Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10540


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1
y
A
%

AUNO II. DMEBO 284
Por tres nezes adiantados ftgOOO
Por tres mezes vencidos 6J000
Porte ao correio por tres mezes. 0750
>!
DIARIO DE
SEGUNDA FEIKA 12 DE DEZEMBRO DE 1864.
Por aiBO adiacudo.....49I00O
Porte ao correio por oh amo. 3$000
')
Ctf ARREGADOS Da SUBaCRIpgAO NO JIRIE
Parahyba, o Sr. Antonio Al exandrino de Lima i
Natal, o Sr. Antonio Mames da Silva; Aracaty,o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaqulm Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
1NCARRKGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SDL.
Alagas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Bahia, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins & Gasparino.
partida uoa estafetas.
Olinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-iras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratd.Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu" as quartas feiras.
Sennhem, Rio Formoso, Tamandar, Una,Barrei-
ros.Agua Preu e Pimenteiras as quintas feiras.
Una de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao Vi dia.

EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
6 QUarto cres as B 11, 11 m. e 56 s. da m.
13 La chela as 4 h., 52 m. e 26 s. da m.
21 Quarto ming. as 2 h., 42 m. e 58 s. da m.
28 La nova as 1 ti., 1 ni. e 44 s. da m.
PRIAMAR DK HOJB.
Primeira-as 2 horas 54 minutos da Urde.
Segunda as 3 horas 18 minutos da manha.
.
PaRXLja uO VaFOREj COSTSffiO.
Pal o sul at AlagOas a 8 e 26; par* o norte at
a GrHja 7 e 22 de cada me:; para Fernando nos
dias l(dos mezes de jan. marg.,maio. jal. set. e noy.
PARTIDA DOS OMNiBUS.
Pili Recife: do Apipucos s 6 Vi, 7, 7 /i, 8 e
S Vittm.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
JabbaSo s 6 >/i da m.; do Caxang e Vanea s 7
da ra.5 de Beinfica s8 dam.
:ife: para o Apipucos s 3 V, 4,4 '/4, 4 Vt
5 Vj e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
_ e 4 Vi da tarde; para Jaboato s, 4 da
tarde'sjpara Cachang e Vanea s 4 V da*Urde;
para Bemca s 4 da Urde.
AUDiENGiA DOS TRD3UNABS DA CAPITAL
Tribunal do commercio: segundas quintas.
Relacao: tercas e sabbados s 10 horas.
Faxenda: quintas s 10 horas.
Jnixo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sexUs s 10 horas.
Primeira Tara do cftel: tercas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas sabbados a 1 hora
da Urde
DLit DA SEMANA.
12. Segn*. S. Sereno; S. Epiataetae m.
13. Terca. S. Luna v. n.; S. Eastrae as.
14. QaarU. S. Agnello ab. m.; S. Ara
15. Quinta. S. Albina m.; S. Cetlano
16. Sexta. S. Ensebio Vrsete** a.
17. Sabbado. S. Ftoraoo m.;S. Gofa,
18. Domingo. S. Esperidiao b. c.; S.
ASSIGNA-SI
no Recife, em a livraria da praga da
ca ns. ft 8, dos proprietarios
de Faria fc Filho.
PARTE OFFICIAL
GOYERNO DA PROVINCIA.
CoutiunafS de expediente do dia 6 de dexembro
de 1864.
Circular a todos os julzes de direito. Para que
cesse de todo o abuso que commeltem muitas au-
toridades indiciaras, sugeitando, em vez de deci-
dir em visu das leis e principios de direito 03
casos occurrentes, como duvidas, decisao do go-
verno nperial, do que resalta (icarem os tribunaes
superiores privados de decidir em grao de recur-
so as duvidas que se suscitarem na apreciago dos
fados e appiicagao das leis: houve S. M. o Impe-
rador por bem mandar por aviso circular de 16
de novembro prximo Ando, com o fim de evitar
que se demore a administrado da justiga, que
todas as autoridades judiciarlas desta provincia,
observem inteira e fielmente as disposigoes con-
tidas na eircular n. 70 e aviso n. 74 de 7 e 8
de fevereiro de 1856, que vedam as consultas a
respeito dos casos occurrentes: o que communice
a Vine para seu conhecimento e devida execu-
ao.Iguaes a todos os junes municipaes.
Offlcio ao Exm. Sr. Dr. Antonio Borges Leal
Caslello BrancaHavendo V. Etc. sido nomeado.
presidente desta provincia, no dia 19 do mez pas-
sado, fui eu na mesraa data nomeado 1.* vice pre-
sidente, e n'esU qualidade tome! conta da admi-
nistrarlo, para entrega-la V. Exc. quando a esta
cidade chegar.
Aproveito a opportunidade para manifestar a
considerago e eslima que tributo a pessoa de
V. Exc. a quem Dos guarde.
Dito ao Exm. conselheiro presidente da rela-
go.Participando-me o Dr. cbtfe de polica em
oQicio desta data, que se acba recolbido a casa de
deteago o individuo de nome Justino Francisco
do Nascimenlo, a quem mandei dar baxa do exer-
cito assim o communieo V. Exc. aiim de que se
sirva designar dia para ser all apresentado nesse
tribunal.
Dito ao coronel commandante das armas.
que no dia 11 do correte, s 10 horas da manha,
se ache postada em frente da Igreja da Concedo
dos militares urna brigada com un parque de ar-
tilharia, atim de assirtir a festt de Nossa Senhora
da Conceigao, que se tem de eeloorar na referida
igreja, certo V. S. de que nesta data recommendo
ao commandante superior deste municipio, que
ponha a disposigo de V. S. nm dos corpos da
guarda nacional, para auxiliar a tropa de linha
nesse servico.Fixeram-se as necessarias* cemmu-
nicacoes.
Dito ao mesmo.Sirva-so V. S. de informarme
se os sentenciados militares Jos Rosa "Rodrigo,
Manoel Francisco d'Oliveira, Joo David, Joaqun
Jos de Sant'Auna e Firmino Antonio, eslo cum-
prindo sentenga, ou se tend-a a cumprido, j o-
ram sollos. -
Dito ao mesmo. Remeti incluso o offlcio do
inspector da tbesourarU de fazenda, datado de 23
de novembro ultimo, aQm de que V. S. se sirva de
formar se era de l.* linha o destacamento que
esteve aquartellado na casa de Aquillino Pereira
Simas.
Dte ao mesmo.Qaeira V. S. expedir suas or-
dens para que o oficial commandante do contia-
gente do 2* batalho de infamara, v receber do
arsenal de guerra como requisita o respectivo
director os artigos de fardamentos mencionados
em a neta inclusa, eom os quaes tica completo o
Jardamente que se devia ao mesmo batalho.
Dito ae mesmo. Em addiUmeoto ao mea of-
flcio de hontem em que exig informales acerca
do soldado Antonio Quirino dos Santos, remello a
V. S. o requerimento em que a mulher deste, soli-
cita a soltura de seu filho Estevo Alexandrino de
Souza, que foi recrutado.
Dito ao mesmo.Sirva-se v. S. de dar as sua9
ordens para que urna guarda da companhia de
cavallara de linha, se aprsente em frente da igreja
do Espirito Santoamanha as 8 horas do dia, aQm de
acompanhar a imagern de S. Jorg* que tem de ser
trasladada da mesina igreja, at a do Terco e d'alli
para a nova matriz de S. Jos.
Dito ao mesmo. Declaro V. S. qne agaarda
de honra de que trata o mea offlcio de 3 do cor-
rente, devera postar-se amauha as 9 horas do dia
em frente da nova matriz de S. J s, e nao na de
Terco, como se disse em dito offlcio, aQm de asis-
tir sement afls actos da festa da inaugurago da
mesma matriz, certo V. S. de que dou nesta data
as convenientes ordens para que a procissao da
trasladado do Santissimo Sacramento seja acora-
panliada por um dos corpos da guarda nacional.
Offlciou-se nesle sentido ao Exm. commandante su-
perior da gnarda nacional do Recife.
Dito ao mesmo.Em visU da informago do de-
legado do cirurgio mor do exercito, a que allude
o offlcio de V. S. de hontem datado, sob n. 2158,
autoriso-o a mandar satisfazer pela pharmacia do
hospital militar os medicamentos consumes da
relacao inclusa por copia, e reqnisitados pelo
commandante do presidio de Fernando, em of-
flcio de 24 de novembro ultimo, sob n. 153, cora
destino a respectiva enfermara. Communicou-se
ao commandante do presidio.
Dito ao inpector da thesenraria de fazenda.
Em vista dos inclusos documentos que me foram
remeitidos com offlcio do commandante superior
desu capital datado de hoje, sob n. 150, e nao
bavendo inconveniente, mande V. S. pagar os ven-
cimentos relativos ao mez de novembro ultimo, dos
offlciaes de Ia linha. tambores, cornetas e clarins
empreados nos corpos da guarda nacional doste
municipio.
Dito ao mesmo. Transmiti V. S. para os
devios effeitos a inclusa relacao nominal de 3 in-
dividuos que no mez de novembro ultimo, atsen-
taram praca voluntariamente no corpo de guar-
nido desu provincia.
Dito ao mesmo. Ao alferes quartel mestre do
corpo de guarnigo Bernardino Candido de Araujo,
que segu para a villa de Tacarat pelas Alagas,
mande V. S. abonar o qoantitatvo que for nece-
sario para occerrer as despezas de seu transporto,
bem como de 16 pracas de pret e dous caixdes
com artigos de fardamento e medicamentos, por
mar da cidade do Penado at o porto de Piranhas
e por trra do mesmo porto al aquella villa.
Fez-se o necessano expediente a este respeito.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Annuindo ao que soiicitou o chefe de polica em
offlcio de hoje, sob n. 1526, recommendo V. S.
que mande pagar com urgencia os vencimeatos a
que tiver direito, urna escolla de guardas naci-
naos commandada pelo 2* sargento Pedro Marinho
dos Santos, a qual veio do termo da Escada con-
duzindo 7 criminosos. Communicoa-se ao Dr.
chefe de polica.
Dito ao mesmo. Inteirado do contedo do seu
offlcio de hontem, sob n. 5 9, tenho a dieer em res-
posta que pode V. S. aceitar o offerecimenlo que
em hasta publica, segundo consta de ootro seu of-
flcio n. 513 de 3 de correte, fez Andr de Abreu
Porto para ncumbir-s da execucao da obra do
atierro da ra do Lima do bairro de Santo Amaro,
com o abate de 21 por cenlo, no proco do respec-
tivo orcamento, e dando por fiador o proprietano
Joaquina de Albuquerque Mello, visto convlr aos
interesses da fazenda provincial, cmo se eviden-
cia do prmeiro dos citados offlcios.
Diio ao mesmo.Devolvendo V. S. o certifica-
do que veio annexo ao seu offlcio de 26 de novem-
b-o ultimo, sob n. 504, o autorso em visU de sua
informaco de hontem n. 522, a mandar pagar nos
termos do offlcio do meu antecessor datado de 22
do citado mez de novembro a importancia da ultima
preslaco a que tem direito Jos Rodrigues de Oli-
veira Lima J-^oior, arrematante dos reparos do !
lanco da estrada de sul, entre os marcos de 2 4
mil bragas.
Dito ao commandante do presidio de Fernando.
Em resposU ao seu offlcio do primeiro de agosu
ultimo, sob n. 76, tenho a dizer que de conformi-
dade cora a informaco do inspector da thesoura-
ria de fazenda, de 12 de setembro prximo Qndo,
juou por copia, deve V. S. mandar passar pelo al-
moxarfado desse presidio, e remetter na primeira
occasio ambas as vas dos connecimentos da fari-
nha de mandioca ah receida por compra a di-
versos particulares a que allude o citado offlcio,
vevendo estes requerer direcUmente a mesma
thesouraria o pagamento do que Ine fr devido, se-
gundo o parecer da contadora d'aquella repart-
gao, umbem por copia inclusa, com a qual concor-
da o mesmo inspector.
Dito ao director das obras militares. Constando-
me de offlcio do commandante das armas 'de hon-
tem, que apezar de estar coocluido ha um mez, o
eocanamento de agua para o consumo da forUleza
do Brum, anda se nao coilocou o respectivo cha-
fariz, recommendo V. S. que d as providencias
necessarias para que isso se faca com previda-
de.Commuolcou-se ao coronel commandante das
armas.
Dito ao director do arsenal de guerra. Sciente
pelo seu offlcio desta data, de estarem proraptos o
armario e sgnete que se mandou fornecer a de-
legado do cirurgio mor do exercito na provincia
das Alagas, recommendo Vmc. que mande
acondicionar do melhor modo possvel, o primeiro
desses objectos, aQm de nao estragar-se na via-
gem, entendeodo-se Vmc. a este respeito com a
agencia da companhia Brasileira de paquetes, a
quem exped ordem para a respectiva conduccao.
Fez-se o necessarlo expediente.
Dilo a cmara municipal de Agua Preta.Res-
pondendo ao offlcio que me dirigi a cmara mu-
nicipal de Agua Prela, em 23 de setembro ultimo,
tenho a dizer que approvo a arremaUcio ios ira-
postos mencionados nos termoi de contratos que
vieram annexas ao seu citado offlcio, cumprindo
que essa cmara me declare o que pretende fazer
a respeito dos que por falla de licitantes deixaram
de ser arrematados.
Portara.-O vice-presidente da provincia alten-
dendo ao que requereu Manoel Antonio Freir,
guarda da casa de detenco, e tendo em vista a in-
formaco do Dr. chefe de polica n. 1518 de 5 do
correte, resolve conceder-lhe dous mezes de h-
cenca com vencmenios para tratar de sua sade
fura desla cidade.
Dia.Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de paquetes, mandem dar transporte no vapor
Oyapock, por conta do ministerio da guerra ao se-
gundo sargento Conrado Jos de Ges, que na for-
ma das ordens imperiaes vai servir no destaca-
mento do quarto batalho de arlilharia a p, exis-
tente na provincia da Babia.Coramunicou-se ao
coronel commandante das armas.
Expediente do secretario do governo do dia 7 de
dezembre de 186-i.
Offlcio ao vice-provedor da ^aata Casa da Mlse-
! ricordia S. Exc. Sr. vico-presidente da provin-
| ca, manda communicar V. Exc que pelo seu
offlcio de 6 do correte, (ico inteirado de ter sido
nomeado para o cargo de mordomo de mez no hos-
pital Pedro II o Dr. Manoel Forreira da Silva, bem
como que em continuacao ao mez Qndo, Qcaro
funeconando os mordomos Antonio Jos Comes do
j Correio, e lenle coronel Antonio Carlos de Pinho
Borges, este no collegio dos orphos e casa dos ex-
postos, e aquello no hospital dos Lazaros, collegio
das orphas e hospicio de alienados.
Despachos do dia 7 de dezembro de 1864.
Requerimentos.
Antonio Lopes Netto.Remettido ao Sr. Dr. jnlz
municipal do termo do Bonito afim de attender o
supplicante dando as providencias que coberem no
caso em ordem a nao ser o mesmo supplicante
inquietado em sua posse.
Antonio Soares de Carvalh).Nao tem lugar.
Antonio Soares de Lima.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica, e couredo um novo praso de 18
dias ao supplicante sendo este despacho levado ao
conbecimento do Se capitao do porto.
Antonia Mara da Conceigao.Informe o Sr.
capito do porto.
Domingas Mara da Conceigle.Informe o Sr.
inspector do arsenal de marnha.
Francisco das Chagas Cordeiro Campos.Infor
me o Sr. inspector da thesouraria de fazenda
Joao Moreira da Cunha.Concedo o praso de 15
das contados de hoje aQm de provar o supplicante
qualquer isengao legal que milite favor desea
filho recruldo, sendo este apresentado ao Sr. te-
nenle-coronel recrulador.
Joao dos Santos Ramos de Oliveira.Informe a
thesouraria geral com urgencia, alias com a poss-
vel brevidade conforme a determinagao constante
do offlcio desta presidencia de 30 de novembro
prximo passado.
Joaquim Jos Bello.Informe a cmara munici-
pal deste termo.
Joaquina Mara do Espirito oanto.Informe o Sr.
baro do Livramento vice-provedor da SanU
Casa.
Joao Ferreira de Lacerda.Informe o Sr. Dr*
chefe de polica.
Joaquina das Mercs Forreira.Nao tem logar
a visu da inforoiago.
Major Jos Francisco da Silva. Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Manoel Fernandes dos 8antos.Informe o Sr.
Dr. chefe de polica.
PEBNflMRUCfr
REVISTA DIANA.
A convite do Sr. Dr. Sabino Olegario Ludgro
Pinho, reuniram-se no sabbado a Urde em sua ba-
bitago os Srs. conselheiro Podro Autram da
Matu e Albuquerque, Drs. Jos Antonio de Figue-
reido, Joaquim Pires Machado Portella, Innocencio
Seraphico de Assis Carvalho, Jos Eustaquio Fer-
reira Jacobina, Jos Leandro Godoy de Vasconcel-
os, Antonio de Vasconllos Menezes de Drummond.
' e A. Witruvo Pinto Bandeira e Accioll de Vas-
concellos. monsenhor Joaquim Pinto de Campos e
comraendador- Francisco de Goveja Accoli Lins
para o flm humanitario de soccorrer aos nfellzes
polacos por meio da promogo de sua emigracao
para este imperio, onde venham formar colonias
agrcolas em beneficio proprio e do pan que lhes
offerecer assim benvola hospitalidade om mo-
mentos mais crticos da sua vida.
Depois de feita pelo Sr. Dr. Sabino a eiposlgo
do seu pensamenlo, ao qual adherirn com entu-
siasmo todos os Srs. presentes, coosiituio-se ama
mesa provisoria, sendo acclamado presidente o ]
Sr. conselheiro Autran, Io secretario o Sr. Dr. Fi-
guereido e 2o dito o Sr. Dr. Jacobina.
Concordes todos nos fias da associagoo iniciada
pela pressente reuniao, foi nomeada urna commis-
so composla dos- Srs. Drs. Sabino, Godoy e Sera-
phico, para a confecgo dos respectivos estatutos.
Esta iniciagao de urna obra grandiosa sao os.
primeiros lampejos de urna aurora de prosperida-
de para o Brasil e de mebilitago para os Brsi-'
leiros.
Deixamos em oatra parte urna correspon-
dencia do Sr. capito Silvino Guilherme de Barros,'
explicando o facto da compra de um molatinho do
Inga como escravo, quando elle era forro, que d'a-
guma forma foi adulterado por gratuitos ioimigos
seus. Ocaracter e as qualidades pessoaes.do Sr.
Silvino, pem-no coberto de qaalquer mu juizo,
quando o facto por si so nao fosse bastante para
clarear bem a forma por que se deu. Chamamos i
a altencao para esse trabalho.
Remettem-nos o seguinte :
< Foi hontem recolhido ao Hospital Portugnez;
de Beneficencia o porluguez Luiz Prancisco da Sil-
va, que apreseutava esmagamento da rao, em es-
tado de gangrena, sendo qne o doente esteva tet-
nico. Em consecuencia do estado adiantado do te-
Uno o Sr. Dr Piunga duvidoa prattear a compu-
tago como Ihe cumpria, e apeaat proceden a ex-
traegao dos dedos gao trenados, declarando ao -r.
mordomo, e regente que ohomem pouco vi vera, e
por tanto era intil qualquer eperacao ; pelo que
passou a medica-lo e retirou-se.
< Com effeito, duas horas depois da entrada do
doente, tinh elle fallecido. f i
< A pratica que tem multa gente de fuer reco-
lher quelle estabelecimento doentes moribundos,
parece um firme proposito, e por isso pedimos a
quem tiver de recolher qualquer doente, que o fa-
ga no principio de sua molestia, porque tirarlo um
bom resultado, como miiitos que por ah andam
operados e eurados naqnelle estabelecimento.
i Um interessado.
^Ne-dia 20 de novembro ultime foram dadas,
segundo os estatutos, as ferias das aulas de ins-
truego secundaria, no cellegio de S. Bernardo, o
no dia 7 do crreme mez as de instruego prima-
ria, que terminaro no dia 10 de Janeiro prximo
futuro, quando principiaro a fuuccionar todas as
aulas.
Damos em seguida a relago dos alumnos nter-
eos e externos deste collegio, qne foram examina-
dos em diversas materias na Faculdade de Direito
em novembro prximo fiado, obtendoem geral as
melhores approvagoes.
Internos.
Luiz de Amorim Lima, fez dous exames.
Alexaadre de Souza Pereira do Carmo Jnior,
tres.
Jos Elias da Rosa Calheiros, tros.
Joo Augusto do Reg Barros, dous.
Manoel Messias de Gusmo Lyra, tres.
Severino Ribeiro Piruiiio Mtellu, doni.
Paplo Liberato Bandeira de Mello, qaatro.
Luiz Vicente Borges Jnior, quatro.
Manoel Thomaz de Barros Campello, tres.
Pedro Francisco Correia de Araujo, quatro.
Liberato Villar Barrete Coutinho, tres.
Graciano Villar Brrelo Coutinho, tres.
Alborto Francisgo do Espirite Santo, dous,
Horacio Olindo do Espirito Santo, um.
Gaspar Ferreira Frazao M. V. de Drummond, dous.
Luiz Rodrguez Ferreira M. V. de Drummond,
tres.
Herculano Francisco Bandeira de Mello, dous.
Silvestre da Rocha Vanderley, tres.
Jos Filippe de Gusmo Uchoa, dous.
Alipio Jos da Costa, dous.
Francisco da Rocha Vanderley, dous.
Manoel Cavalcanti de Mello Jnior, um.
Joaquim Ferraz Dattro, um.
Jos Pereira Maia, dous.
Augusto Emilio da Fonseca Galvo, um.
Thomaz Acciole de Gusmo Vanderley, um.
Alumnos externos.
Antonio Ignacio do Reg Medeiros Judior, tres.
Jos Ferreira de Novaes, um.
Joaquim Avelino de Albuquerque e Silva, um.
Viceate Pereira do Reg, um.
Miguel Archanjo Pereira do Reg, dous.
Francisco Jos Monteiro, um.
Antonio. Silvio Pereira de Carvalho, dous.
Este vio Carneiro Cavalcanti de Lacerda, um.
Antonio Eulalio Monleiro, dous.
Thomaz Lins Ribeiro, um.
Napoleo Silverio da Silva, tres.
Jos Vicente Meira de Vasconcellos, dous.
Francisco Gomes Pinto de Campos, dous.
Manoel Thomaz Pereira do Reg, um,
Manoel Godofredro de Alencastro Autran, dous.
Antonio Pedro de Alencastro Jnior, um.
Fornando Antonio de Agolar Almendra, dous.
Alfonso Jos de Mendonca Uchoa, um.
Aureliano Antonio Ribeiro e Silva, dous.
Jos Alves Lima, um.
Alfonso Barbosa da Cunha Moreira,.um."
Egas Sancho Ribeiro, um.
Francisco Vicente dos santos Jnior, quatro.
Jos Theodoro de S Brrelo Villas-Boas, dous.
Ernesto Alvm da -Uva, nm.
Ao todo cento e dous exames.
Os oito primeiros, que sao alumnos internos
coocluiram os seus estudos preparatarios, fe, i tu
lodos no mesmo collegio, o os tres ltimos exter
nos Umbem concluiram.
Fizeram exames do grammatica portugneza os
segaintes alumnos do mesmo collegio, e foram to-
dos approvados com disiincgo, sendo um dos exa-
minadores o Exm. Sr. conselheiro Podro Autran
da Matu e Albuquerque.
Francisco de Paula Leite Oiticica.
Joo Policarpo dos Santos Campos.
Benigao Marinho Lins Sicupira,
Francfteo Jos da Silva Porto,
Francisco Isidoro Rodrigues da Coste.
Antonio Gomes Leal Loyo.
Jos Affonso do Araujo Alcoforado.
Antonio Gomes Leal Jnior.
Estamos autorisados pelo Sr. engenheiro fis-
cal da estrada de ferro, a declarar que a causa da
demora que deu-se na partida do trem de passa-
geiros na tarde do dia 7, foi nm desarranjo bavido
as grelhas da iocomitiva qne devia rebocar o dito
trom.
Pedem-nos que chamemos a attengo do respec-
tivo fiscal para urna padaria da .-oledade, que em-
pregando lenba verde na essedara, traz os vsi-
nbos em horrivel Incommodo pela fu maga, que Ibes
entra pela casa, a ponto de vedar-Ibes at o somno.
No entretanto, bom ser que o dono dessa pada-
ria empregue leoha secca para evitar semelhante
inconveniente e incommodo alheio.
Nos actos do Curso Commercial bavidos no
sabbado, foi reprovado om examinando do pri-
meiro anno.
No hospicio dos alienados da Misericordia de
Olinda, existiam em tratamento o mez passado
9 homens e 30 omitieres, eniraram I homem e 2
omitieres, morreram 3 mulberes, existem 10 ho-
mens e29 mulheres.
-- RBPXllTig A O DA POLICA.
Extracto das partes dos dias 8 e 9 de dezembro
de 1864.
Foram recolhidos casa de detengao no dia 7
do crrante:
A' ordbm do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Joao
MarcelAo dos Santos, Manoel da Silva Machado,
Jos Anjincio de Briti, Vicente Ferreira, Luiz de
Franca "da Silveira e Joaquim Googalves Camello.
como sentenciados; Joo Flix de Souza, como pro-
nunciado; Pedro Joao Ramos de Barros, Firmino
Jos de Sant'Anna e Jordo, escravo do convento
do Carmo, para serem processados; e Justino Fran-
cisco doflascimento, para ser apresentado ao tri-
bunal drelag.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Vicente,
escravo -fe eserabargador Santiago, para correc-
A' ordo do Dr. juiz municipal da primeira va-
ra, Antonio Flix de Moraes, para cumprir a pe-
na de doua annos e um mez de priso com traba-
lho.
A' ordem do subdelegado do Recife, Frederico,
Africano livre, sem declarago^o motivo.
A' odetn do de Santo Antonio, -Joaquim Jos de
Souza Lioja, por briga.
A' orfem do de S. Jos, Felicidade Pires da Luz,
para averlgaagoes policlaes.
A' orde do da Boa-Vista, Manoel Luiz da Pe-
nlia, paraverigtiai;o''s policias.
A' orsm do subdelegado do Recife, Joo Ribei-
ro por insultos; Guhermlna Mara do Espirito
Santo e Francisca Rosa do Nascimento, por briga.
A' ordem do de S. Jos, Ignacia Mara da Con-
cego, per embriaguez; Manoel Joaquim ou Joa-
quim Manoel Torres, e Clemencia, escravo de Jos
Felicio, ambos por disturbios.
A' ordem do da Boa-Vista, Mar BenedicU da
Conceigao, por desordem.
10
A' ordem do Illm. Sr. Dr, chefe de polica, Joo
Baptista Leite e Jos Francisco da Costa, por se
acharera pronunciados no termo de Nazereth.
A' ordem do subdelegado do Recife, Jos Fran-
cisco Pereira, por desobediencia, e Manoel, escravo
de Antonio Jacintho, para correccio.
A'orde* do de-ante Antonio, Antonio, escra-
vo de Manoel Jos Machado, a requerimento deste.
A' ordem do de S. Jos, Manoel Nunes do Nas-
eimento, Francisco Carlos do Araujo, para cor-
recgo, Jos Severino dosPrazeres, por embria-
guez ; Jos e Leocadio, escravos, este de Thereza
de Jess e aquello de Antonio Jacintho Borges.
ambos por spenos de estarem fgidos.
A' ordem do da Boa Vista, Mara BenedieU da
Conceigao, por desordem.
O chefe da 2* secgo,
J. G. di Mesguita.
.Movimtnto da casa de delengo do dia
dezembro de 1864.
Existiam....... 3 i i preses.
Eniraram...... 11
Sanirain....... 14 >
9 de
Pilatera....... Asaba*:-racionaes .... 341 271
Estrangeiros... 17 i
4 i
Estrangeiras... 2 i
Escravos...... 43 >
4
341
Alimentados a custa dos cofres provineiaes. 133
Obituario do ckmitrrio publico no da 7 de
dezembro de 1864.
Lenidas, Pernambuco, 10 mezes, S. Jos ; gaslro
intente.
Isabel Maria da Conceigao, Pernambuco, 50 annos,
vuva, Boa-Vista: tubrculos pulmonares.
Maria Joaquina, Alagas, 60 annos, vuva, loa-
Vista ; interle ulcerosa.
Joanna Baptista Cabral, Pernambuco, 18 aanos,
Recife; phtysica.
RitU Maria da* Conceigao, Pornambuco, 2! annos,
solteira, Santo Antonio; varilas.
Henrique,Pernambuco, 18 mezes; S. Jos; convul-
soes.
Agostioho, Pernambuco, 4 mezes, S. Jos; saram-
pos.
8
Luiz, Pernambuco, 5 das, Boa-Vista; espasmo.
Manoel Alexandre da Silva. Pernambuco, 39 an-
nos, solteiro, S. Jos ; hydropisla.
Joanna Maria dos Prazeres, Pernambuco, 82 an-
nos, solteira, Afogados; erysipela.
9
Joo, Pernambuco, 7 annos, Recife; hepatite chro-
aica.
Joo, frica, 50 annos, solteiro, escravo,. Bea-Vis-
ta ; hypertrophia do corago.
Thomazia Anglica Moreira de Carvalho, frica,
60 anuos, casada, Boa-Vista; pulmonite.
Mara Helena de Santa Anua, Pernambuco, 43 an-
nos, casada, S. Jos; laringile.
GHRONIGA JUNCIANA
TRIB\ VL DO COHIHIEBCIO
ACTA DA SESSO ADMINISTRA-
TIVA., DE 9 DE DEZEMBRO DE 1864.
PRESIDENCIA INTERINA DO EXM. SR. DKSEMBARGADOR
. ALEXANDRE BERNARDINO DOS RES E SILVA.
s 10 horas da manha, estando reunidos os se-
nhores deputados Rosa, C. Alcoforado e supplente
Basto, e presente o Sr. desembargador fiscal, o
Exm. Sr. presidente declarou aberta a sesso, e
nomeou o deputado Rosa para servir no impedi-
mento do secretario.
Lida, foi a pprovada a acta da sessao antece-
dente.
O Sr. deputado Lemos, que serve de secretario,
compareceu pouco depois de aberta a sesso.
EXPEDIENTE.
Leram-se os seguintes offlcios :
Um do Exm. Sr. Tice-presidente da provincia,
datado de 5 do correntt, communicando que o
Exm. ministro da fustiga havla solicitado do minis-
terio da fazenda a expedigo da ordem para ser
Biga ao porteiro deste tribunal Antonio Correia
lia a gratiQcago de 150,5000 que lhe toi conce-
dida por decreto de 27 d agosto ultimo.Accu-
se-se a recepgo e archive-se.
Outro do mesmo Exm. Sr., da mesma data, com
municando que segundo lhe constou de participa-
ge da directora geral da secretaria de esudo dos
negocios da justiga, de 10 de novembro lindo, Sua
Magestade o Imperador por decreto de 31 de outu-
bro ultimo houve por bem conceder a gratiQcago
de 2505000 ao escripturano da secretaria deste
tribunal Dinamerico Augusto do Reg Rangel.
Accuse-se a recepgo e archive-se.
utro do mesmo Exm. Sr., datado de 6 do cor-
rentt, transmittindo copia do aviso circular expe-
dido pelo ministerio da justiga em 16 do mez (indo,
recommendando a inteira e fiel execugo das dls-
posigoes comidas na circular n. 70 e aviso n. 74
de 7 e 3 de fevereiro de 1856, que vedam as con-
sultas a respeito dos casos occorrentes.Accuse-se
a recepgo e archive-se.
Foram distribuidos pelos senhores deputados,
para serem rubricados, os livros Diario Copiador
da casa commercial de A. B. Cuervo & C, e o Co-
piador da de Eazebio Raphael Rabello.
DESPACHOS.
No requerimento de Francisco Ferreira da Sil-
va, Francisco Jos Rodrigues eJos Rodrigues Bei-
rao, pedindo que seja registrado o papel de arren-
damento que apresentam feito pelo primeiro aos
ltimos :Vista ao Sr. desembargador fiscal.
No de Joo Pinto de Lemos Jnior, pedindo o re-
gistro de urna escriplura de hypolheca que apre-
senta :Registre-se.
No de Joo Baptista de Moraes, pedindo Umbem '
o registro de urna escriptura de hyptheca que
aprsenla :Registre-se.
No de Maia Se. Espirito Santo, pedindo que seja |
registrada a carta de fretamento martimo que
apresentam-Registre-se. '
.Node faltar & Oliveira, pedindo carta de regis-
tro para o seu patacho Bemfiea .Vista aoSr. des-
embargador fiscal.
JToulro do mesmo, pedindo attestado adra de
que o seu navio Bemfiea possa fazer a vagem do
Rio Grande do Sul, a que se destina, independente
da carta de registro que solicitam e nao podem ob-1
ter em tempo :Passe attestado.
No de Thomaz Jos da Mlva, satisfazendo, com!
o documento que apresenta, o despacho de 9 de
junho do crreme anno : Volle ao Sr. desembar-
gador fiscal.
No de Jos Moreira da Silva Jnior, pedindo
que se declare por certido se o dito Jos Moreira
da Silva commerciante matriculado, e se sua no-
meago de caixeiro do mesmo este registrada :
Como pede.
No de Francolino Xavier da Fonseca, Manoel
Januario de Azevedo e Joaquim Geminiano de Ar-
rulla, pedindo o registro do seu contrato de soce-
dade, viste pelo Sr. desembargador fiscal :Regs-
tre-se.
No de Fortunato Benjamn Lins de Vasconcellos,
pedindo ser nomeado agente de leudes da praga
de Macei, tambera visto pelo Sr. desembargador
fiscal:Satisfaga o parecer fiscal.
Nade Joo Es'teves Al-es, pedindo ser nomeado
eorretor da praga de Macei, tambera, visto pelo
Sr. desembargador fiscal: Satisfaga o parecer
fiscal.
No_ da companhia Pernarabucana, pedindo per-
misso para que o vapor Parahiba de sua proprle-
dade possa navegar emquanto nao satisfaz o exi-
gido por este tribunal para obter a competente car-
ta de registro .Passe attestado concedsndo o pra-
zo de tres mezes.
Nada mais houve a tratar, e foi pelo Exm. Sr.
presidente encerrada a sessao ao raeio-dia.
ESSAO JUDICIARIA EM 9 DE DEZEMBRO
DE 1864.
PRESIDENCIA INTERINA DO EXM. SR. BESEMBARGADOR
A. B. DOS RES R SILVA
Secretario, Julio Guimaraes.
Ao meio-dia o Exm. Sr. presidente abri a ses-
so estendo reunidos os senhores desembar-
gadores Silva Gamares o Accoli, e es Srs. depu-
Udos Lemos, Rosa, Candido Alcoforado e Basto.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
dente.
Foi lido| pelo Exm. Sr. presidente o offlcio de 6
do crrante do Exm. Sr. presidente da provincia,
acompanhado da copia de aviso circular expedido
pelo ministerio da justiga era 16 do mez passado,
recommendando a inteira e fiel execucao das dis-
posicoes contidas na circular n. 70 e aviso n. 74 de
7 e 8 de fevereiro de 1856, que vedam as consul-
tas a respeito dos casos occorrentes.
Assignaram-se os accordos proferidos na ultima
sesso, as appellagoes entre partes :
Appellante, Francisco Antonio de Brito ; appel-
lado, David William Bowman.
Appellante, Joaquim Martinho da Cruz Correa ;
appellados, D. Felicia Relaves e a fazenda provin-
cial.
JULGAMEXTOS.
Appellantes, a vuva e herdeiros de Manoel Luiz
Gongalves ; appellado, Joao Francisco da Silva
Novaes.
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, Jos Baptista da Fonseca Jnior ; ap-
ios, os curadores Qscaes da massa fallida de Amo-
rim, Fragoso, Santos & C.
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, Manoel Jos da Silva Grillo ; appel-
lado, Antonio Gomes da Cunha e Silva.
Desprezaram-se os embargos com o voto do Exm
Sr. presidente.
Appellante, Augusto Frederico de Oliveira ; ap-
achados, o presidente e directores da Caixa Filial
do Banco doBrasil nesta cidade
Foi reformada asentenga appellada.
Appellante, Caetano Cyraco da Costa Moreira
a outros ; appellados, Barroca di Medeiros.
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, o embargante 3 Manoel da Silva
Lopes ; appellado, Joo do Couto Alves da Silva.
Desprezaram-se os embargos com o voto do
Exm. Sr. presidente.
Appellantes, o presidente e directores da caixa
filial do Banco do Brasil; appellados, Manoel Jos
de S Araujo os curadores de sua fallencia.
Adiado o julgamento requerimento de um dos
Srs. deputados.
Appellante, o visconde de Suassnna ; appellados,
Patn Nash & C.
Adiado o julgamento requerimento de um dos
Srs. deputados.
Appellante, Jos Francisco Pinto Guimaraes;
appellado, o Dr. Gabriel Soares Raposo da C-
mara.
Adiado o julgamento requerimento de um dos
Srs. deputados.
Appellantes, os curadores fiscaes da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado,
Antonio Ferreira da Silva Maia.
Adiado o julgamento a requerimento de um dos
Srs. deputados.
Appellante, Ignacio Pereira do Valle; appella-
dos, os curadores fiscaes da fallencia de Amorim,
Fragoso, Santos & C.
Adiado o julgamento a requerimento de nm dos
Srs. deputados.
DESIGNAgO DK DIA.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado, c
eonego Firmino de Mello Azdo.
Appellantes, o Dr. Antonio Agripino Xavier Pe-
reira de Brito e os curadores Qscaes da massa fal-
lida de. Martinho de Oliveira Borges ; appellado,
Jos Gomes Leal.
Appellante, Simplicio Tavares de Mello ; appel-
lado, o commendador Antonio Francisco Pereira.
Assignado o dia de boje, nao poderam ser pro-
postos por falta de tempo.
PASSAGRNS.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C. ; appellado,
Francisco Jos Leite.
Apresentado o presente feito pelo Exm. Sr. pre-
sidente, ordenen o mesmo Exm. Sr. que segnissa a
reviso a outro Sr. desembargador ; e o Sr. juiz
relator passou-o ao Sr. desembargador Silva Gui-
maraes.
O Exm. Sr. presidente apresentou os seguales
feitos que lhe haviam sido distribuidos : e ordenon
que Iba fossem conclusos afim de proceder-se a
nova distribnigo : enlre partes :
Appellantes, Jos Antonio Pereira e sua mulher;
appellados, a viuva a herdeiros de Joo Ferreira
dos Santos.
Appellante, Francisco Jos da Coste Barros ; ap-
pellados, o Dr. Antonio de Padoa Pereira. Pacheco
a Augusto Das Martins, administradores fe mhi
fallida de Pacheco & Mendos.
Appellante, Ignacio Jos da Silva appeMae.
Mara Joaquina e Rita Maria, vuva e btrdeiraV
Manoel Antonio de Faria.
O Sr. desembargador Accioii aprsenlo* __
para nova disiribnigo os dous feitos iigaMae, i
quaes offlciou como relator o Exm. Sr. deseaabar-
gador Reis e Silva, entre partes :
Appellantes, os administradores da felfear a
Squeira & Pereira : appellados, os aweiitraite
res da fallencia de Guimaraes & Imto.
Appellante, D. Carolina Josefa de Ata
appellado, Jos Hygino de Minada.
E o Exm. Sr. presidente distriboio-os ao i
Sr. desembargador, visto existir
feitos a averbago de suspeigo do Sr. i
gador Silva Guimaraes.
DISTRIBUTOR*.
m Ao Sr. desembargador Accioii:
Appellantes, ot,administradores da
de Bastos & Lemos ; appellados,
deiro.
Appellante, Antonio Joaquina Slgalo ;
da, Jos Francisco Coelho da Silva Vieira.
Ao Sr. desembargador Silva Guianrias:
Appellantes, Valle Porte & C ; aaaeUafes, w
administradores da massa fallida de Juagar Jas
Silveira. ^^
Appellante, Jos Guilherme Gamares; aart
lada, D. Mara Venancia de Abreu Lima Bastos.
Appellante, o Dr. Prxedes Gomes fe Soasa Pi-
tonga ; appellado, OcUviano de Sonra Fraega.
Appellante, Joao Antonio Googalves ; ap
os administradores da massa fallida eV
Carneiro Pialo.
Nada mais houve a traUr-se, o Eam Sr.
dente encerrou a sesso 2 horas e > fe trate.

COMMUmClDOS.
Illa). Sr. Dr. Jalo fe Silva
A historia que fiz acerca de ua beta ei
metro pentonite puerperal terminada por
gao na regias uraaelical, esta stpwU a
lo simples o claros, que nao pds eixar cae envi-
da o meu Densamente.
A duvida, o erro, a m interpretars s aaens
faltas do inlellecto sao auribolos da Rian lia-
mana, e se delles nao estao livras es aoaacas fe
grande talento e vasU erudieto, eonao sstam
pobre de talento, de apoucada lotelligsaeia s
de conhecimeolos T
Que ha de admirar que nestas eir
esbarrasse n'um ponto que o sobre eoitega
summa clareza e satisfactoriamente esatacasaa,
do alera disso daquslles que sao mu
pratica ? Todas estas facilidades
collega a sua copia de luzes e ab
nhecraentos prolessiooaes : asas por
isento do peccado original ? Nao ter
se engaar, nao digo de errar, e muit
esbarrar T Os grandes sabios nao esto unes
la pecha, e ja o liaba previsto e
quando disse : Quandoque boaus
raerus I
Diz o Sr. Dr. Ramos que esiudando essa e ani-
da rell -xo o facto por aaim publicado,
Irou circunstancia alguma capaz fe crea
em seu espirita, neui ponto que possa ser
extraordinario ou de diflfeil expikaeao.
Permita o meu amigo, que cosa asta si
de e franqueza Ibe confessea miaba i nones : s toc-
io, cuja historia narra coa toda nag tan, e sane
querer allrbuir-me gloria alguma fe ana hite in-
dultado, e para mim caso inteiraaesaat ana an
longa pratica de 22 annos fe clnica aa a> ana
bospitaes como na cidade, e iafeta
primeiro deste genero que ase asaarecna "i
lanos milhares de doentes, a quem
do, que me fez esta impressn
qual resullou a confuso que aiana
meu espirito ; e fica desde j besa clare,
o Sr. Dr. Ramos, para quem (actt
sao too frequentes na pratica t
explicoteo la satisfactoria, snvna
simples e al digna de um sorriss de
Com effeito, meu nobre collsga, assii
mu grande numero de parturientes,
ora S. S., e devendo por Unto ao
molestias supervenientes ao uarta,
muilos perilonites puerperaes, e ootras
que apparecem durante o puerperio, aiafe aa ta-
re, seno esta vez, occasio de ver apantanar aaa
abeesso na regiao umbelical, ou por abi alfanas, e
tendo o intestino adherido s paranas no toca, a
sofirido urna leso em sua eontinuidatte, n aaa ca
lugar de sahir por ella, insistir naa vr anta
pelle I I
Tenho tratado grande numero fe
fossas iliacas, e alguns muilograves, al
coolrei um so caso, em que o intestina ns?s*
se no abeesso e dar sabida s materias feeaes.
Tenho vists bom numero fe
neu, e alguns para que tenho tido
do a sopuragao esta lnteiramenle feiaian. a qpa>
nada resta seno fazer a abertura da aneeaaa, n
anda mesmo nestes casos graves, asan s i
sncontrei a perforacao do miesuao, a par
guinie a passagem das materias facas
tumor.
Tratei de quasi todas as fondas fe jala aaa tasa
ve durante a rebellio de 1848 90, ansia aatata e
no centro, onda estive destacado
e aquellos que poderam sobreviver
penetrantes no abdomen, noapn
po de sabida de materias feeaes nefas
va de que os intestinos nao
continuidads, porque esa tal caso for-ss asa a dar-
ramamento das msteras feeaes an envidada eeri-
toneai, e a raorte sena rooieqaanoi aaasi aaat-
livel.
Dous casos se deramde entrada fe aaa ente ana
cada verilba e ufada fe
da regle sacra : idaienU a'
imraediata do intestino recto; e a
tes vizinhas e a sopporaeao naa
fuer que o intestino se aerse
Ambos curarara-se.
Assisti a um dos casos moi gr
encontrado na clnica, deerysiaella
paredes do venlre, sopporaeao e
tificagodo lecldo cellolar,
vida, nada de adherencias fe tal
nos de sua comraunicago
de podrido. Este caso sm i
nosso collega o Sr. Dr. Sarment aa fe Mr
Ismbranca delle : toi rttaaa a
rador na estrada dos Ajnelos, em
urna operacd de bydroceie qne
lhe, atravessando o escroto
de fios de algodo : com
pou da experiencia, e alada
~e em ledos estas casos que
ca pude encontrar a adaareacj
abertura no foco do aneme,
siderar o cae que atetarte, eeeen r .a _
frequtntH na pratica t fe ditas asna : an
sos nao sao frequemos na pratica, a
iremamente raros, como para suato
entio sera preciso acreditar anea
ete a ceguera ebegaaeeaa a tal
visse ou nao connotases aaalanes airase a

atarr-
asa.
? 1
mmw ^^^nr
A
>


Diarlo de Periin^it Segnuda felra tt 4c Dezembro 4e 113*.
pela abertura le nm abcesso para to pouco
na i preciso certamente ior os talentosa conheci-
meatos professiooaes do raeu nobre a migo o Sr.
Dr. R.mos I !
Para nao cansar a paeieucia daquelles que se
derem ao trabalho de nos 1er, peco licenca ao no-
bre collega para dizer-lhe anda mui poucas pala-
bras : afflaoco ao raeu amigo e collega, sob pala-
bra de medico, que S. S. nao capaz de apresoatar
m sua extensa clnica dous ou tres casos sementan-
tes aquel le que histeriei, e que reunindo todos os
casos que possam ter tlo em sua clnica todos os
nossos collegas desta cidade, elles nao serio eni
tao grande numero que o autorisem a dizer com o
tom emphatico e magistral de que se servio o seu
mal.
E* preciso acautelar-se contra as tres falsificagoes
e imiiacoes que existem pedindo a legitima salsa'
de Bristol preparada nicamente por Lanman &
Kemp.
A' venda por Caors Barbosa e J. da Cunha
Bravo & C.
pedras
cobre collega.
Factot dtsta ordem sao tao frecuentes na prati
ea e acham na tciencia esfltcifio tas tatfacto- qner veneno nesta mdieina.
rio, etc., etc. Ella inteiramente manente e pode ser toma-
Para os espirites acanhados como infelizmente das por pessoas no maior estado de fraqueza ou as
o meu, nao omito fcil achar qualquer explica- changas mais delicadas sem (Descansar o menor
cao satisfactoria, principalmente na nossa sriencia
que nada tem de positiva, e por mim direi que
quanto mais estudo e uanto asis pratioo, mais
duvidas, mais incertezas encontr, e por conseguin-
te menos sahsfeito estou cog as explicares que
por toda a parte encontr ; seno certo, como ein-
guera pode contesur, qoe rara vez se achato
dous oh tres mestres da mesraa opioid : ninguem
culpado disso seno a aatureza ano foi contigo
tao mesiiuinli.1 e alias a outros prodigallsou pene-
tracao d'aguia e olhos de lynce.
No meio desse qaadro dsolador, nao posso doi-
xar de cenfessar que estou possotdo de om grande
prazer e anmalo de urna jucunda esperanca : O
Sr. r. Ramos vatprevaf a muita frequeueta dos
factos da ordetn dos de que se trata, e vai dar ex-
plicado satisfactoria delles : porra protesto que
sica de ora em vante m pouco pensionado, porque
lia de ter a bondade de explicar-me satisfactoria*
ente muitas duvidas que tenho a respeito de
ciencia medica e outras que me forera apparecen-
do, contando em troca disso cora o meu mais cur-
deal reconhecimeato, visto como nao posso offere-
er-me a S. S. para explicar-lbe cousa aiguma e
menos satisfactoriamente.
RecifB, 17 de ovembro de 1864.
Sen collega e amigo,
Dr. Lobo Moscozo.
rac,ao orignala genuina para a cura radical dos Barca InglezaLothtass -iden.
mais perigosos e confirmados casos de escrophula area inglezaBella Ponteearvao.
ou mal de re, chagas antigs, leicensos, tumores, Barca inglezaLook Out -earvao.
abeessos, ulceras, e todas as qualidades de erupcSes Barca InglezaDoraMyidem.
escabrosas e escrofulosas, a legitima salsa parri- narca francezaSanta Mickel carvaa.
Iba de Bristol, preparada por Lanman E' igualmente um remedio certo para rbeuma- Barca ingleza Cornocoprmercadorias.
tisino, mpingebs, tinha, escorbuto, tumores bran- Brigue nacional Alfredo carne de enarque,
eos e affecfdes nevralgicas, debilidade geral e ner- Brigoe argentinoAila -charqne.
vosa do syteraa, falta de appetite, languidez, ton- Brigue inglezMan mercadorias.
teiras, e todas as molestias do ligad, febres, febres Barca inglezaC/i/on fari nha de trie.
biliosas, frios e ictericia, o melhor e emflm o nico Brigue suecoistirtabeado,
remedio certo para a cora de todas as molestias Patacho aanoveriano Jacobdiversos gneros.
provenientes de nm estada impuro e viciado do Baa portuguesa S. Manoel II di versos
sangue. Os que sofTrem deslas. molestias podem eros.
estar na certeza que nao tem a menor partcula de Barca inglezaMirandadiversos gneros,
substancias mneraes, mercuriaeV, ou ontro qnal- Barca francezaRapide sal.
Importado.
Barca portugueza S. Manoel II, entrada do Por-
Unidades. Valores.
. cento 1*500
. caada 800
fie-
COBEESPOiniEWCIAS '
Srs. redactores.Toado a correspondencia da
Parahyba, publicada no Diario de Pernambuco de
3S do correte, tratad* de um facto relativo a mn
nulattatie de neme Manoel que*por mim foi com-
prado a Francisco Clemenlino dos santos, e re-
mettido para o Rio de Janeiro, onde se descobrio
cinco mezes depois, qne elle forro, compre-me
por bem de meu carcter e replselo dizer o se-
guidle :
No dia 18 de Janeiro do corrente anno foi levado
a minha casa o referido Santos por Evaristo Hila-
rio de Carvalho e Francisco Jos de Soma para o
fim. de propor-me a venda de referido mulaiinho,
de quem se dizia senhor o mesmo Santos, por titu-
lo de heraoca de soa sogra, a que foi sustentado
peto inuiaiiufio na presenca das ditas pessoas e
Lera assun do Sr. Joo Miguel de Oliveira Berardo,
qne eslava em minba casa tratando de outros ne#o-
cios.
Nao quiz dar urna decisao nem entrar em ajuste
sem que primeramente mandasse examinar o dito
mulaiinho, que exig ficasseem miada cas* para po-
der melliorroente inierroga-lo na ausencia do ven-
dedor.sendo qoe oproprio mulatlnho pela tarde de-
clarou-me que efieciivamenle era escravo do dito
Santos, e bem assim a mi delle por titulo de lia-
ranga j referido, accrescentando mais que o mes-
mo Sames rivia de plantar algodao com alngados
no Inga, e negociava com miudezas, o que tudo
concordava com o que elle J havia declarado na
presenta de vendedor e das referidas pessoas.
Pela manhaa do da seguiote, depois de manda-lo
examinar e reeonhecer qne elle tinha urna cicatriz
de queimadura n'um dos ps, alm de urna cor
lara, que nao o lornava vendavel, resolv nao
cmpralo, o que declarei ao vendedor, que chega-
?a com o dito Francisco Jos de -onza na tecasio
em que eu sahia de casa. Mas instancias do dita
Santos, que allegava ter urgente precisad de di-
nbeiro, e mesmo por ser rasoavel o preco a qne
ltimamente elle se sujeiton, tomei a resoloeao de
compra-lo.
Nessaoccaslo pedi-lhes os tralos, por onde pos-
suia o referido mulatinhe, ao que elle mostroo-se
enfadado, e at indignado, perfumando in conti-
nenti a aquelle : Quem leu senhtr f Elle respon-
deu-lhe : Vmc.Qwm tua mat f E" tambem
escrava de Vmc. e ficon no Inga. Disse anda o
vendedor que nao sabia que era necessario tirar
formal ae p&nlhas para vender-se um escravo, e
que elle nao mereca que se Ihe fizesse tal exigen-
cia, invocando ento o testemunho do dito Francis-
co Jos de Souza sobre seo carcter, o qual me at-
testou qoe elle nao era homem de duvidas, e que
pnanlo poda comprar-lhe o e.-cravo.
Em face disso e sendo pratica constante aqui
nesta praca comprarem-se escravos do matto sem
que os vendedores tragara os respectivos ttulos,
como muitas vezes tem acontecido comigo mesmo,
fechei o negocio, seodo de notar que nunca me
passou pela mente que o mulaiinho fosse forro, ea
exigencia qoe fiz do titulo, leve por fim, nao verifi-
car ssa circunstancia, mas sim convencer-me de
que o referido Santos era, e nao onlro, o verdadei-
to e legitimo dooo deHe.
Lavada a competente escriptnra as notas do
tabelliao Almeida e pago o respectivo prego da
venda na presenca do mesmo tabelliao e testemo-
nhas Antonio do ("armo Ferreira e o j referido
Francisco Jos de Souza, morador na roa de Hor-
tas, Bcou o escravo em meo poder, sendo embar-
cado para o Rio de Janeiro no mez de fevereiro
no vapor Paran e remedido a Victorino Pinto de
S Passos & C que lio venden ae bare de Itaba-
poana do is mezes depois de te-lo reeebido, sendo
que at ento nada havia declarado o dito mulaii-
nho acerca de sua libardade.
Agora, porm, que se sabe qae esse molatinho
se declarara forro em casa do dito baro, iizendo
ser filho de Jos Bezerra, morador em Couceira,
da villa do Inga, o qual o havia emprestado ao
alfaiate Francisco Barbosa, morador tambem no
Inga, para acompanha-lo na condocee de urnas
cargas esta praca, onde chegando fura pelo dito
alfaiate vendido a mim.
J requer ao r. Dr. chefe de polica desta pro-
vincia o interrogatorio dos ditos Francisco Jos de
Souza, Evaristo Hilario de Carvalho, Joo Miguel
de Oliveira Berardo e Antonio do Carmo Ferreira
sobre o faeto acontecido e sobre os signaes carac-
tersticos do dito Francisco Ciementino dos San-
tos ; e eu mesmo fui interrogado a semelhante
respeito, correndo os interrogatorios d'aquelles pe-
rante o Dr. delegado d'esta cidade por assim o ha-
ver mandado o mesmo Sr. Dr. cHefe de polica.
Todos os interrgatenos felizmente confirman)
o que eu acabo de expor : j mandei tirar eopia
de todos e vou requerer certido da copia da es-
criptura, bilhete de exportaco. que paguei no acta
de embarca-io, na secretaria de polica, onde todo
est archivado, para remetter ao Sr. Dr. chefe de
poiira da Parahyba am de proceder contra aneo
de direito fdr.
A' vfta do exposto, torna-se evidente qne o meo
procedimente nada tem de ceusuravel, e que nin-
guem est livre de tal acontecimento.
O que, porm, de adimirar, que o tal mula-
tiabo nunca se def larasse livre senao no Rio de
Janetro.e depois de aehar-ee ero casa do dito ba-
roi e que o pai havendo emprestado ao dito al-
faiate para vir com elle at esta Cidade, nao. o re-
claiiusse na volta, nem procedesse eonlra Francis-
co Barbosa, o qual so agora foi preso depois qae
o muiatinho fez a dita deeJaraeao no Rio de Ja-
neiro qoe me faz crer, que tudo foi feito de com-
bmago com o (tai, filho e o proprio alfaiate, que
de mais a mais sendo cooberido por Francisco
Barbosa cnudou o nome para Francisco Ciernen-
tino dos Santos quando velo vende-lo, o que nao
devia ignorar o dito mulaiinho.
Que o dito Francisco Barbosa o mesmo Fran-
cisco Ciementino dos Santos se ha de verificar em
face dos signaes caractersticos descriutos pelas
ditas pesso.*, quando foram interrogadas pelo Sr.
Dr. delegado.
Termino aqu, esperando que o publieo me faca
a devida justica.
Recife, 10 de dezemhro de 184.
SDtno Guithtrme de Barros.
de Foso, ti de uoTcm-
bro de 184
Saibam todos quem o velho Andr Caval-
eaoli de Albnquerpe.
Res non verba.
Nunca passou-nos pela mente, que um dia tea-
mos de recorrer a imprcosa para dizer alguma
cousa, ou para censuramos os actos de alguem,
qner como homem publico, quer como particular ;
mas tal a indignacao de que nos acharaos possui-
dos contra um acto ignobil, praticado por um indi-
viduo, que por todas as raz5es deva proceder por
ama raaneira irreprehensivel, que nao resistimos
ao desojo de trazer ao conbecimento do publico esse
fado, pondo em relevo o carcter de um homem,
cajo proceder jesuiticio nos trouxe illudidus at o
presente. *
Queremos fallar do Sr. Andr Cavalcanti de Al-
buquerqtie, boticario, morador nesta povoacao, que
apezar de seus brazoes de fidalguia acaba de pro-
ceder da maneira a mais infame, com um cidado
a quem elle chama va seu velho amigo 1
O facto em si da menor signifleacao, e quasi
que nao se faz digno do menor apreco ; porra as
circumstancias que o acompanharam da-lhe teda
gravidade, e o tornara digno de ser narrado.
Precisando ura nosso amigo comprar urna casa
nesta povoacao, e sabeodo que e Sr. Andr Caval-
canti, como procurador de um terceiro eslava au-
torisado para fazer a venda de urna casa relba e
arruinada, rogou-nes de ir edectuar a compra desta
casa.
Para isto dirigimo-nos casa desse velbo sem
conceito, e cem quem anda vivamos de boa f, e
(contratamos a compra da referida casa, depois de
[ haver um individuo, a quem quera elle dar prefe-
rencia, declarado, que nao quera compra-la.
Autorisados por esse boticario de meta cara, tra-
tamos de extrahir o bilhete de sita, e pagar o lau-
deraio, viste ser a casa incravada em chaos fo-
reiros.
Isfo feito, avisara-nos, que o individuo que havia
declarado nao querer a casa, tratava tambem de
pagar a siza para compra-la.
Anda nao qnizemos dar crdito ao qne nos asse-
veravam, porqnaoto julgavamos que nm velho da
cabeca ja eocanecida seria incapaz de corametter a
infamia de contratar ao mesmo tempo com dous
individuos a venda de um so objecto mas foi isto
ama perfeita illusao de nossa parle, illusao que
aioda durou ; porque indo nos de novo casa do
tal megra, anda elle leve o desfarcamento de as-,
segurar-nos que o nosso negocio eslava firme, e que
podamos ir passar a escriptura para oque j tinha
o escrivao a necessaria autorisaco.
Dirigimo-nos casa do escrivao, e j ahi encon-
tramos a escriptura pastada ao terceiro que, depois
de nos, centraran com o tal do Andr, que pelo
facto que praticou mostra ser ura homem de un
carcter sincero e de quem Deus nos livre para
sempre.
Vede vos meus letlores nesle espelho I
E'esse homem sem palavra, e que mostrou pre-
zar tao pouco sua digoidade assgnou a escriptura
de venda da casa ao terceiro, que nos disputou a
compra, cujo triumpao foi devido ao sevandijamen-
to do noore boticario I
Mas assim deva acontecer, porque memo dat
quoi ntn habet e quem com p__
Se por um lado lamentamos que e Sr. Andr pro-
curaste, por urna cousa to ridicula emporcalhar-
se, por outra parte Acarnos inteiramente satisfeitos
visto que de hora em diante sabemos cora quem li-1
damos ; e podemos asseverar ao pretogonista de
tao ridiculo drama, que elle se acha perdido na
opmi > publica, porque quem pode o menos tam-
bem pode o malsA hoje o Sr. Andr flea conheci-
do como homem apto para grandes cousas Bea-
tus venter qut te portavit 11 I
Julgaraos mnito acertado que o Sr. Andr nao
arranque de todo a mascara, que por tanto tempo
soube carregar ; porque anda pode iludir a al-
guns incautos, certo de que anda mais nos conven-
cemos que non potesf mala arbos bonus fructus
duccere.
E como poderla o Sr. Andr ter melhor proced-
memo, se a sua consciencia estragada na o per-
miti t Se como homem pratica, sem a menor
necessidade vilanlas como a que acabamos de des-
crever, se como boticario elle torna-se o flagello
da humanidade, pois assim o permute a sua crassa
ignorancia, que faz com que elle impinja ao pobre
gatos por lebres, pouco se importando com a sorte Silva Barroca.
to, maoifestou o seguinte :
Ao carregador (Julio Cesar Pinto de Oliveira) tO
cazoas com i < duzias de garrafas cora vinhu, 1
dito cora um relogio e 1 barril com vinagra,
A' ordem, 2 saceos com 1,920 paucoesa pratt,
100 rodas de arcos da pao o 1 caixa cora vlnho en-
garrafado.
Antonio Jos Al ves da Fonseca, i caixao com
obras de prata.
Antonio Jos de Arantes & C, 187 sacaos com
933 alqueires de feijo.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, 10 caxSes
cora 90 duzias de garrafas com vinho, 1 caixao com
k pecas de panno, 2 cobertores, 7 bocetas com li-
nt, etc.
Antonio Lopes Braga, 100 canastras com 10,935
mauncas de alhos, 100 barris com 23 alqueires de
azeitoaas, 210 rodas de arcos e 27 vaiumes de
obras de virae.
Ani nio da Silva Campos, 3 barris de quarto
com vlnho, 49 canastras com albos e 100 ditas com
12,040 mauncas de ditos.
Alfredo Jos Antones Guimaraes, I caixao com
3 caixas com figos e 8 bocetas com doce.
Angelino Jos dos Santos Aodrade, 1 barril de
quarto com vinho, 1 dito de quinto com Vinagre, 14
euohetes cem fechaduras, argolas e machados, 34
barris com encaadas e pregos, 1 caixao com cha-
peos, 6 fardos com peneiras, 121 canastras com
alhos e 2 ditas com castanbas em ourigos.
Augusto Cesar de Abren, 6 caixdes com 471 pe-
cas de chita.
Bartholomeu Prancisco de Souza A C, 2 ealxSes
com 2 pinhas de louca e 25 caixdes com 300 gar-
rafas de vinho.
Bernardino Crrela Resende Reg, 43 barris
com 8 pipas e 3 almudes de vinho.
Carvalho & Nngueira, 3 caixes com 100 duzias
de cartilhas e 95 escovas, 200 rodas de arcos de
pao, 10 caixdes com 1,000 asuleijos.
. Cunha Irmaos 4 C, 150 barris de quinto a 25
ditos de sexto com vinho, 40 caixdos cora 2,000
duzias de pomada, 2 sacc< s com muinha e 4 cai-
xdes com 252 maces de linbo.
Domingos Jos da Cunha Lages, 3 barricas com
farnha e 1 volume com cestos.
Domingos Rodrigues de Andrade, 15 barris de
arroba com salpicos.
Francisco Ignacio Tinoco de Souza, 2 caixdes
con castanbas, notes e macaas.
Gaspar Antonio Vieira Guimaraes, 1 caixao com
24 garrafas com vinho.
Guilherme da Silva Guimaraes, 4 caixdes com
1,610 varas de panno de Hubo.
Guimaraes & Oliveira, 1 caixa com livros.
Henrique Jos da Cunha, 16 caixdes com 18 du-
zias de garrafas com vinho, 1 caixao com 7 latas
com carne, 7 ditos e 15 bacetas com doce, 1 pega
de panno de linho e 6 pares de coturno
Joo Francisco Paredes Porto, 30 caixdes com
30 duzias de garrafas com vinho.
Jlo Macedo Amaral, 200 hacas de vlmes.
Barca Ingleza Cornucopia, entrada de Liverpool,
coasignada a Patn -Nash & C, maoifestou o se-
grale :
200 saceos arroz, 20 barricas bren, 4 caixas ob-
jectos de seleiro, 354 ditas folha de (landres, 1 dita
folha de cobre, 10 ditas fundos de dito, 5 ditas e 86
barricas miadas, dobradic.es,' cutilerlae ferragens,
28 barricas copos e praios de vidre; a Patn Nasb
4G.
1 caixa e 1 barrica vinho, 30 toneladas carvaa
queimado ; a C. 9tarr & C.
17 caixas tecido e raeias de algodao ; a Southatt
Mellors.
2 fardos estopa ; a J. A. de Araujo
4 macacos, 1 atlado cabos, 1 caixa hrragera ; a
A. M. Machado. {
s fardos e 1 caixa tecide de algodao, camisas de
linho e algodao ; a A. C de Abren.
1 barril presuntos : a Palmeira & Beltrao.
10 caixas conservas ; a Duarte & C.
520 caixas sabo, 10 fardos tecidos de linho e sac-
eos de dito ; a J. Pater & C.
14 fardos tecido de algodao; a Isidoro Nelto <& C.
2 fardos tecido de algodao; a E. A. Burle & C.
1 caixa cordo de algodao, 2 ditas selins; a
Mella Lobo & C.
1 barrica e 83 gigas louca, 21 barris manteiga,
50 caixas conservas ; a ordem.
1 caixa um jogo de bagatella,2 ditas arreios para
carro e objectos de seleiro, 110 barricas cerveja,
63 toneladas earvao de pedra, 20 ditas dito quei-
mado ; a Wilson & Hette.
1 caixa machina de costura, 1 dita objecto pra-
teado ; a M. da S. Nogueira.
2 caixas chapeos de sol de algoda* ; a Guilher-
me da Silvas Guimaia s.
1 dita livros ; a Amorira Irmaos.
2 caixas e 1 barrica ferragenj, 32 caixas fitas de
linho, linha de algodao e raiudezas; a Vaz & Leal.
11 caixas macbioismoe pertences; a A. V. da
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO'
PAUTA DOS PREC,0 DOS GNEROS SUJEITOS A DIBBITO DE
XfOBTAC,AO. SEMANA DI 12 A 17 DO HEZ DE DB-
ZEHBBO DI 1864.
. Mercadorias.
Abanos.......
Agurdente de cana .
dem re8tilada ou do reine.
dem caxaca........
dem genebra....... >
dem alcool eu espirite de agua
ardente.....,
Algodae em carneo.....arroba
dem en rama ou em laa. a 19J000
Arroz com casca...... < |300
MO
900
730
c
f
I
r
caiada
t
i
arrota
dem descascado ou pilad .
Assucar mascavado.....
dem branco........
dem refinada......
Azeite de amendoim ou mende-
bim.........
dem de ceco....., ,
den de mamona ......
Batatas alimenticias. ....
Bolacha ordinaria, propriapara
embarque .......
dem fina........ >
Caf bom
dem eseolha ourestolbe ... >
dem torrado....... fibra
Caibros. ". /..... um
Cal.........*. arroba
dem branca..... >
Carne secca (xarque) ....
Carneiros...... nm
Carvo vegetal ...... arroba
Cavernas de sicupira .... nma
Cera de carnauba em broto. libra
dem idem em velas ....
Cha.......... ,
Charutos........ cento
Cevados (porcos)...... um
Cocos (seceos)....... cento
Colla ...... ibra
Cauros de boi, salgados ...
dem idem seceos espichados.
dem idem verdes.....
fdem idem cabra eortidos. ~ um
dem idem de mea..... >
Doces seceos...... libra
dem em gela ou mama- >
dem em calda......
Espanadores grandes um
dem pequeos....... >
Esteiras para forro de estivas
de diavio. ?....... cent
Estopa nacional...... arroba
Farinha de de mandioca alqueire
dem de araruta...... arroba
Feijae de qualquer qudlidade.
Frechaes........ um
Fumo em tolha, bom .... arroba
dem ordinario ou restolho >
dem era rolo bom...... >
dem ordinario ou restolho >
Gallinhas ........ urna
Gomraa......... arroba
Ipecacuanha (raz)...... .
Lenha em achas ...... cento
Toros.......... >
Linhas e esteios....... nm
Mel ou melaco....... caada
Milho.......... arroba
Papagaios...... nm
Pao Brasil........ quintal
dem de jangada..... um
Pedras de amolar..... urna
dem de filtrar...... t
dem de rebolo......
Piassava......... molho
Pontas, on chifres de vaceas ou
novilhos........ cento
Pranchdes de amarello de dous
costados........ um
dem de louro....... i
Rap.......... libra
Sabo. .........
Sal.......... alqueire
Salsa parrilha....... arroba
Sebo era rama...... >
dem em velas....... >
Sola em vaqueta ..... urna
Taboas de amarello..... duzia
dem diversas....... >
Tapiocas......... arroba
2*600
1*900
3*600
3*120
2*000
1*600
800
1*200
3*000
7*000
7*400
6*000
440
360
280
500
3*200
4*000
1*000
8*000
300
300
1*500
2*300
15*000
4*000
600
160
240
100
330
10*000
1*000
320
500'
4*000
2*000
Passas.......... dem a 5*000 a caixa.
Presuntos.......Venderam-se a 15*000 por ar-
roba
Queijos.........Os flamengos venderam-s a
2* cada um.
Sabo..........O inglez vendeu-se a 145 ra a
libra, e o do Mediterrneo a 260
rs. a dita
Taboado de pinho Vndense a 33*000 a duzia
Toueinho....... Vendeu-se o de Lisboa a 8*200
por arroba.
Vinagre........O de Portugal vendeu-se de 100*
a lf5* a pipa.
Vinlios.........Os de Lisboa venderan-se da
190* a 200*000 a pipa, e de on-
tree atizas 180*.
Velas....*......As de compeslcao venderam-se
a 540 rs. o pacote de seis velas.
Desenos....... 0 rebate de ledras regulon de
10 a 12 por cento ao anno.
Fretes.........Para o Canal de 45 a 50-5/.;
para Liverpool 205 / polo las-
tro '/g 5 % pelo algodao.
1 tarracha fina
2 tornos para bancadas.
2 pedras para aflar.
1 escala.
2 cerras de tracar de 5
2 desbastadores.
2 cerrlos de fixa.
2 travaderaa
1 bigorna para taneeiro.
2 caadas de espirito de
As pessoas qe qjatserea
aprsentela snas prepostas ero carta
secretaria do rmi no A 12
horas da manhaa.
Sala das sestees *
de deaembr de 1084.
Sebastiao Jos
No da ierca-feira 13 *
audiencia do Dr. joiz municipal da i
de arrematar o moleque Ismael, por
costas, encamlnbada contra Fra
Miranda.
deMaMi
MOTIMESTO DO P01T0.
Navio entrado no dia 10.
MacoiBarca brasileira tfe*foro,de 439tonelIa-
das, capito Francisco Gomes, eqaipagem 12,
em lastro, a Amorira & Irmo, veio receber pra-
tico e segura para o Ass.
Navios sabidos no mesmo da.
BarcelonaPatacho hespanhol Vtrgem de Monte
Serrat, capitao Joao Manoel de Deus, carga al-
godao.
Rio da PrataPolaca hespanhola Virgem del Car-
ino, capitao Juan Orla, carga aasocar.
Rio de Janeiro Escuna drnamarquea Gaitena
capitao Pieper, em lastro.
Rio de Janeiro Legre dinaraarquez Flora, capi-
tao Hanson ; em lastro.
Liverpool por Lisboa Vapor inglez Saladin, com-
mandanto Godooe, carga algodao.
THEATO
DE
S. ISABEL.

EDITAES.
De ordem do Sr. inspector da alfandega se
faz publico que o prazo para o contrato das obras
desta repartiera, anounciada por edital de 5 do [
corrente, dever ultimarse no da 20 do presente,
. o que se declara para cunheciraento dos preten-
**9VV Quarta secjo da alfandega de Pernambuco, 9
**00 de deterabro de 1864.
****J O terceiro escriptorario,
**5*{ Joao des Santos Porto.
ifsnnn ^e'a 'sPec5' ^* alfadega se faz publico qne
av? no ^a ** do correnle> a Dora da tor(,e Da V0Tti
*JJJ~ da rnteroa reparticao, se ha de arrematar livre de
*K direito de arrematante, 12aaeoretas com ameixas
vOOO paguas, pasando 23 libras avalladas pela tarifa
" fj ^ m 84|836 reh, enja mercadera foi abandonada
a***J dos respectivos direitos por Ensebio Rapbaet Ra-
iiinS *" S^v^da alfandepa de Pernambaco, 10 d]
q?w! dezembrode t864.O terceiro escripturario, Jalo
8*0x ^ aD,0S Por,-
2*0 o Dr. Trhtao de Alencar Araripe, offlcial da im-
uiftnn P*r's' ordem da Rosa e jaiz de direito especial
;**jX~ d c S*52a namlraco e seu termo, por sua magestade impe-
8*000 rialj ^
*J~ Face saber qae no dia 12 de dezerabro do cor-
**OpO rente anno, se ha de arrematar em praea publica
1*yOO deste juizo ama casa terrea, sita na travessa do
188 Peixoto n. 8, com nma porta e Janella na frente,
tendo 18 palmos de largo e 40 de fundo ; com urna
i sala na frente e um quarto, e urna pequea sala
atraz eom cosinha, avahada por 4005000, cuja casa
***** fot penhorada por execocao de Jos Hygino de Mi-
J randa contra Manoel Jos Tetxeira Bastos, hoje Ma-
noel Bastos de Abren e Lima.
E nao havendo lancador a arrematarlo se far
pela adjudicacao na forma da lei.
O presente ser publicado pela imprensa e afil-
iado nos lugares do cosame.
Recife, 12 de novembro de 1864.
Ea Manoel Mara Rodrigues do Nascimento, es-
crivao o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
GERIA1I i conmu.
Recita eitraordiaaria, livre da
aaalgaafara.
Terca-feira 13 do corrale.
Representar-se-ha pela qoartt ve sMa ap-
plaudido e apparalow drama fMn acta
oito quadros
A VIDA, IILAGIIS I ITUII
SANTA "CECILIA
PROTECTORA DA MSICA
Coraecar is 8 horas
1
3*500
1*000
ao
400
Tatajuba.
Travs .
Unhas de boi
Vassouras de pas
Ditas de timb .
Ditas de carnauba
Vinagre.
quintal
urna
Cento
5*000
7*000
2*800
140*000
87*000
3*000
caada
6*000
200
10*000
8*000
6*000
500
do infeliz que vai tragar sua desconhecida bebe-
ragem.
K' bem triste a condicao de um povo que soffre
as funestas consecuencias do charlatanismo, tal
como o do Sr. Andr, que a despeito de sua inca-
pacidade para vender as drogas, que j compra
preparadas, tem o arrojo de compor novas drogas,
como se elle enchergasse acerca depharmaciadous
dedos alm d nariz 111
Contine o Sr. Andr na missSo gloria que tem
at aqui desempenhado, comprometa j no ultimo
quartel da vida a reputado de qoe gozava e depois
nao maldiga a' sorte que o faz considerar como um
ente desprezivel, e tal vez a escoria da sociedade.
Talvez anda alguem queira duvidar da veraci-
dade do facto que narramos, mas
Polaca hespanhola, Viageiro, entrada de Monte-
video, coosignada a Amorim Irmaos, mamfestou o
seguinte :
4000 qulntaes de charqne ; a ordem.
J'o Pereira Moutinhj, 2 caixas Com louca, 3
caixoes com 2 espelbos e 1 relogio, e 4 ditos com
figuras e vasos.
J. 'S Antonio de Carvalho, 1 barril da quinto cara
vinho.
Jos Baptista Braga, 1 caixao cora 6 bocetas com
doce.
Jos Baptista Marques Das, 1 barril eom pregos
e 1 caixao com lencpes.
Jos Gomes de Freitas, 1 caixao eom coxomilhos.
Jos Joaquim do Lima Bairo, 3 cuoheles com
50 duzias de es-

wmemm A PEDIDO.
Sais de Br ste!.
O grande porilicader do sangue, a nica prepa-
se atlender para
os escriptos quwos loram dyrigidospelo Sr. Andr 54 fechaduras, o 1-caixao con
ent retaco ao negocio da casa, se convencer do covas.
que levamos dito.
O mnete n. 2 nadadeixa desojar, porque nos
foi dirigido quando j escriptura eslava passada
a outrem f '
O tal boticario parece qne tem geito para tratan-
te ; mas deixemos'lhe obrar os actos de vlania,
porque, como elle, pratteam todos os das os indi-
viduos que team a desgraca de se engolfar no pela- \
Jos Joaquira Moreira, 1 caixao com 1 imagem e
obras de prata. .
Livo de Souza e Silva, 3 caixdes cem 3 duzias
de garrafas com vinho, 1 caixao com frucia secca,
e 6 pares de meias.
Manoel Duarte Radrigues, 100 saceos cem 500
alqueires de feijo.
Manoel Joaqmm Ramos e Silva & Genros, 260
e
imenso da prostituicSo do espirito, e que~vi-' caixdes com 260 duzias de garrafas com vinho, 40
vem patinhando no lama$al immundo da vida. E cndeles com 2,840 duzias de pomada, 32 caixoes
nos lhe perdoamos porque nos compadecemos des i com 2>272 duzias de dita, 8 barris^de quarto com
rnfelizes. vinho, 20 ditos de dcimo cora dito, 3 caixdes com
Nenhuma queixa poderiamos ter do Sr. andr,! 2 'magens e 1 frontal e 10 fardos com merhm e
se o sen acto fosse acompanhad* da fraaqueza ne- '' ina-
cessaria ; se elle houvesse feito como agora o fa-
cernos, que com franqueza e lealdada dizemos a
esse velho amigo as verdades que tal vez elle na
de*eje ouvir da bocea de seu amigo,
quer ser lobo nio lhe toma a pe le.
Muilo tinhamos anda a dizer acerca deste velho
tresloucado ; porm esta j vai um pouco longa, e
mesmo queremos aguardar-nos afim de ver se elle
arrepia da carreira, certo de que se o nSo Bzer, nao
sd lhe arrancaremos a mascara, como tambem lhe
pdreraos a calva ao sol.
Cora a publieagao desta muito obrgarao, Srs. re-
dactores, ao seu constante leitor
C.
MarceJIino Jos Goncalves da Fonte, 8 barris de
quarto com vinho.
Marques Barros & C, 4 barris de quarto com
Quem nao v"bp, 2 caixoes com 200 latas de doce e 16 cai-
x5es com 16 duzias de garrafas cora vinho.
Mondes Si Coelho, 3 barris de quinto e 8 ditas de
oitavo com vlnho, e 140 caixoes com 140 duzias de
garrafas com dito.
COMMEBCIO.
Alfandega
ftendtmeito do dia 1 a 9........
dem de di 10................
266:882,1597
54.907* 17
321:789*714
Horlaeit* da alfandega
Velamos entrados com azendas..
a con gneros...
Volantes sanidos

com fatondas...
com gneros...
176
327
235*
780
303
Descarregatn no dia 12 de no venare
Brigue inglezSiciliacarvo.
1,013
Miguel Jos A!ves, 2 cunhetes cem 438 fechadu-
ras e 100 ancoretas com azeitonas.
Narciso Jos Machado, 2 ternos de gigos e ca-
nastras, 5 ditos de balaios, 1 dito de canastras, 1
lata cora rhouricas e 2 caixdes com roupa de uso*
N. O. Buber C, 1 caixao com impressos.
Palmeira & Beltrao, 30 caixoes com 50 duzias de
garrafas com vinho, 20 barriTeom baga e 2 ditos
com 6 arrobas e 6 arralis de presuntos.
Tasso Irmaos, 3 caixdes'com arbustos.
Thomaz de Aquino Fonseca Jnior, 150 caixoes
com 150 duzias de garrafas com vinho, 25 harris
de quinto com dito, 36 ditos com salpicdes, 3 bar-
ricas com 16 alqueires de nozes,61 saceos com fei-
joes e I caixao com 200 escovas.
Thomaz Femandes da Cunha, 3 barris com en-
chapas, 6caixoacom ferragem, 2 ditos com pen-
tes, coxomilhos e linha, 60 eunheies com pomada,
100 ancoretas com azeitonas 21 cunhetes com
2,604 fechaduras, dito com 53 macos de linha e
4 duzias de meles, 1 dito com 68 duzias de e>eo-
vas, 45 barris com 583,000 pregos, 1 dito com 60
duzias de cartilhas, 17 barris com 240 enchadas e
100 milheirosde pregos, 10 cunhetes com 500 du-
zias de pomada. 2 caixdes com 520 fechaduras e
3 ditos com 162 machados.
Alfandega de Pernambuco, 10 de dezembro de
.1864.
(Assignados):
O 1." conferente, Jeronymo Jos Tavares.
O 2. conferente, Jos Miguel de Lira.
Approvo. Alfandega de Pernambuco, 10 de
dezembro de 1864.A. Eulalto.
Conforme.O 3." escripturario, Joao dos Santos
Porto.
Recebedorla de retelas Internas
ge rae de Pernambuco.
Rendiment do dia 1 a 9......... 9:148*179
dem da da 10................. 1:417*341
10:563*527
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 9......... 31:628*494
Mam do dia 10.............. 6:949*674
i ...
38:578*168
PRAQA DO RECIFE
IO DE DEZEiHBRO BE 1804.
AS TRES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambia........Saccou-se sobre Londres de 27 Vi
a 271/, d. por 1*000 ; sobre Pa-
DECLABAgES.
Santa Casa da H'sericontia do Recife.
A filma, junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
no dia 15 do corrente, pelas 4 horas da tarde, na
sala de suas sessoes, tem de ser arrematado por
quem mais vantagens offerecer, o forneci ment dos
gneros que houver de consumir nao s os esta-
beleciroentos de caridade, como tambem os colle-
gios de orphaos, ns trimestre de Janeiro a margo
do anno de 1865.
Esiabelecimentos de caridade.
Manteiga franceza, fibra, tapioca, idem, caf ero
grao, idem, assfrcar branco eos torro, arroba, di-
to-refinado primeira sorte, idem, dito dito segunda
serte, idem, arros pilado do Maranho, idem, ba-
calhao, idem, toueinho de Lisboa, iden, sabo
amarelfo, dem vela de carnauba, idem, dita es-
permaceti masso de 1 libra, farinha de mandioca
da Ierra, alqueire, vinho tinto de Lisboa, caada,
dito branco, idem, agurdente branca, idem, vina-
gre de Lisboa, idem, azeite doce, idea, dito de
carrapato, idem, farello de Lisboa, sacco, carne
verde, libra, pao e bolacha, idem.
CollegJo de orphaos.
Assucar refinado, libra, cal em grao, idem,
moteiga /ranceza, dem, arros pilado do Mara-
nho, idem, batatas, idem, aletria, dem, carne ver-
de, den, ptixe fresco, idem, pao e bolacha, dem
loucinbo de Lisboa, dem, farinha de mandioca,
alqueire, feijo, idem, azeite doce, garrafa,, vina-
gre de Lisboa, idem, cal, cuia, lenha em achas,
cento. j
As propostas de vem ser a presentad as em cartas
1YIS0S
COMPAXHIA BRASUJCOA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos porto* do ortt tjpara-
io al o dia 17 do imun va-
por Optpock,
tosi Mareetin de FVi
ro, o qnal depois 4a i
costume seguir para os porta do n
Desde j recebem-se passageiros
carga que o vapor poder conduzr, a nal i
ser embarcada ao dia de soa ebegada: <
mendas e dinheiro a frete ateo diada saaM
horas, agencia ra da Cruz a. I, [__
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C3
COMPANHIA Baasn.grxii
DR
PAQUETES A
Dos porto do
do at odia H do
por Paran, ees*
i tao de fragau Saata
'qnal depois da detn
me seguir para os port do oran.
Desde j recebem-se passageiras
carga qne o vapor poder eonduzir, a
ser embarcada no dia de soa chegda,
das e dinheiro a frete al o dia da saa
ras: agencia, ra da Croa n. 1, _.
Ionio Luiz de Oliveira Azevedo n C
Mil
COMPrtMHIA
DAS
lESSAGESllS imillLES
Al O *
Baha e Rio de Janeiro.
Para trefes, eonicdes
agencia ra do Trapiche n. 9.
?rb
ris a 350 rs. por Ir., e sobre
Lisboa de 95 a 98 por canto de fechadas^vando" ser especiaqs, j para os estabe-
Para Lisboa
O brigue portoguez Vita II, eapito A f. Tm-
ra vai sabir com brevidade por ter a
de seo carregament prompto :
qnizer carregar ou ir de
seu consignatario E. R. Rabefio, roa i
55. escriptorio._________________________
rara o Hio de Janeiro
as '
premio, montando-os saques ti-
fecluados durante a semana em
80,000,
Algodao........Vendeu-se o de Pernambuco de
20*000 a 21*000 por arroba,
o de Macelo, posto a bordo, a ris
20*500 a ultima venda, e o da
Parahyba, tambem posto a boi So,
a 12*.
Assucar........O branco vendeu-se de 3*000 a
4*000 por arroba, o somenos de
3*200 a 3*300, o rnaseavado
purgado de 2*100 a 2*400, e o
bruto de 1*900 a 2*0U0.
Agurdente.....Vendeu-se de 68*000 a 70*000 a
pipa.
Couros.........Os seceos salgado venderam-se
a 150 rs. por libra. -
Arroz..........O pilado da India venden-s
de 2*600 a 2*700 por arroba,
o do Maranho de .2*600 a
3*200.
Azeite doce.....Vendeu-se o de Lisboa a 2*400
o galn.
Bacalhe.......Vendeu-se em atacado a 18*600
por barrica, a retalho de 16*
a 17*000; ficaodo em deposite
1,500 barricas.
Batatas.........Venderam-se a 1*700 ra a ar-
roba.
Bolachinba.....Vendeu-se a 5*600 a barriqui-
nha.
Ca........... Vndense de 6*500 a7*600a
arroba.
Cha....'........ dem de 2*000 a 2*300 a libra.
Cerveja........dem de 5*500 a 6* a duzia de
garrafas. I
Farinha da trigo. A de Philadelphia e New-York
retalhu-sedel9*000a 22*000
por barrica, a de Baltimore de
20*000 a 21*000 e a de Trieste
de 22*000 a 23*000; tirando
em deposito 2,600 barricas da
primeira 1,500da segunda, 3,800
daterceira e 3.400da quarta, ae
todo 11,300 barricas; inclusivo
nm carregamento cheeado de
Baltimore e 1,000 barricas do
norte do imperto. '*
Louca..........A ingleza ordinaria vefldeu-s'e
com 320 pr cento de premie so-
bre a factura.
Manteiga.......A ingleza vndense a 900 rs. a
libra, e a franceza a 620 rs. a
dita
Massas.........Venderam-se a 5*000 a caixa.
leriinentos de candado e j para os collegios de
rphos, saa tambem aceitas propostas sement
Sara a carne veraa e paca o pao e bolacha, Unto
os estabelucimentos da caridade como dos colle-
gios de orphaos.
Os pretenden tes pdera diriyir-se a esta secreta-
ria as horas de seu expediente, afim colherem
as ioforroacousu que jnlgarem precisas, c no acto
da arrematacacHIevem comparecer aeompanhads
de seus fiadores, ou munidos de cartas* destes, que
ficaro respoosaveis pelo inteiro cumprimento dos
respectivo coatratos.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 7 de dezembr de 1864.
0 escrivao,
F. A;Cavalcanli Cousseiro.
Consulado de Portugal
f Em Pernambuco.*
No da 13 do corrente raez tem de ir a leao a
taberna do ausente suhdito portuguez Antonio Jo-
s Vieira Braga, sita na Liogoeta n. 7; previne-
se por conseqaentta aos devedores deste estabe-
lecimonto, que pelo consulado de Portugal en Per-
nambuco traia-se da arrecadago de todos os bens
do subredito Braga, para que elles vas ao mesmo
consulado pagar seos dbitos, do contrario sero
a isso obrigados judicialmente.
O conselho administrativo para fbrnecimento
do arsenal de guerra precisa comprar o seguinte '
Para o 9* batalhao de iofaotaria.
1,000 varas de brun branco.
500 varas de algedoziuho.
100 booets redondos.
100 esleirs.
100 mantas de lia.
As pessoas que quizerem vender taes artigos
apresentem suas propostas eni carta fechada* na
i a 10 horas do dia 1* do
" ccb o-para forneci-
menlb do a1 de dezembro de
1864.
BBHfS Barrete,
Coronel presidente.
Sebastiao Jos Basilio Pygno,
Vogal secretarlo
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo paraornecimenio do
arsenal de guerra precisa comprar os genero se-
grate :
Para a eolotia militar de Pimenteiras.
6 limas chulas de 15 16 pollegadas.
6 ditas ditas de tO 12 ditas.
! di las de roda.
ditas meia-cana de 6 i 8 pollegadas.
O bem eonhecido e veleiro aritoe
mirante, capitao Jos Moreira
guir com muita brevidade,
regameeto prompto : para o i
escravos a frete, para a qoaes
commodos, trau-se com es seas >
tomo Luiz de Oliveira Azevedo k d, sea a-
criptorio ra da Cruz a. 1.___________________
Para Lisboa
0 veleiro e bem eonhecido brigae parJaaaat
Conceicao de Mario, capito Jaboaria Jos a Oli-
veira, pretende seguir rom muita brevidade, tesa
parle de seu carregamento prealo : aava rasa
que lhe falta tratase com o* seas ceasnaataria
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A d, aasaa a>-
criptorio ra da Cruz o. 1. ________
Para o Porta
segu at o dia 20 do correal
& Manoel I, capitao Carlof Ferreira
no mesmo qnizer carregar ou ir de
rija-se a ra do Vigcrio a. 11, ese
J. Ramos e Silva &
COMPANHIA PERNAMBUCAIfA
o
IVavegaeio eostelra a
Ara caja e escalas.
O vapor Parahyba, comrnadaaa
gira para os porros indicados a sa 14 d
rente as 5 loras. Receber carga at o a 13 : tm-
comruendas, passageiros e dinheiro a frete at a
2 horas da urde do dia da sabida : escriars a
Forte do Mattos n. 1.
Para a
pretende seguir cora muita brevidade
Deus data,*, tero parte sea
prompto ; -ara o resto qoe Iko IsMa,
o* sens connigoatarios AbIosmo Ls
Azevedo A C, no seu
meroL
escrlptars
Croas*
'!
LEIL&ES.
LEI.LAO
aa
Fazendas araadas
HOJE
O agenta Pinto far leitij r*r
pertencer ds difterentes
sejam: algoddzinbos, algodias
toque de atarla : as 11 horas do sa
armazem da ra da Cadeia 31
LEILAO
10 barris com toueinho e 5
canastros &m castanhms.
HOJE
O agente Pestaa por i
far leilo de 10 barris i


Diarlo de PLrmmhrtrm ... flegunda felra 1 de Dezembro de 1S4.
,\
,

54 canastras com castanhas em lotes a vontade
dos compradores : segunda-feira 19 do correte
pelas 10 horas da manha no armazem do Aunes
defronte da alfandega.
TEIlIo
DE
Importantes dividas
Jas Izidaro Martins preposto do ageste Almeida
far leilo a requeriraento dos administradores da
massa fallida de Joaqun) Vieira Coelho 4 C. e
por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial do com-
mercio, das dividas activas da mesma massa na
importancia de 8t:66t532i rs.
HOJE
No primeiro andar do sobrado da roa da Cadeia
do Recife n. 48, s 11 horas, os pretendentes po-
dara examinar a relago e documentos que se
acham em poder do mesmo preposto.
LEILAO
DE
100 barricas de farinha Bal-
timore
BOJE
O agente Pestaa vender por conta a risco de
qnem pertenoer 100 barricas com farinha de Bal-
timore de marcas acreditadas sendo SO marca es-
tra fina e 80 marca Best Family, desembarcada
uKi mmente, em lotes a vontade : segunda-feira
12 do correte as 11 horas da manha no armn-
zem do Annes defroote da alfandega.
LEIL&0
roa-
Antonio V. da Silva Barroca far leilo de
dapoles, algodozinhos avariados.
H04H
Scgaoda-feira 12 4o carrete m neio
da.
En seo armazem ra da Cadeia n. 4.
50 caixas
DK
com
sebolas.
HOJE
Por conta de quera perlencer o agente Pestaa
Tendera 50 caixas com sebolas desembarcadas l-
timamente em am ou ma lotes : boje s 10 horas
da manha no armazem de Annes.
LEILAO
DE
Urna casa terrea na ra do
Pilar
Martins preposto do jente Almeida far leilo
requerimento dos administradores da massa fal-
lida de Amorim Fragoso Santos & C, e por man-
dado do Illm. Sr. Dr. juiz especial do commorcio
de ama casa terrea sita na ra do Pilar n. 3, em
terreno proprio, pertencente a mesma massa
Terca fira 13 do corrate.
Defronte da Associagao Coramerciai, s 11 ho-
ras do dia cima.
O Sr. Antonio Jos Marques, que mo-j Sailde dada a todo 0 LUIldO.
rou na Tua do Padre Floriano n. 41, quetra peUg .||S08 ^aje,,,,^ ^ ^ %rlaM\ik
v.r a praca da Independencia na. 6 8 a c pharntceiilieos ae S. A. I. o principe Na-
negocio de seuinteresse.
^mmmwmmmmmmmsm
gj LvthograahiadeAlbeit Rideux gg
gj Ra da Cruz n. 46.
8

81
S
8
RECIPE.
Este estabelecimcnto aotigo e mnito co-
nhecido nesta prae> tendo sido por falta
de empregados na obrigacao da restrin-
gir os seas trabaHios doraste algaas me-
zes, acha-se agora em estado de execu-
Ur os trabalbos os mais delicados que
se podem fazer em chapa de pedra, assim
coma cartoes de visita com o retrato da
pessoa (muito era uso na edrte) toda
classe de desenlies, mappas geographieos
e qaalquer trabalbo relativoaocommercio
bem executado e por procos razoaveis.
GOiriMIA
DE
Seguros Martimos Utilida-
de Publica
A direccao desta eompanliia paga
do a razo de i&$ por aojo, no
mesma, ra da Cadeta n. 42, todos
das 10 as 4 horas da Urde.
Recife 9 de dezembro de 1854.
Os directores
Feliciano Jos Gomes.
o ll'dlvlden-
escriptorio da
os das uteis
poleo, ra de la Ieoillade 7 em Paris.
Porque os Srs. mdicos a o publica usam de pre-
ferencia dos medi camentos especiaes dos Srs. Gri-
mault & C, pharmaeeuticos em Paris, cora os quaes
elles tdm sempre obtido as curas as mais extraor-
dinarias T *
1.* Porque esta casa sendo sera contradita a
mais importante de Pars, honrada cara a elieateila
e urna parte da corte, patenteada por S. A. I. o
principe Napoleo s vende productos de urna effl-
cacia recenhecida.
2. Porque esses medicamentos representan as
mais recentes conquistas da medicina e da cbi-
mica.
3. Porque lera todos um gosto agradavel, satis-
fazem a vista, e podara ser administrados sera pe-
rifo, tanta s enancas como s pessoas adultas.
4. Porque elles diflerem inteiramente desses re-
medios inglezes e americanos, preparados por In-
dustriaos estranhos, tanto a medicina como a phar-
macia, dos quaes nao teru nem a sciacia nem os
ttulos.
5.a Porque estes medicamentos s sa applicam a
nm numero limitado de doeocas, e nao as curam
todas,como os remedios de qne acabamos de fal-
lar ; emSm cada producto tem sua applicago par-
ticular.
Por isso pensamos prestar um servico a todo o
mando, indicando aqui as importantes propieda-
des dos prineipaos medicamentos dos ata. Gri-
raault & C.
Xarope de raifort lodade.
Empregado com successo certo m lugar do oleo
de ligado de bacalho, to desagradavel, to diffl-
cil a digerir. E'o especifico o mais certo contra
MUTA ATTENfliO
Avise aos senhores e senhoras
AVso aos senhores o senhoras
Aviso aes senhores e senhoras
Aviso aoS senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Avisa aas senhores e senhoras
Aviso aos senhoras e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras.
Novo sarUnentA
Novo sortlraenta
Novo sortimento
Novo aortiraento
Nova snriimente
De caixinhas e quadros
De caixinhas e quadros
De caixinhas e quadros
nrnninorw Rndriimo dft Andradti cu a oigerir. o especineo o au oerio cumi* --- ^-u..
Domingos Rodrigues de Aparado ^ escr*p|ia|a8j 0 ,ya7phatsmo> a motoH das car- De ca.xjohas a quadros
Dividendo.
os rheu-
pelle, as
nes, os humores das enancas, a papeira,
! matismos, o escorbuto, as alTeccoes da
lassa fallid, de Amorra. Fragozo San- ^ *-, ae Parfe 0 en>wm ^ 0
to^ & I depurativo o mais poderoso, e o recommendam em
Os administradores esto autorisados a pagar o todos os casos que precisa-se corrigir a acrimonia
l dividendo de 5 por ceoto, devendo porm rea- do sangue, e dar-lhe todos os principios vitaos que
lsar-se de dia 2 de Janeiro prximo em diante, em perdeu, seja pelos excessos, -pelas affeccSes lym-
vlrlade de ordem do Illm. Sr. Dr. jaiz especial-*) phaticas, escrophulosas, e venreas,
commercio. U pagamento ser feito de meto dia Xarope de quina vermclha ler-
as 2 horas da tarde, no esenptorio da ra do Vi- j ruginoso.
gano n. 2t, primeiro andar._________________j 0u associacao dos dous poderosos remedios da
Qucm tiver um raolegue de 14 a 16 annos' materia medica que sao : o ferro nm dos princl-
pri- paes lamentos de nosso sangue e a quina que o
tnico e o febrfugo por excellencia.
Este delicioso medicamento ag-adavel ao paladar
e a vista, tem nm resaltado admiravel as flores
brancas, dores de estomago, falta de appetite, po-
breza de sangue. Elle sobretudo til as senho-
ras e as mocas delicadas, para desenvolver e re-
gularisar a menstruacao e suspender os effrltos
para augar, drija-se a ra" da Cadaia n. 35,
metro andar_____________________________
Ainda est para ser vendido o sitio da tra-
vessa do Remedia na freguezia das Afogados n.
21 : quem o pretender, uinja-se a ra de S. Fran-
cisco. sobrado n. 10.
Ao amaohecer do dia 20 de outubro do cor
rente annode 1864, furtaram do cercado do on-; peraiciosos das Dores brancas, que sao a causa de
De caixinhas e quadros
Caixinhas a 15500
Caixinhas a 1,5500
Caixinhas a HS09
Caixinhas a i50
Caixinhas a U500
Caixinhas de 55 por 45
Caixinhas pe 55 por 45
Caixinhas de 55 por 45
Caixinhas de 55 por 45
Caixinhas de &5 por 45
Receberam-se 10 mil eaixas
Reeeberam-se 10 mil eaixas
Receberam-se 10 mil caixas
Receberam se 10 mil caixas
Receberam-se 10 mil caixas
Carloes de visita
CartSes de visita
Cartoes de visita
CartSes de visita
Cartoes de visita
A 105 a dazia
A 165 a duzia
A M5 a duzia
A 105 a duzia
as affeccSes escro-l A 105 a duzia
v IA galena esta renovada
cados nem vendidos, e os que forem encontrados
som ser servico do mesmo engenho sao fua-
dos, e devera ser apprehendidos; portanto roga-
se s autoridades policiaes, e mesmo qualquer
pessoa do pevo, que sendo encontrados ditos ca-
vallos sejam apprehendidos e remettidos ao admi-
nistrador daquelle engenho ou ao abaixo assigna-
do proprietario de mesmo engenho, que reside na
cidade do Recife, ra do Hospicio n. 50. Cidade
do Recife, 26 de outubro de 1864.Caetauo Jos
da -ilva Santiago.______________
levis, piannas, crystaes, jaias de uro
e prata. ama carraca e dons caval-
los para cabriolis.
AMA XIIA A AS 10 1/1 HORAS.
Cordeiro ^tmSes, vender em leilo por centa de
urna pessoa que se retira para fora, 1 ricoadereco de
ouro. 1 grandesalva de pratae outros muitos* ob-
jectos de ouro e prata, 1 pianno de armario mo-
derno 1 sancturio de Jacaranda, 1 secretaria para
asenptorio, 1 par de apparadores, 1 lavatorio, 1
eabriolet, 1 lavatorio com espelho, 1 eommoda, 1
guarda roupa, 1 mobiha de amarello, marquezas
largas e estrellas, sofaes, cadeiras de balanco, di-
tas para meninos jautare outros muitos rticos que
se torna enfadonho mencionar ; na mesma occasio
se vender 2 ca val los para cabriole! e 1 carroca :
no armazem ra da Cadeia do Recife n. 48.
LLILAO
DE
Para pagamento.
Cordeiro Si.mes
por conta e risco de quera pertencer far leilo
dos escravos seguales os quaes se vendem para
pagamento nesta praga, seodo urna escrava cnou-
la, idade 25 annos, com urna cria de 5 annos e
urna mulatinha de S annos pouco mais ou menos.
Terca-feira 13 do corrate
s 11 horas,*no armazem a raa da Cadeia do Re-
cife n. 48.______________________________
LEILAO
M
casa terrea na ra
Augusta w, 36
Sexta-feira 16 do corrente.
O agente Pestaa far leilo por conta e risco
de quem pertencer de urna casa terrea sita na ra
Augusta n. 36, em frente a nova matriz, de pedra
e cal cora 2 salas, 3 quartos, cosinna fora, quintal
e cacimba, acabada de concertar ha das de que
tirn como nova : o leilo ter lugar soxtafeira 16
do corrente pelas 11 horas da manha no largo do i
Corpo Santo, os Srs. preteadentes podem examna-
la antes do leilo devendo achar-se a chave em
fiio do agente.
AYISOS DITEBSOST
genho Aldea, da freguezia do Rio Fprmoso um i ij,nlas doencas. Elle soberano depois das con-
quarto de carga do mesmo engenho, o qual e valecencias de molestias graves, elle o reparador
ruco pombo, grande, castrado, nao nevo, tem no as forcas e da saude para os doentes enfraqueci-;
olho esqoerdo urna belide, e ponco ou nada v os pe|0 trabalho, os excessos
pelo dito olho, tem um callo velho no espinhago,! phu|oss ou venreas.
lugar em que leve urna bexiga, levou o topete cor-1 s roig de famiila acharan neste xarope um me- ^ es,. renovaa
tado rente, arrega baixo, e lem estampado no acmenlo Sem igual, para fortificar e desenvolver ^gaieria esta renovada
lado direito da anca o ferro do engenho em lettras 0 SySleina osseo aas criancas e os preservar das A'
raaiusculas como aqui se vd A L D E A. Ad ver-! afrtCcoes escrophulosas.
te-seque os ca val los assim ferrados, nao sao tro-1 ||x|r digestivo de pepsina.
Delicioso licor que ocoupa o pnineiro lugar en-
tre as novas conquistas da scienria, a pepsina pos-
sue cora effeito a proprledade importante de fazer
digerir os alimentos quasi sem soccorro do esto-
mago, o remedio soberano das gastrites, gastral-
gias, das ioflammac.de:> do estomago, dos flgados e
dos intestinos. Elle supprime os gazes, as nauseas,
as piluites, o desgosto dos alimentos, e presta ufte-
cipalmente um immenso servido as senhoras n'uma
posico interessante da qual sopprime os vmitos.
As pessoas que padeoem de cancro no estoma-
go ou nos intestinos, vern sua vida prolongada
pelo uso do elixir de pepsina, a os velhos e oonva-
lecentes o sustento de sua saude e o reparador de
suas forcas; porque com urna boa digestSo sempre
se gosa de boa saude.
Xarope pe toral de S. Jorge.
Novo especifico, sera opio, recooheeido como o
melhor medicamento para curar a tosse, delluxo,
- catarrho, grippa, irritago do peito, anginas, dores
TTCilPl ft de garganta, coqoeluxa.etc.
Al L IlUttU. Este delicioso xarope popular em toda a Franja
Josebedeo Martins de AlnTeida participa ao res-, fo descoberto pelos raonges da abbndia de S Jor-
peitavel publico que dnspedio-se da casi dos Srs. e, no Anjou e e actualmente preparado pelo Srs.
nnintpirns .X, Aera a sa arria eslabelecdo com ca- Grimautt & C, nicos propnetanos da verdadeira
u da armado; ^ becco S f 1 e^ahi eTtar recelta. Reeommenda-se aos doentes que usem ao
^Sww^^nt** proas-;mesmo'ex,?a LdeS^Sf Kt
se. O mesmo enarrega-se de fazer enterros, to-: saecede *f* *%*****<* dos Srs. Gn-
engommar
na ra do
Precisa-se alugar ama ama para
e coznhar, e que prps-e a comprar :
Caldeireiro n. 12. ______________
Precisa-se de ama ama para casa de duas
pessoas de familia : na ra estreita do Rosario n.
11, segundo andar. __________
Precisa-so de
Imperador n. 2.
um
cozinheiro : na ra do
e tapetes
e tapetes
e tapetes
e tapetes
e tapetes
armar a"'eca mault & C, este excellente remedio composto
A galera esta renovada
Com ricos cortinados
Com ricos cortinados
Com ricos cortinados
Com ricos cortinados
Com ricos coriinados
Com lindas e variadas vistas de fundo
Com lindas e variadas vistas de funde
Com lindase ariadas vistas de fundo
Com lindas e variarlas vistas de fuado
Com liadas e variadas vistas de fundo
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
A' ra do Imperador n. 38
A ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38 ^
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' rita do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
\
SALSA
PJIULHI
Ti
des
reo
parrilha do Dr. Ayer.
Rheu
OS SA.VTVM.
Owrt Prtto.
c Soffri rl
Salsa
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar denles artiflciaes tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguina sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus dones, tem pos
e outras preparares as mais acreditadas
para conservacSo da bocea.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo C
Agalle* da Baaca Uaia da Parta.
Competentemente autorisados sacara por todo
os paquetes sobra a mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, a para as seguate* agencias.
Londres sobre Baa of Ljaadoa.
ou urna, contratar a msica e os padres, e igual I >"> duas substancias aS mais calmantes e ao
Urna
mando a seu cargo vestir >o corpo,
menteos carros fnebres e os" de^aS.'e'tdo I mesmo tempo as mais inoffensivas da materia me-
mais que for preciso, a coatento dos donos do en-1 <'", e nao coat. m opio.
trro,
parte.
e por menos do que em outra qualquer
Precisa-se
numero. 69.
de
Padarla.
ura amassador
na ra Direita
A. W. Osborne.
Precisa se de um caiaeiro que emenda per-
feilamente de motilados, seja fiel, intelligente, e
saiba desempenhar suas obrigages, despachando d^us meios.
o expediente da casa na ausencia do patrio ; ten*
do as habililacjes exigidas dando fiador a sua
conducta,nao se pora duvida dar-se um tergo nos
lucros : quem jalearse com as habilitacoes ne-
cessarias deixe carta fechada nesta typographia
cora as inicaes B. B. B. para ser procurado. Pre-
vme-se quo calxeiros nara encher nmeros nao se
precisa, poisha de sobra.
Desappareoea do sitio defronte da fabrica do
rap n. 40, ura motara com os signaes seguiste :
bico encarnado, no fim da titela cor de caf : quem
o tiver achada e queira restituir, leve ao dito sitio
oue ser recompensado._____________________
Precisase de um caxeire com pratica de ta-
berna : a tratar na raa da Cadeia do Recife na-! n. 38.
mero 53. : nanea
Injeeco e capsulas matice.
Estes dous productos qae constituem a mais re-
cente e a mais importante mediago para curar os
corrimentos e as molestias veneraes do homem e
; da mulher, sao exclusivamente vegetaes nao con-
j tra mercurio, e sao preparados com as folhas do
matico arvore do Perou. Nao ba molestia conta-
giosa antiga ou recente que resista ao u.-o desses
Sua rapidez de aojo superior a
tudo quaoto se tem feito at hoje. As capsulas
nuoca cansara o estomago nem os intestinos como
as capsulas de copahyba, rubeba e outras ; a in-
jpccao nunca produz o eslreitamento como aconte-
ce com as tnjeccoes com base metlica aconseja-
das at hoje. .
Todos estes productos vendem-ae as principies
pharmacias do Brasil, agente para vender por ata-
cado, no Rio de Janeiro, E. Chavte!, em Pernam-
hnco, Caors & Barbosa, na raa da Cruz n. 28, na
Bahia, Lima & Irmos e em todas as boas phar-
macias do Brasil.
Deve-se exigir sempre a assignatura Grimault &
C, por que ha falsiBcacoes perigosas.
Vende-se na botica franceza ra do Imperador
Pars Frederic S. Ballin & C.
Hamburgo Joo Gabe c\ Filho.
Barcedona Francisco Rahoba & Ballista.
Madrid > Jaime Meric.
Cdiz i Crdito commercial.
SevriCa Gonzato Sejroria.
Valencia M. Perera Y. Hijos.
EM POBTUGAL.
Amaranlna. Angra Terceira. Figueira.
Arcos da Val 4a Ca rain ha. Guarda.
Vet. Castello Brinco. Guimaraos.
Aveiro. Chaves. Lago.
BarceHos. Coimbra. Lagos.
Bastos. Covilhaa. Lamego.
Beja. Elvas. ' Leiria.
Braga. Extremos. Mongo.
Braganca. Evora.
Faro. Fafe. Moncorva.
Oliveira d'Aze- Pinhal. Regoa.
meis. Porto-alegre. Setubal.
Penatlel. Thomar. Vianna do Cas-
Tavira. .Villa Nova do tello.
Villa do Conde. Portimao. Villa Real.
Villa Real de Vzeu. Madeira.
S. Antonio. Faial. S. Miguel.
No'imperio.
Bahia. Maranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qaalquer somma prazo ou .vista,podendo logo
os saques prazo serem descontados no mesmo
Banco a razo de 4 por cento ao anuo : a tratar
na raa da Cruz n. 1.
O Sr. i. Kransc que morou em urna das es-
Iag5es da estrada ae ferro, e que de presente di-
zcm se mudara para o Afogado, tem urna carta de
importancia nesta typographia^______________
O Sr. Joaquim da Silva Campos que mora
as proximidades da povoago do Afogado, pede-
sequando vier ao Kecife, appareca na livraria os.
C e 8 da praga da Independencia^ que se lhe pre-
cisa fallar.______________________________
Aluga-se nraa casa na ra de S. Francisco,
em Olinda, propria para quem quizer tomar ba-
nhos salgados : a tratar na ra do Encantamento
numero 11.
mnantaas
tas veze, e
re*
tU Dr.
solvi-me a comprar na frasco e
d'ella ; e ames de concluir o priaura
co, actiei-me forte sea sentir a
dr nos joeibt*; a parte do carpo
tava affectada d'ease termel
qae rcaboa-me tantas oeitea de
Uraipedes, barkalhaus.
u leern, e todas a*
da pelle.
do m. na paila m Asacar g
Ra de S. Pedro.a dr Jumen:
< Soffria i mais e am anana de
empelo sypliilitira eai ledo o corpo, bm
trando-se sempre com anisvioleaae ani
ra, prove muitos mediramentos e
muitos mdicos, e estam quasi d<
quainJo vi os aamncios da Salta
do Dr. Ayer: comecei a fner aso d'Ha
nos primeiros das a rrianraa aggrj*oa mw
porm antes de acabar o seguado traer tn-
nba o oial desapparecido coaplHamentn da
todo o corpo. >
OoCTon Don Jos: Valoes Henar* \, mona-
so u DE MEDICINA T CIRinilA. 91 nOCLECAaO
EM AMBAS AS i AQ LTAOES BB, 9891 BB-
trictoHabana.
< Certifico que he asado la Zarza
la del Dr. Ayer, j como deporaiivo ae
tenido de olla los mas feces
los casos de ulcera crnica, como asi
ensayado las Pildoras caiareas del
autor y las considero com
cuya accin ademas de ser
muy eficaz en el tratmento de las
dades que exsigra el uso de tos
y no vacilo en recomendar astas
nes. Y para los fines que
doy la prsenle en Regla 7 de Sel
de 1860.
Dea. Josa V
lvsrrofmla.
ATTESTADO DO ILLM. Sa. FnANCMH F
dqs Sa-ttos.Our Prtf.
Me ado ba quasi deas
Aas 6:000*000.
Seita-feira 16 do corrente mez, seex-
trahir a quarta parte da decima lotera
(l(V) a beneficio da matriz da Boa-Vista,
no consistorio da greja de Nossa Senhora
do Rosario da freguezia de Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva mesouraria 4 raa do
Crespo a. 15.
Os premios de 6:0004000 at 10O0D
serio pagos ama hora depois da extracc5o
at s 4 horas da tarde, e os outros no da
seguinte depois da distribuicae das listas.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Soma.
------; Hulla
atceoeao.
A quem ama nada cusu
Fazer pela sau amor
Quem ama a ludo se arisea
t- nunca a ser traidor.
_______ 0 aijada preor.
m-
ttargaaln-M ao Wra. Sr. r. chele o> poli-
a : poder ser subdelegado um empregado pu-
blico, que obrigado a permanecer em sua repar-
tico das 9 horas da machia as 3 da tarde f s-
perantos a respusU para aprender a policlar com
zelo e admiravel actividade alguma das (regaezias
da capital.O innecente.
Cwinheiro eoseira.
Precisa-se de um cozinheiro e axn copoira : no
hotel Trovador, ra larga di Rosario n. 44. Tam-
bem preeisa-se de nm negro para todo o servgo,
paga-se bezo.
Precisase de urna ama para casa de pouca
familia : no pateo do Livramento n. W, segando
andar.
Antonia Joaqnia Goncalves Fraga agrade-
ce cordialmente a todas as pessoas que
acompaoharam ao cemiterio publico desta
cidade os restos mortaes de sua presada es-
posa e convida igualmente para assistirem a
missa do stimo dia qne ha de celebrarse
na matriz do Corpo Santo, terca-feira 13 do
corrate, s 7 horas da ajanhaa.
~k 04 FOTIM
AOS 6:000.000
Itilhetes garantidos
A' rna do Crespo n. 23 e canas da eostuma
O abaixo assignado venden nos seas muito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabos
de extrahir % beneekao theairo de Sania Isa-
bel, os seicuintes premios:
m meio n. 185 eom a sorte de 6:00G090
Dous quartos n. 2021 com a serte de 3:0005000.
Dous quartos n. 67 com a sorte de 8005000.
Quatro quartos n. 3241 cora a sorte de 4005000.;
' E outras rauitas sertas de 1005, 405 e 205.
Os possuidores podem vir receber seas respec-
tivos premios. sem os descont* das leis na Casa
da Fortuna raa do Crespo n. 23.
Acham-se venda os da quarta parte da de-
cima lotera a beneficio da matriz da Boa-Vista,
que ae ettrahir no da 16 da corrente.
Preco.
Bilhetes inteiros ^ 75*00
Meios......... 35500
Quartos........ 15900
Para as pessoas qne compraren!
de 1005 para cima.
Bilhetes. ..... 65S00
Mein......... 3f0
Quartos....... HT700
________ Moaosl Martiiu Fivaa
O bihote iateiro nfo8 da lotera 10, que
corre no da 16 do corrente, pertance ao Sr. Frau-
eelino Ferrern Crespo, de Goiaona, a fica am po-
der de bniz Bpiphanio llanrlca. |
iasa Rpl>ael Btalha, SBnM s^rtugmet, re- '
tlra-se para fora do imperia._______
xta padarla da ra Direita c. 84 precisa-sa
de nm caixeiro jtara taberna na cidade da Vie-
toria.
Precisa-se da urna ama para nasa de peque-
a familia, prefere-se escrava, qae colnha e com-
pre na rna : a tratar na ra de Santo Amara nu-
1 mero 14.
Saqus sobre Portugal.
O abaixo assignado, autorisado pelo
Banco Mercantil Portuense. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
fectivamenle per lodos os paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Porto, e mais luga-
r-es do reino, por qualquer somma vis-
la, e a praso ; podendo, os que temarem
saqus a praso.receberern avista, no mes-
mo Banco, descontando 4 OjO ao anna: na ]|g
lo]a de chapos da ra do Crespo n. 6, ou
na ra do Imperador n. 63, segundo an- V
I dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
mmmm aaaa wmmmm
Offerece-se nm rapaz portnguez para criado
de casa estrangeira ou para embarcar: quera pre-
cisar annuncie pelo Dtario.
Aluga-se
o terceiro andar da casa da ra Direita n. 36, e
qual tem commonos para grande familia : a tratar
no segundo audar da mesma casa, ou ne Reeife na
ra da Cadeia n. 3._________________________
Jos de Castro Redondo vendeu aos Srs. Pau-
lino Ferreira da Costa e Joao Pinheiro da Rocha,
a sua taberna sita na ra da Penha n. 33, livre de
dbitos e desembaracada de qualquer onus, se al-
Kuemsejulgarcom direito a qualquer reclamago
comprela no mesmo estabeleciraento no prazo de
3 dias.___________________________,_______
Fngio no dia 6 do corrente do engenho Mu-
pan da villa de Cabo a negro Pedro, crieulo, de 30
a 35 annos, pouco mais oa menos, baixo, corpo
regular; rom falta de denlas na frente, ps achata-
dos, com as pernas um pouco vergadas para traz
quando est em p, o qual preto ja esteve por
mais de ires annos fgido, e aeoutado poi Jos
Hilario Paes Brrelo, morador na villa do Paco de
Camaragib* da provincia da* Alagoas.
O referida pelo-bastante ladino e costoma em-
bflagar-e, suppondu-se com buns fundamentos que
Unha rollado para aqnrlle lugar, adra de hemi-
siar se no eng#nho de Jos Mara Paes Brrelo,
oude se aehava ao temno era que fot entregue ao
seu senhor Joao Paes Barreto de Lacerda, proprle-
tario do mencionado engenho Mupan : rogase,
portanto, quem o capturar, o favor de o eondnzir
ao supradito engenho Mupan, ou casa do Sr.
commendador Pedro Alexandrino de Barros Ca-
valcanti, na ra da Saudade do bairro da Boa-
Vista
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na ra do Impe- 2
rador n. 17,2 andar, onde pode ser pro- -*AJ
curado a qualquer hora do diae da noite ^
para o ezercicio de sua prolissao de me- >JR
dico -, sendo que os chamados, depois de M
meio dia at 4 horas da tarde, devem ser t
deixados por escripto. O referido Dr. 3R
nao abandonando nunca o estudo das j
molestias do interior, prosegue, com o S
maior affinco, no das mais dfficeis e del- i
radas operacees. como sejam dos ergios |S
5 ourinarios, dos olhos, partos, etc.
mmmmm mmmm mmmm
Trilhos de ferro do Recife a adbucss.
Tendo de fazer-se para Europa a encommenda
do material para a emprezados trilhos de ferrado
Recife a Apipuco;, o abaixo assignado pede a to-
dos os senhoros correctores que estao agenciando
accionistas para a mesma emprpza, o favor de
mandarem at o dia 10 do corrente mez noeserp-
torio da roa do Imperador n. 55, segundo andar,
a relaco que cada um trra em seu poder, com os
nomes dos accionistas. Recife 7 de dezembro de
1864.Antonio Luiz dos Santos.______________
Consultorio medico-chinirtjice na rna larga te Ra-
sa rio n. 20.
O Dr. Joao Ferreira da Silva regressando i sua
casa, contina em o exerclcio de sua profissao,
nao s na parte medica como tambera na chirur-
gica.
de escrfulas, e tendo soUrido i
gamas vezes qnasi qae cheto a
da vida e maldizer da aafea
tenho sido tratado por muilos ssedkws d*f
ta cidade, e neuhum pode vencer a
dade de rainha molestia, eslava sem
raneas de recobrar a miaba saude ; f
ltimamente resolv fazer oso da Satas
rilha do Dr. Ayer. Completas-ce
trila e sele dias qne eomecm casa
santo remedio, e tantas memoras
sentido que tenbo conviceo de em
recobrar a uunha saade. perdida ka <
tempo. >
yphllis e moleslan aterra
Do Illm. Sr. Dr. Jacbso*.
Medico muito conhectdo as frmintim d>
mi do Brasil.
c Tenho receitado a Salsa parrilha m
Dr. Ayer los casos mais inveterados la
S/jphilis constitucional e sempre com os
mais felizes resultados; o melhor
te que conlmco. >
Leucoi rba e flore
Temos cartas em que nos coman
inveterados qae foram radicalmente
com um ou dous frascos d'esta Salsa aar-
rilha.
O espaco nao nos permute traaacrever
todos os attestados que possoimns das vir-
tudes d'est'i extracto composto de anm
parrilha do Dr Ayer. Basta declarar ao
publico quo tem sido empregado ha
de vinle annos pela profissao
das Americas como da Europa,
desmentir a sua alta repotaco.


! g f. 5 11 s g S. 2 i a. S-.5 t s c i.s-sl||r^3 Ss 3*!,! SSjjj
ua Nova n. 32
oja de madama Theard]
Este estabelecimento se acha hoje mais
que nanea bem sonido de objectos de
oda de mellior que pode vir ao merca-
do e nao se menciona cada ara de per si
par sa tornar demasiadamente enfado-
nho para seas numerosos freguezes quan-
do lerem o presente a viso pelo que limita-
se em lembrar alguns artigos, como se-
jam : bapelinas de dinas de palha de
Italia, de seda, de crep branco e preto
para Jato, chapees redoodos de patita 4a
Italia amarella a de outras cores para
senhoras, ditos para meninos e meninas,
rices cortes de tjtonde, ditos de mereanti-
que de diversas cores, ditos de seda, as-
sim nomo nadas de cores para se vende-
rem a evaaos, dMas scoeezas, cortes de
vestido pretos bordados a agotes, nnal-
a\tnte um variad* ortirnenla da fazea-
das Anas e grossas, na mesma casa fa-
xem-se capas, manteletes, vestidos para
netvas, vestuarios para meninos se bap-
tisarem e tudo quaate pertence ao toilet
de lima senhora e recebe-se figurinos to-
dos os mezes das ultimas modas de Paris,;
AHEBDOIhlM.
Com este titulo sahir brevemente a luz o pri-
meiro numero de um jornal, o qual sabira todos es
sabbados, e tem por fim advogar os Interesses por-
iusac7.es nesta zona do imperio da Santa Cruz.
Muito ha que se fazia sentir a necessidade de
um jornal exclusivamente portuguez, cuja misso
fosse cimentar quaoto possivel.a concordia que en-
tre irmaos deve reinar ; e levar ao mximo da-
senvotvimento as sociedades portnguezas aqui es-
tabelecidas, que tiverem por fim o bem e>tar e
utilidade dos portuguez?s aqui residentes. E pon-
to incontroverso, que as nossas sociedades sem o
?stimulo de um jornal nosso, que lave ou censu-
re, conforme nmereceram, os actos daquelles func-
cionarios das nossas sociedades qne bem merece-
rem ou~prevanearem na ejercicio dos respectivos
rargos ; mais poarao attinelr apogea a sua
flarecenci*.
Por estas matee que sa attaea a outras que
se calam, aaBir aemiaalmen* a BMmaiu. **\i
assignatura aera da W por anna e 3JJW0 par se-
mestre, pagos no acto de ae retener a prnaero
numero. _____________
>lufa-n a cana tana rosa Jfeaaini,
eom i quartaa, reBas, ^miatal anermba, pelo
eommodo preco de l mensaes
res n. 64. _________ _
NoPassoio Publico, loja n II, ba para alu-
ar am moleqoe de anuos.________
Preeisa-se de K&t a premio sobre hypottie-
ca em nma escrava : qnm noiaer dirija-* a raa
dos Bxpaxto n. 26, ou aoanocle.______________
J. U. S autos vai a ftio de Janeiro.
PrecUa-se de ama ama secca forra ou capti-
va para o servico interno -de urna casa de pouca
familia : na ra do Principe n. %. ^___
Precisa-ae de ura criado forro oa captivo pa-
ra o servico interno e externo do gymnasio pro-
vincial. _______________
------------------- jw--------------------------------:>--------------------------------------
Ama.
Precisa-se de urna ama para o servico interno e
externo de ama casa de pouca familia : na ra da
Senzala Velha n. 22, segundo andar.
Para a cara radical de escrofalas e
escrofuios, syphilis e molesta
liticas, ulceras, feridas,
erupces cutneas a lee a
qualquer inconsssoao a
provm d'om
impuro de
T0UF.M A
iAUA PARRILHA AfIR.
A' venda na ra Direita, ns. 12, SS e 7;
ra da Quitanda n. 51 ; praca da Coaati-
tuicao, n. 30 e Hospicio, n. 40. E a-
principaes pharmacias e di ufaras aaa
qerio.
Vende-se em Pemamboeo:
a pharnaacla f ranee i
P.MAURER
RA NWA

Preclsa-se de urna ama
para casa de pouca familia :
n. 4.
que saiba eosinhar
oo caes do Ramos
Precisa-se de urna ama para engommar : no
Passeio Publico n. S loja de faxendas ou na ra de
Imperador o. 63, loja de bahus.______________
Um rapaz portuguez cora pratica de eaixeiro
principalmente de taberna ofiferece-se para qual-
quer estabelecimento, dando dador a sua conduc-
ta : quem precisar procure na rna do Livrameat
n. 19.
__Precisa-se de nma ama para casa de homam
solteiro: na roa do Qneitaado n. 47.
Preeisa-se de um menino para caixeiro de
na ra co 'Pe-! taberna-: a rattr aran do Cutovclto n. tL
Precisa-se de ama familia capaz que
se qaeira encarregar da varrela e eagom-
mado de roupa de homem, tom toda a per-
feic3o e aceto ; dirifir-ss ra Bella, so-
brado de 2 andaros, o. 37.
Para a festa.
Muga-sa nm tam doa>ral da ci-
dade de Olinda, com casa terrea, coia co-
piar na frente, bota os fundos para a estra
da e margena do ro Beberibe, com com-
modos paca familia, estribara para cavallo
e capim para sustenta-Jos, arvoredos de
fructos, sem visinho defronte nem pelo;
e gabi-!
Precisa-* da un cMioneiro eu cozmheira,
como tambera de um criad de servir i no largo
do Corpo Santo n. 6, segando andar_______, -_
- Yeudam-se qualro ornamentos com os seas' ^ lo. COltt optunos pagstMOS, sala
mnaoce!i oan JSr? missas dT daTasco por- nete na frente, mudo propna para passar a
tugue?, todos novos, sendo de duas cores, branca e festa, e t jmbem se aluiara por ajino : a 1-
enparnado, rtx e verde, por preco caromodo na |ar n0 Recfe, na UvrarU B. 6 e 8 da praca
casado saahriatao da ardera teroeira de S. Fran- ^ independencia, e Sffl Olinda na casacon-
eii----------------------------:--------------------- tioua com o capitao Antonio Bernardo Fer-
Casa na roa das Praieres
Aloga-sa por I600O a de n. 1 B, sita em dita
rna. bajrro da Boa-VhU : a traur na roa estrsita
do Rosario n."lS.
& C
N. 18.
COLEGIO
JOAQUIM.
As aulas desta aOOnpa fa
rante as ferias e tea principio a r>
dezembro : os Srs. qne pre
zer sea exame am marco
mesmo cotlegio a inscrever-*
de matricula, assim
urna lista com os aoaea dea Sr.
a as lioras ei ae deiem
aulas.
-m Precisa-so da nm
ga-se bem agrada : na ra
n. 36, pnraeiromear, ana
Est ainda para
Bemhca junio a peale d
dos para familia, ba,
alugual de t50fi por
sarie a. 36 se dir

reir.
Agotinho Antonio da Silva, subdito
guez, retira-se para o Cear.
porta-
Attenga
Na rna Vaina n. ti lava-sa
alAOOO.____________
Da se 1:200 eom h
terrea nesta oidade : t


Diarto ele Pcraamfcue* Segunda letra 1 c Dezeiubro de 1S,4.
A

FOGO DO AR
No armazem da bola amarella no oitao da se-
cretaria da polica, recebem-se encommendas de
fogo do ar pira dentro e fora da provincia.
A agoia branca recebou Invas de pellica.
-~ Precisa-se alugar urna cosinheira escrava oa
forra: na roa da Madre de Dos n, 36.
I
O baeharel
Francisco Angosto da Costa
ADVOCADO
COMPRAS.
Compra-se ouro e prata em obras Tenas
daga-se beta: naloja de bilhetes da pracadalade
pendencia n. 22.
Compra-se efectivamente
onro e prata em obras velhas pagando-se bem
na ra larga do Rosario p. 24, loja de oarives.
Compram-so
carreiros
Ra do Imperador numero 69.
Precisa-se alugar ama prela qo saiba cozi-
nhar e engommar : na roa da Palma n. 41, ta-
berna.___________________
Um rapaz brasileiro eom pratica de caixeiro
offerece-se para serem pregado em laja de fazen-
das, escriptorio, oa ontro qaalqaer estabelecimen-
to, dando fiador a saa conducta : qnem precisar,
procure na fabrica da travessa do Carioca n. 2,
caes do Ramos.
Aluga-se o sobrado de um andar e sotao
sito bos Afogados, no pateo da Paz: a tratar no
pateo do Terco n. 44.
Aluga-so a loja da roa dos Martyrios n. 2 :
a tratar na ra do Crespo n. 15.
dous escravos que sejam bons
na ra do Trapiche n. 13.
Compra-se garraras e botijas vazias, na fabrica
de licores ra das Cruzes n. 36.
COMPIhM-Sir^
moedas de ouro de 10* e 20,5
do Recite n. 22.__________
Compra-se urna negrinha de o a 7 annos :
a roa das Cruzes, era Santo Antonio, n. 41, se-
"undo andar.
Ha roa da Cadeia
Compram-se diarios para embrulho, paga-se
bem : na padarla da ra d Imperatrte n. 66.
Compra-se urna burra, estando perfeita :
qnem a tiver annnncie para ser procurado.
Corapram-se dous consolos de Jacaranda em
bom estado
na
quera compra.
FOIJII \ll AS
r'ara 1865
Acham-se venda na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia:
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
kalendario civil e ecclesiastico, tabellas de
feriados, de emolumentos dos tribunaes
do comjnercio etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA centendo o
mesmo que aquella e nutis urna nova
Salve Rainha em verso, o Stabat Mater em
verso, devocao ao agonisante, coracao de
Jess, cntico em louvor do Santissimo
Rosario, cntico a Virgem Maria Nossa
Senhora, trinta e tres chistosas anedoctas.
um indito poema sobre as aventuras de
um cosinheiro, o canto de urna solteira
(poesa), crescido numero de mximas e
pensamentos, urna historia como muilas
(romane;, e vinte e cinco notas e pi-
Ihericas charadas a 320 rs.
AO PUBLICO
Sena o
laicato
Importe
menor constran-
e entregar o
do genero que
nao agradar.
ARMAZEM NIO MERCANTIL
RCA DA CADEIA 1MO
Vende se caixes varios proprios
o estado : quem os tiver annuncie on procure napa hahnlpirns P fnnilpiroi a 4 7f5l
praca da Boa-Vista, botica n. 6, que lhe dirao F j iwrM C IDnieiTOS a lJj/OU
#RH 110 IMPER4
i DOR N. 22
Grande armazem de tintas.
Tera a venda:
1 Productos chimicos medicinaes os
mais importantes em medicina.
2. Productos chimicos e utensis
para photographia eoutras industrias.
3. Todas as materias e utensis
empregada na pintnra a oleo e a col-
la para pintores, tintureiros, enver-
nisadores, douradores e vidracelros.
Joao Pedro das Neves,
Gerente.
Na ra dos Martyrios n. 2, primeiro andar,
precisa-se de duas amas, sendo urna de leite e ou-
tra para oservico de casa de familia.
Compra-se ama carleira coa duas faces para
escriptorio : no armazem da roa da Cadeia do Re-
cife n. 48.
Carraca
Compra-se urna carroca que seja nova e bem
construida b de boas madeiras : na ra larga do
Rosario n. 34.
-------------
Garrafas e vidros
rada na; nesta typographia.
CO.TSEI.HO
DE
______r
Deixai que os Hunos da civil sacio vos preguem
economapara os ps II Esta parte do corpo
humano por certo aquella que, neste clima, ne
' Comprara se vidres e garrafas vasias que na Cessit.a *en,aor a*asalhp: pela bomidade nos ps
sejam de azeite : aa roa larga do Rosario n 34 ** 'DtrodarJa ffana<> maiona das molestias, e com
botica. osario n. m, esUg a ^^ da saodee da vida j, P6ra com as
botinas e sapatos velhos; reforma-Ios
45-Kua Dereita-45
TEID1S.
Vi uva Moreira & Filho sacam sobre Lisboa.
"_^ftbju luz o quarto numero da Revista do
Instituto Aftbf6lqico e Geographico Pernvmbuca-
Romance.
Vende-se na praca da Independencia li-
vraria ns. 6 e 8, o romance Martim o en-
geitado ou Memorias- de um-escudeiro, obra
do distincto escripior Eugne Su, autor
das melhores obras conhecidas, pelo dimi-
noto preco de 2800 por 4 volumes em
broxur.
Assncar crystalisado da fabrica
2 de Julho
Na Rabia.
No armazem da ra da Madre de Dos
n 9fl
no, contendo,lm daYes5es do Instituto, o mui-1 na a venda o multo superior assucar crystalisado!
to interesfanteVelatorio da ewnraissao encarrega
da de descobrir o jazigo de JoSo^Fernandes Vlei-
ra, e urna curiosa estatistica da .-evoita-di' 1710
em Pernambuco, chamada a guerra dos masca tes.
Acha-se a venda na loja de livros de Jos Noguei-
ra de -ouza, ao Arco de Santo Antonio, onde se!
achara tambemos nmeros anteriores.
Assignatura por anno 5*. numero avulso 1*500
Urna boa casa terrea para familia
est por aiugar-se ra da Unio n.
39 : quem pretender dirija-se ra'
ida Aurora n. 10. Tambem alugara-
se as lojas n. 44, ra da Aurora
Contina a vender-se tres terrenos situados
na ra do Bram do bairro do Recife, com 34 pal-
mos de frente cada um, e 300 de fundo, todos ater-
rados at a linha do caes, e promptos para se edi-
ficarem propriedades por fazer o ultimo delles
frente para a ra do Ocidenle, ten-io j. constru-
das tres casas de madeira e tijolo, que renden) 305
por mez: trata-se na ra dos Guararapes n. 28.
Aluga-se urna excellente escrava e um escra-1
vo, a escrava sabe fazer servaos de urna casa de
familia interno e externo : na ra dos Pires nu-
mero 54.
em saceos de 2 arrabas, ao preco de 5" cada ar-
roba.
Os
asos


OS MAIS AMIVANTI
'iima pertinaz iiracao
DE
ESCRFULAS,
OU ERPCOES ESCROFULOSAS,
Ulceras de toda a especie.
SYPHILIS, OU MAL VENREO,
Borzeguins francezes para homem
Ditos mglezes dem a 8*, 7* e
Ditos para senhora
Ditos para menina
Sapatoes esmaga cobra
Ditos de Nantes de duas solas
Ditos dito de sola e vira
Sapatos de borracha para senhoras
Ditos de dita para meninos
Ditos de tapete para homens e se-
nhoras a 800 e
Sapatos de lustre para senhora a
Ditos para casa
Chinelas rasas do Porto
D'IOIJURETO duplo
de FERROeQUININA
He 53.
(Lego passand aret da Canceieit)
rande redneeSo de preco., equivalente a dez por eento menoa do ne entro
annnnciante.
se sabia de outro preco de manteiga inlefa a o sa c de ? /?Ld momraveI ^a2em de momados
estao obrigados, ecarando todos os dial S Iflnezes r^lama^o'Se JL ^ rfte POrem' rCSeDtdS **** **
al informado deste novo estabelecimento, paralhe^vender Sof^ n?S f0qua,,d?dK6S; v,nam-8 0"> wrtro portnhm
15o smente obter a cencorrencia de se freguis. P P S de ^ ^^"Mnto du orden aoe loa nn
Para bem de todos.
arceos,
molnados Uniao
P *dKS^^ ,~
slftnn Mantei8a D8Ieza (s3"** nova) especialmente
escolhida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz abalimento.
5*000
4*000
fcii^o
Os elementos que compoem esta preparado, o
ferro, o iode e a quina, a colloco no primeiro
grao das preparacoes ferruginosas. Basta attestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
taes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que confirmro sua poderosa efficacidade as
seguinles affeccoes:
t o mi pan hla fldelidade de
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEPNAMBUCO
Antonio Lniz de Oliveira Azeve Jo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercade-
ras e predios no sea escriptorio ra da
Cruz n .1.
Tendo de serein publicadas as poesas de
Joa Antonio Seifert com o titulo deInspiracoes
poeticas-os senhores que dignarem-se prestar sua
assignatura, podem dirigir-se s seguinles casas :
na vracia econmica, ra do Ciespo n. 2, ra da
Cruz, estabelecimentos de banhos de Cedrim & C.,
e nesta typographia.
THESOURO DAS MAIS :
Providencia das enancas
COLLARES ROYER
Eleclro-magaelicos
CHAMADOS
COLLARES ANODINOS DE DENTigO!
Contra as convulsoes e para facilitar a
dentico das crianzas preparados e inventa-
dos por Rover, pharmaceutico da esco-
la superior de Paris, successor de Chereau,
membro da academia de. medicina,
antiga casa de Bouillon-Lagraoge, pharmaceutico
do imperador,
ebefe dos trabalhos chimicos da escola po-
lytechnica, director da escola de pharmacia de
Pars, e membro da academia imperial
de medicina.
Estes collares vendem-se nicamente na loja do
Gallo Vigilante roa da Crespo n. 7.
Havendose perdido ha 6 deste mez duas le-
tras vencidas nesse mesmo ai*, orna da quantia
de 700* aceita em 6 de julho do corrente anno,
cinco mezes de praso, por D. Lulza Francisca de
Faula Cavalcanti da Albuquerque Lacerda, e ou-
tra de 901*682 aceita em 6 de junho deste mesmo
anno, seis mezes de praso, por Joao Vieira da
Cunha, ambas sacadas por Gabriel Soares Raposo
da Cmara; previne-se aos mesmos aceitantes, vis-
to a nao terem paga no vencimenlo, que s o fa-
Qim ao proprio sacador; e roga-se a qnem as ti-
ver achado, visto nao poderem ellas a mais nin-
guem aproveitar, o favor de leva-las a ra da Au-
rora n. 78, ou a ra do Crespo n. 18, ao Sr. Jos
Azevedo da Andrade, que muito se lhe agradecer
% Uenco
TUMORES,
Ebiilli^dcs,
BERTOEJAS,
OPHTHAIMIA,
Hydropisia,
HERPES,
j&artros,
ERYSIPEUS
ESCORROTO,
TiKha,
CHAGAS ANTIGS,
-Rfiejrjrriatescn @8wronj#,
DEBILIDADE GERAL,
Nervosidade, Nerralgias,
FUT DE APETITE, FISTIBa
SUPPRESSAO DAS REGRAS, o
AME1YORRHEA,
uhu. i pus un
Kecncao das Urinas,
EMACIAgAO, *
Ou einmagrecimento geral A corpo, prove-
niente do estado pie oso do sauffue,
IRFUMMACtiES CHROMICAS,
Afec96es Chronicas do Figado,
A8SIM COMO TODAS AS MAM SIMILHAKTE8 MO-
LESTIAS, PRlyCIPALMENTK QBANDO 6*0
AUBADAS, OU PRODUCIDAS PLO MUI
UVRK USO DO MbRCUKIO OU
QuiNiNO,
Alm mu iiakM pe. Traquate de AH-
SUN ICO e atrae preparares Mlaeraeat
Todas estas Enfermidades prompta e effioazi
menta cedem A benfica, poderoza e
purificantes qnalidades da mui
justamente afamada
Mlng-oa no uigne.
Friiqiii'zn.
Anemia.
Chloroae oa Ictericia.
MeiiKtriio. '
Affi'ccx'M do ulero.
SuppreBHOes lux re-
ara* e deaordea na
nienatruae&o.
Afleeeao unlmonar e
phthlale.
Moleatlaa dratomaao.
GaatralKlaa.
i'enln d'appetlte, etc.
Veje se os bulletins
COBvalcseenea de Ion-
gaa moleallaa.
Moleatlas eacrofulo*
as.
Pnpelra.
ObMtruecao das Blon-
Humores frloa.
Humores brunco.
Rachltlsmo.
Affeccdea- cancerosas
e s;phllltlcaa.
Febrea typholdes.
Variles, etc., etc.
de therapeutica medica
e cirurgica de 30 de novembre 1S60; a Gazeta
dos hospaes de 28 de julho 1860, etc., etc.
Alm das pilulas de iodureto duplo de ferro e de
auinina de febillon, os Mdicos aconselho
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
ferro e de quinina do mesmo author para as
pessoas que nao goslo de medicamentos sob fir-
ma pilular e os meninos. Este xarope nSo tem
como o xaro]tc d'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se n3o poder conservar.
Peca-se o folhelo que se di de graca em casa
dos pharmaceulicos depositarios.
Para-se evilarem falsi6cac5es, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Pars, pharmacia Rebillon,
4 42, rae du Bac, e em todas as boas pharmacias
de Franca a dos puizes estrangeiros, etc.
GRANULOS
BISMTH
DECHEVRIER
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparacoes de
bismuth empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de todos os paizes, para prevenir e
curar as
&00 dem franceza a mais ora que tem vindo ao
i*ooo mercado a 56o rs. a libra, e em barril oa
fjoeo me'os a 5 rs.
1*000 Cb "ysson de superior qualidade a 2,6oe rs.
500 a libra.
1*600 dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
. dem huxim o melhor que se pode desejar
oeste genero 2,6oo rs.
dem pretohomeopatbicoporserde superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra,
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o i,6oo, i,8oo e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se vende emoulra parte por 2,4oo
e2,6oo rs.
Linguicas, ebeuricas e paios em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de raeia e urna
arroba a 8,eoo rs. e 1,50o e 6oo rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. edo vapor
passado a i,6oo e l,8oo rs.
I dem londrinos os mais superiores que tem
viudo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
1 dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresca e superior a 8oo rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas portuguezas em latasj pre-
paradas a 64o rs. ?
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 6oo rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oe rs. inteiro.
Id.em inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
I Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
; Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l,ooo e I,2oo rs. a libra.
. Espermacete era caixinhas contendo 6 libras
por 4,ooo rs., garante-se serem transpa-
rente e desuperior-qualidade, tambem tem
de i2 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
da, salmao, ostras e chernee, vezugo em
latas grandes a 8oo e i,ooo rs. cada urna.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
das que tem vindo ao nosso mercado a
6,ooo, 7,ooo e 8,ooo rs. a caixa, garante-
se ser de qualidade superior, que outro
qualquer n3o pode vender por este preco.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de A'tona em
frascos grandes a l .ooo rs. o frasco, e
H,ooo rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes j 4oo
Dlarrhcaa raronlras.
Dyssenlrrlas.
Doren Dyspcpslaa.
Ms dlacsldes.
GaatrUea.
Galtralglas, ete.
enejado nova loja de miudezas de Manoel
Joagaim Dias & C, ra da Imperatriz n. 78, que
em o iampiao na segunda porta, por baizo do Sr.
Dr. de gosto para senhora, como bem : ricas fivelas
de tartaruga para .utos, ditas domadas cravadas
eom pedrtnhas especiaes em gosio, afeites i in-
glesa, o>to propriamente moderno, ditos a pnnre-
za, penteseam guarnieses de pedrlnhas, gosto mui: **\. ".* Ul.ui'B J
delicado, propriamente para atar cabello, voltas aa M*flT6 M Dos.
Marta Pij, ornis brilhanle que se pode aehar em Vende-se caitas de fl n 16 libras
gostn, pulseiraa de contas de novos gostos para se- 1*500 res, cada urp para acabar na Uberai da
nheras e meouias, nm completo sortimento de fiUs ra do Imperador ,83, oofnoia ao correio
lisas elavradas o mais moderno que se pode en- _. ""n,"M1 ao correio.____
contrarera estopara sintos, sendo de 2 a 6 dedos, Movm deposlt* }e ".
gravatinhas de go.to para senhora, e outros mui- Acha-sa aberlo u novo depeso de sabio na
tos obiectos que se orna enfadonho mencionar, e rua do Raagel n. 34, qa antiga fabrica italiana,
que so com a vista se pode dar a devida atteneJo MBde os fregoexes eorontraro ciimplato serti
siuuniiRirifj m bbktol
A venda as boticas de Gaors 4 Barben
rua da Cruz, e Jlo da C. Bravo & C, nu
Os primeros symptomas d'essas formidaveis
affeccoes se manifesto ordinariamente por diget-
tes laboriosas, azidumes, falta d'appetite, petos
d'estOmago depois de cada comida, cambras e$~ '
tomacae*, e, muitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuidio, trax ne-
vitavelmente, que seja:
Oppreaaoes.
Dores de eabeca.
lrrl laeca de brslBa e
da malrla, etc.
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medcaos para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sao tomados a
lempo.
% 0 preco de cada frasco de 4 francos.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier, '
e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
estran'Eeiros.
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado deprimeira qualidade a 3oors.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior, qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do MaranhSo a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarr5o e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e U,ooo rs. a caixa.
dem e talberim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse m.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e5oo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa era caixa de 1 duzia
a 8,ooo e a 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fettoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
lo,ooo rs. ea 9oo e l,oooa garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melborconserveiro de Lis-
boa a 6.4o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolachinh de soda em latas com diversas
qualidades a l,3oo rs.
Bolo francez em caixinhas muito proprias
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,obo rs. a caisa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa cera 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolacbinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
que nao vao ea eom |
Antonio de Lisboa em latas am 9
por 2,5oo; ditas doce en latas cea e i
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes tm
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e acia ubre
por l,2oo; ditas em caixinhas de mnttm
ta man nos com bonitas estampas na caa
exteriora l,2oo, l,5eo, e l,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ea do Keapes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o re. a abra e 2,eoe a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o re. frasee
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o re. a libra
Molho inglez em garrafa de vidre am
rolha do mesmo a 5oo re.
Mostarda ingleza dos melhores fabrcales a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo re.
Lentilhas excellente lgame para sopa a Seo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara ea garrafas
grandes a I ,ooo rs. e H ,ooo a doaa-
Palitos para denles a 14o e 16o re. saco-
Sal refinado em frasco de vidre coa rotba do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta da aarcas aas a-
creditadas que vem ao mercado a5,ooe t
5,5oo a duzia e 48o re. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o re. a libra.
Sevadinha de Franca milito nova a loara.
Charutos de todos os fabricantes da Babiaeda
mais acreditada marcas conhecidas do
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,oso,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo chavaos.
Cognac inglez das melhores marcas a
1,090 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em lata de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixes a Goe re.
cada um. .
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e \0,000 re. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o re. a garrafa
e 4,800 a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frota muito fresca a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo re. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em lata de 3 libra por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cesto; dita ea
molhos com cento etanta por I,Seo rs.
Malte excellente cha para os Bavegaaia a
a 2oo rs. libras.

I

Molestias de ligada.
A Ictericia.
Palpitaras de roracao
Drea nos ras.
AGENCIA
na
AGENCIA LQW-MOOR.
Rua da Senialla aova o. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
am completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
,e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas pan
lavar rotapa: em casa de S. P. Johnston 4 C,
, rua da Senzalla Nova n. 42.
Brica Concegao
Baha.
Andrade 4 Reg, recebem Qoaatante-
mente e tem venda no sea armaiera n.
34 da rua do Imperador, algodao d'aquel-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar aigodao empluma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel.
SORTIMENTO PARA A FESTA
ARJUMM CONSERVATIVO
23-Largo do Terco-23.
Joaquim Sim^ dos Santos, dono deste armazem de melhados avua aos aasifos o> bsmb e sa-
nto que se venhatn sortir dos bons gneros este estabelecimento que nao se irripinOuas, a* ato
lar a differenca de 10 a 20 por cento, pelo seu nrompto pagamento ; e per lso
ilguns gneros, que tendo ssmpre este estabelecimento um grande e vaotajoso 1
(uanto pertencente a este atitabeleeimento.
Sentido! Vou fallar con Censervali !!
e V sorte a 800, 900 e 15
a 600 e 640 ris a >i-
FIGADOdeBACALHAU
^
ou mandando os caixejrosem casa eom alguns dos neoto de sabo de todas as finalidades; assim co-
ohjectos mencionados.
Ama
Precisase de ama ama para 4*jrar e engommar:
na rua do Trapiche, sobrado o. 96.
PrMisa-se de um rapar de 14 a annos pa
ra caixeiro' na rna da Pral 0. 47-
mo a vanugem qne eneonlram para abraviarem a
qoalqoer fregu* por ser muito perlo, 0 o dimjnu
w carreta que tera de pagaran.
en
de
Atten#io.
Vende-se nma molau de SO anoos, cosa, eoi-
1--!?Tn.';(r?,,D.Pere,o-.ain criona eom
13 anno5,
as mesmas habilidades, ama dita de
- ira praca da Independencia, loja daounves duas de8annoS nm DNleTe d 6 ,? ?>
n. 33, cemprara-seobras de ourq e prata, a pedras lat.nho de"6 annos SjTSSs de 4S h Jn?8"
S,'?^," ^qaer <** for,es "ara todoTse7v?Cofn?ra ls M
CPinaienda, e federe oualouer ceflcerlo, ras n. 18, segundo andar.
anass,
Larangel-
Pee processo de Iberrirr, pharmaceulice
Pars, rna do Faubourg Mentmarte 21.
Este oleo de um cheiro agradavel, e
um sabor assucarado o nico que nao tera
ncra o gosto, nem o cheiro do peixe. Ob-
jecto de numerosos relatorios scientificos e
mdicos, este mdicamente que goza era
Franca de um successo to raro como bera
merecido, receitado diariamente pelos
prindpaes mdicos dos hospaes de Paris.
O OI,E0 PE FIGAOO VE BACALHAo OESINFECTA-
do ferruginoso ewwega-se com os maiores
sua""f-"SO* as molestia* em que se emprega
o oleo q"'*>do 50 aeompanhadas de debili-
dade e atonta.
Deposito geral em Pernambuco rua da
Crux n. 22 em ca C Cijos Ba/boxa,
da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavalios, e relogios de
ouro patente inglez.______
Boa da senzalla lleva 1.42,
Neste estabelecimento vendem-se: tac 1
ferro COado libra a 110 rs., idemd LOw}fs^"iB|n,aa aiva eanperlor a 480 rs. a libra.
Moor libra a 120 rs.
Vende-se
Vanteiga ingleza de 1
a libra.
dem franceza em barril
bra.
roucinho de Lisboa a 300 rs. a libra e 8JQD0 a ar-
roba.
Batatas em caixas e gigos 1200 e 2*000 a ar-
roba.
Caf de primeira e segunda sorte a 230, 280 e 300
rs. a liara.
arroz da India, Maranhaa e Java a 100 e 80 rs. a
libra.
Phosphros do gaz a 11 a groza e 180 rs. o majo.
3assas novas a 480 rs. a libra.
Yelas.'de carnauba Aracaty composicio a 400 e 440
rs. a libra.
Massas para sopa a 1806,440 rs. a libra.
Marmellaila dos melhores fabricantes de Lisboa de
1 a 2 libras a 640 rs. a libra.
Cha hysson o melhor deste genero a 2*800 a li-
bra.
dem perula mtadinho a 2*500, 2*000 e 3*000 a
libra.
Queijos mais aovos do mercado a 2*900
Serve ja das melhores marcas, tasto
preta a 500 ra. a garrafa e a duzia a I _
Sabao amarello massa a 180,200 e 240 rs.
Charutos da Babia dos melhores
1*200, 2*000, 2*300 e a* a eaixa.
Mil no alpista e painco a 1601140 ra. 1
Vinho de Figueira verdadeiro a 800 rs. a
dem de Lisboa das melhores mareas a 400 a 1
dem do Porto em barril superior pifa a M* r*.
dem branco proprio para missa a 800 rs. a ata.
dem do Porto engarrafado a 080 e i*,
mais de urna caada deqnalqaer 1
grande abatiraents.
Coaservas inglesas e portngeezas a Mi
BisaeJli e bolachas do soda a 1*400 e 2*.
Massa de tomate a 600 rs. a obra.
Genebra de Ola ida em frascos a aettoa e 1
raoja de 480 a 640 o 1*200.
Chouricas as mais aovas a 800 n. 18
Latas com 1 e meia libra de enai a
Azeite doce de Lisboa a 440 ra. a garrafa e O* e
galio.
Veode-se am eomoaMtro martimo inglez do
melhor fabricante Charly Frodshan, afflancando o
lien regularaento, por diminuto pre^o : a tratar
uperior farinha de mandioca, a bordo dos brfgue Ba roa Nova t. 21, loja de Francisco Jos Ger-
se unas Principe, D. Affonso e mo Sei, atracados nuno.
e o eses do Daro de Livramento : a tratar a bor-
do, oa no largo do Corpo Santo a. 4, primeiro an-
dar, escriptorio de Palmeira de Beltrao.
Vende-se atabe rna da re* Qireflf n, 48 con
poucos fundos, propria para principiante, e. mol
afreguefida : a trolor ";
Attet'cdo
Veidl-ie a casa torrea da rna Imperial 0. 272,
moderna, grande quintal, cacimba e portao para a
mar pequea, fado de podra e cal, nova, cbjo
proprio: 1. tratar na roa do imperador 17,
Esteiras para forrar
Com 8 palmos de largura o arae n
lidade, vende-so mais barato do ao oa
qoer parte : em casa de Valle Perto C,
da Cadeia n. 33, Recife.
Bixas de Hmburgo
Vendem-se na roa Nova a. 81.


.....I ........... I
mm
...... iii ii r" i ii

I *
\
v?,.***
V
r>
r

Diarlo de Pernambueo Segunda leira 1 de Dezetubro de l&a>4.
CLIRIM
COMMERC
RIJA DO QLEIMAWO W. 45
PassandO o becco da Congregado segunda casa.
ABBDASEBD m" m
NOF1DADE
Pereira Rocha &. C. acabam de abrir na roa do Queimado n. 45 um armazem de mohados denominado Clarim Commer-
eial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vera ao nosso mercado os
quaes serlo vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abano mencioncda; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Nova liqnidaco de fazendas at tiB| Grande liquidadlo.
do Biet, para fechar faeluras vende-se muito rMa da Imperatrlz B. O.
barato, por er o ni timo nei ttela, que o> Loja de fazendas do go de Gama & g,va
frejoetes tevem aproveitar : na toja e armasen j Acha-se este estabelecimento completamente
da Arar, roa da Imperatrii n. 5o, de Loaren- sonido de hiendas inglezas, francezas, allemas e
M Pereira Mendos Guimare*. snissas, proprias tanto para a praga como para o
v* laieaaas espcciaes parai Minora. em outra qualquer parte, principalmente sendo em
a porgo, e de todas as fazendas do-se amostras,
deixan jo ficar penhor, ou mandam-so levar em ca-
sa pelos eaixeiros da oje do Pavao.
As chitas do Pavao.
Vendem-se chitas inglezas, claras e escaras pelo
a Mara
Pia para senhora de bonias barras a 8*, 10$, 134,
144 e 164 o corte : na roa da Imperatriz n. 56,
loja da Arara.
A Arara vende a 2#400
ir dLc& de corfl"s ct>m 10 corados ^,0 preco de 240, 260 280 rs. o covado, tin-
a 2*400 e 3*200 ; cassas de cores a 320, 360 e s seguras; ditas francezas de cores seguras a
400 rs. o corado : na ra da Imperatriz n. 56, 350 340 360 400 44o 48O e 500 rs. o covado,
Arroz do MaranhSo, India e Java a 60, 80 e
100 rs. a libra, e 1^800, 20600 e 30000
a arroba.
Amei&as francezas em latas e em frascos a
10200 e 10600, e em frascos grandes a
24500.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
coa ricas estambas no interior das caixas
a 10200,10400, 10600e 2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Akpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez moito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa.
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de mataran a 320 rs. a
libra.
Avellas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezas de diversas marcas a
10300 rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hjsson, huchin e perok a 10600, 20,
2*500, 20800 e 39000 a libra,
dem preto maito superior a 20000 a libra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac ingles* fino a 900 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
200 0, 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 80500 a 80800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhos francezes muito noves e
bem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
Chouri^as e paios muito novos a 800 rs a
libra.
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra.
Painco a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640 rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor a
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs.
cadajum.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores 60 O .
libra.
Eigos em caitinhas ermeticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam: Vetho de 1815, Duque do Perto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocaje "Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 0000 e 100000.
dem em pipa. Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40.a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc^e S. Juliena700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000a 70500 rs.
a duzia.
dem Morgaux e Chateaulumini de 1854, a 10
a garrafa.
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagrado Lisboa a 200 rs. a garrafa e
1*200 rs. a caada.
Cevadinha de Franca muito superior a 220
rs. a libra.
Gevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata,
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Figos de comadre e do Douro em caixinhas,
de oito libras ecanastrinhas de 1 arroba a
10800, 50500 e 280 rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra,
dem de trigo a 120 rs. a libra.
loja da Arara.
Cortes de cambala de salpicosa 20100.
Vonde-se corles de cambraia de salpicos a
244OO, 34 e a 44000 a peca, ditos de cambraia
liza e fina a 34500,44500,54500 e 64, liras bor-
dadas para enfeitar vestidos e ntremelos a 14 e
a 142OO : na roa da Imperatriz o. 56, loja da
Arara.
Sonfembarques a 7, 8, e a 160.
Vende-se soutembarque de laazinhas de cores
para senhoras a 74, 84 e a 104, dito de grosdena-
ple preto muito enfestado a 204, 254 e 304 : ricas
capas de grosdenaple a 204, 254, 304 e 354, para
liquidar : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
i A Arara vende alpaka de cores para vestido.
Vende-se alpaka de cores para vestidos a 360
rs. o covado, cbailes de laazinhas a 11600 e 14280
! dito de merino a 44300, ditos finos a 44500, 74 e
84 : na ra da Imperatriz n.756, loja da Arara.
Liaziahas a Hara Pia a 500 rs.
Yende-se laazinhas a Maria Pia para
com palmas de seda a 500 rs, o covado.
s na
cores a 320, 400 e 500 rs, ditas lizas de cores pa-
ra capas e vestidos a 560 rs. o covado, casemisas
para capas de senhora a 14800, 24500 e 34 : na
Genebra de Holtenda verdadeira marca Vl>^n\"Wf f&f S'e'
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueiraJ J^^ S Sli f f?40,
fazenda muito superior e bonitos padroes
loja do Pavlo.
As laazinhas da exposic5o do Pavao.
Vendem-se laazinhas as mais modernas que tem
Yindo ao mercado, proprias para vestidos e sou-
tambarques por serena lisas e de cores muito de-
licadas a 560 e 500 rs.; ditas lisas com um lustre
que parece seda a 646 rs. o covado, ditas com
quadrinbos de seda a 500 rs. o covado, s para
acabar : na loja e armazem de Gama & Silva, roa
da Imperatriz n. 60.
O Pavao vende para lulo.
Vendem-se superior setim da China, fazenda
toda de la sem lustre, tendo 6 palmos de largara
proprio para vestidos, capas, palelots, calsas ete,
pelo baratissimo preco de 24, 24200, 24500 e 34
o covado, cassas pretas lizas, chitas pretas largas e
estreitas, manguitos, colarinhos, ponhos, e enfei-
tes, tudo preto proprio para luto fechado, e muitos
outros artigos que se vendem por precos mais
em coma do que em oatra qualquer parle por es-
vestidos, tar liquidando ; s na loja do Pavao a ra da im-
ditas de peratriz n. 60, de Gama <& Silva.
Os bordados do Pavao.
Vende-se camisinbas com manguitos e gollinhas
bordadas, pelo barato prego de 1* 14280 cada
um, manguitos s a 500 rs. cada par, ditos com
gollinha a 800 rs., gollinhas a 400 e 480 rs., de fil
280 rs. a 240 cada gollinha bordada, roroeira de cassa e de

-
dem em garrafes de 3 e 5 gales a 50500 9 covado, ditas francezas a 320, 360, 440 e 500 rs. Al muito bem bordada a 24 cada urna, manguitos
e 70500 cada um com O garrafao. j e covado, percallas para vestidos finos a 500 e 560 que serven para calcinha de meninas a 640 cada
C.raixa a 100 rs a lata e 10100 a duzia i crado, camisinhas para, senhora a 10,10600 par, camisa eom manguitos e gollas com a compe-
i ;^-o mtrt #w Licores moflo finos a 700 rs. a garrafe. ^ iK e j^ r en&Ues para cab a a Maria
dem, qualtdade especial em garrafas muito pa t <^i 1^400 e 24, para liquidar : na ra da
grandes, a 10800 a garrafa. Imperatriz n. 56.
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs. j Baldes americanos pira senhora.
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de Vndese baldes americanos os; melhores que
niirn a 4Annft A 9 carrafa vIa n di- tem v,ndo ao mercado, de 20, 25, 30 e 35 arcos a
vidro, a ItfWO, 90 a garraiavaieo Ql- jjjoO, 34 e 34500 44, ditos de brilhantina e
0 VIGILTE
RH do Cresp* f.
O gallo vigilaste tendo sido agracia* pete|
poso Daliisa, na soa ordem do da, e pela r
Aguia, apesar de que, para estes o Gallo em
agudos espores nanea os ofleader*, tates 1
ciar na mesina cooformidade, para qme I
possa marchar em frente, a Branca A^nta [
levantar seu vOo,>levando no bieo as paHafeac
ninlio; e o Gallo Ocara ea ten wpnm caap
dando de novo o sen canto anuonciaado a atas
bons freguezes e ao respeitavel publico
0 grande sortimento de ofcjeetos de iUfOtttfM
acaba de receber.
Ricas caixinhas com msica riel
das para costara, proprio para oro
nio.
Riquissimos cofresinbos com cadaaoa de i
para guardar joias.
Ricas caixas com estejo, cootendo todos os per-
tences para homem.
Riquissimas voltas fingindo pero.a.
' 1 de fita.

nhevro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez mato nova a 40 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maca de toma tes-em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores consenti-
ros de Lisboa a 60 rs. a lata.
Marrasquinbo de Zara, irascos grandes, ,
8O0rs.
dem regular a 500 rs.
Macas finas para sopa: rodinba e setria a 600 rs. a libra e a '40
a caixinha cora ib libras.
Nezes muito ovas a 160 rs. a libra.
Peixt em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 10 a lata,
Paliios de denles a 160 rs. o maco.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te- dem de dentes a I2.rs.
mos grande porcao de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudo ser vendido por Amendoasconfeitados a'900 rs. a libra,
pecas e-carnadas, tanto -em porces como Doce de goialia em latas-o melhor posstvela
retalho- 2^ e em c*130 a 64 rs-
Quera comprar de 4000000 paracima te- Palitos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 por ciento. I Passas muito aovas a 48 rs. a '
libra.
LIGA.
MCHIMSDEPATEIVT
de trabafhar mo para
desearocar aJgodo
FABRICADA*
Por Plaat Brotiiers & C.
OLDAM
tente gravata.de eda, fazenda. fina, pelo barato
preco de 3#, rauilas outras bordadas que se ven-
dem por precos muito em eonta : s na loja do
Pavao ra da imperatriz, n. 60, de Gama k
Silva.
Vestidos soutambarqne.
Polo ultimo vapor francez ehegaram riquissimos
vestidos soutambarqne, os mais modernos que
neste mercado
imosseina a 4A509: n roa da Imperatriz n. 56, naate mercado tem apparecido, os quaes esto
loia da Arara promptss com saia, corpinho e seu competente
Cassas da Araraa 280, 320 e 400 ris o covado. soarabarqoe, tudo guarnecido de seda, velado e
Vende-se cassas de cores a 280, 320 e 400 rs. o "* Qe SVL^fTn^w a l0ja *
covado, lencos de seda a 800 e : na ra da P*Tao.na a da 1,mfr'r'* n" 60-
imperatriz a. 56, loja da Arara. v ravao.
f aiendas para ooraem N* "la "avao vende-se moder-nQS mantele-
Vende-se cortes de calcas de brim nara homem tes de grosdenaples a imilagao de capas, as quaes
, iC.ite iSffium 1 *** bastante compridas 5 assim como tem um sor-
llOSl Ifrl A Kri,n% iota da un* oe capas pretas as mais modernas que ha
4*500 8* : na ra da Impefatm n. 56, loja da, wmeTCi6ij andoscamente bordadas. Ditas en-
r >. u____j- *.j.. -w .iu^u fettadas tudo por prero commodo : na loja de Ga-
Roupa feita-para homem de todas n qmbdadM. ma ^ Silva> ^ imperatriz n. 60.
Vende-se palitols de hrim de cores a 2,5, 2#500* j |57;nh 3*,ditos1jrancoa 2*500, dito de Imho fino a 5*.\A* mOflerDISSimas laaZIDDaS Oe Hffl Sd
ditos de adpaka de cores e trances a 5*. ditos de cor, i 111*1 tata 0 de SOrCOr, VeB-
meia casemira a 4*500 5*, ditos de casemira a .Va#' *
6*, 8*. 10*, 10*, 16* 20*. ditos de panno fino rT^i
preto a 8*, 10*, 14*. 16*, 20* e30*, calsas de Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
brim de cor a 2* e 2*500, dita de dito branco a Modernas laazinhas de cordozinho, as mais pro-
2* ditas dedito de liimo a 3*500 4*, colletes de Has e mais lindas que tem vindo, proprias para
cores a2*, de brim a 2*500, de casemiras de, vestidos, soutambarques, capas,etc., dam-se amos-
cores e gretas a 3*300 e 4*, calsas de casenrira a tras deixando penhor, e vendem-se pelo baratissl-
5*,6-e8*. de meia casemira a 3* e 3*500, ca- no pregode 560 rs. o covado : na ra da Impe-
e preta, de toda* m grm-
m
a 3*300, n 230 a 6*500 e
na ra
ratnz n. 0, loja de Gama e Silva.
Para quem gosta do bom e
barato.
No estabelecimento de Gama & Silva, na roa da
Imperatriz n. 60, loja denominadaPAVAOtem
nma grande porcao de varias qualidades de fazen-
das, as quaes se vendem muito em conta para li-
quidar. A saber :
As laazinhas do Pavo.
Vendem-se laazinhas de qoadrinhos transparen-
martannlfl pnfnstada a 4 a tes' ba azeDda. pelo preco de 280 rs. o covado,
"dSS"S^6 Si IJ'^ta^ ."- di, estam
r-'r"* "_'..' .unn (1 rur Hfim narirnne muir
misas francezas a 2* 2*300, de linho inglezas e
pregas largas a 33 e 3*300, grvalas de todas as
qualidades de 500, 860, 1* e **400, collarinho
de todos os taannos e muito bem fetos, para li-
quidar por ser tenpo de fe^ta : na ra da Impera-
triz B.36, loja da Arara.
Colchas-para cama a 20.
Veode-se colchas de chita para cama a 2J, ditas
de damasco a 4. ditas de ftito a 5, chitas para
coberus a 320, 360, tOO e 300 rs. o covado : na
ra da Imperatriz n. 56. loja da Arara,
i Arara vende madapolo eafeslada a 10.
Vndese pecas de
peca, dito inglez de 24
7*500 n. o 8*500,1 das> cr wnra Padroes miudos
GRANDE E SUMPTUOSO ESTABELECIMENTO
DE
MOTOS E ESCOMIIDOS ENEROS
TANTO EM GROSSO COMO A RETALHO
60 -HU MOVA OO
Ultima casa junio a ponte da Boa Vista. -
DUAS PALAVRAS.
c Ccsse tudo quanto a antiga musa canta
c Que ontro valor mais alto se alevanta.*
^cha-s a disposifo do respeitavel publico este grande e magnifico estabeleci-
mento de mohados, talvez o primeifo e nico hoje existente- em sua especialidad^ por-
que o maior capricho de m5os dadas com mais apurado gosto de abrir um estabeleci-
mento modelo promoveram a eseolha dos mais superiores gneros do nosso mercado,
aue por serem comprados em grande quantidade epagos quasi lodosa dinheiro a vista
deu lugar a obtenco de vantagens, que repartidas como v5o ser pela* pessoas que se
dirnarem de boarar-nos com a sua freguezia. alentamos a doee esperanca de agradar a
todos n5o s pelo emprego das maneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-
paze*. como pela pfitica da promessa que fazemos de vender poio pregos quasi do pri-
meir custo o nosso naagnifico sortimento.
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diversas classes da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharSo
em nosso armazem os melhores e mais esquisitos vinhos, licores, champagne queijo, etc.
etc ete e quelles que nao podem dispor de grandes recursos, que s compram o neces-
sar o promeiteraos-lnes servi-los de gneros novos e sadios,* escolbidos ao seu contento.
O real do pobre ser recebido com to boa vontade, como a moeda de ouro do
bomem rieo. ,
As pessoas que nos fizerem a honra de entrar era nossa casa, quer seja para com-
prar para seu gasto, ou para negociar, voltario satisfeitas, n5o s pela boa quaiidade dos
objeetos, como pela Qdelidade dos precos, e bom acondicionamento.
O futuro nos justificar.
CAVACO CESSARIO
Devemos ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que
adoptamos. Ei-las. .......
Existindo neste vasto e florescente imperto um grande partido poltico com a
denommaco de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente,
capaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
Ria-se quem quizer, porque nos tambem nos nremos mas nao se zangue
Dinguem^ ^ ^^ ^ ^^ ^^ ^^ ^ ^ d5o a conhecer as cousas. esta a mais
breve, clara e sincera explicacao que, pelo methodo repentino, podemos dar.
Mas a quem nlo seguir o partido desse systema diremos mais:
N3o oriunlo do Brasil o imponente titulo do nosso estabelecimento.
muitas centenas de leguas que apanhamos a nossa Liga. .
Na soberba e opulenta Inglaterra bowe um re que instituto a.mpthonroza or- prascos de superiores c'heiros.pequeiioa, a
\em da Llca. O acaso nos fez deparar cote a narraclo desse accnlecimento, que an- pares de ligas muito superiores e bonius
Estas machinas
podem descarocar
Qualquer especie
* e algodao sem
estragar o 'fio,
eudo bastante
Auas pessoas para
0 irabalho; pede
descarocar urna
arroba de algo-
dio em caroeo
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
pordiaoa 5 ar-
robas de algodao
limpa.
Assim como machinas para seren .movidas por
animaes, que descarocam 18 arrotas 4e algodao
limpo, por dia.
Os mesmos tem para vender um bellistimo va-
por que pode fazer mover seis destas achinas
mencionadas ; para o que eonvida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examma-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n, 47,
Sannders Brolhers & G.
IV. II, pra^a do Corpo Mani
RECIPE.
Os nicos agentes peste paix.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do Queimado os. 49 e 55 loja do Raraleiro
contenido j como tal, est dispondo da fazenda
por lodo o preco para apurar dinheiro, quem qui-
zer venha ver e traga o cobre, e ver o seguinte :
Baralhos de cartas para voltarete moito
finasa,....................,...... 206
Miadas de ilnha froxa para bordar a----- 20
Pares de sapalos de tranca de lodos os
tamanhos e finos a,.................. 1*500
Foia
Massos de superior grampos para cabellos
Duzias de palitos de gaz superiores a. ..
Libras de rea preta muito superior a...
Frascos de superior macaca 'oleo a ....
Ditos de dito perola a..................
Ditos de oleo de babosa multo finos a 320
rs. e...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida.............,................
Ditos de banha muito fina a............
Ditos de cheiros muito finos para o preco
a ris.............................
. Sabonetes de toda* as qualidades a 00 rs,
160. e............................
Novellos de Ilnha com 400 jardas a......
Carriteis de liona de cores com 200 jar-
das a.............................
Novellos de Ilnha de gaz de todas as co-
res a.............................
Pecas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos
a ris.
.......
to sororehendeu a corte desse monarcha. Agradou-nos esta historia e goslando son-
mamE do trage docavallero da jarretara para |VS2lS; ^Wt'MBSK t
loeando-o no oitSo drfosso estabelecimento, temos assim feto distingoi-lo dos outros p^,.^ HUk ^ den,eS)4Sperior t
ane se assignalaram com mitras e coras. 1|P|fria_-ai_ | tudo a..... .....................
iiAnnl anlt ni nal T-PCDSe. Pecas de tranca preu liza muito fina a..
Ilonni son qoi 1 p- ^\ \ f^ cfm 4 v-^^ ^aRn|hag Victor|aa
, Varas de fila preta com coixetes a......
Libras de la sortida de todas as cores a
' Ronceos de choro muito bonitos a......
Caixas de obrejas de ma ssa moto novas a
Vendem-se dous lastres, os mais rieos qne a es- Varas de franja .branca e deiores para
ta provincia tem apparecido, cada um de 24 luzes, toalhas a.........................
mullo elegantes e bonitos, o melhor qne possivet. Frascos de oleo Philoeomeseopenor a...
e se vender pelo menos preco e mais em contt Ditos eom sopenor tinta a320e.........
que for possivol, pis nao toram mandados vir pa- Caixas de linha de gaz eom 50 novellos a
ra negocio; vende-se porque quem os mandou vir Enfiadores para espartilho a..........
para si morrea : na roa Nova, no grande arma- Dozlas de botes encarnados para vett-
i.qj de toaca fiu e ordinaria W, dos a........., ...................
Alona
para 20 at 200 retratos, muito bons e por menos
preco qne em ootra qualquer parle: na ra
Crespo n. 4.
do
Vendem-se o 1* 2 e 3 lomos das biogra-
phlas de algons poetas e outros homens Ilustres
da provincia de Pernambueo, pelo commendador
A. de Mello ; obra qne todo Brasileiro, e mor-
naote todo o Pernambueano devs conhecer e dar a
ler a nns filhoe: aa ra do Imperador a, 1*.
ATTENQAO.
30
200
100
100
200
500
Me
640
. 600
400
80
60
30
240
200
400
40
1*000
1*000
60
200
40
6*500
160
40
600
500
800
60
pau:ferro a 8*, dito 8L9 a 10*, dito T a 10* e 12*,
dito sicupira a 8*506, para liquidar, na ra da
Imperatriz n. 56, leja da Arara.
Pautte de alpaka.
Vende-se palitots de alpaka preta de 3* e 3*500,
ditos'fios de cordo, lizas e brancas a 4*: rna
da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Ao baroteiro da rna da Imperatriz n. 36.
Vende-se serouias a 1*280, ditas irancezas a
1*600e 2* : e outras muito boas fazendas que o
freguee encontrar na loja da Arara, roa da Im-
peratriz n. 56.
[Perfumara e sabonetes id
Toet
da casa Viole!, perfumista com privilegio,
fornecedor das casas de S. M. impera-
triz dos Francezes e da rainha Isabel II
de Hespanha.
As llores as mais esquistos, as plantas as mais
ricas cm aroma, os blsamos os mais odorficos,
servem a composico dos producios exclusivos da
rainba das Abeta?.
Salio real de Tridaco.
O nico recaoMnendado pelas celebridades me-
dicas como hygienica da pelle.
Balsamo de Violeta.
Pomada fluidificada pelos oleo virgens para o
servico dos cabeleiroiro?.
Golas de Violetas.
Extracto da flor natural, perfume de S. M. a rai-
nba Victoria.
Saho de balsano de Violetas.
Homenagem a S. M. a Imperatriz.
Agua da belleza de Sua Magestade a
Imperatriz.
Lcelo benfica para o toilet das damas.
flor de arroz rosada.
De S. V. a Imperatriz Eugenia.
Perfume de nctar.
Este p refrigerante preserva a pelle de todas as
affecedes dormaes.
Kosado das abelhas.
Locgo refrigerante para o toilete e os banbos.
Creme poupador.
Da belleza da pelle.
Para prevenir as rusgas e refrescar o rosto.
Grem Sevign.
Composico especial, para lustrar e fizar os ban-
dos (cabellos.)
treme fri espumse.
Segredo da belleza.
Para refrescar o tessido dermal.
Perfumes das brisas de maio.
Delicias dos lencos e saldes.
Dicado a S. M. a Imperatriz da Russia.
Gaia de Juvencio.
Cofre mysterioso.
Encerrando talismans, segredo para belleza.
Vermelho da China, preto indio e branco
de Lys.
Para passeios e soires.
P burisontal
Pas as onhas o bnlho de nacarregado.
Perfumes horisoataes.
Para perfumar as cartas, toalhas e os quartos.
Vende-se na rjja do Imperador a. 38, botica
franceza.
Vende-se a casa terrea n. 25 da ra de Ha-
thias Ferreira, na cidade de Olinda : quem a pre-
tender dirija-se a casa n
achara com quem tratar
da ra Augusta, que
Viuho do Porta saterior
em barris de oitavo e dcimo ; vende Antonio
Lniz de Oliveira Axevedo C, M sen crlptorfe
roa da Cruz n. 1,
ipa-
e grandes a 320
palminhis
istoto-
Pavo,
Imperat
l'rrcalas a 600 e 360 rs.
Vendem-se as mais finas precalas, padroes min-
dlnhos, gostos deliradissimos pelo barate preco de
00 e 560 rs. o covado : na ra da Imperatriz n.
60, loja e armazem do Pavo.
Meias precalas, ou precalas inglezas largas a. 100.
Vendem-se meias precalas ou precalas inglezas,
padroes miudinhos e fazenda fina e 400 rs. o co-
vado : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
O gangiielimdo Pavo a atora.
o covado.
Vendem-se ganguelim cr de rosa para roupa
de meninos, e vestidos pelo barato praco de 320
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 60, loja do
Pavao, de Gama & Silva.
Os grosdenaples do Pavo.
Vendem-se grosdenaples pretos, fazenda supe-
rior a 1*600 rs. o covado, ditos largos muilo en-
corpados a 2*400, 2*600, 2*800 e 3*000, ditos
brancos, cr de rosa, azul e amarello a 2*000 rj
o covado : na loja de Gama de Silva, denominada
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
As aovas las gariualdinas a 500 rs.,
11a toja do Pavo.
Vendem-se as mais modernas laazinhas garibal-
dinas, fazenda inteiraraente nova no mercado, sen-
do todas com listras miudinhas, e transparentes,
com lustro a imitaeo das sedinhas, tendo varias
cores, sendo aznl, cor de lirio, carmezim, cinzenla
e cor de ha vana, etc.; isto a 500 rs. o covado para
vender depressa: na loja do Pavao, ra do Impe-
rador n. 60, de Gama Silva.
Os mais moderaos vestidos Maria Pia,
na loja do Pavo, a 16$
Vendem se finissimos vertidos Maria Pia com
os corpinhos differentes, lendo todos os preparese
com o competen sinto : na ra da Imperatriz n.
60, loja do Pavo.
/ovidn'de do Pavo.
Chegaram os mais lindos vestidas' a liara Pia
com as barras bordadas, tendo de differentes co-
res, e vende-se pelo ba atissimo prego de 12* cada
corte por estarmos prximo da festa ; isto na loja
e armazem de Gama & Silva, rna da Imperatriz
numere 60.
i amishihas a iJOOO-
Vendem-se camisinhas eom manguitos, sendo
moito bem enfeitadas. proprias para senhoras e
meninas, pelo barato preco de dez tnsloes cada
nma: na loja do Pavo, ra da Imperafriz a. 60,
de Gama A Silva.
Vestidos para meninas.
vendem-se s mais modernos vestidinhos para
meninas, sendo muito bem enfeitados Maria Pia,
tendo de differentes tamanhos, pelo barato prece
de 8* cada um : na loja do Pave, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
itnupa feita barata.
Vende-se um grande sortimento de roupa feita
para homens, sendo caigas de brim branca e de
cor, ditas de casemira preta e de cores, ditas de
meia casemira, palelots saceos e sobrecasacos de
casemira e panno preto fino, colletes de todas as
qualidades : na loja do Pavo, rna da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Grosdenaple de cor a 1600 e covado.
Vende-se grosdenaple de cor atol, branco e pre-
to, pelo barato prego de 1*600 o covado : na loja
do Pavo, rna da Imperatriz n. 60, de Gama di
Silva.
Panno de linho a 700 rs. covado.
Vende-se o verdadeiro panno de linho proprio
para lenges, toalhas e roulas, pelo barato preco
de 700 rs. a vara : na loja do Pavao, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Eeeneaia do Pavlo.
Vende-se para acabar, nma porgio de reulhos
de las e cassas de todas as qualidades, e por pro-
cos maito em conta; quem tem economa qne
pode apreciar; isto na loja do Pavo, rna di Ira-
perairiz n. 60, de Gap Silva,
Ditas com lacinho i
Ditas de lindas cores
saras.'
Lindos aderegos com pedrinhos
1 liantes.
Ricas fivellas para cinto, do todas as ssaliewn
e bom gosto.
Ricos cintos do ultimo gosto de Paris. _
Grande sortimento de liados ea totes para esta-
ca, sendo do ultimo gosto e de toas* a sveast.
Flores muito finas para notva*.
Lavas enfeitadas e meias de seda para i
Chaposinbos, sapatinbos e meias de feas
baptisado. '
Riquissimas fitas de todas as-quliade tara la-
go, cintos e cinteiros. 4
Camisinnas e follonas para senhora.
Riquissimos jarros e figuras (ara oraaateat ao
sala.
Grande sortimento de gravatinhas tasto para a-
nhora como para bomem.
Luvas de pelica branca e de cores.
Cascarrilbas de bonitas cores.
Trancinhas, galo e maravilhas para i
Transelins de cabellos e de retroz para i
Papel amisade e de outras quatdades.
Bolsas para viagem.
ntremelos e babadinbos de liados padree:.
Lencinbos de linho bordados.
Meias para bomem, senhoras. ntosaaoo o ssaaV
nas.
Fitas de veludo lisas e com mtame de tedas a*
larguras.
Thesouras e caivetes de todas as qoalidadK
Grande sortimento de sabonetes.
Lindos vasos com banha para ofererimrasst.
Caixinhas com seis frasquinbo.
Essencias de ledas as quaiidade*.
Agua verdadeira Florida.
Agua da Colonia, em garrafas grande e tai
frascos quadrados c garrafiolu.
Pomada lina de todas as qnalidsdes.
Superior banha em frascos e cotas
tamanhos.
Sabo inglez em paos grandes o
Escovas de cabo de madreperola, ijraai
osso, para dentes.
Pentes para desembaracar, com Triso de ss'Ul e
sem elle.
Ditos de tartaruga e de muiia oolns
des.
Pentes de tartaruga para senhora
Ligas de seda e de algodao, assim
outros objeetos do gosto que seria m
cinar, que a vista far fe, s no GaOo Vyhaht,
ra do Crespo n. 7.
Leos es.
Riquissimos leques de madreperola tasas para
senhoras como para meninas, pelo barato asap
de 12* c 14*; s no Vigilante, roa de Ortjpa
n. 7.
Peales
tambem ehegaram os riquissimos peales de coarta
de tartaruga e de massa fina, aae se veada par t*,
3* e 5*; s no Vigilante, roa do Crespa a. 7.
Canelas.
Riquissimas canelas de madreperola
para qualquer presente, pelo baratissiOM
1*500 e 2*.
Sapanhet e aeias do seda.
Riqnissimos sapatinbos de seda e de meria ea-
feitados, assim como meiaszinbas de seda, forraov-
nhas e touquinhas para as enaaeiabas sa!
rem; s no Vigilante, rna do Crespo a. 7.
Tllfclli.
Lindas voltinhas de perolas falsas easseraaial
fingindo brilhantes, assim como ernzinaas av
e voltinhas, pelo barato prego de I* e
eruzes avuls asa 400 rs.; .s no Vifiiaale,
Crespo n. 7.
Ciaaan.
Riquissimas golinbas e manguitos, o
lo possivel, a 2*, 2*500 e 3*; s ao
ra do Crespo n. 7.
Enhiles para sentara.
Riqnosissim eneites cos laca o sesa isco t as
outrosSmoitos goslos a I*, 1*500 e 3*: s as 4
guante, ra do Crespo n. 7.
Trasjwipji.
Liados trancelins oe cabello para reiapa aa lo-
netas, pelo baratissimo proco de l*Mt,
retroz a 200 rs.
asadiaass entremetes.
Riquissimos babadinbos rotreawtos
desenhos tapados o transpareases, arla
preco de 1*200, 1*500,1* e 3*; s as
rna do Crespo n. 7.
Ciicirratas.
Grande sortimento de cascarriltas ai
larguras, assim como galaoziaao e
prias para enfeites; s
po n. 7.
cK
Grande sortimento de atas de
e qualidades, per precos ejas
pradores, havendo Ous largas
leiros que se pode vsader a 300 rs. a
de 9 varas s 2*; s ao Tlsjinn, ra
a. 7.
Pitas do Ma.
Fitas de la de todas as qoabdaaV.
ra debrom de vestida a 700 rs. a para
gilante, ra do Cresao n. 7
Utos
Riquissimos espemos
sera ella de 8*, 10*, 12* 14*, asaias
columnas de differentes taasaatas a 2*, 3*, t*, |#
e 6*; s no Vigilante, ma do Crespa a 7.
Lindos jarros o ffaras.
Riqnissimos jarros e Igoras de paraskoi tas.
para enfeite de sala, seado e iiOsr tassa asa asan
tem apparecido; s no Vifiiaale, raa
a. 7.
rada*
Para pos o
Riquissimos vasos eom I
eoasa de nralto gosio s !** e 2*. i
pacotas s coa os pos a 320 rs. rada tai; si m
Vifiiaale, ra do Crespa a. 7.
i
Grande sortseato do
das, assim cono do badas
One ti vos e
Ihoresemau
ra, assim como es frataso
a 2* e s 1*, sarita cosas loirst alMitai oja
possivel por boje antaachr, t
zes se fari todo negocio; as topa ds
raa do Crespo a 7.


Diaria se rer&ambnee segunda lelra lt de Desemfcro de 3.
AURORA BRILHAHTE
GRANDES ARMAZENS
DE
MOLHADOS
Largo da Santa
Croz ns. 12 e 84,
esquina da
Cebo.
^BPCIAiS
mm
Largo da Sant
Cruz as. 12 e 84,]
quina da ra do]
Cebo.
O dono dos j muito acreditados armazens de molhados denominados Aurora
Brilhante, acaba de receber de sua propria encommenda, nfllfios raneros delicados
proprios da presente esiac,ao, e tendo grande sortimento comprado qui,aflancatjuetodos
os seas gneros sao de .* qualidade.
A seguinte tabella servir a todos de base para araste de contas aos por-
tadores.
Nenhum armazem Vender mais barato, e raelhores gneros do que a Aurora
Brilhante, j pelo grande sortimento que tem, j mesme por *eu dono se achar eticom-
modado em sua saade e ter de vender um do seus armazens agora, e o outro na pro-
zima primavera, por isso deve-se aproveitar urna nuadra deltas para se comprar
barato.
Latas com 8 libras de chouricas muito novas,
a 7*o0. ^
Ditas grandes com peixe em postas rnteiras,
mais de ti qualidade, a 13000, 1,8*80 e
I #400.
Ditas cem ostras, expeliente petisco para fre-
eideira, a 720 rs.
Ditas com errilha novas, ensopadas, a
720 rs.
Ditas com favas, a 640 rs.
Ditas com ameias a i SSOO, 1,8800 e 3J800.
Ditas cuiu marraelada do afamado fabrican-
cante Abren, a 880 rs.
Ditas de massa de tomate, a 500 rs.
Ditas com gos de comadre, lovos, a 1|S500,
2* e 1*500.
Ditas com bolachinha de soda muito novas, a
24000.
Ditas com biscoitinhos ingleies de muitas
qualidades, a 1400.
Chocolate.
Chocolate superior muito novo, a libra a
1*200.
Macar i Ao telharim e aletria amarella, a libra
a 480 rs.
nito dito dila branca, a libra a 400 rs.
Caixas com estrelinha, |>evie e outras raas-
sas, a caixa 3*500.
Ditas dita em libras a 640 rs.
Sag, a libra a 360 rs.
Sevadinlia para sopa a libra a 240 rs.
Ervilhas seccas, a libra a 460 rs.
Ditas descascadas, a libra a 200 rs.
Tapioca muito nova, a libra a 280 r.
Farinha de arar uta verdadeira, a libra a
500 rs.
Arroz do Maranho, em sacca a arroba a
2*400 e a libra a 80 rs.
Dito da India e Java, a arroba a 3*200 e a
libra a 100 rs.
Toucinho de Lisboa a 9*500 a arroba e a 320
rs. a libra.
Dito de -autos, a ^a0^oba 7*000 e a libra a
260 rs.
Molhos com 125 sebolas grandes, a 1*280.
ftfoatarda franceza caixa com 2 duzas a
8,8000.
Frascos com mostarda preparada era vina-
gre, a 400 rs.
Ditos cnm conservas inglezas e francezas,
a 640 e 800 rs.
Ditos com sal refinado Ano, a 640 e a 500
ris.
Ditos com a verdadeira genebra de Iarania
a 1*200.
Ditos de 2 garrafas de Ilollanda verdadeira,
1*000.
Ditos de 1 garrafa de Hollanda verdadeira,
a 640 rs.
Botijas com dita propria para negocio, a
400 rs.
Garrafoes com 2 galSes com dita, a 65000.
Serveja boa, marca, a 500 rs. a garrafa, e a
duzia a 6.8000.
Vlnho mscale! de tetaba, a garrafa- a
1*000.
Harrasquinho verdadeiro, frascos a 800 rs.
ea 1*200.
Champagne, a duzia 20*000, e a garrafa a
2*000.
Azeite refinado portuguez e francez, a gar-
rafa a 1*000.
Caixa de vinho Bordeaux muito superior, a
73.8*. 98 e 10* a caixa.
Ditas cnm dito branco, a 7*000 a caixa.
Ditas com dito lagrimas do douro verdadei-
ro, a 205-
Ditas com daqae do Porto verdadeiro, a
188000.
Ditas com chamisco superior, a 14*000.
Ditas com Porto velno e outras multas mar-
cas, a (2*000.
Vinho do Porto da pipa, a garrafa a 640,
720 e 800 rs.
Dito de Lisboa muito bom, a caada a
3*200, 3*500 e 4*000, e a garrafa a 500
e 560 rs.
Dito da Figueira, das seguintes marca, (N.)
(J. A. A.) (. L G:) fO. M.) a cana 4*500 e a garrafa a 580 e 640 rs., deste
que j est engarrafado e lacrado com o
rotlo do armazem.
Ditos de marcas mais desconhecidas, a cana-
da a 3*500 e 4*000 e a garrafa a 480 e
520 rs.
Vinho branco lao, a garrafa a 640 rs.
Dito do aja muito superior, a garrafa
800 r.
Vinho verde superior.
A caada a 3*500 e a garrafa a 480 rs.
Gema.
Saccas de 4 arrobas, 4 a verdadeira de se
engommar, a arroba a 3*000 e a libra
120 rs.
Sabio massa, a libra a 200, 240 e 280 r?.
farinha.
Saccas grandes com farinha de Goianna mui-
to nova, a 5*000.
Gaf.
Caf do Rio muito superior, a arroba a 8*,
8*500 e 9*000.
Cha.
Cha temos nestes gneros o melbor possi vel,
bysson, a libra a 2*600.
Dito peroia a 3*000.
Dito uxim a 24700,
lite hysson muito fino a 25800.
Dito redondo a 2*500.
Dito preto de primeira qualidade a 2*500.
Dito mais baixo a 2*000 e 1*600.
Erra mate.
Excelleute cb medicinal, a libra a 320 rs.
Espermacete.
masso com 6 vellas de espermacete a 600,
640 e 720 rs.
Passas.
Caixa* de 16 e 8 libra de passas novas pro-
prias para mimos a 4* e SjjoOO.
1OX08.
Nozes, a libra 160 rs e arroba a 4*000.
Alpista e painro.
Alpista e paii.ro, a arroba4*000 e a libra a
160 rs.
Cartas.
Cartas finas para jugar, a duzia a 2*590.
Casianhas.
Castanhas novas vindas neste vapor, a arro-
ba 4*000 e a libra 200 rs.
Aieitenas.
Barris com azeitonas novas a 15500
Manteiga.
Manteiga flor, a libra a 1*000.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dila menos superior a 640 rs.
Dita franceza nova, a libra a 720 rs.
Dita dila em barris e raeios ditos, a libra a
660 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Qaerjes.
Queijos novos vindos neste vapor a 3*200 e
35500.
Ditos londrinos muito novos, a libra a
15000
Papel.
Papel almaco pautado, a resma a 4*800
Dito dito lizo de linho, a resma a 45500
Dito de peso iizo e pautado, a resma a
- 25300
Dito de embrulho bom a 15 e 15200.
Yinhe ladeira.
,t deira a 15500 e 2*
Temperos.
Polkas de louro, pi menta do reino, cominho
e eravo, a libra a 4*>0 rs.
Velas de carnauba.
Massos rom 6 velas- de carnauba refinada a
480 rs.
Amendoas.
Amendoas com casca, a libra a 320 rs.
Doce.
CaixSes de doce de golaba, grandes a 15400
e pequeos a 640 rs.
Tijolos de lirapar.
lijlos de arear facas a 140 rs.
rauu
Dnzias de boioes de graxa n. 97 a 25600, e
de latas a 1*000, e os boioes a 240 rs., ca-
da un, e as latas a 100 rs.
Charutos finos.
Charutos finos dos melhores fabricantes da
Rahia par diversos prego?, caixas meias
caixas. i.
E grande quantidade de gneros tendentes
a estes estabelecimentos, que deitam de an-
nuneiar-se.
V
4 g 0 CORTE.
Pedrineha am igual.
Lindoeeortes para vestido de percal ti de cree
tiaras e escuras com grande variedade 4e padres
pelo baratissimo prego de &$ o corte: na loja das
c lumnasrua do Crespn. 13, de Antonio Cor-
reia de Vasconcelos t i
fOTASSA
NEM COROAS NEM MITRAS
0
E
GR1IBE ARMAZEM
RIJA DO IHPGRADOR M. 40
Junto sebraoa en que ora e Sr. Oseme,
Miarte Almeida da o mala Hado e variado sortimento de molhados, proprloa
da presente estaeSo.
Manteiga ingleza Ma^as brancas
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
AL1ANCA
i
B
da safra nova vinda do ultimo vapor a 1 ,ooo; para sopa a melbor que se pode desojar, para esse fim.
Silva & Souza
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de peores
5 a O por eento menos odreeo qne sepnaom pao
quer parte.
Gneros especialmente escomidos por um dos socio* os i
rs. a libra e em barril -a 800 rs.
manteiga franceza
da safra nova a 80 rs. alibra, e em barril
a 560 rs.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas .
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
30400, muito propios para mimo,
Cart5es
com bolos francezes a 800 rs. cada nm.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 1,5300.
Chocolates
de todas as qualidades a 1*000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 26oe.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 2^600 cada um.
Queljo
londrino o mais' fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais aovas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinbas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
q melbor que se pode desejar, que outro
qualqucr nao pode vender por menos de
34 a 20600.
dem peroia
especial qaalidade a 24700-rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 2$600.
Massas amarellas
para sopa, macarro, talbarira e aletria a
rs. a libra.
CtMUAC
o muito afamado cognac Pal Brandy a i,800
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a l.ooo e 800 rs. a garrafa.
COPO
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e ioo-rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
Ihor.
Papel de botica
de excellente qualidade a 2#200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulho de l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oo rs. alibra
Vinagre
PRR em ancoretas de 9 caadas a f5,ooo rs.
cada urna.
Chollas
as mais novas do mercado a 7,000 rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista e Painro
j mais novo do mercado a 140 rs, a libra,
e 4^400 a arroba.
CEBLAS
muitonovas a 10000 o cento na roa do Qoei- era paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar- roba e 140 rs. alibra na ra do Qoei-
macarrao, talharrm e aleiria a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Usees
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 14 e 14200
a garrafa e de 100 a 124 a caixa, as mar-
cas sao as seguintes: Gaamisso AFilhe,
F. & AL, Nctar eu vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muito*.
Latas
com 10 libras de baaba a 44000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica damesmaque
vendern a 20000 e 24400.
Nozes
as mais novas do mercado a 130r* A bra.
Oervejas
dos melhores fabricantes^ de todas as mai
cas de 44500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Res e outros em
meias caixinhas a 14600.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 34400.
CAF
de l.*e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 805f
e 80800 a arroba, e 280 a fOO rs. a br
Ciarrafoes
com 4 f/a garrafas com vinagre a 10000tea
o garrafio.
GENEBRA DE LARA2JA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110O0C
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e2ors. cada caixinha,,
LICORES
Anos de todas as qualidades, a 10,000 a caixa
com urna duzia e a 1,000 a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimeoto.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo b
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas oras
em caixas de 2 arrobas a 54 a caixa e 60 rs.
a libra.
Paaaas mito.aovas
em quartos e inteiros a 20 9 quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate 1
portuguez o mais especial que se pode de
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frotas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca 4a guiaba
a 600 e 14 o caixae.
GOMMA MUITO NOVA
ment.
grande a vantagem para todas as pessoas qae compra
armazem.
Os propietarios garantem todos os gneros sabidos de seo j
AO PUBXICO.
NSo nos servimos de exordios como constantemente estomas
cios deste genero, pois slo palavnados de qne sempre nos abstivemos, s de
estamos certos nenhuma attenqao j merecen do publico. O nc
mente fazer ver que o verdadeiro e principal interesse de todos
qos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos teda a
Vinho verde.
Chegou o muito desejado vinho do Cartaxo vende-ss
a 600 rs. a garrafa e 3o,ooo rs, a ancora com 7o garrafas.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
64e rs. a libra,
dem de casca male a4o o rs. a libra.
go do Carmo n. 9
GRAO DE ICO
muito novo a 304AO a arroba e 140 rs. a li-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e largo
do Carmo n. 9
BOLACHINHAS
bra na ra doQoeimrdo n'.'7; ra do- em latas de defferentes qualidades a 10200
Imperador n. 40 e largti do Cgyqmo n. 9. a lata
QUEIJO SUISSO QUEIJOS FLAMENG
muito fresco a 800 rs. a libra na roa do chegados neste ultimo vapor a208OO/j roa
Qoeimadon. 7, roa do Imperador n. 40 e do Queimado n. 7, raa do Imperadofn.
largo do Carmo n. 9
'40 e largo do Carmo n. 9.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaran aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularara os mesmos preces nos seguintes lugaret:
0 Verdadeiro Principal ra do laaerader n. 40
FRICTA8
HA Vi A. PERAS E UTAS
chegadas neste ultimo vapor, vende-se na roa d. Imperador n. 40, Verdades
pal.
Ameixas francezas em caixinbas com lindas
estampas a i,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a l,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 '/i libra a l,loo rs.
Arroz do Maranho e da India o melher que
ha neste genero de 80 a loo rs. a libra,
e de 2,5oo a 2,800 rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e 10,000
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
AzeTtenas muito nova3 a 2,ooo rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4,4oo rs.
a arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,oooe l,5oo rs. a
lata e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
Banha de porco refinada a 600 rs. a libra e
em barril a 58o rs.
Patatas a 2,000 rs. a caixa.
Champagne das melbores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, 1,80o rs. a garrafa, e 9oo rs.
as meias garrafas.
Cha uxim o mellior possivel a 2,7oo rs. a
libra.
dem peroia qualidade especial a 2,7oo rs.
a libra.
dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2,000, 2,4ooe 2,6oo rs. a libra.
dem preto homeoptico a 2,000 rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. 1
duzia, e56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol e su isso a 1,00o,
l,2oo el,4oors. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
tado de Simas e outros da Baha como
sejam regala, trovadores, guanabaras,
delicias e suspiros a 1,600,2,000, 3,ooo
e 4,000 rs. a caixa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco.
dem francezas surtidas ou de urna s qua-
t lidade cada frasco a 5oo rs.
Cognac francez e in'glez a l,ooors. a garra-
fa, o- lo,ooo rs. a duzia.
Cominho erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Caoella a 9oo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4,8oo 5,ooo
e 5,5oo rs. a duzia, e 5o rs. cada om.
Caf do Rio superior a 28o e 3oo rs. a libra,
e 7,5oo a 8,5oo rs. a arroba,
f Doce de goiaba superiorem latas a 2,ooo rs.
Ervilhas portuguezas em latas chegadas l-
timamente a 64o rs. a lata.
dem ceceas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo
rs. cada urna.
Favas portoguezas em latas chegadas lti-
mamente a 640 rs.
Frutas idem em calda, pera, pecego, alper-
se, rainha Claudia e ginja a 9oo rs. a lata.
Graixa nova a loo rs. a lata e I,loo rs. a
dHzia.
Gomraa muito alva e nova a I60 rs. a libra.
Genebra de-Hollanda em frasqueiras com 12
frascos a 5,8oo rs. e 560 rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
Idett en garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com ogarrafo.
Iilem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
IdW ingjpiiii en garrafas brancas bordadas
ilha de vidro qualidade superior a
.ooo rs. a garrafa.
dem efe laranja verdadeira a l.ooo rs. o
fi^snbll.oOoatrasaoeira de 12frascos.
Kirsch Wasser excetteate bebida saissa a
l,8oo..rs. a garrafa. !
Lentilha* muito novas
ra sopa a 2oo rs. a lftra.
Licores franceses de tosas
de 7oo a 9oo rs. a garrafa:
Manteiga inglesa perfeitameots Mr a
l,eoo rs. a libra, oesascsssarii
elogios oeste genero, que s se-
nticar com a vista.
dem franceza a 64o rs. a lian, e
se far abatimeoto.
Marmelada do primeiro fabricante del
a 7oo rs. a libra, ha latas do I, I 1.1 e
2 libras.
Massa de tomate em latas de I e t meas a
600 rs. a libra.
Macarro, talharim e aletria a 4oo rs. a liara.
dem branca a 32o a libra.
Mostarda franceza preparada a toa rs. o
frasco,
dem ingleza em p a e4e rs. e frasee.
Molho inglez em gari almas cota remas de
vidro a ?\o rs. cada man.
Marrasqoiatao verdadeiro de Zara a I,ese rs.
a garrafa, e 10,000 rs. a aman.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra-
Ostras preparadas em latas a Too rs. a lata.
Prezunto para fiambre ingln
garantiodo-se a qualidade a 800 rs. a I
Passas novas de carnada a 64o ra. I
6,5oo rs. a caixa.
dem para sopa estrellinba, pevide ei
etc. a 3,5oo rs. a caixa, e a 56o rs. aliara.
Peixe em latas hermticamente fe
seguintes qualidades: savel, crame.]
cavallinhas, e pescada a l,ooo a
Palitos para dente fichados a lee rs. e Bas-
co de 2o rs. e maciobos.
dem do gz a feo rs. a duzia, e t,f 00 rs.
a groza.
Painco muito ero 12o rs. a libra e 3,ooe a
arroba.
Queijos flamengos, do ultimo vapor, a!
rs.
dem londrino muito fresco a 800rs. al
Sal refinado em potes de vidroa 5oo rs 1
um.
Sevadinha de Franca a 18o rs. alibra.
Sevada a loo rs. a libra.
Toucinbo de Lisboa a 24o e 32o rs.
Tijolo para limpar facas a 15o rs. cada mn.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e
l,4oo rs. a caada,
dem em garraldes com 5 garrafas a l.eer
rs.
Ibem de escovas para lavar casa a 36e n
cada urna.
Velas de espermacete soperiores a Seo rs
alibra.
dem de carnauba refinada e de coaanmicSe
a Uo rs. a libra, e de 15,ooo a lineen.
a arroba.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e naneara
das marcas menos coobecidas a eos rs.
agarrafa e a 2,8oo n. a caada,
dem Figueira especialmente esromida aeste
lugar a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo rs. a
caada.
/'y
/
Agua Florida.
Vend-se urna carroca fle cavallo em bom]
aso, om seas pertenew : na roa daSotrfade mi-1
reeN7!t. .
- Vende-se um boi com urna carro^ e pipa. Vende-se potassa em barris a commodo preco o
Dar azua e outra para cavallo com todas os seu na ra da Crnr n. 13, primeiro andar, esenpton:
perloces : na roa dos Prateres n. 7. 'de Antonio de Almeida >mes.
ara restabeleeer e conservar a cor natural
dos cabelles.
A agua florida nao urna timo, tacto essen-
cial a contestar, a mesma agua dando a cor primi-
tiva ao cabello. Composta de plantas exticas e
de subsUocias aeffeKrvas, lia tem a prepriedade
dexestilar aos cabellos o principio orante qae el-
los .nm eerditio. Diun stkibridaee incooterta-
vel, a Agua Florida entretem a liinpeza da c a beca
neslroe as caspas e impede os cabellos de cahir
Olee de Florida:
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
constfrae noderosatseote, com a Agua Florida, a
orea, a belleza e a conservacao dos cabellos.
Em Pars, casa de Quislaur n. 12, ra de Ricbe-
Uon, e 21, boulerard MnHtmartre.
Todos os frascos, nao tendo intacto e claro, o
timbre prateado da casa, slo reputados falsos.
Deposito, ra do Imperador, pnarmacia n.' 38.
dem Lisboa em ancoras com 91
ea especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares mono
cemposico a 600 rs. a garran, e
rs. a caada.
dem de Lisboa franco iva para a 56o rs. a
garrafa, e a 4,5eo ra. a caada.
dem Porto 00 ea papa a 56o rs. a
dem engarrafadas genere
Douro, Duque do Porto, D. Lo I,
Pedro V, Nctar, velho serco,
Genuino, Particular a 9ooel,2oo rs. a 1
rala, e a 10,000 rs. a caixa cea mm
zia.
dem Madeira legitimo a t,2eo n. a
la, e a 12,ooo re. a dazm.
dem Muscatel a l,ooo re. a _
dem Bordeaux das acreditadas
Julien, St. Esteah, chateaa n
Margoux e ovtros a 6,5eo a
56o s. 1 garrafa.
I

GAZ GAZ GAZ
Vende-s gas da memor qealidde a
12tf a lata : nos armazens da ruado Im-
perador b. 16 e ra do Trapiche Novo o. *g
ffpi
Venne-se superior vfnbo do Porto em caixas de
urna dnzia : em- caa de Jotinston Pater & C, ra
do A'*rio n. 3.
Superior cal de Lisboa.
Vende-se superior cal do LisJoa a mais aova
que tuno mercado, tanto Mi.porcao como a reta-
lho, por barato preco, aBancando-se aos compra-
dore** superior qnahdadej tratar nasaagaiotoo
roas : Crespo n. 7, Imperador n. 28, Forte do Ma-
tos, armazem do Sr. A villa, defronte do trapiche
* algodao.
CEMVEJA EJI KA KKI l>
a *0# rs. O
Qaeljo de Mimas chegado mo vapor
dem prato mmito fresen
dem smisso superior
dem londrino superior.
57 Ba do Imperador 57
i.



V
7
Diarto Ae FttiillbiM Segunda felra 19 dcLeaeiubro de 1S*4.
0
'
Irmaiem de hoIImmIos
SI-HIJA DO IMPEIIiDOR-81 .
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Collegio.
Francisco Jos Leite, tem a satisfaea de avisar aos seus freguezes e ao respeiUvel publico que
estando restablecido de seos incommodos de saade, acha-se novaroenle eom um bello e bem sortido
armazem de seceos e molhados primoresamente escolhidos como sempre caprichou ter das melheres
qualidades, e francamente afBanea as pessoas que se dignarem comprar em sea estabelecimento que
all de preferencia a ontra qualquer parte sera mais bem servidos, em qualldade e precos, como em
pesos e medidas, no que sempre o annanclante foi escropuloso, em snmma, nao Ilude a pessoa al-
Aos Srs. de engenho e lavradores que- queiram honrar como seu comitente lhes assegura qne
producto de seu labororiso trabalhe sera o mais bem reputado no mercado desta praca, para o qne
se julga convenientemente habilitado pela longa pratica coramercial que tem exercido, sendo seus por-
tadores despachados cora presteza depois de ter fielmente cumprido suas ordens.
Fornecer gneros aos Srs. agricultores e negociantes que Ihe merecam cenfianca, fazendo um
abate vantajoso aos que pagarem a vista suas mercadorias, e encarrega-se da venda de qualquer ge-
nero do paiz mediante urna medica commisso, entregando de prompto seu producto, e sendo este ap-
plicado a compra de gneros em seu armazem, prescindir da commisso.
Dos seus antigos e benignos freguezes espera o annunciante sna valiosa proteceo, frequentando
como outr'ora saa casa, e pelo reconhecimento que lhes tributa offerece expentaneamente seus ser-
iulga desnecessarlo publicar a tabella dos precos de seus gneros : sao seus recursos garanta
sufflciente de poder acomponhar os menores precos de idnticos e mesoio de mais apparatosos esta-
nelecimentos, tende somonte em vista o augmento de suas vendas diarias.
Prevcnco necessaria
Teado sido proprietario estabelecido mullos annos com o mesrao ramo de negocio na meama
ra, julga prudente advertir qae s afflrraa e se responsabilisa pelo que tem declarado no que disser
respefto ao arroaxeui ____
mm reasaro
SI-RITA DO IMPERADOR-SI
Segunda casa do lado direito indo do pateo do Collegio.
NOVOS VESTIDOS DE PHANTASIA
Chegaram os modernos vestidos de dentelle de seda com barra, inteiramente novos
em gosto e qualidade : loja das columnas, na ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia
de Vasconcellos k C, sucoessores de Jos Moreira Lepes.
Fazendas de bom gosto
Para vestidos de senhora
Superiores cortes de seda de cor, de morante, de gurguro e de sem imperial.
Ditos de blond, e de cambria branca bordados.
Ditos de la com barra e grande variedade em cores e padrdes.
Ditos de organdys com barra 9
Lindas sedas de quadros escosseza e miudas.
Superiores laas lisas com grande variedade de cores.
Ditas com salpico, com llores o de quadros.
Lindas pampolinas de quadros e de flores, fazenda inteiramente nova.
Superiores cassas de cores, e lindas cambraias organdys.
Grande variedade de chita de cores, de percalia e outras militas fazendas de gosto.
Para hombres de senhora
Lindas capas e bournoux de asentir de cor.
Ditas de laa e de seda.
Grande variedade de soul'embarques de seda de 18* a 40*.
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados Anos, de cachimira com listras de
seda e de fil preto. '
Camizinbas modernas, zuavos brancos e de cores, colletes de cambraia, lindas gol-
hnhas com punhos e outros muitos artigos. /
Para eabeca de senhora e menino
Superiores chapeos e cbapellinas de palha de Italia enfeitades para senhora.
Ditos de feltro enfeitados para senhora.
Ditos de palha enfeitados para menino.
Grande sortimento de enfeites moderaos de retroz, de froco, de cabello e de flores,
pare senhora.
Na loja das columnas da ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia de Vasconcel-
los 4 C
Vinho de Porto e da Madeira
Custodio Jos AI ves Guimares tendo recetado
de conslgnaco os verdadeiros vinho3 da Madeira
e do Porto em cautas de urna e de duas duzias,
convida aos amantes desle velho xarope muito
agradavel e peiloral, qne. quizerem apreciar o que
bom, se dirigirem a ra do Crespo n. 7, pois
seus precos sero razoaveis.
Libras esterlinas
Vende-se quem as quizer comprar no armazem
u. 33, da ra da Praia, se dir quem as vende.
Vndese no segundo andar do sobrado da
ra do Trapiche junto a casa do Blandin (entrada
pela ra dos Tanoeiros) os seguintes objectos,
anda em muito bom uso : sendo urna raobilia de
amarallo, urna cama franceza e um lavatorio do
raesmo pao, urna mesinha de Jacaranda para jogo :
as pessoas que pretenderen), podem procurar ver
a toda hora do da._____________________^_
PARTE DE ENGENHO.
Vende-se urna parte do engenho Itanhenga sito
na fregaezla de Pao d'Alho : quem pretender com-
pra-la dirija-se a esta typographia que se dir com
quem deve fallar.
DE
Cliapos de palha enfeitados para senhoras e meninas de 60 a 10(51.
Bonitos vestidos de 15a com barra a Mara Pia a 480,
Cortes de ditos dita estampados Anos 16i58uO.
Capas de grosdenaple preto bem enfeitados a 25$ e280.
Soutembarques e capas brancas bordadas a 100.
Organdys mimo do co de Hodos padroes a 45.
Grande e variado sortimento de chitas largas de 300 a 500 rs.
Bramaate de linho de espantosa largara a 20500 rs.
Admiravel sortimento de gravatas.de seda a 320, 400 e480 rs.
Na ra do Crespo n. 4 junto ao arco de Santo^Antonio.
Loja do barateiro!
A AGUL4
ra do Uueimado n. 8
Grande sortimente de objec-
tos de gosto.
A Aguia Branca antes mesmo de ser condecora
da com o pomposo titulo de domestica, conferido
pelo gabinete do intrpido e gil Bausa, mandou
ver o grande sortimento de objectos de gosto que
agora acaba de receber e expolo a apreciacao de
sua boa freguezia no numero da qual contempla o
infante, epor que para estes ella j mafs abrir ob-
vio para os beliscar, deseja que tambem se livrem
dos agudos exporoes do vigilante galle. >
Eis o que ha de bom :
Finas capel las brancas para nolvas.
Meias brancas de seda para ditas.
Bonitas ligas de seda pare ditas.
Ligas.
Ditas ditas para manguitos.
Luvas de pellica enfeitadas para ditas.
Ditas de seda brancas bordadas para no ivas.
Grvalas brancas bordadas para ditas.
Rosas e ramos de flores finas para noivas e con
vldadas.
Fitas brencas e de cores, lisas e lavradas, o que
se pode encontrar de melbor.
Bonitos port bouqnets.
Leques de sndalo e madreperola.
Casearrilnas e roaravilhas brancas e de cores
para enfeites degestidos.
Lindos Rderecos de perelas falsas.
Outros de bonitas e agradavels cores.
Outros de mosaico.
Pulceiras, brincos e rosetas de dito.
Ostras de aljofares brancos e de cores.
Outras de cornalina, e chapa de christal.
Voltas de aljofares brencos e de cores, finos e
grossos. ,
Fivelas grandes de tartaruga e donradas.
Outras pequeas de ac, douradas e com peoras.
Bonitas e encornadas filas para estas.
Cintos largos de diversas qualidades.
TaHieres para crlancas.
Acham-se de novo a venda na loja da Agnia
Branca : ra do Queimado n. 8.
Navalhas finas.
A Aguia Branca na ra do Queimado n. 8 acaba
de receber essas estimadas navalhas finas de ac
refinado, dos acreditados c bem conhecidos fabri-
cantes J. Rogers & C : cujos nomes bastam para
justificar a bondade deltas.
Tambem receben afiadores e massa.
Enfeites bonitos para bailes, ca-
samientos e passeios.
A Aguia Branca na ra do Queimado n. 8 est
completamente provida de bonitos enfeites de flo-
res, e outras differentes qualidades, e lodos de ges-
tos modernos conforme ver o pretndeme que
comparecer munido de dmheiro. Tem tambem
bonitos de marroquim para bailes.
nvelopes mui grandes para cf
fictos.
Acham-se a venda na ra do Queimado n. 8, loja
da Aguia Branca, e bem assim outros pequeos.
nlndezas de prlmelra qualldade.
Como geralmente sabido a Aguia Branca pre-
sme lee.sempre o bom para bem servir a sua boa
freguezia, e por isso mandou vir e acaba de rece-
ber um variado sortimento de miudeza de pnme-
ra qualldade e difflceis de se encontrar em outra
qualquer parte, constando elle de caixinhas de ex-
celentes linhas de novellos grandes e pequeos.
Caixinhas de linhas para cronebet e ponto de
meia.
Carteiras com superiores agulhas.
Caixinhas com ditas e que cada papel sonido.
-Fita fioa e elstica para abanhados de vestidos.
Dita de puro linhe e de differentes larguras at
para coz.
Mui bom cordao francez em pegas grandes pare
vestaos.
Trancinhas de algodao de differentes e bonitos
mordes para enfeites.
B'tSes finos de osso e madreperolas.
Outros de velludo e seda para vestidos.
Colchetes francezes de boa qualldade em caixi-
nhas redondas.
Carteiras ou estojos com agulhas e cabo pare
cronchet.
Didaes de marfim e madreperola.
Agulheiros de dito.
Caetas de madreperola.
Escovas de dita e marflm para unhas e dente
ep q o < a as sp > p-f as 8? "9 SS
9-B
- c o o i rr*-1* 63 o o o
i TP *.- S 2 Qt
%
8
a
? o-S-
&2
co X.
r\ w >m #* ^- -^
3 v ce

CO >. "1
O .
25 "g -&
p "o -?
5 co tu ^_. 2
Cu Tj,2
OO. T -
t c 9. _
y
a B
11
^'fc'S'SS
ffi
2B3^^a,_aswo2o
a
S
fFfM
c,

3^B


5! r* n
s> 8! os
I? s=S. 3.
en 03 O C!
B
mi
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado ns. 49 e 53, loja de miudeza:
de Jos de Azevedo Maia est continuando a
vender muito barato, pois sen genio dar a fazen-
da por todo preco a vista dos cobres.
Cartas de alnetes francezes da melbor qualidade
a 80 rs.
Grosas de pennas de ac inglezas da melhor qua-
lidade a 640 rs.
Caixas de eolebetes francezes de superiores quali-
dades a 40 rs.
Grosas de botoes de madreperola muito finos a 560
e 640 ris.
Carretes com 4 a 8 oitavas de retroz preto fino a
40 rs.
Resmas de papel de peso liso muito superior a
2*000.
Gravatas da liga e de eutras muitas qualidades a
600 rs.
Caivetes para peona cera 3 folbas fazenda boa a
800 rs.
Duzia de botoes branco para casaveques de senho-
ra a 100 rs.
Pegas de fita de cs eslreitas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Portuguez para os meninos a prender
a ler a 800 rs.
Os segreffos da natoreza para os meninos a pren-
der a ler a i000.
Cartilhas da douinna chrislaa, finas e superiores a
320 rs.
Pestes finos de marfim a 1*000,1*200 e 1*500.
Pares de luvas de seda para homens e senhoras a
500 rs.
Gollinhas para senhora o melhor que ha a 320 e
500 rs.
Frascos com superiores banhas a 240, 320, 500 e
1*000.
Livros que serve para assentar roupa,pelo diminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cordao branco para esparUltws muito superior, i
vara a 20 rs.
Carritis cosa 150 jardas de linha branca a 60
ris.
Cartoes com 200 jardas de linha brenca garanti-
Grosas de pennas de ae superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
Ihas a 160 rs.
Pares de botoes de punho, oh que peehineha a
110 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de botffes de louca prateadot muito fino a
1160 V,
Tesoures para costura superior qualidade a 500
r'S- AA
Escovas para limpar denles, superiores a 200 re.
Caixas coto superiores phosphoros de segnranca a
Caixa com 100 envelopes o melhor que ha a 64p
ris.
Catxns com 20 quadernos de papel amizade, muito
fino a 600 rs. '
Quadernos de papel pequeo multo fino a 20 rs.
No armazem de fazendas bt-
ratas de Santos Coelho,
ln dMMiiia.it,
Vende-se se f
AUencao II
Ricas laazinhas, fazenda a
do ao mercado, tanto em fwft eva tm
de, pelo baratisstmo precede W)r>.*cM
Ditas nihulinhas canati
dos de meninas e caBiaikas a
Cortes de 1.1a com 15 core*, m tiara
de 6*.
Coberus de cbiu da India a 3*8 e3#.
Lences de panno de linho a 2* e 2*MH
Peres de cambraia de farro eos t l|i a
Toalhas alcocboadas proprias para mia a
duzia.
Ricos cortes de lia coas barra Maa
18*.
Pecas de planillas ee algeia* ceas M
proprias para saia a i*.
Algodao enfestado eom 7 1|2 aanaaa
a 1*100 rs. a vara.
Esleir da India, propria para farra >
4, 5, e 6 palmos de largara, por
que em outa q lalqner parte.
Neste estabilecimento laeaneni
nm grande sotimcnle de roase ferias, a
dida.
*!
Vende-se osa lastre cees orie
muito bom gosto, a preco conmodo : a ver
Velha a. 15, e tratar na roa do Atoll m
caixa d'agna, caarta casa. __________
Fotha de t landres.
Vende-se na fabrica aa travesea ra Caara
2, caes do Ranos, superior tana ae
ver e tratar na roesma fabrica.
ESCH1T0S FUUD0L
. 9
Para a testa.
Machinas de vapor epa-
ra descaro(?ar algodao.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido, coa-
do e de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e
de carrosa com mangas e
eixos de patente.
RuadoBrumn. 38, ftindi-
Cao do Bowman.
J. Keller 4 C. vendem superior vinho tinto
de Hord-aux, tanto em quartola como em caixas
de.du.zia de garrafas.
ueiios frescos a 3*, passas novas em quartos
ai*, ea llbra-a 400 rs., figos a 160, marmelada
a 300 rs. a libra, azeitonas a 1*800 a aneoreta,n
garrafa a 320, manteiga inglesa flor a 900 e S80
rs.. dita tranceza a 640, cha miudinho a 2*600 e
3*, caf 1' sorte a 280 a libra, e 8*400 a arroba,
de 2 sorte a 240 a libra e 7*500 a arroba, arroz
a 100 rs. a libra e 3* a arroba, tonrinho alto
280 a libra, stearinas a 620, pahtos para denles a
140 o masso, do gaz a 200 rs., chouricas a 640 rs.
a libra, gomma a 120, sabio massa a 200 rs., sal
em potes de vidro a 448, roncervas a 400 rs., la-
tas com bolachinha a 1*400, aletra e talharim a
400 rs. a libra, cerveja branca e preta a 560, vinho
fino do Porto engarrafado a 1*120 o 800 rs., bran-
co para missa a 500 rs., tinto de Lisboa a 366 a
garrafa e 2*600 a caada, da Figueira a 440 e
3*200, azoite doce a 600 rs. a garrafa, de carra-
pato a 260, vinagre a 200 rs., gaz a 480 : no ar-
mazem da Estrella, largo do Paraizo n. 14.
ENFEITES A MARA PIA.
A loja da Aurora, na ra larga do Rosario n.
38, receben novos gogts de enfeites a Maria Pia
com plomas de froco no frente, obra muito deli
cada, assim como tambem tem de muitas mais
qualidades, riquissimos siutos de fila larga de cha
malote com fivelas, tambera largas esmaltadas de
pedras, riquissimas fitas largas de chamalote la-
vradas, proprias para fazer sintos de pontas ea-
hidas; finalmente tem grande sortimento de mia-
dezas finas, que s a vista faz f : na loja da Aa-
rora, ra larga do Rosario n, 38.
" 14-Rua Direita-14
nico depesito do rap imperial do fabricante
Isaac Esnaty ; afflanca a sua boa qualidade e ser
superior ao rap de Lisboa e ao rap ara preta, a
prova faz f : vende-se a retalho a 1* a libra, e
em porcao de 10 libras para mais a 860 rs.; tam-
bem abre crdito aos compradores em conta cor-
rale.
Esta Fgido.
Coatinon a atar fondo awlaio aratxvfs*. aa
nome Marcelino do abaixc assitnado, raer araav
lo de altnra regular, bstanlo rrerrar_a\> fel-
po, tem naos e ees granees, cabrito rerra
redonda, naris chale, aerea pr-ora. ara saaai
denles, e quando falla auisapresado taewji, i
fgido ha quarenta das : reroavaieaA-** ac *
capilaes de campo o qoiram pecar r l^var
do Imperador a. 55, ene ser ai
Antonio Lmz dos Sea tai
Hoje 9 de dezembro de 1864 faf to de i
sen senbor o escravo Hercoiano, [ ardo errara,
eom 35 annos, alio, cabellos earaaiasW. easaa e
orelhas pequeas, ten apenas Man e aira, ter-
na e andar de qnebra mangue tendo o pe i
do torio e sabido para fra ramo pata e seri e i
Isso pucha alguma coasa pela pema -loaarin J
levou vestido calca breara remendada e ea
branca, levando aa eabeca cbai-o ite pa'aa,
duzio igualmente toda roupa qne presae,
se andar aqi mesmo pela ridade : anrai a
leve-o a roa Direila n. 54, que ser geaerje
te recompensado._____________
Fugio da casa do aaajor
Gusmo o seu escravo pari de boom
cido por Luiz Monteiro, idade 24
mais ou meaos, bastante alto, secro,
persas corapridas, car clara, cabellos
nhoto, e o principal signa I ler ea rriaa a
mi orna estrella azal e tm pialas laeaawi
formando um triangulo em cada to 4
official de pedreiro. pintor e caiador
roga-se s autoridades policiaes, assim
senhores de eageoho e proarwsartos aoad*
trabalhar, inlilulando-se forro, tanto ae4a
cia como fra delta, que a faca prraoVr e
ler ao sobredito senbor, que pagare luae aa a
pezas, assim como a quem o coadasir ara aa
boa gratificacao. ______
Acha-se fgido desde o da 7 de
corrente anno, o escravo e ao-ae Fa
idade de 40 annos. poaco mais ou meo..*,
la, altura regular, grosso do corpo, bna esa
do, barbado e j com alguns cabello iraaree aa
barba, bracos e pernas grossas e bstanle raaeft^
das, tem a* pernas arqueadas, porsn aa saasaa,
bastante cabello nos pe los, e eoMnma mwn i
fallar mais apressado como qae ff muito pouco que mal se percebe; roAuase aa
em sambas, e as vezes eainaca-se nr tam*
bebidas espirituosas ; sappee se aac erie sai
para o centro, talvez esa basca m sertiaa : |
tanto roga-se as autoridades polica*** aa* o U^
apprehender e eondaxi-lo casa de sea araar i
Jar Antonio da Silva Guarni, aa rea Msaertot
'ernambueo, que satisfar toda e qn
qne por ventura fajara, e aos capiaes de i
offerece urna boa gralileacao.
~
TTCTA niTHAT
ns*
* ^ ^Lm m
DOS PREMIOS DA ULTIMA PARTE DA ti. E i. DA *l. LOTERA, concedida por LE provincial n. 74, A BENEFICIO DO THEAIRO DE SANTA ISABEL, EXTRAHIDA A 10 DE DEZEMBRO DE 4864.
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. [NS. PI 499 IMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PEEMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS
8 10* 146 10* 332 10* 10* 678 10* 840 10* 1002 10* 1163 40* 1326 10* 1481 10* 1621 10* 1802 10* 1999 10* 2174 10* 2326 10* 2462 10* 2645 20* 2782 10* 2954 40* 3120 44*
9 48 34 500 80 43 l : 68 10* 29 86 23 5 2008 eaJ 76 29 70 52 40* 83 87 24
11 49 42 13 83 44 73. 31 . 90 27 41 - 10 BjjJ 71 _ 30 78 54 10* 88 58 20* 38
14 __ 50 48 16 86 46 16 100* 74 37 94 36 16 20 M. 78 _ 31 81 58 89 60 40* 88
15 51 54 20 ' 87 48 17 10* 83 39 96 38 18 21 3:000* 80 20* 37 82 60 20* 90 62 43
17 59 56 29 91 52 18 - 87 44 97 46 23 23 '10* 81 10* 42 86 62 100* 2807 _ 67 48
21 64 58 20 33 92 55 19 89 40* 49 1501 47 25 24 82 45 91 64 10* 40 ^^ 70 - S6
21 70 61 10* 35 94 60 26 - 96 10* 51 4 _ 54 26 31 _ 86 49 2507 65 18 maa. 74 88
23 76 64 36 95 61 35 99 53 9 _ 57 28 - 36 ^^ W 53 8 68 - 1 ^ 73 20* 88
25 78 67 41 97 66 37 1204 59 12 _ 58 30 46 2203 100* 60 9 72 20 76 10* 68
26 80 68 48 700 __ 69 41 5 60 13 62 34 - 49 P 4 10* 62 16 74 84 mmi 84 88
17 _ 84 69 20* 49 2 m 70 46 - 12 ie4 61 15 _. 64 20* 35 - 54 5 63 20 79 - 21 ^m^ 84 71
33 86 72 10* 53 3 ,^_ 72 47 - 13 .. 18 66 10* 38 i - 6 _ 6 ^^ 65 23 20* 80 23 20* 87 78
40 89 73 54 9 w 74 48 15 - 63 20 20* 67 20* 54 - 87 ,. 7 mm 68 24 10* 82 24 40* 94 73
47 97 <3~ 78 57 10 M 80 51 17 71 23 10* 71 10* 60 59 ^^ _ 71 27 87 - 28 94 76
50 99 89 j 59 ' 13 M 86 52 21 73 26 78 61 - 63 ^^_ 16 m- 72 31 90 34 _ 99 77
59 206 96 ,_ 60 15 _ 90 56 20* 74 29 88 je} 71 65 20 _^ 76 35 98 - 32 _ 3004 88
60 7 97 . 65 8 mm 92 20* 60 28 10* 77 31 95 76 67 _ 24 mM 77 36 2702 33 8 83
63 8 40* 98 68 22 M 94 10* 64 - 'rn 79 36 1702 _ 78 - 71 ^ 25 mm 78 38 7 34 _ 8 87
66 14 10* 401 ^ 71 24 900 65 - 35 81 37 5 _ 82- - 73 20* 29 __ 80 41 14 35 8 . 9*
67 800* 22 8 n 20* 27 _ 4 ~ 66 39 83 45 6 _ 83 20* 85 10* 32 __ 83 40* 44 12 _ 44 40* 46
69 10* 23 9 81 10* 31 mm 7 75 44 85- 40* 46 . 7 __ 88 10* 86 m 35 M 85 10* 50 15 - 45 40* 17 , m 8
70 24 14 ^ 85 10:000* 32 8 76 .45 87 10* 49 10 _ 89 91 M 37 ' 88 52 .20 20* 48 18 9
76 28 ?6 ^_ 89 10* 37 _ 12 ff*v - 47 i 89 53 12 1902 - 97 mm 39 91 60 21 10* 53 84 18
78 29 17 20* 92 39 |M 13 79 - 50 93 56 20* 13 10 2103 ^ta 46 20* 93 61 22 - 58 95 88
85 33 20 10* 93 47 mm H 80 100* 53 94 64 10* 16 15 5 47 10* 94 * 62 25 - 68 38 88 n
87 43 21 _ 6C6 _ 49 _ 18 82 10* 61 . 1401 68 17 .-*. 25 7 _ 50 96 97 98 ^" 65 " 29 - 74 400* 37 34 _
102 49 26 ^ 10 53 _ . 20 85 - 62 2 ' "TM 72 . "p- 18 28 20* 10 _ 52 ,mm 67 31 - 74 40* 53 41 498*
3 55 35 w 11 : 55 20* 22 88 - 63 6 74 19. 29. 10* 13 _ 62 "~ 70 ^~ 33 78 88 48 489
4 62 37 ^ 15 57 10* 25 94 - 64 12 __ 75 29 32 14 mm 65 2400 mm. 75 39 - 82 mm 89 88
9 ^ 63 40 ' . 17 65 28 __^ 95 - 65 14 _^ jta 40* 35 34 - 16 __ 66 - J- 1 79 100* 44 82 m 63 64 mm
U . 66 41 20 66 29 98 66 16 80 10* 38 41 - 17 _ 85 6 T 95 10* 45 96 a 68 88 mm
13 p^. 69 _ 42 __ 28 67 ~ 34 96 - 68 18 _^ 82 43 45 - 20 _ 86 . 44 98 47 - 2906 78 88 a
15 _ 71 _ 51 33 _ 81 45 1102 - 69 40* 26 _ 83 46 50 - 25 _ 97 45 - 2600 80 7 81 88 ta
16 _ 74 60 _ 36 __ 86 ,62 3 - 71 10* 31 84 47 51 - 29 20* 99 24 _ 4 51 47 81 88 mm
17 _ 79 65 48 93 20* 59 6 - 84 32 86 49 40* 63 33 10* 2301 28 4 53 48 20* 83 84 mi
20 __ 87 67 49 98 10* 60 20 92 93 33 88 50 10* 65V - 37 _ 1 29 5 57 20* 24 40* 87 88
22 ^ 93 70 m 53 i 800 _ 62 22 - 37 __ 89 20* 51 100* 68 > - 39 _ 3 30 6 88 40* 23 88 mm 47
23 ^. 95 79 __ 54 __ 4 mm 64 25 96 44 90 10* 54 10* 70 40* 47 __ 4 _ 40 --- 7 60 - 26 96 -m 68 ---
28 _ 96 80 --- 37 _ 8 __ 65 29 - ftoi 48 95 4 T 55 71 10* 50 mm 7 42 42 64 28 88 74
32 -_ 302 82 59 _ 10 _ 66 33 jr- 3 51 40* 96 62 72 54 mm 8 43 43 62 n 3108 78
35 12 87 60 13 40* 72 34 - 4 53 10* 99 66 78 - 58 "40 44 47 -_ 64 98 3 77
36 47 89 64 21 10* 73 20* 40 - 7 62 1600 79 81 - 64 '43 52 25 20* 66 - 40 7 88
37 23 90 71 26 76 10* 47 13 65 2 81 84 62 14 56 --- 28 10* 67 43 20* 12 88 '
38 --- 26 91 40* 72 27 20* 81 51 20* 14 68 7 87 W - 65 --- 17 57 --- 34 72 -' 46 40* 44 88
40 . 27 92 10* 78 36 10* 85 52 10* 16 70 8 89 - 94 - 71 18 60 42 80 80 88 88
43 --- 29 97 76 37 98 53 - 22 - 74 16 40* 90 97 - 13 --- 19 64 43 84 - 83 48
41 31 [ 98 20* 77 i \ 39 1000 54 - 23 78 ^ 17 10* '
O escrrvJto, Jos Pedro das Yetvi.
Ptrn.=Typ. deManoel Figueiroa de Faria & ii*os=i864.
;


8
-------
Diarlo 4c PeruakiM Segunda letra 1S ele Dezeaabro e i*sJl.
LITTERTBR.
por soas riquezas, e deslumhrados pelos mats har-
mnico de suas variadas cores, anda hoje nao po'
demos mais do que admirar a profuso de seus or'
natos, e o brllho de suas bellezas. Com ludo, rneu1
eollegas, isto j ama grande gloria, e tao eleva-
da, que nos merece um premio to honroso.
Ne nos lascine, porm, a gloria, nem aos alia-
Discurso pronunciado pelo bacharel Joo Jos do
do Moute Jsoior, orador eleilo por sens colle.
jas para rrprcsenla-los no dia da collado do
gru.
Meus eollegas.Quao brilhante nao seria a nossa rlne Prazer, por que j mais se nos deve extin-
fesla de hoje, quao cheia de sublime sentimento a luir desejo e a esperanca de compreheudrmos
nossa separagao, se a sympihia nao subsiituisse ao fundamento d'este templo, que se podem traduzi1*
mrito; se a generosidade d'este lugar a justiga n e*los termos : sciencla do flm do homem o dof
se a outrem, que os lia tanto entre nos verdadeira' rosios de attiogi-lo.
mente dignos de vossa escolha, delegasseis a hon". pois' meus colleeas Suej mais se nos oblite-
ras misslo de contar a nossa historia, tragar "o rem os non"s dos Grotires, Domis, Tothiers, e de
quadro de nosso futuro, e fazer as nossas desped- \ 'lDios utros que nao concorrido para a construc-
Dius e a patria no deseropenho de nossa o hon-1 A imprensa pode ser um espelho onde se refllc- gaiola.. vasia completamente vasia I Corran com
rosa, quao difflcillima missao. Cada nm de nos Um todos os vicios, mas nunca deve ser viciosa a a ma* a toda a pressa a algibeira, corren tedas as
comprehende asobrigages que vae contrahir; cada! imprensa pode referir as immoralidades, mas para outras algibefras em procura dos fugitivos, e Badal
nm j tem consultado as proprlas forcas. e vem, as profligar; pode reproduzlr a impiedade, mas Encostou-se triste a scisraar sobre ti* extraordi-
receber o mandato; cada ara sofreg deseja attln" nao deve apreg a-la; em summa deve ser um nario aeonteelment, pois era para elle vidente
gir ao marco, que assignalar a data de sua habili- conductor de luz, de moralidade e reltgiio. que por urnas gradesiohas tao miudas nao se po-
das 71..
Eis que sa a hora do vosso desengae.
Esquecestes-vos do que valho, e do que merejo
para so vos lembrardes de ser generosos para co-
nmigo : e pois tardo ser o vosso arrependiment.
gao da sciencia jurdica. Familiarisar-nos com elles
o melner"nielo Be comprehende-los, e por ventu-
ra de imitalos.
O Brasil olha cada geragao acadmica, que sur.
ge, como um novo sustentculo do throno e da li-
tagao na/a melhores servigos prestar a Dbs e a
patria. Mas, como publico tem de ser o nosso ju-
ramento, bom ser que os illustrissimos senhores
doutores, e os conspicuos cidados que vleram
assistir a nossa festa, conhegam o nosso exame de
consciencia, e fiquem sabendo a senda quejemos
Arme proposito de trilbar, com o favor da Dels,
nos difftrentes cargo?, que por ventura posamos
oceupar.
Meus senhores. Como jaizes nosso pharol ser
a le, nosso flm a justiga. Punindo o crime, onde
quer que esteja jamis consentiremos que se abri-
gue sob as insignas da autoridade publica. Consi-
Ser esta, senhores, nossa regra como escriplo- dia elle ter safado ; parafusou tontn a parafasar,
res: procurar esclarecer o Brasil, moralisa-lo e at que emflm dea um morro em cima da masa
torna-lo eminentemente eatholico. Finalmente para [ com a alegra de um hornera que fea nma grande
apresentar-vos a synthese do aosso exame de cons- d'scoberta.
Est visto, esclamou, brigaram e comeram-
, ^o,;.^. -^ nf, sstrecrs js_' ss. g ---"^rrsr^r r
os nossos esforgos, e vos outros, senhores, que vio- D0ssa cnar* Dalria 5 fa5amos n'isso consistir nossa
. 8loria> nosso prazer e nossa esperSnga.
des assistir a destribuigao do premio, que conquis- .-
tamos com penosas vigilias e locubragdes, descul-1 Meus* col legas. -N'este dia solemne em que at-
pae a generosidade de meus collegas, e sede bene- tingimos summidade de nossas aspirages acade-
volos para com o humilde orador. micas, em que presurosos vimos receber o honroso
Por que me nao dada a subliroidade das ideas Braa de hachare! em direito, ebjecto de nassos an.
a fecundez da imaginago, e um estylo elevado para helios, nest dia em que transpomos os umbraos da
attingir a ludo o que grande, sublime e maravi- porta, qae nos d entrada a urna vida Inteiramen-
llioso; para me exprimir em phrases, que traduzam le diversa, na qual nascem novas aspirages e am"
o sentimento do coragao arrebatado, extasiado, higoes; boje que em nossos coragoes fervem os
transportado fra de si, vista do objecto, em que senlimentos mais puros e mais honestos ; que os
jaz consistir a sua gloria, seu prazer, sua esperan- nossos espiritos abracara as ideas mais generosas
^a T Por que me nao dado exprimir o pensar e rna's magnnimas ; associemos aos nossos espl.
do camiuheiro que, por cinco annos trilhando trra : ritos e as nossos coragoes, esta jda, este sent.
safara, s veis ferido pelas urzes da serra, v alflm ment : toda a nossa ambigo na vida, que hoje en-
ceuraos deve consistir em ;tornarmo-nos dignos do
o marco milliario que assignala o lugar onde deve
por algum lempo repousar de to longos fadigas 71
Oh I quao difficil nao a expressao dos ntimos
sentimeotos d'alma 1.. Melhar do que ninguem
vs o comprehendeis, meus collegas. Eis-nos, po"
rm, chegados ao termo de nossa vida acadmica *
re n'este momento em que nossos coragoes se acham
sob a triplico influencia da gloria, do prazer e da
esperanca, um raio de luz me guie na difflcultosa
. tarefa, que me incambistes.
Como o selvagem, que habita em trra bruta e
cheia de espinhos, podendo cultiva-la e ter teda a
especie de graos e fructos, e uma*agradavel varie-
dade de flores, tal seriamos, se, desconhecendo a
nobreza de nossa origem e de nosso destino, dei-
xassemos de cultivar o nosso espirito, tao frtil, e
tao capaz de producg5es immortaes. Como o ce-
g, que julga ter idea clara e distincta do sol, di-
zendo ser urna cousa que aqaece, tal seriamos nos
. com relago s sublimes verdades, que o estudo
nos tem fornecido.
Conhecendo empre das aausas por seus effei.
tos, o ejercicio do pensamento nos-seria vedado se
perduraste por nos ignorado o principal de nossa
essencia.
Levantando-nos porm do abatimento de nossa
condigao primaria para Intarmos, os brilhantes
raios da sciencia nos foram ponco a poueo dissi.
pando os tenebrosos vapores da ignorancia.
Com o soccorro das humanidades, sem as quaes
todos thesouros cientficos nos seriam fechados'
Acaraos de posse da chave, sem a qual permanece-
ramos pobres no meio das immensas riquezas da
intelligencia, e ignorantes no meio de todas as
sciencias.
Demos depois um grande passo, quando trans.
puzemos o limiar da porta, que nos deu entrada ao
conhecimento do nosso ser, das condigoes com que
o recebemos, dos nossos deveres e obrigages, do
ponto para onde tendemos, e de qual 6 o nosso flm;
quando vimos em nos desenvolvida essa faculdade,
que faz brilhar os tragos mais luminosos de nossa
semelhanga com Deus; quando pudemos tirar as
consequencias das premlssas, servirnos de urna
verdade para ehegar a outra ; sim pudemos dizer
com S. Thomaz : a luz da razo e a jmagem da ver-
dade increada reflectida em nossa alma.
No meio do enthuslasmo da glora, e das emo-
goes do prazer, n'esse dia germinava j em nos a
esperanga do dia de boje ; e enlevados por ella, e
cheios de vida e animago, galgamos os degros do
emplo da sciencia do direito.
Este templo sumptuoso e magnifico, para cuja
coDstrucgo tem concorrido os grandes homens de
todas as nagoes e de todos os seculos; este templo,
em que trabalharam os maiores engenhos; este
templo que ser o estigma da maldlgao para quem
ousar pollui-lo, nos o visitamos.
Depois de por cinco annos nos vermes ofuscados
FOLHETIM
VINTE IIOHA* DE MIIIRl
ROMANCE ORIGINAL.
POR
CIMILLO CASTELLO lilllNCO.
(Conlinuaco to n. 282.).
XX
E' chegada a occasio de te eu contar urna
historia, se bem que sinceramente me doe o privar-
me, entretanto, de ouvir-te-disse eu, no tom cor-
teso dequalquer dos estafadores da corle na al-
deia de Rodrigues LoboA historia dos brilhan-
' tes de tua prima suggere-me urna recordago de
certo aconteclmento que me faz rir muito, e que
eu de certo nao sei reproduzir com graca. O caso
passou-se em Lisboa, ha quinze annos.
Um meu amigo, chamado Jos Cabral, rapaz mu
galanteador e galanteado, renda os seus aflectos a
urna secular recolhida n'um convento dos mais
elegantes de Lisboa. Era um senhora de meia eda-
de, ou da edade media como Jos Cabral esturdia-
mente emendava, quando, com a zombaria, cuida-
ra rebater as facecias de quem o carpisse nos seas
amores aos quarenta annos de D Paula Manoel
Chichorro. Esta dama tinha sangue nobilsimo
as veias, e um patrimonio regular; mas de Ba-
been era desconcertada algum tanto, por amor da
mana, vinte e cinco annos inveterada, de fazer-se
eterna nos versos de um poeta, como a Marilia d
Gonzaga, e a Elvira do poeta das Meditacoes.
Neste proposito,;deixou-se cortejar de varios poe-
tas, dos algnos quaes, desde 1834 at 1841, Ihe con-
sagraran! e publicaram versos que deviam dar-lhe
a eternidade Ilustre dama, se fossem lidos.
Aquellos annos correram tumultuosos de coramo-
gdes polticas. Qualquer florinha de poesa era des-
arraigada pelas borrascas da proza das finaneas,
e atirada aos quatro rentos, que sacodem as venta-
rolas da humanidade. Assim se explica, sem des-
douro dos cobardes cantores de D. Paula Chicbor
ro, o passar-se-lhe a dcada mais florida de grasas,
sem que o mundo soubesse quera Ihe preludia va a
eternidade era redoodilba maior.
Inclinada j aos quarenta annos, a reclasa, apo-
car de desmerecida e avelhada, insista em querer
perpetuarse mediante o honesto expediente das
musas.
eidadies. E a Providencia permettir que nossas
virtudes, dando um testemunho. da sabedoria do
goveruo, que nos nomear, fagam que nos louveraos
mntoamente.
Como advegados seremos e protector dos des-
gragados, o zelador dos bens, da vida, e benra de
nossos concidado?.
Segurado o preceito de Quinliliano erigiremos
era nosso gabinete urna especie de tribunal ende
pesaremos e examinaremos sem prevenglo as ra-
zos das partes e decidiremos como juizes. Por
nossa probidade o boa f nos pleitos, esperamos
conservar e manifestar a nobreza do advoga-
do. Nossa voz s se far ouvir em prol da justiga,
e da verdade.
O crime qual quer que seja o aparato de que se
revista nao tora direito algam para nos. Nossas
palavras serao o escodo dos perseguidos injusta-
mente em seus diretos; um asylo para a vlrtude
um porto aborto a todos, meaos aos piratas.
Como legisladores estucaremos cuidadosamente
as necessidades do paiz: procuraremos correspon-
der a conflanga que em nos depositar nossos com-
patriotas, fazeodo-nos os guardas de nossas institui-
e um juiz corrompido 71 Oh quinto isso digno^56*'e. Promotores da felicidade publica. as con-
de toda nossa altercas I O juiz corrompido tom
pesio, a que aspirarmos.
B'entre es diversos e honrosos cargos a que o
nosso titulo nos habilita, nao encontraremos um se
quer, para cujo bom desempenbo nao precisemos
anda de mais hablitagies. E qual de nos deia-
r de esforgar-se, qnanto em si couber, para nao
enebergar em si o paralello medonho, que a nossa
consciencia nos representa enire a ignorancia e a
perversidade; por exemplo, entre um juiz Inepto,
ante os olhos a regra do dever, e o espectro da sua
injustiga ; o juiz inepto nao conh'ece o bejnVnera o
mal, que pratica. O primeiro pecca de caso pen*
seja qual for a sua origem, ambos sao egualmente
criminosos para- com aquellos "que eondemnam.l
ciencia, dir-vos-hel o que seremos como cida-
dos : viveremos lvres e virtuosos, isto submet-; ss um ao odtro
tidos as leis divinas e humanas, que nenhum de
nos ousar despreiS", para supporiar o jugo das
paixdes.
Meus collegas, o estado em que infelizmente se
acha a nossa socitdade se peraote outras pessoas
pronunciaste as palavras que acabaes de ouvir,
talvez um riso de mofa e de irona as acolhesse. Isso
que nao ignoraes um signal das difflculdades
com que havemos de lutar dos dissabores porque
temos de passar. Triste por certo a actual idade,
mas que importa 7 lutemos contra ella e que o dia
de hoje seja para nos, o que foi para os Israelittas

O TASSO NO Jl'IZO 00 SBU CREADO.
Scismava e parafusava o criado do autor da
Jtrusalm, sem poder advinhar o que era que e
ama fazia fechado no quarto horas etquecidas.
Sera moeda falsa 7
Seriara planos de alguma conspirago 7
Seriam nigromancias 7
Como esclarecer-se 7
Em quanto o patrio trabalhava l dentro a por-
ta nao se abra, e quando saia a passeio levava
comsigo infallivelmente a chave.
o da passagem do mar vermelbo, quero dizer, ura 0u,"s m5s de serv,r com qaem f"(,aenleS
obstculo vencido para continuarraos nossa pere-1veICS d,sca,,a este assamPl curioso' e lalvw ma'-
grinagao para a trra do proraissao, que o Brasil !!:rt:!l!!,!S ^1'-?!.! '
'ilustrado, livre e religioso.
com cera o molde da fechadura, e mandassa fazer
urna chave falsa, com o que depressa satisfara a
sua ourosidade e a de lodos elles.
Era um domestico fiel, resistiu sugesto.
Um dia, porm, saiu Tasso para um negocio de
pressaeesqueceu-se de fechar a porta.
O servo, que hava muitos annos nao esperava
per outra cousa, aproveiu a abertura^ entra, re-
. volve toda a immensa papelada qu petava a me-
5 D0SsaS_maeS' ga, e sae todo satisfeito a declarar aosVeus amigos
o que havia deseuberto.
Se nessa peregrinago porm toda a sociodade
ergner-se em peso para nos esmagar, sejamos con-
tentes, porque anda assim seremos felizes conser-
vando a nossa liberdade e nossa religio; porqu
anda assim serao contentes nossos paes, esses virs
luo.-os cidados, que nos derao o ser e muitas veze-
entretiveram nossa infancia com o respeito devido
erencias parlamentares profligaremos o egosmo
das facgSes para curar da causa da patria; sere-
mos e-t>r bonus dicendi pnim-porque a elo-
qnencia, o mais bello dom que a natnreza dea ao
sado, e por isso mais impordoavel; o segundo po-, U?mem. torna-se um presente bem funesto, quando
m pecca sem remorsos, o por isso mais incor- ."P"*^ em combater a verdade, e acoro$oar os
givel. E como o crime nao perde sua natureza Tloios' <'a,'r dos in,livid'J''. qoer dos partidos.
Como.dlploraatas mirand-nos as glorias qu^
se leem em cada urna das dobras do pavilbao bra-
Por se ser ferido por um furioso ou por um cgo I T' JT'S c,nsent'reraos era 1ne a aolac5o, o
a dor da ferida aao delxa de ser a mesma ; e as-1 f'T**' haB,"haao e servi"8 hara
sim para os prejadicados importa pouco quo o te-1 J-gUa Ternacula? nem nbara sido por um juiz que os engaen oa por um! "Z"* "J* "'^^ ^ "" W,ran'
que seenganou.
Nos, meus collegas, somos urna geragao nova
que talvez tenha de influir nos de; tinos de nosso
paiz : qualquer pois que seja a carreira que -bou-
verraosde trilhar, seja sempre nosso ranal o bem
da patria
Collorados na cadeira do magistrado, na banca
do advogado, na tribuna da representago nacional
oceupaodo os cargos de diplmalas, de administra-
dores, ou outros a que aos d accesso o honroso
grao de bacharel em direito; e o que mais qae
*udo, incumbindo-nos da nobre e espinhos roisso
do escriptor publico ; empenhemos todos os esfor-
gos, para que os bons e os justos nao temam mais
o ridiculo, que se langa sobre a virlude, e que o
escolho de tantas almas iracas.
Nao menos nobre e sublime do que a missao do
sacerdote da religio, a do sacerdote da civilsa-
go. Ambas tem em vista a humanidade e a ter,
nidade. Se o primeiro com a cruz em ama das
mos, e o Evangelho na ootr, ensina as povo a
doutrina do Crucificado; o segundo bebendo nessa
mesma fonte do bem e do bello, as sublimes inspi.
ragoes do geaio e da virtude, estabelece a norma
dos diretos e deveres. Se o primeiro com os dog-
Como administradores seremos os mdicos do
paiz, ou da provincia que fdr confiada a nossa vigi-
lancia, accessives e aTaveis nao conservaremos
de nossa pesigo, seno o previlegio de podermos
ser importunados a qualquer hora. Encarregados
de appliear as leis aos factos, a justiga e a morali-
dade serao a norma de nossas aegoes.
Collocados nestas alturas, recebendo as homena-
gens das pessoas mais qualificadas; e pesando
com Massilloo, que aquellos que merecem nossas
homenagens, nao sao iBdijrnos de nossa imitago,
faremos consistir um dos nossos principaes deve'
res em dar bons exemplos.
Como escriptores seremos os sacerdotes da pro-
paganda da liberdade e da religio; a imprensa
ser para nos urna segunda mae, para cora a qual
empregaremos todos os desvellos de filhos cari-
nhosos; por cuja honra e dignidade sacrificaremos
todas as affeigoes, lodos os interesses; por cuja
liberdade bem eatendida empregaremos todos os
esforgos. Liberdade bem entendida, sim, senho-
res ; porque quando a filha do genio de Guthera-
berg foi habitar os lupanares e alcouces; quando
a imprensa nao passar de um prostbulo; quande
a sumptuosa praga, em que pugnarara os Bossuets
mas da religio, com a abnegagao do amor proprio I.
com o exemplo faz bons catholicos; o segundo cora Fenel,ns> os Venturas e Dupanlanps, se transfor.
as sublimes bodes do Evangelho, e sua sa philo- mar em C0Vl1 de ,adr5es' onde se ,o Pr os
sophia, faz bons cidados. e o primeiro apontan- deSD0J0S do hornera de bem, e o que elle tem de
do para a cruz diz: ali est a glora de Deus e a maiS caro' sua honra' sua "Wf** nos nos de-
salvage das almas; o segundo designando-a egual. TCmos cons,derar orpbos.
mente mostra-nos nella a gloria da religio eoen-i A mprensa deve ser a expressao da verdade, a
grandecimento da patria. O direito, a eivilisago o "rradiago da intelligeneia racional; deve ser pois
o Evangelho nao s3o cousas aniinomicas, porque o ProDa e honesta, sensata e virtuosa; sim ser livre
direito do Evangelho o lbaro civilisador das mas regrada, para seno converter em instrumen-
nagoes. te de maledicencia, Intriga, mentira e ruina
Breve prestaremos e juramento de ser fiis social.
T
Jos Cabral, apparentado com urna freir do treter-se cora os dous galans, por nao ter confian-
convento de D. Paula, era um poeta enviado pelo a era nenhum. O poeta de Paula gostava de-appa-
destino, ultima hora, onde ura coragao ancioso o rentar fausto, e os seus haveres eram menos de
chamava. Algumas damas galhofeiras avisaram o medianos. Nao' ihe-faltavam espiritos generosos;
sujeito da mania da fidalga, e elle tomn sua mas a desfortuna enfreava-o, e retmha-o, quando
canta eonstroir-lhe um nicho no templo da memo- elle se quera ostentar dadivoso e liberal. Esther
ria. Dedicou-lhe as primeiras trovas, menos ms fez annos,"e Jos Cabral quera brinda-la com urna
de forma e conceito. As mesmas trovas tinha con- digna prenda: deu-lhe o annel do brilhante, qde
sagrado elle a outras multas senhoras, que judicio-' recebera de Paula.
esses anjos era cujo regago bebemos as ternas Ins-
trucg5es da religio do Crucificado.
Confio em Dius, meus collegas, seja qual fr o
lugar onde destino me col loque, ouvirel sempre
com o maior prazer a tuba da fama publicar ressos
nomes no rol dos bons cidados; e poderei dizer
cora orgnlho: estes foram meus condiscpulos.
Terminemos aqui, meus collegas, demo-nos o
abraco da despedida, o abraco de bons amigos, qae
o seremos sempre; e nao retardemos por mais
tempo a soffrequido desses coragoes virtuosos a
dedicados, que com os bracos abertos nos esperam
em nossos lares.
Senhores doutores, representaos um papel bem
Importante em nossa festa; flcae cortos de que
conservaremos sempre a lembraga das lices, que
nos "destes.
Reeife, 28 de novombro de 1864.
Joao Jote do Moute Jumoj.
UM POUCO DE TUDO.
Extrahimos o segointe sob o titulo de
NOVO ARCHIMHDIS.
Um bacharel acabado de formar na Uoiversi-
dade do Coimbra veiu para a Capital, para aqui se
estabelecer pela advogacia. As letras d'ele nao
erara, segundo parece, das mais magras, os pro-
curadores conheceram-n'o legua, e a freguezia,
era nenbuma. Vingava-ee, pois, em passear de
dia, e em ir a noute a S. Carlos, em quanto lbe
duraram os cumquibus que tinha trazido da trra.
N'uma das suas excursdes matutinas deu com-
sigo na praga da Figueira, viu nm alguidar de gril-
ros, e perguntou a mulher do lugar para que ser-
viam es bichinhos.
Iste cantara, que um gosto, principalmente
de noute Ihe responden ella :
O homem reflectiu e tornou a interroga- a
Ento quanto custa cada um d'estes msicos I
Urna bagatelle, dez ris, com um vintem de
gaiola, faz trinta ris.
E que comem 7
Qualquer folhinha de alface.
Nao sao os cantores de S. Carlos que gra-
mam dous contos por mez, disse elle comsigo ;
pois muito bem, accrescentou, levantando a voz
como quera acabava de fazer um grande achado,
aqui tem voeemec um pataco e metta-me dous
grillos n'uma gaiola.
Concluiu o contrato, metteu a gaiola, na algi-
beira, e por cima d'ella o lengo de ssuar para
maior seguranga. Pelo caminho ia-se applaudin-
do interiormente do bello acorto qae Uvera, por
que dous vintens ia terpusica todas as noutes, e
escusava de ir disponder moedas com o theatro.
Che gado ao seu quarto saca o lengo, pucha pela
smente desistiram de serem eternizadas por Jos
Cabral. O poeta que principiara brincando, e por
coraprazer com as divertidas senhoras do conven-
to, achou-se maqueado as tramas de um amor
grave e reflexivo. D. Paula tinha uns dezoito con-
tos e nascimenlo Ilustre, e graga nao despeciendas.
Lembrou-se o menestrel de fazer-se marido della,'disse-lhe
mas a nobre senhora nao quera marido, quena
um -eantor, um immortalisador, um incens que
vaporasse pela eternidade dentro em honra della.
Escreveu Jos Cabral urna ode ao natalicio de
-Das depois, o sargento-aspirante encontrn a
bella israelita em casa de urna familia da relagao
de ambas : viu-lhe o annel suspeitou da proce-
dencia d'ele, amuou-se, e sacudiu as melenas com
vertiginoso impeto. A judia, para o convencer da
innocente possesso do annel, tirou-o do dedo, e
Ah tens : estou justificada.
O acadmicodgnou-se aeceitar a justiGcagao eo
annel, que flcou sendo o penhor symbolico da no-
Paula. A dama bnndou-o neste da com um annel
de ouro, era que scintillava engastado um bello
brilhante; e, ao mesmo tempo, responden em pro-
sa-potica a esta poesia-prosaica de urna estrophe
da dita ode:
O' Paola 1 amor inflado, amor que prende
Mmha alma a ti e ao cu,
Aspiremos o aroma que recende
Das aras de Hymeneu.
A prosa da dama foi assim:
Diz um autor esclarecido- que o casamento
a sepultura do amor. Nao baixemos do ideal, que
a vida. Amem-se as nossas almas com o amor
va. allianga.
Perguntou Paula ao poeta :
Que do annel que te dei 7
Raras vezes o trago, diss o poeta, porque
ando a tomar banhos na barcaga, e j me esoorre-
gou do dedo. Desde que isto me acontecen, nun-
ca o levo ao banho.
Pergunton Jos Cabrai a Esther Barjona porque
nao trazia o annel 7
E' porque preciso dizer a minha me d'ende
me veio este precioso objeto.
D'ahi a tempo?, Esther encontrn o sargento-as-
pirante, olhou-lhe para as naos e disse :
Qae flzeste ao annel ? I
Mandel fazer um semelhaute para te dar a
sublime que resiste ao fastio e ao tempo. Sejam as "' 6*ra,,ar af uossas
nossas nupcias como o enlace de duas brisas, e co-
mo o fulgor de duas estrellas que se encontram no
azul do firmamento.
Desde este dia, Jos Cabral, sem desistir das
nupcias aerias com a espiritual senhora, reatou o
iniciaes no reverso do aro.
D. Paula via urna vez no dedo de urna senhora
um annel de ouro, primorosamente feito de tres
roscas, representando urna cobra.
Os olhos da serpehte eram dous rubis, e as es-
camas brilhavam em pequeos diamantes. Gostou
no quebrado de outros amores honestos com urna multo da cobra, como symbolo da amisade, e es-
Dona Esther Barjona, Judia, filha de um Salomo, crevenao ourives Nascimenlo, pedindo-lhe a re
e representante de muitos Judeus ricos da ra dos
Aigibebes.
Esther, no intervalo da qnebra do galanteio, af-
feigoara-se a nm sargento-aspirante, alumno da po-
iytechnica, fllho de um oficial general; nao obs-
tante, a requesta de Jos Cabral, sen primeiro af-
fecto, nao foi mal recebida. O que ella fez foi en-
messa dos anneis modernos. O ouri ves remetteu
annoisdedifferentes feilios e pedras. Paula deuum
ai, e perdeu a cor quando os examinava. Reco-
nbecra o annel que dera ao poeta.
Conteve-se, como senhora e fidalga que era. Com-
pren o annel, que fra seu, e despedin o ouri ves.
Depois escreveu assim ao bardo :'
/
As mulheres, quando um projecto as preoecu-
pa, nao podem dilata-lo para o da segrate. De-
sejo ardentementepossuir am annel egual ao que te
dei, porque teabo nm brilhante do mesmo quilate.
Manda-m'o pela portadora, se aqui nao podes hoje
vir, mea amado poeta.
'Paula,'
Resposta :
< Ahi veu manha, meu amor celeste : nao
confio o annel de ninguem : serta profanago o
tacto de mos estranbas. Hoje nao vou, porque
estou em uso de digitllis por causa das palpita-
res do coragao. Este amor ha-de matarme I.. >
D. Paula Manoel CbiOborro riu-se, e murmurou
com o mais fino dos sorrisos :
Nao bruxo, nem conspirador, nem raeedei-
ro falso, Ihe disse s gargalbadas; maluco : tem
l um horror decaderoos escriptos de sua letra, e
nao ha em todos elles urna s linba que esteja
completa.
Erara versos, e versos da Jtrusalm, os que no
tribunal deste areepago grangeavam ao seu autor
os crditos de maluco.

DESCASCADO SE FAZ TORTURA.
Um pobre pretndeme, que havia mais de um
anno se cangava a solicitar um emprego, qae se
Ihe havia promettldo, mas sempre debalde, conse-
guiu certo dia que o alto personagem de que de-
penda a realisacao dos seus desejos Ihe escatasse
a leitura de urna memoria.
Quem fez a memoria 7 pergunta-lhe o minis-
tro, porque nao desgostou do seu arrasoade.
Eu, respondeu-lhe o pretendente, e tmbeos
a paz em verso para vo-Ia apresentar, no caso qae
proferisteis a poesa prosa.
Era verso 7 Expeliente. Vejamos os versos.
Sao magnficos. Diz-lbe depois de os baver
lido.
Seohor, eu puz anda a minha memoria em
msica.
Oh 1 isso divertido, varaos a ella.
Ella; mas se tiverdes a bondade de me
mandar buscar urna rebeca eu a tocarei igual
mente.
ptimo, ptimo, tenho feito idea, cantees co-
mo umirouxinol, etocaes como um professor.
Senhor, diz o pretendente, restitaindo a re-
beca ae ministro, eu sei que V. Exc. um msico
habilissimo ; se quizer ter a condescendencia de
tocar a minha memoria, en a dangarei tambera.
Tambem flaneada 7 Vejamos.
E o Mecenas sobragando a rebeca teve a satis-
fago de ver o supplicante dangar a sua memoria
com desembarago de mestre.
Oh I sois o nico, meu caro, sois o homem
de que eu preciso ; fago-vos meu secretario.
O livro de que extrahimos esta anedorta aceres-
centa qne o homem que sabia rimar, cantar, tocar
reboca e dangar, posto nao dispozesse de egual ha-
bilidade para o cargo qae Ihe foi commetlido, su-
bir a grandes alturas, e flzera urna grande for-
tuna.
Nao duvidmos.
Ld-se na Estrella de Norte e seguinte:
ESCOLHA DE ESTADO.
A escolha de estado de summa importancia.
Diziam nossos paes, que para a fazer acertada
era mister invocar a inspirago de Deus.
Nao sei se se deva dizer de outra serte, hoje
mesmo.
Reflecte com religiosa seriedade no presupposto
futuro entre es homens, e ora.
Senlndo no coragao a voz divina, que te dir,
nao um s dia, mas em todas as semanas, todos os
mezes e sempre com maior forga de persuaso
Eis o estado que deves escolher,obedecei-lhe
com animosa e firme vontade.
Entra naquella carreira, e eleva-to ; mas con-
servando as virtudes que imploras.
Mediante taes virtudes, todo o estado excellen-
te, segundo a inclinagio.
O sacerdocio, que amedronta a qnem o tenha
abragado por leviandade, e com o coragao vido
de divortimentos, aprazlvel e conveniente para o
homem po e solitario; a mesma vida monasti-
=
ca, que tantos no atoado i
toleravol, e ootroe al i
conveniente para o I
er intil sociedado, i
prol d'uns poneos do r
agricultores.
A toga, que moflas
pelos constantes cateados que <
mem predominado do zeta do i
dencia os diretos do seo
A nobre carreira i
tivos para os que respiras con
nobaacgao mais gloriosa do oao exoar m dao
da vida pela patria.
S porque poucos ntreos i
vem unios amaldigoareo a
abracado.
Quando Id prndenleateote
urna carreira, nao limites os i
Nao te deixes levar de vio
velleidades de mudaoca.
Todos es caminos da vida
Logo que pozesie o pe eos an, |
ceder fraqueza ; persistir i
le na colpa ; e s aquella 900 :
sua empreza pode aspirar a vir a sor 1
gura dia.
o so-
Do Commercio do Porto
gulnte :
O grao duque Nicolao, Nao _
perader da Russia e seu berdetro rao
priaceza Marta de Dagmar, iigaadi
Cbristiano da Oaamarea, oslando J
oficialmente este casamento.
Trata-se agora de preparar a edocacb
sa da priaceza, qae deve aoroear a
iica grega, preliminar iadispeasarel
de submetter-se as prineezas tfrraat _
iram na familia imperial da Russia, ,
as que leem de sentar-se 00 throao
Imperio.
O sobre-nome de lagmar de
qneza. Significa Virgen do dia.*
Os dinamarquezes deram este
do seculo XIII, a urna das soas
rida de Bohemia, que eeposoa o re
Victorioso.
A raioha Dagmar oecopa gi iodo I
ligas tradigoes do norte, sendo do am
lavel e celebre pela sua piedade, pola
e inexgotarll beneficencia.
Os poros do norte esto rnnToai idas
bre-nome de Dagmar d felicidade a oja>
be ao naseer.
A priaceza Mara de Bagmar, opa fea
26 do crreme, mullo formse o
tem mullo espirito.
O gro-duque Nicolao lean 21 asaos o 1
zera muito bem dello, kmraodo a sao i
ca, a sua inslruccao e a matnraeao preeoea aVsaa
razio.
Este casamento na* fot 1
deraedos polticas.
O joven principe escolheo elle
espesa a princesa Mara Daganrda
porque foi a qoe mais Iba sojradoa e> aaaei
princozas em qoe se Ihe nana faado.
Desde a prmeira entrevista, o artaeiaoe a pria-
ceza sentirn um pelo cutre rouasasa f*atf
que aogmenlou i ~
eeram.
IO so-
17;


1M!
filhe a expiar a villana com o opprobrio de nao po-
der remedia-la. Obriga-o a ir para Exlremoz li-
gar-se ao regiment, e vae elle ao ourives para
resgatar o annel. O ourives sollicita de D. Paula
e obsequio de ceder o brilhante. A senhora cuida
que salva assim a dignidade do poeta, que ella
presume ter sido o vendedor, e entrega o annel. O
general visita a familia da judia ; e, com subtil
disfarce, oceultas da me, deixa cahir o annel no
regago da menina.
Esther remette-o sem detenga a Jos Cabral,
qae vae de corrida ao convento.
Dizem-lhe que D. Paula est n'uma grade com
visitas. E' o ourives, qae foi agradecer senhora

Isto conforme aos
tradloSee.
O imperador Alexaodre D, ge tais, ha 23
casou com a princesa Mano da "
porque esta princesa, lio
da soa pessoa como petas,
Ihe agradou entre todas as'
O casamento de fallecido
com a prineexa Laiza (Mata
mesma
Anda jovens, amarara-se a
posos om de outro,
de quem dependan
feicao. '
Os imperadores
os principes e princesas da seafooritia
vontade. Considerara o
ci de interesse poblico,
lia, com qoe a diplomara
Em geral, a corte de S.
ra alliancas de familia com as
Europa.
u rasamente da Imperador Ittaataa
princesa da Prnssia fot considerado ao
mo altoracao do cosame, qoe
de que a corte de S. Patersburgu
de manter a nnidade da f
imperial e conservar i Rajaste a ana
pendencia poltica.
Urna cana de Francfort da sobre a roraaOt ex
curso do czar a Homburgo, aoncte a ano ca-
riosa particnlaridade.
Alexaodre II qoiz visitar o casino do 1
e, entrando na sala da roleta, taro a ido eo 1
fortuna, e ordeooa ao seo ajoaooto
parasse na trermelba orna aota ia 1
porm, apenas a nota foi posta sobre a sosa, o
olheiro arredoa-a com o seo anciano, atesis an
alta voz e de um modo qoe poda sor asis p-
lido :
Nao se receba aqoi esta oteada.
O ajudaate de campo pegou na aota e o
biu do estabelecimenlo.
E' evidente qoe o olheiro
o cz-r, cojo incgnito so am
foi deseoberto.
-
>
a cedencia do annel, e Ihe est refenndo a pratica
Os poetas I.. que ti vera com o general Sarment, que fra rus-
Carta de Jos Cabral a D. Esther Barjona : titui-lo nobremente rumorada do Glho, a qual a
Minha estrella I Nanea observaste que fal-' tirara a sua mae para Ih'o presentear. D. Paula
tam as nossas iniciaes no annel, que te dei 71 Eu nao entende esta embrulhada. As regios onde
quizera que tu m's requisitasses, bera travadas,! pairava o seu espirito, eram puras de semelbantes
bem enlagadosbem intimas urnas n'outras comoera- [ falcatruas. Cr qae e ourives est inventando urna
blemas denossas almas I.. O ten amor nao tem estas historia sem ps nem cabega. insta pelos prome-
espirituaes bagatellasque sao o testemunhodas pai-
xesgrandiosas... Manda-rae o annel, para t'o
devolver com este sacramento da nossa eterna
nnilo. ^fto
Resposta :
c A mana esta no mea quarto : nao posso ir on-
de tenho a tua querida prenda. Amanha t'a en-
vi, cora a saudade mais calorosa da tna Esther.
Carta de Esther ao sargento-aspirante :
c Meu Ral. Minha me pergunta-me pelo an-
nel, que te dei, o ella me dera.- Manda-m'o para
lb'o mostrar, e depois t'o entregare segunda-felra
em casa das Mousinbos. Tua cega adoradoraE.
Resposta :
t Vou busca-lo a casa do ourives, e l t'o man-
do pelo agoadeiro. Adeus, minha luz, meu talis-
mn I
Eis aqui tres pe^oas realmente afflctas 1
Jos Cabral espera ; Esther espera ; Ral nao
espera ninguem. Lembra-se ir resgatar o annel,
ores do cont, e comprehende ludo. Ento
avisada de que o poeta espera as suas ordens no
pateo do mosteiro. O ourives despede-se, e Jos
Cabral recebido na grade.
D. Paula reconbece o seu annel, e pergunta-lhe
com am sorriso affectuoso:
Ser necessario manda-lo purificar e lustrar
com agua benta 7
Por que 7 I.. .inqoire o poeta.
Por ter andado no dedo de urna judia I Nao
acha, meu mimoso poeta 7
Jos Cabral impalldece, lera a mao ao lado es-
querdo, e diz:
Cus I que aJeivosia I.. .
D. Panla pergunta-lhe se rem munido de digi-
talis.
O infeliz v-se ridculo, e exclama: .
A senhora zomba das minhas palpitagoes 7
Ento, a mnlhor de hidalgos espiritos immortali-
sa-se em minha opinio, dando um ejgeuhoso p.
que vendeu ao Nascimenlo por cento e emeoenta parte no annel, que atravessqu espago intermedio
mil ris. Rene os seus capitaes e prefaz a quao- s grades, e veio rolar aos ps do seu rale ama-
lia de tres pintos e dous vintens. Sossobra-o a
vergonha, por que a sua familia vae a todas as
casas do conhecimento de Esther. Recorre aopae,
eonta-lhe o caso, mal diz os amigos que o levaram
a urna casa de jogo, onde perdeu a honra e o an-
nel. O general um volho austero. Condemna a

relio.
E disse cora adoravel horabridade:
- As castellaas dos bellos lempos da carallaria
cestumavam pagar com sorrisos ou com dinbeiro
as trovas dos provngaos, que as cantavam. Eu,
que pertenco ao passado pelo espirito, pago com

esse objecto valioso as soas eodersao,
rado menestrel; e, se tambem qoer o
castellaas menos esquivas, em res do
Ihe urna gargalhada.
Casquinou o mais acerbo e o
riso, e sahiu da grade ; porm,
a porta, sentiu que o anoel Iba balsa
Quando voltoo o rosto abnsoado
anda o viu a disparar-lbe, como
esta injuria:
V. Exc. i orna velha ridicatel
pala-la as minhas trovas, a
s gargalbadas da posteridade I
Het deoov
Quando volle, dez annos depois, a
Cabral era chefe de nma reoifl.tii, o
de conselho. Fallei-lbe 00 aaaat da .
feriu-me elle qoe a M
grosseria com que fra castigada,
renunciara imntortaaV
se amar por om cooogo qoe es potra s l
do as poesas erticas de Moooel
du Bocage.
D. Esther Barjona estera casada eso os arioso,
rabino da sinagoga de Amsferaao. K ano narra-
dor liona casado coa sisada Otea do no aara-
iboeiro, por cuja innOeocte era enees do 1
gao, e esperara ser ministro.
Observa la agoracoocloi
de D. Paula foi a cansa irrisoria de
eolrarem n'um caminho de vida serte. O poeta
viu-se ridculo, e aproan o espirite ao aorta re-
mangos do om cassatente reparador.
Esther casou com o jodeo qoe sobo pase aso ojos-
tinavam, e deu ao mundo otis ana aste do Jn>
deusinhos.
Ral est boje majar do caraJterte, o
mais jogou desdo fas reaaoo o
as dividas.
D. Paula Cbicborro recabo os
bros do coaufo, especia da 1
Tssu porte o templa da 1
sentirateoiacaodeieatrar.
E, se nio fosso o anac 7 Catete
cadas toliees, e perfidias, a
ter-se eneapeilado sobra astas
desriadas do sea prospero doottae:
J
PERNAMBUCa-TYP. DE M. F. DE f.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4O1US4H8_ITVF81 INGEST_TIME 2013-08-28T01:34:26Z PACKAGE AA00011611_10540
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES