Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10536


This item is only available as the following downloads:


Full Text

N*
amo ii. nmw 28o
Por tres Mezes adan lados ftfOOO
Por tres mezes vencidos 6J
Porte ao cerrcio por tres mezes. 5750
TERCA FEIRA 6 D DEZEMBRO DE 1864
Por asno adlantado.....19)000
Porte ao correio por nn anuo 3)000
Cu" ARREAi>0S Da *CBLRijrfcAO NO OR i E
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
natal, Sr. Antonio Marques da Sil va: Aracaty,o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Ohvoira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinteiro ft C; A-
mazoaas, o Sr. Jeronymo da Costa.
WiCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO NO SL.
Aiagas, o Sr. Claudino Falco Das: Bahia, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
era Martins & Gasparino.
aRuA j fcjiA'biA.
Olinda, Cabo e Escala todos os dias.
iguarassu' Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
SaSu,^Io,rGravtt' B> Bonito, Caruar,
d i.T!! e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d Alho, Nazaretb, Limoeiro, Breio, Pesqueira,
SS"v"?' F1res Villa eila, Tacarat.Cabrob
^nhoI1ta,DSncury e Exu nas Sennhaem, RraFormoso, Tamandar; Una, Barrei-
tih L l*tPrei f ,menteiras nas quintas feiras.
una de Femando todas as vezes que para ali sahir
Da VIO.
Todos
os estafetas partem ao V dia.
EPHEMERIDES OO MEZ DE DEZEMBRO.
6 Quarto reselas 5 h., 11 m. e 56 s. da m.
13 La cfaeia as "4 h., 52 m. e 26 s. da m.
21 Quarto ming. as 2 h., 42 m. e 58 s. da m.
28 La nova-as 7 h., 1 m. e 44" s, da m.
PRKAMAR DE BOJB.
Primeira as 10 toras e 6 minutos da rcanha.
Segunda as 10 oras 30 minutos da tarde.
-Jt.-aj.. Oj Va^ORco OSiROj.
Para o sul at Aiagw a 5 e 2?; f.r\ o o/te at
*Gr?W a-5*! ** de cada me.-; para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan. marg.,maio. jul. set. e nov.
PARTIDA DOS OMNJlU.
o ,,S Recie: do Apipucos s 6 V* 7, 7 V, 8e
8 Vi da m.; de Olinda s 8 da ra. o 6 da tarde; de
Jaboatao s 6 Vi da m.; do Casanga eVarzeas 7
da_m.; de Bemflca s 8 da m.
'4,4 Vi,
s 7 da
e 4 V, da tarde; para Jaboatao s 4 da
tarde; para Cachang e Vanea s 4 Vi da tarde;
para Bemflca s 4 da tarde.
Do Recife: para o Apipucos as 3 Vi, 4,4 /<,
, 6 Vi, 5 Vi e 6 da tarde; para Olinda
manhaa
UDENC A DOS TRTBUNAES DA JaP;^AL
Tribuna; do commercio: secundas quintas.
Reiago: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quinta; s 10 boras.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira Tara do civel : tercas sertas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas sabbados a 1 hora
da tarde
OAS DA S3M&NA.
5. Segunda. S. Pedro Chrysolngo b.
6. Teiga. S. Nicolao b.; S. L.-onria m.
7. Quarla. S. Amliro-io b. dr. da egrrp.
8. Quima, # A Icninarulada Cooreig;,., oV Mana
9. Sosia. S. Leocadia v. m.: S. Gorgorita v
10. Sabbado. S. Melehiades p. m.;S. Camello m
11. Domingo. S. Dmaso p. m.; S. taatfcfw c
ASSIGNA-SI
no Recife, em a livraru da pnca da Inder*.,*,
cians. 6e8 dos proprietarios Manoel Fuxx^
de Fana h Fho. "-
PARTE OFFIGIAL
G*Ett DA PROVINtilA.
Admlnislra^o do Exm. Sr. de-
seinbai'gador Anselmo Fran-
cisco PirettI.
Expediente do dia i" de dezembro de 1861.
Circular aos Exms. presidentes das provincias
do sal e norte.Tendo nesta data assumido a ad
mim tracao desta provincia, na qualidade de seu
prmeiro vicepresidente ; as.-im o commuoico a
V. Exc, assegurandolhe que serei solicito era sa-
tisfazer as suas rdens, quer tendam ao servigo
publico, quer ao particular de V. ExcFizcram-
se iguaes communlcagao a todas as autoridades
tiesta provincia.
Qfflel i ao Exm. presidente da provincia da Pa-
rahyba.Accuso recebido com o offlelo de V. Exc.
datado de 15 de novembro ultimo, 2 exemulares,
do relatorio que V Exc. apre legislativa de.-sa provincia, por occasio da aber-
tura de sua ses>o ordinaria do correrte anno.
Dito ao Dr. chefe de polica.Ao ofJlcio de V.
S. sob n. 1819 e data de 29 de novembro ultimo,
respondo declarando-ltae, que segundo informa o
coronel commandanie das armas em offieio de hon-
tem datado, sob n. 2133, nao pode ser satsfeita por
delBciencia de forga a requsgo fela pelo delega-
do do primeiro districto, de 3 patrulhas de caval-
lana para serem empregadas diariamente no ser-
vico da ronda nos arrebaldes desta cidade.
Dito ao mesrao Queira V. *. ministrar-mo as
informaces que houver sobre os factj< crimino-
sos argidos aos individuos de nomes Marcellino
Jalio de Camino e Manoel Marianno da Silveira,
de que trata o seu offieio n. 1501 de 30 do mez
timlo, declarando se foratn presos em flagrante.
Dito ao mesmo.D V. -. todas as providencias
tendentes ao cumprimento do accordao proferido
pelo tribunal da relacao em 29 do mez lindo, e jun-
to por copia, como solicitou o Exm. presidente do
mesmo tribunal em ofllcio d'aquella data. Com-
Manool Antonio Freir.Informe o Sr. Dr. che-
fe de polica.
Manoel- de Camino Paes de Andrade. Nao
tem lugar vista da informaco.
Telesphero Marques da Silva Junior.-Como re-
quer a vista da informaco.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIAS DO DIA
RIO DE PERNAJHHUCO.
LISBOA.
13 de novembro.
Affirma-se geralmente em Lisboa quo as disi-
dencias com a corle de Roma por causa da Juris-
diccao do Rvd. bispo de Macao eslao a ponto de ter-
minar, segundo dizem algumas folhas mu satisfac-
toriamente para a corda de Portugal, e accrescen-
tam alguns peridicos destes ltimos dias que o
referido prelado vai ser transferido para a diocese
de Cabo Verde, e que sua santidado o conrmar
i inmediatamente.
Parece pois que este ser o desenlace do conflic-
que o gabinete heSpanbol s por obslinagao syste-.
matica nos podia negar Justina. Foi sta urna ques-"
t3o resolvida com dignidade para ambas -as a-
toes.
Foram publicados na folha offlcial (Diario* de
Lisboa) os estatutos da companltta'ide crdito hy-
pothecano portuguez, e a autonsgo para cotn-
carem as respectivas operagoes, logo que es^ja
realisada a entrada de dez por cento das suas ac-
edes. E' de crer pois que deniro.em pouco prin-
cipie a funecionar estff" lWvli-'ij'taTiclecimento de
crdito.
Instaurouse no da 3 dcste mez a companhia
geral de crdito predial portuguez. Teve lugar a
nsiallacao no edificio do banco Ultramarino, no
largo das Duas. Igrejas, em Lisboa. O Sr. Mar-
giochi nao aceitou o cargo de membro {da commis-
so fiscal para que tinha sido eleito pelos funJa-
dores da companhia.
Por parte dos Srs. barao de Lagos e duque
de Saldaoha
mercio
dade de
de Lisboa, e foi motivada pela introduccao na ilha
da Madeira das Biblias vindas do eslrangeiro Ira-
duzdas em portuguez. Por essa occasiao o minis-
terio publico representado pelo delegado, o sr. Joa-
qjiiin fereira Guimaraes (actual conselheiro procu-
Moeda correrte ....... 8:2235327
radqr geral da cora) aecusou enrgicamente os da das nls naquella cida
P'at da igreja anglicana, e o accorde do tri-1 travio que soBrein os nmeros do Diario, cujas
4IO:5l55't22
Lin nosso assignante morador na villa de Ma-
manguape, queixa-se da irregularidade da chega-
de, e mais anda do ex-
btliial iobre esie ponto foi-lhes adverso.
*sb >a e seus suburbios teimalguns agentes i e de lempos a lempos com faltas
| coMeQfles semanaes chegam ali as vezes truncadas,
em grave prejuizo
muilQ_nilidos e \ daquelles que o assignarn.
gravuras, at mesmo langando-os dos teng-o da autoridade a qem com|.cte providenciar
i hamamos, pois, a at-
da ptopajanda espalhado livritos
cheos de
postigos dos mnibus, para screm apahados pelos sobre semeihantes faltas'para que se"mo"re"p"rod'-
rapues da-rua e igarem com taes publicacoes as zam. F
escolas e as familias. -. Sabbado prozimo d a sociedado aternida-
u >r. conde de Cimpanhaa esta agraciado' de das Familias a sua partida deste mez.
com a graa-cruz da orden aa Torre e Espada. Procedente do Boston, c com declino China
i a T' Publirou lia lres dias a retaeio dos. tocou hontem nesle porto, onde veio refrescar o
uepuuaos eleitos para a legislatura prxima nos hiate americano Syren, de 82 toneladas, e tripolado
difierente circuios do continente do reino, ilhas e por 6 pessoas.
provincias ultramarinas, exceptuando a eleic.io des Segundo nos nformam
CtrcilIfB iV A m ,..>.!.. II..- ; .... \r:n- J.. r*^..:.. j- '
mprensa vera noje sahira para 0 Mediterrneo, depois de mnitos dias
i de demora na enseada de Paco d'Arcos, a oeste de
c a
que por
testo diz
rao. Corre tambem que o duque de Saldaoha es-
crevera sobre este assumpto ao ministro das obras
publicas urna carta muito expressiva.
a esquadra por-
truc^ao quo no dia 4 do correrte
em porm as opinioes
tratando o ponto.
Offldauiffi que" a^pSS'forTq^T;' S
Para a capital sao os ~rs. Bernardiuo Pinhciro,
Simao de Calca e Pina e Francisco Antonio de Vei-
ga Beirao. Para o Porto foram escolhidos os vrs.
Jos Luciano Simoes de Carvalho c. Bento Leo Cu-
nh.i Carvailiaes.
Estao. irapressos e j toram destribuidos pelo
ministeiio das obras publicas os seguintes relato-
curso ao boato, e que nao pode acreditar que o go-
verno deste pai-. aceite esta seluco que deixa de
va-se na baha de Lagos. E' commandante da1 Machinas de'vapor e motores hydraulicos pelo
esquadra o conselheiro Sergio de Souza. Sr. Jos Mara da Ponte e Hurla. Estudos geolo-
p a quest." principal, que "*d iursdcco do -.f^.2 C0-,ej? do Ai*W>rs!ir\ nalalicio do gicos. mineraes uteis e suas applicacoes ; metal-
Revd hispo q juribaicgao o pa, d el-re reinante, S. M. o Sr. D. Fernando II, foi lurgia e lavra de minas, pelo Sr. J. A. C das Neves
A Revoluto orgao da situacao cabida, acredita I S Th,i! ?'31'. de,outubro> da dos an- Cabral. Ambos estes cavalleiros foram me.nbros
no boato que nao obstarte qual.tica de menos de I ?,"%? .VfiiLSLS? "' -n,0! CO?COr- t S5W n:",iea'la Pr.**reto de Ks "
coroso para o gabinete portuguez.
Adduz-se para reforjar esta opiniao o caso pas-
sado com o actual bispo de Beja. Quando este pre-
lado foi eleito arcebispo de Ga, depois de ractii-
,cado a concordata de 21
municou-se ao Exm. conselheiro presidente da "re- i jrle dt R,aa Diio ,'0ufir'iiou porque esse prea
laco. | d f>i certas condicoes, sem as quaes nao entrara
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.I
na diocese de Goa.
Communico a V. S. que o juiz muniepai e de or-f c ^ nao as aceilu nw confirmou portanto o
phos do termo de Agua Preta, Joao Carlos de i brj D-AHlni governo transferio-o para Beja,
Mondonga Vasconcellos, entrou no goso da licencalcepQd. a cuna romana.
de um mez em 21 de outubro e em 21 de novera-1 n "rl ,!? ooraea'1" Pa""a a diocese de Goa o Sr.
bro prximo lindo, reassumio o exercicio de seu ,. Lhrisostomo, e Roma conseguio que a ar-
cargo. cebispo fosse ad sacralimma, e alcancou o cumpri-
Dito ao mesmo.Era vista da folha junta em Sraent0 do reve Probis nostis, contra o qual tinha
duplcala, e nao haveudj inconveniente, mande V.! probwta'to o parlamente portuguez.
S. pagar os venciioentos relativos ao mez de no- i .- cerl entreta"t'> que se asseverava ha poucos
verabro ultimo, dos offlciaes empregados no recru-' {,ue Sr. Mendos Leal, ministro da marirtia
tamento neste municipio e no de Olioda. o ultramar exiga a sabida desta .corte, do nuncio
Dito ao inspector da thesouraria provincial.- aP;lollco. monsenhor FerriTi.
Para que eu pos-a resolver acerca do pagamento, Mostrava esta boato que o caso se complicava e
que no requerimento sobre quo versa a sua infor-! 9U0 ?overno desejava reagir contra as exigencias
macao de 29 de novembro ultimo, sob n. 506. pede ida ,uria-
Jeronymo de Souza Cocino da gratiflearao, que Ihe i b Portanto inconsiliavel a primeira versao sem
rido. SS. MM. a noute foram em grande gala ao de 862 para estudar na referida exposico os pro-
ineatro normal. gressos manifestados pelos diversos ramos de in-
A administradlo do theatro normal tenciona dustria.
commeraorar o anniversario do nascio.ento de Gar-1 O prmeiro relatorio forma um volume de 260
^".'o2'.e no dla 4.de 'c^reiro do prximo anno paginas o segundo outro de 305, em oitavo
francez grande, ambos ntidamente mpre-ssos na
le.,fe:.e^!.r0de..1?5.a d!5, com um drama do fallecido autor, que
sera, provavelmente, o Alfaqeme de Santarem.
No da natalicio de s. M. El-re o Sr. Luiz I
concluio-se na praia de Arnoso de Pampelido o
monumento commemorativo do desembarque do
exercito commandado pelo Sr. D. Pedro IV de
Portugal e imperador do Brasil em8 de julho de
irnprensa nacional. Da exposico universal de Pa-
rs, os vogaes respectivos aerar maior numero de
relatorios. Sr. conde d'Avla escreveu o relato-
rio geral qne produzo dous volutnes de 700 pagi-
nas, de 8. O Sr. J. de A. Corvo escreveu um re-
latorio sobre agricultura ; o Sr. visconde de Villa-
povoacao.
Foram no dia 2 entregues m ministerio das
deve ser abonada por se haver"incumbido, m vir-1a ^i'Ja- Ou o gabinete portuguez transige ei STSntol nTrSlaiSmlntoS
tude de autorisaco do meu antecessor do tratamen-.i *2ffere P. Pre,ado dt Macao para Cabo-Verde, ou SLTS
lo Jo presos pobres accointiwuidoj da varila na i resiste e da.os passaportes ao ouocio. A ODiuio
cadea da villa do Lirac-iro. faz-se preciso que V. lAZiS ae todas estas hesitac6s, aproveta-se mes-
S. proponha essa gratificaco, porque a tomar-se i mo dos boat?s so c 'lue na0 os inventa para depois
por base as dezs fornecidas para esse lira, poue ;os .ommenUr a seu talarte. Por mnha parte,
querer o supplicante urna quintia muito avultada,; amigos redactores, acredito bastante nos sentimen-
allegando e provando com os ditos de homeopathas os de dlK"ldade do governo e no bora senso que
e hvros de homeopatha que esse curativo exige 'em P|Viil'1'dJ a gerencia dos nogocios pblicos. O
grande numero de d/.os para cada um doente. I desen|ace deve ser honroso para ambas as partes,
Dito ao mesmo.-Tendo ndeferido em vista de P^jue assim o aconselham as necessidades polili-
sua informaco de hontem, soj n. 509, o requer- cas radicadas pela opraiao.
1*31 i Maior outro sobre artes chimicas, e o Sr. Jos Hor-
A altura do monumento excede a 25 metros. ta outro sobre machinas de vapor.
E um obelisco bem formado, com apropriadas Est para dar-se luz um livro que ter por
rascripces e duas coras de ferro bronzeado, e Ululo : Compendio de Herldica e armara portu-
es,[cercado de urna gradara de ferro. JWSO. O autor o Sr. Francisco Jos de Alrneida.
V-se de grande distancia, tanto do morro como O texto ser intercalado de numerosas estampas,
de trra. S. M. e a raraha dignou-se conceder audien-
Lraa pessoa que o vio diz que a obra esta per- ca no dia 8 deste mez ao marques de Taghacarne,
feta e que s para sentir que seja pouco visita- ministro de Italia nesta coi te, encarregado de apre-
so, pela distancia em que se acha da estrada e da sentar soberana um presente que Ihe enva a ci-
D. Pedro IV, quo na praga de D. Redro se deve le-
Os planos tragados pelos artistas estrangeiros
que entraram no concurso, devem ter sido entre-
gues aos cnsules portuguezes no dia 31 do rae/,
lindo.
Depois de recebdos todos os trabalhos, abrir-se-
na urna exposico para que o publico possa ava-
'ida o merecirnento dos difirelos projectos.
dade de Ravena. Consta o presente de urna copia
em prata do tmulo do Dante, encerrada em um
magnilico estojo de acacia, o qual tem prxima-
mente um metro de altura, e de um lbum rom to-
dos os retratos (em Bravura) dos membros da fa-
....II.. O- O&n., *.,...!.. r.:.:>. !,,,. J
quella antiguissima e illustre casa at aos nossos
dias.
Foi publicado ha poucos dias o Regulamento
provisorio da escola do exercito, cora intrnalo de
oto horas no recinto do instituto ; innovago esta, beu ;e assim ella continua a envidar todos'os esfor-
quedeve dar muito bons resallados para a appli-
cacao e aproveitamenlodos alumnos. Ainstrucgao
guite
respeito, e i|ue serven-Ihe de historia.
No dia 25 de novembro de 1802, tendo desabado
as paredes centraos, com ellas veio ao chao tam-
bera toda coberta do templo, ficando em p semen-
t as paredes exteriores, e as do alur-mr ; boje,
porm, est ludo reedificado, faltando apenas o
dourado dos altares, e a precisa pintura, para que
suas portas se possam abrir aos fifis.
A archictolura nao a mesma que tinha ante-
riormente, visto que alera de ter-se dado ao templo
maior elevago, est feto tudo com outro gusto, su-
geito as regras da symetria e com bons materiaes ;
sendo toda a obra de arcadas, como a matriz nova
de S. Jos, e com saclinstas, consistorios, e gale-
ras bastante claras, arejadas e espagosas.
Tres escadas do subida para os consistorios e
galeras, sobresahindo urna della que sendo de vol-
ta, a moderna e envernisada, feta com muito es-
mero, tendo al relevos exultados na frente de ca
da degro ; e esla escada dando subida para a ga-
lera esquerda en costa por dtlraz do altar lateral,
onde lem de ser collocada a imagem do Senhor
hora Jess dos Pobres Aflictos, cjo nicho nao
forrado para dar lugar aos fiis o exerccio de suas
devogoes
O tecto do corpo da greja, e a do altar-mor osto
promptos, havendo no centro d'aquelle, como em-
blema, estufados e dourados, urna cora de espi-
ono e tres eraras ; e n'esle um outro emblema, em
forma de um grande qudro oval, de moldura lar-
ga e dourada, enntendo no centro urna cruz, em
cuja base ha dous anjos, um com o calx de
amargura e oulro com os instrumentos do mariv-
rio, tudo estufado e concebido em um porto ma-
gesloso.
A Igreja de S. Gongalo, pois, ser urna das ma*
lindas desta cidade, nao era riqueza, porem, em
gosto e as^eio ; sendo para admirar este resultado,
visto o pouco tempo decerrido, e a pobreza da ir-
mandade, a quem aliD disto falta aquella posgo
civil de que mitras dispoe.
pois que, valendo-se da bera merecida sympalhia
de que goza, foi nao s ineansavem era implorar a
cardade dos fiis christaos, como tambem nielli-
genle e zelosa na applicagao dos recujsos que rece
Urna filha de Valentina Mara da Conceico falo
a rertido.
Mara, branca, filha legitima de Antonio Cliaurn
Moreira Temi>oral e Jovina Gomes Pessoa.
Anna, parda, filha legitima de Manuel Senriaae
Jos de Lima e Guilnermraa Mara do Uvra
ment.
Urna filha legitima de Amento Clmaco Moreira
Temporal falta a cerlidio
Casarnenios :
Albino Baptisia da Rocha, com Feliciana Eleo*
de Jeus Bastos.
Ilulino Francisco Teixeira, com Emilia Fraacbc^
da Conceigao.
nKPAHTigAo na voi.ioiA :
Extracto das partes dos das le .'i de dezembr
ile 1861.
Foram recolhidos casa de detengo no da 2
do correrte:
A' ordein do Dr. dplegado da capital, Mara e
Mananna,escravas,esta de Lronilla Morae> e Sil-
a de Joo de Luna Freir, j primeira a
lueriineuto de sua senhora. e a ultima por fu-
A'ordem do subdelegado do Recife Jos.-Mar
qu-"s do Nascimento, por briga.
A" ordem du de Santo Autonio, Luciano Rodr-
cnes dos Santos, por di>turbios.
A' ordem do dj Pogo, Joo Francisco Barbosa
por furto.
Da L
^ ordein do lllm. Sr. Dr. chefe de polica. Jo-
de Carvalho de Oliveira, como criminoso d-* urt"
de cavallo.
A'ordem do subdelegado de Santo Antonio. An
tomo Joaquim de Lima, por briga e Joaquim *-
cravo de Joao da Cuoha, para avenguacoes foli
ciaes.
A' ordem do de S. Jos, Honorato Alves do ]sj
cimento, para arerieuaces policiae>.
A' ordem do da Boa-Vista, Cosme Jos da Cru/
para correceo.
A' erdnm do da Capnnga, Antonio Gomes (>w-
tinho, por espancamento, e Guilhrrmraa Maria *
Conceigao, por disturbios c insultos.
O chefe da 2" secgo.
J. ti. de Mesquita.
Movimento da casa de detengo no dia i oV
dezembro de 18G4.
Existiarn..... 331 presos.
Entraram..... 7
Sahiram...... 1
337
A saber :
Narionaes :.... 271
Mulheres.,----- i
Estrangeiros... 14
Estrangeira ... 2 a
Escravos ...... 40
Escravas...... G 1
meuto era que Jos Fraocbeo Pereira da Silva pe- 1>0 dia tiverain lugar em S Vicente os officos 8ntre el|cs a
dia que fos^e irausferida para oulro dia a arrema- funhres pjlo eterno descango do Sr. D. Pedro \ de cu|()lor de piorenca o 01111""
taciio annuuc.ada para hoje do empedramento da ** memoria. Assisliram el-re o Sr. O. Luiz, I ven',a centmetros de altura
estradi da Victoria entre os marcos de 8 12 mil mu,llas PtSSljas da corte, e numeroso concurso de ; um exccllente trabajho.
icha-se um do Sr. Cesar Seghiolli es-
tera um melro e 110-
e me asseguram ser
bragas, assim o eommuuico a V. S. para seu co-
nheciinento e, aliin de que proceda a essa arrema-
tago.
Oilo ao cnsul de S. M. Britannica.Pelo offieio
de 2.1 de novembro ultimo, fiquei inleirado de ha-
ver o Sr. R. Auslun assumido no dia anterior o
exerccio de cousul de S. M. B itannica nesta pro-
vincia.
Renov ao Sr. R. Austim os raeus protestos de
estima e cousidenigo.Fizeram-se s necessarias
coinmup+Cages
Dudan coinman&anie^do-rjresidio de Fernando,
Concordo em que seja elevada a 400 re. como
V. S. propz em seu ollicio u. i47 de 23 do cr-
reme, a diaria de 160 rs. que se abona actualmen-
te aos seiueuciados Manoel Francisco dos Santos
1., e David Manoel Pereira, que exercem nesse
presidio o pruneiro lugar de inestre pedreiro e o
segundo o de mostr carpina.Communicouse
thesouraria de fazenda.
Dito ao director do arsenal de guerra. Recom-
mendo Vmc. que forneca com urgencia ao com-
mandanie da fortaleza do' Bruz s duas bandeiras
de liieli e competentes drigas, como se ordenou
por despacho de 10 de agosto ultimo.Comrauui-
cou-se ao coronel coinmandaule das armas.
Dito ad juiz de orphaos desta cidade.Commu-
nicaudo-me o cnsul de Franga nesta provincia,
era otlicio de 29 de novembro ultimo, ter fallecido
o subdito francez Frangois Blandin sem deixar es-
polio algum, assim o declaro a Vmc. para seu co-
nheciineuto.
Expediente do secretario do goreruo do dia 1 de
dezembro de 1864.
Ofllcio ao Exm. visconde da Boa-Vista comman-
danie superior da guarda nacional do Recife. De
ordem de S. Exc. o Sr. vice-presiderte da proviu-
cia, communico a V. Exc. que por despacho desta
dala autorisou-se o director do arsenal de guerra
a satisfacer o pedido de c.irtuxame, a que anude o
seu ollicio o. 147 de 30 de novembro prximo
lindo.
Despachos do dia Iode dezembro de lSl.
Requerimentos.
Engenheiro Domingos Jos Rodrigues.=Remet-
tido ao Sr. inspector da thesouraria de fazenda
para mandar pagar.
Ignacia Mana de Sam'Anna.Informe o Sr. v-
ce-provedor da Santa Casa da Misericordia.
Jos Ignacio de A villa. Concedo licenga.
Joo Carneiro Monieiro da Silva Santos.Nao
tem lugar vista da informaco.
Jos Andr Lobo.Informe o Sr. vice-provedor
da Sarta Ca a da Misericordia.
Jos Francisco Pereira da Silva Jnior. Nao
lera lugar vista da informaco.
Jos Pedro de Albuquerque Lima. Informe o
Sr. capito do porto.
Jeronymo Francisco da Curta. -Informo o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Jos Francisco de Medeiros. Informe o vice-
provedor da Sarta Casa da Misericordia.
Maria Rita da Conceigao.informe cora urgen-
cia o Sr. Dr. chefe de polica, ouvinao a autorida-
de que recrutou ao supplicante : ficando na secre-
taria da presidencia copia da cerlido marcada
com o n. 1.
Manoel Ignacio de Carvalho Meodooga.Conce-
do o prazo que o supplicante requer, o qual prin-
cipiara a correr do da, em que Mudar o termo,
que primeramente Ihe foi concedido: devendo o
presente ser levado ao conhecimento do Sr. capi-
to do porto.
que dizem respeito reforma do servigo e
pessoas das alfandegas.
O ministro da faienda (o Sr. Lobo d'Avilla) en-
tre outras importantes medidas que tenciona pro-
por ao parlamento (na prximo sesso legislativa)
diz-sc que est preparaudo um piojectode reforma
de pautas no sentido da liberdade do commer-
cio.
Os factos que com relagao ao crdito publico, cn-
nobrecem o actual ministro das linangas.so muito
numerosas.
O prompio pagamento dos juros das inscripcoes
e compras, ha lempos, tem sido urna das causas
principaes do seu crdito e procura no mercado
e nao menos tambem a facilidade da sua cobranga
tora da capital, no Porto pela sua alfandega, e nas
demais trra do reino, nas capilaes dos dislrictos,
polas repartigoes centraos de fazenda.
AfDrma-se tambem que entre os projectos que o
governo ter de submetter, na prxima seccao ao
, corpo legislativo figura una modficago no sysle-
ma inaneeiro, e um projecto para a diminuigao
das dedueges nos vencimentos dos servidores do
estado, tanto nas classes activas, como nas inac-
tivas.
Segundo consta a crvela a vapor Sagres de
nossa marrana militar deve sabir al o dia 20 de
correrte para Montevideo, com escala pelo Rio de
Janeiro e Pernatnbuco.
Diz-se que vai estacionar em Montevideo por al-
gum lempo, em consequencia das repelidas instan-
cias dos subditos portuguezes ali residentes muitos
dos quaes, segundo se diz, se consideram offendi-
dos por pretender o governo daquella repblica
Torga-Ios a alislarem-se no exercito.
Communicaram do Porto com data de 6 do
correrte o seguirte a respeito do banco Ultrama-
rino :
Amanhaa deve ser enviada para Lisboa a re-
presentago dos
Ultramarino.
mais lempo, termina pedindo a liquldago e a ds-
solugo ou (se para tanto se nao julgarem sufflcien-
tes os motivos allegados) que seja entregue o de-
posito e o juro.
c A compannia Ulildade Publica assgnou a re-
presentago ; sao directores della os Srs. Jos Car-
los Lopes, Justino Ferreira Pinto Bastos, e Antonio
Ferreira de Macedo Pinto.
c O Sr. Macedo Pinto assgnou tambera como
particular. >
Tem oceupado geralmente a attengao para o
miseravel eslado em que ficaram as nossas lionas
frreas de Lisboa ao Porto por causa das chelas
continuadas do mez passado. Entretanto a empre-
za, desenvolvendo grande actividade e energa : o
lera conseguido reparar a estrada de ferro com a
brevldade possivel.
Foi publicado ha dias na folha oflicial o resulta-
do da Inspecgo da commisso de engenheiros no-
meada para inspeccionar a liaiia--e o servgo de
explorado. D'um documento que faz honra
commisso, e em virtude do qual se raandaram lo-
go fazer as precisas modificages'no servico, re-
formar os horarios etc. a bem da contmodidade do
commercio e dos pa do o zelo dos engenheiros encarregando-os de ura
semelhantc relatorio acerca da linha do sul (do
Bjirreiro cidade d'Evora.)
Chegou j da Hespanha a nota oIBcol reco-
nhecendo ao nosso governo o direito e a legalidade
com que nas aguas d'Angola fura apresado o pa-
tacho Firoi del Refugio. As expficag5es do ga-
binete de Lisboa foram tao claras e eathegorias,
Os concurrentes estrangeiros tambem j enlre- daescola theorica e pralica. A escola tem um
no referido ministerio os seus esbogos, e commandante, oflicial general ou coronel das ar-
mas especiaes, ou do corpo de estado-maior. Um I
segundo commandante, oflicial superior habilitado j
cora algum dos cursos das armas especiaes 011 do
corpo do estado-maior. Um director de estudos
das sciencias do construegoes, habilitado com al-
do corpo de
estado-maior, ou de engenharia civil.' Um secreta-
rio oflicial superior.
Na escola do exercito haver, alm desles offi-
ciaes, nove lentos de primeira classe para as nove
cadeiras e seis lentes de segunda classe; para1
SssrasKahssrBKS b*^&sssK2#& -. -
gos para que breve se celebrem actos religiosos na
sua igreja, ausencia esta que lia sido bastante sen-
sivel, porquanlo, sendo a freguezia da Boa-Vista
que maior popularlo lem, no entanto a que me-
nos templos possue.
Coadjuvala, por lano, neste louvavel desejo
coadjuvar a piosperldade, c o brHbo da nossa san-
ta regilio ; um acto po e patritico, a que nao
nos devenios eximir.
cas o seu trabalho, ignorando que podia prescin-
dir desta viagem, depondo nas mos do nosso cn-
sul n'aquella cidade, o seu eshogo, e que elle che-
garia a lempo de entrar no concurso.
O -r. Seghiolli foi visitar a nossa academia das
bellas artes,pnde foi recebido por diversos pro- coadjuvar o ensino e dirigir a insiruego pratica ;
fessores com extremo agrade eaffa'ilidade. Coas- haver dous repetidores pararas salas de cstudo e
la que o Sr. Segbiolfi tenciona brindar a academia trabalhos praticos dss sciencias de construego;
cora urna colleccao de desonhos copiados de mes- dous instructores para o ensino de desenlio o tam-
tres de maior fama como sao Raphael, Chirlan- bera encarregados de coadjuvarem e dirigircm os
daio etc. alumnos na pratica e uso dos instrumentos geode-
Sabe-se que os desenhos e projectos ja entregues sicas e topographicos. Um instructor para osexer-
sao nove, sendo quatro de estrangeiros e cinco de Ciclos photographicos e trabalhos praticos de chi-
mica apphcada.
Um instructor para os ejercicios de infartara,
esgrima e gymnastea, administragiio c conlabilida-
de correspondente ; um instructor para os exerci-
cios de cavallaria o artilharia, espada, administra-
nacionaes.
Parece, porm, que virio de fra mais de cin-
coenta propostas que se acham j em poder d'al-
guns dos nossos cnsules. S depois que estive-
rem reunidas no ministerio das obras publicas to-
das as proposlas, que o jury respectivo procede- gao e contahilidade correspondente,
ra ao exame equalificago das obras dos concur- Os repetidores c instructores sero nomeados
rentes escolhendo aquella que deve ser proferida, pelo governo, preredendo concurso e sobre pro-
A cmara municipal de Lisboa, mandou, sob posta graduada do conselho da escola.
preposta do Sr. Severo de Carvalho, averiguar se Alm deste pessoal haver ainda um oflicial para
a casa na aleada de -anta Anna n. 129 e 13', a bibliotheca; um mestre de lingua ingleza; um
foi a morada aondo falleceu o grande poeta Luiz mesire de equitagao ; pirador encarregado tambera
de Camos, para, se se conhecer ser esta a casa, do ensino de hyppologia, e o numero de emprega-
ser collocada na frente urna lapida commemorati- dos precisos para o expediente da secretarla, servi-
va daquelle facto. go dos gabinetes ; guarda e lirapeza dos diversos
Publicou-se o novo jornal A Previdenle, fo- estabelcimentos da escola.
ha oflicial da sociedade assim chamada de seguros A escola funeciona, se bem me record, desde
mutuos sobre a vida, fundada e adminslrada pelo 1837, e tem dado os mais proficuos resultados ;
banco Alhanga, e de que proprietarlo o Sr. Jos comtudo muito provavel que melhore consideravel-
Ferreira Mouiinho, inspector geral da mesma so-. mente com a nova organisagio.
ciedade.
A nova folha contm oito paginas, mensal a
sua pubiieago, e os dozc nmeros do anno cuslara
aos assignantes da cidade do Porto 600 ris, a ra-
i zao de 50 ris por folha.
nrn w_ 0s bannos sulphureos do arsenal de mari-
,r.ilr. I 1, P.r.luen:,e!> ao. D.3ay nha produzram a recela de 1:7491040 da anal
1T.0. SJKS. Ja_.a1nui1ciad0,ha subtrahindo 273*800 de despoza' rXM:47sS
Deram-se /733 banbos gratis, e 8865 pago>, 467
tiveram o abatunento .determinado em favor dos
socios de monte-pos e outras assoeiages anlo-
gas. Os banhos tornam-se cada vez mais concur-
ridos. Dos melhoramentos, ltimamente inirodu-
zldos, resullou a diminuicaa de despeza.
O inspector do arsenal lembra a construego de
um edificio a propriado.
(Continuur-se-ha.)
PERNAMRUCO,
REVISTA DI3IA.
No sabbado ultimo deu a sociedade recreativa
Corybantina a sua partida deste correrte mez com
a asistencia de cercado sesserta senhoras, alm
de varias meninas.
O sero correu aprasivel e folgado, como soem
i ser todas as reunies d'essa sociedade, q-ie em sua
modesla existencia sabe-se fazer apreciada pela or-
: dem e alleugoes de sua parte, e pela amahilidade
Parece que-o'prmeiro oflicial do ministro da '.dislincla delicadeza das pessoas que Ihe frequen-
faienda Jacralho de Sant'Anna Vasconcellos, est tam o salao.
nomeado fiscal do governo junto da nova compa-1 Domingo chegou da Bahia e do Rio de Janei-
nhia de navegago para frica. ro o vapor inglez Memnon, pertencente a linha de
! Liverpool; e deve seguir de hoje al amanhaa para
K alfandega do Funchal (Madeira) repetiu- a Europa,
se ltimamente a inlrodncgo de Biblias da pro- i Os dignos religiosos carmelitas festejam a
paganda protestante, e o respectivo director da- Nossa Senhora da Conceigao em seu convento no
quella casa fiscal recusou-se a permiltir o raspee- da 8 do corrente ; e oram no Evangelho e no Te-
tivo despacho. Vieram as reclamagoes para o Deum os reverendos padre mestre Lino do Monte
ministerio da fazenda e deste para o ministerio da Carmolo Luna e padre Joo Leonardo Grego.
jusiiga^ A resolugo nao podia ser adversa im-1 Na eleigao a que procederam os correctores
I porlago, porque as nossas leis de liberdade de desla praga, para composigo da respectiva junta
impreusa e de eommorcio consentem a importa- no anno futuro de 1865,.sahiram eleitos os Srs. Luiz
gao de Hvros escriptos em lingua portugueza, sem Amavel Doubourcq, John Galis, Francisco Mamede
necessdade de censura previa, como reclamava o de Almeida, Gongalo Jos Alfonso e Frederico Lo-
director da alfandega do Funchal. Decidu-se por pes Guimaraes.
lauto permittir a imporlagao. embora o prelado da- No balango procedido na thesouraria provin-
quella diocese seja de opinio 'centrara. O ponto cial no mez prximo passado "verificou-se a exis-
Importante, e para evitar futuros conflictos de tencia dos seguintes saldos.
crer que ainda tiraba de ser debalido. I Caixa de 1864 a 1865............. -54:6535793
A profuso com que actualmente se espalham! Dita de calgamcnto................ 2:7464554
essas Biblias, e outros opsculos de polmica re- ] Em depsitos :
giosa o anli-orthodoxos, assombrosa. Jem i84l Em accoes........... 33:4113800
ou 1843-hoave urna queMoque chegou relagolEra letiras............. 368:4&0$095'
Relagao dos baptisados fetos na matriz de
Santo Amonio do Recife, 110 mez de novembro pas-
sado.
Francisca, parda, filha de Delmra, escrava de Se-
nhorinha Simoes Cruz.
Jos, branco, lilha de Jraquim Francisco dos "au-
tos e Francisca Guedes Augusta.
Eufrozina, parda, lilha legitima de Jos Gomes Pe-
reda e Viceocia Maria da Conceigao.
Firmina, crioula, lilha de Januaria, escrava do Dr.
Ciceio Odn Peregrino da Silva.
Salustiana, parda, lilha legitima de Boa-ventura Pi-
nheiro do Nascinicnto e Marianua Augusta dos
Prazeres.
Maria, parda, Bina natural de Cordolina Mara da
Conceigao.
Arlhur, branco. filho legitimo de Thomaz Antonio
Espinea e Leopoldina Carolina Monieiro Esp-
nea.
Ananias, pardo, lilho de Juliana, escrava de Ignez
Francisca Coerca de Araujo.
Amonio, branco, lilho legitimo de Antonio Jos dos
Res e Bliodora J.icintha Pereira Res.
Alfredo, branco, filho legitimo de Ricard Haeison e
Angela Hai isou.
Silverio, ci ionio, filho de Ameeica, escrava de Jos
Lins de Siqueira Cavalcanli.
j Mana, branca, filha legitima de Marcolino Jos de
Moraes e JUmbelina Julia de Moraes.
Maria, parda, filha de Ruta, escrava de Angelo
Baptista do Na.-cimento.
Francisco, branco, filho legitimo de Francisco da
Miva Reg e Angela Carolina da Silva Reg.
, Mana, parda, tilha legitima de Antonio Ferreira
Luna e Anua Margarida de Lima.
Rita, parda, lilha legitima do Antonio Ferreira Li-
ma e Anna Margarida de Lima.
Erclla, branca, lilha legitima de Caetano Pereira
de Brito e Arcelina Oriencia de Bnto.
Umbelma, branca, filha legitima de Ildefonso Jos
dos cantos e Maria Alves de Castro da Sil-
veira.
Claudina, parda, filha de Gertrodes, escrava de
Candida Lourenga de Lima.
Juliana, parda forra, lilha de Romana, escrava do
vigario Francisco Xavier dos Santos.
Adelayde, branca, filha legitima de Jos Ferreira
do Nascimenio e Thereza Julia Ferreira.
Antonio, branco, filho legitimo do Dr. Prisclliano
Antonio da Silva freir e Candida Barbosa
Freir.
Olympo, branco, filha natural de Antonia Correia
Sug.
Antonio, pardo, filho natural de Maria Jos da Con-
ceigao.
Josepha, parda, filha legima de Manoel Fulgencio
da Silveira e Felismina Pereira de Monra.
Abilio, pardo, filho legitimo de Manoel Fulgencio
da ifveira e Kelismina Pereira de Monra.
Valentina, parda, filha de Maria, escrava da Joo
Alves Machado.
Manoel, pardo, filho de Marcelina, escrava de An-
tonio Cassimiro de Gjuvea.
Benedicta, crioula, filha de Carlota, escrava de An-
tonio Jacintho Borges.
Joanna, parda, filha natural de Rosa Maria da
Conceigao.
Firmina, parda forra, filha de Maria, escrava de
Joaquina Ignacia Mavlgnier Ferreira.
Constancia, parda, filha de Eugenia, escrava de
Guilhermina Celestina Alves de Meodonga.
337
Alimentados a cusa dos cofres provinciaes. l; .
Movimento da enfermara do dia i de dezembr
de 1861.
s-.w. .... mm&mm .
Manoel Antonio Ribeiro, sarnas
Sabino Joo Clmaco da Cruz, dem. ,.
Tiveram alta :
Joo Camelo de Nambii.
Francisco Alves Feitosa.
Movimento da casa de delengo do da o d-
dezembro de 1864.
Existiarn....... 336 preso-.
Entraram...... 7
Sahiram....... 12
Existem....... 331
A saber :
Nacionaes ____ 267
Estrangeiros... 3
Mulheres...... 14
Estrangeiras... t
Escravos...... 3'.
Escravas...... 6
331
Alimentados a cusa dos cofres provinciaes. I3
M i
g I 3 J K
sis
3 1 e 1 3
pj i n
3 I X
I ~:
3 =
>
. : : : : *
1 1 51 - O ~a 1 1 Masculino. 3! n > 5 y. > SI
1 SI ., o> * 1 1 Feminino. SI 2
1 1 - - 1 1 Masculino. 51 11 a T.
m m 1 1 - Feminino. 9 = 0
hth - . 1 Masculino. O
- 1 . * A Feminino. - a. aa
S 1 * Masculino, j ao ' > =-
-4 m m 1 Feminino. 00 1
1 ^1 O 1 . m Masculino. 'M \ 1 >
* 0 m sa - 1 Feminino. SI 3* 9--
1* 1 1 m I TOTAL. ~~ 1
ADVERCENCIA.
Na tolalidade dos doentes existem 124, sendo
7o homens e 40 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
Pelo Dr. Ramos s 6 1|2, 6 1)4, 6 lii, i lii,
6 3|4 6 1|4.
Pelo Dr. Sarment s 8, 8 25, 9 l|4. 9, 10 Ii4
9, 9 114.
Fallecern) :
Camarina de Sena, hepatile chronica, aseile.
Kosalina Mana de Sant'Anna, phtysica pulmonar.
Pedro de Almeida Pinto, eneephalite.
OBITUAMO DO CIM1TKB.I0PUSLICO H0 DIA I DU
DEZEMBRO DF. 1864.
Joaquim, frica, 75 anuos, solteiro, Boa-Vista he-
pnlite.
Domingos, Pernambnco, 25 annos, solleiro, fsera-
vo, Boa-Vista ; phtysica.
Maria, Per ni tn buco, 22 mezes, Olinda

espasmo
Um filho legitimo de Cholero Ilulino de Santa An- i Veriato Jos de Moraes. Pernatnbuco, 38
na : falta a certdo. > solleiro; Boa-Vista; hvdropericardile.
V -
ILEGIVEL
MUTILADO


r&-~
Diarle le Pfrisst>nw Teres letra 6 ie Dezembro de 1 *.
'
Anna Bernardiot de Andrade Lima, Pernambuco,
64 annos, solteira, Santo Antonio ; gastro inte-
rile:
Paulina dos Santos, Pernamboco, 24 annos, sol-
teira, Poco da Panella -, tubrculos pulmo-
nares.
Varia Jos da Piedade, Pernambuco, 55 annos,
viuva ; S. Jos; interite chronica.
Thomaz de Aquino Pessoa,Pernambuco, 30 annos,
casado, S. Jos epilepsia.
Dia*.
Marta Azevedo Coelho, Pernambuco, 38 annos, ca-
sada, Santo Autouio, parto.
CHRONICA JIDICIA1I4
TRiniVVL I V HELADIO.
SESSAO EM 3 DE DEZEMBRO.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSEL11EIRO
SOUZA.
As 10 horas da manha, presentes os senhores
desembargadores Santiago, Gilirana, Lourencn San-
tiago, Almeida e Albuquerque, Assi?, Doria, Molla,
Domingues da Silva, faltando o Sr. desembarga-
dor Ucha Cavalcariti, abrio-se a sessao.
O Sr. desemhargador Guerra, procurador da eo-
roa, nao comparecen.
Passados os feiios e entregues os distribuidos,
deram-se os segaintes
JULGAMENTOS
Recurso deeleico.
Recrreme, Joo Ruvelaque i recorrido, o con-
celho municipal
Relator o Sr. desemnargador Almeida e Albu-
querque.
Sorteados os senhojes desembargadores Motta,
e Domingues da Silva.
Oeram urevimento.
Appellacoes civeis.
Appellante, Jos Pcreira da Araujo ; appellado,
Joo Manoel Pontual Jnior e outros.
Annullou-se o processo.
appellante, Lourengo Bezerra Cavalcanl de Al-
buquerque appellado, Dr. Amaro Joaquina Fon-
seca de Albuquerque.
Reformada a sentencia.
Appellante, D. Joanna Hara das Dores ; appel-
lado, Antonio Alves da Miranda Guimares.
Coniirniada a sentenga.
Appellante, Jos Joaquim da Rocha Farias ap-
ptllado, Frederico Augusto Velloso da Silveira.
Continuada a sentenga em parte.
Appellante, Luiz de Albuquerque Maranbo ;
appellados, Joo Francisco de Oliveira e outros.
Conlirmada a sentenga.
Appellacoes crimes.
Appellante, o juizo; appellado, Jos Marques
de Lima.
Improcedente.
Appellante, Placido, escravo ; appellada, a jus-
tica.
A' novo jury.
Habeas-corpm.
Negou-se a soltura a Francisco Gomes de Fa-
rias.
Concedeu-so ordem a Felippe Gomes da Costa
AWarenga para a sessao de 6 do crrenle, s 11
horas do di a.
DILIGENCIAS CHIMES.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
jostica
As appellacoes crimes.
Appellante, Antonio A'lves de Athayde e outro ,
pellada, a justiga.
Appellante, o juizo; appellado, Jos Flix de
Lima.
Appellante, o promotor ; appellado, Jos Das
Montenegro.
DILIGENCIAS CITIS.
Com vista ao Dr. curador geral
As appellacoes crimes.
Appellante, Joaquim da Silva Guiarte
dos, Sampaio, Silva & C.
DES1GNAQAO DE DA.
Assignou-se dia para julgamento dos segrales
Jeitos :
Appellarao crime.
Appellante, Guinerme Antonio de Siqueira ; ap-
pellada, a justiga.
Ai appellacoes citis.
Appellante, D. Francisca das Chagas Bandeira
de Mello; appellado, Francisco Rodrigues dos
Santos.
Appellante, Silvestre Domingues da Silva Pimen-
teira ; appellado, Jos Joaquim de Almeida Lcite
Sampaio.
Appellante, Felino Freir de Andrade ; appella-
do, Joo Velho de Mendonga Furtado.
PASSAGENS
O Sr. desembargador Caetano Santiago passon
As appellacoes civeis.
Appellante, Joo Crrela de Araujo ; appellado,
Manoel Joaquim de Albuquerque e sua multier.
Appellante, a adminisirago dos recolhimentos
da Gloria e Conceigo ; appellado, Joo Antonio de
Oliveira.
Appellante, D. Joanna da Silva Medoiros; ap-
pellada, a fazenda.
Do Sr. desembargador Gilirana ao Sr. desembar-
gador Lourengo Santiago
A appellarao civel.
Appellante, Moniea Ignez da Silva ; appellada,
Theieza Camarina da Conceigo.
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao Sr.
Sr. desembargador Assis
As appellagoes civeis.
Appellante, Jos Gabriel Pereira de Lyra ; ap-
pellado, Amero Vieira da Cunha.
Appellante, a fazenda ; appellada, D. Francisca
Thomazia da Conceigo Cunta.
DoSr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
Sr. desembargador Assis
A appellarao civel.
Appellante, a viuva de Joo Henriqnes da Silva ;
appellado, o Dr. Adolpho de Barros Cavalcante de
Lacerda.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Motta
As appcllaces civeis.
Appellante, Joo Ferrira da Costa
appellado, Joo Jos da Silva Cnuto.
Appellante, Jos Bento de Oliveira
Jos Joaquim de Araujo Pinheiro.
Appellante, Joo Salvador da Cruz
Dominsos Ferrira da Costa Romeo.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao Sr.
desembargador Caetano Santiago
A appellacao crime.
Appellante, D. Antonia Maria Jesuina Borges ;
appellado, Bento Alves da Cruz.
A' l,1 horas da tarde encerrou-se a sessao.
Descont*.
6:4385 W
Rei*. 3,974:5045664
Demonstrar* da emisso.
3348 notai dt> valor de 20Q5000 669:6005000
4159 > > > > 1005000 415:9005000
90 > 505000 114:5005000
Ris 1,200:0005000
Estad a rana.
Em. ouro amoedado ...
Ere sotas do ihesouro de 105000
e umores.........
Em ditas menores de 105
Em nulas da caia ulial do Ban-
co do Brasil......
Ero notas du Novo
Banco de Per-
na.ii:hucn seiidn
98 de 2005 19:6005
94 d 1005 9:4005
86 di 505 4:3005
367:4235000
12:2005000
4:2305000
30:2005000
En (rata ecobre.
33:3005000
6:4235916
Ris. 453:7765916
appella-
0 guarda livros,
Francisco Joaquim Pereira Pinto.
CORRESPONDENCIAS
Srs. redactores.--Foi o dia 27 de novembro pr-
ximo passado um da festivo em Olinda: houve
i pela manha no mosteiro do S. Bento um Te-Deuin,
em acgo de graos, pelo feliz consorcio de S. A.
I. a Sra. D. Izabel: A' larde loureou-se um boi no
largo do Carmo; o noite um fogo artelkial na
frente do edificio da cmara leve lugar. Mas se-
| nhores tarde, quando estavam no dito largo
| reunidas cerca de quinhenias pessoas, para assis-
tirem ao toureamenlo, apresentou se o sub-delega-
do Manoel Dionizio Gomes do Reg, (que. havia
' pascado a vara ao Ia supplente Joaquim da Molla
1 e -ilva para aasMir o Te Deum, que efectivamen-
te asxistio como vereador) e chegando ao lugar do
toureamenlo, em occasio em que o boi, tucaado
1 vara, sahia para o lado d'onde elle vinba j este,
depols de urna engragada carrelra, voltou apaixo-
j nado e espaocuu cum um chapeo de sol ao topa-
dor : o povo indignado com semellwnte procedi-
mente passou a gritar e impedir a continuago
do crime, totis vinbus. No mesmo dia famige-
rado Dionizio prendeo aos cidados Eneas e Laran-
i jeira, por fazerem parle das pessoas, que se acha-
vam no largo do Carmo e serem do 2* quarieiro,
dizend que se achavam presas ordem do Dr.
chefe de pelicia, para serem processados por cri-
me de re*isleniia : ora, Srs. redactores, se Eneas
e Laranjeira estovan) presos a ordem do Dr. chefe
de polica, para serem processados, por semelhan-
te crime, podiam ser soltos, como foram, sem
que o famigerado Manoel Dionizio commellesse
um crime? Por cerio que nao. No dia 28 para
129 o mesmo sub-delegado, com o alferes Maricas,
(o Lapa) que nao traficante, nem furia, cerca-
ran algumas casas na praia de S. Francisco, e ti-
raran de urna dellas a Francisco Gabriel das Cha-
gas, para recrula, ordem do Dr. chefe de poli-
ca ; parece tambera que nao o poda fazer, sem
cqmmeiier um crime No mesmo da e occasio
nao tendo achado em casa Joo Francisco de Oli-
veira, hornem rasado e honrado, passou dizer
sua famiiia que, como nao havia achado o pai de-
vera levar para a cadea aquella solleirnhas 111
E o que mais admira, Srs. redactores, que o
sub-delegado livesse mandado ama das Olhas do
Oliveira levantar a saia para ver se seu pai ali
estava II!! Em fim, Srs. redactores, um sub-
delegado, que manda chamar o esrrivo (por es-
cripia) para fazer vistura em cadver muri; e
o governo nao sabendo dessas ineptidoes, lancou
mo d'elle para autoridade puhlica.
E anida appareceu esse suo-delegado na praia
de S. Francisco para cercar a prnpriedade do te-
nente Felippe Manoel de Chrislo Leal, e lirar, co-
mo efectivamente lirou, preso para recruta ao ci-
dado Joo Francisco Renovalo, hornem cajado e
rahahelilado pelo padeciinenlo de urna hernia. Pe-
dimos Dos que livre os parochianos da s de
Olinda dus furores de sementante cholera.
Olinda, 3 de dezembro de 1864.
Imbuzeiro;
; appellado,
; appellado,
NOVO BANCO DE PERNAMBUCO.
Hlamele do Novo Banco de Pernambuco em 31 de
Bovembre de 1861.
ACTITO-
Apoliresda divida publica........ 708:6725481
Estrada de ferro de Pedn. II...... 144:0005000
Estrada detono da Baha........ 131:(>7i706
Deposito......... 72:0005000
Jniis depositadas...... 5:7355280
Titulos depositados...... 72:6825^74
Letras depositadas...... 49:6852*3
Letras caucionadas..... 41:6305000
Letras descontadas..... 1:418:I36J7
Letras receber...... %154:3675"66
Letras protestadas......: 4045129
RM..H..M....... 12:6595092
Banco da Bahia N/C .... 201:0135890
Jos Antonio de Pigueiredo J-
nior do Rio de Jaueiro. 266:7275559
Alugnel de casa...... I:837500
Fornecimento....... 5:0005000
Premios de saques e remessas 1:3505000
Despezas geraes....... 8:7595233
Caita T........................ 433:7765916
Res. 3,974:5045664
PASSIVO.
Capital.......... 2,000:0005000
Emfcircula-
go..... 1,166:7005
Em caixa.. 33:3005
----------- 1,200:0005000
Depsitos da direcgo .... 72:0005000
C-.uiti ..rre.,i....>i,uple.......... 253:1345857
Funde de reserva...... 113:4475600
Titulos em caugo..... 128:09777
Knowles & Fosier, ( e Loadrea.) 155270
Banco da Bahia S/C 131:0795635
Saques........................ 2:8005000
llassas fallidas cargo do Basco. 1:5345861
Dividendos........ 5:9345000
Juros............................. 315173
Esta poesa do Sr. 2o lenle Antonio Francis-
ivi Diiji r(.
M.'NHA MAI.
Amor do mai a funte
De mil encantos dos cos I
Amor de mi fortifica
A r renca do nosso Dos 1
E' puru comu us cantares
Da patria, dus nossus lares,
Que s derramara nos ares,
Quando dizernosAdeos I
t ella que em oosso berco,
Carraho, mimos nos d;
Quem nos leva as mosinhas
Ao nosso Dos I Jehovah f
E' ella que exparge flores,
No nosso leito de dores,
Quando o fl dos dissabores,
No pe lo venido est I
E' ella que na desgraca,
Na hora triste, e fatal",
Imprimindo doce beijo,
Nos afugenta do mal I
Quem partilha nosso pranto,
Quem faz da ida um encanto!
Amor de mi to santo,
Que nao pode ter rival.
Minha mai! Eu te perdendo
No mundo ludo perd I
ra risonho esse lempo,
Que junto de ti fru!
Era feuz Oh I Q'eu era I
Dos das na primavera;
Quanta vida te nao dra,
Para verte junio a mi! t
Olinda.
No dia 27 de novembro prximo passado, dous
bois se aproseotaram na carapiua do Carmo de
Olinda : um bateo na vara, e o outro na vara o
as costas do topador.
A testemunha do Recife.
Pastilhas vpr ni i f usas *t Kemp.
Criangas atormentadas por vermes podem ser
alevaaas com urna s dse de paslilhas vermfu-
gas de Kemp que sao incitantes em apparencia e
deliciosas de mais no seu gosto para serem rejei-
tadas. Estas paslilhas sao muito procuradas por
quatro motivos; ellas nao contm mineraesnao
precisara depois de purganteefTectuam o que se
deseja sem causar dr-as criangas esto promp-
las a tomar mais do que marca a receila.
Nenhuma mi que j as tenha experimentado
urna vez quer ontro vermfugo na sua casa. A'
venda por todos os primeiros droguistas no impe-
rio e em Pernambuco por Caors & Barbosa e J.
da C. Bravo & C.
tinha alguma pessoa em casa, que Ihe ensinasse o
que devia fazer.
Quaotas vezes urna mi de familia, ou urna pes-
soa qaalquer, que lenha a devida pratica, salva um
doento por sou saber e experiencia.
Eu poderla explicar muitos lacios dcsta ordem
com pessoas de minha casa e at comigo, mas pa-
ra nao me tornar prolixo o nao fago, limitando-me
a explicar o que iulgo de mais utildade. A prati-
ca e experiencia me lera feito convencer, de qne
as febres e outros ataques que aecomineltem de
repente, os medicamentos, que se deven applicar,
sao aquelles que ajudam os esforcos da natureza;
e que as mudaugs das eslagoes, se est vendo
sempre os accommeliimeotos de molestias, quer na
primavera, no vero, outooo, e mesmo no invern,
e os factos de lameotar-se lodos os das se eslo
succedendo, porque no principio de urna molestia
nao se soube atalhar devidamente; Nao se esla
vendo todos os das que febres, que arcommeitem,
e que nao apreserriam logo mo signal, o deleixo,
o despreso do lugar a que apparega a dissoluco
podre do sangue, que d'ahi resultara as febres "de
mo carcter.
Nao quero com isto (Ufar, que, logo que alguem
se sima accommeltido de qualquer molestia, que
se sangre, use de vomitorios, purgantes violentos,
e applique-se visicatonos : nao ? Nao quero que se
perturbe a natureza; mas qne, no accommettimento,
qualquer que seja, se uze dos remedios, que os jul-
go inofensivos, o que reclamo: hinguem dir
que em qualquer febre nao se possa usar de um
purgante de limonada gasoza de citracto de mag-
nesia.
Eu explico o que tenho pratcado ne.;ses casos,
e que me tenho dado muito bem mando, que to-
me urna garrafa de curato de magnesia as chica-
ras, ou urna das plalas purgativas de veame, em
cima de>la, um copo d'agu. com assucar e o sue-
co de meio limo grande e maduro, ou de um sen-
do pequeo, e se no espago do dia nao zer o ef-
feito purganv e o desenibaracamento das ounnas,
mando lomar segunda do mesmo modo; pulula, e
limonada, o as vezes at lerceira. A noite mando
meter os ps em agua quente na oscasio do aga-
salho, e dar urna chicara de cha de flor de sabugo
tarabem quente com assucar, e se nao sentir me-
morar da dor de cabega, que quasi sempre acom-
panha esses ataques, acttosetho que applique sana-
pisino na barriga das peruas; nao tenho em letn-
branga que com esle meihodo tirasse mo resulta-
do, e niiiguem dir que este tratamento possa ser
nocivo era nenhura caso.
No principio de urna febre, indigesto, ou mo-
lestia desta ordem, a natureza geralmente solicita
evacuar por vmitos, ou por baixo; e se se ajuda
pelos raeios correspondentes, contribuir mnilo
moderar a violencia da enfermidade: e por esta
razo que a experiencia me lera convencido, que
uina, ou duas pilulas purgativas de veame, e era
cima agua, assucar e limo, se pode usar sem ne-
nhum risco, a a noite o cha de flor de sabugo, e o
mais como explicado tenho, nao usando soraente
das limonadas de citrato de magoesia e as garapas
com limo, as mulheres quando eslo regradas, fa-
zendo tudo, mas so com a suspengo destes dous
artigos, e somente com ?.s pilulas, e agua e assu-
oar.
Se no estado de sade algumas pessoas, que tem
usado das pilulas purgativas de veame, se lera da-
do bem na dse de mei pilula na occasio da co-
mida, e oalros urna, para regularisar a digesto,
como nao se usar no estado de molestia T Ni n-
guera poder negar, que aquellas naturezas, que
nao cursara, e nao lem as ourinas desembragadas
regularmente, vo bem, por que isto, nao so es-
queuta e inflama o sangue; mas os escrementos
deudos muito lempo no corpo se fazem acres e po-
dres, de jtit3 se segueta mas consequencias; por
isso inui conveniente usar-se de meia ou urna
plala purgativa de veame, anda mesmo no meio
da comida; pois a sua composigo tal, que nada
tem que possa enjoar ou encomraodar o estomago.
Mesmo pela economa san ellas preferives a oulras
pilulas purgativas que ah se venden, porque uina
faz o mesmo effeito que tres ou quatre das outras;
e fcilmente sao ellas divididas. Nao Impede que
se lome em cima, principalmente no calor, gara-
pas de tamarindos, de limo, de maraenj, e que
se uze das fructas, que a estago do lempo nos tem
proporcionado, e dos bauhos quer tepidos, quer
frios e geraes.
Jos da Rocha Paranhos.
COMMERGIO.
Cota^des offlciaes.
PRAGA DO KECIFE
DE i"*'
por arroba posto a
a de uEZE&ym
Aigooao oe Macelo
bordo.
Dubourcq Jnior, presidente.
Guimares. secretario.
Alfandega
itendimento do dia 1 a 3........ 89:5935796
(dem do dia ."................ 83:1385948
142:7327ii
HoTlbiento da alfandega
Volumes entrados com fazendas...
* com gneros.
Volumes sabidos
com fazendas...
cora gneros...
526
742
172
274
1,268
446
Medecina.
Um facto de bastante pezar, me faz lembrar ao
publico algumas cunsideragoes, que julgo uleis.
A Sra. D. Francisca Augusta de Albuquerque,
consorte do filho du meu estimavel amigo Dr. Ma-
' noel Lourengo d Silveira, moga robusta, que po-
zava da melhor sade, acaba de suecumbir quasi
de repente, e foi classiQcada a molestia pelo hbil
medico que a assistio, por febre perniciosa cere-
, bral.
Fiquei snrprendido quando rceebi a carta de
convite para assistir o seo enterro, e quando eum-
pri este dever, fui ao marido declarar-lhe, que o
acompanhava em sna dr, e saber como tinha
aquella mogasuccumbidu.e de quefD isse-me que
tinha tido ella urna indigesto, e que tal tinha sido
a infelicidade delle e della, ue nao tinha encontra-
do um medico naquelle da, e que esle facto Ihe
abalava o espirito, e fazia crer, que, se ella fesse
soccorrida logo, talvez nao suecumbisse; disse-lhe
au : V. porque nao foi a um boticario pratico
para iba ensinar o que devia fazer, nao v que a
primeira coasa que o medico receitou foi um pur-
gante de oleo de ricino, a que nra purgante de olea
de ricino ou de citrato de magnesia nunca con-
corran para o mal de nraguem, yisto qua V. nao
Dcscarregam no dia 6 de novembro
Galera franeeza A-tele -mercadorias.
Barca franeeza-Rapide mercaderas;
Barca nglezaMiranda -dem.
Encuna hollandeza-Spentlantdem.
Escuaa hanovenanaHermesdem.
Lugre dinamarquezF/orn diversos gneros.
Patacho dinamarquez Ventasdem.
Brigue escuna inirlezHolti/hockhacalho.
Barca ingleza John Matuut farinha de trigo.
Brigue nacional Alfredo carne de charque.
Impoi'taeo.
Galera franeeza Adelle, entrada do Havre, con-
signada a Tisset Freres, manfestou o seguinie :
32 caixas e 1 fardo tecidos de algodo, de la e
de buho, indianas, camisas, roupa, chapeos, papel
pintado, etc.; a Carneiro 3l caixas pannos, camisas, chapeos, flores arti-
ficiaes, papel, perfumara*, candes, mercadorias,
tima e obreias ; a Alves Hamburger & C.
15 caixas e 2 fardos tecidos de algodo, de la,
echinellas ; a Schafheitlim \ C.
i caixa livros, 1 dita cristaes, 1 fardo lecido de
la ; a Tn Cluistiansen.
200 gigos bdtatas, I fardo e 47 caixas tecidos de
alg..do, de la, de linho, de ditoe algodo, de la
e seda, pannos, cobertores, roupa para hornem e
senhora, lypos, prelo, e perteuces ; a Joo Keller
a C.
4 barris vnho, 1 dito agurdente; a A. Schafftcr
& C.
4 caixas pedras de lousa, 4 ditas ardozia, 1 dita
mercadura, 1 dita velas, 2 ditas perfumara, 2 di-
tas pentes e candes, 4 ditas papel do impresso,
5 barris pregos, 10 caixas papel para impremir,
merceara, quinquillaria, tinta vdros 1 caixa carias
de jugar, 1 dita riscadilho; a ordem.
95 caixas e 2 fardos tecidos de algodo, de la,
de linho, de dito e algodo, de la e seda, roussu-
lina, chapeos, roupa, metas de algodo, penles de
chilre e brinquedos, 3 tinas queijos ; a Linden Wild
St C.
t caixa piano; a J. P. Vogeley.
4 ditas sardinhas era azeite, <8 ditas e i fardo
panuos, chales de la, rendas, tecidos de algodo,
e pellesde inarroquim ; a Monhard & C.
16 caixas e 1 barrica porcelana, vidros, candiel-
ros, cristaes, etc. : Duarte Pereira k C.
13 fardos e 23 caixas tecido de algodo, dito di-
to e seda, casimira, tarlatana, pannos, camisas de
algodo, chapeos de sol de dito, calgado, modas,
chapeos, msicas, couros, objectos de seleiro : a F.
Sauvage.
150 barris e 150 meios manteiga, 25 gigos cbara-
panhe, 2 barricas flo de lato, 1 caixa cartoes va-
stos ; a Tisset Freres.
8 caixas chapeos, bengallas, roberas para cha-
peos de sol e caxirabos ; Manee] 4 C.
30 caixas, tecido de algodo, calcado, cartas de
jogar perfumara, fitas de seda, cordao elstico, Do-
nis, oculos, esporas, pentes, fio papel o chapeos ;
a Mello Lobo & C.
50 barris e 50 meios manteiga 28 ditos rinho
tinto e branco, 10<> ditos cimento, 1 caixa conserva
alimenticia; a II B. Lasserredi C.
4 caixas porcelana, cristaes e objectos para casa;
a Jos dos Santos Neves.
1 caixa um armario e objectos para easa; a M.
C. Leite.
30 barris e 40 meios manteiga; a A. A. Go-
mes.
2 caixas e 2 barricas Instrumentos de msica,
globos e vjdros para candieiros ; a L Doloucbe.
5 caixas movis; a T. de Vareilles.
caixa livros; a Guimares & Oliveira.
8 ditas tecidos, pannos de linho, chapeos e quin-
quilleras ; a Guilherme da Silva Guimares.
29 ditas e 12 barricas papel, perfumarla, liaha,
mercadoria, pe les, movis, tapetes, vidros, obras"
de Flaodres, cutileiros ; a Pareute Viaona & G.
5 caixas fumo, papel, porcelana, etiquetas i a J.
B. dos Reis.
50 bams e 50 meios manteiga; a Manoel J. R.
e S. & Georo.
2 calzas medicamentos: a Bartbolomeu F. de
Souza.
70 barris e 100 meios manteiga! a J. Pater
& C.
1 caixa pianno -, a J. Cardoso Ayres.
25 barris e 25 raeios manteiga ; a Candido A.
Sodr da Molla.
75 barris 75 meios manteiga, 10 caixas sardi-
nhas ; a Vicente F. da Costa & Filhos.
4 fardos tenidos de algodo ; a Rabe Scbamettau
& C.
1 caixa ferro para segeiro; a E. Bourgeois.
36 caixas chapeos, perfumaras, chales, pannos,
hnha, camisas, calgado, tecido de algodo, dito de
la, couros, roupa, etc.; a Henrique de Azevedo.
6 caixas tecido de algodo, reodas, musselinas,
saias, chapeos, etc.; a A. C. de Abren.
17 caixas chapeos, la, couros, cristaes e perfu-
mara a Vaz & Leal.
14 caixas roopa panno, tecido de algodo, objec-
tos de seleiro, indianas, productos cbimicos, caixi-
ihos ; a Damrnayer Carneiro.
200 gigos batata, 15 fardos e 75 caixas tecido de
linho, dito de algodo, do la, bonets, chapeos,cou-
ros, modas, papel, movis, calgado, pannos, roupa,
etc.; a E. A. Burle & C.
50 raeios barns manteiga; a Barbosa & Primo.
5 caixas calcado : a Campos & Pereira.
15 barris e 30 meios manteiga ; a Tasso & Ir-
mos.
1 barrica porcelana, 2 ditas figuras de barro, 1
dita vidros; a J. P. Moutlnho.
1 barrica porcelana; a Joo Antonio Pereira.
3 caixas verniz, tinta e vidros; a J. M. da Cruz
Correa^
'O caixas sedas, chales, linha e couros : a D. P.
Wild.
6 caixas fitas de seda, chapeos de palha, ditos
de seda para hornera e ditos de feltro para senho-
ra ; a Chrsliani Irraos.
4 caixas pelles envernisadas, ditas de marro-
qu ra e calgado; a Carlos Leclere.
2 caixas calgados; a Arantes.
9 ditas e 12 fardos panno de linho, tecido de al-
godo, dito de la ; a Ferrira & Matheus.
15 barris, 1 fardo e 43 caixas tecidos de algodo,
de linho, camisas, longos de seda, chapeos de la,
pannos, perfumara, cartdes vazios, cartas de jo-
gar, mollas, bengallas, calgado, papel, pregos, bo-
t5es. ditas de madreperola, pentes de chifre, cou-
ros, quinquilharia, agua mineral, etc.; a Monteiro
& Lupes.
49 caixas e 6 fardos chapeos de laa, bonets, mer-
ceara, leogos de seda, tecido de linho, dito de al-
godo, chales de la, ditos de algodo, oapos de
encerado, pelles, botoes, tecido de la, camisas cha-
pos de feltro, bonets, etc.; a Ferrira & Araujo. |
1 caixa chapeos ; a L A. Siqueira.
1 dita vidros : a Joo da C. Bravo.
4 ditas cordo de algodo, espoletas, caixas para
rap, e meias;" a J. C. Duarle Ribeiro.
1 caixa pelles de marroquim ; T. Bastos & Ir-
mos.
2 caixas caximbos, caixas para rap, cartoes,
albuns ; a E. da C. Medelros.
5 ditas objectos de papello, vidros, chales de
la, roupa para humera, artigos de moda, riscadi-
lho, calcado, cristaes, chicotes, etc.; a A. C. Hol-
landa.
1 caixa chumbo era folha; a Caora & Bar
bosa.
2 ditas productos chlmtcos; Eugenio & Mau-
ricio.
4 ditas vidros e productos chiraicos ; Lehman
Irmos.
8 caixas cidos, drogas, artigos de pharmacia,
vidros, etc. ; a P. Maurer & C.
3 caixas phosphoros, fumo e quinquilharia ; a J.
L. Buurgard.
21 caixas vidros cartoes, tinta drogas e acido;
a Joo da Silva Faria.
10 barris e 20 meios manteiga, 17 caixas ins
(runenlos de musjea, vidros, porcelana, chapeos,
selluis, argoes, fumo, molduras e objectos para pho-
tographia, acido e productos chimicos ; a A. Rubert
Si Filhus.
91 .fllrate n;irfnAc. pnc*Q. IWM4nr*a india-
nas meias, tecidos de la, dito de algodo, creoes,
perfumara, botoes, papel, toucas, chapeos, artigos
de photographia, productos chimicos, espoletas, es-
partilhos, cabello, perfumara, couros, bambas,
quinquilharia, etc.; Deocker & Barroso.
30 barris e 30 meios manteiga, 27 caixas vidros,
argoes, couros, movis, pentes, marmores, chapeos,
modas, etc. ; a Isidoro Netlo 4 C.
Vapor inglez Paran, entrado de Southampton,
manife'-iou o seguinte :
1 caixa mercurio ; a J. J. da Cosa Ferroira.
1 dita vinho ; a Pereira & Carneiro.
1 dita obras de prata, 1 dita relogios; a Leha-
mann Freres.
2 ditas doces; a Andrade & Mello.
1 dita livros ; a Jos Joaquim da Silva.
8 ditas rap, 4 ditas doces; a Thomaz de Aqui-
no Fonceca
1 caixa diversos objectos, 4dtaspeixe; a Jos
Joaquim da Costa Maia.
1 dita publicagoes; a ordem.
1 dita livros ; a J. N. d -ouza.
3 ditas fulhas de chumbo e de flandres, 1 dita
renda de algodo ; a J. Esnaty.
. 1 cexto bichas ; a R. e Silva A Genros.
2 caixas modas ; a Vaz & Leal.
1 dita chapeos de palha e de feltro; a Christiani
Freres.
1 dita retratos ; a M. J. S. Santos.
1 dita chapeos de palha ; a Ferrira & Matheus.
i dita perfumara ; a M. da Silva Nogueira.
I dita objectos particulares: a Pedro Demby.
3 ditas mautmentos ; a P. F. Needham.
1 dita objectos para jogo de Ckricket.
4 ditas fitas de seda, vestidos, roupa e cabello ; a '
Mello Lobo & C.
3 caixas modas e drogas ; a E. A. Burle & C.
3 ditas chapeos, modas rendas e luvas ; a Mon-
teiro Lopes & C.
1 bah, objectos particulares; a Adamson Howie.
30 caixas e 2 fardos fazenda de algodo, de li-
nho, myxta, rendas de algodo, couros, bVzerros,
pertences para relogios, sedas, etc.; a D. P. Wild.
3 caixas chales de la, a F. Sauvage & C.
1 dita objectos para chapeleiro; a Carneiro &
Nogueira.
10 caixas queijos; a Manoel & C.
6 ditas queijos; a Duarte a G.
35 ditas ditos ; a Brender a Brandls.
4 ditas ditos, 5 ditas fazenda de algodo ; a J. A.
de Araujo & C.
32 caixas queiros; a Palmeira & Beltro.
1 volume chapeos de palha; a Power & Jahns-
ton.
9 caixas e 1 fardo fazenda de algoeo, de seda
e filas de seda ; a Linden Wild & C.
1 caixa elsticos de seda ; a Manoel Ignacio de
Oliveira Filho.
12 ditas fazeadas de seda, de la, lencos de seda,
chapeos de sol; a Joo Keller 4 C.
13 caixas e 4 fardos tapetes, meias de algodo,
fazendas de dito, do linho.de la, myxtas, chapeos
de sol de alpaca, camisas, etc.; a A. C. Abreu.
3 barricas presuntos, 3 caixdes queijos a M. J
G. Fonte.
3 barricas ferragens, 1 dita tecidos elsticos, 1
dita rendas de algodo; a Prente Vianna 4 C.
2 caixas fazendas de algodo ; a Dencker & Bar-
roso.
2 caixas fazendas de seda e diverso; objectos a
Th. Chnstiansen.
15 caixas chapeos de sol de alpaca, fazendas de
algodo, de la, mixta, brim de Hubo, meias, etc.-
a Ferrira <& Araujo.
5 caixas modas, couros, chales, calgados e cha-
peo.-!; a Vaz St Leal.
26 caixas agulhas, fazeadas de la, de algodo,
mixta, leogos de linho, miudezas, artigos de cha-
peleiro, cabellos, camisas, confeitaria, ferragens e
chapeos; a Henrique & Azevedo.
30 barris e30 meios manteiga, 28 calas vidros,i
argoes,couros, movis, pentes, marmores, chapeos,!
modas, fazendas de la e de algodo, 1 barril prer
sunlos, 7 caixas queijos; a Isidoro Netto A C.
I caixas miudezas; a Alves Hamburger & C.
6 caixas cha; a Henry Forsler A C.
1 caixa queijos; a Soutball Mellors.
35 caixas queijos; a N. O. Bieber & C
20 ditas ditos; a F. G. d'Araujo.
32 ditas ditos; a V. F. da Costa & Filhos.
10 barris e 20 meios manteiga, 17 caixas mol-
duras, objectos de phothographia, producto.- chimi-
cos, fumo, aax-Idos, merceara, perfumara, instru-
mentos de msica, etc.; a A. Robrrl A Filhos.
I cana objectos para den lista; Caors & Bar-
bosa.
26 caixas fazendas de algodo; a J. Ryder
o C
Icaixa albuns; a Eugenio A Mauricio.
55 caixas queijos; a Tasso Irmos.
20 caixas queijos; a Jos M. da K.>sa.
10 caixas queijos; a J. F. Valente.
1 caixa objectos de escripiono; a J. Palor & C.
1 dita livros; ao Dr. Cla>k*.
1 dita impressos; a W. G. King.
1 barrica louga da China; a A. Schafter i C.
1 dita bixas; a J. A. M. Dias.
11 volumes passas ; a C. G. BreckenQeld.
3 caixas livros; a J. A. dos autos Lessa.
10 cextos casianhas ; a Luiz Pereira Lima <& C.
i caixa livros; a A. M C. Soares.
25 canas parafuzos, pregos, fechaduras, india-
nas, meias, tecidos de la, de algodo, credos, per-
fumaras, bo:es, papel, toucas, chapeos, artigos
de phothographia, productos, chimicos, espoletas,
esparlilhos, cabello, perfumara, couros, bombas e
quinquilharia; a Dencker A Barroso.
1 caixa modas ; a A. Luiz dos Santos.
50 barris manteiga ; a Saunders Brothers.
2 caixas cha, 4 ditas fazenda de linho, dita de
la, meias c chapeos de sol; a Luiz Antonio de Si
queira.
' caixa objectos de escriptorio ; J. J. Bailar
Jnior.
4 caixas figos; a Silva A Souza.
Vapor nacional Cruzeiro do Sal, entrado do Para,
manfestou o seguinte :
Do Para.
1 caixa botoes de osso, 25
lata agafro e 759 barricas farinha de trigo ; a
ordem.
i barril oleo de cupahiba, 30 rollos salsa ; a
ordem.
Do Maranho.
Gneros estrangeiros.
30 barricas farinha de trigo ; a Theodoro Chrls-
tiansem.
40 larris manteiga ; a Ferrira & Loureiro.
300 barricas farinha de trigo ; a ordem.
Hiale nacional Exhalar.fto, entrado do Aracaty,
consignado a B. G. do Amaral, manfestou o se-
gniute :
1 embrulho pennas de ema, 37 saccas algodo,
39 ditos cera da carnauba, 54 caixas velas de dita,
479 meios de sola, 75 couros salgados ; a J. de S
Leito Jnior.
39 saceos cera de carnauba, 19 ditos algodo; a
Prenle Vianna & C.
32 saceos algodo a Thomaz Lopes da Silva.
Hiale nacional Lindo Paquete, entrado do Mara-
nho. consigoado a A. de Almeida Gomes & C,
manfestou o seguinte :
95 couros salgados e 120 courlnhos; a Sebastio
Jos da Silva.
155 alqueires de sal, 7 saceos resina de angico,
6 Jacazes rom 40 arrobas de carne ; 21 couros sal-
gados, 36 saceos cera de carnauba e 458 ditos de
algodo ; a ordem de diversos.
Iliate nacional Invensivel, entrado da Bahia, con-
signado a Araorira A Irmos, manifeslou o se-
guinte :
11,000 barricas de charque, 200 ditas de sebo
em rama, 20 barricas dito coado e 56 couros vac-
cuns ; a ordem.
Barca ingleza John Matheus, entrada do Phila-
delphia, consignado a Matheus Austin & C, mani-
feslou o seguinte :
,180 barricas farinha de trigo, 20 ditas dita de
milho, 480 barriquiuhas bol.ixinha, 20 cadeiras de
balango, 25 barris pregos, 9 machinas para pada
ria, 926 resmas de papel de embrulho 3 volumes
contendo I carro, 3 caixas livros, mappas e diver-
sos arligos; aos inesraus.
Escuna nannoverlana Hermes, entrada de An-
tuerpia, manfestou o seguinte :
2 caixas machraismo ; a A. Valentn da Silva
Barroca.
5 ditas papel para escrever ; a Olto Brothers
&C.
3,500 saceos con 17,500 arrobas de assucar
cavado :
Brigue inglez James Stuart, carreje* para Li-
verpool :
658 saceos com 3,'89 arrobas e 24 libras de al-
godo, ,300 sarcos com 6.500 arrobas A* ase-ucar.
Keeebedorla de rem** nteraat*
geraes de Periaahira.
Rendimentc do dia 1 a 3......... t.mMSt:
dem do du 5................. I 24I5M7
Consolad* provincial.
Raiidimento do dia I a 3
dem do dia 2
11 4453%;
.3735011
19 5205*
MOVIMENTO DO POETO.
Naci entrado no din 4.
Rio de Janeiro pela Baha10 da*, vapor agiVz
Mcmnom, de 927 toneladas, rommandante John
oo, equipagem 39, carga diversos gtaerns
5
Bostn30 das, hiate americano Vm, aVK*k>
neladas, capilo G. D. Letio, equipagem em
lastro ; a ordem veiu refrescar e srgne para
Mianghac.
Cardiff-37 das, barca ingleza 1jk Orf. de l'"
toneladas, capilo I. F. Cher.ilicr, equipagem p
carga carvo ; a Wilison tV I tt.
Liverpool38 das, hri^ue fagan ilaud, t> 23*
toneladas, capilo John Storm, equipagem '.?, car-
ga vanos gneros a Rabe Srhameiuu A ('.
barris manteiga, 1 I Golhernbourg -40 das, brie sueco Mar, da 225
toneladas, capitn Lorqn-t, equiparen 11, car-
ga madeira ; a Rothe itnbiuiac.
Terra-N'uva28 dias, narra ingleza Mfttor. de Wt
toneladas, capilo George Han, e carga 2,250 barricas com bacallao a ordem.
Observago.
Nao honveram sahidas.
EDITAES.
1 fardo tecido de la, 1 caixa amostras ; a Joo
Keller A C.
300 caixas vidros para vidragas; a K. A. Borle
AC.
19 caixas espingardas e escovas : a Prente
Vianna A C.
. 127 barris pregos ; a L. A C.
200 caixas vidros para vidragas, 1 dita chapos;
a Saun lers Brothers & C.
4 fardos tecido de algodo, I caixa perfumarla ;
> M. I.op.c ,1. C.
565 gigos batatas, 200 caixas vidros para vldra-
gas, 47 barris tintas, 5 ditos pregos, 19 caixas pa-
pel de escrever. 17 ditas e 4 fardinhos dito de im-
primir, 2 volumes amostras ; a ordem.
14 fardos papello, 12 caixas espelhos, 60 ditas e
4 barricas ferragens, 18 barris pregos, lOO ditos
genebra; a Brender Brandis.
40 caixinhas verniz, 63 ditas e 34 barris traas;
a N. O. Bieber A C.
50 caixas vidros para vidraga, 4 ditas agua de
colonia, 12 ditas e 6 fardos tecido de algodo, 2 vo-
lumes amostras ; a Linden Wild A C.
13 caixas papel, 4 tiarns zinco, 3 caixas obras
de vidro, 3 volumes amo-tras; a Schaheillii & C
Escuna hamburguesa Verilas, entrada de Ham-
burgo, consignada a^Rabe Schmetlau A C, mani-
feslou o seguinte :
61 barris vinho, 30 ditos salitre, 2 caixas conser-
vas, II ditas papel, 3 ditas couro de lustre, 1 dita
chapeos de sol de alpaca, I dita miudezas, 1 dila
utencilios de escriptorio, 2 fardos saceos vasios, 7
1 caixas fazendas de algodo, i dila livros, 2 volu-
| mes amostras ; a Rabe ciunettaa & C.
1 caixa chales de la; a J. Keller & C.
1 dita miudezas, i dita obras de vidro, 1 dita
barbante ; a B. F. de Souza.
4 ditas espelhos, 5 ditas couro de lustre, 2 ditas
fazendas de algodo, 14 ditas ferragem ; a D. P.
Wild.
200 caixas e 100 barricas genebra, 100 ditas
cerveja, lOO ditas vedas, 2 ditas miudezas, dita
chapos, l dila bolacha, 5 fardos estopa, 300 paco-
tes papel de embrulho, 40 volumes louga, 240 ta-
boas, lastros de carvo do pedra ; a Geb Chris-
tiani.
i barril brinquedos, 1 caixa miudezas; a Vaz &
Leal.
2 caixas couro de lustre, 4 ditas cartas de jogar;
a Izidoro Netto rv C. O
15 ditas obras de vidro, 3 dilas couro do lustre,
2 ditas fazenda de algodo, I dita vidro, 6 ditas
cerveja, dila salame ; a Dencker A Barroso.
5 barris giz, 3 caixas vidros ; a Juo da Silva
Faria.
2 caixas fazenda de alfrodo, 3 ditas meias de
dito ; a Henrique & Azevedo.
O Illm. Sr. inspector da thesooraria proviB
cial, era cumpriineiilo da resolugo da juntada
fazenda, manda fazer publico, que no da 7 de
dezembro prximo vindouro, peranie a mi mi
junta se ha de arrematar quem por meaos lizer
o corten da illumraago publicada cidade de Goi-
anna, avahado cada um lampio em 291 rs. per
dia.
A arremata cao ser feita por lempo de om an-
no, a contar do 1" de Janeiro a 31 de dezembro de
1865.
As pessoas que se proposerem a essa arrema-
taran rompa regam na sala dassessdes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia.
competentemente habilitados.
E para constar se manden publicar o presente
pelo jornal.
-er retara da thesooraria provincial de Pernam-
buco 9 de novembro de 1864.
O secretario,
A. F. d'AnDunriago.
O Dr. Hermogenes Scrates Tarares de Vasroneei-
los, juiz municipal da primeira vara nota cida-
de do Recite, por Sua Magestade Imperial e Caae-
tilucional, etc.
Fago saber aos que o presente ediial viren eaa
como por este juizo se ha de arrematar \<,t ip>m
mais der, lindos os dias da le, um sobrado it tres
andares e soto n. 59 na ra da Praia, fregoezia
de Santo Antonio, em chaos fureiros, com 3 .atlas
5 quartos e cozniha em cada andar, sendo a coti-
nha do tenviro andar no sota.), o qual grande,
I consta de duas portas de frente a raraada de Ierra,
i tendo dila casa 30 palmos de vo na largura e I Mi
! de fundos, pequeo quintal murado, avista do Ga-
do en que se acha avallado em 15:00>*50>a>, pe-
nhorado a Jos Hygino de Miranda e sna inuUter
por execugo de Custodio Jo> Vianna.
Toda a pessoa que em dila propriedade quizei
langar o poder fazer nos dias d praca.
E para que chegue ao cunberimenfo de Indo*,
mandei passar o presente que sera publicado e af-
lixado no lugar publico do co>tunv-
Dada e paseada nesta cidade do Rerife, aas l!
de seleinbro de Is.
Eu Pedru Ti rtuliano da Cunha, eserivo a es-
crevi.
Hermogenes Scrates Tavares de Vaseoarellos.
DEGLABCOES.
COMPANHIA
DO
I volume amostras; a
3 ditas
Vianna
Joa-
' dita la para bordar,
Linden Wild i C.
i9 caixas me:as de algodo, 1 dita fitas,
ferragens e obras de lato; a Prente
&C.
2 caixas e 4 pacotes ferragens; a Manoel
quira R. e Silva A Genros.
2ciaxas fazendas de algodo, 1 pacote amostras;
a Alves Hamburger A C.
1 caixa manteiga, 6 ditas mobilia, 5 ditas fazen-
das de la e algodo, 1 pacote amostras ; a Car-
neiro & Nogueira.
8 caixas vidros, 2 volumes amostras ; a Th. A.
Dammayer. *
80 caixas vinho; a N. O. Bieber A C.
1 caixa fazenda de algodo; a A. C. de Abren.
4 caixas miudezas; a ordem.
Barca iogleza Olicier Jean Hart, entrada de
Cardiff consignada a Wilson 4 Hette, manfestou
o seguinte:
282 toneladas de earvgp de pedra ; aos mesme.
Barca ingleza Belte Paule, entra la de Cardiff,
consignada a Wilson & Hette manfestou o seguin-
te :
Barca ingleza Look Out, entrada de Cardiff, con-
signada a Wilson A Hette manfestou o seguinte :
307 toneladas carvo de pedra ; aos m-smos.
Brigue escuna inglez Hollyhock, entrado de Ter-
ra Nova, consigoado a Saunders Brothers A C, ma-
nife.-ton o seguinie :
2,035 barricas bacalho; aos mesmos.
Brigue inglez LofAiin, entrado de Cardiff, con-
signado a Wilson it Hette, manifeslou o seguinte:
408 toneladas de carvo de pedra; aos mesmos.
Exportaco.
Escuna bamburgueza Regme, carregou para a
Canal '
1,900 saceos com 9,500 arrobas de assucar mas-
cavado.
Escuna hanoveriana John Frederich, carregou
para Liverpool :
53 EJ 21 m 3SJ62I o
O caixa dcsta companhia rninmrii.bilor
Tbomaz de Aquino Fonseca acba-st* .uitori-
sado a pagar no seu escriptorio na de
Vigario n. 19, das 10 horas as 3 da larde
do dia 1 de dc/.embro prximo m dian-
o 33 dividendo desta companhia na pro-
porreo de 3.5 por cada arca, prevrn*-?e
aos Srs. accionistas qne esle pagamento de-
ve ser em moeda de cobre que na espe-
cie que o mesmo Sr. caixa tem receido dos
arrematantes dos cbafarzes desta otm-
panliia.
Roga ao mesmo tempo ns Srs. Mritffr
tas que deixarnm do receber os di\ hiende*
airazados, se dignem de comparecer no lu-
tar indicado para rccebc-los e saldar a
caixa.
Escriptorio da Companhia do Beheribe 18
de novembro de IS.
O secretario,
Jos Eustaquio Ferrira Javoba.
Em nome da mesa regedora da r-
mandade do Sanlissimo Sacramento da nu-
triz da Boa-Vista, convido a torios oa irmans
para que se dignem comparecer no dia 8 il
corren te, pelas 8 huras da manha no con-
sistorio desia irmandade, aim de que ea-
corporados poseamos arompanhar a traste
dacao do Santissimo Sacramento para sna
nova matriz do S. Jos, e assistirmos a fes-
tividade da nauguiaco do mesmo templo,
em virtude do convite do Exm. e Rvjn. S\
vigario capitular.O escriv3o, Manoel Zt
ferino Dias Brrelo.
Santa Casa da Misericordia do
Hecife
Perante a Illma. junta administrativa da Saat
Casa de Misericordia do Recife, ao da 9 do car-
rente, pelas 4 horas da tarde, na sala de ama an-
soos, tem de ser arrematado o foroecinean das
seguintes materia** : SO encbamets de 5 atrfngav
da quartradas, 100 travs de 7 po legadas ju idra
das e 30 de com primen lo, lijlo da alveaaria gros-
sa, cal prria, areia e taboas de assoalho da h>mro.
Os pretendmtes deven apresentar as suas pro-
posias em cartas fechadas.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re
cife, 5 de dezembro de 1864.
O ater vio,
F. A. Ceualcanti Coussew.
A Illma. junta administrativa da SaaHa Ca
deMisericordia do Recife, tendo de contratar as re-
paros do sobrado da ra Nora a. 5 >, eoaaf aa
pessoas que se quizerem eocarregar dos referidas
reparos a comparecerem nesta secretaria daa t ha-
rs da manha s 3 da tarde, ato da nliriam as
necessarias informaedes para podaran facer a res-
pectivo orcamento.
Secretaria da anta Casa de Misericordia do Re-
cife, 9 de dezembro de 1864.
_ Onwrria,
FA.CtntamtiC-SMm;.
- Terca-feira 6 de detembro, depon da ton
aa udiencia do llim. Sr Dr. jota nunVipal da r*
vara lem de ir a praca para ser irrrnaiidj, par
sera ultima praca, o escrarada aanJnr, ov
neeiro, cora idade de 50 i
nos, avahado em 3004.
ILEGIVEL
Til
MUTILADO
v.
'


Diarlo e -eraaMb.ieo Terca felra e Dezembroj i94.
Santa Gasa da Misericordia de ecifo.
De conformidade com as ordens da llltna. jutita
administrativa da Santa Casa de Misericordia do
Recife, couvido jo inleressados pelas oiphas
abaixo declaradas a apreseniarrra, com a maior
brevidade possivel ne?ta serretaria, as certidoes de
baptismo das mesmas orphaas, visto eonio lendo
ellas de fazer a saa primejra coromunbo no dia
8 do prximo futuro mez de dezenibro, nao consta
do archivo desta secretaria qne eslejam baptisa-
ias, a saber :
Rita Candida de Soaza.
Florinda.
Neomisia.
Minervmade Azevedo.
Mana Amalia dos Anjos.
Mara Lins.
Ouiteria dos Prazeres.
Alexaudrina Cavalcanti.
Leopoldina da Paixo.
Armioda de Brito Carvalhe.
Joanoa Pereira do Carino.
Olimpia Adelayde de Oliveira.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Becife, 29 de novembro da 18tii.
O escnvje,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
De ordem do Illtu. Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda desta provincia se faz publico para
conhecimento de todos a circular do tribunal do
thesouro n. 46 de 4 do corrente mez, abano trans-
cripta.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 29 de aovembro de 1864.aervindo de
oulcial-maior, Manuel Jos Pinto.
CIRCULAR N. 46.
Ministerio dos negocios da fazenda.Rio de Ja- j
neiro em 4 de novembro de 1864.
Carlos Carneiro de Campos, presidente de tribu- j
nal do thesouro nacional, lendo resolvido que se;
sub.-tiluam as notas de 100,8000 da ',', estampa, or-
dena aos Srs. ins|)ectorcs das thesouranas de fa-
zenda, que mandando pnblicar esta resolurao por
nuncios nos peridicos das provincias, e poredi-
taes afflxados em todos os municipios, procedam a
referida sub respectivas thesourarias, solicitando a remessa dos
fundos precisos, no caso de deficiencia da mesma
renda ; e remellan mensalmente ao thesouro as
notas qne se forem snbstiluindo, devidamente ca-
rimbadas e inutilizadas.
Nos annuncios e ditaes far-se-ha a declarado
de que em lempo competente se marcara o dia em
que deve principiar o descont da lei no valor das
notas que nao tiverem sido at ento substituidas.
Carlos Carneiro de Campos.
THEATRO
DE
. ISIBEL
EMPREZA
GERMANO & GOIMBRA.
i2arecil* k assignatara
QlARTA-rEIRA 7 HE DEZRMRRO HE 1864.
fer lugar a primeira represenlacao do grande
e magniflco drama sacro, ornado de coros e de
lindas transformares, dividido em 4 actos e 8
quadros
A VIDA, MllLAGBES E MAKTYR10
LEILAO
DE
Um sobrado.
tijiiarta-feira 9 do corrente.
s 11 horas da manha.
I O agente Aureliauo legalcente autorlsado ven-
der era leilo um sobrado de um andar no becco
I do Padre n. 8, o qual rende .'725 annuaes.
No dia cima indicado na p irta dos Srs. Palmei-
ra & Beltro, para infermaeoes dirijam-se ao re-
ferido agente. .
SANTA CECILIA
PROTECTORA D% MSICA
.PERSONAGENS.
Cecilia .
Alina, sua aia .
O anjo......
Almaco, prefeito -
Valeriano, general romano
Aorelio; pai de Cecilia .
O summo sacerdote .
D. Antonina.
D. Mara PoAtes.
D. Camilla.
Germano.
Lisboa,
Coimbra.
Porto.
C0I?4\HIA
DE
Seguros Martimos Utilida-
de Publica
Nao se tendo reunido no dia 30 do passado no- i
mero sufliciente de assiouistas para assembla ge-'
ral, a direccao novamente os cojjyoca para o dia 6
do crrenle ao meio dia. *"^
Recife i" de dezembro de 1864.
Os directores
Feliciano Jos Gomes.
Domingos Roprigues de Andrado.
Pela secretaria da cmara municipal desta
cidade sao convidados novamente, de ordem da
mesma cmara, os propnetarios dos terrenos des-
tinados ao passeio publico projectado, os quaes es-
lio comprehendidos entre o Hospicio e a ra da
Saudade, comecando da ra de 100 palmos que
vem da ponte de Santa Isabel al a chamada do
Slarr, e comprehendendo tambem o alagado con-
tiguo mesma ponte at a ra da Aurora, cujos
proprietarios devero apresentar na dita secreta-
ria suas propo>tas, declarando a estenco de seus
terrenos, frente e fundo, e o prefo dos inesmos.
Secretaria da cmara muni-ipal do Recife 30 de
novembro de 1864.O secretario.
Francisco Canuto da Boa-Viagem.
Consnlado provincial.
Pela mesa rio consulado provincial se faz publi-
co que os 30 dias est'io marcados para a cobranea
a bocea do cofre do 1 semestre do anno financei-
ro da 1864 a 18tio dos imposios da decima dos pre-
dios urbanos das freguezias desla cidade e dos.
Alagados, e de 5 / sobre a venda dos beos de
raiz perteneentes a corporacao de mao mora, se
principian! a contar do 1 de dezembro vindouro,
candu sojeilOS a multa \i 6 "/ tdoS os ruipiri-
buiutes que pagarum depois de lindos os ditos 30
dias.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco,
26 de novembro de 1864.
Antonio Carneiro Machado Ros,
Administrador.
Correio gem.
Pela administrarn do correio desta cidade se
faz publico que em virtude da convenci pastal
celebrada pelos governos brasileiroe francez serao
expedidas malas para Europa no dia 30 de novem-
bro corrente pelo vapor francez Navarre. As car-
tas sero recebldas al 3 horas autes da que for
marcada para a sahida do vapor; e os jornaes al
i horas antes.
Administracao do correio de Pernambuco 23 de
novembro de "1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Crrelo.
Pela administracao do correio desta cidade
se faz publico para lins convenientes, que em vir-
tude do dlsposlo no artigo 138 do regulamento pe-!
ral dos correios de 21 de dezembro de 180 i e arti-
go 9 do decreto n. 78.* de 15 de maio de 1831, se'
proceder o consumo das cartas existentes na ad-
ministracao pertencentes ao roez de novembro de
1863, no'dia 2 de dezembro prximo, as 11 horas
da manhaa, na porta do mesmo correio, e a res-
pectiva lista se acha desde j exposta aos interes-
sados. I
Administracao do correio de Pernambuco 23 de
novembro de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
De ordem do Illm, Sr. Dr. procurador fiscal,
da thesouraria provincial avisa-scaos devedores de |
dcimas e de diversos outrus impostes, que as re-
lceles respectivas se achara em seu poder para(
serem ajuizadas ; aquelles, pois, que quizerem pa-
gar com guias da mesma procuradona, podero
solicita-las no escriptorio da ra do Crespo, para
o que se Ihes concede o praso de 30 dias, contados
de boje. Becife 3 de dezembro de 1864. 0 soli-
citador da fazenda provincial,
Joao Firmino Correia de Araujo.
Couseluo administrativo.
0 conseltio administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra precisa comprar os gneros se-
grate* :
Para a colonia militar de Pimenteiras.
6 limas chatas de 15 16 pollegadas.
6 ditas ditas de 10 12 ditas.
4 ditas de roda.
4 ditas meia-cana de 6 8 pollegadas.
1 tarracha fina.
2 tornos para bancadas.
2 pedras para aliar.
1 escala.
-* cerras de tragar de 8 palmos.
2 devastadores.
2 cerrlos de Qxa.
2 travadeiras.
1 bigorna para tanoeiro.
2 caadas de espirito de vinho de 36 40 grao.
As pessoas que quizerem vender ditos gneros
presentera suas propostas era carta fchala na
secretaria do conseibo ao dia 12 do corrale s 10
horas da manla. .
Sala das sessSes do conselhq administrativo, o
de dezembro de 1864
Sebastiao Jos Basilio Pyrrho,
vocal secretario.
Pela recebedoria de rendas internas geraes se
faz publico, que no corrente mez flnda-se o praso
para o pagamento dos impostos lancados do exer-
<-icio de 18*3 a 1864; a saber: renda dos proprios
acionaes foros de terreno e de marinha, decima
addiciona de mo mora, imposto sobre lojas casas
de descontos, etc., dito sobre casis de movis rou-
pas, etc., e laxa dos escravos; seguindo-se depois
4 cobranea exocutiva.
Outro sim, que no roesmo mez, flnda-se o praso
do .pagamento sem mulla, relativo ao primeiro
semestre do exercicio de 1864 a 1865, dos segra-
les impoelos: dcima addiciona de mao mona,
impasto sobre lojas e casas de descont, e dito
especial sobre casas de movis roupas, etc., fabri-
cados em paiz estrangeiro.
Recebedoria de Pernambuco, I' de dezembro
de 1864.
O Escrivao,
- Manoel Antonio Simoes do Amara!.
O diabo.......Borges.
Celio, servo de Valeriano Teixeira.
Marcos, ehnstao.....Santa Bosa.
Centurio,confidente de Almaco Luiz.
Primeiro christao .... Porto.
Segundo dito.....Gnimares.
Saldados romanos, sacerdotes, christaos, ausris-
pices, niassas, et., etc.
Todo o machinismo executado por habis artis-
tas, est elegante e ricamente preparado.
A piutura a cargo do Sr. Veneri, tambem faz
honra ao distincto scenographo,
A empreza conta que este espectculo exceder
aos marlyres da Germama, nao s pplo maior nu
mero de transformares bem combinadas, como
pela vanedade de suas scenas e graciosidades de
que composto.
Comecar s 8 horas
Quintn.feira. 8 de dezembro
A' vista das encommendas qne a empreza ten
recebido, tanto de camarotes como de cadeiras,
coohece nao poder satisfazer a todos na recita,
e apressa-se portantoem repetir e drama no dia
cima mencionado.
Poucos dias faltam para concluirem-se os tra-
balhos theairaes no presento anno, a empreza func-
ciuna nicamente at o aia 15 do corrente, e por
isso previne ao publico para que nao perca as re-
presenlacoes do drama anounciado, |Ue Ihe doi-
xar por certa agradaveis lembrancas que serviro
de insentivo para o futuro anno iheatral.
AVISOS MilITiMOS.
COxMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegafo cos eir a vapor.
Paraliyba, Natal, Maco, Aracaiy/ Cear
e Acaracu'.
No dia 7 de dezembro prximo
segu o vapor Jagaaribe, comu an-
dante Lobato, para os portos indi-
cados. Recebe carga at o dia 6,
Encommondas, passageiros e di-
dinheiro a frete at o dia da sabida s 2 horas
da tarde : escriptorio no Forte do Mallos n. 1.
Hura Lisboa
O brigue portuguez La II, capitao A. F. Viei-
ra vai sahircom brevidade por ter a maior parte
de seu earregamente prompto : quem no mesmo
quizer carregar ou ir de passatrem, dirija-se ao
sen consignatario E. B. ltabello, ra da Cadeia n.
iib. escriptorio._________________________
fara o Rio de Janeiro
O bem conhecido e veleiro brigue nacional Ai-
tmninte, capitao ios Moreira Maia, pretende se-
guir com multa breviade, tem parte de seu c.ar-
regamento prompto : para o resto que Ihe falta e
escravos a frete, -para os quaes tem exeeilentes
commodos, trata-se com os seus consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu es-
criptorio ra da Cruz a. 1.
Para Lisboa
O veleiro e bem conhecido brigue portuguez
Coneeirdo de Mara, capitao Jauuario Jos de Oli-
veira, pretende seguir com muila brevidade, lem
parte de sru carregamento prompto : para o resto
que Ihe falta tratase com os seus consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu es-
criptorio ra da Cruz n. 1.__________________
Aracaty
Segu nestes dias com a carga que litar a borde
O hiato Sania Cruz, recebe carga e passageiros :
a tratar com Caetano Cyriaco da C. M. ao lado do
Corpo Santo n. 23._________________________
Para o Porto.
soguate o dia 20do crreme o brigue portuguez
S. Maoel I, capitao Carlor Ferreira Soares ; quem
no mesmo quizer carregar ou ir de passagem, di-
rija-se a ra do Vigerio n. 11, escriptorio de M.
J. Ramos e Silva & Genros.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco costelra a vapor.
Aracaj t escalas.
O vapor Parahyba, commndante Martins, se-
guir para os portos indicados no dia 14 do cor-
rente as 5 horas. Beceber carga at o dia 13 : en-
commendas, passageiros e dinheiro a frete at as
2 horas da tarde do dia da sahida : escriptorio no
Forte do Mallos n. i.
LEIL6ES.
LE IAO
DE
Urna fabrica de licores
Qu arta-fe ira 7 do eor rente.
O agente Pe>tana vender por conta e risco de
quem perlencer todos os lquidos, vasilhas e arma-
S'o existentes na fabrica de licores sita -A ra das
uzes n. 36, em lotes a vonlade dos comprado-
res : quarta-feira 7 do corrente pelas lo horas da
manhaa na mesma fabrica.____________\_____
LEILAO
DE
Um sobrado de tres andares e
soto e um armazem. /
Sexta-feira 9 do corrente.
_ O agente Pestaa legalmente autorisado far lei-
lo, por conta e risco de quem perlcncer, de um
sobrade de tres andares, soto e xagoo, sito na ra
da Seuzalla Velha n. 142 cora exeeilentes commo-
dos para grande familia, chaos proprios.
Um armazem terreo nos fundos do dito sobrado
com frente para o caes de Apollo n. 65, os Srs. pre-
tendentes pedem examinar cora antecedencia, e o
agente acha-se prompto a qualquer esclareclmento:
o leilao ter lugar sexta-feira y do correte pelas
11 horas da manhaa, junio dos Srs. Palmeira &
Beltro.
Subloca-se a parte fronteira do sobrado n. 3
da ra do Trapiche, com duas salas e tres quarto<,
eozmha e um quarto no solio, muito propria para
escriptorio : os pretendeoles nodem cntender-se
para contratar com Marcelino os Goocalves da
Fonte. parta da Cadeia do rtecife >. ^^^
Club Commercial
So_convidados os Srs. socios efectivos para em
reiinao, pelas 7 horas da nolte de 6 do corrente
elegerem a atsembla eleitoral, que lem de unc-
ciouar no trieonio at i867.
O secretario,
__________Joao Ptreira Rebello Braga.
No largo do Corpo Santo n. 6, segundo an-
dar, precisase de um criado.
Precisa-se alugar um moleque de tta 14 an-
nos de idade, para o servico de urna casa ; a tra-
tar no caes do Ramos n. 36._________________
O Sr. Pedro Jos de Pinto tem urna caria viu"
da de Alagoas : na praca da Independencia nuine-
ros 6 e 8.
Precisase comprar um sellim inglez e os
competentes arreios em bom uso, comprase tam-
bem estando em bom uso os arreios para nin ca-
vallo de cabriole!: na ra do Cabag, loja da
aguia de ouro n. 1 B. _______-
Ama de leite
Precisase de urna ama de leite : na ra da ?au-
dade, primeira casa do lado esquerda.
Na ra dos Martyrios n. 2, primeiro andar,
precisa-se de urna ama para casa de familia.
COL, EGIO DE S.
AVISOS DIYERSOS.
As aulas deste c,nenio funecionam du-
rante as ferias e tem principio no 1 de
dezembro : os Srs. que pretenderen fa-
zer seu exame em margo dirijam-se ao
mesmo collegio a inscrever-se no livro
de matricula, assim come encontrarao
urna lisia cora os nomes dos Srs. lentes,
e as horas em que devera funecionar as
aulas.
lovos vestidos de phantasia
Chegaram os modernos vestidos de dentelle de seda rom barra, mVrameo(e r
em gosto e qualidade : loja das columnas, na ra do Crespo o. 13, la A..t.aio Cumia
de Vasconcollos & C, siiccessores de Jos Moreira Lopes.
Eazendas de boiu gosto
Para vestidos de senhora
Superiores corles de seda de cor, de morante, de g-rguro e de selim imperial
Ditos de blond, e de eambria branca bordados.
Bilos de laa com barra e grande vanedade em cores e palres.
Ditos de organdys com barra
Lindas sedas de quadros escosseza e miadezas.
Superiores las lisas com grande variedade de cores.
Ditas com salpico?, com llores e de quadros.
Lindas pampolraas de quadros e de flores, fazenda inteiramenle nova.
Superiores rassas de cores, e lindas camhraias organdys.
Grande variedade de chita de cores, de percab e oulras muitas faiendas de goeto.
Para hombros de senhora
Lindas capas e bournoux de casemira de cor.
Ditas de laa e de seda.
Grande variedade de soul'embarques de seda de 185 a 40J
Manteletes de seda.
Superiores basquinas.
Superiores chales de seda, de merino estampados unos, de cachiuiir-i com iisira* de
seda e de tilo preto. '
Camizinhas modernas, zuavos hraneos e de cores, colleles d cambraia, lindas gol-
linhas com punhos e ouiros mullos arligos.
Para cabeca de senhora e menino
Superiores chapeos e chapellinas de palha de Italia enfeilades para -enhora.
Ditos de feltro enditados para senhora.
Ditos de palha enfeilados para menino.
Grande sortiuieulo de enfeites modernos de retro?., de froto, de cabello c de flores,
para senhora.
Na loja das columnas da ra do Crespo o. 13, de Antonio Correia de Vasconcel-
os & C. .

Aos 1.0:0004000 e 3:000s0<0.
Sabbado 0 do corrente mez, se extrahi-
r a ultima parte da terceira e primeira da
quarta lotera (119") a beneficio do thea-
Iro de Santa Isabel, no consistorio da igre-
ja de Nossa-Senhora do Rosario da fregue-
zia de Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. !5.
Os premios de 10:000000 at 200000
serao pagos urna hora depois da extraeco
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuicao das listas.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza. i
C4S4 oa rom
aos 10:000.000
Bilhetes garantidos
A' rna do Crespo n. 23 e casas de costme
O abaixo assignado vendeu nos seus muito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a beneficio da matriz da Boa-Vis-
ta, os sejruintes premios:
Um meio n. 10i7 com a sorte de 6:0005000
Um inteiro n. 2338 com 1:4003000
Uminteiron. 1512 5005000
E oulras muitas sortes de 1005, 405, *'5 e 105
Os possuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se venda os da ultima parte da ter-
ceira e primeira da quarta lotera a benelicio do
Utoairn da Santa Isal.l. uue se exirahir no dia
10 de dezembro.
Preeos.
Bilhetes- inteiros..... 12S00C
Meios......... 65000
Quartos........ 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 P^ra cima.
Bilhetes....... 115000
Meios........ 55500
Quartos......, 25750
Manoel Martins Fiuza
madamI
VIUVA RUTIER I
faz publico que inudou seda sua residoncia da ra
Bella n. 29 para a mesma ra n. 39.
Alfonso Benjamn Benel subdito francez vai
a Franca tratar de sua saude.
AluRa-se urna ama que saina bem cozinhar,
e de boa conducta, proferindose escrava : na ra
estreita do Rosario n. 32, primeiro andar.
Aluga-sc a casa terrea sita a ra da Alegra
n. 46 : a tratar no paleo de S. Pedro n. 18.
Miiwm
= Precisa-se de um cosinheiro escravo e pa-
ga-se bem agradando : na ra da Madre de Dos
! n. 36, primeiro andar, das 8 as 2 horas da tarde.
Est anda para alugar urna casa na ilha de
Bemhca junto a ponte da Passagem, com commo-
do- para familia, baoho, pintada, e pe barato I
aluguol de 1505 por anno na ra larga do Ro-!
sario n. 36 se dir qnem aluga.


Para a festa.
aviso.
Francisco Jos Fernandes Pires, achando-se in-
commodado em sua sade e niio podendo dirigir
08 seus dous estabelecnnenlos de molhados deno-
minados Aurora lirithanle, resolve vender um
deilca ; as localidades eos estabelecimentos nao '
preciso exagera-los, porque nao pode haver me-
Ihor : a fallar aos inesmos a qualquer hora.
Sahiu luz o quarto numero da Revista do
Instituto Arclieolorjico e Geographico l'ernumbuca-
no, contendo, alm das sestoes do Instituto, o mui-
to nteres-ante relalorio da comuiis^ao encarrega-
da de descobrir o jazigo de Joao Fernandes Viei-
ra, e urna curiosa cstatistica da revolta de 17t0
em Pernambuco, chamada a guerra dos mascates.
Acha-se venda na loja do livros de Jos Noguei-
ra de -ouza, ao Arco de Santo Antonio, onde se
acham tambemos nmeros anteriores.
Assigoatura por auno 55. numero avulso 15300
li-in ndade do S. Sanaiiicilo da fre-
guezia do Hecife,.
A mesa regedora da irmandade do Santissimo
Sacrameuto da freguezia do Becife pede a todos os
seus innaos que se reunam as 8 horas da manhaa
do dia 8 do correle, para incorporados, acompa-
nharetn a trasladaco do Santissimo Sacramento
para a matriz de S. J<>s, e assislirema festividade
da inauguracao do mesmo templo, e para o que
foram convidados pelo Exm. Sr. vigaro capitular
da dioceso.O esenvo,
Antonio Gomes Miranda Leal.
sobrado do um andar e sotao
no pateo da Paz : a iratar no
4*.
Aluga-se
sito nos Afosados,
paleo do Ter^-u n. i
Precisa-se de urna cozmheira, forra ou cap-
tiva, n~ ra da Aurora n. 50.
Precisa-se aloyar una preta que saia cozi-
nhar e engommar : na ra da Palma n. 41, ta-
berna.
Alugam-se o lerceiro e quarto andares do so-
brado n. 16 da ra do Cahug. __________
Um rapaz brasileiro com pralica de caixeiro
offerece-se para ser empregado em loja de (alen-
das, escriptorio, ou ootro qualquer esiabelecimen-
to, dando liailor a sua conducta : quem precisar,
procure na fabrica da travessa do Canuca n. 2,
caes do Ramos. ________________
.\a praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, comprarase obras de ouro e prata, e pedras
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda, e lodo e qualquer cnucerto.
Queijos frescos a 35, pasaas n>'vas em quartos
a 25, e a libra a 400 rs., HgM a 160, marmelada
a300 rs a libra, azeilouas a 15800 a ancoreta, a
garrafa a 320, manteiga ingleza fljr a 900 e 800
is.. dita Iranceza a 640, cha miudinho a 25600 e
35, caf 1" sort a 280 a libra, e 85400 a arroba,
de i' sorte a 240 a libra e 75300 a arroba, arroz
a 100 rs. a libra e 35 a arruba, touciuho alto a
280 a libra, steariuas a 620, palitos para denles a
140 o masso, do gaz a 200 rs., chouriQas a 640 rs.
a libra, somma a 120, sabao massa a 200 rs., sal
em potes de vidro a 440, coacervas a 400 rs., la-
tas rom bolachinhaa 15400, aletria e lalharim a
400 rs. a libra, cerveja branca e prea a 560, vinho
fino do Porto ensarrafado a I5I20 o 800 rs., bran-
co para missa a 500 rs., tinto de Lisboa a 360 a
garrafa e 25600 a caada, da Figueira a 440 e
35200, azoite doce a 600 rs. a garrafa, de carra-
pato a 260, vinagre a 200 rs, gaz a 480 : no ar-
mazem da Estrella, largo do Paraizo n. 14.
= Al
para urna pessoa
brado, hoje ra dos Copiares.
riLi'L.t* vi.<-i; r\i:s
DO
DR. AYER.
do
gentes
Nn ha nece.oiilaiii'
ral em lodos os j aues
de um purgante ijii'
mesmo lempo innocente,
e digno de luda a <.>nfuoca.
As pilulas iii-: ora
mos a<> publico prmtcliea l
condicoes ; pois pd^m wc
ruadas pelas prssoas mais
sem perico al^um. nao troJo
sua tomposi<'a-i iinnuno
outro iiigrrilii'tile n--. iv. i
de. mas st'ndo composto i
mu forti's. sao ha
le-
ra
a
vegetaes
uga-se urna ama liara comprar e cozinhar ,..:,.,., .. ,i:... .... .^..
,a pessoa : no becco do Lobato n. i, so- Relente, e a. Uvas para pw>lav w
mais robiHlos.
Precisa-se de urna ama que saiba servir e
engommar com perfeicao para casa de familia,
d-se preferencia a captiva : quem tiver dii ija-se
a ra do Rangel n. 43, segundo andar.
Creme.
na ra do
Estas punas cxploram e purift'aoi
a extensao do lanal alimenticio, e dio
a todas as parles do i uranismo, rurna
sua atro viciada e fa/endu n-iii|erar sn
vilalidade
Um remedio iuestima\el contra Air e
cabera nervosa, einai/Heca, priMio Jo www-
Ir, hi'inorrhuilas, molslia* fiyaifa, ft-
bre gastro-hepiitica, i: todas as moletttm
biliosas que tem ma oriqem w> WtKfBm-
ment do figado que causa a .-s-asse 4a
bilis na iiillaiiiinario d'este i>rgan -pie |>ra-
diii di mmimirnln da bilis no oIkomb
M
2,357 aeces da Com panino Pernam-
bacan.
HOJE.
O agente Pinto far leilao por mandado do Illm.
Sr. Dr. juiz especial do commerciocm virtude do
que requeren os ,redores da massa fallida de
Ro.-lron Rooker 4 C, de 2,357 accoes da Com-
panhia Pemarabucana de 10o5.cada urna, em ura
ou mais toles a vontade dos compradores, s 11
horas de dia supradito a porta da Associaco Com-
mercial.
LEILAO
DE
Una pareo d e peeas de estelras
para forro de sala.
HOJE
Lenden Wild & C. faro leilo por intervencao
do agente Pinto, de urna porcao de esleir para
forrar salas, a hora do dia cima dito em seu
escriptorio praca do Commercio n. 13.
LiEIIjAO
MOVIS
HOJE.
Terca-felra 6 do eorreute. s 11
horas
Cordciro Stmcs
far leilao de diversos trastes para rasa, novos e
usados de outros muilos arligos de gosto, miude-
zas, relogios, etc., etc.
Ser effectuado o leilao no armazem ra da
Cadeia do Becife n. 48.
Precisa-se de um caixeiro para balcao de 16 a
18 aonos : jios armazens da Aurora Brilhante, na
largo de Sania Cruz ns. 18 e 84.
Alugase urna casa em Beberibe, no porto da
Madeira, a beira do rio, com i salas, 2 quartos,
cozinha fura, omito fresca, c concertada de novo :
a tratar na ra Direita n, 69.
Rap Cordeiro.
A loja da Aurora na ra larga do Rosario n. 38,
recebeu rap Paulo Cordeiro muito fresco o qual
superior ao de Lisboa, assim como tambem tem
rap rolan imperial do Brasil tambem muito bom
rap e muito fresco, finalmente lem rap de todas
as qualidades.
Precisase de um moleque de 14 a 16 anuos
para servico de casa de pasto : na ra de Hortas
numero 15\_____________________________
Aluga-se a casa n. 6 na ra dos Coelhos,,
com 3 quartos e grande cozinha : a tratar na ra
do Mondego, otaria a. 13.___________________
Aluga-se o segunde andar do sobrado n 3oda
ra da Matriz : a tratar na laherna do Sr. Antonio
Joaquim Ferreira Porto ; e o segundo andar da
ra do Burgos n. 7 : a iratar na refinaclo da Sen-
zala nova n. 4.
Rl)\ 110 IMPERV
DOR IN. 2-2
Grande armazem de tintas.
Tem a venda :
1 Productos chimicos medlcjnaes os
mais importantes em medicina.
2. Producios chimicos e utensis
para photographia e oulras industrias.
3. Todas as materias e utensis
empregada na pintnra a oleo o a col-
la para pintores, tintureiros, enver-
nisadores, douradores e vidraceiros.
Joao Pedro das Neves,
Gerente.
Precisa-so de um cosinheiro bora copero'-',ne
hotel Trovador, ra larga da Rosario a. 4i, pa-
ga-se bem. ____________
Perdeu-seTima pulseira de oure com dous
pingeotes e alguns rubios, no trajelo da ra da
Aurora at o palacio do governo, ao asoitecer do
dia
i9Ra Nova19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as opera;5es de sua arte, e col-
loca denles artificiaos, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos denuncio.
r*^SS3GI_fiBfag:S
(JIUJ.HIIV.,- NgUIW lUI/lll.'j uw
Aurora at o palacio do governo, ao
dia 30 de novembro prximo passado : quem
arhando-a quizer restituir o poder fazer no es-
criptorio do Sr. Floriano Correia de Brito, ra das
Triocheiras, que ser bera recompensado.
Para a festa.
Aluga-se um sitio na ra do Cabral da ci-
dade de Olinda, com casa terrea, com co-
piar na frente, bota os fundijs para a estra
da e margem do rfo Beberibe, com com-
modos para familia, estribara para cavallo
e capim para sustenta-los, arvoredos de
fructos, sem visinho defroute nem pelo
funto, com ptimos passeios, sala e gabi-
nete na frente, muito propria para passar a
festa, e tambem se alujar por anno : a fal-
lar no Rectfe, na livraria n. 6 e 8 da praca
da Independencia, e em Olinda na casa con-
tigua com o capitao Antonio Bernardo Fer-
~ \M M LICITE
Precisa-se de urna ama de leite : na ra de A-
pollo n. 24, segundo andar.
Ao amanheeer do dia 20 de outubro do cor
renle anno de 1864, furtaram do cercado do en-
genho Aldea, da freguezia do Rio Forraoso uin
quarlo de carga do mesmo engenho, o qual
ruco pombo, grande, castrado, nao novo, tem no
olho esquerdo urna belide, e pouco ou nada v
pelo dito olho, tem um callo velho no espinhaco,
lugar em que leve urna bexiga, levou o topete cor-
lado rente, carrega baixo, e lera estampado no
lado direilo da anca o ferro do engenho em lettras
maiusrulas como aqu se v A LD E A. Adver-
le-se que os cavados assim ferrados, nao sao tro-
cados nem vendidos, e os que forem encontrados
som ser servigo do raesmo engenho sao fua-
dos, c devem ser apprehendidos ; porlanto roga-
se s autoridades policiaes, e mesmo qualquer
pessoa do povo, que sendo encontrados ditos ca-
valios srjam apprehendidos e remettidos ao admi-
nislrador daquelle engenho ou ao abaixo assigna-
do proprielario de mesmo engenho, que reside na
cidade do Reclfe, ra do Hospicio n. 50. Cidade
do RMiflg, 26 de outubro de 1864.Caetano Jos
da ilva Santiago.
Furto de pranches de ama-
relio.
Vicente Alves Machado anda ao teve noticia I
dos tres pranches de amareRo aue Ihe furtaram I
do porto de sua serrana, e por Isso julga que j
foram vendidos pelo ladro que os furtou ; se a
pessoa que os comprou sendo de boa f e os qui-
zer entregar, o poder fazer ao abaixo assignado,
que Ihe pagar a quantia que deu por ditos pran
choes, e lhc ficar agradecido.
Sorvete de preme hoje ao meio ca
Trapiche n. is.____________^^^ ___
Precisa-so de um criado : na ra da Cruz n.
42, 2 andar._________________________
O secretario da irmandade de N. S. do Terco
por ordem da -mesa regedora convida a lodos
os charos irraos para se remiren era nem
igreja no da 8 de dezembro, pelas !) horas da ma-
nhaa, para a irmandade, encobrada, acompanhar m om desamnj, toral a oreis ao da Irasladaeao do ss. Sacramenio para b
a sua nova matriz do S Jos, que por espac.i de 20 vOS.
anuos existi em nossa igreja, e em regosijo de; A Ictericia
tao solemne ario a im-sa r.-ulveu que a nossa ex- { prodii/.ida |>cla absorprao da ''i/i> m
celsa partroeira a virgem Senhora do Terco, acorr- sang,,e a;|Ild(, ;, .,t.llt e as |,M,S um<1 ,r
iianli sse em triumphn, e ah permanecer a todo .' '. .
oTcto da inauguracao, que se tenl.a de fazer na amare!x-i.la ; nao soiii'-nlf oob %.
nova malrz, o que lindos ser conduzida em pro- si, porin conduz ios mais -e-ios S'dTiuii- Hl
^itcn nalic 1 hnrac H" *n- n'lrfl riiK*a ureia ; InS
por isso rogo nossos charos innos. que em re-; p toma-SO dr I a .. pnui.l t-
KOSiie de tao solemne acto, nao deixem de compa- ...
recer, cumprindo dessa forma um dever para com das as manbaas, i.slo iKislante para m.>ier
nossa mi Saniissima, e para com o abaixo assig- 0 venlre smenle al tpie se rt'iii|-i .1 se-
nado um tributo de gratido- gao saa do syslema.
______________Jos Lu de Atevedo. I y(,, do ^^ febre gnstrn-hepatt
William Vanghan. subdito brilanico, vai para diarrhea biliosa, indigistn, a *>-rraUjtm
Euro|ia- __,__________________________ OU tic ilonlciirenx, sao todas molr>tias ijii^
Precisase do urna ama de meia idade para lem se corne,-o n'um desarrat.jo da bilis.
cozinhar e fazer mais servico de urna casa de pou- ....... ;;. .,,.. f .
ca familia : na ra Imperial n. 215, taberna. A obsenan o dos duelos da b,l,s U/. e>l*
------^:-------------,,. ," An volver ao santue, com uue circula d ixi*
Tendo de serem publicadas as poesas de '
Jos Antonio Seiferl cm o titulo de-Inspracoes om todo o corpo e cansa eMrSfH mm-
poticasos senhores que dignarem-se prestar sua irosos ;i saude e produz 11111,1 seno innu-
assignalura, podem dirigir-se s seguinles casas : meiavel e males.
na livraria ecm.nmiea, ua do C.espo n. 2 ra da y u,. il|C(.|um0(Ios -, nira(Ju com
Cruz, estabelecimentos do banlios de Lednm&t, _. .
e nesta typographia. as Plllll;'s (, l)r- A>er-
OITereTce-se 11 m rapaz portuguez para criado' MCCues minuciosas acompanliam ca.Ll
de casa esiranueira ou para embarcar: quem pre- frasco,
cisar annuncie pelo Diario._________________| Vende-sc na pharmacia franceza de Mau-
Aluga-U urna negnnha de idade do 13 an- rer & ('.., ra Nova n. IH.
nos para o servico interno de casa de familia : a
tralar na travessa -o Pourinho n. 26.__________
Anda mais esta'?....
Vem o r. boticario Veame fallar dos mdicos,
e acreditar a elle boticario com o seu veame ; p-
dc-se chamar muito bem boticario veame ; o
remedio que este senhor applica para qualquer
molestia ?.... A puhlicacao que elle inserto no Dia-
rio de hontem, somente para o veame delle ser
acreditado ; o povo nao se lllude com asneiras;
j ouvio, Sr. Veame.Um boticario que nao acei-
ta pomada de collega.__________________^_
Na ra dos Martyrios n. i, primeiro andar,
precisa-se de duas amas, sendo urna de leite e ou-
tra para o servigo de casado familia.__________
D-se 1:0005 a piemio sobre hypotheca em
alguma casa: na ra das Cruzes n. 7 se dir
quem d._____________________________
Precisa-se do urna ama para todo o service
de urna casa : na ra da Concordia n. 65.______
Aluga-so a loja da ra dos Marlyrios n. 2 :
a tralar na ra do Crespo n. 15._____________
Esperanca Augusta Carlota, natural da ilha
de S. Miguel, relira-se para o Cear.___________
Na taberna da na da enzala nova n. 39 ha
para se arrumar nra menino dos ltimos chegados
do Porto, j tem pratica da mesma.___________
Precisa-se de urna ama de raeia idade para
cozinhar : ne largo do Paraizo n. 6.__________
Precisase de um caixeiro com pratica de ta-
berna : a tratar na ra da Cadeia do Recife nu-
mero 53^______________________________
JHlUiM de urna ama para cozinhar : na
roa da Praia n. i._________________________
Precisa-se da quantia de 3005 a juros pelo
tempo que se ennvencionar, pagando-se o capital
unido ans juros em prestacoes mensaes, reeebidas
no de cada raez : quera assim quizer dar. an-
nnncie por esta lolha.________________
Os Srs. proprietarios das casas da ra de S.
Bom Jesas das Crionlas ns. 12,14. 16 e 28 queiram
comparecer no sobrado na travessa do Pocraho
n. 26, a negocio, pois se ignora as suas moradas.
_ Manoel da Costa Ferreira vai Bahia.___
__ Alaga-se tima casa em Beberibe, ne lugar
do Porto da Madeira, calada e pintada de novo,
propria para se passar a festa por sef muito parto
do rio, por barato preco: a tratar no raesmo lugar
cora Jos Pereira Brando. ^_^___
Aluga-s tima escrava que saiba lavar falo
t vender : a tratar na ra da Hospicio n. 19.
A massadur
Precisa-se de um amassador : a tratar na pada-
ria da na da enzala relha n. 96.
"" Aluga-se um terceiro andar com cozinha
por cima e dous sotSos espacosos da casa n. I?,
sita na ra do Vigaro : a iratar no armazem tor-
reo da mesma casa.
AGKNCIA CLNTRAL
15 lina Dlrelta 15
RIO DEJ i\i:ik.
Vende-se ein l'iinaiubuco:
na pharaaeia francesa de
P.MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
s>@ mmmm ih
H Saquea aobre Portugal.
O abaixo assignado, autorisado pplo
Banco Mercantil Portuense. e na aosenr
do Sr. Joaquim da Silva Castro, sara ef-
fcclivamente por ludes os paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Porto, e mais tufa-
res do reino, por qualquer M>mma a vis-
ta, e a praso ; podendo, os que lomare
saques a praso,rect>hereni avista, no bks-
mo Uanco, descontando 4 0|0 ao aneo: na
luja de chapos da ra do Crespo 6, oa
na ra do Imperador n. 63, sef liado an-
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
FOCO Dll \ll
No armazem da bola amarella no oiuio da se-
cretaria da polica, recenem-se Mv-onameodas n
fogo do ar para dentro e tora da pro i una.______
Caixeiro.
Precisa-se de um raifiro para taji de (azend&s.
na ra de Apollo n. 70, seguaoo andar._________
\ luga-se
casa terrea aa ra dos Prazere-s
oa-Vista n. 1 A, pelo preco de 169
ua estreita do Rosario n. 28.
fregeam da
a tralar o
A aguia branca recaboa lavas de prKra.
~Cosme Joa dos Santos tallado na na 4 Vi-
gario n. 8 saca sobre a uca^a do Purlo._________
i.xsa ao Uicliaig
Aluga-se urna casa muito fresca iu wtargam 4
rio : a tralar cura o dono do botel, ou copi Vctor
Lioutier, emAoipucos^___________________
Precisa-se aluiur ama cosmhcira cscrata tm
forra : aa rn da Madre de Doos a, 36.________
Precisase alugar urna preta escrava para to-
do o servico de urna casa de pour.i familia a
pateo do Tufo n. 27, primeiro andar.
mmmmmmmmmmmm
m O baeuarel
g Francisco Aifsstt da Csta
dg ADVeGADO
P Ra do Imperador numero 69

IlLEGVEL


Mari de Jrernamkmeo ferea felra le Dezembro de 18 4.
i Compra-se um rclogio de ouro patente incler.
e bom regulador : na ra da Cruz do Recife n. 43,
prtmeiro audar.
, A. NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 2i DE DEZEMBRO DE 1859
urna Banc em dmheiiv, depositado nos cofres do estado, garaale a boa ad- I8**.0* Memorias de um escudeiro, obra
VENDAS.
Romance.
Vende-se na praca da Independencia li-
vraria ns. 6 e 8, o romance Martim o en-
do dislincto escriptor Eugene Sue, autor
das melhores obras conhecidas, pelo dimi-
nuto preco de 20500 por 4 volumes em
broxur.
miiiisticao da corapanhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA DIRECCO GERAL
O naneo de llespanua Madrid : Ra do Prado n. IB
sobre aE^acorapanhia li8a *10 systema mutuo ,oda* combinares de supervivencia dos seguro"
.,,., i Ne,U ,,de se '"" asubscriPcao de maneira que em nenhum caso mesmo por morte do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes
Sao to suprehendentes os resultados .que produzem as sociedades da ndole de-A NACI-1
FOLm:\H\N
/'ora 1865
Acham-se venda na livraria ns. G e 8
produz em efTectivo metlico
No fim de 5' annos.
de 10
de 15
de 20 > .
de 25
1:1195300
3:9425600
11:2085200
30:2565000
80:3315000
2?L!d?S menore-s ,de 3 *1nos maors de 30, os productos sao mais considera veis,
mn JnamWw.Jf .in.rormaCf serao prestadas pelo sub-director nesta provincia o Sr.
sssus. tsss ffift asittra Boa'Vista rua da Iraperairiz n-,2,
Jerony-
eslabe-:
THE
CEARA' (NORTH BRASIL) WATER COMPANY,
L.1 ti11 TE
INCORPORADA SOB A LE DE ASSOCIAQES MLTIA DE 1862.
Capital lh st 60,000, em6,"U
Depositando 10 s. por cada arcao pedi
As segrales chamadas nao excedero
vallo menor de tres mezes.
Juros de 6 %ao anuo pagareis aos accionistas at a concluso da obra.
abrangendo o
kalendano civil e ecclesiastico, tabellas de
feriados, de emolumentos dos tribunaes
do coramercio etc. a 160 rs.
i FOLHIMIA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Rainha em verso, o Stabat iMater em
verso, devoco ao agonisante, coraco de
Jess, cntico em louvor do Sanlissimo
Rosario, cntico a Virgem Mara Nossa
Senhora, tnnta e tres chistosas anedoctas.
um indito poema sobre as aventuras de
um cosinheiro, o canto de urna solteira
(poesa), crescido numero de mximas e
pensamentos, urna historia como muitas
romaneo;, e vinte e cinco novas e pi-
lhericas charadas a 320 rs.
de retroz preto fino a
peso liso muito superior
outras muitas qualidades *
RIVAL SEM SEGUNDO
Rua do Queimado ni. 49 e 55, loja de miudezaf
de Jos de Azevedo Maia est continuando :
vender muitc barato, pan seu genio dar a lazen-
da por lodo prego a vista dos robres.
Cartas de alliuetes franceses da melhor nnalidad
a 80 rs.
Grosas de pennas de ac inglezas da melhor qua-
lidade a 640 rs. ,
Calas de clcheles francezes de superiores quali-
dades a 40 rs.
Grosas de boles de madreperola muito finos a560
e 640 ris.
Carreteis com 4 a 5 oltavas
640 rs.
Resmas de papel de
25000.
Grvalas da liga e de
500 rs.
Caivetes para penna com 3 folhas fazenda boa I
o rs.
Duzia de botSes branco para casaveques de senho-
ra a 100 rs.
Pecas de fita de cs eslreitas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Porluguez para os meninos a prender
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren-
der a ler a 15000.
Cartilhas da doulnna ebrista, finas e superiores a
320 rs.
Pentes linos de roarflm a 15000, 15200 e 15500.
Pares de luvas de seda para borneas e senhoras a
500 rs.
A 4 80 CORTE.
Pechincha aem igual.
Lindos cortes para vestido de percutes de cures
claras e escuras com grande variedade de padroex
pelo baratissimo preco de $ o corte: na hija Has
c tumnas ma do Crespo n. 13, de Antonio Cor-
rea de Vasconctllos A C.
Vndese caixesvaziosproprios
Ia lt:ilin loii-uc a Cnnl,.;...,. .. i.-1-n
i,"0< acedes de Ib st. 10 cada urna, para balmieiros e funileiros a 17
ao pedida e lib. st. le 10 s. quando forem distribuidas. paila 001' nesla tvtHV'rinhi
:ederaoa lib. st. 2, cada urna, era poderaoser felas com nter- Vgg^g"*'
60
Bl i 3*C<*OI*CS
WILLIAM FRANCIS DOBSO.V. Esq. Bearsted ilouse, near Madstone, (presidente) directprda eompa-
nhia das Docas e armazens, de West London. \
JOHN CLARK. Esq. 3, Duuster Court Minciug Lae.
JAMES DAVVSON, Esq. 2, Biliter Square, London, director da companhia Metropolitana de Se-!
wum?v?^E/ARu^LL' ** 6' Mnta?u Place> Montagu Square.
WILLIAM JEsSE. Bq. Maisoneite. Irigatestone, Essex
amSwvrMnf^An' l 5nM" dt S' M" rilaa, no Cear.
e. &JifL!8 s>,n*!' arcclr d nanro Europea : Limitado.
ENCENHEmo ALPBED THOMAS COOK, Esq. 3, Bridge Street, Westmiuster.
soLUCnrADOitn ESSRS. W. H. P. SHARP, 92 Gresh.im House.
BANQUEmus O BANCO, EUROPEU, LIMITADO, 83, King W.lliam Slreet.
(continente.
..oRUBCTOKEs MESSIW A. 4 W RICARDO, II ngel Curogmorton Strecl.rot
ESCBIFTURIO J, L.NSTR CUURT, Mmcing Lae. E
n ^ ,?.p?r,S e e!da,le d0 <>ar? a Pde du K"vemo darica provincia ou capitana do Cflar t
do ao aorta do Brasil, e esta situada em lat. 3. 41' e 10" S. e Loug. 38 &' Oeste de Greuiv o Cear
m^TL*1? 'fr,a? arrn0S"' e txa*Prar> na maior Parll! d0 an o cna Pode sef maride
raSiLSte^LCfS.Lde^r pr0V"'a ,,ures'-eDte o lugar de umeommercio ,,ue vaiTcrescendo
"SS3? a fa'lU KSSaSL" """^ numer dt pessoas abas,adas' pe,as "uaes ha 4"",em,)0
agua potavel
do goven. KovnclaL11 ^"^ """^ "^ de 30,00 habitantes' como ^^ ds ltimos relatnos i
Nava liquidaco de fa/indas at o iim
do mez, para fechar faclaras vende-se muito
barato, por ser o ultimo mez de festa, que os
freguezes devem aproveitar : na loja e armazem
da Arar, rua da Imperatriz n. 56, de Lonren-
fo Pereira Mendes Guimares.
Fazeddas especiacs para seuliora.
Vende-soncos cortes de vestido de 15a a Mara
Pa para senhora de bonitas barras a 85,105,135,
145 e 165 o corte : na rua da Imperatriz n. 56'
loja da Arara.
A Arara vende a 2> S00
I Cortes de chita de cores fixas com 10 covados
E. C. e seus Filiaos no a 25400 e 35200 cassas de cores a 320, 360 e
400 rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 56
loja da Arara.
Corles de cambraia de salpicos a 2#i00.
Vende-se cortes de cambraia de salpicos a
25400. 35 e a 45000 a peca, ditos de cambraia
liza e fina a 35500, 45500,55500 e 65, tiras bor-
dadas para enfeitar vestidos e entremeios a 15 o
a 15200 : na rua da Imperatriz u. 56. loja da
Arara.
o melhor que ha a 320 e
banhas a 240, 320, 500 e
Gollinhas para senhora
500 rs.
Frascos com superiores
I5OOO.
Lvros que serve para assenlar roupa, pelo diminu-
to preco de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cordiio branco para esparlilhes muito superior, a
vara a 20 rs.
Carritis com 150 jardas de linha branca a 60
res.
Candes com 200 jardas de linha branca garanti-
da s a 60 rs.
Grosas de pennas de aeo superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e do cores larga para toa-
I has a 160 rs.
Pares de botOes de punho, oh que pechincha a
120 rs.
Tinteiros do vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de b^toes de louca prateado muito tino a
160 rs.
Tesouras para costura superior qualidade a 500
ris.
Escovas para limpar denles, superiores a 200 rs.
Caixas com superiores phosphoros de seguranca a
160 rs.
Caixas com 100 envelopes o melhor que ha a 640
ris.
Caixas com 20 quadernos de papel mizade, muito
fino a 600 rs.
Quadernos de papel pequeo muito fino a 20 rs
UPA FEITA
NO
ABIAZEI
DE
tVtft fe ^ft^.
dD-
>oQ
-aja dj) trjiaiM'j)!)-
IKTREIRO VEROE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roapa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concur-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambero tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, parj senhoras
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 35)9 e
3050O0
250000
rua
Si
M
do Vueimado n, 8
Soulembarques a 7, 8, e a 6&.
A agua snpprida pelas chavas bem raras e pelas cacimbas, cuja agua em conseauencia de Vende;so soutembarque de laazinhas decores }p11/1a oAfmm+Q <1a nkinn
drainatcens BllracSo do mar, etc., no verdadeiro sentido da palivra nao noiavel t0Dse(,uenc,a dej para senhoras a 75, 85e a (05, dito de. grosdena- OTEMC SOrtlUlCUte &Q ODieC-
Em urna distancia rasuavcl da cidade acharase na propnedade do Sr. Jos Paulino Hooaholtz!p preJ mu,t? enf1stadLa.20'235 e 35 : riras Taq A* n-rvof^
denom.nad.-Bem-fica-u.il grande numero de olhos d'agua e diversas cacimbas as quaes dudante o f*P^de ?ros,lenaP^ 205, 255, 305 a 355, para IOS e gOSTO.
empo mais secco se tem couservado com agu
da-la bu>car.
Arara.
A Arara vende alpaka de cores para vestido.
r\^a Lag, c.dade e grande despeza com o transporte, tem sido consumida por a
iquellas pessoas que podem man-
Vende-se alpaka decores para vestidos a 360
, ik d P^^ de remediar a pande falla d'agua de boa qualidade, o governo provincial conceden ? colado, challes de lazihhas a 15600 e 15280
a jwse i lino iluiinoltz, urna concessao com previlegio exclusivo por cincoenta annos para supprir a d'i de m,!rin a. 45300, ditos finos a 45500, 75 e M boa freguezia no numero da qual conteinpla o
A Aguia Branca antes mesmo de ser condecora-
da com o pomposo Ululo de domestica, cuuferido
pelo gabinete do intrpido e gil Balisa, mandou
ver o grande sortimento de objectos de gosto que
agora acaba de receber e exp-lo a apreciacao de
Sobrecasacas idem, 300 e
Paletos idem e de cores, 250,
5 200, 150 e......100000
^ Di tes de casemira, 200, 150,
120, 100 e...... 70000
jff Ditos de alpaca, 50, 40 e
'M Ditos ditos pretos, 90,
y 50. 40 e......
B Ditos de brim e ganga de c-
res, 40500, 40, 30500 e. .
M Ditos branco de linho, 60,50 e
Jm Ditos de merino preto de cor-
70,
30500
30500
30000
40000
C'dade com agua potavel ao preco de 20 ris pJr caneco de tres e meTacm7d7s"vendds noTchafarizes
aga no kStTd^lSsI **'*'SendCSte pre5 mesino ^e adoPtado por outras co.npanl.ias de
i: na rua da Emperatriz n. 56, loja da Arara.
Laziuhas a Mara Fia a 500 rs.
Vcnde-se laazinhas a Mara Pa para vestidos,
il conceden in^ln.r., ,^,., p>nPy. Limited nao lera competidores e o governo provn-, cera palmas de seda a 500 rs, o covado, ditas de
i. ai conceaeu mus o direilo de supprir as reparticoes publicas, quarleis, fabricas, e casas particulares i cores a 320, 400 c "'
etc., por meto de penna d agua.
--------,- .___ ~- w w t," ti. |'i "ilU | ----- (- .--".- v -v v... ( j\s IO, 1/ VUV*UV. UIIM3 UC
js, fabricas, e casas particulares,: cores a 320, 400 c 500 rs ditas lizas de cores pa-
p ,n i. it 'ra caPas- e vestidos a 560 rs. o covado, casemiras
ser deOnitiv-mlnie .nr^X!n?!1"^^.^^:a-No^Ih Brasil) Wa,cr Con'Pany. Limited, acaba de para capas de senhora a 15800, 25300 e 35 : na
incorporada na pracade Londres.
O eoncessiooario tem depositado em poder da
previlegio, e mais documentos, sendo:
O livre dominio do terreno
for necess,
companhia as necessanas transferencias do
u nvre dominio do terreno que comprehende as cacimbas c olhos d'agua, e assim mais o que
casuario para as obras dos reservatohos. calerias. rtc '
'-*.....'^'V" i"'" a concessionano sera de 1,000 accoes de lib. st. 10, cads.uma, inteira-
1 pagas, percebepdo juros durante a con>lrucciio, e dividendo par passu como as mais accoes
obras
rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A Arara vende chitas a 210, 280 e 320 rs.
Vende-se chitas d- cores fixas a 240, e 280 rs.
o covado, ditas francezas a 320. 3t0 4.*" "^
v- ..uvauo, percailas para vestidos linos a 500 e 560
rs. o covado, camismhas para senhora a 15,15600
35 e 45300, gollinhas para senhoras e meninas a
240, 320 e 500 rs., enfeites para cabeca a Maria
Pia a 15, 15400 e 25, para liquidar : ra rua da
Imperatriz n. 56.
Raides americanos para senbora.
Vndese baldes americanos, os melhores que
tem viudo ao mercado, de 20, 25. 30 e 35 arcos a
2<5500. .'> e .'LViOfl p i.1 (lime lia l,i-i O. nlin-, a
mente ,...*,,.., pwucuouuu jurva uuranie a con>iruccao, e dividendo pan passu ce
pagas, porem nao poderao ser transferidas antes da concluso da obra.
..,, i c'?n,.rat0 Para a construccao da obra j est elfectuado por urna quantia fixada (da qual o
tontrata.lorohrigou-se a receber 15 /. era accoes da companhia) iucluindo todas as despezas prelimi-
nares ate a incorporacao da companhia.
O engenbeiro da companhia era sea regressa do Cear den seu parecer da maneira mais fa-
vorave.1 a respe. 10 da quanildade e qualidade d'agua, e do rendimento : e que na construccao da obra
nao navvra ilillieuldadealguma.
0 contrato oOlcial entro o overno e o concessionario, e mais documentos para transferen-
cia, pci. legalizados pelo tabell.ao publico, poderao se* examinados pelos accionistas no escriptono da
Ser pago aos accionistas o juro a razao de 6 % ao anno, durante a construccao das Cassas da Arara a 280> 320 e ^00 ris o covado.
Vende-se cassas de cores a 280, 320 e 400 rs. o
--------- covado, lencos de seda a 800 e 15 : na rua da
1 ara obtpr accoes (das quaes urna diminuta quantidade est reservada para as pessoas que luiperalriz n. 56, loja da Arara.
uesejam accoes no Brasil) os pretendentes nesta provincia poderao entenderse com o Sr. George'
Patcliet c.rrectMr geral, praca do Corpo Santo ou com o Sr. John J. Fosler, engenheiro dos contratado-
res, ao hotel de Europa, rua do Trapiche n. 12.
o que
cores
25300,35 e 35500 e 45. ditos de bnlhantma e
nuisselina a 45500 : na rua da Imperatriz n. 56
loja da Arara.
fe
i
5 Nova n ti
gLoja de madama Theardl
S Este estabelecimento se acha hoje mais *
^> que nunca bem sonido de objectos de
jpj moda do melhor que pode vir ao merca-
St do e nao se menciona cada um de per si
^* por se tornar demasiadamente enfado*
^ nho para seus numerosos freguezes quan-
S| do lerem o prsenle aviso pelo que limila-
w se em lembrar alguns artigos, com> se-
fli jam : ehapelioas de dinas de palha de
jS Italia, de seda, de crep branco e preto
W para luto, chapeos redondos de> palha da
jK Italia amarella e de outras cores para
mm senhoras ditos para meninos e meninas,
*| ricos cortes de blonJe, ditos de moreanti-
$% que de diversas cores, ditos de seda, as-
*y sim como sertas de cores para se vende-
^ rem a covados, ditas escocezas, cortes de
j vestidos pretos bordados a agulha, final-
r-g mente um variado sortimento de fazen-
S das finas e grossas, na mesma casa fa-
'> zem-se capa*, manteletes, vestidos para
J| noivas, vestuarios para meninos se bap-
* tisarem e ludo quanto pertence ao toilel
J^ de urna senhora e recebe-se ligurinos to-
m. dos os mezes das ultimas modas de Pars.
O Sr. Antonio Jos Marques, que mo-
Fazeudas para homem.
Vende se cortes de calcas de brim para homem
a 15600 e 25, ditos de casemira a 35, 35500 e
45500 55 : na rua da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
rou na na do Padre Floriano n 41" queira :Ro"pa feilaPara hoD,em de qualidades.
vir a praca da Independencia os. 6\ 8 \^KrS!^^rmSSLii^m^
negocio de SDuinteresse.
j ditos de alpaka de eres e bramos a 55, ditos de
meia casemira a 45500 e 55, ditos de casemira a
I 65, 5, 105, 105, 165 e 205, ditos de panno fino
I preto a Si, 105. 145- 165, 205 e 305, calsas de
brim de cor a 25 e 25500, dita de dito braneo a
j 25 ditas dedito de liuho a 35500 e 45, colletes de
cores a 25, de brim a 25500, de casemiras de
exemplares : acba-se
n. 4.
para
venda na rua do
Crespo
Contina a veuder-se tres terrenos simados
I Da rua do Brom do bairro do Recife, com 34 pal-
! BHM de frente cada um, e 300 de fundo, todos ater-
; rados at a linha do caes, e promptos para se edi-
ficarem propriedades por fazer o ultimo delles
frente para a rua d Ocidenle, tendo j constru-
i das tres casas de madeira e tljolo.que rendem 305
por mez : trata-se na rua des Guararapes a. 28.
Altiga-se urna excellente escrava e um escra-
vo, a escrava sabe fazer serv.gos de urna casa de
familia interno e externo : na rua dos Pires nu-
mero 54.
Precisa-se de dous Irabalhadores e de um
preto : Da padana da rua do Raagel a. 9.
infante, e por que para estes pila ja mais abrir ob-
vio para os bel.scar, deseja que tambem se livrem
dos agudos expoioes do vigilante gallo.
Eis o que ha de bom :
Finas capellas brancas para nolvas.
Meias brancas de seda para ditas.
Bonitas ligas de seda para ditas.
Ligas.
Ditas ditas para manguitos.
Luvas de pellica enfeitadas para ditas.
Ditas de seda brancas bordadas para noivas.
oidvai.is ii.iiii ,1- monadas para ditas.
Rosas e ramos de flores finas para noivas e con-
vidadas.
Filas brancas e de cores, lisas e lavradas
se pode encontrar de melhor.
Bonitos porl bouquets.
Leques de sndalo e madreperola.
Cascarrilhaa maravilhas brancas e de
para enfeites de vestidos.
Lindos aderecos de perolas falsas.
Outros de bonitas e agradavels cores.
Outros de mosaico.
Pulceiras, brincos e rosetas de dito.
Outras de aljofaresbrancos e decores.
Outras de cornalina, e chapa de cbristal.
Voltas de aljofares breos e do cores, finos e
grossos.
F.velas grandes de tartaruga e douradas.
Outras pequeas de ac, dooradas e com pedras.
Bonitas e encorpadas lilas para eslas.
Cintos largos de diversas qualidades.
Tallieres para crianeas.
Acham-se de novo a venda na loja da Aguia
Branca : rua do Qucimado n. 8.
Aavalli.is finas.
A Aguia Branca na rua do Queimado n. 8 acaba
de receber essas estimadas navalhas finas de ac
refinado, dos acreditados e bem conhecidos fabri-
cantes J. Rogers & C. : cajos nomes bastam para
justificar a bondade dellas.
Tambem recebeu afiladores e massa.
Eufeites bonitos para bailes, ca-
samentas e passeios.
Branca na rua do Queimado n. 8 est
rate provida de bonitos enfeites de fin-
irs dilferentes qualidades, e todos de gus-
tos modernos conforme ver o pretndeme que
comparecer munido de dmheiro. Tem tambem
bonitos de marroquim para bailes
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
W e.......500o*
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
Colletes de fusto e brim bran-
co, 30500, 30 e .
Seroulas de brim de linho,
20400 e ......
Ditas de algodo, 10600 e. .
Camisas de peitos de linho,
! 40, 30 e......
Ditas de madapolo, 20500.
dao, 100, 70e..... 50000, 20e. 71 77^ IA600
Calcas de casemira preta, 120, Chapos dc mass3i pretos ^
*W/80e..... 70000 cezes, 100, 90e. .
70000 Ditos defltro, 50, 40,30500 e
Ditos de sol, de seda, 120,
il0,70e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. .
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas para rosto, duzia, 110,
1 e........
"0000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
40000 tos e de cores.....
Lences de bramante de linho.
Cobertas de chita chineza.. .
S Ditas de cores, 90, 80 e.
^ Ditas de meia casemira de c-
m res, 50000 e.....
S Ditas de princeza e merino pre-
jH to de cordao, 40500 e. ,
i|| Ditas de brim branco e de c-
j* res, 50, 40500, 40 e .
g Ditas de ganga de cores, 30 e
Colletes de velludo preto e do
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
40000.
40000
20500
20500
500001
i0oeoj
2050 1
20000 1
10400 i
20500
80500
20000
mm
6-W00
*
60000
30500
40000 H
30000 m
24500 "*
Nfe3
DE i I
A' rua das Cruzes n. 36.
Sendo a pnmeira neste genero tanto pela variedade
dostu trabalho, os respectivos proprietarios reclamara
\ cao. Encontrarao os freguezes o seguinie :
de ms produ.vGes como pelj ; rfei.-ao
a attencao do pabNco pedado a i
Licores de todas'aa qualidades inferiores a 200 r<. a "anafa
Ditos ditos tinos a 40" rs. a garrafa.
Genebra de laranja a 85 a dozia.
Dita era botijas de superior qualidade a 200 rs. a botia
D|ta de canella a 500 rs. o frasco.
Agoardente de todas as quadades a 200 rs. a botija.
Alcool de 37 graos (espirito de vinho). Prego variavcl.
Agradavele b^ato.
Agoa do colonia que se vende em porcoes a vontade do freguz.
Pos de arroz em caixinhas a 400 rs.
Pos dentifricios em caixinhas a 400 rs.
ttH para a conservaCao, das gingivas e para tirar o mao balito da txH-ca a
Ton lo para a conseryaco dos cabellos e para a caspa a 800 rs. o frasco
Pasttlhas peiioraes a 15 a libra. n-s<-
Destruicao dos ratos.
JSSttS fos P'\ra envenenamento dos ratos o melhor que se lera d
porser de prompto effeito como por nao precisar precauco com as pessoas de
*H)rs. ofravo
escob. rio. Unto
c.isa.
qualidades de 500, 800, 15 e 10400, collarinho
de lodos os lmannos e muito bem feitos, para li-
quidar por ser tempo de feota : na rua da Impera-
triz n. 56, loja da Arara.
Colchas para cama a 20.
ttttUSia aTAS SS da^u.^ lieraancVr',abna B* ST* D" 8' 'ja
cobertas a 320, 360, 400 e 500 rs. o covado na i^Zl C"i T? U,r"S ^WT*
rua da Imperatriz n. 56. loja da Aran, Mlndezas de primelra qualidade.
A Arara vende madapolo entelada a 40. SS^L-S22STC ?"* A
Veade-se peCas d.. madapolo eaf.stada i45a K^IK?
UNIO.
t.'S-
pef
carne vacca a
Aluga-se.
Aluga-seo 3 andar da casa da rna Dtreita n.36
o qual tem commodos para grande famtlia : a tra-
tar no 2o andar da mesma ou no Recife na rua da i
Cadeia n. 3.
Urna boa casa terrea para familia
esta por alugar-se i rua da Uniao o.
39 : quera pretender dirija-se rua
da Aurora n. 10. Tambera alugam-
se as Rijas o. 44, rua da Aurora
COMPEAS.
Compra-se ouro e prata em obras velhae
daga-se bem: na loja de bilhetes da praca da Inde
pendencia n. 22.
l 828' rtlrn cel'entes linha de novellos grandes e pequeos.
pan forra. tAW^SSA X^SS. mS,x,nhas de ,inhas "ara cch W* d
SLS^iPBiCSST' Da ^ ^ Caftelras com superiores agulhas.
imperatriz n. .,b pja da^Arara Ca.x.nhas com ditas e que caita papel sonido.
ratHols de alpaka. j j.jta fina e elstica para abanhados de vestidos
\ ende-se palitots de alpaka preta da 35 e 35500, Dita de puro linho e de differentes larguras at
ditos linos de cordo, lizas e brancas a 40 : rua para coz.
Companhia fldelidade de"ffi
segaros martimos e ter- S
restres estabeleelda no!
Rio de tlanelro. 8
AGBNTBS EU PBPNIIBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, toraam seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio ru da
Cruz n .1.
mmmmusmmmwmm
Compra-se effecti va mente
ocro e prata era obras velhas pagando-se bem :
na rua larga do Rosario a. 24, loja de ourives.
Compram-se dous escravos que sejam bons
carreiros : na rua do Trapiche n. 13.
Compra-se garrafas e botijas vazias, na fabrica
de licores rua das Cruzes n. 36.
Compra-se ouro e prata, assim como concer-
ta-se toda qualidade de obras da mesma qualida-
de com promtido : na loja do pateo do Carmo a.
7, por preco com modo. ____
Foros.
Compra-se urna escrava de habilidades e boa
figura, paga-se bem agradando : ao pateo da ma-
triz de -anto Antonio n. 8.
Compra-se um anael antigo cora pedra azul
grande, conhecida por snphira, ou mesmo moderno
urna vez que a pedra nao seja pequea ; na livra-
ria n. 6 e 8 da praca da Independencia.
Prdc-se os seahores que tm predios em terre-
nos d<> extracto vinculo da Cmceico dos eoqueiros
nos hairros da Bea-Vista p fyrjjo Antonio, a boada.
lia de mandaren) paga, os foros qua se acham ven-
mido* aj a presiiite fala ; aa rua do Q-espo n. 7
se recape, J
Compra-se tima casa at 2:0000 : na travs
ta do Veras a. 22, se dir quem compra.
COMPasM
na rua da Cade i s
moedasde oo.rqdi} 10^ e 20J
*Q Recite d. 21.
da Imperatriz n. 56 loja da Arara.
Ao baroleiro da rua da Imperatriz n. 56
Vende-se seroulas a 10280, ditas Irancezas a
15600e 25 : e outras muito boas fazendas que o
freguez encontrar na leja da Arara, rua da Im-
peratriz a. 56.
10 LARGO DO TERCO 10
Esta nova padaria aberta ao publico (e porto da estaco do i-aminho >
Auvelopes mui grandes para o erro),, acha-se montada com espaco mais que sufficiente para pojer fabr.car eoaa
limpeza e aceio toda a qualidade e qualidade de bolacha, pao, boJachinha. bis-
coitos e todas as macas que se desojar a precos mdicos e razoaveis.
U dono o estabelecimento nao poupara exforcos para tem servir M publico
aaTSSs? L!K.lfla8 ?miK0S.ue fl^uozes; asseverand-lhe desde j que s empregar brinhas .
nf servir a sua boa!colhldas e das Delhores que vterem ao mercado, ou das que receba de conla propna.
ir e acaba de rece- Ao publico em geral e aos seus amigos em panicular pede que experimer-i'-
para se convencerem do que assevera em seu annuncio.
__ loaquilm (aciano de Carvalh*.
rrBos
Vinho tinto sem confeico
Mui bom cordo fraacez em pecas randes para I M*>00 EN V\COBl ET A S IE 8 CAAD 48 SO.IMMt
nico deposito em Fernanbiro roa da i adeia i. i.
Esta n ya qualidade de vinho recebida directamente de diversos Uvradores .W-
SSlife^^l!^!8^!^8 tetamos bilhetes do caminhoTfer-
procedencia, recommenda-s ludas as
vestidos.
Tranciahas de algodao de difl'ereates e boaitos
mordes para enfeites.
BotSes finos de osso o madreperola*.
Outros de velludo e seda para vestidos.
ro que trazem us cascos, pruvando sua origem
Travs de qualidade
Veodem-se 32 travs de madeira de qualidade,
de 22 a 27 palmos de cumprimento e 8 pollegada's
de face : na rua estreita do Rosario n. 12, typo-
graphia commercial.
Vende-se um sellim e ura jogo de malas, lu-
do em bom estado : na rua da Cadeia nova'nu-'
mero 32.
Vende-se um carro novo para trabalho de
estiva : no aterro da Boa-Vista, padaria do Sr.
Costa.
afliBnsUd)*
Vende-se urna parte do sobrado na roa da Sen- vradas, pmprias para fazer sin tos de ponas c-
zala velha n. 110, e juntamente parte de nm gran- nidas ; analmente lera grande sortimento de raiu-
ahafredondnrezPSde boa *****em caixi"IpesfM que *Tnm ter a cerleza dt beber vinho" puro de nva comoo'qne w"bX
"aSSt estojos com agu.bas e cabo miTSSiS'S FSSm f *** ^ ^m^- *
croachet. e con\enc. de quo us vmhos que aqu se importara nao vindo directamente do laVnii.4-
Didaes de marfim e madreperola. ; cbegam pela maior parle ou quasi tod^s sobrecarregados de Drenaros nocivos i saode
fas'rdeS iaSerola. i """H ^JE-.*2*?!? W^o dige'svo
Escovas de dita e marfim para nnhas e dea tes.
ENKEITES A MARA PIA.
A loja da Aurora, aa rua larga do Rosario a.
38, recebeu aovos gostos de enfeites a Maria Pia
com plumas de froco no frente, obra muito deli-
cada, assim como tambem tem de muitas mais
qualidades, riquissimos sinlos de lila larga de cha-
malote com fivela.*, tambera largas esmaltadas dc
pedras, riquissimas fitas largas de chamalote la-
0,nlann,U"CJaDte ,0ffe,'eCe a ana'-yse dos Profesin sU nova qualidade de y nho
S12SL. e i""1 pem,od? i:000^ a quemdescobrir no mesmoalgna cor-
po estranho a natureza da uva de que feito
. taoJLi lca eVti'a fa,sil!caf50; annunciante declara que o nico propretario
Redfe n I Q Smeate SCU arma^m da m ^^ *>
de aroiazem e terreno no fundo do dito sobrado :
a tratar na rua da Palma n. 58.
Atte> cao
Na rua do A'.'owm n. 37, tereeiro andar, vende-
se ama carauna ti?ttlti) 69a cantadeira, e alngam-
e amas seccas.
dezas linas, qne s a vista faz f : na loja da An-
rora, rua larga do Rosario n.38._____
Vende-se um eabnolet inglez com assento
para dnas e qnatro pessoas e com arelos com
pletes para um cavallo, Indo em bom estauo
pa-
ra ver e tratar na eoxeira da rua do Imperador n,
3 au na rua do Apollo P- V,
AssOCOr CrVSlalisadO da fabrica Vende-se nm rarmts de rodas rom dora,
2 de JulllO assentos para nm ou doos cavados, moii. lev* e
N n,h-, I de modelo eleganlp, bem como um eabfiotat 4m
na rsanta, duas rodas moderno e novo com os fiimpumt
Noarmazemda rua da Madre de Dos a. 28, reos: a tratar na ra do Queimado n. 13 w.
na a venda o multo superior assucar crystalisado meiro andar, escriptorio.
" ao preco de 50 cada ar-_____________________________________________
Vende-se ura hoi e earreca, e um caixi tu.
do prompionara trabalbar : aa Boa-VNa, ra da
Gloria n. 93, ,.
em saceos de 2 arrobas
roba.
No largo do Corpo Santo a. 6. sogundo aa-
dar, prccisa-se de um criado.
.
MUTILADO

llLEGVEL


Diario de Pcrnanibuco Terca feira O de Dezenibro de i*ai.
RA 1IO QIIE.IMADO IV. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
NOV1DADE
Pereira Rocha & G. acabam de abrir^na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Commer-
cial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes sero vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Os elementos que rompoeni esla preparacio, o
ferro, o iode e a quina, a colloco no primeiro
grao das preparacScs ferruginosas. Basta altestar
seus resultados oblidos pelos Mdicos dos hospi-
laes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que confirmrSo sua poderosa efticacidade as
seguintcs affeccScs:
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 e
1UO rs. a libra, e 10800, 2fG00 e 3^000
a arroba.
Amelias francezas em latas e em frascos a
WM) eiflrjOO, e em frascos grandes a
2*500.
Mein em caixinhas elegantemente enfeitadas
cota ricas estambas no interior das caixas
a i DO, 10400, 106OOe2.
Amendoas cora casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Ararula verdadeira dematarana a 320 rs. a
libra.
Avellas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoulos inglezes de diversas marcas a
103O<> rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs,
a Uta.
dem inglezas muito novas a 30000 a barr-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banba de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, hachin e perola a 15600, 20,
2*800, 25800 e 39000 a libra,
dem preto muflo superior a 20000 a libra.
Cerve.a preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 55800 a duzia.
Cognac inslezfino a 90^ rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, so de pepino, a 72*> rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes di Bahia
e especHlmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 1.5800,
250 0, 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra 80500 a 85800 rs. a arroba.
Caritos de bolinhos francezes muito rovos e
bem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
Chouricas e paios mirita novos a 800 rs a
libra,
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
Painco a 200 rs. a libra. | f 1t>ra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevad a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e, ErvilhAs portuguezas a 640 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. I Wem seccas muito novas a 200 rs, a libra.
Queiios flamengos do ultimo vapor a 20800 Figos de comadre e do Douro em caixinhas
dem prato. de ll libras e canastrinhas de 1 arroba a
dem londrino chegado no ultimo vapor a' 4*800, 50500 e 280 rs. a libra.
900 rs. a libra. ; Farinhi do Maranhao a 160 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs.Udem qe trigo a 120 rs. a libra.
cadaum.
Mlngoa no aanguc.
Fraqueaa.
Anemia.
Chlorone a Ictericia.
MenHti-iio.
Affcccoea do ulero.
Supprvaaoea Itraa c dexordea aa
urnutiuaro.
AKecraa anlmonur e
Phthlale.
Noleatlaa d'eatAmaso.
Gaalralglaa.
I'erda d'uppclltc, etc.
Yejao se os bulletins de
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
TijoJos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 60 0.
libra.
Eigos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam : Velno de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e
10000a garrafa, e era caixa com orna du-
zia a 9000 e 100000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, OOe 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40a caada,
dem branco de Lisboa muito fine a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Jelien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70OOO a 70500 rs.
a duzia.
dem tlorgaux e Chateaulumini de 1854, a 10
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
16200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 108OOrs.
Aim dos gneros cima mencionados te-
Genebija de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
dem em garrames de 3 e 5 gales a 50500
e 70300 cada um com o garrafao.
Graixaa 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, quaiidade especial em garrafas muito
grandes, a 10800 a garrafa.
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera e roldas de
vidro, a 10000, s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 60 rs. a lata.
Marrasquino de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Magas finas para sopa: estrellinha, pevide.
Convalcasenca de In-
icas molcailas.
Maleada eaerafala-
aa.
Pnpclra.
ObHlrurruo daa gln-
dula*.
Iluuiarca frlea-
Humores braneos.
Itarhltlanio.
AHecroca cancerla*
e ypbllltlcaa.
Fehrea typbaldea.
Variles, etc., etc.
therapeulica medica
e eirurgica de 30 de novembre 1 &60; a Cateto,
dos hospitaes de 28 dejulho 1860, etc., etc.
Alm das pilulas de iodureto duplo de ferro e de
quinina de Rebillon, os Mdicos aconselho
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
ferro e de quinina do mesmo autlior para as
pessoas que n3o gosto de medicamentos sob for-
ma pilular e os meninos. Este xarope nao lem
como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nSo poder conservar.
Peca-se o folheto que se d de graca em casa
dos p'harmaceuticos depositarios.
Para-se evilarem falsificacSes, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Pari, pharmacia Rebillon,
442, ru du Bac, e em todas as boas pharmaciaa
de Franca a dos puizes estrangeiros, etc.______
rodinba e aletria a 600 rs. a libra e a 40
a caixinha com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixc em latas preparado pela primeira arte
decoziuha a 10 a lata,
Palos de dentes a 160 rs. o maco,
dem de (lentes a 120 rs.
mo6 grande porco de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudo sera vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
pegas e carnadas, tanto em porces como Doce de goiabaem latas o melhor possivel a
retaiho- 2# e em caixo a 640 ts.
Quem comprar de 1000000 para cima te-Palitos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 por cento. jPassas muio novas a 480 rs. a libra.
GRANULOS
de BISMUTHJ
DE^GHEVmrER
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparaedes de
bismuth empreadas antes com o maior successo
pelos mdicos de todos os paizes, para prevenir e
curar as
Dlarrhoas chronleas. Ms dlgcstoes.
Dyasentcrlns. Gaatrltea.
Ddrca Dyspepalaa.
Os primeiros symptomas d'essas formidaveis
affecedesse manifesto ordinariamente por diges-
toes laboriosas, azidumes, falta appetile, pesos
d'estdmago depois de cada comida, caimbras es-
tomacae', e, umitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuidao, traz ine-
vitavelmente, que seja:
Molestias de ligado.
A ictericia.
Talpltaro de earaco
Dores noa rlna.
1
lo
mo
mao
Dar
i. m mtM jk ^m m
GRANDE E SMPTOSO ESTABELECIMENTO
DE
\OVOS E ESCOLUIDOS (-EIEROS
TAMO EM GROSSO COMO A RETALHO
00 Bul NOVA GO
I lima casa junto a ponte da Roa Vista.
DUAS PALAVRAS.
c Cesse tuo quanto a amiga musa canta
t Que outro valor mais alto se alevanta.
Acha-se a disposicao do respeitavel publico este grande e magnifico estabeleci-
meiito e molhados, talvez o primeiro e nico boje existente em sua especialidade, por-
que o maior capricho de mos dadas com mais apurado goslo de abrir um estabeleci-
menio modelo promovern! a escola dos mais superiores gneros do nosso mercado,
que por sftrem comprados em grande quantidade e pagos qnasi lodos a dhiheiro a vista
deu lugar a obtengo de vantagens, que repartidas como vSo ser pelas pessoas que se
dignaren) de honrar-nos com a sua t'reguezia. alentamos a doce esperanza de agradar a
todos, no so pelo emprego das maneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-
pazes'. como pela pratica da proraessa que fazemos de vender polos presos quasi do pri-
meiro costo o no6so magnifico sortimento.
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diverjas classes da nossa-sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharao
em nifiso armazem os melhores e mais esquisitos viudos, licores, champagne queijo, etc.
etc etc, e quelles que nao podem dispor de grandes recursos, que s compram o neces-
sario promeitemos-les servi-los de gneros novos e sadios, escolhidos ao seu contento.
O real do pobre ser recebido com tao boa vontade, como a moeda de ouro do
fcsmem rico.
As pessoas que nos fizerem a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com-
rd*ar para seu gasto, ou para negociar, voltario satisfeitas, n5o s pela boa quaiidade dos
abkctos, como pela fdelidade dos precos, e bom acondicionaraento.
O futuro nos justificar.
CAVACO ECESSARIO
Devenios ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que
adoptamos. Ei-las. ,.",..
Existindo neste jfasto e florescente imperio um grande partido poltico com a
deoominacSo de Liga parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente,
rapaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
__Rja-se quem quizer, porque nos tambem nos riremos mas n5o se zangue
ninguem. '
__O neme e urna voz'com que se d5o a conhecer as cousas. L esta amis
breve, clara e sincera explicado que, pelo methndo repentino, podemos dar.
Mas a quem nao seguir o partido desse systema diremos mais:
Nao oritnlo do Brasil o imponente titulo do nosso estabeleclmento. Foi a
muitas centenas de leguas que apanhamos a nossa Liga.
Na soberba e opulenta Inglaterra houve um rei que instituio a mu honroza or-
lem dallga- O acaso nos fez deparar com a narrago desse acontecimento, que tan-
to sorpre'iendeu a corte desse monarcha. Agradou-nos esta historia e gostando sum-
namente do trage do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenhar, e col-
locando-o no oito do nosso estabelecimento, temos assim feito distingui-Io dos outros
que se assignalaram com mitras e eoras.
Honnl ol qwl nial y-pensc.__________________________________
tfraltlhni*
descarocar ago<
FABRICABAS
Por Plant Erotkers & C.
OLDl
Estas machinas
podem descarocar
nual(|uer especie
,6e algoddO sem
estragar o fio,
""* sendo bastante
Oppresaoes.
mires de .'librea.
Irrltaces de bczlga e
da matriz, etc.
O granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sao tomados a
lempo.
0 preco de cada frasco 6 de i francos.
Depsito geral em Paris, pliarmacia Chevrier,
c em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
estrangeiros.
GRAGEAoulCUBEBINA
comCOPABAdeLABLONYE
Estes confeitos que tem por base o prin-
cipio activo da primeira cbela juulo com
iacupahyba pura, nao nausen o estomaga.
Elles fazem parar inmediatamente as ma'rs
rebeldes gonorrbas, mesmo as que ressti-
ram a cubeba o a cupahyba saladamente.
Deposito geral em Pernambuce ra da
dua?pessoas para Cruz n. 22 em casa de Caros A Rarboza.
o tralialho ; pode --------------------bTjlZ------*-------------------
descarocar urna | \tmi(^LO.
arroba de algo-
dao em caroco
em 46 minutos,
ou 1 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
ltmpo.
Milho, grecos grandes, perfeitamente mui-
to bom a..........0,5000
Farinlia de mandioca a melhor cado a...........S&oOO
Arroz de casca.........3^o00
Haa da Madre de Dos ns. 5 e 9.
Vende-se
Assim como machinas para serem movidas por ,
animae?, que descarocan 18 arrobas de algodo superior fannha limpo, t>or dia. escunas Principe, 1). Affonso o NSo Sei, atracados
Os mesaos tem para ve&ler um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machiaas
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e cxamina-lo, co arma-
zem de algodao, no Largo da ponte nova n. 47.
Sauudei's Brotliei-8 k C.
N. II, pra^a do Corno Manto
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
ttua do Queimado ns. 49 e to loja do Baraleiro
conhecido j como tal, est dispondo da fazenda
por todo o prego para apurar dinheiro, quem qui-
zer venha ver e traga o cobre, e ver o seguinte :
Barallios de cartas para voltarete muito
finas a............................ 206
Miadas de linha froxa para bordar a.... 20
Pares de sapatos de tranca de todos os
tamanhos e finos a................... l^oOO
30
200
100
100
200
o DE ARCOS
A >000.
Na ra do Queimado n. 40, letreiro verde.
Superiores e bem armados baloes pelo diminuto preco de 8$, aYflrh'odo que vendeoi-se por j
este preco por ter-se oemprido orna grande porcao e qaerer-se acabar.
Massos de superior grampos para cabellos
Duzias de palitos de gaz superiores a. ..
Libras de ara prea muito superior a...
Frascos de superior macaca oleo a___
Ditos de dito perola a..................
Ditos de oleo de babosa milito linos a 320
rs. e..-.............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de be nha muito fina a............
Ditos de cheiros muito Anos para o preco
a ris.............................
Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
160, e............................
Novellos de linha com 400 jardas a......
Carriteis de liona de cores com 200 jar-
das a.............................
Novellos de linha de gaz de todas as co-
res a.............................
Pegas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a.......................
Frascos de superiores cheiros, pequeos, a
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a ris..............................
Varas de bicos francezes, superiores a...
Opiata para dentes da melhor que ha a..
Frascos de agua para dentes, superior a
tudo a............................ 1^000
300
400
640
600
400
80
60
30
240
200
400
40
1,5000
Pecas de tranca preta liza muito fina a..
Caixas com 4 papis de agolhas Victoria a
Varas de fila preta cora colxetes a......
Libras de lia surtida de todas as cores a
Bonecos de choro muito bonitos a......
Caixas de obreias de ma ssamnto novas a
Varas de franja .branca e deires para
toalhas a.........................
Frascos de oleo Philoeomescupenor a...
Ditos com superior tinta a320 e.........
Caixas de linha de gaz rom 50 novellos a
Enfiadores para espartilho a,..........
Duzias de bornes encarnados para vesti-
do a...,.........................
60
200
40
65500
160
40
80
6O0
600
800
60
no caos do Bario to Livramenlo : a tratar a bor-
do, 011 no larg do-Corpo Santo n. 4. primeiro an-
dar, escrlptorio deiPalmcira & Bi'llro.
Vende-se um sillo em Cachang com urna
casa de vi venda, luna fita para negocio, e outra
para padaria, tratar cem Manoel Joaqotan Morena, ra da Im-
peralriz n. 42.____________________________
Vende-se um tionilo e bem acabado piano de
urna das melliores fabricas de Pars, o qual tem
de ser despachado em poucos (lias : quem o pre-
tender, dirija-se alfandega a fallar com o despa-
chantp, o Sr Joaquim C. Ayre?._____________
Machinas de vapor e pa-
ra descarocar algodx).
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido, coa-
do e de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e
de carroca com mangas e
eixos de patente.
RuadoBrumn. 38, fundi-
co do Bowman.
i m
!
bO GRITO DA GUERRA JA' SE FEZ Gl Y IR.,
LA TAI IIOMB.4
SENTIDO.
O
4LIZA

J
>
1fc\ 1%\\.%%
Q

ksa
t
O assmapto importantissimo.
O assumpto impertantissimo.
O assumpto imporlanlissiiih-.
Ninguem ntermmpa o orador.
Ninguem interrompa o orador.
Ninguem inlerronijia o orador.
Reine o silencio em todas as columnas.
Reine o silencio em todas as rulumnas.
Reiin' o siltncio em todas as columnas.
Nao se admitli. clnte^ta\,i^.
-Nao ge adinilt' c< iitestarM>.
Nio se adnilte cotrteatadH
Os apoiados too prubibitkn<.
Os apoiados sao proitil
os apoiados sao profaH id SDVERTENC1.
nao pKle prcscrnd.r
Antes de entrar na materia o inconsavel Bauza
^fazer o seu signal de horruras doiradas eoras e mal fritas mitras dos foMos'
Sff'apostlos do progresso, inimigos do povo e chupadores do sangue da hum.ii i-
ribdade. Yt
c|f j A dclestavel sede de oiro tem obsecrado sous coraces d> vampiros.
5L Querem fazer fortuna com a rapidez do coriseonao sahem ler f. nem
'^esperar.
Sao os peifeitos unos da c.ivilisaciio. \-'
Malditos sejam elles--ja que nao possivel ao Bai.i/a [r-lhes as miiras^O
Kna cabera os bculos na mo e os sapatoes esmoga cobras nos i) e e\po!-< i-
v publico por tres dias.
OltDOI DO SHA.

N'esta casa nao se Ilude ao povoos pesos eslao ateridosa l>alan^a ; do^
mt'llios fabricantee os gneros, partindo do sofirivel al o ptimo, podem ^r '*
escollndos a vontade por todos, desde o pobre agoniadn Clarim at o mais a.s.>
[General. ,>
NiO sendo O IflRtm r x ivrrninAnv ni'.'.li."i.lr.^ ,iui> fmnu'nlo livt'N ~
Nao sendo o agkaho e a sincebjdadk predicados que somente i
,chegado para bico da domesticada e encantadora aguia brama, esifo da-la^
mais terminantes ordens para que d'ora em diantc se redobre as alienc>-s r^ra^K
com todos os freguezes, de forma que se opere a mais perfeia ija *!.-*.nt,- s- '
,ses recprocos, a fazer inveja a todos at ao proprio cara llevo th: es|uina da n'\,
'Nova. '.-;.
Quando ao dispontar da brilhante, aurora ou da aurora brillante, lizer(X)
jouvir o garboso gallo vigilante, com aquella bisan ia que Ihe e propria, o *'': y,
canto sonoro, signal de chamada dos amareis freguezes e predilectas fregu zas,
) tambem o solicito Baliza estar prompto em ordem de marcha, agradav.l rnmtlflL
'a aguia branca, diligente como o gallo, grave como o propheta. no mais per-"w*
i feito e continuo movimenlo, serv'mdo a todos, e a todos i-ontenlando.
POTASSA
ADDITAMTO.
Vende-se potassa em barris a commedo preco o
aa ra da Cruz n. 23, primeiro andar, eseriptori:'
de Antonio de Almeida Gomes.
Vcude-se a casa terrea n. 2S da ra de Ma-
Ihias Ferreira, na cidade de Olinda : quem a pre-
leader dirija-se a casa n. 39 da ra Angusta, que I
achara com quem Iratar.
AlhllON
para 20 at 200 retratos, muito boas c por menos
preco que em outra qualquer parle: na ra do
Crespo n. 4.
Vende-se um sitio grande em Sanln Amaro,
chaos proprios, com baixas de capim, muitas fruc-
teiras, viveiros de peine, apua de beber, casa boa
e crande, tendo mais 11 moradas de casas para
alugar : a tratar no mesmo sitio, na estrada que
vai para Belcm, casa encarnada._____________
Vendem-se travs e enxams de louro verda-
deiro, de 22 a 40 palmos: no caes do Ramos n. 4.
Os precos do grande sortimento d'este magnifico armazem, se acham Msjsa
sideravelmente reduzidos, e a respectiva tabella deixade ser publicada por que V
la alma do negocio o segredo. Os freguezes reconhecerao em vista do objee-jjfc
'10 que pretender que o preco que se Ihes pedir ser to rasoatel que nenhumaV
fjVclamacSo offerecerio. Venham todos a
RA IIO 1.1% IIA ti i:\TO S8
AO GRIMIE AR1AZEN DE XOLHDOS
DO
BALIZA
PROPRIEDADK
DE
Pechincha.
Vndese orna parelha de cava I los russos ja en- [
sinados para carro : quem pretender dirija-se ao
I escriptorio do agente Pinto que achara com quem
2001 ir15"".
. PEDRO DE MELLO.
.
v.



Diario 4c Prramf$ie Terca felra G e Dezembro de 1S4.
INJECTION BROU
____^_____________---------___________
^PERFUMARA medica hyginica
De J.-P. LAROZE, qumico, pharmaceutico de la Escola especial de Faris.
Estes productos sio o resultado da aplicaro das leis da hygiene i perfumara, que se ergue e
tornase pharmacia da belleza, encarrtf ada de prover i hyrieae da prlle, dos cabellos, dos deutes,
rgios lio importante*; cutio erita e dcstro* as causas das doencs que sua raan mais Tena,
a pharmacia propriamenle chamada, teui que curar.
elixir DEirrrriUCIO para curar imedialemente u
dtraa ou raivas de denles; o vidro 1 fr. 15
POS DEHTITRICIOS COR M ROSA cora base de
Maraasia, para branquaar c conservar os denles;
turo...........t fr.
opiato dehtifrioio para fortificar as gencjvas
erii.ir a> nevralgias dentarias o pote 1 fr. 50
creRATTVO DRWTARIO pare tratar os dentes
cariados antes do ctuimfcaiaMlo, e cvilar os ab-
cessot e dores: e vidro cora e instrumento fr.
agua LEOGODMMIHA, par* conservar a frescura
a> tui.ccses da pello vidro S fr.
espirito db Amz RBGTiriCADO, complemento
do aceio da bocea despois de comer ; vidro 1 fr. 25
sabo lenitivo medicinal, de violeta, amendoa
amarga, bouquet, o pSo ."......2 fr.
CREME DB SABO LENITIVO MEDICINAL de
Semas de ovos, para evitar as fendas, frieras e
oencas de pelle, d violeta, de bouquet; o pfio 2 fr.
CKEME DB SABO LENITIVO MEDICINAL em
pos. Ella especial para a barba, o aceio das
senhoras das criangas, o vidro.....2 fr.
agua uiSTRAL para conservar e eabellezar os
cabellos, e fortificar anas railes, o vidro. 3 fr.
OLEO DB A VELA PERFUMADO para remediar *
dureza des cabellos e a sua alonia, o vidro. 2 fr.
VINAGRE DE TOILETTE SUPERIOR pela SUS
suavidad* e sua aecio refrescante, o vidro. 1 fr.
COLD CREAM SUPERIOR para conscrvsr a pello
clara, fresca, e diaphana, e evitar os mos cffeites
de uso das -cures, u palo......1 fr. 50
AGUA DB COLOQNA SUPERIOR, com eu sem
mbar; permanenci* de seu perfume o faz bascar
para o locador, baaos geraes e locaes, o vidro 1 fr.
PASTELBAS ORBENTAB do Dr. Paul Clement,
Eara tirar o chairo do tabaco e para modificar os
allitos fortes; 1 e 2 fr. a caixa.
AOUA DB FLORES DB ALFAZEMA, cosmtico
bascado para tirar as comichees, fortificar e re-
frescar ceos orgaos. vidro.....1 fr. 25
BSPIRITO DB HORTBLAN SUPERFINO. EHe O
aperfeicoamenlo indispensavcl do aceio da bocea
depois de comer, o vidro......1 fr. 25
FORMADA CONSERVADORA de quinina pura
para fortificar os cabellos, os embellezar e evitar
e encanecimeais prematuro, o pote.. S fr.
Depsitos em cada cldade, em caza dos pharmaeeutieos, perfumistas, cabelle reros, negociantes de
modas e de faiendas. Vsrejo: Pharmacia Laroie, ru Neme-dAs-Petiu-Chainp, 26.
Expedieoes: em caa de J.-P. Laroze, ru des Licms-Saint-Paul, n1l, en Pars.
K h i.ii I i'-r:i ntr 'i
Sa
XAROPE
DE CASCAS de LARANJAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimico,
HAftXACBBTICO DA ISCOLA SUPERIOR DB PAIIS.
Este xarope, regalarisando as funecoes do estomago c intestinos, destroe essas
ndisposifocs proteiformes, e faz abonar as molestias de que sao indicios precurso-
res. Mdicos e doentes tcm reconhecido que restabelecc as indigestdes, fozendo
desapparecer os pesos de estomago, que calma as eaxaquecas, espasmos, e caimbras,
que sao resultado de digestdcs penosas. Seu gosto agradavel c a acilidade com que
se suporta, o tem feito adoptar como especifico infallivel das docncas nervoso',
gattritis, gastralgias, clicas de estomago e de entranhas, palpitacdes, dores de
coraefio, vmitos nervosos; sua accao sobre as funecoes assimiladoras tal, que os
mdicos mais Ilustres o tcm adoptado por reseipicntc real dos dous primeiros
agentes therapeuticos: o Iodureto de Potassa e o Proto-Iodureto de ferro, tendo
observado que dcbaixo de sua influencia, o primeiro perde sua accao irritante, e o
segundo seu effeito adstringente.
XAROPE FERRUGINOSO
com
XAROPE DEPURATIVO
De cascas de laranjas amargas com Is-
dureto de potassa.
O iodureto de potasas, administrado em
solucao ou dcbaixo da forma solida, causa ao
doente urna grande repugnancia, ou determina
acridonics que o forco renunciar a esta
medicacao efficaz.
Unido portti ao Xarope de cascas de laran-
jas, elle naO causa nem gastralgias, nem per-
turbceo do estomago e intestinos, e gracas a
este salvaguarda, os tratamentos depurativos
sao continuados sem inlerrupcao, as affec-
oes escrofulosas, tuberculosas, cancerosas e
as secundarias e terciarias, mesmo rcuma-
Ufisntaa, as quaes elle o mais seguro espe-
cifico. A dosc est definida de tal maneira
que o medico pode varial-a a sua vontade :
0 frasco: A fr. 50 c.
De cascas de laranjas amargas
proto-iodureto de ferro.
A assocUcSo do sal ferro ao Xarope de cas-
cas de laranjas tanto mais racional quanto
que este xarope, empregado s, para estimu-
lar o apetite, activa a sccrecSo do sueco g-
strico, e por fin rcgularisa as funches abds-
minae-, neutraliza os mos effeitos dos ferru-
ginosos e dos ioduretos (peso de cabeca, pri-
sao de veatre, dores epigstricas) cm quanto
5uc facilita sua absorpclo. Dissolvida no
arope, elle se toma e se supporta fcilmente,
por achar-se no aladopuro mais assimilavel;
e assim pode continuar-se a cura da pallidez,
corrimentos brancos, anemia, afeccoes escro-
fulosas e racbitismo:
O frasco: 4 fr. SO c.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE esto sempre em frascos especiaes
(nunca em meias garrafas nem em frascos redondos). Expedieoes: em casa
J.-P. LAROZE, ru des Lions-Saint-Paul, 2, Paria.
ba i" lmpera>lor n. 38. botica franceza.

m ira
3". :S5S =
8*?&&8q?
R F S a # -
a3Of
"3 ? s-e a s s
ttHK
iltiLf;!
i P E^S t
= c" x e% S 2
-> o; S; :=
?? -"*h
S i'S I ?
3=3=4
m lili
"5' 1 H S ?".
l g'T|-w -s
c3 = -
3 S. re 2.-
2rs
5 =!'3n
a ? n T o _
B =CR S
5 si I al
as 1 S *
fio
C = X >
ar
rro = rq
= -
a w e o
n -<
i isi-ilsess
a> 3S
= o.
n 5
CT>

D
a
V.
I
73
bs
**
o
O
Vende-se na ra do Imperador botica franceza n. 38.
SORTIMENTO PARA A FESTA
fui
AZEM CONSERVATIVO
23Largo do Terco23.
Joaqim Simito dos Santos, dono deste armazem de molhados avisa aos amigos do bom e ba-
rito que se venham sortir dos bons gneros este estaboldoirneatn que oo se arrependerao, se Ihe
(ir a differenra de 10 a tb sor ceato, pelo seu prorApto pagameato ; e por Isso se faz aDnuncio de
algn* gneros, que tendo sempre este estabelecimeuM ara grande e vantajoso sortimento de tudo
quanto perteuconte a oste Msbeleeimento.
Sentido! Vod fallar com o Censenalo !!
M.tnteiga ingleza de e 2' 6arte a 800, 900 e l
a libra.
dem franceza em barril a 600 e 640 ris a li-
bra.
Toucinhe de Lisboa a 300 rs. a libra e 8J800 a ar-
roba.
Batatas em caixas e gigop i200 e 20O0 a ar-
roba.
Gaf de primeira e segunda sorte a 250, 280 e 300
rs. a libra.
kiroz da ludia, Maranhao c iara a 100 e 80 rs. a
libra.
Phosphros do gaz a 2& a groza o 180 rs. o *)aco.
PSssas novas a 480 rs. a libra.
Volas decarnaba Aracaly coroposieao a 400 e 440
rs. a libra.
Massas para sopa a 480 e 440 rs a libra.
'.nne'la'la dos melliores fatiricaoles de Lisboa de
i a 2 libras a 640 rs. a libra,
Cha hysson o mellior deste genero a 2-5801 a li-
bra.
dem perola miudiubo a 25S00, 2|00O e 3^000 a
libra.
Bania inglezs al va e saperior a 480 r. a libra.
Queijos mais aovos do mercado a 2,5500 e 2800.
enreja da melhores mareas, tanto branca como
preta a 500 rs. a garrafa e a duzia a S$800.
Sabo amarello massa a 180,200 e 240 rs. a libra.
Charutos da Bahia dos melhores fabricantes de
1*200, 2*000, 2300 e 3* a caixa.
Milb alpista e paingo a 160 e 140 rs. a libra.
Vinho de Figueira verdadeiro a 500 rs. a garrafa,
dem is Lisboa das melhores marcas a 400 a diia.
dem do Porto em barril saperior pinga a 640 rs.
Idttm tranco proprlo para missa a 500 rs. a dita.
Mom do Porto engarrafado a 800 e 13, tomando
uis de urna caada de qualquer um destes ter
grande abatimenlo.
Cowervas inglezas e portugnezas a 600 e 640 rs.'
Biscoitos e bolachas de soda a 14400 e 2L
Geirbrai Olajia em frascos e botijas e de la-
ranja de 480 a 640 e 1*200.
'.houricas as mais novas a 360 rs. a libra.
Latas eora 1 e meia libra de amenas a 14200.
Azeite doce de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 3J o
galao.
NEM COROAS NEM MITRAS
o
GRAIDE
ARMAZEUf
DE
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
LlANGrl
DE
Silva &. Soma
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de peores
RA DO IMPERADOR *. 40
Junio ao sobrado em que mra o Sr. O^boroe,'
Dnarte Almelda fc c. reeeberam de sua proprla encommen-
da o mais liado e variado sortimento de molhados, proprlos 5 a O por cento menos
da presente estaeo.
Mailteiga ingleza JUa^aS OraUCaS Gneros especialmente escomidos por um dos socios que na Europa se acha
da safra nova vinda no ultimo vapor a i ,00o, para sopa a melbor que se pode desejar, para esse Gm.
odree qne sepaaan pao mj ira qual-
juer parte.
rs. a libra e em barril a 800 rs.
Hanteiga franceza
da safra nova aUOo rs. alibra, e em barril
a 560 rs.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos,
Oartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolacbinhas de soda de tedas as qua-
lidades a 1(5300.
Chocolates
de todas as qualidades a 15000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos reinos para 50 rs.
Chieijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 2fJ6oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 2$t00 cada um.
Queljo
macarrSo, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 45500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas mareas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2^800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado des melhores fabri-
cantes da cidade do Portea 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar-
cas sao asseguintes: Ghamisso Filh,
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banba a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica da mesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120c* .41 bra.
Oervejas
dos melhores fabricantes|e de todas as mat
cas de 40500 a 0500 a duzia.
CHARUTOS
ment.
E grande a vantagem para todas as pessoas que compraren nesle estabded-
armazem.
Os propietarios garanlem todos os gneros sahidos de seu j muito acreditado
AO PUBLICO*
Nao nos servimos de exordios como constantemente estamos vendo em anuun-
cios deste genero, pois sao palavriados de que sempre nos abstivemos, e de que tambem
estamos certos nenhuma attenco j merecem do publico. O nossn fim, pois, siropes-
mente fazer ver que o verdadeiro e principal interesse de todos est na tabella dos pr<*-
(;us que passamos a mencionar, e para a qual pedimos toda a attenco.
Vinho verde.
Chegou o muito desejado vinho do Carlaxo vende-se nicamente neste araren*
a 600 rs. a garrafa e 3o,ooo rs, a ancora com 7o garrafas.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
04o rs. a libra,
dem de casca mole a4o o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinbas com lindas
estampas a l,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 '/j libra a l.loo rs.
londrino o mais fresco que se pode esperar charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 7G0 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
o melhor I que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
34 a 2f$G00.
dem perela
especial cualidade a 20700 rs. a libra.
dem hvssou
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talharim e aletria a
480 rs. a libra.
COC YAC
o muito afamado cognac Pal Brandy a l,8oo
re a H-'.i'/':.f des a ,oqo e 800 rs. a garrafa.
COPO
lapidados para agua a 4,5oo e
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
5,ooo
rs. a
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma'do me-
lhor.
Papel de botica
de excollente qualidade a 20200 a resma,
I v PAPEL
azul e pardo para embrulbode l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oo rs. alibra
Vinagre
PRRem ancoretas de 9 caadas a 10.000 rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l.ooo rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs, a libra,
e 40400 a arroba.
CEBLAS
muito novas a 10000 o cento na ra do Quei-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
GRAO DE BICO
muito novo a 30 iOO a arroba e 140rs. a li-
bra na ra do Queimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.
QUEIJ0 SUISSO
muito fresco a 800 rs. a libra na ra do
Queimado n. 7, ra do Imperador n. 40 e
largo do Carmo n. 9
Os proprielarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularan* os mesmos precos nos seguintes lugares:
0 Verdadeirs Principal raa do Imperador 40
FR1TCTAS
. MACAA, peras e uvas
chegadas neste ultimo vapor, vende-se na ra do Imperador n. 40, Verdadeiro Princi-
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1.* e 2.a sorte do Rio de Janeiro a 805f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafes
com 4 l'i garrafas com vinagre a 10000 fW
o garra fio.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de H0OOC
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 con
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICOBES
flnus ce luasV <]naiiuaai;s, a io,iiuo a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos 600 rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimenlo.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra. *
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas mnito oras
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140rs. o pao.
Frotas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, gioja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsee da casca da goiaba
a 600 e 10 o caixae.
GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 1 e 2 arrobas a 30500 a ar-
roba e 140 rs. a libra na ra do Qoei-
mado n. 7, ruando Imperador n. 40 e largo
do Carmo n. 9
BOLACHINIIAS
em latas de deffcrenles qualidades a 10200
a lata
QUEIJOS FLAMENG0S
chegados neste ultimo vapor a 20800 na ra
do Queimado n. 7, ra do Imperador n.
40 e largo do Carmo n. 9.
Lentilhas muito novas excellcnte legme pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as quabatk
de 7oo a 9oo rs. a garrafa:
Manteiga ingleza perfeilamente flor a 8001
l,ooo rs. a libra, desnecessario mais
elogios neste genero, que so so pude ve-
rificar com a vista.
Arroz do Maranho e da India o melher que' dem franceza a 64o rs. a libra, e em barril
Agua Florida.
Para rest^belecer e conservar a cor natural
dos cabellos.
A agua florida nao ama tintara, fcto essen-
cial a contentar, a mesma agua dando a rdr primi-
tiva ao cabello. Composia de plantas exticas e
de substancias inofensivas, ella tem a propriedade
de restituir aos cabellos o prineipio corante que el-
le* tem perdido. D'uma salobridade incoutesta-
vel, a Agu Florida enlretem a lunpeza da cabeca
deitroe as caspas e impede os cabellos de cahir
. I Oleo de Florida.
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
constite poderosamente, com a Agua Florida, a
forra, a bell -za e a coaservacio dos cabellos.
Em Paifis, casa de Quislaar n. 12, ra de Rictae-
lieu, e 21 boulevard Montmartre.
Todos )os frascos, nao tendo intacto e claro, o
timbre priteado da casa, sao reputados falsos.
Deposito, ra do Imperador, pharmacia n. 38.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
120 a lata : nos armazens da ra do Im-
perador b. 16 e ra do Trapiche Novo n. *8
Vende-se saperior vinho doPortf em caixas de
Higa ducia : era casa de Johnslon Pater 4 C, ra
do Alario n. 3.
ha neste genero de 80 a loo rs. a libra,
e de 2,000 a 2,8oo rs. a arroba.
Azeile doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e 10,000
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4,4oo rs.
a arroba.
Bolachmlias de Lisboa da fabrica do Reato
Antonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,ooo e l,5oo rs. a
lata e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
Banha de porco refinada a 600 rs. a libra e
em barril a 58o rs.
Ratatas a 2,000 rs. a caixa.
Champagne das melbores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, 1,80o rs. a garrafa, e 9oo rs.
as meias garrafas.
Cha uxim o melbor possivel a 2,7oo rs. a
libra.
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs.
a libra.
dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2,ooo, 2,4ooe 2,600 rs. a libra,
dem prelo homeoptico a 2,ooo rs. a libra.
Cerveja das melliores marcas a 6,000 rs. a
duzia, e56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, hespnhol e suisso a 1,00o,
l,2oo e l,4no rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
tado de Simas c outros da Babia como
sejam regala, trovadores, guanabaras,
delicias e suspirosa l,6oo, 2,ooo, 3,000
e 4,000 rs. a caixa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco,
dem francezas surtidas ou de urna s qua-
lidade cada frasco a 5oo rs.
Cognac francez e ingle/ a l,ooors. a garra-
fa, e lo,ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a 9oo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinlio a 4,8oo 0,000
e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 3oo rs. a libra,
e 7,5oo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba superiorem latas a 2,ooo rs.
Ervilhas portuguezas em latas ebegadas l-
timamente a Oo rs. a lata,
dem ceceas a 16o rs. a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinba de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo
rs. cada urna.
Favas portuguezas em latas chegadas lti-
mamente a 640 rs.
Frutas dem em calda, pera, pecego, alper-
se, rainha Claudia e ginja a 9oo rs. a lata.
Graixa nova a loo rs. a lata e l,loo rs. a
duzia.
Gomma muito al va e nova a I60 rs. a libra.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos a 5,8oo rs. e 560 rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs. cada urna,
dem em garrames de 16 garrafas a 4,800
rs. com o garrafao.
dem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem inglezas em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro qualidade superior
1,000 rs. a garrafa,
dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o
frasco e 11,000 a frasqueira de 12 frascos.
Kirsch Wasser exeellente bebida suissa a
1,800 rs. a garrafa.
se far abatimento.
Marmelada do primeiro fabricante de Lisboa
a TiKi rs. a libra, ha latas de 1, 1 1,2 e
2 libras.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. a libra.
Macan o. talharim e aletria a 4oo rs. a libra.
dem branca a 3o a libra.
Mostarda franceza preparada a 4oe rs. t
frasco,
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garrafinhas com rolbas do
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a l.ooo rs.
a garrafa, e lo,ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lata.
Prezunto para fiambre inglez verdadeiro,
garantindo-se a qualidade a 800 rs. a libra.
Passas novas de carnada a 6o rs. a libra e
6,5oo rs. a caixa.
dem para sopa estrellinha, pevide e rodinha
etc. a 3,5oo rs. a caixa, e a 56o rs. a libra.
Peixe em latas liermeticamenle fechadas das
seguintes qualidades: savel, corvina, guras
cavallinbas, e pescada a l.ooo a lal.i.
PaftiWB para denles liclimlos a 14o rs. o ma-
co de 2o rs. e macinhos.
dem do gz a 2oo rs. a duzia, e 2,loo rs.
a groza.
Painco muilo novo 12o rs. a libra e 3,ooo a
arroba.
Queijos fiamengos, do ultimo vapor, a 2,5o
rs.
dem londrino muilo fresco a 800 rs. a libr.
Sal refinado em potes de vidroa 5oo rs. cada
um.
Sevadinha de Franca a 18o rs. alibra.
Sevada a loo rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 24o e 32o rs. libra.
Tijolo para limpar facas a 15o rs. cada um."
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e
l,4oo rs. a caada.
dem em garrafoes com
rs.
5 garrafas a 1 .ooe
Ibem de cscovas para lavar casa a 36o rs.
cada urna.
Velas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra,
dem de carnauba refinada e de composio
a 44ors. alibra, e de 15,ooo a ll.ooors.
a arroba.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Pigueira
das marcas menos conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e a 2,8oo rs. a caada,
dem Figueira especialmente escolbido nesle
lugar a 6oo rs. a garrafa, e 4,5oo rs. a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muilo fresco sea
cemposicao a 6oo rs. a garrafi, e 4,5oo
rs. a caada.
dem de Lisboa branco ova pura a 56o rs a
garrafa, e a 4,5eo rs. a caada.
dem Porto fino em pipa a 56e rs. a garrafo.
dem engarrafados generosos Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, D. Lah I, D.
Pedro V, Nctar, vellio serco, Malvas
Genuino, Particular a 9oo e 1,2oo rs. a af.
arafa, e a lo.ooo rs. a caixa com ama do-
zia.
dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a garra-
fa, e a 12.000 rs. a duzia.
dem Muscaiel a l.ooo rs. a garrafa.
dem Bordeaux das acreditadas mareas S.
Juen, St. Esteph, chaieau la Bose, chatas
Margoux a outros a 6,5oo rs. a caixa. e
56o rs. a garrafa.
Superior cal de Lisboa.
Vende-se superior cal de Lisboa a mais nova
que lia no mercado, lano em porcao romo a reta-
lho, por barato preco, aOangandu-se aos compra-
dores a superior qualidade: a tratar as segninto
as : Crespo n. 7, Imperador n. 28, Forte do Ma-
tos, armazem do Sr. Avllla, defronte do trapiche
do algodao.
ER1EJ1 EM BA KK1JL
a tOO rs. o cope
Qtieljo de Hias chegado no vapor
dem prato mnito fresco
dem snlsso superior
dem londrino superior.
57 Ba do Imperador 57
v^mam wa%^s
*


Diario de reruagbaeo Ter^a felra o deDezembro de 1S04.
i -
0 Vigilante est alerta, nao Ihe era permiltidn
deixar passar desapercebido sem que nao dsse o
sea canto, aflm de annunciar ao respeitavel publi-
co o grande sorlimento de galanteras do melhor
gosto propriamente para qualquer mimo, que aca-
ba de cbegar nesle ultimo paquete, assim como
amitos outros objectos que recebe por diversos na-
vios, tanto de sua conta como de consignago que
est resolvldo a vender por pregos muito baratos
para vender muito e ganhar pouco, e dar cxtrago
o grande deposito que tem, que espera merecer
Grande liquidado.
Roa da Imperatrlz n. eo.
Loja de fazendas do pavao de Gama c* Silva
Aclia-se este estabelecimento completamente
sonido de fazendas inglezas, francezas, allemaas e
sinssas, proprias tanto para a prara como para o
mato, promettendo vender-se m.iis barato do que
em outra qualquer parte, priHi-ipaiinente sendo em
porco, e de todas as fazendas do-se amostras,
dcixaudo lirar penhor, ou mandam-sc levar em ca-
sa pelos caixciros da luje do Pavo.
As chitas do Pavao.
Vcndem-se chitas inglezas, ciaras e escuras pelo
barato prego de 240, 20 e 280 rs. o corado, tin-
tas segura*; ditas francezas de cores seguras a
320, 340, 360, 400, 440, 480 e 500 rs. o covado,
fazeuda muiio superior e bonitos padrSes : so Da
loja do Pavo.
As lazinhas da exposirjo do Pavao.
Vendcm-se laazfnhas as mai modernas que tem
vindo ao mercado, proprias para vestidos c sou-
lambarques por serem lisas e de cores muito de
licadas a 500 e 500 rs. ; ditas lisas com um lustrtj
que parece seda a 640 rs. o covado, ditas con
quadrinhos de seda a 500 rs. o covado, s pan
acabar : na loja e armazem de Gama & Silva, rui
da Imperatriz n. 00.
O Pavao vende para luto.
Vendem-se superior selim da china, fazendn
toda de la sem lustre, tendo 6 palmos de largura
AO PUBLICO
Sena o menor eonstran-
llnento se entregar o
importe do genero que
ao agradar.
i easmelhores diligencias para que fi-| pelo baratsimo prego de 2, 25200, 2S00 e ;#5
isfeitos; islo s no Gallo Vigilante, ra do jo covado, cas.-as prelas lizas, chitas pretas largas e
15000 oulros artigos que se vendem por pregos mais
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a l,Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da redueco a que
estao obrigados, encarando todos os das de seus freguezes reclamacao de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado date -novo estabelecimento. para lbe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
tSo sement obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidie, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que ludo apromptidao e entei-
6400 240 cada goiiinha^bordaria. romeira de cas'sa e de I reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida rae darao a protecciio e preferencia na compra
65000 fil muito bem bordada a 25 cada urna, manguitos dos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratiees, pois
^^ par, ramis"' commanguo* e* g^na^om feompe.* i ser"ao l" Lem 8ervido8 eomo seviessem pessoalmente, havetido para com estes toda recommendacSo, afim de que nao vio em outra parte
tente gravata de seda, fazenda fina, pelo barato! Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
nr#*rn na .iA a mmraiAnfNa hnrd'.rlno fino ca mn ** __ r
1850O0
105000
105000
105000
165000
em conta do que em ontra qualquer parle por es
lar liquidando ; s na loja do Pavo ra da im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os bordadas do Pavao.
Vende-se camisinhas com manguitos egollinhas
bordadas, pelo barato prego de 15 e 15280 cada
um, manguitos s a 500 rs. rada par, ditos cora
95000 gollinha a 800 rs., gollinhas a 400 e 480 rs., de fil
e pre-
No eslabelcrimcnto de Gama & Silva, na rna da
Imperatriz n. 60, leja denominadaPAVAO-tem
urna grande porcao de varias qualidades de fazen-
das, as quaes se vendem muito em conta para li-
quidar. A gaber :
As laz inlias do Pavo.
Vendem-se lazinhas de quadrinhos transparen-
protecgo do respeitavel publico empregando parB. proprio para vestidos, capas, paletots, ralsas etc.,
isso todas
quein satis
Crespo n. 7.
Ricos porta-joias.
Cofre de muito gosto por
Cestinhas transparentes forradas de ma-
dreperola por
Lindas jardineiras.
Ricos cofres com camapbea.
Lindas caixinhas com pedras brancas.
Lindo balao cora catangas dentro, tam-
ben) para joias.
Tambalier para ditas.
Cestinhas ditas.
Cosmorama ditas.
Krnazinhas.
S no Vigilante, ra do Crespo d. 7.
Ricos porta bouquetes de diversos gostos
^os; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricas sin tos
com bolcinhas ao lado, a 105, 1"iS e 155,ditos sem
bolga porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 35500
45000.
Ricas flvellas avulsas para sinto, o melhor qne se
pode encontrar, a 15500, 25, 25500 e 35 o par;
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabales cestinhas.
At que chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para meninas trazaren) no braco, o mais rica
possivel a 25500, 35500, 45, 55, 75 e 10*; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Mais leques
com pequeo defeito, leques de sndalo com pe-
queo defeito por barato prego de 85 e 105, chi-
oezes muito bonitos tamben), pelo barato preco de
45 e 5, bentarallos muito bonitos, tambera por ba-
rato preco de 45 e 55, leques de charo tambm
por 45, tudo Isto para acabar, perdeodo-se tai-
vez 80 por cente; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Pentes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alizar como para alar cabello, os mais lindos
que se pode desejar, assim como de arregagar ca-
edo, tanto de borracha como de tartaruga comen-
feites e sem elle para menina; s no Vigilante, roa
do Crespo n. 7.
Pulseiras.
Lindas pulseiras de contas e de missanga, cores
muito lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
Para segurar manguitos.
Tamben) chegaram as liguinhas estreilinhas de
borracha que as senhoras tanto precisan) para se-
gurar manguitos por ser muito commodo e muito
barato, a 320 o par; s no Vigilante, ra do 'jres-
po d. 7.
Leques.
Riquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato prego
de 125 e 145; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Peales
tambemehegaram os nquissimos pentes de concha
de tartaruga e de massa fina, que se vende por 25,
3.-5 e 55; s do Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Afnelas. ,
Riquissimas canela* de uiaurepeiUM piupius
para qualquer presente, pelo baratissimo prego de
15500 e 25-
Sapalinhos e meias de seda.
Riquissimos sapalinhos de seda e de merino en-
fciados, assim como meiaszinhas de seda, gorrazi-
nhas e louquinhas para as cnancinhas se baptiza-
rera; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Vollinhas.
Lindas vollinhas de perolas falsas com cruzinhas
fia^ndo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato prego de 15 e 15200, as
cruzes avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Golinbas.
Riquissimas golinhas e manguitos, omelhor gos-
to possivel, a 25, 25300 e 35; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfeites para senhora.
Riquosissim enfeites com lago e sem lago e de
ootros4muitos gostos a 15, 15500 e 35 : s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins de cabello para relegio ou lu-
netas, pelo baratissimo prego de 1530O, ditos de
retroz a 200 rs.
Babadinhos ntremelos.
Riquissimos babadinhos ntremelos com lindos
desenos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 15200, 15560, 25 e 35; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Casearrilhas.
Grande sortimento de casearrilhas de diversas
larguras, assim como galozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7.
Fitas.
Grande sortimento de fitas de diversas larguras
e qualidades, por pregos que admiram aes com-
pradores, havendo filas largas proprias para rin-
teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega
de 9 varas a 25; s no Vigilante, ra do Crespo
u. 7.
Fitas de la.
Fitas de 15a de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Rices espellios.
Riquissimos espelhos com moldura denrada
sem ella de 85,105, 125 e 145, assim romo com
columnas de differentes lmannos a 25, 35, *5, 5*
e 65; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Rinnissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
Para ps de arroi.
Riquissimos vasos combonecla para pos de arroz,
eousa de multo gosto a 15509 e 25, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; so no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfnmarias.
Grande sortimento de extractos e banhas.poma-
das assim como do lindos copos ou vasos com dis-
tlnctivos e offerecimentos as sinhasinhas dos me-
lbores e mais afamados autores de Paris e Inglater-
ra assim como os grandes copos debanha japoneza
a 25 e a 15, assim como oulros objectos que nao e
nossivel or hoje annunciar, e visto dos fregu-
is se fari todo negocio ; na loja do Gallo Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
ATTENCO
s oreos da segnlnte
tabella para todos, po-
dendo assim servir de ba-
se para o ajuste de contas
i os portadores.
14-Rua Direita-14
l nico depesilo do rar- imperial I
Isaac Esnaiy ; afflanea a sua ktf >;nalM(e r m
supe lor ao rap de I.iboa e ao r.| uin j reteja
pruva faz f : vende-se a rrtaMi alia :.l-i
em porgao de 10 libras para nato a M> r : tm
h-m abre credilo ao-. comprad..i^s em MOl eov-
rente.
(Tm Dpsrvbrinoit Esnito!
RIJA DA CAB^EEA DO RECIBE
(Logo passando o arca da Csneeieio)
Cirande reduccSo de precos,
S3.
equivalente a dez por ceuto menos o que outro qualquer
annunciante.
^T
0 Mando Srirnlifiro nnaniuatilf o sppr-f
Collegas.N.io posso por mais tempo sustentar o preco da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
amitos objectos, etc., dando com islo ocasio a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo 1! I Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo \
esireitas,'manguitos, coarinhos,'"punhosT e'enfei", systhema que vim encontrar, des se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande reduccao de precos, como retel
tes, tudo preto proprio para |u:o fechado, e muitos j pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil nao
prego de 35, emuilasouiras bordadas que se ven j h
dem por pregos muito em conta: s na loja do' escomida a eoe rs. a iiora, em Darrit se
Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Gama &! faz abatimento.
Silva. dem franceza a mais nova que tem vindo ao
Vestidos soutambarqne. mercado a 5Go rs. a libra, e em barril ou
Pelo ultimo vapor francez chegaram riquissimos | meios a 500 TS
vestidos soutambarqne, os mais modernos que ,.k^__j'.:..i:j.j.ae.. .
nesie mercado tem apparecido, os quaes esto Cha hysson de superior quahdade a 2,6oo rs.
promptos com saia, corpinho e seu competente. 3 libra.
soutambarque, tudo guarnecido de seda, veludo e dem perela o mais superior do mercado a
renda. Quem liver bom gosto dirijase loja do a o..ft rs
Pavao, na ra da Imperatriz n. 60. I,. ." ,. .
pavg0> dem huxim e melhor que se pode desejar
Na loja do Pavao vende-se'moder-nos raantele-! neste genero 2,6oo rs.
tes de grosdenapies a imitacao de rapas, as quaes dem preto homeopatliico por ser de superior
sao bastante compridas; assim como lem um sor- qualidade a 2,000 rs. a libra.
lmenlo de capas prelas as mais modernas que ha iApm hvssnn huxim a nerola mais nrnnrin
no mercada, sendo ricamente bordadas. Ditas en- m, nuxim e
para negocio o l,6oo, l,8oo e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se vende em outra parte por 2,4oo
e2,6oo rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
feitadas tudo por prego commodo : na loja de Ga- ]
ma & Silva, ra da Imperatriz n. 60.
As inodcrnissimas lhzahas <'c ama s
cor, a iiBlaco de gorgar, veo
de o p- vao.
Chegaram pelo nllimo vapor francez as mais
modernas lazinhas de cordozinho, as mais pro-
prias e mais lindas qne tem vindo, proprias para em barris.
vestidos, soutambarques, capas, etc., dam-se amos- chouricas e paios em barris de meia e urna
tras deixando penhor, e vendem-se pelo baralissl- o i k___< i-u
mo prego de 360 rs. covado : na ra da Impe- arroba a 8,000 rs. e l,5oo e 6oo rs. a libra,
ratriz n. 60. loja de Gama e Silva. Queijos flamengns muito frescos chegados
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento. v
Caf do Rio a 26o e 28ors. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra. ^ 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroi do MaranhSo a leo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarrio e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
A foinpositao Anafahn:Ja
IVioi'a! de krnii.
Por CsP.ico
tensamente cm Tampico pan a cura !
tsica pimohar,
catarbso, asthsa,
BRCiCMITE, TOSSE C0HW5A
CRPO O GABBGTILHC,
Inflamma9es da Garganta e do I
e isto com um Rsoftado to Ui
vamente asombroso o pao ou n.-i.i. rad1
pessoas doentes por serem ^propriamente
feitas para esse lim.
PtTfl HllPlli <>*n rara quem wmtn uo uuin e passado a 16oo e 8oo rs 23 libras a 52o rs
DrutO. jldem tondrinos os mais superiores que tem Vinho do Porto muito fino excellente qua-
vindo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
tes, boa fazenda, pelo prego de 280 rs. o covado, Ervilhas e favns portuguezas em latas j pre-
ditas largas mullo finas a 400 rs., dilas estampa- paradas a 640 TS
das, cor segura, padroes miudos e grandes a 320 .,,__i.j.s_____-Vj____ j-. a ,
rs. o covado, ditas transparentes com palminhas '"^melada imperial dos mais acreditados fa-
de seda a 400 rs., dilas escocezas a 560 rs., ista tu- bricantes de Lisboa a 6oo rs. a libra,
do para liquidar : na loja e armazem do Pavo, PrezuntO do reino vindos de casa particular
ra da Imperatriz n. 60. o Kfin re n lihra a > Kn. "> *"
r.1.,.1 oir oiw r. M'pm inolmas nara fiamDre ciiegadu neste
^endem-se as mais linas precaia?, pndio-.' uiiu- : vanor 70 rs a libra
dinhos, costos delii adissimos pelo barato prego de .__...''_____*____ .. e K _
600 e 560 rs. o covado : na ra da Imperatriz n. Copos lapidados para a gua a 5,000 e 5,5oo a
60, loja e armazem do Pavo. duzia,
Meias precalas, ou prccalas inglezas largas a. 500. Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
Vendem-se meias precalasou precalas inglezas, l,oooel,2oo rs. a libra,
padroes miudinhos e fazenda kielMn o eo- Espermaceteem caixinhas contendo 6 libras
vado : na oj.i do Pavao, ra da Imperatriz u. 00 '
de Gama & Silva. Por 4-000 rs-' Rarante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
Antonio de Lisboa/em latas com 6 libras
por 2,5oo; ditas drice em latas com o mes- *>'vorc V10 olia"' A* "**, ;
mo peso a 2,5oo;/ditas imperiaes em latas cncontra no Mofa.
de 3 libras por l,,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos'
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriera l,2oo, l,5oo, e l,8oors.
Azeite doce reflnado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. frasee e,
8,ooo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro com
AComposi9o Anacahuita Pe.,o-
ral de Kemp ma Xknji d*Mcmm\ u. -
ranientc diiTcrcuto na wm i!iup-.i'-.;o itr
lodos os mais l'citoraes e Exjwtoran** m.*-
nufacturados e raizes, fcc^ o jnesmo n:o coiit.ni fcrnhn'.i
Ad9 Prumco on outro qnaefqtKr ingtr
dientes venenoso.
Todas as molestias c affecr.^es da Tarpui*
c dos pnlnics desappre<"era M pal
mgico encanto, mediante a ..< ."te .*
.oinparavcl c irrcsistivcl remedio.
A venda as boticas de l.aors roa da Cruz, e Joo da C. Bravo 6 C, n>;
^ 3 O. .7. ^ b =- z_
ws Z a a- re r-=. tf a -
6 2 b* 9 R' s S *
g_Ei_iio*5-'
t
o 3 B
O ganguclim do Pavo a 32o rs.
o covado.
de 12 por libra propria para carro.
Vendem-se ganguelini cor de rosa para roupa' Peixe em posta SOvel, corvina, gors. pesca-1
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, j
4oo e5oo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,ooo e a 6o rs. a garrafa.
Vife8,d,8, &*dosJB.eJ^8r\, K?aA,P
I>(mii-o, Huquo do Porto, 1 Liijiip(eniiinn.
D. Luiz I., iadeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
4o,ooo rs. ea 9oo e l,ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
de meninos, e vestidos pelo barato pr?co de 320
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 60, loja do
Pavo, de Gama & Silva.
Os gresdenaples do Pavo.
Vendem-se grosdenaples pretos, fazenda supe-
rior a !$600 rs. o cova.lo. ditns largos muito en-
eorpado's a 25400, 2-3600, 25800 o 350(10, ditos
brancos, cor de rosa, azul e amarello a 25000 r.s
o covado : na loja de Gama & Silva, denominada
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
As iievas laas garibaldinas a oOO is.,
oa 'oja do Pavo.
Vendem-se as mais modernas lazinhas garibal-
dinas, fazenda inteiramente nova no mercado, sen-
do todas com lislras miudinhas, e transparentes,
com lastro a mltago das sedinhas, tendo varias
cores, sendo azul, cor d lirio, earmezim, cinzenta I
e cor de havana, etc.; isto a 500 rs. o covado para |
vender jdepressa : na loja do Pavc, ra do Impe-
rador n. 60, de Gama & Silva.
Us mais mudemos vestidos Mara Pia,
na loja doPato, a 168
Vendem-se finissiraos vestidos Hara Pia com
da, salmo, ostras echernee, veZugo em" Bolachinhas inglezas as mais novas do raer-
latas grandes a 8oo e l,ooo rs. cada urna, cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita- libra,
das que tem vindo ao nosso mercado a Bolachinha de soda em latas com diversas
6,ooo, 7,ooo e 8,ooo rs. a caixa, garante-1 qualidades al,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. | para mimo a 64o rs.
S 3
o s
3
o,"
a o &
3 11 S. 5
o a> o
9
^ S TL ". ^
5- 2 \ = 3
tu

= 5
C
s.- a 2. a.
bS
o 3
en o
2?
Z m
rolha do mesmo a 5oo rs. I da Madre de Dos.__________________
Mostarda ineleza dos raelliores fabricantes a w n n < c s= =o > > r. = -:-ia:
8oo rs. o frasco. J |f j fKjfSc S t
Mostarda franceza em potes j preparada 8 g || g 5 1 *m
a4oo rs.
L-entilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a 1,00o rs. e 11,00o a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o maco-
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a toe rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
crediUdas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
CharutosdetodososfabricantesdaBahiaedas 3 3. ^
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
cogn^r "H^feY -ua%:,"iiilfliiTJe3',,,arAVftfb u
1......1 r. a garrafa. i
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-1
braspor 2,ooo; ditoemcaixoesa6oors. j
cada um. 1
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a |
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra
32o rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa' pPCO
e 4,800 a caada. Banha de porco refinada a 4oo rs. a llora(pm furro de obras dos Ira.aMUafe m mfitm
srs

U
VI
a: a
o o.
1
O.
I
B
&
u>
i
1
O. <6 <*9
< 3 3
- 5 2 S.
a o
.
r
63
o
a
'I*
3

Jladapoles a 4.0 0 a
Gcnebra de Hollanda a 56o rs. o frasco,
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de Altnna em
frascos grandes a l.ooors. o frasco, e
ll,ooors. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,ono rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa cem 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,Roo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por l,2oo rs.
Matte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
ros, e*la pechincha torna-se rt-'-. iurr.i-inl.ivrl m
a : mesmos senhores : na roa da Madre de !>
mero 16. _________________________________
J. Ke'ler & C vendem superior .
tinto de Bordeaux tanto em quartula O'rno
em caixas de duzia de garrafas.
AGENCIA
ha
FVRI\HVilEulLII'>.
Vende-se boa farinha de milho nova a lp rs. a
libra, diariamente: na ma do Utovellon. 25.
Na roa do Queimado n. 14, loja, vendem-so
ai segaintes obras de ouro : voltas, alfinetes, brin-
cos, medalhas, correntes e pnlseiraa para senhora,
relogios patente inglez e suisso, corrraUi para o
mesmos, cordfcw, pecas para inteiro, orna abo-
toadura para cotlete, urna dita para camisa, nm
(raocelini do abeilo, e qualro ca&Ufaas o praia.
AGENCIA LOW-MQOR.
Uua da Senzalla aova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
os corpinhos differentes, tendo todos os preparse l om cornpleto sortimento de moeudas emeia
nXSXBff Sinl: a fDa peratr'Z D' otoendas para engenho, machinas de vapor
' 'J2_ .*j i n I e tachas de ferro batido e coado, de todos o
NQWdde O PaVaO tamanhos para ditos.___
Chegaram os mais lindos vesiidos Mara Pia; Arados americanos e machinas par
com as barras bordadas, lendo de differentes co- rnuna. pm Msa rio s P Johnston & C
res.e vende-se pelo ba alissimo prego de 12,5 cada lavar roHpa. em casa ue &. r. joonsion ex u.,
corle por eslarmos prximo da festa ; isto na loja ra da Senzalla INOva n. VZ.
e armazem de Gama & Silva, ra da Imperatriz
numero 60.
amisinhasa 1$0<>0*
Vendem-se camisinhas com manguitos, sendo
maito bem enfeitadas. proprias para senhoras e
meninas, pelo barato preco de dez tusloes cada
urna: na loja do Pavo, ra da Imperafriz n. 60,
de Gama & Silva.
Vestidos para meninas,
vendem-se s mais modernos vestidinhos para!
meninas, sendo muito bem enfeitades Mara Pia,'
tendo de differntes tamanhos, pelo barato prego
de 8 cada um : na loja do Pavo, ra da Impe
rairiz n. 60, de Gama & S.lva.
R apa feita liarala.
Fabrica Conceigao da
Bahia.
Andrade k Reg, recebem constante- S
mente e tem venda no seu armazem n. Hs
34 da ra do Imperador, algodo d'aqnel- ^
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar aigodao em pluma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel.
UMA GRANDE LIQUIDACAO
Excellentisimas senhoras
Ra da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P Johnston & C,
Vendf-se um grande sortim. nto de roupa feita sellins e silhes inglezes, candieiros e castl-
para homens, s ndo caigas de iTim branm e de r^es bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
meia _.
casenra e panno prefc nno, colletes de todas as
qualidades : na loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Grosdrnaplede cor a 1600 o covado.
Vende-se grosdenapie de cor azul, branco e pre-
to, pelo barato prego de 1J600 o covado : na loja
do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Panno de linho a 700 rs. o covado.
Vende-se o verdadeiro panno de Imho proprio
para lenges, loalhas o ceroulas, pelo barato prego
de 700 rs. a vara : na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz u. 60, de Gama & Silva.
Economa do Pavo.
Vende-se para acabar, urna porgo da retalhos
Hna da Senzalla Nova n. 42,
Neste estabelecimento vendem-se: tac <*'
ferro coado libra a 110 rs., dem d eLo*
Moor libra a 120 rs._________________
Vendem-se ricos ps de craveiros, e cravos
brancos, enea-nados e rajados, por prego commo-
do : na ra do Hospicio n. 38.
Agua de lavando.
Na ra das Cruzes n. 36 vende-se superior agua
de lavande a 800 rs. a garraOaba, sujeitando-se o
|ftaceM~ eos muito era conta; quem tem economa que prador nao se agrade. Esta agua tem a proprie-
pde apreciar: isto na loja do Pavao, roa da Im- dade de tirar a caspa, e concorrer para o cresci-
peralrii n. 60, de Gama & Silva, oento do cabello.
A loja da roa do Crespo n. 17, de Jos Gomes Villar.
Recebeu de sua encommenda vindo de Paris, as melhores fazendas que tem vind
a esta provincia.
Cortes de blonde completamente preparados com capella e flores etc., etc. preprios
para casamentos.
Cortes de mcreanlique para noiva, mantas e capellas proprias para noiva, balfle de
todas as qualirtades para senhoras, ricos cortes de seda preta de cores e moreanlique pre-
to grosdenaples preto e de cores, carneas de cambraia bordadas para senhoras.
Chapeos de palha para senhora assim como para menina o que lem vindo de ma-
Ihor, peitos bordados para camisas de homem, cassas de cores, orgrndys de lindas tesr,
chitas de todas as qualidades.
v Capas prelas de gorgoro importantsimas, sintembarqnes pretos. assim como de
cores o melhor, casacoes, pelerinas, pellives etc., etc., casaveques compridos de gros pre-
tos e de gorguro, fazendas importantsimas.
Novo gosto
Chales de renda pretos o mais moderno presentemente a lo e 204.
A elles antes que se acabem, fazendas de todas as qualidades proprias para senhoras.
Tapetes para forrar salas a 2a500 o covado com seis palmos de largura.
Esleirs de muito boa qualidade para forrar salas.
"vxdO m9 ooiiqnd o d sv^oquds svmx^ iuvfd}Oj
'l\ *n odsajj op dj ,y
ov3vamon gaurno vwa
ESCBAVOS FEGiDCS.
Estl Figife
Contina a eslar lucillo o mualo a ral.orla Jo tm
nome Marcelino do abano assignadu. F-le wnW-
to de altura regular, bstanlo reforcado a r*t
po, lem mos e ps grandes. nftHN rarrM^ txrx
redonda, nariz chalo, baiba p-uea. Km lerf denles, e quando falla maia|.re-?ado gaguej, ^
fgido ha quarenla das : rerunimeoda-se a.- r*
capites de campo o quiram pegar e levar a raa>
do Imperador n. 55, que serao recumpeosaaa.
Antonio Luiz dos Santos.
200
Fugio no dia 2 de marco do correnle anno, 4a
engenho Florista, proprirdad* do abano a-i>rn4
no termo de Alalaia, provincia de *lagoas, uir es-
eravo de nome Luiz, rujo* signaes sao os -rgwa-
tes : cabra, rom idade de 23 auno. e>tatur.> re-
gular, corpolenlo, rara grda, sem barba. rakHI
pegadj, olhos pequeos e vivos, tem todos os den-
tes e bem alvos, beigos aro lano pwna, al^oau
cousa dentugo, om pouco (-arramn*... endo de
suppor que ainda exista t cicatriz de om uiho ba
lagarto de um dos bragos. Evadio-se para a viN*
da Palmeira dos Indios, e d'ahi para Tacarais, tm-
de foi preso em dias do mez de julh, a evadir-se novamente dese mesmo lugar Bato r
! o centro : quero o apprehender e rernrtlrr para s
I cadeia desta capital, oa para o referido eagent*
receber a gratificago de 200,5.
Vende-se aro comometro martimo inglez do
melhor fabricante Charly Frodshan, afflangando o
seu regulamento, por diminuto p-ego : a traur
na ra Nova n. 21, loja de Francisco Jos Ger-
raano.__________________,___________________
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che-
gada ao mercado, em bem acondicionados barris:
no armazem de Manoel Teixeira Bastos, rna do
Trapicha n. 13, por preco ruoavei
Esteiras para forrar salas.
Coro 5 palmos de largara e maito soperiar qua-
lidade, vende-se mais barato do qne ero oolra qual-
quer parte : em casa de Valle Porto & C, M na
da Cadeia n. 33, Recife.
Bixas de Hmburge
Vendem-se na rna Nova n. 61.
No dia 11 de novembro de 1*61 fngm na <*-
cravo de nome Marcelino, qoe foi de Antonio Ge-
mente, cujo escravo foi no da cima enemas*
arrematado nesta ridade de Geianna em hala r-
blica, foi arrematante do referido, Ln-do-m Ijt.I-
eanti da Conha VascoBoeUos, lendo o dito eseravo
os seguintes signaes : altara regular, corpo m*~
dio, cabello desandado e nm pouco verme'ho ana
especialidade as fonles, aarbado, tendo a larfc
um pouco rala e estirada, nariz afilado. o oMm*
nm pouco sumidos, e tem por esfume olhar par
baixo, desdentado no quelxo soperior. nenias finas
e direitas cojo escravo calvo : qoem o pejar le-
ve-o ao engenho (^achoeira, silo na comarra da
Goianna, que promette o actual senhor do dito
recompensa. __
Acna-se ausente desde a da 12 do forr- ato
a preta Luiza, rom os signaes senoinMs: cor tote,
marcas de bexiha no rosto, lem duas cicatrices aa
mo direita, idade25 annos, ponto mai mrmmr
levoo vestida de chita panno da cotia ja n*%
consta andar nesta cidade : petfe-w a amorato*
i policiaes a apprebensM a dito escrava e leva-to
a ra dos Pires n. 34, qu ser foaervsaaeMe re-
compensado.
*j


MUTILADO


8
pl,rt* *** terca le'r A ale Deznbr de 14.
LITTEMTURA.
acompanhadas por seas escravos, vinham respirar
no campo o ar ahondante que Ihes recusava a ci-
dade, anda toda abrasada pelo calor do da. Pas-
O tmulo de Timas. saDdo Por diante das duas amigas, nm singular
Duas raulheres, demando os muros da rica e sorriso manifestou-se entre ellas. Sapho, com a
populosa Mjtene, seguera, pensativas e lado a fronte erguida, a respirago comprimida, e o escar-
iado, urna vereda que serpeia atravez do cam- neo nos labios, fltava nestas mulheres um olhar
po. Urna ainda conserva, desabrochadas sobre a *je desauo- O grupo retirou-se e desaparecen por
saa inlelligente fronte, toda a frescura e graca? da detr" de nm pequeo pinhal.
primavera da vida; a oulra malsvelha, e de ~ v,slesT pergnntouSapho. Eu percebi-as. Nao
taino mais baixo; osreflexos da rosa tal vez nun- era Preciso que as suas palavras fossera ouvldas por
a livessem animado o scu rosto mrendi a conheccros sil vos da vbora, por
gos do pensamento profundaram as rbitas dos ""'.abafados que sojam. A tua juventud, Erin-
seus grandes olhos pretos. Comtudo nella que o na> a P"reza do leu coracao nao te permittem
olhar daquelles que encontram-n'a, depois de tor susPe'tar tudo quanto a inveja e o odio peden fa.
reparado de leve na formosa donzulla, lixa-se por zcr distilhar de negros veneuos. Os deuses per-
un irresistivcl attractivo.ora com admirago muda, m'llam que sempre o ignores 1
ora com urna especie de siirpreza, e como deslum- ~ ^ -ue fizeste, Sapho, para mereceres o odio?
lirado pelo estranho brilho que brota dos seus. Vou dizer-l'o. Ouve :
olhos. Passagciros reconhocom-n'a e inclinam-se; "
outros voltam-so e, amovis, acompanham-n'a I ~ Conl>eccs a minba historia; sabes que flcando
limito lempo com as vistas. | viuva cedo e acumulada de bens da fortuna, eu
nao procurei um segundo esposo. Urna voz divina
se fazia ouvir internamente em mim ; ella mecha-
mava a oulros cuidados muito diversos daquelles
quo compem o destino das mulheres. E' o sopro
das musas que desi'arle apossa-se de algumas
intelligencias escolhidas por ellas, e cria os
' e,tfWni E' a seu culto que me votei inteiramente. Toda-
Os primeiros o sabem, os segundos o sentem:
alguma cousa de divino, o genio, acaba de se Ihes
fazer encontradlgo.
O sol desee gradnalmento para o horisonte. A
tolalidade do seu disco ainda lluclua no azul im-
Uca as ondas do mar Egeu, metamorphoseado, para
receber em si o rei da luz, em um leiio de purpu-
ra e ouro. A vaga, que fremo brandamente, vem
morrer sobra a plaga, produzindo um som musi-
cal somelhante aos alpejos lougiquos de urna lyra;
a brisa do mar, ames de cahir, leva em passeio
pelo ciino sonoro do pinheirai, e ramada tremente
dos loureiros nao sei que murmurio melodioso como
as notas fugitivas de um canto celeste ; mil har-
monas confusas parecem subir do seio da nature-
za ioleira, e pairar no ar francamente incitado por
vibracoes mystoriosas. De que nos admirare-
mos? Este solo que a vaga e a brisa acariciam,
a ilha de Lestes, a ilha dos poetas!
Oulr'ora, aflirma piedosa tradiego, estas mesmas
vagas que banlnm as suas margens, brandamente
ahi lepuzeram urna cabera humana e urna lyra
quebrada, cabega e lyra do Orpheu, cruelmente
assassinado pelas furiosas Bacchantes da Thra-
cis. Os Lcsbios recolheram com cuidado religioso
estas tristes reliquias. Um terreno consagrado po
titinges fnnebres reeebeu em si a califica mutilada
do cantor divino; asua lyra immorlal foi deposi-
tada n'um templo. Desde ento, as Musas reco-
uhecidas nao cessaram de favorecer Lestes, onde o
genio potico sempre floresceu. D'ali sahiram
Arion, cujos cantos suaves encantavam os proprios j
moostros de mar; Plierpandro, que. mais
ainda, com os .ens versos ennobrecia
dos altivos Spariarnos. Ali, finalmente, naseeram
Alcen de boilicosos accentos e a celebre Sapho.
E' eiia, a propria Sapho quem percerre os
rodlos desta spera vereda. Por momentos, sus-
pende a sua marcha, e langa um longo olhar sobre
os bosques e campias inundadas dos raios doura-
dos do sol no seu acaso ; depois, abaixando a ca-
neca, proseguio o seu caminho apressando o
passo. A sua companheira segue-a calada olhando
para ella c-im inquieta e respeitosa sympalhia. Km
fim ambas param. Diante delta, ao pe da estrada,
e sob a sombra lacrimosa de algnns cyprestes ne-
gros ergue-se um cippo fnebre, que record aos
vivos a memoria de um ente que nao existe. Sapho
fica immovel, com os olhos filos no tmulo.
A quem se deve lamentar, disse ella depois
de um longo silencio, a ti ou a nos ? A tua vos tao
quorida nao so faz mais ouvir nos nossos doces
cnlretenimontos; ella nao nos encanta mais com o
som
os (1
nova
va, numerosos pretendentes, allrahidos pelo ruido
nasecntu da minha fama, ou pelo engodo dos meus
bens, tentavam resolver-me em seu favor a um no-
vo hymineu. Todos, quaesquer que fossem as van-
tagens de dignidades, espirito ou juventude, de mim s obti-
veram recusas. Ellos retiraram-se, levando no fun-
do da sua alma urna dessas chagas de amor pro
prio que custam cicatrisar-se. Desde ento, ao con-
cert de louvores que se elevava ao redor de mim,
comegaram a misturar-se algumas notas discordes
de criticas acerbas, de impuiacoes malvolas, que
atacavam egualmente a minha gloria e o meu ca-
rcter. Eu as despresava. Nao eram as mordedu-
ras mais venenosas que tinha a temer.
Sapho Intorrompeu-se um momento, depois con-
tinuou com amargura:
Nao triste, Ennna, profundamente triste,
que toda a mulher que se eleva aeima do nivel
commum do nosso sexo, longe de encontrar as
ouiras mulheres auxilio e symjathia, nao despert
senao rame e inimizade mortal?
Arrastada pelos enlevos da poesia, eu prose-
gua o meu caminho. Os meus cantos andavam de
borra era bocea: o rythmo inventadj por mim, e
ao qual deu-se o meu nome para sempre, presta-
Erinna ouvia, no silencia da submisso e na at-, boje como o typo offlcial da perfeigao no genero ly-
"tude da tnsleza. A estas ni timas palavras levan rico. Elle n5o se enganava as suas previsSes
tou de repente a cabeca. Altivo sorriso divisava-se qoando com mais iogenoidade do que modestia,
em seu rosto. Talvez, no intimo do sen pensamen- vanglonava-se de ter elevado, por sens hymnos
to.ella fizesse esta perguoia temeraria, formulada melodiosos e variados, um monumento imperecivel
muitos seculos depois por nm joven espirito, anido sobre base de ouro. Todava, no sea tempo, Pin'
a nm grande coracao (Vaovernargues): daro teve um emulo em genio e gloria, e um emu-
Se a gloria e o genio nao fazem os homeus 'o feliz. Cinco vezes, nesses concursos de poesia
felizes, aquillo que se chama felicidade merece o que, para a Grecia inlelligente, eram solemnidades
sen pesar? nacionaes, (orina disputou o premio a Pindaro, e
O sol, desde mn.lo lempo, tinha desparecido CDC0 TOies P,ndar0 i vencido-
as ondas Os nltimos olaroes do crepsculo extin- Humilhado, despeitado por suas reiteradas der-
gniam-se no campo; mas no Oriente, a Ina. por rotas, o cantor magestoso das lulas olympcas pre
sua vez, sabia esplendida ao ru, e substitua o dia tendeu que o merilo corado em Corina nao era
expranie por um onlro mais tranquillo e mais sna- excellencia do pola, mas a belleza da mulher. To-
ve. Ambas as amigas levantaram-se e aproxima- da a parte que perde a sua demanda, diffama de
ram-se do tmulo. Sapho tomn das mos da sua boa vontade os seus joizes.
Seja como for, faltam-nos as pecas do process
para cerlificarmo-nos a respeilo deste ponto. Pos-
suimos os cantos dePindaro, porm nao chegaram
aio nos os de Corina. Os poucos versos quedella
nos restam, colleccionados com outros fragmentos
- Querida Timas, dis-e ella, acolho estes dons poticos de diversos autores femeninos da Grecia,
de urna amiga. Nao a riqueza das offrendas que em doutas compilares do ultimo seculo, nao nos
agrada aos morios e sim a affeico dos vivos, de poderiam dar una idea sufficienie.
quem sao o testemnnho. As tuas mos, as de Erin-
eompanheira um vaso leve que Erinna levara.
Derramou o leile que elle continha ao redor do
monumento ; desaten o seu cinto, e colloeon-o no
marmore, com um annel recenteraente cortado
dos seus cabellos
na e das vossas jovens companheiras, deviam um
Deste modo, um nome sepultase nos eslmaveis,
dia, como eu o esperava, honrar assim as cinzas de PrCm espaD,0S0' ""' ''nos de alguns eru-
Sapho; mas o destino decidiu o contrario, e, na dlt0S allemaes- ""mensos arraazens de saber pa-
terra longinqua em que se elevar o meu Inmulo, a Clenl(,0Dde n,nS:uem>na pocha presente, pessoal e
fria piedade de estrangeros ser a nica que con- leviana> tentado a ir remecher ; eis o que de-
solar, com honras fnebres, os maues da legra- viam obter todas e8SM mulheres nue sem duvida
esperavam urna reputacao brilhante durante a sua
vida, e, nos seculos futuros urna gloria immortal.
Eis porque resaltado ellas deixaram o doce asylo
da vida obscura, expondo a sua susceptibllidade a
todos os golpes da cnlica, dos juizos falsos, talvez
da propria calumnia.
Todava, quelles que receberam do cu este
dom glorioso e fatal que se chama o genio, nao
aconsejaremos que exliogam-n'o. Oconselho seria
dada de Lesbos.
Sapho affasiou-se com rapidez. Ella rammhava
sem fallar, como arrebatada pela gtaco e multi-
plicidadc dos seus pensamentos. Os seus olhos er-
ravam do novo aqui e ali, dirigindo um ultimo
adeus a tudo quanto encuntravam no caminho. Que
objecto, por mais significante que seja, nao toma
nm solemne interesse, qaando se diz, olhando-se
para elle : Eu nao o verei mais I
Eriona seguia-a, calada como ella. Lagrimas ca- Darbaro, e demais intil ; o genio, mundo verda-
biam pelas faces da donzella, interrompidas de vez deiramente existe, nao se deixa desviar do seu ca-
em quanto por um fraco sorriso. A disripula de roiobo. Pelo contrario, que as oulras mulheres, em
Sapho chorava a separaco prxima, porm nao a lu?ar de denegrirem estas briihantes excepcoes
seprelo eterna. O seu espirito nao poda acredi- rendam-lhes r.omenagem ; que Ihe exlendam, se
ta-lo, e a par da partida entrevia a volla. possivel, mao sympathica. Admiremo-las sem Ihes
A juventade tao rlca^e esperaocas, que sem- rmS ?** e D0S lembremos. "decendo a
pretem alguma cousa a misturar com os infortu- Deos <"> qne concede a cada um, desias cala-
mos presentes da vida. ftM de uma mu,her- *lue> dolada em um 0U,ro Pe'
ni Dero. de tanto genio, como Sapho, tinha durante
A scena que precede, refere-so versao menos
autorisada, e ao mesmo tempo a mais provavel da-
quellas que os commentadores nos deram acerca
toda a sua vida procurado apalxonadamente os
prazeres da gloria :
Ha nesta carreira bem poucas sorles que pos-
sam valer a mais obscura vida de uma mulher
; amadae do ama me feliz. (Madama de Slael.)
Aphelia Cubana.
(Irad. de A. de Mcndongq.)
da vida de Sapho.
perito va-lhes um novo e ptenle encanto. Na expansao I A fuga da Ilustre Lesbiene para Sicilia, inscrip-
5 da minha alma, emprehendi espargir o enihusias- i ta as laminas histricas chamadas Marmores de
mo que a abrazava, por entre as minhas patricias, i Paros, um facto verificado. A perseguido da quo
; Chamei-as para junto de mim, iniciei estas jovens i ella foi ol|ecto da parte de mulheres poderosas e
intelligencias, Binas da minha, nos mysterios do invejosas, as imprudencias de palavras que da
bello. Mais de uma correspondeu a meus desvelos;! sua parte, envenenaran! esta perseguicao, nao pa-
mais de umamelhor que oulra qualquer, Erinna, i recem menos prevaveis.
podes diz-lopagou os com uma fiel amizade. Ha ... ...
h a .. %. i i a Tu iras sem nenhnma gloria, disse ella poe- proclamaqao no dr. semana as suas amavkis
na minha vida attribulada uma doce consolacao ^____.. _._ ... ...
ticamente a uma das suas inimigas, para a sombra leitoras.
morada de Plntao ; e uma vez ali, nao te lembra- Animo, senhoras. Nao estamos em eras de tutus
ras mais de ti ; quanto a mim, viverei eterna- e de palpoes. Premuni-vos contra o terror, nao o
mente. deixels apossar->e de vos e maltratar-vos a ener-
0 papel que ella podo representar na conspira- vacio, de que tanto carecis, para abalarse com
que me coucederam os deuses. Porm, ao passo
que eu quiz associar o meu sexo todo minha glo-
ria, como a um bem dividido entre irmos, a ove-
ja, a vil inveja, devorava o coracao de mil odiosas.
M POUCO DE TUDO.
Da Semana Ilustrada transcreveraos o se-
!gumte :
Com arte prfida e retinada, ellas esquadrinharam ; > .,,. T .
. ". ?ao de Alceu, nao e simplesmenteuma conjectura, o canto de Tabachi e os sons campano oceos de
a minha vida em busca dos pontos mais irritaveis m ma ^n!o,, mr, ........, c........ a.......:_.:,u. a. nL 6
mas uma conjectura muito plaasivel. Mr. Sawyer e da sua quintilha de fl.hos.
Alceu nao supportou pormuilo tempo o san des-'. Enxugac vossos olhos, nao derramis mais la-
terro. Com a mohilidade do impressao que uoe-se grimas, porque eu nao quero ver perdidos esses
ordinariamente cemsigo. A estas primorosas pica- m,as semPre a actividade de umaimaginacao poe- tos de perolas, essas gotas de essencia de rozas em
deltas oppuz sarcasmos tao mordazes quanto mere- itica- elle sul>melteu-se a Piltacus. Este ultimo, um ptalas de jasmins.
cidos. Ellas duplicaram. A calumnia como esses j ds settf ?abio* da (;recia. saf'a perdoar aos seus a cabefa de Medusa, impunhada pela Banearo-
da minha seosibilidade, para ihes arremecarem as
suas frechas agujadas. quelles que procuram
com tamanha avidez o mal em outrera, o trazem
procuram o leu risonho rosto, fitain-se n'nm locar
vasio, e um eflremecimento de mortal tristeza vem
fazer palpitaren! os nossos coraces. Porem .tu, na
sombra habit.ic.ao dos morios, se le lembras com
sao lades das las amigas, ao menos nao ters co-
nocido os rigores do uma vida atormentada e os
tiros envenenados da malicia humana. Tu s
feliz +
Sapho suspira profundamente. A sua compa
nbeira pega-lhe cam bradnra as mos, e, com as
palpebras hmidas, mas com brilhante sorriso nos
labios:
Feliz Timas, disse por sua vez e com voz en-
ternecida; porque Sapho, em alguns versos refe-
ri ali quanlo ella foi amave e chorada, e alguns
versos de Sapho basiaram para levar o nome de
Timas mais remota posteridade I
E, voltando-se pard o marmore sepulcral, leu
lentamente a insrripco simples e concisa como
todas as nscripefies gregas, mas onde cada palavra
parece, por assim dizer, impregnada de dr:
Aqui jazem as cinzas de Timas. Mora anles
de contrahir hyimneu, foi recebida na umbrosa
habitacio do i'roserpina. Todas as companheiras
da joven finada cortaram-lhe, j no tmulo, com
uma tesodra, os lindos cabellos que oroavam a
sua cabeca.
Um raio de orgnlho Ilumina um momento o
mohil semblante de Sapho, depois exlingue-se de
repente.
A gloria! prosegue ella; sim, esta gloria que
tamo pretend, eu a obtive, to grande, lo comple-
ta como polia deseja-la. Ella eguala ou sobre
puja boje aquella de todos os poetas da Grecia;
ma- sabes, Erinna, porque preco eu a compro, e
que nuvens deslusiro talvez o seu brilho, aos
olhos dfssa posteridade a quem pensas que ella
deve chegar ?
Sapho arrastou brandamente a donzella para um
outeiro visinho e obrigou-a a assentar-se a sea
lado.
Ouve, continuou ella, eu quiz, Erinna, passar
as ultimas horas deste da s entre ti e as cinzas
de Timas, Timas que tanto pranteamos, e que, de
tolas as minhas discipulas, era a nica que te dis-
pntava as minhas mais caras predileccoes. Sao
estes manes queridos que comtigo eu faco deposi-
tarios dos meas supremos adeases.
Adeus I repeli Erinna admirada.
Amanha, contlnnou Sapho abanando a voz,
amanhaa hora em que o sol vae alm da regiao da
Aziaumdestes navios que embalancam-se seguross
suas ancoras no porto de Mytitene, dar vela para
a Sicilia. Elle levar a tua amiga para longe das
margeos de Lesbos, qae nao a tornarao a ver
mais.
Erinna deu um grito de dor.
Tu partes Sapho I Tu deias esta cidade to
or^ulhosa da tua gloria, que colloca na ordem das
sua3 mais preciosas riquezas ? Nao teos aqui a
tui familia, os leus amigos, os teus admirado-
res? Sem duvida, sers admirada por toda a par-
te; porm amada, aonde o sers mais ?
Um leve apeno da mao de Sapho no brajo da
sua amiga, impSe-lhe immediatamente silencio. Os
seixos da vereda faziam ruido sob pisadas que se
approximavam. Um grupo de mulheres appare-
ceu. Eram algamas mitylennenses ricas, as quaes,.
da morte.
Sapho calou-se arrebaladamente.
- Assim, disse Erinna em tom de censura,
diante da perversidade de algumas mulheres mi-
seraveis cujas proposites, apenas murmuradas em um
voz baixa, s excilam indignadlo daquelle que te
conhecem, e se perdem abafadas pela gloria;
d
Sapho nao vottou. A Sicilia rooebou conserVU vo"os maridos.
as suas cinzas. ,\o estamos em Babyloma lomada por Cyro,
Uma estatua erigida mais tarde em sua honra nem em Boma depois da batalha de Cannas.
I nesta segunda patria, attestava o culto que os Sici- Estamos na corle e capilal do imperio, na sede
lanos rendiam sua memoria, adoptando-a por | do governo, que muito j tem feito e ainda mais
ha de fazer.
Os Lesbios, da sua parte, revendicaram, por as-
Deixae o Judeu Errante das fallencias, deixae-o,
liante do taes.nimigas, que Sapho pe-se em fuga? "^ "JjJedade' fazendo Rravar a e(^ :que elle ira recolher-se a algum reces da Pales-
Nao, Erinna. Em quanlo viva, eu satera ne a- | iina, de onde foi exilado pelos crimes dasuaraca
sempre esmaga-las com o peso do meu desprezo- A admiracao que o seu geuio excitara e qae va-1 Pejphae os ouvdos aQ, grj,os de ou,ros A,heye.
Se algumas vezes a tristeza apodera-se do meu co- "he, da l*rte dos seus contemporneos, o sobre- ws> qne andam djrfandia.lo o terror, mal cuido-
rago, que Apollo, tu o sabes, concede aos poe- Om enlhus.asta de Hecima Musa, parece ter aba-! sos de plantondo ventos ,ambcm podem colher
las prever o futuro. Nao, nao me faltara forcas pa- fad" a'"da em sua vida, e nos primeros seculos as temp(,stades, com que pretenden especular,
ra a lula; comtudo, ella irria-me.Toma-me amar- qae seguiram o sen, os boatos injuriosos espalha- ..nlpi minha rpop, am P5mnn ninf,
ea a residencia na minha patria esenaoacau- ^acerca da sua pessoa. Nenhum documento \Jm"* a minha barraca em "tupo neutro-
pa a residencia na miuna pama, e se nao a cau ,mr,rm, i0 crt mnimi venios!Nao sou optimista, nem pessimisla e muito menos
sa do meu desterro, far-me-ha ao menos ter sauda- u-a epiu a, poue coniirm.1-10. s>o muiios seculos' r K
e onde deixo tudo depois, alguns compiladores consignaran! acerca terrorista. Emendo que Deus vela sobre o Brasil,
dellanos sens escripias anoJocias mais ou meoosiqUft BOVPrno .esIa ii,aBt' *m os homens do
apcrifas, que talvez reliram-se uma oulra. As-
sim chegou at no episodio que nos mo.^tra Sapho
des desta ierra em que nasci,
quanlo me charo.
Mas cmfirn. essa causa que nao declaras a
causa da tua partida, qual ella ? terminando uina vida ,heia de inauietac5es e pai.
Pergnnla-o tyrannia, estaoutra nimigaque xoes por uma morle desesperada uas ondas,
tambera ten.ei combaler, e que presentemente de-, Fnalmente> es[e rornanre kl V(1,garisar.se mais
vo evitar. a s(la mamori3) do que lodo 0 seu _e|0 poetico.
''onsente, Sapho, que fo diga, s injusta para Sem M% U,V(,Z a fa(Ilsa ,apho n5o fosse |)0je CQ.
com Piltacus. Elle em nada se parece com os ty- nhecida sen.o de alguns HeHenistas, incgnitos
rannos que o precederam, e que a Trente dos bons etles proprios ao mundo, e extenuados no esludo
cidados expulsou de M.iylene. Elle n.io se apossou iaborO!0 da antiguidade.
do poder supremo senao para erguer das ruinas a
repblica destruida por longas discordias. Sendo Ah das obras numerosas que produzira este
tambera sabio e poeta, elle ama os sabios e poelas %mo Poderoso e fecundo, o que subsiste teje ?
Nada tens a temer delle. Algumas estrophes, alguns versos truncados, al-
Talvez. Comtud), este nome de tyranno of- fumas lacnicas inscripco.-s, tudo quanto o tem-
fende os tympanos gregos; o de Irberdade encan- P PUP0U desses cantos tSo gatedos. Todava, por
ta-os 6 enleva-os. Jamis melhor o sent do que ou- mu" fracos 1ue se'am> esles res,os sad Por si saf"
vindo vibrar este nome sonoro nos versos enerjri- 0cienles para nos fazerem ratificar, plena e inteira'
a gloria de *apho, tal qual no-la legou a antigui-
dade. O vigor de inspiracao, o fogo e colorido de
energ
eos de Alceu. Tu o sabes, Alceu nao lem oveja da
minha fama. A sua muito grande para qae a de
oulro qualquer possa fazer-lhe sombra. Longe de
expresso, a harmona impetuosa do rythmo que
sermos rivaes, somos amigos. Seduzida, excitada nelles se encontra, justifican! e confirmara o que
por seus cantos heroicos, prezo-me em lomar partej teem d,l os admiradores e imitadores da musa les
no seu odio contra a tyrannia; ainda mas, no seu Diana-
odio contra a tyrannia; ainda mas, nos seus proj i Erinna, ficando na sua commum palria, seguiua
jectos em destrui-la. Mas o segredo destes projec- voca^* potica que nella se desenvolver por in-
tos foi trahido. A todes quelles que seassociaram fluencia de Sapho. Nao ella seuo um desses ta-
lentos de segunda ordem que agradam, sem des-
pertar nem o louvor exaliado, nem a critica arden-
te ? Soube ella, por sua modestia, oceultar e se fa-
zer perdoar |o seu mrito ? Ignora-se. Parece ter
adquerido alguma celebridade ; mas nao herdou
nem a gloria retumbante, nem sem duvida O peza-
res da sua Ilustre amiga.
Na lista magnifica dos poetas da antiga Grecia,
anda sao menrionadas oulras mulheres. A mais
sresla ama alternativa : banirem-se de Mitylen>
ou mendigaren! o seu perdao do proprio lyranno
que pretenderam ferir.
E preferes e exilio?
Podes duvidar disso? Neohuma fraquez/de
Sapho fornecer novas armas a 'seus immiges, m
objecto de alegra a seu odio triumphante. Sfas,
Erinna, a noule aproxima-se ; lempo de dei(xar
esies lugares. I
Eis-anu o que me resta a dzer-te : Quand ea'connecjJa de nos, depois de Sapho, i a bella Cori-
fr alem-mar, se ouvires vozes fementidas insulta- na- Ella lainDem tinha oblido do seu seculo um to-
rera o nome da tua amiga ausente, deixa-asjsem brpnme que s podia apphcar-se a um genio cheio
resposta, perderem-se no ar. Reprime os Impulsos de or5a e de elevacao : chamaram-n'a a Musa Ly-
generosos do tea coracao indignado, se nao qiieres nctl *
entrar comigo na partilha do rancor que mei per- genio s provra da natureza. Mas, se a ppli-
segue. Ah I por ti mesraa j sassaz rica om iodos cacao do entendiraento nao o produz, alimenta-o.
dons que excitara a inveja implacavel. Os da ju- Corina tinha sido educada por Myslis, mulher ins-
ventade e da belleza murcharam, porm tambem truida, que possaia na propria Phebas, em plena
trazes na tua alma o da inspiragao divina. Os ver- Bescia, uma escolla de bellas-leliras. Ella nao foi a
sos que ella dictou-te, annunciam em Erinna uma nica celebridade que sahiu desta escola. Um dos
digna filha de Lesbos Discipu'a de Sapho, que o seus condiscpulos tambera era destinado a gozar
futuro te conceda uma gloria egual a sua, masque
te reserve ao mesmo tempo uma sorte mais feliz
do quedella!
de alguma rama no mundo ; ebamava-se Piq-
daro,
Pindaro, como se sabe, tem sido considerado at
dinheiro tem julio e que a maioria do povo possue
muito bom senso e nao qur conjurar tormentas,
provocando oulras tormentas.
Asscntae vessas barracas no meu campo, caris-
simas leitoras. Elle tem largos horisonles, onde
podis ver a aurora do secego geral.
Tranquilisae-vos. Sedas, rendas, bales, todo de
que carecis para conservar-vos o privilegio ex
elusivo de omnipotentes, tudo eslar vossa dis-
posico as casas de vossa predilecto.
Se precisardes de mais animacao, de maior con-i
forlo o de outros conselhos em ordem a nao per-
turbar a paz de vossos espiritos, dizei uma s pa-1
lavra, que as azas da boa vontade e da prompta
dedieagao ser com vosco o
Dr. Semana
variedades illseradas
Os astrnomos e os geographos modernos nao
concordato com os amigos na classificago das es-'
trellas e das montaohas.
Estes romperam suas sedas estrella do Venus,
Saturno, aUranus, ao Himalaya, aos Andes.
quelles, dizem que nada comparavel ao Cru-
zeiro do Sul, que brilhou na Bagagem e Monta-
nha de Luz, que fugio do Mongol.
...
O moleque da Semana, estudanle aproveitado de
antignidades, tem.duas opinioes a respeilo da ety- i
mologia dopo-de-l. Urnas vezes diz que assim se
chama, por causa do bolo preparado pelas Gibas de
Lolh quando embriagaram o pobre do velhusco
oulras, afflrma que Ihe do tal nomo, porque o
seu milo tem semelhanca com a fazenda denomi-
nada l.
Oque certo e, que emquanlo o moleque bota
a livraria a baixo para ficar smente com uma
opiniao, os golosos cahem no thema do antiquario
e pouco se Ihes dando com a solugiio da pesquiza,
chegam i conclusao e provam que o po-de-l com
vinho ou sem elle cousa de regalar o estomago.
Miremse ueste espelho e digara l que o bocado
nao est guardado para quera o ha de comer I

CARTA DE BASILIO B'ASSUMPCXo PRIJfA CHIQt'INHA
DA PROVINCIA

Estimo, prima Chiquinha,
Que goses boa sade,
E que sempre Deus te ajude,
E' essa a vontade minha;
D lembrancas vislnha,
Essa moga maldizeole
Que comtigo ferra o dente
Em quem passa pela ra,
A lingua delta o a tua
S cortadas muito rente...
T me dirs qu'hoja uso
De ludo se maldizer,
Nao sou de ten parecer
At digo que abuso ;
Mas olha que nao le aecuso
Porque t sejas mordaz....
Nao deiies o Mundo em paz,
Nos salees levat^u peito.
Vae dando a torio e direilo,
Qur seja velho ou rapaz;
Se vires qualquer belleza,
De carmim e pos de arroz,
S, minha prima, o algoz
Dessa falsa natureza...
Nao te mova a gentileza
D'um s pelintra adamado,
Se algum delles, namorado.
Te passar pela janella,
Deixa-o cahir na esparrella
Nao Ihe poupes, que peccado !
Nao queiras com militar,
Nem por sonhos, brincadeira I...
Pois dama mais loureira
Elle capaz de engaar ;
Tem labias, sabe jurar
Amor ardenle e f pura,
Depois da presa segura
Escapa, como um foguete...
Quando vires um cadete
Foge, prima, o esconjura !...
Eu vou dizer-te, en uao goslo
De moga muito calada,
Que mesmo sem fallar nada
Pensa em muila cousa, aposto !
Mas quem nao Ihe l no rosto
O que por dentro Ihe vae?
Ou lem vergonha do pae,
Ou tem fingido erabarago,
Ou ento arma algum lago
Para ver se o homem cahe.
E jurei guerra de morte
A' moga que tudoaffecta,
De mil estofos coberta,
Exai-erada no porte ;
elhe coube a feliz sorte
De ser moga de salo,
Ei-la de saia balo
De brjo desmesurado,
Quando danga um cuidado...
Ninguem Ihe toque co"amo.
Pensa a moga quando rica
Quo tudo o mais Ihe vae bem----
Porque lem o seu viniera,
Cr que tudo bem Iho fica;
Se acaso alguera a debica
E ella repara em tal,
Nao v nisso grande mal,
E nao er que um atrevido,
Tenha mesmo escarnecido]
Do brilho de seu metal
Em quanto n esse torrilo
E"s a menina da moda,
Saia encarnada sem roda
Inimlga do balo;
Emquanlo qualquer babo
Passa e te faz corlezia,
D-le vossa senhoria
A' modo l do logar
Queres saber ? vou contar
O que fago todo dia.
Ve-se ra d'Ouvidor,
De luneta c bengalinha,
K vc-^o. nrima. 'hifimnha
Muito rosto tentador ;
E anda o qu' melhor
V-se um janoia infunado
as vestes, bem perfumado.
Grande c crespa cabelleira,
Se falla, cspe uma asneira
E concerta o penteado. ..
Se encontra mais adiante
De collarinho de vara,
Um luglez de rubra cara
Sem vislumbre de alegante
D'oulro lado passa ovante
Ensacada n'um balao
Com gestos de affectagao....
Uma das mogas da moda
Que do pae bolga toda
Esgota sera precisao.
E porque fallar do povo ?
E' melhor fallar de mira :
Escuta, prima, por lim
Vou contar-te um faci novo :
Tu sabes que eu muito louvo
A fradesca hypocrisia,
Pols hoje, prima, por dia
Ougo uma missa resida,
Fago muila velhacada, t
Mas o mundo me elogia.
Da trra o grande molor
Se chama especulago I....
Se nm dia eu nao fr baro
Hei de ser commendador
A nada conservo a'm'or
S idolatro ggr o dinheiro I
Porm hoje anda vasqueiro,
Busco um meio p'ra ganha-Io
Com honra nn jiosso acha-lo '
Assim passo o lempo inteiro.
Aqui paro, prima, adeus,'
Nao quero mais te magar,
Porm l nesse lugar
Reeorda os conselhos meus ;
Supplica por mim aos cos
Minha querida Chiquinha.
Besa um trro ou ladainha
Em tengan deste coilado,
Adeus, prima, estou macado
D lembragas vislnha.
Tea primo
Basilio (t Assumpcao.
Transerevemos da Estrellu do Norte o seguinte :
0 ESPIRITO DE PARTIDO.
Omne regnum in se ipsum divi-
sum dcsolabitur.
Todo o remo dividido contra si
mesmo ser dessolado.
S. Luc. II.
Entre os males que afllgem a sociedade um dos
mais terriveis e de qne procedem effeitos os mais
funestos, sem conlradicgo o Espirito de Par-
tido.
A razo o reprova, e o Divino Orculo, que se
acaba de referir, altamente o condemna.
-e os homens esculassera, como Ihes compre, a
voz da razo : se elles examinassem com imparcia-
lidadt ajustica ou a njustiga dos difiranles par-
tidos : ou antes, oque ha de justo e de injusto em
todas os partidos, jamis se deixariam dominar
pelo espirite de partido,
Mas nada disto.
A razo despreza-se, presende-se da jesiica, e
motivos que nenhnma relacao tem com ella*, e x
muitas vezes at Ihes sao diamelralmeate f ponSuu.
motivos indvdues sao os nteos que cefjotease
determinam a escolha de um partido ;e saani vs
que os sectarios de qualquer partido se prpnhiin
a suslcnta-lo com todas as forcas da peiima>-ia. -rn
penhando-se ao mesmo tempo em snpplanr.ir o
partido que Ihe i adverso com lodo o vig< r da in-
tolerancia.
E quem nao v que esta disposigo de animo *-
cessariamente deve nduzir ou arrastar aos *!-
mos extremos ?
Nao canea extranhcia, porque eftVilo nrrf^
rio do espirito de partido mas eau*a horror a
encarmgada lucia que entre si travam os diferen-
tes partidos, as anuas que manejam. o rerur de que se servem, os meio* que emprefam, a* tra-
gas que inventam, os anlis de que u-am. a sanha.
o furor com que se guerrram.
Os mesmos factos que de uma parte se ar-
mam, negam-se de oulra, e despresando-M o sa-
ma indispensavel que exige o ronherim*>nto da
verdade, subslilue-se-lhe um discorrer frentico, i
proprio de homens pertinazmente crdulo* os in-
crdulos, segundo con>nlerain as cooea* de fne trata favoraveis ou desfavoraveis ao sea modo de
sentir. Erabora salle ao* ollms a mMmm do
contrario daqtiillo que se affirma : nem por is*o se
deixa de su-tentar a afhrmativa com ama aaiiao
sidade nioleravel.
Ah quem podera calcnlar os resultados do
externiiiiador espirito de partido ?
O lio i em que de-graca.lamente se deixa domi-
nar por elle, torna-se culpa condescendencias para com os da soa par i
dade : das mais revocantes in.ustigas para com o-
que nao seguem as suas partes.
Se uma vez os reputa intensos sua raosa. o t-
dado, o prente, o amigo, o ronselheiro hX aqoaUe
mesmo de quem lem recel.id as,i;nalados bene-
ficios e a quem talvez ludo dere: |o-ios san seu>
declarados inimig>s, peto nico motivo da nao
adherirem ao seu partido I Emsumnu. o homem
que. se deixa dominar pelo esiiinio de parttdo. ie-
do sempre de ahysrao em abysm >, nenhama razio
o convence, nenhuma experiencia o desengaa, ne-
nhuiiia des(?raga o conlem, nenhuma infami i
nem envergooha !
Deleslavel espirito de partido !
Elle perturba a paz das familias, e, iairoduztdo
no meio dellas, ahabilagoonde reinara a coocor-
cordia e a harmona lran do batalha.onde as rontestagVs os odios, a intri-
gas ludo alleram e ludo transtornam.
Delestavel esjiirit de partido!
Elle tem sido a causa de tantas invasdes vioten-
las, de lantas guerras injustas, de untas revotus
imprudentes de devasiagos to a*ilailora> .!<
ruinas tao lamentaveis de estragos irremediare-
de mortes atrocsimas I
Delestavel espirito de partido.
Ede conduz a extremos nao s indignos do ho-
rnera chrisio, mas d'aquelle qne nao qmxer se-
guir oulros dictamos senao os que Ihe inspiram as
luzes da razo. Elle nao duvida empregar as enve-
neoadas armas da malediceocia e da calumnia,
uma vez que com oulras nao pe>a triumplur do
seus adversarios.
Mas se tae* sao incontestavelmente os funesto
effeitos do espirito de partido, qoem podera deseo-
nhecer quanto tile opposto ao espirito do chris-
tianismo ?
A essa Fcligio divina, que instrnindo-nos cerra
da verdadeira origem d genero humano, nos con-
vence da eslreilssima unio que entre os horneas
subsiste, apenas coniegam a existir ?
E na verdade. Creou Deus o pnmeiro homem
e gravando nelle a imagem da sua divina paterni-
dade, constiiuiudo Pae commum do genero huma-
no, fazendo que tudos os homens prucedessem dan-
ta origem ; eis aqui sem duvida estabelecida entre
elles a mais completa fraiernidade.
K para que fim, se nao para que os hosnuue vi-
vesstm na mais perfeita unio ?
Nao foi oulro o designio da Eterna Sahederia
dando ao genero humano uma origen antea ; o
isio o que cuuvioceolemeule nos persuade ess re
iigiao augusta que venturosamente rrrrfniresnuj ?
Ella quer que entre os homens s reine ama
oerfeiia uoidade de espirito firmada no precioso
vinculo do paiz ; ella nos esta intimando a eada
passo o inandamenlo por excellencia denominado
novo : Ama i ros uns aos outrts.
Ella nao cessa de recommendar a maior das vir-
tudes -a candadee uma candade to sublime
que nao procurando o que a/o, s lem por fim J
bem couimum. J
tu,. pil,, r. -, ., .,.., |d*f inimigos ; ensiaa a
retribuir bem por mal prohibe nao s a vincasea
mas at os desejos della.
Ella finalmente toda amor, toda caridade
Observemos, pois, as suas mximas, recoofiecen-
do lodos um so Senhor, uma mesriia f, um mesui..
baptismo, ura s Deus e pae de todos.
A 1'III.MEIRA EDITAQO
Quando nascem os ursosinhos assemelham-e
dizem, a uma man informe ; nao se di>tincue
nem a raimen, nem os olhos ; o pae e a me S
lidos p<^r um ui>tincio, que Ihes da o Deus de on-
dade, poe-.se a lamber o lidio com a Im-ua oulem
para melhor dizer ese curpo imp, rfeiio. er*eas a
seus cuidados e prisarli, Man a anami e-eu-
volye-se a cabega e despiendem->e as peraas do ur>x
sosinho ; em uma palavra elle comer a tomar sua
gura natural. v ^^ *
Salva a couiparagao, nos proporemos este exem-
plo lodos us paes e nalan.
Quando Deus Ihes da um filho Ihes d juntamen-
te a misso de o habiluarem a virtode. oV o U>t
marera no bem e do o fazerem um inmino hoo-
lo e chrisio.
Entre os L'rsos a lingua que faz este irabalho
de formagao ; entre os homens lambeta a entum
que deve ser o insirumenlo dessa grande obra n
labendo, mas fallando.
O que nao podem, com effciio. as palavras m
conselhos de um pae e de uma mo .'
O espirite do til lio em >uas mos, como orna
cera molle, piompia areceber todas as impres-es
se estas impre>fes sao boas, sao ehrisiia. o eora-
gao desse iiiemiio M formara secundo a vvniade d
er Eterno ; ello sera puro, auuvrl, com.u.Mvo
recto e religioso ; se ao cuntrario, a primeira dt-
reegao tua, um germen de vicio sera oVpostu em
sua alma, e ete pobre menino creyera com nefct-
los que o deformaro e mais urde o prrdero.
Paes e mes, apphcae-vos alternamente a mta
primeira influencia sobre o espirito de vo** tota*;
as impresses da infancia nunca se apaxam lutai'
mente.
A educago comega desde o bereo sobre c
I los da me.
Pnmeiro que ludo rnsinae voss Unos a amar
ea servir o bom Deus : ensinae-lhe a halbociar a
sagrado nome de Jess e de Mara ; tuoduz-ihe a
maosiuha iiiuocente para tazer em si o signal da
cruz, antes mesmo de |K>der compreheader a am>
tdade delle ; em hora deiermina.las enioae-lbrs
suas orag.s e as pequeuas histerias que Ihe aau>
urdes para formar .eu espirito, referi-lhes temuj
sar os factos da histeria do Salvador e da ta .i.-
sanios.
Uma. menina de 4 ou o annos esUva om dia so-
bre os {temos de seu pae, a quem acanciava ler
menle.
= Eniao tu me amas muito, Ihe pergooion o
Oh sim, resiiondeu a crianga, porem deeoi*
do bom Deus. *"
Nao viciis vossos meninos om uma ternura re.
ga e desintelligente.
E>ta palavra multo profunda : -viciar om me-
nino.
Viciar um trabalho deforma-lo, torna-lo inn-
lil e perde-lo; asim sao as paes traeos e nmwn
conscienciosos qne corromoem seus lilhos. iio
que uao os babituain a respetar e a amar odVver,
que cedem a todos seus caprichos, qoe rmdaado
delles alm do lermo marcado, Ibes drixara asmnf
hbitos de impertinencia, de roau carcter, de ge-
nio extravagante, de glotonera, de cnrimins* ;
em uma palavra os acariciara qoando os devcriam
punir, e fazem delles pequeas perswaagoas m-o-
portaveis.
Em o nosso seculo, quer no campo, qur na ci-
dade, quer entre os nubres, quer entre o pfaaouo
o uso quasi geral que os filos sejam os innhmna
da casa e vejara seus paes a feos ps.
O mundo anda as avessas : Olhos corromprnte
nunca sarao se nao homens mediocres, quaixlo a
nao forem perversos; que importancia lem rniio n
primeira educago I
Aviso aos paes que amem seus filhos e que mm-
ram senameole trabaloar na felicidade delle-.
PERNAMBCCO.- TYP. DE M. V. DE P. y FJUfo
lm
mi itTi nn


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERSXZ3P0L_GEI4KG INGEST_TIME 2013-08-27T20:25:48Z PACKAGE AA00011611_10536
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES