Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10511


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
i
AMO II. flPIEBO 255
Por tres mezen adiaotados JJJOUU
Por tres mezes vencidos ... 6$0
Porte ao correio por tres mczes. 0750
SEGUHDA FERA 7 DE HOTEMBRO BE IU.
Por a*no adatad.....
Porte ao correio por nm aor.o
f 9S00O
33000
ENCARREGADOS ua aUlteUt-CA N NOR1E
MK7t'a ?' Au0ni ^rino de Lima;
Rr a'1 i AWOn, Man'Ues da Si!va; Aracaty.o
^vt;^6 Mem0.-r^a;,Cear> Sr. J. Jos de
? J iMaraanao> Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro &C ;A-
mazonas, o Sr. JeroDymo da Costa.
NCARREGADOS DA SUBSCRrPCAO NO SL.
mflSfa, i Sr\f,Mdno Falco Dias; Baha, o
2taSfa!&?7 r,VeSi Ri0 d0 Janeiro>os Srs- Pe-
riera JUartins it Orasparmo.
EPHEMERIDES DO MEZ PE NOVEMBRO
Onnda, Cabo o scada toaos os das.
^eS.raSyaQna a ^^ nas se*and"
Santo Aato, Grvala Bezerros Hn,, r .! "" CFeSC- as 9 h- 33 m- e 2 s- d t
Altinbo e WaDh^rnf/L0^,?^'.Carnaru' ia La chela 3 h., 13 o. e 36 s. da t
ii.ii.. o ""' aerros, uocito, (
PAd'AihnevarantlUfls nas ,er?as 'iras.
Todos os estafetas partem ao % dia.
21 Quarto ming. as 4 h., 56 m. e 56*s. da m.
29 La nova as 4 h., 57 m. e 26 s. da m.
PRJBAMAR DB HOJK.
Primeira as 10 horas a 6 minutos da manhaa.
Segunda as l oras 30 minutos da urde.
ARTE 0FFIGIAL
(0\ERS0 0A PK0VIMIA.
Expediente do dia 3 de noTembrede 1861.
OflBcio ao Exm. presidente da provincia do Ama-
zonas. -Com oflicio de V. Etc. de 3 de outubro
prximo findo, rec\-b doas exemplares do relato-
rio com que o Dr. Manoel Omenlino Carneiro da
unha, passou a administrado dessa proviucia, ao
i' vich presidente Dr. Manoel Gomes Correa de
Miranda, eoutros dous que apresenlou o Dr. Sin-
val Odorico de Moura a asserabiea legislativa pro-
vincial a 25 de margo do anuo passado.
pito ao Exm. presidente da provincia do Mara-
nhaoRespondendo ao ofuVio que V. Etc. me di-
rigi em d de outubro ultimo, eabe-me dizer-lbe
que os artigos vnoos da corte para aqui com des-
tiuo a essa provincia, serio para ahi enviados na
lorma das ordens imperiaes, em um dos hiatos de
guerra que tem de passar para o norte brevemen-
te, nao tendo seguido no patacho Andr por ter re-
solvido o respectivo proprietario mandar essa em-
bareaco somentc at o pono da capital do Gear.
Dito ao Lxm. Sr. Dr. Jos Tavares Bastos i
vice-presidente da provincia do Rio de Janeiro
Pelo seu oflicio de 21 de outubro ultimo, ttquei in-
leirado de haver V. Exc. na qualidade de seu 1
vicepresidente, assumido a adnimslracio dessa
provincia. v
Dito ao Exm. Dr. vlgario capitular desta dioce-
seAccuso recebido o seu officio de 29 de outu-
fcro ultimo, no qual V. Etc. communicando ter-se
de proceder a benvao de 3 sinos destinados para o
uso da nova matriz de S. Jos, convida-me para
padrinho do sino grande, denominado Santissimo
cae ramn lo.
Em resposta tenho a dizer-lhe que aceito com
o maior agrado aquelle convite, e agradeco as he-
TonrT expressiies co,n 1Ut ** Exc- d'B'iou de
Dito ao Exm conselheiro presidente da relacao
-Interporiba \. Exc. o seu parecer, sobre a mate-
ria do incluso oflicio que em dala de 31 do mez
lindo, dingio-me o juiz municipal do termo de Se-
rinh Dito ao coronel commandante das armas Re-
mello por copia o aviso de 19 de outubro ultimo
e as nformacoes semestraes a quo elle referc-se'
afim de que v. S., como determina o Exm Sr
ministrla guerra, mande proceder a ronselho
inquincao sobre a conducta do alferes da compa-
nhia de cavallana, Ignacio Pereira Serra
r>,^ ^'"^'noDeclarando-me o gerenteda com-
panhia Pernamburana, em officio desta data, que o
vapor Mamanguape nao pode amanhaa seguir para
o presidio de Fernando por acbar-se a resDectiva
machina em estado de nao poder funeelonar ; as-
sim o communico V. S. para que mande sobr'es-
tar no embarque da tropa e mais objectus para alli
destinados, ale ulterior deliberaco.Fizeram-se
as necessanas communicacSes.
Dito ao mesmo.Envie-me V S. para Pr.
scnle ao Exm. Sr. miuistro da guerra que a exigi
em aviso de 19 de outubro ultimo, copia da acta
da in-p*ccjo de saude por que passou o tenenle
do 7 batalhao de infantaria, Manoel Jos dos San-
tos Poi tella.
Dito ro mesmo.Remello inclusos V. S. os
processos de conselho de guerra, fetos s pravas
dos corpos mencionados na relagao junta, para que
mande cumprir as sentencas proferidas pelo con-
selho supremo militar de Justina em ditos pro-
cessos.
Retagao das prados dos corpos a que alinde o officio
supra.
4o batalhao de artilharia a p.
Soldado Ignacio Joe uiim Leite.
Dito Guiltu-nne da Costa I'edra.
2o batalhao de infamara.
Solilado It lyinuiiiio Nonato de Lima.
Dito Jos Vctor da Silva Marth.
Dito Lauriano Crrela.
Dito Jos Pereira de Souza.
7o baulhao de infamara.
Soldado Ricardo Justino.
Dito ao mesmo.Para ter o conveniente deslino
remello V. S. a inclusa cerlidao de assenlame.n-
tos do tenenle Manoel Joaquim de Souza Jnior,
transferido do 4 batalhao de infamara para o 9o
da mesma arma,
Dito ao mesmo.Declaro V. S. para seu co-
nhecimento, que foi approvada, como me constou
de aviso da repartido da guerra de 6 de outubro
ultimo, a deliberaco que tomei de conceder licen-
5a para ir a corle ao capillo do 4 batalhao de ar-
tilharia a p Jos Pedro Nolasco Pereira da Cu-
nta.
Dito ao mesmo.Mande V. S. apresenlar na re-
particao da pulira, amanhaa s 11 horas no dia
10 pracas de prel, eommandadas por um Inferior,
afloi de escoliarem um criminoso de juslica at o
lermo de Cimbres.dmmunicou-se ao Df. chefe
de polica.
Dito ao mesmo.-Remelto V. S. de conformi-
dade com o aviso da repartieao da guerra de 8 de
outui ro ultimo, afim de ter o convenienie deslino ',
a inclusa cerlidao de assenlameolos do alferes i
Emilio Ernesto de Mello Tamborn), transferido do
1" batalhao de infamara para o 9" da mesma
arma.
Dito ao Dr. chefe de polica.Por nao haver
desponiveis na secretaria dopoverno as in-.truce.oes
de 10 de julho de 18J2, decretos e avisos a que
V. s. allude, deixa de ser satisfeita a sua requisi-
to constante de officio n. 1,348 de 31 do mez
lindo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Cumpre que V. S.. para exerucao do disposto no
aviso junto por copia, expedido pelo ministerio da
faxenda em 12 de outubro ultimo, chame por meio
de edilaes, para que solictem dentro de um prazo :
raznavel os respectivos ltalos, os individuos, que,!
segundo diz o procurador fiscal dessa thesouraria
acnam-se de posse de terrenos de marinha, sera
haverem obtido para esse lim a necessaria conces-
sao, reconheceHdo assim o dominio directo do es-'
lado, sob i.ena de serem a isso compellidos pelos
meios competentes.
Dito ao mesmo.Transmuto V. S. a folha jun-
ta em duplcala, afim de que, nao havendo incon-
veniente, mande pagar os vencimentos relativos ao
mez de outubro ultimo, dos offl.-iaes encarregados
do recrulamento neste municipio e de Olinda.
Dito ao mesmo.Declaro V. S., para seu co-
nhecmenlo e lim convenienie, que o Exm. Sr. mi-
nistro da fazenda remette.u-me com aviso de 22 de
outubro ultimo, o decreto pelo qual foi nomeado se-
gundo conferente da alfandega desta capital, o se-
cundo esi-ripturario da do Maranho, Benjamim
Antonio da Rocha Fana.
Dito ao mesmo.Atlendendo ao que no incluso
requerimenlo solicitou o juiz de direiio da comarca
da Roa-Visia, bacharel Antonio Buarque de Lima,
recommendo a V. S. que mande pagar os venci-
mentos do supplicante a contar de 2o de selembro
ale 2 de outubro deste anno. em que por doente
deixou de exercer as funeces do seu emprego,
considerando-se assim abonadas as fallas por elle
dadas n'aquelles dias.
Dito ao mesmo.Com o officio do commandante
das armas n. 1315 de 23 de julho ultimo, devolvo
inclusas as conlas documentadas das depezas que
fizeraro os segundos lenentes de 4. batalhao de ar-
9E U5? *S ^ Oliveira Coelho
P^"1f-"'.i'0 VA'OR2'j (..OSiiiRO,.
a Gr5 fl a,,AaKaf a 3 o 2o; pars o nona at
dias ff,, ?ecada iaer> P"* Cuando nos
das "do*mczes dejan marc.,maio. jul. sel. e nov.
p. PAflTIbA 1K)> OMJS\BUS.
R U rf. RecJf0: do Apipucos as 6 V, 7, 7 1/,, 8 e
Ia&2Lm rdf/ mda H 8nda e "B de
rm /A6/Vla?-;A0 CasangaeVaneis 7
no Beinfica as 8 da m.
Do Recite: para o Apipucos as 31/,, 4,4 V. 4/,
LJIt S '(' e 6 da larde; P*ra t5 inda a 7 da
SS Jr r da W: para Jaboatao as 4 "a
nar* ? Ga.chiac8a e Vanea s 4 % da tarde;
1 para Bemfica as 4 da tarde.
e Jos
AUOiEfC --i DOS RIBNAE3 Da CPHAL
Tribuna! do comat-rcio: segundas c quintas.
Relacao: tercas e sabbaaos s 10 horas.
Fazena: quintas as 10 horas.
] Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextos s 10 horas.
Primeira vara do cirel tercas sertas ao meio
dia.
Segunda vara docivel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde
t ----" w,"*'io uvciiiu u .1 UM
w Je Mello, com a compra de objec
|S^^d? Fernand. os objectos mencionados na re-
elfaliriuT menS V'Dho e aeuardenle de que
DrB>hi J-T. chefe de oolicia.
raMmumc&d0a ft Marlues-Informe a cama-
ra municipal destacidade.
nSf ^omS55So snra composta de V. Rvm. e dos
n* Srs. Manoel Firmino Ferreira, Antonio Car-
S?1^ Burgos '"''ncede .eao/ApVi'gio j'os
da .ilva, Tiburcio Valeri ano "
fl-OV;Hvo DO BISPADO
"iitwiiBio.
SBE \\(A\n
Outubro de 1864.
Expediente do dia 28.
DE
Anl^beTriT """""" BaP!i E-TcrS que V. Rvm. sedignar aceitar este ron-
Me, e coaijuvar- nos cm urna empreza cujaremu-
chaTjoeT ^ liberalisada pel S^ioso patriar-
HnIfri',a! a ('a,,a u,m das ""nbros das commissoes
das outras tres freg uczias, a saber :
Sanio Antonio.
p,Vh\V rfan0 Ienf0C10 Henriqnes de Resende.
- r ?, r ,,r,sl0? de "ollanda Cavalcanli.
liUiz Lesano do Reg.
no ZZT'Jdadm da ^ezfa da^a Cruz o
n>aa?fmn8eU0^, de 22 d rrente, o qual
Rvd R?rW,d--c NeSU d:"a 1>aSS0 a n0">ei,r
rer i, -ard,no de Sena Ferreira Lustoxa para
regar mienoamenle essa freguezia.
nina Padre Bernardino de SenaLustoza.-
bU,mernneUrC?nCfdd0 3 lf* BelZ L"S de A1"
rSl2SLCaf raJ' a exoner!lvSo de parocho en-
commeodado da freguezia da Nova Cruz, por elle
so .cada em data de 22 do crreme, nomeio V
ancisco Lucas de ^ouza Raucel.
i iiiim .1- i"___ .
Urbaoo Pacle,
tos ncrp.rar..r """!'' cum a compra de objec-
com inni3r ? exPed|ente das co.npanhias que
5SS2 nr S uTS d" mafC0 a mai0 So
form^' 'ara (,ue V- S- nao obstante as suas o-
SSttLS: Ml e 431 de de Junh0 e *3 de
fi&TS! P,'1Ssa"S ma"de "*** esses
oue ? t ,fin,rtanc,a ,,or elles -despendida, visto
obii-L ?'lnieri!m aos M*lorea dos referidos
?e ,esP5'a."nportan.-a, como consta dos
esa i d?(mn,,|U-,'St-0"MS,ruidas "comas, e a
sTuro 7sQ>!fa0ia?1SCO,'P5eaordem d he-
souro n, 189 a que alludem as citadas informa-
os ft2 conveenm0rRenicUo inclusos V- S. para
rano ID'ef i ****** "ominaes do mo-
ra Uto da ,r das enf"rmarias do hospital
militar da guarmcao desta provincia.
maX n Skf TZY^" ,|U" ee8undo a sua ,nfor-
serem i?;,h'!' de1ho,n Sm' nao na inconveniente em
ohi,K tn ,a .P-ela..fu,na d0 'especiivo batalhao os
so|dos do capiiao Manoel Joaquim Bello e alferes
eleTa^dirr T"e0dur0 de ^^ r'nendo
nresiianIra,SVaJntagens Pel a'moxarifado do
; presidio de Fernaade, onde vio servir, autoriso V.
I rw r nes,e sentid0 as convenientes ordens.
uommunicou-se ao coronel commandante das ar-
I IlJtiS.
!ConDh,cianeTSm0-COm'nUnCO aVr'S- P"a S^"^^jK5Bja '"os-Sr;.T"J,ae,JOa"U"n AM,ep
S^^SUS^tST*^^ rS^^^^^nrriffS: P^.^osUnhodeLimaCavalcanteLacerda.
r^ianVn^ "fitina Joao Ferreira da ilva, que, 1 rocho encommendado, a lim de receber da ihesnu, Proflno da Cimba Moreira Alvos
oleres LttLJ*-~-S a ^ KCral a *W* *> quXaV/lb'cora- J&Sg
im,toJ d.recloria d<> Gabinete Porluguez de Lei- An,onio Pereira da Costo Gama.
i/i' h nh0 Presente o officio de VV, SS. datado i om
:: ^ .corren|e, em resposta ao que tive a hon- mc' cmara municipal de Olinda.Haven-
..a le oingir-llies em dato de 13 do mesmo, e de- ^ e plisado o feliz consorcio de S. A. Imperial
Isabel, herdeira presumptiva do throno
DAS "i HA.
7. Segunda. Ss. Florencio .- |||||, bb
9'u,^, S r'Mn,l'',,,:S ':-',,'"''m-
v. juina &. i nmw AcriMW 1,1,
10. UuuiialS. A.,dr:Av,|,of S T,|.no
2. Sabbado. & Mailn.hu t.. ,.; |. ,.ino b
13. Domingo. Ss Arcadk-, Paunllo iSm ,m
ASSiGNA-SB
no Recife, em a iirana da traca da Indenw*_
mnnidade ioteira ; que cada golpe despedido sobre Uni. ,
Poloma deve penetrar fundo em to'dos os cora- deTulSTl'wf
umcio ao padre Belizio Linsde Albuquerque Ca- ,osef,dos San'f,s Neves.
Drai.-concedo a V. Rvma. a exoneraco d viga- Dr-.Francisco Lucas de .-,
8 Jos Joaquim da Costa Maia.
Recife.
Placido Antonio da Silva Santos, e
Cot> cada1 gemido, soltado i.ela Polonia sob a ponto
hntt SS U so!' M dobras d0 '"Jinioso ,
Knout leperculir pelo mundo civilisado, e desper-{
tar ootro gemido no coracao da homanidade. 1
Lis anda porque, Sr. redactor, nao Besito! em
chamar a attencao de V... para a obra humani-
taria emprehendida por esse grupo generoso da'
moc.dade acadmica de Recife, e porque anda
mais confio 110 acolhimenlo benvolo de V. .
IW porlanto V. S. com sua pen>autorisada, o
apri,o merecido por urna lembranca |ao til, quan-
10 grandiosa ; escreva para o generoso novo per-
namiiucano, a negra historia das barbaridades da 1
Kussto, ao mesmo lempo que a epopa das glorias !
i 0,1 l'ulOllia : anime Analmont. o .......____.._...
cano,
casa de detencao tfo dia 4
Existan......
Entraras......
Sahiram.......
Existem____
A saber :
Narionaes.....
Holheres......
l'Ntrangeiros...
Estrangeira____
Escravus......
Escravas......
Rvm. vigario
os Srs. :
Parir Antonin Manoel da Assumpcao.
Jos da Silva Lnvo.
Jos Pedro das eves.
Jos Joaquim Das Fernandes.
V Boa-Visto,
itvm vigario Manoel Joaquim Xavier Sobreira, o
os SM
crreme'0 d6 inspect0r da saude do Porto no ,0 do
Dito ao mesmoDe conformidade com o que so-
l ;,T C.r0nel comman S2A honleJn sob 196. 'e. em vista do incluso
recibo mande pagar ao capilao Jos Francisco de
a22? Va'concellos por eonta do ministerio da
guerra, a quantia de 45000 res, despendida pelo
tenenle commandante do destacamento da povoa-
5.10 de Trombetas com urna passagem dada na via
terrea, ao soldado do corpo de guarmcao, Loaren-
50 Joaquim Teixeira, que veio a esta capital acom-
Kn,2 S d0 2 b*Mhio de infamara Antonio
linio da ilva, que se achava enfermo.-Commu-
nitou-se ao commandanie das armas.
Dito ao inspector da thesouraria provincialTo-
mando em considerado o que no incluso requeri-
ZTen^l*'';110 da o!,ra escampada
fia R,nar i emPedramento entre os marcos de
MatoLriu a^S" "i1 es;,rada da V,cloria. Antonio
Malaqu.as de acedo Lima, recommendo V. S.
comnaenn!;a f C0"ti,r, df8, sobras 1ue se deram 1
9 m,P U!"w Pr.adni"'stracao d^aquella obra,
fior LJ'T m rB-WM ao arrematante, os dez
Zr1de,'l."Vrala respectivo orpamenlo visto
tZ S, ? 6lereU 0U,ra peDa ao supplicante
Sl como "icenlivo para o cumprimen-
,.? a cPnlralo e estao salisfeitos com a encam-
S* ** coml.coes a que elle se suje-lou,
eUa devida da IaU*SSe qai'qUer "paracao a
kS*?i mesmo--Aeidendo aooae reqpereu
Antonio Ja...,.iho Dorso.-, leeummendo a V. que
addie por um prazo rasoavel aarremaiaco da obra
do caes do canal da ra da Aurora, a lim de que
iiossa o supplicante apresenlar, como promette. fia-
dor idneo, para poder concorrer a essa arremata-
gao, visto como a -naior concurrencia offerece
maior garanta a fazenda provincial.
Dito ao mesmo.Para que eu possa dar cum-
pnmento ao disposto no aviso expedido pelo minis-
terio da fazenda em 14 de outubro ultimo, faz-se
ore01 que V. S. me informe acerca da quanlia de
8315*21 reis, que, segundo consta do citado aviso
ligara no balanco geral de 1860 a 1801 e deve ser
liaga por essa thesouraria, a qual foi dispendida
em Londres naquelle exerccle, sendo 5655737 reis
IW cunto de una irmaa de caridade, e 3253681
reis, por um terco da passagem de um engenheiro
incluida a porcenlagem de l|i por cento, pago aos
nossos agentes financeiros
Dito ao desem amador provedor da Santa Casa
da Misericordia Pelo officio de V. S. de 31 de
outubro ultimo, fiquei interado da nomeacao dos
mordomos que tem de servir no corrente mez, nos
estabelecimcntos pos a cargo da Santa Casa da
Misericordia.
Dito ao administrador do correio. Communico
a \ me. para sen conhecimento e direceo, segan-
do conslou de officio da secretoria de eslado dos ne-
gocios da agricultura, commercio e obras publicas
de 12 de setsmbro ultimo, foi concedida a Jos de
Mello Cavalcante a demisso que pedio do lugar
de agente do correio do Aguas Bellas, e para
substitui-lo nomeado Manoel Apollinario de Souza
Medeiros, vaneando 50 por cento do rendimento
da agenciaFizeram-se as necessarias commu-
nicacoes.
Dito a cmara municipal do Recife. Inteirado
do que communica a cmara municipal do Recife
em seu officio de 26 de ouiuhro ultimo, sob n. 52,
tenho a dizer-lhe que approvo a nova arrpmatacao
dos impostes de que trata o seu citado officio.
Dito ao juiz municipal de GaranhunsAo co-
nhecimento do governo imperial, levo nesta dato a
materia do seu officio de 16 do mez findo, sobre o
contador e partidor Manoel Joaquim Pereira
-VeltO.
Dito ao gerente dacompanhia Pernambucana
Pode Vmc. fazer seguir para os portos de seus
destinos, os vapores Parahyba e Jaguaribe nos
das e horas indicadas em seu officio de 31 de ou-
tubro ultimo.
Portara. O Sr. gerente da companhia Pernam-
bucana, mande dar transporte at o presidio de
Fernando, no vapor que tem de seguir para alli
no dia 4 do corrente, em lugar de proa destinado
a passageiro de eslado a Alexandrina Maria da
Conccicao.
Expediente do secretario do governo do dia 3 de
novembro de I Si; i.
Officio ao inspector da thesouraria de fazenda.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, manda trans-
mitir V. s. a inclusa ordem do thesouro nacio-
nal, sob n. 150.
de la,arrqUe mU grlia fi Para mim a |ica JSt Is3t
de nao existir mais no Gabinete Portuguez de Lei- do "rasi1 com
luraa impa obra de Renn contra Jess Chrislo
ter ^adeCen- a VV- S- a atlenca ter'para co.nigo, aproveito o eusejo para ponderar
que, por mais elevada que seja anossa intell.gen-
m*nf.?,aiS Va$10S que seJa,n 0i nossos eoiheci-
meutos jamis nos sera licito pretender ter mais
e, J* QUe V*ni* de Jesus Cn,is, : e Pis "na
ItlTt'T?* u,,na obra Pela IP* vez
vedada aos fiis a leitura de um IJVro imnio a nin-
' Ter nal0 ndagar ," a bra f^ SK '
tohf.t lda' S? a sua le,Iura foi bem o 'nal pro-
h nida, 1 urque isso sena o mesmo que indagar se
OS fieis devem ou nao estar pelas dekoes da^gre-
dosttELS naa,obedeer aos preceitos emana-
dos do poder competente, o que nos levara neces-
fiSSS doutrina d0 r"exmu em mat^as
AnrfJ ?.' P co"seteao prote.lantismo.
Aproveito a occasiao para manifestar VV. SS
racao?1" S,"Cer0S pro,es,os de es,imae conside-
__ 29 __
TeSJE^'iIS Sr- Presidente da provincia
tinat n,f CedTSe a benc5 de ,rfts si"0=* des-
Hnadogpara uso da nova matriz de S. Jos, e ca-
na eu ao mais sagrado dever se por mim e em no-
ine dos parochianos de S.Jos nao convidasse
v. Exc. para servir de padrinho do sino grande
denominado Santissimo Sachamemto, manifestan-
do desta modo, quanto em mim cabe um voto de
gratidao pelo apoio e proteceo que V. Exc. me
lem proligalisado, afim de que eu possa levar ef-
feto o intento, que sempre tive em visto, de abrir
anda nesle anno ao culto publico a nova matriz de
s. Jos.
Serei sollicito em communicar V. Exc. o dia e
hora em que deve ter lugar esta ceremonia.
Nta ao Exm. baro do Livramento Tendo s
determinado celebrar na igreja cathedral desta ci
dade no da 8 do corrente s 9 1|2 da manhaa um
le-neum em aecio do gracas ao Omnipotente e
soberano arbitro dos imperios por lio venturoso
acontecimento, para abeneoar esse fausiissrroo, e auspicioso enlace e
propiciar aos augustos esposos, dias dilatados, fe-
lizes e tranquillos. E desejando- en dar a esse acto
a pompa que me fr possivel, codfido a Illma. c;t-
:f2fa.muncipal desta cidade para assislir a elle;
esperando .do seu patriotismo e dedicado interesse
que devemo? ter pela prosperidade da augustissi-
ma dynastia* actualmente injirante, e da familia
imperial, em yto de suas altas rjr.'udes, seu acri-
solado patriotismo, seusimmensos beneficios, e sua
dedicaco maenanima causa publica, esperando,
digo que Rima, cmara nao jo recusar ao meo
pedido. \
Igual mutati.t mu tais a cada urna das autori-
dades e ofllcfoJidade da guarda nacional do lu-
gar
anime, finalmente, o povo pernambu
. ao avesado as emprezas humanitarias, e um
dos que eonlam mais glorias na historia dos gran-
l.in'ubra,le,ros' a dar- "o Brfc.il, o prmeiro
2M* ",a : nome d0 r-ovo pernambu-
cano ,ra de envolla com o da mocidade acadmica
uo nenie, echoar gloriosamente no coracao da Po-
onia, levando-lhe tamben urna singela, mas gra
la lembranca do povo brasileiro.
nhas I>,;de'se'nos a PaWicaclo das seguintes li
J nao a primeira ver. que vos temos pedido
que pela vossa ineansavel Revista, facais desappa-'
recer abusos e exigir providencias que felizmente I
per intermedio della temos conseguido.
Temos constantemente pedido providencias i
sobre o mnibus de Caxang, ja no sentido de pri-1
var-se aeatrada nelle de passageiros do mnibus'
oa Magdalena, ja no de augmentar-se a linha do
t-axanga, pois que os assignante sao incommoda-
dosjo.tos os das, porque .piando chegam ao ponto,
357 presos.
9 .
360
291
3
i;
I
u
4
3611
S. A. Real o Sr cond^ de Fu o o "1 T 0> a,as- Pr'lue lando chegam ao ponto,
alebrar na mSmS Uff&JSt" -r*
FRNAMRJirn
REVISTA DIARU.
Dingem-nos a seguintecommuoicacao.e dando-a
a publicidade parece-nos que satisfazemos ao seu
autor, rso entonto omitlimos quaesquer observa-
coes nostos, pois ella em termos taes que disto
nos dispensam, cumprindo-mis porm declarar
que esposamos as ideas generosas, que nella se
expressam.
t Por s?,ber eu o quanto protege Vmc. toda idea
grandiosa, onde qur que appareca, e com que
afn cobre-a com a elevada influencia, de que
merecidamente gosa o Diario, lomo a liberdade de
pode dar eonduccSb no tejadelho.
Na verdade parece quo estes assignantes nao
teem privilegio algum, quando os avulsos teem
preferencia a elles na entrada do mnibus ; por-
tante rogamos ao digno emprezario que d as ne-
cessanas providenciasou fazendo garantir os as-
senios dos asignantes-ou mandando todos os
das dous mnibus, como faz aos sabbados.i
Hoje (7) efTeciuseo leilao de iazendaslimpas
e avanadas por intervenga) do agente Pinto, no
aramiem da ra da Cadea n. 36.
Acha-se no exercicio da directora das obras
publicas o Sr. engenheiro da mesma reparlice
Francisco Apoligorio Leal.
Foram contratadas para servir na guarmcao
desta praca os Srs. Drs. Gabriel Alcides Raposo
da Cmara e Pedro Maduro da Fonseca.
! -7 Exo.iv.sao-^e.o> cajiejjjo do presidio de Fer-
nando de Noronna o Rvd. JosMrfOe? Dias de Car-
vallio.
Alimentados custa dos cofres provinriaes m
JM&iSBS. Afr,M'30
ro ee!les7aV0, 'H,:rna""'o-o. Sanos,
ro Recife; hvpeiroplna.
Anna Maria Manoela de
79 annos, solteira. S. Jos
Ermelinda, Pernambuco
convulses.
l'isula Eulalia Mana de
Bo^laTmefiie' en,:l'"bUt- 'C """
Josepqa, Pernambuco, 5 dias S
soes. '
Hilaria, Pernambuco, 6 anno-
ephHlite.
Joaquim, escravo, Pernambu.-o, 26 annos
leiro, Boa-visla ; gaslro hepalito,
bus, Pernambuco, 1 d,a, Boo-vMa ,eiai
^Manuel, Pernamtmco, 8dias, M vi,u ; espas-
Joaquim Fernando de Paiva, Porlugal. 43 m
oo>, solleiro, Itea-visia : coliie
p 5 -
Rosa, escrava, frica, 40 annos, solteira, B-m-Vis-
ta ; vanlas. ^^
Alexandrina Maria da Conceicao, Marc, : aa
nos solteira. B,a-Visto ; enbronhagia. '
oa V-ffai Pern?mbu'-<'. W annos. riavo,
oa-\ is[a febre maligna,
mmajmmm
TBI*AL IA llll.uiO.
SESSXO KM 5 DE MiVKMIW
S1K.NC1A DO EXM. SK. CuH.SGLIWIRO
Mello. Peroamboro
; int-rite.
10 dia*. B->a-visia .
Souza. P-rnamboco.
Jos; convnl-
lloavisia ; e-
sol-
yo dia terca-feira 8 do cnente pelas 9 eSl|2
horas da manhaa na cathedral de Olinda, celebrado
Exm. Sr. vigario capitular u-n solunne Te-Deun^iJ^^'^^ntTiV^V^Z^^^^r
fmf9mmmfl?^rmnrVfeatopwn aoflTsr. Jlembargador Guerra procurad./r da
throno com S A. real o Sr. conde de Eu, pregan- roa, nao rompan =reiL.
SP i'i'Ti ".i v,\p iMf-i r 1. 1 fin I... 1.-1 I I*,., ..^ .1
i u SOI.ZA.
as l horas da manhaa, presentes os raht
desemuargadores Santiago; (Si.iraea, L.ren7olir
Uagto, Almeida e Albuquerque, Ass. f**,,;-
HnVV," '-'" ^mmenlo renao si- meieeiuameme gosa o Utarto, tomo a liberdade de
im,a\i,r 1" k a Protectores- 'lue niais 'em c-ad- chamar a attencao de Vmc. para a excellenle lem-
uvaoo as obras da nova matriz de S. Jos, e ten- branca, que surgi dos coracoes de alguns mocos
,iA-f.'.^f '.se a be,nCao de tres sinos destina- acadmicos, que intantom dar, no theairo de Santa
ios aquella matriz do meu dever convidar a V. Isabel, urna representacao publica, na qual ser.io
axc. para padrinho do segundo denominado S. Josa, elles mesmos os actores, e cujo produelo destinara
maniiestando deste modo o meu reconhecimento' auxiliar os desgracados Polacos, desde muito on-
K f I22F* servi?0- qae V- Exc- tm Prcsla" Pr'midos sob os horrores da mais crua pers-
do e continua a prestar a nova igreja de S. Jos. inicio. F
rt.h'nh,e,npo conve""nle1 Participarei V. ExcoJ O incendio em larga escala, praticado pelos >
na e ora em que tera lugar esta ceremonia. Russos sabr as povoaces da Polonia, o roubo de i Antonio Alonso de Faria, idem.
Aproveito a occasiao para apresenlar V. Exc. *"* "......
os sinceros protestos da considerafo e estima que
consagro a pessoa de V. Exc. ...ni ...a.or parte ua r<
i ao xni: ,r- commendador Antonio de Sou- total indigencia graude numero d
za LeaoTendo em consideracao os senlimentos
do no acto o Rvm. Sr. conego secretario'do bi*spa-
oo Joaquim Ferreira dos Santos. Foram convida-
das porS. Exc. Rvma. todas as autoridades do lu-
gar, e oflicialidade da guarda nacional.
Fizeram acto na Facnldade de birelto, no dia
5 do corrente. os estudantes abaixo nomeados,
sendo o seguale o resultado da respectiva vota-
cao :
Io anno.
Manoel Vicente de Magalhes, plenamente.
Fabio Alexan.lrino dos Reise Silva, idem.
Augusto Gurgel, idem.
Joaquim Guedes Alcoforado, idem.
2o anno,
Joaquim Rogerio de Oliveira, plenamente.
Jlo Adolpho Kibeiro da Silva, idem.
Jos Domingttos da Silva, idem.
Francisco Gomes Prenle, idem.
3o anno.
Irineu Ciciliano Pereira Jofflly, plenamente.]
Ignacio Ferreira de Almeida (nimaraes, dem.
Ernesto de Paiva Leite, simplesmente.
religiosos, que animam a pessoa' de V. Exc, e ha-
vendo de proceder-se a bencao de tres sinos, des-
tinados ao uzo da nova matriz de S. Jos da cidade
do Recife, tomo a liberdade de convidar V. Exc.
para padrinho do terceiro sino denominado Nossa
Srniioiu oa CoNCEigAO, esperando que V. Exc. se
dignara acceitar este convite, e dar assim um les-
teinunho de devocao Maria Santissima, e ao seu
feliz Espozo sobre a trra.
Em lempo opportuno communicarei V. Exc. o
da em que lera lugar este acto.
Aproveito a occasiao para significar a V. Exc. os
mcus sinceros protestos de eslima e consideracao.
- 31 -
Oflicio ao novo vigario de Porta Alegre.Sondo
ludo quanto encontrado pelos invasores, e o de-
gredo para a Siberia, tudo isto tem devastado ra-
mente a maior parte da Polonia, e reduzido a
-_mero de familias Pola-
cas; o producto d'esse espectculo c modestamente
destinado a minorar a desgracada sorle em que se
debate a Polonia.
Me parece que um tal projecto nao pode dei-
xar de receber o pressur^so auxilio, que soe essa
empreza prestar gen-rosamente a toda idea, que
denota um servico prestar causa da verdade,
e da justica.
c Por nm lado o espirito altamente carido>o,
que anima a esses mocos, e por oulro a grandeza
da causa da Polonia, brbaramente victimada pelo
despotismo llusso, sao movis bastantemente po-
derosos, que bao de influir no animo de V., assim
como no de todos aquelles, em cujo peito pulsar
! um coracao amante da patria e da liberdade.
t Quera nao sabe, Sr. redactor, que pelo amor
necessano prover de parocho encommendado a da patria que os Polacos lutam com os horrores
freguezia de Porta Alegre, vaga por ralleciraento da perseguigio Russa, e sao tratados como jamis
do Rvd. Joao Francisco dos Santos Andrade, para o foram os povos conquistados)
que nao soffra detrimento a administragao do pas- Quera nao sabe das barbaras e horrorosas airo-
to especial e confiando que V. Rvma. desempe- cidades, cora que os Russos teem celebrisado sua
nhara esse encargo, como convra ao.servico de actual perseguicao aos Polacos, cujo crime de-
ueus, e bem espiritual dos povos ; aut~-iso-o para tender seus lares, suas familias, sua liberdade, e
reger a mencionada freguezia, devendo com a maior sua patria ?
brevidade possivel entrar nessa regencia, e sslli- Povoaces inleiras dormem hoje tranquillas c
citar a competente provizao. inoffVnsivas, c amanhaa despertara no meio do in-
nm .3 de norembro. cendio : depois o massacre dos horneas, a violacao
utilera ao vigario de S. Jos. Desde que tomei das muflieres, o roubo e finalmente o degredo co'm-
conta do governo desta diocose, foi o meu principal pletam o canibalismo ; tal o quadro resumido
cuidado abrir ao culto publico a nova matriz de das atrocidades masas, e que basta para despertar
5>. Jos, e por este modo oo s levar effeilo os no coracao o mais libio um sentimento profundo
pos desejos do Kxm. prelado de gloriosa memoria, de reprovacao ao procetlimento do governo russo,
como saiisfazer a expeetaco e os votos dos habi- ao mesmo lempo que faz pulsar o peito de admira-
tantes da cidade do Recife, que esperavara anciosos cao e sympatha por um povo da Polonia, to bra-
a inauguraco daquelle templo. v0, to glorioso, e que bem mostra ser o descen-
Uepois de vencer rauitas difflculdades, depois de dente do grande Sobriski.
lutar com grandes obstculos, auxiliado sempre Dir sehia, ao ver o quadro lgubre das atr-
pela nobre commissao a quem cosfiei a continua- cidades russas, que se faz urna guerra de bar-
gao das obras, pude finalmente conseguir que as baros, em que os vencedores mais se assemelham
ponas do novo templo, sejam franqueadas aos fiis a animis ferozes que a entes humanos,
anda este anno : e marquei para a solemnidade A invasao dos Hunos transmillio posterida-
aa raauguracao o memoravel da 8 de dezembro, de um nome de Attila como tvpo da ferocidade :
ma da Cenceirao inmaculada de Marta Santissima mas Attila era do secuto V e invada o carcumido
tsposa do Glorioso Patriarcha S. Jos, titular da imperio romano.
mesma igreja, dia da padroeira do Imperio do Bra- t Hoje. porm, a Russia, naco constituida re-
sii, padroeira especial desta provincia e nossa raai [ gularmente, cujo governo tem um representante
commum. em ((jas as cortes civilisadas, e que as trata de
itevendo, porm, o esplendor e brilhantismo des-' igual para igual, que em pleno secute XIX perse-
i S? corresponder ao brilhantismo e es- gue a Polonia ferro e fogo, invadindo suas cida-
ptendor do mesmo templo, e elevar-se a altura do des e aldeas, incendiando-as, massacrando os ho-
tervor com que os fiis dessa cidade esperam pre-; mens e deshonrando as muflieres, e afioal dester-
o~*viiZZZ'T. ti .- suro,so* a'nauguracao da nova matriz, e nao ms rando para os glos da Siberia oque resta de ho-
la de LunaProve a sappli- seodo licito despender com festividades os drahel-: mens vivos.
ros consignados para o cabal complemento dae I E os govornos das nagoes civilisadas commu-
ohras da mesma igreja, preciso me fazer um ap-' nicam irmaamente com um governo tao brbaro I
pello a piedade dos liis, e para este fim escolher! Nem ura echo poderoso responde aos gritos
em todas as quatro freguezias urna commissao de de angustia desfondos pela Polonia em agona I
pessoas pre.-timosasque pela sua influencia, e pela! t A Inglaterra, a Franca, to poderosas para o
sua religiosidade se encarreguem de promover en- Brasil, para a Conchinchna e para o Moxico, nao
""e os neis algumas esmolas para a referida solera- parocem sentir os golpes dados na Polonia ai
n|dade. ellas, que assim desaraparam a juslica opprimi-
Nesteintuito tenho designado V. Rvm. para I da...
fazer parte da commissao encarregada de prorao-1 A' mim me parece, Sr. redactor, que a causa
ver esmolas na freguezia de S. Jos dessa cidade, | da Polonia a cansa de nos todos, a causa da hu-
4" anno.
Augusto de Araujo Santos, plenamente.
Thomat Lonrencu da silva Pinto, simplesmente.
LuizGaetano Muniz Itarreto, plenamente.
Pedro Ulysses Porto, idem.
Aliino Rodrigues Pnnenta, simplesmente.
5o anno.
Jesuino Jos de Freilas. plenamente.
Joao Dimasceno Pinto de Mcndonca, idem.
Ju.- Candido da Silva Franca, i lera.
Resultado dos exaraes feitos oo curso de pre-
paratorios aonexo Faculdade de Dimito no dia
3 do corrente :
Lilim.
Plenamente..... 7
Simplesmente... 5
Francez.
Plenamente ...
Simplesmente.
1-2
7
5
12
Despachos do dia 3 de novembro de 186 i.
Requerimentos.
Abaixo assignados, consignatarios de gneros de
produegao da provincia. A' vista das considera-
goes tejas pelo engenheiro fiscal da estrada de
'< ferro, nao podem ser atlendidos os supplicantes.
Bacharel Antonio Buarque de Luna Passe
portara concedendo a licenca pedida.
Bacharel Francisco Antonio Cesario de Azeve-
dePasse portara concedendo a licenca que re-
quer o supplicante.
Aotonio da Silveira Si Darreto Remedido ao
l Sr. commandante do presidio de Fernando, para
attender ao supplicante.
cante que pobre.
Joaquim Jos de Abren Jnior. Exhiba o sup-
plicante o titulo de aforamento e prove que tem
bemfei tensado o terreno de que trata.
Joaquim Gomos Pessoa.-Passe portara conce-
dendo a Invoca que requer o supplicaote.
Joanna Lourenga Coelho Malveira. Informo o
Sr. desembargador provedor da Santa Casa da
Misericordia.
Capitao Manoel Joaquim Relio. Concedo licon-
para o supplicante embarcar cera distino ao pre-
REP.VRTICAO DA POMCIA :
Extracto das partes do dia S de novembre de
1864.
Foram recolhidos a casa de detengao no dia 4
do crrenle :
A' ordem do subdelegado do Recife, Francisco
de Souza Ferraz, por insultos, e alvino, escravo
de Guedes & Gongalves, disposicao destes.
A' ordem do de -ante Antonio, Damiao Jos
Caetano, por embriaguez, e Agostinho, escravo
de Jos Joaquim da "Miva, po- disturbios.
A' ordem do de S. Jos, Bonifacio, escravo de
um fulaoo Mello antos, para correccao.
A' ordem do da Boa-vista, Antonio Ferreira da
Silva, por embriaguez: e Cosme Jes da Cruz, para
correccao.
O chefe da 2* seccao,
/. G. de Mesqmta.
Passageiros do vapor brasiieiro Parahyba,
sahido par. Aracaj e portos intermedios :Dr.
Domingos Eleuleno de M-nezes, sua senhora e
ama menil a, alferes Jos Francisco da Silva Lu-
cas, Dr. Francisco Jos Mariins Penna e seus ma-
nos Manoel Mariins Penna, P. C. M. Penna, Jos
Martins Penna Sobrraho, Francisco Jos Mariins
Penna, sua senhora, i Altaos, 2 escravos e 2 cria-
dos, D. Luiza Candida de Araujo e 1 escrava, Joao
Jos de Oliveira Pernambuco, D Carlos de Sonza
da Silveira, D. Luiz de Souza da Silveira e 1 escra
vo, Thomaz Francisco da Silva, Antonio Dias Fer-
reira da Cruz e 1 escrava, Jos Joaquim Ferreira
.la Cruz, Antonio Alves Feitosa Franco, Jos Mar-
ques Santos Carregal, Dr. Flix M reno Rrando,
sea senhora, 1 filho menor e 1 escravo, Tertulia-
no Jos dos Santos Patury, Nicodemos Michaelan-
gelo, Manoel da Costa Francisco Saeaven, Felippe
da Costa, Jos Egidio de Albuquerque, Joaquim de
Souza Silva Ciraha, Ant nio Joaquim de Faria,
Francisco Xavier de Albuquerque, Camerino Fran-
cisco Pes Rarreto, Paulina Maria dos Praaeres,
Dr. Floriano Jos de Miranda.
- Passageiros do hiato brasiieiro Santa Cruz,
sahido para o Aracaty :Jos Soares Martins, An-
tonio Florencio Freir e i criados. .
eo-
-japaMMtMk ________,
Passados os feiios e entregues o* uf-.Vtojtdos.
deram-se os segrales
JULGAMENTOS
Aggravo de instrumento.
Aggravanle, Joao Ctaufaa de Lemos Vasconcel-
os ; aggravado, Simplicio las te Andrade.
Relator o Sr. desembargador Sorteados os senhores des.-mliargad.ires l'rteia
(..val.auli e Almeida .- Albuquerque
Negaram provimeato.
Recursos enmes.
Recrreme o juizo ; recorrido. Manoel de Mello
-Montenegro Pessoa.
Relator o Sr. desembargador Molla.
Sorteados os Srs. desenbargadorw C Isatism
Assis a Komingues da Silva.
Improcedente.
Rci-orr.-nte, o juizo ; recorrido, o li lilil k-na-
co Dias de Lact-rda.
Relator o Sr. desembargador Doria.
Sorteados os Srs. deseinbargador.s IXmingues
oa Miva, Almeida Albuquerque e l'choa Caval-
canli.
Improcedente.
Recorrente, o juizo recorrido. Carlos Bjrro-
ineu Lardeal.
Relator o Sr. desembargador Doria.
Sorteados os Srs. desembargadores Almeida e
Albuquerque, Assis e Santiago.
Improcedente.
Aggravos de petico.
Aggravanle, o Dr. Prxedes Gomes de Sou'a
Pitonga ; aggravailo, ojiiizo.
Relator o Sr desembargador Assis.
Sorteados os senhores desembargadores liitirana
e Lourenco Santiago.
Negou-se provimeato.
Appeltares crimes.
ApiM-Haute, o juizo ; appeliado. Jos.- Ilenriirae
da Silva.
A' novo jury.
impelante, promotor ; a|ipellado, Antonio J -.-
de Souza.
A' novo jury.
Appellanie. o promotor ; appeliado. Antonio
Claudino Pacifico.
A" novo jury.
Appellares citis.
Appellante, I). Anua Igna.-ia de Araujo : appelia-
do, Manoel Francisco Tourinhoe sua inulher.
Reformada a senlenca.
Appellante, Vicente Ferreira de Mallos ; appel-
iado, Francisco Ignacio Rocbedo.
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, Antonio Vinssimo da Silva appel-
iado, padre Joaquim Xavier Porlella.
Reformada a senlenca.
Appellante, D. Barbara Francisca de Jesos ; ap-
peliado, Manoel Francisco da Cruz.
Confirmada a sentenca.
Appellante, Jos Ribiro Lima ; appellade, Ma-
noel Soares do Nascimento.
Desprezaram-sc os embargos.
Haoeas-corpns.
Concedeu-se habeascorpus a Vicente Poncio
Ferreira para a sesso de 8 do correle, as 11 ho-
ras do dia.
DILIGENCIAS CIVFIS.
Com visto ao Exm. Sr. desembargador procura-
dor da coroa
A appellacao cirel.
Appellante, o bacharel Benlo Jos da Cosa J-
nior ; appellada, a irmandade de Saota Anna.
DF.SIGNACAO DE DIA.
Assignou-se dia para julgameolo dos segrales
feitos :
As appellacoes crimes.
Appellante, Antonio Barbosa do Reg, por seo
curador ; appellada, a juslica.
Appellante, o juizo ; appeliado, Maria Loiza da
Conceicao.
Appellante, o juizo ; appeliado, Manoel Carlos
de ouzs.
Appellante, o juizo : appellada, Josepha Maria
do Espirito Sanio.
Appellante, o juizo; appeliado, Joao Dionizio.
Appellante, Francisco Antonio Pereira Baxo ;
appellada, a juslica.
As appellacoes cireis.
Appellante, Manoel Francisco das Neves: ap-
peliado, Jos Maaoel da Silva.
i

.



-
}

Mari ie pemataet Segunda fclra y *c Miembro de HC4.
jiistfqa ou a maldade me dsse lugar a urna justi-
lieacao, assevero V. S. que necessariamenle te-
ria de recorrer sua respeilavel pessoa, para que
pelos seus proprios pe, rae conduzisse a persua-
appel- i dir o publico de minha innocencia, nao obstante
expor-me v "
Appellante, Pedro Cavaleanti de Albuquerqne
l'cha ; appellado, Joo de Sa Cavalcanti.
Appellante, Felippe Gomes da Frota j appellado,
Domingos Gomes da Frota.
Appellante, Trislao Anlunes de Alencar ;
UA|'pMl!imendLuii de Albuquerque Maranhao ;_ representando
appel lados, Joao Francisco de Oliveira e outros i .as res.
AimHlKiu loan Mara Paes Brrelo ; appella- desgosto perqu me foz passar V. S., poisqueme
n s, \ chainou altamente desgranado, atravessando-me
AmiellauteT o uVonJe de Suassuna-, appellados, com as agudas sellas de sua lingua, e nwvendo
a riSaffr\teKs&SS^Se Bar- contra m.m, mil invectivas, que sao outras tantas
a tinta e herdciro ae seoasiuo a. calumnias levantadas mmlu humilde reputacao !
reto.
PASSAOINS
O Sr. desembargador Caelano Santiago passou
a tnica da patria, para a dividirem entre li. como
sa fura despojos de urna mouteria de sarraceno I
O onAader accordud*.
. S. ao pengo de levar alguma queda, communicaao, visivelmente feito por u
ido o papel de posl.lhao ] rel.senhor de um, de un dos engenhos
peitablissmio senbor, nao foi so esse o desneitado Dla derrota eleil
SOMMERGIO.
Cotaees offlelaes.
PRACA DO RECIFE
ao Sr. desembargador Gitirana
As appellaces civeit.
Appellante, Gaspar Gavalcanti de Albuquerque
Uchoa : appeilailo. Antonio, por seu curador.
Appellante, Jos alaria da Silva Ferretr
pcllado, Domingos Bernardino da Cunha. .\ao quero p<
'Appellante, Antonio Joaquira de Vasconcellos ;. nimio tempo Ih
Na Polonia, dizia um velho jurisconsulU, quan-
do apparecia um hornera como V. S., isto um
calumniador, obngava-o a le a comparecer b urna
praga publica, a por as mos no chao, e dando
saltos para tras o para dianle, ladrar por espago
de duas horas na presenga do povo, que o appiau-
dia as pargalhadas !
.N';io quero pois iinpor V. S. a pena, que r
Carnciro Maciel da
appelladu, Osear Destibaux.
Appellante, D. Themotea
Silva ; appellada, a fazenda. _
O Sr. desembargador Gitirana passou ao sr.
desembargador Loureneo Santiago
A appellacao civel.
Appellante, Jos Marcelino Alves da Fonseca;
appellada, a fazenda.
As appellacoes crime.
Appellante, Alexaudre Pereira de Souza lava-
res ; appellada, a jusga.
Appellante, ojuizo; appcllados, Baz.lio Altes
Correa e uutros. n,.i.,
Appellante, Leonci Pinto de Mello 5 appellada,
* Alienante, o juizo appellada. Paulina Klin-
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao br. 1
desembargador Almeida c Albquerqu
As appella<-oei crimes
Appellante, o juizo ; appeltado,
de Saua Auna.
edevia'ser applicada, ora tambern
augmentar as dores que o atormentara, porqu*-
0 Diario de Pernambuco de hoja contera u m
um hacha-
do Naza-
reth, que despeltado pela derrota eleitoral de 7
de seterabro ultimo, procura ao raesrao lempo tin-
garse dessa derrota, e defender a memoria de
sou pai, que elle declara ter sido muito honrado
e benemrito.
Gonhecidas as causas desse comraunicado, as
quaes foram tambern as que deram lugar ao pri-
raeiro comraunicado publicado contra o Dr. Joa-
quim Francisco de Mello Gavalcanti, esta conhe-
cldo o motivo, por que o Sr. Miguel Bezerra de
Abreu, pretende refutar o communieado, era que
por este mesmo Diario respondcu-lne e defendeu-
se o Dr. Joaqnim Francisco, nao fez mais do que
ladear a quesio, aceitar as conflssos, que nenes- ttovlento da allande
ta nente fez o Dr. Joaquira Francisco, o eatolveu- Volames entrados com fazendas...
se em allusoes grosseiras, que
com gneros.
Voluntes sahidos

com
com
fazendas...
gneros...
764
756
499
947
655
5 DE XOVEMBRO DE 1864.
Cambio sobre Londres 90 d/t. 27 li8 e 27 Mi
i. por 15000-
Dubourcq Iunior, presidente.
GuimarieSj secretario.
Alfaudega
Rendimento do dia 1 a 4........ 93:810*6
dem do dia 3 ................. 36:749*830
Dcscarregam no dia 7 de noveubro.
Galera francezaSolferinomercadorias.
Barca ingleza-flonaimercadorias.
Escuna hanoveriana-Joannt
generes.
Sumaca Uespanhola Paulavinlios.
Importaos.
Fredtrickditersso
Escuna hamburgueza Regina, entrada de Ilam-
1 TAKlKKft!lH,r0por Marei. cousignada a Rabe Schmellau
lJO-.o#o; ^ c., manifestou o seguinte :
. ariamente nao se
julgo indiscreto ornen dasejo, quando o publico o dirgem) na(n poderiam jamis ferir o carcter
em tomado sua conta I .do mesmo Dr., muito superior ao de todos e quaes-
Entretauto como o ofBcio do tempo e gastar lo- do seug etractoreSi patentes e eccultos,
das as cousas, bera pode ter acontecido, que V. o- j ja Q jr Br joa(|Uim Francisco mostrou quaes
tenha perdido de todo a vergonha, c n'esse ca$0' as causaSi por que se recorreu a polica para a-
que importara a aeco rigorosa daieix... ; prehenso de beus pertencentes aos devedores de
Deixaodo de lado este assumpto que a ja de- eu. .
generando em nm tratado, approveito anda a oc- Q pub,jco devia ter flca(j0 jatisfeito, sendo que
casio para agradecer a V. S. a Aora_com que; Q mfijo n-Q pde ser justi6cado, apesar das cir-
899 caixas genebra, 21 barricas alcatro, 3 far-
I dos saceos vasios e 10 toneladas de carvao de pe-
! dra ; aos mesnios.
iHNDI t ALFANDEGA DE PERNAMBUCO NO MEZ DE OUTUBKO DO
CORRENTE ANNO FINANCEIRO, COMPARADO COM O DE IGUAES MEZES DOS DOUS ANNOS
LTIMOS.
me fez digno do seu drama, que e a maior P'?"; cumstancias, em que ento achatam-se as juslicas
Importayio.
Diratos de importac5o para consumo.
Ditos addicionaes de 5 %.....
cwsidade do seu beslunlo,
dos seus inimigos
para confusao c inveja
de Nazareth, quem deve responder pela incuria-
liade dos meios a autor idade, que os concedeu,
Ditos addicionaes de 2 / .
Ditos de baldeacfio e reexportacao
S,m,"re7peitTve. senbor, aquil.o nao um l.vro, ^"Tp.^0 os re^uis^'p^ que = I ?*" C ^^
8 um thesouro, raasuin thesouro inestimavel, por .,_._. ra uma Darte os meios francos, que em-1 Q A F,c* ',L'{r
nuen'elle se encontrara os rasgos profundos do. "T* n* S^le^etedores reraisst e pro- Expediente dos gneros cstrangeir
a Costa
o
que
seu estrondoso mtellecto !
Apenas oprincipiei a ler, pareceu-me logo ditado
na escola de Platao, onde o amor philosopho e a
I philosophia amante.
Joo Loureneo Se acaso me licito poder em tal materia fallar,
' drei apenas que V. S. foi duas *ezes pintor, uma
prega para se pagar de devedores reraissos e pro
tegidos com atropello da Justina.
Persuadido de que o communicado ssignado
pelo Sr. Miguel Bezerra de Abreu, nada inais' con-
tera que mereca a altencao do publico, poiselle
nao reteria o q'ue disse o Sr. Dr. Joaquim francis-
co, e somente teve como essenclal elogiar o pai
s
KM promotor appel.ado, Manoe! Jos ^^J^Stl^^^^^^ t^SS*''** ^"^ "^ *
^deserabargador Almeidae Albuquerque ao ^^5^^*
Sr. desembargador Assis
.4 appellacao civel.
Appellante, Joao Forreira da Costa Imbuzciro ;
appellado, Joo Jos da Silva Couto.
O Sr. desembargador Assis passou ao br. aesem-
bargador Doria
A appeUai-o crtme.
Appellante, Procopio Gomes Abbade;
appel la-
Desde a raiz da rvoro (dizem os botnicos),
corre pelo tronco um sueco que mais tarde se con-
verte em pomo : do coracao do V. S., isto d) seu
livro, saben urnas paterna tao 9ubstanciaes e de-
liciosas, que logo em mira |>roduzem sorano, o que
uma maravilha, destinada taltez a banir da me-
decina, o uso soporfero do opio I
O homem, como diz Hesiodo, deve imitar a trra
' que da sempre mais do que recebe.
cstrangeiros nave-
gados por cabetagera
Ditos dos gneros do paiz .
Ditos des gneros livres. .
Armazenagens......
Premio dos assignados *
Despach martimo
Ancoragem.......
Ditos de 13 9/0 das embarcacoos estrangeiras
que passam a nacionaes
"Ve
caeoes .......
Exportarao
1864 1865
1863 1864
Ditos de 3"/, na compra e venda das embar-
da, a juslica.
Anncllanto mSSgSm Bastos; ap-1 n^sTrazHo'quepara desaggravar-me de V. S. de-
BtfS&tSS L'ereiradeFa- iJm-S----^^- seu
acrescentareinos,
Era nomo do Sr. Dr. Joaquira Francisco, porera,
protestamos contra qualquer cousa, que por ven-
tura o possa prejudicar, e assiiu faremos por es-
tarmos certos, que elle nao tero acto algum em
sua vida, que possa faze-lo desmerecer na
estima publica, de que gosa tanU era Nazareth, .
coraonestacidade, e em toda a parle, em qu e e K2!$2Xro
conhecido.
Recife, 3 de novembro de 18b*.
P. de S.
Direitos do 13 % do pao Brasil
Direitosfde 7
pellad
rias-
afamado talento e Ulustratfio 1
Appel.^,, bachare, Bernardo Duarte Br.ndao **j+^^(Z^S^Z
^ttSX^'l^Sr. trabar- $Z>T Cera ioclarabLs para darera luz 1
mZftoSEflSSS ao "t*0 d0 entendimento, leva os bracos crasa-11
gador Uhoa Uv ^ ^ ^"^ de as m,0i e5Condldas
Appcllanms, Santos i Rolim ; appellado, Jos : para nao ser castigado I..
Horeira Lopes. ...
Appellanle, Dr. Jos Angelo Marcio da Silva
appellada, a fazenda. _. ,n\ Pr'lu(6
Appellante, Vicente Antonio do Espirito banto ,. trato
appellado, *^g*Sk I J^J?. raodesliaque me cale, penmttindo
^ante, Francisco Ferreirade Souza; appel-1 ^-5-^- jSSSfl
PUBLICARES 1 PEDIDO.
Espero que V. S. receba com eslimagao esso
importante mono, (como Ihe chama o raeu criado),
n'ello ver V. S. a copia Qel do seu re-
dilatar-me em assumpto tao fecundo,
Ditos de^/t dos diamantes.
Expediente das capatazias.
Interior.
Multas........
Sello do papel flxo .
Dito do papel proporcional.
Emoliiinenlos
Vicente Ferreira.
Appellante, padre Jos Antonio dos Santos Les-
sa ; appellado, Jos Pinto de Magalhaes.
Appellaute, o promotor ; appellado, o eseran
Appellante, Antete Justino Barbosa de Lima ;
appellado, o juizo. _
Do Sr. desembargador Domingues daSilvaao sr.
desembargador Caetaoo Santiago
As appellacoes civeis.
Appellanto, D. Juanna Mara das D ores 5 appel-
lado, Jos Hygioo de Souza Peixe.
Appellante, Jos Ignacio de Brito; appellada, u.
Joanna Evangelista de Mello.
As appellacoes crimes.
Aonellante. o promotor ; appellado, Joao r^T-
A|ipellante, Antonio Carlos i'essoa w,ni>e*-
a juslica. ^*
As i horas da tarde^enceriaJi-se sessao.
solaijao, que mu
' basta para V. S., ese mais dissera, seria pouco...
Para crdito do seculo, honra das leltras, e maior
escravido da minha obediencia, prospere Deus a
vida do V. S. por dilatados annos I Seu respeitador
e criado.
Novembro 4 de 1864.
Ordrage.
Londen : BrasiSan
uited).
Capital do banco 15,000 arges
a 100.......
Acedes emiltidas 11.000 a UlOO
Capital pago a 40 por aegao.
Bank ( M-
< O partido conseryador raorreu ; altvantou-se
sobre as suas ruinas o partido progresista^, aquem
est destinado o governo perpetuo da nacao brasi-
leira.
Eis o prego mercenario, que de cerlo tempo a
esta parte lera procurado dar curso legal a esta
r dentro ni potieo a estes ia?lflfbHMfa0MaJws
tas pastoraes egostas, a estas idades de ouro, em
que os seus principaes aran tos sao os primeiros a
nao acreditar.
Apezar de todas esias pregacoes assalariada?, a
UMA SAUDADE.
No da 2 do corrente deixou de existir na
ilha de Itamarac, otenente-coronel JoaoCor-
deiro Falcao, cuja vida de 70 annos, foi o
modelo de bem aprecaveis virtudes. 0 vene-
rando ancio, cuja perda tanto deven pran-
tear os que, como nos, de per lo o conheco-
ram, deixando de pertencer a communhaa
dos vivos, legoa-lbes anda as ultimas ho-
ras de sua existencia edificantes exemples
de boa catholico que sempre o foi. Conne-
cendo que se apropingavao instante extre-
mo de seu passamento, Joo Cordelo esque-
cc o mundo, e absorve-fo todo na fembranga,
de que vai comparecer na preseftea do Al-
tissimo; pede e recebe os ltimos sacramen-
tos com o espirito robustecido pela, crengade I
seus pas, que cora tanto esmero c-ultivra, e \
assim expira...
Choremos a perda do tao extremoso ami-
go, mas choremos misturando as Uossas sau-
dades de humildes supplieas a Altissimo
pelo descango eterno de sua alma.
Recife, S de novembro de 1864.
Imposto dos despachantes .
Extraordinaria.
Receita eventual.....
819:511^136
lll:89t068
169A707
345041
3173544
1:9635879
1515830
1:3375089
5
1:9225-400
5
5
84:0355568
5
5
5
1:8275380
1:3015191
3685200
685060
655200
1255000
195360
322:5235776
44:6335039
805247
235977
3875269
7305714
3365418
2:1725219
i
1:3625000
1862 1863
Dizimos da protincia das Alagas.
Ditos da provincia da Parahyba
Ditos da provincia do Rio Grande do Norte
Contribuico de caridade.......
1,025:5075853
395600
10:0275884
1:4275972
7095123
75350
31:7295923
5
1:2365680
4985807
3695580
605520
295000
815230
185800
253:3675786
32:9165153
943973
1825303
5
4105265
8813369
3243197
3:0385005
5
1:2865280
5
1:5795750
33:6975630
65656
5
5
1:0335380
3405299
5775900
1185990
255000
II253OO
Primeiro dislricto da boa-Vista, ti ae oolnbr
de 1864.Tnomaz Antonio Mciel Monlriro.
Nada mais se continha em dita sentenra, em
virtude da qnal se passou o presente edittl rn o
praso de 30 dias, e pelo qual se chama e riu a
Manoel Soares de Moura para que dentro do praso
de 30 dias comuareca por si oo seu prnriirador
bastante para s proceder aos termo- da conolia-
go na forma requerida na petigao dos jasiiran-
tes sob pena de retelia, e a qnalquer mura p*->oa
para que Ihe faga sabedor de>ia ciiacao. O por-
teiro do juizo publicara, e aflxara 0 prseme ao
lugar mais publico deste dislricto, e sera puMez-
do pela imprensa. Dado e pass id.) Mi
do Recife de Pernambuco primeiro
freguezia da Boa-Visto, aos ti de oiitubro de W
Eu Francisco de Barros Gm* smMM o es Thomaz Antonio Manoel Monteiro.
O lllm. Sr. inspector da thesoorana r***s
cial, em cuniprimento da ordeni d<> Kxm. Sr pre-
sidente da provincia de 8 do wms, manda urr
publico, i|uo no dia 10 de novembro prximo Tin
douro, perante a junta da fazenda da me. ste
ouraria se na de arrematar a quem por raei
zer o costeio da Iluminarn publica da rulad* do
Rio Formoso por tempo detres annos, a contar do
Io de Janeiro de 1865 ao nm de dezembr de 18*".
avallado o costeio de cada lampee em SIN res
por dia.
As pe>soas ene se propozerem a esta arraara
comparegam na sala das sessoVs da me>ma joita
no dia cima mencionado pelo meio dia. competen-
temente habilitadas, aonde encontraro as coadi-
goes da mesma arrematacn.
I-: para constar se roandou publicar o presettie
pelo jornal.
Secretara da thesonraria provincial de Pernam-
buco, 10 de ontnbro de 1864.
O secretario.
A. F. d'Annumago.
DECLA1AC0ES.
65991
Iu|tccvo do arsenal de -
rlnha.
De ordem do Rlm. Sr. nspector toco publico v
este arsenal contrata Iwns earapinas para o se
servico e das obras de Porto. ^^
Inspecgo do arsenal de marrana de Pernaroba
co, 31 de outubro de 1864.
O secretario.
Alexandre Rodrigues dos Adjo.
Arre na laca*.
No dia 7 do corrente mez, depois da aodiewia
do juiz de paz do 2o districto da Boa-Vista, tn dte
ser arrematado o seguinte. uma armago cu bal-
cao e uma balanga de Romo A C. avaliada* fin
355, por execugaoqne move Antonio Ignacio Braa-
do contra Manoel Francisco de Paola, rojos b.-ns
j foram annuneados, e tran>ferida a arreraala;
publica para o dia cima.
De ordem do Dr. iuiz de direito da
1__1___ 1.:. _.__:. i. t ...... l?...,,i. D
406:3035589
185450
4:6035833
6765029
2295800
1,037:7125434 412:0315701
350:2003630
2343720
9275527
5125620
1675640
354:0435137
Alfandega de Pernambuco, 31 de ontnbro de 1864.
O 3 escripturaro,
Joo Bernardo Diniz Pessoa.
Reeebedorla de rendas Interna
geraes de Pernambuco. 1
Rendimento do dia 1 a 4........ 3:6655625
dem do da 5................. 1:0983241.
wm--------------- l
4:7635866
BahaPatacho brasileiro D. Imz, capitao Jos
Texeira de Azevedo, carga differentes gneros.
EDIT1ES.
Consulado ProT,ncU.V(m879
Rendimentodo dia l a 4.......... S^S
dem do dia 5..................
9955998
H.
f
Salsa parrlfna de Brlst
r
4:0465877
PRAGA DO RECIFE
& BE XOVEMBRO BE iSO*
AS TBES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambio........Saccou-se sobre Londres de 27, mas, duas salas, dous quarlos, cozinha fra, um
G douior Trislao de Alencar Aranpe. offlcial da
imperial ordem da Rosa, juiz de direito especial
do commercio desta cidade do Recife de Per-
nambuco e seu termo, per Sua Mageslade hnpe
rial e Constitucional o Senhor D. Pedro II, a
(juera Deus Guarde etc.
Fago saber aos que o presento edital virem e
della noticia liverem, que no dia 21 do mez de no
vembro do corrente anno, se ha de arrematar por
venda a quem mais dr em praga publica, depois
da audiencia respectiva, a casa terrea n. 47, em
terreno foreiro, sita ra de Santa Rita, freguezia
de S. Jos, tendo porta ejanella na frente, cum ro-
13.333:3335330
ll.533:5.'i59'330
4,622:2225220
A *ala narrilha de Brislol : Os climas dos pai-
do as diviso*-dos partidos,edelimitando os seusar- dades cutneas e ulcerosas E esto pote a razao
raaos, de presente mal definidos pete intru>o, o porque esta preparagao fgJ^S^^
mescli dos exercitos bandoleiros, que, a semeiban- segundad^ proverbial, e ^^JSSS.
ga dos barbaros do norte, vieram perturbar a mar- vel tanto no Brasil como no resto da America he-
cha regular dos aconteetmentos. Surge a queslao panhola. ,a-oi ,.m
noliiica noniue a nnesto social; t-orque a poli- as escrfulas em todas as suas ternteis formas
BA1.ANT.0 DACAIXA FILIAL EM PERNAMBUCO, g.' H^U* ''a la e fecunda uSS,6 a prontamente suecumbem mediante a'applicagao
sciencia, e a controversia dos intereses moraes, e deste poderoso agente detersivo, as chagas se cu-
physicos de um povo, entendida, e disputada, se- ram, asJ^P^^^^J^'^^
gundo as differentes escolas, e as contrarias opi- contrahidas recobrara ua elast.cidade, as .nflam-
nioes. Apoltica zoraba dos loucos esforgos dos macoes e tumores se desvanecen!, os oauww
que pretenden) exclui-la dos. direitos de cidade. Os atalham, os abeessos se seccam e o rhenrnatino
partidos ephemeros evitan, na-as circumstancias so allivia por meio da salutfera operacao.deste
recondozem-na scena poUtiea. Expulsam-na do grande ponfleador o curativo vegetal nao suppri-
Affuaentam- mindo, mas sira extraguindo complelamente.
A verdadeira salsa de Bristol preparada
27 V
27 >/ a 27
.mv ion ue
,d.
EM 31 DE OUTUBRO DE 1864.
ACIIVD.
Letras descontadas ^. .
Crditos sobre diversos, outros
bancos e caixas liliaes, .
Caixa :
Era niouda corrente. .
2,248:3495980
1,605:0635600
786:8255130
4,640:2385710
por
FASS1VO.
Capital fornecido pela caixa ma-
triz ........
Depsitos.......
Crditos diversos, oulros ban-
cos o caixas filiaos. .
888:8883890
2,341:4793800
1,409:8703020
4,640:2385710
Recife. 4 de novembro de 1864.
W. J. Ilaynes,
Accountant.
scena
parlamenlo, apparece na imprensa
na da iraprensa, acode as associaeoes populares.
Fecham-lhe a porta as sociedades populares, e eis Laminan .v kemp, Nova-York e acba-se a venda
ah que a temos 11a praga publica, traduziudo os as lojas de Caors e Barbosa e Bravo & C.
seus direitos desattendidos, era manifestagocs que,
mais 011 menos, offendem a legalidade. A culpa
destes excessos recabe inteira nos governos anecio-
narios, intolerantes, injustos, e exclusivos, qHe pro-
vocam revoluges desastrosas s sociedades, que
deviam tutelar.
Neste paiz ha duas grandes classes de polticos,
inauguradas nestes ltimos lempos: os polticos do
oflicio, e os polticos do necessidade. Os polticos
lllm.
de oflicio sao os que seguem a poltica, nao pelo
enthasiasmo das crengas, nao pelo apostolado das
j ideas, nao pelo desejo fervoroso de realisar grandes
empenlios, nao por verificar no governo a excel-
encia dos seus principios de partido, mas para so-
. bir na herarchia poltica, para conquistaras altas
i posiges pelo exterminio brutal do seus adversa*
Slr. Joaqillm CSerardo de rios, ou para alargar o circulo de suas clientelas,
Bastos. I reeditadas em todos os gremios, e andar na cruza
A" aiore de Joaquina Jos
reir Porto.
Pe-
Couros.......
Carno secca
Arroz..........
Azeitc doce.....
B;ac lilao.......
Batatas........
Bolachinha.....
Caf..........
Cha...........
Cerveja........
Respeilavel eenhor. Nao cabe as minhas pa-
lavras e anda menos as minhas breas, render
graeas ao anonymo, que em sna honradissima car-
ta me d parabens, por haver insetado dignamen-
te tanto a apologa de V. S. cerno a do seu distinc-
tissimo collega !
Os parabens que por tal guisa poda receber,
por militas razes os envi a V. S. como panige-
da das partes ministeriaes, que vo, per vergonha
do imperio, se tornando propriedade prtmj capi-
entis!
Sira 1 os polticos do ofBcio seguem a poltica,
como se inscreve um nome 110 foro, sem seleccao
de boas ou ms causas, como se pratica uma pro-
fisse mechanica, como se exercita uma arle para
que se sent verdadeira ou Ilusoria vocagao. E'
rysia da sua douta cabega, e dos raios maravilho-: uma carreira romo outra qualquer, carreira corta-
sos do seu engenho sempre resplandecentes e per- <' tem, ao cabo de largas peregnnacoes, as suas alvo-
radas nsonhas, as suas primaveras inOoradas, em-
bora esteris de fructos para o paiz I
Sira I Os polticos de oflicio nao lm opinioc.,
nao lm principios, nao tem credo propriamente
poltico. E' um mesclado honroso de protestantis-
mo, e de maniebeismo, que matam loda a seiva, e
unidade social. Constituem todos a mema indi-
visa, e homognea cohorte. Como as confrarias,
sob a santidade da mesma invocago, e do mesno
orago, se alevantam as mais tempestuosas dissiden-
cias, e 3s mais clarnaros.v, e irritantes discu>soes,
assim tambern ne.-la i-avallara andante de polti-
cos, sarapinlados de todas as cores, a unidade do
instituto, e regra sob que mililam nao impede as
mais- ruidosas conte^tagoes, e as mais inhumanas
represalias. A aclivida'de destes phalanges ambi-
ciosas cifra-se toda em dispuiar a mordomia da Ir-
mandade Oblida a vara, posto sobre as espaldas
o manto, todo o trabalho se reduz a gozar do me-
Ihor modo a doce voluptuosidadc do poder, embora
em torno de si rumoregem as multides a pedir
juslica contra as exaegoes, e atrocidades dos agen-
tes da cenfraria.
E' assim que estes polticos de oflicio pretendem
descobrir a pedra philosophal do progresso. E' as-
aveniuras, mas achara V. S. ligeiramente descrip- sim que elles entoam Inmnos de victoria sobre o
tas todas as comparagoes heroicamente dignas de partido conservador. E' assim quo vioarrastando
sua fama, e ainda mais de sua immortalidade I o paiz aos extremos da anarchia administratita. E'
a descrer da ci-
feilos como o naei ment de suas glorias
sim, respeilabilissimo senhor, ouga e logre V. S.
como documentos olTerecidos verdade e justi-
ca, todos esses applausos, embora sejam elles in-|
feriores aos seus merecimentos,- que nao espera-
rain pelos annos, para so tornarem venerados e
conbecidos I
Conlinuando porera com a cruz que me impuz
levar at o Calvario, em descont dos meus pecca-
dos, de novo chamo a V. S. para que me atienda, a
bem da sua honra, augmento do seu nome. e gloria
dos socios do Gabinete Portuguez de Leitura, que
enojados de o examinar pretendem agora rcsolve-lo,
e envia-lo praia, onde o r< fluxo do mar so en-
carrepar de dar-lhe o destino a que lera jus a
sna alia o importante pessoa !
Porin, em qnanto nao chega esse nocturno e
apparatoso momento, bom ser que V. S. contine
a abrir-me caminbo para eleva-lo posteridade,
pelo que me atrevo ainda a offerecer-lhe esta car-
ta (lalvez a ultima) nao menos para o honrar c
distinguir, quo para sa'isfazer a curiosidade do
publico, que o espera aurioso para conferir-Ihe a
cora imarcessicel de lautos triumphos!
N'esta, como as mais que Ihe lenho escripto,
nao encontrar V. S. o estylo fluente que pede o |
gigantesco epilogo da historia de suas f.iganhas e
Conhego, rccommendavel senhor, que V. 9. um assim que vao ensinando o povo a
esenptor de mao cheia, que um philosopho pro- cela das nsiiiuigoes. E' assim
fundo,, que um cavulheiro completo, e por essa magistratura social a um
razao que eu approveito a oppoi tuni lado para ac- acgiio. E' assim que preparan) a ophiiao a ress-
cnsar V. S., que tomando-me por nm simples tir cheia de vigor, e denodo aos successivos ultra-
mercenario mientou desse modo langar sobre mim, ges de eslrangeiro misado. E' assim que parali-
0 o lio e a injuria. sara todo o movimento industrial, fon te de riqueza
Como sei porm que essa injuria nasceu da no- para as classes desfavorecidas, qno j nao encon-
lavel leviandade de V. S.; por isso reprimir) tram emprrgo sua actividad. E' assim, final-
ainda a colera de minha queixa, perdoando de co- mente, que convertem as esperanzas, quo alenta-
ra eiio o ens (lcniinos. No entanto, quando a ram de m US as mais crois decepgSes, o rasgam
Ai que esta vida
Nao leva outro teor ; comp5e-se toda
De curtas alegras longas maguas.
Filinto Elisio
Mais um viajante exhausto da jornada I mais um
vacuo na vida social, e uma estrella de mais no
firmamento I
A mulle leva adiante na sua carreira destruidora
tudo que a mira divina quer chamar a si para pre-
miar com o bem ou cora o nial : sentenga terrivel,
mas verdadeira ; a nossa peregrinagao tem seu li-
mite.
Nao ha muitos dias que um cypreste demais or-
na uma campa despida das grandezas do seculo;
nao ha muitos das que um hospede novo admit-
tido cidade dos morios ; nao ha muilos dias que
um justo demais admiitido perante o throno de
Jehovah para entoar novos e eternos cnticos. E
alm de tudo isso v-se o amigo que chora o seu
amigo, o collega que chora o seu collega, a arle
que chora o artista, o theatro que chora o actor, e
finalmente a confusao dos prantos que choram Joa-
quira Jos Pereira Porto.
E na reaiidade mogo ainda, cheio de vida e de
esperanga, apontando a gloria que Ihe sorvia no
termo do caminbo, vimos este gladiador da arte
desapparecer sbitamente sem embargo dos soc-
corros mdicos que se Ihe prestaran).
Ilootem ria-se porque zoinbava do passado, por-
que gozava do presente, e porque esperava no fu-
turo : hoje choram-no porque o seu futuro se su-
mi, o seu preseate nao gozou, e porque para re-
cordagiio do que era s resta aos seus amigos a
memoria do seu passado.
Foi assim que passou Joaquim Jos Pereira
Porto.
Em uma vida loda publica, qual a do actor, se
nao deu estas provas de talento com as quaes o
nome do artista se torna inimorredor, ao menos
tornou-so digno do nome que linha.
Sua vida foi um conliuuo hdar de padecimentos,
mas durante o pouco tempo que gozou sade, tor-
nou-se digno da amizade daqnelles com quem con-
viva, digno a amizade dos seus collegas d'arle,
que reduzem a digno da estima e consideragao dos seus superiores,
esqueleto sera vida, nem e finalmente digno das atteugo s do publico do to-
das as cidades em que trabalhou.
Hoje que j nao vive, hoje que o Supremo Crea-
dor o chamou a si, res;a-nos que dirijamos nossas
preces ao Senhor, para que recompense com a fe-
[ieidade celeste as suas virtudes neste mundo.
Recife, 3 de novembro de 1864.
Antonio Jos Duarte Coimbra.
27 V*
a 350 rs. por fr., e sobre Lisboa
a 95 por cento de premio, ele-
vando-se os saques elfeetuados
durante a semana 60,000.
Algodao........Vendeu-se o de Pernambuco de
185 a 195 e de 195 a 195200 por
arroba, e o da Parahyba a 205,
o de primeira sorte.
Agurdente.....Vendeu-se a 805000 a pipa.
Os seceos salgados venderam-se
a 165 rs. por libra.
A do Rio-Grande do Sul vendeu-
se de 15000 a 452OO por arro-
ba, e a do Bio da Prata de 25500
a :3:200, ficaudo em depesito
68,281 arrobas da primeira e
19,375 ditas da segunda.
O pilado da India vendeu-se
a 25600 por arroba, e o do Ma-
ranbo a :i-l.
Vendeu-se o de Lisboa a 25600
o galao.
Vendeu-se em atacado a 135000
por barrica, e a relalho de 145
a 145500 ; ficando em deposito
10,000 barricas.
Vendeu-se a 15400 rs. o gigo.
Vendeu-se a 45500 a barriqui-
nha.
dem de 75 a 85 a arroba.
dem de 25200 a 25400 a libra.
Vendeu-se de 65000 a 65500 a
duzia de garrafas.
Farinha de trigo. A de Philadelphia e New-York
vendeu-se a 205000 por barrica,
e a de Trieste a 235000; Bcando
em deposito 800 barricas da pri-
meira. 1,200 da segunda e 3,000
da terceira.
A ingleza ordinaria vendeu-se
com 320 por cento de premio
sobre a factura.
Maateiga.......A ingleza vendeu-se a 920 a
libra, e a franceza a 600 rs.
Queijos.........Os flamengos venderam-se a
25300 cada um.
Sabio..........O inglez vendeu-se a 140 rs. a
libra, e o do Mediterrneo a 120
ris a dita.
Toucinho.......Vendeu-se o de Lisboa a 85300
a arroba.
Vinagre........O de Portugal vendeu-se de 1005
a 1205 a pipa
Vinhos.........Os de Lisboa venderam-se de
1605000 a 2105000 a pipa, e os
de outros paizes de 1655000 a
1905 a dita.
Velas..........As de composigo foram vendi-
das a 530 rs. o pacote de seis
velas.
Bescontos....... G rebate de letras reguloude 9
a 10 por cento ao anno.
Fretes......... Para Liverpool, pelo algodao Va
d. pelo vapor e V: Vor Davio ue
vela.
Leuga..
eaueno uainial. cacimba meieira, e porta que dei-
la para a ra da Praia ue aanu nua, avatMtfa |iur
I.2005, qual petencente a Jorge de Lima e
sua mulher, e vai a. praga por execucao que con-
tra elles encaminha Jos da Silva Santos, e iu fal-
la de licitantes ser a arrematago feta pelo pre-
go da adjudicago cora o abalimento respectivo da
lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandi fazer o presente edital que era anisado
nos lugares do costume e publicados pela im-
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 28 de outubro de 1864.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escrl-
vao o escrevi.
Trislao de Alencar Aranpe.
O Dr. Trislao de Alencar Aranpe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa, e jmz de direito especial
do commercio desta cidade do Recife, capital
da provincia de Pernambuco, e seu termo por
S. M. I. o Sr. D. Pedro II a quem Deus guarde,
etc.
Fago saber aos que o presente edilal virem, e
delle noticia tiverem, que no dia 7 do mez de no-
vembro do corrente auno, so ha de arrematar por
venda quera mais der, era praga publica depois
da audiencia respectiva, os escravos seguinies :
Isabel, croula. du 40 annos de iilade, avaliada
por 4005000 ; Ernestina, parda, de 4 annos de
idade, avaliada por 3005000; Bonifacia, criouia,
de 22 annos de idade, avaliada por 8005000 ; Be-
nigno, filho desla, de 2 annos de idade, avahado
por 1205000; Antonio, rrioulo, de 6 annos de
idade, avahado por 40O500O.
Os quaes escravos sao pertencentes Manoel do
Reg Barros, e vao praga por execugao que con-
tra elle encaminha o bacharel Angelo Henriques
da Silva, como cessionario do bacharel Antonio
Borges Leal.
E na falta de licitantes ser a arrematago feta
pelo prego da adjudicago com o abalimento res-
pectivo da lei.
E
1" vara
criminal Joo Antonio d'e Araujo Freitas Henrwi*s
fago publico que tendo cessado os motivos de suspeigo as causas commercaes, em qce e wn
parte a caixa filial do banco do Brasil nesu ri.U-
de, est marcado o dia de sabbado de cada uma
semana para as respectivas audiencia, as II ho-
ras, e quando ror impedido ter lugar a aadieoria
no dia seguinte. _
O escrivao.
Manoel Maria R. do N.
No da 7 do corrente, linda a audiencia do
juiz de paz da Boa-Vista, tem de serem arreroaia-
dos os trastes segnintes : 5 cadeiras com a-enl
de palhinha, 1 marqueza, 2 banca e I mesa gran-
de, por execugao de T. O. Neves contra P. 11 de
Mindello.
Pela delegada do 3" districto do termo
Recife se faz publico que em poder do desertor do
exercito Manoel Feliciano de Mendonca. foi aporr-
hendido um eavallo que se jnlga ser furtado. r ser entregue a quera provar ser sen dono.
Reparlico das abras huras.
De ordem do Sr. engenheiro cfcea interino d
repartigo das obras publicas, faz piibim
o concurso para o prehenchimento das vaga* *
conductor ter lugar no dia 28 de novembro. m
10 horas da manhaa nesia secretaria, o de
ficantes e escreventes no dia 29 do m- 1
mez.
Os concorren'es serao argidos as nw
constantes do programma ahaixo transcripta, ap-
provado pelo Exm. presidente da provincia.
Os requermentos para io.-cripgao d.^i-anonia-
tos de ve rao ser aprsentados al di.i i'i. 1 porte-
rao ser instruidos com quaesquer dorfn^nto. u
titulo scientlico que altonem a cay-u-idade do
mesmos candidato.
Reparltean das obra* p-uWica= 26 de >>iUut>r< de
1864.
o secretario interino
Manoel Loureneo de Matto*.
Progamma do concurso para coHilurlnres, frail-
eantes e etere'-eutes da reparlico das obr blicas.
Os exames dos concorrenles aos lugares tle con-
ductor da repartig.o das obras poMkas -er.> 4:1-
nunciados pelas fulhas diarias, ce anlecruVnria
de 30 dias.
Os referidos exames con.iaro de parta
!. Elementos de malhcinaticas.
2.* Tupographia e praliea dos instrumentos.
3.* Elementos de a-droneinia.
4.' Dezenho linear e de aquarella.
A primeira parle abraaga : l-xla a arithniclira;
algebra at equagcies do 2 grao, a uma so in-
cgnita ; geometra elementar, al avaluc.au d.-
voliiine-, rom applieac.io a cubago dos atierros e
esravagies ; trignotaclria recielin>-a.
Secunda : jevanlamenlo de |.lanas m-la-
men lo : uso e dsrripgo dos divero. m.-iruae-n-
tos, taes cono ni veis, bussula, L'raphonietn. ,
chela, thermometro, barmetro e redai-.n Je r
torios, ou exposieSo dos trabalhos execuiad>s.
Terceira : systema planetario nnvinn-nlo ao-
nuoediurno da trra; descrfcpeaa da e>p
celeste : medida do tempo verdadeiro, rdi<> e
sideral ; laliludes e longitudes lerrestes.
ijuarta : trabaliios de plantas; perlis loog.-ia-
dinaes c iransversaes ; dezenhos de constror
Os exames para o lugar de praiicaoten**>
rao de duas parte :
1. Lingua nacional, abrangendo a escriptx tes-
tara e analyse gramroatical.
2.' Dezenho linear e de aquarella. ariihmelica
em ludas as suas operages, e geumetria hoear.
Os exames para o lugar de escrevente, roosu-
rao de leitura e escripia, analyse grainmaur.il.
para que chegue ao conhecimento do todos,' ari,nj,melica em todas a< suas operacurs.
mandei fazer o presento edital, que sera afllxado, Ser.-U( examinaaores n ronrurso &* rondiu-
do costume c publicado pela ira-
de Per-
es-
MOVIMENTO PO PORTO.
Navios sahidos no dia 5.
ParahibaBrigne inglez Millecente, capitao John
Greir, em lastro.
Macei Barca nacional Bebedouro, capitao Chris-
tovao Francisco Gomes, carga parte ui que
tronxe de Li- boa.
Aracaj e portos intermedios Vapor brasileiro
Parahyba, commandanle J. J. Martins, carga
differentes (teneros.
Navios entrados no dia 6.
Cardiff49 das, barca ingleza Ann, de 168 tone-
lada, caplao B. Redmore, equipagera 8, carga
nos lugares
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Reci fe
nambuco, aos 26 de outubro de 1864.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade,
crivo, o subscrevi.
Trislao de Alencar Aranpe.
Q lente Thomaz Antonio Maciel Monteiro, juiz de
paz do primeiro districto da freguezia do San-
tissimo Sacramento da Boa-Vista" um virtude da
lei.
Fago saber aos que o presente edital virem que
por parle de Ferreira & Martina me foi feita a pe-
tigo do theor segninte :
lllm. Sr. Dizem Ferreira & Martins, commer-
ciantes desta praga, que Manoel Soares de Moura
igualmente estabelecldo o residente neste distiicto
Ihes deveJor da quanlia de dous conlos setenta e
ura mil oto centos ris principal de gneros cora-
prados para seu eslabelecimento nos dos sopplican-
tes, e de outros de quem sao cessionarios, e tudo
como ser provado em juizo, assim o querem citar
para a primeira deste juizo pena de levelia, con-
ciliar-s cora os supplicantes sobre o deduzido.
E porque tenha-se o supplicado posto em faga
para lunar incerto, requerem a cilacao edilal com
o prao da lei e para o que dignr-se-ha V. S.
marcar dia o hora afim de produzir os supplican-
tes a prova legal, e haver-se o supplicado por cita-
do, lindo o termo do edital para o fim reqm nd>,
dando-se aos supplicantes o resultado da concilia-
go.Pedeni ao lllm Sr. juiz
delirimento E. B. M. Joao ('aciano
qual petigao proferio o despacho seguinte
Como requer.Primeiro districto da Boa-Vista,
21 de autubro do 1864.Maciel Monteiro.
tores. O chefe da repartigo das obras poMtra. -.
dous engenheiros nomeados pelo presidente da
provincia.
No concurso dos pratirantcs e escreventes. e-
ro examinadores pinnas rWM nasmat.r
do respectivo programa.
Depois de concluidos os .-xaxes c Iria a
Qcacao dos candidatos, segundo a habibtae
engenheiro em chefe, fara uma eijosigo ao (.re-
sidente da provincia, cmiiiindo o u jatee sokr*
o merecimenlo individual dos memus caadidalr
ajunlando ipiaesquer con>ideracoes qn d>-v.tm
influir em favor da idom-idade de cada nm dos
concorren tea
Est conforme.
O secretario nterin.
Manoel Lourengo u> Matas.
O procurador fiscal da thesonraiu da convida aos Srs. Dr. J^aquiin Antonio "jr
da Cunha Miranda, Praatter* \ui r Camra
Cunha Miranda, e o bacharel Graeiiiaao 1 r ,
Itaplisla, para WpsrtMUM I Sania d<> nw-g-
ciuso da misma Uieouraria. al.n d
possa assignar o termo de afoia 1 -uto d^ nm ter-
reno de marinas que Iba paftaM*.
Seceo do contencioso da Ihexmrana de fazenda
de Pernambuco 5 de novembro de IS64.
H. do tana Barr -
No dia 8 do crrenle, depm da audiencia A
lllm. Sr. Dr. juiz municipal da I' vara, lea de ir
a praga por venda um acras penhoraoo por ex.
Martins Bibeiro co*ira
Mana de Lastra
,..., d I" V*" l*"l 11.1 'Id inri 1 "I |,I*
de paz dodistricio, ^a,,', ,,, hVrieir.t ,
no de Abreu. Na ~ fcrteiros de l). Antonia I
Y. a
carvao: a Wilson & Hctt.
Baha14 dias, patacho brasileiro Ulysses,
toneladas, capitao Vicente Martins da Nova,eqnl-
pagem 7. carga 2,300 alqiieire.s de farinha de
mandioca ; a Tasso & Irrnao.
Navios saludos no mesmo dia.
AracatyHiale brasileiro Santa Cruz, capitao Jo-
s Victorino das Neves, carga diferentes g-
neros.
ultima praga Escrivo Saraiva.
nspcece d arsenal de narinlia.
Era virtude de dito despacho se proceden a in- Faz-e puiilico que a c >mmisao de i>er:.- .1,
niricSode testemonhas que depozeram sob oju-! arsenal, examinando na forma determinada r.-
rameulo dos Santos ETvangelhos, a respeito da au-1 giil-invn'o annexo ao decreto n l.'!2i d- i !.:
l sencia, e incerteza do lugar da residencia de Ma-1 rciro de 1854. os cacos, machina, rabiara1, an-
de 73 i noel -oaresdo Moura ; e subindo os autos a con- parelhos, mastreaeoes. veame-i. amirra eaarna
cluao, por mim litios e examinados prefer a sen-; dos vapores Jaguaribe e Parahyba, da companlua
tenca do theor seguinte :
Visto provar-se pelo depoimentodastestemunhas
a ausencia de Manoel Soares de Moura, hei por
justificada a sua ausencia ; o escrivo passe carta
de edites cora o praso de trinta dias, e pague o
justificante as cusas.
Pernambocana de navegneo costara, ach<.u todo
esles objectos em regular estado.
lnpecgo do arsenal de marinha de Pernambu-
co, 4 de novembro de IMi
//. A. Bnrbosa de Almn-lr
O inspector,
.
-
lILEGVEL
*


L rio de Perajiifcneo Segunda felra 9 de .%'rembr de 19d.
THE4TR0
EMPREZA
GEtUMKO & COIMBRA.
11a recita di assigaatura
dtnarta-feira 9 de novembro.
Representar-sc-ha e mnito applaudido drama
era 5 actos e 7 quadros
LEILO
DE
Terea-feira 8 do correte.
0 agente Pesua vender por coala e risco de
quem perteocer o a 3o caixas eam excellentes
passas era lotes a voutade : terea-feira 8 do cor-
rente pelas 10 turas da mum rio armazem do
Annes.
CORREIO DE LYiO
OU O
PROCESSO LEZUIQIES
Dar flra ao espectculo a ora e mnito linda
comedia em 1 acto
MUJLHER
DE
BOUS MARIDOS.
Tomara parte os Srs. Lisboa, Teixeira, Pinto e
as Sras. D. Mara Pontea e D. Francisca Badina.
Comecar s 8 oras.
kiim martimos.
Wk
&?>$*"'

COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
?avegaco coseir a vapor.
Paralaba, N'alal, Maco, Aracaly, Cear,
Acarara' e Granja.
No dia 7 de novembro segu pa-
ra os portos cima indicados o
vapor Jaguartbe, eommandanle Lo-
bato, s 'horas da tarde. Recebe
_Pcarga smenlo al odia 3; encom-
nieu Ja-, passageiros e inheiro a frote at s 3
horas do dia da sabida: escriptorio no Forte do
alallos numero i.
"MFANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do sul esperado
at o da II do correnle o vapor
Cruzeiro do Sul, commandaji-
te Alcanforado, o qual depois
da demora do costumo seguir
para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encomraen-
las e dinheiro a frete al o dia da sahida as 2 ho- i
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C
"COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do norte
at da 18 do corrente o vapor
Apa, cominandante Carlos Anto-
nio Gimes, o qual depois da de-
mora do costurae seguir para
es portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada ne dia de sua chegada: encom-
rnendas e dinheiro a fete at o dia da sahida s 2
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
**ara o liio de Janeiro
espralo em poneos dias o brigue nacional
Almirante, o goal j tem parto do sua carga eng-
sala j para o resto que Ihe falu e escravos a fre-
te, para os qu es tem escolenles comraodos, trata-
se com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.___________________________________
Para o Rio de S. Francisco.
Pretende seguir at o dia 10 do corrente a escu-
na nacional Carlota, com a carga que tiver : j
quem nella quizer earregar ou ir de passagem
trata-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra
da Cruz n. 1.
I m escrava cosinheiro, de Bine Jli-
gnel, naco, ida e 30 alaos.
CORDEIRO SiMOES
autorisado pelo liqutdalario da massa fallida de
Jos Marques dos Santos Aguiar & C, far leilo
do escravo cima mencionado.
Terca-feir.t 8 do corrente
Ssll horas da manhaa no armazem da roa da
Cadeia do Recife n. 48.
armazem
a
LEILO
DK
Urna taberna
Ma travessa dos i: xpostos o. 19.
Terf.a-feira 8 do corrente s 10 horas
em poni.
Francisco Celestino Ramos
far leilo por intervengo do agente Cordelro Si-
moes, dos gneros, armacSo e utencilios da taber-
na cima, em um ou mais lotes a vontade.
DK
Escravos de ambos os
sexos com habilidades
.Terea-feira 8 do crtenle H14 horas.
EftaD'RO- SltiiS
vender em leilo urna eserara crioula de idade
20 a 30 annos, ptima cosinheira, engommadeira,
quitandeira etc., e outros escravos com habilidades
e sem ellas.
Na mesma occasiao vender um cavallo bonita
figura com andares etc., cujo leilaoser effectuado
no armazem da ra da Cadeia do Recife n. 48.
LE1LAO
Quarta-feira 9 de novembro, s 11 ho-1
ras, ra da Cadeia n. 53 armazem
DE
Typographia Liberal
Os senhores qne forem credores da typographia
Liberal queirain presentar seos ttulos, de qual-
quer especie, ao S.. Leodegano Antonio de Olivei-
ra, na raesraa typographia, ra das Flores n. 3.
Missas.
Pelo presente convido a todos os Srs.!
Jtvd. sacerdotes a viren celebrar missas]
pelas almas do purgatorio na matriz de SJ
Frei Pedro Gon^alves do Recite no dia 7 do
corrente com a esmola de 20. Consistorio
da irmandade das Almas, 3 de outubro de
1864. O escrivao, !
_________Jos Joaquim Lopes de AlmeiJa,;
A pessoa que quer dafTToOa, dando-se-lhe da praca da Independencia
505 mensaes pelos jaros, pode procurar nesta ty-
pographia urna carta com as iniciaes N. N. N^
Hilario Urbano da Silva, tolicilador de cau-
sas com proviso, propoe-se a fazer cobraneas,
tanto nesta cidade como para oulro qualquer lu-
gar, amigavel ou judicial, ofl"erece-se a quera delle
precisar para tal mister, de o procurar na ra do
Arago n. 28, das 6 s 9 ho as da manhaa e das 3
s 6 da tarde, oa coramaniqaem ao Sr. Joaquim
Rodrigues lavares de Mullo, de quem tambera se
tem encarregado de cobraneas.____________
Precisa-se de 4 8:0008000 a juros, dando-
do-se hypelheca n'um bora sitio na estrada dos
Afilelos ; a tratar na ra do Arago n. 28, das 6
as 9 horas da manhaa, e das 3 s 6 da larde.
COMPENDIO DOLOROSO
que conten o officio de Nossa Senliora das
Dores; o modo de rosar e offerecer a ce-
ra, Din setenario e mais outros esercicios
de piedade e devoco; ordenado pela ir-
mandade dos servos da mesma Senhora,
que se acha erecta na egreja de N. S. da
renta do imperial hospicie dos reveren-
dos padres missonarios apostlicos capn-
cbinhos italianos de Pernambuco, approva-
do por S. M. I., que Deus guarde; dado
luz por devocao do muito reverendo
padre Fr, Placido de Messina.
Vende-se a 30 rs. na livraria ns. 6 e 8
Corapanlata deldade de
seguros martimos e ter-
restres estabeleeida ne
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEI'NAMD'uCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da coinpanhia de seguros Fidelida-
de, lomam segaros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
Ama ou e sera va
Precisa-se de urna ama forra ou escrava quo
salba bem coztnhar e fazer mais algum servico :
pagase bem : a tratar na ra da Imperatriz n. 47,
segnndo andar.
i
O advogado Jos deGodoy Vasconcellos
pode ser procurado na ra estrella do
Rosario n. 34, das 10 s 3 horas da tarde
dos dias uteis.
G4S4 1)4 PMffUMl.
AOS 10:000,000
llllhctes garantidos
A' rna do Crespo n. 23 e casas do cosame
O abano assignado vendeu nos seus muito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que re acabou
de extrahir a beneficio do iheatro de Santa Isa-
bel, os seguirte* premios:
N. 1186 dous quartos com 6:0305030
N. 798 um meio com 1:4005000
E outras maitas de 2005, 1005, 405 205 e 105-
Os possndores podem vir receber sera os des.
con.os das leis na Casa da Fortuna ra do Cres-
po n. 23.
Acham->e venda os da prraera parte da
primeira lotera a benecio da matriz de Goianna,
que se extrahtr no dia 12 de novembro.
Preeos.
Bilhetes inteiros..... 125000
Heios......... 65000
Quartos........ 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 115000
Weios......... 51808
Qnartos........ 25750
____________AfanoeZ Martius Finza
L'ma casa terrea n. 19 A sita ra do Socego, chao i Precisa-se alugar uniibldquTde 10 13 an-
forero, edificada Ira pouco lempo, tem 2 salas e |n0,5 : I"*:"11uirer "lugar, dinja-se a ra de Hor-
2 quartos, cosinha fra, cacimba meeira e quin-1tas *"**
tal murado, rende 2405 por anno.
Pelo agente Euzebio se vender a casa terrea
como cima descripta pelo maior preco que se
achar, s chaves se acham na casa junio n. 21.
Existe para alugar ditas rasas na ilha de
Bemfica, com cornmodos para familia, banbo na
porta : a tratar na rua larga do Rosario u. 36._
O Sr. I'oinpilia Cavalcanti di Mello, acad-
mico do ;* anno, tenha a bondade de apparecer no
largo da matriz de Santo Antonio n. 2.
8?95&
Nesta typographia se precisa fallar ao Sr. Je-
azino Machado liraga que morou na ra Augusta.
Hit PER\MCA\(>
A reunio familiar do mez de novembro
ter lugar na noite do dia 9.
Club Pernambucano, 3i de outubro de
1864.____________________________
Quem precisar de urna criada portugueza
para o servico de rasa de familia, (menos cosiflhar)
procure na ra do Apollo n. 4 primeiro andar.
Precisa-so de um official de funileiro, e *e ttie
paga gonerosamenic, e sonde hornera de condec-
ment tira bom resulUdo: na ra da Cruz 11. 3'.',
loja da bandeira.
ltaphael Fernandes branles, morador na
ra da Cruz n. 31, tem a satisfaco de participar
ao rospeitavel publico, que tem "no seu estaueleci-
menlo, o deposito de rape imperial da fabrica de
Izaac Esuatz da ra Imperial n. 193, o qual ven-
de garantido pelo preco de 15 a libra, e em porco
de 10 libras a 900 rs. e tem amostra da boa pila-
da para os freguezes qne quizerem vir ver.
RIH 1)0 im\
15015 I\. 22
Graide armazem de lisias
Tem a venda :
i Producto> chimii'us mediriaaes
mais importantes em hAMs
2. Productos clnmiri e uten:
par* photographia e miras industrias.
3. Tudas as materias e ulr-n-'-.
empregada na piulnra a oleo e a cot-
ia para pinlorr*. Imlurein*, enver-
nisadores, douradores p vntrareirv*
Jo Pedro das Nevrs,
Gcrenle.
pira da Silva InvfMi faz ceme a*
le publica e prinriiialmcn*- ao r rpo do
commertio que mudoii ,-ua laja d I'asm-iu l'ubiir
para a ra do Crespo u. la
Aluga-se una casa em li<-l>cribe : tratar
com J. I.JM. llego, na na do Tiapi.be n. :I4.
Aluga-sc una ama que ...iba Una aaSSS *
de boa cdndiirta, prelVrin.Ii rs-raa : na raa
e>treita di Hosario n. 32. primeiro andar.
Na praca da Independencia, loja ie oarrwa
n. 33, cotapram-s-.' obras de ouro, prala e petira*
preciosas,! assira como N faz paipai obra it a-
coramend>, e todo e qualquer eoncerto.
Preeisu-e alugar um Vscravo para cinara-
e fazer otaros serviros de rasa de poura familia
na travessa da Madre de Deus, armazem de Brro>
& Silva.
.\a ra eslreila do Hosario u. .1 i
DE
Movis com'i
sejam;
lima mobilia de mog.no a Luiz XIV com ura-so-
f, 1 mesa oval, 2 consolos com lampos de pedra,
Seadeiras de bracos, 2 ditas de balanco e 18 de
guarnico, 1 guarda vestido de raogno, toilet, 1
toucador demogno, 2 commodas, 1 cama de mg-
110, 1 candelabro de eryslal, 2 casticaes e mangas,
3 candieiros a gaz para cima de nesa, 1 cama
francesa, 1 guarda roupa, 4 mesas de amarello, 2
ditas de louro, 2 cabides, bandeijas, candieiros e
muitos outros objectos pertencenles a urna casa de
familia.
Quarta-feira 9 de novembro.
Ra da Cadeia n. 36.
O agente Pinto far leilo por conta de urna pes-
soa que se retirou desta provincia de todos os mo-
vis cima descriptos, existentes no armazem da
ruft ila Codoia n. 00.
Principiar as 10 horas.
LEILO
Para o ass
S?gae com muita brevidade o biate Dous limaos :
a tratar com Tasso limaos.
ara
E esperada do Rio de Janeiro era poucos dias a
salera Minadlo, e depois de pouca demora neste
Kirt seguir para o Para, para onde recebe carga
i frete GOinmodo : qaem quizer carregar, pode en-
lender-se cora os consignatarios Palmeira A Bel-
Iro, largo do Corpo Santo n. 4, primeiro andar.
Pata Lisboa.
Sahir cora brevidade o patacho portuguez Jfi-
rta da Gloria, recebe carga frete e passageiros :
trata-se com o seu consignatario E. R. Rabello, ra
da Cadeia n. '5, escriptorio.
Para o Porto.
O brigue portuguez Umao, sahe com muita bre-
vidade por j ter a maior parte de seu rarrega-
mento prompto, e para o resto que anda falta tra-
ta-se com o consignatario Jos Joaquim Lima Bai
rao, ra da Cruz n. 18.
LEILQES.
DE
Fazendas averiadas
IIOJE
O asente Pinto fara leilo por conta e risco de
/juem pertcncer de diferentes fazendas inglezas
e rao sejam: madapoloes, algodaoztnhos e chitas
avariadas a bordo do vapor inglez Gladiator, isto
as 10 h Tas do dia supradito no armazem da ra
da Cadeia n. 36.
CN.
n
DE
t barris com vinho braneo e 3 caitas
com cuunac.
MOJE,
O agente Pinto far leilo por conta de quem
pertencer de. 6 barris com vinho Mrgalo, sendo 4
lurris de 11 gales cada um o 2 de 22 ditos e
mais 3 calxas com tuna duzia do garrafas cada
tima de cognac, s 11 horas do dia acuna dito a
ra da Cadeia armazem n. 36, aonde ha vera leilo
4a fazendas avariadas.
LELAO
DE
Fazendas lirupas como sejam chi'as,
niadap oo e algoiloziuhos.
^Icganda-felra 7 de novembro.
O agente Piuto far leilo era continuaco ao de
fazendas avariadas e para fechar contas das fazen-
das cima mencionadas existentes no armazem da
ra da Cadeia n. 3G.
NEJI liOIITE
Qaarla-feira'J do corrate s 10 horas
em potito.
DE
10 barricas com a verdadeira
em boies n. 97.
O agente Pinto far leilo por conta e risco de
quem pertencer de 10 barricas com botos de
graxa n. 97, sendo o seu tamaoho em duplicato
ao costume, no armazem de J. A. Moreira Dias,
ra da Cruz n. 26.
graxa
Advogado Alfonso de Albu-
querque Mello,
pede ser procurado a qualquer hora ; as sextas-
e iras, porm, na villa do Cabo.
Urna boa casa terrea para familia
est por alugar-se i ra da Uniao n.:
39 ; quKL.prctender dirija-se ra !
a Aurora n.40- Tambera alugam-
se*as lojas n. 44Vrua ^a Aurora, i
Francisco Pinto Ozorio contina a col-
locar dentes arliciaes tanto por meio de
molas como pela presso do ar, nao re-
cebe paga algnina sem que as obras nao
flquetn a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparares as mais acreditadas
para conservacao da bocea.
livikria mmmm
RCA DO CRESPO N. 2.
BEFRONTE DO ARCO DE SANTO ANTONIO.
01 ,iu!timum,Hie recibidas,
JlnlSl'llUDKNCIA.
n or Carlos Antonio Cer-
Aluga-se urna casa terrea i>a ra Augusta n-
91, cora 2 salas, 4 quartos, cozinliS-fora, qnintal e
cacimba a tratar na ra das Cinco Pjotas n. 140,
ou no caes do Ramos n. 4. ^_
Offerece-se urna mulher para lavar e efigoh-
mar com perfeco : na ra do
tr'ora Mundo N'vo n. 48.
S. Francisco, ott-
D-se bolinhos de vendagem muito b.irn fai-
to?, e paga-se bem : na praca da Boa-Vista n. 1.
lia para se alugar una arela, urna radian e
: Cnsul
deir ..........
Tambe. "'"me separado
Manual "m attribin-
i^oes i s ..
Prwfisiras. ""'-
naJ por J. l
Nova guia dos niizes mnnicipaes o or-
phaos por J. M. P. de Vasconcellos .
: Novo advogado do pavo ou arte de reque-
rer em jiiizw.............
Rojeiro dos collectores, nova edicau muito
gmentada
segundo andar. \\ destes fiuiccionarios..........
: ndice alphalielico de materias, as quaes
. tem applicaco legislacio patria pro-
fazer lodo o aervico interno
milia : na rna da Concordia n. 38
305000
85000
,'WO
. -o
85000
45000
650O0
65000
45OOO
0 Di*. Francisco Pires Jlachatiuggj
Porteila ^
MEDICO OPERADOR
1-Kt.A
Faculdndc de Pars
i Pode ser procurado- roa Nota n. !
4 i, segundo andar. $
No dia 31 de outubro furtaratu da casa n. 21 da
rna do Imperador 11111 l.aluide couro relo, de tres
palmos de eompriinento, pouco mais ou menos,
com pitas brancas, (echadura e mais duas argolas
presas por um cadeado de rosca, e continha o se-
guate :
1 calca de panno azul lino.
i jaqueta do dito .lito.
1 collcte de velludo preto.
2 camisas de madap.ilo lino,
dilas de algodo braneo, tendo todas cinco o
nomeJoaquimmarcado com tinta
*1 chapeo de palhinha escura.
305 em notas, sendo urna de 105 da caixa filial,
e o resto em notas geraes do o, e outras tniude-
za : roga-se aos senhores agentes policiaes a dos-
coberta e apprehensao do ratoneiro e dos objecios
supra indicados, promollendo-se mesmn urna gra-
tificacao a quem nesle sentido poder dizer alguma
rousa, para o i|ue se dirigir ra da Cruz n. 23-
primeiro andar.
Uaixeiro.
Precisa-sede nm caiteiro de li a 16 annos que
tenha pratica de taberna : a tratar na rita do Ran-
gel n. 10.
Precisa-sede ara menino de 10 n 11 annos
para caixeiro d^ taberna, prefere-se que seja por-
tuguez, dando fiador a sua conducta : quem pre-
tender dirija se a ra de S. Jos do Maoguinho ta-
berna.^____________________________________
Na ra do Trapiche 11. 22, precisa-se de um
criado para cosinha.
i DENTISTA DE PARS
i9Rea II
[ Fredenco Gautier, cintrgo dentista,
g| faz tudas as operacoes de sua arte, e cl-
a* loca denles artificiaes, indo rom superio-
ridaHe e perfeco, que as pessoas enlen-
3| didas Ihe reconhecem.
i / Tem agua e pos dentifirio.
mmm-mwmm-mmmi-msm
l^asa para alocar na rna d- frrsi.
Aluga-se a principiar em r de Janeiro prnxia
fulnro o sobrado de tres andar, s <;.i 111.1 do (>r<
n. 9 : quem pretender, dirija-se ao e-ijli.-l-rimea-
to da loja do maaa sobraeo, ou tu d>- n. 1J da
mesma ra.
Precisa-se alugar urna creta qtie aii. 1 ro-
zinhar, engoramar vender na mi, nJ* hna
conducta, paga-se bem : na ra das Craws 3.
primeiro andar.
Alagani-se duas rasa, no Monlrrn aa aaa 4*
Xisto a tratar 11a rna do Crespo n 20 B.
Testamento do ^allo.
'ahio luz o testamento do ualio. obra
para rccreio, iuteiramente differenle V
que existia, impressao lintpa, b.im i-anH, <
broeaara : acha-se a venda na roa do iMpetaiar
n. 15, defroule de S. Francisro.
DK
Trastes e outros artigos de casa
Quarta-feira 9 do torrente s II horas.
Cordeiro Simoes far leilo de diversos movis,
1-rysiaes, machinas para costura, secretarias para
escriptorio, quadros, espedios, relogios, charutos,
iniudezas e outros muitos artigos de gosto como
seja ama rica mesa redonda toda de pedra mar-
more.
Ser effectuado no armazera ra da Cadeia do
Recife n. 48.
AVISOS DIVIESOS.
0 cirurgio Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
Cruzes sobrado n.
meiro andar, por
armazem Progressista, aon-
de o acharao como
Aluga-se urna casa no Cae nanga, sita no lu-
gar do Si-itozinho, margem do rio : a tratar na
ra da Cadeia Velha n. ~ii, loja.
Criado e escravo.
Na ra do Hospicio, sitio n. 8, casa terrea com
porto de madeira, precisase de um criado de bon<
costtimes; o tarabem se compra um escravo do lz
annos para cima, que nao tenha vicios nem acha-
ques.
O dono da antiga falirica de charutos e ci-
garros, sita na esquinada ra de dorias n. 1, ten
do feito reduc^ao nos preeos de suas mercadorias,
convida aos seus freguezes a virem honrar seu es-
tabelecimenlo cora devida proteceo de que carece
por se achar com um variado sotimento de cigar-
ros e charutos finos dos autores mais acreditados
da Babia, cachimbos, fumo para os ditos fura 1 em
folha, fumo americano, dito dito em latas, e diver-
sos artigos para os fumantes, em quanlo a quali-
dade e preco garante-se nao prejudicar os fre-
guezes.
O barita re
mitigada ate o anno de 18.'i7, coordena-
do pelo desembargador Joo Joaquim
da Silva................ 125000
Alera destas receberara-se mais obras de sum-
mo interesse, para os senhores juize-, advogados
solicitadores, etc., etc.
v
para
Ti
o
5)^
cor re i o
R -
Francisco Augusto da Costa
ADVOCADO
Ra do Imperador numero
Quem tiver alguma escrava pira alugar afim
I de cozinhar somente, 011 cozinhar e engommar era
tima casa de familia, annnncie ou procure na ra
do Hospicio, sobrado n. 17.
O Sr. Pompilio ama Pessoa (acadmico)
queira vir ra da Cruz n. 23, primeiro andar, a
negocio de sea interesse particular.
Sitio para silgar.
Aluga-se a casa no lugar de Sant'Anna, com
comraodos para grande familia, tendo a raesraa si-
tio com arvoredos : na ra da Cruz n. 4.
SemprC I Alujase um terceiro andar da casa n. 48
prompto a qualquer hora pa-l^raa.110 Trapiche:atratar arm"cm da
de
36, pri-
cima do
ra o exercicio
sua
pro-
fisso, chamado por escripia
Aos 1O:0OO$O0 e 3:000*000.
Sabbado II do corrente mez, seextrahi-
r a primeira parte da primeira lotera
(H5a) a beneficio da matriz de Nossa Se.
ahora do Rosario de Goianna, no consistorio
da igreja de Nossa Seoliora do Rosario da
freguezia de Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesouraria ra do
Crespo d. 15.
Os premios de i0:0O0fO00 at 205000
serao pagos urna hora depois da extraccao
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuirlo das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Sonza
OlTerece-se urna ama de leito sera filho :
quem quizer, dirija-se s Cinco Pontas, casa n. 89,
qne arhar com quem tratar.
Aluga-se um sobrado de nm andar, altos e
baixes, para morada de urna familia, no bairro de
Santo Antonio : qaem livor annnncie.
O acadmico Pompilio Cavalcanti de Mello
declara a quem o chama ao largo da Matriz n. %
que mora na rna da Alegra n. 2i, onde pode ser
procurado a qualquer hora do dia.
Joo da Silva Ramos, medico pela Cni
versidade de Coinibra, d consultas em
sua casa das 9 s 11 horas da manhaa, e
das 4 s 6 da larde. Visita os docntes
em suas casas regularmente as horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccorridos era qual-
quer occasiao. D consullas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 lioras da manhaa.
Tem sua casa de sade regularmente
montada para receber qualquer doente,
anda mesmo os alienados, para o que
tem cornmodos apropriados e nella pra-
tica qualqocr operacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 35Q0O diarios.
Segunda dita.... 25900 >
Estando permanente a escola central do metho-
do ("astillio na ra da ponte da Cabanga n. 9, o
abaixo firmado pede aos senhores distribuidores
das cartas d'icorrei.), as enlreguom na loja de li-
vros ns. G e 8 dos Srs. I-'igueiroa & Filho, que Ihe
fazera o obsequio de pagar o porte.
Francisco de Freitas Gamboa,
Eaga!
Anda est para alugar-se urna casa em San.
l'Anna de dentro, concertada e pintada de fresco,
muito fresca e cora bastantes comino los : a tratar
na ra da Gloria n. i'4.______________________
A irmandade de N. S. da Itoa-viagem ainda
tem casas de seu patrimonio para alugar, perlo do
mar : a tratar no largo do Paraizo n. 10._______
L'ma mulher honesta e de bons co tumos,
offerece-se para ama do casa de hunera solteiro ou
de pouca familia, para servieos internos : na ra
de -anlo Amaro n *>.______________^____
rinstit Je preparatorias.
O Dr. F. N. Collaco, tendo do leccionar a seu fi-
lho era inglez eplulosophia, admiti alumnos, que
pelo lempo das ferias queiram freqnentar urna ou
outra destas disciplina-, assim como arithmetica n
geometra : os pretendemos dirijam se rna do
Imperador n. 89, primeiro andar._______________
Preci de, ou nm molequo para o servc.i de urna casa de
pequea familia : na ra do UoadgQ n. 9.) se di-
r quera precisa.______________________
Manoel de Sonza Marques, subdito portu-
guez, retira-se para Portugal.____________
Precisa-se alugar ura escravo para o servico
de um pequeo sitio ; a tratar no mismo, ra do
Trempe n. i.________________________________
_ Aluga-se urna boa casa com bous cornmodos
para grande familia, na povoaeao de Tigipi: a
tratar no largo do Carino n. 1-1, ou no mesmo lu-
gar com Luiz Marques da Cunlia._______________
Domingiis dos I'jds Miranda e Meuelau
do* Santos da Fon-ea Litis, por si e sua fa-
milia cordealmeiu',. agradecen! a todas as
pessoas que se dignaran! a
as ultima;
exequias por alma de sua querida 'ft1^
esposa 1). Adelaide de Miranda da Fots?^
Lilis, e Ihes ruga de assislirem a urna n iss
que por sua alma se lera de celebrar no ce--^
7 lioras da manhaa. I
Esmolas.
Segunda-feira 7 do crtenle depo s de
celebrado o oflkio das almas se dislribairSo
esmolas aos pobres quo sssislircn o mesmo
officio na matriz de S. l'rei Pedro Conni-
ves do Recife, de conformidade com o
compromiso. Consistorio das Almas do
Recife, 3 de outubro de 1864.
0 escrivao,
Jos Joaquim Lopes de Almeida.
Precisase de um caixeiro de la aanoe
para taberna : na rita da Florentina n. i.
m M ^Mmm- mm fmWmmw*
& ODr.Joaqnim Antonio Carneiro da Cu- *jf
^ nla Miranda tem t-eu escriptorio de ad- -^,
vugado na ra do Imperador n. 42, pri- JH
M meiro andar.
Consultorio mcdicii-chirurgico na ra larga do liu-
s:iri n. 20.
O Dr. loo Ferreira da Silva regressando sua
casa, continua om o eierclcio de sua profisso,
nao m na parte medica como tambera na cbirur-
gica.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C
i-ffi-nle" do Banco lloio do Porto.
Competentemente autorisados sacara por lodo
os paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
Lisboa, e para as seguintes agencias.
Londres sobre Banh of London.
Pars Frederic S. Ballin & C.
Ilamburgo Joo Gabe & Filho.
Ilarcellona Francisco Hahoba & Ballsta.
Madrid > Jaime Meric.
Cdiz Crdito comraercial.
Sevilha > Gonzalo Segoria.
Valencia M. Perera Y. Hijos.
Em Portugal.
Angra Terceira.lFigueira.
n n* < r> li l> 11 ii n r .1 1
I
fiaJu- :S!
O bacharel Francisco Jos Martns Penn
nior retirando-se para Sergipe nao pode despedir-
se de nenhura dos seus amigos e collegas, e por
sso o faz pelo prfsente, pedindo-lhes desculpa de
o nao ter feito pessoalmenle, offerecendo a todos o
seu pouco presumo naquella provincia.
Terceira dita.... 2
Este estabelecimento j bem acredi- $fS
tado pelos bons servieos que tem pres- j2$
tado.
O proprietario espera que elle conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tem gozado.
I'ede-se a pessoa que achou una beterriniM
que no da 3 do corrente se estraviou de urna luna-
da que vinhada povoaeao do Beberibe, de a levar
ou mandar dar parle no Salgadiulu junto ai sitio
grande, que ser pago o seu trahalho.___________
Angelo Horneo Pinheiro declara ao respeita-
vel publico e principalmente ao corpo do coramer-
cio, quo Manoel Garrido deiXOB de ser sen caixei
ro desde 31 de outubro prximo passado.
Antonio Joaquim de Mello, antigo advogado
nesla cidade, e procurador fiscal aposentado da
thesouraria de fazenda, omprego que servio por
mais de 22 annos, contina a advogar em to los os
ramos do civel e crimo: na rtta do Imperador
n. 44.___________________
Precis-se de nm caixeiro d.- 14 16 annos,
que tenha pratica de taberua c que d dador a sua
Cfndncta, prefere-se Portuguez ; na rita do Rosa-
rio da Roa-Vista n. 2,defronlo da igreja do Rosario
Precisa-so de urna ama : ua praca da Boa-
Vistan. 14.- __________
Firmino Pacheco Gomes declara ao publi-
co o especialmente a*s seus fregnzes, que mudou
o seu estabelecimento de padaria da ra dos Pires
para a praca da Boa-Vista n. 14._______________
AMA
Precisa-so de urna ama qne saiba engommar:
na rna do Trapiche, sobrado n. 30.
Amarantes.
Arcos de Val de Caminha. Guarda.
Vez. Castello Braneo. Guimares.
Aveiro. Chaves. Lagoa.
Barcellos. Coimbra. Lagos.
Bastos. Covilha. Lamego.
Reja. Elvas. Leiria.
Braga. Extremos. M s
Braganca. Evora.
Faro. Fafe. Moncorva.
Oliveira d'Azc- Pinhal. Regoa.
meis. Porto-alegre. Sotaba!.
Penatiel. Thomar. Vianna do Cas-
Tavira. Villa Nova do tello.
Villa do Conde. Portimao. Villa Real.
Villa Real de Vizeu. Madeira.
S. Automo. Faial. S. Miguel.
NOJSIERIO.
Baha. Maranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma prazo ou vsta.podendo logo
os saques prazo serem descontados no mesmo
Banco a razo de i por cento ao anno : a tratar
na ra da Cruz n. 1.
Aluga-se a casa terrea n. 26 da ra do Forte
ou Bairros Ralxos, de 165 mensaes : a tratar na
na do Crespo n. lo, ou .'Streita dn Rosario n. 32.
Aluga-se urna ama para cozinhar e engom-
mar : na travessa de S. Jos. ca*a n. 9.________
Precisase alugar dous escravo-, sendo um
para eozinhar o outro para criado ; ua ra da Ma-
dre de Daos n. 36. primeiro andar.
J_ Precsale de tuna ama para comprar e co"
znhar para casa de rapaz solteiro : na ra do
Queimado n. 7.____________________________
Alogam-se duas casas torreas em Santo Ama-
ro, sendo tima assobradada.proprias para familias:
quera pretender, dirija-se Boa-Vista, ruada Man-
gueira n 20, que adiar com qnem tratar.
Precisase de una ama para tolo o sorvico
de ama casa de pouca familia.
W3RL.IMIHAU93
Isaac Eswtltj
Fabrica do rap imperial.
fsnac Efltafr lera a satisfaco dr partKiparfto-
i respeilavel publico que se arti >'stat'I.TTl.> aai
| Imfifrial n. 1:i com fabrica t rape denotnr
! RAI'K' IMPERIAL, cnj.. rap fabnrado rrnal I
rap de I iiboa, e hiuId meNiar |mr m nuis M
, co o limito mais agradavel > convpiiri cante da SuptrionOMa do tea raa, p.-la PTix'rK^-
ria i o certificado jauto para mais aafajraajra #> roo>
. prailores o filiririaHa lira rraaoawMM pala lria>
resultado do seu rape, garantindo ao uwsaiu lemp
Mt[it que |fosinvaiiHMli" nm urcprun a*ai <>
''..?jj'!Cirtsn rap digno do preca m Ir^s mil trm
a \ibnpominm*4Stiff!''!.a*> o ***
te de ganhar endito em loo.) 3????J^r
bem para chamar attrajfSo u amant'-s da Na pi-
lada como tamben dos etportajom daaaj gnero
tanto para o malo como para .miras provincias, b-
inita smente 0 prejo redutidu d>- ir.il r> BM li-
bra a relalbo e em porcao da 10 Mm a '."X i.o
e em porgo de SO libras a 8S0 ris e em p>>rc*
de 100 libras a 800 ris a em porra de 1000 libra*
com o dvsconlo de cinco por rent m a tres nieze>
do prazo Brota garantida assim a fabrican!'1 r-p-ra
a concurrencia dos senhores comprad..re* ojm re-
muneracao da boa pitada examinada, approvada
amaneado.
O fabricanle franqueia as amostras f;rat-i ia>
seu rap lauto na fabrica romo tam.Vm |no< .Vr">-
>itos ruadaCrnt n. 31 bja do Sr Itapfca^l roa
Direita n. li taberna.
Rrev.'uieiite aprtstnl ira a venda publica ontr
rap fabricado igual ao ijaa s,. {abrtea ajean ain-
da para mclhor, romo tamb.-m : rap priarexa.
rap grosso e mcio-grossi.. ludo a pfeos muiio
mais rednzidos para mais animar os senhor'* p%-
|iortadores deHe genero.
N. B. Nos dias de sabbado a fabrica nio se
abre.
:ehtifk:ado.
Certifico que stibunit-ndo a 'ame a araoMra
do rap denominado Imp-Tial. que aprex-nloa a
esta reparlico o *r haaf E-nai>. McaMi i. -i-
dente na ra Imperial, csaa n. 193, dcrlarou .> pe-
rito nomcado para esse fm, o Sr. Prdro Slaorer.
que nao havia inconveniente algum OOJ ser expos-
lo venda, atiento a que utnbura prrmeio n m-*
ccuiiprom-iia a satide.
Inspectora da sade publira, ao< ."> de onfubro
de 1864. -
Dr. I.yn'itin Firmo Xarter,
Inspector da sade puLi. \i.
Trapiche da Gamina
Al'"anticuado por caria imperial t 26
de niairo ile 1S63.
Este (antigo e imjKii Unte c-i..llerinienio. tmi
dos mais bem montados dofta crk, roo va .ufa-
mos caxias para arrecadacao de a^-urar.-- e i-o-
tros gneros nacoiiacs ou esirangeims laWoaV1
ladas no^lb:las e t >rraak>
de madeira com linchas em atoa e\Un para ar-
rttmaco e safamonto de p'nrn, rom urna |>nf^
sobre o mar, de GOO palmos da ext.-ns. nao o.
timos guindastes, um peweoJ muito praii. o afj
servico, propoe-se a armazenar Waaeaf era rana-,
feixes ou barricas pelo lempo de acia aVtr* it
40 rs. era arroba em sacros.'!!) r*. : asmad-ira
de qualquer qtialidade que f-.reio n.lie .le.,-,;:.1>
pagarao pelos prinwirm ni* Btntt omm quo
aetualinente pagan por tres meies nc.s d^m .- ira-
piches e dos semestre* aaja M seguirem bfa ora
abatimento de 20 por rento : locaba por i >
muito mdicos qaaioojcT mercadaai i OaflBMnaA-
da na stima tabella do r.-gulamenlo da* afm-
degas.
A venda dos gneros nelle depositados, lat-so
rom as mesmas vanUgen* que ..ITererein o- nai.*
trapiches porque a< c.-ndipoe para qualquer |rt
da cidade sao pelo me*mo (troco.
Rio de Janeiro, !"de outunm de l.sf4.
Tendo-se devolvido para o armazem n. ;W
da ra do Trapiche, los Srs. ..nih..ll Nvllor A C.
em lins do mez de selenii.ro ultimo p^io iw*iik>
portador que ron.ltuia 29 ((* do rbia da or.
eslreitas, do kiUo que Iberam aq* -.
e constando n ter sido delles pajajaaajr-, r |0>oa
quem os livor roeobMo hija .!< .Ucfar ;ai. ser
procurado.__________
111 ""
D:
Prccisa-se de un; arahor MfovriHi qno qrtei-
ra prestar a ser capeho de urna igtri-t >. u na
capital, mediante um contrato vantajoao : ; .-!-;urr
que se queira prestar, niriju-se ra das Ct-.ne*
n. 39, primeiro andar.
No trapiche da couipanhi, praca da i-)rpo
Santo n. 19, precisa-se alafsr doos oaaraaaa qo
sejam mocos, nossanies c liis, eronform- <> atas-
te, podero dormir cm casa da pessoa qne o* pre-
tende.

ILEGVEL





Diarlo e PcruakiM Segunda letra* de \vcmbio e 184.
Secretaria da sociedade Recreativa
I ryiiantina.
De orden do lllm. r. Dr. prndenle, convido a
lodos os Srs. socio* para que no da 9 do andante
hajam de comparecer na casa das respectivas ses-
soes pelas 7 horas da noile para o llm de proco-
der-se el*igao d* 2" secretario, bem como tra-
tarse da discusso dos estatutos que tein de reger
a mesma societiade.
O Io secretario,
Faustino Jos da l'unseea.
COMPRAS.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-se bem: na loja de bilhetes dapragada lnde
pendencia n. 22.
Compra-se efectivamente
ouro e prata em obras velbas pagando-se bem :
na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
Compram-so dous escravos que sejam bons
earreiros : na ra do Trapiche n. 13.
Compra-se na ra do Impeador n. 13, urna
ou duas prensas de copiar cartas, ainda que este-
jam em mo uso, com tanto que tenham perfeito o
parafuso. ____________________________
Ourellos.
Compram-se ourellos de panno, qualquer por-
fo : na ra de Apollo n. 20.
Compra-se cobre veltiu
ga Velha n. i.
na ra da Alfande-
Compra-se garrafas e botijas vallas, na fabrica
de licores ra das Cruzes n. 36.
Compra-se para urna enccmmenda urna ne-
grinha e um mnlequc de idade de 10 a 12 annos :
na ma da Cruz n. 1. escripturio de Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C
Compram-se diarios reinos a 43 a arroba
para embrulho: no pateo da Penha n. b.
Compra-se urna escrava que saiba engommar
e cozinhar : na ra do Crespo n. 18, segundo
andar._________________________________
Compra-se urna escrava com cria de poucos
dias, que tenha bom leite, pagase bem: na tra-
versa do Carmo n. 1.
tr'-rrafas
Compram-se garrafas vazias: na rna da Cadeia
do Recife ti. 53.
VENDAS.
jfflSfek
D'IODURETO DUPLO
de FERROeQUININA
DE
wi i
StU
Os elementos que rompoem esta preparaco, o
ferro, o iode e a quina, a collocao no primeiro
grao das preparaccs ferruginosas. Basta attestar
teus resultados ohtidos pelos Mdicos dos hospi-
laes, e osrelalorios dos prcticos maiseminentes,
que conlirmro sua poderosa eflicacidade as
seguintes affecedes:
Mliicou no ungue.
Fraqurca.
AnrnilM.
Chlorone ou Irlo riela.
Mf natt-no.
Affvrcwrm el o ulero.
Suppreaaoca das re-
,*.. r tli>oi'.li' na
Affrrrao pulmonar o
phlhlale.
Maleada* 4'catomaga.
Gastralgia*. -
rri-ila_H'>-p>Tllc. ote.
Con \ al o ron r a de Ion*
un metrallas.
Molestias escrofule-
jmm.
idjpelra.
ob-li ueefio daa lau-
dulaa.
iiiimmr. rolaa.
i Rarhlllauo.
Affeerea oanceroaa*
e > ulilllllerja.
-T"olire typboldea.
' Varlolea, ele., etc.
Vejao se os bulletins de therapeutica medica
e cirurgica de 30 de novembre lo60; a Gazeta
dos hospitaes de 2 dejulho 160, etc., ele.
Alm das pilulas de iodureto duplo de ferro e de
quinina de Rebillon, os Mdicos aconselhao
igualmenie o Xarope diodure duplo de
ierro e de quinina do mesmo aulhor para as
pessoas que nao goslao de medicamentos sob for-
ma ulular e os meninos. Este xarope nao lem
como o xarope 'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-sc c de se nao poder conservar.
Pcc.a-se o folhcto que se d de graca em casa
dos pharmaceulicos depositarios.
Para-se evilarcm falsificacoes, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral em Pars, pharmacia Rebillon,
142, ru du Bac, e em todas as boas pharmaciu
de Franca a dos puizes estrangeiros, ele.
GRANULOS
1SISMTH J|
DE CHEVRIER
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparacoes de
bismuth empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de todos os paizes, para prevenir e
curar as
Olarrheaa ekranlcaa. Ma digestor*.
Dyssenterlaa. Gaatrllea.
ni o HV.iuinago. Galiralglaa, ele.
Dysaepslas.
Os primeiros symplomas d'essas formidaveis
affecces se manifesto ordinariamente por diges-
tes laboriosas, uzidumes, falta d'appetite, pesos
'est6mago depois de cada comida, caimbras es-
tomacac, e, muitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuidio, trat ine-
vitavelmente, que seja:
Molestias de H*ado.
A Ictericia.
Pal pllaeo de eoraeo
Ddrrs no rlaa.
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir cssas diver-
sas molestias e rural as quando sao tomados a
tempo.
O proco de cada frasco 6 de i francos.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
estrangeiros.
Oppreaaoea.
Doren de rabera.
Irrltacvc* de beslga e
da aialrla, ele.
H?5>
>,
FIGADOde bacalhau
em
de
pimesso* de Cberrirr, pliarmaneiiiico
Paris, ra do Faubotirg Uontmai te 21.
Esto dlen de um cheiro agradarel, e
um sabor assncarado o tnico que no tem
en o ijoslo, nem o cheiro do peixe. Oh-
jecto de numerosos relatnos scientificos e
mdicos, este medicamento que goza era
Franca de um successo to raro como bem
merecido, recitado diariamente pelos
principaes medico dos hospitaes de Paris.
O OLEO DE FIGADO DE UACALHO DESINFECTA-
DO ferruginoso emprega-se com os maiores
siicce.-s<'S as molestias em que se empreqa
o oleo guando sao acompanhadas de debili-
dude e ataa.
Deposito geral em Pernambnci ra da
Cruz o. 2* em casa de Caros d Barboza.
LOJAUOBEIJAFLOK.
Ra do Queimado ns. 63 e 69.
Buitreas de choro.
Lindas bonecas de choro que chamam papai e
main.ii, de diversos lamanhos : s as lujas do be:-
ja-tlr, ra do Queimado ns. 63 e 69.
l.nm de pellica.
Lavas de pellica branca e de cores para homens
e senhoras : as lojas do beija-flor, ra do Quei-
mado ns. 63 e 69.
Fuellas para cintos.
Lindas flvellas douradas com lindas pedras para
cintos : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
ns. 63 e 69.
(apellas para uoivas.
Lindas capellas para noivas 25500 cada urna:
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e
e69.
Estojos para barba.
Vende-se estofos com espelho para barba 1Vd00
e 25000 cada um : as lojas do beija-flor, roa do
Queimado ns. 63 e 69.
Balaios para meninas.
Recebeu-se novo sortimento de balaios, com
forma de vanos passaros, pelo barato prego de....
1,5000 at 45 cada um : as lojas do beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Fitas Anas para cintos.
Ricas fitas finas lavradas de bonitas cores para
cintos : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
.n 63 e 69.
Extractos em caixinbas.
Finos extractos em caixinbas com o retrato da
familia imperial: as lojas do beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Sabo em camuas.
Finos saboes em caixinhas rom vanoslretratos :
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Tiras bordadas.
Vendem-se tiras bordadas transparentes e tapa-
das : as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns.
63 e 69.
Jogos de domin
Vendem-se jogos de domin J200 e 1^300:
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63
e 69.
Hallados bordados
Vendem-se babados bordados de varias largura?
e varios pregos : as lojas do beija-flor, ra de
Queimado ns. 63 e 69.
Abafadores de rede.
Vendem-se abafadores de rede de varias cores
800 rs. cada um : as lojas do beija flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Adereeos pretos.
Tendo-se recebido aderecos pretos de novo ges-
to sao expostos venda : as lojas do beja-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Grvalas para senhoras.
Lindas grvalas para senhora 800 rs. e 13000
1,5200 : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
us. 63 e 69.
Espelhos de moldura.
Vendem-se espelhos de moldura preta para sa-
las : as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns.
63 e 69.
Voltas de aljofares.
Lindas voltinhas de aljofares rom cruz de pedri-
nnas imitando brilhantes I000 cada urna : as
las do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Colberes para sopa-
Vendem-se colheres de metal-principe para sopa
250OO cada urna : as lojas do beija-flor, ra d
Queimado ns. 63 e 69.
La para bordar.
Vende se laa para bordar, a melhor que se pode
encontrar, tanto na qnalidade, como as cores,
65400 a libra : as lojas do beija-flor, ra do Quei-
mado ns. 63 e 69.
as mesmas lojas se encontrar sempre grande
sonimento de miudezas boas, e mais baratas do
que em outra qualquer parle.
Na ra do Sacramento da Boa-Vista, casa n.
28, segundo andar, TeadcjpbflHi doce de raj see-
co e de calda, e!e outras qualidades que se qui-
zer comprar, por arroba e por libra ; assim c mo
se preparan) encommendas de qualquer qualidade
'H}(; se qnf-ira. e preparam-se ricas bandejas de do-
^ WWte.hn'n" snnarWas rom frnctas e tioras, e
PILULAS CATBARTICAS DE AYER.
Estas pilulas vegetaes s3o a-
daptadas a todos os usos de um
purgante as familias, pois sao
perfeilamente innocentes, e em
quanio milhares de pessoas con-
fessam com gralidao que foram ,. (hirimada ti 8
curadas por ellas de molestias rua 0 SfSmn
severas e perigosas ;-n3o ha Bonitas caixinhas Sniadeira envernisadas, com
um so caso em que naja suspet- finas perfumaras.
tas do mais leve resultado inju- Outras de papello de diversos tamanhos e goal-
riOSO por seu USO. !menle bonitas, tambero, com perfumaras.
Pnhlieamna anni alalina Ana Linda* cestinha's de vidro com ditas.
r-UDIicamos. aqu alguna dOS caixinhas matando tartaruga com ditas.
attestados que temos de curas
notaveis feitas ltimamente.
Um caso notavel de
Ditas com 6 e 12 frasqutohos de cheiros.
Objectos para baptisados.
A Aguia Branca, na rua do Queimado n. 8, aca-
ba de receber os seguintes objectos para bapttsa-
dos:
Bonitos e bem bordados vestuarios de cam-
braia.
Ditos e modernos chapozinhos de selim e toucas
e enfeitadas.
de setim e merino muito bem bor-
e fio de Escoca, brancas e pin-
obras muito bem
Afleco chronica do ligado.
Illm. Sr.
Jttiz de Fura, il de fevereiro de 1864.
Tendo feito uso das pilulas catharticas bordadas
de Ayer, que me fez favor de dar um vi- Sapatinhos
dro, tendo tirado um resultado nao espera- dados,
do ; padecendo ha mais de doze annos en- dMeias de seda
fermidades do ligado e baco, com o uso *iueas e sapatinhos de la,
das pilulas posso lhe assegurar que estou feitas.
bom, pois ten lo desapparecido um grande Rwi'itna pnifivihn^
engorgilamento que soffiia, muitas dores MJuniiua LiUAitinud
sobre a regiao do ligado e costas, dores de Cfliii msica e sem ella para costura, e
cabefa, inchaejio do ventre, nao podendo, oulras com ; iranjus para barba.
deitar-me senao do lado direito, isso mes- j A Aguia Branca receben novamente um bello
mo procurando posico para ter SOcegO, lio- sortimento de bonitas caixinhas com musir e sem
je me ado livre d'esse padecimenio ; como !"*:'"" C'T?'e outras c"m os arranis neces"
J _. 1 sanos para barba ; assim, pois, quem comparecer
por aqu anda as nao bija, eu como tenho com dnheiro est habilitado a compra-Ios por pre-
este proprio que de casa, lhe rogo man- co commodo : na rua do Queimado, loja da Aguia
dar-me alguns vidros, e o custo elle lhe sa- Branca n. 8.
tisfar, assim bem como do charope de'
cereja, que tive occasio de experimentar ;
em um ataque de guellas que leve urna
preta que com elle curei, fago uso d'elles
Finos e aromticos pos de
arroz
as tosses em minha familia sempre em
bom resultado, e por isso. que peco para
Em bonitos vasos de pedra, porcellana dourada,
vidro e madeira, estes com o coropejenie pincel e
sem elle, em talas de potes de papello, sendo todo
elle de superior qualidade e agradaveis cheiros,
mandar alguns frasqumhos, e mesmo as pi- Emquanto ao prejo, nao se assuste o comprador.
IiiIts nrlp montar i rln7P 'nnrnnp tonhn comprela com dnheiro e sera bem servido na
mas pone montar a coze, porque tentio ,;ija da A Bra ruado Qucimado n. 8 ende
feito uso d ellas para uso da familia e al- tambem se Tendeo separadamente os pinces.
gumas pessoas, todas teem tirado grande ^TTT. -r,^ -mTr, .
resultado; sou A AGUIA BRANl-A
De V. s. atiento ebrigado,
Francisco Ferreira Pae?.
vendendorelogios.
Como nao privativo a Aguia Branca tambem
: esta vendendo muito bons e bonitos reb'gios para
mesa e parede, por precos commodes, por isso con-
; vm a todos aproveitarem a occasio e proverem-
se desse objrcto sempre necessario em casa. Fica
Rheumatismo e ataques hemorrboidaes.
Illm. Sr.
Ouro-Preto, 30 de marco de 1864.
Posso certilicar-llie que as pilulas ca- Pprem reservado paraos relojonros o concert que
.., n_ i r. algum da qualquer de es venha a precisar, pois
tliarticas do r. Ayer sao excedentes, pois
que soffrendo eu dores pelo corpo, e que da rua do Queimado d. 8.
suppunlia ser rheumatismo, (molestia esta
que j havia soffrido ha annos) e soffrendo
llenes! o
O Vigilante est alerta, nao lhe era permittido
dexar pasar desapercebdo sem que nao dsse o
seu canto, alim de annunciar ao rcspeilavel publi-
co o grande sortimento de galanteras do melhor
gosto propriamente para qualquer mimo que ara-
ba de chegar neste ultimo paquete, assim como
muitos outros objectos que recebe por diversos na-
vios, taoto de sua ronta como de eonsignacao que
est resolvido a vender por precos muito baratos
para vender muito e ganhar pouco, e dar extracao
o grande deposito que tem. que espera merecer a
proteceo do respeilavel publico einpregando para
isso todas e as melhores diligencias para que fi-
quem satisfeitos; isto s no Gallo Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Ricos porla-joias.
Cofre de muito gosto por i6000
Cestinhas transparentes lorradas de ma-
dreperla por 185000
Lindas jardineiras. 103000
Bicos cofres com camapheu. 10000
Lindas caixinbas com pedras brancas. 10000
Lindo bailo com calungas dentro, tam-
bem para joias. 165000
Tambalier para ditas. 9000
Cestinhas ditas. 65000
Cosmorama ditas. 65000
L'rnazinhas. 65000
S no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Ricos porta banquetes de diversos gostos e pre-
tos ; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Ricos sintos
com bolcinhas ao lado, a 105, 125 e 155, ditos sem
bolea porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 35500
45OOO.
Bicas flvellas avulsas para sinto, o melhor que se
pode encontrar, a 15500, 25, 25500 e 35 o par;
s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Cabazes nu cestinhas.
At quechegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para meninas trazerem no braco, o mais rica
possivel a 25500, 35500, 45. 55, 75 e 105;
que isso nao ihega para o bico da Aguia Branca, ^"ivt' **', o*wuv, *. o*,
lo Queimado n. 8. 'llanle' rua do &*f 7-
MjWH/llS fltl&S Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
tambem de ataques hemorrboidaes, e de em COpOS, latas e soupeit lillas de Vidro que se pode desejar, assim como de arrega^ar ca-
Vende-se una barcaca de 40 4o caixas,
bem construida e muito boa de vella : quem qui-
zer comprar, dirija-se rua do Trapiche n. 26,
luja.
-SE
um stereoscopo com cem vistas, sendo 37
le Paris, 3 de Saint Cloud, 1 de Fontenai-
bleau, 7 de Versailles, I da Hollanda, 6 de
Vianna d'Austria, ii da Prussia, 2de Wies-
liaden, 1 de Haniliourg, 1 de l'rancfort so-
bie o Meno e 29 diversas, algumas d'aprs
la notare, por 255: na rua do Crespo n.
4, fabrica de chapeos de sol.
Vndese um ravallo sem manhas, de eor
alasio, mantelillo e sao, de sella, mas pega em
eabriulet : quem o pretender, pode ve-lo e tratar
na rna Impeaial n. 40 ; certo de que, o nico mo-
tivo da venda ter o dono de retirar-se para a
corto.
Vende-se u;n cabriole! de duas rodas : na
rua do Arajio n. 37.
Vende-se urna mnramha mulatinha de idade
15 annos, tem boas habilidades e boa conducta:
na travesro rio Carmo n. 1.
Cal de Lisboa.
Vende-se na rua da l'raia, no armazem de Jos
Jnaqiiim da Cimba A C, n. 16.
um ouvido, pois que at j pouco ouvia, e
acompanhado de urna dr no queixo, cn-
sul tei a um dos nossos mdicos, e este me
disse que devia fazer uso da salsa ; porm
lendo eu o almanack do mesmo doutor,
comprei em sua casa um vtdrinho das mes-
mas pilulas e por minha conla
toma-las, e sem as linalisar ach
dores pelo corpo ; e ser
euvido, e mesmo ,V orrhoi-
daes : porfanto c" es pilu-
las as melho entado;
isto^m ^ A
^, ue v. S.
Amigo certo, venerador e obligado,
0 brigadeiro
JoAo Rodrigues Feu de Carvalho.
(
opaco.
A Aguia Branca sempre cuidadosa cm bem ser-
vir a sua boa freguezia, mandou vir e acaba de
receber na melhor occasio os desejadns copos e
as procuradas latas com banhas finas, assim como
urnas bonitas soupeirinhas de vidro oparo com
alegres inscripcoes. as quaes dizem smenle res-
ncipiei a pello as senhoras, e rom tal acert que uenhuma
Sem as Que as vr delxar de comprar 3 nao se enfadar
irei do de ,er a inscriKao flae to merecidamente lhe toca
e quem quizer ser bem servido dirigir-se a rua
do Queimado, loja da Aguia Branca n. 8.
BOJal'XMN
que andam, que choram,
que fa/lam, etc.
uuro-Freto, i de marco de 18t>4. -
Atteslo que tendo feito uso, aconselhado
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
fiquei perfeitameDte bom de urna gastrite
que sofiria e que privava-me de andar aper-
lado, boje felizmente nada sinto.
Augusto Gollatino de Mello.
Falla de apetite.
Ouro-Preto, 24 de fevereiro de 1864.'
Sendo eu affectado do figado ha muitos
annos, e ltimamente soffri falta de apetite,
hoje dou gracas a Deus por achar-me
bello, tanto de borracha como de tartaruga comen-
feiles e sem elle para menina; s no Vigilante, rua
do Crespo n. 7.
Mais leqnes
com pequeo defeilo, leques de sndalo com pe-
queo defeito por barato prego de 85 e 105, ch-
neles muito bonitos tambem, pelo barato prego de
45"e 5, bentarallos muito bonitos, tambem por ba-
rato prego de 45 e 55, leques de charo tambem
por 45. tudo isto para acabar, perdendo-se tal-
vw. 80 por cento; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Pulsciras.
Lindas pulseiras de contas e de missanga, cores
muito lindas e de muilo gosto a 15 e 15200.
Para segurar manguitos.
Tambem chegaram as liguiuhas estreitinhas de
borracha que as senhoras tanto precisara para se-
gurar manguitos por ser muito commodo e muito
barato, a 320 o par; s no Vigilante, rua do gres-
po n. 7.
Leqnes.
senhoras como para
de 125 e 145; s no
n. 7.
Oc mndroporola tanto para
meninas, pelo barato prego
Vigilaute, rua do Crespo
Penles
A Aguia Branca, na rua do Queimado n. 8, ani-
mada pelo aprego que a sua boa ireguezia sabe
dar a essas boas novidades, mandou vir e araba
fl''E'sbT.,,m extraordinario soitimento de boni-
tas nonecas, que annam que laiiam, que cnoram,
e oulras muitas de diversas qualidades como dan-
sarinas, soldados, atiradores, etc., c todas mu b'em
vestidas; assim, pois, a Aguia Branca opera a
concurrencia dos apreciadores do uom, cert s de
que
me
de
Canelas.
Biquissimas canelas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baralissimo preco de
15300 e 25-
Sapatinhos e meias de seda.
Biquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
mhas de diversas qualidades, retroz, tesoura Rilados, assim como meiaszinhas de seda, gorrazi-
. .-e outros arranjos precisos, assim romo amostras de nbas e lounuinhas para a criancinhas se bautiza.
8 perfeito COm O USO das pilulas catharticas bordados ou marca, etc., e lados apregoscom rem; s no! Vigilante!,rua'SSSSUl.
... ... ... ,u uwo 1111 twnuui *-;j ut ji'iii, arca a mm i a.mli n
ie acharo preg razoaveis e serao satisfactoria- 'ambcm chegaram os riquissimos pentes de concha
nte servidos urna vez que compaream munidos ? ,arr!jruPa e de massa lina, que se vende por 25,
dinheiro. 35 c 65; so no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
J ft
Ir (I
A Aguia Branca, na rna do Queimado n. 8, ven-
de caixinhas necessarias para costura, as quaes:
tem "
do r. Ayer.
Antonio Rento Vieira.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz da melhor qualidade a
I MI a lata : nos armazens da rua do Im-
perador n. 16 e rua do Trapiche Novo n. 8.
IN.IECCA0 BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
antigs e recentes, nico deposito na ho-
cica franceza, rua da Cruz n. 22, pre-
0 30_____________________________________
Vende-se um selim mglez com seus perten-
ces, em bom uso : atraz da matriz da Boa-Vista
u.8.
viimio m\m
No armazem da Aurora Brilhanto lia o melhor
vinho verde que tem vbldo ao mercado a 480 rs. a
garrafa o a ranada a 35300, muilo proprio para
a prseme eslago por ser menos carregado em es-
pirito
Vende-se urna carroga bem construida e com
pouco uso, c um boi do servigo da mesma : no
JORO da Bola, junio a padaria do r. Jos Cecilio
Cameiro Honietro, na iravessa da rua dos Pires,
couliecida por largo do Sebasliao.
Vende-se una taberna em blinda,sita na rua
los Qiiatro Cantos n. 4, em urna das melhores lo-
calidades, cmn poucos fundos : a tratar na mesma.
A Ibuns.
J. Falque previne os seus numerosos fregnezes
que elle acaba de receber pelo ultimo vapor fran-
cez um esplendido sortimento de albuns para re-
tratos, de diversas qualidades e gostos, sendo para
20 aui 200 retratos e de 25 605 gradualmente
Alnos pequeos proprios para meninos de 18
36 reir inhos e de 15 15600.
Albuns para deseado do diversos tamanhos e
gostos de 55 305.
Livros de. missa, de tartaruga, madreperola e
marino, por presos razoaveis.
-4 Rna do Crespo 4
RELOGFOS;
Vende-se em casa de Johnston Pater
C, rua do Vigario, d. 3. um bello sorti-
meuto de relogios de ouro patente in-
glez, de um dos mais afamados fabricantes
de Liverpool, e tambem urna variedade de
qowosurancens .ara os mesmoslt
Constiparlo, dores de caliera.
Ouro-Preto, 28 de marco de 1864.
modos.
BAHDS DE TARTARU-
GA PARA COSJ RA.
Voltinhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato prego de 15 e 15200, as
cruzes avala asa 400 rs.; s no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Golinhas.
Biquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 25, 25J00 e:i5;s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Enfeites para senhora.
lliquosissim enfeites com laco e sem taco e de
A Agina Branca, na rua do Queimado n. 8, re- outros^muilos gostos a 15, 15300 e 35 : t' no Vi-
cebeu essa excedente tintura para cabello, cujo guante, rua do Crespo n. 7
tres das, de sorte que estou no ffirme pro- e**ito 6 rpido e proveitoso, rindo ella munida de Trancelins
psito de aconselhar o uso das ditas pilulas ^^"S'^n6'1' PrU,guez' ondi (luallfluer: Lindos trancelins oe eabellonara relogia ou lu-
a todas as pessoas que forem affectadas de ^.S^Tir^^S^ S &T pre? & ^ di's de
constipagoes. tambem hydrocalliir.chia, agua para Ungir rabel-1 .L,ainh
Agostinho Jos da Silva, negociante de fa- lop. eotorieomo para lustrar os daos, e onyrhro-! u3""1""0 ntremelos.
ZCndas. mantina para limpar as unhas, e callicomiphila, -
-----------------------. pomada de que se pode usar sem recejo de offen-
Irrilaco do estomago. d?r a0 bello preparado. Os pretendentes acha-
A Aguia Branca na rua do Queimado n. 8, ven-
Atlesto que acnando-me atacado de uma de bonitos baos cobertos de tartaruga e de diver-
forte COnstipacSo que trouxe-me dores por sos tamanhos, mu proprios para costuras e joias.
todo o corpo 8h^i cabeca, soffri horrivel-
mente por espacn de quatro dias; entao
um amigo aconselhou-me que tomasse pi-
lulas atharticos do Dr. Ayer : com ellas fia
quei sao e completamente restabellecido em
para Ungir cabello
Extraordinaria liquidaro de rateadas para a fes
por baralissimo preco, Unta para a auto ceaM
para a prara, ia laja km ronhrrida te Irara,
roa da Imperan iz n. SO de Laareart P. I. tai-
maraes.
Ao baraleiro da Arara a 1)5100.
Vndese cortes de cimas rom 10 rotados a
25400, ditas franceza a 35200, ditos de ca*a a
25, dita de salpiros a 25400, 3e 45 o'corle. tara
. apurar dinheiro : ca ma da Imperalrix n. 5C, lo>
! da Arara.
Caries de la a Hara Fia a S. e \*5.
Vende-se cortes de la rom barra, os propria-
! mente a Mana Pia a 85, e 165 : na roa da Impe-
! triz, loja da Arara n. K
i A Arara rende alpaca para mlide de senkera a
:;tit 1 rs.
Vende-se alpacas de lindas cores has para ves-
tidos de senhora a 360 a 400 rs. o covado, laazi-
nhas para venidos de senhora a 240, 320 ii t>. 200
; e 600 rs. : na rua da Iraperatriz o. 36, loja da
: Arara.
Lias litas de cares a COO rs.
Vendem-se lazinhas lisas de 1 ores, a saber:
roxa, enramada, rr de lirio, cor de caf e r",r de
cinza, para capas e vestidos de senhora a 600 re. o
covado, ditas de llores a 240, .20,400, OO e 3CO rs.:
na rua da Imperatnz n. 56, luja da Arara.
Colchas da Arara de 2-j a lo.
Vende-se colchas de chita para cama a 25, ditas
de damasco a 45, ditas para cuberas a 320, 360
e 4i0 rs. : na rua da Imperatnz n. 56.
A Arara rende corlea de calcas a 1**00.
Vende-se cortes de ralea de brim a 15600 e 25.
ditos de casemira a .15, '45500, e 55 : na rua da
Imperatriz n. 56, luja da Arara.
Kaupa frila da Arara
Vende-se palitots de casemira de cores a 55. 65,
85 105 e 125, ditos de panno preto a x. It>5000,
125 e 115, ditos de alpaka a 35 e 45, diios d
brim de cores a 25500,35 e 35500, ditos de briaa
brancoa 35 e 55, calcas, coletes Liamos, serotlas
francezas a 15600 e 25, ditas a 15280, raani.-as
franrezas a 15, ditas de bnho mglejas, prepa> lar-
gas, a 35 : na rua da Imperatnz n. 56, luja da
Arara.
A ecoBoraia, a saber: eolarinhes ecoiamites a MO
ris.
Vende-se colarinOos econmicos a 600 rs. a do-
zia, meias ctuaspara h< niem a 200. 240,360 e 500
rs o par. ditas para senhora a 320, 400 e 500 rs.,
lencos branros com barra a 200 rs. rada nm, ditos
tinos a 320, ditos de bnho a 5)0, 600 rs. rada o,
s na loja da Arara, rua da Imperatnz n. 56.
Ao harateiro.
No armazem da Arara vende-se rassas a 240,
280 e 320 o covado, chitas finas a 240, 280, 400 e
500 rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 56.
As percalas da Arara a S60 rs.
Vende-se percalas finas para vestidos a 560 e
600 rs.; chitas Irancezas finas a 320, 360,500, 4CO
e 500 o covado. alpaca para vestidos de sentara
a 400 rs. o covado, fusiao branco a 500 rs. o cova-
da ; na rua da Imperatriz n. 56.
A Arara vende musselina branca a 100 rs.
Vende-se musselina branca, tina, a 400 r 50O r*.
o covado, pegas de cambraias finas, lisas, a 35,
45. 55, b e 75, musselina rambraia da India 85.
e 105 a |iega, para vestidos : na rua da lini era-
triz 11. 56.
A Arara vende liras bordadas para miniar usli-
dos branres.
Vende-se tiras bordadas de todas as larguras a
15, 152U0 e 15400 a pega, entremt-ios linos a 15 a
pega : na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Uadapolo da Arara a i.
Vende-se pecas de madapolo enfeMado com do-
ze jardas a 45, dito de 24 ditas n. 30 a f5. n. 2GO
a 65500 E 75 e 85 n. 5 + 85500 e !5. n. a li'5.
n. P F a 115 ZZZ, a 125 a pega, pi ga de aqn do
a 55, dito carue du varea a 65500, dito dom<->tiro
a 75, dito sleupira a 85, dito pao ferro a 95 a pe-
ga : na rua da Imperatriz, luja n. 56.
Bramante de linho de 10 palmas a 2-Si' 0.
Vende-se bramante de llebn de 10 |aimos a
25500 a vara, brim liso a 500,560e 610rs. avara:
na rua da Imperatriz 11. 56.
Panno de linho da Arara.
Vende-se pegas de panno de linho para lenges
e toalhas com 13 1/2 varas por 85500 ; ditas rom
27 varas a 165500 e 185 a peca ; na rua da Im-
perairu n. 56,
Peehincba.
Lenros de seda a 46 t MO.
Vende-se lenros de seda para nao. a 860 r 15,
tarlalana para vestidos, de tedas as ores a MiOis.
a vara, tilo liso ordinario a 320 rs. a vara, un, li-
no a 800 a dita : na rua da linicratriz n. 9t, ija
da Arara.
A Arara *enile chailes a lfOO e 3:5.
Vende-se chales de merino a 15000. l;,io. 65,
75 e 85 : na la da Imieraliiz 11. 56. I. la da
Arara.
Fazendas especiaes para seihoias, l saker :
Vndese grdinhss para .-enbora> a 2'iO. :i. ii |
e 500 rs., camisinhas para ditas a 15. 25. ">l r 15
gravatinbas para ditas a 15 c 15000 : i.a rua d
Imperatriz n. 56..
Soiileniharque da Arara a $$ t $,
Vende-se sinlimlarque. de cons para sir.lrras
a 85, 105 e 125. ditos de grosdinapl. | rei 11,
a 205, 255 e 305, ra as pelas |ia ditas a it ,
255 e 305 : s na loja e ai nazi n> da Arara, ni
da Imperatriz n. 56.
^ ~> 5.5.a ss 9
=a=aQ.5 = =-r
5 a. as w 3
a. o> s,=-3 *
& 4"* B
-.
Ouro-Preto, 29 de marco de 186 i. ^ r"oavel-
Attesto e juro, se necessario fr, que. sof- No armazem de fazeildaS ba-
"Onilr lio imiii.i (.mil.,, nvnrteotft lr***'.4.*^>~s\
ratas de Santos Coellio,
frendo ha muito teinpo excessiva irritaco
de estomago, pouco apetite e diflicil dies-,
to, d'ella tenho experimentado sensiveis;
melhoras depois que tenho feito uso das pi-
lulas catharticas do r Ayer.
Antonio Hermogenes Pereiba Rosa.
Ilua doQueituddo n. 19,
Vende-se o seguale:
Attengo II
Ricas lazinhas, fazenda a melhor que lem viu-
do ao mercado, tanto em gosto como em qnalida-
de, pelo baralissimo prego de 560 rs. o covado.
Ditas miudinhas carmezins, proprias para vesti-
dos de meninas e camisinhas a CiO o covado.
Cortes de laa com 15 covados, pelo barato precc
Lomhriyas.
Ouro-Preto, 28 de marco de 1864.
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas), fo-
ram empregadas com grande vantagem por **M- ,
mim em urna menina de des anana L Cuberas de cima da India a 25500 e 35-
mim era uim uierana oe ue/. annos, que Lences de panno de linho a 25 e 25500.
SOltna de vermes intestinaes, notaildo-se Pegas de cambraia de forro com 8 1|2 varas
que os symplomas que entao apresentava 35200.
eram de molestia bstanle perigoso. Toalhas alcochoadas proprias para miios a 55 a
Ratmcndo Nonato S. de Tiiiago, pharma- duRlc'0S
ceutico. i8
~ ----- Pegas de planillas de
Acvralya. proprias para s.iia a 45-
Uma carta do Illm, Sr. Francisco Alva- Ateodn enrestado com 7 1|2 palmos de largura
renga de Azevedo. a i*100 T$- a vara-
Esteira da India, propria para forro de sala de
i, 5, e 6 palmos de largura, por menos prego do
que soflfria dores que em outa qualquer parte.
cortes de laa com barra Maria Pia a
algodao com 10 varas,
Ha mais de sete annos
no hombro e as costas, lomei uma infini-
dade de remedios sem achar alivio algum.
Dr, anguslia, tormento sao palavras for-
tes, porm nao exprimem o que tenho sof-
frido : ltimamente tomei as pilulas ca-
Ncste estabelecimerito tambem se encontrar
um grande sortimento de roupas feitas, e por me-
dida^_______________________
Vende-se uma excellente padaria sita na rua
do Varadouro, em Olinda, com todos os seus per-
lences, a qualseacha trahalhando, e o motivo da
tharticas do Dr. Ayer. S faz OlO dias, e es- venda por seu dono nao entender do fabrico :
tou Completamente restablecido ; ha tres ,,"',n a Pret"n(l,'r. dirija-se mesma tratar com
dias que nao sinto a mais leve dr no hom- ^SSs^"*0' Q D HeCfe' n pa'C d Carm
bro nem as costas. ,, -j--------------?=---------.------------
i?.o. ...u.. ___. ,. Vende-se uma refinagao com todos os seus
Estas pululas acham-se a venda n^s prm- pertenee, em bom estado, na rua lmperia| n. 201:
ctpaes boticas e drogaras do Imperio, e no a tratar na mesma.
Rio de Janeiro, rua Direita n. 15.
Vende-se em Pernambueo:
na pnarmacia franceza de
P. MAURER & C.
RUA NOVA N. 18.
ir

Vende-se a taberna da rua do Padre Floriano n.
1 5, por se nao quenr dous estabelecimeotos da
i mesma ordem : a tratar na mesma.
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 15200, 15500, 25 e 35; s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Gascarrilbas.
Grande sortimento de cascarrilhas do diversas
larguras, assim como galaozinho e Irancinhas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, rua do Cres-
\ po u. 7.
Fitas.
Grande sortimento de lilas de diversas larguras
e qualidades, por pregos que admiratn aos com-
1 pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
leiros que se pone vender a 300 rs. a vara, e pega
;de 9 varas a 25; no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Filas de la.
Fitas de laa de todas as qualidades, proprias pa-
ra debnin de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7
Ricos espelhos.
Riquissimos espelhos rom moldura donrn la'e
sem ella de 8,3, 105, 125 e 115, assim romo com
cfttumnas de dihVrenles tamanhos a 25,35,45, 55
e 65; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Lindos jarros e liguras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto queaqui
lem apparecido; s no Vigilante, rua do Crespo
,n. 7.
Para pos il arroz.
Riquissimos vasos com hnrela para pos de arroz,
I cousa de muito gosto a 15500 e 25, assim como
pacoies s rom os pos a 320 rs. cada um ; s no
Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos c banhas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
tinctivos e offererimentoa as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de l'aris e Inglater-
ra, assim como os grandes copos dehanha japoneza
a 25 e a 15, assim como outros obj'ectos que no e
possivel |ior boje annunciar, e vista dos frogne-
zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
\Na fabrica de livores
A' rna das Cruzes n 36.
Vende-se o segninto : O ihesourn t bocea, pre-
! parago excellente para a conservan dos denles
e tirar o mo hlito. Genebra de canella, muitissi-
mo recommenilavel por ser estomachira e tomada
aojantar facilita a digesiao.
c r.
38
if-s
G> ~ -J. s B __, ft. 1
~ ce "3 rr> x rr
SwBwSgSag
t ti ^ V3 n
S V.
y _
a>
m

zj cj :. ^> _;
9 I "
S^3!3_s
--
9
a a :
%H fifi
o 3"=' ^
P 8 i I, 2.
9
9
S
5 a.
Biblia da Infaucia.
pelo jhliatli'PjbCiil, da iitimi de l'aris
Obraiintercssantissima para leitura as orlas
primarlas.
Comejea da creagao do homem e eenrlue na vo-
eaean ele S. Paulo.
E' escripia com a maior con-igao e clareza e a
Iradncgsio de uma penr.a ameslrada.
Vem:prelnncher uma lacinia muito sensirel ras
escolasj para as quaes nao havia um livio, cuno o
de que se trata.
A impressao limpa e correcta, e adoptada ao
destino do livro.
Vi-ndje-se na lypograi bla da roa d* Imperador
n. 15, defronte de S. Francisco, a 15 cada nem-
plar enbaderuado.
Rua da Itere le Dcos n. 9.
A iJOOO.
Saceos grandes rom farinha de mandioca pelo
barato prego cima mencionado.
Vende-se urna bonita escrava crioula de ida-
de 25 annos, pouco mais ou rouaoM qual sabe fi>-
ser, engommar e fazer o mais servigo interno de
uma rasa : a tratar ua villa do Cabo com Pedro
Fernandes da silva.



Diarlo de Pernaiubuco egunda i'eira 9 de Xovenikro de 1864.
>
<
RA 1IO QUJUUIADO N. 4a
Passand o becco da Congrega$io segunda casa.
NOV1DADE
Pereira Rocha & C. acabara de abrir na ra do Queimado n. 43 um armazem de molhados denominado Clarim Commer-
cial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sorlimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes sero vendidos por precos muilo resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 e Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
100 rs. a libra, e 10800, 20600 e 30000
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
15200 e 10600, e em frascos grandes a
2 >30.
dem era caixinhas elegantemente enfeitadas
cora ricas estambas no interior das caixas
a 10200, 10400, 10600e2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
I03O- rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a lila.
dem nglezas muito novas a 30000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banlia de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, hucbin e perola a 10600, 20,
23500, 20800 e 38000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Cene.a preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 300 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inplez fino a 901 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 72" rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e especi tmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
200 io, 20200, 20500, 20SOO, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra o 80500 a 80800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhos francezes muito novos e
bem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
libra,
Painco a 200 rs. a libra. rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. i dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Queijos fiamengos do ultimo vapor a 20800 Figos de comadre e do Douro em caixinhas
dem prato. de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
dem londrino chegado no ultimo vapor a! 10800, 50500 e 280 rs. a libra.
900 rs. a libra. jFarinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs. dem de trigo a 120 rs. a libra.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 60 <
libra.
Eigos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam: Velno de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocaae Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e era caixa com urna du-
zia a 90000 e 100000.
dem em pipa. Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada.
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 705O rs.
a duzia.
dem Morgaux e Chateaulumini de 1834, a 10
a garrafa.
dem muscatel a S00 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a
I02OOrs. a caada.
garrafa
Genebra de Hollanda verdadeira marca YD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasquelra.
dem em garrafoes de 3 e 5 gales a 50500
e 70500 cada um com o garrafao.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, quaiidade especial em garrafas muito
grandes, a 10800 a garrafa.
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de
vidro, a 10000, s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores consenti-
ros de Lisboa a 60 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 300 rs.
I Magas linas para sopa: estrellinha, pevide,
rodinha e. aletria a 600 rs. a libra e a 40
a caixinba com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 10 a lata,
Paliios de dentes a 160 rs. o maco.
Kirsk garrafas muito grandes a 108OOrs.
Alm dos gneros cima mencionados te-, dem de dentes a 120 rs.
mos grande porco de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, c que ludo ser vendido por; Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
pegas e carnadas, tanto em porces como j Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
relnlho- 20 e em caixo a 640 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima te-! Palitos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 por cento. i Passas muilo novas a 480 rs. a libra.
GRANDE E SMPTOSO ESTABELECIMENTO
DE
XOVOS E ESCOIiHIDOS GEXEROS
TANTO EM GROSSO COMO A RETALIIO
60 JttU 1 IIVA Gtt
i lOitia casa junto a ponte da lloa Vista.
DUAS PALAVRAS.
i Ccsse tudo quanto a amiga mu>a canta
t Que outro valor mais alto se alevaula.t
Acha-se a disposieo do respeitavel publico este grande e magnifico estabeleci-
mento de molhados, talvez o primeiro e nico boje existente em sua especialidade, por-
que o maior capricho de mos dadas com mais apurado goslo de abrir um eslabeleci-
mento modelo i>romoveram a escolna dos mais superiores gneros do nosso mercado,
que por serem comprados em grande qnantidade e pagos quasi todos a dinheiro a vista
aeu lugar a obtenco de vantagens, que repartidas como vo ser pelas pessoas que se
dignarein de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanca de agradar a
tollos, nao s pelo emprego das raaneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-
pazes'. como pela pratica da proraessa que fazemos de vender polos presos quasi do pri-
meiro custo o nosso magnifico sorlimento.
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diversas classes da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharo j
era nosso armazem os melhores e mais esquisitos vinhos, licores, champagne queijo, etc.;
etc etc, e quelles que nao podem dispor de grandes recursos, que s comprara o neces-
sario, proraeiteraos-lnes servi-los de gneros novos e sadios, escolhidos ao seu comento.
O real do pobre ser recebido com tao boa vontade, como a moeda de ouro do
bomem rico.
As pessoas que nos fizerera a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com-
prar para seu gasto, ou para negociar, vollaro satisfeitas, nao s pela boa quaiidade dos
objectos, como pela fideliilade ios precos, e bom acondicionamento.
O futuro nos justificar.
CAVACO NECESSARIO
Devemos ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que
adoptamos. Ei-las. .....
Existindo neste vasto e Hondente imperio um grande pariido poltico com a
denom'maco de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente,
capaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
Hia-se quem quizer, porque nos tambem nos riremos mas nao se zangue
ninguem. ,*, ,
__ 0 nome urna voz com que se dao a conhecer as cousas. L esta a mais
breve, clara e sincera explicacao que, pelo methodo repentino, podemos dar.
Mas a quem nao seguir o partido desse si/stema diremos mais :
Nao oriun lo do Brasil o imponente titulo do nosso estabelecimento. F01 a
muitas centenas de leguas que apanhamos a nos>a Liga.
Na soberba e opulenta Inglaterra houve um rei que instituio a mu honroza or-
lem da Liga. O acaso nos fez deparar com a narracao desse acontecimento, que lan-
t sorpre>endeu a corte desse monarcha. Aradou-nos esta historia e gostando sum-
.naraente do trage do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenhar, e col-
locando-o no oito do nosso estabelecimento, temos assim feito distingui-Io dos outros
que se assignalaram com mitras e coras.
iBoiini aolt qui mal y-pense.__________--.__________
MACHINAS DEPATEME
de trahalhar & ao para
descarocar aigodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
OLDAM
1
Estas machinas
podem descarogar
j.'de algodao sem
'estragar o fio,
sendo bastante
ditas pessoas para
o irabalho; pode
descarogar ina
arroba de algo-;
do em caroco j
em 40 minutos, I
ou 18 arrobas i
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
I Ainda est para ser vendido o sitio da tra-
vessa dos Remedios, na freguesa dos Af"gados n.
21, no eslado emque se acha : quem o pretender,
entnnda-se com o sen propri-'Uri Caetano Pinto
de Vera*, na ma de S. Francisco, sobrado n. 10,
como quem vai p^ra a ra Bella.________
Vende-se nm comometro martimo itiglez do
melhor fabricante Charly Frodshan. aSHancando o
seu regnlamento, por diminuto p-eco : a iralar
na ra Nova u. 21, loja de Francisco Josa Ger-
mano.
Stteneao
Vende-se 11 m excelente cabriole! quasi novo,
por preco commodo, com cavallo ou sem elle : a
tratar na ra da Imperatriz n. 20.
Vende se caixoes vaz'os proprios
para r.alin'eiros e fiinileiros a 1$76()
rada um; nesta typographia.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarogam 18 arrobas de algodao
limpo, por dia.
Os inesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis destas machinas
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a vircm ver e examina-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47.
Saundei's Brothers & C.
N. II, prava do Corpo Santo
RECIPE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do (Jueimadu os. 49 e 5o luja do Rarateiro
conocido j cuino tal, esl dispondo da fazenda
por todo o prego para apurar dinheiro, quem qui-
zer venha ver e traga o cobre, e ver o seguate :
Raralhos de cartas para voltarete muito
linas a............................ 200
Miadas de linha frota para bordar a 20
Pares de sapatos de tranga de todos os
lamanhos e finos a....."............. 1#.jO0
Massos de superior grampos para cabellos 30
Duzias de palitos de gaz superiores a. .. 200
Libras do ara preta mnito superior a... 100
Frascos de superior macaca oleo a .... 100
Ditos de dito perola a................. 200
Ditos de oleo de babosa muito linos a 320
rs. e............................... 500
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida............................. 400
Ditos de banha muito fina a............ 640
Ditos de cheiros muilo finos para o prego
a ris............................. 600
Sabnnetes de todas as qualidades a 60 rs.
160, e............................ 400
Novellos de linha com 400 jardas a...... 80
Carriteis de linha de cores com 200 jar-
das a......................1...... 60
Novellos de linha de paz de todas a& co-
res a............................. 30
Pegas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a...................... 240
Frascos de superiores cheiros, pequeos, a 200
Pares de ligan muito superiores o bonitas
aris............................ 400
Varas de bicos francezes, superiores a... 40
Opiata para dentes da melhor que ha a.. 1#000
Fiascos de agua para denles, superior a
tudoa............................ 1^000
Pegas de tranca preta liza muito Tina a.. 60
Caixas com 4 papis de agulhas Victoria a 200
Varas de fila preta com colxetes a...... 40
Libras de laa sortda de todas as cores a 6$900
Ronecos de choro muilo bonitos a...... 160
Caitas de brelas de massammto novas a 40
Varas de franja branca e de cores para
toalhas a.......................... 80
Frascos de oleo Philocome superior a... 600
Dilos com superior tinta a 320 e........ 800
Caixas de linha de gaz com 50 novellos a 800
Enfiadores para esparlilho a........... 60
Duzias de bolSes encarnados para vesti-
dos a............................. 200
Grande liquidadlo.
lina da Imperatriz u. O.
Loja de fazendas do l'avao de Gama & Siha.
Acha-se este estabelecimento completamente
sonido de fazendas ingltzas, francezas, allemaas e
suissas, proprias tanto para a praga como para o
matto, promettendo vender-se mais barato do que
em outra qualquer parle principalmente sendo em
porgo, e de todas as fazendas dao-se as amostra'
deixando ficar penhor, ou mandam-se levar em
casa pelos caixeiros da loja do Pavao.
As tbilas do Patio.
Vendem-se chitas nglezas claras e escuras pelo
barato prego de 240. 260 c 280 rs. o covado, tintas
seguras; ditas francezas de cores seguras a 320,
340,360, 400, 440, 480 e 500 rs. o covado, fazenda
muito superior e bonitos padroes : s na loja do
Pavao.
As lazinbas da esposiro do Pavo.
Vendem-se lazinhas as mais modernas que
tem vindo ao mercado, proprias para vestidos e
souteinbarques por serem lisas e de cores muito
delicadas 560e500rs.; ditas lisas com um lustro
que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
quadrinnos de seda 500 rs. o covado, s para aca-
bar : na loja e armazem de Gama <& Silva, ra da
Imperatriz n. 60.
Os vestidos do Pavo.
Vendem-se os mais modernos cortes de vestido
de la, que vieram pelo ultimo vapor, com ricas
barras de cor, corpnho e collete separado ; dilos
com listas de seda e tambem com barras e enfei-
tes para o corpo, por prego mais barato do que em
outra qualquer parte, e se quizerem urna prova
do que se diz, mandem ver loja e armazem do
Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os vestidos Maria Pia. Si o Pavao (8000).
Vendem-se os mais lindos vestidos Maria Pa
de laazinha transparente com listas, e palminhas
de seda pelo barato prego de 8 cada corte : s
na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
As cassas do Pavo a 240, 280, 300, 320 e
3G0 rs.
S o Pavo vende as finssimas cassas persianas
imitago de la, com cores fixas, 360 rs. o co-
vado ; ditas francezas muito finas 240, 280, 300
e 320 rs. o covado, isto para acabar: ra da
Imperatriz, loja de Gama & Silva.
Os madapoldes do Pavo
Vende-se pega de madapolo infestado com 12
jardas cada peca pelo barato prego de 43, 4500 e
55 cada pega, fazenda muito superior : s o Pa-
vo ra da Imperatriz n. 50, notando que a peca
leva urna etiqueta com o Pavo pintado para nao
haver duvidas nem engaos : isto previne o Pa-
vo, de Gama & Silva.
Bramante de linho do Pavio
->#. 2M400. 20OO.
Vende-se o melhor bramante de linbo puro com
dez palmos de largura por prego muito commo-
do, por ter de acabar a factura, a vara por
23200, 23400, e 23000 s o Pavo : ra da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Panno de linho d l'avao.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para lences e toalhas de mo pelo
baratissimo prego de 640, 720 e 800 rs. a vara, al-
godozinho com oito palmos de largura proprio
para lenges, pelo baratissimo prego de 13 a vara,
assim como tem o melhor algodozinho tanto em
largura como em corpo, proprio para lences, ca-
misas de escravos, etc., etc., prego muito commo-
do a vista da fazenda; s o Pavo : ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Algodozinho com toque de avaria a 1,000 ris
e 4,800
Vende-se pega de algodozinho por tprum pe-
queo toque de avaria, mas que esta em bom es-
tado, peljo barato >reeo de 43 e 43500 a pega ; s
o Pavo\ ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva. \
Os guardanapos econmicos do Pavo e si do
; Pavio
Vendem-se os mais lindos e modernos guarda-
napos econmicos e todo linho, tanto para as casas
de familia como para hoteis, botequins, etc. e!c,
pelo baratissimo prego de 33 a duzia, isto s na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Sil,v.
Osisoiitembarques do Pavao a
\{endem-se os mais finos soutembarques que
tcem vindo ao mercado, sendo de caxemira de co-
res ,^lo diminutissimo prego de 123 rada um, di-
tos demusambique pelo diminuto prego de 93, s
na loja do Pavo, mas que se nao enganem : ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Atoalhado do Pavo.
Vende-se panno de linho adamascado proprio
para toalhas de mesa, pelo diminuto prego de 23500
rs. a vara, guardanapos de linho a 53 a ouzja,
toalhas do mo a 53 cada duzia, na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
15' so o Pavo (a 3$5JO).
Quem tem bales por tal preco !;
Vendem-se os bales americanos muilo superio-
res com 20 e 25 arcos pelo baratissimo prego de
23500 e43, dilos de 25, 30 c 35 arcos com fitas,
muilo bem armados e tambem tem cores escuras
pelo barato prego de 33500 cada um : s na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
0 '?! vende para luto.
Vende-se superior selim da China, fazenda toda
de la sem lustre tendo 6 palmos de largura pro-
prio para vestidos, capas, paletots, caigas, etc.,
pelo baratissimo prego de 23, 232<'0, 23500 e 33 o
covado, cassas pretas lisas, chitas prelas largas e
estrellas, manguitos, colannios, puntos, e enfeiies,
tudo preto proprio para lulo fechado, e muitos ou-
tros artigos que se vendem por pregos mais em
conta do que em outra qualquer parle por eslar
liquidando ; s na loja do Pavao ra da Impera-
triz n. 60, deGama & Silva.
As percalas do Pavo.
As mais lindas percalas que tem vindo ao mer-
cado pelo ultimo vapor tem na loja do Pavo pelo
barato prego de 600 rs. o covado ; ditas de listi-
nhas muito miudinhas proprias para vestidos e
roupoes de senhoras, meninos e meninas, pelo ba-
ratissimo prego de 500 rs. o covado ; garanlem-se
as cores por "serem do pielhor fabricante que as
tem em Pars : isto na loja do Pavo ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama Silva.
As chitas do Pavo 3400 e
3KOO o corte
Vendem-se cortes de chita com dez covados
23400, ditos 23800, rom 12 covados ; sao chitas
inglezas, mas padroes bonitos e tintas seguras
assim tem as melhores chitas francezas e de tin-
tas seguras por precoscommodos, a saber : 320,
340, 360, 400, 440, 500 rs. o covado : na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Os bordados do Pavo
Vendem-se camisinhas com manguitos e polli-
nhas bordadas, pelo barato prego de 13 8 13280
cada um, manguitos s 500 rs. cada par, ditos
com golinha a 800 rs., golinhas 400 c 480 rs., de
fil 20 rs. cada golinha bordada, romeira de
cassa o de fil muito bem bordadas 23 cada
urna,manguitos que serven para cahinha de me-
ninas 640 rs. cada par, camisa com manguitos e
golas com a competente grvala de seda, fazenda
lina, pelo barato prego de 33, e muitas outras
hordadas que se vendem por pregos muito em
coma : s na loja do Pavo ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As roupas do Pavo
Vende-se panno preto fino muito superior pelo
barato.prego de 23, 23500, 33, 33500 e 43, dito
muito lino' 53 e 63 o covado, casimira preta de
urna s largura e muito fina a 13800, 23_ e 23500
e 33 o covado, cortes de casimira de cores a 53,
53500 e 63, casimiras infestadas de urna s cor
proprias para calcas, paletots. coleles, capas e para
roupas de meninos a 33500 o covado, isto na bija
do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva. _____
AO RESPEITAVEIj PUBIICO.
RA DAS CINCO POMAS N. 8G
Hsqnlna da nova travessa de s. ^Moo.
Desejando o proprielario do grande armazem do Propheta mi lar-
gas ao seu genio emprebendecJor, commercial e especulativa, resolveu eamr i inspira-.m
que o assallou, quando as horas caladas da noile o seu solicito espirito se agilava u'um
turbilhao de ideas, tendentes todas bem seivir e agradar aos ftneroMN hubilatfcs
desla bella provincia, de abrir mais este grande estabelecimccto de vos a
escolhidos gneros, quasi que especialmente destinados s pessoas que n.oram r.a lie-
guezia de S. Jos, e quelles senhotes que transitan) pela via frrea, par;. qmn> tu ur-
dade sao sem conta o numero das vantagens que Ffl Ihes ofleicce, nao i a iu n-lato a
modieidade dos frotes, como da facilidade e brevidade da coiiduocDo dos oLjcctos uw-
prados.
O sonho do Propheta ser urna verdade pratica lao acceita c abracada como as
palavras simples e bem intencionadas dos velhos patriarchas desses lempos idos, si o Se-
Dhor Deus dos exercitos nao o quizer contrariar.
O Propheta nao querendo restringirla a forma ordinaria de negociar resoheu
tambem, depois de profunda meditacao, de nao vender smente os tena generes a L-
nheiro correte ; mas tambem de por em pratica troca delles por oulros ta pindu(so
do paiz ou por escravos, bois, cavallos, etc. Assim, pois, lique na intellipe ria tic MitSj
que o prometa receber como moeda de qualquer dos genitores agricuiti res. ssi-rar,
algodao, agurdenle, milito, feijo, cavallos, escravos, etc., etc. e Ibes dar o BKMM vsfrr
em gneros, escolhidos a contento.
Quando a importancia dos gneros apartados for menor do que a dos oljectus re-
cebidos por troca, o rropheta nao demorar a diffeicnca que deve dar em dinhe io.
Um estabelecimento que com tantos sacrificios e desptzas acaba de Mr alrrfo
deve inspirar a todos a certeza de que se vender muito barato com o lim de se adqui-
rir crdito e freguezia.
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Arroz do Maranhao, Java e do Pencdo a 80,
ICO e 120 rs. a libra, e a arroba a I48G0,
20500 e 2^800.
Amendoas a 280 rs. a libra.
Ameixas francezas a I200, 10400 e 10600
em latas, frascos e lindas caichinhas muito
proprias para memosear alguem,
Amendoas confeitadas em fra-cos de vidro
a 10 o frasco.
Alpiste a 1G0 rs. a libra e a 40500 a arroba.
Azeite doce francez a 90u rs. a garrafa.
Azeite de Lisboa a 040 rs. a garrafa e 40800
acaDada.
Azeite doce em boies com 9 gai rafas a 50500
com o boiao.
Azeitonas por todo o preco.
Biscuitos inglezes de diversas marcas a 10300
a lata.
Bolachinhas de soda, oval e lunch a 20000
a lata com 5 libras,
Bolachinhas americanas em borricas 20
libras a 20OOn.
Banha de porco da melhor quaiidade a 300
rs. a libra.
Batatas em gigos e caixas por todo o prego.
Caf moido a 100' 00 ou 80000 a arroba.
Caf superior a 70500, 8000*' e 80500 a
arroba.
Cha nesto genero temos o que h de melho-
assim como lamhem temos baixo pelos pre-
cos seguintes: i04'O, 10r(', 10800.
20400. 2;)G0!l. 20800 e 30010 o fino.
Charutos de todas as meilioi CS C peores mar-
cas do mercado a 80", 10000, 10lio.r' .20,
dem em botija a 3fi0e 400 rs. a botija.
Graixa em lat sa 10200 a duzia.
Limonadas de diversas Iradas, a I 000 o
frasco.
Licores inglezes e francezes a 10000, 10500
e 20 a garrala.
Lingote americanas a 800 rs. cada i;ma.
Lingnicas promplas em latas a 102(0 a ata.
Manteiga ingleza t.este genero o que ka da
melhor a 800 rs. a librae em barril a 700
rs.
dem mais bai.\aaC40e 720 is. a lbn.
Manteiga franceza a 520 rs. a libra, im barril,
a G iO rs a libra em retalbo.
Massade tomates a G40 rs. lita.
Marmelada muito nova a 640 rs. a libra.
Mollios inglezes a 400 e 640 rs. a parrati tu.
Mostarda preparada a 400 eG'iihs. ofra*n>.
Massas para sopa macarro, tallaiim e akva
a 400 rs. a libra,
dem linas em caixinhas a 30(00 a caibba.
Marrasquino de Zara vcrdaeito a I5t0*
fiasco.
dem mais baixo a 800 rs. e 10CCO oftri
Milho tm sacras(om 20cuiasa 36510.
Prezonlo ingle/, para fiambre viudo r.o uitif
vapor a 8(0 rs. a libra,
dem mais ant go a 640 rs. a libra.
dem do Porto a 640 rs. e sendo afeara a
5( O rs. a libra. '.
Passas i ovas a 400 rs. a libra.
Polvo a H'O rs. a libra.
Pauten a 160 rs. a libra.
Pomada a 2'tO rs. a duzia
Pimenta do reino a 320 rs.
20800,30000, 40(00,50000, S0SOeSilPeixe en
n cntn s VI
o cento.
L.IIOUI ii,.l> I lliuis iniwis Ull mciiauw a \-%)
o barril com 1 arroba e 480 rs. a libra, a
ellas que pechincha.
Chocolate magnifico a 10000 e 10200 a libra.
Cerveja marca a mais acreditada que lem
vindo a 50 rs. a gnala, emeia garrafas
por 320 rs. branca e preta.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco fazenda
chique. ;
dem francezas a 5( 0 rs. o frasco.
Cevadinha de Franca a 240 rs. a libra.
Champagne da melhor marca que iqui tem
vindo a 200 e 240 o ggo.
Cognak inglez e francez a 800 rs. e 10COO a
garrafa.
Ceblas por todo preco.
Copos lapidados que sempre se venderam e
se vendem em mu las partes a 80 e 100,
vendemos a 505t 0 e 6000> a duzia.
Copos para vinho a 3000" a duzia.
Doces de calda rindes deL-sboa ueste ultimo
a libia.
la a, a\., .-. r
na, porgo c outros.
hm< ,;>- r- u -'< ......-
dem -i'Ji'm muilo lino a 0OCO e 3#! t <.
dem mariunr4M>\____
dem almajo a :)-500, 345TO-I -*CiL_
I.iem para embruo a 10 : reaau.
Palitos para denles macos o ni ~1' BKh iftboa
a 80,12(i e fcl'O rs. o maco.
Palitos do gaz a 20000 a groza.
Qoeijos flamer-gos do ultimo vit\ or 2^600.
dem londrino a 010 rs. a libra.
dem prato a (40 rs. a libra.
Rap Neurona 10000 a Hm.
Sag e sevadinba a 240 o 280 rs. a libra,
Sardinhas de Nantes a 640. 500 e 360 rs. a
lata.
Sabio massa a 120, 180, 200 c 210 rs. a
libia, e em caixoes por menos.
Sal relinado a 600 rs. o vazolpole de lidra.)
Toucinhode Lisboa, de Santos e .in. ricsaa
a 160, 240 e 32U rs. a libra e em arroba
a 5, 7, e 90000.
vapora 6 0 rs. a lata das melhores fiuc- Tijolos para limpar facas a 160 rs. cada nc.
tas da Europa,
dem da goiaba e da casca o melhor que
possivel por diversos precos, e conforme
o tamanho dos caixoes.
Ervilhas em latas a 60rs. a lata,
dem seccas a 200 rs a libra.
Espermarete americano a 10200 a libra.
Vinho do Poito em ancoras com 70gana3
a 300000.
Vinhos de Lisboa eFifjneira quaiidodesn:-
nificas a 30000, 305< O e 4><* O a (-anorta.
Vinho do Porto em pipa a 5 o 6#flOQ a rar naV.
Vinho branco de Lisboa e Porto em ano -.
barris e pipas a 40000 e BJOWI a ca
dem francez a 560 rs. o masso com 6 velas., Vinagre de Lisboa a 10600 e 2:>(jOO a caaa-
Figrtte de comadre em caixinhas muito lindas da.
a 800 rs a caixa.
rarinha de trigo a 120 e 140 rs a libra.
Farinha do Maranhao a 24" rs. a libia.
Fumo do Para a 108' O a lata grande.
Fumo americano a 10400 a libra.
Fumo em macinhos para sigarros a 200
rs. o maco.
Farelo em sacas de 80 a 90 libras a 30500
Genebra de laranja 10 o frasco,
dem de Hollanda a 500 rs. o frasco.
Vende-so Superior vinho do Porto em caixas de
urna duzia : em casa de Johnston Patcr C, ra
do Ajgario n. 3.
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che-
pada ao mercado, em bem acondicionados barris :
no armazem de Manoel Teixeira Bastos, roa do
Trapiche o. 13, por preco razoavel.
Vinagre em garrafoes por I0COO como-..-
rafo.
Vinagre ern ancoras pora 10O o a
de 9 caadas.
Vassouras americanas a 040 s. i;'i i n
VinhodeRordeaux nes-le generl< rt -i
porco e das qualidades mell.ore ;<>
vinob ao nosso mercado ni garrslaa, n
ancoras, em ba riseqi artoli
demos por procos muito baiww.
V
V' V
VLF/A
DECLARACAO.
O PALIZA declara pelo prcttatfl que
deixa de publicar os precos pelos quaes ven-
de as suas mercadorias p"r motivos qne ao
respeitavel publico pouco ntereca. Serr
provisoriamente de base os precos do Pro-
pheta. i
4
EIfS ilO II i
i
O B
seus ama
dose croa
rar e tu
JZA concede plena liherdade aja
lis collejas Clarins, Unies. milra-
los, para que paaaai saltar, ber-
mais quanto Ihes apronver, at
(^3 C^3 '|I", th rm
vvWvvw
a sua seguhda ordem.
W CP Cip dp tlp W Of
4



./
Diario e reruaaiaeea -
Segunda felra 9 de \ovembro de !.
.
AURORA BRILH^TE.
N. 84. Largo da Santa Cruz. ~ N. 84.
Francisco Jos Fernandos Pires, tem a howa de avisar a sqa numerosa freguezia
e 00.11 especialjdade aos moradores do bairro da Boa-Vista e seus arrebaides, que fez
uova reforma em seu asselado estabeleeimento de moldados denominado Aorora Bruan-
iar{,o oa santa trac, e com esta reforma sapno de novo o seu armazem de bons
te, ao la
linda o novo sorhmeoto dos raelhores gneros que tem vindo ao nosso mercado, e s
pre por precos ramio raztaveis, como se ve da seguinte tabella que ser mudada se-
raaaanneule.
A Aurora Brilliante recebe as libras sterlinas por 9, sendo para compra, faz o
per cento de abatimento a quem comprar de 100J para eiraa.
de Hambre muita novo, a libra a
Presuntos
800 rs.
Ditos para paera, a 560 rs.
Queijos londrinus muilo superiores, a libra
a 15000.
Bitas do reino vindo icste vapor a 2J.6Q0.
Dito-; do vapor passado a 2 c 2J100.
Queijos de qualha novo, a libra a 360.
Frascos grandes com animas a 34000,
Latas coral l\t libras a 15200
Ditas com 3 e 6 libras a 25500 e 45.
Chocolate francezmuito superior, a libra a
15120
Cha litio de primara qualidade, a libra
25700.
Dit.i uvim a 25700,
Di,o hvsson a 25700 e 25800.
Dito prola a 25800.
Rito em caixinhas de 1 e 2 libras a 25000.
Dito preto a 2$ e 25500.
Manteiga ingiera flor a 15200.
Bita inais abaixo a 800 rs.
ita em barril proprta para negocio, a libra
a 600 rs.
Dita para tempero a 400 rs.
Lata; com 2 libras de baulia refinada, a libra
a 400 rs.
Manteiga franceza noa, a libraa 640.
Dita em barris e meios ditos, a libra a 600.
Toucinho de Lisboa a 05500 a arroba e a 320
rs. a libra.
Latas com bolachiaba de soda de B libras a
25000.
Ditas com biseoito e bolachinhas sortidas
a 15500.
Ditas inglesas novas, a libra a 240 rs.
Arroz do Maranhao, a arroba a 25400 e a li-
bra a 80 e 100 rs.
Dito da India a arroba 25800 e a libraa 100
o 120 rs.
Caf milito superior de primeira qualidade
a5">0i), 9gBMa arroba.
Dit em libra a SSO, 320 e 360 rs Marmelada nova a 600 e 720 rs.
Violtos em caixa de 12 garrafas, o tnelhor'Carne do serlao a libra a 320 rs
Charutos finos do autor Jos Furtado de Ci-
mas, ba psr lauitos prego*.
Ditos de outros autorss a 1*500. 2* e 2*500.
Gigos de batatas novas com 1 arroba a 15.
Passas novas, a libra a500 rs.
Figos ROVOS, a 320 rs.
Latas de ervilbas e favas portuguezas j pre-
paradas a 720 rs.
Ditas cora ostras, excellente petisce.a 640 rs.
Latas depeixe easopado em postas, de umitas
qualidades, a 15.
Potes de vidro cora sal refinado a 500 e 640
ris.
Marrasquino da raelhor qualidode, a 85 e
125 duzia.
Garrafas de dito a 80o 15200.
Amendoas confutadas a libra a 800 rs.
Dita com casca a libra a 320 rs.
Notes, a libra 160 rs.
ainco, alyista, a arroba45 e libra a 160 rs.
Grao de biea, a arroba 45 e libra a 160 rs.
Vinho de caj preparado em Sobral a 800 a
garrafa.
Cognac superior a garrafa a 15000, 15200 e
15600.
Champagne boa a duzia 20J,e a garrafa a 2*
Garraf5es com gewebra hamoargona a 6*.
VtDflo branco Xerez a garrafa a 1*.
Dito Joio de Brito, puro, a garrafa a 640 rs.
Dito adocicalo a 5(30 rs.
Dito do Porto, fino, a garrafa a 800 e 15
Xarope de grozeis o outras fructas a 640 rs.
Massas para sopa, amarella, a libra a 480 rs.
Dita branca a 320 rs.
Dita estrellaba, pevide e rodinhas a 640 rs.
Caixinha com 8 libras de dita a 35500.
Sebolas solas grandes, o cent > a 15.
Ditas grandes em resteas a 15280.
Duzia; de cartas francezas finas a 25500. 35
c 35500. *
Duzias de lata- do grasa nova a 000 rs.
Bonhocs Je dita a 280 rs.
possivel a l5 < 205
Dito ruis baixo a 105, 125 e 145.
Dito FigUr'ira, o mais superior pos-ivel, a
canada a 45500 e a garrafa a 640 rs.
Dito mais baixo a 45 a caada e a 560 rs. a
garrafa.
Dito do Lisboa, boa marca, a 400 o 500 rs.
a garrafa.
Dito Bordos a 640 rs. a garrafa.
Dito i'in caixa, das melhurus marcas, a 7* o
8-5000.
Sorveja, marca lente, ein botijas a
a duzia.
Dita de difiranles marcas a 500 rs. a garra-
t .. K VOAA .!.._:_
Genebra de laranja verdadeira a 15 e 15200
>J o frasco.
(B Dita de llollanda em frascos grandes a i* e
.-i. aepuenos a 40 rs.
,;J.v Dita verdadeira de Hollanda, a botija a 480
*/>j Licores linos de varias qualidades a 800, 15
. k e 1*500.
g) Caixas de vinho mscate! a 105, 6 a garrafa
' a 150IK).
DiMs com azeito refinado a 10* e a garrafa
a 1*000.
Conservas inglezas e francezas de pepinos,
Chouricas a libra a 640 rs.
Saceos grandes com farinha a 3*.
Ditos com milhi o 3*300.
Ervilhas seccas libra a 160 rs.
Lentillias para sopa a libra a 200 rs.
Sevadinlia de Franca a fibra 200 rs,
Sag a libra a 400 rs.
Araruta verdadeira a libra 480 rs.
Gomma de engommar a arroba W o_p">. (
ibra a 160 rs.
Sabao esjiawhoi a libra a 400 rs.
e 85|Laty som o verdadeiro gaz liquido com 27
garrafaa a 125.
Garrafas com dito aSOOrs.


:..u. ar.
tm
sebolas, azeitonas e mixide a 600, 700 e
800 rs. o frasco grande.
Caixas com frascos de mostarda franceza a
45 a duzia, e 360 rs. o frasco,
E MllTOS OUTROS GEN'EHOS QUE
cuias por 9.5.
Copos e calix lapidados para vinho e agua.
Latas muito bem enfeitadas com figos novos
a 25, 2-5500 e 35.
Assucar refinado com ovos muit* alvo a ar-
roba a 65500 e a libra a 200 rs.
Papel patalo liso de pese branco e azul, a
resma a 25500 e 4*500.
Vinho fadeira-secco, a 15600.
Cento do esleirs de tranca a 20*.
Barris com azeitoaas novas a 15280.
Duas bataneas grandes de Bomio com os
pesos de 21 arrobas, e alguns bracos pe-
queo; do mesmo autor!
Urna grande quantldade de caixoes vasios de
lodos os tamaito; de 120 a 800 cada um.
TORNARA ENFADOXHO MENCIONADLOS.
TUDO DE PRIMEIRA QUALIDADE.
SORTIMENTO PARA A FESTA
EW
23-Largo do Terco~23.
Joaquim Simia dos Santos, dono
- deste armazem de molhados avisa aos amaros do hom e ha.
3 fSffrSSd" UtTAZ P"S 6#te ****** iue nao se arSenderao se .
i "senerof mlitoEXTLtLEl E210 "aamen : e Por lss nuncio de
^?Sc?Z^Se^T>CeCm*a" Uragra"Je o *^o wti-enio de tudo
Sentido! Voo fallar com o Censervati
e 2 sorle a 800, 900 e I*
a 600 e 640 ris a li-
s. a libra e 8*800 a ar-
e 2*000 a ar-
!!
Miteiga inglezade i
a libra,
dem franceza em barril
bra.
Toucinhe de Lisboa a 300
roba.
Batatas em caixas e gigos 1*200
roba.
Caf de primeira e segunda sorte a 230, 28'J e 300
rs. a libra.
Arroz da India, Maranhao c Java a 100 e 80 rs. a
ii ora. .
Phosphros do gaz a 2* a groza e 180rs>o
Passas novas a 480 rs. a Hbra.
\ elasjde carnauba Aracaty corapeslcao a 400 c 440
rs. a libra.
Massas para sopa a 480 e 440 rs a libra.
Minneada dos raelhores fabricantes de Lisboa de
Ja2 libras a 6i0 rs. a libra.
Gh hvsson o melhor deste genero a 2*800 a li-
bra.
dem perola iniudinho a 2*500, 2*000 c 3*000 a
libra.
Uanha ingleza alva e saperior a 480 rs. a libra.
maco.
Queijos mais novos do mercado a 2*500 e 2*800.
bsrveja da; melhoros marcas, tanto branca como
prela a oOO rs. a garrafa e a duzia a 5*800.
Sabao amarello massa a 180,200 e 240 rs. a libra.
Charutos da Baha dos melhores fabricantes de
1*200, 2*000, 2*300 e 3* a caixa.
Millio alpisla e painco a loo c 140 rs. a libra.
Vinho de Figueira verdadeiro a 300 rs. a garrafa.
dem de Lisboa das melhores marcas a 400 a diia.
dem do Porto em barril superior pinga a 640 rs
dem branco proprio para rnissa a 500 rs. a dita
dem do Porto engarrafado a 800 e 1*, tomando
mais de urna canada deaualquer umdestes ter
grande abatimento.
Conservas inglezas e portuguezas a 500 e 60 rs.
Biscoitos e bolachas de soda a 1*400 e 2*.
Massa de tomate a 600 rs. a libra.
Genebra do Olaada em frascos c botijas e do la-
^ ranja de 4-80 a 640 e 1*200.
i^houricas as mais novas a 560 rs. a libra.
Latas com 1 o meia libra de ameixas a 1*200.
Azeite doce de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 3* o
galio.
IWM COROAS NEM MITRAS
CiVVlllR
ARMAZEH
DE
RIJA D9 IMPERADOR \. 410
Junto ao sebrado em que mora o Sr. (Mime,
Uarte Almelda & c, receberam de sna propria eneommen-
da o mala lindo e variado sortimento de molhados, proprlos
da presente estaeSo.
Manteiga ingleza
da safra nova vinda no ultimo vapora l.ooo para sopa a melner que se
rs. a libra e em barril a 800 rs.
anteiga franceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
! a 560 rs.
f Amendoas
eonfeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Anieixas
em frascos de vidro cora 3 libras liquido a
2#400, muito propios para mimos,
Cartoes
com bolos franceses a 500 rs. cada um.
Litas
Macas brancas
macarro, talbarim ealeiria
libra e 4^500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa,
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2i9(8O0 a canada.
dem do Porto
generosos engarrafado dos melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 1$ e t#30(
a garrafa e de 10-J a 125 a caixa, as mar-
eas sao as seguintes: Chamisso 4 Filho, |
F.4M., Nctar ou
receber de sua
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a l$30O.
Chocolates
I de todas as qualidades a 15000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tarabem
temos velhos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados ueste ultimo vapor a 206o#.
<|neijos
chegados no ultimo vapor a 2,-?600 cada um.
Queijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 ts, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1200.
Chd uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
U a 2,5600.
dem pe^fa ',
especial qualidade > 2#700 rs. a ll#ra
laem hvsson /
o mais aromtico que tem vindo 0 nsso
mercado a 2600.
Massas amarellas,
talharim e JS|ctra a
vinha dos Deuzes, I, uAC*lja 4U recelJ.er uo sua ProPr,a encommenda um grande e variado sortn*nto
lagrimas do Douro e outros muitog. ifl!h.a.d.?.!odo5 primorosamente escolhidos, por isso
Latas
com 10 libras de banh'a a 45003.
Bolachinha ingleza
a 1*5800 a barrica damesmn que
vendem a 2;5000 e 2$ 400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120ff A bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 4j5500 a fi$500 a duzia.
C-AHUTOS
Charutos Thome Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 1^500.
Arroz
-- *...... apressa-se o proprietirio em
onerecer aos seos freguezes e ao publico em geral a seguirte tabella dos seas amen* -
resumidos precos, a Raneando todo e qualquer genero vendido neste bem coobecidu ar-
mazem.
Licores francezes e pnrtoguezes das segnin-
tes mareas creme de violetas, gemfie*. ro-
sa, abatato vespeiro, amor paifcilii, ampn-
dua amarga, perciert. de Tumi. nmm\
morangos, limao, caf, laranja, cidra, fin-
ja, canda, cravo, rlela pimema a l.ooo
rs. a duzia l,ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no awr-
cado.
Passas muilo novas em quartos e inteiros a
2,ooo rs. o quarto, a 6,5oo a caixa e 4oo
rs. a libra.
dem coriiithias proprias para podiro a 8oo
rs. a libra.
Amendoas eonfeitadas de 8oo rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a l.ooo
rs, a libra e 8oo rs. sendo em barril,
dem franceza a [6oors. a libra, e 56o rs.
sendo em barril.
Cha uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para |
cima a 2,7oo,
dem hysson o mais superior que se pude
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo ede 8 libras
para cima a 2,3oors.
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India Idem Pprio para negocio a 2,3oo, de 8 li- Marmeladas dos maisafamados fabricantes de
para sopa, mncarrito,
480 rs. alibra.
C'OCiVlC l
o muito afamarlo cognac Pal Brandv a nc
rs.
a 80 rs. a libra, e 25500 a 3000 a ar-
roba desses que vendem por 35400.
CAF
de 1. e 2.1 sorte do Rio de Janeiro a 85f
e 8^800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafcs
bras para cima a 2,2oo.
i dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
I cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata.
I dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,8oo rs.
| dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a libra.
Lisboa a 64o rs. a libra
Ervflhas secas muilo novas a 16o rs. a libra.
Grao debieo muito novo a 16o rs. a libra.
Emilias francezas em latas a 64o rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a l,6oo rs. a ibra
CoarraforrafaSCOm Vn3grfi i(500"* "em mais bSbomTar^neg'odo'a l.Soo^rfurto'p^Tfiambre inglezes a7oo e 8oo
GENEBRA DE LARANJA rS" 3 Ilb,a- LI*"^ ,t ,k
verdadeira a 15000 o frasco, e de HtfOOf dem miudinho proprio para negocie a 1,5oo ^hour"*'as .e Pa,os mn.ll nv 6 a llbra-
rs a libra Caixas de traque n. 1 a 85500 cada uins.
I Queijos do reino chegados neste ultimo va-1 Massf Para V macarro. talharim aielria
pora2,2i>o. a *oo rs a i.ura.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,6oo rs Cognac verdade,r0 in8lez
dem prato -s melhores e mais frescos do
mercado a 8oo rs. a libra sendo inteiro.
Genebra marca gato a 1.7oo rs. agarrafa.
a caixa.
DEM
em frasqueras de Hollanda a 55800 coa
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza '
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
a garrafa e de outras muitas qualiHa. unos de xas a3 qufMa a caixa
P
W
rs. a
des a 1,000 e 8oo rs. a garrafa.
coio*
lapidados para agua a 4.5oo e 5,ooo
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
afosco, greve, peso e de outras muitas (ma-
ldades de 2,2oo, a 4,5oo a resma dome-
Ihor.
Papel de botica
I de excellenle qualidade a 25200 a resma,
lazul e pardopJSSSde I;ooa 2,200? de 8,00' 3'?%i arroba-
rs. a resma. vcl.as
atas de 2 libras das seguintes
marcas: Osborne, Crakuel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machineeoutras jeo/-;
tas a .'..;.,,. o ^,4uu^fs:
Fumo americano em chapa a 1,6oo rs, a
libra.
Araruta de todas as qualidades.
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se- Batatas novas em caixas de 2 arrobas a
jam Abreu e outros muilos a 6oo rs. a caixa e 6o rs. a libra-
litjra- Balachinha deCraknelem lata
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
i Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
e 8oo rs. a garrafa,
dem fraucez a 7,ooo rs. a duzia e "oo rs. a
garrafa.
Charutos em grande quanlidade e de lodM M
fabricantes mais a creditados a JSoo.
2,ooo, 2.5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa.
os in.-i/s iiaxos So dos que por ah se u--
dem a 2,000 e 2.5oo rs. ^
0
Caf de premeira qualidade a8.3oo e 9
rs. a arroba e 28u a 22o rs. a libra.
! dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a iibra.
de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
dem inglezas em barricas a mais nova do
mercado a 3,5oo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para I
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a!
1.400 rs. alibra.
Vinagre
PRRem ancoretasde 9 caadas a 10,000 rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,000 rs. a caixa
e l.ooo rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra
e 45400 a arroba.
CEROLAS
muito novas a 15000 o cento na rita do Quei-
mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar-
go do Carmo n. 9
GRAO DE RICO
muito novo a 35400a arroba e 140 rs. a li-:
bra na ra doQueimrdo n. 7, ra do-
Imperador n. 40 e largo do Carino n 9
QUEIJO SUISSO
muilo fresco a 800 rs. a libra na ra do
Queimadp n. 7, ra do Imperador n. 40 e
largo do Carmo n. 9
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo t>
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas uovas
em caixas de 2 arrobas a 55 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas muilo novas
em quartos e inteiros a 25 o quarto e 65500
a caixa c 400 rs. a libra.
Chocolate
! portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas era ealda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginjae
outros mirtos a 640 rs. a lata.
Dsce da rasca da goiaba
a 600 e 15 ocaix5e.
GOMMA MUITO NOVA
em paneiros de I e 2 arrobas a 35500 a ar-
roba e 140 rs. a libra na ra do Qoei-,
mado n. 7, ruado Imperador 11. 40 e largo!
do Carmo n. 9
BOLACHINHAS
em latas de defferenles qualidades a !200
a lata
QUEIJOS FLAMENGOS
chegados neste ultimo vapor a 25800 na roa
do Queimado n. 7, ra do Imperador 11.
40 e largo do Carmo n. 9.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 800 rs. a libra o 14o rs. o
pao.
Papel de botica de excellente qnalidade a
zloors. a resma.
Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
Bicos frascos com frutas francezas em calda
a melhor que se pode desrjar de l,4oo a
3,ooo o fiasco.
Fruas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginjae outros muilos a 12o rs. a
lata de 21]2 libras.
Foijao verde em bages em latas a 64o rs. a
lata.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,000
rs. a arroba.
Amendoas eonfeitadas a 600 rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
Arroz do Maranhao a 12ors. a libra, 3.000 rs.
a arroba.
dem da ladia muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,600 rs. a libra.
dem da India coaprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,508 rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra.
dem de sebo muito dura lingindo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 50o rs. a libra, e em
caixa a 52o rs. com 25 libras.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5/ m rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
dem almaco pautadoe lisoa 3.ooors. a resma.
Para colletes.
\ endem-se abotoadaras douradas que nao dns
nereceB a cor com as efflgios do 88. MU. o Sr
l>. Pedro II, D. Luiz I e Mara Pia e miras cem
as eortl brasileira e portugueza : as mas larca
do Losarlo n. 30, do Queimach n. 46 luja de Gui-
mames & Itaslos e da Caileia do Rfcif. n. 49.
Testamento da gallinha.
sanio a luz o lesiamcnto da gallinha, obra ntei-
raraenie nova e em verso, impressa em moi bom
l'apel, ntida impressao, a ICO rs. cada exemplar :
"< ra do Imperador n. lo defronte de S. Fran-
l'lCO.
ObjecloMypographiros.
Lxiste na ra de Impr-rador n. iS dfronte do S.
i i.iici-e um grande fortimento de Ivpos de dilTe-
icntes pontos, armacoes de rolles, emblema, esco-
.eogradaeSes de metal, linlias de differenles
pontos, interliulias sorlidas, tinta tanto para ma-
' 1 m-i. romo para obras finas, papel de impressao,
iiratfso, pintado, etc., etc.
Machinas de vapor e pa-
ra descarocar algodilo.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido, coa-
de e de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e
de carroca com mangas e
eixos de patente.
Ra doBrum n. 38, fundi-
Cao do liowman.
Oe preprietacios do grande armazem o Verdadeiro Principal declarara aos seus
SEam 21 !Z,IC0 Cm W*>y*V* facilitar a oommodidade de todos es-
iipuiaram os mesmos precos nos seguintes lugares:
Unio e Comoiercio ra do Qaeiuiado 7
' Principal roa do Impyador n. 40
.
ma FKUCTitS
Agua Florida.
Para resUbelecer e conservar a cor natural
dos cabellos.
A agua florida niio uma tintara, farto essrn-! t?vfnn+r, "~* TL*T
uS,^0!!^Sr'a<9,es,naB*d,in*>^S- fixtratos e sabao
d?B,,h0.Cal,cl10: Composta de plantas extica" e
de obstancias inofTcnsivas, ella tem a propriedade
presumir aos cabellos o principio corante que el-
le ftft D'u,,,a Si""t"-idade incontlsu-
de irne 8 JE!2? cn!re, a ,imle d catoca bfio o mais flno que 6 pasme!: na loia do Beiia
de,lroe as caspas e imped os cabellos de cahir Flor ra do Queimado n. 63 e 69 J
Oleo do Florida
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de uma duzia a 10,000 e
l.ooo rs. agarrafa.
dem branco de uva pura, a 64o rs. a garra-
fa e 4,000 a canada.
dem superior a 5oo rs. a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,800 a canada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,000 rs. a canada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composc3o a 560 a garrafa e 4,000 rs. a
canada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a l,ooo rs. cada uma.
Ricos livros com figos l,ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafoes com 4 l% garrafas de vinho supe-
rior a 2,8oo rs. cora o garrafio.
dem de peso pautada e liso a2,."i resma,
dem a zul d- botica oh fugueleiroa 2,oo rs.
a resma.
dem embrulho de 1,2oo a 1, 4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas del 't libra a
1,2oo e 800 rs. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2.5oo rs., s o
frasco valle 1,00o rs. tambem tal em
frascos para l,4oo rs.
Conservas inglozas a 800 rs. o frasco.
Mostarda prep irada em potes muito nova a
2oo rs.
/,00o rs. a
Molhos inglezes a 800 e l.ooo rs. o tOam.
Cravo a 48o rs. a libra.
Carreja Teoente verdadeira
duziae 600 rs. a garrafa,
dem de outrai marcas preta e branca a 5,5o
e G,ooo rs. a duzia e 5oo rs a garrafa.'
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muilo novas a 1,000 rs. o molho e
800 rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
Balaios para meninas
Lindos balaios de varios postos para meninas,
grSTiS doTucimad" rasaf!oja *Bei- "sl* l/t dilas de venagre a 'oors-
em eai-
xinhas
Lindas caixinhas com um carto com a familia
una salub'ridade incontesta- imperial, e dentro de eada~eain um frliseo'n sa-
Vendem-se dous relogios patente inglezes : a
tratar na ra de lionas n. 136.
Composto de substancias vegetaes exticas, elle Superior Cal de Lsb03.
Km Paris, m!8Swn nuSTu*. m.CrCa ^T em Jor&> COf" > retalho,
lien, e 21, bonlevard Munimarire d B,Che", SLS^lffi f?'^86 aos pradores
Depo.i.0, ra do ImperaX.Wmcia i?38. gS "a defrD'C ***"**
garrafo.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com aancoreta
dem em pipa puro sem o batismo a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a canada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,800 rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
dem em garrafoes de 14 garrafas a ."i.2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs. o machi hos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a hbra
lo.ooo a arroba.
Sag mnito novo a 24o r*. a libra.
Cevadinha de ?'ranea a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5ou rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixes em latas a 1,00o rs. a lata ja promptn
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Riato
grandes a 4,ooe rs.
Doce da casca da goiaba a 600 e 1,000 rs.
caix5o.
saceos
O propnetorio do grande armazem Unio e Commercio declara aos seus fregn
zes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a eommodidade de todos estipulan
os mesmos precos nos seguintes lugares:
Uniito e Commercio ra do Queimado n. 7.
0 Verdadeiro Principal ra do Imperador u. 40.
IlLEGVEL


f


r
D birlo 4c
negunda lelra t ile Kovcnibro de 1S4.
so PUBLICO
Sem o Menor eonstran-
gimente se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
MAZEM
ATTENCO
s precos da seguate
tabella para todos, po-
dendo asstm servir de ba-
se para o ajuste de eontas
com os portadores.
equivalente a dez por cento menos do qne ontro qualqner
annuaclante.
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
ALIANC

DE
Paulo Ferreira da Silva & Companhia
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de peores
S a O por cento meaos
RIJA DA CAMBIA DO RECIFE 53.
(Logo passando o arco da Conceif)
Grande redneco de precos,
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o preco da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
amitos objectos, etc., dando com isto ocaso a todas as espeluncas acabarem porbom preco a manteiga de tempero, e gritarem t
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo !!! Ora, eu oflendido com estas obscuridades e receloso em adoptar o me-_"
systhema que vira encontrar, de s se vendar com um por cenlo a carola, resolv fazer esta grande reduccSo de precos, como vere
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil na
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a l,Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que
esto obrigados, encarando todos os das de seus freguezes reclamaco de pregos, c qualidades, vingam-se de ume outro P6"0^
mal informado deste novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu mn
tao smente obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras aceio que presidia, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais qne ludo apromptidao e entei-
reza co que ser3o tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proteccao e preferencia na compra
tos gneros que precisarem, e quando nao pocam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco praticos, pois
sero to bem servidos como seviessem pessoalmente, havendo para com estes toda recomnendacao, afimde que nao v5o em outra parte.
Antonio de Lisboa em latas com & libras
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente.
escoltada a 8oe rs. a libra, em barril se'
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
odrec que sepaaan po a tra qual-
quer parte.
Gneros especialmente escomidos por um dos socios que na Eurapa se acha
para esse fim.
' grande a vantagem para todas as pessoas que comprarem neste estabeleci-
mento.
Os propietarios garanten todos os gneros sabidos do seu j muito acreditado
armazem.
AO PUBLICO,
Nao nos servimos de exordios como constantemente estamos vendo em annun-
dos deste genero, pois sao palavriados de que sempre nos abstivemos, e de que tambem
cataros certos nenhuma attencao j merecem do publico. O nosso flm, pois, simples-1
mente fazer ver que o verdadeiro e principal interesse de todos est na tabella dos pre-
cos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos toda a attencSo.
Vinho verd.
Cbegou o muito desejado vinho do Cartaxo vende-se nicamente neste armazem
a 600 rs. a garrafa e 3o,ooo rs, a ancora com 7o garrafas.
Lentilhas muito novas excellente legume pa-
! Cal de Lisboa tu ftn
desembarrada brntem de bordo da barra Bet*-
douro : vende-re por todo o preco no esrr^frri"
de Manoel Ignacio d'Oliveira & Filho, larfo ti
po Sanio d. 19.
Os Casos
OS MAIS AGGRAVWTES

Dama pertinaz tirara*
DI?
ESCRFULAS,
OD ERPCOES ESCEOuLo-uo,
faz abalimento.
dem franceza a mais nova que tem vino ao
ment.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.800
e S.Soo rs. a arroba,
mercado a 56o rs. a libra", e era barril ou; dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
meios a 5oo rs. a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs. dem do Cear de superior qualidade a 24o
a libra.
Mera perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
Mem huxira o melhor que se pode desejar
ueste genero 2,ftoo rs.
ktera preto hoioeopatliico por ser de superior
qualidade a i.ooo rs. a libra.
Mem bysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o 1,600, 1,800 c 2,009 rs. a
libra, garante-s* ser moito regular, iguat
ao que se vende emoulra parte por 2,*oo
e2,lioo rs.
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5,5oe rs.
garante-sa serem superiores aos que vem
em bu/ris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e i,000 e 600 rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a l,6oo e l,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem'
vinclo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
lleta do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervhas e favas porluguezas em latas j pre-
paradas a 61o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 ra. a libra. \
Pre/.nnto do reino vindos de casa particular
a 5fio rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado ncsle
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculale francez, suisso e hespanol a 9oo
1,000 e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contando 6 libras
por 4,000 re., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse lim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinbo do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo e5oo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Pf loTIas melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, Duque Genuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de I duzia de 9,ooo a
lo,ooo rs. ea 9oo e l.ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhorconserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes emlatas
de 3 libras por l,5oo rs. _
Ameixas francezas em latas (te le meia libra
por l,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, 1,5oo, e 1,80ors.
Azeite doce refinado l'enanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,000 a
caixa com 2 arrobas.
Conservas ingfezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos memores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza era potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e 11,000 a duzia
Palitos para entes a 14o e 16o rs. o maeo
Sal refinado em frasco de vidro com rolha
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
crediUdas que vem ao mercado a 5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
da, salinao, ostras e chernee, rezago em Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 800 e l,ooo rs. cada urna. cado a 2,8oo rs. a borrica, e 24o rs. a
Vinho Rordeaux das marcas mais acredita- libra,
das que tem vindo ao nosso mercado a. Bolachinha de soda em latas com diversas
6.000, 7,000 e 8,000 rs. a caixa,garante-] qualidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro' Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. para mimo a 64o rs.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5,7oo rs. a frasqueira. libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
dem de laranja ver.ladeira de Aliona em Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grandes a l.ooors. o frasco, e l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
11,00o rs. a duzia. ] Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo' Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
do
Amendoas confeitadas de diversas cores a
64o rs. a libra.
dem de casca dura a 24o rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francesas era caixinhas com lindas
estampas a l,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a ,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 '/ libra a l.loors.
Arroz do Maranhao e da India o melhor que
ha neste genero de 80 a loo rs. a libra,
e de 2,5oo a 2,8oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e 10,000
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4,4oo rs.
a arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,oooe l,5oo rs. a
lata e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
Batatas em gigos de 86 libras a l.ooo rs. I
Champagne das melbores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs.
as meias garrafas.
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades
a garrafa:
Cognac
nosso mercado a 2,ooo, 2,5co, 3,ooo,
3,5o 3,8oo a caixa de loo charatas,
ingle/, las melhores marcas a
1,090 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; ditoemcaixesaboors.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a o rs. a
libra. ...
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
a arroba.
Sag muito novo c alvo a 24o rs. a libra. ch.uxim o melhor possivel a 2,7oo rs a
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Baha e das
mais acrediladas marcas conhccidas no
i>ra.
Ideni perola qualidade especial a 2,7oo rs.
t a libra,
iiem hysson o melhor que ha neste genero
a 2,000, 2,4oo e 2,6oo rs. a libra,
em prelo homeoptico a 2,ooo rs. a libra,
erveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia, e56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol e suisso a l.ooo,
l,2oo el,4oors. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-

de 7oo a 9oo rs.
Manteiga ingleza perfectamente flor a 800 e
l,ooo rs. a libra, desnecessario mais
elogios neste genero, que s se pode ve-
rificar com a vista,
dem franceza a 56o rs. a libra, e em barril
se far abalimento.
Marmelada do primeiro fabricante de Lisboa
a 600 rs. a libra, ha latas de 1, 1 1/2 e
2 libras.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. a libra.
Macarro, talharim e aletria a 4o rs. a libra,
dem branca a 32o a libra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o
frasco,
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garrafinhas rom rolbas d
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a l.ooo rs
a garrafa, e 10*000 rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lata.
Prezunto para fiambre inglez verdadeiro,
garantindo-se a qualidade a 7oo rs. a libra.
Passas novas de carnada a 4oo rs. libra e
6,5oo rs. a caixa.
dem para sopa estrellinha, pevide erodinha
etc. a 3,5oo rs. a caixa, e a 56o rs. a libra.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
seguintes qualidades: savel, corvina, goras
cavallinhas, e pescada a l.ooo a lata.
Palitos para denles fichados a 14o rs. o ma-
to de2ors. o macinhos.
dem do gz a 2oo rs. a da-zia.. e 2,loors.
a groza. ""-^^^
Painco muito novo 12o rs. a libra e 3,b$o a
arroba. V^J I
Queijos flamengos, do ultimo vapor, a 2,5oo \j^
rs.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra e
sendo enteiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. cada
um.
Sevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra.
Ulceras df toda a apNi
SYPHILIS, OU MAL VDtBM,
TUMORES,
r.bulliroc-*..
BERTOEJAS,
OPHTHALMIA,
Hydropisia,
Emprgena,
HERPES,
Oartros*
ERISIPELAS
ESCORBUTO,
Tinha.
32o rs. a libra e lo,ooo rs.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa e 4,ooo rs. a caixa
e 4 800 a caada. Conservas inglezas a /5o rs. o irasco.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra. dem francezas surtidas ou de urna s qua-
tado de Simas e outros da Bahia como
sejam regala, trovadores, guanabaras, |J5 desboa'alio e 32o rs. libra.
delicias e suspirosa l,6oo, 2,ooo, 3,ooo Tjolo parj ,impar facasa 15ors. cadaum.
AGENCIA LOW-MOOfi.
Hua da Senulla nova 11. 42.
Neste estabelecimento contina a hayer
um completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engeuho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos os
tamanhos para ditos._____________
Arados americanos e machinas para
lavar rospa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da SenzaHa Nova n. 42._____________
Nupcrior vluho Collares.
Na rna rto Vigario n. II, escriptorio de Manoel
Joaquira Hamos e Silva & Genros, tura para ven-
der superior vinho Collares em ancorelas
Fabrica Ooccao da
Bahia.
AndraJe Reg, recebem constante-
mente e tem venda no seu armazem n.
34 da ra do Imperador, algodao d'aqael-
la fabrira, proprio para saceos de assu-
car, embalar alRodo empluma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel.
&>
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra o 8,000 a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento
mollios com cento e tantas por 1,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.

E3b
sga
GRANDE FABRICA DE CALDEIRARIA
FOUIA * DE
VILiACi \MU k C.
RA DO UKUM M- 40
Ohainanios a attencao de todas as irmanda-
des e contrarias para o que abaixo publicamos.
->VJ O amor que volamos arle que professamos e o desejo que temos de concorrer com o Xv;) no^o fraco contingente, para a ver chegar em nosso paz ao grao de perfeicao que e para e^-
^s3 desejar, nos impellio a mandar Europa um dos nossos socios, aim de particular- (f
S?y=f. mente esludar a melhor maneira de bem fundir os sinos.
5|s Grandes foram as diffieuldades que tivemos a superar, afim de podermos conseguir o (Jj^
*^'i nosso desidertum ; porm gracas aos esforcos e bons ofiBcios de um nosso amigo, o nos-
^C' so socio pode ser admitlido em urna das melhores fabricas de Lisboa.
Gk? Muito lucramos e muito tem a lucrar o publico, por que sem receio desermoscon-
i/y> te=tado', podemos affirmar, que os sinos fabricados em nosso estabelecimento em nada
s,v;i ?e parecem com esses almofanzes de mao goslo que por ah se fazem. /
'ij/vi Estamos habilitados a fundir sinos de todos os tamanhos desde 16 libras at 100 ar- (g^
/Scy.> roba com emblemas, ornatos, ele, conforme a voniade ou gosto do comprador, guar- jjSfi
lidade cada frasco a 5oo rs.
Cognac francez e inglez a l,ooors. a garra-
fa, e lo,ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 6oo rs. a libra.
Canella a 9oo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4,8oo u.ooo
e ,5oo rs. a duzia, e 5oo rs. cada um.
ditas em Cafe do Rio superior a 28o e 3oo rs. a libra,
e 7,5oo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba superiorem latas a 2,ooo rs.
Ervilhas portuguezas em latas ebegadas l-
timamente a 64o rs. a lata.
dem ceceas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo
rs. cada urna.
Favas portuguezas em latas chegadas lti-
mamente a 640 rs.
Frutas idem em calda, pera, pecego, alper-
se, rainha Claudia e ginja a 7oo rs. a lata.
Graixa nova a loo rs. a lata e l,loo rs. a
duzia.
Gomma muito alva e nova a 16o rs. a libra.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
frascos a 5,8oo rs. e 560 rs. o frasco
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
dem em garrafes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafo.
l'dem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem inglezas em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro qualidade superior a
l,ooo rs. a garrafa.

m
H
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e
l,4oo rs. a caada.
Idemem garrafes com 5 garrafas a l.ooo
rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
Ibem de escovas para lavar casa a 36o rs.
cada tima.
Velas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra,
dem de carnauba refinada e de composico
a 36ors. a libra, e de lo,5oo a ll,ooors.
a arroba.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira
das marcas menos conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e a 2,8oo rs. a caada,
dem Figueira especialmente escolhido nesle
lugar a 6oo rs. a garrafa, e 4,5oo rs. a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muito fresco sem
composico a 6oo rs. a garrafa, e 4,5oo
rs. a caada.
dem de Lisboa branco uva pura a 56o rs. a
garrafa, e a 4,5oo rs. a caada,
dem Porto fino em pipa a 56o rs. a garrafa.
dem engarrafados generosos Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, D. Luiz I, D.
Pedro V, Nctar, velho secco, Malvasio
Genuino, Particular a 9oo e 1,2oo rs. a gar-
arafa, e a lo,ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
dem Madeira legitimo a 1,2oo rs. a garra-
fa, e a 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a l,ooo rs. a garrafa.
GHAGAS ANTIGS,
RhMUltferW> Gfcro*c.
DEBILIDADE GERAL
Nervosidad?, Nrfralgias
FiLTi BE IPPEM, FISTO,
SUPPRESSO DAS REGRAS, ou
AMENORRHEA,
LECflBHHEl II FLORES UKfi
Retencao das I rias.
EM ACIAGA*.
Ou tmmaffrecinwnto /eral do <'vrpo.
nnte do estado vicios" do mmgtm,
FLAMMACOES CHEORICAS,
Affecipoes Chronicas do Figad,
Assim como todas ab mais MUUfn
1.BS1IAB, PRIMCIPALMEKrK gtlMw KA
AU8ADAS, OU PHODt'ZTDAS PKI.n Mil
livrb vso no Mkkcl no o i;
Qciviko,
AmIiii etm IMikfn peU trr+nrmtt m*t da M-
SENIC'O e mu prcpamfTm JlWm.
Todas estas Enfermidadca prompta c ofic*.
mente cedem benfica, podero "
purificantes qnaUdades da mu;
justamenta afamada
mWffiMIAi W RKTOL
venda as boticas de Cao.-s U
d5rn&r4-Je* da C Bravo i i:., n >
ra
da Madre
de Dos.
ESCHiVOS FGIDOS.
Acha-se fupido o ecro Thxrri-. i
signaes seguintes: cabra, rosln prWi d.h:U> r
bertos de cabillos, alio, t-vo. falla les na frente, e tem em urna das n>a> o i (?
legar cortado pela junta e em uuir.i o ddi. n.ir>-
mo tambem com um aleijao : |uem o rpr. h-
e levar ra da Iniuoralriz n. .')>, iniuniro a citar,
ser recompensado.___________ __________
Fugio no dia ti de oniubro di potivMp,
Alagoa Grande, do sitio denominad" M.,-.
cravo Manoel, de idade 22 annes, n m mi
seguintes : altura regular, ro.-i i e n [ ;i; t.:i-/
adiado, cabellos carapinhos, olhos pretose reenl
res, no canto do olho esqnerdo tem nma mar'
ferida, ecima do memo lem urna laixinha. ipjr
parece ter sido nma cicatriz, orelha* mwmmm
um tanto acabaadas, pernas grossas, fes i
tos, as costas no fim do lomho it-m marrr '
chicote : quem o pegar, leve a eu senher. na U
renda de Cassimba Nova, termo da villa e
pina Grande, que ser bem rifompensao ttU'-Ci
ilK'i, conforme a distancia.
Sivirino Ferreira Mrinho.
dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o dem Bordeaux das acreditadas marcas St.
Ra da Seizalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston A C,
gellins e silhoes inglezes, candieiros e casti-
jaes bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montana, arreios para
arros de um e dous mallos, e relogios de fer*r0" coa0 \^r3i a
ouro patente inglez. Moor iDra a 420 rs.
^^ dando emse fabrico todas as regras da arte. Pedimos, portanto, em
^r tantos sacrificios edespezas a proteco do publico. _
StK9 Vulaqa, Irmao & C.
recompensa de j
P0T4SS4
floinhoscom rodas, p.atenles.
Moinhos grandes cora rodas, patentes, e afianza-
dos pelo fabricante para moer caf, e proprios pa-
Vende-so potassa em barris a cnmmedo preco o ra refinaco cor serem de especial qualidade e de
na ra da Cruz n. 23, primeiro
de Antonio de Almeida Gomes.
Champan he.
Vene-se vinho ehampanhe de primeira quali-
dade enejado agora : em casa de Rothe & Bidou-
lac, rna do Trapiche n. 18.
;. -^ ^cimMm^mm^ m mmmmmm
Roa da Senzalla Nova n. 42. f Vinho verde
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de em barris de $ para particulares e em pipac
110 rs., idem de Lo* muito superior________________________
Dcstruico d< s ratos
Vende-se tambem caixinhas com ps que in-
fallivel para o envenenamento dos ratos, nao sendo
necessario precaucao com as pessoas do casa.
Queijos de Minas.
Vende-se na ra Nova n. 61, defronte da Illma.
camera municipal.
Bixas hamburguezas.
Vn dse na ra Nova n. 61.
frasco e H,ooo a frasqueira de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida suissa a
l,8oo rs. a garrafa.
Julien, St. Esteph, chaleau la Rose,chatau
Margoux e outros a 6,5oo rs. a caixa. e
56o rs. a garrafa.
andar, eseriptbri: iodos os lmannos: vendem-se nicamente no depo-
sito da ra da Cadeia, loja de ferragens n. 56 A,
de Bastos. ^^^___
Biscontos.
Vende-se em casa de Southall Mellor & C,
^rapopiche n. 38.
ra
CERVEJA 11 1IAIUUJL
a 'i O o rs. o copo
aneljo de Minas chegado no vapor
dem prato muid fresco
dem snlsse superior
Idem londrlno snperlor.
57 Ra do Imperador 57
Fugio da c.va do abaixo as.-ipn..,;
cravo pardo de neme Marcos, idade 32 ano -
co mais on menos, e rom os signaes sefmnlf*
altura regular, pernas compridas, cor escora, ca-
bellos annelados, olhos pequeos, falla de AtMi
nariz chato, costuma aBdar depressa, t ceno q
pulando, e ainda se torna mais conherido f*r u r
diversas ciratri-es de gtmma pelos pellos, a
lailo. e sobresahindo sobre todas por se loraal rr
visivel, urna abaixo logo da garganta ao va* 4u
caixa do peito ; elle pinta e raia soffrivehaeBie
consta que elle ttm irabalhado i-or -ste taVi> i.
diversas casas aqu no Pecife : portanto na
autoridades policiaes e aos capiles de caai
o fa^am apprehender e condu7i I" i 'asa de tu
?enhor o major Antonio da Silva GusmVi, i.. i
Imperial, qne gratificar generoameale._____
Fugio do engenhoColl'-gi'i na l.oz> i -rr
va preta Martinha, de idade i anuos, Hi I
corpo, de cor fnla, e rom o rosto marcad i!r !.
xigas, deboeca pequea eestatura n-gnlar un. >..
a pegar leveaodiloengenho. m a 9Ra I i I
Macedo, na ra do Rosario que .-en g. ner"
te pago.
Est futido 20 St
o mulato acabocolado de nome Marcelino.
do abaixo assignado. Este mulato tem al! i
guiar, corpo reforjado, p e mos grandes. r>
redondo, nariz rhtn, cabello corrido, harl i r m
to pouca, e anda descalco, consta ailar i
desta cidade : quem o pegar e levar 4 ra i
perador n 55 ou em Oliwla ru.i
  • I
    frente da ladeir do Varadouro, sera re
    do.Antonio Luiz dos Santos.
    Acha-se fgido desde o dia h do corre:--
    cabra Eugenio, de idade de 40 50 asaos ;
    mais on menos, com os signaes s eguiale* : r
    pintada de bexigas, orna falta de denle n* U
    Iraja roupa branca deservico ecostnma amlar
    urna gaita a locar, foi escravo do Sr. t
    de Aquino Fonseca : roga-se as antorida.l.'s i
    ciaes e capiles de campo de o capturar I v r..
    ao hotel de Franca onda se pagara lodas as i ,
    zas rel.ilivas.
    esappareceu da casa de seu srnlm
    de oulubro, a escrava Thereza. com -
    seguintes : de nacau Angico, alia, crp<> r
    rosto compriJo e com tainos, falla dedMtt< -.
    de 50 annds, pouco mais ou meaos, leoc
    prelo curto e vestido de riscado rxo e^n
    nlias amaiellas, e camisa de algodao : -tm
    gar leve rua do Sul n. 21, que sera r
    ados-
    -,


    )
    8
    \
    LITTERATRA.
    O icsiameulo de mademoasella de
    Penhoel.
    i
    (CoiitinuagSo.)
    Chegou o grande dia ; liouve um verdadeiro
    bauquete no palacio de Piuhoel, o anda assim a
    dona da casa uao liourou-u coin a sua preseuga.
    l'cla primeira vez na sua vida, seotia-se fatigada o
    lemeu a durac e ruido de semelhaute ssera-
    Ua.
    IMarl* 4e Pera.aMe. efunda fclra t de Xovembro le !*.
    morte e o da abertura do meu testamento, ts. a
    <*ste respailo, tereis aioda a condescendencia de
    reunir-ros neste salo para assistirdes sua leitu-
    ra. E' a uIlion festa a que vos convido. Ma> son-
    de est Maria Trelo, que nao a vejo, tenho tambem
    a'guma masa a dizer-lhe.
    A rapariga dea um passo em frente, e colloou-
    se nos ps de madenioasella de Penhoel, que aceres-
    centn :
    Minha (iha, tu nao sers esquecida : tens di-
    reito a dous quiiihes, ao da amizade e ao do=
    |>olires.
    Maria desfase em lagrimas. Os prenles des-
    bordados partirn furiosos, mas o pequen, tocado
    Promeitido a cada um delhwdeteve a explosaodos
    seus sentimentos.
    Mademoasella de Penhoel levantara-se para dcs-
    Oepois do jautar, que leve lugar ao meio dia, se-
    girado o uso anda hoje conservado cm algumas f aua^-f^L^'J88' *"? ******* e aorria com
    casas da Bretanba, reuniram-se ao redor de ma- devia frlmaIlulheVex^cionaL '*'"" SUS,'^
    l;e.ir.oasella de Penhoel; ella eslava assentada na Ella l'-ou so com a
    su?, grande
    liir seus olh
    MaTia Trelo
    ca espetar as ordena1 da sua ama, e nao lomava mm'dS-
    asseoto nesia reunio de familia. a ., lenl,o, ajuntou elle, urna cousa a conar-vos
    e urna perguuta a fazer-vos :
    Meus amigos, disse mademoasella de Pe- A," a mademoasella Trelo, e desejara ar-
    ohoel, sinlo que se approxima o momento em que (5E? ttELl *uallor8T
    .o vos tornare, a ver, e por isso que ainda uL V&2SttmSttt **"""
    vn eu quiz reuuir-vos. Soes meus herdeiros e Mara 6 urna engeitada.
    Tereis o meu nome, disse com ternura Lun,
    aportando-lhe as mos.
    **7t S1 en.e0D,rada 'n estrada, recolhida peal
    caridade, ale mesmo ignoro a quem devo a vida
    Vos a deveis a Deus, querida menina aue
    vos cnou para fazer a felicidade e o encanto da
    minha.
    Posso dzer sim, senhora ? Nao ser egosta
    o aceitar semelhaute sacrificio ?
    Minha filha, disse mademoasella de Penhoel
    aonde ha una affeicao venladeira e profunda, nao'
    existe sacrilicio, quem mals d, o mais feliz dos
    dous !
    Maria lovantou-se e respondeu a Mr. de llar-
    marvan :
    Obngada, senhor, aceito, e cada dia da mi-
    nha vida ser empregado em provar-vos o meu
    reconhecimeiiio.
    Foi
    mpos.-fvel comer a gente ali emprezada s pensaram at a mera nonte em dominar o foco.
    .CaawS a': t6d0S fugiram para fr* Felizmen'e a agua era omito abundante, e as bora-
    o eamcio. felizmente, chegaram varios mensa- bas eram suppridas sem inierrupco
    geiros, annunclando da parte de Mrs. Hall e fllho, Os cagadores e os artilheiros de guarnicao em
    queaexplosao nao forano arsenal nem nos depo- Vienna secundaram os estoicos dos sanadores
    sitos de plvora que o governo tem era Plumstead bomberos. Mea hora depois da meia noute conse-
    Marones. guiram venCt(. Q f ^ fa|Uva u
    Para o theatro da catastropho fot immedialamen- imm-mso brazero, e os bombaros de Vienna con-
    S".:! ^^acamenlo do corpo de .inuaram ainda nos seus trabalhos durante rite e
    polica do arsenal e a polica da cidade. quairo lloras#
    JmST 'r Mr" ** ^,lh0 6 dS A 0nrina flcon compleumene destruida gran-
    imeiros soccorros vcr.ficou-se que dezoi.o homens des paredes abateram, e o resto ameaca ruina.
    A perda material calcula-se em 250,000 francos
    estavam monos ou feridos.
    ,*" zx selt zzn(x>?
    Penhoel, aecresccnlou .
    Oh I quanto liz bom de nao esposar a Mr de Polvora com as fabricas e edlicios adjacenles, ele-
    Rara pra y ; ratn-se pelo menos a 200,000 libras (oovecentos
    t verdade pequea; este vale mais, tem ver- contos.)
    dadeiroscabellos.denles.e ainda os ter.eu o espero, a nalmn i^i. i
    Ai. J__...... i i- lll.1 Calcilla.co nm fi-inln r~;i |,f.
    quiz
    co.n tudo nao devo a minha suceessao a nenhum
    i! vos 1
    Aqu quasi todos os semblantes anuvaram-se.
    PoJa casar-rae ha setenta anno<, e sem du-
    viJa Deus me teria concedido liihos, netos e bisne-
    tos I Nao lenbo usado deste direito que me assis-
    lia.da criar lagos tao caros, resia-me o de escolher
    cutre os que me cercam um prente ou um amigo
    ll |arlicularmeutc affeifoado.
    enge
    bu o sei ; mas aondo achaste-la ? Tiraste-la
    do hospicio, ou nao vos sao desconhecidos os seus
    i paos ?
    Ella nasceu de paes pobres o deshonrados.
    Lat de Hermarvan occuliou o rosto as maos.
    Ah disse elle, 6 urna profunda dr para
    mlm, porera a>r,o Maria e ser miuha mulher.
    . bstaes doudo, raen primo, e esqaeceis a di-
    visa da vo>sa casa .Forte pelo corado!
    O meu coraeo ser forte pata i>rotege-la ;
    nao nedirei nada ao mundo que repellena ma-
    dama d* Hermavan, irei viver com ella nessa ter-
    . que nao pensaes,
    um osporava ou treinia. O capio de Kermarvan lAUZ> e eu (lue devia ignorar as leis militares, sou
    i a vo las recordar. E' preciso que a mu-
    nao o
    eis do-
    no dia das suas bodas, a menos que eu nao vos pre
    gue a pega de viver ainda vinte annos, porque
    est entendido, meus Ribos, que o vosso casamen-
    to s tera lugar depois do meu enterro. Se tenho
    um pequeo canto no cu, abencoarei a vossa
    uniao, o a minh'alma vira errar algumas vezes ao
    redor de vos.
    Mademoasella de Penhoel quiz levaotar-se, e
    tornou a cahir na poltrona.
    Nao esperareis muito tempo, a hora approxi-
    ma-se, as rainhas forgas extinguem-se, a velha
    alampada apagar-se-ha brevemente
    Um solnco respondeu esta triste prediego.
    Choras, miuha filha, churas a tua pnmeira
    amiga, mas este novo amigo lugo le cousolar.
    Tambem vejo lagrimas nos uossos olhos, Luiz, e
    comludo nao deveis ser felizes seno depois da mi-
    nha morte I Heos filhos, achei o que procurava,
    ha 9o annos : dous coragoes generosos, duas al-
    mas puras que nao teern sido manchadas pelo so-
    pro do mundo I usquei isto como Diogenes bus-
    cava um hornera, smente eu era mais exigente
    do que elle, procurava um homeme urna mulher ;
    est acabada a minha larefa, quero descansar, le-
    vae-me, meus filhos, porque parece-me que nao sei
    mais andar.
    (Conlinuar-se-ha).
    UM POLCO DE TDDO.
    L-se no Jornal do Commercia de Lisboa o se-
    pareceu sensibilisada por esta dr muda, e conti-!
    nuou :
    era o umeo que pareca iniifferenle ao uue se uas- ih >7 s leroraar. c preciso que a
    v.a em torno Z t ai. i- ^ ,her dt ura offlcial lcnna um dole. Mana i
    -...a em torno de si, eslava ali como teria estado tem ; vos memo, sendo pobre, nao podei
    n urna revista, pjr ordem superior, brincava com Ia;la-
    a |>uaho da espada, que era a sua nica for-
    tuna.
    Mademoasella do Penhoel continuou :
    Meus amigos, fiz urna escolha, mas antes de
    vos dizer a quem lego a lotalidade dos meus bens,
    aero assegurar-vos que ninguem ser esquecido esta'loucura, como quizedes chama"-o."6que pre" Icas de Po'v<""a que pertenciam a Mrs. Hall e filhos
    no Uteu testamento; vos todos recebareis um le- ,('"d h'gar-vos e oque darei a Maria poder mui- saltaram, deixando muitas victimas debalxo das
    gxdo, urna lembianca que vos recordara a araiza- EsM^Imii^rai exi.sso m,nislro- j s"as ruinas; o abalo que produziu esta catastroph
    de que vos consagra a vossa velha prenla. Quan- que refl'eciireis daqTat laf etarVe mdaS de sentiu-se em todas propriedades visinhas num
    ro a maior parte da minha fortuna, ella perteucer i re?olugao I rea de sete milhas.
    ..os pobres, euadopio-os por meus filhos. .. ~ A "lioha vontade ser inhabalavel
    Houve estupefaccao na assembla. Maderaoa 'Ja Man* rninha desPosada-
    lima inexprimivel angustia pintou-se as feigSes CninieC-
    de Mr. de Hermarvan ; mademoasella de Penhoel |
    EXPLOSAO DE PLVORA.
    No dia 2, s seie horas meaos um quarto da ma-
    non7 ri 'Ln?.?, (le0Ses?P''eis e. Se ien.?s um nh5a' uma norrivel exP|osa espalhou o terror as
    Desde
    ollade Penhoel sorriu maliciosamenteeproseguiu :
    Hije, nao posso mais contar com o dia d'a-
    niuiliaa. Talvez quo ainda viva alguns mezes,
    o:n tudo nao o creio, porque slnt i uma fraqueza
    une m; era desronhecida ; s r^stam intactos em
    i.iim a cabeca e o corago. Nao quiz, meus cha-
    i os amigos, deixar-vos pensar por mais tempo que I
    Em Plumstead e em Wolwich abriram-se com
    estrondo s janellas de muitas lojas, como se os-
    muiio obrigado, minha prima, por asseeu- ., ____t.j. .....
    rardes a nossa futura Micidade I Possa este futu- sfm arrombadas Por nao invisivel, e as mercado
    ro se fazer esperar por muito lempo, o meu sin- rias 1ae ali se conlinham, foram impellidas, em
    cero voto. j coofusao, al ao meio da ra.
    Reste momento a orpha entrava ; o seu andar Em todas aquellas cidades occorreram scenas
    era nobre e gracioso : o seu olnar temo e altivo __* i .,
    Veado-a, era impossiv-el que ninguem se lerabrl": qUe e "nPss,vel descreve- com ac.idao.
    se da sua triste origem. Na ra encontravam-se algumas pessoas, que em
    Maria, disse mademoasella de Penhoel, o meu consequencla do violento abalo, vacillaram por um
    primo Luiz de Hermavan, escolhe-te por mulher,
    tari* de dividir entre vos a minha forluna, nao ff opilas por marraV
    aeo que *eja leal ir para o ouiro mundo usurpan- Maria deu grito le sorpreza e de alegra, e lan-
    do por un momento os pezares e as lagrimas dos "
    seus parentes.
    gou-se [ora de si aos pes de raederaoasella de t*e-
    nhoel.
    Dizes sim, minha filha ?
    Aquolles que nao gostarem, nao se vero cons- i Mgo, murmurou Maria, que nao sou digna
    trangidosa me lamentar entre o diada minha do s.e,nt,|hanl honra, sou uma pobre rapariga sem i,0 de 1ue a lerrivel exploso havia sid>i no seal
    segundo, e afinal cahiram. Outras que ainda esta-
    vam deitadas, oram arremessadas ra dos seus
    leitos.
    No primeiro momento todos julgaram que era
    um terramoto; mas, logo depois espalhou-se o boa-
    (amilia e sem nome
    I onde estavam trabalhad 10 4,000. -operarios.
    FOLHEIII
    II ffi2SQUELETI>
    1 existencia com as delicias da segunda edigao do
    seu amor. Beatriz est no theatro a ver-se formo-
    sa na cara das outras, e a saborear-se as melo-
    das de Verdi. Eu eslou *r1" a revoiver-rae do
    E' que ouvi 'dize-lo ao criado que traz.'a urna
    senhora...
    Ah- sim eu trago uma senhora...
    >*o se atropelle, homem Quem vem je
    CIMILLO CASTELLO HUNCO.
    Conlinuacao.
    XIX /
    Rapbael Garglo enfastiado de Beatriz !.. -^Js-
    tigo do cu Dispensemos, u iuiervencao do ceu
    as bailesas, -tjue o nao exaltam. Temos c em
    ftaiso a comezinha e espalmada explicaban de tu-
    do que feo, triste e nauzeativo.
    lnfastiou-se Raphael Gargo por sete razoes :
    i.' Ainguem o estorvava de ir ver sua prima
    duas horas de cada noute, regularmente.
    2. As horas do dia, passadas na sua residencia
    clandestina da ra dos Bomulares, comegarain a
    parecer-lhe longas, c a casa mal arejada, e os vi-
    sfnhos do quarto andar insupportaveis com o es-
    trupido do rapazio.
    3." Beatriz exigia-lhe que elle passasse o dia ali,
    soph para a patta ona; e, se quizer ao menos ver | Paris nao pode deixar de trazer uma mulher.. j0r-
    o cu estrellado, qaando nao ha nuvens, hei de nou Mesquita com o rosto aberto e alma laVqa_
    Mas vose nao vao casar com a Angela de Saojo
    Aleixo T I Oue destino ha de dar o primo cr>.
    tura que leva ? ^
    Hei de pensar nisso, primo... \
    Artnal, volveu o marido de Beatriz, o visiona-
    rio desista as nupcias celestiaes!...
    Que remedioI...
    Bera lh'o disse eu, su rapazola I... Fica por
    recejando que outra mulher o estorvasse ms.anta-; lrp mo d.a|Runs sujetos g0fdog> 'que fa7jam per
    ticamente de a ver a ella.
    Observagao a razao terceira : Se Beatriz Ihe dis-
    sesse que a sua assiduidade n'aquella janella pu-
    cha em risco o segredo, Raphael cuidara que o
    terceiro andar eslava perfumado de cacoulas orien-
    taos ; e que o tropel dos meninos de cima era um
    sido das harmonas dos astros.
    4.a razo. As substancias alimenticias chegavam
    scrapre frias e derrancadas ra dos Romulares,
    por virera do largo do Chafariz de Andaluz. Esta
    razao vergonhosa!
    6." Dorma Raphael tres quatro escassas horas
    em cada noute, para entrar com a aurora na casa
    flida. Pesava-lhe a cabeca, a miado; e, dci-
    ma quarla noute de visita ao hotel, se se descuida,
    bocejava na presenga de sua prima.
    C." Era cunosissimo de touros e corles, e nao
    podia ir ao curro nem ao parlamento.
    7." Quera conversar, queria gente, quera dar
    jantares, e fazer brindes mystenosos a Beatriz;
    mas o relacionar-se era victimar a sua felcdade
    s suspeitas de Nicolu de Mosquita.
    Estas razoes eneadearam-se no fim do primeiro
    mez, e estavam ja na forja os los d'oulras sete,
    qaando Nicolu de Mesquita alngnu e mobilou um
    palacete no larg de S. Sebasliao da Pedreir.
    Raphael melhorou de vida. Livrou-se do ter-
    ceiro andar. Dormia nove horas. Gomia o sen
    jamar em bom estado. Alm disto, morava perto
    de Beatriz, e sabia de nonte a heher bnns ares pe-
    la estrada de Palhavaa at ao Campo Grande.
    De mais a mais, Beatriz, perdido o susto, e iden-
    tificada ao facto assustador, em vez de ir passar
    as nutes com suas primas Cmaras ou Mesquitas,
    duda pela travessa dos Carros, e volitava da se-
    ge de praga a uma porta do jardim de sen primo.
    e ahi se espatitava da velocidade instantnea das
    duas hora> costumadas.
    Isto durou um mez, a beneplcito do coragao de
    Itaphael.
    Coincide cora esta poca, o conciso dialogo, que
    elle leve cora o seu anjo mu no final do anterior
    capitulo, depois de haver lido a carta de Ricardo
    d'Almeida.
    O morgado de Fayoes fieava em casa, quando
    sua prima ia ao theatro. Nao o affligiam numes,
    nem saudades, era anceios de ve-la sobreluzr en-
    tre a constellacSo das estrellas de S. Carlos, as
    quaesdigamo-lo de fgidase nao tivessem luz
    propria, seriam invisiveis luz da sala.
    O que elle quera era ir por si, e nao por ella.
    Reflexionando comsigo, dizia elle :
    O mais aperreado dos tres son ea. O mari-
    do esta com Margarida Frornent, nectarisando a
    batjr os denles de fri por essas ras, onde nao
    co.nheco viva alma 1
    O corollario do discurso era algum axioma, dos
    que elle linha corrposto para uso de seu primo
    Bicardo.
    Queixouse nma vez delicadamente deste seques-
    tro do mundo prima. Beatriz amuou, e doeu-se
    de nao ser bastante a dar-lhe mundos encantados
    de xtasis e fontes inexhauriveis de poesa. Des-! ca noJe '
    fez-se a nevoa, ao calor d'um sculo, no breve Provavelmentc... V. Exc. veiu com a prima
    aguaceiro de mimosas lagrimas. Gongorisemos Beatriz ?
    estas lindas cousas do coracao. Nao : vim so- Beatriz, continuou Nicolu
    A despeito, porm, de Bealriz, Raphael deu em com semblante menos ridente, vive toda entte-
    ir S. Carlos, quando ella ia, endagando previa- 6ue auS ministerios caseiros e ao do filho.
    mente se o primo Nicolu passava a noute no bo- QU(iira v- Exc- fazer-lhe os meus cumpri-
    tel de Italia. Furtava-se ao reconhecimento de ra- me",S > e" P pazes conhecdos da universidade, e sumia-se en- disl,i;nse de procura-ios. Adeus.
    Enlao j ?...
    Vou em busca de oulra pousada.
    Olhe c a companheira Parisiense ?
    Nao, primo, c de Marselha... Adeus I...
    Ah 1 sim ? sao bellas mulheres essas...
    Raphael j eslava no recio ou patim do hotel, e
    A polvora ardida calcula-se em trinta mi
    ris.
    Oumogastou mais. de hora e meia a dissi-
    par-se.
    O dique do Tamisa ficou destruido, mas come-
    garam a empregar-so logo os mais enrgicos es-
    prgos para o reparar antes da mar encher. Se se
    nao podesse restabeleg-lo a lempo, o rio entrara
    em Eritto e as villas immediatas.
    O abalo sentiu-se de uma maneira sensivel era
    toda a capital e visinhanga.
    Era muitas lojas no Lower Street, Islinglon, os
    balcoes Acarara completamente arruinados e os vi-
    dros partidos.
    O primeiro pensamento que se olTereceu a idea
    do maior numero, foi um tremor de trra.
    Toda a gente sahiu de suas casas, em drecces
    desencontradas para saber do acontecimenlo que
    levara o susto a toda a cidade.

    UM VIOLENTO INCENDIO
    Urna carta de Vienna d'Austria refere os por-
    menores de um incendio que se manifestou em
    Isere, n'um vasto edificio que pertencia a Mr.
    Dugeot.
    Este edificio oceupava uma extensao considera-
    vel; eslava situado as margens do Gere, pequea
    correnle d'agua que alimenta quasi todas as oflici-
    as da cidade.
    Era oceupado por uma importante fabrica de
    pannos.
    O fogo fez rpidos progressos, e houve grande
    difflculdade em salvar as importantes construeges
    que estavam prximas.
    A tarefa era tanto mais difficil quanto que as
    madeiras comprehendiam uma grande parte dos
    materiaes das fabricas de Vienna. Apezar dos per
    sistentes exforgos dos bombeiros, dos militares e
    do povo, multas das casas sollreram graves pre-
    juizos.
    A's onze horas um despacho pediu soccorros a
    prefeitura do Rhone, o a aulordade fez reunir logo
    os bombeiros de Leao.
    Um instante depois outro despacho pediu soc-
    corros para Vienna.
    Trinta bomberos parliram n'um trem especial ;
    o trem traosportou quatro bombas e ires carros de
    material.
    A's onze horas e meia o incendio tinha tomado
    udv desenvolvimenio formidavel.
    Os bombeiros de Vienna, de Givors e de Leao :
    immc-
    Mas os prejuizos nao se limilam s perdas mate-
    riaes; no edificio estavam algumas centenas de
    operarios, e afflrma-se que dous cadveres foram
    enterrados as ruinas.
    Os bombeiros de Leao voltaram no dia
    diato a uma hora da tardo.
    l'ra dos seus offlciaes chegou gravemente con-
    tuso.
    Do Journal des Demoiselles traduzimos :
    EMBLEMAS E SVMUOLOS RELIGIOSOS.
    Palma.Symbolo da victoria. S. Paulo eremita
    representado sob uma palmeira. A palmeira o
    emblema da Juda.
    Pelicano.A caridade. Emblema da Eucha-
    ristia.
    Pedra.Attributo do Santo Esteviio.
    Peixts.Emblema do Salvador, de S. Simo, e do 1ue os mencionados no relatono do ministro 4e
    O referido relatorio conere o primeiro preer)
    de cincoenta mil francos ao Sr. Ruhmkorff e a erox
    de oficial da Legiio de Honra ao Sr. Promet. Fax
    honrosa mengao do motor i gaz do Sr. Leooir, d)
    freio elctrico de que inventor o Sr. Arbard, d>
    telegrapho antographo do Sr. Gaselli, da marhini
    elctrica applicada a gravura do Sr. Gaifle, do te-
    legrapho clectro-typico do Sr. Braelli, do telegra-
    pho impressor do Sr. Hugues, dos motores e traw-
    ormadores postos em movimento pela etoetriei.lafe
    do Sr. Froment, do regulador da luz elctrica *>
    Sr. Foucauli, do regulador elctrico que se aereada
    espontneamente e nao se pode apagar do r. Ser-
    rn, da machina magneto-elctrica do Sr. Berlioz,
    das apphcagoes da elertrieidade phvsiologia e
    therapeutica feias pe|0 Dr. Duchenne e do arsetnl
    de cirurgia elctrica do Sr. Middeldorf.
    To brlhantes resultados levaram o goven
    fancez a abrir um novo concurso, que o Ierra-
    ro, e o qual ser do espago de cinco annos, aftro de
    premiar as applicaces mais uteis da eleclriei-
    dade.
    Os estados theoncos nao teern sido esquecidos
    por estas apphcagoes praticas, e na so da aca-
    demia das sciencias de Pars de 12 de setembro o
    Sr. Gaugaim apreseniou uma memoria aivrea i
    desenvolvimento da electricidade. qne resolta da
    frcelo dos metaes e dos eorpos solador.^
    Ainda em relago pratica temos a citar o se-
    guinte facto, que nao nos parece menos imporiaot*
    der a indivdualidade a todo o homem magro.
    Bealriz, guiada pelo coragao que Ihe fallou aos
    oibos, apanhou-o, e arrastou-se; porm, como o!
    visse a contempla-la, perdoou-lhe.
    Assim, pois, melhorou algum tanto mais a vida
    de Raphael Gargo, e decorrerara dous mezes sua- Nicolau acompanhava-o, dissmulaudo o intento de
    veniente, sem variante notavel. : Vur a franceza.
    Em margo d'aqaelle anno de 1843, disse Nico-! "~ moreado de Fayoes transpirava de afilelo,
    lu senhura que precisava de ir Santarem cora e seota-se estupido para inventar um obstculo
    alguns correligionarios polticos preparar o terre- desaslrosa coincidencia !
    no para uma revolugo, lendo de demorar-se nes- B***ri reconhecra a falla do marido, e trema
    ta diligencia forcada tres das. Beatriz ageiteu o na mais nalural e horrenda perplexidade. j
    rosto a uns ares tristes, e o marido licpnrpnn-a i Eslava tolhida de pavor.
    Iicenceou-a, |
    como lenitivo saudade, a ir passar algum dia
    casa das primas Cmaras, em Bemfica.
    Contou ella, exultando, o caso ao primo.
    Bella occasi.io de irmos passar um dia Cin-
    tra Iexclamou Raphael.
    Ficaram pactuadas as delicias de Cintra.
    Nicolu despedm-se tarde da esposa, e foi, se-
    nao menta, para Santarem.
    Ao alvorecer toda risos a manha do outro dia,
    Raphael parou, torcendo o bigode, e friccionan-
    do a concha da orelha esquerda. Parece que tinha
    uma idea salvadora na orelha esquerda.
    Chamou o cocheiro, e disse-lhe :
    Desanda a carruagem, e para porta de ou-
    tra hospedara, que ahi esta em cima direita.
    A senhora vae 1 perguntou o criado.
    Vae.
    Maganao I disse o Mesquita, batendo-lhe no
    Beatriz sahiu fra da barreira, que Ihe fieava hombro, voss nao quiz que eu visse a mulher
    porta, enlrou na carruagem do Raphael, elles ahi Essa boa, primo Nicolu !... Que tem que a
    vao, competencia com o jubilo dos passarinhos veja!... En confio bastante nella e no primo I...
    estrada fra. I respondeu jovialmente o morgado de Fayoes.
    Chegaram Cintra. Parou a carruagem por-1 Pde confiar, que eu puz ponto nos desva-
    a do Vctor. Raphael apeou-se foi dentro procu- rios' concordou o do Vidago. Agora.a minha dama
    rar um quarto alegre e espagoso com vistas sobre a Polillca-
    os arvoredos das quintas subjacentes. Cuidado cora as perfidias d'essa dama, primo I
    Dlzia um criado que os quartos principaes esta- Eu anlftS ,ne 1aero com as devassides das outras.
    vam tomados; o apenas dspunha de um sem ja-
    nella ; mas limpo como todos.
    Ohjoctou o morgado que vlnha com elle tima se-
    E' porque voss nao tem amor patrio, e est
    na sua poca de desperdigar as forgas do espirito.
    Diz bem, meu amigo, e, se me d licenga,
    espero aqu uns poiiti-
    nhora, e em tal caso ira buscar hospedagem n'ou- T0U d>ormir ura Pguco Para recuper-las. Appa
    tra parte.
    Nisto, abriu-se uma porta d'um quarto prximo,
    e sahiu sala de entrada Nico'u de Mosquita.
    Por aqu, primo Gargo? Idisse o do Vida-
    go sem sombra de mal-querenga.
    O choque perturbou o sangue fri de Raphael
    rece ?
    Nao sei se poderei
    eos que vem de Lisboa.
    Pois entao divlrtam-se, e at vista, primo
    Nicolau.
    Beatriz nao quizer apear, sera entender a estra-
    no momento em que Nicolu entrava no quarto.
    perguntou-lhe :
    D'onde vens 1
    De encontrar aqu um prente, que chegou
    hontcm de Franga.
    Esla c ?
    Vinha procurar quarto ; mas nao o encon-
    tmn ditrnn da frannueza, que traza com '"
    Vistea ? E' galante. T
    Nao a vi. O rapaz tem medo que Ih'a be-
    bam os ares.
    Enlo elle velho ? I
    Tem vnte e quatro annos. J te falle nelle.
    E' o Raphael Gargo.
    Ah I disse Margarida com un sorriso inde-
    finivel. Esse teu primo aquelle que amou tua
    mulher?
    Justamente.
    E veiu agora de Paris ?
    Sim.
    Ha quanto lempo estava elle em Franga ?
    Ha cinco ou seis mezes.
    Cuidei que o vira lia Ires em casa do Ricar-
    do... Que figura tem ? E' um rapaz magro, de
    melenas escuras, bigode, e uma cicatriz na face
    esquerda ?
    Tal qual... Tu viste um homem assim f I in-
    terpellou o morgado, atrigando-se.
    Vi... ha tres mezes, poucas noutes antes de
    sahir da casa de Almeida.
    Mas a prmeira vez que me fallas delle !...
    Nao sei para que havia de fallar-te de um
    homem, que me nao importa I
    Mas eu disse-te que suspeitava....
    Que suspeitavas de um primo de tua mnlher
    que eslava em Franga. Como me nao disseste o
    nome delle, nem a poca em que tinha do, eu nao
    podiasuppor que a visita de Ricardo era o primo
    de quem me fallavas... Que pensativo ests, Ni-
    colu !...
    O que eu pens uma horrenda cousa I...
    balbuciou cavamente o morgado, 3 sahiu.
    Onde vaes ? 1 acudiu Margarida.
    Nao me sigas... espera-me, que eu tenho a
    cahega perdida...
    Foi a porta da hospedara que Raphael indicara
    ao cocheiro. Perguntou se ali nao parara uma
    carruagem. lnformaram-n'o que estivera l um
    trem com uma senhora, obra de dez minutos; e
    partir de grande batida, assim que chegou um
    sujeto, e disse ao cocheiro : tJ para Lisboa..
    Pediu os signaos da senhora : Disseram-lhe que
    era magrinha, branca de nev e tinba urna capa de
    casimira escarate.
    Maldicao I rugi o morgado com os denles
    cerrados.
    Voltou ao Vctor, e mandou por os cavados
    carruagem. Foi ao quarto de Margarida, e excla-
    mou :
    E' horrivel o que acontece I...
    do archanjo Raphael. Pesca milagrosa.
    Porco. Acompanha Sanio Amonio eremita e o
    filho prdigo.
    Raposa. Emblema do demonio.
    Rosario Aitributo de S. Domingos.
    Rosa.Emblema da caridade e do marlyrio. At-
    tributo de Mana, do Santa Rosa de Lima, de Santa
    rsula, e da sybilla Hellespontida.
    Roda.Aitributo de Santa Catharina.
    Do Fgaro traduzimos o seguinte :
    Os viajantes sao exigentes.....e smplorios.
    Um viajante alugou um wagn posterior para ir
    de Brdeos Pu.
    Na hora da partida do trem elle corre apressur-
    do e pergunta ao chefe do trem se o wagn est no
    seu lugar.
    Sim, senhor.
    Bem I Dae ordem, porm, para quo collo-
    quem-o de forma que eu nao srja incommodado pelo
    sol durante o trajelo !
    Perdo, senhor, diz o chefe do trem, estaes
    engaado. Eu nao sou Josu I
    Na Revista Scientifica do Commemo do Porto
    l-se o que segu : '
    Continuara anda com fervor os estudos sobre a
    electricidade e o magnetismo, dous elementos de
    nconteslavei progresso que a civilsago deve
    sciencia.
    O Moniteur Unwersel, jornal offlcial do imperio
    france, publcou ha pouco ura documento impor-
    tantsimo a tal respeito.
    E' um relatorio do ministro de instruego publi-
    ca ceica do concurso ao chamado premio de Na-
    poleao III, o qual, segundo nm decreto de 8 de
    margo de 1858, consiste em compensar honorfica-
    mente c pecuniariamente asmis uteis applicagoes
    da pilha de Volta.
    Que pequea alma Observou a Franceza.
    Quando assim fosse, nao terias a coragem de Er-
    nesto Froment ?
    Nicolu fitou-a com spasmo de furioso, e bra-
    miu :
    Porque me dizes tu isso ?
    Porque meu marido, como sabes, nao mo.v-w^'rtou abruptamenieTnpnpifrj.
    vnueurar onde tu metrouxeste.
    exclamou
    Sei que vive fe-
    liz, c esquecido da deshonra, e da sua mu-
    lher.
    Eu nao sou Ernesto Froment
    irado. Sou Nicolu de Mesquita.
    Egual a Ernesto Froment peranle a desgraga,
    accrescenlou Margarida.
    Basta I
    Falta-me dizer urnas breves palavras, tornou
    ella. Eu nao he-de ir andar comtigo atraz de tua
    mulher. Vae, e deixa-me aqui ficar. Se quizeres
    volta, uo manda-me buscar, depois de teres con-
    cluido essa empreza.
    Vem, que eu, entrada de Bemfica, mando-
    te levar ao hotel. Vem, Margarida, se nao estas
    apostada atirar-me o resto da minha razo I
    Pois sim, vamos.
    Que supplicio no trajelo d'aquellas cinco le-
    guas, to vagorosas I Que confragimentos de al-
    ma, crevolutear de vboras apanhadas no nei-
    to I...
    Parou a carruagem em Bemfica, onde moravam
    as primas Cmaras.
    iSicolu mandou o cocheiro conduzr Margarida
    ao hotel, encaminhou-se por uma aznhaga quin-
    ta das primas.
    Baleu ao portao. Heuve grande demora em
    abnrem Ihe. Chegou uma criada a uma janella
    gradeada do muro, e perguntou :
    E' V. Exc. Sr. Mesquita ?
    'nstrurcao publica de Franga.
    S. M. o imperador dos Francezes vsitou ha das
    pela terceira vez a offleina eleetro-metallorgica i
    Sr. Oudry, em Anlciiil, e ficou sorprendido ao rer
    a reproduego galvano-plasiira de nm do* traa-
    diosos baixos relevos do arco do tnamphe de Cons-
    tantino.
    Esta reproduego um esforgo que pareca ira-
    possivel minios.
    Ao mesmo tempo o imperador examioou na me-
    ma oflicina e com Ilustrada atiengSo as piotura*
    por meio do cobre galvnico e dos leos eleclro-
    metallicos, que representara um progresso impor-
    tantsimo.
    A pintura por meio do cobre preserva todos os
    metaes a que se applica de se oxydarem, cooser-
    vando-lhes por muilos annos o aspecto do bronn.
    A pintura por meio do oleo electro-magnetice,
    brilhante, inalteravel e de fcil limpeza, adhere lia
    perfetamente s superficies a que se applica, qoer
    sejam de madeira, de zinco ou de tecidos, que nao
    se fende nem se separa, ainda que se dobre e des-
    dobre muitas vezes a superficie a qne foi apo-
    cada.
    O prego desses leos era excessivo, e, portante,
    nao podiam ter geral applicago, mas este incon-
    veniente foi removido por Mr. Oudry, que ao cabo
    de muitas experiencias achou meio de fabricar o
    oleo de modo que, sem perder nenhuma das sua-
    qualidades, possa vender-se pelo prego do oleo de
    linhaga.

    Sao antigos os processos para imitar o marfin.
    mas recentemente appareceu ura com applicago
    aos buhares, que tem merecido bastante aiteorao
    da parte dos industriaes.

    a mais indas-(leavel das physionomias benemri-
    tas d'um estudophysiologico.
    Que iens tu f volvea Beatriz. Qaerem ve1"
    que te aconteceu com o demonio da poltica algn-
    ma desgraga I
    * que horas sahisie hoje de casa ? pergaa-
    Sou
    offegante.
    a Sra. I). Beatriz est c ? disse elle
    Esl sim, meu senhor.
    Esl ? repergunlou com espanto.
    J disse que est... Eu vou pedir a chave
    para abrir o portao.
    la grande alvoroto nos quarlos das senhoras C-
    maras.
    Beatriz estava em convulsoes; e uma das pri-
    mas casadas dizia-lhe :
    Que mulher esta 1... O' tola, toma animo,
    que est tudo prevenido, creadas, e tudo I... Tira
    essa capa, e cobre-te com a minha azul, que ir-
    ma da tua. E' uma cautella, que tu nao sabes
    se te elle viu .
    Sacudam-lhe o p do chapeu I disse outra
    senhora (Jamara, tambera casada.
    E o marido d'esta senhora accrescentou :
    Porte-se cora coragem, prima Beatriz.
    O tardo abrir-se do portao deu tempo a tudc
    isto.
    Quando Mcolu a visin aescadaria do palacete,
    De manhaa cedo, responeu uma day^enho-
    ras Cmaras, porque nos vein.p>,-. pe a travessa
    da prima, eram seis horas e meia.
    Essa pergunta que significa ? inqaeriu Bea-
    triz, arrugando a testa.
    O primo est afilelo I A saa pergunta quer
    dtzer alguma cousa I observou outra senhora.
    Beatriz enlrou de repelo na sala, encarando o
    com uma sobranceria de quem esraaga a afronta
    sobre os tacoes das botinhas.
    Entre primo Mesquia, pedia o marido de
    uma das senhoras. V. Exc. est preoecupado.
    Pego perdo I dis-e Nicolu. Eu devo con-
    fessar, visto que Beatriz se retirou offendida, que
    uma gravissima suspeila me trouxe aqui.
    Suspeila injuriosa pobre senhora ? pergun-
    tou a prima Carolina.
    Eu suppuz que minha mulher esleve em Cin-
    tra ha tres ou quatro horas.
    Que horror exclamou uma e as outras.
    com a- maos no rosto, conclamavam :
    Que horror, Deus de misericordia !
    Em Cintra I?
    Ha tres horas ?!
    Haveria olhos infames pue tal vissem !
    Quem Ihe disse isso ?
    Como se ataca a honra d*um anjo 1
    Fallavam lodas a um tempo. O propro sojeito
    que era marido, cruzou os bracos, abanou a cabera
    e disse :
    por momentos. Fez-se logo a reaego dos imper- "boza d'aquelle encontr, -entia uns angustiosos
    terrilos espirites. | aperloes de medo, que os criados nao compre-
    E' verdade.primo Mesquita I... V. Exc. aqui I, dam.
    Eu julgava-o ha muiio em Palmeira. Cinco mezes
    em Lisboa !
    Aqui estou embaragado por cousas da poltica.
    Afinal cae neste lodagal commum. E voss, d'onde colau.
    Raphael entrou na carruagem e disse :
    J para Lisboa !
    E contou o simples caso da apparigo de Ni'
    vem Y
    D3 Paris. Cheguei hontem tarde. Venho
    ver Cintra, e vou breve para a provincia.
    Veiu s ?... perguntou Nicolu, sorrindo.
    Porque pergunta se vira s T replicou Ra-
    phael atalhando.
    Beatriz aquietou-se, e riu, quando o primo loe
    contava o cmico dialogo com o marido. Mas o
    susto sobreveio, quando Raphael conjecturou que
    Margarida, aquella hora, poderia revelar cousas
    que os perdessem.
    No entanto, Margarida Froment, que despertara
    Que filho ? I perguntou a Franceza, mais j sua mulher, entre as senhoras Cmaras estavam
    agitada que o natural. [ no patim, voseando um alarido de alegre recepgao
    Vamos para Lisboa ?... J I... Eu tenho ao primo Mesquita.
    sido atragoado I... O reparo que elle fez logo foi na capa, quo Ihe
    Por mlm, santo Deus I exclamou a Fran- sahiu azul. Ainda assim, acara denotava o in-
    ceza. ferno interior.
    Nao, por minha mulher. Nao fosle Santarem ? I perguntou Beatriz
    Tens provas ? I com jovial admiraco.
    Era ella que viaha cora o infame I Era ella. Assim, assim! applaudiu a meia voz uma
    e eu vou arrancar-lhe o coragao !... e apunha-lo das senhoras casadas. Falla-lhe n'esse tora.
    a elle I
    Reflexiona, meu anjo I redarguiu Margari
    da Froment. Tu ests desvairado I Pois
    te-a?
    Nicolau subiu a escada, aiuda esbofado.
    Vleste a p ? I disse Beatriz. Que canceira
    tu vis- | essa I Tu d'onde vens ? de Lisboa ? como fiea-
    va o menino ? Viste.o filho ?
    Nao. Fugiram. Branca, magra, e capa es- j Multo bem I disse pnridade uma senho-
    carlate I... Era ella I Est morta, juro-te que ra Cmara a outra senhora Cmara, ambas casa-
    morre hoje, se nSo estiver escondida nos abysmos das com maridos espertes,
    do inferno? O morgado sentou-se n'um banco de ferro. Era
    Que hedionda calumnia !
    Vcnna pedir perdo prima Beatriz disse
    urna dama de cincoenta annos, que tinha ao seo
    lado um lilho de vinte e outro de desoilo. Va pe-
    dir perdo innocente menina I Em Cintra I?
    Pois ella chega aqui s seis horas e meia, a p,
    coitadinba, que nao tinha trem, era o achara
    aquella hora.... e esteve em Cintra ha quatro ho-
    ras I... que mundo, que mundo !...
    Nicolu ergueu-se, e foi pelo brago do caralhei-
    ro a um quarto, onde Bealriz se refugiara com
    uma das senhoras.
    Estava ella com a paluda fronte apoiada na
    palma da mao e os olhos no regago, sobre a mao
    da sua amiga, que a confortava.
    Nicolau acercou-se della, tocou-lhe na face e
    disse commovido :
    Entao, filha... perdas-me.
    Nao quero saber o que hei de perdoar-lhe,
    respondeu Bealriz com sevendade.
    Perdoa, perdoa I disse uma senhora Cmara,
    que nao averiguamos se era rasada : perdoa, por-
    que >s desconfiangas sao a prova do amor.
    Eram seis horas da tarde, la o jantar para a
    mesa. Nicolau pediu desculpa de nao poder assis-
    tir. Foi para Lisboa, e ficou de mandar a noile a
    carruagem buscar sua mulher.
    Entrou de boa cara, no hotel de Italia, e disse a
    Margarida I
    ou um asneiro I Beatriz eslava desde as
    seis horas e meia da manhaa era casa das primas
    Cmaras Pobre mulher '
    E pobres homens.... ajuntoa Margarida coa
    um sorriso perverso,, pobres homens os ciosos co-
    mo tu I...
    (Conlinuar-se-ha.)
    J
    PERNAMBUCO.TYP. DE M. F. DE F. & FILHO


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EOSM5ZSRR_P1SI87 INGEST_TIME 2013-08-28T02:30:53Z PACKAGE AA00011611_10511
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES