Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10520


This item is only available as the following downloads:


Full Text
/
AMO II. MUERO 264.
Por tres Mezes adiaiitados 5$OU0
Por tres nezes vencidos 6$U00
Porte ao correio por tres mezes. 0750
QUINTA FEIRA 17 DE WOVEMBRO DE 184.
Por auio adiantadt.....19|00O
Porte ao correio por om asno. 3$Q00
dM trT Mifir-
NCA11REGADOS 1>a sUBaUUl-QAO XOJNOIUE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty.o
8r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinbeiro & C; A-
oazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
sncarregados da SCBSRPGAO no sul.
Alagas, o Sr. Claudino Falco Das; Babia, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
Bieri Martins di Gasparino.
aUUiA i>0 U^i'rtCttiAa.
Oiinda, Cabo e Escada todos os das.
Iguarassu', Goyanna o Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Aitinbo e Garanhuns as trras feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaral.Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Serinhaera, RioFormoso, Tamandar, Una, Barrei-
!iwrtV*&ua reu e Pinienteiras as quintas feiras.
una de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao >/j da.
EPHEMERIDES DO MEZ DE NOVEMBRO.
6 Quarto cresc. as 9 h., 33 m. e 2 s. da t.
13 La cbeia as 3 h., 13 m. e 36 s. da t
21 Quarto ming. as 4 b., 56 m. e 56 s. da m.
29 La nova as 4 h., 57 m. e 26 s. da m.
PRBAMAR D8 BOJB.
Primeira as 6 horas 6 minutos da manhaa.
Segunda as 6 toras 30 minutos da tarde.
^-Kuu,. LOi> V.-iiORoi. LOSirlROa.
Para o sal at Aagas a 5 e 5; o-* o aorte at
a Granja a 7 u 22 de cada mer; para Fernando nos
dias 14dosmezes dejan, marc., matojal, set. enov.
PARTIDA DO; MNIBUS.
Para o Recife: do Apipucos s 6 / 7, 7 A, 8 e
8 Vt Jaboatao s 6 / da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Henifica s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos s 3 V, 4,4 V, 4 Vj.
8, 8 '/i, 5 i/, e 6 da tarde; para Oiinda s 7 da
manhaa e 4 Vi da tarde; para Jaboatao s 4 da
tarde; para Cachang e Varzea s 4 '/,da tarde;
para BomAca s 4 da tarde.
AUOi&NC-a DOS TRIBUNA J*S DA CAPITAL
j Tribunal docommercio: segundas quintas.
Relajo: torgas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito do orphos: tercas c sextas s 10 horas.
Primeira vara do cive : tercas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas sabbados a 1 hora
da tarde
DL*S DA SEMANA.
li Segunda. S. Abiliodiae.; S. (iorias ni.
15. Tena. S. Gerlrudes v.; S. Clemenlioo ra.
10. Quarta. S. Goncalo de Lagos; S. Elpidio n
17. Quinta. S. Gregorio Thaumaiurgo b.
18. Sexta. S. Ohdon ah.; S. Barcella ni.
19. Sabbado. S. Isabel ov. rainha de Hungra
20. Domingo. S. Uoiavio ni.; S. Tlieopo m.
ASSIGNA-SR
no Recife, em a livraria da praca da Independen-
cians. 6 e 8, dos proprietarios Manoel Fieueiiv.
de Paria & Pho. *<. a
PARTE QFFMAL
OVERilO DA PROYiNilA.
Espediente do dia I i de novembro de 186 .
(meio ao Exm. presidente da provincia do Para.
Tendo de regressar amanha no vapor Cruzeiro
do Sul, para essa provincia o capillo do estado-
maior da 1* classe Francisco Haphael de Mello Re-
g, que por aviso de 8 de outubro ultimo, foi man-
dado por adjsposicao du Exm. presidente do Ama-
zonas, rogo V. Exc. se digne de mandar dar-llie
transporte por conta do ministerio da guerra desta
provincia para aquella.
Hilo ao Exm. visconde da Boa-vista commandan-
te superior da guarda nacional do Rerife. -Cons-
lando-mc de ofcio do commandante superior da
guarda nacional do Pao do Alho, datado do Io de
outubro ultimo, que ha tempos transrerio a sua re-
sidencia para o municipio do Recife o capitao da
secgio de reserva n. 2 daquelle municipio Mauri-
cio Francisco de Lima, haja V. Exc. de informar se
elle fez a sna apresenlaclo a esse commando su-
perior como preceitua o arligo 45 d) decreto n.
1130 de 12 de margo de 1853.
Dito ao coronel commandante das armas.Man-
de V. S. abrir assenlamenlo de praga, se forem
Hgados aptos para o servido do exercito em ins-
pecco de sade, aos remitas Manoel Chnstovlo
Pereira de Souza. Militio Baptista de Oliveira e Jo-
s Ignacio Peres Quinto, que se aeham detidos no
quartel do 9 batalhao de infantaria.Commun-
cou-se ao lenente-coronel recrutador.
Ditojao mesmo.Communicando o Exm. Sr. mi-
nistro da guerra em aviso de 2 do corrente, que
nessa dala foi nomeado o capitao do corpo do esta-
dn-maiorde 2" classe Joaqun) Ferreira de Souza
Jacaranda, que se acha na corle, para ficar a dis-
posigao desia presidencia, devendo vir para a mi
na primeira opportunidade ; assim o declaro V.
S. para seu conhecimento.Igual communicago
se fez ao inspector da thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo Communico V. S. que em
aviso de 5 do corrente declarou-me o Exm. Sr. mi-
nistro da guerra que o 2o cirurgio do corpo de
saude do exercito, Dr. Livino de Bastos Varella
deve continuar a servir nesta provincia.Igual
communicacao se fez ao inspector da thesouraria
de fazenda.
Dito as mesmo.Remeti incluso por copia o
offlcia que em 22 de ouiubro ultimo, me diri-
gi o promotor publico da comarca da Boa-vis-
ta, aim de que V. S. mande proceder como julgar
couveniente, sobre as arguicoes feitas ao destaca-
mento do termo do Ouricury.*
Dito ao mesmo.Transmiti V. S. para ter o
conveniente destjdo a inclusa certido de assenta-
mentos do capillo Caetano Xavier de Oliveira que
foi transferido do corpo de guarnirlo do Piauhv,
para o 7o batalhao de infantaria.
Dito ao mesmo.Convm que V. S. faca prepa-
rar ludo quanto li ai de seguir com o .-elimo tiala-
Ihao de infantaria e pracas do segundo da mesma
arma, no vapor que se espera do norte, alim de
nao haver demora nem atropello no enmarque do
pessoal e bagagens desse corpo, e poder aquelle
navio sahir para o sul no dia subsequente ao da
sua entrada no porto desta cidade.
Dito ao mosmo. Mande V. S. apresenlar ao Dr.
chefe de polica amanilla s il horas ao dia, 4
pracas para escoltarem utn criminoso at a villa
de Garanhuns. Coramunicou-se ao Dr. chefe de
polica,
Dito ao mesmo. Ao tambor do segundo bata-
lhao de infantaria Domingos Miguel dos Santos,
mande V. >. passar pela companhla de eavailaria,
segunda va do titulo de voluntario, cono doler-
minou o Exm. sr. ministro da guerra em aviso de
3 do corrente.
Dito ao mesmo.Para cumpnmento do disposto
no aviso da repartalo da guerra de 4 do corrente,
faz se necessano que V. S. informe acerca do in-
cluso rei|ueriniento em que o altores do nono ba-
talhao de infamara Aureliano Peres de Albuqner-
que, adilido ao batalhao de engenheiro,pede trans-
ferencia para o segundo aa mesma arma por troca
com o altores deste batalhho Jlo Barbosa Cordeiro
Feitosa.
Dito ao mesmo.Mande V. S. dar baixa do ser-
vico militar, como determinou o Exm. Sr. ministro
da'guerra em aviso de 31 de outubro ultimo, ao
individuo que com o nome de Vicente Ferreira do
Nascimonto acha-se com prac.a no stimo batalhao
de infantaria e foi reclamado como escravo por
Silvino Guilherme de Barros, que provou o seu di-
reito de propriedade sobre o mesmo individuo.
Dito ao Dr, chefe de polica. -Re-pondo aos seus
odiaos n. 1375 e 1377, de 5 do correnle, a que vie-
ran) annexos os prels que devolvo, remeiteiiJo-lhe
por copia o ofllcio de 12 deste mez, em que o com-
mandanto das armas assegura que realisado o
pagamento dos prels dos baialhes 7o de infanta-
ria e 4." do arlilharia, sera entregue V. S. a im-
portancia das rares de etape abonadas pelo dele-
gado ile Caruar s tres pracas de pret que all
se achara doentes.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Recinmiiendo V. S. que de conlormidaile com o
disposto no aviso do ministerio da fazenda de 26
de outubro ultimo, d as necessarias providen-
cias, para que ao segundo escriturario da alfan-
dega da Bahia Francisco Jo* Monteiro de tiarva-
Iho Jonior, que se acha addido esta capital, e
acaba de ser nomeado segundo conlerente da do
Maranho, seja paga a ajuda de cusi a que tem
direito, e possa seguir para seu novo destino.
Dito ao mesmo.Mande V. S. alionar ao pratico
da cosa do norte Jos Francisco de Oliveira, como
requisitou o commandante do brigue barca llama-
rara em ofllcio desta dala, a quantia de 805 por
conta da soldada de 280 que vai ganhar como
pratico do hiato de guerra Caijr ate o porto da
capital do Maranho, onde deve ser pago do res-
tante da mesma soldada.Communicou-se ao com-
mandante do brigue barca Itamarac.
Dito ao mesmo.Devolvo incluso o requerimen-
to do segundo tenpnte reformado do exercito Epi-
phanio Borges do Menezes Doria, a que .-e refere
a sua infonnaco n. 851, de 12 do corrente, para
que V. S. mande pagar esse oflicial sob minha
responsabilidade, nos termos do g 7. art. 5." do
decreto n. 2,884, do 1. de feverein de 1862, visto
nao haver crdito na lubricagraiificaces diver-
sas etc.do ministerio da guerra no e'xercicio de
1863 a 1864, a quantia de 49 que se Ihe esta a
dever de etapa relativamente ao lempo decorrido
de 13 de maio at 30 de junho ultimo.
Dito ao mesmo.Sciente pelo seu ofllcio n. 649,
de 9 do crrente, de que por falla de crdito na
rubricagraticacees diversas-da ministerio da
guerra do exercicio de 1863 1864 nao tem sido
possivel levar em conta aos colleciorcs de rendas
dos municipios de Flores, Nazareth e Bonito, e ao
capitao do exercito Jos Joaquim de Barros que,
commandandoo destacamento de Tacarat, e all
fallecen, as quantias que conforme se demonstra
em a nota junta, despendern) com abonos e gra-
tii'n-aeoes a diversas pracas destacadas naquelles
lugares, tpnho resolvido autnsar V. *. sob minha
responsabilidade nos termos do decreto n. 2,884
do Io de fevereiro, e circular n. 430 de 13 de >e-
tembro, todo de 1862, a mandar creditar os refe-
ridos collectnres e capillo pelas qnanlias do ojiic
quaes importara em.
irata a mesma nota as
280S013 rs.
O que declaro V. S. para ter os devidos c-
fetos.
Dito ao mesmo.Remeti incluso o requerimen-
to do lenle do 7 batalhao de infantaria Jos An-
tonio de Araujo, afim de que V. S. mande abonar
em os devidos tempos a consignacao de 205000 rs.
mensaes que elle pretende deixar de seu sold
nesla provincia para alimentos de una lha, de-
vendo essa prestaco er entregue ao precurador
do mesmo lente.Communicou-se ao comman-
dante das armas.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Convem que V. S. me remeta al o fim de Janeiro
prximo vindouro, o relatorio dessa reparilcao in-
dicando ao mesmo tempo as suas mais urgentes
necessidades, bem como do consulado provincial.
Diio ao mesmo.Se nao lioiiver inconveniente,
mande V. *. pagar a Antonio Domingues de Al-
meida Pocas a quantia de 162,5400 rs. despendida
durante os mezes de selembro e outubro ltimos,
com o sustento dos presos pobres da cadea do
termo de Santo Antao, como se v das duas inclu-
sas conlas que me forom remettidas pelo chefe de
polica com ofllcio de 12 do corrente, sob n. 1,408.
Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Para poder cumprir o disposto
no aviso expedido polo ministerio da fazenda em 2
do correnle mez, faz-se preciso que V. S. me re-
I mella com a possivel brevidade um quadro, como
; o do modelo junio, da receita provincial, com indi-
carlo de lodas as diversas verbas de receita ; da
legislarlo que as creou e regula; da importancia
arrecadada de cada urna dellas nos tres ltimos
exercicios, e finalmente das causas de seu aug
ment e diminuidlo..Veste sentido oQkiou-se as
cmaras municipaes da provincia.
Dito ao mesmo.Annuindo ao que solicitou a
cmara municipal da cidade de Oiinda em ofllcio
de 10 do corrente. constante da copia inclusa, re-
commendo V. S. que mande entregar-lhe por
empreslimo a quantia de um cont de res, para
i occorrer as despezas a fazer com o Te-Deutn que
! pretende mandar cantar em acelo de gracas pelo
feliz consorcio de sua alteza a srenissima princeza
imperial com o Sr. conde d'Eu, flcando a mesma
cmara obrigada a satisfazer essa quantia pelo mo-
do indicado no citado ofllcio.Communicou-se a
predila cmara.
Dito ao commandanje superior da guarda nacio-
nal de Oiinda e Iguarassu. -Sciente de quanto V
S. ponderou em seu ofllcio de 25 de outubro ul-
timo, tenlio a declarar-lhe que adiando se estaba-
leci.lo no arligo 7 do decreto n. 1355, de 6 de abril
de 1854, o modo por que devem ser substituidos
as suas fallas ou Impedimentos os chefes da guar-
da nacional, nlo poda V. S. designar o major do
batalhao n.9 de infantaria do municipio de Oiinda,
para exercer as funecoes de chefe do estado maior
desse commando superior, achandose promptocorao
V. S. declara no citado ofllcio o tenente-coronel do
batalhao n. 10 da mesma arma, a quera deve V. S.
incumbir do exercicio d"aquellas funecoes no caso
du nao iei- anda cessado o impedimento do referi-
do chefe.
Dito ao commandante superior da guarda naeio
nal da Boa-vista.Para que eu possa resolver
acerca da passagem que no incluso requerimento
pede para a companhia de reserva o tenenlo do ba-
talhao n. 47 de infantaria da guarda nacional, sob
seu commando superior, Marcos da Costa Variz,
faz-se necessario que V. S. mande inspeccionar a
este pelos cirurgioes da mesma guarda nacional
trazenjo ao meu conhecimento o termo da inspec-
clo.
Dito ao chefe de estado maior Jos Correa de Oli-
veira Andrade. Approvo a deliberacao que V. S.
touiou. como me parlicipou em seu offleio de 8 de
outubro ultimo, de assumir no dia 5 d< sse mez o
exercio do commando superior da guarda nacional
do municipio de Goianna, em consequencia de ha-
ver fallecido o respectivo chefe de estado maior.
Dilo ao capillo do porto. -A' Vine, serlo apo-
sentados os recrutas de marinha Manoel Elias Cor-
reia, Antonio Francisco de Souza, Vicente Ferreira
de Souza, Jos Francisco de Souza e Francisco
Gomes Carneiro, para que Ihes d o conveniente
destino, depois de inspeccionados.-Communicou-
se ao Dr. chele de polica.
Dilo ao mesmo. Fago apresenlar Vmc. o re-
cruta de marinha Manoel Quirino da Encarnaclo,
para que Ihe d o conveniente destino, depois de
inspeccionado.-Communicou-se ao tenente-coro-
i nel recrutador.
Dito ao mesmo.Remeta Vmc. ao quartel-gene-
ral da marinha, na primeira opportunidade, o re-
cruta Manoel Jos da Luz, destinado para o servico
da armada.
Dito ao director do arsenal de guerra.Remeti
; incluso por copia o aviso da repartirlo da guerra
de 21 de outubro ultimo, para que Vmc. mandan-
: do formular as conlas relativas ao fornecimento de
que tratara as olas tamben) por copia inclusas,
nlos transmuta directamente ao conselheire di-
\ rector geral da directora de contabilidade daquel-
la repartilo essas contas e as de supprimentos de
. artigos a outras repartieoes, realisados no exerci-
ci de 1863 1864, ms tamben) satisfar a exi-
gencia constante da segunda parle do citado
aviso.
Circular a todos os juizes de direito.Para con-
fecclodo relatorio, que dwe ser prsenle assem-
| b|a legislativa provincial na prxima futura ses-
| sao, faz-se misler que al fins de Janeiro do anno
i vindouro Vmc. informe sobre as necessidades mais
argentes dessa comarca, e circunstanciadamente
sobre o estado, capacidade e condicoes de salubri-
! dade das respectivas cadeias, declarando se sao de
propriedade publica ou particular, e neste ultimo
i caso quanto se despende mensalmenle com o seu
i aluguel, se tem accommodaces para a divislo dos
sexos, que numero de presos admitiera, de que re-
paros precisan) e quanto se poder gastar para
que ten lia m a solidez e seguranza que convem.
Ofllcio ao chefe interino da repartidlo das obras
publicas.Convm que Vmc. me remella al o fim
de Janeiro prximo vindouro o relatorio da repar-
tirlo a seu cargo, indicando as necessidades que
devatn ser levadas ao conhecimento da assembla
legislativa provincial na sua futura sesslo.
Dito ao commissaro vaccinador da cidade da
Victoria. Remello Vmc. o puz vaccinieo que
solicitou em seus offleiss de 23 de outubro ultimo
e 7 do correnle, o qual sendo pouco productivo,
como diz o commissaro vaccinador provincial,
convm que seja por Vmc. aproveitado no caso de
desenvolver-se.
Dito cmara municipal de Caruar. Accu-
: sando recebido o offleio de 28 de outubro ultimo,
em que a cmara municipal da cidade de Carua-
r communica haver procedido a apurarlo geral
dos votos da eleicao de juizes de paz e vereadores
que ltimamente se proceden as fregnezias de
seu municipio, deixando de apurar as eleicSes que
se lizerara fra das matrizes, inserindo porm, na
acta todos os votos attribuidos aos cidados nellas
contemplados, tenho a dizer mesma carama que
para poder resolver acerca de semelhantes elei-
goes, cumpre que me remeta cem urgencia e com
as necessarias informaroes, copia das actas das
eleicoes que foram apuradas e das que deixaram
de o ser por essa cmara.
Dito mesma.Declaro cmara mnnicipal da
cidade de Caruar, em resposta ao seu ofllcio de
27 de setombro ultimo, que approvo | arrematarlo
dosimpo?tos de seu municipio, constantes dos ter-! sem pleno conhecimento de causa, mando nesla
mos de contratos que por copia vieram annexos ao data proceder s necessarias averignacoes acerca
seu citado ofllcio. da conveniencia da divislo projeelada; e logo que
Dito cmara municipal da cidade da Victoria. | as hlenha serei sollicito em coininunicar a V S. o
Respondo ao ofllcio que rae dirigi acamara mu- resoltado das ratonas indagacoes para o levar ao
nicipal da cidade da Victoria em 26 de outubro: conhecimento da mesma assembla.
lindo, dizendo que approvo a arrematarlo dos ira-', Dilo ao vigario da Penha.-Tendo-mo sido en-
postos desse municipio, mencionados nos termos viao por parle da assembla provincial do Rio
de contrato que por copia acompanhou o seu cilado [ Grande do Norte um parecer das commissOes reu-
offlcio. | nidM dos negocios ecclesiaslicos e eslalistica, rela-
Dito aos agentes da companhia Brasileira de pa-1 livd creaclo de urna nova freguezia tirada dessa
quetes vapor.-Podem Vmcs. fazer seguir para
os portos do norle o vapor Cruzeiro do Sul, ama-
nhia, hora Indicada em seu ofllcio de hoje.
Portara.O presidente da provincia resolve
conceder a exonerarlo que, segundo o ofllcio do
director geral da ra.sirucc.lo publica de 12 do cor
paroclna'da Penha, e vindo incluida urna policio
asignada poralguns habitantes dessa freguezia'da
Peona, pddindo a divislo da mesma, convm que
V. Rvma., tendo gmente em visla os interesses
ecclesiasiicos e o bem espiritual dos liis, informe
conscienciosamente sobre a conveniencia da div-
rente, solicitou o conego Joaquim Pinto de Campos j sao-projeelada : declare se, no raso de ella s ven-
de membro do respectivo conselho director.Com- j liew, licam as duas freguezias providas de matrizes
raunicou-se ao director geral. i dec otes, e os territorios com proporroes suflicien-
Dita. O presidente da provincia, tendo em vis-1 tes tara fornecrem aos parochos decente subsis-
ta o que requereu o guarda da alfandega desta ca-; tem la, a fin de que nao succeda crearem-se fre-
pital, Henedino Rodrigues Nogueira Lima, c bem guezias que pela sua demasiada pequenez nunca
assim o que a esse respeito raformaram as repar- '< podem ser prvidas de parochos.eomo infelizmente
ticoes competentes, resolve ronceder-lhe 3 mezes acontece com algumas.
de lcenca com vencimentos na forma da le, para
tratar de sua sade.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de paquetes, podem dar transporte at o Maranho
no vapor Cruzeiro do Sul, em lugar de proa, des-
udo ao 1 secretario da assembla da Parahy
ba. Accuso reeebidos dous oflicios de V. S., um
firmado em 20, oulro em 29 do prximo passado, o
priraeiro apresenlando-me o projeelo n. 16 dessa
assembla creando urna freguezia no lugar A agua
tinado passageiro de estado, Joaquim de Souza do Monleiro, o segundo oflerecendo o projeeto n. 32
ido. i (ambos deste anno) relativo aos limites da fregu-
Oliveira, que eonsta ser desvalido.
Expediente do secretario do govmio
novembro de 1861.
Offleio ao inspector da thesouraria
S. Exc.
mitti
do dia 1 i de
de fazenda.
Santa Mana Magdelena da Serra do Tei-
zia de
xeira.
Nesta data rae dirijo aos differentes vigarios
i respectivos, a fim de poder bazear a minha opiniao
lrc-v^ Presidente da provincia manda trans.;Mbre a Informado Selles, a qual aguardo com
r a V. S. as 9 inclusas ordens, sendo 7 do the-1 hrevii* '
seuro nacional, sob n. 157 a 163, e duas em du
plirata, expedida pela repartirlo
neral do exercito, ns. 421 e 422.
brevidade.
<.<>\ c:ii\o do msr vno de
Pi:it\vfiiii(o.
SEE \HA\n
\iitc ni tiro de 1861.
Expediente do dia 11.
Ofllcio
Dilo ao vigario de S. Jlo de Carirv.Inrluso
arhar V. Rvma. por copia o projeelo' n. 16 pelo
qual a assembla dessa provincia da Parahyba
pretende crear urna freguezia no lugar Alago' do
Monteiro. sendo todo o seu terreno tirado dessa fre-
guezia de S. Jlo do Carirv.
Sirva-se V. Rvma. informar coma possivel bre-
vidade, e lendo gmente em vistas os interesses ec-
clesiasiicos e o bem espiritual dos fiis, se conve-
niente adivizio projeelada, sea igreja que vai ser-
vir de matriz preenche o fim que Ihe destinam e
Ofllcio ao Exm. Sr. presidente do Rio-Grande I d iodos os esclareclmentos que puder remetter-me
do Norle.Tenho presente o ofllcio de V. Exc.: a respeito.
datado de 23 do prximo passado, aecusando a re-1 Ditoao vigario da Serra do Teixcira.Remello
cepcao do que em data de 14 do mesmo, live a por copia o projeelo da lei n. 32 da assembla le-
nonra de dirigir a V. Exc. sobre a grave occorren-' gislativa dessa provincia no corrente anno, rebati-
ra que deu lugar violadlo da igreja matriz de: vo aos limites da freguezia de Santa Maria Magda-
Goyanninha, e sinceramente agradeco a V. Exr. o i lena da -erra do Teixeira, bem romo a lei provm-
nteresse que se dignou tomar a tal respeito, a fim | eial u. 4 de 29 de agosto de 1859, a que se refere
desque se nao reproduzara jamis desaeatos dessa | o mesmo projeeto, a fim de que V. Rvma. cora a
possivel brevidada informe conscienciosaraenle so-
bre a conveniencia da divizao projeelada.
Igual ao vigario de S. Jlo de Carirv.
Dita ai vigario de Goyanninha. Pode V.Rvma.
benzer o nova nemiterio que se erlgiu nessa fregue-
guezu convenientemente distante da villa, comtan-
to qu^iisieja todo cercado, e tenha a decencia pre-
cisa fWj assim respondido o seu ofllcio de 4 do
corraote*/.
CAIXA PA.
De ordern de S. Exc. Rvma. o Sr. vigario capi-
tular desla diocese publico a contar total da despe-
za da caixa pa no irimeste de agosto a outubro
lindo, apresenlada pelo Rvm. Sr. chantre reitor
Jos Joaquim Camello de Andrade, a cuto cargo
est a mesma caixa pa por determinadlo de S.
Exc. Rvma. Udade deOlinda, 14 de uovembro de
satisfazlo minha e de 11864.
Conego Joaquim Ferreira dos Santos.
Secretario do bispaito.
Total da despesa da cauta pia no trimestre de
agosto outubro /indo.
A eaixa pia despenden nesie trimestre rom os
subsidios dados aos recolhiiuenlos do Recife, Oiin-
da, Iguarassu, Goyanna e Papacara, com os semi-
naristas pobres ; rom o subsidio dado mensalmen-
le aos pobres do Recife e de Oiinda, erom as es-
mollas avulsas, como ludo consta dos assentos
respectivos, a quantia de austro contos seis ceios
mil nove ceios e qnarenia ris (4:600940). Se-
minario episcopal de Oiinda, li de novombro de
i 86 i.
Chantre reitor Jos Joaquim Camello de Andra-
de, encarregado da caixa pia.
ordem.
Cabe-me tambera participar a V. Exc. que j se
apresentaram perante mira os tres irmlos Mmo-
nette, e sen primo Landelino, pedimlo-me que os
absolvesse da pena de excommunhlo ipso fado
em que havam incorrido em virlude daquelle
Ue.-a>iiosu dcuuiaiiuiouiu. omponulroa-me o ar
contricto e arrependido que se divisava nos sem-
blantes desses jovens, cujo procedimento inconsi-
derado, talvez que s tivesso por causa o verdor
dos annos e o sbito arrebatamento da occa-
siao.
Acolhi-os com paternal aflecto, exliortei-os quan-
to em mim cabia, e autorisei o Rvm. chantre da
calhedral e reitor do seminario episcopal Jos Joa-
quim Camello de Andrade para os absolver; o que
leve lugar no dia 5 do corrente, na igreja do mes-
mo seminario, com grande
todos os circuraslantes.
Dilo ao mesmo.Recebi o ofllcio de V. Exc. da-
tado de 24 do prximo passado, pelo qual me par-
ticipa que, attendendo ao que requereu o vigario
da freguezia de A vez, Jos Gabriel da Sempre
Virgen) Pinheiro, e nao Ihe sendo possivel ouvir
previamente o meu parecer alenla a desistencia e
a necessidade que allegava o mesmo vigario, rcsol-
veu V. Exc, por portara da mesma dala, ronce-
der-lhe tres mezes de licenea, rom a respectiva
congrua, para tratar da sua 'sade onde Ihe con-
vier; do que ludo lico entendido.
12
Ofllcio ao vigario encommendado do Pilar.Te-
nho presente o ofllcio de V. Rvma. de 0 do corren-
le era que me expoe a impossibilidadephysica.em
que se acha de puder cniar a freguezia do Pilar.
da qual o parodio encommendado; c pedo-me o
desonere do referido emprego.
Annuindo ao pedido de V. Rvma., conredo-lhe a
exoneradlo pedida; e para quenlosoffra detri-
mento a administrarrio do pasto espiritual, nesta
data mandei passar provi.-lo de parodio encom-
mendado da mesma freguezia ao Rvm. Dr. Leo-
nardo Antones Mera Ilenriques, a quem V.
Rvma. entregar a regencia da mencionada fre-
guezia.
_ 14 -
Ofllcio commisslo administradora das obras da
nova matriz de s. Jos.Tantas sympathias tem
adquirido a obra da nova matriz de S. Jos, lano
se tem inleressado os fiis pela conclusao deste
novo templo, que at de provincias cslranhas ao
bispado concorrem os fiis com o seu generoso
contingente para a construccao da casa de >e-
nhor.
Remeti a Vv. Ss. a quantia de cem mil ris que
acabo de receber da parte de ura tMaranhense
para ser empregada as obras da nova matriz do
S. Jos da cidade do Rerife. irvam-se Vv. Ss.
lancar esta quantia na receila das obras; edar-lhe
o destino para que foi ella applicada.
Apesar de me nao ser declarado o nome do ge-
neroso bemfeitor que. mesmo de longe, quiz ler
parte ero um edificio religioso de lana importan-
cia, ainda assim eu Ihe dirijo os meas sinceros
agradecimenlos, e Ihe aseguro que, se me nao
pode ser condecido o seu nome, a sna acejio nlo
passar desapercebida aos olhos do Glorioso Pa-
triadla S. Jos, a quem dedicado o magestoso
templo.
Dito ao 1 secretario da assembla provincial
do Rio Grande do Norte. Foi-me presente, envia-
AHAZOVt*.
Relatorio ajiresealario assembla legislativa da
provincia lo Amazonas, na sesslo ordinaria do
I de ou(ulini de l Barros Cavalranli de Albuquerqiie lcenla, pre-
sidente da mesma provincia.
(Continuacao.)
lnstrurro publica.
Por portara de 9 de julho deste anno nomeei o
bacharel I.uiz Augusto Crespo para interinamente
exercer o cargo de director da instrnrcao publica,
vago pela demissao que pedio o bacharel Jos Joa- i
quira de Moraes Navarro, ao retirar-se da provin-1
cia.
l'sando da faculdade da lei n. 125 de 28 de abril
do auno passado, organisei, sob as bases da auto-1
risarlo ahi concedida, um regulamento que est
sendo agora publicado, para a in>trucco publica
e particular, primaria e secundaria.
Era urgente curar desse importante objecto, e
quanto antes ergue-se do abalimenlo profundo em
que definhava atrasado.
Na reforma realisada. proeurei aproximar quan-1
to toi possivel as condiyoes do ensino na provin-
cia ao que no resto do imperio. Da uniformida-
de da iRstruccio primaria depende, em grande par-
te, como sabis, o aperfeicoamento desta e o seu
derramaraento no paiz.
Em duas partes essenciaes aparleime, porm,
do systema geralmente seguido. Coosagre o pnn-
da por essa assembla, por intermedio d*VTs.i"a cipio do livre magisterio e o do ensino obrigatorio.
representarlo de alguns proprietarios de trras e! O priraeiro urna necessidade social de grande ai-
fazendas de gados nos limites das freguezias de canee. Em um paiz novo e pobre como este, e
no qual alm disto o ensino gratuito, o estadp s
cusi e incompletamente pode ir fornecendo edu-
carlo raocidade. Toda a vantagem existe antes
em favorecer do que era restringir ou diflicultar a
luhdaclo de escolas e estabelecunentos particula-
res de ensino.
Os exames, as provas de capacidade, as habilita-
cSe>, as licenras e lodas as mais dependencias do
rgimen de restricriio embarassain extremamente
Carabas e Campo Grande, pedmdo que fossem
alterados os limites das duas freguezias para maior
commodidade e bem espiritual dos povos: li Igual-
mente o parecer das commissoes reunidas de esta-
tistica e negocios ecclesiasiicos, favoravel mesma
representarlo, bem como as inforraacoes de ambos
os vigarios das respectivas freguezias.
A' vista pois, do que me foi ponderado, vista'
das razSes de nolavel conveniencia que foram ex-j
pendidas por ambos os parochos, convennoem que e mitas vezes impedem a propagarlo da instruc-
se alterem os limites de ambas as freguezias no cao elementar. Basta que reste a autoridade a al-
sentidw da linha divisoria tracada na representarlo ta inspeccao, que exerre sobre toes estabelecimen-
e confirmada por ambos os parochos. Incluso tos, os quaes, pondo-se em concurrencia com os es-
achar V. S. a representarlo que devolvo. tipendiados, esforcar-se-hao cerlamenle por iguala-
Dito ao mesmo.Accuso recebido o offleio de V. los e excede-tos, mpellidos pelo principio econo-
S., datado de 2 do corrente, remettendo-me o pare- mico que a lei suprema e reguladora de todas as
cer das commissoes reunidas dos negocios eccle-' industrias. Islo pelo que toca ao magisterio li-
siasticos e eslatistica, o parecer em separado, pro-1 vre.
ferido por um dos membros da commisslo eccle- Pek> que respeita ao ensino obrigatorio, depois
siastica, e outros documentos relativos diviso da de quanto se tem dilo e esenpto pro o contra, e
principalmente depqis do que se ha observado nos
freguezia da Penha pedido a minha opiniao a tal
respeito.
Como em materia do tamaita importancia n5o
posso eu prestar on recusar a rainha aunueneia
paizes onde ello tem sido admittido, restam boje
serias duvidas acerca de sna efflcacia. Ha paizes,
verdade, em que. por virtude de certos hbitos,
esse systema tem produzido bons resultados. A
Suisso ura delles. Mas poucos esto nesle caso,
mesmo entre os da Alleuiauha.
Na Austria, por exemplo, e ainda na Prussia, se-
gundo a opiniao de alguus, o xito nao tem sido
lao largo.
sobre o que, porm, nenhuma duvida resta
que a obngacao imposta aos paes e tutores res-
peito do ens no nlo smenle vexatoria como lile-
gal. Enire nos, a imperial resolucao de consulla
de 28 de maio de 1861 assim o re'cooheceu e de-
clarou.
Nao obstante islo, o principio acha-se geralmen-
te admitiido; mas parece que nao passou al hoje
dos regulanienlos. Pelo menos nlo rae consta que
era neuliuma provincia, nem mesmo na corle, suc-
ceda o contrario. Obngaloria de direito, pdese
dizer que no Brasil a nstrucco elementar livre
de facto.
Nos proprios paizes mais adianlados da Europa,
na Franca e Inglaterra, entre outros, os obstculos
que a praiica desle systema offerece sao sem conta.
Arada hoje :-e hesita all na esculla dos meios de
coercao, porque todos alies, mais ou menos, con-
| duzera a tal qual iniquidade.
I Se na Europa Uto assim, no Brasil, e sobreto-
do no Amazouas, o ensino obrigaiorio de impossi-
vel execurao.
Descordando da opiniio do Dr. Gonralves Das
acerca de semelhante systema, que era these elle
admitie, sou todava tentado a transcrever aqui um
trecho cloquete do interessante relatorio ,-obro as-
, sumpto da in^truccao publica, apresentado por este
ditiocloescriplor a um dosnieus ltimos e dignes
predecessores. As palavras coloridas que vou ci-
tar, do, alm de apoio ao que disse em ultimo lu-
i gar, una idea exacta do indio, e do seu siugular
. modo de yiver neslas vastas solides do Amazo-
nas.
Os ceiros de popularlo sio raros e as casas
ou antes palhocas, consideravelmeute distantes
urnas das outras, derrainau-se por essas ilhas, pa-
lanas e igaraps, ctieas de meninos, mas longe do
povoado; nao sao habiiac,oes duradouras, sao ran-
, dios para alguns das O seu viver acara, a pes-
, ca, a procura da salsa e da caslauha, e o fabrico
I da raanleiga o principio do primicapicntis o
| que enlendem por direilo de propriedade; no mais
j eslimani-na em lio pouco, que do mesmo modo que
; querein quebrar ura pote cora raauleiga lancam fo-
go a palboca por qualquer ligeira cucuuistancia.
(jue Ities morra una tartaruga ou que se Ibes in-
ceudeie a casa, sao cousas que em bem pouco os
, affeclam. A canoa, sil, essa a sua verdadeira
, propriedade inovel como ella, o indio contina o
] seu viver inslavel, erraote, improvidente ; accom-
j moda-se dentro della cama, mulhere lilhos, vio s
praias, e assim viven) ramios mezes no anno, dan-
i do aos lilhos a educarlo que tiveram, e nlo com-
i preheudendo que carecam de mais nada. Para di-
, zer a um desles que mande os lilhos a escola, que
os nao lire d'alli antes de aptos, ordenar-lhe que
( mude radicalmente a sua norma de vida. E' pois
: claro que se preleude chegar um resultado sem
| remever as causas que acluam em sentido contra-
rio. Percam primeiro esses hbitos de vida erran-
te, coinprehendain bem priraeiro que mais Ibes
rende plantar e cultivar os gneros que hoje vio
buscar nos mallos, com riscos, fadigas c incoramo-
dos, em excursoes que as vezes duram utn semes-
tre, quasi sein nenhum proveito;ento ser oc-
, casilo de se Ihes dizer que mandem os lilhos es-
; cola,on a autoridade saliera onde existetn esses
| paes refractarios, para Ihes impor a multa com re-
bultado favoravel. lije imp-la a ura indio to-
mar-lhe a palhoca, e portauo obriga-lo a procurar
: nova residencia, ao que ellos j de si sao lio pro-
pensos ; anuula-lo; e ao mesmo tempo coagi-los
a continuar nesses hbitos que antts conviriaex-
; lirpar delles.
Portento, arada sendo effieaz em outros lugares
e de interior legalidade, cumpria tirar nesta pro-
vincia o carcter de obrigatorio a iostruccao pri-
maria, porque nada mais tri.te nem mais falal
do que fazer leis com a previa certeza de que nao
serlo exeeuladas.
Aturad^ tambera condicao dos professores e
fiscalizarlo do ensino. Sem assegurar aquelies os
meios de subsistencia modesta, mas iudependeule, e
um futuro menos precario, em que teuhain remu-
nerarlo o mere imento e os bons serviros, nada se
lera feito Je proficuo para derramar a instrucrlo
primaria, e promover, cuino tanto convm o desen-
volvintenio da educarlo popular.
O professor primario a instrucrlo primaria
em pessoa na phrasede ura dos hoineus mais com-
petentes na materia .o Sr. Con-in.
Para quo una floresta, accrescenla elle,
mister que o oulro nlo seja mal remunerado.
Mas nao basta melhorar a srle oos professores.
E' preciso tambera cuidar de fiscalisar a instruc-
rlo. Entregues a si proprios, desembarazad s de
toda a inspeccio regular, os mestres nlo raro ne-
ghgenciarlo desempenho de suas elevadas func-
res.
Para remover esle embararo, que mal obviado
ficaria cerlamenle cora a crearlo de extensos dis-
Irictos lilterarios, colloquei um inspector junto de
cada escola, e eslabelleci, alm dislo, a classe dos
visitadores. A experiencia de todos os lugares
mostra que. faltando urna inspecrlo constante s
escolas, o ensino deixa de progredir e aperfei-
coar-se.
As clrcumstancias da provincia e a carencia de
pessoal habilitado impediram-me de dar maior de-
senvolvimento ao ramo da instrucrlo que se refere
ao sexo feminino.
Falsos prejuizos, herdados com a origen, ideas
atrasadas, bebidas na pratiea dos velhos sys'temas
de educarlo que adoptamos, teem feilo que. al
boje, fra dos grandes centros, prestse una at-
tenclo mui secundaria ao ensino dessa poreio da
infancia: Entretanto, neste mportantissimo as-
sumpto de instrueco publica, nlo vejo ponto que
mtis deva dispertar os cuidados e a soheitude dos
poderes sociaes.
A misso da raolher a mesma em todos os pai-
zes e sob todas as latitudes. Ella forma a familia,
e a familia a base da sociedade. Por isto diz um
grande pensador que as muflieres trazem em
seu seio o futuro da sociedade. >
Um povo se civilisa ou se regenera por meio do
ensino.
O dito arrojado de Leibnitz : Dai-me a instruc-
rlo publica durante um secuto, c mudarei a face
do mundo era a exagerarlo de urna idea verda-
deira, como o qualifica Verg; mas em todo o ca-
so encerra urna profunda lieelo.
Ora, a instrueco que se d s meninas reprte-
se e reproduz-se na que ellas proprias transmiHem
mais tarde aos filhos.
t Cada rapariga que se instr\*e, torna-se, logo
que mal, a mestra de seus filhos ; dizia em
1833 no parlamento francez, um dos mais distrae-
tos publicistas daquelle paiz, Emilio de Girardin.
t A i struccao do pai de familia s a elle aprovei-
(a; a instrucrlo da mli de familia aproveit sem-
pre aos filhos. Instruir as meninas abrir urna
escola no seio de cada familia.
Convm e urge, portante, multiplicar a educa-
rlo dessa interessante parte da moeidade.
A penara do recursos e de pessoal, como ha
punco disse, nao o permute por agora; o neste
n-sumpto nao pude fazer mais do que animar, por
meio de auxilios pecuniarios, a fundarlo de esta-
belecimenios particulares.
Haja, porm, zelo, vontade e perseveranea, que
algum resultado ha de ir pouco pouco appare-
cendo. O que cumpre nlo perder nunca de vis-
ta este objecto, nem perder occasilo de dar-lhe o
impulso que as circunstancias componarem.
Foi com esle intuito que demorei, por ventura
mais de quo me era dado, a vessa alienlo sobre
esle ponto.
No que se refere instrucrlo secundaria, cum-
pria, anles de tudo, dar forma e vida ao que de
lyceu linha apenas o nome e os encargos. Sem
organisaejio, sera centro, at sem direero, forma-
va elle cora o seminario de S. Jo.- una cousa
monstruosa e hybrida, qije nao era nem semina-
rio, nem lyreu.
Fosse porm, o que fosse, estabelecimento de
ensino afliimo-vos eu que nlo era de certo.
Desliguei-o de todo daquelle instituto, e dei-lhe
una direceo propria e conveniente.
Das cadeiras que exisliam suppnmi as de latim.
pbilosophia, rhetorica e musca. deixando apenas
as de francez, geometra e arilhmelica, geogra-
pbia e historia ; e creei a da lingua e grammalica
nacional, estudo sem duvida muito mais necessario
que o de latinidade, quem falla a linguagera
portugueza, por va de regra a menos cultivada
entre nos, e de todas a mais ignorada.
As mesmas consideracoes que actuaran) em mira
para nao dar maior expansio I instrucrlo elemen-
tar, influiram igualmente para deixar'imcompleto
o plano de estados que assento ser o mais apro-
pnado provincia e s suas necessidades. Lan-
rei apenas as bases para ser levado effeito mais
larde, qtiando as circunstancias o perraittirem.
Completa este plano a crearlo de duas cadeiras,
arabas de setnelas natnraes, sendo nma de histo-
ria natural e outra de chimica e physica.
Comeram a ser geralmente reconhecidos os de-
feitos da organisarlo deste ramo de ensino no im-
perio. A base sempre o latim. Qualquer que
seja a carreira a que se destine o adolescente, e
ainda quando nenhuma carreira tenha em vistas,
ba de romecar por ah. Faz-se dessa lingua mor-
a romo que o alphabeto obrigado de loda a edu-
carlo secundaria e superior. Depois do latim.
seguem-se em loda a parle as raesmas materias;
de modo que o geral da raocidade prepara-se inva-
riavelinente para o estudo da medicina e |daf leis,
como se a sociedade se devesse compor exclusiva-
mente de mdicos, de advogados e de magistrados.
E como nao pode haver espado para tanla profls-
slo liberal, rresre todos os das a onda dos preten-
dentes aos empregos publirosi; phenomeno rujas
propones assustadoras prinripia a despertar a
attenrlo dos que se preoecupan cora os graves
problemas sociaes.
Mais modesta do que era, a instrucrlo secunda-
ria, como agora rdu constituida, evitar este esc-
lito, proporcionando aos filhos da provincia maior
somma de conhecimentos uteis de que as bebidas
no estudo da eloquenca e da metaphysica.
O accrescimo do despeza proveniente da refor-
ma consta do quadro comparativo que segu.
-
*t3P5
*8,g
<= K
v o o
o 2.
c
= o 3
O C 3
Bal
i*
3
&'
S o
S, H
I
re
B
> I
i i
5 ''
o
rs
S ''- 2
w >. s 2

n
H
c

ra s.:
":
c r-:
la:
o j ;
a S' '
s
ni
c
o
9
a

9
i
O rs
rt2
* s
H 2
* 5

M
es

es

s
= S 2 S
4.-CCCC
c c o ~ o
11
I Si
rr
s. -y.
-i n
o
i6m
SSS
I F
<
i
O". M
-
BE
Xa.
*&(>
81
O I
Como vedes, a despeza com a Instrucrlo, que
'era de 22:62i000 rs., nlo exceder de.....
24:7004000 rs., se acaso concordardes, tanto na
I alleraclo proposta no subsidio aos alumnos po-
bres do seminario S. Jos e dos de l-'ranca, segun-
da vos indiquei quando tralei daquelle estabeleci-
mento, cono na suppresslo, que tambem propo-
nbo, do subsidio a 4 meninos que se educam nos
i collegios da provincia do Para.
A redcelo nessas duas verbas importa em
1:5444000 rs., que, deduzda da somma de...
3:6200O0 rs.,em que monta o augmento, faz abat-
xar esta cifra a 2:0764000 rs., que ica sendo o
excesso real de despeza.
A reforma, portanio, nio onera os rofres, em-
bora melhore sensivelmente a sorte de todos os
; professores. E nlo s nlo onera, como at reali-
i sa urna economa, na razio das redueles propos-
j tas, em quanto as radeiras nlo forem providas por
1 pessoas devidamenle habilitadas na forma do re-
gulamento, ou em quanto voluntariamente nao se
i habilitaren o$ actuaos professores,
k2
MUTILADO


Diario 4c PeruHknM ... Quinta fclra Ule Novembro de 1U1
Pra chorar, norm, a este resaludo, ser pre-
ciso, romo vos dise, que supprimaes as 4 i>es5es
aos collegios do Para pela educado de outras lau-
tas meninas.
Considero esta despeza urna das menos justifica-
veis que pezasse sobre os cofres provinciaes. E
para que concordis comigo este respeilo, bastar
attender a que o beneficio da lei ter do recahir on
sobre meninas desvalidas, a quem por isso deva
a provincia tutella e educaco, ou sobre as que o
nao sao.
*io eonhaeida as proporgoe destt vapor, sendo
aquelle comparativamente injilo exiguo para o
transporte de algumas oo pragas, alm de grande
numero de passageiros, bagagens, etc., etc.; e por
urna diflerenca de dias parece que se nao devera
preterir Ues cendices essencialissiraas em seme-
Ihantes conjuncluras.
Falleepu o Sr. Dr. Pedro Secnndino Mendes
Lins, juiz municipal e de orphosdo termo de san-
to Aotao.
- Tendo sido exonerado de membro do conse-
\,Z LEfT mf me9 *s edades ?.o sabe ser; por exemplo, estando dentro de rasa,
zr m K.--I, ert-qae "^ a d'- "J^ vio inpossivel.M/iv/o/aefo, darem bur-
tteara nm a?tnSSS?"r*,SM"JM Ja,r era" dfda, de rosso caliLr em am obre menino sen
So a^nnL h g or?**T rem *f Nao foi por mdo de apanhar calabrote
SnSr Jrriv^,lT,*geral,, Efim du'kU que elle presenciou mudo e quedo, torepugoan-
BT. esenvao tem mais semelhanca a urna con- te scena; nada disso :
DECL1BA?0ES.
No primeiro caso, a educaco desses collegios Iho director da insirue<;o publica, a proprio pe-
nao ser a roais propria para formar simples e dido, o Exm. monsenhor Pinto de Campos, foi no-
Dr. Augusto Carnei-
laborlosas mais do familia, como con vira que o
sejAm ; no segundo caso, o beneficio Ir aproveitar
s fillias dos remediados de fortuna, daquelles que
por sua oposicao e meios nao lecm direito aos soc-
corros pulilicos, devjdos nicamente a quem oulro
amparo nao conla no mundo
Porventura pr. lender-se-ha justificar a disposi-
eao como un favor ou recompensa que a provin-
cia quer prestar aos que a servem, auxiliando-os
na educaco de sua familia. Mas cumpre inda-
gar ante- de ludo se esta no caso de fazer favores
dcsta ordem a provincia que se v en apuros
para occorrer as suas mais aperladas necessida-
des, em razo da eseassez dos recursos de que
dispoe.
Parecer, ulvez, que eston combatendo a edu-
caco das raparigas, quando inda lia pouco a en-
carec tanto. Seria njustica supp-lo. Nao a
educago dessas meninas que combato. Podesse
a provincia presta-la, nao a 4 smente, mas a
400, mas a 4,000 I O que combalo o emprogo
dos minguados redilitos da provincia por modo
que nem me parece justo, nem conveniente, nem dem, idem, s em latim.
atil. Melhor fra, tendo por torga de applicar esses Eduardo Daniel Res de Carvalho, idem : idem,
864^000 rs. ao misler da educago, manler outra | idem, s em francez-
cscola em qualquer das freguezias do interior, j Manoel Pereira Teixeira, meio pendonista; ap-
Por menor que fosse o numero de alumnas, estou i provado com distincco.
qoe excedera o de qualro; e quando nao ex.ee- Fraucisco Xavier da Silva Guimares, externo :
desse, eram sempre mais qualro meninas que re-1 approvado simplesmente.
meado para substilui-lo o Sr.
ro Monteiro da Silva Nantos.
No tira de outubro prximo passado encer-
raram-se os trabalnos lectivos do Gymnasio Pro-
vincial, principiando os exames a 3 do corrente.
Terminado* estes, teve lugar o processo de julga-
mento pelo respectivo conselho, composto dos -rs.
regador interino Tranquilino Cabral Tavarus de
vasconcellos, e professores rs. Felippe Nery Co-
lago e Auguro Carneiro Monteiro da Silva Santos.
No primeiro anno do stadla, que consta de latim
e (ranee/, houveram os seguiutes graos de appro-
vacao : er
Francisco Maria de Souza Gouvea, interno : ap-
provado plenamente.
Adalberto Elpides de Albuquerque Fieueiredo,
dem : idem, idem.
Jos Manoel Cavalcanii de Almeida, dem ; idem,
dem.
Nilo Rodrigues de Miranda, externo: idem,
dem, so em francez.
Joo r acuna* j de Albuquerque Santiago, dem :
n5r nr, An> ~vm mmtm TV" i ** ""*' "-"" *-" a lingua ia fazer das suas, .. juma mihi mmi.ilivh
nnl ^mtn. r, ^ i,UI1' ^ ama duvlda* mas send0 mui, co>"prida, e tendo-lhe saltado da Misericordia do Recite, tendo de contratar
que smente sena cabivel, se desse acio -1 <<> --
s irresularidadps 'lun'^'.r^?.,!11"'1 susten-
te cao l raticaram na predita a pasmaceira, os ps presos ao chao, e assim como to, e curando-os em suas enermidades manda
w\,n'.n ,..,,___ i 'azer na(la Livrem-se de urna dessas? convidaraspossoasque tiverem escravos de amhna
i&fcVSZXSZ* ?abliC!'' e Dr- Juiz de Alm disso rafaz Pre^llraovo, e se Ihe chamara os sexos, e qoe os queiram alagar para S Kn
aamn ans SrT a P"ssam aPreclar,essa peca, ro- pedante 6 por maldad/; doudo do prudencia nes- te lim, a comparecerem na sala das SSTk
R5? aos Srs-.redactores, que se d.gnem de pu- toriana, d conselhos, falla botuto que nem nma mesma junta as quartas-feiras,
Sania Gasa da H'sericordia da Mecife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa d -rem (' m* qualidade.
serven- _.?.ala do^conselho de compras navaes de Per-
lendentes_ne referido da at as II horas dama-
nnaa e sao snjeitos os contratantes mulU de 10
Kr 0|0 pela demora na entrega dos objeclos,
como de 20 por 0[0 seno fornece-Jos, ou
Ihe so-1 catn flcou com o pasm, pegado a barbilla, ou tes para os restabelecimentos pos a" seu~cargo B,nablico, 15 de novembro de1864.
O secretario,
lexanre Rodrigues dst Anjos.
Mirar i i- i 'i------>>-' uv |/- ....., .1.1 i iiij>.-mio>, lana "tmuu uuo nem una ".....>' juiiu nas quanas-ieiras, que
nada pam^PetectoMrips, o vacca hespanhola. As vezos susceptivel de irri- impedidas, pelas 4 horas da urde.
nao forera
eebiatn o pao do ensino.
(Con/inuai-sc-/io)
No segundo auno de stadio, que consta de latim,
I francez, inglez e arilhraetica, os seguinles :
Alipio Zacharias de Carvalho, interno : appro-
! vado com distinc^o.
Julio Cesar Castro de Jess, idem ; idem, idem,
idem.
Joo Feliciano da MotU e Albuquerque, idem ;
idem, dem.
Guilhermino Paes Darreto, idem ; approvado
plenamente,
dias de soffriinento, ante-hontero, por urna hora da | jus Brando da Rocha Jnior, idem; idem,
tarde, rendeu a alma aocreadoroSr. Aurelio deri-1 dera.
gueira Faria, filho do proprietario desta typoira-) y0 terceiro anno uC staai0i que consta de |alimj
phia, a quem (tetara mmerso na mais profunda e | inglez, geographia antiga, grego, arithmethica e
PERNAMRUCO,
REVISTA DIARIA.
Ao ataque de una meningite, e depois de onze
despacho e a dunda, no que muito obrigaro ao tago^s nervosas : por exemplo, quando urna di
seu assignante receo nao Ihe consulta a opinio ductousada ira-
* lando-sc de suspender os direltos de alguna socio,
d logo o homem por paos e por pedras, c p5e de
Illm. Sr. juiz municipal supplente de capellas. totas os amigos era cuja cauda pegava na vespe-
Dizemos nos abaixo assignados, irmaos da irman- ra n,as tambem acode logo esposa, o aprosen-
dade das Almas, erecta na igreja matriz desta ci- ta"se 8rave o sereno como sempre no desempenho
dade, que reunindo se a meageral no dia domin- ue seu mexeriquelro papel de onze letras, para
go dona do corrente mez de outubro, para eleger flue esse mesmo Ihe nSo retirem.
os novos funecionarios que lem de servir no armo Emfirn utn instrumente aproveitavel, urna
de 1864 a 1865, de facto se proceden esta eleicao, col'sa til, um galpim de patent London, um la-
mas, tendo-se ueste acto praticado irregularidades ca' de mao chela, que faz bom servico de lingua,
e iofraeces do compromisso, pelo qual se rege a o nao se deve atirar para o canto, porque tudo tem
dita irmandade, vera os supplicantes traze-los a sen presumo..... Agora o nome que eu nao
V. S., adra de que d as providencias, que o facto u'g, nem que me mateen; se t, leilor, quizeres
exigir : por quanto, correndo o escrutinio para o adivinhar, adivinhas ; quanto a mim, ponho-me a
cargo de juiz, depois de contadas as sedulas, veri- fresca, vou sentar-me a sombra do men parrei-
ficou-se que o seu numero era de trinta e dous, e ral e me entreteaho por desfastio em comer
sendo estas apuradas teve a maioria, o irraao Fran- "
ci.>co Antonio de Sobral, e o mesmo numero
achou-se na eleigo para o cargo de thesoureiro,
mas correndo-se o escrutinio para o de escrivo,
depois de contadas acharara-so trinta e tres, e por
isso resol veu a mesa geral que corresse novo es-
crutinio, eassira se fazendo,contaram-seas sedulas,
e sondo achadas smente trinta e urna, tendo alias
Secretaria da Santa Casa da Misericordia
Rccife, 12 de novembro de 1864.
O esenvao,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
COMPANHIA
do
THGATKO
Sao convidados os Srs. accionistas
EMPREZA
GIMAN k GOIMRA.
\? ffi" leLte "ie a recit. em beneficio
companhia^^ reunirom-se em asscmbla ge tXSSSt SG&Vi tf1'
uvas e
Salsa de Brlatol.
Poneos remedios ha que lenham produzido Un-
tos beneficios no mundo como este. E' a nica
preparago que ataca invariavelmente no sangue
aorigem das enfermidades ulcerosas o eruptiveis
extinguindo ao mesmo tempo a causa e o effeito.
justa dr; pois perdeu no finado um filho extre-
moso, dedicado, e que no seu peregrinar por esta
vida, que Ihe f*i toda breve, jamis se descarreiou
da senda de honra que Ihe foi dada a beber desde
aprimeira infancia por seu digno pai.
Esterera sua solicitude paternal, tendo sele fllhos
varoes, entendeu que devia applicar um delles
esta arte, de que tem sido um sustentculo e o
algebra, os seguintes:
Joaquim Francisco de Moraes, interno ; appro-
vado plenamente.
Levino Augusto de Hollanda Chacn, meio pen-
sionista ; idem, idem.
Alfreda Abdon de Loyolla, idem : approvado
com distineco.
Os alumnos que frequantaram o 4 anno do sis-
ante acrrimo promotor do sua expansao entre! dj0> segundo praticam sempre. nao se quizeram
, nos ; e assim mandou em principios de 1858 a esse SUjeilar aos eX3mes por (,ae os fjram fazer no
filho a Pars, onde permanecen elle por cerca de | coliegio das artes, onde os dauuelle estabelecimen-
dous annos nas tyjmgraphias dos Srs. J. P. AH- t0 n0 sao aceitos, com sensivei prejuizo seu.
lando Paul Dupont, voltando d ah depois desse Corno se esteja de presente calcando a es-
spaco de estados de materias typographicas com trada de 0|jodai junt0 a pante d) Hospicie, lem-
certificado de habilitacao nas mesmas. bramos a conveniencia de se mandar fazor um
Empregava se ne.-ta typographia, desenvolvendo
as luzes, que recehera naquellas grandes offleinas,
em pidicacoes praticas.
Nasceua 0 de novembro de 1840, e fallecendo
a 13 do corrente, contava 24 annos menos cinco
dias, tendo em sua vida mauifestado qualidades
reco'iimendaveis, alm de um trato ameno em que
sebresahia um fundo de bondade pronunciado.
O acto religioso de encommendaro e mais cere-
monias em presenca do corpo tiveram lugar no
hospicio da Penha, d'onde era o finado confrade,
como o sao todos os seus irmos e pai, achando-se
o templo sumptuosamentc decorado cora urna cus-
tosa eca, armada pela offlciosidade des dignos ca-
puchinhos. a quen nao tem a familia do finado ex-
pressoes para bern agradecer tamanhos obsequios,
como igualmente o nao tem para faze-lo ao Rvm.
gaardiao do -. Francisco e seus religiosos, ao Rvm.
vigario desta fregueziade Santo Antonio e aos seus
sacerdotes, rommissao da Associaco Typogra-
phica e s dentis pessas que cemparecerm all,
gurados, e pela hora em que se fizeram aquelles
aetos, apenas dirigi convites a quem mais de
promplo se podena prestar com a sua caridosa as
sistencia.
ramal desse calcamento para o cemiterio publico,
cuja esirada esta cm pessirao estado, e faz correr
risco a vida de quem ali vai acompanhar algum
enterro. A despeza ser diminuta e a obra deman-
dar pouco tempo.
De Pao d'Alho, era 13 do corrente, escrevera-
,nos o seguinte :
t Varaos indo pessimamente quanto ao calor,
pois contina o sol, e est tudo a arder.
t A safra pequea, como j Ihe disse, e essa
mesma tratam os senhores de engenho de apro-
veitar logo, porque as cannas esto seccando
muito.
Foi julgado improcedente o processo do Jos
Ramos. Andou ligeiro. Assim deviam sempre
proceder as autoridades na formaco de oulpa de
reos presos.
t J, para Capoeiras houve briga entre Antonio
Monteiro e mais dous. O primeiro flcou ferido
gravemente e os ltimos (orara para a cadi, sa
tiindo apenas com leves offensas, segundo
GOMMEHCIO.
- ....* Hvuuaig uvmi ov. !! i t -. .i i i c ,]]'* O'
solicitando no entretanto desculpa aos seu* amigos zem, resa o corpo de delicio. ConsU-me que vai
visto que pelos vexames daquelles momentos amar- haver processo contra os dous.
E' o que sei para
contar-lhe desta vez.
Adeos.
Hoje se extrahira 1* parte da 1* lotera da
matriz de Itarab (116a), sendo o maior premio
rorara ao altar o Rvm. fr. Fidelis e padre-mes- 6-0005
tre Lino do Monte Carmello de subd.acono, e Rvm. '_ Hojc faz leil.o de escravos de ambos os se-
padre KUieiro do dicono, servindo de mestre de X05) 0 agente Cordeiro Simoes, a ra da Cadeia do
" Reciten. 48.
HEPARTIQAO DA POLICA :
Extracto da parte do dia 16 ae novembro do
1864.
Foram recolhidos a casa de deteneao no dia 15
do corrente :
Joso
ceremonias a Rvd. padre Grego, sendo lodos esses
obsequios em consideracao a amizade ao pai do fi-
nado.
O cadver foi aeompanh.tdo por amigos e paren-
tes ao cemiterio, onde descanca no jazigo de sua
familia, temi sido recitada ah a seguinte poesa
pelo r. Jlo Landelino Dornellas Cmara, entre
religiosa attencao, s quebrada pelo solu^ar da j
saudade, que de instantes a instantes se levantava Ai .^.,
daquelles peitos|amigos:
l'LTIMO ADBOS
A
IDBBUO DE Flfil'EIROA PARIA.
Morte I ualavra que traduz mysteno
Sombra nas trevas a vagar perdida I
Fallido cyrio de clario funreo
Negro phanlasma que se abraca a vida
(B. Sampaio.)
votado todos os irmos presentes, foram pele novo Podemos pois confiadamente aflancar que com sua
juiz presidente tornadas recolher urna, e entao purificadora influencia, a corrupeo se transforma
um dos rraaos Manoel Antonio Goncalves Lima, em incorruptbilidade. As cnagas escrofulosas e
dingio-se ao irmao Francisco Jos Martios, e di- todas as molestias exlernas grandulares e cutneas
zendo a este, que somento haviara na urna trinta eommuns aos paizes trpicos cedem promplamente
e urna sedulas, o irraao Martns, quo alias ja tinha a sua poderosa agencia. Seus effeitos curativos nas
votado, dingiu-se a urna, e lancou dentro outra affeccoe* do ligado e no rheumatismo nao sao rae-
sedula, votaodo assim duas vezes sobre a eleicao nos sorprendentes.
do esenvao, como depois divulgou-se nao s en- j Acha-se a venda nas boticas deCaors A Rarbo-
tre os irmos, cimo por todos. Alera deste facto ira s a e de J. da C Bravo & C
moral, que por si s bastante para annullar os '
trabalhos da mesa, nao foi sera admiracao que to-
djs nos presenciamos quo o juiz presidente fez a
proposta dos seto Irmos msanos publicando os
seus noraes, os quaes j trazia de ante-mo escrip-
tos era um papel, o qual smente elle o lia, nao
sobre a mesa, mas ficando abaixo desta, de sorte '
que smente era visto palos irmos que ficavam
aos lados ou por detraz do dito juiz, o que prova
que existia caballa para seren eieitas pessoas j
preparadas : porque, sa o irmo eleito juiz nao
livess e certeza da sua eleicao, de certo que nao
traria j em relacao os indigiudos para o sete
irmos mesarlos, pois a nao se dar isto. elle, depois
de eluito, escrevena sobre a mesa os noraes desses I
irmos, e sem reserva alguma os preparara, e nao'
sendo assim s advmhando que sena o juiz eleito.
Tendo-se, pois, dado nesta eleicao todas estas irre-
gularidades, quando alias ella deveria ser teita
sem urna caballa to escandalosa, e smente com o
espirito de religiosidade, tendo smente por (Ira, e
pelo seu nico alvo o bera da irmandade e culto
divino, por todos estes principios, os supplicantes
requerem a V. S. que mande sustar a posse dos
novos erapregados, designando dia em que se de-
vera reunir a mesa geral para proceder a nova
eleicao, visto como se acha affectada de nullidade,
a que sa procedeu. Os abaixo assignados esto
certos de que V. S. cora o espirito religioso de
que doudo, nao consentir que contine seme-
Ihante abuso, menosprezando assim os actos mais
sagrados.Pedo a V. (*. deferimento da justica, a
bem da raoralidade e da religioE receber
inerc. Jos Francisco da Cunta Pedroso. -Joa-
quim Francisco Moreira.Belarraino dos Passos
ral no dia 18 do corrente mez ao meio dia
para em conformidade dos seus estatutos
deliberar-se sobre as contas do semestre
rindo, a edifieacSo de novas caixas e mais
obras necessarias ao fornecimetito d'agua e
concessao gratuita da mesma ao hospital de
caridade.
EM
que
(Recita extraordinaria, II.
?re da assigoatura)
BENEFICIO DA ARTIST1 DRAMATIC.1 D-
ANTOMNA MARQLELOl
SABBAO, 19 [)E NOVEMBRO DE 1864
A orchestra execuur uma escolh.da obertura
le servir de preludio rrr.ra....s "i. "" *
Escr ip torio da Companhia do Bebente u!dVe ^& !Sn r\?!^& t*1
' logo, original do Sr. L. A. Burgain, autor do tmz
| (te Camues, Mosteiro de Santiago e ootros
de novembro de
I8G4.
O secretario,
Cotaces offlelaes.
PRACA DO RECIFE
16 DE NOVEMBRO DE 1864
Cambio sobre Londres 90 d/v. S6 3i4 d. por
11000-
Dubourcq Jnior, presidente.
Suimares, secretario.
Alfandega
Rendimento do dia 1 a 13........
Idem do dia 16................
336:380S11
38:132^497
374:5I2708
IovJment da alandega
Volames entrados com fazendas...
com gneros.
Volames sabidos

com fazendas..
cora gneros..
147
344
135
551
----- 686
491
Descarregam no dia 16 de novembro.
Brigue inglezRosatiediversos gneros.
Patacho portuguez -JYotio Umadiversos gneros.
Galera nacionalMindeUo-idem.
Lugre portuguezJulio idem.
Barca americanaItefnaUboado.
Barros.Claudino Augusto do Lagos.Alexandre Patacno ing'ezSpray-bacalho.
Jos de Mello. i Barca ingleza-James Stuwartcarvao.
Mando que o oscrivao de capellas que serve
Adeus, amigo, adeus I... nunca mais ver-te
Me ser pcrmiltido nesta vida |...
Tu dexaste un lugar impreenchivel
No peilo deste leo irmo em lida I...
Eis o termo falal desses engaos,
Que o mundo traz comsigo debatido I
Honlein eras da vida um lyno verde,
Hoje s manto da morle!..". Eis-te abatido!.
Nossas sortes guaes quasi no mundo,
Nossas vidas iguaes em desventura,
Pareca que ambos seligavam
Em estreilos anneis na sepultura I
Mas, oh I... fatal engao I... tu cedeste
Aos impulsos crueis da parca impura I...
Na flor dos annos I... quando descancavara
Em ti esp'rancas d'uraa vida pura II...
To joven que tu eras tao robusto,
De lutar contra a sorte nao caneado I
Como que agora apenas d'um gemido
Te prostraste da morte debellado 1...
Que forca sobr'humana que mysterio
Arrai-trou-te tao cedo p'ra os jazigos?
Preterindo de.-l'arte a paz dos tmulos
Aos afagos gentis de irmos, d'amigos ?...
E' que o throno do justo alm-tumulo,
E' no seio querido de Abraho;
A trra bem louvor nao d ao justo
E Deus quiz mais um justo na manso I
Na virtude tu linhas vasto imperio I...
Os dictames paternaes eram teus mandos
E os amigos, que poneos nao contavas,
De ti eram queridos venerandos I...
Este mundo, que foi-to sempre ingrato,
De saudade um ceitij nelle nao tinhas ;
Mas gozares as bencaos da pobreza
Era esU uma esp'ranea qne mantinhas I...
E agora o que me resta ?... Uma saudade I...
Uniadeus para sempre I...Uma lembranca!...
Cois sao estas as palavras do amigo
Qtt'inda pode dizer ao que descanga.
Adeus I... e para sempre I... ultimo echo
D'um amigo fiel da desventura,
D'um amigo que sempre acompanhon-te
Desde alera t aqui a sepultura I...
Uo Apa que amanha deve chegar do norte,
segu para a corle o 7 batalho de linha em c.un
pnraento de ordens imperiaes ; no entretanto jul-
1,'amos qoe seria de conveniencia qne se transe-
nsse essa partida para o fim do mez, afim de ser
a tropa melhor acrommodada no Cruznro do Sul,
que deve ento passar para aquelle lado do im-
jierio.
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica
ilva, como criminoso de morte.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Francisco
Rodrigues da Luz, para correceo ; Manoel c Jos,
escravos, esta de Domingos Joaquim Ferreira e
aquelle de um tal Miranda, o primeiro por iofrac-
o de posturas e o ultimo como indiciado em cri-
me ae roubo.
A' ordem do subdelegado do Recife, Vicente
Luiz. para correceo.
A' ordem do de S. Jos, Lourenco Francisco do
Nascimento, por disturbios.
A' ordem do da Boa-Vista, Joo da Cesta, por
embriaguez.
O chefe da 2* seccao,
J. G. de Mesquita.
Movimento da casa.de deteneao do dia 14
de novembro de 1864 :
Existiara....... 363 presos.
Entraram...... 6
Sahram....... 17
Existera...... . 352
A saber :
281
Mulheres..... 5
Estrangeiros.. 10
Estrangeiras.. 2
Escravos ..... 50
4
prsenle esle juizo, intime ao juiz actual da irman-
dade das Almas, erecta na igreja matriz, que suste
a posse dos novos eletos da dita irmandade, visto!
ser esta aicunhada do clandestina, e d suas or-
dens para que se rena no dia 16 do corrente pelas
2 horas da tarde, no consistorio da mesma irman-
dade, uma mesa geral. onde assistir este juizo
para resolver com acert a legilimidade ou illegi-1
timidade da nova eleicao, teita ltimamente em
diu irmandade. Victoria, 8 de outubro de 1864.
Texeia Machado.
Illm. Sr. juii provedor de capellas supf le em
exercicio.Permitta-me V, S. que com lo devido
respeito leve ao conliecimento de V. S. que dfuvido
cuinprir o respeitavel despacho de V. S., proferido
na petigo retro, por entender que esse juizo nao
obra regularmente, mandando reunir a irmandade
das Almas erecta na igreja matriz desta cidade,'
para conbecer das irregularidades que indcam
os supplicantes terem-se all dado ra occasio da
eleicao dos novos empregados da irmandade, sem
provas convincentes dessas irregularidades, uma
vez que a elles compete dar essas provas pelos
meios competentes, de forma a satisfacer esse
juizo, e nao por uma simples petieao, a qual nem
Importa cao.
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
que a arremalaco da illuminao publica da cida-
de do Rio Formoso foi transferida para o dia 24 do
corrente.
Secreuria da thesonraria provincial de Pernara-
buco 12 de novembro de 1864.
O secretario,
A. F. d'Annunciaco.
irsenal de marinha.
O arsenal de marinha contrata carapinas, ser-
ventes e remadores para o servico das obra e do
arsenal.
Inspeccio do arsenal de ma inha de Pernambu-
co 7 de novembro do 1864.
O secretorio,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Repartico das obras publicas.
De ordem do Sr. engenheiro chefe interine da
repartico das obras publicas, se faz publico que
o concurso para o prehencliimento das vagas de
conductor ter lugar no dia 28 de novembro, s
10 horas da manha nesta secretaria, e o de pra-
ticantes e escreventes no dia 29 do mesmo
mez.
Os concerrentes sero argidos nas materias
consumes do programraa abaixo transcripto, ap-
provado pelo Exm. presidente da provincia.
Os requerimientos para inscripeo dos candida-
tos devero ser apresentados at o dia 25, e pode-
ro ser instruidos com quaesquer documentos, ou
titulo scientifico que abonera a capacidade dos
mesmos candidatos.
Repartico das obras publicas 26 de outubro de
1864.
O secretario interino
Manoel Lourenco de Mattos.
Progamma do concurso para conductores, prati-
cantes e escreventes da repartico das obras pu-
blicas.
Os exames dos concorrentes aos lugares de con-
ductor da repartico das obras publicas sero an-
nunciados pelas folhas diarias, com antecedencia
de 30 dias.
Os referidos exames conkaro de 4 parles :
1." Elementos de malhe'aticas.
2." Topographia e pratica dos instrumentos.
3.* Elementos de astronoma.
4." Dezenho linear e de aquarella.
A primeira parte abraoge : toda a arilhmetica;
algebra at equacoes do 2 grao, a uma s in-
geometria elementar, al avaliaco dos
e
QUE JA TEVE E AGORa NiO TW
, DENOMINADO DOS ACTOS.
| Prologo......... Amaldico.
lcl......... O casamento em Lordeto.
A sombra de Joo Goncalve<
A esposa modelo.
A torre da Marca.
A mo de leus.
PERSONAGENS.
Germano.
Borges.
Porto.
Santa Rosa.
Teixeira.
D. Camilla.
D.Francisca.
Lisboa.
Coimbra.
Pinto.
Guimares.
D. Antonina.
D. Mara Pontos.
D. Camilla.
Hiato nacional Invencivel, entrado do Aracatv,
consignado ao capito Jos Joaquim Alves da Silva I cognita
manifestou o seguinte : I volumes, com applicacao a cubacao dos atierros
1U molhos com 200 esleirs de carnauba, 1 pa-: escavanes ; trignonietria reclelinea.
cote com 13 i|2 libras de pennas de ema ; Jos
de Sa Leito Jnior.
560 meios da sola, II saceos com 44 arrobas e
3 libras de algodo em pluma ; Franciscos Go-
mes de Mattos Jnior.
38 sacaos cuiu ivo arrobas de algodao, 23 cai-!
xas com 33 arrobas e 29 libras de carnauba, 61
molaos com 1220 pelles de cabra ; Prente Vi-'
anna.
42 molhos con 1050 pelles de cabra ; a Silva &
Alves.
18 barras com 59 arrobas de ferro, 7 taboas de
pinho para costados, 1 pacole com 16 libras e li2
pennas de ema, 43 saceos com 172 arrobas de
cera de carnauba, 340 meios desoa, 20 barricas
e 29 saceos com 31 arroba e 3|4 de gomma de
mandioca, 800 esleirs de pallia da carnauba,
1360 pelles de cabra, 3o saceos com 179 arrobas
e 6 libras de algodo ; ordem de diversos.
Segunda : levantamento de plantas ; nivela
ment ; uso e discripeo dos diversos instrumen-
tos, taes cononiveis, bossola, graphomelro, plan-
cheta, thermometro, barmetro e redacao de rela-
*>rioi-, ou oxpoii^o do.- Irabdllius ejecutados.
Terceira : systema planetario : movimento an-
nuo e diurno da trra ; descripcao da esphera,
celeste ; medida do tempo verdadeiro, medio e
sideral ; latitudes e longitudes terrestes.
Quarta : trabalhos de plantas; perfis longetu-
dinaes e transversaes ; dezenhos de construccoes-
_Os exames para o lugar do pralicantes consta,
rao de duas partes :
1." Lingua nacional, abrangendo a escripta. lei-
lura e analyse graminalical.
2." Dezenho linear e do aquarella, arilhmetica
em todas as suas operacoes, e geometra linear.
_Os exames para o lugar de escreveute, consu-
nto de leilora e esenpu, analyse grararaatical,
Pedro......
Padre Mena...........
Manoel Ribeiro........
Serapio,.............'
Mathias...............
Josepha...............
Thereza..............
Lourenco.............
Joo Goncalves........
Trancse.............
Andr................
Maria................
Marianna......................
Malvina..........................
Convidados, camponezes, soldados, etc., ele.
A accao passa se no Porto, ao reinado de D
Jos I.
Todo o scenario e vestuario ser conveniente-
mente preparado com aceio e gosto.
Terminar o espectculo eora a espirituosa co-
media em um acto, ornada de msica
4 CORDA SEVSIVEL.
PERSONAGENS.
M.imi................. A beneficiada.
'.............. D. Camilla.
Tamerlao.............. Lisboa.
Califourchon........... Guimaraes.
A beneliciada anticipa os seus i gradee imente
as pessoas que a honrarem e protegerera.
Os bilhetes pdem ser procurados no escripto-
rio do theatro.
Comecar o espectculo s 8 horas.
VISOS M1BITIM0S.
portos do
ao menos juntaran) copia da anta da eleicao a que: consignado a J PaterlA C man
allndem, nem o compromisso da irmandade, con- iKrrteasffiSha ."ff
lentando-se apenas em allegaren] fados que nada barrica nacamao ao,
Patacho inglez Sprau, cnt ado de Terra Nova, arithemeiica cm todas as suas operacoes.
352
Alimentados custa dos cofres provinciaes 136
Passageira do hiate brasiletro Invencivel, en-
trado do Aracaty :D. Tberesa de Jess Maria e
sua familia.
Movimento da casa do deteneao do dia 15 de
novembro de 1864.
Existiam....... 352 presos.
Entraram...... 9 >
Saturara....... 25 >
A saber
Existera....... 336
Nacionaes..... 268
Mulheres.
Estrangeiros...
Estrangeiras...
Escravos......
Escravas......
Alimentados a custa dos
3 >
10 >
2 >
49
4
336
cofres provinciaes 339
garem tactos que
provam, tanto que nenhuma reclamaco fizeram
na occasio em que se lavrou a acU.'e antes a
tudo annuiram, pois que assignaram dita acta to-
dos os irmos, com excepcao de um ou dous, como
me informaran! alguns irmos, tendo alias proce-
dido a eleicao com toda a calma ;e regnUridade, e
na forma do compromisso quo rege a irmandade
recahindo a mesma eleicao dos novos empregados'
em irmos da coslumes irreprehensiveis ecapazes
de satisfazer as suas obrigaces nos respectivos
empregos da mencionada irmandade; e nao sendo
portanto legal o meio de que se qoerem servir os
irmos peticionarios, tendo-so broredido a eleicao
com calma e na forma do compromisso, e recahin-
do essa cleico na pesso de irmos, cuja probi-
dade nao se pode contestar, est claro que a nter-
vengo desse juizo era casos taes devu ser depois
de ludo bem provado pelos peticionarios, a menos
trae nao queira dar a conhecer a quem entender
de direito, que houvc desejo de desfazer-se un ac-
to todo legal, a bel prazer dos irmos peticionarios,
e portanto, a visu destas consideracoes, que sao
por demals justas e s lilhas da razao, sou de pare-
cer que esse juizo, melhor reflectindo. reformar o
seu respeitavel despacho, remetiendo os irmos
supplicantes para os canaes competentes :
do-me entretanto para o novo despacho de V.
que cumpnrei sem demora. Cidade da Vlctoa 8
de outubro de 1864.O escrivo da provedoria de
capellas, Antonio Ludgero da silva Costa.
festou o seguinte :
mesmos.
Ixportuco.
Brigue hespanhol Ventvrite, carregou para Bar-
celona 815 saceos com 4099 arrobas e 30 libras
de algodo.
Recebedorla de rendas Internas
geraes de Peruainbuco.
Rendimento do dia 2 a 15....... 12:6I28I8
dem do da 16................ 542*487
13:155*305
Consulado provincial.
Rendimento do dial a 15......... 27:2405890
dem do dia 16................ 2:6895695
Sero examinadores no concurso dos conduc-
tores. O chefe da repartico das obras publicas e
dous engenheiros nomea'dos pelo presdeme da
provincia.
No concurso dos praticantes e escreventes, se-
ro examinadores pessoas versadas nas materias
I do respectivo programa.
! Depois de concluidos os exames e feita a classi-
; ncacao dos candidatos, segundo as habilitarocs, o
' engenheiro em chefe, far uma exposico "ao pre-
sidente da provincia, emitiindo o seu juizo sobre
o merecimenlo individual dos mesmos candidatos,
, ajunlando quaesquer consideragoes que devam
influir em favor da idoueidade de cada um dos
concorrentes.
Est conforme.
O secretario interino
Manoel Lourenco de Mattos.
Sexta-feira 18 do corrente a ultima praga
dos bens de Luiz Mulib, por execugo de senten-
JVacios entrados no dia 16.
CORRESPONDENCIAS
Srs, Redactores. Hoje foi que Uve sciencia do
que disse o Constitucional a respeito de ininha
aposenudoria, e como nao seja exacto todo quanto
avangou, apresso-me a declarar que eu mesmo fui
quem a promov, por me achar bastante doente, e
nao poder continuar a exercer Uo oneroso lugar
e para isso nao me entend com pessoa alguma
por. consegrante falso tudo quanto publcou a re-
linda folha, quando diz que fui por imposigo do
Exm. t. presidente toreado a isso.
Reeite, 16 de novembro de 1864.
miz de Azevedo Souza.
29:930585 caque move Tranquilino Soum Se^se,"cuja relaco
^^^^^ ; os langadores era mo do porleiro acharo.
i 0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provm
letal, em cumplimento da resolugo da junta da
! fazenda, manda fazer publico, que no da 7 de
.dezembro prximo vindouro, perante a mesma
I junta se ha de arrematar a quem por menos lizer
o cosleio da illumiuaco pubilcada cidade de Goi-
aguar- .Aracai>-i Idias, hiato brasileiro Invencivel, de ; anna, avahado cada um larapiaoem 291 rs. por
do toneladas, capitao Jos Joaquim Alves da Sil- dia.
va, equipagem 7, carga difterenles gneros ao! A arrematagao ser felta por tempo de um an-
mesmo cap tao. i Do, a contar do 1 de Janeiro a 31 de dezembro de
Barcelona e Malaga-55 dias, do primeiro porto e 1865.
37 do segundo, sumara hespanhola Ardella, de j As pessoas que se proposerem a essa arrema-
101 toneladas, capito D. Jaime Ferrer, equipa- tago comparegam na sala das sessoes da referida
gem 10, carga vinho, passas e outros gneros; a junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia,
Pereira & Carneiro. competentemente habilitados.
Novios saludos no mesmo dia. E para constar se mandou publicar o presente
MaranhaoPalhabote nacional de guerra Cayi, pelo jornal,
coraraandante 1 lente el vado. Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
COMPANHIA BRASJXEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do norte
at o da 18 do corrente o vapor
Apa, commandante Carlos Anto-
nio Gomes, o qual depois da de-
mora do costume seguir para
mi.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo a C.
COMPANHIA PERNAMBUCAA"
DE
Navegaeo eostclra a vapor.
Miicei e escalas.
O vapor Parahyba, comman-
dante Martins, eguir no dia 25
do corrente s 5 horas da tarde
para os portos cima indicados.
Recebo carga at o dia 24. En-
commendas, passageiros e dinheiro a fete at as
2 horas da tarde do dia da sabida : escriptorio no
Forte do Mattos n. I.
COMPANHIA PERNAMBUCAA
DE
.'Vavegaeao costeira a vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaly, Cear
e Acaracu'.
O vapor Persinunga, seguir
no dia 26 do corrente s 5 horas
da tarde para os portos indica-
dos. Receber carga at o dia
25. Encommendas, passageiros o
a frete at o dia da sahida s 2 horas
escriptorio no Forte do Mallos n. 1.
dinheiro
da larde
Para o Porto.
LiverpoolVapor inglez Gladeator, commandante buco 9 de novembro de 1864.
Gerald, carga algodo.
EDIT1SS.
PUBLICARES 1 PEDIDO.
O Illm. Sr. director da escola normal, em
, observancia do art. 19 do regula ment de 28 de
I junho deste anno, manda fazer publico que no dia
11 do corrente, pelas 10 horas da manhaa, na sala ,
do edificio era que se acha Instalada a escola or-1
mal, principiara os exames dos alumnos mesires
que frequentaram o primeiro anno.
O secreurio,
A. F. d'Annunciaco.
Pela subdelegacia do Peras foi recolhido a
deposito uro cavallo rugo, castrado, cora canga-
Iba ; quem for seu dono comparega, que provan-
do Ihe ser entregue. SuDdelegacia do Peres, 11
de novembro de 1861.
O subdelegado
Alexandre Martins Correia Barros.
Crrelo.
Os Illms. Srs. Adolpho Carlos Sanches, Joo Bap-
tista de Freitas e capito Rayranndo Jos de Son
Cidade da % letorla.
Srs. Redactores. A humanidade exige, que,
quando um dorso semelhante pratica qualquer
acto reprehensivel, seja advertido, para cohihir-se,
e se precaver de sua repetigo para o future : mui-
tas vezes por taita de uma advertencia ou da pu-
nigo de uma culpa, anda que leve, Acarnos habi-
litados para commetter maion-s delictos, que nos
ararretam encommodos e desgostos na vida social.
Partindo deste principio ao ler a duvida posta
no cumprimento do despacho do juiz municipal
supplente deste termo, exarado no requerimento,
que alguns irraoaAla irmandade das Almas desta
cidade enderessaram representando contra as ir-
regularidades, que se deram na eleigao dos novos
= fceXa? 7exPreSosade^e sS & AflUSS?. n7 contt S*S i lgg^^ fSStSiSSS^
1 Manda,M 5SK le pa-'' SSJ&VS^^ ^'
ra conhecnnento de todos os interessados e obser- Tamhpm nn msmn da Mni.. __ lt
pumicar o presente pea imprensa. |engos de seda preta, para os
Secretaria da escola normal 15 de novembro de '
Ao conselho.
A direcgo do quarto pequeo est actualmente ^
ffiSldS UTa m""'a' m seuseacae; Os alumnos raeslre's dTp'oTsTapresentarera co- e ^^'S^^SSSSm '
trapos; o como sera a terceira pessoa que tal lugar nhecimento do consulado provioclal de haverera recommendada.
oceupa na presente admimstrago, convir que o pago a 2' presugo de soas matriculas, de coufor-
jiroximo futuro sacatrapos seja da feigao do pri- midade com o disposto no artigo 4 da lei proviu-
meiro, e que os genios, os sentimentos e as habili- cial n. 598 de 13 de maio desle anno, serio admet-
ages corram parelhas para nao disparar cada dos exames, segundo a ordem de suas nurae-
un para seu lado facetas.
Querem um conselho? Elejara om patusco1 Os exames serao tei tos sobre pontos extrahidos
comme ti faut; elejam um maganao que, sem ti- sorte, e immediatamente depois sob a presiden-
rar nem p-ir, tout a propos ; elejam o doutor cia do mesmo Sr. director com assistencia do illm
rancez, e verao que tem homem. Mas quem Sr. director geral da inslruccao publica,
esse portento, essa phenix de nova especie esse
beijinho dos sacatrapos, esse doutor francez f Eu
O brigue portuguez Unido, sahe com muita bre-
vidade por j ter a maior parte de seu carrega-
mento prompto, n para o resto que anda falta tra-
ta-fe com o consignatario Jos Joaquim Lima Bai
rao, ra da Cruz n. 18._______
Para Lisboa.
Sahir com brevidade o patacho portuguez Ma-
na da Gloria, recebe carga frete e passageiros
trata-se com o seu consignatario E. R. Rabello ra
da Cadeia n. 55, escriptorio.
Para o Ro de Janeiro segu com muita nre-
vidade o palhabote brasileiro Arthur, recebe car-
ga a frete : a tratar no escriptorio de Amonm Ir-
mos, ra da Cruz n. 3.
Conselho de compras na vaes
O conselho promove no dia 19 do corrente mez
a compra dos seguintes objectos do material da
armada : 90 pegas de cabo de linho da Russia snr-
tdo de Id a 3 1|2 pol legadas; 4 pegas de cabo
dito de 5 a 7 pollegadas, |1000 folhas de papel
I i xa, 40 paes de gomma elstica, 8 duzia> de ta-
boas de cedro de 3|4 de grossura, daodo-se pre-
ferencia as que forem de maior comprimento, 145
Os exames durarao uraa hora, e segundo apro- covados de damasco verde de seda. SOesguinchos
va escripia e oral que flzerem correr escrutinio i ancoreta de 4 quintans, 1 dita de 6 ditos 6 es-
Para o Rio de Janeiro.
Vai sabir com brevidade o brigue nacional Sym-
patliia, de primeira classe; recebe-se carga e es-
cravos a frete : a tratar com Manoel Ignacio do
oliveira e Filho, largo do Corpo Santo n. 19.
Para o Hio de Janeiro
esperado em poucos dias o brigue nacional
Almirante, o qual j tem parte de sua carga enga-
jada ; para o resto que Ihe falta e escravos a fre-
te, para os quaes tem excellentes commodos, trata-
se com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, no seu escriptorio roa da
Cruz n. 1.
Para o^Ass
segu com muita brevidade o hiate Dous Irmos :
a tratar com Tasso Irmos.
LEILES.
viu-se o esenvao, oppondo-se ao cumprimento da-' e arrota postas de pescada e carapitaoga 002
quelle despacho tm (.om0 sardinha de barril. 8 Q
Porventura o Sr. escrivo ignora, que qoalqner B' sugeito bem quisto e geralmente adorado no
irmao pode requerer uma mesa geral? Porven- commercio por ser-um pato como ha ucos em
tura ignora que o Juiz.municipal o competente, falla de gente, e por conveniencias puzeram era
como juiz de capellas Y Porventura ignora, qne nma toja de fazendas, que nao situada na vraci-
ao juiz de capellas compete a revogacao das pato- nha, e como patro (soi dtsant) tero mostrado qae
1864.O secretario,
Maximiano Lopes Machado.
aprendizes artfices,
imperiaes mannhelros e aprendizes ditos.
Promove o conselho o compra e efTectua o con-
trato por va de propostas que presentera os pre-
LEILO
HOJE
O agente Pinto far leilfio a requerimento do
administradores da massa fallida de Antonio Pe-
reira da Silva e por mandado do Illm. Sr. Dr. jo



Diarlo Ae Fermnmhneo Quinta felra if de \ovembro *e 1S4.

especial do commerio das dividas activas da refe-!
rida massa na importancia do 5:3685442, s 10
horas do dia cima dito, en seu escriptorio da ra
da Cruz n. 38.
LEIL.40
DE
Escravos de arabos os se-
xos com liabeliddes e sem
ellas.
a .
Quinta-feira i 7 do corrente s H
horas.
Armazein a ra da Cadeia do Re-
elle n. 48.
mFlOiFHl SIMOlS
Vender era lellio urna escrava de 20 2o an-
nos de idade, atiendo costaba r, engommar, coser,
e lavar; tima outra cosinheira; urna outra engom-
madeira, lavadeira e quitandeira. um preto sem
habelidade, ura preto trabalhador de padaria, e ou-
tros escravos que estao patentes.
Nesta mesma occasio vender um nevilho to-
rio, bonita figura e manso.
DE ,
letade do sebmiio da esquina da ruada
cnizn. 64
iKMI.
O agente Pinto levar novamente a leilo s 10
hora do dia cima dito, a parte do sobrado de
doui andares e soto da ra da Unu n. 64, perteu-
ceo ao casal do fallecido Jos Pedro das Ne-
vet, seTvindo de base o maior preco j oblido pela
refera parte, devendo naquella occasio ficar a
i'.jia venda ellectivamente realisadacom quera
meiior prego offerecer, em virludc do dospacbo do
lili. Sr. Dr. juiz de orphos.
I leilo ser efectuado no escriptorio do mesmo
afnte, ra da Cruz n. 38, primeiro audar.
pertences, diversas banquinhas com podra marmo-,
re, nm rico fiteiro de amarcllo envidrando, espe-1
lho, quadros, gamoes, banca, etc., o que tudo
consta da relaco em poder do agente, bem como
o titulo de dominio do ditoestabelecimento que se
acba desembaracado de impostos. (
Sexta-fcira 18 d correte
s 11 horas do da no mesmo s.abelecimcnto. __
LEILO
Sexta-feira 18 do corrente as 11 no-;
ras, a ra da Cadeia o 53 armazem
DE
Urna casa terrea nova assobradada pela parte
de detraz, edificada ha tres anuos, na estrada de
I.uiz do Rejo, defronte do hospital inglez, com 32 g^ pVemToV'senVos "descontos das leis na Casa
palmo* de frente com porta de eoeheira ao lado. da F(F rua dQ Q Q 23
de fundo cerca de cem ditos, cacimba so, quintal Acnara.se venda os Kdil primeira parle da
murado cora 200 pfllnx dg fundo, com inultos primeira loWria bene.licio da igreja matriz da
commodos para grande fam.ha as madeiras sao ? ., extrahir no dia 17 de novembro.
de boa quahdade. As chaves acham-se na casa da .
Bilhetes inteiros..... 7000
Meios......... 3S00
Quartos........ i*900
Para as pessoas que comprarem
G4S4 D4 FORTUNA
AOS 6:000.000
Bilhetes garantido
1' roa do Crespo n. 23 e casai do costura?
O abaixo assignado vendeu nos seus muito feli
; zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou!
| de exlrahir a beneficio da matriz de Goianna. |
os segulntes premios:
N. 1183 um meio com 10:0005000
N. 375 dous quartos com 3.0005080
N. 1535 um nteiro 8005000
N. 2193 um meio com 45000
E outras muitas sortes de 1005, 405 25-
Os possuidures podara vir receber seus respec-
MUTA ATTEN(H0
esquina onde padaria.
Pelo agente Kuzeblo
se vender em leilo a casa .cima pelo maior pre-
co que se achar e ser entregue a quam quizer
empregar bem o seu dinheiro livre de maior risco.
Os pretndenos podero examina-la desde j e
para inforraacoes o referido agente as dar.
LEILO
DE
Diversos escravos de ambos os sexos
do nm ettbrivl' t com arreios quasi
novo e maitoelegante
O agento Almeida far leilo dos escravos o oa-
briob-t acuna no dia sexta-feira 18 do corrunto s
12 horas do dia.
No largo do Corpo Santo Junto a taberna dos
Srs. Palraeira Beltro.
Bilhetes
Helos.
Quartos.
de 1005 para cima.
....... 6*500
....... 35250
..... 15700
Manoel Martins Fiuza
LEiii
DK
Escravos.
HOJE
Quinta-feira 17 do crrenle, ao meio
dia.
No armazem da rua do Vigario n. 10.
vender em leilo diversos escravos com liabeli-
ddes e sem ellas.
LK1LA0
DO
Armzem Progresso
DO
Largo da Penha n. IO.
JE
As 10 horas d'amanha.
Francisco Fernandos Duarle far leilo por in-
tervenco do agenta Pestaa, dos gneros, arma-
rn e utencilios existentes no dito armazem em
im on mais lotes, vontade dos pretendentes. As
proporgSes desto estabeleeimento tem offerecido, e
offereeer grandes vantagens a todos seus possui-
dnres, principalmente hoje que est muito acredi-
tado e arreguesado. evitando assim s despezas de
annuncius que necesariamente so tinham de fazer
p>ra o tornar o que j e mais que tudo a boa
eommodidade que offerece para pequea familia,
htm assim a garanta da chave por meio de um
arrendamento, e da manuira que aprouvi-r; todos
os gneros existentes sao de primeira qualidade,
nao causando por tanto translorno algum ao pro-
pietario licar com liarte, ou toda porco do gene-
ro que nao agradar aos prelen lentes, o bataneo
ac!ia-se em mo do agente : e esi proinpio a
qualquer informac/io, na rua do Vigario n. 11, 3|
andar : o leil. lera \ap.f-fsinii-tf&i7 O ftrt^j
rggigj i |Q?aB>s"a'amanhaa no referido Pro-
gresso.__________________________________
LElUO
DE
Movis, panos e outros arligos de casa
Armazem rua da Cadeia do Recife
numero 48-
SeUa-feira 18 do corrente as 11 horas.
Cordeiro Simes
far
para
trens de cosinha etc.
ytWfct
Sexla-feira 18 de noverabro s II horas,
rua da Cadeia n, 53.
DK
Urna casa terrea n. 19 A, sita rua do Socego
freguezia da Boa-Vista, nova, rende 2i05 rs. por
anno, e foreira, as chaves se achara junto no
numero 21.
E de urna mobilia de Jacaranda nova, cadeiras
de cereja, ditas de amarello guarda raupas, dito
de niogno, cadeira de conduzr (palanqun), cama
de arraaco, tapetes de raz de esparto e um fardo
completo de cavallaria da guarda nacional, pali-
teiro de prala, tigura obra do Porto.
Importante leilo
DE
Trera oslanhado para cnsinha.
Sabbado 19 do correnle.
O agente Pinto far leilo por corita e risco de
quem pertencer de 3 caixas com um completo sor-
timento de cassarolas estanhadas do fabricante Ja-
py, assim como 10 barricas da verdadeira graxa
ingleza em boioes n. 87 com o duplo do tamanho
do costiime : no armazem de J. A. Moreira Das,
rua da Cruz n. 26, s 10 horas em ponto.
Aviso aos senhores c senhoras
: Avfso aos senhores o senhoras
\ Aviso aos senhores e senhoras
| Aviso aos senhores e senhoras
! Aviso aos senhores e senhoras
i Aviso aos senhores e senhoras
1 Avjso aos senhores e senhoras
Avjm aos senhores e senhoras
\ Aviso aos senhores c senhoras
Aviso aos senhores e senhoras.
Novo sortimento
EscraTOS. ^ovo sortimento
i Precisa-se alugar um coztnheiro e um criado; gow sortimento
que sejam escravos : na rua da Cadeia n. 52, ter- ovo sortimen o
ceiro andar. ;' *mo sortimento
---------------------. s ,-----------------grrr De caixmhas e quadros
- O baixo assignado declara que no sobrado n. | De caXin|,as e quadros
61 da rua da Cruz que est annunciado para ser D() cax0|las e quadros
vendido em leilo no dia 17 do corrente, tem urna > r,c caxn|,as e nuadro
pequea parle, e tendo oblido sentenca do juizo; De caxnnas e quadros
competente para haver o aluguel que Ihe compete, Caixinhas a 15500
: faz disto setente para que o comprador nao se pre- ("aixinhas a 15500
valeca da ignorancia para o futuro Caixinlias a 15500
l___________________Jos da Rocha Prannos. ; Caixinhas a 15500
Tendo ambareado o desembargador Loaren- Caixinhas a 15500
co Jos da Silva Santiago para Olinda s 5 hora Caixinhas de 55 por 45
i da manha dehoje 14 de novembro, na rampa do Caixinhas pe 55 por 45
, chafariz ao p da ponte do lado da Boa-Vista, en- Caixinhas de 55 por 45
; tre outrus objectos que mandou butar ua canoa foi Caixinhas de 53 por 45
i um sacco de a era que cosluraa levar autos para Caixinhas de 55 por *5
I a relaco, e como ao ebegat a Olinda l nao che- Heceberam-se 10 mil caixa
I gasse o referido sacco previne-se que quem o Uter Receberam-se 10 mil caixas
lieceberam-se 10 mil caixas
bargador que est assistindo ao lado da igreja Receberam-se 10 mil caixas
Receberam-se 10 mil caixas
desembargador Santiago, que gratificar bem. Ad- CartSes de visita
verte-se que o sacco continha 6 autos e alguns li-. Cartees de visita
vros que nao podaraaproveilar a pessoa alguma, Cartees de visita
e ia fechado com um cadeadinlio de melal ama- CartSes de visita
relio. Recife 14 de novembro de 1864. i CartSes de visita
A 105 a duzia
A 105 a duzia
eilao por eonta de urna pessoa que so retira ; achaii0 0 v entregar m Olinda' ao' mesmo de
rora rta eidade, de diversos movis consistin- sembargador que est assistindo ao lado da igreja
do em mobilia, piano, louca, crysues, quadros, ] je S. Pedro Novo ou na rua do Hospicio n. 50 ao
Cachang
Aluga-se urna casa com Oaslantes commodos pa-
ra familia e cocheira : a tratar no Chora Menino,
padaria.
103 RUA IMPERIAL 193
Isaac Esntiy
Fabrica do rap imperial.
Isaac Esnaty tem a satisfaco de participar ao
respeiiavel publico que se acha eslabelecido na rua
imperial n. 193 cora fabrica de rap denominado
RAPE' IMPERIAL, rujo rap fabricado ignal ao
rap de Lisboa, e muito melhor por ser mais tni-
ca e muito mais agradavel e convencido o fabri-
cante da superiondade do seu rap, p<-la experien-
cia de trinca annos que tem dcsle genero, e demais
o certificado junto para mais seguranca dos com-
pradores o fabricante tica responsavel pelo bom
resultado do seu rap, garantiodo ao mesraojempo
o dinheiro do comprador que por accaso nao gos-
tar (o que positivamente nao de esperar) o senda
este precioso rap digno do preco de tros mil ri>
a libra porm como o principal desejo do fabrican-
te de ganhar crdito em todo o imperio e tam-
ben para chamar atiendo dos amantes da boa pi-
tada como lambem dos exportadores deste genero
tanto para o mato Domo para outras provincias, li-
mita smenle o proco reduzidn de mil ris por li-
bra a relalho e em porcao do 10 libras a 900 ris
e em porcao de 50 libras a 850 ris e em porco
de 100 libras a 800 ris e em porco de 1000 libras
com o descont de cinco por rento ou a tres metes
do prazo tirina garantida assim o fabricante espera
a concurrencia dos senhores compradores em ra-
muneraco da boa pitada examinada, approvada e
afllancadc
O fabricante franqueia as amostras (gratis) do
seu rap tanto na fabrica come tambora no nico
deposito rua Oireita n. 14 taberna.
Brevemente apresentar a venda publica oulro
rap fabricado igual ao que se fabrica nesta e an-
da para melhor, como tamben : rap princeza,
rap grosso e meio-grosso, tudo a pteos minio
mais redundes para mais animar os sniores ex-
portadores deste genero.
N. B. Nos dias do sabbado a fabrica nao se
abre.
cnmnca&o.
Certifico que snbmcttendo a exame a amostra
do rap denominado Imperial, que apresentou a
esta repartiere o -r. Isaac Esnaty, fabricante resi-
dente na rua Imperial, casa n. 193, declaran o pe-
ATTENCAO
Domingo 13 do corrente sahio da rasa do abaix*
assignado, com urna bandeija com Iructas para
vender, a sua escrava mulata de nome Luiza, de
16 annos de idade, poneo mais ou menos, levou
que da mesma Calenda, chales de la earmizim,
costuma fazer bastante aposentx na rna dos Pire*
em ditas casas, sendo unta dellas do carrocrir* de
nome Francisco Cabreira ; o motivo da fgida fw
o desappareeimento de alguns objectos da casa,
sdese ntia que a dita mulata estrja acontada em
alguma casa para onde elle earregava este objec-
tos : portan!o pede-e as autoridades policiaes e
capitaes de campo a IsjpMheTOO da referida mu-
lata e leva-la ao sitio do abaixo assignado, na tra-
vessa de Joo Fernandos Vieira 5.
__________Guilherme Joaquim da Silva Braga.
Ages Hoberlsoa Williams salle do imperio -
sfaggie Herier Williams vai Europa.
Casa para alocar.
Aluga-se o sobrado de um andar e solo sito na
rna de Santo Amaro n. l'i, com bastantes commo-
dos para familia : a tratar na rua larga do Rosa-
rio n. 34, botica.
Aviso.
rito notneado para csse fim, o sr. Pedro Maurer, i mero 2--
0 abaixo assignado faz ver a todas as pessoas
quo com elle tiverem transacefi-'s, que dorem di-
rigr-se a ruado Caldeireiro n. 94.
Francisco Pefelra de Meirelcs.
Precisa-se de um CJixviro de 12 a i4 annos,
qued fiador a soa conducta: na rua do Hangel
n. H. deposito.
Aluga-se a casi terrea da rna do Socego a.
S : a tratar na taberna da rua_do Rangel n. 7.
Precisa-se le unta mtilher f>orlugiiea de boa
conduela, que saiba bem eugounnar, e que lenba
pratica de cozinbar, para casa de liomein .-.'t-iro :
na rua do Livramento n. 7.
Aluga-se o grande sotao do sobrado n. 13 da
traversa da Concordia, com mullos oniniodos : a
tratar no mesma.
Precisa-se de uina ama secca para tratar de
umi crianca : na botica franeeza, rnadaCraz nu-
que nao havia inconveniente algum em ser cipes-
lo venda, aliento a que nenhum permeio nociso
comprometa a saude.
Inspectora da sade publica, aos 5 de outubro
de 1864.
Dr. Ignacio Firmo Xavier,
Inspector da sade publica.
Hllo para afngar pert da
praca
No dia 18 do corrente, no lugar e as horas
do costme, haver reunio da sociedade Pbilar-
monica.
MU D.
O abaixo a.-signado penleu duas letras na villa
de Agua-Preta, sem saador, senilo de 1005 rada
urna, a vencer em Janeiro e mareo, aceitas por
Aluga-se a casa terrea (para pequea familia) Francisco Theodozi da Silva c Jos Gorgenio Paes
Caixelro.
Precisase de um caixoiro do 14 16 annos,
que tenlia pratica de taberna ; na rua da Madre de
Dos n. 5, e d fiador a sua conducta.________^_
O dono ila antiga fabrica de charutos e ci-
garros, sita na esquinada rua de Heras n 1, ten-
do feito reduccjio nos precos de suas mercadorias,
convida aos seus freguezes a viren honrar seu es- j
tabelecimento com devida proteceo de que carece ,
A 105 a duzia
A 105 a duzia
A 105 a duzia
A galera est renovada
A galera est renovada
A galera est renovada
A galera est renovada
A galera esta renovada
Com ricos c-rtinados e tapete?
Com ricos cortinados e tapetes
Com ricos cortinados e tapetes
Com ricos cortinados e tapetes
Com ricos coriinados c tapetes
por se adiar com um variado sortimento de cigar-;,, ,. ...
ros e charutos finos dos autores mais acreditados m a>u w*m
as vistas de fundo
da Babia, cachimbos, fumo para os ditos, fura, em .'" ,a> ? variadas mtoa de fundo
folha. faino americano, dito dito em latas, e dlver- ^,m' .nd.as e ,ar,a,if vis,fs d.e f;in,l"
sos artios para os fumantes, em quanto a quali- :,n ." as nadas vis as de .ando
dade e preco garanie-se nao prejudicar os fre- ; t'om 1,udas e vanadas vistas t
guezes.
AVISOS DIYE1S0S.
Precisa-se de um distribuidor para
osle Diario cm una parle do bsiTU a
Boa-Vista : ua praca da Independencia ns.
j-cB..
IEIIAO
DK
Um cavallo.
BOJE.
(Jainta-feira 17 do correle s l i boras.no
armazi'm da rua do Vigario n. 10.
OLYWIPiO
venderi no da e lugar cima, um cavallo de sella
,\ bom de calmle!.
fjJBIJLAO
DR
Trastes etc., etc., etc.
1IOIE
(Juiula-fcira 7 d cor reate as 11
horas.
j, jo armazem rua do Vigario N. 10.
OLIMPIO
->m seu armazem, vender em leilo urna mobilia
Je Jacaranda, mesa elstica, consollos, quadros re-
'.igios, camas francjzas.duzias de cadeiras e oulros
riuitos artigos. __________^_____________
LEILO
DE
Carrocas e bois.
u
jtiinta-feira 17 do crrente s II botas.
" Cordeiro Simoes vender em leilo duas carro-
.as com bots sendo as carrosas quasi novas e os
bois gordos e bonitas figuras. Ser effectuado no
-irmazem rua da Cadeia do Recife n. 48.
LEILO
Aluga-se o sitio que foi do finado Domingos
A. Gomes Guimares, no Caldeireiro, confronte ao
do Sr. Dr. Jos Bernardo Galvo Alcoforado, com
ptima casa de vivenda, cocheira, etc., etc. : a
tratar com T. do Aquino Fonseca Jnior, na rua
do Vigario n 23, primeiro andar.
Multa atteneao.
Pede-sc a pessoa que achou urna cartelra j usa-
lAmntendo 9 em sedulas e urna letra no valor
de 349&I40 rs., cuja nao est selada nem assigna-
da pelo .'acutll-; fceetai oonv alguns doiTJinentOS
o traze-la a toja de selero da rua larga do Rw"
n>-28. q.tfi ssrMmQMmtoi wft Bfrfoir;
. i-i.ii-ia aesne VMnfla j j-. ii-~j.b- --"=-
rua Nova ilefr.mle da Conceicao, isto dentro do
mnibus Boa-Vista, e ap at a rua das Floros ,
prevne-se que se acaso nao apparecer a carteira
cima dila o abaixo assignado desde j protesta
contra qualquer transaeco feila com snpradita
Aluga-se urna casa em Beberibe : a tratar
com J. I. M. Reg, na rua do Trapiche n. 34.
6b
Aos 6:000.000.
Quinta-feira i do corrente mez, se ex- i \' at-iii pelo Sr.TuizvPereira de Castro.
traMr a quinta parte da terceira lotera Joo de Oliveira l.ete de Si
(117a) a beneficio da Santa Casa de Mise-
ricordia, no consistorio da groja de Nossa
Sentiora do Rosario da freguezia de Santo
Antonio.
Os bilbetes, meios e quartos acham-se
yenda na respectiva thesouraria rua de
Crespo n. 15.
Os premios de 6:000#000 at 10#00
ser5o pagos urna hora depois da extracco
at s 4 horas da tarde, e os outros no u
seguinte depois da distribuico das listas.
O thesourciro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza
^BariMHSVaBEMUB^aB
e variadas
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
A] rua do Imperador n. 38
A' rua do Imperador n. 38
A' rua do Imperador n. 38
A' rua do Imperador n. :t
o Imperador n. 3S
o Imperador n. 38
a r. 1 ., i.iipi'l lilil" II. .IA
A' rna lin Imperador n.S8
A' rua do Imperador n. 38
A' rna do Imperador n. 33
sita na rua das Barreiras n. 1, muito fresca, com :t
quartos, 2 salas, cozmha. despensa, quarto para
prelos, com o sitio b'in plantado de arv.iredos no-
vos, todes botando fruclo, cacimba ora muito boa
agna de ensaboar roupa, casinha de tomar banlio
com tanque e bomba de Japy : quem pretender,
dirija-se a tratar na mesma rua. casa n. 7. rom o
seu prop ielario, ou com o Sr. Zacaras dos Santos
Barros com olaria na im-sina rua.___________
Para Olinda.
Um llamen soltero pretende ir para Olinda a
tomar banhos, e admitte um companhoiro, afim de
ficar mais mdica a despesa, poJendo dii git'se a
rua da Roda n. 48. taberna.______________________
GABINETE
rORTUGUEZ hK LbllUKi EJ1 PEH-
WHRUCO.
" De ordem do Ulna. Sr. presidente do conseibo
, deliberativo convoco os membros do mesmo ron-
selho a rounircm se em sessao extraordinaria, na
sala das respectivas sessCes, sexla-feira 18 do cor-
! rente, as C horas da tarde.
Secretariado consellio deliberativo do Gabinete
i Portuguez de Lcitora em Pernambuco 15 de no-
. vembro de 1864.
A. A. dos Sanios porto
1." secretario.
ammg*ftXUGK
A. W. Osborne.
bouza.
- Aloca- se urna cas 1 terrea sita na rua da
Gloria n ."2 retifleada le novo : a tratar no Re-
cife, ran da Moeda ti. !)
BWM!HWI
luaquim da Silva \i<>:>-\ isla principal i
baratenro da rua do Crespo n, 10, acaba *
Brrelo : quem as achar dirija-se ao momo abai-
xo assignado, que gratificara ; cujas letras furam
perdidas no dia 24 do passado.
Francisco Paula e Silva.
Joo da Silva Ramos, nvdico pela l'ni
versidade de Coimbra, da consultas em
sua casa das 9 as 11 horas da manha, fl
das 4 s da tarde. Yisila os doentes
en suas casas regularmente r.r.s horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, qne serio soccorridos em qual-
J ijucr occasio. D consultas aos pobres
que o procuraren! no hospital Pedro II,
aoude encontrado diariamene das t
s 8 horas da manha.
Trm sna casa de saiide regularmente
montada para receber quplquer doente,
anda mesmo os alionados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
tica qualqner operacao cirurglea.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3000diarios.
Segunda dita.... 8*500
Terceira dita.... 2*000
$4l Este estabelecimenlo j bem aeredi-
fje tado pelos bons servicos qne te:n pres-
' lado.
O proprietario espera que elle conti-
I nuc a merecer a confianza de que sem-
pre tem gozado.
de receber um esplendido sortimento de jffi? I |Svl^SQ^-^^-.!.'S^-S^^^
soutembarqi.es de grosdenaple prelo ri { n\^r\\^\TT\T\ 1\\T ADAf
rato, mamlem ver Binas.
rua do Crespo n. 10.
senhora", a J5s
na
Fes i a

J
Aluga se um pequeo sitio vsnho ao do Sr
I Joo Alves Machado em Sant'Anna, Rea periodo
I banho, e o lugar basianlemenle sandarel: ira -
i fa-se na rasa de banho da rua da Cruz n. 17.
Lvtiihas. *9 ----------------.---------------------------
AdelaidaEmilia da SiIveiral-obo,Antonio Bor-! Aluga-se a casa terrea da travessa das liar-
ees, Julio e-mosthenis da Silveira Lobo sobri- reiraa n. 6, com quintal, algunsarvoredos e por-
uhos do finado liento Bandera de Mello, convidan to para a camboa : a tratar defronte da mesma
aos seus amigos e aos amigos do linado. ouvirem naolariailo Sr. /canas.___________________
urna missa risada por alma dello no convento do
Carmo, pelas 6 huras da manha do dia l'J do cor-;
rente, o esperam quo nao fallera a esse acto de^
earidade e religio.
O agente Pinto far leilo por conta de quem
pertencer de differentes fazendas inglezas, france-
zas e allemes como sejam : madapoles, chitas e
algodozinhos, s il horas do dia cima dito : no
Armazem da rua da Cadeia n. 36.
LE1LAO
DE
CiMPOi DQ mm
HOJE
O agente Pinio far leilo por conta de quera
pertencer de urna porco de chapos do Chy, is-
to em continuacao ao leilo de fazendas no arma-
zem da rua da Cadeia n. .'16.
LKI%AO
UK
18 im de esleirs largas avaradas
HOJE.
O agente Pate far leilo por conta o risco de
'iud perteccer de 18 pecas de esleirs largas
com alaria d'agua salgada, as W oras do dia-ci-
ma dito no armazem da rua da Cadeia n. :t6, onde
liaver leilo de fazendas em continuacao.
Pedro de Alcntara Monte Lima, Manoel
Rodrigues do Monte Lima, Guilhermino Ro-
drigues do Monte Lima e Bernardino Rodri-
gues do Monte Lima, agradecen cordialmen-
te a todas os seus amigos que se dignaran)
assstir as exequias de sua muito presada ir-
ma Anna Joaquina do Nascimento Lima,
que leve lugar no da 13 do corrente mez no
convento do Carmo, e esperara que se dig-
nen de no dia 19 do Blasmo mez assstir a
mssa do stimo dia que ter lugar s 6 ho-
ras da manha pelo descanco de sua alma.
Agradecimeoto.
Francisco Jos Carneiro, summamente penhora-
do pelas innequvocas provas de amizade de que
sempre derara mostras o Illm. Sr. Jos Monteiro
de Siqueira c sua Exma. cousorte, vem por meie
do presente aviso agradecer-lhes o delicado trata-
ment, e raanciras urbanas que sempro se digna-
ran prodlgalisar-lhe durante o tempo em que foi
caixeiro da toja de louca do dito Sr. Siqueira, na
rua da Cadeia n. 6, e igualmente Ihes protesta a
mais sincera e reconbecida gratido.
Aoffic.-. cap.-, l'nio o Beneficencia
tem do celebrar no dia 20 do correnle > 10
horas da manha no seu Templ. na rua
Direita n. 31, o funeral pelo seu Aado
Ir. Guilhermino de Albuquerque Martins
Pereira, convida para assstir a esto acto de
car i dade a todos os mac. _______________
I
Sen limite.
O agente Almeida far segunda vez leilo da
-.usa de billiar da rna do Imperador junto a or-
ii>m terceira de S. Francisco constando de buha-
res ltimamente forrados de novo com todos seus
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes artiticiaes tanto por meio de
molas como pela presso do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparacoes as mais acreditadas
para conservaco da bocea.
ATTENQiO.
o abaixo assignado compran por
apeddo do Sr. Francisco Goncalves Meirelles, da co ;
Therezina do I'iauby o bilhete n. 363 da 1.* parle : -cguii
da 1." lotera concedida em favor da matriz de
i [tamb, o qual llca em poder do annunciante. Ita-^
cife, 16 de novemhro de 1804.
Manoel Pinh; iro de Miranda Osorio.
I^I MM WM MWMMMM
Precisa-se d urna ama ne leite : na J^'
roa das Cruzas n. 9, segundo andar. S
Caixeiro
Precisa-se do um caixefo de 14 a 16 annos, que
leona pratica da taberna c d fiador a sua con-
ducta : a tratar em Olinda, rua dos Quatro Cantos
esquina da ladeifa da riheira.
An:ouio Furtado esuiseuboraretram-se para
Europa. ___________
0 Sr. Jos Antonio de Souza Hachado tem
una carta vnda de Lisboa, na dvraria da praca
da Independencia ns. 6 e 8.
Imperial iuslilulo de \. S. do Bom
Consellio.
llavera nesto Instituto um curso de ferias para
conta o osestudautes que se quizerem preparar para mar
co ; a matricula a'-na-se aberta desde
Philosophia.
(iaographia.
Rhetorica.
Geometra.
Inglez.
w
DE
JOAQUIM.
As aulas deste collego
ja para as
BLimmo
que contem o officio de Nossa Seolior das
Dores; o ramio de resar e oiTereccr a co-
ra, um setenario e mais oittros ejercicios
de piedade e devoco ; ordenado pela ir-
mandade dos serves da mesma Senhora,
que se acha erecta na Cgreja de N. S. da
Penha do imperial hospicio dos reveren-
dos padres misionarios apostlicos oapu-
chinhos italianos de Pernamboro, approva-
do por S. M. ., que Deas guarde; dado
luz por devoco do muito reverendo
padre Fr, Placido de Messina.
Vende-se a 3-20 rs. na livraria ns. 6 e 8
da praca da Independencia
mmmmmmmmmmmm
H O Dr. Cosme de S Pereira conti-
|S na a residir na rua da Cruz n. 33,
jgg Io e V andar, onde pode ser procu-
| rado para o exercicio de sua profis-
s3o medica, e com especialidade
H sobre m seguinte
'>M Io molestias
M 2*
3
Precisa-se de um Uiteiro para urna loja em
." -T.L ..-;,. ^., Alagoa Nova, qje tonha habilitadles : a tratar na
Acha-sc fgido desde o da 7 de fevereiro do : *> .. .... .
corrente, anno o escravo de nome Faustino, de da-;rua da L*,Ie,J 3} l0Ja-
da de 40 annos, pouco mais ou menos, cor fula, j
altura regular, grosso do corpo, bem espadado,.
barbado, e j com alguns cabellos hrancos na bar-
ba, bracos a pernas grossas e bastante cabelludas, |
tem as pernas arqueadas, porm nao muito, bas-
tante cabello nos peitos, e costuma quando quer
fallar mais apressado como que gaguejar, porm
m'iito pouco, que mal se percebe; costuma andar
cm sambas, e as vezes embriagare por gosiar de
bebidas espirituosas: suppoo-se que em seguio
para o centro, talvez em busca dos serloes : por-
tanto roga-se s autoridades policiaes que o fac.am
apprebender e couduzi-lo casa de seu senhor o
majir Antonio da Silva Gusmo, na rua Imperial,
em Pernambuco, que satisfar toda e qualquer
despeza que por ventura facam, e aos cauites de
campo offerece urna boa gratificado.___________
Precisa-se de um trabalhador na reQnaco
da rua nova de Sania Rita.
Saques sobre Portugal.
O abaixo assignado, autorisado pelo
Banco Mercantil Portuense. e na ausencia
do Sr. Joaqun da Silva Castro, saca ef-
feclivamente por todos os paquetes sobre
as pracas de Lisboa e Porto, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso ; podando, os que temaren
saques a praso.receberera avista, no mes-
mo Banoo, descontando4 0)0 ao anno: na
loja de chapos da roa do Crespo n. 6, ou
na rua do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
fnnecionam g
durante as ferias e tem princ.pio no Io g
2 de dezembro; os Sis. que pretenderen! gg
ea fizi r seu exame em marco dirijam-se ao a
mesmo collego a ioscre*ver-se no hvro |
f de matricula, assim como ene ntraro 3|
SB una lista com os nomes dos Srs. lentes e k| ;
S| ;.s horas em qua devem funecionar as SI j
jpt aulas. Isa ]
wiij VA
MADAME ROUTIER
faz publico que muon se da sua resdonca da rua
Bella n. > para a mesma rua n. 39.____________
"^~Est anda para alugar urna casa na fifia de
Bemtica junto a ponte la Passagero, com comino- |
do; para familia, banho, pintada, o pelo barato
aluguel de ISOf por anno : na rua larga do Ro- |
gano n. 36 se dir quem aluga._________________
. A pessoa qua annunciou querer comprar ,
urna rotula, dirja-sn a rua de Bartholomeu e Ca- :
valho n. 64, sobrado qne piba para a cadeia.
~ Preeisa-se de urna ama de leite : na rua do
Livramento n. 20. segundo andar.
i
de olhos ;
de peito :
dos orgos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
rao examinados na ordem de suas 5
entradas comecatuio o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consaltas todos os dias d s]
Gas 10da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda c qualquer opera-
rao que julgar conveniente para o
prompto restahelerimento dos seus
doentes.
BS f mm*"TC~'f uTBftqgqVWBl *

A d 3 ts c-
a -i -i c
V c -" o 9Q
ED o
2 ~-
O 1 i 3- .
- o 0i rs e "' 1 O-
O S 5 vi -i Q
o ^ v. -1
i 3
* => -
e S tal
> 2 S" M
i ?

Precisa-se de um menino portuguez, dos che-
gados ltimamente, para caixeiro de urna loja em
Macei : a tratar na rua da Cadeia n. 3o.
Precisa-se de um menino de 13 annos para ,
caixeiro de um deposito : no becco do Campelle | Precisa-se de urna ama para coznnar para
numero I casa de pouca familia: na rua larga do Rosario n.
21, loja de calcado.
ATTEffgAO. .
Aluga-se um sobrado de um andar e um solo
com bastantes commodos c em bom local, proprio
para passar a festa : quera o pretender, dirija-se a
Passageinda Magdalena, rua do Bcmfica n. 29, que
na padaria junto se dir quem o aluga.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite para acompa-
nhar urna crianca at a Baha -. trata-so na rua
Nova n. 63, segundo andar.
Veneravel ordem terceira de
N. S. do Carino.
Por deliberacSo do irmo prior faz-se sciente
aos irmos qua sao soccorridos pela ordem. que
devero apresentar mesa os seus respectivos re-
quenmentos al o dia lo de dezembro prximo
futuro, depois de cuja poca nao sero mais ad-
mattidos, segundo determina o | 1" do art. 04 dos
estatutos.
Secretaria da veneravel ordem terceira de ?.
. do Carino lo de novembro de 1864.
O secretario.
Jeronymo Emiliano da Miranda Castro.
Pede-se a certas entraras que frequenianj 0
Club Pernambucano, que se abaleaban) da dansar
urnas com as nutras, oque s proprio da urna
sala de dansa.
Precisa-se alugar um osersvo moco ou va-
lho para servante de urna casa de familia : ni rua
da Madre da Dos n. 36. sobrado._________________
So largo do Corpo Sal. u. 6, Sirgando an-
dar, precua-se fallar com os Srs. Jos Goncalves
da Oliveira i C. ______________
Precisa-se da nina ama qua rozlnhe e en-
tamm para duas pessoas : na rua da Penha n.
S$, primero andar
Alugam-se duas ::asas novas no melhor lu-.
garda punga por serem muito t^**"
commodos ; a tratar no paleo da matriz de Santo ,
Antonio n. 8._____________________________
Aluga-se urna boa casa terrea rom bonscom-
modos para familia, na rna Augusta n. 91 : a tra-
bar na rua das Cinco Ponas n. 140, ou no caes
do Ramos n. 4.
Peehineha em igual.
lindos cortes para vestido de perca11$ de cores
claras e escuras com grande variedade de padres
pelo haratissimo preco de A$ o corte: na luja das
c lumnasrua do Crespo n. 13, de Antonio Cor-
rea de Vasconcellos 4 C.
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO



/
DlarU 4m rermmmhmtm ~ Quinta lelra 19 4c Xovcmbro e 184.
Companhla Odelidade de|
seguro martimos e ter- g
restres estabelecida no
Rio de Janeiro.
AGENTES EMPEPNAMBUCO
Antonio Lnii de Oliveira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
rias e predios no sea escriptorio ra da
Cruz n i.
O adwgado Jos deodoy Vasconcellos
pode ser procurado na rua estreila do
Bosario n. 3i, das 10 s 3 horas da larde
dos das uteis.
Sitio para a'usar.
Aluga-se a casa no lugar de SanfAnna, com
commodos para grande familia, tendo a Besla si-
lio com arvoredos : na rua da Cruz n. 4.
SALSA P.4RKILH1 E AVEtT-----
O bacharel
f Francisco Angosto da Costa ^
ADVOCADO
Rua do Imperador numero 69. ';$?
mwm mmmm wwm
Consultorio medico-ebirnrgico na rua larga do Ro-
sario n. 20.
O Dr. loao Ferreira da Silva regressando sua
casa, contina em o exerclcio de sua profissao,
nao s na parle medica como tambem na chirur-
gica.
|Loj
ja de madama TheardS
Este estabelecimento se acha hoje mais
que nunca bem sonido de objectos de
moda do raellior que pode vir ao merca-
do e nao se menciona cada um de per si
por se tornar demasiadamenie enfado- .
nho para seus numerosos frexuezes quan- ffi
do lerem o presente aviso pelo que limita- gt
se em lembrar alguns artigos, convi se- H
jam : chapelinas de dinas de palha de MK
Italia, de seda, de crep branco e preto jjs
para luto, chapeos redondos de palha da sK
Italia amarella e de outras cores para y0,
senhoras, ditos para meninos e meninas,
ricos cortes de blonJe, ditos de moreanti- j
que de diversas cores, ditos de seda, as- SK
sim como sedas de cores para se vende- \*
rem a covados, ditas escocezas, cortes de
venidos pretos bordados a agulha, final- |
mente um variado sorlimento de fazen- jac
das finas e grossas, na mesma casa fa- J
zem-se capas, manteletes, vestidos para j|
noivas, vestuarios para meninos se bap- >
tisarem e tudo quanto pertence ao toilet *R
de urna senhora e recebe-se figurinos to- 5M
dos os mezes das ultimas modas de Pars. >**
Trapiche da Gamona
Alfandegado por caita imperial de 26
de marco de 1863.
Este antigo e importante estabelecimento, um
dos mais bem montados desta curte, com vastissi-
mas casias para arrecadacao de assucares e ou-
tros gneros nacionaes ou estrangeiros todas cor-'
ladas por trilhos de ferro assoalhadas e forradasi
de madeira com guinchas em todas ellas para ar-1
rumaco e safamento de gneros, com urna ponte
sobre o mar, de 600 palmos de extenso, com p-
timos guindastes, um pessoal muito pratico neste
servieo, propoe-se a armazenar assucar em caixas,
feixes ou barricas pelo tempo de seis mezes por
40 rs. em arroba e em saceos 30 rs.; as madeiras
de qualquer qualidade que forem nelle depositadas
pagaro pelos primeiros seis mezes o mesmo que co achei-me
actualmente pagam por tres mezes nos demais tra-
piches e dos semestres que se seguirem tero um
abatimente de 20 por cento ; recebe por precos
muito mdicos qualquer mercadoria comprehend-
da na stima tabella do regulamento das alfan-
degas.
A venda dos gneros nelle depositados, faz-se
com as mesmas vantagens que offerecem os mais
Irapiches porque as condicoes para qualquer parte
da cidade sao pelo mesmo preco.
Rio de Janeiro, i- de outuoro de 1864.
LOJA 1)0 HELIA FLOR.
Sitio.
Aluga-se um sitio na estrada do
Monteiro, proprio para passar a festa t
ou por anno com urna excellente ca- KUa O (JlieiniadO US. 63 Q 69.
sa contendo duas salas, um gabine-' vwwvi
T ,e>5 quartos, cosinha tora estriba-' WWM de choro.
1RANSCREVEMOS aqui alguns, ria, cocheira para carro, casa para feitor dita pa-: Li?das bonecas de choro que chamam papal e
tlOS muitOS altestados que temos ra escravos, cacimba d'aguadoce, Unaue'nara ba- ma"?ai> de diversos lamanhos : so as lojas dobei-
recebido das virtudes da salsa D"0' .sen.do,'odo murado, com coqueiros. jaqueiras
DaiTilha do Dr. Awr. SJur.H i,pe5de. ,ara"Jas, ** ^versas quali-
dades os pretendemos acharao com quem
na rua do Imperador n. 71, primeiro andar.
parrilhado Dr. Ayer.
Rheiiniatlsmo.
DE JOO JOS DOS SANTOS.
Ouro Preto.
qual
tratar
Para quem ti ver dividas a cobrar
Dn solicitador bastante condecido, tendo de
partir no vapor costeiro para Mossor.e dam para
a cidade da Iraperatrlz e Pabu de dentro, da pro-
vincia do Rio Grande do Norte, donde voltar em
fins de Janeiro prximo, antes de se abrirem os
tribunaes, se offerece a promover cobrancas de di-
vidas, medanle algum interesse, nao so alli, como
nos lugares adjacentes, que nao distem daquelles
pontos mais do que cinco a oito leguas. Mas antes
de "
t Sofiri rheumatismo por mili-
tas vezes, e vendo annunciado
em um jornal d'esta cidade a
Salsa parrilha de Dr. Ayer, re-
solvi-me 'a comprar um frasco e fazer uso
d'ella ; e ames de concluir o primeiro fras-
forte e sem sentir a mais leve
dr nos joelhos ; a parte do corpo que es-
tava affectada d'esse terrivel encommodo
que roubou-me tantas noiles de somno.
Unpede*, borbulhas, pstulas,
ulceras, e todas as molestias
da pelle.
DO SH. JOO PAULA DE ABREU E SOZA.
Rua de S. Pedro.Rio de Janeiro.
Soffria mais de dous annos de urna
erupcao syphiliiica em todo o corpo, mos-
trndole sempre com mais violencia na ca-
ra, prove amitos medicamentos
A pessoa que annunciou precisar fallar com !
a viuva de Francisco Jos Tavares, afim de fazer
entrega de umaencommenda, podedirigir-sea rua
do Hospicio n. 78, aula do sexo feminino, que ah
encontrara a mesma senhora.
mtiitos mdicos, e eslava quasi desanimado j ingiez.
quando vi os annuncios da Salsa parrilha Tera d'as
do Dr. Ayer: comecei a fazer uso d'ella e'
_;o 13 de novembro de 1864.
Abrir-se-ha a nova confeilara de Coelho & Fre-
tas denominada dos Ananazes situada a rua da
Cruz n. 16 Os donos deste novo estabelecimento
tem a honra de annunciar ao respcilavel publico
que tem montado urna fabrica para poder saiisfa-
zer tudo que for concernente ao mesmo estabele-
cimento. podendo satisfazer toda a encommenda
ao uso da capital, em consequenca do socio Fre-
tas ter (turado o lugar principal em algumas fa-
bricas das principaes casas: sendo urna a da casa
Carceller (desde algum tempo do Sr. Joao Gon-
calves Guimares.)
Diariamente
haver um sortimento de doces para cha.
Das 9 horas da manha em diante haver um
lltei | sortimento de pastis frescos, po-de-l, bollo
nos primeiros dias a erupcao aggravou-se,
porm antes de acabar o segundo frasco ti-
de suaviagem, tem de estar por alguns dias em. nha o mal desapparecido completamente de
Goianna : quem pois se quizer aproveitar do en-1 (nH0 n cnrnn
sejo, poder procura-lo no escriptorio dos Srs. Re-' -
cha Lima & Guimaracs, na rua da Gadeia do Re-
cife, cu na loja de fazendas da rua do Cabug do
Sr. Amonio Francisco dos Santos.successor de Mar-
tins & Santos.
Aluga se a casa terrea da roa do Pilar n. 10:
a tratar com a proprietaria na rua da Cruz n. 3o,
segundoandar, ou na rua da Senzala velha n. 96,
onde esto as chaves.
Na rua da Gadeia n. 5o, primeiro andar pre-
cisa-se alugar urna escrava que engomme e te-
nha algum geito para tratar de criancas.
Preclsa-se de urna ama para o
urna casa de pouca familia, que saiba
gommar, cozinhar e comprar :
da S. Pedro n. 26.
Aluga-se a casa com sitio em Santo Amaro,
passando o hospital ingiez a primeira casa : quem
quizer, dirija-se ao p da mesma, que achara cora
servieo de quem tratar.
lavar, eu
a tratar no oitao
Precisa-se de urna ama forra ou cativa que
saiba cosinhar o diario de urna casa de pouca fa-
milia : na rua do Brum n. 84.
Antonio Gregorio Vaz Pmentel retira-se
ra Portugal a tratar de sua saude.
pa-
Bo recompensa.
Desappareceu no da 12 docorrente, de cima de
um cavallo parado em frente casa n. 44 da rua
A pessoa que annunciou um mulato para ^ova, urna trouxa pe roupa branca e fina, com as
alugar, para o servieo interno e externo de casa marcas F. P. e M. P.: a pessoa, em cujo poder es-
de familia, pode manda-lo rua larga do Rosario ,,ver essa roupa, queira leva-la dita casa, no se-
n. 28, 2. andar, ou declarar a moradia para ser ?u_ndo andar, que receber urna somma equiva
extraordinarios que haver empa-
es, podins de diversas qualidades etc.
Para grandes Jantres
Pecas montadas para centro de mesa sendo de
amendoas, ditas de tmaras de ovos, ditas de cara-
mello e po-de l, gatheaus a la du chze ricamen-
te decorados, gatheaus de la reina.
Pastis de diversas qualidades
DocTon Don Jos Valdes Hemiera, profes-
SOR DE MEDICINA Y CIRLRJIA, SUBDELEGADO ^S Ccnr^d^flW qaa,idade-
EM AMBAS AS FACULTADES DEL sesto Dis- Podins de marrasquino.
tricto Habana.
Certilico que he usado l Zarza parril-
la del Dr. Ayer, y como depurativo lie ob-
tenido de ella los mas felices resultados en
Boii bucados.
Doces de gema d'ovo de diversas qualidades.
Para casamento.
Bailes e baptisados.
. Bandeijas ricamente enfeiladas levando endites
IOS casos de ulcera crnica, como asi mismo' anlogos ao mesmo fim. Para mimo prepara-se
e ensayado las Pildoras catrticas del mismo! pao-de-l enfeitado com disticos ou sera elles sen-
autor y las considero como um purgante, do de confe|to rnm assei<-
cuya accin ademas de ser segura, ha sido Haver gela
SSL4!? ^/J tra l,menl2 l3S enf6rm-1 Acucar rSado, sorvetes, vinhos finos, .icores,
aaes que CXSlgeu el USO de los purgantes, xaropes, refrigerantes, tanto licores comocharopes
y no vacilo en recomendar estas preparado- e doces.
de charuteiro na rua
procurado.
Na rua dos Pires n. 56 precisa-se de um cai
leiro porluguez de 14 a 16 annos de idade.
abaixo assignado pede ao Sr. Jos da Ro-
cha Paranhos que era seu annuncio publicado no
Diario de hontem se diz com direilo a urna pe-
quea parle do sobrado n. 6i da rua da Cruz que,
se digne de exhibir senlenca passada em julgado
que Iho dsse es>e direito.
Antonio Francisco das Neves.
Aluga-se a casada rua Imperial n. 9 : a tra-
tar na rua do Oueimado n. 31, loja.
nes. Y para los fines que puedan convenir
doy la presente en Regla 7 de Setiembre
de 18GO.
Dor. Jos V. Herrera..
Escrfula.
ATTESTADO DO ILLM. Sr. FRANCISCO FERRAZ
dos Santos.Ouro Prto.
Me acho ha quasi dous annos affectado
de escrfulas, e tendo soffrido tanto que al-
gumas vezes quasi que diego a desanimar ?azer todo ser,v'i nterno de casa de pouca fami-
m7~que seia capaz paraida vida e maldizer da minha infeliz sorte;1"3 >iatraa."
de urna casa de pe- tenho sido tratado por muitos mdicos d'es- !
so- ta cidade, e nenhum pode vencer a tenaci-
____dado de minha molestia, eslava sem espe-
- Precisa-se de urna prea escrava de boa con- raneas de recobrar a minha saude ; quando
lente ao valor da perda.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
" t familia : na rua da Cruz n. 21, primeiro andar.
Assucar candi, pastilhas c pasta de jujuba: tanto
para fora romo para a praca, sendo em porcao se
far no preco differenca consideravel.
Precisa-se de officiaes
das Cruzes n. 37.____________
Precisa-se alugar urna escrava que saiba co-
zinhar, engommar e vender na rua, sendo de boa
conducta, paga-se bem : na rua das Cruzes n. 36,
primeiro andar.
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar e
ja-flr, rua do Queimado ns. 63 e 69.
I.nvas de pellica.
Luvas de pellica brama e de cores para liomens
e senhoras : as loias do beiiaflor, rua do Quei-
mado ns. 63 e 69.
Fuellas para cintos.
Lindas flvellas douradas com lindas pedras para
cintos : as lojas do beiia-flor, rua do Queimado
ns. 63 e 69.
Capeilas para noivas.
Lindas capeilas para noivas 2300 cada urna:
as lojas do beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e
e 69.
Estajos para barba.
Vende-se estofos com espelho para barba 1^500
e 2^000 cada um : as lojas do beija-flor, rua do
Queimado ns. 63 e 69.
Ilalains para meninas.
Recebeu-se novo sortimento de balaios, com
forma de vanos passaros, pelo barato preco de....
15000 at 45 cada um : as lojas do beija-flor, rua
do Queimado ns. 63 e 69.
Filas finas para cintos.
Ricas fitas finas lavradas de bonitas cores para
cintos: as lojas do beija-flor, rua do Queimado
.n 63 e fi.
Eilraetos era caixinhas.
Finos extractos em raixiuiia cum o retrato oa
familia imperial: as lojas do beija-flor, roa do
Queimado ns. 63 e 69.
Sabo em cauinbas.
Finos saboes em caixinhas com vanosjelratos :
as lojas do beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Tiras bordadas.
Vendem-se tiras bordadas Iransparentes e tapa-
das : as lojas do beija-flor, rua do Queimado ns.
63 e 69.
Joyos de domin
Vendem-se jogos de domin 13200 e 1^300:
as lojas do beija-flor, rua do Queimado ns. 63
e 69.
Bahados bordados
Vendem-se bahados bordados de varias larguras
e varios pregos ; as lojas do beija-flor, rua do
Queimado ns. 03 e 69.
Abafadores de rede.
Vendem-se abafadores de rede de varias cores
800 rs. cada um : as lojas do beija flor, rua do
Queimado ns. 63 e 69.
Adereeos pretos.
Tendo-se recebido adereeos pretos de novo ges-
to sao expostos venda : as lojas do beja-flor,
rua do Queimado ns. 63 e 69.
Grvalas para senhoras.
Lindas gravatas para senhora 800 rs. e 1,5000
15200 : as lojas do beija-flor,
rua, do Vueimade n. 8
RECEBEU:
Bonilas caixinhas de madeira envendadas rom
finas perfumaras. ,tw
Outras de papelillo de diversos lamanhos e ieual-
mente bonitas, tambem rom perfumaras.
Lindas cestinbas de vidrocom dila*.
Caixinhas imiando tartaruga com dila
/Y? "m 6 e ,2 frasqural]os de rbeinw
Objectos para baptisados.
A Aguia Branca, na rua do Queimado n. 8 aca-
ta de receber os seguintes objectos para bapiisa-
Bonios
braia.
Ditos e modernos hapcozinhos desetim e touoas
bordadas e enfeitadas.
dados31'"1108 dC Se'm C mCrD muil Lem bor-
Meias de seda e fio de Escocia
tadas.
Toucas e sapalinhos de laa,
feitas.
e bem bordad* vestuarios de
cam-
brancas e pin-
obras muito bem
Bonitas caixinhas
com msica e sem ella para costura e
ouiras cora arratj*. pfa barba.
i novaiofnre um bello
ca e sem
o> arraujos netcs-
assim, pois, quem coinoarerer
com dinheiro esta habilitado a compra-Ios pS
odo : na rua do Queimado, loja da iguja
sortimento de bonitas caixinhas com mu
ella para costura, e outras com
sarios para barba
Branca n. 8.
Finos e aromticos pos efe
arroz
Em bonitos vasos de pedra, porccllana dou/b
vidro e madeira, estes rom o compleme pinii '-
sem elle, em latas de potes de papellao, sendo o
elle de superior qualidade e agradaveis cheits
Emquanto ao preco, nao se assuste o comprad/
compareca com dinheiro e ser bem servido a
lujada Aguia Branca, ruado Queimado n. 8, en
tambem se vendem separadamente os pinceis
muco?] te ons:
para Ungir cabello
A Aguia Branca, na rua do Queimado n. 8, re-
cebeu essa excellente tintura para cabello, rujo
eflVilo 6 rpido e proveitoso, vindo ella munida de
esclarecimentos em porluguez, d'onde qualquer
pessoa pode bem conherer o modo de applicar.
Com o chromocome que serve para Ungir, veic-
, rua do Queimado tambem hydrocallitr.nhina, agua para tingir cabel-
ns. 03 e 69. / ios, coloricomo para lustrar os ditos, e onyrhro-
Espelbos de moldura. mantina para limpar as unhas, e callicomiphila,
Vendem-se espelhos de moldura preta para sa- | pomada de que se pode usar sem receto de offen-
las : as lojas do beija-flor, rua do Queimado ns. I der ao cabello preparado. Os pretendentes at ha-
63 e 69. rao preco razoavel.
ViiI las de aljofares.
Banhas finas
o servieo interno e externo de urna casa
quena familia : da ruados Guararapes n. 18,
brado.
sociedade
roryianlina.
Recreativa
rilha
trinla
mmmm m
g| Chapoz
Cbapos
i duela, que saiba cozinhar e engommar : na rua
! do Queimado n. 16, loja.
Os ab.iixo assignados declaram ao publico e
! principalmente ao respeilavel corpo commercial
, desta cidade que dissolveram amigavelmente a so- santo remedio, 0
ciedade que tinham na padaria da rua das Cinco sentido que tenho
Ponas n. 146, que gyrava sob a firma de Cesar &
Mcnezes, ficando o socio Antonio Joaquira de Car-
valho Menezes responsavel por lodo o activo e pas-
sivo da mesma casa desde 9 de agosto do corrente i
anno. Recife 14 de novembro de 1864.
Antonio J.n-miho Cesar.
Antonio Joaauio) de Carvalho Mcner/>s..:
mado ns. 63 e 69.
Para restabelecer a saude.
Ainda resla urna casa no Cachang para alugar,
muito grande, frasca e perto do banho : a fallar
na rua .Nova n. 63.
haralos I -y
4RWW........m
Grande sortimento de chapeos de pa-
lha de Italia c trancas para senhoras e
meninas que se vendem baratsimos pa-
ra se apurar dinheiro na rua do Cresp
n. 1, junto ao arco na
Loja do barateiro!
mmmm mmmm mmmm
Pede-se a quem por acaso tiver achado urna
cadella preta, raga de Terra Nova, que desappare- <
ceu no dia 12 deste mez, da rua da Uniao n. 42
que por bondade se digne entreea-la no losar in-1
dicado, a seu dono, que alem de (car muito agr- n.~ p.a?a da>dependencia, loja de livros do
decido recompensara "-..ornea,....---------:
o fizer.
generosamente a quem isso
Precisa-se de urna ama para comprar, cozi-
nhar e engommar, para urna casa de pequea fa-
milia : na rua da Trempe n. 2.
conviccao de em breve
recobrar a minha saude, perdida ha tanto
lempo,
Syphllis e molestias mercnrlaes.
Do Ii.i.m. Sn. Dn. Jackson. '
Medico muito conhecido as provin
Tenho receitado a Salsa parrilha do
Dr. Ayer nos casos mais inveterados de
Syphilis constitucional e sempre com os
mais felizes resultados ; o melhor alteran-
te que conheco.
Lcucorrha e flores brancas.
Temos cartas em que nos conlam casos
inveterados que foram radicalmente curados I
com um ou dous frascos d'esla Salsa par- \
rilha.
O espago nao nos permitte transcrever
tarto de Pernambuco tem urna carta para o Sr. todos OS attestados que possuimos das vir-
academ.co Antonio Jos Lopes Fialho._______j tudes d"este extraUo composlo de Salsa
Aluga-se urna escrava para comprar, cozi- parrilha do Dr Ayer. Basta declarar ao
nhare^entrommaralgumacousarnaruadoCabu- publico que tem sido empregado ha mais,
casa engomma.se He vinleannospela prof.ssao medica tanto
I das Amencas como da Europa, sem nunca
desmentir a sua alta reputaco.
De ordem do Illm. *r. Dr. presidente, convido a
todos os Srs. socios para que no dia 17 do andante
hajam de comparecer na casa das respectivas ses-
. de miudezas boas,
-----, ocm como: que cni oiitrs ouslnupr nirtp
ele das que comecei com este tratar-se da discussao dos estatutos que tem de re- -----------j-----^j'---------
tantas melhoras tenho 8er a mesma sociedade. ^ AlbllIlS baratOS.
Lindas vollinhas de aljofares com cruz de pedri-
nhas imitando brilhantes 15000 cada urna : as em CODOS, lalas e SOUneirinlias de Vdl'0
las do beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e 69. r nn< '
Colheres para sopa. P,,t0- .
Vendem-se colheres de melal-principe para sopa ,A Agu.a Branca sempre cuidadosa em bem ser-
25000 cada urna : as lojas do beija-flor, rua d 2LAf t\Zmm' -mando,u vr/ araba de
Queimado ns 63 e 69 receber na melhor occasiao os desejados copos e
I Sa iiara imnlir as Procuraa,s ,alas Cftm banhas finas, assim como
vma.tK... k i '. -a umas boni,as soupeirinhas de vid'o opaco com
ZZ2 P borar*J a me hr qUG S? P aleRres nscripcoes. as quaes dizem smenle res-
n,clrr.,an,onaJIMlidde,-como as cores, a peito as senhoras, e com tal acert que nenhuma
: as lojas dobeija-flor, rua do Quei- aue M vir delxar de TOmprar e n5o se enfadar
de ler a jnscripcao quelo merecidamente Ibc loca
l^TV^L^^Jl^ Pr;\S^ 1^^^"?^^^!- nuera quizer.ser bem servido
ao Ur. Ayer. Complelam-se hoje; der-se eleicao do director de mez,
O Io secretario,
Faustino Jos da Fonseca.
Urna boa casa terrea para familia
esta por alugar-se a rua da Lqo n.; retratos, os quaes se vendem muito
39 :A0uem PrAMndpr dr,,ja.so raa quc clll ouui^mlq parte, a sa
alugam- Bonitos alono* para 12 retratos.
da Aurora n. 10. Tam'j
Acabam de chegar loja de miudezas do novo
rivaj, rua do Qneimado n. 16, um riquissimo sor-
limento de albuns para retratos, desde 12 at 100
mais barato do
ber
e mais baratos do do'Queimado, loja da Aguia Branca n.'8.
lltlJVECAS
quandam, que chorara,
que fallam, etc.
i
K tejas,n. S%; % VCRi w, Amara, i Ditos ditos melhor
es para 12 ditos
DENTISTA DE PARS
19Roa Nova19
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca dentes artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeico, que as pessoas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua e pos dentificio.
.-iiut;a-se urna Boa casa com bastantes cora- i-Si^! 9**oS pata 20 ditos
modos para grande familia, na cidade de Olinda,; Ditos dites mellores para %
rua do Amparo n. 24 : a tratar na rua de Aguas- Ditos ditos para "0 ditos.
Verdes n. 5.
SAHIO A LUZ
E EST A VENOA NA LIVRARIA DO Sr. Gf.RALDO
RUA ESTREITA DO BOSARIO N. 12 AS
DE
PARTIDAS DOBRADAS
Ouerecidas
A' Assocla^e Commercial Be-
nefleente
Ditos ditos ricos para 50 ditos. .
Ditos diios muilo ricos para 50 ditos. .
Ditos ditos nquissimos para 30 ditos. .
Ditos ditos nquissimos para 50 e 100
ditos.....
, 5000
agio
"SSwo
5000
85000
165000
.j5000
305000
g n. 3, 2o andar. Na mesma
roupa de senhora e horaem por preco commodo.
DE
ROUPA FEITA
NO
iBIAZEl
DE
%wm t ^^%\^
I
IETREIRO VERDE.
D
Para a cura radical de escrfulas o affecces
escrofulos, syphilis e molestias syphi-
liticas, ulceras, feridas, chagas,
erupgoes cutneas e todo e
qualquer incommodo que' afim de continuarem na discussao
provm d'um estado promisso. O escrivao,
POR
M. Fonseca de Medeiros.
Sebolas
Vendem-se sebolas novas em caixa e por cento ;
no armazem da viuva l'aula Lopes, na escadraha
Vendem-se casaes de pombos bons ba edo-
res:.na rua 'a'ga do Bosario, casa n. 26, das 6
as 9 horas da manhaa ou das 4 s 6 da tarde.
A Agina Branca, na rua do Queimado n. 8, ani-
mada pelo apreco que a sua boa ireguezia sabe
dar a essas boas novidades, mandou vir e araba
de receber u extraordmarhV!(Jrji,ncmo p- 1,oni-
las bonecas, que andam que fallam. que chorara,
e outras minias de div.-rsas qualidades como dan-
sarinas, soldados, ali.adores, ele, e lodas mui bem
vestidas; assim, pois, a Aguia Branca espera a
concurrencia dos apreciadores do qom. cerl, que acharao preces razoaveis e serao .-alisfacioria-
mente servidos urna vez que comparcam munidos

Attencao.
Vende-se ou aluga-se o sitio da Torre,
cente a Jos Mariano de Albuquerque :
i com o mesmo na rua do Imperador n. 12.
! todo negocio.
perten-
a iratar
Faz se
A Agina Branca, na rua do Queimado n. 8, ven-
de caixinbas necessarias para cosiura, as quaes
tem linhas de diversas qualidades, relroz, tesoura
e oulros arranjos precisos, assim como amostras de
bordados ou marca, ele, e lados a precos com
Irmandaledo Sennor Bom Jcshs das Dores
De ordem do provedor convido a todos os ir
mitos da mesma irmandade ase reunirem era me-
Vende-se muifo barato um rarro americano
de dous assentos com rodas
u trocase por outir
de superior qualidade voltando-se o que se con
venciouar : a tratar na rua da matriz da Boa-Vis-
ta obrado n. 18.
Vende-se a casa que se acha collocada nos
g*". ^ rrento, as 9 horas do dia, alicerces do anUi;o engenho da Magd lena com
do novo com-1 commodos suflicienles para urna familia nao
Neste esubeleetmento ha sempre nm sortimento completo de roupa feita de
todas as qualidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concer-
Irfnt fra f6 S nm. *? m,elhor,es Professores, assim como tambem tem um a
; homens e meninos ^ M ! Casacas de panno preto, 354 e 30)J000 D'tos de setim preto. .
Sobrecasacas dem, 300 e 25.JIO0O, Ditos de ditos e seda branco.
Paletos dem e de cores, 250, 60 e
n5,5e-.- ; *O0OOOj Ditos de*go'rgu'r5o de s"eda*
Dl* ^S8611"' m> 45* WMM I pretos e de cores, 60, 50 e
120 1O0e 70000 Colletes de fustaoebrim bra-
Ditos de alpaca, 50, 40 e 30500, co, 30500, 30 e .
Ditos ditos pretos, 90, 70,
50. 40 ...... 30500
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 30500 e. 30000
Ditos branco de linho, 60,50 e 40000
Ditos de merm preto de cor-
impuro de sangue,
TOMEM A
SALSA PARRILHA DE AYER.
A' venda na rua Direita, ns. 12, 26 e 76;
rua da Quitanda n. 51 ; praca da Consti-
tuicao, n. 30 e Hospicio, n. 40. E na-
principaes pharmacias c drogaras do ims
qerio.
Vende-se em Pernambuco:
na pbarmacla franceza de
P.MAURER & C.
RUA NOVA N. 18.
Jos Lucio do Carmo.
C0MP11S.
Seroulas de brim de linho,
.Um e......20000
Ditas de algodao, 10600 e. 10400
Camisas de petos de linho,
i W, 30 e......20500
: Ditas de madapol3o, 20500,
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: na loja de bilhetes da praca da Inde
pendencia n. 22.
Francisco l'ires Machado!
Portella
MEDICO OPEBADOB
l'ELA
F.-iciilduilc de Parla
Pode ser procurado rua Nova n.
44, segundo andar.
Compra-se effecti va mente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem :
na_rua larga do Bosario n. 24, loja de ourives.
Compram-se dous escravos que sejam bons
carreiros : na rua do Trapiche n. 13.
Compra-se na rua dolmpeador n. 15, urna
ou duas prensas de copiar cartas, ainda que este-
jam em mo uso, com tanto que tenham perfeito o
parafuso.______________
Ourellos.
Compram-se ourellos de panno, qualquer por-
cao : na rua de Apollo n. 20.
Compra-se garraas e botijas vazias, na fabrica
de licores rua das Cruzes n. 36.
quena ; quem a pretender dirija-so
ras da tarde em diante que achara
tratar e ver a dita casa.
pe-
alli das 4 ho-
o dono para
peq
se i
se vende muito barato
Ditas de cores, 90, 80 e.
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 a.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordio, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 6 .
Ditas de ganga de cores, 30 a
Cohetes de velludo preto e de
80500
20000
d5o, 100, 70e..... 50000! 20e.
Calcas de casemira preta, 120, j Chapeos de massa, pretos fran-
100, 80 e. ..... 70OOO cezes, 100, 90e. .
70000 Ditos defltro, 50, 40,30500 e
.'Ditos de sol, de seda, 120,
40000,' 110, 70 e......600^
i Collarinhos de linho fino, nlti-
400001 ma moda duzia. 60OOC
Sortimento completo de grava-
20500 tas.
20500 Toalhas parroslo, duzia, 110,
e........60000
cores, 90 e......70000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
Ditot de casemira preta, 50 e 40000 tos e ds cores. 7 40000
Ditos de ditas de cores 50 Lcnces de bramante de linho. 30000
*0e........30500 Cobertas de chita chineza.. 20500 a
mmmmmmwmmmmmmm
Compra-se para urna encommenda urna ne-
grinha e um moleque de idade de 10 a 12 annos :
na rua da Cruz n. 1. escriptorio de Antonio Luiz
Ao amanhecer do dia 10 de outubro do eor. de Qliveira Azevedo & C._____________________
rente anno de 1864, furtaram do cercado do en-1 Compra-se urna escrava que saiba eDgommar
genho Aldea, da freguezia do Bio Formoso um e cozinhar : na rua do Crespo n. 18, segundo
quariao de carga do mesmo engenho, o qual andar._____________ '
olho 2SP? helSdad0, tntD8V0' ,e,m D2! "-Compra-se ouro e prata, assim como concer-
DelodUoofho EtSiJSZJi Dad_av ta-se toda qualidade de obras da mesma qualida-
Krd2^tolmBm7l^^ffi^i!!MB **": na 'iad0 Pate "o rimo
UAIIUS DE TARTARU-
GA PARA COSTURA.
e oous assentos com rodas e varaes de sobrece- A Aguia Branca na rua do Queimado u 8 ven-
ientes ou trocase por outro tambem americano de bonitos bahus cobei los de lartaruga e de diver-
sos lamanhos, mu propnos para costuras e joias.
A AGUIA BRANCA
vendendo relogios.
Como nao privativo a Aguia Branca lambem
esta vendendo muilo bons e bonitos relogios para
mesa e parede, por precos commodos, por isso con-
vem a todos aproveitarem a occasio e proverem-
" Vende-se urna armacao de taberna em ponto J^fSSi^JS&'ZSS:, ""
C A.?K P-m para q'uem JKdHa^r^e?k^5ffiSc^ft
o bico da Aguia Branca,
- Vende-se muito barato um carro americano
de dous assentos, com rodas e varoes de sobred-
ientes, ou troca-se por outro tambem americano
de superior qualidade, voliando-se o que se ron-
vem-ionar : a iratar na rua da Matriz da Boa-Vis-
la. sobrado n. 18.
Machinas de vapor epa-
ra descarocar algodo.
Sag________Moendas e meias moendas.
Vendem-se as caixas, no armazem Movimento ISlXaS Qe ICrrO DatdO,
rua da Cadea do Becife n. 30. Em caixas de 100
a b^, e tambem a relalho por differentes precos.
Vndese gomma de ararula muito alva e
nova a 100 rs. a libra e 35 a sacca : na rua das
Cruzes n. 24, esquinada travessa do Ouvidor.
com pouco dinheiro-po^e JBRCSgS\ *
a tratar na rua do Princi- da rua do Queimado n. 8.
Na rua do Palacio do Bispo, primeiro sitio
do lado esquerdo, vendem-se sepos de oili para
acougue.
Vende-se o sobrado de dous andares n. 21,
silo na rua do Padre Floriano, bem conservado, e
edificado em chaos proprios : quem pretender, en-
tenda-se com o Sr. Frederico Chaves, residente na
rua da Imperatriz, o qual esl autorisado para tra-
tar desle negocio.
no
ado rente, carrega baixo, o tem estampado i
ladodireito da aoro ferro do engenho em lettras
maiusculas como aqui se v A L D E A Adver-
te-se que os cavallos assim ferrados, no'so tro-
cados nem vendidos, c os que forem encontrados
som ser a servieo do mesmo engenho sao fua-
dos, e devem ser apprehendidos; portanto roaa-
se as autoridades poliches, e mesmo qualquer
peswa do povo, que sendo encontrado* ditos ca-
vados sejam apprehendidos e remeltidos ao admi-
nistrador daquelle engenho ou ao abaixo assigna-
, do proprielario do mesmo engenho. que reside na
j cidade do Becife, rua do Hospicio n. 50 Cidade
; do Becife, 26 de oujbro le 1864Caetano Jo>
da n1 va Sanliago. __________
i "" Aluga-se urna ama que saiba bem cozinhar e
| de boa conduca, preferindo-se escrava : na rua
j estrena do Bosario n. 32, p.-ipieiru andar.
7, por preco cora modo.
Libras esterlinas
Compram-se em casa de Johnston Pater A C.
rua do Vigario n. 3._____________
Compra-se um armario ou guarda-louca de
prateletras, e que tenha quatro portas, nao tendo
mais de seis palmos de largura e dez de altura :
no escriptorio de Claudio Dubeux, rua do Impe-
rador n. 43.
Compram-se diarios para embrulho na rua
da Imperalriz loja de calgado n. 38. ao p do bec-
co dos Ferreiros.
C abrile americano.
Vende-se um cabriolel americano de 4 rodas
com dous assentos, em perfeilo estado : quera o
prelender, dirija-se a cocheira da rua do Impera-1 s 3 T>~
dor que pertenceu ao Sr. Malveira. $10 QO DOWUlflU.
coa-
doe de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e
de carroca cora mangas e
eixos de patente.
KuadoBrumn. 38, fundi-
Superior queijo de Minas
Vende-se no armazem de molbados na rua do
Imperador n. 14, esquina da travessa do Ouvidor
assim como superior queijo londrino, do Beino'
do serlo, prato e suisso.
iera de carnauba
Vende-se nma porcao de cr* de carnauba, se-
bo e parte de urna fabrica para velas para ver e
tratar na rua do Vigario casa n. 29, a qualquer
hora. '
"Bonita, boa, bem feita.
na rua do Impe-
Precisa-se alugar urna pre. que saiba co
zinhar e engommar : na rua da jma, taberna
a. 41.
a>
VENDAS.
Vendem-se magnigeas redes
rador livraria Popular n. 67.
Veode se caixoes vazios proprios
para halinleiros e funileiros a i$7601
rada uto; nesta typograpbia.
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
insigas e recentes, nico deposito na bo-
Cica franceza, rua da Cruz n 22 nrA. Vende-se nma negra crioula, bonita figura,
|J jf '-'Mft ** Hre | a qual sabe engommar e cozinhar, com 16 a 18
Bixas de Hmburgo
Vendem-se na rua Nova n. 61.
Vende-se ura balco de amaiello com volta
ainda novo, por barato preco : quem o pretende,
dirija-se a rua do Vigario n. 27, loja de trastes, r,
EWEITrS KCWiS AIAK14 PU.
A loja da Aurora, na rua larga do Bosario n. 38,
recebeu riquissimos enfeites e cintos a Mara Pa,'
os enfeites sao para cabeca e vende-se junto com
os cintos, pois enfeites e cintos foi encommenda
, especial que fizemos, por quanto obra muilo fina
i e cousa que anda nao veio igual a este mercado;
s a loja da Aurora quo recebeu, e est quei-
mando, quem duvida venha com dinheiro para ver
o gosto. Assim como lambem recebeu cintos de
couro forrado de velludo, quo lano serve para se-
nhora cerno para meninas, tambem de muilo gosto.
Bicas capeilas brancas de differentes qualidades,
l^amisiohas muilo finas para senhora.
Collarinhos e punlios tambem para senhora.
annos de idade : no pateo do Terco n. 141,
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
'1*. '#




V.
-.

Diario de Pernambnce quinta era 19 de \oveuibio de 18tt4.
COMME
mmi
RA 1IO QUJCIDI ABO W. 45.
Passand o becco da Congregarlo segunda casa.
m
NOV1DADE
Pereira Rocha de C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Commer-
cial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melbores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes sero vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Grande quidaco de faz< ndas de todas |
as qualidades para se apurar dinheiro, vendeI
se Laralissimo na loja e ai na r ni da Arara, ra
da Imperatriz n. 50, de LouretifO Pereira Ven-
des (uimares.
AO BARATEIO DA ARARA.
Vende-se rurtes de chitas de cores lixas coro 10
covados a 2400 e 3,5200. corles de cambraia de
salpicos a 2500, 3,3000 e 4*000 para acabar : na
ra da Imperatriz u. 56, loja da Arara.
A Arara vende eassas a 210 rs.
Vende-se eassas para vestidos a 240, 320, 360,
e 400 o corado, organdvs de lindos goslos para
vestidos a 320, 360 e 400 rs. o covado : na ra da
imperatriz n. 6.
Corles de lia a Mara Pa a 8, 12:5. 1 i > e Kio-
Vende-se corles de laa rom barra, os propia-
mente a Mara Pia a 8,8, 12, 143 e 163000, ditos
sem barra a 63000 : na ra da Imperatriz, loja da
Arara n. 56, de Mendes Guimaraes.
A Arara vende alpaca para vestidos de senhora a
360 rs.
Vende-se alpacas de lindas cores lisas para ves-
tidos de senhora a 360 rs. o covado, laazi-
nhas para vestidos de senhora a 320, 360, 400, e
500 rs. : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
As colchas da Arara de 2$.
Vendem-se colchas de damasco para cama a 43,
Arroz do Maranho, India e Java a 60, 80 e I Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220 ditas d,ecchi,a a 2*000 : na roa d Imperatriz nr>
inrc o lihra i tun uai>nn. -unmiln.:______nrvrv _. 19___ Kl___ r Hiero 56.
100 rs. a libra, e ,0800, 20GOO e 30O Painco a 200 rs. a libra,
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
15200 e 1(51600, e em frascos grandes a
250.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 10200,10400, 10600e 2.
Araendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Aramia verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellaas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1030' rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinhae a 200 rs. a libra.
Banha de porco reinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10600, 20,
23500, 28O0 e 3000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Cerve.a preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 90^ rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especlmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
200 >0, 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Bio muito superior a 280 e 320
rs: a libra e 80500 a 80800 rs. a arroba.
Cartes de bolinhos francezes muito novos e
bem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
libra.
M O li|||"|
Polvo seceo moilo ovo a 400rs. a libra. Cevada a 80 n. a libra yilSSSl JSLtVK .* iSSl u
Presuntos de Lamego em calda de azeile e Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata. ditos de casemira a 33500 e 43500: na ra da
muito novo a 640 rs. I dem seccas muito novas a 200 rs. a libra. Iraperatriz n. 56, loja da Arara. |
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800' Figos de comadre e do Douro em caixinhas' Laiinhas da Arara a 210 rs.
dem prato. de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a <(Jend^'se 'Saiinhas para vestidos a 320, 360 1
dem londrino chegado no ultimo vapor a 10800, 50500 e 280 rs. a libra. K)rs-' d,,as "sas de ,odas as eores a w
libra
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a
cada*um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 60 <
libra.
Eigos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Mara Pa,
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e ero caixa com urna du-
zia a 90000 e 100000.
ditas a Mara Pa a 640 rs. o covado : na ra da
i Farinha do Maranho a 100 rs. a libra. Imperatriz n. 56, loja da Arara.
600 rs I dem de trigo a 120 rs. a libra. A Arara vende um completo sortinuulo de roupa
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD, feila.
a 560 rs. O frasco e 60200 a frasqueira. Vendem-se roupas feitas a saber : calcas de
dem emgarrafes de 3 e 5 gales a50500 JJ? daejrej.,a 2 H500,% ~.?i'
C 7A-.ll COA nm mm a arrottn 6da0 3 25> dllaS de ,inho a 3*500 e ^O00- colle-
e SftdUU cada um com O garrafio. tes de cores de brim a 13600 e 23, ditos braneos
Gratxa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia. a 23500,de casemira a 33 e 43, caigas de castmi-
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa. ra a 5>k 60 "3000, paletots de casemira a 53000,
dem, quaiidade especial em garrafas muito SSftLSSfS TViS^ li' *&*&
(rrandpq a f Jtftft a oarrafa 123000, paletets de alpaka preta a 33 e 33500, di-
granaes, a 108UU a garrala. tos de alpaka de cordao e alpaka branca a 43500,
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs. ditos de brim de linho braneos linos a 53000, se-
Idem, em garrafa forma de pera e rolhas de roulas a 13280, ditas francezas a 13600 e 23000,
vidro, a 10000, s a garrafa vale o di- camis [raocezas a 23 e 23500, ditas de linho m-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
dem em pipa. Porto, Lisboa e Figueira a j Maga de tomates em barril a 480 rs. a libra.
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500 dem em lata a 640 rs.
e 40 a caada, | Marmelada imperial dos melhores conservei-
Idem branco de Lisboa muito fino a 500 rs. ros de Lisboa a 60'1 rs. a lata.
a garrafa. Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700 800 rs.
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs. dem regular a 500 rs.
a duzia. Macas linas para sopa: estrellinha, pevide,
dem Morgauxe Chateaulumini de 1854, a 10 rodinha e aletria a 600 rs. a libra e a 40
a garrafa. a caixinha com 12 libras,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa. Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Peixt em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 10 a lata,
: Paliios de dentes a 160 rs. o maco.
102OOrs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados le- dem de dentes a 120 rs.
mos grande porgo de outros que deixamos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porces como
retalho-
Quem comprar de 1000000 para cima te- i Palitos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 por cento. jPassas muito novas a 480 rs. a libra.
dem de flor a 200 rs.
Amendoas confeitados a 900 rs. a libra.
Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
20 e em caixao a 640 rs.
GRANDE E SUMPTUOSO ESTABELECIMENTO
DE
MOVOS E ESCOLIADOS CEDEROS
TAMO EM GBOSSO COMO A BETALHO
O -HITA NOVA GO
Ultima casa junto a ponte da Boa vista.
DUAS PALAVRAS.
c Cesse tudo quanto a antiga musa canta
c Que outro valor mais alto se alevanta.t
Acha-se a disposigo do respeitavel publico este grande e magnifico estabeleci-
mento de molhados, talvez o primeiro e nico boje existente em sua especialidade, por-
que o maior capricho de mos dadas com mais apurado gosto de abrir um estabeleci-
mento modelo promoveram a escolha dos mais superiores gneros do nosso mercado,
que por serem comprados em grande quantidade e pagos qitasi todos a dinheiro a vista
deu lugar a obtenco de vantagens, que repartidas como vo ser pelas pessoas que se
dignarem de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanca de agradar a
todos, nao s pelo emprego das maneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-
pazes, como pela pratica da promessa que fazemos de vender polos precos quasi do pri-
meiro costo o nosso magnifico sortimento.
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diversas classes da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharo
em nosso armazem os melhores e mais esquisitos vinhos, licores, champagne queijo, etc.
etc etc, e quelles que nao podem dispor de grandes recursos, que s compram o neces-
sario, promeitemos-lnes servi-los de gneros novos e sadios, escolhidos ao seu contento.
O real do pobre ser recebido com to boa vontade, como a moeda de ouro do
homem rico.
As pessoas que nos fizerem a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com-
prar para seu gasto, ou para negociar, voltaro satisfeitas, nao s pela boa quaiidade dos
objectos, como pela fidelidade dos precos, e bom acondiciona ment.
O futuro nos justificar.
CAVACO ECESSARIO
Devemos ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que
adoptamos. Ei-las.
Existindo neste vasto e florescente imperio ura grande partido poltico com a
denominarlo de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente,
capaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
Ria-se quem quizer, porque nos tambem nos riremos mas nao se zaDgue
ningnem.
O neme urna voz cora que se dao a conhecer as cousas. esta a mais
breve, clara e sincera explicacao que, pelo methodo repentino, podemos dar.
Mas a quem nao seguir o partido desse sijstema diremos mais:
Nao oriundo do Brasil o imponente titulo do nosso estabelecimento. Foi a
muitas centenas de leguas que apanhamos a nossa Liga.
Na soberba e opulenta Inglaterra houve um rei que instituio a mu honroza or-
len! da Liga. O acaso nos fez deparar com a narraco desse acontecimento, que tan-
sorprehendeu a corte desse monarcha. Agradou-nos esta historia e gostando sum-
inaraente do trage do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenhar, e col-
locando-o no oit3o do nosso estabelecimento, temos assim feito distingui-lo dos outros
que se assignalaram com mitras e coras.
iioiuil solt gal mal y-peose._____________________________
MACHINAS DEPTENT
de trabalbar mo pava
descaro^ar algodd
FAimiCADAS
Por Flant Brothers & C.
OLBAI
glezas a 33000 : e cairas muitas roupas feitas que
se torna enfadonho mencionar, que vista do com-
prador ,se dir o preco, por isso roga-se aos com-
pradores o favor de-vir ver na bem conhecida loja
da Arara, ra da Imperatriz n. 56, de Lourenco
Pereira Mendes Guimar3es.
A Arara vende as percalas a OO e 560 rs.
Vende-se percalas de cores linas para vestidos
a 500 e 560 rs. o covado.
A Arara vende tiras bordadas para eufeitar vesti-
dos braneos.
Vende-se tiras bordadas para enfeitar vestidos
braneos a 13200 e 13400 a peca, musselina bran-
ea fina a 400 e 500 rs o covado : na ra da Im-
pentrix n. 56, loja da Arara.
Ao barateiro da Arara a 20300.
Vende-se baloes americanos de 15, 20, 25 e 30
arcos a 23500, 33, 33500 e 43000.
Vende-se golinhas para senlioras a 240, 320, 400
e 500 rs., eamisinhas para ditas a 13,23, 33 e 43, i
na ra da Imperatriz, armazem da Arara, n. 56.
A Arara vende madapolo enfestado a -10.
Vende-se pecas de madapolo enfestado com do-1
ze jardas a 43000, pecas de dito de 24 jardas, das
marcas seguintes : n. 30 a 63000, n. 250 a 63500
e 73, n. 2 83, n. 5 83500, #1*93, n. PF a 03500,
n. ZZZ a 123, R a 113000 a peca, algodao a peca
de 20 jardas a 53 e 63000, dito carne de vacca a '<
63500, dito domestico a 73, dito slcupira a 83, dito
pao ferro a 93 a peca : na ra da Imperatriz, loja
da Arara n. 56.
Bramante de linho a 2:>i'0 a vara.
Vende-se bramante de linho a 23500 a vara, pan-
no de linho para lences a 640 rs. a vara : na ra
da Imperatriz loja da Arara n. 56.
A Arara vende casemiras linas a !>#.
Vendem-se cortes de casemiras para caigas a 53
.';5fi0 loja dt Arara n. 06.
A \rar;i recebeu um completo sortimento de capas
e soulbembarques
que vende baratissimo, a saber : southembarque
de alpaca branca enfeitados muito de gosto a 123,
ditos delaazinhas decores a 83, 103 e 123000,
j capas de grosdenaple preto a 203, 253, 305 e 353
v.______.,_. soutembarques pretos de grosdenaple a 203, 253
islas machinas e 300000 : s na loja e armazem da Arara! ra
da Imperatriz n. 56.
Casemiras para capas a 3-> o covado.
Vendem-se casemiras lisas proprias para capas
de senhoras a 35 o covado, laziohas lisas para o
mesmo fim a 600 rs. o covado : na ra da Impera-
triz i). 56.
A Arara vende lencos de seda a 10 e 800.
Vende-se lengos de seda de urna s cor a 800
rs., ditos finos de cor a 15, eolarinhos baratos a
600 rs. a duzia : s na loja da Arara, ra da Im-
peratriz n. 56.
Ao barateiro do bairro da Boa-Vista.
Vendem-se chitas escuras e claras de cores fixas
a 240 e 280 rs. o covado, chitas Iraucezas finas a
320, 360, 400 e 500 rs. o covado, porm assegu-
podem descarocar
qualquer especie
Sde algodao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas para
o trabalho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
dao em carolo
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por ram-se as qualidades e cores : e inuitas outras fa-
Ifll'l.l^ lilil llll.'l" riLii'lCH lU n^.-. I *. .1- -1___1 11 I
animaes, que descaro^am 18 arrobas de algodao
limpo, por dia.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinas
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47.
Saunders Brothers & C.
IV. II, praea do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
zendas que se vende barato, isto rnente vista '
dos freguezes. Assim cheguem freeuezes, porque
s se vnde assim barato porque est a festa na
porta, e a loja da Arara da ra da Imperatriz n. i
56, pode bem servir aos freguezes do bom e ba- i
rito.
4RKQG0
Vende-se um comometro martimo inglez do
melhor fabricante Charly Frodshan, afflancando o
seu regalameoto, por diminuto p-eco : a tratar
na ra Nova o. 21, loja de Francisco Jos Ger-; ^^ ^.^ ynho fc ^ ^ ^.^ de
------ nma duzia : era casa de Johnston'Pater & C, ra
GAZ GAZ GAZ "**">
Vende-se gaz da melhor qualidfde a
120 a lata : dos armazens da ra do Im-
perador 0.16 e roa do Trapiche Novo Q. '9
Queijos de Minas
Vende-se na ra Nova n. 61, defroole da Ulm.'
cmara municipal.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do Queimado ns. 49 e 55 loja do Raratciro
conhecido j como tal, est dispondo da fazenda
por todo o preco para apurar dinheiro, quem qui-
zer venha ver e-traga o cobre, e ver o seguinle :
Raralhos de cartas para voltarete muito
inasa............................ 200
Miadas de linha froxa para bordar a___ 20
Pares de sapalos de tranca de todos os
tamanhos e finos a................... 13500
Massos de superior grampos para cabellos 30
Duzias de palitos de gaz superiores a. .. 200
Libras de ara preta muito superior a... 100
Frascos de superior macaca oleo a___ 100
Ditos de dito perola a.................. joo
Ditos de oleo de babosa muito finos a 320
_.............................. 500
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida.............................. 400
Ditos de banha muito fina a............ 640
Ditos de cheiros muito finos para o preco
aris............................. gOO
Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
160, e............................ 400
Novellos de linha com 400 jardas a...... 80
Carriteis de linha de cores com 200 jar-
das a............................. 60
Novellos de linha de gaz de todas as co-
res a ............................. 30
Pec,as de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a....................... 240
Frascos de superiores cheiros, pequeos, a 200
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a ris.............................. 400
Varas de bicos francezes, superiores a... 40
Opiata para dentes da melhor que ha a.. 15000
Frascos de agua para dentes, superior a
tudo a............................ J50OO
Pecas de tranca preta liza muito fina a.. 60
Caixas com 4'papeis de agulhas Victoria a 200
Varas de fila preta com colxetes a...... 40
Libras de la sortida de todas as cores a 65500
Ronecos de choro muito bonitos a...... 160
Caixas de obrcias de ma ssa mulo novas a 40
Varas de franja .branca e deires para
toalhas a......................... 86
Frascos de oleo Philocomescupenor a... 600
Ditos com superior tinta a320 e......... 500
Caixas de linha de gaz rom 80 novellos a 800
Enfladores para espartilbo a........... 60
Duzias de botes encarnados para vest-
Sosa............................... 200
a 8 g 58. -2 S 85 o. a
ce n
a3i
5
, u
m g-p S*"S S"5 3
- $ -w a S S
ce
3 2
9 3
e. 55-2 o g-g
9
o
o S o
o 3 w
3 o;' c ?i
O 03
gil
o
-
Si en bj
O =Q.
V> 63 O t
i3
B
o p,
a s
oV c
Ci*
m o
3
2
03
5?
_. n
o a
63 -1
Sa
63
Q,
INJECTION BROU
-^PERFUMARA MEDICA HYGINICft V,
De J.-P. LAROZE, qumico, pharmaceutico de la Escola especial de Pars.
Estes productos sao o resultado da aplicado das leis da liygienc perfumara, que se ere.ue e
tornase phannacia da belleza, enoarregada de prover hygieno da pclle, dos cabellos, doss,
ergios lio importantes; euto evita c deslroc as causas das doeu<;as que sua irinan mais velli,
pbarmaria propiiamente chamada, ten: que curar.
OLEO DI AVELA PERFUMADO para remediar a
dureza dos cabellos e i UM atona, o \Jro. 2 fr.
rtT*'11 DGNT1FAICIO para curar imcdiatemenlc as
dores ou raivas de dentes; o vidro 1 fr. 25
PO DOmPRICIOB OO DE ROSA com bise de
Mtpiosia para brinquear conser\ ar os denles ;
a vidro...........1 fr. 25
OPIATO DEMT1FRICIO para fOrUflcu as geneivas
e evitar as nevralgias dentarias; o pote 1 fe. 50
CWRATTVO DENTARIO para tratar os denles
cariados aatcs do chumbamente, e evitar os <:>-
ceaaos e dores; o vidro com o iii9lrunitnto a fr.
AOVA LEacoDERMIHA, para conservar a fiescura
ai (anecies da palle ; vidro S fr.
MPIRITO DB AH RBOTITIOADO, complemento
do aceio da bocea despois de comer; vidro 1 fr. 25
ABAO lenitivo MEDICINAL, de violeta, amendoa
amarga, bouquet, e pfio.......2 fr.
CREMA B SARAO LENITIVO MEDICINAL do
Semas dt ovos, para evitar as fendas, friciras e
oeacas de pclle. de violeta, de bouquet; o pao 2 fr.
IUNC DB BABAO LENITIVO MEDiCIKAL em
pos. Ella especial para a barba, o aceio das
senhoras e das crianzas, o vidro.....2 fr.
AOVA 1USTRAL para conservar e embellezar os
cabellos, e fortificar suas railes, o vidro. 3 fr.
Depsitos em cada cldade, em caza dos pharaiaceuticos, perfumistas, eahelleiretros, negociantes de
modas e de fazendas. Varejo: Pharmacia Laroze, ru Neuve-dcs-l'etits-Cliamp, 46.
Expedifoes: em caza de J.-P. Laroze, ru de Lions-Saint-Paul, n' 2, em Pars.
|{>;i iin |m||''i;i nir li IltS. l>U>>t"H li.inri
VINAfiRE DB TOILETTE SUPERIOR fel ea
suavidade e sua aacC'i refrescanf*, o vidru. 1 fr.
COLD CREAM SUPERIOR )ira conservar a jeHe
clara, fresca, ediapbaM, c evita es maos effeilos
do uso das cOres, o pote......t fr 5*
AGUA DE COLOCHA SUPERIOR, COin MI sem
mbar; permanencia de seu perfumeo fax buscar
para o locador, banhos geraes elocaes, o vidro 1 fr.
PASTILHAS ORTBNTABS do Pr. Paul Cl.'meni,
para lirar o chairo do tabaco o para moditicar os
nallilos (enes; 1 2 fr. a caixa.
AGUA DB PLORBS DB ALTAXEMA, cosmelko
bascado para tirar as comichees, CorliAtar e re-
frescar ceos orgos, o vidro.....1 fr. 25
ESPIRITO DB HORTELAH SUPERFINO. HHe
aperleieoamenlo indispcnsavel do aceio da bocea
depois de comer, o vidro......1 fr. 25
POMMADA CONSERVADORA de quinina pura
para forlilcar os cabellos, os aibelleiar c evitar
o encadnoslo prematuro, o pote.. 3 fr.
;i.
|
O.
(6
a
3
ce
00

Stio muito bonitos
Sao muito modernos
Sao muito baratos
I O barateiro Joaquim Luiz dos
P? Santos, acaba de receber ura es-
^ plendido sortimento de soutembar-
m ques e capas ricamente enfeitados e
k que vende muito barato mandem
verExmas. Sras. para se convence-
rem desta verdade, na ra do Cres-
o n. 1, junto ao arco.
Farinha de mandioca.
a :5(i00 o sacco.
A melhor que existe no mercado, bordo do pa-
tacho Ulyssrs, defronte do trapiche do barao do Li-
vramento pelo barato preco cima mencionado,
sendo sem o sacco, o em porgse /ara alguma
dilfereofa; na ra da Madre de Dos n, 5 e ,
J
r
XAROPE
DE CASCAS de LARANJAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimico,
PHASACEt'TlCO DA ESCOLA SUPERIOR BB PARS.
Este xarope, regularisando as funecoes do estomago c intestinos, destroc essas
wdisposicocs proteiformes, c faz abonar as molestias de que sSo indicios precurso-
res. Mdicos e doentes tem reconhecitlo qiW restabelece as indigestos, breada
desapparecer os pesos de estomago, que calma as enxaquccas, espasmos, e caimbras,
que sao resultado de digeslSes penosas. Seu gosto agradavel e a acilidade com que
c suporta, o tem feito adoptar como especifico infallivel das doencas nervosa*,
gastritis, gastralgias, clicas de estomago e de enlranhas, palpitares, dores de
coracSo, vmitos nervosos; sua accSo sobre as funeces asimiladoras tal, que os
mdicos mais Ilustres o tem adoptada por rescipiente real dos dous primeiros
agentes therapeulicos: o lodureto de Potassa c o Proto-lodureto de [erro, lendo
observado que debaixo de sua intlucncia, o primeiro perde sua acco irritante, e o
segundo seu effeilo adstringente.
XAROPE DEPURATIVO
De cascas de laranjas amargas com lo-
dureto de potassa.
O iedureto de potassa, administrado em
solucao ou debaixo da forma solida, causa ao
docnte urna grande repugnan -ia, ou determina
accidentes que o forrao 4 renunciar a esta
Hiedicacas efficaz.
Unido porfm ao Xarope de c.asca de laran-
jas, elle nao causa ncm gastralgias, ncm per-
turbado do estomago e intestinos, e gracaa a
este salvaguarda, os tratamentos depurativos
sao continuados sem intermpcSo, as affec-
coes escrofulosas, (uverculoiai, cancerosas t
as secundarias t terciarias, mesmo reuma-
tltismaes, as quaes elle o mais seguro espe-
cifico. A dose est definid:, de tal maneira
que o medico pode varial-a a aua vontade :
O frasco: 4 fr. 50 c
XAROPE FERRUGINOSO
De cascas de laranjas amargss com
proto-iodureto de ferro.
A associa^ao do sal ferro ao Xarope de ras-
cas de laranjas tanto mais racional quanto
que este xarope, empregado s, para estimu-
lar o apetite, activa a secre(o do sueco g-
strico, e por fim regularisa as funeces abde
minacs, iicitral a os mos efTeilos dos ferru-
ginosos e dos ioduretos (peso de cabera, pri-
sto d ventre, dores epigstricas) em quanto
Jiic facilita sua absorpc.ao. Dissolvido no
arope, elle se toma e se supporta fcilmente,
por achar-se no estado puro maisassiuiilavcl;
e assim pode cominuar-sc a cura da pallidcz,
cornmentos braneos, anemia, affecc,t-s escro--
futesas e racbitismo:
O fi asco : 4 fr. 50 c.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE esto sempre em frascos especiaes
(nunca em meias garrafas ncm em frascos redondos). Expedi^es: em casa
J.-P. LAROZE, ru des Lions-Saint-Paul, 2, Pars.
Rita do linpciailor n. W. botica livtuceza.
*Ht
f o fia m
& g. n^ a o
Mtr3flil"|{!l
i n ii si
,H6Jh1 I
^9iili!ral!!ifrisi-"
"ii
imtnsimm
Wi*M*uW\
*>
2 =

**? i
tllll'll
^""b!?Rii:lMti!l.B
S3
M
&3
efg'fi:*
D
ra
I
52=gl
naaiO
,-2-
?3
Be

-o
>
w
><
C/3
iniu:
B." 3 o
llr*?
lKgZIS B n -
o5!g-3-0f i
m o 8 $- <* 3 8 8
BffifBg.B.-g:
O
f
M
PS
O
Vende-se na ra do Imperador botica franceza n. :i8.
iii:l
i-;liisl
ififri
"V
OTV
ELECTRO
MAGNTICA
Approvada por varias Academias c altas
summidades medicas.
O que occasiona em gral at molestias abaiie
designadas a esta^nacao do sangue coi certas
partes do corpo, a qual produiida pelos resfria
Dieiitus c muilas ostras cauzas, cnto deelarao-se
os Itheumatismos, Gota, Paralgsia, Fraques*
dos mcmOres, Cuiistipaccs, Etcphantiesis ou
Peritas Indiadas, el Dores Nervosas.
O uso da escota SZ.EOTRO-MACME-
TICA tem successo certo para a cura de todas
estas molestias, sem recorrer se a nenhumu oulra
medicace. Ella tem urna forma mui nanejarel
e produi, a vontade de quem d'ella usa, seos msis
utels e frlizes resultados. Seo emprego prc-ena
das molestias cima. Para mais informaedes ton-
sul-te-se a noticia que accompanha cada Estova.
Detosito Gnu
BotUevart du Prinee Eufnt, II, Part.
Vende-se na ra do Imperador notici
franceza n. 38.
Enamiuclled i rom pipes.
Vendem-se canos de ferro esmaltados, muito
bonspara encanameuto d'agua : no armazeii de
Prente Vianna A C, ra da Caea n. 67 ; e pa-
ra informar;oes e collocacao, os preteadentes po-
dem entenderse eom o Sr. Schemerdinr. no !on-
dego.
t'alriMonio.
Vende-se n dominio directo dos solos em rn
l esli edificadas es easas sitas na rti.i Nova desta
cidade para fechar algumas coritas ; um palri-
monio exeellenl para ijuein queira provenir futo-
ro le familia; sao 33 solos ijue foram avahados
cm 'J.-7005 e que -o farri grande aliaiimcnfo a
(juem qataer lodos : i iraiar na rua do Oueimada,
loja de miudezas n. 33 A, das 'j toras do dia as 3
, da tarde.
( Vende-s-! diariam-nie leite puro ao lirar da
vacca : na ra di Soiedade, volta da Trompe u. 72,
as H horas da manba ; assim como pOs de piantaa
e rozeiras, urna earreea de cavallo em bom uso :
quem precisar dirlja-se a mesma loja.
1 Vende-se urna cama franceza de Jacaranda"
nm marquezo moderno de amarello, outra mar-
queza para sala de jantar, quatro cadeiras ameri-
canas e urna mesa de jantar : na rita Augusta n.
8. Tambem ha alguma prata que se vende.
Vende-se urna negra de bonita figura, saben
do bem engommar e cozlnhar, e mais algumas ha
bilidades: na ra da Penha, sobrado n. 1L q.v.
tem a porta para o becco do Carceireiro.
i Vendem-se
I dous ornamentos para a celebrado das missas.
i sendo duas casulas, branco encarnado, rxo e w-
j de, calix, missal, estante, pedra, etc., tudoem b*ro
j estado, e prego commodo : na casa do saehri.'Go
i da ordem terceira de S. Francisco.
Vende-se tuna mesa completa de ferrinhot
; de engommar, francezes, nm balaio de roupa, nm
| toucador e alguns trastes, trem de cozinha, Indo
isfq de urna pessoa que se retirou para fon t!.t
provincia : no Corredor do Bispo, casa n. li. N.
me.-ma casa d-se almoco, jantar, e lugar para
dormir, a algum homem de idade que queipa so
incumbir de tratar e plantar em um sitio mititi
pequeo, promette-sa bom tratamenlo : uoem q,^
rer appareca a qualquer hora.
B dxo
\onde-se um baixo de do quasi novo instru-
mente escolente pelo diminuto preco de 50$ : na
ra do Principe n. 3. -
Veude-se a armacSoo utencltios da taberna
da ra de Aguas-Verdes o. 48.
i
MUTILADO



Diario e ren
Quinfa felra lf de Xovembro de fli.
nova mmk.
AtROBABRILIIiM
N. 84. Largo da Santa Oruz. SE 84.
Francisco.Jos Fernandos Pires, ton a honra de avisar a sq numerosa freguezia
e eoa specialidade aes noradores do bairro da Boa-Vista e seus arrebaldes, que fe!
ova ftonua em seu asseiado estabelecimeuto de molhados denominado Aurora Bruan-
1*'-rf J l ? ?2! e com esta reforma saP" dc novo armazem de bons
ES2&J^,ndou,tos*"' mandados Tir de suapropria conta, para nethor ccrar
aquelles que so dignaren comprar oa mandar comprar om sea esubelecimento.
una* 10!!- Ta Br!lhante encontrara sempre o respeilavel publico um
lindo e novo sort.meot dos melhores gneros que tora vindo ao boso maread*, e sem-
J^7^^teeCOn,u,,,,ra0ave,s.coraose v da seguirte ubettaifae ser modada se-
0
NEM COROAS NEM MITRAS
E
G K A l&E ARMAZEM
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
LIANC
DE
Silva & Souza
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de peores
a O poi* t-eno menos
A Aurora Briluante recebe as libras sterlinas por 93, senda para compra, e faz $
por cento de abatimento a quera comprar de 100$ para cima.
novo, a libra a
Pnsnntos de fiambre muito
800 rs.
Ditas |>ara panella, a 560 rs.
Qu'Hjos Inndrinos muito superiores, a libra
a i pOUO.
Duh do reino vindo oeste vapor a 2,5600.
Ditos do vapor paseado a t& e 2*400.
Queijos de qualha nevos, a libra a 560.
Frascos grandes com anv-Uas a 3*000,
Latas conit l| libras a 1*200
Ditas com 3 e 6 libras a 2*500 e 4*.
Chocolate francezinuito superior, a libra a
1*120
Cha tino de priraetra mialidf.de, a libra a
2*700.
Dito uxim a 2*700,
Di (o hvsson a 2*70 e 2*80.
Dito perola a 2*809.
Dito em caixinhas de 1 e 2 libras a 2*600.
Dito [ireto a2ge4*500.
Manteiga ingleza flor a 1*200.
Dita mais abano a 800 rs.
Dita em barril propria para negocio, a libra
a 600 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Latas com 2 libras de banba refinada, a libra
a ioo rs.
Manteiga franceza nova, a libraa 640.
Dita em uarris e meios ditos, a libra a 600.
Toucinho de Lisboa a *500 aarroba e a 320
rs. a libra.
Latas com bolachinha dc soda de 5 libras a
23000.
Ditas com biscoitos e bolachiuhas sortidas
* 1*300.
Ditas inglezas novas, a libra a 240 rs.
Arroz do Maranhao, a arroba a 2*400 e a li-
bra a 80 c 100 rs.
Dito da India a arroba 2*800e a libraa 100
e 120 rs.
Caf miiiio superior de priraeira qualidade
a 8*300. 9*e 9*300 a arroba.
Dito em libra a 288, 330 e 360 rs
Vinho* em caita de 12 garrafas, o melhor
possivel a 18* o 20*
Dito mais baixo a 10*, 12* e 14*.
Dito Figu-'ira^o mais superior possivel, a
caada a 4*190 a *rraf* a 640 rs.
Dito mais haico a 4* a ranada e a 560 rs. a
garrafa.
Diio de Lisboa, uoa marca, a 400 e 300 rs.
a garrafa.
Dito Bordos a 640 r. agarrafe.
DiUijm caixa, dai euinfos roanas, a 7* o
Charutos finos do autor Jos Furtado ie Ci-
mas, ha por mijitos preces.
Ditos deoutros antorss a 1*500. 2* e 2*500.
Gigos de batatas novas com 1 arroba a 1*.
Passas aovas, a libra a 500 rs.
Figos novos a 320 rs.
Latas de ervithas e Caras porluguezas j pre-
paradas a 720 rs.
Ditas cora ostras, excellente pctisco.a 640 rs.
Latas depeixe ensopado em postas, de muitas
qualidades, a 1*.
Potes dc vidro cora sal retinado a 500 e 640
ris.
Marrasquino da melhor qualidode, a 8* e
12* aduria.
Garrafas de dito a 80o e 15200.
Amendoas confortadas a libra a 800 rs.
Dita com casca a libra a 320 rs.
Xozes, a libra 160 rs
an.co, alpista, a arroba48 o libra a 160 rs.
Grao de hice, a arroba 4* e libra a 160 rs.
Vinho de caj preparado era Sobral a 800 a
garrafa.
Cognac superior a garrafa a 1*000, 1*200 e
1*600.
Champagne boa a duzia 20*,e a garrafa a 2*
(arrafes com genebra hamrmrgueza a 6*.
Vinho branco Xerez a garrafa a i*.
Dito Jo.o de Brito, puro, a garrafa a 640 rs.
Ditoaduricalo a 560 rs.
Dito do Porto, fino, a garrafa a 800 e 1*
Xarope de grozers e outras fructas a 640 rs.
Massas para sopa, amarelia, a libra a 480 rs.
Dita branca a 320 rs.
Dita estrelinha, pevide e rodinhas a 640 rs.
Caiiinha com 8 libras de dita a 3*500.
Sebolas solas graudes, o cento a 1*.
Ditas grandes era resteas a 1*280.
Dalias de cartas francezas unas a 2*500, 38
e3*500.
Duzias de latas de graxa nova a 000 rs.
B mhoes de dita a 280 rs.
Marmelada nova a 600 e 720 rs.
Carne do serlo a libra a 320 rs
Cbouricu a libra a 640 rs.
Saceos grandes cora farioha a 5J>-
Ditos com milho o 3*509.
Errilhas soccas libra a 160 rs.
Lenlilhas para sopa a libra a 200 rs.
Sevadiaha de Franca a libra 200 rs,
Sag a libra a 400 rs.
Ararat* rerdadeira a libra 480 rs.
Guama da engommar a arroba a 4* e em
libra a 160 rs.
RIJA DO IMPERADOR ]* 40
Junto ao sebrado em que mura o Sr. OaUfte.
Duai-te Aiuieida fc c, receberam de sua propria encommen-
da o mais lindo e variado sortlineuto dc molhados, pronrlos 5
da presente estaco. r
a, r JH-anteJoa ingleza .. Ma^aS brancas Gneros especialmente escolhidos por ura dos socios que na 1
da safra nova viada no ultimo vapor a I,ooo; para sopa a melhor que se pode desejar, para esse fim.
macarro, talharim e aleiria a 400 rs. a grande a vantagem para todas as pessoas que comprarem neste estabeleci-
libra e 4i>00 a caixa. monto.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e Nao nos servimos de exordios como constantemente estamos vendo em annun-
2(0800 a caada. cios deste genero, pois sao palavriados de que sempre nos abstivemos, e de que tambem
dem do Porto ; estamos cortos nenhuma attencao j merecem do publico. O nosso fim, pois, simples-
generosos engarrafado das melhores fabri- mente fazer ver que o verdadeiro e principal interesse de todos est na taliella dos pre-
cantes da cidade do Porto a {& e 1200 eos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos toda a atlenco.
a garrafa e de 105 a 123 a caixa, as naar-
Haneiga franceza
da safra nova a COo rs. alibra, e em barril
a 560 rs.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
25400, muito propios para mimos,
Cartdes
com bolos francezes a S00 rs. cada um.
Latas
a*00. ISahao espaafcol a libra a 400 rs.
aaripfc rarag Miente, em botijas a 7 e 8*|Latas con o verdadeiro gaz liquido com 27
1 4uza. garrafaa a 12*.
Ti!.'' d di(T.>r(itos marca a 500 rs. a garra-'Garrafa- rom dito 3 S00 rs.
U a 3*800 a dtttia. Saceos grandes com feijao mulatiulio com 24
Ganebia de laranja vardadeira a 1* e 1*200 cuias por O*.
o frasco. Copos e calis lapidados para vinho e agua.
Dita do Ifillanda em frascos grandes a 1* e Latas muito bi'm afeitadas com figos novos
pcpuimos a 40 re. a 23, 1*500 e 3*.
. U-
Dita verdadeira do llollanda, a bolij a 480
Licores fijos de varias qualidades a 800, 1*
e 1*500.
vi Caixas de vinho moscatel a 10*, e a garrafa
i |*000.
D)tac rora azeite refinado a 10* e garrafa
a 1*000.
Conservas inglezas e francezas de pepinos,
Mholas, azeitonas o mixide a 600, 700 e
00 rs. o frasco grande.
Canwwcora fracos de mostarda franceza a
4* a iluza, e 360 rs. o frasco.
Assucar rilinado com ovos muito alvo a ar-
roba a 6*500 e a libra a 200 rs.
Papel pautadn liso de pe^o branco e azul, a
re$m* a 1*500 e 4*500.
Vinho Hadeira-seeco, a 15600.
Cento de esleirs de tranca a 20*.
Barris cora azeitonas novas a 1*280.
Duas balaneas grandes de Romao com os
pesos de 21 arrobas, e alguos bragos pe-
queos do mesmo autor.
Urna grande quantidade de caixoes vasios de
todos os tamanhos do 120 a 500 cada ura.
S MCITOS OTROS GNEROS QUE TORNARA ENPADOXIIO MENCINALOS.
TUDO DE PRIMERIA QALIDADE.
-es^
^^^r v^^SsP &*&'&& \
SORTIMENTO PARA A FESTA
r^c
23Largo do Terco23.
Joaquira Simio dos Santos, dono deste armazem de molhados avisa aos amigos do boro e ba-
rato que se venham sorlif dos bons gneros este estabeleciment que nao se arrependerao, se Ihe
far a difTerenca de 10 a 20 por cento, pelo seu prompto pagamento ; e por isso se faz aonncio de
alguns gneros, que tendo sempre este estabelecimento um grande e vantaioso sortimento de tudo
oaanto 6 pertenccnte a este estabelecimento.
Sentido! Voo fallar com o Conservali'o !!
Manteiga ingleza de 1' e 2a sorte a 800, 900 e 1* Queiios mais novos do mercado a 2*500 e 2*800.
Serveja da* melhores marcas, tantu branca como
a libra.
Mea* franceza em barril a GOO e 640 ris a li-
bra.
Tuucioho de. Lisboa a 300 rs. a libra e 8*800 a ar-
roba,
batatas em caixas e gigos 1*200 e 2*000 aar-
roba.
af de primeira e segimda sorte a 250, 280 e 300
tu. & libra.
Arroz da India, Maranhao e lava a 100 e 80 rs. a
libra.
i'hosphros do gaz a 2* a groza e 180 rs. o maco.
f>:issas novas a 480 rs. a libra.
Velas de carnauba Aracaly coraposicao a 400 e 440
rs. a libra.
Slassas para sopa a 480 o 440 rs. a libra.
t.;rme larta dos melhores fabricantes de Lisboa de
1 a 2'libras a G40 rs. a libra.
Ca hys'son o melhor deste gonero a 2*800 a li-
bra.
dem perola miudiuho a 2*300, 2*000 e 3*000 a
libra.
Ksnha ingleza al va e saperior a 480 rs. a libra.
com bolachinhas do soda de todas as qua-
lidades a I:i00.
Chocolates
de todas as qualidades a 10000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
ehegados neste ultimo vapor a 2#6oo.
Queijos
ehegados no ultimo vapor a 2^600 cada um.
Queijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para miraos a 900 e i(200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
U a 2,J600.
dem perola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hvsson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a $60.
Massas amarellas
para sopa, macarro, talharim e aletria a
480rs. alibra.
COC VA C
o muito afamado cognac Pal Brandy a t/.8oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualida-
des a I.ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPO*
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso o de outras muitas qua-
lidades de 2,oo. a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
;de excellente qualidade a 20200 a resma,
PAPEL
: azul e pardo para embrulho de |,ftoo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
i,4oo rs. alibra
Vinagre
PRRem ancoretas de 9 caadas a iS.ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa i
e i.ooo re. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs. a
e 40400 a arroba.
CEBLAS
armazem.
odrec que sepnaan p.iu iuo ira qual-
quer parte.
Os propietarios garaniem todos os gneros sabidos de seu j muito acreditado
AO PUBLICO,
cas sao as seguintes: Chamisso & Filho,
F. c M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banba a 40000.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrica da mesma que
venden a 20000 e 20100.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r<> A bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mat
cas de 40500 a 60500 a duzia.
C-ARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranhao a 100. rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 2^500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
GAF
de 1.a e 2. sorte do Rio de Janeiro a 803f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Carrafoes
com 4 y garrafas com vinagre a I0OOOM
o garrafao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 coai
12 frascos.
GENEBR
Vinho verde.
Chegou o muito desejado vinho do Carlaxo vende-se nicamente ueste armazem
a Goo rs. a garrafa e 3o,ooo rs, a ancora com 7o garrafas.
Amendoas confeitadas de diversas
cores a
64o rs. a libra,
dem de casca mole a4o o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a l,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem cm latas de 1 V* libra a l.loo rs.
Arroz do Maranhao e da India o melhor que
ha neste genero de 8o a loo rs. a libra,
e de 2,5oo a 2,8oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e lo,ooo
rs. a dnzia.
Alfazema muito' nova c limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4,4oo rs.
a arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Amonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,oooe l.Hoo rs. a
lata e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melhores marcas a l,3oo c 2,2oo rs. a
lata.
Banba de porco refinada a 6oo rs. a libra e
em barril a 58o rs.
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo Batatas a 2,ooo rs. a caixa.
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
Champagne das melhores marcas a 2orooo
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs.
as meias garrafas.
Cha uxim o mellinr possivel a 5,7oo rs. a
libra.
dem pprolaqualidado especial a2,7ooia.
a libra,
dem hvsson o melhor que ha neste genero
a 2,ooo, 2,4ooe 2,6oo rs. a libra,
dos melhores fabricantes de Lisboa como se- Mem l0' h'me0pa(1.0., 2 rs. a libra_
,atn Abreu e outros muitos a 6oo rs. a : Cerveja das me|||0'es marcas a 6ooo rs a
. -p duzia, c56o rs. a garrafa.
1 rejunto j Chocolate francez, hespanhol c suisso a 1 ,ooo,
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs. I ** e ** rs- a libra,
a libra. Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
ARROZ todo de Simas e outros da Babia como
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra
dc 3,ooo, a 3,'-2oo rs. a arroba.
Lentilhas muito novas excellente legume pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades
de 7oo a 9oo rs a garrafa:
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 8oo e
I.ooo rs. a libra, desnecessario mais
elogios neste genero, que s se pode ve-
rificar com a vista.
dem franceza a G4o rs. a libra, e em barril
se far abatimento.
Marmelada do primeiro fabricanle de Lisboa
a 7oo rs. a libra, ha latas de I, I 1/2 e
2 libras.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo rs. a libra.
Macartao, talharim c aletria a 4oo rs. a libra.
dem branca a 32o a libra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o
frasco,
dem ingle/a em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garrainhas com rolhas do
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a I.ooo rs.
a garrafa, e lo,ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs a libra.
Ostras preparadas em laias a 7oors. a lata.
Prezunto. para fiambre ingle/, verdadeiro.
garanlindo-se a qualidade a 8oo rs. a libra.
Passas novas de carnada a 64o rs. 3 libra e
6,5oo rs. a caixa.
dem para sopa estrelliha, pevide erodina
etc. a 3,5oors.a caixa, e a56o rs. alibra.
Peixe em laias hermticamente fechadas das
seguintes qualidades: savel, ti n Ira. gOl as
cavallinhas, e pescada a l,\oo a hu.
l'oliloa para dente lidiados a i io rs. o ma-
co de 2o rs. o macinhos.
dem do gz a 2oo rs. a duzia, e 2.L
a groza.
Painco muito novo 12o rs. a lili
arroba.
100 rs.
e ,000 a
,500
pra a 500 rs. a garrafa e a duzia a 5#800.
Saba amarello massa a 180,200 e 240 rs. a libra.
Charutos da Baha dos tnulliores fabricantes de
1S260, 2*000, 2*506 o :!* a cate
Mi i lu al i.>ta e painco a 160 e 140 rs. a libra.
Vinho de Figueira verdadeiro a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa das melhores marcas a 400 a ilia.
dem dem branco propria para missa a 500 rs. a dita.
Mem do l*urto engarrafado a 800 e 1-3, tomando
mais de urna caada de qualquer umdestes ter
grande abatimento.
Conservas inglezas e portnguezas a 500 e 640 rs.
Biscoos o bolachas de soda a 1*400 e 20.
assa.de tomate a 600 rs. a libra.
Genebrade Olaada em frascos e botijas e de la-
raojt de 480 a 640 e 1*200.
3iouricas as raais novas a 560 rs. a libra.
Latas com 1 e meia libra de ameixas a 1*200.
Azeite doce de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 3* o
gal.%.
VELAS
de esperncete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo c
caixa e 34o rs. a libra.
Catatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas tnuilo oras
em quartos e inleiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra,
ChocoBate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginjae
outros muitos a 640 rs. a lata,
ibra,! Dsce da casra da goiaha
a 600 e 10 ocaixe.
GOMMA MUITO NOVA
sejam rogaba, trovadores, guanabaras, ~ ,.
deliciase suspiros a l,6oo, ono, 3.ooo'f v''d'nha del-ranoa a 18o rs
e 4,ooo rs. a caixa. i?.evadata l0 Fs- a l,bra-
Queijos flamengos, do ultimo vapor, a'
rs.
dem londrino muito fresco a 800 rs. a libra.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. cada
um.
alibra.
I Conservas inglezas a 75o rs. o frasco. !i.u;'inho de Lisboa a 24o e 32o rs. libra.
dem francezas surtidas ou de urna s qua- W F nPar facas a 3 rs- ca('a um.
lidade cada frasco a 5oo rs.
Cognac, francez e inglez
a I ,ooo rs. a garra-
fa, e lo,ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Gravo da India a 6oo rs. a libra.
Canella a 9oo rs. a libra.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs.
1,4oo rs. a caada,
dem em garrafes com 5 garrafas a
rs.
a garrafa e
1.000
para lavar casa a 36o rs.
Ibem de escovas
cada urna.
Copos finos para agua e vinho a 4,8oo 5,ooo: Velas de espermacote superiores a 50o rs
e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs cada um. a libra.
Caf do Rio superior a 28o e 3oo rs. a libra,
e 7,5oo a 8,5oo rs. a arroba.
Ooce de goraba superiorem latas a 2,ooo rs.
dem de carnauba refinada e de coniposic5o
a 44o re. a libra, e de 15,coo a 11,000 re,
a arroba.
muito novas a 14000 o cento na ra do Quei- em paneiros de I e 2 arrobas a 33500 a ar-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar- i roba e 140 rs. a libra na ra do Qoei-
go ao wrmein 9 nndo n. 7, ra do Imperador n. 40 e largo
L.RAO UL BICO i ,1o Carmo n. 9
murta novo a 3/5400 a arroba e 140 rs. a BOLACHINHAS
bra na ra doQueimrdo n. 7, ra do- em latas de defferentes qualidades a 1200 Graixa nova i
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9. j a lata
QUEUO SUISSO QUEIJOS FLAMENGOS
muito rresco a 800 rs. a libra na ra do ehegados neste ultimo vapor a 26800 na ra
Queimado n. 7 ra do Imperador n. 40 e do Queimado n. 7, ra do Imperador n.
largo do Carmo n. 9 I 40 e largo do Carmo n. 9.
Os propnetanos do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
rreguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularan* os mesmos precos nos seguintes lugares:
Emilias porluguezas em latas chegadas til- Vinho em pipa, Porto, Lisboa c Fi"r>eira
tunamente a 64o rs. a lata. das marcas menos conhecidas a 4oo rs
dem ceceas a 16o rs. a libra. a garrafa e a 2,8oo rs. a caada,
i dem ja descascadas a 2oo rs. a libra. Id^m Figneira especialmente escolhido neste
Parinha de araruta verdadeira a 320 rs. a lugar a 6oo rs. a garrafa, e 4,5oo rs a
lihra. caada.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo ,,
rs. cada urna. I,dem Llshoa em ancoras com 9 caadas mar-
Favas porluguezas em latas chegadas uUi-:,,ca especial a 22,000 rs. a ancora.
mmente a 640 rs, ldem U*2 (:lar^ mui'o fresco sem
Frutas idem em calda, pera, pecego, alper-; comPOsicao a 6oo rs. a garrafa, e 4,5oo
se, rainha Claudia e ginja a 9oo rs. a lata.'
loo
mm tuavitADi m wmm m
. Pulo
Vinho tinto sem confeico
$0,000 K.H 1MORET1M IE H C 1 ^ JLI>AS 30,000
nico deposito em Pe oamhuco roa 4 i adeio n. 1.
Esta niva qualidade de vinho recebida direetameutfl fie a*irso* lavadores de
Torres Novas (provincia da Estremadure) como atlestam os bilhetes do caminho de fer*
ro que.trazem os cascos, provando sua origem e grocedf?nci8. reeomraenda-s a todas ai
pessoas que queiramter a certeza de beber viahofMiro de uva como o que se bebe nesr
sas trras aonde nao panetrou anda o espirito de falsjficacao. E' preciso que o pubco
8e convenc de que os vinbos que aqni se importam nao vindo directamente do lavrador
cheam peta maior parte on quasi todjs sobrecarregados de preparos nocivos saode
Wtusaudo bem graves transtornos no apparelho digestivo
O annunciante offereco a analyse dos professicnaes ista nova qualidade de vinho
qua exfe a venda, e da nm premio de 1:000 a quem descobrir no mesmo algum cor-
no estranho a naturera da uva de que feito.
N. B. Fara evitar a falsilicaco, o annunciante declara que o onico proprietario
e mportador deste vinho o qual vende someno no seu armazem da ra da Cadeia do
tboife n. i.
0 Verdadeiro Principal rna do Imperador n. 40
FRUSTAS
. 1 mAQM, PERAi I l Y\%
cnegadas neste ultimo.vapor, vende-se na ra do Imperador n. 40, Verdadeiro Princi-
rs. a caada.
, dem de Lisboa branco uva pura a 56o rs. a
duzia. i garrafa, e a 4,5oo rs. a caada.
Gomma muito alva e nova a 16o rs. a libra. J*em ,,orl *" P'pa a 56o rs. a garrafa.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com l2.MeJ?J^arrafad08 generosos Lagrimas do
frascos a 5,8oo rs. e 560 rs. o frasco
Douro, Duque do Porto, D. Luiz I. D.
Pedro V, Nctar, velho secco, Malvasi
Genuino, Particular a 9oo e 1,2oo rs. a gar-
arafa, e a lo,ooo rs. a caixa com tima du-
zia.
Balaios para meninas
Lindos balaios de varios gostos para meninas
trazerem no brago : s se encpnlra na loja do Bei-
Agua Florida.
Para restabelecer o conservar a cor natural
. dos cabellos.
A agua florida nao urna tintura, fado essen-
cial a contestar, a mesma agua dando a cor primi-
tiva ao cabello. Composta de plantas exticas e
de substancias inofreasiras, ella tem a.propriedade
de reshtuir aos cabellos o principio/corante que i- Lindas camuas rom um cartae com a familia
les tem perdido. D'uma salubridade incontesu-1 imperial, e dentro de cada caixa nm frasco oa sa-
vcl, a Agua Florida entretem a lunpeza da c;tbfca! bao o mais fino que passivel: na loja do Beija-
destroe as caspas e impede os cabellos de eahir | Flor rna do Queimado n. 63 e 69.
Oleo de Florida
ja-Flor, ra do Queimado n. 63 e 69.
Extratos e sabo em
xinhas
eai-
Superior ealde Lisboa.
Composto de substancias vpgetacs exticas, elle'
constite_ poderosamente, com a Agna Florida, a Sendc-se superior cat de Lisboa a mais ora que
torga, a belLza e a conserva cao dos cabellos. : ha no mercado tanto em porcao como a retalho
Em Parts, casa de Quislatir n. 12, ra de Riche- por barato prego afiancando-se aas compradores
lien, e 21, boulerard Montmartre. superior otialidade : a tratar as seguintes ras:
rodos os frascos, nao_ tendo intacto e claro, o Crespo n. 7, Imperador n. 28, Forte do Matto ar-
timbre prateado da casa, sao reputados falsos. i muern <* Sr. Villa defronte do trapicho do al-
Deposite, rea do Imperador, pbarmacia n. 38, godio.
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
dem em garrafes de 16 garrafas a 4,8oo,
rs. com o garrafao.
dem de tres eanadas a 7,2oo rs. cada um.
dem inglezas em garrafas brancas bordadas | dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a garre
com rolha de vidro qualidade superior a| fa, e a 12,ooo rs. a duzia.
l.ooo rs. a garrafa. dem Muscattl a l,ooo rs. a garrafa,
dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o dem Bordeaux das acreditadas marcas St
frasco e H.ooo a frasqueira de 12 frascos. Julien, Si. Esteph, chateau la Rose, chalan'
Kirsch Wasser excellente bebida suissa a Margoux e outros a 6,5oo rs. a caixa.' a
1.8oo rs. a garrafa. i 56o rs. a garrafa.
JBRVJEJA EM BARRIIi
a SOO rs. o topo
<(iicijo de ninas Hurgado no vapor
dem prato mnlto fresco
dem snisso superior
dem londrino superior.
57 Ra do Imperador 57
a

~
j


I
Diarle *e Peraa-atae* ... Quinta feflra 19 de \ovembio de tSS4.

ACTBftQA
Veade-sa a taberna da- roa do Padre Ftoriano u.
S, por se nao querer dous estabelecimentos da
mesma orden : a tratar na mpsma.
O \igilante est alerta, n3o Ihe era perinittidt
oeixar passar desapercebido sem que nao dsse
seu canto, atim de annunciar ao respcitavel pubii
o o grande sortimento de galanteras do melbui
gosto propriameote para qualquer mimo, que ac
ba oc rhegar neste ultimo paquete, assim con.'
moitos ontros objectos que recebe por diversos n.
vios, tanto de sua conta como de consignaciio qu.
esta resolvido a vender por prejns minio barato:
para vender muito e ganhar pouco, e dar extraa.
o grande deposito que tem, que espera merecer
proteccao do respeitavel publico empregando pan
isso todas e as melhores diligencias para que i-
quera satisfeitos j isto s no Gallo Vigilante, ra di
Crespo n. 7.
Ricos poria-joias.
Cofre de muito gosto por 16000
Cestinhas transparentes forradas de ma-
drcperola por 185000
Lindas jardineiras. 10*500(1
Ricos cofres cora camapheu. 102000
Lindas caixinhas com pedras branca?. 10*000
Lindo l.alac com calungas dentro, tam-
bem para joias. 16000
Tambalier para ditas. 9*000
Cestinhas ditas. 6*000
Cosniorama ditas. 6*000
l'rn.uinhas. 6*000
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta bou.juete de diversos gostos e pre-
sos ; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos sin tos
com bolcinhas ao lado, a 10*, 12* e 18*, ditos sem
Mea purera do mesrao gosto, a 2*500, 3*, 3*300
Ricas fivellas avulsas parasinto, o melhor que se
pdc encontrar, a 1*500, 2*, 2*500 e 3* o par;
s uo Vigilante, ra do Crespo o. 7.
Cabazes ou cestinhas.
At que chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para meninas trazerem no braco, o mais rica
possivel a 2*300, 3*500, 4*, 5*, 7*'e 10*; s no
\guante, ra do Crespn. 7.
Mais Ieques
com pequeo defeito, Ieques de sndalo com pe-
queo deleito por barato prego de 8* e 10*, chi-
nezes muitu bonitos lambem, pelo barato prego de
4* e 5, bentarallos muito bonitos, tambem por ba-
rato prego de 4* e 5*, Ieques de charao tambem
por i*, tudo isto para acabar, perdendo-se tai-
tez 80 |x>r cento; so no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Pentes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
que se pode desejar, assim como de arregagar ca-
oello, tanto de borracha como de tartaruga comen-
feites e sem elle para menina; s no Vigilante,ra
do Crespo n. 7.
Pulseiras.
Lindas pulseiras de contas c de missanga, cores
muito lindas e de muilo gosto a 1* e 1*200.
Para segurar manguitos.
Tambem chegaram as liguinhas estreitinhas de
borracha que as senhoras tanto precisam para se-
gurar manguitos por ser muito commodo e muito
barato, a 3-20 o par; s no Vigilante, ra do cres-
po n. 7.
Lequcs.
Itiqnissimos Ieques de madreperola tanto para
senhoras orno p.ira rripninat. polo hsraln prpfn
de 12* e 14*; s no Vigilante, roa do Crespo:
n. 7. i*
Pentes
lamber chegaram os nquissimos pentes de concha
de tariarupa e de massafina, que se vende por 2*,
3* e 3*; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Caetas.
Riquissimas caetas de madreperola proprias
pan qualquer presente, pelo baralissimo preeo de
1*500 c 23.
Snpa'.inhos e meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
lejiados, assim como meiaszinhas de seda, gorrazi-
nhas e louquinhas para as criancinbas .se bapliza-
rem; s no Vigilante, rtia do Crespo n. 7.
Volliuhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
Gngindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato prego de 1* o 1*200, as
cruzes avsils asa 400 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Golinhas.
Riquissimas trolinhas e manguitos, omelhor gos-
to possivel, a 2*, 2*300 c 3*; s no Vigilante,
roa do Crespo n. 7.
Enfeites para senhora.
Riquosissim enfeites com lago e sem lago e de
outrosmuitos gostos a 1*, 1*500 e 3* : s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Trancelius.
Lindas trancelins ue cabello para relogio ou lu-
netas, pelo baralissimo prego de 1*500, ditos de
relroz a 200 rs.
Babadinhos ntremeles.
Riquissimos babadinbos entremeios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baralissimo
prego de 13200, 1*''"
ra do Crespo n. 7.
Cascarrilhas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galozinbo e trancinhas pro-
prias para enteites; s no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7.
Fitas.
Grande sortimento de filas de diversas larguras
e quahdades, par precos que admiram aos com-
pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
teiros que se
de 9 varas a
n. 7.
Fitas de la.
Fit.is de lila de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Ricos espetaos.
Riquissimos espelhos com moldura dourada
sem ella de 8*, 10*, 12* e 14*, assim romo com
columnas de differentes lamanhos a 2*, 3*, 4*, 5*
e 6*; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo omelhor gosto queaqui
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para pos de arrez.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
cousa de muito gosto a 1*500 e 2*, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banbas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
tinctivos e offerecimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Pars e Inglater-
ra, assim como os grandes copos debanba japoneza
a 2* e a 1*, assim como outros objectos qoe nao e
posslvel por hoje annunciar, e vista dos fregue-
zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
As pastilhas digestivas com a pepsina de Was-
man, empregao se com successo h j alguna
annos pelas celebridades medicaes de Paris,
Londres, Vienna, etc., em todas as incommodi-
dades eni as qiiacs a digesto c difficil, penosa,
imperfeela ou mesmo impossivel: eis o melhor
remedio para curl as
Em todas as molestias empregSo-seamiude as
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichy,
e igualmente aspastilhas de Vichy. Esse meio s
fficaz quando se trate de dispepsias de curta du-
Cimti-Hlgln.
IMKpcptflafl.
Embaracen KMli-lroii.
A gaatrlte.
A afferee orgni-
ca* fio exlii:ac"
Dinrrheaa e roimtl-
pucao prodnzldaa
pi-hiN claboracoea
U aflM 1 da II
llll'lllOM.
AO PUBLICO
Sena o menor constraaa-
glnaeato se entregar
importe do genero que
nao agradar.
ATTENCjO
Os precos da segalnte
tabella para todos, po-
dendo assim servir de ba-
se para o ajuste de eontas
com os portadores.
RIJA DA CA1IEIA 1IO
(Logo passaid* arce da Cooceicae)
Grande rednccSo de precos,
RTI
3~. &3.
equivalente a dez por cento menos do que ontro qualquer
annnnclante.
ibra, bem assim o de oulros
alta.,voz.'. 9uePdeni vender P?' Feo que eu vendo !M Ora, e offendido Mm^trobscu^Ses'e'rcc
-aCao. mas o prolongado uso ctas'aguasepa'sTiiha's Collegas.-No posso por mais lempo sustentar o prece da manteiga ingleza a I.ooors. a ..
le Vichy, tem grandes inconvenientes, por quanto inuitos 0*>jectos, etc., dando com isto ocasto a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiea de tempero e eritarem em
Pares de luvas de seda para horneas e cenhoras i
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a l.Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que
estao obngados encarando todos os das de seus freguezes reclamacao de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
mal informado deste novo estebclectmento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
tao somente obter a concorrencia de seus freguezes.
Senhores e
jt alcalinos cinpobrccem o sangue e isso de tal
mio!lair.n^m5^SS Pl* l?Bte tabella, pote con sabeca pelo meubairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados niio
lransforma-sc ao mesrtio tempo qne se eflectua a
transformacao dos alimentos assimilhando-se
como ellos e ajudo tabcm como elles a nutrico
Seral. Sua aceto vivifica o sangue c os rgos
e talsorteque, ath as pessoas que sem soffrer as
affeccoesgasiricas cima mencionadas sao nica-
mente Iracas ou d'um temperamento um pouco
dbil, e necessilo sobslancial alimento para for-
tificar se, achao no emprego das pastilhas pep-
sina de Wasman, um poderoso meio para a isso
chegar.
Aviso importante. 0 successo das pastilhas
a pepsina de Wasman diu causa a se fazerem al-
silicagSes c imitaces d'essc prodocto que os
mulos se querem desfazer. Pois por falta d'uma
boa preparaco a pepsina que n'ella entra, jaz
alterada. Seremos ao abrigo d'este inconveniente,
exigendo os compradores que as pastilhas tenho
as raiciaes B. P. e saiao da pharmaciaChevrier
Depsitogermlem Paris, pharmaciaChevrier,
21, Faubourg-Montmartre, een todas as boas
pharmacias de Franca e dos paizes estrangeiros.
RIVAL SEM SEGUNDO
ynaer muiu. barato, pola eu genio dar a laza-
da por todo preco a vista dos robVTs
" 80s *'*"*"* da me,hor flMdae
Groas de peonas de ac inglezas da melhor ous-
lidade a 040 rs.
Caixas de clcheles francezes de nmrieres m ;
dades a 40 rs.
Grosas de botos de madreperola muito fino-, i
e 040 ris.
Carreteis com 4 a 5 oitavas de retrez preto fine- a
040 rs.
Resmas de papel de peso liso muito Bien i
2*000.
Grvalas da liga e de outras militas qualidacY
500 rs.
Caivetes para penna com 3 follias fazrndi boa a
800 rs.
Duzia de botoes branco para casaveques de si i'
ra a 100 rs.
Peca de lila de cs estrellas com 9 varas garas
tidas a 320 rs. '
O Expositor Portugucz para os meninos a prence/
a 1er a 800 rs.
Os segredos da natureza para os menino- a pren-
der a ler a 1*000.
Cartilhas da doulnna ehrisla, linas e m.i'.-i .. &
320 rs.
Pentes finos de marta) a 1*000, 1*200 e 1*5, ;.
500 rs.
como veris GoUlnnas para senhora
Mercantil nao : 500 rs.
Para bem de todos.
Senhoras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromptido e enteK-
reza com que serao tratados, convida a urna vtzita ao mesmo, certos de que sem duvida rae darao a proteccao e preferencia na compra
: dos gneros que precisarem, e quando nlo pocam vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco pratices, pois
^ serao tao bem servidos como seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommendafo, afim de que nao vao em oulra parte,
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati- Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
escolhida a Soo rs. a libra, era barril se
faz abalimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
raento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8,5oo rs. a arroba.
mercado a 5Go rs. a libra, e em barril ou dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
X-w
lllfMll
n -5 n c. a o.
o _
I
B
* s
9 i
llnfii:..1!
8 S
2. ftw" -i n
o
rr
3
-
|
6
i
i
o
n
3
o
1
K\

o
ir.
"O
rr
BJ
3
O
A
O
2
S 5? S
a.
o
ja
B
<9
P
a
o
SS.
S
r -
o
o
a
sr
-Ji
C-
o
'
I!
GRANULOS e XAROPE
D'HYDROCOTYLE ASITICA
de J, LEPINE
Resulla pelas experiencias feilas as Indias e em
Franca pelos inais afamados mdicos que as GRANU-
LAS e O XAROPE de IIYDROCOTYLA AMATICA d
3. i.F.riXK soo ptimo remedio contra todas as espe-
cies de impigkns ou herpes e outras molestias di
pelle, at as mais inveteradas, assim como a lepra
u MOnrilEA, a BirOILIS, as MOLESTIAS ESCRO-
FULOSAS, os mu ni \tismus cbroDicos, etc.
Deposito geral cm Paris, em casa de roiaxiER e
LAni.oxvE, ra Bourbon-VUleneute, 19.
Deposito geral em Pernambuca ra da
Cruz n. 22 em casa de Caros & IJarboza.
Para quem gosta do bom e
barato.
No eslal elecimento de Gama & Silva, na ra da
Imperatriz n. 00, loja denominada-PAVAOtem
urna grande poroo de varias qualidades de fazen-
das. as quaes >e vendem muito em conta j.ara li-
quidar. A saber :
As lazinhas do Pavao.
Vend m-se laazmhas de quaririnhi.s transparen-
tes, Loa fazenda. pelo preco de 280 rs. o rovado,
ditas largas muilo linas a 400 rs., ditas estampa-
das, f r segara, padroes miudos e grandes a 30
rs. o rovado, ditas transparentes ci id patminnas
de seda a 400 rs., ditas escoeezas a SOO rs., tolo tu-
JoO, $ e J; so no \igilante, do para liquidar : na loja e armazem do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60.
So baratas a S40 e 32ors.
Vendem-se hitas inglezas escuras e claras com
as cores seguras pelo preco de 240 rs. o covado,
ditas largas, La lateada a 320, 300, 4C0 e 500 rs.
o covado : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n.
60, loja de Gama & Silva.
Prccalas a G00 c 5G0 rs.
Vendem-se as mais finas precalas, padroes miu-
dlnhos, gostos deliadissimos pelo barato preco de
ioae vender a 300 rs. a vara, e pe(;a 600 e 560 rs. o covado : na ra da Imperatriz n
25 s no Vigilante, ra do Crespo 60, loja e armazem do Pavao.
Meias precalas, ou precalas inglezas largas a iOO.
Vendem-se meias precalas ou precalas inglezas,
padroes miudinhos e fazenda fina e 400 rs. o co-
vado : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
O gangiielini do Pavo a 33o i*s.
o covado.
Vendem-se gangui-lim cor de rosa para roupa
de meninos, e vestidos pelo barato prjeo de 320
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 60, loja do
Pavao, de Gama & Silva.
Os grosdenaples do Pavo.
Vendpm-se grosdenaples prelos, fazenda supe-
rior a 15600 rs. o covado, ditos largos muito en-
corpados a 2400, 2600, 2*800 e 3*000, ditos
brancos, cor de rosa, azul e amarello a 2*000 r.s
o covado : na loja de Gama & Silva, denominada
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60.
Vestidos brancos pira baile.
Vendem-se os mais ricos vestidos brancos bor-
dados proprios para baile ou casamento pelo bara-
lissimo preco de 25*000 cada coi te : na loja e ar-
mazem de Gama Si Silva, ra da Imperatriz n. 00.
Roa da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
ferro coado libra a'UO rs., idem de Lo*
\ioor libra a 120 rs.
meios a 5oo rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
dem preto homeopathico por ser de superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra.
dem hysson, huxim e perola mais proprio |
para negocio o l.Goo, l,8oo e 2,000 rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se vende emoutra parte por 2,4oo
e2,too rs.
> Lingmcas, chouricas e paios em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a o.ioe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chourifas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e l,5oo e 600 rs. a libra.
!Queijos flamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a i,6oo e l,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
I dem do Alcntejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas porluguezas em latas j pre-
paradas a G4o rs.
.Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 000 rs. a libra.
Prezonlo do reino vindos de casa particular
a 5Go rs. a libra, e a (toe rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l,ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em pnsta sovel, corvina, gors. pesca-
a libra, e 9,ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra. 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem dalndia muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba,
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
a 14o re. a libra, e 4,3oo
Painco e alpista
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e lalherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse flm.
I Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
^In-W?0!^ F'f Uer~ eHsb0aoa?2'Cerveja"yancae''preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a 5,ooo e
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditasimperiaes emlatas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, e l,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 8oo rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a 1 ,ooo rs. e 11 ,ooo a duzia-
Palitos para denles a lioe 16ors. o mago.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a Soo rs.
o melhor que ha a : ,-
bandas a 240, 3S0, SCC e
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,ooo c a 68o rs. a garrafa.
VmWau Porto das melhores marcas, que
ven ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto," DuqueGenuino,
D. Luiz L, Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
lo,ooo rs. e a 9oo e l,ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
da, salmo, ostras e chernee, vezugo em! Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 8oo e l,ooo rs. cada urna. cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Bordeara das marcas mais acredita-! libra,
das que tem vindo ao nosso mercado a>Bolachinha de soda emlatas com diversas
6,ooo, 7,ooo e 8,ooo rs. a caixa, garante- \ qualidades a l,3oo rs.
so ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. para mimo a 64o rs.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5,7oo rs. a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de Altona em
frascos grandes a l.ooo rs. o frasco, e
H,ooo rs. a duzia.
libra e 6,ooo rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutosde todos osfabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa-de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
1,090 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; ditoemcaixoesa6oors.
cada um.
Farra ha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e .Sdo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
Frascos com superiores
1*000.
Livros que serve para assentar roupa, plo diir.;.iu-
to preco de 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cralo branco para espartillits muito Miericr. .
vara a 20 rs.
Carritis com 150 jardas de linha branca r. CO
reis.
Carioes com 200 jardas de linha branca par;
d' s a 60 rs.
Grosas de pennas de ajo superiores a 00 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para a-
Das a 160 rs.
Pares de botoes de pinino, oh que pechincba. .
120 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de botoes de looca prateado muito finos-a
160 rs.
Tesouras para costura superior qualidade a SOO
ris. ,
Escovas para limpar denles, superiores a 500 rs.
Caixas com superiores phosphoros de securanra a
160 rs.
Caixas cora 100 cnvelopes o melhor que ha a 618
ris.
Caixas com 20 quadernos de papel aniir.ade, mco
fino a 600 rs.
(Joadernos de papel pequeo muilo fino a 20 rs
SALSAPAERILHii
AT-
I-
BE
As curas milagrosas do
EscnoF a 'i^tust
i' 5B \G \ S A .\ T tt AS,
EHFERUDADES SYPRIIITICAS,
Erysipelas, Rheumatisiuo,
Nevralgias. Escorbuto,
ele, ele., ec,
que tem
uomc i
ran^eaoii c uuu>
Salsaparrillia de Jii,^.
por todas partes do
smente devidas
universo, silo ?.
nica Legitima e Qrisrinl

PHIiPARADA EXCLl SIVAM .::
:;
em barris de 5o
muilo superior
Hnho verde
para particulares e em pipas,
Vende-se urna casa de pasto na ra da Lapa
n. 13, com bastantes commodos para passapeiros
sendo repartida em dnas casas
heira n. 2.3.
BELOGIOS,
Vende-se em casa de Johnston Pater &
C, roa do Vigario, n. 3. um bello sorti-
mento de relogios de ouro patente in-
glez, de um dos mais afamados fabricantes
a tratar na Ri- "e Liverpool, e tambem urna variedade de
qoniostlrancelins para os mesmoslt
AGENCIA
DA
AGENCIA LOW-MGOB.
ll ua da Senzalla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meiai
uioendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos o
amanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roapa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.____________
Superior vinho Collares.
Na ra do Vigario n. 11, escritorio de Manoel
Joaqulm Ramos e Silva & Genros, tem para ven-
der superior vinho Collares em aurrelas.
mmmmmm mmmMmmmm
s| fabrica Concei^ao da
Bahia.
'^ Andrade & Reg, recebem constante-
JH mente e tem venda no sea armazem n.
jf 34 da ra do Imperador, algodao d'aquel-
S la fabrica, proprio para saceos de assu-
P5 car, embalar algodao empluma etc., etc.,
g pelo preco mais razoavel.
m GRANDE FABRICA DE CALDEIRARIIA
FUIDirA
DE

m
SJ
VILLACA, IRMiO k C.
RA DO BRUM 40 ^
Chamamos a atten$to de todas as irmanda-
des e confrarias para o que abaixo publicamos. ||
O amor que votamos arte que professamos e o desejo que temos de concorrer com o
r.r.'j nosso fraco contingente, para a ver rhegar em nosso paz ao grao de perfeicao que para
g5 desejar, nos impellio a mandar Europa um dos nossos socios, afim de particular-
3ag mente estudar a melhor maneira de bem fundir os sinos.
riSy Grandes foram as difflculdades que tivemos a superar, afim de podermos conseguir o
^o; nosso desidertum ; porm gragas aos esforgos e bons offlcios de um nosso amigo o io-
so socio pode ser admittido em urna das melhores fabricas de Lisboa.
Bgs Muito lucramos e muito tem a lucrar o publico, por que sem receio desermoscon- %rJ
|Sg9 testados, podemos afflrmar, que os sinos fabricados em nosso estabelecimento em nada (v
^2J se parecem com esses almofarizes de mo gosto que por ah se fazem. g5j
-v/! Estamos habilitados a fundir siaos de todos os tamanhos desde 16 libras at 100 ar- *^
gegl robas, com emblemas, rnalos, ele., conforme a voniade ou gosto do comprador guar-
n, dando em seu fabrico todas as regras da arte. Pedimos, portanto, em recompensa de
P^j tantos sacrificios e despezas a proteccao do publico.
WM _
IAN1I11I &, KEmr DE ,
diante a receiia do Dr. I'. i'. ']
venda as boticas deCaors A l>:.r ou
ra da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, ro
da Madre de Dos.
NOVA LOJ
;
N. 10 RIA DO fREPO R 10.
loaquim da Silva Boa-vista mudou o sen esta-
e ecimento de faiendas para a ra d. Crt-sfHi
n. 10, est resolvido a vender por barato preco
afim de adquirir freguezia.
Chitas baratas.
Vende-se chitas percalas a 500 rs., ditas fran-
cezas finas a 480 rs, ditas a 440 rs., ditas de dia*
a 200, 280, 320, 340 e 360 rs... ditas esireitas r.
200, 220, 240 e 260, s se vende por este preco
na ra do Creste n. 10, loja do Boa-vista.
0 Boa-\isla vende
brim pardo com lista a 720 rs. a vara, dito a 8D
rs.,dito branco de linho a 1,8000, dito a 1,8200,
grvalas de seda de gosto a IJ000, eum comple-
te, sortimento de castores e brim a 480 rs. o co-
vado, s na ra do Crespo, loja do Boa-vi.-ta,
quem vende barato, tambem se daoas amostres
deixando penhor.
H
M
tiene
JO

Ra da Senzalla n. 42
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C, j W%
sellins e silboes inglezes, candieiros e casti-j w8
caes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela, i Vende-se urna casa na Capunga com bons
chicotes para carros e montara, arreios Dar commodos, quintal murado, com laranpeiras o ex- mI ."' "c l"""* cu Pfu[d
r^rrns de um e dnn ravalln Z L cellente aRUa de beber : qaem pretender dirtja-se desembarrada hontem de bordo da barca So-
carros ae um e aous cvanos, e relogios de rua yelha 48 dour0 vende-se por todo o preco no esenptorio
ouro patente raglez.
P0T4SSA
Fabrica de chapeos de sol de Francis-
co Maestrali, roa do Queimado
Damero 22
Vende-se potassa em barris a commedo preco o Nesla fabrica chpgado pelo ultimo vapor um
na rua da Cruz n. 23, primeiro andar, eseriplori: completo sortimento de bengallas e cachimbos de
de Antonio de Almeida Gomes. ; espuma do mar ede outras mais qualidades, as-
-__________________________________________sim como tambem chupetas para charutos multo
fll to Ticrina finas, e fumo caporal, e sempre tem prompto um
\jHl U. JjloUUt. bom sortimento do chapeos de sol de todas as
Vende-se na rua da Praia, no armazem de Jos qualidades, na qual se fazem c se concertam tudo
Joaquim da Cunha & C.., n. 16. perlencente a esta arle.
preco ;
de Manoel Ignacio d'Oliveira & Filho, largo d Cor-
po Santo n. 19.
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che-
gada ao mercado, em bem acondicionados barris:
no armazem de Manoel Teixeira Bastos, rua do
Trapiche n. 13, por preco razoavel.
Vende-se a casa terrea n. 25, sita na rua de
Mathias Ferreira, na cidade de Olinda : quem a
pretender dirija-se rua Augusta n. 69. que acha-
ra com quem tratar.
1
Urna mucamba mulatlnha, recolhida, bem edu-
cada, e habilidosa, de idade 16 annos, 1 cefra pa-
ra todo o servico de urna casa, sendo insigne 'i>-
gummadeira, 1 negro para todo o servico, de ida-
de 26 annos, proprio para padaria ou refinacao
por 800,g : na travessa do Carmo n. 1.
Vende-se urna casa de pedra e caPEstra
da Nova, em ierras do capitao Ignacio Alves Ifon-
teiro, confronte ao sino (Doulor) com 4 quartos,
2 salas, cozinha, etc.; a tratar na mesma casa
com Thereza Francisca dos Passos.
ESCBAVQS FGIDOS,
Desapareceu o escravo Joao, crilo, de es
tatura baixo, grosso do corpo, representa ler 40-
annos pooco mais on menos, muito reprista e ron
falta de dentes na frente, levoo calca de algndao-
sinho azul e camisa do mesmo panno enm listras
largas de cor, cuo preto fol comprado ao IUm.
Sr Antonio Jos Dnarte, de Louren^o da M; >
ta, em 6 de outttbro prximo passado ; qnem o
aprehender qoeira leva-lo em Ponte de Uch., no
sitio do Joao Jos Rodrigues, ou na rua da Madre
de Deus n. 28, que ser recompensado.
Fuglo ha 8 das a prela Bonifacia, com os
signaes seguintes : baixa, cheia do corpo, ataros
grossos e cora bastante cabello, bera conversante,
consta qw anda de nolte com timao e sala prrfa,
inlitulando-se forra; sahio com saia de chita en-
carnada velha, cabecao e um chales roto. A p. s-
soa que der noticia delta on a levar rua Nova
n. 55, ser bem recompensado pelo trabalho.

ILEGIVEL


6
Dlarl 4e PrninNei Quista felra 19 c 'Voveml.ro m fl *
UTTERATDRA.
(.,,...ideracdes ihiiusophLas sobre as
bel las-arles entre es ai ligo?.
Etludo quarlo.
(Contitriuio.i
Assumpto de que tianm este e os seguales eslu-
dos.Insuffli'iiMii'ia dos systemas ptopostos por
diversos eritlcos para explicar os grandes resul-
tados a que che-gara m os grecos na escolplura
e na pintora, e reutacao tl->s prinrlpaes.Di-
gressaosohre o bello ideal.Conformidade desta
expressao om as opinies espalhadas na anll-
guidade, o que ha va Degado Mr. Entrico David.
Coniinur.rao do paragrapho precedente.
G&m quanto secrcia senilmente que forero as
formas do carpo humano mal bellas entre'os Gre-
go antigos, do que eaire os poros modernos, a
i. ma differenca nao so podo sustentar que exis-
;; entre os diversos estados da Grecia, e se exis
liv, os lugares onde as bellas artes chegaram ao
mais all- gru de perfeicio niio foram aipielles
Mi que mais bellos modelos se encontraran).
I jina era de Thebas, onde a ausleridade repu-
blicana as repelle ; Glycers, do Thespias ; Aspa-
ste, de Mileto. Do mesmo modo qao se chama hoje
Bina bellea prega urna bellp. mulher, os gregos
da Europa chamavam bellezas jnicas s mulheres
bellas doseu paz (I) em que fosse entretanto as
escolas da Asia onde se fabricaran) as mais bellas
(.tatas. Entre a mulldo de mancebos, diz Ot-
eare, que no meu tempo se riam era Alhenas,
acbar-se-hia apenas um, verdadeiramente bello.
l domis os gregos nao tinbam modelos para os
monumentos de arrhitectura, mas que Ibes impor-
ta so ? a mesma perfeicio observada na esculp-
ala, enculra-se nos templos, nos vasos, nos mo-
yeis, at nos mais insignificantes utensilios.
A facilidade de ver despido o rorpo humano,
Coi Sem duvida urna das causas physicas que con-
fcibuiram para a perfeicio da estatua e da pintu-
ra ; a mancira de considerar a nudez do homem,
tima das causas moraes, importantissima.
A nudez dos albletas nos jogos pblicos, a dos
fbvens de ambos os sexos no gymnasio, e da mon-
dado inteira uo theatro, as vestimentas leves e
graciosas das mulheres, envolvendo-lhes natural-
mente o cerpo, aecusando a cada gesto a belleza
das formas, quo un mais ampio movimeulo des-
eo bria : ludo isto accrescentava para os artistas as
c:xasies de observar a natureza, e ao incsmo
fcmpo as faces variadas do bello inllammava-Ibes
a imaginagao. Mas da imaginadlo inflammada
nao que esculpe guiada por urna theoria, grande
distancia existe.
A facilidade dos coslumes era quasi a mesma
nos diversos estados da Grecia, e talvez menor em
Alhenas do quo fra della, como sustenta conven-
cido Mr. Emerico David : sendo entretanto os alhe-
uieuses os pnmeiros que se applicaram ao estudo
anatmico externo, o os nicos que na execucao
pratica das formas deram exemplos inimilaveis.
Eram as virgons de Sparta que mostravam nos
jngos pblicos grande parte dos seus encantos,
mas os spartiatas nao cultivaran) as bellas arles.
(2) Njs vemos emfini tolos os dias cabeease mos
de formas admirareis completamente descoberlas;
as mulheres de Arles e de Marselha, as hespanho-
las do sal, as mauriscas, as circacianas ofTerecem
traeos dignos de Elpanice ou de Phryna ; porque
uao faxem os hespanhoes nem os Franca zes caras
c raaos dignas de Polygooto ou de Phidias ?
Porque {nao bata ter por modelo a natureza.
tPourlirelt grand livre que mus offre li nature,
diz Sottcr, il faut en connaitre le langage. E' pre-
ciso, com effeito, interprtala, generalisa-la, lan-
zando as Ideas sentiris, ou que nos desperla o es-
pectculo da vida e da materia, no infatigavel la-
boratorio da intelligencia, onde se devem transfor-
mar em um systema rasoavel de preceitos que a
conduza na exe rucio ; e. como dizia a l'aulo Dla
(I) Dit.n Cbrysostomo. Orat 36.
(i) Emerico David. Rech.nur Cari elat p. 13.
(?>) L. Viardt. Comment (ant'il en courager les
jj/s. p. 51.
i -^'ai
roche que o artista obrigue a passar a natureza ao
travez da sua ntelligencia e da seu coracao (3). ,
Aqui se apresenta natoralmen/e urna queslao
qne tem dado lugar a intermlnaveis discussocs en-
tre os etlicos da arte, e maiormente no instituto
de Franca no comeco desle seculo, onde fra sus-
citada mu duvida por occasiao da abertura das
galeras 3nligas do museu do Louvre.
ebaixo da iinpresso que produzira no publico
urna cclleccSo immensa de estatuas e de oulras
paginas beliissimas da esculptura grega, cada qual
explicara a sen modo, e segundo as nocoes que
possuia acerrado bello da natureza, sobre a ma-
ncira de o reduzir urna theoria applicarel
imitacao pratica. o caminho seguido pelos artistas
gregos para atlingir lao iocom|iaravel perfen;ao.
Alliuns, como Emerico Davis, acostumados com o
genero de imitacao do individuo, ou cora o que em
linguagem escolar se chama mdelo, pretenda nao
seren as mais bellas estatuas amigas o resultado
de 11111 oulro processo, nem de um outro systema
de estudo ou de verdade. Outros, laucando sobre
os lacios urna vista mais extensa e profunda, pelas
applicacSes de urna theoria necessariamente me-
thaphysica, suslentavam, ao contrario, que nao
erara ellas a imitacao real da natureza tomada em
um ou em outro individuo em particular, e que o
bello e o verdadeiro as bellas artes derivam niio
do estudo de um modelo individual, mas do typo
geral da especie, de um modelo collectivo de per-
feicoes. que nao podendo existir senao na regio
abstracta das ideas, chama-se ideal.
Este epitbeto, mal comprehendido, mal [definido,
toruou-se o objecto de novas contestaces. E Da-
vid^ nutrido dos principios positivos do realismo,
entao predominante, sustenta obstinadamente que
6(7/o ideal urna locucao moderna, impropria; e
que se na antiguidade ella tivesse existido, teria
significado bello ristrel, porque ideal vera deeidos,
que, segundo elle, quer dizer simplesmente forma
visnel. (4) riatao, diz recentemente Mr Vctor
Consta, teria ficado bastante admirado, se soubes-
sc dessa interpretaco exclusiva da palavra eidos
(j) Quatremre de Quincy, autor do Jpiter Olym-
pico, livro que tanto admira o chefe da escola
eclctica da phylosophia contempornea, defende a
causado ideal, bateado o seu vigoroso adversario,
com dous admirareis textos : um do Tymo, em
que Plalo mostra a grande distancia que separa
o artista ordinario do verdadeiro artista outro do
cornejo do Orador, oude Cicero explica a raaneira
de proceder dos grandes artistas, pelo exemplo de
Phidias, isto do mestre mais perfeito da mais
perfeita poca da arte.
Para demonstrar que a uoutrina do ideal est
longe de ser urna especulacao dos crticos moder-
nos e que ella foi to familiar aos escriptores como
aos artistas da anliguidade niio podemos deixar de
razer e commentar a admiravel passagem de Ci.
cero a respeilo do Phidias, em cujo alcance e clare-
za se resume urna theoria inteira sobre a materia
que nos oceupa.
O grande moralista romano principia dizendo
que quer tragar o modelo de um orador como nun-
ca existir : talem nformabo, quali fortasses nemo
fuit. Na sua opiniao, o homem pode sempre ima-
ginar urna cousa raas bella do que ludo quanto ti-
ver visto. Dizendo mais bello, Cicero estende aquil-
lo que se approxiraar de certo typo intelleclual de
perfeicoes, que nos tratemos ao fundo de nossa al-
ma, c que consultaram os grandes artistas, elevan-
do esses monumentos aflirmadores do seu genio;
em urna palavra, para attingr perfeieo da su-
prema belleza, nao basta imitar a natureza nassuas
formas sensiveis; mlster ligar ao conhecimento do
que ou existe realmente, o sentimcnlo do que
pode e de ve ser.
E, com effeito, o que elle quer dizer ajuntando:
eque enim Ule artifex (Phidias), cumt facer jo-
tu forman aut Minerviv contemplaba!ur aliquem'
e quo simililiidinem duceret, sed tpsius in mente in
sidebat tptetts pulchritudinis eximia quwdam, quam
mtttens, m eaque defixus, ad illms similitudinem
arlem etmanum dirigcbal.n
(i) Redi, sur l'art Stat. Pars 181o, pag. 276.
(o) Dn giai. dn beau el du bien stima edicao
pag. 181.
FOLHETIM
O ESQUELETO
l'OU
GAMILLO CASTELLO BIIAXCO.
Contlnuaco.
XXVII
Nicolu de Mosquita, em 1850, yoltou para In-
glaterra rom seu lilho, a residir no roltage de seu
sogro. O menino, aos sete annos, entrou em col-
lego, e passara os dias feriados com seu pac.
N'uma estacan de ferias, o morgado sanio com o
fillio a passar uns dias em Paris, em companhia de
Providencia por que estou aqui, por que sou isto
que v !
Pois que hei de eu fazer-lho agora, senhora !
Quo quer de mim* Eu sou multo desgranado; mas
sou rico ainda. Quer recursos para viver decen-
temente ? Diga sem repugnancia.
Nao, senhor, nada Ihe pedi : quero que me
veja !
Mas, infeliz, que vida foi a sua que...
A minha vida isto -interrompeu Marga-
rida com vehemencia.Percuntei-lhe eu que vida
era a sua f Leio-lh'a no rosto. A minha historia
aqui est tambem escripia na cara da Margarida
Froment do 183i. Eu tinha entao vinte annos,
vnte mil libras para gastar cada anno... O res-
Concluir d'ahi qne Phidias abstrahia inteiramen-
te da natureza, ou da rerdade natural, seria
grande erro. Duas operacoes concorriara ne-
cessariamente para formar as obras do insigne
escultor. Urna consista, sem duvida, no estudo e I
no conhecimento individual do modelo que nos
cabe debaixo dos sentidos, isto do ser material-
mente considerado; a outra operagao reduzia-se ao
estudo e ao conhecimento intellectual desse outro
modelo que s nos pode ser revelado pela conscien-
cia ou senso intimo, pela razao, e que por isso cha-
ma-so ideal.
Ora, quando Cicero diz que Phidias non contcm-'
plabalur aliquem e quo siinilitudinem duceret, nao
quer dar a entender que a presenca, ou a compa-!
racao de um ser natural, nao enlrasse no estudo
do grande artista. O que quer elle dizer o que
to bem exprime a palavra aliquem. Nao era com
effeito a scmelhanca de tal ou tul individuo que
elle esculpa sua estatua, e o que acaba de tazer |
comprehender a phrase : e quo similitudinetn du-
ceret. Tambem nao era a urna representado phan-
tastica que Phidias quena chegar, porque neste
caso a sua obra nao exprimira para os gregos a
dea de urna essencia divina, senao a repeljao de
urna extravagancia muitas vezes realisada, e em
necessaria opposicao com as ideas humanas do an-
tropomorphismo. O trabalho da sua transcenden-
te imaginacao, tnha por fim representar urna con-
cepto mais elevada e racional, mais alequadas s
doutrinas da religio e da poesa hellenica. E isto
confirma o proprio Phidias quando perguntando"
Ihe Paneno onde havia encontrado o exemplar do
seu Jpiter de Olympa, limitou-se a responder pela
grandiloqna imagem de Homero :
... a minha promessa irrevogavel,
Entao franze as cerleas sobrancelhas ;
Da cabeea immortal sacode a coma
E estremece abalado o immenso olympo. (6)
Sublime archetypoda infinita antoridade, quese-
ra intrasladavel ao artista, senao Ihe fosse familiar
a idea sensivel da perfeico. Sed psius ih mente
msidebat species pulchritudtnis eximia qua>dam.
' Mas no fundo de sua alma resida nm certo typo
excelso de belleza. Eis o verdadeiro modelo de
Phidias, e o nico para inspirar essa grandeza alt-
sona e mais que humana, que mnitos comorehen-
dem, mas que s os homens de genio no-la fazem
conhecer.
O artista, tendo por objecto, nao o produzr a se-
melhanca idntica de um individuo d?do, seno. ao
contrario, o tornar sensivel por meio de formas
corpnraes, a idea coral e completa de urna belleza
coja perfeiQao absoluta n3o se pode encontrar na
natnreza, deve evidentemente renunciar ao metho-
do acanhado da imitacao exclusiva ; e preciso
que o esforco de sua imaginaran, fecundada sem
duvida por numerosos parallelos, crie um genero
de norma ou de modelo, no qual se reunam as perfei-
coes esparsas da realidade. Ora, reuni-las arbitra-
riamente, tirar de um individuo os olhos, de outro
a bocea, de outro as faces, sem urna regra que pre-
sidisse a tal esco'ha sena, inventar monstros (W-
sum teneatis (imici?) assim nao foi feita Pandora.
Admittir urna regra| admittr um ideal diverso de
todos os individuos, um typo que em vo procu-
rar-se-hia na natureza. Era esse typo que Phidias
trazia no intimo de sua alma : ijuts in mente in-1
sidebat. (7)
V-se porque combinacSes e artificios da imagi-.
nagiio se produzem as coraposices idaes, que ape-
zar de serem na pintura e na esculptura applica'
veis s imagens dos corpos, nao se podem dizer
menos mataphysicas do que as da poesia escripia.
O typo ideal, urna vez presente consciencia do ar-
tista, torna-se o regulador infallivel das operacoes i
materaes da exec.ugSo : arlem manunque itirigit;
e com ello o homem decide fcilmente do gHu de
perfeigaodos objeclosnaturaes, onde em vez de bel-
leas que exprimiam a essencia vital da especie,
eneontram-se quasi sempre mil iufraccoes as leis |
fundameutaes da gerajo.
(6) Iliada, canto I, verso 528530, da original;
e 456458, da soberba verso do nosso Ilustre
compatriota o Sr. Odorico Mendes.
(7) Quatremre de Quincy : Essai sur le but et
les moyem de limitation dam les BeauxArts.
Refutada qnasi nos parece a baixa opinio que o
Ara da arte e sua condicao nica, o imitar a na-
tureza, no sentido vulgar da palavra, que quer di-
zer consa real; e eis demonstrada a legitmidade
da expressao bello tdeal, e bem assim da sua appli"
caco aos monumentos da esculptura grega.
Voltemos porm ao nosso objecto principal, c
consideremos a influencia da relgiao e da liberda-
de poltica, sobre a cultura e o progresso das bel-
las artes na Hellade.
(Conttnuar-seha.)
UM POUCO DE TUDO.
Publica o Commercio do Porto o seguate :
L'm Francez que parliu para a China com as
Iropas que a Franca por i traz, soube fazer Untas
e tao rpidas economas que, ao cabo de alguns
mezes, chamava seus a uns ciocoenta mil francos-
CioceeDta mil francos em Pars n2o nada,
urna esmola para um da. Mas na China ainda ha
certas proporces entre o trabalho e o producto, e
cincoenla mil francos em hom metal representam
um valor relativamente consideravel, um poderoso
e ptimo instrumento de fortona.
O meu amigo francez, em lugar do ir gastar as
amarellas na constrnc?ao de urna casa em Asnie
res, nos Batgnolles eu na ra da Paz, dedicou-as
ao paiz em que as tinha amuado. Estabeleceu urna
feitona no reino de Cambodge, e por algum tempo
nao leve occasiao de arrepender-se daquella reso-
lucao. Os negocios am bem encaminhados e pro-
mettiam regalada velhice, quando, por o mais dia-
blico dos acasos, um motim, urna miseravol se-
dicao, poz era pengoos ha veres dos negociantes.
Nao se sabe bem porque foi que fizeram das
suas os desordeiros de Cambodge.
Qucreriam ser annexados ?
Nao querenam ser annexados 7
Ouviram fallar em trasladajoda sua capital ?
Ignora-se.
Os peridicos nao dizem nada a esse respeilo. O
que parece que o motim era subversivo dos
principios sociaes, porque o meu amigo francez
combateu-o enrgicamente e veiu a ser caudilho
de urna especie de milicia, que linha na bandeira
aquella famosa divisa Liberdadel ordem pu.
blica I que urna divisa que, como todo o
mundo sabe, garanta sempre em Franca a ordem
e a liberdade.
O re ficou contentissimo com aquelle soccorro
s instituicoes de Cambodge ameacadas pela cana-
Iba, e quando a guarda nacional improvisada ga-
nhou a victoria definitiva, mandou chamar o meu
amigo, agradeceu-lhe cordialmente e manifestou
vontade de allar tao precioso auxiliar sua pes-
soa e ao governo.
O negociante nao esperou que o rogassem muito.
Apezar de ludo nao delxava de ser francez e
Dem sabia que nisto de honras o singular vale me-
nos de que o plural Mas como no reino de Cam-
bodge nao ha condec'.rajoes, e a cruz nao dcixava
de ser um instrumento de supplicio para malfeito"
res, claro que s podiam servir-lhe as insignias
de mandarim.
Eu, disse-lhe o rei, teria muito gosto em no-
raea-lo mandarim : todos os dias estou a nomear
gente que de certo vale menos e que nao tem pres-
tado Untos servicos. Mas... ha orna pequea
d.flculdade, um cscrupulosito, urna bagatella que
nao me deixa fazer nada. E' a sua religio.
A minha religio f ora adens I isso n3o
obstculo que nao deixe trepar.
Na Europa, nao ; isso sei eu ; mas aqui, nao
se dispensa a orthod oxia aos funecionarios. L
nisso estamos nos mais adiantados do que os seus
conipatrious.
O mou Amigo fiaucex nao quiz contrariar S. M.
el rol de Cambodgo c disse-lhe :
Se sou christao, nao o parece ; e de hoje em
diante ainda menos.
Ora ahi est o que se chama fallar eom ca-
beQa, disse o rei : entao abjura ?
E que tem isso ?
Muito bem fica sendo mandarim.
Parece que no reino de Cambodge nao ha nada
mais simples. Nem assignatura regia, nem decre-
to, nem insergo na folha offlcial. Um homem
uaia familia ingleza, proprietaria da residencia em peito do mundo, o amor de meu marido, que reduzi
que fallecer Martinho Xavier, e a quem Nicolu
devi* o obsequioso cuidado de attentar as neces-
sidades do lilho sera me e sem carinhos de mu.
Ilier, aos quaes se aquece o coracao das crianeas,
e as virtudes fermenlam n'elle.
O aspecto macilento e sempre sombro do por-
luguez, acare.ra a discreU piedadeda familia in-
gleza.
Advinhavam n'elle um. desmarcado infeliz, tal-
vez um delincuente ; mas, remorso ou pena imme-
recida, o que elle esperava as almas contemplati-
va era compaixao.
E do Nicolu ao sahirda egreja de Notre-ame, onde
Bra ouvir pregar Lncordaire, ouvo entre a mulli-
dao urna voz mu prxima do ouvido, quo lhe
t:. ia :
Nicolu de Mesquita.
Olhou de golpe, e vio Manzarida Froment. Es-
treraeceu. Aquella mulher de"ia ter quarenta an-
uos ; a decadencia era jusideada ; mas a velhice,
quasi repeliente, nao.
Custa-me a reconhece-la, madama I disse
Kicolau com os olhos aogaio< em lagrimas.
A Pranceza deteve-se entalada pela angustia da
faumili cao, e disse :
Nao venho edir-'he nata : quiz que me vis-
ge. Reduzio-me a isto, Sr. Mesquita.
Eu I.. Santo Deus Iaulhou Nicolu enchu-
gando as lagrimas.
Aqui tema Margarida Froment de 1834 prese1-
guio ella-casualmente nosachamos porudo templo appeltldo de Ernesto, disse-lhe :
libertmagem extrema para me esquecer, e a der-
radeira indigencia para com o tinido do ouro en-
surdecer-se ao grito da infamia, que Ihe deixei per-
petuamente nos ouvidos. Pode ser que Ernesto
Froment ainda Ihe peca urna esmola Sr. Mesquita.
D-lh'a, que o desgragado ja nao saber quem Ih'a
d. D-lhe a elle a esmola que eu rejeito, por que
o hospital resrvame duas taboas, e a pedra da
mesa anathomica um fnneral condigno.
nicolu solucava. Margarida bateu-lhe no hom-
bro, e exclamou surdamenle :
Vio-me ? Agora... adeus I
E sumio-se entre a multdSo.
Como descera at ali Margarida Froment ?
Urna palavra o diz : envelhecera.
Os ltimos quatro annos da sua vida tinham sido
o va>quejar, os relmpagos da luz que vae apaear"
se. Os amantes nao quizeram assistir as trevas.
Viram-lhe a primeira rugra na fronte, o amortijar
se o raio coruscante dos olhos, o artificio da pelle
o lustroso sobrenatural das madeixas.
Fugiram-lhe, e ella, orpulhosa sempre nao solli-
citava piedade.
Desenganou-se, despida dos artificios. O espelho
foi-lhe a garganta do abysmo. Vio-se, e despe-
nhou-se extrema devasido, cuidando que mor-
ria assim mais depressa.
Ernesto encontreu-a no prtico do lont-de-Pie.
t. Ella sabia de empenhar o chale, elle entrava a
empenhar o casaco. Nao se reconheceram. O em-
pregado na recepcao dos penhores, ao escrever o
em que ambos saltamos da caroagem de meu marido
para vi-itarmos as antigaidades d'esta egreja. Re-
corde-se da mulher de ento : sou eu. E' esu
Margarida que empenhou hontem o seu melhor
vestido para ter hoje um almoco. J Ihe disse
que nao venho pedir nada : quero que me veja.
Mas a senhora attribnla-me homvelmente I
E' sua
Sahio n'este instante urna Froment.
parenta Margarida Froment ?
Sahio agora ?
Agora mesmo.
Desgranada?
Aqui nao vem ningnem feliz.
Que signaes tera ?
Urna cara de fome, e um mantelete de cor dn-
exclamou Nicolu enulado de gemidos.Nao foi
.^Margarida quem abandunou a casa de que era se- videsa. Empenhou nm chale por quatro francos-
albora ? Expulsei-a eu T | Ernesto desceu rpidamente. Era difflcil en-
Nao Ihe respondo, Sr. Mesquita. Olhe de contra-la. Fitou era rosto as mulheres todas que
Cima do despenhadeiro, ende me poz, e pergenie e denunciaran) fome, e trajavam maateltes de cor
duvidosa. Nao vio Margarida |em nenhuma, e po.
zera os olhos n'ella, a ultima que vira comprar um
po.
MargaridVeparou no homem que a fitava. A
desfiguracao de Ernesto era menos sensivel. Co-
nheceu-o, e disse-lhe ;
Queres metade d'este pao, Ernesto ?
Quem s tu 11perguntou elle.
Urna condemnada por lieos, que te pede a
morte.
s Margarida ?perguntou Ernesto serena-
mente.
Sou.
Nao te matei, quando era honra matar-te.
Agora, vive, e segu o teu caminho. Deus ha de
cumular sobre ti a pena do teu crime, e a pena
egualaos tormentos quesoffro, sera ter sido culpado.
Vae teu caminho.
Vivia ainda em Lio a mae de Margarida. Pela
terceira vez a desamparada se Ihe foi lancar aos
ps. Foi repulsada sempre pelas criadas de sua
mae:
Tinha um >rmao rico as Antilhas. Pediu-lhe
tres vezes perdo do seu infortunio, e urna esmela
A segunda e terceira carta nao foram abertas.
O Francez morreu solteiro e rico, no momento
de retirar-se Franca.
A me de Margarida herdou muitos milhares de
francos. Os jornaes contaram o successo. Margari-
da foi quarla vez ajoelhar-se poru do quarto de
sua mae.
Nao lenhd ilha, respondeu a descaroada. Nao
cuides que ters quiuho na riqueza do meu filho.
Eu gaslarei o que tenho em obras piedosas.
E, quando scismava em dar brado com as suas
obras piedosas, morreu n'um como deliramento de
amor a humanidade.
Margarida Froment recoiheu quatrocentos mil
francos. Maudou procurar o mariao a Paris. En-
cuiiti-arain-n o secretario de urna companhia de ca-
vallinhos, a franco por dia.
Ernesto recebeu lettras de duzentos mil francos,
e estas breves linhas:
Dava-te meude do meu pao: hoje dou-te rae
tade da minha fortuna, e a outra, se a quizeres.
Ernesto aceilou a sua quou parte, e desistiu da
outra, muito em conforraidade com a lei, dispen-
sndole at de administrar a massa do casal, o
que em boa jurisprudencia lhe era permiltido.
Margarida, se fosse solteira, podia cscolher bons
casmentos. Dizia se em Lio que ella era os me-
Ihores quarenta annos e as mais bellas ruinas quo
ainda tinham visto os oihos dos seus pretensores,
offuscados pela prefulgencia de duzentos mil fran-
cos.
Ernesto foi para Londres. Metteu nos bancos o
seu capiul, e deu-se a urna vida de conforto mo-
destos, e reparaco da saude. Tomsado pela regu-
landade e sadia allmentacao ingleza, achou que a
inercia lhe pesava. Como Uvera fabrica Je eslofos,
quer ser mandarim ? Zas I mandarim. Aquillo
dito e feito.
Era bonito ver como o nosso amigo fazia papo
por se ver francez e maadarlm I De mais a mais
o negocio corria-lhe s maravilhas. Nao ha ne-
nhuma trra onde as dignidades sejam nm tropego
especulacao. O Franeez entrava em todas as
emprezas e emprehendia ludo o que quera.
Por desgraca, ou antes por fortuna, alguns mi-
sionarios exerciam o eu apostolado no reino de
Cambodge. Como eranuilo natural, viram com
supremo horror o acto daquelle renegado. Nao
seria em Frauca, por exemplo, que a gente verla
um ambicioso vender a sua consciencia por um
mandarinato I
Os missionarios tinham carradas de razo, e a
prova que a Franca nao tem mandarins, Ilitera-
tos ou leigos, e que a consciencia mercadoria
quo nao corre.
No excesso do seu zelo, os bons dis padres ima-
ginaram logo que o renegado era capaz de todas
as traicoes, e a pretexto de que o nove mandarim
hostilisava os seus compatriotas, denunciaram-n1
ao chete da estaco naval que representava a Fran"
Qa naquellas paragens. Este, movido da arcao de
um Francez que prejudicava os legtimos interes-
ses da Franga, nao esleve com meias medidas, e
mesmo as barbas do rei de Cambodge, que talvez
nao tinha barbas filou o commerciante infiel ao sen
Deus. Encurralado no porao, ahi vae elle para a
Franca no primeiro navio.
Mas em Franca d-se menos ouvidos aos missio-
narios do que a voz da justica e do bom senso.
Bastou urna simples reclamacao para que o viajan-
te fosse solt e al para voltar China.
K neste estado que est agora a questao.
O mandarim nao quer voltar s sua nova
patria.
Vinga-se noremente, ou antes aproveita-se da
sua desgraca para fazer um convite a todas as pro-
Gssoes, a todas as familias, a todas as ambcoes-
Trata de embaucar mdicos, ourives, marceneiros.
todo o mundo que queira expalriar-se. E mostra
ao longe a todo o mundo, com a garanta da 3ua
fortuna pessoal, esplendidos horisontes a que todo
o mundo pode chegar sem desatar os cordoes
holsa, e magnnimo como ninguem, at paga todas
as despezas da viagem... a quem nao for missio-
nario.
Leitor que soffres ou que nao gozas na patria ni-
do o que quizeras gozar; poeta cuja alma ninguem
comprehendeu ; industrial que tens a fortuna ad-
versa ; vos todos que parecis mandarins e sentis
vocacao para o mandarinato sera a esperanca de
poder alcancar essa rara distincco na Europa, on-
de nao ha falta dn ttulos honorficos ao alcance de
todos os esforcos China I
O mandarim francez nao declarou se os joma-
listas podiam ser do numero dos emigrantes.
Na Presse l-se o seguinle :
Um tal Bill Davis, residente em Yreka tnha ga-
riho 4,500 dollars n'uma corrida de cavallos em
Placerville, no dia 15 de junbo.
Hank-Stevens, Ball, Dutch Abe e Spanesh Bob,
furiosos por perderera esta somma juraran) matar
Davis em publico.
No da 21, ao tempo que a este eslavam engrai-
xando as bolas, na ra de Montgomery, em ?.
Francisco, viram-no os seus quatro inimigos.
L esta disseram elles, o ignob'l ladro.
E dispararan) sobre elle os seus revolveres.
Davis tirou o seu o alcancou Ball, que "cabiu*
Sois desastrado I gritou elle.
E acertou com urna segunda bala no peito de
Dutch Abe.
Pegou depois no revolver que Ball linha deixado
cahir e gritou :
Onde esto es outros Dauuios i
Elle tambem estava ferido o corra-lhe o sangue
da ipo esquerda c da face direita.
Dspunha-se j a deixar o sitio, quando desco-
briu Stevens e Spanesh Bob, e atirou sobre elles-
Stevens cabiu, mas Spanesh Bob respondeu.
Comecou ento um duello encarniQado a 20 ps
de distancia.
Davis ria.
O quarto tiro que disparou estendeu o seu ad-
versario na ra.
entrou em negocio de algodoes, nao para anumerar
os seus cabedaes, mas para entreter-se.
A familia ingleza, relacionada com Nicolu de
Mesquita, possuia fabrica em Manchesler, e com-
prava algodoes aos mporudores. Ernesto Froment
negociava com os Smtts, necessariamente haviam
de ser Smtts ou Jobos.
Urna vez eslava Ernesto no escrptorio dos Smtts
ou Johns e entrou um.homem de barbas intensas
e alvissimas, com um menino pela mo.
O fabricante inglez chamou-lhe *Master Xicolu
de Mesquita.
Ernesto, como se lhe dessem com una bala na
face esquerda, voltou a cabeea direita, e pergun-
tou em inglez:
E' de Portugal este a Unight (cavalleiro) ?
Sim, das visinhancas do edn do vinho, res-
pondeu o industrial.
Mediu-o de alto a baixo.
Nicolu estremeceu involunUriamente, e per-
gunton:
E' inglez, o senhor ?
Ernesto nao respondeu. O brlannco que disse:
E' Francez. E eu lhe aprsenlo Mr. Ernesto
Froment, honrado mercador de algodoes.
Nenhum dos apresentados se movou. O Inglez
espantou-se, e disse entre si: Inelegancy I impr-
perl...
Ernesto Froment sahiu, sem inclinar a vista a
Nicolu.
Smiti ou John perguntou ao Portuguez a sgni-
ficaco daquella frieza.
Mesquita respondeu cem um sorriso, e urna livi-
dez de torvacao espavorida.
Subiu com o filho aos aposentos das ladys, e,
convulso de lagrimas, pedlu que lhe nao desarapa-
rassem o filho, se elle morresse.
Alvorotaram-se as senhoras, e a um tempo nter-
rogaram a terrivel presumpeo de morte breve.
i Nicolu gelava com a sua taciturnidade. Cuidaram
as damas que o secreto desgosto da existencia des-
te homem lhe traostornra o espirito. RelaUram ao
honrado velho as lagrimas e rogos do Portuguez.
O commerciante foi procurar Ernesto Froment,
e pediu-lhe encarecidamente o mysterio da sua
vida com a de Nicolu de Mesquita.
O Francez fingiu estranhar a desconchavada per-
gunta; porm, insudo pelocommovido inglez, con-
tou a sua vida, desde a infamissima perfidia de Ni-
colu, seu coramens?! durante a emigracao, at
escaleira de opprobriosa que descera, despedazan,
do o trabalho de seuspaes. para esquecer a affroRU.
O Inglez chorava, e odiava Nicolu de Mesquita.
Qual agora o su htenlo a respeito do Por-
tuguez? perguntou o velho.
Mata-lol
Oh l... exclamou Smitl ou John.
MataUo ineviUvelmenle! Repetfu Ernesto.
Obi...
Passada urna breve pausa, o Jnglez sahiu, dizen-
do-lhe : espere-me duas horas, que eu venho.
Antes das duas horas, entrou o Inglez no escrp-
torio de Ernesto Froment, com um menino de dez
annos pela mo, e dis=e enternecido a prantos :
Este menino filho de Nicolu de Mesquita,
e vem aqui de joelhos pedir a vida de seu pae.
Marlinho ajoelhou. Esnesto levantou a rrianca,
estendeu mo ao fabricante, e disse em voz tre-
mente .
As nossas negociacoes estao fechadas.
Oh I... porque
Por que retiro amanha de Inglaterra.
Assim loi. Ernesto sahiu para Italia.
O Inglez, porm, procurou Nicolu, entregou-lhe
o menino e disse-lhe :
A sua vida nao corre perigo, Sr. Nicolu ;
nho, porm, a observar-lhe que nao posso ser seu
amiao, nem a minha casa pode receblo.
Fez urna breve cortezia. e sahiu.
CONCLVSAO.
Nicolu de Mesquita, cortado de desgostos, e in-
clinado sepultura com desejo de fechar-se nella,
sahiu de Londres com o filho. A desgraca nao lhe
dava treguas.
Trouxe de Pars mestres para Martinho, habis
as seiencias, e prendas de educaco esmerada.
Voltou torre sollarenga, e chamou a si duas
velhas senhoras, prenlas de Martinho Xavier, pa-
ra ihe regerem a casa e especialmente velarem o
bem-estar do filho.
Passou dous annos por tal manera abatido de
espirito, que deu coinsigo, quasi anniquilado de
raciocinio, nos extremos preconceitos da religio
desfigurada por visualidades. Acercou-Se de mis-
sionarios de todos cgos luz do Espirito Santo,
emquanlo ao theor de aligeirar o peso de certas
amarguras. Dos missionarios resvalou s supers-
tieoes laslimaveis no hornera que Uvera inteligen-
cia clara, e sciencia pratica. Prestava ouvidos e
corago a cousas de agouro, e sortilegios. De en-
levos na contemplaco do supremo Senhor do cu
e- trra, descia a pactuar com urna bocal velhi-
nha, santa famigerada, o quebramento do seu fa-
dario. Esta escuridade pronunciava as trevas do
sepulcro.
A piedade nao o forrava aos impetos de um odio
sombra de Beatriz. Nunca mais entrou ca-
pella onde esperavam o ultimo juizo as cinzas da
infeliz. Os missionarios nao souberam extirpar-
Ihe da alma o cancro do rancor : davam-lhe amu-
letos, e orages profugas do espirito immundo.
Mandara erigir nm sanctuario na recamada do
seu quarto, e ah se exercitavaera soliloquios mon-
Ues, entoando com fervorosos assomos de Ilumi-
nado as amorosas apostrophes ao divino dos pa-
dres Chagas e Bernardes. Se nao tivesse descan-
sado no Senhor aquelle santo parocho, o presiden-
te ria pela mo do velho a estrada recta da divi-
na misericordia
Davis, que J se nao podia ter em p, tinha-se
deiudo. e nesta posicao continuaram a atirar, at
qne Rob foi morUlmente ferido na caneca.
Assim o combate cessou por falta de comb-
tanles.
Ball c Spanesh Bob esuvam morios, Dutche Abe
e tevens mortalmenla feridos.
Dulche Abe tioba recebldo nos rins urna bala
que lhe causou urna hemorrbagia interna.
Stevens tinha sido atravessado com urna bala no
lado esquerdo do peito.
Spanesh Rob tinha quatro feridas, duas do lado
diieito do peilo, urna no bracodireito e urna na re-
giao dos olhos.
Ball linha recebido urna bala no coracao.
Davis tinha seis feridas, duas na perna direita,
uraa no hombro esquerdo, urna no punho esquerdo
e urna na face direita, onde tinha um buraco da
circunferencia de urna moeda de 18 cntimos.
Stevens morreu 24 de junho s 10 horas e i'J
ni untos da manha.
Dutch Abe expirou na vespera.
Davis parecia dever sobreviven

A questao do combustivel preocupa todos os pai-
zes. Por toda a parte se tornam raros os arvo-
redos.
Por longo temp se devastou a machado e a fogo
sem se pensar no mal fque se fazia, e, sobretudo,
sem cuidar de novas arborlsaees para assegurar
o futuro.
Felizmente, no ponto de vista do combustivel,
as minas de carvo de pedra, descoberUs na
maior parte dos paizes, offerecem valioso recurso.
Estas crystalisagocs subterrneas apparecem em
espessas carnadas na Europa, na Asia e na Ame-
rica.
Este ultimo continente, que menos que qual-
quer outro, devia precaver-se contra o perigo de
falta de combustivel, porque eram to vastas e
numerosas as suas florestas ainda ha pouco tem-
po, v-se j em circumstancias de lhe faltar com-
bustivel em algumas partes.
As florestas virgens vao sendo mais raras e as
exploradas nao sao mais numerosas, porque o
corte de madeiras tem desguarnecido um numero
in aleulavel de heclares.
No littoral do Pacifico, onde outr'ora s se cui-
dava em procurar ouro, fazem-se agora excava-
coes para achar carvao de pedra.
Os montas esto ns, a madeira falta e os meios
de transporte, sao muito rasuflicientes e dispen-
diosos para se oblar combustivel por mporlacae.
O Gold Ihll News annuncia qu no districlo de
Nevada a questao do carvo de pedra tomou
urna grande importancia e que se tracta activa-
mente de procurar minas de carvo que rem-
detela a falta de lenha.
.i cmara municipal de Nova York tinha publi-
car o duas resoluces, as quaes acradecia era no-
me da cidade aos soldados e marinheiros que al-
cancaram triumphos em Shenandoab em Allante e
em frente de Mobile, e ao mesmo tempo rogava ao
maire.fizesse um proclamaco convidando os habi-
tar tes a Iluminar as casas, como manifestaco de
recosijo pelas ultimas victorias federaes.
O maire, M. Gunther, julgou conveniento oppor
o eu reto a estas resoluces, con o pretexto de
qu \ se publicasse a proclamaco, os habitantes de
Nova-York, que nao liuminassera as suas casas,
poderiam ser acusados de ser mus cidados.
A'lm d'lsto acrescentou o maire, a corporaco
municipal prometinos novas victorias, e ento
para que havemos de illuminar agora se em breve
) de
le i de haver neva illuminaco ?
Esperemos mais para o fim.
Segundoas ioformacescolindas em S. Petersbur-
go, os incendios em Simbirsk nos dias de 13 22
de acost ncrasionarara nenia-; avaliadac aproxi-
madamente em 7.20(1 con los de res.
A quantidade ne edificios deJtruidos pelo fogo
sobe a 1,156, c figuram n'este numero 12 ierejas,
um convento de religiosas, e do Salvador, 27 edifi-
cios perteucentes ao estado, 3 casas commerciaes,
1,113 predios particulares.
A esta lista preciso ajuntar os edificios desta-
cados oceupados pelas galeras onde estao estabe-
lecdas as lojas da feira, e as numerosas tendas si-
tuadas na praca do mercado.
No porto fluvial, foram devoradas mais de 30,000
peca* de madeira apparelhada, e grande numero
de objectes de madeira.
Urna larde, Nicolu de Mesquita, apoz a sobre
exactido febril de algumas horas, chamou crea-
dos com alavancas, e desceu a capella, onde nao
hava entrado desde a morte de sua mulher.
Maodou levantar a pedra do jazigo, e extra-
hr a ossada que estivesse mais flor da sepultu-
ra. Os creados, suando de pavor, curvaram-se a
remecher os ossos : mas, superstico, ou abalo so-
bre-natural, nao ousou nenhum tocar-Ibes, e um
apoz outro, fugiram da capella, ao verem desfigu-
rarem-se raedonhamente as reicoes do (dalgo.
Nicolu Iravou da alavanca, e tentou metlc-la as
junturas argamassadas do jazigo da esquerda, on-
de eslavam as solitarias cinzas da nica adultera
daquella familia. Neste esforco e reluctancia com
as dlflkuldades de abalar a pedra, exlenuou-se.per-
deu o alent, e cabiu de rosto contra o degru do
altar, exclamando vozes inintelligiveis.
As velhas senhoras, o filho, os mestres e os cria-
dos acudiram capella, e iomaram-no em bracos.
Nicolu revolva a lingua na abobada palatina, e
tirava uns sons roucos, arripiadores, como gritos
de ave nocturna.
Chamarain mdicos e sacerdotes. A medicina
captulou de paralysia oincuravel ataque. Os pa-
dres angiram-no, que a lingua nao podia aecusar
as angustias da alma.
N'uma lucia de spasraos e ancias se desprenden,
ao fim de vinte e quatro horas, o atormenUdo es-
pirito de Nicolu de Mosquita.
Ao cahir a pedra sepulcral sobre o cadver, jus-
ta-posto aos ossos de Beatriz de Souza, a piedade
impoe-nos silencio. Vimos o que a justica do
Deus na trra : n'ouiros mundos -nos defezo de-
vassa-la.
Martinho de Mesquita foi tutellado de Ricardo
d'Almeda, um de seus mais prximos parentes,
por parte de sua mae. E' hoje marido da morga-
da do Puntido, filha de Ricardo e Laura.
Ainda vivera os ditosos que o morgado de
Fayes invejara nos seos ltimos dias de vida.
Naquella casa ha nm s incentivo a lagrimas : a
memoria de Raphael Garco.
Dizem-me que o filho de Beatriz, desde que ou-
riu a historia de sua mae, tera dias de atribulado
recolhimenlo. Possue o retrato della, pendente da
manilha, tirada do esqueleto de Raphael, e conser-
rado na casa de Pontido. l'ma vez, sua mulher
sorprendeu absorvido na contemplaco do retrato.
Poz-lhe a mao naespadna, e elle, rolUndo a bella
imagem de sua me aos olhos da esposa, disse ba-
nhado em lagrimas :
Como nao havia perde-la o mundo, se ella
era tao formosa !
FIM.
PERNAMBUCO.- TYP. DE M. F. DE F. & FILHO
,

.^


MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDYIVCVMC_QLMIST INGEST_TIME 2013-08-28T02:33:06Z PACKAGE AA00011611_10520
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES