Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10518


This item is only available as the following downloads:


Full Text
kmO U. jHjlEBO 262
Por tres mezes adiautados .'. $$000
Por tres mezes vencidos 6JJ000
Porte ao corrcio por tres mezes. 9750
TERCA FEIRA 15 DE HOYEMBRO BE 184.
Por asno adaptad*.....19$000
Porte ao correio por om anno 3$00()
ENCARREGADOS DA bUBalRu'vAO NO NOR1E
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, e Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr.A. de Lemos Bra-a; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
INCARREGADOS DA SUBSCR1PQAO NO SL.
Aiagas, o Sr. Ciaudino Falco Dias; Bania, o
rr. Jos Martras Al ves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martias & Gasparino.
rARIuA DOS ESTAFETAS.
Oiinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Samo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacarat.Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Serinhaem, Bio Formoso, Taraandar, na.Barrei-
rs.Agua Preta e Pimenteiras as quintas reirs,
liba de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao >/t dia.
EPHEMERIDES DO MEZ TE NOVEMBRO.
6 Quarto cresc. as 9 h., 33 m. e 2 s. da t.
13 La cheia as 3 h., 13 m. e 36 s. da t
21 Quarto ming. as 4 h., 56 m. e 56 s. da m.
29 La nova as 4 h., 57 m. e 26 s. da m.
PREAMAR DB HOJS.
Primeira as i horas e 30 minutos da tarde.
Segunda as 4 horas 54 minutos da manhia.
PaaStti ?u VA!?0RI^ j-S^"iW,. aUD.NC .. DOS TRIBUNA^ DA CAPfiAL
yara o sui at Alagoasa e2a;ij * ?a a de cada me:; para Feraar'do nos 'lrii)aiia' docommeicio: segundas e qnmtas.
das "^^an.^r^mto^nl. set. e nov. Reiago: tergas e sabbados as iO horas.
Fazenda: quinta* s 10 oras.
7/,,8e
PARTIDA DOS OMNiBUS.
o 11 5* Recife: d0 Apipucos as 6 >/,, 7, .
8 Vi da m.; de Oiinda s 8 da m. e 6 da tarde: de
Jaboatao as 6/, da m.-, do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos s 3 Vi, 4,4 >/?, 4 A,
5, 5 Vj, Vi e 6 da tarde; para Oiinda s 7 da
mannaa e & i/ da tarde: para Jaboatao s 4 da
tarde; para Cach&ng e Varzea s 4 '/ da tarde;
para Bemfica s 4 da tarde.
Juizo do commercio: segundas s i i horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas".
Primeira vara do civel : tercas sextas ao meio
dia.
Segunda Yara do civel: quartas sabbado a 1 hora
da tarde
DIAS DA sEM^NA.
14. Segunda. S. Ahiliodiar.; S. Gorias m.
15. Terga. S. Gerlrades v.;S. Clementino m.
10. Quarla. S. Gongalo de Lagos; S. Elpido ra.
17. Quima. S. Gregorio Thaum.-itnrgo b.
18. Sexta. S. ohriD) ab.; S. Barrella ni.
19. Sabbado. S. Isabel viuv. rainba de Hungra.
20. Domingo. S. Octavio ni.; S. Theope ni.
AS8IGNA-SK
no Recua, em a livraria da praga da Indeoenden
ca ns. 6 e 8, dos propietarios Manoel Fi de Faria & Filho.
PARTE OFFIGIAL
GOYERM DA raovmciA.
Expediente do dia 11 de oovcmbro de 1801.
Officioao Exffl. conselheiro presidente do supre-
mo tribunal de justiga. Transmiti V. Exc. o
requerimento documentado trae para este iim re-
cebi com ofllcio do juiz de direilo da comarca do
Limoeiro, bacharel Jos Quintino de Castro Leo,
datado de 29 do mez lindo, e em que este pede
que se leve em conta de sua antiguidade, o lempo
que servio na comarca do Seiid, da provincia ao
Dito ao inspector da sade publica.Remetame
Y me. imorcterivelmentn at n ultimo aiuaim
vindouro, um relatorio do estado sanitario da pro-
vincia, mencionando as molestias "" "** ,any
ultimo de Janeiro
io da pro-
- que mais se tem
desenvolvido no corrente anno.
Dito ao director do arsenal de guerra,Reeom-
mendo Vmc. que faga apressar a remessa dos
objectos que esse arsenal tem do fornecer enfer-
mara militar do corpo de guarntgao da Parahiba,
visto que assim o solicitou o Exm Sr. presidente
daquella provincia, em ofllcio de 9 do corrente.
Dito ao chefe interino da repartigao das obras
publicas. Inteirado do contedo do sea ofllcio de
9 do corrente, sob n. 317, tenho a dizer em respos-
. ta, que cumpre que Vmc. offieie ao emnreiteiro do
Hl ffStfi Norle-Lommun'c^-se ao predito calamento desia cidade no sentido indicado em
juiide direito. ._,,_. seu citado officio, afim de evitar-se o damno que
D.toao Exm. v.sconde da .Boa-Vista comman- possa causar o cano de esgoto que se va truir
dante superior da guarda nacional do Rec.fe.-S r- na travessa do Ouvidor. e contra o qual prote'a o
va-se V. Exc. de mandar dispensar do aquartela- proprietario de um dos sobrados da mesma travs
ment, como sehc.tou o inspector da thoouraria sa, sendo claro aue ao mencionado empreiteiro
COMMANDODAS ARMAS.
Quartel do conimaado das
] dencial que poe termo sua misso,
seguinte djseurso
pronunciou o timo batalhao Chri.tov.lo Jos de Andrade, para a Por ffl|fl miak,in pn(> .: Slri ,n
--, x--" urime ra ciimnaniiia l ministerio expeaio-se avio
armas de Pernambuco, Senhdr. a rainha minha augusta soberana Pira n uTJ^.li ,ionn.., a 8e"eral da marinha e en cnlormidad
na cidade do Recife,l-i de novembro de 1861. dignou-se por tewTJStoCJa^l' J^tS^^SS&LSS^t!^ I,erio ** '. determioaad
ORDEM DO DIA N. 14.
O coronel commandante das armas, faz constar mo declara a carta regia que tenho a alta honra
a guarnicao para os fins convenientes, que acaba! de apresentar. V. M. Imperial,
de se Ihe apresentar hoje vindo da Babia o Sr. al-1 Animada do desejo de continuar a manter os
feres do 9o batalhao deintanteria Manoel da .-ilva i vnculos 4a melhor harmona, e de urna franca eldro du Rio Grande do Su
Rosa Jnior, o qual rica recolhido ao mesmo bata-! cordial amizade para com V. M. Imperial, servio
dicnou-=e nAp V '.""I"** u.i"!",.'irana,. rara o oauhao do deposito, o capito do dcimo
me havia S^ T ,drlP'?mIa"Ca qQC Seg,,ndo l)a,alhSo Cand'do Hermenegildo Pinto, pa-
1 ~. aJ'?._.DCarregado junto a V. M. Imperial, co- ra a quarla coinpanhia.
Por outro decreto de igual data foi nomeado Ro-
i drigo Antonio Fernandes Lima, para o lugar de es-
j crivao do arsenal de guerra da provincia do S. Pe-
lhao.
nacional deste municipio. Comrounieou-se
inspector da thesouraria provincial.
Dito ao mesma-Attendendo ao que Vmc. expoz
i era seu officio de 8 do corrente, sob n. 315, o aulo-
(Assignado.) Joaquim Jos Gon$alves Fonles.
(Conforme.) Jos Francisco de Maraes Vascon-
cellos, capitao ajudante de ordens interino.
IBTERIOR.
RIO DE JANEIRO.
26 de outubro.
ni v i". g- caP"ulardesla d,ocese- nso a ^ndar fazer por administrado os reparos
i. 5 i so sirva de remetter-me ate o urgentes de que necessila a ponte do Caxang, os
ulimo de janeiro vmdouro, algumas informacoes quaes conMam do orcamento que veio annexo ao'
sobre o culto publico na provincia, indicando ao seu citado ofllcio, na importancia de 1:7005000.-'
mesmo lempo suas mais urgentes necessidades Communicou-se thesouraria provincial
^^Ll-^l3"! r r levadaS ao. C0Dl'ecimenl0. da Di'o a mesmo.-Mande Vmc., como solicitou o
asserabla legislativa provincial em sua prxima Dr. chefe de polica, fornecer ao respectivo admi-
ni'n a rnrmu! nnmmA a w I nislrador- P reparos da casa de delencao, 10al-
pVlT^lTrW" armasMan-1 que.res de cal preta, 10 ditos de dita branca de Ja-
T, n L1 a! jK i r cnefedPllc'a amanhaa j guar.be para calar, e 200 t.jollos de alvenaria
i do da, 1 inferior e 10 pracas de prel Communicouse ao Dr. chefe de oolicia
iminncAc il.i i ndoiln .1., V i Ivii *A -^_____u
rarnih .S J,LI'min0S, "11 C'dade ^ 1)il0 f conse,ho de ^'"pras Davaes-Autoriso
n ,7^ J?,co1"se a DrSb,e e de P0,,ca- I co,!selho de comPras na>'a promover a com-
c ,'^ ao mesm- APPrpyo a deliberadlo que V. | pra dos objectos mencionados em seu officio de 7
S. tomou, como me participou em sed officio n.
2,008, de 9 do corrente do nomear interinamente
o al feres reformado do exercito Jorge Rodrigues
Sidreira, para o emprego de commandante da for-
do corrente a que respondo, visto serem neces;
nos para proviraento do almoxarifado do arsenal
de mantilla.
,D'} ao mesmoFica approvada a compra que
se dar-rae um successor no cavalieiro D. Pedro
Sorela y Maury.
t Ao deixar talvez para sempre esta corte, da
qual levo tao gratas recordares, dgnese V. M.
Imperial permiltir-me expressar nesla tao solemne
occasiao o meu vivissimo recoohecimento pelas
singulares e ineslimaveis bondades que tenho de-
vjdo Vj M. Imperial, e pelos procedimentos
tao cortezes, como cheios de confianca que te-
nho merecido aos seus ministros.
t Em qualquer paiz era que possa encontrar-
me, lembrar-me-hei, senhor, de V. M. Imperial,
como o prncipe o mais perfeito e magnnimo, e
Entrn hontem dos portos do sul o vapor Geren- conservara sempre para com sua excelsa e sagr-
is, com datas de Porto Alegre at 16, Rio Grande da Pessoa os sentimentos da mais profunda vene-
18, e Sama Catharina 21 do corrente. j racao.
Da provincia de S. Pedro ha a importante no- s-*' L dignou-se responder.
lieia da entrada da lercera brigada do nosso exer- j .Mult0 ln* agradeco, Sr. Blanco del Valle, seus
cito no territorio Oriental a 12 do corrente. Esta sentimentos, e desejo que regresse com felicidade
forrea, commandada pelo Sr. brigadeiro Jos Luiz a sua patria, em companhia de sua familia.
Menna Brrelo, ia em direc^o villa do Cerro Em eu'da S. M. o Imperador dignou-se rece-
Largo, e constava que outras brigadas tinham or- Der Sr- Pedro Sorela e Maurv, acreditado junto
dem de oceupar Paysand e Salto. ao governo de S. M. Imperial para substituir o Urna carta de Jaguarao, escripia com dala de 13 B|anco del Valle na mesma qualidade de ministro
ao Commercial, diz : residente de *. M. Catholica.
O tenente-coronel Astrogildo officiou ao Menna Apresenlada S. M. Imperial a carta regia que
Brrelo, participando que estava com o corpo de acredita nesle carcter, o Sr. f rela e Maury
Por portaras de 24 e 26 do correle :
Foi concedido ao primero lente do corpo de
engenheiros Jos Carneiro da Rocha, ajudante d.<
engenheiro liscal da estrada de ferro da provincia
de Pernambuco, dous mezes de licencia, com os
respectivos vencimentos, para tratar de sua sade.
30
Concedeuse demissao do servido do exercito ao
capitao do corpo de engenheiros Francisco Paulino
Limpo de Abreu.
31
Por decreto de 28 do corrente foram concedidas :
Ao bacharel Bento Luir, de Oliveira Lisboa, a de-
missao que pedio do lugar de juiz municipal e de
orphaos do termo de Rezende, na provincia do Rio
de Janeiro.
do e.sta.lo-maior de 2 classe Luiz de Franca de i ticipou-me em seu ofllcio de 7 do corrente de va-
eu no%iaq^de^rrn^^ "** **? f'' fia5*?" de mate"ia' da SfiTSl pre?os
Dito ao Dr. chefe de polica. Communico V.
S. para spu conhecmenio e em resposta ao seu of-
ficio n. 1378 de 5 do corrente, com referencia ao
em que o subdelgalo do districlo de Cursupc pe-
de a conservado das pragas destacadas, que, ten-
do-se retirado para a corteo 2 batalhao de infanta-
ra, e deveodo para all seguir o 7o da mesma ar-
ma, dtermiuei aos coinmandantes superiores que
nos termos do art. 86 da lei n. 602 de 19 de setem-
bro de 1850, preste aos juzes de direilo e delega-
dos de polica as pracas da guarda nacional que
forera requesltadas para guarda de cadeias e dili-
gencias policiaes : pelo que convm que aquello
subdelegado ou quaesquer outros se entendatn
com o respectivo delegado, afim de este solici-
tar da autoridade competente, as pracas da mesma
guarda nacional quejrorera precisas para as urgen-
cias do servigo.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. S. de expedir suas
erdens para que as autoridades policiaes das fre-
guezias da Boa-Vista nesta capital c dos Afogados,
ministren) as relayoes dos escravos, residentes na-
quellas freguezias, e que sao considerados ganha
dores ou se empregam no servigo de transporte,
afim de que no consulado provincial se possa con-
cluir o lancamento do imposto decretado pelo 32
do artigo 44 da lei do Dryametito vigente, segunda
consta de ofllcio que mo dirigi o inspector da the-
souraria provincial emOdo crreme sob n. 481.
Communicou-se ao inspector da thesouraria pro-
vincial.
Dito ao mesmo. Faca V. s. regressar para a
capital da Paralnba na primeira opiwrlunidade
como snlirilou o respectivo Exm. presidente em
officio de 10 do corrente a escolta de pravas de po-
lica que veio ltimamente a esla provincia guar-
dando i criminosos.
Ditoao mesmo.A' visla das razoes aposenta-
das pelo commandante superior da guarda nacio-
nal dote municipio em ofllcio de 4 do crreme,
nao podem ser dispensados do servteo, afim de oc-
cuparem os lugares de insj)eclor de quarteiro,
para que foram nomeado os guardas M^rgelino
Gomes da Fonseca e Francisco de Paula Lima ; o
que declaro V. S. em resposta ao seu officio u.
1338, de 2 de outubro ultimo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Autoriso V. S
nos termos de sua informado de 8
do corrente, sob n. 646, dada com referencia a da efj-,
contadoi ia dessa tliesouraria, acerca do requeri-
mento que devolvo. a mandar pagar ao alferes do
7o batalhao de infamara, Jesuino Deocleciano de
Souza Bruno, a qnantia de 85940 rs. por elle des-
pendida com o ornecimento de luz para o quartel
do desiacamenio, que esteve sob seu commando na
cidade de NazarKh, durante o trimestre de Janeiro
a margo deste anno.
Dito no mesmo. Remello V. S. para os con-
venientes exames as inclusas copias das actas do
almoxarifado do arsenal de raarinha.
O que declaro ao mesmo conselho para seu co-
nheclinentoCommunicou-se ao inspector da the-
souraria de fazenda.
Dito a cmara municipal de Flores. Approvo a
arrematagao dos impostos constantes dos cinco ter-
mos de contrato que por copia acompanharam o
olTtcio que me dirigi a cmara municipal da villa
de Flores em 21 de outubro prximo Iludo, o qual
tica assim respondido.
Dito mesma.-Respondeudo ao officio de 21 de
outubro prximo lindo, em que cmara munici-
pal da villa de Flores, declarando-me ter sido lti-
mamente eleito 4 juiz de paz do 1 districlo da-
quella villa o aciual collecior das rendas geraes
desse municipio, Jos Francisco de Medeiros, con-
sulla se deve deferir Ihe juramento ou julga-lo im-
pedido, tenho a dizer mesma cmara que sendo
inrompativel o cargo de juiz de paz com- o de col-
lector como declaram os avisos n. 105 de 24 de
abril de 1849, 18 de margo de 1854, e n. 330 de
7 de agosto do 1860 g 2, nao deve juramentar o
referido Medeiros, mas sim o supplente a quem por
le competir.
Dito ao enirenheiro fiscal da estrada de ferro
Remetta-me Vmc. impreterivelmente at o ultimo
de Janeiro vindouro um relaiorio do estado de to-
das as obras da estrada de ferro de.-la provincia
indicando as medidas que devem ser levadas ao
conhecimento da assembla legislativa provincial.
Dila ao contador do termo de Cabroll. Dou so-
lugao a consulta feila em seu officio de 27 de se-
lenibro ultimo, declarando que as cusas a que
tem direilo os partidores as partilhas ou sobre
parlilhas sao dividas de cont ou contos de ris
completos, e nao de fraeges, como se infere da
letra e espirito do artigo 178 do decreto n. 1569 de
3 de margo de 1855.
Portara.O presidente da provincia tendo em
vista o que requereu Flix Ramos Lieutier e a'.-
tenuendoa qne.-u acba ellecomprehendido no dis-
| posto no art. 5 do regulamento de 9 de jalbodeste
anno, resolve nomea-lo efectivamente para o lugar
' de conductor da repartigao das obras publicas, e
ordena qiu- neste sentido se expega as necessanas
communicagesCommunicou-se ao chefe interi-
no da re|>arligao das obras publicas e ao inspeclor
da thesouraria provincial.
Dita.O presidente da provincia resolve nomear
divamente a Manoel Lourengo de Mallos para
o lugar de conductor da repartigao das obras pu-
blicas, visto achar-se comprehend'ido na disposico
do art. 5 do regulamento de 9 de jnlho deste anno,
ordena que neste sentido se expecam as necessarias
communicages.Fizeram-se as necessarias com-
municages.
Expediente do secretario do joverno do dia 11 de
novembro de 1801.
Officio ao thesoureiro das loterias.-S. Exc. o
. o corpo de
seu commando sitiando a villa de Cerro Largo, e pronuncian o seguinte discurso
que a dvisao blanquilha que tinha sahldo para Tenn0 a honra de depositar as miios de V.
*' fra da mesma villa, vendo que o commercio e po- Imperial a carta de S. M. a rainha de Hespa-
"' vo se negara a oppr resistencia as forgas brasi- nha, minha augusta soberana, que me acredita na
leiras que all se apresentassem, tomou de barato qualidade de sea ministro residente junto V. M.
recolher-se ao entrincheiramento, e hoje est pre- i Imperial
sa, pelo sitio do Astrogildo. A rainha encarregou-me particularmente de
Fidellis reunio-se cora sua gente ao quarto re- renovar V. M. Imperial nesta occasiao os senti-
gimento de cavallaria, e est elle sob o commando nonios de sua constante amizade, de Ihe exprimir
do coronel Augusto. vivo interesse que toma na felicidade de V. M.
Este regiment e o treze batalhao, com o ge- Jmpfirlal, bem como na de sua augusta familia e
neral Menna Brrelo frente, hoje deve chegar ao do Povo' c.nos destinos Ihe foram confiados, e de
Sarandy, amanhaa ao Chuy e depois a Cerro Largo,! asseverar V. M. Imperial o seu sincero desejo
onde sem duvida farao render-se esse punhado de de streitar cada vez mais as boas relages que fe-
assassinos delegados do governo oriental, anda lz">ente existem entre a Hespanha e o Brasil.
que viva forga; e se tentarem resistir, a carna- i '. Pe'. 1ue me toca> senhor, considerar-me-hei
gem ser terrivel, visto que n3o se pode dar gua- niulo feliz, se no desempenho da misso com que
rida a esses tvrannos sedemos sempre do brasilei-;a minha augusta soberana dignou-se honrar-me,
ro sangue. leu puder obter a approvacao de V. M. Imperial.
Havia muito enthusiasmo no corpo de exercito j s- M- dignou-se respo'nder.
tanto da primeira linha como da guarda nacional I *'uit0 me Priora esta nova prora de amiza-
destinado a operar no Estado vizinho, e, segundo I dt d,! min,,a multo cara irtniia a rainha de Hespa-
noticiavam da fronleira, afOuiam os voluntarios. !nha e espero, Sr. Sorela, que contribuiris para es-
Pela presidencia da provincia foram feitas as se-', lrei,ar os vnculos que unem felizmente os nossos
guintes nomegoes. ; dous paizes. >
Assislenle do ajudaote-general da segunda bri-' --------
ada de guardas nacionaes, commandada pelo Sr. i Peio paquete francoi Bearn o governo imperial
brigadeiro Jos Joaquim de Andrade Neves, o Sr.' eXDCdo a toossa legacao em Washington os conve-
raajor Miguel Pereira de Oliveira Meirelles: ; "entes despachos para que esta, em nome do mes-
Ajudante de ordens, o ir. tenente Joao Baptista mo governo, solicite do da Uniao Americana do
Foram Borneados procuradores fiscaes das the-
souranas de lateada das provincias : da Parahyba
o bacharel Lindolpho Jos Correia das Neves, e de
Minas-Geraes o bacharel Affonso (elso de Assis Fi-
guciredo.
Por este ministerio communicou-se ao da justiga
' haver-se expedido em 30 de setembro, avjso circu-
lar ao chefe das repartiges subordinadas ao minis-
terio da guerra para maodarem apresentar, logo
que forera directamente requisitados pelo chefe de
policia da corte, todos os Africanos livres que se
acham ao servigo das mesmas repartiges, afim
de receberem as respectivas cartas de emancipa-
gao.
2 de novembro.
S. M. Fidelissiraa houve por beui condecorar com
o habito da ordem de Chrislo ao autor do Plani-
bistoria, o Sr. cooselheiro Jos Joaquim Rodrigues
Lopes, ordenando que pela secretaria de estado dos
negocios do Reino Ihe fossem enviadas as respecti-
vas carta regia e insignia.
ao quartel
ao niitiis-
que em pocas li-
jas seja regularmente visilada a iilia de Fernando
de Noronha pelos navios da diviso naval do se-
gundo districlo, afim de e-juduzirem os individuos
que honverem concluido o seu lempo de. prisao.
Foi exjiediilo pelo ministerio da justica a 29 do
passado o aviso seguinte a presidencia da provin-
cia do Amazonas :
S. M. o Imperador, a quem oi presente o ofll-
cio de V. Exc. de 1 de julho do corrente anuo,
houve por bm approvar a deciso dada por V.
ISxc. consulta do juiz de direilo da comarca de
.Sobrades, declarando que os direclores dos Indios
levem ser jnlgados no foro commum, porque, era-
Hora pelo art. II do decreto n. 426 de 24 de julho
le 1815 Ibes sejam conferidas graduagoes milita-
res, nao sao militares as funegoes que exercem, e
graduagoes
-r.
Norte a reparagao a que temos direilo pelo proce-
dimento do commandante do vapor Wussuchet no
porto da Ilahia.
de Oliveira c Sa.
Pinto Porto;
Commandante do quinto corpo provisorio, o
tenente-coronel Apollinario Pereira de Moraes ,
Fiscal o Sr. major Vasco do Nascimenio Lima ;
Commandante do sexto corpo dito, o Sr. tenente
coronel Vicente de SiqueiraLeitao :
Fiscal o Sr. major Maooel Lopes da Silva ;
Commandante do stimo corpo dito, o r. teen- ouantuduraro impedimento, \
le-coronel Joao Niederaner Sobrinbo; conselheiro Jesuino Marcondes
Fiscal o Sr. capilo Joao Silveira de Fontoura --------
Commandante do oitavo dito, o Sr. tenente-coro- Por decreto de 22 do mesmo mez foi nomeado o
nel inz Dias: juiz de direito Joao Florentino Meira de Vasconcel-
Commandante do nono corpo dito, o Sr. tenenle los Para car8 tie chefe de policia da provincia
coronel Joao de Freitas Noronha. do Maranhao.
De Santa Catharina ndanos consta digno de --------
mencao. Pelo ministerio da justica foi expedido em 22 do
-------- corrente o aviso seguinte :
_Ante-hontera e bontem repetiram-se as Ilumina- Correndo o boato entre os credores menos I-
coes, msicas, salvas e regosijo do dia 15. SS. lustrados das casas bancarias que falliram que al-
MM. II, e AA. sahindo ante-hontem pelas 8 horas da 8uns delles, especialmente os possuidores de vales'
noite do pago da Boa-Visla, apearam-se junto da ou lilu|os de pequeas quantias ao portador, tm
Por caria imperial do 29 de outubro ultimo fo-
ram naturalizados cidados brasileiros os subditos
portuguezes :
Antonio Gongalves de Castro, Jos Bernardo de
Moura Guerra, Jos Elias Ribeiro Vianna, Manoel
Antonio de Barros, Manoel Antonio da Cunha e
Manoel Cae tao da Silva.
Foi nomeado graa-cruz honorario da ordem da
Rosa o priucipe de GorstchckofT, ministro dos ne-
gocios esirangeiros de S. M. o Imperador de todas
as Russias.
Foi feita a merc de foro de cavalieiro Qdal-
go da casa imperial aCaetano Lopes Villasbas J-
nior.
res,
sao colisas essencialinente distinctas
honorarias e postosmilitares.!
Entrou esta manhaa do Rio da Prata o paquete
inglez Mersey com dalas de Buenos-Ayres al 29 e
Monlivido 30 do passaJo.
O general Flores tiuha-se apresentado diante
desta ultima cidade, e sua approximago todas
as forgas do governo se recolncram para dentro
das linhas, e tomarara-se todas precaucoes iraagi-
naes para defeza da capital. Entretanto Flores li-
mitu-se a algumas demoostrages e troca deliros,
e, sem tentar ataque serio, retirou-se passades dias
na direegao de Canclomes, destacando parte da sua
torga para oceupar a Colonia, segundo se pre-
suma.
A' vista de Flores, o governo do Montevideo, que
nao nos poupa calumnias nem diatribes, nrmen-
te quando julga que ellas Ihe podem servir para os
seus lins, procurou fazer correr o boato de que ha-
via um piano concertado entre aquelle general e a
nossa esquadra para esla bembardear a cidade em-
quanlo elle dava o assalto por trra, devendo ao
mesmo lempo miios traidoras dentro da praga por
fogo aos principaes edificios, para com o augmen-
to da confuso enfraquecer a defesa. Servio islo
de pretexto a numeresas pnsoes, dirigindose o
governo tambem ao cerpo diplomtico estrangeiro.
que alh se tem constituido n'nma especie de coo-
gresso, pedindo-lhe protecgo contra ii.X.
o imaginado
de que por
pessas do estylo, foram convidados os membros da
u conselheiro Jos Liberato Barroso, ministro do legagao portuguesa, e noite a Real Sociedade
imperio, esta interinamente encarregado da pasta, Portugueza Ainaule da Monarehia e Benelicente fez
da agricultura, commercio e obras publicas, em- no tbealro lyrico o festejo com que costuma solem-
por molestia, do Sr. | nisar aquelle dia.
bombardeamento por mar, na certeza
teira nada havia que receiar.
Como decano daquella corporagao respondeu o
ministro italiano em seu nome e no dos seus col-
legas :
Legagao de S. II. o rei dallaliaMontevidu.
17 de outubro de 1864.
t Sr. ministro.Recebi a nota que V. Exc. me
fez a hon^a de dirigir com data de bontem relativa
resposta que o corpo diplomtico me possa ter
encarregado de dar anterior nota de 14.
t Apressei-me a communica-la aos meus colle-
gas, e todos viraos com salisfagao que a opinio do
governo da repblica esi de accordo com a nossa
a resjieito da seguranga interna desia capital.
Tinhamos por consegulnte convidado os che-
fes das diversas estaedes navaes a tomar as medi-
anniversario natalicio de s. I df n^arias-aP^as recebessemos aviso olflcial
M. Fidelissima deu S. M. o Imperador no pago da |
Boa-Vista um lauto jamar, para o qual, alm das
Tres-ante-hontem
conselho administrativo do arsenal de guerra da- Sr- presidente da provincia manda declarar V.
tadas de 21, 24 e 28 de outubro ultimo. ".mie Pp, SPQ 0,ficio de 9 do corrente ficon in-
Diio oo mesmo. A" vista dos inclusos requer-: '''irado de haver V. s. assumido naquella data o
metilos do coronel Joao Guilbermede Bruce e do; exercico de seu cargo.
capitao Estevao Jos Paes Brrelo, ambos do 7o i -----
batalhao de infaniaria, mande V. S. abonar em os Despachos do dia 11 de novemhro de 8661.
devidos tempos as conignagoes que esses officiaes Requerimento.
pretendem deixar dos respectivos sidos nesta pro- Antonio Jos Gomes do Correio. -Satistaca a ex-
vtncia, para alimentos de suas familias. Commu- enca da thesouraria de fazenda constante da in-
nicou-se ao coronel commandante das armas. formago por copia inclusa.
Dito ao mesmo. Remeti incluso o requerimen- Bacharel Daniel Germano de Aguiar Montar-
lo do capitao do 7" batalhao de iufanlaria Caetano royos.Nao pode ter lugar
Xavier de Oliveira, para que V. ". mande abonar; Francisca Mara da Luz.Informe o Sr. Dr. che-
era os devidos lempos, a consignagao que elle pre- fe de policia, ouvindo ao administrador da casa de
tunde deixar do respectivo sold nesla provincia, delencao.
Flix Manoel do Nascimento Valois.Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Flix Ramos Lieutier.Passe portarla nomean-
do o snppcante effectivamente.
Joao Antonio dos Santos.Remetlido ao Sr. ins-
para ser entregue a seu procurador o tenente-co
ronel Francisco Camello Pessoa de Lacerda.
Communicou-se ao coronel commandante das
armas.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Nao havendo inconveniente, mande V. S. pagar a pector da thesouraria de fazenda para mandar pas-
stevo d(s Anjos da Porciuncula, conforme so- j sar o titulo que requer o supplicante nao haven-
l'obcia em ofllcio de 9 do cor-' do inconveniente.
licitou o ebefe de
rente, sob n. 1391, a quantia de 245800 rs., des
pendida com o sustento dos presos pobres da ca-
deia do Cabo durante o mez de outubro ultimo,
como se v da conta junta. Communicou-se ao
Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Respondendo ao ofllcio que V.
S. me dirigi em 9 do corrente, sob n. 482, tenho
a dizer que devem servir na illuminago da cidade
do Rio-Formoso os lampeoes, que pertenceram a
desta capital e acham-se presentemente recolhidos
ao arsenal de guerra.
Dito ao desembargador provedor da Santa Casa
de Misericordia.-Remetta-me V. S. al o ultimo
de janeiro vindouro, o relatorio do estado da Santa
Casa de Misericordia do Recife, bem como de todos!
os estahelecimentos seu cargo, indicando as snas
necessidades, e as medidas que para remedia-las
devam ser levadas ao conhecimento da assembla
Joao Paulo de Souza.Nao pode ter lugar.
Joaquim Francisco Borges UchoaInforme o
Sr. director geral da inslrucco publica.
Josepha Mara da Conceigao.Nao tem lugar.
Joao de Araujo Cesar. Prove o supplicante que
entregou o mappa relativo ao anno de 1863, e por
cuja falta foi multado.
D. Joanna da Silva Medeiros.A' visla da infor-
magno nao (em lugar a supplicante.
Tenente Joao Duardo Pereira Borges.A' vista
da informagao nao tem lugar o que requer o sup-
plicante.
Jos Marcelino da Costa.Indeferindo em vista
da informagao.
Joaquim Aureliano de Castro.Remeltido ao Sr.
inspector da thesouraria de fazenda para mandar
passar o titulo de transferencia do terreno de que
se trata, urna vez que os compradores se obriguem
fabrica do gaz, exhibindo-se nessa occas-o a luz
metallica de que fallamos, e que realmente vi-
vsima e de um brilbo suavemente azulado, e
percorreram depois a p, varias ras da cidade,
visitando os dillerentes lugares em que a illumi-
nago era mais vistosa.
Renten) deu S. M. o Imperador um sumptuoso
jamar a que, alm de toda a familia imperial, as-
sisliram :
S. A. o Sr. duque de Saxe ;
O Sr. arcebispo da Baha ;
As damas de servigo e semanarios de S;. MM.
Imperiaes e Altezas ;
Os minislros de eslado ;
Os presidentes das cmaras legislativas ;
Oscofiselheiros do estado;
O conde Damas;
O Sr. Seitz, secretario do Sr. duque de Saxe ;
O marquez mordomo mor;
O mordomo da casa.
O presidente do supremo tribunal de justica ;
O ajudante general do exercito ;
O encarregado do quartel-general da marinha ;
O commandante superior da guarda mcional ;
O capitao dn guarda.
A' noite Suas Magestades c Altezas Imperiaes
honraram com a sua presenca o theatro lyrico.
Por cartas imperiaes de 22 do corrente mez fo-
ram naturaiisados cidados brasileiros os subditos
portuguezes Antonio Carvalbo de Oliveira Guima-
res, Joo Lopes Raposo, Joaquim Pinto de Faria
e Silva, Jos Machado de Avila, Jos de Pontes
Brazao.
Por decreto do mesmo dia 22 foram nomeados
cavalleiros da ordem de S. Bento de Aviz, os ca- .
pitaes Caetano Xavier de Oliveira e Francisco An- licia da Pro^inc'a da Parahyba ;
ionio Pereira.
o direilo de ser pagos logo que termine o prazo de (0
das, pelo qual o decreto n. 3,308 de 17 de setem-
bro ultimo suspenden e prorogou os vencimentos
de quaesquer titulos commerciacs na praga da cor-
te e provincia do Rio de Janeiro, manda S. M. o
Imperador pela secretaria de eslado dos negocios
da justiga declarar administragao liquidadora da
casa bancaria de Antonio Jos Al ves Souto & C.
que de summa conveniencia esclarcelos por
meio da maior publicidade, fazendo saber que so
lhes cabe receber as pocas marcadas, que serao
annunriadas com a necessaria anlicipago, a parte
do dividendo que Ibes fr devida, conforme se acba
eslabelecido para o raleio entre os credores da mas-
sa de qualquer casa fallida,
t Palacio do Rio de Janeiro, em 22 de outubro
| de 1864.Francisco JosFurlado.
Por decreto de 22 do corrente foi nomeado ca-
i valleiro da ordem da Rosa o capitao Antonio de
i Gerqueira Caldas, encarregado da direegao das
obras do seminario episcopal da provincia de Mat-
to-Grosso.
-28-
Per decretos de II, 25 e 26 do corrente :
Foram nomeados :
O conselheiro Zacharias de Goes e Vasconcel-
os, membro da comraisso que tem de examinar
o projecto do cdigo civil do imperio:
O bacharel Antonio Colnmbano Seraphico de
Assis Carvalbo, juiz municipal e de orphaos do
termo do Ronito, na provincia de Pernambuco ;
ficando sem effeito o decreto de 8 de julho deste
anno, que o nomeou para o termo de Bomfim, na
de Minas-Geraes ;
O Dr. Francisco Jos Rabel lo, secretario de po-
0 ministerio, os Srs. ministro e cnsul de Portu-
gal, chefe de policia, capilo do porto e varias ou-
tras pessas gradas assisliratn a esta festa, era que
se caniaram hymnos pelas Srs. Alba, Fantozzi e
Murri, recilarainse versos e reprosentou-se pela
companhia da Sra. Emilia das Neves o drama a
Mocidade de l). Jouo V.
Falleceu ante-hontem s 11 e meia horas da ma-
nhaa, e foi sepultado bontem no ceraiterio de S.
Joao Baptista, o mareohal do exercito Joao Paulo
dos Sanios Brrelo.
Era o finado conselheiro de esla lo e de guerra,
doulor em sciencias matliematicas e physicas, len-
te jubilado da academia miliiar, veador de S. M. a
Imperatriz, gra-cruz da ordem de Aviz, e com-
mendador da do Cruzeiro e da Ilusa.
Nascra em 28 de abril de 1788, contando, por-
lano, 76 anuos de idade. Assenlra praga aos 19
aunos, e aos 38 era coronel do estado-maior.
Entre os bons servicos que prestara na sua Ion-
ga carreira nolam-se 'os seguintes : fez parle da
commissao confiada etn 1819 ao general Stockler
para crgauisagao de um systetna de lortilieages
martimas e terrestres na provincia do Rio de Ja-
neiro; foi enviado em 1821 ilha Terceira para
examinar de perto e reformar os estudos militares
e mathemaiicos da escola daquella tilia; segurado
o Quamo qucsto relativa seguranga exter-
na, na qual julgou V- Exc. dever tomar a insistir,
Hurtamos j tido a honra demanifestar-lhe que, nao
podendo o governo da repblica apreciar nem a
natureza nem o momento em que podera dar-se a
temida aggresso, deve o corpo diplomtico limi-
tarse a guardar suas reservas.
Do mesmo modo me aulorisou o referido cor-
po a declarar-lhe que, no caso de um ataque que
sem previa declaracao de guerra cotnproniellesse
a seguranga deste porto, onde e.-to accuraulados
tantos inleresses colleclvos de tantas naees, as
forgas navaes dos nossos respectivos goveroos nao
permaiKcerao indiuerentes perante seo.elbaute
violago do direito das gentes.
Pelo que toca circular que o commandante
em ebefe da esquadra brasilea pode ter dirigido
aos representantes estrangeiros acreditados nesle
paiz, nao a leudo nsrecebido, devenios abter-nos
de discutidla, mas seria precisofazermo-nos violen-
cia a nos mesmos para acreditar que seja ella con-
cebida nos termos por V. Exc. indicados.
> Cumpriiidodestaforma a'missaode que fui en-
carregado pelos meus honrados collegas da Fran-
ca, Inglaterra, Portugal e Hespanha, approveto a
opporlunidade para reiterar a V. Exc. os proles-
tos da minha mais subida eonsiderag.o. (Assigna-
dort, Liases Burbotani.A S. Exc. o Sr. Dr.
U. Antonia de las Carreras, ministro das rea-
coes extenores, etc.
Esla circular do almirante brasileiro, a que se
allude aqu, provavelmentu a que damos em se-
guida, acompanbada das respectivas resposias, e
que s mal larde foi recebida :
A bord) da corveta Nitlierohy. Buenos-Ayres




depois para Lisboa edalli para Franca incumbido! u d oubro de 1864 Z ZTuT Z^l.V
de estudos urlicos de entrenharia e hvdraiil.ca : 1.5* 'V^0.U.e.It?b'_S,r-. ""nistioAcha-Mi \ .
de estudos praticos de engenharia e hydraulica ;
voltando ao Brasil na poca da independencia foi
nomeado pelo Sr. D. Pedro I, secretario do conse
Iho militar privado
Exc. perfeitamente informado da marcha da mis-
so especial que o meu augusto soberano leve por
bem enviar junto do governo oriental do Uruguay,
Por portara de 21 do corrente, foi nomeado o
major do corpo de engenheiros Antonio Pedro
Monteirode Drumond, para servir interinamente o
lugar t inspector geral das obras publicas, em
substituicao do tenente:coronel do mesmo corpo
Christiauo Pereira de Azevedo Coutraho, reqnisi-
tado pelo ministerio da guerra para exercer urna
commissao importante na provincia de Matlo-
Grosso. i
legislativa provincial. a elTectuar a ennstruegao do caes.
Dito ao director geral da instruegao publica. [ Manoel Pereira Camello Pessoa.Informe o Sr.
Remetta-me V. *. impreterivelmente at o ultimo inspector da thesouraria de fazenda.
de janeiro vindouro, um relatorio da repartigao Marcelino Antonio Perfira.Informe o Sr. Dr.
sen eargo, indicando as medidas que devem ser juiz municipal do termo de Nazareth.
levadas ao conhecimento da assembla legislativa Bacharel Pedro de Alcntara Peixoto de Miran-
provincial. | da Veras.Encaminhe-se.
Foi reconduzido :
O bacharel Firmo de Albuquerque Diniz, no lu-
gar de juiz municipal da 1 vara da corte.
Foram exonerados :
Thomaz de Aquino Mindello, do cargo de secre-
tario de policia da provincia da Parahyba;
O bacharel Bartholomeu Leopoldiab Dantas, de
igual cargo na provincia do Rio Grande do Norte,
por assim o haver pedido.
Foram concedidas :
Ao conselheiro Francisco JosFurlado, a exo-
Por portaras do 22 do corrente foram nomea- nerago que pedio de membro da commissao que
dos : Jos Novaes Queiroz, para o lugar de agente 'em de examinar o projecto do cdigo civil do ira-
do correio da villa do Pao de Assucar na provm- perio:
cia das Alagoas, vago por demissao concedida a Tevo merc de serventa vitalicia :
Marcellino Bezerra Liberalquino : Francisco Fer- rcesino Xavier de Castro Magalhaes, dos offl-
nandes Bezerra e Joaquim Jos Gongalves Jnior c>os de 'abellio do publico judicial e notas e es-
o primeiro para ajuodante do corrrL da villa do' crvao de orphaos do civel e crime do termo de
Senhor Bom Jess, na provincia do Piauhy, e o Sant'Anna do Acarac, na provincia do Cear.
segundo para igual lugar no da villa do Codo, na 9
provincia do Maranhao, por exoneragao de Seve- Por decreto de 26 do corrente foram transferidos
nano Antonio de Moraes. Na mesma data foram creadas agencias de cor- seguintes officiaes :
reio as villas de Santo Amaro, Nossa Senhora das Para o stimo batalhao, o capillo do decimoter-
Dores e Riachao, na provincia de Sergpe. ceiro batalhao Augusto Leal Ferrera, para a seti-
27 ma companhia.
Em audiencia publica de 14 do corrente, S. M. Para o dcimo-segundo batalhao, o capitao do
o Imperador dignou-se receber o -r. D. Joo Blan- batalhSodo deposito Cyriaco Jos da Silva, para a
co del \alle, ministro residente de S. M. Catholica, terceira companhia.
o qual, apreseolando S. M. o Imperador a ere-1 Para o decimo-lerceiro batalho, o capilo do se-
Iho militar privado e posteriormente encarregado para fazt.r | Mateis a esse 7a-
a SEA ttSTK!; T,S,r veno "fimT SNBffSiJZXi
t*"*i.! Se a. e.n -te. commandou em' a vida> noora propriedadl. dS Brasileiros resi-
1840 o exercito pacificador na provincia de S. Pe
dro do Itio Gran.le do Sul; quatro annos depois
foi presidente da provincia de Minas-Geraes em
1841 representou, como deputado, a provincia do
Rio de Janeiro, e em 1846 oceupou de novo a pas-
ta da guerra.
Tendo por lanos annos e com tanta dedeagao
prestado ao seu paiz o coniingente de suas luzes e
do seu patriotismo, o marechal rantos Brrelo mor-
reu pobre, legando sua familia apenas o seu no-
me honroso.
4-
S. M. o Imperador assistio hontem na escola
central aos exames de economa poltica e direito
administrativo, materias que constituem a aula
secundara do sexto anno daquella escola.
Fez-se merc do titulo do conselho ao bacharel
Tito Franco de Almeida, director geral da secreta-
ria da justiga.
Foi reformado o coronel do corpo de estado
maiorde primeira classe Vicente Ferreira da Cos-
a Piragibe, e aposentado no lugar de director ge-
ral da primeira directora da guerra, e nomeado
para este lugar o chefe da primeira secgao Maria-
no Carlos de Souza Correa.
Por portara de 3 do corrente foi nomeado :
Alexandre Martins Prente, para o lugar de
agente do correio de Misso Velha, na provincia
do Cear, vago por demissao concedida a Francis-
co Al ves de Luna.
Na mesma data foi creada urna agencia de cor-
reio na freguezia de Sinta Philomena, da provin-
cia de Piauhy, e concedeu-se a demissao que pe-
dio Pedro Nolasco de Almeida Couto do lugar de
ajudante de correio da villa do Espirito Santo, da
provincia de Sergipe.
Por decreto de 29 do passado foi nomeado chefe
de secgao da primeira directora geral da secreta-
ra do estado dos negocios da guerra o primeiro
official Carlos Antonio Petra de Barros.
propriedade
denles nesle esUdo.que eram victimas de continuas
ofleusas e insulios.at da parte das proprias autori-
dades, que os deviain proteger.
usdocumentos relativos a esta negocigao mallo-
grada patenteam a boa fe moderago do meu gover-
no assim como os esforeos empregados pelo enviado
brasileiro, cooperando" com o ministro de S. M.
Brilannica e com o dos negocios estrangeiros da
Confederago Argentina para firmar a paz, som-
bra da qual estas complicagoes externas poderiam
ter fcil solngao.
i Tudo foi intil ante a obstinagao do governo
oriental, e o enviado brasileiro se retirou depois de
rejeilado o seu ultimtum, dando-mc instrurges
para praticar desde logo reprezalias por mar, em-
quanto nao passava afronteira o exercito impe-
perial, para exerce-las tambem por trra.
c Respetando o meu governo os interesses dos
neutros, que sSo os mais valiosos e importantes
que existem enraizados nesta repblica, e nao de-
sejando assustar o commercio nem offender o na-
cional pacifico ou o estrangeiro que se oceupa da
sua industria, ou se ulilisa da sua aclivdade, en-
tendea que devia fazer cahir o effeito das repreza-
lias sobre tudo quanto affectasse inmediatamente
o governo, arlrn de obriga-lo por meio desta pres-
ao a dar nos as salisfagoes exigidas : neste senti-
do tive ordem para exigir a immobilisago do va-
por de guerra General Artigas no porto de Monte-
video, com o que oSr. presidente Aguirre promp-
tamente se conformon, e do vapor fretado Villa del
Sallo, que estava no porto de Paysand, Recusn-
dole o governo de Montevideo tomar a respeito
dcsie navio a mesma deliberago que sensatamen-
te havia tomado acerca daquelle, ja sah V. Exc.
qual foi o resultada da tentativa que se fez para
provocar um conflicto entre nos e a Confederago
Argentina e a repblica do Paraguay.
* Nao obstante adesleadade deste procediraento,
nao trepidei anda em prestar o concurso dos vasos
de guerra de mea commando para o tranporte at
Montevideo do secretario do general Flores, que se
apresentava como delegado deste em urna nova
negociagae de paz entabolada pelo general Urqui-
za, visto que assim convimha para a tranquildado



K
filarlo le pTaiBeo Ter<-a felra 15 le Joveiubro le nal.
da repottiea, neressidade o c-mvemeoefo trao*
ocwdkmlil para lodos os estrangeiros que nella re-
sillen, e especialmeuto para os Brasileiros, por
seu grande numero e a vizinhanea dos dous es-
tados.
aJ-a-ante, eonimandante em ehefo da forra naval; e cujas artes poderiam ocrasiunar *um*)i.eai*6es a efe; restricta subordinar., lo principal dalnm liando de indi
Jo Brasil no Kio da Prata. que no interesse do laOcu o* povos e uvmu evitar, lorie ada quu nos cuusrac'ao derredor dos es- .Nova Petiropolis, <
* Legaco fran-eza. Montevideo, 19 de outubro i Antes de tenniiar esta nota, ereio dever tam* laudarles suri-verdes. Eis os rermos
de 1864.Sr. baro.Apresso-me a responder a beni declarar V. Exc. ipi, no caso da qa* as
nota cirrular que V. Exc. me fez a honra de tliri- operaed"s de guerra annuuriada* de.haixo do titulo trar
Firme na soa deherarao, excitado pelo pro- gir-iue em data de 11 deste mez e que s houtem i de reprezalias, contra as pracas situadas nesta ro* do,
aireante posterior (lo governo de Montevideo, o e chegou as mos. j publica ao norte do R.. Negro, occasjoneio preju- do i
ve-rao imi.cri I eterminou que o domb oxerri- Sem discutir os fados e as apreriaedes de que zos aos interesses r subditos hespanhes, eslabele-' -
ced
go ..
lo se ipuderasse das fincas que em uome daquelle
governo Orcuran anda as povoares no norte do
Rio Pisar, e que as ci naervassejn romo n-presa-
has al que nbtivessemos as garantas e salisfarc-es
que dehalde temos at boje reclamado com uiani-
e.-ta negarn de Justina. .
Para este Orn ao.-quadra do mru commando
devo cooperar rom o refeiido ex.-rciio o -uvular
todos os srti.i esforro para qur aquellas guarn:-
eSes nao lerebaui s*< corros de Monieviriru, n.-ni
pe-sam mover-se pea via fluvial dos pontos en
que anualmente se acham. '
t Fazendu esla commimicacao a V. Exc. Qora
toda a franqueza e lealdade, leubo par Hu solicitar
do V. Bxr.a oxpediejio da* orden* conven euiespara
que bs navi.isque se cmpregamjiaiiavegaraode-tes
riosroiu a bandi-ira de sua na,-o,qnerav.la quer a
vapor, rerusem lereter tropas eniuuicoesdc guer-
ra para transportados de um ponto a oulro, man-
teudo a>sitn perfeita neulraliade, que Ibes con-
velo gnandar na roojniirtura actual.
l'or ste modo |i\ra-uie-bei de cunij'iir o Pe-
noso (oim indeclinavel oover da eiercer sobre
elle urna vigilancia constante 6 le apprehendor
Muelles contrabaudos a bordo, protestando enire-
lanto a V. Exc. <|ue os navios que se empregarem
exclusivamente em >uas poeraedes tintas acharan
aenipre todo o apoio c auxilio as forras uavae
brasileras. ___
Esloo ronvi -neido, *-r. ministro, de que \. fcxr.
apreriaudo em seu justo valor a tetengan que me
guia na presente nrcasiao |ue nao causar a me-
nor ditlt.uidade livre navrgaco dos nos, neni
despertar recelos ao commerri, em quauto poder
conciliar este desojo com os deveres que tenho d-:
desempenhar, nao trepidar em concorrer com a
providencia que cima peco para evitar os aboso
de que trato.
c Aprovtiio a opportunidade para manifestar a
V. Exc. os meas protestos de alta -onsiderarao e
respeito. Bario de Tanandar, vire-almiranU-,
conimandai-.le em chefe da forra naval do Brasil
no Rio da l'rata.
Legar de S. M. o rti da Italia.Montevidoo,
19 de ouiubru de 1S64.
t Sr. B.rio.Acabo de receber a cirrular confi-
demi.t que V. Kie. me fez a honra de dirigir com
data de 11 do crrente, na qnal, depois de havar
narrado os motivos que inUuiram o governo de
S. M. o Imperador do Brasil a proceder a repreza-
lias cunta o governo da Repblica Oriental, part-
cipa-me V. Exe. que por este motivo o exernto se
apoderar das forcas da repblica que ocenpam o
territorio situado ao or e do Rio-Negro; e, deven-
do a esqu dra ao seu mando procurar que as guar-
nicoes onoutaes e existentes naiuelles lugares nao
rerebain auxilio de Montevideo, pedo V. Exc. que
por esta real legaro seja imposta aos navios que
navegam com bandeira italiana a obri^irao de
ab>ierem-se de transportar tropas e muiros de
guerra de um porto a outro, ronserv.mdo-se assim
em perfeita neutralidade, pon que obrando le
ontro mudo V. Exc. se verla no doloroso porin
inderlmavel dever de exercitar sobre ellos urna
constante vigilancia e secuestrar o centrabaudo de
guerra une podesse encontrar a seu bordo.
Abstendo-me nesle momento de emittir Juizo
algnm sobre o coru-ao da primeira liarte da nula
de Y. Exc. nao me possivel occullar-lbe que o
pedido dirigido a esta real legaro de associar-se
por crio modo as medidas extraordinarias que sob
nomo de reprezalias a governo imperial e>t re-
solvido a empregai* contra a Repblica Oriental
causar a mais desagrada ve I sorpresa ao governo
de S. 51. nii-u rei e augusto soberano.
t a noutralidade invocada por V. Exc. soppde
om estado de guerra ou ao menos urna declararlo
de bloquei i acompanbada de todas aquellas forma-
iidades e dila(5>S indispensaveis que reqner o di*
reito das gentes, e os de.veres que por cons'-quencia
surg'm deleuanca podem ser applicaveis a cousas
de simples reprezalias.
E, portanto, do mru dever declarar em rosos*
ta a V. Exc. que nao posso reronhecer a escuadra
sob snas ordens a faculdade de deter r vi-itar na-
vios de commercio italianos que navegam em
aguas livres nao perlencentes a territorio brasilei*
ro, e inuilo menos a de sequestrar-llies merca dorias,
de qualquer genero que sejam.
Quaiiio s medidas que C governo imperial se
propoe levar execucao no norte do Rio-N'euro, e
que, se bem que annuriciando romo reprezalias,
seriain na realidade rffectlvas o eraroes de guerra,
como rilas podrriam orcasionar nnmeraveis dai-
nos aos numerosos subditos italianos estabelecidos
aquellas importantes pracas decommereio, tarara
ao governo de S. 51. decidir a' que ponto pode
tornar responsavel por taes dainos ao governo
de S. M. o imperador do Brasil.
Aproveito e.-ta c|>portumdade para rogar a V.
Exc. que aceite o te-temunho de meu distincto
aprero e alta ronsidrrago.
t O miui.-tru roidente de S. M. o rei de Italia,
R. l.'iis.-es Barbolanl.A 8. Exc o Sr. baro de
Taiiiaii'l.iie. vico-almirante, rnininaudaiitr ein cliefe
da fi ;a naval brasileira lio Rio da Prata.
L'gaeao de Porlugal.Moni video, 19 de on-
Inbro de 8ii.Illrn. e Exm. Sr. Ti ve a honra de
rerber humera o uffinu que V. Exc. servio-se
diritir-me em data de 11 do correntr, no juat,
d'-puis de recapitular o resultado da missao espe-
cial, enviada |'or S. 51. o Imperador do Brasil Re-
publica Oriental, e a instrueces dada< a S. Exc.
para aquella mis-So, atim de" praticar reprezalias
por mar em quaoto o exernto brasib'ira nao passe
a fronteira paia exeretj-la.-. tamliem por Ierra ; ma-
nifesta que nao deaejara o seu governo assaslar
bem declarar V. Exc. qn, no caso da qaa as So proseguir de nossa marcha devemos mos-
operacoes le guerra annumiadas d.-haixo lo titulo trar-nos dignos lilhos de um paiz nobre e civilisa-
e di>tinctos soldados de um exercilo moralisa*
e orguliioso de sua honra,
i Respetemos nesle estado a propriedade de
se rompOe a primeira parte dessa nota, cireum^cre- cidos ali em to consideravel uumiro, o governo da qnrm quer seja, e bem asim nao contendainos eom
vendo me aos principios que regem a materia, rainha. minha se.nhora, a ipjom duu mata da nota seus iiarificos pivoadores.
comeco por perguutar a que titulo V. Exc. prope de V. Exc. e de minha resposta, saber apre>-iar
aos agentes e.-trangeiros o as>oriar-se at certo at pie ponto peda catara ivsp nisahilidade dosses
(tonteas medidas extraordinarias quo V. Exc. esl dainos sobre o governo de S. M. o Imperador do
decidido a proseguir dcbaixo do nome de repre- Brasil,
zalias. < Aproveito esta ocsasiao, elr.-O enearregado
Fui declarada a guerra entre o governo impe- dos negnos de Hesp>nha, Marti Hn-nandez.
rial ea Repblica Orieutal de Uruguay? Veinte pie a obje'ro |un oppuiihain satisfa-
< II uve ao menos notilicacao de bloqueio com ijiio do seu pedfdo era a falta de notillra^ao de Ido-
as conformidades o prazos ladispeMaaaie que, qneio, a -mu* almirante notiliem formalmente o
exigeui o direilo das gentes e a pralica do lodos os' bloqueio dos poi los orientaes pelas torgas navaes
povos civilisadoa ?
i Em um e.-iado de cousas em que nao oxistem
nein belbgeranles iiem neutros, como poderiam ser
applieaveis, a simples titulo de represalia, as regras
relativas a dos direitos de visita ou registro e con-
trabando de guei ra !
E nao obstante S. Exc. oSr. baro do Taman-
dar considerando todos esses direitos como adqui-
ridos por seu governo, deiois do ter informa lo aos
agentes as operayes navaes e mi llares que. vo
ter lugar, em ronsequencia se serve concluir pe-
dindo-lbes a sua concurrencia, ordenamlo aos na-
vios Te sua respectiva nacSo >e submeltam as suas
exigencias, e o que mais grave, accresrenta que
tirana livre por isso do penoso mas ind< elinavel
dever de exerrer urna constante vigilancia e de
apoderar-so do contrabando de guerra que esses
navios tivessem a seu bordo.
Pela nossa vez temos o dever de declarar V.
Exc. que nos impossivel a adinittir por parte dos
navios postes sob suas ordens, a faculdade de de-
ter, visitar, ou tomar em lempa de paz navios de
commerrio que navegam debaixo da f dos trata-
das solemnes, em aguas especialmente livres, das
qoaes o Brasil nao nem anda ribeirinho, e d'on-
de tactos semelhantes poderiam trazer roniplicaco
al a mesma Repblica Argentina, diplomticamen-
te romprometlida a garantir lamben a ueutralidade
lluvial.
Noconclairei sem accrescentar que no caso
em que as operacoes de guerra, communicadas de-
baixo da forma de represalias contra as pracas
coinmerciaes situadas no norte do Rio Negro orea*
sionasseiu prejuizos aos subditos do imperador,
meu augusto soberano, correspondera ao goveruo
de Sua Magestade determinar at que ponto cabe-
ra responsabilnlade desses prejuizos aa governo
brasileiro.
Por ultimo aproveito aoccasiao para olTerecpr,
Sr. baro, a V. Exc. as seguranzas de minha alta
consideragao.
O encarregado de negocios de S. M. o Impera-
dor dos Franceses.51. Hai-lefar.
A' s. Exc o Sr. baro de Tamandar, vice-almi*
rante, commandante em rhefe das fon-as navaes
do Brasil no Rio da Prata.
Confidencial.Montevideo, 18 do outubro do
1864.
.t. Baro.Tenho a honra de aecusar recei-
da hoje a communicaraocoiiudeiicialtJe V. Exc.de
il do crrente, pela qnal V. Exc. meexpoe a linha
de conducta que o governo imperial se propoe se-
guir com referencia a lamenlavel luta que ha tan-
tos mates se manteni neste paiz, e por ella m; di-
rige lambern V F.xc. o pedido que notifique aos ca-
pites dos navios mercantes brittnnicvs que nave-
gam mstas aguas uo recebara a seu bordo tropas
o niunieoes de guerra para levar de um a outru
ponto, maniendo deste modo a perfeita ueutralida-
de que Ihes cumpre observar na presente conjun-
tura. -
t Nao me necessario entrar em detalne -obre
as materias a que se refere a primeira parte da
communi-ago de V. Exc.
i Na ultima parte dessa communcac.lo V. Exc.
falla do penoso dever quelite teria imposto deexer-
cer urna Constante vigilancia sobre os navios mer-
cantes britannicos com o fiiii de del-los, regstra-
los e embargar o |ue V. Exc. chama contrabando
de guerra, que pudesse ser encontrado a bordo des-
ses navios.
Em resposta a essa manifestado trnho a hon-
ra de informar V. Fxr. que debaixodu ponto de
vista em que vejo o assumpto, nao se pode abrir
disenssao com (iropriedade nesta occasio sobre a
maiiuteneo da neutralidade.
Nao ha partes belligerantes empenhada> na
couteuda que actualmente progridcaqul, tanto mais
quauto que o chefe .uililai que JulgnU conveniente
levantar o estandarte da revolta contra o governo
do seu paiz nao pode ser olhado pormim no carc-
ter de um belligerante. E elle simplesmeiite
um rebelde. Nao havendo belligerautes nao lia
neutros.
Oemais, na ausencia nao fomente de urna do-
eiaracao de guerra entre o Brasil e a Repblica
brasilei ras.
Em quanto Flores se achava diante da capital o
exerrito govenu-la de Servando Gmez alcaneoii
ao norte do Rio Negro alguma vantagem sobre
urna forra colorada commandada p.m Henrique
Castro. Est vMoque as folhas de 5lontevi.lo do
a ste encontr as proporcjSes de urna gigantesca
balalha, em que as tropas leaes alrancaram o mais
esplendido triumpbo, matando ao munigo 2'K) ho
niens, ferndo-he oulros tantos, fazitndo-lhe 30 pri*
sioneiros o tomando-lhe toda a cavalhada, arma-
mento, elr.
Segundo noticias de outra parte, porm, nao
passou isto de urna esraramura. em que os floris-
tas levaran),aun, a penr, mas nao hegaram a per-
Votsos roetes iuimeiliatos se sobrecarregam
de vos guiar pido caminho da honra e do decoro :
ohedi-rei-llies com fidelidade; e sombra de nossos
br.nz6.-a de Br*sileiros esperal p>-lo m'Mnento em
que par* cumprirmos lielmente o mandato de nosso
B'iverno vos indicar de novo o'itros devores e com-
proioissos o vosso rhefe e caraarada.Jos l.uiz
-Men/ia Brrelo.
A' erra do filiado Oriental diz a Atalaia o Sut
de 27 do correte :
Pouro adiantam as ultimas noticias recebidas
de Seno Largo.
Como ja noticiamos aos lellores, os blancos
desampararan no da 16 do corrente a gnarnico
da villa de Mello, vista las pajoaetas e lancjas
bra>ileiras, e entranharam-e para os iiervalitos.
i Uus dizem que altes engrossam suas fileiras
com gente de toda a idadee nacionalidade, e ou-
tro-i que todos os dias soffreru grandes deserroes;
porm naila se sabe ao certo
S3o diversas as narrarles sobre o degolamenlo
do eapitao Am ,ral Ferrador pela gente do coronel
FilellS.
Como quer que fosse,amorte do capito Ama-
ral fui um acto de barbaridade, que aterrou a pQ
digenas a casa de um colono de
do pial resultou a morto deste.
em que nos refere urna carta o
ncoutocimente :
No lia 20, s 7 horas da tarde, urna horda
de indgenas assaltou na colonia de Nova i'etro-
pohs, na linha Leopoldina, a rasa lo colono Joao
Kliuk, a q.iein feriram co do que |h resultou a injrle neia hora depois,
temi fuado e levado eomsigo ludo quauto en-
contraram ua ea-a do meso>o coluno.
Nao e achava no disincto, nem o subdelega-
do de iiulieia, nem o itireetor di colonia, que nesse
da se achavam en Porto-Alegre, e s voliarain
no dia 22, |>erinaijeceiidj comtudo em Loo-
poldo.
*"kes.Exportaram-se em moeda desde o di.
o da 2 do correute at hoje o* valores segninles:
Destinos.
Lisboa.....
Pernamhuco
Rio da Prata
Montevideo.
Ourn.
5:47*50rt)
S:OQO|000
286':0005000
I
Prata.
232-5000
1:8003000
- Ch
Total
290:47X1000 2:0325000
.garam, procedente, de Pernan.biifo ;
z/, o patai-ho dinamarqnez Adonu, com 12 dis;
.1 A t.n. ii.< *...... _
i 20, o briuuo Almir/inU e o patacho (Arralo
a 10, o ya.or americano te gueira frroouow rom
7 ; e i 4, o briguo Msfra, cni 13. '
--EjUHiawK^r tsse porto; a barra
. 0 de'egado de polica do termo, o Sr. major SnSS^' """^ Far, e a barca *"&
Joio Coelbo Brrelo, a uuem U tena a |iaruoipa-: Bum* Vf.ll n, l- j ,.
cao lo ocenido, nada pode fazer, porque nao nJU- "I,eCea Dr" Pe,,PI da s'"va Ba-
dispunba uciii de cavallos para a polica, e Iba T,invi,.n -CM ,,, r, ., ,
proh.dido pelosr, Dr. befe de pedia azer despe- L 3. J??? JS P^,d/"f' HfVnr?'
zas seo. autonsacao previa c expressa. Nes-a ca*, "|ti la r br A,""," S,r,,08a e
enra le metes ufflcTou ao Sr. Dr. chefe d, po-; 5 i'a0rra'v'.;J''r a' e,,lli-d" a ""nieara,. o ron-
- Chegra a corveta Imperial Marinheiro. no
id'a 3, e seguir
Miar/a.
os co-
licia, soliciando piovidem-ias |ue ponham
lonos ai-oberlo destas violencias.
0 Sr. delegado remetieu lambem au Sr. Dr.
rhefe de polica a Beaba homicida, que Wm una
Comprmanlo de 7 1/2 palmo-, simdo a punta de
u>o em forma de triangulo agudo, engastado de
om pedaco de nj > pao, que ter 1 1/2 palmo, o
pial por seu turno se liga a um taquary levissi*
mo que termina com duas penas de jac, forte-
mente ligada.
A flecha entiou no peito do colono um palmo,
e ao arraiicarem-a, o que tilBculto-ameute enn
na ferida, Orando lambem radiado o taipiarv.
Por arlo de 15 do crrente resol ven a presiden-
der 60 hoinens; e, pelo que tora a mais las pre-' palacio, a qual nao tendo confianga, consta pie seguiram, quebraram a poma do naso, ue ficou
tendidas vict..rias sobre Rodrigues e Gamboa, te-: suppbcara a S. Exe. o Sr. general J. L. "
nenies de Flores, o trium.'ho igualmente recia-; reto para mandar o batalhn 13 para
mado pelos i;oloiad..s, qu- alninnoi ter posto em quolla populaco, e que isso se realisou no dia 21. Ha, |ior convenioncia lo se,rvi(;o publico, dispen-
apressada fuga os coronis Telmo Lpez e Canes, i Consta que o mesmo-r. general gosa da maior ^ar portel
reputados dous dos mais valemes campes do go- sympaihia entre os habitantes do lugar, por suas
vemo de Montevideo. maneiras urbanas, ja petes seus antecedentes.
Tudo isio, porm, ia mudar de face com a en- A nao er elle, tal vez Serr Largo/osse o thea-
trada queja noticiamos da Ia brigada brasileira no tro de horrivel carnificina e de vjoganeas particu*
territorio oriental. lares.
Fiel i sua tctica, a imprensa de Montevideo, re- i |)o Estado Oriental nada ha que mencionar ;
ferlndo a tomada da villa de Mello pelos Brtfdei- correm alguns boatos de que a terceira brigada se
ros attribue-lhes toda a especie de atrocidades retira di Serr Largo a encorpurar-so divwo.
commeitidas neste arlo, mas for^a de exagera-las | < Consta-nos, mas nao potemo< asseverar, que
no_ ronsegue seno tornar ridiculas as suas impu- j o chefe poltico do Serr Largo e um dos coronis
tacoes. i das forcas blancas se apresemra ao bravo coronel
Sobre o progrusso das armas brasilejras no vis-1 Fidelis: aguardamos um proprio que esperamos
nho estado, encontramos as fdhas do Rio-Grande, para darme* esta noticia com mais ininuciosadade.
trazidas ,.elo vajior Princesa, as noticias eguinles: Consta-nos a uHima hora a noticia |ue a
Diz o Commemal de 23 :
t No diuiingo chegoii de Jagnarao o vapor
Guaranu,-e tronxe-nn< a sati-f ictoria noticia de te-
rem os biauqui bo evacuando a ptUMMcjtode Serio
trre ira brigada se retira do Serr Largo para
Acegu ou Piratiy,
Depois de j termos feito a noticia que vai
cima, sobre o Estado Oriental, recebemos de Ser-
Largo, sem ser preciso a nossa brigada ao mando ro Largo urna carta de um nosso amigo, qu* nel-
do -r. geueral Menna Barrete dar um so tiro I mente transmute o que ha occorrido notes ltimos
Para meihor ori-niarmos nossos labores des-1 dias naqueite lugar, cuja carta damos em seguida
tes acontecimentos, transrrevemosein seguida urna publirdade :
caria escripia por um oflicial superior da mesma j Cerro-Largo, 22 de outitbro de 1864.Amigo,
divisao. sua familia, que se acha nenia cidade. ; Houtem pelas 10 horas da manhaa a 3" brigada
Eis o que diz a mesma carta : imperial ao mando do Exm. -r. g-neral Menna
o Acampamento do Serr Largo, 17 de outubro' Brrelo fez a sua entrada nesta villa, ficando o ha-
de 1864.
Aqu entramos hontem (16), depois de termos
passado duas noules e dous dias bem iucommoda-
' talho 13 de infamara aquarlelado na romman-
dancia, que se acha estacionada na amiga pra^a
fortificada dos blancos, e os mais corpos da briga-
da, conjunctamenle com todo quartel-geueral, fo-
ram acampar cm urna coxilha a norte da mesma.
Grande foi a conrurrenria de habitantes deste lu-
gar e seus arredores, que afDuiram alim de pre-
s.-nciarem a entrada da tropa brasileira, a qnem
tanto respeiiam, c na qnal, dizem clles, det-oslam
a malor ronllanga, por ser ella um garante de suas
vidas o proprieda-les. Parece que foi urna las ra-
seus colorados contra a guauuco rio S> no Largo,
e que tinham sido mostea Ion* ifDciaes de Fidelis,
sendo um delles o rapllao Justino, irmao de tenen-
te-coronel Astrogildo.
O general Aleona Barrete, vista desta noticia,
dos, e vou referir vos sobre as nossas operacoes
alguns pormenores.
Ligo que sahimos de Jagnarao em 12 do cr-
reme e pisamos o K-iado-i irleni.il, acampamos; o
no dia 13 calumbamos 3 leguas, e eoan cbovesse
loda a tarde e noute, pi,-tenda o general acampar
no dia seguinte : porm seriara 8 horas da na-
nha, chegaraui |>roprios do Serr Largo dando a
noticia de se o-tarem bateado, o Astrogildo rom oj10es, alias bastante forte, que noveti ao Exm. Sr.
seu corpo de guardas narionaes^e o Fidelis rom o" general Menna Barrete a mandar estarionar o ba*
talho 13 de infamara dentro da villa, porque at
ento o povo amedrentado nao sabia ra, o nem
to pouro as casas se abriam ; tudo jazia na maior
desolacao I
Assim que se fez ouvir os sons das msicas
fez inmediatamente marchar a brigada, e como os: dos corpos da brigada, foi urna mudanra total : as
soldados-do 3" batalho do infantera eslivessem i bandeiras de differentes natjfies, que se viam tre-
iiui pouro cansados com a marcha foronda a p | molar em |uasi todas as casas como garanta indi-
que tiuliain feito. seguio su o 4 regiment de ca-' vidual, desapparecerara como por encanto ; as -a-
vallana viajando lodo o da, teiido apenas 2 horas sas se ahriram, o p-ivo corra em ondas, por toda a
de descanso, ernquauto se carneava para comer, e parte, a alegra e contentamente pairavaui em todos
depois marchamos imtnediatam ente e riamos ou os semblantes! Foi um da de testa para Cerro-
vir locar a alvorada perlo da povoaro do Serr- Largo. Pouro antes de anoitecer, a msica do ba-
Largo. talho 13 de infantaria, a mandado de seu chefe o
No dia 14, s 7 horas da manhaa, prinripiou Him. Sr. lente coronel Carlos Resn, locou na
o tiroleio. Todo o da estivemos promptos pri- fente do quarlel differentes pecas de harmona,
meira voz, ora montados, ora a p, sem receber-
mos ordern para atacar, esperando que ebegasse a
infantaria, que, apezar de virem esiuileiramente
por lerein rollorad i as moiillaa em carretas, assim
mesmo s chegaram hout ni 1*>, as a horas da
tarde.
Todava o teuenle-r.ornnel Astrogildo e o co-
ronel Fidelis coutiiiuaram no dia lo o liroteio, e s
o 4 horas da taide_approximaram--e da povoaro
onde
povo.
de novamente reuni grande concureo de
e cootinuou o fugo de liarte at ao oscurecer; mas
ja nessa occasiau o inimig
Oriental, seoo lambem de urna nutiltcaclo debi- bagageus para o outro lado do lipiarv retirando
queio de seus portes, Celta com as formalidades I se as nossas forcas as 8 horas da noute para o
proscriptas, uo posso admittir que a expressao em* I acampamento alim do descausar tanto a trupa co*
pregada por V. Exc. Contrabando de guerra* I mo a cavalhada.
iiossa ser appiirado com propriedade a qnaiqner No dia 16 montamos todos a cavallo pela ma*
mercadoiia que os navios inglezes conduzam no I drugada, e aproximaiHo-n is da povoar. sahiram
riirso legitimo do seu iratii-o, e portanto anda me- am descoberia os /alantes, e em breve voliaram
nos posso reronhecer a validez do -lireito presente- rom a noticia de ter u iuiuiigo evacuado a puvia*
mente marcado pelo governo do Brasil sobre a va- jan e deiXaudo-nos muito saudosos com a sua au-
ga .-iliegaeao de lomar represalias, de deter, regis-
trar e lalvez at de apoderar-so dos navios marran*
sencia.
0 4 regiment nao
tes biitannicos que navegam uas aguas desta Re- contrar com os seohores blanqmihos por que estes
publica, sob a f de solemnes tratados, aguas que
sao essenrialineute livres, aguas sobre as quaes o
Brasil uo exerre dominio algum.
Em couciuso, tenho a honra de observar, em
referencia a insiuuaco de V Exc. respectivamen-
te as operacoes noli lares e navaes contra o povo
eommereial ao noite do Rio Negro que se essas
! operacoes forem a causa de damnos para os sub-
co.nme.cu nem offender o nacional paeitieo, ';" o j dllos anir^nientes, competir ao governo de sua
eslrange.ro que se orcupa de sua industria, enten-1 lllil.esl;illo determinar at
deu que devia fazer recahir o elTeilo das repreza-
lias sobre o que affeetasse iinmediatameiite o go-
verno da repblica para obriga-lo a dar as salisfa-
^o--s exigidas; e que impellido pelo procedimrnto
posterior desta repblica, o de M. imperial de-
terminad que o seu exerrito se apoderasse das
forras que em nome da|uelle governo anda oceu-
pam as povoacoes ao norte do Rio-Negro; e que as
Ci-n-ervasse como rcerezalias at obler garantas e
satisfacoes que debalde al boje lem reclamado : e
que para este (im doveaesquadrasob o mando de V.
Exc. cooperar rom o referido exerrito e empregar
todos o-seus esfurros para que aquellas guarnicoes
nao reeebam sorrorros desta ridade, nem possam
m-tTer-se pela via fluvial dos pontos em que se
acham; solicitando V. Exc com este fm a expedi-
ente das convenientes rdens para que o navios
que se empr. gam na navegai;o destes rios com a
bandeira de minha nago rerusem ri-ceber tropas
6 muniefies de guerra para transporta-las de um
ponto a outro, maniendo assim a perfeita neutrali-
dade que Ihes convm guardar, nste que deste
modo se livrar V. Exc. de cumprir o penoso
porm indeclinavel dever de exerrer sobre ellos
ama constante vigilancia e appri-heuder os contra-
ban los de guerra que se eucontrassem bordo,
ote ele
!>em enlrar a disentir as apreciagoes que con
tm o offlcio de V. Exc, seja-me permittido per-
guutar, em vista dos principios rrcnnheci los, se
nao e.-iandn declarada a guerra entre o Brasil e a
Repblica Oriental, nem uolihVario o blo piejo com
as forma idades e idrcumstancias que exige odirel-
to das gentes e a pratioa d- tolos os povos rivihsa-
do-, exi-lem eintal caso belligerantes e neutros? E
so se pode exercVr o direilo de visita e de pesqui-
sa com o simples titulo de reprezalias?
Nao obstante rnn--i>ferando V. Exr. todos estes
direiios romo adipiiriilos, depois de prevenir aos
agente- eslrangeiros icrea das operaedes navaes
c militares que vio ter lugar, nao posso prescindir
de manifestar a V. Exr. que me impossive
admiliir por parte do vasos as suas ordens a facul-
dade de visitar, reter ou apresar os navios mer-
cantes de unnlia nacSo que navegam d. baixo da
boa f dos tratados solemnes as aguas essen-
cialinente livres em que o Brasil uo libei-
rmbo.
Nao terminarei o presente ajQsio sem accres-
centar piiiaii caso de que as uperac-s de guerra
anuu'irafi* rom o titulo le reprezalias conira a*
povoa. os situadas j.o mirle do Rut-Negro, as
quaes ha iniiilos e valiosos nleresses de sub-los
de S M. Fidelsima o rei meu augusto soberano,
orrasionom a estes damnos e (ir. mzo-, o meu
governo decidir at que prntu ptnde recahir a
n-spon-iabilidade de taes damnos o pr.-juizos sobre
S. M. > Imperador do Brasil.
Es'a iqi|Hirtunib.de me proporciona a de san-
d.r alt. nlaiiionte a V. Exr. o ren var-lhe a segn-
falira d- muilqi distinrla roiisidera\,o.-(Assigua-
(ioj. L de -onza Leite Azcvedo,
* Ao JUm. eExrn. -r. baro de Tamandar, vico
nunca *e animaran a sabir da p>>yoacioae nosso
encontr para baierm-se : entreuvoramse nica-
mente com as pequeas forcas do coronel Fidelis e
com o Astrogildo nos seu- lirnteiros.
- O numero dos morios foi limitado ; do coronel
Fidelis morreram dous humeas e Qron um lave-
mente f-rido, o do inimigo consta-nos terem iiiorri-
do 4 i ai S pessoas e ter lid alguns feridos.
0 que vos reliro o que se tein passado sob
Iota a verdade, e tudo quauto mais avancarem nao
exacto. >
Sobro este assumpto l-se na Alatoia do Sui do
dia 13 :
* Ante-hontem noite livemos noticias do Serr
Largo, vndas por um proprio que ch.-gou villa
que ponto o g rverno do
I Brasil sera responsavel por esses damnos.
Tenho a honra de ser, -r. bario, do V. Exr.
muiio obediente humilde criado. W. G. Let-
leson.
t A" S. Exc. o vice-almirante, o barao de Ta-
mandar, ete. etc.i
Legaro de *. M. calh ilici.Ao Sr. barao do
Tamandar, vice-almirau.'e, etc et-. ifije uve a
honra de recelier a no'a circular confidencial que
V. Exc. me dirigi com daia le 11 do correte, e
absiendo-me de discutir sobre as appreciacoes que
conten a sua primeira parle relativamente ao sos dados por V. Exc. junto au governo oriental de-
pois de terminada a mssfo especial d<> Sr. conse-
ibeiro Saraiva, liinilar-iue-hei a cont.-star a segun-
da parte da rilada nota, em que memanifesta V.
Exc. que o governo Imperial delerminou que o seu
exerrito so apoderarse das f-Tijas do governo orien-
tal, pie oceupam as povoacoes da mesma repnbli-
ca ao norte do Rio Negro, e as const-rvasse a titulo
le represalias, al obter as satisfaces pedidas; e
para que aquellas tropas nao reeebam soecorrosde
Montevideo, pede V. Exe. que faca expedir ordens
uiivenienles para que os navios quo navegam com
bandeira hespaiihola rerusem receber tropas e mu-
uiroes de guerra alim de guardar a devida neutra-
lidadr, pois que do contrario se veria Bu penoso
|x>rin imprescriplivel dever deexercer sobre el.es
urna vigilancia constante e de apresar qualquer
contrabando de guerra que fosse adiado a boruo.
Agradecendo V. Exc. as con-ideracoes de
ieabi.de..- franqueza que emprega na sua citad
nota, vejo-me na necessidade, ao responder-lhe, de
cingir-me nos principios que regem a materia de
qu- se traa. *
Esla legacao de sua magostado, Sr. barao, nao
pode ass-iciar-.se as medidas extraordinarias que nou a populaco ao seu estado normal,
maiiifesta estar decidido a adoptar debaixo do no- Rerresr.em as rer.lamacoes dw povos daquella
me de represalias sem que antes se tenbam prali- parle da fronteira, lela falta de seguranca de suas
cado a- f..rmali.Iades que o direilo publico exige, vidas e propriedades, ltenla a pequea furra de
pois que meu governo zela com a maior soiiritude guarda nacional que a guarnece,
as garantas e seguranza a que teem direilo sous A terceira brigada d.-via ter deixadq no dia 24
subiiitos as regras e principios estabeieeides. ; a villa do Serm Largo, e seguido para Aregu.
* A vigilancia a .|ue'V. Exc pretenrle snjeitar' As forras de Fidelis nVavam em erro Largo,
os navios hespanhes ue navegam estes rios en* e o 13. balalha i de infantaria
volve o direilo que devo comhaier, prole-lando Eis a erdem do Hia feita pelo brigdeiro Jos
outra e com a maior energa, nao tendo sid de- Luiz Menna Barrete, ao pisar a brigada de seu
clarada a guerra entre o governo do imperio e o mando as planicies orientaes :
Eis em resumo o que se passou no dia de hon
tem', porm temos lmbem de lamentar a perda de |
mais um Brasileiro, victima desee pernicioso sys-
tema de se tirar a vida ao prximo por meio do
deijole, to Vinal ncsU trra. Fallamos do assassi-
nato feilo na pessoa de Amaral Ferrador, capilo
das forgas do Fidelis, o qual lendo-se desavindo
com este, se achava reunido a Manduca Cypriano
eslava passando suas para he fazer a guerra. Em resultado te tudo
isio, deu lugar a que Amaral fosse degolado brba-
ramente por urna partida de colorados commanda-
da por um tal lente Slvale.
i. Tenho ouvidu differentes versoes a respeilo do
prore-limento do fallecido Amaral, onde se diz que
elte pralicava actos da mesma natoreza do que Di-
urnamente fura victima. eu enterro foi feito a
expensas le seus companneiros de anuas, e no
acio do cadver ser levado ao Cemiterio cll.-s fize-
ram protestes de vulgar a sua morte. Oxal que
tal ceusa nao acooleea, porque eolio leremos de la-
mentar iiiiiii.is vidas. Por agora limito-me a di-
zer-lbe por alto o que se tem passado por estas
plagas.
A mesma folha da ultima data acrrescenla :
A 3* brigada ao mando do disiincto general
Jos Luiz .M.-nna Brrelo, marchou uo dia 24 rom
(invivo a-i A-vgiia, ti-ando na villa de Mellos
colorados ao manilo de Fidelis.
A nos^a brigada se conservou no Serr al
dia 23 ; nesse dia tiveram ordem do general das
armas, e niareham para o Pirahy.
t O 3* haialho, que eslava a 23 passando em
enturbio para se inc rporar 3* brigada, teve or-
dem em contrario, repassou o Jagnarao e seguio
para Bag e 25 se achava no Jguaro-Chiro.
As tercas blancas esto p. la serra de Guasa
t-v* o praer de se en-
de Artigas, as quaes damos em segu.ia, transcrip- nanbv, teeiii reunido como voluntarios os Brasilei-
las de urna carta do coronel Fidelis a um seu ami- i ros e'teem conunellido inuilas tro|ielias.
go nesta idade ; aguardamos,poim, achegada da Suas iiarlidas andam pelo Iiervalitos, Parau,
diligencia, para serillos mais mmneiusos nesta no- etc.
liria, vista das partiripacoes nQcjaes do general | Diz-se que Carabajal esl pelo Olimar com
commandaotd da terceira brigada, Jo- Luiz M.-nna Sua forra.
Bairet'. O Paraguay linha abrandadosensivelmente osen
o 4o regiment achava-se acampado perlo do arreganho bellico contra o Brasil, e smenla para
'erro Largo, desde sabbado passado, e no domingo nj0 o ri.-ixar desa|i|>arerer repentinamente, ia o
inpo interminario, de lodo oexerncio do
commando do 37 rorpo da guarda nacional, o
Sr. teneule-corouel Juaquirn Guedes da Luz, e uo-
:iicou para coinmandar u 3o corpo provisorio de
guardas nacionaes o Sr. tenente-corouel Apolinario
de Sou/.a Trindade, em lugar daquelle teueule-co
1 ronel, |U0 lambem foi dispensado desse coin-
maudo.
No impedimento dos commaodanles das frontei-
ras de Jaguarao e Bag, oram nomeados para
substitm-los, na primeira, o Sr. coronel Manoel Pe*
reua de Varges, e ua segunda, o Sr. coronel baro
de Serr Alegre.
6
Por porlarias datadas de 3 do rorrpnte, foi exo-
nerado a seu pedido, o coiisellieiro Bernardo de
ouza Franco do cargo de riscal da liquidarlo da
rasa bancada de A. J. A. Sonto & C, e noiueado
em seu lugar o couselheiro Jos Pedro Dias de
Carvalho.
Foi expedido por este ministerio presidencia
da pnivincia de Pernambucu o aviso seguinte :
> Em resposta ao offlcio de V. Exr. de 13 de ju-
Iho do corrente auno, remetiendo copia da corres
pondeucia trocada entre o cou-ul de Portugal c o
juiz municipal da 2" vara desta rapital, por ter
aberto o testamente com que falleceu o subdito
portnguez Manoel Jos de Amorim, cummuniro a
V. Exc. que, tendose suscitado duvida idntica
nesta corte entre o consulado geral de Portugal e
o juiz municipal da 1" vara, pelo ministerio dos
negocios estranpeirss loi declarado em aviso de 25
le juiliu que a faculdade de abrir testamentos nao
cabe aos cnsules portuguezes no imperio, nem
pela leira, nem pelo espritu da convenci de 4 de
abril do anuo passado; porque, precisando o art.
13 as hypothi'Ses em que aquella autoridade cha
Miada a fuureionar em assumpto de hc-ranca, .-x-
rluio a de que se trata, e ueui poda deixar de ex-
clui-la para ser coherente, una vez que adinit
te a interferencia dos cnsules quau.lo o fallecido
nao deixa herdeiros ou desigua teslameiiteiros, ou
cujos herdeiros nao sejam conbecidus, csiejam au-
sentes, ou sejam incapazes; e essa interferencia
uecessariameiite lem de ser precedida de veritica-
jo dos casos a que ella correspondo.
Por decreto de 3 do rorrenie coucedeu-se ao ba-
charel Antonio GoDcalves da Justa Araujo, privi-
legio |ior 10 anuos pa/a fabricar e veuder maeii-
nas de pilar cal.
Por decretos de i do corrente foram nomeados:
Viente Aives de Aguiar, capilocirurgio-inr
do commando supe ter da guarda nacioual dos mu-
nicipios da Imperatriz c Assembla, da provincia
das Alagoas;
O capito Adherbal Tilo de Castro e "-Uva, para
o posto de teiieiite-corniiel commandante do bata-
Ibao de infantera n. 30 da guarda nacional da pro-
vincia do Ceaia ;
l.uiz Ignacio de Olivera Mariel, major comman-
dante da l* seec,tu to bataluo da reserva da guar-
da nacional da mesma provincia ;
O capito Manoel Sonauo Guilherme de Mello,
uiajor-ajudaiile de ordens do cominando superior
da guaida nacional do municipio do Brrjo da pro-
vincia do .Marauho ;
0 capitn Simio Fernandes de Oliveira Rebou-
gas, capito secretario geral do mesmo commaudo
superior.
Foram reconduziilos:
O barbare! Joaquim Theotonio Soares de Avel-
lar, no lugar ue juiz municipal e de orpbos do
termo de Cimbres, na provincia de Peruainburo ;
O bacbarel Tertuliano Ainbiozuo da ilva Ma*
diado, no lugar de juiz municipal c de urpbos do
termo de Bag, ua provincia de S. Pedro do Rio
Grande do sul.
Foi concedido melhorampnto de reforma no pos-
to de major ao capito refirmado da guarda nacio-
nal da provincia das Alagas Antonio Joaquim
D.iarle.
Fui dispensado do exercilo por tempo indetermi-
nado o tenente-coronel cou.madaiite do balalbo
de infamara o. 8 da guarda nacional da provin-
cia da Parahyba Manoel Pereira Burges.
Foi creado um cominaudu superior de guarda
nacionaes, no municipio da 'Vargem Grande, da
provincia do .Maranho.
Ministerio da agricultura.-Por portarla de
3 do correute foi declarada sem elfeilo a jiortana
de 5 de setembro ultimo que conceden deinisso a
Joo Evangelista de Souza Gomes do lugar de
agente lo rumio da villa de taula Iteleua, ua pro
viucia do .Marauho.
para a corte, uo dia 5, a O. /<(
I'roce.lia-se eleicSo de um deputado as-
sembioi geral, pete districto, sendo enherido o
resultado dos cotlegios da Cachoeira e Maragagi|ie,
onde obteve 3ol votos o Exm. Sr. ronselheiro Pin-
to Lima.
Para a Europa foram despachados 313 oila-
vas e dez graos de diamantes, que segnem no
Cambio regulava sobre Londres A 7 d.
por lU0O rs. e sobre ll.wnburgo 665 rs. por
m. b. '
Entrn, precedente de Pernamhuco,
a gal.-ra mgleza Thoi nhill, com tres dias.
6.
- Sahiu para Pernambucj, 3, o brigueescun-
.Vo Sei.
Achava-se carga para esse porte, a sumaca
Espelunca.
Ai.ag5as e Sercvpe. Nada occorreu, que mc-
reca inengo.
PERNAMRUCO;
DIARIO DE PER AMRUCO
tanle lambem acampou uo mesmo lugar o 13.'
batalho.
Eis o que tiramos da referida carta :
Serr Largo, (7 de outubro de 1861
Amigo.Conforme seu desojo. Serr Largo
ac.ha-se em noso poder deiiois de tres dias de lula,
ai-s o- quaes os houiens fugiram abandonando a
praca rom preiuizo de alguns morios e lerulos ;
nos perdemos 2 nfflriaes e apeuas 3 soldados feri-
dos, mas po nao perigain.
t A dniora da infantaria, que devia alacar olni- j
migo, e ue hontem cttegoo foi o quo den lugar | rhefe do rorpo de operaroes eslava linda em Pira-
a se escaparen, quaodo nao cunheceriam bem a hy no dia 21 rom o gnwso da forca, arhando se
terca de nossas armas. -Seu amigo e patricio, Fi- aili lenatmente o Sr. brigdeiro Ozono,
delis Paz da Sjiva. As mermas folhas dizem que a divisa
(iresidente I/ipex entretendo ainda inolTensivas ma-
nlfestardes populares.
O vapor Prtnceza trouxe datas de Porto-Alegre
al 30 do pansido, do Rio-Grande do Sful ato 1 e de
Sania Caihanua at i do corrente.
Alm das noticias que se referen] aos movimen-
tos do no-so exercilo na Banda Oriental, e que ci-
ma ficam transcriptas, pouco ba de algum iute-
resse.
Segundo as folhas do Rio Grande, o general em
Na supraeiada folha de 29 l-se
c Na noite de 26 do crrenle f. i a populaco de
Jaguarao victima de um susto, motivado por urna
festa que h-uve na villa de Arduas, sendo n eslru-
gir dos foguete* tomado portos, e presumiram
ser aigum assalte dos blunqnilhas. Verificada a
causa, desappireceram os eh*ei..s lo terror, e tor-
da repblica Oriental, nem mesmo precedido noti-
licacao te bloqueio.
.i Sem e-sas declara(;ops, que estabelecem o di-
reilo das gentes e a pralica seguida em ledas as
nageos, nao podem haver belligerantes, e por con*
seipieicia Io poMCO neulros.
Gomo, pois, podem ser apphravei's as regras
relativas ao dueito de visita ^ embargo de Contra-
bando de guerra ao simples titulo de repre-.-ili is ?
Compro um dever ,ni declarar V. Exe, que
me inpossive aduuliir pie as forras navaes a<
or.le.is le V. Exe. se arroguen) a faenldade de de-
ter o visitar os navios mercantes h.spanhes na-
vegando em aguas rssencialun-nte livre-e que
Quarlel general do commando da terreira bri-
gada da divisan imperial em optracoes no E-lado
Oriental do Uruguay, em acampamento volante, 13
de ootuhro de ISfii.
Ordem do dia n. 12. -Cantaradas I Comprimi
ordens mui terminantes do governo de nosso an-
gusio soberano, -\< nos m-aiido o solo da Repnbli.-a
Oriental do Uruguay. No.-sa misso nesle territo-
rio de honra p ra nos e para o nosso paiz, onde
mai- deoito miilidcs de ronridados nu< ob e onde um gi.vernn j'islo, energiroe patritico aqui-
latar no-sa coiidii.-ta.
f Percorrendo estas campias estrangriras. al
0 liento a que nos dirigimos, lentos por sagra
nem ainda banham nanbam territorio do imperio, dever a mai esirelta e compacta uuio entre nos
que a divisao que se
achava em B p enVln-m a sua passagem para o
E-iado Oriental no dia 16.
O chefe de (tolieia da provincia de S. Pedro linha
seguido no da t9 para a Cachoeira e devia percor-
r*r inversos iranios da cauqianha, alim de conhe-
er o pessoal a que e ciaes, e esludar as necessidades da reprliyoque
dirige.
L-se no Corrrio do Svl de 25 :
Consta n<- que d ms BraNeiros naiurali^ados,
os Srs. Chn<|.ivo Bauu, amigo soldado da legali-
dad*), e Pedro Fatsi h, que servio no exerrito re
pnidieano, off. receran ao Sr. bngadeiro Andrade i governo imperial a 26 d e s 210.000 que o bau
Neves os seus sorvieos militares,* o< de mais 50 ou do Brasil tumou antes da entrada do pagela a 26
Chegaram hontem dos portes do suido imperio o-
vaporesbrasilbiro Cruzeiro ioSul eingletOa/idii.
ciimdatasd 'Rio at 0,da Bahiaal 12 e de Alagoas
at 13 do corrente.
Sob a rubrica Interior vai o que ha de mais un
portante alm do quo apenas encontramos o que
segu.
Rio de Ja.neeiro. -O capilo de mar e guerra
.Manoel Francisco da Costa Pereira, foi por decreto
de 4 de crreme reformado, como pedir, no posto
de chefe de divisao, com o respectivo sold, nos
termos doalvar de 16 de dezembro de 1790, por
contar mais de 41 anuos de sevico, e arhar-se un*
possibiliado de nelle continuar, em consequencia
de modestias que solTre.
Por decreto de 4 do corrente foi reformado,
segundo a plano le II de dezembro de 1815, o im-
perial marinheiro Manoel Francisco de -ouza, rom
o sold por iuleiro, por le.-des adquiridas no ser*
vico.
Eis as notlrias commerciaes ultima hora :
Cambio Ineliiindo pequeas operacoes fechadas
hoje a 26 d. sobre Londres e 360 rs sobre Pars,
hammam os saques pelo paquete mglez Oneida.
Sobre Londres : 480.000 a 27 l|4, 27 1(8,27,
26 7|8, 26 3|i, 26 l|4, 26, 25 7,8 e 25 3|4 d.
Incluimos ne.-ia sniiiina 3(1,000 lomadas pelo
KiiSTA UEAfil.
No sabbado ultime den a sociedade rerreiativa
Corybantim a sua partida mensal com a eostu-
mada regolandade, concurrencia e aprazibilidade.
A assisiencia d-* cerca de 80 Senboras com ex-
cluso de algunas meninas, embelleca o sero,
dando-lhe vida e animayo ; e a direcfo nada
oiniltiu em obsequiar aos seus convida los.
Seguio hontem uo vapor ingtez para a Eu-
ropa a nossa joven patricia Angelina Bottini, que
em Milo vai aperfeicoar-se n-s piano, ein que j
lem um ment subido, graeas ao cuidados e ensi-
no magistral de urna mi cahuliosa e respeitavcl,
que me lem desenvolvido as boas disposiyoes, com
que a naturezaadotou, equeadormecendo a sauda-
de materna no seios d'alma, se desprende assmv
do uuieo fructo dos seus amores, para torna lo
mais adiante credor de um renume.
Desojamos prospera viagem a nossa joven patri-
cia, fazeiute votos para que regresse a esta uoss?
patria digna do nome que por seu talento j tem
sabido conquistar.
Renietle-uos de Olinda o seguinte :
Ou aqu nesta cidade nao ha polica, ou se ba
to surda, lo cga e to paralytica, que torna-
se inhabilitada g.ivernanca. E isio certo : pois
quem ui<) tem lido tantas e tao repetidas recia*
mandes, que se ha fejo nesta sua Revista, Srs.
redactores, sobro numerosos roubos que aqui se
tem praticado e coutina-se a praticar mesmo as
barbas da propria polu-ia ?
i Quaes as providencias? Se as ha sao ou cm-
butijiidits ou in nomine; por que enio um tal
Cliristo, que em pleno da desfechou um tu o uos
esludanles moradores em *. Francisco, tiro cojo
sigual bem Visivel acha se n'uma das paredes da-
quelle convenio, nao passeana impune ; rnto os
moradores da ra de S. Rento nao v.-.r-se-biam
obrigados noiliuha a guardar gallinhas e outro.
ohjcrios, mesmo alguma bacia de banho, exi.-t !.-
tes nos respectivos quintaos, para nao passarrm
pelo goslinlio de licarent sem elles : a pocia
cga, e por ser lambem paralytica das peinas uei-
xa de correr em busca dos larapios, que as vezes
uo pdem earregar algum peni; por que os pro-
prios dones serven* de polica.
t A polica d'aqui dorme muito, e tanto 3ssim
que os ladros ja arrancaran), nao ha muito me-
tes, a soleira de urna das puMas, em cujo sobrado
mura va o subdelegado 1
i Se ha provi lencias enrgicas nao parecen),
por que nao continuaran, os roubos. Muda terca-
f.-ira desta semana fortaram lies cavallos que li-
libain sido enviados da villa do Inga a um estiman-
te d'aqui, alim deronduzi lu (tara passar as f. ras
com sua familia all: acha-se, pois, o estudaute
impossibilitado de proseguir sua viagem.
* i\o ha mullos das qu<- fuilaram do quinlal
da casa do Sr. Un go Vianna, un boffl numero ite
gallinhas, que para as poderem levar terceram os
i-esCocos; do quinlal vizinha furtaram nina por-
co de r./Upa que se tulla botado a lavar.
Estes lacios sao pblicos aqui, e pde-se muito
b.-in averiguar ; e como fenece-nos a esperanza
le loda e qualquer providencia, pois os assaltos a
propiiedade reproduteiii-.se, pedimos illusliada
redaeeao testa Heiista, que consigne estes lados,
os quae.s nao sera algum elogio adrede arraujados
que os faia de.-a(.parecer, pois sao bem e bem uo-
lonos, e outros que Ihe remetiremos a propoiro
que se for dando, para ao menos fazer corar a po-
lica de Olinda.
t MuIj grates Ihe ficaremos. -rs. reilaclores.
Fizeram arlos na Faculdade de ireite no
dia 14 do corrente os segundes estuJanleg :
Io anuo,
arauel llenri.pie Hardmaii, simplesmente.
Terenrio Jo- Chavantes, qilrnamonu*.
Manoel de Paiva Cavalcauli, dem.
Jos Vaz da Fonsera Lordello, simplesmente.
Augusto Cesar Jansen de Mello Rocha, plenamente.
Fabio Nuues Leal, dem.
2 anno.
Jo.lo Lopes Pessoa da Costa, (llenamente.
Jo- Elisio de Carvalho Couto, idenaineute.
Candido Pinto Lobo, simplesumiue.
Eduardo Augusto de Aguiar Bello, plenamente.
3 anuo.
Jo- Pedreira Franca, plenamente.
Joaquim Mara Carueiro Vileila, idem.
L'iu reprovado.
4 anno.
Francisco de Assis Correa Lima, simplesmente.
Francisco Gonealvm d. J.ista, plenamente.
Joo Manuel Mendes da Cunba Azevedo, idem.
Bruno Jauseu IVr.-na. dem.
o anuo.
Joaquim Germano Ramo-, plenamente.
Antonio Epainuiuiidas de Barros Cortea, idem.
Manuel Rodrigues de Arruda amara, i.leui.
Resultado dos exames feilo no curso de pre-
paratorios aunexo Faculdade de Iba-ito no dia
11 do corrente :
La(m.
Siinplesuieuie... 10
Reprovado...... 8
Francez.
Plenamente......
Simplesmente....
Reprovado.......
18
40 cidailo* naturabsados, e como laes isentos de
desiacar para fr.i do seu municipio.
S Exc. o Sr. presidente aceitn, segundo nos
informam, oofT-reeimeiito daquelles veteranos- as-
sim como o d is Srs. capitn Agotinho de Souza
Liureiro, lente Jocob Ranermaun, "e alteres Ja-
rintho Jos Fernandes, rtistinctos olTi.-iaes do IIo
corpuda guarda nacional,qu.* e off-receram tam-
be o espontneamente para marchar -om mais 40
guardas vo unlarios, unidos 2' briuada.
t Em Rio-Pardo te-m-so tambem aprosentado
muit >s volunlario- ai Sr. g-neral AnJrade Neves
para f i'er parte da referi la b ig ida.
Exemplo-i s> estes diiii-ts de imi'acao e en-
comio, .pie em S'luic.io com a que se nos apr-
senla agrande moni de evitar nwore-i sacrificios
alronia-l.t com int*-ir-ia e boa vonta-te.
O Mercantil da uie-ma data d a seguinte noti-
cia :
Coramunicamnos de S. Leopoldo o ataque de
3|i, 27, 27 l|8 e 27 l|4 d., sendo paite da remes*
par cunta da adiiiinislracoda ma-sa fallida ib* Go-
mes & Filbos para rsgale de crditos emLon-
So'hre Franca 1,800:' 00 Trancos de 350 a 353 rs.
antes do paquete, e depms le 355 a 360 rs., alm
[de qnantias diminutas a 365 rs.
Sobre ll.imliurgo 100,000 m. b. a670e 680 rs.
Sobre Li-lioa e Porto tem regulade ltimamente
as taxas segontes:
110 a 112 por cento.
109 all idem.....
iu8 a 110 idem......
10" a 109 ilem......
Apo'ires.Bis geraes de
hoje 50 ao par.
Deseo dos. M iniem-se no.-
praca regula-n do 9 1|2 a 12 0|0.
Ai-ces. -Negociarain-se boj
Brasil ao par.
a vi-ta.
a 30 dias.
... a G>
,.. a 9 J
6 0|0 negociaram'Se
bancos a 10 0|0. Na
40 do banco do
o
9
i
18
0 Sr. ronego Antonio Jos de Sonta tiorn- .
dejxou a admiiistrayo do curato da S, por ler
pedido.
Depois d'amanhaa se exlrahir a 1" parte
da 1* lotera da matriz le Itamb (116*),8ndo o
maior premio 6:0ll0.
RBP-AIITICAU DA POLICA :
Extracto das parles do dia 13 e 14 de novembro
d 1864
Foram recolhidos casa de detenco no dia 13
do corrente :
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio,
Francisco Jos de Sant'Auna, para averiguacoes
poiiciaes.
A' ordem do da Boa-Vista, Lourencn Antonio de
Oliveira, por desor.tem; e Amonio, escravodo Sil-
vino de Mello, por fgido.
A' or.la ii do la Capunga, Mara Joaquina da
Paixo, Iguaria Marrolina na Soledad.-, ambat por
bi4-i ; e Joo Lines de S >Uia, por furto de ea-
vallj e uso do armas lefezas,
- 13
A' orlem do subiieionado de .Sanio Antonio.
Francisco Daniel Serundino de Kouza Mello, por
embriague?.; e Joo, escravo de Auguatu d Mi-
rauda, por disturbios.
.
>-




Jarlo t rcrntmhntA ** Ter$a Uiri lft m \\*mUm ir .4.
A' ordem do 4 9. Jos, Honorio Jos da Rocha,
Leopoldo Francisco Alfce, por disturbios ; Mrci-
tino Gutherme Kifcjiroy por crimc da aeflora-
iOClMO.
A' ordem do da B -Vista, Manoel Qairino da
Eujtarnac, para correrci >; o Cosme, escravo de
JuanJose .1.'. Carvalho >rasr por desordera.
A' ordera da du Peres, ilyppolito Cadiano Paes,
por furto ; o Miguel Yirssiino, a disposleo do Sr.
l>f. cliefe de polica.
O ehefe da J seccao,
1. G, de MfotfHtla.
de divida com hypotheca, de que se pagou sello pro-
porcional, nao est sugeita a novo sello.
< Ministerio dos uegocios da fazeuda. Rio do
Janeiro em 6 de outuhro de 1830.
Angelo Muniz da Silva Perraz, presidente do tri-
hunal do tne-ouro nacional, communna ao Sr.
inspector da the o mesmo tribunal toman la ronherimeuto do recur-
so do Banco da Baha, que acompauhou o sen u(Ti-
rio n. 29o de 4 de agosto deste anno, Interposto da
decisao da referida tho^ourara, que eonflrmou a
da rei'uli-iloria declarando sugeita revalidarn a
Mbvmento da casa do detena dodia 13 do letra de 71:9224592 passada por Luiz Jos do Al-
l incida, dru-lhe provimeoto ; porquanto, tendo sido
a letra pascada- em ounsequeoria de contracto, de
divida com hypotheca, de que so pagou o sello pro-
porcional, acha-se compreheudida na dispo-iyo do
art. 23 4 do regala-rnentode 10 dejullio de 1850,
' o cooseguiritemenfe isenfa do supradito sello.
Angeloiinniz da Silva Fe'aS.t
! E nao obstante ser isto b-'iii terminante, pagava-
se sello proporcional, de eserpturase letras, fun-
dndole em urna ordem do thesouro nacional mui
anterior do regiilameufo de-jsello de 10 de jalho
de 1850, que delerminav o seguinte :
< A/1. 23. I>"> liuiios de 1* e 2* elasse, que sao
isenios-do sello proporcional :
1 As tettras passadas em consequencia de
novembro de 1864.
A =aber
Exist m....... Eniraram...... 358 11 6 presos. >
Existem....... 363 i
Xarionaes..... Mulheres...... Estrahgeiros... E*trangeiras... Escravos...... Esrravas...... 289 7 11 2 30 4 i > >
exerueo qne raove Antonio Ignacio Braodocorr-
tra Manoer Francisco de Paula.
Car reto.
Pela admjaistrael'o do correo dest* cidad* se
faz publico que hoje (13) as .1 horas da tarde fe-
rliar-se-ho as malas que o vapor Cntzrlre do Sal
tem d-cm-litzir para os porto* do nart. As .ar-
tas serao admettdas a seguro at as 2 horas, e as
. |mW reeebidos at o BMfti dia.
O corno de polica compra 100 boauts redon-
, dos para a servio urbana: quem MUM fornecer,
aprsente M proposta em carta fchala, as 11
horas do-dia 14 do crrente, na secretaria do dito
corpo.O tenente-secretario,
Luiz Jereuymo Ignacio dos Kntoft
COMPANIIIA
Para Lisboa.
Sahir com brandado o patacho pnrlogn.:.'. Ha-
ra du- Ghrta. recebe carga a frete e passnyeiros :
trala-se com o sea consignalam E. R. Rabelld, ra
da Cadeia q. 83, gMTiptorio.
- Par o Wo de Janeiro segu er mnita bre-
vida le o palhabnte bnMMra AitHvr, recebe car-
ga a ffelw : a tratar no e criptorio de Amorrm Ir-
wies rea da Cruz o. 3.
------------.......ii..- ,,,- ., t..... .,. ...
tocando no Cear. jp#ue o hiato Sobrbase com a i
carga que tivr bordo, no da 16 do corren : '
paia carga e nassapeiros,. trata-se com Caetano
Cyriaco da C. K 4 Irnio, no Urgo do Corpa Sao-1
to n. 23. i
DK
Attenco.
, Oirerecc-so p&r whda urna padaiia livro e de-
sembaracada rom todos os seus nertonecs, como
tm fi 5>-iro,'foroem,!sent1Ho*, siu na ruado
U Sc* Hunmf* n- 7- "* afregneuda, rom grande
xos com habeliddes e sem El!ZiS2^*mSft BSZ
i precisas; v.ndc-se l,f>m 2 escravus velhM ou sem
CllilrS files : a tratar na me.,;'a.
Escravos de ambos
ii
tIMU.
363
Aumentados a costo dos cofres provinriaes 140 contracto, de que se fiSfflH pago o sello propor-
Teve-am baixa para enfermara :
Marcolino B-eerra Torres.
Joaquim Jos de- Sam'Anna.
Jos, escravo sentenciado.
HoviineiUo da casa do datengodo da 12
rooal.

PUBLKA&QSS i PfilIDO.
d> novembro de 1865
Existiam------
Eutiaram___
Saliram.....
368 presos.
11 t
21
A saber
Existem
3.58
Nacionaes..... 284
l.'ra hospede disocto.
Deve, dentro em pouios das, reijressar cOrte
do imperio o Sr. commendador Filgu;iras, que, ha
um mez seguramente, se acha no meio de nos. O
m ipie O trouxe esta provint'.a foi prover-se de
algo lao para a stia grande fabrica de tecido, esta-
belecida em M ig, segundo ouvunos. Reeommen-
|dado por altas persosi'ge.n* d > Rio de .1 meiro
i estima e coasideraeJSo de diversas pessoas gradas
daqui, o Sr. commendador Plgueiras se tem fello
; amar e respeiiar pur suas inaueiras cortezes, trato
ameno e sizudo. Diversos jantares, nao estrepito-
i sos, mas decentes c curdeaes, tm sfdo ofnrecidos
,' ao illustre rio enltense, cujo porte, cavalleiroso
Alimentadas cnsU dos cofres provinciaes 143 abona a ind0|(, e Mfef Mstol provincia, que lan-
Pssasieiros do vapor brasileiro C/nioie do tas afflnidades a prendera Pernambuco, nao ao
anetro e portos interme- Pernambuco aviltado de hoje, mas ao Pernambuco
altivo, brioso e dianteiro, em lempos que foi am,
na estrada da gloria!
Mulheres......
Estraogeiros...
Estradgeira....
Escravos......
Escravas-......
7
11
2
50
4
18
/Jl O:
Ama Francisca de Paula Botelho e 1 filha. Ma-
ra AMelia de Paula Cavalcan, Domingos Jos de
Saboga e SHv:t e ( scravo, capiao lente Ludgero
de alies e Oliveira. ffanoel Jos de Paiva Pinto,
Vieoude de ^uassnni o 6 criados, Joao F-rnandes
Enas, Adriano Augusto de Alineida Jourdo, Do-
lora Anua Porto ilfoura e I lllho, Francisco de
Paula Cirdoso Jnior. Dr. Ludgero Uoncalvos da
Silva. Pranciwe Ferreira Borges e 1 Criado, Ernes-
to Candido de Smrz, Raimundo da Cruz Martins,
segundo cadete AninmAFernunde* de Souza Cnucei-
ro, Joao .Mauoel da silva, M-rcntina Raununda II-
ik-fou-a. Mano.'| Joaquim Ale-indre de Andrade,
C-ratolitiO dos Santos Vital, Amelia Amalia da Sil-
va, a.feres Mauoel da Silva Hosa, Domingos Gon-
eatv8 Ferreira Basto e I escravo, Jos de Azeve-
m de Aguiar, Bel miro Bautista de Souza, Joauna
Cmara de Mello, Carino Jos de. Castro, Antonia
Augusto de Ainorim, Joaquim da Silva Lefio, Gui-
Regressando, pois, ao seio de sua familia, leve
o Sr. en mu.mi ).uliir Filgueiras a convicgo de que
deixa multas sympath as nesta trra, "a par das
reeordacSes honrosas, que aps st dexa o mrito
modesto e elevado.
l'm sea sincero apreciador.
Paslh.19 vermfugas de lciup.
As paslillias vermfugas de Kem sao por sem
'dttvida algnma infinitamente mais efBcazes e uteis
do que todos os mais remedios perigosos e n: st-abnndos que existem para a ex|/ul>o das lotB-
brigas. Ellas nao srnoote expellem B de.-trem
esses ineommodos parasyta^, mas tambeni roino-
vem a mucosidade em que elles se engendram, itn-
pedindo por esta forma a sna reproduccao.
I Anda nao se encoutrou um s caso em que ellas
Inerme Baplista da Silva, Domingos J.s de Souza tenham de.xado de produzir o desojado effeito de
Peix-lo Antonio da Silva Barbosa" Cupe, tino Albu-; u< ,na"elr.a ^^SSl *a i____ron
querque Magalba-s Bastos, Balbo da Costa Rehim- E,n "M,u<,e d-e M ach,r<"m1 ise? as de ffiJ'S
b> e 1 cri .da, Maria Bella de Oliveira, Manoel An- 'es ,rn antf l!ausam dlas dt'r t^SS^M
ST,i:^^,!:ri?,sr:i^
GaimarSea e 1 tllho menor. Henrique da Cunba conf,!,los "'d.nar.os en razao da sua apparenca e
Sao cmvi-lad* os Srs. accionistas desta
cmpartiia a reunirc-m-se tass-embla ge-
; ral no dia i 8 do correrte-mez ao meio did
i para en conformidade dos seus estatuios
: deliberar-so sobre as contas do semestre
iflndo, a ediGeacJto de novas cai.taS e mais
; obras (fece&arias ao fornecimento dTagua e
. concess* gratuita da mesma ao hospital de
caridade.
Escriptorio da Compartida do leberibe li
de novembro de 480*.
0 secretario,
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
CORHtIO GtRAL
Relace das cartas seguras viadas de sal peles
tapares brasifeiro e imffJ! para os seDftore*
ab im declarados :
! Antonio de Otiveira Costa.-
; Antonio Jos de Pmbo.
: Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Dr. Antonio Vascoricellds Jtenczes DrommorJo*.
Clorindo Ferreira Cato,
Dr. Carobno Francisco de Lima Santos.
Domingos Alves de Cerqueira Lima (2).
Franeisco Antonio do AlbuqUerqne Mello.
Dr. Francisco Lucas de Souza Rangel.
Ur. Francisco Prisco de Souza Paraizo.
Guilfe de Lailhacon.
Ualdino T. Citbral de Vasconcellos.
Joaquim Gilseno de Mesqmta.
Joaquim Jos de Oliveira Mosquita.
Joiio ilveno de Souza.
Dr. kf- Ferreira Druvalle.
: Jos Ferreira Das dos antos.
: Dr. Jo> Leandro de Godoy e Vasconcello-.
D. Lniza Antonia de Siquera.
D. Mara da Paixio e Mattos.
lignel Ferreira l>ts dos Santos Jildir.
Mauoel Mximo dos Santos Torres.
Porfirio Amancio Gonealves.
i'aiao Itio de Janeiro.
Vaisamr rom brevfdade o bngoe naeional St/M-
fathia, de prhneira taoa*; rerAinm carga os-
era vos a fre* : a tratar com Maioel Ignacio de
oliveira e Filbo, larga do Corpo -unte n. 19.
COMPANHIA PERNAMBCNA^
- DE
l**Hi&i4 cnstcira a va^ar,
liba de Fernando d Norenba.
j. i O vapor Persmung, comman-'
daule Ralis, segu uo dia lo do
Corfeite ao meio dia. Recebe
rarga, encommendas e passagei-
_. t*o*someiite al II horas do dia
a salild; estripforio o Forte do Mallo n. I.
hornera poriugticz- para
gnaiipter casa pirfcular
yuinla-fea 17 do crtente s
horas.
*riiiazem a rna da C'adcla do Re-
cite n. 48. eriSo^? 3
CO ft Q'^1 ftfl) Si il Q &S "" P^fcitor desiiii : na ra da Cadeia-do
Vender em bilSo-uma escrava de 20 25 an- ftecife n. 38, priioelro andar,
nos deidade, saliendo cosinhar, engoimnar, coser,
e lavar; MM onfra cosirmeira; urna outra engorn-
madeira-, lavadeira e qiritandeira, um preto s*'ra
habetidaHe, wn preto trabailiador de padsria, e ou-
tros escravos que e>tatito patentes.
Nesta mesma occasfa vender um BevifliO to-
rmo, bonita lignra e mapo. .
II i,Wi
dra o fi'm de Janeiro
E esperado em. poneos dias o lirigue nacional
Almirante, o qual j tem parto de sua carga enga-
jada ; |ira o resto que Ihe falta r escravos a- fre-
te, para os iniae'* t-m xc.ellentes commodos, trata-
se com os seS consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, no seu oscriptorio ra da
Cruz n. 1.
Paral CM0
segu com mnita tfrevi iade o hiate Dous" trmaos :
a tratar com Tasso Ir raaos.
fia
Escravos.
QuiBla-feira 17 d corrale, a mti
di:i.
No amasen da rua do Vigario n. 10.
Calxelro.
Precisa-se de um caixeiro de II 16 nnnos,
que tenlu pratica de taberna ; na rua da Madre de
Dos n. ', e de fiador a sna conducta.
O don da antiff^ribrica- de rharirtos et-
garras, sita na esquina da rua de Hartas n 1, ten-
do feito reduccao nos procos de suas merculorias,
convida aos seus freguezes a vireui honrar scu es-
tabeleeimento cun devida protecefio do (pie carece
por se achar com um variado smiimento e cigar-
ros o charutos tinos dos autores rrrais acreditados
da Baha, cachimbos, fnmo para os ditos, fumo era
folha, fnmo americano, dito dito era latas, e diver-
sos arligos paraos fumantes, em quanto a qnali-
dadn o preco garntese nao prejudicar os fre
guezes.
vender em leilao
dades esem ellas.
diversos escravos com habeli-
LEILOES.
Brigtio esenna
cha
DO
Ariizera Progresso
DO
Large da Penlia u. lO.
Quinta-Teira f7 da canate
A's 10 horas d'anianliaa.
Francisco Fernandos Duarle far leilao por ni- i
tervengo do agente Pestaa, dos gen. ros, arma-
cao e uteucilios existentes no dito" armazem em
; um ou mais lotes, volitado dos pretendentes. As
rtm* lirt Prol'orco?s deste estaheleciment tem ollerecido, o
" :oferecei grandes vantagi.ns a todos seus possui-
dores, princi|ialmente iiojc que esta tututo acredi-
tado e afreguesado, evitando assim s despezas de
aununcios que necesariamente se tinham do fazer
pira o tornar o que j c mais que ludo a boa
i coiiimoddade que offerece para pequea familia, I
I bem assim a garanta da chave por meio de um
batatar-' arren^an,tnl0> e *'a maneira que aprouver; todo-
DENTISTA DE PAR!
19Rna Nova-19
Fredertco Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca denles artificiaes, tudo com saperio-,
ridade e perfeieao, que as pessoas enten-
didas Ihe reconhecem.
Tem agua c pos dentificio.
ATTENQAO.
s ti horas
Associ i^o
sabor, e gostamdellas tanto quanlo goslam do pro-
prio doce.
A' venda as boticas de Bravo Barbosa.
0OMMEB0IO.
Cotaees offlciaes.
PRAC4 DO RECIFE
14 DE NOVEMBRO DE lti
Cambio sobre Londres 90 d'v. 20 l|2 d. por
LJ000-
Dubourcq lunior, presidente.
*Jui manes, secretario.
Alffanriega
R--I-. Joaquim Jos Bezerra Montenegro, Jnaquun
J'>s {funes L>'i!e, Jo.- Dernardino da '.osla, Fran-
eiseo Certa Vwira, Manoel Jos de Lima, Antonio
Jernimo Marque, Ju9u Jos de Miranda. Manoel
Maitins de Mianda e sua senhora, Joaquim Pon-
tos de, Miranda, Florencio Pontes de Miranda 1
oiaoea e 2 BNeravag, Caet^uo Teixeira Pinto Coe-
iho, >ua senhora e 1 lllho menor e seu sobrinho Ma-
;i .el J na da Cunceicao, Felicidade, Aficana livre, Ladis-
lao escravo do Jos Joaquim de Lima Bairao, 7pra- i
<;.is doexerctio, 2 ex-praca do exercito, 2 deserto-
res de n irinbi. Alinoel AI ves Eunes, Francisco da
Suva Cardoso, Antonio Joaquim de Figueredo,
loa i ..epumucendjk Oliveira, Francisco Chrisos- '
lomo.
Segnein prra o norte :
Cable Augusto Vicente de Magalhaes, Francisco
Soan-s da Silva licininha e I criado, capitao Joao1
Baptislado Reg Barros Cavalcanti de Albuquer-; Hendimentodo dia 1 a 12........ 281:?3I58~0
que, sua senhora 6 l'rihos, Julio Cesar Leal e sua'. dem do dia 14................ 17:1426ol
.^iiiiora, A'tonio Fortes Bastamente a de Menezes ---------------
-.: I h ravo, Ignaca Mana Francisca, Joaquim S. 298:3745501
das Cbagas, padre Challar I'ii-rre Angente, Envite
i.auren e, l'iulinn J <~ de S"iiza, Mano. I Francisco
llomo, Augusto Teixeira B-lfort Rho. Manoel
Alejandrino Kodrigaes, Manoel da Cuiceicao i I va
Vr.'iiv, cadete francisco >le Paula Cavalcanti de
Albuquerque, Jos Ferreira *alsa Jnior, Gustavo
Ceondoiii, Poieti Pimo, Vutone Geond,oni, Chris-
i.n !..'ii;i.'!iln, Francfort Benjamlm, Mandel Soitl- ____;jg3
bert, 4 oracas do exercito, 2 escravos a entregar.
Passageiros do va,ior inglez Oneida, entrado
do Rio de Janeiro e Bihia :
II.-riiaido Artbur London e Antonio Elisbao dos I Ji",'g,1P! in^ltl _,/-m 'Jll!oV, ... ; Barca ingleza -llon-ild -mercadorias.
PassaReiros do vapor inglez Oneida, sahido Luhre |,r,,.1,l,,.z_j,l// _jt,.
para Soutliaini.ton e portos intermedios : | Gi|l.ra Jhma*-WHHh -uUn.
Manoel de Souza Marques, J..se Bo mi e 1 me- Bar(.a n,r|ri7a mJmm s/M-/-carv;i..
or. Antonio Jos de rteitas, fc, isa
>*oster, e 1 capitn o
EMPREZA
(.KIIMAMI & tlOPlKSA.
i:%pi:tahi.9
DO
idellicrh).
e u ni b de
ummm
Terra-feira lo de nivemord
em ponto, na porla da
Cmmorcil.
E. Bccker, capitao do brigue escuna
; gui-z Adclberl, far leilao i-on dtorisaoo do ins-
i peelfir da aifaude.'a ein presenc de um einprcga-
, do da mesma reparlioao para o- Din nomeado, com
i assistonda do cnsul de llamburgo, por interven-
! cao do iig-nte'Finio o por corita c rico de quem
perlcccer do casio, mastros reaes, ancoras, pan-
| nos e mais pertences do referido brigue tal qual
!sr acha ancoradoneste |.orto, onle encalhou na
sna recente saloda cara Liverpool e pelo que foi
i legalmente condemnado, assim como urna lancha i
le um butedo mesmo navio, os qnaes ehiertus se-i
rao vendidos s II horas do dia cima dito a por-
; la da Associaco ommcrcal.
! Os (iretendntes podero desd examinarpm )
I referido navio do couforinidadecom o inventario Quinta-feira 17 do corrt'nle ;s
i existente em poder do agente encarregado do
I hulo:
Tendo a directora Uo fiui Pernambuc.'no mal-
eado o d:a 1G do corrento an meio da para a reti-
an da assembla geral, allm de eleger-sc a nova
directora para o anno vindouro, e como a hora
marcada seja inconveniente para a iaior parte
dos socios, que sao empreados pblicos e empre-
ados no c.iininercio, pedimos ni.'sma directora
a transferencia da retiniao para a noule du mesma
dia'.*=Atg1U or.to*.___________
Aluga-se a casada rua linserial n. i'
tar na rua do>Oueimado n. ,'!i, luja.
os gneros existentes sao de primeira qoalidade,
nao causando por tanto translorno algum ao pro-
prietario tirar com parte, on toda porcio do gene-
ro que nao agradar aos pretendentes, o batane >
acba-se em mao do agente : e esta prompto "a
qualquer inlorm ic'o, na rua do V'igario n. 11,3
andar: o leilaater lugar quinta-feira 17 do cor-
rente, s 10 horas d'amanha no referido Pro-
gresso.
KtEIliAO
De
lTm cavallo.
Prccisa-se de nm menino de l.'l annos para
caixeiro de um deposilo : no bec-:o do CampoB
numero 1.__________________________^
Ppagain f:ii!.
Voou do pruiero andar do sobrado n. liTdl
travessa da rua dasCruzes, no sahbadi 12 do Oof-
rente, um papagaio eotra-feito, falla po-ie-i, ma
bonito, levou no p um pedazo de direnteafc
ferro : qncn o pegou, qQerendo restitui-lo, irati
parte na mesma casa, ou na taberna da esqufita
da mesma travessa n. lo, que sera gratificado.
Na rua daConceicao n. 4" precisa-se de intel
ama para (" piena familia,
Jos Pires, subdito nortagnez, rtM
arma/.cm da rua do Vigario n 10.
KM
BENEFICIO DOS !rltllTYES H POI.dMi
ieica-fiaj fo to eerreiite.
Kinda aexecncao de nina (relia oHverlura, subi-
r o panno o cantar-seha em pteedbea da bandei-
ra brasileira o bymno nacional.
Depois ter lugar a rc|tresentacao do multo ap-
plaudido drama em rincoarlos
aLEILtj&O
DE
Sf talas, secos com *trn c
i^ll
OLYMPiO
Mano
i 1 horas, no se para fra da provincia.
Antonio dos Santos Bastos, ci lado
gnez, retira-se para o Ro de Janeiro.
por
figos
I). Maria Teixeira Franco Fialbo, viuva"aS
vender no dia e lugar cima, um cavallo de sella Francisco Ferreira Fialbo, faz pubdr que es
e hnm de cabriole!. procedendo a inventario dos bens de s^u casi
.K.IJL
O agente Pestaa vndela poreoilta h risco de
qncn peitenci-r 70 caixa- de sebolas inulto novas,
2'i sacos com arroz e CO tfieias eafsas com figos
novos em lotes a vonla.le : buje as 10 e inda ho-
ras di manha no armazem do Aunes defronte
da a!f Mnga-. __________
Di:
1 ovhncnio da alfaadeea
Voluntes entrados cora fazendas..
a a com gneros...
Voluroes sabidos com
i i com
fazendas..
gneros..
312
478
------790
61
322
Descarregam no dia lo de novenbro.
Barca americana Melina laboado.
! Barca ingleza.Din earvo de p -cira.
John
Fte.tas Lisa Ritson, -"" ; p.ua.h portuguez -Piovo l.um -mercadorias.
S marmhe.ros naufragado do. Brj ngiez-flost/tc-mercadorias.
Vo aecebeiloria de renda* Interna*
a; era es de Pernambuco.
ruegtieBSS Emite.
MMiVLJLIl.
Rend ment do dia 2 a 12
dem do di.-, ti .........
Sello proporcional em consecuencia de
escriptar.is i hypotheca celebradas
para gai Ignorando algumas pessoas as disposicSes regu-
!amentares relativas ao sello proporcional, que de-
vem |iagar qnando se trata de e-criptura de hypo-
tlieca, feta para garanta de letras, e tendo pago,
tirt consequencia disto, sello proporcional nao s
Jas letras, seno das escripluras, jnlgamos conve-
nte dar putdicidade ao que existe em relacao
materia, de que nos ccopamos.
Quando se c b-bra escriptura de hypotheca para
...ii amia de letras, se nao deve pagar senao um sel-
lo proporcional, e nao dous,como abusivamente se
tzia, exigindo-so um da escriptura, e oulro das
letras.
Eis o que diz o rcgulamento de 26 de dezemhro
de 1860, mandado oxeeutar pelo decreto n. 2,713
;U mesma data, era sen cap; 5 :
Art. 38. Sao santos dr> imposto do sello pro-
porcional os ttulos seguintes :
% VI. As letras pas>adas em consequencia da
contractos de que se tenha pago o sollo proporcio-
nal, urna verqiwa impartaneta dellas nao excoda
dos contractos, que sejam da mesma data, e que
independentemente do contracto nao constituam no-
va ubng.ii;ao.
E como poda entrar em duvda se era as le-
dras ou na escriptura, que se devia inscrever a
veri do sello proporcional, o mesmo regulamento
determinou o seguinte :
Art. 42. Quando em virtude de contracto se ti-
ver de Uvrar eseriiitura de que seja devido sello,
o s>pa-sar lewas-a-fa^-ordas quaes proceda a sen-
rao do art. 38 n. o sern estas sellada*, dando-se
i'.artea nota competente- para ser inserida na es-
.iptura com a menco-d imposto- rospectivo aago
na letras.
O decreto n. 5139 de 13 de agosto fe 1863, mo-
^iScand reglamento do sello supraeitado, de-
itortmn o segirtnie : ._.'.
ArL 20. Das letras 0MMMM et virwife (Te
ntraeio sugelto a sello proi>erc:onal, e na mesma
J.ita dwle, qne nao constitoirem por si s obriga-
'urnova, cobrar -e-ba o sello do valor que repre-
-entaretn, e do titulo do|:ontracto a da dfferenca
dos dous valores, m a hoitver.
Sendo o contmtofeito por escriptura publica,
aserever se-bw nesta urna declaracao do imposto
i-ig na* letras; datada p assignad pe,os co nPe"
xeiites empregados de estadio encarregadora'. *
A"sin pts, a todos aqnelles que tem pago em
duiNcat* mm* proporc >nal do letras e escriptura
i*site o dfrerto de retfamacan; e tanto i-to
tacto, que o governo imiierial, anteriormente
ata dodecreto n. 2,7U) deode dezembro de 18G0,
liavia resolviilo-o s>-giiint(j.:
N. 433, Em 6 de outubro de 1860.
A tetra pistada em consequencia de contracto
9:020 Jfii2
1:9834276
11.0035918
Consulado provincial.
Hendimentodo dia 1 a 12......... 2O:0225-,il8
dem do dia 14............... fcttlfSli
21:454S839
M07IMEWT0 M P9BT0.
Navios entrados no da 14.
Bio de Janeiro c BahaS dias, e do ultimo porto
38 horas, vapor inglez Oneida, de 1372 tonela-
das, commandaote P. M. Wuolctt, etiuipagcm
129.
Bio de Janeiro e portos inlermedios-6 dias e 20
horas, e do ultimo porto 12 hars, vapor hrasi-
leiro Cruzeiro do Sul, de 1100 toneladas, equa-
gem 62, commandante Joaquim de Paula Guedes
lcoforado.
Navios sahidos no mesmo dia.
Barcelonapolaca hespanhola Venturita, capitao
Manstany, carga algodao.
Sonthamplon e portos intermediosvapor inglez
Oneia, comtnandante P. M. Wootcott.

3ECL1A?0ES.
Santa Cas 4a Hberi'-eriia da Hecife.
A Iilma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife, tendo de contratar serven-
tes para os restabeleeimentos pos a seu cargo,
dando-lhes, alem da paga eonveneionala,o susten-
to, e curando-os em suas enfermida les, manda
convidar aV pessoas que ttverem escravos de ambos
os sexos, e que os qeiram alugar para semelhan-
te fim, a compareeerem na sala das ses>6 s da
mesma junta as qnartas-feiras, que nao forem
impedidas, pelas 4 horas da tarde.
SeewtsiWda S:idW Casaf d Mlserieordi do
Koeife, 12 de novembro' de 1864.
O esenvao,
P. A. Cavalcanti Consseiro.
Arrematado.
Finda a audiencia do Dr. jtiiz de orphos e au-
sentes hoje 15 se arrematar por venda a parte da
casa da rua ea Gloria n. 45 por 399*290, perten-
conte ao ausente. Joaquim Eloy* Monteiro.
ArreaalacM.
Nao tendo tido lugar a arremataeo annunriada I
para o dia 7 em consequencia de nao ter h ivido'
lancador, de novo annuncia-se que dever ter Iu-1
gar no da 16 d> correute, sendo fet na porta do >
executado, rua do GisM n. 20, conforme foi deter-
minado pelo juiz competente, constan lo a arrema-
tac.u do segrate : 1 armaco, 1 nalco o I braco
de balanca com conchas, avahadas em 93J, por
N'um dos intervatios o Sr. Reiclu-tt M prestara
divt-r^as varia\;.-s de flauta, acompanhad a
piano pido *r. Hs.
A execuc.au do drama ser feita poralguns ara
demico>.
A concurrencia do pete pernambu.-ano neste
festejo ser certa. A Polonia espera ; o Brasil des-
! cansa.
Comecar s 8 horas.
X B.-Os bilhetesquo nao f >rem distrbuuasa
vender-se-bona roa do Atalbo da Caixa d'Agid
,n. 3.
OJOTl-FEUA 17DN0VR1BR0 OE IS61.
Segundo e intimo e-peetaeulo. -Concert em
i beneficio de M. A. Reiehert, flaiti-ti de S. M. o
; rei d s Belgas, c un a coadjuvaco da companhia
dramtica,
1'RIMF.IRA PARTE.
A orchestra executar urna wnolhida novertnra,
depois da qual subir scena a linda comedia em
um acto
FIELWIWE I!)
Em seguida o heiii-fleado execular a exeellcn-
te uflantasia de sua rampnf<*au
A NELAXCOf J I PASTORIL.
SEGUNDA PAR FK.
Onverlnra p^la oich.-stra.
A con.paiilna dramtica representar a graciosa
comedia em 1 acto
SIM OU NAO?
O beneficiado intervalar com a iNTitODtcg\o C
t\hanteli.a, igualmente de sua compo-ic;lo
TElUEfRA E ULTIMA PARTE.
A execuco da espirituosa comedia em um aclo
pelayompanhia dramtica
WM'TWVm (Wl 1X11
Terminando o esnectaculo com brilbaotes va-
riajoes, imitando ditas flaiiias, sohr<> o thema do
CARNAVAL DE VENEZA.
Depois- do que o beneficiado exeeutar a linda
polka.
A FlflIIM.
O hen-ficiado tomm a dehtwrav. de remetter
indisiine.taiiiente aos sensores, cujo apoio espera
merecer, camarones de 1*, 2* e3* ordem, e declara
que nao vender nenfiura dos camarotes que nao
tverem ete destino.
Comecar s 8 horas
ratea,
N.
10.
f
LEILAO
l)C
ordea x e
cognac.
** 4>-Wsl
O acento Pestaa vender por cunta e risco de
quem perlencer 5 barris com vnho Bordeaux c 2
ditos com cognac de excellenle quabdade para li-
quidar : boje s 10 horas da manha no arma-
zem do Annes.
Trastes etc., etc., etc.
Quinl-feira 17 do corrale as II
liaras.
O armasen rua do Vigario N.
OLIMPIO
em seu armazem, vender em leilao urna mobilia
| de Jacaranda, mesa i lastica, consollos, (juadros rc-
ligios, camas francezas, duzias decadeiras e outros
I muitos artigus.
~L1L%0
DF.
Car rocas e bo's
pelo juizo de orphos de*ta c'nlad-', escrivao Ibitcl
tendo feito abstenco da meiaeo que Ihe di".erf#
; caber ; assim, se credore> e nrteressados do espor
lio houverem. a elles espivialinente avisa, par
1 que ciiidem de seus direitos.
Alugam-fi o segundo e terceiro andares d*
casa da rua da imperatrz n. 8: a tratar na ruad0*
Trapiche n. 34.______________________________
Na rua das Cinco Puntas n. 72, prccisa-s#
fallar com o Sr. maj ir Francisco Xavier CarHeit#
Lins, em negocio que a e-te ntere pe i lo.
Precisa-se de um
Vararlouro em (Hinila.
forneiro : na p.nlaiia d
LEILAO
DG
Qairata-feira 17 do corrate s tl
Cord -iro Simo -s vender ern leilao duas carra-
cas com bois sendo as cariocas qnasi novas e os
liois gordos e bonitas liguras". Ser effectuado no
armazem rut da Calea do Recife n. 48.
^3
i Movis e ehristaes e outros
objectos de gosto.
Qnarta-fera 16 to cor.-ente s 10
e lueia horas.
m\m o siNes
' far leilao por cunta de una pessoa que so retira I
; para o Rio Grande do Sui, de diversos nnjerfos de]
, goto. mowis, clr istacs.joias, trens de cosnba, Ion- ,as n allemes cono sejam : madapules, chitas e
. ca, piano, machina de costura etc. ele Os quaes algodozmhos, s II horas do dia cima dte : no
; ustarao patear* ao exaine dos compradores, no ar-, ^mncm da rna da Cadeia n. 36.
i mazein a rua da Cadeia do Hecife n. 4^.
^
IsKIjSjAO

Aluga-se orna casa em Bebenbe : a iratap
com J. I. M. Retro, na rna do Trapiche n. 3i._____
Preci-a-se alujar urna preta que alba co-
zirihar e engommar : na rua da Palma, taberna
' n. 41.
horas Aluga-se tim sitio n. 5 nos Remedios defion-
te da igr.ja, com grande casa e cocheira : a tratar
na rna da Cadeia n. 4.
Aluga-se o segundo, terceiro e qnarto andar
da casa da rna da Cadeia n. 4 : a tratar no arma-
zem do mesmo.____________
Aluga-se um terceiro andar da casa n. 48
na rua do Trapiche : a tratar no armazem da
mesma.
Jt&kTj y*l '\77 fi3\&Sl I 1>r'^isa';;, lo?w oma escrava para o serI-
&*&* -n^I >s?ul >>_ j^W) ^-/ ; fl1 nterno e externo de urna rasa de puura fami-
Quiota-feira 17 de novembro. O: em Fra de Portas, rua dos Guararapes.
O agente Pinto fara lello por conta de quem 26, sobrado,
perlencer de dilTerentesfazendis nilezas, franco- '---------------
AVISOS DI?2B8S.
Precsa-se de
padana n. GO.
iniria.
um amassador: na rua Dircita,
JI">ve!,livros, i|paBtfPd objectos
A saber:
1 mobilia de amarello, 1 piano, 1 candelabro,
castigaos e maimas, 2 relogios, l mesa para jautar,
13 cadeiras, 2 espeihos, i camas de amarello. 2
duas de ferro, 1 aiipatelho de louca para jantur, 1
dit'i para cha e outros otijectos de urna casa de fa-
milia
lf volumes obras completas de Buffon 8 ditos
de neographia universal, diccionarios de R njuet
iogl.z e fiamez, tratado u'arle militar, arto de
- Precisa-se de um distribuidor para
este Diario em urna parte do bairro da
Boa-Vista : na praca da Independencia ns.
6 ea
sr:
ti
Aluga-se a casa terrea da travessa das Bar-
reiras n. 6, com quintal, algunsarvoredos e por-
ro'para a cambra : a tratar defronle da mesma
na olaria do Sr. Zacaras.______________
Massimibano Zaccbi, e Pittro Matle, riti-
ram-se para fora da provincia.
Precisa-se de um caixeiro portognei rom
pratica de niothadns, que seja hbil, agradawl o
desembarassado: tendo e.-tas qualidadis e dando
fiador sna conducta nao se olha o ordenado: na
rua das Crines n 24
Aluga-se o sitio ipie fui do tinado Domingos
A. Gomes Gnimares, no Cahteirein, confronte ao
do Sr. Br. Jos Bernardo Galvo lcoforado, com
ptima casa de vivenda. cocheira. etc., etc. : a
AYISGS M11ITIM0S.
O brigoe escuna Graciosa, vae seguir em pocs
dias ao Para, pode receber algumas miinleras :
consignatario Antonio de Alrrfeida Gomes, na fu
da Cruz u. 23, primeiro andar.
COMPAHA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E esperado dos portos do norte
at odia 18 do corrate o vapoV
Apa, comraandatite Carlos Anto-
nio G >mes, o qual depois da de-
mora do cosame seguir para
os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada ao da de sna' chgada: encom
mendas e dinheiro a frete at o dia la saluda s 2
horas, agencia rua da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz d Oliveira Azevedo a C_______
Para o Porto.
Obrigue portngucz Unido, sabe com mnita bre-
vidade por j tur a maior parle de seu cacreca-
mente prompto, e para o resto que air.-ia falta tra-
ta-.-e cmi o consignatario Jos Joaquim Lima Bai
rio, rna da Cruz n. 18.
Ion judicialmente. Rcfj
1864.tuirrtare* & Lima.
amuavel
10 de novenibro de
& ^aM
Aos G:000 000.
Corre tlepois d-amaaha.
Quinta-feira rt do correte' mez, se ex-
manejar, matinal do artilheiro, audtetor brasilelro t|..,f.r.\ nrtmpira narte da nrinaira lo-,
o h.UiTas outras obras. ",,"r','l ,aiP rP i ,P a u ,ntnr romT- A,Iui,,n Ko"s,ca Ju,,ior- *ru*
faiiultia de marear, 1 sextante, muitos e diver- tena (llb) a beiiellClO (la matriz de llam- co Viarwn *1, primeiro andar. _____
sosuuppas. b, no consistorio da igreja de Nossa Se-! ~_~ Aluga-se" abrasa terrea da rua do Jardim n
Quarla-feira 6 lo Correle. nhfflra do Rosario da freguezia de Santo j 35 : a tratar na rua do Cabuga n. 2.___________
0 agente Pinto aotorisaio pelo Sr. Francisco Antonio. 0^ abaixo ssigdado-* em liquidaeao tem an-
Jos Ferreira, far leilao de todos os objectos aci- Os bilhetes", meios e qurtOS cham-se : torisado n't-sta dala aoSr. Jos Muniz de Almeida
! ma mencionados periencentos aa sen Uado pai, ven(ja n respectiva thesourar rua d pmtttmf de todos os seus de vtores
cheftf de divisno Jos Mana Ferreira, e existentes r tK r
eracasadesuaresidene. ruado Bruin n. 72, prt- crespo n. lpv nnnynM, ., .-
meirj acidar, on>le >e eff-ciuara o leilao, devendo | Os premios de 6:000<}000 at i0/|000
ter principio s to horas em ponto do at s 4 horas da tarde, e os oatros no dia
seguinte depois da distribuico das listas.
:*J/ O tbesoureiro,
Amonio Jos Rodfrgtes de Sonza.'
Xetad to sobrado da e-quina da roa da
t-rnzii. fi4
Quinta.feira 17 de novembro. r ^ Srs. S0(.0S effeclivos do Club Pernam-
O agente Pinto levara novam^nle a I-ilao as IB burano jt>convidados a se reunirem nos
horas do da acuna dito, parte do sobrauo oe ,_ .___. ,. ,.,,--.
; dous andaress..to da rua da Cruz n. 6, perten- sah>es da sijciedade ao meto da de rpiarta-
cente ao casal do fallecido Louieoco Js das Ne- feira1&dt>orren4e, afm w apreciarem o y
.ves, servindo de tesa o maior preco ja ohti'do pela relatotio da directora.
i'
(11 ii rE\\lRl!UV\tt
;refei da parte, devendo naquella w.-a.-ian flcar a
mesma venda effectvamento realisadacom quem
imellior preintolferecer.-em virlude do dtspaclio do
Illm Sr iV. juiz de orphos. .
O leilao se effectuado no escriptorio o mesmo
agente, rua da Cruz n. 38, primeiro audar.
Tendo anihrrad o desombargador Louren
50 Jo> da SiTva Sainfag0'afa Olnd s 5 horas
da manha de boje 11 de novembro, na rampa do
chafariz ao |i da iionte do lado da Boa VlWr, en-
tre outros objectos quo mandn but-.r na* canela fo'i
um sarco de la em que costnma levar autos para
a relacao, e como ao chegar a Olinda l nao che-
uasse o referido sacco previne-se que quem o tver
Jea'qrrhn Jfariamo de Albuquerqe con-
vftntaosp'arents e aroliros lio fl'nado Gui-
th>nino d Albuquerque Hartln PeTcifa
para mtvirftrn'nma mssi que mnrfa cele-
htst ta convenid e FrancWro desta ci-
dadenodia lo docorronte s 7 e nieia ho-
ras da mantia pelo rep-oiSo do rh"-' nado sen prenle n amigo, e desde j' ma
L suniinain.-nt- agradecido pt lo obsequio que
Desappareceu do pcsUr do diaixo a^signad
duas letras aceitas pelo Sr. tenente-roronel Fraft-
cisco de Albuquerque M:iran!io Cavalcanti da
acbado o v enirecar em Olinda ao mesmo de- quantia de 66723 rs. cada urna, sacadas em 23
semhargador que est assistindbjio lado da greja ne fevereiro do corrente a toe 27 mexe<, rujas
J
Qainla-reira \ 7 de Mvembro.
O agente Pinto far leilao a requerimentn dos
administradi.res da masa fallida de Amonio Pe-
reira l Silva e por mandado do Illm. Sr. Dr. jniz
especial do roinmercio das dividas activas da refe-
rida mansa na impnrtanc.ia de S:3654i2, s 10
horas do dia cima dito, em seu escriptorio da rua
da Cruz n. 38.
de S. Pedro Novo ou na rua do Hospicio n. 50 ao
desembargador Santiago, que gratificar bem. Ad-
verte-se que o surco continha 6 autos e alguns li-
vros que nao po lem aproveitar a pessoa alguma,
e ia fechado com um cadeadinho de metal ama-
rello- Recife li de novembro de 1864.
Cachaag
Aluga-se urna casa com bastantes commodos pa-
ra familia o cocheira : a tratar no Chora Menino,
padara.
ainda se achm sem afflrma do saVador como sea
verdadeiro dono. IWtanto previne-sn que nin-
guera faca nfirocio com ellas e que ja o aceitante
hnn.ro ontras em substitui<;o. Recife t'1 de no-
vembro de *86t.
I_______________Ignacio Alvina da Suva._______
! Ataaa-se ama escrava para comprar, cozi-
nhar eeneommar alnunta cousa : na rna do Cabu-
ga n 3,2" andar. Na mesma casa engomma-sa
roupa de senhora e homem per preco commedo.
.


Para direccao do Club Pern imucauo
Desembarga.lor Joao Pereira da Costa Molla
Dr. Aprigio Jusliuiano da Silva Guimaraes.
Jos Joaquim de Moran Sarment.
Ignacio Joaquim de Souza Leao.
Jos dos Alijos Vieira de Amorto.
Alexandre de Souza Pereira do Carmo.
Negociante Antonio Luiz dos Sanios.
Jos da Silva Loyo.
1 Antonio de Moura Holim.
Theodoro Christiansen.
Garlos Roeek.
Jos de Azevedo Andrade.
Na praca da Independencia loja de livros do
Diario de Pernambuco, tem urna carta para o Sr.
acadmico Antonio Jos Lopes Filho.
DUrlej e reraa bntm ... Terca felra 1& t Novembro de is4.
O advogado Jos de Godo) Vascum-cllos
pode ser procurado na ra estrella do
Rosario n. 34, das 10 s 3 horas da tarde
dos dias uteis.
Companhia fldelldade de
seguros martimos e ter-
restres estabeleclda no
Rio de Janeiro.
AGENTES KM rBPNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
Trapiche da Gamboa
Jfandegado por caita imperial de 26
de marco de 1863.
Este antigo e importante estabelecimento,
Sitio.
Aluga-se om sitio na estrada do
Monteiro, proprio para passar a festa
ou por anno com urna excellente ca-
sa twntendo duas salas, um gabine-
te, o quartos, cosinha fora, estriba-
ra, cocheira para carro, casa para feitor dita pa-
ra escravos, cacimba d'agua doce, tanque para ba-
um
! na ra do Imperador n. 71, pnmeiro andar.
luga-se
^^j-*ls~ \*Fsfim3: lt^Lcr
mascaxias para arrccadacao de Mietre8eot|ra^relnhr^BS,TSS lres qUcrlf
tros gneros naoionaes ou estrangeiros todas cor-! Amaro naes/ada Vffii T?*"0' em Sant0
tadas nor.rilhos de ferro assoalhadas e forradas iSBSSSS a&sFflnEe! X ""
de madeira com euincbas em todas ellas nar* ar.! ?""' Piando a dosr. Gome doCorreo.
A pessoa que annunciou precisar fallar
lumacao e saiamenio ae gneros, com urna ponte y5"" m> Huuunciou precisar fallar com
sobre o mar, de 600 palmos de extensao, com op-1a vmva de Francisco Jos Tavares, am de fazer
tunos guindastes, um pessoal muito pratico neste 1|j Ra uma encmmenda, podedirigir-se a ra
lasa para lugar na ra d Crespo.
Aluga-se a principiar em Io de Janeiro prximo
nturo o sobrado de tres andares da ra do Crespo
n. 9 : quem pretender, dirija-se ao estabelecimen-
to da loja do mesmo sobrado, ou uo de n. 13 da
raesma ra.
O bacharel
H
g Francisco Augusto da Costa
ADVOGABO
numero 69.
m
Consultorio medico-ebirurgico na roa larga do Ro-
sario n. 20.
O r. Joao Ferreira da Silva regressando sua
casa, contiua era o exercicio de sua profisso,
nao s na parle medica como tambem na chirur-
gica.
5 fiua Nova n 32 m
Loja de madama Theardg
Este estabelecimento se acha hoje mais ^3
que nunca bem sonido de objectos de JK
moda do melhor que pode vir ao merca- (ffi
r do e nao se menciona cada um de per si K
por se tornar demasiadamente enfado- W
nho para seus numerosos freuezes quan- M&
do lerem o presente aviso pelo que limita- c
se ern lembrar alguna artigos, com > se- ?
jam : chapelinas de dinas de palha de
Italia, de seda, de crep branco e preto
para luto, chapeos redondos de palha da
Italia amarella e de outras cores para
senhoras, ditos para meninos e meninas,
ricos cortes de blonJe, ditos de moreanti-
que de diversas cores, ditos de seda, as-
sim como sedas de cores para se vende-
| rem a covados, ditas escocesas, cortes de
vestidos prelos bordados a agulha, final-
mente um vanado sortimenlo de fazen-
das finas e grossas, na mesma casa fa-
zem-se capas, manteletes, vestidos para
noivas, vestuarios para meninos se bap-
lisarem e tudo quanto perlence ao toilel
de uma senhora e recebe-se figurinos to-
dos os mezes das ultimas modas de Pars.
servico, propoe-se a armazeoar assucar em caixas
feixcs ou barricas pelo tempo de seis mezes por
40 rs. em arroba e em saceos 30 rs.; asmadeiras
de qualquer qualidade que forera nelle depositadas
pagarao pelos primemos seis mezes o mesmo que
actualmente pagam por tres mezes nos demais tra-
piches e dos semestres que se seguirem teo um
abat mente de 20 por cento j recebe por procos
muito mdicos qualquer mercadoria comprehendi-
da na stima tabella do regulamenlo das alfan-
degas.
A venda dos gneros nelle depositados, faz-se
com as mesmas vantagens que offerecem os mais
trapiches porque as condicoes para qualquer parte
da cidade sao pelo mesmo preco.
Rio de Janeiro, Io de outuoro de 1864.
do Hospicio n. 78, aula do sexo femioiuo, que ahi
encontrara a-mesma senhora.
Precisa-se de 800,5000 res ao premio de 2
por cento aomez, sob hypotheca na quarta parte
de um sobrado de dous andares, que valle 6 0004.
Quera quizer fazer este negocio dirija-se a ra das
Cinco-Pontas n. 72.
AdmlraeSo.
Contina a estar fgida a escrava crioula, de.
nome Joaquina, fula, alta, muito falladeira. e mu-1 as denom">ada dos Ananazes situada a ra da
to conhecida nesta cidade e na villa do cabo pelas' Lruz n- i6 0s donos desle novo estabelecimento
pessoas que frequenlam a casa de seu senhor. lem a nonra de annunciar ao respcilavel publico
Admfra-se. como esta escrava vai constantemen-1(,ue lem rantado uma fabrica para poder satisfa
CASA DA FORTUNA.
AOS 000.000
Bllhetes garantidos
A' ra do Crespo n. 23 e casas de costme
O abaixo assignado vewieu nos seus muito feli-
. nno, sendo todo murado, com coqueiros. jaqueiras\zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
emaisde loOpesde laranjas de diversas quali- de extrahir a beneficio da matriz de Goianna.
| aades : os pretendentes acharo com auem traUr os seguintes premios:
N. 1183 um meio com 10:0004000
N. 37o dous quartos com 3:0004000
N. 153a um inteiro 800,8000
N. 2193 um meio com 400,1000
E outras muitas sones de 1004, 404 e 204.
Os possuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se venda os da primeira parte da
primeira lotera a beneficio da igreja matriz de
Itamb que se exlrahir no da 17 denovembro.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 74000
Meios......... 3J500
Qaartos........ 14900
Para as pessoas que comprarem
de 1004 para cima.
Bilhetes........ 64500
Meios......... 34250
Quartos...... 14700
______________Manoel Martins Fiuza_____
Attencao
Mills Latham 4 C. pede a quem por en-
gao recebeu no dia 8 da correle, 30 pe-
cas chitas de largas que iam para os Srs. :
Francisco Pereira de Mendon^a & C. ; quei-
Jos Lourenco Goncalvcs Barreira, subdito
porlugucz, retirase desta provincia.
Domingo 13 de novembro de 1864.
Abrir-se-ha a nova confeitaria de Coelho & Frei-
rua
Boa recompensa.
Desappareceu no dia 12 docorrente, de cima de
um cavallo parado em frente casa n. 41 da ra
Nova, uma trouxa pe roupa branca e fina, com as
marcas F. P. e M. P.: a pessoa, em cujo poder cs-
tiver essa roupa, queira leva-la dita casa, no se-
gundo andar, que receber uma somma equiva-
lente ao valor da perda.
Precisa-se de uma ama para casa de pouca
familia : na na da Cruz n. 21, primeiro andar.
Doclara-se s pesoas que tem de presenciar
amanhaa 15 do corrente o espectculo offerecilo
aos marlyres da Polonia, que caniar-se-ha os hyra-
nos nacional o da Polonia sem que apparoca em
scena a bandeira desta nacao. Digne-se a tirar o
hymno a distincta actriz a Sra. D. Antonia Mar-
quelou.
Precisa-se de uma ama que seja capaz para
o servico interno e externo de uma casa de pe-
quena familia : da ruados Guararapes n. 18, so-
brado.
sbele-:ra 'azer favor de declarar;
te sambas; no salgadinho, passeia por toda "esta' "r tud0 *ue fr cncernente ao mesmo estabele-;ra Iazer iavor ae declarar ; e se o porta-
cidade desfarcada, j de tim.o saia balo, (como c,menl<>. podendo satisfazer toda a eneomraenda I dor deltas nao as entregOU, quero poder (lar
tem sido por vezes encontrada) sem que alcuma ao uso da cap"1 em consequencia do socio ""' ----'
um
bollo
autoridades policiaes, capitaes de" campo ou outra
qualquer pessoa, que empreguem os meios com-
petentes para dar noticia da referida escrava ou
mandar leva-la a casa de seu senhorPalacete da
ra da Aurora, do visconde da Boa-Vista.
Para quem tiver dividas a cobrar
Um solicitador bastante conhecido, tendo de
partir no vapor costeiro para Mossor.e dah para
a cidade da Imperatriz e Pahu de dentro, da pro-
vincia do Rio Grande do Norte, donde voltar em
fins de Janeiro
Aluga se um pequeo sitio visinho ao do Sr1
Joo Alves Machado em Sant'Anna, fiVa prto do
banho, e o lugar bastantemente saudavel: ira-
fa-se na rasa de banho da ra da Crnz n. 17.
Ao amanhecer do dia 20 de outubro do cor.
rente anno de 1864, furtaram do cercado do en-
..... genho Aldea, da freguezia do Rio Formoso um
u .11 h grauaes jantares quarto de carga do mesmo engenho. o qual
Pecas montadas para centro de mesa sendo de rugo pombo, grande, castrado, nao nevo, tem no
amendoas, ditas de tmaras de ovos, ditas de cara-1 olho esqoerdo uma belide, e pouco ou nada v
mello e pao-de lo, gatheaus la du chze ricamen-: pelo dito olho, tem um callo velho no espinhaco,
te decorados gatheaus de la reina. i lugar em que teve uma bexiga, levou o topete cor-
8 de diversas quaildades lado renl0- carrega baixo, e tem eslampado no
promptos a dar uma gralificafo.
Festa
encontrada) sem que alguma a"uso aa capital, em consequencia do socio Frei- aleuma noticia certa; os mesmos
autor.dade policial, inspector de quarteiro, ronda, 'aiiler f redo o lugar principal em algumas fa-
soldado de polica, ou capilao de campo, que com J>ncasdas pnneipaes casas: sendo uma a da casa
a leitura dos annuncios, que constantemente sao Garceller/desde algum tempo do Sr. Joao Gon-
pubhcados nesle jornal, nao a tenham capturado calves Guimaraes.)
ou dado noticia ? Suspeita-se, e com fundamento Diariamente
que ella est em companhia do criado Jacob, l haver um sortimento de doces para cha
pela Capunga, a titulo de forra ; pois este Jacob Das 9 horas da manha em diante haver
quando criado do Sr. F. Rafael de Mello Rege, na sortimento de pastis frescos, pao-de-l
ra da Aurora, a tioha seduzido para ir par sua nglez. v m'
companhia, e logo que deixou de ser criado do I Ter dias extraordinarios que haver empa-
memo sr. Mello Reg, desappareceu tambem a das grandes, podins de diversas qualidades etc
escrava, que grande falta tem eito ao servico da
casa de sua senhora.
Prolesta-se desde j proceder judicialmente con-
tra quera a ti ver horaisiada- Roga-se por tanto as
estao
Precisa-se de uma prea escrava de boa con-
ducta, que saiba cozinhar e engommar : na ra
do Queimado n. 16, loja.
Antonio Gregorio Vaz Pimentel retira-se pa-
ra Portugal a tratar de sua saude.
Os ab.iixo assignados declaram ao publico e
principalmente ao respeitavel corpo commercial
desta cidade que dissolveram amigavelmente a so-
ciedade que tioham na padara da ra das Cinco
Pjntas n. 146, que gyrava sob a firma de Cesar &
Menezes, ficando o socio Antonio Joaquim de Car-
valho Menezes responsavel por lodo o activo e pas
sivo da mesma casa desde 9 de agosto do corrente
anno. Recife 14 de novembro de 1864.
Antonio Jacintho Cesar.
Antenio Joaquim de Carvalho Menezes.
^ Gbapoz baraios!
m Chapos baratissimos!
S A 64,84 e 104.
9g Grande sortimento de chapees de pa-
0 Iba de Italia e trancas para senhoras e
^ meninas que se vendem baratissimos pa-
$ ra se apurar diuheiro na ra do Crespo '
fg n. I, junto ao arco na i
a do barateiio!
Albuns baratos.
Acabara de chegar loja de miudezas do novo
rival ra do Qoeimido n. 16, um riqissimo sor-
timento de albuns para retratos, desde 12 at 100
retratos, os quaes se vendem muito mai barato do
que em outra qualquer parte, a saber
Uonitos albuns para 12 retratos. .' 24000
Ditos ditos melliores para 12 ditos '4500
Ditos ditos para 20 dilos..... 450O
Ditos dites melliores para 20 ditos 24800
Ditos ditos para 50 dilos..... UOOO
Oitos ditos ricos para 50 ditos. 84000
Ojtos ditos muito ricos para 50 ditos. 164000
ui os ditos riquisslmos para 5i ditos. 254000
uitos ditos riquissimos para 50 e 100
d'tos............ 3O3OOO
matrimonio.
f]M2 Sdmini dire''10 dus solos e(n que
e,Uoed.licadai as casas sitas na ra Nova desta
mnnfn J?,Ve''l'ar a'gUn,aS CnlaS S-
?I rS en,e Pa.? ,|Uem 1Ut,ra l,reve>'r futa-
ll-T* ; Sa 33 s,ulos 1ue fjra,n avalados
_'n,T. ,q?" M fara S"nde ..batimento a
quem quizer todos : a tratar na ra do Queimado,
da ta d""U D" 3J A' daS 9 h0ras d dia **
mi
42
que seria enfadonho especificar a qualidade
Fructas crystalisadas.
Podins de marrasquino.
Bons bucados.
Doces de gema d'ovo de diversas qualidades.
Para casamento.
Bailes e baptisados.
Bandeijas ricamente enfeitadas levando endites
anlogos ao mesmo lim. Para mimo
ladodireito da anca o ferro do engenho em lettras
maiusculas como aqu se v A L D E A. Adver-
te-se que os cavallos assim ferrados, nao sao tro-
; cados nem vendidos, e os que forem encontrados
I som ser servico do mesmo engenho sao fua-
dos, e devem ser apprehendidos ; portanto roga-
se s autoridades policiaes, e mesmo qualquer
pessoa do povo, que sendo encontrados ditos ca-
ballos sejam apprehendidos eremettidos ao admi-
llaver gela
de mo de vacca.
Hospicio n. 50. Cidade
de 1864.Caetano Jo.-
- prximo, antes de se abrirem os
tribuoaes, se ollerece a promover cobrancas de di- pao-de-l enfeitado com dsticos ou sem Pii^tn n,slrader daqoelle engenho ou ao abaixo assigna-
vidas, mediante algum interesse, nao s alli, como do de centello com asseio do proprietario do mesmo engenho, que reside na
nos lugares adjacentes, que nao dislem daquelles
pontos mais do que cinco a oito leguas. Mas antes
de sua viagem, tem de estar por alguns dias em
Goianna : quem pois se quizer aproveitar do en-
sejo, poder procura-lo no escriptorio dos Srs. Ro-
| cha Lima & Guimaraes, na ra da Cadeia do Re-
! cie, ou na loja de fazendas da ra do Cahug do
Sr. Amonio Francisco dos Santos.successor de Mar-
1 tins 4 Santos.
Assucar refinado, sorvetes, vinhos finos, licores, -3
cidade do Recife, ra do
do Recife, 26 de outubro
da -ilva Santiago.
xaropes, refrigerantes, tanto
e doces.
icores como charopes
Assucar candi, pastilhas e pasta de jujuba: tanto
para fora como para a praca, sendo em porco se
far no preco differenca consideravel.
Precisa-se de ofUciaes
das Cruzes n. 37.
de charuteiro na ra
Companhia de segnros mariti.
mos l'tilidade Publica.
A direegao convida aos Srs. accionistas
reunirem em assemhla geral no escriptorio desta
companhia, no dia lo do corrente ao meio da, em
conformidade da primeira parle do art. 41 dos es-
tatutos. Recife, 10 de novembro de 1864.
Os directores,
Feliciano Jos Gomes.
________ Domingos Rodrigues de Andrade.
Precisa-se de uma ama para o servico de
uma casa de pouca familia, que saiba lavar, eu-
gommar, cozinhar e comprar : a tratar no oitao
da S. Pedro n. 26.
Precisa-se de urna ama forra
saiba cosinhar o diario de
milia : na ra do Rrum
Aluga-se no Monteiro para se passar a festa
1 a primeira casa da esquina do nascente, muito
fresca, da ra do Xisto, com commodo para gran-
' de familia : os pretendenles pode se dirigir aos
1 Srs. Andrade & Reg 011 mesmo no Monteiro que
achara com quem tratar. Na praca da Independe^claT loja de^urtos
om"7, AIUSan>s. anas casas novas muito frescas n. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedras
para se f ? *}? inoll>ores lugares da Capunga: a tra- preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
Precisa-se de um caixeiro que j tnha al-
guma pratica de botica, e que seja de boa conduc-
a ; a fallar na ra larga do Roserio, botia n. 34.
Na praca da
ALUGA-SE
uma casa terrea na ra da Gloria n. 52
no Recife ra da Moeda armazem n. 9.
Existe em poder de
da villa de Santo Tyrso,
Francisco Jos Vieira,
como teslamenteiro do
ama torra ou cal va que i ;,p,; .'V" T^ ".^ 1""" a
de uma casa de pouca fa- \ Sn b T f,l22Qd-a COn,a fechada em
n 84 :' de mai de ,849' de i3489o, pertenrente a Ben-
.----------------------- to Jos Alves, todos desta cidade do Recife de Per-
Aluga-se urna ama que saiba bem cozinhar e
de boa conducta, preferindo-se escrava : na ra
estreila do Rosario n. 32, primeiro andar.
Albino Baptista da Rocha declara ao publico
que nesia data cassa a procuracao que no dia 10
do correte passou ao Sr. Joaquim Francisco de
Albuquerqne Santiago, para haver do Sr. A. Ber-
trand a quantia de que o annunciante se presuma
credor, e em cuja questo se accommodaram as
partes por inlervencao do Sr. J. Bonnefond, sem
nenhum trabalho do mesmo Sr. Santiago.
Recife, 12 de novembro de 1864.
Alomo Baptista da Rocha.
Para a directora do (Iub Pernambu-
Precisa-se alugar uma escrava que saiba co-! cama O SPIIS socios Ir-mn
a tratar imitar, engommar e vender na ra, sendo! de boa ,,. L ,. ,, e T1:
conducta, pagase bem : na ra das Cruie o 3 L Havendo a directora d aquella sociedade, marca-
primeiro andar. t d0 d,a *" do corrente ao meio dia para a reuniao
------?.------'-t------------------------ i------ i da assembla geral, que deve eleger a nova direc-
~ r.ec,Aa'.s? de. u.ma ama ^ae sa,ba coziohar e j loria, e nao tendo lalvez altendido incouvenen-
cia d'essa hora para a grande maiona dos socios,
lembramos mesma directora a conveniencia da
mudanca de hora para a noule do mesmo dia;
fim de quem nao fiqui muitos socios privados de
tomar parte n*essa reuniao.
_____________ Muitos dos socios privados.
^
Mua atteneo.
Pede-se a pessoa que acbou urna carteira j usa-
da contendo *J4 em sedulas e uma letra no valor
de 3494140 rs., cuja nao est selada nem assigna-
da pelo sacante, assim como alguns documentos
o traze-la a loja de seleiro da ra larga do Rosario
n. 28. que ser recompensado, cuja carteira foi
perdida desde a eslaco da ra do Mondego al a
ra Nova defronte da Conceco, isto dentro do
mnibus Boa-Vista, e ap at a ra das Flores ,
previne-se que se acaso nao apparecer a carteira
cima dita o abaixo assignado desde j protesta
contra qualquer transaecao foita com supradita
letra aceita pelo Sr. Luiz Pereira de Castro.
Joao de Oliveira Leite de Souza.
"M-Mav -Ai. "M^M*-&*j. yjutM manen
Vndese diariameute leite puro ao tirar da
vacca : na roa da Soledade, volta da Trempe n. 72,
as 5 horas da manhaa assim como ps de plantas
e rozeiras, urna carroca de cavallo em bom uso :
quera precisar dirlja-se a mesma loja.
Vende-se uma cama franceza de Jacaranda
um marquezao moderno de amarello, ouira mar-
queza para sala de jantar, quatro cadeiras ameri-
canas e uma mesa de jantar : na ra Augusta n.
*. Tambera ha alguraa prata que se vende.
Vende-se uma negra de bonita Agora, saben-
do bem engommar e cozinhar, e mais alguma* ha-
bilidades : na ra da Penha, sobrado n. 11 que
lera a porta para o neceo do Carceireiro.
Vende-se uma negra crioula, bonita figura, i
qual cose, engomma a cozinha, de 16 a 18 annos
de idaJe : no pateo do Tere.o n. 141.
Vendem-se
dous ornamentos para a celebracao das mssas,
sendo duas casulas, branco encarnado, rxo e ver-
de, calix, missal, estante, pedra, etc., tudo em bom
estado, e preco commodo : na casa do sachristo-
da ordem terceira de S. Francisco.
lar no pateo da matriz de Santo Antonio n. 8. commenda, e todo e qualquer concert.
tallecido .Manoel Joaquim de Souza Ribeiro, neg- fazer todo servico interno de casa de pouca fami
rante que fot na cidade do Porto, reino de Portn- lia ; na ra da Concordia n. 38.
; gal, em moeda forte : um saldo da conta fechada cZ^Z,s----j----------; ,-----r---------77-
em 20 de abril de 1849, de 134627, pertencente a oCCrClana fla SOCItdade Recreativa
; Jos Carlos Lomos nm saldo da conta fechada Corvliautna
-1 astea &j&*j*ss* I ordem d9 TSr*-
A pessoa que annunciou querer rompar uma
bomba de regar capim, queira dirigirse a esta
typographia.
A pessoa que annunciou um mualo para
alugar, para o servico interno e externo de casa
de ramilla, pode manda-lo ra larga do Rosario
n. 28, 2. andar, ou declarar a moradia para ser
procurado.
nambuco. Pela segunda o ultima vez sao os mes-
mos ou seus legtimos successores convidados a
mandar receber cssas quantias, no praso de seis
mezes, em rasa de Jos Joaquim Borbosa Lima, na
cidade do Porto, praca de Santa Thereza n. 58.
Na roa da Cadeia n. 5o, primeiro andar pre-
clsa-se alugar uma escrava que engomme e te-
nha algum geito para iratar de criancas.
presidente, convido a
todos os Srs. socios para que no dia 17 do andante
hajam de comparecer na casa das respectivas ses-
soes pelas 7 horas da noite para o lim de proce-
der-se eleco do director de mea, bem como
tratar-se da discussao dos estatutos que tem de re-
ger a mesma sociedade.
O Io secretario,
Faustino Jos da Fonseca.
Hscravos.
Precisase alugar um coznheiro e um criado
! que sejam escravos : na ra da Cadeia n. 52, ter-
ceiro andar.
Precisa-se de uma ama para comprar, cozi-
nhar e engommar, para uma casa de pequea fa-
' milia : na ra da Trempe n. 2.
Joaquim da Silva Boa-Vista principal
barateiro da ra do Crespo n, 10, acaba
de receber um esplendido sortimento de
soutembarques de grosdenaple preto ri-
camente enfeilados que vende muito ba-
rato, mandem ver Exmas. senhoras, a
ra do Crespo n. 10.
mmmmm mmmM
mmm
Crdrne de chocolate
Sorvete de creme hoje ao meio dia : na ra do
Trapiche n 18._____________
Aloga-se um moleque de 18 annos para todo
servico, de uma casa : na ra Velha da Boa-Vista
sobrado n. 43, loja.
Pede-se a quem por acaso tiver achado uma
cadella preta, raa de Terra Nova, que desappare-
ceu no dia 12 deste mez, da ra da Uuiao n. i2,
que por bondade se digne entrega-la no lugar in-
dicado, a seu dono, que alem de ficar muito agra-
decido recompensara generosamente a quem isso
o fizer.
Aluga-se a casa com sitio em Santo Amaro,
passando o hospital inglez a primeira casa : quem
quizer, dirija-se ao p da mesma, que achara com
quem tratar.
Qaem tiver para alagar dousescravo
r-se a ra lai
com quem tratar.
pode
LOJAIIOBEIJAFLOR.
Ra do Queimado ns. 63 e 69.
lioneras de choro.
Lindas nonecas de choro que chamam papai e
mamai, de diversos tamanhos: s as lojas do bei-
ja-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Luyas de pellica.
Luvas de pellica branca e de cores para homens
e senhoras : as lojas do beia-Dor, ra do Quei-
mado ns. 63 e 69.
Fivellas para cintos.
Lindas fivellas douradas rom lindas pedras para
cintos : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
ns. 6. e 69A
Capellas para noivas.
Lindas capellas para noivas 24500 cada uma :
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e
e 69.
Estojos para barba.
Vende-se estofes com espelho para barba 14500
e 24000 cada um : as lojas do beija-flor. ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Ilalaios para meninas.
Recebeu-se novo sortimento de balaios, rom
forma de varios passaros, pelo barato preco de....
14OOO at 44 cada um : as lojas do beija-flor, ra
do Queimado ns. 03 e 69.
Fitas Anas para cintos.
Ricas fitas finas lavradas de bonitas cores para
cintos : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
.n 63 e 69.
Extractos em caiiinhas.
Finos extractos em caixinhas com o retrato da
familia imperial: as lojas do beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Sabo em caiiinhas.
Fines saboes em eaixinnas as lojas do beija-flor,roa do Queimado ns. 63 e 69.
Tiras bordadas.
Vendem-se tiras bordadas transparentes e tapa-
s lojas do beija-flor, ra do Queimado ns.
wu'-in uve paia uiviy.ii uous octavos, pone d?5 nas
dirigir-sea ra larga do Rosario n. 16, que achara 03 e C9.
Jogos de domin
Na ra dos Pires n. 56 precisa-se de um cai-
xeiro porluguez de 14 a 16 annos de idade.
PRB1EIRA E ANTIGA CASA FELIZ.
PORTUGAL.
PORTO,
Ra das Flores, us. e 3 (junto igreja da Misericordia.)
.ANO
GBANDE LOTERI \ DE IIESIWMIA.
CUJA EXTRACCO TERA' LUGAR NO DIA 23 DE DEZEMBRO DE 1864.
Uma boa casa terrea para familia
est por alugar-se ra da nio n.
ir 39: quem pretender dirija-se ra
da Aurora n. 10. Tambem alugara-
se as lojas n. 44, ra da Aurora.
Criado e eseraYO.
Na ra do Hospicio, sitio n. 8, casa terrea com
porto de madeira, precisa-se de um criado de bons '
costumes; e tambem se compra um escravo de 12
annos para cima, que nao tenha vicios nem acha-
ques.
Sitio para alujar.
Aluga-se a casa no lugar de Sant'Anna, com
commodos para grande familia, tendo a mesma si-
tio com arvoredos : na ra da Cruz n. 4.
Albino Baptista da Rocha, relojoeiro e dourador
na praca da Independencia n. 12, faz qualquer
concert de relojios, ou dourado por prego mais
barato do que outro qualquer, e responsabilisa-se
pelo seu trabalho, e espera protecgo dos seus com-
patriotas,
O abaixo assignado obleado desta relacao
carta (provis.o) para solicitador de causas do foro
de Nazareth e Goianna, faz sciente a quem iute-
ressar, que sua residencia c na cidade de Naza-
reth, aonde pode ser procurado; e tambem incum-
be-se de qualquer negocio tendente ao foro para
Goianna.
__________Jeaquim Cypriano Dezcrra de Mello.
Na praca da Independencia, loja de livros do Queimado ns. 63 e 69.
Diario de Pernambuco tem uma carta para o Sr.
acadmico Antonio Jos Lopes Fialho.
Vendem-.-e jogos de domin 15200 e 14300:
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63
e bi'i.
Hallados bordados
Vendem-se baados bordados de varias larguras
e varios precos : as lojas do beija-flor, ra do
Queimado ns. 6.1 e 69.
Aisladores de rede.
Vl ndem-se abafadores de rede de varias cores a
: as lojas do beija flor, ra do
CONPBAS.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: na loja de bilhetes da praca da Inde
pendencia n. 22.
Compra-se effectivamente
I ouro e prata em obras velhas pagando-se bem
Na tarde do dia 10 do corrente, no lugar Ca- a ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
punga, pelas 2 horas da larde, mandou o abaixo
assignado um seu escraviuho pardo, cora idade de
8 a 9 annos, de nome Christiano, procurar um ou-
tro escravo que costuma fugir, na persuasSo de
i que o encontrasse por alguma taberna. Nao vol-
tando mais o referido escravinho Christiano, e nao
I sendo acostumado a fugir, nenhum juizo provavel
pode fazer o abaixo assignado, se est fgido jun- Ourellos.
taoiente com o outro, do nome Lucas e estatura Compram-se ourellos de panno, qualquer por-
baixa, ou roubado : em qualquer das hypolhe&es cao : na ra de Apollo n. 20
oridades policiaes, ** I ,-.^a-se garrafas e botijas vazias, na fabrica
velha, casa de Gui-
Compram-se dous ^scravos que sejam bons
carreiros : na ra do Trapiche n. 13.
Compra-se na ra do Imperador n. 13, uma
ou duas prensas de copiar cartas, ainda que esle-
jam em mo uso, com tanto que tenham perfeito o
parafuso.
PREMIOS
de licores ra das Cruzes n. 36.
de
de
de
1
1
1
2 de 20.000 pesos fortes..............
8 de 10.000 ditos....................
15 de 3.000 ditos...............
30 de 2.000 ditos..........
106 de 1.000 ditos.........................
2.100 de 500 ditos......................!!."
99 aproximacoes de 400 pesos cada uma, para
os 99 nmeros restantes da centena que obte-
nha o premio de 300.000...................
ditas de 300 ditos para os 99 nmeros res-
untes da centena que obtenha e
de 100.000..........................
ditas de 200 ditos para os 99 nmeros
tantes da centena que obtenha o
de 50.000...........................
2.999 reintegros de 100 pesos para os 2.999 nmeros
cuja termmacao seja igual do que obtenha o
premio de 300.000...................
PESOS FORTES
99
99
premio
res-
premio
3560 premios em 30.000 bilhetes.
300:000
400:000
50:000
40:000
80:000
75:000
60:000
106:000
1.050:000
39:600
29:760
19:800
299:900
MOEDA POKTUaOBXA
OU
Rs. 270:0003000
90.0004000
45:000*008
36:0904000
72:0004000
67:5004000
54:0004000
95:4004000
945:0004000
35:6404000
i93KIa IMPERIAL 193
Isaac Esnaty
Fabrica do rap imperial.
Isaac Esnaty lem a satisfago do participar ao
respeitavel publico que se acha estabelecido na ra -
Imperial n. 193 com fabrica de rap denominado 1ual1uer particular a captura
RAPE' IMPERIAL, cujo rap fabricado igual ao! K can,re?arIna Capunga
rap de Lisboa, e muito melhor por ser mais toni- lherme Ferreira Pint0-___________________
nHUA0,.nia-S SSSSftl- e con,venc.ido ofa.bri" A mesa regedora da irmandade de Santa Ce-
cante da superiondade do seu rap, pela expenen- cilla erecta na Igreja de N. S. do Livramento, con-
cia de tr.nta annos que lem desle genero, e demais; vida a todos os seus irmaos para a cleico da nova
LSCSST JESS, 5? n raais se*uranCa ds i- mesa que tem de reger esta irmandade no anno
E2SE2. a rabricant? Rc:i responsavel pelo bom de 1864 1865 para o dia 15 do corrente, as 10
' T h a Seu rap"i &aran,,nd0 ao mesmo tempo horas da manhaa. Escrivo interino, Hyppolito Jo-
j o dmheiro do comprador que por accaso nao gos- s de Lima
j tar (o que positivamente nao de esperar) e sendo ------.. .r--------1--------=?.------^-,-----.
, este precioso rap digno do preco de tres mil ris ~" Na loja de cnaPeos r"a Direita n. 61 pre
a libra porm como o principal desejo do fabrican-: cisa"se de um meDno de ,2 a M annos, que quei-1 Compram-se garraias vazias: na ra da Cadeia
i te de sanhar crdito em todo o imperio e tam- fa ai).lle,nd5r.0f ?1 5. que d ftador a sua conduc5 do "eclfe n- 3-
Compra-se para una enccmmenda uma ne-
grinha e um moleque de idade de 10 a 12 annos:
na ra da Cruz n. i. escriptorio de Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C.________________
Compra-se urna escrava que saiba engommar
e cozinhar : na ra do Crespo n. 18, segundo
anda,.
Adcrrcos prelos.
Tendo-se recebido aderecos pretos de novo gps-
, to sao expostos venda : "as lojas do beja-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Grvalas para senhoras.
Lindas grvalas para senhora 800 rs. e 14000
: 15200 : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
ns. 63 e 69.
Espedios de moldura.
Vendem-se espelhos de moldura preta para sa-
: nas loJas do beija-flor, ra do Queimado ns.
6.) e 69.
Vollas de aljofares.
Lindas voltinhas de aljofares com cruz de pedri-
nhas imitando brilhantcs 14000 cada uma : as
Ijs do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Colberes para sopa.
Vendem-se colberes de metal-principe para sopa
24000 cada uma : as lojas do beija-flor, ra 3
Queimado ns. 63 e 69.
La para bordar.
Vende-se la para bordar, a melhor que se pode
encontrar, tanto na qualidade, como as cores,
64400 a libra : as lojas de beija-flor, roa do Quei-
mado ns. 63 e 69.
as mesmas lojas se encontrar sempre grande
sortimento de miudezas boas, e mais baratas do
que em outra qualquer parte.
em barris de 5
I muito superior
Vinho verde
para particulares e
em pipas,
Garrafas.

bem para chamar attencao dos amantes da boa pi-
ta, prefere se nacional.
26:7304000
17:8205000
269:91040000
2.250:000
2.050:0005000
tada como tambem dos exportadores deste genero I Aluga se a casa terrea da roa do Pilar n. 10 .
tanto para o mato como para oulras provincias, li-! a tratar com a proprietaria na ra da Cruz n. 35,
mita somente o preco reduzido de mil ris por II-' segundo andar, ou na ra da Senzala velha n. 96
bra a retalho e em porcao de 10 libras a 900 lis onde estao as chaves.
dV?00Pasdae S'E e f&SV E I Aluga-se ura preto escravo, opt.mo coz.nhei-
ro, e para todo o servico
mos n. 4.
a tratar no caes do Ra-
A pessoa
Martins Gomes
que deseja fallar com Francisco
dirija-se a ra Velha n. 33. \
Desde o dia 9 do corrente ausentou-se da
casa do seu senhor, o escravo
pegar leve-o ra Nova n. 59.
Martinho; quem o
. PRECOS EM MOEDA FORTE.
BHhetes inteiros.......a 1084000 || Quintos de bilhetes....... a 214600
Meios bilhetes......... a 544000 || Decimos................a ioJ&OO
joseigmcioTerreim roriz,
.. COM LOJA DE CAMBIO E BILHETES DE LOTERAS. '
Al/iafcarto no gooerno civil do Porto, em conformidade do edital
dd% dejunho de 1860.
ranrto nn,i a?!P PromPlidao lodas a* eocommendas que Ihe sejam feitas, mesmo em
K h 2 pelos pre?os acima '"dicados, vindo acompanhadas do seu importe; c
no lim da extraccao remette a lista dos premios p 'c
Para informaces, e pedidos no escriptorio da ra da Cruz, n. 19.
com o descont de cinco por cento 00 a tres mezes
do prazo firma garantida assim o fabricante espera
a conenrrencia dos seohores compradores em re-
munerado da boa pitada examinada, approvada e
afliancad*.
O fabricante franqueia as amostras (grti) do
seu rap tanto na fabrica como tambem no nico
deposito ra Direita n. 14 taberna.
Brevemente apresentar a venda publica ontro
rap fabricado igual ao que se fabrica nesta e ain-
da para melhor, como tambem : rap princeza,
rape grosso e meio-grosso, tudo a precos muito
mais reduzdos para mais animar os senhores ex-
portadores deste genero.
N. B. Nos dias de sabbado a fabrica nao
abre.
CEIITIFICADO.
Certifico que submettendo a exame a amostra I
do rap denominado Imperial, que apresentou a
esta reparticao o r. Isaac Esnaly, fabricante resi-
dente na ra Imperial, casa n. 193, declarod o pe-1 A?,0no Joaquim de Mello, antigo advogado
rito nomeado para esse lim, o Sr. Pedro Janrer nes,a cdade, e procurador fiscal aposentado da
to venda, aliento a que nenhum permeio nociso mais de 22 anno5> contina a advogar em todos os
Compra-so ouro e prata, assim como concer-
ta-se toda qualidade de obras da mesma qualida-
de com promtido : na loja do pateo do Carmo n.
7, por preco commodo.
Libras esterlinas
Compram-se em casa de Johnslon Paler A C,
ra do Vigario 11. 3.
Vende-se urna casa de pasto na ra da Lapa
1 n. 13, com bastantes commodos para passageiros,
sendo repartida em duas casas : a tratar na Ri-
beira n. 23.
Machinas de vapor epa-
ra descarocar algodo.
Moendas e meis moendas.
Taxas de ferro batido, coa-
doe de cobre.
Dr. Francisco l'ires Machado]
Perlella
MEDICO OPERADOR
l'ELA
Faculdade de Pars
Pode ser procurado ra Nova
Compra-se um armario 011 guarda-lou^a de
prateleiras, e que tenha quatro portas, nao tendo
mais de seis palmos de largura e dez de altura : "D,! j
no escriptorio de Claudio Dubeux, ra do Impe-' JLlOtta S (l8gU&, eiltadaS,
flf PflrrnAO /wm morr
e
e
VENDAS.
de carroca com
eixos de patente.
Ra doBrum n. 38, fundi-
~i Vendem caiies vazios proprios Ca0 do Bowman.
para batatares e fiinileiros a 1$760
nm; nesla typographia.
n.
44, segundo andar.
comprometa a saude.
Inspectora da sade publica, aos o de outubro
de 1864.
Dr. Ignacio Firmo Xavier,
Inspector da sade publica.
ramos
n. 14.
do civel e crime : na ra do Imperador
Precisa-se de um
ra em Santo Amaro,
Starr.
forneiro bom : na pada-
alras da fundilo do Sr{
C
Vende-se um cavallo andador, c bem conhe-
cido : para ver, na cocheira da porta larga na ra
da Roda, em dias uteis, das 10 horas as 2 da tarde
Vende-se uma mesa completa de ferrinhos
de engommar, francezos, um balaio de roupa, um
toucador e alguns trastes, trera de cozinha, tudo
isso de uma pessoa que se retirou para fra da
provincia : no Corredor do Bispo, casa n. 13. Xa
mesma casa d-se al moco, jantar, e lugar para
dormir, a algum hornera de idade que queira se
incumbir de tratar e plantar em um sitio muito
pequeo, promette-se bom tratamenlo : quem qui-
zer appareca a qualquer hora.
Fabrica de chapeos le sol de Francis-
co Maeslrali, na do Queimado
numero 22
Nesta fabrica chegado pelo ultimo vapor un
completo sortimento de bengallas e cachimbos de
espuma domar ede oulras mais qualidades, as-
sim como tambera chopetas para charutos multo
finas, e fumo caporal, e sempre tem prompto um
bom sortimento de chapeos de sol de todas as
qualidades, na qual se fazcm e se concertara tudo
pertencente a esta arte.
- Vende-se um selim inglez em bom uso, com
todos os pertences: na ra da Cadeia Nova
n. 32.

'
<


Diarlo de Peruanibuco Cerca felra 15 d .\ovemhro de 18114.
m
CL
COIME
RA 1IO QUEIMADO S. 15.
Passand o beeco da Congregado segunda casa.
NOV1DADE
Perora Rocha & C. acabara de abrir na ra do Queimado n. 45 um arraazem de molhados denominado Clarim Commer-
cial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sorlimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes serao vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada ; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
Arroz do Maranho, India e Java a 60, 80 e
100 rs. a libra, e 1(5800, 20600 e 30000
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
i 200 el(!l600, e em frascos grandes a
2*500.
dem era caixinhas elegantemente enfeitadas
cora ricas estarabas no interior das caixas
a 10200, 10400, 10600 e 2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avelinas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1030') rs.
Bolacbinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lata.
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha bysson, huchin e jj>? Ja a 10600, 20,
20500, 20800 e 35000 a libra.
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vera ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 90^ rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especiilmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
200 >0, 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 80500 a 80800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhos francezcs muito novos e
bem rauito enfeitados a 700 e 600 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
libra,
^Mfc> WV
rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Figos de comadre e do Douro em caixinhas
de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
10800, 50500 e 280 rs. a libra.
Farinhado Maranho a 160 rs. a libra,
em frascos de vidro a 600 rs I dem de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
Painco a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a 640 rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor a
900 rs. a fibra.
Sal refinado
cada]um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 60 <
libra.
Eigos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e era caixa com urna du-
zia a 90000 e 100000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
dem em garrafoes de 3 e 5 gales a 50500
e 70500 cada um com o garrafao.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, quaiidade especial em garrafas muito
grandes, a 10800 a garrafa.
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de
vidro, a 10000, s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 601 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
a garfafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 705OOrs. dem regular a 500 rs.
a yjjg Magas finas para sopa: estrellinha, pevide,
dem Morgauxe Chateaulumini de 1854, a 10 rodinha e. aletria a 600 rs. a libra e a 40
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs.
102OOrs. a caada.
a caixinha com 12 fibras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra,
i garrafa e Peixe em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 10 a lata.
Paliios de dentes a 160 rs. o maco,
dem de dentes a 120 rs.
dem de flor a 200 rs.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porco de outros que deixamos
de mencionar, e que tudo ser vendido por j Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
pecas e carnadas, tanto em porces como Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
retalho- ^ e em ca'x^ a 640 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima te- j Palitos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 por oento. I Passas muito novas a 480 rs. a libra.
LIGA.
GRANDE E SUMPTUOSO ESTABELECIMENTO
MOTOS E ESCOLIADOS CEDEROS
TANTO EM GBOSSO COMO A RETALHO
60 -RUI NOVA GO
i Hiena casa junto a ponte da Boa Vista.
DUAS PALAVRAS.
t Cesse ludo quanto a antiga musa canta
Que outro valor mais alto se alevanta.
Acua-se a disposico do resDeitavel publico este grande e magnifico estabeleci-
mento de molhados, talvez o primeiro e nico hoje existente era sua especialidade, por-
gue o maior capricho de mos dadas com mais apurado gosto de abrir um estabeleci-
mento modelo promoveram a escolha dos mais superiores gneros do nosso mercado,
uue por serem comprados em grande quanlidade e pagos qnasi todos a dinheiro a vista
deu luear a obtenco de vantagens, que repartidas como vo ser pelas pessoas que se
disniarem de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanca de agradar a
todos nao s pelo emprego das.raaneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-
pazes'. como pela pralica da promessa que fazemos de vender polos precos quasi do pri-
meiro custo o nosso magnifico sortimento. ,
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diversas classes da nossa sociedade, asseguraraos aos abastecidos da fortuna que acharao
em nosso armazem os melhores e mais esquisitos vinhos, licores, champagne queijo, etc.
etc ete o quelles que nao podem dispor de grandes recursos, que s compram o neces-
sario promeitemos-lhes servi-los de gneros novos e sadios, escolhidos ao seu contento.
O real do pobre ser recebido cora to boa vontade, como a moeda de ouro do
homem rico.
\s pessoas que nos fizerem a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com-
prar para seu gasto, ou para negociar, voltarao satisfeitas, nao s pela boa quaiidade dos
ohjectos, como pela fidelidade dos precos, e bom acondicionaraento.
6 futuro nos justificar.
CAVACO ECESSARIO
Devemos ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que
adoptamos. Ei-las. ... n.
Fxistindo neste vasto e loreseente imperio um grande partido poltico com a
denominaco de Uga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente,
rapaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a mudos,
_ Ria-se quem quizer, porque nos tambem nos riremos mas nao se zangue
nmgue n^ ^ ^^ ^ ^^ ^ ^^ ^ ^ ^ a conhecer as cousas. esta a mais
breve clara e sincera explicacao que, pelo methodo repentino, podemos dar.
' Mas a quem nao seguir o partido desse systema diremos mais:
Nao e oriundo do Brasil o imponente titulo do nosso estabelecimento. Foi a
muitas centenas de leguas que apanhamos a nossa Ufa.
Na soberba e opulenta Inglaterra houve um re que inst.tuio a mu honroza or-
Um da' tea O acaso nos fez deparar com a narraco desse acontecimento, que tan-
sororeheraleu a corte desse monarcha. Agradou-nos esta historia e gosUmdo sum-
raaraen e do trage do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenhar, ecol-
iocandoo no oito do nosso estabelecimento, temos assim feito d.st.ngu.-lo dos outros
oue se assignalaram com mitras e coroas.
Honnl soit qnl mal y-pense.__________________|______________
MACHINAS DEPATEM
de trabalhar iuo para
descaroear agodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
Vende-se um comomelro martimo inglez do
melhor fabricante Charly Frodshan, affiancando o
seu regulamento, por diminuto prego : a tratar
na ra Nova n. 21, loja de Francisco Jos Ger-
mano.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualid.de a
120 a lata : nos armeos da ra do Im-
perador n. i 6 e ra do Trapiche Novo n. $
Vende-se superior vinho do Porto em caixas de
urna duzia : em casa de Johnston Pater & C, ra
do A'8ario n- 3. ^_________________^^
Queijos de Minas
Vende-se na ra Nova n. 61, defronte da Illm."
cmara municipal.
Estas machinas
podem descarocar
qualquer especie
de algodao sem
/ estragar o fio,
' sendo bastante
duas pessoas para
o trabalho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
dao em caroco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algodao
limpo, por dia.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinas
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47.
Sannders Brothers & C.
V II, pra^a do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do Queimado ns. 49 e So loja do Barateiro
conhecido j como tal, est dispondo da fazenda
por todo o prego para apurar dinheiro, quem qui-
zer venha ver e traga o cobre, e ver o seguinte :
Haralhos de cartas para voltarete muito
finasa............................ 206
Miadas de linha froxa para bordar a 20
Pares de sapatos de tranca de todos os
umanhos e finos a................... WoOO
Massos de superior grampos para cabellos 30
Duzias de palitos de gaz superiores a. .. 200
Libras de ara preta muito superior a .. 100
Frascos de superior macar oleo a 100
Ditos de dito perola a.................. 200
Ditos de oleo de babosa muito finos a 320
rs. e............................... oOO
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida.............................. 400
Ditos de banha muito fina a............ 640
Ditos de cheiros muito finos para o preco
a rcis............................. 600
Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
160,e............................ 400
Novelos de linha com 400jardasa...... 80
Carriteis de linha de cores com 200 jar-
das a............................. 60
Novelos de linha de gaz de todas as co-
res a............................. 30
Pecas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a....................... 24
Frascos de superiores cheiros, pequeos, a 200
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a ris.............................. *y0
Varas de bicos francezes, superiores a... 40
Opiata para dentes da melhor que ha a.. 1&000
Frascos de agua para dentes, superior a
tudoa........................... 1*000
Pecas de tranca preta liza muito fina a.. 60
Caixas com 4 papis de agulhas Victoria a 200
Varas de fila preta com colxetes a...... 40
Libras de la sortida de todas as cores a 6o00
Bonecos de choro muito bonitos a...... 160
Caixas de obreias de ma ssa mutp novas a 40
Varas de franja .branca e deires para
toalhas a......................... *5
Frascos de oleo Philocomescupenor a.. .
Ditos com Superior tinta a320 e.........
Caixas de linha de gaz com 50 novelos a 800
Enfiadores para esparlilho a........... 60
Duzias de botoes encarnados para vest-
dos a............................. W0
Grande liquidadlo de faz* ndas de todas
as qualidades para se apurar dinheijo, vende
se baralissiuiu ua loja c armazem da Arara, ra
da Imperatriz n. SO, de Lourenro Pcreira Men-
des (iuimares.
AO HAP.ATE1H0 DA ARARA.
Vende-se cortes de chitas de cores lixas com 10
covados a 2*400 e :200. corles de cambraia de
salpicos a 2500, :000 c 4{0OO para acabar : na
roa da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
& Arara vende eassas a 210 rs.
Vende-se eassas para vestidos a 240, 320, 360,
e 400 o covado, organdys de lindos gostos para
vestidos a 320, 360 c 400 rs. o covado : na ra da
Imperatriz n. 56.
Cortes de la a IIaria Pia a S.A. 1 25. 1 id e 16.
Vende-se corles de la com barra, os propia-
mente a Maria Pia a 8*, 12, 14* e 16*000, ditos
sem barra a 6000 : na ra da Imperatriz, loja da
Arara n. 56, de Mondes Guimares.
A Arara vende alpaca para vestidos de senbora a
360 rs.
Vende-se alpacas de lindas cores lisas paraves-
tido; de senhora a 360 rs. o covado, laazi-
nhas para vestidos de senhora a 320, 360, 400, e
500 rs. : na ra da Imperatriz 56, loja da
Arara.
As colchas da Arara de 2.
Vendera->e colchas de damasco para cama a 4*,
ditas de chita a 2000 : na ra da Imperatriz nu-
mero 56.
A Arara vende cortes de calcas a I 600.
Vende-se cortes de calca de brim a 1*600 e 2*,
ditos de casemira a 3*500 e 4*500 : na ra da
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Latinhas da Arara a 240 rs.
Vendem-se lazinhas para vestidos a 320, 360,
400, eOO rs., ditas lisas de todas as cores a 600,
j ditas a Maria Pa a 640 rs. o covado : na ra da
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
' A Arara vende um completo sortimento de roupa
feita.
Vcndem-se roupas feilas a saber: calcas de
brim de cores a 2* e 2*500, ditas brancas de al-
godao a 2fl, ditas de linho a 3*500 e 4*000, coe-
tes de cores de brim a 1*600 e 2*. ditos brancos
a 2*500, de casemira a 3* e 4*, caifas de casimi-
ra a 5*, 6* e 7*000, paletots de casemira a o*000>
ditos finos pretos e de cores a 6*, 7*, 8*. 10# e
120000, paletets de alpaka preta a 3* e 3*500, di-
tos de alpaka de cordao e alpaka branca a 4o00,
ditos de brim de linho brancos finos a 5*000 J-
ronlas a 1*280, ditas francezas a 1*600 e 2,5000,
camisas francezas a 2* e 2*500, ditas de linho in-
glezas a 30000 : e ouiras muitas roupas feltas que
se torna enfadonho mencionar, que vista do com-
prador ^se dir o preco, por isso roga-se aos com-
pradores o favor de vir ver na bem conhecida loja
da Arara, ra da Imperatriz n. 56, de Lourenco
Pereira Mcndes Guimares.
A Arara vende as percalas a 500 e 560 rs.
Vende-se percalas de cores finas para vestidos
a 500 e 560 rs. o covado.
A Arara vende tiras bordadas para enfeitar vesti-
dos brancos.
Vende-se tiras bordadas para enfeitar vestidos
brancos a 1*200 e 1*400 a peca, musselina bran-
ca fina a 400 e 500 rs o covado : na ra da Im-
peratriz n. 56, loja da Arara.
Ao barateiro da Arara a 2^500.
Vende-se baloes americanos de 15, 20, 25 e 30
arcos a 2*500, 3*, 3*500 e 4*000.
Vende-se golinhas para senhoras a 240, 320,400
e 500 rs., camisinhas para dilas a 1*, 20, 3* e 4*,
na ra da Imperatriz, armazem da Arara, n. 56.
A Arara vende madapolo enfeslado a 4.
Vende-se pecas de madapolo enfeslado com do-
ze jardas a 400, pecas de dito de 24 jardas, das
marcas seguintes : n. 30 a 6*000, n. 250 a 6*500
e 7*, n. 2 8*, n. o 8*500, cfci.9*. n. PF a 100500,
n. ZZZ a 12*, R a 11*000 a pega, algodao a peca
de 20 jardas a 5* e 6*000, dito carne de vacca a
60500, dito domestico a 7*, dito slcupira a 8*, dito
pao ferro a 90 a peca : na rtia da Imperatriz, loja
da Arara n. 56.
Bramante de linbo a 2>)('0 a vara.
Vende-se bramante de linho a 2*500 a vara, pan-
no de linho para lences a 640 rs. a vara : na ra
da Imperatriz loja da Arara n. 56.
A Arara vende case miras Gnas a 5t.
Vendem-se cortes de casemiras para caigas a 5*
305O, 60 e 70000 o corte : na ra da Imperatriz,
loja da Arara n. 56.
A Arara recebeu um completo sorlimento de capas
e southembarques
que vende baratsimo, a saber : southembarque
de alpaca branca enfeitados muito de gosto a 120,
ditos de lazinhas de cores a 80, 100 e 120000,
capas de grosdenaple preto a 200, 250, 300 e 350
soutembarques pretos de grosdenaple a 200, 250
e 300000 : s na loja e armazem da Arara, ra
da Imperatriz n. 56.
Casemiras para capas a 3 o covado.
Vendem-se casemiras lisas proprias para capas
de senhoras a 30 o covado, lazinhas lisas para o
mesmo lira a 600 rs. o covado : na ra da Impera-
triz n. 56.
A Arara vende lencos de seda a i& e 800.
Vende-se lencos de seda de urna s cor a 800
rs., ditos finos de cor a 10, colarinhos baratos a
1600 rs. a duzia : s na loja da Arara, ra da Im-
peratriz n. 56.
Ao barateiro do bairro da Bda-Vis(a.
Vendem-se chitas escuras e clara? '- cores fixas
a 240 e 280 rs. o covado, chitas IraWezas finas a
320, 360, 400 e 500 rs. o covado, porm assegu-
ram-se as qualidades e cores : e muitas mitras fa-
zendas que se vende baraio, isto smente vista
dos freguezes. Assim cheguem freuuezes, porque
s se vndi' assim barato porque est a festa na
porta, e a loja da Arara da ra da^lmperatriz n.
56, pode bem servir aos freguezes do bom e ba-
ri'o.
0
AO ME*lBEIT\tYR8i PUBLICO.
RA DAS CINCO POMAS N. 86
Ksqulna da nova travessa de *. loao.
100 e 120 rs. a libra, e a arroba a 1?>800,
20500 e 2^800.
Amendoas a 280 rs. a libra.
Ameixas francezas a i 200, 10400 e I 000
I em latas, frascos e lindas caiebinhas muito
proprias para memosear alguem,
Amendoas confeitadas em francos de vidro
a 10 o frasco.
; Alpiste a 160 rs. a libra e a 4>500 a arroba.
! Azeite doce francez a 900 rs. a garrafa.
i Azeite de Lisboa 3 OVO rs. a garrafa e 40800
a caada.
! Azeite doce em boioes com 9 garrafas a 50500
com o boiao.
i Azeitonas por todo o prego.
j Biscoitos inglezes de diversas marcas a I 300
a lata.
Bolacbinhas de soda, oval e lunch a 20000
a lata com 5 libras,
Bolachinhas americanas em barricas 26
libras a 20000.
, Banha de porco da melhor ijualidade a 360
rs. a libra.
Batatas em gigos p caixas por todo o preco.
Caf moido a 100000 ou 80000 a arroba.
Caf superior a 70500, 80OOU e 80500 a
arroba.
Cha nesto genero temos o que h de melho-
assim como tambem temos baixo pelos pre-
cos seguintes: 10400, 10600, 10800,
20400, 20000, 20800 e 30000 o tino.
Charutos de todas as melhores e peores mar-
cas do mercado a 800,10000,10600, 20,
20800, 30000, 40000, 50000, 50500 e 60
o cento.
Chouricas as mais novas do mercado a 120
o barril com 1 arroba e 480 rs. a libra, a
ellas que pechincha.
Chocolate magnifico a 10000 e 10200 a libra.
Cerveja marca a mais acreditada que tem
vindo a 500 rs. a garrafa, e meia garrafas
por 320 rs. branca e preta.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco fazenda
chique.
dem francezas a 5(0 rs. o frasco.
Cevadinha de Franca a 240 rs. a libra.
Champagne da melhor marca que aqu tem
vindo a 200 e 240 o gigo.
Cognak inglez e francez a 800 rs. e 10000 a
garrafa.
Ceblas por todo preco.
Copos lapidados que sempre se venderam e
se vendem em muitas parles a 80 e 100,
vendemos a 50510 e 60000 a duzia.
Copos para vinho a 30000 a duzia.
Doces de calda vindos de Lisboa ueste ultimo-
vapor a 6'*0 rs. a lata das melhores fruc-
tas da Europa.
dem da goiaba e da casca o melhor que j
Desejando o proprietario do grande armazem do Propheta dar lar-
gas ao seu genio emprehendedor, commercial e especulativo, resolveu ceder a inspircao
que o assaltou, quando as horas caladas da noite o seu solicito espirito se agilava n'um
turbilhao de ideas, tendentes todas bem servir e agradar aos generosos habitantes
desta bella provincia, de abrir mais este grande esabeleclmcnto de novos e
escolhidos gneros, quasi que especialmente destinados as pessoas que moram na fie-
guezia de S. Jos, e quelles senhores que Iransitam pela via fenea, para quem em ver-
dade sao sem conta o numero das vantagens que se lhes offerece, jiao s com relacSo a
modicidade dos fretes, como da facilidade e brevidade da conduccao dos ol'jeclos cora-
0 sonho do Propheta ser urna verdade pratica to acceita e abracada como as
palavras simples e bem intencionadas dos velhos patriarchas desses lempos idos, si o Se-
nbor Deus dos exercilos nao o quizer contrariar. ...
O Propheta nao querendo restringir-se a forma ordinaria de negociar resolveu
tambem, depois de profunda meditaco, de nao vender smente os seus gneros a di-
nheiro corrente ; mas tambem de por em pratica troca delles por oulros da producto
do paiz ou por escravos, bois. cavados, etc. Assim, pois, fique na inteligencia de todos,
que o propheta receber como moeda de qualquer dos senhores agricultores, sssucar,
algodao, agurdenle, milho, feijo, cavallos, escravos, etc., etc. e Ibes dar o mesmo valor
em gneros, escolhidos a contento.
Quando a importancia dos gneros apartados for menor do que a dos objectos re-
cebidos por troca, o Propheta nao demorar a differenca que deve dar em dinheiro.
Um eslabolecimento que com tantos sacrificios e desptzas acaba de ser aberto
deve inspirar a todos a certeza de que se vender muito barato com o fim de se adqui-
rir credilo e freguezia.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra. dem em botija a 360 e 400 rs. a botija.
Arroz do Maranho, Java e do Penedo a 80, Graixa em lat sa 10200 a duzia.
Limonadas de diversas fruclas a 10000 o
frasco.
Licores inglezes e francezes a 10000,10500
e 20 a garrafa.
Lingoas americanas a 800 rs. cada urna.
Linguicas promptas em latas a 102CO a lata.
Manteiga ingleza neste genero o que ha de
melhor a 800 rs. a libra e em barri! a 700
rs.
dem mais baixa a 640 e 720 rs. a libra.
Manteiga franceza a 520 rs. a libra, em barril-
a 6 40 rs a libra em retalho.
Massa de tomates a 640 rs. libra, y
Marmelada muito nova a 640 rs. a libra.
Molhos inglezes a 400 e 640 rs. a garrahnha.
Mostarda preparada a 400 e 640 rs. o frasco.
Massas para sopa macarro, talhi \m e aletria
a 400 rs. a libra,
dem finas em caixinhas a 30000 a caixinha.
Marrasquino de Zara verdadeiro a 10500 o
frasco,
dem mais baixo a 800 rs. e 10000 o irasco.
Milho em saccastom 20cuiasa 30500.
Prezunto inglez para fiambre vindo no ultimo
vapor a 800 rs. a libra,
dem mais antgo a 640 rs. a libra,
dem do Porto a 640 rs. e sendo inteiro >
500 rs. a libra.
Passas novas a 400 rs. a libra.
Polvo a 160 rs. a libra.
Painco a 160 rs. a libra.
Pomada a 240 rs. a duzia.
Pimenta do reino a 320 rs. a libra.
Peixe em latas a 10000 a lata, savel, cor-
vina, pargo e outros.
Papel de peso a 20000 a resma,
dem idem muito fino a 40000 e 30300.
dem marfim a 405<'O.
dem almasso a 30000, 30500 e 40000.
dem para embrulho a 10200 a resma.
Palitos para denles macos com 20 macinhoi
a 80,120 e 200 rs. o maco.
Palitos do gaz a 20000 a groza.
Queijos fiamergos do ultimo vapor a 20600.
dem londrino a 9C0 rs. a libra,
dem prato a 640 rs. a libra.
Uap Meuron a 10000 a libra.
Sag e sevadinha a 240 e 280 rs. a libra,
Sardinhas de Nantesa 640, 560 e 360 rs. >
lata.
Sabo massa a 120, 180, 200 e 240 rs. a
libra, e em caixes por menos. ^
Sal refinado a 600 rs. o vazo (pote de vidro.)
Toucinho de Lisboa, de Santos e americano
a 160, 240 e 320 rs. a libra e em arroba
a 5, 7, e 90000.
Tijolos para limpar facas a 160 rs. cada un-.
Vinho do Porto em ancoras com 70 garrafas
a 300000.
Isla 5.g.g.2" = "oSg
w 35 "g. p. *
O rrO._
era -,'& =^ ^.xj 3 g>
c g g"g g."9 5S a-S-c-o
p ti *
g5 S.-"
i u 2 i?
C B u
& n -s
o a, a -
= 3
ce O. ce
n ,
S n CD
S 3 2.
a
.. ce o o- o32*D.3ttBS-
i3;P*
*o (p ce ce o q,
- a c? ce 3 _c S"
^>gqv%
fia o
S. ce Ssf o. S
V'
(6 J"; C.
a'

S|^M S=3^s
ifl I58
o"to g tu 3 p
FFP | I
I
c
ce
V)
ce_
ce
M
ce
w
0>

-o i
09 *
"1 _
j, 2
" 2 v
01

O
os"
? i"

ai
e
9
s
c
s

e
se
Sao muito bonitos
Sao muito modernos
Sao muito baratos
O barateiro Joaquim Luiz dos
Santos, acaba de receber um es-
plendido sot tmenlo de soutembar-
s ques e capas ricamente enfeitados e
ta$ que vende muito barato ; mandem
^ verExmas. Sras. para se convence-
P!1 rem desta verdade, na ra do Cres-
H po n. 1, junto ao arco.
wmwm
Farlnha de mandioca.
a ."55000 o sacco.
A melhor que existe no mercado, bordo do Da-
tacho Ulysses, defronte da trapiche do baro do Li-
vramento. pelo barato prego cima memionado,
sendo sem o sacco, e em poreaose far alguraa
dilTerenca; na ra da Madre de Dos n. 5 e 9.
nossivel por diversos precos, e conforme! Vinhos de Lisboa eF;ucra qualidades mag-
o tamanho dos caixes.
Ervilhas em latas a 640 rs. a lata,
dem seccas a 200 rs a libra.
Espermacete americano a 10200 a libra.
dem francez a 560< rs. o masso com 6 velas.
Figos de comadre em caixinhas muito lindas
a 800 rs. a caixa.
Farialia de trigo a 120 e 140 rs a libra.
Farinha do Maranho a 240 rs. a libra.
Fumo do Para a 10800 a lata grande.
Fumo americano a 10400 a libra.
Fumo em macinhos para sigarros a 2001
rs. o maco.
Farelo em sacas de 80 a 90 libras a 30500
Genebra de laranja 10 o frasco,
dem de Hollanda a 500 rs. o frasco. 1
nificas a 30000, 30500 e 40000 a caada.
Vinho do Porto em pipa a 5 e 60000 a caada.
Vinho branco de Lisboa e Porto em ancoras,,
barris e pipas a 40000 e 50000 a caada, i
Vinagre de Lisboa a 10600 e 20000 a cni-
da.
Vinagre em garrafoes por 10000 com opF-
rado.
Vinagre em ancoras para 10600 com a ancora
de 9 caadas.
Vassouras americanas a 640 rs. cada rma.
Vinho deRordeaux neste genero temos grande
porco e das qualidades melhores que lera
vindo ao nosso mercado em garrafas, em
ancoras, em barris equartolas oqua! ven-
demos por procos muito baixos.
O BALIZA
DECLARACAO.
O BALIZA declara pelo prezente que
deixa de publicar os precos pelos quaes ven-
de as suas mercadorias por motivos qne ao
respeitavel publico pouco intereca. Serve
provisoriamente de baze os precos do Pro-
pheta.
ORDEM OO DIA.
O BALIZA concede plena Hberdade aos
seus amaveis collegas Clarins, Unioes, mitra-
dos e croados, para que possam sallar, her-
rar e tudo mais quanto lhes aprouver, at
a sua segunda ordem.

<4
'r
i


:i i
\
;

1
MUTILADO


-.1
/
Hl l.liMI |U
wmm^f
!T^W
I
lirio c rerB>ne ... Tor^a felra 15 rfe Koiembro e tifia.
NOVA StEFOBMA.
AIH0H\BRILI1L\TE
N. 84. Largo da Santa Cruz. N. 84.
Francisco Jis Fernandas Pire?, lem a honra de avisar a sqa numerosa freguezia
e *m .-siM-cialidade aos moradores do bairro da Boa-Vista e seus arrebaldes, que fez
tota n-Tnrma em sen asselado eslabelecimento de molhadosdenominado AuroraBiilhan-
lo. a.. Iwgu da Santa Gnu, e eom esta reforma suprio de novo o seu armazem de bons
f^u-r**, s-ndo muitos dslls mandados vir de sua propria conta, para melhor servir
taetfai ijne se dignarem comprar ou mandar comprar em seu estabel^cimento.
Ni armazem da Aurora Brilliantc encontrara semprc o respeitavel publico um
ilnd.i e novo sortimento dos raelhores gneros que tem rindo ao nosso mercado, c sem-
liv por i.recos muita razoaveis, como se v da segunto tabella que ser mudada se-
niauaiuicutc.
A Aurora Ilrillianta recebe as libras sterlinas por 9,3, sendo para compra, e faz
por ento de abatimento a quom comprar de 100 para rima.
Prestmt is de fiambre muito novo, a libra a
80 rs.
8>it > para (tanella, a 560 rs.
QtjTij.m iitidriiiiis muito superiores, a libra
a nm.
I) ; i- di remo viada neste vapor a 25600.
HiUi do vanor paseata a 25 e 25i00.
Quijos do qualha novos, a libra a 560.
rfW praudescom ain has a 35000,
l,*m mu I i\2 libras a 15200
Ditas co M .{ e 6 libras a 25500 e 45.
Gh"*'ilaie francezinuito superior, a libra a
45120
rafc *** ''"" Jt primeira qualidi.de, a libra
CfflS 5700.
i J5 0:|. uxiih a 25700,
,,-jl Diin inss.ui a 25700 c 25800.
;.^ Dii i,,.-,.i-i a 5K00.
,'ji f io e.,n caixinhas de i e 2 libras a 25600.
_e lut i uretu a 2$ e 25500.
-jS Ma'-ti-isi ingiera flor a 15200.
(J9 li.i-a mais.ibatxo a 800 rs.
-biia rui barril propria para negocio, a libra
iyffi a 6ikl rs.
ip Wta |iara tempero a 400 rs.
h Li'.i- rom 2 libras de banlia refinada, a libra
3? rs.
5 M.nt"im franeeza nova, a libraa 640.
A lua i ni li.irris c meios ditos, a libra a 600.
fSiJ} T larmhii de Lisboa ai$300 aarroba e a 320
r*. a lihra.
I.aii- rom bolaehr&ha de soda de o libras a
25000.
Da-. pim biscoitos e bolachinhas sortidas
a 15800.
Dita* inglezas novas, a libra a 240 rs.
Air a il i Maranho, aarroba a 25400 e a li-
bra a 80 e 100 rs.
D lo da India a arroba 25800 c a libraa 100
o 120 rs.
Caf nniiui superior de primeira qualidade
t; a85-"0). 95 e 95300-a arroba.
H tfe rtn libra a 280, 320 e 360 rs
s? Vnihi- em raia de 12 garrafas, o melhor
* |i % H i. mais baiso.-. IOS,125 e 145-
*. Din Pi^n-ira. n mais siniorior pos r* M*t4a a 45'00 a a ganafa a 640 rs.
S, Dii ni!< haixo a 45 a ranada e a 560 rs. a
'R carrafa.
li .. d-I.-1.^.. boa marca, a 400 e 300 rs.
-;*> "> carrafa.
i< 11 Hor.le.os ;i 640 rs. a garrafa.
ii cu nafra, das melhoros marcas, a 75 o
85000.
Si'rvi*i, (naroa t nenie, em botijas a 7 e 85
& a duzia.
' Di'a ib- lilf. rentes marca? a 300 rs. a garra-
(> < 55800 a duzia.
a G 'i'br i de laranja verdadeira a 15 e 15200
S? trust.
V Dita 'l 11 iilanda cm frascos grandes a 15 e
'.^ pei'ii"iius a ''40 rs.
\. Dir venia loira de Hollaoda, a botija a 480
I,Ture- fi'i is (levaras qualidades a 800, 15
IfffiO
C.nx.s df vinho mscatel a 105, c a garrafa
a 15000.
Riu> cm i azeite refinado a 105 e a garrafa
a 15'10! i
Ci i imix< inaleza .;" elui.-K, .iZ'itona? e mixide a 600, 700 e
:^-i SMi rs. o fra?co grande.
.' Ca'ia^iMim fra?cos do mnstarda franeeza a
b*> a ^nzia.e 360 rs. o frasco.

:
Charutos finos do autor Jos Portado de Ci-
mas, ha por muitos preeos.
Ditos deoutros autorss a 15500. 25e25300.
Gigos de btalas novas com 1 arroba a 15
Passas novas, a libra a500 rs.
Figos novos a 320 rs.
Latas de crvilhas e favas portuguezas j pre-
paradas a 720 rs.
Ditas rom ostras, excedente petisco,a 640 rs.
Latas depeixe ensopado em postas, do umitas
qualidades, a 15-
Potes de vidro com sal refinado a 500 e 640
res.
Marrasquino da raelhor qualidode, a 85 e
125 dnzia.
Garrafas de dito a 80o c 15200.
Ainendoas confitadas a libra a WO rs.
Dita com casca a libra a 320 rs.
Nozes, a libra 160 rs.
ai'.co, alpista, a arroba45 e libra a 160 rs.
Grao de biro. a arroba 45 e libra a 160 rs.
Vinho de caj preparado em Sobral a 800 a
garrafa.
Cognac superior a carrafa a 15000, 15200 e
15600.
Clmmpagne boa a duzia 205,ea garrafa a 23
Garrama com genebra hamtiurgupza a 65.
Vinho branro Xerez agarrafa a 15.
Dito Jio de linio, puro, a garrafa aC40 rs.
Hito aducir lo a 560 rs.
Dito do Porto, lino, a garrafa a 800 e 15
Xarope de grozeis e outra? (rucias a GiO rs.
Massas para sopa, amarella. a libra a 4S0rs.
Dita branca a 320 rs.
Una estrelinha, pevide e rodinhas a 640 r?.
Caixinha com 8 libras do dita a 35300.
Si-bolas solas grandes, o cont a 15.
Ditas grandes em resieas a 15280.
Duzias de cartas francezas liuasa 25500, 35
e 35300.
Donas de latas de graxa nova a 900 rs.
B inhoes de dita a 280 rs.
Marmelada nova a 600 e 720 rs.
Carne do serto a libra a 320 i>
Choaricas a libra a 640 rs.
Saceos grandes com farioin a 55
Dilos com mdhoo :<5500.
Brvilhas seccas a libra a 160 rs.
Lenlilhaa para sopa a libra a 200 rs.
Si vadinha de Franca .1 libra 200 rs.
Sag a libra a 400 rs.
Aramia verdadeira a libra 480 rs.
Gomma d.' engommar a arroba a 45 c cm
libra a 1G0 rs.
Sabao espanhol a libraa 400 rs.
Latas cuiii o v.-rdadoiro gaz liquido com 27
garralaa a 125-
Garrafas com dito aoOOrs.
Saceos grande? com feijo muiatinho com 24
cuias por 95.
C'>|Kis c calis la[iidailos para vinho e agua.
Lata? muito bem enfeitadas com figos novos
a 25, 2551 e 35.
Assacar ronado com ovo? ntnito alvo a ar-
roba a 65500 e a libra a 200 rs.
Papel patiia lo liso d peso branro c azul, a
resma a 25300 e 45500.
Vinho Madi-ira-seccf), a 15600.
Genio d.' esP'irasde tranca a 205.
Barris com az-itooas novas a 15280.
Duas balancas grandes di Komao com o^
jiesos d(^ 21 arrobas, e alguns bracos pe-
queo? do uismo autor.
Dina grande quantfdade de caixoes va?ios dt^
lodos os tamanhos de 120 a 500 cada um.
K MUITOS OITROS GENKROS QUE TORNARA E.VFADONHO ME.NCIO.VA-LOS.
TDO DE PRIMEIItA QUAI.IDADE.
rR^^Sd.
SORTIMENTO PARA A FKSTA
r^'
23Lar^o do Terco23.
loaquim Simao dos Santos, dono deste armazem de molhados avisa aos a migo, do hom e ba-
tan que e venham sortlr dos bous gneros este eslabeleciment que nao se arrmnderao se Ihe
tara a hir-ivaca de 10 a 20 por cento, pelo seu prompto pagamento ; c por Isso se faz annncio de
atgun- viieros .p-tendo sempre esle estabelecim.mlo um grande e vantajoso sortimento deludo
,.'10!j e pertenceiite a este e.-tabeleciment. *
Sentido! Voo fVInrcom o Conserva I i o l!
Manteiga inglez- de fa-e,_sorte a 800, 900 e 15
a lihra. N ^>
dem franeeza em barril a 600 e 649 res a li-
bra
T iQCifttM de Lisboa a 300 rs. a libra e 85800 a ar-
roba.
frtala; cni caix:i? e gigos 15200 e 25060 a ar-
rolla.
Caf de prtmeira; segunda serte a 250, 280 e 300
rs. a libra.
Ar iz !a India, M.iranhao c Java a 100 e 80 rs. a
lifcra.
PtDSi.liros do e.y. a 25 a groza e 180rs. o maco.
; '.-a- nova a 480 rs. a libra.
Vwas derarnadba Aracaty composigao a 408 c 440
rs. a libra.
Massas para snpn a 480 e 440 rs a libra.
Mn'ino la la dos "lelhoros'fabricarrtes de Lisboa de
i a i libras a 640 rs. a libra.
Gh hyoion o melhor deste genero a 25800 I li-
bra. .
Uem r*rela miudinho a 25500, 2J000 e 35000 a
libra.-
Cmha iofieza alva osaperior a 480 rs. a libra.
0
Qii'ijos mais novos do mercado a 25300 e 25800.
Serveja da? melnores marcas, tanto branca como
preta a 500 rs. a garrafa a a duzia a 55800.
Sabo amarello massa a 180,200 e 240 rs. a libra.
Charutos da Babia dos melhores fabricantes de
15200, 25000, 25300 e 35 a caixa.
Mimo alpisia e pnico a 160e 140 rs. a libra.
Vinho de Figueira verdadeiro a 500 ts. a garrafa,
dem de Li>boa das melhoHM marcas a 400 a dita.
Mein do Furto em barril superior pinga a 640 rs.
dem branco proprio para missa a 500 rs. a dita.
I lem do Porto engarrafado a 800 e 15, lomando
mais de urna caada dequalquer umdestes ter
grande abatimento.
Conservas inglozas e portugnozas a 500 e 640 rs.
Uiscoiios e botadlas de soda a 15*00 e 25.
\fassa de tomate a 600 rs. a libra.
G^n-bra de Ola ida cm frseos e botijas e de la-
i ranja de 480 a 40 e 15200.
'.houncas as mais novas a 360 rs. a libra.
Latas com 1 e mWa libra de arneixas a 15200.
Azeite doce de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 35 o
galao.
3Mo>f fQftiAoi ir mtim um
Vinho tinto sem confereci
30,900 BJH %mi ;OK T A S DE 8 i 1 YA IIA i :io .OOO
dicodeposito em einnihoeo ma4adeia *. i.
t* n v. qualidadc de vinho re.-.ebidj directamente de diversos lavradores de
Torres Novas (provincia da Eslremadtire) como ailcstam os bilhetes do caminho de ier-
ro que trazera <* cascos, provando su origem e procedencia, recommemla-s a todas as
chej; ira ii'l.i maior parte ou quasi tod s sobrecarregados do prepares nocivos 'saud
jusaiidi lieui Kraves transtornos no apparcllio digestivo
O annunciante oflerece a ana'.vse d que <*5u a venda, e dm premio d^ 1:000 a quera descubrir ao mesmo algum cor-
pu eatranho a naiurvza da uva de que feito
l B. Para evitara (alsiflcaco, o annunciante declara que o nico proprieUno
e rm nrtailor deute vinho o qual vende somet .e no seu armazem da ra da Cadeia do
Jluaffe n. I. >
NEM COROAS NEM MITRAS
0
E
RO nilPAL
ARMAZEM
DE
RIJA DO I1UPERADOR \. fO
Junto ao s-br;ido em que mora o Sr. Uniente,
Duarte Almelda dt C, receberam de sua proprla encommen-
da o mais lindo e variado sorf i cuento de molhados, proprlos
da presente estae&o.
Manteiga ingleza Ma^as brancas
da safra nova vinda no ultimo vapor a 1 .ooo para sopa a melhor que se pode desejar,
rs. a libra e em barril a 8oo rs. macarro, talharim e aleiria a 400 rs. a
Manteiga franeeza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
a 560 rs.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
20400, muito propios para mimos.
OartOes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
'com bolachinlias de soda de todas as qua-
lidades a 1 30D.
Chocolates
| de todas as qualidades a lOO0 a libra.
Presuntos inglezes
I dos melkores fabricantes a 800 rs.. tambem
temos velhos para 509 rsw
i Queijos flamengos
cliegados neste ultimo vapor a 206oo.
Queijos
| chegados no ultimo vapor a 2600 cada um.
Qneijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de oxcellajite maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras c caixinhas ricamente donradas,
proprias para mimos a 900 e 1#200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que oulro
qualquer nao pode vender por menos de
3 a 2.$600.
dem perola
especial qualidade a 2$700 rs. a libra.
dem livssoii
o mais aromtico que'tem vindo ao ifegee
mercado a 25600.
Massas amarellas
para sopa, macarro, talharim c aleiria a PALITOS
480 rs. a libra. os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
fl'OGVlC | e2ors. cada caixinha.
o muito afamado cognac Pal Bramlv a !.8oo LICORES
libra e 4#500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
Ideai de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2/51800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado das melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a l& e 40200
a garrafa e de 400 a 425 a caixa, as mar-
cas sao asseguintes: Chatnisso -Filho,
F. M., Nctar ou vinho dos euzes,
lagrimas do Douro eoutros muitos.
Latas
com 40 libras de banha a 40000.
Bolachinha ingleza
:a 40800 a barrica da mesmn que
vendera a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 420r-; .ni bra.
Gervejas
dos melhores fabricantesle de todas as mat
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Chantes Thom Pinto,. Reis e antros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranho a 400 rs. a libra, e da India: ,dem proprio para negoc.o a 2,3oo, de 8 li-; Marmeladas dos maisafamados fabricantes de
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar- .,liras. P1? cinia. a 22oo. Lisboa a 64o rs. a libra
Acaba de receber de sua pmpria enomimeiida ora grande e variado sortimento
d" moluados todos prim o!Terecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguate tabella dos seus gneros e
resumidos preeos, aliangando todo c qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
Amendoas confeitadas de 8oo rs. a libra.
i Manteiga ingleza pereitamente flor, a 1 ,ooo
rs, a libra e 8oo rs. sendo em barril,
dem franeeza a Ooors. a libra, e 56o rs.
sendo em barril.
Cb uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para
cima a 2,7oo,
dem hysson o mais superior que se pode
desejar a 2,Ooo e de 8 libras para cima
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Ttirin, Boteflm
morangos, lunar, cal, laranja, cidra, gin-
ja, canella, cravo, rlela pimenta a 4.ooo
rs. a duzia l,ooo rs. a garrafa, garante-se
que e os melhores que temos lido no mer-
cado.
Passas muito novas em quartos c inleiros a
9
2,ooo rs o quarto, a 6,5oo a caixa e 4oo
a 2,800 rs. rs. a libra,
dem menos superior a 2,4oo e de 8 libras; dem cornthias proprias para podim a 8oo
para cima a 2.3oors.
rs. a lidia.
roba desses que vendera por 30400.
CAF
de 4.ae 2. sorte do Rio de Janeiro a 803$
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafes
com 4 Va garrafas com vinagre a 10OOOea
o garrafao.
GENEBRA DE LARANJA
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata
dem prelo o melhor que se pode desejar
neste genero a 2.8oo rs.
dem menos superior a es?e que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a libra.
Ervilhas secas muito novas a 46o rs. a libra.
Gran de bico muito novo a 46o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 64o rs.
Poti'S com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a 4,6oo rs. a iibra
fazenda especial,
dem mais baixo hom para negocio a 1,5oo Presunto (tara fiambre inglezes a 7oo e 8oo
rs. alibra. : rs. a libra.
verdadeira a 40000 o frasco, e de 140(W dem miu.l.nlio proprio para negot.io a I .ooo ?10"ri'3S e Pnios mw novos a Co a libra.
a rava rs. a |,|,ra. | Oums de traque n. I a 80500 cada urna.
Uueijos do reino chegados neste ultimo va-! Mass.as ['ara S0Pa "carrao, talharim aleiria
a caixa.
IEM
em frasque-iras de Hollanda 50800 cotn por2,2oo.
42 frases. Queijos ctiegados no ultimo vapor a 2,6oo rs
GENEHRA dem prato fes melhores emais frescos le
de Hollanda verdadeira em Frasqueira a 6oo mercado a 8oo rs. a libra sendo ratotro.
rs. cada urna.
iGenebra marca gato a I.7oo rs. agarrafa.
rs. a xarrafa c de outras muitas qualida-
des a 4,000 e 8oo rs. a garrafa.
COPOS
lapidados para agua a 4.5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades do 2,2oo.. a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botiea
de excellenle qualidade a 20200 a resma,
PAPEL
finos de todas as qualidades,-a 4o,ooo a caixa
com urna duzia e a 4,oon a garrafa.
Marmelada
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Ciakud, Mixed, Victo-'
ra, Pec-nic, Fancc, Machineeoutras mui-
tas a 4,3ooe 4,4oo rs.
Fumo americano cm chapa a 4,6oors. a
libra.
Aramia de todas as qualidades.
dos melhores Fabricantes de Lisboa, como se-; Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 30 a
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
e 8oo rs. a garrafa,
dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
garrafa.
Charutos em grande quantidade c de todos os
fabricantes mais a creditados a i,5oo,
2,ooo. 2..'ko, 3.H00 e 4,ooo rs. ,a caixa.
os mais baix*.3o dos que por ah se ven-
dema 2,o;' 2,5oo i.- S
alidade a 8Mno c 9,ooo
) a 22ors. afluir
ini;.I...In .. O Q_^__________
jam Abren c outros muitos a Ooo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunlo de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e ludia, a loo rs. a libra o;Chocolate porttiguez o mais especial que se
pode desejar a 8oo rs. a libra c 14o rs. o
pao.
caixa e 6o rs. a libra
I Balacbinha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
dem ingle/as em barricas amis novado
mercado a 3,5oo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba,
azul e pardo para embrulho de l ,ioo a 2.2oo VELAS
rs. a resma. ^ de espermacetc do diversas marcas a56o.rs.
OOriUtJliaS a libra e m caixa ter abatimento.
passas corinthias rondo novas proprias para L VELAS
s. alibra de carnauba cm caixas de arroba a 9.3oo t>
Fiiinr" caixa 30 rs'a lit)ra*
podim a 8oo rs. a libra.
o verdadeiro fumo americano em chapa a
4,4oo rs. a libra
Vinagre
PRR em ancoretas de 9 caadas a 15,000 rs.
cada urna.
Cohollas
Katatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs
a libra.
Passas niiiito Mtjs
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra,
Chocolate
portugus o mais especial que se pode de-
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa seJar a 80 rs- a libra e 440 rs. o pao.
e 4 ,ooo rs. o molho.
Alpista e Pamco
o mais novo do mercado a 4 40 rs. a libra
e 40400 a arroba.
CEBLAS
muito novas a 4 001); o cento na ra do Quei-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
GRAO DE BICO
Prntas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 re. a lata.
Osee da casca da goialta
a 600 c 40 o sfete.
GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de 4 e 2 arrobas a 30500 a ar-
roba el 40 rs. alibra na na ilo Onei-
madon. 7, ruado Imperador n. 40 e largo
do Carmo n. 9
muito novo a 30 WO a arroba e 440 rs. a li-; b LACINNII\S
bra na na do Queimrdo n. 7, ra do-! em latas de deffercnies qualidade, a 40200
Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.1 a lata
QUEIJO SUISSO QUFIJOS FLAMENCOS
Si?? S00 rs\ a, libra ,na rua do chegados neste ultimo vapor'n 20800 na roa
S~,n- rua lai go do Carmo n. 9 I 40 e |arg0 6o Carmn n 9
L.^,^ Propnetenos do grande armazem o Verdadeiro Principal declarara aos seu5
timSfm SI! ? publ,C0 em ?era1' 5,,e P^3 facilitar a commodtdadc de todos es-
tipularam os mesraos preeos nos segumtes lugares:
Unio e Commercio ru;i do Qneimad n. 7
0 Verdadeiro Principal ng do Imfrtflftm. 40
FflI'CTA
. an : u. WA^AA, PERA E UVA
w, \erdadeiro Principal-Rua de Queimado n. 7, Uniao e Commercio.
Papel de botica de excellente qualidade a
2loors. a resma.
Potes com sal retinado a 48o rs. cada um.
Bicos frascos com fi alas Iraiicezas em calda
a melhor que se pode desrjar de 4,4oo a
3,ooo o irasco.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, cinja e outros muitos a 42o rs. a
lataile 2t|2 libras.
Foijo verde ira bages em latas a 6o rs. a
lata.
Nozes muito novas a 420 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 6oo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
4833, duque do Porto de 4834, vinho dot
Porto, velho superior, madeira secca, Por-
to superior D. Luizl, e nutras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a 4 0,000 e
4.000 rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa c 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porlo. Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e (too rs, a garrafa.
Cafi'j de. premeir,. qual
rs. aarroba e28o
dem de segunda qualidade a S^ooS-s. aar-
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz do Maranho a 42ors. a libra.. 3.000 r?.
I a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e 400 rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracatv a 9,8oo rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra.
dem de sebo muito dura fi.ngindo esparmace*
te 3tio rs. a libia.
dem de esparmacete a 56o rs. a libra, e em
caixa a 5o rs. com 25 libras.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a S,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.000 rs.
dem almaco pautadoe lisoa3,ooors. a re^m,?.
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,oo rs.
a resma.
dem embrulho de l,2oo a 4,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 4 2 libra a
4,2oo e8oors. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., 80 o
frasco valle 1,000 rs. tambera temos era
frascos para 4,4oo rs.
Consenas inglezas a 800 rs. o frasco.
Mosiarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Agua Florida.
Para resUbelecer e -conservar a cor natural
dos cabellos.
A a(fua florida nao urna Untara, facto esseo-
ml a contestar, a mesma agua dando a cor primi-
tiva ao bello. Composta de plantas exticas c
de substancias inofensiva, ella tem a propriedade
de restituir aos cabellos o principio corante qm- el-
les tem perdido. D'uma salobridad incontesta-
vel, a Agua Florida entretem a limppza da cabeca
detroe as caspas e imperte os cabellos de cahir
Oleo de Florida
Composto de substancias vegelaes exticas, elle
constite poderosamente, com a Agua Florida a
farpa, a bell za e a conservacn dos cabellos.
Em Pars, casa de Ouislau'r n. 12, rua de Rjche-
lieu, e 2t, boulevard Mntmartre.
eai-
Balaios para meninas
Lindos balaios de varios go trazerwi no braco :. s se encontra na. loja do ei-
ja-Ftor, rua do liaeitmito n. 63 69.
Extratos e sa bao em
xinlias
Lindas cauinhas com nm earlao com a familia
imperial, e dentro de cada raixa nm frasco on sa-
bao o mais fino que passivel na loja do Beija-
Flor rna do Queimado n. 63 e 69.
Superior cal de Lisboa.
Sende-se snperi ir Cal de Listma a mais nova oue
ha no mercado tanin pm porcao como a retalho
[ior barato preco atlancando-se aos compradores a'
superior qualidade : a tratar as seguintes roas ;
.iJ^.S ,S 5T5 nao.,do *'*> e claro, o Crespo n. 7, Imperador n. 58, Foried.
xsssrSiSfBSffta 'd0 Sr-Vi,!* d,** ^^
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a cacada.
Especial vmho Lavradio sem a mais pequea
composico a 560 a garrafa e 4,000 rs. a
caada.
Farinba de matarana a 240 rs, a libra.
Bicas caixas com figos a 4,000 rs. cada urna.
Ricos livros com figos 4,000 rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada mnito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Gairrafoes cora 4 '/ garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. cora o garrafao.
dem ora 4 tyfc dkas de venagre-a 4,00o rs. o
garrafn.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
45,ooo rs. com aancoreta
dem em pipa pun sem o batisme a 2oo rs.
a garrafa e 4,4oo rs. a caada.
Caixas com 4 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8eo rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
Molhos inglezes a 800 c 4,000 rs. o frasco
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a 7,ooo rs a
dtiziae 600 rs. a garrafa.
Mem de outras marcas preta e branca a 5 5oo
e 6.000 rs. a duzia e 5oo rs a garrafa'
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vtnilas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a 4,000 rs. o molho e
800 rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,000
e 50o rs. o'frasco,
dem em botija^ a 4oo rs.
dem era garrafoes de 4 4 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2e rs o macinhos a !2o rs. o masso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a hbra 0
fo,ooo a arroba.
Sag mtrito novo a 24o rs. a libra
Cevadinha de Franca a 48o rs. alibra.
Mimo alpista a 44o rs. a Imra 1 4,5oo rs a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixes em latas a 4,000 rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,000 rs.
Doce da casca da goiaba a 600 e 4,000 rs. o
caixao.
. nJ? proprietario do grande armazem Uniao e Commercio declara aos nm fre
o
Uniao Commercio na do Queimado a. 7.
Verdadeiro Principal rua do Imperador n. 40.
MUTILADO
r.



Dltrlo 4 Tersan baca Terea tetra 15 de \oveiubro de l IS4.
PILWS CATBARTICAS DE 4VIR. |
Kstas jiIuIhs vegetaes sao a-'
daptadas a todos os usos de um
.purgante as familias, pois sao
'perfeiJamenta innocentes, e em
quanlo milhares de pessoas con-
fessam com gralidao que foram
curadas por ellas de moleras
severas e perignsas;nao ha
um so caso era i]ue haja swpei-
tas du uiais leve resultado inju- [)",_
rioso por seu uso.
Publicamos aqu alguns dos
wr, attestados que temos de curas
nolaveis feitas ltimamente.
Um "aso notavel de
ATOttlKGAX!)
Vende-fe a taberna da ra do Padre Floriano n.
i, por se nao qmti r dous esiabeleeimeulus da
mesma ordem : a tratar na mesma.
Grande liquidadlo de liles
UN Vertido : na loja de Paredes Porto, na da
Imperalriz n. 48, vende-se lansmhas para vestidos
de bonitas coi es a 280, 900 e 320 rs. o covado :
s para acabar, cheguem a ellas antes que se ac-
AO PUBLICO
Sem o menor coastraa-
gloicnto se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
attenJhO


Os precos da seguate
tabella para todos, po-
dendo avshn servir de ba-
se para o ajuste de contas
com os portadores.

grao das
scus resul
tacs, i
Affecrao chronica do Gjailo.
Ili.m. Sr.
Juiz de Fra, 17 de fevereiro de 1864.
Tendo feito uso das pilulas catharlicas
de Ayer, que me fez favor de dar um vi-
dro, tendo lirado um resultado nao espera-
do ; padecendo ha mais de doze anuos en-'
femidades do ligado e bajo, con o uso
das pitulag posso Ihe assegurar que estou
booi, pois ten lo desapparecido um piando
engorgitamenio que solida, muitas dores
sobre a reg.So do ligado e costas, dores de | o i
cabera, inchaejio do ventre, nao podendo; *r<
deitar-me seuo do lado direito, isso mes-
mo procurando posico para ter socego, bo-
je me acho livre d'esse padecimento ; como qe coniirmiro ^,a podj
por aqui linda as nao haja, eu como tenho mawlelMWn
ste proprio que de casa, Ihe rogo man-
dar-me alguns vidros, e o custo elle Ihe sa-
tisfar, assim bem como do cliarope de
cereja, que tive occasiao de experimentar;
em um ataque de guellas que leve urna
pretj que com elle curei, faco uso d'elles
eas tosses em minha familia sempre em
bom resultado, e por isso que peco para
mandar alguns frasqninhos, e mesmo as pi-
lulas pude montar a doze, "porque tenho
feito uso d'ellas para uso da' familia e al-
gumas pessoas, todas teem tirado grande
resultado; sou
De V. s. atiento Abrigado,
Francisco Fehreira Paes.
>rri..r
que aompoem esta preparaco, o
quina, a collocao no primeiro
taracees ferruginosas Basta altestar
obtidos pelos .Mdicos dos hospi-
kjos dos prcticos mais eminentes,
crosa eflicacidade as
HIMICOH Ult M||lle.
Frui|iirxa.
Anrmla.
Ckloro*e en Ictericia.
Mt-imti'iio.
Alfeccra do tero.
Sup|ir, ('., las rr.
KruM c le-orde iu
uu-llMi imraci. \
Affercao pulmonar e
ulilMMle.
Male!lu> d'exlomaio
Gaglritl^laa.
le (I ii d'uppetltc, rtc.
Co*vaUwu de tan-
un nioleatlaa.
MoleMtlaa exerofulo-
ana.
PaDcIra.
oli.li ncio daa liin-
dulaa.
iiiiiiiiii'ch frin-
Uiiiiiurm braneos.
Ililrllllixiuo.
Mtvcvov* cancerosa*
, c Hyphllillraa.
bren lypholdra.
rlolt'H, etc., etc.
RIVAL SEM SEGUND9
Ba do Queimao ns. 49 e 55, oa di- iiUHduass
de Jos de Azevcdo Maia <;, erf. r..i,i.ri...mJe*
vender mam barato, pois t n .-,., dar a fa<*-
da por lodo prego a vista dos rol* -
Lanas de altJuetes francezes da b.hI,.. qu.lids
a su rs.
Grosasde pennas de a$o inglezas da nirltor en*
lidadi' a tiio rs. '
Calzas de colchetes fraueezes de Miprrien i- (pjalt-
dadi s a 40 rs.
Grosa. de boies de madreperola uuu e 640 res.
Carretela com 4 a 5 oitavas de reiti-z pttto (ii
040 rs.
Resmas de papel de peso liso mui'u m
2,1000.
Gravitas da iiga c de oulras iiiinias iival...
BOOrs.
Canivetea para penpa com 3 follias fa..id :. .-.
8U rs.
Duzia de boies bramo para raFaveuues de <..: -
ra a 100 rs.
Peca* de lila do cs cjire.tas cm 1) varas i;.!.-.,,
tidas a 30 rs.
(Loga passando o arco a ler a 8(U rs.
equivalente a dez por cento menos *Io que ontro qitalqiier Ossegredws da natureza para os webim -..-. n
annunelante. (1,'r a ler a 5W).
Gariilhas da duutnna christaa, inas p n,p?i. na
Collegas.Nao posso por mais lempo sustentar o preco da manteiga inpleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros :5
oiu.tos objectos, etc., dando com isto ocasio a todas as espeluncas acabaivm por bom preco a manteiga de tempero, c gritaren, em. ^ft **. W.?" '
alta voz, qnepodem vender pelo preco que eu vendo lf! Ora, eu offendido com estas obscuridades e recebo n ad.iptar o mesu.o ^o r" *>..,..--: ;.
systhema que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fa/er esta giande rtdueco de pavos, como veris1 Gollmhas para senhora o meil.or bkp la a 3SC
pela seguinte tabella, pois como sabis n pelo meu bairro, at a abertura do momoravel amasen de motilados Biao Mercantil nao n.
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oo a I.Coo rs. a libra. Hoje poiem, resentidos da reduccao a que "Sgjl0" "" bMbw a s*. --0. W
estao obriga-los encarando todos os, das de seus fregue/.es reclamado de pre<;os, e qualidades, vingam-e de um e outro portadores Livrosqie servo DaraaswnlarroDM uleiiiu -,.-
nial informado deste novo estabelectmento. para lito vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim lo proco de teo rs.
t5o somonte obter a concorrencia de seus freguezes. Capachos redondos amito nos a ,'if r*
Cordao blanco para esparlithias uuutu iii^rler.
Para bem de todos. "' a 20 rs.
ICarrilis com i30jardas de linlia t>nra te
p.rnv
BIA IIO MKCIaFE I. 53.
Uheumatismo e ataques hemorrhodaes.
Illh. Sr.
Ouro-Pret, 30 de marco de 1864.
Posso ceittficar-lhe que as pilulas ca-
tharticas do tr. Ayer sao excellentes, pois
que solfrendo eu dores pelo eorpo, e que
suppuuha ser rlieumatismo, (molestia esta
queja havia solfrido ha anuos) e soffrendo
tambem de ataques heraorrhoidaes, e de
um ouvido, pois que at j pouco ouvia, e
acompanh.ido de urna dr no queixo, coh-
sultei a um dos nnssos mdicos, e esle me
disse que devia fazer uso da salsa ; porm
leinlo eu o almanaek do mesmo doutor,
comprei em sua casa um vidrinlio das mes-
mas pilulas e por minha conta principiei a
toma-las, e sem as finalisar acho-me sem as
dores pelo corpo; e sem sentir, sarei do
ouvido, e mesmo dos ataques hemorrhoi-
daes: poi tanto sao para mim as taos pilu-
las as melhores que tenho experimentado ;
isto em abono da verdade. Sou
De V. S.
Amigo certo, venerador e obligado,
O bi igadeiro
Joao IioDRioiEs Feo de Carvaliio.
Vejo se os bulletins de "^teraputica medica
e cirurgica de 30 de nomminMU; o Ga%eta
dos hospilaes de 2t dcjulho 18, etc., etc.
Alm das pilulas de iodurclo a\iilo de ferro e de
quinina de Rebton, c~ Medites aconselhao
igualmente o Xarcpe .VioduiV duplo de
ferro do quinina do nesmo auVlior para as
pessoas que nao goslao de megicamenii sob for-
ma pilular c os meninos. Esle xaropt Bjo lem
como o xaro|>c d'iodure de ferro, o incOMOaVetaje
de alterar-sc e de se nao poder conservar, ^^x
Peca-se o folbcto que se da de graga em casa
dos pbanuaceuticos depositarios.
Para-se evilarem falsilicagdes, extja o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
sign&tura do inventor.
Depsito geral em Pars, pharmaciaRebillon,
142, ru du Bac, e em todas as boas pbarmaciw
de Franca a dos puizes estrangeiros, etc.
Gastiite.
Ouro-I'reto, 29 d>' marro de 1865-
Atteslo/que tendo feito us, aconselhado
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
liquei perfeiluuientc bom do una gastrile
que soffria e que privava-me de andar apor-
tado, hoje felizmente nada siulo.
Augusto Gollati.no -de Mello.
Falta do apetite.
wn-Preto, 24 de fevereiro de 1864.
Sendo eu affectado do ligado ha muilos
anuos, e ltimamente soffri falta de apetite,
hoje don graeas a Deas por achar-iue sao
e perfeito com o uso das pilulas calliarlicas
do |>r. Ayer.
Antonio Bbnto Vieira.
Constiparao, dores de calica.
Ouro-I'reto, 28 de marro de 1804.
Atiesto que achando-me atacado de urna
forte, constipacSo que trouxe-me dores pr
todo o corpo e na cabeca, soffri horrivel-
mente por espagn de quatro dias; entilo
uin amigo aconselhou-me que tomasse pi-
lulas atbarticos do Dr. Ayer : com ellas fia
quei sao c completamente restabellecido em
tres das, do sorte que estou no llirme pro-
pos lo de aconselhar o uso das ditas pilulas
todas as pessoas que forem affectadas de
.#nsiipaces.
Acostixho Jos da Silva, negociante de fa-
zendas.
GRANULOS
e BISMUTH
DL GHEVRIER
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparaedes de
bismuth empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de todos os paizes, para prevenir e
curar as
rtlurrhraa rhronlraa. Ma dlgrutoca.
D)HKi*ul<-rliiH. Guntrltea.
no rs di iinn(S Oaltralglaa, ele.
D)'HHriHlaa.
Os primeiros sympiomas d'essas formidaveis
affecces se manifesiao ordinariamente jior diges-
loes laboriosas, nzidumes, falla d'appetite, pesos
d'eslmago depois de cada comida, caimbras es-
tomacae-, e, muitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Esle estado mrbido, se o dcscuidSo, traz ine-
vitavelmenie, que seja :
51uln>il,,M de Uxada.
\ Ictericia.
Pal|itlaro ,te troraro
iiiiri-M au rtua.
Manteiga ingle/.a (safra nova) especialmente rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
escolhida a 8o rs. a libra, em barril se ment.
faz abatimeotu. Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
dem frauceza a mais no-va que tem viudo ao e 8.5oo rs. a arroba.
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou dem lavado deprimeira qualidade a 3oo rs.
malas a oo rs. | a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
Cha hyssou de superior qualidade a2,6oo rs. dem do Cear de superior qualidade a 24o
a libra. e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
dem perela o mais superior do mercado a! arroba.
3,8uo rs. j Arro do Maranbo a loo rs. a libra, e 3,ooo
Wem tmxim o melhor que se pode desejar! rs. a arroba.
liaste genero 2,6oo rs. dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
^dem relo homeopathico por ser de superior; libra, e 3,ooo rs. a arroba.
Xquadade a 2,ooo rs. a libra. dem de Java a 8o
; [deafe/fqsoa, huxim e perola mais proprio1 a arroba.
para negocio o l,6oo, l,8oo e 2,ooo rs. a Painco e alpista a 14o rs. a libra, c 4,3oo
libra, garlate-se ser muito regu ar, igual rs. a arroba.
ao que se veVle emoutra parte por 2,4oo Massa d tomate em latas de 1 e 2 libras a
e2,6uo vs. X 6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
Linguicas, chouriw e paios em latas de 8 rs. a libra.
libras, ermeticaiiniDle lacradas a 5,5oo rs. Aletria, macatTao e talharim a 4oo rs. a li-
garante-se serem stVeriores aos que vem' bra, e 9,ooo rs. a cauta.
X Ideme talherim branco a 32o rs. a libra.
rs. a libra, e 2,2oo rs.
Chouricas e paios em bar
arroba a 8,ooo rs. e l,oW
Queijos flamengos muito f
de meia e urna
n. a libra.
Citados
s^os
ido
libra-
fapor
?tei!
O|ipr'imoca.
Di*ea de i'uiii'ft,
i ti .ii. "i de toei un e
da uiatrix, etc.
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias c cural as quando sao tomados a
lempo.
0 preco de cada frasco de 4 francos.
Depsitogera! em Paris, pbarmaciaChevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
estrangeiroe.
GRAGEASdlCUBEBINA
comCOPABAdeLABLONTE
Este Cudenos que Lu pir base u prin-
cipio activo nprimeia cttbeba juuio com
iriipnlii/ba pura, nao nauseti oeVUimaga.
El'es fazem parar immedialamente ss mais
rebeldes gonorrbas, mesmo as que res sti-
ram a cubeba o a capabyba isoladamente.
Deposito geral em Pernamhu.-! ra da
Cruz ii. 22 em casa de Caros dr Harboza.
Para quem gesta do bom e
barato.
No estabeleeimento de Gama & Silva, na ra da
Imperan ii n. to, luja denominada -PAVOtem
una grande purcao de varias qualidades de laten-
das. as quaes su vendem muitoiii couta para li-
quidar. A saber :
As lazlolias do Pavo.
Vend.-in se laatmnaa de quadrlnhni transparen-
tes, boa fazemla, p, lo prec-i de 80 rs. o cnvado,
ditas largas multo linas a 100 rs., ditas estampa-
das, cor segura, pailres nnudos e grandes a ;tO
rs. o covado, dilas transparentes cmii palminhas
|o tu-
Pavo,
noste ultimo vapor a 2,2oo rs.
passado a l,6oo e l,8oo rs.
'dem londrinos os mais superiores
vindo ao mercado a 8oo rs. a
ro se faz aba i i ment.
; dem prato muito fresco a 8oo rs.
I Mem do Alentejo o que se pode desejar
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a e
antes que se acabem.
; Ervillias e favas portuguezas em latas ja pre-
paradas a 6'*o rs.
' Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
] bricantes de Lisboa a Ooo rs. a lihra.
Pregunto do reino vindos de casa particular^]
a 5(!o rs. a libra, c a 5oo rs. inteiro
, dem malezas para fiambre chegado neste
> vapor 72o rs a libra.
Copos lapidados para a gua a 3,ooo e 5,Soo a
duzia,
Chocolate francez, saine e hespanol a 9oo
l.ooo e l,2qo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendn 6 libras
por i.ooo rs., traraute-se serem tninspa-!
Antonio de Lisboa cm latas com 6 libras
por 2,Ooo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, el,8oors.
Azeite doce refinado Penanul ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e. 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a ;io rs. a libra e 2.ooe a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escora para eefregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Mtdho ingfez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a Seo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda frauceza em potes ja preparada
a 'too rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse lim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 435,000 rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, Cerveja "branca epreta das marcas mais a-
Man-asquinoo verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e II,ooo a duzia-
Palitos para dentes a 14o o 16o rs. o maco.
Sal refinado cm irasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
4oo e5co rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
iho branco de Lisboa de excellente quali-
de a 4oo e Soo rs. a garrafa, em caada
a %ooci e 3,Soo rs.
Vinho raneo para missa em caixa de 1 duzia
a 8,of*) e a B8n rs, a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, bijue do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., N'ideira secca, Malvazio fino,
Fetona em cai.v.a de i duzia de 9,ooo a
lo.noo rs. eaftiQ e (,0ooa garrafa.
Vinho Colares o mais snperior que tem
vindo ao mercado a O40 rs a narrafa.
Sardinhas de Nanlesem quartos e meias atas
a 36o e 5(o rs. cada OOiq
rente e de superior qualidade, tambem tem \ Sardinhas portuguezas em ialas rundes
de l por libra propria para carro preparadas pelo melhor consei-veirode Lis-
1 Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-1 boa a 64o rs.
da, salmao, ostras e chernee, vezngo em Bolachinlias inglezas as mais novas do mer-
, laus grandes a 8oo e I,ooo rs. cada urna. I cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs a
Vinho Bordeanx das marcas mais acredita-1 libra,
das que tem viudo ao nosso mercado a Bolachinha de soda em latas com diversas
6,ooo, 7,ooo o8,ooo rs. a caixa,garante-: qualidades al,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em -aixinhas muito proprias
nilaran do pstomago.
Ouro-Preto, 29 de marro de 1864.
Attesto e juro, se necessario fr, que. sof-
frendo ha muito teuipo excessiva initaco
do estomago, pouco apetite e diflicil dig^|desdaa40or7o1ta*"wiwMaiii's
tao, d'ella tenho experimentado sensiveis *> Pai"a liquniar : na loja e armazem do
melhoras detiois que tenho feito uso das pi- ""_ ''M^ian.z n. 60.
lulas caiharticas do Dr Aver. baratas a 40 e 3*o rs.
\ntomo HERMOT.KNFS Pbsua Ros\ ; T"M ,h,,as *** ANTONIO HKIlM0r.l.Nl.b t KKK1BA ItOSA. M (.0I>S S1.guias |ie)o prcco (|p m ^ 0 PllVaj())
: ditas larga*, hoa (afeuda a 320, 300, 400 e 500 rs.
n a i iot o c^ : ";'lja do Pavao, ra da Impeilriz n.
Ouro-Preto, 28 de marco de 1864. 60, loja de Cama & Silva.
As pilulas do Dr. Ayer (cathartieas), fo- r l'recalas a 600 e SCO rs.
ram empregadas COm "grande vautagem por i % Vcndem-se as mais linas precala, padroesmm-
mrti em urna menina de dez
soffria d vermes intestinaes
que os sympiomas que ent?
eram de molestia bstanle pengosa. Wn ItAVMl'NDO NONATO S. DE ThiaGO, pharma-! Padrdes miii-iinhos e fazenda lina e 400 rs. oeo-j
vado : na loja to Pavo, ra da Imperatrii n. 60
I de (Jama & Silva.
' O gangiicllai do Pavo a 39o rs.
o covado.
\endem-se gangueliui cor de rosa para ronpa
I de mebinos, c vestidos pelo barato pr?cn i)h 320
qualquer nao pode vender por este preco.
Genebra de II-llanda a 56o rs. o frasco, e
5,7no rs a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de Aliona em
frascos grandes a l.ooors. o frasco, ej
H,ooo rs. a duzia.
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs.
libra e 6,onn rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4no Bolacliinhasd'agna em sal da fabrica do Beato
crepitadas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Bahiaedas
mais acreditadas marcas conhecidas n"
nosso mercado a 2,ooo, 2,ooo, 3,ooo,
3,Soo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
,o<*o rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaha em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; ditoemcaixesaCoors.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e \0,000 rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa |
e 4,8oo a canada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas o
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinhe de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,.loo a arroba.
Atoajxas francezas em latas de 3 libras por
2,noo. rs.
Cebollas solas a I,4oo o cento ; ditas em
moilios com cento e tantas por I,Soo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
rom OO jardas de iinha turca
atura.
de peonas de a^o superiores a de franja branca de coits lsi(.a j.ari. tra-
nas a 160 rs.
Pares de botoes de punho, oh que neMocl a a
120 rs.
Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior linLi a. 100 u,
Grosas de botoes de touca pratiadu.- minio Gees a
160 rs.
Tesouras para costura snperior quaJdade a >M
ris.
Escovas para limpar denles, superiores .1 200 rs.
Caixa? com superiores phosphoro de segu-anca a
160 rs.
Caixas com 100 envelopes o m. Ihor que !:a o 610
ris.
Caixas com 20 qoadernos de papel aiiikade, xiv'M
tino a 601 rs.
Quaderoos de papel- pequeo muiln fin a 20 rs.
Um
confeito e especifico pasto
expellir os Vermet?,
*g'|"" -* *--- (-kT*
f&QMCSsj:- '":
as
DE KS
rmilitgw
AGENCIA
DA
AGENCIA 10W-M00L
uua da Seuzalla nova 0. 42.
Neste estabeleeimento contina a haver
jm completo sortimento de moetidas e meiai
jioendas para engenho, machinas de vapor
i lachas de ferro batido e coado, de todos 01
amanhos para ditos.
Arados americanos e machinas par
lavar ronpa: em casa de S. P. Johnston & C
roa da Senzalla Nova n. 42.
Superior viuuo Collares.
Na ra do Vicario n. II, escriploro de Manoel
Joaqolm Ramos e Silva i Genros, tem para ven-
* &%2

Wst
Sai?
fe
m
GRANDE FABRICA DE CALDEIRARIA
FUJIAO BE HMXOS
* DE
W AC, IRWAO k C.
RA IIO 1IR1JH V 40
Chamamos a attenQlo de todas as irmanda-
ceulico.
Nevralgia.
do lllm. Sr. Francisco Alva- i
rena de Azevedc.
rs. o covado : na rna da Imperairir. n.60, loja do
Ha mais de sete annos que soffria dores Pavio, de Gama & Silva.
no hombro e as costas, touiei urna inlini-i Os grosdenaples do Pavo.
dade de remedios sem achar alivio algum. Vend-m-se grosdonaplea pretos, fazenda sope-
)r angustia tormento sao nalanufor rinr a 1^600 rs. o rova-in. dit.w largos
iior, .inDusiid, loiuitiuo sao paM\i.a tor- corpad. a a^i, 2600, 800e
tes, porem nao expnmem o que tenho s<>f- blancos, c
frido: ltimamente tomei as pilulas ca-
thartieas do Dr. Ayer. S faz oito dias, e es-
niuilo en-
3U00. iIims
g
ana.
^ Andrade & Oego, raeeben constante- S
i^ mente e tem venda no seu armazero n. &
'S 34 da ra do Imperador, al|iodao d'aqael- M
*g la fabrica, proprio para saceos de assu-
3 car, embalar atuodao empluma etc., etc., |P
,k;. pelo pre<;o mais razoavel.
Os meninos ;'w pedem gritos, portp&i
ollas sao do cheiro, sabor e cor ogrudiv
veis. A elegancia, a Begnridude da a*
cao, o inoffenaivo das
Pastilhas Vermifigas de Keisfr
A PAR DA BOX
Coniposicao exclusivamcHle Vgtajg,
sao estas pois as snas melhores e una'
completas de todas as i-ecoinmendagSaS
que se possa fazer e com jnara raafio -
colloeao na categora d'um tHvorito f-
versal.
A superordode das
Pastilhas de Kemp
sobro todas as preparaees dentinacba
para o mesmo fim devido i eua eio>>
pies composicM o seu aroma &f^t*d>
vel o rapidez e infallibilidado eua
que alcanca a destruicao total daa
LOMB^IGAS.
A venda as boticas de Caui> & Itarhou
.-ua da Cruz, e Jo5o da C. Bravo C, rn:
da Madre de Dos.
\0V\ LOJ
m. io ia De M(B ro \. \b
Joaquim da Silva lloa-vista mihlou sin vin-
hilcrimento de fazendas para a ina d Gi>h<
n. 10, est nsolvido a vender por baiaiu ir .ilini de adijuinr frepuezia.
Chitas baratas.
Vende-se chitas percalas a'i'O ra., dilas frap-
c. zas linas a 480 rs, ditas a 440 1-.. alia itu lila*
a 260, 280. 320, 340 e 360 rs... dhas titania .-.
200, 220, 240 e 260, -6 se enda pi.r rsle pit-f;.
11a ra do (reste n. 10, loja d > 0a-visia.
0 Boa-vista vende
brim pardo com lisia a 720 rs. a vara, diia 80
rs., dito branco de linho a I1CIH, rluo 1."ii.
grvalas de seda de gusto a 1( 00. e un auuii le-
lo sortimento de castores e bruii a 4>0>'>. o in-
vado, s na rua do Crespo, l"|a *i Hi-a-vi-f,
ijnem venile baralo, tambem ae iioas r, tu tn~
demando penhor.
^ des e contrarias para o queabaixo publicamos.
^ss* O amor que volamos arte qne professamos e o desejo pe tornos de concorrer com o
r9 nosso fraco contingme, para a ver ebegar em nosso paz ao grao de perfeiean que para 3^
^@ desejar, nos imnellio a mandar Europa nm dos nossus socios, alim de particular- 0%,
m
m
or de rosa, azul a ainaieiiu a 25000 r.s ca(,s bronzeados, lonas inglezas, fio ae vela,
o covado : na loja de lama k Silva, denominada
do l'avo, rua da luiperairil n. 60.
mente estndar a melhor maneua de bem fundir os sinos. p^'
Grandes f..ram as difflculdades que tivemus a su|ieiar. am de podermos conseguir o /
nesso de>irteraium ; porm grabas aos wiljWO" e bous ffiems de um nosso amigo, o nos- fias
so socio pode ser admittido em urna das melhores fabricas de Lisboa. (-&
Muitu lucramos e muito tem a lucrar o publico, por que sem receio do sennos con- '.-'-.
testados, podemos alarmar, que os sinos fabricados em nosso estabeleeimento em nada se parecem com esses almofarizes de man gosto que por ahi se fazem.
Estamos habilitados a fundir sinos de lodosos tamanhos desde 16 libras al 100ar-
?5S$> robas, com emblemas, rnalos, etc., confu me a voniade ou goslo do comprador, guar- }>>/?.
&ffi dando em seu fabrico todas as regras du arle. Pedimos, perianto, em recompensa de sSg
JvT lanossacriflcios edespezas a prolec^o do publico. h'A:
m maa' ****
faVafa^h *fS\t!>\ /&*\* Ah^i f^t*/?* *rZ\*fi^ )t/S* ".
*-> tu*
jesfios^e^ a#
ton completamente reslabelecido ; ha tres
dias que nao sinto a mais leve dr no hom-
bro nem as costas.
Estas pululas acham-se venda nis prin- matera le Gama ^dva
cipaes boticas e droyarias do Imperio, e no
Rio de Janeiro, rua Direita n. 15.
Vende-se em Pernainbuco:
a pharaaaei frauceza de
PJftrFR A C.
RUA NOVA N. 18.
Vestidos bra ros para baile.
Vendem-se os mais neos veflldos braneos bor-
dados proprios para baile ou casamento pelo har-
Ussiiuii pieco .le 2o000 cada ciie : na luja e.ar-
rua da Iinpi-raiiiz 11. 60.
Vend'.se nina negra crionla, bonita figura,
aqual silm iMi^ouiiiiar ecuziiihar, com 16 a 18
annos de idade : no patM do Tergo n. I ti.
Veihlr-si. nina ni ra criolita, de idade de 30
ailas, i oiicJ inals en naeivis, que c ziohn, lava,
eng-mma o cose algnma cousa : na rna da Praia Vende-sena roa da Prato, no armazem de Jos
n. 9o, sagundil andar. Joaqnim da Cunha & C, n. 16.
Boa da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P Johnston A C, I 7j ^S^^SS'^SSSv
sellins e siHies inglezes, candiein^s^e casti- ^gTO^|
Hoa da Senzalla !\ova 11. 42.
chicotes para carros e montara, arreios para Neste estabe|eciaiento vendem-se: tachasde
carros de um e dous cavallos, e relog.os de ferro ^^ libra a 110 PSm demdeLo*
ouro patente inglez. ^ Moorbra a 120 rs.
* inhoscom r das, plenas.
Mninhns grande* em rodas, paleles, e afianza- Cal de Lisboa.
do pp| fabiicanle para mercafe, e proprios pa-1 Ha para vender mai* nova, e intimamente ene-
vende-se potassa em barns a cnmmedo pre?o o ra r.-linacao por seiem de especial qualidade e de pada ao mercado, em bem acondicionados Larris :
na rua da Cruz n. 2.1 primeiro andar, eseriplon: lodus us tamanhos : vendem-se nicamente nodepo- no armazem de Manuel Teixeira Baslos, rua do
de Antonio de Almeida (.mnes. siitt da roa ja Cadeia, luja de ferragens n. 56 A, Trapiche n. 13, por preco razoavel.
_--.j------"T-j-------' de Bastos.
Cal de Lisboa. i
WPS
Cal de l.islia em pedia
desembarcada bontem de bordo da barca Bebe-
domo : vende-se por lodo o prego no aarjaptono
de Manoel Ignacio d'Oliveia & Filbo, largo do Cor-
po Santo n. 19.
lien


\ 'ma mueamba mulatinha, recibida,
?*' e habilidosa, de idade 16 anm, I
r-i (."10 .. .mu,. l .,..,.. nn.a ...I.. :_
bem edn?
netoa pa-
ra l ""'o serval de urna ca>a, .-. n gomiV^ira, 1 negro para lodo o >ervi^a du ida
de 26 a"""**, proprio para nadara ou irnWSu
por 800*- b
Venal50 urna casa na Capunga airj)aix
commodos, ij'""'al murado, com laiau i iras i-
w......uuv.-, -i al murado, com .... ,as
cellente atual!l',eber : quem preteuder iiiftj .-.
a rua Velha n.V-
fe
ESCBAT^rGIDOS.
PoTiSSA
Desapareceu o --* Sfe J,,iio. *-, de
tatnra baixo, grosso i^Pt,^\ iepre>ri.ta M 4-
anuos punen mais our.. Jt^}' r.:iiia. r.e
1 falla de denles na ir !" %,* oe :iie> !?
smho azul e ca,,.. J'^T <** tXZ
largas de cor, cu o n ow l01 '" "i
Sr Antuna If Dnar "' '
ta, em 6 de .uiubio \
TOkiinn
Bixas de Hmburgo
Vendem-se na rua Nova n. 61.
p.-is-
aprehender queira levat,r?,'m I''-1 !'
'sitio de JuoJ-is R "" "* "
[de Deus m. 28, que sera%y"'l "''
Fugio ha 8 laaBp1? ,f": *M\ -
signae> segninies haixa.W"., '' "_' 'i'. !
granos c com basiante catj '" "' '1"""';' ":
. con-ia que anda de imite ff"1 ""s" '* If- '
Vende-se a casa terrea n 15, sita na rua de imiiulando-se forra; sainoV""1" ''"'' '''''"'''' '*
MaihiasFerreira.ua cidade de Olinda : qnem a ramada velha cahecioe of1'-1'^1's """ '*''"
pieiender diiij^-se arua Augusta n. 59, que acha- soa -me der noticia fella ol* -"'li" "" 'V'"::
ra com quem tralar. ; S5j ser bem reeoBipensaAll'1" ''-l'i1'""-
I MELHOR EXMPLR ENCONTRADO


-
-
8
Oferto e Pereaesfene Ter^a fclra IA r \ovciubre ir. 4R44.
LTERTRA.
i.oiisidcraces philosophicas sobre as
bellas-arles entre es aotigos.
listado segundo.
(Continuago.i
Breve expsitogcographlca da historia da arle
i ga ; progressos das arles na Grecia propria-
m uto dita.Apelles e Phidias. -Urna visita ao
Museo Biiannieo.Belleza dos marmores do
Corintho, Sicyone, Argot, Upidauro inaugura-1 desastres a dominago de Alhenas devia anda pas- nao podia convir a urna religio que, alm de lan- das regies tumultuosas do sentimento, sente-se de
ram, com a Ilustre Alhenas, urna das mais bellas sar pelas maos de Roger de Flor em 1312, dos Ve- car de continao o despreso sobre o corpo e a ma-! posse do seu Imperio, deve ser repudiado pelo ar-
pocas da hunianidade. Desde o cometo dessa | nezianos em 1370, e de Mahomet II era 1456, e teria, faz da abnegago absoluta do individuo um lista que quizer imprimir na sua obra o sello da
reacgo, a unidade do genio grego, que haviam que cada um desses domiaadores successivos nao dos mais bellos principios da sua moral. Alera
rompld'o as divisos polticas do povo, reapparece! abdicava o poder antes de ter saqueado e devasta- disso, o Deus infinito e invisivel que enche o san-
nas creacSes da poesa como em um cntico de do tudo que Mies pareca de algum valor, como os i luario, nao carece mostrarle sob a forma gigan-
tnumpho, c Atlienas, elevada a capital do mundo livros e as estatuas, o pouco que nos resta da ant. tesca dos dolos do Oriente, ncm sob a imagem Corintho e de Sicyone, muitos seculos depois de
e da evilisaco, olferece a historia do progresso guidade hellenica anda nos parece milito. bella das divindades gregas. para infundir o res-; determinados, npresentavam anda o vigor e o bri-
immortalidade. Longo do carcter de ventustez
taciturna, que tm os edificios gothicos, ainda mes-
mo nao acabados, os monumentos de Alhenas, de
l'.irthenoB.DisserUrSo sobre
a arle gulhiea, ;i
Westminster, cm
ama snecessao continua ds personagens brilhan-
te> de arges grandes e Ilustre, que fajem a sua
memoria um terno entretenimento dos sabios e a
mais suave preoecupagao da postoridade.
Enireanio a conquista dos Turcos ainda nao era pei, n.ecessano ao scu cull0;.e se lhc d5o> Cmo
a ultima ralamidade que tnha de pesar sobre a ci- aos anj0S e aos sant0-' a forma nun,ana' I06
dade de Minerva. Os Veuezianos reconquistaran!- na0 f01 semPre'esla "ao mais do que o signal
a urna terceira vez em 1637, depois de torera bom- ex,enor de u,na vida Puramen"> espiritual. Esta
proposito de urna visita ao
Londres.
Do onde surgirn as ideas de independencia o
Se liberdade r Em que reguo afortunada ouvir-se-
lia discutir pela primeira vez os interesses da vida
l:isiaria a memoria de um s dos seus grandes j Dardeado!0 Partlicnou, e so' foram banidos ios da' jun,a as idas de Penitencia e de ascetismo,
homens, o nome de Apelles ou de Phidias, para | rausu|rnanos em 1715; e quando, finalmente, m 'evaram os artistas da idade meda a imprimir as
Ilustrar a gloria de Athenas, ou mosmo da Grecia ; jg^
inteira, e p-la acina de qualqu.er outra gloria.
Quilo grande 6 com elTeito a celebridaje destes
:.;i:iua,e as questoes do problema transcendente palheta austera dos seus predecessores todas as
b
: -,;i oxi.toiicia :' iju.
/. *an 'ir a mascara ao
dous artistas O prmoiro, que soube adiar na
em
sus onris
a Grecia em peso ergueu-se contra o juco .
oneroso do Egypto o da Turqua, durante nove ^ i^S"**
annos-que durou a guerra da independencia, nao
houve urna s cidade que para repellir os assallos
Iho de sua antiga juventude, e como diz Plutarco,
pareciam encerrar em si um espirito e urna alma
que os privavara de envelhecer.
Yde apologistas do golhico, na acropole de Alhe-
nas os restos do Parttienon, que se elevam em co-
lumnas, como outr'ora se dispunham as virgens
um carcter de mysterio e de tristeza, I nas pr0cissoes dos Panathenios; ellas coroam sua
a m.1f7nacan a Hi'.a HaIim-aco H-jc infa- ... ...
fronte virginal com graciosos capiteis, como as
cestinhas de flores que exhalavam por essas rc-
A idea que da belleza faz cada socedade dppen. gies felizes o suave perfume dos primeiros que
paro armipotente ousara gra,:as dd quc capaz a pintura, e todas as perfei- aniiaos atinen*
despotismo, que milbares Resaque podo ailingir a maginaco ha : ,aI^ *eu> an,,n M,fl*:
dos inimlgos da liberdade nao convertesse em for- de necessariamente da maneira pela qual ella com- \ traziam.
inaos haviam consagriJo, como o nico syste- pare-e ter apparecido na historia s paradeixar-, Collocado em um lugar to exposto da cidade
s nial realisavel, e a nica heranra das pri- ] |he a suave lembranca do seu genio ; semelhanlc como 6 a Acropole, raais beI!o templo de Athenas
letras geracoes? Um novo peiueno, frmalo de as flores que, durando apenas um instante, mur- ^o pode escapar sorte commum, e as bombas
prebende a vida e o seu Om. O ideal 6 claro que |b Iran5parenle do ca de Aica> os
nao pode ser o mesmo para o hornera que suppoe Mgu|os dos fron|5es apparecem aerados nobre-
a existencia humana urna das pocas necessa- mente( todas as circumstancias das metopas e do
rias e bellas de sua eterna duragao, e para aquel-1 friso Cnservara-se em urna distancia que alcaoca
aos, de pastores e de escravos, om una re- >ham ,, P-him AxxnAn ans su r.iir,r ..viston do Islam acabaram com effeito de destruir oque IB 'lue vc na VIQa presente urna passagem para; a visla e as esca|ptur3S immortaes de Phidias se
..-. r_____ ... cnain t wiieni. neixanuo apos sua uigaz existen- _________ ______ __^ mitra vida. um np.rinrtn nowiiavoi iio doeaneine o i .... ___
defender
ofiei de um mivimento inlellectual destinado a'
i lar a face do mundo.
1' o far.to immenso, de que a historia nos offero-
co um segandoexemploem p)c^s muito maisap-
pro.ximadas de nm, passou-se na antiguidade.
Qnando a voiha eivtlisaeao bysantioa desabava,
ao! a pressao dos crimes e dos vicios que a arrui-
naran!, foi o sangae valoroso dos grmanos e dos
(rodo* que veiu regenerar a humanidade. Urna
egual revoluto se tinha parsado milnarw de an-
uos antes da nossa era, nao para a regenerado da
ii:,unidade, por assim dizer, ainda na infancia,
mas para a sua romNso ; e com a dilTerenca que
tai a civilisacao que emigran e nao a barbaria.
numerosas colouias, saludas da Asia e da fri-
ca, vieram aftlxar-se na parte meridional da Eu-
ropa, onde encontraram e civilisaram as bellas
v ;fas brancas descidas do norte at o mar inte-
: ir depois, para comoletar essa eirilisaeo, ain-
da ni CMMCO, sobreveiu a guerra de Trola, que
f<" para aquellos povos jovens e robustos, o mes-
ino que a cruzada para os povos da Europa ha
CiOfj annos. Foi ento que appareceram esses ho-
inens favoritos das musas, que celebravam em
:.iia sagrada, e por toda a Grecia, a ruina de
i \>n o a gloria dos hroes, coloriodoos fictos
es com os rsonhas ficcois da cosmogona reli-
( osa e serrando os anneis de ouro dessa myste-
isa cada que liga o homem a Deus.
Til a origem das arles, da epopa e da civili-
..cao grega.
{''aliemos das bellas arles.
Estado trreeiro.
A historia nos representa a Grecia dividida em
tres grandes regioes, as quaes a arte foi cultiva-
da na antigaidade, produzindo quas os mesraos re-
iultados. i saber : a Grecia propriaraente chama-
da, a Asia menor, com as ilhas que a avesinham,
o a Grande Grecia, ou Italia meridional com a Si-
i:ij, que a ella se liga por todas as relceos so-
<;ae?.
Eslava quasi admittido aa sciencia, que o nasci-
ri'iito, ou ao menos o desenvolvimenlo completo
Asia e da Italia do que na propria Grecia; mas
osla opinao.espalhadae sustentada por alguns sabios
a eruditos do XVIII seculo, deixou de ter curso com
os descobrimentos philologicos e historeos do seculo
presente. Hoje, em vez da certeza (jue suppuoha-
rnos possofar desde muito, s temos duvidas, sera
compensadlo da perda que nos parece ler causado
i peoetraeao dos sabios ; o a nica verdade ad-
quirida pela scieneia foi a certeza da legitiraidade
da hesitacSo em que estamos.
g, ia ingrata e quas estril, recortad, pelo mar,; cia 0 doroso ba|samo exhalaram no crepus-, ?*? e"iae"l}o a,e a" os T.urcos de Mahomet e
eercada de ilhas, do ba.xios e recfes, que, como icalo. Sua vid sadi romo de um jnc de Sehm, os \ enez.anos, os Aragonezes os cruza-
asjeosus da Illyria, parec.au. antes feitos para k^^ m am Q dfl se _, dos, os .conoclastas byzant.nos e os christaos fa-
er piratas, do que para aguardar e defender | tos Mwa depois d sua n)orte nenhuma ^ ^ naros_de Bomi.
creacas subsiste, seu nome atravessa os seculos e I ?MSao/e,,a ao maseu br.tann.co*-Ta rea fosse
..___. ma's justo que a tranca, protectoradesinteressa-
chega ale nos, trazendo comsigo e com a memora A n__ j. ,
. ___., ... .da dos Gregos modernos, pedisse, por premio dos
do grande homem que record mais de um episo-: seus sm Mx,ss^.coaS(;vr mPiTlS0
dio que, contado hoje anda interessa tanto quan- res[os eciosos do Partheno hava liberlado
to ha dous mil annos. na patria do ce ebre ar- > t .. ,
. H ,0 a | Mas as Inglezes ja se haviam adiantado, nao nos
. 'servcos prestados, mas estendendo a mo rc-
a mais alta pertei-
0 segundo, a quem se deve
cao que pdem chegar as bellas artes, enche a
Grecia de suas obras, e o mundo de tamanha ad-
mirado, que era mesmo Raphael, nos tempes
modernos, a attena com o prestigio que se liga a
seu nome immortal.
compensa; e lord Elgin, aproveitando a fraqueza
do sullao Selim III, cuja poltica diriga, pilhou
cora a mais franca sem-ceremonia os templos que
restavam da Grecia antiga, e entre todos o Parthe-
non, que, apezar de mutilado e quasi informe,
E' mais fcil nao vir idea o nomo de Alexan-: ainda ,he enchia os olhos de cobi5a-
dre, ou o de Archimedes, quando pensamos em Atacado publicamente por alguraas poesas do
Macedona ou Syracusa, de que o de Phidias,' Child-Harold, lord fclgin fez dom Inglaterra do
quando se trata de Athenas; ainda mesmo que se producto das suas espoliacoes; e fura entao que os
tenha do doulo artista, da verdadeira grandeza da marmores do Parlhenon foram expestos na galera
arle atheniense e de sua iucomparavel belleza, a do British Museum, que tem hoje o nome de seu
mais incompleta e defeituosa idea. doador. -
Para que melhor se possa comprehender o que
felizmente as produegoes da esculptura, mais eram esses ricos despojos da antiguidade, antes de
duraveis que as da pintura, resistem muitas vezes terem sido arrancados ao edificio que decoravam,
aos rigores do tempo e da barbara ; e, arrancados tiveram os Inglezes a boa Iembranga de coilocar
ao solo e situico em que os havia collocado o no centro da galera dons modelos pequeos do
(Ilustre amigo de Pericles, os marmores esculpidos templo de Minerva : um, representando o Parthe-
do Parthcnon vieram raoslrar-se Europa raoder- non tal qual o era no tempo de Pericles ; outro
na, como para confirmar solemnemente a antiga como o fizeram os seclos e os homens: om triste
celobridade do seu quasi divino autor. montao de ruinas.
Entrelenhamo-nos um instante cora esses m- Gom essas pequeas copias diante dos olhos, e
moraos fragmentos, que constiluem hoje o mais em torno ae si os restos originaes da grande obra
precioso thesouro do Museu Briannico, os quaes de Phidias, basta algoma intelligencia e atteneao-
tiveraos a dita de ver em 1862. para collocar-se mentalmente cada fragmento no
Historia.No meio da Acropole (cidade alta) ou seu respectivo logar; e, com todos aquellos qua,
fortaleza de Alhenas achava-se na antiguidade um dros esculturaes ejparsos, restaurar pela imagina-
templo, que por ter sido dedicado deosa virgera, & a mageslosa perspectiva do edificio,
protectora de Alhenas (Parthenos), chamou-se Par- i Infelizmenle nos falha imaginacao, sendo a nos-
thenon. Destruido pelos Persas, quando sob 0; sa inferior eridentemonto do arehloclo em chefe
commandodeThemistoclesosAtheniensesviram-do *"henon as suas grandiosas concepcoes,
, : para reconstrui-Ia; e neste trabalho imperfeito de-
outra vida, e um periodo inevitavel de desgostos c I maslra'm claramente. O edificio, baseado com urna
e proras. | S0|dez m3gesjosa qUe faz pensar em sua rasta du-
Ora, com o estabelecimento do cristianismo o rafa0) e|eva.se como a cora da cidade inmortal.
iS A imaginacao de nm espectador esclareci pro-
curara em vao tirar ou ajuntar um elemento a esse
todo de bellezas, sem romper-lhe a h',mon'n- Sen-
te-se que foi a idea de perfeiciio q" exprimiu Phi-
dias Ictioo e Camerales e e"a idi'a era era si
se obrigados a refugar-se nos navios que pos .
suiara, para esgotar todos os meos de defesa que i saPParecem tnil Promenores, que cada qual de per
Ibes restavara contra os soldados de Xerxes, esse basUr,a t asseglirar a ra arsU a iramorta-
lemplo fOra reconstruido soh o governo de Peri- l a e'
des, no anno 440 antes de Jess Ghristo. Entretanto, se bera que mil vezes ultrajadas, es-
1 sas reliquias sao ainda tao nobres e bellas, tao
Ictino e Callicrates, entao os raais habis archi- marav||,osas e divinas, fallara alma urna lingua
tectes de Athenas, foram encarregados da sua gem m aa e ,5o profuQda) ,5o Iarga e ,ao sub
constraccao, e Phidias, noraeado por decreto do mej desperlan> uraa cori(,sidado tao desintere>*-
povo superintendente dos irabalhos pblicos, rece- a e gener0S3( mcendeiam urna lao enthm&Va
e de sentimentos ; o ponto de vista do qual elle
considerava o mundo e a si proprio, debaxo da
influencia da civilisacao grega, foi completamente
mudado; a alma adquiriu um sentimento novo :
o do infinito immaterial: suas paixoes e soa ma-
neira de ver, foram modificadas notavelmente; sua
propria natureza parece ter soffrido urna dilacera-
cao profunda, e um secreto divorcio dos elementos
que a compoem, do que resulta urna hita continua
do espirito e da materia. (3) Sob a influencia
das indas novas, novas sociedades se organisam,
apparecem outros costumes, novas relagoes se es-
tabelecem entre os povos e entre os individuos; a
vida se chama um combate.
A nova edacago do espirito humano fez-se no
seio da contemplacao e do ascetismo; e foi na ar-
ca dos conventos que se salvaram do naufragio
sanguinolento das guerras do feudalismo e da bar- i guite : /
baria, os preciosos restos da litteratura e da philo-1 o a/rsario confederado.
sophia antiga. O corsario/Confederado Tallahassee appareceu
Tambera foi sob as abobadas dos claustros Ira pouco temo no mar, e ja tera feito tantos es-
que a pintura moderna tentou pela primeira rez, (ragos qmai como os que o precederam, Alabama
e com a inao incerla de Cimabue e de Giotfo, Ira- e Flori/fa.
$ar aquelles quadros mysticos de urna belleza pu- Qsjpojg de ter fondeado em Halifax, donde foi
dica, que, seculo e meio depois, inspiraran? raais mandado sabir pelo almirante inglez Hope, os es-
tao completa, como a idea dpum Deus. Ser limos
diante de tal obra urna completa satisfac.o, nm
contentamento profundo, e entao, e entao semen-
t, que a arte nos separa da trra, e nos transpor-
ta ao seio das felicidades olympicas, at esse mun-
do de urna paz eterna, onlje nao entra a paixao, e
s reina o espirito e a ratao, em sua tranquillida-
de augusta /
(Continuar-se-ha)
UM P#CO DE TUDO.
No Jornal do Cot'nercio de Lisboa l-sc o se-
brilhanle genio da nova Italia.
rae
assumpto.
s almas
tragos que tem causado teem proporcoes mcriveis.
S n'um dia, a 23 de agosto, deslruiu vinte e cin-
co navios, carregados pela maior parte de ricos
Todas estas presas se effectuaram
Nao nos afastemos, porm, do
A antiguidade degenerada aefiou,
em um estado de melancola r.
tremo ; e o seu ideal se .
do espirito, pelo qual o af/r do infinito cresce' A marinha mercante federal, que comegava
at se desejar a morte e A^tarem-se as felicida- a respirar em consequencia da ca:astropho do
'soirri/nentoex- CarregameDtos
. na costa do Estado do Mame,
aou desse ardor,
!Iabituou-se a este exercicio de torca, comepan-
do por ergucr um bezernnho com as costas, todos
os dias, at que o bezerro se fez um boi!
oiz-se que nos principios do prximo mez, este
Fuentes se apresentar em Lisboa.

Em Roma, no dia 18 de selerabro, celebrouse
na Baslica do Vaticano a ceremonia da beatifica-
ao da veneravel Sror Margarida Mara de Ala-
quoque, que fra religiosa professa na ordem da
Vsitaejio da Satissima Virgem. fundada por S.
Francisco de Salles.
lina salva dada no castetlo de Santo Angelo
annuncou que acalma de ser lido o breve que
declarava Uemaventurada aquella serva do Se-
nhor.
Tirado o rea que cobra a sua imagem entoou-
se um solemne Te Deum, neste momento repica-
vam todos os sinos da cidade.
Era um momento de verdadeira alegra para
todos os cathollcos.
Mr. Rotschild comprou por 2,700 francos um
quadro do tamanho da palma da mao que repre-
senta Carlos VIH de Franja. ,
Suppoe-se ter sido pintura de Kaphael, quando
tnha apenas 12 auno: de odade.
l'm medico de Saint Etienne, diz o Memorial do
Ulive, leve visita d'umadoente singular.
E' um menino de 18 annos. nictlope isto .
perde a faculdade de ver em quanto dia, e reco-
bra-a depois que anoutece.
Os olhos nao apresentam carcter nenbara mr-
bido particular, mas V'5-se obriga*>, durante o dia,
a ter as palpcbras fechadas, c a ter o rosto eoberio
com um espesso vu. Fechera-lhe porm herm-
ticamente as jane i las do quarto, de maneira que a
luz nao penetre dentro ; lera e escrever perfei-
tamente !
O imperador Tiberio padeca urna molestia as-
sim, cuja cura se reputa das mais difflceis.
Nao se admirem. Leiam a seguinte chistosa
noticia que encontramos n'uraa folha do Porto, e
verao Justificada a epigraphe que deu origem a
explicara. de um punhado de PP !
l'm pintor, filho de Portogal, estabelecido em
urna cidade do Brasil, querendo atrahir a attencao
do publico, piVz na porta da casa era que morava o
seguinte letreiroVintee dous PP. Ogoverna-
dor da cidade, vendo aquelle letreiro, tomou nota
do numero da casa, e mandou rir a sna presenta
o pintor para lhe explicar o que aquillo vinha a
dizer. Appareceu este, e sendo pergontado, res-
ponden :
bra a missao de execular todos os ornatos esculp-
admiraco, justificando raaravilhosamant/ essa
turaes. Esse grande trabalho nao nem mesmo passagem de cicero a proposito de Phidis.-3W
podia ser, smente de sua mao. Quando se sabe (- in_debat idea pulchritudinis,-qa*, O nenhum
com elTeito que mullido de estatuas, quer de deu- escrplor lvesse na hjs,0r|a esenpt^nome do
ses, quer de athletas.^fez elle para toda a Grecia, seu imraorlai autori SObeja facundjr e"es teriam
ria ""* 'f hornera nao
que
Faltam-nos anda 0s documentos circumslaocia-
)3 sobre a situado poltica e moral da Grecia
airante nmarerie d?. muitos seculos; a partir da
t-!ta dos Heraclltos at as primelras Olympiadas,
isH do XI ao VII seculo antes da nossa era. Du-
rante todo esse espaeo de tempo, acerca do qual
ipeaas pjssuimos dados histricos raros, incom-
pletos e s vezes conoadilorios, parece que a Gre-
da, fermentada interiormente pelo espirito das
fogoe-, e entregue a perpetuas mudancas da do-
minacio e de governo, nao pode tomar urna silua-
g3o firme e tranquilla, nem urna forma determi-
nada : e. por ronsepuintp, a arte tambero niio p-
ile adquirir um desenvolvimento regular, oceupan-
do exclusivamente a sociedade. como fizera mais
larde.
Um facto capital domina o complexo das nocoes
que temos sobre esse perodo histrico : o gran-
de numero de colonias sabidas da Grecia, em po-
cas muito approximadas urnas das outras, e que
oceuparam todas as costas da Asia Menor e da
Italia Meridional, com a Sicilia e as ilhas do Ar-
chipolago, o que nos leva a concluir que a Grecia
eslava entao em um estado de continua crise e
de laboriosa expansao, que, como as convulsoes
polticas de Boma, nao pcrmitta o prosperarem
Cssas oceupacoes deliciosas de repouso a que nos
chamamos bellas artes.
Todas as circumstancias favoraveis cultura
destas se tornavam facis, ao contrario, as suas
colonias, pela mor parte estabelecidas em um solo
virgem e frtil, com institnicoas novas c livrcs,
BSo alimentando partidos em seu seio, nem lendo
inimigos da mesma raga que combater. Eram
muitas vezes eorporacoes inteiras, vencidas em
urna crise poltica, que se exilavam para sol
estranho. levando comsigo, e com a lingua e os
costumes da metropole, uraa unanimidade de vo-
tos, de opnioes o de principios, que deviam asse-
gurar a essas repblicas expatriadas n'um rpido
desenvolvimento. (I)
As mais das vezes nao encontravam as v/si|
changas dos lugares onde se iam xar seno sfo0-
lacoes tracas em numero, inferiores em xfi'sa-
0o, e por consequencia incapazes de bt? com
ellas e disputar-lhes a propriedade do Sol'-e Impe-
rio do mar ; c foi assim que os estads^onfedera-
dos da Asia Menor, como os Eolios t o Dorios e os
Jomo, que tinham sua testa 8mBcv v Milelo, a
repblicas da grande Grecia ^/aV^cilia, o parti-
cularmente Posidonia, Sibar/, renlo, Crolona,
Syracusa e AgrtgerUo, chejrT*m apenas formadas,
a attingir tao alto grau de posperidade, abracan-
do ara commorcio e '"Vmarinha consideraveis,
cmquanto a Grecia/"Pria 'coasumia as agitages
raas de sua rnovel/o,,lic* Mos os recorsos intel-
lectuaes qoe Ihenavia dadda Providencia.
Todava, po/mais cansa* qQt parecesse pelas
nao se pode delxar de crer que grande parte do para reed(icar urna
trabalho plstico do templo de Minerva lora obra dado Ultrapassar.
dos seus discpulos, alguns dos quaes, como por
exemplo Alcamenes e Agoracrto, gozavam de urna' Mas se os restos de Parln ja sao bellos por
centro de urna cidade
reputagao quasi egual delta. Mas teve Phidias
no Parlhenon, como Raphael as cmaras do Va-
ticano, a direccao suprema dos irabalhos; esco-
Ibeu os assumptos que mais lhe convinham, tragou
os planos, desempenhou os frontoes, as melopas e os
frizos, corrigindo e retocando o que confiava aos
seus discpulos, e ejecutando as principaes (guras
das suas composigoes.
O que foi delle sem duvida foi a Minerva Pro"
machos, ou Guerreira, bella estatua collossal que
se. elevava ao ponto culminante da cidade alta, e
em cuja egide eslava gravado o seu retrato. Um
vi
la (2), como acontecer depois ao immortal Soiy.j
tes. Phidias deixou entao a sua ingrata patf o
si mesmos, eollocados K
onoe abundam os adoros gothicos, ainda mais
bellos parecem. A --'* proposito diremos qual a
nossa impressao.fmdo, depois de velos pela pri-
meira vez, forjHv conduzidos Abbadia de West-
minsler, qua <; considerada na Inglaterra como
urna das vis bellas riquezas da arte
ta.
des da trra.
A egreja gothica y^xpresso architectoniea a
mais completa da fVatholica cm toda a sua forga.
Ao contemplar r^s cathedraes gijantescas, cuja
grandeza mage>^sa perturba o espirito, e o enche
de um temor mysterioso, e cujas agulhas, rom-
pendo as lu^ens, parecem chegar aos cus, levan-
do cm sur alturas vertiginosas os rogos anciosos
d alma/ra terror que nos inquieta ; e com uma-
o melanclica e pungente, que, ao ouvir
aixo das abobadas ogivaes os suspiros trmulos
orgaos. cruzando-se entre pilares delgados que
perdem em uraa altura prodigiosa, parece-
nos estar ouvindo-o cntico sublime do rei pro-
picia, e conlemplando em sonhos os murmurios
do infinito, ou a fecidade elerna da ultima inorada
dos justos.
i.as essa visao de um instanto c logo Interrum-
pida pela idea de um tmulo que nos espera se
temos bastante energa para nos arrancar dessa
contemplaoao, e volver os olhos em tomo de nos,
fixandoo objecto que no-la produz, conhecemos en-
tao que a esse aspecto de indeterminagao, a essa
falta de rylhmo architeorural, lao vaga, o que nao
despena dea alguma d9 proporgao, do symetria e
de ordem, que devenios o sentimento penoso e in-
quieto que nos acompanba no interior dos monu-
mentos da arle christaa.
A necessidade de clareza, de ordem e de preci-
chris-! sao, o sentimento das proporgoes determinadas, de
! urna Jranca melodia, de completo accordo en-
tre um todo c suas partes, devendo formar um
No tfzeu Brilannico. medida que descobria-.
... ,. ... .. complexo harmonioso, todas as nacoes. em im que
moslisenlo de cada particulandade das esculp- ... '' H
constttuern a idea do bello, perrmvnecem em urna
tur.e de Phidias, ou da belleza total do monu-
fl,nto, que como dissemos ali se acha em ponto; bll,io conl1
escravo acensara de mpiedade o grande artis- ,e'lueU> ailamos a alma innundar-se de prazer,
e lisongeado o espirito, pela facilidade com que
penetrava no sacrario de semelhanles transcen-
Parecia-nos estar gosando de um espec-
tculo todo humano, e entretanto divino, porque
30 anuos antes da morte gloriosa do illuste ilho
do escultor Sophrouisco findava no desV/ro uraa
vida tao nobre e lao nobremente empr-,Ja. Sua era peritamente bello, segundo as leis de urna
obra, porm, eslava terminada, e, t^lquer que imperfeila inlelhgencia
seja a sorte dos seus ltimos restos, eaiam embra
em poeira com o curso das ed/^s, diz Mr. L.
Viardot, o nome de Pbidiaswar gravado nos
annaes da humanidade, cora/i- mais bellos carac-
teres da tradiego. /
Mas ah nao tm si^smente as devastagoes
materiaes de 23 secu/s, que passaram sobro os
restos do Parthanor. fi horaem, o destruidor ca-
prichoso de suas pnj^rias creagSes, parece ter ju-!
rado guerra i
alhense I Ni
Em Westminster, ao contrario, se pagamos um
mais bellos edificios go-
! ihicos
A alma, em vez de se adiar transportada para
as regioes serenas de urna eterna c divina tran-
quilidade, sem uiais pensar as horrorosas visos
do Apocalypse, sente-se ligada a um corpo de mi-
serias, e sepultada em um vale de tormentos e de
lagrimas, louge da paz da etern:dade.
O corpo humano, desfigurado at chegar ao ideal
Alabama. aeha-se de novo completamente para-
usada.
Excellerrfe andador, o Tallalwssee incoramoda-
se muito pouco cot os cruzadores federaos,
que o procuram sem poder alcanga-lo. O sen
commandante trata de evitar os riscos de um
combate,porque o seu nico fim destruir o maior
numero possivel de navios mercantes, e embara-
ar assim o oommercio do norte.
O commandante do corsario, o capilo Joao
Tayler Wood; neto por parte de sua mae do
fallecido general Z. Taylor, presidente dos Es-
tados-l'nidos. No principio das hostilidades ag-
gregou-se, como official de marinha, ao estado-
maior de Jafferson Davis. Mas a ociosidade dos
ajudantes de campo nao podia convir aquella
natureza activa. Taylor Wood sahiu muitas
vezes de Rjchmond para emprchender expndi-
goes audacioaas que sempre executava com van-
tagem.
Com algumas simples barcas surprehendeu e
abordou um certo numero de canhoneiras e de
transportes federaes. O seu mais brilhante feito
loi a captura da canhoneira Underwriler, captu-
ra ellectuada no Neuse, prximo de New-bem
(Carolina do norte) debaix-o da artilheria das bate-
ras inimigas.
Todos estes feitos d'armas mereceram ao com-
mandante um voto de agradecimento formulado
pelo cougresso confederado a IS de feverciro de
1864. E' a maior honra que pode merecer um
efilcial, n'um paz onde as distincgSes honorficas Igt
sao desconhecidas.
O rapilao Taylor Wood um digno emulo de
Semmes e de Maflit.
Chamo-me Pedro Paulo Perelra Pioto Pelxoto,
Pobre Pintor Portuguez : Pinto Palacios, Portas,
Paredes, Pilares, Pannos, Paines, Pilastras, Paiza-
gens, Pyramides Panoramas.
Tornou-lhe o governador :
Esto s dsanove: faltara tres.
O homem accrescentou:
Por Ponco Prego.
Deu-se por satisfeto o governador, deu-lhe urna
qnantia, e disse-lhe:
Sao com effeito ramios PP.
Aqoetornou o pintor, arrecadando odinheiro :
Ainda tenho mais 5, e sao: Parego Pobre
Porem Possuo Patacas.

OS NOVO SANADORES DO l.Mi'i-. n>.
/
O duque de Montebell, nasceu em f. 01. E' Olho
do marechal Lances, que morreu em^sling. En-
trou no servigo como diplmala em urna missao a
Copenhague em I833,e foi duas vezes ministro ; no
t de abril de 1839, ministro dos negocios estran-
geiros, e era 9 de maio de 1847, ministro da mari-
nha. Foi embaixador na Suissa, depois em aples
e por ultimo em S. Petersburgo. Em 1849 ropre
senlou o departamento de Mame na assembla-
legislaliva.
Mr. Adolpho Barros, entrou na diplomacia no
lempo de Luiz Flippe. Esteve enrarregado da
missao do llaity ; foi cnsul de Cartagena, conc-ul
ral no Egypto, ministro em Lisboa, em peles
na Blgica, e finalmente embaixador om Madrid.
tributo de admiragao s bellezas da arle gothica, da mperfcicao, apparecc comprimido entre os fei-
nao nos eleita a analyse das suas qualidades ; e, Xes estreitos das columnas, como phantasmas de
em vez de um doce enihusiasmo que nos dilate o horror. A pintura, reduzida a cobrir esses phan-
peito e no-lo ancha de satisfagao, um sentimento
de melancola e de tristeza no-lo cerra, sob o peso>
de mil recordagoes pungentes, que nascem da
mysteriosa monotona do edificio.
No templo grego o elemento plstico, isto o
Aquellas maravihas do genio homem divinisado pela religio e pelo gono, apre-
m canto de ierra foi mais rica senta-se como o mais alto objecto das obras da
tedosj
do que a ,'ttrjr>m monumentos, mas tambem ne- "O'tatao.
nhum fin JKs cruel e frequenlemente devastado | A cada Passo. a cada lan0ar de oln05' mesmo
oimigos das artes: a gera, a con- irreflectido, as bellezas do corpo humano vm,
uror das opinioes religiosas, e at o que ? sem 1ue ns atiramos, lembrar-nos as grandes
qualidades da nossa especie, e sua elevagao mo-
ral ; e a esculptura, eslreme de imperfegoes, re-
clame, pela superioridade e belleza do objecto
E'pocas de destrugao.-A devastagao dos edifi. I que representa, a nossa admiragao, que nos mo-
cos de Athenas coraegou com a conquista romana, | nuraentos gothicos nao passadas qualidades archi-
no anno 146 antes de Jess Christo, sob Mummio, tectnicas.
por
quila.
a/pr/f>ria paz, que tudo pode produzir quando
[^clonada a si mesma.
Metello e Sylla. verdadeiros saqueadores, que lan>
Se nestes ltimos a monotona de todo e a ron-
caran! mo de todas as producgSes artsticas dos fusao das partes n03 iangam a a|raa em um eslado
templos da Grecia para ornar os palacios de Roma,' de per,urbagao e de tristeza indiscriptivel, em
e at as casas de campo dos grandes da repblica, j Westminster ja nao perturbago nem tristeza o
Sob os ltimos imperadores, os monumentos. que seutiraos a accumulago "de monumentos fu-
publicos, e principalmente os templos, foram vc- j neraros no ,Dterior da egreja, em volta das co-
timas do furor dos primeiros christaos, que no seu iumnas> e ao p dos altares, presta ao edificio in-
tasmas, nao raais urna arte, o complemento de
urna oulra, e essa outra destinada a multiplicar
ao infinito ou pormenores da archileclura.
Estudemos ao contrario a arte de Phidias e Cal-
licrates, nos restos preciosos que nos legou a Gre-
cia antiga. Vejamos, sera preconceito de systema
as ruinas dos templos, nos fragmentos mutilados
das estatuas, que depois de desenterradas ainda
parecem respirar o perfumo das violetas e dos myr-
tos, sombra deliciosa dos louros d'Attica ; que
exactidiio oas proporgoes, quanta graga e harmo-
na nessas linhas simples e tranquillas t Que ma-
gestado nesses frontoes sem ambigao desmedida,
sem os langos irregulares da architectura gothica,
nem aaggregagao dos edificios e dos prticos egyp-
cos, onde o pensamenlo se perde, como enlre mil
pilares se perde a vista, sem pretender, emfim,
assombrar os morlaes com o gigantesco e sobre-
humano I (4)
Aqu o sentimento de urna eterna paz nasce da
perfeigo e do repouso, e na isto a'cmagem da
divindade Se desagrada ao archltecto da edade
llESPOSTA ESGUAr.ADA.
Osjornaes annuneiaram ltimamente a morte
do general conde de Lagrange, senador. Refere-
se a seu respeito o seguinte (acto :
Napoleo I deu as Tulheras um baile de mas-
caras, e os principis convidados deviam, por or-
dem exprrssa, segundo se aTrma, usar um costa-
nte mythologico.
O general Lagrange apparecen de Apolo. Para
nao se afastar das verdadeiras prescripgoes, es-
colheu urna l\ra, mas muito pequea.
Passando junto do imperador, Apolo fez urna
venia.
Napoleo surriu-se, e dsse ao general:
t Perfeitamente I Sr. Apolo. Apenas me pa-
rece que sua lyra muito pequea.
... Para cantar as vossas glorias senhor I re-
plcou o deus. >
Esla resposla produziu um excellente effeito.
fanatismo exagerado quebraram e destruiram os
dolos, as raais estatuas e todos os objectos do cul-
to pagao.
Urna terceira e terrivel devastagao teve lugar du-
rante a heresia dos iconoclastas, ou quebra-ima-
teiro orna tal lugubridade que nos penalisa e an-
gustia, como se fra urna i inmensa cat, rumba.
Debalde nos apparecem gravados nos seus monu-
mentos respectivos os nomes Ilustres de Milln e
mi enterrado vivo.
N'um cemiteno de Pars, deu se ltimamente
um caso extraordinario, que ia leudo desgragadas
consequencias .
As oito horas e meia da raanha, Joao G...de
cincoenta e tres annos de edade, coveiro, tinha
coraegado os seus trabalhos, o abriu urna profunda
cova no terreno destinado aos enterramentos com
muns. De repente houve um desabamento, e o
infeliz coveiro fieou debaixo da trra que desa-
bra ; apenas tinha a cahega descoberta.
Aquella hora da maBhila, os novos 1 catarlos da-
quella logubre morada ainda nSo chegavam para
Mr. Darboy nasceu em 16 de Janeiro de 1813 ;
foi vigario de S. Dizier em 1836,capell.o do colle-
gio de Henrique IV e eooogo honorario da metro-
pule. O abhade Darboj arompanhou Mgr. Sibour a
Roma em 1881, o foi nomeado pelo papa proto-no-
tario apostlico. Passou do vicariato geral de Pa-
rs para bigpo de Nancy. e depois para a/eebispo
de Paris.

Mr. Brinvillieres filho do autor da maior parle
dos livros universitarios publicados no ministerio
de Mr.de Fontaines. Elle mesmo, na sua raocidado
fez publicar algumas obras de jurisprudencia e ae
crilica. Mr. Boinvillers pertenceu a ordem dos ad-
vogados em 1848, foi representante de Seine na
assemblea legislativa, consetheiro de estado desde
2 dedezemhro de l8o2, e alnal prosidenle da sec-
gao no ronselho de estado. Tem st-ssenta e cince
annos de edade.
Mr. Godelle naceu em 1808, antigo tatie'.li u ,
membro do ronselho geral de Aisna, em 1840- fr-i
representantn na assemblea legislativa onde sole-
ve encarregdo do relatorio so'tc bancos nario-
naes; teve a responsabilidade dos gerentes dos
jornaes e a revisao da ronstituigi*, foi depoto con-
sclbeiro de eslado e presidente de secgao.
media a calma e a severidade impassivel daquel- tomar posse da sua ultima casa, e naqnella horri-
de Shakspeare, de Byron e de Walter Scott: em- ,
. I Colonia, fazendo nascer ao aspecto de soas
las linhas, que para ns sao a expressao mais bel
la do genio heroico que as tragn, tambem nao de-
sagrada ao verdadeiro phllosopho essa diversidade
Infinitado ornatos, ede outras miudezas queco-
brem as cathedraes de Strasburgo, de Reims e de
dene-
vel posigao llcou o coveiro at s duas horas e
meia.
Os insectos vinham devora-lo, entrando-lhe pelas
orelhas. nariz, e at mesmo pela boca e olhos.
Afinal, um dos guardas, que andava rondando,
viu ao nivel da trra urna cabega meia azulada,
dissenses ode aBesgotav) s6u genio
soffrer a influencia morill dos povos circumvisi-1 Baldoino de Flandres, era 1204. Estes barbaros
nos, e/as arles, como fc philosophia, quiz ele- \ do occidente, que reduziram
Tar-s"u urna altnra que linca, fra das suas tra
Sires, fc\Me aleangar jfh algnma. Era no seu servados al ento na cidade de Constantino, Dao
^ttio qoe se .*.-via dep/^ltado a primeira sement podiam respeitar a bella Minerva da Acropole,
.las arles de (mkugt/f no sea seio que se devem nim as ontras estatuas do seu temple.
{ormar as primetraa'e40la8 que ||U$lrarara 0 no- q, rest09 do Parthenon esto mutilados, ver-
dade, mas quando pensamos que depois de tantos
gens, que do quinto ao oitavo seculo remaram no bebida na contemplacao de altos mysierios.a razo fachadas nm sent(menl0 de melancola e de I ^^os 0lhos abertos salndo-lhe das rbitas. Hor-
iraperiobyzantino. Vieram depoU os cruzados e a nao presta o ouv.do a gloria humana, que lhe pa-, ffli l0i semelhanle ao que ,emos visitando um
.----^ 1 .1,. n.A:n -.^.., n .).. i' ........i, r...U .Aklriuiu lima rnni'Iu 11 ir' VaPflarfP M.l. fi mus; ni\l'i. *
O conde de Sollgnac-FInelen, depois d ler enm-
pridodilTerenlesmissoes diidomalicas, era ultima-
mente mi ni: tro de Franca em FrancfL
Mr. de Chabrier, antes de entrar nn tribunal aV
canias, onde era conselhero, tinha sido director
geral dos archivos do imperio.
O conde de Nienwerkerk, nancea em em 1811 :
natural da Hollanda, e um esculptor dtsHnclo,
o son nome f->z-se conhecido por nm modello de
Guilherme o Taciturno. As suas produrgoes lorna-
ram-se nolveis as exposigoes que se succerleram
desde 1843. E' meml.ro da academia das bel-
las artes c director geral dos museos imperiaes
desde 1849.

PRESENTES DE NOIVADO'
Diz-se que em consequencia do casamento 4o
no-duque Nicolao com a princeza Dagmar, da
Dinamarca, a princeza recebera urna carta mnito
amavel da imperatrii da Russia.
rece urna morlalha de vaedade. Eis o mais nota-
rori>ou-se_; o entretanto seotiu-se com forgas pa-
! ra chamar soccorro, e o surpciado foi depois ar-
1 raneado daquellc tormento ; j nao dava signal de
(l) v. : cwn fjrchiologte par Mr. Raoul-R
Chette, voM dae'"Jon. "
nao podia tomada da Grecia cora a de Constanlinopla, sob iwm ..... < u.-, :,er0
vel triumpho do genio das artes posto ao serv- ce
. d o famoso Jupi- co da f, e sob a vigilancia e a autoridde eccle-! A ordem a le suprema de toda creacao dura
ter Olympicu de Phidias e a Juno de Saraos, con-,| siastica.' vel. Para ns, todo o movimento ou forma, cuja vida mas,eMadode.^ reani"
Bem differente elle dos que celebravam os expressao indica violencia ou iofraccao a asa or- ( ma-b, entrando dopolsjwho>pilal .lecker.
gregos, elevando a dignidade humana cima de dem, a essa tranqnilidade, na qual a razao, fra I
tudo o mais, e fazendo das manifestages sensiveis (3) Le geme des peintres italietu, por A. Fieury,] A Nufio publica,
da vida inlellectual o pnme.ro objecto das suas Pf "V i Em Madrid acha-se em ex.hgo um homem,
._____... i 4) L architecture grecque, qm a peu de divi- r nnme Jo< pueoies, que dispoe de urna tal for
inspiragoes. i d grand0s divisions, imite les grandes.K L2^ a m k ,
Mas essa preocenpago constante do homem J," l'amo sent uno certaine magest qn1 y 11?, i|no se mette por debaixo deumboi elevan-
/
"(2) V. Phtitas, drama antigo, por Mr. Beuj:
comsigo proprio, e com suas qualidade? physicas, regne partout. Moptesquieu Essai sur le gout., ia.0 ao ar
O imperador olfereceu lhe um collar de peroUs.
cojo valor se calcula em 300.000 francos (nos 60
contosi. A imperatriz mandou-lhe nm par de bra-
celetes de diamantes de urna qualidade prectoaa.
O casamento s se deve celebrar d'aqui a mwo
o meio.
A princeza pasear o invern em Copenafae.
dirjgndo-se na prxima primavera para a Roia.
O grn-duque conserva-se ainda nns quinte d>as
na capital dinamarqueza, voltaodo de novo all
para o natal.
PERNAMBUCO- TYP. DE M. F.DE F. I rTLHQ
/
MELHOR EXMPLAR ENCONTRADO n MUTILADO
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E33ZWOGXW_L1WIJF INGEST_TIME 2013-08-28T01:28:48Z PACKAGE AA00011611_10518
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES