<%BANNER%>

Diario de Pernambuco ( Saturday, November 26, 1864 )

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10528

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Saturday, November 26, 1864

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10528

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10528

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Saturday, November 26, 1864

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10528

Full Text
AMO II. HOMERO 272
Por tres nezes adiautados . 5$O00
Por tres mezes vencidos . 6$U0
Porte ao correio por tres mezes. 750
SABBADO 26 DE HOVEMBRO DE 1864.

Por amo adjuntado.....49S00O
Porte ao correio por dd aoi o 3$Q

viBfa-.-.-i---
ati ARREADOS DA SUBSCRipgO NOHOKIE
Parahyba, o Sr. Antonio Alezandrino de Lima;
Mktal, e Si-. Antonio Marques da Silva; Aracatv, o
Br. A. de Lcmos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maracho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & G.; A-
nazouas, o Sr. Joronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO NO SUL.
Alagoas, o Sr. Ciaudino Falco Lias; Baha, o
rr. Jos Martins Al ves; Rio do Janeiro, os Srs. Pe-
ricr partida do e-jiapet as.
Oiinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho e Garanhuns as tergas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqneira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratd.Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhaem, Rio Formoso, Taraandar, na,Barrei-
ros,Agua Preta o Pimenteiras as quinus eiras.
Una de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao tyi dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE NOVEMBRO.
6 Quarto cresc. as 9 h., 33 m. e 2 s. da l.
13 La cbeia as 3 h., 13 m. e 36 s. da t
21 Quarto ming. as 4 b., 56 m. e 56 s. da m.
29 La nova as 4 h., 57 m. e 26 s. da ni.
PRBAMAR DE HOJB.
Primeira as 1 horas e 18 minutos da tarde.
Segunda as 1 horas 42 minutos da manbaa.
PARTIDA LO VAi-OR LQSTElROs.
Para o sul at Alagoas a 5 e 25; psr o norte at
a Granja 1 e 22 de cada me?; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan. marg.,maio. jal. set. e nov.
PARTIDA DOo 'MNIBUS.
Para o Recife: do Apipucos s 6'/, 7, 7 Vi, 8 e
8 Va da m.; de Oiinda s 8 da ni. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6 Vi da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemtca s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos s 3 Vi> 4,4 '/* 4 Vi,
5, 8 Vi, 6 Vi e 6 da tarde; para Oiinda s 7 da
manha e 4 Vi da tarde; para Jaboatao s 4 da
tarde; para Cachang e Varzea s 4 Vi da tarde;
para Bemfica s 4 da tarde.
AUBENCj DOS TRJBUNAE3 DA CAPITAL
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Rolacao: tercas e sabbaos s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horis.
Dito de orphaos: tarjas e seitas s 10 horas.
Primeira vara do eivei: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara docivel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde i
DAS DA flOUJM.
21. Segunda. Ss. Honorio e Hehodoro mm.
22. Terga. S. Cecilia ?. ni.. S. Filemon m.
23. Qnarta. S. Clemente p ni.: S F.-lind; 1 rr
24. Quima. S. Jidnda Cruz c S. Ponriano at>
25. Sexta. S. Calharina v. m.; S. Krasmo m.
26. Sahhado. S. P.-dro Alexandrido h. m.
27. Domingo. S. Margarita de Mffi v.
AMIGNA-SE
no Recife, em a livrara da praca da Independan
cians. 6 e 8, dos proprielarios Manoel Fuiuir .
de Faria & Fho. *^"*
GNEROS
Azeile vegetal___
Algodao .. .
Breu..........
Gastan ha.....
Cacu........
Cravo..........
Cumar.....
Couros deboi___
Caf..........
Estopa........
Havana........
/utaceira. .....
Madeiras.....
Manteiga......
Mexira.......
Oleo decupaluba.
Peixeseccoousal-
monra......
Piassabaemrama
Dita em obra.
Pelles de diversos
animaes.......
Pucury.... ...
Redes de maquei-
ra...........
calsa parrilha...
Sebo...........
Seringa........
Tabaco........
Tartarugas.....
PARTE 0FFIG1AL
GOYERM DA PROVINCIA.
Cuntinuaro do expediente do dia 22de novembrede
1801.
(inicio ao cnsul de Inglaterra.Pelo offlcio de
19 dd corrente, flquei inteiradu de que o Sr. Geor-
ge Limn Iluntl, cnsul de S. M. Britannica, tendo
sido removido no mesmo carcter para o Rio de
Janeiro, para onde pretende seguir com a maior
brevidade, nomeara o Sr. Ricardo Austn para in-
terinamente encarregar-se do respectivo consulado
nesta provincia.
Felicitando ao mesmo Sr. cnsul pela prova de
merecida candanga com que acaba de distingui-lo
o sea governo, caoe-me dizer-lhe em resposta que
approvo provisoriamente a nomeago oo referido
Sr. Ricardo Austin, e que ficara obrigado a apre-
sentar o imperial exequtur dentro do prazo de 3
mezes contados desta data.
Agradara as expressoes obsequiosas que no cita-
do offlco me dirigi o Sr. George Limn Hunlt, a
quem renov os protestos de minha alta eslima e
dislincta consideracao. Fizeram-se as necessarias
communicagoes.
23 -
Officio ao Exm. presidente da associagao Com-
mercial.Sirva-se V. Exc. de remetter-me a in-
formacao que para satisfazer o disposto no aviso
da reparticao da agricultura, commercio e obras
publicas de 28 de setembroullimo exigi era meu
officio de 14 de outubro prximo irado.
Exigio-se igual informagao dos inspectores das
thesnurarias de fazenda e provincial.
Dito ao inspenor da thesouraria de fazenda.
A vista do que expoz a contadoria dessa Ihosoura-
raria, na inclusa inform.-go a quealludeosen offi-
cio n. 673, de hontem, autoriso V. S. a mandar pa-
gar ao negociante Joo Jos de Car val no Moraes a
quantia de 5005, que o Dr. juiz de direito da co-
marca da Boa-Vista tomou emprestada a Joao Pe-
reir de Mngalhies, para occorrer aos pagamentos
do destacamento da villa do Ouricury, devendo o
referido juiz dar conta opporlunamente a essa the-
souraria da applicagao que tiver a referida quan-
tia.Communicou-seao Dr. juiz de direito.
Dito ao mesmo.Visto haver sobras, segundo
consta de sua informagao de hontem, sob n. 613,
dada com referencia a da contadoria dessa thesou-
raria. para pagamento da quantia de 995+00, sen-
do 795200 proveniente do gaz consumido com a
illuminagao interior do palacio desta presidencia
no mez de junho ultimo, e 205 de concertos e di-
versas pecas fornecid^s para a mesma illumina-
cao, mande V. S. effci-tuar nao s esse pagamento,
mas tambem o da quantia de 665600, correspon-
dente ao gaz consumido com a illuminacao do pre-
dito palacio durante o mez de maio, como ludo se
v das inclusas comas em duplcala.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Anmiindoao que solicitou o chefe de polica em
ofticto de hontem, sob n. 1,458, mande V- S. pagar
ao negociante Manoel Ribeiro de Carvalho a quan-
tia de 3385 dispendida oom o sustenfo dos presos
pobres da cadeia do termo de Garanhuns durante
os mezes de sstembro e outubro deste anno, como
se v das duas inclusas contas.Communicou-se
ao Dr. chefe de polica.
Dito ao director geral da nstrucgiio publica.
Attendendo ao que me requereu Antonio Joaquim
de, Almeida Guedes Alcoforado, autoriso V. S. a
mandar admittir noGymnacio Pernambucano, co-
mo alumno gratuito, quando houver vaga, e de
conformidade com a sua informagao de 22 do cr-
reme, sob n. 235, o menor filho do supplicanle de
nome Jos Caralcanti d-; Moraes Guedes Alcofora-
dj, de que trata o requerimento qn<: devolvo.
Dito aoconsclho administrativo.--Respondoao offi-
cio do consilho administrativo do arsenal de guerra,
destula'a,dcclarando-lheque aAntonio Jos de Aze-
vedi) fui entregue a quantia de 7805, importancia
dos instrumentos de msica que vendeu para os
educandos artfices da provincia do Amazonas, e
que o mesmo se far acerca do valor das pelles
para bombos, logo que conste terem sido entregues
ao mesmo conselho. -Ofilciou-se ao director do
arsenal de guerra para mandar acondicionar em
caixoes os referidos instrumentos.
Dito ao mesmo.Autoriso o conselho adminis-
trativo a comprar para fornecimenlo do almoxr-
fado do arsenal de guerra.os objectos mencionados
no incluso pedido.Communicou-se ao inspector
da thesouraria de fazeuda.
Portara.O Sr. gerente da companhia Pernam-
bucana mande dar transporte at Marei no vapor
que tem de seguir para o sul no dia 25 do corren-
fe, em lugar de.r destinado a passagetro de esta-
do, ao pseripturario em commissao na alfandega
desta cidade, Jesuino Pinto de Meirclles.
Dita.-Os Srs. agentes da companhia brasileira
de paquetes, mandem dar nma passagem de esta-
do de r, se houver vaga, at o MiranhSo, no va-
por que se espera do sul, ao secretario daquella
provincia, Dr. Ovidio da Gama Lobo.

o
'a
3
Potes
Arrob.
Alq.
Arrob.
1862
1 SEMESTRE DE 1863
a
ao
8
Num.
Potes
c
Caad.
Arrob.
c
Poleg.
Xum.
Arrob.
N'um.
Arrob.
Num.
1
92
12547, ,t
4726:29
31' 21
214 28
:;is ii
616 18
1648
410
7
98
3478
9b2
4791
80963 2:
8167
8911
381
22 18
490
2631
8
19628
927
10
c
o

oe
o
1505960
23:3065200
20:1355360
2:0225780
2:1635840
1:6205340
2:2265250
3:1935200
6:5705100
75240
2155360
26:70850(10
8:6465000
53:2745330
158:3325230
11:6325400
9:6125500
2045400
2315040
1:0735600
29:5985310
205"00
323:3155524
14:6665380
205000
209
6251
5559
101
1334
236
594
117
2
2206
539
1026
32963
4105
6840
145
2,
59
1205
1
20857
529
a

O

e
1863-1864
s
i
3
o
H
s
14
a
io:

29'
24
702:9665484
3325200
8:5905200
20:9725450
5195500
479580
6335460
9545850
1:8845000
45000
14:2395000
3:3025000
9:8655000
82:6305890
4:9275012
8:2085600
955200
215600
3775000
16:4495830
25500
284:5465344
6:5175000
465:5525361
40
45
50
18882
14100
41
2
1039
221
1497
299
200
1923
260
4076
49500
14645
9234
940
18
152
3092
17
36625
778
R
24
260500o
118500
2285050
36:8515400
67:7915154
1085210
225080
2:9505-60
1:3835870
1-7165000
8:5725000
5
8 5000
10:6865000
1:4215008
44:6225200
221:2205400
19:7725400
10:8845100
6045700
1865160
5195200
25:7915431
765'H)2
511:9805826
10:3145625
i
MAPPA dos gneros transportados bordo
dos vapores da companhia do Ama-
zonas, de Manus para Uelem, no
semestre decorrido de Janeiro ju-
nho de 186i.
1178:3405600
O transito, pelas nossas aguas, dos gneros de
prodnecao do Per nao tem diminuido, sem em-
bargo de haver sido supprimido, por causas que
j vos sao conhecidas, o servico dos paquetes da
companhia do Amazonas no littoral d'aquella re-
publica.
Da quadro dos respectivos valores, organisado
em vista dos manifestos apresentados repartiQao
de fazenda. v-se antes que nos dous ltimos an-
nos tem ido em augmento; sendo que no de 1863
elevouse mesmo a 505:9255843, cifra que anda
nao ha via altingdo at ento.
Procede este augmento da facilidade que eslao
acora proporcionando ao transporte das mercado-
ras da repblica, desde Yurimaguas at Loreto,
os dous vapores Morona e Pastaza, as viagens
d'aqnelle primero porto ao de Belm, no Para,
d'onde regressam. conduzindo objectos destinados
a* arsenal de marinha, que o governo peruano
trata de fundar em Iquitos.
Consta-me, porm, que, tendo quasi concluido
semelhante servigo, destinar-se-hao brevemente
estes navios ao do transporte de cargas e passagei-
I ros entre o porto de Yurimaguas, n'aquella repu-
' blica. e o de Tabatinga, no imperio, j se achando
' prvidos das respectivas tabellas de fretes e passa-
gens.
Ficar asslm estabelecida a navegacao regular
! vapor, no Amazonas brasileiro e peruano, em urna
extensao igual a 2:441 milhas ou 813 2/3 leguas;
resultando d'ahi o desenvolvimento das relaces
de interesses entre os dous paizes e o do commer-
cio de transito.
O segrate quadro apresenta os valores dos g-
neros de procedencia peruana, que por aqui tran-
sitaran) nos annos que deeorreram de 1857 al
. 1863.
Annos. Valores.
1857 1858 1859 1860 1861 1862 1863 490:5415100 493:5505000 474:1115125 318:6795000 311:4855720 367:4765000 505:9255843
INTERIOR
inuovis.
Rclalorio apresealado asscmlila legislalira da
provincia do Amazonas, na sesso ordinaria do
4 de outubro de I Mil. pelo Dr. Adolpbo de
Barros Caralcanti de Albuqoerque Lacerda, pre-
sidente da mesma provincia.
Commercio e. navegarao.
Exislem na capital 69 casas de differentes ne-
negocios, das quaes 67 pagara imposto na impor-
tancia total de 1:3895600, sendo :
Botica.................. 1
Escritorio commercial..... 1
Hospedara.............. 1
Lojas de diversos objectos.. 55
> de sapateiro........ 3
i de alfaiate.......... 2
Padanas................. 4
Talhos.................. 2
Total........... 69
A cifra da exporticao no passado exercico de
1863-1864 elevon-se a 1,178:3405666 No pri-
meiro semestre de 1863 subir a 465:5525316, o
que excede prnporcionalmente a exportaco de
todo anno de 1862 e do de 1861.
No primero, os valores exportados montaran) a
702:9665484, e no segando, a 639:8595679,
Desta confrontado resulta, qae a prodcelo
tem crescido annualmente, acompanhando-a nesse
empnlso as iransacc,5cs commerciaes e as rendas
publicas.
Comparada a exportaco do anno de 1862 com
a do 1. semestre de 1863, e a do exercico de
18631864 com a classiflcacao dos gneros, saas
quantidades e valores, chega-se ao resultado do
seguinte quadro.
Igual incremenlo nao tem tido, infelizmente, o
commercio de Venezuella, apezar das franquezas
concedidas no tratado de limites, commercio e na-
vegacao, celebrado em 1859 com essa repblica.
A importacao do productos desta procedencia,
que em 1862 se elevara a 16:6485640, desceu em
11863 a. 4:3055900. Faltam bons meios de conimu-
I nicacao para tao dilatado trajecto, que rnais peno-
so so torna em virtude "das cachoeras e pedras,
que de Santa Izabel em dante embaragam a nave-
! gacao do Rio Negro.
Com a Bolivia que as refacoes avullam de dia
para dia, embra seja muito mais difficil c perigo-
sa a travessia das innmeras cachoeiras do Madei-
ra. A' despeto de lodo o risco e enorme trabalho
de semelhante navegagao, cresce rpidamente o
i commercio dos dous paizes.
Nao pude colligir informacoes sobre a quantida-
; de, neni sobre a qualidade dos gneros d'aquella
; repblica, entrados na provincia
Em geral, consisten) em couros de veado, sebo,
fumo, charutos, e assucar. Pdese, porm, ava-
har o gru destas relacoes pelo numero de ubs,
ou grandes canoas que varam as cachoeiras, e
descera at a villa de Serpa, no Amazonas, carre-
gadas de laes gneros. Ha poucos annos nao pas-
savam de 3ou4; hoje contam-se por dezenas.
Cada urna deltas costurna ser tripulada por 11 al
20 Indios, que muitas vezes se empregam aqui,
durante algum tempo, as obras publicas, e as
particulares.
Quasi todo este mov ment procede da provincia
de Santa Cruz de la Sierra, importante dislricto
agrcola, e aquello em que esta industria acha-se
mais desenvolvida. Entre outras cousas, cultiva-
se alli a canna de assucar e o fumo em escala re-
lativamente crescida.
A prompta sahida que de principio encontraram
aqui os productos bolivianos, animou a exporta-
cTio^para o Brasil. Operou-se rpidamente, desde
ento, um augmento no trabalho e na prodcelo,
d'onde tem provindo o augmento das rengues com-
merciaes com o imperio.
O estabelecimento de urna linha de vapores, que
viajen) mensal mente o Madcira, conforme acaba
de ser votado pela cmara dos Srs. deputados, ha
de prestar efflcacissimo auxilio ao commercio com
a Bolivia. Mas o aperfeigoamento da va de cora-
municaco entre esse paiz e o Brasil problema
que exige soluSo. A arabos os estados jsto affec-
ta quasi qae igualmente. Se aquelle, encravado
no continente, precisa do Amazonas, como do con-
ducto pelo qual Ihe pode chegar o ar e a vida, a
nossa provincia de Matto Grosso, collocada entre o
Prata e o grande rio, nao carece menos desta vl-
vula de seguranza para o caso de que algama vez
tentera fechar-lbe o respiradouro de que hoje se
serve.
Para julgar de qne prodigioso desenvolvimento
e susceptivel o commercio que Bolivia realisa
pelas nossas aguas, convm saber as difflculdades
enormes e os perigos que offerece ao transpone
dos gneros a varacio das cachoeiras, cuja exten-
sao, podendo ser vencida, se desempedida fosse,
era 3 ou 4 dias, nao o entretanto era menos de
15, mesmo na descida.
Tres das cachoeiras formam grandes saltos; e
impossivel transporcm-nas as canoas, que, depois
de descarregadas, sao arrastadas em urna exten-
sao de 250 a 300 bragas, pela falda de morros de
lagedo c trra de mais de 60 palmos de altura e
spero declive.
Se apesar de todos estes espantosos embarazos,
as relagoes progridem e amiudam-se cada vez
mais, licito acreditar que atlingiro as mais ad-
miraveis proporgSes, quando, por qualquer modo,
forem elles removidos, ou poderem ser evitados.
No luminoso relatorio com que recela a admi-
nistragao, e que ser presente a esla assembla,
encontrareis dados e esclarecimenlos minuciosos e
completos sobre o estado da navegacao na pro-
vincia.
No semestre ultimo, o vapor Inca, da 2. linha
de paquetes da companhia de navegacao e com-
mercio, transportou de uns para outros portos de
sua escala, desta capital Tabatinga, 494 passa-
geiros; importando as passagens em 6:4755329.
Dentro do mesmo periodo, conduziu de Manus
para aquelles portos 5,823 volumes, no valor de
178:1265000; e delles para este diversos gneros
no valor de 216:5635256. A importancia total
dos peneros viajados nesse navio fui, portanto, de
394:6895256, montando o frete em 10:4455701.
Nos paquetes da companhia foram embarcados
deste porto para o de Belm productos estimado;
em 279:9805792.
Nos mappas seguintes encontrareis a classifica-
gao por qualidade, quantidade e valor dos gneros
de que fallei nos dous periodos cima.
DENOMIXACAO
Algodao........
Breu da trra...
Borracha fina....
Dita entrefina...
Dita grossa.....
Dita sernambv..
Caf........
Cacao..........
Cera da trra...
Castanhas ( al-
queires)......
Chapeos de bom-
bonaga........
Couros de boi
seceos ......
Estopa da Ierra
Espas de piassa-
ba (polegadas).
Fio de tucura ...
Maqueiras de pu-
S*...........
Manteiga (potes).
Mexira (dem).!.
Uleo de capahiba
(caadas).....
Praruc.......
Piassaba em ra-
ma ...........
Puxiry.........
Pelles de viado..
Plantas e semen-
tes (caixas)...
Salsa..........
Tabaco.........
Vassouras de pi-
assaba .......
Volumes diver-
3
7J24
3462
526
642
733
96
1478
sos.
2,314
24,355
270
1698','
463
345
64
42
46
4
156
46
288
32
9463
2765
13
1202
22
705000
225432
55:3925000
6:3125000
5:1365000
4:3925000
4835744
5:9145125
165000
4:6285000
121:7755000
8105000
2885000
1:69*5000
8005000
4635000
1:7255000
385000
4205000
47:3155000
3:3185600
1725800
235000
18:0395891
3615000
315200
*
279:9865792
Estes duus outros mappas dizem qual foi o mo-
vimento dos cstrangeiros ueste porto durante o se-
mestre.',
MAPPA dos eslrangeiros entrados no porto
da cidade de Manus desde o Io
de Janeiro 31 de jttlho do cor-
rente anno.
NACIONALIDADES
SEXOS
- o s. a. o j. 93 f.
~ r: N 9 rz O
= - 1. *. a /. I. rt
- fl Zl. - &. 3 S O
X 1, H
Masculinos___ 3 3 1 2 41 2 28 i i 82
h'emininos. ... 5 0
3 3 1 2 i 2 18 1 1 87
OCI xjpacOes. TOTAL
1
75
1
4
Nutica....... ..................... 1
Servigo domesti 5 87
II
MAPPA dos gneros importados dos portos
do Solimes para Manus, bordo
do vapor Inca, da companhia do
Amazonas, no semestre decorrido de
Janeiro a junho de 1864.
DENOMINACAO
Chapeos de bora-
bonaga.......
Cacao..........
Caf...........
Couros de veado.
Estacas de raaga-
randuba......
Farnlia de man-
dioca falqueire)
Fio de tucum___
Manteiga (poles).
Mexira (idem)...
Maqueiras de pu-
g...........
Piraruc.......
Salsa..........
Seringa fina.....
Dita grossa.....
Taboas de cedro.
Toros de maca-
caba......
Ditos de saboara-
na..........
Tartarugas.....
Telhas........
Tabaco........
Volumes diver
sos ,........
classificacao
33,154
11
549
462
160
130
527
96
17
3
86
6,200
30
942
36
87
3161
796
494
500
30
17
VALOR
MAPPA dos cstrangeiros que do porto des-
ta capital seguiram para os portos
baixo declarados desde o Io de Ja-
neiro 31 dejulho do correte
anno.
NACIONALIDADES
SEXOS
Masculinos..
Femininos..
i
29
22 29
1 1
61
01
PaRA onde sahiram
165:7705000
3:7685000
1805000
55500
1095800
1:3865000
2:1755000
8005000
7805000
5275000
15:8035000
11:9475956
7:9045000
4:0005000
2885000
68*000
35000
865000
4805000
4805000
216:5635256
Provincia do Para.....

Fronleira de Tabatinga.

Repblica do Per.....
OCCUPA-
OKS
o

-
t~
L ct
V) = s
OJ I ;_.
t- o rt
< ^

i 2 1
2 18 1
2 58 1
61
Da confrootago das entradas com as sahidas
resulta em favor daquellas urna differenga de 26.
No anno de 1863 entraran) 129, e sahiram 94;
o que estabelece urna proporgo comparativamente
favoravel ao movimento deste anno.
PERNAMRUCO.
REVISTA DIARIA.
Por portara de hontem. consta-nos, foram de-
mittidos os promotores pblicos de Bonito e Flo-
res, Drs. Joaquim do Reg Barros e Ignaoio Ta-
vares da Silva, sendo nomeado para subslilui-los
os -rs. Drs. Carlos Martins d'Almeida e Joo Al-
ves Mergulho, aquella para Bonilg e este Flores,
l Felicitamos ao Sr. Mergulhao pela sua nomea-
Cas, que bem demonstra o aprego era que tido,
a desejamos-lhe prospera carreira.
i Publicamos hoje em nossa oitava pagina o bri-
Ihanto discurso, queoExra. monsenhor Pinto do
Campos proferio no dia .'l do corrente, no collegio
l de S. Bernardo, ao encorrar a sua aula de Eloquen-
i ca e Potica.
Quer pela materia, quer pela forma, c, mas que
ludo, pelas verdades Otis o importantes quo an-
nuncia, este discurso deve ser lido e meditado por
lodos os estudiosos.
Em seguida a estapegade eloquencia, e a diver-
sos discursinhos mimosos pronunciados por alguns
alumnos de rhetorca, ergueuse ura dos especta-
dores e recitou urna admiravel produegao potica,
que mais de espago publicaremos.
E'urna proluccao que recommenda altamente
os talentos brilhanles do seu autor, cuja modestia
nos nao permute publicar o seu nome, que alias
se denuncia em cada urna das estrophes da
sua ode
As noticias viadas de Fernando pelo Persi-
minga sao satisfactorias.
Emires batidas que alli se deram, foram mor-
i los 24,577 ralos, em que abunda aquella ilha com
detrimento da agricultura, a que cllesno deixam
prosperar.
Ainda hontem nao pode fnnecionar o jury
desta cidade por falta de numero de jnizes de fac-
; lo, pois apenas compareceram 22 desles; e por
) Isso proceden o Sr. Dr. juiz de direilo presidente
ao sorteio de mais 26 jurados para completar o
: numero legal, sendo sorteados os Srs. seguintes :
: Coronel Antonio Pedro de f Barreto.
: Scbaslio Jos Mendes da Silva,
Jos PereiraTeixeira.
i Dr. Jos Soares de Azcvedo.
; Jos Alaria Machado de Figueiredo.
i Francisco Lucio de Castro.
Antonio Martins Seahra Lemoj.
j Dr. Juo Francisco Teixeira.
I Jos Francisco de Salles Baviera.
Jovino Epiphanio da Cunha.
Christovo Santiago de Oliveira.
Dr. Caetano Xavier Pereira de Britto.
Antonio Augusto da Cmara Rodrigues Sette.
Amonio Joaquim de Oliveira Baduen.
Antonio Egydlo da Nlva.
Francisco de Carvalho Soares BrandSo.
Firmioo Herculano Baptisla Ribeiro.
Felippc Antonio Teixeira de Albuquerque.
Francisco Ignacio de Medeiros.
Antonio Rufino de Andrade Luna-
Dr. Cosme de S Pereira.
Claudiano ae Oliveira.
Antonio da Assumpgao Cabral.
Caetano Pereira de Rrito.
Alexandre Augusto de Fras Villar.
Jos Candido de Souza Castro.
Foram dispensados de servir na presente sessao
os Srs. Joaquim de Aqui no Fonceca o Antonio de
Vasconcellos Menezes de Drummond, este por
achar-se em exercico do magisterio superior da
Faculdade de Direito, e aquelle por motivo de mo-
lestia, sendo lodos os dentis jurados, que faltaran),
multados em 205 na forma da le.
Tendo-se manifestado pelas II horas da ma-
nha dodia 24 um principiodemcendio no 3o andar
do sobrado, em que mora na ra de Apollo o r.
Manoel Teixeira Basto, foi extincto em pouco tempo
pelos soecorros davizinhanca e promptas eadequa-
das medidas tomadas pela polica.
O Sr. A. F. Vieira, commandante do brigue
portuguez /.(iki //, dirige-nos a carta qm damos
abaixo, e na qual expoe o mesmo senhor o que se
dera cora relacao ao navio que encontrara em sua
viagem a arder.
rs. redactores da Revista harta.Tendo eo
lido em sua conceituada Itnista do Diario de hon-
tem a parle que Ihe foi dirigida relativa a noticia
que dei em minha chegada a osle porto, de haveo
encontrado na lat. C" 10' long. 26 55' um navio
incendiado : corre-me o dever de esclarecer ar
autor desse bocadinho e ao publico, que effectiva-
mente encontrei dito navio no lugar que mencio-
na, porm j reduzido a cerca de meia braga fra
d'agoa, raso e totalmente presa das chammas des-
de a proa at a popa, e esta ja em tal estado que
nem o nome do referido navio (se o ti vesse) se po-
deria ter lido.
Cumpre-ine mais esclarecer que divisando no
horisonte a meia noile o claro aproximeime cal-
culando logo o que effeclivamente era, e desde o
despontar da aurora que conservei vigas sobre os
mas tros a ver se distingua algnma pequea em-
barcagao ou deslrocos que pertencessem ao dito
navio, como porra 'nada fosse visto fui sempre
aproximando-me al ao ponto que cima refiro.
sem que nada mais fizesse por julgar innulil e
nao correr o risco de igual surte ao meu navio,
tendo todava me conservado o mais perlo possivel;
quatro horas depois do que segu a minha derrota.
Quanto aos nufragos, pode mu bem ter aconteci-
do que se salvassein em algum dos navios quena
vespera encontrei navegando para o N., no mesmo!
meridiano c com os quaes nao fallei.
E' quanto lenho nicamente a informar aV... |
e satisfazendo ao autor do referido communicado.
SnudeV... atiento, veneralor e criado.
A. F. Vieira.
Recife, 25 de novembro de 1864.
Teve hontem lugar a collacao do grao de lia-
charel, na nossa Faculdade de Direito, aos 67 alum-
nos do 5o anno jurdico aps nma missa por elles
mandada celebrar na matriz da Boa-Vista. O acto
esteve muito concorrido e animado.
Comegaram hontem os exames do Io anno da
Escola Normal, sahindo approvados plenamente :
Francisco Ferrara dos Santos, Manoel Pereira da
Silva, Isidoro Marinho Cesar, Henrique Clorindo
Taylor e Victorino Antonio de Alcntara ; e sim-
plesmcnte : Joaquim Teixeira Peixoto Filho, Ma-
noel Pereira de Lyra, Manoel Francisco do Reg,
Angelo da Costa Mello Rosal e Hermelino Eliseu
da silva Caneca.
Hoje s 7 horas, a pedido da offlcialidade da
secgo do batalho de reserva n. 1 da guarda na-
cional do municipio de Oiinda, celebra o Exm. D.
abbade de S. Bento urna missa e memento por al-
ma de seu companheiro o capitao da mesma sec-
Qo Balduino Jos Tavares da Silva, e para assis-
tir esse aclo a mesma offlcialidade convida aos
seus e aos amigos do tinado.
De Garanhuns escrevem-nos o seguinte em
data de 16 do corrente :
t O porluguez Jos Alves, morador que foi em
Olho d'Agoa dos Bredos, do termo de Cimbres, e
que viva de vender gado vaceum, mudouse, ha
dous annos, para a povoagao do corrente, desle
termo.
Um seu escravo, de nome Malheus, estando
ltimamente fgido, linha por coslume lomar
noite a casa de um preto de nome Flix, morador
na refeida povoagao do Corrente. Sabendo o se-
nhor, na noile de 13 desle mez, que Malheus se
achava alli, cbamou algumas pessnas e foi pren-
de-lo. Infelizmente semelhante escravo, que
muilo audaz e de instinctos ferozes, pode appro-
ximar-se-lhe na lula que travou, e deu-lhe urna
punhalada dous dedos cima do bico do peito di-
reito, alera de ferir urna outra pessoa.
< Este malvado foi afinal preso, depois de gran-
de resistencia, e seu infeliz senhor est mortal-
mente ferido, a ponto de se suppor qae nlo esca-
par,
Findou-se a sessao do jury do Ituique, ende
foram julgados 18 reos, .sendo 6 por enme de mor-
te, dos 'juaes 4 suffrer.ui) caademnagao e 2 alean
garam atadvifSo, tundo sido Inlerpusu appHla.;J..
de urna destas absolvigors pulo Dr. juiz de direilo
4 por crime de roubo, coiideiunado- ; i por feri
raeuto grave, roudemnado ; I por uiT.-n-as phy-i
cas leves, absolvidopor perempgo; 2 por d<-A>ra-
raento absolvido por per< mpgo ; I pr mme dr
rapto, absolvido por perempeao; i por leoutiva e
complicidade de morle, absolvidos ; e liiialii.ent. I
por crime de resistencia, que foi cuodrnmado.
f Alera desles, foram jugados definitivamente
11 reos em um processo, aecusados por crune de
tomada de presos, sendo absolvidos 10 e rondrm
nado 1 ; 2 por crime de respoosaludade, absolvi-
dos; e 1 por furto de i-avallo, quesoflreu condeno
nago.
. Em outro lugar vai una publicarlo, que sr
oceupa das oceurrencias uliiiiiamente' dadas ao
Club l'ernambucano.
Teve hontem lugar a reunioo da assembb-a
geral dos acciouisias da companhia do Beberibe,
ua qual se approvou diversas medidas aprsenla-
das pelo presidente da direcgo, e mindou-se fa
zer o dividendo de 35000 por cad crio.
1-iir suas dcliberages a mais noiavel fot a
concesso (por votago unnime) de noventa bal-
des d'agua diaria e gratuitamente j ara o uso do*
pobres do hospital Pedro II.
E' mais um servigo de notavel importancia que
adislincla companhia do lleli'nbe Ut a popula
gao desta cidade, pelo que merece ella o* maiores
elogios e as bengos daquelles infehzes rom os
quaes devemos de-tribuir Poda a l.cueiicuncia que
nos fOr possivel despender, visto que o seu patri
roonio ainda esl muilo quem de sua< despezar.
Resultado dos exames felos oo rurso dr pre-
paratorios annexo Faculdade de D.reito no dia
19 do corrente :
Latim.
Plenamente...... I
Mmplcsmeule..... 3
Reprovado.......
12
Francez.
Plenamente...... 3
Simplesmente----- 6
Reprovado....... 3
12
Philosopbia.
Plenamente...... 11
Reprovado....... I
li
Geometra.
Plenamente...... 4
Simplesroenle. ... 6
Reprovado....... 2
12
Dia 21
Philosopbia.
Plenamente...... ti
Simplesmente 5
Reprovados...... 7
ix
Geographia
Plenamente...... .">
Simplesmente ... I
Reprovado....... 1
12
Inglez.
Plenamente...... 11
Simplesmente___ 1
12
Dia 22 --
Geographia.
Pieuainenle...... 1
Simplesmenle----- II
Reprovado...... 6
12
Philosopbia.
Plenamente...... 3
Simplesmente___ 7
Reprovado....... 8
18
nEPARTICAO DA rOUUA
Extracto das partes do dia 25 ae novembro 1864.
Foram recolbidos ca*a de detenc.io no da 2i
do corrente :
A' ordem do III n- Sr. Dr. chefe de polica. Bar
tholomeu Joaquim de Oliveira, Luiz de Cans'. K
mino Jos Amonio. Jiaquira Jos de Sant Anni.
Joao Francisco da Silva. Joio David, Jo- R drigues,,Manoel Pruphirio Carneiro. Manoel Fran-
cisco de Oliveira, por terem cuinprido sentenc.
e Jos Vicente Ferreira, pjr lar sede requisitado
vindos do presidio de Fuman lo.
A' ordem do subdelegado do Recife, Eslevo Cui
Ihernie de Souza, por insultos.
A' ordera do da Boa-VIsla. Au,'u-to Emi ian^
Falc.lo, sem derlaragao do motivo.
a' ordem do da Varzea, Manoel do Nascimento
Bezerra e Quintilirno Antonio da (>osta, por furi ^
de cavallos.
O chefe da 2* secgo,
J. 0. de MrsijHita.
Movimento da casa de deieng'io do da 24 de
aovembro de 1864.
Exisliam......., 332 presos.
Entraran)...... 31
Sahiram....... 18
345
A saber :
Naconaes..... 2S3
Eslrangeiros... 9
Mulheres___.. 3
Esirangeiras.. 2
43
3
346
Alimentados a cusa dos cofres provinriars. I3tt
Movimento da enfermara no dia 23 de novrmbro
Teve alia:
Valerio, escravo de Anlenio Cabral.
Passageiros do vapor Parahtba sabido para
os portos do sul.
Jesuino Pinto de Meirelles, Francisco de Paiva
'amos, Antonio Barbosa da Silva Ferro sua *e-
nhora e dous filhos, Augusto Boreaa, John Ro-
l>erl, Manoel Joaquim d'Almeid.t M .e la Jnior.
Passageiros do hiate nacional A-oro Juren-,
re sahido para o Aracaty :
Teophilo Domingos Alves Ribeiro, Antonio Fa-
ganha, D. Mariana Gertudes Pereira, Amonio S
mes Pereira Jnior, Joaquim Gome* de M.i'.i.w.
Dr. Antonio de Sa Leito. Fpifanio A sas sua senhora e urna filha menor, Joo Ago^ti-
nho de S Pereira, Joio Baplista de Frettts.
Obituario do cemitrrio publico m mi M n
NOVF.HRRO DK 1864.
Amelia, Pernambuco. 4 mezes, Boa-Vista, gastro
hepatite.
Luiz Miguel Joaquim, Pernambuco. 14 annos, Roa-
Vista ; hydropesia.


Muri t Pera*baeo .*. Si.bl),do t <2e Xovembro de lf3*.
Francia A*^Ribeiro, Pemambneo, 8 .Bno,. Miados, os directms d*C.Tw Flflal f0 Banco do graos do tirona lomando parto na r.ldim T. I,
&oltt-iro, !>. J0.-6; apoplcxia. Brasil nesta cidade. Tao /m/hico vaies eeieonaade de
alaria, Peruambuco, 2 mezes, Boa-Vista \ gastro
intente.
Henriqueta Maria da Conceicao, Pernarobuco, 38
sanos, vlnva, Boa-Vi.-ta ; bexigas.
Isabel Maria da Conceicao, Peruambuco, 30annos,
riuva, Boa-Vista; phthysica pulmonar.
ciiiioua JimchM
Adiado o Julgamento a rcquerniento de um dos
ars. aeputados.
FASSA6KNS.
h. i d"MmbnPdor Silva Guimares ao Sr.
desembargado!; Acr.oli, os feitos segointes : I
Apnelante, Manoel Jos da Silva Grillo ; amel-
lado, Antonio Gomes da Cuuha e Silva.
lnnpe .1 embar**nte 3 Manoel da Silva
^opes ; appellado, Jlo do Couto Alves da Silva.
anriifi ,'- J?s Pw'nnato dos Santos
appellado, Joao da Silva Faria.
Al breve.
Novembro de J861.
O apreciador.
Para a aula de gemeotria dos menores.
3 estojo* fuman luatuomaiicos.
3 caivetes finos.
2 dorias de lapfe finos.
4 dozias de creoes para lonsa.
Para provimento dos armazens.
30 caixas de pennas caligraphicas.
Titmi \ vi- io ronnKiicio
ACTA DA SESSO ADMINISTRA- gador Silva Gu'imarYes"'
TIVA DE !4 DE NOVEMBRO DE 1804. | Appellante, Antonio da Croz Ribeiro; appellado
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESKJIBARGADOR LlllZ Antonio da Silva
i. in l if5U10 ******<* "MTTl\, .' N,ada * "vendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
As 10 oras da manhaa,estando reunidos os Srs. ' dente encerrou a sesso 1 <. hora da larde
deputados Lentos, Rosa, C. Alcoforado e snpplente i___
Basto, o Exm.
sesso.
Pcrfame do hemisferio ocrdental. 55K35S53JT
nn*n,P , mai! balsamic aromtico de As pessoas que quizerem Tender taes artiws
Q ida di mtST/1 I^nnn """" *** "e aPrCSenem SU'S PW* 5. ffchad T
florida de Murray & Lanman E o verdadelro secretaria do conselho s 10 horas da mamm do
oas ores encerra- dia 30 do corrente.
Porto ; espirita, a verdadeira essencia
**&m*^J& ao Sr. desembar- O "oT^ S ? *W*'-'
de
para
novembro
de
Lida,
dente.
Sr. presidente declaroo aberia a
fuiapprovada a acta- da sesso antece-
PBIKA50ES i PEDIDO.
Elei^ao
dos joizes e mais devotos qae lero de
fesiejar ao gle ioso manyr S. Sebas-
tio, ocsta villa do Cabo'no auno de
180o.
EXPKDIE.NTR.
Foi presente um ofll.iu rio Exm. Sr. presidente
da provincia, communicando que pelo ministerio
da justica foi solicitada ao da azeoda a expedicao
da ordem para qae seja paga a gratificaran de 250*
concedida aoescripturario desie tribunal Innoren-
ero Auiunes de Faria Torres.Aceusc-se a recep-i
cao earehive-se.
Dislribuiram-so aos senhores deputados, parai Juiz por eleicao
serem rubricados, os livros Diario e Copiador da I O Iilm. Sr. Pedro Vctor Baulitrau.
casa cominercial de Luiz Jos da Silva Guimares Juiza por eleicao.
e os de Joao da Cunhi Magalhaes Jnior. A Exma. Sra. Baroneza dos Guararapes.
despachos. i Juiz por devoeao.
No requenmento de Jos Angosto de Aranjo, O Illm. Sr. Jos da Silva Clsneiro Guimares
de .12 annos de Jado, natural da provincia da Ba-1 Jniza por devoeao
hia, domiciliado e esiabelec.ido nesta cidade rom A Illma. Sra. D. Goilhermina, mnlher do Illm. Sr.
latinea de leos vpgelaes e casa de exportado, pe- Manoel Pedro do Reg,
arado ser admittido a matricula : Vista ao Sr.' Juiz* protectores
desembargador fiscal. Os Iilms. Srs. :
No de Jos Joaquim Alves da Silva (por scu' Antonio Baplista Teixeira.
procurador) proprieiario armador do hiato denomi-, Joao Virissimo Corroa,
nado Imefchel, recolhendo a carta de registro do Antonio Jos Martn* Lima,
mesmo hiaie, que foi abandonado por incapez de i Juizas protectoras,
navegar :Como requer. ; As lllmas. cras. :
N'ouiro do mesmo, pedindo carta de registro pa-' n- Antonia, mulher do Illm. Sr. Francisco Gamillo
ra o Mate Nova htvenrivel, reconstruido na cidade de Paula Pacheco.
do Aracaty, onde domiciliado o supplicanlo : D. Barbara, mulher do Illm. Sr Vicente Francisca
V isla ao Sr desemhttrnador fiscal. Mendes das Chagas.
No de GiMlhenne Jorge Fennelli, pedindo que i O. Joana Ignacia de Jesns.
seja registrado o contrato de sociedade, competen-i Procuradores.
ctente IradnzMo, celebrado entre elle e Mellors Os Illms. Srs.:
II de Liverpool:Vista ao Sr. desembarga-! Jro Rufino Ferreira de Barros Campello.
Manoel Fernandos Campos.
o d'um ramalhee re- ment do arsenal de guerra. 23
composto de odorferas llores, e 1864. *
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronrt presidente.
Sebastiao Jos Basilio Pvrrbo,
Secretarlo,
thesouraria provincial se faz publico,
cem colindo e
mesmo depois que es'ie murcha e perde sen eh'ei-
ro, este perfume indestructivel fica no objeclo qne
ha tocado to puro e delicioso como no principio.'
No salao calido; nobanho; como enpnguatorio"
aromtico; como aroma fino e delicado para o
lenco, vestidos e a pelle; ou diluido, como mel que a arrematado d~oondos rap^'dolmp?
anti-irntante para depois de se tur feilo a barba, dramento da estrada da Victoria entre os marcos
sobrepuja e excede a todas as mais aguas aroma- de 8 a 10 mil bracas foi transferida para o dia i
ticas para o toucador, incluindo at mesmo essa de dezembro prximo viodouro.
tao aramada agua da colonia de Joao Maria de Fa-1 Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
i venda em todas as principaes buco, 17 de novembro de 1864.
drogaras e lojas de perfumarlas.
Cotafdes offlciaes.
PRACA DO RECIFE
25 DE NUVEMBRO DE 1864.
Algodo 1* sorle-16200 por arroba
Dubourcq Jnior, presidente.
Quimaraes, secretario.
Alfandcga
Rendimento do dia 1 a 24.......
dem do dia 25...............
Hovlznento da alfandega
Volumes entrados com fazendas... 92
com gneros... 317
Volumessahidos com fazendas...
* com gneros...
O secretario,
A. F. da Annunciagao.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
que a arrematado da obra do atterro da ra do '
Lima na cidade Nova de Santo Amaro, foi trans-
ferida para o dia i de dezembro prximo vin-
douro.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
boco, 24 de novembro de 1864.
O secretario,
A. F. da AnnunciaQo.
No dia 26 do corrente, as 3 horas da tarde,
se bao de arrematar porta do Illm. Sr. juiz de
paz do 1- distrcto da fregoezia da Boa-Vi ra da lmperatriz, os beirs
888:7294903 de amarello em bom t
26;475705 marquezas, 1 mesa de louro, 1 banquinha com ga
--------------vetas, 1 caixa, 1 espelho grande de ptrede. e 10
613:2054610 l,vros de diversas qoalidades; os quaes vao pra-
ca por execncao de Custodio Alves Rodrigues da
Costa & Irmao contra Jorge Brane.
Arreiualaco
A arrematado annuntada* para o dia 14 do
corrente dos bens de Manoel Francisco de Paula
penhorados per Antonio Ignacio Braodio foi trans-
ferida para odia 23 as 11 horas do dia, cuja ar-
COMPANHIA BP.ASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte esperado
al o da 1* de dezembro o vapor
Cruzeiro do Sul, commandan-
te Alcanforado, o qual depois
da demora do costume seguir
para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga qne o vapor poder conduzir, a qual derer
ser embarcada no da de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo A C
COMPANHIA BRASILEIRA~
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul espera-
do at o dia 30 do corrente o va-
por Oyapock, commandante An-
tonio Marcelino de Pontes Ribei-
ro, o qual depois da demora do
costume seguir para os portos do norte.
Desde j recebera-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & Ct
_AP*gllMpiJ ftBti examinar a?
122Z3SL9 gftf '"orniacao o WM
agente satisfar, rojo leilao ser etTeriuarfo
Qninta-feira Io le titubn
ttt'tvBn *arn,aze,n *rua da na,,e' '*
I I II %o
DE
------ 409,
136
1,092
dor fiscal.
No de Josr Joaquim Aires da Silva, proprieia-
rio do hiaie Xovo Invrnavrl, pedindo um atiestado
para que o seo navio possa fazer a viagem do Ara-
caty, a que se deslina, independente da carta de
registro que solicita, e que nao pode obter em lem-
po:D-se o atiestado requerido.
No de Innocncio Autunes de Farias Torres, offl-
c al escripturano da secretaria, pedindo que se de-
clare por certid.) se .le 27 do agosto at 17 do ou-
tui.ro do corn n(e anno esleve no exercicio do seo
emprejro, e se deu durante esto lempo alguma fal-
ta :Como pede.
Nos de Joco Morefra da Silva, Olympio Goncal-
jes Rosa, Jos Pereira Vianna, Thomaz Francisco
aos hamos Rosa, Jos Pereira da Cimba Jnior.
Joao da funda MagaMes Jnior e Luiz Jos da
uva liuiiriar.io, iodos pedindo serem admittidus
a mairlesda, e informados os requenmentos pelo
Sr desembargadur fi-cal : O tribunal mandn
admitn-los a matrcula.
Nos de Domingos Martins de Barros Mnnleiro e
Joao Francisco da Silva Novaos, pedindo tambem
seren admitlidos matricula, e vistos os requeri-
aieutos pelo Sr. desembargador Tbcal : Indefc-
No de Joao de Almeida Lima e Jos de Castro
iiedond.i, pedindo que seja registrado o seu con- '
trato de soci-dade que aprsenla, visto
desembargador fiscal : Salisfacam
fiscal. *
No de Manoel (arrdo, pedindo que seja re
irado o contrato de soriedade que ajunta, visto
lo .sr. desembargador fiscal :-Espcrado at a pr-
xima sesso.
No de Angelo llomeirn Pinheiro, visto pelo Sr
desembargador fiscal, pedindo eue nao seja adn.it-
tido a registro o contrato apresentado por Manoel
u..rriao :Responda o sui.plicad.i Manoel Garrido
ate a prxima ssao, vindo smenlc os documen-
tos na secretaria este tribunal.
Nada mais bou ve a tratar, e fui pelo Exm. Sr.
presidente encerrada a sesso s II . horas da
lalllli'13.
Manoel Marques da Silva.
Joio Francisco Aureliano.
Procurador geral.
O Illm. Sr. Joao Pereira de Carvalho.
Thesoureiro.
O Illm. Sr. Dr. Maximino Ribeiro de Aguiar Moo-
larroyos.
Mordomos e mordomas.
Os devotos e devotas que quizerem concorrer cora
suas csmolas.
O vigario, Jos Luiz Pereira de Queiroz.
Apuraco geral feita pela cmara municipal da
villa de Iguarass dos cidadaos volados para a no-
va cmara que tem de servir de 1863 1868 :
Tenenie-coronel Epaminondas Vicira
daCuhha......................... 1894 volos.
Tenente-coronel Manoel Francisco de
SouzaLijao........................ 1089
Joao de Carvalho Raposo........... 1076 >
Padre Florencio Xavier Dias de Albu-
qncrqtie...............
Bernardino de -ena Salles.
Antonio Rodrigues Campello.
Capillo Pedro Jos Monte-N
1062
1015
1006
iim..
Negro Villa-
1003
pelo Sr.
o parecer
?is-
i..e-
O Club Pernaiabneano.
i
[mellado, Jos
SESSO JCDICIABIA EM 24 DE NOVEMBRO
HE 1864.
I'III-SIDBNCIA 00 KX.M. SU. BESEMBAROADOR
A. K. PERETTI.
Secretario, Julio Cu maraes.
AslU hpras da manhaa, o Exm. Sr presidente
abri a sesso estando reunidos os Srs. desembar-
fadoresReis e Silva, Silva Guimares eAccioli, e
s Srs. deputados Lenios, Rosa, Candido Alroforado
snpplente Basto.
Li.la, foi approvada a acta da sesso antece-
dente, com a segninte declaracao :
O Sr, desembargador Res e Silva passoo ao Sr
desen.bargador Aecioll e nao ao Sr. desembarga^
aor Miva oiaiares como ior engao se disse, a
appellaeao entre partes :
App.-llantes, os administradores da massa fallida
o uastos & Lemos appellados, Compiano & Cor-
Assignaram-se os accordaos proferidos na ultima
sesso, na appellaeao entre parles :
Appeiiantes. os administradores da massa fallida
de Ainonm, Fraeos... Sanios t\ C. ; a
Amonio dos Santos Pontos.
Amellantes, os administradores da fallencia de
Bastos A Lemos ; apiadado, Jesuino Machado Ma-
inel res Braga.
Appellante, o Dr. Joao Pedro Maduro da Fonse-
a ; appetlada, D. Mana lutada Cruz Neves.
Appellante, Francisco Gomes de Oliveira ; an-
fellados, os administradores da massa fallida de
jc^t*. r llllns <\* C..
Appellante, Amonio Joaquim de Mello ; appella-
das'D,r." Joa'I"m Hajlista e D. Joanna Mara
Apellantes, o Dr. Felippe Nery Collaco A C.;
appellado, Geraldn Henriooes de Mira
Appellante, Jos Duarte das Neves ; appellado
Jos Baptistt da Fonseca Jnior. Pl '
JILCAMENTOS.
Appellante, o embargante 3 Joaquim Jos Fer-
reir.h; appellado Joaquim Elviro Alvos da Silva.
Adiado na sesso anterior.
Receberam-se os embargos.
Appellante, Bernardino Jos de Carvalho
pallados, Seixas & Azevedo.
Adiado na ultima sesso.
Foi confirmada a sentenca appellada.
Ap[.ellante, Joaquim Ignacio Ribeiro ; apnella-
k?. osta;!miuislradores da massa fallida de Seve,
nios i_\ (j. '
Adiado na precedente sesso
Fui reformada a sentenca appellada
Appellante Prenle Vianna & C.
os administradores da massa filuda
Jos Silveira.
ap-
Club Pernambucano lili......
Nao foi tao pequea a injuria e infame aegao do
governo ingles, euspidas a face do Brasil, por oc-
ooasio dos actos de selvajaria praticados ltima-
mente pela esquadra d'aquella nacao no porto do
Rio de Janeiro, a pretexto de represelias, para que
ja esteja esqoecida; e certamente nao o estar para
lodos os lirasileiros dignos d'esle nome. Termi-
nada tao vil aegao vioram fundear em frente desla
cidade, alguns dos navios de guerra que assim ha-
va ni procedido.
Lembrados estarao todos os Pernambaeaoos que
1 por essa occasiao aiguem em signal degratido se-
gundo pareceu, pois que onlro motivo nao nos
; consta ter existido, tent-ni dar um baile na casa
i em que ora funeciuna aquello Club, aos officiae-
j dos ditos navios. Esse alguem teve dn recuar
; diaute da ui vontade geral dos dignos filhos d'esta
provincia.
Decorrido algum lempo, e tendo esse mesmo al-
guem concorrido, segundo dizem, para as desintel-
ligencias, de que felizmente escapou o Club Cum-
mercial, foi anda esse mesmo alguem urna das
pessoas queconcorreu para a organisac.au do Club
Pernambucano. Tudo correu bem n'este Club al
que de novo apparecendo aqu os meamos navios
de guerra e oficiaos das celares represalias, foram
convidados enes officiaos para urna partida da so-
ciedade.
A occasiao era propicia para se Ibes offerecer o
desejado festejo ; sendo por tanto o devrtimeuto di-
rigido a vontade de lo dutmclos guerretros o do
modo por que lodos sabem.
ReclamacOes em termos de diversos socios mcli-
varam cilicios de reprehenso por [.arle da direc-
tora (l..) a esses socio,sem que para issoestives-
se antorisada a directora e sem que houvesso o
menor motivo.
A rerelo era a conseqnencia natural; mas d'ella
resultara novas abitrariedades por parte da direc-
tora. Entretanto vejamos como acaba de proce-
der essa directora, que lio melindrosa se mostra
oqpetanto clama pela consideracao que dix-lbe
ser anida Vejamos como acaba de proceder essa
directora, que quer ser considerada.
Antes de continuamos cabe aqu dizer : qnando
nao sabemos nos respeitar, collocando-nos na posi-
cao do caracteres a que se nao possa negar as qua-
lidades que distinguem muitos boinens do com-
mum do vulgo, e que nao sabemos tambem respai-
lar aquellos cujas qoalidades sio essas mesmas qne
muita gente desconfe, e, que nao devemos de modo
algum esperar aquille que injustamcule negamos
a oulrmi.
Conhecendoa directora do Club Pernambucano
I que mal e muito mal havia andado, e que em as-
semblea geral da sociedade convocada para o dia
16 do crreme, leria de soffror um choque terrivel,
a propria conscienca a desorleniou de tal modo
que com a nteneio de salvarse precipitou-se ao
mais inslito e descomedido procedimento.
Reunida a assembla geral dos socios leu o pri-
meiro secretario ( para y'oria sua ) um papel irri-
sorio cem o nome de relatorio, em que a directora
fez-se sentir a sociedade que o Club Pernambuca-
no de sua propriedade, que os estatutos flravam
reduzdos a um panel sujo, que sendo o Club sua
propnedade, sem provar por que meios, s a ella
------ 1,228 rematado dever ter lugar na rua do Cisco ou
travessa do Pombal, devendo ser a ultima praca.
Subdelegada do 2 distrcto do termo de A-
gua Preta 18 de novembro de 1864.
Por esta subdelegada se acha depositado nm ca-
vallo ruco, suspeito de ser furtado, que neste po-
voado dos Montes foi vendido por Francisco Cana-
, no, preso por ladrio de cavallos em data de 14 do
, corrente, no termo de Santo Anlo ; cujo cavallo
_ Hara-,Ie,D os sgnaes seguintes : ru?o sujo, com a cabe-
burgo, consignada iM. Joaquim Re Silva AGenro, ?a Pedrez, castrado, andador,
manifestou o segrale : ~~ Arremata-se em praca linda no dia 26 do cor-
1 raixa saceos de viagem; a J. Kcller & C. [fate os bens de Jorge Braem a requerimento de
1 dita fazendas de seda ; a Carneiro & No '"ernus Lenz por ordem do Illm. Sr. juiz de paz
gueira. do 1 distrcto da Boa-Vista, as pessoas seguintes:
1 pacote fazendas de lnho ; a fiabe Schraetu G tfadelras, 2 marquetas, 1 mesa redonda, 1 mesa,
& C. 1 banca e 1 espelho de pareda.
8 caixas vidros; a Th. Christiansen. '.ITemal.'ICaft
t.hh'ffSbosmha1^ aW&SS? 1,h0gra*' N.. da !" d COrrent"' "ad*a a aQdiencia d0 ""
>nia, | reixe taboasmhas a F. H Caris. gP. P. jaiz municipal da i vara tem de ser arre-
Descarregam no dia 26 de novembro
; Barra franceza-/tapidamercadorias.
Patacho inglezAruajirrxe-mercadorias.
Brigue inglezBebe of the Exe dem.
Brigue porluguezLnia //diversos gene
Brigue portuguez -Conceirao de .Varia-
do trigo.
Importado-
Escuna dinamarquesa Sapero, entrada de
Para Lisboa
Pretende sahir com a maior brevdade o lugre
portuguez Julio, para oque tem a maior parte da
carga prompta, para o resto e passageiros a quem
offerece os melhores commodos traia-se com o
>n^7e7uinTesT6'cadiras^OD-,;'Pnafario Tliomaz de Aquino Fonseca na rua
sudo, 1 mesa redonda 2 iao Viirano n. 19, primeiro andar, ou com o capito
uro, 1 banquinha com ga- ?r- francisco Antonio Meirelles, na praca.
Segu com ponca demora ao indicado porto o
hiaie Lindo Paquete a chegardo norte em poneos
dias : as pessoas que nelle quizerem carregar de-
vero entender-se com antecedencia com o respec-
tivo consignatario na rua da Cruz n. 23, primero
andar.
Para o Rio de Janeiro
O bem conhecdo e veleiro brigue nacional Al-
mirante, capito Jos Moreira Maa, pretende se-
guir com muita brevidade, lem parte de seu car-
regamento prompto : para o resto que I he falta e
escravos a frote, para os quaes lem excedentes
commodos, tratase com os seus consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu es-
criptorio rua da Cruz a. 1.
Para Lisboa
O veleiro e bem conhocido brigue portuguez
ConmcMode Maria, capito Jauuario Jos de Oli-
veira, pretende seguir com muita brevidade, tem
parle de seu carregamento prompto : para o resto
qne Ihe falta tratase com os seus consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu es-
criptori rua da Cruz n. 1.
m abnca de saliao.
de 128 pintos de frente e 400 .le un-
um feitos de lijlo e ral
totolB!L%!?' ^fri*v. 9-Ttumt.i ao
250 pea de eaMeira.
16 case s vazios.
i guindaste para 2 tonellada.
1 caraBgueiro cin eorrmte, completo
1 machina de forca de lravalK-
1 bomba de 20 p's de canos
1 serra circular com arm ..-i, de f^rro riimlHii
incompleta. iwmtso
1 balanca, serra, 1 vlvula. I iiy>
I prensas de ferro fundidos i t,',,.
1 caldeiraoe 150 pe de cano de car '
Eixos, correias, tambores e rodas
! ramo ^,rano p,ra ""'-hia de frav
1 cubo, 400 ps de correnles e 6 norata,
ferro velho.
Si'gunda-feira :> de de cabro
O agente Pinto far lelo a reqoeriroento rf. .
adminisiradores da massa fallida cr ltotrn l;
4 C. e por mandado d Illm. >r. Dr. juiz nmul
do commercio de todes os ot.jerios acuna nrm-
tos, os quaes constiluem parle d. referida iuasa
e existentes na mesma fabrica da rua lm;.
aone se effectuara o le lo as 10 eras do dia
cima dilo.
Os prelendentes poderao examinar o* NftfMM
objectos nos dias 25, 28 e 30 do mu m PJ
horas da manhaa s 2 da tarde e na anti-ve-pera
e da do leilao.
is'
6 caixas drogas ; a Joao da Silva Faria. CnselllO administrativo.
2 caixas ferragens, 1 dita drogas; a Jos Anto- conselbo adminislraiivo para fornecimenlo
nio M. Dias. do arsenal de guerra precisa comprar os objec.os
I caixa chapeos, 1 dita miudezas, 1 dita botoes seguintes -
de madriperola, 7 caixas brinquedos para raeui-1
nos ; a Christiani A Irmos. |
200 garrafes genebra ; a M. Joaquim R. e Silva ;
i Genro.
453 barricas, 90 caixas, 250 garrafes e 233!
frasqueiras genebra, 25 barris pregos, 3 caixas i
como de lustre, 100 saces Trelo, I caixa arraoui- propostas em carta fechada na secretara do conse-
cas, 2 caixas miudezas, 6 caixas ferragens, 1 dita.Ih() administrativo, s 10 horas da manhaa do da
flores ariificiaes, S ditas objectos d barro, I dita 3 de dezembro vindoaro.
faccas, 1 dita caxmbos, I dita amostras de ferra- > Sala das sessoes do consolho administrativo para
gens; a Prente Vianna & G. forneciment do arsenal de guerra 25 de novem-
Brigue portuguez Conccic.o de Mana, entrado Dro d *84.
de Trieste, consignado a Antonio Luiz de Oliveira
Para o arsenal de guorra.
10 lences de lato de 16 libras cada um.
20 cadinhos de n. 10.
20 ditos do n. 12.
200 meios de sola.
Quem quizer vender taes artigos aprsente suas
LEILSES.
LEILAO
Azevedo c& C, manifestou o segrate
2,000 barricas farinha do trigo ; a N. 0. Biebcr
&C.
200 ditas dita ; a Januario J. de Oliveira... ,
Brigue nacional Almirante, entrado do Rode.'nlerndajunta dos corretores desta praca se ha
Janeiro, consignado a Antonio Luiz de Oliveira de proceder a eieic) da juma para o anno proxi-
Antonio Pedro de S Brrelo,
coronel-presidente.
SebastUio Antonio do Reg Barros,
vogal secretario interino.
fc-ra cumpriniento do an. 20 do regiment
Azevedo & C, manifestou o seguiute
Genero eslrangeiro.
10 pipas e 200 barris vinlio, 20 caixas machinis-
ino, i saceos allazema, i caixa pillas, 4 ditas
prompto allivio, 15 barricas cerveja, 275 frasquei-
ras genebra, 50 barris banha, 18 caixas canella,
60 latas fumo, 1 feixeago, 2 barris aceite de auien-
doim, 180 caixas 40 meias passas, 20 caixas euxo
fre, 1 barrica estopim, 100 saceos farello ; a or-
dein.
Gneros reexportados.
400 caixas cerveja, 124 ditas genebra ; a or-
dem.
Gneros nacionaes.
20 saceos farinha de mandioca, 745 ditos caf,
100 molhos pellesde cabra, 300 caixas velas, 170
rollos e 60 latas fumo, 1 barrica tinta de escraver,
1 caixote eharutos.fi caixas rap, 10 pipas vinagre ; <
a ordem de diversos.
Reeefocdora de rendas interesa*
geraes de lPeria-.53fcHc.
mo futuro, no da 20 do correte mez. Praca do
Honre .j.lo novembro de 1864. O secretario da
junta, Frederico Guimares.
DE
Fazendas avariadas
HOdTE
Sabbado 26 de novembro s II horas
em ponto.
E A. Burle & C. f;ro leilio por intervencao
do agente Pinto e por conta o risco de quem per-
lencer de differentes fardos de algo.loznho ava-
nado a bordo do brigue nglez Harmislon, capi-
to Slargius, no da e hora cima dito em seu ar-
ni.tzoiu rua da Cruz n. 48.
DE
2,357 aeces da Companiia Peraam-
Imm,
Terca-feira 6 de dezembro.
O agente Pinto far leilao por manda* do Illm.
!r. Dr. juiz especial do commerno em virtmte ifc
que requereu os administradores da mas-a '..
de Rostron Rooker .* C., de 2.357 arcoes da r*m-
panhia Pernambucana de I0o cada urna. *m mu
ou mis lotes a vontade dos compradora. * l<
horas dn da supradto a porta da Associaeo Cm-
mercial.
AVISOS DIYEBSOS.
f un RDUTIEB
taz publico que mudou seda sua residencia da n
Bella n. 29 para a mesma rua n. 39.
O grande auniversarl* Ja Pe-
lona.
Pelo presente convida-se aos senhores a.\idmi-
eos e a todas as pessoas que se inieressam pela
causa santa da Polonia, para no di 29 do r rve-
10, pelas 7 l|2 horas da manhaa, mMmi urna
niissa na igreja de S. Francisco do Recifr. O da
designado resume em si glorias e dores para po-
vo polaco. Ira voto de agradecmenteanteripa-e
a todos que comparecerem a este acto
MM
fe-7
Segunda-fe ta S8
O agente Pestaa far "
Rendimento do dia 2 a 24
dem do da 25.........
19:4305974
827496
20:2585470
Constelado provincial.
Rendimentodo dia 1 a 24......... 47:737,5377
dem do dia 23................ 1:3995930
49:1375307;
EMPREZA
, k GERXAKO & COIMBRA.
Achando-se doente o artista Germano, nao pode
ter lugar o espectculo annunciado para sabbado
26 do corrente, o por isso fica transferido para
quartafeira 30.
A empreza trata de promptiflcar com todo o es-
mero o machinismo c mais accessorios do magnifi-
co drama sacro, dejgrande espectculo, em 4 actos
e 8 quadros
A VIDA, HILAGRES E MARTIRIO
DE
SANTA CECILIA
protec roa A DA msica
que brevemente subir scena.
API PIJCOS.
GRANDE
VARIADO ESPECTCULO
SABBADO, 26 DO CRREME,
PELA
COMPANHIA m NACIONAES
GYMNSTIOA-AOKOBATA
Montevido-30 das,"brigue brasilero Alfredo, de J' HZtS* W'D,'W,M* pelos J0VeDS (;y-
216 toneladas, capito Ignacio Goncalves Lima se Machado.
2.Torniquete, polos jovens Cyrillo, Virgilio e
quey<'8 sais sos.
do corrento.
eilopor conta e risco
de quem pertencer de 16 qneijos suissos em um
00 mais lotes a vontade dos compradores : segun-
da feira 28 do corrente pelas 10 horas da manhaa
no armazem do Aunes.
LILAO
122
fiaros,
10 H
Navios entrados no dia 25.
Rio Grmde do Sul 18 das, barca nacional Pal-
metra, sle 297 toneladas, capito Bento Jos de
Almeida, equipagein 14, carga 14,200 arrobas
do carne ; a R'libar & Oliveira.
Rio de Janeiro 24 das, brigue brasilero Almiran-
te, de 218 toneladas, capito Jos Moreira Maia,
equipagein 12, carga cerveja, caf e outros g-
neros ; a Antonio L. da Oliveira Azevedo 4 C.;
2 escravos a entregar.
DR
caixas cora n6
Correiro Simes
por conl e risco de quem pertencer vender em
leilo cerca de 122caixas com figos chegadas lti-
mamente, em um ou mais otes a vontade dos lici-
tantes.
Segund-feira 28 do frrenle
s 10 horas, no armazem do Aunes larga da al
fandega.
Aos 6:000 000.
QuinU-Mn ld de de/embro do torrente
anno, se Mtrahir a terceira parte da
dcima lotera (118a) a beneficio da nuln/
da Boa-Vista, no consistorio da ifrai de
Not.sa Senhora do Rosario da fregu/
Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se
renda na respectiva thesouraria rua '..
Crespo n. 15.
Os premios de G:000A000 at IOJOOO
serao pagos oma hora depois da exlr
ateas 4 horas da tarde, e os outros do .a
seguinle depois da distribuico daslisf.is.
O tht'sour.'im,
Anlonio Jos Rodrignes * $cu2
& 'jcr?~:r^--.-..-;. ??
DE
Fazendas avariadas.
Segunda-fclra 98dc norenirro.
O agente Pinto far leilao por ordem de diverso.-
e por conta e risco de quem p. rleiicer de diffe-
remes fazendas inglesas avariadas a bords do bri-
gue inglez Hamislon, capito Staikmgs, as II ho-
oas do dia cima dito no armazem da rua da Ga-
dea n. 36.
w 1
1:!.
*&&&
.#
equipageui 10, carga 3,000 qnintaes hespanhes: j0<'Machad
de carne ; a Marques, Barros & G. i J^ v.
DE
appellados,
de Joaquim competa nao a eleicao mas a nomeacao do nova
Jote certoo Sr. depntado snpplente Antonio Jo-
s oe castro ; adiou-se o julgamento, ordenando o
KXm. ,r. presid. nle que se offiriasse ao mesmo
senbor, alim de que possa ter lugar esse julgameu-
to na prxima sesso de 28 do crrenle m.z
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Bastos & Lemos; appellados, Goimbra
Adiado o julgamento
Srs. deputados.
&RI-
requerimonto de um dos
Appellaiite, Gaudenco Lopes de Araujo ; appel-
lado, Jesuino Domingues Garnero.
Adiado o julgamento requerimento de um dos
Srs. depulad.s.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santo- & C.; appellado, Dr.
babriel Soares Raposo da Cmara.
F..i ronlirmada a sentenca appellada.
Appellante joaquini Goncalves Ferreira ; appel-
lado. Pe-lro Lavaba.it, de Albuquerque Uchoa
Urdenou-se urna digencia
do Va'A La/SG0DV'alVeS Malra I aPPella
Despre/.aram-se os embargos.
Appellante, Francisco Antonio de Brito annel-
lados. Rocha Miranda, F.lhos & C PP
.Sr.,de!ma.l.,ilgamen,0 re,aeriment0 *" "m dos
concello
lad
Desprezaram-se os ejnhargos.
Ap(.ellante, Augusto Frederico de Oliveira ; ap-
directoria etc. etc. II.... encerrando o digno presi-
dente a sesso I!....
Quem assim procede justifica tudo quanto se Ihe
tema feto e dito ; porque nada se pode fazer ou
dizer que Ihe seja injusto.
Urna directora que quer ser considerada des-
acata assim a urna sociedade inleira ? I .
Que valor tem as promessas e protestos de tal
directora e dos poucos que os acompanharam em
una accao tao digna de elogios ?
A que licou reduzido o contrato da sociedade
com o emiirezario ?
Podia e devia assim rasgar os estatutos da so-
ciedade urna directora, que quizesse ter os foros
de honesta T
Nao sabe a directora que para isso sao precisos
os votos de dous tercos de todos os socios? Admi-
ra-nos sobre modo a facilidade com que a directo-
ra encontrou dignas formas para seus ps I
Admira-nos anda como tao fcilmente passou
e club a ser propriedade da directora, passando o
emprezario a um simples administrad r T
Admira-nos tambera como tao fcilmente arran-
jou a directora para si o traspasse de arrendamen-
to da casa em que funcriona o club I
Tudo isso foi (cito e arranjadopara eterna gloria
de lanta gente honesta I
O club pernambucano mudou de nome e do dia
o pantheon de
tllustres por seus feitos
Rio Grande do Sul 26 dias, patacho brasilero
Bom Jess, de 170 toneladas, capito Joao Gon-
calves Res, equipagein 10, carga 9,000 arrobas
de carue ; a M.iia f Espirito Santo.
Buenos-Ayres28 dias, barca ingleja Asphodel de
257 toneladas, capito Matheus BayOold, equipa-
gem 11, em lastro ; a ordem.
L
3"r., Esr,a.das Perigosssiraas, executadaspelo jo-
ven Horo Machado e toaa a companhia, consstra-
doera difleeistrabalhos.
4*. Us lutadores romanos, pelos
Machado, Virgilio, Jos Machado e
chado.
5
jovens Floro
Antonio Ma-
Trabalhos avulsos, constando de equilibrios,
iverpool 40 das, brigue inglez Bebe of the Fr,. ?xfpc,,,a^os Pelos jovens Cyrillo e Jos Machado,
de 169 toneladas, capitn J. H. Sobradar eminT' ind,d 'Vra ruP. constando de muitos
cem 10. carL-a differente, ^nem, uf, U'PV : equilibrios difflcultosos.
a Mills l.a-
gneros
. carga
a Tisset rrere.
a Manoel J. R.
Aune liante o bri"9dPra r4Bn. j. \l6 em dunte deve ser denominado
ncelb de^kmmmSKSX. F MeneZ PiSLESESf&SnZm^ appe,_ 6 rPnon,e ; al,as ds '"na da,a-
lo, Antonio Alves de Carvalho Veras. Desojamos ver no ftm de todo esse negocio qnaes
em 10, carga differentes gneros
tham & G.
Havre27 dias, galera franceza Mel, de 372 to-
neladas, capito Gallier, equipag.-m lo, carga fa-
zendas e outros
Ilambnrgo64
de 100 tonela
carga fazendas e outros gneros
e Silva A Genro.
Navios sabidos no mesmo dia.
AracatyHiate brasilero Nono Iniensivel, capit3o
Jos Joaquim Alves da Silva, carga fazendas e
outros gneros.
Liverpool-Brigue inglez Ingarama, capito John
Bowers, carga algodo e asucar.
LiveriM'ol por Macei Brigue inglez Harmston
capitaq William Starkrags, carga assucar
ossos.
Macei e portos intermedios Vapor brasilero
Parahiba, commandante Martins.
Observado.
Passaram para o norte dous brigues e um na-
tacho. '
6'. Desloeacdes, pelo joven Virgilio.
7*.Volteios na corda bamba, pelos jovens Cv-
rillo, Virgilio e Jos Machado.
8* -Romper da aurora, constando de equilibrios,
. das, escuna hamburguezaa/en 2E*f- aul V"vens Virgilio, Jos Ma-
a.ias eanii5n h du, . . .' chado c Antonio Machado.
MSMl*** ZP*m 7, 9-.-Dentista a polka, palha?ada.
Os bilhetes acham-se a venda em casa do Sr.
professor da mesma povoacao.
Homens e senhoras a i$.
Meninos at 10 annos a SQO rs.
Por ordem do director Cyrillo,
Jos Francisco de Mello Carneiro,
Secretario.
AVISOS MARTIMOS.
Para o Ass
segna com muita brevidade o hiate Dous Irmaos
a tratar com Tasso Irmos.
60 pecas de riscado de algodo coni
a va ria.
Segunda-teira 28 de novembro^o meto dia.
agente Pinto far leilao a requerimento de
Mello, Lobo A G. em presenca e com autorisaco
do consol de Franca e por conta e risco de quem
pertencer d um fardo marca M Q & G n. 6, rom
60 pecas de riscados de algodo em quadros ao
mein dia do dia cima dilo no armazem da rua
da Cadeia n. 36, onde haver anteriormente leilao
de fazendas avariadas.
LEILAO
DE
204 chapeos do Chili
Segn.Ia-fera 28 de novembro
s 11 l|2 horas, por intervencao do agento Tinto,
rua da Cadeia n. 36._________ ____________
DE
Urna taoerna.
Ter^a-feira 39 ds corrente.
O agente Pestaa legalmntc autorisado fara lei
lo da armacao, gaz, gneros e mais utencilios
exi-tentes na taberna sita na praca da Boa-Vista
n. 21, muito propria para principian!. : tor^a fei-
ra 29 do corrente s 10 horas da manhaa na mes-
ma taberna.
Gertrudes Mara Pastora. Vicente Ferra-
ra da Luz, MarcoliM Ferreira da f.az, Jo^e
Lenpoldino Ferreira da Luz. Benigno Fer
r.ira .l. Luz, Januario J,.-.. Itarb.^ a-jr
rom do intimo d'almi todas as pessoas mi-
se dignaran acompanhar ao remiiern .<
restos mortaes des,u (,r,..ildo marido, filfc..
mano e cunbado Erico Ferreira da Luz
e-pecialmenie a ordem Francisca e a i. -
inandide do Senhor dos AMwfJi ob a ti
rec;.io dos Pescadores, e de n<>vo coovmU a
ojvfrem nina missa e memento que o I.,
de rezar na igrt-ja de S. J Cuba-mar
da 29 do coi rente, as i ||i b,jra* da ma-
ub.ia, stimo da do s. u faltecinento peto
qual sera., eternamente gratos.
Aluga se mna osera tri uln ,
: quem preci-ar prcure na mi da Itm^T
iriz n. 41, priiiiuiro anidar.
ra
LEILAO
DE
Para o Porto.
O brigue portuguez Untao sahe com mnila bre-
vidade por j ter a maior parta de seu carrega-
mento prompto, e para o resto que ainda falta.tra-
i.cirt<, us acioraaores aesses sitm-aeuses, c uuacs O mnsolhn ^mi!fin,m ... <-' y^-^w,.- |n u imu que ainaa uita.tra-
melles que tambera se assentarara ^.*SS!SSBt^^ K&SStfr**1'*1*1**'*
12 meias anas edificadas de novo era
chitos piopiios na Iravessa da roa
Imperial, rende cad^ nma 78.
coaogfrq siirjES
por conta e risco de quem pertencer vender em
leilao 12 meias aguas edificadas era solo proprio
situados na travessa da ra Imperial, as quaes se
achara sem numero tendo cada urna 1 porta, i ja-
nella, 1 sala, 1 quarto e cosraha cora a frente pa-
ra ura dos oitoes da casa feonhecida Campello.; |
Desencaminho.
Tendo se mandado b.wcar honiem por om rr.;.
alto e rosto comprido, no collepto de Sr. Dr -n.-.
na rannrineiia, um hahti le f,,|ha de (landres ,\, ,
palmos de coinprido, cor de c*U\ novo r r,-*n fe-
chadora, contendo o dito habii, os objeclo timbra-
dos abaixo seguidos, e como nao se lenha sal,,*-,
noticia alguma do dito prelo, rogase encarecida
mente tanto as autoridades, como a ontra quaWr
pessoa apprebeasao do dito bahii que U despejas e ser gen. rusamente rccompenaBdo-
na rua do Quemado n. 31, |ja do r ftolio^^
Xotx
1 leque de madrrperola. 2 ane<, nm de brilhan-
te ontro de diam inte, 1 aiflnete de peno era pe.fr-
branca, 1 pulseira de coral flnu-indo cohra I v.'
ta da coral com lipa e cruz, I par de arclas e
ouru (juebradas, pentes detarlarnga para rnmmm
cabello, 2 ditos ue marrafa, 2 hvn de mi*,r mis-
sa, um de velludo verde, e o outro de cooro, | .-.!
bum com desanos, 3 eatnta para caheca \r
ou mais em ouro, praia e cdulas | vestido de se-
da preta moreaniqiie, | dilo de sMa amarello *
ditos de chaly e 1 dito de la e ..da, I dito de
cambraia bordado, I dito de cambra atol, mais -t
ditos de carabraia de cores, qua-i duas rtuzia* >
camisas para senhoras, 4 pares de calcas para se-
nhora, algumas saias, p<.rrao de ranas, varios len-
cos, luvas, 1 cana de limas, I diia de Irasco* V
cheiro, 1 par de borseguins, 1 par de sapatn* |
spartilho, -2 corp.nhos, 1 ramisinha bi.rrtada I
retrato de photographia. una imacenstaka de
SanfAnna, de massa.
Recife, 2i de novembro de 1864.
Alugam-se duas casas na povoacao do
toiro por preco commodo, a n.arg.-m do rio. i
muito bons commod : a tratar na rua do Cres-
po n. 2, e quina.
Amo. e crin fin.
Precisa-se de una ama e um pequeo para cria-
do em casa de ponca familia : na roa 4o Corre-
dor do Bispo n. 12.


c
iilsrlo de ler_*f* * abbado t * *-.. .MI - _
COLLI5UKVOX HAFE,N Atteil$0.
PORVO. Alejandre da Cunt Coelho t'.atanho, profcssor
Dirigid POr J. Eduardo Yon lafe e m- de msica, offerece-se ao respeitavel publico para
-i ... v u r B_ .. ,. ,11 ,; o afi"ar concertar pianos por preeo commodo : na
dama\on H mitifffi-se alumnas inlcruas e
ei-
Arha-se ausente desde o da 12 do correnle
a preta Lima, com os signaes seguales: cor fula,
marcas de bexiha no rosto, lea duas cicatrizes na
mao direita, idade 25 annos.ponco mais eo monos,
Irvou vestido de chita e panno da costa ja usado,
consta andar Besta cidade : pede-se s autoridades
policiaes a apprehenso da dita eserava e lera-la
a rua dos Pires n. 34, que ser generosamente re-
compensado. _^________________
CASA A
_
Anua Mara de Carvalho Futo mora na rua
da Conceicao n. 10. ^
~' Ataga-se a casa terrea da rna de Santa Rita
n. 43 : a tratar nesta typographia. ______
ternas.
Disciplinas ensinadas. _
Ensinam-se as segrales disciplinas :
Arilhinetica. callisraphia, desenlio, geographia,
historia universal, historia natura', canto.e as lin-
guas franceza, Ingleza, allema, e porlugueza, a
doutrna chrislaa, e todas as qualidades de cos-
tura, croch e bordado.
Ferias.
Ha as seguintes ferias :
A terca-feira do carnaval, 8 das na paschoa, a
segunda-elra depois da festa do Espirito Santo, os
dias 29 e 30 3e setembro, e os ltimos oito dias do
anno. Todos os outros dias nao santificados sao Precsa-se de WM^"*"*^
saiba comprar e cozinbar o diaria de urna casa ae
CooditSei daadmissao para as alumnas externas, pouca ff ^^To^M^SliSr
O prego das lices lie ris 13*500 por cada moca, sad.a sem vicios e con estas habil.lacoes .
trimestre adunlado ; nao se faz abatimento al- na rua de Hurtas n. 58.________________-----------
gum.se por qualquer motivo deixarem de flequen- Ramn Pas, subdito hespaunul, retira-se pa-
tar as aulas durante e lempo convencionado. ra Europa.__________^____________________
O collegio foroece os livros necessarios e todos p^^.^e de coftUreiras de alfaiate ; na rua
os olijectos pertencenles inarurcao pelo prego da Penha n; m primelro andar
porque os tivercumprado, tanto estrangeiros como ------ ------LL------------ irn ,.,,,. ,,,,,,"
nacin >es Precisa-se de un coznheiro escravo e paga-
Da$ alumnas internas. I se bem agradando : na rua da MadreirDos n.
As meninas internas particlparao de todas as 36, pnmeiro andar, das 8 as 2 horas da tarde,
licoes que se do no collegio. gozando a vanlagem \ __ Aluga-se um sitio no lugar do Caminho No-
d pratiearem continuadamente das linguas : in-iYOi rQa gleza, franceza e allemaa. Ter-sc-ha rom ellas to- te|J,j0 b01 casa r mui0 fresca, cora 6 quartos e 4
do o cuidado para instru-las e nao se negligencia- sa)as no a(V}ar terreo, e 3 salas na sotao, o qual
ra cou-a algnma para edcalas, bem c inculcar- letn ^^ janellas, e por isso tornase muito fresco,
ibes todas as virtudes preciosas e nccessarias para | e mas easa para banhos de agua de beber, casa
una senhora. para criado, estribara, e o sitio todo murado e
lillas serao tratadas como membros da familia, C0ln j,oas arangeiras de umbigo : a tratar na rua
e o maior roldado e desvelo serao empreados a 0 Destino n. 1G.____________,
respeiio da hygiene, dando-se urna comida simples, |
sadia e muito abundante. Em caso de doenca
AOS 6:000.000
lili he te* garantidos
1' rua de Crespo n. 23 e casas do eostunie
O abaixo assignado vendeu nosseus muito feli-
res bilhetes garantidos da lotera que se acabou (
de extrahir a beneficio da Santa Casa da Mi-.
sericoraia, os seguintes premios:
N. 2400 um meio com 6.000&000
N. 2074 um meio com 1:400*000
N. 2694 um meio om 500*000 |
E oulras muitas sortes de 100*, 40*, 20* e 10*
Oa possuidores podem vir receber seas respec-
(ivas premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna rua do Crespo n. 23. I
Acham-se venda os da tercelra parte da.
decima lotera a beneficio da matriz da Boa-j
Vista, que se extrabir no dia 1* de dezombro.
Presos.
Bilhetes inteiros..... 7*00C
Meios......... M500
Quartos........ 1*900
Para as pessoas que comprarem
de 100* para cima.
Bilhetes........ 6*500
Meios........ 3*o0
Quartos........ _.,570
Uanoel Martins Fu iza
O Dr. Cosme de Sa Pereira con-
na a residir na rua da Cruz n. 53,
i e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e com especialidade
sobre
e segutnte
Io molestias
V
Joao di'Silv" Hamos, medico pela l ni
rersidade de Colmbra, da consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da rnanhaa, e
das 4 s 6 da tarde.' Visita os docrites
eaa snas rasas regularmente as horas
para lase designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccorridos era qual-
quer occasao. D consultas aos pobres
de olbos;
de peito :
3o dos orgSos geniti
urinarios.
Era seu escrip torio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos |
deentes de olhos.
Dar consutas todos os dias d sj
6 as 10 da manhla, menos nos do-
mingos.
Praticara toda e qualquer opera-
c3o que julgar conveniente para o
prompto restabelecimento dos seus
doentes.
que o procurarem no hospital Pedro I!,
aonde encontrado diariamente das C
s 8 horas da manhaa.
Tm sua casa de sade regularmente
montada para receber qual<|uer doente,
anda mesmo os alienados, para o que.
tem commodes apropriados e nella pra-
tica qualquer opcraco cirurgca.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3*000 diarios.
Secunda dita.... 2*500
Terceira dita.... 2*000
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres- M
tado. Si
O propietario espera que elle com- m
nue a merecer a conBanca de que sem- |
pre tem gozado.
PILll CATHARncAS M ATIR.
Estas pilulis VffHaa >* a-
jr daptadas a todoa os ti>*>< d> m
(ph^awgaMfl nas familias, fets **
%i^x^livrU'iynmcn^ innocente, c rm
fuanta milhai^ & pe<.*nas rtm-
fessam C"ni gralMfei rai
caradas por ellas t iiatealia-
severas e perfotas;nao Iw
um t taso tm pie haja 9***
las do mais lev resiillado inju-
rioso |K r sen uso.
NbttCMMt aijiii al.iins !*
lUtittlhn t|u(> temos le cura-.
nolaveis feilas ltimamente.
Um caso notavel de
AITcce chronira ie fMj^d.
Ii.IJI. S.
Jttiz tte Fra, 17 dr ftterriro dt I M.
chamar se-ha logo o facultativo da casa ou outro, J*f.mi|a baoho, pintada, e
se os pareles o desejarem, e da->e-lbes immed.a- ^SJJ poDr anno na rua larga do
Est ainda para alugar urna casa na lha de
com commo-
peln barato
lamente parle.
Para que qualquer menina seja admitlida ne
essario, ijue teoha de sete at quinze annos de;
idade, e que nao padeca molestia contagiosa. |
Paga-se por cada alu rana iuterna a quanta de
335750 rs. por trimestre ; um trimestre comecado
deve ser pago por iuteiro. I
e por qualquer motivo se quer retirar alguma
atomna do coilegi, deve prevenirse o director 3
mezes antes, devendo sempre" pagar-se o trimestre
que segu o aviso.
Por licoes de msica paga-se mais 15*000 an-!
niialiuente, e as discipulas serao obrigadas a estn-',
dar regularmente debaixo da vista de urna mesira. '
LicSes de danca tambera se pagara a parte.
A roupa lavada e engominada tica por conta dos
prenles. O collegio enrarrega-sc dlsso mediante
a somma de 1,5800 rs. por trimestre.
Cada aiumna deve trazer :
Urna cama de ferro com seus competentes ar-
ranjos.
1 lavatorio de ferro com a competente louca.
G toa I lias.
C camisas de dia.
ti camisas de noite.
6 sai as.
3 saiotes.
3 aventaos de peito.
18 teneos.
12 pares de meias.
Peines.
Estovas.
Esponjas.
1 guarda-cbova.
1 estojo para costura.
As nu'stras tanto para as meninas internas co-
mo externas sao completamente habilitadas nas
diflereoles linguas cen todas as prendas que per-
teneci a urna senhora.
LYCEU PARTICULAR
DIRIGIDO Pon
J. E'luardo Von Itafe & F. F. Keghels.
Os abaixo assignados, |irofessores, associaram-se
para eslabelecer nesta cidade urna casa de educa
\ i, persnadidos de que asslm serao mais habilita-
dos para cumprir todos os deveres da direcelo de
um collegio.
Ambos reunem em si as vantagens de grande
experiencia no magisterio, e de todos OS estados
proprios da sua proflsso.
Ell-.'S mesmos ensinaro as principaes discipli-
nas, e assim do a garanta de liaver a maior re-
golaridade no ensino; a que nao sempre possivel,
se os professores nao perteoeem exclusivamenie au
estabelecimento.
Todas as requisiefes legaes serao cumpridas
para qu- os alumnos d'esta casa sejam adraillidos
a todos os exaraes nas academias e nos lyceus des-
te reino.
Os directores nao se descuidarao de nada, para
pie os seus alumno* sejam bem educados, consi-
derando a religio, a moral_ e a civiidade como
criterios de urna boa educacao.
Materias de ensino
Leitura, calligrapbia, doatrina chrislaa, arithiiie-
tica (primeiro curso), grammatica poriugueza, geo-
crapbia e historia de Portugal.
Linguas.Portugueza, frauceza, inglez, allemaa
e latina.
(is estudantcs das linguas vivas aprendem a tal-
lar e a eserev-las com elegancia, dando-se um es-
pecial cuidado ao estylo epistolar mercantil.
C-nnmeTCio.Escrpturai;ao por partidas dobra-
ilas e simples, alguns artigos do cdigo.
Ceograpbia, historia universal, plulosophia ra-
cional e moral, principios de direito natural.
Malltematicas elementares. Arithmetica (se-
gando curso), algebra, geometra e trignometna.
Intro-lucgo aos tres reinos da nalureza potica
e litteralura.
Arles de recreo.Desenho em todos os ramos,
msica vocal o instrumental, danca.
A liogua franceza geralmente fallada no esta-
belecimento.
Ferias.
Oito dias na paschoa, o mez de selembro e oito
dias no natal.
Condicoes para a admisso.
A prestacao an'nual de cada alumno interno, que
estuda sO instruccao primaria e duas linguas es-
traugeras de 133500', e de 150*000 dos que
e-tudan mais disciplinas.
Os semi-internos da piimeira classo pagam 90*
por anno, e os da seguuda 108*.
Os externos pagam conforme as disciplinas que
estuda m.
Todos os pagamentos sao feitos- por trimestres
ada litados.
Os alumnos internos que passarem o mez de se-
tembro no collegio pagaro alin da prestacao 240
ris por da.
As despezas de livros, vestuario, remedios, cu-
rativo e artes ou objectos de recreo sao pagas pe-
la familia do coilegial.
collegio nunca repor quanlia alguma rece-
bida.
Enxoval.
i cama de ferro e um lavatorio dito com os seus
perlences.
ti Irtoces, dous cobertores do la, duas coberus,
tre froohas raaiores e tres mais pequeas.
3 toalhaa de rao, tres guardauapos.
1 jaquela o calca de panno prelo.
i caigas de verao.
3 cotletes.
ti leucos, oito camisas, quatro ditas de dormir, oito
pares de meias, qoatro ceroulas, dous leucos de
seda, quatro casacos ou blusas para o vero, um
dito para o invern.
2 boBets ou chapeos, tres pares de calcado, dous
pentes.
i .scova para dente*, urna para cabello, urna para
unhas e urna para falo.
| guarda chuva.
1 par de sapatos de borracha.
Bemtiea junto a ponte da Passagem
dos para familia, baoho, pintat'-
aluguel de 150* por anno : na
.' sario n. 36 se dir quem aluga.
\M\.
i Preisa-se de um offlrial de marcioeiro e de
. um aprendiz, ensina-se cora perfeirao : na rua da
Aurora n. 58. ,
Tendo feilo usi> d
lulas
%^V
Precisa-se de urna engommadeira, preferindo-se
-.__. -. .... .1^ tt/unlnn n 36.
captiva : na roa do Hospicio
O portuguez Albino
Rocha, relojoeiro
ilaptista da
e dourador, na
praca da Iudepenaencia n. 12, faz
qualquer concert de relogios edon-
rados por preeo mais barato do que
outro qualquer, e responsabelisa-
s pelo seu trabalho : portauto, es-
pera proteccao dos seus compatriotas.
C agente de le loes Olympio, tem seu
cscriptorio na rua da Cadeia do Reelfe n.
26, primeiro andar, por rima do escrip-
toro dos Srs. Bollar & Oliveira (entrada
pelo becco Largo.)
m
Per da.
------------ A pessoa que achou urna carteira de algibeira
de marrnquim preto, amarrada com urna fita, con-
lendo 180* em sedulas, diversos recibos e contas
.. .__ de Vanicheiros a pagar, nuerendo restituir a seu
Aluga-seos.tiodosBur.lys cora o ifim, J '^ . Fmej m.
delavageraderoapa.etambem se vende o ma-; a.S(1 ao alerrinhl, d GilJU| casa n. 127, que se
cbinismo so, ouo sino com o dito machinismo, ou '
4TTK
riilh.srtifas
ie Ayer, que me. fez iMf de r vm i-
dro, tendo lirado um restilla-h ii*i. Opera-
do ; padecendo ha mais de dozc anm* en-
fermidades do Igado e han, rota o ns>
das pilulas posso liie a>segurar que aafjsa
Precise de am pSKsrwaV seja de boa bOJB, g>is lento e^pf^t um praiule
conductae saiba cozinhar.se agradar paga-se b.m etlgofgltaiil.Milo que s.lllia, muila< *.re>
'aluguel : na rna do Qiieim:id.< n. 16, ln]a._______ solire a RffiSe (lo ligado e costas, d.-re- m
" Alugaiii-ss as casas da rua da Paz n. 7 e rua abeca, iuchaf'io do Velilie. nao |t iln.
Vclhan 8,ambas com commodos para familia : a (|ejiar-me seiio do ladu dueito. is.<> ajt**
tratar na padaria da rua Direita n 84.__________ mQ proi.nn(l |>osi;3t> para ler socego, Imi-
0
.
este proprio que fl He casa, me rogo nait-
Casa para alugar-se dar-me aigun tiaros, .> o cum.. eie m
Aluga-se o primnir* andar do sobrado sito no
caes du Apollo n. 17, e terceiro e qnarto andar?
J Precisa-se para casa de pouca familia de urna jc m(> a(,j|U |V|.(, ,|r.Sl. i:i.!e. imenlo : ri-iK
*----------------------------->j< -------------------- este wronrio nue e de casa. Ihe ron ai:ui-
POHTCrUEZES
NoSSOS maiores sustentaram trnta annos de
guerra cruel com os Hespanhoes para collorarem
manterem no llirono a casa ducal de Braganca. O
dia 1" de dezembro esta perto. esse grande da
em qneo valor de quarenta Portugnezes arrojaram
para looge os exercitos dos tyrarnnos da Hespa-
nha, e assentaram no trono dos Henriqnes e dos
Alonsos, o ebefe da casa reinante de Braganca,
nao deve passar no esquenmento deve ser feste-
jado por portuguezes e Brasileiros, com todo o en-
tusiasmo, n<) devemos poupar esforcos, de nossa
parte ja dando brindes, bailes, soires ou particu-
lares ou publico, com tanto que este dia uao passe
no esquecimenlo.
l'm Portuguez patriota.

se permuta por predios nesta prac, sendo em
chaos proprios e era bom estado : a tratar na raa
do Rangel n. 4, loja de louca._________________
Irmaudade de N. i" da courcirao dos
.Militares.
De ordera de bosso irmo presidente, convido a
todos os irmos desta irmandade a reunirem-se
em nosse consistorio as 9 horas do dia 27 do cr-
reme, para, em mesa geral, eleger-so o novo pre-
sidente para o anno do 1863, conforme os estatu-
tos.O secretario,
LuizJeronymo Ignacio dos Santos.
Precisa-sede um relogio de ouro patente in-
glez bom regulador : quem tiv-r e qnizer vender
por preeo commodo dirija-se a rua da Cruz n. 43,
no Recite, primeiro andar.
Caiexiro.
Precisa- e de um caixeiro de 14 a 16 annos que
tenha pratica de negocio, e d fiador a sua conduc-
ta : na rua da Imperatriz n. 10, loja de calcado.
gratificar generosamente.
do sobrado da rua do Brum n. 70
larga do Rosario n. 34, botica.
a tratar na rua
O baile anniVCrsariO desla SOCtedado *-1 InJice alpliabetieo de materias, as quaes
lugar na noite do t de dezombro pro-' tem applicacao legislaco patria pro-
L1VK\RI\ ECOMMICt.
RCA 1)0 CRESPO N. 2.
DEFRONTE DO ARCO DE SANTO ANTONIO.
0liras ltimamente recebi tas.
JUUISPltLOKNCIA.
Consultor forense por Carlos Antonio Cor-
deiro, 4 volumes............
Tambera se vende cada volume separado
Manual dos jnizes de direito, ou attribui-
coes e deveres destas autoridades ..
Primeiras linbas sobre o proresso crimi-
nal por J. II. da Cunht, 2 volumes .
Nova guia dos juizes municipaes c or-
phios por J. 51. P. de Vasconcellos
Novo advogado do povo ou arte de reque-
rir em juizo.............
Roteiro dos col lectores, nova edicau muito
augmentada............
Novissimo manual dos tabelhaes ou col-
lercao dos actos, altribuicoes e deveres
destes lunccionarios..........
O advogado commercial ou arte de reque-
rer no juizo commercia"
305000
8*000
5*000
14-3000
8*000
4*000
6*000
6*000
4*0001
ra
ximo futuro.
l)-se 1:000* a juros sobre hypotbeca em
casa nesta praca : na rua das Cruces n. 7, se dir
quem du___________________________________
Aluga-se a casa n. 16 na rua da Mangurira :
a tratar na rua da Aurora n. 78 rom Dr. Gabriel
mulgada ateo anno de 1857, coordena-
do iielo desembarga lor Joao Joaquim
da Silva................12*000
Alem destas receberam-se mais obras de sum-
mo interesse, para os senhores
solicitadores, etc., etc.
juizes
advocados
Gabinete Portuguez de
Leitura.
Por ordem da directora do Gabinete Por-
tuguez de Leitura. convido aos Srs. socios
eflectivos, subscriptores, honorarios e bene-
mritos do me>mo Gabinete, para que se
diunem comparecer na igreja do Divino Es-
pirito Santo, segunda-feira 28 do correnle,
pelas 7 horas d manlia, aflm de ouvirem
urna missa que manda celebrar a mesma di-
rectora, por alma do nnso socio honoraiio
o Illm. Sr. Dr. Antonio Goncalves Das, dis-
tincto Iliterato brasileiro victima do fatal
naufragio da barca franceza Ville de Bologne,
em viagera do Havre para o Maranhao, sua
provincia natal, nas aguas da qual se dera
to iufaiislo acontecimento.
Secretaria do Gabinete Portuguez de Lei-
tura em Pernatnbuco 2il de novembro de
t8lii-
Joaquim Ferreira de Araujo Guimaraes,
1 secretario.
" Ao amnnherer do dia 20 de onliibro do cor
rente anuo de 186i, l'urlaiam do cercado do en-
; grabo Aldea, da fregnezia do Rio Formoso un
.... r7a! quarto de carga do mesmo engenho, o qual
Aluga-se una boa rasa e sitio na estrada do <* rastrado, nao nevo, tem no
Monleirocomafrenteparaooitaodajgreja, pjo- (||-o l^eyo oma belide, e pouco cu nada vd
Juo Vasques, subdito tiespauhol, vai para a
Hespanta. _______
IR DE PARS
49Rua Nova 19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col- iA
loca dentes artificiaos, ludo com superio- SJ
ridade e poiTeicao, que as pessoas enten- El
didas lhe reconhecem.
Tem agua o pos dentificio. ^
Urna boa casa terrea para familia
est por alugar-se ft rua da l'nio n.
39: quem pretender dirjase rui
da Aurora n. 10. Tambera alagara-,
se as tojas n. 44, rua da Aurora
*&'x.l ftjysu SBatsf^a &J*--J.xiij
Cocspaahia G!esade ue g|
segaro Kiartisos* e tetr- 3
rehires estafeeleclita no 1
HSo ic Saurii'o.
A1F.STKS EM rePHAMBCO }eil
Antonio Luii de Oliveira Azevedo H.. fi||
competentemente autorisados pela direc- Jrf
loria da corapanhia d.^ seguros Fidel ida- pg
de, tomain seguros de navios, mercado- ^
(S rias e predios no seu escriptorio rua da g
ICrOZBi. ^^ KrM-Ji3i?-^
Acham-se
irapresso- em mullo bom papel e ntida lmpre?>5o
quatrt diversas estampas da Senhora da Cuneeicu
ornados de bellas vinheta-, c e-tao vend na
rua do Imperador n. 15, defronte de S. Francisco,
bem como o ofB.-io da mesma-*rtrora, tal romo
M" jos carmelitas.
lisfar, assim bein coomi do cl.an>pr d*
cereja, que tive Offaign de experiuirMar :
em uui ataque de gofta fn leve nina
preta que c>>m elle cuni. faro uso d'elle-
nas tosses em ininlia f :> ai i 1 a sempre em
bom resultado, e por sm que \v \ rj
mandar alguns frasqoinlios, e MMBaaapi-
lulas pi'de montar a doze, peffM lenlia
feilo uso d'ellas para uso d.i f.uinlia a al-
gumaa peasoas, \fllt toe* lirado grande
resullado: smi
De N. S. alb'nto etigadn.
FiiAM.isct) I'u.uuha Paaa.
marro r I**>>.
que as pihilas ca-
prio para quaiquer estrangeiro por ser muito fres- J~ J ^^^Sk no esplnheco, o fam os rellg.>SOS carmys._ ^----------
ca, tendo bons commodos, inclusive um bom sotao., ijt)r piJ),.,,,,,,.VH unii, beriga, levou o topete cor-: Aluga-se por 10* mensaes aT-*a terrea n.
estando de novo toda coucertada e pintad,.. ,''"-1 |,,'Io ,.,.,,, carreo baixo, e tem esUmpaao no 26 da roa do Forte : a tratar na ttie.-our.iria das
o sitio porto de ferro, cocheira, estribara, latrina, ^ ](| mrojto da a,,:a 0 ferro j engenho em" letlras lotenas na rna do Crespo n. lo.
ltueui-.iaft-.iu < t alatnn brmcrrheid**-.
laxa). s.
Ottro-l'rrl, DO (!
Posso certifiear-lhc
Iharticas do Dr. Ayer s e.\i-.'!l.-nie>. p*t
que solTreiido en drts peUt rwrp, e |e
suppuiilia ser rlietimati.-nio, unn.isiin n4a
queja liavia soflrido lia ."rinosi e nfMM
tamben de ataques henmnimiilao, ** t
um ouvidii. po que aleja \> ara i.uv, a
acompanhadu de tuna dr m faeno, Mt-
sultei a um dos nnssns meiiu-os. e e.-ie tm
disse que devja fazer uso da salsa ; \<>.rm
leudo eu o almanack do m.smo AMar*
comprei en sua rasa un vidiinlio i'.ns iaea-
mns pilulas e por miiilia rutila priii('ipii a
toma-las, e son as fnalisar a.-im-nie sen m
dores pelo coi po ; e sem sciilir. naal Ja
ouvido, e mesmo dosataqM bHaanhai-
daes: portante sao para ntn as (ara pilu-
las as meihores que lenho t\|K-iiiiierit^U>;
islo em aliono da \enlaiie. Seu
De V. S.
Amigo certo, eneradnr e obrig d#
0 biigadni
Jn."\o lloi.iur.i i;s -k.i i: <.\n uim.
se v ALDEA. Adver-
cacimba cora bomba de Japy : a tratar ****> maiuseulas como aqni
nio Jos Rodrigues de Souza, na rua do Utspo ,e. numero 15.
Aluga-se a casa da rua do Tamlii
30 : na rua de S. Tliereza n 38.
n.
Na praca da Independencia, loja de onrives
, n. T<, eompram-se obras de ouro c prata, e podras
ados nem vendidos, e os que. forera enconiractos precosa?i ass-,m COmo se faz qualquer obra de. eu-
sum sor servido do mesmo engenho sao tarla- j commenda, e todo e qualquer concert.
loja de
Precisa-se de um
Precisa-se de ofheiaes de bahuleiro, na rua ;oa"dl) p0V0) n,;c sendo encontrad.is ditos ca-1 maisioni menos, para urna
; das Cinco Puntas n. 76, e paga-se pela tabella abai- vanos sejam apprehendidos e remeltidos ao admi-: rua do BramjKW^_____________
| xo declarada : quera qnizer dirija-sc a mesma ca- ns|rador daqoelle engenho ou ao aballo assigna- Precisa-se alugar urna criada
sa que achara com quem tratar.
TABELLA.
Want-lair
das ilhas ou os desterrados na ilha da Barra, ro-
mance digno de ser lido pelas senhoras_ por seus
lances interessanles postos cm execucao por urna
senhora, 3 volumes em broehnra a i& : na liras
na ns. 6 e 8 da praca da Independoncia._______
tinturariaT"
O t-ntureiro da rui do Rangel n. 38 avi-
sa aos setii freguezes que mudou sua re-
sidencia para a rua Direita n. 110,^ onde|
continua a fingir para qualquer cor e o
Qualidades das obras e nrecos.
Jugos de casco para malas de 25 polle-
gadas ..........
Dito para bahus de 3 palmos l\t a 2 1|2
pollogadas .... ...
Bneoramentos do jogo de malas .
Moldura e encoramento feilo pelo mes-
mo offlcial........
Encoramento de bahudc 3 palmos l|2 a
2 1|2 pollegadas .....
Com a vista e limpeza da obra dar-se-ba usis ^
alguma graliltcacSo. _____ ^
ir., a**
eserava ou li-
do proprletario do mesmo engenho, que reside na Vre, que saiba fazer compras e cozinbar para duas
cidade do Reelfe, rna do Hospieio n. .'0 Cidade
do Recife, 20 de outubro d- 1864.CacUno Jo.-
(:;;. Iri'e.
Ouro-Pielo, 39 tfe wmrtv * I8fti.
Atiesto que leudo IWUi oao, aroasi Mala
por um amigo, das pilulas d.> tir. kytt,
tiquei porfeiiament tu.m de urna | aelrite
que solTtia c que piivava-me de ;.n br :i\ i-
lado, boje felizmerile nada sinto.
ArmsTo Goixatuw i-i Mii.io.
da -Iva Santiago.
* j^ Uaria .Machado, subdito portugoec, re-
1^400 tira-separa Portugal a tratar do sua saude.
35500
pessoas : na rna da Florentina Q. 10.
""IT AoTeiodia dase bolos de vendagem
rna nova de Santa Hila n. 3.
m mm
na
*&m*
600
Aluga-se urna casa em Fra de Portas, rua.
do Pilar n. 00, e um sobradinho na cidade de Olin-1^
da, rua do Ilom-Fim : quem as pretender, dirja-
se a Fra de Portas, a tratar com Manoel da Silva
Noves.
mais barato possivel.
Aluga-ss um primeiro
nha, e a loja, propria para
segundo andar.
andar na rua da Pe-
negocio : a tratar no
AMA
' ; O Dr. Carolino rraueiscu <; wm um-
i* tos, contina a residir na rua do tmne- K
rdor n. 17.2" andar, onde pode sor pro-
curado a qualquer hora do diae da noite
para o exercicio de sua proflssao de rae
dico ; sendo que os chamados, depois de Sai
meio dia at i lloras da tarde, devora ser cS
deixados por escripto. O referido Dr. f
nao abandonando nunca o estudo das
molestias do interior, prosegue, com o
maior afflnco, no das mais difflces e deli- 7m
cadas operacoes. como sejam dos ergaos mB
ourinarios. dos olliOS, partos, etc. fe
i
Nova

US
M

\m
Na rua da Moeda n. ."i, segundo andar, precisa-
se de urna ama estrangeira, de dade, que cozinhc,
engorarae e lave, tude com perfeirao e limpeza :
a tratar na referida casa, das 9 horas do da as 1
da tarde.____________________________________
- O subdito portuguez Rodrigo Jos Cardoso j predsa-se de urna ama que saiba rozinhar.
de Ferias retirase para o Rio de Janeiro._______ eengommar com perfeicao, para casa de familia'
2 I de duas pessoas: na rua do Sebo n- 39._________
***'
iTSim
rugi o escravo Crispniano, de idade
annos, barbado, estatura regular, bem parecido c
consta andar nos arrabaldes desta cidade : quem o
aprehender leve-o ruado Livramento n. 19, que
ser recompensado.
Aluga-se
por preeo razoavel um silio por detraz da fundieao
dos Srs. Starr & C, todo murado, com duas entra-
das, urna por aquelle lado e outra pela estrada da
travessa do Lima, a sahir na estrada que vai para
Olinda, dentro do mesmo sitio tem 4 casas, urna
bastante grande, outra menor, e duas pequeas,
lera tambera um vlveiro com bastante peixe, e di-
versos arvoredos, como sapotizeiros, pinhas, ro-
manzeras e coqueiros ote, etc.-, fra do mesmo
sitio, encostado ao porto do lado da fundieao, tem
mais duas casas : quem pretender alugar, dirja-
se aos seus propietarios Guimares & Alcoforado,
no seu armazem da rua do Amorm n. i, nao pu-
dendo ser entregue a chave do mesmo sitio a quem
o tenha agora de o arrendar seno depois do da
18 de dezembro vindouro, por ter nesta dia con-
cluido o arrendamento da pessoa que o liavia an-
teriormente arrendado. Tarabem se fai negocio
por venda com o mesmo sitio.
Caixeiro.
Na rua de Apollo n. 4 se dir quem precisa
um menino de 14 annos, e que esereva solTrivel-
mente.
* Alfaide
h-m ivova n
masan- i| ^Loja do madamaTheardg
E que nunca bem surtido de objectos de ^
mo la d i mollior que pode vir ao merca- M
d i e nao se menciona cada um de per si WS
por se tornar demasiadamente enfado- *^r*
,. nha para seas numerosos freguezes quan- j$
v'-"- do lerem u presente aviso pelo que limita- jp
2K se em lembrar alguns artigos, com- se- ^
%8i jam : ehapelinas de dinas de palha do ^
?$ Italia, ile seda, de crep branca e preto j^j
M para lulo, chapos redondos de palha da H;.<
m Italia amarella e de outra* cores para |JH
i senhora. ditos para meninos e meninas, g
W< ricos cort.-s di! blon.le, ditos de moieanti- ^
SK que de diversas cores, ditos de seda, as- ^
sim como sedas decores para se. vende- x*j
S rera a novados, ditas rscoeezas, cort"s de M
* vestidos prelos bordados a agulha, final- -jfe
mente um vanado sortimento de fazen- >j
das finas e grossas, na mesma casa fa- _
vestidos para ^
meninos se bap- g
pertence ao tolet w
, ,-be.se tigurinos to- ||
(Ift lliarCO (le 1 obd. *} dos os mezes das ultimas modas de Pars, m
Falta de apMilr.
Ouro-Prcti), i\ (!' in-reiru A* IflBi.
Sendo eu afluctado du Baado ba Mt i
annos, e ullimamenle s-.-flii falla (!. ape:it..
hoje don grabas a l'eus por acaaMM
e perfeito com
do Dr. A*er.
o uso jas mielas
SH>
i iiharlk i>
A.sro.MO 1'iKMii Vn:!\.

V;.-/ V
lll
Coslor-iras
Precisa-se de costureiras para trabalhar por dia
alinhavando costuras para
m
a machina coser.
m
Precisa-se de urna ama para cozinbar e com-
prar em urna casa de duas pessoas de familia :
oa rua ostreita do Rosario n. 11, segundo
Trapiche da Gamt>a Mz^ZmSlSfm
andegade por carta npcrial de 2(5 J-J- JgXXSE
dos os mezes das ultimas n
mm*mwm\
Este antigo e Importante estabelecimento, -tira
dos mais bem montados desta corle, com va-tissi-
mas caxias para arrecadacao de assucares e ou-;
andar, tros gneros nacioaaos ou estrangeiros todas cor-
tadas por trilhos de ferro assoalliadas
forradas
Aluga-se.
Aluga-se o 3o andar da casa da rna Dlreta n. 36
Constiparn, dores ile rabfra.
Oiiro-I'reto, S de marro dr MU.
Atiesto que achatid.-me atacado de unu
forte constipacao que lmuxe-ii:e .''.res M
todo o corjio e na cabeca, slfri humad
mente por espacn de quilro dias: prt
um amigo aroiMelbou-me que aaaaaasw ai
lulas atliatlicos do Dr. Ayer: com .'.!.- H-
ipiei sao e romplelamcnle reataMkrMa <-r:'.
tres dias, de sorle que ealou no flirme p-.
psito de aconselhar o aso das alta piiu'a-
todas as pessoas que tiran afutodaa a>
jinstipacties.
Ac.ostimio Jos da Sb.ta, nrgiiciaafe a> fa-
zendas. ^_________
Irrilaro d eslnma^t.
Orno-Preto, 89 (h narra (/< Im.
Attesto e juro, se necessario r. que. s< -
frendo ha Bailo lempo estaara irr
de estomago, pouco apelde e dfffiril iM
lo, d'ea tenho experimeniado atraaivcti
mellioras depois que lenho feilo uso da< pi-
Aluga-se o silio dos
da lavagem de roupa
chinismo s, ou permuta-
ja ; em chaos pronrios, e
tratar na rua do Rangel n. 4, loja de louca. 40 ,.s (,m arr,,|,a e era saceos 30 rs.; as madeiras
OU casa ; de qualquer qualidade que bren nelle depositadas ,
ll**. .l..n ifMnalif!! tale ri
quera precisar
numero 16.
morador
As pilulas do l>r. Ayer tralharlii .>. h
ram emprenadas cun gmati waatanni por
mim em urna menina de dez anuos, iik
" ->'
na
Precisa-se de um home q que saiba
ler, para distribuir este Diario, n.uma
parle da freguezia de S. Jos : na praca da
Independencia ns. 6 e 8.
Ao publico.
Constando-me que o Sr. Francisco Alves Contl-
nho trata de receber diversas dividas pertencentes
, Rrma Alves Contralto & Brando em Uquida-
Todos os objecM do enxoval serao entregues no mcsmo senhor no p4e |)romover
estado em que se acbarem no acto da sabida do 4^ recebimeDt0$i avisa 10S devedores da predita
ollegial. -^ firma aae 0 nico aulorisado a receber esses debi-
A correspondencia deve ser franca de porte a Kranci$co da Silva Jnior, ou
Direccao ^S^SSSSmMmLli P^ autorisada por elle ruado Amorira n. 40,
J. Eduardo ron Hafeielix Fernando heqMs ^ Us de,pea0 desie aviso pigarem ao
-------------~~~ T afra Sr- Solnlio, passaro pelo dissabor de pagaruia
JjtJUa. segunda vez.
A nessoa aue achou ou achar urna letra aceita pernarabuco, 25 de novembro de 1
Aluga-^; um copeiro para hotel ou casa ; de qualquer qualidade que torera nene ai>u>nu-s ^
particular, e um cozioheiro para as mesmas ditas: pagano pelos prmeros seis rnezes o mesmo que jssi-nado.
auera tirecisar procure se largo da Assembla actualmente pagara por tres mezes nos .lema s ira- Fugio do poder do aMilo**"* ^jii. mun em u.n- ............ ..........
_! srur ws; a r aBT i^^aSaSS S"- %%%'; >^<
oa na ; aberl0Si tendo na b-sta una marca de fer.da eou- IUymunI)0 Nonato S. de Thiako. pl.ariaa-
Avend dos gneros nelle depositados, faz-se !mjni4njnjtoijin^ann^^ ceulic0> ____________^
que,
Precisa-se de urna ama de Jeito que nao tenha
fi i to : para tratar na rua de
Novo) casa n. 66, ou a rna do
ro andar do sobrado n. 8.
S Frandsc (Mundo com as raesmas vantagens^que offerecera os mais der a dita eserava leva-la na mene.onada
iOueimado primei-' trapiches porque as condigoes para qualquer parte 0u no Recife, rua do Pilar, sobrad* n. lil,
I da cidade sao pelo mesmo prega, ser bem recompensado.
______________.-------: Rio de Janeiro, 1 de outunro de 1864. Joao de Lima Freir.
Pergnnta.
Tendo-se de proceder a um arrolamento de to-
das as pessoas que leem urna proflssao qualquer,. sar n 20.
para se Ihes inscreverera seus nomes por ordem Q Rr ^~0 Ferreira da Silva regressando sua
alphabetica no novo almanak que vai sahir a luz, ^^ cnl|iua em 0 exercicio do sua profissaa,
para o anno de 1863, pergunta-se, pois, ao tambor- > e medil.a comu tambem na chirur-
mr do batalbao de vendelhoes se qnaodo Ihecou- ^
her a sua vez de ser apostado em dito almanak, _____________________-------------_._
quer que se esereva o seu nome proprio on os ap- Aluga-se a casa n. 2 da traversa das liarrei-
partosos ttulos deseos t.bllssementsDispen- ^ ,.om grande sotiiona frente, sohrado no rundo,
sando-noUodaria de estamparmos nas laudas do grande quintal com jardim e fructeiras manae
referido almanak a equestre figura da sua indita commodos, cacimba, etc. : quem a pretender pro-
pessoa. 1 cure as chaves na casa da equina confronte a ta-
t O quartel-mestre do batalhiiu \ |,Pnin, que ahi tambem se tliri com quem se ac\e
---------" enicrnter.
Vvralgia.
Urna carta do Illm. Sr. Ram un ina-
ie de urna ama para urna casa de I renga de Azevedo.
Cansnllorio awdiee-cbirargiee na roa larga de Re- p0()ca famj|ia na iraTessa da rui das Flores nu- (
5U r.
Machad*!
mero 15.
Francisc Pires
Portilla
MEDICO OPERADOR
KKLA
Faenldade de Hara
Pode ser procurado a rua Nova n
44, segundo andar.
familia : a tratar ua rua da Cruz n. 31
Ao meio dia d-se bolos
casa da Jo- rua Nova de Santa Rita n. 3.
de vendagem : na ser
p ,r Leodegario ecundario dos Santos na quanta
lie 1:0965830, com daU do 19 desto mez que so
portea honlein pelo rn-io dia, cm-tand-i dita letra
d gneros alimenticios, e nao estando anda w-
aiwAa pelo atcador. qaeira 6* a bondade de
iuanda-la entregar na rua Nova n. 6J,
* Joaquim .ilves. ______i Aluga-se urna ama que saina bem cozmhar,
"~ Al.iile a"cTTan 45 na rua d'Magueia e de boa conducta, preferindo se eserava : na rua
a tTai t rVto*A,^a n 7? cm Dr. Gabriel, estreita do Rosario n 31. pr.rae.ro andar.
Escravfi
Precisa-se comprar ura bm escravo e robusto
! para o s-rvlco externo de 20 a 30 anno? de idade: r.har e engomm;.r
- Precisa-se do urna ama para casa de pouca' na rua do Livramento n. 4.
Jos Dias Brando
Precisa-se alugar urna prela que saibai coz-
: na rua da Palma n. 41, ta-
Precisa-se de urna ama de leite : na rua das
c mbo\ do mm
n n.
m
Jos AnaHeto tira muito
bem dentes a meninos
chumba bem os
Precisa-se fallar rom o Sr. Joaquim da con- '" i0 ^ de pa-io; preforc se sem
ca Silva, na rua d Crespo n. H>, prim-ir^andar. ^'"i_____________________________
_- Na livraaia d, praC. da In^um^ncia. Precisa.se f vS^r^^^ fl^2! faTdel
, por escripia a qualquer h*ra.
no de Magalhaes Castro,
Ha mais de sote HM pie soffria *?*
: no hombro e nas rostas, lomei nrn.i i-fca-
dade de remedios sem achar aw .n'^u.
illr, anguslia, tormento ana> na-
tes, porm nao exprimem qi" enlu. vf-
frido: ltimamente loiwi as itulas <+-
Iharticas do Dr. Ayer. S faz o&ti naa, e e-
tou compleUimente restah.-l.vi.io : hi tr>>
dias que- no sinto a mais lave lr no ba-
bro nem nas cosLns.
EsUs pululas adiam-se .i vend na pcw-
cipaes boticas e dtOKarias du Imperi. e n*
Rio de Janeiro, rua Dirn - *
Vende-se cm reniamburo:
na pharmacla f ranceaa r
PJftURER 4 C.
RUA KOVA N- -*.
I niao n. 40.


DUrlo de rcwuifcw Sabbado *S le \ven,bre ae i84.
O bachare
Francisco .4agosto da Cosa
ADV8GAD0
Ra to Imperador numero
m UVAL
69.
Pechincha aera igual.
Lindos cortes para vestido de percales de cores
clarase escuras com grande variedade de padres
pelo baratissimoprego de 4$ o corte: na laja das
clumnasrua do Crespo n. 13, de Antonio Cr-
rela de Vasconcellos & C.

m
LOJA lE HiUDEZAS FI\4S
A|uani-se o seuuRde(erceiro andares nal C. *.;., i "*u,xv/ U
adalmperatrizn.34.com proporcSeimm,'n MfeUCS ,|e Cabeca.
merosa familia, lambem se aluga separado a tra-1 B(*,*os1 "'"* heos de filas "e de frocoseom
Urna taberna do mesmo. a lra I irilhos a 5280, 15600 e 25
mos ditos com enfeite de froeos a
LOJA 1)0 BEIJA FLOR.
Ra do Queimado ns. 63 e 69.
XABOPE DEPURATIVO
IiE GOUX
BBOMO-SULPHO- I0DRAD0
Baques sobre Portugal.
O abalxo assignado, autorizado oeln
Banco Mercantil Portuense. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca ef
fectivamente or todo os paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Porto, e mais |URa-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso ; podendo, os que temaren
saques a praso.receberem avista, ES
mo Banco, descontando 4 0.0 ao anno na !
loja de chapos da ra do Crespo n 6 mi l
darajt,Inperad0r,DV63- So Z
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
nnc h'US ri,'uiSi!"nos com flores a 65.
itos ditos todos de flores diversas a 75
feSg ggM P?ra noivas a 15, 35 e 55.
45 e 55aPt DhS eDfei,ad0S Pa'a bapfisados a
BSoo,Sa:len2h5l,Ode n~b* C 8C,m "**> *
B25000.ntOS dB 8all Cm fivela para senh(ra
Riqiiis.siraas fivelas de peilrinhas
Bonecas de choro.
mm?da bonecas de cbro que chamam papai e
I mama., de diversos tamanhos : s as loias d bej-
-flor, ra do Queimado ns. C3 e 69.
Linas de pellica.
Luyas de pellica branca e de cores para horaens
e senhoras : as lojas do beija-flor, ra do Quei-
mado ns. 63 e 69. y
rivrllas para cilos.
Lindas flvellas douradas cem lindas pedras para
Cl" 5 '' ?s lojas do beija-flor, ra do Queimado
D5. 00 6 t9.
Grande liquidado.
Loja de fazendas ,1o pava,, de t.aiua A .Sara
gixando flcarpenbor. HSi^StSS
sa pelos caneiros da loje do Pavao "
As chitas do P.i\5o.
SLWS d.Us franela* de
. Capcllas para avivas.
Lindas capellas para noivas 25500 cada urna:
nastojas do beija-flor, ra do Queimado ns.63e
Aluga-se um sitio
mitos commsdos, coxeira estriharia Jl* T0' e "lulsimas
de beber, baixa para "8 Jffirio'S
15000 e 25." "...... para sin,os a
Bonitas gravatinhas com lagos para senhora a 800.
mas ditas com lagos enfeitados com cascar-
Lindissi
I teS^%sat S To% R::-i-
ditas bordadas com lagos a 15600 e
Este
^Jtt&S??^ de uma Lr'Plice combinaco de tres
-- -,-..., %, v 4**
As experiencias dos mdicos mais noiavt
dades sao mu contiendas, o Bromo, o Euxofre.
mctalloidcs cujas proprie-
cnire todos os depurativos dos quaee' o mais node CCUpa hje a
As experiencias dos n-J
Puche. Ba/.in, Dlache, G
.eccoes seguientes
sua poderosa eflicacia as
Docnraa de prlle,
Darli-oa r boi bulla* de (oda especie
I'luril IMUCOHHH,
Ohulrurrr I Hiphatlco*,
Paprlraa,
Earrafulaa,
lk"'. POHICIIIHB,
Caneroa,
Uleeraa,
Tinha,
Erorbnlo.
I'laa ou iioubim (do Drazil1,
as affcccocs sesnient LeSroux' Vasse e Aubry, etc., demonstrado

Framboeala,
Hamorea frloa,
Rarblilauo,
Tlnlea rNcrorulona,
AfTcceoe yphlllilcaa,
Elepbaallaala doa Greron,
*. todas as doencas ocasionadas por um eia do
Tll: V'"ladas sem ncuhu ucceswp.1..
5eebPcaS0S. Tege,M,> OdadaS e oleo de ES
^Stt^TSSAB So JoffitrtSi& ,soe emprcga tambem
cnangas debis, escrofulosas c rachilcas ou SO^Sfl^eSenT^hlSS!111?8' *T as
superior neste emprego ao oleo de fiado de" W*Im* T a 1 heredltar'o, c 6 mui
buticos que se administravo at agora C aS Xardpes dePura'vos e anli-escor-
tt5?2&J*&^**!A!& i Diras ?S S2?as ponlas bordadas de M, fro-
n._32 ajratar com Francisco Xavier de Oliveira
~" abai*o assignado faz sciente
cns e boioes
25000.
tudo uovidade) a 15280, 15600 e
queminle-jPegaadetonitas cascarrilhas de seda do todas as
- differentes larguras a 15280, 15600 e
s j cuja he-
os
eda em duas cores a 25.
-aa de todas as cores a 800.
Bonitas litas de sarja lisas e de todas as cores de
2. 4 e 5 dedos de largura a 640, 15280 e 15500.
r J a o5 tde 5roS(,enaple lavrado de ledas as
t.ieS dedos de largura a 15, 15280 e
iros.
XAROPE D'ETHER
DE BOULLAY
Dou,or da Facultad* de *g*-g*. d Academia imperial ,le Medicina,
v/fi. lal da Legiao de Honra,
f^ i Rua des Foss3-Montraartre, 17, Pars.
iJ&ffassBZ i^B^ts^^^s?*^cons,ituc a
ongem de um erithismo nervoso, coiosKs: "* todas aS docnfas 1ue ** sua
Eaqeca, Cimbro, de >.,..,
Intlf^.^MloeN,
CoiiviiImi-h,
Accck.on hyatcrleoH e bjpo-
roncIriuroM,
rollona ventomia ou nerto-
!S. seach,airm qoe-*tao de revendicaga'o com
JJs de Oliveira Ramos e Siiva.
15600.
Bonitas fita3 de gorgnrao para santos a 800.
1 egas e hta de seda de todas as cores a 320.
e%,Z? !5K v,ludo Pret0 m, 700, 800, I
15200, 15400, 15600, 15800, 25 o 25400.
1 egas de fila de la para debrum a 800.
regas de lita de Iinho para debrum a 240 e 320.
Pegas com 2o varas de franja branca lisa a 400.
legas de transa lisa branca e prela a 80
SA-"" doJouva'n brancas
Ditas brancas niio muito frescas a 15
Dnov,db^Cdao%aqtreT35,feladaS Pa" SeDhra'
D'aLndhorrbranCaS 6 d COr6S Para h0mem
Bonitas cesllnhas para costura com todos os per-
Kiquissimas caixinhas para costur
f Eiisiiie le prep.rutnos
[ O bacharel A. R. de Torres Bandeira
! professor de geographia e historia anti
I no Gymnasio desta provincia continua a
ensinar philosophia, rhetorica, geora-
phia, e as lin^uas franceza e ingleza* e
oflerece o seu presumo especialmente
aquelles mogos que sequizerem preparar
em qualquer deslas disciplinas para os ;
exames em margo do anno futuro. O en- I
sino e subministrado pelo annunciaote
na casa da sua residencia, i ra das
Crazas n. 9, 2o andar. j
Eslojos para barba.
a Sin SSto,OS COm espelno Para barba ,*500
QuSdo'nere-eg1.35 'aS d "***"' rM d
Filas finas para cinlos.
riii?.S fltaV'.DasJavradas de bonitas cores para
n 63 69S be'Ja-flor, ra do Queimado
Eitraelo8 em eahiahas.
hmi!aS SSfff em oaixinhas O'" o retrato da
S'madoTSe 60?' 'JaS d ^^ ra d
Sabo em caiiinbas.
aatSL'SSSn cai,"nhas c vanos.'retratos :
as lojas dobeija-tlor.rua do Queimado ns. 63 e 69.
Tiras bordadas,
da'nnaT ?1, irab?rdd" 'ransparentes e tapa-
63 e 69 be.ja-flor, ra do Queimado ns.
Jogos de domin
Bi1 ins^dn0 $l de domin '-5200 e 15300:
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63
As lazinhas da expwico do Pato
Vendem-e laaiinha. a< , .,,,,<
.V^d..a.T.er_fad0!.PrfPrhs para ZZZ T,2
Trs niuio e-
na loja ?SK*%iA|S
tambarques por serem li>a, e d^ r
liradas a 560 e 500 rs. ; ditas li>.><
9e l.
e de cores a
e 69.
Babados bordados
B v,t? c m"se babados bordados de varias larguras
QoSdPoS.nT9.lo,sd,'*"'.'i"
Abafadores de rede,
-i t?.?;!6. abafad>-es de rede de varias cores
lojas do beija flor, ra do
da Imperalriz n. 60.
Os fotilemfcarques do P.ni,,
\endemse os ma.s finos MBirtai
teem v.ndo ao mercado, sendo ^SSSJm
res pelo dim.nu.issimo ,,rr,0 de ,^ "om T
?2 7>a"-b"iue pelo diminuto per,. de 95 t
na Ijja do Patio, mas me
da Imperatriz n. CO, defama A si/a" ~
O l'a\3o vende pata li.
indV'Sri?."" STror se,im -". h-da
toda de laa sem |u,irP, ,enJo 6 palmo< *; "
proprio para vestidos. ca,.a, palrM- ,*^ ?J
o covado, cassas preUs li/as. chitas pretas |area [e trenas, manguitos, colarinhos, pon..- 7?S
^ d.e, pr<>P^ Pa luto rhad,,; /m.r.S,
que e vendem
M
im-
e >^to o
SOPA
Nevralalaa,
Eapaaaaaa,
Afla<|iirN rfe iiiTiim,
Vei-iigon-i,
Syctatg,
Deposito geral.em Pa
imp,
cni
iposuogera em Pim, na botica de Boullay doutorem
rouas as ot.cas de FranVa c dos paizes cstranmin.
ana, hepatlcaa flatnlonlaa,
-lcceaaoa de ota e de rben-
llllllloillO.
Caaoa de enrcueniemento
ele, etc., etc.
paizes estrangeiros.
Sciencias, membro d.i Academia
ra des Fosss-Montraarlrc, 17, c
v JULIENNE
a ra .Nova n. 8, loja do cha.
lrvilhas
francezas ra Nova n. 8, loja do cha
COROTII
(Passas.)
moito nova para podins: a ra Nova n. 8, loja do
800 rs. cada um ; as
Queimado ns. 63 e 69.
Adereeos pretos.
Tendo-se recebido aderegos pretos de novo eos-
. Grvalas para senhoras.
IMMjagn^a.valas Pa-a.senhora 800 rs. e 15000
n 63 e 69. J 'e'ja"flr' rua do QueD^
Espelhos de moldara.
ia i"s-e aWS1 de moldura Prela Pa a-
. naS |0Jas do be.ja-flor, rua do Queimado ns.
outros arl.gos ,uc ,e enuem
uT ioundVvne em rra W*^' W ^
lar liquidando ; so na lija do Pavao a roa di
peralr.zn.oO.deGamaisilva
As dulas do Pavao 24400
covadi.
25400, ditos a 35800, com ls covado- ; S7S|
SSa5-riw:
Silva da ,mPra," D- 60, de Gama *
roa)
c 4SO rs.. rfe Uf
para costuras, dispensa veis,
ntT bolfinhas Para senhoras trazerem 63 e 69. "'.....',ua u" wmmmmwH. ^Je^^Z^^S'J^mmm^ mmmtm
na mo, com todos os perlences de costura e Tnlh.r., a ar rmuT e?m "h* de ro''0'D* *
mui.o commodas, azenda de mu.to gosto (novi Vendem J! 'I *"' "pa- I STta 5v\S1 n,a"cu'!04 e foi,as a ">H*
dade) de 75 at 155 cada uma, objectos de tan- f*00ei1, flh9eres de m^al-principe para sopa J ff-t * fai'"da fina. ,,
to gosto neste genero. n.f~."da lima Lnas 'ajas do beija-flor. rua 3 Sem por as ,'orda,,:'
Queimado ns. Me 69naS'9JaSd0beJa"fl0r'rua
--genero.
Bonitos albuns para retratos desde 12 al 100 re-
tratos, o mais bonito que se pode desejar e se
venue por inetade de seu valor a 25, 25500, 35, fArn -.....-..u uc Da,a,os, com
,,Z Tra,a mu" fornidos e outros de eos- if ate ** da um : as lojas do beija-flor, rua 1,
tas domadas para desembaracar a 13 do Queimado ns. 63 e 69. vestidos
UltOS de hiirr.TTa iwr- W
Balaios para meninas.
Recebeu-se novo sortimento de balaios, com
Os bordad, s do M*
jalMWmiinha, com maofoilos e Col|,Bha*
Doraadas, pelo barato prego de I5e uS r atta
um manguitos s a 500 rs. rada par'S
ollmhaa800r.,gollinhasail. '
a 240 rada gollinha bordarta. romrira
filo muito bem bordada a 25 *
que servan para ealrfaha je mi-
par, camisa com manguito* e
grvala de iclmh. [.,,
pr.cos muito p,n cuDta . na U,a .ir.
Pavao a rua da Imperatnz n. fi. *cS
COMPRAS.
1 !fS f2 T Para regago a 500, 640, 800.
v'uL donrados Para regago a 800 e 15800.
Voltas pretas muito grandes a liara Pia
Voltas de aljofares.
VesUdoe .i suuiainLarqne.
lelo ultimo vapor franrez rheparam riqoi^.ir -
sootaml.nrqne, os n ais ! nw.
ajipari cid, os quaes r>iao
neste mercado irm
Voltas grandes
35500.
Msartssss;*-!*!. ss?^ *.....-
de aljofares
nf d? pe,]uenas com cruz de pedrinhas a 900.
Hitas de coral pequeas e grandes a 500 e 25.
taixinhas de pennas de ago limpas a 560.
pendencia n. 22.
ASTWWA ASTHMA ASTHMA
SUFFOCQO NERVOSA E OPPRESSAO
nico remedio eflicaz para combatr
recente, ote riovo producto so t"pronaffld'com 7S22 ?' t!aiet- ^oscoberta inleiramente
lados que tem semprc i.roduzidn pro,,aao COm oxlrcma rapidez gravas aos admiraveis rcsul-
- produzido.
eposito gcral, na botica Chauveaud,
bolitas de Franca e do esiraneeiro
i, rua do Comercio, Paris-Grenelle, e em todas as
! Cornpra-se a historia natural de Buffon com
. estampas: na praga da Independencia n. 18 e 20
Gaixinhas de papel amizade pautado a 600 1
jacotes de papel amizade beira dourada a 8C
2r00, 2t8320'!ed4(obyrlh0 franCCZ 3 ''K^
VafS dfa'b1y^dlh0 forle bordado de croch a
240, J20, 400, 640 e 15.
Perfumaras fiuas.
- *iKS- ?aad1!',"n0 brilhanIes a 15000 cada uma': 11
a balao a 25500 e l?s do beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Laa para bordar.
- >ru roiii ludo guarnecido dn -,,|,. -..inoe
renda Qem t.ver b.>m goMo di.ija se a I, a Jo'
Pavao, na rua da Imperatnz n. 60.
65400 a libra: as loias dnhP.ia.nnr m. ^ol- ," "..*.....' ,p,esa '""agao de rapas, as ,,Uaes
as lojas do beija-flor, rua do Quei- sao bastante compridas
Compra-se effectivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem
niia jglga do Rosario n. 24, loja de ourives '
1.,Z"Compram'so dous escravos que seiam bons
carreiros : _narua do Trapiche n. 13.
ra sempre grande
e mais baratas do
iicSSS^^ffl?8 e LoliJas vazias> na fat,rica Sabonetes de bola grandes a 280
de licores a rua das Crnzes n. 36.
e 360.
Caixinhas com perfumaras a 15, 15500 o 15600.
- Compra-se ouro e prata, assim como concef- tvl"as com .?lractos finos a 45,' 35, SJ300 e 25."
mado ns. 63 e 69.
as mesmas lojas se encontra
sortimento de miudezas boas
que em outra qualquer parte.'
No armazem "de azendas ba-
ratas de Santos Coelho,
Ba doQueimddo n. 19,
Veudc-se o seguate:
, assim como trra um r-
o mPrrddVaPaS, -1S mai mod'aS C
no mercada, sendo ricamente bordadas |, ^
fcilaaas udo por prego commodo : na J Ga-
ma & Silva, rua da Imperatriz n. 60
s moderoissimas i. /nlia>
s -*e una >.
Je jorjirfi, w+
Deposito /jeral em Pernambucoroa da Cruz n. Ti em ca a ti
e Caros de Barbosa.
Publicaco Iktcrariii.
Sabio luz o opsculo intitulado
A i.a:a:r.i3 4>;
ta-se toda qualidade de obras' da 'mesma"'q'uVlda- r4r^0rnnn!;^v,;rAt0S(,PXtrar^ .w, *w,
de com promtidao : na loja do pateo do Carme*, pffiff"* J"Wfi ** H580* l*800-
7, por prego commodo. 1 r ra>cos de agua de Cologne a 400, 500 e 15.
_ .. -. --------------P r rseos de anua de Colonia h:.h.,c, ,iQ tf
Libras esterlinas I a 600.
ruad7vga'r?on3.C"ade **"**" Pal" A C., | Ga^ grandes de agua de Colonia S
Altengao ..
dn in m la3z,,n,ia!' fazeda a melhor que tem vin-
' da 1 Ime1read?. amo em gosto como em qualida-
( ae pelo baratsimo prego de 560 rs. o covado.
as mais
ai mais pro-
proprias para
POR
A/fonso de Albuquerque Mello
v,.,,0!!1 !'s0 osaS;iiSnantes a mandarem receber
seos exemplares na praga da Independencia ns. 6
si ,raS-en,^en,trPfM V-Sta dS reCb0S das a-
Sura ah tambem estao expostos venda a
nS2?,?da UnK Sao "* os seguintes ttulos as
materias de que se orcupa:
Introducgao.-.Nocr.oda liberdade O Brasil co-
SS:-R?TO'?iSode 1817-A Independencia-A
constitulnteAconstituiCAo-A revolucao de 1824
a expulsao ou abdlcagao. A regencia livre. -
partido regress.sta.-Ameaga dos corcundas e qtie-
m\lt A'"?'- A rTnci:x wrcunda.-Causa dos
maoMde.^.",.!'vr*-.-?" -rcunda e
---------- Bonitos frasqulnhos
Matheus.
Compra-se papel Diario, pagase a 45 a ar-
: na loja de calcado, rua da Imperatriz n. 38
.03 RUA IMPERIAL .93
Imac Esnuty
Fabrica do rap imperial.
rcSiiwK 'em a Salisf;"-n d 'iar,i'-'iPa'- a"
tmn. p,noiro (,ue se acha ^tabelecido na rua ao pe do becco dos Ferreiros.
^WWW^^^^St orn^T'Tr^^^ aoetenhadeia
cante da superiondade do seu rap, pela cxnerien- "7 ComPra-fe um Diario
r,n",,a :tnnos 'ue ,em de?te ieero, e demais 3ual1"er d.ia do anno de 1845: na praga
o certificado junto para mais seguranga dos com- pendencia n. 22. F v
KXd^sea'SaSu'toK^ pel bom h,~ %?pra*M ^raTo-mogo e sadioluTsli-
odinheirodo^ 5! K^e2,e..!Bh3 paa " *-, = a rua
- Compra se cons-antemenle garrafas e boti- w! eo,,eo T babosaa 400, 500 e 600.
jas vasias : na rua Dire.ta n. 17, fabrica d i ?? 'P Philme a 15 800, e 700.
c-^ _____: i Xfsft S"superior ,a,,ha rranceza a
moedas de ouro : na rua da Frascos
de 65leSde 'aa C0'n 1S covados> No barato precc
Cobertas de chita da India a 25500 e 35.
Umcesde panno de Iinho a 25 e 25500.
Icngo. sndalo.
da moda, mundo elegante,
com superior extracto para
essencia concentrada, capricho I
Pegas de planillas de
L, cor, a imilaco
i de o p* vo.
Chegaram pelo ultimo vapor franez
modernas liaxiobtt de cordiotMato
pnas e man lindas que tem vindo"
ve.-tidos, soi.tambarques, rapas, etc.'. dam- n-as dejando pnohor, e vendem-?e V totora i-
mo prego de 060 rs o covado : na rua da Ira l,
ralriz n. 60, loja de Gama e Silva ^^
Para quem gesta do bom e
barato.
No estabelerimento de
princeza Isabel, Maria'Pia e outro
rante-se a qualidade.
Vendem-se 12 casaes de pombos
bons, todos calcados e de bonitas cores
Pecas de ambraa deforroTornT lavaras a ji-Wa*I! *f T drn'r'mTnada -'"ui 1-
185iCS C"eS de iSa com barra a Maria Pia a As "** do PtodJa
algodao com 10 varas, \ &to%5j^*~^*~^
, d,,as ,aras moli linas a 400 r>~' ditas
1|2 palmos de largura das, cor segura, padroei miodoa
bouquets diversos, proprias para sail a 45.
utros a 15500, ga- Algodao enfestado com 7
_______ a 15100 rs. a vara.
bonitos e Esteira da India, propria para
a tratar * e 6 palmos de largura,
aNatMav
e grandes a .[O
forro de sala de
por menos prego do
iic m ca a iki r.-., ditas escocezas a Sa r\
legeneja corcunda
- nncipios do reinado de I). Pedro -
SU "iM'na n ^"'rDomin.o da P?aia-
1 f ?T ,l""'ral "ao "'l'"''ava os cor-
cim.las.-Feitos do dominio liberal.A praiacChi-
chorro-senatoria.-A rcvolta e a revolucao de
d, ."" '^^'U'nte.-A conMittnnte.-fierrota
da revoltigao Negociaco de Honorio com os lib
^nin.r'n Ur.esr,V',"la da ,,ande|ra lacn
tituintc. O partido liberal duran!
o ostracismo.-Os corcundas e os
re-
u,n- ~ 7 s"uacao propriamente poltica.-Ins-
at o rm r/es e dire1i,os Pli,icos l ,ivernos
ate o hm da regencia l.vre, e o que actualmente
bem para chamar altengao dos amantes da boa ni-
tada como tambem dos exportadores dote seero
Umto para o mato como para ou.ras provincia?
mita somente o prego reduzida de mil rea oor
bra a re.alho e em porgao de 10 libras a 9W is
" e Prcao de 50 libras a 850 ris e
daCadeia do Recife n. 53.'
Compra-se um esnravo que tenha officio de
funileiro, e outro que emenda de cozinhar : na
rua do Livramento n. 20, armazem
min-
wnrio de Pernambuco de u n 7"* m* de delraz da mAlrit da Ba-Vis-, que em outa qualquer parte,
demsk ,lual(IUpr dia do anno de 1845: na praga da Iu- ~------------------____________^^ f abelerimento tambem se encontrar
Assucar crvslalisado da fabrica didagra sorl,mcnIde ropas Wiaa, e por me-
2^:llw i 7~riv7o-dTPo^-----iSSSa:F=
nada com estampas, con- Unas precalas.ou precalas inglezas lara>s a UM
rua da Iuijieratriz n. 60.
Precalas a 600 e 560 rs.
' Vendem-se as mais linas pre.ala<, r.adrVs
Sfflftff?.*****- ""I barfa,o pTr,, de
No armazem da rua da Madre de Dos o 28
ha a venda o multo superior assucar crystali'sado'
roba'3"03 arrbaS' a Pre de W cad ar
VENDAS.
Maceos para assucar,
Em casa de Brender a Brandis & C, rua
da Cadei- 11. 58.
inglezas,
os e fazenda tina e 400 r< o ca-
yado : na loja do Pavao, rua da
de dama & Silva.
padres miudinho
Imperatriz n. CO
O gangiielim do Pavao a 3*ors.
le osquntorzc an-
ws corcundas e
fa2! f16 -,fl"alf'"eannos.-Captiveiro
Mgnado e voluntario dos liberaos *
em porgo Vende se caixoes vazios propn'os!
a trSsmzes Pa *** C flinilePOS a
1$760
adcoPnrc,7?r?n^a cCST^SoT 35 ^,'"1 '^ ^""-
muneragao da boa pitada examinada, approvada e P dTiISI^S* rri?ll!a.de 20 , recolhida
afifaS? LU5ar,de.l,es-9s re_presentantes da na-
8
cao e das provincias.-situacao administrativa -
U que sao nella os Porttiguezes. -Como o gover-
no e obrigado a corromper o paic e a fazer-lhe
aCcTne,PMa,0H mal-Co,n8 s multiplica e se paga
r,n?I "h d0 everno Para sustenlar-se o impe-
no corcunda.-O procnsul.-O procnsul da o-
marca. Dos cargos, dos eximes e da punicao -A
Trfh^L 'nS ^""jriPaes.-Juizes dedireilo.-
aes-()s das Relagoes-Tribunaes do Com-
mercio.-Supremo Tribunal de Jusliga.-O jurv -
4alVR;,|d0Sn.G0ncl"s50- Garanta dos d.reitos.
7LZ il P^'^-Dos crimes.-As eleigoes.-
Corollano da obra saquarema. O que a pa-
rta. situacao para com exterior.- Situaco
Hnanceira.-As nangas do estado.-A miseria.-
Pango e salvamento dos corcundas.-A liga -
(.orno se congregam os elementos para ella.-Con-
sideracoes retrospectivas. A conslituinte. Prena-
miarieC'' "I"5' nci,,aC5o e opposigae parta-
KSZEi ra -Ra- 1 beraes na
liga.-Qiw bem farao os liberaes ao paiz.-O pro-
fa7a VeUS ^,t05-0'ine oprogressoeque
fara.-Como se deve vtver nesta Ierra e-cheeada
XJ&^rtiy* progresso s vem com-
DMar oossas desgragas e sem mais remedio.-Se
ha sahragao para nos qual seria o meio e bem fa-
alliangad
O fabricante franqueia as amostras (ralis) do
E*H? Ian, Da "* ^mo lambem no nico
deposito rua ireita n. 14 taberna
.. refvLmenie presentar a venda publica outro
daP,na'mh0" * qUe Se ^*Sl
Para melhor, como lambem : rap princesa
SCn:mNrosso',udo a WT3S1
pnr'idlffale E-T" aa'mar $ SeDhreS eX"
abr' B' ~ *" d'aS de sabbado a fabr'ca nao
gura'com habilidades : na rua da Im-
se
- CERTIFICADO.
Ha r/ni h qne- subrn?endo a exame a amostra
rap denominado Imperial, que apresentou a
SiTft "r: ,saac EsM|y- fabr'can'e re" i
dente na rua Imperial, rasa
rito nomeado para
que nao havia inconven
VLSSSSZZSuTDenhum permeio^o
deI1864"ra da ?ad PQb,ICa' aos 5 de ou,Dbro
Attengao.
\ende-se ama taberna ; na ribeira n. 23.
Fabrica de licores.
A rna das Crnzes n. 36.
da. Sm 1" ?ce,,eBte8 doces de todas as qualida-
des em porgoes a vontade do freguez
I E' pechincha.
h' pechincha.
F mais que pechincha
Na lojs do principal barateiro da rua
do Crespo n. 10, vend-se grosdenaple
azul fazenda inleiramente fina e pelo di-
minuto prego de 25 o covado.
Superior cal de Lisboa.
compra-
lal, casa n. 193, declarou o pe- ras freso, T,"aMe a tri"ar nas -'egnibtes
esse fim, o Sr. Pedro Manrer, armaaem d sr Zu^l n> 28' Frte Ma"
iveniente algum em ser expes- do'aTcodlo la' defr0Dte do Pch
Libras esterlinas.
Vende-se a quem as quizer comprar : no arma-
zem n. 33 da rua da Praia se dir Vende-sc um
O livro do povo, obra orn
tendo a vida de N'osso Sen
los anigos uteis. Este livro das familias recom
mendado eapprovado pelos Exms. srs. D. Luiz
bispo do Maranho e D. Manoel arcebiapo da Ba-
t!ZkVx e~ l l5000 loriado, nalivrariade
JosNogueira de Soma, rua do Crespo n. 2. ,
I -----vLnHa------------------------------________ rior a I5WK) rs. o covado. ditos largos minio Vn.
^od7sn\m^,"m|,,quono sraler com remos e "orpados a 25400, 25.HX), 25800 e :tt. di'os
! mnnlr? rranios, mu.to bem feito e bonito, e branfos- <* de rosa, azul e amarello
"T n "7 :- qUem quizer Procure na rua da 2 C(Lvado : "a loja de Gama & Silva,
uz n. 07, primnro andar._________ 1 do Pavao, rua da Imperatriz n. 6.
Folha de Flandre* a-a. ?****braDfOS pr ''
a 25)00 r.*
denominada
caes do Ramos, superior folh
e tratar, na mesma fabrica.
IS
Para a festa
Dr. Ignacio Firmo Xavier,
Inspector da sade publica.
Um rapaz brasileiro com pralica de caixeiro
oTerece-se para ser erapregado em loja de"SE
das. escrintor t> mi mi ..i...... '. .tn
ffofST' U 0a,ro 1ua|,'uer eslabeieci'me'-
to, dando fiador a sua conducta : quem precisar
da travessa do Carioca n. 2,
A de
reC09
Vende-se um aderego cravado "de perolas
B.ns. obra de um trabalho perfelto, por muito"m-
e ru-
nos de seu valor : na rua
horas da tarde em diante.
Augusta n. 54, da* 3
procure na fabrica
caes do Ramos.
n~ lSrao-"As r'neo provincias pernambuca-
va,n "'.sterfco lmica corcunda.-Be que pro-
re^r^'fu'iV S'"?0 se trompe na eleiga'o.-A nnp, -- r-... vu uo q
rS^.-tZ3 apard->P"*"so da S0.1'
tadTd'noo0 f-i? gr.in'i('- concertada e pfn-
PtoftSn ? af '1" de linda' rua d0 '"
In ' a ca,a duas Port's e du-as mellas-
T Vendem-se ricos ps de cravriros e cravT:
Na rua da Cruz n. 33 vendem-se galoes, espieui-
oica, ludo por prego muito commodo, assim mais
. escoras t-ara calgado, cera de Lisboa em velas \l
imento com devida protecgo de que carece ,odos os ,amanhos. Ias ae

Etoh ru'osK.fl,odoiantores mais acreditados
tha ro' caph,rabos. fumo Para os ditos, fumo era
folha fumo americano, dito dito em latan, e diver-
sos artigos para os fumantes, em quant./a quali-
guezes P 5 garaD,e-se "So Prejudicar os fre--
Eseravos.
Precisase alugar um cozj.heiro e
que sejam escravos
reiro andar.
um
Pedras de Fogo.
damaS W*Agua BraDca- * na a Gran-
de n Pedras de Fogo, acaba de receber um com-
t^TT^Tde aendas f0mo SB
nezas, tudo proprio para a festa, que vende por
prego> ma.s commodo do qU0 em entra qualquer
I
Capas, casacos e soutembarqnes
Gama A Silva receberam pelo ultimo vapor fran-
cez um grande e variado sortimento de capas, son-
lembarques e os mais modernos casacos de eros-
denaples e nobreza (.reta, sendo ricamente enfei-
lados; e vendem por pregos muito baratos, or
haver grande porgao : na loja do Pavao, ruada
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
d,~.fVe?de'S! T boi' uma carroca e carro
da alfandega, tudo prompto para trabalhar em to
do o servigo : a tratar na Boa-Vista n. 39.
Vende-se
superior farinha de mandioca, a bordo dos brigues confronte a
escunas Princij, D. Alfonso e ABO Sei, atracados'
no caes do Barao do Livramenlo : a tratar a bor-
do, ou 110 largo do Corpo Santo n. 4, primeiro an-
dar, escrlptono de Palmeira & Beltrao.
a de Flandres: a ver i *> prego Je 255000 rada roTic "nafL a'ar"
_________________mazem de r;;""a A Silva, rna da Impcrairii o. o"
cal de Lisboa. Asuovaslaas garibaldinas a 56*
? Paral!1'!er a mais nova. e ullimamente che-1 na 'OJh (lo Pava.
Vendem-se
nas, fazenda
do todas com listrs Mmmmtm,
terreno de mannha, sito no
caes do Capibaribe, com 57 palmos de frente e 275
-------- Trap.chan.l.T.porpreco razoavelL "* d t^S^^*?"* ******
ATTENCO.
com lustro a imitacao das sediohas, tendo ,
; cores, sendo atol, cor de lirio, rarm-iim, r,n,rnu
rOtn0L0e^ha,,an' C,C-; l5t0 a 5fl0 " aovado para
vender depressa : na loja do Pavao, rua do Imt -
rador n. 60, de Gama A Silva. *
Nao baratas a 40e3tors.
Vendem-se rh.ias inglezas escura* e claras rom
Pechincha.
P mes virados de tartaruga a 45 e a
Mana Pia a 45 : na fabrica de penles
frontearuaestreitado Rosario.
u.
, ditos
2 con-
mdl ea1cao e"tencilios da taberna da
rua de Aguas-Verdes n. 48, o lugar bom para
negocio : a tratar no paleo do Tergo n. 21
Ol B5.IOH
do serlio.
Vendem-se qieijosdo sertao de Serid de diffe-
rentes tamanhos, em porgao a 205 a arroba e 800
i. art sst tt2A!t% tt -s raais "*** fcra p,
mazem de molhados.______________ ___[ na loja do Pa>aO, .1 1
Vndese a casa sita rua Imperial D. 36 L .Vendem se "nissimos vestidos Maria Pia c.m
nfronte a matriz nova, construida ao gosto mo-' PLCrp,nh0S diff"r^'"S '*ndo Zum^mSlSl
iFSuiZTSL*, SS'aSS!!!^ COSinhaf- 60 loVdoPaeDlOS,n, na ruadalmp'era't Un
ra cacimba e um pequeo quintal, em perfeito I J 'avao-
perfeito
r---------,., pode ser examinada : a
tralar na travessa da Madre de Dos n. 12.
estado e pintada de novo.
Movido de do Pavao.
eriado I Vendem-se qu.ntro
: na rua da Cadeia B. R ^ fe**SmmttJR.SSl *%&
car
pipas de muito bom
e 5. DMOaptOf a en,.
na rua noya de gaia Bita a. 19, armazem. J publicado, com o titulo Males Presemos.
Toucinho de Ninas
No armazem da rua do Imperador n. 14 esqui-
na da travessa doOuvidor, vende-se excellente tou-
cinlio de Minas chegado reo-ntemente.
Vende-se na luja de livros dos Srs
Guimares a Oliveira, a 500 rs, cada exem-
filar, um opsculo p tilico que acaba de ser
Vestidos Maria Pia fftfM
comter?asSbSd5dS *** Mara '
- a tratar na mesma. corte por estarmos prximo da fsta : to na S
lT"e^de Ga"a & Silva, rua da Imperatriz
~ -Vende-se cahr,olet Sira com asseiito numero 60.
para duas e qtu.ro pessoas, e com arrei comp ?
tos para um cavallo, tdo em bom estado .
n.
ver "a tratar na~cochiVala 'ruando mpeado?3"
23, ou na rua do Apollo n. 28.
Attccdo.
Sinlosa traviala.
A loja da Aurora na roa larga do Rosario n
__ receben sinlos a traviala evm filas de chamal.'^'
grandes esmaltadas. .|,ra muito
que
IOS
largas, e fivelas
Vende-se na rua da Sen'zala nova n 3fl a hn, Z&Zl eJmu" "'oderna, os de neftor gosto
'massella e bons tamancos do Porto tem chegado a este mercado, pos M tmm
w"w' a lo^a da Aurora receben.
.



Diario de Pernanibuco abbado o de Xovembro de isa 4.
RA DO VllDIADO W. 45.
Passand o becco da Congregacio segunda casa.
Arroz do Maranho, India c Java a 60 80 e
100 rs. a libra, e 10800, 20600 e 3000
a arroba.
Amenas francezas em latas e em frascos a
10OO o 10600, e em frascos grandes a
2j500.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a UmO, 10400, 10600 e 2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 10600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a6i0 rs. a garrafa.
Aramia verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellaas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1030' rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinhae a 200 rs. a libra.
Banha de poico reinadaa i 10 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10600, 20,
20:>OO, 20800 e 39000 a libra,
dem prcto muito superior a 20000 a libra.
Cerve.a preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a OOi rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, so de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especnlmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
250 m, 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caca.
Caf do Bio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 80500 a 80800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhos francezes muito novos e
bem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
Cliouricas e paios muito novos a 800 rs a
libra.
Grande liquidaco de faz< ndas de todas
as qualidades para se apurar dinfi|o, vende
se baratissimo na luja e armazem da Arar, ra
Ja Imperatriz n. 50, de loureufo Pereira Mon-
des Cuimaraes.
AO BAHATEIRO DA ABARA.
Vende-se cortes de hitas de rreslixas com 10
covados a 3400 e 35200, (orles de cambraia de
salpieos a 25500, 35000 e OOO para acabar : na
ra da Imperatriz u. 56, leja da Arara.
A Arara tend eassas a 240 rs.
Vende-se eassas para vestidos a 210, 320, 300,
e 400 o covado, organdys de lindos costos para
.vestidos a 320, 360 e 400 rs. o covado : na ra da
Imperatriz n. 86.
CorlesdelaaHariaPiaa80, 120, I0el60.
Vende-se corles de laa com barra, os propria-
mente a Maria l'ia a 85, 125, 145 e 105000, ditos
sem barra a 65000 : na ra da Imperatriz, toja da
Arara n. 56, de Mendos Cuimares.
.4 Arara rende alpaca para vestidos de senliora a
360 rs.
vende-se alpacas de lindas cores Ibas para ves-
tido: de senhora a 360 rs. o covado, laazi-
gJjM Para vestidos de senhora a 320, 360, 400, e
500 rs. : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara. '
As colchas da Arara de 20.
Vendem-se colchas de damasco para cama a 45,
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220 dltas cbJtaa 25000 : na ra da imperatriz nn
Painco a 200 rs. a libra. j rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. j dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800; Figos de comadre e do Douro em caixinhas
dem prato. de oilo libras e canastrinhas de 1 arroba a
dem londrino chegado no ultimo vapor aj 10800, 50500 e 280 rs. a libra.
900 rs. a libra. Farinha do Maranho a IrJO rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs. dem de trigo a 120 rs. 3 libra.
ftbWW'fe<^tas, c./-ys,. ..
NOVIDADE
al 1 a ^0cna *,C. acabam do abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Commer-
uai, ondeo respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimenlo dos melhores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes serao vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencioneda; garante-se obom
peso e boa quaudade dos gneros comprados neste armazem.
cada;um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo o novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem slearinas muito superiores a 60 1
libra.
Eigos em caixinhas emticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de vanas marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e en? caixa com urna du-
zia a 90000 e 100000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada.
A Arara vende cortes de caifas a lCOO.
Vende-se corles de calca de brim a 15600 e 25,
ditos de casemira a 35500 e 45500: na ra da
imperatriz n. 56, loja da Arara.
Laiinbas da Arara a 210 rs.
' inen,?em"fe lazinhas para vestidos a 320, 360,
00, e 500 rs., ditas lisas de todas as cores a 600,
ditas a Maria Pa a 640 rs. o covado : na ra da
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
A Arara vende um completo sortimenlo de roupa
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD i feila.
a 560 rs. 0 frasco e 60200 a frasqueira.! Vendem-se roupas feitas a saber: caifas de
dem em garrafoes de 3 e 5 galoes a 50500 "5 de cres a 2* e 25500, ditas brancas de ai-
e 70500 cada um com o nrraRn .godi! a-25- dilas de linho a 3500 e **00colle-
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia. a 25500, de casemira a 35 e 45, calcas de casemi-
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa. r a 55, 65 e 75000, paletots de casemira a 51000,
dem, qualidade especial em garrafas muito ^Jl"^ pretos e de cores a 65, 75, 85, 105 e
Brandes a 1/1800 a oamfe 125000, paletets de alpaka preta a 35 e 35500, di-
wfm , .r.? ~ garra,a- ann ios de alpaka de cordao e alpaka branca .1 45500,
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs. ditos de br.m de linho trancos linos a 55000, se-
Idera, em garrafa forma de pera e roldas de roolas a 15280, ditas francezas a 156C0 e 25000,
vidro, a 10000, S a garrafa vale O di- camisas francezas a 25 e 255OO, ditas de linho in-
glezas a 35000 : e ouiras muitas roupas feitas que
O GBITO DA GUEBBA JA' SE FEZ 01Ta.
LA VAI BIOJIIIA
V
SENTIDO
O
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda qualidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores consenti-
ros de Lisboa a 60' 1 rs. a lata.
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs. j
a garrafa. j Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700! 800 rs.
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs. dem regular a 500 rs.
a duzia. Macas finas para sopa: estrellinha, pevide,
dem Morgauxe Chaleaulumini de 1854, a 10 rodinha a aletria a 600 rs. a libra e a 40
acaixinhacom 12 libras.
Nozcs muito novas a 160 rs. a libra.
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Peixe, em latas preparado pela primeira arte
15200rs. a caada. de cozinha a 10 a lata,
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs. Paliios de dentes a 160 rs. o maco.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porcao de outros que deixamos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porces como
retalho-
Quem comprar de 1000000 para cima te- Palitos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 por cento. JPassas muito novas a 480 rs. a libra.
dem de dentes a 120 rs.
dem de flor a 200 rs.
Amendoasconfeitados a 900 rs. a libra.
Doce de goiaba em latas o melhor possivel
20 e em caixo a 640 rs.
MACHINAS DEPATENT
le ti*a balitar mo para
desearocar agodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
0LDA1
GRANDE E SUMPTUOSO ESTABELECIMENTO
DE
\OVS E ESCOLHIDOS GEMEROS
TANTO EM GBOSSO COMO A BETALHO
60 IUJl HOVA 00
riliuia casa junto a ponte da Hoa Vista.
DUAS PALAVRAS.
i Cesse tudo quanto a antiga musa canta
< Que outro valor mais alto se alevanta.t
Acha-se a disposico do respeitavel publico este grande e magnifico estabeleci-
menlo de molhados, talvez o primeiro e nico hoje existente em sua especialidad^ por-
que o maior capricho de mos dadas com mais apurado goslo de abrir um estabeleci-
mento modelo promoveram a escolna dos mais Superiores gneros do nosso mercado,
que por serem comprados em grande quantijade e pagos quasi todos a dinheiro a vista
deu lugar a obtenco de vantagens, que repartidas como vao ser pelas pessoas que se
dignarem de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanza de agradar a
todos, nao s pelo em prego das maneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-
pazes. como pela pratica da promessa que fazemos de vender polos presos quasi do pri-
meiro costo o nosso magnifico sortimenlo.
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diversas classes da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharao
em nosso armazem os melhores e mais esquisilos vinhos, licores, champagne queijo, etc.
etc etc, e quelles que nao podem dispor de grandes recursos, que s compram o neces-
sario, proineitemos-les servi-los de gneros novos e S3dios, escolhidos ao seu contento.
O real do pobre ser recebido com tao boa vontade, como a moeda de ouro do
himem rico.
As pessoas que nos fizerem a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com-
prar para seu gasto, ou para negociar, voltarao satisfeitas, nao s pela boa qualidade dos
objectos, como pela fidelidade dos precos, e bom acondicionamento.
O futuro nos justificar.
CAVACO ECESSARIO
Devemos ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que
adoptamos. Ei-las.
Existindo neste vasto e florescente imperio um grande partido politico com a
denominaco de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente,
capaz de fa/.er zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
Ria-se quem quizer, porque nos tambem nos riremos mas nao se zangue
ninguem.
O neme urna voz com que se do a conhecer as cousas. esta a mais
breve, clara e sincera explicaco que, pelo methodo repentino, podemos dar.
Mas a quem n3o seguir o partido desse si/stema diremos mais :
Nao oritin lo do Brasil o imponente titulo do nosso estabelecimento. Foi a
muitas centenas de leguas que apanhamos a nossa Uga.
Na soberba e opulenta Inglaterra houve um rei que instituio a mu honroza or-
1em da Uga. O acaso nos fez deparar com a narraco desse acontecimento, que tan-
to sorprehendeu a corte desse mnnarcha. Agradou-nos esta historia e gostando suru-
camente do trage do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenhar, e col-
locando-o no oit5o do nosso estabelecimento, temos assim feito distingui-lo dos outros
que se assignalaram com mitras e coras.
iionni solt iul mal y-pe
Estas machinas
podem descansar
. 'iua|i|uer especie
},de algodao sem
I estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas para
o trabalho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
dao em caroco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou o ar-
robas de algodao
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descaroam 18 arrobas de algodao
limpo, por dia.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis deslas machinas
mencionadas ; para o que convidase aos Sr
agricultores a viren ver e examina-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47.
Saunders Brothers & G.
v. 11, praca do torno Santo
HEGIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
y-pense.
Vende-se nm comomelro marilimo inglez do
melhor fabricante Charly Prodshao. aHancando o
seu regulameoto, por diminuto p-e?o : a tratar
na ra Nova u. 21, loja do Francisco Jos Ger-
mano.
WMSA
1 Vende-se superior vinho do Porto em caixas de
urna duzia : em casa de Johnston Pater & C, ra
GAZ GAZ GAZ \Z>% ,_______
1X0 a lata, nos armazens da ruado Im- edificado em chaos proprios: a tratar na roa das
perador n. io e ra do Trapiche Novo n. -9 Ciaco Ponas 0.79.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do Queimado ns. 49 e 53 loja do Barateiro
conhecido j como tal, est dispondo da fazenda
por todo o prego para apurar dinheiro, quem qui-
zer venha ver e traga o cobre, e ver o seguinte :
Baralhos de cartas para voltarete muito
linas a............................
Miadas de linha froxa para bordar a...'.
Pares de sapatos de tranga de todos os
lamanhos e linos a...................
luisas de superior grampos para cabellos
Duzias de palitos de gaz superiores a. ..
Libras de ara preta muito superior a...
Frascos de superior macar oleo a___
Ditos de dito perola a..................
Ditos de oleo de babosa muito linos a 320
rs. e...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de banha muito fina a............
Ditos de cheiros muito finos para o preco
a ris...........................;_
Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
160, e............................
Novellos de linha com 400jardasa......
Carriteis de linha do cores enm 200 jar-
das a.............................
-Xovellos de linha de gaz de todas as co-
res a.............................
Pecas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a.......................
Frascos de superiores cheiros, pequeos, a
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a ris..............................
Varas de bicos francezes, superiores a...
Opiata para dentes da melhor que ha ..
Fiascos de agua para dentes, superior a
tudo a............................
Pegas de tranca preta liza muito fina a..
Caixas com 4 papis de agulhas Victoria a
Varas de fila preta com cnlxetes a......
Libras de laa sortida de todas as cores a
Bonecos de choro muito bonitos a......
Canas de obreias de ma ssamoto novas a
Varas de franja .branca e deires para
se torna enfadonho mencionar, que vista do com-
prador -,se dir o preco, por isso roga-se aos com-
pradores o favor de vir ver na bem ronherida loja
da Arara, ra da Imperairiz n. 56, de Lourenro
Pereira Mendes Guimaraes.
A Arara vende as percalas a 500 e oCO rs.
Vende-se percalas de cures unas para vestidos
a 500 e 360 rs. o covado.
A Arara yende liras bordadas para enfeilar vesti-
dos hranros.
Vende-se tiras bordadas para enfeilar vestidos
brancos a 15200 e 1,5400 a peca, musselina bran-
ca lina a 400 e 500 rs o covado : na ra da Im-
peratriz n. 56, loja da Arara.
Ao barateiro da Arara a 2.->ii00.
Vende-se bales americanos de 15, 20, 23 e-30
arcos a 2J300, 3, 3500 e 4*000.
Vende-se golinhas para senhoras a 240, 320, 400
e 500 rs., camisiuhas para ditas a l&, 2, 35 e 4#,
na ra da Imperatriz, armazem da Arara, n. 56.
A Arara vende niadapolo entestado a ,->.
Vende-se pecas de madapolao enfesiado rom do-
ze jardas a 45000, pegas de dito de 24 jardas, das
marcas seguintes : n. 30 a 6,5000, n. 250 a 65500
e 75, n. 2 85, n. 5 85500, $,1*95, n. PF a 105500,
n. ZZZ a 125, B a 115000 a pega, algodao a pega
de 20 jardas a 55 e 65000, dito carne de vacca a
65300, dito domestico a 75, dito slcupira a 85, dito
pao ferro a 95 a pega : na ra da Imperatriz, loja
da Arara n. 56.
Bramante de linbo a 2o< 0 a >ara.
Vende-se bramante de linho a 25500 a vara, pan-
no de linho para leLges a 640 rs. a vara : na ra
da Imperatriz loja da Arara n. 56.
A Arara vende casemiras linas a '&.
Vendem-se cortes de casemiras para raigas a 55
55500, 65 e "5000 o corte : na ra da Imperatriz,
loja da Arara n. 56.
A Arara'ri-ccbcii um roiiijileio sorlinieiilo de capas
e si:ii(lieniliaii|i:es
que vende baratissimo, a saber : soulhembarque
de alpaca branca enfeitados muito de gosto a 125,
ditos de lazinhas de cores a 85, 105 e 125000.
capas de grosdenaple prcto a 05, 255, 305 e 355
soutembarques pretos de grosdenaple a 205, 255
e 3O5O0O : s na loja e armazem da Arara, ra
da Imperatriz n. 56.
Casemiras para capas a o o covado.
Vendem-se casemiras lisas prnprias para capas
de senhoras a 35 o covado, lazinhas lisas para o
mesmo lim a 600 rs. o covado : na ra da Impera-
triz n. 56.
A Arara vende lencos de sida a 1 e 800.
Vende-se lengos de seda de urna s cor a 800
rs., ditos linos de cor a 15, colarinhos baratos a
600 rs. a duzia : s na loja da Arara, ra da Im-
peratriz n. 56.
Ao barateiro do bairro da Ba-Visla.
Vendem-se chitas escuras e claras de cores Oas
a 240 e 280 rs. o covado, chitas Irancezas finas a
320, 360, 400 e 500 rs. o covado, porm assegu-
ram-se as qualidades e cores : e muitas outras fa-
zendas que se vende barato, isto smente vista
dos freguezes. Assim cheguem frecuezes, porque
s se vnde assim barato porque est a festa na
porta, e a loja da Arara da ra da Imperatriz 11.
56, pode bem servir aos freguezes do bom e ba-
rito.
.Vi
m ^VU^C
l
O assumpto importantissimo.
O assumpto importantissimo.
O assumpto importantissimo.
Ninguem interrompa o orador.
Ninguem interrumpa o orador.
Ninguem interrompa o orador.
Reine o silencio em (odas as columnas,
ltcine o silencio em todas as columnas.
Beine o sikncio em todas as columnas.
Nao so admitte contesta^So,
Nao se admitte a ntestafao
Nao se ailmilte contestarn
Os apoiados -So prohibido.*.
(is apoiados sao prohibid) s.
is apoiados sao prohil d< .
ADVERTENC
r n n < en so 33
r? sj P -s o. 'i. aj
= ? -
> O SB =0 TI -i *
< ST o c es o
e -4 m s
arrL
sum

200
20
15500
30
200
100
100
200
500
400
640
600
400
80
60
30
240
200
400
40
15000
15000
60
200
40
65500
160
40
3 g'8
o = S
rl1>I8'|IS


a M r- -
e- en as w.. 2
~ T a> 3 -si
^t-if i|!
O ev
gg
Antes de entrar na materia o inconsavel Baliza ufe) pode presvendi
SKfazer osea signal de honor a* doiradas coras e mal feitas mitra* ios (:<-,
Sp- apostlos do progresso, inimigos do povo c chupadores do saogne ^B A detestavel sede de oiro tem obseccado seos coracbes de vampiros.
tm Qoerem fazer fortuna com a rapidez do coriseonao saben ti fe nem
^esperar.
^ Sao os perfeitos unos da civilisaclo.
V/; Malditos sejam elles-.j que nao "possivel ao Baliza pr-lhes as mr.
cna caneca os bculos na mo e os sapatoes esmaga cobras nos pe e espol-us *
publico por tres dias.
-
OUDEfl DO 1)1,1
a> 3
a

S"g
2 3-
O OOQ
O os
t
srgg
2 =
o m o.
I B O

a
os
t
tn Q
oj M fe es
o o
e>
es
1
3 .
o
H
" 6 SmL
II
es
a-
ss
es
i
s

i
N esta casa nao se illude ao povoos pesos esto ateridosa balan, a 1)1
Kmelhos fabricantee os gneros, partindo dosoffrivel al o ptimo, pud'em ser
f escolhidos a vontade por lodos, desde o pobre agoniado Clarim ale o mais alto
w General.
W Nao sendo o aguado e a si.nckiudadk predicados que simiente live>sem
vchegado para bico da domesticada e encantadora agaia brama, esto liadas a< ,
Jmais terminantes ordens para que d'ora em diante se redobre as alien."-- para
com lodos os freguezes, de forma que se opere a mais perfeila liga de enteres
ses recprocos, a fazer inveja a todos at ao proprio cacalleiro da esquina da tu'^>-
>Nova.
Quando ao disponlar da brilhante, aurora ou da aurora brilhante, ftzerr
^ouvir o garboso gallo vigilante, com aquella bisania quelhc pnipria, o seii,'^
canto sonoro, signal de chamada dos amaveis freguezes c predilectas freguza*
tambem o solicito Baliza estar p rompi em uidem de marcha, agradav.l rom
a agitia branca, diligente como o gallo, grave como o propkela. no mais per
feito e continuo movimento, servindo a todos, c a todos .vmienlando.
toalhau...
Frascos de oleo Philocomescnperior a...
Ditos com superior tinta a320 e.........
Caixas de linha de gaz rom 50 novellos a
Enfiadores para espartilho a...........
Duzias de boles encarnados para vesti-
dos a.............,...............
80
600
500
800
60
300
Vinhos gemimos.
Chamamos a attengao dos amadores do bom vi-
nho puro, para um deposito de diversas qualidades
de vinho superior, mandado vir por encofmenda
das propnas localidades e com recommendafo es-
recial, cujo deposito se acha estabelecido na ra
da Cruz n. 36, em frente do becco da Iingoeta.
Vinho tinto da Estremadura puro, anco-
reta de 3 caadas...... 125000
Dito de dita dito ancoreta de 9 caadas 285000
Dito do Lavradio, ancoreta de 3 1|2 ca-
adas ......... 155000
Dito branco de Bucellas, ancoreta do 4
1|2 panadas.........205000
Dito de Crcavellos, ancoreta de 3 ca-
adas .......... 155000
Os presos do grande sortimenlo d'este magnilico armazem, se acham n-n-Sr
sideravelmente reduzidos, e a respectiva tabella dei.xa de ser publicada pT-r qe v
la alma do negocio o segredo. Os freguezes nconhecero em vista do objec-^ft
>to que pretender que o preco que se Ihes pedir ser tao rasoavel que nenhuma>vr
reclamacao offerecerio. Venham todos a
III t DO MIIIAHK.^TO 99
AO (.KIMIE ARMAZEM DE MOLHADOS
DO
rnammclied irom pipes.
Vendem-se canos de ferro esmaltado^, muito
bonspara encanamento d'agua : no armazem de
Prente Vianna C, ra da Cadea n. 57 ; e pa-
ra informaefies e collocagao, os pretendentes po-
dem entender-se com o Sr. Scheraerdine, no Mon-
dego.
PHOPR1EDADI-:
DE
M. PEi)ltO DE MELLO.


DUrlo de Ferafcaabneo - Sabbado de Novembro de iSSl.
NEi\I COROAS NEM MITRAS
E
AURORA BRILHiNTE.
N. 84. Largo da Santa Cruz. N. 84.
Francisco Jos Pernandes Pires, lem a honra de avisar a ja numerosa freguezia
e eom especialidade ms oradores do bairro da Boa-Vista e seas arrehaldes, que fez
nova reforma en sen asselado estabelecimento do mol hados denominado Aurora Bran-
te, ao larg* da Santa Cruz, e eom esta reforma suprio de novo o seu armazem de bons
generes, sendo mnitos delles mandados vir de sua propria conta, para melhor servir
aquellos que so dignare comprar ou mandar comprar ora seu estabelecimento.
o armazem da Aurora Urilhaute encontrara sempre o respeilavei publico um
lindo e novo sortimonto dos melhores gneros que lem viado ao nosso mercado, e sera-
pre por precos muito razoaveis, como se v da seguate tabella que ser mudada se-
manalmentc.
DE
NA
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
LIANCA
G
Silva & Soma
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de peores
RA DO IMPERADOR!. 40
Junta ae sobrado cm que eiwra o Sr. (Huerne,
ttSXiiSiXSSSS FXLr7XSL 5 . por eeo<. . -J5-J- P P r. .
da
da presente estaco.
Manteiga ingleza
Macas brancas
da safra nova vinda no ultimo vapor a 1 ,0001 para sopa a melhor que se pode tosejar, para esse fim
Gneros especialmente escolhidos por um dos socios que na Europa se aciu
A Aurora Brilhaite recebe as libras sterKnas por 95, sendo para compra, e faz o
por cealo de abalimento a quem comprar de 100$ para cima.
Charetos Anos do autor Jos Fortado de Ci-
W
.:%.
Presuntos de fiambre milito novo, a libra a
8dj rs.
Bitos para panella, a 560 rs.
&P Queijos l'Hidrinos muito superiores, a libra
a tfOO.
Ditos do rano vind neste vapor a 260O.
Ditas do vi,,or pastado a 25 c 2$'n).
Qduijs de qualha noros, a libra a 560.
Frascos prandes cora animas a 33000,
Latas coiJil i|3 libras a 15200
Ditas com 3 e 6 libras a 25500 e &.
Chocolate francezmuito superior, a libra a
Cha Ono de primeira qualidade, a libra
25700.
Dito uxim a 25700,
Dito hysson a 25700 e 2580.
jv*5 Dito perola a 25800.
qp Dito era caixinhas de i e 2 libras a 25600.
Dito preto a 25 e 25500.
Manteiga ingleta flor a 15200.
Dita mais abaixo a 800 rs.
Dita n barril propria para negocio, a_libra
;|S a 609 rs.
t-ih Dita para tempero a 400 rs.
--. Lata- com 2 libras de banha refinada, a libra
gg a 480 rs.
) , Manteiga franeeza BO*a, a libraa 610.
. Dita era narria e meras ditos, a libra a 600.
f.:,S Toucinho de Lisboa a 95300 a arroba e a 320
'jfn rs. a libra.
Latas com bolachinha de soda de 5 libras a
2-2000.
Ditas com biscoitos e bolachinhas sortidas
a 15300.
Ditas inglezas novas, a libra a 240 rs.
Arroz do Maranhao, aarrobaa 25400 e a li-
bra a SO e 100 rs.
D.to da India a arroba 25800 e a libraa 100
e 120 rs.
Gaf muito superior de primeira qualidade
a 85300, >5 e 95500 a arroba.
Bit) em libra a 280, 320 e 360 rs
Vinlus em caixa de 12 garrafas, o melhor
possivel a 185 e 205
Dito .uais baixoa i05, 125 e 145-
Dito Figu-'ira. o raafe superior possivel, a
caada a 45300 e a garrafa a 640 rs.
fc Dito mais baixo a 45 a ranada e a 560 rs. a
s'S garrafa.
Js Dito de Lisb a, boa marca, a 400 o 500 rs.
a garrafa.
Dito brdeos a 640 rs. a garrafa.
Dito em caixa, das melhoros marcas, a 75 o

cu
-,
m
a
9
-
8
mas, ha por muitos precos.
Ditos di> outros autorss a 15500. 25 e25500.
(iigos do bataus novas com 1 arroba a 15-
Passas novas, a libra a500 rs.
Fig* aovas a 320 r.
Latas de ervillias e favas portuguezas j pre-
paradas a 720 rs.
Ditas com ostras, excellente petisco.a 640 rs.
Latas do peixe ensopado em poplas, de muitas
qualidades, a 1-3.
Potes de vidro com sai refiaado a 500 e 640
ris.
Marrasquino da melhor qualidodc, a 85 e
125." duzia.
Garrafas de dito a 80o '-00-
Ameadoas confeitadas a libra a 800 rs.
Dita com casca a libra a 320 rs.
Nozes, a libra 160 rs
ai'.co, alpista, a arroba 45 e bbra a 160 rs.
Gr.io de luco, a arroba 45 e libra a 160 rs.
Yinho do caj preparado em Sobral a 800 a
girrafa.
Cognac superior a garrafa a 15000, 15200 e
15600.
Champ !?ne boa a duzia 205,e a garrafa a 25
Garrafcs com genebra hamourgueza a 65-
Vinho branco Xerez a garrafa a 15-
Dito olio de lirito, puro, a garrafa a 640 rs.
Dito ador-ira lo a 560 rs.
Dito do Porto, lino, a garrafa a 800 e 15
Xarone de grozeis e outras Gracias a 640 rs.
Maesas para sopa, amarella, a libra a 480 rs.
Dita branca a 320 rs.
Dita estrelinha, pevide e radiabas a 649 rs.
Caixinha com 8 libras de dita a 35300.
Soblas soltas graudrs, o cento a 15-
Ditas grandes em resieas a 15280.
Duzias de cartas francezas fiuas a 25300, 35
e 35500.
Duzias de latas de graxa nova a 900 rs.
B iudes >le dita a 280 rs.
Marmelada nova a 600 e 720 rs.
Camodo serta. a libra a 320 rs
Chouricas a libra a 640 rs.
Saceos grandes cun (arlaba a 55
Ditos rom nnlho o 35300.
Rrvilhas seccas libra a 160 rs.
Lenlilbas para sopa a libra a 20!) r.-.
Sevadinha de Franca a libra 200 rs,
Sag a libra a 400 rs.
Aramia verdadeira a libra 480 rs.
Gomina de engommar a arroba a 45 e em
libra a 160 rs.

3^000 ISabao espanhol a libraa 400 rs.
Serveja, marca t.-nente. em botijas a 7 e 85Latas cm o verdadeiro gaz liquido com 27
a duzia. I garrafaa a 125-
!&& Dita de diffrtrentes marcas a 500 rs. a garra-|Garrafas rom dito aoOOrs.
f.i e 55800 a duzia. Saceos grandes com fejao raulatinlio com 2*
Genebra do larania verdadeira a 15 e 15200: cuias por 95- .
0 fr;l>r,i. Cupos e cala lapidado.' para vinli.i c agna.
rs. a libra eem barril a 800 rs.
Hanteiga franeeza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a 560 rs.
Anaendoas
confeitadas de lindissimas coros a 800 rs. a
libra.
Anieixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2^400, muito propios para mimos,
Cartdes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolaehinbas de soda de todas as qua-
Hdades a !#300.
Chocolates
de todas asqualidades a l #000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes .a 80Ors., tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flaraengos
chegados ueste ultimo vapor a 26oo.
Qncljos
chegados no ultimo vapor a 2^600 cada um.
Qneljo
ment.
grande a vantagem para todas as pessoas que compraren oeste eslabeleci-
Os propietarios garantcm todos os gneros sahidos de seu j uuito acreditado
ao i*U]Uiic;o.
macarrao, talharim e aleiria a 40 rs. a
libra e 4J500 a caixa.
V111110 1 armazem.
Figueira J A A e outras muitas mareas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
0 a* ruma* m/roR t 400 m a carrafa, e Nao nos servimos de exordios como constantemente estarnos vend. cm annun-
TrS? cios deste genero, pois sao palavriados de que sempre nos abstivemos, e de que tamben.
z>ouu l, iM estamos cerjos nenhuma atiengao j merecen do publico. O nosso fim. pois, i simpl.-,-
^enerosos engarrafado ds melhores fabri- mente fazer ver que o verdadeiro e principal interesse de todos est na tabella dos pre-
g Ss da cidade do Porto a W e 4i?200 nos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos toda a altencao.
a garrafa e de 10-9 a 125 a caixa, as mar-! VinliA vatIp
cal sao asseguintes: Chamisso AFilho, c'
F. M., Nctar ou vinho dos Deuzes,'
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banha a 45000.
Bolachinha ingleza
a 15800 a barrica da mesma que
vendem a 25000 e 25400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120ff .<* bra.
Cervejas
dos melbores fabricantesfe de todas as mai
cas de 45500 a <5500 a duzia.
C-ARUTOS
londrino o mais fresco que se pode esperar i charutos Thom Pinto,. Res e outros em
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
. t> i
a|5

s.t;

Dita de llillanda em frasco graudes a 15 e
pcjiueno a -40 rs.
Dita verdadeira de-Hollanda, a botija a *80
Licores fin >s (levaras qualidades a 800, 15
e 15500.
Caixas de vinho mscate! a 105, e a garraa
a 15000.
Ditas eora azeite refinado a 105 e a garrafa
a 15000.
Conservas ingleza; e francezas de pepinos,
sen das, azeilonas e mixide a 600, 700 e
800 rs. o frasco grande.
Ca xas com frascos de mostarda- franeeza a
45 -" duzia, e 3(i0 rs. o frasco,
E MUITOS
.atas muito be.m enfeiladas com figos novos
a U. 25500 e :!5-
Assucar refinado com ovos muito alvo a ar-
roba a 65300 e a libra a 200 rs.
Papel paula lo liso d^ pc-o branco e azul, a
resma a 25500 e 45500.
Vinho Madidra-secco, a 15660.
Gentodo esleirasde tranca a 205.
Rarris com azeitottas novas a 15280.
Duas balancas grandes de RomSo eom os
pesos de 21 arrobas, e alguns bracos po-
rjueno* do mesmo autor.
Urna grande quantidade de caixSes vasios de
todos os tamaitos da 120 a 500 cada um.
:< :
Ob'TUOS GENEUOS QUE TORNARA ENFADONUO MENGIOXALOS.
TUDO DE PRIMEIRA QIAI.IDADE.
<' K'O-
-lB'$&>'"Z$s
'\&&Wtf&
SORTIMENTO PARA A FESTA
rw
I
11

23-Largo do Terco-23.
Joaquim Simao dos Santos, dono deste armazem de molhados avisa_ aos amigos do bora e ba-
rato que se venham snrtir dos bons gneros este cstabelecimento que nao se arrependerao, se lhe
far a differenca de 10 a 20 por cento, pelo soa prompto pagamento ; e por Isso se faz annonck) de
ilguns gneros, que tendo sempre este estabelecimento um grande e vantajoso sortimeato de tudo
manto perlencenle a este cstabelecimento.
Sentido! Yod rallar eom o (tnsaerati o
Queijos mais novas do mercado a 25500 e 25800.
Serveja da* melhores marcas, tanto branca como
prela a 500 rs. a garrafa o a duzia a 55800.
Sabo amarello massa a 180,200 e 240 rs. a libra.
Charutos da Bahia dos melhores fabricantes de
15200, 25000, 255OO e 35 a caixa.
Milho alpista e painco a 160 e 140 rs. a libra.
Vinho de Figueira verdadeiro a 500 rs. a garrafa,
dem de Lisboa das melhores marcas a 400 a diia.
dem do Porto em barril superior pinga a 640 rs.
dem branco pruprio para missa a 500 rs. a dita.
Manteiga ingleza de 1' e 2a sorte a 800, 900 e 15
'. libra.
: n fraaceza em barril a 600 e 640 ris a li-
ira. '
':u:inh.. de Lisboa a 300rs. a libra e 85800 a ar-
-i.'ba.
talas em caixas e gigos 15200 e 25000 a ar-
roba.
e e primeira c segunda sorte a 250, 280 e 300
rs. a libra.
irrot da Indi 1, Miranhao e Java a 100 e 80 rs. a
libra.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1-5200.
Cha uxim
o melhor que so piie desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
30 a 2600.
dem perola
especial qualidade a 2#700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que tcm vindo ao nosso
mercado a 2,-?600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talharim e aletria a
480 rs. alibra.
COC VA
o muito afamado cognac Pal Brandy a i,800
rs. a garrafa 0 de outras muitas dualida-
des a l,ooo e 8on rs. a garrafa.
COPOS
lapidados para agua a 4,000 e 5,ooo rs. a
duzia, e a iO e 5oo rs. cada um.
aji:l
almaco, greve, peso o de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo. a 4,5oo a resma do me-
lhor.
!;>el de botica
de excellente qualidade a 2^200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulho de 1,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Oorintliias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano era chapa a
l,4oo rs. alibra
Vinagre
PRB em ancoretas de 9 caadas a 10,000 rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,000 rs. a caixa
e l.ooo rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
e 4(5400 a arroba.
CEBLAS
meias caixinhas a 36500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 90308 a 35000 a ar-
roba desses que vendem por 3/5400.
CAF
de I.ae2.' sorte do Rio de Janeiro a 85?f
e 86800 a arroba, e 280 a 300 rs. a lib
Ciarrafdes
com 4 *f% garrafas com vinagre a [50004*1
ogarrafo.
GENEBRA DE LARAKJA
verdadeira a 1(5000 o frasco, e de H500C
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 5/5800 cok
12 frascos.
GENEURA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e2o rs. cada caixinha.
LICORES
Gnos de todas as qualidades, a 10,000 a caixa
com urna duzia e a 1,000 a garrafa.
Marmelada
Chegou o muito desejado vinho do Carlaxo vende-se nicamente neste ai ma/.-tn
a 600 rs. a garrafa e 3o,ooo rs, a ancora com 7o garrafas.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
64e rs. a libra,
dem de casca mole a4o o rs. a libra.
Amcixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a l,2oo e l,5oo rs.
dem em fiascos de vidro a l,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 V libia a l.loo rs.
Arroz do Maranhao e da India o melher que
ha nest genero de 80 a loo rs. a libra,
e de 2,5oo a 2,8oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e 10,000
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,000 rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4,4oo rs.
a arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Amonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de ' libras, a 3,oooc l,5oo rs. a
lata e 6'io rs. a libra.
I dem ingleza cm latas de2e4 libras das
i melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
3anha de porco refinada a Goo rs. a libra e
em barril a 080 rs.
Batatas a 2,000 rs. a caixa.
Champagne das melbores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs.
as meias garrafas.
Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a
libra,
dem petla qualidade especial a2,7oors.
a libra.
dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2,000, 2,4ooe 2,6oo rs. a libra.
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-' r,jem p,.el0 homeoptico a 2,ooo rs. a libra,
jam Abren e outros muitos a Goo rs. 2 cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a lo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3.200 rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa lera abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa c 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 35 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas muito novas
em quartos e inleiros a 25 o qaarto e 60500
a caixa e 400 re. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140rs. o pao.
Frutas cna calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da gniaba
a 600 e 1j5 o caixe.
GOMMA MUITO NOVA
muito novas a 15000 o cento na ra do Quei- em paneiros de 1 e 2 arrobas a 3>>0Q a ar-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar- roba el 40 rs. alibra na ra do Qoei-
go do Carmo n. 9
GRAO DE BICO
muite novo a 35400 a arroba e 140 rs. a 1-;
!,"ra- . , i Mem: da Purlo engarrafado a 800 o 15, tomando
Pbosphros do gai a 2* a groza e 180 rs. o maco. ma5 d(J am Ci)naita de(,ua|uer um estes ter
,>sss novas a 480 rs. a libra. grande abatimento.
volas de carnauba Aranaty composigao a 400 e 440
rs. a libra.
Massas para sopa a 480 c 440 rs a libra.
Tinellada dos mnlhores fabricantes de Lisboa de
1 a 2 libras a 040 rs. a libra.
Cha hysson o melhor deste genero a 2*800 a li-
bra!
dem perola mtudinho a 25500, 2*000 e 3,5000 a
libra.
Banha iagleza aira e superior a 480 rs. a libra.
Conservas inglezas e portuguesas a 500 e 640 rs.
Biscoitos e bolachas de soda a 1*400 e 2*.
Massa de tomate a 600 rs. a libra.
Genebra do Olauda em frascos e botijas e de la-
ranja de 480 a 640 e 1*300.
"rwunras as mais novas a 360 rs. a libra.
Latas core 1 o meia libra de amenas a 1*200.
Azaite doce de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 3* o
gallo.
vmmt
Vinho tinto sem con fe i cao
80,000 a n a *1 ORffrr as he 8 (jamadas 30,000
nico deposito em Pernarahuco roa da (iidcia n. 1.
Esla n va qualidade de vinho recetada dilectamente do diversos layradores de
Torres Novas (provincia da Estremadure) como attestam os bilbetes do caminho de fer-
ro que trazem os cascos, provando sui origem e procedencia, recommenda-s a todas as
o?ssoas que queiram ter a certeza de beber viudo puro de uva como o que se bebe nes-
sas trras aonde nao panetrou anda o espirito de falsificacHo. E' preciso que o publico
so c mvonrn de que os vinhos que aqni se importam nao vindo directamente do lavrador
clftgam pela maior pirte ou quasi tod -s sobrecarregados do preparos nocivos saude
causando bem graves transtoruos no apparelho digestivo
O antiunciante offerece a analrse dos profossi-maes esta nova qualidade de vinho
que expe a venda, e dum premio de 1:000? a qaem descobrir no mesmo algum cor-
ao eslranho a natareza da uva de que feito
N. B. I'ara evitar a falsilicago, o annunciante declara.que o nico proprietario
e mortador b^te vinho o qual vende somene no seu armazem da rua da Cadeia do
Reoife n. I.
madon. 7, ruado Imperador n. 40 e largo
do Carmo n. 9
BOLACHINHAS
bra na rua do Queimrdo n. 7, rua do- em latas de defferenles qualidades a 1^200
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.; a lata
QUEIJO SUISSO QUEIJOS FLAMENCOS
muito fresco a 800 rs. a libra na rua do chegados neste ultimo vapor a2$800 na rua
Queimado n. 7, rua do Imperador n. 40 e do Queimado n. 7, rua do Imperador n.
largo do Carmo n. 9 I 40 e largo do Carmo n. 9.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidado de todos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
O Verdadeiro Principal roa do Imperador a. 40
MAC, AA. PER.49 12 UVAS
chegadas neste ultima .vapor, vende-se na rua do Imperador n. 40, Verdadeiro Princi-
pal.
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a cor natural
dos cabellos.
A agua florida nao urna tintura, factt, essen-
cial a contestar, a mesma agua dando a rr primi-
tiva ao cabello. Composla de plantas exticas e
de substancias inoffensivas, ella tem a prnpriedade
de restituir aos cabellos o principio corante que el-
los tem perdido. D'uma salubridsde neoBtesta-
vel, a Agua Florida etretem a liinpeza da cabega
deslroe as caspas e impede os cabellos de cahir
Oleo de Florida
Balaios para meninas
Lindos balaios de varios gostos para meninas
trazerem no brago : s se encontra na loja do-Bei-
ja-Flor, rua do Queimado n. 63 e 69.
Extratos e sablo em eai-
xinhas
Lindas cantabas com nm rart.o com a familia
imperial, e dentro de cada caixa nm frasco cu sa-
bio o mais fino que passivel na loja do Beija-
I'lr rua do Queimado n. 63 e 69.
Don pechincha.
Na rna da Cruz n. 22 vende-se excellente vinho
de caj, a saber : garrafcs de tres caadas, cada
um 45. e em garrafas cada duas duzias 55.
Composto de substancias veijelaes exticas, elle
constitu poderosamente, eom a Apua Florida, a
forg, a bell o a conservarlo dos cabellos.
Rm Pars, casa de Qmslsur n. 12, rna do Riche-
lien, e 21, boolevard Mmtmartre. P.llia U efflMM
Todos os frascos, nao tendo intacto e claro, o Vende-so superior patita de carnauba : no es
timbre prateado da casa, sao reputados falsos. i criplorio do Antonio do Almeida Comes, rna da
Deposito, rua do Imperador, pbarmaeia n. 38. Cruz n. 23, primeira Andar.
duzia, e56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol e suisso a 1 ,ooo,
l,2oo e l,4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
tado de Simas e outros da Rabia como
sojam regala, trovadores, guanabaras,
deliciase suspirosa l.Goo, 2,ooo, 3,ooo
e 4,ooo rs. a caixa.
Conservas inglezas a 75o rs. b frasco.^
dem francezas suriidas ou de urna s qua-
lidade cada frasco a uoo rs.
Cognac francez e inglez a l.ooors. a garra-
i fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 6oo rs. a libra.
Canella a 9oo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4,8oo 5,000
e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs cada um.
Caf do Rio superior a 28o e 3oo rs. a libra,
e 7,5oo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiabs superiorem latas a 2,ooo rs.
Ervilhas porluguezas em latas chegadas l-
timamente a6io rs. a lata.
dem ceceas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeiladas a 9oo
rs. cada urna.
Favas porttiguezas em latas chegadas lti-
mamente a 640 rs.
Frutas idem em calda, pera, pecego, alper-
se, rainha Claudia e ginja a 9oo rs. alala.
Graixa nova a loo rs. a lata e l.loo rs. a
duzia.
Gomma muito al va e nova a 16o rs. a libra.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos a 8,800 rs. e 560 rs. o frasco
(dem em botijas a 4oo rs. cada tima.
dem em garrafes de 16 garrafas a 4,800
. rs. com o garrafo.
dem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem inglezas em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro qualidade superior a
l,ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o
frasco e 11,000 a frasqueira de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida suissa a
1.800 rs. a garrafa.
Lentilhas muito novas excellente Iegume pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores franeczes de todas as qualidades
de 7oo a 9oo rs. a garrafa:
Manteiga ingleza perfeilamente flor a 800 e
l.ooo rs. a libra, desnecessari m.tis
elogios ueste genero, que s s* pode ve-
rificar com a vista.
dem franeeza a 64o rs. a libra, e em barril
se far abatimento.
Marmelada do primeiro fabricante de Lba
a 7oo rs. a libra, ha latas de 1, I 1 2 e
2 libras.
Massa de tomate em latas de 1 c 2 libras a
600 rs. a libra.
Macarrao, talharim ealetria a 4oo rs. a libra.
dem branca a 3o a libra.
Mostarda franeeza preparada a 400 rs. o
frasco,
dem ingle/a em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garrainhas com rolfaa da
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a I,eco rs.
agarrafa, e lo.ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Ostras preparadas em luios a "00 rs. a lata.
Prezunlo para fiaabre inglez verdadeiro,
garanlindo-se a qualidade a 800 rs. a libra.
Passas novas de carnada a 64o rs. a libra e
6,5oo rs. a caixa.
dem para sopa estrellinLa, pevide e n dinha
etc. a 3,5oo rs. a caixa, e a 56o rs. a libra.
Peixe em latas hermticamente fechadas daa
seguintes qualidades :savei, eoirita.gorw
cavallinhas, e pescada a 1,000 a lata.
Paulos para denles lidiados a I io rs. o ma-
co de 2o rs. o macinhos.
dem do gaz a 2oo rs.' a duzia, e 2,loo r>>.
a groza.
Painco muito novo 12o rs. a libra e 3,000 a
arroba.
Queijos flamengos, do ultimo vapor, a 2,5oo
rs.
dem londrino muito fresco a 800 rs. a libra.
Sal refinado em potes de vidro a 800 rs. cada
um.
Sevadinha de Franca a 18o rs. alibra.
Sevada a loo rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 24o e 32o rs. libra.
Tijolo para limpar facas a 15o rs. cada nm.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e
l,4oo rs. a caada,
dem em garrafes com 5 garrafas a 1.000
rs.
Ibem de escovas para lavar casa a 36o rs.
cada tima.
Velas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra,
dem de carnauba refinada e de compocSo
a 44o rs. a libra, e de 15,ooo a ll.ooors.
a arroba.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira
das marcas menos conhetidas a 4oo rs.
a garrafa e a 2,8oo rs. a caada,
dem Figueira especialmente escomido nesle
lugar a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo rs. a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muilo fresco sem
cemposico a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo
rs a caada.
Idera de Lisboa braneo uva pura a 56o r?. a
garrafa, e a 4,5oo rs. a caada.
dem Porto fino em pipa a 56o rs. a garrafa.
dem engarrafados generosos Lagrimas do
Douro, Duque do Porlo, D. Luiz J, D.
Pedro V, Nctar, wlbo secco, Maltas
Genuino, Particular a 9oo e 1.2oo rs. a gar-
arafa, c a lo.ooo rs. a caixa com una du-
zia.
dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a garra-
fa, e a l2,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a l.ooo rs. a garrafa.
dem Bordeaux das acreditadas marcas St.
Julien, St. Esteph, chaleau la Rose, chalati
Margoux e outros a 6.5oo rs. a caixa. e
56o rs. a garrafa.
CEKIEJA EM BAR1I1JL
a SOO rs. o copo
incljo de ninas chogado no vapor
dem prato mnlte fresco
dem suisso snperlor
dem londrino superior.
57 Rua do Imperador 57
ti
:3>
.


.


Otarlo e renurtneo.- Babbado 3G \r XuvmiiI 10 de 1SS4.
A GUIA
iencao
ra do Uw.imado n. 8
RECEBEU:
Bonitas caixinhas de madeira envernisadas, corn
tinas perfumaras.
Oulras de papello de diversos tamanhos e (goal-
mente bonilas, tambem com perfumaras.
Lindas cestinhas de vidro com ditas.
Caixinhas imitando tartaruga com ditas.
Ditas com 6 e 12 frasquinhos de rheiros.
Objectos para baptisados.
A Aguia Branca, na ra do Queimado d. 8, aca-
l-a de receber os seguintes objectos para baplisa- i
dos:
Bonitos e bcra bordadas vestuarios de cam-
braia.
Ditos e modernos chapozinhos de setim e toucas ,$
bordadas c enditadas. 0 Vigilante uta alerta, nao Ihe era nermittido
Sapatinnos de setim e merino muito bem bor- deixar passar desapercibido sem qoe nao dsse o
'?,"* n seu canto, afim de annunciar ao respeilavel publi-
-Mi.ias ae seda e Do de Escocia, brancas e pin- co o grande soriimento de galanteras do melhor
tv' -j- _ -.i. goslo propriamente para qvulquer mimo, que aca-
oucas e sapatinhos de laa, obras muito bem ba de chegar neste ultimo paquete, assim como
tenas. < j niuitos outros objectos que recebe por diversos na-
li'yi f ^ OliviV IIII < i v,os> taol tie 8B* ronla como de consignacao que
f/i/rnnia i,iii*jiriiiu>t est resolvido a vender por preeos muito baratos
coin msica e sera ella para costara, e Para veuuVr muit0 e ^nhir puco' e *** extracto
, r 'o grande deposito que tem, que espera merecer
OUiraS COm ; iraujos para IiiUIKl. proteccao do respeilavel publico empregando para
A Aguia Branca recebeu novamente um bello isso todas e as melhores diligencias para que fi-
sortimento de bonitas caixinhas com msica e sem quem satisfeilos; sto s no Gallo Vigilante, ra do
ella para costura, e outras com os arranjos neces- Crespo n. 7.
sarios para barba ; assim, pois, quem comparecer I rcos porta-juias
com dinheiro est habilitado a compra-Ios por pre-' q^ de multo costo por
co commodo : na ra do Queimado, loja da Aguia Cestinhas transparentes forradas de roa-
I dreperolapor
Lindas jardineiras.
Ricos cofres com caitiapheu.
Lindas caixinhas com pedras brancas.
: Lindo balao com calungas dentro, tam-
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re- bem para joias.
cenen essa excellente tintura para cabello, cujo Tambalier pira ditas.
ifT.ito rpido e proveitoso, vindo ella munida de Cestinhas ditas.
ao PUBLICO
Sem o menor eoustraa-
glmento se entregar
Importe do genero qne
nao agradar.
ATTENCAO
Os preeos da segainte
tabella para todos, po-
dentlo assim servir de ba-
se para o ajuste de eontas
14 eom os portadores.
m
CIIROMACOlflE
para ungir cabello
165000
184000
10,5000
105000
105000
165000
csclarccimentos em porluguez, d'onde qualquer
pessoa pode bem conhecer o modo de applicar.
Com o chromocome que serve para tingir, veio
tambem bydrocallitr.china, agua para tingir cabel-
los, coloricomo para lustrar os ditos, e onychro-
mainina- para limpar as unhas, e callicomiphila,
pomada de que se pode usar sem receio de offen-
der ao cabello preparado. Os pretendentes acha-
65000
65000
C5000
Cosmorama ditas.
Urnazinhas.
S no Vigilante, roa do Crespo b. 7.
Ricos porta bouquetes de diversos gostos e pre-
eos ; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos sintos
com bolcinhas ao lado, a 105, i-5 c 155,ditos sem
bolfa purera do mesmo gosto, a 25500, 35, 35500
rao prego razoavel. 45000.
H(l )t litlH fhlfl? Ricas fivellasavulsas para sinto, omelhorquese
l/<.i iiiiii /inua | pde encontrar) a J55oo, 25, 25500 e 35 o par;
em copos, latas e soupeirinhas de vidro sono vigilante, ra do crespo n. 7.
fln. . Cabazes on cestinhas.
At que chegaram as desojadas cestinhas ou ca-
bazes para meninas trazerem no braco, o mais rica
possivel a 25500, 35500, 45, 55, 75 e 105; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Mais leques
com pequeeo defeilo, leques de sndalo rom pe-
A Aguia Branca sempre" cuidadosa em bem ser-
vir a sua boa freguezia, mandou vir e acaba de
receber na melhor occasiao os desejados copos e
as procuradas latas com banhas finas, assim como
urnas bonitas soupeirinhas de vidro opaco com
alegres inscripces. as quaes dizem rnente res-
peito as senhoras, e com tal acert que uenbuma 1aeno et*l{0. Por *> preco de 85 e 105, chi-
que as ir delxar de comprar e nao se enfadar ?2es,T ? 25 S ,amlT' .Plo barato preco de
45 es, bcntarallos muito bonitos, tambem por ba-
rato prego de 45 e 55, leques de charao tambem
por 45, ludo sto para acabar, perdendo-se tai-
vez 80 por cento; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Pentes.
Neste artigo tem um grande soriimento, tanto
i para alizar como para atar cabello, os mais lindos
que se pode desejar, assim como de arregacar ca-
Dello, tanto de borracha como de tartaruga comen-
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, ani- jItiiies e sem el|e Pra menina; s no Vigilante,ra
Diada pelo apreco que a sua boa ireguezia sabe,do Crespo n. 7.
dar a essas boas novidades, mandou vir e acaba | Pulseiras.
dereetber um extraordinario soriimento de boni-i Lindas pulseiras de coritas e de missanga, cores
mecas, que andam que fallam, que chorara, muito lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
l'ara segurar manguitos.
de 1er a insrripgao que tao merecidamente Ihe toca
e quem quizer ser bem servido dirigir-se a ra
do Queimado, loja da Aguia Branca n. 8.
BOLECAS
q ue andam, que choram, I
que fallamf etc.
e oulras militas de diversas qualidades como dan-
sai inas, soldados, atiradores, etc., e todas mui bem
vestidas; assim, pois, a Aguia Branca espera a
concurrencia dos apreciadores do qom, cert >s de
que arharo preces razoaveis e serio satisfactoria-
Tamhem chegaram as liguinhas estreitinhas de
borracha que as senhoras tanto precisam para se-
gurar manguitos por ser muito commodo e muito
barato, a 320 o par; s no Vigilante, ra do '(res-
nente servidos urna vez que comjaream munidos po n 7
de dinheiro. i
Lcuues. ,
mquissimos loques de madieperola tanto para
senhoras como para meninas, pele barato prego
de 125 e 145; s no Vigilante, ra do Crespo
A Aguia Branca na ra do Queimado n. 8, ven jn> PtMtm
de bonitos babas cobertos de tartaruga e de diver i ZT-, ,nJ , ,
su tamanhos, mu propros para costura e joias lambenchejfaram os riquissimos penies de concha
-..i/-, lir.no nAo Ao ;de lartaruga e de massa lina, que se vende por 25,
' 35 c 55; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Canelas.
BAHS DE TARTARU-
GA PARA COSTURA,
t inos e aromticos pos de
arroz
Em bonitos vasos de podra, porcellana dourada,
vidro e madeira, es-tes com o competente pincel e
som olio, era latas de polos de papello, sendo todo
elle de superior qualidnde e agradareis ebeiros,
Emqoanto ao proco, nao se assuste o comprador,
comprela com dinheiro e ser bem servido na
luja la Agoia Branca, ra do Queimado n. 8, ende
tambem se vendem separadamente os pinceis.
- -- ff M ::* jA t 3* SI &J
Biquissimas caetas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baralissimo preco de
15500 e 25-
Sapatinhos e meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino cn-
feitados, assim como meiaszinhas de seda, gonazi-
nbas e louquinhas para as cnancir.has se baptiza-
rem; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Yollinlias.
Liadas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
I fingindo brilbantes, assim como rruzinhas avnlsas
15 e 15200, s
tem linhas de diversas qualidades, relroz, tesoura
e outros arranjos precisos, assim como amostras de
bordados ou marca, etc., e lados a procos cora
modos.
: e voltinhas, pelo barato preco de
.V Agoia Branca, na ra do Queimado n. 8, ven- cruzes avuls asa 400 rs.; s'no Vigilante, ra do
.le caixinhas neressarias para costara, as quaes | Crespo n. 7.
Golinhas.
Riquissimas golinhas c manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 25, 25500 e 35; s no Vigilanle,
ra do Crespo n. 7.
Enfeiles para senhora.
Riquosissim euleites com laco e sem lago e de
outroSimuitos gostos a 15, 1500 e 35 : s no Vi-
tambem filiante, roa do Crespo a. 7
esla vendondo innito bons e bonitos relogios para tranceln,
mea o paredo, por pregos commodos, por isso con! Lindos trancelins ce cabello para relfigio ou In-
vm a lodos aproveitarem a occasiao e proverem netas, pelo baratissimo prego de 15o0, ditos de
se desse objeclo sempre noressario em casa. Fie.! rctroz a 200 rs.
porin reservado para os relojoeiros o concorto quj Rabadinhns entremeto.
algura da qualquer delles venha a precisar, poii Riquissimos babadinhos entremeios com lindos
que isso nao rhega para o bico da Aguia Branca > desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
da ra do Queimado n. 8. proco de 15200, 15500, 25 e 35; s no Vigilante,
' ra do Crespo n. 7.
Cascarrilhas.
A AGUIA RRANCA
vendondo relogios.
Como nao privativo a Aguia Branca
Farinlia de mandioca.
a 55000 o sacco.
A melhor que existe no mercado, bordo do pa-
tacho Ult/SSfS, defronte do trapiche do bario do Li-
vramento pelo barato prego cima mencionado,
sendo sem o sacco, e em porgaose far alguma
dillerenga ; na ra da Madro de Dos n. 5 e 9.
ilua da Senzalla l\ova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
(erro coado libra a 110 rs., idem de Lo*
Moor libra a 120 rs.
Machinas de vapor epa-
ra descarocar algodlo.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido, coa-
do e de cobre.
Rodas d'agua,- dentadas, e
de carrosa com mangas e
eixos de patente.
Ra do Brum n. 38, ftmdi-
qTjo do Rownwn.
GRAGEAS
GLISE CONT
Appro.da. pala Acd-mia Medicinad *"'*
Resulta pelos dous reltorios, adoptdos pela dita
Atademia era 18*0 e em 1858, que as CRAGKAS Gi.is e cont alo o melhor e miiii effica remedio
ferruginoso para curar a cblorosis (alias Quor-albo), os
fluoa hrancos, a fraqueza de corapleixao nos dous
sexos, e tambem para ajudar a menstruacio das mocas.
Estas Grageas nao sao vendidas senao em caixinhas
fidros cobertos com rotulo e fechados com ama tira
levando a firma-do depositario seral : i.abci.ovye,
jharmaceutieo, ra BimrboA-Yultnnite, 19. Parit.
Grande soriimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galaozinho e trancinhas pro-
prias para enfeiles; s no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7.
Fitas.
Grande soriimento de filas de diversas larguras
e qualidades, por pregos que admiram aos com-
pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
teiros que se pae vender a 300 rs. a vara, e pega
de 9 varas a 25; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Filas de lia.
Fitas de 15a de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
llicos espribos.
Riquissimos espelhos com moldura dourada
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim como com
I celumnas de differentes tamanhos a 25, 35,45, 55
e 65; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Liados jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto queaqui
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
cousa de muito posto a 15500 e 25, assim como
pacntes s com os pos a 320 rs. cada ura; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimenio de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
tintivos e ofererimentos as sinhasinhas dos me-
Ihores e mais afamados autores de l'aris e Inglater-
ra, assim como os grandes copos dehanha japnneza
a 25 e a 15, assim romo outros objectos que nao e
possivel por hoje annunciar, e vista dos fregue-
zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
IW do Crespo n. 7.
Deposito geral em Pernamhno ra da
Cruz n. 22 em casa de Caros & Barbo. | das 7 horas da raanhaa as 9,e das da urde as 4.
Albuns
para 20 at 200 retratos, muito bons e por menos
preco que em outra qualquer parte: na ra do
Crespo n. 4.
Vendera-e mnito bons pombos d raga: a
tratar na roa do AragSo da Boa-Vista, casa n. 7,
RA DA CABEIA IIO MEIFE W. 53.
(bogo sanando o arce da CoDceieie)
Grande reduelo de preeos, equivalente a dez por cento menos tilo qne outro qualquer
annunclante.
Collegas.N5o posso por mais tempo sustentar o prego da manteiga ingleza a 1,000 rs. a libra, bem assim o de oolros
trjuitcs objectos, etc., dando com isto ocasilo a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo 11! Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta glande reducto de preeos, como veris
pela seguirte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados niao Mercantil no
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a 1,600 rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reducco a que
estao obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamado de preeos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado dente novo estabelecimento. para Uie vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que seu fim
15o smente obler a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidio, sos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromplido e entei-
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proteccao e preferencia na compra
los gneros que precisarem, e quando nao pocam vir poderao mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco praticos, pois
sero tao bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendac5o, afim de que nao vao em oulra parte.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 800 rs. a libra, em barril se
faz nbalimerito.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
meios a 5oo rs.
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-*
ment.
Gaf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,000 rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs. dem do Cear de superior qualidade a 24o
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
neste genero 2,600 rs.
dem preto homeopathico por ser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra.
dem bysson, huxim e perola mais proprio
e 28o rs. a libra, 7,8oo"a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do MaranhSo a leo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
para negocio o l,6oo, I,8oo e 2,000 rs. a.Painco e alpista a I4o rs. a libra, e 4,3oo
libra, garante-se ser muito regular, igual j rs. a arroba.
ao que se vende em oulra parte por 2,4oo Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
e 2,8oo rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5.5oe rs.
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
garante-se serem superiores aos que vem I bra, e 9,ooo rs. a caixa.
em barris. < dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
Chouricas e paios em barris de meia e urna j estas manas tornam-se recomendaveis as
arroba a 8,000 rs. e 1,5oo c 600 rs. a libra. 1 pessoas doentes por serem propriamente
Queijos flamengos muito frescos chegados' feitas para esse lim.
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
passado a 1,60o e l,8oo rs. I 25 libras a 52o rs.
dem londrinos os mais superiores que tem Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por
43,ooo rs.
Vinho branco de
ncnte quali-
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei
ro se faz ahatimento.
dem praio muito fresco a 800 rs. a libra,
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acaben).
Ervilhas e favas pnrtuguezas em latas i ore-
Mnrmelailn imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
a 56e rs. a libra, e a 5oo rs. inleiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libia.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l.ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
da, salmo, ostras cchernce, vezugo em;
latas grandes a 800 e l.ooo rs. cada urna.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
da? que tem vindo ao nosso mercado a
6,000, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante-
se ser de qualidade superior, que outro, Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. i para mimo a 64o rs.
Genebra de Hnllanda a 56o rs. o frasco,' e Paisas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5,7oo rs. a frasqueira. libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
dem de laranja verdadeira de Altona em Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grandes a l.ooo rs. o frasco, ej l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
H,ooo rs. a duzia. j Amcndoas de casca mole a 32o rs. a libra.
dem de Ilollanda em botijas grandes a loo' Bolachinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,000; ditasimperiaes emlalas
de 3 libras por i,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonilas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, e l,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Balatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. e Irasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para eefregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes ja preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado ns. 49 e 5o, loja de miudetas
de Jos de Azevedo Maia est continuando a
vender muito barato, pois seu genio dar a faien-
da por lodo pre$o a vista dos cobre.
Cartas de alnetes francezes da melhor quidade
a 80 rs.
Grosas de pennas de ac inglezas da inclbor ana-
lidade a 640 rs.
Caixas decolchetes francezes de superiores quali-
dades a 40 rs.
Grosas de boloes de madreperola muito fiaos a
e C40 ris.
Carreteis com 4 a 5 oitavas de retroz or lo 1:110 a
640 rs.
Resmas de papel de peso liso muito superior 2
2,5000.
Grvalas da liga e de outras militas analida*
500 rs.
Caivetes para penna com 3 folhas Etzi rtd. boa a
800 rs.
Duzia de boloes branco para casaveques de senfac-
ra a 100 rs.
Pecas de lita de eos eslreitas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Porluguez para os meninos a preneer
a 1er a 800 rs.
Os segredos da nalureza para es meninos a pren-
der a ler a 15000.
Carlilhasda doulnna christaa, finas e upern <> a
320 rs.
Pentes finos de marCm a lCC0, lC0 ( \fil>
Pares de luvas de seda para homtns e sei.t 11:..- .i
1 500 rs.
Gollinhas para senhera e nitllior que ha a :>So
500 rs.
Frascos com superiores banhas a 240, 30, 5C0 e
14000.
Livros que serve para assenlar ronpa, pe'o diminu-
to prego de 160 rs.
Capachos redondos snuilo finos a 500 rs.
, Cordao branco para esparlilhss muito sor-erior, a
vara a 20 rs.
ICarritis com 150 jardas de linha branca a CO
ris.
Cartoes com 200 jardas de linha biatca garaiiil-
d' s a 60 rs.
Grosas de pennas de ac superiores a 5(0 r.-.
Varas de franja branca e de cores larga para loa-
Ihas a 160 rs.
Pares de botoes de pnnho, oh que pecnincha a
120 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de betoes de louca prateados muito finos %
160 rs.
Tesouras para costura superior qualidade a 500
ris.
Escoras para limpar denles, superiores a 200 rs
Caixas com superiores phosphoros de seguranes a
160 rs.
Caixas com 100 envelopes o melhor que ha a 640
ris.
Caixas com 20 quadernos de papel amizade, muito
fino a 600 rs.
Quadernos de papel pequeo muito fino a 20 1-
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e H.ooo a duzia-
Palitos para denles a l4oe 16o rs. o mago-
Sal refinado em frasco de vidro com roH- uu
mesmo a 5oo rs. mar,,c mc -
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, Cerveia b------" i>rP ^s marcas mais a-
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,500. < -hitadas que vem ao mercado a5,ooo e
3,ooo e 3,8oo rs.
dade a 4ooeVoorfa'garrafa, emeanada
.r7> o,uo rs.
Vinho branco para tulas* cm cai::a de 1 duzia
a 8,000 e a G80 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Dnuro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
lo,ooo rs. e a 9oo e 1,000 a garrafa.
Vinbo Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 2io rs. a
libra.
Belachinha de soda em latas com diversas
qualidades a l,3qo rs.
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
CharutosdetodososfabricantesdaBahiaedas
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo. 2.5oo. 3,000,
3.00 e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l,oo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixes a 600 rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banlia de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
6iors. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,500 a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,ioo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Matte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
9 IVrfttif!} a Uloila.
AGENCIA
DA
AGEWCI LGW-KOCS.
Ra da Senzalla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a have
am completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
3 tachas de ferro batido e coado, de todos os
utanhos para ditos.
- Arados americanos e machinas para
la\ar ropa: em casa de S. P. Johnston & C
ra da Senzalla Nova u. 42.
n Fabrica Concei^ao da m
I Babia.
S Andrade & Reg, recebem constante- J5
jB mente etem venda no seu armazem n. gR
H 34 da ra do Imperador, algodao d'aqael- gSf
S la fabrica, proprio para saceos de assu- H
fe car, embalar aipodo empluma etc., etc., gjg
jgje pelo prego mais razoavel.
wmmmm m$m mmmM
Ra da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston dV C,
sellins e silhes inglezes, candieiros e casti-
gaes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de
ouro patente inglez.

# UMA GRANDE LIQUIDACAO
dh> Excellentbsimas senhoras
-^.fc*
PUT4SSA
A loja da ra do Crespo n. 17, de Jos Gomes Villar.
Recebeu de sua cncommenda vindo de Pars, as melhores fazendas que tem vindo
a esta provincia.
Corles de blonde completamente preparados com capella e Hores etc., etc. proprios
para casamentes. .
Cortes de mcreanlique para noiva, mantas e capellas proprias para noiva, balees de
todas as qualidades para senhoras, ricos cortes de seda pretade cores e moreantique pre-
to, grosdenaples preto e de cores, cami.-as de eambraia bordadas para senhoras.
Chapeos de palha para senhora assim como para menina o que tem vindo de me-
lhor, peitos bordados para camisas de homem, cassas de cores, orgrndys de lindas cesr,
chitas de todas as qualidades.
Capas pretas de gorpurao imporlantissimas, soutembarques pretos, assim como de
cores o melhor, casacoes, pelerinas, pellives etc., etc., casaveques compridos de grs pre-
tos e de gorguro, fazendas importantissimas.
Novo gosto
Chales de renda pretos o mais moderno presentemente a 15i e 205.
A elles antes que se arabem, fazendas de todas as qualidades proprias para senhoras.
Tapetes para forrar salas a 2j500 o covado com seis palmos de largura.
Esteiras de muito boa qualidade para forrar salas.
\OA9 uid ooijqnd o 9 sooquds smuag \uvfdoxj
-\ -u odsa.19 p uuj ,v
ovftvamon mothb vwa
AO-TT-a FLORIDA
De Murray & Lanman.

Este raro quito delicado porfui
quasi juo i.icxtiiiguivtjl c lo 1' ei 1 -..-.
mimosa fi yjranca frosenra como o
fl.-lic:n!" cheiro da^ ;.>,.,- .
t s rlori-s. i taranto "-: in< : a c:tl 1 18 do 1 (:-.. o seu tizo torna-: c un :.
teniente uprazivc] o dvscj; vol w \
accjncncir. da inliuouci 1 r l' ir
enave ciuc olla produz &olre :
cm rj_u mto m"c tizada 110 banho : 1
imparte o eorpo langtti 1 e ca
urna certa elasti dade de v ' EUa tu -..' ..-... '' .'..' _
, a, . '.i/ion, unhes
sobre apelle.
Divn i ski.',
PAB OE 0 \
E urna proparayo aoniiravcl para
par, afonnosear, conservar o reetal
cer A venda as boticas de Caors & Bari
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo cv C,
da Madre de Dos.
BOATO FjTOOS.
Fugio da casa do abaixo assignado o sf es-
cravo pardo de nome Marcos, dade 32 anuos, pon-
fo mais ou menos, e com os signaes segniotrs :
altura regular, percas compridas, cor escura, ca-
bellos annellados, olhos pequenos, falla de denles,
nariz chato, costuma andar depressa, e como ,,; e
pulando, e aindase torna mais cinhecido por lor
diversas cicatrizes de (romma pelos peitos, cosas,
lado e sobresahindo sobre todas por ;-e tornar mais
visivel, urna abaixo logo da garganta no vao da
caixa do peito; elle pinta e caa soffrlvclmente, o
consta que elle lem trabalhado por nU>. ofllcn i ni
diversas casas aqui no Recife : portanto roga-re
autoridades policiaes e aos capitaes do campo que
o fagam apprehender e conduzi-lo casa do sen
senlmr o major Antono da Silva Gremio, na ra
Imperial, que gratificar generosamente.
Fngido.
Desappareceu ou furtaram do sitio do Parnamei-
rim, junto do do cirurgiao Leal, na noile de 30
para 21 deste mes, um cavallo rudado, claro, gran-
de de meia idade, cabera grande, com urna peqai -
na bexiga, de pisadura de selim, e bastante
pesado : quem o achar pode leva-o n dito sitio
cima que ser recompensado.
Vende-se potassa em barris a commodo preco o
na roa da Cruz n. 23, primeiro andar, eseriplon:
de Antonio de Almeida Gomes._______________
Atten#io.
Milho, srreos grandes, perfeilamente mul-
to bom a..........
Farinha de mandioca a melhor do mer-
cado a...........
Arroz de casca.........
Roa da Madre de Dos ns. 5 e 9.___________
Caixoes de folha de (landres a 800 rs. : na
ra da Cruz n. 6, armazem.
5,6000
54500
3500
Motores e prensa de algodo.
Vende-se orna prensa para enfardare um motor
para mover machinas para descaroc,ar algodo, do
melhor systema em oso nos Estados-Unidos da
America : a ver e tratar, na fabrica da travessa do
Carioca n. 2, caes do Ramos. Na mesma casa se
espera a cada momento por um navio chegar,
alguns motores inglezes para um e dous cavallos,
de um trabalho muito maneiro e simple?, que se
vende por um prego muito mdico.
Esteiras para forrar salas.
Com 5 palmos de largura e muito superior qua-
lidade, vende-se mais barato do que em oulra qual-
quer parte : em casa de Valle Porto te C, na roa
da Cadeia n. 33, Recife.
Bixas de Hmburgo
Vendem-se na ra Nova n. 61.
Fugio no dia 18 do corrente urna preta da
Costa de nome Isabel, reprsenla ter 35 annos de
idade, baixa, cheia do corpo, cor muito prea, be-
xigosa, costuma embriagar-se, levou vestido do
chita encarnada de cor rxa, saia preta, chalo
branco. anda vendendo fructas, e muito ronhecida
do captao de campo Jos Patririo, tem sido vlsia
pelo bairro da Boa-Vista, Campo Grande, e porte-
da' a eidade : pede-se as autoridades policiaes o
capitaes de campo a sua apprehenso, e mando
a ra da Cadeia Velha do Recife n. i, que serio
pagos de seu trabalho.
Escravo fgido.
Fugio no da 2 de junho do corrente anno o es-
cravo Joaquim, trocando o nome para Manoel, eri-
oulo, de idade 20 annos, com os signaes sepili-
les : alto, magro, cara meia redonda, cor rala,
ern orna queimadnra no rosto lado direito, o
rendido de ama verilha : pe.'e-se aos lllms. Srs.
subdelegados da Varzea, do Giqui, Alegados o
outros lugares, de o apprehonderem e mandatem
trazer ao abaixo asslgnado ; igualmente p. dse
aos Srs. caiita>s de campo a sua apprehenso qu<>
serao gratificados.
Manoel da Silva Neves.

ILEGIVEL


8
Dlarl* 4e l*ern*|b>tee> abbado til 4e NoTcnw.ro e 11C.
LITTEE ATURA.
Discurso, que o Sr-. oonsenhor Pinto de Campos
proferto no dia 23 do correle, no eollcuio
d S. Bernardo, ao enroar a sua aula de
cloqiiencia e potica.
Senhores l Terminando hoje o anno lectivo dos
nossos trabalbos, eorre-me o ever de dirigir-vos
un aleus ae saadosa despedid*, e de agrade-
cer-yes pjr egual a docilidade, e conioostura, com
qn i vos boa vestes, durante o lempo em que me
coube a honra da presidir, nao Unto como meslre,
quanto como condiscpulo, os avanzos da vossa
intelligeneia no estado da materia, que fez objeclo
das nossas luennracSes.
O alindo de vosso proceder, 0 o constante empe-
ulio que puestea em curaprir as vossas obrigacjes,
.su ;iliona o a vossa unile, nao rcaleam menos a
regatar disciplina, que reina neste Estabelecimen-
lo, ruj un: nsavel Director, mais vido do gloria,
que de percalcos, nao poupa esforgos, nem sacrifi-
rios para tornar o se.i collegi um asylo prstamo
h uvenludfl bra:leira. Abeacoaudo as suas fadi-
l is, e disvelos, fago votos ao Divino Creador da
luz |iara que sus esperanzas niio murebem, e que,
.ni o grande Leibuiz, continu ;i crer com a mes-
ma forga do conviccao, c voutade, que da educa-
i j depeodem o- deslios de um povo, c nclla se
eixa lodo o segrpdo da reforma do mundo.
E de passagem direi, que fallo aqu da edueacao
complexa, da que melliora ocorpo c o espiritoda ,
i I i lacio que ensina ao menino, irlo s o que seus
i souberam, como o que se sabe no seu lempo,
o qq; ell em flm deve saber para vi ver, para pen
sar, para crer no tocante vida, ao pensaincnio, a fe
social de sua poca. Fago dislincgo entre educagao
exclusivamente profesional, scientiflea, industrial,
e a educagao moral, littoraria, c commum. Esta,
que precede aquella, a que se d nos collegios. O
menino, que sac Inm instruido as Naguas, e as
materias que constituem o carpo de preparatorios,
est habilitada para cscolber o ramo de sciencia a
., especialmente queira dedicar-se.
Nos cullegios lambem ha outra sciencia, que,
no que seaprende sem mestre, -a sciencia das
alrtiroes espontaneas, das relacoes completa com as
.is, com as idas.com os habilos.e cornos homens
emmtniaftira,dlgamo-lo assim: ascienda da soeia-
bilidade, que n;io se nao a grande sympatliia das
intellimneias, das crencas, e dos costumes em
: r. Para baver essa assimilacao, essa sympalhia {
iiitcllectual, essa encorporagao de harnees com
horneas, que formam a sociedade, indispcnsavel-!
ID inte necessario que hajam ideas communs. Im- i
porta barmonia social, que o menino, para vi ver
mais tarde em communho de ideas, de actes,'
de virtudes e de costumes, tenha vivido, ao entrar
i vida, em communho completa de ensino, e de
nislrucgao com seus contemporneos; que tenha
vivido at damesma alimentacao, porque a alimen-
tacao influe no temperamento, o temperamento no
carador, o carcter nos costumes. E' lei phisolo-
gica que nao falla. Podesse eu promeller a uoi-
tjrmidade nos caracteres, que.desde logo appre-
s; ntina resollido o problema da frat-rnidade nni-
versal. Em urna palavra, esta communho de
ideas genes, bebidas como que no mesmo leito, e
no mesmo copo sobo palrciado do ensino, oque
bi de mais liberal, e democrtico, na accepgo;
virgen, e pbilosophica desles dous vocabulos, tao
tristemente mal comprehendidos I
Estas ideas ligeiramente lancadas ao acaso pe-
diam mais largo desenvolvemento; mas me parece
haver dito quaoto baste para fazer entrever a util-
dado do ensino collegial,ensino que a experien-
cia de todos os noves cultos persuade, ser, em regra
e,J. multo mais proficuo quando dirigido por
parlieuwes, qne disto fazem vida e prolissao, do
que petos gwernos em cujas maos ludo tem a des-
dita do convcriu-.sn em monopolio, que abre larga
margem ao patronato, restringe o circulo da
cmcun enca, que, em maler.. ae ensino, que a
industria das industrias, deve .-.. amplissi-
ma. Eiintea et ilocele omnes gentes, qu^ ,af:
dizer: Ido e cnsinae sem restriccao, nem dis-(
lioccao a tudas as creaturas.
Nao sei bem, se me vou desviando do cami- |
nho; pois que o meu (im, senliores, ao separar-me i
de vos, deixar nestas toscas linhas urna resumida |
memoria da nossas palestras, e bem assim pr o'
ultimo remate aos debis ensoos, que vos trans-
iiieiii sobre a importante arte de fallar, tao esmo-
recida, e decadente entre vos, e que na opiniao do
s-'.'ia (It-cUnudor au p3a de un am-niadn de
so i-, que nnri .-c. . ,,arn desvairar, do qm para
dirigir a imaginagao das turbas.
.Senliores I a eloqaencia, como sempre procarel
ensinar-vos, de concert com os grandes mestres,
> urna arte de mu alto pensar, se bem se conside-
ra a sua grave missio.' Allumiar a inlelligencia,
reger as paixoes, corrigir os vicios, combater os
abasos, sustentar as leis, auxiliar as deliberac5es
publicas no sentido do publico interesse, c fazer os
;os boas e felizes, eis o subido mister da elo-
i: icacia. Nao confundamos o seu nobre offlcio
co:n a rbida loquacidade de palreiros insofiriveis,
qu ah p.illuem o santo misterio da palavra.
Contemplando o descahimenlo da eloqaencia no
nosso paiz. sou levado a assignalar como causas
deste triste feuomeno, nao s a falta de cstudos
solidos, como a corrupeo dos costumes pblicos,
e o enfraqaecimeoto das nossas instituicSes li-
vres. Os estados, que entre nos se fazem, pare-
cen mais ronduzir aos remoldo pedantismo, do
q i ao inundo real da sciencia. Nao duvido que
lenham produzido sabios, creio mesmo que os te-
mo-;; mus a nuvem dos semidoutos c mais com-
(ma, e, ua imiilia humilde opiniao, sao menos
nocivos os mus mdicos, pois que se fazem
aborrecer na primeira cura infeliz que exercitam,
do que os charlataes luteranos, pois que veudem de
graea as suas drogas, e gosam de mais I cenla.
Sneca, na sua segunda epstola, estygmatisando
o.> pedantes do .-eu lempo, comparava-os, j
pe igrinos ou viajantes, que passarn rpidamente
de urna a outra hospedara, sem se demoraren! em
parte alguma, j s plantas, que, transferidas para
oulras regios, nao se clinialisain, nem vingam em
ncohuma, ja em Jim estmagos traeos, que,
carregando-se de muitos, e diversos alimentos,
longo de se fortificaren), se estragan! pela sua m
decoccao.
Nao se pode fustigar com mais propriedade o
meio-saber presumpeoso dos corsarios da sciencia I
Bem presinto i|ue estaes oppondo ao meu asserio i
as tres grandes aspirarles dominantes desta poca, i
a saber: a id.i do progressoa paixo do pro- i
gressoa vontade do progresso.Sim, sim, con i
fesso que ha ludo isto, mas lambem mequer pare-i
cor a mim que todo i.-to nao passa de urna tremen-'
da fascinagao. O haver muita fumaga indicio de I
pouca luz. Importa, entretanto, esclarecer, dirigir,'
egaiarem seus carris naluraes essa idea, e.-sa
paixo, e essa vontade, que as geragoes acutaes I
consiituem a vasta torrente, que arra>ta o mundo |
para um ideal de bemaventuranca terrestre, que se
chama progresso, a.-.-un como importa muilo que
nos nao illudamos; por que, se esse trplice mov-
mrito um soberano poder, lambem um perigo-
so soberano. Nada lera perdido tanto as nagoes,
diz Affouso Bsqairos, como os seus dourados so-
nhos de proire*so Ah se me fra licito soltar
aqu urna tempestada de queixas, e maldicoes con-
tra os alvitreiros, que flagellam os povos com a
cauda desse Jeviathan, que denominam pro-
gresso I
Conirahindo-me ao meu objeclo, senhores, con-
tino a suppr, que a superficialidade do geral de
nossos eslmios urna das causas motivas da deca-
dencia oratoria. A eloquencia, sem a nutrlcao de
ideas fecundas, creadoras.das altas concepcoes do
espirito, assemelha-se aos fogos fatuos no brilho ins-
tantneo e esvaecido. Os seus raios deixam nos
nimos os mesmos sulcos, que a agua deixa sobre
o vidro I
Scbendi recle sapere est principium et fons.
O declamador florido nao conhece os principios
da saa plnlosopbia, nem os da doutrina evanglica,
e por conseguinte uo pode dar aos seus discursos
a substancia, e unego, que fallam a razio, e aoco-
racao. Nao busca se nao phrases brilhanles, e tr-
nelos engenhosos. Ao revs disto o ora lor avisado,
c culto orna es seus arrazoados de verdades lumi-
nosas, de sentimeolos altos, e de expressoes ga-
llardas : pensa, sent, e o verbo Ihe sahe esponta-
neo e lucido dos labios. O seu primeiro intuito
ronceber, di-lo-hei assim, o espirito do seu discur-
so. Remonta se ao principie geral a que se prende
a materia : comprehendidos lodos os seus aspectos,
col loca a idea geradora na abobada do pensamen-
to como pharol que o deve guiar na urdidura, e
desenvolucao do seu plano. Afeicoa, e ajusta o as-
snmpto percepcao dos espiritos menos penetran-
tes, descendo gradualmente s ultimas consequen-
cias por um encadeiamento regular, e sensivel.
Como se fra nm general em campo de batalha,
dividinde, e destribuindo o seu exercito em pelo-
toes, o orador classifica, e Intercala no seu lugar solida, e sem verdadeiras fu-gas. nao menos v-
proprio cada urna de suas prevas, estabelecendo ciosa em os discursos, qao nos corpos, emuitas ve-
urna certa ordem de precedencia, conforme o pres- zes nos'guia a imagen^ inteiramente contrarias-
timo, e valor de cada urna dellas, no tocante ao sendo ceno, como dizem, que nada mais secco
auxilio que se podem prestar na deducago. Este que um hydropico.
criterio no ordume do discurso evitar as repeti-, Todas as vezes que se intenta enzrandeeer pen-
coes que, quando nao feitas de industria para ra- smenlos, que por si mesmas nada leem de eleva-
du-ar bem no animo do auditorio o pensamento do do, cahe-se no vicio da inchagaovicio a qu es-
orador, so tornam viciosas, e quebrama energa, e tao sujeitos os espiritos falsos, e" sup-rficiaes que
intiniativa da phrase. cm razao da sua pequenez, se eaforeaj mai
Amia mus: esta unidade no desenho faz que o em cx|inmr com palavras extraordinarias, me-
auditono, por urna especie de intaicao, veja todo o taphoras atrevida-, e conceitos hiperblicos os
territorio, digamos assim, que o orador tem de per-! objectos pequeos, e muitas vezes dspresiveis.
I correr, e d'ahi o prendimenlo da atlencao, que nao | O qu>, segundo avisadamente observa Quinlila-
| pode ser (Juradora, se Dio o resultado da impor-. no, incaica mais fraqueza, que forga, b.'m como
' lancia, que se conche da materia. Assim que do nao asaude, porm sim a d^ienga, quem faz in-
ponto culminante de urna cidade vemos todas as char o corpo. As ideas, ainda sendo grandes se
: roa, e portas, se as ras sao rectas, cguaes, e sy- sahrem dos seus justos limites, e passarem am
mtricamente alindadas. do sublime, constituem outra segunda especie de
Outra condiciio que se reqner n'um discurso re-' inchagao. Lucano, Stacio, e a maior parle dos
guiar que seja elle precedido de urna proposigao,' poetas do seeulo XVII nos offerecem de ambas
que se dividir em tantas, quantas forem as ideas ellas frequentes exemplos.
rapitaes sobre que se baja de discorrer. A propo- j O quarto escolho finalmente a ignorancia da lin-
sieao, para ser bem ideada, cumpre que se veja pa, que s se aprende nos classicos. Por r.lasgi-
nella o discurso abreviado, como o discurso a eos emendo euaquelles que, por consenso unnime
! proposigao desenvolvida, conservndose em ludo a dos lempos, e das nages, se fizeram insignes as
1 maior simplicidad^ e unidade. m \ leltras, e crearam, por assim dizer, os mpldes em
sobre os Gregos e os Romanos, antes que o luxo da vantes, e Mil ton, e Goethe, e Allighieri, e Trqualo
Asia os corrompesse a elles, e as suas instituigoes. Tasso, c B issuet, nao perlencem a nenhura partido
La a ortuna, a reputagao, a autoridade, e a gloria a nenhuma escola, mas ao mundo inteiro que os
pendiam da eloquencia, como a victoria da espada acclama philosophos e creadores da bn^ua
de um general. A palavra vibrada com a forga da Fallar bem urna lingua , na phrase do padro
conciencia fazia prodigios incriveis. A eloquencia, Antonio Pereira, dizer ludo o que se tem para di-
como que porfia, disputava palmas eloquencia. I zer, explicando-se cada um pelos termos mais ana-
Era assim, que, n'um dia, segundo Diodoro de Si- |0gos, e mais naluraes da mesma lingua. E na
cilia, Nielas convenca aos Syracusanos a dar a verdade, senliores, sem este cabedal, o autor mais
vida aos prisimeiros athenenses, e, noutro, Gyli- 'divino sempre, por mais que faga, um mu esenp-
e os determinava, por seu torno, Ibes dar amor-; tor. nos diz Boileau :
I"'
te I Nao era o suborno, nem a fraude que auspi-1 Sans langne, en un mol, auleur plus divin
riavam as conquistas da eloquencia, por que a frau- Est toujours, quoi qn' fasse, un mechant ecrivain.
de, e o suborno eram trastes desconhecidos nos O uso, diz Qnintiliano, o grande mestre, e le
grandes auditorios de Grecia e Roma, onde os m- gislador da lingua ; mas este uso o consenso dos
nejos oceultos, e os artificios da vesga cobga nao homens dontos, ou eruditos, e versados na ligao de
substituiam aos combates da intelligencia. e da i seus classicos.
lealdade Era a lucia do direito com o direilo, cu-1 O (rosto, e arte, na opiniao do eximio litterato
jos esforgad is athlelas s se iospiravam no amor da Jos Feliciano de Castilho, cultivam-se, aperfei-
gloria pessoal, e da grandeza do seu paiz. goam-se pelo diurno, e nocturno versar dos gran-
E que hoje entre nos aquillo quo oulrora sa des modelos. Nao desaira a imitacio, essa incli-
chamou eloquencia do foro ? E' um esqueleto que nago primitiva do homem. Os maiores homens
arremeda a morte j se honram dola. Nao imitou Pereira de Castro a
Os nossos advogados em quanto fluctuam as vi- Camoes, e Dante a Virgilio ? Virgilio ao moaniis
cissitu-les dotyrocinio, lidam por fallar com tal ou paren ?
qual elegancia, mais com o fim de ajuntar cliente!- Nao desprezemos pois a imitagao, s porque o .
la, do que deservir de modelos degosto, e de em- Sem ella os mximos escriptores a tamanha altura
la'.-^0- i se nao houveram remontado. Permitta-se ao genio
Adquerida que seja alguma reputagao, comegam embrenhar-se, matejar nos dominios do genio; po-
a enojarse de apparecer no forum. noje stf icum rm brade-se-lhe que no saber imitar consiste a
substituido pelo jury. Desta desergao da oloquen- suprema difficuldade, para que os imitadores se nao
ca resulta que a causa da humanidade, e da jus- reduzam a metaphrastes. Deveo pensamento crear
liga corre revelia de seus tutores natos, e d'ahi, o pensamento, imagem gerar as imagens, a iihra-
no raro, a victoria do crime, e o sacrificio da in- se enriquecer a lnguagem, o raio da alheia luz
nocencia, por que os aprendizes da palavra sao, por allumiar-nos na mente espagos bnlhantes, e hori-
via de regra, os chamados a perorar em favor de sontes novos. J Santo Agostnho liavia dito que a
objectos tao charos! i invengao de poucos, a imitagao de lodos, e que
Ah que nao teoham os nossos advogados sempre no saber imitar esta o segredo do homem de ge-
presente memoria o sabio dctame de D'Agues- no penetrante, o qual no estudo dos bons modelos
seau, quando diz : Immolar-se ao servigo pu- aprende mais eloquencia, queem todos os preceilos
blico em urna prolissao de tanta gloria; ser orgao, da rethorica.
e voz dos que por sua ignorancia, e fraqueza se Mas nos nossos dias, e no nosso paiz, o eslorgar-
acham impossibilitados de se fazerem euvir; imi- se alguem por fallar, e escrever com apuramento
tarosanjos, que a Escriptura nos representa junto classico, Ihe importa o ser naturalisado pelo pe-
ao Throno de Deus, ofierecendo o incens, e os sa- dantismo cidado contemporneo das civilisagoes,
crificio dos homens, e levar como elles os votos, e que foram, e com resaibos de jesuta, como se a
as supplicas dos povos aos ps dos que a mesma qnetao dalinguagem nao fosse, segundo o eloquen-
Escriptura chama deoses da Ierra (os juizes), , por te Villemam, urna questao que intude com os mais
sem duvida, o mais nobre, e o mais elevado minis- j altos interesses da lilteratura, da civilisagio, e al
terio, que, nesta especialidade, se pode exercer no da propria honra, o dgndade nacional I Como se
mundo
Motivos tao puros, e sublimes nao actuam hoje
no commum dos nossos advogados. Nem o amor
da gloria, nem os incentivos da benefic 'Hcia sao Buffon, pode dar aos escriptos um seguro penhor
capazos de inlibiar a activdade do interesse priva- do immortaldade : se elevado, nobre, e sublime.
pode escrever bem, sem um bom estylo, e como
ter um bom estylo sem o conhecimento cabal da
lineua em que "se falla ? S o estylo, diz o sabio
independencia u auna, eac era
sentimentos, quo alevantam o espirito, que o en*--1??0 Padr.fazer em lingaagm tersa, e castigada,
chem de nobre altivez, de cOnfianga robusta, e que,' no-lo fflwK? no' naoaconselhasse, o bom senso
na phrase de D'Aguesseau, levam mais longe a o amor para com 9 nesm. Cicero levou laotonse
gloria, que a eloquencia, e fazem admirar mais o \ va mxima vergonha o ser*eiia^i0a* '|Ue co.n31 r?'
homem de bem, do que o orador. Semelhante a: bom orador, como al do simnip??"1? cao?...0.
osses arhuctos cuja e.-teril loucania deslumhra O} tam id tnihi orateris boni quam cnis Rmani pro-
til ornamento das arvores feriis, a eloquencia do' pnum videtur.
no>so foro, morrendo a nnngoa de seiva, fuzila, O que foi que lornou tao celebre o seculo de
mas nao allumia, troveja, mas nao convence, e, em Luiz XIV ? Foi a polidez franceza, o atucismo gre-
vez de fecundos arestos da jurisprudencia umver-1 go, e a urbanidade romana, e d'ahi a (ao eonhecida
sal, sao irazdos como mihigres de escolhida, e ap- i hyperbole de Courier : f Que em materia de lin-
propriada erudiego jurdica alguns retalhos roma- puagem nao havia mulhennha no seculo de Luiz
neseos, arrapinhados ah as Memorias de um me-' XIV, que nao pudesse dar licfo aos Rousseaus, c
dico, e nos Ihseraveu de Victor Hugo, como com Buffons.
estes ouvidos j ouvi I a sabedora antiga olhou sempre a lingua patria
E que. direi da Eloquencia sagrada ? lor. opus,' como patrimonio nacional ; mas nos como filhos in-
hic labor al! Que direi T... Oh que direi I Sao gratos ao primeiro leite, servindo-nos de vozes es-
tantas as flores de erudiego que se derramam dos trangeiras. por onde pastamos como hospedes, sem
nossos pulpitos, sinto-me iSo enebriado de seu res-1 respeito aquellas venerareis cans, e ancianidade
cendente aroma, que o pensamento Coge deste am- madura da nossa linguagem anttga a de>presanio,
bientfl repassado de essencias, que produzem o de- antepondo-lhe o francez. que o proprio Fenelon
liquiol... | julga demasiado severo, escrupuloso, pobre, desse-
E como vos dizia, senhores, a arte oratoria vae cado, c improprio para os acentos da poesa.
cabindo em commisso entre nos. Sede vos os seus O orador romano, que me nao canco de citar,
restauradores: doze foram os apostlos do Divino diz que s se consagrou detdamente ao estudo do
Reparador; doze sao os jovens a quem nes'.c mo- grego, depois que. se jntgou perito na sua lingua
ment dirijo particularmente a palavra ; e pois nativa. Mas como aprenden elle a lingua grega ?
constitu um modesto apostolado, no qual nao Vertendo-c cuidadosamente na latina, dando-Ib?
permita Deus que entre algum judas da eloquen- o torneio latino. Chegou a final a tanta perfeigao
cia, que va vende-la por trnta dmheiros no merca- na lingua csiranha, que Apolonio ouvindo-o na
do dacorrupgao! Entretanto, contnuae a otivir liba de Blindes, exclamou, como vergonhadoe sur-
por mais alguns instantes os puros e sngellos con- prezo, que a eloquencia grega tinha-se passado na-
selhos da amizade. ra os Romanos I
Atiende! bem : \ Entretanto que oque se passa geralmenteentre
Oprimeiro esclho dos talentos novis o prurido nos ? Por va de regra, aprendemos mal o francez,
de fallar, e escrever, sem a con veniente preparagao. superficialmente o portuguez, ponco ou nada as
Tenham sempre diante dos olhos os que comegam leis da analoga, e por fim de comas transforma-
aquelle exemplo do celebre bano, que jurava niio moso novo bello idioma em nm composto grosseiro,
metter-se na agua, sem que primeiro aprendesse tiybrido, de phrases e locugoes perigrinas, que,
bem a nadar: i semelhanga, diz ainda Fenelon, dos alimentos mal
O segundo escolho nao menos perigoso sao os elo- dirigidos, que introduzem na massado sangue par-
giosantecipados. Chateaubriand, que, ao primeiro les heterogneas, o alteram em vez de conserva-
alvorecerda aurora intellectaal de Victor Iluso, Ihe lo. Nao vos deixes infeccionar, sendo es, do ter-
deu a estrondosa qualificagao de : Menino sublime, rivel contagio gallo'mania ; e para prevenir a sua
Ihe fez maior daino, do que servigo, no pensar de infiltrago, vos aconselho que conversis frequen-
um entendido. Victor Hugo tem permanecido lomete Barros, Vieira, Souza, Luccna, Heitor Pin-
grande, porque a nalureza assim o decretou ; mas to, Pernio Mendes, Bernardes, Francisco Gomes,
que de reparos nao c elle digno, por querer sem- ] e esses
pre pairar as alturas em que Chateaubriand o
rollocra I Que abysmo nao vae da Ode a Luiz
XVIII ao obseno," e sanguinoso sacco de Tl-
boulet!
Os louvores exaggcrados dao aos mogos urna fal-
sa idea do seu vigor ntelleclivo, e os persuadem a
fazer grandes commeltimentos, sem esludos previos,
e neste errneo conceito perdem a forga que pos-
suem, por quererun apurar a que des falla. E' a
una geni do cao da fbula, que larga a presa que
tem segura, por outra mais pingue, que se Ihe afi
gura na linipha. A regra
E Camoes sublime, altiloquo Ferrcira,
E quanlos a era augusta
Creou com leile sao, clara doutrina,
Que a patria acreditaram.
Entre os modernos, vos aconselho as obras de
Antonio Feliciano de Castlho, este estupendo pro-
digio litterario dos nossos lempos, esle rio caudalo-
so na fecundidade da inspiragao.e Vesuvio candente
na fervura e exploso do estro As de A. Hercula
. e escolher assumptos no- g" ''?l??cia ruara opulentsima, en cujos
adaptados ao proprio talento, e meditar largo espa- Quadrosvividouros as edades moras, resurgindodo
co se sao ou nao superiores s forras de cada um. ossan? dos. se,'ulos. M f, dialogar com as
Deslindada a materia, e comprehendida a sua ex- "agoes vivas I As de Almeida Garren, Aristo-
tensao, nao pode deixar de ser desenvolvida com Phan, na ""na lina, e Del. le no candor, e mimo
ligo. Sumite mate-i^ p!irase : as de Antonio Jos Vale, grao d-po-
eloqucncia, clareza, e distribuig
sitario da erudiego helnica as de Mendes Leal,
prosador Insigne, e poeta remontado; as de Latino
Coelho, Euclides na exaclido do calculo, e Juve-
nal no aceirado do epigrama ; as de Babello da
Silva, escriptor ebgante, e gracioso ; as de Silva
Tullio, de Andrade Corvo, de Tbomaz Ribeiro, o
mavioso cantor de D. Jayme, e novo hrasao das
musas portugnezas; em urna palavra, alm de ou-
tras que seria dlcil individuar, indicarei as do in-
signe Pereira Caldas, as de Francisco Manoel do
Nascmento, as do padre Jos Agostnho, vasto re-
pertorio de ludo quanto se pensou no seu tempo,
embora se extraviasse algumas vezes em exces-osi
o've'rd-! l}ue desluslrani seu carcter cpmo homem, e
como padre, mas nunca como homem de lettras :
orna grande parte dos seus desvarios litterarios
so o animo ; sendo diflieH, ou, para melhor dizer, nao lh,e V2*m?' .ma,S sim SUa 6pora',|Ue foi a
impossivel o resist.r-lhe, por se conservar firme e a Pole|m,('a. e da lucia corpo a corpo entre gran-
indelevel na nossa memoria. Eleva a alma do des """""eonas, que, como o padre Macedo, nem
ouvinte, deixa-lhe muito mais que pensar do que s"npre se conservaram na altura em que o sa-
aquillo mesmo que se Ihe disse, e se susteota ain- TT' e dccoro as ,d.eV|*!n rollocar- (>* duelos
da quando so observa com atlencao ; afinal aera- de mor,e, en,re c,elere B'icage, e os arcadianes,
da sempre a todos. envergonham aquelle periodo, e lamenta-se a perda
I de tanto lempo, e de lano peculio litterario em
O referido rhetorico nos mostra com exemplos lorneios esteris I
o modo por que se pode ser viciosamente inehado, Sei bem que nao basta vida de um homem,
e conclue dizendo t Que em materias de eloquen- para lor com prove to tanta cousa ; basta, porcm,
cia parece muito difflcultoso evitar esta grandeza que leamos bem oquelerraos, c vem a pello aqul-
va, e inchada : porque aspirando naturalmente lo do clado A. Herculano : t Para escrever pre-
lodos ao sublime, e fugmdo de serem aecusados ciso saber ler, e ter ldo ; saber reflectir, e ter re-
de seceos, e pouco vigorosos, oao sei como escor- flectdo mulo. Ora para nos embebermos pro-
regam neste vicio, persuadndo-se que fundamente uo espirito de um autor, e assimilar as
t Quem nobremente cae, da nobre queda I soas bellezas, importa manusea-lo dia o noute. Noc-
Todava, a vaa eqtamecencia, como de si pouco turno vrsate manu, vrsate diurna Na impossibi-
riam vestris, qui scribilis, quam viribus; et ver-
sale din, quid ferr recusent, quid valeanl hu-
men.
O tercero escolh) ourgado de restingas e Pro
fessus grandia target. A inchagao outro vicio
que nao menos se deve fugir, que qualquer dos
sobreditos. E' esta, segundo Candido Lusitano,
urna alfectago ou louco esforgo, superior s forgas
daquellft que o faz, ou a materia, que elle quer tra-
tar. -> fi > sao as palavras estrondosas temeraria-
mente unidas, quem constitue o sublime do dis -
curso, pois que estas s servem de um tal modo
dar-lhe urna ftil entumscencia, e a faze-lo mais
digno de despreso, que de admrago. <
deiro grande, e sublime, diz Longino, aquelle
cuja admiragao nos lem por muito tempo suspen-
Iidade de lermos todos os bons, concentramos a
nossa atteng.o nos melhores; nao promettido o
premio ao que l muitas obras, mas sim ao que l
muito. Mullum legendum esse, non multa. Deixe-
mos a libromania para os espiritos calcurrlantes
em litteratura, que muito se parecem com os ricos
avarentos, que ajuniam muitas nnuezas, e vivem
na miseria. Multas nter opes inops. O agodamento
em perpassar os livros traz em grande parte a sua
ongem da maneira superficial, e accelerada, dizia
o finadoe sabio manjuez de Santa Cruz, com que
ordinariamente se apremlem os preparatorios, ou
o que chamamos llumam lades, no intuito somen-
te de ser-se admitli lo s facilidades superiores, co-
mo se esses esludos preliminares nao livesseni ou-
tro presumo, que o dos andaimes, que, concluida a
obra, se desmanchara, e se atiram para um lado I
A sabedora nao pode, segundo o piedoso desejo
de Scrates, transfundir-se de mente em mente,
como o bom licor de um vaso em outro ; beberse,
porm, na pausada communicagocom os mestres,
bdos, ou ouvidos Os livros sao nossos amigos con-
tinuos, e fiis, e quando judiciosamente escolhidos,
como j pundere, incalculavel a instruego, e
honesto deleite, que derivam destas fontes, que
eorrem, sem estrepito.
O grande chanceller de Franca, cuja palavra
autorisada tenho invocado por mais de urna vez,
e nao cessarei de invocar, aconsalha que de todos
os trabalbos domsticos, que se podem emprehen-
der, para formar o estyllo, nenhum comparavel
ao da iraducgao. Diz que nos ella ensina a fazer
sobresahir as bellezas do original, e que, nos ex-
citando a eguala-las na nossa lingua, frga o espi-
rito a procurar, e adiar torneios capazes de ex-
primir tudo o que pensa, e sent. Ora nisto pre-
cisamente que consiste a verdadeira perfeigao do
estyllo. As expresses sao verdadeiras imagens
dos pensamentos, como os pensamentos verdadei-
ras imagens oas cousas ; vindo a ser o bom es-
criptor, nao menos que o pintor, que conseguo dar
a seus retratos toda a verdade, e gracas dos ori-
ginaes.
A experiencia far ainda mais sentir a Qtilidade
deste genero de appbragao. O essencial perma-
necer nelle, escolhendo sempre os mais perfeitos
modelos, como as narrages deTerencio, os mai
bellos lugares das oragoes de Cicero, os discursos
de Sallustio, de Tito Livio, de Tcito, etc. E' com
taes mulos que verdaderamente til arcar. O
combate difiicil, e arduo, e quasi sempre dese-
gual, mas ganha-se sempre em ser vencido, pelos
esforgos que se fazem para vencer.
Os discursos desles escriptores sao obras primas
de senso, de razo, e da eloquenciaeloquencia
mais de cousas, que de palavraseloquencia que
persuade sem arte oratoria, ou sem empregar ou-
tra. senio aquella, cujo principal mrito saber
oecultar-se. As suas Historias nao sao menas uteis
a meditago, j para formar o estylo da narragao,
j para enriquecer o espirito de rellexoes, que sap-
premoeffeitodaexperieucia,ejporquedoanlecipa-
damaturidaderazo. Sesepodessem mesmo apren-
der de cor as suas mais bellas passagens, seria is
so mui til exerricio para opulentar a memoria, e
apurar o gosto.
Um bom traductor um duplo autor. O Sr. An-
tonio Feliciano do Castillo e Bocage nao sao menos
proprietarios das metamorphoses de Ovidio do que
o mesmo Ovidio, o qual se resuscitasse, reconhece-
ria as lacunas que os seus brilbantes traductores
preencheram em seus pensamentos. O mesmo
succedena a Fenelon a respeito da iraducgao do
sen Telemaco pelo capitn Manoel de Souza e Fran-
cisco Manoel. l'ma traduceo perfetta sao dous
livros em um livro. O segredo est em reprodu-
zir com abundancia o pensamento alheio em for-
mas proprias, e conchegadas. Devemos ter por
meslre neste ponto a Marco Tullio que tradu-
zio o Protagoras de Plalo, o Econmico de Heno
fonie, e as duas beliissimas Oragoes oppostas, a de
Eschines, e a de Demosthenes. Quantas cousas
omitlisse nellas, quantas aerrescentasse, quantas
trocasse, para explicar as propiedades da lingua
grega com as propiedades da latina, nao o di-
ze-lo aqni. Basta-me a autoridade do traductor,
que no Proloqo das mesmas Oragoesfallou assim :
Julgueiquedeviaernprehender um trabalhoutilaos
estudiosos, ea mim mesmo assaz necessario: porque
verlidosdous Alticos mais eloquenies nobilssimas
oragoes,eenlre si contrarias.ad'Eschines.cadeDe-
mosthenes : nao veril como interprete, mas cerno ora-
dor, pelas mesmas sentengas,esuasformalidades,tan-
to com as figuras, como com as palavras ao nosso
uso aceommodadas. Nao julguei necessario repetir
palavra por palavra ; mas observei todo o genero,
via eonta^aYarlft.n^^^
que peza-las.
Tambera Horacio, vario agudo, e douto, isto mes-
mo recommenda ao interprele erudito : Nem co-
mo fiel interprete, diz elle, te esforgars em repetir
palavra por palavra. IntrpretarainTereacioaMe-
nandro, Planto, e Cicero aos amigos Cmicos : por
ventura arriinaram-se s palavras, e nao conser-
varan! ames o decoro, e a elegancia na Iraducgao,
a que se chama verdade da interpretagfw-t
Concluirei esle tpico com a autoridade superior
de S. Jeronymo, o qual, Iraduzmdo em lalim a
Chroniea de Busebio de Cesrea, diz, entre outras
cousas, as segrales : Difflcultoso , que quem se-
gu as demareages aldeias.nao as exceda ora algu-
ma parle; e nao .por egual menos irabalhoso,
que as cousas, quo estobem ditas era outra lingua
conservem o mesmo decoro na iraducgao. Est
alguma cousa significada na propriedadc.de urna
palavra alheia ; nao tenho outra rainha com que a
signifique, e emquanto pretendo encher a sentenga.
com um largo circunloquio, consumo os espagos
de um cami abo apenas breve. Accrescem a isto
os rodcios dos biperbatos, as dissimilhangas dos
casos, a variedadedas figuras, afinal aquella sua (di-
lo-hei assim) propne tale natural,e o genero da lin-
gua nacional de cada um. Se interpreto letra,
sam mal as sentengas ; se por necessidade mudar
alguma cousa na ordem, ou locucio, parejera que
me apartej daobrigago de traductor.
No tueio do diluvio de ms traduegoes, que
ameaga de submergir o nosso idioma,nao julgo de-
masiado dizer ludo quanto os bons mestres escre-
veram, afim de que vos nao deixeis cahir na lenta-
gao de acompanhar o mu gosto que lavra em ma-
teria de versao, salvas rarissimas excepges.
Nao vos fallei ainda da leitura dos poetas, tao re-
commendada pelos grandes autores, como D'Agues-
seau, Fenelon, e Cicero. Este ultimo diz que aquel-
los mesmos que escrevem prosa se approximem o '
mais possive dos poetas no modo de exprimir : i
Verba prope Poetarum. E' porm, aqui, mais que i
em qualquer outro genero de leitura, que no bom
importa escolher o melhor, e no melhor o ptimo. I
Segurado o grande Chanceller, aconselhar-vos-hei, I
que de preferencia cultivis tres poetas latinos :
Terencio, Virgilio, Horacio. Sao tres genios mais
eguaes que semelhantes : Pares magis quam smi-
les. Mas se fosse licito optar entre cousas egual-
mente perfeitas, comegaria por louvarem Teiencio
essa pureza, essa iiaturaiidade, essa elegancia de
estylo, qu se Ihe nao podem imitar, e menos exce-
der. Admirara em Virgilio a nohreza, a mages-
lade, a elevago, o torneio do verso sempre caden-
te, o sentimental sempre sustentado, e que toma o
seu estylo tao interessanie, que taire: por ah,
que o imitador, e rival de Homero tem as vezes
excedido o seu original. Acabare!, porm, por de-
cdir-me pelo grande Horacio, por suas epstolas,
por suas satyras, e pelo seu grande JWonum/fn/iim
areperemus -a Arle Potica-que, tragando leis
aos poetas, ministra preceitos fecuados aos propros
oradores, escriptores, etc.
Neste mmortal genio se aprende tuio : fallar
bem, pensar bem, julgar c un criterio entre o que
convm, e desconven) ao circulo em que vivemos;
ler idea ajustada dos caracteres, das conveniea-
cias, e dos deveres da.vida civil; conhecer oque
pode tornar o hornera honesto, eamavel nocom-
mercio da sociedade : nelle se encontra, como em
festao, todas as virtudes do estyllo. Justesa de
expressao com a quantidade do pensamento;
arle em apresentar imagens sempre graciosas, e
com sobriedade distribuidas ; gosto em travar
as bel lesas, de feigo a se succederem nalural-
meHle, encantando o espirito por sua variedade,
e sem fatga-lo com a sua profusao ; escolha '
prudente de epithelos, sempre necesarios, ou por ',
que dao raals expressao a idea, ou mais energa
aos lermos a que se juotam ; perfeigao na nar-
raco, cuja elegancia, e ornato nio dminuem'
a simplicidade, ou a rapidez. Em urna palavra, i
encontra-se neste Lyrico dislincto um mestre sem-
pre amavel, que, como elle mesmo diz, ensina a
verdade rindo, e enjo tonlho, e lelra jocosa vibra !
as cordas do corago, para Ihe fazer entrar mais
agradavelmcntc os seus preceitos e regras. Fra
mister ser Horacio, para desenhar dignamente o
seu carcter, e aproveita-se mais leodo-o, do que
ouvindo-o louvar.
Alm destes tres poetas latinos, muitos outros,
ha cuja leitura apreciavel, e vantajosa. A forga, |
e vehemencia de Juvenal, o grande senso, o ener-
ga de Prsico, a moral, os pensamentos, as ex-
presses de muitos lugares de Sneca o trgico, a
vasta imaginagao de Estacio, a liberdade, e, algu-
mas vezes, a grandeza de Lucano, a facilidad", e
fecundidadede Claudiano, podem ter sua utilidad*
para elevar, e enriquecer o espirito
Depois mudando de figura exclama de repente :
Aonde irei que me possa furtar ao teu espirito ?
Para onde fugirei que nao esteja diante da tua fa-
ce f Se eu sabir ao cea, tu l ests, se descer ao in-
ferno, l le acho presente.
Vae outra figura ainda malS preciosa : Se eu to-
Entre os oradores francezes, que fulguram em mar as minhas azns, e for de man'ia* alojarme
imeira plana, apontara-se Flechier, Bossuet, e am dos mares que terminan o mundo, ou, si-gun-
pr
Bourdalaue. Este ultimo , talvez, aquelle que se
pole ler com mais fructo, quando se quer fallar,
para provar, e convencer. A bellesa do plano
geral de seus discursos, a ordem, a distridugo,
que reinara em todas as suas panes, a clareza, e,
e permitalo diz vio, a pipularidade da expres-
sao, simples sem descahun -oto, o nobre sem affec-
(aeo, sao modelo* que mais fcilmente se ajustan
. segur
do o hebrea, se eu pedir emprestado aurora as
suas azas para voar como ella n'um momento ate
as extremidades da trra : Elle nao diz simples-
mente : Isto ser intil, ou lambem como no verso
antecedente Ea Id le achare , mas cora urna
expressao muito mais bem intendida e muito mais
delicada, como tunera que se aecusasse da loucu-
ra d; se querer esconder a Daos, prosegue : Tao
eloiuencia do foro, quo o sublime, e opathetieo in.je ,/,. me furtar a ti, tu s o que me sustens
isuel, e a justesa, e a cadencia, talvez, muito que me levas na minha mesma fgida. Nj
de Bossuet
uuiforine, de Flechier.
As Cartas Provinciaes de Paschal, e sobre tudo
as ultimas, no tocante ao melhodo de agradar pro-
vando, podem ser collocadas ao la lo destes tres
eminentes luzeros do grande seculo.
A carta decima quarta, cora especialidade, passa
na opiniao doscriticos, por um brilhante espci-
men de eloquencia, e pode, sera duvida, disputar
prmazia a tudo quanto a antiguidade mais admi.
rou I As Philippicas de Demosthenes, e as oerrf-
as de Cicero nada oifererem que exceder possa
vehemencia, e abundancia desta carta I
E a Biblia ? a Biblia, senhores O que j
egualou magnificencia, e transportes (Lis cnticos
de Moyses ? Onde algum poema mais admiravel
em bellesas, e em figuras magnificas, que o Litro
de Job 1 Quem exprime com mais graga, e ter-
nura a unio mysteriosa do Deus Esposo com a
alma do homem que se faz sua esposa, que o can-
tico dos cnticos ? E quera mais florido, e mais
ornado, e mais grave, e mais sublime, e mais elo-
quente, e mais caudaloso, e mais transporto que
Izaias ? E Jeremas 1 E Daniel ? E Ezequlel ?...
e.. .o Livro dos Salmos ?
Vibrarei ao acaso algumas cordas do Psalterio,
e com Bossuet, e Fleury, Antonio Pereira, e Cal-
das, ougamos joelhos as harmonas divinas que
exalam daqoell harpa mysteriosa, afinada pelos
anjos, inspirada pelo Espirito Santo, e dedilbada
pelo soldado, e re, penitente, e guerreiro, prophe-
ta, c santo.
Por exemplo :
No Salmo XVI lose esta delcadissiraa expres-
sao : Guarda me como u nvnini do olho.
Nesta supphea de David nos da elle um exem-
plo ou idea asss sensivel da maneira desvelada,
e sollicita porque Deus trata os seus escolhidos,
livrandoos nao s de damnos graves, como de of-
fensas levissimas. Guarda-me como a menina do
olhoisto , com o mesmo cuidado, e mimo com
que se traa a pupiba do olho, a parte mais me-
lindrosa do nosso corpo. Ha nesle modo de dizer
um primor de phrase, que excede a tola analyse.
Em seguida diz o mesmo salmista : ebaixo
da sombra das las azas defende-me. Nao me-
nos bella esta metfora. Pedir que Deus defenda
que ni" tecas na minia mesm i fgida. Nj lia nada
mais mimoso, nem mais admiravel 1
Pareceque com Isto esgotra David toda a sua
imaginagao ; mis ois aqui ain la outra ida mais
esludada do modo porque e como se poderia elle
oceultar a Deus. Eu disse comigo mesmo : Talcez
que as treta me. possam encubrir, e eu fare as mi-
nhas delicias da noute, como oulru as faz da luz.
Mas romo sou insensato.' Ai trenas nao sao trevas
para ti; a noute a leu respeito como o dia : as
trevas daquclla sao como a luz deste.
Onde se encuntrou ja tanta sublimidade de engo-
lillo, lanto arronbode eloquencia, e lauta galhardia
de expressao, como nesle Salmo ?
Seria inexequivel empenbo o de assignalar todas
as bellezas, que encerra o Livro dos Salmos, e to-
dos os outros que consliluem a Biblia I
Eis-aqui, meus amiguinhos, as flores que andei
colhendo pelos vanos jardins que visito!, com o fim
de vo-las ollerecer neste pobre ramalhete : se hoje
-ao paMidas e mesquinhas de aroma, porque Ibes
toquei, fio que no futuro, bafejadas pelas auras
do genio, que era vos abunda, sejam convertidas
era fructos e facam parte do flora o, que a patria
agradecida vos collorar sobre a cabega.
Sede felizes adeus.
Joaquim Pisto de Campos.
UM POUCO OE TUDO.
L-se no Jornal das Familias o segrate :
Que fazenda tao ruira, diz a raulher ao ma-
rido, que fazenda tfto ruim que o panoo do pale-
to que compraste.
Qual ruim ? Pois isto ruim ? replica o ma-
rido.
Nao pode ser peior ; isso nio dura nada: e
voc nao sabe que quera se veste deraim panno se
veste duas vezes ao anno ?
Ora, para tudo ha remedio, pondera o bom
do marido, que quem remenda o seu pauno, falo
durar mais um anno.
""""";
os seus servos debaixo da sombra de suas azas e ., .
mostrar-nos David que o mesmo Deus os ampara &* C<> extravagante entra em casa de seu
e acolhe com a mesma ternura, e carinho cora que tutor a pedir-lhe novas mesadas,
a gallinha toma sob suas azas os seus pin tai nhos. .._..*, a.m
Desta bella parbola usou tambera Jess Chrisio. " PipiHo, diz-lhe o tutor, quem come sem
No salmo CI-L diz : Quanto o cu est acuna onta vive sem honra.
(fu trra, tanto corroboran Deus a sua misericor-
dia sobre es que o lemem. E quanto o i'iente
dista do Occplente, tanto afastou elle de nos as
nossas iniquidades. Nestas antistropdes ha urna
eacellente hyperbole, cora a qual encareee David
a poderosa encada da bondade de Deus para com
os que o amam
Ora, meu caro senhor, volta-lhe o joven, mor-
ra embora Martha, porm morra farta I
*
Dous amigos que se encootram perguntam um
ao outro o que ha de novo.
Gasou-se, diz um dalles, o Dr. Flix.
No salmo XXXII diz : Que estendes os cus Deveras, exclamou o outro, aquelle feio e
como em pavilho.* Ha muita pro{inedade no
verbo estender rom referencia a idea ue pavilhao,
como fazer dos ceus pavilhao usar a mais pom-
posa das metforas.
No salmo CLLL : i Disse, e lerantouse o vento
de lempestade E no verso 29 E mndoii a sua
tempes!ade em branda viraeao, e as ondas do mar
emmudreeram.
As metforas que encerrara imis bellesa, e va-
lenta sao aquellas em que se figuram tntendendo,
e filiando as cousas inanimados-. E' muiapplau-1
dida dos rhetoricos e crticos aquella metfora de
Virgilio em que o rio Aroxes se aprsenla indig-
nado jugando cabecadas contra a ponte. Ponlem
indignatus Araxes. Esta especie de metfora' do-
mina nestas duas expresses: Levantow-se o ven-
t da tempestaste; as owlas emmudeceram.
No Salmo CXLIII nestes versos : c Que tens,
?,*1" ;"1j'",v "' F hv i] Jnrdao, porque re-
inseateteztemos urna apostropne suoiuue, acoiu-
panhada de nwgeslosa prosopopa.
No Salmo CXLI, descrevendo David aestreteza
da stuago em que se adiara, quando sitiado por
Sal em urna gruta, amoraga galantissma hyper-
bole nestas palavras : l'eriit fuga me etnon est
qui requirat animam meam. Nao me ticou lugar
de fugir, e nnguera bouve que procurasse saber
de mim.
A mesma hyperbole contina as lamentagoes
segrales : Amia mei. et proximi mei quasi ad
leprosum sSHerunt. t Os meus amigos e os meus
parantes pararam junto de mira, como para ver um
leproso.
Amia no Salmo CVIII reproduz a mesma mag-
nifica hyperbole neste verso : Vitkrunt me, et mo-
verunt cxipita sua. Neste passo parece que de an-
mal feilo? E com quem se casou ?
Com D. Mariqunhas, a belleza em pessoa.
Ah I na verdade, meu amigo, foi ura favor
qu*a moga Ihe fez !

A St'PPLICA.
Donzella, nao digas mais
Que meus versos sao de gelo :
Pela belleza de pego
Das (rangas de teu cabello ;
Pelo aroma tao suave
Que smente tn exhalas
Da boca tao graciosa,
Quando perto de mim fallas..
Meu anjo I se queiris fogo
Nos meus versos, esrutae-me :
l'm volver d'olhos bem terno,
Amoroso, deparae-me.
Mea pelto ser volgiio,
Ser tudo o que quizerdes.
Desd' o instante em que d'amor
Urna centelha me derdes.
Le^-se na Estrella do Norte o seguate :
A OOUBDIAlfTI CONVERTIDA.
MadamoiselleGauthier, de quem a primeira par-
le da vida foi tao escandalosa quanto a segunda
te-mao o propbeta re a scena de lodibrio e escar- edificante, perdeu seu pae quando tnhaapenasdc-
neo praticada pelos Judeus na presenca de Jess,,...:. ._- Q ",
Chrisle, (zeseis anno-, e as pessns que deviam cuidar em
No Salino CH compara a pouca duracao e ca-
ducida le da vida humana flor do campo. Tun-
quam flos agri, sic eflorebit.
David poda estabelecer o parallelo com a flor
do jardiin era vez de flor do campo. Mas propon-
do-se dar urna idea clara da in>tantaneidade da vi-
sua subsistencia, tendo recusado faze-lo, entrou
ella para um theatro, nao sem alguma repugnan-
cia, porm acostumou-se lanto nelle que adqacriu.
em breve grande celebridade.
Debalde eniao urna prenla virtuosa esforgou-se
da, essa idea nao licaria bem patente, ou tao sen- para chama-la um genero de vida mais confor-
siyej se a coroparago fosse com a flor dojardim ; mc educaran que tinl.a recebido : ella zombou,
porqua.no a flor do jardim, por isso mesmo que e d advertencias
tratada cora muito mais zelo e cuidado nao est I ae sua> aaverlencfs.
tao exposta a fanar-se, ou a ser esmigalhada como \ Festejada pelos grandes, pensionada pelos prn-
s iTrK,re;dda^!s.Sorv,vt>-N,sto ici^ ^d* *-rda Mo,,idSo-e,,a ww nos
N'outro Salmo compara por egual a vida dos [ Plero* e na opulencia, agrada ao mundo e o
impos com o sondo dos quo se levanlam. Vetut j mundo Idc agrada : isto basta-lde.
sommiim surgenlium, Domine. E como se pare- Antes de cuidar no Paraso futuro de ano Ihe
SS C%X%XiqlZ$&t*\ <;": >*> "Uer- 0,'' "araizo ac
sondo, nao ldes compara a vida ao sondo que se ,ual> ond!: se acha Wm ' se alguma vez eonver-
tem l pela alta noute, por algum espago de tempo, terse, nao ser pelo menos ant"s dos quarenta e
mas ao sondo dos que se levantara, porque sondo cinco anuos.
que l igo se desvanece.
Ni Salmo XVII ha a segunte magnifica expres-
sao : Inclinan os cus e deseen. E proseguindo diz:
E suliiu sobre cherubins, e vo)u sobre as azas dos
ventos. Nao se pode deserever com mais pompa a
grandeza de Deus, que converte os cherubins em
palafrens em que monta, e atravessa a reglan dos
ares, o depois, como que adundo pouca a rapidez,
passa a voar as azas dos ventos I Tudo isto ad-
miravel e sublime I
No Salmo XVIII: Os cus publicam a gloria de
Entretanto nao traba anda tirata quando a gra-
ga failava era seu coragao e Ihe fazia experimentar
remorsos.
Vae ella ouvir urna missa, suas inquietagocs
augmentara ; manda dizer urna missa.ainda ator-
mentada. Toma a resolugao de ouvr missa lodos,
os dias, o remorso ento a segu por toda parle.
Fiel comiudo urna pralica tao pouco conbecida
Deus c o firmamento annuncia a obra de suas maos. < em seu estado, vae exactamente todas as maabs
n^'Jt'''lL S,C"S e firraarnfnl fledM, a? egreja, e noute a veem no theatro.
papel de historiadores e panegenstas de Deus A s ' ,
prosopopa nao p le ser mais magoiflea I O estylo * llomftns de sua vroihs;\o tombam da devogao
o mais pomposo e sublime I ^lla : conhece que elles leem razo, porque nao
IWerindo-se aos cuidados de Dous sobre o sus-jigpojg ?frvir a dous sonhores.
tent das suas cr. aturas, diz no Salmo CXI.VI o
segrate : Elle i o que cobre o cu de nuvens, e o
que prepara a chuna para a trra. Elle o que pro-
duz o feno nos montes, e a turca para uttliilade dos
homens. Elle o que d aos animaes o alimento con
Estando em pontos de dicidir-se, experimenta os
mais rudes combates.
Emfira a graga triumpha : sua resolucao est to-
teniente, e aos filhinhos ios corvos que chamam por mada> rt,mP inopinadamente todas as relacoes e
elle. Dizer que os pequeoraos corvos chamara por I deixa Paris assombraia com a sua retirada.
Deus em su is angustias usar da mais valenie; Neste interim, um senhor vem propor-lhe quo
prosopopa, na qual o Espirito Sanio qnz que en- se quizessa passar ajvida d |h>
tendessemos, que o Creador nao se dedigoa de ou-1 _ ... A \ Z .
vr at as roncas vozes de um corvosinho irrac.o- concedera de boa vontade.
nal, que quando tera forae como que lembra com Escapa ainda ella esta nova clada, eemflm foi
ellas a Deus o mesmo que nos lerabramos, quando pela Providencia conduiida ao convento dos car-
damos Mi nosso que estis no cu.....O.melitais de Lvio, onde edificou-se por todas as vir-
pao nosso de cada da. .......
ludes de urna boa religiosa.
O calmo CXXVIII unnimemente reputado
um primor de eloquencia. Fleury compoz urna
erudita dissertag.o sobre a poesa, em que faz a
mais brilhante analyse a este palmo. Em verdade
canlico soblimissimo de singeleza e elevago. Ve-
jamos :
Tendo a rainha prestado servigos a um de seus
sobrinhos, ella mandou agradecer-lh'os.
D'ahi comocou a piedosa correspondencia qne
depois estabeleceu-se entre a rainda e a carmelita.
Senltor, tu me conheces. Tu conheces o meu des- e iue esta tove occasao do fazer conhecer rai-
caiico e a minha acro. O estar sentado significa nda as particularidades que acabamos de narrar
descango e o levantarse Bgmflca dupr-se para a E\\as oo serio provavelmente ldas por aquel-
accao. E por isso que se diz noutro Salmo: .... '
Lecantai-ros depois de terdes descansado, como se las a 1Uftm Pnden,m servir de mdelo; porem, pro-
dissess?mos : Descancae e depois obrareis. Tu co- vario ao menos todos que as lerem, qae a graga
nheces os meas pensamentos, anda de lonqe. Tu nio abandona interamente as almas desgarrada*
Xt-" Tafs? sfjss > r t sc ^" "S; ,M:
todas as comas, as nova e as antigs, isto , o fu- Pode M sempre vo,lar a virlude qando|fielmente
turo e o passado. Tu me formaste e trns sobre mim segu se suas iospIragSes.
a tua maopara me conservares e condnzires. A tua
saencia para mim admiravel, e i tao grande que---------------------------------------------
ii nao pono l chegar. PERNAMBUCO.- TYP. DE M. F. DE F. & FILHO
ILEGVEL