Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10510


This item is only available as the following downloads:


Full Text
V
UO IL. HDMEBO 254.
Pop tres nezes adautados SgOUO
Pop tres mezes vencidos 6$U00
Porte ao correio por tres mezes. 750
5 CE ME1HBR0 DE mi
Por a ano adiantado.....19$00O
Porte ao correio por om anuo 3$0
ENJARRb,GAUS A .UCRiPgA NO NORIE
** u Lnula i>i Oliveira; Maranhao, o Sr. Jnaquim Marques Ro-
drigues; i-ara, os Srs. Manoel Pinheiro & C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SURSrR>PCAO NO SL.
Aiagas, o Sr. Ciaudino Faleao Das: Bahia, o
rr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera lartias A Gaspariao.
PARTBJA DOS ETaFE'AS.
Oiinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas 0
sextas-feiras.
Samo Anto Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinno e Garanhuns as tercas feiras
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Vil!a Bella, Tacarat,Cabrob,
Boa Vista Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Serinhaem, Rio Forrnoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros.Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
liba de Fernando todas as vezes que par ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao y, dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE NOVEMBRO
6 Quarto cresc. as 9 h., 33 m. e 2 s. da t
13 La cheia as 3 h., 13 m. e 36 s. da t
21 Quarto ming. as 4 h., 56 m. e 56 s. da m.
29 La nova as 4 h., 57 m. e 26 s. da m.
PRJ5AMAB DB HOJK.
Primeira as 8 horas e 30 minutos da manha.
Segunda as 8 oras 54 minutos da tarde.
k*Jtl os VirORgS LOSTaRO.
Para o sul at Alagoas a 6 e 25; par* o norte at
a i?h* a 7 e 2~ de cala Die"' Pira ornando nos
das Hdosniezcs dejan. mare., maio. jal. set. e nov.
Partida do omnjcs.
Para o Recife: do Apipucos s 6 /#, 7, 7 i/lt 8 e
8 V da m.; de Oiinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao as 6Va da m.; do Casanga e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos s 3 Vi, 4,41/4,4 /,
o, 8 V*. o Vi e 6 da tarde; para Oiinda s 7 da
manha e 4 y, da tarde; para Jaboatao s 4 da
tarde; para Cachang e Varzea s 4 V, da tarde;
para Bemfica s 4 da tarde.
>.DiNC A DOS TRIBUNAJS l! k C IPitAL
Tribuuai do commercio: segundas e quintas.
Reiaco: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do comawruo: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e seitas ao meio
dia.
Segunda rara do civel: quartas rabbados a 1 hora
da urde
DAS DA SSMAffA.
31. Segunda. S. Quinlino m.: S. LsjdHa v. m.
1. Terca, cjp Pesia di- iodos os Saltas.
2. Quarta. Dia de finado*. S. Tobas m.
I. Quima. S. Malaqoiai b.j S. Herberio m.
i Sexta. S. Carlos Borromeoarr. de Miio
o. Sabbado. Ss. Zarharias o Isabel
6. Domingo. S. Severo b. m. S. Athico.
ASSIGNA-SB
no Recife, em a linaria da praca da Independen
ca ns. 6 e 8, dos propietarios Macoel F.Kuer, ,
de Fana & Filho. ewoa
G0YER\0 DA PROYINSiA.
Eipedieole do dia 2 de noverobrade 1S6S.
ca, a inclusa copia do aviso de 2i de outubro pr-
ximo lindo, em que o Exui. Sr. ministro da guer-
ra aulorisa-me a mandar recolher caixa filial do
London i Brasilian Bank os dinheiros dos meno-
res desse arsenal, ajustando-se-lhes previamente
suas contas, de sorte que possa haver urna cader-
uda para cada um. Communicou-se ao inspector
da thesouraria de fazenda.
Dilo ao m-smo. Mande Vmc. apresentar com
urgencia ao commandante do brigue barca tama-
raca, alirn de serem enviados para o Maranhao
em um dos hiates de guerra procedentes do sul,
os cartaxos embalados e capsulas fulminantes que
existem nesse arsenal com destino aquella provin-
cia, e de ijue trata o meu offlcio de 30 de setem-
bro ultimo. Communicou-se ao cemmandanle do
brigue barca lamarac.
Dito ao juiz de orphos desta cidade.De con-
formidade com o aviso circular da reparlgo da
justica de 20 de outubro prximo Ando, remello
Oflicio ao Exm. visconde da Boa-Vista comman-
dante superior da guarda nacional do Recife.
Sirva-se V. Exc. de informar acerca do que soli-
cita o Dr. chefe de .polica, no offlcio que aqui
ajumo.
Dito ao coronel commandante das armas.Con-
vindo que a forca que tem de seguir para o pre-
sidio de Fernando no dia 4 do crreme, tenha
sol sua guarda, durante a viagem, os 13 senten-
ciados de justica a que allu'de o meu offlcio de
31 outubro ultimo, baja V. S. de expedir neste
sentido as convenientes ordens.
Dilo ao mesmo.Approvo o contrato que, se- .
girado o termo por copia annexo ao offlcio de Vmc. o incluso modelo das cartas de eniancipaco
y. b., rte honiem n. 1949, celebrou o delegado do que em cumprimento do decreto n. 3310 de 24 de
cirurgiao-mor do exercito com os doutores era setembro prximo passado, deve esse juizo passar
medicina Pedro Maduro da Fonseca e Gabriel aos Africanos livres existentes Desta provincia.
Alcides Raposo da Cmara para servirem estes | Dito ao director da colonia militar de Pimente-
na puarmcao desta provincia, em quanto forem ras.Em resposta ao offlcio que Vmc. me dirigi
necessario.Communicou-se ao inspector da tlie- sob n. 11 e data de 4 Je outubro prximo fiudo
souraria de fazenda. tenho a declarar-lhe que em vista da informacao
Dito ao mesmo.Ita|a V. S. de providenciar do commandante das armas, copia junta sob n. 1,
acerca do que pede no requerimento incluso, o e do que se acha disposto no aviso circular da re-
padre Jos Lopes Das de Carvalho que foi exo- i parlico da guerra de 4 de ralbo de 1862, copia n.
nerado do emprego de capellao do presidio de 2, nao pode o cabo de esquadra do 2 baulho de
Hernando. infamara Joao Alves conlratar-se por dous airaos
Dilo ao mesmo.Expeca V. S. suas ordens para | como colono desse estabelecimento
que, urna guarda de honra se ade anianha pos-1 Portara.-O presidente da provincia attendendo
tada no caes da Aurora, em frente ra For- i a que o teneote do 2o batalho de infantaria Jos
inosa, s i horas da tarde, afim de assislir ao em- Caelano da Silva se acha doente e impossibiliado
barque do Exm. e Revm. bispo do Para
Dito ao mesmo.A' V. S. vo apresentar-se os
guardas nacionaes do municipio de Santo Antao, conceder-lhe 3 mezesi de ficencVcom soMo simples
Luiz Amonio da Franca e Bernardrao Pereira de ** -- --------
Brito, que teem de depor no consellio du soldado
do 7. batalho de infantaria Mannel Mariano, dei-
xando de ir o guarda de nome Manoel Jos dos
Sanios [ior se haver mudado d'aquelle municipio, I
como declarou-me o respectivo commandante su-
perior, em offlcio de 12 de outubro ultimo.
Dito ao Dr. chefe de polica.Em resposta ao
offlcio que V. S. me dirigi, sob n. 1326, e data de
28 de oulubro ultimo, tenho a declarar-lhe
que, devendo correr pelos cofres provinciaes as
despezas com o fornecimento de luz, para o des-
tacamento da villa do Bonito, composto de pracas
do corpo de polica, nenhum embaraco haver no
pagamento de semelhantes despezas; o que V. S
fara constar ao delegado d*aquelle termo, afim de
providenciar do melhor moda possivel sobre o re-
ferido fornecimento.
Dilo ao mesmo.Remetta-me V. S. com urgen-
cia urna relacao nominal dos criminosos presos na
provincia, com declaracao dos crimes por elles
commetlidos, devendo V. *. enviar-me regular-
mente d'aqui em diante, igual relacao das captu-
ras, que se fizerem mensalmcnte.
Dim ao mesmo. De conformidade com o aviso
circular da repariicao da justica de 20 de outubro
prximo Gndo, remeti V. S., para os devidos
efleitos, o incluso modelo da matricula e assenta-
mentos que se tem de fazer nessa reparticao rela-
tivamente aos Africanos livres existentes nesta
provincia, que por decreto n. 3310 de 21 de setem-
bro ultimo foram emancipados.
Dilo ao iaspeetor da thesouraria de fazenda.
Estando em termos os inclusos doenmentos que
me foram remeljidos com offlcio do chefe de poli-
ca, datado de 31 de oulubro ultimo, sob D. 1343,
mande V. S. pagar Manoel Gomes de Mello a|
qnantia de 325300 despendida, durante os mezes i
de julho a setembro desle anuo, com o fornecimen-
o de. luz e agua para o quartel do destacamento
da cidade de oiinda, segundo consta do citado offl-
cio.-Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dilo ao mesmo.Transmiti V. S. os inclusos
documentos, afim de que estando elles em termos
de continuar no servico do exercito como provou
com o termo de inspeccao a que foi sujeilo, resolve
conceder-lhe 3 mezes de licenga com sold 1'
para tratar-se nesta provincia.Fizeram-se as ne-
cessarias communieaces.
Dita.O presidente da provincia conformndo-
se com a proposta do Dr. chefe de polica n. 1336,
de 29 do mez lindo, resolve nomear a Joas Fer-
naudes de Araujo Santos para o lugar vago de 2o
supplente do delegado do termo do Bonito, e para
3o supplente do mesmo, noma a Manoel Thomaz
de Villa-Nova, por ter deixado de prestar juramen-
to o cidado para elle nomeado Manoel Antonio
Soares da Fonseca.Communicou-se ao Dr. chefe
de polica.
Dita.OSr. gerente dacompanhia Pernambuca-
na de navegacao costeira fa$a transportar a cidade
do Natal no 1 vapor que seguir para o norte a
mulher do alferes do 7 batalho de infantaria
Francisco de Paula Monleiro de Albuquerque e
cinco lilhos menores que vo residir na mesma ci-
dade.-Communicou-se ao coronel commandante
das armas.
Dita.Os senhores agentes da companhia Brasi-
leira de paquetes mandem dar transporte para a
Babia por conta do ministerio da marrana no va
por /'aran ao capitao tunate da armada Joao
Soares Pinto que veio em commissao a esta pro-
vincia em virlade de ordem do governo imperial.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de paquetes, mandem dar transporte para Bahia
por coma do ministerio da guerra no vapor Para-
mi, ao cabo de esquadra Faustino Joaquim da Ro-
cha Lima, que foi transferido do stimo batalho
de infantaria para o dcimo da mesma arma.
Communicou-se ao coronel commandante das ar-
mas.
Expediente do secretario do goveruo do dia 2 de
oovembro de i Mi i.
OUicio ao coronel commandante das armas.
De ordem de S. Exc. oSr. presidente da provincia,
communico V. S. que por despacho de 31 de ou-
lubro prximo linde, autonsou-se o director do ar-
senal de guerra a salisfazer o pedido do segundo
batalho de infamara, a que allude o offlcio di V.
documentos, alnn de que estando elles em termos, e n iain Hi, .m .... ,',' -w.w, ..
mande pagar ao subdelegado do distncto de Bebe- r^taS^WiS a a
rihe, bacharel Francisco Brederodes de Andrade,'- an 'nsf^J,3, M"*" de fazenda.-
_:.' ______.:. j. ,.aiu _......., a. i 1 a. bxc. o sr. presidente da provincia, manda rans-
nao s a qnantia de 125000, proveniente do alu-
guei de dous mezes vencidos em 21 de outubro ul- I
limo, da casa que serve de quartel ao destacamen-;
to all existente, mas tambem a de 105960, despen
dida com o fornecimento de luz para o predito
quartel a contar de 21 de junho a 21 de oulubro
tudo desle anno, como se v dos mencionados do-1
cumentos que me foram remetlidos pelo chefe de
polica enm o offlcio n. 1343 de 31 do citado mez
de outubro.
Dito .10 mesmo. A' vista do requerimento que
aqu ajumo, mande V. ?. abonar a pr^staco men-
sal de 165, que di seu sold pretende deixar nes-
ta provincia o alferes do 2" batalho de infantaria,
Tiberio Olegario Cesar Burlamaque, a contar do Io
do rorrete em dianle.Communicou-se ao coro-
nel commandante das armas.
Dilo ao mesmo.Attendendo ao que requereu o
juiz municipal do termo do Rio-Formoso, bacharel
ltutioo Collio da -ilva, recommendo a V S. que
mande pagar sob minha responsabilidade, nos ter-
mos do decreto n. 2884, do Io de fevereiro de 1862,
os vencimentos que por falta de crdito dexou de
receber o snpplicaiiie relativamente aos mezes de
abril, maio e junhu desle anno.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Tomando em consideraco o que expoz o chefe in-
terino da reparticao das obras publicas, no offlcio
junto por copia, datado de 31 de oulubro, sob n.
303, recommendo V. S que, em vista do incluso
pedido suppleinenlar, mande adianlar ao agenle
Bel de deposito daquella repartido a quantia de
7785iHX) para occorrer as despezas com as obras
por administraco no precitado dia 31. Commu-
uicou-se ao chele interino da reparticao das obras
publicas.
Dito ao mesmo. Em vista dos inclusos docu-
mentos, e nao hateado inconveniente, mande V.
S. pagar ao Dr. Joao da Silva Ramos, conforme so-
licitou o chefe de polica em offlcio de 31 de outu-
bro ultimo, sob n. 1,341, a quantia de 685000, em
que importaram as despezas feilas na casa de
sade daquelle doutor, com o curativo dos presos
pobres Manoel Rodrigues doNascimento e Antonio
Jos Francisco, que foram accoinmettidos da va-
rila.Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dilo ao commandante do presidio de Fernando.
Respondo ao seu offlcio n. 92 d- 12 de setembro
ultimo, remetiendo inclusas por copia as informa-
e3es da thesmrarie de fazeoda de 24 e 29 de ou-
tubro prximo fiado, allm de que V. S. se regule
por ellas nos pedidos de roupas, a contar do pre-
sente exerricb, para os sentenciados militares
exNtnnies nesse presidio
Dito ao iuspector do arsenal de marmita. Re-
commendo V. S. fue d as cenvenientes provi-
presdente da provincia, manda irans
mittir V. -. s quatro inclusas ordens do dia em
duplcala expedidas pela reparticao do ajudante
general do exercito, sib n. 4i7 420.
Dito ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, manda transmittir V. S. inclusa or-
dem do thesouro nacional sob n. 152.
Dijo ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, manda transmitlir V. S. as ouze in-
clusas ordens do ihesouro nacional sob ns. 141 a
149 e 151 a 150.
Despachos do dia 2 de novembro de 1861.
R? nutrimentos.
Anna Catharina de Bolonia.Nao tendo o orphao
Olympio a idade exigida no regulamenlo de 28 de
Janeiro de 1861, nao tem lugar o que requer a
supplicante.
Antonio Jacintho Borges. A' thesouraria pro-
vincial se expede ordem para addiar por um prazo
rasoavel arrotnataco da obra de que trata o sup-
plicante.
Alferes Boavenlura Lellao d'Almeida.Remetti-
do ao Sr. in>pector da thesouraria de fazenda pa-
ra alteuder ao supplicante nao havendo inconve-
niente.
D. Belarmna de Moraes da Silva.Passe porta-
ra concedendo a licenga que pede a supplicante
para seu marido, mas com sold simples.
Jos Francisco do Reg Barros. Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Joaquina Francisca da Porcincula.Concedo o
praso de vinte das requerido pela upplicante.
Manotd Maximiano Rodrigues.Pode seguir.
Manoel Francisco das Cbagas.Requeira ao ''r.
commandante das armas a quem compete conca-
der a passagem que o supplicante solicita.
- COMUANDO DAS ARMAS.
Quartel do commaado das armas de Pernambuco,
na cidade do Recife, 3 de novembro de 1861.
ORDEM DO DIA N. 11.
Aprouve ao governo de S. M. o Imperador cha-
mar corle o 2." batalho de infantaria, que hoje
para all embarca no vapor Paran.
Se por um lado o coronel commandante das ar-
mas, sent separar-se de um corpo que estava sob
sua jurisdicao, e que bem servio na guarnigao
d'esta provincia desde 1860, por outro lado tem
motivo de regosijar-se na expectativa de que Ir
em outra parte prestar iguaes," seno mais valiosos
servicos. nespedindo-se do Sr. coronel Luiz Jos
Ferreira e de sua offlcialidade, prevalece-se da op-
portunidade para agradecer-lhes a coadjuvagao que
dencias, para que essa reparticao preste com bre- Ihes prestaran) no curto periodo em que tem diri-
vidade s embarcares pequeas que forem requi- gido a forca que Ihe foi confiada,
sitadas por parte do commandante das armas para Assignado.Joaquim Jos Goncalves Fones.
embarque e desembarque de recrutas ou de presos Conforme. -Jos Francisco de Moraes e Vascon-
militares, ou mesmo para outra qnalquer emer- cellos, capilao ajudante d'ordens encarregado do
gencia do servico a que se deva dar prompta exe- detalhe interinamente,
cucao. Communicou-se ao coronel commandante
das armas.
Dito ao director geral da inslmccao publica. I
Informe Vmc. ouvindo o conselho director da ins-
truego publica, sobre aadmissao do hvro que aqui
ajunto, as respectivas aulas.
Dilo ao director do arsenal de guerra.Remello '
Vmc. aflm de ter execuco na parte que Ihe to-
PERNAMBUCO.
REVISTA DIANA.
Anda pelos vaporesque tivemos ltimamente da
corte, nao veio providencia alguma para o fim de
serem pagos os forneclmentos feitos ao conselho
administrativo do arsenal de guerra, em data an-
terior ao Io de julho do crreme anno, sera em-
bargo de terem, segundo nos consta, sido endere-
zadas para all varias reclamacoes de autoridades
e requerimeotos de partes.
Semelhnte deieixo mostra bem o pouco caso
que fazem os Srs. ministros de estado das recla-
macoes das provincias, ao passo que nao deixam
dormir nos cofres deltas quantia alguma, nem to
pouco deixam declinar do direito da menor nomea-
(ao de emprego, embora o facam sem conheci-
mento do nomeado. E' preciso portaoto cortar
pelo sysiema de centralisacao a um ponto to ex-
eessivo, que tem tornado as administraedes provin-
ciaes urna especie de sargento de ordens do ge-
verno geral.
Solicita-se-nos esta publicacao .
Sr. redactor.^endo graves e serias as acen-
sares que a sua Revista de hoje faz a polica da
Magdalena, apesar de fundadas uas nformacSes e
dizem de pessoas talvez suspeilas pela mi vonlade,
que lenham ao pessoal dessa polica, como amigos
e prenles do actual subdelegado, moraderes nes-
te lugar, e mais ou menos interessados em seu
mov ment, cumpre-nos o dever de pedir a V... a
suspenso a seu juizo desfavoravel a aquella auto-
ridade, emquanto senhores dos fados argidos,
possamos, sem tomar contestacoes, detalhadamente
informar os seus leitores da verdade occorrda.
Obngado por mais esta prova de attenco e ge-
nerosdade ficar o seu amigo e leitor/. M.
Magdalena, 4 de novembro de 1864. >
De Po-d'Alho em data de 3 nos escrevem o
seguinte:
t Nada sei de importante que tenha succedido.
Foi marcado o jury nesta comarca para 18 do
correte.
Comeeou hontem o processo de Jos Ramos, de
que Ihe fallei, o qual requereu habeas-corpus ao
juiz de direito, que Ihe nego a soltura. Creio
que quando elle esteve preso no Recife inteatou
tambem o mesmo recurso ante a relagio.
Acha-se pronunciado em crirae de responsabili-
dade o coronel Luiz Candido Carneiro da Cuuha,
como 3o supplente de delegado. Foi processado
pelo juiz de direito, e deu motivo ao processo o
facto praticado pelo mesmo coronel, de que Ihe
dei noticia, e foi: o haver mandado prender a Joo
Jos Bezerra de Menezes, na occasio em que era
sollo por ler sido despronunciado (isso no mesmo
dia em que fra publicado o despacho de despro-
nuncia, que dest'arle ficou inutilisado) com o fun-
damento de que ia ser Bezerra novamente proces-
sado ex-offlcio pelo mesmo crime, por haverem
novas pro vas conlia elle, e o coronel linha apenas
funecionado no processo por suspeico dos oulros
supplentes, o Io que estava em exercicio e o 2o I I
E devo anda accrescentar : que quando tudo isso
sefazia, exista ja urna petcao despachada, em que
a parte queixosa recoma dessa despronuncia I I
adaos.
Entrn honteffl arribada para refrescar, a
Catara brasileira 27 de Abrtl, da praca de Paran-',
gua, em sua viagem da ilha de Maio para o Rio de
Janeiro. Doze dias depois quo sahio do porto fal-
leceu o capto Jos Pereira da Silva, de feares,
assumindo o commando o piloto.
Hoje a penltima represeniae/io dos Marty-
res da Germania, cujo mrito artstico ja assas
contiendo do nosso publico. Convidamos portan-
te aos diletlanti a irem apreciar as bellezas desse
drama e o Irabalho consciencioso da companhia,
pois que amanha a ultima representaco delle.
No dia Io do torrente desembarcou pela se-
gunda vez em nossas praias o Exm. e Rvtn. Sr. D.
Antonio de Macedo Costa, Bispo do Para. Algons
amigos do venera vel Pastor conduzirm-no immedia-
tamente ao paco da ^oledado, onde recebeu a hos-
pedagem que Ihe havia preparado o Sr. Dr. Mauuel
Ferreira da Silva.
Durante os tres dias que entre nos passou, foi'
visitar varios templos, casas pas, hospitaes e esta- i
belecimenlos pblicos da nossa cidade, finando so-
bremodu maravilhado no pnmeiro da, da ordem,
aceio e amor de trabalho que encontrou na Casa
de Delencao do Recife : E' surprebendente no '
Brasil urna penitenciaria siraiihante I disse elle I
ao observar o respeito, a submissao e a d.-ciplina
de todos os presos, que, saludos de suas celias, for-
mavam alas, para receberem de joelhos a bencao
e as consolacoes do sanio Prelado. E para testemu-
nhar o seu apreco por esla fundaco modelo, di-
gnou-se elle annunciar que no dia" seguinte (que
era o de finados) viria celebrar a missa de rquiem
na capella da estabelecimento; o que efectiva-
mente leve lugar pelas 9 horas da mantiaa, no meio
do maior recolhimento e grandes sgnaes de com-
puncao da parte de todos os detentos. Depois da ,
missa honrou a mesa do almoco, que Ihe foi offe-
recida pulo digno administrador da casa, a que
assistiram lodosos cavalhelros e senhoras que se
achavara presentes.
Ao meio dia foi S. Exc. Rvm. visitar o cemilerio
publico, quepercorreu lodo, depois de haver ora-'
do na capella, e ahi se exprima do modo mais It-
songeiro, ao contemplar a disposicao de arvoredo,'
o alinhamento das ras, a sumptuosidade de alguns
tmulos, e sobretudo as actuaes condigoes higi-
nicas do cemilerio, deviao tu3i>-~isto ao infatigavel
zelo do seu distincto Administrador.
A' tarde desse mesmo da foi a. Exc. visitar Oliu-1
da.porm a hora ia adwntada, e^ pouco tempo leve
deobservar os monumentos historeos que desejava.
Noentanlo, ficou satisfeitissimo da cathedral, o ar- i
rebalado do ponto de vista pittoresco que essa emi-
neneia offerece ao viajor : E' sublime disse
elle, t apenas comparavel ao painel encantador
do golpho de aples I S. Exc. o Sr. Vigario Ca-
pitular e alguns membros do Cabido accompanha-1
rain sempre o Ilustre Prelado.
Durante a sua estada aqui foi o digno Prelado
procurado na sua residencia da Soledade pelo
Exm. Sr. Presidente da Provincia, que Ihe fez os
offerecimentos os mais obsequiosos.
As pessoas as mais gradas da trra tambem o
visitaram com igual intento. Felizmente em honra
nessa o merecimento tem o apreso e rendimenlo
de respeito que a justica exige.
No dia 3 do manha oceupou-se eom algumas
conferencias, e larde embarcou com as honras
devidas, na rampa da ra Aurora, no meio de um
concurso immenso, vido de beijar o annel ao
sympatlnco e Ilustrado Chefe da Egreja Paraense,
cujos labios e celeste expresso de bondade teem o
dora de fascinar a quantos o comnranicam.
Em poucos momentos chegou a bordo do Paran,!
com direceo ao Rio de Janeiro, e dentro de um !
ou dous mezes o teremos aqui de volia para a sua
feliz diocese.
Em fevereiro oa marco vindouro deve come-
car o servico da nova linha de vapores transatln-
ticos denominada The Brttis & South American
Stean Navigation Company, passaodo por nossas
aguas o primeiro dos seus vapores.
Esta linha, estabelecida era Londres, tem j
promptos tres vapores de 2,800 toneladas, e eslo
em construccao outros tres de 3,000 ditas ca-
da um.
Os vapores devem partir mensalmente de Liver-
pool e Falmouth com escala para Lisboa, Bahia e
Rio de Janeiro, d'onde seguirao para Montevideo,
Valparaso e Lima.
Com o prazo de irinta dias, contados de 4 do
corrente, chama a thesouraria provincial aos se-
I garatas proprietarios da ra do Crespo para cntra-
j rem com as quantias designadas abafo, pelo cal-
| smenlo da referida ra :
2 Amonio Jos de Magaihies Bastos.. 2405000
1 O mesmo...................... 3605000
6 O meste........................ 2100000
8 Domingos da Silva Campos, Manoel
de Azev#do Andrade e Antonio de
SouzaRego..................... 2235000
10 Filhos de Jos Rodrigues do Passo. 1305000
12 Jos Rodrigues de Araujo Porto... 905000
14 Francisca Thomasia da C. Cunta .. 3455080
16 Da mesnia o herdeiros de Antonio
da C. S Gui maraes............. 3385000
18 Aibino los da Silva............. 2105000
20 Herdeirts de Francisco de Paula
Corroa' de Araujo............... 2985300
1 Guihertne da Silva Gumaraes..... 1205000
3 Anna Maria Munz............... 605090
3 Guilherine da Silva Gtiimares .. 1935000
7 Miguel os Barbosa Gnimaries .. 2175500
9 Manoel Antonio Viegas Jnior e An-
tonio Correia de Vasconcellos..... 3305000
13 Jo- Moreira Lopes............ 2105000
15 Luiz Cesario do Reg e outro...... 2405001)
torios da massa de Caminha & Filhos
F rancisco da Rocha Passos Lins-
Adiado na ultima sessao.
Desprezaram-se os embargos.
Appellante, Joaquim Francisco uirte, como in-
ventarame dos bens de seu tinado filho Maximia-
no Francisco Rgueira Duarte ; appellados, Manoe
Joaquim do Reg e Albuquerque e Joaquim Pedro
do Reg Barreto.
Adiado na sessao anterior.
Foram desprezados os embargos com o voto do
Lxm. Sr. presidente.
appellado, g. ha de firar, foi o premio da sua temeridad*
insolencia. E fique desde ja certa o Sr. Dr. im
dos Aojos, que se a. S. n.io tem medo de caretas e
nem tle bravatas, en tambem n.o tenho o BMTMf
receio de eucara-lo de frente.
Ninguem levara a mal que o Sr. Dr. JaaJ m
Anjos, para por limpo de um tabeo infame alada)
que bem merecido, seu filho, o Dr. Mm-iiei liernar-
ao vieira de Amorim, juiz municipal e delegad..,!
termo de Caruar, contestaste a veracidade m
noticias daquella cidade, publicadas no Diario de
2. do mez passada, e as quaes eu live tanla parte
2535000
1055000
1205000
1305000
1935000
17 Jos do Santos Neves e outros.....
19 Do mestoo......................
21 Irmaudafle das Almas do Recife...
1 23 Viuva e herdeiros de Manoel Lou-.
rengo da Cou...................
23 Manoel Ferreira Ramos e Filho e
Antonio da Costa Reg M..........
Fizeram acto na Faculdade de Birelto, no dia
4 do corrente, os estudanlos abaixo nomeaJos
I endo o segainte o resultado da respectiva vota-,
seo :
Io anno.
Antonio Paulino Cavalcanti de Albuquerque, ple-
namente.
Manoel Varella ao Nascimento Jnior, idem.
Artequilino Ayres Albano Costa, idem.
I Francisco Antonio de Castra Loureiro, idem.
2 anno,
! Jos Joaquim de Almeida Nobre, plenamente,
i Francisco Jos de Medefros, idem.
Eduardo Augusto da Silva, idem.
Antonio Pereira de Araujo, idem.
3 anno.
Alfredo Meatezuma de Oliveira, plenamente.
Licinio Alfredo da -ilva, dem,
Elyseu de Souza Marlins, idem.
Domingos da Costa Ramos Filho, idem.
4o anno.
Bolvar Teixeira Mendes, plenamente.
Jos Joaquim de Oliveira Fonseca, idem.
Livino Vieira de Macedo Lima. idem.
Augusto de Araujo santos, idem.
Um reprovado.
5o anno.
Pompilo Cavalcanti Mello, plenamente.
Meii-iadesereira da Silva, dem.
Augusto Anda Silva Ros, idem.
RarWriQA.0 da polica.
l-.xlr.-icIJ do.-, parios do dia 4 do oovoml.ro do
1864. /
Foram recolhidos casa de detenco no dia 3
de novembro:
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Honorio
Jos da Racha, para averiguagoes; Rita de Cassia
e Estevo, escravo de Virginio de tal, para cor-
receo.
O chefe da 2* secrSo,
J. G. de Mesqutta.
Movimento da casa de detenco do dia 31
de outubro de 1864 :
Existiam....... 338 presos.
Entraram.:.... 3
Sahiram....... 4
Appellante, Ignacio Barroso de Mello ; appella- nrnnrm
do, Antonio de Azevedo Villarouco. Ulve7 ..ne hn ?v! r 2*at" *" ; e n,es,no
Adiado o julgatuemo a requerimento de um dos fZl3S^SXSfSZ tZT&** S"
Srs. deputados emenue^e que nao poda defender >eu filho sen
AppeManiesV Guimaraes 4 Bastos; m^hoos, ZZ'ZV^?^^ ""Y sua pataVa *
os curadores fisca.s da massa fallida de Amorim i "m ch" SSIA "", ^. "* P'
Fragoso, Santos & C. \ c"e*ra\e*' CfSs do amor paternal.
Adiado o julgamento requerimento do um dos J&fttzJ!*!?* de- li,n&,r TU f,,h- **'
Srs. deputados c a um woc-- 1ue nao "tendera, proca-
Appellante, Vicente Alves Machado ; appellados, !fln;^Hl'armear'rhe a *Pu,aw. !* ambam
Prente Vianna fi C a procediineiito revoltaole e
Todos os senhores deputados juraram suspeico,
e o Exm. Sr. presidente ordenou que se convocasse
supplentes para que possa ter lugar o julgamento
na prxima sessao de 7 do corrente.
PASSAGENS.
Appellante, Thomaz Teixeira Bastos; appella-
dos, os administradores da massa fallida de Joa-
quim Jos Silveira.
gador Res e Silva.
Aggravos interpostos do juizo especial do
commercio.
Aggravantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C. ; ageravados,
Costa & Filhos.
O Exm. Sr. presidente negou provimento.
Nada mais havendo a tratar, o Exm. Sr. presi-
dente encerrou a sessao 1 hora da tarde.
Caixa filial do banco do Brasil em Per-
lia mbuco
BALANCETE EM 31 BE OUTUBRO DE 1864.
ACTIVO.
_ Letras descontadas.
Com duas assigna
abjecto; e eu como offendido, nao i-odu a tata
delle indignar-me menos do que me indignei, e
por isso espero que meus amigos e os que lrem
estas linhas, me desculparo, se julgarem que, na
repulsa de tao violenta e desabrida aggres-.io, ou
mais acre do que devera ser.
Porque razo, nao tendo eu concorrido para a>
sobredilas noticias, o que era fcil ao Sr. Dr. Jo-e
, dos Aojos verificar, S. S. hornera velho, e que por
Do Sr. desombargador Accioli ao Sr. desembar- ?f, tSHETSZ S' S' lK""e"' Vell'- e,,ue por
tdor Reis e Silva. ,n^mo devera sempre mostrar prudente e
turas residentes
no lugar do des-
cont.......
Com urna s dita
dito.......
213:7235773
9:6205000
223:3435773
Letras caucionadas.
Por ouro, prata c
ttulos commer-
ciaes.......
Por outros ttulos.
13:7675380
A saber
Existem....... 357
Nacionaes.....
Estrangeiros...
Mulberes......
Eslrangeira
Escravos ......
Escravas......
286
3
17
2
U
5
337
Alimentados cusa dos cofres provinciaes 180.
Letras a receber.
Saldo desta conta.
Contas correntes.
Saldo desta conta.
Diversos.
Saldo de varias con
tas........
Caixa.
Pelos segrales va-
lores:
Em moeda de ou-
ro de 22 quila-
tes ........
Em notas do the-
souro dos valo-
res de 105000 e
superiores. .
Em notas menores
le 105000.....
Em moeda de tro-
co ........
Em notas da pro-
pria caixa. .
13:7675380
4,431:3635063
731:iM>45676
1,553:8815125
2,259:0505000
90:2005000
1:0495000
5226
2,355:3605000
4,705:9295226
11.680:2535243
CI1R0XIC1_J11DICI4RU
vitmi v a i. io r . ACTA DA SESSAO ADMINISTRA-
TIVA DE 3 DE NOVEMBRO DE 1864.
PRESIDENCIA O EXM. SU. DESEMHAKGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTl.
As 10 horas da manha, estando reunidos os Srs
deputados Lemos, Rosa, C. Alcoforado, e supplente |
Basto, o Exm. Sr. presidente declarou aberta a
sessao.
Lida, foi approvada a acta da anlecedente.
EXPEDIENTE.
Foram distribuidos tres lvros para serem rubri-
cados pelos >enhores deputados, sendo um Diario
e um copiador da casa eommercial de Manoel Jos
Fernanda llarros, e um Copiador da de Antonio
da Silva Pontes Guimaraes.
DESPACHOS.
No requerimento de Joao Silverio de Souza, pe-
dindo que seja registrada a escriptura de hypo-
theca que aprsenla :Regislre-se.
No de Jos Gomes Leal, visto p^lo Sr. desem-
bargador fiscal, pedindo ser admetlido matricu-.
la :Matricu le-se.
No de Antonio Gomes de Miranda Leal, tambem
visto pelo Sr. desembargador fiscal, e igualmente
pedindo ser admitiido matricula : Matrieu-
e-se.
Nada mais houve, e foi encerrada a sessao s
H X horas do dia.
SESSAO JCDICIARIA EM 3 DE NOVEMBRO
DE 1864.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. f. PERETTl.
Secretario, Julio Guimaraes.
As llji horas da manha, o Exm. Sr. presidente
abri a sessao estando reunidos os Srs. desembar-
gadores Reis e Silva, Silva Guimaraes, e Accioli, e
os-Srs. deputados Lemos, Rosa, Caudido Alcoforado
e supplente Basto.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
Assignaram-se os accordos proferidos na ultima
sessao, na appellaco entre partes :
Appellante, Manoel Goncalves da Silva ; appel-
lados, os curadores fiscaesda fallencia de Amorim,
Fragoso, Santos & C.
Appellantes, Novaes & Lima ; appellado, Fran-
cisco Soares Retumba.
Appellante, Joaquim Jos dos Santos Andrade ;
appellado, Antonio da Silva Pontes Guimaraes.
Appellantes, Virgilio de Castro Oliveira e Joo
Maria de Albuquerque Oliveira; appellado, Jos
Alves da Silva Guimaraes.
JULGAMENTOS.
Appellante, Jos Joaquim da Silva Gomes : ap-
pellado, Jos Das da Silva.
Adiado na precedente sessao
Desprezaram-se os embargos.
Appellantes, Santos Caminha & Irmos. liquida-
Passivo.
Banco do Brasil conta do capital.
Va lorfornecido pe-
la caixa matriz. 2.000:0005000
Emiitao.
Valor em circula-
cao........ 6.357:5805000
Letrat a payar.
Por dinheiro loma-
do a premio. 5
Por saques..... 121:5075440 124:5075440
Diversos.
Saldo do varas con
tas........ 3,130:6705825
GattAOS e perdas.
Lucros sujeitos a
liquidado. 61:4945978
11.080.2335243
O guarda lvros,
anaci Xunes Correa.
CMMUMCABS.
4|iiom nao qiier ser lobo nao Ihe
veste a pelle.
Urna vez que o Sr. Dr. Jos dos Anjos Vieira de
Amorim, querendo pasar por hornera de bro e de
dignidade, acceitou a provocacao que Ihe Sz pelo
Diario de 7 do corrente, declarando em seu com-
mumeado inserto no mesmo jornal do dia 10, que
comigo mesmo se entende esse alguem a que allu-
dio em o seu primeiro communicado ; corre-me
agora o indeclinavel dever de satisfazer o empe-
nho. que contrahi, de dar-lhe conveniente respos-
ta ; e aproveitarei a opportunidade para atirar-lhe
s faces os insultos que acaba de dirigir-me no seu
ultimo escripto.
Nunca Uve contestacoes pela imprensa com pes-
soa alguma, e de cerlo que pela minha imaginaco
nem de leve jamis passou que as tafia com um
homem da iaia do Sr. Dr. Jos dos Anjos, de quem
fiquei fazendo triste, mas justo e bem acertado jui-
zo, desde que S. S., pordesgraca minha, procurou-
me e trocou comigo algumas palavras na ;ssem-
bla provincial ; porque, merce de Deus, sempre
tenho fgido de approximar-me e entreler rela-
coes com gente quem tenho ouvido altriboir cer-
tos precedentes,
Com quanto, porm, eu sima acanhamenlo em
entrar em lica com o Sr. Dr. Jos dos Anjos, assal-
tado em minha reputaco como fui por S. S., nao
estou disposto deixa-lo impune e a uzar da pru-
dencia de Scrates, que tendo um dia levado de
om insolente um ponlap, soffieu pacientemente o
ultrage e como seus amigos Ihe exprobassem sua
insensibilidade e .dissessem que era preciso que
ello levasse aquelle miseravel justiga e pedisse
satisfaco do insulto, retorquio : Como I ?... Se
um asno, passando, medsse um couce, eu devera
lvalo aos inbunaes ? I...
Sim; preciso que eu d urna resposta ao Sr.
Dr. Jos dos Anjos, para que nao me tenham per
insensivel ; preciso que eu o deixe assignalado e
que todo o mundo saiba que o gilva, cora queS.
reectido, arreraecou-se ssbre mira rom a fura de
um selvagom ? Onde ficou a im-ulrada Matraca*
e comedimento de S. S. ? Ah o bota eslava desde
muito lempo armado, e o Sr. Dr. Jos dos Aojos s
espreitava a occasio de da-lo. Julgou-a dNftafc,
quando vio o nome de seu filho na "..iprensa. aaf-
frendo graves aecusacoes, porque aweaaa-MM que
s eu era capaz de escrever contra elle... De-
mais, o Sr. Dr Miguel Amorim acabara de fingir
o diadema da victoria e... como o Sr. Dr. Jos .los
Anjos queria celebrar o triumpho de sea lilho.
pensou que aggredindo me e sujeilando minha re-
putaco, que lano preso e que me tenha esureadp
para conservar sempre pura a cruel tortura.
Pois bem I... j que S. S. assim pnxedeu, sem
ao menos attender sua idade, nuca agora o que
vou responder-lhe. 0 que S. S. escreveu cootra
mim no seu primeiro communicado, e trae no se-
gundo sustentou com o mesmo admiravcl despejo,
nao passa de nina intriga baixa, miseravel e as-
querosa, filha de urna alma pequenina, sem dujoi-
dade e sem nobreza, e forjada com o perverso Om
de ver se eu decaio da c nlianca do governo e soa
demitido do lugar que tenho, digo- com orgulho.
sabido honrar, e que, honrado passare quera ti-
ver de ser meu substituto.
Respoudo anda ao Sr. Dr. Joa dos Anjos, que
prfido a ingrato aquelle que, tendo recebido do
Exm. Sr. presidente da provincia recommendacoes
particulares, tomoS. S. mesmo o asseverou no seu
communicado de 23 do mez passado, para deizar
a eleirao correr Uvremenle. voroue o narerno nutria
antes perder, ao que ter o desgasto de ver alterado
o socego publico por qualquer violencia ou desvia
das autoridades, trahio emelhanies recommenda-
coes e abusou, segundo ouvi dizer, do nome do
govorno para justificar as tropelas que f nessa
eleico, aulrmaodo que nao fazia mais do que rura-
prr as ordens que desle linha recebido : a nao po-
de aquella qualilicacao de prfido e ingratoca-
berme, pois que tenho sempre com a maior fide-
lidade cumprido as ordens que, romo empregado
publico, hei recebido do mesmo governo.
Os sentiraenlos ignobeis da perfidia e da inerati-
do. Sr. Dr. Jos dos Anjos, s podem existir, por
exeinplo, no hornera de carcter dobre, no avena-
reiro poltico, no individuo que, leudo lilho, auto-
ridade no centro da provincia, ordenou-lhe. que fi-
zesse guerra era urna eleirao a cerlo candidato,
que dizia ser adversario poltico, e depois mandoa-
Ihe contra-ordeni para que trabalhasse em favor
desse mesmo raudulato, contra todas as ronveni
encas e resolucoes do seu partido, s por mera
especujaeo, s porque vio que cmn semelhnte
procedimenlo. que na realidade nao de hornera
que se eslima e que sabe dar valor a honra, ptidia
o m.'smo lilho obler mais um emprego porque da-
de muito suspirava, e conseguir as gracas talvez
desse mesmo candidato.
Finalmente, prfido e ingrato o ^r. Dr Jos
dos Anjos, verdadeiro Jann poltico, que, ao pasa i
que se diz liberal puro ou genuino, laguna ti n>m
as violencias praticadas por seu lilho n-nlra o par-
tido liberal de Caruar : violencias para cuja pra-
Uca bem provavel que o delegado d'alli livesse re-
cebido bons insiiamenios doSr. Dr.JoadM a\ag
E*. por conseguinte, orcoao, i|ue S. S. eunfeise,
que s a coragem do desfacaraento faz que quem
assira e por semelhnte maneira se romporia, ap-
plique a outro a fbula composta para pintar a
dubiedade de carcter, que no Sr. Dr. Jos dos An-
jos v-se distinctamenle sera oeculos.
Para dar forca sua vil intriga de que eu prfi-
da e ingratamente qnerreio s escondidas o governo,
disse o Sr. Dr. Jos dos Anjos no sea ullimo com-
municado que vio algumas listas pan a ultima
eleicao de juizes de paz e vereadores, contendo no-
me de pessoas de poltica contraria a dominante, e
que Ihe affirmaram serem escripias por letra do
promotor do Bonito.
Nao espere nunca o *r. Dr. Jos dos Aafas que
eu me meca pela sua hilla, nem que me ha de
apandar em mentira. E' verdade que fiz com a
minha propria letra seguramente duzenlas N-tas
para a referida eleico e mandei fazer ouiras un-
tas ; mas o que eu nao consinto que o >r. Dr.
Jos dos Anjos attribua, como pareo-, carcter po-
ltico ao minguado grupo, que acompanhou seu fi-
lho nessa eleico era Caruar ; por que elle pro-
prio, quando tratava de frmalo, excitando resen
tmenlos e avivando odios adormecidos, dizia que a
questo eleitoral nao era poltica, mas sim pessoal,
e que todo o seu empeuho era tirar urna desforra e
desmontar o director do partido liberal daquella
freguezia, que nao se quiz prestar ser-lhe sub-
serviente. Se, pois, essa queslao era pessoal, como
apregoava o -r. J)r. Miguel Amorim ; por qoe ra-
zSo nao podia eu pronunriar-me, sem comprometti-
mento do meu cargo, por aquelle lado onde va
maior numero de amigos meus e contava com mais
syrapathias ? Por ventura o Sr. Dr. Miguel Amo-
rim tem ra; is direilos do que eu, de modo jro, em
urna eleico, Ihe seja permittido apresentar-se
frente de um grupo para supplantar um partido, e
isto nicamente co n o lim, pouco nobre de lomar
desabafos e salisfazer caprichos pueri, e a mim
seja vedado collocar-me junio desse mesmo partido
levado pelo sentimento da gratido, e ajada lo com
os meus conselhos e freos servicos ?l
Alm diste, eu nao sei que o governo seja parte
em eleicoes, o que alias se deprehende do trecho
do r.ommunicad > do Sr. Dr. Jos dos Anjos que es-
tou respondendo, e apenas o considero como poder
protector da iiberdade de lodos os cidadaos ; e,
pois, s S. S. se lerabraria de arguir-me de guer-
rear, o governo, allegando o facto de ter eu escrip-
to as mencionadas litas.
Que triste papel est representando o Sr. Dr.
Jos dos Anjos para gosar o inrrjavel praxer de
urna vingancuiha centra um desafecto de sea li-
lho II... Entretanto, estou persuadido de que, o
que levo dito, j o confunde bstente, mostrando
/


-

Diarla de Permantineo ftabbado & c Xorembro de 1 84.
ijue em verdade a sua malvola arrosagSo ni"
passa de uma intriga baixa, misera ve I e asquerosa,
orno disse o repilo de rosto e peito descohertos.
Saiba o Sr. Dr. Jos dos Anjos que eu nao nega-
ra haver feito aquellas lisias, assini eorao nao neg
laclo nenhuin da niinha vida, por que nao sou do
numero d'aquelles cobardes que, recelosos sempre
dos actos que praticam, nao sao capazos nunca de
B sendoassim,como nio pode deixarde ser, seja Francisco se ferc com as proprias
licito a uma das victimas, hoje qno se encentra em penliu !* provar, quo a demora n.
armas. No en> | te do segurado, c com faculdado
meio do caminhu com o inu algor, embargar-liie o da execugao foi antis devida a "nos ImiH??
passo, fallar-lhe a consciencia
ciencia daquelles, que
o que sent, na ausencia
desabafo de seus resentimento
direi. que sem que a relago
primeiro quioquenoio.
4" Sem perda de capital nem lucros, em caso
algn nem mesmo rom a mortt do segurado po-
dendu liquidar cada anuo, depois de passar os
primeiros cinco.
confessa-los, para nao terem que carregar com u u >w constantes ae recibos juntos aos au-1 lugar entre partes o major Francisco Gomes d'Arau-
peso da competente responsabilidad, ainda quan- tos, em que correo a questo, nem por isto deixa jo Pereira e Joo da Malta Rodrigues Fundador,
do d'abi me tivessem de provir graves e incalera- de ser verdade, que nos deu o direito de have-los, sem se lembrar que para isto muito coneorreu a'
neis prejuizos, ainda quando, wrfrj oni/m, estivesse e nao foram pelos exequenles abatidos do debito to-' comhinaco dos dous elementos, ento dominan-
certo de. que, cun a minha conlissao, vina S. S. tal, assim cerno nao flcou provado, qne deixassem | tes Joaquim Francisco e Moscoso este juiz e O Sr. D Joo de Acollar e Orteea A m Pnrtn-
realNados os desejosque hoje mais o atormentara, de te-Ios recebido. aquelle advogado no pleito em questao, osquaes, I o administrador^Santali?S Naaond
o que, se succedesse, S. 8. considerara urna enor- Jlem pega a, labia de que pelo simples fado de! nao obstante reconhecerem o direito do major Tem o seu escriutono na ra dos Dourado es n
me catastropbo para mim. Costumo ser coheren- pao: ter arelacao julgado liquospor uma estranha ; Francisco Gomes, usaram do expediente de prote- 198,1 andar semoremtente aos snhscrintores
te : quando pratico iim -cto, sujeito-me a tolos os jurisprudenc.a-os meamos 28:000^600 nao nos! lar a execugao, depow deesgotarem lodos os meios, desde as 9 da mauhaa ii 4 da tarde Presta tam-
seus resaltados. Duvido, entretanto, que o sr. Dr. desse direito sobre os meamos, por quanto da cir- i at as mais inauditas perseguigoes, das quaes foi o bem todos os esetarecimentos deseiaveis
Jos dos Anjos tenha a mesma franqueza e confessa cumstanrla do deixar-nos salvo o direito de haver-1 publico inleirado, e leve oecasiao de reeonheeer o a demonstracSo dos resultados aue devem ob-
assim publicamente que seu filho leve, durante mos quaesque quantias, que houvessemos dado em Sr. deuutado Brando, na qualidade de advogado ter-se na poca do liquidaco tal como cima a
outra ; tado editalmente, para o que de'sd
sio que nos tornemos a eccupar do assumplo,; te se offerece a justificar a sua ausencia,
. .----- ---------- .,------ u.l**-' > -: ---------------------- ---------- 'i-.-.
tem mostrado que sabe pregar bem o dente na re- macio, sendo que nao
putacao allieia, mas que talta-lhe a coragem para quantias por nao serem reclamadas em reconven-1 grvidade do met adversario.
Nato sahiio no mesmo da.
Brisbane Queenolandvapor inglez Platymis Blix,
com a mesma carga que trouxe de Glasgow.
TIIEATKO
DE
EDIT1ES.
O lente Thom Carlos Peretli, juii de paz do
segundo dislricto da freguezia do Santissimo
Sacramenta la Boa-vista, em virtude da lei, etc. j
Fago saber aos que o presente virera, que por
parle de Antonio Jos Paulo de Carvalho me foi i
feita a petigao do thaor seguinte :
Antonio Jos Paulo de Carvalho, que seodo-lhj ;
devedor Manuel Soares de Moura da quanlia de
eeoto cincoenla e nove rail seiscentos ris, qur
por isso chamar a concilucJo, mas como se igno-
ra o lugar certa ondo existe, requer o sunplicaute
V. S. se digne mandar que seja o supplieade ci-
dias em Carnar urna efflcina de fazer chapas Wa^o, relta, que ella reconheceu exislirem I do mesmo major, que poz termo questao" de'pois apresVmanEC muI^1^oo7todo^~o1rr! Tado editalrn1nta'>para^ que desdej l
pata a referida eleigao, visto que sabe disto tao essas quantias, e outras nao podiam ser senao os d uma conrihagao, em que foi reconhecido o direi- occasio que n
peritamente como eu ; e duvido, por que S. S. 28:0004000 sobre os quaes versava a nossa recia-! to do seu conslituinte. Por ah so avalie da forga dar-lhe-hemes maior desenvolvmento paraa tor-'i Igada que seja' por senteuca V. S. mande pas-
nao reconheceu liquidas essas argumenticia, inculcada honeslidade e presumida nar ainda mais eomprehensivel. Todava ade-!saros ed i tos na forma da lei, pelo quo pede
1 monstrago que hoje ofrecemos sofflciente para! V. S. Illm. Sr. juiz de paz do segundo d.strielo da
S. ISABEL
EMPREZA
GEMAM CtlIMU.
Recita ettramrdlaarla.
SABBAO, 5 DE NOVEMBRO DE 19*4
PKI.A I I.TIJIA TKZ
os
N4RTVIIS
dizer certas verdades.
gao.
Nao preciso, como o -r Joaquim Francisco, te-
Isto posto, eu pego agora ao Sr. Dr. Jo< dos An- Direi aindae espero que o bacharcl Mello Ca-' eer labyrinthos, em que se occulte a mentira com
jos que me responda ao seguinte, se a confosSo em valcante prona o contrario, pois que nada disse a as cores da verdade ; os pontos essenciaes ahi fi-
que val ficar Ih'o permitlir : Que qnalilircao de- respeito e nem a commocao porquo passava a pro-lcam capitulados ; o publico, para quem, por mi-
vc-se dar ao procedimento do seu filho, relativa vincia autorisava uma medida extralegal se a poli-!nhi vez, appello com mais confianga e tranquilli-
niei.ie ao convite quo elle fez aos vernu-lhos de Ca- ca compete proceder a ponhora e apprehensao de dade ainda do que o meu adversario, que decida
ruani para o ajudarem na ultima eleigao d'alli
convite qne nao foi acceito por que. nao so
rain ajusfar sobre a partilh dos lugares da mes
ma eleigao ? Talvez que S. -., afronxando mais
um bocadinho clchele de sua conherida modera-
rao e cumedimento, queira ter o arrojo de dizer
<]ce, pela idea que laz da probidade e carcter de
seu lilho, isto uma fal.-idade minha ; mas eu o
desmentirei, invocando o testemunho dos membros
mais importantes d'aqnelle partido.com quem seu
filho se entenden.
Ora, se o Sr. Dr. Jo^ dos Arijos leve a audacia
de afiirmar que cu prfida e ingratamente gurreio
ms escondidas o governo, dando como prova desta
le i.a- cu compelo proceoer a ponhora o ap|irehensao de j aue anda do que o meu adversario, que decida
fall ; bens, e se fui neste sentido, que reqnereram forga entre ambos, fazenJo-me a justiga de crer, que nao
pude- ao enefe de polica, ou para auxiliar a jusliga que o calumnio quando o considero herdeiro das inglo-
em nada disto figurou.
Se uma vez procedida a penhora pela polica a
entregues os bens ao depositario Bernardo Dornel-
las, que entretando, mu i calculadamente, e talvez
pelo pejo de declinar esse nome, deisoa de figurar
como tal no termo de apprehensao de bens (docu-
mento sob n. 3) appenso a sua correspondencia,
quem autorisouSao exequente a chamar-se a posse
de todos os bens penhorados e dispor delles como
eflerlivamente dspoz, vendendo escravos penhora-
dos ao Sr. lente coronel Luiz de Albuquerqiie
Maranhao, desmembrando do engento Abreus eo-
assergo as lisias quealludo, por que cmiinham mo se seu fosse, terrenos, que fr.un vendidos ao
nomes de pessoas contrarias a poltica dominante, sr. Joao Lobo de Barros, j falleciJo?
e por isso me chamou cobarde e infame, epithetos J v o Sr. Joaquim Francisco, que nao fui ri-
<|ii<) Ihe llcaram impressos na fronte, deve concor- goroso na exposicao dos faetns, taes como elles se
dar contigo qne seu filho guerreia tambem o go- deram ; so o tedio e aversao, que naturalmente
Temo, por que procuren unirse com pessoas de inspira a verdade quando nao se pode fallar com
poltica contraria dominante, e que por tanto, grande somma de consciencia e moralidade, como
elle credor d'aquelles honrosos Ututos. Nao se JO caso vertente, o dominaran) em extremo, que
zangue contigo o Sr. Dr. Miguel Amonm, quo nao dir o publico quando o dominar a convlcgo de
desejo offende-lo com o meo raciocinio; agradeca que tanta potidez e civilidade c o recurso dos mos
antes a seu pai o elogio que ahi Ihe fica, pois que para poupar aos bons o tedio e o horror as suas
concluso legitima das promessas por elle esta- iniquidades ?
belecidas. *> de feito com que nome se dao a conhecer os
Bis como o Sr. Dr. Jos dos Anjos, sem o sentir, que, como os excipientes, depositario, et retqua,
ferio com o mesmo golpe indigna e inopnadamen- (alias defendidos como fiis cumpridores de seus
te a mim e a .-eu lilho deveres porque deu conta aos exequentes dos bens
Nao tinha intengao de dizer pela imprensa uma dos execniados, apezar de consentir em trausaegoes
palavra acerca da ultima eleigao de juizes de de toda a ordem. o que prova, que os instrumentos
paz e vereadores de Carnar ; ao contrario eslava nao podiam ser nielhores) representara na socie-
bem disposto a guardar silencio sobre ella; mas dade o papel de..... O Sr. Joaquim Francisco
bem se ti qne en nao poda responder devidamen- comprehende, nio? Pois comprehenda njais esta,
te ao r. Dr. Jos dos Anjos, sem dizer ao menos Em 1853 exigindo eu do Sr. Luiz Maranhao, sob
O que fica dito, embora esteja convencido de que protesto, que ainda agora rectifico, a cohibigao dos
S. *. muito calculaduneiite fallou nessa eleigao in- ttulos pelos quaes possuia ditos escravos, foi-me
Tolvendo o meu nome. pelo mesmo senhor declarado, quo efectivamente
Continuando na minha resposta ao r. Dr. Jos os tinha, mas que nao declinara o nome do ven-
dos Anjos, cabe-me asseverar-lhe que nao COBsi- dedor Que nome merece slo, Sr Joaquim Fran-
dero seu lilho tao grande personagem, que, para cisco ? Creio, que nao Ihe ser muito difflcil ade-
tirar-lhe a grande estima c conceito que S. S., sob yinhar, e ento ver, que nao ha tal virulencia na
a fe de sua honrada palavra, assegura gosar elle
geralmmte em Caruar, seja-me preciso guerreiar
s escondidas o governo, como >. S. ainda o affir-
moa dando assim proras de que vive por seu filho
cheio de nauseante orgulho e de que dotado de
uma fatuidade sem limites.
E para que havia eu tirar ao vr. Dr. Miguel
gmorim a grande estima e conceito de quo gosa em
Aaruar ? U que faria delles, se esiott sati-feito
Com o odio e desconceito de que tambem all
coso, e acto que ningueni os quereria ?
Para que. poim, o sr. Dr. Jos dos Aojos se fir-
me mais no juizo que faz da estima e conceito de
seu niho n'aquelle lugar, eu tomo a liberdade de
lembrar-lbe o seguinte : que tendo-se elle apresen-
tado como candidato presidencia do collcgio elei-
toral d'alli has duas ultimas eleigoes para senado-
res, fui em ambas derrotado, nao obstante os es-
forgos que fez para ser eleito, e ser alm disso a
primeira autoridade do termo I _
Resolvido, como me acho, a nao dexar sem res-
posta uma so das palavras offeusivas do Sr. Dr.
Jos dos Anjos, nao me nossivel por a margem
este pedaclnbo do seu primeiro rommunieado :
Coilado! est pequeo anda : caminhe usstm que
:,,, i..,., i ais admira niie S. S. me lastime, a es-
carnega, porque em regra cada individuo oostoma
tratar os oulros conforme a censciencla Ihe; dizque
elle profiri merece ser tratado; e tambera porone
mais de ura despresivel tenho eu visto querer cus-
pir em pessoas respeilaveis, s por nao poderem
hombrear com ellas. Todava, eu declaro sincera-
mente ao Sr. Dr. Jos dos Anjos, que me tenho na
conta de pequeo, ma- nao menor que S. S. e que
linguagem do autor do histrico.
Nao deixarei de interpellar o Sr. Joaquim Fran-
cisco, uma e militas vetes, sobre qual fosse o direi-
to, que concedeu ao sen honrado pai a faculdade
de chamar-se a posse e usufructo desses bens,
quando havia orna cousa chamada depositario
pela polica, verdade, para o que nao cessarei de
chamar a auengao dos entendidos na materia. E
diz o Sr. Joaquim Francisco, que cusa a crer, que
o proposito de ferir os exequentes levasse o autor
do histrico a faltar a verdade e ao respeito devido
propria consciencia.
O que cusa a crer, ^r. Joaquim Francisco, que
S. S., sem o menor respeito propria consciencia,
e para chegar a seus fins, illudindo o publico, qne
nunca vira de proceder lo minuciosas indagagoes,
pelo que procurare! -inteira-lo da verdade, adulte-
raste algumas pecas, que fez extrahir dos respec-
tivos autos, e fazendo uma conta de cabo de esqua-
dra suppouha destruir, por esse modo, a merecida
opniao, que veio de crear no espirito publico a
pubhcago, que tanto Ihe deu quo fazer. Para
isto recorrer! aos prenrios documentos, por S. S.
publicados, comegando pelo de n. 3.
Confrontado e>te documento com oque fiz publi-
car, e que foi integralmente copiado dos autos,
nota-se o aecrasclmo de tres escravos sobre os 38
comprehundidos na primeira penhora. a saber :
Jos Benguela, Joaquim Haca, e llosa Camundongo,
nao comprehendidos em neiihum dos termos de
penhora ; e nem isio de estranhar nlleclindo-se,
que o bacharcl Mello Cavalcanti tinha necessidade
de nao cahir em cootradircao as rontas, na ver-
dade bem complicadas, que se soecorreu, para
rias glorias, que tem sabido conservar, julgando
se talvez feliz com os despojos d'uma victoria, que
odevia cobrir d'elerna vergonha. O que porm
nao posso prescindir de viogar as cinzas exhu-
madas pelo *r. Joaquim Francisco d'algumas pes-
soas, que me sao charas. Obriga-me a dar-lhe o
troco na mesma moeda.
Assim far lhe-he sentir, que a repntago desse
juiz municipal supplenle, que se refere, est su-
perior s sellas dos seus calumniadores, que, por
mais que se esforcem, nao lograro conquistar o
lugar de honra, que sempre soube elle mauter na
sociedade dos homens honestos, em que viveu e
morrea.
Esses sicarios, frente dos quaes se via um dos
executados, meu mano, dirigir-se sala do jury e
delta expedir o respectivo juiz de direito, no que
ha mais do que exagerago, ha falsidade, nunca se
comparara) e menos correro parelhas com os Al-
bertos, assassino de verissimo de tal, com esse ce-
lebre Victorino, sentenciado de Fernando, ex-es
cravo do honrado pai do Sr. Joaquim Francisco,
ptimo agente para melbores emprezas, e que hoje
Victorino Cavalcante o Sovelao do Sr. Joaquim
Francisco para o que dr e vier. Finalmente nao
foi a nossa casa, quo ohngou, em pocas remotas,
o assassino d'um homem, que, lendo feito figura
importante as fileiras do partido liberal, suecum- |
bio ao punhal hoimelda do sicario assalariado.
Releve o Sr. Joaquim Francisco de Mello Caval-
cante, que assim proceda, desde que se langa insi-
nuagoes desairosas memoria de pessoas, que
sempre me acostumei a acatar e venerar; e creia,
que nutro os mais serios desejos de que nao mais
se encommode e d tratos imaginago para res-
ponder-me, porque entre o muito dizer e provar a
distancia immensa, e de palavras estamos tartos;
de provas o publico que o juiz deve estar satis-
feito.
De mais, a minha posigo de perseguido e esbu-
Ihado de todos os bens, que possuiamos, reduzido,
para melhor dizer, miseria, sem recursos para
medir-rae com um campeao to respeiiavel, mal
podendo ainda agora, fazer saliente a justiga que
me assiste, obriga-me a por termo a esta discus-
so, que d'outro modo e em outras circumstancias,
seria interminavel.
Recife 28 de outuhro de 1864.
Miguel Bezerra de Abreu.
provar a boa organsago e as vantagens reaes
para os associados na Nacional.
Agente Jeronymo Joaquim Fiuza de Oliveira.
O perfume do heualspherlo oc-
cidental.
(Extracto do jornalA Chronica, 23 do junho
de 1838.)
Agoa Florida, lio meio do oppressivo calor que
nos cerca e debilita e de que nos todos mais ou
menos soffremos, consideramos aquelle que nos
pode proporcionar qualquer ura neio de alivio
consolador e de mitigacao suave para nos sos so-
friraentos como um grande bemfeitor. Os Srs.
Lanman t Kemp residentes em Water Slreet n.
69, fabricantes d'Agua Florida, tornam-se pois
cora justa razo, em summo grao dignos deste
louvor : e o seu aonuncio pode ser visto em uma
outra columna desta edigo de hoje. Esta excel-
leote agua ou admiravel liquido usado para os
usos ordinarios de baono e per sem duvida um
dos cosmticos o mais agradavel asrim como o
mais delicado e delicioso perfume que jamis te-
mos usado.
A' venda as boticas e tojas de per fuma as.
FUBLICKGES A PEDIDO.
seguros de % idas utllidade
c estas lust i ulcdes.
Temo-nos oceupado por diversas vezes e a res-
peilo de diversas companhias dos seguros de vidas,
porque entendemos que a sua Instituigo sendo
corno uma verdadeira providencia para todas as
classes, convm anima-la e auxilia-la.
O seguro de vidas offerece aorico rollocagao
| segura o altamente rendosa para os seus capitaes;
| classe meda, classe sobre todas illusve e digna
por conter os representantes das sc> cas, das
presumo ir bem, assim como vou, porque felizmen-, dar um colorido, anda assim bem triste, ao qua-
te vejo que S. S. nao si gue peta estrada por onde' dro, que se propoz descrever.
eu caminho. Seria para mim verdadeira tiesgraca, Resultou, porm, que do cahos surgisse a luz
se eu fosse constrangido seguir o exemplo do Sr. P*r* os cegos de entcndinienlo, que nao querendo
Dr Jos dos Anjos, ou a toma-lo por model em entender o que so Ibes diz, sao (oreados a nao re-
alguma cousa. ; s'stir a lgica invencivel dos fados.
Pondo aqui termo a minha resposta ao Sr. Br. ^'a contingencia de apresentar orna carrada de
Jos dos Anjos e arrancando-lhe a mascara para cerlidoes de bitos (documento sob n. 4; de 27 es-
que lodo o mundo veja que esta para sempre mar-, cravos, cerlidoes que deviam estar appensas aos
cado como intrigante e assassino da reirntagao autos, em que correo a execugao, e que, pelo facto
alheia, quero diiigir-llie duas palavras de desped- de nao estafen, nos leva a crer, que foram solici-
da : desac.olchete-se mais, Sr. Dr. Jos do Anjos
desgrenhe se todo, e, cada vez mais furioso, faga
eahir sobre mim uma chuva de insultos, e de no-
vas calumnias, porque eu eslou disposto a deixa-lo
tadas e graciosamente prestadas ao amigo em apu-
ros, o bacharel Mello Cavalcanti, ainda neste pou-
to, andou to mal avisado, que nos offerece occa-
so de dizer-lhe. em phrase vulgaro ladrao foi
em paz, entregando-o de ora em dianie a completo! apanhado com o furto na mi,
desprezo. De certo, quem, depois de detida apreciagao, ver
Compra S. S. a grosseria do responder-me com i e observar, que taes escravos (os tres referidos an-
sobra, com a sua experiencia de te'.ho, que emquan- teriormenle) introduzidos, mas nao comprehendi-
to S. S. se oceupa nesse trabalho, eu vou lendo e dos no primeiro termo de penhora se acham no
relendo uns annuucios publicados nos Diarios de 8 [ numero dos escravos fallecidos, que em nenhum
e 9 de agosto panado, o ultimo dos quaes a-ssig-1 dos termos de penhora e apprehensao de tiens se
nado porV. das Amerase exclamando : esse; acham mencionados ditos escravos, e mais os de
Sr. Dr Jos dos Anjos mesmo um hornera exjie-
rienteJIl...
Villa do Bonito, 17 deoutubro de 1864.
Joaqutm do Reg Barros.
CORRESPONDENCIAS
Senhores redactores.-Fazia a mais vantajosa
idea e mais elevado conceito da coragem, qne tan-
to distingue o bacharel Joaquim Fraucisco de Mel-
lo Cavalcante em todas as peripecias de sua vida
e acreditava mesmo que, sendo e le o herdeiro das
paternas glorias, nao deixaria, que ellas corressem
a revelia ; mas que a fizesse cora tanta desaso, co-
mo se v do Diarl> de 14 do corrente, sendo a ca-
da passo apanhado as raais flagrantes contradi-
fdes, v smente tratando de mosirar, que sua edu-
eaco c seus hbitos nao se compadecem com a
linguagem virulenta do autor do histrico, preten-
dendo, por esse modo, Iludir a credulidade publi-
ca, qne na insciencia dos fados, julga de ludo a
primeira vista, que nao pensava.
Tinha o direito de esperar, que a contraridade
opposta a exposigao que Hz publicar, do adentado
de quo fomos victimas, seria a mais completa re-
futagao, a mais cabal resposta tudo quanto ex-
traludo dos actos da execug movida contra nos
pelo honrado pae do Sr. Joaquim Francisco, torna
bem saliente o facto em questo, e firma assaz o ca-
rcter de seus autores.
Mas quo diversa foi a attitude que em tal emer-
gencia, tomou o bacharel Mello Cavalcante 1
Na impossihilidade de delender-se e x memoria
de sen honrado pae da iraputago quo Ibes foi irro-
gada, o bacharel Mello Cavalcante, cumplice do
alternado, exforga-se em provar, que o salteador
qiteseocculiaranainvia estrada para roubar o vian-
dante que aquelle que por sua vz, se approveitara
dos agentes de polica para tornar effectiva a pre-
me Jos Canudo, Joaquim Pre, .-ebastio e Fe-
lippa, e entretanto elles apparecem usna celebres
certidoes de bitos, admirar por certo os esforgos
sobrenaluraes de que susceplivel o seu convicto
de seus crimes e ralado do remorsos afim de man-
ter uma repntago, que ameaga ruina, se que j
nio esta sensivelmente arruinada. Nem Ihe pode
valer a circunstancia de lerem deixado de ser i
comprehendidos na primeira penhora nove escra-!
vos, e deste numero sejam os fallecidos, por quan-'
to sele destes se acham mencionados na ultima pe-
nbora procedida em 1857, posterior a data das cer-
liddes exhibidas.
E ainda admiltindo que na primeira penhora
fossem apprehendidos 41 e nao 38 com os nove
que deixaram de ser mencionados pela precipita-
gao da diligencia, (e quem dir, que s foram
nove? I) e que prefazem o numero de 30 e nao 49
(contradiego sobre contradicgo I) tendo fallecido
27, deviam existir ao lempo ja segunda penhora
23 com os dous existentes em poder dos executa-
dos, ao lodo 32 : mas convindo acreditar as cer-
tidoes de bitos, e portanlo na existencia de mais
sete escravos, de que nao irata nenhuraa das pe-
nhoras, que se procedeu, forgoso concluir, que
apparecem invisiveis, talvez os da negociada com
o *r. Maranhao.
rollar o ra fortuna, o um |jui lu Un -il v;ic_-.\-> na
adversidade. At as classes mais deT}vorecidas
podem desfructar as vantagens que ollrecem as
moralisadoras e proficuas associaces de seguros
de vidas.
Entre as companhias hespanholas acreditadas
ora Portugal, existe como uma das prmelras La
Nacional cujas condigoes vantajosas a tornara das
mais procuradas pelo publico, solcito sempre em
dar a preferencia a quem Ihe d maiores iteres-
ses A cusa de menos sacrificios.
La Nacional tem em Portugal dous conselhos de
vigilancia, um em Lisboa o nutro no Porto, com-
postos ambos de pessoas diguissimas. Es os seus
nomes:
CONSUMI DB VIGILANCIA EM LISBOA
Exm. Sr. marquez de Ficalhn, proprietario e
ajudanle de campo de S. M. el-rei D. Pedro V.
Exm. Sr. conde d*Atalaja* proprietario.
Exm, Sr. conde bario d'Alvito, proprietario
Exm. Sr. conde de Carvallul, proprietario.
Exm. Sr. conselheiro Antonio Vicente Peixoto,
pronetario.
Exm. Sr. conselheiro Filippe Folque, brigadero
do real corpo de engenheiros e director geral dos
trabamos geodsicos o topographicos do reino.
Exm. -r. conselheiro Justino Mximo Baio Mat-
toso, proprietario.
Exm. sr. Joao Theodoro Pinto Maia, proprie-
tario.
C0NSELH0 DB VIGILANCIA NO PORTO.
Exm. Sr. conde de Rezende, proprietario.
Exm. *r. visconde da Castro .-ilva, proprietario
e negociante.
Exm. Sr. baro de Prime, proprietario.
Exm. Sr. Gongalo Guedes de Carvalho, pro-
prietario.
Illm. sr. Jos Joaquim Pereira Lima, proprie-
tario e negociante.
Illm. Sr. Valenlim Jos Rieoes, negociante.
Illm. Sr. Dr. Arnald Anselmo Ferreira Braga,
bacharel em medicina e philosophia pela uuiver-
sidade de Coimbra ; lente de zoologa da acade-
mia polylechnica do Porto, e membro do censulto-
rio homeoptico portuense.
Illm. Sr. Jos Antonio da Silva d'Agutar da Bei
ra, proprietario e negociante
La Nacional foi creada e autorisada por ordem
regia de 21 de dezembro de 1859.
O seu fundador e director geral o Sr. D. Jos
Corty Claur.
A sede da companhia era Madrid, ra do Pra-
do 19.
O numero de subscriptores era 30 de eetembro
ultimo era de 14782. O capital subscripto at
mesma data sommava 4.000:300^000 rs.
La National recebe por direitos de administra-
gao 4 por 0/0 sobre o capital subscripto, isto 20
Cotaces ofQclaes.
PRACA DO RECIFE
4 DE NOVEMBRO DE 1864.
Cambio sobre Londres 90 d/v. 27 1|8 d.
1^000-
Dubourcq Jnior, presidente.
Guimares, secretario.
por
Alfaodega
Rendimento do dia I a 3........ 69:446284
dem do dia 4................. 24:3644344
93:8105628
.HoTlmeato da alfandega
Volnmes entrados cora fazendas.,
com gneros...
285
379
freguezia da Boa-vista, assim o determine, visto
o supplicado ser morador neste mesmo dislricto.
E receber merc. Procurador Bernardino de
Senna Dias.
Na qual petigao dei o despacho seguinte: Como
requer. Segundo destricto da Boa-vista, 8 do ou-
lubro de 1864.-T. C. PerelU.
Em virtude do qual dispacho se procedeu a iu-
querigao de testemunhas que depozeram sobre o
juramento dos Santos Evaugelhos, a respeilo da
ausencia e incerteza do lugar da resideucia do
Uanoel -oares de Moura, e sendo tudo auloado e
preparado me vierara o< autos conclusos, o por
mim lirios, e examinados, nelles profer a senteuga
do theore forma seguinte :
Estando provado pelo depoimento de testemu-
nhas que Manoet Soares de Moura adiase ausen-
te em lugar nao sabido, hei por justificada a sua
ausencia, o escrivo passe carta do editos cnin o
prazo de 30 dias, pagaj as custas pelo justifi-
cante.
Segundo dislricto da Boa-vista, 12 de oulubro de
1864.- Thom Carlos Perette.
Nada mais se continua em dita seotenga, por
bem da qual se passou ao justificante o presente
com o prazo do 30 dias, pelo qual se chama e cita
a Manoel Soares de Moura, para quo dentro de 30
dias comparega por si ou por seu bastante procu-
rador para se proceder aos termos da conciliario
PERS0XAGE3S.
cesar do OeeJ-
Luiz Demetrio
Colmtra.
Germn
Lbtoa.
I Constancio.
denle .
Scipio, patricio romano e
senador ......
Orosio, chefe dos ebrfstane,
octogenario.....
Gabriel, filho ieOrocio. .
Dcio, grande sacerdote de
Jpiter......Pmto
Lucifer.......R..rKr
Piulo, centurio romano. finfantina,
Polion. guarda dos carceres Sania ftatn.
Isaac, judeu, escravo do Afra Teixeira.
O archanjo.....D. Antonia h-
Afra, corteza romana D. Aniomna
Marida, virgem rhrista. D. Camilla.
A f.......I). Mana .la
Enmenia, escrava de Afra D. Mara Pimt-s.
Digna, dita '.....D. KraiH-i>cato.Hm
Eupr.pia, dita.....>". Y
Senadores, litares, sacerdotes, vntra
auruspices, virgens. centurifie*. nerenarin. ?.,.ju-
dos, povo romano, povu rhrMo.
A nenie nonveaM ridata de AngnsK. t,,y-
Augs' ourgf, no annojde? 303 da e"ra edn-Ua. ~b
do imperadores : Maximiano 11-rrm**. no tM;
li Mili' .'*" fV I f,
na forma da petigao, e a qualquer outra pesx e "odeciano, no ni-rKlram, ere-are, p., .-
para que Jim faga sabedor da mesma cilago aQra (
V'olumei sabidos
com
com
fazendas...
gneros..-.
89
1,260
664
------1,349
Doscarregara no dia 5 de noveubro.
Eseona hanoverianaInnww Fredertckdiversos
gneros.
Bngue nglezRunymedebacalho.
Escuna hespanhola Vtrg de mon Serratvlnhos.
"umaca hespanholaPaulaidem.
Barca ingleza llonald mercadorias.
Galera francezaSof/erinomercadorias.
ImportacSo.
Barca ingleza Ronald, entrada de Liverpool, con-
signada a Saunders Brothers & C, manifestou o
seguinte :
84 volumes fazendas de algodao o de lindo, 2
fardos barbante, 41 ditos saceos vasios, 42 volumes
machiuismo, 2 caixas objectos diversos, 80 volu-
mes ferragens, 119 fogarelros, 100 barris chumbo
de raunigo, 401 barricas cerveja, 100 barris ba-
nda, 5 fardos linhagem, 200 saceos arroz, 25 ditos
aveia, 50 barris agua-raz, 5 saceos cevada, 30 far-
Todo o renario novo e pintado pelo disi
scenographo o Sr. Veneri. e eon*ia eVx^imm'a
I. acto. Lugar montanhoso e elvagKm. I
qne de cedros, grutas, que em lempo se traw-f-.r
marao.
2. acto Rica e sumptuosa habilaro V Afra.
3. acto. Sitio ermo e agreste.-O lemfln 4<
Proserpina em ruinas formando a entrada ib
tacumbas, que em lempo, pela lran.-(ormagn Vtxa
i ver o inlerinr.
4.* arto.O magnifico templo de Jpiter em
(todos os seus accessorins, esta demragao Aigsa
| de especial mengo pelo gusto e riqueza roen xk
i est feita.
5.* acto.(barrer, emtempo transformado
' srena final.Vista de gloria preparada para
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesoura-! o iheatro, qoe deve produzr maravilh* e#eit'
ra de fazenda desta provincia se faz publico, para! O marhinismo encarregado'a om amta haf:!
conhecimenlo dos interessados, que o tribunal do i pode asseverar-se qne correr a matean.
thesouro em ordem n. 156 de 21 de oulubro nlti- A musir do Sr. Colas Filho, *m nMfcjat e^er^
mo, autorisou o pagamento de dividas de exercicios' smente por este artista com o go*to qne todas nV
de que nao fique indefeso.
O porteiro deste juizo publicar, e afQxar no
lugar mais publico deste dislricto que ser igual-
mente publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cfdade do Recife de Per-
nambuco.
Segundo dislricto da freguezia da Boa-vista, aos
12 do outubro de 1864.
Eu, Francisco de Barros Correia, escrivo que
escrevi.
Thom Carlos Perelti.
DECLARARES.
artes e do trabalho, um mein comraodi de arcres- dos feno, 233 gigos e 37 barricas tonca, 2 volumes
garrafas vosias,~KOO caixae cabno, 189 laboas, 101
toneladas de pedra para calgamento ; a aunders
Brothers & C.
40 barricas harrilha, 6 volumes fazendas de al-
godao, i dito dita de linho, 6 ditos machinismo; a
J. Pater & C.
26 caixas linha, 1 dita chapeos de sol; a Alvos
Hamburger.
4 volumes fazendas de algodao; a Thomaz Jeffe-
ries.
3 volumes fazendas de llnho, 1 caixa modas; a
C. Feuton.
50 barris manteiga, 12 ditos olee de liuliaca; a
E. A. Burle & C.
25 barris breu, 20 caixas conservas, 110 gigos
louga, 2 caixas mostarda; a ordem.
20caixas conservas, 2 ditas mostarda; a Las-
serre & C.
31 barricas cerveja; a Palmeira k Beltro.
3 caixas chapeos de sol, 51 volumes fazendas de
algodao, 3 volumes fazendas de linho, 3 caixas
chapeos de sol; a Mills Latham & C.
2 volumes fazendas de llnho; a Joao Keller
&C.
25 presuntos, 40 pedagos de toucinho e 1 caixa
cha ; a Widon Raymond 4 C.
50 gigos louga; a Tdom B. & Roberts.
Exportaciio.
Brigue hamburguaz Adelhert, carregou para Li-
verpool :
569 saceos coui 2845 arrobas de assucar, 669
saccas com 3405 arrobas e 5 libras de algodao,
189 couros seceos e salgados com 5580 libras.
Patacho brasileiro Palma, carregou para New-
York :
418 saccas com 2058 arrobas e 9 libras de algo-
dao, e 1863 pellos de cabra.
Galera franceza Sphere, carregou para
vre:
1343 saccas cora 7386 arrobas e 29 libras de al-
godao, 234 couros salgados, seceos com 4474 li-
flndos, cujos credores sao os seguintes :
Joaquim Jos de Sant'Anna.
Manoel Ignacio dos Santos.
Sebastin Baptista Teixera.
Joo Soares da Fonseca Velloso.
Secretaria da thesourana de fazenda de Pernam-
buco, era 3 de novembro de 1864.
Servindo de offical raaior,
Manoel Jos Pinto.
Tribunal do toiiimeicio.
Pela secretara do tribunal do comroercio de
Pernambuco se faz publico, que nesta dala foi
inscripto no livro da matricula dos commerciantes
o Sr. Manoel Rbeiro de Carvalho, cidadao portu-
guez, estabelecido nesta cidade com toja de fazen
das por grosso e a retalho.
Secretaria do tribunal do commcrcio de Per-
nambuco 28 de outubro de 1864.
Julio Guimares,
OlUcial-maior.
lnspecco do arsenal de ma-
rinha.
De ordem do Illm. Sr. inspector fago publico que
este arsenal contrata bons carapinas para o seu
serrino e das obras de Porto.
Inspecgao do arsenal de marrana de Pernambu-
co, 31 deoutubro de 1864.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Sabbado5 do corrente mez, Iluda a a odien-
eia do Illm. *r. Dr. juiz municipal da 2* vara, tem !
de ser arrematado um pequeo sitio no lugar do j
Barro, freguezia dos Afogados, com duas pequeas
casas de taipa, arvoredos de tructo, tendo cada I
casa porta e janella, com a frente para o sul, um
quarto, cozmha lora, ludo avahado era 400. pe-
nhorado a Manoel Guncalves Telles e sua mulher,
por execugao de Maria Francisca Olympia Bap-
tista.
Consolado de Por I una!
Por ordem do consulado de Portugal tem do ir
a leilo no dia 5 do corrente a taberna da ra do
Rangel n. 22, perlencenle ao espolio do fallecido
subdito portuguez Agostinho da Silva Torres
Arre a laca o.
No dia 7 do corrente mez, depois da audiencia
do juiz de paz do 2o dislricto da Boa-Vista, tem de
ser arrematado o seguinte uma armago com bal-
cao e uma balanga de Romao J C, avadadas em
555, por execugao que inove Antonio Ignacio Bran-
dao contra Manoel Francisco de Paula, cujos bens
j foram annunciados, e transferida a arrematago
publica para o dia cima.
De ordem do Dr. juiz de direito da 1" vara
criminal Joao Antonio de Araujo Freitas Henriques
fago publico que tendo cessado os motivos do sua
suspeigo as causas commerciaes, em que o foi
partea caixa filial do banco do Brasil nesta cida-
o Ha- j de, est marcado o dia de sabbado de cada uma
| semana para as respectivas audiencias, s II ho-
ras, e quaodo for impedido lera lugar a audiencia
no dia seguinte.
O escrivo,
Manoel Maria R. do N.
No dia 7 de corrente, Anda a audiencia do
juiz de paz da Boa-Vista, tem de serem arremata-
bras e 1232 couros verdes cora 63798 libras.
Brigue inglez ion, carregou para Livorpool:
lO saceos com 5000 arrobas de assucar, 826
saccas com 4286 arrobas e 28 libras de algo-
dao.
Barca ingleza Stella, carregou para Liverpool: dos os trastes segrales : 5 cadeiras com assento
'524 saceos com 2620 arrobas de assucar, 798 de pa'hinha, 1 marqueza, 2 bancas e 1 mesa gran-
saccas cora 5622 arrobas e 11 libras de algodao, I dR> Pr ecugo de T. O. Neves contra P. C. de
1029 couros salgados e seceos cora 38413 li- Mindello.
bras. Pela delegacia do 3o dislricto do termo do
Vapor francez Bearn, carregou para Bordeaux: Bec'Ie se faz pub'ieo que ern poder do desertor do
150 saccas com 767 arrobas e 28 libras de algo- e*ercitu Manoel Feliciano de Mendonga, foi appre-
do. ; hendido um cavallo que so julga ser furtado, e que
Brigue inglez Tjania, carregou para Liver- sera entregue a quem provar ser seu dono.
Idntico valor ao que podem merecer taes certl- i Rr 0/0. raenos qM as ou,ras c does separadas dos autos e so boje, publicadas tem l'c.aI natur"a- -.-* ,.
esse depoimento de tres tesiemunha duas das I ma su^iPao annual de 503000 ris, pro-
quaes moradoras no engonho breos, e uma que dui sera perda de caP|lal :
antes tivra sido procurador do Sr. Joaquim Fran-
cisco na mesma quesio, as quaes tendo visto mor-
arrobas de assucar mas-
^.No
rcr todos esses escravos, bos bestas, ovelhas, nao
combinaram quanto ao assucar apprehendldo, des-
de que uma sobe de 205 e outra de 225 arrobas,,
cujo liquido producto devora antes constar das res-1
lim de o
' l
n 15
20
25
annos..

4463500
1:1573500
4:3223300
11:2015250
28-3183850
Uma subscripgo nica de 5005000 ris produz
pelivas contas de venda, juntas aos actos, que nao ^m_Perda de capital :
sao de altestag5es e documentos graciosos. i No flm do i annos.............. 1:8443150

Satisfez-me, Sr. Joaquim Francisco, a conflsso, j
a que se vio S. S. forgado, na ausencia de dota I
videncia reclamada pelas circumstancias da poca, possivcl, de que temos direito a haver os rend-
mas nao autorisada em lea penhora pela mesma mentos de nove annos, durante os quaes eslivemos
policaUvera flus muito lcitos, motivos rauilo va-! privados de todos os posaos bens, e seu honrado
liosos, quaes fosse. a cobranga de um debito contes- pai no uso-fructo delles; satisfez-me, sim, porque
tado por mim e meus irmos, qualicados por esse ella diz bem alto, que fomos expoliado dese direi-
facto de scelerados desesperados de achar guarida to, que elle nos foi roubado, e s hoje que se nos
as leis e prote.-go de uma pista administrago I vem de reconhec-lo, limitndose S. S. a exigir-
i'odera dizer quem sao os scelerados, desenrolar nos o saldo de 50 e tantos contos, que ainda nos
esse pesado veo de 14 annos atravez do qual vejo achamos a dever-lhes. orprendeu-me, acredite o
penhorado e confiscado, senao roubado um engo-; Sr. Joaquim Francisco, esta ultima declaragao ; di-
nho e fabrica com tudo quanto Ihe pertencia, e meu go mal, nao esperava, que o instincto titease mais
pai, no ultimo quarlel da vida, expelido a p e*em forga do qoe o remorse, que S. S. se prevalecesse
abrigodesua casa.privadodeseusbens come um fo- anda hoje do que a boa razo e o melhor direito
rasteiro sem famlia e sem pao e isto quando ainda; qualificam roubo esbulho, extorso inaudita,
eram pendentes os embargos opposlos a senu-nca quando era de crer, que alguma cousa modificados
da relago; tudo isto podera dizer, mas para qoe, eslivessem os -hbitos contrahidos na boa escola,
se uma cousa nao mais do que a consequencia de
10
15
20
i 25
Productos de uma
3:0953250
............ 7:7035500
............ 19:1683H00
............ 47:6985100
subscripgo annual de 505
ris a todo o risco, as idades
No lim de 5 annos
10
> 15 >
20 d
> 25 >
Productos de urna imposicao nica de 5005000
ris a todo o risco, as idades de 3 a 19 annos :
de 30 a 39 annos :
5145450
1:8673000
5:5173800
15:6973130
44:9175200
caira?
que se Ihe deparou ao dexar os bancos d'uma fa-
culdade. E' ura gosto ver como o Sr. Joaquim
No fundo 5 annos............
10 ..........
15 ...........
20 ..........
25 o ...........
As suhscripgoes podem fazer-se
dos diversos.
1 Com perda de capital e beneficios por mor-
pool por Macelo
800 saceos com 4000
cavado.
Recebedorla de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Arrematacdo
No dia 7 do corrente mez, depois da audiencia
do juiz de paz do 2 districlo da Boa-Vista. ' ser arrematado o seguinte : uma armag.v^ /iu
balco e uma balanga de Romo & C, avalladas
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 3......... 5423022
dem do dia 4................. 1:8193413
1:5173650
3:9563800
10:2335100
26:6905700
69:9505200
de quatro mo-
Rendimento do dia 1 a 3........ 1:9863144'm 955, por execugao que move Antonio Ignacio
dem do da 4................. 1:6795481 Brando contra Manoel Francisco de Paula, cujos
--------------- bens j foram annunciados, e transferida a arre-
3:6655625 matacn publica para o dia cima.
Conseibo de compras navars.
Promove o conselho no dia 5 de novembro pr-
ximamente vindouro a compra dos seguintes ob-
jectos do material da armada :
60 toneladas de carvao de ferreiro, 12 baodeiras
nacionaes de 2 pannos, 145 covados de damasco
verde de seda, 6 pegas de cabo de llnho de 1 pole-
gada, 6 ditas de dito de 1 1|4 dita, 50 esgunchos,
6 escrlvaninhas de metal, 3 arrobas de lio de algo-
dao, 6 llvros mappas de 50 folhas, 20 arrobas de
malhar branco, 100 pegas de merlim, 1,000 libras
j de pregos de zinco, 60 raspas de ferro, 200 lijlos
inglezes, 40 dnzias de taboasde amarello ou vLha-
lico, potomuj ou ararib de 5 poiegadas degros-
sura e nao menos de 35 ps de comprimento.
Promove o conselho a compra a vista de propos-
11 horas da
reconhecem.
0 vestuario novo e ao gesto da po Comegara as 8 horas.
Tendo alguma pessoa* pedido a emprza, aiada
uma repre-ienlagao do Martgret 4a Orm>i-\ an
domingo 6 do corrente. allegando arhareia-<* im-
pedido no sabbado ; para atisfaw a e*i
igualmente Ilustre classe dos raix'irt, que se
acha iivre n domingo, a emprrxa tem a honra de
annunciar que pela uliimt v*a subir aseena
.4M.aXH.ma
Domingo, 6 do correle.
os
MRTYRES
A
I couv ti.ilo n seu inartiini-mu.
Terminar o espectculo com a nova ramrdu
> em 1 acto :
FIEL\.\I\FIIIE'IIADE
Na qual lomara parle os Srs Lisboa, Teixera e
as Sras. D, Camilla e n. Mara Pom>-.
Acha-se em ensaios os dramas ; o fUko 4p tar-
rasco ou o marinheiro Bertrn, Simio rWao
cabo de esqnailra. Ambo* ongnae* fraaeeze*.
primeiro, recente traduego do Sr. liermaa, tra-
ductor de Correio de Leo, Marinheiro de i
Iropez, MatiaJoanna e outros. A empma a-
gura, que sao dramas de veniadeiro mirnrimanlii.
e que muito agradar.) ao publico.
firevemeute subirao sceoa
7IS0S MABITDBOX.
Companhia Pcinarabaeana de iiavep-
eo tosle ra a >ap.ir.
liba de Fernando dr Coreana.
Jn din 4 de
novembro an
meio itia ieyne
um dos vapores
da rompaahia pa-
ra o pre.idm de
Fernando. Ea-
commenda, ^as-
sageirns f diol
ro a frete at o dia da sabida Os 11 huras da ma-
uhaa : escriptorio no Forte do Mattos a. I.
COMPANHIA" PERSXumIaA-
DB
Naregaeio eostelra a vaoor
Paraliyba, Natal, Maco, Aracaty, Cearj,
Acaracu' e Granja.
No dia 7 de novembro s*en* pa-
ra os porto* arima iodirado" o
vapor Jaguaribe, rommanJante La-
balo, as .''horas da tarde. Rrtvt
'carga sonienle al o dia i; rncaai
mendas, passageiros e dinheiro a frete al as 3
horas do dia da sabida: escriptorio ao Feria do
Mallos numero I.
COMPANHIA PERNAnfBUCA.V\
DK
\aejnnio rnsleira a vapor.
Tamandar, Barra Grande, Porto de Pedral.
Camaragihe, Macei, Penedo e
Aracaj.
No dia 5 de novembro srgne pa-
ra os portos cima indica** va-
por Parahyoa, rommandaale Mar-
tins, as 5 horas da tarde. Rcreke
. carga smenle al o dia 4; me
mendas, passageiros e linheiro a frete at 3 ho-
ras da tarde do da da sabida: eerriptono ae Forte
do Mallos n. I.
Navios entrados no dia 4.
Ilha de Maio 24 dias, galera brasileira 27 de
Abril, de 656 toneladas, oapito o piloto Abel Lo-
pes Pereira, equipagem 21, carga sal ; a ordem.
Macelo3 dias, escuna haraburqueza Regina, de
8b toneladas, capuao Puper, equipagem 6, carga tas recebidas no referido dia al as
carvao e outros gneros ; a Rabo Schmetau. manha, e obrigadosos vendedores dos objectos
Liverpool 50 das, brigue inglez Rosilu, de 176 multa de 10 0|0 caso nao os enlreguem de promp-
toneladas, capitn John Rouland, equipagem 8, fo, hem como de 20 0(0 pela falla do supprimenio
carga fazendas e oulros gneros : a Joo Auto-, ou forem elles de m qualidade.
nio de Araujo C. Sala do conselho de compras navaes 31 de ou-
Liverpool54 dias,bngue inglez Harmston,\da 284' tubro de 1864.
toneladas, capitao W. Sterkings, equipagem 9,1 0 secretario
carga fazendas ; a Patn Nash. j Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Para o Rio de S. Fraiici*-...
Pretende seguir ale o dia 10 do corrale a e5en-
na nacional Carlota, com a carga qne livor :
quem nella quizer arregar ou ir de passagea
trata se com os seus consignatarios Antonio [ajbj
de Oliveira Azevedo A C, oo sen escriptorio rna
da Cruz n. 1. .
Para o 53
segu com muita brevi lade o hiate Dous fi aiini -
a tratar com Tasso Irmos.
E esperada do Rio de Janeiro em poneos dama
galera Mmdello, e depois de poaca demora neste
porto seguir para o Para, para onde recebe cana
a frete commodo : quera quizer car regar anda oa-
tender-se com os consignatarios Palmeira A Bel-
tro, largo do Corpo Santo n. 4, primeiro i




i


Diario 4c Peraacahacn ... Sabbado 5 de IVovembro .Ir 1S94.
/
Para Lisboa.
Sahir eom brevidade o patacho porluguez Ma-
rte da Gloria, recebe carga a frele e passageiros:
Crata-se eom sen consignatario E. R. Rabello, roa
da Cidria n. 53, escriptorio. ^^^^^_________
Para o Porto.
Obligue portnguoz Utuao, sabe eom mu i la bre-
viJade por j icr a pjaior parle de su carrega-
mento prompto, e para o resto que linda falta tra-
ta-s. eom o consignatario Jos Joaquim Lima Bai-
ro, ra da Cruz n. 18.
LEILES.

O agente Pinto far leilao por coala de urna pes-
soa que se retirou desta provincia de todos os mo-
vis cima descriptor existentes no artnazem da
ra da Cadeia n. 36.
Principiar as 10 horas.
Yisos "wsosT"
Deseja-se alugar um cabriole! para duas pes-
soas, por um ou dous mezes, eom cavallo e ar-
reios; adeixar carta eom as niciaes Z Z, com
o prego e condigoes, nalivraria ns. 6 e 8 da praca
da Independencia. .________
_L_Ef_LAO
DK
l'ma taberna na ra ta Senzala Nova
numero 9.
a t ___r-ra
Sabbado 5 do crrante s iO
gQRQLRQ
horas.
sisSi
fara leilao requeriraento de Joaquim Francisco
da Silva Jnior e mandado do iilm. Sr. Dr. Juiz
especial do commercio, dos gneros, armado e
utencilios da taberna cima referida, era um ou
mais lotes a vontad dos prelendentes.
Utenciof d% hotel.
Depois de effecluado o leilao da taberna cima
dito p me-smo agente tem de expor cm leilo os
utencilios do hotel a ra da Cruz n. 11, requeri-
raenlo do mosmo e mandado do Exra. Sr. Dr. jaiz
especial d t commercio. ________^______
X
BE
Unta taberna na ra do
/iongel n. 22
HOJE
Por ordem do consulado de Portugal o agente
Pestaa levar a leilo, por cont de quem perten-
ec', u> genero*, armaeio e mais atenis existentes
na taberna da ra do Rangel n. 2!, pertencente ao
espolio ilo tinado subdito porluguez Agostinho da
Sil-a Torres, propria para principiaste e em bom
lugar : hoje 5 do corrente na mesma taberna s
i I horas da inanha.
s_ovi&
Aos i():0OO$O0 3:000*000.
Sabbado i 2 do corrente mez, se extrabi-
r a primeira parte da primeira lotera
(115a) a benelicio da matriz de Nossa Se.
nhora do Rosario de Goianna, no consistorio
da igreja de Nossa Senhnra do Rosario da
freguezia de Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se e em summa todos
yenda na respectiva thesouraria ra do origem na
Crespo n. 15.
Os premios de 10:0003000 at 20,5000
sero pagos urna hora depois da extracto,
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia |
seguinte depois da distribuico das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrgaos de Soaza
PLANO
Salsa parrilha de Ayer
PARA A CURA DA
_ESC__U>F(J_L_l'
e todas as molestias
proTenicntes dekla
todas as molestias da
pelle
cherjsipellas, tumores, ulceras,
sarnas,
Bastidas, impingeos,
REUMATISMO
NvriiihMS
em todas as SHas formas, assim como todo
o mal que provena do uso excessivo do
MERCURIO
i'lceraoo do ligado
r Bom remita!!!
Jos Marreiro dos Anjos, paria, moco,
i_ PE'IlVl till fl i \\ solteiro, pouco amigo du traballio, insultan-
Bill "/l te e provocador, consta ter' sido agarrad.
furtando canas e roca na propiiedade alheia,
e que sabe pescar gailinlias, mora no lugar
oulubro de das Arias freguezia dos Afogados: roga-se
i ao respectivo Sr. subdelegado a bondad*
Nesta typographia se precisa fallaran Sr. Je-
nzino Machado Braga que morou na ra Augusta.
a
n
A rouniao familiar do mez de novembro
ter lugar na noite do dia 9.
Club Pemambucano, o i de
|1861.____________'
Quem precisar de una criada portugueza de scindicar desse individuo e dar as provi-
para o servido de casa de familia, (menos co'inbar) enejas que entender justas, podendo S. S,
procure na ra do Apollo B. pr.me.ro andar. fr,na,..SP at 0 sen collega do Peres o
De ordem do Ithn. Sr. presidente do ronsclho iii c_ AlovandlillO
administrativo da sociedade dramtica particu-, "_ _------ ._----------------------_
larThalia Pernamburana, convido a lodos socios Joaquim da Silva Boa-Vista faz sciente ao
instaladores para reuniao da assambla geral do- respntavel publico e principalmente ao corno do
: mingo 6 de novembro, s 9 horas da manhaa em commercio que mudoa sua loja do Passeio Publico
casa do censor da mesma gocied_de. i para a ra de Crespo g. 10.___________________
Primeira secrao da secretaria da sociedade dra-; Alagase urna casa em Beberibe : a tratar
inat.ca particular Thalia Pernambucana, 3 de' com j. |. M. Hego, na rua do Trapiche n. 3i.
novembre de 1864.
>- _H
l.tn* dt Barrat,
1 secretario.
Aluga-se uina ama que sai ha bem cozinhar e
de boa conducta, prefi-rindo-.se esrrava : na ra
estreita do Rosario n. 3i, priineiro indar.
Precisase de um offieial de funileiro, e se Ihe
paga OMMEOjamaote, e seudo bomain de conheci-1 Na praca da Independencia,
OS males'que tem Sua ment tira bom resultado: na na da Cruz n. 39,' 3, cmprame obras de ouro,
; loja da bandeira.
IMPUREZA DO SANGUE
um alterante poderoso para a
RENOVACO DO SANGUE
- Raphael Ferpandes branles, morador na
j na d? Cruz n. 31, tem a salisfacao de participar
;ao rospeitavel publico, que tem ao sea cstabeleci-
Hiento. o deposito d rap imperial da fabrica de
Approvado pelo L\ai. Sr. presidente
para dar nova forca e vigor ao corpo ja Izaae Esnalzdarua Imperial n. 1C3, o qual ven-
.framiftrln nela dflflBM. I- IMS** I?.!? 5 d a 1,ljra' e,em JF& I
loja de uurr.v;
jirata e pedra
preciosas, ssim como se faz qualqucr obra de en-
; commonda, e todo e qualquer concert.
Precisase alugar um escravo para comprar
' i1 fazer outros servicos de casa de pouca familia :
na travessa da Madre de Den, armazein de Barros
Si Silva.
W\ M IMPURA
ion n. n
Grande armazcm de tinlaa.
Tem a venda :
1 Productos eWmiros medicinaos os
-, mais importantes ra medicina.
WK> i. Pro lucios ebimie->s < ulonsis
; para photographia e oatras indusjrias.
:t. Todas U materias BttasM
empreada Da pintnra a oleo e a rol-
la para pintores, lintureirus, env.r-
pisadores, douradorc;. e vnlraeeiros.
Joao Pedro das Nevos,
Gerente.
k.S. ^ ^S^ X&T c? ^TRo'
Aluga-se a ras* terrea n id da ra do FjfM
ou Bairros Baixos, de IG5 im-nsaes: a tratir na
rua do Crespo n. 18, ou eslreila do Rotar n- 3.
4TTE\CAII.
enfraquecido pela doenca.
Vende-se m rua Direita ns. i i e 76
Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambueo:
na plaarmaela fraaceza de
P. MAURER & C.
RUA NOVA N. 18.
de 10 libras a 900 rs.', e
da para os freuezes qu
tem amo-ira da boa pila-
quizerem vir ver.
Precisa-si de um teqhar ueeriale quo sr quei-
ra prestar a ser capeilao de nina ign-ja a.jui na
capital, niedianle um contrato vantajosn : qualquer
que se qu< ira prcsiar, airija-se i rua das C.ruzes
n .'(9, priineiro andar.
3300 bilhetes a 10*000...
33:0005000
Benicio, sello e comrnissiio 2i 0|0.. 7:9l000
LEILAO
DK
5 cairas eom cha avariado.
HOJE.
Uarqaes Barros 4 C. farao leo por conta o
risco de quero perlencer e por intervengao do
agente Pe-tana do 5 eaixas eom cha avariado d'agua
salgada, vindas pelo vapor Apa em sua recente
viagem para este porto : boje 5 lo corrente pdas
iO horas em ponto, no armazein alfandegado do ba-
riio do Livramento no Forte do Male.
Pr. mi de........ 10:0004000
Dito de.......... 3:000*000
Dito de.
Dito de.
Ditos de
15 Ditos de
31 Ditos de
890 Ditos de
1005000
405000
205000
105000
8003000
4005000
700*000
600*000
680*000
8:900*000
---------------25:030*000
930 Premios.
2350 Brancos.
DR
Fa en das ava r a das
Seganda-feira 7 dcHOvembro
(i asente Pinto far leilao por rona o risco de
qoem perteocer de dilferentes fazendas inglesas
c mu sejam: madapoloes, algodoznhos e chitas
avariadas a bordo rio vapor inglez Gladi as 10 !i ras do dia supradito no armazem da rua
da Cadeia n. 36.
3300 Bilhetes.
N. B. Os premios maiores de 4005000 estao su-
geitos ao descont da le provincial, e os maiores
de 1:0005000 ao da lei geral.
Thesouraria das loteras 3 d-J novembro de 1861.
O thesoureiro interino,
Jos Rodrigues de Soaza.
Typnrjrapkia Liberal
Os senhores que forem credores da typographia
Liberal queiram apresentar seus ttulos, de qual-
quer especie, ao Sr. L*iodegano Antonio de Olivei-
ra, na mesma typographia, rua das Flores n. 3.
Missas.
Sao convidados pelo presente os devotos
da exeelsa Senhora Sam'Anna que se ve-
nera na matriz de Santo Antonio, assim no-
mo os amigos e prenles do fallecido irmao
juiz da mesma devoclo, Joao Tibarelo Va-
leriano Lobato, para onvirem as missas que
por alma do mosmo fallecido mand rezar a
mesa regedora da mesma devoco, ao dia
sabbado S do corrente, pelas 6 1|2 h iras da
manhaa na mesma matriz e a mesma mesa
desde j se jnlga grata.
I Dr. Francisco Pire
Poitclla
MEDICO OPERADOR
TEL*
kvacuiaarto de Par
Pode ser procurado rua Nova
44, segundo andar.
s^sir
BSSSS
Precisa-se
Verdee n. B2.
de urna ama : na rua das Aguas
Aluga-se urna ama para cozinhar c engom-
mar : na travessa de S. Jos, casa n. 9.____
*! "
9*
No dia 31 de outubro furtaram da casa n. 21 da
rua do Imperador nm lialui de couro prrto, de tres
palmos de eeffiplimento, pouco mais ou menos,
eom pilas brancas, lechadura e mais duas argolas
prrsas por um eaiteado de rosca, e continha o :e-
guiute ;
1 calca de panno azul lino.
1 aqueta de dito dito.
1 collete de velludo preto.
2 camisas di- madapoti lino.
3 ditas de algilao branco, tendo todas cinco o
nomeJoaquimmarcado opin linla
1 chapeo de palhinha escura.
305 em no'as. sendo ama de 10* da caixa filial,
e o resto em notas geraes de 5*, e outras miude-
zas : roga-se aos sentares agentes policiaes a dcs-
eoberta e apuriheiteia do ratonciro o dos objeeioe
supra indicado*, pruineltemlo-se mesmo uma gra-
lllicacao a que,ti miste sentiio poder dizer alpu
- ____ .. JJat mu .1 l'i i:i ti
" Precisase alugar dous escravo;. sendo ura
para cozinhar e outro para criado ; na rin da Ma- eonsai |)ara o que so dirigir rua da Gru n. 83-
dre de Dos o. 36. priineiro anlar.____________ primeira andar.
Precisa se de uni ama para co nprar <; co-
zinhar para casa de rapaz solteiro : na ru i do
QueiOiadO ti. 1. liba Miranda, se
E do Torroes da freguezia da Varzea eom Arcenio
Antonio d Cimba Miranda, se alguem se ulgar
lias por este Di-uto
ro,
(i barra eom viibt braneo e 3 eaixas
eom citgnac.
Segunda-leira 7 de novembro.
O agente Pinlo far kjlao por conta de quem
pert^neer de 6 barrls eom vinho Maralo, sondo 4
barris de 11 gaifies eada um e 2 de 2 ditos e
mais '.i ralxas eom urna duzia de garrafas cada
urna de cognac, s 11 horas do dia cima dito _
rua da Cadeia armazem n. 36, aonde haver leilao
de fazendas avariadas.________________________
- Alugam se duas casas terreas e;n Saito Ama- comdireito reclame nestes tres da
., senloumaassobradala.proprias para familias: rjesapparoceu l1,1 casa {,,! s,!
.,uem pretender, dirija-se Usa-Vista, nn da Man-
gueira n. 20, que acharacim que n tratir._______
Existe para alujar duas casas na illia do
Bemfica, eom comraodos para familia, bauho
tu
Pelo presente convido a todos os S-s.
Rvd. sacerdotes a virem celebrar missas
pelas almas do purgatorio na matriz de S.
Fre Pedro Goncalves do Recife no dia 7 do porta : a tratar na raa larga do Kosaru u. .lo.
corrente eom a esmola de 2$. Consistorio o Sr. Powpiiio f>valoauti "e Mello, acade-
da inaandade das Almas, 3 de outubro delj^-^S iT"" "
Jos Joaquim Lopes de Almeida,
Precisa-se de urna ama para todo o service .
de casa de familia, prefere-se escrava : a tralar
na rua de Santa Thonza n. 14.
1864.
g

A pessoa que qner dar 1:0005, dando-se-lhe '
505 mensaes pelos uros, pode procurar tiesta ly- .
pograpliia urna carta eom as iniriaes X. K. N.
W&
Ter^a-feffa 8 da corrente.
O agente Pestaa ven lera por conta e risco de
AMA
Precisa-se de urna ama que saiba engommar:
na rua do Trapiche, sobrado n. 36.
-^"Hilario Urbano da Silva, solicitador de cau-
sas rom provisao, propoe-se a fazer cohrancas,
tanto nesta cidade como para outro qualquer lu-
gar, amigavel ou judicial, o(Ierece-se a quem delle
precisar para tal mi-ter, de o procurar na rua do
Arago n. 28, das 6 s 9 no as da manhaa e das 3
s 6 da larde, ou communiquem ao Sr. Joaquim
iuem oerlencer 25 a .'! eaixas eom excellentes Rodrigues lavares de Mello, de quem tainbein se
para o enrretu
Estando permanente a escola eontral do metho-
do Castillio na raa da ponte da Capuiu-a n. 9, o
atiaixo llrmulo pede ao* senhofe* das cartas do crrelo, as entreguen na Joja de li-
vros ns. 6 e 8 dos Br-. Flgueiroa & Filho, que Itie
fazem o obsequio de pagar o porte.
Francisco de Freila~ (lamboa.
Ainda est para alugir-se urna casa em lan-
l'Ari de dentro, concertada e pintada de fresco,
muito fresca e eom bastantes coram idos : a tratar
na rua da G'ona n. 94._____________________
A irmandade de N. S. da Bqa:WagM ain la
tem casas de sen patrimonio para alugar, p-rto do
mar : a tratar no largo do Pirateo n.J'V_______
sea senhor, no da
29 dn outubro, a escrava Thereza, cum ns signaos
Mentales : de uao Angico, alta, eorgo regular,
rosto comprilo e rom talhos, falta de denles, Idade
de 50 annos, pouco mais ou menos, levon panno
prole curio e vestido de riscado rxo eom listri-
ohas amarellas, e camisa de algodo : quem a pe-
gar leve rua do Sol n. 21, que ser recompen-
sado-________________________
Ama OU esi'iW'i
Precisa-se de urna ama forra ou escrava que
s-.iba bem coziih>r e fazer mais algum servie.o :
uem : a tratar na rua da lmperatriz n. 47,
aodar.
I) MWngado ot deGuduy \a-e inerllos jg
pode sor procor-do na rna estretl* do _
Rosario n. 34, das 10 s 3 horas da larde
dus dias utels.
DENTISTA DE PARS
49~-Rb Notfi-49
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operaeoes de sua arte, e col-
'oca denles articiaes, tudo coui superio-
ririade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas Ihe reeonhecem.
Tem agua e pos deutificio.
llavera sorveie todos os dias, das 6 horas em
dlante, advertindo que o mais asseiado e bem ki-
lo possivel : no bem contiendo caf dos Arcos.
(lasa para alujar na rua d Crespo.
Aluga-se a principiar em 1 de Janeiro prximo
futuro o sobrado de tres andaros da rua do Crespo
n. 9 : quem pretender, dirija-se ao esiabelecimen-
to da loja do mesmo sobrado, ou uo de n. 13 da
mesma rua._________________________________
Precisa-se de uina ama que cozinhe e en-
oinnie, para duas pessoas : na rua da Penba n.
_3, primclro andar.__________________________
_Prerisa-se alugar uina esrrava que saiba co-
zinhar, engommar e vender na rua, sendo de boa
conducta, paga-se bem : na rua das Cruzes n. 36,
priineiro andar. ___________
Alugam-s duas casas no Monleiro na rua de
Xi.sto : a tratar na rua do Crespo n. 20 IJ._
Testamento do gallo.
ahio luz o testamento do gallo, obra propria
para recreio, inicuamente difireme do pequeo j
que existia, iinpressao limpa, bom papel, e em i
brormira : ar!ia-s^ veada pa rua do Imperador j
n. 13, defronie de s. Fiancisco._ __________ I
Frecisa-ke de iiwia ama para coaialiar em ca-,
sa de pouca familia : na rua do Imperador n. 18.
Albino I!ipli-la da Mucha, Porlu-
guez, relojoeiro e dourailor na:
pra(.a da Independencia n. 12, faz
qualquer concert do relogios e
dourado por proeee mais baratos
^3 (lo ijue otiiro qualquer c respousa-
__8_s_Ppilisa-Sfi pelo sen trabalho.
TINTUKAKIA.
Tinge-se eom perfeico para qualquer
er, e o mais barato possivel: na rua do
Rangel n. 38. segundo aadar.
COMPRAS.
Compra-se nuro e prata em obras veihas
daga-se bem: na loja de bilheles da ueaca Indo
pendencia n. 22. ______^___________
(Compra-se cllecti va ment
ouro e prata em obras ceibas pagndose bem :
ua rua larga do Rosario u. 24, loja de ourives^
Comprain-se
carreiros
dADS esclavos que sejam bons
na rua do Trapiche n. 13.
Comprase na rua do Impeador n. 13, urna
ou duas prensas de copiar carta*, anda aMfste-
jam em mo us1', cum lauto que lenham perfeiP) o
parahuso. ___ ____________
Ourcllos.
Coinpram-se onrellos de panno,
cao : na rna.de Ap#lln n. 20.
Compra-se cobre velhn
s:i Velha u. 1.
qualquer f'T-
na rua da Aliando-
Compra-se urna mobiJia de amarrllo e
cama frange/a : no largo la Penha n. 14, loja do
louca se dir quem compra.______________^^^
Compra-se uina ocravinha de 10 a 12 an-
uos : na rna da lmperatriz n. H, teieeiro andar.
Compra-se a obra intitulada Eneida Hrasi-
leira por Manuel Odorico Mude* rna rua X
de aula Hila n. 13, armazem de mad.ira.______
Compra-se garrafas e botijas valias, na f-ltrieo
de licores rua das Crti'cs n. 116. _____
Compea*e para urna encomienda urna |ie-
grinha n um nvdeuoe dn idade de i a 12 ___ :
nn rna da Cruz n. 1. e-cript-.rio de Antonio l__c
de Olireir Aieveilo C_____________________
Compram-se diarios velaos i ij j arrufes
para embrulho : no paleo da IVnha u. b.______
Comprase Uina escrava que saiba engommar
e cozinhar : na rua do Crespo n. 18, segMf|
andar._________________________________,
Compra-se urna escrava eom cria de pouce*
dias. que tenha bom leile, |iaga-se bem: na tra-
vfssa do Cirino n. I.
.-lassa* em lotes rvontade : terca-feira 8 do cor-
rente pelas 10 horas da manhaa no armazem do
Anues.
tem encarregado de cobrancas.
CILIO
Precisa-se de 4 8:0 IOjOO a juros, dando-
do-se hypetheca n'um bom sitio na estrada dos
Afflictos i a tratar na rua do Arago n. 28, das 6
s 9 horas da inaHhaa,,e das 3 s 6 da tarde.
A mesa regedora dos SS. Chrispim e Chris-
Fazeudis linipas como sejam cni as, pini.ina ereeU o convento do carmo desta cidj-
' madapo OCS e alg'il0ZIlh0s. de, convida os seus ir^naos para com|
Secuda-felra 1 de uovembro.
UB
0 asente Pinto far leilao em conlinuacao ao de
-^azenda* avariadas B para feehar cintas das fazen-
das aeima mencinalas existentes no armazem da
rua da Cadeia n. 36.
no dia 6 do corrente mdz, s 9 horas da manhaa,
para elegerem a novarresa que tem de funccionar
para o auno de 18'i4 1B63. O secretario,
Guilhermino Sotetino do Carmo.

DE
lim escravo cosinlieiro, de nome
gucl, neJte, Ha e 30 annos.
CGR3IR0 SiMOES
autorisado pelo liquidatario da massa fallida
1 ts Marques do* Santos Aguiar C,
do escravo cima mencionado.
Terca-fcjn 8 lo correte
sll horas d mailiaa no armazem
Cadeia do Hecife n. 48.____________
Aviso.
far
Mi-
de
leilao
da rua da
_Lg_l[_.%0
Urna taberna,
\x travessa dos l *.asios n, 18.
Terca-feira 8 do crreme s 10 lioras
em ponto.
Francisco Celestino Uwos
?ar leilao wr intervn^e do agente Cordeiro 9'\-
ines, dos gneros, armaco e tescijios da tabef-
qa cima, em um ou mais lotea a nmiade.
LEILAO
Quarla-feira 9 de novembro, s i 1 ho-
ras, rua da Cadeia n. SS artaa.em
D_
Uina casa terrea n. 19 A sita rua do Socego, chao
foreiro, edijicada ha pouco lempo, tem 2 salas e
2 quartos, cosinha Tora, cacimba meeira e quin-
- tal murado, reode __0jj por anno.
Pelo agente Euzebio se vender a casa terrea
como aoiaa decript pelo waior. proco oue se
aehar. s chavesso acbam na casa jimio n. 21.
LE I LI
DE
Movis eom'a sejam :
Un oba de raogno a Luiz XIV eom um so-
f, 1 mesa oval, 8 consolos eom lampos de pedra,
2 cadeiras de bracos. 2 ditas de baiauco e 8 de
I guarda vestido de mono, t let, 1
Contina a estar fgido, por ter comettido um
crime, o meu escravo Simio, eom os signis a-
baixo declarados ; por sso rogo as autoridades
policiaes, e mais pesso. is, c cuipregados as es-
ta^oes da estrada de ferio e barcas de vlgias, de-
mandaran aprehende-lo. Si mo, preto benguella.
eom 38 annos de itad|\ esutnra reuular, em-
briaga-se, cisudo, depoucas fallas, feigoes feas,
irarecc maluco, tem c onhecimento de preto da
Costa, usa de um balaio lenliado no braco, vistido
eom caiga azul eom remend, camisa de madapo-
lao e chapeo de palha, taWz mude de roupa, foi
escravo do engenho d'Apua de Igoarasso, do ti-
nado Henrique Poppa Giro, hoje do Sr. Dr. Fran-
cisco Joo ; protesto proceder contra quem o tiver
azulado, pois consta ahdar no lugar da Torre.
Quem o pegar podara leva-lo a minha olana n.
13 na rua do Mundego, freguezia da Boa-vista da
cidade do Recife, que pagarei trabalho e despe-
as.
Urna miilher honesta e de bons co tumos,
off-rece-sa para ama de casa de hom -m solteiro ou
de pouca familia, para serviejs internos : n rua
de Sanio Amaro n o.________________________
Ensilo de preparatorio*.
O Dr. V. N. Collaco. tendo de leecionar a sen fi-
Ihoem inglez e philosojhia, |_Bit(d alumnos, quo
pelo tempo das ferias queiram frequentar urna ou
nutra destas disciplina*, assim com arilhntetica ?.
eeometria : es pretenlenles dirijaiii se rua do
Imperador n. 89, primeiro andar.____________
Precisa-se aluizar umiese.rav de mjia Ida-
de. ou um m ole que par o servig de um ea*i de
pequea familia : na rua do Mmlego n. 99 se, di-
r quem precisa.__________________________
sqbdito portu-
Mainel de Souza Marques,
gu ez, rclira-se para Portugal. _________
Precisa-se alugar um escravo para o
de um pequenj sino
Trompa n. 4.
a tratar no mesmo.
ervlco
rua do
Oaixeiro.
Prc-i.-a-se de um raixeiro de 14 a 16 annos que
tonlia pratica de laberna : a tratar na rua do Ran-
gel a. 10._________________________________
Precisase de nm inenino do 10 a II annos
para eaiseiroile taberna, prefure-se que seja por-
luguez, dando liador a sua con duela : (juera pre-
1,-mler dirjase a rua de S. Jos do Mangumlio ta-
lieina________________i_____________
NrfuJTiio Trapiche n. 22, precisa-se de um
criado pira cosinha.
amsemmmmmammimmmmmmr
Domingos do* Pas>os Miranda e aeneiau
do< Sanios da Foi-eca Los, por si o sua fa-
ii illa cordealraente agradecffln a todas as
pessoas que se dlgnaram assislir as uliunas
exequias por olma de sua querida hllia e
esa*sa I). A-|el.aid_ de Miranda da ron*e.ca
Los, e Ibes ruga do a**i*tirein a una u issa
un por sua alma se tem de celebrar no ce-
miterio pubtnu no dia 8 do crrenle pelas
7 Loras da uianlipa.
__PJ_____M_a*
EsmoLis.
Segtinda-feira 7 do crtente depo s
celebrado o otlicio das almas se disinbnirao
asmlas aos pobres que sssistirem o mesmo
Officio na mal i/, de S. Fre Pe.lro Goncal-
ves do Recife, de conformuiade eom o
compromiso. Consistorio las Almas do
Uecil'e, t de outubro de 1864.
0 escrivo,
Jos! Joaquim Lopes de Almeida,
de
para
aga
AOS 10:000,000
Bilhetes garantidos
A' rua do Crespo n. 23 e casas do costaste
O abano assignado vendeu nos seus muito leli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabeu
de extrahir a beneflcio do theatro de Sania Isa-
bel, os sesuintes premios: _________
N. 1486 dous quartos eom _:0004009
N. 798 um meio eom 1:400*000
E outras muitos de 200A, 1004, M 204 e JO-
Os possuidores podem vir receber sem os des.
con.os das leis na Casa da Fortuna rua do Cres-
po n. 23. .
Acham-se venda os da primeira parte d
nrimeira lotera a beneflei da matriz de Goianna,
se eitrahir no flia 12 de novembro.
preeos.
Bilhetes inteiros..... 1!'5^
Meios......... jJWO
Quartos........ *ww
Para as pessoas que comprarem
de 1004 para cima.
Bilhetes........ <{W0
Meios......... 55600
Quartos..... ;, _.2*750
Mantel Marttnt Fmta
--------- SOCIEDADE
RE RISA-IVA CORYBASTISA;
De ordem do Sr. presidente couvido a todos os
*enhnres socios para se rpunirem era assembloa
geral, na sala das sess5ei da sociedade, ho da .1
do corrente, as 7 horas da tarde, allm de poder ter
lugar o acto da posee da eommisso directora ulu-
mmente eleila.
Recife 4 de povembro de 1854.
Amara!,
2o secretario._______
Aluga-se urna boa casa eom bons comniodes
para grande familia, na povoacao de Tigipio : a
tratar no largo de Carmo n. 13, ou no mesmo lu-
gar eom Luiz Marques da Cucha._______________,
hezerrioha
__ Pede-.*.! a pessoa que achou urna
que no da 3 do corrente se estravou de urna bou- Qonsuilor0 medico-ebiruruieo na rua larga do Ho-
ja que vinha da povoa?o de Beberibe, de a levar sjr8 20.
ou mandar dar parle no Salgadinho Jonto a. sitio r(.grtssando sua
grande, que sera pago o seu trabalho.------------ ____lI5__5_S_T!S o nxerrlclo de sua profissao,
"Precisa-se de um caixeiro de 12 a 14 aunps
taberna : naroa da Florentina n. 32.
111 Antonio Carneiro da Cu- 9H
nha Miranda tem scu escriptorio de ad-
vogado na rua do Imperador n. 42, pri- M
meiro andar. SK
m
mmm
O Dr. Joaqm
n* IMPERIAL 103
Isaac Esn Fabrica do rap imperial.
Isaac Esnaty lem a satisfacao de participar ao
rospeitavel publico que se acha estabelecido na rua
Imperial n. l'Jil eom fabrica de rap denominado
RAPE IMl'IilAL. cojo rape e labricaUo Igaai ao
rap de Lisboa, e muito mellior por ser mais lonj-
eo e muito mais agradavel e convencido fapri-
canie da superiorulade do seu rap, p.la experien-
cia de irinla annos que tem desle genero, e demai
o ceitilicado junto para mais segurauca dos com-
pradores o fabricante Oca res|onsavel pelo bom
resultado do seu rap, garantindo ao mesmo tempo
o dinhelro do comprador que por accaso nao os-
lar (o que iwsilivameute nao de esperar) e sendo
osle precioso rape digno do preco do tres mil jis
a libra porm c imo o principal desejo do fabrican-
te de ganhar credit.i em lodo o imperio e (am-
bem liara clninar attengo dos amantes da boa pi-
t.ida cuino lambn dos r\portadores desle genero
lan'.o pira o (nato romo [iara outras provincias, li-
mila Minente o preco rcduzido de mil ris por li-
bra a retallio e em porreo de 10 libias a 900 lis
e em porcao de 50 libras .1 8'io ris e em porcao
de }0 titiras a 800 ris p em porcao de 10O0 libras
eom o descomo de mico por cento ou a tres mezes
do prazo firma garantida assim o fabricante espera
a concurrencia dos senhores compradores em re-
muueracau da boa pilada examinada, approvada e
tlliaiiead...
O' fabricante franqucia as amostras (graiisj do
s-11 rap lauto na fabrica orno tambem jnos depo-
>ini* rua da Cruz n. 31 luja do Sr. Kaphael rua
Dueia 11. M taberna.
Brevemente apresentar a venda publica outro
rap fabricado igual ao que se fabrica nesta e an-
da para mellior, como tambem : rap princeza,
rap grosso e ineio-grosso, ludo a prtco* mullo
mais redundes para mais animar os senhores ex-
portadores deste genero
N. II. Nos dias '
abre.
C-KTirlOXDO.
Certifico que submeltendo a exame a amostra
do rap denominado Imperial, que apresentou a
eta r.-particao o T. Isaac Esnaty, fabricante resi-
dente ua rua Imperial, casa n. 193, declama o pe-
rito nomeado para esse lim, o sr. Pedro Maurer,
que nao bavia inconveniente algum em ser expes-
to venda, aliento a que nenhum permeio nociso
comprometa a saude.
Inspectora da sade publica, aos 9 de outuoro
de 1864.
Dr. Ignacio Firmo Xavier,
Inspector da sadc publica.
___fjljAj-___
.1 Ibans.
. Falque previne o* seus numerosos frrgucz-B
que elle acaba de receber pelo ultimo vapor fran-
eec um esplendido sorlimcnto de albuna para re-
tratos, no uiversaa qiiauoaiies gu>RR>, ->_- i--
_0 al 200 retratos e de 25 a ll.J gradualmenl.
Albuns pequeos proprn's para meninos m 1
:i retra inhos edo 14 14t>00.
Albuns paia de.-cnho d^1 diverso* lainanlios
gostos de .">4 304-
I.ivros de missa, de tartaruga, madreperola
mariim, por procos rax-_veis.
-i IIiia a respo -I______
Xa rna do Sacr.imeiOoJ.i Ma Vista, ras* n.
28, segundo andar, vrnde-sebiim doce de e.-ij see-
eo e de cabla, e de outras pialidad, que se qui-
zer comprar, porarmba h por libra -. assim cuajo
se preparam enroinnu-nda* de ijuaU|uer qualidad*
ipie se qip ira. e prearam-se ricas bandejas de do-
ces e de bolos superiores, rom fruclas e Cgams, e
coulenlo. ^^___^^___________________
__ Vendein-se dous exc lenles terreno* promp
tos para se edificar eom 64 palmos de frente aro
bos, e 300 de tundo, pinto a fabrica do Bowman-
na rua do Bruin, ateraados al a iinha do caes,
tendo ja parte do rae* fetu : a tratar na raa dos
Guararapes 11 28.________________________
de sabbado a fabrica nao s^
Queyos de Minas.
Vende-se na rua Nova n. II, defreute da Illma.
cmara municipal.
Bixas hamburguezas.
Vende-se na rna Nova n. 61.__________
_, y_n_o_i urna barraca de 40 a 43 caixa*.
bem construida e muito boa de relia : quem qui-
zer comprar, dirija-se raa do Trapiche n. 26,
loja.________.____________________
\EM)ESE
um stereoscopo eom cem vistas, sendo 37
de l'aris, de Suint Cloud, 1 de Foutenai-
bleau. 7 de Verstiles, I da Uullamla. 0 de
Viatma d'Austria, 1_ da I'tussia, 2de Wies-
baden, 1 de Hambourg, 1 de Kiaurfort so-
bre o Meno e 29 diversas, alguipo. tiafri
la tinture, por ZU "a rua d> Cresi>o n.
i fabrica de chapeos de sol.________^_
Inspector da sauac puunca. --------r- ~. !'_>{_.__,
Trapiche da Gambm #" fabrim de tico, es
. '. ... i! A' rua das Cruzes 36.
que
gica._______________.___________--------------------
- Domingos Jos Martina fa. sciente a seu so-
brinho Domingos da Silva Ramalho, que mora na
Passagem da Magdalena junto ao sobrado grande.
"'_ Un, n^nem M*im, d-i cnupao decente,
precisa e_c-ut/ar em casa de alguma senhora ido-
i !. ... ,1. hnmam enliairo lim eom-
g_irmc,ao,
;_.-. 6u...........- Aeba-se fgido desde o dia 1 do orroute o
t iiMador de m-aoo, 2 e.oinmodas, 1 cama de mog-1 cab Ell-enio de i(la(ie de 40 50 annos pouco
u,, 4 eandel-bro de crystal, 2 castigaes e mangas, majs (m m com os si({0ae< s eguintes : cara
_ caadieiros a gaz para cima de mesa, t cama pin,a1a ds b..-jgai arna f_ta de denle na frente,
esas de a narelio, 2 in- roupa branca _asorfH0 ecostuma andar cem
5 e uina gaita a tocar, Col **- do Sr. Pergentino
Angele Romeo Pinheiro declara ao respeita- j >. na l(J mi!li(.a com0 tambem na chirur-
vel publico e principalmente ao corpo do conmer-
ejo, que Manoel Garrido deixou de ser seu caixw
ro desde 31 de outubro prximo passado.
Antonio Joaquim de Mello, antigo .advegado
nesta cidade, e procurador fiscal aposentado da
thesouraria de fazenda, emprego que servio por
mais de 22 annos, contina a advogar em todos os
ramos do cival e crime: na rua do Imperador
n. 14._______________________
~A mesa regedora da irmandade de Nona Sa
phora da Soledado convida a todos os seus irmSos,
para reunidos ^ra roes geral no domingo 6 do
corrente, eleger os ivos funecionarios que tem de
reger o anuo de 1865.
Consistorio, 4 de novembro de 1864.
Afilalos Antonio de Helio.
Secretario interino._____
Precisase . ftlfa_H0ga4t por carta imperial de 26
ile marco de 1863.
Psle ?antigo e importante estabelecimento, um
dos mais bem montados desta corle, com vastsi-
mas caxias para arrecadacao de assucares e ou-
tros gneros nacionaes ou eslrangeiros todas cor-
ladas por trilhos de ferro assoaltiadas e forradas
de madelra eom guinchas em todas ellas para ar-
rumarn e safamento de gneros, com urna ponte
sobre'o mar, de 600 palmos de extensao, com p-
timos guindastes, um pessoal muito pratico neste
servieo, propoe-se a armazenar assucar em eaixas,
feixes ou barricas pelo tempo de seis mezes por
V'semlain-ia ou de bjjmem solleiro, um com- i ^ rf m arrona em saGr.os 30 rs.; as madeiras
modo de qua'rto e comida, pagando o que se cua- de ,.ual venemnar : mam tfliW W*ts eircumstanclas, paf!ar5o pe|os prmeirns seis mezes o mesmo que
annuhcie por este jornal, ou deixe carta fechada aclualmej,ie paBam por tres mezes nos demaU.ra-
no respectivo escriptorio eom as iniciaes A. B. U pU.hes e ,j,JS semestres que se seguirem terao u
de 20 por cento
A' rua
Vende-se o seguiute : O Ibesouro rta noce, pre-
paracao excellente para a enwervapo dos denles
e tirar o mo balito. Genebra de canrlla, muilissi-
mo rerommendavel por ser esloinac.hica e temada
ao jantar facilita a digeslao.___________________
estiuicptd<* ralos
Veode-Sie tamliem caixiuius com pos que in-
(ajlivel para o enveaenamenlo dos ratos, nao sendo
necessario precauca comias_pessoas de casa.
~r^ndem se dous reogios patente inglezes : a
tratar na rua de Hortas n. 136._
Preclsa-se de urna pessoa |>ara
a.batimento
recebe por preeos
' sitio (ora da pr**, 9** -Jf{ dk _a seUma
quem se iulgar nestas eondieSes, dirija se iras ao
Crespo n. 11, loja, que adiara com quem tratar. ^^ .
tabella do rcgulamcnto das alfan-
Crespo n. 11, loia. nue adiara com quem i_i ~ A -da dos generes _elle doMs^adp, tyb#
-TrecTsalTde urna ama que engomm; co- com as mesmas vanUgens que fferccem o mais
xlnhe: na rua das Larengeiras n. 5, pr.raeiro ,rapict,es porque as condigoes para qualquer parte
que _a___^r___r_0 taberna e que d dador a sua andar._______________________________------- d^'d J_n\roV--t__Tde 1864.
conducta,pretere-se PortUBiiez; na rua do Rosa- -_ro Dr Cicero Alvares dos Santos nao tendo ._ ------__._i.__. ___ _____m"_r-8
Boa-Vista u. 2, defronte da igreja do Rosario ^JJT* gjgj, de p ^ ^ despedir^de ^-J^XX^TL^XZ C,
em tos do mez de aetembro ullimo pe"> esrno
a gaz para
fr__C_a. 1 guarda roupa, 4 m
4uas do lonco, 2 eabides. b^deijas, candi
muitos oulros ubjeetos pertencenles a urna casa de
familia. ,
d|narta-felra O de _ioTei_ibro.
Rua da Cadeia n. 36.
ie da Boa-Vista o. 2,defronte da igreja do Rosario ^.^ ^ wyw e m viagem des
Precisa-ae-Muma ama : na praga da Boa- t(i_, aquellas pesso,s que sp dignarai
<** H- com sua amizade, ^J+fig^ ^g-g S&^VB55?^ *-****
* v I estreita*, do leilo que lizeram aquelles enhore.*,
Vende-se um avallo sem manhas, de cor
alasao, mantedo e ao, de ^ella, roas pega m
eabrioiet : quem o pretender, pode ve-lo e iraur
na rua Imperial *. 40 cario de que. o nico mo-
tivo da vepda jer o djwo de rerar-se para a
corte.__________________
Vende-se uui cabrlolet de dius roJa*
rua de Arago n. 37.
P
a anuncio,
irmioo Pacheco Gomes declara ao publi-
co e especialmente a*s seos fregutes, qu* mudou
o seu estabelecimentoa>, padaria da rua dos Pires
o/Terecendo-Ihes o seu I mu
Janeiro, para onde se dirige.
para a praca da Boa-Vista n. 14.
de Aquino P__seca : roga+se as autoridades poli-
ciaes e Cpile* de campo de o capturar levando-o ZTSZ.Z'Zmu' I nn de Hor
ao hotel de Franca onde se pagar todas as despe- nos : quem qutzer alugar, dir.ja-.e rua d
zas relativa?. 'Ustt m-
No trapiche da companlua, praga do Corpo
Santn. 19, precisa-se alugar dous escravos que
co< possantes e fiis, e conforme o ajus-
sejam mogos,
te, podi
tende.
_ Preciss moleque de 10 ni* ^er_?_o_r"en casa da pe*soa que os pre
e constando nao ter sido delles entregue, roga-se
quem os tiver recebido haja de declar para ser
procurado.____________________
Precisa-sede um menino para caixeiro de
urna loja de calcado : na rua de Livramento n.Q5.
' Vcnd-M' lima fhuca'mb loulatinba Je idade
lo annos tem boas __o*da_es c coaduna :
na travs) do Carino n. 1.______________
Cal de Lisboa.
Vendo-sena rna da Praia, no armazem de Jos
Joaquim da Cunta A C, n. 16.
~~ RE-OGIOS,
Vende-se em casa de Jobnsto- Patw *
C, roa do Vigario, d. 3. um bello sor-
tonto de relogios de ouro patente in-
gles, de um dos mais afamados fab"^fD,J_
de Liverpool, e tambem urna variedad* dn
qoniosttraBcelins para os mesmosU



AO PUBLICO
Sem o menor constran-
gimento se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
Dlarlo.de i-eraarnteaeo ... abbado 5 de Novembro de 1S4.
ATTENCO
Os precos da seguale
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de ba-
se para o ajuste de contas
com os portadores.
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
ARMAZEM UNIO MERCANTIL
RA HA CARENA DO KECIIPE I. 53.
(Logo passjndo o arco da Coneeieie)
LIANC
<&
$*$
PECHIMM
%
DE
Ra da Madre de Dos o 9
A IXOOO.
Saceos grandes com farinha de
barato preco cima mencionado.
mandioca peto
iSfef J**7 P0SS- Pr mais tempo susentar o Prec
)jectos, etc., dando com isto ocasio a todas as espeluncas acabaren n.h Y "'"? ""',"' CUI *oa"a e ou
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo 11 lh 2 SSS? E*"!1!*?J .ma?tc,a de temPero' -e ritirem
s a
Paw/o Ferreira da Silva & Companhia
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de peores
O por eento menos
odrec que sepuaau pao wo ira ejual-
quer parte. H
para esse^m ^^^ escolhidos Por um ** ** que aa Europa se acba
grande a vantagem para todas as pessoas que comprarem neste estabeleci-
l.ooors. a fibra, bem assim o de outros
em
ment.
armazem.
Os propietarios garantem todos os gneros sahidos de seu j muito acreditado
AO PUBLICO.
muitos objectos, etc., dando com isto ocasio a todas
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo!! 1 Ora en nfcwfe mTc7 *"?" .w,* """F", e gravan em
systhema que vim encontrar, de s se vender com um por So a raS rtnkff, S Sscur'adesJe receioso eiH Soplar o mesmo
pela segante tabella, pois como sabis ca pelo meu bafr/o at a aheS'a vtUSL S 8rande 5edncC5 fe precos' corao vereis
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser ode L ***A armazem de molhados Uniao Mercantil nao Nao nos servimos de exordio* mmn Pnnt, ,
estao obrigados, encarando todos os dial de seusfreJuezesreclamad' 3 ,lbra- ,fi0je porem' entido. da reducto a que dos deste OTeroriotaS) rabTad?dS^SSS% eStamS Vendo em annD-
mal informado deste novo estabeleciment..para, |Ef^^r^SSf- preC^' f (lua,,dad1es' **&* de um e outro portadores estamos m^n^ait^Z^St^S- US %*"" e de 1ue tambem
lio smente obter a concorrencia de seus freguezeiu t ppo*r,os de um estabelecimento desta ordem qoe'e seu bn mente fazer ver que o veAK eKStoSSSd; ia72ft P& J,np,e8-
Para bem de todos. *" ^ PaSSamS' menCnar' C para a S pedimos ^a a Ste^ao"3 tab"a dS ^
reza com g3 aSK^iSuC St^ C *> apromp.ido e entei-
dos gneros que precisaren., e quando nao pocam vir podero manda? seus nStaflOri? lt Pr. fa C Preferenc,a na ""P
serao tao bem serv,dos como se viessem pessoa.mente, avendo ESSSSl^^
"^ff^l,TT^2' --eembarricasde 4 duzias se faz abati-J
Biblia da Infancia.
pelo abbade pa>cal, da dieres* de Pars
Obra inleressaolissima para leilura as escola*
primarias.
Comer da creacao do homem e concloe na ?o-
cacae de S. Paulo.
E* escripia com a ni^iur con-ifao clareza, e a
iraduccao de una peona ameslrada.
\em prebenrher urna lacuna muiio mmtmt as
escolas, para a*'qaa nao havia um livro, como o
de o,ue su trata.
A impresso e limp a e correcta, e adoptada a*
destino do livro.
Vcnde-se na typographia da ru:. d< luijer-dor
n. 15, defronte de S. Francisco, a J rada Him-
plar encadernado.
MiittmtfBiii
p
O -i
s<*
O. ai t 2.
SIS-E 2 5.


faz abaiimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
ment.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.5oo rs. a arroba.
mYoo5rr^^
Cbbys,ndesuperior qua.idade a 2,Coo rs. lgft SpStualidade a 24e
Mem perola o mais superior do mercado a *"' 3 **"*' 7'8 a 8'000 rs' a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode deseiar
neste genero 2,6oo rs.
arroba.
Arroz do Maranhao a ioo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
Mem re.hoepalhcoporSerdesuperr!Id1IaaXTrraSUd" ,0rS-'
quahdade a 2,ooo rs. a libra. dem de Java a r. ~ V?k
dem hysson, huxim e perola mais proprio! a arroba 3 T** %* "
para negocio o l,6oo, I,8oo e 2,ooo rs. a'Painco e alpista a 14o rs a libra e 4 m.
libra, garante-se ser mu.to regular, igual rs. a arriba 4,3
515 n em Ulra ParlG Pr 2'4 i MTa de t0mate em ,atas de e 2 libras a
Liogu.cas, chouricas e paios em latas de 81 rTflibra "^ mUt raperor a S
^^^;:^^- ^.rst:.va 4ors-a u-
ro se faz abaiimento.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra.
Uem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a elles
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditasimperiaes emlatas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas era latas de 1 e meia libra
por l,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamaitos com bonitas estampas na caixa
exteriora i,2oo, l,5oo, e l,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 8oo rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Vinho verde.
~ vinho do Carlaxo veim
a 6oo rs. a garrafa e 3o,ooo rs, a ancora com 7o garrafas.
C?egou ? muJt0 deseJ'ad ho do Carlaxo vende-se nicamente neste armazem

-
a b
3 8
=""2 i-*"
IlBllfri

ri-IIS-ri:1
5

u O
E- = sea
3. S" EL 5- f

cr
excellente qua-
iidacie proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 4S.ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira. e Lisboa a32o,
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
8,ooo e 3,8oo rs.
a 8,ooo e a 68o rs. a garrafa.
V tnho do Pnrtn ras melhorog marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Dono, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetona em caixa de l duzia de 9,ooo a
lo.ooo rs. e a 9oo e l.ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 3fio e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
antes que se acaben.
Ervilhas e favas portuguezas em latasi pre-
paradas a 64o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 6oo rs. a libra.
Prezunto do reino vindos de casa particular
a auo rs. a libra, e a 5oo rs. inleiro
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,ooo e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l.ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e le superior pandado, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-'
SaSSagSesaS 8oo l TZ'l', ^ 6m Bola?inhas in'as as mais novas do raer-
e'ooo'VZ es'onn J1ST merCad0 a i Bolachinha de soda emlatas com diversas
o ser' mi2'T a Caixa'garante- 1ua1dades a l,3oo rs.
^^^S5SZ T 0,ltroiBo,francez em caixinhas muito prprias
pidiquer nao pode vender por este preco. para m mo a 64o rs
AGENCIA
AGENCIA L0W-M001.
Kua da ScniaUa ora n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
nm completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos o
tamanhos para ditos.
Arados amercanos- e~~inacbiar para
lavar rowpa: em casa de S. P. Johnston 4 C
roa da Senzalla Nova n. 42.
Superior vinho Collares.
NaroadoVigarion. II, escriptorio deManoel
Joaquim Ramos e Silva & Genros, tem para ven-
der superior vinho Collares em ancorelas
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e ll,ooo a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o maco
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
Vinho branco de Lisboa de excellente rmali L 5:5o -a duzia e 4? rs- a garrafa-
dado a 4oo e ^3tt&*+ mU'l nV 6 a,vo a 24 rS' albra'
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutosde todos osfabricantes da Bahia^das
mais acreditadas marcas conhecidas > no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3*oo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos
Cognac inglez das melhores marcasAa]
l.oeo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-
bras por 2,ooo; dito em caixoes a 6oo rs.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinhe de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por l,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
Amendoas confeitadas do diversas cores a
64o rs. a libra.
dem de casca dura a 24o rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a l,2oo e l.Soors.
dem em frascos de vidro a l,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 l/t libra a 1,1oo rs.
Arroz do Maranhao c da India o melhor que
ha neste genero de 8o a loo rs. a libra,
e de 2,5oo a 2,8oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e lo.ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4,4oo rs.
a arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,ooo e l,5oo rs. a
lata e 64o rs. a libra,
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
Batatas em gigos de 36 libras a l.ooo rs.1
Champagne das melhores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs. I
as meias garrafas.
Lentilhas muito novas excellente legume pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades
de 7oo a 9oo rs. a garrafa:
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 8oo e
l,ooo rs. a libra, desnecessario mais
elogios neste genero, que s se pcle ve-
rificar com a vista,
dem franceza a 56o rs. a Hbra, e em barril
se fat abatimento.
Marmelada do primeiro fabricante de Lisboa
a 6oo rs. a libra, ha latas de 1, 1 1 '2 e
2 libras.
Massa de tomate em latas de 1 e 2-libras a
6oo rs. a libra.
Macarro, talharim e aletria a 4oo rs. a libra.
dem branca a 32o a libra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs.
frasco,
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garrafinhas com rolhas da
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a l,ooo rs.
a garrafa, e lo,ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lata.
Prezunto para fiambre inglez verdadeiro,
garantindo-se a qualidade a 7oo rs. a libra.
Passas novas de carnada a 4oo rs. ? libra e
6,5oo rs. a caixa.
dem para sopa estrellinha, pevide erodinha
etc. a 3,5oors.acaixa, ea56ors. a libra.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
seguintes qualidades: savel, corvina, goras
cavallinhas, e pescada a l.ooo a lata.
ge
"1 o o
O 33
O aj
a C6
BB
sTIf.
5 si
O =CL
si o

si 2 -i
era B Q
o"a"a o
t tj C i
-
O 2 a .
o *
_ K
*> a
o =
a
-i
B
S
5
V.
o;
01
a
8
-2
Testamento da gallinlia.
r,m.,J,0 'd lZ ,es,amei"o gallinha, otra iotei-
papel n.t.da impres-ao, a 160 rs. cada rs.n.riar :
na ra do Imperador n. 15 defronte de S. kSm-
Objectos ty|>ograplirri$.
Existe na ra de Imperador n. 15 defrrule de s
francisco um grande soriimenlo de Ijm de dilfe-
rentes pontos, armacoes de rollas, eir.'Men a cho-
vas, enpradacoes de metal, linhas de dilTeretM
pontos, interlinhas sortidas, tinta lano m ma-
china, como para oi.ras linas, pafel de iHmJi
almasso, pintado, ele, etc. "
C;il de Lisboa rm pedia
desembarcada lioniem de bordo da barca Bebt
douro : vende-se por odu o prfo nu ocnM re
de Manoel Ignacio d'Olivera 4 Filho, largo do Cor-
no Santo n. 19.
O Perfume da Modo.
Cha uxim o" melhor possivel a 2,7oo rs. a Palilos Para dentes lidiados a 14o rs. o ma-
libra. [ co de 2o rs. o macinhos.
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs. Idem do gz a 2oo rs. a duzia, e 2,loors.
a libra. j a grnza.
dem hysson o melhor que ha neste genero i PainC muito novo 12o rs. a libra e 3,000 a
a 2,ooo, 2,4oo e 2,600 rs. a libra. | arroba,
dem preto homeoptico a 2,000 rs. a libra. I QueiJos flamengos, do ultimo vapor, a 2,5oo
Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a I rs-
duzia, e 56o rs. a garrafa. Idem prato muito fresco a 800 rs. a libra e
Chocolate francez, hespanhol e suisso a 1,000, | sen(1 enteiro a 72o rs.
I,2oo e l,4oo rs. a libra. Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. cada
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-' um-
tado de Simas e outros da Babia como iSevadinna de Franca a 18o rs. a libra.
sejam regala, trovadores, guanabaras, Sevada a loo rs. a libra.
delicias e suspirosa l,6oo, 2,ooo, 3,oo Ioucinuo de Lisboa a 24o e 32o rs. libra.
e 4,000 rs. a caixa. J Tijolo para limpar facas a 15o rs. cada um.

FaBfica Concecao^da
Bahia.
Andrade k Reg, recebem constante-
mente e tem a venda no sen armazem n.
34 da ra do Imperador, algodao d'aqnel-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar aigodao empluma etc., etc.,
pelo preco mais razoavel.
GRANDE FABRICA DE CALDEIRARIA
FDBTDI^AO DE OOS
VILLACA, RMlO i C.
UA DO IIRUM I. 40
Chamamos a atten^ao de todas as irmanda-
des e contrarias para o que abaixo publicamos.
1 Conservas inglezas a 75o rs. o frasco,
libra dem francezas surtidas ou de urna s qua-
lidade cada frasco a 5oo rs.
Cognac francez e inglez a l.ooors. a garra-
fa, e lo,ooo r. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a 9oo rs. a libra.
CT5%fioDoTaadSe Vha *^5^!Vetado Jermacete
e 5,500 rs. a duzia, e 5oo rs. cada um.
Cafe do B10 superior a 28o e 3oo rs. a libra,
e 7,5oo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba superiorem latas a 2,ooo rs.
Ervilhas portuguezas em latas chegadas l-
timamente a 64o rs. a lata.
dem ceceas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo
rs. cada urna.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e
l,4oo rs. a caada,
dem em garrafoes com 5 garrafas a 1.000
rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
para lavar casa a 36o rs.
Ibem de escovas
cada urna.
superiores a 56o rs.
a libra.
dem de carnauba refinada e de composico
a 36ors. a libra, e de lo,5oo a U.ooors.
a arroba.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira
das marcas menos conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e a 2,8oo rs. a caada,
dem Figueira especialmente escolhido nesle
lugar a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo rs. a
caada.
AGUA FLORIDA
De Mnrrav ifc Lam.
Este raro qnji delicado perfume
qnasi que inexriiigmrel tao ebrio de
mimosa fragrancia c fraseara com.. .
delicado cheiro das proprins verdern-
tes flores. Durante os meses caimi-
tos do verao o seu uzo torua-se (ramea-
teniente aprazivel e dosejavel em con-
seqnencia da influencia rafrigJraote e
suave que ella produz sobra a pefle:
em quanto que uzada no baulio ella
imparte o corpo lnguido e carajMn
urna certa elasticidade de vigor e forae.
Ella imparte tramparencia a* feipk,
e remoce pannos, tardan c rarftyra -/
tobre a pellc.
(/s
dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muito fresco sem
composico a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo
Favas portuguezas em latas chegadas lti-
mamente a 640 rs.
Frutas idem em calda, pera, pecego, alper-
se, rainha Claudia e ginja a 7o rs. a lata. rs a caada.
Graixa nova a loo rs. a lata e 1,100 rs. s1 Idem de Lisboa branco uva pura a 56o rs a
duzia. garrafa, e a 4,5oo rs. a caada.
Gomma muito alva e nova a 16o rs. a libra. Idem Por, fino em pipa a 56o rs. a garrafa.
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12 Idem engarrafados generosos Lagrimas do
O amor qne votamos arte que professamos e o desejo aos temos de concorrer com o fS
aim de parlcular-
22S!riJS ,m')elloa mandar Euopa um dos nossos socios
mente estudar a melhor maneira de bem fundir os sinos
melhores fabricas de Lisboa.
i se perecen com esses almoforites.de mo gosto que por ahi se faVem
ricios e desnezas a SkiSL Ped,mS' por,an,0> em recompensa de
frascos a 5,8oo rs. e 560 rs. o frasco
dem em botijas a 4oo rs. cada urna,
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,800
_ rs. com o garrafo.
I'dem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem inglezas em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro qualidade superior a
l.ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a l.ooo rs o
n*vSSfwl4jW0 a fras ' i Kirsch Wasser excellente bebida
con- ^jJ
Douro, Duque do Porto, D. Luiz I, D
Pedro V, Nctar, velho secco, Malvasio
Genuino, Particular a 9oo e 1,2oo rs. a gar-
arafa, e a lo,ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
a garra*
g^y tantos sacrificios e despezas a proleccao do publico.
Ra da Senzalla n. 42
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C
selltns e siloes inglezes, candieiros e casti-
faesbronzeados, lonas inglezas, fio de vela
chicotes para carros e montara, arreios para M Ra da **** Nova B- *-* i
carros de um e dous mallos, e relogios de este ^^ecimento vendem-se: techas de era barrlsde
ooro patente inglez. rro coado libra a 110 rs., idemdeLov* multo superi.
Moor libra a!20rs.
Villaca, Irmao & C.
POTASSA
Vende-se potassa embarris a commedonree
Huinhoscom rodas, patentes.
Ifoinbos grandes com rodas, patentes, e aflanca-
aos pelo fabricante-para moer caf, e proprios pa-
ra refinacao por serem de especial qualidade e de
iodos os tamanhos: vendem-se nicamente nodepo
Vinho verde
8 para particulares
superior
1.8oo rs. a garrafa.
suissa a
dem Madeira legitimo a l,2oo rs.
fa, e a 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a l.ooo rs. a garrafa,
dem Bordeanx das acreditadas marcas St.
Julien, St. Esteph, chateau la Rose, chatau
Margoux e outros a 6,5oo rs. a caixa. e
56o rs. a garrafa.
O TOMO OIIEiWJL DE KENP
PARA 08 CABELLOS,
E urna preparacao admiravel para lim
par, aformosear, conservar e restabcle-
cer os cabellos.
A venda as boticas de Caors & Barnoza
roa da Cruz, e Joo da C. Bravo & & ro
dalMadrp de Dos
XAROPE
deLABELONYE
a era pipas,
VJ ATTENCO.
Vende-se urna padaria sita na ra Direila n 44
fregnezia dos Afogados, a qual est bem afregue-
zada, tanto em pao e bolacha como em massas do-
: quem a pretender dirija-se mesma qne
Cfaampanhe.
Vende-se vinho champanhe de primeira quali-
dade chegado agora : em casa de Rothe & Bidn-
iu, ra do Trapiche n. 18.
Mta da ra da Cadeia, loja de erragens n. 56 A, S5*g* W* Har,,e H vender por pre?o
> Bastos. e u "* coromodo, o mais possivel, visto seu proprieforio
nao poder continuar por molestia.
Biscontos.
Vende-se em casa de Soathall Mellor & C, rna
^rapopiche n. 38.
propnetario
. ~ Vende-se um selim inglez cora seus penen-
ces,erabomuso:atraz da matriz da Boa-Vista
(EKVEJl EM BARRIJL
a 00 rs. o copo
QueIJo de Minas chegado no vapor
dem prato mullo fresco
dem suisso superior
dem londrloo superior.
57
Ra do Imperador 57
Empregado com inTurittel KMM 4m* 3u UM|
pelos Mdicos de Iodos os panes contra as uio,,m
orgnicas ou nao orgnicas do corsea, as diersas .-
rojusias e a munr pane das molestias do peno e >Us
tronchios (pnevmonias, calarrhns pulmnnan, oi(*tw
tnfiammacoei nervoiat dot troncAio.. catarrkciTt itc ]
O x AnorE de lABGLONVE alo s jarrafas com rotulas de cor e fechadas com urna ck.n.
ICTaodo a firma do nmnlor.
a rAniS, raa rban-villt-nrai.r, IB
Deposito geral em Pernambnce na da
Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza.
Machinas de vapor e pa-
ra descarocar algodflo.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido, coa-
do e de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e
de carroca com mangas e
eixos de patente.
Ra doBrum n. 38, fiuidi-
Cao do Bowman.
hT m!0de"Se nn!* esTrlva crioula, fula,
de 4 mesen, propria para casa de familia .wZ.
i algumas habilidades, bonita flgnr* irltar ^
1 anj Direita n. 106. -*-. iraur na
'4
/




)
Diarlo de Pernambnco Sabbado & de \ovenibro de 1SG4.
RA 1IO QC7EOIAHO W. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
NOV1BADE
^Zl^itLT^Zt^ na rUa d0 Queinadon. 45 um armazera de molhados denominado Clarim Commer-
quaes sero vendidos porn ems mu ,1 SPnC Um CompIet0 sorlm^to dos melhores gneros que vem ao nosso mercado O
peso e boa quaUdade dos 222 SSS S.f 5? r(SPe,tavel Publico vera P*,a labe,la abaixo ncionCda; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 e
100 rs. a libra, e 10800, 20600 e 30000
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
iSH *m00' e em frascos grandes a
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estarabas no interior das caixas
a 1*200,10400, 10600e 2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs
a libra.
Alpiste a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Aramia verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellas muite grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas
10300 rs.
Bolacbinhas de soda, latasgrandes, a 20 rs.
a lata.
Grande liquidado.
alna da Imperatriz n. O.
Loja de fazendas do Pavo de Gama & Silva.
Acha-se este estabelecimento completamente
sorullo e fazeudas inglezas, francezas, alltmas e
suissas, projirias lano pata a prac* como para o
matto, prometiendo vender-so mais batato do que
em outra qualquer parte principalmente sendo em
porcao, e de todas as fazendas do-se as amostra'
deixaodo ficar penhor, ou mandam-sc levar em
casa pelos caixeiros da luja do Pavao.
As chitas do Pavo.
Vendem-se chitas inglezas claras e escuras pelo
barato preco de 210, 2(50 e 280 rs. o covado, tintas
seguras; ditas francezas de cores seguras a 320,
340,360, 400, 440, 480 e 500-rs. o covado, (alenda
muito superior e bunilos padroes : so na loja do
Pavo.
As lazinhas da exposiro do Pavo.
Vendem-se lazinhas as mais modernas que
tem vindo ao mercado, proprias para vestidos e
soutembarques por seren lisas e de cores muito
AO RESPKITAVfSL Piltf.i
RUA DAS CINCO POMAS N. 86
Ksqtilna da nova tfravessa de *. foio.
*:.
marcas a
Desejando o propnetario do grande armazem do Propheta da*
gasaoseu genio emprehendedor, commercial e especulativo, resolveu ceder a ii:>.ii...;o
que o assallou, quando as horas caladas da noile o seu solicito espirita se aguata r : u
Jtorbilblo de ideas, tendentes todas bem servir agradar aos generosos bafcaalea
^^^^^TolS^iZl^\^JSnt^yMa' deabrr ma'S ,CSlC "* e*tabeleelWn<. den,.,, o
quadrinhos de seda SOOrs. o covado s para ac escol.h,dps gneros, quasi que especialmente destinados s ptttOM que BMM M fie-
bar : na loja e armazem de Gama <$ Silva, ra da guezia de S. Jos, e aquelles senliores que transitam pela via ferrea, pata quii m vt-r-
imperatnz n. 60. j dade sao sem conla o numero das vantagens que p lites offierece, nao >., a m i-la :< a
Og vestidos do Pavao. modicidade dos fretes, como da facilidade e brevidade da condueco dos otteciu u nv-
Vendem-se os mais modernos cortes de vestido prados
SnSeCSlmUt(|-ras a 60 rS- a 1bra- CefadBS de Franca muit0 suPerior a 22 ^SXtS^fStSJS\ Sitos ^^ do Propheta ser urna verdade pratica tao acceita e atracada o.n.o s
ra ngo a zuu rs. a libra. rs. a libra. com listas de seda e tambem com barras e enfei- palavras simples e bem intencionadas dos vellios patriarchas desses lempos idw si o -'-
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra. tes Para o corpo, por prego mais barato do que em nhor Deus dos exercilos nao o quizer contrariar.
Presuntos de Lamego era calda de azeite e, Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata. "ta.5ual(,.uer Par,e e s.e muito novo a 640 rs. j dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800 Figos de comadre e do Douro em caixinhas
dem prato. | de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
dem londrino chegado no ultimo vapor a 10800, 50500 e 280 rs. a libra.
900 rs. a libra. Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs. dem de trigo a 120 rs. a libra.
cadajrum.
Sardinlas de Nantes a 300 rs.
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
qtnnhaea200rs. a libra.
Banha de porco retinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 10300, 20,
20500, 20800 e 39000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Cerveja prete e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 90o rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, so de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especialmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
20HO, 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Bio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 80500 a 80800 rs. a arroba.
Lartoes de bolinhos francezes muito novos e
^ bem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
libra.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 60 0
libra.
Eigos era caixinhas emticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Mara Pa,
ftocage Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e en? caixa com urna du-
zia a 90000 e 100000.
dem em pipa. Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a
a duzia.
barcada de pouco a 900 rs. a libra, c da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra,
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 60" rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
70500 rs. dem regular a 500 rs.
; Macas finas para sopa: estrellinha, pevide,
dem MorgauxeChateaulumini de 1854, a 10 rodinha e aletria a 600 rs. a libra e a 40
do que se diz, mandem ver a loja e armazem do
Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama a Silva.
Os vestidos Hara Pia. S o Pavae (80000).
Vendem-se os mais lindos vestidos Mara Pia
de laazinha transparente com listas, e palminhas
de seda pelo barato preco de 85 cada corte : s
na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma i Silva.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD As cassas do Pavo a 240, 280, 300, 320 e
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira. I 360 rs.
dem em garrafoes de 3 e 5 galoes a 50500 S o Pavo vende as finissmas cassas persianas
e 70500 cada um com o garrafao. a imita?5o de la, com cores fixas, 360 rs. o co-
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia. 1I 'iUs francPzas-muit0 flDas 240> ?80' 30
I icnrps mnftn finne wS-a --! t ? 32 rs- covado, isto para acabar : ra da
Licores multo unos a 700 rs. a garrafa. Imperatriz, loja de Gama & Silva.
dem, quaiidade especial em garrafas muito Os madapoles do Pavo
grandes, a 10800 a garrafa. Vende-se pega de madapolao infestado com 12
dem era garrafas mais pequeas a 800 rs. j."das,cada pe pelo barato preco de 4*, 4500 e
IdevTdroma8a[rfOOrSa ^ Pr3re t'38 ? ^^^^gO^J^
vidro, a 10000, so a garrafa vale o di- leva urna etiaueta com o Pavao nintado Mr nln
nhetro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
0 Propheta nao querendo restringir-se a forma ordinaria de Btfeci* mofen
tambem, depois de profunda meditacao, de nao vender Smente os seus geaeiM a !:-
nheiro corrente ; mas tambem de por em pratica troca delles poroulros da Mndwilt
do paizou por escravos, bois, cavallos, etc. Assim, pois, fique na intelliger.na de u.> *
que o propheta recbela como moeda de qualquer dos senhores agricultores, i ncar
algodo, agurdenle, niillio, feijao, cavallus, escravos, etc., etc. e Ibes dar o iiiesnu. valor
em gneros, escolhidos a contento.
Quando a importancia dos gneros apartados for menor do que a dos obiectns re-
cebidos por troca, o Propheta nao demorar a difTerciica que deve dar em diiti
Um estabelocimento que com tantos sacrificios e despezas acaba de er al
deve inspirar a lodos a certeza de que se vender muito baraio com o lira de se ad.jui-
rir crdito e frecuezia. r
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa
102OOrs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
a caixinha com 12 libras.
Nezes muito novas a 160 rs. a libra,
e Peixe em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 10 a lata,
Paliios de dentes a 160 rs. o maco.
urna etiqueta com o Pavao pintado para nao
haver duvidas nem engaos : isto previne o Pa-
vao, de Gama & Silva.
Bramante de llnho do Pavo
20, 2# lOO. 206OO.
Vende-se o melhor bramante de lnho poro com
dez palmos de largura por prego muito commo-
do, por ter de acabar a factura, a vara por
2,5200, 2^400, e 25600 s o Pavao : ra da
Imperatriz n. 60 de Gama 4 Silva.
Panno de linho do Pavo.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para lences e toalhas de mo pelo
baratissimo prego de 640, 720 e 800 rs. a vara, al-
godaozinho com oito palmos de largura proprio
para lences, pelo baratissimo prego de 1.5 a vara,
assim como tem o melhor algodozinho tanto em
largura como em corpo, proprio para lences, ca-
misas de escravos, ele, etc.,
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Arroz do Maranhao, Java e do Penedo a 80,
100 e 120 rs. a libra, e a arroba a 10800,
20500 e 20800.
Amendoas a 280 rs. a libra.
Ameixas francezas a 10200, 10400 e 10600
dem em botija a 360c 400 rs. a botija.
Graixa em lat s a 10200 a duzia.
Limonadas de diversas frudasa I0iuO c
frasco.
Licores inglezes e francezes a 1>000, 105IX>
e 20 a garrafa.
em latas, frascos e lindas caichinbas muito: Lingoas amei icanas a 800 rs. cad
proprias para memosear alguem,
Amendoas confeitadas em fra^os de vidro
a 10 o frasco.
Alpiste a 160 rs. a libra e a 40500 a arroba.
Azeite doce francez a 900 rs. a garrafa.
Azeite de Lisboa a 640 rs. a garrafa e 40800
a caada.
Azeite doce em boies com 9 garrafas a 50500
com o boio.
Azeitonas por todo o preco.
Biscoitos inglezes de diversas marcas a 10300
a lata.
Bolacbinhas de soda, oval e lunch a 20000
a lata com 5 libras
26
i.ij..i
Linguigas promptas em latas a I 2(0 a Icta.
Manteiga ingleza neste genero o que 1.a .le
melhor a 800 rs. a librae em barril a 700
rs.
dem mais baixa a 640 e 720 rs. a fibra.
Manteiga franceza a 520 rs. a hbia, em larri
a 6 40 rs a libra em retalho.
Massa de tomates a 640 rs. a libra.
Marmelada muito nova a 640 re. a libra.
Molhos inglezes a 400 e 640 rs. a garrafinba.
Mostarda preparada a 400 e 6401 a. o fi a>. o.
Massas para sopa macarrao, lalhsrim e leiria
a 400 rs. a libra,
dem finas em caixinhas a 301UO a caiata
Marrasquino de Zara verdadeiro a iMOo
frasco.
Alera dos gneros cima mencionados te-dem de dentes a 120 rs.
mos grande porco de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudo ser vendido por! Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
pecas e carnadas, tanto em porces como j Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
retalho- 20 e em caixao a 640 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima te- Palitos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 por canto. J Passas muito novas a 480 rs. a libra.
MACHINAS BEP ATENTE
de trabalhar mo para
descaroear algodo
, prego mullo comino-
nerath7SlndfiTrLsVS0 : rua da Iffl-! Bolachinhas americanas em barricas
peratnz n. b, de Gama & Silva. i;hr->. n aJnnn
Algodozinho com toque de avaria a 4,000 rtis L ,ras,a 2*UUI"
e .j5800 i Banha de porco da melhor quaiidade a 360. dem mais baixo a 800 rs. e I01GO o fraac.
Vende-se pega de algodozinho por terum pe- rs- a ,i,)ra' Milho em saccasiom 20cuiasa :te5C0.
queno toque de avaria, mas que est em bom es- Batatas em gigOS e caixas por todo o prego.. Prczurito inglez para fiambre \indo lo ull.tti
lado, pelo barato prego de 40 e 40500 a pega ; s Caf moido a 400000 ou 80000 a arroba. vapor a 800 rs. a libra
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Caf superr a um 8ooo e 80500 a dem mais ant go a 640 rs. a libra.
o Pavao :
Silva.
Os gnardanapos econmicos do Pavio e s do *"*. .. ,
paTSo Cha nesto genero temos o que h de melho-
Vendem-se os mais lindos e modernos guarda-! assim como tambem temos baixo pelos pre-
apos econmicos e todo linho, lano para as casas! COS SCguintes : 104(0, 106CO, 10800,'Polvo a IfiO rs. a libra.
def familia como para hoteis botequins, ele. etc.,, 20400, 20600, 20800 e 30010 o fino. ; Painco a 160 rs. a libra.
BSlSTrnaTa ftSattSV* Gama Charutos de todas as melhores e peores mar-! Pomada a 240 rs. a luzia.
dem do Porto a 640 rs. e sendo Blciro
500 rs. a libra.
Passas novas a 400 rs. a libra.
FABRICADAS
lee
Por Plant Brothers & C.
OLDAI
GRANDE E SUMPTUOSO ESTABELECIMENTO
DE
%'OVOS E JESt OlilililOS GEROS
TANTO EM GROSSO COMO A RETALHO
O HITA MOTA CO
da Hoa Vista.
i titua casa juato a ponte
------------------------j^r-T'
DUAS PALAVRAS.

*" silva. cas do mercado a 800,10000.10600, 20,
Os soutembarques do Pavo 2<5800,30000, 40COO, 50000, 50500 e 60
9 el*|J. I ocento.
Vendem-se os mais nnos soutembarques que Chouricas as mais novas do mercado a I2j?
eem vindo ao mercado, sendo de caxemira de co-; o barril com 1 arroba e 480 rs. a libra, a
res pelo diminutsimo preco de iU cada um, di- eiias nn a nPf hincha
tos de mosambiqne pelo diminuto preco de !, s nu ^ c P?}".?' ..
na loja do Pavao, mas que se noenganem : ra Chocolate magnifico a 10000 e 10200 a libra,
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. Cerveja marca a mais acreditada que tem
Atoalhado do Pavo. vindo a 500 rs. a garrafa, e meia garrafas
Vende-se panno de linho adamascado proprio por 320 rs. branca e preta.
BES r.^fctt'ffawBE conras inglezas a800s-ofrasco fazenda!
TateaeSpeCie ,oalhas de ra" a 5* caua duzia, na loja do Pavao cllllUe-
l inflar Sfi ,rua da ,ir,Peralriz n- 60. de Gama & Silva. Jdem Irancezas a 5(0 rs. o frasco.
sendo0 bstame'* K' s *? (a ^SOO). Cevadinha de Franca a 240 rs. a libra.
duaspessoasparai r Quem tem baloes por tal preco tj Champagne da melhor marca que aani
o Irabalho; pode j Vendem-se os baloes americanos muito supero- vindo a 200 e 240 o gigo.
descarocar urna res com 20 e 25 arcos pelo baratissimo preco de TnirnaL- no I as a fnn,.-/ enn re Q iJtf>nAa
arroba de aleo-12*500 e 40, ditos de 25, .10 e35 arcos com fitas, L0nak g'ezelianuz a 801 rs. e 10OOa
a libra.
lata, savt!
ir
Estas machinas
algo-
do em caroco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
lmpo.
Cesse tudo quanto a amiga musa canta
Que outro valor mais alio se alevanta.t
Acha-se a disposifo do respeiavel publico este grande e magnifico estabeleci-
mento de molhados, talvez o primeiro e nico hoje existente em sua especialidade, por-'
que o maior capricho de maos dadas com mais apurado gosto de abrir um cstabeleci- ,
ment modelo promoveram a escolta dos mais superiores gneros do nosso mercado,'StaSSSVffi?ver ItSStViaS
que por serera comprados em grande quantidade e pagos qitasi todos a dmhciro a vista zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47
deu lugar a obtenco de vantagens, que repartidas como vSo ser pelas pessoas que se!
dignarem de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanza de agradar a:
Assim -como machinas para seren movidas por
ETUSl deSCar05am *8 arrbaS de al0d5 I Peto haralissimo preco de 2;2^200, 2o00 e 3| o
Pimenla do reino a 320 rs.
Peixe em latas a 10OLO a
vina, pargo e outros.
Topcl de peso > 2(JC dem idem muito lino a 40CO e WOu.
dem marlim a .->;>' 0.
dem almasfo a 30(;OO, 30.")( o e i ; o.
dem para cmhrulho a IJ900 a resma.
Palitos para dentes maros com 2( maimhos
a 80, 120 e2C0 rs. o maco.
Palitos do gaz a 20000 a groza.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 2M0
dem londrino a.OlO rs. a libra,
dem prato a 640 is. a libra,
liap Mearon a 1/K)00 a libra.
Sag e sevadinha a 240 e 280 rs. a libra.
, Saidinhas de Nantes a 640, 560 e 360 rs. a
muito bem armados e tambem tem cores escuras i garrafa. j lata,
pelo barato preco de 35300 cada um : s na loja' Ceblas por todo proco. ISabo massa a 120 180 **00 e ^10 rs
ao. ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Copos lapidados que sempre se venderam e | libra, e em caixoes por menos.
i vendem em militas partes a 80 e 100,, Sal refinado a 600 rs. o vazo (polo de lien.)
Toucinbo de Lisboa, de Santos e americano
a 160, 240 e 320 rs. a libra e em arreta
Silva.
0 -ao vende para luto.
upe
de laa sem lustre
vendemos a 505( 0 e 60000 a duzia.
Vende-se superior setim da China, fazenda toda r(l 10S nara vir
tendo 6 palmos de largura pro- ^P
para vestidos, capas", paletots, caicas, etc., |Doces de calda vindos de Lisboa neste ultimo I a 5, 7, c 90000.
limpo, por dia.
Os mesmos tem para vender um bellsimo va- '< 2f casfS S""" ,llsas'chllas Prelas lar/as e tas da Europa,
porque pude fczeV mover seis desta" machinas 2ff!^"2!!te2!!^^ goiaba e da casca o melhor que
todos, nao s pelo emprego das maneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-!
pazes. como pela pratica da promessa que fazemos de vender polos pregos quasi do pri- j
Savnders Brothers & .
\. II, pra^a do Corpo Santo
RECIPE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
meiro custo o nosso magnifico sortimento.
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as j
diversas classes da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharo
em nosso armazera os melhores e mais esquisilos vinhos, licores, champagne queijo, etc.
exc etc, c aquelles que nao podem dispor de grandes recursos, que s compram o neces-
sarto, promeitemos-lhes servi-Ios de gneros novos e sadios, escolhidos ao seu contento.
O real do pobre ser recebido com to boa vontade. como a moeda de ouro do! Zr^7eVr^r^o^rtil
UOQ3.GII1 neo.
As pessoas que nos fizerem a honra de entrar era nossa casa, quer seja para com-
prar para seu gasto, ou para negociar, voltarao satisfeitas, nao s pela boa quaiidade dos
objeetos, como pela Adeudada dos precos, e bom acondicionamento.
O futuro nos justificar.
CAVACO NECESSARIO
Devemos ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que
adoptamos. Ei-las.
Existindo neste vasto e florescente imperio um grande partido poltico com a
denominadlo de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente
capaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
Ria-se quem quizer, porque nos tambem nos rireraos mas nao se zangue
njnguera.
O neme urna voz com que se d3o a conhecer as cousas. esta a mais
breve, clara e sincera explicado que, pelomethodo repentino, podemos dar.
Mas a quem nao seguir o partido desse systema diremos mais:
Nao oriunlo do Brasil o imponente titulo do nosso estabelecimento. Foi a
muitas centenas de leguas que apanhamos a nossa Liga.
Na soberba e opulenta Inglaterra houve um rei que instituio a mu honroza or-
lem da Liga. O acaso nos fez deparar com a narraco desse acontecimento, que tau-
sorprehendeu a corte desse monarcha. Agradou-nos esta historia e gostando suna-
inaraente do traga do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenhar, c col-
locando-o no oito do nosso estabelecimento, temos assim feilo dislingui-lo dos outros
que se assignalaram com mitras e coras.
Ilnmii solt qui mal y-pense.
Ra do Queimado ns. 49 e 55 loja do Barateiro
conhecido j como tal, esta dspondo da fazenda
| por todo o preco para apurar dinheiro, quem qui-
i zer venha ver e traga o cobre, e ver o seguiole :
as para voltarete muito
linas a............................
Miadas de linha froxa para bordar a..."
Pares de sapatos de tranca de todos os
lmannos e linos a...................
Massos de superior grampos para cabellos
Duzias de palitos de gaz superiores a. ..
Libras de ara preta muito superior a...
Frascos de superior macaca oleo a___
Dilos de dito perola a..................
Ditos de oleo de babosa muito finos a 320
rs. e...............
206
20
1.&3O0
30
200
100
100
200
| Anda est para ser vendido o sillo da ira- 4 .Ja
vessa dos Remedios, na freguezia des Alegados n. t\HC7vCUA)-
21, no estado ero que se acha : quem o pretender, Vende-se um excellente cabriolet
entenda-se com o seu proprietano Caetano Pinto por pre?0 cominodo com caTa]|0 ou
de Veras, na ra de S. Francisco, sobrado n. 10,
como quem vai para a ra Bella._____________
tratar na ra da Imperalriz n. 20.
qnasi novo,
sem elle : a
Vende-se uro comometro martimo inglez do va
melhor fabricante Charly Frodshan, amaneando o fCMtt-M C3IXOPS VaZIOS propriOS
seu regulamento, por diminuto preco : a tratar para ballDieiros 6 flinilefrOS 3 1S760
na roa Nova 0. II. loia de, Praocisco Jos Ger--f.j. .... fl
nano. C8M UBI; Resta typogpaphia.
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida..............................
Ditos de banha muito fina a............
Ditos de cheiros muito finos para o preco
aris........................,.__
Saboneles de todas as qualdades a 60 rs.
160, e............................
Novellos de linha com 400 jardas a......
Carriteis de linha de cores com 200 jar-
das a.............................
Novellos de linha de gaz de todas as co-
res a.............................
Pegas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a.......................
Frascos de superiores cheiros, pequeos, a
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a res..........................t ..
Varas de bicos francezes, superiores a...
Opiata para dentes da melhor que ha a..
Frascos de agua para dentes, superior a
tudo a............................
Pecas de tranca preta liza muito fina a..
Caixas com 4 papis de agulhas Victoria a
Varas de fila preta com colxetes a......
Libras de la sortida de lodas as cores a
Bonecos de choro muilo bonitos a......
Carxas de obreas de massa muito novas a
Varas de franja branca e de cores para
toalhas a..........................
Frascos de oleo Philocome superior a...
Ditos com superior tinta a 320 e.........
Caixas de linha de gaz com 50 novellos a
Bufiadores para espariilho a...........
Duzias de bolSes encarnados para vesti-
dos a.,,,.,,.,, ,..................
500
400
640
600
400
80
60
30
240
200
400
40
15000
15000
60
200
40
65500
160
40
80
600
500
800
60
OQ
tudo prcto proprio para lulo fechado, e muitos ou
tros artigo* que se vendem por precos mais em
conla do que em outra qualquer parte por estar
liquidando ; s na loja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60, deJGama & Silva.
As percala* do Pavo.
As mais lindas percalas que tem vindo ao mer-
cado pelo ultimo vapor tem na loja do Pavo pelo
barato preco de 600 rs. o covado ; ditas de listi-
nhas muito miudiohas proprias para vestidos e
roupoes de senhoras, meninos e meninas, pelo ba-
ratissimo preco de 500 rs. o covado ; garantem-se
as cores por serem do melhor fabricante que as
tem em Paris : sio na loja do Pavo ra da Im-
peralriz n. 60, de Gama Silva.
As chitas do Pavo '400 e
*#noo o corte.
Vendem-se cortes de chita rom dez covados
25400, ditos 25800, com 12 covados; sao chitas
inglezas, mas padroes bonitos e tintas seguras ;
assim tem as melhores chitas francezas e de tin-
tas seguras por precos commodos, a saber : 320,
340, 360, 400, 440, 500 rs. o covado : na loja do
Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Os bordados do Pavo
Vendem-se camlsinhas com manguitos e golli-
nhas bordadas, pelo barato preco de 15 e 15280
cada um, manguitos s 500 rs. cada par, ditos
com gulinha a 800 rs., golinhas 400 e 480 rs., de
fil 240 rs. cada golinha bordada, romeira de
cassa o de fil muito bem bordadas 25 cada
urna, manguitos que servem para calcinha de me-
ninas 640 rs. cada par, camisa com manguitos e
golas com a competente gravata de seda, fazenda
fina, pelo barato preco de 35, e muitas outras
bordadas que se vendem por precos muito em
conla : s na loja do Pavo ra da Imperatrfz
n. 60, de Gama & Silva.
As reupas do Pavo
Vende-se panno preto fino muilo superior pelo
barato preco de 25, 25500, 35, 35500 e 45, dito
muito fino 55 e 65 o covado, casimira preta de
urna s largura e muilo fina a 15800, 25 e 25500
e 35 o covado, cortes de casimira de cores a 55,
55S00e 65, casimiras entestadas de urna so cor
proprias para calcas, paletots. coletos, capas e para
roupas de meninos a 35500 o covado, isto na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
?La^''Js' a ,a,a das mel,lies ffuc-, Tijolos para limpar facas a IGOrs cada um.
Vlnho do Porto em ancoras com 70 n raas
30000.
possivel por diversos pregos, e conforme
otamanho doscaixes.
Ervilhas em latas a 640 rs. a lata,
dem seccas a 200 rs a libra.
Espermacete americano a 14200 a libra,
dem francez a 560 rs. o masso com 6 velas.
Figos de comadre em caixinhas muito lindas'
a 800 rs. a caixa.
rarinlia de trigo a 120 e 140 rs a libra.
Farinha do Maranhao a 240 rs. a libra.
Fumo do Para a 10800 a lata frrande.
Fumo americano a i#400 a libra.
Fumo em macinhos para sigarros
rs. o mago.
Farelo em sacas de 80 a 90 libras a
Genebra de laranja 10 ofrasco.
dem de Hollanda a 500 rs. o frasco.
a
Vinhos de Lisboa e Fi/jueira qualdades mag-
nificas a 30000, 305CO e 40OCO a .aada.
Vinho do Porto em pipa a 6160000 a caada.
Vinho branco de Lisboa e Porto em ana ras,
barris e pipas a 40000 e 50000 a caada.
Vinagre de Lisboa a 10600 e 2A0OO a esna-
da.
Vinagre em garrafoes por 10000 com o gar-
rafao.
Vinagre em ancoras para 10600 com a ancora
de 9 caadas.
Vassouras americanas a 640 rs. cada i,ma.
200. Vinho deordeaux neste genero temos grande
porcioedasqualidades melbotfs que lm
vindo ao nosso mercado em parrafas. em
ancoras, em barris eqnartolas oqnal ven-
demos por procos muito bao.
c/> CflBrfln 'fi~v '*** '^ri '' ,r*%*=
30500

Vende-se superior vinho do Pono em caixas de
urna duzia : em casa de Johnslon Pater c C., rna
do A'gario n. 3._________________________
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e nltimamente che-
gada ao mercado, em bem acondicionados barris:
no armazem de Manoel Teixeira Bgitto, ra do
Trapiche o. 13, por preco razoavel.
BALIZA
fe
DECLARACA. ^
0 BALIZA declara pelo prezente me
deixa de publicar os precos pelos quaes aa>
de as suas mercadorias por motivos qne ao
respeitavel publico pouco interera. Sama
provisoriamente de baze os precos do Pra-
pirata. 4&4
ORDEHI DO DIA* jlf
O BALIZA concede plena liberdade aos jyz '
seus amovis collegas Clarins, Unies, mitra- *T
dos e croados, para que possam sallar, her-
rar e tudo mais quanto Ihes aprouver, al
a sua segunda ordem.
L
MUTILADO


.

.
: .

Uarlo de reraaasfemeo ... sabbado 5 de \ovr-Hibro de i te4.
lfX
ai
MU KEF0UM4.
MIR08A MIlHiM
-r^
N.84 Largo da Santa Oruz.N.84.
Francisco Jos Fernandos Pires, tem a honra de arisar a sqa numerosa fregus!
e com especiatidade aos moradores do bairro da Boa-Vista e seus arrebaldes, que fez
nova reforma em seu assoiado estabeleci ment de montados denominado AuroraBrilhan-
le, ao largo da Santa Cruz, e eom esta reforma suprio de novo o seu armazem de bons
gneros, sendo ramios delli mandada vir de sua propria eonla, para melnor servir
aquellos quo se diguaretn comprar ou mandar comprar em seu estabeleciraento.
No armazem da Aurora Brilhante encontrara sempre o respeitavel publico um
lindo e novo sortimento dos melhores gneros que tum vindo ao nosso mercado, e sem-
pre por precos muito razoarms, como se v daseguinte tabella que ser mudada se-
nsualmente.
NfflM COROAS NEM MITRAS

GRAIG
DE
RA DO IMPERADOR *. 40
Jauto ao sobrado em que mora o Sr. tobarne,
Duarte Almelda & C, receberam de sua proprla eneommen-
da o mala lindo e variado sortimento de molhados, proprios
da presente estaefio.
Manteiga ingleza | Ma^as brancas
da safra nova vinda no ultimo vapor a 1 ,00o para sopa a melhor que se pede desejar,
rs. a libra e em barril a 800 rs. --------*- *~n---------,:-- *~
A Aurora Brillante recebe as libras sterlinas por 9& sondo para compra, a faz 5
por cento de abatimento a quem comprar de 100 para cima.
Presuntos do fiambre umita novo, a libra a
800 rs.
Ditos para panelta, a 560 rs.
*t* Quijos londrinos muito superiores, a libra
a 1S000.
Biios do reino viudo ueste vapor a 2J6O0.
Ditos do vapor passado a 2 e 2i00.
rfiL Queijos de qualha nevos, a libra a 560.
*^ Frasees grandes com am.'ixas a 3,5000,
W Laias ceral l| libras a l&z(H)
.i, Dias com 3 e 6 libras a 25500 e 45.
Ki Chocolate francezmuito superior, a libra
Jk. Cha fino de priaeira qualidade, a libra
&? 25700.
3P Diio uxim a 25700,
,-l Di lo hvsson a 25700 e 25800.
K Dito peroia a 25800.
vfj> Dito em caixinhas de 1 e 2 libras a 250.
ji Dito preto a 2 B Manteiga ingleza Qor a 15200.
(fp Bita mais al, uxo a 800 rs.
Dita em barril propria para uegacio, a libra
,JR a60rs.
r5i5 Di la para tempero a 400 rs.
a. Latas com 2 libras de banha refinada, a libra
-! a 400 rs.
~<% Manteiga franeeza nava, a libraa 640.
Dita em barris e malos ditos, a libra a 600.
, e a 320
'.i{ Toucinh de Lisboa a 95500 a arroba e
*MJ rs- a ,ll,ra-
_T Latas con bolarhinba de soda de 5 libras
3fc 25000.
Qi Ditas com biscoitos e bolacbinhas sorlidas
_XT a 15500.
f Ditas inglezas novas, a libra a 240 rs.
U\ Arroz do Maranhao, a arroba a 25400* e a li-
bra a 80 e 100 rs.
Diio da India a arroba 25800 e a libraa 100
e 120 rs.
Caf muito superior de primeira qualidade
#p a 85500, 95 e 95500 a arroba.
>& Dito em libra a 280, 320 e 360 rs
y? V'inhs em caisa de 12 garra/as, o melhor
. possivel a 185 e 205-
-.;? D.i, mais baixo a 105,125 a 145-
(S/J Dito Figueira, o mais superior possivel, a
-.!%y caada a 45500 e a garrafa a 640 rs.
M Dito mais i>aixo a 45 a (ranada e a 560 rs. a
*JJ garrafa.
Dil d* Lisboa, boa marca, a 400 e 500 rs.
a garrafa.
Dito brdeos .t 640 rs. a garrafa.
ilii em raiza, da> melhoros marcas, a 75 o
85000.
Srvela, marca t-nente, em botijas a 7 e 85
a duzia.
Dita de diffrrentes marcas a 500 rs. a garra-
f. o V.Sit3 a dalia
1_ Genebra ile laranja verdadeira a 15 e 15200
,-,-,? o frasco.
, fj Dita de Ilollanda em frascos grandes a 15 e
A pepuenos a r40 rs.
'.' Dita verdadeira de llollauda, a botija a 480
'Y: Licores finos devanas qualidades a 800. U
X e 15500.
Oy Caixas de vinho raascatel a 105, 8 a garrafa
!',* a 15000.
Ditas com azeite refinado a 105 e a garrafa
a a 15000.
-/> ? Conservas inglezase francezas de pepinos,
y- sebolas, azeilouas e mixide a 600, 700 ej
;.- .0 800 rs. o fraseo grande.
:;} Caixas com frascos de mostarda franceza a
45 a (luzia,e 360 rs. o frasco.

1

r 4> E MUITOS
OUTROS GNEROS QUE TORNARA ENI'ADONHO
TUDO DE PRIMEH1A Ql'ALIDADE.
Charutos finos do autor Jos Furlado de Ci-
mas, ha par muilos preces.
Ditas de outros autorss a 15500. 2J e5500.
Gigos de batatas novas com 1 arroba a 15.
Passas novas, a libra a500 rs.
Figos apvos a 320 rs.
Latas de ervilhas e favas pjrtuguezas j pre-
paradas a 720 rs.
Ditas rom ostras, ezcellehte petisca,a 640 rs.
Latas depeixe ensopado em postas, de muitas
qualidades, a 15-
Potes do vidro cora sal retinado a 500 e 640
ris.
Marrasquino da mellior qualidode, a 85 e
125 a duzia.
Garrafas de dito a 80o e 15200.
Amenloas eonftsitadas a libra a 890 rs.
Dita com casca a libra a 320 rs.
Nozes, a libra 160 rs.
ainco, alcista, a arroba 45 e libra a 160 rs.
Grao de luco, a arroba 45 c libra a 160 rs.
Vinko de caj preparado en Sobral a 800 a
garrafa.
Cognac superior a garrafa a 15000, 15200 e
15600.
Champagne boa a duzia 205,c a garrafa a 25
Garrafos eom genebra hamourgueza a 65.
Vinho br*nco Xerez a garrafa a 15.
Dito Joao de Bi ilo, puro, a garrafa a 640 rs.
Dito adunca lo a 560 rs.
Dito do Part, fino, a garrafa a 800 e 15
Xarope de grozeis c outras frucias a 640 re.
Haasas para sopa, amarella, a libra a 480 rs.
Dita branca a 320 rs.
Dita esirelinha, pevide e rodinhas a 640 rs.
Caixinha com 8 libras de dila a 35500.
sebolas solas grandes, o cento a 15.
Ditas grandes em resteas a 15280.
Duzias ile cartas francezas finas a 25500. 35
e 35500.
Duzias de latas de graza nova a 900 rs.
Bonhoes de dita a 280 r<.
Marmelada nova a 600 e. 720 rs.
Carite do serto a libra a 320 rs
Chouricas a libra a 640 rs.
Saceos "grandes com farioha a 55.
Ditos com milhee 35500.
Ervilhas seccas a libra a 160 rs.
Leolilbas paru sopa a libra a 200 rs.
Sevadinha de Franca a libra 200 rs,
Sag a libra a 400 rs.
Araruta vvr.ladeira a libra 480 rs.
Gomuia de engomaiar a arroba a 45 e cm
libra a 160 rs.
Sabao espaohol .1 libraa 400 rs.
Latas com o vi-rdadeiro gaz liquido com 27
garrafaa a 125.
Garrafas rom dito aSOOrfi,
SaMMis Branilas rom fuiiao uv.ilatinlio com 24
cuias par 95.
Copos e cliz lapidados para vinho o agua.
Latas muilo bera enfeitadas com Jigos novos
a 25, 25500 a :J5.
Assucar refinado com ovos milite alvo a ar-
roba a 65500 e a libra a 200 rs.
Papel patalo liso de peso hunco e azul, a
resma a 25500 e 45500.
Vinho Madeira-sceco, a 15600.
Cento de esleirs de tranca a 205-
Barris com azeitonas novas a 15280.
Duas bataneas grandes da Romao com os
pesos de l arrobas, e alguns bracos pe-
queos do in-smo aulor.
Urna grande quantidade de caixoes fastos de
lodos os tamaitos da 120 a 500 rada um.
MENCIONA-I.OS.
Manteiga franeeza
da safra nova a 60o rs. alibra, e em barril
I a 560 rs.
Aiaeudoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidra com 3 libras quido a
2(J400, muito propios para mimos.
OartSes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
aun
com bolachiultas de soda de todas as qua-
lidades a 10300.
Chocolates
; de todas as qualidades a 1)5000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos vellos para rs.
Queijos flaniengos
i cltgadosneste ultimo vapor a 206o*.
tftuefjoa
'chegados no ultimo vapor a2}000 cada um.
Oueljo
i londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo intetro e a 900 r, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e l 00.
Chl uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
H a 2^600.
dem perela
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
liiein llVSSOil
o mais aromtico que "tem vindo ao nosso
mercado a 25600.
Massas amarellas
para sopa, mnearrao, tilharim e aletria ii
480 rs. alibra.
COOV4C
o muito afamado cognac Pal Brandy a l,8r*
rs. a jarrara a e outras mui tas quaHda
des a l,ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPOS
lapidados para agua a 4,5oo e 5\ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
macarrao, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas mareas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
ldn de Lisboa
e de outras marcas a 400 re. a garrafa, e
20800 a eanada.
dem do Porto
generosos engarrafado dos melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar-
cas 85o asseguintes: Chamisso dFilho,
F. M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banha a 40009.
Bolachinha ingleza
a 10800 a barrita da mesma que
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 12Gt>: i bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Res e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
Acaba de receber de sua propria encommeuda um grande e variad* sortiim'nto
e molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o proprietario no
\ olferecer 3s seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos pregos, afianzando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
Amendoas confeitadas de8oors. alibra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a l.ooo
rs, a libra e 8oo rs. sendo em barril,
dem franceza a [6oors. a libra, e 56o rs.
sendo em barril.
Cha uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
dem peroia a 2,8oo rs. e de 8 libras para
cima a 2,7oo,
dem bysson o mais superior que se pode | Passas muito novas em quartos e iuteiros a
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima; 2,ooo rs o quarlo, a 6,5oo a caixa e 4oo
libra.
Licores francezes e portoguezes das legnin-
tes marcas creme de violetas, gerofle*. ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, BoU-tii,
morangos, limao, caf, laranja, cidra, gin-
ja, canella, cravo, rlela pimenta a I.000
rs. a duzia l.ooo rs. a garrafa, garanle-se
que os melhores que temos udo no mer-
cado.
de 1 .* e 2/ sorte do Rio de Janeiro a 805*
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a
Ciarrafes
libr
al
rs. a
dem corinthias proprias para podim a 800
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra.
Ervilhas secas muilo novas a 16o rs. a libra.
Grao de bico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 64o rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a l,6oo rs. a
fazeuda especial.
rs. a libra.
Cliouricas e pato muito novos a 64o a libra.
' Caixas de I raque n. 1 a 80500 cada non.
hora
800
Qg2.: -3GL g

PAPEL
I almajo, grove, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
1 Ihor.
Papel de botica
= de excellenle qualidade a 20200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulhode l,4ooa 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
a,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo ede 8 libras
para cima a 2,3oors.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
, dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que so pode desejar
neste genero a 2,800 rs.
' dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,800 rs. a libra,
com 4 /a garrafascom vinagre a 10000;j;? i(iem mais baixo b.m para negocio a I,5oo! Presunto para fiambre ingl
ogarrarao. rs. a libra.
GENEI1HA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110OOC
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Ilollanda a 50600 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em rasqueira a 600
rs. cada urna. ^^^ e ,.,, r..^.. Charutos em grande quantidade e de la*, o*
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a cruza Biscoitos em lalas de 2 libras das seguintes' fabricantes mais a crestados a 1.5oo.
marcas : Osborne, Crakntl, Mixed, Victo-: 2>o 2,oo, 3,<>ik) e 4,000 rs. a caixa,
ria, Pec-nic, Fance, Machine e outras mui-: os mais baixos tUt dos que por ah se ven-
tas a l,3oo e l,4oo rs. dema 2.'ioo e 2,5oo r,s.
Fumo americano em chapa a l,6oors, a;ca( depriini quali.la.to a8.3nne Voo
Araruta' de todas as qualidades. rs- aa,roba e28 a 2io rs- a ,i,'r-1
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 30 a
60 rs. a libra-
Id re Tt a"1" Pr01)r Para neg0C '>WV ICaisas '"I l a *
Queijos do reino chegados neste ultimo va- iMassas Para g f^' ^^^ *Ml1*
por a 2 ^00 b a#
Queijos "galios no ultimo vapor a 2,6oo rs Cof ZS^fSlS^ 8,5 "' **
dem prato os melhores e mais frescos do' M garraia.
mercado a 800 rs. a libra sendo iliro. rafez a ''000 rs' a duzia e a
Genebra marca gato a 1.7oo rs. agarrafa.
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
, com tuna duzia e a 1,000 a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
libra.
SORTIMENTO PARA A FUSTA
a 600 e 640 ris a li-
a 300 rs. a libra e 8800 a ar-
23-Largo do Terco-23.
rato aiU'k""S,> S 5an,2s' d0B0 desIe Hawai de ltete awa aos amigos do bom e ba-
TiZStttffmiZSJFZZ i^estatatecioeito que nao se arrSpendaraA e Ihe
mV'2 a l>orceDt0' '),;l0 se Prompto pagamento ; e por Isso se faz annocio de
^r^cX^S^^STdem^ Umgrande Noso sortimento de ,U5o
Sentido! Vou fallar com o Conserva I i !!
ala1 ntoiga ingleza de 1 e 2* sorte a 800, 900 e i l Queijos mais novos do mercado a 2#00 e 25800.
a unra. I Ser veja da < melhores marcas, tanto branca como
Mein franceza era barr.1 a 600 e 640 ris a U- pra a 500 rs. a garrafa e a duzia a"800
I Sabao amare! lo mansa a 180,200 e 240 rs. a libra.
Charutos da Baha dos melhores fabricantes de
I 200, 2000, 2*300 e 3* a eaixa.
Miiu alpista e pailxco a Oe 140 rs. a libra.
Vinho de Figueira verdadeiro a S00 rs. a garrafa,
dem de Lisboa das melhores marcas a 400 a diia.
dem da Porto em barril superior pinga a 40 rs
dem branco proprio para missa a 500 rs. a dila
dem do Porto agarrafado a 800 e 13, tomando
mais de urna eanada deaualojaer um destes ter
grande abatioMntu.
Conservas inglezas e portuguezas a 500 e 640 rs
Biscoitos e bolachas de soda a 1*400 e 2*.
Massa de tomate a 600 rs. a libra.
Genebra de Ola ida em frascos e botijas e de la-
ranja de 480 a 640 e 1*200.
Chouricas as mais novas a 560 rs. a libra.
Latas cora 1 e meia libra de ameixas a 1*200.
Azeite doco de Lisboa a 440 rs. a garrafa e 3* o
galo. ^
caixa e o rs. a
Ralachinha de Craknel em latas de 5 libras
Pregunto i I,brut0 a,4'000 rs- .
o verdadeiro pregunto de Lamego a 52o rs. ^'ZJS^TJTX a ma,s "ova do
a (bra. mercado a 3,5oo rs, a barrica e 24o rs. a
ARROZ llbra'
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e Chocolate portuguez o mais especial que se
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba. podo desejar a 8oo rs. a libra e 14o rs. o
VELAS pao.
de espermacete de diversas marcas a 56o rs. Papel do botica de excellente
a libra e era caixa ter abatimento. 21oo rs. a resma.
passas corinthias muito novas proprias para i. VELAS | Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
nndim a Rnn re > ihro de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo v
caixa e 34o rs. a libra.
qnalidade a
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
natatas oras
o verdadeiro fumo americano em chapa a em caixas de 2 arrobas a 5f5 a caixa e 60 re.
1.4oo rs. alibra a libra.
VinafiTe Passas muito natas
PRR em ancoretas de 9 nadas a 15,ooo rs. iem QU-rl0S C "te,'S ?--* quar, e 8|90
cada urna.
Ricos frascos com frutas francezas em calda
;i melhor que se pode desrjar de l,4oo a
3,ooo o frasco.
o maco.
T.iucinho de Lisboa
roba.
atalas em caixas e glgos 1*200 e 2*000 a ar
roba.
uaf de primeira e segunda sorte a 250, 280 e 300
rs. a libra.
Arroz da India, Maranhao c Java a 100 e 80 rs. a
libra.
Phosphros do gaz a 2* a groza c 180 rs.
Passas novas a 480 rs. a libra,
/elas/le carnauba Aracatf compoaicio a 400 e 440
rs. a libra.
Massas para sopa a 480 e 440 rs a libra.
tfrmefUda dos melhores fabricantes do Lisboa da
1 a 2 libras a 640 rs. a libra.
Cha hyssoa o melhor desta- geaero a 2*300 a li-
bra.
dem peroia miudinho a 2*500, 2*000 e 3*000 a
libra,
anha ingleza alva e sopemr a 480 rs. a libra.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l.ooo rs. o molho.
Alpista e Paiii^o
o mais novo do mercado a 140 re.
e 40400 a arroba.
CEBLAS
caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 re. a libra e 140rs. o pao.
Frutas em calda
I chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata,
bra,; Osee da casca da goiaba
a 600 e 1^ ocaixae.
muito novas a 1 #609 o cento na ra do Quei-' em paneirosdeVe 2 arrobas a 34500 a ar-
mado n^ 7, ra do Imperador n. 40 e lar-' roba e 140 rs. a libra na roa do Qoei-
go ao tarmon 9 mado n. 7> niado rmperadflr n. 40 e largo
muito novo a 35400a arroba e 140 rs. a li-; BOL 1CHINHAS
fmnfi* d ?rmnl l' rua d" em latas de defferenles qualidades a .200
Imperador n. 40 e largo da Carmo n. 9. a lata
QUEIJO SUISSO O'FUOS Ff.4MFNf.ni
muito fresco a 800 rs. a libra na rua do
Queimado n. 7, rua do Imperador n. 40 e do Queimado n. 7,
chegados neste ultimo vapor a 2800 na rua
40 e largo do Carmo n. 9.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muilos a 12o rs. a
la la de 21{2 libras.
Foijo verde em bages em latas a 64o rs. a
lata.
Nozes mnito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 6oo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luizl, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a lo.ooo e
l.ooo rs. agarrafa.
dem branco de uva pura a 64o re. a garra-
fa e 4,ooo a caada,
dem superior a 5oo rs. a garrafa e 3,2oors.
a caada,
largo do Carmo n. 9 m ^ZT '' "u0do ,mI,(>rador dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira daj
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principa! declarara aos seus I S"** ma'S acre,,itadas a 3-* a *
freguezes amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
e 5oo rs, a garrafa.
Para colletes.
Vcndem-se abotoadura* doaradas que nao des-
merecem a cor com as efflgtes de SS. MM. o Sr.
I). Pedro II, D. Luiz I e Mara Pa e liras eom
ss cor s brasileira e portugueza: as ras larga
do osarlo n. 30, do Queimadt n. 46 hija de Gui-
mariea & Bastos e da Cadeia do llecifn n. 49.
--- Vende-se urna bunita escrava erioula de ida-
.le Ti anuos, pouco mais ou monos,a qual sabe co-
ser, eugommar e fazer o mais servico interno de
urna casa: a tratar na Tilla do Cabe cora Pedro
Fernandas da silva.
GAZ GAZ GAZ
Vende-ae gaz da melhor qualidade a
4)> a lata : nos armazens da rua do Im-
perador a. 16 e ruado Trapiche Novo n. 8.
I'ISJOH MUITO BONS A'
S03OO e SUii*
Manteiga ingleza flor a 960 e 800 rs., franceza a
640, cha mindo aromtico a 2*606 e 2*000. caf
primeira sorle 2S0, arroz alvo e graudo a 100 rs.
aletria e ta'larim a 400 rs., estiarinas a 60, vellas
i 5LArarat> a 40 e 36 ,aU com ervilhas a
JDalCaO. I 700 rs., batatas a 40 rs. a libra, ditas em gige a
Vende-se um balco de loara e lampo de ama- !?" h*nh* de p0lr0 522' alpisla e pa,n? *
rollo, minio bom, por commodo preco, antim como 1 f?omm:* muit0 alr? LlinD0 da Fiftir
irm Oteiro envidrarado e dous diios mais peque- 3 "S'" e ^|2O0, dito de Lisboa a
nos, tres caixoes para amostras de a, arroz, etc., W 2**'t a c\na1da- "wt dore a 600 a garrafa,
etc. : aa rua da Cadeia do Recife n. 50. fa *rr*p*.to a 2^0, T,naRrc for,e a ,0 r*- *" a
----------------5----------------a-------------- 440; e outros muitos gneros por menos do que
Na travessa dos expostos n. 18 vende-se urna em outra qnalquer parte, no armazem da Estrella
onca de qualidade especial largo do Panizo n. 14. 1
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
Uaio e Commemo rua do Queimado u. 7
0 Verdadeiro Principal rea do Imperador n. 40
FRIICTAS
-Ko-^i u- "AA*> PERA E n;w
n i T 52 vapor* vende-se nos seguintes lugares: Rua do Imperador n
40, Verdade.ro Pnnctpal-Raa do Queimado n 7, Uniao e Commerciol ,mperac,0r 0"
Agua Florida. i Balidos para meninas
Para resUbeleeer mmmm e6r mttural lTtZt not^o ?S5^STL"2& I
janFlor, rua do Quei mado n. 63 e 69.
Extratos e sabo era
xinhas
eai-
dos cabellos.
A agua florida nao urna tintura, ficto essen-
cial a cooteslar, a mesma agua dando a rr primi-
tiva ao cabello. Composla de plantas exticas e
de substancias inofTensivas, ella tem a propriedade i
de restituir aos cabellos o principio corante que el- Lindas eminhas com um cartio com a famiHa
S faUl&M.?S5 salub,ridade incon.esu-; imperial, e dentro de cada caixa nmTJo
vel a Agua Florida enlretem a limpeza da cabera bao o mais oo que passiel: na loia do Beiia-
deitroe as caspas e impede os cabellos de cahir, Flor rua do Queimado n. 63 e 69
Oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exticas, elle '
K'UlaTa ?SS^?sIi *-AS!! nl0rid*' a t SeDde-se s,,perior caI de a ma* nova que
Rm p,h* T, *S0TV0 d2 ha no mercado tanto em porco como a retalho
m^mUSSSSZ^1* FUa dC R'Che- Pr baral P.rec ^.ancando-se'aos compradores
TnrtnJi n frlIL M,n""art.re-. superior qnalidade : a tratar as $gSSm ras
2Tlr?naSy ^ B^.fgtyfr.CM. o reputados falsos. mazom do Sr. Villa defronte do trapiche do al-
godao.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo r&. a eanada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composico a 5450 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a i.ooo rs. cada urna.
Ricos livros com figos l.ooo rs.
Pomada a 200n. duzia. sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafes eom 4 J. s garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafo.
^S"1^" Vdo"Bei" dem eom 4 '/"^as de Tenagre a 1 ,ooo rs. o
garrafio.
Vinagre PRR era ancorlas de 9 caadas a
15,ooo rs. com aancoreta
dem empipa puro sem o batisme a 2oo rs.
a garrafa e 1, loo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda mnito especial a 6,8oo rs.
a caixa e 7oo rs. garrafa.
Superior cal de Lisboa.
Deposito, rua do Imperador, pbarmacia n. 38.
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz do Maranuo a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da ludia muito superior a 2,foo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 8o rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracatv a >,5no rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra.
dem de sebo muito dura lingindo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 56o rs. a libra, e em
caixa a 52o rs. com 25 libras.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Sis. empregadospblicos a 5.(;o rs. a res-
ma, j se venden por T.ooo rs.
dem almaco pauladoe liso a 3.ooors. a r--ma.
dem de peso paulada e liso a ||m rs. a
resma.
dem a zul de botica oh fnguelciroa 2,oors.
a resma.
demembrulho de 1,2oo a l,4oo rs. a r.\sma.
Ameixas francezas em latas de 1 ''< libra a
l,2oo e 8oors. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs.. s o
frasco valle l,ooo rs. tambem temos en
frascos para l,4oo rs.
Conservas inglezas a Koo rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Molhos inglezes a 8oo e l.ooo rs. o frasco.
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a T.ooo rs. a
duziae 6oo rs. a garrafa,
dem de outras marras preta e branca 5.5oo
e 6,ooo rs. a duzia e 5oo rs a parrafa.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindae do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l.ooo rs. o molho o
8oo rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,ooo
e 86o rs. o frasco,
dem embotijas a 4oo rs.
dem em garra toes de 14 garrafas a 5,3no rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e So rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grande
com 2o rs. o macruhos a 12o rs. o masso.
Ceminhos muito novos a 32o rs. a libra
lo.ooo a arroba.
Sag muito novo a Jo rs. a libra.
Cevadirtha de Transa a i8o rs. a libra.
Milbo alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,ioo a arroba.
Peixes em latas a l.ooo rs. a lata ja prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,ooe rs.
Doce da casca da goiaba a 6oo e I ,ooo rs. o
caixSo.
O proprietario do grande armazem UniSo e Commercio declara aos seos freg
zes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos estipulen
os meemos precos nos seguintes lugares: *^
Uniao e Commercio rua do Queimado n. 7.
0 Verdadeiro Principal rua do Imperador n. 40.
'

IfflTlLADO




Diarlo 4c reras-*mee sabbado & de Xorcmbro de i sai.

'
Extraordinaria liquidar 5o de faxendas para a fest
por baralissinio prego, tanto para o uto como
para a praga, na laja beaa ooabeeida 4 Arara,
rna da Imperalrix n. 50 de Laurneo P. H. Gui-
mares.
Aa barateiro da Arara a i 400.
Vende-se cortes de chitas com 10 covados a
25400, ditas franceza a 35200, ditos de cassa a
2*. dita de salpicos a 254UO, :i e 4* o eorte. para
apurar dinheiro : na ra da Imperatriz n. 56, luja
da Arara.
Cortes de lia a Mara Pa a 8,\ e 18$.
Vende-se corles de la com barra, os propia-
mente a Mara Pia a 85, e 165 : na roa da lmpe-
triz, leja da Arara n. 56.
A Arara vende alpaca para vestidos de seabora a
360 rs.
Vende-se alpacas de lindas cores lisas para ves-
tidos de senhora a 360 e 400 rs. o cuvado, laazi-
nhas para vestidos de senhora a 240, 320 4UO, 500
600 rs. : na ra da Imperatrii n. 56, luja da
Arara.
i Lias lizas de cores a 600 rs.
Vcndem-se liazinhas lisas de cores, a saber:
rosa, encarnada, cor de lirio, cor de caf e cor de
einza, para capas e vestidos de senhora a 600 rs. o
covado, ditas de flores a 240, 20,400,500 c 560 rs.:
na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Colchas da Arara de 2,-5 a i.
Vende-se colchas de chita para cama a 25, ditas
de damasco a 45, ditas para cobertas a 320, 360
e 410 rs.: na ra da Imperatriz n. 56.
A Arara vende cortes de caifas a 1<600.
Vende-se cortes de calca de brim a 16U0 c 25,
ditos de casemira a :i, 45500, uij: na ra da
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Koupa feila da Arara
Vende-se palitots de casemira de cores a 84, G5,
85 liio e lii, ditos de panno (.reto a 85, 105000,
425 e l>, ditos de alpaka aU r 45, ditos de
brim de cores a 25500,3 e 35500, ditos de brim
brancoa 35 e 55. eticas, colotes brancos, serouras
francozas a 13000 e 24, ditas a 152&0, camisas
francezas a 15, ditas de linho inglezas, pregas lar-
gas, a 35 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
A economa, a saber : oolarinhos econmicos a 600
ris.
Vende-se eolarioOos econmicos a 600 rs. a du-
zia, rncias cruaspara homcm a 200, 240,360 e 500
rs o par, ditas para senhora a 320, 400 e 300 rs.,
lencos brancos com barra a 200 rs. cada um, ditos
tinos a 320, ditos de linho a 500, 600 rs. cada um,
s na loja da Arara, ra da Imperatriz n. 56.
A barateiro.
No armazem da Arara vende-se cassas a 240,
280 e 320 o covado, chitas Anas a 240, 280, 400 e
500 rs. o covado : na ra da Imperatriz u. 56.
As percalas da Arara a 560 rs.
Vende-se percalas tinas para vestidos a 560 e
600 rs. i chitas trancezas finas a 320, 360,500, 400
e 500 o covado, alpaca para vestidas de senhora
a 400 rs. o covado, fosio branco a 600 rs. o cova-
da ; na ra da Imperatriz n. 56.
A Arara vende mosselioa branca a 100 rs.
Vende-se musselina branca, fina, a 400 e 300 rs.
o covado, pegas de canrbaia*- finas, lisa, a 35,
45, 55, 65 c 75, Rinsselina cambraia ra India 85,
e 105 a peca, para vestidos : na rna da Impera-
triz n. 56^,
A Arara vende liras bordadas para enTeilar vesti-
dos brancos.
Vende-se tiras bordadas de todas as larguras a
15, 15200 e 15400 a peca, ntreme ios finos a 15 a
pora : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Madapoiae da Arara a -15.
Vende-se pecas de madapolo enfestado com do-
ze jardas a 45) dito de 24 ditas n. 30 a 65, n. 150
a 65500 E "5 e 85 n. 5 + 85500 e 95. n. 5 a 105,
n. P P a 115 ZZZ, a 125 a peca, peca de atgodo
a 55, dito carne de vacca a 65500, "dite domestico
a 75, dito slcupira a 85, dito pao ferro a 95 a pe-
ca : na ra da Imueralriz, loja n. 56.
Bramante de linho de 10 palmos a 2o(>0.
Vende-se bramante de linho de 10 palmos a
25500 a vara, brim liso a 500,360e 640 rs. a vara:
na ra da Imperatriz n. 56.
Panno de linho da Arara.
Vende-se pecas de panno de linho para lenges
e toalhas com 13 1/2 varas por 85500 ; ditas com
27 varas a 165500 e 185 a peca ; na rna da Im-
peratriz n. 36,
Pecliinoha.
Lencos de seda a 15 800.
Vende-e lengos de seda para mao, a 800 e 15,
tarlatana para veslidfts, de todas as cores a 800 rs.
avara, fil liso ordinario a 320 rs. a vara, dito li-
no a 800 a dita : na ra da Imperatriz n. 06, loja
da Arara.
1 Arara veade chai les a 16600 e 3.
Vende-se chales de merino a 15600, 45500, 65,
75 e 85 : na ra da imperatriz n. 56, loja da
Arara.
Fazendas especiaes para senhoras, a saber:
Vende-se golinhas para senhoras a 240,320, 400
6 500 iv., camisinhas para ditas a 15,25, 35 e 45,
gravaiinhas para ditas a 15 e 15500 : na ra da
Imperatriz n. 56..
Sontembarque da Arara a 85 e 105.
Vende-se sontembarques de cores para senhoras
a 85, 105 e 125, ditos de grosdenaple pretos finos
a 205,255 e 305, capas pretas para ditas a 205,
255 e 305 : s na loja e armazem da Arara, rna
da Imperatriz n. 56.
I
en cao
O Vigilante est alerta, nao lhe era permiltido
deixar pausar desapercebido sem que nao dsse o
sen canto, afim de annunciar ao respeitavel publi-
co o grande sortimento de galanteras do melhor
gosto propriamente para qualquer mimo, que aca-
ba de chegar neste ultimo paquete, assim como
muitos outros objeclos que recebe por diversos na-
vios, lauto de sua conta como de consignaeao qoe
est reswlvido a vender por pregos muito baratos
para vender muito e ganhar pouco, e dar extracao
o graude deposito que tem, que espera merecer a
proiaoco do respeitavel publico empregando para
isso todas e as melhores diligencias para que li-
quein salisfeitos; isto s no Gallo Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Riees perta-joias.
Cofre de muito gosto por 165000
Cestinhas transparentes forradas de ma-
dreperola por 185000
Lindas jardineiras. 105000
Ricos cofres com camapheu. 105000
Lindas camuas com eedras brancas. 105000
Lindo balo com calungas dentro, tara-
bem para joias. 165000
Tambalier para ditas. 95000
Cestinhas ditas. 65000
Cosmorama ditas. 65000
tJrnazinbas. 65000
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta bouquetes de diversos gostos e pre-
cos ; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos sinlos
com bolcinhas aolado, a 105, 125 e 155, ditos sem
bolea porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 35500
45000.
Ricas fivella avulsas parasinto, o melhor que se
pode encontrar, a 15500, 25, 25500 e 35 o par;
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabazes en cestinhas.
At que chegaram as desejadas cestinhas cu ca-
bazes para nieuinas trazerem no braco, o mais rica
possivcl a 25500, 35500, 45, 55, 75 e 105; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Pentes.
Neste artigo lena um grande sortimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
que se pode desejar, assim como de arregagar ca-
nello, tanto de borracha como de tartaruga cmen-
feitcs c sem elle para menina; s no Vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Mais lepes
com pequeo defeito, Ieques de sndalo com pe-
queo deleito por barato prego de 85 e 15, chi-
nezes muito bonitos tamboril, polo barato prego de
45 e 5, bentaraHos muito bonitos, tambem por ba-
rato prego de 45 e 35, tenues de charao tambem
por 45. ludo Isio para acabar, perdendo-se lai-
vez 80 por ecuto; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Pnlseiras.
Lindas pulseiras de contas e de missanga, cores
muito lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
Para segurar nanguiUs.
Tambem chegaram as liguinhas estreitinhas de
borracha que as senhoras tanto precisara para se-
gurar manguitos por ser muito rommodo e muito
barato, a 320 o par; s no Vigilante, ra do 'jres-
po n. 7.
Leqnes.
Rlquissimos loques de mauYeperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato prego
de 125 e 145; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Pentes
lambemchegaram os riqusimos pentes de concha
de tartaruga e de massa fina, que se vende por 25,
35 e 55; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Caetas.
Riquissimas caetas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baralissimo prego de
155OO e 25-
Sapatinhos e metas de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda ede merino en-
tallados, assim como meiaszinhas de seda, gorrazi-
nhas e touquinhas para as cnancinhas se baptiza-
rem; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Voltinhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
Ongindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato preco de 15 e 15200, as
cruzes avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Golinhas.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 25, 25500 c35;s no Vigilante,
rna do Crespo n. 7.
Enfeiles para senhora.
Riquosissim enfeites com lago e sem lago e de
oulros.muilos gostos a 15, 15500 e 35 s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins ae eabello para relogia ou lo-
netas, pelo baratissinio prego de 15300, ditos de
retrox a 200 rs.
Babadinhos entremeios.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindos
desenos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 15200, 15300, 25 e 35; s no Vigilante,
ra do Crespo o. 7.
Casearrilbas.
Grande sortimento de casearrilbas de diversas
larguras, assim como galaozinho e trancinhas pro-
prias para enfeiles; s no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7.
Fitas.
Grande sortimento de fitas de diversas larguras
e qnalidades, por precos que admiram aos com-
pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega
de 9 varas a 25; s no Vigilante, ra do Crespo
o. 7.
Fitas de iSa.
Fitas de la de todas as quahdades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Ricos espelhos.
Riquissimos espelhos com moldora donradafe
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim como com
columnas de differentes tamanhos a 25, 35,45, 55
e 65; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riqnissinos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqui
tem apparecido; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para ps de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
cousa de muito gosto a 15500 e 25, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos 011 vasos com dis-
tintivos e ofTereciroentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Pars e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banba japoneza
a 25 e a 15, assim como outros objeclos que nao e
possivel por hoje annunciar, e vista dos fregu-
zes se fartodo negocio; na loja do Gallo Vigilante, |
ra do Crespo n. 7.
mu
CoKtureiras

ra do (Mirimado n. 8
RECEBEU:
Bonitas caixinhas de madeira envernisadas, com
finas perfumaras.
Outras de papello de diversos tamanhos e igual-
mente bonitas, tambem com perfumaras.
Linda* cestinhas de vidrocom ditas.
Caixinhas imitando lartarnga com ditas.
Ditss com 6 e 12 frasquiohos de ebeiros.
Objectos para baptizados.
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, aca-
ba de receber os seguintes objectos para baptisa-
dos:
Bonitos e bem bordados vestuarios de cam-
bra ia.
Ditos e moderaos chapozinhos de setim e toucas
bordadas e enfeitadas.
Sapatinhos de setim e merino moito bem bor-
dados.
Meias de seda e fio de Escocia, brancas e pin-
tadas.
Toucas e sapatinhos de lia, obras muio bem
fetas.
Bonitas caixinhas
coin msica e sera ella para costura, e
oulras com arranjos para barba.
A Aguia Branca recebeu novamente um bello
sortimento de bonitas caixinhas cem musir e sem
ella para costura, e outras com os arranjos neces-
< sanos para barba ; assim, pois, quem comparecer
' com dinheiro est habilitado a compra-Ios por pre-
go rommodo : na ra do Queimado, loja da Aguia
Branca n. 8.
Finos e aromticos pos de
arroz
A Aguia Branca, na rna do Queimado n. 8, ven-
de caixinhas nocessarias para costura, as quaes
Grvalas para seafciras.
Lindas grvalas para senhora a 800 rs. 15**
l^iOO : as lujas do beija-flor, ra K> un*-*tmk-
ns. 63 e 65.
RspeMms de amMnra.
tem linhas de diversas qualidades, retroz, ImmI._l***tt!.??** |e moldura prem pa
i* ..Mi. -o.c7 .!.,. amMtm u "as lolas do beija-flor, ra do Qti
e ontros arranjos precisos, assim como amostras de
bordados ou marca, etc., e lados a pregos com
modos.
BAHUS DE TARTARU-
GA PARA COSTURA.
A Aguia Branca na ra do Queimado n. 8, ven-
de bonitos babus coberlos de tartaruga e de diver-
sos tamanhos, mu proprios para costuras e joias.
!lROHlA(;OIH12
para ungir cabello
A Aguia Branca, na ra d Queimado n. 8, re-
cebeu essa excollente tintura para cabello, cujo
cffeito rpido e proveitoso, viudo ella munida de
esclarocimentos em porlnguez, d'onde qualquer
pessoa pode bem conhecer o modo de appliear.
Com o chromoeorre que serve para Ungir, vcio
tambem hydrooallitr.china, agua para tingir cabel-
los, cnloriromo para lustrar es d'tos, eonychro-
mautina para limpar as unhas, c callicomiphila,
pomada de que se pode usar sem recejo de offen-
der ao cabello preparado. Os pretendentcs adia-
rlo prego razoavel.
63 a 69.
Vallas de aljrres.
Lindas voltinhas de aljofares rom rrn: > i
nhas imitando brilhantes 15000 radi i
las do beija-flor, ra do Queimado m. 13
Colberes para sapa.
Vendem-se colheres de meial-priiM :,.: pr
25000 cada urna : as lojas do btijHkr, ,
Queimado ns. 63 e 69.
La para bordar.
Vndese la para bordar, a melhor ;i*-
encontrar, tanto na qualidade, como na*
65400 a libra : as lojas dobeija-L'ir. ru
mado ns. 63 c 69.
as mesmas lojas *e encontrara naaan itsi
soriimento de miudezas boas, e ais fc*rs:.
que em ouira qualquer parte.
Vende-se urna relinago u M
pertences, em bom estad, na ra lin|
a tratar na mesma.

ESCRAVOS nfDK
t\
Vende-se a taberna da ra do Padre Floriano n..
5, por se nao querer dous estabelecimentos I 1 S*5?!i CL3E
mesma ordem : a tratar na mesma.
Typoyraphia Liberal
Vende-se a lypograpliia do Libnal : a tratar
com o Sr. Francisco do Paula e Silva Lins, na ty-
pographia Universal, oo com o Sr. Leodegario An-
tonio de Ohvoira na rna das Flores o. 3.
Vende-se urna excellente padaria sita na ra
do Varaaouro, am omina, rom toaos os seus per-
lencos, a qual se acha traballiando, e o motivo da
venda por seu dono nao entender do fabrico :
qnem a pretender, dirija'-se mesma. ;i iratar com
seu proprietario, ou no Recife, no pateo do Carmo
numero 5.
Em bonitos vasos de podra, porcellana dovrada,
vidro c madeira, estes rom o compleme pincel e
j sem elle, em latas de potes de papello, sendo todo
elle de superior qualidade e agradaves cheiros,
Emqnanto ao prego, nao se assuste o comprador,
comparega com dinheiro e ser bem servido na
loja da Aguia Branca, ra do Queimado o. 8, ende
tambem se vendem separadamente os pinceis.
A AGUIA BRANCA
vendendorelogios.
Como nao privativo a Aguia Branca tambem
esia vendendo muito bons e bonitos relogios para
mesa e parede, por precos commodes, por isso con-
vm a lodos aproveitarem a occasio e proverem-
se desse objeclo sempre necessarlo em rasa. Pica
porm reservad* para os retejo.-iros o concert que
algum dia qualquer delles venha a precisar, pois
que isso nao chega para o bico da Aguia Branca,
da ra do Queimado n. 8.
Banhas finas
era copos, latas e sonpe'u inhas de vidro
opaco.
A Agoia Branca sempre cuidadosa em bem ser-
vir a sua boa tregnezia, maadou vir e acaba de
receber na melhor occasio os desejades copos e
as procuradas latas com banhas finas, assim como
urnas bonitas soupeirinhas de vidro opaco com
alegres inscripcoes. as quaes dizem tmente res-
peito as senhoras, e com tal acert qne nenhuma
que as vir delxar de comprar e nao se enfadar
de ler a inscripgo que to merecidamente lhe toca
e quem quizer ser bem servido dirigir-se a ra
do Queimado, loja da Aguia Branca n. 8.
BOJVECAS
que andam, que choram,
que failam,lc.
A Aguia Branca, na roa do Queimado n. 8, ani-
mada pelo aprego que a sua boa ireguezia sabe
Jara essas boas novidades, mandou vir e acaba
dejreceber um extraordinario sortimento de boni-
tasbonecas, que andam que fallam, que choram,
e Mitras milita de diver*'! nnalit juinas, soldados, atiradores, etc., e todas moi bem
Vestidas; assim, pois, a Aguia Branca espera a
concurrencia dos apreciadores do qom, certis de
que acharao preges razoaveis e serao satisfactoria-
mente servidos urna vez que compaream munidos
de dinheiro.
Acha-se fgido o csrravo TI i.
signaos segnintes: cabra, rosto e pito sm
herios de cabellos, alto. >rn. Mu i!,
les na frente, e tom legar corlado pela junta e em nutra o :.-. tm-t
qncm o awi
e levar rna (la Imporainz n. 35, princ-. :
ser recom|iensado.
Ksrrata fagida
Fugio em 28 deoutubio a osoiava \i:-
me Mi llana, de idade de 18 anros, aNkaa |
de e.-tatufa propna da idade, levaio!. n '.
chita com listras encarnadas; julga- aaVa
subui bios da ridade, immediagoes do'
mamli,"de"dWersos Umanho"s TtA"as UuZba I d/ ja-flr, ra do Queimado ns. 63 e 69. ; s policiaea ou capitaes de campo a sm
Lovas de oellira 1 nen!,ao' niandando lova-la a sen seoh>r r.i
Luvas de pellica branca e de cores para homens
e senhoras : as lojas do beija-flor, ra do Quei- i
mado ns. 63 e 69. Pog'o no da 14 de ontutro do rrrr <
Fuellas para ciatos Alaga Grande, do sitio denominad r
Lindas Avallas douradas com lindas pedras para cravo MaBel de idade 22 *nn<>-'
LOJAliOllfcIJAFLOh.
Ra do Queimado ns. 63 e 69.
onecas de ebnro.
Lindas bonecas de choro que chaman papai
Cabug n. 7, loja de joias, o qual fMMrava i *
halho.
cintos: as lojas do beija-flor, ra do Queimado
ns. 63 e 69.
Capellas para neivas.
Lindas capellas para noivas 25500 cada nina :
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e
e-00.
Eslojos para barba.
Vende-se estofos com espelho para barba 15300
e 25000 caa um : as lojas do beija-flor, ra do
Queimado os. 63 e 69.
Balaios para meninas.
Rccebeu-se novo sortimento de balaios, eotn
forma de vanos passaros, pelo barato prego de
15000 at 45 cada um : as lojas do beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Fitas finas para cintos.
Ricas fitas finas lavradas de bonitas cores para
cintos : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
.a 63 e 69.
Extractos em caixinhas.
Finos extractos em caixinhas com o retrato da
familia imperial: as lojas do beija-flor, rna do
Queimado ns. 63 e 69.
Sabo em caixinhas.
Finos saboes em caixinhas com vanos retratos :
as lojas do beija-flor, roa do Queimado ns. 63 e 69.
Tiras bordadas.
Vendem-se tiras bordadas transparentes e tapa-
das : as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns.
63 e 69.
Jogos de domini.
Vendem-se jogos de domin 15200 e 15300:
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63
e 69.
Babados bordados
Vendem-se bab ds bordados de varias larguras
e varios pregos : as loja do beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Abaradores deKde-
Vendem-se abafadores de rede" de vanas cores a
k\m rs. caaa um : as tojas
Queimado ns. 63 e 69.
Adereces pretos.
Tendo-se recebido aderegos pretos de novo gos-
to sao expostos venda : as lojas do beja-for,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
rom mti'""
segnintes : altura regular, roto rorrprido. t:..
afilado, cabellos rarapinhos, alaa prrlM r r-
res, no canto do olho esqnerdo tem nrra apar
ferida, e cima do memo tem orna r.nvrr. <\<
parece ter sido urna cicatriz, orelbas pntu.'n, <
um tanto acabaadas, pernas grossas, 11 1 .
tos, as costas no fim do tombo ti m nvrr t
chicote : qo m o pegar, leve a m en***, r
zenda de Cassimba Nava, termo da mKt Me
pina Grande, que ser bem rerom|*ensai o u.
4005> conforme a distancia.
SiMrino Ferreira Mar;r be.
Fugio da casa do abaixo aerigaado 1 .-* -
cravo pardo de nome Marcos, idade 32 anm, pm%
co mais ou menos, e com os sifn* .-rgB.tio
altura regular, pernas compridas, cor e>rra. r .
bollos anntlados, olhos 11 |iieno>, bita de ti* t*j,
nariz chato, costuana aBdar depressa, e rcmi
pulando, e anda se torna mais conhecido paj 11
diversas cicain-es de goawia pelos petto, fusi-
lado, e sobresabindo sobre todas por te lois^i au^
visivel, urna abaixo logo da garganta no vo Ja
eaixa do peito ; elle pinta e caia MdkVHrimvMr,
consta qne elle tem trabalbado ror ram < V tn>
diversas casas aqui ao Recife : portante r>^ae as
autoridades policiaes e aos capites de cauro i.d-
o faeain apprehondcr e conduz-ln rata -
senhor o major Antonio da Silva Gn.-m. na
Imperial, que gratificar generosamente.
Fugio do engenho Oillegin (Ja LbJ
va prota Martinha, de idade 24 annos, nrra t
corpo, de cor fula, e com o ro>to maitiad Je '<
xigas, de bocea pequea c estatura n-gulax : q~ m
a pegar leve aodilo engenho, ou aos vrs ('
Macedo, na ra do Rosario que sera guser- aaa m
te pago.
Esta futido 20 dws"
o mulato arahocolado de nome Mareelin. rarrav
do abaixo assignado. l>le mulato tem atmra 1
- "llar, corno refitrc"*"- fc "' n'-""> -
do VQMW! 1 US! >jirtdondo, nariz chalo, cabello eorrid', ta t.i
to pouca, e anda descaigo, consta amur pal ,-
desta cidade : qnem o pVjrar t levar i nu le m
perador n 33 ou em (Muida ra de A I ..
frente da ladeir* do Varadouro, sera rec..:i,j. u-
do.Antonio Luiz dos Santos.
LISTA GERAL.
\\\
.
3!
DOS PREMIOS DA M. PARTE DA O. LOTERA, CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 74, A BENEFICIO DO THEATRO DE S. ISABEL, EXTRAHIDA EM 4 DE NOVEMBRO DE 1864.
.NS. PllKilS.
-C
4
6
9
13
14
20
23
24
25
28
30
37
40
42
43
43
49
51
53
34
60
64
65
77
81
85
91
94
99
101
7
12
14
15
17
24
26
30
37
39
40
52
54
57
58
60
61
62
69
70
71
74
76
77
78
65
105
65
1005
105
65
105
65
405
65
NS.
182
94
93
201
4
6
8
17
24
25
30
32
35
36
39
41
42
48
32
53
38
59
60
62
63
64
66
67
68
69
70
71
76
78
79
81
82
90
91
93
95
301
3
10
11
14
20
21
22
24
25
20
30
34
36
PREMS.
65
105
65
NS.
337
38
42
46
47
55
56
57
62
64
67
72
74
76
80
81
82
88
89
92
95
96
98
403
7
9
14
16
17
19
21
23
25
30
31
33
43
44
50
51
57
61
64
68
75
70
91
501
3
4
7
8
13
14
17
PREMS.
105
65
105
65
65
105
65
205
65
65
NS. PREMS.
519 65
25 205
. 27
31
32
36
40
44
45
47
52
59
60
63
71
76
81
82
86
93
97
600
6
15
17
18
23
24
27
30
31
32
35
40
41
44
46
47
49
51
55
58
65
69
72
78
87
90
91
92
703
6
11
12
17
105
65
NS. PREMS.
718 65
37 -
40
42 -
46
50
53 -
57 -
58 _
59
62
65
69 _
70 -
82 -
85 -
87
89 -
90
92
98 1:4005
801 65
4
9
11
15
16
19
20
21
22
25
28
31
34
38
39
40
41
43
48
49
51
53
54
56
57
59
64
66
71
75
76
82
83
105
65
105
65
3005
65
105
65
205
65
105
65
NS. PREMS.
888 65
90 -
91
93
94
97
99
901
2
3
9
14
16
17
18
20
23
24
27
29
33
34
41
42
43
46
48
51
52
58
60
63
74
76
77
80
82
84
85
86
87
93
95
1000
4
5
8
9
10
13
15
21
23
24
105
65
105
65
205
65
105
65
NS. PREMS.
1025 65
29
38 -
40
42 -
51
53 -
54
60
63
64
66
73
75
82
84
88
91
92
93
94
96
98
1101
2
6
9
14
16
18
19
20
27
32
34
38
42
44
47
49
52
55
59
60
62
65
68
6
72
74
76
78
82
85 405
88 65
205
65
105
65
205
405
NS. PREMS.
1189 65
90 -
95
96
99 -
1205
16
18 -
23 -
27 -
30
31
33
36
39
42
45
49
56
58
61
70
77
78
84
85
87
88
93
96
1301
2
3
5
6
7
10
19
25
26
30
31
41
43
44
47
48
49
51
56
62
63
68
70
73
1005
65
205
65
205
65
NS. PREMS.
1374 65
76 21
78 105 30
79 65 31
82 _ 36
86 37
90 105 41
91 65 42
92 43
94 _ 46
98 M- 48
99 mm 50
1401 __ 51
2 ^ 53
4 _ 61
5 105 66
7 65 68
12 74
17 __ 76
19 _ 83
20 M 85
22 __ 86
23 M| 89
24 __ 92
26 _ 94
31 _ 96
35 1602
36 3
42 5
44 --- 7
46 --- 9
49 10
52 13
53 19
55 24.
59 ^^ $>
63 _ 30
66 -- 35
71 _ 37
73 _ 40
78 _ 51
81 62
82 _ 64
86 6:0005 65
88 105 67
95 65 n
96 75
97 82
1300 405 89
3 65 90
7 93
11 _ 94
13 96
17 1702
18 105 i
|NS. PREMS.
1320 205
105
65
65
105
65
105
65
NS.
1711
12
18
22
28
29
30
32
34
36
37
39
40
43
44
49
52
33
65
66
70
71
76
79
83
84
85
86
87
89
93
98
1805
8
10
11
14
20
22
23
26
27
32
35
38
40
44
46
48
51
54
56
58
63
65
PREMS. .NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. Pili
105 1867 65 2050 65 2217 105 2394 105 2356
65 68 205 52 19 65 95 65 58
70 65 57 22 2400 63
72 59 23 1 64
105 78 105 61 105 26 105 3 _ 66
65 82 65 64 65 34 65 12 69
85 73 36 13 , 78
105 88 84 38 14 1 79
65 90 85 42 15 ___ 81
92 86 45 18 __ 82
94 87 46 _ 23 . 87
95 205 88 49 _ 29 _ 92
' 96 65 90 50 __ 32 _ 94
99 95 51 1005 33 105 97 2602
* 1902 2100 _ 58 65 35 105
3 _ fi __ 59 36 65 4
105 11 __ 9 _ 60 405 38 7
65 12 _ 10 QM, 61 65 39 10
105 13 __ 19 ^_ 64 43 12
65 16 21 105 65 48 13 17 22
18 24 65 69 53 105
" 19 32 70 54 65
24 __ 35 72 __ 55 __ 30
205 30 _ 37 75 __ 56 __ 33
65 34 H 39 ^^ 82 57 34
40 ^. 43 _ 93 __ 63 . 35
41 47 _ 95 64 41 45 46 48
" 43 49 2308 __ 67
"* 51 50 17 _ 68
55 _ 52 M. 20 72
105 56 __ 53 ^m 22 ^^ 73 55
65 57 57 26 905 75 61
59 58 28 65 78 63
^. 65 63 _ 30 79 67
__ 66 66 _ 32 83 105 70
_ 67 70 __ 33 ^_ 85 65 72
1005 77 74 34 105 88 76
65 81 76 35 65 89 77
82 77 _ 37 90 82
... 88 78 a. 38 t 97 84
_ 91 80 41 apa 98 90
2001 _ 82 58 _ 2501 91
_ 4 ^_ 83 62 _ 5 96
_ 8 _ 84 63 _ 7 97
9 mm 85 66 --- 8 2702
12 ,g_B 88 68 > 9 9
17 m* 97 69 13 28
19 405 99 205 75 18 29
21 105 2202 65 77 19 30
25 65 4 78 21 31
28 7 79 29 35
35 __ 8 _ 81 35 405 40
_ 36 __ 9 82 45 65 41
M. 44 _ 10 _ 83 --- 53 46
48 14 - 1 86 54 48
65
105
65
1005
65
105
65
405
65
NS.
2753
54
55
61
68
70
73
75
76
77
80
83
92
93
99
2801
8
10
13
17
18
21
22
31
33
39
42
44
60
61
64
66
69
73
77
80
82
86
90
92
96
98
99
2901
4
6
9
12
13
11
23
25
31
32
39
405
105
105
65
PREMS. NS.
65 2940
46
U
;i
56
58
67
70
71
72
7:1
73
77
79
83
89
92
N
97
98
3000
1
3
5
6
8
9
13
18
23
27
29
44
49
32
68
71
81
84
85
86
89
96
3100
1
5
7
9
24
27
30
34
35
37
39
105
5
105
65
PREMS.
65
05
5
105
65
105
65
NS. PREMS. NS. PREMS.
3143 65 3313 65
47 205 16
52 65 18
57 20
58 24
61 25
62 29
64 wm 33
66 _ 34
69 38
71 39
73 40
82
84 49
85 _ 50
89 52
92 64
93 71
% 74
3200 __ 79
1 _ 81
4 _ 84
7 __ 85
14 _._ 86
15 -- 86
16 -. 90
19 205 95
20 5 3403
31 6 _
34 14
37 16 10*
39 20 65
41 23 _
42 ti
45 31
54 33
57 40
66 41
67 45
68 32
71 53
75 54
76 58
80 63
81 105 64
89 H 63
90 66
95 67 _
3300 7t
1 77
3 83
4 91
5 96
2005 17
7 65 M

O eecrMfo, Jos Pedro das totes.
Pern.Typ. de M. F. di Faria & Filho1864.



8
D!rto de Fer^anfene ftabbde ft 4e Novenibro t i ***.
>
LIfTSRiTRA.
0 leslamculo tic madcmeasella de
penlioel.
i
(Contiuuaco.)
1 ,i troca das atlencdes que ihe eram prodiga!!-
. las, oirereca a todos os seus prenles gneros?.
hospialidade no seu castello de Penhoel, c pelo m-
v rno fazia as raparigas daneirem nos seas sa-
lo: i'-- Quimper.
ra concedia-lhe os seus beneficios sem qae a or-, crear ama existencia honrosa, e deve-la-hei vos
pliaa parecesse occapar algum lugar na sua exis- nica.
tenca Mara Trelo era urna engeitada; apenas Mademoasella de Penhoel eslava conmovida <
boba dous annos quando mademoasclla de Pe- porem aiada assim COQlnuou :
nhoel a abrigara-, ella fol confiada primeiro urna | M de 1Um|iav> minha querida pequea, mu-
criada velha e nunca apparecia no salo da sua
to mais vellio do que nao pensas ; tem denles sup-
bemfe.lora. Na edade de sote annos entrou como Q S(us cabe||S sao Unl0Sj e bem assi(n
pensionista, e so >ah.u aos dezese.s annos. Enlao eu bj d el|e Cbre ro,lo d< conie#leo> Ue 0$
fui chamada a Penhoel e a Quimper, para exercer j fl d dc y(fl m io h os
junto de mademoase a de Penhoel as funccoes dc ,, ,. ,
J "3 '"-V"1-8 uu cavallos Ihe pisaram o pe, e conserva-se de cama,
criada grave. Era inielligente, corajosa c branda :
nao se Iluda acerca da sua posgo, sabia que a
tem simplesmenle gcta, c nao qur convir nisso;
em urna palavra, minha menina, eu vl-o nascer, e
est comsessenla annos de edade.
Oh meu Deus, senhora, disse Mara rindo-
se atreves de suas lagrimas ; se eu hesitasse na
destino, crear-ihe um futuro, mas deste lado nao 5 precaria a mulher a quem se d o seu nome ; umaperto de mo... urna deferencia.
havia nenhuma esperanza para Maria, porque a
sua protectora Ihe dizia constantemelen :
Nao despreses o teu talento, minha filha, 6 o
[CU dote o teu patrimonio ; quando eu morrer,
ser preciso que te appliques ao magisterio, e que
ganbes honestamente a vida I
Maria aceitava a sua sorte com re.'ignago, era
alegre, conilava na sua estrella, e em Deus que a
protegera sempre como a proteger desde a sua
elle nao ser eterno, todo o mundo nao vive tanto
lempo como eu ; em alguns annos (icarias vre,
terias urna posigo social, um nome, um titulo e __ ... ai|U j
alguma fortuna, poderias entao escolher um espo- b,-n nt
so da tua edade, e ser feliz.
Portanto a minha felicdade s comegaria do
da era que o borneo a quem eu devesse tudo de-
xasse de existir ; junto dclle eu contara o tempo
como um discpulo conta os mezes que separam-
infancia ; nao procurava ler no livro do destino, no das ferias, e depois quando elle novivesse
mais, eu daria a sua fortuna, o seu espolio a um
outro, tudo isto seria calculado de antemo I Oh !
nao, senhora, Deus que me abencoou al hoje, nao
me abencoar mais 1
Modemoasella de Penhoel col locou as maos sobre
a fronte de Maria, como se ella propria em silencio
abencoasse-a.
Mana prosegua :
Sou nicamente urna pobre orpha, e a Pro-
videncia compadeceu-se de mim, nao rae lembro
de ler soffrdo ; o passado me d confianca no lu- que fcilmente carregando-as mais.
sorte a collocara n'uina sitoaeo inferior aquella
no dia ue anuo, as suas alvas mozinhas enru- das pessoas cora quem viva; era aflavel sem bai-
ladas e emmagrecidas, porm, sempre linas o lini- x,.za> reservada sem obstinacao.
pas, distribuira presentes adequados aos gustos e Madenioisella de Penhoel Ihe fuera dar a mais,
hbitos daquelies que os recebiam. Tadonellapa- completa educago. Maria sabia a msica, falla va \ minha determinago, o quadro que me azes de
recia dictado pelo coracjio, ella tinha tao boas pa- inglez, o seu cstylo era elegante, dansava cora M. de Rampay nao me animara a esposa-lo.
lavras e lao affectuosos sorrisos para os que se Ihe gracia. De que tudo isso poda servir urna pobre | bso dependera do modo por que fosse enea-
. xiraavam, que cada um poda crer-sc prefer- mori <.em ramilia.sem fortuna e sem nome 1 Ma- \ rada Por t a > j ontros. demoasella de Penhoel tera podido mudar o seu | Py. elle te felicitara; nao se deixa em urna dos
Veifl a proposito esbogar-se o retrato dos herdei-
10- de mademoasclla de Penhoel, e depois podere-
uusjulgar por nos mesinos oque teramos feito
, m sea iug;ir.
Havia primeiro o tronco dos Kermarvan : tres
i.mos uascidos sem fortuna. O primognito con-
Iratilra um nquissimo casamento, t) segundo lan-
r ira-M aos mares, c dando-se ao commercio em
I i' longinqaos, tinha amontoado grandes ri-
quexas. Olerceiroassenlara preeae conquistara
a sua dragona batendo-se com bravura sob o sol
abrazador da frica. Este raras vezes vinha
Bietaiiha; peuco se lembravam delle, e cstavam
cortos de que a sua idosa prima de Penhoel ainda
meoOS se leiul.rana.
Segua o ramo de Saint-Phar. Madama de Saint-
Pilar tinha duas filhas casadouras, e cableara ar-
(lentemenle os bellos dominios da sua rica p-
renla.
O baro de Villebranche representava por si s
toda a sua linha; era um divertido gentilhomem
que tomara todas as cousas da vida, excepto o bem.
Gastara muito dinhero sem que jamis tivesse
feito a ninguem feliz e sera que elle proprio tam-
bera o fosse dssipava a sua existencia como a
sua fortuna, sem um fim e sem pensar no dia se-
grale.
A dynaslia dos Kerdaniel apertava-se em redor
le madamoasella de Penhoel com temo furor. Ha-
Qimoasellas de Kerdaniel bordavam-lhe anteparos
(resguarda de calor do fogo), offereciam-lhe gros-
seiros desenhos, copiados conforme os grandes
mestres de Quimper-Cerentin, e rebaixavam-se
Jihute della com graga felina.
Os rapazes de Kerdaniel traziam sua prima le-
iircs, perdizes e cabritos mootezes. No dia dos
seus annos elles vinham depor flores a seus ps,
segundo o antigo e solemne uso, e depois davam
tiras debaixo das suas janellas, enchiam a atmos-
phera de um cheiro de plvora, e juncavam o chao
de bochas de papel queimado e de cartuchos inof-
fensivos. Na verdade elles teriam feito menos rui-
do so podessem advinhar que perdiam o seu tempo.
Madamoasella de Penhoel nao tinha oulros her-
deiros, mas estes eram suficientes : tres Kermar-
van, tres Saint-Phar, um Villebranche e sete Ker-
daniel, total quatorze aves de rapia que esprei-
tavam com mais ou menos attengo o dia e hora
em que seriara chamados a dividir o espolio da
sua prenla.
Outr'ora, havia ainda um ramo que poda pre-
tender a succes^o, mas este ramo tinha-se que-
brado, extincto e desapparecido desde muilo tem-
pe i urna sombra nuvem envolvia o seu destino.
Joo de Prezel deixara Brelanha, abandonando a
seos credore tudo (juanto possuia, e os seus bens
nao chegaram para o pagamento das suas oiviuas
Eile Huta partido eoin a sua joven mulher, vicli-
llj UA3 auaa U3UX lica, O lim flhe o tonrft cj
' j
. DI POICO DI TODO.
Transcrevemos do Bandoir o seguinle :
ANTES DE in PARA O BAILE.
Dava-se o terceiro baile, este anno, no Club, e
urna gentil senhora estava no boniotr cora a sua
criada de vestir no seguinle dialogo :
Ai Maria... Maria I Si o conde ir ?
Mana era a criada.
Pois julga, minha senhora, que depois de V.
Exc. Ihe escrever, elle fallar ? Nao creia era
tal...
Nao rae estremece como eu o amo... acre-
dita.
Desconflangas...
Dame d'all o carmm, Maria.
V. Exea, j est to vermelha....
E' o mesmo d'aqui at l desvanecer-se-ha o
que ponho agora, o fica o que puz ha pouco. Mas
digo-te que si o conde vae c nao walsa comigo....
nunca mais Ihe concedo um olhar... um sorriso...
UMA GRANDE CATASTROPHE.
A cidade de Genebra acaba de ser theatro de
um horrvel Incendio, em que houve numerosas
victimas.
Urna grande casa de sete andares, que denomi-
vam Chaleau-Branland, foi, pelo meio da noute
presa das chammas, e em pouco tempo ficou com -
pletamenle consumida. Em seguida extrahimos
de urna correspondencia os tristes episodios d'a-
quella cataslrophe:
N'uma janella, diante de tuna moltidio immen-
! sa que se achava em circumstancias de nao poder
prestar o menor soccorro, netava-se um homem
que so exforcava por se tancar ra e pareca
relido por um obstculo que nao poda veucer; de
repente n'aquelle lugar vu-se urna lingua de fogo, m qUe n0sa a|ma s'nebria rente
Ha de ler motivos para Ihe conceder at.
at... at..
esperava e nao meditava.
Era formosa a fazer inveja s mais formosas I
Tinha grandes olhos avelludados e profundos, ad-
miraveis cabellos pretos, bocea delicada e risonha,
cor encantadora, talhc arrebatador ; era a viva
imagem da juventude e da satide I
Ella amava a sua bemfeitora.- e comtudo jamis
as suas demonstrarles de amisade ultrapassavam
os limites do mais profundo respeito ; tratava-a
com ternura sera procurar invadir as suas affei-
c5es, e ser outra cousa mais do que urna pobre ra-
pariga, creada por caridade e pelo amor de Deus.
Quando mademoasclla de. Penhoel sania a p,
apoiava-se no brago de Mara ; quando passeiava
a carro, a joven ia a seu iaao ; um outro criado
nao a deixava ; era um velho, nascido na sua casa,
e que tinha toda a sua conflanca. A figura de Jos
parecia-se com a de um macaco, porm elle pos-
suia natureza amante e subraissa do cao. Elle
era franco no fallar para com sua ama, e p la-hia
a par dos enredos dos seus herderos, se made-
moasella de Penhoel tivesse necessldade de ser es-
clarecida acerca de qualquer cousa e por quem
qur que fosse.
Havia qualro annos que Maria tinha sabido do
convente ; os herdeiros nao se inquietavam seria-
mente a seu respeito. e todava nenhum via-a cora
bons olhos.
nao ralba comigo.
Jess I Olha se a mamaa nos ouve...
Esta pondo a grvala branca seu pap, que,
como V. Exc. sabe, nao gosta nada de ir a bailes,
porque...
Tambera o pap nunca se lembra que hoje
visconde, e que seu titulo pede nao s as exigen-
cias do... luxo, como a comparencia em todas as
reunioes do mundo elegante.
Sim, diz V. Exc. que, .'emquanto teve a mer-
cearia, na calgada de Sanl'Anna, se habtuou a an-
dar sem grvala, e que presentemente as coletras,
como elle lite chaina, Ihe sao um supplicio.
Maria, dai-me d'ali o pincel e a tinta da
China...
V. Exc. j tem as sobrancelhas lao pintadas
No da segu ote gnisou um pedaro da raroe da
sua victima com batatas e eomeu-o.
Isto ioacreditavel, maso proprio crimitoso
confessou que praticra lao horrendo enme I
E' do Sr. II. de Alencastro Autraa esta poesa :
SCISSIANDO.
(Ao meu amigo o Sr. Pomptlio Caretktmle de
Mello.)
Heureux sont les morts !
Sckiller.
Se ha na vida urna quadra toda risos,
Cheia de gozos, alegra, amores,
Era que nos peitos a brotar eomegam
De amor as roseas, vindantes flores.
e o homem desappareceu ; a multido soltou um
grilo de horror.
iVoutra liarte urna desgranada mulher, que ha-
via arrojado pela janella os objectos que Ihe per-
tenciam, desappareceu n'ura momento, em conse-
quencia de ter abatido o sobrado na parle em que
se achava, quando estava para se salvar.
Ainda um terceiro episodio conservou por alguns
bastantes a multidan n'uma terrvel aoxiedade.
N'um ngulo do telhado do edificio, tinham pro-
curado refugio contra a invasao das chammas um
homem, urna mulhor e urna creanca, mas o ncen-
Nessas fagueiras llusoes da vida,
Parecendo-nos mesmo estar, s vezes,
Nos cnlevos de amor adormecida.
Em que nossa alma delirante vaga
Nesses mundos, que crea a phanlasia,
Enlevada nos sons melodiosos
Dessa filha do cua poesa.
Em que nossa alma virginal ainda.
Contemplando a natura, a creago,
Se curva humilde, se desfaz em hymnos
Ao Ser omnipotente era oblacao.
dio avangava sempre; todos tres se viam perdidos, \ Km que nos coragoes temos se infiltra
turo, deixae-me aqui ; junto de vos, sou feliz !
Agradegamosj c j a Mr. de Rampay o ter tido a
caridade de lembrar-se de uraa rapariga como eu,
e depois nu fallemos mais delle.
II
Durante os ltimos annos decorridos, a situago
dos herdeiros de raaderaoasella de Penhoal tinha
soffrido algumas modilicagoes.
Nao tem duvda. Olha o cabello nao esteja
mal pregado. Po-lhe muitos ganchos.. bem vs
que o crescente... postigo.
Prompto, minha senhora.
Os meus brincos, o meu broche, e collar e os
braceletes, Maria.
Os de ouro, minba senhora ?
Nao...
Ah I j sei, os de brilhantes.
Quando Mana disse brilhantes, a nossa deidade
e o povo considerava a sua posigao com terror-
Sendo a casa que estava em chammas muito eleva-
da, como j dissemos, o ponto em que aquellos
infelizes se linham refugiado estava separado dos
telhados visnhos por urna altura de tres andares
pouco mais ou menos; era irapossivel preslar-lhe
soccorro; todos estavain desesperados.
De repente um homem avanga para aquelle pon-
to conduzindo urna enorme perche, mas ainda
Ihe faltavam tres ps para alcancar al ao lugar
em que aquelles infelizes se tinham refugiado. No
entreta' lo dos tres, o homem conseguiu descer
pela perche abaixo. Faltavam os outros dous, que
soltavam gritos horriveis.
O heroico bombeiro que linha conduzido a perche
nao poude resistir a emocao terrivel que Ihe cau-
sava os lamentaveis gritos d'aquelles dous desgra-
nados, que a cada momento viam aproximar-se a
morte : avancou, subiu a perche, e conseguiu sal-
var um aps outro,a creanga e a mulher,nicos que
se conservavam sobre o telhado.
O primognito de Kermarvan herdra do sogro
o segundo continuava o sea commercie martimo
e a sua fortuna augraentava cada dia; emfim, o sorrio e murmurou por entre os denles,
terceiro, Luizde Kermarvan, nao tinha amontoado Brilhantes... que sao pingos d'agua
fazenda, mas ganhra a cruz de honra e o grao de Mara, que euvo fallar em pingos d'agua, corre
capito. Janella sbitamente e exclama :
Madama do Saioi-Phar casara as duas filhas ; a| Nao chore, minha senhora, d'ahi que irapor-
primogenita, boa e bonita, tinha esposado um ho- taram alguns pingos dagua, s. \. Exc. vae de
Em Quraper era amada, at mesmo admirada, mera distincto, que nao olhara para o seu dote; a trem.
segunda, que era urna mulherzinha orgulhosa, ti- Dizes bem. -me d'ali op de arroz, e
nha sido esc.olhida por um honrado hornera ex- v como me arranjas as costas e a garganta. Es-
traordinariamente rico, que recompensara com ge- conde bem essa mancha do hombro esquerdo.
nerosidade sua sogra, concedendo Ihe urna pen- es(. ^ braac Q|he olhe
sao alimenticia, afim de que ella nao fosse lazerar
as hormigas suas visinhas.
Esse amor innocente, esse amor santo,
Que semelba-se as notas matutinas.
Que liarla eolia modula era doce canto.
Essa quadra eu perpasso sem ao menos
De taes gozos um s sequer lograr,
Perpasso-a sem na trra ter podido
Um raio de esperanca vislumbrar.
Le-se no Stete sob a assignatura de Len PWe :
Por toda a parto se reuoem assemblas de livre
discusso ; congresso em Malines. congresso em
Amsterdara, congresso em Kiorenca.
Todos os que amam as ju Ihautes trnelos da palavra, os uteis recontros da
eloquencia, encaminham-se para a Blgica, para a
Hollanda e para a Italia.
Em urna parte vio discutii -se as grandes qnes-
toes que interessam a boa administrar*) dos poros,
em outra agitar-so os grandes problemas da phi-
losophia e da economa poltica, era outra debaier-
Concluido o inceno, retiraram-se as vctimas: |se as questoes do liberdade e de coosciencia ho-
e o encanto do seu espirito caplivava os coragoes.
disse-lhe
flhe o lonrft
dc ; desde entao nao se ouviu fallar delle.^lade-
moaseila de PeoboelelinMe>4BlS primo e sentiu
'.'.'.uVro Sfe-iiiforlunio ; viram-n'a mais grave do
que de ordinario ; porm, como sempre, guardou
silencio acerca das suas pieoccupages. Ella nun-
ca dizia o que queria dizer, e nao tolerara nenhu-
ma pergunla indiscreta ; sabia conservar os cu-
riosos em distancia sem deixar de ser aflavel I>to
6 um talento raro e muito necessario para aquel-
les e principalmente para aquellas que moram
n'uma cidade de provincia. preciso que urna
corda esteja sempre estendida para indicar os li-
mites que os amigos ntimos nao devem ultrapas-
sar, preciso por balizas como em um hlppodro-
nio, se se quer estar em salvo dos invasores.
Madamoasella de Penhoel tiaha criado urna ra-
pariga, cuja presenga a principio causara receios
aos herdeiros, mas as suas inquietagoes cessaram
quando virara que o papel da menina nao raudava
de natureza-, medida quecrescia a sua protecto-
Queres casar-te, minha menina ?
um dia mademoasella de Penhoel.
Casar-me, eu, respondeu Maria, mas quem
se lembraria de esposar-me ?
M. de Rampay pediu-rae a tua mo.
M. de Rampay I exclamou Maria, elle pelo
menos tem sessenta annos I
E o seu semblante tomou urna expressao de
terror tao cmica, que raaderaoasella de Penhoel
nao pode conter o riso.
Nao casars por forga, cobra animo ; mas re-
flecte smentc que M. de Rarapay rico, muito
rico, que sers baroneza, e que era ugar de obe-
deceros a todas as miohas vontdes, terias criados
a las ordens.
>m, senhora, ,as eu tena M. dc Rampay
Dor mar^o i
t-is aui una observago que nao Ihe lison-
geira.
A vos, senhora, eu ouso dizer o que pens ;
alera de que, sou feliz na vossa companhia, e tanto
qnanto vos aprazer conservar-me na vossa casa,
nada mais desejo.
Conservar-te-hei junto de mim, Maria, em quan-
to existir sobre a Ierra, mas tenho noventa e cinco
annos. e as horas de vida que me restam, sao con-
tadas. A morle tem a ampolheta, e a ara corre ha
muito tempo I
Mana se dclxou cahir aos joelhos de mademoa-
v minha senhora...
O que ?
A pequea de Saint-Phar niocontentou-se de ter por a ma0 no hombro de Y. Exc, o mes-
cera mil libras de renda, exigiu do bonachao do mo qUe p-la n'uraa paredecaiada de fresco...
marido que se fizesse chamar : M. de Colbert! j^0 mpDrta. poe mais branco. Maria I
Agradavalhe esle nome; porque nao toma-lo romo jjjnna senhora.
outro qualquer ? Os verdadeiros descendentes do Rk) vesldo parece.me qa9 tem 0 decote
ministro de Luiz XIV nao aceitarara este prenles- muJ(o ,arg0 quer0 aquellas duas a/m0/-U(i4n/ias
co de contrabando, e iatimarara judicialmente os
usurpadores para que deixassem o seu nome\ A
pequea de Sainl-Pnar quasi que morre de pzar ;
ella nao poda ser madama de Colberi, e nao
quoria ser madama de Palmier. Nao se fa-
lla mais designa-la, e ella propria estava uiais tii-
baragada do que os outros. Mademoasella de ry
nhoel acabou a questao, ella fez estado civil a Mrj
Palmier, e a mademoasella de Saint-Phar, nomeatT-
do-os : M. X. e madama *. \
Os Kerdanlek, que eram ricos, casavam vanta
josamente seus filhos.
Mr. dc Villebranche escorregava cada vez mais
pelo declive perigoso que faz descer um amavel
man sujeito ao nivel de um homem desconside-
rado.
Mademoasella de Penhoel quiz um dia reunir ao
de algodo. Sabes quaes sao 1...
Sao aquellas que V. Exc. usa sempre t
Essas mesmas. Bem. Que dizes, oconde wal-
sar comigo ?...
Quem nao desejar passar o brago por urna
cintura to lindar...
Neste cmenos o pap visconde e a mamaa vis-
condessa mandam dizer a filha que sao dez horas,
c o trem est a espera,
Chegam todos ao Club...
A nossa elegante recosta-se sobre um sof na sa-
la antecedente a de baile... Sent conversar urnas
senhoras em voz baixa, e dizerera :
E' interessanie, mas pena fazerem-lhe lan-
ta falta.
A donzella encara um espelho para compor a
redor de si todos os herdeiros. O Kermarvan ma- grinalda de... flor de laranja, e d pela falta que
entre o enlulha enconlraram-se nove cadveres.
Para o hospital foram conduzidos desoito feridos,
sendo d'entre elles dous mdicos.

PR0CESS0 DE NOVA ESPECIE.
A Opinwne Nalionale trata de ara incidente
muito original, que tem ltimamente oceupado as
attengoes nos circuios theatraes.
Parece que urna das artistas de maior fama em
Pars intentou um processo contra outra compa-
nheira a quem aecusa de Ihe ter imitado os gestos,
attitude e acedes; finalmente tudo quanto consti-
tue o mrito theatral, de que a autora se consi-
dera proprietaria exclusiva.
Este fado classificado de roubo, e por isso
pede urna pena corporal afflictiva contra a la-
dra.
Dz-se que os tribunaes esto era grandes apu-
ros, por isso que estes casos nao esto previstos
as leis. E notavel.

VI.NHO DE ALICANTE.
Dzem de Almera que foi ali abundantissma a
colheita da uva, gracas ao emprego do enxofre,
que se eraprega com o maior resultado, especial-
mente em arabas as marges de rio Andarax, onde
se cultiva a especie chamada de Ohanes, que al-
tamente apreciada nos mercados de Inglaterra e da
Russia.
J se tem despachado varios navios para os por-
tos d'aquelles paizes.
s o vapor Alexandre II carregou para Crons-
tadt 5:o00 barris do duas arrobas, e para varios
portos da Inglaterra tomaram grandes partidas
cinco vapores hespanhne*, dous inglezes e um hol
landez, estando alguns d'estes a receber carga,
alm de outros navios de vela.
sella de Penhoel, beiju-lhe as raaos que aporta va ntirao eo Kermarvan soldado foram chamados com as senhoras acabarara de Ihe notar.
FOLHETIM
O ESQUELETO
as suas, e lagrimas silenciosas correram dos seus
olhos.
Sei. disse ella, que vira a este mundo muitos
annos depois de vos, devo-vos sobreviver ; nisso
pens o menos possivel, porque nao me ficar um
amigo neste mundo, porm o meu deslino nao me
inquieta ; servir-me-hei das prendas que me ds-
tes, sinto-me forte, com o soccorro divino, para me
muita antecedencia. Foi Maria Frclo quem escre-
veu a ambos para Ihes participar o desejo de ma-
demosella de Penhoel e para convida-los a viren
sua casa. Cada um inquietava-se ao pensamento
desla reunio de familia : a si perguntavara o que
ia dizer e fazer essa amavel velha que nada obrava
de um modo ordinario.
(Continuar-sc-ha.)
Horror I I !
Entre as muitas cousas postigas que linha posto,
esqueceu-se a Maria de Ihe dar... tres denles ar-
Uficiaes, miabas queridas leitoras I
L-se no Jornal do Commercio, de Lisboa o se-
guinle :
POR
:iiBBenBneMMBaHe>))WMBa>iiMiiMeMPWMww
historia de S. Gil, meu maior e de teu amo, pede
Ihe por nos as tuas oragoes, e conta-me alguma
cousa da Margarida.
Ricardo sentou-se espavorido, e rouquejpu, em
brado que pareca um romperem-se as fibras da
larynge :
Margarida !
Que l?acudiu Raphael.Urna chavena
de caf, primo Ricardo !...
O mogo circumvagou os olhos esbugalhados, lem-
brou-se, reconheceu-se no aperto da desesperanga-
da angustia, e exclamou :
Que perdigol...que horror me faz a vi-
da I... .
O mordomo sahiu intalado de suspiros. Raphae
deu-lhe a chavena, e exhortou-o a esperar a boa
crise mais rpida que o regular.
A materia bruta da sensiblidadeexplicava
elleha de ga^tar-se mais depressa em !i, que a
consoms com maior energa que o vulgar dos ho-
mens.
Ricardo saltou oscillante do leito, e abriu as ja-
nellas do quarto, aspirando a tragos a virago da
ante-manha.
Kstou melhordisse elle.Que soubes-te de
Margarida ?
Soube que Nicolu sahiu de l lisamente
urna hora.
Onde estiveste?.. .aqui T
Nao: estive com a prima Beatriz.
No hotel T
Sim, oo hotel.
Como a fortuna te bafeja!disse cem triste-
za Ricardo.
A fortuna s desampara os fracos. Devas
saber isto do nosso Virgilio : os fracos e os tolos
GAVILLO CASTELLO BRANCO.
ContinuacSo.
XVIII'
Ricardo d'Almeida, quando Raphael entrou, dor-
mitava anclado, bracejando, o resmoneando sons
desligados. A' cabeceira estava o escudero, ho-
mem d'annos, mando da ama que afeitara o fidal-
go, e servo dos Almeidas desde a infancia. O ve
I lio chorava, a dizia a Raphael:
Saber V. Exc. que a primeira vez que ve-
jo assim meu amo turvado do juzo. Mal hajam as
desgragas, que vem todas juntas.
Isso nao desgraga, homem Icontestou Ra-
phael Gargo. As uebedeiras sao s vezes os pur-
gantes da alma. Tu nunca purgaste a alma, meu
velho t
Sempre cuidei, respondeu o mordomo, que
as almas se purgavam no purgatorio; mas a do
meu amo, ou eu me engao, ou cae dlreita no in-
ferno. Estou a ver que Ihe nao chega a hora do
arrependiraento, como ao seu santo prente Fr.
Gil de Santarem. V. Exc. sabe a vida deste p-
rente do Sr. morgado T
__Has de contar-rae isso, depois do caf. Man-
d-me fazer caf, que seja plvora, e alegra-te,
que o fadario de teu amo est a quebrar-se.
Deas o ouga, meu seohor!disse o velho, e
foi cosinha filtrar alegremente o caf.
Raphael estirou-se n'uma flacida ottomana, e
sentiu-se na mais feliz hora da sua vida. O exce-
dente da felicdade vulgar pareca-lhe sonbo. Coor- accrescento eu ao illustre poeta. Tu, meu amado
denava as reminiscencias de tres quarlos de hora, primo, funestamente, accumulas fraqueza...
e convencia-se da real existencia da saa fortuna e tolicecancluia Ricardo,
aps um arrojo que o corago nao praticaria sem Estava a procurar um termo com mais eu-
a escandecencia dos vinhos. Erguia-se de impeto, phonia; mas tu o dlsseste. Os dous annos, immo-
e mirava-se n'um espelho, como quem admira o \3los a Franceza, podras te-Ios dourado de facis
dilecto da raelhor fada, e o invejado dos mais bem- e doudas alegras, mistura com alguns precalsos
sorteados galans. A felicdade do coragao corrom- nevitaves, dos quaes a gente se paga usuraria- manhaa de abril, festivo, Iluminado de interiores
pido pde o homem Bestes ridiculos arrobos de si mente ^j,,, delicias. Olha que neste mundo ha contentamentos, trauleando canconetas hespanho-
mesmo. nicamente um estado serio, e digno de vigilias: las.
Chegou a bandeja do caf. Raphael fez-se ser- e sa|var a caoeca do coragSe. Na cabega que | Foi espreitar janella; viu Nicolu beira da
vir, reclinado nos coxins, e disse: estio os olhos, que descortinara o futuro. A ca- esposa; elle bem assombrado e risonho ; ella es-
Se me dispensas, valho amigo, de ouvir a beca quem v o primeiro barranco em que maada da cor e melanclica. Beatriz entreviu-o
honra saltar, e o segundo em que parvoigada de um insuspeito lango de vista. Corou at s ore-
cahir. Cortos sujeitos, quando cuidam que o ideal jhas; alindou-se; purpurejou-sc quanto podo o pe-
os eleva, burrifleam-se. Chegada a occasio de jo de urna recordacao, alanceada pelo espraho do
se destramarem hbilmente de urna rede, escou- crime sem remorso.
ceiam, enredam-se mais, e descambara na lama. I Os espirilos do remorso quebrara-os o marido
Felizes aquelles que poden, como tu, dizer des- por mito de Margarida Froment. A natureza mo-
graca : Atraz, maldita, que eu tenho vinte e derna tem as cousas assim concertadas, para se nao
cinco annos I De que bordo estaes, Ricardo, que renovaren as penitentes da edade media. E' ver-
fazes7 dade que ha menos santas ; mas tamben ha mais
Retirar-me amanhaa do Lisboa, ou mata-la. qUem iucense as peccadoras. O inferno lucrou, e o
Sou de voto que te retires. Vae convales- cu cre() eu qUe perdeu qUas nada.
cer, c volta ao mundo. Regenera os teus haveres, A' urna hora, sahiu Nicolu, e entrou o criado de
e torna a dissipa-los, se o bom anjo de tua indolo Raphael com um bilhele, que era um hymno. Rea-
te nao apegar a doce vida que deixaste. Eu pre- trz respondeu com outro que era uraa laraenlagao,
ciso desta casa, moblada como est, com as car- aprasando para as dez da noute o ensejo de poder
roagens e cavallos. verter-lho no seio lagrimas que a suffocavam. ^e-
Tudo te fica ahi-dsse Ricardo. guiram-se horas de enlevo em mutua conterapla-
Depois que me disseres o custo de tudo. Con- gao. Por volta das tres da tarde, Beatriz pareca
vm que saibas que minha tia-av, fallecida ha desafogada das lagrimas impertinentes; soma, tre-
dous annos conservava intactos os cofres de meu geilava, invenlava mmicas elonqueotissimas do
tlo-av gobernador do Brasil. Fui seu herdeiro. coraco. Entrou o marido, beijando-a cariuhoso.
Achei ento e clncoenta mil cruzados em ouro. Raphael jantou, dormiu, sonhou phantasias deleito-
Gasto estes cabedaes, com a certeza de que sou o sas que erara ainda assim, paludos arremedos das
forcado herdeiro de urna casa que rende quatorze alegras verdadeiras.
lorgauo u ., m .. Ao fechai -se a noute, foi o morgado de Fayoes a
nwitm de ris Ja sabes que se a tua mobilia e .... j -,
cornos ae re. j *" h casa de Andaluz. Pagou a Ricardo de Alraeida a
trens ndera valer dez mi cruzados, ou vinte, es- '
irens ponen wi u u...... Q mordomo lhe apresentou. Fez novas
te d spend o nem everaente a tera os meus planos. ""v. [T __. .
p L ma nh.. exhor agoes.a coragera vacillante do primo, nci-
Se me queres obsequiar, er que me nao obse- B -,,JU.4
H 4 i Qm tou-o a gosar-se de sua mocidade, recobrando-se
que as cora o emprestimo estes objectos encom-
Hu k ; das duas primaveras desflnndas. Afllrmou-lhe que
Como quizeres, convelo Ricardo. | o desastre, visto a dous mezes de distancia, havia
Agora presumo que o Mesquita nao sahe to de afflgurar-se-lhe um manancial de venturas su-
cedo de Lisboa, a menos que Margarida me nSo hitamente aberto no seio da desgraga.
IIOMEM-FERA.
Refere um jornal estrangeiro que na Bohemia
se eommeltra um crime atroz e incnvel.
Um homem, desprezado por urna mulher com a
qual queria rasar, resolveu matar a primeira mu-
Iher que encontrasse. Foi esta urna flava de 66
annos; levoa-a para um bosque solitario, ah abu-
sou d'clla, o depois afogou-a com as mos.
manas, que lera o privilegio de apaixonar o espi-
rito de um mogo fecundo.
Na Franga tambem se aununcia confressos.
Depois de se reunirem cu Arras as sociedades
Orpheonstas, reunir-se-hao ainda nao sabemos en
qu" cidade.
Prometteu-se tambera ara congresso telegrapbi-
co, sera contar o congresso dos botnicos, dos ge-
logos, e os milhares de congressos agrcolas aa-
nu>es.
Cerlamente que nao est no nosso animo roaldi-
zer os robustos peitos viajantes que se alistara aa
bandeira de Orpheo.
Temos tambera pela botnica e pela agricultura
o mais profundo respeito, e admiramos com todas
as nossas fangal o rpido lelegraphico, comquanto
elle sirva tanlo para levar ao looge o erro e a
mentira como a verdade.
Comtudo confessaraos que, quando vemos um
hornera de algum valor deixar a Franga para ir a
Amsterdara ou a Florenga fallar de pbilosoohia e
de liberdade, nao podemos poupar-nos a urna grao-
de tristeza.
Porque e que os pensadores e oradores sao le-
vados a procurar e escolher as cidades mais pro-
picias ?
Le-se no Frerman, o que sggne '.
A grande difllculdade que at agora se dava so
emprego da prodigiosa luz pele nuigntsmm, irape-
diu a sua vulgarisayo.
Diz-se que um americano, M. A. G. Granl. de
Noltingliain, obleve previlegio para um apparelho
por meo do qual o effeilo se produz de modo o
mais simples.
O (lo conductor enrolado em fusos e desenvol-
ve-se entre dous cylindros at o tubo, no qual en-
tra mais ou menos, segundo a rapidez com qoe
arde.
Nao pode conceber-se nada mais engenhoso.
O apparelho transforma-se vontade em lanter
na porttil, e pode ser empregada para a illamma-
go dos theatros e signaes no tempo de nevoeiro.
A lanterna de mo pode ser til sobr.-ludo aos
pbotographos, que com ella peder obter de aoule
retratos to bons e mais rpidamente que durante
o dia.
denuncie. A vida em hospedaras arrisca a segu-
ranga das rainhas excursoes. ^ou, poptanto, o do-
Ao outro dia, Ricardo do Almeida erabarcou pa-
ra o Porto com o seu mordomo, e d'alli, fechando
no disto, e tu s desde agora o meu hospede, e bom I os olhos a todos os lugares despertadores de me-
que o sejas por pouco, se que desistes de dar o. morias saudosas, passou sua casa do Pontdo.
ultimo prego da tua miseria.
Repontava a estrella d'alva. Raphael mandn
As tias nao sahlram a recbelo nos bragos, por
que a noticia inesperada abalou-as de modo, que
atrellar os cavallos, e despediu-se, at noute, de i desfallecern abragadas urna na outra. Ricardo
Ricardo. Sahiu, e recolheu-se 4 casa da ma dos1 beijou as mos das transportadas senhoras, que lo-
Romulares. Dormiu bemaventuradamente cinco' go ali prometteram erguer um altar na capella da
horas; ergueu-se, como as innocentes avesinhas em casa consagrado ao seu parete S. Gil.
Encerrouse o morgado.A sua culpa estava ex-
piada. Margarida fra ingrata. A Providencia se-
ria injusta, se proloogasse o supplicio do homem,
que nenhumas dores causara cora o seu desvario.
Se dra escndalo, os escandalizados escarnecan-
no e vingavam agora a moral publica. Foi por is-
so que o cu se abonancou. A solldo reslituiu-lhe
a pouco e pouco, a memoria dos seus prazeres
simples. Attentou -na delapidagao dos seus bens.
Desempenhou os hypothecados, restauraudo rondas
bastmtes a um decente passadio.
Padre Ambrosio, o virtuoso egresso, perdoara-
Ihe o descrdito em que tinham andado na Foz as
suas vestes, rossadas pelas sedas da mulher pac-
tuada com o inferno. Tinha elle sido chamado pa-
ra Mirandella, onde tinha um irmao, chegado do
Brasil.com centenares de contosl foi visitar o ir-
mao esobrinhas; mas voltou ao Pontedo, cuja cau-
sa liie dra era 1833, hosptalidade de prente, e"
disvelos de familia muilo sua. O Brasileiro foi vi-
sitar o irm", e levou consigo uraa das tres filhas.
Bicardo de Almeida quiz honrar o irmo de seu
mestre, e sahiu a receb lo no pateo, e a receber
na portinhola da liteira a mao da Brasileira. De-
pois voltou as suas suaves cogitagoes, aos longos
passeos as m mtanhas do Alvao, s fadigas da
caga, e aos chumbados somnos das noutes infinitas
do invern.
A Brasileira via sorrr aquelle mancebo paludo
cora ? graga dos infelizes que nao poden quelxar-
se. Perguntou a D. Sancha o segredo daquella se-
rena e aflavel melancola. O egresso fez urna nar-
rativa dos infortunios do fidalgo, com tanto enge-
nho que nao feriu de leve o pudor da sobrraha.
Laura, a Brasileira, ficou amando o mogo triste.
Despediu-se delle sem poder flta-lo, e bem disse
a lagrima que a denunciava.
O irmao do padre Ambrosio foi encantado da
Ihaneza e cordealidade cora que fra acolhido por
familia lao Ilustre. Se eu fosse fidalgo, escrevia
elle ao irmo, daria a minha Laura e cera contos
de ris a esse bello mego, que me captivou, e fez
para sempre triste a minha filha. Alguns meus
amigos e companheiros de trabalho e fortuna teera
comprado a Odalguia para hombrearera com as ra-
gas nobres; mas eu tenho sido o primeiro a rir
delles, e serei o ollimo a comprar nobreza, quando
todos formos nobres, o que vem a succeder, se nao
houver dilluvio por estes vinte annos. Nao digas
isto ao teu discpulo, que nao v elle afugentar
minha custa a sua tristeza. A tanto nao me sacrifi-
co eu, nem a nossa Laura, qur que a sacrifique.
Urna carta de Ricardo a Raphael, dous mezes
' de|Mis, desenvolve e remata o episodio, nocessario
ao contexto deslas biographias:
a E constante ainda o boato da tua residencia
ern Paris. As damas de Chaves esperara as en-
coraraendas. Teus paes soffrem com a falta das
las noticias. Apenas receberam a carta, que
mandaste langar ciixa em Pars. A Angela o>
Santo Aleiso, para que ninguem possa duviJar de
que lu vens casar com ella, cason antes de bon-
tem cora o morgado das Botica.
O to Martinho Xavier ja desconfiou da leal-
dade do teu passaporte para Franca. Descona
tambem tu da espionagom delle em Lisboa.
Eu nao dou nada pela duraro da tua feiin-
dade. J de ca te imagioei enfa>a dizias-me tu assombrado : Dous annos a mesnta
raulher I Eu digo-te sera assombro, por que le
conhego : Dous mezes o mesmo anjo I
Agora, se queres, fallar-le-hei de mim. Caso.
A historia da felicdade urna palavra s. Nao
caso cora prima nenhuma. E' a filha de um ho-
mem que enrqueceu a trabalh ir. Sahiu de Mi-
randella com um chapu br.i.-uez e urna ve-lia de
cotim. Entrou era Mirandella com quair. otos
contos, e tres filhas, e a jaqueta e o chapeu. que
ainda mostra aos duvidosos da sna origem.
Laura Brasileira, galante, faz desoito an-
uos, escreveu-me com pouco esmero de gramma-
(ica, e inclua as cartas abenas as do pae. A
gora esta em nossa casa, e minhas tias amara a.
Eu estimo-a, e crelo que vire a ama-la. Sei que
se afflgem es nossos prenles com esie enlace.
Se meu av Duarte d'Almeida nao morresse mu-
tilado de mos e dente, a opinio de no** pri-
mos que elle viria estrangularme e morur-me.
Estes primos compraram-me as qoiiius ao dea-
barato, e prometiera revender-m'as pelo duplo.
Pedire a meu av Duarte d'Almeida que os sove
a ponta-ps, visto que nao pode dispor das mies,
assim como tu dispoes de leu irmo agradecido.
Ricardo.
Raphael Gargo, lida esta carta, pooderoo. e
disse entre si; Parece-me que Ricardo mais
feliz que eu I
E, com intervalo de um soliloquio mental, fal-
lou com o seu demonio, e disse-lhe : E' crivel
que eu esteja enfastiado de Beatriz ? I
Pois nao T I responden o demonio.
(Contitmar-se-hm.)
PEBNAMBl'CO.-TYP. DE M. F. DE F. 4 F1LH0
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9F1A8NRI_Y3V370 INGEST_TIME 2013-08-27T20:52:20Z PACKAGE AA00011611_10510
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES