Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10534


This item is only available as the following downloads:


Full Text
U. jTDjERO 278.
Por tres Mezes aiiiautados 58OU0
Por tres mezes vencidos 6$UWI
Porte ao correio por tres mezes. 075U
SABBADO 3 DE DEZEMBRO DE 1864.
Por amo achantada.....19SIHIO
Porte ao correio por um anno. 3JOO
i
Ck' A&M8GADOS ua aUBacRtrCAO NO MORS
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Margues da Silva; Aracaty,o
ir. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinbeiro & C; A-
mazoaas, o Sr. Jeronymo da Costa.
INCARRKGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SL.
Alagas, o Sr. Claudino Falcao Das; Baha, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins & Gasparino.
i\iR'iDA bO Eja'SIAJ.
Oiinda, Cabo e Escada todos os das,
lguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
seztas-feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caroar,
Altintio e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacara.Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exa" as quartas feiras.
Serinhem, RioFormoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros,Agua Preta e Pimenteiras as quintas eiras.
Ua de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao Vi dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
6 Quarto cresc. as 5 h., 11 m. e 56 s. da m.
13 La cheia as 4 h., 52 m. e 26 s. da m
SI Quarto ming. as 2 b., 42 m. e 58 s. da m.
18 La nova as 7 h., 1 m. e 44 s. da m.
PRKAMAR DB HOJI.
Primeira as 7 horas e 42 mi natos da manhaa.
Segunda as 8 horas 6 minutos da tarde.
PAsVIa l-O!) VJrOBjfei tOSl&lBO.
Para o sol at Alagas a fi e 25; pm o norte at
a Graua a 7 e 2 de cada me?; para Fernando uos
das 14 dos mezes dejan, marc.maio. jnl. set. e nov.
PARTIDA DOj> OMNifiD*.
Para o Recife: do Apipucos as 6 /t. 7, 7 /t, 8 e
8 V* da m. de Oiinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6 V da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos as 3 Vi, 4, V, V,
5, 5 V, 8 Vj e 6 da tarde; para Oiinda s 7 da
manhaa e 4 /t da tarde; para Jaboatao s 4 da
tarde : para Cachanga e Varzea s 4 Vi da tarde;
para Bemaca s 4 da tarde.
AUDiENC a DOS 1RIBUNAZS DA CaPW AL
Tribunal docommercio: segundas quintas.
Relaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas sextas ao meio
da.
Segunda vara do civel: quartas sabbados a 1 hora
da tarde
DiAS DA Si M Na.
28. Secunda. S. Jacob da Marra f.
29. Terca. S. Saturnino m. ; S. luminata t.
30. (toarla. S. A mir ap.: S. Tr. \.m b.
1. Quinla. s. Nahum prol.; S. Klnv b.
2. Sexta. S. BfMftM v. m.; S Policiano m
3. SaDbado. S. Franci-co Xavier ap. das India-.
4. Domingo. S. Barbara v. m.; S. Osmuodo.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a iivraria da praca da Independen
ca ns. 6*8, dos proprieurios Manoel Fnrueiro.
de Faria fc Filho. 8 *
PARTE OFFIGIAL
CiOVKIl* 0 BIKPiDODE
PHWIIIUL'CO.
SEt VACUT6
Dezembro de 1861.
Expediente do dia I.
OfQcio ao Exm. Sr. presidente da provincia.
Haveodo V. Exc. se dignado aceitar o convite que
tive a honra de Ihe dirigir em data de 29 de outu-
bro paseado para ser padrinho do sino grande da
nova matriz de S. Jos, denomnalo Santissimo Sa-
cramento, cbeme participar a V. Exc. que, achau-
do-se agora promptos os tres sinos, ter lugar a ce-
remonia da benco delles no domingo pruximo, 4
do correte, na mesma igrVja de S. Jos, s qua-
tro e ineia horas da lirdo OlBc.iouse nesse sen-
tido aos Exms. Srs. Baro do Livramento, padri-
nho do segundo sino denominado S. Joss, e com-
mendador Antonio de -souza Lelo, padrinho do ter-
ceiro siuo denominado Nossa Sb.nhora da Concei-
gio.
Dito ao vigario interino de S. Jos.Achando-se
a nova matriz da freguezia, de que V. Rvma. dig-
no parodio, em estado de prestarse ao tim para
que destinada, asMn o communico a V. Rvma.
para que, do dia 8 do correte em diante, exerga
em o novo temido as suas funcgdes parocniaes.
Cabe-ine igualmente convidar a V. Rvma. e ao
clero da sua freguezia para tomar parte em todos
os actos tendentes a inau^urago da nova matriz ;
sendo que no domingo prximo 4 do corrente, pe-
las quatro horas da tarde tem de proceder-se
benco dos sinos : na quarta-feira 7 do mesmo, s
3 horas da tarde, ter lugar a henco do novo tem-
plo ; e no dia segninte, da da Coneeigo Immacu-
ada da excelsa esposa do grande patriarcha S.
Jos, pelas uove horas da manhaa ser trasladado
o Santissimo Sacramento da igreja de Nossa Se-
nhora do Terco para a nova matriz, a fm de co-
meear ah a solemnidade do dia.
Espero pois que V. Rvma. comparecer em to-
das estas occasioes rom os reverendos sacerdotes
da sua freguezia que o qujzerem acompanhar, a
flm de que os actos da nossa religiao se facam com
a pompa e solemnidade que a igreja prescreve.
Conliado no reconhecldo zelo e sollicitude que
V. Rvma. soe desenvolver em tudo o que diz res-
peito ao seu cargo, estou certo de que V Rvma. se
ha de entender com a commisso encarregada das
obras e da festividade, a tim de que nada falte em
o novo templo para o bom desempenho das func-
coes do nosso ministerio.
Dito ao vigario da villa da Palmeira.Attenden-
do aoque V. Rvma. allega em seu offlc'o de 14 do
prximo passado a que respondo, altendendo a mo-
rar o vicario da vara dessa comarca 23 leguas dis-
tante da freguezia de V. Rvma., aut iriso nesta da-
ta o vigario da Anadia para rubricar os dous livros
que V. Rvma. Ihe apreseWar para o uso dessa fre-
goezTa.
Dito ao vigario da Anadia.Pode V. Rvma. nu-
merar, rubricar e fazer os competentes termos em
dous livros que por esta vez Ihe forem aprsenla-
do da parte do Rvd. parocho da villa da Palmeira,
os quaes tem de servir, um para os lancaraenlos
de bitos, o outro para os de casamento.
Hilo ao coa ijuctor pro parocho de Piassabur.
Teoho presente o seu offlcto de 11 de outubro, e
abstendome de fazer quae:quer reflexoes sobre o
deslexo dos seus antecessores na regencia dessa
freguezia, approvo a medida por V. Rvma. apre-
sentada, de comprar novos livros para nelles lan-
zar esses as louvo o zelo de V. Rvma., sendo que, logo que esti-
verem lancados esses assentamentos, convem que
V. Rvma. me participe.
EXTERIOR.
CORKESPOXDE1VCIAS WO IA
RIO 1E PKRSAHIlilX'O.
PORTO.
12 de novembro.
As noticias do Rio de Janeiro viudas pelo Mag-
dalena entrado no Teio em 30 do mez ltimamente
findo, reanimaram algum tanto as pessoas que ti-
nham depsitos em casa dos Srs. Sonto & G. Sao
concordes as correspondencias em dlzerem que os
prejuizos dos credores daquella casa bancaria nao
sero avultados, mas por outro lado fizeram essas
correspondencias roncebcr suspeitas de que a pri-
meira praca rommercial desse imperio se resenti-
r muilo passados os 60 dias da moratoria conce-
dida pelo governo. E' por isso que o prximo pa-
quete transatlntico esperado com anciedade.
O mercado monetario do Porto continua desani-
mado, e as transaeces commerciaes limitaram-se
durante a quinzena as necessidades do consumo.
O descont nos bancos de 8 p. c, mas com
bastante retrahimento.
O cambio sobre Londres dea de H a 64 1|8, so-
bre Pars 542 por 3 fr. 8 d. ?. e sobre llamburgo
47 1|2 3 m. d. nominal.
Coutina a irregularidade do servicp nos cam-
nhos de ferro e com especialidade no de Lisboa a
esta cidade.'
Foram reparados os estragos causados, em parte
desta linha, pela forte inveroeira do mez passado.
O bom lempo que tem frito facilitou essa repara-
^ao. para a qnal a empreza empregou a precisa
energa e artividade.
A commisse nomeada para examinar a manei-
ra porque feito o servico nos caminhos de ferro
porluguezes j informou o governo sobre as prin-
cipaes irregularidades da explora;o, guardando
para mais tarde o apresentar um relatono circums-
tanciado a tal respeito.
A rommisso julga que o numero de comboios
empregados no trajelo das duas linhas de leste e
norte sao sufflrlenles para salisfazer as necessida-
des actaaes da viaco.
Ha dous comboios ascendentes e dous descen-
dentes por dia, communicando a capital do reino
com as estacoes terminaes de cada urna das linhas,
e dous comboios parciaes de ida e volla, um entre
Lisboa e Santarem, e o outro entre o Porto e Co-
imera.
Quanle natureza dos comboios comboios pon-
dera a commisso que, sendo trio limitado o seu
numero em cada linha, e nao devendo ser conside-
rados como expressos os que conduzemoscorreios,
vista a sua pouca velocidade effectiva, seria de
grande conveniencia publica que esses trens fossem
elassifleados como mnibus, addiclonando-se-lhes
carroigens de 3* classe e fazendo-os parar em to-
das as estacoes. Por este modo a classe mais nu-
merosa de passageires e as povoacSes importantes,
visinhas ao caminho de ferro, poderiara parlilhar
as mximas vantagens que actualmente Ihes podem
dar as linhas frrea-.
Nao sendo possivel poremquaoto realisar a ran-
tagem da correspondencia entre os comboios mix-
tos, lembr.i a commisso a conveniencia publica
que esses comhoios levem tamb-rn malas do cor-
reio para as capitaes dos districtos, havendo por
este modo, nesses pontos, duas disiribuicoes do
correio em cada dia ; e para combinar a economa
desle com a utilidade publica, a entrega da corres-
pondencia transportada pelos comboios mixtos po-
deria ser feta as mesmas administracoes dos cor-
reos.
A respeito da polica, seguranga e commodidade
dos passageiros diz a commisso que, como medi-
das de seguranca, cjnvm que o governo determi-
ne, sol) proposta da empreza, o limite mximo de
velocidade que podem atiingtras diversas especies
de trens durante a marcha ; o numero de freios
que deve levar cada um dos meemos comboios; e
recommenda que a empreza tome as providencias
necessarias para reparar algumas carruagens que
seachamem serviyo, porque chove dentro de
urnas e vo outras s vezes sem postigos, o que pa-
rece denotar que o numero de carruagens insuf-
Helente para que se posea atiender s pequeas re-
paraeoes, como reclama o interesse do publico e
mesmo o da empreza.
Leinbra tambem, para commodidade dos passa-
geiros, que necessario determinar o numero de
lugares que podem conter os compartimentos das
diversas classes de carruagens, dando a cada pas-
sageiro o, 45 de largura, pelo menos, e fazer ins-
crever esses nmeros em cada compartimento.
Sobre a situaco das machinas de reserva e as
instruccoes pelas quas se devem regular os ma-
chinistas e fogueiros detalhados para aquello ser-
vico julga a commisso de grande utilidade publi-
ca que a empreza submetta ao governo as suas
propostas, acerca do dito servico, sem perda de
Umpo.
Finalmente a commisso nota que o servico de
mercadorias nao tem litio at hoje a regularidade
que convm ao commercio, e que o peisoal pe-
queo e nial remunerado.
O horario provisorio que regula actualmente o
servigo da exploraco termina no dia 16 do corren-
te, e nao obstante o governo, em portara de 5 do
corrente, recommendar empreza a apresentacao
de novo horario, presumimos que o actual ser
ainda prorogalo, ou se o nao for soflrer apenas
ligeiras modilicacoes.
Se grande o desejo do publico em ver a mar-
cha dos combois levada a urna velocidade conve-
niente, porque na verdade as viagens sao demora-
dasL nao menos certo, e todos o reconhecem, que
a nao ser a marcha cautelosa empregada na explo-
raco das nossas vias frreas teriam havido gran-
des desgragas na linha do norte.
O terceiro anniversarioda morte do muitoamado
re o Sr. D. Pedro V foi hontem commemorado com
as demonstrares de saudade devidas aos que dei-
xam na ierra a memoria de to preclaras virtudes
como a que de si deixou o finado nrmarcha.
Na S rathedral houve exequias mandadas cele-
brar pela cmara municipal.
O templo eslava decorado fnebremente, erguen-
do-se na capella-mr um cenotaonio com as insig-
nias da realeza.
A esta solemnidade fnebre assistiram a cmara
municipal, as autoridades civis e militares e mul-
tas pessoas de diversas classes.
A guarda de honra era feita pelo regiment n.
'8 a guarda municipal, dando o prlnielro Uestes
corpos as descargas do estylo.
Os aniversarios natalicios de S. M. o Sr. D.
Fernando, que fez 48 annos em 29 de outubro, e
de el-rel o Sr. D. Luiz I, que completou 26 em 31
do dito mez, festejaram-se com as demouslragoes
do costume.
Neste ultimo dia concluio-se na praia de Arnoso
de Pampelido, 3 leguas do Porto, o monumento
commemorativo de desembarque do exercilo liber-
tador commandado pelo principe magnnimo, que
tendo disposto de dous sceptros tomara para si o
titulo de duque de Braganca.
O monumento que recorda este facto memoravel
succedido no dia 8 de julho de 1832, e que vulgar-
mente conhecido pelo desembarque as praias
do Mindello, por ser povoaco mais conheciJa da-
quelles sitios, um obelisco com a altura de 25
metro<, contendo inscripcocs apropriadas e duas
coras de ferro bronzeado, e est cercado de una
gradara de ferro.
Pela distancia em que se acha da povoaco e da
estrada o monumento deve de ser pouco visitado.
Em assembla geral do dia 5 dos accionistas do
palacio de crysial portuense foi approvado o pro-
jecto de reforma dos estatutos da mesma sorieda-
de, apresentado pela commisso ha lempos nomea-
da para esse lim.
Pelos novos estatutos o fundo da sociedade de
250:0005000, dividido em 2,500 accoes nominati-
vas ou ao portador de 1005 cada urna.
Nesta reunio fallou-se largamente a respeito da
projectada exposicao internacional para 1865.
Abri o debate o Sr. Antonio Ferreira Braga, mem-
bro da commisso encarregada dos trabalhos pre-
pamtorios para esta grande festa da indusfria.
Dando conta do estado em que se achavam esses
trabalhos, propoz o Sr. Ferreira Braga que estando
designado o dia 29 de junho para a abertura da
expesicao, era conveniente adia-la para os flns do
mez de agosto, em consequencia do governo ter de-
morado a sua approvacao ao pensamento do ser
inaugurada a abertura do palacio de crystal com
urna expnsicao internacional, dando assim mais
tempo entre o convite aos expositores e a expo-
sicao.
Por fim decidio-se que a exposicao seja inaugu-
rada entre 20 e 31 de agosto, no dia que for desig-
nado por el-rei D. Fernando, que o presidente da
exposicao. O Sr. Alfredo Alien flcou encarregado
de ir capital solicitar de S. M. a designacao desse
dia, e entender-se com o governo sobre os meios de
levar a efff ito o pensamento civilisador e ominen
temente nacional da sociedade do palacio de
crystal.
O Sr. Miguel Angelo joven de 22 annos, organis-
ta da capella particular do Sr. D. Pedro II, impera-
dor do Brasil, e que viera a Europa estudar na li-
gao dos bons mestres de msica, compoz e offereceu
commisso do monumento de D. Pedro V um
TeDeum para ser cantado no dia em que completar
o dito monumento.
A produego do Sr. Miguel Angelo vai breve-
mente ser executada pela msica da capella do Sr.
Silvestre em urna reunio particular de pessoas
competentes, para a qual sero convidadas as re-
dargoes de diderentes jornaes portuenses.
O arrolamento dos vinhos no Douro da novidade
do corrente anno deu em resollado o arrolarem-se
66,578 pipas, sendo por consequencia inferior ao
arrolamento do anne passado em 16,288 i pipas.
Segundo o varejo que por esta occasio se cos-
tuma fazer, existera no Douro 3,778 pipas de vinho
velho. O varejo do anno findo deu a existencia de
2,534 pipas.
A alfandega do Porto rendeu no mez de outubro
ultimo 201:702*647, a saber :
Imporlago....... 179:7855610
Exportago....... 10:0785755
Consumo........... 4:4235270
Tonelagem ....... 5425H5
Diversas receilas.. 6:8725897
Cambios.Sobre Londres a 90 d. e 90 d. v. 54 a
54 1/8. Sobre Pars a 8 d. v. 542 por 3 fr. e iO0
d. v. 533 por 3 fr. Sobre Hamburgo 3 ra. d. 47 1/2
nominal.
Entradas.-Em 5 o brigue Esperanca de Per-
nambuen, por Vigo ; em 10 as barcas Tamega do
Rio de Janeiro, Lima / do memo, Perto, por Vigo,
e Adelayde do dito porto, por Lisboa.
Sahiram. Em 6 a barca Arminda para o Rio-
Grande ; em 9 a barca Umao, para o Para ; em
10 a barca S. Manoel //para Pernambuco.
DIARIO DE PERNAMRUCO
Depois de 2 annos de urna febre intensa eleito-
ral, em cujo accessso tudo se preparou, ludo se des-
envolveu pela obtenso de resultado favoravel
urna parcialidade poltica; depois desse estado fe-
bricitante que affectou a todas as molculas do es-
tado social desla nossa trra; depois dessa epide-
mia, finalmente, que se manifestando nos altos po-
deres do estado, irradou-se por todas as classes, a
ponto de accominetter al s sociedades recreati-
vas, as irmandades e as oonfrarias religiosas, cujas
eleigoes resentiram-se dessa vertigem, ahi vai em
boa hora gozar a provincia de urna adminislragao
calma, justiceira e refleclida sob a governago do
Exm. Sr. desembargador Anselmo Francisco Pe-
retti.
Filho desla provincia, tem S. Exc. oceupado va-
rios cargos sem parcialidade, e cercado sempre da
estima publica, que crea o cumprimento exacto do
dever, nao Ihe servindo de embarago jamis o pre-
cooceito da ioterlmdade, pensamento este que es-
peramos continu a dominar no espirito de S. Exc.
hoje que como vicepresidente dirige os deslin-is da
provincia.
Esta, com effeito. livre agora da presso em que
se achava sob o influ) daquella febre, eleitoral, de
que grandemente se resentio a polica a ponto de
smeute recommendar-so pelo abandono de m na
prevongo e punigo dos crimes, quando implica-
vam taes condices com arranjos eleitoraes tem
fome e sede de justiga; e S. Exc. felizmente dispoe
da precisa capacidade para preporcionar-lbe esta |
obra de misericordia.
No entretanto, importa que nestas palavras se
nao veja urna insinuagao partidaria ; cumpre que
se saiba que nao adevogamos os interesses de urna
parcialidade poltica; porquanto o que ahi deixa-.
inos dito, traduz meramente necessidade que todos
es pernambucanos tem de fazer chegarao governo
seus reclamos e suas lembrangas para a boa almi-
nistrago da provincia, atim de conseguir-se a mo-1
ralisaeo publica, sem a qual nada ha qne estavcl
seja, urna vez que em sua ausencia tudo se torna
licito com a annullagao da nogo do justo c o ador-1
mecimento des senlimentos de bonra c dos brios. |
Pelo vapor Cruzeiro do Sul, chegado hontem
tarde dos porlos do norte, recebemo- cartas e jor-
naes alcaugando : os do Para 24, os do Maranho
17, os do Cear 29, os do Rio Grande a 30 do
passado e os da Parahyba i do corrente.
Amazonas.Ainda continuava a assembla a fa-!
zer acrrima opposigo presidencia da provincia,
que Ihe relribue da mesma forma. i
Para.O presidente da provincia eslava visitan-
do alguns pontos da ilha de Maraj.
Fallecer o ex-consul portuguez comraenda-;
dor Fernaodo Jos da Silva.
O commercio ainda conservava-se perplexo e
incerto, em consequencia dos ltimos acontecimen-
tos da corte.
Maranho.Fallecer o negociante Jos de A-'
raujo Teixeira, victima de urna aflecgo do co- I
raco.
. Nada ainda se tinha descoberto acerca do ca-'
daver do poeta Googalves Dias.
L-se no Pubhcador:
i Naufragou ao p do pharol de Sant'Anna o
brigue ioglez Uruid, procedente de Cardiff carre-
gado de carvo. Trazia 58 dias de viagem. Chegou
hontem toda a tripolago, menos 2 horneas que
rnorreram no naufragio.
Naufragou na barra da Parnahyba o lugre in-
glez Bel i na.*
c Acha-se designado o terceiro domingo de Ja-
neiro para a eleigo de um senador, e o primeiro
de fevereiro para a de dous depulados assembla
geral pelo 2o dMricto.
t Hontem (23) noite, por volla de 1 hora e
meia senlio-se nesta cidade um tremor de trra,
felizmente to ligeiroe rpido, que nos Dio consta
ter eccasionado outros desastres alm do desmoro-
namenlo de um ou outr* muro velho e arruinado,
eu movimento foi ondulatorio,
t E' a primeira vez que produz-se um tal phe-
nomeno nesta cidade, ao menos de memoria de ho-
mem nao ha quem por tradiego o saiba.
Piauiiv.Eis o resu.tado tiual da eleigo para um
senador :
Conselheiro Paranagu.. 323 votos.
Dr. Borges Leal........ 306
Coronel Monra......... 272
Ceaiie Rio Grande.Nada occorreu que mere-
ga menco.
Parauiba.L-se no Tempo :
Pregos da piara.
Algodo de I* sorte185000 por arroba.
2' 165000
3a -I4JO00
Assucar bruto... 15500
branco. 45800
Couros seccossal-
gados.......... 45400 um.
Cambio sobre Londres 27 1/4 por 15000.
PERNAMRUCO,
REVISTA DIARIA.
O anniversario natalicio de S. M. o Imperador
foi hontem devidameote solemmsado com arruma-
ment de tropas e cortejo a efligie de S. M. no pa-
lacio da presidencia.
A' noite houve no Santa Isabel urna .representa-
gao de gala.
Tem hoje lugar a partida mensal da socie-
dade recreiativa Corybanlina.
Por acto da presidencia de 28 prximo pas-
sado mez, foi mandado por a concurso a cadeira de
historia e geographia do Gymnaso Provincial, que
se achava vaga.
De ordem do thesouro nacional tem de ser
substituidas as notas de 1005000 da 3.a estampa;
mas ainda nao est marcado o prazo para isto sem
o descont da le.
O vapor Parahyba da companhia Pemambu-
cana acaba de chegar de Macei, tendo antes ido
ao Rio de *. Miguel, donde regressou aquello por-
to com 22S sa<-cas de algodo, nico carregamento
que os S. Miguelenses pode nao fazer conduzlr rio
abaixo al povoaco da barra nos poucos dias
que mediaram entre o aviso, e a chegada do vapor
Felicitamos os K Mignelenses pela realisago de
to ousada empreza, e a companhia Pernambuca-
na por ter avangado mais nm passo, abrindo novo
mercado aos productos do paiz d'aquella local idade
com a facilidade do seu transporte. Sendo certo,
2ue segundo estamos informado; foram bastantes
heras para a viagem que varias vezes consom
muitos das.
E' de suppdr que o commercio de s. Miguel,
qne procura a seguranca, e rapidez as viagens do
vapor, se compenetre que aquello elemento civili-
sador nao pode ser equiparado navegago pouco
segura de que por ora dispomos.
Consta-nos que foi victoriada com o maior en-
thusiasmo a entrada do Parahyba por ser a
vez primeira que n'aquellas aguas se via sur-
gir um vapor, e desejamos de corago que conti-
nu, proporcionando assim interesses recprocos a
ambas as provincias.
Por ser hontem o 39 anniversario de S. M. o
Imperador, esuv^ram embanderados os navios de
guerra e mercantes, durante o dia, e tendo os con
sules das diversas nagdes seus pavilhoes gados.
A' tarde houve parada e cortejo, que ssistio um
concurso inmenso de pessoas. Pela manhaa, 1
e s 6 horas da tarde salvaram a fortaleza do
Brum e o brigue barca llamirac.
Relago nominal dos criminosos e desertores
capturados nesta provincia, durante o mez de ou-
tubro de 1864:
Antonio Manoel Silvestre, resistencia.
Antonio Ferreira Alves da -ilva, ferimenlos leves.
Antonio de Azevedo Lopes, ameagas.
Ben-dicto Indgena Luna, tentativa de homicidio.
Benedicto, escravo do tenente Luiz Jos de Miran-
da, idem.
Candido Jos do Espirito Santo, estupro.
Claudino Alt-xandre Trigueiro, furto.
Cosme Damio dos Santos, idem.
Damio de anl'Anna, ferimentos leves.
Francisco Jos Gomes da Ua, tentativa de roubo.
Francisco Luiz Barbosa, furto.
Galdino Eugenio de Franga C, rapto.
Guiliierme da Costa, roubo.
Jacjnlho Antonio Elisiario da Costa, dem.
Joo Bautista da Costa Pena, ameagas.
Js Luiz da Silva, por alcunha talludo, roubo.
Jos Antonio Loyella Brrelo, furto de escravos.
Jos Francisco de Lima, resistencia.
Jos Vicente Ferreira, contra a liberdade indivi-
dual.
Manoel Jos de Sant'Anna, rapto.
Manoel Raymunde dos Passos, estupro.
Manoel de Souza Ferraz, sentenciado.
Mana Lucinda do sacramente, .nfanlecidio.
Maria Valdevina Cyrilo do Espirito Sanio, armas
defezas
Pedro da Co9ta, ferissentos graves.
Raymundo Antonio d>* Espirito Santo, roubo.
Sebastio Baptista Teixeira, furto.
Sebastio Correa de Mello, ferimentos leves.
Tertuliano das Chagas Colho, furto.
Tertuliano Antonio Francisco, dem.
Theodora Maria da Coneeigo, ameagas.
Thomal Francisco das Chavas Cuuha, futle.
Antonip Anacleto dos Santos, exercito.
Antonio Soares da Silva, dem.
Belarmlno Jos de Medeiros, idem.
Jos Raymundo da Costa, idom.
Jos Joaquim do Nascimento, idem.
Joo Antonio de Vasconcelos, idem.
Joo da Cruz dos Santos Jnior, idem.
Joo Bernardo de Sant'Anna, idem.
Joaquim Vella de Castro Tavares, idem
Joaquim Jos de Sant'Anna, idem.
Leandro Jos Joaquim, idem.
Luiz Francisco, que disse chamar-so Lniz Moura
Nepomuceno, dem.
Manual Iferissirao da Costa Araujo, idem.
Manoel Feliciano, dem.
Manoel Joaquim de Sant'Anna, idem.
Manoel Cynllo, idem.
Martinho dos Anjos, idem.
Marcolino Jos Joaquim de Sant'Anna, idea-
Thomaz Alvos de Magalhes, idem.
Urbano Joaquim Francisco, idem.
Hoje (3) s 10 horas em ponto, elTectuarse-
na o leilo do solos foreiros, pertencentes aos her-
deiros do finado Jos Themoteo l'ereira Bastos,
por intermedio do agente Pinto, em seu escriptono
ra da Cruz n. 38, e a 11 horas de movis, ri-
cos quadros, cavallos, carro, cabriolet, na ra da
Cadeia n. 36.
Passageiros do vapor nacional Parahyba, en-
trado de Macei :
J. SimVs, Jos Correia, Joaquim da Silva, Ma-
noel da C Marques, Antonio Paulino, Joo lfcffl-
cillo, Manoel de Matos Lima, Jo M de Santa An-
ua, Calisto Jos da Guia, F. J. Pereira da Cosa.
Passageiros do vapor nacional Cruzeiro do
Sul, entrado dos porlos do norte :
D. Josepha M. Hitielro o 1 lilho, Joaquim da Mot-
ta. Amonio da C, Lima, Antonia M. da Coneeigo,
Jos F. de Oliveira, Honorato C. de, Abreu, Manoel
J. de C. Pllanga, Miguel Luccas da '.osta, Jis da
Silva Coelho, Joaquim A. Larangeira. Joaquim J.
de M. Correia, Wilham Knewles, Samuel Cowley,
e i escravo a entregar.
Seguem para o sul :
Luiz F. Salgado Filho, cadete Nelson Celso B de
Assis, Pedro A. de Souza, Jo.- M. de Fras, Ai thur
Aroo, Cypriano de souza Frailas, Alexandrino u
de Oliveira, Targino de Souza Martins, Dr. Jo> A
de A. Garcia, teuenle Francisco N. Beauman, e sua
senhera, J Antonio das Dore. Maria Magdalena,
Cicero Por Deus da C. Lima, Dr. Jesuino de Souza
Martins, Maria J. da Conceicao, Pedro Bartholo-
meu, 2 ex-pragas, 11 pragas do exercilo, 4 escra-
vos a entregar. ....
Movimento da casa de detengao no da I de
dezembro de 1864.
Existiam..... 346 presos.
Entraram..... 7
Sahiram...... 17
Existen...... 336
A saber :
Nacionaes..... 272
Estrangeiros... 14
Mulheres...... 3 >
Estrangeira 1
Escravos...... 41
Escravas...... 4
336
Alimentados a custa dos cofres provinciaes. 131
Movimento da enfermara do dia 3 de dezem-
bro de 1864.
Tiveram alta :
Luiza Mana da Coneeigo.
Antonio Rodrigues Vieira.
Obituario do cemitbrio publico no da i di
dezkmbro dk 1864.
Mana, Pernambuco, 8 raezes, Boa-Vista; sa-
rampo.
Calharina de Sena, frica, 80 annos, viuva,
Boa-Vista : hepatitc.
Jos, Pernambuco, 2 annos, escravo, Boa-Vista ;
febre.
Cosme, Pernambnco, 46 annos, olleiro, Boa-Vis-
ta ; fraciura do crneo.
Cecilia Rosa da Cosa, Pemambuco, 70 annos,
viuva, Boa-Vista ; gastro ioterite.
GHRONICAJIDIGIARIA
TRIBUNAL DA BELACAO.
SESSAO EM 26 DE NOVEMBRO.
presidencia do exm. sr. conselheiro
SOUZA.
As 10 horas da manhaa, presentes os senhores
desembargadores Santiago, Gitirana, Lourengo
Santiago, Almeida e Albuquerque, Assis, Doria,
Motta, e Domingues da Silva, faltando o Sr. desem-
bargador Ucha Cavalcanti, abrio-se a asalo.
O Sr. desembargador Guerra, procurador da co-
rda, nao comparecen.
Passados os feitos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
JULGAME.NTOS
llecursos crimes.
Recrreme, o juizo ; recorrido, Antonio Mari-
nho Crescendo.
Relator o Sr. desembargador Santiago.
Sorteados os Srs. dosembarsadores Domingues
da Silva, Gitirana e Almeida Albuquerque.
Improcedente.
Recrreme, o juizo; recorrido, Antonio Ray-
mundo Lins Caldas.
Relator o Sr. desembargador Gitirana.
Sorteados os Srs. desembargadores Almeida e
Albuquerque, Santiago e Assis.
Improcedente.
Recrreme, o juizo ; recorridos, Domingos da
Costa Ramos e outros.
Relator o Sr. desembargador Molla.
Sorteados os senhores desembargadores Gitirana,
Assis e Domingues da Silva.
Improcedente.
Recrreme, o juizo ; recorrido, Bernardo Anto-
nio de Mendonga L'cha.
Relator o Sr. desembargador Domingues da
Silva.
Sorteados os Srs. desembargadores C. Santiago,
Almeida Albuquerque e Multa.
Improcedente.
Aggravos de peticao.
Aggravante, Franci>co Joaquim Cavalcanti Gal-
vo ; aggravado, o juizo
Relator o Sr. desembargador Domingues da
Silva.
Sorteados os senhores desembargadores Assis,
e Santiago.
Deram provimento.
Appellarves crimes.
Appeflante, o juizo; appellados, Bazilio Alves
Correia e outros.
A' novo jury.
Appellante, o juizo ; appellada, Paulina Klin-
ger.
Improcedente.
Appeliaule, o promotor ; appellado, Manoel Jos
de Souza.
Improcedente.
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio da Con-
eeigo.
Improcedente.
Appellante, Leoncio Pinto de Mello ; appellada,
a justiga.
Improcedente.
Appellante, Antonio Francisco Lima ; appellada,
a justiga.
Improcedente.
Appellante, o juizo ; appellado, Joo Lourengo
de Saula Auna.
Improcedente.
Appellante, o juizo ; appellado, Martinho Bar-
bosa de Oliveira.
Improcedente.
Appellante, o juizo ; appellado, Francisco de
Almeida Calado.
Improcedeote.
Appellaroes civeis.
Appellante, o visconde de Suassuna; appellados,
a viuva e herdeiros de Sebastio Antonio Paes Bar-
reto.
Receberam-se os embargos.
Appellante, Jos Alves Barbosa ; appellado, Pe-
dro Semeo da Silva.
Confirmada a sentenga com declarago.
Appellante, Thomaz Machado de Aquino : ap-
pellados, Epiphanio& Casaca.
Reformada a sentenca em parte.
Habeas-corpus.
Concedeu-se ordem a Francisco Gomes de Farias
para o dia 3 de dezembro vindouro, s 11 horas do
dia
DIUGHNCIAS CRIMES.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justiga
As appellaces crimes.
Appellante, o juizo; appellado, Manoel Simio
da (iraga.
Appellante, o promotor; appellado. Joo Manoel
do Nascimento.
Appellante, fl juizo ; appellado, Manoel do Reg
Barros.
Appellante, o juizo; appellado, o escravo Sil-
vino.
Appellante, o juizo ; appellado, Francisco Flix
Cardoso.
DILIGENCIAS CIVEIS.
Com vista ao Sr. desembargador procurador da
cora
As appellaces civeis.
Appellante, Jos llygino de Miranda ; appellada,
fazenda.
Appellante, a fazenda; appellado, Manoel da Sil-
va Paranhos.
DESIONACAO DE DIA.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
feitos :
Appellacao crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos de San-
tiago Tenorio.
Appellacao civel.
Appellante, D. Joanna Maria das Dores; appel-
lado, Jos llygino de Souza Peixe.
PASSACENS
O Sr. desembargador Caetano Santiago passou
ao Sr. desembargador Gitirana
, Ai appellaces civeis.
Appellante, a preta Caelana ; appellada, D. Ma-
ria Joaquina da Silva Manta.
Appellante, a viuva de Joo Henriques da Silva ;
appellado, o Dr. Adolpbo qe Barros Cavalcanie de
Lacerda.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lourengo Santiago
A appellacao civel.
Appellante, a fazenda ; appellada, D. Francisca
Thomazia da Coneeigo Cunta.
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida e Albuquerque
As appellaces civeis.
Appellante, Juvencio Soares Villela ; appellado,
Francisco de Hollanda Cavalcanti.
Appellante, Dr. Antonio de Vasconcellos Man-
les de Drummond ; appellado, Francisco Antonio
Bandeira de Mello.
Ao Sr. desembargador Motta
A appellacao civel.
Appellante, a fazenda; appellado, Dr. Jos Joa-
quim de Moraes Sarment.
Do Sr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
Sr. desembargador Assis
As appellaces civeis.
Appellante, Manoel Francisco de Lima; appella-
do, Alexandre de Souza Rolim.
Appellante, Dr. Jacintho Paes Pinto da Silva ;
appellada, D. Joaquina Baptista Mavignier.
Appellante, Antonio da Silva Pessoa; appellado,
Themoteo Ferreira Lins.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Doria
As appellaces civeis.
Appellante, Manoel Lopes da Silva ; appellado,
Luiz Jos Pinto da Costa.
Appellante, Francisco Xavier Mendes da Silva;
appellado, Manoel Barbosa da Silva.
Do Sr. desembargador Dona ao Sr. desembar-
gador Motia
A appellacao crime.
Appellante, Herculano Xavier Alves ; appellada.
a justiga. *^
Do Sr. desembargador Molla ao Sr. desembar-
gador Ucha Cavalcanti
As appellaces citis.
Appellante, Jeronymo Jos Figueira de Mello .
appel ado. Onofre MunizRibeiro.
Apprllante. Francisco Elias Ferreira Osmim
appellada, Rita dos Anj.w Lieothier.
Ao Sr. desembargador Doria
A apprUaco civel.
Appellante, Joaquim Antonio da Silveira ; ap-
pellado, Antonio Joaquim Saldanha.
A' 2 horas da tarde encerrou-se a sesso.
Tlll III \VI, IM> < OTI T1KK4 IO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRA-
TIVA DE 28 DE NOVEMBHO DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGAN
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
As 10 horas da manhaa, estando reunidos os Srs.
deputados Lemns, Rosa, C. Alcoforado e supplent*
Basto, e presente o Sr. desembamador fi.-eal, o
Exm. Sr. presidente declarou abena a sesso
Lida, foi a pprovada a acia da sesso antece-
dente, notando se fallar a declarago de ler estado
presente o Sr. desembargador fiscal.
EXPEDIENTE.
Foi presente a cotago offlcial da juma dos eor-
retores, relativa a semana inda.Arcbive-se.
DESPACHOS.
No requerimento de Luiz Antonio Fragoso. Elias
de Almeida Lima e Manoel Pedro de Mello, Mia-
do o regMro do seu contrato de sociedade que
ajuntam, sob a firma social de Fragoso, Linea C:
Vista ao Sr. desembargador fi>cal.
No de Joo Baptista Telles, ex-socio da ettiacla
firma fallida de Diogo, Filho & C, cumpriodo o dis-
posto no ultimo despacho de>te tribunal, esarado
nos aulos em que pede sua rehabilitaco :Junto
aos autos de rehabilitago pelo amanuense Chacoa,
a quem nnmeam para servir de esenvo do impe-
dimento do offlcial Farias, baja vista ao Sr. desem-
bargador fiscal.
No de Angelo Romeiro Pinheiro, cora a res posta
de Manoel Garrido, a quem mandn ouvir :Volie
ao Sr. desembargador fiscal.
No de Jos Isidoro Martins, pedm lo ser noraea-
do agente de leiles, visto pelo Sr. desembargador
fiscal : Prosuda a funga nos termos da Id,
volte.
No de Jos Joaquim Alves da Silva, ped'do car-
ta de regi.-tro para o seu hiale Aoro lntesivrl, vis-
to pelo Sr. desembargador tisral : Prestado o ju-
ramento nos termos da lei, d se a caria de regis-
tro que pede.
No de Loureiro Santos i C, periiodo o registro
do seu contrato social, visto pelo Sr. desembarga-
dor fiscal :Registre-se.
No de Francisco Ferreira Borges, gerente da
companhia Pernambucana de navegago eosleira.
visto pelo Sr. desembargador fiscal, pediodo rana
de registro para o vapor Paruhiba. Satisfaga o pa-
recer fiscal.
No de Antonio Valentim da Silva Barroca, pe-
dindo o registro de um contrato que aprsenla,
visto pelo Sr. desembargador fiscal : Regis-
tre-se.
Nada mais houve a tratar, e foi pelo Eira. Sr.
presidente encerrada a sesao a* lis huras da
aiauha.
SESSO JUDICIARIA EM 28 DE NOVEMBRO
DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. F. I'ERETTI.
As 11L, horas da manhaa, o Exm. Sr presidente
abri a sesso estando reunidos os Srs. desembar-
gadores Ruis e Silva, Silva Guimares Arrioli, e
s Srs. deputados Lemos, Hosa, Candido Alcoforado
e supplentes Basto e Castro.
Lida a acta da sesso antecedente pelo offlcial
Reg Rangel, no impedimento do secretario, foi
approvada.
O Sr. secretario Julio Guimares apreenton-se
s i 1 horas e tres quanos da manhaa, hora em
que o Sr. Dr. jniz de direilo presidente do jury dis-
pensou seu comparecimenio mm tribunal a re-
quisigao do Exm. Sr presidente seu rhcfe.
Assignaram-se os arcordos proferidos na ultima
sesso, as appellages entre partes :
Appellante, li.-rnardiiin Jos Je Caralho ; ap-
pellados. Seixas & Azevedo.
Appellante, J. Ignacio Ribeiro Jnior appella-
dos, os admiuistradores da massa fallida de Seve.
Futios Appellante, o embargante 3 Joaquim Jos Fer-
reira ; appellado, Joaquim Elviro Alves da Silva.
Appellante, Jos Googalves Malveira ; appella
e"os, Vaz A Leal.
Apprllante, o brigadeire Gaspar de Menezes Vas-
concellos de Drummond ; appellado, Antonio Al-
ves de Gamillo Veras.
JULGAMENTOS.
Appellantes, Prente Vianna A C ; appellados.
os administradores da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira.
Adiado na precedente sesso
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, Francisco Antonio de Brito ; appel-
lado-, Rocha Miranda, Filhos & C.
Adiado na sesso anterior.
Passou urna di igencia.
Appellantes, os administradores da massa Olida
de Bastos A Lemos ; appellados, Coimbra & Ri-
vaull.
Adiado na sesso antecedente.
Foi reformada em parle e em parte confrmala
a sentenga appellada com o vol do Exm. Sr. pre-
sidente.
Appellante, Gaudencio Lopes de Araujo ; appel-
lado, Jesuino Domingues Caroeiro.
Adiado na ultima sesso.
Foi confirmada a sentenga appellada.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Baslos & Lemos ; appellados, Complano A Cor-
deiro.
Sendo juiz certo o Sr. Jos Baptista da Pbr Jnior, adiou-se o julgamento, ordenando o Eses.
Sr. presidente que se ofBciasse a este senhor asssa
de comparecer ni prxima sesso do I* ded<*iee>-
bro para que possa ler lugar o julgamento dosesa-
bargos.
Appellante, Jos Joaquim da Silva; appellados,
Ribeiro \ Cadull.
Adiado o julgamento requeriraenlo de um dos
Srs. deputados.
Appellantes, Moreira & Duarte ; appellado, Pau-
lo Jos Gomes.
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, Lcurengo Puggi; appellados, Schai-
feitlin & C.
Adiado e julgamento requerimenlo de ora dos.
Srs. depulados.
Appellante, Jos Fortunata dos Santos Porto;
appellado, Joo da Silva Pana.
Desprezaram-se os embargos com urna declara-
gao.
Appellante, o embargante 3* Manoel da Silva
Lopes ; appellado, Joo do Cont Alves da Silva.
Adiado o julgamento requerimenlo de aee doi
Srs. depulados.
Appeliaule, Caetano Cyriaco da Costa Moreira,


Dlarl de f-ermaaateneo Sabbade 3 de Dezembro de i 4.
come administrador de sua aalher, Manoel Lele
de Castro o outros herdeiros de D. Antonia Mara
de Castro ; appelladns. Barroca & MeJeiros.
Adiado o Julgamento a requerimealo de um dos
Srs. denotados.
Estando a hora adianiada nao pode 'entrar o jul-
gamento do feito adiado na ultima sessao, entr-
panos :
Appellante, Augusto Frederico de Oliveira ; ap-
pellados, o presidente 6 directores da Caixa Filial
do Banco doBrasil nesta cidade
rASSAGBNS.
Do Sr. desembargador Res e Silva ao Sr. desem-
bargador Silva Guimares, a appellaco ein que
sao : ,
Aypellant, Jos Guilherrae Guimares ; eppel-
lada, D. Mana Veuancia de Abren Lima Bastos.
Appellante, Antonio Joaquim Salgado ; appella-
do, Jos Francisco Celtio da Siiva Vioira.
Do Sr. desembarga lor Accioli ao Sr. desembar-
ga I >r II.is e Suva, a appellaco entre parles :
Ampollantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos A G. ; appellado,
Francisco Jos Leile.
DISTMBUICOES.
Ao Sr. desembargador Accioli:
Appellautes, Guimares & Alcoforado e outros ;
appella.tos Manoel Moreira da Costa Passos e Can-
dido Moroira da (2osta.
Ao Sr. desembargador Rois e Silva:
Appellante, Francisco Jos da Go-ta Barros ; ap-
pellados, o L)r. Antonio de Padua Pereira Pacheco
e Augusto Bias Martin-, administradores da massa
fallida de Pacheco & Mendes.
Aggravos iuterpostos do juizo especial do
com murcio.
Aggravante, Joio tiouealvos Ferreira Seve ; ag-
gravado, Antonio Jo- Mauricio.
'Agravantes, Uaaoel Ignacio de Oliveira e Jos
Pereira da Cunha ; aggravados, o presidente e di-
rectores da caixa lilial do banco do Brasil uesla
cidade.
O Exm. Sr. presidente negou provimento.
Nada inais (oleudo Iratar-se, o Exm. Sr. pres-
deme encerrou a sessao a i lU noras da urde.
GOMffiUmfltfGS.
E, jiois, laneo 6. Exc suas vlslas para esse pes-1 20 saccas algodao, 4 caixoes calcadoe 7 saceos
soal berrendo do fuuccionalismo pretorano, quoj sement de algodao ao governo.
fejo
nos acharaos eutrege, ha tinte mezes I Nao que-
remos, nao exigimos de modo algum que es nossos
alhados sejera chamados a encher lacunas; que-
remos sement que os homens honestos sejam in-
vestidos dos poderes da autoridade publica, to lu-
libriada na mao dos Unos e dos Gettas, que por
abi flagellam a populaco.
Corram todos os opprimidos a formular suas
lueixas perante o novo administrador. Nao o
atormenten! com deelamacoes vagas; exhibam
fados, que factos abundara por toda a parte. Re
cubrein a f perdida, queajiisticascnta-se-hla naca-
deira cural. Ja nao sao os bandos de parsitas,
quedietam leis provincia ; a honestidade, a si-
sudez, a circumspeccao, a impareialidade, o desin-
teresse quera passou a reger os destinos de Per-
nambuco.
Granes ao Imperador, viva o Imperador I
Timn.
Depois de procelosa tempestade,
Noiurna s 'mbra, e sibilante vento,
Traz a manuaa serena clarMade,
Esperanca de porto e salvamento.
Camoes.
f U1LIC1C0ES 1 PEDIDO.
a Manoel Gomes da
Para prco'Jir ais negocios pub'lco-, a primeira
tondico a popularidad'', e a sympathia dos ci-
dados. Se falta ''-la condicac, o governo so tor-
na impossivel. V.' una sombra, mas uo urna
instituidlo social. Pode governar pela violencia,
mas nao pelo asseotimento de seus compatriotas.
Pode exercer a magistratura legal, mas o sacerdo-
cio moral desapparece, porque este reside na con-
fianza, e no respailo que os cidados consagrara
ao hornera que tem a afasia de os governar.
E de todos os poneros de impopularidade, o-mais
damuoso aos homens pblicos, o roais incompati-1
vl rom o governo de um pofo, sem cont staco
aquelle que levanta contra o carcter de um admi-;
Bistrador as suspeicoes da opmio.
_A autoridade a torca moral. A forca moral
nao se impoe com violencias, nem se linge com
votes compradas polo ouro da corrupcao. A auto-
ridade o prestigio ; acabado este, a autoridade
manda, mas nao governa, combate mas nao Ilus-
tra, recalcitra mas nao convence.
_A este triste e lamentavel "extremo de degrada-
cao havia chegado o ex-presidenie o Sr. Domiugas
de "ouza I ..-.Vi I
Quando a fortuna, n'am revolatear de su roda,
agarrn pelos bracos, e o monlou no carro da
adiuimstracao, mal pensavamos nos que era sso
una prova irnica de suas sympathias para com
He 1 Nao se meiteu lempo em meio, que nos con-
tecessemos de que a fortuna quera reproduzir no
Sr. Domingos de Souza a fbula de Icaro !
E assim foi. A sua administraco tomou desde
logo lodos os apelos de um infortunio publico.
Todos os' seus actos comecaram a ter o cunbo da
desdita, e daincapacidade. u homem desappare-
ceu BOJ ahy-raos da paixoeda vinganc,a pessoal.
Einquanto o Sr. Domingos se contentava com ser
homem, podiamos indultar-llie. a pletliora da vai-
dade. Desde, porra, que pretenden ser hroe, mo-
delo de conquistadores, exeinplar de ci'herencias,
spelho de eonvieces profundas, arehelypo de
regidez politiea, e viva reprehenso de espiritos
levianos e voltarios, protestamos organisar o pro-
cesso das suas contradicijoes, dos seus desacerlos,
e das suas fragilidades "administrativas, alim
A' memoria de A. GoncaivesDias.
Infeliz I Da vida em meio
Curvara a fronte gigante I
Era urna estrella bnlhaute
Do co azul do Brasil!
Asombra de nuvem uegra
Embaeiou Ihe a belleza...
Mas ella sciutiila tlleza
N'um puro co mais gentil!
A aguia topando os ares
Na ierra deixa seus rastos!
Poeta !... Mil cantos fartos
Legara trra natal...
O >eu nome engrandecer
Nos cantos d'harpa inspirada I
E... alm da patria amada
Disse o verbo final 1...
Morreu! -Sua alma divina
A par dos anjos repousa I
Sen corpo na fria lousa
Dos baixos do salso mar I
Seu nome... cneio de louros
Marcando sublime gloria
as paginas d'ouro da historia
Seu nome... se v brilhar I....
54 saceos e barris
Cruz.
lo saceos feijao ; a Antonio F. de Castro.
Vapor nacional Oyapock, entrado do Ro de Ja-
neiro, consignado a agencia, manifestou o se-
guinle :
Do Rio de Janeiro.
Gneros eslrangeiros:
50 barris banha ; a Manoel Fernandes da Costa
&C.
i caixote livros impressos a Jos Nogueira de
souza.
1 caita fazendas ; a Joo Keller & C.
15 fardos fazendas ; a Puipps Brothers & C.
1 caixo chapeos, 1 embrulho msicas ; a Gon-
galves & Cruz.
Gneros nacionaes :
1 caixote chapeos; a Joaquim Alves.
131 rolos fumo ; a Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo C.
32 rolos ditos j a Jos Joaquim de Lima Bairo.
80 ditos dito; a Marques Barros & C.
20 ditos dito; a Palmeira & Beitrao.
56 dilos dito; a Candido Alberto Sodr da
Motta.
Da Baha.
Gneros estrangeiros:
G caixas fazeudas; a Simpson & C.
2 pacotes rotim ; a Amorim Irmaos.
60 saceos fareo ; a Palmeira & Beltrao.
Gneros uaciouaes :
2 fardos fumo; a Elpidio de Araujo Ferreira
Jacobina.
3 ditos dito ; a Joaquim da Silva Castro.
15 volumes charutos ; a Palmeira & Beltrao.
4 volumes charutos ; a ordein.
Eucoinmendas :
1 caixote ; a Jos Alves Lima.
1 dito; ao visconde da Boa-Vista.
1 volurae ao Dr. Manoel Ai thur.
1 dilo ; a Guimares & Oliveira.
1 dito ; a L. de Albuquerque Martins Pereira.
1 dito ; a Francisco rerreira de Araujo.
i dito ; a Manoel Jos de Avellar.
1 dito; a Jos dos Santos Neves.
1 dito ; a R R. Lasserre & C.
1 dilo ; a Guilherrae S.
2 ditos ; a Ant mo Luiz de Oliveira Azevedo.
3 ditos ; a Jos Antouio de P. Jnior.
1 dito ; ao Dr. Luiz Felippe de -ouza Leao.
1 dilo ; a Amorim limaos.
1 dito ; a Bonck.
' dito ; a Thomaz Adamson.
1 dito ; a i. J. da Costa Ferreira.
1 dito; a Custodio Manoel de Souza Guima-
res.
1 bezerro ; a Jos Antonio de Figueiredo J-
nior.
1 Tardo ; a Jos B. da T. Jnior.
1 lata ; a Jos dos Santos Neves.
Hiate nacional Santa Rila, entrado do Aracaty,
O perfume do hemlsplieiio C-: consignado Tassc- Irmao, manifestou o segrate :
r j__ai r *4 saceos com 1,099 arrobas e 1 libra de algo-
,p ., j f ? ao a I dao> 30 m*IOi de sula e 73 saceos com 282 arro-
(Extracto do jornal A Lhrotuca, 23 de junho | bas c 25 libras de cera de carnauba ; a ordem de
de 808.) diversos.
Agua ruauok. No meto do oppressiyo calor j Barca franceza Rapide, entrada de Marsielle,
que nos cerca e debilita, e de que nos todos mais : consignada a E. A. Burle & C. manifestou o se-
iill monne cnliriiiriw i>nni:irlurfimik 9/iiiallo nno I .,.:.,. .
de 1,100 toneladas equipagem 62, commandante
i. P. G. Alcoforado.
EDITAES.
Grande do Sul, consignado a Maia & Espirito San-
to manifestou o seguinle:
14:000 arrobas de charque; aos mesmos.
Patacho nacional Viamao, entrado do Rio Gran-
de do "-ul, consignado Manoel Ignacio de Olivei-
ra fi Filho, manifestou o segolnte :
13:665 arrobas de charque, 100 barricas com
650 arrobas de sebo coa do, 300 arrobas de graxa O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
em hexigas, 400 ditas de sebo em paes e 50 coa- cial em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
ros secec* de refugo; ordem. stdente da provincia, de ti do cerrente, manda
Brigue nacional Amelia, entrado do Rio Grande fazer publico que o concurso para preenchiinenio
do Sul, consignado a Antonio Luiz de Oliveira da vaga de 2 escripturario da mesma thesouraria,
Azevedo 10:932 arrobas de carne secca, 645 ditas do
graxa em bexigas, 600 ditas de sebo em pae,
114 ditas de dito em rama, 70 barricas com 455
arroba de sebo coado e 60 couros vaceuns sec-
I eos ; A ordem.
Hiate nacional
ter lugar no dia 26 de dezembro prximo viooou-
ro, devendo os pretndanles ser examinados na
grammatica da lingua nacional, escripturaco por
partidas dobradas, arimetlimetiea e suas applica-
{oes. com especiahdade a reduego de moedas, pe-
sos e medidas estraneiras, o calculo de descont,
Santa Cruz, entrado do Arara- juros simples e compiostos, sendo preferidos os que
ty, consignado a Caetano C da Costa Moreira, tiverem boa lettra esouberem linguas eslrangeir'as.
manifestou o seguinle : Os prelendeiites devein apresenlar seus rei|ueri
370 saceos com 1,70o arrobas. e 23 libras de al-! menlos nesla thesouraria, com documentos em que
22 de novembro de 1864.
J. T.
ou menos soffremos: consideramos aquelle que
nos pode proporcionar qualouer um meio de all-
vio consolador e de mitigaeo suave para nossos
soffriinentos, como um gran le bemfeitor. Oe Srs.
Lanman & Kemp, residentes em Water Slreel n
69, fabricantes da agua-flohida, tornara pois com
justa razo, em summo grao, dignos deste louvor :
e o seu annuneio pode ser visto em uina ou outra
columna desta edicao de boje. Esta excellente
agua ou admiravel liquido e empregada era os usos
ordinarios de baaho e por sera duvida um dos
mais agrada veis cosmticos, assim como o mais
delicado e delicioso perfume, que jamis temos
usado.
A' venda as boticas e lojas de perfumaras.
151:623 kilogrammas de sal agrannl, 200 barri-
cas cimento, 150 caixas sabo, 40 ditas enxofre.
40 ditas sardiuhas, 42 ditas azeile, 3i ditas con-
servas, '50 ditas ac, 605 ditas massas, 15 ditas
gomraa arbica, 49 ditas papel de escrever, 240
fardos dito de embrulho, 40 pipas, 10 meias o
203 barris vioho, 40 ditos alpista, 4 ditos pamgo,
lo saceos nozes, 14 ditos amendoas, 30 ditos alfa-
zema, 20 ditos erva-doce, 20 ditos cominhos, 50
ditos pimenta, 4 fardos chapeos, 10 duzias o 72
pedajes de pinbo e 300 esteiras; aos consignata-
rios.
Patacho nacional Sahtpuedes, entrado do Rio
0 grande segrede
do successo d'agua florida de Morra y & Lanman e
a excelleucia dos materiaes dos quaes ella pre-
parida, o seu amara a fragrancia distillada das
mais raras e mais caras flores dos trpicos, cm-,
quanto quasi todas as outras perfumaras assim
chamadas, sao simplesmenie misturas de outras
,]J I essencias ordinarias e alcoul. Esse o
TABELLA DO RENDIMENTO DA ALFANDEG/
CORRENTEANNO FINANCE1R0 COMPARADO COM Os DE IGUAES MEZES DOS
LTIMOS.
godo, 80 saceos com 308 arrobas e 21 libras de
cera de carnauba, 200 meios de sella, 69 molhos
com 690 courinhos miudos, 700 esteiras de palha
de carnauba; ordem-
Va, or nacional Jaguaribe, entrado dos portos do
norte, manifestou o seguinte :
Do Cear.
Mercadorias estrangeiras.
1 caixa fazendas, 6 caixas machinas para desca-
nsar algodao, 2 caixas e I caixote chapos do
Chile; a ordem.
Geaeros nacionaes.
42 saceos com 218 arrobas e 24 libras de algo-
dao, 99 barricas com 542 arrobas o 10 libras de
algodao, a ordem.
Do Granja.
160 meios de sola; a viuva Manoel i juncal ves da
Silva.
7 saceos com 24 arroba de cera de carnauba ;
a Manoel Joaquim Lobato.
Da Parahyba.
Gneros estrangeiros
1 carian nuntelletes, 1 pacole machina de co-
piar, i caixote diversos artigo ; a Jos Ferreira
Pinto de Magalhes.
Uo Aracaty.
60 saceos com 391 arrobas e 15 libras de algo-
dao : a J. B. M.
67 &eoos com 365 arrobas e 18 libras de algo-
dao ; a Prente Vianna & C.
209 saceos com ,372 arrobas e 25 libras de al-
godao; x L. A. de Slqueira.
68 saceos com 282 arrobas e 10 libras de algo-
dao ; a Francisco Gomes de Mallos Jnior.
56 saceos com 236 arrobas e 2 libras de algodao;
a Antonio Facaaba.
194 saceos com 890 arrobas e 17 libras de algo-
dao ; a Jos de S Leilao Jnior.
Do Ararac.
322 saceos com algodao ; a Jos de Si Leitio
Jnior.
58 dilos dito ; a F. de Albuquerque Rodrigues.
197 meios de sola; a Antonio Goncalves de
Aze vedo.
63 meios de sola; a Jos Rodrigues Ferreira.
175 ditos de dita ; a Joo Jos de Carvalho Mo-
raes.
Brigue inglez Sestia, entrado de Cardiff, con-
signado a Wilson & lente manifestou o seguinle:
465 i-nelladas de carvaode pedra ; aos mesmos.
Barca nacional Palmita, entrada do Rio-Grande
do ; o segninte :
11,000 arrobas de carne secca de charque,' 3,082
< lufres de novilho. 10,554 ditos de vacca e 37 cou-
ros seceos vaceuns ; a ordem dos mesmos.
Brigue escuna nacional Joven Artknr, entrado
do Ro-Grande do sul consignado a Miguel Jos
Alves, manifestou o seguinte :
8,868 arrobas de carne secca de charque, 98 di-
tas de sebo em rama, 300 ditos de dito em pes e
50 couros seceos vaceuns; aos mesmos.
DE PERNAMBUCO NO MEZ DE NOVEMBRO DO
DOUS ANNOS
que, reduzidas a publico instrumento, fleassum nos
archivos da opiniao do paiz, como constante prega
da inhabilidade perpetua do Sr. Djraiugos de Sou-
za para dirigir o governo de urna provincia I
Digamo-lo de varas : nenhum homem, na actual
conj indura, reuna mais felizes condices, que o
Sr. Domingos de Sou'a, para governar esta Ierra.
Se nao havia nasoido armado do cerebro de algum
Jpiter, ou se nao tiuiia a inspiracao nativa do go
veruo, era o dora dos grandes commetlimentos ad-
ministrativos, que denotara vistas largas e espirito
atilalo, valia-lhe pelo menos a reputacao de ho-
rnera honesta. Este predicado, fortalecido por in-
lencoes [raras, e por deliberada vontade de pratt-
car o oem pelo bera, sera cumplicidades cora as
devassidoes polticas dos corrilhos, erara ttulos
que se podiara tornar fecundos na mais mediocre
capacidade.
Nao succeden assim : tal foi a desgraca da pro-
vincia, e a infelicidade do r. Demingos de Souza.
A athraosphera do poder Ihe asphixmu a razio.
Represeulou Belmente um dos hroes doClanraun-
do, que dormro pygineoe accordou gigante na pro-
pria phantasia 1
Pondo de parte todos os interesses vitaes da pro-
vincia, e traliindo completamente as inten^oes do
imperador, que nao pode recreiar-se com a ruina
do sen imperio, o Sr. Souza Leao, substiiuindo as
luvas pelas uuhas da hien ., de-ceu ao ceiniterio
das paixoes moras, para revulve-la>, para exci-
ta-las, e para converte-las em furacoes, que nao
poupassem, no seu redemoinhar terrive, nem os
prop ios lelos, que cobriam alguns parentes nti-
mos do Sr. Domingos de Souza I I-" porque ? por-
que, indoceis aos seus gritos de viuganc,, o nao
acompanharam em tanto delirio I
Quera sobe l.o alto na cegueira, nao sabe mais
descer, precipitarse I
E se nao, que. se nos diga, que se nos mostr
qual o melhorarnento solido, estavel, que o Sr. Do-
mingos semeou na sua passagem ? O que que
pode alterar os funreos dias de sua ensauguen-
tada administraeao, se nao as scenas de horrorque
sederara na fregueziadosAfogados, e ose?caudalos
pra icados na de S. I.oureneo T
E desl'arle annullou-se, perverteu-se e sumio-se
no pelago dos ludibrios pblicos um dos caracteres
que, visto de lange, nao deixava do realgar um
poucoapadrinhado pelas illusoes da ptica I Entrn
acompanhado de alguma tetina publica para a ad-
nioistraoo, sahio della sob o talego da execracao
universal I
Eis aqui a sorte inevitavelmente preparada aos
iostrumenlos das grandes reaccoes I
Tatitos desregramentos, porra, nao podiam ficar
impunes, embora tardu viesse a punico. Nao f ra
possivel que o presidente apaixonado, partidario e
vingativo, nao fosse saciudido com opproirio da
posigao, que aviltoti. que arvorou em telonio, onde
a deshoneslidade poltica era enfardelada, como se
fora veoiaga chineza t
Sira I O r. Domingos de Souza nao foi simples-
mente demittido, foi nxotado com aspereza pelo
governa imperial, que, em prova de seu desgosto,
Ihe mandou logo entregar as redeas da adminis-
tragao a um cidadio, que de proposito foi nomea-
do primeiro vice-|iresidenle, para tomar conta da
provincia at que chegasse o effectivo administra-
dor I Este facto falla mol alto. Significa intuitiva-
mente a reprovagao do geverno central para com
os artos de sua nefanda gerencia.
E quera foi Borneada primeiro vice-presid O meretissimo desembargador Anselmo Francisco
Peretti, o contraposto do Sr. Domingos de Souta,
nao sem noli'ica, como em espirito de justiga I
Magistrado notavel pela rapidez de principios, e
aferr lei do d-ver, a n imeacao do Sr. Peretti
Importacao.
Direitos de importaco para consumo.
Ditos addicioiiaes de 5 /(
i reexportago para a Costa,
estrangeiros nave-
Ditos de ditos
d'Africa .
Expediento dos gneros
gados por cabotagem .
Ditos dos gneros do paiz .
Ditos dos gneros livres. .
Armazenagens......
Premio dos assignados
Despache martimo.
Ancoragem
UdCO SCgi'ede Ditos addicionaes de 2 <>/#
da differenca entre a agua florida de Murray & Rl!0^ "|e l?.1^5?.c reexportacao
Lanman e as composiges que sequer irapor ao pu-
blico como urna boa imilagao desse perfume o
mais delicado e mais refrigerante. Ser desneces-
sario pedir as pessoas de gosto cultivado e relina-
do que esliverera no costme de usar a agua flori-
da de Murray & Lanman, de tomar cuidado de
comprar nicamente a verdadeira. Elles nao po-
dem ser engaados, porm temamos a liberdade
de informar ao comprador casual que nenhuma
verdadeira, sem ter os nomes dos nicos proprie- ,
Urios-Lanman etiqueta e ao livro que acompanha cada frasco. i ^.ras mi?. Rssam a nacionaes .
_________________ ; Ditos de o % na compra e venda das enibar-
cacoes .............
Exportarao.
Direitos de 13 i% do pao Brasil.....
Direitos de 7 % de exportacao.....
Ditos de 2 % dem ........
Ditos de 1 /o de ouro em barra .
Ditos de V2 dos diamantes.......
Expediente das capatazias.......
Interior.
I Mullas..............
Sello do papel fixo.........
I Dito do papel proporcional.......
I Emolumentos...........
a Imposto dos dospachantcs.......
Extraordinaria.
Receita eventual..........
UMHSlLtJlU.
luiportaeo.
Patacho inglez Arlaxerxes, entrado de Liver-
pool, consignado a Johnston Pater & C, manifes-
tou o segrate :
123 barris manteiga, 100 ditos cerveja ; a J. Pa-
ter & C.
5 caixas toucinho; a Lassere 23 barris manteiga ; a Ferreira & Loureiro.
200 saceos arros; a Saunders Brothers & C.
10 caixas bolachmhas, 10 ditas phosphoros
Tasso Irrao.
50 barricas cerveja e 38 toneladas carvao de pe-
dra ; a Wil-on & llette.
12 caixas genbra, 4 barricas enchadas, 2 ditas
ferragens, 1 caixa elsticos, 24 ditas e 16 fardos
tecidos de algodao; a Isidoro Nelto & C.
I caixa chapeos de sol de alpaca, 25 ditas e 17
fardos tecidos de algodao e raixios; a Carneiro &
Nogueira.
i barrica colheres de ferro ; a Henrque & Aze-
vedo.
1 caixa louga, 1 dita e 1 barrica cutelaria ; a
Mello Lobo & C.
2 volumes garrafas, 1 barrica com um filtrador,
6 ditas er, 2 ditas verde-creme, 7 ditas linhaga, 1
caiva saboneles, I dita acido ntrico, 2 ditas oleo
de amendea. 6 ditas drogas ; a J. da Cunha Bravo
C.
Dizimos da provincia das Alagas. .
Ditos da provincia da Parahyba ....
Ditos da provincia do Rio Grande do Norte.
Conlribuirao de caridade.......
18C4 1863
528:9285731
70:2225337
2145963
3125817
&
1:1425463
2:8195054
6385745
1:1525713
5
1:6785080
9165500
455000
5
85:5515382
5
5
5
2:1555200
1:3725661
401800
1055510
475 K)0
1505000
2435900
698:0995978
1:0125030
10:2735756
2:7185537
7165327
712:8205888
1863 1864
273:7265036
35:4845221
1985391
25658
4285334
1:3645513
1815729
2:4775465
5
1:4085800
75300
82:1365447
1:2105030
38150-9
4145280
685320
135000
255000
399:747591.3
9905-300
8:2255340
1:0915796
17458,90
410:2335689
1802 1863
282:4065523
37:0335420
295464
5835945
&
5475994
1:77952-18
2985032
4:1815480
5
2:1655610
6005000
4155250
5
88:8795924
provem que sao maiores de 20 anuos e tem bom
comportamento.
E para constarse mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 23 de novembro de 1864.
O secretario,
A. F. da Annunciagao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provm
cial, em cumprimento da resolngao da junta da
fazenda, manda fazer publico, que no dia 7 de
dezembro prximo viudouro, perante a mesma
junta se ha de arrematar > quem por menos fizer
o costeio da illuminagao pubilrada cidade de Goi-
anna, avahado cada um lampio em 291 rs. por
dia.
A arremalagao ser feita por lempo de nm an-
no, a contar do 1 de jaueiro a 31 de dezembro de
1861.
As pussoas que se proposerem a essa arrema-
lagao comparegain na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia,
competentemente habilitados.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 9 de novembro de 1864.
O secretario,
A. F. d'Annunciagao.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, official da im-
perial ordem da Rosa e juiz de direilo especial
do comraercio desta cidade do Recife de Pernam-
buco, por S. M. Imperial e Constitucional o Sr.
!> Pedro II, a quem Deus guarde, etc.
Fago saber aos que o presente edital virem e
delle noticia tiverem, que (.or parte de Hyppolito
Martins Gomes de Piano me foi dirigida a petico
do theor seguinte :
Illm. rr.Diz Hyppolito Marlins Gomes de Pinho,
que aebando-se ausente em lugar nao sabido o seu
devedor Antonio Bao, contra quem movo execugao
que corre pelo carloro do escrivo Manoel Mana,
0 quer fazer citar para o seguimeoto da penhora
que se fez em seus bens, e porque se igoore o lu-
gar, em que se acha, pudendo nesle caso ser cha-
mado por editos, requer o supplicante V. S. que
justificada a ausencia do supplicado se digne de
mandar cita-lo por editaes, assim pede ao Illm. Sr.
Dr. juiz de direilo especial do commercio Ihe de-
lira.E. R. M.O advogado, Francisco Augusto
da Costa.
E mais se nao continha e nem alguma outra
cousa mais se declarava a mostrava em dita peti-
gao, aqui mu bem e fielmente copiada, na qual dei
o meo despacho do theor, forma, modo e maneira
seguinte :
-un, justificando amanha ao meio dia. Recife,
11 deoutubro de 1864.Alencar Araripe.
E mais se nao contralla era dilo meu despacho
aqu mu bem fielmente copiado. E leudo o sup-
plicante pruduzido suas testemunhas, sellados e
preparados os autos subiram a minha condnsao, e
uelles dei e profer a ranina senteuga do theor, for-
ma, modo e maneira seguinte :
Ilei per justificada a ausencia de Antonio Bao,
que ser citado por editos de 30 dias, para o iim
requerido a ful lias 2.
Recife, 15 de outubro de 1864.Trislo de Alen-
car Araripe.
E mais se nao continha e nem alguma outra
cousa mais se declarava e mostrava em dita minha
sentenga aqui raui bem fielmente copiada. Era
virlud da minha senteuga o escrivo deste juizo
Manoel Mara Rodrigues do Nasciinento fez pas-ar
o presente edital, pelo qnal chamo, cito e hei |or
citado o referidp supplicado, para que comparega
ueste juio drmro do indicado praLO, aflu du alle-
gar o que for de direito.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa e afflxado nos lugares do costume.
Recile, 18 de outubro de 1864 En Manoel Ma-
ra Rodrigues do Nascimento, escrivo osubscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
55
1:2235320
COMPANHIA
DO
H$
O caixa desta companhia commeiidador
kmmo 'Tbomaz deAquino Fonseca acha-se autori-
93*470 sat* a Pa"ar n0 8ea escripiotio na do
445000 Vigario n. 19, dis 40 horas as 3 da tarde
BufOOO do dia Io de de/.cmbro prximo em diaute
tintino "*;i dividendo desta companhia na pro
por^o de 3 por cada acra previne-se
que de ve principiar o descont daWi otar a*
notas qne nao tiverem sido al raan nh5liu-d.v
Carlos Carn> ir o> Campos.
HOSPITAL PORTUtiUEZ
N
BENEFICENCIA EM PERVl.W-
_ BCCO.
De ordem do Illm. Sr. pruvedor convido ao* n-
nhores socios deste betpital a r-onirein-*# ra ?-
sao ordinaria de assembla feral no da 4 de de-
zembro prximo, pelas 9 hora* da manbaa. |ora
darse cumprimento ao ipje deterunaa w } > de-
n. 17 dos respe, uros e-|aiulu#.
Recife 30 de novembro de 1864.
Joaquim Ferreira Vudes Cmamar.
I" >ecret;irio.
flWN Commerrial Pfnaalrirant.
Fago Mtaata ao< alnmnos de-ir Corso pjr, rm
junta dos professure- ,1 rn. -no. f.i rcsoreM Be
comeg^ssem os artos no dia 9 do rorrea*-, der-a-
do os pontos terom Hradw no da 8 pHa Maftia
na secretaria da dirertoria geral da iaxirarr
publica: assim como que fos-em examinados Mi-
tro alumnos por dia.
Curso Commercial Pernamhuraoo, de de-
zembro de 'N<; i.
O professor enrirrerado da dirrrrao.
A. NV ilruvio l'Rto Bandeira e A. de faaaaaaaa*.
saala Casa da M sci ictrdia nerife.
De conformidade com as ordros da Illa, u'.tt
administrativa da Santa Casa de Misrrirord do
Recife. conviJo aos ioteressados pela iaaa<
abaixo declaradas a apn-smlarrin, com a mai.,r
brevidade possivel ne.-ia se. retara, as errtidVs de
baplismo das me.sioas orpbas, visto ramo Mea
ellas de fazer a sua primeira coromaohao a da
8 do prximo futuro mez de dezembro, aa roadla
do archivo desta secretaria qoe lepa bapii.a
das, a saber :
Rita Candida de Souza.
Florinda.
Neemisia.
Minervraa de Azevrde.
Mana Amalia dos Anjos.
Mara Lfns.
Ouiteria dos Prazeres.
Alexaodrina Cavalranli.
Leopoldina da Paixo.
Arminda de Brito Carvalho.
Joanna Pereira do r.ann.
Olimpia Adelayde de Oliveira.
Secretaria da Santa Ca Recife, 29 de novembro de 1884.
O escrivo,
F. A. Cavalranli Cousseir*.
Conseliio de compras Mvaes
Contrata o conselh sob as coodige do otyta
no da 5 de dezembro prximamente viadoi.
vista de propostas em rarus fechadas rei-riNda-'
al as 1 i horas da iiianha, bem romo por umii
de tres mezes nodos em marco de 1885, a lava-
gem de roupa dos eslabelrcmenta* de aariaaa,
o forneeimento a estes e aos navios da araada 4*
agurdente branca de 20 graos, aseucar brar.-
grosso, azeitc dore de Lisboa, arroz do Minaara,
aramia, alelria, assucar branco refioado, azriie
inferior, bacalho, bolacha, bulachioha aameai.a,
cal branca e preta, carne secca do Rio Grao Sul, caf em grao, carnauba em velas, carne \n
de, dita salgada, cangica ou milho pilatl<>, reva4i
uha, cha, farinha de man llora da ierra, feijao, aa-
iinhas, lenba, manteiga insleza, dita franrna, sa-
te, pao, sal, sabo, lijlo de alveoaria grussa, tai
cinho de Lisboa, tapioca, vinagre de Lisboa, vel.w
sleariaas e vinho de Lisboa.
Sala do conselho de compras aavaes de IVr
nambuco 28 de novembro de 1884.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
CORRE10.
Pela administraco do corre desta rulad* -
faz publico que boje (3; as 3 horas da tarde rm
ponto fechar-se-ho as nulas que o vapor Cruzei-
ro deve conduzir para os portos do sol Os yn-
naes se rao recebidos al hora, e as canas ad-
meltidas a seguro al 2 hora-.
Pela recebedoria de rendas internas %rraes -
faz publico, que no crrenle mez lindase o praso
para o pagamento dos irapostos lanzados do exr--
cicio de 1863 a 1864 ; a saber : renda *>< propriix
nacionaes, foros de terrenos e de mannha, drrtma
adilirion.il de mo-morta, imposto sobre lojas raas
de descontos, etc., dito sobre rasas de muvris roo-
pas, etc., e laxa dos escravos ; seguiodo-se Vj>j
a.cobrauga executiva.
Ouiro siaa, |ue no inglito mrz, nnda-se o anee
do pagamento sera muiu, relativo ao primeira
semestre do exercicio de 1864 a 1863, dos segua-
les posto: dcima addicional de mo-m>irtj
irapusio sobre lujas e Maa de descont, e u.
especial sobre casas de movis roupas. etc., latin-
eados em paiz estrangeiro.
Recebedoria de Pe -nambuco, 1' de dezeaU.
de 1864.
10 Erro,
Manoel Antonio Simes d Ammm.
Terca-feira 6 de dezembro, depois da Cada
a audiencia do llrm. Sr Dr. juiz municipal 4a I-
vara tem de ir a Braga para ser arrematado, por
ser a ultima praga, o esrravo de nome Jo-.-, r^-
neciro, cora idade de "O anuos, pouco mais oo a-
nos, avahado em 3005-
Alfandega de Pernambuco, 31 de novembro de 1864.
O 3" escripturario,
Joo Bernardo Diniz Pessoa.

RENDIMENTO DA RECEBEDORIA DE RENDAS
INTERNAS GERAES DE PBtiNAMBUCO DO
MEZ DE NOVEMBRO, A SABER :
51 gigos louga, 38 barricas cerveja, 2 barris: gend,a ('a typbgraphia nacional.
presuntos, 1 fardo fio, 5 ditos e 3 caixas tecidos de
linho, 1 dita e 2 fardos dito de algodao, 3 caixas
camisas e collerinhos de linho, 2o toneladas carvao
de podra ; a ordem.
5 caixas tecidos mixtos, i dita tapetes de algo-
dao e la, 1 dita peitos de linho para camisa e lon-
gos de algodao e de linho ; a Joao Keer & C.
2 fardos tecidos de la, 39 ditos e 39 caixas dito
de algodao ; a Greemp & -chwind.
4 fardos tecidos de linho, i barrica tinta, 1 dita
boraxa, 2 ditas cobertas, 58 fexes chapa para fogo,
15 barricas ferragens, 2 ditas estanto, 3 ditas gre-
Ihas, 3'K) fogareiros, i7i feixes e 77 barras de fer-
ro -, a Paln Nash & C.
15 caixas tecidos de algodao, 3 ditas dito de li-
nho, 6 fardos saceos de dilo ; a Adamsen H. & C.
2 caixas tecidos mixtos ; a Monteiro Lopes.
5 caixas palitots de panno, camisas de algodao e
tecidos de linbo ; a Manoel Joaquim R. e Silva &
Genros.
Renda dos proprios nacionaes. .
Sua dos bens de raiz.............
Decima addicional das corpora-
ges de mo mora.............
Direilos novos e veihos e de
chancellara....................
Dilos de patentes dosofBciaes da
guarda nacional................
Diurna de chancellara...........
Multa por iufraeges do regula-
mento.........................
Sello do papel lixo................
Dito do proporcional.............
Premios dos depsitos pblicos...
E Molimientos.................
Imposto sobre lojas e casas de
descontos ,......
Taza de escravos.........
Cobranga da divida activa .
lndemnisages.
Vianna $ C
50 barris e 278 caixas petroleura ; a J. Baptisla
um verdadeiro triuinpho, uina victoria assigna- j da Fonseca.
lade da moral, da razo, e da jusiiea, que j pare- j Brigue inglez Alma, entrado de Liverpool, con-
ciam loragidas das regioes do poder I O Sr. Peretti signado a Thomaz Jeffenes, manifestou o seguinte:
nao poltico militante, mas poltico de c mscien- j 310 toneladas de carvao de pedra e 800 canos
cia, que v na virtude a base de todo o governo de ferro ; aos mesmos.
ivilisado. A virtude, ne.sta especiahdade, 6 a jus- \ Hiate nacional Gartbalde, entrado do Para, con-
tit-'i. Justiga tu lo ; justica o complexo de todas signado a Tasso Irino, manifestou o seguinte :
as virtudes; jusliga e religio-; justiga earidade ;: Geaeros estrangeiros.
juiica socialiilidade; justiga respeito s leis, 400 barricas farinha de trigo, 71 meios barris
eaidade, honra, ludo emflm. manteiga. 50 barris banha de porco e 50 amarra-
Pratieada em larga escala esta grande virtud-1, dos com 400 caixiohas com fugeles da China, 6
de que os governos minea se deveriam divorciar, caixas machinas de costura, 12 ditas com 12 du-
a sociedaie repousa tranquilla, e o cidado respira zia> de cadeiras de balaogo, 14 ditas com 12 du-
tocegado sombra de seu direlto. E' isto o que tias de cadeiras para enanca, 20 ditas com agoa
nicamente deseja, e espera e partido constitucio- florida, 14 ditas com 18 tulangas diversas ; a or-
nal da provincia ; isto o qne anhela ver realisa- dera.
do na administrajo do Sr. desembargador Peretti, | Hiate nacional Sergipamo, entrado de Fernando,
cujos precedentes sao urna garanta solida para os consignado ao capitn do mesmo, Henrique Jos
opprimidos. Viera da dilva, manifestou o seguinle :
5 fardos tecidos de la, dito de algodao, cober- Deposito de diversas origens.....
toros de dito e mantas para cavallos, l caixa ob-. Supprimeato recebido do thesouro
jeetos de escriptorio ; a Phipps Brothers. ---------------
4 fardos tecidos de algodao; a Rabo Schmellau. 86:452^667
I fardos tecidos de la ; a H. Gibson. ---------------
54 barricas ferragens, 6 ditas canos de chumbo,. Recebedoria de Pernambuco, 30 de novembro
3 fardes cordealha, 2 caixas brouze ; a Prente
20?) rs. por meia siza de es-
cravos .............
10 por cento de novos e veihos di-
15000 teitos dos empreeados provin-
3305730 ciaes.......!...,...
4:6245802 Escravos despachados...........
l.'ip.iii 1 enios oh puiiria.....
1195070 Sello de herangaso legados.. .
1 0|0 sobre produelo de cada let-
1:2795738 lo........................
Diio de 5 0|0 sobre os premios
5105000 maiores dan luitrins ..........
3545178 Matricula da Escola Normal......
2 Ora sobre llancas crimes ......
2005792 i 8 0|0 obre consultorios mdicos
8:876ip3d0 e escriptutiet..........[, .
8:5475880 10 oor ento sobre o pUatio do
215789 ctpim.............
5075820 Imuosto sobre cirros, onouibui,
navioaa vehculos ..... .
1:6145000 20 O10 do Consumo d'aguardente
1725000' Multa por infraego.............
2:0285800 Cusa.
1935500
1785824
1895524
Recebedoria de Pernambuco,
de 1864
No impedimento do escrivo, o 2' e Joaquim da Costa Ribeiro.
RENDIMENTO DA MESA DO CONSULADO PRO-
VINCIAL EM O MEZ DE NOVEMBRO DE 1864.
I A SABER :
Direitos de 90 rs. por (f> do as-
sucar exportado....... 13:12?5195
' Dito de 20 rs. por caada d'aguar-
denlp.etr...................... 6735030
dem de 30 rs. sobre caada d'al-
cool........................ 1052OO
Dito S olo idem do algodao expor-
tado ............. 89:9145885
Dito de 7 01o do rael....... 715618
Dito de 8 por rento de rourot
seceos, verdes e espichados... 1:9825238
dem idem de 5 idem dos mais
gneros exportados....... 6345080
! Decima dos predios urbanos 1:8045590
le 1864.
421:7525409 aos Srs. accionistas que este pagamento tJe-
1:5125000 ve ser em moeda de cobre que na espe-
t-iwfov c'e,?lie0 niesmo Sr. caixa tem recebido dos
8895714 arrematantes dos cbafarizes desta com-
_____1___panhia.
429:0335007 Roga ao mesmo tempo os Srs. accionis-
tas que deixaram do receber os dividendos
I atrasados, se dignen) de comparecer no lu-
gar indicado para recebe-los e saldar a
caixa.
Escriptorio da Companhia do Beberibe 18
de novembro de 1864.
O secretario,
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo para forneeimento
do arsenal de guerra precisa comprar os objec.os
seguimos :
Para o arsenal de guerra.
10 lenges de lalo de 16 libras cada um.
20 cadiohos de n. 10.
20 ditos de n. 12.
200 meios de sola.
Quera quuer vender taes artigos aprsente suas
propostas em carta fechada na secretaria do conse-
lho administrativo, s 10 horas da manha do da
3 de dezembro vindouro.
Sala das sessoesdo conselho administrativo para
forneeimento do arsenal de guerra 23 de novem-
bro de 1804.
Antonio Pedro de S Brrelo,
coronel-presidente.
Sebaslio A "Ionio do Reg Barros,
2:0085028
6195-310
/ 7505000
75200
1:9265749
I
1:2735234
2:2505000
4875300
165000
2555200
955OOO
705000
325000
505322
8 435433
87:69655H8
coiiiMiia
DE
Seguros Martimos Utilida-
de Publica
Nao se lendo reunido no dia 30 do pa*a*> an-
nicro suflicienle de assioiusUs para a.-seniMa gc-
ral, a direccao novamente os convoca para o da f
do corrento ao meio dia.
Recife Io de dezembro de 1864.
O* d> rectore
Feliciano Jos lime.
Domingos Boprigues de Aivr-Je.
Pela secretaria da ramara muniripal de*ia
cidade sao convidados novamente, de rdem da
mesma cmara, os proprietarios dos temaos dec-
linados ao passeio publico projeriado, o quaes a>
lao compre hendidos entre o Hospicio t a raa da
Saudade, comecanilo da ra de 100 palmo* '1 '*
vem da ponte de Santa Isabel al a rlunvida aV>
Starr, e compnhendendo tambera o alabado rtm-
liguo ine-ma ponte al a ra da Aurora, rujt
proprictarios devero apresenlar na dita secreta-
ria suas proponas, declarando a etenro de ,e
terrenos, frente e fundo, e o prrro do- mesnw*.
secretaria da cmara muni-ipal do Recife 30 >
novembro de 1864.O secretario,
Francisco Canuto da Boa-Viagem.
Pela subdelesacia de polica da frofoeiia'do
Poco da Panella foi MNMaal um cavado ijoe
andava vagando, o qual acha se depositado : qarm
for seu dono, e dando os signaes, Ihe ser eatre-
qne ; assiin como um carneiro
Subdelegara de polica da frecoeria do Poco da
Panella 29 de novembro de 1864.O subdelegado,
Joao Paulo Ferreira.
O 3* escripturario,
Pedro SemiSo da Silva Braga.
11. _!__ .i'SJHBH
MOVIMENTO DO PORTO.
lesa do consulado provincial, 30 de novembro1 De or(1em do IlRr.^sJector dThesura-
I ria de fazenda desta provincia se fat publico para
, conhecimente de todos a circular do tribunal do
j thesouro n. 46 de 4 do correnlo mez, abano trans-
I cripta.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 29 de novembro de 1864.servndo de
offlcial-maior, Manoel Jos Pinto.
CIRCULAR N. 46.
Nattot entrados no dia 2. Ministerio dos negocios da fazenda Rio de Ja-
AracatyII dias, hiate brasileiro ExalacSo, de 37 neiro em 4 de novembro de 1864.
toneladas, capillo Trajino antuoes da Costa, Carlos Carneiro de Campos, presidente de trihu-
equipagem 6, carga algodao e outros gneros ; a nal do thesouro nacional, tendo resolvido que se
Prente Vianna & C. subslituam as notas de 1005000 da 3 estampa or-
Maeeio e portos intermedios30 horas, vapor bra- dena aos Srs. inspectores das thesooranas d fa-
sileiro Parahyba, de 104 toneladas, commandan- zenda, que mandando pnblicar esta resoluco por
te J. J. Marlins. annuncios nos peridicos das provincias e noredi-
Cardiff-40 dias, barca franceza Oliveir Jean Ma- taes afflxadosem todos os municipio procedain a
nr, de <98 toneladas, capito O Loumers, equi-1 referida substituido com o producto da renda das
pagem 0 carga carvao ; a Hilson A He. respectivas Ihesourarias, solicitando a reraessa dos
Rotherdan 58 das, escuna hollandeza Speculanl, fundos precisos, no caso de deficiencia da mesma
de 185 toneladas, capillo Neland. equipagem 9, renda ; e remellara mensalineme ao thesouro
carga varios gneros ; a Brander a Brandis.
Nao houveraro sabidas.
Para e portee intermedios6 dias e I' horas e do
THEATKO
E
as
S. ISABEL
EMPREZA
GERIA^IO COlIBni.
12a mi11 (] assi^uatira
Ql \ll A-FLifi.A 7 DE DEZEMBR DI ffttl.
Ter lugar a primeira represenucao do graaoV
e magnifico drama sacro, ornado de coros >
lindas transformacoes, dividido em 4 actos 8
quadros
A VIDA, HIlLAGIES E IAITYII
mn "gecilia
PROTECTORA Da MSICA
PERSONAGENS.
Cecilia.......D. Antonina.
Alina, sua aia.....D. Maria Pootes
O anjo.......D. Camilla.
Almaco, prefeilo
nltimo 6 horas, paquete nacioaal Cruzeiro do Sul,
faaWaBalBBBBi
notas que se rorern substiluindo,"devidamca- Valeriano, general romano Liboa.
rimaadas e mutilisadas. Aurolio; pai de Cecilia Colmbra.
nos annuncios e ditaes far-se-ha a declaracao O summo sacerdote Porto.
de que em tempo compleme se marcar* o dia em O diabo....... Breas.


\
JD rio !> PwnwUN --- 9 ? Dcgcifcitf *e 1 4.

Celio, servo de Valeriano Teixeira.
Marcos, christiio ...... Santa Rosa.
Gsolurio.cenQdente deAlmaco Luiz.
rritnero christao .... Porto.
Segundo dito.....Guimares.
Sal lados romano-, sacerdotes, chrisios, ausris-
pifes, iiiassas, et., etc.
Todo o matonismo execntado por habis artis-
tas, est elefanta e ricamente preparada
A piatura a cargo do Sr. Veneri, tambem faz
honra ao dislincto scenographo,
A empreza conta que este espectculo exceder
aos martyres da Gennama, nao s6 pela inaior ou
mero de transformaeoes bem combinadas, como
pela viinedade de stus scenas e graciosidades de
que composto.
Comecar s 8 boras
Quinta.feua, 8 de dezmbro
A' vista das encominendas que a empreza tem
reeebido, tamo de camarotes como de (deltas,
condece nao poder salisfazer a todos na 1" recita,
e aprtssa-se portanlo em repetir drama no dia
acuna mencionado.
Poucos dias faltam para concluirem-se os tra-
balho.s theetraes no presente anno, a empreza func-
ciona nicamente at o aia 15 do correte, e por
isso previne ao publico para que nao perca as re-
presenlac/5es do drama annunnado, iue Ihe dei-
xar por certo agradareis tembrancas que serviro
de insenlivo para o futuro anno ibearral.
LE LA O
DE
Dons cabriolis de 2 rodas sendo nm
cobtrto e alio descoberto.
Mksffl
Sabbado 3 de dezembro as 2 horas da tarde
em frente ao armazem da ra da Cadeia o. 36
aonde lia veri anteriormente leilo de movis per
inlervencao do agente Pinto._________________
LLILAO
DE
AVISOS MiBITIMQS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Havegaciio eostelra a vapor
Paralaba, Natal, Maco, Aracaly, Cear
e Acaracu*.
No dia 7 de dezembro prximo
' a^fk seffue vapor Jaguaribe, comuan-
1 ''I "|s?X%w dautu Lobato, para os portos Indi-
.V-feJ^JLg!riidus. Recebs carga at o din G,
i^JfcSHSa ^Encomniondas, passageires e di-
dinlieii'j a frote at o dia da saluda s 2 horas
da larde : escriptorio no Forte do Mallos n. f.
Para Lisboa
O brisue portuguez La II, capitao A. F. Viei-
ra v; sabir coro brevidade por ter a maior parte
do sou carregamcuto prompto : quem no mpsmo
quizar carrejar mi ir (fe passaeem, dirija-se aa
M'ii c msignatariu E. R. ftabeo, ra da Cadeia u.
.'5. escriptorio.
~~COMPANHIA BRASILEIEA
DE
*.4lQIITES A VAPOH-
Do portas da norte esperado
al o da 1' de dezembro o vapor
Cruzea-a do Sui, com mandan-
te Alcanforado, a qual depois
da demora do costiuue seguir
do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua enejada, encommen-
das e dinheiro a frete al o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
ira o iio de Janeiro
O bem eonhecido o veleiro briguc nacional Al-
mirante, capitao Jos Moreira Maia, prelende se-
guir rom muia brevidade, tem parte de sen ear-
regantento prompto : para o resto quo Ihe falta e
escraeos a frete, para os quaes lem excedentes
couimodo*, irata-se eom os seus consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu es-
criptorio ra da Cruz n. 1.
Fabrica de sabo.
Sito na na Imperial, edificio com espaeo
de 128 palmos de frente e 400 de (on-
da, incluindo 2 caldeiras com tomaina e
boeiros, com 270 jardas cubidaa cada
un feitos de lijlo e cal.
Madejra de pinbo, resfriadores, perfazendo ao
todo 3,300 ps de exprancbamento superfino cha-
pead coa forre.
250 ps de caldeira.
16 case s vazios.
1 guindaste para 2 tonelladas.
f carangueiro com correnle, completo.
machina de forca de 12 cvanos.
1 bomba de SO ps do canos.
1 serra circular com armacao de ferr fundido
incompleta.
I batanea, serra, 1 vlvula, 1 sino.
3 prensas de ferro fundidos e I tanque.
1 caldeiro e 150 ps de cano de gaz.
Eixos, correias, tambores e rodas.
1 ramo de cano para a machina de serrar.
i cabo, 400 ps de correles e 6 quintaes de
ferro velho.
Segu 'da-feira 5 de dezembro.
0 agente Pinte fara leilo i reqtieriment* dos
administradores da massa fallida de Rostron Rooker
& C. e por raaodadode Illm. >r. Dr. jaiz especial
do coinmercio e todos os objeetos cima deserto
los, os quaes constituem parte da referida massa
e expenles na mesraa fabrica da ra Imperial,
aonde sa e He c mar a leilo as 10 horas do dia
cima dito.
Os pretendentes portera* examinar os referidos
objeetos nos dias 23, 28 c 30 do crrente, das 10
horas da manha s 2 da larde e na aal-vespera
e dia do leilo.
O Dr. Carotino Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na ra do Impe-
rador n. 17,2o andar, onde pode ser pro-
curado a_ qualquer hora do diae da noite
para o exercicio de sua prolissao de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
mcio dia at 4 horas da tarde, devem ser
deixados por escripto. O referido Dr.
nao abandonando nunca o esludo das
molestias do interior, prosegne, com o
maior afljnco, no das mais diffleeis e deli-
cadas operacSes. como sejam dos ergios
ourinarios, dos olhos, partos, ele.
wm
**>**:-*-M-. ysf.yjSfys-iSig :Jf,^'1ggW>1
JmmWsSfM OSOm-MM 'mMMM.m
Aluga-se a 16$ mensaes a casa terrea
n. 26 da ra do Forte : na ra do Crespa
D. 15.__________
lttga-.se
casa terrea na ra dos Prazeres, freguezia da
oa-Vista n. 1 A, pelo preco de itj : a tralar na
ua estreita do Rosario n. 28.
MPA
para o* partea
60 saceos com feij# Brelaffafco
Segn la-fet'ra 5 do correte.
O agente V-taua. veodor por cenia e risco da
queui perutflcer 60 sarcos, com excellente feija
i, muCaliabo eiu lotes a ventado do* eompradorea :
segunda-feira 3 do corrate as 10 horas da ma-
nhJa no armazem do Annes Jefronte da alfandega
Para Lisboa
O veleiro e bem eonhecido brisuo portuguez
(DiKvirdodc Mara, capilo Jaouario Jos de Oli-
veira, pretende seguir com rumia brevidade, lem
parte de s>-u carre^amenR prompto : para o resto
.no lile falla Halase,com os seus consignatarios
Antn Luiz de liueira Azercdo crlptoBio ra da Cruz n. 1.
racafy
Segu nesterf"dias c.m a carga que tiver a borde
o hiate&ini Cmm, recebe carga e pussareiros.:
.i lral:r cow BtmtB (Cy-rmgo da C. M. Si leAi Jo
Corpo Sanio n. 23.___________________^___
Para o Porto.
...'a at o di 2tt"te- (-)rreflte- o brigue portugus
'J. Maaoel I, capitao Cario! Ferreira Soares ; quem
ti, mesmo qaizer carregar ou ir de passagem, di-
, jas; a ruado Vigcrio n. II, escriptorio de M.
I. Ramoso Silva & Genros^__ _____________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DR
Savega^o coste! ra a vapor.
Hcci e escalas.
O vapor Paruhijba, eommndante Marlins, se-
guir para os portos indicados no dia 14 do cor-
reote as ."i horas, lie ber carga at o dia 13 : en-
i!ii;u'alas, passageiros o dinheiro a frete al a-
2 horas da lardo do dia da saluda : escriptorio no
Porte do Mallos n. 1.
BE
2,357 aeces da Companhia Peroam-
bacana.
Terga-feira 6 de dezembro.
O agente Pinto far leilo por mandado do Illm.
Sr. Dr. juiz especial do commercioem virtude do
que requeren os .redores da massa fallida de
Itostron Rooker 4 '., de 2,357 accoes da Com-
paahia Peraambucana de 10;'-i caria urna, em um
ou mais lotes a vontade dos compradores, s 11
h iras do dia supradito a porla da Associar;o Com-
mercial.
LEIL&0
DE
L'ma preo fl pecas c estels*as
para forro de sala.
Terca feira ti de dezembro.
Lenden Wild & C. farao leilo por inlervencao-
do agente Pinto, de urna poaejao de esleir para
forrar salas, a hora do dia cima dito em seu
escriptorio piara do Coinmercio n. 13.
ifISOS MIEESS.
A.
imois.
DR
Solos foreiros.
MOJE
O agente Pinto far leilo requenmento do
ir.venlariante dos bens do Uado Jos Themoteo
SVreira de Bastos, e por mandado do Illm. Sr. Dr.
;iuz d.: orphos dos solos foreiros pertencentes aos
bous do mesmo Tinado, conslaules das relacoes
existentes cm poder do mesmo agente e servindo
.i baze a quaulia de 2:0003, islo as 10 horas do
dia cima dito era seu escriptorio ra da Cruz nu-
mero 38.
LEIIjAO
DK
* na mobilia de mogno a Luiz XV, com t sof, i
mesa oval, dous consolos com eedras, 2 cadei-
ras de bragos e 12 ditas de guaruigao, 1 piano
forte e excel lente tambem de mogno, 1 armni-
co, apparador de Jacaranda, t berco, 1 machi-
na para lavar roupa, oaiua do ferro, I canne-
labro, guarda vestido,. I tocador, t sof de
mogno e outros objetos.
1IOJE.
0 agenta Pinto fara leilo po conta do diversos
Je lodos os objeclos cima mencionados existentes
no armazem da ra da Cadeia n. 36, s 11 horas
em ponto do dia cima dito.
LEILO
DB
OH
tfoveis, ricos quatlt's e 2 cavallos para
carros.
Mi
Sibbadb 3 (te dezembro < boraem ponto.
O agente Pinto far leilo. por conta de urna
peseta que reiirou-se dcsta provincia, de diffe-
ientes movis, ricos i|ua-lro com linas. Bravuras
dous cavados propnoi' para carroB, islo I hora
da diaaelim dito no armazem du ru* d* Cadeia
di.3fi.
LEILO
DE
i liencillos de padarla.
Como seja:
1 sylindro americano, balanca grande e peque-
>ia de balco, pesos, caixo grande, oaixilios, porta
de forno etc, ludo em perfeito estado.
por conta e risco de quem pertencer vender em
eilo os objeetos cima mencionados existentes no
arinaze da esquina do caes d'Apollo junto ao de
Jos Duarte das Nenies
IIOJE.
; 10 horas em ponto em dito armazem.
HDAME
WU HTIER
faz publico que mudou se da sua residoncia da ra
Helia n. 29 para a mesma roa n. 39.
Aos 10:000^000 e 3:000s00.
Sabbado 10 do corrate mez, se extrahi-
r a ultima part>5 da terceira eprimeira da
quarta lotera (!I9J) a beneficio do thea-
tro de Sania Isabel, no consistorio da igre-
ja de Nossa Sen! ora do Rosario da fregue-
zia de Santo Antonio.
Os bilbetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva tbesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 10:000^5000 at 20,5000
sero pagos urna bora depois da extraccao
at s 4 boras da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuico das listas.
O thesoureiro,
Anlonio Jos Rodrigues de Sonza.
Testa de X. H. das \cves. padro-
eir dos religiosos fraaeisca-
aos da cldUdc de Oliada.
PltOGlUMMA.
Sabbado 3 de dezembro, as 12 horas da manha
diversas girndolas de bou annanciaro aos devo-
tos da mesma excelsa Virgen a vespera do festivo
da I de dezembro ; as 11 horas do dia principia-
r a festa, orando no Evanellio o distincto prega-
dor imperial Fr. Joaquim do Espirito anto ; a or-
chestra ser regida pelo digno profes Fetippe Nery d^< Barcellos; as 7 horas da noite
lera lugar o Te-Deum, orando nosta occasio o
Rvib. Sr. Fr. Paulino da Soledade. A msica do
4 batalhode artilharia to ara nestes actos as rae-
Ihores pecas de seu repertorio. Para maior bri-
Ihantism i pede-so a coacorreucia de todos os de-
votos.
mm
O hachare!
Francisco Auinsto da Costa
mmotm
gfg Ra do Imperador numero 69.
_ '^v.' >a< \ *& >&
A aguia branca recebou Invas de pellica.
Precisa-se alugar orna preta que saiba cozi-
nhar e engommar : na ra da Palma n. 41, ta-
berna._________________________________
Cosme Jos dos Santos Callado na ra da Vi-
gario n. 8 saca sobre a Praga do Porto.
Lasa uo (Whang
Aluga-se urna casa muito fresca na margem do
no : a tratar cora o dono do hotel, ou cora Vctor
Lieutier, em Apipucos.__________
Precisa-se alugar urna cosinheira esclava ou
forra : na ra da Madre de Dos a, 36.
No da 29 docorrente mez desappareceu do
quintal do Collegio das Artes um cavalio alazn,
com urna eslrella na testa e ps brancos : quem o
I adiar dirija-seao mosteiro de S. Benlo- que ser
i gratificado.___________________________
Na ra do Hospicio n. 62, precisa-se de urna
escrava para alugar.
D*>apparecen da casa de sen s*nlior desito o
dia 29 de outubro, a escrava Thereza, com os 9g-
naes segrales : de nacao Angico, alta, rosto con*-
prido e com talhos, falta de denles, idade de .'i')
annos pouco mais ou menos, levoo panno preto
curto e vestido de riscido rxo com listrinhas
amarellas e camisa de algodo : roga-se as auto-
ridades pr.liciaes e capttaes de campo de a captu-
rar levando a casa de seu senhor na ra d Sol
n. 21, leja._______________________________
Aluga-se o sobrado n. 26 da ra da matriz
da Boa-Visia : a tratar nos Coelhos, ra dos Pra-
zeres n. 10.
Precisase de offiefaes de a) Clate : por de-
traz do Corpo Santo n. 27, leja do Sr. Mcrcier, al-
fa i a le fraiicez
Aluga-se. um pr>-to possante e de boa con-
ducta, para t^i e qualquer s*ervic : a tralar na
ra do Imperador n. 29.
Ama de l-cite.
Precisase de urna ama de leite : na ra da :an-
dade, priraeira casa do lado esquerda.
Aluga-se o segunde andar do sobrado-n 35da
ra da Matriz : a tratar na taberna do 5r. Anlouio
Joaquim Ferreira Porto ; o w segunda andar da
ra do Burgos n> 7 : a tratar ua lelinaco da Sen-
: zal nova n. i.
Aluga-se nina casa commoda na |WoacO dto
Monteiro, junio ao sobrado qu foi d -iq-ueira : a
tratar na ra estreita do Rosario n. 28.
Seraphim Leite, morador nos Remedios, pre-
cisa de alugar uro homcm para vender leile, e que
saiba tirar leite._______________
Riip Cordeiro.
A loja da Aurora na ra larga do Rosario n. "8,
receben rap Paulo Cordeiro milito fresco o qual
superior ao de Lisboa, asslm eonio lamben tem
rap rolio imperial do Brasil tambem multo bun
rap e muito fresco, finalmente tem ras de ludas
as qualidades. _
%
mn mTifiie
Aviso aos senhores e senhoras
Avjso aos senhores o senhoras
Aviso aos s*nhorese senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e seahora*.
Novo soriireenter
Novusortimente
Novo sorlimente
Nove sert menta-
Novo sortimenla
De eaixinhas e quadros
De eaixinhas e quadros
De eaixinhas e quadros
De eaixinhas e quadros
De eaixinhas c quadros
Caixinlias a li'Ott
Caixinbas a I3*i00
Caixinhas a 15500
i'aisinbas a 1 .-.'iOO
Caixinbas a I30O
Caixinbas de ">o por i
(!aixinhas pe "i3 por \>
Caixinhas de $f por \&
Gaixinbas de 53 por 43
Caixinhas de 03 por l&
Receberam-se lOniileaixas
Rereberam se 10 ret eaixas
Receberam-se 10 mil eaixas
Receberaat se to mil eaixas
Receberam-se 10 rail eaixas-
CariSes de visita
Cartoes de vi.-ia
Carices de visita
Cartees de visita
Cartoes de visita
A I i lo a dazia
A IOS a duzia
A 105 a d o? i a
A IOS a duzia
A IOS a duzia
A galera esta renovada
A galera est renovada
A galera est renovada
A jaleria est renovada
A galera esta renovada
Com ricos c-rliuados e tapetes
Com ricos cortinadas e tapetes
Com ricos cortinados e tapetes
Com ricos cortinados e tapeto?
Cora ricos cortinados e lapaUa
lindase variadas vistas de fundo
lindas e variadas vistas'de fundo
indas e ariadas vistas de fondo
Com lindase variadas vistas]de fuHd*
Com lindas e. variadas vistas'de fundo
i asa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
(lasa americana
Casa americana
A' ra do Imperador n. 38
A' ruado Imperador n. 38
A' ra do Imperadorn. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 3H
V ra lio Iuijxirailor n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A. W. O.-bome.
JULIENNE
ra Nova n. 8, loja do rb.
Lilrvilhas
fraocezas ra Nova n. 8, loja do eh.
CORIaVTH
(Passas )
muito nova para podios: a ra Nova n. 8, loja do
cha.________________________________
Um rapaz braslleire com pratira de raixeire
offerece-se para ser empregado em loja de fazen-
' das, escriptorio, ou oulro qualquer estahelecinicn-
to, dando fiador a sua conduela : qurm precisar,
procure na fabrica da travs* do Carioca b. S,
caes do Ramos._________________________
O dono da autiga fabrica de charutos e ci-
garros, sita na esquina da ra de lionas n 1, ten
do feito redurcao nos precns de snas mercaitorias,
convida aos seus fregnezes a virem honrar seu es-
] tabeleeimenlo com devida protere^P de qne carece
por se achar com um variado s rtimento de cigar-
ros e charutos linos dos autores mais acreditados
; da Baha, cachimbos, fumo para os dito?, fumo em
folha, fumo americano, dilo dito em latas, e diver-
1 sos artigos para os fumantes, ent unaalo a quali-
dade e preco garaoie-se aa prejidiear os fre-
guezes. ^^____^^_________
Na praca da Independencia, toja- de ounves
n. 33, comprara-se ofcras de ouro e prafa, e pedras
i preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
commenda, e todo e ^oatquer concert.
Ao meio dia d-se bolos de vendagera : na
rna nova de Sama Rita n. 3.
l>om
Com
Com
Suja de madama Theard^
Este esta-belecimenlo se acoa boje mais '*
^ que nanea bem surtido de objeetos de ^
3pP moda do mclbor que pode vir ao merca- ^g
Bk do e nao se menciona rada um de per si- S|
?^ por se tornar demastadamenle enfado- SIS
<& nho para seus numerosos freguezes quan- |H
^. da lereni o presente aviso pelo que limita- rao
^*^ se cm lembrar nlguns artigos, com" se- |H
yjfe jam : cbapelinas de dinas de paNia de H
B Italia, de seda, de crep braneo e prelo ^
?*^ para luto, chapos redondos de palla da
0: Italia amarella o. de ontras cure para fq
senhoras. ditos nwa meninos e meninas, B
3^ ricos cortes de blonJe, ditos de raoreanti- m
m quede diwrsas cores,dilos de seda, as- |H
vx sim como sedas de cores para se vende- ><
^j rem a covados, ditas escoceza?, cortes de 3R
vestidos t/Telos bordarlos a agulha, final- 4fo
| >j^; mente um variado sortimento de fazen- ^
i ^ das finas e grossas, na mesma casa fa- ""
M zem-se capan, manleletes, vestidos para H
*Si noivas, vestuarios para meninos se bap- W-
'*** lisarem e lude quanto pertence ao loilet jSj
t' do urna seahora e recebe-se fignrinos to- ^j
24g dos os mexes das uluinas modas de Pars, y^
m}^W% -'/4 WWW&W
Aluga-se.
Aluga-se o 3o andar da rasa da rna Dlroita n. 36
o qual tem commodos para grande familia : a ira-
tar no 2o andar da mesma ou no Recite na ra da
Cadeia n. 3.____________________________
Urna boa casa terrea para familia
e-t por alugar-se ra da Uniaon.
i 39: quem pretender dirija-so ra
da Aurora u. W. Tambem alngam-
se as lojas n. 44, ra da Aurora

-l.rZ^it^i.
Coai^ashia Odelldate seguros aaa'ltllios e ter- f
resres esabeleeida no '|
Rio de Janeiro.
ACESTKS E?l PBPN.UIBCCO t
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo i C, r^
competentemente autoi isados pela direc- 1
toria da comyaniia de seguros FideUtia- a
de, tomam seguros de navios, mercado- ja
rias e predios uo seu escriptorio ra da |
Cruz i .1.
iica
Joaquina Maria do Espirito-Santo, declara ao
publico qne dea sem elfeito por ser revogado a
procuraco que ella passou a Jos de Oliveira Ha-
mos e Silva, para haver no termo da lYnperatriz,
provincia dos AlagOas, os bens que Ihe dilxou sua
avo Damiana Maria da Encarnacao.__________
Precisa-se de um feitor para sdmiiii.-trar ser]
vico do lavoura, dando-se preferenca portuguez i
quem estiver nestas eircumsiancias dirija-so Ira-
vessa das Cruzes n. iou no engenho ttorbar, silo
na fregiuzia de S. Lourenfo da Lata.
hihunai do comtuerci
Lembramos para depuiado commercial ao Sr.
Jos Baptlsta da Ponseca Jnior.
Um negociante.
Precsase de urna ama de leite para aeom-
panftar urna cranca at Maeei pagandb-se a pas-
sagem de ida e- velto : a tratar na ru Mrcila n.
88, segundo andar.
Os administradores (la massi f.illid-: de
Paeheco & Mendes^ no Aracaiy. pagara o
3* dividendo.
Vndese ura cabriolel ingles com assento
para duas e quairo pe-soas e com arrcios com-
pletes para un cavalio, luda em bom estaco : pa-
ra ver tratar na roxeira ds| ra lo Inijierador n.
2') on na ru a do A eolia n. 28.
~~Na rna dos Martyriosn. 2", primeiro andar,
precisa-se de urna ama para casa de familia.
intpressos em muito bom papel e daimpressao
quairo diversas estampas daSeoboca da Cineei^So-
ornados de bellas vinhe.tas, e oslao venda na
ra d > Imperador n. 13, defronte de S. Francisco,
bem como o offieio da mesma -eiibora, (al corau
o retara os religiosos carmelitas.
iM
m
As aulas desle rante as ferias e tem principio no Io do
dezembro : os Srs. que pretenderen fa-
zi-r seu exame em mato dirijam-se ao
mesmo collegio a inscrever-se no livro
de matricula, assim come encontraran
urna li 9 a~ horas em que devem fiinecionar as
aulas.
DENf ISTA DE PAI
19Ra Jfen-19
Frcderico Gautter, cirurgio dentista,
faz tod.-.s as operacoes de sua arte, e col-
loca dentos artificiaos, tudo com superio-
riade e perfeicao, iue as pessoas enten-
didas lhe reeohnecem.
Tem agua e pos dentificio.
m
i
SALSA P.vIRILiri DR AYER.
TitA.Nscf,i:vKtos a(|ui altaos
dos muitos altcslados M f*mos
Ij, receido das \irtudes da salan
'"parrilha do Dr. Ajer.
libeiitujktiawn*.
"Wt JOO JOS DO* ATTOM.
Ouro Pelo.
< SofTri rlieumalismo por mui-
tas vtr/c, e vendo auiiiin. iid.
em um jornal dcsla tate a
Salsa painUia de Dr. Ayer, rt-
solvi-me a comprar nm frasco e fazer Mi
d'ella ; carnes de concluir o primeiro Iras-
co, achei-me forte e sem s. nr a mais lev*
dt- nos joelhos : a parle do corpo i|iic es-
tava affeclada d'esse lerrivel enoinntod
ijiie rouboa-rae lantaa imites ils MSsm
lruoee. borbiiHia. ptranlaia,
ulcera, e toda as snolcutla
da pelle.
no su. joAo KaVU wt abkki r. sorzv.
Ra de S. Pedro.ta th Janeiro.
Soffria mais de doos annos de urna
ernpcao svpUiliik* em lodo o rorpn, mos-
trand-se Sdkprl com nnis violencia H 1.1-
ra, provrf rrmftns niedicnnienlos e cotisollei
mnios mdicos, e eslava rfti;sc*t desanimad
ijuando vi os annuncins da Stsa parriHm
io Dr. Alfar: enmecci a fazer uso 4YUa a
nos piin*eiros dias a erupro an^ravni-sr.
porm aotes de acabar o pjRMH Mi ti-
H o mal ilesappaifrieio completamorrte de
todo o corpo. o
Doctor Don Josk Vamiu HminutA. rWWWh
son De HKMcmA r ciiuruiA. rm>:i.rr,\tm
M AMBAS AS KACri.TADKS OKI. MMM MM
tiiictoHabana.
Certifico que he usarlo l;i Zurza jaawn /'-
la del Dr. Ayer, y innin depuiHiva li<" ob-
tenido de ella los mas felices MMMbM e
los casos de ulcera crnici. coMn asi MMM
ensayado las Pildoras calmirras iU-1 mismo
autor y las considero cono um pMfaMa,
cuya accin adornas de ser secura, lia sido
muy eficaz en el Iralamenlo de las enirmi-
ilades qne exsigeu el uso de \<<> porfMMn,
y no vacilo en recomendar eslas pttMfMW
nes. Y para los fines que puedan ceawflMV
doy la presente en Itegla 7 de Seiiemhre
de 1860.
Dor,. Jos: V. IsVjHkMA.
MMlMa
ATTESTADO DO Il.l.M. Sil. FRANCISCO 1'l.HaAZ
nos Santos.Ouro 1'nti.
Me acto lia quaM dons ;hiim>s atfe de escrfulas, e tooM solrido tanto que af-
luiras vezes qnasi que diego a desaMMP
da vida o, maldi/.er da minlia inf.'liz MfMfi
tenlto sido tratado mr nmitos mdicos d'no-
ta cidade, e ncnlium pode vencer a tinaci-
dade de minha molestia, eslava sea e*ps>
raneas de recobrar a nimlia saude : quarnlo
ltimamente resaki fazer uso da Salte /xrr-
rilha do Dr. Af/i'r. Complettm-M ROfl
trinia e sete dias que caneen < "m Mal
sanie remedio, e l:nlas uieioras leolia>
sentido que tenlio conviceo de em MaMJ
recobrar a minha saude, perdida ha tanto
lempo.
r*j 3!5li. e la.jiC.sitas ruer4'urae.
Do Ii.i.m. Su. Dn. Iacmbk.
Medico limito ttmh*t9 ". pnoMacMi '
mi do Hiaxil.
Tonho receilado a Sah parrilkm >h
Dr. Ayer nos casos mais inveterados de
Syphihs consiiiucijtai e sempre cun m
mais felizes resultados : o meibor dlerju-
te qne conbeco.
I^eucos-rha e flores braceas.
Temos carias em que nos n-nlan ra>oo
inveterados que for.im radic.ilmei:!'' eoradng
com um on dous frascos d'esta Soba par-
rillia.
0 espaco nao nos permitte Iransari ver
todos os allestados que possuimos dan vir-
tudes d'este extra, lo composlo de Salsa
parrilha do Dr Ayer, asta dn-larar ao
publico qne tem sido emj n^ado ha imi*
de vinto aunis pela profisso medica tanto
das Americas como da lluropa. efl nunca
desmentir a sua alta reputaco.
i.
)..
A commissao eucarregada da prompt ifieagao
das ohras da igreja matriz d S. Jos, autorisada
pelo Exm. e Kvm. Sr. vigario capitular, faz puhli-
co que, achando-se a ijjreja em e-iarfo de funecio-
nar, foi deliberado ipie, domingo 4, as 4 t\t horas
da tarde.proo-der-SH-ha abengao de tres sluos. Qne
na ipiaru feira 7, as mesinas horas, proceder-se-ha
a bencao da igreja e das santas ima^ens. Pial-
mente" no dia 8, as 10 horas d* manha, ser tras-
ladado o S. S. Saeramento em solemne procisso
da igreja de X. S. do Terco, que ha 20 annos ser-
ve de matriz, para sua nova morada. Em seguida
haver pomposa festa presidida pelo Fxm. e Rvm.
Sr. vgario capitular, or.indo no Evangelho o Illm.
e Rvm Sr. COOSfO Joaquim Ferreira dos Santos.
Fio la esta, ser entoado o To-Deum Laudamos em
occasio de grabas pelo favor que o Allissimo enn-
cedeu, especialmente aos paroehianos de S. Jos-
de verem inaugurada quando menos esperavam a
Igreja matriz.
A graa estar, depois de toda a solemninade,
aberra desde as 6 horas da tarde s 10 da noite,
para a concorrencia dos fiis.
Roga a commissao a todos os moradores a fre-
guezia, especialmente ao da ra das Cinco Pontas
e parle da ra Imperial, iliumnarem as frentes de
suas casas as nnites' dos dias 7 e 8, para maior
pompa e sigual de regosijo.
mil
i
Precisa-sc de um caixeiro para balean de 16 a
18 annos : nos armazens da Aurora Brillante, i-<
largo de Santa Cruz ns. 18 e 84.
* Aluga-se urna casa em Beberibe, no porto da
Madeira, a helra do rio, com 2 salas, 2 quartos,
coznha fra, muito fresca, e coucertada de novo :
a tratar na na Direita n, 6'J.
AOS lOIOOOo
Ilfihetes garantidos
i' rna do Crespo n. 23 e casas do costuras
O abaixo assignado vendeu nos seus muito feli-
zes bithetes garantidos da lotera que se acabou
de ertrahir a beneficio da matriz da Boa-Vis-
ta, os seizulntes prpmios:
Um meio n. 104? com a sorto de 6-0005090
Um inteiro n. 2538 com i:4O0500O
Um iatelro n. 1512 5003000
E ouiras muitas surtes de 1005, 403, -''$ o 'n3
Os possui'l.rres podem vlr receber seus respec-
tivos premios sera os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se venda os da ultima parte da ter-
ceira e-primeira da quarta lotera a beneficio do
theatro deSuita Isabel, que se extrahir no dia
10 de dezembro.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 23000
Meios......... ',',1)110
Quartos........ 33000
Para as pessoas que comprarem
de 1002 para cima.
Bilhetes....... H000
Meios........ 53300"
Quartos...... 2J750
Manat Mar lint F i tiza
Na ra estwtedM'KiMHro'U. p^en-i.,* aa
de amaiama paracestorurr, irfaznr aoiapras.
Am&e eriaito
Na ra- do Queimado, sobrado m 10, precimi^sa
de urna' ama e um criado-.
Alugam se duas casas terreas em Santo Ama-
ro, estrada de Luiz do Reg, sendo- umAassobrada
da, com- bastantes cummodos para- ac:utdt lamilla.
por seren ni uto frescas : quem pmtemltir. liirit-
ja-se a Boa-Vista; ru da Manftwira a. "S> que-
achara com quem tratar_________ '
l'recisa-se te um uiole-.|ua- de I-i rAanakO
para servico de casa de past >: na ra do II tus
numero_lo._____________________________
Aluga-se a casa n. 6 na ra los Coell.s
com 3 <|iiartos e grande coznha : a tratar ua ra
do Momiego, olaria n. 13. _______
Alugam-so o lerceiro a quarlo andares do so-
brado ii. 16 da ra do Cabug.
= Precisa-se de um cosinlieirn eseravo e ya-
ga-se bem agradando : na ra da Madre de Dos
n. 36, primeiro andar, das 8 as 2 horas da tarde.
- Est ainda para alugar una casa na ilha de
Bemtlca junto a ponte da Passagem, com comino-
do- para familia, hanfio, pintada, e pelo barato
alnguel d 1503 por auno ; na ra larga do Ro-
sario n. 36 se dir, quem aluga.______________
Francisco Jos Fernaiide*Pires, aunndose in-
rommodadn em sua sade e nao pudendo-dirigir
os seus dous t-stabeleciuienlos de mplhad'os deno-
: minados Aurora Britliaute, resolvo vendar um
1 deiles; as localidades eos cstahelecimentos nao
I preciso exagera-los, porque nao pode haver me-
: Ihor : a fallar aos mesmos a qualquer hora.
FtotnN M&seirftortB socios do Uosyttai
l'orcu^uez
Domingo 4r do corrent-", a eleleao da nova
junta que lem de l'unr-cinnar no auno prximo fu-
turo ; e para que nao naja ipieixas do flear este
ou aquefle, pede-se a-lodos os senhores socios para
se reunirem no ^mencionado dia s nove h"ras da
niauliaa, para que a eleigo seja bem discutida,
aflm de que este estalioleciniento de beneliconcia-
cantinuu no mesmo augmento para o regosijo de
todos os Poriuguezes. Rzate, 3 de dezembro de
1864. Umiocins._______________
Salnu lux o quarlo numero da Revista da
Insuma eeheelaaica e (iwaraiiliico Prnumbuca-
no,.contendo, alera das lamona do Instiioto, o mui-
lo iotj;res-ante re lato rio d' iwnjnissao eocarrega-
da de i enrois o jgo do Joo Fernandos Viei-
ra, e urna curiosa estaustwa- ra revolla do I7i0
! m Pernambueo,,chamada a guerra, dos mscate*.
' Adiarse i. venda na loja de Moros de Jos Sogna
: ra de miza, ao Arco de Santo Anlonio, oude se
achaiiktanbom oe-nurmriw- anteriores. |
Assignalura por anno g numero avulso I4-500 .
Irm udade do 8. Sarraiiieulo da fre-
guexia do Stccife.
A mesa regedora da irmandade do Santissimo
Sacramento da fregueziadoille ife pede a todos os
seus innaos que se reunaml aa 8 horas da manha
do da 8 do correte, para incorporados, acompa-
nhaiom a traslad-icao do Santissimo Sacramento
para a mairiz de S. fas*, e assistirem a festividade
da iiiiiignracao do mesmo templo, o para o que
finara e'euvid i los pelo Exwi. Sr. vigario capitular
da diorese. O escin'o,
Ant ini i ara a ioa
Alu?a-se nm sitio na na do tiabral da ci-
dade de O'iftda, com casa terrea, com co-
piar na frenl-!, bota os fundos para a estra-
da e margem do rfo Beberibe, com com-
modos para familia, estribara para cavalio
e capim para sustentados, arvore los de
frtelos, sem visihno defronte nem pelo
funlo. com ptimos passeios, sala e gabi-
nete na urente, muito propria para passar a
festa, e tambera se alujar por anno : a fal-
lar no Recife, na livraria n. 0 c 8 da prac.a
da Independencia, e tm Minda na casa con-
tigua com o capilo Antonio Bernardo Fer-
reira.________________________
m um
Precisa-se de urna ama de leite : na ra de A-
pollo n. 24, segundo andar.
Francisco Geraldt da Silva Barro e sua
mana Candida Rosa da Silva Barroso convi-
dara a todos os sriis parantes amigos para
assislirem a missa do stimo dia que por al-
ma de sua mai tem de ser celebrada na ra-
pellu do romiieri'' no dio 3 da corren!* pelas
7 horas da manha.
Para a cora radical de escrfulas e sJrcr.u
escrofulos, sypliilis e mclcstias stoIm-
liticas, ulceras, feridas. ch.i_.is.
erupces cutneas e MI o
(pialipter imommuib i|ik*
provm d'nm e-t.i.!o
imparo de saugur,
TOMKM A
AL* t P.%Rl.!i,H.% DK AVKit.
A' venda na ra Uireila, ns. l. H i 7'.-
na da Quitanda n. ;il : rraca ra t'..n>li-
tuirao, D. 30 e Hospicio, n. 4t. _. -
principaes pliarmacias c drogaras U> too
(erio.
Vende-se em Pernambueo:
n:i pharmacia franeeza ale
P.RJtUBER & C.
RA NOVA N. 18.
Ao amanhwer do dia 20 de nutnliro do cor
rente anno de 1864. flirt iram do cercado d*> ea-
genho Aldea, da regnezia do Rio Formes-
quarto de carga do maOM etigr-nh-, o

al
ruco pombo, grand*. castrado, nao nvo, trm n
nllio esrfiierdo una ln-liilf, c peOBO on nada 4
pelo dilo olho, lem um rallo reino- n esputOiro,
iSar emque lWe cor-
tado pento, cirrega baixo, < lem estmpale ao
ladodireito da anca o ferro do ensrenno era Idlraa
raaiuseulas come, aqui se ve A 1.1) E A. .Vlv#r-
j te-se qntos ravallos assim ferrai*>. nao so rro-
I cades m vendidos, e os r|ur forrta mnwlrad'H
I som ser swvico do mesm engTiho aV> torra-
dos, e devem ser appreh-ndidus ; nertantr mja-
ser s autoridades policiaes, e invsmO mi:-lqaer
pessoa do pevo, que sendb rocontra-iai ditos ra-
vallos sejam appi ehendnfis e renreMidos ao admi-
nistrador daquello >-ngeuho on ao xbtiTn av-igna-
rtt prepritario ft BSOMOB 'neenh. OV rei>i^ na
: cidade do Recife, ra do Hospicio n. .'O Ijda-le
;*vRu-ife, 2B-0V eutoOro 4t 86VCw-raao Jom
ida -ilva Santiago.
O portuguez Alliino Rapilsia da
Rucha, rel'ojneiro e d'oiirador, na
praca da Indepennencia n. 12, faz
qualquer concert de relogios edon-'
rados por preco mais barato dn (ue
oulro qualquer, e responsabelisa-
'se pelo seu traualho : portanlo, es-
pera proteceo dos seus comnairiotas.__________
Xa ru i estreia do itosario n. 34 .
mn ffiraml,
Aluga-se o sobrao de um andar c sotao
sito nos Afogados, no pateo da Paz: a tratar no
pateo do Terco n. 44.
Precisa-se de urna coguiheira, forra ou cap-
tiva, na ra da Aurora n. |!0.
Adyogado Aifon3o de Albu-
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer bora ; as sextas-
o iras, porm, na villa do Cabo.
Cafeelro.
Precisa-sc de um caixeiro para loja de fazendas:
! na ra de Apollo n. 70, segundo andar.
nqncs sobre Portal
O ahaixo assignado. autorL-ado pek
Banco Mercantil" Phrtnense. e M ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef-
feclivamente por Inoaa e paqa% <4>re
as pravas de Lisboa e Porto, mais fufar
res do reino, por qun!, i*r maaaM a vis-
ta, e a praso ; pudendo, .i- saques a praso.recebercn avista, no m*s-
mii Uauci. desentumi 4 tiiM M anno: na
loja de ctiaaow da roa do Cwaoa n. 6, on
na roa do Imperador n. 63. segundo an-
dar.Jos Joaquim da Cosa Maia.
FOtiO DA \R
No armazem da b >l.i ama>vlla ao oiiio d* se-
cretaria da polica, recelfin-se eneon.ro-'ndj- Jo
fogo do ar para dentro a f ra da proviu. ia.


Diarla c Pe
abitado 3 c
Precisa-se de urna mulher de meia idade
para ama de casa de pouca familia : na ra da
Cadeia n. 4, terceiro andar.
FABRICA f DE LICORES
A' rua das Cruzes n. 36.
Sendo a primeira nesle genero tanto pela variedade de suas produccoes romo pela perfeicao Compra-se ouro e prata em obras velhas
trabalho,_os respectivos proprieiarios reciaraam a atteneao do publico pcdindo a sua protec- daga-se bem: naloja de bilnetes da prara da Indi
COMPRAS.
Encontrarlo os freguezes o seguinle:
Licores de todas as quajdades inferiores a 200 rs. a garrafa.
Ditos ditos unos a 4o rs. a garrafa.
Ginebra de laranja a 8,5 a duzia.
Dita em botijas de superior qualidade a 200 rs. a botija.
Djla de canda a 500 rs. o fraseo.
Agurdeme de todas as quadades a 200 rs. a botija.
Alcool de 37 graos (espirito de vinho). Prego variavel.
Agraduvel e b*oto.
Agoa de colonia que se vende em porches a vontade do freguei.
Pos de arroz em caixinhas a 400 rs.
Pos dentifrieios em caixinhas a 400 rs.
Compra-se ouro e prata, assim como concer-
ta-se toda qualidade de obras da mesma qualida-
Basamo" pa'raa con ser vaciadas gingivas e para tirar o mo hlito da bocea a 8C0 rs. o frasco !je m,prr"mlirto : Pa loJa do pa,eo do Carra0 n"
Tonito nara a conservara. dos rahellnc nara a nmit ROO rs. o frasen. Pr f)reV commodo.
pendencia n. 22.
Compra-se effectivamente
onro e prata era obras velhas pagando-se bem :
na rua larga do Rosario n. 24, luja de ourives.
Compram-se dous escravos que sejam bons
carreiros : na rua do Trapiche n. 13.
Compra-se garrafas e botijas vazas, na fabrica
de licores rua das Cruzes n. 36.
Tomn para a conservacao dos cabellos e para a caspa a 800 rs. o frasco.
Pastilhas peitoraes alfa libra.
Uestruicdo dos ratos.
Compra-se um esnravo qne tenha oficio de
funileiro, e oulro que enlenda de cozinhar : na
rua do Livramento n. 20, armazem.
Caixinhas com pos para o envenenamiento dos ratos o melhor qne se tem descob6rto, tanto r'.... ,-T----------------;r..
porser de prompto effeito como por nao precisar precauco com as pessoas de casa. mLSZSE!,m_. ~m **brfD.os 40 palmos de compnmento com bastante grossura
sendo de muito boa qualidade. botndose na obra
paga-se bem : quem quizer vende-los, dirija-se a
rua da Penha n. 5.
PADARIi UNIO
10 LARGO DO TEKCO 10
Esta nova padarla aberta ao publico (e perto da estaco do caminho e
ferro), acha-se montada com espaco mais que sufficiente para poitr fabricar com
llmpeza e aceto toda a qualidade e quanlidade de bolacha, pao, boiachinbas, bis-
coitos e todas as magas que se desejar a presos mdicos e razoaveis.
O dono do estabeleciment nao poupar exlorcos para bem servir ao publico
e aos seus amibos e freguezes, asseverando-llie desde j que s emprear farinhas es-
colhidas e das melhores que vierera ao mrcalo, ou das que receba de conta propria.
Ao publico em geral e aos seus amigos em particular pede que experimentem,
para se convencerem do que assevera em seu annuncio.
_ Joaquina Caetano de Carvalho.
A NACIONAL
Companliia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Urna fiano em tinheiiv, depositad nos cofres do estado, garasle a boa ad-
ministraco da compaahia.
DlHECgO GERAL
Compra-se urna escrava de meia idade
rua de Apollo n. 70, primeiro andar.
na
Compra-se urna escrava de habilidades e boa
figura, paga-se bem agradando : n pateo da ma-
triz de .anlu Antonio n. 8.
YENDAS.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespanha
Madrid : Rua do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as corabinacoes de supervivencia dos seguros
sobre a vida.
Nella pdese tazer a subscripto de maneira que em nenhum caso mesmo por morte do se-
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to supreheudentes os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL, que anda mesmo dimiiiuindo urna terca parte do interesse pruduzide em recentes liquidaeoes,
e combinando o com a mortalidade da tabella de Depareieux que e adoptada pela companhia para os
seus clculos e liquidaeoes, em segurados da idade de 3 a 19 annos, urna iraporsico annual le lOOfi
produz em electivo metlico :
No fim de 5 annos.......1:1195300
de 10........3:942*600
de l .......11:208,8200
de 20........30:2564000
> de 25 .......80:3314000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consderaveis.
Prospectos e mais nformaeoes serao prestadas pelo subdirector nesta provincia o Sr. Jerony-
mo Joaqnim Fiuza de Oliveira, rua da Cadeia n. oi, ou a Boa-"
lectmento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite & Irmo.
-Vista rua da Imperatriz n. 12, estabe-
Romance.
Vende-se na [iraca da Independencia li-
vraria ns. 6 e 8, o romance Martim o en-
geitado ou Memorias de um escudeiro, obra
do distiucto escriptor Eugne Sue, autor
das melhores obras conhecidas, pelo dimi-
nuto preco de 2^500 por 4 volumes em
Droxur.
FOLIIIVUAN7~
Hura 1K(>5
Acham-se venda na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia :
A FOLHINHA DE PORTA, abrangendo o
kalendaiio civil e ecclc-iastico, tabellas de
feriados, de emolumentos dos tribunaes
do comraercio ele. a 160 rs.
A FOLHINHA DE ALGIBEIRA contendo o
mesmo que aquella e mais urna nova
Salve Rainha em verso, o Stabat Mater em
verso, devogo ao agonisante, coi acao de
Jess, crnico em louvor do Santissimo
Rosario, cntico a Virgem Maria Nossa
Senhora, trinta e tres chistosas aneductas.
um indito poema sobre as aventuras de
um cosinlieiro, o canto de una solteira
(poesa), crescido numero de mximas e
pensamentos, urna historia como muias
("romanen,), e vinte e cinco novas e pi-
Ihericas charadas a 320 rs.
Vende se caixes vazios propiitis
para balinleiros e fnuciros a l$76(l
cada na; nesta typotraphia.
RIVAL SEM SEGUNDO
Rua do Queimado ns. 49 e 55, luja de miudezat
de Jos de Azevedo Maia est continuando a
vender muic barato, pois seu genio dar a fazen-
da por lodo prego a vista dos robres.
Cartas de allinetes francezes da melhor qoalidad
a 80 rs.
Grosas de pennas de ac inglezas da melhor qua-
lidade a 640 rs.
Caixas de rolchetes francezes de superiores quali-
dadrs a 40 rs.
Grosas de bot5es de madreperola muito finos a56C
e 640 ris.
Carreteis com 4 a 5 oitavas de relroz preto fino a
640 rs.
Resmas de papel de peso liso muito superior a
24000.
Gravaos da liga e de outras umitas qnalidades a
500 rs.
Caivetes para penna com 3 folhas fazenda boa a
800 rs.
Duzia de botSes branco para casaveques de senho-
ra a 100 rs.
Pegas de fita de cs estreitas com 9 varas garan-
tidas at 320 rs.
O Expositor Portuguez para os meninos a prender
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren-
der a ler a 14000.
Camillas da doutnna ehrista, finas e superiores a
320 rs.
Pentes finos de marfim a 14000, 14200 e 14500.
Pares de lavas de seda para homens e senhuras a
500 rs.
Gollmiias para senhora o melhor que ba a 320 e
500 rs.
Frascos com superiores banhas a 240, 320, 500 i
14000.
Linos que serve para assentar roupa, pelo diminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Lordo branco para esparlilhes muito superior, a
vara a 20 rs.
Carritis com 150 jardas de linha branca a 60
ris.
Cartes com 200 jardas de linba branca garanti-
da a 60 rs.
Grosas de pennas de ac superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
dlas a lu) rs.
Pares de botoes de punho, oh que pechincba a
120 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 r?.
Grosas de botoes de Iouca prateado muito fino a
160 rs.
Tesouras para costura superior qualidade a 500
ris.
Escovas para limpar denles, superiores a 200 rs.
Caixas com superiores phosphoros de seguranca a ;
160 rs.
Caixas com 100 envelopes o melhor que ba a 640
ris.
Caixas enm 20 quadernos de papel amizade, muite
fino a 600 rs.
Quadernos de papel peqneno muito fino a 20 rs
I
A 4 8 0 CORTE.
Pechincka aem igual.
Lindos cortes para vestido de percales de cores
claras e escuras com grande variedade de padres
pelo baratissimo prego de 4$ o corte: na toja das
clumnasrua do Crespo n. 13, de. Antonio Cor-
rea de Vasconcellos & C,
XAROPE DEPURATIVO
LiE GOX
IR0M0-SULPHO-IODURADO
V
Este novo producio resultado de urna trplice combinaco de tres meUlloides cojas proprit- 1
dades sao mu conhecidas, o Bromo, o Euxofre e o Iodo, oceupa boje a primeira ordem .i.- I
entre todos os depurativos dos quacs 6 o mais poderoso.
As experiencias dos mdicos mais notaveis dos hospitics d.; Paris, os senhores tam I
Puche, Bazm, Blache, Guibout, Baroschet, Danet, Legroux, Vasse e Aubrv, etc., demonstrar**]
sua poderosa eflicacia as aDccces seguientes
guenles
Doenca de pelle,
iiui-tniN c borbiillin* de toda u especie,
Piaran inuco,
ObMtrncccff l>iu|>hallcOH,
Papel ras,
rr i ofi.lu
Abffmon, poatemaa,
Cancro*,
Ulcera*,
Tlnha,
Eroi bulo.
Plan ou iiouba (do Brazil),
Frambaeala,
Humaren friaa,
Rarhliliii.
ophinaluila raerafnlaaai
TUIra racrarulaaa,
Arirreea arpkllltlraa,
ElephaaMaal it Grcyaa,
E todas as doercas occasionadas por an vkM da
singue, e j tratadas tem neuhum neersm actas
prepiracoes y egetaes, iodadas e o alea de fgada
de bacalbo.
O Xarpe de Le Goux, de nma fcil digeslao e de gosto delicioso, se empreea umbein
com muit vantagem e aconselhado pelo doutor Bartbe, co hospiul dos meninos, para as
enancas debis, escrofulosas e rachilicas ou sobr.? a influencia de um vicio hereditario, r e mu
superior nesle emprego ao oleo de figado de bacalho e aos jaropes depurativos e antiescor-
bticos que se administravo at agora.
Deposito geral, em Pars, na botica Boullay, membro da Academia imperial Je Medinnm*
Paris, olficial da Legio de Honra, e em todas as boticas de Frmca e dos paizes eslrangeiros.
THE
CEARA' (NORTH BRASIL) WATER COMPANY,
INCORPORADA SOB A LE DE ASSOCIACES MUTUA DE 1862.
Capital lh st 60,0(10, em6,"0" acedes de Ib st. 10 cada urna.
Depositando 10 s. por cada aceao pedida e lib. st. 1 e 10 s. qnando forem distribuidas.
As seguiutes chamadas uo excedero a lib. st. 2, cada urna, nem poderaoser fetas com inter-
vallo menor de tres mezes.
Juros de 6 % ao aono pagaveis aos accionistas at a conclusao da obra.
Directores.
WILLIAM FRA.NCIS OBSON. Esq. Bearsied House, near Madstone, (presidente) director da compa-
nhia das Ducas e armazens, de We.-t Lundun.
JOHN CLARK, Esq. 3, unster Court Mincing Laue.
JAMES DAWS.N, Esq. 2, Biliter Square, London, director da companhia Metropolitana de Se-
guros.
THOMAS GEORGE FARDELL, Esq. 6, Montagu Place, Montagu Square.
WILLIAM JESSE. Esq. Maisonette. Ingatestone, Essex.
JOHN WILLIAM START, Esq. V. con.ul de S. M. Brtannica, no Cear.
AUGUSTOS WEUNEH, ^s^\ Lime Siree, director do banco Eurupeu Limitado.
Incknheiko ALKREO THOMAS COOK, Esq. 3, Bridge Street, Westmmster.
sou-iciTAUORES MESSRS. W. l H. P. SHARP, 92 Greshatn House.
banqueiros O BANCO, EUROPE, LIMITADO, 83, King William Slreel. E. C. e seus Fliaes no
Continente
correctores MESSRS A. & W RICARDO, 11 ngel Curogmorton Street.rot T h
EsourToRio 3, DJJNSTR CuURT, Mincing Lae. E
O porto e cidade do Ceara a sede do goverao darica provincia ou capitana do Cear gran-
de ao norte do Brasil, e est situada em lat. 3. 41' e 10" S. e Lotig. 38" 2V Oeste de Grenw, o Cear
rodeado por um terreno arenoso, e sem exagerar, na inaior parte do auno o clima pode ser conside-
rado secco. Sendo a capital de urna provincia floresrente o lugar de utncommercio que vai crescendo
rpidamente e a residencia de um crescido numero de pessoas abastadas, pelas quaes ha muito lempo
sentida a falta de agua potavel.
A capital e seu termo, conlm mais de 30,000 habitantes, como consta dos ltimos relatnos
do governo provincial.
A agua supprida pelas chuvas bem raras, e pelas cacimbas, cuja agua em consequencia de
drainagens, itiacao do mar, ele, no verdadeiro sentido da palavra nao potavel.
Em urna distancia rasoavel da cidade acham-se na propriedade do Sr. Jos Paulino Hoonhollz
denominadaBem-ficaum grande numero de olhos d'agua e diversas cacimbas as quaes durante o
empo mais secco se tem conservado com agua.
A agua destas cacimbas recouhecida por todos ser a melhor ; e nao obstante a distancia da
cidade, e grande despeza com o transporte, tem sido consumida por aquellas pessoas que podera man
da-la bu.-car. ^
Desejoso de remediar a grande falla d'agua de boa qualidade, o governo provincial conceden
a J'os Paulino Hoonholtz, urna concesso com previlegio exclusivo por cincoenta annos para supprir a
cidade com agua potavel ao preco de 20 ris por caneco de tres e meia caadas vendidos nos chafarizes,
e de 40 ris conduzidas s casas, sendo este prego o mesmo que adoptado por outras corapanhias de
agua no imperio do Brasil.
A Cear (North Brasil) Water Company, Limited nao ter competidores e o governo provin-
cial concedeu mais o direito de supprir s reparlicdes publicas, quarteis, fabricas, e casas particulares,
etc., por meio de penna d'agua. v>
Para levar a effeito esta concesso a Cear (North Brasil) Water Company, Limited, acaba de
ser definitivamente incorporada na praca de Londres.
O concessionario tem depositado em poder da companhia as necessanas transferencias do
prevlegio, e mais documentos, sendo: \
O livre dominio do terreno que comprehende as cacimbas e olhos d'agua, e assim mais o que
fr necessario para as obras dos reservalorios, galeras, etc.
A indemnisacao para o concessionario ser de 1,000 accoes de lib. st. 10, cada urna, inteira-
mente pagas, percebendn juros durante a con>truccao, e dividendo pari passu como as mais accoes
pagas, porra nao podero ser transferidas antes da cune I u- ao da obra.
O contrato para a construrcao da obra j est eflecluado por nma qnantia fixada (da qual o
centratador obrigou-se a receber 15 % em acedes da companhia) indurado todas as despezas prelimi-
nares al a incorporacio da companhia.
O engenheiro da companhia em seo regresso do Cear deu seu parecer da maneira mais fa-
voravel a respeito da quantldade e qualidade d'agua, e do rendiraento; e que na conslrucc,o da obra
Bao havera diffle.uldade alguma.
O contrato offlcial entre o governo e o concessionario, e mais documentos para transferen-
cia, ecL, legalizados pelo tabelliao publico, podero ser examinados pelos accionistas no escriptono da
companhia.
Ser pago aos accionistas o juro a razo de 6 */ ao nn. durante a constraccao das
obras.
Para obter ac$5es (das qnaes nma diminuta qaantidade est reservada para as pessoas que
desejam acedes no Brasil) es pretendentes nesta provincia podero entenderse com o Sr. George
Patehet, corrector geral, praga do Corpo Santo ou com o Sr. John J. Fosler, engenheiro dos contratado-
xes, ao hotel de Europa, rua do Trapiche n. 12.
Machinas de vapor e pa-
ra descansar algodio.
Moendas e meias moendas.
Tabeas de ferro batido, coa-
do e de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e
de carroca com mangas e
eixos de patente.
RuadoErumn. 38, fundi-
0o do Bowman.
Assocar crjslalis.'ido da fabrica
2 de Julho
Na Bahii.
No armazem da rua da Madro de Dos n. 28,
ha venda o multo superior assucar c.rystahsado,
em saceos de 2 arrobas, ao preco de 5 cada ar-
roba.
chegado ao deposito de pao e de cestas, na
rua larga do Rosario n. 36, um novo sorlimento
de obras de vime branco e de cores, para todos os
misteres das casas de familia, sobresahindo neste
ptimas radeiras de vime branco para o descanco
das tres idades; tambem se fornece qualquer sor-
limento de cestas, balaios e acafates aquem e alem
desta provi- cia se quizer dedicar a este negocio.
os precos convidam.
Vende-se um sitio grande em Santo Amaro,
chaos proprios, com baixas de capim, militas fruc-
leiras, viveiros de peixe, agua de beber, casa boa
e grande, tendo mais 11 moradas de casas para
alugar : a tratar no mesmo sitio, na estrada que
vai para Belem, casa encarnada.
Vende-se
um ferro novo para fazer hostia, sem defeito, por
preco roramodo : na casa do sacrislao da ordem
tecreira deS. Francisco.
ATTfii\(40.
OfTerece-se por venda a dmheiro ou a praso urna
fradaria livre e dtsembararacada, com todos os
eu pertences, como telheiro, fumo e mais uteu-
ciiio", sita na rua do M mdego n. 47, muito afre-
uezada, com casa para familia, quintal, parto de
mbarqu?, e todas as commodidades precisas : a
tratar na mesma.
O Sr. Antonio Jos Marques, que mo-
rn na rua do Parir Floriano n. 41, quena
vir a praga da Independencia ns. t e 8
jjegocio de seu interesse.
Oierece-se por venda um terreno na rua do Des-
tino, em direitura ao largo do Hospicio, com 234
palmos de frente, proprio para se edificar por ser
boa lacalidade, vende-se a retalho ou por junto : a
tratar na rua da M triz da Boa-Vhta n. 54. taberna.
Na rua da Roda n. 6 continuase a mandar
almoco ejantar para fra, e incumne-se de ludo
com asseio e promptidao por preco razoavel.
Aluga-se nma ama que sama bem cozinhar,
e de boa conducta, preferindo se escrava : na rua
eslreita do Rosario n. 32, primeiro andar.
Aluira-se a casa terrea sita a rua da Alegra
n. 46 : a tratar no pateo de S. Pedro n. 18.
Agua de lavando
Na rua das Cruzes n. 36 vende-se superior agua
de lavande a 800 rs. a garrafinha, sujeitandose o
cstabeleclmento a recebe-la no caso que o com-
prador nao se agrade. Esta agua tem a proprie-
dade de tirar a caspa, e concorrer para o cresci-
mento do cabello.
ETIQl'ETAS
para botica
Acham-se Impressas em mui bom papel, e cora
tinta azul, e com delicadissimas tarjas de novas e
lindas vinhetas. 64 etiquetas, contendo cada urna
o nome do medicamento, em typos claros e dis-
traeros, e vendem-se em colleccoes: na rua do Im-
perador n. 15, defronte de S. Francisco.
>n
urna escrava mulatinhade idade de 12 a 13 annos:
quem pretender dirjase ao armazem do sal, na
praca da Boa-Vista, que achara cora quem tratar.
enkeitesTmaria pa.
A loja da Aurora, na rua larm do Rosario n.
38, recebeu novos gostos de enfeiles a Maria Pia
com plumas de froro no frente, obra muito de'I-
cada, assim como tambem tem de mutas man
qnalidades, riqaissimos sintos de fita larga de cha-
malote com fivela<, tambem largas esmaltadas de
pedras, riuuissimas fitas largas de chamalote la-
vradas, proprias para fazer sintos de ponas ca-
hidas ; finalmente tem grande sortimento de miu-
dezas finas, que s a vista faz f : na loja da Au-
rora, rua larga do Rosario n.38.

, AGUA
rua do Uueimado n. 8
Grande sortimente de objec-
tos de gosto.
A Aguia Branca antes mesmo de ser condecora-
da com o pomposo titulo de domestica, conferido
pelo gabinete do intrpido e gil Balisa, maudou
ver o grande sortimento de objectos de gosto que
agora acaba de receber e expd-lo a apreciacao de
sua boa freguezia no numero da qual contempla o
infante, e por que para estes ella ja mais abrir ob-
vio para os beliscar, deseja que tambem se livrem
dus apodos expoioes do vigilante gallo.
Eis o que ha de bom :
Finas cpalas brancas para noivas.
Meias brancas de seda para ditas.
Bonitas ligas de seda para ditas.
Lavas de pellica enfeitadas para ditas.
Ditas de seda branca.- bordadas para noivas.
Grvalas brancas bordadas para ditas.
Rosas e ramis de flores finas para noivas e con-
vidadas.
Filas iraneas e de cores, lisas e lavradas, o que
se pode encontrar de melhor.
B mitos port bouquet-*.
Leques de sndalo e madreperola.
Cai-earrilhas marvilhas brancas e de cores
para enfWtes de vestidos.
Lindos aderecos de perolas falsas.
Outros de bonitas e agradavels cores.
Outros de mosaico.
Kuleeiras, brincos e rosetas de dito.
Outras de aljofares traucos e de cores.
Outras de cornalina, e chapa de christal.
Voitas de aljofares brencos e de cores, finos e
gra-gos.
Fivelas grandes de tartaruga e douradas.
Outras pequeas de ajo, douradas e com pedras.
Bonitas e encorpadas fitas para estas.
Cintos largos de diversas quadades.
Talheres para crfancas.
Acham-se de novo a venda na loja da Aguia
Branca : rua do Queimado n. 8.
Navalhas finas.
A Aguia Branca na roa do Queimado n. 8 acaba
do receber essas estimadas navalhas finas de age
refinado, dos acreditados e bem conhecidos fabri-
cantes J. Rogers & C. : cujos nomes bastam para
justificar a bundade delias.
Tambem recebeu afiadores o massa.
Eufeites bonitos para bailes, ca-
samentas e passeios.
A Aguia Branca na rua do Queimado n. 8 est
completamente provida de bonitos enfeiles de flo-
res, e outras dillerentes quadades, e ludos de gos-
tos modernos conforme ver o pretndeme que
comparecer munido de dmheiro.
Anvelopes nuil grandes para of-
fleos.
Acham-se a venda na rua do Queimado n. 8, loja
da Aguia Branca, e bem assim outros pequeos.
iudezas de primeira qualidade.
Como geralmeute sabido a Aguia Branca pre-
sume ter sempre o bom para bem servir a sua boa
freguezia, e por isso mandou vir e acaba de rece-
ber i.m variado sortimento de miudeza de primei-
ra qualidade e difflceis de se encontrar era outra
qualquer parte, constando elle de caixinhas de ex-
celentes linhas de novellos grandes e pequeos.
Caixinhas de linhas para cronchet e ponto de
meia.
Carteiras com superiores agolhas.
Caixinhas cora ditas e que rai'a papel sonido.
Fita lina e elstica para abanhados de vestidos !
Dita de puro linho c de diflerentes larguras at
para coz.
Mui bom rordo franrez em pecas grandes para
vestidos.
Trancnhas de algodao de diflerentes e bonitos
mordes para enfeiles.
Botdes finos de osso e madreperola*.
Outros de velludo e seda para vestidos.
Clcheles francezes de boa qualidade em caixi- !
nhas redondas.
Carteiras ou estojos com agulhas e cabo para j
cronchet.
Didaes de marfim e madreperola.
Agnlheiros de diio.
Caetas de madreperola.
Escovas de dita e marfim para unhas e denles.
XAROPE
deLABELONYE

XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
oulor da Faruhlude de. Sciencias, membro da Academia imperial de MU*,
Of/i.-ial da Legio de Honra,
Rua des Fosss-Montmartre, 17. Paris.
Eslc xarpe composto mais de vinte annos pelo sabio lente Boullay, consume a me hr
maneira de administrar o Lllier. He empregado com suecesso em todas as iMBpi que tiro sita
origem de um crilhismo nervoso, como sao as:
Gn\uqnera.
Kevralglaa,
E|1mmiiiii,
Alli.qui'H de amo,
Vertlgena,
Svnropi'H,
Deposito geral, em Paris, na botica de Boullay, doutor em Sc.encias, membro d.i Academia
imperial de Medicina de l'aris, official da Legio de Honra, rua des Kosss-Monimaruv, 17, t
em todas as boticas de Franca c dos paizes cstrangeiros.
Culinhi-o- de enlomaga,
InrflsseMoea,
Convi.lMO.-ft,
Acceft-on hjaterleoa e ayao-
rnn triaron,
rollen iniloin OU nervo-
ftaa, brpatiraa alai, ata
mmmm <- *< e *> rt
mall.Ma.
Caaa r riii
etc., te, Mi
ASTHME
ASTHMA ASTHMA ASTHMA
SFFOCgAO NERVOSA E OPPRESSAO
nico remedio eflica/. para combaliir estas molestias, acalmar nin attaqnc d'asnia e impedir a
volta 6 o Xarpe aromtico de Succino (mbar amarcllo) do Danet. l)escob.Tia raieiranirnir
recente, este n*ivo producto se lem propagado com extrema rapidez gra;a.* o? a lados que tem sempre produ/ido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, i>4, rua do Comercio, Paris-f.renclle, e en todas as
blicas de Franva c do estrangeiro.
Deposito geni em l'ernanibuco rua da Cruz n. 2 em ca a ik Cmm a Baili-.ij.
BMBUnnnBaaal aBjgamaiiatmSaS.?a?7<;* U^J
-r;.
NO
ABIAZEM
DE
X.ETREXKO VE-T.53C.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roapa feita de *
todas as quadades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos coacor- S
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um *
grande e variado sortimento de fazendas de todas as quadades, para senhoras,
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 355 e 30,5000
Sobrecasacas idem, 300 e 25,5000
Paletos idem e de cores, 25<$,
200, 450 e...... 100000
Dites de casemira, 200, 150,
120, 100 e...... 70000
Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50, 40 e...... 30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. 30000
Ditos branco de linho, 60,50 e 40000
Ditos de merino preto de cor-
dao, 100, 70 e.....50000
Calcas de casemira preta, 120,
50*00]
50Ofi
20300
Ditos de setim preto. .
Ditos de ditos e seda branco,
60 e.......
Ditos de gorguro de seda
pretos e de cores, .60, 50 e
Colletes de fusto e brim bran-
co, 30500, 30 e .
Seroulas de brim de linho,
20400 e......20400
Ditas de algodio, 10600 e. 10.00
Camisas de peitos de linho,
40, 30 e......20500
Ditas de madapolo, 20500,
20e........
I Chapeos de massa, pretos fran-
10640
100,806......70000 cezes, 100, 90 e\
Ditas de cores, 90, 80 e. 70000, Ditos de fltro, 50, 40,30500 e
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....40000
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
Colletes de velludo preto e de
Ditos de sol, de seda, 120,
110, 70 e......
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. .
Sortimento completo de grava-
tas.
20500 Toalhas para rosto, duzia, U#,
40000|
20500
! e........
cores, 90 e......70000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
Ditos de casemira preta, 50 e 40000 tos e de cores.....
Ditos de ditas de cores 50 Lenges de bramante de linho.
40 e........30500 Cobertas de chita chineza.. .
tal
80500
20OW
60000
I
60000
40000
30000
20500
i
Kinpregudu com nvanavel suecesso desde 30 anao*
plos Mdicos de todos ot paus contra ai molestias
de Cornnto, arranjada para piano pelo orgnicas ou ato orgnicas do corsea, as diversa hj-
seu compositor M. A. Reichert, Bautista de S. II 0 aropisiaa e a mainr parte das molestias do peoe do
Polka
rei dos Melga*, e locada por elle nos concert* que
deu nesta cidade, em outras provincias e na cArte
do imperio, onde se vende (tara mais de doos mi i
ezemplares : acha-se venda na rua do Cre.-po
n. 4.
Veude-so um oouilu e bem acabado piano de
urna das melhores fabricas de Pars, o qual tem
de ser despachado em poneos dias : quem o pre-
tender, dirija-se alfiuVga a fallar com o despa-
chante, o Sr. Joaquim C. Ayrei.
broochios (pneumonas. catorrAoi pumonarei. attkmtt,
a/faflWMcto mcmso* dot hmtkiu, calarrheirai.etc...)
O x ahupe de LABELONYE uso so teudeseuio
Cnafas com rotulas de cor e fechadas com urna chapa
'ando a firma do inventor.
Kaa PARS, rssa Baarlsaa-VllleaieaiTe,,*.
Deposito geral em Pernambuc* rua da
Cruz n. 22 em casa de Caros dV Barbosa.
Vendem-se travs e enxams de iouro verda-
deiro, de 22 a 40 palmos: na caes do Ramos n. 4.
Contina a venderse tres terrenos situados;
na ruado Brum do bairro do Recife, com 34 pal-
idos de frente cada um e 300 de'fundo, ludo aler-1
rado al a linha do caes, e promptos para se edili-
careni 12 propriedades por tazer o ultimo delles
frente para a rna do Ocidente. tendo j constru-
das tres casas de madera e lijlo, que rendem I
300 por mez todas : tratase na rua dos Gaarara-
pes n. 28.
POTASSA
No largo do Corpo Santo n. 6,
dar, precisa-se de um criado.
Vende-se potassa em barns a eoanMtJo preyst
na rna da Cruz n. 23, primeiro andar, eseriptan
de Antonio de Almeida Gomes.
Vende-se a casa terrea n. 25 da rna e Ma-
thias Krrreira, na cidade de OlinsJa : qaena a ara-
tender dirija-s a casa n. 59 da roa Aafmsu, sjav
achara enm qnem tratar.
segundo an
_______ j AIbtin
Vende-se um l>oi e carroca, e um caixo, tu- para 20 al 200 retrato, mudo bou por bm
do prompto para trabalhar : na Uoa-VUla, raa da i preco que em outra qualquer pan*: na nta
Gloria n. 93. I Crespo n. 4.

\
-


Diarlo de Pernambuco ttabbadu 8 de Dezembro de i&a-l.
COMJHE
RA DO QUEIMADO W. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
SEBO
NOF1DADE
Pereira Rocha & C. acabara de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados J^'^" ^^os
cial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sorlimento dos memores gneros JWTOmao ?*J**"
quaes serao vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella aba.xo mencionada, garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinba de Franca muito superior a 220
S^ccf^itJnt^OOr, a libra. ^a^a^ra
*%TXTacalda de azeile eiKta^r^A
Qudjs na^engos do ultimo vapor a 2*800 Figos de comadre e do Douro em caixinhas
,Y J ."* 8 de oito libras e canastnnhas de 1 arroba a
dem andrino chegado no ultimo vapor >i 1^800, 5^500 e 280 rs. a libra
jjjra ;Fannbado Maranhao a IbO rs. a libra.
em 'frascos de vidro a 600 rs. \ dem de trigo a 120 rs. a libra.
. Geuebra de Hollanda verdadeira marca VD
Arroz do Maranh5o, India e Java a 60, 80 e
100 rs. a libra, e 10800, 20600 e 30000
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
10200 e 10600, e em frascos grandes a
2>50.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 10200,1010 J, 106OOe29.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa atiiO rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avelinas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
103O! rs.
Bolacbinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem nglezas muito novas a 30000 a barri-
qtiinhae a 200 rs. a libra.
Banba de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 40O rs.
Cha hysson, huchin e perola a 15600, 20,
25500, 20800 e 3000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Cerve.a preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 90 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 72f> rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos Jos melhores fabricantes da Bahia
e especidmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
200 20200, 20500, 20300, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 80500 a 80800 rs. a arroba.
Cartes de bolinhos francezes muito novos e
bem muito enfertados a 700 e 600 rs.
Chouncas e paios muito novos a 800 rs a
libra.
900 rs. a i
Sal refinado
a lata.
rs. a libra.
Grande liqnidaco de faz ndas de todas
as qualidades para se apurar dinbeio, vende
se baralissimo na luja e anuazem da Arara, roa
da Imperatrii n. 50, de Lourence Pereira Hien-
des Guimares.
AO BARATEIUO DA AMARA.
Vende-se corles de chitas do cures lixas rom 10
covados a 45400 e .'200, cores de cambraia de
salpicos a 25500, 3UO0u 400 para acabar : na
ra da Imperatriz n. 56, luja da Arara.
A Arara vende cassas a 240 rs.
Vende-se cassas para vestidos a 240, 320, 360,
e 400 o covado, organdys de lindos goslos para
vestidos a 320, 360 e 400 rs. o covado : na ra da
Imperatriz n. 56.
CrleselaaMariaPaa80, 120, 110 e 160.
Vende-se corles de la rom barra, os propria-
mentea Mara Pia a 85, 125, 14* e 165000, ditos
sem barra a 60000 : na ra da Imperatriz, loja da
Araran. 56, de alendes Guimares.
A Arara vende alpaca para vestidos de senhora a
360 rs.
Vende-se alpacas de lindas cores ufas para ves-
tidos de senhora a 360 rs. o covado, lazi-
nhas para vestidos de senhora a 320, 360, 400, e
500 rs. : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
As colchas da Arara de 20.
Vendem-se colchas de damasco para cama a 4J,
ditas de chita a 25000 : na ra da Imperatriz nu-
mero 56.
A Arara vende cortes de calcas a 16600.
Vende-se .cortes de calca de brim a 15600 e 2,5
ditos de casemira a 35500 e 45500 : na ra u
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Laiinbas da Arara a 210 rs.
Vendem-se lazinhas para vesdos a 320, 360,,
400, e 500 rs., ditas li.-as de todas as cores a 600,
ditas a Mara Pa a 640 rs.o covado : na ra da I
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A Arara vende um completo sortimenlo de roupa |
feila.
'*&&' Cc5'
I
AS ARMAS! i
m
O GRITO DA GUERRA JA'SE FEZ OUYIR.^
LA VAI KOMIII I
SENTIDO.
O
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 60 i
libra.
Eigos em caixinhas emticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e ero caixa com urna du-
zia a 90000 e 100000.
dem em pipa, Porto, Lisboa o Figueira a
480, oOOe 500 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 705O rs.
a duzia.
dem Morgaux e Chateaulumini de 185 i, a 10
a garrafa.
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
16200 rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porcao de outros que deixamos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porces como
retalho-
Quem comprar de 1000000 para cima te-
r o abate de 5 por cento.
1 rs n frasco p 6A201 Vendem-se roupas feitas a saber: calas de
a &bu rs. o irasco e wzuu a_ trasquera. brm de pre. e um dIas branras de al.
dem em garrafes de 3 e 5 galoes a 50oOO godao a i& djlas de ||nh0 a 3500 e 4iooo, colie-
e 70500 cada um com O garrafao. tes de cores de brim a 1600 e 25, ditos brancos
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia. a 2*500, de casemira a 3,5 e 4*, caigas de eascmi-
Licores muito finos aTOOrs. a garrafa. '^J^ffitV^
dem, quaiidade especial em garrafas muito 12i000 pa|tt)ls de a,"Ua prpU a 3 e 35500, di-
grandes, a 10800 a garrafa. tos de alpaka de cordalo e alpaka branca a 4*500,
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs. ditos de brim de liuho brancos finos 55000, se-
dem, em garrea orma de pera e ro nas ae cam|sas fnm^s, n e 2530O dltas de |inno ,.
gnala vale o ai- glezas a 3im. e oa,r^s muilas roupas feitas que |
ALIZA
^\ ^\>\>t%
vidro, a 10000, s a
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tmales em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores consenti-
ros de Lisboa a 60 i rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Macas finas para sopa: estrellinha, pevide,
rodinha e aletria a 600 rs. a libra e a 40
a caixinha com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixc em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 10 a lata,
Paliios de denles a 160 rs. o maco.
dem de denles a 120 rs.
dem de flor a 200 rs.
Amendnas confeitados a 900 rs. a libra.
Uoce de goiaba em latas o melhor possivel a
20 e em caixSo a 640 rs.
Palitos do gaz a 20200 a groza.
Passas muito novas a 480 rs. a libra.
MACIimSDEPATENT
de
trabalhar ; mao para
desearocar agodo
PAimiCADAS
9
Por Plant Brothers & C.
OLDAN
GRANDE E SUMPTUOSO ESTABELECLMENTO
DE
\OVOS E ESCOIiHIOOS GNEROS
TANTO EM GROSSO COMO A RETALHO
OO -ttlJl NOVA 60
Ultima casa junto a ponte da Boa visfia.
DUAS PALAVRAS.
t Cesse tudo quanto a antiga mu^a canta
Que outro valor mais alto se alevauta.t
\cha-se a disposic3o do respeitavel publico este grande e magnifico estabeleci-
mento de molbados, talvez o primeiro e nico hnje existente em sua especialidade, por-
que o maior capricho de mos dadas com mais apurado goslo de abrir um estabeleci-
mento modelo promoveram a escolha dos mais superiores gneros do nosso mercado,
que por serem comprados em grande quantidade e pagos qnasi todos a dinheiro a vista
deu lagar a obtenco de vantagens, que repartidas como vao ser pelas pessoas que se
dbnarem de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanca de agradar a
lodos, nao s pelo emprego das maneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-
pazes'. como pela pratica da promessa que fazemos de vender polos presos quasi do pri-
meiro custo o nosso magnifico sorlimento.
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diver>as classes da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharo
em ttwso armazem os melhores e mais esquisitos vinhos, licores, champagne queijo, etc.
ete ele e quelles que nao podem dispor de grandes recursos, que s compram o neces-
sario, promettemos-l&es servi-los-de gneros novos e sadios, escolhidos ao seu contento.
O real do pobre ser recebido com tao boa vontade, como a moeda de ouro do
homem rico. >
As pessoas que nos fizerem a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com-
prar para seu gasto, ou para negociar, voliar5o satisfeitas, n5o s pela boa quaiidade dos
objectos, como pela deli.lade dos precos. e bom acondicionamenlo.
O futuro nos justificar.
CAVACO ECESSARIO
Devemos ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que
adoptamos. Ei-las. .......
Existindo neste vasto e Dorescente imperio um grande partido poltico com a
denominaco de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente,
capaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
__Ria-se quem quizer, porque nos tambera nos rii
ninguem. .
O neme urna voz com que se do a conhecer as cousas,
breve, clara e sincera explicarlo que, pelo mehodo repentino, podemos dar.
Mas a quem n5o seguir o partido desse systema diremos i
# Nao orinn lo do Brasil o imponente titulo do nosso
muitas*centenas de leguas que apanhamos a nossa Liga.
Na soberba e opulenta Inglaterra houve um re que rastituio a mu honroza or-
1em da Liga. O acaso nos fez deparar cora a narracao desse acontecimento, que tan-
to sorpre'.endeu a corte desse monarcha. Agradou-nos esta historia
mmente do trage do cavalleiro da jarrctera,para logo o mandamos
locando-o no oitSo do nosso estabelecimento,
que se assignalaram com mitras e coras.
Ilonnl solt ni mal y-pense
nos tarabem nos riremos mas nao se zangue
esta a mais
r.
eslabelecimento. Foi a
e gostando sum-
desenhar, e col-
temos assim feito distingui-lo dos outros
DE ARCOS
A SMMIO.
Na ra do Queimado n. 40, letreiro verde.
Superiores e bem armados baldes pelo diminuto preco de 20 adverlindo qae vendem-so por
este pre?o por \k-m comprado orna grande porcio e querer-se acaDar.
Estas machinas
podem desearocar
qualquer especie
de algodao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas para
o trabalho; pode
desearocar urna
arroba de algo-
dio em caroco
em 46 minutos,
ou 18 arrobas
por da a 5 ar-
robas de algodo
lnpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocaoi 18 arrobas de algodo
limpe, por dia.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinas
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodo, no largo da ponte nova n. 47.
Saumlei's Brothers & C.
X. II. praca do Corpo Santo
RECIPE.
Os nicos sgentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do Queimado ns. 49 e 55 loja do Barateiro
conhecido j como tal, est dispondo da fazenda
por todo o preco para apurar dinheiro, quem qui-
zer venha ver e traga o cobre, e ver o seguinte :
Baralnos de cartas para voltarete muito
linasa............................ 266
Miadas de linha Iroxa para bordar a.... 20
Pares de sapatos de nanea de todos os
lmannos e finos a................... 15500
Massos de superior grampos para cabellos 30
Duzias de palitos de gaz superiores a. .. 200
Libras de ara preta muito superior a... 100
Frascos de superior macaca oleo a .... 100
Ditos de dito perola a.................. 200
Ditos de oleo de babosa mnito finos a 320
rs.e................................ 500
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida....................... ....... 400
Ditos de banha muito fina a............ 640
Ditos de cheiros muito finos para o preco
a ris............................. 600
Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
160,e............................ 400
No vellos de linha com 400 jardas a...... 80
Carriteis de linha de cores com 200 jar-
das a............................. 60
Novellos de linha de gaz de todas as co-
res a ............................. 30
Pe^as de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a....................... 240
Frascos de superiores cheiros, peqnenos, a 200
Pares de ligas muito superiores e bonitas
aris.............................. 400
Varas de bicos francezes, superiores a... 40
Opiata para denles da melhor que ha a.. 1000
Frascos de agua para deutes, superior a
tudoa............................ 1*000
Pegas de tranca preta liza muito fina a.. 60
Caixas com 4 papis de agulhas Victoria a 200
Varas de fila preta com colxetes a...... 40
Libras de laa sorlida de todas as cores a 6*500
Bonecos de choro muito bonitos a...... 160
Caixas de climas de ma ssa mulo novas a 40
Varas de franja .branca e deires para
toalhasa......................... 80
Frascos de oleo Philocomescuperior a... 600
Ditos eom superior tinta a320 e......... 500
Caixas de linha de gaz rom 50 novellos a 800
Enfiadores para espartilho a........... 60
Duzias de botSes encarnados para vesti-
dos a............................... WO
se torna enfadonho mencionar, que vista do com-
prador ve dir o prego, por isso roga-se aos com-
oradora o favor de vir ver na bem ronhecida loja
da Arara, ra da Imperatriz n. 56, de Lourenco
Pereira Mendes Guimares.
A Arara vende as percalas a 500 e 560 rs.
Vende-se percalas de cores finas para vestidos
I 500 e 560 rs. o covado.
A Arara vende liras bordadas para enfeilar vesli-
dos brancos.
Vende-se tiras bordadas para enfeitar vestidos
brancas a 1*200 e 1*400 a pega, musselina bran-
ca fina a 400 e 500 rs o covado : na ra da Im-
peratriz n. 56, loja da Arara.
Ao baraleiro da Arara a 20560.
Vndese baloes americanos de 15, 20, 25 e 30
arcos a 2*500, 3*, 3*500 e 4*000.
Vende-se golinhas para senhoras a 240, 320, MW
e 500 rs., camisiiihas para ditas a 1*. 2*, 3* e 4*,,
na ra da Imperatriz, armazem da Arara, n. 06.
A Arara vende madapolo entestado a 1-
Vende-se pecas de madapolo entestado rom do-
ze jardas a 4*000, pegas de dito de 24 Jardas, das
marcas seguintes : n. 30 a 6*000, n. 2o0 a 6*500
e 7*, n. 2 8*, n. 5 8*500, #* 9*. n. PF a 10*o00,
n. ZZZ a 12*, B a 11*000 a pega, algodo a pega
de 20 jardas a 5* e 6*000, dito carne de varea a
6*500, dito domestico a 7*, dito slcupira a 8*, dito
pao ferro a 9* a pega : na ra da Imperatriz, loja
da Arara n. 56.
Bramante de linho a 25''0 a vara.
Vende-.-e bramante de liuho a 2*500 a vara, pan-
no de linho para lebces a 640 rs. a vara : na ra
da Imperatriz loja da Arara n. 56.
A Arara vende casimiras linas a S3-
Vendem-se corles de casemiras para caigas a 5*
5*500, 6* e 7*000 o corte : na ra da Imperatriz,
luja da Arara n. 56.
A Arara receben nm completo sorlimento de capas
soulbenibargiics
que vende baralissimo, a saber : southembarnuc
de alpaca branca enfeitados muito de gosto a 125,
, ditos de lazinhas decores a 8*, 10* e 12*000,
i capas de grosdenaple preto a 20*. 25*, 30* e 35*
soutwiiharques pretos de grosdenaple a 20*, 25*
e 30*000 : s na loja e armazem da Arara, ra
da Imperatriz n. 56.
Casemiras para capas a 3$ o covado.
Vendem-se casemiras lisas proprias para capas
de senhoras a 3* o covado. lazinhas lisas para o
meso fim a 600 rs. ocovailo : na ra da Impera-
triz n. 56.
A Arara vende lengos de seda a i e 800.
Vende-se lengos de seda, do urna s cor a 800
rs., ditos finos de cor a 1*, colarinhos baratos a
600 rs. a duzia : s na loja da Arara, ra da Im-
.peratriz o. 56.
Ao barateiro do bairro da Ba-Visla.
Vendem-se chitas escuras e claras de cores fixas
a 240 e 280 rs. o covado, hitas Irancezas finas a
320, 360, 400 e 500 rs. o Aovado, porm assegu-
ram-se as qualidades e cores : e murtas outras fa-
zendas que fe vende barato, isto smenle vista
dos freguezes. Assim chegem freeuezes, porque
s se vnde afsim barato porque est a festa na
porta, e a lo)a da Arara da ra da Imperatriz n.
56, pode bem servir aos flreguezes do bom e
rato.
s
m
a
-
5
O assumpto importantissimo.
O assumpto importantissimo.
O assumpto importantissimo.
Ninguem interrompa o orador.
Ninguem interrompa 0 orador.
Ninguem interrompa o orador.
Reine o silencio em todas as columnas.
Reine o silencio em todas as columnas.
Born o siUncio em todas as columnas.
Nao se admilte contestado.
Nao B6 admitlf n nlestagao.
No se admilte coattatafit
Os apoiados >o prohibirte
Os apoiados rio |roiiihid<.<.
Os apeiados sao probMdtot.
tU
ADVERTENCIA.
Antes ile entrar na materia o inconsavel Baliza nao p<>de prwccad*
it
7Jnn ^^s iiii.lri-iiii
fazer o seu siqnal de horror as doiradas i'oras e mal feitas milias dos fafc<
^apostlos do progresso, inimigos do povo c cliupadores do sangue da hunur.
dade. ';.)
A detestavel sede de oiro tem obseccado seus coraces d; vampiros \,-J,
Qtierem fazer fortuna com a rapidez do coriseonSo sal>em tor U- nem,
^esperar.
Sao os perfeitos unos da civilisafo.
Malditos sejam elles--j que nao possivel ao Baliza pr-lhes as mitras.*^
?na cabeca os bculos na mo e os sapates esmaga cobras nos ps e expul-os aoq
, publico por tres dias.
i
OKIII-JH DO DIA.

0
re
B5
c
5 s -3
C rya q _
Q, T eo J W "*
2?" 3-3 2 i
o B:_ 3
p o J u
o
=; <
5 as
w -> n
0.-1 "
ro S-a 3
3
55'
5T5

2
(O
3
O 09
S- --3
o g
o g
2 3
O 09
tima* M:
M
C O
* rft ^.v**
=^-a.
c=rs
V.
Gi

CO
^2
* 3 P i
s-ss s
B SL K 5
V> S9 O
g
|
Cu
5
v>
(O
09
8
2
o o. v
O* ce 09
09 c?
JS o 3 o
lili
oSOw
o 2
09 M Q.
a. o
O 09
. N
"O ce
69 -I
i
3
s
09
|
s
09
er
09
3'
r
5
e
g
ss
e
>!
N'esla casa nao se Ilude ao povoos pesos psto ateridosa batanea c ih>{^
melhos fabricantee os gneros, partindo do soffiivel al o ptimo, podem x-i
escollados a vontade por todos, desde o pobre agoniado Clanm at o maus alte^^
General. .[*>,
Nao sendo o agrado e a sinceridad^ predicados que smenle tivrss m ;
chegado para bico da domesticada e encantadora aguia branca, esio dailas a*
mais terminantes ordena para que d'ora em diante se redobre as aliei:o"i> \>mjj-h]
com lodos os freguezes, de forma que se opere a mais perfeila liga de enteres- V
, a fazer inveja a todos at ao proprio cavalleiro da esquina da ri4s
Quando ao dispontar da brilhante, aurora ou da aurora bhlhante, traerr^
^ouvir o garboso gallo vigilante, com aquella bisarria que llie prnpria, o [ canto sonoro, signal de chamada dos amaveis freguezes e predilectas fregueza,
tambem o solicito Bauza eslar prompto em ordem de marcha, agradavei con*.
Va aguia branca, diligente como o gallo, grave como opropketa. no mais per-
i feito e continuo movimento, servindo a todos, e a todos contentando.
;ses recprocos
'Nova.
ADD1TAIHENT0.
Os pregos do grande sorlimento d'este magnilico armazem, se acham rnn-
sideravelmente reduzidos, e a respectiva tabella deixa de ser publicada porque
\a alma do negocio o segredo. Os freguezes reconbecero em vista do ot
;to que pretender que o preco que se lhes pedir ser tao rasoarel que nenbun
i rcclamai'o offerecero. Venbam todos a
I
AttencHo.
Mtlho, srecos grandes, perfeitamente mui-
to bom a ....... 5*000
Farinha de mandioca a melhor do mer-
cado a...........35500
Arroz de casca ....... 3500
Ra da Madre de Dos ns. 5 e 9._____________ \
Vende-se
superior farinha de mandioca^ bordo dos brgues j
escunas Principe, f. Alfonso e Nao Sei, atracados
Vno caes do Baro do Livramenlo r a iratar a bor-
do, ou no laigo do Corpo Santo n. 4,_primeiro an-
dar, escrlplorio de Palmeira A Beltrao.__________
Madapoles baratos.
Pecas de madapolo flr-to com 24 jardas a 65,
com m pequeo deleito : na loja da ra da Ma-
dre de Dos n. 16, defronte da guarda da alan-
dega.____________________________________.
Vende-se um sitio em Cachang eom urna
casa de vivenda, urna dita para negocio, e outra
para padaria, com snas competentes armaqdes : a
tratar cem Manoel Joaquim Moreira, ra da Im-
peralrlz d. 41
Hl.t DO UVRAHEKTt S9
AO GRANDE ARIAZEN DE MOLHADOS
DO
BALIZA
PROPRIEDADK
DE
M. PEDRO DE MELLO.


Diario de Peroamaee Kabbado 3 At Dezembro de 1SC4

i\0VA HEFOBMA.
AUR0B4 BRILHiME.
N. 84. Largo da Santa Cruz. K, 84.
Prancisco fcs Feroaodes pires, tem a Honra e rom cspeciali*dc aov aradores do bairn da Boa-Vista e seos arrebaldes, que fez
' /in"T '? sfu *sseftdu abetecmeto de muIhadusdenomiDado AaroraBrilhan-
ic ao larg* da Sania Cruz e eom esta reforma suprio de noo o seu armazem de bons
feras, wado mallos Mies mandados vir de sua propria conta, para melhor servir
aqoenes que se dignaren! comprar ou mandar comprar om seu eslabelecimento.
uliA .^2da Aurora Brilhante encontrara sempre o respeitavel publico um
,.r 1S0S10 d0S melhores rtnero91" lsm W* a osso mercado, e sem
waaShaiJrM? raroaveis, como se ve da segn.nte tabella que ser mudada se-
4fc
NEM COROAS NEM MITRAS
A Aorora Brilhaaie recebe as libras sterlinas por 9, sendo para eoaipra, e
por ceato de abatimento a quera comprar de 100$ para cima.
faz o
Presontos do fiambre muito novo, a libra a
otH rs.
Siles para panclla, a 560 rs.
Qaeijos londriaos muito soperiores, a libra
.1 i*5 HJ.
Ditos do reino vindo oeste vapor a 2CO
Ditos do vapor passado a 2 e 2iO0.
Queijos do qualha novos, a libra a 560.
Proseos grandes com amatas a 3,8000.
Lata, com l|2 libras a 1500
Ditas com .1 e 6 libras a 25500 e 4.
Chocolate francozmuite superior, a libra a
15120 ^
Cha lino de priraeira qualid&de, a libra
25700.
Dio uxim a 25700,
Dito hysson a 25700 e 25800.
Bita perola a 25800.
Bno em caiiinbas de 1 e 2 libras a 25600.
Dito pretoJ 2$ e 25500.
Xaoieiga Ingleza flor a 15200.
Dita inais abaixo a 800 rs.
Bita era barril propria para negocio, a libra
a 603 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
% Latas rom 2 libras de banlia refinada, a libra
Si' **'*
5; Mantuiga franceza nova, a libraa GiO.
Dita era sarria e meios ditos, a libra a 600.
'J Toucmho da Lisboa a 95500 a arroba e a 320
,'.:_j rs. a libra.
. Latas com bolarhinha de soda de 5 libras a
' 3000.
\I Ditas com biscoitos e bolachinhas sortidas
X a 15500.
v5? Ditas inglezas novas, a libra a 210 rs.
\f') Arroz d y hri a 0 e 100 rs.
/|v Dito da India a arroba 25800 e a libraa 100
?i$> e 120 rs.
s/) C:if muito superior de primeira qualidade
;.'fc a 8J500, 95 c 05500 a arroba.
. ;-^ Bit i 'in libra a 280, 320 e 360 rs
? Viudos em caita de 12 garrafas, o melhor
.,;jl possivel a 185 e 205.
ijS) l.t'i mais baixoa 05,125 8 5.
*J3 Dito Figu'ira, ornis superior possivel, a
Sl caada a 1-3500 e agarrafa a 6i0 rs.
; Dita mais iiaixo a M a caada e a 560 rs. a
j garrafa.
V
Dito de Lisboa, boa marca, a 400 o 300 rs.
a garrafa.
"it > Bordos a 640 r.>. a garrafa.
Dil < em caixa,das mellioros marcas, a "5 o
85009.
Serveja, marca t nenie, um botijas a 7 e 85
.-. luzia.
Dita d.; diferentes marcas a 500 rs. a garra-
fa c 55800 a dnzia.
Charetos fines de autor Jos Portado de Ci-
mas, ha por muitos precos.
Ditos de ..utros autorss a 15500. 25e25500.
Gigos de batatas novas com 1 arroba a 1-5
Passasnovas, a libra a500 n>.
Figo* novas a 320 rs.
Latas de ervilhas e favas porluguezas i pre-
paradas a 720 rs.
Ditas com ostras, excellente petisco.a 640 rs.
Latas de peixe ensopado om postas, de maltas
cualidades, a 15.
Potes de vidro con sal refinado a 500 e 640
ris.
Marrasquino da melhor qualidode, a 85 o
125 a dtizia.
Garrafas de dito a 80o c 15200.
Ameadeas eonfeitadas a libra a 800 rs.
Dita com casca a libra a 320 rs.
Nozcs, a libra 160 rs
an.co, alpista, a arroba43 e libra a 160 rs.
Grao de bino, a arroba 45 e libra a 160 rs.
Yinho de caj preparado em Sobral a 800 a
garrafa.
Cognac superior a garrafa a 15000, 15200 e j
15600.
Champagne boa a dnzia 205,o a garrafa a 25
Garrafes com genebra hamonrguoza a 63.
Vinho brance Xerez a garrafa a 15.
Dito Joo de Brilo, puro, a garrafa a 640 rs.
Ditoadocicalo a 560 rs..
Dito do Porte, fino, a garrafa a 800 e 13
Xarope de grozcis e outras fructas a 640 rs.
Maesas para spa, amarella, a libra a 480 rs.
Dita branca a 320 rs.
Dita estroiinha, pevide e radiabas a 640 rs.
Ctixinh.1 com 8 libras de dita a 35500.
Selas solas grandes, o cento a 15.
Ditas grandes em resteas a 15280.
Duzias de cartas franeczas finas a 25500. 35
c 35500.
Duzias de latas de graxa nova a 900 rs.
B mlioes de dita a 280 rs.
Marmelada nova a 600 e 720 rs.
Carne de serto a libra a 320 rs
Chonricas a libra a 640 rs.
Saceos grandes com Cariaba a 53
Ditos com milhoo 33500.
Ervilhas seccas libra a 160 rs.
Lenlilbas para sopa a libra a 200 rs.
Sevadinha de Franca a libra 200 rs.
Sag a libra a 400 rs.
Aramia verdadeira a libra 480 rs.
Gomina de Riigommar a arroba a 45 e eui
libra a 160 rs.
Sabao esnanhol a libraa 400 rs.
Latas com o verdadeiro gaz liquido com 27
garrafaa a 125.
Garrafas com dito aSOOrs.
Saceos grandes com feijo mulatinho com 24
cuiaspur 95.
Genebra de laranja verdadeira a 15 e 15200
u frasco. Copos e calla lapidados para vinho c agua.
Dita pepuenos a 40 rs. a 23. 25500 e 35.
Dita verdadeira dellollanth, a botija a480|Assucar refinado com ovos mtiito alvo a ar-
roba a 65300 fi a libra a 200 rs.
Papel pstalo liso A? peso branco e azul, a
Licores finos de varias qnalidades a 800, 15
t e 15500.
',: Caixas de vinho moscatel a 105, e a garrafa
15000.
_x Ditas i'urn azeite refinado a 105 e a garrafa
O a 13000.
(;on " ebolas, azeitonas e mixide a 600, 700 e
pQ S)>) rs. o frasco grande.
Caixas com frascos de mostarda franceza a
_-:.' 43 a ilii7.ia,e 360 rs. o frasro,
resma a 23500 e 45500.
Vinho Madeira-secco, a 13600.
''rntode esleirs de tranca a 205.
Barriscom azeitonas novas a 15280.
Duas bataneas grandes de Romao com os
pesos de 21 arrobas, e alguns bragos pe-
queos do mesmo autor.
Urna gratule quantidade de eaixSes vasios de
todos a< tamanhos de IM a 500 cada um.
E MUITOS OUTBOS GEXRROS QUE TOlt.VARIA E.N'FAD.VIIO MENCINALOS.
TDO DE PRIMEIRA QUAULUDIi.
SORTLMENTO PARA A FESTA
23Largo do Terco23.
- ir,nn,22,1Jrah'maod.OS5anl?s'dono iea** "M***1 ^ molhados avisa aos amigos do bom e ba-
,ato que se venhainsortir Jos boas gneros este estabelecimonto que nao ser2
^a,n- erPD?a de *? MNlKMlaj pelo seu proapto pagamento ; e por fsso
S! !eneros' ('uo leQl seml?re esle estabelecimenle u.n grande e vantajoso
juanlo e perlencente a esle estabelecimento.
Sentido! Voa fallar com o Ceuscrva o !!
e 2 sortc a 800, 900 e 15
se faz annuncio de
sortimunto de tudo
'Innteiga ingleza de I
a libra.
'' ".n franceza em barril a 600 e 640 ris a li-
bra.
r 'ucinho de Lisboa a 300 rs. a libra e
roba,
blatas cm caixas e gigos 15200 e
roba.
23000
Queijns mais novos do mercado a 25500 e 2800.
Sorvpja da melhores marcas, tanto branca corno
preta a 500 rs. a garrafa e a duzia a 55800.
aabao amarello maesa a 180,200 e 240 rs. a libra.
Charutos da Babia dos melhores fabricantes
1*200, 25000, 25500 e 35 a raixa.
I Mtlho alpista e painco a 160 e 140 rs. a libra.
a ar-
de
i f do primeira o segunda serte a 250, 280 e 300' X'nho.de, F,8ueira verdadeiro a 500 rs. a garrafa,
rs. a libra. : Jdem de Lisboa das melhores marcas a 400 a diia.
,.rroz da ludia, Maranhae e Java a 100 e 80 rs a \om dfl v"m em barril superior pinga a 640 rs.
libra. dem branco propro para mis** a 500 rs. a dita.
llera du Porto engarrafado a 800 e 15, lomando
mais de tima caada dequalquer umdestes ter
grande abatimento.
Conservas inglezas e portnguezas a 500 e 640 rs.
Biscoitos e bolachas de soda a 15400 e 25.
Massa de tomate a 600 rs. a libra.
Gentbra de Olaada em frascos e botiias e de la-
ranja de 480 a 640 e 1*200.
'Jiourigas as mais novas a 360 rs. a libra.
Utas c#m 1 e meia libra de ameixas a 15200.
Azeite doce de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 35 o
gala*.
hosphros do gaz a 25 a graza o 180 rs. o maco.
?ssas novas a 480 rs. a libra.
'elai de carnauba Aracaty caraposicao a 400 e 140
rs. a libra.
Massas para sopa a 480 e 440 rs a libra.
anne'lada dos melhores fabricantes de Lisboa de
J libras a 640 rs. a libra.
Cha hysson o melhor deste gaaero a 25800 a li-
bra.
dem perola miudlnho a 25S00, 25000 e 35000 a
libra.
Banba ingleza al va e superior a 480 re. a libra.
0
GRAltfilE ARMAKfiM
DE
m^uma
NA
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
LIAfVGA
DE
Silva & Soma
57 RA DO IMPERADOR 57
Graneles reformas de peores
ira ajoal-
Hli DO IMPERADOR %. 4
Jante ae sobrado em qne mora e Sr. 0>borne,
Duarte Almelda **: C, receberam de sua propria encnamela-
2a prSeelen^cL?rlad0 SOrllmento de ">***<*<>*, proprloa 5 a to por cento menos odrc qne sepnwn pao .
\r i i .- qner parle.
i* ,r, nonSo r*LuJ I, >p> Sor qS^de deaejar.! p,ra eJto ^^^ ** "<" rp, *.
rs. a ^r^ 2Sffff& ^ "" me>o. granJe a M'W tdaS "S ^M ~^
*asafr,r, 60, rS.albr.eem barril Vllho I, propieUriw *"Mm """------------^^------------ T
A mnaasliariii Figueira J A A c outras muitas atareas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
eonfeitadas de liodissicaas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidru com 3 libras liquido a
2#400, muito prt>pios para miraos,
Cartoes
com bolos franceses a 300 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as rraa-
tidades a 1(5.160.
dem (te Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2#80e a carada.
dem do Porto
generosas engarrafado des melhores fabri-
cantes da eidade do Porto a i$ e 10200
a garrafa e de IO# a f 2 a caixa, as mar-
cas sao as seguintes: Chamisso A Filhe,
F. A M., Nctar ou vinho dos Beuxes,
lagrimas do Douro e outros muitoi.
Latas
Choeolates com 10 ubras bwi > wom.
de todas as qualidades a 1^000 a libra, Bolaellinhl ilgleza
PreSimtOS inglezeS (alSOO abarr damesmaque
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambo vendem a 2500 e m-
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
ebegados neste ultimo vapor a 26oo.
Queijos
chegados no ultimo vapor a 2/5600 cada um.
Qneljo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e catatabas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e (200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
U a 24600.
Bdem perola
especial qualidade a 2.3700 rs. a libra.
dem hyssou
o mais aromtico que tora vindo ao nosso
mercado a 23600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talharim e aletria a
480 rs. a libra.
COGNAC
o muito afamad. cognac Pal Brandy a l,8oo
Nozes
as mais novas do mercado a ISQr* a bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesfe de todas as mai
cas de 4#500 a 6^500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros ea
meias catatabas a i 500.
Arroz
do Maranhao a 400 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 2)5500 a 31006 a ar-
roba desses que vendem por 3#400.
CAF
de I.e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 8(5f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Garrafdes
com 4 Vi garrafas com vinagre a i $000 coa
o garraf5o.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 1$000 0 frasco, e de U300f
a caixa.
DEM
em frasqueras de Hollanda a 5^1800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groz3
e 2o rs. cada catataba*.
LICORES
AO PUBLICO,
,inaaoe,!nS servfmp.s de exordtos como constantemenle estamos Tendo em annnr-
c os desle genero, pots sao palavrudos de que sen.pre nos abstivemos, e de que lamhrm
estamo cerlos nenhuma attenco ja merecem do publico. O m fim. S i SST
mente fazer ver que o verda.leiro e principal interese de todos esla a tabella mW
eos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos luda a altenro. '
Vinho verde.
Chegou o muito desejado vinho do Carlaxo vende-se nicamente oeste nam
a 6oo rs. a garrafa e 3o.ooo rs, a ancora com 7o garrafas.
rs. a garrafa o de outras muitas qualida- finos de todas as qualidades, a o.ooo a caixa
5,ooo
rs. a
des a l.ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPOS
lapidados para agua a 4,5oo e
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaeo, grave, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
de excellente qualidade a 2#200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulho de l.oo a 2,2oo
n. a resma.
Corintliias
passas corinthias muito novas proprias para
podira a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oo rs. a libra
Vinagre
PRRem ancoretasde 9 caadas a I5,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs. a
e 45400 a arroba.
CEBLAS
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
iam Abreu e outros muitos a Ooo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3/Joo rs. a arroba.
VELAS
de espermaceto de diversas marcas a 56o rs.
a libra e om caixa ter abatimento.
VLLAS
de carnauba cm caixas do arroba a 9,3oo v.
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 5$ a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas uitu navas
em quartos e inleiros a 2c? o quarto e 65O0
a caixa e 400 rs. a libra,
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
;chegadas ltimamente, pera, pecego, ginjae
outros muitos a 640 rs. a lata.
W>j Dscc da casca da goiaba
i a 600 e 1 ocaixae.
muito novaba 1,9000 o cento na ra do Quei-' em panafrosdel e ^roba^a^SOO a ar-
ma do Imperador n. 40 e lar- robae 140 rs. a libra na ra do Qoei-
Amendoas confeitadas de diversas cores a
64e rs. a libra,
dem de casca mole a4o o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinbas com lindas
estampas a l,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a l,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oe rs.
dem em latas de 1 '/ libra a i.loo rs.
Arro2 do .Maranbao e da India o melhar que
ha nesta genero de 8o a loo rs. a libra,
e de 2,5oo a 2,8oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada,
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a Ooo rs. a garrafa, e 10,000
rs. a duzia.
Alfazcma muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitenas muito novas a 2,ooo rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4,4oo rs.
a arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Amonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,oooe f,5oo rs. a
lata e 64o rs. a libra,
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
Sanha de porco reflnada a 600 rs. a libra e
em barril a 58o rs.
Batatas a 2,000 rs. a caixa.
Champagne das melhores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, c Ooo rs.;
as meias garrafas.
Oh uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a
libra,
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs.
a libra,
dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2,ooo, 2,4oo e 2.600 rs. a libra,
dem prele homeoptico a 2,000 rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia, e56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol e suisso a 1,00o,
l,2oo e l,4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
tado de Simas e outros da Baha como
sejam regala, trovadores, guanabaras,
deliciase suspirosa l,6oo, 2,000, 3,000
e 4,ooo rs. a caixa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco,
dem francezas surtidas ou de urna s qua-
lidade cada frasco a 5oo rs.
Cognac francez e inglez a l,ooors. a garra-
fa, e 10,000 rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a 9oo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4,800 0,000
e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs cada um.
libra,
mado n. 1
go do Carmo n. 9
GRAO DE BICO
muito novo a 33100 a arroba e 140 rs. a li-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e largo
do Carmo n. 9
&ZS t aXw! rua"do-!em 'atas de o^reotef^dadas a 1*200
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.' a lata
mnifn fro^E SU,S?? QUEIJOS FLAMENGOS
Cimaln i r Vi S ,M ru? do legados neste ultimo vapor a 25800 na roa
KJ;!' n o ^P^01* 40 e' d0 Queimad0 7* df> Imperador ^.
largodoCa.mon.9 40 e largo do Carmo n. 9.
fra-n,t P -ne S rregoezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodldade de todos es- rs. com o garrafo.
ttpuiaram os mesmos presos nos seguintes lugares:
Caf do Rio superior a 28o e 3oo rs. a
e 7,5oo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba superiorem latas a 2,ooo rs.
Ervilhas porluguezas em latas chegadas l-
timamente a 64o rs. a lata,
dem ceceas a 16o rs. a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem entortadas a Ooo
rs. cada urna.
Favas porluguezas em latas chegadas lti-
mamente a 640 rs.
Frutas dem em calda, pera, pecego, alper-
se, rainha Claudia e ginja a 9oo rs. a lata.
Graixa nova a loo rs. a lata e l,too rs. a
dnzia.
Gomma muito alva o nova a 16o rs. a libra.
Genebra de Hollanda em frasqtieiras com 12
frascos a 5,8oo rs. e 560 rs. o frasco
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
Lentilhas muito novas excetlente lejom. pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidad**
de 7oo a 9oo rs a garrafa:
Manteiga ingleza perfeilamenle flor a 8oo
l.ooo rs. a libra, desnecessario mais
elogios neste genero, que s so p e-
rilicar com a vista,
dem franceza a 64o rs. a libra, era barril
se far abatimento.
Marmelada do nrimeiro fabricante de Lisboa
a 7oo rs. a libra, ha latas de 1, I 12
2 libras.
Massa de tomate em latas de 1 i 2 hl-ras a
fioo rs. a Fibra.
Macarro. talharim e aletria a 4oo rs. a iiUa.
dem branca a 32o a libra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs.
frasco.
dem inglesa em p a 64o rs. o frasro
Molho inglez era garralinhas com roihas d*
vidro a (54o rs. cada urna.
Mai rasquinho verdadeiro de Zara a l.oco rs.
agartafa, e lo.ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lata
Prezunto para fiambre inglez venia.!, iro,
garantindo-sc a qualidade a 8oo r. a libra'
Passas novas de ramada a 6So rs. i liLia e
6,5oo rs. a caixa.
dem para sopa estrellinba. pevide e rr-dioba
etc. a 3,5oors.a caixa, eaStOfa. ahira.
Peixe em laias hcimeticaniente fechadas da
seguintes qualidades :$ave!. OOTfem.fi ras
cavallinhas, e pescada a 1,oo a hla.
Palitos para denles lidiados a I o rs. a ma-
co de So rs. e ifinliiw 1
dem do gz a 2oo rs. a duzia, e 2,1.h-. t<
a groza.
Painco muito novo 12o rs. a libra e 3,on0 a
arroba.
Queijos flamengos, do uliimo vapor, a 2 :ioo
rs.
dem londrino muito fresco a 800 rs. a lihr.i
Sal refinado em potes de vidroa 5oo rs cada
um.
Sevadinha de Franca a.i8o rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 24o e 32o rs. Imra
Tijolo para limpar facas a 15o rs. cada um"
Vinagre de Lisboa a too rs. a g:.:i .'. H
l,4oo rs. a caada.
dem em garrafes cora 5 garrafas a I
rs.
para lavar casa a SCo i.
Ibem de cscovas
cada tima.
Velas de espermacete superiores a Hn
a libra.
dem de carnauba refinada e de compost
a 44o rs. a libra, e de 15,ooo a 11,ooo r-
a arroba.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figt.eira
das marcas menos conbecidas a4oan
a garrafa e a 2,8oo rs. a ranada.
dem Figueira especialmente escohido neslo
lugar a loo rs. a garrafa, e 4.5oo rs a
caada.
um\
laVGliM .10 Mgftg&ffio)~fiffS
WfftlQS
Vinho tinto sem confeic&o
30,000 EM %A OREIAS DE 8 CAWAD AS .10 OOO
ubico deposito em Pernamliuco ra da t adeia n. 1
Esta neya qualidade de vinho recetada diredamente de dsmrsos lavradores de
Torres Novas (provincia da Bstremadure) como atlastam os bilhetes do caminho de fer-
ro que trazem os cascos, protando soa origem e procedencia, recommenda-s a todas as
0 Verdadeiro Principal rna do nuterador n. 40
FRfTCTAS
^-.. MA^AA, PERA!: \-\\H
chegadas neste ultimo vapor, vende-se na ra do Imperador n. 40, Verdadeiro Pritvci-
I'dem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem inglezas em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro qualidade superior a
l.ooo rs. a garrafa,
dem de laranja verdadeira a l,ooo rs. o
frasco e 11,ooo a frasqueira de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida suissa a
1,8oo rs. a garrafa.
dem Lisboa em ancoras rom 9 caada* mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muilo fresco composico a 6oo rs. a garra/a, e 1 5o
rs a caada.
dem de Lisboa branco uva pora a 56o rs a
garrafa, e a 4,5oo rs. a caada.
dem Porto fino em pipa a 56o rs. a garrafa
dem engarrafados generosos Lacrimas d^
Douro. Duque do Porto, D. Lni/1 r>
Pedro V, Nctar, *elho serr, Mal'vasi
Genuino, Particular a 9oo e l,2oo rs.a jrar-
arafa, e a lo.ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a garra-
fa, e a 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a 1 ,oao r. a garrafa
dem Bordeanx das arrediladas marcas S|
Juhen, St. Estepb.cbateaa la Bosc,cluaU*
Margoux e outros a 6,5oo rs. a eaiix
56o rs. a garrafa.
pessoas
sas trra
se conv
chogam pela maior parte ou quasi tod -s sobrecarregados de preparos nocivos
caasaudo bem graves transtornos no apparelho digestivo
O annunciante offerece a ana'yse dos professionaes esta nova qualidade de vinho
que exp5e a venda, e d um premio de 1:000 a po estranho a nalureza da uva de que feito.
'^8' S *vit^'a fa,8icato, o annunciauto declara que o nico proDrietario
importador deste tumo a qual vende somen:eoo seu armazem da ra da Cadeia do
e
Seoife n.
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a cor natural
1.
dos cabello.
A agua florida nao urna tintara, tacto essen-
cial a cooteslar, a niesma agua dando a cor prirai-
uva ao cabello. Composla de plantas exticas e
de substancias inorf^nsivas, ella tem a propriedade
de restituir aos cabellos o principio consta que el-
le* tem perdido. D'uma salubridade incontesta-
vel, a Agua Florida entreten! a limpeza da cabeca
deroe as caspas e impede os cabellos de cahir
Oleo do Florida
Comnosto de substancias vegetaes exticas, elle
constiie poderosamente, com a Agua Florida, a
(w?a, a bell za e a conservacao dos cabellos.
Em Parte, rasa de Qnislaor n. 12, ra de Riche-
lien. c 31, boulevard Moatmartre.
Todos os frascos, nao tend intacto e claro, o
[tirnhre Meado da casa, sao reputados falsos.
Deposito, roa do Imperador, pbarmacia n. 38.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidde a
112# a lata : nos armazens da ra do fm-
perador b. 16 o ra do Trapiche Novo d. -g
ATfK
m _
Vende:se superior vinho do Porto em caixas de
urna duna : em casa de Johusion Pater & C.
do A'gario n. 3.
na
Fabrica de licores.
A rna das (ru/cs o. ae.
Vende se txccllentes doces de todas as qualida-
des em por^oss a Tontada do fregu?.
Vende-se urna loja de lon^a com poucos fu~.
dos, na ra do Ranjrel de balxo do sobrado n 3J
tratar na me?ma loja,
a fOO rs. o copo
Qneljo de Minas rfisgarlo no vapor
dem prato malte fresco
dem shIsso superior
dem londrino superior.
57 Ra do Imperador 57




Diarlo ie y*yg*jfetMaea Sabbado 3 e,'Dezeiubro de I84.
*
0 Vigilante st alerta, nao Ihe era pcrmillido
deixar pa.>sar desapercebido sera que nao dsse o
seu cauto, ahm de annuneiar ao respeitavel publi-
co o grande sorlimento de e lameras do melhor
goslo propriamente para qualquer mimo, que ara- jquejiarece serta a biOjrs.
ba de chegar neste ultimo paquete, assiin como
muitos outros objectos que recebe por diversos na-
vios, Unto de sua conta romo de consignarlo que
est resolvido a vender por precos muito baratos
para vender muito e ganbar pouco, e dar exlraeao
o grande deposito que tem, que espera merecer
proeeco do respeitavel publico empregando pare
Grande liquidadlo.
Ra da linpcratrlz n. GO.
Loja de fazendas do pavao de Gama a Silva
Aeha-se este eslabelecimento completamente
oriido de fazendas ingieras, francezas, atlmiflas e
Mitssas, propris tamo (tara a praca como para o
mato, prometiendo vender-so mais barato o que
em ouira qualquer parte.prineipalmenle sendo em
porcao, e de todas as fazendas do-se amostras,
deixaiido ficar peonar, ou niandam-sc*levar em ca-
sa pelos caixeiros da loje do Pavao.
As chitas do Pavao.
Vendem-se chitas inglezas, claras e escoras pelo
barato preco de 2*0, 260 e 280 rs. o covado, tin-
tas segura*; dilas rancezas de cores seguras a
320, 340, 360, 400, 440, 480 e 500 rs. o covado,
fazenda minio superior e bonitos padroes : s na
loja do Pavio.
As lazinbas da expsito do Pavo.
Vendeni-se laziiihas as mais modernas que lem
vindo ao mercado, propris para vestidos e $ou-
tamharques por serem lisas e de cores muito de-
licadas a 560 o 500 rs.; ditas lisas com um lustre
o covado, ditas com
quadrinhos do seda a 500 rs. o covado, s para
acabar : na loja e armazcm de Gama & Silva, ra
da Imperatriz n. 60.
O l'avao vende para lulo.
Vendem-se superior selim da China, fazenda
toda de lia sen lustre, temi 6 palmos de largura
proprio para vestidos, rapas, palrtots, calsas etc.,
AO PUBLICO
em o
glmento se
Importe do
nao agradar.
enor eonstran-
eutregar o
genero qne
ATTENCJO
Os preco da seguate
tabella para todos, po-
dendo asslin servir de ba-
se para o ajuste de conta
com os portadores.
: f it-
ta r
CI
^E E. 53.
RIJA M CAREIA 1IO
(Logo passanilo o arco da Cenceice)
Grande redueco de preco*, equivalente a dez por ecnte menos lo que outro qualquer
annunciante.
Collegas.Nn posso por mais lempo sustentar o pre^o da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
i diligencias pin que fl-1 pelo JS&SSJSiSftS sjloo'e 3J l* **?* d"n do T 'M2J d? ?. !&*** *^ST Pr ^ PT
o, cas-as pretas liras/chitas (tratas largas c;a,ta voz> 16^000
18*000
10Li00
10,6000
10$000
quem salisfeitos iso s no Gallo Vigilante, ra do, o covado
Crespo n. 7.
Rices porla-juias.
Cofre de multo gosto por
Ce:tinhas transparentes forradas de ma-
dreperola por
Lindas jardineiras.
Ricos cofres com eamaplieu.
Lindas caixinhas com pedras brancas.
Lindo balo com calungas dentro, tam-
bera parajoias.
Tambalier para ditas.
Ccstinhas ditas.
Cosmorama ditas.
Drnazinnas.
S no Vigilante, ra do Crespo o. 7.
Ricos porta bouquetes de diversos gostos
?os; s no Vigilante, roa do Crespo n. 7.
Rices sintos
toni bolcinhas ao lado, a 105, 125 e 13$, ditos sem
tolca portn do mesipo goslo, a 250Q, 3$, 34500
40lXl.
Ricas fivellas avulsas para sinto, o melhor que se
pode encontrar, a 15500, 25, 25500 e 35 o par;
* no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Calmes a resuntas.
At que chegaram as desejadas eestinbas ou ca-
a manteiga de tempero, e gritarem em
obscuridades, e receioso em adoptar o mesmo
estieita-, manguitos, eolarinhos, punhos, e enfei-' systhema que vira encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta grande redueco de precos, como veris
tes tudu pretu proprio parlate fechado, e muitos pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Unio Mercantil nao
RSCfA oeu.VraDdqu?.qSerr XTpoft ***** de tr0 PreC *J nteiga ingleza a nao ser o de I 4oe a l,6oo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da redueco a que
tar liquidando ; s na loja do Pavo ra da im- estao obrigados, encarando todos os das de seus freguezes redamacSo de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado (leste novo estabelecimento. para lhe vender goncros nao proprios de um eslabelecimento desla ordem que e seu fim
tao smente obter a concorrencia de seas freguezes.
Para bem de todos.
Senhores .e Senhoras o aceio que presidia, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que ludo apromptido e entei-
65000 a 240 rada gollinha bordada, romeira de cassa e de reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida rae daro a proteccao e preferencia na compra
SSSo ^^^SS^S^^'S^Sl d0S geneT que Pre,ciS3rem' e W** n5 P0^01 vir Poderao mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratices, pois
par, camisa cL manguitos7gilas com aoa5 ser"ao t35 bem serv,dos como seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommeudaco.afimde que nao vo em oulra parte
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
165000
95000
epre-
perathz n. 60, de Gama Silva.
Os bordad.* do Pavo.
Vende-se camisinnas com manguitos e gollinbas
bordadas, pelo barato prefode 15e i^iHO cada'
um, manguitos s a 500 rs. cada par, ditos com
gollinha a 800 rs., gollinhas a 400 e 480 rs., de fil
6 r^.liffoaMrdaSS: Manteiga inglez_a (safra nova) especialmente
prego de 35, e muitas outras bordadas que se ven
dem por precos muilo em conta : s na loja do
Pavao ra da Imperatnz n. 60. de Gama &
Silva.
Vestidos soutambarqne.
Pelo ultimo vapor francez chegaram nquissimos
vestidos soutambarqne, os mais modernos que
neste mercado tem apparecido, os quaes eslo
promptos com saia, corpinho e seu competente
escolhida a 8oe rs. a libra, em barril se ment.
faz abatimento.
dem franceza a mais no?a que tem vindo ao
mercado a 5o rs. a libra, e em barril ou
me ios a 5oo rs.
Chhysson de superior qualidade a 2,Goo rs.
a libra.
soutamharqne, todo guarnecido de seda, velndo e ifom perela O mais superior do mercado a
bazes para meninas traze rerri no braco, o mais rica '*n?*- Qoe ,,ver bom ='0 dirjase loja do 9 o((. rs
sive. a *m, 35600, 45,55, 75 105; s 00 Pavao, na ra da Im^atrizm 60. ^ huxm ^ que ^ ^ ^
Na loja do Pavao vende-se moder-nos mantele- neste genero 2,600 rs.
tes de grosdenaples a imacao de rapas, as quaes dem prelo homeopathico porser de superior
sao bastante rompridas ; assim como tem um sor- qualidade a 2,000 rs a libra
tmenlo de capas pretas as mais modernas qne ha .dL hv no mercada, sendo ricamente bordadas. Ditasen- Iaem oysson.nux m e peroia mais proprio
fritadas ludo por preco rommodo : na loja de Ga- Pa"a negocio 0 l.bOO, 1,800 e 2,000 rs. a
ma & Silva, ra da imperatriz n. 60. libra, garanle-se ser muito regular, igual
As Riudt roissimas lnzinhas --'e ama s6 ao que se vende em oulra parte por 2,4oo
cor, a imilaco de gorgoro, veo- e2,600 rs.
de 0 P vo. I Lin?uicas' choiincas e paios em latas de 8
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Mais leqiies
eom pequrno defeito, leques de sndalo rom pe-
queo d efe i lo por barato preco de 85 e 105, chi-
Bezes muito bonitas tambem, pelo barato prego de
45 e 5, bentarallos muito bonitos, tambem por ba-
rato prego de 45 e 55, leques de cliarao tambem
por 45. ludo isto para acabar, perdendo-se tai-
vez 80 por cento; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Pentcs.
Neste artigo lem um graide sorlimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
que se pode desejar, assim como de arregacar ca-
Dello, tanto de borracha como de tartaruga coroen-
feites e sem elle para menina; s no Vigilante,ra
do Crespo n. 7.
Polseiras.
Lindas pulseiras de cuntas e de missanga, cores
muito lindas e de muilo gosto a 15 c 15200.
Para segurar manguitos.
Tambem chegaram as liguinhas estreilinhas de
borracha que as senhoras tamo precisan) para se-
gurar manguitos por ser muito commodo e muito
fearalo, a 30 o par; s no Vigilante, ra do yres-
pon. 7.
Leques.
Riquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato preco
de 125 e 145; s no Vigilante, ra do Crespo
o. 7.
Pestes
i:u,ii..:,nchcarim o\r.uiuissimog pentes do'concha
de tartaruga e de massa tina, que se vende por 25,
35 e 55 i s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Canelas.
Riquissimas canelas de madreperola propris
para qualquer presente, pelo baralissimo prego de
15500 e i':?).
Sapatinbos e meias de seda.
Riquissimos sapatinbos de seda e de merino en-
feitados, assim como meiaszinhas de seda, gorrazi-
nhas e loucpiinhas para as enancinhas se baptiza-
rem; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Vullinhas.
Lindas voltinhas de pcrolas falsas com cruzinhas
flngiudo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato prero de 15 e 15200, *s
r.ruzes avus asa 400 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Golinhas.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 25. 25500 e35;s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Eufeiles para senhora.
Riquosissim enleites rom lago e sem lago e de
outros^muitos gosios a 15, 15500 e 35 : s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Traoeelins.
Lindos traoeelins de rabello para relegia on lu-
netas, pelo baralissimo prego de 15500, dilos de
relroz a 200 rs.
Bahadinhos ntremelos.
Riquissimos bahadinhos entremeios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 15200, 15500, 25 e 35; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Cascarrilbas.
Grande sorlimento de cascarrilbas de diversas
larguras, assim como galozinho o trancinhas pro-
pris para enfeites; so no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7.
Fitas.
Grande sorlimento de filas de diversas larguras
c qualidades, por pregos que admiram aos com-
pradores, havendo litas largas propris para ein-
teiros que se pae vender a 300 rs. a vara, e pega
de 9 varas a 25 ; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Fitas de laa.
Fitas de la de todas as qualidades, propris pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Reos espelbos.
Riquissimos espelhos rom moldura dearada
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim romo com
columnas de differentes lmannos a 25,35,45, 55
e 65; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindes jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para eufeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
cousa de muito gosto a 15500 e 25, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sorlimento de eitraetos e banbas, poma-
das, assim como de lindos copos on vasos com dis-
linclivos e offerecimentos as sinhasinhas dos me-
Jhores e mais afamados autores de Paris e Inglater-
ra, assim como os grandes copos debanha japoneza
a 23 e a 15, assim como onlros objectos qne nao e
possivel por hoje annonciar, e vista dos fregue-
zes se farloio negocio; na loja do Gallo Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
libras, ermeticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chourigas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e l,5oo e 600 rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegadosi
passado a l,6oo e l,8oo rs.
dem londrines os mais superiores que lem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz anal imento.
Iflem prato muito fresco a 800 rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Chegaram pelo ultimo vapor francez as mais
modernas laazinhas de cordozinho, as mais pro-
pris e mais lindas qne tem vindo, propris para
vestidos, solambarques, capas, etc., dam-se amos-
tras deixando penhor, e vendem-se pelo baratissi-
mo preco de 560 rs. o covado : na ra da Impe-
ratnz n". 60, loja de Gama e Silva.
Para quem gosta do bom e
barato.
No eslabelecimento de Gama & Silva, na ra da
Imperatriz n. 60, loja denominadaPAVAOtem
urna grande porgao de varias qualidades de fj7.cn-
das, as quaes se vendem muito em conta para li-
quidar. A saber :
As lnzlnhas do Pavo.
Vendcm-je laazinhas de quadrinhos transparen-
tes, boa fazenda, pelo prego de 280 rs. o covado, Ervilhas e favas porluguezas em latasj prc-
ditas largas muilo linas a 400 rs., ditas estampa- naradae Un r<
das, rr segura, padroes muidos c grandes a 320 ,, ld,dU rs. o evado, dttu transpariutea con. patafehaa Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
rte seda a 400 rs., ditas -seocezas a 560 rs., isto tu- bricanles de Lisboa a 600 rs. a libra,
do para liquidar : na loja e armazem do Pavao, Prczunlo fio reino vindos de casa particular
ra da Imperatnz n. 60 36 rs a |brJ, e a 5oo fS inlcro
Venitem-.n^^pS'padrlesimu. **1?SK ^r!**19 che8ado ncste
dlnhos, gostos delicadissinios pelo barato prego de vapor /o rs. a Hura.
600 e 560 rs. o covado : na ra da Imperatnz n. Copos lapidados para a gua a 5,000 e 5,500 a
60, loja e armazem do Pavao. duzia,
Ueias preealas.ou preealas inglezas largas a.400. Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
\endein-sc meias precalasou preralas inglezas, 4 nnn p 1 2on r a lihra
padroes miudinhos e fazenda fina e 400 rs. o ro- n ,'(,()U e ,'Z0 rs- .a "Dra- ,.L
vado : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60 b,spermacete em caixinhas contendo 6 libras
de Gama 4 Silva. por 4,000 rs., (jaranle-se serem transpa-
O gangiDClioi do Pavo a 38ors. rente edesuperior qualidade, tambem tem
o covado. de 12 por libra propria para carro.
Vendem-se ganguelim cor de rosa para roana pexe em posta sovel, corvina gors nesca-
de meninos, e vestidos pelo barato pr??o de 320
Caf do Rio a 26o e 28ors. a libra, e 7.8oo
e 8,000 rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do MaranhSo a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de i e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Alelria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas raassas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse lira.
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
14-Rua Direita-14
Lniro depesito do rap imp.rial 1, I
Isaac Esnaiy ; afflanga a sua boa .,
superior ao rap de Lisboa e a raje >n :.. n
trova faz f : vende-se a rtWho .1
un porgao de 10 libras para mai- a MH r-
bt-m abre crdito ao compra lores e.
renle.
Superior cal t Lishea.
Vende-se superior cal de Ll '
que ha no mercado, lano em porn.
I lio, por barato prego, afisngai '
dores a superior qualidade : a MtM ;
ras : Crespo n. 7, Imperador n. II, I
los, armazem do Sr. Avilla, defroiit
do iRodao.
...
? Peiiwc da

ACTA FLGl^:
De Mmray i Launa
Esto raro qaas que nextiagvivd c ti
uiimoea fragrancHt ifn
delicado eUcIni d ;
tes flores. Dumnte os :..
tos do verao o se:i nzo ton
teniente apraxivel daaej kvd 1
Beqnencis da influencia n
suave qoo 'lia jn"iiz obra 1
cni fjuanto qno

1>U'. .
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas
de 3 libras por 1,000 rs.
Ameixas francezas em latas de i e meia libra
por l,2oo; ditas em caixinhas de deverses
tamaitos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, I,5oo, e i,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,000
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o fraseo
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Melho inglez em garrafa de vidro cora
rollia do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs. A venda as boticas de Caors Kart .
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo' rna da Cruz, e Joo da C. Brv I
rs. a libra. j da Madre de Dos.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a 1,00o rs. e 11,00o a duzia-
Palitos para denles a 14o e 16o rs. o maco-
Sal refinado em frasco de vidro com rolba do
mesmo a 5oo rs.
oda no
imparta carpo lngnitki c
nina certa elastieidade do \\j-v 1
EUa ii/ijMili trantparettei
t ,(./,>(>< pa$mtf, ('/'
sobrt t pM.
fl TOMfO BRIEST1L E
FAUi CS'
jiw
ua^wuV.
urna prepanu.'fto i> nir ;><-l
:;:. ;;l"i ir'll'iSfUI" C>lr.i'"\:'." > .
08 f-U icllo.
V..'
da, salmao, ostras echernee, vezugo em
latas grandes a 800 e l,ooo rs. cada urna.
Vinho Hordeaux das marcas mais acredita-
das que tem vindo ao nosso mercado a
6,000, 7,000 e 8,000 rs. a caixa, garante-
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 60, loja do
Pavao, de Gama & Silva.
Os grosdenaples do Pavo.
Vendem-se grosdenaples pretos, fazenda supe-
rior a l,&600 rs. o cavado, ditos largos muilo en-
corpados a 2't00, 260O, 2800 e 3000, dilos
braucos, cor de rosa, azul e amarello a 2000 r.s
o covado : na loja de Gama & Silva, denominada qualquer nao porte vender por este prego,
do Pavao, ra da imperatriz n. 60. I Gcnebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e
As nevas las garibaldiiias a 50<* rs.,; 5,7oo rs a frasqueira.
D !0J;i do Pavo. |Idem de ,aranJa verdadeira de Altona em
Vendem-se as mais modernas I5azinhas garibal-' frascos grandes a 1.000 rs. 0 frasco, 6
dinas, fazenda inteiramente nova no mercado, sen- 11,000 rs. a duzia.
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, J (arveja branca e preta das marcas mais a-'
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo, (
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vhiho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a G80 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
rem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenoino,
D. Luiz L, Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
lo.ooo rs. e a 9oo e l.ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolachinha de soda em latas com diversas
ESCRAVOS FGIDOS,
qualidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito propris
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
Est Fgido.
Contina a estar fgido mul:ii. ral
r-rpftijfia mVvpm ao mercado aS.ooo e' n0Ile Mar^l'"o 1 abaixo MPtapaia ,r
creiuaas que vem ao meitduu ao,uuu o |0 de allura reJnbr |ll1s,2n,n r,.f r,.,,:
5,5oo a duzia e 4o rs. a garra. 1 ^ ,em maos e |(s grandes. Mh rorai >. t%t >
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra. redonda, nariz chalo, barba praca,; Mu *
Sevadinha de Franca muito nova a2oo rs. denles, e quando falla aaaaiarria
Charutosdetodososfabricantes da^ahiaedas ^^
mais acreditadas marcas conhecidas no do Imperador n. 00. que ser* raon,<
nOSSO mercado a 2,000, 2,500, 3,000, Antonio Luiz dos Sanios.
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos. ('
Cognac inglez das melhores marcas ai
l,o*o rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixes a 600 rs.
cada um.
200
"-
Fugio no dia 2 de marco do tomara ara
enpenho Flunsia, proprirdadr do afearan
no termo de Alalaia, proviuria ra ^kM 1
Fannha de araruta verdadeira a 320 rs. a cravode nome Luiz, cujos aaraan >io<.
fibra. ',tes : cabra, com idade de 3 ann. -
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a ular> corpulento, rara gerda,
32o rs. a libra e lo.ono rs. a arroba.
64o rs. a garrafa
a 4oo rs. a libra
tSttS&'ZESU. 'STSS ldcm de il0"ari(la em botijasgt.andes a 4oo i 0olachinhasd7agU7em"sarda fabricado Beato
cores, sendo azul, cor de lirio, carmezim, ciozenla -----------------------------------------------------------,------------------------------------------
e cor de havana, etc.; isto a 500 rs. o covado para
vender depressa : na loja do Pavao, ra do Impe-
rador n. 60, de Gama & Silva.
s mais moderos vestidos Saria Pia,
Da loja do l'avao, ;i 16$
Vendem se finissimos vestidos Maria Pia com
os corpinhos differenles, lendo todos os preparse
com o competente sinto : na ra da Imperatriz n.
60, loja do Pavo.
Azeite doce de Lisboa a
e 4,8oo a caada.
Banlia de porco refinada
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Matle excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
AGENCIA
DA
AGEM LGW-ZGG!.
Ra da Seuzalla nova n. i.
Neste eslabelecimento contina a haver
im completo sortimento de moendas e meiat
tuendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
: tamaitos para ditos.
Chegaram os mais lindos vestidos Maria Pia' ~ Ararlos amprifanns c machinan nars
com as barras bordadas, tendo de diferentes co- AraOS ametteanos e macninas para
res.e vende-se pelo ba atissimo preco de 12 cada lavar roapa: em Gasa de S. P. Jonnston & C.
edrle por eslarmos prximo da fesla ; islo na loja ra da Senzalia Nova n. 42.
e armazem de Gama & Silva, ra da Imperatriz
numero 60.
amisioliasa 1$(M!0'
Vendem-se ramisinhas rom manguitos, sendo
muito bem enfeitadas. propris para senhoras e
jNovid'de do Pavo
dez lusioes cada
Imperafriz n. 60,
Fabrica Coneeicao
Baha.
LMA GRANDE LIQIDACAO
Exccllentisslmas senheras
pegad), olhus |if(|uenos e vivos, tt-m lo 1- >.'.
tes e bem alvos, beicos um tanto (fp-----
cousa dentuc, um pouco rarram-ud .
suppr que aiuda exi.-U a cicatriz de un lall
lagarto de um dos bracos. Ev^dio-
da Pahaaira des Indios, e d'ahi para Tararal*, or
de foi preso em dias do mez de paW,
ev.idir-sc novamenle dessemesn.. I
I o centro : quem o arafahaMW a rrai i* r aara \
cadeia desla iap tal. on paran raferiaV) tn%
rereber a gralilicaro de 2tXt.
No dia 11 de novembro de H aaaw a** 1 -
; cravo de nume .Varo-linu, que fui d.; Ai
mente, cujo escra'o fui no da acin 1
' arrematado nesbi ciilade de Geianna rm h:i-l
blica, fol arrema aule do rrfrrido, l.uds-n> t
canli da Cunta Vascosceilos, leudo <> aHa <
ramiajuiia aiaaraa: afeara regular. 1
dio, cabello desandado e un parao vrrr. 1 1 1
; especialidade as fonics, karbadn, aai a ;
I um pouco rala a estirada, nariz afilado. 1 otkna
um pouco sumidjs, e tem por co-iumo .,.:.. | .
baixo, desdentado no que.no superi>ir, |rn..-
e direitas, cojo escravo calvo : quwi, o|
ve-o ao engenho Carhoeira, sito na fWBama tk
Goianna, que promette o actual senhor do lito fco.
recompensa.
^L-fc-e

A leja da roa do Crespo n. 17, de Jt* Gomes Villar.
vindo
m
Andrade & Reg, reeebem constante-
mate e tem venda no seu armazem n.
34 da ra do Imperador, algodao 'aquel-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar aipodao empluma etc., etc.,
pelo pre^u mais razoavel.
FMiIMhDEW.
Vende-se boa farioha da milao nova a 110 rs. a
libra, diariamente: na ra do Cotovello n. 25.
Na ra do Queimado n. 14, loja, vendem-se
as sepuintes obras do ouro : volias, alfinetes, brin-
cos, medalhas, crranles o pulseiras para senhora,
relogios patente inglez e suisso, correles para os
mesmos, cordjes, pegas para sioteiro, urna abo-
toadura para collete, urna dita para camisa, um
Jraocelim de cabello, e quatro casticae do prata.
meninas, pelo bai ato preco de
urna : na loja do Pavao, ma da
de Gama & Silva.
Vestidos para meBias.
vendem-se s m.iis modernos vestidinhos para
meninas, sendo muilo bem eofeitades Maria Pia,
tendo de difTerntes lmannos, pelo barato preco
de 85 cada um : na loja do Pavao, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & S Iva. Rua <]a Senza I la II. 42
II upa feta liarata. Vende-se, em casa de S. P. Jonnston & C,
Vendase um grande sorttm. nte de roupa feita se||ins e s!hes ingIezes, candieiros e casti-
para homen>, s ndo calcas de tnm brancM e de 0mam%mMtmamjtrm i* ;^i, al,,
cor, d.ias de cascara preta ede.oies, di-as de C?es broiizeados, lonas inglezas, ffo de vela,
meia casemira, p.letots saceos e sobiec sacos de chicotes para carros e montara, arreios para
casen.ira e panno preto fino, colletes de todas as carros de um e (lous CavaOS, 6 relogios de
rjuahdades : na luja do Pavio, ra da Iniperatriz ouro Dtente inelez
n. 60, de Gama & Silva.
Grosdenaple de cor a 1600 o covado.
Vende-se grosdenapl" de cor azul, branco e pre-
lo, pelo barato preco de 14000 o covado : na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Panno de linbo a 700 rs. o covado.
Vende-se o verdadeiro panno de bafea proprio
para lences, toalhas e ceroulas, pHo barato preco
de 700 rs. a vara : na loja do Pavao, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Economa do Pavio.
Vende-se para acabar, urna porcao de retalhos
de lias ecassas de todas as qualidades, e por pre>
eos muito era coula; quem tem economa que Vendem-se rico ps de craveiros, e cravos
pode apreciar : isto na loja do PavSo, ra da Im- brancos, encamados e rajados, por preco eorarao-
peralrii d. 60, de Gama & Silva, : na ra do Bototo n. 38.
Ra da Senzalia Aova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tac <*'
ferro coado libra a 110 re., idem d eLow
Moor libra a 120 re._______________
Farfolla de mandioca.
a 54000 o sarco.
A melhor que existe no mercado, i bordo do pa-
tacho Ulyssfs, defronte do trapithe do baraodo Li-
vramento pelo barato preco cima mencionado,
sendo sem o sarco, e em porcaose far algnraa
differenca; na ra da Madre de Oeos n. 5 e 9.
Esl fgido desde o da 18 de julhn o
. renle a preta e-crava de nome Mana do Rwmkj,
! rrioula. com os sgnaes seguinles : altura r>fBU.',
i cheia do corpo, falla de um dio na mao e*tp*r
i da, algumas aaawm as cosa que araraa M .*i*>
| de chicote, nadegas empinadas, anda de^eaora
cada, consta andar nos malos de J^boaiao par-
lante rogase as aninridades poliri.v- e taoMi
campo que anpreliendam o levrm a paota <'
deireiro n. 41, ou na travessa da mesma ra n. I?.
que sero genero-miente gratificad >.
Acha-se ausente desde o da li .'o n :
a prela Luiza, com os signaes seguinie>: cor fula,
marcas de bexiha no rosto, lem duas fktaui
mao direita, idade 35 anons, ponen mai< u n>
levou vestido de chita e panno da cosa ja aa4b,
consta andar nesta cidade : prde-se a< aul<
policiaes a apprehenso da dila esrrava e I
; a ra dos Pires n. 34, ^oe ser praMHaaaule rr-
oom|iensado.
Kugiu no da '.' do eorreele u /. de n
hro a escrava da noata Colecta, de idadr ot 22 .a
nos, pouco mais ou menos, rom os signa*- sefoii-
tes : olhos aperlados, bons dent. -. I ir.
res, nariz afilado, pesroco rnmpndo, arara >
talura, e com os ps um pitaco apalbeuw
are. vestido de cassa dasbulada e cusa rlk ubi./-
mais ; presume-se ler sido -ednzida por un, < ti-
dal de marrineiria, com quem lem-se visa algo
mas vezes as ras do bairro da B>a-Vi-;.i ,.,
isso protssla.se proceder rriininalm. nu ronlra
pessoa que a seduzio e a livor otculla : ruga
autoridades policiaes t capitVs de rampo afean >*.
apprehende-la e leva-la a roa da Imperatriz a. !W.
lerceiro andar.
Fugio do engento Ronca, no dia 9 rorr.
te, um rabritinho de nome Custodio, de idade aV
14 a 15 annos, secro do corpo, prrnas futas. Bi-
seceos, roste descarnado, qneixo fino, aiacaa aai
^<^s&s?s2siiEsteiras para forrar salas- SBassaaStaui
seu regnlameoto, por diminuto p-eco : a tratar Com i palmos de largara e muito superior qua-
M ra Nova a. 21, loja de Francisco Jos Gar- lidada, vende-se mais barato de que em entra oua-
mano. Quer l,arte em casa da Cadeia n. 33, Recife.
Recebeu de sua encommenda vindo de Paris, as melhores fazendas que lem
'Mi a esta provincia.
%? Cortes de blonde completamente preparados com capella e flores etc., etc. proprios
k para casamentes.
|g. Corles de mcreanliqoe para noiva, mantas e capellas propris para noiva, balees de
fjj todas as qualidades para senhoras, ricos cortes de seda prela de cores e moreantique pre-
*|5 te, grosdenaples preto e de cores, camisas de cambraia bordadas para senhoras.
lg Chapeos de palha para senhora assim como para menioa o que tem vindo de me-
^"' lhor, peitos bordados para camisas de homem, cassas de cores, orgrndys de lindas cesr,
chitas de todas as qualidades. ,
JS Capas prelas de gorguro importantissimas, s^utembarques pretos, assim como de
ip eflres o melhor, casaeoes, pelerinas, pellives etc., etc., casaveques compridos de grs pre-
rjn tos e de gorguro, fazendas importantissimas.
| Nom gosto
Chales de renda pretos o mais moderno presentemente a 154 e 204.
S- A elles antes que se acabem, fazendas de todas as qualidades propris para senhora?.
jy Tapetes para forrar salas a 28500 o covado com seis palmos de largara.
J~ Esleirs de muito boa qualidade para forrar salas.
|p "v9& tt9 ooiiqnd o 9 svuoiiuds smuxj wDfhjojij
l[ *a odsa.g op dj ,f
ovvamon aaMvno vwri
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che-
gada ao mercado, em bem acondicionados barris:
no armazem de Manoet Teixeira Bastos, na do
Trapiche n. 13, por preco razoavel
Bixas de Hmburgo
Vendem-se na roa Nova n. 61.
grandes dos pes aleijados, tem nos bracos mar en-
grandes de vaccina doos calombiniHis prqren<<
as radeiras, differenfa oan do outro doos AaaV*.
foi visto na estrada nova do govrrno, perto en-
genho Morenos : perianto roga-se saohiri'a
policiaes o aos rpita* a raaapo qne farsa* t+-
prehender e cooduzi-lo ra mesmo engeofco Reoea
da freguezia da Escada, oa no Renfe, rna d- A-
] pollo n. 35, segundo aaiar, qw sero genere ' nente gratificados
ILEGVELl



8
DI
ra ir ieraV. ... abbado 3 e Dezemhre le 1 4.
ATURA.
VOZ INTIMA.
** mtn pai. o ronselheiro Pedro Autran da.
Malla e Albiiquerque.
to no suis non, Scgneur, mais la soif me devore ;
l- nouHue estnant, inun Dieu.mais cenaut l'adorc,
'I s'lve 1 li ne peux mjiriser ('insecto qui t'honore.
Lamartine.
Do manha, oh!... quaudo as aves.
Enldam sonoros canlos,
Quando mesmo de mil cores
Nasce o sol clicio de encantos.
Do manha, quando de flores
ve mallza a nalureza,
Quand j o cu se palenleia
Em toda a sua grandeza.
De manha, quando no espago
(ieme a brisa sussurranie,
Quando das flores se exhala
Grato perfume odorante.
De manha, oh !... quando o mundo
Deixa ver essa harmona.
Que relie reina, que existe,
Que d-lhe tanta poesa.
Ento, sinto que na mente
De ideas un turbilho
Se amonta, se accumnla,
Como as lavas de um volco !
Sinto que o sangue as veas
Arde e qneima com fervor,
Que o meu coraco palpita
Cheio de fugo e de ardor.
resulhnte da faltada plena conflanga :- que n*!, semprea custo por va do descollamento na
havia mais de um profissional que, nao tendo feito extensao de 3 polegadas e 4 linhas seguras seno
parte da conferencia, apezar de terem silo para mais, se se considerar que a inciso era sem'icircu
ella conv.dados, nao leudo nunca visto nem exa- lar, por Isto que acompanhava a forma da viscera
minado o doente, as surdinas affiancavam a seu appllcada sobre um calculo espherico.
mino, oque?Oatrovimentode fazerem o que o~ a .
eu nao pod.a. Atrevmento por certo QaJto/ Asjm. ^'"P'^a a grande abertura do ventre,
estpido mesmo, porque nem podiam ellos du- Jen,J ,,,c ^/e o penloneo.e terminada adabe-
vidar de meu ju,zo sem requ.nte de igno- S !****************
rancia, e muito menos" do que havia, compro- "*"*"?**" e dasquaes amaior
raudo couliecimento de causa, resolvido tamanha C"^ m M,W 5 *". P'* tendencia
conferencia Mrmente quando nem nunca ti- EL^!-? T"!"*"-. do Pela
nliain visto aqui calculo de tal peso e
nem mesmo haviam pratfcado, urna
Era esta carnada argilo terrosa, sobro a qual se ma possne 365, justamente o numere dos dias do
eontrahindo furtemenle a bexiga, com ella como anno ; tomando orna, todos os quinze dias, quinze
que se h va identificada, a causar Unto casto ao annos ser-nos-hiam necessarios para rodea-las.
At esse lempo muilos d'entre nos terao visto a
S. Pedro, nao em Roma em sen tmulo, mas as
descollamento.
Quanto ao conhecimento da cansa intima da for-
mago da semelhante calculo, responderemos aos Pr,as do ru- armado das terrlveis chaves, e s
.._______ __ "i 11 r 11 1A 1 I,. ..- uIhhh 4 i i mnui< rv-.. .^-.-. !.
ue nos leein a resuelto interrogado, que nos escapa abrinJ boas almas. Assim, meus amigos, nao
sem duvida, como a de quantos teem havido, mesm Perca'nos um s instante.
fra da bexiga, e sido estillada, ha escapado aos Roma urna cidade do lamanho de Paris, e que
mais celebres chimicos e cirurgioes. com ludo nao tein mais de 150 mil habitantes. Em
O que afianzamos, porto, 6 que o numero de grande parte ella coberta de ruinas, que attestain? c5es-
clculos no Brasil, (paiz situado no bemispherio seu amigo poder, de egrejas que de todas as partes! dades
meridional entre 4 grao de latitud* ao norte e 33 levantan) seus zinibonos e torres, e de conventos
voli ViSta Sul",;ii0 dt C"l,miiJad,) e ^ se aprsenla-
s vez que Jem '0S g0lpM d0 i'isll,ri' ~lraloi dt' inlr^uzir os
fosse, a operagao da talha hypogastrica, mas sobre e de coml)letar mdispensavel descolla":' sul) di.ninuitissimo em relago a estatislica que que estendem ao longe seus vastos jardins.
cujo resultado tanto affiancavam, ignorando, como japresenUm a Allemanha, a Suecia, a Dinamarca,
dilofica, o voluiue da pedra e suas adherencias I lemp da 0Peraca0 nao fo menos grave : a Inglaterra e mesmo a Franja; que a mulher
Este fado est convenientemente commentado por(,,ua'"' de um lad era Dr- StVc a emparrar raenos su?ei'a a clculos do que os homens, me-
por si mesmo: nem mais urna palavra sobre calcul Pel rect0> Pa" cima e para diante; de nos nos que se formara nos rius e nos ureihros;
elle OUIr, o Dr. Carneiro Monteiro a conter os intesti- 1ue Boyer, explicaudo este faci, achou a dilTereu-
Entretanto direi o que respond ao Sr. Coelho, 3TZ |,unci' P"1 ***!! e eu
mano do paciente:-que em verdade a operaco if^ZTtTV? ^ ^ *
nao eraimpossvel nemimpraticavel, mas queen.re Zir 2Tn 8V ""^ *
o poder e o deverhavia a distancia que ha entre abr,rca"^-1espregando.o,em todos os sentidos,
com custo inesperado, entre torsoes medonhas do
paciente,acerca de cuja vida, a todo o instante, pa-
recia-me ouvir dizer-se: foi-se. Afln-.l, nessauc-
Nao eslud&rei este pbenomeno no estado
tario, porque o maricas solteiro forma qaasi seav
pre parte de ama classe de que a letra redonda
nao de ve de oceupar-se.........
Vamos ao maricas marido.
O marido mulherengo pon ras vexes se v sosera)
na ra, ponas circumslancias ha na vida tmm
obriguem a sabir sem a corapaonia de soa can
metade.
O mulherengo nao vota nem trabalha em elei-
esta urna das snas melbores quali-
sinto urna voz que, em minha alma,
Me diz : t que nesses primores,
r Nessas gragas da natura,
t Nesses cantos, nessas flores :
Nessas bellezas inundas,
Nesses prados, nessas fontes,
Nessas maltas e florestas,
Nesses penhascos e montes :
Nessa lio grande harmona,
Que reina na creago
Em que te enlevas, poeta,
ui doce contemplado :
Se v o dedo possanie
a Da dextra do Creador,
Que por Bom nos fez da ierra
Um para izo de amor.
Por tanto, abaixa, pola,
Essa cabega humilhada
Perante o Ente, que pode
Reduzr-te a p I... a nada.
E sola desses leus labios,
Em a natura enlevado,
Ao Ser dos seres eterno
l'in hymno cadenciado.
//. de Atencastro Autran.
o in>tincto e a consciencia. Que em todo caso o
poder era -o fado, o devero principio ; e quo o
principio de execuco dependa muitas vezes da
natureza do fado, como naquelle caso ; mas que
poderia tambera depender de um s voto,-que era
o voto da familia, nelle representada, de conformi-
dadecom o desejo do doente.
Que, quanto ao cirurgio, em taes casos, enire
urna morte certissima e outra quasi certadeveria
ta dolorosa para todos, lenta o apressada ao mes-
mo lempo, inlroduzi a grande plnca a frceps e pro-
curei segurar o ctalo. Mas, como os ramos do
instrumento fossem rectos, succedeu, por mais de
urna vez, que, nao podendo abracarem o calculo a
maneira de um verdadeiro frceps coolra a cabe-
sempre trepidar d.ante da grande probab- 5? de U'n fdl0' elle escaPa9*> resultando por isso
dadodeverraorrerseueufer.no, ou na operaco, a,8umcno1"e e novas difllroidades a vencer, at
ou urna, duas horas dopois ; raenos, porto, quan- qUe' depow de immenso lraba'"o em que tiveram
do o voto da familia pelo desengao, firmado em Par'e ,ambei" os D"-Scve e Carneiro Monteiro,
vez, mais a geto, segurar
urna esperanja chrsta, chega a salvar a repula- L ^Lt. a. ""'^
Qo do pratco dessas pedras ignominiosas que lan- S" pod"' dt md a p8der (,uebra-|a era 8ran"
am os cegos da sciencia, com asqueroso charla- 5 Pafte d "" COrl,Cal media,lte uma ****>
tanismo.
sao nos ramos da pinga, e extrahi-la, j muito de-
I minuida de volume coadigo sem a qual seria
Que ea, como medico e como cirargio, na are- sem duvida impossivel a extracyao, sem mais a di-
na em que psava, j havia dito ludo quanto pen- visao transversal do venlre e da bexiga : o que le-
sava por amor da sciencia ; mas que fra dessa vaiia muito mais lempo, e faria o doente soc-
arena, era lugar seguro, onde a responsabilidade cumbir.
de raaus actos so^podesse provir de um corpo scien- Assm exlrahdo to raoostru030 caIcu| ,
tfico, honesto ebera qualillcado, praticarla a ope- duzi lof0 a rao Da ^^ |irei 0$ ptd
racao ; porque em verdade, si alguma possblida- dBt la tioham ficado> e maii uma grande r.
de havia de salvacao, estava do lado da talha hy- =- a____........ .
ga na diversidade da organisagao vesico-uretliral
eatre os dous sexos; qualquer nalureza que sejam- do metal ou nao-,
urna vez iuUoduzidos na bexig< i e uella demorados,
lio iinmedialainene cbenos do materia calcrea,
e em pouco toruam-se ncleos de perfeitos clcu-
los ; quo a idade tambera iuflue na formago das pe-
dras: sendo certo que,se na Europa as enancas o os
velhos sao mais sugeilos do que os adultos, como
ja havia sido observado por Hippocrate, Avcennei
e Albucacis, uo Brasil as enugas sendo ecu ver-
dade mais sugeitas do que os velhos e adultos, os
velhos sao meuos sugeitos do que todos (I).
Mas estas causas nao podem ser coasideradas
utimas : o ar, o clima, o fro, a presso alhmos-
pherica podera inlluir uo orgauismo desenvolven-
do a forga mrbida, como a idade, o sexo, o tem-
peraineuto, a prosso, etc., do mesmo modo quo
os corpos estranhos de que tenho fallado; isto ,
Ha 1864 annos quando Jess Christo veio ao
mundo, e quando Pars era apenas uma pequea
aldea de pescadores, Roma era a senhora do mun-
do. Os romanos possuiam a Italia, a Franga, a
Htfspauh.1, a metade da Alemanha, a Turqua da
Europa e da Asia, o Egypio, a Algeria, etc. De-
pois de cada uova conquista erigara ellos om sua
capital um arco de triumpho, ou autes um templo
aos falsos deuses dos vencidos. Assim sua capital
era a mais bella, a mais rica, a mais ornada do
muudo. A julgar pelas ruiuas que restara desta
autiga cidade, a vida de seus habitantes era em
grande parte passada nos bauhos e no espectculo,
lira s estabelecimento de banbos (e cada impera-
dor se vanglonava em erigir ura novo) oceupava
a praga de um bairro inleiro ; uma s salla das
Ihermas de Diocleciano, resiaurada por Miguel
Angelo, tornou-se a grande egreja de Santa Mara
dos Anjos. Estes banhos eaam ornados de colum-
nas, de estatuas, e de musaieos, e bstanle vastos
pura receber gratuitamente todos os que ah vi-
nbam passar o terapo.
Nao eram menos vastos os amphitheatres desti-
alteraudo o modo de estar normal do orgo u do nados aos espectculos e jogos, e o Coliseo, cujos
orgauismo, rumpeudo a harmona das torgas vilaes, muros e bancos esto aina em parte em p, con-
fazendo com que urna, prevaleceudo sobre a outra, 'inha 200,000 espectadores asseulados.
determine o deposito ou a precipitaco das mate-; .. cl____ii.. _.__. j
.... .,... o o ii u. u ro a esta grande cidade, inteiramente oceupada
ras calcreas. E Uerzelio, o celebre chimieo, emil-
cao de areia : ento vi que as paredes da bexi-
probabilldade, ou pos- ga estavam com ao rebotadas por uma carnada
SS;^.? a ^T **? filosa do mesrao calculo; e. como na ex.racgo
um rao ,e7; rZlTl hT, P ,UCCedesse" "or nao ser i^ *. ^"t
ura meioque a compra do bi hete e mais m.,_ t H B
Hhd.iLuJHi J mentos do corpo estranho, e mesmo alguns coalhos
quetudo do numero la mett.do em um ra.lhao de de sangue, cahissem entre as crconvoiugoes dos
ragao era o me.o.ea DlestlU0!> maad, vir um p0QC0 de ag|a ^ g
lavei-as conreneniemenle
Calculo eesieal esphenco, de extraordinario volu-
menove pollegaitat de circumferencia e tres
de dimetro -, le mais de quatorze ngas, extra-
indo por meto da talha hypogastrica, no da 27
de oulubro prximo paitado, pelo Dr. Carolino
Francisco de Lima Santos.
V
HISTORIA K 0BSBRVAC.A0.
O resultado da conferencia da tarde do dia 3 de
oaiubro, como era de suppor, nao agradando aos
amigos e ao mano do enfermo, desesperou a este.
Ento, reinando em todos natural tristeza pelo
ibandono da operaco, a certeza de uma morte
lenta, sem uma esperanga sequr, divisava-se ao
mosmo lempo em todos os semblantes ura qur que
fsse de desconfiauga e de duvida.
Gniretanto oilo foram os mdicos que decidiram
contra a operagao, entre os quaes alguns operado-
v 3 conliecidos !... Mas elles podiam errar : tal-
k: as coasas nao fossem devidamente aprecia-
das I... O doente respirava anda. Clculos enor-
mes teem sido aqu extrahidos, e a fama o diz. O
srrojo humano muitas vezes um plano da Provi-
dencia para salvar uma vida I Quem sabe se por
uieio de menos sciencia medica e cirurgca nao
prodaxira a sciencia divina 7 Quem sabe?!...
Foram provavelmente estas, apso juizo dacon-
ferencia, as consideragoes dos descontentes amigos
do doente, delle proprio e de seu prente ; sen-
do ceno que laescoijecturas sao muitas vezes o re-
sultado de uma veiu.la mali>:ndad6 que, escondi-
da, sopra a iguoraoci que contm no rebugo em
que se robora, ceno que no seguiule da ap
pareceu-me em casa, logo pela manha, o Sr. An-
tonio Jos Coelho, mano do doonte, pretextando sua
retirada com este para Olrada, depois de ter-
mo pedido logo a conta relativa ao meu salario.
Ao que respond que a ida para Olinda, fundada
na deficiencia de meios, por elle allegada, (note-se
que at ento ignorava eu a abastanga dessa fami-
lia) nao procedera, porque eu estava disposto a
tratar de seu irmo, tendo em considerago sua
dita pobreza ; que iudo, porra, elle para Olinda
cum o enfermo, dava lugar grande incomraodo
para mim, visto como estava resolvido a visitar a
seu rmo todos os dias, e a acompanha-lo al o
azigo; e que, quanto conta, Ih'a nao dara em-
quanto nao completasse o curativo das feridas re-
sallantes da operagao por mira encelada.
Esta miaha resposta nao deixou de agradar
au Sr. Coelho, que alias trazia no pm-ament idea
reservada, como se ver ; sendo que immediata-
mento accedeu a ludo, perroittindo que eu cont-
nuasse visitar seu irmo enfermo aqui mesmo
no Recife, na raesma casa em quo estava, mrmen-
le depois de Ihe haver eu ponderado que um dos
mais nebres lins da sciencia medica consiste -
em pensar os ferdos, diminuir-lhes os sofrimen-
los, e prolongar-lhes a vida.
Em virtude do que continuei a visitar o doente
at o dia a do mesmo mez de oulubro. Foi ento
quando conheci que o parecer dos mdicos havia
produzido no paciente, aps um abatimenlo esma-
gador, o mais admiravel conforto, bem semelhante
ao que havia elle apresentado depois que se sacra-
mentara, antes de se sujeitar piimeira operagao.
Suas forgas augmentaram-se; seu espirito fortn-
cou-se ; a resgnago creou-lhe anda uma espe-
ranga ; tinha apetencia aos alimentos; s tratava
de saber de mim quaes os motivos que prevalece-
rn! contra a extraccao do calculo ; at que afinal
disse a seu irmo que estava disposto a ludo, me-
aos a viver um s dia com tal pedra deotro
em si.
O certo que no dia 6, pela manha, appare-
cou-me de novo o Sr. Antonio Jos Coelho, solici
tando-me a pralica da operagao da taina hypogas-
trica, porque seu irmo a exiga, elle a quera, e
03 amigos acon>elhavam-na I...
Descoberla fo logo ento a causal da projedada
tilgMl Olinda, sob pretexto de pobreza e dimi-
omeo de despezas, de descontentamiento, de que
a fallei, e que se manifestou em seguida ao juizo
de oilo facultativos, todo especial como aquello que
pogastrica, apezar de ludo
de
e ludo do nur
nmeros; isto ,
salvaeo a sorte grande.
lavei-as convenientemente, lendo o cuidado, me-
Que, emfim, (repet eu ao afflicto mogo) nem era dlanle ligetras pressoes lateraes, de fazer sabir toda
o medo de mira, nem a impossibilidade da pralica, agua e coalhos existentes. O quo felo, dei logo va-
que me havim feito recuar, mas sim minha con- rios pontos de solura, depois de serem bem adapta-
viegao, sustentada por sete collegas meus, de, em dos os bardos da sotugo de con&nuidade ; refor-
uma clnica urbana, que b?m diversa da dos cei-os com tiras-aglutinantes, e flnalisei o enrat-
hospitaes, offerecer ao publico um triste especia- vo.passando uma larga atadura em- rodado baixo-
culo, posto em todo caso muito tvesse eu para offe- ventre. Por onde se v qne, nao seguindo a Frre
recer sciencia medica, e que se o doente havia de Come, nem aos que se oppSem a sotura e ao encer-
ser entregue a outras mos (o que me nao convinha ramento do ventre, tve em vista a abertura peri-
por modo algum) avista de tal resolugo, por amor neal, por onde bem eorriam as ourinas.
delle mesmo eu praticara a operaco-, uma vez' bu.i..j .___,. u
__. ______ ,. ; Fechado a ventre, e bem pencado o doente de-
que, convocados os meamos- mdicos, depors de ex- n-ic ,. n,a ,..vor lai^ -* uucl"e."
.. ,, r- pois ae me naver eu feito respirar um ocuco de vi-
por eu a novidade, elles coramigo pensassera. i ,. ... '
* v "'" ;nagrearomaifo,veioelleasi,fallou, e pedio logo o
De feito a conferencia sendo marcada para o calculo para ver, (qne Ihe fra apresentado pelo Sr.
dia seguinte (7), presentes os 9rs. Drs. Ramos, Car- Dr. Maduro) conlemplou-o por alguns instantes,
neiro Monteiro, Seve, M.duro e Estevo Cavalcan- deu um suspiro, e pedio-raeque o guardasse bem!
ti, eeu, que fui lo'o maoido dos instrumentos, que elle quera leva-lo a seu pai, se tanto Dos o
comecei por fazer um resumo do quanto havia j permittisse.
diio coutra a operagao na ultima reunio : espuz
a serie de descontentamos que haviam succedido A l^'f0' e,ontar'se do momen, em ^m fiz a
aojuizo definitivo dos collegas a favor do abandono "T"*0 *b"om,1nal ao da extraejao do calculo, nao
da exlracco do calculo ; expuz a resgnago do Z ,7" ,"!", r ," "'*' "^
. K. lempo ro gasto na chloroformisacao e curativo
enfermo, e a exigencia de seu irmao e dos amigos SUDSCCraenie
que acabava de ser-me communicada ; nao me es-
quecendo a principal causa de semelhante resolu- ^8 depois de ter sido o doente recolhido a seu
gao, e as coosequeucias provaveis de ser o doeule 'ei,0> ''omegou a manifestar calefrios, anciedade,
por outro operado, l em Olinda, onde sem duvida seceura, pulso quasiaxangup, snoresepelle resfria-
ao haveria operadores capazes de praticar se- raelhante operagao, as criticas circumslancas breveio-He uma ligekra reac-go: o pulso, bem que
do doente, sera que Ihe dssem a morte mesmo an- fraqnssmo, era sensivel e frequcnie; e o calor da
tes de terem extraliido o enorme calculo; e es- Pe"e duvdoso, acompanhado de suores fros. En-
perei a dociso da maiurU da grande conferencia- to mandei que se Ihe Szessom friegoes aromticas
lindo sua opinio sobre este poni de physiokigia
pathologica, cousiderou como causas da formago
dos clculos :ou o fado de serem substancias
pouco soluveis produzidas pelos us era quaulida-
de tamanha a nao poder loda ella ser dissolvida;
ou a ser o acido livre to pouco abuudaute na ou-
rina a nao dissolver os phosphatos terrosos ; ou
eralira a que, era cousequencia de uma dispo.igo
mrbida los rius, resulte a iorraago de substan-
cias nao ordinarias, pouco soluveis na ouriua, e
que sejam de promplo precipitadas, como por ex-
emplo o oxalato de cal. Quando1 um calculo (con-
tina BerzelwJ; est formado na bexiga, a o arma <
mesmo sem offerecer alyuma anomala, pode deposi-
tar sobre a pedra uma parte das substancias que
formam seu deposito foro do corpo.
de suas conquisias e praz^res, que chegou S. Pe
dro para pregar o Evangelho. Empreza verdadei-
ramente divina I pos inaginao um estrangeiro
vindo sem armas, nem Ihesouros dos confins do
Oriente, annunriar uma doutripa nova em nomo
de um Deus crucificado, e pregar hornera vo-
iupfuo>os o crueis a raortibeagao e caridade. A
velha egreja de -aula Pudenda indica anda o lu-
gar em que S. Pedro recebeu hospital idade era
easa do-senador PuuVsncio, e ani conserva-se anda
tuna simples mesa que servia de aliar ao princi-
pe dos apostlos. Era breve sua palavra couver
leu miniares de romanos, como tuina convertido
os judeus em Jerusalem; e ora lodos visivel que
a mo de Deus o conduza.
Durante esse tempo, um outro Simo (Pedro se
chama va igualmente Simo, antes de suaconvoca-
go) excitara a cunosidade dos romanos com suas
maravillas e magias, e es- aitraha em multido
rio que por ventura- aprouvsse fazer aos contra-
pelo corpo; que I ha dssem aguaassucurada eom | ditores do dia acerca de todas as coasas que Ihe
xarope de cascas de iaranja, e se Ihe applicassem $o oppostas o a sua lei; praoando afinal a ope-
Bem se v que esta ultima parte do-quanto ten
dito o celebre chimico, confirma o quanto- cima j
dssemos, isto qne ha causas- secundarias e pre- em torno de si. -ecretameme invejoso de 8. Pe-
disponentes, sendo amas chimioas, outra* anatomi- dr0; que ()avia reCusado vender-lhe o dom dos mi-
cas, etc., o causas oceultas, at hoje descoohecidas |agrei;) s ^ djrjgia ao demonio para operar seus
e essenciaes. que determnam a formago dos cal- Brod,,ios, e nunca deixava de da-los como prova
cu,os- | da falsidade do christianismo. Publicou um dia
Do que resulta mais-, que, um!calculo, em sua qne havia de elevar-se aos ares no meio da praga
origem, podo ter uma causa csseneial,intima, vital, publica ; formae um juizo da innmeravel multi-
descoohecida al hoje, e em seu crescimenio ter do-que concorreria este espectculo novo I O
anda esta e mais outra resultante da forga de affl- mesmo imperador ero ahi veio com toda a sua
nidade entre o mesmo calculo e os principios da comitiva. Avisado como os outros, ahi achouse
ouriua. lambem S. Pedro, mas com peitsamenios inteira-
menle diversos. Ajoelhou-se, de parte n'uma das
esquinas, sobre uma podra da ra, e poz-se a orar
a Deus para que confundisse o impostor e inimigo
de Jess Christo. Entretanto, hora designada, o
mgico Simo etevou-se magestosaucnte ata ares
no meio dos appiausos de todos os espectadores.
II
Deixamos o mgico Simo erguendo-se aos ares
e S. Pedro humildemente ajoelhado em uma pe-
dra da ra visiuha. As supplicas do apostlo so-
brepojarara o peder infernal do mgico, que de-
Oppondo-me com todas as torgas pralica da repente catiu como ferido de raio, e queorou a
operaco da talha hypogastrica, firmaoo nos princi- cabaga era trra. A. multido retirou-se esiupefao
pios da sciencia, e cumprindo um sagrado dever, ta, descontente, e aecusando em alta voz desta
puz-me a salvo lambem de qflalquer jmzo arbitra- desgraga os chnstos, de quera simo era inimigo
Seja romo fer, o certo que a causa intima da
formago dos cauculos nao pode deixar de influir
tambera no modo de estar delles na cavidade vesi-
cal eu no organismo; modo de estar inherente a
diveretdade dus folTriinouto, so i-onhc-ida
de symptomas e poca do desenvolvimente des-
tes.
Entretanto, cumpre nao terminar este pequeo
trabalhosem dizer com Gui Patn: Je ne me bul-
le contre ren et ne me rebut de rien.
pannos quemes as extremidades.
, rago, cumpr anda um devjer, porque segu uma
Ao caliir da noito desse mesmo dia tomaram-sei possibilidade contra nenhuma s probabilidade ; i
a anciedade eonsideravel ; e! P0riue no campe da pralica cirurgica ou medica,
Opinando a maioria dos mdicos reunidos que se
praticasse a operagao, funda ndo-se no querer do en-
lerrao, na exigencia de seu irmo, na vontade dos
amigSs, na certeza de uma morte lenta e tor-
mentosa, a uo ser o calculo exlrahido,fiz condu-
zir o doente ao palc em que devia ser operado.
Ento, fo elle logo chloroformisado pelo Eslevo Cavalcanti, que se dignou encarregar-se ca, que fra previamente receilada. ,se convertem os Factos em principios, o os princi-
dessa trela; sendo que aos Srs. Drs. Seve e Car- Eram dlll |lora5 da Doile quaDdo manifestaran!- P'os se convertem em axiomas; porque, em tal ea-
neiro Monleiro coube a de me ajadarem na ope- se symptomas precursores de uma morte io/alli- so' D0S ullimos apuros s a mim e.-taria bem seguir
rago, ficande os Srs. Drs. Ramos e Maduro como vel. a harmona fundamental do organismo, achan- a Couper, a Mandi, a Civiile, a Rnax, a Dupurytrin
assistentes e fornecedores. do-se profundamente interrompi la, dava lugar a
Eis afinal como foi praticaaa a operagao da ta- graVl,i periurbagoesnos principaas orgos da cir-
Iha hypograstica, e realisou-se a exlracgo do for- culago e respi rago; e o doente senta, portanto,
midavel calculo. manifesta agouia, com principio de dysphoaia.
Abena a inciso j existente, e prolongada para Nessa occasio o suor era copioso, e os vmitos
cima at pollegada e meia abaixo do umbigo, de repetidos; havia anciedade e irregularidade nos
modo que ficasse a abertura com a exlenso de movimentos de composigo dos tragos physionomi-
tres polegadas e raeia a quatro, divid os tecidos eos, pulso linear, fraco e as vazes duvidoso. Man-
snbjacenles at chegar de novo ao fallado triangu- dii que se Ihe dsse nfuso de canella, adossada
Assim destes dous Simaos, um, entregando-se
ao diabo, acabou misera vel mente no dia em que
julgava atiingir o cume das honras, e da furtuna ;
i uiro dedicando-se Deus, por suas humildes
I virtudes e robusta fe, adijuiriu umaglmia immor-
OSVOmilOS patentes, a auc.euaue cotiMUMrave e r--,.......-r- -- r----------.--.-..._....,. u| E- jso faler uma esC(>lua d a
uma especie de agoD apparecen: nao conservan-; 0"d V* "a rteza^e prmcp.os, ha um deslinus ^ ^ ^ ^^ enire
do o enfermo nem agua que beba por via da sede, | caminlw a seguir na obscuridad, e quo nao e lici-1 se a Ueus ou a(j djabo
S. Pedro tinha orado com tanta energa, que
quz Ueus perpetuar a memoria disto por um no-
vo prodigio, e a pedra onde se tinha ajoelhado o
apostlo conservou profundamente gravado o sig-
ual de seus joelhos. E;ta pedra se acha precio-
samente guardada na egreja de Sania Francisca
Roinaua, erigida no me.-mj lagar, em que se deu
este inilagre. Eutretanlo, os pagaos, secretamente
invejosos das virtudes dos chrislos, os aecusavam
de todas as desgragas publicas, e s procuravam
pretexto para deseucadear cjnlra elles seu odio.
A vinude faz-se sempre dotesiar daquelles que nao
tem aocacem de imita-la.
e outros, que nanea dehwam de extrahir concre-
coes calculosas de seis, oito, e vinte ongas de
peso com adherencias ou sem ellas, apezar de to-
do o risco possivel dos operados.
Esle procedimenlo sem duvida firmado no dese-
jo de fazer bem aos enfermos, na certeza da morte
pela conservago do calculo, na probabilidade de
um contra mil, na esperanga de progresso- scienti-
fico, que s pode dar pralica e o estuco- mor-
lo adiposo. Ahi dobrei em cuidado, e tratei de com xarope de cascas de Iaranja; que se Ihe ap-; aiente ,'aando se nao ata de uma Peraco terri-
igualara profundiJade da ferida em loda sua ex- plcassem sinapismos e lijlos quentes as extre-
tenso at o peritoneo exclusivamente. O que feilo, midades inferiores, e se preparasen e-s soccorros
introduzi o dedo indicador no ponto visinho ao pu espirituaes proprios dos moribundos. Desenganei-
bis em busca da dobra peritoneal, que fo logo af o, emfim
fastada para cima quanto f.i possivel. E, pois No dia seguinte, pela manha, vindo ainda aus-
que nao havia vacuo na bexiga, e por conseguinte sa Casa 0 mano do paciente communicar-me o que
vel em am cancroso,
wr exemplo, cuja diathese
esseoctaes a vida dupH
niciusas da operagao,
franca e indubitavel, ci ja sede do mal em orgos
liquido de injecg, (por nao ser esta possivel nem
tambem a inlroducgo da sonda a dardo de Dupui-
tnn), seguindo o proceder de Baudens, talhei a be-
xiga sobre o calculo mesmo, na extensao de uma pol-
legada, e o mais prximo possivel do pubis; e, quan-
do metli o dedo na inciso, com o fim de colloca-lo
se tinha passado, e que seu irmo anda viva,as-
severe-lhe a breve realisago de meu prognoslico,
e que nada mais liana a fazer.
As onze horas e meu do dia 8 de oulubro, vnte
e seis horas depois da operagao, falleceu o doente.
O calculo, eomo j foi dilo por mais de uraa vez,
entre o calculo e o ngulo superior daquella inci- era espherco, nao mural, mas escabroso em sua
sao para poder continuar a talhar a viscera, encon- superficie e cinsento. Medido em sua circumfo-
trei resistencia, devida fatal adherencia, e tal rencia, tal qual se achava na bexiga, (o .|ue uo toi
ponto, que foi-me preciso retirar o dedo e introdn- ditlleil avahar) tinha exactamente uovj polegadas
zir o cabo achatado de um bistur para descollar lres em cada uin de seus diametros; sendo que seu
a bexiga do corpo estranho. Assira aberto espago,' ro|ume era igual ao de uraa Iaranja.
penetrei o dedo em forma de gancho, e, mediante i Elisa eoormdade apresentava um ncleo duro,
elle, a medida que la rompendo as adherencias, espherico, de aspecto marmreo, nimiamente resis-
prosegui na inciso at chegar onde mais nao p- teutef COlBuOSlo de 0XaUt de wlj Qdlcando Uraa
de ser retrocedido o peritoneo; ficando assim abor-
ta a bexiga na extensao de duas polegadas.
Bem claro que, a estar livre o calculo, com o
cortical friavel que tinha, poda ser abragado con-
venientemente pela pinga recta a frceps, esmaga-
do, diminuido de volume, e extrahido. Mas que
a adherencia continuava forte e extensa, tornando
o calculo Immovel, apezar do irabalbo ja feito; sen-
do, portanto, indispensavel uma abertura vasta que,
a partir do pubis, percorresse toda metade anterior
de sua circumferencia.
Mas, para tanto, como salvar o peritoneo? Como
arregaga-lo sem dilacerago? E, pois que a dilace-
rarlo muito mais perniciosa do que a inciso,
visto como hoje sabido qae as membranas sero-
sas sao assaz vasculosas, e provavelmente nervosas,
resolv me antes a dividi-lo para poder conti-
nuar na inciso da bexiga, como de faci contj-
entre escolhos por neu um modo superaveis.
Dr. Carolino.
UM POICO UETDO.
L-se na Estrella di
A medida que deco
tamos dos pnmeiros
nue ; e parece que, e$
vida de Nosse Senhor,
para uossos coragoes
Norte o seguinte :
LEMBRAkQAS DE ROMA.
I
re o lempo, e que uos aflas-
eculos da egreja, a ( dim-
lando mais longe de nos a
3 de seus apostlos lorua-se
meuos verdadeira, menos
circumferencia de quatro a cinco polegadas pele
lado onde nao havia mais cortical, e deixando ver
em sua superficie lamin-s superpostas.
Era esse ncleo enlo coberto por uraa outra I
carnada argillosa, bem distincta da subjacente,
tendo oito a dez linhas de espessura e friavel, que
constitua a porgo frgil do referido calculo; o
que iudicava que a precipitago em seus efleitos i
havia solndo a mais plena modilicago para dar
lugar a tormago de um calculo alternante.
Essa carnada superficial, sendo composta de phos-
phato calcreo e de materia terrosa, apresentava
anda duas carnadas distinclas: uraa de meia li-
aba de espessura, dura, lisa e esbranquigada, que
era contigua ao ncleo; outra, que Ihe era super-
posta, argillosa, frgil, e envJta anda em. materia
terrosa, constitua a carnada mai tenue, mais es-,
pessa e superficial.
(i) E-te fado o
servaco era nossa clii ica,
|uem as con-equencias per-
de modo a enllocar a vida
preciosa, menos tocan e.
Menos dstrabidos p las cousas e prazeres desle
muudo, iara uossos pai > fortalecer sua f em Roma
ou era Jerusalem.
Nao havia enlo nei i caminhos de ferro, nem
barcos vapor; mas e les parliam p, arrimados
a um bordo de pereg ino, pedindo hospilalidade
aos conventos, ou aos s mples fiis, reduzidos algu-
mas vezes meudigat o pao durante a viagem.
gastando mezes ou an ios em terminar sua pere
grmago.
Vamos propor aos dossos leitores o fazer com-
nosco em pensameuto a viagem de Roma, que,
por mare de Deus, e fectuaraos, tendo o prazer
de ajoelhar nos nos ti mulos de S. Pedro e de S.
Paulo, de descer s ca acumbas onde repousaram
os corpos de tantos ma tyres, e de visitar as egie-
jas onde actualmente s venera estas gloriosas re-
liquias.
Se comegassemos pof- ver todas as egrejas ? Ro-
esullado da mais tena ub-
O imperador ero, verdadeiro moastro de cruel-
dade, matador de sua propria mai, concebeu para
lvrar-se destes importunos discpulos de Jess
Christo, o prejecto mais odioso e mais cruel que
se pode imaginar. Uma tarde maadou lancar fu-
go em quatro canlos de Roma. Do eirado do seu
palacio, cujas immensas ruinas ainda hoje se veem
no monte Palatino, com feroz, alegra contemplou
esle horrivel espectculo. Separado do incendio
por vastos jardins, via seas ps exlinguirem-se
as chammas que elle proprio tinha accendido, e
deleita va-so com os gemidos dos desgraga dos sur-
prehendidos por esta calastrophe. No dia seguin-
te aecusou os chrisias de seu proprio crime ; deu
ordem de prender a todos e de entrgalos vin-
ganga das leis, e ao furor do povo. Os supplicios
mais tereives foram inventados para os fazer pe-
recer : uns fram langados aos tigres e aos lees ;
outros affogados em azeile fervente ; outros dila-
cerados por ponles de ferro ; outros, emfim, co-
hertos de p*z derretido, e acesos como lochas'nos
jardins de ero.
Do Dondoir, transcrevemos o seguinte:
O MARIDO MULHERENGO.
Da mesma forma que a natureza nos aprsenla
raridades physicas e orgnicas, taes como a mulher
barbada, o ano o rapaz de Faro, o zambra, o
marreco, o hermaphrodito, etc., tambem no mundo
moral ha phenomenosadmiraveis e caricatos.
O marido mulherengo um phenomeno domes-
tico, uraa randada moral; um hermaphrodito
social.
O homem mulherengo nao pode ser classiflcado
a par dos fllhos de Ado, porque nao homem,
nem to pouco se Ihe pode chamar uma Glha de
Eva : pertence portarlo a um genero mixto;
uma aberrago humana, de qae Linaeu nao falln.
que me lembre.
E' pois ama raridade e uma raridad? digna das
nossas altenges.
Recebo elle em casa geraliuenle as visitas do seu
cabelleneiro, alfaiaie, sapateiro e pedicuro, visto
que nao sena capaz de tomar mediis de ama
botas, provar um fraque ou aparar as i
sem a prevenga e salutares eonseihos da es
querida.
O mando mulherengo usa, de ordinario, aune!
de ouro no dedo index, risco ao meio no cabello,
collarinhos mama, luvas amarellas e sapatos 4o
entrada abaixo.
Alm disto, traz ligas as meias e fumi ilinato
de vapor.
A esposa tem obrigago de Ihe cortar as uanar
alar a grvala, abotoar os botes dos punteo* e fes
luvas; escova-lbe o chapeo e arraoja-H a eakega,
penleando-o com penle miudo lodos os sabbados.
Elle.em coinjiensago, aiaca-lbe, a ella, o rollete,
acolcbela-lhe o vestido, ala-llie as ligas, eouasira-Uje
as (rangas, ensaboa-ibe o cosinbo e rega-lbe o
maogericao.
O mando mulherengo o flagello do lar dumes-
tico, o Cabrion das conselbeiras e o roebedo de Si-
sypho das consortes.
A sua estancia predilecta i a cosioha e a dis-
pensa.
Elle mesmo e que vae por a eafeteirinha coa
agua a aquecer, para fazer a barba, e tanheca
abana o fogareiro se e preciso.
As horas competentes vae di. os vveres para o jaoiar com a pericia de am fur-
riel prussiaoo. Da uns Untos e determraados aaV-
limetros de chourigo para a panella, nede uma
certa quantidade de assucar, cha, c,f. toucinho, ele.
Quando chega o reguez com as compras, vae o
nosso maricas cosioha, rtieira a carne, n-se para
a abobora, apalpa os pecegos, prova a pinja.
Durante o dia espreita o fogarelro e inteiyeHa i
criada se acaso v carvo de mais ou bolas d
menos.
Nos dias de engommados vae experimentar
intensidade da gomma, e, se neees-ario, pega elU
mesmo no ferro e passa urnas ceroula, para mos-
trar o raethodo mais racional de o fazer.
Aos dias de lavadeira, elle que faz o rol da
roupa, elle que ajuda a puxar o k%ces, elle *
cue araonta a roupa, elle que admoesia a lava-
deira se por ventura falla algum apoMoado
Quando se trata de baruinar os tartns e acudir
as taboiuhas, o bom do homem assisie a ela ope-
ragao, e apona as leas de aranha mais atitada da
todas- as criadas, e ao melbor de todos o bas-
culhos.
A' noule vae cortar a torcida ao cacdieiro, st-
ta-lhe pelrolioo e iimpa-lhe a eharain.
Ha um dia de annos em casa ou um jaatar de
parenlella, e crescera as lidas da cosioba : o atwso
rato poe o seu a venial, e depeona o per, paaa a
substancia, escama o guraz e esburga a balata.
Mas n<1o pense o leiior, nem to pouco a ama vel
eilora, que o mariuo raulhereogo s homem de
cosinha; elle tambera se pd ver n'uma sata,
sentado eulre sennoras que a companbia que
sempre procura.
E se acaso a coDvnrs& deaMo em ponto Ue mo-
das, enlo esla o homem no sea cha I
E' bonito velo emrar na discussao com todos m
pespontos de uma coquette coBsummada. Elle da
o seu voto sobre o poil de chere, quesiioaa a U xma
bavolets, expende a sua opinio a resjieilo do feio
das basqumes e faz am discurso em favor du
baldes de ago.
Eu sei de um ralo destes que anda aprodesdo
a fazer crochet o est bordando urnas chraella* a
pelit point para o sogro.
O mulherengo toca geralmeale pianr.o. as fcaras
vagas, e canta em mlicos soos, Strid la ramprno
Trovador, e // srgreto per etier ftUn da l.o-
crecia,
O marido mulherengo, apesar de nao ser homem
perfeilo, vive commummente em boas avene*.* rom
sua esposa e tem rauitus filhos. os quaes elte pro-
prio de.-mama.
Eu, no emtanto, aconelho a todos os marides
qne tiverem a felcidada de ser maiicas. ra se
livrem de mana vismhos de ao pe da vortm.
Com islo livraro suas caras icetadesde busca-
ren! fra o que nao acbam em casa ..
E geral mente as seuboras, quando prororaro am
homem, nao precisan) da lant-rnas de Diogenes
para o buscarem, o acham-no sempre com m*i
felicidade do que o phllosopho greg* aa pr ica
d'Atlienas............

PERG'JNTAS NBm
Qual o objecto que um homem friorento deve
trazer sempre com>igo ?
Um chapeo de s /.
Quaes sao as paixes que pem em braia&ecai-
nheiras?
As tennzes.
Em que se parece o sino grande de aira com
um homem gordo, quando o obrigam a dar
voltas t
Em Mor muilo.
Qual o fructo que s muda de cor no fim de
muilos anuos?
A pera do conde.
Quaes sao as partes de nm processo de qu-
todas devem ter medo T
Daqu.lias que se apresentam contratantes
No rommercio do Porto l-se o seguinte :
O Monitor prussiano publicou o decreto un hu
lilue uma n<>va medalha militar, que se denomina
Cruz do assalto de Duppel.
E cedida a todos os generaes, oftlciaes, sargentos e
soldado* uue toiiiaram parte activa no assalto e lo-
mada de Ouppel.
A tita d'esta medalha azul coro orla negra
branca.
Para os nao combatenies, coreo mediros, ec-
clesiasticos, entermeiros. etc., que exerceram as
suas funeges na occasia d'a.meile eilo de ar-
mas, a fila cor de Iaranja com duas liana
azues.

Os jnrnaes de I.un res reprodozem da Oajtla
de Bombaim a noticia de uma tentativa de *>ms-
nato, acompanhada de roubo, que leve logar ao
camrahn de ferro indiano de E.-t, eulre Abmmood-
pore e Blulp.ire.
Um genlleman, que viaja va n'uma earroagem
de segunda classe, foi repentinamente aurado
por um individuo, que eslava no mesmo compar-
timento, e que Ihe roubou o ralogio, maltr-iaa-
do cruelmente o roubado e lancando-o depois pela
janella.
A victima agarroa-se so estribo e nelle so coa-
servou agachada at chegada do tren eslago,
onde o autor do crime foi preso.
E' um fado semelhante ao de Mullir.
PERNAMBUCO. TYP. DE M. F. DE P. y FILHO

J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWUXG824W_82R7IK INGEST_TIME 2013-08-28T01:47:27Z PACKAGE AA00011611_10534
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES