Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10535


This item is only available as the following downloads:


Full Text
All O II. NUMERO 279.
Por tres Mezes adiautados 5$0
Pr tres vanes vencidos 6$UUt)
Porte ao correio por tres mezes. 750
DIARIO
SEGUNDA FEIRA 5 DE DEZEMBRO DE 1864.
Por asno adiantado.....49$00O
Port ao correio por um anno 3J0O
-maatlia.^r-JSaSJB'*
Cil' ARRKuALOS DA fcUltaUktgAO NO NORiE
i ->K.1lA 1> fiu.i.'.AJ.
Oiinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna o Parahyba as segundas e
I sexias-feiras.
Saito Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Garuar ,
I Altinho e Garanhuns as tercas eiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqneira,
Ingazeira, Plores, Villa Bella, Tacaral.Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas eiras.
INCARREGADOS DA SUB8CR1PCAO NO SL. Sennhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barra-
ros, Agua Preta e Pimeuteiras as quintas eiras.
lina de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
| Todos os estafetas partem ao Vj dia.
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, Sr. Antonio Marques da Silva: Aracaty.o
Sr.A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Ohveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
Alagoas, o Sr. Claodino Palcao Dias; Baha, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins & Gasparino.
EPHEMERIDES DO MEZ BE DEZEMBRO.
6 Quarto cresc. as 5 h., 11 m. e 56 s. da m.
13 La cheia as 4- h., 52 m. e 26 s. da m.
21 Quarto ming. as 2 h., 42 tn. e 58 s. da m.
28 La nova as 7 h., 1 m. e 44 s. da m.
PREAMAR DB HOJB.
Primeira as 9 horas 18 mnalos da manha.
Segunda as 9 horas 42 minutos da urde.
PARTE OFFIGAL
*~R ^.. : Oa Va. OR* t.OSi.iRO.>.
Para o snl at Aiagoas a 5 e 25; par o norte at
a Granja a 7 e 12 da caa me?; para Feroaudo uos
dias 14 dos mezes dejan. marc.,maio. jul. sel. c nov.
PARTIDA DOa OMN.BUS.
Fara o Recife: do Apipucos as 6 V, 7, 7 /j 8 e
Vi da m.; de Ohnda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6 Vi ia m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos as 3 /, 4,4 '/i. Vi
S, 5 'A, fi Vi e 6 da urde; para Oiinda s 7 da
manhaa e 4 Vi da tarde; para Jaboatao s 4 da
tarde -, para Cachang e Varzea s 4 Vt da larde;
para Bemfica s 4 da Urde.
aUDENC. DOS {RiBUNABS UA CAffNkL
Tnbunai docommercio: segundas quintas.
Re'aco: tercas e sabbados s tO horas.
Fazenda: quinta, s 10 horas.
Joizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sertas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sexus ao meio
dia.
Segunda vara do civel: qoartas sabbados a 1 hora
da urde
TMA9 DA SMaNA.
5. Segunda. S. Pedro Clin totopa b.
6. Torea. S. .Nicolao b.; s. L< oir-ia m.
7. Quart.i. S. Ambrosio b. dr. da egroia.
8. Quii, cga A Immarulada Cnnceifao de Mara.
9. Sexta. S Leocadia v. m.; S. Gonroaia t.
10. Sanbado. S. Melohiades p. m.;S. Camello m
|1. Domingo. S. Dmaso i, m.; S. Francisco c
AS8IGNA-SK
no Recife, em a livrana da praca da Independen,
ca us. 6*8, 4os proprietaros Manoel Furoeiro'.
de Faria Filho.
GOVEBV DA PROVINCIA.
Ciiniiniisro do expediente do dia 29 de novembro
de 1861.
Offleio ao Exm. vlseonde da Boa-VisU, comman-
dame superior da guarda nacional do Recito.--
Sirva-se V. Exc. de informar sobre o que solicita
o Dr. cliefe de polica no iacluso oflkio.
Dito ao coronel commandante das armas. Quei-
ra V. S. informar acerca do que pede o arcediago
vigario Placido Antonio da Silva Sanios, no luclu-
so r.'ijuei niirnto.
Hito a Francisco Xavier da Cusa Aguiar de
Andrade.Accuso recebido, cora o offleio de V. S.
de 2 do crrente, o relatorio semestral apresenta-
do pela directora da companhia da estrada de
ferro desta provincia, aos seus accionistas, na reu-
nio geral, que leve lugar no dia 2o de oulubro
prximo lindo.
Dito ao commandaote do presidio de Fernan-
do. -Accu-audo recebido o offi>io de V. S. n. 142,
de 22 do correte, tenho -a dizer-lhe em resposta
que convm aproveilar para a planta de algodo,
por conta do estado nao s a ilha Rala, como V. S.
propoz em dito offlcio, mais lamben os lugares
que se poderem despensar da plantaco de rocas
e outros legones necessanos a manutengao dos
sentenciados e da guarnico desse pr-sidio.
Dito ao juiz de direito de Flores.Pelos seus
offkios de 9 do corrente, liquel inteirado de ter
Vine, suspendido o bacharel Ignacio Tavares da
Silva do cargo de promotor publico dessa comarca,
e o juiz de paz do districto de Baixa Verde Diog*
Suares Carneire, pelos motivos constantes de seus
citados ulllcios.
Dia 30.
Offlcio ao coronel commandaote das armas.
Sirva-se V. S. de informar sobre o que pondera o
commandaule do presidio de Fernando, n offleio
de 23 do corrente, que aqu ajutito.
Dito ao iue>mo.Infirme V. S. sebre o que pe-
de no incluso reqnerimento, o clarirn addido a
comoauhia de cavallana Jos Ferreira Braga.
Dito ao mesmo. De conformidad* cora o que
solicitou o Dr. chefe de polica, i-xpeca V. S. suas
ordens para que seja reforjada com mais 8 a es-
colta de 10 pravas, que em virtude do meu offlcio
de liontem, deve ser hoje apresentada quelle
chefe, aflu de conduzir criminosos para o lermo
de lpojuca.Commuuicou-se ao Dr. chefe de po-
lica.
Ditoao Dr. chefe de polica. Remetto incluso
por copia o offlcio que em 21 do crrente, me di-
rigi o bngadeiro commandante superior da guar-
da nacional deste municipio, atim de qtw V. S.
lome em considerado o que elle pondera sobre a
inconveniencia de seren despensados do servido
da mesma guarda nacional, os guardas do esqna-
drao da cavallana Clemente Jos Ferreira da Cos-
ta u Pedro Alexandrino dos Prateres; do 2." bata-
Iho de infant ira Benjamim Canuto dos Santos
Luna, e do'." batilhaode arlilharu Jos Loaren-
50 de Souza, Uazlllo Manoel e Jf.sua o o 2.* sar-
gento Trauquilliuo Pedro de Alcntara, que foram
nomea ios inspectores do quarleiro.
Dito ao mesmo. -Ao offlcio de V. S. n.'332,
de 29 do mez lindo, respondo dizendo que approvo
a d-diberacao que tomou o delegado do termo do
Ex, de alugar oulra casa pelo preyo de 10,3000
mensaes para servir de cadeia : mas precisando a
nova ra-a, de reparos na imporianca de-----
2255000 rs., devem estes .-.er feito< pelo respectivo
proprieiario. que a deve entregar em estado de
prestar-se ao uso para que alagada,
Dito ao inspector da thesnuraria de fazenda.
Recommendo V. S que, se nao houver incon-
veniente, mande pagar ao encarregado da gerencia
da companhia Peni imburana, como solicitou este
em offliio de 28 do corrente, a subvengao de
7:00050ti0 rs com que o gowruo imperial auxilia
mensalmentc aquella companhia, a qual cumprio
com as suas obrig^ces no cadente mez, segundo
consta do citado offlcio.
Dito ao mesmo.Convm que V. a. se apresse
em ministrar a informado exigida por despacho
de 27 de setembro ultimo, sobre a alteracio da
planta dcs'a ctdade, proposta pela respectiva c-
mara municipal, em offieos de 27 de julho deste
anno e 21 d'aiuelle roex.
Dito ao mesmo.Declaro V. S. para seu co-
Dhecimento e flm conveniente, que de conformi-
dado com a sua nforinaQo de 7 do corrente,
sol n. 666, da la acerca do reqnerimento de Do-
mingos Antunes Villana, t--nhu resolvido approvar
as subeinphitliensis fetas pelo supplicante, relati-
vamente a uus terrenus que llie foram concedidos
por aforamenlo, na ra Imperial pagando este os
audemios devi los e mais imposto*, o os soban-
plullientas os foros que com elle convencionaram,
d'-pois do que sero passadas os competentes t-
tulos.
Dito ao mesmo.Communico V. S. que o ba-
charel Antonio Columbano Seraphico do Assis
Carvalho, enlrou em 25 do corrente, no exercicio
do cargo de juiz municipal e de orphaos do termo
do Bonito, para q ie foi ltimamente Horneado.
Dito ao mesin i De confurmidade enm a sua
infonnacao do 28 do corrente, sob 11. 687, dada
com referencia a da contadoria dessa the-ouraria,
acerca do requerimenlo, que devolvo, coherto com
offlcio do coronel commandante das armas, n.
1756, de 7 de oulubro ultimo, autonso V. S. a
mandar pagar ao alferes Pedro Velho de S
Barretu a qoaotia de 15800 rs., que tem direito,
proveniente de forragens para urna besla de baga-
gem as marchas, que fez dc-ta capial cidade de
Goianna, e vice-versa.
Dito ao mesmo. Designe V. S. um empregado
dessa repartico para passar revista de mostra
amanha no quariel do Hospicio torca da guar-
da nacional, que se acha em servido de destaca-
mento nesta cidade. Communicou-se ao Exm.
commandante superior da guarda nacional do Re-
cife.
Dito ao inspector da thesourarla provincial.
Transmito a V. S. a inclusa conta na importancia
de 1535400, de-pendlda com o sustento dos pre-
sos pobres da cadeia do termo de Flores, a contar
do Io de agosto at 14 de outubro, tudo deste an-
no, adra de que, da conformidade com o que soli-
citou o chefe de polica em offlcio de 28 do corren-
te, sob n. 1,684, seja levada em conta ao delegado
supplente daqielle termo, Sebastiao Jos tvreira
a quantia de 1355600, resto dos 2005 que por essa
re;iarticao Ihe foram adiamados para taas despe-
zas, de vendo o saldo de 175800 resultante da pre
dita conta, sej entregue ao negociante desta praca
Manoel Ribciro de Carvalho.
Bto ao cnsul de Haraburgo. Devolvo ao Sr.
C. L. P. Roeck cnsul de hamuurgo nesta provin-
cia, com solicitou em datad** 28 do corrente, a
conta em duplicata da praticauein do porto desu
cidade, a que aliado o sea offlcio firmado em 4
deste mez.
Renov ao mesmo Sr. cnsul os meus protestos
de estima e cnnsiderac.o.
Dito ao commandante do presidio de Fernando,
Reeebi o seu offl-io n. 1 2. de 26 de outubro
ultimo, com que V. S. trouxe ao meu conhecimon-
to copia da correspondencia ha vida entre esse com-
mando e o almoxanfe capilao reformado Manoel
Claodino de Oliveira Cruz, acerca do pagamento
da quantia de 8475, que se est a dever a este,
proveniente do maehinismo que vndeu para o
servjex) desse presidio : tenho a dizer era resposta,
que, proceden V. regularmente de modo por-
que deu pnnchio ao pagamento daquella quantia
como se evidencia da sua portara datada de 6 d-,
fevereiro deste anno, visto come, condicao do
contrato assignado pelo mesmo almoxarife ser pa-
go em legunies de produeco dessa ilha, sem de-
clarar-se a qualidade do legunaa.
Dito ao commandante superior dagQarda nacio-
nal do Cabo e lpojuca.Recommendo a V. qne
mande com urgenea passar ao major ajudante de
ordens Manoel de Siqueira Cavalcanti, como ja se
ordenou em offlcio de lo de fevereiro ultimo, a guia
dd que trata o artigo 45 do decreto n. 1.130 de 2
de mareo de 1853, vi>to que transferio a sua resi-
dencia para esta capital, e a solicitou em lempo.
Dito ao procurador fiscal da thesourara de fa-
zenda.Em vi.-ta do offlcio que Vmc. me dirRio
hontem, designe) o dia 5 de dezembro prximo
vindouro para ter lugar, em sua presenca, a ava-
llarn dos objectos que perlenceram ao7 batalhao
de infamara e tem de ser carregados ao almoxa-
rife do arsenal de guerra : o que declara a Vmc
afim de que compareca naquella repartico no in-
dicado da.Communicou-se ao director do arse-
nal de guerra.
Dito ao administrador da capella de 5. Miguel
dos A togados,Tendo designado a igreja de *.
Miguel da povoaco dos Afogados para nella se
reunir a junta de qualiticafo que tem de func-
conar em Janeiro do anno prximo vindouro, vis-
to achar-se a respectiva matriz em concert : as-
sim o communico a Vmc. para seu conhecim^ntoe
execucao oa parte que Ihe toca.-Neste sentido
offlciouse ao juiz de paz mais votado da freguezia
dos Afogados.
Dito ao chefe interino da repartico das obras
publicas.Aulorso Vmc. a contratar com o em-
preiteiro do lance da estrada do norte da cidade
de.Goyanna, a construegao da rauralha para ampa-
ro das casas entre as perQs 5 bis e '2, pelo prego
que se Ihe propoz, com as rao tificacoes feita* a
vista da< razoes apresenUdas pelo c inductor Gale-
no, no offlcio que por copia acompanhou o dessa
directora, de 8 do corrente, sob n. 316.Commu-
nicou-se a thesouraria provincial.
Oto ao mesmo.Approvo a proposta que Vmc.
fez em offlcio de hoje, sob n. 330, de Henrique de
Moraes Counobo e Rufino Martins de Miranda,
para guardas dessa repartico, cujos lugares ficam
creados : o que communico a Irme, para seu co-
nbreimente e fl.-n conveniente.'.OTimunicou se
ao inspector da thesouraria provincial.
Dito ao juiz de dreto de Garanhuns.Mande
Vmc. examinar e avaliar os reparos de que preci-
sa a cadeia da villa de Garanhuns, e remetta-me
um ornamento da despeza a fazer-se com elles.
Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao juiz municipal da 2a vara desta cidade.
Recommendo a Vmc. que d pela parte que Ihe
toca as providencias necessanas afim de que seja
submettido a juramento com brevidade como soli-
citou o commandante das armas em offlcio de 28
do corrente, o nrocesso instaurado ao alferes do 2o
Ratalho dn iofantaria Jeronymo Ignacio dos San-
tos por crime de estupro.
Dito ao juiz municipal de Cimbres.Inteirado do
que Vmc me communcou em data de 10 deste
mez, acerca dos medicamentos que sobraram dos
do que foram enviados para so-corro dos desvali-
dos por occasiao da epidemia do cholera-mosbus,
tenho a dizer em resposta que mande por nova-
mente em arremalacao os referidos medicamentos.
Dito a cmara municipal do Recito.Ao offlcio
que me dirigi a cmara desta cidade em 23 do
corrente, respondo declarando-lhe que aguardo a
intormacao do inspector da thesouraria de fazenda
exigida por despacho de 27 de setemnro para re-
solver acerca da alteraeao que a mesma cmara
julga conveniente fazer-se na planta desta cidade.
Dito aos agentes da companhia brasileira de pa-
quetes a vapor. Mandem Vmcs. entregar ao ins-
pector do arsenal de marinna os caixoes de que
trata o offlcio que Vmcs. me dingiram hontem.
Offlciouse nee sentido ao inspector do arseual de
marmha.
Portara.O presidente da provincia attendendo
ao que reqnereu o lente da 4' companhia do
corpo de polica Manoel Germano de Miranda, re-
solve coucoder-lhe 20 dias de liceuea com tonel
mentos para ir ao Rio Formoso.
Dita.0 presidente da provincia attendendo ao
que requereu o capitao do corpo de polica Fran-
cisco Antonio de Sa Barreto, resol ve conceder-lhe
2 mezes de licenca com vencimentos para tratar de
sua saude.
Dita. O presidente da provincia conformndo-
se com a proposta do Dr. eheto de polica n. ,494
bis, de 28 do corrente e a bem do servico publico,
resolve exonerar a Jos Francisco de Paula Caval-
canti e Ben'o Jos das Neves Wanderley, dos car-
gos de 3o e 4o supplentes do delegado do termo de
Goianna ; e para os substituir nomea 3 Jos Joa-
quim da Rocha Faria e 4 o 5 supplente liento
Jos Ferreira Rabello. Communicou-se ao Dr.
chefe de polica.
Dita.O presidente da provincia conformndo-
se com a propona do Dr. chefe de polica n. I,01,
desta data, resolve considerar vagos os lugare de
supplentes do delegado do 3* districto do termo
desta cidade, e para os preencher nomea :
Io Presciliano Peres Campello.
2 Antonio Jos Duarte.
3' Jos Porral Daltro.
4 Jos uarte de Albuquerqne Maranhao.
5o Francelino Francisco Paes Barreto.
6o Francisco Joaquim da Rocha Falco.
Communicou-se ao Dr. Cheto de polica.
Dita.-O presidente da provincia conformndo-
se com a proposta do Dr. chefe de polica n. 1,50',
desta data, resolve considerar vagos os lugares de
supplentes do subdelegado do districto de S. Loa-
renco da Matt, e para os preencher nomea :
1 Jus Ferraz Daltro
2o Jos Duarte de Albuquerque Maranhao.
3* Miguel Joaquim do Reg Barros.
4o Francelino Francisco Paes Barreto.
5o Antonio de Barros Wanderley.
6o Antonio Candido de Oliveira."
Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dita.-O presidente da provincia tendo em vista
o que ponderou o gerente da companhia Pernara-
bncana de navegaco cosleira, em offlcio de 26 de
outubro ultimo, resolve que vigorem provisoria-
mente no bicnnio que se tem de Andar a 30 de
junho do anno de 1866, as tabellas juntas pelas
quacs foram reculadas no biennio de 1862 1864
os pregos dos fretes e passagens nos vapores da
mesma companhia, e ordena que neste sentido se
expegam as convenientes ordens.Fizeram-se as
necessarias rommunicacoes.
Dita. O presidente da provincia attendendo ao
que requereu o juiz municipal e de orphaos do
termo do Lirnoelro, bacharel Emigdio Marques
-anliago, resolve conceder-lhe 45 das de licenca
com vencimentos na forma da lei para tratar de
sua saude.
Dita.O presidente da provincia attendendo ao
que requereu o escrivo do orphaos, ausentes, ca-
pellas e residuos do termo do Limoeiro, Luir. Fran-
cisco Barreto de Almeida. resolve eonceder-lhe 50
dias de licenca para tratar de sua saade nesta ca-
pital.
Expediento do secretario do gormo do dia 30 de
novenbro.
Offlcio ao Exm.*Ysconde. da Boa-Vista comman-
dante superior da guarjja nacional do Recito.O
Exm. >r. presidente da provincia manda communi-
car a V. Exc. que por ppriana de 22 do correte
concedeu 6 mezes de licenca ao tenente do 2 ba-
talhao de infamara da guarda nacional deste mu-
nicipio Jos enriques.da Silva para traiar'de sua
aaude.
Dito ao inspector da thesaurara de latenda. -S.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda trans-
mitir a V. S. a inclusa orden do thesouro nacio-
nal sob n. 169.
Despachos do dia 30 de norembro de 1861.
Requerimentos.
Alexandrina Cavalcanti de Albuquerque.In-
forme o ^r. inspector da thesouraria de fazenda.
Antonio Morara da Silva. Iuforme o Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
A 1 are Jos da Silva.Concedo 10 das.
Domingos Antunes Villaca.Dirjase a thesou-
raria de fazenda.
Capito Eduardo Daniel Cavalcanti Vellez de
Guevara.Passe portara concedendo seis mezes
de licenca ao supplcante.
Bacharel Emygdio Marques Santiago. Passe
portara concedendo a licenca requerida com veu-
cimentos, na forma da lei.
D. Felismioa Claudemira de Mello Lins.Em
vista da intormacao nao tem lugar o que requer a
supplcante.
Capito Francisco Antonio de S Barreto.Passe
portara concedendo dous mezes de licenca com
vencimentos.
Flix Paes da Silva Pereira. Informe o Sr. dos-
embargador presidente do tribunal do commercio
Jos Caetano de Carvalho.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria do fazenda.
Capito Jos de Cerqueira Lima.Requeira ao
governo imperial.
Major Jos Francisco da Silva. -Sollado, volie,
querendo.
Tenente Jos do Reg Barros.Passe portara
concedendo a licenca que requer o supplcante,
mas com sold simples.
Joo Isidoro de Inojosa Varejao. Informe o Sr.
juiz municipal do termo de Nazareth.
Luiz Francisco Barreto de Almeida.Passe por-
tara concedendo a licenca requerida.
Manoel Hiracleto de Albuquerque. Informe o
Sr. juiz municipal de Nazareth, juntando os docu-
mentos de que trata o supplcante.
INTERIOR.
CORRESPONDENCIAS DO OA
RIO RE 'KRWJIIIU O.
PARA.
llrlcm. 21 de novembro de 4861.
Tao difBciuntes >ao as noticias desta parte do
imperio,- que quasi nao Ihe escrevo por falta de
assumpto importante.
Mas para que nao se diga que do Para nao hou-
ve nem urna s linha, l vo estas apressadamente.
Do Amazonas pouco adiantam as novidades as
do ultimo paquete.
All conserva-se em acrrima guerra a assem-
bla provincial contra a presidencia, esta outro
tanto faz contra a assembla.
No orcamento provincial tudo se tem negado
administraco para a collocar em serias difflcol-
dades.
Einfim esta provincia era digna de melhor sorte;
mas o que certo que os partidos sao alli ex-
tremados o as indisposicoes polticas sera a menor
condescendencia ou coueiliaco.
No dia 22 do corrente chegou dos portos do Pe-
r o vapor Morona, trazendo a noticia que a re-
pblica ia em paz e soccego, a nao ser a questao
das illias do Chinchas que anda prende a alten-
5o do governo e o entliusiasmo publico.
Do Para, o que Ihe posso dizer que felizmente
gozamos de paz e tranquilidade, assim como que o
estado da salubridade, a exeepgao de um ou ou-
tro caso de angina satisfactorio.
A 13 do corrente regressou no vapor Befan o
Dr. chefe de polica da sua expedicao a comarca
Saltaron.
Infelizmente ainda desta vez os pretos do mo-
cambo do inferno nao poderam ser capturados;
porque circunstancias do lempo e de localidade
em que se acharan isto obstaram.
O governo reserva urna expediccao para melhor
quadra, por ser urna aflronta a moral c proprie-
dade a agglomerago de escravos fgidos em se-
melhante attitude I
A tropa soffreu gravemente por esses matos pela
Inoportunidade da estaco ; entretanto tanto ella
como o Dr. chefe de polica envidaran os necessa-
rios estorcos para o melhor xito da expediccao
que liaban em vista.
O Exm. presidente da provincia acha-se viajan-
do alguns lugares da ilha de Maraj. Dirigiu-se
Chayes no vapor Soiin?, a 15 do corrente, donde
partir para differeHtes localidades da ilha, deven
do aqui estar, o mais lardar, a dous de dezembro.
Tem-se fallado n'estes ltimos dias em mudancas
das principaes autoridades da provincia, taes, co-
mo, a do Exm. presidente, commandante das ar-
mas o bispe deocesano.
Nao sei que fundamento tem semelhantes prog-
nosticos -, mas noticias destas mais tarde ou mais
cedo se realisam !
Corre nesta cidade que no Maranhao se preten-
de erigir um monumento em memoria do nosso
poeta Antonio Goncalves Dias, ltimamente falle-
cido e naufragado na barca franceza Villa de Bo-
logne e que por tanto o Para tambem concorrer
com alguns donativos para se realisar tao merito-
ria e honroza lembran;a, a favor de um distincto
nome que illustrou a poesa e a litteratura brasi-
leira.
A 17 do corrente fallecen nesta cidade o com-
mendador Fernando Jos da Silva, que aqu toi
cousul portuguez antes do Dr. Moreira. Eis aqui
o que diz o Jornal do Para acerca do seu paga-
mento :
O Sr. commendador Fernando Jos da Silva,
suecumbio alfim ao peso de nina idade provecta e
aos rigores de urna enforniidado contumaz, hon-
tem pela manha.
Mui longo foi o seu transito neste mundo, pota
falleceu contando noventa e dous annos de
idade. (I)
t Natural de Portugal passou entas regioes
onde viveu apreciado de todos e onde se finou,
com pezar dos que c ficam no val de miserias,
que se chama mundo
t Dotado de urna alma generosa e de sentimen-
tos cavalheirosos, assim devia acontecer e assim
realmente acenteceu.
Atiento aos bellos servicos qne prestou
narao portugueza e anda mais em altencao ao seu
patriotismo, toi nomeado cnsul do -. M. Fidelissi-
ma, ao< iloze de agosto de '835 ; cojo importante
e atarefadissimo lugar desempenhou sempre, com
toda dedicaco, honradez e lealdade ; at que no
anno de 1859 deixou de eierce-lo por assim o pe-
dir, sendo-lhe porm concedidas as honras do re-
ferido cargo, por decreto de 30 de agosto do mes
mo anuo.
Por decreto de 13 de dezembro de 1839 S. M.
F. fez-lhe tambem a graca de elevar a commenda-
dor da orden de Cliristo.
Matriculado na praca do nosso honrado com-
mercio por al vara do senhor Re 1). Joo VI de 23
de outubro de 1816, legou sua familia um no-
mo honrado e a seus collegas urna b>a memoria e
era um man exemplo ; por cujos honrosos pre-
cedentes obteve anda do mesmo magnnimo mo-
narclia o favor de o esculher para o importantis-
simo cargo de cobrador dos dzimos, de-la pro-
vincia, orn cojo lugar deu como sempre provas do
, seu zelo pelo servico e pela honra de seu nome.
I ^endo tenente da segunda linha da provincia
do Ro Negro foi promovido ao poto de cpilo de
milicias, por despacho de 12 de outubro de 1819,
estacionando esse corpo nesta nossa provincia ;
sendo drpois promovido, a tenente coronel e a eo-
! ronel da mesma guarda, cujos cargos desempe-
; nhou sempre de modo lisougeiro ao seu nome res-
peivel ja por tantos ttulos.
i E nos, um dos humildes orgos da imprensa
brasileira, na occasiao do seu linanieuto, vimos
tambem urguer um brado de veneracao e senti-
I ment pela perda de um bom portuguez.
Nao cumplimos si um desejo do coraco,
tambem cumpriinos una grande obriga^o, cho-
rando sobre a memoria do finado, uina das leste-
munhas da conquista necessana de nossa eman-
eipacao.i
O jury acaba de fchar-se, tendo trabalhado
a maior parte deste mez.
E' cousa notavel que nao foi pequeo o numero
dos pronunciados por crime de estupro I
A maioria dos reos tanto deste como de outros
delicio foram julgados innocentes, e por conse-
gulnte mutos j passeiam livremenle.
Do commercio pouco ou nada ha de importancia.
A perplexidade e a incerteza ainda reina no
animo dos commerciantes ; o prmeiro vapor
chegar dessa parle do imperio, quem ha de pre-
cisar as circunstancias linanceras da praca do
Rio de Janeiro. Ella por assim, dizer o term-
metro da confiauga e das lrausacc"S mercarais de
lodo o Brasil, e por lauto todos os sentidos e inte-
resses se volvem para a corte I
Passado o da 9 do novembro sem maiores sa-
crificios como se presume, tudo caminhar regu-
larmente quanto ao couiinercio neste paiz, porque
a colhela do caf e a importagao segundo as no-
ticias erara boas c animadoras.
Entretauto as noticias de quebras de algumas
casas dos Estados-L'ni loe tem causado mais ou
menos sensaeao nesta praca, pelos grandes Inte
restes que aqu temos coui a America. Emiim
quando se precente livrar.rDo-nos de Salla, j va-
mos cahindo sobre Caribides.
E' a ordem do mundo, pOis nem tudo pode ser
a medida completa dos uossos desojes I
A dias sabio com deslino ao porto da Babia o
brigue de guerra ilaranliao, que ahi de certo deve
tocar.
Os navios no porto actualmente sao os seguintes:
NAVIOS IIKSi:.\lll.A.
Joune lia......... Brigue francez.
Sobrino.......... PatVho inglez.
Patriota.......... Ilyam biasileiro.
Los Amigos....... Ptatho inglez.
Cupido........... Patai ho iuglez.
'locantins.
Onda.....
Barc 1 franceza.
B erg.
A CARG
inglez.
-NAVIOS
Helena...........
Ligeira...........
Volant ........
Cidade de />'/,, ..
Para Lisboa sabia boje o b
barca Ligeira sahir a 26 do cor
ntiu
K.
Brigu 9 bremensa.
Barca Portugueza.
Patacho inglez.
Gali-raj portugueza.
igue ljgetro, c a
ente.
ngundos, e as loses
8 toi aqui a i I lia do
a nao pode descobrir
O Cruzeiro do Sut parte hoje s dez da not'e.
siARYMlAo
S. Luiz, 27 de n ivemliro de 1861.
A' 1 1/2 hora da noite de hontem. honve um
ameaco de terremoto nesta cidade, que parece, se
ter estendido por toda a ilha, domo das noticias
que tem chegado.
Urna detonaran ao longe, adompanhada de um
surdo rumor subterrneo, foi observada polas pea-
nas que a essa hora estavamaeordidas, e pelas
patrulhas e sentinellas que deram parte do aconte-
cimento. A mobilia, janellasp portas estremece-
rn) torlementc por alguns
scintiilaram milito.
Mais de urna pessoa tomou-sfe de susto aterrador.
Na historia do Maranhao fc prim-iro acontec
ment desia ordem; alguns reeordaran-se logo
das prophecias do Bandarraoade diz: Tenpo vi-
r que os navegantes, pascan lo pelo Maranhao,
t diru : em outros temp
< Maranhao. a
At hoje ainda a polio
quem os autores do arrombkraento da offleina da
lypographla do commercio, e mu bu de diversas pe-
cas do prclo, como de tudo Ihe dei noticia na mi-
uha de 27 de outubro.
Que esse crime (icaria impune alcancei logo,
desde que observei a reluctancia do subdelegado
do districto em faier o corpojde delicto e depois de
feito nos manejos empregapos para se nao dar ao
roubado o traslado. Mais krle fiquei ainda nessa
eonviccSo, isto de que a polica nada descobri-
ria, quando li a Coaliru qne traz no seu topo, co:
mo redactor, o nome do promotor publico Jos Joa-
quim Tavares Belfortaprsenlar um grande arti-
go, todo tendente a justificar esse alternado, geral-
meute reprovado pelo jornalismo da provincia, por
que, como j Ihe disse, solo jornal que se publica-
va nessa typographia deslipva-se do dever de sua
misso, outros eram os njeios de o faz.-r conter, e
nao por meio do estrago i prouredade alheia.
A correicao aberta elo juiz de direito da 2*
vara est trabalbando.
Na visita que o juiz fez cadeia, encontrn urna
mulher condemnada pi iso perpetua e soffren lo
j a pena ha quatorze ara os pelo crime de homici-
dio na pessoa do marido, que dizem, nao obstante,
achar-se de perfeita sarjd 00 termo do lcat I Pe-
diram-se os precisos esclarec melos ao juiz de di-
reito daquelia comarca. I
A polica por ora nada lem descoberto acerca
de sedulas falsas.
O jornal Paiz, orgo lo commercio, denunciou
ha um mez, e tanto que 1 m rapaz, mojo da cma-
ra d vapor Gtirupy and ira com um masso de s-
dalas falsas de 5500" 1 passa-las, que, dndose
disto inmediatamente |arte polica, esta nao
prendeu o sucio, que se deixou ;-eguir para o Pa-
ra afim de se nao eston ar a sahtda do vapor I I I
EsU forte censura de Paiz e do Constitucional
obrigoa o chefe de polici 1 interino, toreado, ao que
dizem, pela previdencia, a prender o rapaz no seu
regresso do Para. Acha-se na cadeia, porm at
hoje nada se ha descober lo.
Ao alcance de todos es t que esse rapaz nao o
verdadeiro Introductor, sim algum poderoso qu
foi ou mandou buscar as bixas, sendo urna de 55,
que vi na mao de um; victima, bastante imper-
feia.
Nao ser imprudenqi estar-se ah com mula
cautela, porque ellas se podem espalhar por inter-
medio de boas emissarios.
O prestidigitador Links tem lido endientes de
fiaarr0iar:Jem ,,, ?nV d.e tirar l.vre de des- duz sua propria sobrnha. menor de H annos, para
pezas mais de um cont de res. a prosliluicao I
n,Fiha presenle "to** 1ue ,enh0 coranuni- No dja tt do mcz paSa,lo foj v,|menie iosnlu
PARAIIIBA.
1" de dezembro de 1861.
Na madrugada de 26 do mez passado, na ra da
Mangneira tiesta cidade Mara Manrlcia do Rosa-
rio ferio gravemente, rom um taino de navalha no
pese-eo, a seu anaz o Severinu Iranquelni de Li-
ma. A criminosa foi presa anda en flagrante, e
est sendo proeessada; e o offendido suppomos
nao ter risco de vida.
A's 9 horas da noite de 27 do mez passado, nes-
ta cidade, na ra do Diniz, o escravo Luiz, per-
tencente Mara Calenga, deu urna grande canive
tada em Joaquim Marianno. que o deixou grave
mente torido. O criminoso toi preso, e est sendo
processado pelo respectivo subdelegado.
Muito trabalbo ha de ter o actual chefe de poli-
ca desta provincia, para capturar a maior part
de seus criminosos em akuns de seus termos, co-
mo bem nos de Nane, Teixera, Cajazeiras, Sou-
za e Misericordia, onde infelizment2 ainda ha
quem, abusando da actual ordem de cousas, se
atreva a pro'eger criminosos. E' assim que nos
iqtormam, que no termo do Teixera, sob a protec-
cao de Serafiui Raposo, existem na Serra de Jato-
b grande numero de assassinos. Prosiga, porm,
o Dr. chefe de polica, que ha de achar o concurso
dos hoinens honestos na perseguieao dos homens
rriminosos.
li' assim tambem, que temos ouvdo dizer, que
00 termo de Misericordia e sob a protercao de Sa-
turnino Rodrigues dos Santos exstem diversos cri-
minosos, inclusive os autores da morto do ci-sub-
delegado Estanislao.
No dia 22 de setemhro passado, no lugarRia-
chao do lermo de AUgda-nova, Maria Joaquina
da Conceicao assassinou, com nina faccada no Pes-
coco, a sua entiada de menor idade, Maria de tal.
A criminosa, depois de consumado tao atroz delic-
to, amarrou urna Corda ao pescoco da victima e a
arrastou pora o malte : felizmente acha-se presa e
pronunciada. ,..
Foi agora que chegou ao conhecimenlo do Dr.
chefe de polica, que m 11 de agosto passado urna
escolta, que por iprdem do delegado do termo da
Cajazeiras toi prender o criminoso Jos Gonralvos,
o matn em resistencia, tendo sahido um dos sol-
dados gravemente torido. O delegado instaurou o
prucesso contra a escolta, cujo resultado ainda nao
sabemos.
t? urna realidade a existencia de muitos crimi-
nosos nos termos remotos da capital, como bem
nos de Souza, Misericordia, Cajazeiras, Plane e
Teixera, sendo muitos delles pertencentes Per-
namburo, os quaes rom faclidade passam-se para
esta provincia pelos termes de Paje de Flores e
Ingareiras.
A' principio muitos factos criminosos, dados so-
bretudo no centro da provincia, ficavam em es-
quecimento, o que nao acontece hoje, porque o Dr.
ch'-to de polica quer estar par de todos elles, e
neste sentido consta-nos que tem feito muitas re-
commendacoes s diversas autoridades policiaes
da prov ocia.
Era Janeiro do corrente anno, no termo do In-
ga, junto villa, do lusar chamado Coneeira
residencia do pardo Jos Bezerra, desapparereu
seu (llh 1 menor, de nome Manoel, sem que o pai
soubesse que destino tintia elle tomado. Ultima-
mente leve o Dr. chefe de polica conhecimento de
que, no Rio de Janeiro, exista em poder do barao
de Itabaprana um mulalinho de nome Manoel, que
dissera quelle baro ser hwe, e que seu pal era
Jos Bezerra, m irador no Inga, e que elle havia si-
do vendido no R-cito SHvino Guilherme de Bar-
ros pelo alfa'ate Francisco Barbosa, visinho de seu
pai, e que Cora remellido para o Rio e vendido a
elle, baro, qne procura saber a beneficio do mu-
lalinho se real o que elle diz. O Dr. chefe de po-
lica descobrio que era real ludo quanto diz o mu-
lalinho, e j esta preso no Inga, onde anda existe o
pai, o alfaiale Francisco Barbosa, para ser proces-
sado. O Dr. chefe de polieia deu finalmente todas
as providencias para ser o mulalinho remellido
para esta provincia, alim de ser onlregue seu
pai.
Enccrrou-se no ultimo do mez passadp a assem-
bla provincial.
RBYISTA DIARIA.
Quinta-feira 8 do corrente, abena a nova ma-
triz de Jos ao culto publico, sendo cntao pela
manha trasladado da igreja do Terco para ahi o
S. Sacramento com -olemneprocisso, a cujo arto
seguir-se-ha a festividadecom assisiencia do Rvm.
vigario capitular, o orando no evangelho o Sr. co-
nege Joaqun Ferreira dos Santos.
Em complemento da tosa, ser entoado aps ella
um Te-Deum Lnndamut em acc,o de ifracas por
haver o Todo-Poderoso permittido, que fosse inau-
gurado tao magestoso templo quando menos era es-
perado.
Antes desses artos complementare?, teve lugar
hontem o acto preparatorio da benc.lo de tres sinos
com toda a sulemnidade, o ao depois damanha
tera o da igreja e das imagens.
Fui publicado o 4o numero da Revista do Ins-
tituto Archeologic e Geographiro Pernambucano.
Contm os trabalhos econmicos do Instituto, o
inleressanlssimo relatorio da commisso encarre-
pada de descobrir o jazigo de Joao Fernandos
Vielra, e sua curiosa estatislica da revolta ae
1710.
Consu por passageiros do Cruzeiro do Sul,
que nos arrecifes do canal de S. Roque, no Rio-
Grande do Norte, acha-se encalhada urna galera de
alto bordo. Ignorase a procedencia e o destino
dola, assim como o nome e a nacionalidade, sup-
pondo-se todava ser esta americana.
A sua carga oompoe-e de taboado de pinho.
champagne, sabo e oulros gneros; e para o lu-
gar do sinlstro j havia seguido o guarda-mr da
alfandega daquella provincia com gente e soccorros.
No dia 26 do corrente tem lugar o concurso
para provi ment da vaga de 2 escriptacario da
thesouraria provincial.
Ao amanhecer de sabbado. aohando-se ape-
nas fechada a rotula da casa n. 60 da ra da Sole-
dade, nella penetraram alguns larapios, consegran-
do snbtrahirem 16 libras esterlinas, urna sedula
nova de 25000, um relogio de 011ro horisontal, em
cuja lampa superior ha um cachorrinho, um bahu-
zinho com diversos livros e papis de importancia
smente para o dono. Segundo se suppoe, o ladro
ou ladros fazem parte de urna malta que dizem
existir para lados do Camlnho Novo.
Do Caxang remettem-nos a segainte intor-
macao :
a Mais ama victima sacrificada lascivia de nm
desalmado I
Mais um escndalo para confirmar o estado de
selvageria a que temos chegado I
t Ha pouco um degenerado arrastava urna mise
ra escrava para flus libidinosos, hoje um tio con
passado foi vilmente -
do e amoaeado um menor, na ausencia do rht-fe da
familia, por dous fa^anhudos. Que curageni!
A vista desles e outros fados ;-lgunias familia
prelendem relirar-se, segundo ronsta. e nutra-
raaldizem a hora era que vieram para um kjjn;
onde o torio, o roubo a o MMMMMi camp--ian
ufanos ; as facas do poma e oraras armas rruzam
se publicamente : os desertores p.sseiam rm pleno
lia, boinisiados por ahi algores ; onde os abuires
fligellam a popalafio, onde o riJad.io honesto, o
humen pacifico nao tem garantia ; onde, finalnvn-
le, a priso e as corta, otnnco e o os|iancaienio
sao as insignias do pobre, do desval-do, daquelto
que nao pertence ao baudo qne infesta estes la
ares !
Tanto lesregramento......
< Basta !
t eus se amercie de nos !
Procedeu-se hontem eleicao da junta a*imi
nistrativa do Hospital Portuguez, para o anno fu-
turo, e sahiram eleiios os rs. :
i'rovodor, Antonio Lopes Pereira de Mello.
Vice-provedor, II rnardo Jos da Cisu Vatont-
secretario, Loorenfo Alves Salazar Janor.
2o dito, Manoel Gomes da Cruz.
Esmoler, Tnoraaz Fernandos da Cunh 1.
Mordomos.
Manoel Ribeiro Bastos.
Narciso Jos da Silva.
Jos Joaquim da Cnnha liuimar 1,--
Jos Nogueira de Souza.
Vicente Alves Machado.
Jos Antonio da Costa Valente.
Candido Alberto So Ir da Motta
Manoel Ribeiro Fernandos.
Joaquim Goncalves Salgado.
Lourenco Ribeiro da Cunha Oliveira.
Joaquim da Silva Nopueira.
Joo Maoodo do Amaral.
Antonio Jos dos Res.
Christovo Ferreira Campos.
Antonio Joaquim Goncalves Fraga.
Jos Barbosa de Mello.
Joaquim Antonio Pereira.
Augusto Muiiiz Machado.
Commiss i de exarae e conlas.
Joao Pereira Rabello Braga.
Joaquim Ferreira Mondes Guimares.
Joo Carlos Coelho da Silva.
nP.PARTlCAO DA "OI.ICIA l
Extracto das partos dos dias 2e 3 de dezentx
de 1861.
Foram recolhdos casa de detene.lo no dia I
do rorrelo.:
A' ordem do subdelegado do Recife. o franco'
Doretler J-an Esaurry, a requsiei> do respectivo
cnsul ; e Pedro, escravo de Manoel de Ajinar
para eorreecao.
A' urdein do do Santo Antonio, Antonio Perwra
da iiva, por disturbios.
A' ordem dojd 1 Capunga, Manoel Jos Severiano.
por disturbios.
A' ordem do da Varzea, Isidoro Genzaga de
Lima, por crime de defloramento.
No dia 2 do mesmo mez :
A' ordem do film. Sr. Dr. chefe do nnlicia Fraa
cisco Goncalves de Faria, vind* do termo de San
to Antao, para ser apresentado ao tribunal da r
lacio.
A' ordem do subdelegado de Sanio Antonio. Ma-
ria do Espirito Santo, por disturbios.
A. ordem do de S. Jos, Fe:iciano Antonio ila
Silva, por infraeco de postaras : e Jos de tal.
por disturbios.
O choto da 2* serco,
J. G. de MesQHita.
Passageiros do vapor bra.-ileiro Crnzetr do
Sul, sabido para o Rio do Janeiru o pMM inter-
medios : Antonio da Rocha, lt.irlholorrieti Joaquim
de Oliveira. major do 2o baialho de mfaoiar 1
Franisco Eduvirges de Souza .Mascaranha, su n>
ahora. 2 filhos o 1 e-crava, Dr. Pe-lm de Aieanu-
ra Velloso da Silveira, Dr. Adnlpho Cirio- S.nehr.
Manoel de Araujo Gen, Pedro de Alcntara uii
veira Cosa. Dr. Antunio Alves de tarv.alho, Ro-
sendo Mauricio Lobo, Joo de Alenla Lope e 1
e-eravo, Dr. Antonio Goncalves de Abren. Fran-
cisco de Souza Mello Netto, Bernardino IWnediein
de Mello, Joaquim de A. Villarouca, Manuel Barbo-
sa de Oliveira. Fabncio CeU Pedros. Fabricio
Gomes Pedresa Netio e criado. Joao Juvenil ftir-
bosa Tinoco, Maria Francisca da (amcco-io. Igna-
cio de Mello Aceinli de Va-conci los. Josuih J -
Gomes, Antonio Teixera Pinto. DionMe R Ml!n
Castro, Elias |, dngoes, Alvaro Antonio da (>>sta, Francisco Jusii-
niano t:erdis e I criado, Dr. Jns Antonio de Mi
italhes Bastos e 1 criado. Caetano Teixera Pinto
Cooho, sua senhora, I filho menor, I escrava m
i filho menor e 1 ama, Manoel Lnureneo da Sil-
veira e chanca, Domingos Goncalves F. BbOh o
I escravo, Antonio P. de A. Jo dor, Joan Ju-iino
Lopes, Barnab Elias da Rosa Catataos, tai Eba-
da Rosa Calhei.os, bacharel firman P. de A. M-
raa, Joo B. de Carvalho, Miguel da Silva Dalln 2
escravos, Americo Jos dos Sanios, Daniel Birro-
so o sua senhora, lgnario A. Fernandes. Antonio
A. F. da Silva, Barlholomeu F. Pata e 2 esrrav.*.
Francisco X. de S, Thompson Palor, Ernesto Pai-
va Leite, Dr. Am-rieo P. Brrelo, Fraocisro P. 4e
Souza Paraizo e 2 criados, Clementino Ferreira
Gomes e 12 escravos a entregar.
Movimento da casa de delenco no dia 2 d
dezembro de l6V.
Existiam---- 3.36 presos.
5
Sahiram..... 5
336
A saber :
Nacionaes..... 273 >
Estrangeiros... 3
Mulheres 14
Eslrangeira ... 2
40 9
4
336
Alimentados a casta dos cofres provincias l.ct
Teve alta da enfermara Maria Lucinda da Coa-
ceicao.
Obituario do cbmitkrio publico no da 2 s*
DRZEMBRO DB 1864.
Rosalina Maria de -anl'Anna, Pernaml^neo. 26
annos, solleira, Boa-Visla ; pfitysica palmoaar.
Jesuina Mara, Pornambuco, -JS annos, soNnra.
Boa-Vista ; gaslro hepai.te.
:l
CHROKICA_JUDICIARIA
TRI RIVAL WO COMMRMCi
ACTADASESSAO ADMINISTRA-
TIVA DE 1 DE DEZEMBRO DE I86V
PRESIDENCIA DO KXM. SR. DtSRMBARCABOR
. ALBXANDRK BBRNARMTO DOS RUS E SALTA.
As 10 horas da nanha, estando reunidos eo tt-
nhores depuudoe Leos, Rosa, Candido Alroto-
rado, e presente o Sr. desennamador Vral.
Exm. Sr. presidente declama aberta a sesso.
Lida, foi a pprovada a acta da sessao ante-
teme.


m
Olnrlo de PeriMkaee Segunda felra & de Dezembro de i Bal.
i
EXnOlKNTE.
Foi lido nra officio do Exm. Sr. presidente do
tribunal, desembargador Anselmo Francisco Poret-
ti, participando que leudo de tomar posse da pre-
sidencia da provincia na qualidade de primelro ri-
ce-presidente, competa a presidencia do trttional
ao Exm. Sr. desembargador Alexandre Bernanno
dos Res e Silva como aajuncto mais amigo. In-
teirado.
JULGAMENTOS
Aggravos de pclicao.
Afrmate, Mauoel do Rege Barros ; aggrava-
do, u jnizo.
Relator o Sr. desembargador Santiago.
que em qualquer febre nao se pos* asar da um
purgante de limonada gaao/.a de citraclo de mag-
nesia.
Eu explico o que lenho praticado ne3ses casos,
e que me tenho dado muito bemmaado. que to-
Sorteados ossenhoresdeseinbargadores Gitirana, me una garrafa de cltralo de magnesia s chiea-
Dou.iugues da Silva. ras, ou urna das pilulas purgativas de veame em
iNegaram provnnento. cima desla, um copo d'agua com assucar e o -ue-
CaverBas de sicupira .... urna
Cera de carnauba eui bruto. libra
jdera idem em reas ....
Charutos........ cento
?e-se.
L'm oftlrio do conservador do commercio de Ma-
celo, enviando urna peticao documentada de Por- zario da Rocha.
luuaio Benjamn Lins de Vasroncelliis que. pede A' novo jury.
ser mimeado agente de leltoes daqueila praca : Appellante, Hercolano Xavier Alvos ; appellada,
Mandn Ontro do secretario do tribunal do rnmmerrio Nullo o processo.
da Baha, accusatido a rcccpco do que Ihe fu di- Appellacoes citis.
rgido por este em 3 de noveibro ultimo :Intei- Appellanle, Gaspar Cavalcanti de Albuquerque
ra Disiriliuiram-se
-----sabugo
Appeiiarues crimes. laiubem quente com assucar, e se nao sentir me-
inte, o juizo ; appeliadu, Tertuliano Na- Ihorar da dor de cabeca, que quasi sempre acom-
dem em gela ou massa.
dem em calda .
Espanadores grandes
aos senhores deputados, para
screm rubricados, os Itvros Diario e Copiador da
easa commereial de Fragoso Lima t C.
DRSPACHOS.
Xo requerimenlo de Jo.- Moreira da Silva J-
nior, pedindo o registro da sua nomeacao de cai-
xeiro que aprsenla :Regi-ire-se.
No de Jos Alves Fcrnaiides, pedindo ser relia
afilado, visto ter sido casual sua fallencia e ter
oblido quita^ao de indos os seus credores :Au-1
toado pelo oilici.il da secretaria, Reg- Rangel, a
quem se nomeia escrivo, baja vista ao Sr. desem-1
bargad >r fiscal.
_ No da I.uiz Antonio Rodrigues de Almeida, pe-
Ando ser dispensado temporariamente d" axereicio
do ofnVio de agente de Midis, visto achar-se doen-
te, e presntanos Jos Izidoro Marlins para seu,
preposto, cuja nomcaco aprsenla e pede seja ap-
prorada :Vista ao Sr. desembargador fiscal.
No de Jo.- Eleuli-rlo de Azevedo, pedindo que
seja registrada a sua nomeaoo do cixeiro de
Theoduro Chrislansen.Regi.-tre-.se.
No requerimenlo de Luii Antonio Praposo, Elias
de Almeida Lima e Manuel Pedro de Mello, prdio-
do o registro do sen contrato de soeiedade. risto
peloSr. desembargador fiscal :R.-i.-t e-se.
No ile Jos Esteres Aires, tendo prestado Ranea
e pedindo por isso que se Ihe de' patente de corre-'
tor gcral da praca de Macelo :Volte ao Sr. des-
embarcador fiscal.
No de Jos Gomes Villar, cidado portuguez, de |
26 annos de idade, domiciliado o estabelecido com i
loja de fazendas, pedindo ser admillido a matriru-|
la :Vista ao Sr. desembargador fiscal.
L'ctia ; appeliadu, Joo de S Albuquerque.
Reformada a seuleuca.
Appellanle, Joo Paes Brrelo de Lacerda ; ap-
pellado, Mauoel iguacio de Albuquerque Mara-
nbo.
Desprezada a sentenca com declarado.
DIUKNCIAS CHIMES.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
Justina
Appellaco crime.
Appellanle, o juizu ; appellado, Manoel Caval-
canti ue Albuqurrque e outros.
DILIGENCIAS CIVEIS.
Com vista ao Dr. curador geral
A appellaco cwel.
Appellanle, D. Jonna impliea das eras ; ap-
pellado, Vicluriuo Pendra Maia.
DESIG.NAgAO DE DA.
Assignou-se dia para julgamento dos seguinles
felos :
Appellaco civel.
Appellanle, Jos Iguacio de Brito; appellada, D.
Joauua Evangelista ue Mello e Silva.
PASSAOE.NS
O Sr. desembargador Caetano Santiago passou
ao Sr. desembargador Gitirana
A appellaco crtme.
Appellaote, Guilueaow Jos de siqoeira ; ap-
pellada, a juslica.
UoSr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago
A uppelluqo crime.
Appellanle, o juizo ; appellado, Luiz, escravo.
As appellaroes cireis.
Appellaute, a riura do Joo Heunques da Silva ;
pauha esses ataques, acon.-elho .|ue appliqne sana- dem pequeos
teme ua barriga das peritas nao tenho em lera- Esteiras nara' forr de st'*
branca que com esle nwihddo tirasse mao resulta- de navio
do, e uuiguem du que este iraumunto poasa ser Estopa nacional......
nocivo em iienhuiu caso. p-iriha ,i ,i___2-j
S ..r..,.i,. .i. ., ikj~ i-ii-~- ... {-arinha de de mandioca.
um
cento
libra
c
>
um
libra
>
i
um
cenlo
arroba
85000
300
300
15500
24500
I3J000
4ooe
MO
m
*e
100
350
104080
ijmb
3
500
44009
2000,
155000
1-3C0O
pagem 12, carga 2,278 barricas de bacalho ; a .. ..
J. luiMon Paler k C. Seguio para a Parahrha. tirgrlh* de CtnpmS BavafS
Liverpool 33 das, barea ingl-za Cornucopia, de Contrata o cooselh> sob cornlk-e n Kila
225 toneladas, eapito J. J. Ball, equipagem 10, no da 5 de dezerobro proximameiiie imdiar *
carga fazendas e uniros geueros ; a Patoo Nash rula d proposus em raru- fechada nt
&C.
!fvaio sabido no uvsmo dia.
Rio de Janeiro u portos Intermedios Vapor brasi-
leiro Cruzetro do SM,comnandante Joaqnim de
P. G. Alcforado.
iV'iris entrado no da 4.
Cardif40 das, b.i)ue inglez Lolhian, de 235 to-
neladas, capilo J Lewrock, eqmpagem 9, carga
carrao ; a Wllison & Hett.
Nanos Su litios no m'smidia.
ParahybaBarca ingleza Asphodet, eapito M.
Bayfield, em lastro.
Sao MalhensPatacho brasileiro Ulysses,
Vrenle Marlins de Nora.carga lijlo.
capito
principio de urna febre, mdigestao, ou mo- dem de araruta rraha
lesna desta orde.n, a ualureza geraluiente solicita Peijae de qualquer udlidade'
evacuar por vo.mios, ou por baixo; e se se ajuda Frechaes q
pelos mema correspondentes, contribuir muito Fumo em tolli bom
moderar a violeuc.a da enfermidade; e por esta dem ordinarW ou rest'olho
razao que a experiencia me ten, couvenc.do. que dem em rolo bom
alqueire 25000
45000
EDITIS.
arroba

urna, ou duas pilulas purgativas aVritS^ ordinario ourestolho
cima agua, assucar e l.mo, se pode usar sem ue- Gallinhas oureslomo
nhum risco, e a noite o cha' de flor de sabugo, e"o Gomma
nrif'i,m'1?."fXP!C^? 'f'J0' n5ousani10 Ipecacua'nh (raz). '.
da limonadas de curato de magnesia e as garapas Lenlia em achas
com hmao, as mulheres quando estira regradas, fa- Tros '
zeudo ludo, mas s com a .-uspencao desies dotis Lindas e'esteios......n
art.os,esomenlecomaspi.ulas,eagua e assu- Mel ou mela?> .' '. '. I cenada
Mdho..........arroba
urna
arroba

cento
Se no estado de sade algumas pessas, que tern Pauagaios
ado das pilulas purgativas de veame, se tem da- Pii. iir*ci
me.setemda- pao Brasil
Nada mals nouve a tratar, e foi pelo Exm. Sr. appellado, oDr. Adolpho de Banos Cavalcante de
presidente encerrada a sessao s 11 horas o meia Lacerda.
um
quintal
um
urna

da manha.
SESSO JUDICIARIA EM 1 DE EZEMBRO
DE 1804.
r-RESIDENCIA DO EXM. SR. BESKMBARCADOR
A. II. DOS BKIS E SILVA.
Secretario, Julio Guimaraes.
As 11 .'i horas da manha, o Exm. Sr. presidente
abri a sessao estando reunidos os Srs. desembar-
gadores Silva Guimaraes e Accioli, eos Srs. depu-
appellada, D. Ma-
Appellante, a preta Caetana
ria Joaquina da Silva Manta.
DoSr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
Sr. desembargador Assis
As appellaqoes civeis.
Appellanle, Juvenciu Sares Villela ; appellado,
Francisco de Hollanda Cavalcanti.
Appellanle, Gabriel Antonio ; appellado, Fran-
cisco de -anliago Hamos.
Appellanle, a fazenda; appellado, Dr. Jos Joa-
lados Lomos, llosa, Candido Aleoforado e supplentej quim de Moiaes Sarment.
Jos Baptjsla da Fonsera Jnior. Do Sr. desembargador Assis aoSr. desembarga-
Lida, ioi approvada a acta da sessao antece- dor Doria
dente.
do bem na dse de mei pilula na occasiao da co- dem de angada '
'""' i0U!rS ""'. P^-'^ularisar^adigesto, pedraa de amolar
como nao se usara no e.-lado- de molestiaT Nin- dem de iltrir
guem podar* negar, que aquellas natnresas, que (dPm de rebolo
uao cursam. e nao lem as ominas desembaracadas Piassava mnihn
regularmente, vo bem, por que isto, nao s es- p,^ ^ i^ d *
quema e luflaina osangue; mas os escmenlos
tiidus muito lempo uo curpo se fazem acres e po-
dres, de que se seguera mas cunsoipaencias; por
isso mu conveniente usar-se de meia ou urna
pilula puigativa de veame, anda mesmo no meio
da comida ; pois a sua comr usifo tal, que nada
tein que possa enjoar ou encommodar o estomago.
Mesmo pela economa st ellas preeriveis a outras
pilula purgativas que ah se vendem, porque urna gebo m ran
laz o mesmo effeito que tres ou quatre das outras; idtm em vc|.ls"
e fcilmente sao el.as divididas. Nao Impede que Sma em va(|ueta; ] \ \ \ nma
s tomerara cima, principalmente no calor, gara- Taboas de araarelle.....duzia
pas ae tamarindo.-, de hmao, de maraenja, e que jdem diversas ,
se uze das fructas, (pie ae.-tayao do tempo nos tem Tiuiocas arroha
proporcionado, e dos bandos quer lpalos, quer, Tatajuba! .* .' .* .' .' '. .' .' quintal
Jos da Rocha Paranhos. jUnhTdbi '! '.'.'.'.'.'. Cerno
----------- Vassouras de piassara. ... >
Perpatasinnocen.es. liSStSL '
25500
55000
145000
85000
850fl0
55000
600
25500
255000
25000
115008
85000
240
ti H)
35000
55000
55000
800
45000
15000
120
ou
novilhos........ cento
Pranchoes de amarello de dous
costados........ um
dem de louro....... >
Rap.......... libra
Sabia.......... >
Sal.......... alqueire
Salsa parrlha....... arroba

35500
205000
105000
14006
120
400
O Illm. Sr. inspector da thesonraria provn
cial, era cumprmeiito da resolncao da junta da
fazenda, manda fazer publico, que no dia 7 de
dezembro prximo viudouro, perante a mesmi
junta se ha de arrematar a qnem |>or menos rlzer
o cosleio da lllununacopubilrada cidade de Goi-
anna, araliado cada nm lampio em 291 rs. por
dia.
A arremat3cao ser feita por tempo de um an-
no a contar do 1 de jaueiro a 31 de dezembro de
1865.
As pessoas que se proposerem a essa arrema-
taci comparcam na sala das sessoes da referida
junte, no dia cima mencionado, pelo meio da
competentemente habilitados.
E para constar se mandeu publicar o presente
pelo jornal.
ate as 11 horas da manha, bem ron*, t
de tres mezes fiodos em mareo de 1865, a tora
cem de roupa dos etabeleeim*nt.ri d> marmk*.*
o forneeimento a estes aos mvh da armada n
agurdenle branca de 20 ra>. assnear anaco
groMO, azeie doce de Lisboa, arroz da araaAan.
araruta, aletria, assucar braaro reliaado a;.,
isfertor, bacalho, bolacha, butat hmha anrfraaa.
cal braaea e pr*s, cara, tan 0 r, c,rm.t* *>
Sul, cafe em graa, caroaaaa n rHas. rara.- irr-
ite, dita salgada, cangfea aa milho pilad, reradi-
nha, cha, farinha de man liora da terra. fetiito. a-
linhas. lenha, maniei mirfa. dtt Ihmena. ans-
ie, |*o, sal, snbao, lijolu de alvrnana ftvm*. fcw-
cinho de Lisboa, tapioca, naagre de |j-boa, vasa
-tearinas e vinho de Li.boa.
Sala do conselho de compras naraes da Per-
nambuco 28 de uorembro de 1864.
O secretario.
Alexandre Rodrigue* dos Aajoa.
De ordem do Illm. Sr. inspector da taesvura-
ria de fazenda desta provincia se faz puWiro para
conhecimento de todos a circular du ir i bu nal u
thesonro o. 46 de 4 do corrate mez. abano rraas
cripla.
Secretaria da thesonraria de finada da Per-
nambuco 29 de nnvembro de I0S4.aerriadw de
official-maior, Manoel Jote Pinto
CIRCULAR N. 46.
Ministerio dos negocios da fazenda.Rio de Ja
neiro em 4 de norembro de 1864.
Carlos Carneiro de Campos, prrsMeate de iriHi-
nal do ihesouro nacional, tendo re-^lrid aaa m
subsltuam as notas de 1004000 da 3* estampa, or-
dena aos Srs. inspectores da ihe-onranas
buco 9 de noverabro de 18t>4.
zenda, qoe mandando publicar este rcsoluco r
-ecrelana da thesonraria provincial de Pernam- jannundos nos Srtea1ros das jlTil j ,.j ?
; tan-; aflxadaa em iodos os aMaaaJaaw, prnr.-i.m s
. ." ^,errelar'0. referida snblllmro com o produrtu da reada da>
n, t,;.i a. r n Annunciaao respeciiras Ihesourarias, solicitando a reta-a >-
?{\ Tr'!"aod1e A'encar Araripe. ofllc.al da Impe- fundos prnes. s. no caso de OVlaMa dTmr-a.
r al ordem da Rosa e oiz especial do nvmmer- renda ; e remeiti,.,. merwain-TtVil. ,k
co desta cidade do Recfe de Pernambuco e m.Usqne se'" m\Tl SSdT^J
sen termo por -. M. I., que Deus guarde etc. timbadas e mot.li-ada' '
Paao ao saber aos que o presente ediial virem o ; th, annnncios e dttaes far-e-ha a derlararV
delle noticia tiverem que no d,a5 de dezembro do de que em lempo compelen7 Z >n\fT?mmnm
corren^ anuo, tera lagar a arremaiacaodos asara, que deve principiar o desato ,l
\S .S : VerTm*> rr",ul?' rP'**n*o lor mais olas que nio i.verem sido at eni. aMMdaT
55000 de quarenla anuos, avahada em 7005, o Domingos,' Carlos Cana ir. de l
ra-
frios e geraes.
Pede-se ao Sr. subdelegado do Peres que respon- Vinagre cnida
da aa seguate* "**......'* '-'
unes
650O0
200
105000
85000
65000
500
3 de dezembro de
O Sr. Jos Antonio Basto offi-'.iou que por neora-
modo jiao pode comparecer presente sessao.
Fui lido pelo Exm. Sr desembargador Beis e
Silva o otlicio que hontem Ihe dirigi o Exm. Sr.
desembargador Anselmo Francisco Peretti, prn-
denle desta tribunal, coininuuicaudo-ihe que lendo
de lomar posse boje da presidencia desla p ovincia
na qualidade de primelro vico-presidente, houves-
se de assorair a presidencia desta tribuual, em
quanto durar o seu legitimo impedimento.
Assignaram-se os accnrdos proferidos ua ultima
sessao, as appellacoes entre iiartes :
Apoellantos, os administradores da massa fallida
de Bastos & Lomos ; appellados, Coimbra i Ri-
vault.
Appellanle, Jos Fortunato dos Santos Porto ;
appellrtdi, Joio da Silva Paria.
Appellantes, Moreira Duarte ; appellado, Pau-
lo Jos Gomes.
IDLfiAURHTOS.
Appellanle, Jo= Juaquun da Silva ; appellados,
Ribeiro & CadulT.
Adiailo na ultima sessao.
Oidenou-so uma di igencia.
appellaute, Lourenco Puggi; appellados, Schaf-
feilliu & C.
Adiado na precedente sessao
Desprezaram-se os embargos.
Appellaote, o Dr. Cliristorao Xavier f.opes ; ap-
pellados, a riura e lierdeiros de Joao Ferreira dos
Sanios.
Adiado o julgamento requerimenlo de um dos
Srs. deputados.
^ls appellaqoes ciceis.
Appellantes, Antonio o Tibureio, escravos ; ap-
pellada, D. Joaquina Perpetua Mavignier.
_ Appellanle, Antonio da Sitva Pesaba; appellado,
Themoteo Ferreira Luna.
O dia de apparecer.
Appellado, Jos Victorino de Carmino Cavalcan-
te ; appellanle, Antouu Manmes de Araujo Caval-
cante.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva aoSr.
desembargador Caetano Santiago
A appellaco crime.
Appellanle, Jos da Rocha W'anderley ; appella-
do, Jos Joaquim Ferreira de Mello.
DI.STKinCICES.
Ao Sr. desembargador Gitirana
A apprllarau cicel.
Appellanle, Joaquim da'Silva Guiarte ; appella-
dos, Sampaio, Silva & C.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago
A uppellaro cicel.
Appellanle, Manoel Pereira Caldas ; appellado,
Franei-co Jns Regalo Braga.
A' 2 horas da tarde cneerrou-se a sessao.
Cmara .Huuictg>l to Recite.
Matadouro publico da cidade do Hecife.
Mataram-sc para o consumo desla cidado no
mez de novembro do crrante anuo 2.038 rezes, a
saber:
Libante Candido Ribeiro 4 C........
Virgilio Horacio de Frailas.....
Alfandoga de Pernambuco,
1864.
(Assignados):
O i. conferente, Pedro Aiexondnno de Barros
Cavalcanti.
O 2. conferente, Joao de Frettas Barbota.
Approvo. Alfandega de Pernambuco, 3 de
dezembro de 1864. A. Eulalto.
Conforme.-O 3." escrlplurano, Joao dos Santos
Porto.
i&ccebedorla de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Rend ment do da i ............ 6753000
dem do da 30................ 1:4623033
75000; de nacas Angola, maior de 50 annos, avaliado em
25'"0013005, os quaes fura ni penhorados a Jos Guilherme
U0500Q Guimaraes, por execugo de D. Maria Venancia
875000 I de Abreu Luna Ba-tos, como cessionario de Amo-
35000 rim, Fragoso, antos & C, representados por seus
administradores.
E caso nao appareca lanzador que cabra o pre-
50 da avaliaco, ser a arrematacau feta pelo prego
da adjudieaco como abate da lei.
E para que o pfasinte chegue ao conhecimento
de todos, ser a pnwrcago do presente feita por
editaes, e aluzado nos lugares do costume.
Recite, 18 de novembro de 1864.
Eu. Manoel Maria Rodrigues do Nascimento,
escrvao, e subscrevi.
Tristao de Alencar Aranpe.
(OES.
26:4525667
Consolado provincial.
Rendimento do da i ............ 3:4595293
Idemdodia 3 ................ 10:6875112
COMPANHIA
DO
O caixa desta companhia commendador
Thomaz de Aquino Fonseca acha-se autori-
sado a pagar no seu esenptorio ra do |
Vigario 11. 19, d^s 10 horas as 3 da tarde
Joao Chrisosloino de Albuquerque.
Appellaute Joaquim Mariinho da Cruz (k.rra ; Wenceslao Machado'Freir Pereira
700
386
267
appellados, D. Felicia Relaves e a fazenda provin-
cial.
Adiado o julgamento requerimenlo do um dos
Srs. debutados.
Appellanle, Manoel Jos da Silva Grillo ; appel-
lado, Antonio Gomes da Cunta e Silva.
Assignado o da de hoje, nao pode ser proposto
por nao esar present; o Sr. deputado Basto que
juiz certa.
O Sr. Jo-e Baptista da Fonseca Junior, compare-
cen para O julgamento da causa entre partes:
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Rastos & Lemos ; appellados, Compiano de Cor-
del ro.
E nao pude ser proposta porque o Exm. Sr. des-
embargador Reise Silva relator em ditos autos.
E o mesmo Exm. Sr. presidente interino ordenen
que se uardassem ditos aut-s aflu d proceder-re
de confurmidade cuno que dispon o artigo 52 do
decreto n. 1,597 do Io de mato de 1855.
Nao tendo comparecido o Sr. deputado Basto nao f
poderam serjnlgados os seguinte> feitos adiados
na sessao prxima passada, entre partes .
Appellaute, o embargante 3o Manoel da Silva
Lopes ; appellado, J0S0 do Couto Alves d3 Silva
Appellante, Caetano Cynaco da Costa Moreira,
eoutros ; appellados,Barroca & Medeiros.
Appellanle, Augusto Frederioo de Oliveira ; ap-
pellados, o pre-Meute e directores da Caixa Filial
do Banco doBrasil nesla cidade
O Sr. deseinhargailor Silva Guimaraes apresen-
tou em mesa para nova dislribuie&o os tres fritos
seguinles em que o Exm. Sr. desembargador Res
e Siva funecionou como relator, entre partes :
Appellante, Antonio Joaquim Salgado ; appella-
do, Jos Francisco Coelhn da Siiva Vieira.
Appellante, Jos Guilherme Guimaraes ; appel-
lada, D. Mana Veuancia de Abreu Lima Ba>tos.
Appellanle, Franci.-co Antonio de Bulo ; appel-
lado, David William Bowman.
E o mesmo Exm. Sr. como presidente interino
determinou que segmrdassem ditos autos atlm
de proceder-se de eooformidade com o dispospj no
artigo 52 do decreto n. 1,597 do 1 de maio de
1855.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Aerioii.os feitos ceguintes :
Appellantes, o Dr. Antonio Agripino Xavier Pe-
reira de Brito os curadores fl-caes da massa fal-
lida de Martinho de Oliveira Borges ; appellado,
Jos Gomes Leal.
Appellante, Jos Francisco Pinto Guimaraes;
appellado, o Dr. Gabriel Soares Raposo da C-
mara.
Appellante, Domingos Francisco de Souza Leo ;
appellado, Bento Jos da Costa.
Appellante, Jos Baptista da Fon=eca Junior ; ap-
dos, os curadores Gscaes da massa fallida de Amo-
rim, Fragoso, Santos & C.
Appellantes, a vmva e herdeiros de Manoel Luiz
Goncalves ; appellado, Joo Francisco da Silva
Noraes,
da Silva
Bellarmino Alves de Arocba ....
Manuel de Souza Tarares...........
Francisco Candido da Paz.....
Bellarmino Constantino Costa Medeiros
Mauoel Paulo de Albuquerque .
Manoel Francisco de Souza Lima .
Ernesto Celestino de Mendonca .
Geminiano Jos de Albuquerque .
Manoel de Souza Meneaos......
Jos Luco Lins.............. .......
194
188
169
164
140
135
129
78
42
42
4
2,638
Cmara municipal do Recife,30de noverabro do
1864.
0 procurador,
Jorac Vctor Ferreira Lopes.
*m>
perguntis :
1" qual a le que o autorisou a estabelecer uma
praca de farinha de milho e fejao em urna sua ca-
sa na povoaea 1 do Barre?
i' qual u uesiino que. lem dado ao tributo que
sem aulorisaco do le, impdz aos donos das car-
gas, na razao de 120 rs. cada uma?
3" a razo por que, podendo-se apenas consu-
mir-se all uma carga por da, sao tomadas seis e
mais, alim nicamente de deixar o tributo de 120?
4" qual a lei que o autonsa a ser depositario de
animaes apprehendidos em seu proprio juizo, usan-1
do delles em sen trahalho, e recebendo por Om a 1
importancia do dep isitu?
5" Como que s. S. sendo subdelegado de um
dislricto o devendo prohibir os atravessadores, o
primeiro a atravessar os gneros que passam por
sua porta, amoragando at neste servido a ordena-
cao que a lei Ihe concede para o servico publico?
6* filialmente qual a lei em que se fondn para
arrancar lilhas menores, e honestas, do poder de
seus pais, achando-se estes ausentes, e mandando
nellas proceder visoria, s com o flu de vingar-se
de qnem nao gusta? Nao obstante e>tas pergun-
tas, qoe tal rez nao ten tiara rasposta, pedimos ao1
Exm. Sr. presidente da provincia o criefe de poli-
cia sua aitencao a respetta desies factos.
O larinheiro atropelado.
Halsa parrilha de Brisol Cambio..
A salsa parrilha de Bristol : Os climas dos pai-
zes trpicos sao o laboratorio de todas as enlermi-
dades cutneas e ulcerosas. E' esta, pois, a razao
porque esta preparac", que. os jubjuga com urna
segundade proverrial, liUeralmente iadispensa-;
vel lantu no Brasil cuino no resto da America bes- Algodo..
panhola.
As escrfulas em todas as -uas teiris formas,
promplameole suecumbem mediante a atiplicacao
da-te poderoso agente detersivo, as chagas se co-
rara, as ertipcoes de.-apparecem, as conjuncturas Assucar........O brauco vendeu-sc de 35000 a
c iiilrahidas recobrara sna elastindade, as inflam- 35600 por arroba, o ma-cavado
mac/Ses o tumores se desvancelo, os cancros se ; purgado de 25000 a 25700, e o
atalham, os abeessos se sercam e o rheumalismo se ; bruto de 15850 a 15900.
ailiria por meio da salutfera peracao deslegran- Agurdente.....Vendeu-sede 725000a 755000a i p^L^^^, r[mm u" ,c"
l purilicadnr e curativo vegetal ; nao supprimin- i pipa. S2S5SP2 r fal mblu:"- que nes,;l
d ., mas sim extinguindo completamente. Couros.........Os seceos salgados venderam-se :^'''^': T.aT r malr';"t"a1K?0S
A rerdadaira salsa de Bnstol preparada por a 160 rs. por libra. 'tna"b0 /*:?',^.1,.V","ha,MaKi' hat's.Jl
14:1465405
PRACA DO RECITE
3 DE DGZEfflBBO IE 1804.
AS TRES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Saecou-se sobre Londres de 27
a 271/, d. por 15000 ; sobre Pa-
rs a 355 rs. por fr., e sobre
Lisboa a 95 por cento de premio,
montando os saques ehVctuadus
nesla semana em 20,000.
Vendeu-se o de Pernambuco de
195500 a 205OOO por arroba,
e o Macelo, posto a bordo, a 205,
e o da Parahyba de 215500 a
a 225.
Inspecco do arsenal de ana-
rlnha.
Faz-se pnbco qae a commisso de peritos exa-
minando, na forma determinada do reguUmnTn
annexoao decreto n. 1324dc5delerreinxfc
o cseo, machina, caldeiras, apparelh... mairev
gao, veame, amarras do vapor Camarayihr 4a
companhia vigilante do majas de rehogue : arkr-a
todos esses objectos em regular estado.
Inspecco do arseoal de'marinha de Peroami.
co 3 de dezembro de 1864.
O in-pertnr.
H. A. barb.su de AJmevU.
onihuih
DE
Seguros Martimos Utilida-
de Publica
Nao se tendo reunido no dia 30 do passaa n .
mero sufnciente de assionistas para M*J **-
ral. a du eeeao novamenle os convoca para o 1a
do corrate ao meio dia.
Recife Io de dezembro de 1864.
Os directores
Feliciano iaaj Gomes.
Domingos Roprigues ae Aadradr.
Pela secretaria da cmara municipal *e*t
cidade sao convidados novamenle, o> entro da
mesma cmara, os proprniarios dns terrenos 1
de de,cmbro prximo em d.at.ie | VtlZ!!!**?*" f'ro^n'w *
o 3-1 dividendo "desta compartira na pro
poroso de 30 por cada acca previne-se
aos Srs. accii
ve ser era moeda
Saudade
inibtas que esle pairamento de-' ?larr*" '"""rarehendendo nnftni o ala
oeda de cobre mml nTn : "guo a me.-ma ponie ale a ra da Aor,
uetnae ctwra que e na e.-pe- proprietarios deraria apreseniar na du
>lil(l Sr i".iV:i I.Mii (,..,.111,l.i ,\i\e ri,i mu ...........l. .1_____1. _. __-
entre o li e, coinecainlo da ra de 100 pala* que-
vem da ponte de Sania Isabel al a chamada
alaarfo rna-
Aorora, rr.fy
ci que o mesmo Sr. caixa tern recebido dos ria sews p^opoTttsTieUraakioa maaa|aa de Co-.
terrenos, frente e fundo, e o prero dos mesmos.
secretaria da cmara munr-ipal do Recite 30 de
novembro de 1864.O secretario,
Franci-co tmulo da Koa-Viagea).
Pela subdelegara de polica da fr--f uiia'd
Poco da Panella foi apprehen.lido um cavallo .i>v
andava vagando, o qual ai-ha se depo-ila.l.i ;.
for so ilim.i, o ilan.l.. u Tjii*.:?, Um: sera i
que ; as-iin romo um carneiro
Lscnptono da Companhia do Beberibe 18 Sohdelegaela de palete da freeuezia doFir,,d
Panella 29 de novembro de. 1864.O sulxleteipda
arrematantes dos cbafanzes desta com-
panhia.
Rnga ao mesmo tempo os Srs. accionis-
tas que deixaram do receber os divi lemlos
a i razados, se dignem de comparecer no lu-
gar indicado para recebe-los e saldar a
caixa.
Laminan A Kemp, New-York e acha-se venda as
tojas de Caors c Barbosa e Bravo & ('..
?jy
C
ASaandega
Kendimento do dia 1 ..........
dem do dia 3 ...............
89:5935796
ffoTlmento da alfandega
Medecina.
Um fado de bastante pesar, me faz lembrar ao
publico algumas eonsderacoes, que julgo uteis.
A Sra. D. Francisca Augu>ta de Albuquerque,
consorte do lilho dy meu estimare! amigo Dr. Ma-
noel I. mri neo da Silveira, moca robusta, que go-
zava da nielhor sade, acaba de suveumbir quasi
de repente, e foi classificada a muleslia pelo hbil
medico que a assistio, por febre perniciosa cere-
bral.
Fiquei surprendido ouando recebi a carta de
convite para assi.-tir o seu eulerro, e quando ctim-
pri e>ie dever, fui ao marido declarar-lhe, que o
acompanhara em sua dr, e saber como tinha
aquella moca suecumbid i.e de que ?D isse me que
t.uha lido ella uma iodigestao, e que tal linha sido
a mfelieidade delle e della, me nao linha encontra-
do um medico naquelle da, e que este faci Ihe
abalara o espirito, e iazia crer, que, se ella fosse
soccorrida logo, talvez nao suecumbisse; disse-lhe
eu : < V. porque nao foi a um boticario pratieo
para he ensinar o que devia fazer, nao v que a
pnineira cuusa que o medico receitou foi um pur-
ganieda oleo-de ricino, e que mu purgante de oleo
do ricino ou de citrato de magnesia nunca cen-
corren para o mal de ninguem, visto que V. nao
linha alguma pessoa em ca.-a, que Ihe ensiuasse o
que devia fazer o
Quantas vezes uma m.ii de familia, ou uma pes-
soe qualquer, que lenha a devida pratica, salva um
doento por s-.u saber e experiencia.
Eu poderia explicar muitos [artos desta ordem
com pessoas de miuha casa e at cnmigo, mas pa-l
Velumes entrados com fazendas...
com gneros.
Volumes sabidos
com
com
azeedas.,
gneros.
gneros.
Dcscarregam no dia 5 de novembro
Barca francezaOlivier Jean Morsacarvao
Barca franceza-S. Miguel -idem.
Barca franceza Rpida -mercadorias.
Barca inglezaBella Ponle -carvao.
Barca ingleza Jnhn Mntheusdiversos gneros.
Barca inglezaMiranda idem.
Ilrigue nacional Alfredo carne de charque.
Bnsfiie inglezSepela -carvao.
E Encuna hollanleza- Speculantidem.
E-cuna hamburgueza- G(i/encidem.
Galera frasela -Adele mercadorias.
Patacho inglez Artaxerxe.- idem.
Hiato nacional -Garibaldi farinha de trigo.
Lflgre dinamarqnezFlora idem.
Briue inglezHebe of the Exeferro.
Rngue inglez-Almdcarro.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO'
PAUTA DOS PREgO DOS OENBROS SUJKITOS A D1REIT0 DE '
por
Arroz..........O pilado da India vendeu-se
a 25/00 por arroba.
Azete doce.....Vendeu-se o de Lisboa a 25500
o galn, e o do Estrello a 25400.
Bacalho.......Vendeu-se em atacado a 165300
por barrica, e a relalho de res
155500 a 165500; (cando em
deposito 14,000 barricas.
2R25949 Batatas.........Vender n-se a 15700 rs. a ar-
573105847 i n ,.u ba- .., .
Bolaclunha...... Vendeu- e a 65400 a barriqui-
nha.
Carne secca.....A do Re Grande do Sul vendeu-
se de 1 i 000 a 45500 por arro-
ba, ficandoem depo.-ito 149,000
arrobas, i a do Itio da Praia ven-
deu se d 25000 a 45000, (can-
do em de nsito 11,000 arrobas.
Caf...........Vendeu- ;e de 65000 a 85000 a
arroba.
Cha............dem de 15600 a 25300 a libra.
Cerveja.........dem a J000 a duzia de gar-
rafas.
Farinha de trigo. A de Ph ladelphia e New-York
retalhou- ca, a de laltimore a 215000 e a
de Tries e a 2.15000; Arando
em dep< silo 2,100 barricas da
primeira e 1,300da segunda, 800
da tercei 'a e 3.500 da quarta: in-
clusive d >us carregamentus che-
gados ne la semana, um de New-
York e utro de Philadelphia,
400
56
128
205
------333
456
de novembro de 18(5 i.
O secretario,
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Tribunal do commerrio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
data 1 ran
oinuiercian-
umor, de 37
annos de idade, estabelecido ne-ta cidade com caa
de commis'oes e descomo de letras; Jo.- Pereira
Vianua, de 26 annos de idade, estabelecido nesta
cidade coiii casa de commisses e especulace* de
barra fra ; Jos Pereira da Cunta Junior, de 28
annos de idade, e>tabelcido nesta cidade com ca-
sa de commisses e especulaces de harra-fra ;
Thomaz Francisco de Salles K no, de 8 annos de
ida.le, estabelecido nesta cidade com negocio de
gneros de estiva naemnaes e e.-lrangeiros, de con-
1.1 propria, em gro-so Olympio Goaealrea Rosa,
de 26 annos d idade, estabelecido nesta cidade
com negocio de gneros de estiva naeionaes e es-
irangeiro-, de conti propria, em grosso ; Luiz J}-
da Silva Giimaraes, de 32 anuos de id.ide, estabe-
lecido nesta cidade com armazem de asaltear, em
grosso ; e Jo< Carioca da Silva, de 53 anuos de
idade, estabelecido tambem nesla cidade com ar-
mazem de mibilias.oiosci lati- brasil -iros.
Secretaria do tribunal do commercio de Pernam
buco 8 de novembro de 1864.
Julio Guimaraes,
Ollicial-maior.
de Pernamimr
l'i r
juraaai ata
j eslao incluidos.
ordinaria vendeu-se
por cento de premio,
vendeu-se a 900 rs. a
a franceza a 620 rs. a
Unidades. Valores.
EXPORTAQO.SEMANA DE 5 A 10 DO MEZ DK DE-
ZEMBRO DE 1864.
Mercadorias.
Abanos.....
Agurdente de cana.....
dem restlada ou do reino .
dem caxaca........
dem genebra.......
dem alcool ou espirito de agua-
ardente.
eento
caada
ra nao me tornar proleio o nao faco, lunitando-me Atoadas em caroco
a explicar o que julgo de mals utndade. A prat.- dem em rama ou em iaa'.
ca e experiencia me tem feto convencer, de quo Arroz com casca....
as febres e outros ataques quo accommetiem de dem descascado ou piado
t
>
arroba
1*580
800
800
406
800
900
Appellante, o visconde de Suassuna ; appellados,
Patn Nash & C
Nada mais podando tratar-so, o Exm. Sr. presi-
dente socerrou a sessao 2 horas da tarde.
repeule, os medicamentos, que se devem appliear, Assucar mascavado.
sao aquellos que ajudam os esforcos da natureza; dem branco.
e que as mudaucas das cstacoes, se e-ta vendo dem retinado.
sempre os accoinmettimenlos de molestia, quer na
primavera, no tanto, outono, e mesmo no invern,
e os factos de lanientar-se lodos os das se e.-to
i succedendo, porque no principio de nma molestia
| nao se soube atalhar devidamente. Nao se est
veado todos os das que febres, que accommeitem,
Azete de amendoim ou mendo-
bim......... caada
dem de coco....... ,
dem de mamona..... *
Batatas alimenticias..... arroba
Bolacha 01 dinaria, propria para
TIII lll V i L DA IttXt < 4().
SESSAO EM 29 DE NOVEMBRO. [ o que oSo apresentam logo mosHroal, o deleixo,
pmwDBwciA do bxm. sa. coNSBLHEiRO o aVspreso do lugar a i|ue appareca a dis-olucao
, souza. podre do sangue, que d'ah resultam as febres de
As 10 horas da manha, presentes os senhores mo carcter,
desembargadors Santingo, firtirana, Almeida e Al-
buquerque, Assis, Dona, Moua, Dominguee da Sil- se sinta accommettido de qualquer molestia, qm Caibros
ra e Guerra, procurador da cerda, faltando o Sr. se sangre, nse de- vomitorios, purgantes riuhmtos, Cal......
desembargador Leurenco Saotiago o Ucha Caral- e appbque-se nsieatonos : nao? Nao quero que se dem branca
canli, abno-se a sessao. pertarbo a natoeza; mas que, no aceommettimento, Carne secca (xarque)
Passados os feitos o eatregues os dislriauidos, qoalquer que seja, se uzo dos remedios, que os itil- Carneiros
deram-se os seguintea i-- a-..- i-------_:--------
embarque
dem fina.....
Caf bom.....
dem esoolha ou restolhe
Nao quero com sto dizar, qae, logo qne algura dem torrado ....
>


libra
um
arroba
>
>
um
ge- ioofeflstros, oque reclamo: ninguem dir Carrao rgela!......' arroba
45500
185000
15500
25600
15900
35600
55120
25000
15600
800
15200
35000
75000
75400
65000
440
360
280
500
35208
45000
15009
os quaes
Louca..........A inglez^
com 320
Manteiga.......A inglez
libra, e
dita.
Massas......... Venderam-se a 55000 a caixa.
Queijos......... Os flamengos renderam-se a
25300 cada um.
Sabao..........O inglez rendeu-se a 150 rs. a
libra, e o do Mediterrneo a i20
rs. a dita
Toucinho.......Venden-se o de Lisboa a 85200
por arroha.
Vinagre........O de Portugal rendeu-se de 1005
a 1205 a pipa.
Vinhos.........Os de Lisboa renderam-se de
1905 a 205000 a pipa, e de on-
Iros paizei de "605 a 2005000
a dita.
Velas..........As de co mpeslcao renderam-se
a 560 rs. o pacote de seis velas.
Descoatos....... O rebate de lettras regulou de
10 a 18 per cento ao anno.
Fretes......... Para o Car al 45 -para Liverpool
3Aa 1 di por libra de algodo
5 por cento
MOYIMENTO 90 PORTO,
-
Nanos entrados o dia 3.
As4 dias, hiate brsileiro indo Paquete; de 205
toneladas, eapito Henrique lAutonio do Araaral,
equipagem H, carga algodcf e outros gneros;
a Antonio de Almeida Gomes.
Babia15 dias, brigue brasilWo Invencicel, de
. 2'3 toneladas, capitao Antonio Albino de -onza,
eqiiipagem 12,_ carga H.OOOlarrobas de carne ; vara tem de "ir 'pi'aca p
a Amonm Irmao. er a u|,ima prac()
Terra Nova38 dias, brigne ir
225 toneladas, eapito James
Sania Casa ila H;seiirorlia do Hecife.
De confurmidade com as ordens da lllma. lote
administrativa da Santa Casa de Misericordia do
Recito, convido aos inieressados pelas oiphaas
asalto declaradas a apresentarnn, com a maior
brevidade possivel nesta secretaria, as cerlidoes de
baptismo das mesmas orphaas, visto como tendo
ellas de fazer a sua primeira cornmunho no da
8 do prximo futuro mez do dezembro, nao consta
do archivo desta secretoria que estejam baptisa-
das, a saber :
Rila Candida de Souza.
Florinda.
Neomisia.
Minervinade Azevedo.
Mana Amalia dos Alijos.
Maria Lins.
Quiteria dos Prazere?.
Alexandrina Cavalcanti.
Leopoldina da Paixao.
Amurilla de Brito Carvalha.
Juan na Pereira do Carino.
Olimpia Adelayde de Oliveira.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 29 de novembro de 1864.
0 escriva,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Pela recebedoria de rendas internas geraes se
faz publico, que no correle mez linda-se o pran
para o pagamento dos impostos lancados do exer-
cicio de 1863 a 1864; a saber: renda dos pmprios
naeionaes, foros de terrenos e demannha, decima
addicional de mo morta, imposto sobre lojas casas
de descoolos, etc., dito sobre casas de moris rou-
pas, ele, e taxa dos escravos; segoindo-se depois
a cnbranca executiva.
Outro sim, que no mesmo mez, finda-se o praso
do pagamento sem multa, relativo ao priineir..
semestre do exercicio de 1864 a 1865, dos seuin-
j les impostos : dcima addicional de mo-morla,
; impusto sobre lojas e casas da descont, e dito
i especial sobre casas de movis roupas, etc., fabrl
cados em paiz eslrangeiro.
Recebedoria de Pernambuco, I de dezembro
de 1864.
O Escrivo,
Manoel Antonio Simes do Amoral.
Terc^a-feira 6 de dezembro, depois de linda
a audiencia do Illm. Sr Dr. juiz municipal da {
ser arrematad*, por
o esrraro de norae Jos, ra-
to Alexandre, de neeiro, com idade de 50 annos, pouco m ne-
Idouorlhy, equi- nos, araliado em 3005. P e
de
Joo Paulo perreira.
Consulado pro inri I.
Pela mesa do consu'ado provincial se faz p>d.,i
co que os 30 das .Mo marcados para a oivaasa
a bocea do cofre do I" senvsiie do anno fcaaa*-
ro di 1864 a 1865 dos apajtoj di dMn A* pre-
dios urbanos das freguezias Hesla cidade
Arogarttis, e di- 5 / sol.re a venda dos N-
raiz perlencentes a curporaco V mo morta. se
principian a conUr do de dez.-ml.ro vinitnarn
Meando snjeilos a mulla de 6 /. I-dos o* n.oin-
bolntes i|ue pagarvm depois de lidos os difo- :a>
das.
Mesa do consulado provincial
26 de novembro do 1864.
Antonio Carneiro Machad Ros.
Administrador.
Correio geni
Pela administrara-! do correio desta cidade se
faz publico que esa virtude da ennrenr* aasaj
celebraila pelos gor.-rnos hrasilefme rracez seria
expedirlas malas para Europa no dia 30 oe nov.m-
bro eorreato pelo vapor francez Nararre As car
tas sero recebidas al I horas at.vs da
marrada para a .-ahida do rapor: e
4 horas antes.
Administracao do correio de Pernambuco T >
novembro de 1864.O admini.-trador,
Domingos m Passos' Miraaa
Crrelo.
Pela administracao do correio desta ci-ta*
se faz publico para lins eearaasaatoa, ami em .r
lude do disposio no artigo PI8 do r^guUraenio -
ral do< correios de 21 de dezembro de. 1864 g ani
go ldodrcrelo n. 785 de 15 de mi. .le I8.-.I .e
proceder o consumo das carias exi-ienies na ad-
ministracao perlencentes ao mez de novembro ,ie
1863, no dia 2 de dezembro prximo, > || b,,ra>
da manha, na porta do mesmo correio, e a res-
pectiva lista se acha desde j exposto aos inirre-
sados.
Administracao do correio de Pernambuco 52 aa
novembro de 1864.O administrador.
Domingos dos Pasaos Miranda
De ordem do Illm, Sr. Dr procurador fiscal
da thesonraria provincial arisa-sc ao* dereuVes de
decimas e de diversos antros imposto*, qne aj re-
lacoes respectivas se acbam em se0 |HXler para
serem ajuizadas ; aquelles, pois, qne quizerem pa-
ear com guias da me-ma prxaraderia. podere
solicita-las no escriptono da rna do Cr--po para
o que se Ihes concede o prasn de 30 dias. cu'ataaa
de hoje. Recife 3 de dezembro de 1804. O *c
citador da fazenda provm ial.
Joo Firmino Correia de Araajo
,, CORREIO G RIL.
Kelacaa das carias s|iur** eiiateefe*
U administracao i). crrn* la
ciil-de para es seuhares akaiio de-
claradas
Padre Antonio de Brito Dantas.
.iiioiiii. Franci-co d"< Santos.
Clementina Muizsio (Italia).
Padre Plorencio Xavier Dias de Alboqoerqae Ogaa-
Francisco Antonio de Abren Pereira.
Francisco Antonio Gomia Cantoso.
Francisco Ferreira Maia.
Francisco de Mello Brrelo.
Ooocalo Jos Alfonso.
Herculano Mainarl Franco.
Joaquim Felippe da Cola.
Joo Pedro Collares Moreira.
D. Josepha Antonia Pereira Go i maraes
Dr. J. Kerreira U'uvalle.
Jos Pacheco Arago.
D. Luiza Antonia de Siqueira.
LniZ Antonio Vianua.
Mana Rosa Goncalres Ferreira.
Manoel Alves Guerra.
Salyro Kaymundo dos Santos.
)




Diario de eraaeabiseo fteguada lelra t Beztmbro 4e i4.
EMPREZA
(MUM & UIWBIU,
12a redi* d assi^nalura
QIAKT.4-FE1RA 7 E DEZEHRUO DE 1861.
Ter lugar a primeira represenlacao do grande
magnifico drama sacro, ornado de coros e de
lindas transformares, dividido em 4 actos e 8
quadros
A VIDA, HllUGRES E M4UTYKI0
DR
PROTEC rORA Da MSICA
PERSONAGEXS.
O agente Pinto far leilo reqnerimento dos
administradores da massa fallida de Rostron Rooker
& C. e por mandado do lllm. *r. Dr. juii espenal
do eommerclo de tortas os objeetos cima descrip-
tos, os quaes constiluem parle da referida mas e existeutes ni mesma fabrica da ra Imperial,
aondo se effectuar o leilo as 10 horas do da
cima dito.
Os pret.ndpntes podoro examinar os referidos
objeetos nos dias 25, 28 e 30 do corrente, das 10
horas da manh.a s 2 da tarde e bs anh-vespera
e dia do leiiao.__________________
y
DK
60 saceos cma feijti molatinh*
nojG.
O agente Pestaa vender por cenia e risco de
quem pertencer 60 saceos com excellenta fejao
mnlatinho em lotes a vontadn dos compradores :
segunda-feira o do corrale as 10 horas da ma-
nh;i no armazera do AnHO d--fronte da allandega
VIUVA RUTIER
faz publico i|ue mudou seda sua residoncu da roa
Bella n. 29 para a mesma roa n. 39.
Aff >nso Benjamn Bui-X subdito francoi vai
a Franca tratar de sua sande.
Mari Cisldia de Lorio, Mari Lima do
Lorio, Rita de Casia do Locio.Josepha Hele-
na de Lorio, Silvana Umbelina de Locio,
acradecem rordialmente a todas as pessoas
que se. dignaram aromnanhar ao oeniiterio
os restos morlaes do seu presado pai e mano
D. Antonio de Lorio Sebilis, e de novo as
convida a assstirem a missa d) selinv-dia
que se tem de celebrar no convento do Car-
ino pelas 7 horas da manhaa do da 6 do
rorrente.
M
3\\
v
Cecilia.......D- Antonina.
Alina, sua aia.....D. Maria Pontes.
O anjo.......D. Camilla.
tinaco, prefeito Germano.
Valeriano, general romano Lisboa,
Aurelio; pai de Cecilia Coimera.
O smnmo sacerdote Porto.
O diabo.......florees.
Celio, servo de Valeriano'. Teixeira.
Mareos, christio.....Santa osa.
Cenwrio.cenfldene de Almaco Lola.
Primeiro christo .... Porto. _
Segundo dito Gminaraos.
saldados romanos, sacerdotes, christaos, auns-
pid-s, massas, et., etc.
Todo o inachinisnw oxecutado por habis ans-
ta< est eleante e ricamente preparado.
A pintura a carpo do Sr. Yeneri, tambem faz
boura ao distinelo scenograplio, .
A enuncia eonU que este espectculo exceder
ios marlurts da Germnma, nao s i>elo maior nu
mero do transformacSes bem combinadas como
pela vanedade do su*s sceuas e graciosidades ae
Comeear s 8 horas
Ouintn. fera, 8 de dezembro
V vis-a das eneommenaas que a empreza tem
receido, tanto de camarotes como de cadeiras,
comiere nao poder satisfazer a todos na recija,
c apressa-sc portantoetn repetir drama no
cima mencionado. ,
Poneos das faltam para concluircm-se os tra-
bathos tlieatraes no presente auno, a empreza tune-
cino* nicamente al o ia lo do corrente, e por
presenlaeoes do drama annunnado, pie
DE
2,357 accoes da Companhia Pernam-
bucana.
Terca-feirn 6 do dezembro.
Aluga-se urna ama w sama bora cozinhar.
e de boa conducta, preferindo se escrava : na ra
estreita do Rosario n. 32, primeiro andar.
... Aluca-s a casa terrea sita a ra da Alegra
n. 46 : a iratar no pateo de S. Pedro n. 18._______
"TTcrargiao Leal mudou
a sua residencia da ra do
G4S4 S)A
AOS 10:0()0.000
Slbele* garantido
A' ra do Crespo n. 23 e casas do costnme
O abaixo assigoado venden nosseus muito feli-
res, bilheles garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a beuelicio da matriz da Boa-\ is-
la, os seK'uintes premios:
l'm meto n. 1047 rom a orto d 6:0001000
Un inteiro n. 2538 com .1:4005000
tlm inieiro n. 1312 5005001)
E ouiras militas Borles de 1003, 40J, 2"S e 105
Os possiiidnre- podem vir receber sen* respec-
tivos premios sern os descoutos das leis na Casa
da fortuna ra do Crespo u. 23.
Acham-se a venda os da ultima parte da ter-
ceira e primeira da quarta lotera a benelirio rto
ihoalrodeSiuta Isabel, que s* extrahira uo da
10 de dezombro.
Presos.
Bilhotes inteiros..... 200C
Meios......... CiOOO
Quartos........ 330C0
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes....... 1,500
Meios........ o300
Quartos......, 237,,a
HMMl Martins Finta
..- -
"?*,
S0P4
.lUUEWE
T\ ATI
O agente Pinto far leiiao por mandado do lllm. i qJ XTl a FUR (lS
Sr. Ur. jniz especial do commcreioem vutude do VJUtJIIlldUU lidia a l tu*
que requeren os .redores da massa tal idaae < p SOnrflflO n. O. MI"
Rostron Rooker 4 :., de 2.337 arcoes da Com- UrUZCS feUUiaUU U. UJ, p*
panbia Pemambncan de 100* cada urna, eminra I ori/laY. nAT Cima UO
ou mais lotes a vontade dos compradores, as 11 HUJllU dUUai, pul Viiuc* ^
merraciadrdia supradi, ^ ** ASS0"^Mm^ \ armazem Progressista, aon-
LEILO
DE
de o acharao como sempre
prompto a qualquer kora pa-
FSS?fS;SrSrS.eltolrMra ommm fc sua pro-
Teca feira i de dezembro. j figg^ Cb amado por OSCriptll
Aviso aos senhores e senboras
Av'so aos senliores o senboras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores o senhoras
Aviso aos senhores e seBhoras
Aviso aos -minores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhora.
Novo sortimcnie
" A molEst,a ou infero pjhh. KSfSSS
raPcoubecida pelo nome le K- Novo sorlimento
crofula um dos males mai-a i nOVo sortimento
wevalecentes e universal Ka em toda a extensa *^.ii$gg:ggS
enfermidades de que souiesbe rj, eaixinhas quadros
genero liumano : disse um no- rje eaixinhas e quadros
bre escriptor da medicina quej eaixinhas a ifisoo
mais de" urna terca parte de | Uixjnhns a gJJ
todos aquelles que morrem antes. calilnhas a 15300
da velhice sao victimas, ou direc- eaixinhas a 1A600
ta ou indirectamente da Kscrofu-' eaixinhas de 35 por 43
.' irin (Ips Caixinhas pe 55 por 4
a ra Nova n 4,Mr do la.
liivliis
fraiu'czas ra Nova n. h. I i- do d
muito nova para podius: a roa RM u. s. I .jj A*
cb. ____
l'm rapaz brasifeiro rom pra:ira a.- eaartw
uffi'ivre-.sc parasere i.pr.'uaii.. e-i k'ji tze*
das escripiorio, 011 ootro %iu!-|nef e>laWktrB-
t.i, dando liador a sua ron.1u.tt : W*m prensar,
procure na fabrica da travessa do Carioca t.
caes do Ramos._______________________________
dono da antiga bbrira o cturu t n-
gari os, sita na equina da na d l r:j> n I, tta-
do frito rednccci n>s >rc; i. ...'-ra.-.
convida aos mus fregnezo a vir.in I 1 .
til clecimenlii coui d- vi te T-ti r-;;t:> 'ie qM caffHS*
por se arhar eom ora v.ri. t s. rtisnrali i 1 -Tir
lis e charutos ti 1. o* dw aulof.-s RSBH acredito*
da Habla, cachiniios fumo para i- dit-js. fun> '
folha, fumo americano. .Moda.) en br.i-, d
sos rticos para es fnmitit--. 'in pMN) a qnali-
dr.de e priro garanie-se t&a prejudicar .- fre-
goezes. ^___________________ _
Na prava i Indeiuii.ieiicia, k>ja de *.
u. 3:t, romprams 1 obras lo san 1 pratt. fm
pr.cio.-as, as.Mn (vnose (..;. qnal^DVf *6ra -le en-
commenda, e lodo e quaiiiu*r cixerto.
8 DENTISTA DE PRIS |
43 Ra 9m -
Fredenco (iautier, eirargo aattst, mi
(az loda> as cpcrace.-. de sua ut tk
loca denles artificiaos, tud c.m .uper.*- ^
ridade e perfeiro, que as p.- a- ut--
didas lhe reconheceiu.
Tem agua e pos denli. ;o.
I
Lenden Wild & arao leiiao por intervencao \
do agente Pinto, de urna Muflid de esteira para
forrar salas, a hora do dia cima dito em
esenptorio praca do (jommerrio n. 13..
seu
IEIjLAO
(VEIS
wum
la > :por si nao
, porm a principal cansa de mili-1 Caixinhas de S3 por 45
iras enfermidades que nao lite sao ^\m^_^
.ucliva
ras outt
ramente attnbuidas.
E' urna causa directa da phyhisita pul-
. mimar, das molestias do figado, do estoma-
Precisa-se de um caixeiro para bal.-ao de ib_a f/0 p ^.^^ terebra: -Entre OS WUS]
10 nileaias
ileceh. ram-se 10 mil caixa-
Reieberam-se 10 mil caixas
Receberam se 10 mil caixas
Recoheram-se 10 mil caixas
dial
Ter^a-feira 6 do corrente, s ti
horas
Cordeiro Snnes
lhe dei-' far leiiao de diversos trastes para casa, nqvos e
vr;
s.-illacoes uo urania iiiunii..<>, i">- --. i>""">' ------------; ........
a por cerlo agradaveis lefflbrancas que servirao i usados do ouiros muito arltgos de gasto, WUUU
4e insentivo para o futuro auno thealral.
zas, relogms, etc., etc.
Ser elfuctuado o leilo uo armazem
Cadela do cecife n. 48.
ra da
18 anuos : nos armazens da Aurora Rrillmite, no / llW M"\"!W'V """"VZ,^ &"*** i visita
larao de Sania Cruz ns. 18 e 81. numerosos sviuptomas aelwm-sc os si.guii c.irU-)llS dt vislla
TlgteumacasaemBebe-rn^nTportoda ^:-falta de oppifcj o semblante pal-
Made.ira, a beira do rio, com 2 salas, 2 quartos,
pa
cozinlia fra, muito fresca, e concertada de novo :
a iratar na ra Pirata n, 69.____________________
"Rap Cordeiro.
A loia da Aurora na ra larga do Rosario n. :>8
receben rap Paulo Cordeiro muito fresco o qnai
superior ao de Lisboa, assim como tambem tem
rap rolao imperial do Rrasil tambem muito I
litio e s wze* incitado, s uzes de urna Carines do visita
aleara transparente e outras corado fl"|UrlBe"^J5ii*la
marellcnlo ao redor da bocea : (raqueta e 'A ^ a dala
molleza nos msculos : disgesto fraca e A 105 a iu
appetite irregular, (alta de energa, centre a 105 a duaja
incitada t micuaco irregular; qnanilo o a 105a dnia
mal tem sen assento sobre os pnimes, urna | gj [ aovada
COMPANHIA PEBNAMBCANA
DE
Wavegaeo coseira a vapor
Parabyba, Natal, Macan, Aracaty, Cear i
e Acaracu'.
LEIL
DE
Um sobrado.
Para a (Wa.
! Aluga-sn nm sitio na r.ia '! 1 *'-\ [dade de O inda, cun eaoa t-rr .1. fm e*
piar na frente, bota os fund para *$t a
I da e argn do ro it.-l.iiM. ^f*
I mod'is pifa familia, esrbani : > ciiH
e capim para w*, arvi>r* dr-
Ifruclos, sea vainh-i defend' m *&>
fon lo, rom ptimos pass^i f4*
riele na rrenle, muito vr- ;>rii para pama*
festa, b lamben se ala rar.i p rr*': add
lamo Recite, na Hvrari 1 n. '' H da pr*r
da Independencia, e '1 >ii linai mm_m>
lignaeomo capitn Antonio lt".',i.irdflVr-
"" AA HE LMTR
inlMtro
la tardo
luarta-feira do corrente.
O agente Aureinao lenalmenlc autorisado ven-
No da 7 de d-zembrn prximo j d(;r;, ,,m |eil3o um sobrado di* nm andar nobecco
legue o vapor Jaguaribe, romo an- ju paur n. 8, o qual rende 1725 annuaes
danto Lobato,, para os portos indi-1 jj ,ija u-jma indicado na p rta dos Srs. Palmei-
utos. R>cehe carpa al o dia 6, ra 4 Reltro, para iuforma(;Oes dirijam-se ao re-
Kncoinioinlas, passageiros e di- furjjo agente. _____________^___
a troto at o dia da saluda s 2 horas------------------.-----------------------------a
iscrijiloiio no Forte do MiiUosp. 1.
vessa dasrruzes n. 4 ou no engenho Monbara, sito .
na freauezia de S. Lourenco da Lalta.____________ i as pessoas de dispos.r.a.) e*ci ofuloaa ap-
---------,.,ll.,aul(),UMmtf,(.iT : Parecem frequentemente eripeBes na pelle
dispostas as affecede dos piflmoet, uo in/a-
Lembramos para
Jos Uaplista da Fonseca Jnior.
Um ncgocianle.
ao, os mis e dos orgos digestivos e ute-
Pacheco y d.ritiendo.
^"s adminiatradore da raassi MUdTdi rinos. Portento nao ^ijeo^ aqueles
pao-ata o que padecem tas formas ulftrosas B luoei-
culosas da escrfula que rieCessilnm de pro-
teccao contra os seus estiagos; todos a-
" M**m "(luas cas3S taZo 3Lm*S- quJltes em cujo sangae existe o virus laten-
ve7.es H ueri-

m

mSATSEXA BSASILEIEA
DE
Dos portos do norte 6 esperado
:,i o da Io d': dezembro o vapor
Cruzeiro 10 Alcanforado, o qual depois
da demora do costutne seguir
ara os portos do sul.
>. [e i recebena-se passageiros e engaja-se a
1 ira que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua eheaaaa, encommen-
: agencia, ra da Cruz n. 1, escriptono de An-
Viiiio Luiz de Olivi'ira Azcvedo A C._________
- Obem conhecido eVeleiro brigno nacional Al-
turante, eapitao Jos Moreira Uaia. pretende se-
ir com muila brevila le, tem parle de s.-u nar-
,munto.prompto: para o resto que Iho Taita e
:ravoafreto, para os quaes lam exeeilentes
jmmodoj trato-se com os seu< consignatarios An-
.nio Luii do Oliveira Atevedo & C, no seu es-
cripi irw roa da Croa a. i._______________
Para Lisboa
o veleiro e bem conhecido brisue portuguez
'uaecuaode Mara, eapitao ianuario Jos de Oli-
.-. ira pretende seguir com muila brevidade, tem
i i,-'de seu campamento prompto : para o resto
'iuo lhe falto tratase cora os seus coosignatarios
Antonio Luiz de Oveira Azevedo & C., no seu es-
pptorio ra da Cruz n. 1. _________^____
Aracaty
S'L'iie nestes dias com a raiga que ti ver a borde
Ufl Santa Cruz, recebe carga e passageiros :
:i tratar com Caetano Cyriaeo da U M. ao lado do
Carpo Santn. 23.
Cruzes n. "!(. em lotes a vontade dos comprado-
res: qnarto-Mra 7 do corrente pelas l horas da
manhaa na mesma fabrica.
BIE
Tendo lido o artigo -sorteadoresda ga- i ^
zetilha do Jornal do Hecie do l" do cor-
rente mez. no qual se, exige a mudmea dos
me'inosdas extracroes das loteras por ou
tros do collegio dosorplios, j.ilgo do tn-u
dever declarar mui atten io-menle ao con-
municaute do mesmo artigo, cjue nao posso t
ne.n devo satisfazer a sua exigencia, pelas o
razoes qu, passo a dar: Ia porque sendo a Y.
lotera utn jog ),como tambem diz o commu
nicante, d lugar a exigencias tees que nein
zal nova 11. i.
-4
bempredevo satisfazer; al gana dos quaes ge
...... erupi..
- Aluga-se a casa n. 6rraa dos Gmiho,, borlmlhas, pustaku nasedas, tumores, rn-
com 3 quartos e grande coztoha: a tratar na ra cuiuitcaibiou-tius, ulceras chagas. ifli-
do Mondego, otoa a. 13. _________________\mntismo, dures dos ossos, W costase na
Aluga-se o segunde andar do sobrado n 3aa Cabpa, debilidades feminhns, fhms bran-
rna da Matriz : a tratar na taberna do 5r. Amonio ca$ amida )C[a nicl;aco interior, c en-
Joaquim ^'^^^^^-^tlt {unidades uterinas, lu/dnpesia, indines-
ra do Burgos n. 7 >> ** ^ enfraUecmwlO c drln lidade ge, al.
;-;: Aos pulmoes a escrfula rniiluz tubrcu-
los e finalmente consmiip-o pulmonar:
uas "lanillas ella produ inc incoes e tornam-
desarranjos que produzem| indigeslSo^ dis-
pepsia, molestias do figai
na pelle produz erupcries
ticas.
Todos estes niales leude
geni, carecern do mesme
ber: parificar e fortalece' o sanaue
A s=Ea parrilai de Ayer
o e nos ruis :
e aflfecces cuia-
a mesma or-1
remedio: a sa-
Com ricos cortinados e tapetes
Com ricos rorinados e lap. tes
Com lindas e variadas vi.-ias de tundo
Com lindas c variadas vistos do toudo
Com lindase aadas vistas de fondo
Com lindas c variadas vistas de fundo
Com lindas e variadas vistas de fundo
asa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
tasa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
A' ra do Imperador n. 38
A' ruado Imperador 11. 38
A rna do Imperador n. :t!>
A' roa do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n 38
A rna do Imperador 11. '>*>
A' rna do Imperador n. 38
A' rna do Imperador d.38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
Ir.te
: 4k A-
I N. f
Gramie armazem de lalas.
Tem a venda :
1 Productos chiinicos medicinaos os
mais importantes em medicina.
g Productos cliiiniros n utonsis
para pholograpbia e outras industrias.
cf I
Prerisa-se de ona ama d<
polln. s.-cniido andar.
-Li~Ao An. ',-.:. c- .11 -'a :> d.- cniubro ar
rento amwde IW%, nriara*! t> >
iienhoAl : da free.ua i I 1 I
qnarto de rarga do mesmo rHpMA. ><*
ruco poinbo. grande, rastrad rao i %-. i-mm
nlho esqiieriio urna belnto, **
' pelo dito ollm. tem um culo \ lli 1 n 1
1 lugar em que lc*e urna bcira I ; la>nt>-i
tarto reir, rarrega laixo. e 1. n -:aoipn*ii
ladodireilo da auca 0 f.rio i 1 *" ''
inainsrul >s com.. aajni i vi A L D
le-se que s ravnllM as-iin leri
,-:,dos ne 11 vendidos < '- <
som s. r:: 1 rico do 11 i*mh > i -'
B d-'V. ii -el 1 1 **'
s'antoridadi-s pnliciaes, :"
I .;, que smdo '
vados sejam *|
uisiia!,.! daqiu'lie rag< n *
ilopropri-lan .i., nv.vir,
icidade 1. Itorife, ra do lo-; ... 1
Ido Rerife, 20 '! .aiio'..' .. WM. -'
' da Iva Santiago.
i
^-^ -,r~i
i.,-.:-i-. cali
:"
.u-
se
;,,-s :> do 11
\. W. Osborne.
Veude-se um cabrlolet Inglm cora assento
para doasequatro pe-soase rom arreos rom-
nietos para um .avallo, ludo em bom ostuo: pa-
ra ver tratar na roxeira da ra do Imperador 11.
23 ou na ra do Apollo -;'- _______
_.. Na ruados Marlyrios n. 2, primeiro andar,
precisa-so de U(Da ama para casa de ramilla.
i COLEGIO CE S. I
l*M,
-
3." ludas as materias c utensis rjc composta dos antidotos |nais efficavesqnei^
mpregada na pintura a oloe a rol- .-^j a S(.e,iC;1
Para o Porto.
ue at o dia 20 do corrente o brigue porluguez
Mmod I, capilSo Carlof Ferreira Soares; quera
no mesmo qoixer cirregir ou ir de passagem, di-
rija-se a ra do Vgerio n. 11, escnplono de M.
J. Hunose Silva Georos.
------COMPANHIA PERNAMBUCANA
Maregaco cositelra a vapor,
Uncci c escalas
O vaoor Parah'yba, cemmndante Marlins, se-
CUira para os portos indicados no da 14 do cor-
r inte as 5 horas. Uereber.! carga ato o dia 13 en
.mmendas, passageiroa e dinhe.ro a rete ato as
3 S tarde do dia da sabida : escriptono no
;-orte do Mattos n. i.
sein i'uii lamento, como a docommunicante, ^> |;i
consequencia do que no jogo se chama vul-; a nis'adores", d.
garmentepa pite-; 4 porque os actuaos m
meninos to neeessitados como os do colle | 1P
giod"S orphosmcreeem a confimea mi-, y
nha e af dosjogadores das loteras, e sa-
rjo a .aquellos, que exigindo boje para h(
sua saisfacao a sua mudanza, amanuaa ext-
giro de novo por oulros que bem llies
aprouver; 3a finalmente porque sao os me-
nin s a parte do pessoal das extracijes so-
bre a qual devo ter a maior alinelo e pie-
tanto uue, para prevenir esse mat ui q
a n -Vl-l ro ^7 lo ahril de 1811 no cuzuiha e um qnarlono solao,
decretm. o7 de 27 de aDiii ue i*i. no prndenles podem entender-so ,. u^ ^ Ur> Avor ,,,.
art. 3'tratando do pessoal das exlracCoes, ,c /conlratar ClJm Mar,,,no Jos encalves da 1-k c ^ ^ "J* ^s .>s Q1 de
inclusive os meninos, diz : todos estes em- 'FIlte, na ra da Cadea do eefe .____________ 6t ,br^^JJ2's lut*
prendo? assim como os que jumverem de | ^ CommerCal ,'" eSSSAR fucto ^^ abo-
Sao convidados os Srs. sucios elTectivos para em rosas cxperwiicuiS, 9 ba -abundantes provas
reuntao, pelas 7 horas da nolte de 6 do cowento, (.1S suas vjrt.iS : ,,0^0 qw oferecido
JOAQ.
As aulas d-st- c Tlegio funccionam du- u^
ranto as ferias e tem principio no Io de _-,,
dezembro : os Srs. 400 pretendorom la- Bu
('irijain-so a-.. ' m
yd^tiH-MM iM_mmk\\\___L
O alialto assigoaito, 1
^ arco Mercantil llirtuense. r a
__ do Sr. Joaojaiui da Sil*a 1'
\__ feciivaueiiie por t < 'i"'
K as pncas de Lisboa e pirto, > 1
__ r' P"'' qoalqm r M
S ta, ca praso 1 ar
i'^fi sa.iiics a ni 1 .'ci I-.
__ mo Hai.co. rtesc-mtai
r?i Idi-i ib- c'" is da n-art-i ; 1
i3 n rna .! imp. 1
ir. '
. -
FOGO INI AR
c utensis rjfc ,. compnsta dos antdotos nais cuuaa-s- (|"(- igtj dezembro : os sis. qu
o e a col- '_m sejencia medica tem Aodnlo descobrir. 05 z,r sen aune m marco dlrtjaaMOM
pintores, tit.tureiros, enver- f ^ '^' "". ..,.,,,.,1.,.. om cura Ll mesmoolleglo a mscrever-sc no
vidraceiros. &, P''J <^tJ 111 leStM assiauoid lw,'"lu" p| ,,,, ln;,trrilla, n.-sim como encontrado i
Joao Pedro das Nevos, ,-).%, de todos os males provenientes ella que S U!na |,sta com os nowes dos Srs. lentes, |
Gerente. :'P cohiiu virtudes verdadeifamente extraordi-; m ,, ,v |,orasem que devem funccionnr as p-,
^^^%3-'^3 ^": natas provado incontdstavelmente pe^'w^!^^^,^^- H=..-,.- '
miras nn.avais e bem cnhecidas que Ico | MWM
substitui-los nos seus impedimentos, sao da !
livr.fi nomeacao e demissao do tltesoureiro
Tbesouraria das loteras de Pernambuco
3 de dezembro de 1864.
O thesonreiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
LEILOES.
LILAO
I'K
elegerem a assembla ele.toral, que lem de tune puWc soI; Q. n0!lic de Salta parrilha, e
cionar no trienmo ale JJ^^ co.nposlo de diversas plantas, algumas das
Joo Pereira Rebello Draga. (jaaes sao superiores a melhor salsa parri-
Em nome da mesa regedora da ir- Iba no seu poder alterante
Fabrica de sabio.
Sio ha rna Imperial, edificio com espa?o
de 128 palmos de frente e 40') de fun-
da, mcluiodo 2 caldewas comfornalha e
boiros, -com 270 jaruas cubidas cada
um leitos de" lijlo e cal.
Ma.leira-deninho, rc=frwdores. perlazondo ao
ato 3,500 ps de empranchameato superfino cha-
imadn com farra.
250 ps de caldeira.
6 case s vatios.
1 guindaste para 2 tonellada.
carangueiro eiin corrente, com,ieto.
i machina de torca de M cavallos.
1 liomba de 20 ps de canos. ,.,KI,An
I serra eireular eom armacao de ferro fundido
incompleta.
i batanea, serra, 1 vlvula, l no.
.! preusas de torro foudidos e t taque.
1 caldeiroe 150 ps de cano de gaz.
ixos, correias, tambanes e rodas.
1 ramo de cano para a machina de serrar.
1 cubo, 400 ps de crrante* e 6 quintaes ae
ferro velho.
HOJE
&__________
Aos 1i,:fl0O$0O e 3:O>0*0.
Sabbado 10 do corrente mez, se extrahi-
ra a ultima parte da terceira e primeira da
quarta lotera (119') a beneficio do thea-
tro de Santa Isabel, no consistorio da igre-
ja de Nossa Senbora do Rosario da fregu-
zia de Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 45.
Os premios de 10:000,5000 at 200000
sero pagos urna hora depois da extraccao
at s 4 horas da tarde, e os outros no di
seguinte depois da distribuico das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodr>ges rniaadade do Santissiiue Sacramcolo de Santo
AntODio-
A mesa resiedora da trmandade do Santissimo
Sacramento da fregue.zia de Sanio Antonio, leudo
sido convidada pelo Exin. Sr. vigario capitular da
diocese para acoropanharem a trasladacao do ban-
tissimo Sacramento para a matriz de_ S. Jo.-e e as-
mandade do Santissimo Sacramento da ma-
triz da Boa-Vista, convido a todos os timaos Cura poinplameuie a
jiara se dignem comparecer no dia 8 do
corrente, pelas 8 horas da manhaa no con-
MSlorio desta irmandade, alira de que en-
corporados possamos acompanhar a trasla-
dat;ao do Santissimo Sacramento para sua
nova matriz de S. Jos, e assislirmos a fes-
tividade da inauguracao do mesmo templo,
em vutude do convite do Exm. e Uvm. Sr. c dos pulmoes podem ser curadas em pou.
v.gario capildlar.-Oescrivo, Manoel Ze- co lempo pelo pf.itohal df. cerua do*r-
PEITR.1L lE CEKEJA DE AYEil.
astlima, bronchite,
delluxo, angina, coqueluche,
p!itbvsica primal ia, tubrculos
'pulmonares e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allivia os ethicos declarados.
todas as molestias da garganta, do pcito
No armazem da itola -ma. lia a
cretona da polica. recel*n- tmewl** em
togo do ar para dentroe tora dapreytaru.
\a fia Teita do Kwaria *4
Mvogado Abii-o de Aftfr
querque Mello,
pode ser procurado a (;uaU|ner hora ; as rntm*-
oirs, porm. na vil' ______________
Cal&elra.
Precisa-se de am raiariro para V
na ra de Apollo u. 70, sega to anar.
Jj?*^2l.>5*.-s\ >^>'i ***-**- s*
O Dr. Candim Franrisn. la lima
ff_ nm,conda a resi!:r na roa d.i li,; m,
\_ radorn. 17.-J awtor tosri pro* '^a
-S* curado a qualaut-r le.ra d>i
m para o eierrici" de -. r ;.-" *- ,*
__ curo ; sendo que rham.' *. d.-|
F meio dia at 4 h.ras ()a tai
3H deixadns pr *-smpl<>. O r.
W nao ahand.inaiido mmn -'>'''
' molestias d.. ir.t -rior. i:'-, rom '
maior afflnco. no das nos difl
lns///Hto Archeolugico e litugrapnico '""""")"{ cadaeraca>s. rmno >ej.m ^ f
no, contendo, alm das ses>oes do Inslitulo, O mu- f ^ ourinar0,. dos ol. .s. pan.-. He
lo nteres-ante reiatorio da eom.mssao encairega- ^ "
rade-OUtt, ao Arco de Santo Antonio, onde se t__tt___ __ __
cham tambe
Assignatura por anno 55, or
achando-ie in- i
podendo dirigir
moltiados denn-
os seus dous eslsbel-Timeiilos
minados Aurora Krithanto, resolve vender uin
deiles : as localidades eos eslabelecimentos nao e
preciso eMgHra-lo*. porque nao pode haver me-
lhor : a fallar aos mesraos a qnalqner ora.____
_ Sahiu luz 0 quarto numero da &**_* __
shtut Archwlugica e Qrugraphieo PerHombuca- \
, contendo, alm das ses>oes do Instituto, o mu-
. inters-ante reiatorio da eommissao encarrega
da de descobrir o jatiRo de Joo Fcriiaiides Vlm
ra euma cuitosa es.tatistica da reyolU de 1
1.. re
acham tambemos numer^ JW^^ ||o-Vi*ja'. 1 A. pele gm_ i 1
trtgajeii- #a

Irm'iilade do S. Sacrarneuto da fre-
cuezia do netife.
A mesa regedora da irmandade do Santissimo
Sacramento da frej-neiia do Kerife pede a lodosos s
-------._ ... g d0ras da manhaa
... na c?treita do Rotarle n -s
ferino Dias Barreta.
No largo do Corpo sauto o. 6, segunda an-
da/, precisase de um criado. _________ lias lo imperio,
~"Pr7dsa.sealugar um.laoto'oliTaTlTml. RO de Janeiro ra 1
nos de idade, para o sepvieo de um 1 casa : a tra-
tar no caes dd Runos n. 86._____________________
-i OStll'edro.Josd de-Pinto tem urna carta viu-
da de Alagoas : apraca^la J.u4ependeacia nume-
ros 6 c 8.__________________________ I
Precisase comprar um seliim ingle e os
co npetentos arruios em bom hso, compra se tam-
bem estando em bom uso os arreios [tara um c.i-
vallo de cabri.det : na cu do Cibuga, toja ni
aguia de uuro n. IB. ____
seus irmos que se reunam as
do dia 8 do corrente, para enerporados. acompa-,
nhareui a traslada** do Santissimo Sacramento;
U1 malrii de S.ToVt, e asS.Ur-m a fesl.vidade
da inauturacBo do mesmo templo, e para o que
e na agencia central do aau,u Antonio Gomes randa Leal.
O hachare!
Fruacisro mWjmm da Crt*
AYKK.
A'agutn-branM recetor lava* o>f'.
' Cosme Jo dos Samo fMwto a '* *
8 sra solfe a t**:*
o Pui...
Vende-so em Pernambuco:
na pnarmaeia raaacea de
P.nlAURER & C.
IHJA NOVA H. 18.
irmos para que se reunam as 8 horas da manhaa anj,gas e recentes, uniCO deposito na .no-
irmaos para que
do da 8 de de-sombro para tal Hm.
Luiz Cesario do Rogo
Escrivao.
antigs
ica francesa, ra
Co35
da Cruz n. 22.
as
bo-
pre-
nw, de leitc.
Precis.i-se de urna ama de leile : na ra da ^aa-
dade, primeira casa do Udo__esquerda1______
"^_~ Auga-e uin casa commoda na noacao do
Monleiro, )unlo ao sobrado que foi do upieira : a
tratar na ra estreita do Rosario n. 2.___________
! -Z~Juw-so o sobrado de um andar e sotao _t__m__-------
I sim no "Atoados, uo paleo da Pai: a tralar no (,aSa Dt lirhlp
I pateo do Terco n. 44.__________________' Aluga-se ama casa mo (r*>** n-> me***?'
-_ Precisa-se de-uma cot-nheira, forra ou cap- ^^^^t^ ""
I berna. ____________ No dia W do correa:- m-~i *ppa;-
e~de offlciaes de alfaiate : por de- flUoUl do Coltofio tAflf
traz do Corpo
faiate francer
_ Precsale de offlciaes de alfaiale.: por de- flUioUl do Coltoffw aas Arf
Santo n. 27, loia do Sr. Mercier, al- em urna *irwla JOV* r ,* kraRc > ,
____________.____________ i achar dirjase ao musleiro U S. U ulo q -
um preio possanto c de boa con- grificado^
Amae criado
__ A'.uga-&o -
ducta para Nlo e qualquer semen: a tralar na Alnya-w otn lerter
I ra do Imperador n. 29._____________________. I por eima e ttm **[*
de urna ama e um criado. DrJU
i tarnt
/



Diarlo c rcrua-n, Segunda felra & de Dezembro de 18*4.
A. NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
Uma Imm *?\P?L0 REAL.D0 DE 21 DE DEZEMBRO DE 4859
tma nano,, em tlinheir,, e-feilada nos cofres do estado, garaale a boa ad-
Hiiiiistn.cao da corapaohia
BANQEIROS DA COMPANHIA DmECf.0
O Banco de Hespanha
GERAL
Madrid: Ra do Prado n. if
e aESacon,Panhia "* Pelo systema mutuo todas as combinas* de supervivencia dos
a vida.
Nella podo se tazer a subscripco de manei
e comb.nando o rom a mortalidade dat.iiu.iia7i Pr?Z.l.
seguro
J mesmo por morte do se-
da ndole deA NACIO-
gUrad0c?J K. ca*la! juros i a e.^.
i as s
, .nteresse produzido em recentes lquidcdVs,
_a tabella de Depreteos qoa e adoptada pela companhia uara os
SSSSUfttfiU? SegUradS da dade de 3 a uma 'wW
N I in annS.......1:1193300
, TP ? *.......3:9424600
d?*........30:2360OO
* 80:3314000
para os
le 100
as idades menores de 3 annos
Prospectos
mo Joaauim .
lecuncnto dos
e maiores de 30, os productos siio mais consderaves
SBSSaffi-aSKael
Jerony-
estabe-
THE
Romance.
Vende-se na praca da Independencia li-
vraria os. 6e8, o romance Martim o en-
geitado (U Memorias de um escudeiro obra
do distincio escriptor Eugne Sue, autor
| das melliores obras couhecidas, pelo dimi-
nuto preco de 250O por 4 volumes em
oroxur.
FOLIIIXUAM ~
t'nra l&fS
Acham-se venda na iivraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia :
AFOLHINHADE PORTA, abrangendo o,
kaleudario ctvtl e eccle>iastico. tabellas del
feriados, de emolumentos dos iribunaes'
do corame.rcio etc. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que acuella e mais urna nova
Salve Ramha em verso, o Stabat Mater em
verso, devocao ao agonisante, coiacfo de
Jess, cautico em louvor do Santsimo
Rosario, cntico a V.rgem Mara Mona
sennora, tnnta e tres chistosas aneductas
um neduo poema tabre as aventuras de'
um cosinheiro, o canto .Je una solteira
(poesa), crescido numero de mximas e
pensamentos, urna historia como muitas
f romancee vinte e cinco novas e pi-
lhencas charadas a 30 rs.
RIVAL SEM SEGUNDO
da un ?22ft rat0' P,S SCU en' dar a azeD"
da por lodo prego a vi>ia dos cobres.
artas de alfinetes francezes da melhor qualidade
a 80 rs.
Granada pennas de ac nglezas da melhor qua-
lidade a 640 rs. ,
Caixas de colchetes francezes de superiores anal)-
dadrs a 40 rs.
Grasas de boies de madreperola milito finos a5W
e 640 ris.
Carreteis cora 4 a o oitavas de retroz preto fino a !
640 rs. r
R M000 de Papd dC PeS IS mU,(> suPerior
Gr60o'rsS da '8a 6 d U'raS muitas C*BJ5? para penna com 3 olhas azenda ba
Duzia de botes branco para casaveques de senbc-
ra a 100 rs.
Pecas de fita de eos estreitas com 9 varas garan-
O Expositor Portuguez para os meninos a prender
a icr & OO rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren-
der a ler a 13000.
Car*! da doutnna cbristaa, finas e superiores a
ij.u rs.
A 4 ( 0 CORTE.
Pechincha sera igual.
Lindos cortes para vestido de percales de, cores
claras e escuras com grande variedad* le padrn
pelo barntissimopreco de 4$ o corte: na loja das
c lumnasrua do Crespo n. 13, de Antonio Cor-
rea de Vasconcelos A C.
CEALU' (NORTH BRASIL) WATER COMPANY,
LlfiiTEl*
INCORPORADA SOB A LE DE ASSOCIACES MUTUA DE I8C2.
; Vende se caixes vazios proprios
para habnieiros e fiinileiros a i$7Q0
cada uiu; ni'sla t>i0raphia.
Capital Ih st 60,000, Ciii6,*0h acges de Ib stAO cada urna
Depositando 10 s. por cada arpio pedida e lib. sL 1
lio m-^ 2?V2e8 c,,a'na,Jas "So exceder*, a lib. st.
vallo menor de tres mezes.
Juros de 6 >/,
e 10 s. quando forem distribuidas.
2, cada urna, uem poderoser fetas com inter-
,ao anno pagareis aos accionistas at a concluso da obra.
o melhor que ba a 320 e
banhas a 240, 320, 500 t
gentes Anos de marflm a 13000, 13200 e 13300.
Pares de luvas de seda para homens e senhoras a
ooo rs.
Gollinhas para senhora
'uO rs.
Frascos com superiores
13000.
Livros que serve para amentar roupa, pelo diminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a oOO rs.
tordao branco para esparlilhws muito superior, a
vara a 20 rs.
Carntis com 150 jardas de linha branca
***^MMmxmMmmm&awmMMJuamx.mi
UPA FEITA
NO
ABHAZE1
OE
res.
D'IQBBRETO DUPLO
'';
Jll.\ CLARK, Esq. .{, un-ter Court Mincin Lae
yUm*' ** 2' Bili'er S',uar> LoQdon. d,ror da companhia Metropolitana de Se-'
THOMAS GEORGE FARDELL
de FERROeOUININA
Cartes com 200 jardas de linha branca
d- s a 60 rs.
Grosas de pennas de ago superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larca para
a60|
garant-
$ ^^\*
I
rga para toa-1
de panno, oh que pechincha a i!
K. C. e seus Filiaes no
:!MMrv'T,i\A;^,\lCAR,)0; AdS' Curogmorton Strect.rot
de ao norto do Urasil
COURKCTOnES
BscaiPTuBio 3, DNSTR (^ORT,''Mi^'Uie'.
)rto ----*0^a, d, ^.veriK, darica provi^ia ou.c.pitania do Cear gran- ^>a^6es:
Os elementos que compoem esta preparacSo, o
ferro, o iode e a quina, a collocao no primeiro
grao das prcparafdea ferruginosas. Basta atiestar
seus resultados obtidos pelos ledicos dos hospi-
taes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes
que conlirmro sua poderosa eflicacidade as
i has a 160 rs.
Pares de botoes
120 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de botoes de louca prateados muito fino i
160 rs.
Tesouras para costura superior qualidade a 500
ris.
Escovas para limpar denles, superiores a 200 rs.
Caixas com superiores phosphoros de seguranca a
160 rs. ^
Caixas com 100 envelopes o melhor que ha a 640
ris.
Caixas com 20 quadernos de papel amizade. moito
fino a 600 rs.
i Quadernos de papel pequeo muito fino a 20 rs
UBTBEIRO VERDE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento comnlAtn a r #-. i
todas as dualidades, tamban Li, fazpr J Z S?P y,^*
tazer por medida, a vontade dos coocur-
)rotessores, assimeomo tambem tem um
de todas as qualidades, para senhoras.
-T ----------v ""*""F,c "" auiiiiuenio com
as quaudades, tambem se manda fazer por medida
| rentes, para o que tem um dos melhores profesares assim ^-^ ,COn'r*
m grande e variado sortimento de fazendas de SSTtSSS ^m tem'
30^000
25^000
situada em lat. 3." 41' e 10"
S. e Long. 38 2 r Gvsie de Grenw. o Cear
onide-
>..o ^ iu8a, ut uiinuiiiiiieniu i|ue vai crescendo
i ereseido numero de pessoas abastadas, pelas quaes ha muito lempo
al^seu ierino, contm mais de 30,000 habitantes, como consta dos ltimos relatorios
iapiaameuie e a reMdeucia de um-crcscidu numero d nou^ ,K,t,i, .
i falta de agua potare!.
... e sen
do governo provn
da i
denom
empo
A agua lestas cacimbas reconhecida por todos ser a malhnr p n-
SabuTar.1'10 deSPeZ3 como"^^. BSSttjfZiSi1
i p^i.?'.!0 dehr,,:mediar a fran4.e falla d'agaa de boa qualidade, o gov
. no imperio do Brasil. Mnaoest |)re2 s> que e adoptado por outras companl.ias d
..___* Gearu *f Brasil) Water Companv, Limited
e al roncedeu mais o direito de supprir s repartices publi
He., por meio de penua d'agua.
Mlnson no mingue.
Fruiiiii-xa.
Aiifiiila.
ClilorOHf. oii Irterlcl*.
Ml-,in n,,.
Affierri-N lo ntrro.
SupiircHKrn flan re-
i-h c dcMordcM un
ni<'n*triniran.
Aflrrro pulmonar e
p lilil sie.
>"!<--( iii.iIVslniaitu.
Gualrultflua.
I'erclu d'uppc-lUe, <. I
Convalcaccnca rum niolcailoa.
Molcallaa encroriila.
NM.
Puprlra.
"i-lriipcio di uliui-
alnliia.
Ilu marea frloa.
Iluniurea braneoa.
llnrlilliNllio.
Affa-ct-oen rnnreroam
e j iiblllllrna
Fclire* Ij-plioldea.
Variolea, ele., etc.
nao tera competidores e o governo provin-
as, i/uarteis, fabricas, e casas particulares,
ser de
cial
etc., pui iiico ue penua a agua
m2S ^tt*is!^Brasi,) Watr Company-Limited' *de
previleg,"cSdSenSde^',ad "" da Cmpanhia as necessarias transferencias do
or mJ^iSttSi d'^;va,oS^;e^a^aC,mbaS ,llS d'ag"a' C as?im ",ais 1-
s k^Kt^: tisse
pagas, porra au poderao ser transferidas ant.s da conelo>o da obra'
crmini, iJZ ?',)ara a {:o"s""1ui:::' da 0,'ra Ja aal eOectoado por
eomraiaiioi obngou-se a receber 15 % *
nares ale a in.-urpor.-igao da companhia.
vnnve n0rf""H'h".irulli rompanhia em sen regresso do Cear deu
^ ec, ssst 'Sz^s^oS^rr^^^
(-Ulilptiililll.
Ser pago
obras.
d.i lib. st. 10, cad* urna, inteira-
pari pussu como as mais accoes
urna quanlia fixada (da qual o
s da companhia) incluindo todas as despezas preliini-
eu parecer da maneira mais fa-
rendim-rnto; e que na conslruecjio da obra
....; documentos para tran-feren-
examinados pelos accionistas no escriptono da
aos accionistas o juro a razao de 6 Vejao se os bulletins de therapeulica medica
e ctrurgica de 30 de novembre 1&60; a Cazeta
dos hospitaes de 2x dejulho 1*60, etc., etc.
Alm das pilulas de iodureto duplo de ferro e de
quinina de Hebillon, os Mdicos aconselho
igualmente o Xarope d"iodure duplo de
ferro e de quinina do mesmo author para as
pessoas que nao goslao de medicamentos sob for-
ma pilular e os meninos. Esie xarope nao tem
como o xaro|>e d'iodure de ferro, o inconveniente
de altcrar-se e de se nao poder conservar.
Pec;a-se o follicto que se d; de graca em casa
dos pharmaceuticos depositarios.
Para-se evitaren falsificaces, exija o com-
prador era cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signaiura do inventor.
Deposito geral em Paris, pharmacia Rebillon,
142, ru du ac, e em lodas as boas pharmacias
de Franca a dos puizes esirangeiros, etc.
ra do Vueimado n. 8
Grande sortimente de objeo
tos de gosto.
A Aguia Branca antes mesmo de ser condecora-
da com o pomposo titulo de domestica, cenferido
pelo gabinete do intrpido e gil Balisa, manden'
ver o grande sortimento de objectos de gosto que
agora acaba de receber e expd-lo a aprenacao de!
i su boa freguezia no numero da qual contempla o '
j infante, e por que para estes ella ja mais abrir ob- i
| vio para os beliscar, deseja que tambem se livrem
I dos agudos exporoes do vigilante gallo.
Eis o que ha de born :
Finas capelias brancas para noivas.
Metas brancas de seda para ditas.
Bonitas ligas de seda para ditas. i
Ligas.
Ditas ditas para manguitos.
Luvas de pellica enfeitadas para ditas.
Ditas de seda braucas bordadas para noivas.
Grvalas brancas bordadas para dita*
llosas e ramos de flores finas para noivas e con-
m
r homens e meninos.
| Casacas de panno preto, 35 | Sobrecasacas idem, 30.J e .
| Paletos idem e de cores, 25,5,
I 20& M e......10,5000
| Ditos de casemira, 200, 150,
I m, 105 e...... 7,5000
[ Ditos de alpaca, 5,5, 4)5 e 3,5500
[ Ditos ditos pretos, 90, 70,
50, 40 e......30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. 30000
I Ditos branco de linho, 60,50 e 40000
! Ditos de merino preto de cor-
! do, 100, 70 e..... 50000
Calcas de casemira preta, i 20,
160, 80e......
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50OOO e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordao, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
40 e.......
lavradas, o que \
ESkJFfa ( de Pa.chH Z!,l i:^'L.S. fS*!V n,s,a Provincia poderao entender-se
res. ao
granulos au bismuth de
superiores a lodas as outras ,
bismuth empregadas antes com o maior success
pelos mdicos de lodos os paizes, para prevenir e
Chevrier bem
preparacoes de
para as pessoas que
com o Sr. George
t Ciirrpctur ,Tur.ii ,..., a ------<. -" Kiu.in. ia |,. ii'-i.iu eineiiuer-se com O OI". lieorce
BReSA ra do'TraSe'n."?iU Cm ^ hU L P09ter' enenheiro dos *
M
3KSI
nua Nova n nt
;J-Loja de madama TheardS
i%f _..?sJe._esla!"'lecimen.to se *CM nJe mais *
O
rou na rua do Padre Floriano n. 41,' quei-a
vir a praca da Independencia ns. 6 e 8
niairlu-ua ehronleaa.
Dyaaeslerlaa,
lilil'-. Il'l-.|ii|||,l^||
D)a|iepaiaa.
Os
Mu a dlgealoca.
GiiMlrliea.
tiulirals|aa| P,P
pnmeiros symptomas d'essas formidaveis
Sf. Antonio Jos Marques, que mo- afpc^s se manife'stao ordinariamente por d
toes laboriosas, azidumes, falta ffappetite, pesos
d UUhnagodcpois de cada comida, caimbras es-
negocio de seuintere.-se.
m
m
"t
que nunca bem sonido de objectos de
moda do melhor que pode vir ao merca-
mg do e nao se menciona cada ura de per si -S
g* por se tornar demasiadanienie enfado- W
Bjjk. nho para seus numerosos freguezesquan- :a>V
& do lerem o presente aviso pelo que limita- rgo
Cg ?e ei" lembrar alguns artigos, com- se- IB
g jara : enapelinas de dinas de palha de "0
*3* ilalia.de seda, de crep branco e |ireto ^
^ para luto, chapeos redondos de palha da 38
Kgg Italia amarella e de outras cores para **
j|* senhora<, ditos para meninos e meninas,
j^ ricos cortes de blonJe, ditos de moreanli-
gp (pie de diversas cores, ditos de seda, as-
S.' sim como sedas de cores para se vende-
JE rem a ovados, das escocezas, cortes de
^ vestidos pretos bordados a agulha, final-
ja^, mente um variado sortimento de fazen-
B das "nah e grossas, na mesma casa fa-
|H zem-se capas manteletes, vestidos para
a noivas, vestuarios para meninos se bap-
^ tisarem e ludo quanto pertence ao toilet
> de urna senhora e recebe-se Hgurinos to-
dos os mezes das ultimas modas de Paris.
M
Polka de Cornnto, arranjada para piano pelo
seu compositor M. A. Reichert, Bautista de S. M. o
re dos belgas, e tocada por elle nos concettos que
deu nesia ndade,em outras provincias e na c-rte
do imperio, onde se vende para mais de dous mil
exemplares : acha-se venda na rua do Crespo
n. 4.
viSn^?:qr^reodeMuida>i-ine-
MoleHlIna de (1.mo
A leu-i i.-in
l'nl |,lu, ,-ui de rorueo
Drea noa rlna.
Os
somni
sas molestias e cural s
lempo.
0 proco de cada frasco de 4 francos.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier
c em todas as pharmacias de Franca e dos paizes'
estrangeiros. p"""
Oppreaaea.
Ddrea de eabeea.
lrrllaror.de ber.lga e
da niatrls, ele.
granulos Chevrier sao ordenados pelas
idades mcdicaes para prevenir essas diver-
quando sao tomados a
COMPEAS.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: naloja de bilnetes da praca da Inde
pendencia n. 22.
Aluga-se.
Alnga-se o 3o andar da casa da rna Dtreita n. 36
o qual tem commodos para graede familia : a Ira
tar no 8 andar da mesma ou
Cadeia n. 3.
Compra-se effectivameiite
ooro e prata em obras velhas pagando-se bem :
na rua larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
Compram-se dous escravos que sejam bons
carreiros : na rua do Trapiche n. 13.
,**&
ftk
*
FIGADOde bacalhau
vidadas.
Fijas brancas e de cores, lisas e
se pode encontrar de melhor.
Bonitos port bouquets.
Leques de sndalo e madreperola. '
Ca.-carrilhas e maravilhas brancas e de cores
para enWtes de vestidos.
Lindos adereces de perolas falsas.
Outrosde bonitas e agradavels cores.
Outros de mosaico.
I'ulceiras, brincos e rosetas de dito.
Outras de aljofares trancos e de cores.
Outras de cornalina, e chapa de christal.
Voitas de aljofares brencos e de cores, finos e
gressos.
Fivelas grandes de tartaruga e dooradas.
Outras pequeas de ac, douradas e com pedra*
Bonitas e encorpadas filas para eslas.
Cintos largos de diversas qualidades.
Talheres para criao^*.
Acham-se de novo a venda na loja da Aguia
Branca : rua do Qneimado n. 8.
\avalhas linas.
A Agnia Branca na rua do Qneimado n. 8 acaba
de receber essas estimadas na val has finas de ace'
refinado, dos acreditados e bem couhecidos fabri-
cantes J. Royera & C. : cuios nomes bastam para
ju>tilicar a bondade deltas.
Tambem receben afiadores e massa.
Eufeites bonitos para bailes, ca-
samentos e passeios.
A Aguia Branca na rua do Queimado n. 8 est
completamente provida de bonitos enfeites de flo-
res, e outras dillerenles qualidades, e todos de gos-
tos modernos conforme ver o pretndeme que
comparecer munido de dinheiro. Tem tambem
bonitos de marroquim para bailes.
Anvelopes mu grandes para ol-
Ocios.
Acham-se a
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, 60, 50 e
Colletes de fustao e brim bran-
co, 30500, 30 e .
Seroulas de brim de linho
*> ,e ; 25WO
Ditas de algodo, 10600 e. .
Camisas de peitos de linho
40, 30 e.....;
Ditas de madapolo, 20500,
20e........
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. .
Ditos defltro, 50, 40,30500 e'
Ditos de sol, de seda, 120,
1(J 70 e......600^*)
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia.
Sortimento completo de grava-
tas.
Toalhas pararosto, duzia, 110,
IS C,'a'osJd'es<>l.deapaJa,pre-
40000 tos e de cores. .
o*nn en*"es de bramante d linho!
J05UO Cobertas de chita chineza.
amoi
70000
70000
f
40ooo:
400001
20500
20500
UM
50000;

40O$o]
20500
10400
20500
10600
80500
40000
30000
uno
A! na das Cruzes 11. 36.
ICES
11.
de .-uas
a -na pr tec
do seu JSS SSSSS SSSZ SaSL'!
cao. Encontrarlo os freguezes o segninle: attencao do publico oedind..
Licores de todjs ^s qualidades inferiores
Ditos ditos Gnos >4W' rs. a garrafa
Gfnebra de laranja a 85 a duzia.
?!!a Sm "*!? d|-jiHf"-rior qualidade a 200 rs. a botija.
es a 200 rs. a gari afa.
Dua de canella a 500 rs. o frasco.
Agurdente de todas as qua idades a 200 rs. a botija
Alcool de 37 graos (espirito de vinbo). Preco variavel.
Ayruduveleb Agoa de colnnia que se vende eni porCoes a vontade do freuez
Pos de arroz em caixinhas a 400 r*. ft""***
Pos dentifricios em caixinhas a 400 rs
S-*Br.a*^?att ysr. ss.0. T' r 4
Pastilhas peitoraes a la libra. P caspa a 800 rs. o frasco.
Destruicao dos ratos.
Caixinhas com pos para o envenenam'ento dos ratos o melhor
porser de prompto elleito como por nao precisar precauS
o frav,)
que se tem desroberto, tanto
com as pessoas de casa.
UNIO
: ferro),
Esta
10 LARGO DO TEKCO 10
bolachinbas, bis-
en)
Compra-se garrafas e botijas vazias, na fabrica
de licores rua das Cruzes n. 36.
Compra-se ouro e prata, assim como concer-
ta-se toda qualidade de obras da mesma qualida-
no Recife na rua da !je com Pnmtido : na loja do pateo do Carino n.
7, por preco commodo. __________ Franca de
Compra-se um esnravo qne tenha
funileiro, e outro que emenda de cozinhar
Urna boa casa terrea para familia
est por alugar-se A rua da Uniao n.
39 : quem pretender dirija-se rua
da Aurora n. 10. Tambem alugam-
se as lojas n. 44, rua da Aurora
processo de Gherrtrr, pharmaceulico
Paris, rna do Faubourg Monlmarte 21.
Este oleo de um cheiro agradarel,' e de
um sabor assucarad r> onico que nao tera
nem o gosto, nem o cheiro do peixe. Ob-
jecto de numerosos relatnos scientifleos e
os. >ie mdicamente que goza era
um successo tao raro como bem
offlnode merecido, recitado diariamente pelos
5"!;ia|Pl,far,a aberla .;10 Public (e peno da estaco do camit.ho
-., i L- i "T^ ma,S que s,,flicien|e pnra po ler fal.ri.a,
iudezas deprimelra qualidade.' ane,M1.JS d0,^slabelecimetit nao poupar exforCos para bem servir ao publico
Ciu.o geralmente sabido a Aguia Branca pre- ?i i ami(OS,.e "guezes, asseverandu-llie desde j que s emi-re^ir farinlias es-
sume ter sempre o tan para bem servir a sua boa minS e das melhores que vterem ao mercado, ou das que receba de conta nronria
tS^iS ,>s? n,adoi1 v,r e araba de rece" Ao Publico em eral e aos seus amigos em particular pede aue niniiZan'.-
n^U^^.7^S^JTSS Paras^venceremdoque assevera mJZJS. **** S \ '
qualquer parte, constando elle de caixinhas de ex-
celletites linhas de novellos grandes e pequeos
Caixinhas de linhas para cronchet e ponto de
meia. r
Carteiras com superiores agulhas.
Caixinhas com ditas e que cac"a papel sonido
Fita fina e elstica para abanhados de vestidos
Hita de puro linho e de dierentes larguras at
para coz.
lo i.,iiiin c aciano de < irvalbo
ha
Assacar crj'stasado da fabrica
2 de Julho
Na Bahii.
No armazem da rua da Madre de Dos n.
U.
na
^^^m^p^^^^irsx^^sFSSiz
compaahia Cdelldade d
seguros martimo e ter-
restres estabeleelda no
Rio de Janeiro.
AGENTES KM PKPNAMBUCO
Antonio Luiz de Olireira Aieredo & C,
competentemente autorisados pela direc- M
loria da companhia de segaros Fidelida- JH
de, tomam seguros de navios, mercado- m
ras e predios no seu escrptoro rna da 9
Cruz n .1. fl
mmmmmmmmmm
Acham-s
impressos em muito bom papel e dnimpre.s3o
quatra diversas eslampas da Senhora da Conceira de 24 ardas taran in. .
ornado, de bellasvinh^ta.^eesto *"?. fnJttSSES^^*"*
rua do Livramento 20,"armazem. "" "" P/mcpaes mdicos dos kospitaes de Paris.
Compra-se urna escrava de meia idade "na LE DE F,GAD0 DE BACAU'-0 desinfecta-
rua de Ap-llo n. 70. primeiro andar. D0 FEB"t'GiNoso emprega-se com os maiores i
Compra-se urna escrava de habilidades e boa 8l,ccessos nas molestias em que se empresa
figura, paga-se bem acrailaodo : no pateo da ma- oleo f,,a"t'o sao acompanhadas de dcbi-
tnz de ;anto Antonio n. 8. dade e atonta.
Compra-se um annel antigo com pedra azul Deposito geral em Pernamhnra -m a
gr-nde.conhecidaparMpairo.ou mesmo moderno Cruzn IL^r Td u da
urna vez que a pedra nao seja pequea : na livra- em CaSa de Caros & Barboza.
na n. 6 e 8 da praca da Independencia. | -------'fvJLL a. --------1---------------------------
ca xi-
VENDAS.
Madapo loes a
pepa
4,0f-0
em caixas de duzia de garrafas.
a
na
rua d> Imperador n. 15, defronte de S. Francisco
bem como o ofBcio da mesma >enhora, la) raaui
o rc;am os religieso rarmejiuis.
para forro de obras dos Srs. alfaiates ou sapatei
ros, eta pec.hincha torna-se ree-mmeudavel aos
bmsjbm senhores na roa da Hadra de
mero 16.
Vende-se nm carrinho d 4 rodas com dous
assentos para nm ou dous cavados, mnito leve e
de modelo elegante, bem como um cabriole! de
loas rodas moderno e novo com os competentes
arreos : a tratar na rua do Queimado n. 13
meiro andar, escriptorio.
pri-
ve.-tido<
Trancinhas de algodao de differentes e bonitos
mordes para enfeites.
BotSes finos de osso e madreperolas
Outros de velludo e seda para vestidos.
Clcheles francezes de boa qualidade em
nhas redondas.
Cartetras ou estojos
cronchet.
Didaes de marfim e madreperola.
Agulheiros de dilo.
Caetas de madreperola.
Escovas de dita e marfim para nnhas e dentes.
roba.
com agulhas e cabo para
I chaos proprios, com baixas de capim, muitas fruc-
tetras, viveiros de peixe. agua de beber, casa boa
e grande, tendo mais 11 moradas de casas para
alugar : a tratar no mesmo sitio, na estrada que
i vai para Belera, casa encarnada.
' Vendem-se travs e enxams de lotiro verda-
I d?110* dw 2- a 40 palmos : no caes du Ramos n. 4.
Continua a venderse tres terrenos situados
na ruado Brum do bairro do Recife, com 34 pal-
mos de frente cada um e 300 de fundo, tudo ater-
rado at a Huta do caes, e promptos para se edifi-
caren! 12 propriedades por tazer o ultimo delles
frente para a roa do Ocidenle. tendo ja construi-
das tres casas de madeira e lijlo, qne rendem
30* por mez todas: trala-se na rua dos Guarara-
POTASSA
Vende-se potassa em barns a eommedo preco o
na rua da Cruz n. 23, primeiro andar, eserptoir
de Antonio de Alraeida Granes.
.h-7 PVeDd.ftse a ras lerrea n. 25 da rua de Ma-
hias FeTre.ra, na cidade de Olinda : quera a are-
2225 ,,iS" a MSa 59 da rua Anfustt, que
achara mm quem tratar. H
AlaNMH
para O at 200 retratos, muito bons
preco que era outra qaalquer
Crespo n. 4.
e por menos
parte: na rna do
Pechincha.
Vende-se tima parelha de cavados russos ja en-
sinados para carro : quem pretender dlria-se ao
Dos nu- escriptorio do agente Pinto que achara com quem
. tratar. '
ENFEITES A MARA PA.--------------
A loja da Aurora, na rua larga do Rosario n
38, recebeu no vos gostos de enfeites a Mara Pa*
cora plumas de froco no frente, obra muito deli-
cada assim como tambem tem de moitas mais ,
qualidades, riquissimos sintos de fita larga de cha- P _
malote com fivelas, tambem largas esmaltadas de
pedras, nquissimas fitas largas de chamalote la-
vradas, pmpnas para fazer sintos de ponUs ca- f Ei: 11 i1 IK klla
hidas; finalmente tem grande sortimento de rom- canoa nova de amarello, rom o cavername de
dezas finas que s a vista faz f : na loja da Au- s'cut.ira, encavilhada de ferro, de carga de I 300
rora, rua larga do Rosario n, 38. lijlos de alvenar.a grossa. e a vista faz f ao coro-
prador por estar anda
calafeto
Vende-se
um ferro novo para fazer hostia, sem defeilo, por
fecr^lerpranrisco3 d """^ da rdem, tuSSTUT "**"
nn estaleiro, faltando s o
Machinas de vapore pa-
ra descarocar algodao.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido, coa-
do e de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e
de carrosa cora mangas e
eixos de patente.
Kua do Brum n. 38, fundi-
afeto : na travessa do Poucinho, tah,rna n. 33. $0 r\Q JJOWman.
Vende-se nm boi e carnea, e um eallio, tu- "***.
na Boa-Vlsu, rna da ( No largo do Corpo Sant7 n. ,^i
dar, precisase de um criado. i





Diarlo de Pcmambuco Megunda felra & de Dezembro de las*.
RA 1IO QUJUIMABO HT. 4*.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
mam
NOV1DADE
Pereira Rocha 4 C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Commer-
eiai, onue o respeitavel publico encontrar sempre um completo soriimenlo dos melbores gneros que vem ao nosso mercado os
(juaes sero vendidos por precos muito resumidos como o respeilavel publico ver pela tabella abaixo niencioncda; garante-se obom
peso e boa quaudade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranho, India e Java a 60, 80 e Peras seccas muito novas
4UO rs. a libra, e 10800, 20600 e 350O0
a arroba.
Ameixas francezas em latas
Grande liqutdacode taas de todas
s qualidade para 8e apurar dinheio, vende
M braliQio na luja e armazem da Arara, roa
da Imperatriz n. 50, de Lourenro Pereira Men-
des Guimares.
AO BARATEIRO DA ARARA,
venae-se cortes de chitas de cores xas com 10
covadus a 2*400 e 3*200, corles de cumbraia de
salpico 2*500, 3*000 e 4*000 para acabar : na
ra da Imp.-rairiz n. 56, luja da Arara.
A Arara rende cissas a 240 rs.
Vende-se eassas para vestidos a 240, 320, 360,
e mw o covado, organdys de lindos costos para
vestidos a 320, 360 e 400 rs. o covado : na ra da
Imperairiz n. 56.
Corles de la a Mara Pia a U, 12.J, 110 e 160.
Vende-se corles de laa rom barra, os propia-
mente a Mana Pia a 8*, 12*, 14* e 16,8000, ditos
sen barra a 6,8000 : na ra da Imperatriz, toja da
Arara n. 5b, de Mendes Guimares.
A Arara vende alpaca para vestidos de senhora a
360 rs.
\eude-se alpacas de lindas cores lijas para ves-
tidos de senhora a 360 rs. o covado, laazi-
"}s Para vestidos de senhora a 320, 360, 400, e
600 rs. : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
e em frascos a
o 10600, e em frascos grandes a
marcas a
10<)O
2i5O.
dem em caixinaas elegantemente enfeitadas
cotn ricas estambas no interior das caixas
a 10200,10400, 106OOe2.
Araendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 45600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa aOiO rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Aveliaas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas
1030" rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quttiha e a 200 rs. a libra.
Banha de porco retinada a 440 rs. a libra e
era barril a 400 rs.
Cha hysson, huebin e perola a 10600, 20,
23iK), 20800 e 39000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Cerve.a preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inslez fino a 90^ rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 72" rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especi dmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
250 io, 20200, 20500, 20SOO, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 805O Cartoes de bolinhos francezes muito botos e
bem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
libra.
a 600
As colchas da Arara de 20.
Vendem-se colchas de damasco para cama a i*
rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220 Jchlla a 2ooo : na ra da imperatriz nu
Painco a 200 rs. a libra. rs. a libra.
Polvo secco muito aovo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e Ervilhas portuguesas a 640 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. j dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Queijos flaraengos do ultimo vapor a 20800, Figos de comadre e do Douro em caixinbas
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo
900 rs. a libra.
Sal refinado era frascos de vidro a 600 rs
cada um.
vapor a
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de I impar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 60.0.
libra.
Eigos em caixinhas emticamente lacradas
a 15600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D Pedro, D. Luiz I. Mara Pa,
Bocatie Cliamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e em caixa cora urna du-
zia a 90000e 100000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 705OU rs.
a duzia.
dem Morgauxe Chateaulumini de 1854, a 10
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200
I5200rs. a caada.
mero 56.
A Arara vende cortes de caifas a 10COO.
Vende-se cortes de calca de brim a 1*600 e 2*,
ditos de casemira a 34500 e 4*500: na ra da
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
La/inbas da Arara a 210 rs.
de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a ,nAen~?m'se laaz",has para vestidos a 320, 360,
10800, 50500 e 280 rs. a libra. ^!SS:Tgt de ,0<,asas cres a f?
Fa-inha Hn MarwihSA ja Vi ?,MS a Mana Pia a 6i0 rs. 'ovado : na ra da
i a. trina ao MaranliaO a IbO rs. a libra. Imperatriz n. 56, luja da Arara.
dem de trigo a 120 rs. ? libra. A Arara vende um completo soriimenlo de roupa
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD feiu.
AS!
;0 GRITO DA GUERRA JA'SE FEZ 01 VIR.
LA VAI BOMBA !
SENTIDO.
O
a 560 rs. O frasco e 60200 a frasqueira. Vendem-se rtfDpas reitas a saber : caigas de
dem em garrafoes de 3 e 5 gales a 50500 b"J5 de res a 2*e 2*500> di,as brancas de al-
e 70500 cada um com o rarrafSn f fa-25, d,las e linh0 a 3*500 e 4*00colle-
Graiza a 100 rs. a lata e 10100 a duzia. a 2*500, de casemira a 3,8 e 4*, calcas de casemi-
LlCOres multo finos a 700 rs. a garrafa. a 5* 6* e "000, paletuts de casemira a 55000,
dem, qualidade especial era garrafas muito d''"?,'lnos i-retos e de cores a 65, 7*, 85, I05e
grandes a 4 /800 a airrafo 125000, paletuts de alpaka preta a 35 e S500, di-
Hpm 2>L mil -g o ,os de *** de cordau ?* branca a 45500,
dem em garrafes mais pequeas a 800 rs. ditos de br.m de linho braneos Unos a 55000, se-
Idera, em garrafa forma de pera e rolhas de roulas a 15280, ditas francezas a 15600 e 25000,
vidro, a 10000, s a garrafa vale O di- cam,sas francezas a 25 e 25500, ditas de linho in-
nheiro. K'^zas a 3*000 : e ouiras muitas ronpas feltas que
ii^i :Bni.__< 1 iSe ,rna enfadonho mencionar, que vista do com-
Manteiga tngleza perfeitamente flor, desem- prador dir o prego, por isso roga-se aos com-
barcada de pouco a 9u0 rs. a libra, e da "
de segunda qualidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
^ ttMAflk
i
Kirsk garrafas muito grandes a 108OOrs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porco de outros que deixamos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porces como
reta II10-
Quem comprar de 1000000 para cima te-
r o abate de 5 por cento.
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
.Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 60 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Macas finas para sopa: estrellinha, pevide,
rodinha e. aletria a 600 rs. a libra e a 40
acaixmhacom 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra,
rs. a garrafa e I Peixt em latas preparado pela primeira arte
de co/.inha a 44 a lata.
Paliios de dantos a 160 rs. o maco.
dem de dentes a 120 rs.
dem de flor a 200 rs.
Amendoas confeitados a 900 rs. a libra.
Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
23 e em caixn a 640 rs.
Palitos do gaz a 20200 a groza.
Passas muito novas a 480 rs. a libra.
T
MOlTOUEPATENT
1 m mjs m ^m l m.
GRANDE E SMPTOSO ESTABELECIMENTO
* -------v, DE
no Vos Escoiiiii os ummm&
TANTO EM GROSSO COMO A RETALIIO
M -i TA-'M
Ultima casa jaato a ponte da lloa Vita.
de t ralia I lia r a mo para
descarocar agodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
pradores o favor de vr ver na bem ronhecida loja
da Arara, ra da Imperatriz n. 56, de Lourenco
Pereira Mendes Guimares.
A Arara vende as percalas a 500 e 560 rs.
Vende-se percalas de cres linas para vestidos j
a 500 e 560 rs. o covado.
A Arara vende tiras bardadas para enfeitar vest-!
dos braneos.
Vende-se tiras bordadas para enfeitar vestidos
braneos a 15200 e 15400 a pega, mussehna bran-
ca tina a 400 e 500 rs o covado : na ra da Im -
peratriz n. 56, loja da Arara.
Ao baraleiro da Arara a 20500.
Vende-se baldes americanos de 15, 20, 25 e30
arcos a 25500, 35, 35500 e 45000.
Vende-se gdii.has para senhoras a 240, 320, 400
e 500 rs., camisinha< para ditas a 15.25, 35 e 45,
na ra da Imperatriz, armazem da Arara, n. 56.
A Arara vende madapolo entestado a 40.
Vende-se pecas de madapoln entestado com do-
ze jardas a 45000, pegas de dito de 24 jardas, das
marcas sejminles : n. 30 a 65000, n. 250 a 65500
e 75. n. 2 85, n. 5 85500, #*95. n. PF a 105500,
n. ZZZ a 125, H a II.Jikm) a pega, algodo a pega
de 20 jardas a 55 e 65000, dito carne de vacca a
65500, dito domestico a 75, dito sicupira a 85, dito
pao ferro a 95 a pega : na ra da Imperatriz, loja
da Arara n. 56.
IIramanle de linho a 2,">;>' 0 a vara.
Vende-se bramante de IdIio a 25500 a vara, pan-
no de linho para lei.ges a 640 rs. a vara : na ra
da Imperatriz loja da Arara n. 56.
A Imra vende casemiras Gnas a 50.
Vendr-Th-sp corles de casemiras para calcas a 55
55500, 65 e "5000 o corle : na ra da Imperatriz,
i
m
-
fe
3
DUAS PALAVRAS.
Cesse tado quanlo a amiga musa canta
t Que outro valor mais alto se alevauta.t
Acha-se a disposico do respeitavel publico este grande e magnifico estabeleci-
mento de molhados, talvez o primeiro e nico boje existente em sua especialidade, por-
que o maior capricho de raaos dadas com mais apurado goslo de abrir um estabeleci-
mento modelo promoveram a escolna dos mais superiores gneros do nosso mercado,
que por serem comprados em grande quantidade c pagos qnasi todos a dinheiro a vista
deu lugar a obtoncSo de vantagens, que repartidas como vao ser pelas pessoas que se
dignaren! de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanca de agradar a
todos, nao s pelo emprego das maneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-
pazes. como pela pralica da promessa que fazemos de vender polos presos quasi do pri-
meiro custo o nosso magnifico sortimento.
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diversas classes da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharo
em nosso armazem os melhores e mais esquisitos vinhos, licores, champagne queijo, etc.
etc etc, e quelles que nao podem dispor de grandes recursos, que s compram o neces-
sario, protueileinos-lhes servi-los de gneros novos e sadios, escolhidos ao seu contento.
O real do pobre ser recebido com tao boa vontade, como a raoeda de ouro do
horaem rico.
As pessoas que nos fizerem a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com-
prar para seu gasto, ou para negociar, voltario satisfeitas, nao s pela boa qualidade dos
objectos, como pela fidelidade dos precos, e bom acondicionamento.
O futuro nos justificar.
CAVACO NECESSARIO
Devenios ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que
adoptamos. Ei-las.
Existindo neste vasto e florescente imperio um grande partido poltico com a
denominado de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente,
capaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
Ria-se quem quizer, porque nos tambem nos riremos mas nao se zangue
ninguem.
O neme urna voz com que se d5o a conhecer as cousas. esta a mais
breve, clara e sincera explicac3o que, pelo methodo repentino, podemos dar.
Mas a quem n3o seguir o partido desse systema diremos mais:
N5o oriun-lo do Brasil o imponente titulo do nosso estabelecimento. Foi a
muitas centenas de leguas que apanhamos a nossa Liga.
Na soberba e opulenta Inglaterra houve um rei que instituio a mu honroza or-
1era da Liga. O acaso nos fez deparar com a narraco desse acontecimento, que tan-
to sorpre'iendeu a corte desse monarcha. Agradou-nos esta historia e gostando sum-
amente do trage do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenhar, e col-
locando-o no oitao do nosso estabelecimento, temos assim feilo distingui-lo dos outros
que se assignalaram com mitras e coras.
iiouni snit iiiI mal y-pense.
podem descarogar
ijua|i|uer especie
-de algodao sem
iJ estragar o fio,
"* sendo bastante
duas pessoas para
otrabaio; jide
descarogar urna
arroba de algo-
do em carur
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por da ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Assim CGino machinas para serem movidas por
animaes, que descarogam 18 arrobas de algodao
limpo, por dia.
Os meamos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinas
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs
agricultores a virem ver e examma-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47.
Sauodei's Brolherg & 0.
IV. II, praca do Corno Manto
RECIPE.
Os aicos agentes neste paiz.
loja d Arara n. 56.
A Arara recebeu um completo soriimenlo de capas
e soulbenibarques
<|Uo vende liaralissimo, a saber : southembarque
j de alpaca branca enfeitados muito de gosto a 125,
dit.is delaa?inhas decores a 85, 105e 125000,
j capas de grosdenaple preto a 205, 255, 305 e 355
Est8smachinas'S"A'JJlnnrque.S|,,,;Iosde^rOMlenaPle a i0&> iS*
O assumptu importaulisfflmo.
O assompto importantissimo.
O assumpto importantissimo.
|p Ninguem interrompa o orador.
lu Ninguem interrompa o orador.
Igi Ninguem interrompa o orador.
N3o se admitle contaalaco
Nao se admitte eoaletfafia
N'iiO se admitte rrmlestarc

e 305000 : s na loja e armazem da Arara, ra
da Imperatriz n. 56.
Casemiras para capas a 3,-> o covado.
Vendem-se casemiras lisas proprias para capas
de senboras a 35 o covado, lazinhas lisas para o
memo tim a 600 rs. o covado : na ra da Impera-
triz i). 56.
.4 Arara vende lene os de seda a 16 e 800.
Vende-se longos de seda de urna s cor a 800
rs., ditos finns de cor a 15. colarinhos baratos a
600 rs. a duzia : s aa loja da Arara, ra da Im-
peratriz n. 56.
Ao baraleiro do barrro da Boa-Visla.
Vendem-se chitas escuras e claras de cres fixas
a 240 e 280 rs. o covado, chitas Irancezas finas a
320,360, 400 e 500 rs. o covado, porm assegu-
ram-se as qualidades e cores : e muitas oulras fa-
zendas que se vende barato, isto smente vista
dos freguezes. Assim cheguem reeuezes, porque
s se vende assim iiarato porque est a festa na
porta, e a lo]a da Arara da ra da Imperatriz n.
56, pude bem servir aos freguezes do bom e ba-
rato.
Reine o silencio em todas as columnas.
Reine o silencio em todas as columna.
Reine o sikncio em todas as columnas.
Os apoiados -~,o prohibido.
Us apelados sao prohibidos.
Os apoiades -r;<> prohibido*.
ADVERTENCIA.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do Queimadu us. 49 e 55 luja do Barateirn
conhecido j como tal, est dispondo da blenda
por todo o prego para apurar dinheiro, quem qui-
zer venha ver e traga o cobre, e vera o segtiinte :
Baralhos de cartas para vultarete muito
tinas a............................
Miadas de linha froxa para bordar a....
Pares de sapatos de tranga de lodos os
lmannos e liuos a...................
Massos de superior grampos para cabelios
Duzias de palitos de gaz superiores a. ..
Libras de ara preta muito superior a...
Frascos de superior macag oleo a___
Dilos de dito perola a.................
Ditos de oleo de babosa muito finos a 320
rs. e
200
20
15500
30
200
100
100
200
X5 Q s? r5 > >. K P ^ -3 s
= a bQ.3 z r-oaag
C- a in ~. ^ 3 "J c/i ST
3"g o;
era -ix
O -I Smm
-
Antes de entrar na materia o nconsavel Bauza nao pode pnaandii Ac'4'*
jfazer o seu signal de horror as doiradas coras e mal feilas mitras dos falsos '
apostlos do progresso, inimigos do povo e chupadores do sangue da huniani- ***
) dade.
A detestavel sede de oiro tem obseceado seus eoraf&as de vampiro-.
Qaerem fezer fortuna COC a rapidez do coriseonao sibem tTft- tem '
esperar. ^
Sao os perfeitos unos da civilisaco.
y
Malditos sejam elles--j que nao possivel ao Baliza pr-lhes as mitra-
abeca os bculos na mao e os sapatoes emaga cobras nos p.-s e expo-os ao i
lico por tres dias.
na c,
1 publico por tres dias.
ORDEff DO DIA.
to a, v
'J. 2J
a> s

13
n rr-
r

n
O i?
5 S
(X>
C6 Qu
nii3ffivEH
3
CO
ote
2.
"O a; -
3 a o
ws
DE ARCOS
^OOO.
A 9#000
Na ra do Queimado n. 40 letreiro verde.
Superiores e bem armados baloes pelo diminuto prego de 2J, adverlindo que vendem-se por i Duzias de botos encarnados para vest-
este prego por ter-se comprado orna grande porgao e querer-se acabar. l dos a...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de banha muito fina a............
Ditos de cheiros muito Unos para o preco
a res...........................J7
Sabonetes de todas as qualidades a rs
160, e............"...............
Novellos de linha com 400 jardas a......
Carriteis de liaba de cres com 200 jar-
das a.............................
Novellos de linha de gaz de todas s co-
res a .............................
Pegas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a...........'...........
Frascos de superiores cheiros, pequeos, a
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a ris..............................
Varas de biros francezes, superiores a...
Opiata para dentes da melhor que ha a..
Frascos de agua para dentes, superior a
tudo a............................
Pegas de tranga preta liza muito fina a..
Caixas com 4 papis de agnlhas Victoria a
Varas de fita preta enm rolxetes a......
Libras de la sortida de todas as cores a
Bonecos de choro muito bonitos a......
Canas de obreias de ma ssa mulo novas a
Varas de franja .branca e deires para
toalhasa.........................
Frascos de oleo Philocomescnpenor a...
Ditos com superior tinta a320 e.........
Caixas de linha de gaz com 50 novellos a
Enfladores para espartilho a..'.........
500
400
640
600
400
80
60
30
240
200
400
40
1000
15000
60
200
40
6,5500
160
40
80
600
500
800
60
200
a:i
O OQ
S
v-.
Si.
O 5= Cb
o.
B
s
en
a:
B
s
g*J*
-.3 9
I'gf I
m o
8
1
a>
13
Attencao.
Milho, srecos grandes, perfeltamenle mui-
to bom a .......... 3^000
Farinha de mandioca a melhor do mer-
cado a...........5500
Arroz de casca.........3J500 i
Ra da Madre de Dos ns. 5 e 9.
Vende-se
uperior farinha de mandiora, a bordo dos brigues |
esennas Prmcin, /). Alfonso e Sao Sei, atracados
no caes do Barao do Livramenlo r a tratar a bor-
do, ou no laigo do Cofoo Santo n. 4, primeiro an-
dar, escrlptorio de Palmeira c Bellrao._______
Vende-se um sitio em Cachang com urna
casa de vivenda, urna dita para negocio, e outra
para padaria, com snas competentes armagoes : a
tratar cem Manoel Joaquim Moreira, ra da Im-
peratriz n. 42.

, N esta caa nao se illude ao povoos pesos esto ateridosa balanca io '
Imams fabricantee os gneros, partindo do soffrivel at o ptimo, iM.d.-m escollndus a vontade por todos, desde o pobre agoniado Clartm al o mais aUo v
;General. ( -.
I Nao sendo o aguado e a mnchudadk predicados iju. smente tivessem?^
chegado para bico da domesticada e encantadora agmia bramo, oaOo aWm u S
^mais terminantes ordenspara que d'ora em diante se rednhre as ati.-n.r,< ..lJ"
com todos os freguezes, de forma que se opere a mais p.rleia liga d.'tnU;i^-%
jses recprocos, a fazer oveja a todos at ao proprio cacnllnm ,i.i esunina da im i^
'Nova. cj
i Quando ao dispontar da brillante, aurora ou da au,oia bnlkam, toertS
jouvir o garboso gallo vigilante, com aquella bisarria que Uie propria ,, *euM,'.
canto sonoro, signal de chamada dos amaveis freguezes e predilectas freantza ^
Stambem o solicito Baliza estar prompto em ordem de marcha, agrada*d tamisL
a aguia branca, diligente como o gallo, grave .:omo o prophela, no ma ner-**^
^feito e continuo movimento, servindo a todos, e a todos contentando.
ADDITAMENTO.
Os precos do grande sortimento d'este magnifico armazem, se acham c
sideravelmente reduzidos, e a respectiva tabella deixa de ser publicada por que
ja alma do negocio o segredo. Os freguezes reconhecerSo em vista do ohiec-t
'lo que pretender que o preco que se Ihes pedir ser to rasoavel que nenhuma*
reclamaco offerecero. Venham todos a
III'* DO I I* H i MI VIO 89
.40 GRANDE ARUAZEU DE MOLHADOS
DO
BALIZA
PROPRICDADE
DE
Vende-se um honito e bem acabado piano de
nma da melhores fairicas de Pars, o qual tem
de ser despachado em pnucos dias : quem o pre-
tender, dirija-sc alfandega a fallar com o despa-
chante, o Sr. Joaqam C Ayres.
M. PEDRO DE
^tS3,


fc.


f
>
Diarle oc Persuibses Segunda clra 5 de Dezenabro e t&i.

NEB COROAS NEM MITRAS

AlROHAlRILIl^TE.
m
N. 84. Largo da Santa Cruz. N. 84.
Francisco los Fernandos Pires, tem a honra de avisar a sqa numerosa fregnezla
c ro;i ">;-cialirt nova refirma era seu asseiado estabeleciment de molhndos denominado AaroraBrilhan-
tc, ai largada Sania Cruz, e eom esla reforma suprto de novo o seu armazem de buns
RMieri, s^nde muitos delUs'mandados vir de sua propria eonta, para melhor servir
aquellos que so dignaren] comprar ou mandar comprar era seu estabelecimento.
o armazem da Aurora Brilliante encontrara sempre o respeilavel publico uro
lindi e novo sorlimento dos melhores gneros que tem vinde ao nosso mercado, c sem-
pre por grecos muito razoaveis, como se t da segrate tabella que ser mudada se-
iiiaualiueule.
GRANlftE AKMA35EM
ESPLENDIDO ARMAZEM DE M0EHAD08
LJANC*
DE
Silva & Soma
57 RA DO IMPERADOR 57
RUA 0 IMPERADOR!. 40 OnmAm reformas de ncores
Jauto ao obrado era qne aira o Sr. 0>btrne, aranaes muniids un jfntlnl
Duarte Almeida & C, receberam de sita proprla enconinieu-
da o mats lido e variado sorlnanto de molliados, proprlos 5 a 1 por cento menos odrec qne fcepujau po bjj ira *nal-
da presente estaca. Iare-
Mflllteiga ngleza Ml$lS brancas Gneros especialmente escollados por um dos socios que na Europa *e acba
da safra nova vinda no ultimo vapor a 1 ,ooo para sopa a melhor que se pode desejar, para esse fim.
&mm<
A Aurora Brilhante recebe as libras sterlinas'por !
Ijpr cont de abaliinento a quem comprar de 100$ par
5, sendo para compra, e faz o
cima.
muio superiores, a libra
3*0
Presuntos do Hambre multo novo, a libra a
. -V W9 n.
:Svj f)i i, pira panela, a iGO rs.
-P Quoims l-mdriaos
a 1$<)00.
;';$> Bita d* remo vindo nesto vapor a 25600.
* Dito* ito vaior pastado a 25 e 2jy)0.
%, Quoijos de qualha nevos, a libra a 560.
Frascos grandes com anvitas a
>P
m
T,
53
i
#000,
Latas i'oml i\i libras a l-5(K>
Ditas com 3 e 6 libras a 23500 e 4.
Cimntalo francezmuito superior, a libra a
15120
CK i ;mo de primeira qualidde, a libra a
2-5700.
Dito tixi-n a 25700,
Dilohvss.ina25700e 25800.
Bit. airla a 25800.
I, w coi caixinhas de 1 c 2 libras a 25000.
Dito moto a 23 e 23500.
Mauteiga inglesa flor a 15200.
Hita mais abaixo a 800 rs.
Ditaein barril propria para negocio, a libra
a 600 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Lilas rom 2 libras de banda refinada, a libra
a 490 rs.
Haateiga fraaceza neva, a libraa 640.
Bit i em barra o meios ditos, a libra a 600.
Toucinho de Lisboa a 9,5300 aarroba e a 320
rs. a libra.
Lata* com bolachinha de soda de 5 libras a
JOOO.
Hilas rom biscoitos e Uolachinhas sortidas
a 15500.
Ditas ngle&M novas, .a libra a 240 rs.
Am du Maraohao. a arroba a 25400 e a li-
bra i 80 c 100 rs.
B.io da India a arroba 25800 e a libraa 100
.UiOrs.
Gaf multo superior de pnmeira qualioaae
tS550 '; 95 e 95300 a arroba.
5)i, era libra a 280, :i20 a :tt0 rs
Vi:ii >- ein caisa de t garrafas, o melhor
M ,.-;wl a 185 < 205-
B i mai< baixoa 105, 125 e 145-
!ii i Kiv'u-ira. o mais superior pos-ivel, a
!-. i la a 15300 e a garrafa a 640 rs.
,.-1 ftit. mais baiso a 43 a caada e a 560 rs. a
f garrafa.
, !>t.. de L'sboa, boa marca, a 400 o .>0O rs.
; a carrafa,
vj oit Honlos a 6W rs. a garrafa.
...
: >

Charutos finos do autor Jos Furtado de Ci-
mas, ha por mu tos pregas.
Ditos de tuitros autorss a 15500. 25 e25300.
Gigos do batatas novas com 1 arroba a 15-
PatlM aovas, a libra a 500 rs.
Figos novoe a 320 rs.
Latas de ervilhas e favas portuguezas j pre-
paradas a 720 rs.
Ditas com ostras, cxcellente pRlis Latas dop;ixeensopado em postas, de muitas
qnalidades, a 15-
Potes de vidro cora sal refinado a 500 e 640
ris.
Marrasquino da melhor qualidode, a 8> e
125 duzia.
Garrafas de dito a 80o e I*200-
Amendoas confHtada.-. a libra a 800 rs.
Dita com casca a libra a 320 rs.
Nozes, a libra 100 rs
ai>.;o, alsdsta. a arroba 45 o liiira a 160 rs.
Grao de luco, a arroba 43 c libra a 160 rs. m
Vinho de caj preparado em Sobral a 800 a II
garrafa. i
Cognac superior a garrafa a 15000,15200 e A
15C00. 3
Gkaaxpagne boa a dnzla 205,ea garrafa a 2$ i
GarroJBes rom genebra hainnargiieza a 6^. MI
Vinho branco Xerez a garrafa a 13-
Dito 165o de Urito, puro, a garrafa a 640 rs.
UMoadocirado a 560 rs.
Dito do Porto, fino, a garrafa a 800 e 13
Xarope de grozets e cutas frucias a 640 rs.
Haosas para sopa, amarella, a libra a 480 rs.
Dita branca a 320 rs.
Dita estrelinba, pevide e rodinhas a 640 rs.
Caixinha com 8 libras de di a a 33300.
Sf bolas soltas grandes, o cento a 15.
Ditas grandes em resteas a 15280.
Duzias de cartas franeezas liuas a 25500, 35
c 35500.
Duzias de lata- de grasa nova a 900 rs.
I aliis de dita a 2*) r<.
Marmelada nova a 600 e 720 rs.
Carne do serian a lihra a 320 rs
Chouricas a libra a 640 rs.
Saceos grandes cora farlolta a 53
Ditos com indlioo 33300.
Ervilhas seccas a libra a 160 rs.
Lentilhas para si>)a a libra a 200 rs.
Sevadinha de Franga a libra 200 rs.
Sag a libra a 400 rs.
Aranita wdadeira a libra 80 rs.
rs. a libra eem barril a 800 rs.
Hastelga fraaceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e cm barril
a 560 rs.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Auieixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2^400, muito propios para mimos.
Cartees
com bolos france7.es a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachiulias de soda de todas as rea-
lidades a 130O.
Chocolates
de todas as qualidades a 1#000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800rs., tmbeme
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados ueste ultimo vapor a 2Goo.
Queijos
chegados "no ultimo vapor a 25600 cada um.
laeij
mcnlo.
K grande a vantagem para todas as pessoas que compraren aeste estabete-
armazem.
Os propietarios garantem todos os gneros sabidos de seu j muito acrfiUlo
AO PUBLICO.
macarrao, talharim" e aleiria a 400 rs. a
libra e 4^500 a caixa,
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-1
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2/51800 a caada.
Ideua do Porto : estamos cellos nenbuma atiengao ja merecem do publico. O nosso fim. pois. simprs-
generosos engarrafado des melhores fahri- mente fazer ver que o verdadeiro e (principal interesse de loan est na MM dos
cantes da cidade do Porto a lije 45200 eos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos tuda a oNoaajMt
a garrafa e de 105 a !2,3 a caixa, as mar-1 VtiliA vprrlo
cas sio asseguintos: Chamisso AFilho,, T unu >ciut..
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes, chegou o muito desejado vinho do Cartaxo vende-se nicamente n^W
a 6co rs. a garrafa e 3o,ooo rs, a ancora con 7o garrafas.
Nao nos servimos de exordios romo constantemente estamos tr-ndo en armtm-
I cios desle genero, pois sao palavriados de que sempre nos nbstivemos, e de que lambna
lagrimas do Douro e outros muttos.
Latas
com 10 libras de banlia a 4000.
Bolachinha ingleza
a 1,5800 a barrica da mesma que
venden a 2$000 e 2i00.
Nozes
as mais novas do mercado a i20:-" .** bra.
Cervejas
dos melhores fabricantcs]e de todas as mai
cas de 45500 a 6^500 a duzia.
C.AHUTOS
arna^n
Amendoas confeitadas de diversas cores a
64o rs. a libra.
Idem.de casca mole a4o o rs. a libra.
Ameixas franeezas em caixinhas com lindas
estampas a l,2oo e 1.5oo rs.
dem cm frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 \t libia a l.loo rs.
Arroz do Maraobfio e da India o melhur que
lia tiesta genero de 8o a loo rs. a libia, |
c de 2,5oo a 2,8ob rs. a arroba.
Ueile doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
londrino o mais fresco que se pode esperar charutos Thom l'into,. Reis e outros em; 4800 rs. a caada.
e de expelante maree a 800 rs. a libra; meas caixinhas a 15500. \ (dem francez e de Lisboa refinado em gar-
sendo ioteiro c a 900^rs, a rctaluo. Arroz rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e lo.ooo
(IonServas illrlezaS do Maranbo a 100 rs. a libra, e da India rs_ a m\^
a 80 rs. a libra, e 25500 a 35000 a ar-1 ufazcma muit0 n0Va e limpa a 32o rs.
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 15200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
roba desses que vendem por 35400.
CAF
de 1.a e 2. sorte do Rio de Janeiro a 809f
e 85S00 a arroba, e 280 a 300 rs. a lib>
*arrafcs
com 4 '/ garrafas com vinagre a 15000cjjt
o garrafao.
GF.NEIH'.A DE LARANJA
Gomma do Qngoinmar a arroba a 45 e em
i cala" das m sihoros marcas, a 75 ol libra a tfi) rs.
o .-;, H, ISabau espanto! a libra a 400 rs.
'. v',', uiarcat'nenie, embotijas a 7 e 84 Latas curt o verdadeiro gat liquido cora 27
carrafaa a l.
"> p Sji'Vi |a,
duzia.
'S? 0i i di rfifereneea marcas a 300 rs. a gfarra-Jflarrafas cora dito a BOOrs.
f. "l%S00 a iltizia. ISacc.is ran l"s cora teijao inulatinno
- .___________J.i..:-. 1 0 ISaftA' anl.au,.. Q*
Genphra de laranja verdadeira a 15 e 15200
o frasco.
Dita de II lilanda em frascos grandes a 15 e
penuenos a >40 rs.
snladeira de Hollaoda, a botija a iSO

Licores fin. de varias qualidades a 800, 1-5


" ;-V,, .A.
i Care i? dn vinho mascalel a 105, e a garrata
; a 13000.
Dins cora azeite refinado a 10# e a garrafa
di
V? Coii-erva< inglezase francr-zas de pepinos
. ; sea das, azeltnnaa e mitido a 600, 700 e
'"''. -i) t.-. o fiasco errando.
' rj.ix:)*.cflm frascos de mostarda fraaceza a
' 4-3 a rlnna, e 360 rs. o frasco,
com 24
cuias |)nr 95-
Copos e cala lapidados para vinho c agua, m
Latas minio be.m enfritadas com Bgos novos a 25. 5S00 e 35.
Assucar refinado eom i>vos muito alvo a ar-
roba a 65300 e a libra a 200 rs.
Papel patita lo liso d.- oe-o branco e azul, a
resma a 25300 e 4*800.
Vinho Mail ira-secco. a 15600.
Crino de esleirs do tranca a 20$.
Barriseom azWtonas novas a 15280-
[)uas balancas grandes da Romn cora os
pesos .le 21 arrobas e algUDS bracos pe-
quenos do m<*smo autor.
Urna grande quantiiiad*de caivoes vastos de
lodos os tamaitos de 120 a 500 -
35aa?'SoOO ^^ VendCr POf meR0S ^ Iverdadeira ""**"" frasco' e dfl "*
Bdcn perola a caisa- nm,
especial qualidde a 25700 rs. a-libra f (,iras de Hol|anda a hmo
Mera hyssou |2 g^
o mais aromtico que tem viudo ao nosso ( GENE >RA
COBl
mercado a 25600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talharim e aletria
480 rs. alibra.
COGNAC
a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs. a anco-
reta.
Alpista linipo a lio rs.a libra, e 4,4oo rs.
a arroba.
Bolactnnhas de Lisboa da fabrica do Beato
Amonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,oooe l.-'ioo rs. a
lata e G'o rs. a lihra.
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
Banha de porco refinada a Goo rs. a libra e
cm barril a 38o rs.
Lentilhas muito novas exccllenti* legum pa-
ra sopa a 2no rs. a libra.
Licores francezes de todas as quabi.ac*
de 7oo a loo rs a garrafa:
Manteiga ingleza perfectamente flr a 8o n
l.oioo rs. a libra, desiiecesarir> mam
elogios oeste genero, que k> se p'Je -
rilicar com a tnto.
dem franceza a 64o rs. a libra, e eau barril
se far abatimento.
| Marmelada do primeiro fabricante de l.isb**r
a Too rs. a libra, lia latas de I, I I 2 e
2 libras.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libra. a
6oo rs. a libra.
Macaran, tatharin ealetria a 4oo rs. a Jtra.
dem braiwa a 32o a libra.
Mostarda franceza preparada a 4oo r^.
frasco,
dem ingle/a em p a 6if> rs. g f,.
Molho inglezem garralinhas ci-nt rollas d
vidro a 64o rs. cada tuna.
Marrasquinho verilaileirndeZ'.ra a I,oro r*.
a gariafa. e lo.ooo rs. a ('nzia.
Nozes rnttilo novas a 16u rs a libra.
Ostras preparada em latas a Tmm. iaa.
Prezanto para liandue njln mti
gar.intiiido-se a qualidde a laon. a iibra.
Passas novas de ranada a 6io i. i H ia
do Hollanda verdadeira em fiasqueira a 6(*c Patatas a 2,ooo rs. a caixa.
rs. cada urna. : hanpagne das melhores marcas a 2o.ooo:
a j PALITOS
1 os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a grozs
0 2o rs- cada caixinha.
o muito afamado co-rnac Pal Brandy a 1.8oo!
LICORES
rs. a arrala c de ou
5,000
rs. a
rada mu.
BrTOS" OUTROS SEEROS QUE TORNARA ENPADOXIIO MKNCIONA-I.OS.
TODO DE PRIMEIRA QVAL1DAOE.
SOITFMEMTO PARA

.. a^U
ess^'j" :"h des a l.ooo c 8o rs. a garrafa.
COPOS
lapidados para agua a i.fioo o
duzia, e a 'ii e 3oo rs. cada um.
PAPEL
almaro, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,-2oo. a4,3ooa resma do me-
lhor.
Papel de botica
de exeellente qualidde a 2^00 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulhode l,4oo a 2,2oo!
rs. a resma.
Corm Mas
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oo rs. alibra
Vinagre
PRR em ancorelas de 0 caadas a lo.ooo rs. i
cada urna.
tras muitas maiida-\ ios de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
com tima duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos mlhorcs fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abren e outros mnitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamcgo a 32o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loa rs. a libra el
de3,ooo, a 3,2oo rs. aarroba.
VELAS
23Largo do Terco23.
Joquim Simao dos Santos, dono destn armarem dfi Minados avisa aos amigos do bora e ba-
ilo que se venbam srrlir dos l>ons gneros fito-cstahelecinonto que nao se am-pend^rao, se Ihe
ira a differenca do 10 a 20 fxir cento, pelo seu nrompto pagamento ; e por isso se faz annuncio de
"jiius paneros, que lendo sempro este estabeL'draenlo nm grande c vaotajoso sortimeoto de tudo
.ianto pertencentj a este ostabeleeimento.
Sentido! Voh fa'lar con o Ceuseivati o
Manteiga ingleza de 1' c t serte a 800, 900 e 1'j I Queijos mais novos do mercado a 2500 e 25800.
a libra. I Sarvqa da< meMwres marras, tanto branca como
d^ni franceza em barril a 600 e 640 ris a ii- preta a 300 rs. a garrah n a duzia a 5^800.
,ra. Sabo Bfflarelto massa a 180,200 e 240 rs. a libra.
V.icinh.0 de Lisboa a 300 rs.a libra e 8,5800 a ar-: Charutos da Baha dos melhores fabricantes de
roba. i 1*200,1*000, 2*500 e 35 a flrixa.
batatal em eaixas e giges 15200 e 25000 a ar- Milita alpista e painco a 160 e 140 rs. a libra.
:oi,,a- avn oftn i Vinho de Figueira verdadeiro a 500 rs. a garrafa,
.ata Je primme segunda sorte a 250, 280 e 300 j dera de 1>!)oa das ^^^ inarCaS 400 a dita.
dem d Porto em barril superior pinga a 640 rs.
dem branw proprlo para inissa a 600 rs. a dita.
I lora da Porto engarrafado a 800 c 15, tomando
mais do urna caada dequalquer um (lestes ter
grande abatimento.
Conservas mglezas e pontnguezas a 500 e 640 rs.
Biscoitos e bolachas de soda a 15400 c 25-
Massa de tomate a 600 rs. a libra.
Genebra de Ola ida em frascos e botijas e de la-
ranja de 480 a 640 c 15200.
atmicas as mais novas a 560 rs. a libra.
Latas-cora 1 e meta libra de ameixas a 15200.
Azeite doce de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 35 o
galao.
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa tora abatimento.
VELAS
de carnauba em eaixas de arroba a 0,3oo e
caixa c 34o rs. a libra.
Kaais novas
em eaixas de 2 arrobas a 5 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas muito aovas
em quartos e inleiros a 'iz o quarto e 6
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e )oo rs
as incias garrafas,
Cb uxim o melhor possivel a 2.Too rs. a
libra.
dem perola qualidde especial a 2,7oo rs.
a libra,
dem hyssou o melhor que ha ueste genero
a 2,ooo, 2,4ooe 2,6oo rs. a libra,
dem pn-to homenpalicoa 2,ooo rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a 6,ooo rs. a
duzia, eo6o rs. agarrafa.
Chocolate francez, hespanbol e suisso a 1 ,ooo,
l,2oo e l,4(io rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
tado de Simas e outros da Pabia como
sejam regala, trovadores, guanabaras,
delicias c suspiros a l,6oo,2,ooo, 3,ooojg~a 1(li, rs. a ii,r;1.
e 4,ooo rs. a ca. Tourinlio de Lisboa a 2io e 3Sg r
Conservas mglezas a 7:>o rs. o irasco.
6,5oo rs. a caixa.
dem para sopa estrellinha. pe\i! i
ele.a 3,5oors.a eaa, e aSio i.-, akaan.
IVixc em laas hermetiramente '
, scguiili1.-quaii iiAsrsavti. n r\n :. r..^
i cavallinbas. ft-pi* ada a l.<<>(' a lata
Pablos para deMesTtdtadai a Oo r^.
go de 2o rs. e nacnlwt.
dem do gal a 2oo rs. a dii/ia, c f.t
a groza.
Painco muito novo 12o rs. a libra ( ''< < o a
arroba.
Queijos flamengos, do tillimo vapor, a %m
rs.
dem londrino muilo fresco a 800 if. g U\n.
Sal refinado cm pcCs4ainM 3o.^ n ra(ia
um.
Sevadinha de Franca a !8o rs. a hi
dem franeezas suri idas ou de una s qua-
lidde cada frasco a ioo rs.
Cognac francez e inglez a l.ooo rs. a garra-
fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Gravo da India a 6oo rs. a libra.
Canella a loo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4,8oo 5,000
e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 3oo rs. a libra,
e 7,5oo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiabf. superiorem latas a 2,000 rs.
Tijolo para impar facas a 13o rs. rada mn.
Vinagre de Lisboa a Soo rs. a gari jfa
l,4oo rs. a caada,
dem em garrafoes com 5 garrafas a I
rs.
Ibera de escovas para lavar casa
cada una.
Velas de espermacete superiores a M
a libra,
dem de carnauba refinada e de romp.
a 44o rs. a libra, e de 15,ooo a I Loco n.
a arroba.
Cebollas [vSf S\S l fpo^ ^^ ppm em latas chegadas ni- Vinho em pipa, Porto, Lfcta IT,
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa J ? 6 ^n, i,ia' limamente a 64o rs. a lata. das marcas menos cotilleadas a 4c. rs.
e 1,000 rs. o molho. | .-_. JESS^" a*Lta ffinia e Mem ceceas a 16o rs. a libra. a garrafa e a 2,8o. rs. a ranada.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra. dem Figueira especialmente ,-
umm m
rs. a libra
rr ;z da ludia, Maranhao e ava a 100 e 80 rs. a
ora.
iospiro* do gaz a 25 roza c 180 rs. o maco.
a9MS novas a 480 rs. a libra.
etts n> carnauba Araeaty composicao a 400 e 440
rs. a libra.
Passas liara sopa a 480 e 440 rs a libra.
HafaM'lada dos mclhoros fabricantes de Lisboa de
i a 2 libras a 6'.0 rs. a libra.
: hyssoa o melhor deste peero a 25800 a li-
hrft
dem perola mmdinho a 2o00. 25000 e 35000 a
libra.
Suba ingleza alva e saperwr a 480 rs. a libra.
'8&'iriaWltD 10
filio
Vinhn linln sem confelcao
:io,ooo eh amcoretasbe s cambas 30,000
Coico deposito em "ernaniliuro ra da i adela n. 1.
Esta n va qualidde de vinho re ebidj directamente de diversus lavradores de
Torres Novas (provincia da flstremadure) como allestam os blhetes do camiubo de fer-
ro que trazem os cascos, provando sua origem e procedencia, recommenda-s a todas as
yessoas que qtteiram ter a'eerteza de beber vinhotpuro de uva como o que se bebe nes-
sas trras onde na panetrou ainda o espirito de falsiticafo. E' preciso que o publico:
se convenc de que os vinhos que aqni se importam nao rindo directamente do lavrador
'cinm pida maior parle ou quasitoiLs sobrecarregados de preparos nocivos saude
.:u^aodo bem grates transtornos no apparelh digestivo
O anuncianle offerece a ana'yse dos professionaes tsta nova qualidde de vinho
me e*poe a venda, e d um premio da 1:080.J a qnem doscobrir no mesmo algum cor-
poestjrarihoanaiure7.a da ova Seque feito
N. B. Para evitar a falsilicago, o annunciante declara que o nico proprietario
e importador deste vnUo o qua! vende somen-.e no seu armazem da ra da Cadeia do
Beoif n. t.
AlpiSta e PaillQO outros maitos a IOts. a lata.
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra, i Dsce da casca da goiaba
e 4i5400 a arroba. ; a 600 e 1?$ o caixae.
CEBLAS GOMMA MUITO NOVA
muito novas a i 500 o cento na roa do Qnei- \ em paneiros de le arrobas a 35500 a ar-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 c lar- roba el 40 rs. a libra na ra do Qoei-
go do Carmo n. 9 mado n. 7, ruado Imperador n. 40 e largo
GRAO DE BIGO j do Carmo n, 9
muito novo a U WO a arroba c 140 rs. a li- R1 'LACIIINIIAS
bra na ra doQueimrdo n. 7, ra dn- em latas de defferenles qualidades a l#20Q ',ra,^,a.J!ma
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.' a lata
QUEIJO SUISSO QUEIJOS FLAMENGOS
muit fresco a 800 rs. a libra na rna do chegados neste ultimo vapor a 25800 na roa
Qneimadn n. 7 ra do Imperador n. 40 e do Queimado n. 7, i ua do Imperador n.
largo do Carmo n. 9 40 e largo do Carmo n. 9.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos sem
freguezes e amigos e ao publico om geral, que para facilitar a coramodidade de todos es-
tipularan! os mesmos precos nos seguintes lugares:
lugar
a Boo rs. a garrafa, c 4.5<>fi r.^. a
Farinha de araruta verdadeira a 520 rs.
libra. caada.
Figos em caixinhas bem enfeitadas WOjiMlLisboaemancora5: cora eaBadasBBr.
rs. cada urna. ,%.1t ,,u; < ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
Favas portuguezas em latas chegada* ulti- dem ^^ ^^ mm(o frp?ro ^
mmente a 040 rs. (MM^ a n,^ re a
Frutas dem em calda, pera, pecego. alper-1 b
,nha a'oo 8"'"- ? ^*U! lm ',e Um hr
duzia.
, [jtjid, ijclc;w, t- caada
oginjaa9oor^laid^-^bn|nco
rs. a lata e l.loo rs.a garrafa> e a 4)5<(0 rs.
garrafa, e 4.5oa>
Verdadeiro Principal na do Imperador a. 40
FRVTCTAS
MA;.A, PI2R.4M 15 UVA
chegadas oeste ultimo vapor, vende-se na ra do Imperador n. 40, Verdadeiro Princi-
pal.
Gomma nuito alva o nova a 16o rs. a libra.
(Jenebra de Hollanda em frasqneiras com 12
frascos a 5,8oo rs. e 560 rs. ojrasco
Den em botijas a 4oo rs. cada urna,
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafao.
Tdem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem inglesas em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro qualidde superior a
4,ooo rs. a garrafa,
dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o
frasco e U,ooo a frasqueira de 12 frascos.
Kirsch Wasser exeellente bebida suissa a
l,8oo rs. a garrafa.
a caada,
dem Porto fino em pipa a 56o r*. a garnfa.
dem engarrafados generosos Lapriasas ,i,
Douro, Duque do Porto, I), l.r.j F. r>.
Pedro V, .Nctar, *ello .erro. Malv^wv
Genuino. Particular a !>oo e 1,2f>o r.-. a grr-
arafa, e a lo,ooo rs. a caixa com unu m-
zia.
ag^rra-
Idem Ma leira legitimo a I,Soo rs.
fa, e a 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a l.ooo rs. a garrafa,
dem Bordeattx das acreditadas marra.- SI.
Julien, 8t. Esteph, chateao la *Vj6,dMNaai
Margonx e outros a 6,5oo rs. a caixa.
56o. rs.a garrafa.
Agua Florida. GAZ GAZ GAZ
., i Vende-se gaz da melhor qualidde a
Para resUbeleeer e conservar a cor natural: m a ,ata n()8 arraazens da raa do ,Im.
dos cabellos. j perador D- |.g e rua 0 Trapiche Novo n. %
A agua florida nao e urna Halara, facto esseo-ir
cial a contestar, a mesma agua dando a cr primi-
tiva ao raheilo. C.umposta de plantas exticas e
tle substancias noff.-nMvas, ella tem a propnedade
de restituir aos caliellos o principio corante qut el-
les tem perdido. D'uma saldtiriflade incontesta-
el, a Agua Flcnda entretem a hnpeza da cal>eca
delroe as caspan e impede os cabellos do cahir
Oleo de Florida
Composte de suistanrias vegetaes exticas, elle
ronstite iioderosamenti', com a Agua Florida, a
forca, a bat zata ronservarao dos cabellos.
Km Paris. raa de Qmslaur n. 12, rua de lliche-
lien, n'SII, boulevard Mnntmartre.
Todos os frasrfls, nao tendo intacto e Claro, o
[timbre prateaito da casa, sao reputados falsos.
1 Deposito, rua do Imperador, pharmacia n. 30.
"Vende-se superior vinho do Pono em caitas de
urna duzia : em easa de Jolmston Palcr & ('.., rua
do A*Kar> n- 3-
SnpTPior rn! de I.ifmoa.
Vende-se superior cal de Lisboa a mais nova
que ha no mercado, tanto em porcSo romo a reta
Iho, por Iiaram preco, aftancando-se aos rompra-
dores a superior qnahdafle : a tratar as segnintet
ras : Crespo n. 7, Imperador n. 18, Fortf do Ma-
tos, armazem do Sr. Avilla, defronto do trapiche
do algodao.
CEWEJA EM BARKIIj
a SOO rs. o c|m
4|neijo de .Mina bagado ato Tapar
Idean prato nanlte fresco
dem anleso superior
dem londrino superior.
57 Kua do Imperador 57



-y
Diario 4 Ptraubiei Begnada felra & de^Dezeinbro de fl4.
16000
18*000
10O0
16*000
10*000
16*000
9,5000
6*(MK)
65000
6*000
e pre-
0 Vigilante est alerta, nao Ihe era permittidn
deixar pastar desapercibido sem que nio dsse o
seu ranto, afim de annunciar ao respeitavel publi-
co. giande sorlimento de galanteras do melhor
go>*.o propriamente. para qualquer mimo que ara-
ba de rhc-gar neste ultimo paquete, assim como
nmitos outros objertos que recebe por diversos na-
nas tanto de sua ronta romo de consignacao que
esta resulvldo a vender por pregos muito baratos
para vender muito e ganhar pouco, e dar extrajo
0 grande deposito que lem, que espera merecer
protecco do respeitavel publiro empregando pare
gso todas e as melhores diligencias para que fi-
qui ni satisfeiios; isto s no Gallo Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Ricos porta-joias.
Cufie de muito gosio por
Cetnlus transparentes forradas de ma-
ja perola por
Lindas jardineiras.
Ricos cofres com camapheu.
Liadas cajxiuhas eom pedras bra cas.
Lindo balao rom calungas dentro, tara-
bem para joias.
Tainlialier para ditas.
Cestiohas ditas.
Cosmorama ditas.
Hrnazinaas.
So no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ri^os porta bouquetes de diversos gostos
,_..>; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
lucos sin los
.om bolrinhas ao lado, a 10*, 19* p 15*,ditas sem
bolea porra do mesmo gosto, a 2*500, 3*, 35500
1*000.
lucas fivrllas avulsas parasinto, o melhor qne se
pode encontrar, a 1*500, 2*, 2*500 e 3* o par;
-no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabazes o crstinhas.
At quechegaram as desejadas ceslinhas on ea-
bazes para meninas trazerem no braco, o mais rica
po-ivel a 2*500, 3*500, 4*. 5*, 7* e 10*; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
liis leques
eom pequeo deleito, loques de sndalo cem pe-
ijiieuo defeite por barato prego de 8* e 10*, chi-
uizes iiiuitu bonitos lanibein, pelo barato prego de
'i* a *>, bentarallos mnito bonitos, tamhem por ba-
rato prego de 4* e o*, leques de charo tamben)
por *, tudo isto para acabar, perdeudo-se tal-
ei 80 por cento; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Puntes.
Neste artigo tem urn grande sortimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
'tie se pode desejar, assim cuino de arn-gat/ar ca-
ndi, tanto de boi racha como de tartaruga com en-
tiles e sem elle para menina; s no Vigilanic.rua
do Srespo n. 7.
Pulseiras.
Lindas pulseiras de eontas e de missanga, cures
moile lidas e de muito gosto a 1* e 1*200.
Para segnrar manguitos.
lamben chegaram as lipuinhas estreitinbas de
borracha que as senhoras tanto prensam para se-
gurar manguitos [ior ser muito commodo c muito
barato, a 320 o par; s no Vigilante, ra do cres-
po n. 7.
Leques.
Riquissinios leques de madreperola tanto para
enhoras como para meninas, pelo barato prego
de 12* e 14*; s no Vigilante, ra do Crespo
ii. 7.
Penles
'mchegaram os riquisstmos pentes de concha
de tartaruga e de massa trp. que se vende por 2*,
5* s no Vigilan' 7 ra do Crespo n. 7.
Caetas.
lii jiii-.-imas caetas de madreperola proprias
1 ira qualqoer presente, pelo baralissimo prego de
l*S0 c 2*.
Sapaliabes e ineias de seda.
Riqnissimos sapatinhos de seda c de merino en-
lejiados, assim como r.iciaszinhas de seda, gorrazi-
1. las e looqumhas para as cnancinhas se baptiza-
rem; s no Vigilan!, ra do Crespo n. 7.
Voltinhas.
Lindas voltinhas do perolas falsas com cruzinhas
flngindo brilhantes, a-sim rumo cruzinhas avulsas
t voltinhas, pelo barato prreo de I* e 1*200, as
Brazes avuls asa 00 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Gulinbas.
Riqaissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivcl, a 2*, 2*500 e3*;s no Vigilante,
rita do Crespo n. 7.
Enfeites para senhora.
Riqaosissin enf.'itcs com laco e sem lago e de
outros. m u i ios gostos a 1*, 1-3500 e 3* : s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Traneelins.
Lindos traneelins ae rabello para relpie on lo-
netas, pelo baratissimo prego de 1*500, ditos de
retroz a 200 rs.
Babaiiibos ntremelos.
Riquissimos babadinhos entiemeios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 1*200, 1*500, 2* e 3*; s no Vigilante,
ruado Crespo n. 7.
Cascarrilhas.
Grande sorlimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, ra do Cres-
po 11. 7.
Filas.
Grande sortimenlo de tilas de diversas larguras
e (ualidades, per precos que admiran) aos com-
pradores, havendo filas largas proprias para cin-
teiros .|ue se pone vender a 300 rs. a vara, e pega
de i' varas a 2*; s no Vigilante, rna do Crespo
n. 7.
Fitas de la.
Fitas de la de todas ns qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Ricos espelbos.
Hiqnisimos espelhos eom moldura donrada
sem ella de 8*. 10*, 12* e 14*. ass.m romo com
ealnmnas de differentes lamanhos a 2*, 0,, o*
e 6*; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e fijaras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para ps de arrox.
RiqaissiMM vasos com honecla para pos de arroz,
cousa de muito gosto a 1*500 e 2*. assim como
pactes s com os pos a 320 rs. cada um; so no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banbas, poma-
das, assim como de lindos copos oa vasos rom dis-
tintivos e offerecimentos as smhasmhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Parise Inglater-
ra, assim romo os grandes ropos debanha japoneza
a 2S e a i*, assim romo outros objecios qne nao e
possivel por hoje annunciar, e vista i*f*Jif-
zcs se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
rHRNHtDEHILH.
Vndese boa farlnha de milho nova a 120 rs. a
libra, diariamente: na rna do Cotove lio n. 28.
~~ Na ra do 353 d. '"Ja. PSj*
as seguintes obras de ouro : voitas, alfinetes, brin
o, medalhas, correles e pulseiras para senhora,
relugios patente iogle e suisso, torrentes uara os
mesinos cordaes, pegas para sinleiro, urna abo-
toa.ura'paracollete, urna dita para camisa, um
'raacem de cabello, e quatro casligaes de prata.
Grande liqnidac&o.
Rna da Iotperatrlz n. o.
Loja de fazendas do pavo de Gama A Silva
Aeha-se este estabelecimento completamente
sonido de fazendas inglezas, francezas, allemaas e
suissas, proprias tanto para a praca romo para o
mato, promettendo vender-se mais barato do que
em ouira qualquer parte, principalmente sendo em
porgo, e de todas as fazendas do->e amostras,
deixando lirar penhor, ou nian.lam-so levar era ca-
sa pelus caixeiros da loje do Pavo.
As chitas do Pavo.
Vendem-se chitas insiezas, ciaras eesrnras pelo
barato prego de 240, 260 e 280 rs. o covado, tin-
tas segura; ditas francezas de cores seguras a
320, 340, 360, 400, 440, 480 e 500 rs. r covado,
fazenda minio superior e bonitos padres : s na
loja do Pavao.
As lazinhas da exposico do Pavao.
Vendem-se lazinhas as mais modernas que tem
vindo ao mercado, proprias para vestidos e sou-
tambarques por serem lisas e de cores muito de-
licadas a 560 e 500 rs. ; ditas lisas com um lustre
que prete seda a 640 rs. o covado, ditas com
quadrinhos de seda a 500 rs. o covado, s para
acabar : na loja e armasen de Gama & Silva, ra
da Imperatriz n. 60.
O l'avao vende para luto.
Vendem-se superior setim da china, fazenda
toda de la sem lustre, leudo 6 palmos de largara
proprio para vestidos, capas, palrtols, cal.-as etc.,
pelu barati.-siino prego de 2*. 2*200, 2*o00 o 3*
o covado, cas.as (.retas l7as, chitas pretas largas e
lestreitas, manguitos, colarinhos, punhos, e enfei-
tes, tudo preto proprio para luto fechado, e muitos
oulros artigos que se vendem por pregos mais
em ronta do que em ontra qunlquer parte por es-
tar liquidando ; s na loja do Pavo ra da im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os bordad- s do Pavo-
Vende-se camisinhas com manguitos e gollinhas i
bordadas, pelo barato prego de l*e 1*280 cada;
um, manguitos s a 300 rs. carta par, ditos com
golllnha a 800 rs., gollinhas a 400 e 480 rs., de fil
a 240 cada gollinha bordada, romeira de cassa e de
li muito bi 111 bordada a 2* cada urna, maneuitos
que servem para ralcinha de meninas a 640 cada
par, camisa com manguitos e gilas com a compe-
tente gravata de seda, fazenda fhoa, pelo barato
prego de 3*, e muitasoulras bordadas que se ven-
dem por pregos muito em conta: s na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos soutambarqne.
Pelo ultimo vapor francez chegaram riqnissimos
vestidos soulambarque, os mais modernos que
neste mercado tem apparecido, os quaes eslo
promplos com saia, rorpinho e seu competente
soutambarqne, tudo guarnecido de seda, vellido e
renda. Qoern tiver bom gosto dirija-se loja do
Pavao, na ra da Imperatriz n. 60.
Pavo.
Na loja do Pavo vende-se modpr-nos mantele-
tes de grosdenaples a imitago de capas, as quaes
sao bastante cotnpridas ; assim como tem um sor-
timento de capas preas as mais modernas que ha
no mercada, sendo ricamente bordadas. Ditas en-
feitaaas todo por prego commodo : na loja de Ga-
ma & Silva, ra da Imperatriz n. 60.
As modf inissimas i\. /inltas de ama s
cor, a i 111 ilarao de gorpro, ven-
de o p vo.
Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
modernas lazinhas de cordozmho, as mais pro-
prias e mai< lindas que tem vindo, proprias para
vestidos, soulambarques, capas, ele, dam-se amos-
tras deixandojienhor, e vendem-se pelo baratissi-
mo prego de 560 rs. o covado : na ra da Impe-
ralriz n. 60, loja de Gama e Silva.
Para quem gosta do bom e
barato.
No eslabelerirnento de Gama & Silva, na rna da
Imperatriz n. 60, leja denominada-PAVAO-tem
urna grande porgo de varias qualidades de fazen-
das, as quaes se vendem muito em couta para li-
quidar. A saber :
A* lazinhas do Pavo.
Vendem-se laaunhaa de qaadrinbne transparen-
tes, boa fazenda, pelo prego de 280 rs. o covado,
ditas largas multo finas a 400 rs., dilas estampa-
das, cor segura, pailres noudos e grandes a 320
rs. o covado, ditas transparentes enm palminhas
de seria a 400 r&t ditas escocezas a 560 rs., i.-to lu-
do para liquidar : na loja e armazem do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60.
('recalas a 600 e oGO rs.
Vendem-se as mais linas precalas, padrSes nuu-
dmbos, poslos delicadsimos pelo barato prego de
600 e 560 rs. o covado : na ra da Imperatriz n.
150, loja e armazem do Pavo.
Meias precalas, 011 pi ralas inylezas largas a.iOO.
Vendem-se meias precalas011 precalas inglesas,
padres miutlinhos e fazenda fina e 400 rs. o co-
vado : na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60
de. Gama Silva.
O gangiielini do Pavo a 39o rs.
o covado.
Vendem-se ganguelim cor de rosa para roppa
de meninos, e vestidos pelo barato pr?co de 320
rs. o covado : na rna da Imperatriz n. 60, loja do
Pavo, de Gama & Silva.
Os grosdenaples do Pavo.
Vendem-se grosdenaples pretos, fazenda supe-'
rior a 1*600 rs. o covado, dilus largos muilo en-!
corpados a 2*400, 2*600, 2*800 e 3*000, ditos!
braucos, cor de rosa, azul e amarellu a 2*000 r.s
o eovado : na loja de Gama & Silva, denominada
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
As no>as ktas gt*rii>aldiiias a iO' rs.,;
Ha oj* dt Pavo.
Vendem-se as mais modernas lazinhas garibal-'
dinas, fazenda inteiramente nova no mercado, sen-
do lodas com li.-tras miudinhas, e transparentes,
ruin lastro a imitago das sedinhas, tetirio varias
cores, sendo azul, cor de lirio, rarmezim, cinzenta t
e cor de havana, etc.; isto a 500 rs. o covado para i
vender depressa : na loja do Pavo, ra do Impe-
rador n. 60, de Gama Silva.
s mais mudemos vestidos Mara Pia,
na loja do Patn, a liS
Vendem se fioissimos vestidos Mara Pia rom i
os corpinhos differentes, tendo t.>d>.s os preparse i
rom o coriipelento sinlo : na ra da Imperatriz n. I
60, loja do Pavo.
fiiovid' de do Pavao
Chegaram os mais lindos vestidos Mara Pa
com as barras bordadas, tendo de differentes co-
res, e vende-se pelo ha atissimo prego de 12* cada
corle por estarmos prximo da fesla ; isto na loja
e armazem de Gama 4 Silva, ra da Imperatriz
numero 60.
amisiuhas a 1$0<'0*
Vendem-se ramisinhas rom manguitos, sendo
muito bem enfeudas, proprias para senhoras e
meninas, pelo bai at> prego de dez tustes cada
urna : na loja do Puvo, ra da Imperafriz b. 60,
de Gama & Silva.
Vestidos ar me Binas
vendem-se s mais modernos vestidinhos para
meninas, sendo muito bem enfeita.ios Maria Pia,
temtodediffer'ntes tamaohos pelo, barato prego
de 8* carta um : na l'.ja do Pave, ra da Impe-1
rairiz n. 60, de Gama & S Iva.
R upa feita liarala.
Venrti-se um grande sorlim. ntn de roupa feita
para borneo-, s ndo caigas de tnm brancH q d
cor, ditas de rasen ira pela e de ro es, ditas de
meia casemira, paletots saceos e sub ec. sacos de
caSHiira e panno preto fino, colletes de toda< as
qualdades : na loja do Pavo, ra da Inpeatriz
n. 60, de Gama A Silva.
Crosdenaple de cor a 15600 o corado.
Vende-se grosdeople de cor atol, branco e pre-
to, lelo barato prego de 1*600 o covado : na Iota
do Pavo, ra da Impeatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Panno de lindo a 700 rs. o eovado.
Vende-se o verrtadeiro panno de Imbo proprio
para lenges, toalhas e reroulas, pelo barato prego
de 700 rs. a vara : na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Economa doPavio.
Vende-se para acabar, urna porgo de reUlhos
delas ecassas de tolas as qualidades, e por pre-
eos muito em conta; quem tem economa que
ude apreciar : isto na loja do Pavo, ra da Im-
peran-i! d. 00, de Gama A Silva, -
AO PUBLICO
Sem o menor constran-
imcato se entregar o
importe do genero que
oo agradar.
ATTENQAO
es nrecos da sega inte
tabella para todos, po-
dendo assim servir de ba-
se para o ajuste de eontas
com os portadores.
RA RA CARfilA RO RECIffTE *. 53.
Cirande redueco de precos,
(Lego passando o arco da Cenceicae)
equivalente a dez por cento menos do que outro qualquer
annunclante.
14-Rua Direita-14
l'nico depesilo do rap imperial d i fabricas*:
Isaac Esnaty ; afllanga a sna boa qoaii< > :<0
superior ao rap de Lisboa e ao ra| aia i iw >.
prova faz f : vende-se a relail.u .< I' ,1
em porgo de 10 lihras para mais a 8HI r.: lm
bem abre crdito a n. comprad, res em tuijj, > *-
rente. ___ __^_____________
Os Gmm
OS MAIS ASUAYAKTEI
K
D'fima pertinaz twarao
BK
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o prego da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
muitos objectos, etc., dando com isto ocasio a todas as espeluncas acabaren por bom prego a manteiga de tempero, e gritarem em!
alta voz, que poden vender pelo prego que eu vendo 11! Ora. cu offendido com estas obscuridades e receloso em adoptar o mesmo
systhema que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolt faner esta %\ ande reduegao de pregos, como veris!
pela segtiinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertuia do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil nSo
se sabia de outro prego de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a i.Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reducg3o a que
estao obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamagao de pregos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado deste novo estabelecrmento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento esta ordem que o seu fim
lao smente obler a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo aprompiidao c entei-,
reza com que serao tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a protecg5o e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quaudo nao pogam vr podero mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco praticos, pois
sero tao bem servidos como se viessem pestoalmente, havendo para com estes toda recommendago, afim de que nao vo em ouira parte \
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati- Antonio de Lisboa em latas eom 6 libras
ESCRFULAS,
OU ERPCOES ESGBOFlieSS.
Ulnm de toda i npafe
SYPHIL1S. 01 MAL \ KNKl *>a.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 8oo rs. a libra, em barril se
faz abalimento.
dem franceza a mais nota que tem vindo ao |
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a oo rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra,
dem perola o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
neste genero 2,roo rs.
dem preto homeopathico por ser do superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra,
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o I,6oo, l,8oo e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual I rs. a arroba.
ao que se vende em outra parle por 2,4oo Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
e2,6oo rs. 6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
Linguicas, chourigas e paios em latas de 8 rs. a libra.
libras, ermeticamenle lacradas a 5,5oe rs. [Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a H-
garante-se serem superiores aos que vem \ bra, e 9,ooo rs. a caixa.
em barris. i dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
Chourigas e paios em barris de meia e urna J estas massas tornam-se recomendaveis as
arroba a 8,ooo rs. e l,5oo e 6oo rs. a libra, i pessoas doentes por serem propriamente
Queijos tlamengos muito frescos chegados! feitas para esse fim.
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
ment.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,noo rs. a arroba.
Idern do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do Maranh?5o a leo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Paingo e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
passado a I,6oo e I,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
viudo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
Irlem prato muito fresco a 8oo rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a olles
antes que sr acaben.
Ervilhas e lavas porluguezas cm latasj pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 6oo rs. a libra.
Preznnlo do reino vindos de casa particular
a 5(5o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gaa a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso c hespanol a 9oo
I^ooo e I,2oo rs. a libra.
Espermacele em caixinhas contando 6 libras
por 4,ooo rs., garante-se serem transpa-
2o libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito 'fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e5oo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a loo e oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de i duzia
, a 8,ooo e a 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGennino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de i duzia de 9,ooo a
10,000 rs. e a 9oo e 4,ooo a garrafa.
Vinbo Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
com diversas
rente e de superior qualidade, lambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
da, salmo, ostras echernee, vezugo era
latas grandes a 8oo e I,ooo rs. cada urna.
Vinho Bordeanx das marcas mais acredita-
das que tem vindo ao nossn mercado a I Bolachinha de soda em latas
6,ooo, 7,ooo e 8,ooo rs. a caixa, garante- qualidades a I,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este prego, i para mimo a 64o rs.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, c I Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
o,7oo rs a frasqueira. libra e 6,ooo rs. a caixa com 28 libras.
dem de laranja verdadeira de Altona em Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grandes al.ooors. o frasco, e I,8oo rs. a caixa com 8 libras.
H.6O0 rs. a du2ia. Arnendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo Bolachinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
por 2,5oo; ditas doce em i.atas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes emblas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 4,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamaitos com bonitas estampas na caixa
exteriora i,2oo, I,5oo, e i,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
i
Batatas muito novas a 5o rs. a Hora e 2,eoo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o fraseo e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes mnito novas a 46o rs. a libra
Molho ingles em garrafa de vtdro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingiera dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes ja preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a 4,ooors. e 44,ooo a duzia-1
Palitos para denles a l4oe 46o rs. o mago.
Sal refinado em frasco de vidre com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a 5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franga muito nova a2oors.
Charutosde todos osfabricantcs da Bahiaedas
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2.ooo, 2,5ro, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a^
4,oeo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; ditoemcaixesa6oors.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 42 por libra a;
32o rs. a libra e lo.ooo rs.'a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a 4,4oo o cento ; ditas em
mollios com cento e tantas por i ,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
CHAGAS ANTIGS,
Rtfetfmatisroo Cu-orme*.
DEBILIDADE GER.AL.
Nervosidad?. NcTraisin*.
FALTA DE AFRETO, FISTIO,
SUFPRESSO DA8 REGRAS, o
AMENORRHEA.
UHU1ELI
ReteiifHO das l risias.
KMACIAgAo.
On onnuiffreeimento gen ti do /),,. .,,.#
atente do estado vicio* o Mmyw.
INFLAMMACOES CHBdMAS,
AfFec9oes Chronicas do Figado,
AAlM COMO TODAfl US MAI- MMII.ll ..,..-. V#
i.ESTiAs, ranciPiUiDR i(. in
OALSADAS, OU 1'KOIH 7.II> S IK! f> M' l
I.1VKK USO M MRUl l;l") OU
QuiNINO,
Anslm romo liunbrm |M-lo frr^nri:. u-. m AW
SKMI'O o oairaa prrparnj r- -'ln- r^r*j
Todas estas Enfermidades promr t .-> f .
mente cedem a benfica. poaeroz.i r.
purificantes qualidades da mu
justamente afn:.. ; i
MLSAPARRinA DE 52L
A venda as boticas deCaors A iMroea
roa da Cruz, e Joo da C. Bravo & '., m?
da Madre de Dos.
ESCBAYOS FGIDOS.
AGENCIA
DA
6EICIA L0W-M00S.
lua da Scnzalla HOva n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
in completo sortimento de moendas e meiat
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos o
lamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar rowpa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
m Fabrica Concei'cao da
I Bahia.
i
Andrade & Reg, recebem constante-
mente e tem venda no seu armazem n.
34 da ra do Imperador, alpodo d'aqsel-
la fabrica, proprio para sancos de assu-
car, embalar alodio em pluma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel.
wm
Bu;i da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P Johnston d C,
sellins e silhoes inglezes, candieiros e casti-
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carrosa montara, arreios para
carros de um e dotis cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.
MA GRANDE LIQUIDACAO
o
Exeellentlftsimas seoheras
.^."t X
9
Boa da Senzalla iVova a. At.
Neste estabelecimento vendem-se: tac i
ferro coado libra a 440 rs., idemd eLow
Moor libra a 420 rs.__________________
"IITVendem-se ricos ps de cravuiros, e eravos
brancos, enramados e rajados, por pre^o commo-
do : na ra do Hospicio 38.________________
Agua de Invalide.
Na ra das Cruzes n. 36 vende-se superior agua
de lavande a 800 rs. a garrafinha, sujeitando-se o
estabelerlmento a recebe la no caso que o com-
prador nao se agrade. Esta agua tem a proprie-
dade de tirar a caspa, e concorrer para o cresci-
ment do cabello.
A loja da rna do Crespo o. 17, de Js Gomes Villar'
Recebeu de soa encommenda vindo de Paris, as melhores fazendas que tem vindo
a esta provincia.
Cortes de blonde completamente preparados com capella e flores etc., etc. proprios
para casamentes.
Corles de mcreanlique para noiva, mantas e rapellas proprias para noiva, baldes de
todas as qualidades para senhoras, ricos cortes de seda preta de cores e iritreaniique pre-
to, grosdenaples preto e de cores, cami.-as de cambraia bordadas para senhoias.
Chapeos de palha para senhora assim como para menina o que tem vindo de me-
lhor, peitos bordados para camisas de homem, cassas de cores, orgmdys de lindas edesr,
chitas de todas as qualidades.
Capas pretas de gorgure imporlantissimas, seutemb'arques pretos, assim como de
cores o melhor, casaioes, pelerinas, pellives etc., etc., casavaques cunpi idus de grs prs-
tos e de gorgurao, fazendas imporlantissimas.
Novo gosto
Chales de renda pretos o mais moderno presentemente a 15 j e 20.
A elles antes que se arabem, fazendas de tudas as qualidades proprias para senhoras.
Tapetes para forrar salas a 2s500 o covado rom seis palmos de largura.
Ksteiras de muito boa qualidade para forrar salas.
'v# ui9 ooiiqnd o 9 smoquds sviuxfl uI'jou(j
l\ u ousojj op nj f
ovavamDn aa\[VH9 vmq
Est Fgido.
Contina a Mar fgidos mualo arofc ra
nome Marcelino do abafxo as^fj-i ..!(>. F-ie nub-
lo de altura recular, basiant r>Ti>n-H)to d iut-
po, lem Mmm e |s grandes, nferHi i.nn-iu. oa
redonda, nariz i halo, barba p"uca, l :<
denles, e quaudu falla maisai;>d>' ^acofj i>u
fujiiio ha quarenia das : rerummrndn-M- ao- r.
capiles de campii o quiram l*pM e Imh a rna
do Imperador n. o5, que sero recompeuslos. -
Antonio Luiz dos Santos.
Fugio no dia 2 de marco do corrent" nni, <
engenho Florista, proprii-dade do BfetHW a-ii-nato
no termo de Atalaia, provincia de ? |g" Mi
cravo de nome Luiz, rujos signaos totrr\ n
tes : cabra, com idade de 23 mam, mtamn r*
guiar, corpulento, cara gurda, sem harta, tatala*
pegadj, ollins pequeos C vivos, li-in tata 'fa-
les e bem alvos, beicos um lano gnr-sos, >lgunw>
cousa dentuco, om |iouco rarraneod. Sfa* *
suppor que ainda exista a cicatriz de um uitx> av
lagarto de um dos braco*. Ev^dio-se para a ni!
da Palmejra dos Indios, e d'ahi para Tararan), oa-
de foi preso em dias do mez de julh. aruDirr-^
evadir-se novamente iaajmesmo lugar nui* p.ra
o centro : quem o apprehender e remeiirr para a
cadeia desla capital, ou para o referido iif.il i
receber a gratilicarao de 200,.
- Vende-se um eomometro martima inglez do EsteraS para forrar SalS.
melhor fabricante Gharly FroUshao. affiancaodo o
seu regulamealo, por diminuto p-ec,o : a tratar
na ra Nova o, ii, laja de Francisco Jos Ger-
mano.
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che-
gada ao mercado, em bem acondicionados barris:
no armazem de Manoel Telxeira Basto*, rna tfo
Trapiche n. 13, por pr*eo moavl
Com 5 palmos de largura e mnito superiar qua-
lidade, vende-se mais barato do que em ouira qual-
quer parte : em casa de Valle Porto C, na ra
da Cadeia o. 33, Recite.
Bixas de Hmburgo
Yendem-s* na ra Nova n. 61.
No dia 11 de novembro de 1864 fugio asa
cravo de nume Marcelino, que foi de lata
j mente, cujo escravo foi no da acuna aai i
arremalado nesta i idade de Geiauua m i .
; blica, foi arremtame do referido, Ludcio C.ir.l-
canti da Cunta Va.icuaeeilos, waiki u diio orrAxo
'' os seguales signaes : altura r>-giiiar. BMaa ia-
, dio, cabello desandado e um ponro vanHtta r i>
; especialidade as foiitt-s, barbado, leudo a larl-a
um pouco rala e estirada, nariz afilado. afftai
um pouco sumidos, e tem por fcsinme affJaf por
baixo, desdentado no queixo superior. |^rna> Basa
e direilas, cujo escravo calvo : qoem o pegar U-
ve-o ao engenho Carhoeira, sito na raawtl a
Golanna, que pronietle o actual senhur do dito La.
reromiensa.
ai Ha au.-fiiie desde o da 12 do n>rr- nie
a prea Luiza, eom os signaes seguinies: raf Ma,
marcas de bexiha no rosto, tem duas rirainze aa
mo direita, idade25 annos, pouco mais n nu ; <-,
levou vestido de chita e panno da costa ja a>a,
consta andar nt-sta cidade : p^de-se as aalaraM
policiaes a apprehen a ra do* Pires n. 34, aua ser generusaim-nie re-
compensado.
Fugio ao da J m crrenle mez de nuvra-
bro a escrava de nome Colecta, de idade de 22 -a-
nos, pouco mais ou menos, rom os naaar* n-gta-
les : olhos a|tertado<, bous denles, Im k;.>s regula-
res, nariz afilado, pescoco eomprido, Uta i
latura, e romas ps uai pouco apaiheiad<. i \,<<
um vestido de cassa dasbotada n rom rile MMM
mais ; presume-se ler sido sednrida Mt nn >-
cial de marrineiria, rom quem tmi-se tifSa ataS-
mas vezes as ras do bairro da Boa-Visia. [ af
isso prolssta-se proceder fria>jnaln> nie ror.tr.- a
| pessoa que a srduziu a livor arrulla : rnga autoridades policiaes capilar* de campo afim e
apprehende-la e leva-la a roa da Imperatriz a. 29,
terceiro andar.
MUTILAD


5*
.9.
.r
mm
6
Dlsrl* 4e PerRtnbe fjnnda felra 5 4c Drzrnihro e 1.
J
X
LITTER ATURA.
PUAIlALIi
CANTO 6."
(Comecado no n. 297 de 28 de oulubroj
Todos seulera chegado o fim da guerra,
8 batalba suprema. Os pusillanimes
cuida'ii-se ja nolrance angustioso ;
quanto ha de mais tremendo os apavora.
Raros na dbia sorle esorjo envidam,
casam co'e nido a esp'ranja.
Enlre os covardes,
l>role indigna do Grande, estava Sexto;
css -, a quem dentro em pouco o mar de Scylla
Csulveria, e siculo pirata
dar mate aos de Pompeo navaes triumphos.
Todo sustos, o vil anreia, anhela,
sem mais tardanzas, extorquir ans fados
ceitezas do porvir, (|ue o dessocega.
Nao busca, pois, as trpodes de Dlos,
pylhias ovas, ou selvas de Dodona,
mesa do hoinem primevo, hoje de Jove
bronzuo orculo ao mundo Nao indaga
so ha quem quem soletre em fihras o futuro,
vojs de aves decifre, inienda os raios,
SOade as estrellas, com saber de assyrios :
de vaticinios lcitos nao cura.
Com quaoto saiba que os supernos deuses
as aras tristes de exequiaes mystcrios,
Dito e os espectros respondeodo aos horneas,
tea para si (misrrimo I) que os numes
do que vae c na trra alcanjam pouco.
Ajuda-lhe inda o sitio a crua insaaia :
(jeito dos arraiaes divisa os muros
das mulheres Hemonidcs, que excedem
quaTito se ha de espantoso Tabulado,
e a todo o iucrivel com sua arte abrangem.
De mais, cria a Thessaha pelos montes
praga de hervas ruins : la, t as penhas
ceJem voz dos magos, que as incantam
com feral cantilena ; os meios todos
de violentar os cus, l se ajuntarara ;
tanto que at a prfuga de Colchos
plantas, quaes nao trazia, achou na Hemoaia.
Impos conjurios desta gente horrivel
forjara a ouvi-la os arbitros supremos,
a tantos povos, e s najos tao sardos.
*> danni voz terreaa ascende ao ether,
alcanza a divindade, a obriga, a vence,
C do g>rio eslellifero a descura.
Ual que o murmurio infando aos astros chega,
prsica llabylonia escusa oppor-se;
oppor-ihe escusa a mysteriosa Memphis
todo o sacrario dos vetustos magos :
a feiticeira thessala triumpha.
. Doris ao seu conjurio, os numes todos
deseen) das aras ; a servi-la accorrem.
Ao cantar das Ihessalides, se abraudam
frrennos coraees ; anclaos austeros
geuem-se em fugo illicito abrazados.
Nao >ao eleilos de amatorios philtros,
cera do tumor que a gua arranca ao poldro,
e que penhor de affecto; independente
de toxicas pojes, se perde o siso,
s por mfluxo de encantadas trovas.
Esposos, em seu Ihalamo discordes,
c em quem da formosura a branda forja .
oao exerce poder, torna-os amantes
mgico rhombo retorcendo uns fios.
Tudo [atreverle o seu theor nativo :
o da se prolonga, e invade a noute.
Quebra o ether suas leis, ouvido um carme :
do Bjyro estaca a machina de mundo ;
Jovo, que ao eixo rpido Ihe acode,
quer forja-la a rodar... pasma vencido.
Agora das venificas ao mando,
udo se alaga em chava ; um sol d'estio
em temerosas nuvens se incapota,
o sem que Jove o saiba, o cu troveja.
Co'o mesmo carme, o desatando as comas,
varram as nevoas hmidas e os nimbos.
loeha-se o mar sem vento; e logo ordem
de nao mais bravejar, dorte sereno,
por mais que Nulo o ajoule.
Hao se j visto
correr nus contra o vento a vela cheia ;
cscala, despenliando-se por fragas,
flear pendente no ar ; suhirem rios ;
o Xilo baixo na estaco fogosa ;
recto o Meandro o Hhodano tardo;
o A'rar a accelera-lo. Abaixam montes
a cabeca. e em planicie se desdobram.
OOlympio vu por cima audar-lue as ouveas.
No coraju do invern os geto .-cythicos,
sem toque alum do sol, se descoalharam.
Telliys, as horas em que a altrahe a la,
recuju, forrada por hemonia eudeixa,
largando a praia em secco. A propria trra,
perdido o centro que Ihe ingluba a massa,
titubou, descoiniioz-se, e a meio aberta
(oh.poileuto da vuz dominadora I)
nij.-u un de pai te a parte os cus que a vestem I
Nao ha nos animaes rel daruuinha,
pecoab.-*nU, mortal, que a saga hemonia
nao preste amedrantada um maleficio.
Lambem-lhe-as mos as tigres famuleatas,
os altivos leoes. Ante ella a cobra
se de-euruM'a. e estira-se nuorvalho.
Vibora esposlejad os membros sida.
E a serpe, ao bafo atroz daquellas boceas,
esloura envenenada.
Ah I que miseria,
para quem logra titulo de nume,
ser escravo de cnticos e de hervas,
e tremer de insurgir-se I Onde houve pacto,
que obrigasse immortaes a tanto opprobrio 1
E' por forja ? E' por gosto a obediencia Y
Tero estas fataes encantadoras
algum culto, de nos desconhecido,
que as sublime a tao alto privilegio ?
Ou valem-se de oceultas ameajas ?
Abrangem no seu jus aos deuses todos ?
ou lo smente a albura, que ao mundo obrigue,
como o obrigam a elle os fortes versos ?
Nao sel. O que notorio que essas femeai
oram as que primeiro despenharam
de chofre astros do co ; que a amena Phebe,
por condo de suas phrases venenosas,
desmaia, ou se afogueia em chammas negras,
Como as da trra, qual se o nosso globo
iiit-tudo eatre ella e l'hebo a souegasse
a luz do irmo divino, iolermesclando
o sea negror co'os celestiaes Inzeiros.
Oppresso do fe ti jo, o astro das coates
curte o affronioso afaa, al que baixa,
e afoga em sua espuma o chao relvoso.
Nestes ritos de horror, nestes encantos
de sua Infanda gente, aciiou que havia
baria pitdade aiqd > Eridlio, a monstra,
e melleu na arle infame ignotas praxes.
Por sombra de um tecto em povoado
a oefria cabeja, ao doce abrigo
dos lares eotregar-se, a horrorisava.
Estanreia por tmulos vasos,
d'onde os manes poz fra. Aos deuses do Erebo
ten ganhado a affeijao. Nem o ser viva,
nem potencias d > Olympo ali Ihe impedem
ouvir as turbas dos calados morios,
das estygas mansoes colher noticias,
c arcanos penetrar de Dite oceulto.
E o da impa semblante macilento,
; corrodo de carcoma hedionda,
nunca celeste luz fui profanarse.
Pallor de Averno, que diffundo espanto,
as faces Ihe carrega ; e sobre as faces
Ihe esto pesando as desgreohadas comas.
S quando em noute m se ennubla o polo,
surge da cova a thessala aventesma ;
aspiraos raios ; calca messe opima?
queimou-a; o puro ar co'o bafo impasta.
Jamis aos numes saperos nao ora.
Favor divin, em cauto supplicante,
nao u'oinvucou jamis. Litar com fibras
nao n'o sabe. E' seu gosto impor as aras
licoes de pyra, e os, que ha roubado, inceusos
de algum sepulcro acceso.
Ao primo rogo,
| para evitar segundo, Ihe concedem
quanta nequicia Implora, os deuses facis.
Vivos, ioda a sentir, inda a mover-se,
ella os usa interrar; forjada a morte
leva os que a. longa vida eram fadados.
Outras vezes dos tmulos recua
um feuebre cortejo alvoratado :
da jazida os cadveres fugiram t
Fumantes cinzas, incendidos ossos
de corpos juveois, ella do centro
da tragadora pyra os arrebata,
e al da mo dos paes o pi archote.
Junta s parcellas do funreo toro!
que esvoajo no fumo, a roupa em cintas.
e o borralho co'o cheiro carne humana.
Mas se em arca de pedra os corpos jatem,
sceos no tempo e no interior j duros,
soffrega os membros todos Ihe atassalba ;
vae co'os dedos das rbitas ao fundo,
regalase arrancando os glooos fros ;
roe das maos hirtas arrojadas unhas.
Corta co'a propria bocea a atada corda,
d'onde pende o ioforcado, e o morde. A's crines
raspa e lambe o madeiro ; aosjustijados,
i que ali soltaram a alma, arranca euirannas,
' j co'o vento a abanar; extrae raedullas
recozidas do sol. Dos ferreos cravos
desprega as mos do morto ; e a negra sanie
da sangueira escorrida pelos membros
e coalhada pejonha, ella as achupa ;
dando em tendo que aos denles Ihe resista
i nao u'us descerra; pendurou-se, teima.
Onde cadver n se viu nos campos,
antes que as feras e aves carniceiras,
chegou Ihe a ella o faro ; ao p se pousa.
Nao quer estar com ferro a esposteja-lo,
! nem co'as maos. Para que I nao tardam lebos,
que Ih'o venham trinchar ; das gulas soffregas
; pode ella cntao as carees extorquir-lhes.
; Mata, por sua mo, se necessario
saugue inda vivo, oque primeiro golfa
de rasgada garganta. EIIj, homicidios
havia de os fugir, quando Ihe pedem
seus ritos sangue queme, e as mesas fnebres
Ihe sao mister entranhas palpitantes ?1
Assim, talhando a me, ihe extirpa o feto
(pelo medonho rasgue luz irazido,
nao por onde o chamava a naiureza)
e o poe na ara tncendida. Em carecendo
de espectros mais terrficos, mais fortes,
sabe manes fazer ; todo o homicidio
em sua arte aproveita : ella, aos meninos
colhe a flor do semblante ; ella, ao mancebo
i'i'ifa co'a sestra a soma, em quanto expira.
T mil vezee (oh i thessala nefanda I)
em funeral de prximo parete,
(o co'os amado restos abrajar-se,
e tingiudu bei;a-lo crceo o eolio
Ihe trunca ; escancarando-lhe co'os denles
a bocea pela morte em vo cerrada,
morde-lhe a lingoa, que a gargauta secea
ficra presa; verte Ihe murmurios
por entre os labios glidos, e manda
algum segredo atroz a stygjas sombras.
Sexto, que ouviude Erictho a nomeada,
resolveu-se em busca-la. la alta noute ;
era a hura, em que o sol comparte a meio
na trra sob a nossa o claro dia
Caminha por devesas selitarias.
Socios seus, seus ministros as brutezas,
entre arrombados tmulos vagando,
' vm-na ao longe sentada em rocha abrupta,
l onde o Hemo desee a chaos pharsalios.
Phrases ensaia ali, desconhecidas,
i aos magos, t s mgicas deidades,
| e inventa urna toada oovos usos.
Temen que o genio errtico de Marte
nao transportasse para longes trras
a maianja, devida sua Ematia ;
quer portanto que os plainos de Phlippos,
empapados de encanto e crus venenos,
toda a fragaa da guerra em si resumam ;
que ali so reconcentre o morticinio,
e se enthesoure o sangue do universo.
J cuida jubilosa andar truncando
cadveres de res, fraudar a Hesperia
de tanto povo seu tornado cinzas,
dispor de tantos ossos de magnates,
senhorear a tao regios means.
Um s cuidado a agita : a Pompeu morto
que parte ha de roubar? ao morto Cesar,
que membros extorquir ?
Naquillo estava,
quando o filho degenere do Grande
Ihe appareceu diante, e abri colloqoio-:
Das Hemnides gloria Oh tu, que aos povos
t poe-me claro, te pejo, o fim da guerra I
Nao vs em mim um nfimo de. Roma;
c prole do Grande son. Toca-me a heranja,
qner de seu podero no universo,
c qner de sua catastrophe cruenta,
t A duvida me aterra; os males cerlos
* aguardos sem pavor. Prohibe a sorle
t o alargar-me imprevista. Ou forja os numes,
ou dexa-os, e a verdade extrabe dos manes.
< Abre as portas do Elysio : invoca a Morte,
* que te declare a quaes de nos elege.
A' f, que nohre o empenho, e vale o casto ;
< vale-o at para ti; enalteceremos
do fatal jgo o lance decisivo. >
Vanglnrinsa co'a a fama do sea nome,
a thessala infernal.
f Mancebo (exclama) I
< Se menos altos fados perqnirisses,
t fcil me fra compellir os nnmes
< de qnalquer teu desejo ao desempenbo.
Quando astros de um mortal o occao apontam
cabe em minha arte relardar-lhe o instante;
se, pelo contrario, os cos em peso
* o auspician) longevo, as hervas nossas
< no meio da existencia a luz Ihe apagam.
e Mas ao que toca serie dos eventos.
< desde a origem do mundo incadeados,
t na qual, se alteras um, perturbas todos,
e um s golpe extinguir a raja humana
entilo (nenhama thessala o denega)
c p le a Fortuna mais. Se te contentas
t de saber o futnro, o empenho fcil:
temos recurso mil : a Ierra, o ether,
a chaos, mar, campos, Rhodope, respondem-nos.
c Mais fcil porm, com tanta copia
t de recem-mortos como vai na Emthia,
erguermos um, que em voz distincta fale,
pois do vital calor tem resto anda;
depois que o sol os queuna, as feraes sombras
i s dao vago murmurio, custo ouvido.
Cala. Augmenta negrume noite negra,
por comles de sua arte ; em nuvem parda
a torva fronte some; e vai-se toa
por essa de insepultos ceifa amplissima.
Fogem lobos de ante ella ; abutres fogem ;
largam a prea das faminlas garras.
Para achar o adivinho enlre os defunctos,
vai-lhes palpando as frgidas entrauhas,
at dar com pulmo sadio, intacto,
instrumento da voz preciso ao morto.
Fados de tantas victimas Ilustres,
que balanjo em que eslaes qual de vos outros
para a resurreijao ser o eleito?
Se ella tentasse as legioes inteiras,
que ora jazem no p, volver vida,
restituir guerra, s leis do E'rebo
haviam de calar-se; o stygio Averno,
tremendo ante o poder da encantadora,
povos batalhar vomitara.
Acha afinal um corpo que Ihe serve.
Ata-lhe ao col rolo urna lacada
capaz de estrangular; mette-Ihe um croque,
leva a rastros por montes e penedos
o msero que em breve ha de ser vivo,
e o colluca de um monte cavernoso
sob alta penha; estancia condemnada
pela tristonha Erictho a seus inysteri >s.
T perto dos plutncos abysmos
se esconsa o coo precipite, que affroatam
pallidos bosques de pendidos ramos.
Teixos, que para o cus nao aljam curae,
e onde nem Pheho rompe, o sitio e enoitao
Deotro se estasnam madidas as trevas.
Descorado bolor alastra o antro,
onde o escuro sem fim se quebra apenas,
quando mgica voz Ihe acorda um lume,
As gargantas do Tnaro, na extrema
entre o iovisivel mundo e o mundo nosso,
ar tao crasso nao tem. Mandar seus manes
podan) para aqui os res do Averno.
Pois, bem que a hemnia vale aos fados ferce,
mal se atina em tao hrrido negrume,
se o trnuxe ella da Styp, ou se voragem
que para l se ingolfa. A vestidura
que Erictho inverga, desvairada em cores,
ares Ihe da furiaes; do rosto arreda
as speras melenas, apertando-as
em bruto feixe com lislo vipreo.
Vendo aos socios do mojo espavoridos,
e elle proprio a tremer, o olhar pasmado,
e no semblante a morte :
Eia! deponde
(ibes diz) t da mente afflicta o sobresalto!
O homem vai reviver; mas tao qual era,
< tao no seu natural, qae inda os mais tmidos
< hao de poder ouvir-m'o em quanto falle.
Verieta, se eu qnizesse, o Stygio lago,
t e as ribas flammi-horrisonas ; verieis,
sendo eu, qual sou, comvosco, impunemente
Enmnides; o Cerbero abanar-vos
angui-pel'udo eolio; e es manietados
c traz *s costas gigantes. E haveis niedo
c agora de te pouco, entes corvardes? 1
i Medo de uns manes, que de medo tremem I >
Diz. No peitoao defuncto abre outros rasgues ;
fervente sangue at o incher ihe infunde;
lava-loe a inlrauha podre e Ihe ministra
farto virus lunar. M-scla-lhe quanlo
aborta mais sinistra a natureza.
Nem a espuma dos caes medrosos d'agua
nam visceras de lynce-ou do espinhajo
da hyenna rija as vertebras faltaran) ;
nem luiano de cervo em serpentinas
carnes cevado;remora, que prende
nus a que Euro em mar largo a enxarcia estica
olhos de drago-pedras d'aguia, viudas
queutes do niuho, e que ratania prenhes
da Arabia a alada serpea guardadora
da concha rica, a vibora nativa
do mar vermeiho-a pelle, que o cerasta
despe em Libya luda vivo,e as cinzas restes
que ave Plienix deixou no arlar eo
Quantas pestes ha vis, quautas de nome,
tudo ella ajuncta ; aggrega-lhe iuda folhas,
abrevadas de atroz feiticeria,
e as quaes sua bocea amaldijada
ao arrebenlarem burrifou saliva ;
e agora, inda por cima ao todo infunde
quantas jamis pejonhas inventara.
Entao co'a voz que excede s hervas todas
no poder do encantar do Lethe os deuses,
sella a principio um murmurar confuso,
de todo o ponto alheio falla humana :
tem do latir do ciio, do uivar do lobo ;
tem do queixume trepido do bufo,
e da nocturna stryge; tem das feras
o raugido e ululado ; alembra a cobra
quando assanhada silva ; alembra a onda
quando as penhas quebra ; o bosque alembra
gemer, c o trovao que rasga a nuvem,
E' numa voz um mixto de mil vozes.
Rompe afinal j claro o hemnio canto,
linguagem que nos Trtaros penetra :
t Furias I Nefaria S yge I Eternas Penas I
c i haos I que vido em ti < onfundirias
Mundos sem cont Regedor do inferno.
Den* a quem aborrece a elernidade 1
Elysios, a nos thssalas defsos I
< Tersphone. que o co abominaste,
c e abominaste a me, postrema forma
c da nossa trplice Hcate, deidade
por quem os manes e eu tcitamente
t fallamos entre nos I Porleiro e guarda,
c que ao limiar d'esso espantoso mundo
t lanjas nossa forjura ao cao ferino I
E vs, irmaas, que este cortado Bo
t ides atar, para o corlar de novo f
i E tu Arraes do rio flammejante,
i < relho estafado de volver-me espectros I
< Ouvi ora o raeu rogo t
t' Se eu vos chamo
< com bocea asss nefanda, assaz poluta;
< se eu nunca estes cantares vos diri|o
sem me desjejuar com fhra humana ;
c se lana vez de minhas mos bouvesles
< maternos seins trgidos ; e as postas
vos Vi regadas com milos quemes ;
t se tanta vez creanjas, de que hei posto
< cabe ja e intrahas as bandejas vossas,
c eram para viver, cumpri-me a prece I
Nao vos pedimos alma oceulta ha muilo,
no antro tartreo, e | casada s trevas ;
sim urna, qae da luz recem fgida
i < inda vai descer, e beira do Orco
lbrego... hesita. Permitti se renda
ao raeu conjurio; nem por isso aos manes
< ha de ir mais de urna vez. Era inda ha pouco
t soldado c na trra ; trra torne
< sombra agora, e os destinos pompeianos
t do seu grao general declare ao filho,
t j que s guerras civis deveis taes lucros
Acabara.
Espumando ergue a cabeja.
Em p, juncto ao cadver estendido,
avista a sombra delle, amedrentada
d'aquella massa exnime, d'aquelle
crcere odioso a que outra vez a forjam,
1 Ella, naquelle peito escancarado,
inlranhas rotas, laceradas fibras,
ir de novo encerrar-se I oh! queancedado !
oh que miseria I Nem se qur, por morto,
ficar de mofle exempto 1
Pasma Erictho
de que o Fado se atreva a tantas moras;
e agastada co'a Morte, ao corpo immoto
co'uma serpete viva entra zurzi-lo.
Por fendas, que ao seu canto abrir a trra
quebra a eterna mudez, lalindo aos manes :
t Sus I Megera e Tisiphone I Estis surdas ?
Porque nao me acojis co'o o rijo latego
ess'alma triste pelos vacuos de E'rebo T
> Guardar I Nao vos chame eu por vussos numes I
Se eu vos assuiuo a trra, heide largar-vos,
c cadellas infernaes, na luz perdidas ;
< mas sempre atraz de vos; sempre a guardar-vos
por luneraes e pyras; prestes sempre
t espancar-vos de tmulos e de urnas.
E a ti, Hcate falsa, a t que aos deuses
ostentas cada noite um novo aspecto,
heide obrigar-te a apparecer-lhes paluda,
t tal qual s, cadavrica, medonha,
raoo.-tro do E'rebo ernm, por mais que o fujas.
Publicarei por que manjar, gulosa,
< liilia de Enua, acceilaste o ser captiva
as intraubas da ierra ; com que pacto
c fuste uiulher do triste Rei da Noite ; ,
c e nem Coree, por ver-te em tanto spprbrio
< le quiz reivindicar.
t E a ti do mundo
o peior soberano, hei de infuudir-te
pela abobada rota o sol em cheie,
t que le alvorote as lbregas cavernas,
e te cegu co'a luz.
..... Obedeces-me ? I !...
< Ou chamo por aquello, a cujo nome,
assim que o ouve, a trra se ampia t
t o que olha em face a Gorgona ? o que pune
co'o seu flagello a Erynnis trepidante ?
c o que mora nos Trtaros, profundas
< tao abaixo de vos, que as vos nao vedes
c e figuris de speros ? Em summa :
o que Styge perjura impunemente ?
Eis se descoalha o sangue ; aquece : gyra;
consola as negras chagas ; incha as veas ;
eva aos confus do corpo a actividade.
No peito, que era gelo, as fibras pulsam.
Pelas medullas serpeando a vida,
junia-se morte e a vence Os membros lodos
movem-se. Os ervos.tendem-so.
O cadver
nao se ergue pouco e pouco, parte e parte :
salta em p, nem que o solo o repelisse.
Abre olhos grandes; do semblante as mostras
mais sao de agonisar que de existencia.
Conserva a pallidez ; conserva o hiri.
Pasma de estar no mundo ; mas a bocea,
inda a nao desrerrott : que a voz e a logua
s para responder se Ihe ontorgaram.
Responde ao que te mando (exclama a ths&la)
e bom premio havers I Falla a verdade :
t e aqui das ai tes no-sas te asseguro
exempjao perennal. Daiei teu corpo
a tal jazida, em lenha tal queimado,
c e com tal carme stygio, que tua alma
< nao fique mais subjeita a incantadores.
c Foi-te bom resurgir, conjurios, plantas,
< do teu somno fetbo nao mais te acordara,
< mal que eu l te reponha.
t Ambiguidades,
< deixemo-las s trpodes e s vates,
interpretes do cu; quera pede s sombras
t certeza do destino, e paraobte-la
t co'a morte dura intrpido se arrosta,
< nao se ha de ir hesitando em phrases dubias.
c Ora pois, satisfaze-nos o empenho !
t Repoe-nos cada cuUsa em termos claros I
Nomeiaos silios Finalmente falla,
c como fallar comigo os fados usara. >
E um verso entojuntou, com que a noticia
do que importa saberse entra na sombra.
Triste o cadver, e affogado em pranto,
disse :
Em verdade, o que l fiam Parcas,
nao n'o sei, que o nao vi; pois fui chamado
quando era inda no caes da margem muda,
e O que sei, pelo ouvir s sombras tudas,
t que vae mui ferina desavenja
entre os manes romos ; que as armas impas
c tem chegado a alterar a paz do inferno.
< Saluram capites do elysio campo,
t outros do horrendo Trtaro ; por todos
se fez claro o que os Fados apparelham.
< O semblante das sombras foriunosas
t resumbrava tristeza. Eu proprio, hei visto
t os Decios, filhe e pae, victimas santas,
t expiatorias das passadas guerras,
< chorarem ; vi chorar Cantillo e Curies;
c Scylla vi da fortuna a lastimar-se.
c ^cipio carpe o filho miserando,
que ha de raorrer era Libya; o de Carlhago
c iuimigo raaior, Calu, lamenta
c um neto, que ao servir prelere a morte.
< Um s, s um, d'entre os ptiantasmas pos
f vi contente : era Bruto, o que regra
c cnsul primeiro a Roma desoppressa.
Caliliaa minaz quebra as cadeias,
e exulta. Vo, como elle jubilando
Marios ferozes, semi-ns Cethgos.
Congratulam-se os dolos do povo,
Drusos, Gracchos, em leis tao arr ijados,
< e taannos no ouaar. Grilhoes de aceiro,
inquebraveis grilhoes, palmear uao tolhem
aos que as raasmorras de Pluto povoam ;
c ruje a turba damnada.e pede em grita,
t comparando-so aos morios que se esperara,
c para roansao dos bons ser transportada.
O rei do morto mundo amplia aos carceres
< a lbrega extenso ; reaguja as penhas ;
< crrenles de diamante, e novos tratos
c prepara ao vencedor.
t Mancebo, podes
esla consolajao levar comligo :
que os manes j benvola hospedagem
c a leu grao genitor e aos seus tem prestes,
sendo a estancia do here na flor do Elysio.
De vver algo mais nao se enamore ;
t vira dia em que os che (es dos dous bandos
nao sero mais que um p. Ide animosos
c a morle procurar I Sepulchro humilde
< muilo embora vos dm ; baixae soberaos
c ao reino onde, em phanlasmas convertido?,
t conculcareis romanos semi-deuses I
Qual ha de ter sepulchro ao rez do Nilo ?
e qual do Tibre ao rez? Eis a conteudf.
c Sao geueraes a batalhar por cinzas.
c Quanto ao fim que te espera, a ti, mancebo,
nao me inquiras ; sem que en t'o prophetise,
as Parcas dentro em pouco hao de mostrar-t'o
t Vale mais certo, em campos da Sicilia,
Pompeu, teu proprio pae, te dir tudo,
t bem que ignore que trras le acouselhe
t demandar, quaes fugir; que plagas, que astros
t te ameajam fataes. Guardar, oh tristes,
t de Europa, frica e Asia I Onde triumphos
vos dera a sorle, dar-vos-ha sepulchro.
< Miseranda familia 1 Urna acolheita
c mais segura que Eratha, embado a buscas.
Revelara o destioo.
Em p, calado,
implora co'a tristeza o doo da morle.
Nao cae sem versos mgicos e plantas,
que os fados, se urna vez seu jus se quebra,
j nao sabem por si recupera-lo.
A feiticeira amontoando troncos,
vasta pyra constru e; nella o defunto
vae por seu p deitar-se. Erictho o deixa
consumir-se em socego ; alfim Ihe outorga
a merc de acabar.
Parte com cexto
para o campo do pae. Mas porque a aurora
ja quer os cus pintar, at que a salyo
entrem na tenda em que Pompeu descanja,
resistiu violentada a noute ao dia
prolongou-se na trra a escurdade.
FIM DO CANTO VI.
. Jo.SK Fkliuano iik Castilho.
UM POUCO DE TUDO.
Da Estrella da Norte transcrevemes o seguinte :
LEMBRACAS DE ROMA.
Com aprimeira noticia desta pbrseguijao, o pen-
samenlo de S. Pedro fui fuar de urna cdade in-
grata, e levar outra parte a palavra de Deus.
Tornou a tomar seu bordio de peregrino e j se
diriga para urna das portas de Roma, quando de
repente Ihe apparecu Jess Christo, que vinha a
seu encontr, e entrava na cidade. tSenhor, onde
ides ?> exclamou o apostlo vista de seu divino
mestret Eu vou ser crucificado urna segunda
vez ihe responde Jess. E estas palavras desap
parece deixando smente como sigual de sua appa-
rijo sua pisada n'uina pedra do caminho.
S. Pedro comprehenteu que Jess Cnristo ia
padadecer em seus membros, isto o, em sua egreja
perseguida ; sentiu que chegava o momento de
reparar a fraqueza que tinha mustrado no tempo
da paixo do Salvador, e que talvi-z tivesse a feli-
cidade de lavar em seu sangue e.-ta falta que sem-
pre .churava amargamente, raas cuja lembranja
uao podiam suas lagrimas apagar. Voltou portan-
to, e puncos das depois estava recolhido priso.
A pedra onde ficou o signal dos ps do Redemp-
tor anda em uossos das conservada, e para me-
Ihor guardar a memoria deste aconlecimento, foi
edificada urna pequea egreja no mesmo da appa-
njo.
Desjamos agora masmorra onde esi preso S.
Pedro ; urna cova obscura, hmida, aperlada,
sem abertura mais que urna miscravel escada. A
um canto urna columoa marca o lugar onde esta-
va eocadeado o principe dos apostlos. Suas mes-
mas cadas sao veneradas n'uma igreja situada
oo longo d'ahi, e que tem o nome deS. Pedro
ad vincula, -ao pesados annes de ferro que for-
mara duas cadas, e se juntam urna colleira e-
gualmente de ferro Assim que primeiro papa es-
tava preso em um calaboujo, no meio neurna mul-
lid.ode malfeitores, qu>-, como o mau ladro o op-
primlam com escrneos e blasphemias. r.lle en-
tretanto Mies fallavade Jess Crucificado, e ao som
de sua voz to calma c tao santa ladrVs e falsa-
ros, carcereiros e soldados, sentam-se tocados e
couvertidos. Muitos delles em breve pedirara o
baptismo, e como nao havia agua na pri>o, reoo-
vou para elles o apo.-lolo omilagre de M>yses Sa-
hu da Ierra urna fonte, que ha desoito seculos
nao tem cessado de correr, e onde os peregrinos
todos vo beber sem nunca esgotala. Quasi lodos
estes novos liis pagaram com o sangue sua con-
versao, e parlilharam com seu pao na f a gloria
do martyrio.
S. Pedro tinha flcado muito lempo na prsao,
mas seu proeesso nao l>\ longo; era chefe dos
chrlsiaos, ba>tava isto. Como Judeu, foi coudein-
nado a ser crucificado Conduziram-no uma col-
lina fim de Ihe darem osupplco como espect-
culo para todos os coniornos. Chegado ao lugar
do maityrio, um s favor pedio aos carrascos, que
era de o crucificaren) de caheja para baixo ; por-
que nose juk'ava digno de morrer do mesmo mo-
do que Jesu- Christo. Concederain-lhe isto, e bus-
cando elle desta vez sua coragem e forja em Deus
morreo com heroica resignajao e santa alegra.
Feliz quem assim sabe apreciar a graja de sof-
frer a exemplode seu salvador, e acha ainda de-
mais ln lias as iribulajVs que Deus Ihe enva I
Um convento e urna egieja indicara ao peregrino
o sitio em que S. Pedro morieu. O mesmo lugar
era que fui sua cruz plantada acba-se agora no
centro de urna capella ; cada um leva algumas
partieulas desla trra abenjoada, tocada pela cruz
do- Ilustre marlyr, e com o tempo tornou-se um
verdadeiro pojo o buraco cavado por seus car-
la-cos.
Depois de termos seguido passo a passo as piza-
das do apostlo ; depois de termos visto seu pri-
meiro altar, beijado suas cadas, visitado sua pri-
so e o lugar de. seu supphcio, parece que delle
nos approxiraamos, e que >ua vida gloriosa acaba
apenas de findar. E que irnpoita, em todo caso,
que tenham succedido estas cousas ha desoito se-
culos ? Deven) por isso interesar-nos menos ?
Nao somos filhos deesa egreja, cujo primeire viga
no foi S. Pedro 1 Nao do tmulo de S. Pedro que
anda hoje nos vera as palavras que conduzcm
vid a eterua 1
Vamos agora esse glorioso tmulo ; ah que
se rnanifesta tuda a grandeza dn apostlo, e para
honra-lo dignamente, a egreja excedeu tudo o que
de mais colossal tem produzdo as furjas humana*.
S. Ptdro de Roma amarar, amis soberba, a
mus vasta egreja do mundo; por sua exteuso.ella
parece cobnr os peregrinos do universo inteiro, e
por raaior que seja o numero dos tieis, parece sem-
pre deserta. As paredes sao todas revestidas dos
marmores mais ticos e mas vanados ; os mesn os
retalilo- tem a solidez do edificio, e esto salvo
des estragos do tempo, porque sao compostos de
mosaicos, isto, de um incido de pedras de diver-
sas cores un.das e sorii las com intitule arte. Mul-
las ejr-jas de Roma sao ornadas de. moisaicos do
tempo de Constantino, isto que leera mais de
qualorze seclos, e nao perdern) seu hrilho. A'
direta, na baslica, M a Inflama estutua de S
Pedro, da qual um dos p* e.-ta gasto pelos beij,..
dos peiegiinos. No fundo, tuda engastada de
bronze, se acna a amiga cadeira era que o santo
apo-t lo se assenlava para pregar o Evangelho :
eralim no meio do edificio, debaixo da copula i*i-
gantesca, todos vcera ajoelhar-se no tmulo de S.
Pedro.
Doze duzias de lampadas, que ardem noute e
dia, rudeam este sagrado monumento, e sao como
o symbolo da gloria immorredoura do primeiro
cheie da egreja.
Ha muito tempo que elle raorreu, dizera com n-
ditlerenja os que desconhecem a Je sua egreja ; purera em vez de sen-m molivo de es-
queciniiilo ou desdera, os desoito seculos que d.t-
correram desde o martyrio de S. Pedro, sao urna
das mais bellas provas da verdade catholica.
km quanto os palacios dos imperadores, os tem-
plos dos falsos deu-es, os araphlheatros e as salas
de banho se reduzrain p. o tmulo do apostlo
crucilieadu nao deixou de sub-istir, nemengrande-
cer-se. E anda hoje, a magnifica cpula debanoda
qual elle repoisa, magestosamente domina os t-
mulos esqueldos de seus perseguidores. A
lembranja de Paulo e de soa merata mImb
lo viva como a de S. Pedro. Debati m
de Sania Mara invwlata, arha-se, no reir'
cidade, um subterrneo romposlo 4e peqnm. ,
ruaras. Era em outro tempo oca murtu tom
tras as ruinas e os destrneos por toda parte a
cumularan) no slo de Roma, fernaram jnHt*.
delles, e nao peruiitlem mais ahi rbeyar .
por urna escada de viole de.-riis. Fot ah mmim
bilou S. Paulo durante tres annos, ah ,(n,. ._
ven muitas de suas epstolas M bW itaGm-u
do Orinle. Ahi tamben) com elle hatur S. l$_
cas, e Coiupoz o livro dos actos dos am-t-V*. |
se gloriava de estar no> ferros por Je.u, i.,,-
era severamente guardado por nimio,
se gosava um pouco miis de liberdade -fr .
tros chrisios o devia seu titulo de rifana
romano. Mas em breve a pcr*-ui.;> kimou-*.
mata cruel, e foi elle reunir se a S. Pe4naapn.
Mamerlina, nessa horrivel mazmorra privad ir
ar e de luz, onde o pescador de Galilea hay .
n'uma fonte milagrosa os novo* convertidla.
gados ao mosmo lempo foram catvlemnav
morrer no m^smo dia ; smente e* m ^
crucificado, devia S. Paulo, como cidad roana
ser decapitado.
Elles sahiram juntos da prsao para eatadaar
ao suplicio, e depois de terem por ilgnsa Mano
conversado sobre a recompensa qe os esa
foram separados por seus carrasco, e sei
ram, para se tnrnarem a ver algunas hora i
no cu. O lugar onde pela nllima re e
ram foi marcado peh ri.n-trore de urna
em cujo fastigio >e l as ultimas palavras isne'^
dingiram. ('.negado lora da cidade, no ufar *
seu supplirio, poz-se ?. Paulo ri>rajMaaanaj u
joelhos, e sem temor esperou o golpe do alpaanj*
que devia rortar-lhe a vida. Como im-
urna forja extraordinaria sua rabera, avrahir. -,
lou, e feriu a ierra em tres parte*, d'onde satoran
tros funtes; figura das traja* abundante* da* mw
elle mesmo depois de sua norte, devta servir di
origm. Estas fonle* esto h >j> encerrada* i-
egreja em que se venera rgualmeate a pedra -
bre a qual fra corlada a raheja do apo*l
longe d'ahi, e lambem fra da cidade. v '-lera
magnifica baslica de S. Paulo, no ansa bajar
em que elle foi sepultado. Ete veneravH
ment, que remonta ao IV s-ealo e qae nm
ravel incendio linha quasi inleiramcate de*tmd>
ha 30 annns, mais rico e mais bello do qae mar
sahp hoje de Mia roma*. 0 rhi-maiirix, e me.
mo os inflis, quiz>-ram reoder tal ao
apostlo das najes. e o grande altar de antarht-
tes, dado pelo imperador da Kussia, acba-se rui..
cado entre quatrn columna* de alabastro, eavtadv
pelo pacha do Egypio. Em redor de Pida a fr-
ja eslo representados n urna longa trie de aw-
dalhas de mosaico os retratos do papa*. Cada an
desses retractos coroo um aoael desaraien m. ,
iiiterrompida o veueravel que aos liga aaa aaoo
los de Jess Christo.
Ortulhemo nos de perteneer a esta egreja n-
pre forte e sempre amave', contra a qual anara
prevalecern as portas do inferno
E' do Sr. Tobias Brrelo de Mermes e*u poesa
recitada no theatro de Santa Isabel por occa*tio da
represenlajo dada pelos aradenMew esn bemnia
dos martyres da Polooia.
Ainda um povo captivo
Que era lula inulil se esvae .'
Da luz o secuto altivo
Encolhe as azas e cabe.
L solre a virgem sosinha
Lhe diz o Cossaro* miaba
E a pobre soluca co
Pbrase negra, renegada
Que sahe como urna golpuada
De raiva e desesperajo.
O mundo v... nem Ihe importa
.\ inju-m que rem-la v.'
Gritam por ella... ei-la morta
Chama-se um gladio nao ba.
brese a tumba da historia.
E envolta em trapos de glora
Vae a Polonia dormir.
Boceas grudadas de medo
Guardeo o Insto segredo.
Fiquem t) ramios a nr.
J sao de mais os resabios
Da ira, diz o seobor.
Ai d'aquellc-ijue em seus lili
Foi lanjar o dissabor.
E' quando o p\ v0 delira.
E brada altivo \ mentara
Crenjas, direitos e leis I
S grande a liberdade
Que sacude a magestad*
E arranca a juba dos re*.
O seu esforjo foi lonco.
Sahio-lhe o ultimo ai.
Morrer esperar um ponan.
Martyres della.rsperai.
ChrMao confia em leus *anto-
Que purpurem-se o* mantos
Com o sangue i filhos teu- .
Nao digas o co modo.
O que ha por vir, ve indo
Alguem falu vir Dos
Polonia na toa ossada
Esequiel soprara.
Ao clarim de uim alvorada
Teu tmulo parlir-se-ha.
E tu maior oesse dia
Apandando a cinza fra
Dos que morreram por ti,
Gladio em punho, olhar tn-ac
Fars o dos do lyranno
Ressuscita los ahi.
Pis que assim morrer lo fort,-.
Deixa-le agora morrer;
Impaciente da morte
Tu VHluias vver.
Cabellos e pegamentos
Largados aos qualro venios.
Dirs ao mundo venc |
E o despotismo embriagado
Vers leus ps rojado
Segura o golpe, Jurtiib.
Cadver santo c glorioso.
Amam-le os livres de ra.
Acceita o beijo amoroso
Que o moco imperio le da
E' livre a nossa bandeira.
Que anota o ar altaneira
Como as azas de cndor.
Nossas almas tem mais fonoV
Por ti... um protestod mundo,
Por li... um vuto ao senhor.
L se no Echo Pacifico o segainle
Hontem de rnanha a cidade de S. Francisr i
dolorosamente impressionada com a noticia > ar
o vapor Washoe, que na secunda fera a larde par
ira para Sacramento, foi destruido por urna
sao, perecendo n'esla catastrophe um jr-nl
mero de pessoas.
A 5 de seterabro as 4 horas da tarde o 'i.', -
largou do seu caes com 17.1 a d) passageiro, en-
tre estes mudas senhoras e viajantes perteaonan
clas-o abastada.
Foi s 9 hora* da noite qoe levp logar a
trophe, a 3o -millas da cidade de -acr.iii>ialo e i >
Rio-Vista.
O vapor Antelope de urna companhia rival. .
muilo atraz e nao chegou ao lugar do sustro t
nn a hora e nieia depois da caia>iropbe.
Este vaportralou logode socrorrer a* vir ti w.-
e todos os passageros do Wuskof que puderam a r
recolhido* a bordo do Antelope foram por or va-
por conduzidos cidade do Sacramento, onde .
chegaram honiem as 4 h-ras e meia da nn
por que, para marar infelicidade, o vapor iovu
n'um banco de area e nao pode tur pasta a aaJ.
se nao depois de muiia* horas de trabad...
O qua-iro a bordo era horror-so. O pavonen:
da cmara e o con tez eslavam coberios deanrw
e feridos. Uns qnarenta d'estes ulnmos usaran
estendidos sobre colxes e m nt Ja .
Todos os m dic.s da cidade do Sacra__
diram e prodigalisaram os seos servirs.
Em quanto se faiiain esforjos para dat
jar o Antelope eocalhado no meio do na,
sou se urna commisso sanitaria, e Venan I
foi transformada era nospial. Fizeraa>*e pavio-
las, improvsarara-se leitos, e as iwliam turan
transportadas pelo* cidad.io*, Inn tirmiil e*p>a
uneamenle em enlermeiros, e pronpan a barr tu-
do o qqe a humaoidade Ibes polta m
PERNAMBCO.- TYP. DS M. F. DB F. f f U
r
MUTILADO
,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7BN486YF_5HX2Q9 INGEST_TIME 2013-08-28T00:14:47Z PACKAGE AA00011611_10535
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES