
Aragaar da freguezi* de Barniros, emuregava-se
nesta cidade em vender agua, porm a#< domingos
e dias santos anda va calcado, de paletot branco,
chapeo do hile e bMlgadiaha fa, consta que se
intitular da ser livre, quanda fugio disse a alga-
mas pessoas a quem van lia airua, que segua para
Barreiros, e que somenle voltava depois da festa
do natal : roga-se s autoridades pjliuiaes e capi-
tes de campo de o apprehenderem e man larem
entregar na ra do Queimado 11. 77, a Alexandre
Jos da Silva, que re'o npensar c-vn 5i)3-_______
AlUga-se a casa 11. 0 na ra dos Coelhos com
bons ommodos para familia : a tratar na ra d*
Mondego, olaria n. 13.
peque- melhor medicamento para curac a losse. delluxo,
e com- catarrho, grippa, irrilaco do peito, anginas, dores
de garganta, coijueluxa.etc.
E-ie delicioso xarope popular em toda a Franca
foi descoberto pelos mongea da abbadia de S. Jor-
ge, no Anjou, e aclualinenle preparado pelos Srs.
Grimaull & C, nicos proprietarios da verdadeira
receila. Recommenda-se aos doentes que usem ao
mesmo tompo ..
sueco de alface de loureiro-cereja dos Srs. Gri-
maull & C, este excellente remedio 6 composto
too as duas substancias as mais calmantes e ao
mesmo lempo as mais inoensivas da materia me-
dir, e nao contera opio.
lujeceo e capsulas uiatico.
E>tes dous productos que constituem a mais re-
cente e a mais iiuuorianie mediaeo para curar os
corrimentos e as molestias veneraes do homem c
da mullier, sao exclusivamente vegelaes nao con-
tera mercurio, e sao pieparados com as f.lhas do
matico arvore do Perou. Nao ha molestia conta-
giosa aotiga ou recente que resista ao u.-o desses
d'ius meios. Sua rapidez de aeco superior a
ludo quanlo se tem feito al boje. As capsulas
nanea cansara o estomago nem os intestinos como
' as capsulas de copahyba, cubeba e outras ; a in-
jHCcao nunca produz o estreitamento como aconte-
ce com as Injeccoes cora base metlica aconselha-
Com lindas e variadas vistas de fundo
Com lindase ariadas vistas de fundo
Cora lindas e variadas vistas de fundo
Com lindas e variadas vistas de fundo
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' roa do Imperador o.38
A" ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A* ra do Imperador n. 38
A' ra de Imperador n. 38
j.' .. a- i.,....j.. -. yo
A' ra do Imperador n. 38
A. W. Osborue.
'orno Santo, os Srs. pretendentes podem examina-
a antes do leilo devendo achar-se a chave em
<
la
no do agenle.
A :
DE
32 pipas de vinho Figueira
ma'e Sexta-leira 16docorrente.
Por conta de quem pertencer o agente Pestaa
vender 3 pipas com excellente vinho Figueira
nodo ir tratar na ra do Mondego n 107, fabrica Jas al hoje.
de r;in Todos estes productos vendem-se as pnncipaes
~-----:, -t. ,,-----fT----------------------- pharmacias do Brasil, agente para vender por ala-
SOCieda:I)ella-ilar llOllia. rado, no K.o de Janeiro, E. Chevolet, em Pernam-
"srz tssssxtassz sisara rrduiM,v
A lirga-se
o terceiro andar da casa da ra Direila n. 3G, o
qual tem commodos para glande familia : a traiar
no segundo andar da mesma casa, ou no Recife na
ra da Cadeia n. 3.___________________________,
~I- Jos de Castro Redondo vendeu aos Srs. Pau-
lino Ferreira da Cosa e Joo Pinheiro da Rocha,
Paris
Hamburgo
Barcellona
Madrid
Cdiz 1
Sevilha
ValenGia
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Barcellos.
Bastos.
Beja.
Braga.
Braganca.
Faro.
Oliveira d'Aze-
mois.
Penatiel. rhomar.
Tavira.
Villa do Conde.
Villa Real de Vizeu.
S. Antonio. Faial.
No IMPERIO.
Bahia. Maranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma prazo ou visla,podendologo
os sa(|ues prazo serera descontados no mesmo
Banco a razio de 4 por cento ao anno : a tratar
na ra da Cruz n. 1. ______________
O SrTjTkrause que morou em uma das es-
tac5es da curada de ferro, e que de presente di-
zem se mudara para o Afogado, lem uma caria de
importancia nesta typograpnia._______________
O Sr. Joaquim da Suva Campos (pie mora
as proximidades da poveaco do Afosado, pede-
sequando vier ao Recife, appareca na livraria ns.
6 e 8 da praca da Independencia, que se Ihe pre-
cisa fallar.
mmm
xvmmmwm:
O Dr. Carolinc Francisco de Lima San- -
tos, contina a residir na ra do lmpe- yf.
rador n. 17,2 indar, onde pode ser pro- 5^
curado a qaaltaar hora do diae da norte ^
para o exerciew de sna proRssao de me- *
dico ; sendo cue os chamados, depois de \A
meio dia al 4'horas da larde, devem ser g
deixados por escripto. O referido Dr.
nao ahandoruido nunca o esludo das ^
moleslias de interior, prosocue, rom o {
maior affince, no das mais difficeise deli- 'ff.
B cadas operaejes. como sejam dos ergos %
B ourinarios, dos olhos, partos, etc. S
mmmsammmimm mmmmm
Trilitos de ferro do Kerife a Apipucos.
Tendo de fazer-se para Europa a encoinmenda
do material para a empreza dos irilhos de ferro do
Recife a Apipuco, o abaixo assignado pede a lo-
dos os senhoro; corredores que eslao agenciando
accionistas para a mema empreza. o favor de
mandarem at o dia 10 do correte mez noesrrip-
torio da rua do Imperador n. 65, segundo andar,
a relaco que cada um fm em seu poder, com o
nomesdo* acrionislas. Recife
iluz ilerramamiMili da hilis ix. "*li>av*'
em '.1111 tlesaiianjo geral lus i>rgais .liije*-
tivus.
\ Icterlrla
prodtizida pela als>rri^fc da btl>* w
sangue, dando :i |elle e .k^s iJk.s unw ttt
amarelienta : tita I rtHDle Idoutom pwr
si, porm coiuluz aos Btiti Htitii *> ia -
tos.
Para eura-la toma->' d<- I ^ ptiiila l>-
das as manhaas, isin i bstanle para mn%er
o ventre sint'n:e ale |n '|'n aac-
Qao sa do s>> tena.
Mal do finad!, febre qaslro-bejmltem.
ilnurltea biliosa, imlig**lm. tt//xi
ou lie oitleurcUJ, sao todas ni< l< stias n--
tem sen comeco 11 um iW'Sirrifij da M*.
A observaran dos duelos ila '< < te ta>l
volver ao sangue, rom ip' ivreu'a p>m '
em todo o corpo e causa estrajro-i !>**-
Irosos a saude e pro.liu urna serie ionu-
meravel -ie males
Todos estes incommodos sao niradwcMl
as pilulas do Dr. Av.-r
DireenVs minuciosas
frasco.
Vende-se na nharmada franef'.a le*
rer A ('.., rua .Noa n. iM.
Ar.KNClA IXTIVAL
I. Raa Dirrila I
RIO Di: Vende-se em rVritamtMia'n:
na pharia.11 la fraarrza de
P.!W?BER i C.
Sn\A N. IH.
>f.
| COL^ EGIO
I
a sua taberna sila na rua da Penha n. 33, livre de -
dbitos e desembarcada de qualquer onus, se al- l864.-Anlon.o Lun
guara se jolgar com direiloa qualquer reclamacao
compareca noraesraoestabeleciinento no prazo de
3 dias. ______._____,
7 de dezembro de
As aulas di-.-le crTh^ri" funrrmiiMaOM-
^ ranie as ferias i.m pWWJjap *>
(fu, dezembro : os Srs. que preUftxIerer a
i zer seu came em mar.;n tliriptu--
S meswo i-liegio a Iwenwr m h 9tm
B de matrirola, a-sun *) eni-i-nrari
a uma li>la c......nome- dos Sr- b*np>,
_ e as huras em i| oar a*
B aulas. ____

.r k
4HEBD0M\)
uma socio iade regular puntualmente demiltia a
commisso directora de confnrmidade com os seus
estatuios : Art. 8o 4o : Deixa de ser socio o
. aoe pratlcar aceoes indecorosas que raaculera a
desembarcado ltimamente sera vendido em um ^ laco t*nt, no sei0 da sociedade, como
ou mais lotos a vontade, sextafeira Ib do corren-: f d" y Art {{ der ser novamente ad.
te pelas 12 horas em ponto, no largo da alfandega. miudo ^ um aBno depois da epoca da ex.
._________rrrrrrrr~~~^^ggg cluso._____________________________________
Offerece-se una eplimocozinheiro quem de seu
| prestirao precisar, aannicie por este utario para
________----------------------------------------------- | ser procurado, declarando sua morada.
O padre Flix Brrelo de Vasconeellos lem ~ ftriieirt
SS "em TTJrSti t "mJSSt & P-ei-e de um forn.iro: 'na rua larga doRo-
prlmeiro andar, somenle para a clas Se, leilUO COI aUlll UU lUMCUlO 1UIIU 01 .M........ j llrn,|
do um socio ineurso no art 8' 4- ella poda ad- *gJJ Sffamn assignalura Grimaull &
miUi-IO aos dlvertimentos da sociedade era novem- we se exigir nericosas
bro c dezembro, a ponto do assistir partida do C"PK h*ra StSam
anniversarlo, no divertimento do dia inmediato; Vende-se
aceza rua do Imperador
38.
F
AVISOS DIVERSOS.
res estudantes provectos que se quizerem prepa
rar para fazerem seus exames em marco do anno
vindouro.
Aluga-se a casa terrea na Soledade n. 17 : a
tratar ne pateu do Carmo lo.
O irtno 4a Cmceieio dos Militares que 1ro-
eou o chapeo depois da fesia, deixando um velho
o levando um novo, tonaa a bonode da ir k (re-
ja dosfazer o engao, entendondo-se cora o zelador,
a cuja guarda estavam os chapeos, dentro do ar-
mario da saehrislia, do contrario ao vorei forcade
a ir busca lo ora sua casa.
Maques sobre Portugal.
O abaixo assiguado. autorisado pelo
Banco Mercantil Portuei.se. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca cf-
fectivamente por todos o paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Por.0, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso ; podendo, os que tomarera
saques a praso.receberem avista, no mes-
mo Banco, descontando 4 OjO ao anno: na
loja de chapos da rua do Crtjpo n. 6, ou
na rua do Imperador n. 63, s. gundo an-
1 dar.Jos Joaquim da Costa toaia.
Com este titulo saldr brevemente luz o pri-
raeiro numero de um jornal, o qual satura todos os
sabbados, e lem por limadvogar os interesses por-
lusuezes nesta zona do imperio da Salta Cruz.
Muito ha que se fazia sentir a necessidade de
um jornal exclusivamente portuguez, cuja missao
fosse cimentar quanto possivel.a concordia que en-
tre irmos deve reinar ; e levar ao mximo de-
senvolvimento as sociedades portuguezas aqu es-
labelccidas, que tiverem por lim o bem e-W e
ulilidade dos portuguezes aqui residentes. L pon-
I to iucontroverso, que as nussas sociedades sera o
! estimulo de um jornal nosso, que luye 011 censu-
re, conforme o merecerem, osados daquelle runc-
cionarios das nossas sociedades que bem merece-
'' rem ou prevaricarem ne oxercicio dos respectivos
! cargos ; limis poderao allingir o apogeo da sua
Consultorio medico-cuinin)ro na rua larya do Ito-
sario n. 20.
O Dr. loao Ferreira da Silva regressaodo i sua
casa, conliua em O exerclrio de sua profissao.
nao s na parle medica como tambem na chirur-
gica.
.a T3
P
3 -^ ei n a rq
'A 5
8
is
_ "O
Ol -. -J
9 ^
O V
o.
R
=
t
5 a>
S. ^
-i a.
2! fi o
o
S
= Precisa-sc de um eosmheiro ex-rvo p
ga->e bem agradando : na ni. da. MjJr- ?
n. 36, primeiro andar, das hjs h>>r.- Esl anda pM alujtar orna rasa na o* ote
Bemhca junto a |Hmte da Pisgem. rm otunoo-
do- para familia, hafhe. pinl.id.i. fconl
aluguel de l3 por anno na roa torga e>> Ro-
sario n. 36 j* dir qu^ni almra.
DENTISTA DE PA3I!1
19Raa Wm 1
Fredenco Gautier. rirurpao dn
faz todas as apeniain de sua rv.
loca dentes miciae, ludo rom >ufri>-
ridade e perfei^ao, que as pev*as oMio>
didas Ihe reconheerm.
Tem agua e pos dentick.
5^;
S
Precisa se de uma ama secca forra ou capti-
va para o servico interno de uma casa de pouca
familia : na ruado Principe n. 4.______^^____
florecencia.
Por estas razoes que se *$ ra 0 servico inltmo e externo do gymuas.o pro-
Attenco.
Na rua Velha n. II Uva-se rfeasme *o Oatt
a 1ikX).________________________
Da so LOO-jeoin h>p->tli.*ca inn onu PJPM
terrea nesU cidade : qun pretvnJV:- iwri^
I're. isa-se de um criado forro ou captivo pa-
se calara, sahir semasalmenle
assignalura ser de 6 por anno e 3oO por se- vincial.
meslre, pagos no acio de se receber o pruueiro i "
numero.
Jasmvn,
Precisase de uma ama para rtumttM teWicos de casa de uma pe*MM ; i>j Ik li-
balo a. 3. sobrado a direita.____________________
__Precisase de nm raiaeirn > ti a I* *
de idade, e que tenh alsunu pratic Je nloa<*-:
na rua do Imperador n. H3.
~~ Aluga-se s-ibradon. 2'> da r.: U
Boa-VisU : a tratar no (i>-lo. roa i*.
numero 10._____
Caixelro.
Precisa-se de um menino hbil para caixeiro de
taberna, preferiado-se com ala uma pratica de ne-
Socie : a tratar ao largo do Terco n. 32, que se
ir quem precisa.
(M le eduraco.
Jeroaymo Pereira Villar transfers o seu esta-
beleciraato de inslrucco primaria a secundaria
Aos 6:000^000.
Sexta-feira 16 do corrente mez, se ex-
traer a quarta parte da dcima lotera
lO1) a beneficio da matriz da Boa-Vista,
n i consistorio da igreja de Nossa Senhora
d Rosario da freguezia de Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesouraria rua do
Crespo n. 45.
Os premios de 6:000000 at 105000
-- -- nmahnra rlPnnU ra ptlrar^So i para a rua larga do Rosario, sobrado da dous aa-
serao pagos urna ora uepois ua exiracgao h participa nio saesiiims. seaho-
at s 4 horas da tarde, e os outros no da!ai
g?orjinte depois da distribuicSo das listas.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Cuzinhciro e coneito.
Precisa-se de um cozinheiro e ura copojro : no
hotel Trovador, rua larga do Rosario n. 44. Tam-
bera precisa-se de um negro para todo o servico,
paga-se bem.___________----------------
"^T"oSr. -Antonio Jos Marques, que mo-
rou na rua do Padre Floriano n. 41, queira
vir a praca da Independencia ns. 0 e 8 a
negocio de seuintere^se.________________
- Precisa-se alugar uma ama para engommar
coz.uhar, e que pw- comPrar : Da ru* d0
Cildeireiro n. li-___________________________
Creme.
Sorvete de creme hoje ao meto dia : na rua do
Trapiche n. II.
ros, pas de seas alumnos, como ao respeitavol
publico, que as aulas estarao abortas no da 8 de
jaaeiro do anno vindouro de 1865._____________^
Precisa-se de urna ama para comprar e co-
zinhar para ama pessoa : no neceo do Lobato n
1, a entrada a esquerda.
Irmandade de Nissa Senhora da Coneeiro dos
Uilitares.
O nosso irmao presidente manda convidar a to-
dos es rmaes para reunirom-se no respectivo
consistorio as 4 horas da tarde do 13 do correte,
e em sessao de mesa geral elegr-se os merabros
que leem de reger no fniuro aaao do 186, con-1
forme os estatuies.-O secretarlo,
Luiz Jeronymo Ignacio dos Sanios.
Offerece-se um rapaz portuguez para criado
de casa estraneeira ou para embarcar: quem pre-
cisar annuncie pelo Diario.
MwmMmm mmmmm
m tina Nova n :v 8
IlLqja de madama Theard^
ste estabelecimento se acha hoje mais *gg
^ que nunca bem sonido de objectos de ^
A moda do melhor que pode vir ao merca- g do e nao se menciona cada ura de per si &^
M por se tornar demasiadamente enfado- g
X nho para seus numerosos freguezes quan- n>
* do lerem o presente aviso pelo que limit- as
I se era lembrar alguns artigos, com se- K
jam : chapelinas de dinas de palha de gU
Italia, de seda, de crep branco e preto ^
para lato, chapeos redondos de palha da m
Italia araarella e de outras cores para <
senhoras, ditos para meninos e meninas, ^g*
ricos cortes de blonJe, ditos de moreanti- ^
que de diversas cores, ditos do seda, as- 3JJ
sim como sedas de cores para se vende- ug
rem a rovados, ditas cscocezas, cortes de ^
vestidos pretos bordados a agulha, final- gR
mente um variado sortimento de fazen- ra
das inas e grossas, na mesma easa fa- %^
zem-se capas manteletes, vestidos para .gp
noivas, vestuarios para meninos se bap- %g|
lisarem e tudo quanto pertence ao toilet ^
de uma senhora e recebe-se igurinos to- ^
dos os mezes das ultimas modas de Paris. H
Ama.
Precisa-se de uma ama para o servico inlerno e
- >luga-se a casa terrea da rua do Jasffltn, ren a ; ^ ^
com 2 quartos, cozinhn, quintal e cacimba, pelo externo y^ aj^ andar ________
commodo preco do |tf mensaes : na rua do Pe-
res n. 64.
- NoPasseio Publico, loja n II, ha para alu
gar ura moleque de 16 annos.
Precisa-se de 2305 a premio sobre hypothe-
ca em uma escrava : quem quizer dirija-se a raa
dos Expostos o. 26, ou annuncie. __________
J. I). S. -antos vai ao Rio de Janeiro.
Precisa-se de uma ama que saiba cosinhar
[7 para casa de pouca familia : no caes do Ramos
n. 4.__________________________________
no
Precisa-sede uma ama para engommar
Passeio Publico n. 5 loja de fazendas ou ua rua de
Imperador n. 63, lojajlejnihs^_______________
Um rapaz portuguez com pratica de caixeiro
principalmente de taberna offerece-se para qual-
Precisa-se de um cozinheiro ou cozinheira, quer estabelecimeuto, dando fiador a sua conduc-
como tambera de um criad* de servir -. no largo la quem precisar procure na rua do Livramento
do Corpo Santo n. 6,.segundo andar.__________ n. 19.___________________
de
- Vendem-se qualro ornamentos cora os seus Precisa.se de um menino para caixeiro
rtences para celebrar musas, de damasco por-, Da lf|U|1 na rua do Htove,|0 n. 15.
perte
luguez, todos novos, sendo de duas cores, branco e
encarnado, rxo e verde, por preco commodo na
casado sachristao da ordem terceira de S. fran-
cisco.
Para a festa.
Aluga-se um sitio na na do Oabral da ci-
a rua s Prazeres dade de Olinda. com casa terrea, com co-
Alaga.se por 16000 de n. i B, sila em dita piar na frente, bota1 os fundos para a estra
rna. hairro da Boa-Vista a tratar na rua estrena fa e margem do rfo Bebenbe, com rom-
do Rosario n. 28. i modos para familia, estribara para cavallo
*Ch3S de rcfcoque Vlgl- e capim para suste',t-^n;:vonr3ne!
p lantc. fructos, sem visinho defronte nem peio
A corapanhia precisa contratar o fornecimento fun lo, com ptimos PUMM' s
Aluga-se a ca.*a com seta *> lr" W'
n. 10, e outra na tr^vessa d. Taiafcia ii
pretfndor, diri|a-*e a rua do 0*,* ll '
ou no largo da Soledade, sobrad n. W.________
Ama dr hite
Precisa-se de uma am V l^
tratar na rua do Imperador n. 54.
de carvi de pedrapara o vapor Camnragibe.para net(J na frente> mul0 propria para passar a
o trimestre do f de Janeiro at i de abni de ibo, tambem se alujar por anno : a fal-
lar nRecfe, na livraria n.O e 8 da praca
da Independencia, o em Jliuda na casa con-
tigua com o capito Antonio Bernardo Fer-
propostas em wttaJMg, J^-j; j HecTfeVna livraria n.'O e 8 da praCa
rua do trapiche a. 18' escriptorio de Rothe & Bi- da Independenc^ o em iNindi m cas* con-
Precisase de um caixeiro para taberna ; na rua
do Rosario Larga n. 18.
" _^ Precisa-se de uma familia capaz que
se queira encarregar da varrela e engom-
mado de roupa de homem, tom toda a per-
feicao e aceio ; dirigir-se rua Bella, so-
brado de 2 andares, n. 37.
dia 20 do corrente mez ao meio da na
rua do
doulac.
_ Quera precisar de nina ama portugueza para rera.
casa de familia, dirija-se ao bftMOm\* Apostinho Antonio da Silva, subdito portu-
25 ttffatettSTwfiS rira^para^^ar
tratar.
Joao da Silva Ramo*, airdiro p^ta Ki
versidade de Coirabra, da rowiilt*s em
sua casa das 9 s II htra da noah.ix e
das 4 s 6 da Urde. Visita m doyn
era suas risas reyularim-me sa* awr
para issodesignada>, salvo os faeaaar-
gentes, que serio soerorrido em mm\-
qner occasio. Da roasultas am y***?
que o procurare no hospital P.dr II,
aonde encontrlo diariament* a
s 8 horas da maaha.
Trm sua casa d-
mouda para neeber qualqu r
anda mesmo os alienados, pan o qr*
tem commodos apropriados e aella prv-
tica qualqu.r ooeracSo cirnrg.o.
l'-.'.ra a rasa >ie aiifci.
Prin. ira ciarse 3jfMelaffiaa.
Segunda dita... **>
Tcrf ira dita... 2*W
Este estilileriBvnwA ja kcm afren-
tado pelo loas serviros u/ae ws pres-
tado.
O propri?urio espera ja *U r-
nuo a roen cer a rauJani* u> (oe
pre tero goudu.
/
Preei desempenhar e sea lugar : na padaria do Beiris,
rua da Imperatns n. 68.
ATTENCnO.
Aluga-se e sitie dos Burilis com o machiaismo
da lavagem de roupa, em perfeito Mlaio^OWav
- Alugu-se-Tcasa-terrea^ nn Imperial i^f^^^ioo. Qg ff- J-^ ^ v
TJStVL uSeTaa da n, do iSpR" "' lu^ ratar na ru do Rangoln. V
Xa rna estrella < Rtsar a, M
AdYOgado Aifonso de AHa-
querque Mello,
pode ser procurado a qaabmer i


Piarlo ele rtntmtmm fe rea lelra 13 de Dezeiubro e 1834.
FOliO DO AR
No armazem da bula amarella no oilao da se-
cretaria da polica, recebem-se eneommcndas de
fogo do ar para dentro e Tora da proviucia.
A aguia branca recebou luvas de pellica.
Precisa-se alugar urna cosinheiravescrava ou
forra: na ra da Madre de Dos n, 36.
gKiaB
Dividendo.
Massa fallida de Amoriru Fragozo San-
ios & C.
FOL1IIX1UN
/'ara Ib(5
Acham-se venda na livraria ns. 6
e 8
O hachare!
Francisco Angosto da Costa
ADV6GAD0
69.
m
sms
n
i
|3 Ra do Imperador numero
mmmmm mmmm w
Precisa-se alugar urna prela quo saiba cozi-
nhar e engomraar : na ra da Palma n. 41, ta-
berna.____________________________________
Um rapaz brasileiro com pratica de caixeiro
offercce-se para ser empregado em luja de fazen-
das, escriptorio, ou outro qualquer estabelecimen-
to, dando fiador a sua conducta : quem precisar,
procure na fabrica da travessa do Carioca n. 2,
caes do Ramos.
Aluga-so a ola da ra dos Martyrios n. S :
a tratar na ra do Crespo n. 15.
Os administradores esto autorisados a pagar o I da prai;a da Independencia '
i dividendode o por cento, devendo porm rea-' A FOLHIiNHA DE PORTA abr-monn,!,,
lisar-se de da 2 de jane ro prximo em diante em i i. Uly>> anrangendo O
virtude de orden* do iiim. sVDrTu'i e?p" fa'i do Calendario civil e ecclesiastico, tabellas de
cornmercio. O pagamento ser feito de meio dia
as 2 horas da tarde, no escriptorio da ra do
gano n. Si, primeiro andar.
Qoem tiver um tnolegue da-4
para alugar, dirija-se a ra da Cadeia
meiro andar.
Vi-
a 16 annos
h- 3o, pri-
m 110
DOR N. 22
Grande armazem de Untas.
Tem a venda :
1 Productos chimicos medicinaes os
mais importantes em medicina.
2. Productos chimicos e utensis
para photographia eoulras industrias.
3. Todas as materias e utensis
empregada na pintura a oleo e a col-
la para pintores, tiutoreiros, enver-
nisadores, douradores e vidraceiros.
Joiio Pedro das Heves,
Gerente.
'***'*$&&
Na ra dos Martyrios n. 2, primeiro andar,
precisase de duas amas, sendo urna de leitc e ou-
tra paraoservico de casa de familia.
Viiiva Moreira & Filho sacam sobre Lisboa.
Sahiu luz o quarto numero da Revista do
Instituto Archeologtco e Geograpliico l'crnumbuca-
no, contendo, alm das sessdes do Instituto, o mili-
to interesante relatorio da commisso enearrega-
da de descohrir o jazigo de Joiio Pernandes Vici-
ra, e urna curiosa estalistica da revoita de 17iO
em Peroambuco, chamada a guerra dos mscales.
Acha-se venda na loja de livros de Jos Noguei-
ra de ^ouza, ao Arco de Santo Antonio, onde se
acham tambemos nmeros anteriores..
Assignatura por anno 55, numero avulso 15500
Urna boa casa terrea para familia
est por alugar-se ra da Uniao n.
39 : quem pretender dirija-se a ra
da Aurora n. 10. Tambem alugam-
se as lojas n. 44, roa da Aurora
Contina a vender-se tres terrenos situados
na ra do Brum do bairro do Recife, com 34 pal-
mos de frente cada um, e 300 de fundo, lodos ater-
rados at a linha do caes, c promptos para se edi-
ficarem propiedades por fazer o ultimo delles
frente para a ra de Oeidente, leudo ja construi-
das tres casas de madeira e lijlo, que rendem
por mez : trala-se na ra dos Guararapes n. 28.
Aluga-se urna excellenteescrava e um escra-
vo, a escrava sabe fazer servicos de urna casa de
familia interno e externo : na ra dos Pires nu-
mero 34.
mmm mmmm mm mmmmm
^ Corapauhia flclelidadc de jjg
seguros martimos e ter- m
f resCrcs cstabelccida no *
Rio de Janeiro.
S AGENTES EM PEPNAMliUCO
mm Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
*5 competentemente autorisados pela direc-
| toria da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
Anda est para ser vendido o sitio da tra-
vessa do Remedio na freguezia dos Afogados n.
zi : quem o pretender, airija-se a ra de S. Fran-
cisco, sobrado n. 10.
LvtuograpHiadeAlbeit Kideux
Rtia da Cruz n. 46.
RECIFE.
Esteestabelecimento antigo e rauito co-
nhecido nesia praca tendo sido por falta
de empregados na obrigacao de restrin-
gir os seus trabalhos durante alguns me-
zes, acha-se agora em estado de execu-
tar os trabalhos os mais delicados que
se podem fazer em chapa depedra, assim
comocartoes de visita com o retralo da I
pessoa (muito em uso na corle) toda
classe de desenhos, mappas geographicos 1
e qualquer Irabalho relativo aocommercio
bem executado o por precos razoaveis.
ra do Oueimado n. 8
Grande sortimente de objec-
tos de gosto.
A Aguia Branca antes mesmo de ser condecora
feriados, de emolumentos dos tribunaes
do commercio etc. a 160 rs.
A FOLHLNHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Rainha em verso, o Stabat Meter em
verso, dcvocSo ao agonisante, coracao de da ceni PmPs0 titulo de domestica, conferido
Jess, cntico em louvor do Sanlissimn pel 8abine'c do intrpido e gil Balisa, mandn
Rosario rantirn a Viroom \i,r; i ver grande sorlimento de objectos de gosto que
SpS K, a? I"P? ManaJISossa agora acaba de receber e exp lo a apreciado de
auinora, irillta e tres Chistosas anedoctas. sua boa freguezia no numero da qual contempla o
um indito poema sobre as aventuras de infan,e- e Pr l^e pa estes ella j mais abrir ob-
um cosinheiro, o canto de urna solteira' Vo para,os Lellscar. deseja que tambem se livrem
0
(poesa), crescido numero de mximas e
pensamentos, urna historia como muitas
(romaneo^), e vinte e cinco novas e pi-
lhericas charadas a 320 rs.
Vende se caixoes vazios proprios
para bahnleiros e funileiros a i $760
eadanm; nesta typographia.
DE
W
avAinu
Deixai que os Hunos da civilisaco vos presuem
-economia-paraospsll Esta parle do corpo
humano e por certo aquella que, neste clima ne
cessita de maior a^asalho: pela humidade nos ps
DE se mtroduz a grands maioria das molestias, e com
Seguros Martimos Vm^lSSa^^^J^^^
de Publica 45-Eua Dereita-45
A direcQaodesla companhia paga o 11 dividen- Borzeguins francezes para homem
do a razao de 28S por acro, no escriptorio da Rllos >nfilezes idem a 8$, 75*
mesan, ra da Cadeia n. 42, todos os dias uteis S!,os Para senhora
das 10 as 4 horas da tarde. Dltos Para menina j
Recife 9 de derembro de 1864. Sapatoes esmaga cobra
Os directores ,Dll0S de Nantes de duas solas
Feliciano Jos Gomes. ,ltos dll2 de sola e v'ra
Domingos Rodrigues de Andradc ^aPal0S de borracha para senhoras
Ditos de dita para meninos
Ditos de tapete para homens e
nhoras a 800 e
Sapatos de lustre para senhora a
Ditos para casa
Ao amanhecer do dia 20 de outubro do cor
renle anno de 1864, furtaram do cercado do en-
genho Aldea, da freguezia do Rio Formoso um
quarto de carga do mesmo engenho, o qual
ru?o pombo, grande, castrado, nao nevo, tem no chinelas' rauTdn Partn
olho esquerdo orna belide, e pouco ou nada v
pelo dito olho, tem um callo velho no espinhaco,
lugar em que te ve urna bexiga, levou o tpele cor- i
lado rente, carrega baixo, e tem estampado no
ladodireilo da anca o ferro do engenho em leilras
maiusculas como aqui se v -ALOE A. Adver-
te-se que os cavados assim ferrados, nao sao tro-
cados nem vendidos, e os qne forem encontrados
som ser servico do mesmo engenho sao furia-
dos, e devem ser apprehendidos; porlanto roga-
se s autoridades policiaes, e mesmo qualquer
pessoa do povo, que sendo encontrado* dilos ca-
vados sejam apprehendidos eremettidos ao admi-
nistrador daquelle engenho ou ao abaixo assigna-
doproprietario da mesmo engenho, que reside na
cidade do Recife, ra do Hospicio n. 50. Cidade
do Recife, 26 de outubro de 1864.Caelano Jos
da .- i 1 va Santiago.
se-
dos agudos exporSes do vigilante gallo.
Eis o que ha de bom :
Finas capellas brancas para noivas.
Meias brancas de seda para ditas.
Bonitas ligas de seda para ditas.
Ligas.
Ditas ditas para manguitos.
Luvas de pellica enfeitadas para dilas.
Ditas de seda braneas bordadas para noivas.
Gravatas brancas bordadas para ditos.
Rosas e ramos de flores finas para noivas e oon
vidadas.
Filas brancas e de cores, lisas e lavradas, o que
se pode encontrar de melhor.
Bonitos port bouquets.
Leones de sndalo e madreperola.
Cascarrilhaj e raaravilbas brancas e de cores
para enfeites de vestidos.
Lindos adereeos de perolas falsas.
Oulros de bonitas e agradavels cores.
Outros de mosaico.
Pulceiras, brincos e rosetas de dito.
Outras de aljofaresbrancos e decores.
Outras de cornalina, e chapa de christal.
Voltas de aljofares brencos e de cores, fino6 e
grossos.
Fi velas grandes de tartaruga e donradas.
Oulras pequeas de ago, douradas e com pedra?.
Bonitas e encorpadas filas para estes.
Cintos largos de diversas qualidades.
Talheres para crlaneas.
Acham-se de novo a venda na loja da Agnia
Branca : ra do Queimado n. 8.
Xavalhas Anas.
A Aguia Branca na ra do Queimado n. 8 acaba
, de receber essas estimadas navalhas finas de ac
juw refinado, dos acreditados e bem conhecidos fabri-
J cantes J. Rogers & C.
liiiiem fie bii&IIujmos
81-R1JA BO IMPERADOR-SI
begunda casa do lado direito iudo do pateo do CoU?gio.
que estando restablecido de seus incommodos de
i bello e bem sonido armazem de soceos e molhailo-
sau primor, (saim-nte fscolhwlijc
s-iias p;.-
ler par-
"S'/,.6301*0?1110^' em ""uiK^iuite a p"esso7alguIU"'^' "* 1"e
queram honrar como sen ..Tntenle lh^
in.'ii '
sempre
Aos Srs. de engenho e lavradores quo o
assegura que o producto de seu laburioso traba'lho'ser o mais Iwm rep.il
dodesa prafa,Para o que se galga convenientemente habilitad,, peta kl rl"^
,fl Fornesera gneros aos Srs. agricultures e negociantes que llie
!!d,? ma>aie vantajoso aos que pagarem a vista suas mer.ado.
merecam ..^tfonca. (a-
venda de aualquer ****&#*. "STSSTSSm "S3S
promplo seu pr, duelo, e sendo este applicado
prescindir da commisso.
a compra de gneros em
fntregaiki,.
ni u-a
:3ooo
63000
45800
SOOO
35000
5*000
iOOO
15400
15000
15000
15600
Cruz n .1.

Tendo de serem publicadas as poesas de
Jo^ Antonio Seifcri com o titulo deInsiiiracoes
poticasol senhores que dignarem-se prestar sua
assignatara, podem .lingir-se s seguinles casas :
na livraria econmica, ra do Ciespo n. 2, ra da
Cruz, estabelecimentos de banhos de Cedrim &C.,
c nesta typographia.
THESORO lAS MAIS
Providencia das cangas.
COLLARES ROYER
Electro-niagBeticos
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DENTI^AO
Contra as convulsoes e para facilitar a
dentico das crianzas preparados e inventa-
dos por Rover, pharmaceutico da esco-
la superior de Paris, successor de Chereau,
membro da academia de medicina,
-nliga casa de Bouillon-Lagrange,"" pharmaceutico
do imperador,
chefe dos trabalhos chimicos da escola po-
lytechnica, director da escola de pharmacia de
Pars, e membro da academia imperial
de medicina.
E'tes collares vendem-se nicamente na loja do
Callo Vigilante ra do Crespo n. 7.
Hivendose perdido ha 6 deste mez duas le-
tras vencidas nesse mesmo U, urna da quanlia
de 7005 aceita em6de julho do corrente auno,
cinco mezes de praso, por D. Lulza Francisca de
Faula Cavalcanti de Albuquerque Lacerda, c ou-
tra de !)OI568 aceita em 6 de junho deste mesmo
annn, seis mezes de praso, por .loao Vieira da
Cunda, ambas sacadas por Gabriel Soares Raposo
da Cmara; previne-se aos Meamos aceitantes, vis-
to a nao terem paga no vencimenlo, que s o fa-
<;im ao proprio sacador; e roga-sc a quem as ti
ver adiado, visto nao poderem ellas a mais
gtiem aproveitar, o favor de leva-las a ra da
rora n. 78, ou a ra do Crespo n. 18, ao Sr. Jos
Azevedo de Andrade, que muito se Ihe agradecer
COMPEAS.
Compra-se ouro e prata em obras velbas
daga-se bem: nloja de bilhetes da prac,ada Inde
pendencia n. 22.
Compra-se effectivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem :
aaroajarga do Rosario n. 24, loja de ourives.
Compram-sc dous escravos que sejam bous
carreiros : na_rua_ do Trapiche n. 13.
Compra-se garrafasTboTijas vazias, na fabrica
de licores a ra das Cruzes n. 36.
COMPRnfSB I
moedas de ouro de 105 e 205 : na ra da Cadeia'
do Recite n. 22.
cujos nomes bastara para
JIS?. antios,e.tornosfreguezes espera oannunciant, sua rabosa orMerrao km.
SSeTus SSIST C3Sa' 6 Pe' aciment que Ihe. tribu^t^
Julga desnecesario publicar a tabella dos precos de seos eneros sao sm rM-..r
garanta s.uT.cienle de poder acempanharos menores pnmdTU&o*TlEZ2
mais^pparatosos estabelicimentos, tendo somen.e em vista' o til ^
^ IrcTen^5o nr <-rst.tr I a
Tendo sido o proprietaiio estadelecido muitos annos om
co ni meema ra, julga prudente|advertir quesarma
tem declarado no que disser respeito ao armazem.
rendas
o mesmo ran ,k- n^gr,.
e se responsabilija pelo ,pw>
I
SABTH.
Os elementos que compoem esta preparacao, o
ferro, o iode e a quina, a colloco no primeiro
grao das preparacocs ferruginosas. Basta attestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
tacs, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que confirmrao sua poderosa el'ficacidade as
seguintes affeccocs:
Compra-se urna negnuha de 5 a
gundo andar.
annos :
H, 3C"
Mlnsoa no angue.
Frn<|iicr.n.
Aneniln.
ChloroHc ou Ictericia.
McuHtruo.
AffecrrN SupprcNHOcn (tan re-
KrM c dCNOi'dca nn
nirnalrunriio.
Affeccio puliuonar e
phthlHie.
Mol-.i ia di-si Dimito
liaslial^la.
lerda d'u|tpetlte, etc.
/a m> uo outtctms
Cn valcHcenca de Ion-
ruh inolealiaa.
MoleNllan eftcrofulo*
MM.
Pnpelra.
ObMlrucco daa Rlan-
dulaa.
Humores frisa-
lluuiorca braneoa.
RllellItlHIUO.
AfTeccdca cancerosas
c ypliilitlcna.
Felirca typholdca.
Tarlolea, etc., etc.
ce merapeuuca medica
Compram-se diarios para embrulho, paga-se
bem : na padaria da ra da Imperatriz n. 06.
Compra-se urna burra, estando perfeila :
quem a tiver annuncie para ser procurado.
Compra-se una carleira com duas faces pxa
escriptorio : no armazem da ra da Cadeia do Re-
cife n. 48.
Carrofa
Comprase urna carrosa que seja nova e bem
construida de boas madeiras : na ra larga do
Rosario n. 34.
Garrafas e vidros
Comprara se vidros e garrafas vasias que nao
sejam de azeite : na ra larga do Rosario n. 34,
botica.
e cirurgica de 30 de novembre 1SC0; o Guela
dos hospiaes de 2S de julho 1860, ele, etc.
Alfim das pilulas de iodurelo duplo de (erro c de
quinina de Rebillon, os Mdicos aconsclho
igualmenic o Xarope d'iodure duplo de
ferro e de quinina do mismo author para as
pessoas que nao goslao de meaicamentos sob for-
ma pilular e os meninos. Este xarope n5o lem
como o xarojtc d'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nao poder conservar.
Pcca-se o folheto que se d de graca em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para-se evilarem falsifica?5cs, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Paris, pharmacia Rebillon,
142, ru du Bac, e em todas as boas pharmacias
de Franga a dos puizes estrangeiros, etc.
justificar a bondade dellas.
Tambem recebeu aliadores e massa.
Enfeites bonitos para bailes, ca-
samentas e passeios.
A Aguia Branca na ra do Queimado n. 8 est
completamente prvida de bonitos enfeites de flo-
res, e outras diferentes qualidades, e todos de gos-
tes modernos conforme ver o pretndeme que
comparecer munido de dinheiro. Tem tambem
bonitos de marroquira para bailes.
invelopes mu grandes para f
aforas.
Acham-se a venda na ra do Queimado n. 8, loja
da Agina Branca, e bem assim outros pequeos.
.Uiudezasdeprimeiraqualidade.
Como egeralmente sabido a Aguia Branca pre-
sume ler sempre o bom para bem servir a sua boa
freguezia, e por isso raandou vir e acaba de rece-
ber um variado sorlimento de miudeza de pnraei-
ra quahdade e difflceis de se encontrar em outra
i qualquer parte, constando elle de caixinhas de ex-
cedentes linhas de novellos grandes e pequeos.
Caixinhas de linhas para cronchet e ponto de
! meia. r
Carleiras com superiores agulhas.
Caixinhas com dilas e que caa papel sonido.
Fita fina e elstica para abanhados de vestidos.
Dita de puro Imho e de differentes larguras at
para coz.
i Mu bom cordo francez em pecas grandes para
vestidos.
Trancinhas de algodao de diferentes e bonitos
mordes para enfeites.
fi-toes finos de osso e madreperolas.
Oulros de velludo e seda para vestidos.
Colchetes francezes de boa Ualdatte em <
nhas redondas.
Carleiras ou estojos com agulhas e cabo para
cronchet.
Didaes de marfim e madrepemia
Aguineiros de dito.
Caetas de madreperola. j
Escovas de dita e marfim para unhas e denles!
81-RUA DO IMPERADOR-SI
Segunda casa do lado direito indo do pateo do
*:*: ;3bSr"'v&0
i(^|SSk^38S.j
C33
Collcgio.
NOVOS VESTIDOS DE PIIANTASIA
eragS^^
de Vasconcellos & C, successores de Jos Moreira Upes. -ionio t-orreu
Fazendas de bom gosto
Para vestidos de senhora
E!Su2*it Sedlde C.r' de morite' o> 8- rgurao de selim imp.-riul
Ditos de bjond, e de cambria branca bordados.
f
i
i
Compra-se um boi
na ra Imperial n. 176.
para carrosa : a tratar
VENDAS.
de relroz prcto fino a
muito superior a
Romance.
Vende-se na prafa da Independencia li-
vraria ns. (5 e 8, o romance Martirn o en-
geitado ou Memorias de nm escudeiro, obra
do distinelo escriptor Eugnc Sue, autor
das melliores obras conhecidas, pelo dimi-
nuto preco de 2A500 por 4 volumes em
broxnr.
Ma dlgeatoea.
Gantrltea.
Galtralglaa, ele.
ncao
ehegado nova loja de miudezas de Manoel
Joaquim Dias & C, ra da Imperatriz n. 78, que
tem o lampiao na segunda porta, por baixo do Sr.
Dr. Pitanga, um completo sorlimento de objectos
de gosto para senhora, como bem : ricas livelas
de tartaruga para sintos, ditas douradas cravadas
com pedrinhas eepeciaes em gosto, enfeites in-
gleza, go>to prapi lamente moderno, dilos a prince-
za, peales com guarnicoes de pedrinhas, gosto mu i
Machinas de vapor e pa-
ra descarocar algodao.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido, coa-
| doe de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, el
de carroca com mangas e;
eixos de patente.
EuadoBrumn. 38,fdndi-
cao do Bowman.
DEiCHEVRIER
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparacocs de
bismuth empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de todos os paizes, para prevenir e
curar as
nlarrliraa ehronle.
Dyaaenterlaa.
ore ii'FHldniago
Dyapepalaa.
Os primeiros symptomas d'essas formidaveis
alfeccoes se manifcstiio ordinariamente por diges-
toes laboriosas, aiidumes, falta d'appetite, pesos
l d estmago depois de cada comida, caimbras es-
tomacae<, e, muitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuidao, traz ine-
vitavelmente, que seja:
llolcallua tic lilaila.
A Irlrr.-la.
Palpltacao de coracao
Ddrea no rlna.
Opprraadea.
Ddrca de cabera.
Irrltarea de bezlaa e
da matriz, etc.
Bordados Anos.
A loja da Aurora, na ra larga
38, receban bordados de cambraia
uito finos, que tanto serve
do Rosario a.
transparentes
para camisas como
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medcaos para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sao tomados a
tempo.
0 preco de cada frasco de i francos.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
estrangeiros.
GRAGEAS de CUBEBINA
iomCOPABAdeLABLONYE
segundo
Ra do Queimado ns. 49 e 5o, loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia est conlinuando
vender muito barato, pois seu genio dar a fazen-
da por lodo preco a visla dos robres.
(tartas de allinetes francezes da melhor qualidade
i a 80 rs.
Groas de pennas de ac inglezas da melhor qua-
lidade a 640 rs.
Caixas de colchetes francezes de superiores quali-
i dades a 40 rs.
Grosas de botoes de madreperola muito finos a560
e 040 ris.
Carreteis com 4 a 5 oilavas
640 rs.
Resmas de papel de peso liso
: 2*000.
Grvalas da liga e de outras muitas qualidades a
500 rs.
Caivetes para penna com 3 folhas fazenda boa a
o rs.
Duzia de botoes branco para casaveques de senho-
i ra a 100 rs.
Pecas de uta de cs estreitas com 9 varas garan-
i lidas a 320 rs.
O Expositor Porluguez para os meninos a prender
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a preD-
I der a ler a 1,5000.
Cartilhas da doulnna christaa, finas e superiores a
320 rs.
Pentes finos de marfim a 1*000, 200 e 1*500.
Pares de luvas de seda para homens e senhoras a
1 500 rs.
; Gollinhas para senhora o melhor que ha a 320 e
500 rs.
Frascos com superiores banhas a 240, 320, 500
1*000.
Livros que serve para assenlar roupa, pelo dimino-
I to preco de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cordo brauco para esparlilbos muito superior, i
vara a 20 rs.
: Carritis com 150 jardas de linha branca a 60
ris.
Cartoes com 200 jardas de linha branca garanti-
da s a 60 rs.
Grosas de pennas de aoo superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
; Ihas a 160 rs.
Pares de botoes de punho, oh que pechincha a
120 rs.
' Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de botoes de lonja prateados muito fino a
160 rs.
Tesouras para costura superior qualidade a 500
Dilos de laa com barra e grande variedade em cores e padrees.
Ditos de organdys com barra
Lindas sedas dequadros escosseza e miudas.
Superiores lias lisas com grande variedade de cores.
Dilas com salpicos, com llores e de quadros.
Lindas pampolinas de quadros e de flores, fazenda inteiraraenle nova.
t-upenores cassas de cores, e lindas cambraias organdys.
Grande variedade de chita de cores, de percalia eoulras muitas rateadas oV g.
Para hombros de scohora
Lindas capas e boornoux de casemira de cor.
Ditas de la e de seda.
Grande variedade de soul'embarques de seda de 18* a 4*.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino eslampados finos, de cacbimira con li-tra
seda e de tilo preto.
Camizinhas modernas, zuavos brancos e de cores, colleles de cambraia linda-
lionas com punhos e outros muitos arligos.
Para cabeca de senhora e menino
Superiores chapos e ebapelliaaa de palha de fiaba enfeitadas para senhora
Ditos de retiroonfritados para senhora. w
lutos de palha enfeilados para menino.
Grande sorlimento de enfeites modernos de relroz.
para senhora.
Na loja das columnas da na do Crespo n. 13
los i C.
s.-
wfi^ijSSftwE&rEa
de froco, de tabello e de flores,
de Amonio Crrela de Vas.-on<- I-
:-
fi
DE
Chapos de palha enfeilados para senhoras e meninas de 06 a IO.
Bonitos vestidos de laa com barra a Maria Pia a I8,
Cortes de ditos dila estampados finos a 6i|8O.
Capas de grosdenaple preto bem enfeitados a 2"-i e28.
Souterabarques e capas brancas bordadas a 10.
Organdys mimo do co de lindos padroes a lf5.
Grande e variado sorlimento de chitas largas de .100 a OO rs.
Bramante de lindo de espantosa largura a 2r5-rOu rs.
Admiravel sortimenlo de gravatas de seda a 30, 400 e 480 rs.
Na ra do Crespo n. 1 junto ao arco de Santo Antonio.
Loja do barateiro!
ro^-jj-jg-Qi-,-, _._. Jo O M o
gfgS-&B5"-S
Sg-5g.a'"gcrfia,s-S9o,
en

a
o
as- -^ =
ti 2 5'o c
-=.- o a <
r B 8 P sn
g- 3 u J oi> -J
O O. OS -,
3 _
OJ
. c^
a
a;
s
O
-i
a
Cr 3
O 1
o. ^
. P
5 o
S 3

s-g-f
J.
3
M

3 3
e-a rr'a 3
_ o g. M o
si t w o O c "
Sel "S o o-o g
< 2 M SJ I g.
aa o i o 2
o
09
, o
"1
o
o
Estes confeitos uue tem or base o nrin- i
S^WaTSSK^SfjRi BSS-'Jfl C&^VSL cipi0 ffda ""m'ira c""""*> ra eS's ,,""""'M''- -^
reeebea destas fazendas : qualquer senhora i 3 CHPahyba Pura' nr'? nausen 0 estomaga. : Cai"s com superiores phosphoros de seguranca a
f ostn, pulseiras de contas de novos gostos para se-
toras e meninas, um completo sorlimento de fitas
lisas e lavradas o mais moderno que se pode en-
contrar em gosto para slotos, sendo de 2 a 6 dedos,
gravatinhas de gosto para senhora, e outros mui-
tot; objectos que se torna enfadonho mencionar, e
que s com a vista se pode dar a devida atiendo
ou mandando os caixeirosem casa com alguns dos
objectos mencionados.
bom gosto que protendeV usar" YeVtes^HiodVrno Elles fazem Parar immediatamente as mais
os. queira mandar qoanto antes comprar, rebeldes gonorrbas, mesmo as que reslsti-
ram a cubeba o a cuoahyba isoladamente.
Deposito geral em Fernambuce ra da
Cruz n. 22 em casa de Caros & Rarboza.
pois chegaraai poucos e estao se acabando.
loinho de pedra para iflho.
Grande poreyo destes excellentes moinhes, slo
negados a ra da Cadeia loja de ferragens do
Bastos, os quaes se vendem o mais barato possivel.
Vidros para vidraca.
Grande sorlimento de vidros e'de todos os ta-
manhos; na rna da Cadeia loja de erragens do
Bastos.
Ama
Precisa-sede urna ama para lavar e engommar:!
narua do Trapiche, sobrado n. 36.
Precisa-sede um rapaz de 14 a 16 annos pa I TT* i^ 5-----t-----'.---------"-
ra caiieiro^ na roa da Praja n. 47._________' VinO (le rOlTO.
Na praca da Independencia, loja de ourives Vende-se superior vinho do Porto, em barris de
a. 33, compram se obras de ouro c prata, e pedras *ipemo, em casa de Ferreira & Malheos na ra
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en- da Cadeia do Recife n. 66.
commenda, e todo e qualquer concert I-------?z------__________________-___________
familia no paleo do vramento n. 20, segundo os mesmos, tudo era muito bom estado na ru
anaar' J do Queimado n. 2, loja do Preguica.
Assucar crvstalisado da fabrica
2 de Julho
Na Bahia.
No armazem da ra da Madre de Dos n. 28 I
ha venda o multo superior assucar crystahsado! i
em saceos de 2 arrobas, ao preco de 55 cada ar-
roto. ________ 2
Vinho do Porto engarrafado
160 rs.
Caixas com 100 envelopes o melhor que ha a 640
ris. ,
Caixas com 20 quadernos de papel amizade, muito
fino a 600 rs.
Quadernos de papel pequeo muito fino a 20 rs
Libras esterlinas
Vende-se qoem as qaizer comprar no armazem
n. 33, da ra da Praia, se dir quem as vende.
Folha de Flandres.
Vende-se na fabrica da travessa do Carioca fn.
caes do Ramos, superior felha de Flandres: |a
ver e tratar na mesma fabrica.
Espantosa pechincha.
n n jde'se $nperior vinno de 1>orto denominado! Algodo superior largo com um peqneno defei-
D. Pedro V e rainha de Portugal, em caixinhas de to ara urna das orelhas a 65 a pega cem 20 varas :
unta duzia de garrafas ; na ra da Cadeia do Re- na ra da Madre de Dos n. 16, loja defronte da
cife n. 6>, armazem de Ferreira Matheu. guarda da alfondega.
8? 2-
u l
o ~ o.
co E o
CJ
-1
O
"8
B
a
!

e
g
e
a
a
Para a festa.
Queijos frescos a .14, passas novas em .(liarle*
a 25, e a libra a MM rs., fig. a HWi, mariiKlada
a 300 rs. a libra, azeilonas a I5W0 a anrnre a. *
garrafa a 320, manieiga mgleza fl r a 'flo r mn
rs.. dita Iranceza a 640, cha miu.linhn a ilf*iO
35, caf Ia sorta a 280 a libra, e 85100 a arrota.
de 2" sorte a 240 a libra e 75500 a arrota, -rnu
a 100 rs. a libra e 35 a arroba, i.hh inh>> alto a
280 a libra, stearinas a 620, pahlns para >a r a
140 o masso, do gaz a 200 rs, cnoorirjas a *i, r
a libra, gomma a 120, sabio massa a 200 rs.. aJ
em potes de vidro a 440, roncervas a 400 rs.. la-
las rom bolachinha a 15400, alelria e talharim a
400 rs. a libra, rerveja branca e pret 560, \iK.
fino do Porto engarrafado a 15120 o wmi r<, I ran-
eo para missa a 500 rs., lioto de Lisboa a :trt a
garrafa e 25600 araada, da Figneira a 440 a
35200, azoiie doce a 600 r. a garrafa, de rarra-
pato a 260, vinagre a 200 rs.. gaz a- 480 : a ar-
mazem da Estrella, largo do Paraizo a. 14.
14-Kua Direita-14
nico depesito do rap imperial do fabricante
Isaac Esnaty ; aflianra a sua boa qualidade e ser
superior ao rap de Lisboa e ao rap ara preta, a
prova faz f : vende-se a retalho a 15 a libra,>
em porcao de 10 libras para mais a 8G0 rs.; tam-
bem abre crdito aos compradores era conta cor-
rete.
Vinho de Porto e da Madeira
Custodio Jos Alves Guimaries tendo recebido
de conslgnacao os verdadeiros vinhos da Madeira
e do Porto em caixas de urna e de doas duzias,
convida aos amantes deste velho xarope muito
. agradavel e neutral, que quizerem apreciar o que
Jendsmdemse caaos de barro para esfeste j Vendem-se saceos para assucar, em casa de bom, se dirigirem a ra do Crespo n. 7, pois
oe lelhados. Rrander a Brandis 4 C ; ra da Codeia n. 58. I seus presos serlo razoaveis.
ENFEITES A MARA PIA.
A loja da Aurora, na ra larga do Ro-ano n.
38, recebeu novos gostos de enfeites a Mana Pa;
com plumas de froco no frente, obra moito fk-ll-
cada, assim como tambem tem dt moita* mais
qualidades, riquissimos sintos de tila larga de cha-
mal te com livelas. tambem largas esmaltadas de
pedras, riquissiraas fitas largas de rhamal.iie to
vradas, propras para fazer i intos de ponas r-
hidas ; finalmente tem grande sorlimento da rim-
dezas finas, que s a vista faz f : aa leja da Aa-
rora, ra larga do Rosario n. 38. _______
Vende-se no segundo andar do sobrado da
roa do Trapiche junio a casa do Blandi icnlrada
pela ra dos Tanoeiros) os seguinles otjeris*.
anda em muito bom uso : sendo urna mobilia >
amarallo, urna cama franreza e um lavatorio do
mesmo pao, urna mesinha de Jacaranda para joga:
as pessoas que pretenderen, podem procarar ver
a toda hora do da.
PARTE DE ENGENHO.
Vende-se urna parle do engenho llanbenca sito
na freguezia de Pao d'Alho : quem pretender ob-
pra-ladirija-se a esta typographia que se dir rom
quem dte fallar.__________________________
J. Keller & C. vendem soperinr vinho timo
de Bordeanx, tanto era qaarlola como era raixas
de duzia de garrafa.'.


Diarlo de Pernambuco Terca elra 13 de Dezembro de i 84.
COM
RA 1IO QURI9IAUO HT. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
NO FII) ABE
Pereira Rocha & C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Commer-
cial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes sero vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mc/icioncda; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 e Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
Painco a 200 rs. a libra. I rs. a libra.
Polvo secco muito aovo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e Emilias portuguezas a 640 rs. a lata,
muito novo a 6iO rs. i dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
100 rs. a libra, e 10800, 20600 e 35000
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
10200 e 10600, e em frascos grandes a
2500.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 10200,10400, 10600e2.
Ameoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez ranito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
103OU rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinbae a 200 rs. a libra.
Banda de porco relinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10600, 20,
25500, 2800 e 39000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Ceneja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac infflez fino a 901 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Babia
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
250 )0, 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs: a libra e 80500 a 80800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhos francezes muito novos e
bem muito enfeitados a 7O0e 600 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
libra.
Nova liqaidacode fazendas at olim
do mei, para fechar faeluras vende-se muilo
barato, por ser o ultimo uiez de festa, que os
freguezes devem aprou-ilar : ua loja e armazem
da Arara, roa da linperalriz u. 56, de Louren-.
fo Pereira lleudes Guimares.
Fazeddas especiaes para senhora.
Vende-se ricos corles de vellido de laa a Mara i
Pia para senhora de bonitas barrasa85,10, I3#, '
14# e tflf o corte : na ra da Imperatriz n. 56,1
loja da Arara.
k Arara vende a 20100
Cortes de chita de cores lixas com 16" covados i
a25400 e 3^200 ; cassas de cores a 320, 360 el
400 rs. o rovado : na ra da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
Cortes de cambraia de salpicosa 20100.
Vende-se corles de cambraia de salpicos a
25'tOO, 3fl e a 1,8000 a pera, ditos de cambraia
liza e flna a 3#5O0,45500,55500 e 65, tiras bor-
dadas para enfeitar vestidos e entremeios a 15 e
a 15200 : na ra da Imperatriz d. 56, loja da
Arara.
Sonlenibarques a 7, 8, e a 160.
Vende-se soutembarque de laazinhas de cores
para senhoras a "5, 85 e a 105, dito de grosdena-
ple preto muito entestado a 205, 255 e 305 : ricas
capas de grosdenaple a 205, 255, 305 e 355, para
liquidar : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
A Arara vende alpaka de cores para vestido.
Vende-se alpaka decores para vestidos a 360
rs. o corado, challes de laazinhas a 1J600 e 152K0
dito de merino a 45500, ditos finos a 45500, 75 e
85 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
6 "$59s\s?y "%*

libra,
em frascos de vidro a 600 rs
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra,
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 60' 1 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes,,
800 rs. a
dem regular a 500 rs.
Macas tinas para sopa: estrellinha, pevide,
rodinha e. aletria a 600 rs. a libra e a 40
a caixinha com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe em latas preparado pela primeira arte
de co/.inha a 10 a lata,
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs. | Paliios de dentes a 160 rs. o maco.
Alm dos gneros cima mencionados te-dem de dentes a 120 rs.
raos grande porco de outros que deixamos i dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudo ser vendido por I Amendoasconfeitados a 900 rs. a libra,
pecas e carnadas, tanto em porces como j Doce de goiaba em latas o melhor possivela
retalho- 20 e em caixo a 640 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima te- i Palitos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 por cento. j Passas muito novas a 480 rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
dem de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
dem em garrafoes de 3 e 5 gales a 50500
e 70500 cada um com o garrafao.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700rs. a garrafa. j*e HMj,?mnhM ,para sennoras J meninas a
dem, quaiidade especial em garrafas muito gj',3 jRTlffgr J&flE rufda
grandes, a 10800 a garrafa. imperatriz n. 56.
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs. i Baloes americanos para senhora.
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de Vende-se baloes americanos, os melhores que
vidro, a 10000, s a garrafa vale o di- !_.!!* ao-"weao, de 20, 25, 30 e 35 arcosa
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800 Figos de comadre e do Douro em caixinhas
dem prato. de oito libras e canastrinhas de i arroba a
dem londrino chegado no ultimo vapor a1 10800,50500 e 280 rs. a libra.
900 rs. a
Sal refinado
cada^um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muilo alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 60 (I.
libra.
Eigos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Boca ge Chamisso e outros a 800, 900 e
10000a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 90000 e 100000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino ,a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaos, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 705OO rs.
a duzia.
dem Morgauxe Chateaulumini de 1854, a 10
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
102OOrs. a caada.
Laazinhas a Hara Pia a 500 rs.
Vende-se laazinhas a Maria Pia para vestidos,
com palmas de seda a 500 rs, o covado, ditas de
cores a 320, 400 e 500 rs, ditas lizas de cores pa-
ra capas e vestidos a 360 rs. o covado, casomiras
para capas de senhora a 15800, 25500 e 35 : na
ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
i A Arara vende chitas a 240, 280 e 320 rs.
I Vende-se chitas de cores finas a 240, e 280 rs.
o covado, ditas francezas a 320, 360, 440 e 500 rs.
I e covado, percallas para vestidos finos a 500 e 560
rs. o covado, camislnhas para senhora a 15,15600
;0 GRITO DA GUERRA JA' SE FEZ OYI!t.;j
LA Vil HOJtlBA!
SENTIDO.

O
W* *%&&&*
MACHINA*
de
GRANDE E SUMPTUOSO ESTABELECIMENTO
DE
MOVOS E ESCOIjIIIDOS CSENEROS
TANTO EM GP.0SSG COMO A RETALHO
60 "Bi NOVA GO
Ultima casa junto a ponte da ISoa vista.
DUAS PALAVRAS.
t Cesse tudo quanto a antiga musa canta
Que outro valor mais alto se alevanta.t
Acha-se a disposico do respeitavel publico este grande e magnifico estabeleci-
menlo de molhados, talvez o primeiro e nico boje existente em sua especialidade, por-
que o maior capricho de mos dadas com mais apurado gosto de abrir um estabeleci-
mento modelo proraoveram a escolna dos mais superiores gneros do nosso mercado,
que por cerero comprados em grande quantidade e pagos quasi todos a dinheiro a vista
deu lugar a obtenco de vaatagens, que repartidas como vao ser pelas pessoas que se
dignarem de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanza de agradar a
todos, nao s pelo emprego das maneiras condesce^dentes e delicadas de que somos ca-
pazes. como pela pratica da promessa que fazemos de vender polos precos quasi do pri-
meiro custo o nosso magnifico sortimento.
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diversas classes da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharo
em nosso armazem os melhores eraais esquisitos vinhos, licores, champagne queijo, eLc.
etc etc, e quelles que nao podem dispor de grandes recursos, que s compram o neces-
ear.o, promeitemos-lb.es servi-los de gneros novos e sadios, escolhidos ao seu contento.
O real du pobre ser recebido com to boa vontade. como a moeda de ouro do
besnem rico.
As pessoas que nos fizerem a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com-
prar para seu gasto, ou para negociar, voltarao satisfeitas, nao s pela boa quaiidade dos
objeeios, como pela fidelidade dos precos, e bom acondicionamenlo.
O futuro nos justificar.
FATENT
irabalhar mo para
descargar agodo
Por Plant Brthers & C.
0LDAH
Estas machinas
30demdescarocar
qualquer especie
de algodo sem
estragar o fio,
r""** sendo bstanle
duae pessoas para
o Irabalho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
do em caroco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por da oh 5 ar-
robas de algodo
limpo.
Asstm como machinas para serem movidas por
animaes, que descaro$am 18 arrobas de algodo
limpo, por dia.
Os mesmos tem para vender um beltissimo va-
por que pode fazer morer seis destas machinas
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n. 47.
Saundci-s Brothers & G.
I. u. praca do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do Queimado ns. 49 e 55 loja do Barateiro
conhecido j como tal, est dispondo da fazenda
por lodo o prego para apurar dinheiro, quem qui-
zer venha ver e traga o cobre, e vera o seguinte :
JJaralhus de cartas para voltarete muito
finasa............................. 266
Miadus de linha l'roxa para bordar a___ 20
Pares de sapatos de tranca de todos os
taraanhos e finos a................... 15500
Massos de superior grampos para cabellos
Duzias de palitos de gaz superiores a. ...
Libras de ara preta muito superior a...
Frascos de superior macaca oleo a ....
Ditos de dito perola a..................
Ditos de oleo de babosa muilo finos a 320
rs.e...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
CAVACO NECESSARIO
Devenios ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo quej
adoptamos. Ei-las. #
Existindo neste vasto e florescente imperio um grande parlido poltico com a
denominaco de Lisa, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente, I Ditos de banha muito tina a
capaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a mudos,
__Ria-se quem quizer, porque nos tambem nos rifemos mas nao se zangue
Dinguem.
__O neme urna voz com que se dao a conhecer as cousas. h esta a mais
breve, clara e sincera explicacao que, pelo methodo repentino, podemos dar.
Mas a quem nao seguir o partido desse si/stema diremos mais:
NSo oriundo do Rrasil o imponente titulo do nosso eslabelecimento. Foi a
muitas centenas de leguas que apandamos a nossa Liga.
Na soberba o opulenta Inglaterra houve um rei que instituio a mu honroza or-
iem da Liga.
to sorprehendeu a corle desse monarcha. Agradou-nos esta historia e gostando sum-
mamente do trage do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenliar, c col-
Ditos de cheiros muilo finos para o preco
a ris.............................
Saboneles de todas as qualidades a 60 rs.
160, e............................
No vellos de linha com 400 jardas a......
Carr.iteis de linha de cores cora 200 jar-
das a.............................
Novellos de linha de gaz de todas as co-
res a.............................
Pecas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a.......................
i acaso nos fez deparar com a narraco desse acontecimento, que tan- i!SSlffSS^mfSS
a ris..............................
Varas de bicos francezes, superiores a...
'cTndo-o o odo o. nosso ertabelectoento, temos assim feito distingui-lo dos outros Sfc^5^t5y5ft:;
30
200
100
100
200
500
400
640
600
400
80
60
30
240
200
400
40
15000
que se assignalaram com mitras e coroas.
Honnl sol ini mal j -pense
Albuas
para 20 at 200 retratos, muito bons e por menos
preco que em outra qualquer parte: na rus do [
Crespo n. 4.
j Pecas de tranca preta liza mnito fina a.
\ Caixas com 4 papis de agolhas Victoria a
1 Varas de fita preta com eolxetes a......
Libras de la sortida de todas as cores a
Bonecos de choro muito bonitos a......
Caixas de obreias de roa ssamuto novas a
Vendem-se dous lastres, os mais reos qne a es-, Varas de franja branca e deires para
ATTENQAO.
tudo a............................ 15000
60
200
40
65500
160
40
25500,35 e 35500 e 45, ditos de brilhantma e
musselina a 45500 : na ra da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
Cassas da Arara a 280, 320 e -100 ris o covado.
Vende-se cassas de cores a 280, 320 e 400 rs. o
covado, lencos de seda a 800 e 15 : na ra la
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Fazendas para homem.
Vende-se corles de calcas de brim para homem
a 15600 e 25, ditos de casemira a 35, 35500 e
45500 o 55 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da,
Arara.
Houpa feita para liomem de todas as qualidades.
Vende-se palitols de brim de cores a 25, 25500 e
35, dilos branco a 25500, dito de linho fino a 55,
ditos de alpaka de cores e branros a 55, ditos de
meia casemira a 45500 e 55, ditos de casemira a
65, 85, 105, 105,165 e 205, ditos de panno fino
preto a 85, 105, 145. 165, 205 c 305, calsas de
brim de cor a 25 e 25500, dita de dito branco a
25 ditas dedito de liuho a 35500 c 45, colletes de
cores a 25, de brim a 25500, de casemiras de
cores e prelas a 35500 e 45, calsas de casemira a
55,63 e 85, de meia casemira a 35 e 35500, ca-
misas francezas a 25 e 25500, de linho inglezas e
prejts largas a 33 e 35500, grvalas de todas as
qualidades de 500, 800, 15 e 15400, collarinho |
de lodos os tamanhos e muito bem feitos, para li-
quidar por ser lempo de festa : na ra da Impera-
triz n. 56, loja da Arara.
Colchas para cama a 2:>.
Vende-se colchas de chita para rama a 2$, ditas
de damasco a 45. ditas de fuslo a 5#, chitas para I
j coberias a 320, 360, 400 e 500 rs. o covado : na
j ra da Imperatriz n. 56. loja da Arara,
A Arara vende madapoln entestada a r>.
Vende-sc pecas de madapolo enfestada a 45 a
peca, dito intrlcz de 24 jardas de n. 30, a 65, de 1 j
I a 55500, n. 50 a 65500 e 75500, n. 5 85500,
I 86*95000, R. D. P. 105. 7.7.7. U5, n- 20, dito a
i lis > ttac nlfrnHnzinhij marca a 5300. ditO :
I carne vacca a 75, dito dsmestieo a 7*500, dito'
pau ferro a 5, litn SL9 a 105, dito T a 105 e 125,
j dito sicupira a 85500, para liquidar, na ra da
'Imperatriz n. 56, leja da Arara.
Palitols de alpaka.
Vende-se palitots de alpaka preta de 35 e 35500,
ditos finos de cordo, lizas c brancas a 45 ra
da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Ao baroteiro da na da Imperatriz n. 'Mi.
Vende-se seroulas a 15280, ditas trancezas a
15600c 25 : e outras muito boas fazendas que o
freguez encontrar na loja da Arara, roa da Im-
peratriz n. 3C.
Perfumara e sabonetes da
Toilet
da casa Violet, perfumista com privilegio, j
fornecedor das casas de S. M. impera-
trz dos Francezes e da rainha Isabel II |
de Ilespanlia.
As flores as mais esquisitas, as plantas as mais
ricas em aroma, o? blsamos os mais odorficos,
servem a composiejio dos producios exclusivos da
rainha das Abelbas.
Sabo real de Tridacco.
O tnico reromnvendado pelas celebridades me-
dicas como hygienica da pelle.
Balsas* de Violeta.
Pomada fluidificada pelos oleo virgens para o
servico dos cabeleireiro?.
Gotas de Violetas.
Extracto da flor natural, perfume de S. M. a rai-
nha Victoria.
Sabo de balsamo de Violetas.
Homenagem a S. M. a Imperatriz.
Agua da belleza de Sua Mageslade a
Imperatriz.
Locco benfica para o toct das damas.
Flor de arroz rosada.
De S. M. a Imperatriz Eugenia.
Perfume de nctar.
Esie p refrigerante preserva a pelle de todas as
afleccOes dormaes.
Rosado das abelhas.
Locgo refrigerante para o toilete e os banhos.
Crerae ponpador.
Da belleza da pelle.
Para prevenir as rusgas e refrescar o rosto.
Crcme Sevign.
Composicao especial, para lustrar e fixar os ban-
dos (cabellos.)
Crcme fri espumoso.
Segredo da belleza.
Para refrescar o tessido dermal.
Perfames das brisas de maio.
Delicias dos lencos e saines.
Dicado a S. M. a Imperatriz da Russia.
Caixa de Juvcncio.
Cofre mysleriuso.
Encerrando talismans, segredo para belleza.
Vermelho da China, preto indio e branco
de Lys.
Para passeios e soires.
P horizontal
Pas as urinas o bnlho de nacarregado.
Perfumes liorisonlaes.
Para perfumar as cari as, toalhas e os quartos.
Vende-se na ra do Imperador n. 38, botica
franceza.
"3 a
t > .s
i' j
*

M
f
i >
3 '
m 1
m ,-' o
3 '4H
- A
m y'ifi
t
O assumpto imporlantissimo.
O assumpto importantissimo.
O assumpto importantissimo.
Ninguem interrompa o orador.
Ninguem interrompa o orador.
Ninguem interrompa o orador.
Reine o silencio om todas as columnas.
Reine o silencio em todas as columnas.
Reine o sikncio em todas as columnas.
"N5o se admilte contestad.
Nao so admitte contestacao,
Nao se admilte contcstacno
Ou pvtaUua >au \nvtUUHHK
Os apoiados sio probibidos.
ds apoiados s.io prohibido.
DVERTENCIA.
Antes de entrar na materia o inconsavel Rai.iza nao jMJde
fazer osen signal de horror as doiradas coras e mal feitas mitras dos falso
priMendii ie:
iJr apostlos do progresso, inimigos do povo e chupadores do sangue da burani- i?}
' ~! dade.
A deteslavel sede de oiro tem obseccado seus coracoes de vampiros.
Queiem fazer fortuna com a rapidez do coriseonao sabem ter fe nei
esperar. y,
Sao os perfeitos unos da civilisacao. ciy
Malditos sejam elles--j que nao possivel ao Bauza pr-lhes as nutras''>">
5na cabega os bculos na mao e os sapatoes esmaga cobras nos |>s e expol-os ao 5
publico por tres dias. ';
N'esta casa nao se illudc ao povoos pesos estao afwidota balanca i dor;
{meLbos fabricantec os gneros, partindo do solTrivel al o ptimo, podem ser ''.>
escolhidos a vontade por todos, desde o pobre agoniado Clarim at o mais al!<
.General. <
Nao sendo o agrado e a sinqebjdade predicados que smenle tivessemC^p
i chegado para bico da domesticada e encantadora aguia branca, eslao dadas as ,-,'/>
Jmais terminantes ordens para que d'ora t-m dianfe se redobre as atlences para ->4j
com lodos os freguezes, de forma que se opere a mais perfeila liga de enteres- V
^ses recprocos, a fazer inveja a todos at ao proprio carolleiro da esquina da ra :-''>%
'Nova. cy>
Quando ao dispontar da brtifiante, aurora ou da aurora brtlfiattte. zercfi
jouvir o garboso gallo vigilante, com aquella bisarria i|iie Ihe propria, o sen "
! canto sonoro, signal de chamada dos amaveis freguezes e predilectas fregaezas.
jtambem o solicito Bauza oslar prompto em ordem de marcha, agradavel com. 5^
rt aguia branca, diligente como o gallo, grave como opropheta, no mais per-'tf"
) feito e continuo movimento, servindo a todos, e a todos contentando.
AlllliTAMEMU
Vendem-se o 2 8 3
phlas de alguns poeta e outros homens Ilustres
da provincia de Pernambuco, pelo commendador
. i. de Mello ; obra que todo Brasileiro, e mor-
tnente todo o Pernambucano deve conhecer e dar *
ler a sem Albos: na ra do Imperador n. 14.
i i la provincia tem apparecido, cada um de 21 luzes, toalhas a.
tomos das biogra- muito elegantes e bonitos, o melhor que possivel, Frascos de oleo Philocomescupenor a...
- e se vender pelo meos preco e mais em conta Ditos com superior tinta a320 e.........
que for possivel, pois nao foram mandados vir pa- Caixas de linha de gaz rom 50 novellos a
ra negocio; vende-se porque quem os mandn vir Bufiadores para espartilbo a...........
para si morrea : na roa Nova, no grande arma- Duzias de boldes encarnados para vest-
zem de louca fina e ordinaria n. 49. dos a.......... ...................
80.
600
500
800
60
too
Os procos do grande sortimento d'este magnilico armazem, se acham
sideravelmente reduzidos, e a respectiva tabella deixa de ser publicada pe.
a alma do negocio o segredo. Os freguezes reconhecerao em vista do obji
to que pretender que o preco que sp lhes pedir ser to rasoavel que nenhumarv
Venham toos a ai
(jDrecJamacSo offerocero.
Vende-se a casa terrea n. 23 da ra de Ma-
ihias Ferreira, na cidade de Olinda : quem a pre-
tender dirija-se a casa n. 59 da ra Angusta, que
achara com quem tratar.___________________
Vinho do Porto superior
em Larris i oiiavo e dcimo : vende Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorit
roa da Cruz o. 1,
161 A DO MVR.t.lIHVrO 38
AO fiRU'DE ARMAZEM DE MOLDADOS
DO
BALIZA
PROPRIEDADF.
DE
H. PEDRO DE MELLO.

c.



Diario 4c reraasakae* Terca fefra 13 de Dezembro de ii*.

AURORA BRILHABTE
KANDES ARMAZENS
DE
MOLHADOS
Wf
hP? Largo da Santa?!?
fjgJCruz ns. 12 e 84,^
'4ftCS'Juina da rua doag _
^gcel 11 Sl*l < IA I S
mar

i Largo da Santa
Cruz ns. 12 e 84J
Sesquina da rua doj
iGebo. a
tan

'i- ''
O dono dos j milito acreditados armaisns de molhados denominados Aurora
Driitiante, acaba de receber de sua propria encommenda, muitos gneros delicados
proprios da presente estacao, o tendo grando sortimento comprado aqui.afianca que todos
o seus gneros sao de I. qualidade.
A seguate tabella servir a todos da base para ajuste de contas aos por-
tadores.
Nenhum armazem vender mais barato, e melhores gneros do que a Aurora
ftrilliante, j pelo grande sortimento que tem, j mesmo por seu dono se achar encom-
modado em sua saude e ter de vender um de seus armazens agora, e o outro na pr-
xima primavera, por isso deve-se aproveitar urna nuadra destas para se comprar
barato.
Lata rom 8 libras de chouricas muito novas.
a 75500.
Ditas grandes com peixe em postas inteiras,
maLs de 12 quaiidades, a 1,3000, I 280 e
Hitas com ostras, excellente petisco para fre-
cideira, a 720 rs.
Ditas com ervilhas novas, ensopadas, a
<3 720 r*.
cjgfy Ditas com favas, a CiO rs.
DiUs rom ameixas a i 200, 1,5800 e 35500.
Ditas com marmelada do afamado fabrican-
cante Abreu, a 880 rs.
Ditas de massa de tomate, a 300 rs.
Ditas com tiges de comadre, novos, a 1S500,
23 e 25500.
Ditas com bolachinhade soda muito novas, a
25000.
Ditas com biscoitinhos inglezes de omitas
quaiidades, a 15400.
Chocolate.
Vinlio branco uno, a garrafa a 640 rs.
Dito do caj muito superior, a garrafa a
800 rs.
Vicho verde superior.
A caada a 35500 e a- garrafa a 480 rs.
Gemina.
Saccas de 4 arrobas, a vcrdadeira de se
engommar, a arroba a 35000 e .a libra
120 rs.
Sabo massa, a Dra a 200, 240 e 280 rs.
r'arinba.
Sacras grandes com farinha de Goianna mui-
to nova, a 55000.
Caf.
i Caf do l*io muito superior, a arroba a 85,
85500 e 95000.
Cb.
Cha temos nestes gneros o melhor possivel,
hysson, a libra a 25000.
Dito perola a 35000.
Dito uxima 25700,
Cho-olate superior muito novo, a libra a T
15200. Dito hysson muito lino a 2580*.
Macarro telharim e aletria amarella.a libra' Rlf0 "dondo a 25500.
a 48|) r< i Dito preto de pnmeira qualidade a 2o00.
nilo dito dita branca, a libra a 400 rs. | Dil mais baixo *"000 1560-
C-iixas com estrelinba, pevide e outras mas- krva aii*e-
?as, a caixa 35500. i Excellente cha medicinal, a libra a 320 rs.
Ditas dita era libras a 640 rs. Esiiermaeele.
Sag, a libra a 360 rs. 0 ma rom 6 as dc espermacete a 600,
Sevadiona para sopa a libra a 240 rs. etn p 79,,
Ervilhas seccas, alibraa'160 rs.
Dit .s .(escaseadas, a libra a 200 rs. _. ,. Q11 ,
Tapioca muito nova, a libra a 280 rs. Ca'*?s de 1C e 8 llbra ,e I8* novas pro-
^ Farinha de ara ytfi 51) rs. Mlts.
C|p Ait..z do Maranhao, em sacca a arroba a Nozes, a libra 160 rs e arroba a 45000.
jL 25400 e a libra a 80 rs. Alpista e painro.
Diio da India e Java, a arroba a 35200 e a! Alpista e paii.eo, a arroba 45000 e a libra a
i^C libra a 100 rs. igo rs.
_y\ Touciiiho de Lisboa a 95500 a arroba e a 320! Cartas.
81 "f a ll!'ra- _.nftft ... 'Cartas luas para jogar, a duzia a 25500.
qfj Dito de autos, a arroba 75000 e a libra a Caslanhas
dfe Molbos'oom 125 soblas grandes, a i280.; Ca5tanl'a'novasyndas ueste vapor, a arro-
{% Mostarda franceza caixa com 2 duzia* a ba 000 e a libra 200 rs.
* 831100. Azettonas.
'! JO Frascos com mostarda preparada em vina-, Barns cora azeilonas novas a 15500
;.;i gre, a 400 rs. Mauteiaa. -iUM
.-__ viSm atm conservas ingieza e n.uncas,, Manteiga llor, a libra a 15000.
: -', 640 n 800 rs. | Dita mais abaixo a 800 rs.
,' ,_, Ditos rom sal refinado fino, a 640 e a500, Dita menos superior a 610 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dita em barris e aieios ditos, a libra a
Ditos com a verdadeira genebra de laranja
a 15200.
!)ii k re 2 garrafas de llollanda verdadeira,
150OO.
Ditos de 1 garrafa de llollanda verdadeira,
; 640 rs. .
Bulij-is.com dita propria para negocio, a
;-) Uulijas.ci
Ljjjb iOi) rs.
Garrafes cora 2 galocs com dita, a 65000.
in Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
rfjri Scrvi-ja boa, mar
tSB duzia a 65000.
' .y Viii'io scate!
lfi
m
de tetaba, a garrafa
15''00.
Harrasquinho verdadeiro, frascos a 800 rs.
e a 15200.
Cuainpiuue, a duzia 205000, e a garrafa a
25000.
Azeite refinado portuguez e francez, a gar-
rafa a 15000.
Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
75. 85. 95 e 105 a caixa.
Ditas com dito branco, a 75000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a 205.
Ditas rom duque do Porto verdadeiro, a
18500;.
Dilas com cbamisco superior, a 145000.
Ditas com Porto velho e outras mullas mar-
cas, a 125000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640,
730 e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a
35200, 35500 c 45OOO, e a garrafa a 500
a 560 rs. |
Dito da Figueira, das seguintes marca, (S.)
(1. A. A.) (J.LC) (O. M.) a caada a
45500 e a garrafa a 560 e 640 rs., desle
qu j est engarrafado e lacrado com o
rotlo do armazem.
Ditos de marcas mais desconhecidas, a cana-
da a 35500 e 45OOO e a garrafa a 480 e
820 rs.
660 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Qiieijos.
; Queijos novos vindos neste vapor a 35200 e
35500.
Diie< londrinos muito novos, a libra a
15000
Papel.
i Papel al maco pautad, a resma a 45800
a Dito dito llzo de llano, a resma a 45500
! Dito de peso lizo e paulado, a resma a
25500
Dito de embrulho bom a 15 e 15200.
Vinho Madcira.
Garrafas com o verdadeiro vinho Xerez e Ma-
detra a 15500 e 2-3.
Temperos.
Polkas de Ionro, pimenta do reino, cominho
e cravo, a libras 4 0 rs.
Velas de carnauba.
Ma-sos com 6 velas de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
Caixdes de doce dc goiaba, grandes a 15400
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de limpar.
Tijolos de arear facas a 140 rs.
Grava.
Duzias de hoioes de graxa n. 97 a 25600, e
de latas a 15000, e os hoioes a 240 rs., ca-
da ura, e as latas a 100 rs.
Charutos flnos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Baha por diversos precos, caixas e ineias
caixas.
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deixam de an-
nunciar-se.
~1N

a
Peehincha sein igual.
Lindos cortes para vestido de percales de cores
claras e escuras com grande variedade de padrees
pelo baratissimo prego de 4$ o corte: na laja das
c lumnas rua do Crespn. 13, dc Antonio Cr-
rela de Vasconccllos & C.
Vndese urna carroca de catallo em bom
oso, rom seus pertences : na rua da Soledade nu-
mero n._______________________________
" Vende-se um boi com urna carrosa e pipa
para ajua, e oulra para cavallo com todos os seus
pertences: na rua dos Prazeres n. 7.
P0T4SSA
Vende-se potassa em barris a commedo preco o
na rua da Cruz n. 23, primeiro andar, eseriptori:
de Antonio de Almeida Gomes.
NEM COROAS NEM MITRAS
o
GRAIOE AltSlAKEJfl
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
IANC %
BE
RUA DO IMPERADOR \. 40
Junto ao sebrado em que mora o Sr. (Meme,
Duarte Almeida & C, reeeberam de sua propria encommen-
da o mais lindo e va rindo sortimento de moibados, proprlos
da presente estaco.
Manteiga ingleza Macas brancas
da safra nova vinda no ultimo vapor a 1,000 para sopa a melhor que se pode desejar,' para esse fim.
Silva & Souza
57 RUA DO IMPERADOR 57 r
Grandes reformas de peores
5 a 1 por venta menos odrec que separan po m tra qpaf-
quer parte.
Gneros especialmente escomidos por um dos socios que na Europa se Mk

rs. a libra e em barril a 800 rs.
Manteiga franceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a 560 rs.
Amendoas
confortadas de lindsimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2)51400, muito propios para mimos,
Cart5es
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolacbinhas de soda de todas as qua-
iidades a 1,5300.
Chocolates
de todas as quaiidades a 1000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
el legado neste ultimo vapor a 26oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 2^600 cada um.
Queljo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1(J2Q0.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
U a 20600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a llbra.
dem hvsson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarro, talharim e aletria a
480rs. alibra.
o muito afamado cognac Pal Brandy a i,800
rs. a garrafa e de outras muitas quaiida-
des a i .000 ft 8nn rs. a irarrafp
COPO*
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 410 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
iidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
i de excellente qualidade a 20200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulho de 1, too a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 is. a libra.
Fumo
o verdadeiro fume americano em chapa a
l,4oo rs. alibra
Vinagre
PRRem ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Oeluflas
as mais novas do mercad" a 7,ooo rs. a caixa
e l.ooo rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 14o -s. a libra,
e 40400 a arroba.
CEBLAS
muito novas a 10000 o canto na rua do Qoe'.
mado n. 1, rua do Imperador n. 40 e lar-1
go do Carato n. 9
URO DE BICO
muito novo a 30400 a arroba e 140 rs. a li-
macarro, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada. ,
dem do Porto
generosos engarrafado dos melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar-
cas sao as seguintes: Chamisso 4 Filho,
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banha a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica da mesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120c* .at bra.
Cervejas
dos melhores fabricantes|e de todas as mai
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,, Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
ment.
E grande a vantagem para todas as pessoas que compraren
Os propietarios garantem todos os gneros sabidos dt seo j muito acrMi
em.
Q AO PUBLICO.
Nao nos servimos de exordios como constantemente estamos vemfc na ai.nnn
cios desle genero, pois sao palavriados de que sempre nos ahstivemos, e de qoe taafcmi
estamos cerios nenhuma atiencSo j merecem do publico. O nosio fim, p, apl**-
mente fazer ver que o verdadeiro e principal interesse de lodos est oa taMla ana pro-
cos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos toda a atiselo.
Vinho verde.
Chegou o muito desejado vinho do Cartaxo vende-se nicamente nte
a 600 rs. a garrafa e 3o,ooo rs, a ancora com 7o garrafas.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
64e rs. a libra,
dem de casca mole a4o o rs. a libra.
de l.*e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 805f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Garrafes
com 4 ','j garrafas com vinagre a 10000**0
o garra fo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de H0OOC
a caixa.
DEM
em frasqueiras de llollanda a 50800 coi
12 frascos.
GENEBRA
de llollanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as quaiidades, a lo,000 a caixa
com urna duzia e a 1.000 a carrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Uaatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas m 11 i:o eras
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da easca da goiaba
a 600 e 10 ocaixe.
GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar-
roba e 140 rs. a libra na rua do Qoei-
madon. 7, rua do Imperador n. 40 e largo
do Carmo 2. 9
BOLACHINHAS
bra na rua do Queimrdo n. 7, rua do- em latas de defferentes quaiidades a 10200
Imperador n. 40 o largo do Carmo n. 9. a lata
QUEIJO SUISSO QUEIJOS FLAMENGOS
muito fresco a 800 rs. a libra na rua do chegados neste ultimo vapor a 20800 na rua
Oueimado n. 7, rua do Imperador n. 40 e do Queimado n. 7, rua da Imperador n.
largo do Carme n. 9 I 40 e largo do Carmo n. 9.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
reguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeiro Principal roa do imperador 11. 40
FBUCTAS
MA,'AA. peras e uvas
chegadas neste ultimo vapor, vende-se na rua do Imperador n. 40, Verdadeiro Princi-
pal.
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a cor natural
dos cabellos.
A agu>> Qorida nao orna tintura, facto esen-
cial a contesur, a mesma agua dando a er primi-
tiva ao cabello. Composfa de plantas exticas e
de substancias inofTensivas, ella tem a propriedade
de restituir aos cabellos o principio corante que el-
les tem perdido. D'uma salubridade incontesta-
vel, a Agua Florida entretem a lirapeza da cabera
destroe as caspas e impede os cabellos de cali ir
Oleo de Florida.
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
constite poderosamente, com a Agua Florida, a
forca, a hell.-za e a conservacao dos cabellos.
m Paris, casa de flautear n. 12, rua de Riche-
lieu, e 21, boulerard Mnntmartre.
Todos os frascos, nao tendo intacto e claro, o
timbre prateado da casa, sao reputados falsos.
Deposita, rua d Imperador, pharmacia n. 38.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
l*-0 a lata : nos armazens da ruado Im-
perador n. 16 e rua do Trapiche Novo n. -g
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a l,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em fiascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas.de 1 ',' libia a l.loors.
Arroz do Maranhao e da India o melhw que
ha nesta genero de 80 a loo rs. a libra,
e de 2,5oo a 2,8oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada,
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e lo,ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4,4oo rs.
a arroba.
Bolacbinlias de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas quaiidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,oooe l,5oo rs. a
lata e 64o rs. a libra,
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
Banha de porco refinada a 600 rs. a libra e
em barril a 58o rs.
Batatas a 2,000 rs. a caixa.
Champagne das melbores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, 1,80o rs. a garrafa, e 9oo rs.
as meias garrafas.
Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a
libra,
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs.
a libra,
dem hysson o melhor que lia neste" genero
a 2,ooo, 2,4ooe 2,600 rs. a libra,
dem preto homeoptico a 2,000 rs. a libra.
Crveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia, e56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol e suisso a 1,00o,
l,2oo e I,4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
tado de Simas e outros da Rabia como
sejam regala, trovadores, guanabaras,
delicias e suspirosa l,6oo, 2,ooo, 3,ooo
e 4,ooo rs. a caixa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco,
dem francezas surtidas ou de urna s qua-
lidade cada frasco a 5oo rs.
Cognac francez e ingle/, a l,ooors. a garra-
fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. alibra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a 9oo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4,8oo5,ooo
e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 3oo rs. a libra,
e 7,5oo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba superiorem latas a 2,000 rs.
Ervilhas portuguezas em latas ebegadas l-
timamente a 61o rs. a lata,
dem ceceas a 16o rs. a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo
rs. cada urna.
Favas portuguezas em latas chegadas lti-
mamente a 640 rs.
Frutas idem em calda, pera, pecego, alper-
se, rainha Claudia e ginja a 9oo rs. a lata.
Graixa nova a loo rs. a lata e 1,100 rs. a
duzia.
Gomma muito alva e nova a 16o rs. a libra.
Genebra de llollanda em frasqueiras com 12
frascos a 5,800 rs. e 560 rs. o frasco
dem em botijas a 4oo rs. cada urna,
dem em garrafes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafo.
Iflem de tres caradas a 7,2oo rs. cada um.
dem inglezas em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro qualidade superior a
l.ooo rs. a garrafa,
dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o
frasco e U.ooo a frasqueira de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida suissa a
1,80o rs. a garrafa.
Lenlilhas muito nova excelleale lerna* *-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as quak
de 7oo a 9oo rs. a garrafa:
Manteiga ingleza perfeitanvnte flor a 80 t
l.ooo rs. a libra, c desowesaarkr
elogios neste genero, que s se pe #-
rificar com a vista.
dem franceza a 64o rs. a iibra. e em bami
se far abatimento.
Marmelada do primeiro fabricante de !.
a 7oo rs. a libra, ba latas de I. Hi
2 libras.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. a libra.
Macan ao. talharim e aletria a 4oo rs. a libra.
dem branca a 3*0 a libra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs.
frasco,
dem ingleza em p a 6 Ir. rs. o frasco.
Molho inglez em garrafinhas coa rcJbas do
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a I,eco r-
agarrafa, e 10,000 rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Ostras preparadas em latas a 1m rs. a lat..
Prezunto para fiaoibre inglez verrtath'im.
garantindo-se a qualidade a 8o rs. a libra.
Passas novas de ramada a 61o rs. 1 liLra e
6,5oo rs. a caixa.
dem para sopa estrellinha. pevide e rwln.ha
cica 3,5oors.a caixa, e a56o r. ah
Peixe em latas hermticamente ferbaib-
seguintcs quaiidades: savel. corva. por
cavallinbas, e pescada a l.iooa lata.
Palitos para denles lidiados a 14o rs. n nu-
{ co de 2o rs. e macinhos.
dem do gaz a 2oo rs. a duzia, e 2,loor>.
a groza.
Painro muito novo 12o rs. a libra e I^ni
arroba.
Queijos flamengos, do ultimo vapor, a 2.5oo
rs.
dem londrino muito irwco a HOO r~
Sal refinado em potes de vidroa 5.o rs. raita
um.
Sevadinha de Franca a 18o rs. alibra
Sevada a loo rs. a libra.
Tou.iuho de Lisboa a 24o e 32o rs. libra.
Tijolo para limpar facas a 1.1o rs. c*b imb.
Vinagre de LisMa a 2oo rs. a garrafa e
1,100 rs. a caada,
dem em garrafes com 5 garrafas a !. -
rs.
Ibem de escovas para lavar casa a 36o r.
cada urna.
Velas de espermacete superiores a 56o rs
a libra,
dem de carnauba refinada e de composic
a 44ors. alibra, e de 15,ooo a ll.ooors.
a arroba.
Vinho em pipa, Porto. Lisboa e Fijri
das marcas menos conhendas a 4oo rs.
a garrafa e a 2,8oo rs. a cacada.
dem Figueira especialmente eseolbido BMlv
lugar a 600 rs. a garrafa, e i.Soo r-. i
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muito fresco .*
composico a 600 rs. a garrafa, e 4,3o*
rs. a caada.
dem de Lisboa branco uva pora a Sfo rs. a
garrafa, e a 4,5o rs. a ranada.
dem Porto fino em pipa a 56o rs. a garrafa.
dem engarrafados generosos Lagrima Vi*
Douro, Duque do Porlo, D. L017 I. P
Pedro V, Nctar, velbo sctvo. Malvan
Genuino, Particular a 9oo e 1,2oo rs. par
arafa, e a 10,000 rs. a caixa con mea d
zia.
dem Madeira legitimo a t.Soo rs. a jarra-
fa, e a 12,ooo rs. a duzia-
dem Muscatel a 1,000 rs. a garrafa
dem Bordeaux das acreditadas marca* &
Julien, St. Estepb, cbateao la Rose, rtoum
Margonx e outros a 6,5oo rs. a caa. 9
56o rs. a garrafa.
Venoe-se superior vinho do Pono em ctxas de
nma dnzi : em casa de Johnston Pater & C, rUa
do A'gario n. 3.
Superior cal dc Lisboa.
Vende-se superior cal de Lisboa a mais nova
que ha no mercado, tanto em porcao romo a reta-
lho, por barato preco, afiancando-se aos compra-
dores a superior qualidade : a tratar as segninfs
mas : Crespo n. 7, Imperador n. 8, Forte do Ma-
tos, armazem doSr. Avilla, defronte do trapiche
a algodo.
EIiVJEJ\ EM ItAIIIIIfi
a tOO rs. o copo
Queijo de Hias chegado no vapor
Ideal pralo mnio fresco
dem suisso superior
dem londrino superior.
57 Rua do Imperador 57





Diario de Perauakaeo Terea lelra 13 dc[Dezeinbro de 194.
Grande liquidado.
Ra da Imperatriz n. CO.
Loja de fazendas do pava o de Gama V Silva
Arha-se este estabelecimento completamente
sortido de fazendas ingiera, francezas, allenias e
5uissas, proprias tanto para a praga como para o
mato, proatettendo vender-se mais barato do que
em outra qualquer parte, principalmente sendo em
porco, e de todas as fazendas do-se amostras,
deixando ficar penhor, ou maodam-sc levar em t-
sa pelos caixeiros da loje do Pavo.
As chitas do 'avilo.
Vendem-se chitas inglezas, claras e escuras pelo
barato prego de 240, 260 e 280 rs. o covado, tin-
tas segura*; ditas francezas de cores securas a
320, 340, 360, 400, 440, 480 e 500 rs. o covado,
fazenda mimo superior e bonitos padroes : so na
loja do Pavo.
As lazinhas da exposicao do Pavo.
Vendem-se lazinhas as mais modernas que tem
vindo ao mercado, proprias para vestidos e sou-
Umbarques por serem lisas e de cores muito de-
licadas a 560 e 500 rs.; ditas lisas com un lustre
que parece seda a 646 rs. o covado, ditas com
quadrinhos de seda a 500 rs. o covado, s para
acabar : na loja e armazem de Gama & Silva, ra
da Iinperatriz n. 60.
O l'avao vende para lulo.
Vendem-se superior setim da china, fazenda
toda de la seta lustre, tendo 6 palmos de largura
proprio para vestidos, capas, paletols, ralsas etc.,
pelo baratissimo prego de 2J>, 2200, 20 e 3
o covado, cassas pretas lizas, chitas pretas largas e
estrellas, manguitos, colarinhos, punhos, e enfei-
tes, tudo preto proprio para lulo fechado, e muilos
outros artigos que se vendem por precos mais
em ivnia do que em ontra qualquer parte por es-
tar liquidando ; s na leja do Pavo ra da im-
peralriz n. 60, de Gama <& Silva.
Os bordados do Pavao.
Vende-se camisinhas com manguitos e gollinhas
bordadas, pelo barato preco de i$ e 1&280 cada
um, manguitos s a 500 rs. cada par, ditos com
gollinha a 800 rs., golliohas a 400 e 480 rs., de lil
a 246 .-rula gollinha bordada, romeira de cassa e de
fil muito bem bordada a 2-5 cada urna, manguitos
que servem para calcinha de meninas a 640 cada
par, camisa com manguitos e gollas com a compe-
tente gravata de seda, fazenda fina, pelo barato
prego de 35, e muitasoutras bordadas que se ven-
dem por precos muito em conta : s na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos soutambarqDe.
Pelo ultimo vapor francez chegaram riquissimos
vestidos soutambarque, os mais modernos que
oeste mercado tem apparecido, os quaes esto
promptos com saia, corpinho e sen competente
sotitambarqae, ludo guarnecido de seda, veludo e
renda. Quem tiver bom gosto dirjase loja do
Pavo, na ra da Imperatriz n. 60.
Pavo.
Na loja do Pavo vende-se moder-nos mantele-
tes de grosdeoaples a imitaco de rapas, as quaes
sao bastante compridas ; assim como tem um sor-
timento de capas pretas as mais modernas que ha
no mercada, sendo ricamente bordadas. Ditas en-
feitadas tudo por prego commodo : na loja de Ga-
ma & Silva, ra da Imperatriz n. 60.
s iHHiiTiiissiiiuis lazinhas de una s
cor, a imitaco de
de o |.-\;io.
Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
modernas lazinhas de cordozinlio, as mais pro-
prias e mais lindas que tem vindo, proprias para i
vestidos, soutambarques, capas, etc., dam-se araos-
tras deixando penhor, e vendem-se pelo baratissi-
mo prego de 560 rs. o covado : na ra da Impe-
vatru n. 60, loja de Gama e Silva.
Para quem gosta do boin e
barato.
No estabelecimento de Gama & Silva, na ra da
Imperatriz n. 66, loja denominadaPAVAOtem !
urna grande porgo de varias qualidades de fazen-1
das, as quaes se vendem muito em cpnta para li-
quidar. A saber :
As laziolias do Pavo.
Vendem-se lazinhas de quadrinhos transparen-
tes, boa fazenda, pelo prego de 280 rs. o covado,
ditas largas muito finas a iOO rs., ditas estampa-
das, cor segurn, padroes muidos e grandes a^iO
rs. o covado, ditas transparentes com palminhas
de seda a 400 rs., ditas escocezas a 560 rs., isto lu-
do para liquidar : na loja e armazem do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60.
Precalas a C00 e SGO rs.
s presos da seguate
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajuste de contas
com os portadores.
gorgorao, veo-
0 VIGI
Kna do Crespo n. 9.
O gallo vigilante tendo sido agraciado pelo pom-
poso Ballisa, na sua ordem do dia, e pela Branca
Aguia, apesar de que, para estes o Gallo com seus
agudos esporoes nunca os offender, ames os agra-
ciara" na mesma cooformidade, para que o Baliza,
possa marchar em frente, a Branca Aguia possa
levantar seu vflo, levando no bico as palinhas seu
iiiiilu ; e o Gallo tirara em seu espagoso campo
dando de novo o stlu canto anuunciando a seus
bons freguezes e aorespeitavel publico
0 grande sorlimenlo de objectos de muito gosto que
acaba de receber.
Ricas caixinhas com musir ricamente enfcila-
das para costura, proprio para um delicado me-
nino.
Riquissimos cofresinhos com cadeados d metal
para guardar joias.
Ricas caixas com estejo, contendo todos os per-
tenres para homem.
Riquissimas vultas fingindo parola.
Ditas com lacinhode tita.
Ditas de lindas cores e preta, de todas as gros-
suras.
Lindos aderegos com pedrinhos Ongiudo bri-
lliantes.
Ricas fvellas para cinto, de todas as qualidades
e bom gosto.
Ricos cintos do ultimo gosto de Paris.
Grande sorlimenlo de lindos enfeites para cabo-
ca, sendo do ultimo gosto e de todos os pregos.
Flores muito linas para noivas.
Luvas enfeiladas c meias de seda para noivas.
Chaposinhos, sapatinhos e meias de seda par,
baptisado.
Riquissimas fitas de todas as qualidades para la-.
go, cintos e cinleiros.
Camisinhas e golinhas para senhora.
Riquissimos jarros e figuras para ornamento de'
sala.
Grande sortimento de gravatinhas tanto para se-
abora como para homem.
Luvas de pelica branca e de cores.
Cascarrilhas de bonitas cores.
Trancinhas, galo e maravilhas para enfeites.
Transelins de cabellos e de retroz para reloglos.:
Papel amisade e de oulras qualidades.
Bolsas para viagem.
Entremeios e babadinhos de lindos padroes.
Lencinhos de liuho bordados.
Meias para homem, senhoras, meninos e meni-
Das.
Fitas de veludo lisas e com mtame de todas as
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as qualidades.
Grande sortimento de sabonetes.
Lindos vasos com baiiha para offerecimentos.
Caixinhas com seis frasquinhos.
Essencias de todas as qualidades.
Agua verdadeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grandes, c em
frascos quadrados egarralinhas.
Pomada fina de lodas as qualidades.
Superior banha em frascos o copos de todos os
lmannos.
Sabo inglez em paos grandes e pequeos.
Escovas de cabo de madreperola, marfim e de i
osso, para denles.
Peales para desembaracar, com friso de metal e
sem. elle.
Ditos de tartaruga e de muitas outriva qualida-
des.
Pentes de tartaruga para senhora
Ligas de seda e de algodo, assim romo mtitos
outros objectos de gosto que seria impossivel men-
vista far fe, s no Gallo Vigilante,
RITA DA CABESA 13 MECIaFE tf. 53.
Grande reduccao de precos,
(Logo passando o arco da Ceneeicie)
equivalente a dez por cento menos do que outro qualquer
annunclante.
Collegas.Nao posso por mais teropo sustentar o prego la manteiga ingleza a i.ooors. a libra, bem assim o de outros
amitos objectos, etc., dando com isto ocasio a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo!!! Ora, cu offendido com estas obscuridades e receioso era adoptar o mesmo
systhema que vio encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reduccao de precos, como veris
pela segninte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil nao'
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a n3o ser o de l,4oe a 1,600 rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que
estao obngados, encarando todos os das de seus freguezes reclamacao de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores]
al informado deste novo estabelecimento. para Ihe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
to smente obler a concorrencia de seas freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromptidao c entei-
reza com que serao tratados, convida a urna viztta ao mesmo, certos de que sem duvida rae dao a proteceo e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratices, pois
sero to bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendacao, a6m de que nao vo em outra par le
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente rs. e em barricas de 4 duzias se faz abat-f
escolhida a 800 rs. a libra, em barril se ment.
No armazem de lazendas ba-
ratas de Santos Coellio.
Km deQarimddoa. 19.
Vende-se oacicuiBic :
Allengo !
Iticas lazinhas, fazenda a melhor qn.- 1.
do ao mercado, tanto em roslo ronm
de, pelo baratissimo preco de 560 rs. ..
Dilas mindiiihas rarmezins, pri >
dos de meninas e ramisiah.is a li1 r
Cortesde 13a rom 15 rovados. pelo r-ai
de 65.
(loberas de chita da India a Ift o t |
Lenrocs de panno de linho a S r 2.
Prcas de cambraia de forro fina I '
.1,5200.
Toalhas alrorhoadas proprias par.'
du/ia.
Ricos cortes de la com barra i BM
185.
Pecas de platilhas de algodo roo l*Tr.-.
proprias para saia a 45.
Algodao enfeslado com 7 lii paln -
a I-Sino rs. a vara.
Ksteira da India, propria para fcrr#rl
4, 5, e 6 palmos de largara, por meo,
que em outa qualquer parte.
Neste estabelecimento tamboril e ntmnmn
nm grande sortimento de roupa* feita*.
dida.
r


Um confeiio e especif '
expellir os Verme"
faz abalimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a 5oo rs.
Cha hyssort de superior quadade a 2,6oo rs.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
dem preto homeopathico por ser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra,
dem bysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o l,6oo, l,8oo e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se vende em outra parte por 2,4oo
e2,oo rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vero
em barris.
Chouricas e paios cm barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e I,5oo e Goo rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualid/tde a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do MaranhJo a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpisla a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarrao e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse lim.
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor Estearinas a 060 rs. a libra, e em caixa com
cioar, que a vista rara le, so 110
Vendem-se as mais finas precalas, padroes miu-. rUa do Grespo n. 7.
dlnhos, gostos deliradissimos pelo barate preco de Leqnes.
600 e (i0 rs. o covado : na ra da Imperatriz n. Riquissimos leques de madreperola tanto para
f>0, loja e armazem do Pavao. senhoras como para meninas, pelo barato prego
Meias precalas. ou precalas inglezas largas a.iOO. de 125 e 145; s no Vigilante, ra do Crespo
Vendem-se meias precalas ou precalas inglezas, n- ?
padroes miudinhos e fazenda fina e 400 rs. o co- Pentes
vado : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. CO lambem chegaram os riquissimos pentes de concha
de Gama & Silva. de tartaruga e de massa tina, que se vende por 25
O ganglielim do Pavo a 3So rs. 35 e 55; so no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
o corado. Caetas.
Vendem-se ganguelim cor de rosa para roupa Riquissimas caetas de madreperola propria:,
de meninos, e vestidos pelo barato pr;co de 320 para qualquer presente, pelo baratissimo prego d
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 60, loja do #W0 8 -%>
passado a l,6oo e 1,800 rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
viudo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
dem pralo muito fresco a 800 rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e-favas porluguezas em latasj pre-
paradas a 64o rs.
Marmelaua imperial aos mais aui uunauus ru-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,000 e 5,foo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l,ooo e l,2oo rs. a libra.
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas cora 9 caadas por 45,000 rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo eoo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinuu 01 ucu |>ii .i iiussa em r.n \.t a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vera ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fettoria em caixa de I duzia de 9,ooo a
10,000 rs. ea9oo e i,000 a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-1 a 36o e 56o rs. cada urna,
rente e de superior qualidade, tambem tem, Sardinhas portuguezas em latas grandes
Pavao, de Gama & Silva.
Os grosdenaples do Pavao.
Sapatinhos e meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino eu-
Vendem-se grosdenaples pretos, fazenda supe- fettados, assim como meiaszmhas de seda, gorrari-
rior a 15000 rs. o corado, ditos largos muito en- utas e touquinhas para as manantas se baptiza-
corpados a 25400, 25600, 25800 e 35000, ditos rem; so no Vigilante, ra do Crespo n./.
brancos, cor de rosa, azul e amarello a 25000 r.s \oltinhas.
o covado : na loja de Gama & Silva, denominada: Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzin'ias
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60. fingindo brilliantes, assim como cruzinhas avulsas
AS IlOVaS las ffaribaldillOS a oOO r8., ewltiatas, pelo barato preco de 15 e 15200, as
,n- cruzes avuls asa 400 rs.: so no Vigilante, ra do
na loja do Pavao. ;crespn. 7.
Vendem-se as mais modernas lazinhas garibal- j Golinhas.
dinas, fazenda inteiramente nova no mercado, sen- Rqasimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
do todas com lustras miudmhas, e transparentes, t0 possivel, a 25, 25500 e35; s no Vigilante,
com lustro a mitago das sedinhas, tendo varias rua do Crespo n 7
cores, sendo azul, cor de lirio, carmezim, cinzenta Ed," senhera.
^t)^/.1!?. M'iTlCl Ri en,e,tes%m lac
de 12 por libra propria'para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
da, salmo, ostras e chernee, vezugo era
latas grandes a 800 e !,ooo rs. cada urna.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que tem vindo a nosso mercado a
6,000, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante-
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolachinha de soda em latas cora diversas
qualidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro I Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. | para mimo a 64o rs.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a loo rs.
e de
rador n. 60, de Gama & Silva.
Os mais moderaos vestidos ;t Diaria Pia,
11a loja do Pavo, a 1 f>
Vendem se finissimos vestidos Mara Pa com
os corpinhos differentes, tendo todos os preparos e
com o competento sinto : na rua da Imperatriz n.'
60, loja do Pavo.
ouirusjmuitos gostos a 15, 15o00 e 35 s no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins ae cabello para relegia ou lu-
netas, pelo baratissimo prego de 15300, ditos de
retroz a 200 rs..
Babadinfaos entremeios.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindo.
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de A'tona em
frascos grandes a 1.000 rs. o trisco, e
11,00o rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes j 4oo
libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32*0 rs. a libra.
Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,000: ditas imperiaes em latas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, 1,5*0, e l,8oors.
Azeite doce refinado Pcnanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,eoo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro com
rol lia do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e 11,000 a duzia-
Palitos para dentes a 14o e lors. o maco-
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
crediUdas que vem ao mercado a5,ooo e
5,600 a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muilo novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Bahiae das
mais acreuuauas moteara wirfumiJ
nesso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
1,090 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixes 600 rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de-^Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,800 a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a I,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Malte excellente cha para
a 2oo rs. libras.
os navegantes a
JVovidde do Pavo.
, deseohos tapados e transparentes, pelo baratissimo
i prego de 15200,-15500, 25 e 35; s no Vigilante,
Chegaram os mais lindos vestidos Mara Pia rua do CresP n- 7-
com as barras bordadas, tendo de differentes co-1 Cascarronas,
res, e vende-se pelo ba atissimo prego de 125 cada- Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
corte por estarmos prximo da festa ; isto na loja larguras, assim como galaozinho e trancinhas pro-
c armazem de Gama & Silva, rua da Imperatriz: prias para enfeites; s no Vigilante, rua do Cres-
numer 60. po u. 7.
(amisiiihasa 1$0OG" Fitas.
Vendem-se camisinhas com manguitos, sendo i Grande sortimento de filas de diversas larguras
muito bem enfeitadas. proprias para senhoras e e qualidades, por pregos que admiram aes com-
meninas, pelo barato prego de dez tustoes cada pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
uma : na loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega
de Gama & Silva. de 9 varas a 25; s no Vigilante, roa do Crespo
Vestidos para meninas. n-7-
vendem-se s mais modernos vestidinhos para ._ ,
meninas, sendo muito bem enrolados Mara Pia, Fitos de laa de todas asqual.dades, proprias pa-
Sndo^e difirales tamanhos, pelo barato prego ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; so no Vi-
de 85 cada um : na loja do Pate, rua da Impe- 8"anle> ruado Cr"P n- 7 _
ratriz n. 60, de Gama A Silva. Ricos espelnos.
Ruiipa feita barata.
Vende-se um grande sortimente de roupa feita
AGENCIA
AGENCIA L0W-M00B.
Kna da Senulla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
am completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
tamanhos para ditos._______________
Arados americanos e machinas para
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston de C,
rua da Senzalla Nova n. 42.
brica Conceico da
Baha.
Andrade & Reg, recebem constante-
mente e tem venda no seu armazem n.
34 da rua do Imperador, algodo d'aquel-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar algodao empluma etc., etc.,
pelo prego mais razoavel.
SORTIMENTO PARA A FESTA
rw
OONSEKVATI
Riquissimos espelhos com moldura dourada]
sem ella de 85. 105, 425 e M, assim como com |
rslumnas de differentes tamanhos a 25, 35, &5, 55 <
para homens, sendo caigas de brim1 branca, de ^ v rua do Cre %
cor, dita, de casem.ra prela. e Je cores ditas Je fi
S3pSno',^^~lI^3L as WqoW.no. jarros' e figuras de porce.ana fina,
na lofa do Pavao, a da Imperatriz .ff S^^S^STff&SS
n. 7.
Para pos de arroz.
qualidades : na loja
a. 60, de Gama & Silva.
Grosdenaple de cor 1|J600 o covado.
vS-Tm^LaiSTn. 60, de Gama & eousa de multo gosto a 15500 e 25, assim como
silva imperis u pacotes s com os ps a 320 rs. cada um; so no
* Panno de linho 700 rs. covado. ViilaDte' rua do CresP D- 7-
Vende-se o verdadeiro panno da linho proprio, Perfumaras.
para lenges, toalhas e ceroulas, pelo barato prego Grande sortimento de extractos' e banhas, poma-
de 700 rs. a vara : na loja do Pavo, rua da lm- das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
peratriz n. 60, de Gama & Silva. i tinctivos e otTerecimentes as sinhasinhas dos me-
Economa de Pavio. i Inores e mais afamados autores de Paris e Inglater-
Vende-se para acabar, urna porcio do retalhos ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
de las e eassas de lodas as qualidades, por pre- a 25 e a 15, assim como outros objectos que nao e
cosraaiioem conta; quera tem economa que possivel por hojo aununciar, e a vista dos fregue-
pde apreciar : Isto na le;a do Pavio, rua da lm-, zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
peratriz o. 60, de Gasa 4 Silva, 1 rua do Crespo n. 7.
Rua da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e cast-
gaes bronzeados, lonas inglezas, fo de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
Roa da Senzalla Nova a. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tac d 1
ferro coado libra a 110 rs., idemd eLow
Moor libra a 120 rs.
Vende-se
superior farinha de mandioca, a bordo dos brigues
scunas Pitncipe, D. Affonso e Nao Set, atracados
eo caes do Baro do Livramenlo : a tratar a bor-
do, ou no largo do Corpo Santo n. 4, primeiro an-
dar, escrlptorio de Palmeira & Beltro.
Veude-se a taberna da roaDireita n. 48 com
poneos fundos, propria para principiante, e muito
afreguezada : a tratar na mesma.
23Largo do Terco~23.
Joaquim Simi dos Santos, dono deste armazem de molhados avisa aos amigos do bom e ha-
rato que se venham sortir dos bons gneros este estabelecimento que nao se arrependero, se lhe
far a differenga de 10 a 20 por cento, pelo seu prompto pagamento ; e por isso se faz annuncio de
alguns gneros, que tendo sempre este estabelecimento um graude e vantajoso sortimento de ludo
quanto pertencente a este estabelecimento.
Sentido! Von fallar com o Conservativo !!
Queijos mais novos do mercado a 25>00 e 25800.
Serveja das melhores marcas, tanto branca como
preta a 300 rs. a garrafa e a duzia a 55800.
Sabo amarello massa a 180,200 e 240 rs. a libra.
Charutos da Babia dos melhores fabricantes de
I52OO, 25OOO, 25o00 e 35 a caixa.
Miihu alpista e paingo a 160 e 140 rs. a libra.
Vinho de Figueira verdadeiro a 500 rs. a garrafa,
dem de Lisboa das melhores marcas a 400 a dia.
dem de Porto em barril superior pinga a 640 rs.
dem branco proprio para missa a 500 rs. a dita,
dem do Porto engarrafado a 800 e 15, tomando
mais de urna caada de qualquer um destes ter
grande abalimento.
Conservas inglezas e pertaguezas a 500 e 640 rs.
Biscoitos e bolachas de soda a '15400 e 25-
Massa de tomate a 600 rs. a libra.
Genebra de Oanla em frascos e botijas e de la-
ranja de 480 a 640 e 15200.
Chourigas as mais novas a 560 rs. a libra.
Latas com 1 e meia libra de ameixas a 15200.
Azeite doce de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 35 o
galo.
Manteiga ingleza de 1* e 5- sorte a 800, 900 e 15
a libra.
dem franceza em barril a 600 e 640 ris a li-
bra.
Toucinho de Lisboa a 300 rs. a libra e 85800 a ar-
roba.
8atatas em caxas e gigos 15200 e 25000 a ar-
roba.
Gaf de primeira e segunda sorte a 230, 280 e 300
rs. a libra.
arroz da India, Maranho e Java a 100 e 80 rs. a
libra.
Phosphros do gaz a 25 a groza e 180 rs. o mago.
Passas novas a 480 rs. a libra.
Yelas;de carnauba Aracaty composigo a 400 e 4.40
rs. a libra.
Massas para sopa a 480 e 440 rs. a libra.
Marmellada dos melhores fabricantes de Lisboa de
1 a 2 libras a 640 rs. a libra.
[ Cb bysson o melhor deste genero a 25800 a li-
bra.
dem perola miudinko a 25500, 25000 e 35000 a
libra.
Banha ingleza alva e superior a 480 rs. a libra.
Vende-se um comoraetro martimo inglez do
melhor fabricante Charly Frodshan, afflangando o
seu regulamento, por diminuto prego : a tratar
na rua Nova n. 21, leja de Francisco, Jos Ger-
mano____________ _________________
Attencdo
Vende-se a casa terrea da rua Imperial n. 272,
' moderna, grande quintal, cacimba e poni para a
mar pequea, tndo de podra e cal, nova, chao
I proprio : a tratar na rua do Imperador n. 47.
Esteiras para forrar salas.
Com 5 palmos de largura e raeito superior qua-
lidade, vende-se mais barato do que era ontra qual-
quer parte : em casa de Valle Porto & C, aa raa
da Cadeia n. 33, Recite.
Bixas de Hmburga
Yendem-se na roa Nova n. 61.
,-
Pastillias Vn.;,. ?**
DE KEMP.
Os meninos s p> ellas silo do ebeiro, nbor a ef ...
veis. A el<';.-iiicia. .1 sc^iiriJin1'- lo ae-
o, o iiiofioiisivo das
Pastilhas Vermfugas da Semp
A l'.lli DA -I \
fomposito exclusiva!c F.-jjelaf.
sao esta? pois as suas melliora ai??^
completas de tinlas u* rv<.-<>m:ii ojie se pos-a fazer e rom juta nafta a
colloco oa categora .ruin favorito m*V
versal. ,
A superioriilaiU las
Pastilhas de Kemp
Bobre todas as preparacT>es para o mamo fim derido .
pies composigo o seu ariiia agraria
vel O rapidez o int"allil,iiil:"l- >n-
que alcan<:a a destrinca" total drai
LOMBRIGAS.
veada nas boticas de Caors .v Un
rna da Cruz, e Joo da C. bM ''.,:.
da Madre de Dos._________________
Veadeie eaal de figos com 1 i hm >
IJfOO reis, cada urna para acabar ; aa tal
rua do Imperador n. 83, confronte as r rrtai
\ov deposito de sa ao.
Acha-se ab;rlo mu. nnvii iL-iN, 11.1 i -ii i.-. j
rua ao Kaogel n. Ji, na aiiga r.ii.r:-. imi.i*.
aonde os fn-guezes encontraran oaatMa
ment de sabo do todas M paMMada* 1 j!m r-
moa vantagem qne encontrain aara afc#i
qualquer freguez por ser milito p.: o u.ibu
to carreta que tem de paearem.
Atteiit'io.
Vende-se urna mulata de O anrnv. ro-.
nha e engomma com perei;;i. una nm
as mesmas habilidades, urna dita d- II -r.i r
duas d 8annos, nm niolequ '"> mu,.. mm
latinhode 6 annos, dous prelua i* 1
fortes para todo o servigo : na rua das Caraaaaf
ras n. 18 segundo andar.
ESCBAVOS n^ILCS.
Est Futido.
Contina a eslar fgido o mul.it r.-.l
nome Marcelino do aaalio aaftgaaao. Wrtt a ,*-
to de altura regular, bstanlo n r-
po, lem mos e ps grandes, afcrlle ran
redonda, nariz chalo, barba p uca. i m N> i.#
dentes, e quando falla maisapre--.ii! gag .r, t-al
fgido ha quarenta das : reromni. nla->r ao- r.-.
capiles de campo o qniram atpar 1 !var a ras
do Imperador n. o.'i, que serao re?oRip?asa Antonio Luiz dos Santos.
Foaki no dia do correnle do rapnaho M-
pan da villa do Cabo o negro Ndra, criaa ,;. ..a
a 35 annos, pouco mais ou BRaana, ha a^ : r
regular, c : faltado dentes na fr?nl>*. paa Haaaa>
dos, rom as pernas um pouco verpaaaa para Maa
quando esta em p, o qual pretu ja Mni ik
mais de tres annos fgido, e aaaaafs
Hilaiio Paes Brrelo, morador aa vilU do haja ftt:
Cam.iragibe da provincia das Alagna.
O referido preto bastante ladino p cosioma ra>>-
briagar-se, suppondi -se com bn> fundamenu,-* que
tenha voltado para aquclle logar, aria de tmi 1-
siar se no engrnbo de Jos Mara Pc* B.111 : >,
onde se achava ao lempo em que fot etitrryue *>
seu senhor Joo Paes Brrelo de l-avrda. 11 >t"?
tario do mencionada engenho Mii|.in : rga >e,
porianlo, quem o capturar, o favor d- aMafanal
ao supradito engenho Mupan, ou a taaa lo la
commendador Pedro Alejandrino aa lirrai Ca>
valcanti, ua rua da Saudade do bairro da &a-
Vista.________________________________
Fugio da casa do major Antonio da -ir
Gusmooseu escravo pardo de nome Luiz, nx.l-
cido por Luiz Monteiro, idade i\ annos, j nr
mais ou menos, bastante alto, serr, bem paremaa,
pernas compridas, cor clara, rabelli> rarlii..ln<.a-
nhoio, e o principal signal Mr m rina rada
mo orna estrella azul e tres pintas iaml>em mhm.
formando um triangulo em cada lado d, roca,
ofOcial de pedreiro. pintor e catador : portan*
ioga-se s autoridades poliriaes. aanai euam aaa
senhores de engenho e propnetari>s aonde elle br
irabalhar, intilulando-se forro, tanto ne-u 1 iaafa>
cia como fra delta, qoe faga prender 0 rei*>i-
ter ao sobredito senhor, que pagara todas a* dea-
pozas, assim cono a quera o conduzr aara asa
boa gralificago.
Acha-se fgido desde o dia 7 de rVvereiro da
correte anno, o escravo de anmr Paiictmo. da
idade de 40 annos, pouco mais oa meu>, rar ta-
la, altura regular, grosso do corpo. Iiem rstiil
do, barbado e j com alguns caliellos I raaiv* aa
barba, bragos e pernas grossas e bastante raaell-
das.tem as pernas arqueadas, pori'm nao murta,
bastante cabello nos peita*, e eoiiima piando nmmr
fallar mais aareesada carao qae gagarjar. i^reta
moito pouco que mal se percebe ; rtnma anfar
em sambas, e as vezes embriaga-o pir g*tar d
bebidas espirituosas ; suppe se que elle . para o centro, taivez en basca do* env* p-r-
nto rogase s aotoriuades pobeiaes que .. faraaa
apprehender e conduzi-le casa de sea s-mW aa-
ior Antonio da Silva Gusmo, na na Imperial aa
Pernambuco, que satisfar toda e qualquer oV>pna
ne por ventura fagam. a aos eaaiiaes de eaaiao
CTerece urna boa gratificacao.

v


8
Diario de Pernaanfeaed Terca felra 13 de Hczrni1.ro de lie i.
LITTER ATURA.
mo dos confluentes do Parahyba, e saa margem Ocios de carcter offlcial para as repartieses pu- carreira
occidental no espaco onde esto situadas as povoa- blicas; nao ser um porto do Aracaj, estabelecl- chama -
goes do Forte Velho e da Ribeira. da abandonando-se a antiga capital. eterno
*z^^i^^z!^i rorra z*. Dlfcreiic u ver, Qrae- vver d ****e d ^ uma
local, que rene as melhores condices para a emP"*ados da alfandega para flsealisarem o ( cada, cujoselos sao formados de angustias e pe-
construccao de docas Metieres e sobretudo de um I movimenl flas mtjrcadonas. \ zares : cuja felieidade tambera a campa, em que
Ribeira. da abandonando-se a antiga capital.
Projeclo ile crearao de um porto de commercio
transatlntico no Cabedello.
UABOBM DIMITA DA B\nRAD0 UIO PARAHTBA DO
NORTE/
Em viagm para o Maranhao, entrei pelaprimei-
ra vez no rio Parahyba do norte 16 de mato do
correle anuo.
Notei uesta occasio que o paquete a vapor Pa
"i!;i, cm que eu vinha, fuudeou, emqaanlo espe-
rava mar para poder passaro secco da Garganta,
jumo a fortaleza do Cabedello talvez a menos de lo
bracas de trra, apezar de vir calando enlao 13
p Dglezes. i onde ser difllci
Imprcssionado por essa extraordinaria circums- tao uteis e indispensaveis construccoes.
Unca, dirigi-mo ao pratco, que se achava a bor-: EiU afraamaianaa conslilue por si s _
do, o Sr. Joiio Francisco de Lima Jnior, para nhor sc*aro d f" delle Obter mais ampias nfonnaroes. I C inlen'a crear no Cabedello. *rap a m^'f^tacao do alto grao de iuic.ativa in-
Cheguei assim ao conhecimento de que havia As?!m' po,s- nada altar ao novo porto. Ter dmdual, do adm.ravel espirito de associacao para
dos vossos dias est Anda, e o tmulo tos
para dormirdes o somno do repouso
grande eslabelecimento de reparacao de navios ai CumPre "2 esquecer que a capital se aproxi-
instar do que tao admiravelmente funeciona em mara t)or assim dizer do novo porto desde que se
Londre.*, em Victoria Docks i estabelecer navegacao a vapor diaria.
dad'aeas.rf CU'"S;aDC,aS aVraVe,S ^ 'Cal' Prt0 d0 Gabcdc'lo. J como se projecta ser
ttnn ^ P m SeF CenStrUdS em 2 U um ** "PA > foi residencia
-anuo o assim gozaren, por rauilo lempo do rao" de prncipes, sJc de areebispos ou de gorernado-
nopol.o da reparacao dos navios ora toda a costa res> nem mesmo de alus tribunaes de justica ; foi,
3 o Maraan at o porto doRecife, > e provavelmente sempreser uma cidade s de
por falta de espaco, esubelecer commerciantes, que tralam e decidem ludo em
1 plena liberdade.
um pe-,
em quasi toda a extenso da praia do Cabedello,: para lhe iervir de ante-porto uma baha vaste, emprezas commerciaes e de utilidade publica, que
desdo opontal da fortaleza at prximamente o Perf,'amtc abrigada e com profundidade nao s Pssuem os habitantes da extraordinaria cidade,
secee da Garganta, sempre perto da praia, proun- para f ma,ores navios mercantes como al para 9ue dc m'seravel povoaco de pescadores, anda
didade safliciente para a ancorasen de navios de Zj^JT^ f port0' Pinamente dito, en- no principio do seculo passado, passou a ser o pn-
alto bordo; que esse ancoradouro era perfeita- CUlrar*'0 w mercantes caes, aos quaes elles meiro porto do commercio do mundo, que construio
mente abrigado dos ventos do mar, e que s no n- *je encstara0 Para commodamente erabarcarem e mesrao antes de Londres, docas e camnhos de
veranos ventos |Sul o S.O. ah levantavam algu fbarfarem> com auxiliados guindastes mais ferro, isto consegua realisar pela vez priraeira
ma marola, de tao pouca importancia, porm, que J Ca as suas mercaderas; vias frreas duas sublimes concepces de genio :-Os cami-
nao impeda a navegacao mesmo em canoas. I V,cCd". *?s armazens de deposito, que se-1 nhos de ferro, que eliminando as dislancias. ten-
Fui tambera por esse distinelo ~"
do que, por causa do secco da Garganta e do re- ". Zt'LZ' oc'"" "*",uc,u '""uiuus aocas, que sao suas verdadelras estacoes i
gisiio da fortaleza, os navios erara quasi sempre|
obrigados a tundear no Cab
ah a marcha : accreseendo anda que os bancos e '----------- n uueu, prujeciaua so-, verpool
gundo os mesmos principios que as de Liverpool e'
Londres ua Inglaterra, Marsella e o Havre em Situada n'uma bahia em communicacao com um
Franca. dos mares mais perigosos que se raheceo mar
de Irlanda- ; as margeos de um rio, cujas tur-
para sempre descanea das fadigas do dia e das vi-
gilias da noute.
Se tivesseis diante dos olhos as scenas, que de
continuse passam no centro de uma familia indi-
geste, cuja nica riqueza a honra :
Se lioui esseis presenciado os soffrimentos que
resignada supporta, para se eonter nos limitas da
probidade :
Oh I de certo vos condoereis do pobre, lhe miti-
garieis as dores, e com elle repartiries o vosso
ouro.
Apartae-vos por um pouco dos salloes dos bailes,
que douram a engaosa vida, que vivisdeixae
por instantes a brilhante e lisongeira compagina,
O ancio que na flor da edade consuraiu seus
diasdebalxo do peso das lidas e das fadigas, cuja
eabeca branquejou antes de lempo, e que encou-
Irastescom a veneranda calva, exposta aoar : qual
arvore ressequida pelo gello da velhice, myrra-se
e pouco deflnha-se exhalando o ultimo clarao de
vida, que ainda o alimentava. Porque pobre, nao
ha quem o acompanhe ao ultimo jazigo.-Os pro-
prios Olhos enterrara-no, e choram a sua perda.
Quando a fome os instiga, abracam se. e por uma
vez se despedem.
Uns vao assoclar-se a um bando de ladros, que
| llies estende os bracos, e ns recebe : e em flor ac-
bam seus dias sobre o cadafalso dos asesinos.
Outros vendem suas vidas e llberdades um go-
verno, que bem mal renumera seus servicos-e
quando o campo das batalhas os ha impossibilitado
\ de prestar utilidade os desampara aos caprichos da
sorte.
que incessantemente vos rodea-encarae o pobre, I t^' bella-chcia de ridae moedade
quevosesraolaopo, e entao conl.ecere.s acora:' ~a J* m*> seus sonhosdemu.iu.ee
palle, que intunde o desgrac ido : as palavras ar-' apresi;'"ava nuadros lio prasen.e.ros, e a quera os
raneadas do seio da alma pelo impulso da necessi-:d'aSpuroSComo arrebo1 de eslva mal".iaa se
dade mpressionara tanto os espiritos, quanto as Passavam alares e contentes, porque nao avallara
lagrimas do ogimento e da hvpocrisia nos agestara as necessidades, vae ser v.ctma da seduccao e do
e aborrecen,. I eD8ano-
c ... .. i Apresenta-se-lhe ura abastado, offerece-lhe um
Se um pae de familia, curvo pelo peso das fadi- fU|Uro> Qua| pm 5ua phantasia harta imajinado,
Ha ortico informa- conslru"los smente de pedra, lijlo e ferro, dem a reunir os povos era uma s fam e"aS '**' aCa6ad pel0S Bfortuaios da d-; levanta-a do abvsmo da honrada poftreu, e eolio-
.lo pranco miorma ponanto incombustiveis, e serao tambera munidos dn,aa r,n.i ,. LIiZ. >cancar- ualhando para com o suor dos seroes f- a snmmidade da prostituida grandeza, des-
Garganta c do re-;.,_, 'ambera murados docas, que sao suas verdaderas estacoes raar.ti-1 a|iraVenlar ^ fi|ho5 ePe ^^^ a m5o honra-a, e quando seus desejos esli saciados, des-
i os apparelhose engenhos necessarios para masou seus pontos terminantes nos portas do mar
edello, e a esperaren, i mvime10 raP'do e econmico dasmercadorias; E _0 ^.^
anda que os bancos e em>esumo uma verdadera Daca, proem^ se-1 ^Z"0'^ PMMC" L'
outros embaracos, que apresentava o rio l'arahy-
ba, faziara cora que muitas vezes os navios de
grande calado gastassem 8 e at tf dias para vi-
rom do secco da Garganta cidade da Parahy-
ba. ti)
Essas infjrmaces suscitaram-me a idea de es-
tudar minuciosamente a localidade do Cabedello,
para definitivamente reconhecer a possibilidade e
a conveniencia de crear ah um porto em condi-
coes de servir effleazmente a promover o commer-
cio directo de imporlacao da capital o provincia da
f'arabyba do Norte.
Encarregado posteriormente pelo governo impe-
rial de dar parecer sobre a ponte de Sanhau, lo-
go miaba chegada esta cidade, communiquei o
projeeto que havia concebido S. Exc. o.Sr. pre-
sidente da provincia, que patenteou os melhores
desejos de velo quanio antes realisado.
EITeclivamenle logo que terminei os estudos sa-
br o terreno da ponte de Sanhau e suas imme-
diagSes, parli para o Cabedello, e, coadjuvado do
modo o mais effleai pelo pratco o Sr. Joo Fran-
cisco Lima Jnior, que me havia sido indicado
pelo Illm. Sr. capito de fragata Caetane Alves de
Souza Filgueiras, dignissirao capitao do porto des-
la cidade, preced aos estudos necessarios ao pro-
lecto do novo porto de commercio.
rem em
distancia no littoral occidental da Iha da Restin-
ga estaleiros de conilrucgao, junto ao quaes pode-
ro, na maior seguranza desarmar e fazer os con-
cerios de maior monta.
^ mesmo dia da minha chegada colloquei no
poni central do porto uma escala de mares e dei
as neceesarias insiruccoes a dous vigas para a
Observadlo e registro de quarto em quarto de hora
da marcha ascendente e descendente da maro.
Os dias seguintes foram oceupados com o levan-
tameolo da planta e e nivelamenlode loda a mar-
gem oriental do Parahyba desde o pontal da forta-
leza do Cabedello at a extremidade snl da praia ;
com a sondagem do lodo esse littoral desde a li
nha de baixa-mar at profundidades su|seriores a
10 metros, (32. 8 ps inglezes), e bem assim dos
dous canaes principaes, que devem dar accesso ao
porto projectado : o do norte, comprehendido en-
tre a beia, (|ue marca a ponta da cora do cabeco
entre as duas boias, que demarcara a parte mais
profunda do secco da Garganta.
Visitei depois da illia. da Arrestinga para saber
ao certo o que ahi ainda restava do madeiras ;de
construccao ; percorri sondando todo o seu litto-
ral no intuito de reconhecer os pontos mais apro-
piados para a construccao de esialeiros e de tu-
iros eslabelecimento?, destinados ao fabrico e
querenagem dos navios.
Cora o fim de tomar coobecimento das localida-
des d onde mais econmicamente se poder fazer
vir a pedra para a construccao das obras do porto
projectado, liz uma excurso ao rio da Guia, o ulli-
(1) Cita-se, entre outros csemplos, a galera
fraceza Su/ferino, que gastOU em junho deste auno
8 dias para subir o rio Parahyba o 4 para descer,
ao todo 12 dias ; ao passo que tinha vindo do Ha-
vre Pernanibuco em 22 dias... Esse exemplo
aao carece de commenlar.os... Falla bem abo em
prol do projeeto da crcacao de uin porto de com-
mercio transatlntico na barra do rio Parabyba do
Norlc
Bem perto do porto acharao os navios Diques vas aguas sao por vezes bera viol
so mar, e cuja barra, embarazada por ura sera-nu-
mero de bancos de areta movedigos, Oca nos raezes
mais rigorosos do invern encoberta por negra
cerraco, que occasiona. lamentaveis naufragios e
abalroagoes, a despeito de um grande numero de
A importante empreza da construegao de taes phares ixos e fluctuantes, e das barcas de vigia,
obras ser confiada a uma companhia, competente- que avisam os navegantes do prximo e eminente
mente autorisada pelo governo imperial, que se perigo com tiros e toques de sino 1 (2)
rundarcorao eapitalde rs. 1,000:000*000 (mil j Paraa creacae do porto projeclado ter-se-ha era
2?! 7 P ^ T elevad0'.^and0 as" lugar do mar d. Ir.aL cora uas fataes alunas
s.m o exigir a prosperraade da provincia. ,_____., ., "*"*" bwhiim
A essa companhia garantir o governo provincial e temPesIades,-o ocano atlant.co que nesta hui-
os juros de 7 Ojo (sete por cento) do capital eflecli- ,ude d,sPula ao Pacifico o seu appellido ; em lu-
varaente empregado as obras do porto e no ma. gar do 'urbulento Mersey com sua-barra de areias
terial necessario para o raovimento das mercado- movis, o Parahyba do iNorte, onde nao so coche-
ras. Ser-lhe-ha concedido o dreito de perceber |cem lemPestades, cora barra fixa e um canal de en-
pelo transporte, embarque, desembarque e pela trada quasi recl0' Pre5en'*mente bem demarcado
na excellente carta do capitao-tenente da armada
armazenagem das raercadorias taxas, Oxadas por
uma tarifa que ser sujeila, como o contrato final
approvaco da assembla provincial.
imperial o Sr. Vital de Oliveira.
E' pois de esperar que era o governo imperial,
nem a Ilustrada assembla, que hoje decide dos
deslinos da provincia, recusaro o seu auxilio para
a realisaco de uraa empresa, que ser por certo o
vst
FOLHETIH
V1WTE lIOItAW DE I I I lili A
ROMANCE ORIGINAL.
POR
CAHILLO CASELLO BRANCO.
{Continuar.ua do n. 283.)
XXI
Autonio Joaquim foz-nw o favor de achar en-
granada a minha historia, e perguntou-me quanto
derla, visto que a minha profssao era vender his-
torias. Conspiraram poderosos sentimentos de gra-
tidao para que eu, com o desprendimento do phi
losopho que regeitou os thesouros de Xerxes, lhe
dissesse que nao era nada. Sem embargo da minha
recusa, Antonio Joaquim deu-me ura cigarro e per-
guntou-rae se os editores em Portugal eram as hos-
tias inmoladas espontneamente as aras das let-
tras patrias, e que eu, minha parte, havia arrui-
nado uns poucos, e os meus collegas o resto, de
tiieor e modo que volvidos alguos annos, os poetas
e romancistas, se nao podessjm viver repletos e
intouridos das sus phantasias, haviam de ir as
pracas, a imitacao de Homero, narrar os seus poe-
mas e romances as nraltiddes, que, era paga, Ihes
enramariam as frontes de acacias e cylindras.
Como este periodo estirado me tirasse a respi-
raco, e a leitura parasse na esUlagem de Baltar,
apeamos.
Quando o vapor levar a civilisaco a Baltar, ha-
do vir gente paluda de Lisboa retingir as faces
cora o cborurae da vitella, que se come alli. Se os
Ganimedes, que servem mesa suja, nao viessem
da cos.nha como de um deposito de guano, a gen-
te cuidarla que eslava comeado os sobejos de algum
banquete olympico.
Diis que as vitellas de Bailar se geraram das
dmndades pagas, se Jpiter, quando se fez boi
para transportar a Europa, a-Qzesse vacca a ella, e
se multiplicassem era bezerros, o que era justo qae
fizessem tao parvos deuses para servirem de algu-
na cousa gente, que Ihes d exemplos de mora-
lidade nao se fazendo bicho para arrebatar nin-
guem. Leabrasse-se Jupiur de c vir hoje trans-
formado tao a capricho, que eu aposto que soffrla
ama pega de cara no toural de Aveiro, onde os
touros sao de uma brandura e meiguice tal, que
todos parecem deuses enamorados das geotis va-
tjuanto ao raas essa compannia gozar dos raes-
raos privilegios e favores, e ser sujeiu s mesmas
obrigacoes, que as oulras cempanhias, que se teera
formado no imperio para a construccao de cami- pr,meiro marC9 miliaria, que plantar a provincia
nhos de ferro e de outras de utilidade publica. I d* Parahyba do Norle na e.lrada d. progresso, que
a lem de conduzr a.sublime posigo, que lhe as-
Essa propria companhia ou outra qualquer se segurara a ferlilid.de do seu solo, amendade do
encarregara de contiruir os diques, para os quaes seu clima e suas admirareis condices topara-
nao sera neeessario garantir juros por isso que se phicat!..
demonstra com algarismos irrecusaveis que um
dique do valor da mil contos de res mesmo n'ura
porto de pequeas mares como o do Rio de Janei-
ro onde preciso fazer lodo o esgoto com machi-
nas a vapor reude, com a tarifa adoptada no ira-'
penal dique da llha das Cobras, pelo menos dez oa
por cento do capital empregado era lo mil cens-
iruccao.
Afim do OUft a nrovmcia. mAsmn duran! a mi-
carao dos trabalhos, nunca tenha a pagar integral-
mente os sete por cento garantidos sobre o capital
effectivaniente empregado as obras e no material
do porto, e tambera afim de que ella principie des-
de logo a gosar dos incalculaves beneficios, que
evidentemente Ih
35eesposa, ., 0,lCucc mmm, prm.a> e a deha eQllvgue aos morsos e a dur.
paraosoecorrerdes-se houvesseisenxergadoa fug- _At entao sua vida lhe pareca um sondar delei-
tiva lagrima, que vinha dos escaninhos da alma toso, porque ofogo das paixSes hirla olrambrado a
involuntariamente se deslizasse pelas uas faces luz da razo, guando, pirm.se v solada no mun-
magras emacilentas :-se houvesseis visto tirar do 8*5355^8 S AT.TSB8;
seu alimento o pouco pao, que para si Picara, para a da misera I Eulo ra saciar a fome dos seus; e entregue ao desespero a separava da cruel realidade : acorda do deleite
da necessidademirrar-se mingua de sustento; vos ros roltaries a auxiliar a pobreza, e a melliorar ,e s.luaco.-Definha se em lamentar seu estado, e
essa classe lo infeliz. cet, vac ao tumul v,sltar os scus maiores"
Se passados annos, quando o vigor da juventude
E que dizeis das scenas quo vos tracei :
Nao sao brincos de imaginaransao factos que
enfraquecido pelo quebrantamento da relhice, j diariamente se presenciam.
quando a nitidez do rosto substituida pelo fran-! Keparti c*m os pobres as riquezas, que possus,
... ... > I Que assim obdecereis aos preceitos de Deus, qne
zido das rugas-quando o ardor das paixoes se: T0S cre0||> e Rrangareis os corac5es daquelles a
apaga com o zelo das cans, o encontrasses porta' quem soceorreis.
dos rossoi palacios, expostos aos ardores do sol, e!
aos ditos dos vossos servos, as intemperies da at- n__. _._, "C,D0'i,____, ___
/ O que e o mundo para aquelles mesmos que o
mosphera, rachitico, ardendo com a febre da des- amam f)ue p.,rePem inehnados com os seus pra-
esperaQao mendigando aos que transitan), por amor zeres e quo nao poden deixar de o amar ?
de ura Deus, que nos rege, urna esmola, afim de ; E'uma serrdo eterna, eiide ninguem vive para
__ ,. ,. ., i si, o onde para o- horneen viver feliz lhe enecessa-
conservaros poucos das, que lhe restara, ate que rio porter btfijar 0s ferros o amar a sua propria
a breve morte lhe arranque os ltimos instantes da escravldao.
vida, que ainda lhe anima o inerte coroo : at i E'uma revotucao diaria de acontecimentos que
que este na triste habitacao dos finados v repou- despertara alternadamente no coracao dos seus
partidarios, pandes as mais violentes e mais tris-
tes, odios crueis, perpUxIdades odiosas, temores
amargos, ciumes devoradnres, pezares oppressivos.
E' uma trra de msldicao, onde os mesmos pra-
seres trazein corasigo os seus espinhos a a sua
amargura.
O engenheiro,
Andr Pinto Reboucas.
UM POUCO DETUDO.
Estrella do Sul iranscreremos o segrate :
A POBREZA.
Que uns rivam cheios de mi-
mos e consoiafoes do cu : ou-
tros andera sempre desconsola-
dos, faraiutos, e desfavorecidos
delle...
Fr. Ltnz de Souza.
Ricos da trra, vos que gastaos superfluamente
e resultarao dessa instituicao, se-: Hac 0 --____ m ~"
~i ,.-... ~ u j vossas vidas e naveres em bauquetes e feituis. e
ra expressamente esUhelecido no contrato que a __. n, ,Q. ""% <=
que nunca tendes, uma lagrimas para consolar o
companhia dever mandar vir desde o pnmeiro __ e .
anno de sua installacao, alvarengas de ferro e um desSra5ado, faze. por conservar-vos no pinado da
vaper de reboque para in.roduz.r os navios no por- ""S"" pompa para nao vestirdes os andrajos
to e para coaduzir as alvarengas cora as mercado- dam,seria' ne.nvosabysraardes na profundidade da
indigencia.,
Vs.que nascestesnariqueza, vos creastes na opu-
lencia.eriveisnaabundanciajnoconheceis as preci-
soesdo pobre. Avussaexistenciacorrealegre e feliz
-vossos dias passam-se com rapidez e folganca
sar de tantos tormentos, que em todas as estacoes
da vida curtiu -at que sua alma, acrysolada pela
resignacao e paciencia, suba a uma morada, aonde
s existe innocenciae purezase o escutasses as
suas necessidades e precisoes, doer-ros-hieis do,
. O jogo canea cora os seus fervores e com os seus
pobre desamparado. eaprChos; as cooversacoes enfadara pela diversi-
Estes males e dissabores que o rexarara, que o i dade de 8enioSi e p,|a contrariedade dos seminen-
affligiram, que o envelheceram antes do tempo tos; aspaixes eos affectos criminosos tee.n seus
marcado pela edade,'j passaram : porm os que dVsjrostos, 9eus contratempos, suas perturbaces
se seguem delles: os que esperara pela geraeao do : desagradareis ; os espectculos rjuasi nao encon-
'. ...' trando nos espectadores senao almas dissotaiai e
inc.apar.es desereraduspertdas senao pelos exces
esses
pobredo anathematisado da fortunaoh
sao innmeraveisesses sao pavorosos.
E os hmeos que dirgem o lerae dos estados nem
sos os mais monstruosos da dissoluco, tornam-se
inspidos, nao agitando senao essas paixoes delica-
das que s f izem mostrar o crirae de longo, e ar-
um volver de olhos para uma classe de homeus, mfl/|acos a innocencia.
tao digna de compaixo e que de tantos soccorros
carece r T
E os sabios que tantos projectos offerecem para o
melhoraraento da socedade era uraa palavra a
prol dos necessitadosIT
E os riejs, que superfluamente gastara suas ri-
quezas, que edificara sumptuosos- palacios sera pro-
vclto---- por vaagloria, aem uma esmola a po-
breza!?
E sao estes os directores da sociedadel?
E sao estes os amigos dos homens IT
E sao estes os possuidores das riquezas da tr-
ra I ?
E s5o todos estes os chamados philamtropos!
0 inundo, emfim, um lugar onde a mesma es
peranca, que se contempla como uma paixo tao
suave, faz todos os homens desgranados; onde
aquellos que nada esperam se jt.lgam aind mais
| desgracado>; onde ludo o que deleita por muito
1 tempo, e ontfe o tedio- quasi o destino mais bran-
do e mais suportavel que se pode esperar.
Eis .-niiii o mundo; e noc este o mundo obscu-
ro que nao conhece nem o* grandes prazeses nem
os attr.itlvos da i>r.> -ji.-iiXtili'. do favor a da opu-
lencia ; o mundo na sua bellsza ; sois 6s mes-
mos que me euvis.
Eisaqni o mundo : e nao c o inunde dessas pin-
turas imaginarias cuja sewelhanca se nao acha em
parte alguma.
Eu nao pinto o munlo senilo conforme o voiM
coracao ;. isto tal como vos mesmo s oonheceis
se senlis todos os dias.
rias estrangeiras, destinadas capital ou a outras
povoagoes, situadas as margens do Parahyba ou
de seus confluentes navegaveis ; e bem assim a
construir um trapiche e armazens provisorios para
desembarque e armazenagem das raercadorias, que
por algum tempo se tiverem de demorar no Cabe- mundo vos acumula de prazeres e encantos, e s
del lo. eocoutraes obstculos aos vossos gozos, quando a
l'm dos tragos mais caractersticos do porto pro-1 .,.------------------------------------------------
jectado que elle em quasi nada vira alterar o|da4*^etonto acr-editar que v nas CblAS
perdem ai.nuaJraeute perto
uavms cora sus carregaraentee!.. (V.de o
Nao sera necessario construir no Cabedello edl- tngineer de 22 de abril de 1864)
estado actual das cousas icrear sem destruir.' de mil
Extrahimos o segrate:
.i DOTE DA KILHA.
Srm, os males que se diriram do que soffre o
pae da familia pobre, tornam-se mais tentarais, por
que como por contagio, percorrera os membros da I Julgou certo pae que se aos attractivcs naluraes
casa. ; do sua filha, j em edade de casar, reunisse a cu
Que far ura pae a favor de um filho, se o que ^Qada prenda de um bem dote, nao tardara a ap-
ie d o trabalho, insufiicienle para o sustento da parecer-lhe um.bom noivo, e por isso la dizendc.a
^amilia ? wda a gente qne sua filha. tinha 1*0 rail reales de
Que educacao dar aos seus, se nao depara meios dl>te-
e nem o governo, sob cuja egide se daffende, Ih'os
nao subministra ?
Que soccorros prestar um filho a bem de sous
Era hespaahola.
Nao faltaram effectivamente pretendentes. e en-
tre elles o preferido foi um joven commerciante, a
paes, se seu trabalho fraco e dbil-se o estado o : quem, no d.a da boda, mas antes da celebracao.
rias, representantes da belleza phenicia. Isto pa-
rece-me erudicao de mais a proposito da vitella de
Bailar.
Estavaraos a cear quando Antonio Joaquim me
disse que, no quarto fronteiro a mira, se havia pas-
sado, dez annos antes, uma scena calamitosa.
Dous cadveres sahiram d'alli I.... ajuntou
elle.
Ouvido isto, comece a vr cadveres pendura-
dus na parede como enormes cavallas escaladas ;
a vitella trescalava-me a carne humana; as cane-
cas pareciam-me crneos, e o vinho raporava ura
fartum de sangue, e escumava lquidos intes'lnaes.
Dous cadveres I... EsU casa d ttulos pa-
ra os romances de Frederico Souil I......
murmurei eu, volteado os olhos pavidos do mogo
da casa, que se me afigurou um bandido acostuma-
do a reduzir os hospedes a vitella assada. Conclui-
da a ceia, luz de caverna, que bruxuleava, como
devia de ser.
............na seva mesa de Thiestes,
Quando os Qlhos por mao de Athrsu comia,
Autonio Joaquim vestiu de horror o semblante, es-
bngalhou os olhos empedrados de pavor, e disse no
tom soturno dos scelerados, que aterrara a gente
no theatro cora historias medonhas, osegunte :
Era por uma noute de agosto.
Um earalleiro apeou do seu friso porta desta
cstalagem, e offereceu a mo para reeeber e p de
uma aria dama, que saltou de uma hacanea aos
bracos do garboso earalleiro.
Ao transporem o limiar da poru, a dama, en-
cestando a face ao hombro do cavalleiro, mur-
murou:
Que linda noute, que ar to puro, que la
tao de praia vamos trocar pelo ftido, e escuridade
desta lbrega taberna I
E' mister que repouses, Maria, disse meiga-
mente o caricioso esposo da to potica viandante.
Descansemos duas horas; e, ao pnmeiro alror,
cavalgaremos, saudados pelas avesinhas, que nos
daro em trillos a orchestra da magnifica partitu-
ra da natureza, composia pelo sublime maestro que \
fez as harmonas dos bosques e as harmonas das
espberas...
Que estylo I interrump eu atordoado com o
rufo e repique deste palavriado.Que estylo, san-
to nome de Jess I O horror local fez-te perder a
Portugueza e minhota simplicidade da tua lingua
gem I Pois, era verdade, essa gente fallava assim?!
Fallava peior do que isto, por que erara dous
esposos que se adoravam. Tu unges ignorar que
duas pes.-oas que se amam, s comeeam a dizerem
I cousas ajuizadas desde que s> aborrecen]. A lin-
! guagem do amor vera e vae-se com elle; deve exis-
! lir ura seraphira, que corapoz o vocabulario de
j amantes, e fecha o livro, assim que o seu compa-
Jnheiroo anjo do coracao-apaga a lampada de
ouro, luz da qual os ditosos amadores soletravam
as phrases. Estas, porm, se licaram gravadas na
memoria dos homens, ficam sondo materia de riso.
Ah I o cavalleiro o a dama quo apearan) no quin-
teiro desta estalagem, fallavam assim por que se
araavam como as trras abrasadas do sol de agosto
amam a ouvera, que se Ihes desentranha em re-
frigerante chuveiro.
Pareces-me elles a fallar, amigo Antonio Joa-
quim I So flzesses favor de me dizer como se con-
ver^eram em dous cadveres essas eloquontes pes-
soas...
L vou I... Queres quo eu cemece pelo fim,
homem? Suhiram elles para este sobrado em que
estaraos, e, logo quo entraram pedirara.....
Vitella assada.
EsU claro.
E quando comecavam a ceiar, nm corujo
deu ura berro naquelies afanan d'alem. Maria del-
xou cahir o garfo, e exclamou :
Agouro I
E o cavalheiro poz-lhe a mao na face paluda, e
disse-lhe :
Come, querida, come vitella, e deixa berrar
as corujas.
Nisto, um pndulo de parede soou onze hars,
lentas, pesadas, e fanhosas como o gemer da sineta
qae nos cemiterios chama os esqueletos a enchu-
garem as mortalhas vlraco da noute alta.
Fazes-me fri e mi'do, Antonio I exclamei.
T queres que a vitella /ne d valla no es-
tomago I Estou injoado com o descriptivo ca-
daveroso da tua historia Amenisa-te, se pos-
sivel I
O cavalleiro sentiu um calafrio no espinha5o,
e disse ao servente da ceia:
D-me ura quarto limpo com uma cama de-
cente.
E' este, respondeu o criado, indicando o quar-
to, que tens defronle.
nao auxilia!
Lancam-se no caminho do vicio e do opprobrio
e no patbulo ou nas gales vo acabar seus dias.
chainou o pai e disse :
Mea querido genro, vou-Jhe entregar o dote
de minha filha.
Os dous espesos recolheram aquella sinistra al-
cova.
O corujo grassou de novo no escalha resseco de
um sobro.
O cu, de sbito, velou-se de nuvens acossadas
em turbilhoes pelo vento seplrentional.
O fulgor da la fechou-se no boje negro da bor-
rasca.
Os euros silvavam nas vigas deste teclo.
L fra a ramagem varejada pela chuva torren-
cial ranga e gema, ronca e formidavel, como mi-
litares de homens partidos pela espinha dorsal I
Que imagem! observe! eu. Tambem me sin-
lo quebrar pela espinha dorsal s garras da la re-
thorica. Tens vislumbres de Vicior Hugo I Isso
faz-me lembrar a torre da egreja, que pareca uma
verruma a furar o cu. Ha muita gonle que es-
creve corao t conversas. Eslou era crer que esse
estylo a vitella de Baltar que o d. Muita gente
pelos modos, aqu vem comer I... Eu mesrao, que
escrovo espalraadaraeute, elou a sentir era raiiu a
dura necessidade de fallar como t. Conta-ine
agora, amigo de alma, quo negruras intimas coa-
rara no interiur da alcova era que os dous viajeiros
exhalaratn os supremos alentos.
Erara duas horas da uiauha, coutnuou Au.
ionio Joaquim. A essa hora, quem pozesse o ouvi-
do nos resquicios daquella porta, ouviria um ge-
mer unisono de duas vozes, ura arrancar da vida
em anclas estertorosas. Depois... varaos deitar,
disse abrutameule o raeu amigo.
Deilar?! e a historia T
Amanhaa.
E' mpossivel I Eu nao me vou deitar sem sa-
ber de que raorrerara.
Amanlia. Teus-me imterrompido cora iro-
nas : hci de castigar-te cora a auciedade.
Autouio Joaquim I isso atroz e estranho a
toda a graca. Diz-rae, ao menos, se foi a vitella
que es iiutou! Morrerrm inveuenadosT apum.ala-
ram-se reciprcamela por ciumes ? Matou-a elle
e suicidou-se depois ?
Nao respoudo at araaoha. Nao le can-
ees.... Escome uma das alcovas, o varaos deitar
Queres o quarto dos dous cadveres ?
Quero I bradei eu com exemplar intrepidez
quero compenetrar-rae dos miasmas cadavricos'
daquelle autro 1 At amanha.
Entrei com uma caodea na alcova, e deitei-me'
fatigado de alma e espirito, apagando a luz. I
Vinte minutos depois, sentei-me de salto no leito,
sacudindo dos hombros o griphos encravados de
uma legio de demonios.
Ha horrores ignotos neste quarto I exclamei
eu, e acceodi a luz.
Olhei sobre mira, e em roda de mim : ram gro-
zas de esquadroes de perev^jos, que irrompiam
em caravanas das cavernas do catre, e das loras
do tabique. Saltei ao soallw com es cabellos hirtos
e os ervos em vibrac-'s caialeplicas. Peguei das
botase Frederioa, e dei mortoa milharesdaquellas
alimaas, que renasciam urnas de oulras, romo
tantas hydras de Lerna. Fez-se um ftido homici-
da na alcova. Abri as janellas, e beb o ar balsa,
mico dos pinhaes. Voltei carnificina, sacud os
lences viragao da madrugada, e lornei a recli-
nar o corpo lasso no cairo ensanguentade, conser-
vando a caudeia accesa.
'ahi a instantes, as hordas resaltando das tocas
acarduraavam-se nas paredes, e ferraavain conci-
lios era temerosa quietacao; depois abriam filei-
ras o subiam ao tacto. E eu, sentado no caralete |
de torturas, examinara, com a luneta, estas infan-
das evolueoes, e via-ys despenharemse do teclo so-
bre mira a pronta, as centurias, ferozes de fome e
sede de ringanea. E eu voltava do novo a carre-
galos cora as botas, e elles fugiara cora unta velo-
cidade insultadora. Pela primeira vez em ra.nha
vida eu vi persevejos com azas, a esvoa^arem na-
quelle ambiente empestado do sangue delles. Re-
fer a varios naturalistas este facto, e niogum acre-
dtou na existencia dos persevejos alados de Baltar. I
llantera abri ura livro do zologo Ur. Charbonnier
e Uve occasio de ver que este hemiplro ten azas'
rudimenlares, e nao duvida o sabio absolutameuie |
que o persevejo as tenha completas. Deus traga
e,sle naturalista a Bailar para honra e gloria da
sciencial
Eu sent entao ura incendio febril, e Unturas de
cabera, vertigens mortaes a cada nova ferroada J
me falleciam forcas para brandir as botas contra a
parede. -entei-rae no laboado, e chorei como Ma"
no nas lagas de Mo oreas. Aqu teuho ura livro
de sciencia a explicarme aduelUs angustias. E' o
Dr. Charbonoier que sahe era dtela da sincer.da-
de desta narrativa: Ha individuos muiu irriU-
reis em quem a mordedura dos persevejos produz j
'o ', iva exi'itacao que os torna febricitantes, t
Eu pensei que poda raorrer de tognobildesas
E para qae j, responden o aoira t Itmy*
temos do mais para isso.
losbtiu o pae, noobsUnte, e apresenlou aojo-
ven ura papel em que se la o seguate :
Dote de minha filha.
t Educacao esmerada, conscieocia reeta, e nal
cenle esperleza, ludo isso valer 110:000 reate.
Minha filha nao coquelte, qualidade roe de*e s-
liraar-se em outros 8O:000.-E- rrtoosa, amiga da
ordem e da economa, capaz de dedicar mt-tr i-
roenle aos seus deveres, e a direccio de sua can.
120:000 reales, -Nao gosla deassistir a bl aem
a espectculos, qualidade que pode bem araltoMi
erh 40:000 reales.-E' activa, laboriosa, e pode dte-
pensar as modistas eas costureiras, oque aew ra-
le outros 40:000E por ultimo lhe doo iOOOO tm
dmheiro. que valem mais do que raieria ana
grande fortuna em uma mulher de defeiios oaaoj-
tos s qualidades que felizmente adoraam OMnh.i
fillia.-Total 500:000 reales. >
Como pona Julgar-se, Ocoa sorprendido, e lige-
ramente desgostoso o noivo ao inleirar-se do qae
resava a cdula dotal, mas depois de um mom-nio
de rellexao, decidiu-se a acceila-la, e os reraftadaa
do casamento nao sido to felizes, que esta sempre
dizendo que seu sogro inda avahou em muil.> poo
co as prendas de sua filha, porque estt Ibe lew
do a paz, a fortuna, e a felieidade domestica.
(Janeante de Mam (Franca, diz o seguale
Um accidente, quo poda ter consequencas tere
lugar domiogo, no theatro, onde se representara a
peca 0.1 piratas de Sotana.
No prlmeiro acto, o actor de Larhjae, presentava o papel de Ribeira, entrn a rallo na
scena.
O cavallo, espantado com a rlaridade das luxe
e vista de uma sala cheia de espectadores le
rantou-se, e, voltando-se para a seeaa, enaern 4
recuar, al que as pernas de traa acharan o ra-
euo, cahindo entao o cavallo e o actor sobre- a or-
chestra.
E' fcil imaginar a desordeno que se seguro.
As pessas que acudiram primeiro desevtara-
caram o ador, qae tinha nma perra dehaixo db
cavallo, e que sahin sao e salvo da posieo peri*-
sa em que se achava.
O'cavallo, qne se proenren logo senrar para
qne nao fizesse nenhum morimento que pode?
fenr o cavalleiro, levantoo-se por si memo. vn*>
depois condnzido para a scena por uraa pon. re-
I ante.
Reduziu-se ludo aos estragos matenae de dua-
cadeiras, um rabecao e algnmas esuntes, que ,.
quebraram.
EsU visto que para a scena os roelhoras rarNas
sao es de papelo on de madeira f
L'm esiudante qne tlnha onrido em enea igreja
pub!icarem-se os landos de nm casamento, tere
occasio do poder entrar Jen tro do refeHorio do
collegio onde riu bellos cachos de nras sobre
aparador.
N.lo podendo resistir temario, tornea tun do>
cachos e, aproximando-o bocea, disse :
Eu publico o? ha nhos do calamento entre ca-
te cacho d'uvas e a minha bocea se algoem lem
motivos pelos quaes nao se possara nnir, qnein
dize-los agora, cu enUo caar-se para sempre.
As uvas e ahorca unirm-secora r#Htn ; porn
infelizmente para o rapazioho. o roestre sem qoe
elle suspeitass?, riu tanto os pregoes, era a cafe-
brafo do tal casamento.
No dia seguinte chamen o estodante dame
seus companheiros, e tomando nma rarapreparou
se para castiga-lo. dizendo :
Eu publico os banhos- de casamento entre w
ta vara, e ar, costas de motivos pelos quaes ellas nao se possam nnir. ,wi-
ra dize-los agora, ou eato ralar-se para senara.
O velhaso percebendo de que se trnara re*;-e
deu com muita presenca de espirito
Impeco os bandos |
Que impediawnlo poden. pr-Aes 7
tou o mesire.
p^jw*-
Irapeco vos, porque as parte, nio t-i rom-
eoraas, respondeu (? esiudante.
Oh! disse o mestre, satisfeilo rom e tuosa resposla, se nao esto conesrdes, pricisanio.
lodetirir ao casamento.
ir. A caadeia apagara-se nungua de ideo. \~
alimaas, protegidas pelas trevas, atacaran saeao
refugio. E/gui me de golpe, e ne sei qne jrsnwn-
les rugidos de delirio e desesperacao aire: a IV;
da providencia qne creava o perserejo. Quu fu-
gir pola porta; mas perder o lino. Raspara r m
as unhas nas paredes, eeslnpava chusma" .1* .-
fames. Refugia, estnneando dentes : e qaabra
va a minha furia com gemidos.
Nisto ouvi passos, na salU, que se dirigirn .
minha porta.
Que tens ?disse nma voz.
Era Antonio Joaquim.
Es tu ?-exclamei.Salva-rae coa asa w
que eu sinto-me morrer !
E gemi.
Assira gemeram ha dez annos o* dous bjp-
lizes, cuja historia te cBateaanal elle en solem-
ne dlapaso.Agora coroprebendes emao elle-
raorrerara ahi ? Da morte que M ameaca a i, u><
grabado I Ja sabes o final da histuru r tepal
cavalleiro e a gentil dama ahi acabaran extirpa-
dos, com los, em carpo e qaasi en alma pe.
persevejos.
breme a porta por piedaderebram. en
que apenas tenho rida para connecer qae esfca
morto /
Antonio Joaquim entrou com a soa eanteia e
disse :
Venhe salrar-te, porque es neeessari* a re-
gularidade e perfeico do cosmos. Eu e ou*lia
mulher, quando aqu pernouUmos na dez aon*
fomos as victimas e perseoagens da historia, qm.
se acha confirmada com o leu sa gue.
Ah I tu que eras o garboso earalleiro *
disse eu entre lacrimoso e alegre.Qae
de narrador I... Mas d>$seste-me qae de
hariam saludo dons radareres...
E sahiramreplicn Antonio Joaquim.
Como ? nao emendo I...
O que d'aqui sabio foram dnas almas r,r.
ceadas. O sangue, que a rida, tinha aamj l-ao
nas goelas desta alcateia de leras. Qae eramos
nos sem sangue? Dons cadarero com ara pone
de espirito para nunea mais nos deiunaas em ra-
mas da tarerna de Rallar.
(Caafmaar-M-Aa.)
PERNAMBCO.-TYP.DEM.P.OEF. p
u
ILrZGIVEL
)


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVDWDIOQA_SB5FT7 INGEST_TIME 2013-08-28T00:49:56Z PACKAGE AA00011611_10541
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES