Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10507


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1HI0 IL. NUMERO 251.
Por tres Mezes adiaotados 5JO00
Por tres mezes vencidos 6$0t)0
Porte aocoricio por tres mezes. 0750
COARTA FE1RA 2 DE NOYEMBRO DE18S4.
Por a?.no adiantado.....49$00O
Porte ao correio por om aono SJjOOO
ENCABBBGADGS BA SBSCRIPCAO NONORE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Harones da Silva; Aracaty.o
Sr.A. de Lemos i:ra;;a; Loar, o Sr. J. Jos de
. .... ra; Maranbao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
rignes; Para, os Srs. Manoel Pinbeiro & C.; A-
Razonas, o Sr. Jeronyrno da Costa.
EXCAHR (GADOS DA SOBSCRIPgAO NO SL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Das; Bahia, o
rr. J"S Martins AJves; IIio de Janeiro, os Srs. Pe-
ric 'i Martins d Gasparino.
PASUDA DOS ESTAFETAS.
Oiinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras. .
Samo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Garuar ,
Ainnho e Garanhuns as tercas feiras
Pao d'AIho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacarat,Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Sennhaera, Rio Formoso, Tamandar, Una,Barret-
... ros.Agua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
lina de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao Vi dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE NOYEMBRO.
6 Quarto cresc. as 9 b,, 33 m. e 2 s. da t.
13 La cheia as 3 h., 13 m. e 36 s. da t
21 Quarto ming. as 4 h., 56 m. e 56 s. da m.
29 La nova as 4 h., 57 m. e 26 s. da m.
PREAMAR DB HOJB.
Primeira as 3 horas e 42 minutos da tarde.
Segunda as 4 horas 6 minutos da manhaa.
PaRUDa LOB VAi-ORJ COSTEROS.
Para o sul at Alagoas a 6 e 25; iara o norte at
a Granja 7 e 22 de cada me;; para Fernando nos
dias 14 dos mezes de jan. marc., maio. jal. sel. e nov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife: do Apipucos s 6 A, 7, 7 /, 8 e
8 Vi da m.; de Oiinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboato s 6 Vi da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos s 3 Vi, 4, & 'A, Vi,
8, 5 Vjj B Vi e 6 da tarde; para Oiinda s 7 da
manhaa e 4 Vs da tarde; para Jaboato s 4 da
tarde; para Cachang e Varzea s 4 y, da tarde;
para Bemfica s 4 da tarde.
AUDiKNC A DOS TRIBUNAJS DA CAP UAL
Tribunal docommercio: segundas quintas.
Rolago: tercas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira rara do ciTel: tercas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do cival: quartas t sabbados a 1 hora
da tarde
D'S DA EKMANA.
31. Segunda. S. Quintino m.; S. Lucida v. m.
1. Terca. % Fcsia de iodos os Santos.
2. Quarta. Dia de finados. S. Tobas id.
3. Quinta. S. Malaqtiias Ij. ; S. llerberto ui.
4. Sexta. S. Carlos Uorromeu are. de Milo.
5. Sabbado. Ss. Zacharias e Isabel.
6. Domingo. S. Severo b. m.; S. Alhico.
ASSIGNA-SI
no Recife, em a uvraria da praca da Independen
ca ns. 6 e 8, dos proprietarios Mano*! Figueiro
de Faria A Filho.
QFFIG1
Ofl
ggysrso da provincia.
Expcdieolf do dia 28 de onlubre de 1861.
OiBcio ao Exm. visenle da Boa-Vista, comman-
dante superior da guajda nacin il do Recife. A'
vista da sin informadlo n. 122 de 22 do correte,
autoriso Y. ElC a mandar dispensar do servigo,
em quauto estiverera empregades na capatazta da
alfandega. com soliciton o respectivo inspector
ni ofll.-io n. 090 de 20 de setembro ultimo, os
guardas mencionados na relaco por copia inclusa.
Communicou-se ao inspector da alfandega.
Relaco a que se refere o offlcio supra.
Mignel Proeopio de Cont.
Joaquim do Carmo Fernandes.
Joo Cbrisostomo Vitaliano Botelho.
Francisco Placido Botelbo.
Antonio Joaquim de Figueiredo.
Glicerio Pergentino da Silva Braga.
Albino Bcserra de Moraes.
Jos Samuel Botelho.
Dito ao gerente da Companhia Pernambucana.
deceb o offlcio de 16 do correte, com que Vmc.
me reraetteu copia do de 15 di juuho ultimo, que
nao me foi entregue, e cando inteirado de ne
ter a Companhia Pernambucana alteracoes a fazer
nos presos das passagens e fretes estipulados na
tabella que vigorou no biennio de 1862 a 1864,
exijo que me envi em duplicata a referida tabel-
la, para o Dm indicado na oitava das con-
digoes annexas ao decreto n. 1113 de 31 de Janei-
ro de 1853.
Portara.O presidente da provincia, attenden-
do ao que requereu o promotor publico removido
da comarca do Cabo para a do Rio Formoso ba-
charel Antonio Rogerio Freir de Carvalho, resol-
ve concedr-lho 2 mezes de licenga com venci-
mentos, na forma da lei, para tratar de sua sade,
da qual gosar depois que entrar em exercicio na
ultima daquellas comarcas.
Dita.-O presidente da provincia, attendendoao
que requereu o juiz dedireilo da comarca de San-
to Anto, bachaiel Jos Felippede \ouza Leo, re-
solve conceder-lhe 15 dias de licenga, cem venci-
mentos, na forma da lei, para tratar de sua sade.
DitaO Sr. gerente da Companhia Pernambu-
cana de navegago costeira faca transportar, por
Dito ao coronel commandante das armas.Em
vista do que V. s. ponderou em sua informago <-oma d n. 1888 datada de 25 do crreme, convenho em de se8"'r Pa.ra, presidio de Fernando no dia 4 de
que seja transferido para a companhia de artfices,' novembro vmdouro, os offlciaes, pracas de pret,
sentenciados militares e volumes que o comman-
dante das armas remetter relacionados para bor-
do do mesrao vapor.Communicou-se ao coronel
commandante das armas.
Dita.=Os
como solieitou o director do arsenal de guerra em
oflicio de 21 deste mez, o menor Joo Antonio de
Faria, que leve passagem da companhia de apren-
da s do mesmo arsenal, para servir na msica do
I atalhao de infantaria. Pode, pois, V. S. expe-
rs. agentes da Companhia Brasileira
dir suas ordens a semelbaote respeito! Commu- da paquetes mandem dar transporte por contado
Dlcou-se ao director do arsenal de guerra.
Dito ao mestno. Informe V. S. acerca do que
solicitou o director do arsenal de guerra no inclu-
S I .("Vio.
i >iio ao mesmo. Informe V. S. acerca do que
solicita o cnsul de Portugal no incluso oflicio dala-
do de 27 do correute
Dito ai. inspector da thesouraria de fazenda.
Altendftndb ao que solicitou o inspector do arsena.
de marinha em offlcio de 26 do correnle, sob n-
ministerio da guerra, no vapor que se espera do
norte para a Bahia, ao alferes do primeiro bata-
Iho de infantaria Vicente Ferreira de Lorena e
sua mnlhor, e para a corte com destino ao quinto
batalho da mesrao arma, ao alferes Boaventura
Lelo de Almeida. bem como a mulher deste e
um filho menor.Communicou-sc ao comman-
dante das armas.
Desparbos de dia 28 de oulubro de 1864.
Requerimentos.
Antonio Rogerio Freir de Carvalho.Passe por-
a licenca que requer o suppli-
70'.', recommendo a V. S. que, se nao houver in|
conveniente, e em vista da conta junta em dupli- taria concededo
cata, mande pagar a quantia de 1505000 pelo ser-! cante.
viro que prestou o vapor Camnragibe, perlencente Alexandrino Ayres da Paxao.Nesta data se
companhia Vigilante, rebocando at aquelle ar- j expede ordem a thesouraria provincial no sentido
seal um bote a elle pertenceute que, garrando que requer o supplicante.
por causa do mo tempo, foi enealhar na [traa da
fortaleza do Brnm. Communicou-se ao inspector
do arsenal de marinha.
Dito ao mesmo.Reverto Y. S. os papis que
acompanharam a sua informaco n. 619, de 26 do
corrente, para que ao 2o cirurgiao Dr. Flix Mo-
reno Brando mande pagar, son minha responsa-
bilidade, visto nao haver crdito na verbacorpo
de saude e hospitaesdo exercicio de 1863 a 64,
a quantia de 27 que se Ihe est a dever de etape
relativamente ao mez de junho ultimo.
Drto ao mesmo.A yuta do requerimento que
aqu\ ajun\vr,vr.iande V. 'S. abonar a Joaquim Tava-
res Kodrignejjde Mello, a contar do Io de novem-
bro em diante, iquautia de 245 mensaes que pre-
tende consignar-fhe do respectivo sold o alferes
do 2u batalhaode infantaria. Jos Mana Benjamim
.de Assis.Communicou-se ao coronel comman-
dante das armas.
Ditoao mesmo. Remello incluso o requerimen-
to do alferes quartel meslre do 2' batalho de in-
fantaria Jua |uim Evaristo dos Santos para que
V. s., a contar do primeiro de novembro prxi-
mo vmdouro em diante, mande abonar a prestacao
qne elle pretende do sold nesta provincia para
alimentos de sua familia, devendo porm essa pres
taeao ser reduzida a duas tercas partes do mesmo
sold de conLrmidade com a circular da repart-
cao da guerra de 16 de maio de 1863.Commu-
nicou-se ao commandante das armas
Dito ao inspector da thesouraria provincial.-A
Antonio Dorningues de Almeida Pocas mande V.
S. pagar, nao havendo inconveniente,'a quantia de
>ii3. prbventente do atuguel vencido nos mezes de
julho a setembro deste anno, das casas que no ler-
ii) i de Agua Preta servem de radeia e decjuarlel
ao destacamento de polica ali existente, como se
v dos dons inclusos attestados em duplieata, que,
para esse lim remetleu-me o chefe de polica com
oflicio de iioniem n. 1321.Communicou-se ao r.
chefe de polica.
Diuao mesmo.Recommendo V. S. que se
nao houver inconveniente mande pagar a Ribeiro
j Galvo, conforme solicitou o chefe de polica em
offlcio de liontem sob n. 1320, a quantia de 755100
despendida com o sustento dos presos pobres da
. i Jj termo do Bonito, durante o trimestre de
julho a setembro deste anno, como se v da inclusa
conta.Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao mesmo.Communico V. S. para seu
conhecimento e execugao que altendendo aos do-
cumentos apresentados por Joaona Emilia de Brito
em os quaes prova que desde o mozdeoutuhro de
l^il deixou de ensinar particularmente, o que a
isenta de apresentar os mappas exigidos pela lei
  • cao do respectivo director geral de 27 do corrente
    sob n 207, resolv por despacho de hoje relevar a
    supplicante da multa que de conf irmidade com o
    artigo 100 da citada lei Ihe foi imposta por aquella
    directora.Communicou-se ao director geral da
    instruccao publica.
    Dito ao mesmo.Declaro V. S., para o fim
    conveniente, e em deferimento ao requenmonto do
    professor de iasirnecao primaria da povoacao da
    Ba-Viagem Alexandrino Ayres da l'aixao, que,
    em vista do disposto no artigo 3o da lei n. 598, a
    graticacao concedida ao supplicante por portara
    de 10 de setembro ultimo, deve ser paga desde o
    dia em que completou elle 15 anuos de servido no
    sen magisterio ; e neste sentido pode V. S. expedir
    suas ordens.
    Dito ao desembargador provedor da Santa Casa
    de Misericordia.-Respondendo a consulta, feta
    em ^tu oflicio de 25 do corrente, lenho adizer.que
    deve V. S. remetter .ao juiz de orphos deste ter-
    mo, urna relacao dos nomes dos Africanos livres,
    existentes nos estabelecimentos pos cargo dessa
    Santa Casa alim de que este expeca as respectivas
    cartas de cmancipacao, as quaos os referidos Afri-
    canos devein procura-las em maodo Dr. chefe de
    pohea.
    Dito ao direclordas obras militares.Recommen-
    do V. S. que sem demera trate de mandar tapar
    urna abertura que appareu em volta da torneira
    do reservatorio d'agua da companhia de cavalla-
    ria como parlicipou-me o eommandante das armas
    em offlcio de hontem n. 1905.Communcou-seao
    coronel commandante das armas.
    Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
    Vine, fazer com brevidade como solicitou o com-
    mandante das armas em offlcio de 27 do corrente,
    es concertos de que necessilam os objectos men-
    cionados na relaco junta assignada pelo comman-
    dante da companhia de cavallara.Communicou-
    se ao coronel commandante das armas.
    Dito ao engenheiro chefe da reparUcao das
    obras publicas.Tomando em consideracao o que
    Vmc. expoz em seu offlcio de honiem, sob n. 302,
    o autoriso a mandar fazer por adminlstracao os
    reparos de que necessita a ponte dos Afogados, os
    quaes constam do orcamento, que veio annexo ao
    seu citado offlcio, e nesla data aoprovei, na im-
    pnrtancia de 8005 Communicou-se ao inspector
    da thesouraria provincial.
    Antonio dos Santos Falcao.Exhiba o suppli-
    cante asprovas de quo trata o Sr. director da
    nslrucco punlca na informaco por copia junta.
    Francisco Jos da Costa e Silva.Informe o Sr.
    director do arsenal de guerra.
    Bacharel.Jos Felippe de Souza Leao.Passe
    portara concededo a licenca que requer o sup-
    plicante.
    Joo Tburcio da Silva Guimares.Passe por-
    tara concededo a licenca que requer o suppli-
    cante.
    Josepha Mara da Concecao.Nao tem lugar.
    Joo Antonio dos antos.Satisfaca a exigencia
    do Sr. inspector da thesouraria de fazenda, cons-
    tante da informarlo por copia inclusa.
    Joaona Emilia de BritoFica a supplicante re-
    levada da multa.
    Jesuino Pinto Meirelles.Informe o Sr. inspec-
    tor da thesouraria de fazenda.
    Manoel Joaquim Xavier Ribeiro.Nao tendo a
    thesouraria impugnado o pagamento de que trata
    o supplicante, nada ha que deferir.
    INTERIOR,
    RIO DE JANEIRO.
    12 de oiiiulirn.
    Como j se previa ante-hontem, foram impor-
    tantes os estragos causados pelo violento temporal
    que desabou sobre a cdade. Em todos os seus
    pontos, desde as immediacoes da Gloria at o En-
    genho-Novo, o vento desabrido e a chuva de pedra
    deixaram sensiveis estragos. As perdas maiores
    ou menores foram quasi geraes neste espaco, cada
    qual leve o seu prejuizo, nao havendo do lado ba-
    tido pela chuva vidraca ou claraboia que resstisse
    ao choque das grandes pedras de gelo que cahi-
    ram, e anda hontem viam-se accumuladas em al-
    gumas casas.
    Ninguem se recorda de ter assislido a urna rega
    dessa ordem dentro ou fra do paiz.
    Alem de muitos desabamenlos parciaes, da que-
    da de muitasarvores que aformoseavam varios lu-
    gares, como o passeio publico e a praca da Cons-
    ttuigao, da devastacao de extensas plantacoes e do
    fermenlo de algumas pessoas que se expozeram
    chuva, temos noticia dos factos seguintes:
    Na imperial quinta da Boa-Vista ficaram muitas
    vidra^as em cstilhacos, produzindo tambem a chu-
    va muitos prejuizos.
    Em Andarahy cahio sbreos trilhos da estrada
    de ferro da Tijuca urna grande mangueira que
    exislia na entrada da chcara do Sr. Rangel, e cujo
    tronco media 20 palmos de circumsfereucia.
    At hontem s 3 horas da manhaa estveram os
    principaes empregados da companhia oceupados
    em desobstruir o caminho fechado por esse colos-
    so vegetal.
    Deu-se nessa occasio um incidente curioso:
    quando serrava-se o tronco, cujos toros eram pu-
    chados a vapor, um dos trabalhadores descobrio
    na sargeta, e debaixo das arvores um peixe vivo
    de seis pollegadas de comurimento, que foi apa-
    nhado e acha-se na fabrica do gaz.
    Tambem este estabeleiimento soffreu damnos
    notaveis, ficando com 1,300 a 1,500 vidros de ja-
    nellas quebrados, alem de cerca de 20,000 do* lam-
    peoes da cdade que seaeham no mesmo estado.
    Por alguns minutos toda a fabrica esteve alaga-
    da na altura de dous palmos; dous grandes telhei-
    ros de ferro foram levantados pelo vento, c um
    pedaco de chapa do mesmo metal com mais de 50
    palmos de lado foi arrejado ra de S. Biogo.
    Da estrada de ferro de D. Pedro II nada consta.
    Na alfandega avultaram os prejuizos nos arma-
    zens 2, 10 e 16, e alguns que servem de enterpos-
    tos. As eobertas de vidro ficaram intelramente
    abenas, e a chuva que por ellas enlrou avariou
    muitas ferragens e fardos de tecidos. Anda hon-
    tem de manhaa via-se em um canto do armazem
    2 urna grande porcao de gelo.
    No trapiche da Gamboa houve damnos conside-
    raveis, perdendo-se muito assucar all recolhido;
    os oulros trapiches tambem, mais ou menos, foram
    prejudicados.
    No arsenal de marinha foi total o estrago as
    janellas c claraboias de todas as repartieses anne-
    xas ; a chuva Inutilisou toda a coberla de vidro do
    estaleiro, e arrancou deste pedacos enormes de
    zinco e despedacou muitas arvores e lampeos
    de gaz.
    Os theairos Lyrico e de S. Januario tambem sof-
    freram varios dainos.
    No mosteiro de S. Bento quebraram-se todas as
    vidracHS e choveu em todo o recintho; das duas
    pesadas grimpas qne havia as torres urna leon
    pendente e torcida, e a outra foi arremegada, ig-
    nora-so para onde.
    Na igreja da ordem terceira do Carmo penetrou
    a chuva de pedra pela abertura da claraboia do
    zimbono, e innundouo templo desde o altar-mr,
    causando ditferentes estragos.
    Muitas lojas das ras mais innundadas o algn
    armazons de caf e outros cereaes tiveram miior
    ou menor qunhao de prejuizos. O estabelecimen-
    to photographco do Sr. J. Insley Pacheco, na ra
    do Ouvidor, foi um dos mais maltratados pelo tem-
    poral ; asoQIcinas ficaram innundadas, e arruina-
    da grande porgo de objectos valiosos, sendo lau-
    cada ra urna grande coberta de zinco que pro-
    tega o terrajo da casa.
    Se, como se v, foram tantos em trra os effei-
    tos desastrosos do temporal de ante-hontem, no
    mar na) foram menores, pela seguinte noticia
    quedelles temos.
    No aocoradouro da carga as proximidades do
    caes da Im;ieratrz e Prainha sossobraram os se-
    guintes navios : barca iagleza Leyghton, brigue
    hespanhol Pompea, polaca dita Para, brigue
    nacional S. Manoel, barca dinamarqueza Ait
    gusta Aurora patacho nacional Amizade, su-
    maca nacional N. S. do Carmo, hiate Vence-
    dor, e mais dous, cujos nomes se ignoram.
    Este ultimo acha-se j a nado, e foi rebocado pa-
    ra urna enseada da praia da Saude ; tendo, po-
    rem, de lastimar-se a morte do capito, que esta-
    va no camarote quando o navio sossobrou.
    Das diversas estacoes consta que se viraram
    duas falas, pereceado um preto.
    Viraram-se mais dous barcos de roja que esta-
    vam na doca, desles, urn j est esgotado, e trata-
    se de fazer o mesmo ao oulro.
    Tres botes c urna catraia que sahiram das di-
    versas estacoes para differentes lugares do inte-
    rior, com passageiros e carga, consta na capitana
    do porto que esto arrombados.
    Da barca ingleza Leyghton, falleceu um mari-
    nheiro, um filho do capito, e menor de 11 aunes,
    ficando a mulher daquelle muito contusa.
    Pereceram tambem dous grumetes de dous es-
    caleres que se viraram, um da corveta Bahiana,
    e o oulro da Berenice.
    Garraram diversos navios, entre estes urna bar-
    ca da companhia Ferry, a galera portugueza Nova
    Fama, e o vapor de guerra Ypiranga, sotTreado
    avarias insignificantes.
    Um escaler da nao ingleza Bombay, que sahira
    do caes da Gloria com o almirante inglez, o Sr.
    Elliot e sua senhora, foi arrastrado pelo mar e o
    vento de encontr barca franceza Reine Marga-
    relie, entrada ante-hontem de Celte. Prestou-lhe
    esta immediato soccorro, e conseguio salvar o -r.
    Elliot, sua senhora e 18 pessoas que tripolavam o
    escaler.
    Um bote da estagao do Pharoux, conduzindo tres
    offlciaes de fazenda pertencentes nao ingleza
    Egmont, virou ao chegar a altura do ancoradouro
    dos navios de guerra.
    Ao clamor dos nufragos acudi rpidamente
    um escaler da corveta Bahiana, e logrou salvar
    tres remadores e agarrar um des offlciaes que es-
    lava a ponto de afogar-se. Ura marinheiro e os
    outros offlciaes tinham desapparecido.
    Transportado para bordo da Bahiana, o official
    recebeu durante tres horas todos os soccorros que
    a medicina indica para taes casos, vindo secundar
    os cuidados e desvelos do medico e offlViaes de
    bordo o medico da Bombay. Tudo, porm, foi in-
    til. Verificada a morte, pedio o immediato da nao,
    que acompanhava o medico, qne o corpo fosse con-
    servado bordo at o dia seguinte.
    Na manhaa de hontem, quano vieram bascar
    o cadver, a guarnico da Bahiana prestou ao
    morto todas as honras militares, icando-se a ban-
    dera a meio pao, estando os offlciaes em unifor-
    me e formando-se urna guarda.
    Anda anle hontem, s 7 horas da noite, tendo
    urna sentinella da fortaleza de Villegaignon, no
    lugar denominado Rapa, ouvido gritos qu pare-
    ciam de pessoaem perigo, participou-o ao respec-
    tivo immediato, o qual logo expedio um escaler
    tripolado pelo 2. sargento de imperiaes marinhei-
    ros Apollinario Joaquim de Almeida e algumas
    pracas deste corpo, incumbindo-os de prestar os
    soccorros que fossem necessarios. O escaler vI-
    tou levando a bordo o commandante da nao in-
    gleza Bombay, e a reboque o escaler desta com a
    respectiva guarnico.
    O commandante da Bombay referi que tendo
    embarcado no caes da Gloria com destino ao seu
    navio tivera o escaler virado perto das pedras da
    fortaleza e ficra com a sua guarnirlo sobre a qui-
    ln merc das ondas.
    Hontem o commandante da Bombay foi forta-!
    leza agradecer ao Sr. capito de mar e guerra Eli-
    siario o opportuno auxilio que recebra.
    Na ilha das Cobras o quartel dos fuzilelros n.i-
    vaes tambem teve algumas avarias nos depsitos
    de roupa.
    Sao esses os mais notaveis resultados do tempo-
    ral de ante-hontem ; hontem em trra os signaos
    mais patentes de sua passagem eram os estilhacos
    de vidro que espalhavam-se por muilas ras, o!
    triste aspecto das arvores desgalhadas, e os vesti- i
    gios da chuva de pedra que na fachada de alguns
    edificios pareca o efleito de urna descarga de me-
    tralha; o mar e o vento honiem, embora mais
    calmos, anda nao se mostravam de todo aquieta-
    dos, tendo impedida a viagem dos vapores Ce-
    res e Juparana que tentaran) sahir para S. Joao
    da Barra.
    De Joaquim do Alto escrevem que dallpara[
    cima nao houve felizmente mais do que chuva or-
    dinaria sem prejuizo para a lavoura.
    14
    Pelo ministerio da justija foi hontem expedido
    ao Sr. veador presidente da commisso da praga
    do commercio o seguinte aviso em resposta re-
    presentaco, que em 26 do passado dirigiram mui-
    tos negociantes dcsta praca ao governo imperial:
    S. M. o Imperador, cuja alta considerado foi
    submettida a represenlaco de alguns negociautes
    desta praca, pedindo a ampliaco ou explicagao
    das disposicoes do decreto n. 3,309 de 20 de se-
    tembro do corrente anno, manda pela secretaria
    de estado dos negocios da jusliga, declarar com-
    misso da praca do commercio, para transmittir
    aos ditos negociantes, as seguintes solucoes.
    1." Que o sobredito decreto nao carece de expli- j
    cagao quanto ao poder de transigir que compete s j
    administracoes liquidadoras das casas bancarias,
    por isso que, vista do art. 864 do cdigo com-
    merciai combinado com os motivos que determina-
    ram as disposicoes do precitado decreto n. 3,389
    de 20 de setembro, evidente que essas adminis- (
    tracoes podem, com audiencia do fallido, transigir
    sobre as dividas activas e fazer sobre ellas qual-
    quer convenio, e por consequencia reforma-las, no-
    va-las, transferi-las o rebtelas, recebendo em pa-;
    gamento quaesquer bens e praticando todos os ac-
    tos comprehendidos na generalidade dos ditos po-
    deres essenciaes liquidacao.
    2." Que nao pode ser deferida a representarlo
    quando pede que os banqueiros fajara parte das
    commiss5es liquidadoras, porquanto seria repug-
    nante e contradictorio que o fallido, nao tendo ob-
    lido a concordata dos seus credores, como a po-
    diam conceder pelo art. 2o do decreto n. 3,308 de
    17 do mez passado, e constituido por esse fado o
    estado de uniao, fosse elle, nao obstante a sua in-
    capacidade legal, investido pela autondade publi-
    ca da administrarlo e posse da massa fallida. Na-
    da obsta, porm, que as administragoes consultem
    o fallido, e, sob responsabilidade deltas, o encarre-
    guem dos trabalhos e eperacoes da liquidacao. __
    3." Que outrosim nao posslvel, sem violaqo i
    dos principios de ordem publica e dos direitos in-
    Segundo o Commercial de 8 achavam-se na
    barra 24 navios para sahir; alguns estavam all
    havia mais fie viute dias.
    19
    Da ordem do dia u. 418 publicada 14 do cor-
    rente pela reparlicaodo ajudante-general consta o
    seguinte :
    -Nomeajoes dos Srs.: niarechal de campo Fran-
    cisco Antonio da Silva Bittancourt, para comman-
    dante das armas da provincia da Bahia.-Decreto
    de 8 do corrente mez.
    Brigadeiro Solidonio Jos Antonio Pereira do
    Lago, para inspeccionar os corpos de artilharia
    da guarnico da corte. Em 4 do corrente mez.
    ; dividuaes, impr, como nico, ordinario e necessa-
    rio, sem previo compromisso, o juizo arbitral, in-
    dependente de recurso, e para todas a; causas,
    alm daquellas que por excepco-ratione materia
    o cdigo commercial admitte.
    4. Que finalmente nao ha motivo imperioso e de
    forc* maior que obrigue o governo a derogar o c-
    digo commercial, prorogando o espago das mora-
    torias, sendo que o corpo legislativo providenciar
    sobre essa prorogagao, se a influencia da crise ac-
    tual perdurar durante os tres annos marcados pelo
    art 901 do dito cdigo.
    Palacio do Rio de Janeiro, 10 de outubro de 1864.
    Francisco Jos Furtado.
    Na ilha do Governador os efTeites do temporal
    do dia 10 foram os seguintes :
    Muitas arvores forana arrancadas pelo vento e
    varias casas ficaram destelhadas e arruinadas.
    Em urna cora defronte da praia de Galeao vi-
    rou-se o bote que conducta o Sr. capito Paulo de
    Figueira Nabuco de Araujo e dous remadores,
    os quaes foram salvos pelos Srs. Simo da Silva
    Reis, Guilherme Pereira Franco, Manoel Vicente
    Franco e Fernandes Jos Rodrigues.
    as pedras da ponte do Mattoso virou ura barco
    de Antonio da Cunha Pereira, logrando este com ; to. -Em 3 do correte mez.
    sens escravos salvar o patrao e quatro remadores.
    Na poota do Cabaceiro sossobrou um barco de
    Da Repblica Argentina, cujo governo ronlitu
    no melhor accordo comnosco, nao ha noticia de
    importancia, e o Paraguay mnhum indicio da por
    hora de tencionar mecher-se. E' que e presidente
    Lpez ter reflectido.
    22
    Pelo ministerio do imperio foi expedido presi-
    dencia da provincia do Rio Grande do Norte, em 6
    do corrente, o aviso seguate :
    Foi presente a S. M. Imperador, com o offlcio
    de IV. Exc. de 29 de agosto passado, a repres^nta-
    go que alguns vereadores e supplentes da cmara
    municipal dessa capital dirigiram contra V.Exc.
    ao governo Imperial, allegando que, por ter V. Eic.
    Sl,,rPn,e,egei!hei,r0S, I-redcnco Car- ,de,xado de communicar a inesma cmara o resul-
    S^^&^^T'^^^yirj^!^ do.processode re.spon,ab,.,dade que conira
    neiro
    provincia de Matto-Grosso. Decreto de 5 do cer-
    rente mez. /
    Dos Srs.: coronel do corpo de estado-maior de
    2.' classe Francisco Telles Carvalhal deMenezes e
    Vasconcelos, para director do arsenal de guerra
    da provincia da Baha. Decreto de 5 do corrente
    raez.
    Coronel do corpo de estado-maior de 1.* classe
    Pedro Mara Xavier de Castro, para servir na com-
    misso de raelhoramentos do material do exeici-
    elles se intentara por ordem de V. Exc, continua
    va a suspenso que naquella occasio lora tambera
    ordenada, nao obstante ter passado em jnlgad* a
    sentenga que julgou improcedente o dito pro-
    cesso.
    E o mesmo augusto senhor houve por bem re-
    solver que nao sao procedentes as razoes em qne
    se funda a dita representago; porque, devendo as
    sentengas, desde que passam era julgado predozr
    por sua propria forga todos os seos effeitos, nao
    havendo neeessidade
    s Morera, para na qualidade de adddo, coadju-
    var o servigo das enfermaras do hospital militar
    desta corte.Em 5 do corrente raez.
    Segundos cirurgioes do corpo de sade Drs.
    Alexandre Jos Soeiro de Faria Guaranye Francis-
    co Homem de Carvalho, este para coadjuvante da
    eufermaria da escola militrr, e aquelle para servir
    no bosptal militar desta corle, durante o impedi-
    mento do Sr. 2 cirurgiao do mesmo corpo Dr.
    Luiz Manoel da Silva Coelho.
    Pharmaccuticos, alferes do mesmo corpo Benja-
    mn Cncnaio Ciinguassu', para servir no hospi-
    tal militar desta corte ; Carlos Felippe Rabello de
    Miranda, para servir na provincia do Cear. |
    Alferes do corpo de estado-maior de 1* classe
    Jos Arthurde Murnelly, para ajudante de ordens
    da presidencia da provincia do Paran.Em 10 do
    correute mez.
    Alferes do corpo de estado maior de 2* classe
    Silverio Antonio de Jesuf, para commandante do
    forte de Santo Antonio da Barra da provincia do
    Itaip foram arremessados pelo mar Maranho.
    Alferes do corpo de guarnigo de Minas-Geraes
    Francisco de Paula Xavier Fehcissimo Jnior, pa-
    ponta
    Joaq Coelho da Silva Jnior, perecendo o respecti-
    vo mestre e um marinheiro. Salvaram-se quatro
    horaens de bordo, dous nado, e dous por terem-
    se agarrado ao mastro e gritado tanto que foram
    ouvidos e soccorridos dedicadamente pelo pesca-
    dor Joao Francisco da Silva Paes.
    Na coroa da Flgueira encalhou um barco da
    Sra. viuva Gucdes.
    Um barco do Sr. Jos Billa, subdito hespanhol,
    foi a pique na cora da Ilha d'Agua, desapparecen-
    do um marinheiro e um passageiro, que suppo-se
    ser um carpinteiro porluguez, casado e.morador
    no Rio da Estrella, lugar denominado Calund.
    Em Iriri virou um barco do porto do Sodr sal-
    vando-se toda a tripolago. Prestou valiosos servi-
    gos nesse caso o pescador Joo Augusto Juier.
    as pedras de Pipiti virou nutro barco.
    Encontrou-se tambem um barco grande boiando,
    desarvorade, sem ninguem bordo.
    Na praia da Ferrara fundeou a lancha Restau-
    radora, propriedade de Manoel Pinto de Carva ho,
    de Mag, depois garrou e despedagou se. Salva-
    ran-se a tripolago e quatro passageiros. S a
    carga acondicionada era barricas ficou em bom
    estado.
    O Fluminense, de Nitherohy, de hontem, d as
    noticias seguintes :
    < Communicara-nos o seguinte :
    Na noite de 10 do corrente, por occasio de
    cahir um grande tufo de vento sobre esta cdade,
    naufragou na altura do Barrete um barco, que da
    corte demandava o porto de S. Gongalo, perecendo
    um passageiro de nome Jos Jacintlio, morador
    naquella freguezia, e um preto de nome Macaco,
    escravo de F. tantos, salvando se o Portuguez Jo-
    s Calharina dos Santos, me tre do mesmo barco,
    'mais dous passageiros e tres prerbs, os quaes agar-
    rados' quilh gritavam por soccorro, quando ap-
    pareceu urna canoa vinda do Brrelo, que os levou I
    para trra, estando j o vento chao.
    Constando no digno chefe de polica que |
    na praia de
    destrogos de navios perdidos, entre elles urna la-
    boa com o dislico Morlense, assim como frascos
    de (metas era calda ; e praia de Itacutira dra
    um cadver, muitos remo?, gneros diversos e
    quinquilleras, de que se tem apossado os habi-
    tantes, expedio, informam-nos, o mesmo chefe
    promptas providencias para arrecadago daquelles
    objectos.
    15
    Contina o mar a restituir os cadveres de al-
    gumas victimas do funesto temporal do dia 10 :
    as pedras da fortaleza de Santa Cruz appare-
    ceu, e foi remedido para a Jurujuba, um quesup-
    poe-se ser o do capito da galera norte-americana
    Alexanier, com os sigoaes seguintes : estatura
    baixa, barba a ingleza, botinas, caigas brancas de
    linho, collete preto, paleto preto, lengo de seda no
    pescogo,, com um alfinete de ouro e no bolso um
    relogio de ouro com s iniciaos I. Y. B.
    Hontem s 3 1|4 horas da tarde appareceu a pe-
    quena distancia da corveta Imperial Marinheiro o
    cadver de um dos offlciaes da nu ingleza Eg-
    mont que naufragaran no dia 10.
    O Io tenente Adriano Manoel Fernandos, que
    enlo se achava de quarto, mandn apanha-ln, e
    conduzi-lo em um escaler sob a guarda do guarda
    marinha Saturnino Vieira de Carvalho para bordo
    da Egmont, a cujo commandante foi entregue com
    reconhecimento da sua parte.
    O corpo j eslava decompondo-se ; tinha o cr-
    neo fracturado e o rosto bastante contuso e desfi-
    gurado ; trazia ainda o uniforme militar, farda abo-
    loada e luvas brancas.
    O commandante do vapor Imperalriz, entrado
    hontem, diz que encontrou quatro cadveres entre
    Santa Cruz e o Pao de Assucar.
    Na ilha de Paquet foi encontrado boiando, jun-
    to praia da Ribeira, o corpo de um homem bran-
    co, no qual procedeu-se a exame, tinha os signaes
    seguintes : mais de 45 annos presumiveis de ida-
    de, estatura regular, trajava calca de casimira pre-
    ta, camisa de morira, ceroula de algodo, collete
    de xadrez miado azul, gravata prela com listras
    roxas, meias brancas e sapalos abotinados, e tra-
    zia ao pescogo um pequeo breve.-
    I,-se no Provinciano de Nitherohy de hontem :
    eu costa ante-hentem no Porto do Velho o
    cadver do individuo que pereceu afogado por oc-
    casio de virarse o barco com o temporal de 10 do
    corrente, conforme demos conta na folha de quar-
    ta-feira.
    c O fallecido chamava-se Manoel Jacintho, era
    morador na freguezia de S. Gongalo, e ia de pas-
    sagem no referido barco.
    t Foi igualmente arrojado pelo mar praia de
    Itacutira, em Itaip, um outro cadver.
    18
    Foraes obsequiados com a seguinte communica-
    go:
    t A barra do Rio Grande tem estado extrem-
    mamente baixa e brava desde o dia 7 do cor-
    rente.
    O paquete Gerente, que tinha de sahir d"alll a
    8 pela manhaa, nao o tem podido, estando em dez
    palmos. A 8 eutrou o patacho Dous de Dezembro,
    em unzo e meio palmos c bateu.
    O paquete Princeza chegou ao Rio Grande
    12 pelas 8 horas da manhaa, tendo encontrado at
    Santa Calharina mar e ve^to do S O, e de Santa
    Catharina para o sul grande mar de S E. Nao Ihe
    sendo pessivel entrar, fundeou a sota vento do
    banco.
    i A' 1 1|2 horas da tarde sahio fra da barra o
    vapor Protecco, fez-se a baldeago da carga e pas-
    sageiros, sera que se dsse oceurrencia alguma
    desagradavel. Estando o Gerente preso no Rio
    Grande, e nao podendo o Prtneeza entrar, foi re-
    solvido que este seguisse para este porto, e aquel-
    le ficasse para trazer as malas e passageiros. O
    Prtneeza em sua viagem para o norte encontrou
    brisa fresca do NE e correntes ao sul, circunstan-
    cia que devein fazer baixar a agua da barrado
    Rio Grande.
    O Gerente s deve ser esperado de 22 em
    diante.
    im 1 m r Jos Pereira Das, para 0 acto a que se referen os amores da repre^nta-
    "ff?*!* da 2J2 u v '- emJlr11' C5- I1"3 'lue depois daquella sentenga,
    U i gao do Sr. coronel Pedro Mana Xavier de Cas-; sua suspenso administrativa como um dos li-
    tro, que ficou exonerado desse cargo.-Em 5 do tos icgaes da mesma sentenga.
    corrente mez. 24
    Tenente-coronel do mesmo corpo Sebastian Fran- _i)a ,rdem ao ia n 420) pedida pela reparti-
    go do ajudante general, extrahiraos o que segu
    Noraeago. lo Sr. doutor era medicina, Joo
    Antonio da Silva Marques, para 2 cirurgiao do
    cisco de Oliveira Chagas, para director da fabrica
    da plvora da Estrella. Decreto de 5 do correnle
    mez.
    Capites do mesrao corpo Francisco Raphael de
    Mello Reg e Francisco Cesar da Silva Amaral,
    para irem servir na provincia do Amazonas dis-
    posigo da presidencia da mesma provincia.Avi-
    sos de 20 do corrente mez.
    Capito do 4. batalho de artilharia a p Vi-
    riato Lafayete Moiiz Valdelaro e tenente do corpo
    de estado-maior de 1.* classe Annibal Antunes
    Maciel, este para ajudante de ordens e aquelle
    corpo de sade do exercito.
    Transferencias.Dos Srs. Dr. D. Jorge Eugenio
    de Locio e Scilbitz, lente de sciencias physicas r
    nal ura es da escola central, para a cadeira da aula
    primaria do 4 anuo da mesma escola.Deceto de
    12 do corrente mez.
    2' tenentes Jerenyrao Nuocs Monteiro de Mon-
    donga e Jos Mara de Oliveira Barbosa, ambos do
    corpo de artilharia de Matio-Grosso, este da fileira
    para secretario da inspecgo dos corpos de arti-; para 0 lugar de ajudante.e aquelle deste lugar para
    Ihanadaguarnigaodacorte.-Era / do corrente af,|erado mesmo corpo, como reqnereram.
    ,ne.z; ... .. 2o cadete 2o sargento do corpo do guarnico de
    1 cirurgiao do corpo de saude Dr. Antonio Jo- Minas Geraes Joo Braz da SilvVjuniSr, paiVo l
    ra secretario do mesmo corpo.
    Alferes reformado do exercito c coronel da
    guarda nacional Francisco Joaquim Pereira Lobo,
    e alferes do 1 regiment de cavallara hgeira Luiz
    Alfonso dos Reis, este para instructor da arma de
    cavallara n escola preparatoria da provincia do
    Rio Grande do Sul, a aquelle para recrutador na
    provincia das Alagoas.Em 5 do corrente mez.
    Capito reformado Luciano Jos da Rosa, para
    director da colonia militar.Caseros. Em 2 de
    setembro ultimo.
    Demisso do servico militar.Foi concedida aos
    Srs. : 1" lente do 1 batalho de arlilharia a p
    Pedro Ribeiro de Souza Rezeude, por decreto de 5
    do corrente mez.
    Alferes do corpo de estado-maior de l* classe
    Antonio Alvos Ribeiro, por decreto de 8 tambem
    do corrente.
    Remogoes.Dos Srs. : pharmaccuticos alferes
    do corpo de saude, Joe Gualberto de Souza Gou-
    va, da provincia do Cear para a de Pernambu-
    co ; Joaquim do Prado Araujo Leile, da provincia
    de Sergipe para a do Amazonas ; c Cicinio dos
    Humildes Pachecho, da provincia do Amazonas pa-i
    ra a de Sergipe.
    Exoneragoes.Por decretos de 5 do correnle mez
    foram dispensados :
    Do commando das armas da provincia da Bahia,
    o Sr. brigadeiro Manoel Moniz Tavares.
    Do commando das armas da provincia de Mallo
    Grosso, o Sr. coronel do corpo de estado-maior de
    2* classe Carlos Augusto de Oliveira.
    Do lugar do director do arsenal de guerra da
    provincia da Bahia, o Sr. coronel do corpo de esla-
    do-maior de 1' classe Luiz Guilherme VVoolf, por
    assim o haver pedido.
    Foi exonerado o sr. capito reformado Luiz An-
    tonio Dias de Andrade de lugar de director da co-
    lonia militar Caseros. Em 21 de setembro ulti-
    mo.
    Mensagem. Foi concedida aos Srs. : coronel
    do corpo de estado-maior de 2a classe Antonio Go-
    mes Leal, na capital da provincia de Pernambuco.
    -Aviso de 5 do corrente mez.
    Tenente-coronel do corpo de engenheiros Anto-
    nio Carneiro Leo, nesla corte Em 10 do corren-
    te raez.
    Capito do mesmo corpo Francisco Carlos da
    Luz e 1* cirurgiao do corpo de sade Ir. Antonio
    do Nascimenlo e Silva, nesta corte.Em 6 de se-
    tembro ultimo.
    Alferes do corpo de guarnigo do Cear Josino
    Frankhn Bellota, na capital da provincia do Cear.
    Aviso de 6 do corrento mez.
    21
    Entrou tambem hontem o paquete francez San-
    tonge, vindo do ho da Prata com data de Buenos-
    Ayres at 14 e Montevideo 15 do corrente.
    'As noticias do Estado-Oriental Jo o general Fi-
    res a tres quarlos de legua de Montevideo prepa-
    rndole para atacar a cidada. Parece que o exer-
    cito governista de Servando Gmez nao conseguir
    ainda repassar o Bio Negro para o sul, e a ser cer-
    lo que o almirante brasileiro ia oceupar aquelle rio
    com urna esquadrilha de lanchoes, ao passo que as
    nossas torgas atravessando a fronteira se dirigio
    sobre o Uruguay, onde achariam ja a esquadra,
    nao s (icaria aquelle exercito impossibilitado de
    acudir a capital, mas at, segundo todas as proba-
    bilidades, teria de depr as armas. Todo o ponto
    estiva em que os morimenlos das nossas torgas de
    mar e trra se fizessera com a rapidez necessaria
    para execugo deste plano, se que existia.
    Por ora o que se d como corto ter o Sr. baro
    de Tamandar dirigido urna circular aos rhefes de
    estacoes navaes estrangeiras annunciando-lhes que
    ia principiar as represalias ao norte do Rio Negro,
    pelo que capituraria qualquer embarcago que de-
    baixo de qualquer bandeira levasse armas ou mu-
    nigoes para as forgas do governo de Montevideo,
    que eslo daquelle lado.
    A esquadra brasileira ficava a largar de Buonos-
    Ayres para o ro Uruguay.
    regiment de cavallara ligeira, como requeren.
    Do 2o sargento do corpe de cavallara de Matto-
    Grosso Francisco Manoel de Araujo Sobrinho, para
    o 1 regiment de cavallara ligeira, eogajando-se
    para continuar a servir, na forma da lei.
    Licengas concedidas. Ao Exra. Sr. brigadeiro
    graduado de cavallara Joo Antonio de Oliveira
    Lobo, um mez, em proregage da qne veio a esta
    corle.Em 4 do corrente mez.
    Aos srs. : capito do corpo de guarnigo do Es-
    pirito Santo Joo da Silva Nazareth, quatro mezes
    cora sold e etapa, para tratar de sua sade onde
    Ihti conver.
    Tenente do batalho de cacadores da provincia
    da Bahia, Joo Adolpho de Souza Brrelo, tres me-
    zes, com sold simples, para falar de negocios de
    seu interesse na mesma provincia.
    Alferes do 1 regiment de cavallara ligeira l>-
    Melchiade* Bezerra da silva Costa, tres mezes, pa-
    ra tratar dp sua sade.
    2o cadete Io sargento do mesmo regiment Jos
    Pinto Freir, tres mezes, com os seus vencimentos.
    para tratar de sua saude onde ihe conver.Em 15
    do correute raez.
    2 cadete do 1 batalho de infantaria Joaquim
    Jos de Sampaio, quatro mezes, com sold e etapa,
    para tratar de sua saude na provincia do l i-ara.
    2 cadete do 6" batalho de infantaria, adddo ao
    Io da mesma arma, Manoel Alves Borges Jnior,
    dous mezes, para tratar de sua saude na provincia
    da Bahia.
    Reforma.Foi concedida por decreto de 12 do
    corrente mez, na conformidade do s, 3 do plano que
    baxou com o decreto de 11 de dezembro de 1815,
    ao 1 sargento do corpo de arlilharia de Matto-
    Grosso, Manoel simus Hurique,, e ao ansperada
    da companhia de cavallara d-; Minas-Geraes. Vale-
    riano Jos da Silva : a este com o respectivo sold
    por inteiro, visto achar-se impossibilitado do servi-
    go em consequencia de fe imenU que recebeu em
    acgo do mesmo servigo; e aquelle no pede l al-
    feres, com o respectivo sold por inteiro, vislo con-
    tar mais de 75 annos de idade e 37 de servigo, e
    achar-se incapaz de continuar no mesmo st-rvigo.
    Dispensa do servigo para esludar.Ao Sr. 2* ca-
    dete, sargento-ajuiante do 4" batalho de infamara
    Joo Severiano Maciel, para malrieular-se no anuo
    vin louro na escola militar, alim de concluir o cur
    so de sua arma.
    E' tambem concedida para raatricularera-se na
    escola preparatoria desta corte, no anno viodonro.
    se satisflzerem s condiges para tal lim exigida,
    aos Srs.:
    Io cadete do Io batalho de arlilharia a p Miguel
    Alexandre. Correa.
    2o cadete do corpo de guarnigo do Piauby Coa-
    galo Paes de Azevedo e Almeida Filho.
    2" cadete do 12a batalho de infantaria Julio Ce-
    sar dos Reis Falcao.
    2" cadete 2 sargento do 3 batalho de arUlba-
    ria a p Geraldo Jos de Abren.
    Ao 2- sargento da companhia de artfices da Ba-
    hia Joo da Silva Reis.
    Ao 2 sargento do corpo de guarnico do Piau-
    hy Fausto Monteiro de Oliveira Lima.
    Ao cabo de esquadra do 1 batalho de artilharia
    a p Antonio Rodrigues Ramos.
    Ao soldado do 1 batalho de infantaria Pedro
    Pompeu Tavares de Mello.
    Menageni.Ao Sr. capito de caradores da pro-
    vincia de Mato-Grosso Francisco Carlos Bueno Des-
    champs, concedida por menagem a capital da
    mesma provincia e seu termo.
    Decisao proferida sobre parecer de conselho de
    averiguago.Foram julgados habilitados para se-
    ren 2o* cadetes, e mandados reconhecer como taes,
    os soldados do batalho de engenheiros Manoel Jo-
    s dos Santos Barbosa e Pedro Mximo Barbosa,
    por haverem provado que sao filhos legitimo* d
    .">r. Amaro Jos dos autos Barbosa, cavaileiro de
    ordem da Rosa.Em 5 do crreme mez.
    Fallecimentos. Dos Srs.: capito reformad.
    Francisco de Paula de Albuquerque Grillo, em I
    de setembro ultimo, na provincia do Rio-Grande do
    Sul.
    2 lente reformado Manoel Neporauceno Pe-
    reira, em 11 do corrente mez, nesta corte.
    Circular.6* secgo.Ministerio dos negocw*
    do imperio, em 22 de outubro de 1864.-Ilim. e
    Exm. Sr.Tendo sido presente ao goveroo impe-
    rial diversos requerimentos, em que cornorages
    de mo mora solicitara licenga para possuirem
    bens de raiz, declaro a V. Exc, para observancia
    do decreto n. 1,225 de 20 de agosto ultimo:
    t 1 Que as corporagdes de mo-morla s pre-
    cisan) da referida licenga para a acquisigoou pos-
    se, por qualquer titulo, de terrenos ou proprieda-
    des necessarias para o servigo das mesiuas corpo-
    ragdes ou para edilicago de igrejas, eapeslaa, ca-
    ntenos extra-muros, bospitaes, casas de educaco
    e de asylo, e quaesquer outros estabelecimentos
    pblicos.
    t 2o Que, em geral, os bens de raiz qne as di-
    tas corporages adquirrem, na conformidade da
    ord. liv, 2 tit. 18 S Io, devem ser no praio de H

    i



    Diario de Pernaaahnco (|um(;i fclra 9 ele Xovembio de IStl.
    '

    mezes, contados de sua entrega, alheadot, e o sen, > Saletas
    producto convertido era apatices da divida publica, ; 20 Bertha
    sob as penas da mesma ordenaco.
    3 Que desta regra esto rnente exceptua-
    dos : Io, os bensde raz que, com previa licenga do
    govemo imperial, tiverem o destino cima indica-
    do ; e 2o, os que cnnslituiam, na poca da publica-
    cao do citado decreto, o pilrimooio das sobreditas
    corporages, os quaes flrario garantidos pelas pa-
    lavras tinaes do art. 2 do mesmo decreto, e podem
    ser conservados independentemenle de licenga do
    governo.
    O que V. Exc. far constar is autoridades e a
    quem convi^r para a devida exeengo.
    Dos guarde V. Exc Jos Liberato Barroso,
    ^r. presidente da provincia de..
    23 Ganbaldi
    24 fijan
    New-York.
    * Havre.
    Pernambuco.
    > Havre.
    CAMBIOS.
    Inglaterra 27 lil
    Fi anga 350.
    Portugal 96 0|Q.
    S. Luix, 27 de oulubre.
    Cirurgiao de Goyanna, espalhou-se que elle Se*e-
    rino era morto, e a--1m jui^ m--r segura. Confes-
    sou tambem a morte de uui irmao de ame Alber-
    to feita no lugar Paugaa, que confessa ser enge-
    nho do coronel Joo Joaquim senbor tambem do
    engenho Bonito. Nao ha a menor duvida que o
    preso seja o verdadeiro autor do tiro que levou ha
    annos o coronel Estevo Cavalcanli, e pelo qual
    deve estar processado era Goyanna.
    Era grao de recurso acaba de sor despronuo-
    ciado pelo juiz de direito interino da capital Dr.
    Interino
    . Popgi o portuguez Francisco Gomes Marques da
    ha i a escrever-lhe por este vapor, per Fonseca, que eslava pronunciado por haver que-
    nastante encomniodado, porm, um facto altamen- brado as ventas de ura menor com bofetadas, sen-
    t aueiitatorio liberdade de imprensa, e pro- do para admirar Ul despronuncia porque alm de
    pneuade do cidadSo, me obriga a dirigir-lhe algu- ser o facto dado nesta cidade no Varadouro, acres-
    ma* linhas para ronhecimento dos seus leitores.; ce que no processo haviam tres lestemuuhas de
    Ao amanhecer de hoje foi encontrada arromba- vista ; todava nao nos causou sorpreza a despro-
    CORRESPOtflsETfCIAS HO IA "*.a |wm d:i casa r,n ." funeciona a typogra-, nuncia, porque desde que aquelle portuguez in-
    HIO DE B'KRXAMHl 'Q. p i? corn,nercial do Porto Livre. terpoz o recurso, espalhou se na cidade que seria
    u numero que deveria sahir hoje e que j eslava despronunclado. L diz o adagioquera lera pa-
    pagmado, foi empastellado e atirado ra. O pro- druiho, nao morre pago.
    i mutilisado, iiorque, desaparafusado carre- No termo de Coite no lugar Cabor, foi assas-
    PARA.
    Belm, 21 de outubro de 1861.
    , n vnmr p,iriB, gara,n coin bra<<0 ll(' en?enlio, o pio e as molas sinado Manoel Rodrigues, sendo autores do crime
    aaIiar?sL destino" 2"nc,,afls : uma Kran^ parte dos typos espalha- Rayraundo Baptista e Joaquim Luiz, cujos crimino-
    n^tLlZ los Pt'la ra. Eludo islo foi praticado era una sos espaihavam que a morte tinhasdo produzida
    de Nazareth e que por assim dher desp.voa a ci- fllarde qUe se diz ter Policia administrativa e ra- por urna queda que aquelle levara correudo atraz
    Chegou-nos aqu antehontem
    devia partir hoje pela manha
    como se acha e-tabelecido ; mas
    de gado, porm logo depois descobrin.lo o delega-
    ^Z^^T!^aF^^^aa^^SS^Um,'t^ KmnMgem mnito forte tem do que pelo contrario se t.nha dado um assassina-
    L do mez dlt0 a,guinas verdadtJSj que nao aeradava a cerla to, elles se ausenlaram, e M o processo instaurado,
    gente e especialmente, nao a todos, mas a alguns No mesmo termo foi espancado no da 24 de se-
    do lado progresista. Nada conseguindo essa tembro Raymundo Jos das Mercoz, sendo seus
    gente para fazer cal.ir esse jornal, recorreram aos espancadores desconhecidos, e morrendo o espan-
    meios torpes e reprovados. cado no dia 2 de outubro, e foi o processo instau-
    0 suborno aos typographos nao pode corromper rado pelo delegado.
    a todos, algn* repelliram ameagas e ouro, e a ty- i No dia 17 fui condemnado pelo jury do termo
    pograpnia la funcionando. do Cuit pena de morte, o escravo Francisco,
    U promotor publico deu urna denuncia contra autor dos barbaros assassinatos de seu senhor Ma-
    jomal que ah se imprima com gravuras, e noel Dantas, de sua senhora, c de urna cunhada
    .!i,S!rie motivado or dS '0n ?s i1* UHnuQcia declarar os daquelles, de cujos criraes lhe dei noticia, quando
    Im atiX en, um JrDae8 >'uhl'cados "sa typographia o nome do forara commettidos II. H
    sido alagadas era urna i,Dpressor, e simplesmente o nome da typographia, I .......
    Nesta parte a denuncia
    PERNAMRUCO.
    revista mmk.
    Fizeram acto na Faculdade de Direito do Recife
    dade,
    Do
    findo fui a aberta a assembl provincial.
    Continuara as queixas contra as mesas de ren
    das, tinto que susciira-se uraa queslo entre o
    Tice cnsul portuguez em Manos o a presiden-
    cia.
    Segundo os jornae< foi a chcara consular va-
    rejada p ir urna forga da raesraa inspectora, por
    cansa de meroadorias ahi exisli-ntcs que dizem
    nao se acharem corremos, mas que outros afllr-
    mam estarem regularmente navegadas,
    trando-se ellas n'aquella loe
    torga maior, visto terein
    Ca2ua' ., I rua> anno e dono della.
    Seja o que fr, o facto que as mercaduras nao d promotor ,ornou.se parcali rqm al0 eilla0
    pertencem ao agente portuguez, e sira a terceiro, com excepcao da Coahrao, nenhum oulro o de-
    que a sua chcara nao devia ser vareada sera clarava
    sua audienria.
    A presidencia publicou ltimamente, no expe-
    diente do governo, e seu ulluno offkio ao agente,
    e segundo corre este proiestou pela solu;ao da
    presidencia, sendo aQnal o negocio submeltido ao
    governo imperial.
    n?,P5enrarS resullad0> po.is a} doixa de ser a I 'a--, em que funeciona, parece estaVsaTis'feito o S^iMAEm^^
    qae,tao ma-s oumenos complicada. I precito da lei ; no entretanto, e promotor publico Joo Baptista de Freitas, dem.
    eaK KTa S' Frn^Ssco S2SS ,8s Joaqun' Ta/ares IJelf"-rl Pro'-ed('ndo Geminiano Brasil de Oli'veira Ges, dem,
    capuao ae mar e guerra u. francisco luco parcialmente nessa sua denuncia nao se couteve 2 anno
    d-^l'nf^^tVX T'eS e demarca,''ao ".'s-'o, censuren aos outros seus collegas do impe- D. Carlos de Souza da-ilve.ra. plenamente.
    no, quando em audiencia se lhe fez ver, que se Deocleciano da Rucha Vianna, dem,
    havia crime na nu declarago do nome do impres- Vicente do Reg Toscano Barreto, dem,
    sor, era circumstancia de que no imperio nem um Jos Nicolao Tolentino de Camino, dem,
    promotor censurara, porque os primeiros jornaes 3o anno.
    assim cornam. Jos Manoel de Barros Vanderley Fimo,
    O que se nao pode conseguir pelo suborno, o mente,
    que nao poda ebter-se pela lei, apezar de todo Joao Lopes d Aguiar Muritiba, idem.
    atropello que ha peste em pratica no processo o Segismundo Antonio Goncalves, dem,
    chefe de polica e o promotor publico, acabam os Jos de Barros Duarte, idem.
    inimigos do Porro Livre de couseguirem por um 4 anno.
    atieniado. Hoje quehra-se esta tynographia, ama- Antonio Borges da Fonseca Jnior, plenamente,
    nhaa quehrar-se-ha una ouira. Fados desta or- Bento Jos Alves Vianna, idem.
    dem nao podara encontrar echo em um govermo Henrique Mamedo Lins de Almeida, idem.
    moralisado, em urna p .pulaeo civili.ada. Ivo Magno Borges da Fonseca, idem.
    >egue neste vapor |.ara a Bahia. o Exm. e Rvm.' Lino Leoncio da Assumpcao, idem.
    8r. bispo do Para D. Antonio de Macedo Costa, a! 5 anno.
    acompanhar shq r.-speitavel pai no regresso da vi-' Joaquim Guennes da Silva Mello, plenamente.
    No seu Dia-io, no do fio de Janeiro, Jornal do
    Commercio, Correio Mercantil e quasi Udos que
    se publicara no imperio livremente nem um de-
    clara o impressor, com quanlo a lei nisso falle,' no dia 31 do crreme os seguintesestudantes:
    por pnetario ou redactor, o nome da typographia e o Luiz Vieira de Rezende Silva, plenamente.
    'aquella repblica e do Brasil.
    No acto de calnr ao mar o Monitor, emharca-
    ao de guerra feita era Calho de Luna, houve
    um desarranjo no plano inclinado.
    Succitarara-se graves questoos e polmicas no
    cougresso por causa das re-lain;icoes bespanholas,
    sendo o cuuflii-to entre o presidente da repblica e
    o d'aquelle corpo, por haver este estigmalisado o
    procedimenio do governo em tal conjuntura.
    O regulamento fluvial deste imperio, que cons-
    ta do decreto n. 3,216 de 31 de deseinbro do anno
    Ando, tem sido anali>a>lo pelos jomaos da rep-
    blica como inf-nso aos seus iuterosses da navega-
    gao do Amazonas.
    Desta provincia do Para tambem nao sao de
    importancia as novidades.
    Nesta ultima quinzena a fesla de N. S. de Na-
    zareth foi o que pruudeu a attencao publica ; por
    isso a nao ser algura facto extraordinario, como o
    das nanearas do Hio de Janeiro e o desagrada-
    Tel successo non'Americano da Bahia, a popula-
    gao nao se deslrahia para qualquer outro.
    A fesla, como Iheavisei, foi mul anno e feita cora bastante lusiraento o apparato.
    Renasceu o esplendor que havia ha annos e minio
    mais agora cora a illuininacao a gaz.
    E* verdade que e.-ta illuininacao para a prmeira
    vez fui de todo m, nao se contava de eerto que
    as esperancas e promeltiraentos dos festoiros fus-
    sera to Iludidos.
    Digo-lhe que ta dous ou tres annos vimos mais
    bella iiluminaci), mais vanada e o largo mais cla-
    ro do que actualmente por meto do gaz. Emfim,
    sao melhoramt-ntos, mas preciso que os raelno-
    ramentos, acompanhem a expectativa !
    A assembl provincial fui prorogada
    vera, Antonio Jos Vieira, Jos Duarte Ribeiro, Jos
    Candido Aceioli, Pedro da ilva Reg, Manuel l'in-
    lo Barcellar, Joaquim Teixeira da 'ilva, Jos Fa-
    rias, Antonio de Azevedo Maia, Adriano da -ilva
    Cosa e Almeida, Jos Tavares da Costa, Jos Gue-
    des Nogoeira.
    - Passageiros do vapor nacional Paran, viudo
    dos portos do norte : Antonio Jos de Freitas,
    E. Gellet, Carlos Alberto Quadros e 1 escravo,
    Quintilliano Jos Henrique, Antonio Eidphanio
    Ferreira Lima e criado, Gustavo N. Fuado de
    Mendanca, Dr. Francisco Paurillo Pernandei Bas-
    to e 1 criado, Dr. Dumingos Antonio Alves Ribeiro
    e 1 escravo, Hyppolito da >ilva, Anglica da SilVa, \
    Rvd. vigario Antonio Das da Cunta e 1 criado,'
    Joao Pe eir da Motta Oiiveira, Basilio Leao Sa-
    raivi, Francisco Antonio Fernandes, Jos Lopes
    PeSMa da Costa. Victorino Antonio P^reira Vina-!
    ere, Claudiano de Oiiveira, D. Juan Busson, Joo
    Ba|itista de Carvalho, Antonio Joaquim da Costa
    Cartacho e 1 criado, Claudiano Dantas d Oiiveira,
    Francisco Ferreira de Novata e sua lilha, Firmino
    Antonio >oares, Joaquim Marques Dionzo, Fian-
    cisco Correa da -ilva, Jos da ilva Coelho J-
    nior, Antonio Alexandrino Lima, Joaquim da Fon
    seca e ilva, Manoel Gomes Moreira, 1 preso de
    juslica, 2 pracas que o escollara e 3 escravos a en-
    tregar.
    >eguem para o snl :
    O Exra. hispo do Para D. Antonio de Macedo
    Costa e 2 criados, Rvm. conego Luiz Barroso de
    Bastos, capitao Jos Joaquim de Macedo Costa, Io
    lenle de engenheiros Jeronymo Rodrigues de
    Moraes Jardim, dito Joaquim Rodrigues de Mnraes
    Jardlm e 1 escravo, Dr. Joai|uim Mendes da Cruz
    Guimares, Dr. Esmerino Gomes l'arente, Benedicto
    Jns dos cantos, Porfirio Manoel Birges, Fia vio A
    Num-s Vandek, sua senhora, 2 filhos e 1 criada,
    Antonio Gil de Almeida, Brasilizia dos Santos, .*a-
    muei Benayara, Albino Alvim do Rocher e 3 es-
    cravos, Urbano de Moura, Leonardo Pernra de
    Araujo Brito e I escravo, Isidoro Jos hVIfort. An-
    tonio Pluladelpho Thomaz de Freitas, J is Pereira
    da ilva, Jos Paulo de Freitas, Cyrillo Pinto de
    Almeida Castro, Dr. Manoel Carlos d--Gnu vea, sua
    senhora, 2 lllhos e 2 escravos, Dr. TVophilo Nu-
    nes armenio e 1 escravo, tenante Antonio Fran-
    cisco da Costa, sua senhora e 2 filhos. Manilla
    Mara da ^onceicao, 1 desertor da armada, 18 pra-
    cas do exercilo, a mulber de urna dellas e B es-
    cravos a entregar.
    Movimento da casada detenjo do da 2 de
    outubro de 1864.
    Exist im....... 355 presos.
    Entraram...... 11 >
    Saturara....... 11
    plena-
    Existem.......
    A saber :
    Nacionaes.....
    Mulheres......
    Estrangeiros...
    Estrangeiras...
    Escravos......
    Escravas......
    355
    j86
    5
    17
    1
    41
    5
    sita que lhe fez ao Para.
    DIARIO DE PERNAMRUCO
    fui prorogada por mais
    quize das, com especialidade por causa da lei do.
    orcamenlo Assomira luteriiiainente o commando dasar-
    Esta lei sofTreu alguns reclamos da parle do mas o carunel Francisco Telles Carvalhal de He-
    commercio desta praea, era consequencia de al-1 ue^s VaM-oncelios, directur do arsenal de guerra,
    guinas Impo.-icoes laucadas em differentes produc-' 10 Jo'
    los e industrias.
    Houve nina reuniao de denotados provinciaes ,
    de coraraerciantes, os quaes chegaram a ura accor-1 aa>r **,re ''*'
    do no laucaui^-nto das referidas imposicei. Entre- tanto a assembli foi presente a reprcseot.igao,
    ai|ui dunnminada do commercio, peta qual se v us
    Antonio Florentino Mindellu, idem.
    Miguel de Figueiroa Faria, idem.
    Ao sahir ante-hontem para Liverpool o pata-
    cho hamburguez Adelberto, mentio ao virar perto
    da fortaleza do Brum, e encalhou, conseguindo sa-
    I far-se com pequea avaria, quando encheu a
    Chegou a final sogunda-feira ao meio da o Apa, mar-
    dos portos do sal, sendo portador de tornaos a. Entrou, nesse mesmo dia, procedente de Bos-
    Bahia at 27 de Alagoas at 30 do passado. i t0D> vaPor inBlez !^ew Zeland, de 342 toneladas,
    Sob a rubrica Interior vai o resto das noticias P,ara ttuar rvao, depois do que seguir para
    do Kio trasloas peio Bearn. I ^'ew Zeland, onde vai ser empregado por urna
    Baha.l'roparava-se para seguir para a corte C0,nPanhia ali existente,
    o dcimo batalho de infamara do exercilo. | "~ Installou-so ha pouco na Capunga urna socie-
    Suicidara-se, na Mounaria, omeuor 'ergio da dade dramaiica sob a denominaco de Tlialia Per-
    Silva Yaz, caixeiro de uraa taberna, por lhe terem najnburana, cuja direcgo empenha seus esforcos
    sido roubados uus asents da casa. i ll'"1 de comecarera os trabaihos scenicos por todo
    Seguiram para L.ndres, 17, o lenle Bar- mez de dezeuibro prximo fuluro.
    ron, o aspirante Dyke, o ine*tre King e 88 pracas I A preparacao da casa dos espectculos vai adian-
    de tripolajo do vapor Folrida. 'adai 8 a -ociedade procura nao s dar ao thealro
    ' as commudidades convenientes um edificio de se-
    nielhanle natureza, como decora-lo com magnifi-
    cencia. EITectvamente a casa tem as proporcoes
    no
    de
    necessanas, e as obras que ahi b-m
    sentido de adapta la ao fira a que
    sido feitas
    applic.ada
    e Verdade
    experimenta-
    se acna to-
    adiADtado a
    das cacboei-
    effectivamen-
    pontos sobre que versava a roclainaca
    Quanlo ao commercio vai elle indo pur aqu mais
    desa.-sumbrado.
    A retirada de algumas quantias da casa banca-
    ra Mau. & C. ces>ou completamente ; mas isto
    fez sempre um mal ao commercio, porque esta
    casa nao recebe mais dinheiro em coala correle,
    e sini a prazos por meio de leiras, sendo o mesmo
    de 90 das.
    Os impertinentes, irreleclidos e terroristas fo-
    ram o que produzirai, isk) urna seuranca e
    prevideucia para a bancara, e por assim dizer
    nova restncjo para o commercio, pois que ja nao
    ha occasio de ir-so buscar a qualquer hora a'
    quantia que se precisas.-e, existente em couta cor-
    rente.
    Sobre as vanlagens e crditos desie estabeleci-
    meoto nao ha meimr duvida u inquielacn ; to-
    dos coriflam no nome principal que o distingue,
    assim como a praga em geral confia e trauquilisa-
    se no cavalleiro que a dirige.
    O Exm. presidente da provincia tem-se adiado
    nltimainefite bastante ioconvmodado
    que nesies ltimos das S. Exc. tem
    do counder-iveis melhoras, lauto que
    mando ares em Nazareth.
    Por oinuuanto nada mais se tem
    que lhe nolTciei sobre o ^rnitipment
    ras e navegaco do Araguaya.
    O official Parahybiiua regressou
    te muito e muito doenie de uier'nitiantes ; a loca-
    lidade produz semelhaiite molestia, e portanlo em
    certa poca ser difflcil a con-ervayo de gem-
    para trabalnar, alm de se orear era uraa porcao
    de mil contos, um trabalho regular [iara a promp-
    ta fu iiiade da navegaco.
    Presumo que nao ob.-iante lodos estes oes taca
    Jos, S. Exc. nao demove seus sentidos e projectos
    da navegaco do Araguaya, a communicar o Para
    com Goyaz.
    O Dr. rhefe de policia ainda se acha na enmarca
    de santarm. Nada anda se sabe ao cerlo do re-
    sultado da diligencia coulra o quilombo de Tiom-
    betas.
    Acaba de chegar de Lisboa para a igreja de
    Santo Alexandre, hoje i cargo da anta Casa da
    Misericordia, ura sineiro e ura carnlho cora oito
    sinos, para serein estes tocadns por msica.
    Teremos mais este raelboramento e diverso na
    nossa capital do Para, e de certo pauso que em
    nenhuma provincia do imiprro ha esta oovidade.
    Os sinos vo ser baplisados e colloc.ados por to-
    do o raez de novenibro, afim de serem estreados
    pela prmeira vez uo anuiversario oalalicio de
    >-. M. o Imperador.
    De poiilica nada por aqu se falla ; esto feliz-
    mente passadas as eleigoes, o com ellas todas a>
    anatas, todos os resentimenlos e decergo-s esto
    findas e esquecidas.
    Nao sei mais o que lhe diga; os proprios jor-
    nses estSo dota vez esteris, a nao ser a publica
    cao de alguns trabaihos da assembl, urna ou ou-
    tra correspondencia noticiosa de fra da provin-
    cia e algumas iranscrii gies, declaro-lhe que tudo
    mais foi aitrahidn pelo estrepito e passa-lempo da
    testa de Nuareth.
    Aqui, pois, fecho a rainha earta, uicluindo o es-
    tado da na vega gao no nosso porto durante esta ul-
    tima quinzena.
    NAVIOS INTRADS.
    12 Flor do Viz viudo de Lisboa.
    A junta directora da Associago Commercal
    e | represento", ao governo central, pedindo para n- presente, prometiera os commodos que sao para
    alim de que ete or-. desejar.
    (llre. joeue a Cana Filial desta provincia para conli-' O vapor Mamanguape, chegado sabbado de
    nuar as suas Iransaccdes de erapreslimo o descon- Sergipe e Alagoas, apenas foi portador das segra-
    lo, atienta a falta de numerario que ha na circula- 'es noticias :
    gao. Ha um auno para mais que esse eslabeleei- i Sergipe.L-se no Correio Sergipense :
    ment suspendeu as operaedes d'essa natureza. Na E,n ll0Dra ao dia de hoje (13) era que deve ter
    mesma represenUclopedio ao governo para lu8ar consorcio de sua alteza a Sr." D. Isabel, e
    conceder s Caixas Filiae> o direito de saccarera
    urnas sobre as oulras, para facililar-se as transac-
    goes das provincias era que ha taes estabelicimen-
    los.
    E' tala Talla de numerario napraga, que non-
    tem, i22) segundo nos coasta, forara regeitadas
    pelos baooo pequeas transacgdes cora excellentes
    firmas.
    com o excedente produelo da contribuigopara um
    mimo as serenissimas princezas, coofere o Dr.
    chefe de polica Daniel Aceioli de Azevedo, cartas
    de liberdade a duas criaogas do sexo femioino, i-
    ihas ambas da cidade de S. Christovo nesta pro
    vincia.
    Alagoas. Naufragara, no da 19, na barra da
    Lagoa, a barcaca Feliz Aurora, perdendo-se lodo o
    No dia 13 do corrento houve em Caravellas' carregamenlo no valor de 30 contos de reis.
    muito mau lempo, acumpauli ido de chova de pe-1 Foi nomeado engenheiro fiscal das obras do en-
    dras, que dnmu cerca de tres horas, causando canamente d'agua potavel, o Dr. Carlos de Mornay.
    grandes estragos as casas da cidade. As aguas! Falleceu, em Porlo Calvo, o abastado proprieiario
    do rio Hcarain de tal modo revnltas, que formavain Antonio Virissimo da Silva, sera descendencia lt}-
    graudes ondas, como se encontrara era alio mar gando toda a sua fortuna ao commendadorJacinlho
    durante as borrase-s. As emharcacoes soffreram, Paes de Mendonga.
    rnuito, e>tiveram algumas ao poni de se perde- Amanhaa termina o prazo mercado para a
    rein. j inscripgao do concurso cadeira de inglcz do
    O cambio Brava : sobre Londres 27, sobre curso de preparatorios da Faculdade de Direito.
    Pars 330 ris, sobre Hamburgo 680, e sobro Por-1 Na segonda-feira ultima enc.erraram-se os
    luga) 97 e 98 0|0. trabaihos do auno lectivo do Curso Commercial
    Saturara para Pernambuco : 15, a escuna J Pernambucano.
    Carlota; a 21, o patacho Furico; e a 23, o pata- Fnava carga no Rio de Jaueiro, para o
    cho Ulysses. i nosso porlo, a barca Rio de Janeiro.
    negaram, procedentes d Pernambuco, [ Shirara desse porto para o nosso : 9, o pa-
    23, a barca H.inburgueza Ingeborq, e a escuna ,aono hespanhol Paula; a 13, o brigue Castro I;
    355
    Alimentados a eusta dos cofres provinciaes 142
    Movimento da casa de detengao do dia 30
    de outubro do 1864 :
    Existiam....... 335 presos.
    Entraram...... 7
    Sahiram....... 4
    Existem....... 338
    A saber :
    Nacionaes..... 289 >
    Estrangeiros... 5 *
    Mulheres...... 17
    Estrangeira.... 1
    Escravos...... 40
    Escravas...... 6 *
    358
    Alimentados cusa dos cofres provinciaes 143
    Movimento da enfermara no dia 31 de outubro
    de 1864.
    Ti vera m baixa :
    Marcellino Bezerra Torres, gastrite.
    Manoel Das da Paixo, syphiles.
    Luiz Antonio do Nascimeuto, rheumalismo.
    Tiverara alta :
    Manuel Jos do Nascimento.
    Pedro Antonio Mariz.
    Obituario no cemiterio publico no da 29 de
    OUTUBRO DE 1864.
    Sabino Sydronio do Nascimento, Pernambuco, 26
    annos, soteiro, S. Jos, cereffrite chronica.
    Manuel, Pernambuco, 6 das, Boa-Vista, um tomor.
    Marcolino Novaos da Rocha, Babia, 23 naos, sol-
    teiro, Boa-Vista, tubrculo pulnv nar.
    Jos, Pernambuco, '8 mezes, Boa-Vista, convulso.
    Agostinho da Silva Torres, Portugal, 24 annos, sol-
    teiro, Ba-Vista, hepatite.
    Manoel Candido Hennques da Silva, Pernambuco,
    50 anuos, solteiro, Sauto Antonio, gastro hepatite.
    Auna, Pernambuco, 14 mezes, S. Jos, asthraa.
    Joo, Pernambuco, 2 annos, Santo Antonio, asihma.
    Maria Benedicta Magalhe* de Figueiredo, Pernam-
    buco, iii annos, casada, Pogo da Paneila, pneu-
    mona.
    olhos d alma, sacudir o p contrahido na carreira
    de suas aegoes 1 Nao respeitavel senhor, mil vezes
    nao I
    E' preciso que V. S. falle elocuentemente para
    engrossar o patrimonio dos seus raerecunentos, e
    vencer a impaciencia do publico que o espera I E'
    preciso mesmo que V. S. lome a durindana do
    Quixote, senao o proprio nome a heroc lade, e a
    alma vivificante daquelle mraortal vario I
    A fama tem as suas cera tubas proraptas, e pre-
    cisa smenle que V. S. com as suas obras Ibe con-
    tinu o assumpto para que possara ellas acorapa-
    nha-lo e.engrandece-lo I...
    Faltara ainda a urna obrigago, respeitabilissiioo
    sennor, se deixasso de sentir os loc.m.idos de
    V. S. por haver roubado aos olhos o somno, e ao
    corpo o neeessariu descanso; mas quasi Um asse-
    guro que sao etles bera merecidos. Semeu V. S.
    com a lingua sigan espiuhos, bora que os recu-
    Iha agora como frutos !
    Sabe perfeitamente que eu nao costumo lison-
    gear ninguem, tanto mais a V. S., pois por muito
    que lhe lizesse nao faria mais do que Ap dio. que
    para guiar-se as margens do IV me-so, langa va man
    do seu incansavel Pegaso, cujo origiual tem querido
    V. S. copiar era si 1
    Conheyo, esliraavel ssnhor, que devia ser mais
    abundante em elogios, para quera Dos, lera feto
    to singular era dotes ; mas ainda por esse mo-
    tivo que eu pego ura obelisco par* V. s., uo qual
    possa inscrever pelo seu proprio puuho a segrate
    apophlbegraa de Macedo :
    Conserva a estupidez d'alaia no centre,
    Se burro por fra, mais por doulro t
    J v, respeitavel senhnr, que eu sei reconimen-
    da-lo dignamente aos futuros, pois so de>ie raodu
    podara V. '. possuir um thesouro de publico e iu-
    estimavel aprego l
    Entretanto como V. S. nao perde terapo em ob-
    sequiar-me, nem eu o quero perder em servido, nao
    desejo tambem deixar no liuleiro um couselho,quo
    bera executado, lhe pode ser til a proveitoso 1
    Rena V. S. todas as rainhas cartas, escolba to-
    das as suas Dores, forme com ellas urna corte r
    collocando-a na fronte saia ra, que ver V. S. o
    cortejo pomposo que o acompanha 1 Euto os pa-
    rabens sero exponlaueos, os elogios raulliplices,
    emquanto a pessoa de V. S. carregada le brilhos,
    far cegar de inveja a lodos os seus iniraigus I
    Mas... que ougo eu f... Que echas funerarios
    rep. rcutem os siuus ?... Que extrauho movimen-
    to nos chama a ra-a do Senhor T...
    Sim, ah vejo uirn ga I Por fra sao tudo gal-
    toes e telas, por dentro ripas velhas e lixo !...

    Ura cerebro!... um e lueieto I... qoe objectos
    sao estes que se rae antolham ?... aonde as suas
    entranhas T... aonde as suas presumpges t...
    aonde o seu odio T... aonde o seu pedantismo T...
    Vaidade I miseria da vida humana I... Vai meu
    espirito, allumiar aquelle cerebro!... Vai dar
    calor aquelle fri esqueleto 1... Vai... all te
    implora elle urna esmota espiritual I... all te
    pede elle mudamente uraa lerabranga para a sua
    alma I...
    Por ti correm as minhas lagrimas, a Dos sup-
    plicarei pelo teu descango I...
    Mas, aonde iria o Densamente esquecendo o meu
    recommendavel amigo que ficou com a bocea aber-
    ta a minha espera, e que nada lera cora o da de
    finados I... Cora que olhos lera V. S. e>ta caria
    humedecida de pranto. e fechada com o sello da
    tristeza I Nao / Esquela V. S. todos estes sen l-
    menlos que se as vezes do luzes, outras (iran a me-
    moria. Amanhaa apparecera o co sereo, e bn
    Ihar V. S. de novo com os seus penetrantes raios,
    pois como nao ha qualidade de ar nnpenetravel
    aos mosquitos, assim igualmente nao haver canto
    a que nao ehegue o seu resp endor 1
    Aceite V. S. estes remedios, effeilos sinceros de
    minha amiade, que desoja fortalecer o seu espiri-
    to, j que nao pode dar vigor ao seu corpo enfer
    mo I Dos nosso Senhor guarde a respeitavel pes-
    soa de V. S. por longos annos.
    cu respeitador e criado
    Ordrage.
    Da dos Finados, 2 de novembro de 186'.
    iOMttNiiBS.
    Hollndeza C. Voelkel, cada uraa cora i das.
    -o-tg>-
    Temos a vista cartas e jornaes do norle do im-
    perio, trazidas pelo vapor Paran, alcanzando :
    os do Paia 24, os do Maranho a 23, os do Piau-
    liy a 20, us do Ce..r 29, os do Bio Grande a 30
    e os da ParahyNa 31 do passado.
    Amazonas r para. A carta de nosso corres-
    pondente narra quanto ocenrreu.
    Maranho. Fallecer, pos longa molestia, o
    desembargador Joo Paulo de Miranda.
    L-se no Paiz :
    Aute-hnniein (19) annivcrsario da sagrago
    do digno prelado da diocese maranhense, o Exm.
    Sr. D. Luiz, foi S. Exe. compnrneiilado pelos Srs.
    conegos e mais sacerdotes aqui residentes, pelos
    vice-reiUu es, lentes e alumnos dos ,-eminanos de
    -anio Anlouio e Nossa ^enhora das Mercz, pelo
    Sr. capitao Neves, director do cullegio episcopal
    de Nossa ^enhnra dos Remedios e seus alumnos,
    pelo sr. commandante e mais ofQciaes do corpo
    de guarnig-, e por umitas oulras pessoas.
    i hainamos a altengo para a carta do nosso cor-
    respondente, que vai em outro lugar.
    PiauhxJa era condecido o resultado dos col-
    > BncUrutrass New York.
    13 Garibaidi i Pernambuco.
    14 /lini-la i Liverpool.
    1 Irots frrts M ratiho.
    19 Ligeira Lisboa.
    22 H'innover Maranho. Rio de Janeiro.
    > Paran i
    NAVIOS SAH1DOS.
    10 Oyapock para o Ri> de Jaueiro.
    11 Pastaza > Per i.
    li Volunt New York.
    > Amuzun Li-tioa.
    13 Beau/eu > Havia.
    Ji Curete Maranho.
    15 Julia N^W-York.
    Inca Uemerara.
    16, o lugre portuguez Julio; e 20, o briguees-
    cuna Principe D. Affonso.
    Cliegou ali, procedente de nosso porto, a
    barca Habana Affezione, com 12 das.
    iepois d'amaoha se extrahir a segunda
    1 parte da terceira lotera do theatro d- Santa Isa-
    bel ( 114-), sendo o maior premio 6:0005000.
    Passageiros do vapor brasileiro Apti, entrado
    dos portos do sul :
    Policarpo Joao Rodrigues de Miranda, alferes
    Carlos Ignacio da Kosa, Theolonio da Silva, Joa-
    I qunn Jos da Franga, 2 escravos e 1 criado, Ma-
    ' noel Joaquim de Campos, Jacomo Baggi de Araujo,
    Salvador Borges e 1 escravo, Jacintho Fehronio Es-
    meraldo e 1 escravo, Francisco Pires C irreia de
    Arago, Jos Lcopodino de Queiroz e 1 criado,
    Herculano Martalh Franco, Domingos Rodrigues
    Guimares, Jos Izidoro da Silva Galvo, Bento
    Jos de Moura Guerra, Antonio Pereira Valladares,
    Luiz Rodrigues lutra e 1 escravo, Jos Augusto da
    VeigaOrnellase 1 escravo, Begnino Dantas de Bri-
    to e 1 escravo, Camillo Aceioli de Vasconc-llos,
    Jos Antunes Guimares Netto, Jos Marcellino de
    Souza, Francisco Lourengo de Araujo e 1 escravo,
    Jernimo Lourengo de Araujo, padre Jos Pinto do
    Almeida, Manoel Joaquim Cantoso Bahia. Manoel
    . o n _
    legios de Therezina, Campo-maior, Unio, Marvo, de Cerqueira Mendes, Anstildes Augusto Cesar Pi-
    Valenga e Barras, na eleigo de um senador, sen- res. Dr. Francisco Pereira de Almeida *dro, Kir-
    do votados os Srs.
    ( ouslheiro Paranagu................. 93
    Dr. Antonio Burgos...................... 93
    Coronel Justino Mnura.................. 83
    Dr. Fianchco Salles.............. 10
    Ckar.Q ando se discuta um requerimento
    do padre Verdeixa, pedindo algumas informagoes,
    na assembl provincial, houve grande disturbio
    entre os rteputados.
    Bio chande.Nada occorreu que mereca meu-
    gao.
    Parahtba. Escrevem-nos o segninte :
    c l na priso importante acaba dn ter lugar em
    Bananeiras, e f..i a de Severino Dantas do Araujo,
    mino Lopes de Castro, Benjamim Arisiides Fer
    reir Bandeira, Jos Augusto Barbosa Coelho o 1
    escravo, Manoel Jos do Naselmentn, Tito Antonio
    da Cunha, Quinteiro Ferreira da Silva, Joo Ro-1
    drigues Ferreira de Carvalho, Jos Antonio Pereira)
    Filho. Antonio de Oiiveira, Manuel Alves Das, Do
    mingos da -ilva Bamalho, Guilherme Jos Machado
    Antonio Jo.- de Araujo, Antonio Albino de Bar-
    ros, Manoel Baptista de Oiiveira, Francisco Vidal,
    Antonio Morgado, Conrado Affensandt, Dr. Jos
    Manoel Bispo, 1 escravo a entregar a Joo Alves da i
    Cruz, 3 pragas do exerct >, Pietm Brunone Bartho-
    lomen, alferes Carlos Felippe Rabello de Miranda,
    Henrique Theber, Dr. Antonio Gongalves da Justa,
    Me all j morava a 5 annos com o r.ome de Ma- 1 criminoso e 2 soldados que o esddtam, Jos Do-
    nuei Pereii a d'Araujo. Sendo interrogado, nao s mingues, Gamillo Norat, Daniel Abraho, capitao-
    pelo subdelegado de Banaueiras, que o prendeu, lente Antonio Ernesto l.assanse da Cunha, alfe-
    c-ino umbrin pelo Dr. chaf te polica, visto co- res Manoel Antonio da Silva, Joaquim Ignacio do
    mo j so acha rerulhido cadea desta capital, Almeida, tenente Pedro Gomes de Oiiveira e sua
    eoufessou que seu verdadeiro nome era de Seve- senhora, Luiz Alves, Jos Segundo de Campos, In-
    rino Dantas d'Araujo, e que o tinha trocado por no. enclu Ganda Rosa, Paulina Mana dos Prazeres,
    aquelle outro, porque sempre lhe altribmramo Theodoro Hibeiro da Luz, Oresto Francisco de Car-
    ur que ha anno levou o fallecido coronel Estevo valho, Nicodemo Muhetalzelo Jos Dia- Ferreira,
    Cavaieanti m tugar Cruz das almas -deGoy- Mari Liboiala Loite, Rodoipho Feche, Silvestre
    anua, mas que os autores do lirn foram Jos Pe- Jos Fernandos, Antonio Bellarmino Jnior, Ro
    reir Antonio Pereira eJo< Pelippe, sendo que drigues Barbosa, Joaquim do Azevedo Villarouca,
    elle e estavam >s autores, e que depois desse acontec- Ennino Evangeli-ta de Araujo, Manoel Gongalves
    ment oh've e>codl'to nos maUos para mais de Manins, Jos Marques Caneg.il, Anlmio da Roe ha
    10 annos, sabindo ltimamente com aquelle nome, Lras, Cesar Augusto, Vicente de Rezende Francel-
    porque leudo sido morto um horneen na ladeira 4o liuo, Francisco de Oiiveira, Manoel da Costa >aca-
    Ulan Mr. Joaquim Gerardo de
    Bastos.
    Respeitavel Sr.Se as leis do mundo se obser-
    vassem, muito lempo ha que V. S. gosaria o premio
    que pede a Justina para os seus importantes mere-
    cmmtol Se esse premio, porm, eslivesse em
    I miabas raaos, confesso-lie que nem V. S. se havia
    de euvergonhar, (se de tal cousa susceptivel),
    nem veria offendido o seu alto nome pelas graves
    censuras dos miseraveis 1
    Eotreiauto, o que mais me tem admirado o
    animo de V. S. malleravel a qualquer accidente
    no caraiuho de suas glorias, para em tudo seme-
    Ihar-se aos colossus, que sao sempre grandes, em-
    bora estejam humilde ou altamente col locados I
    Sira, respeitahilissimo senhor. To grande foi a
    !confuso era que rae deixarara os rasgos estrepito-
    sos de sua portentosa facundia, que por pouco li-
    caria reduzido ao nada, que urna copia do cahus
    em que nenhuma cousa tem forma I
    I No entauto, agarrando-me a V. S. com os olhos
    firmes as suas respeitaveis orelhas, nu obstante
    a perseguigo das moscas que as inquielavam, eis
    me sao e salvo, no meu posto de honra, nao menos
    para servir a Dos, que aos judiciosos preceitos de
    sua resplandecente pessoa I
    Sim, recommendavel senhor. Pela physionoma
    dizera os astrlogos (como V. S deve saber), que
    | se conhecem os genios ; assim dizem outros tam-
    bem, que pelos escriptos de qualquer individuo, se
    cunhece perfectamente o seu carcter. E' por essa
    i razo que refleciindo ura pouco nos rasgos d'escadn
    bmixo do seu assorabroso intellecto, pude chegar
    a descubrir que nasceu V. S. de uns pas, a vera
    do uns ascendentes taes, que neeessariamente de-
    viam ter felo a gloria aos arneiros do seu lempo,
    seno honra solemne a tuda a Ilustre familia I
    Siulo, (com pozar o dig) que V. S. queixaodo-se
    doloroamente de minhas letiras, erapregasse para
    cora esta humilde creatura, urna linguagom disco-
    ohecida e corrupta, Imitando de modo vergoohiso
    o Dujeuto, a vil ra que so debate no lodacal im-
    muudu dos charcos I
    Siuto, v-lo perder to cedo a razo, para de mao>
    as ilhargas, como urna lnchela atrevida, e-canca-
    rar a bocea, a esgotar desse cano, em pleno dia, o
    I vocabulario repugnante dos convicio- I
    Siuto finalmente que os seus retumbante i pala-
    vroes, filhos de urna demencia prematura, se. asse-
    sselhassem a uraa roda de fogodo artificio, no cen-
    tro da qual se colloeou V. S., que o demonio intra-
    ta fazer grande e pavoroso, quando Dos o creou
    mesquinho e imperceptivel para o mundo moral I
    Mas nao se atemorise V. S. com o s-u proprio
    espectculo, nem se persuada que sao escuras tre-
    vas, urnas leves sombras que mais o tera feto bri-
    Ihar, que impedir os raios maravilhosos de sua
    luz I
    Descanse, meu respeitavel amigo. E' necessario
    animar um pouco o seu espirito, quasi raunbundo
    pelas lulas que o tem enfraquecido; porm eaono-
    le-se V. S, porquanto o animo do hornera forte nu
    cabe aos primeiros golpes dn infortunio I
    Agora, vista-se V. S. cora a veneravel roupa de
    ehrlsto, e cpphcaudo-se a Alchimia, que ensraam
    a virtudes, tenno f que transformara o celebrr
    chicote das suas iras, era orvalhos de feliiidade,
    nao menos para minha sati-fagn, que para gloria
    dos socios do Gabinete Portuguez, que ainda re-
    correndo aos oculos, o contrauam a admirar e ap-
    plaudir I
    Mas, que digo, senhor t Aeonselhar V. S. a que
    deponha a sua penna t Dizer- he que dospreze us
    J comegam a chegar da Europa as informagoes
    que pedimos relativamente carta deexame, que
    apresentou o subdito hespanhol Epiphanio Astu-
    dillo y Bussams, para prov.r que elle poda usar
    do Ululo de doutor em medicina e cirurgia. Abai-
    xo transcrevemos o olllcio, que acabamos de re-
    ceben pelo vapor inglez Owila, do enearregado
    dos negocios do Brasil na Hesuaaha, o Exra. Sr.
    Antonio Jos Duarte de Arau;o Gondira, e l'n'a por
    este raudo confirmad1} o que por vezes disserans
    era artigas pablioadoS nosle Diario de Penvimbu-
    o; isto que essa caria de exarae, da qual remel-
    lemos copia authentiea para Madrid, nao lhe con-
    fera o grao de doutor, e por esta raaSu nao poda
    elle usar desse titulo sem infringir a dispusigo dn
    artigo 301 do cdigo criminal.
    Eis a copia do nflico, que recebemos e se acha
    revestido du sello da Legaco do Brasil era Ma
    drid.
    s Madrid 4 i setembro de 1864. IHm. Sr.
    Acenso a recepoio da caria cun que V. S. rae hon
    rou era data de 13 de agosto ultimo, acompaulian-
    do copia de ura diploma passado pela Junta supe-
    rior governativa dos reaes eoUegios do medicina e
    Cirurgia deste reino era 27 de margo de 1834, a
    favor de D. Eptphaato Astudillo y Bussams; e
    pergonlando-me se o mesmo diploma coufore ao
    inloressado o ttulo de doutor era medicina
    t Informado competentemente sobre o assump-
    to, nosso declarar a V. S. que, a nao posutr o re-
    ferido Sr. Astudillo y Bussams outro diploma, nu
    li-ui o dir.lo de ssign.ir-se officialmeule -dou-
    tor era medicina; por quanto esse que anre-
    -euta, e do que V. S. rae mandn e,>ia, s lirada
    o titulo de licenciado cora a f.-cuidado de exercer
    livremente a medicina. Quasi todos os mdicos
    iue nao aspirara ao lugar de lente da faculdade se
    contenlam cora o simples tiluio de licenciado, que
    Ibes basta para o exercicio da sua pro(iso. Para
    o Ululo de doutor uecessitam ura anuo mais de I
    estado da historia medica, no lira do qual defen-
    der urna these, pagando, alm disso, pelo diplo- i
    ma d^doutor direitos bastante elevados.
    E' tudo quanlo sobre o assumpto posso infor-1
    mar a V. S. era respo^la a supracilad sua caria,
    prevali-ceiido-nae da occa.-id para nlferecer-lbe as
    expre-soes da iniuha distucta consideraco.
    Illin. Sr. Dr...........
    * Antonio Jos Duarte de Araujo Gondim.
    E anda se querer faz-r crer que o Ululo de
    licenciado corresponde, era ilespauha, ao de te*
    tor, e que quera tera aijuelle p le usar deste, curan
    Uzia o Sr. Astudillo y Bussams f E" assim que se
    'lestruein allegacoes que nao lera base, e se na al-
    guma cousa, que deva aflligir quera tem ura pou-
    co de bro, ver cahirem por falsas allegaces
    sunilhautes.
    Deposse deste documento offleial, periiintare-
    mos a esse, que na audiencia do delegado de poli-
    cia do>la cidade diese verbalmonte, que ossas as-
    sergo s eram calumniosas, qual pode ser a nossa
    reiribuigo, haveudo provado com documentos ir-
    reragaveis que o Sr. Astidillo y Bussams fui por
    vezes reprovadoem exaraes de sulBciencia passa
    dosperaute a Faculdade de Medicina do Rio de i
    Janeiro, e nao doutor em medicin e cirurgia'
    pela Faculdade de Malrid, como duia ni altes-
    lados ; e perguntareraos raais que crdito po lera
    merecer as afflrraages ofll.-iaes doSr. Camillo do|
    Audrade que disse era coinmunicago dirigida ao
    Bxm. presidente desla provincia que o lefendo
    Sr. Astudillo y Bu>sams era doutor em medicina
    pela Faculdade de Madrid f
    Po nos disposico do Sr. Dr. Martins Pereira,
    ou de qualquer autoridad.-, o original uo s dcsle
    uflkiu seuo de todos que exislem em nosso po-:
    der, e o asomos, por que nos parece que lodos
    osses documentos se toruaro precisos na raslau-
    ragto do novo processiv que lein le ser feto vis-
    to que foi ju'gado nulb o primeiro por luco'rape-
    leiiea do escrivo.
    U do Sr. Jos Teixeira Bastos, qoe afean ram
    crevo, lenho respondido a esse ndwato aonn.. .i
    vaccas. Quanto a eserlpinra do arreadaaHab
    ora completo de faisida-les -. porque a ariatan T
    cnptura que i, maodei eelebra-U em aoate a>.J
    infeliz iruiao, isso nicamente por dihVrern-a a...
    e todos os |>agameotos relativos a eso* ioj]_i,
    foram por mira felus, romocosMa oo araatr.
    tos exisiedie, era meo pod-r. ante* parea V tea-
    bsar o primeiro contrato, filiando apestas 8 me,..
    cuja iui|wruncia en ja havia pago, e -frai j.
    os proiirieiarios, alm disso, man a |inaau 4,
    800^1X10,1 onrord.iram rommig > faier um arrr.
    daiih-uio p..r dous anmo, na razi de i'NjJmi n
    re elTectivainente foi felo em mea mmr. -
    cnptura celebrada no rartorlo te lateNiao Cana
    Mouteiro, onde por parte los proprieta o* nh,
    vara o Iilms. rs. Dr. J..se Tiisaira a Lat b.
    eaJSM Foi reir Pena (iitl.-lega4o da frrgarasa>
    du Recife) para eff. cluarem dito ntatrutu, casa a
    eiTcciuarau.
    Nes>a occasio pedi en ao Sr. Pena uraa 4-
    rara., para poder disiHir da ca-a. o ate sacar.
    cedendo-a a quem me a.iroTesse, visto ulafae
    propneiarius pago- dos dilos otto awaa a tai
    declaragao se acha em meu poder. PaaV ais* a>a
    degenerado irmo dizer quanto Le uuizer
    que nada mais lhe responder!.
    Cou.Mdeo-o mono d,;de o m.morat 1 a^ ra
    que mandou citar minha boa e rrs[eiiavrl m.. a
    tanto arrujaudo-se mesmo viveado coa la, ao
    suas e>peiisas.
    Recife 31 de outubro de l%v
    Adulph. Robertn li-jop."1" ~*~-
    IHm. Sr. Jos aara Ba>to. Km referen. '.
    ao que diz o ueu mi Iu irmo no bwrto a> laae
    digne-se V. -. dizer-me se em a'gun a a en r.
    ibe sobre algum negonj de vareas, ou ootr-i .p..
    quer : peso a V. *. lirenca pira fazer de ua re
    posta o uso que Ibe coovier.
    Sou cora alu erlima e considerarlo, do '. -
    ltenlo venc ador o criado.
    Adulph Roberto atoop.
    Recife, 30 de outubr de 186,
    III o. Sr. Adoipho Rod.dpbo Roop.Eos ra*ao>u
    ao que me pede tvnhw a dizer a V. S. qoe ras lem-
    po algum loamos negocios dequaiqutr aaiui...
    Pode V. >. fazer o uso que Ibe convier resta a.
    ma resposla.
    De V. S, venerador e criado.
    tose Teiieira
    Recife, 31 de outubro de 1864.
    12log!o fumemre a asseasasM-la atoa
    Ion* amalare visita- ral bol
    co-ciemtlfleaa slrn aecml* \t \
    HotUe km eras li*t.
    Nao venbo aqu, senboro, neU hura Mira*.-
    ostentar eiudigo, como em pocas |>aadas ,
    zeram em igual assaiuptu as laieilifeacias ar 1
    giadas dos eloqueutei dossuet, Ma?-iloo, aVra.
    Ion ele.; a e.-te foi concedida e ao a aiii a
    revelago tu ceos luystrnos pela bocea de tea.
    Poresn, se permitudo que um fraco rafee*
    mas apostlo do Genio, ferino pelo bruno > doaa
    astros rutilantes, aulle um brado aasrido d'auaa
    enlo (onceda-sc-lho o indulto de poder ripi,n ,r
    sem atavos e elegaoria do e>iyk> o qoe sraie c
    corago.
    A morle, senhores, acaba de exercer seo ernei -
    fatal de.-poiiuio, arrancando do ooav seta dea
    manceao na primavera da vida, rico* i* smasai
    e bons costumes, verdadeiros aihleUs da raruiaa-
    dade I...
    Aluda hon tem recebiam esles hroes Ano ca
    lio, risos,Iestase ovaroet; hoje jazem ^Tabr^
    insoudavel do nada: vt-rdadeira rorhl .arabia i-
    trislo numanidade .'[...
    im, senliores, o Sr. Joaquim eo r. Mr
    nao existen) !ll...
    E>les dous abalisados eucyclopHislas caOv.nr
    do preseule seculo, e fortes columnas da n-
    ligio, cahiraiu por ierra a voz de Dto
    do na queda o impo Renaa !(_.,
    .......-..,..
    Na ierra v re rain coma os safeios 1
    morte morrerain como os justos morrem ..
    nias domarlyri !!t...
    Eutre mullas obras que deixaram, citam-se
    primeiro : Um IraUdo de ptiilosopnia em ae
    prova cora uraa lgica estragadora, nao po.1 r !u
    ver arre/irmlimi-nto anles da culpa, --trtato ein
    cinco miiiutusd amigarel OHteruno omn .
    que na ida.ie de 17 unnt; a voluoih
    sexo, da origen a certas causas m Ma- me
    produzem o somnambulismo P-it h
    acompauliado de repolidas falL.s de ^a-
    uiuin.
    Deixou-nos mais, um Compendio dt Mfcv
    aonde enana a maman de orrever ,om nacaf
    a paciencia dos leitores com estirajes artmm : -
    urna paiodta no lira do me.-mo a obra de Man
    (-servantes, era que D. QmSule desatia os main.-=
    de vetito tora a sua lerrivel dunnd.ina
    Emlim oulras rnuilas abra., d.- uiilidade p
    para a rebgiao; usos e costumes de Mitos o pov .-
    da Ierra. r
    Do segundo existe: Ira trtalo ,-,
    loxtcologut, e ., que desereve com pr .fe-, ,,,-
    cii.z scicuulica a propnedmte /.. ultt, :
    neuos, i-rovando era, tuda a tea le un ndaw.
    rwiocmw, Mue o maior e mais corrmno re, m
    dmvenaw frmmetm, nao sendo manipulado ou
    pieparado por chimico portuguez, m *sa
    prieda.les tuxi.as, ao sao iui.-ulada -u ai
    da, ,-.!;, economa humana tinadas. ^
    Como Poli/gloto eximio, escreveu e publleaa aa
    bem eloborado trabalno s.bre |.-las a, l.agna vi-
    vas, semivivas, moribundas e morta, aa tal
    inostro 1, que o idioma francez que na tmt- se,
    tos era una lingua universal, buje exi,i- ,.H
    meiile morta e e.-quenda de todo, a paafc7-*r
    pr.eiso recorrer aos sabias e polurapl,
    a arciieologia auraismatica prensa trntarir sw
    liereugiphicoi.
    -obre tudas as obras, porm, qoe escraves. ae-
    nliuu,M,.ereceU mais a admiraeo e i.w ,uw..
    ment da mas contemporneos, do ,me a rrioHiai
    das .mp.edade que sobre a vida do Ckruto e-rrevea
    L. Renn1 ah deixou transluzr retulambo
    a sua cora de lona de amor afmate na.-4raa.io
    ao inundo ltala um maja de CtulrauferiaaW
    mu ierras de anta Cruz.
    Eis aqui, senhores, os doas luzevm UMermr-
    que baixaram a sepultura enire as brmam aV I*-
    dos, para Hgurarem com ama aureola d m*rtm,.
    na mansao dos justos, enlretmto que a Um .
    suas obras lhe evanu um padro .mm*,;.
    Pai.lh.-on dos sabios.
    ,.n? "o'". O"*'**'-- n9fM font>Poraneo. disflmrfc)
    por >m laleiiio particular de pan^iriMa a.,der
    no ota enrarregado de escrevTf Uooiaplaa
    tte>4rs assombrosos genios luzUnos
    (-horemos romo o bom Herarluo tao Tai;
    peda, curvando al ao chao nossa froate aihva
    ame os decretos do Senbor.
    Disse.
    2 de novembro 1864.
    ir
    PUBLICARES A PEDIDO.
    Paslllha Termln-aa dr kr.P
    Chau.anios a attei.co de todas a m.s Mra
    raamam ama agradavel e un. que se rSarVe
    paiafaierexpeluras lon.bnias-a, la^lhaTver
    ".foga>de Kemp. Em vez'de lodU **.
    muuuo, a pengosos remedio, aSSaS^aa
    poMo>deiooaa,a,iade m.nerae* ?, rmtiT,
    um .elido,, ,-onfeiU, veaeU. promj^e^SSee
    oa sua operagao. nao causando nao-ea Wia-
    commodo de qualidade algn vSLmX^sl
    pro O se. i-ITeitudun.an1anel,a Em*IS.
    mesmo no caso de nao *M,rrn"^SwlSS f
    baimenie .oinam-se e.las avnl?n2m?al
    pi11 de Unnlia, os quae arharo r,iaa paMfeas
    tea. teTfimtt d" *" **"' *
    C6HHI1CI0.
    Doe-me no fundo
    - d'alma a maneira vergnnhosa
    despeos de suasorias! Anima-to a ver com os SW.iaBSfa 'Sra'a'SpoI:
    Alfamalega
    Rendimento do dia I a 29 1 nnam
    dem do du 31............".;; ^j
    ijm.mma

    .
    MUTILADO


    /
    Alarlo de Pcrmtmbnc Qnara elrs 9 > \orembro ii 1S4.
    ?l ovlmcnto da alfandega
    yolumes entrados com faiendas... 34
    , com guaros... 164
    Voluraessabidos com faiendas... 163
    * com gneros. 573
    198
    ----- 736
    Dcsearregam no dia 2 de noveubro.
    Escuna hanoveriana Frrderichmercadorias.
    Barca francezaSaneo Andr fazeodas.
    Bnwe ingle*Mihemtcbacalho.
    Galera francezaSoZ/crinofaiendas.
    Escuna bespanbolaVtrif de mtn Serratvlnhos.
    Importarn.
    Vapor inglez Memnon, entrado de Liverpool,
    consignado Saunders Brothers & C, manifestou
    0 seyumte :
    1 raiza objectos de escriptorio, 10 fardos e
    1 i caixas fazeodas de algodo; a Mills Lateara
    * C.
    3 fardos e 44 caixas fazendas de algodSo, cha-
    peos Je sol etc.; T. Je (feries.
    to fardo.- e 22 caixas fazendas de algodao, len-
    cos de dito, mantas para cavallo etc., e 6 caixotes
    figos; a ordem.
    '.' caixas e 2 fardos fazenda de lioho e de algo-
    jo ; a E. A. Burle & C.
    ; frdos e 8 caixas fazenda do linho, de laa,
    cobertores etc.; a Phipps Brothers.
    18 fardos e 2 caixas fazendas de laa, de algodao,
    jV iU i e linho, de algodo c laa, etc.; a R. Light-
    bown i C
    77 fardos e 17 caixas fazendas de algodo; a
    Scmpson A C.
    ' fardos e 4* caixas fazendas de algodo ; a
    Greenup Schwnid & C.
    2'j caixas c 3 fardos fainadas de algodo,
    1 caixa queijos, 100 barrs raanteiga; a Saunders
    & c
    17'.) caixas e 69 fardos fazendas de algodo ; a
    J. ltyder A C.
    -_l caixas e 21 fardos mantas de lia, cobertores
    e lateadas de algodo, toalhas de linho, e alpacas;
    a Theod ChrisliaBseo.
    lii caixas e 7 fardos fazendas de algodao, de
    la;i, cotierlores, toalhas, e lencos de algodo, objec-
    los Je escriptorio; a A. C de Aereu.
    O) eaixa champando; a Duarte & C.
    3 fardos o 2 caixas fazendas de algodo, cober-
    xi raizas e 1 fardo fazendas de algodo; a Per-
    reir & Matheu*.
    70 caixas e 2 fardos fazendas e chales de algo-
    dao ; a Sotithal Mellors & C.
    ;i ctixas fazendas de algodo, e de seda; o Vaz
    & Leal.
    ;t caixas e 1 fardo flanella, luvas ae laa, merino
    e alcatifas; a L. A. Siqueira.
    11 caixas fazendas de algodo; a Adamson
    llowie & C.
    2 caixas e 7 fardos fazenda de algodao; a Mello
    Lobo & ('..
    70 caixas e 61 fardos fazendas de algodo, de
    laa. e alpacas; a Ferreira A Araojo.
    2 raizase 12 fardos fazendas; a Garneiro &
    N'ogueira.
    4 caixas fazendas ; a Izidoro Xetto & (,.
    lti caixas e 1 fardo fazendas de algodo, de lia,
    Cliarinbos etc.; a Joo Keller & C.
    1 i'aixa rc'logios; a S. I Johnstnn A C.
    Mi larris manteiga; a L. da Costa Amorim.
    IDO darris linos, 23 caixinhas passas ; a M. J.
    il. e S. A Genros.
    12 caixas maguas e peras; a L. P. Lima
    & >'..
    3 cazles Iructas em calda, 1 dito doce do al-
    perche, G ditas marmclada ; a Tasso Irmos.
    70 caixas ceblas e uvas; a Jos J. Co>ta Fer-
    reir.
    i caixas peixe em conserva, 2 ditas marrnelaua,
    i ditas fruclas; a Marques Barros & C.
    8 caizas uvas; a Custodio Jos A. Guirua-
    ri'S;
    2 caixas macaas e peras a Jos A. M Dias
    C.
    Patacho inglez H'm. U. Dodge, entrado de New-
    Vork, consignado a Henry Forster & C, manifes-
    tou o seguinl :
    830 barricas f.rmlia de trigo, 199 barriqnlnhas
    h lachinhas, 13 barricas graxa, 13 volume< ma-
    lino, 2 caixas ai reos, 200 caixas agua flori-
    da, 100 dilas salsa parnlha, 11 ditas xarope, 1
    barril drogas, 32 rollos esleirs, 1 halanca para
    ' tsar couros, 1 volumecom 3 rollos de panno glea-
    J i : aos incsmos.
    Brigue inglez Dante, enlodo de Terra Nova,
    asigfido a/J. Paier & O.- anif-stou o segaiute:
    2.<"i harneas bacal. io ; atos meamos.
    Ili.-tte nacional SobmUnse, (entrado do Acarar,
    consignado a C \,'.. da Costa Moreira, maufestou o
    segrale :
    33 ecos e 10 barricas gomma, (0 ditos milho ;
    a Gaspar Pereira da Silva
    12 -ceos gemina ; a Manoal Joaquim de Aze-
    ;edo.
    200 alqoeires de sal ; a ordem
    Esc na nacional BrneHm, enlrada do Para,
    ! gnada a Palmeira & Beilrao, manifestou o se-
    guinl
    u eros estrangeiros j despachados para consumo.
    V) caixas tuinas de flan Ires,6 c.unhotes com 60
    . de facoes ; a od. ni.
    Hiate nacional Sania Auna, entrado do Aracaty,
    nado a B. G. do Auiaral, manifestou o se-
    .oiiiie :
    17* couros salgados, 4 saceos com 13 arrobas e
    H libras de algodo, e 1 caixo com 4o queijos; a
    Francisco Gomes de Mallos Jnior.
    19 saceos rom 87 arrobas e 3 libras ou 12 al-
    |i ir.s de gomma ; a Ferreira S Loureiro.
    200 meios de sola ; a Joio da Silva L-ite.
    1 barricas Com 22 arrobas e 13 libras de gom-
    .na ; a Antonio Joaquiin (imigalves Fraga.
    21 mll.'S com 12 arrobas de fumo ; a Jjs de S
    Lean Jnior.
    46 caixas com 6o arrobas de volas de carnauba,
    16 libr.s ile peonas, 889 ineios de sola, 50 RioUm
    oin 1,250 courinhos, 21 saceos com 13 alqaeires
    1 gn nina e 18 saceos com 96 arrobas e 18 libras
    le algo laa ; a Pan-nte Vianna & C.
    3lio meios de sota, 10 molhos com 230 couri-
    nho-, H saceos com 72 arrobas de cera do car-
    nauba, e I embrolno din 23 libras de dita preta, 1
    paeole 22 libras de peunas de ema, 15 caixas com
    13 arrobas d-< vias de carnauba, 29 saceos e 11
    arrieas com 24 alqueiresetresquarla de gomma
    26 molhos com 633 esleirs de palha ; a ordem.
    liiigue nacional Graciosa, entrad" do Ass, on-
    j i'io a Antonio de Almeida Gomes, manifestou
    o seguidle :
    584 alqueires de sal e 1,000 molhos de palha de
    carnauba; a ordem.
    Vapor nacional Jujunrib', entrado dos porto do
    norte luanifesiou o senuinte :
    Do Cara.
    46 SHecas com 213 arrobas e 2 libras de algodo,
    13 uan quintas com 30 arrobas e 11 libras de
    casunbas do Para; a ordem.
    Do Granja.
    143 meios desoa; a viuvaManoel Goncalves da
    Silva.
    De Macu.
    2 saneas com 10 arrobas e 23 libras de algodo ;
    a Marcelino C.
    44 ose com 201-arrobas e 21 libras de algo-
    Jan ; a Mauoel llenrique de S Filho.
    40 saccas com 209 arrobas e 4 libras de algo-
    dao : a Benedicto da Suva Saldanha.
    80 saccas com 333 arrobas e 28 libras de algo-
    da i; a Jos Torquato de Cavaicauli.
    20 saccas com 106 arrobas e 2 libras de algo-
    dan, 26 molhos courinhos e 1 saneo com 41 liDras
    de c.-ra amarella; a C. Irmos 4C.
    1 sacco penas de ema, 1 caixo cera amarella,
    9 saccas com 51 arrobas e 18 libras de algodo;
    a Klviro da Silva Caldas.
    21 sacras com 86 arrobas c 28 libras de algo-
    dio; a Antonio Corsiiio Xavier de Macedo.
    4 garajaos carne sueca pe-ando 23 arrobas, I
    dito sebo e nnudos, 1 caixozinho queijos, 1 sacco
    pouta de boi, 52 coiiro* curtidos, e 22 ditos salga-
    dos; a Jo> Al ves Martins.
    i saccas com 18 arrobas do algodao; a Bernar-
    diuo Jos Monteiro. n i
    1 barrica queijos; a Domingos Jos da Cunlia.
    309 molhos com 3090 coiiros miudos, 74 couros
    hgados com 57 arrobas o 26 libras, 2 saceos bu-
    Xim pe-cada, 2 ,.ac.ies com 27 libras de penuas
    !i ema, I b.irrica com 6 arrobas d sebo em rama,
    i dito com 4 arrobas de cera de abelba; a Larlo*
    Antonio deraujo.
    Do A carac.
    5 barricas e 4 saceos gomma; a Antonio Gomes
    Punta,
    10 saceos gomma; a Jos Rodrigues Ferreira.
    6 barricas sebo, 24 couros salgados; a Fernan-
    de< 4 Irma i.
    45 eouros salgados, 110 meios de sola, e 2 bar-
    rilinnas lingui^as; a Joo Ferreira dos Santos
    Jnior.
    124 meios de sola; a Joo Jas dt Carvalho Mo-
    raes.
    200 meios de sola; a Antonio Alves de Mo-
    raes.
    24 saccas algodo, e 446 meios de sola ; a or-
    dem.
    Do Aracaty.
    121 saccas com 1049 arrobas e 3 hbras de algo-
    dao, 7 ditos com 3 e meio alqueires de gomma, 6
    barricas com 27 arrobas e 10 hbras d cera de
    carnauba; a Jos de S Leitao Jnior.
    60 saccas com 23g arrobas e 21 libras de alge-:
    dao; a Antonio Facunha.
    75 saccas com 424 arrobas e 14 libras de algo-
    dao; a Prente Viauua & C.
    42 saccas com 238 arrobas 4 libras de algo-
    do ; a Francisco Gomes de Mallos Jnior.
    81 saccas <-om 430 arrobas e 27 libras de algo-'
    do ; a L. A. Siqueira.
    Patacho hespanhol Virget de Monserrat, entra-
    trado de Barcelona e BenicaJo, consignado a Theo-
    doro Chrisliansen manifestou o seguinte :
    144 pipas, 115 barris dequinto e 110 ditos de
    decime rinbo, 15 caixas papel para cigarros; a or-
    dem.
    Vapor brasileira Apa, entrado do Rio de Janei-!
    ro, cousignailo a agencia, manifestou o seguiote :
    8 eaixes cha; a Marque* Barros & 0.
    t caixotes remedios; a Taeodoro Cbristian-1
    sen.
    2 volumes typos e tinta; a Dr. Felippe Nery
    Col I ac.
    4 fardos fazendas; a Adamson Howie & C
    1 caixo mercadorias; a Guilherme Kreiler.
    1 euibrulho amostras de fazendas, 400 canas e
    100 m-ias massas; a ordem.
    1 caixo chapeos; a Joaquim Alves.
    1 dito cigarros; a Palmeira & Beltro.
    60 saceos caf, 174 rollos de fumo, 13 latas dito,
    I caixo xarope, 1 amarrado velas, 2 jacazes quei-
    jos ; a ordem.
    ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
    PAUTA DOS PIVECO DOS GNEROS SUJEITOS A DIRBiTO BK
    E-XPORTACO. SEMANA DE 24 A 29 DE Ob'TUBRO
    DE 1804.
    Mercadorias. Unidades. Valores.
    Abanos.........cento 1,5300
    Agurdente de cana.....caada 800
    dem restilada ou do reino 800
    dem caxaca........ 408
    dem genebra........ 8O0
    dem alcool ou espirito de agua- 900
    ardente.....,
    Algodo em caroco.....arroba 45875
    dem em rama o em laa. 19300
    Arroz com casca...... 14508
    dem descascado ou pilado 28o0
    Assucar mascavado...... 25150
    dem branco......... 4400
    dem retinado....... < 5120
    Azeito de amendoim ou mendo-
    bitn.........caada 2000
    dem de coco....... 15600
    dem de mamona..... 800
    Batatas alimenticias.....arroba 15200
    Bolacha o diara, propria para
    embarque........ 35000
    dem fina......... 75000
    Caf bom........ 85000
    dem escolha ou restolho ... 75000
    dem torrado.......libra 440
    Caibros.........um 360 i
    Cal...........arroba 2801
    dem branca..... i 500
    Carne secca (xarque) .... 35208
    Carneiros........um 45000
    Carvo vegetal......arroba 15000
    Cavernas de sicupira .... urna 8000
    Cera de carnauba em bruto. libra 250i
    dem idem em velas .... 300
    Cha.......... 15500
    Clralos........cento 25300
    Ovados (porcos)......um 155000
    Cocos (seceos).......cento 4511001
    Colla........' libra 600
    Couros de boi, salgados ... 165
    dem idem seceos espichados. 240
    dem idem verdes..... 100
    dem dem cabra cortidos. um 350
    Idem idem de onca..... 105000
    Doces seceos.......libra 15000
    dem em gela ou massa. 320
    dem em calda...... 500
    Espanaderes grandes .... um 45006
    dem pequeos...... 25000
    Esteiras para forro de estivas
    de navio........cento 155000
    Estopa nacional......arroba 15600
    Farinha de de mandioca. alqueire 25000
    Idem de araruta..... arroba 45000
    Feijae de qualquer qudlidade. 15800
    Frechaes........um 55000
    Fumo em tolha, bom .... arroba 145000
    dem ordinario ou restolho 85000
    Idem em rolo bom...... 850rt0
    Idem ordinario ou restolho 55000
    Gallinhas........urna 600
    Gomma.........arroba 25o00
    Ipecacuanha (raiz)....... 255 Lenha em achas......cento 25000
    Toros........... IMOOfl
    Linhas e esteios.......um 85000
    Mel ou meiaco.......caada 240
    Milho..........arroba 900
    Papagaios........um 35' 00
    Pao Brasil........quintal 55000
    Idem de jangada......um 80000
    Pedias de amolar.....urna 800
    dem de. filtrar....... 45000
    Idem de rebolo...... UWOO
    Piassava.........molho 120
    Pontas, ou chifres de vaccas ou
    novilhos........cento 35360
    Pranches de amarello de dous
    costados........um 205000
    Idem de louro....... 105000
    Rap..........libra 15000
    Sabo.......... }20
    Sal..........alqueire 400
    Salsa parnlha.......arroba 235000
    Sebo em rama........ 55000
    dem em velas....... 75000
    Sola em vaqueta......urna 25s00
    Taboas de amarello.....dmla 1405000
    dem diversas....... 805000
    Tapiocas.........arroba 25808
    Tatajuba.........quintal 25003
    Travs.........urna 65000
    Unhas de boi.......Cento 200
    Vassouras de piassava. ... 105000
    Ditas de timb...... 85000
    Ditas de carnauba..... 65000
    Vinagre.........caada 500
    Alandega de Pernambuco, 22deiutubro de
    1864.
    (Assignados):
    O 1." conferente, Francisco de Panta Goncalves
    da Silva. _. ,
    O 2.- conferente, Arestides Barboza Cordetro
    Felosa.
    Approvo. Alfandega de Pernambuco, 22 de
    Motora de 1864. -A. Eulalio.
    Conforme. -O 3.' escripturano, iodo dos Santos
    Porto.
    Reeebedorla de renda* Interna
    geraes de Pernambueo.
    Rendimento do dia i a 29........ 46:5505401
    dem do di 31................. 1:775559o
    equipagem 8, carga diferentes gneros; An-
    tonio Luiz de Oiiveira Azevndo di C.
    Liverpool 40 das, barea inglez* Honald, de 395
    toneladas capitao George Azery, equipagem
    15, carga fazendas e outros gneros; Saun-
    ders Brothers & C.
    Para e portos entermedios7 das e 6 horas, va-
    por Paran, coremandante o capitao do fragata
    Santa Barbara, equipagem 56, de 840 tonela-
    das.
    Navios sakidos no mesmo dia.
    Porlos do norte Vapor brasileiro -Ip, comman-
    dante A. C. Gomes.
    Llrerppol Bngue inglez Lyon, capitn J. P.
    Wreyferd, carga algodo e outros gneros.
    EBIT1ES.
    Secretaria da Santa Casa da Miseriesria de
    Recite.
    A Illa, junta administrativa da Santa Casa de
    Misericordia do Recife, precisa contratar 23 ser-
    ventes livros ou escravos para o servico dos es-
    tabelecimentos pios a seu cargo, sendo 13 para o
    hospital Pedro II, 8 do sea masculino e 3 do fe-
    menino ; dous para o hospital dos Laxaros ; tres
    para o hospicio de alienados, dous do sexo mas-
    colino e una do feminino; dous para cada um
    dos collegios de orphos e urna para a casa dos
    xpostos.
    As pessoas que estiverem nestas circunstan-
    cias, ou que tenham escravos que os queiram alu-
    gar campanean com suas propostas na sala das
    Bes>5es da mesan junta na dia 3 do prximo fu-
    turo mez de novembro.
    Secretaria da ama Ca Recife, 31 de outubro de 1864.
    O escrivo
    F. A. Cavalcante Cousseiro.
    Secretaria da Santa Casa da Misericordia de
    Recife.
    Illma. junta administrativa da mtaCasade
    Misericordia do Recife, manda faier publico para
    couhecimento dos interessados que, a destribuico
    dos rs. mordomns que tem de servir no prximo
    futuro roezde novembro foi feta pelamaneira se-
    guinte :
    Dr. Antonio Maria de Faria Neves para e hos-
    pital Pedrs II; tenente-coronel Antonio Carlos de
    Pinho Borges para o collegio dos orphos e casa
    dos atpostns; continuando o -r. Antonio Jos
    Gomes do Correio no hospital dos Lazaros, colle-
    gio das orphas e hospicio de alienados.
    -ecretaria da Santa Casa de Misericordia do
    Recile 31 de outubro de 1864.
    O escrivo
    F. A. Cavalcante Cousseiro.
    DECLilAQOES.
    48:3255996
    Cnnsnlado provincial.
    Rendimentodo dia 1 a 29......... 58 2225736
    dem do dia 31................. 1:7035*1.
    39:9235973
    M9T1MENT0 DO POETO.
    .Vinos entrados no dia 31.
    Terra-Nova38 .lias, brigue inglez RaunymeiU,
    de 181 toneladas, capitao Peler Hansen, equipa-
    gem 12, carua 2,354 barricas com bacal han ; a
    Kduardo PefttVm & C.
    Bostn -^ 45 dia, vapor inglez New-Zeland, de
    342 toneladas, capitao Loms Anderson, equipa-
    pagem 24. em lastro ; a Henry Forster & C.
    Navi S'ihido no mesmo dia.
    LiverpoolBarca iogleza SWfi.eapilo Me. Ken-
    tie, carga algodo e outros gneros.
    2Tsa"ccas" algodao, 2 dius gomma I dita^feijao/ 5 jjtSpi brasilelrclrfola, da 135
    i 24 couros salgados; a Jos de Sa Leino Ib-"5|jJ^$R Antonio da Cruz Baptista,
    a
    uor.
    Comniando da armas.
    De ordem de S. Exc. o Sr. coronel conimandante
    das armas, em virtude da aulorisa^o da presiden-
    cia conferida em offlcio de 20 deste mez, contrata -
    se 11 a capello para o presidio de Fernando de Xo-
    ronha.
    Os reverendos sacerdotes que se quizerem pres-
    tar a este servico, mostrando-se competrnlementa
    habilitados para o desempenhar, bajara do compa-
    recer no quartel do mesmo commando, das 9 as 12
    horas dos illas uteis.
    Quartel do commando das armas de Pernambu-
    co, 21 du outubro de 1864.
    0 tene'jte-coronel secretario,
    Francisco Camello Ptssoa de Lacerad.
    Faeuldade de direito.
    De ordem do Exm. Sr. director se faz publico
    que no da 3 do vindouro (quiuta-feira) e nao
    4 como por engao foi publicado, expira o praso
    marcado para a inscripcao do conc.ur.o de inglez.
    Secretarla da Faeuldade de Direito, 29 de outu-
    bro de 18o4.
    O secretario,
    Jos Honorio B. de. Menezes.
    Trihnnal d commercio.
    Pela secretaria do tribunal do commercio do
    Pernambuco se faz publico, que nesla data Oca
    registrado o contrato de sociedade de Joao Gamillo
    de Mello o Vasconeellos e Paulino Fernandos da
    Costa, establecidos na cidade de Hamanguape,
    pn.vinciada i'arahiba, sob a lirma social de Pau-
    lino & Vasconeellos ; devodo dita socio,lado du-
    rar por tempo de tres annos, contados do 1 do
    crrente mez, com o capital de 10:00 >5 fornecido
    por amhbs, em partes iijuaes.
    Secretaria do tribunal do commercio de Per-
    nambuco 28 de outubro de 1864.
    Julio Gnimares,
    OlBcial-maior.
    Inspecco do arsenal de ma-
    rinha.
    De ordem do Illm. Sr. inspector fa$o publico que
    este arsenal contrata bous carapinas para o sen
    servico e das obras d Porto.
    Inspecco do arsenal de marinha de Pernambu-
    co, 31 de outubro de 1864.
    O secretario,
    Alexandre Rodrigues dos Anjos.
    Conseibo de compras navaes.
    Promove o conselho no dia 5 de novembro pro
    ximamente vindouro a compra dos Segulntes ob-
    jectos do material da armada :
    12 banderas nacionaes de 2 pannos, 145 nova-
    dos de damasco verde de. seda, 6 pecas de cabo de
    linho de 1 polacada, 6 ditas de dito de 1 l|4 dita,
    50 escandios, 6 esc.rivamnhas do metal. 3 arro-
    bas de lio de algodo, 6 livros mappas de 50 fo
    Ihas, 20 arrobas de malhar braneo, 100 pegas de
    merlina, 1,000 libras de procos de tinco, 60 raspas
    de ferro, 200 lijlos nglezes, 40 duzias de taboas
    de amarello ou vinhatlco, potomnjd ou ararib de
    3 po egidas do grossura e nao menos de 33 ps de
    comiirlmento.
    Promove o conselho a compra vista de propos-
    tas recebidas no referido dia at as 11 horas da
    manha, e obrlgados os vendedores dos objectos
    inulta de 10 0|0 caso nao os entrecnem de promp-
    fo, bem como de 200|0 pela fal a do supprimento,
    ou forem ell< de m qualidade.
    Sala do conselho de compras navaes 31 de ou-
    tubro de 1864.
    O secretario,
    Alexandre Rodrigue.- do< Anjos. ^
    Pela thesouraria provincial se faz publico,
    que a arremataco da obra da ponte do Pombal,
    na ilha de Itamarac foi transferida para o dia 10
    de novembro p oximo vindouro.
    Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
    buco 28 de outubro de 1864.O secretario,
    A. F. d'Annunciacao.
    Correio ral
    Pela administraco do correio desta cidade se
    faz publico p*ra nos convenientes que em virtude
    rto disposto no artigo 138 do regnlamento geral dos
    crrelos de 21 de dezembro de 1844, e art. 9 do
    decreto n. 183 de 15 de maio de 1851, se procede-
    r n consumo das cartas existentes na administra-
    gao pertencentes ao mez de outubro de 1863, no
    dia 5 de novembro prximo, as 11 horas da ma-
    nha, na porta do mesmo correio, e a respectiva
    lista se acha desde j exposta aos interessados.
    Administraco de correio de Pernambuco 24 de
    outubro de 1864.-0 administrador,
    Domingos dos Passos Miranda.
    Correio geral.
    Relaco as carias segaras vindas do sal pela
    vapor 4pi para es senheres abaixe decla-
    rados :
    Annobio Jos Pereira de Alhuquerquo.
    Amancio Goncalves dos anlos.
    Antomo Bezerra de Menezes.
    Antonio Goncalves de Almeida.
    Antonio Jos Lopes Filho.
    Antonio Pires Ferreira.
    Antonio Soriano do Bego Barros.
    Carlos Mbuei Isacson.
    Domingos Rodrigues de Andrnde.
    D. Emilia CavalcanH de Albuquerque.
    Ermiro Cesar Coutinlio.
    Ernesto IgnaeiCardim.
    Ftrminodos Santos Vieira.
    Dr. Frawisco Amintas 4e Carvalno Monta.
    Dr. Francisc* Leas de Snuza Raagel.
    Fran-isco Rodrigues Soares (2j.
    Guilhenniao Diel.
    Joa intm Mauricio Wandertey.
    Joaquim imftes Dillo da >ilva.
    Dr. Jo Jo- Pinto.
    Joao -ilvmra de -onza.
    Jos de Barros Duarte.
    Jos Ferreira Dias dos Santos.
    Jos Sergio Ferreira.
    Miguel Ferreira Dias dos Santos Jnior.
    Manoel Pereira da 811 va.
    Porfirio Amancio Goncalves (1).
    1 CORREIO GERAL.
    Relacan das carias segaras existentes
    un administrara do correio desta
    cidade para as selires abaixo de-
    clarados
    Antonio Jos Rodrigues dos Cotias.
    Domingos da Costa Raines Filho.
    Espindio Zamire de Souza.
    Francisco de Mello Brrelo,
    n. Henriqueta Margarlda do Xascimento.
    Ignacio Jos de liveira Arruda.
    Joatfuim Felippe da Cosa.
    Jos Gomes Villar.
    Leoncio Bezerra Cavalcanli de Albuquerque (Fer-
    nando).
    Maiimiano Francisco Pereira da Silva.
    Manoel de Almeida Bastos.
    Manoel Mximo dos Santos Torres.
    D. Thereza Augusta Laraenha Lins.
    Correia de S Benevides.
    Crrelo.
    Pela administraco do correio desta cidade se j
    faz publico, que, boje, 2 do correte, s 3 horas '
    da larde em ponto, fechar-se-hSo as malas que o
    paquete brasileiro de vapor Paran tem de con- |
    duzir para os portos do sul. Os jornaes sero re-
    cbidos at urna hora, e as cartas admitlidas a
    seguro at as 2 horas.
    Crrelo geral.
    Rlaco das carUs seguras viudas do norte
    pelo vapor Paran para os senhores abaixo de-
    clarados :
    Dr. Antonio Jansen de Mallos Pereira, Ceci-
    llano Rodrigues dos'Passos, Francisco Ignacio
    Pinto, Joaquim Solero de Oliveira Lins, Jos Hen-
    riipie Cordeiro de Castro, Jos Rodrigues deSouza,
    Leopoldo Cesar de Berrido, Dr. Lourenco Jos
    de Figueiredo, Margarida Maria do Sacramento
    Rocha, Vicente Machado Freir Pereira da Silva.
    THEATBO
    r
    EMPREZA
    GERMINO & C01MBRA.
    Quinta-feira, 3 deiivembn> de 1864.
    Espectculo em beneficio de M. A. Reichert,
    flautista de S. M. o rei dos Belfas, dividido em
    qiialro parles e com a coadjuvacao da companhia
    dramtica.
    Primeira parte.
    !. Primeiro acto danRecordacSes da Moa-
    dade>pela companhia.
    2.Variacoes brilhantes sobre urna aria alle-
    maa, compostas por Th. Boe.lim e executadas por
    M. A. Reichert, aeompauhado ao piano pelo dis-
    liuct piauista o Sr. Innncencio Smoltz,
    Secunda parte.-
    1.*Segundo acto do drama.
    2,Phanlasia sobre urna aria tyroliana, rom-
    posta por Boetim, e execntarta por M. Reichert.
    com acompanhamenlo do Sr. Smoltz.
    Terceira parte.
    l.^-Terceiro acto do drama.
    8 Iiilrodseco e variacoes brilhantes sobre o
    rani(ic M. Reichert, com acompanhamento de" piano.
    Quarta parte.
    1.Ultimo acto do drama.
    ,-A Factura polka de concert, comppsta e
    exeoutada pelo benefleiado, acoapanQada pelo Sr.
    Smoltz.
    Priocipiaras8horas.
    O resto dos bilnetes acha-se a venda na ra da
    Aurora n. 44, 1 andar.
    DE
    wm
    de fa cwlas (variadas
    QnRta-reii'4 3 de novembr..
    O agente Pinto far leilo pBr anata e risco de
    auem pertencor de differentes fazendas ingieras,
    comosejam : madapolies, algo.losinhas e chitas
    avanadas, a bordo do vapor inglez Gladiator, islo
    as 10 horas do dia cima dito, em seu escriptorio
    roa da Cruz n. 38.________________^^^__
    FOI mx*Ki*
    0 leilo para sexta-feira 5 be novem-
    bro, as 11 huras, a ra da Ca-
    dla o. lu\.
    E' um bom patrimonio.
    DE
    17 casas, chao profiri, pequeas para pobreza,
    na ra do Palacio Episcopal, com 42 palmos de
    frente e cerca de 300 ditos d* fundo, a casa qne
    est edificada na ra tem 12 janellas e porta, sala,
    alcova e gabinete e mais arranjos, porto de um
    lado, que d entrada a 16 casas mais pequeas
    qae tem cada urna, sala, alcova e mais um quar-
    tinhe, nc centro grande cacimba com boa agua e
    no fundo alm de um terreno tem privada, esta
    propriedade rende mais de 100J por mez, ser
    vendida pelo maior prego que se adiar naquelle
    dia; os pretendemos podero examinar desde j,
    que dovem observar que faro bom emprego a
    seu dinheiro, que tira um juro superior a um por
    cento ao mez em predio acabado pouco tempo,
    bem negocio 111
    lio-
    Seita-feira 3 de noveiubro, as 11 i
    ras, I ra da C d''ia n 83, n ar-
    mnzeni do geme fciucbio.
    DK
    Urna casa terrea n. 102 na ra das Cinco Pon-
    tas, chao propno, rende 165 por mez, 2 salas, 2
    quartos, eosinha fra, cacimba srj e quintal mu-
    rado. Ser vendida tambem pelo maior prego.
    ^.rtiv^iMKTrtr..*^"
    4IIS0S
    Baha.
    O hiate Dous Irmos sahe para a Bahi
    lar com Tasso Irmos.
    a tra-
    Pata Lisboa.
    Saldr com brevidade o patacho portognez Ma-
    rta da Gloria, recebe carga frote e passageiros :
    trata-so cun seu consignatario l. R. Rabello, ra
    daCadeia u. 35, escriptorio.
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DE
    Savega?o eostelra a vapor.
    Parahyba, Natal, Haeo, Aracaty, Cear,
    Acarac' e Granja.
    da 7 de novembro segu pa-
    ra os portos cima indicados um
    dus vapores dessa companhia, s 5
    .horas da tarde. Recebe carga 80-
    ^inenle at o dia 3; encommeudas,
    liassa.-e.ir.is e. dinheiro a frete at s 3 horas do
    da da sabida: escriptorio no Forte do Mallos nu-
    mero 1.
    Companhia Pciiambucana cao este ra vapir.
    llli'a de Fernando de Noronha.
    *No dia 4 de
    J% ^^-f* novembro ao
    meio da segu
    um ds vaiMires
    da companhia pa-
    ra o presidio de
    Fernando. En-
    commendas, pas-
    sageiros e dinhei-
    ro a frete at o dia da sabida *s 11 horas da ma-
    uha : escriptorio no Forte do Mattos n. 1.
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DE
    Navega cao msteira a Tapar,
    Tatnaiular, Barra Grande, Parto de Pedras,
    Camaragilie, Ma>-,ei, Petiedo e
    Ara caj.
    No dia 5 de novembro segu
    n^k para os portos cima indicados om
    dos vapores dessa companhia, as 5
    jhoras da tarde. Recebe carga
    ^.'smente at o dia 4; encommen-
    das, passaueiras e linbeiro a frete at s 3 horas
    da tarde do dia da sahida : escriptorio no Forte do
    Mattos n. I.
    PARA
    o i*ar
    E esperada do Rio de Janeiro em poneos dias a
    galera fndello, e depois de pouea demora neste
    porto seguir para o Para, para onde recebe carga
    a frete commodo : que.m quizer arrogar, pode en-
    tender-se com os consignatarios Palmeira A Bel-
    tro, largo da Corpo Santo o. 4, primeiro andar.
    LEIL5SS.
    LEILO
    DE
    331 meio* de sola.
    iioje
    O agente Pestaa ven lera pnf mota 6 rrsuo >
    juem pertencer em leile 331 me.s de sota mar-
    ca Fem um ou mais lote* a vontade : marta-fin-
    ra 2 de novembro no armazem da^ Companhia
    Pernambucana, s 10 horas da manha.
    CASA DA FORTIM
    AOS 6:(KK). Bllhetes garantidos
    A' roa do Crespo n. 23 e casas do cestiae
    O abaixo assignado venden nos seas mu lo feli-
    zes bilheles garantidos da lotera que se acabo*
    de extrahir a lnme(icio da matriz de Flores,
    segulntes premios: .
    N. 275 um meio cora 6.0005000
    N. 7o0 um meio com l.Umuo
    N. 1179 dous quartos com oOU^OOO
    E outras umitas de 2005, 1005, 405 125-
    Os possuidore podem vir recabe* atas os des-
    con.os das leis na Casa da Fortuna a ra do Cres-
    po n. 23.
    Acham-se venda os da segunda par* da
    terceira lotera a beneficio do tbeatro de Santa
    Isabel, que se extrahir no dia i de novembro.
    Presos.
    Bilheles inteiros..... 75000
    Meios......... 35500
    Quartos........ 15*0(1
    Para as pessoas que comprare ra
    de 1005 para cima.
    Bilhetes........ 65^00
    Meios......... 35250
    Quartos......, 15700
    Manoel Martins Fina
    0 abaixo assignado em virtude do ainunrie-
    do superintendente da estrada de ferr priHesu
    contra qualquer venda feta de Ierras de Garaelei-
    ra, por quanto alem de ser necesario proceder-se
    a medieo dos terrenos vendidos, acercare mais
    que a maior parte das vendas feit.19 eslao nullas,
    como se provar em tempo.
    ____________Jos Pedro Vellosa da Silveira.
    FEITOR. ~
    Prerisa-se de um feitor iiortupuez e rjae. entenda
    bem de horticultura : a tratar no largo d Hospi-
    cio, casa em que morou o deserabargador D. Fran-
    cisco.
    AttengAo.
    Precisa-se de 8005. patrando-se o juros ao rnoz, dando-se por garanta liypotheca na quar-
    ta parte de um sobrado avallado em G:0005000 :
    qnem qnlior (azor este neguci >. dinja-se a ma do
    Padre Floriano, sobrado n. 21, primeiro andar.
    Precisarse do urna ama : na ra das Agow
    Verdes n. 92.
    Escravos, movis, miudezas e outros
    muilos artigo*.
    Sexia-feira i do correte.
    CORDEIRO SIMfjES fara leilo do diversos tras-
    tes usados, crysiaes e uniros monos artigo*', miu-
    dezas, relogios de uuro e prata.
    N mesma oceasio vender urna preta cos-
    nheira e um preto com habilidades ptoprio para
    qualquer servico e outros escravos de ambas os
    sexos com habilidade e sem ella.
    boa
    occasifto!
    avisos mam.
    Deseja-se aluzar um cabriole! para duas pes-
    soas, por um ou dous mezes, com cavado e ar-
    reios ; adeixar carta com as iniciaos Z Z, com
    o prego e condieoes, na iivraria ns. 6 o 8 da prai;a
    da Independencia.
    Atlencao.
    Um advocado desta cidade que vai a Srinhena
    e Rio Formoso tratar de duas quesioes jddieiaei,
    offerere-se a quem deeu preslimo -e quizer u!*-
    sar para all promover qualquer pte, eiei-ncio
    u cobranca amigavel ou judicial, medanle na
    mdico honorario, e da tu.las as garantas n-ri-j
    rias : quem quizer aproveitar o ensejo, anniinci*
    liara ser procurado daqui at o da 10 de novem-
    bro que quamlo tem de partir para a inerte
    termos.________________________________ ___
    Precisa-sa de ama ama que saibj mzrnhar O
    engomrnar : na ra di lo la o, \1. segundo andar.
    Quem quizer comprar daeaaN de carre-
    gar lijlos, levando cada urna 1.200 lijlos, dirja-
    se tratar na ra do Brum n. 6.
    I
    Os abaixo assisnailos, merabros do partido
    progressistu, respailando o costme mandado
    continuar o anuo oassado pelo directorio do
    mesmo partido, e de aecordo com outros
    amigos e correligionarios, mandam celebrar
    no da 2 de novembro as 6 1|2 horas da ma-
    nha, as catacumbas do convento de S.
    Franrisco, um memento pelas almas do falle-
    cido deSembargador Joaquim Nnnes Machado
    e seus companheiros de infortunio. E convi-
    ilam para esse acto, ante o qnal cessara onio
    e prevencoes, a todos qaantos sabem render
    homenagein as preciosas qualidades daqni-lle
    eidado. Recife li de outubro de 18ti.l>r.
    \ntonio Vic-ente do Nascimento Pcitoza.Dr.
    Lourengo Trigo de L oireuo. Innoceacio
    Serfico de Assis Carvalho. Manoel do Nas-
    cimento da Costa Monteiro. Antomo Her-
    culano de Souza Bindeira. Feliciano Joa-
    r|Um dos Santos. Floriano C-irra de llri-
    (o Francisco Rochael P. R. de Medeiros
    Luiz Jo- P.-r.-ira Simdes. Dr. Caolauo Xa-
    -ier Pereira de Brito.
    Aos fi:ai>QH
    Corre depois d'amanha.
    Sexta-feira 4 de Doveraliro do corren le
    anuo, se extra 'ir a segunda part da ter-
    ceira lotera (i 14') a benelicio do tlieatro
    de Sania lsabf!, n) consistorio da igreja
    de Nossa Sentiun do Rosario da freguezia
    de Sant-> Antonio.
    Os bilbetes, tueos e quartos acham-se
    venda na respectiva thesouraria ra d<
    Crespo n. 15.
    Os premios de 6:000,5000 at tOJOOO
    serao pagos urna hora depois da extraecc
    at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
    segainte depois da distribuico das listas.
    Servindo de thesoureiro,
    Jos Rodrigues de Souza
    Typtxjrankia Liberal
    Os senhores que forem ere lores da typographn
    Liberal qoeiram apre*eniar **n titulo*, de qns*>
    quer esperie, ao Sr. Leodegano Antonio de Olive*"
    ra, na mesma typ>gra;ilna, ra dis PMMi n. 3.__
    Precisase, de um molejue de 12 14 annen
    para andar com umacrianc : na ra da Floren,
    tina n. 18.
    ?mmmmmmwm
    i:as io tic Inglez c francs.
    Joaquim Pedro da Itoclia Pereira, con-
    tina a leccionar inglez e francs, e se
    fjjjjijj nflnreee aos e.-nvlanies que quierein se
    habilitar para i>s exaines ilesses prepara-
    torios, pudendo ser procurado na ra Di-
    reila n. 0:t, |irimeiro andar.
    rfesta typographia se precisa fallar ao Sr. Je-
    uzmo Machado Uraga que morou na ra Augusta.
    Aluga-se urna casa em De barita : a tratar
    com J. I. M. Reg, na ra do Trapiche n. ;tt. _
    A pessea que quizer acabar o tempo de pra-
    $a no exercile por outro, dlrija-se ao beam ib>
    Adique, casa n. 8, que acljara com quem tratar j
    preferindo-se msico ou outro qualquer, e offere-
    cc-se grandes vantageiis.______________________
    Alugase una excellente casa para passar a
    festa no ('.achanga, defronte da padaria que H do
    Sr. Serra : a traiar com Jns P- no mesmo lugar,
    ou na ra da [moeratriz, taberna n. 42.
    club PEitw *mk\t
    A reuniao familiar do mez de novemlP>
    ter lugar na imite do dia 9.
    Club Pernambocano, 31 do outubro .ln
    48G4. O eniprezario,
    V. J. La vine.

    O memento que o direc-
    torio liberal manda cele-
    brar dia de fluanlos pelo e-
    sembargador I. V. Machado
    eeuscompanheiros di* nar-
    tyrloter Insar s 9 horas
    da manha no convento ae
    9. Francisco.
    I* secretarlo,
    A. a. da Costa Rlbeiro.
    0 cirur#io Leal mudou
    a sua residencia da ra do
    Queimado para a ra das
    Ouzes sobrado n. 36, pri-
    meiro andar, por cima do
    armazem Progressista, aon-
    de o acharo como sempre
    prompto a qualquer hora pa-
    ra o exercicio de sua pro-
    fissHo, chamado por escripta
    Mmmmm mmm mmmm
    -f Jos Francisco Branditi e sna familia as
    ^ agradecen! rordialmente a ti4as as pes- g
    *djg soas B miterlo O sen presado e milito chorado ^
    3^5 aiffnbn Carlos, e Ihes Hcarao cravados '?"
    JK na memoria para sempre os nomes da- JES
    g2 fuelles que Iba tizeram lao caridoso ob-
    sequo.
    Precisa-se de nma senhora que saiba coser
    em machina, dando o meio eti.i as ohra que se
    lit-.r : a tratar na na dw Martyrios n. 12,
    Aliua se um sitio em ParriaW.irim oom boa
    -asa e omits arvoredos de frncto, todo cercado :
    uo Passeio, toja n. 7.
    ^-^ ^' ------
    O abaixo assifnailo precisa saber annde mo-
    ra o Sr. Domingos Josa Martins natural do Porte
    Conselho de Bracas freguezia de Santa Crnr o>
    Bisp, rota a pes'soa que di lie souber annonriar
    por esta folha nnneioe Ihe licar muito obrigado, |mhs quem fhe>
    deseja fallar um seu sobrinlio que SSMBJM pr-
    ximo nesta provincia
    Domingos da Silva Hamalho_____
    Acha-se fgido o escravo Thom, com o
    signaes segnintes: catira, rusto e peito muito co-
    liertos de cabellos, alto, s(*co, falta de algnns den-
    les na frente, e tem em urna las mais o M lo |>c-
    legar cortado pela junta e en nutra o de lo mni-
    mo tambem com um aleijao : quem 0 aprchi-n^lfr
    e |(-var a ra ila Imporalriz n 38, primeiro andar,
    ser recomp-nsado.______________________
    Joa luiui Son/a ile Oliven a ( p.breda- ?aio-
    | las) manda dixer urna mis-a pola inlenpd de to-
    dos os hemoilore que favoreeooi rom a MB e-mola
    no hospital dos desvalido-, e v.-m agrade er o Iwm
    traiamento a que se prestaram a fax-r a sua irma
    Barbara Joaqun- de Je Precisare io u n rmxeiro que enien la de ta-
    berna : annareca na ra Direita, casa n. 6
    O abaixo assignado tend i arrematado i -
    postos da cmara municipal da cnlado de Onnda,
    da aferi^o dos pesa e medidas, de mscales e be-
    ceteiras, e de 500 rs. por cabeea de ga* vaceoisv
    por tem de um anno, a contar do 1* d- oubibro
    de I86i a.i ultimo de setemnri do IH6>, faz seien-
    te s pessoas sujeitas ao pagamento de dito* imns-
    tos, que ooder> dingir-s- a ra do Cibral da dita
    cidade, casa n. 4, das 9 horas da maoltia s 3 da
    tarde dos dias uteis, p.raserem aend.H >nuspe-
    o8 e medidas, esatisfizefe.n do- impn-*>*. Olm*-
    da 17 de outubro de t8tii. Joao Cavalcan* Pteso
    de Alhnguerpie.____________________________,
    ltoga--e aos credores da massa fallida de
    viuva Am-irim A Filho de apreseotarew nVutro d
    penen doito rideados, no escriptorio de Augusto Prederieo de
    Ohveir, administrador da mesma masen; prac
    do Corpo Santo n. 17.
    Precisa-se de urna ama para tratar de osan
    casa de pouca fami la : na roa da Cadeia n. 5.
    __ Rogases pess.ia que lirwu da man do Sr.
    Candido Lopes da Silva Moraes ca leiro do K-ci-
    fe, duas cartas de Manoel d* Almeida IMI lenha
    a 'hondada entregar ao mesmo Bastos, visto dizer
    ao carteiro que o conhecia.__________

    Prerisa-se de nma ama para eosinnar e com-
    prar encasa de homem solteko, prefare-se ea-
    crava : na roa de Queimado n. 32, luja._________
    No trapiche da companhia, praea do torpe
    Sanie n. 19, precisas* alujar Anaa escrava, que
    sejam mocos, possantes e eis, e conforme o ajus-
    te, pedero dormir em casa da pesoa que o pre-
    tende. _________^__
    Preeisvse de urna ama' liara o servico interno,
    de nma casa de pona familia : ua iU do (Jua-
    mado 0. 29, sobrade*

    r

    MUtLADO


    "

    Diario de PeruahiN Qaarta lelra 8 *ie .Voverabio e 1844.
    PRIMEIEA E ANTIGA CASA FELIZ.
    PORTUGAL.
    PORTO.
    Roa das Flores, os. 1 e 3 Jimio igreja da Misericordia.)
    PLANO
    (ibWBt L(tTtBI 1IIE IIESmiU.
    CUJA EXTRACQO TER.V LUGAR NO DA 23 DE DEZEMRRO DE 1864.
    Compra-se effectivamente
    onro e prata em obras velhas pagando-se bem :
    na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
    G0IHPR4-SE
    urna negra de bonita Agora, que saiba lavar, en-
    gommar e coser bem, e coja idade nao exceda a
    i5 annos, agradando paga-se bem : a tratar no es-
    critorio de Manoel Ignacio de Oliveira cEilho,
    largo do Corpo Santo n. 19. T
    Compram-so dous escravos que sejam bons
    carreiros : na ra do Trapiche n. i3.
    I Na fabrica de charutos, esquina da ra de
    Hortas o. 1, compra se papel de jornaes, oa limpo
    que sirva para embrulho de cigarros a 110 rs. a
    libra.
    PREMIOS
    1 de .....................................
    1 de.....................................
    1 de .....................................
    2 de 20.000 pesos fortes.....................
    8 de 10.000 ditos...........................
    15 de 5.000 ditos............................
    30 de 2.000 ditos...........................
    106 de 1.000 ditos...........................
    2.100 de 500 ditos...........................
    99 aproximares de 400 pesos cada urna, para
    os 99 nmeros restantes da centena que obte-
    nha o premio de 300.000...................
    ditas de 300 ditos para os 99 nmeros res-
    tantes da centena que obtenha o premio
    de 100.000...............................
    ditas de 200 ditos para os 99 nmeros res-
    tantes da centena que obtenha o premio
    de 50.000................................
    2.999 reintegros de 100 pesos para os 2.999 nmeros
    cuja terminaran seja igual do que obtenha o
    premio de 300.000........................
    99
    99
    5.360 premios em 30.000 bilhetes.
    PESOS FORTES
    300:000
    400:000
    50:000
    40:000
    80:000
    75:000
    60:000
    106:000
    1.050:000
    39:600
    29:760
    19:800
    299:900
    MOEDA POBTUGUEZA
    ou Rs. 270:0005000
    90:0005000
    45:0004008
    36:0905000
    72:0005000
    67:5005000
    34:0005000
    95:4005000
    945:0005000
    35:6405000 ^
    26.7305000
    17:8205000
    269:91050000
    Compra-se um ou duus bois mausos para car-
    i roca : na ra das Tnncheiras n. 48.
    Compra-se na ra do Imperador n. 15, umo
    ou duas prensas de copiar cartas, ainda que este-
    jam em mo uso, com tanto que tenham perfeito a
    parafuso. ________
    Ourellos.
    Compram-se ourellos de panno, qualquer por-
    cao : na ra de Apollo n. 20.
    Compra-se o Otario de Pernambuco de 5 de
    agosto e o de 20 de setembro do correte anno ;
    bem como os ns. 2, 6 e 9 do Constitucional Per-
    nambucano tarabem deste anno : na ra do Quei-
    mado n. 29, sobrado.
    | Compra-se cobre velho : na ra da Alfaide-
    ga Velha a. 1.____________
    Compra-se urna mobilia de amarello e urna
    cama frangeia : no largo da Penha n. 14, loja de
    louca se dir quera compra.
    VENDAS.
    A Ibuns.
    2.250:000
    2.050:0005000
    PRECOS EM MOEDA FORTE.
    Bilhetes intciros....... a 1085000 || Quintos de bilhetes....... a 215C0O
    Meios bilhetes......... a 545000 || Decimos................a 105800
    JOS IGNACIO FERREIRA RORIZ,
    COM LOJA DE CAMBIO E BILHETES DE LOTERAS.
    Affianrido no governo civil do Porto, em conformidade do edital
    de 28 dejunho de 1860.
    Satisfaz com promptido todas as encommendas que lhe sejam feitas, mesmo em
    grande quantidade e pelos pregos cima indicados, vindo acompanhadas do seu importe; e
    no fim da extraceo remette a lisia dos premios.
    Para informaces, e pedidos no escriptorio da ra da Cruz, n. 19.
    CNFEITARIi
    X. 13 Khi do llaosel-X. 43
    O proprietario deste novo estabelecimeuto part-,
    cipa ao respeitavel publico que tcm para vender
    nm completo sortimento de bollnhos, xaropcs de
    diversas fructas, cagil de flor, pastilhas de orte-
    laa-pimenta, ditas de limao, ditas de canella, amen-
    doas confeitadas, confeitos, recebe toda e qualquer
    encemmenda, doces d'ovos, como sejam presunlos,
    peixes, aletria, o outras muitas mais qnahdades,
    e enfeitam-se bandejas : fornece-se venda a escra-
    vas affiancadas por seus senhores ; compram-s
    garrafas vasias, prefenndo-se de cognac, por mais
    dinheiro.
    Aluga-se o 2o andar do sobrado n. 33, sito na
    ra da Guia, por prego commodo : a tratar na ra
    da Cadeia do Recife n. 44, loja de ferragens.
    "~ Aluga-se urna casa acabada ha poucos dias,
    no porto da Madeira, em Beberibe, com 4 quartos,
    2 salas, soto, cozinha e estribara: a tratar no
    mesmo lugar com Manoel Pinto Pesoa.
    Aluga-se um pardo copeiro, boleeiro, cozi-
    nheiro, etc-, e de muito boa conducta : na ra Ve-
    lha n. 93, ou na ra do Imperador n. 71; e bem
    assim as mesmas casas tmbem se aluga urna
    preta para cozinhar e fazer o mais servico de casa
    menos engommar.
    Na ra dos Pires n. 54 tem una escrava pa-
    ra se alugar, a qual faz todo o servigo de urna casa
    de familia._______________________________
    Aluga-se urna nepra de idade de 15 annos
    para casa de pouca familia: as Cinco Ponas nu-
    mero 85._____________________
    Existem por alugar duas rasas na ilha de
    Bcmfica, tendo eommodos para familia, banho na
    porta, etc. : a tratar na ra larga do Rosario nu-
    mero 36.__________________________
    luga-se o sobrado de um andar e soto da
    ra de Aguas-Verdes n. 27 : a tratar na padana
    da ra Direita n. 84._______________________
    Precisa-se de um pequeo para caixeiro de
    taberna, dos chegados ha pouco : no largo da Ri-
    beiran. 23.______________________________
    Quem tiver para alugar urna casa de dous
    andares as ras do Imperador, Crespo, Cruzes,
    Queimado, larga do Rosario, pateo do Livramento,
    dito do Carmo, e ra Nova, queira ter a bondade
    preferir aluga-la ao escrivao Silva Rege, que tem
    milita precisao; se porm a pessoa que tiver a
    dita casa quizer fazer urna troca com o sobrado
    n. 93 da ra Velha, de um andar e sotao, qus
    bastante grande, tarobem se fr : a tratar com o
    mesmo escrivao na casa da ra Velha, oa na ra
    do Imperador n. 71.
    Aluga-se um sobrade de dous andares e so-
    tao no caes do Ramos, com grandes eommodos,
    propno para um collegio ou para duas grandes fa-
    milias : a tratar com Jos Hygino de Miranda.
    Aluga-se urna ama que saiba bem cozinhar e
    de boa conducta, preferindo-se escrava : na ra
    estreita do Rosario n. 32, primeiro andar._______
    Na praca da Independencia, loja de ourives
    n. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedras
    preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
    commenda, e todo e qualquer concert.
    Precisase alugar um escra vo para comprar
    e fazer outros servicos de casa de pouca familia :
    na travessa da Madre de Deus, armazem de Barros
    & Silva.
    Robn Joao Belizario, va i para Macei.
    i DENTISTA DE PARS
    Nova-i9
    cirurgiao dentista,
    3
    19Ra
    Frederico Gautier,
    faz todas as operagoes de sa arte, e col-
    loca dentes artiflciaes, tudo com superio-
    ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
    didas lhe reconhecem.
    Tem agua e pos denuncio.
    Haver sorvete lodos os dias, das 6 horas em
    diante, advertindo que o mais asseiado e bem fei-
    to possivel : no bem conhecido caf dos Arcos.
    Casa para : Aluga-se a principiar em Io de Janeiro prximo
    futuro o sobrado de tres andares da ra do Crespo
    n. 9 : quem pretender, dirija-s ao estabelecimen-
    lo da loja do mesmo sobrado, ou uo de n. 13 da
    mesma ra._______________________________
    O te da faculdade de direito tem urna carta de im-
    portancia vinda da Bahia na ra do Crespo n 23.
    Precisase de urna casa com proporgoes de-
    centes para habitacao de pequea familia ; prefe-
    re-se no bairro da Boa-Vista ou immediagoes ; nao
    se duvida pagar bem : a tratar na ra do Viga-
    rio n. 9, primeiro andar.____________________
    Precisa-se alugar urna escrava que saiba co-
    zinhar, engommar e vender na ra, spndo de boa
    conducta, paga-se bem : na ra das Cruzes n. 36,
    primeiro andar.
    MUID
    Precisa-se de um amassador que en-
    tenda do trafico : na padaria da ra Real
    n. 25.
    $3* O Sr. relojoeiro Caetano Moreira
    Fontes queira entregar-me o meu relogio
    de ouro para algibeira que recebeu para
    limpa-lo a mais de um anno.
    _______Marcelino Jos Lopes-
    Os abaixo assignados partecipam aos seus
    amigos que, a partir de outubro prximo, transfe-
    rem seu armazem e escriptorio para o n. 22 bis,
    rne Paradis Poissonniere. Paris 24 de setembo der
    1864. Pinto frres.
    Manoel Joaquim dos Reis faz sciente ao res-
    peitavel publico, com especialidade ao corpo do
    eommerrio, que julga nada dever da extincta fir-
    ma de Reis & Silva, da qual socio liquidatario ;
    porm se alguem se jolgar seu credor, aprsente
    sua conta no praso de oito dias na ra das Crezes
    n. 42. para ser immediatamente paga.__________
    Joaquim da Silva Boa-Vista faz sciente ao
    respeitavel publico e principalmente ao corpo do
    commercio qne mudou sua loja do Passeio Publico
    para a ra do Crespo n. 10.
    Aluga-se um sitio em Parnamerim com boa
    casa e mnitos alvoredos de fruto, todo cercado
    no Passeio loja n. 7. _______ __________
    Na vosalropelleis.eharosRenanistas, tradu-
    em epigrammas e sareasmos, o vosso furor
    contra quem nao segu o grandiloquo Renn-.
    Contiuuai com as vossas espirituosas tiradas, que
    e tempo opportuno tereis o justo premio dos vos-
    sos trabalhos.
    O cosmopolita.
    Roga-cc ao Sr. cadete M. N. N. S que quei-
    ra fazer favor de ir em urna taberna indemnisar
    a importancia e uns vales, cujos esli firmados
    por S. S._______________________
    COXt'ILIACAO'-
    Ha sessao desta ociedade no dia 4 do
    presente mez s 6 horas da tarde, para a
    qual sao convidados todos os sens mern-
    bros.______________________________
    Moleque. ,
    Aluga-se um moleque de 16 18 annos de ida-
    e : na roa do Queimado n. 29. sobrado.
    "*" TINTURARA.
    Tinge-se com perfeicio para qualquer
    tfir, e o mais barato posgiyej: na ra do
    Rangel o. 38: segundo andar.
    Attencio.
    Manoel Valenlim dos Santos, maioral dos Indios
    da Escada, transferido para o Riacho do Malo, pa-
    ra all ser abdicado com os Indios, est sendo obs-
    tado por alguma forma. Agora mnito de proposi-
    to apparece Antonio Jos, conhecido por mata-po,
    dizendo que comprou as trras do Riacn dp Mato
    a um hornea; desta capitai, e quer assim desarran-
    jar a todos os Indios. As referidas trras sempre
    foram nacionaes, e como apparecer dono ellas ?
    urna perfidia e um capricho contra os Indios pa-
    ra nao executar-se o aviso do Sr. ministro, que
    manda haver all a nova aldeia, e por isso o an-
    nunciante pede ao Exm. Sr. presidente da provin.
    cia previdencias para nao serem desarranchados-
    A actual directora da devogo de Nos-
    sa Senhora da Conceicao, erecta na igre-
    ja de Santa Rita de Cassia, participa ao
    respeitavel publico, e com especialidade a
    todos os devotos, que deixa de fazer a
    festa da sua padroeira no corrente anno,
    como era dever, em consequencia de
    acharse em obra a referida igreja, e nao
    se terminaren! em tempo opportuno.
    J. Falque previne os seus numerosos freguezes
    que elle acaba dereceber pelo uliimo vapor fran-
    cez um esplendido sortimento de albuns para re-
    tratos, de diversas qualidades e gostos, sendo paca
    20 al 200 retratos e de 25 a 605 gradualmente.
    Albuns pequeos proprios para meninos de 12
    36 retra inhos e de 15 15600.
    Albuns para desenlio de diversos tamanhos e
    gostos de 55 305-
    Livros de missa, de tartaruga, madreperola e
    marfim, por pregos razoaveis.
    * Rua do Crespo 4
    Vende se caixcs vazios proprios
    para bahnlciros e fu ni le i ros a 4$76U
    rada un; nesta typographia,
    LOJA 110 BEIJA FLOB.
    Rua do Queimado ns. 63 e 69.
    Bonecas de choro.
    Lindas bonecas de choro que chamam papai e
    mamai, de diversos tamanhos: s as lejas do bei-
    ja-flr, rua do Queimado ns. 63 e 69.
    Luvas de pellica.
    Luvas de pellica branca e de cores para homens
    e senhoras : as lujas do beija-flor, rua do Quei-
    mado ns. 63 e 69.
    Fivellas para cintos.
    Lindas fivellas douradas com lindas pedras para
    cintos: as lojas do beija-flor, rua do Queimado
    ns. 63 e 69.
    Capellas para noivas.
    Lindas capellas para noivas 25500 cada urna:
    as lojas do beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e
    e69.
    Estojos para barba.
    Vende-se estofos com espelho para barba 15500
    e 25000 cada um : as lojas do beija-flor, rua do
    Queimado ns. 63 e 69.
    Balaios para meninas.
    Rccebeu-se novo sortimento de balaios, com
    forma de vanos passaros, pelo barato prego de....
    15000 at 45 cada um : as lojas do beija-flor, rua
    do Queimado ns. 63 e 69.
    Fitas finas para cintos.
    Ricas fitas finas lavradas de bonitas cores para
    cintos : as lojas do beija-flor, rua do Queimado
    .n 63 e 69.
    Extractos em caUinhas.
    Finos extractos em caixinhas com o retrato da
    familia imperial : as lojas do beija-flor, rua do
    Queimado ns. 63 e 69.
    Sabo em ramullas.
    Finos saboes em caixinhas com varios retratos :
    as lojas do beija-flor,rua do Queimado ns. 63 e 69.
    Tiras bordadas.
    Vendem-se liras bordadas transparentes e lapa-
    das : as lojas do beija-flor, rua do Queimado ns.
    63 e 69.
    Jogos de domin.
    Vendem-se jogos de domin 15200 e 15300:
    as lojas do beija-flor, rua do Queimado ns. 63
    e 69.
    Babados bordados
    Vendem-se babados bordados de varias larguras
    e varios pregos : as lojas do beija-flor, rua do
    Queimado ns. 63 e 69.
    Abafadores de rede.
    Vendem-se abafadores de rede de varias cores
    800 rs. cada um : as lojas do beija flor, rua do
    Queimado ns. 63 e 69.
    Adcrecos pretos.
    Tendo-se recebido aderegos pretos de novo ges-
    to sao expostos venda : as lojas do Leja-flor,
    rua do Queimado ns. 63 e 69.
    bravatas para senhoras.
    Lindas gravaus para senhora 800 rs. e 15000
    15200 : as lojas do beija-flor, rua do Queimado
    ns. 63 e 69.
    Espelhos de moldara.
    Vendem-se espelhos de moldura preta para sa-
    las : as lojas do beija-flor, rua do Queimado ns.
    63 e 69.
    Yol tas de aljofares.
    Lindas voltinhas de aljofares com cruz de pedri-
    nhas imitando brilhantes 15000 cada urna : as
    l?s do beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
    Colheres para sopa.
    Vendem-se colheres de metal-principe para sopa
    25000 cada urna : as lojas do beija-flor, rua 3
    Queimado ns. 63 e 69.
    La para bordar.
    Vndese laa para bordar, a melhor que se pode
    encontrar, tanto na qualidade, como as cores,
    65400 a libra : as lojas do beija-flor, rua do Quei-
    mado ns. 63 e 69.
    as mesmas lojas se encontrar sempre grande
    sortimento de miudezas boas, e mais baratas do
    que em outra qualquer parte.
    Queijos de Minas.
    Vende-se na rua Nova n. 61, defronte da Illma.
    cmara municipal.
    Bixas hamburguezas.
    Vende se na rua Nova n. 61.
    SALSA PARRILH DE AYER. .
    Transcrevemos aqui alguns
    dos muitos attestados que temos:
    recebido das virtudes da salsa
    parrilha do Dr. Ayer.
    Rheiimatismo.
    DE JOAO JOS DOS SANTOS.
    Ouro Prelo.
    t Soffri rheumatismo por mui-
    tas vezes, c vendo annunciado
    em um jornal desta cidade a
    Salsa parrillia de Dr. Ayer, re-
    solvi-me a comprar um frasco e fazer uso
    d'ella ; e ames de concluir o primeiro fras-
    co, achei-me forte e sem sentir a mais leve
    dor nos joelhos ; a parte do corpo que es-
    tava affectada d'esse terrivel encommodo
    que roubou-me tantas noites de somno.
    Krupv-es. borbulhas, pustnlas.
    ulceras, e todas as molestias
    da pelle.
    DO SR. JOO PAULA DE ABREU E SOUZA.
    Rua de S. Pedro.Rio de Janeiro.
    Soffria mais de dous annos de ama
    erupgo syphilitica em todo o corpo, mos-
    trando-se sempre com mais violencia na ca-
    ra, prove muitos medicamentos e consultei
    muilos.mdicos, e eslava quasi desanimado
    quando vi os annuncios do Salsa parrilha
    do Dr. Ayer: comecei a fazer uso d'ella e
    nos primeiros dias a erupgo aggravou-se,
    porm antes de acabar o segundo frasco t-
    nha o mal desapparecido completamente de
    todo o corpo.
    Doctor Don Jos Valdes Herrera, profes-
    sor de medicina y cirurjia, subdelegado
    em ambas as facultades del sesto dis-
    tricto.Habana.
    Certifico que he usado la Zarza parril-
    la del Dr. Ayer, y como depurativo he ob-
    tenido de ella los mas felices resultados en
    los casos de ulcera crnica, como asi mismo
    ensayado las Pildoras catrticas del mismo
    autor y las considero como um purgante,
    cuya accin ademas de ser segura, ha sido
    muy eficaz en el tratamento de las enfermi-
    dades qae exsigeu el uso de los purgantes,
    y no vacilo en recomendar estas preparacio-
    nes. Y para los fines que puedan convenir
    doy la presente en Regla 7 de Setiembre
    de I8G0.
    Dor. Jos V. Herrera.
    Escrfula.
    attestado do Illm. Sr. Francisco Ferraz
    dos Santos.Ouro Prto.
    o Me acho ha quasi dous annos affectado
    de escrfulas, e tendo soffrido tanto que al-
    gumas vezes quasi que chego a desanimar
    da vida e maldizer da minha infeliz sorte;
    tenho sido tratado por muitos mdicos d'es-
    ta cidade, e nenhum pode vencer a tenaci-
    dade de minha molestia, eslava sem espe-
    rangas de recobrar a minha saude ; quando
    ltimamente resolv fazer uso da Salsa par-
    rilha do Dr. Ayer. Completam-se hoje
    trinla e sete dias que comecei com esle
    sanio remedio, e tantas melhoras tenho
    sentido que tenho conviccao de em breve
    recobrar a minha saude, perdida ha tanto
    tempo,
    Syphllis e molestias mercuriaes.
    Do Illm. Sr. Dr. Jackson.
    Medico mnito conhecido as provincias do
    sul do Brasil.
    Tenho receitado a Salsa parrilha do
    Dr. Ayer nos casos mais inveterados de
    Syphilis constitucional e sempre com os
    mais felizes resultados ; o melhor alteran-
    te que conheco.
    Leucorrha e adres brancas.
    Temos cartas em que nos contam casos
    inveterados que foram radicalmente curados
    com um ou dous frascos d'esta Salsa par-
    rilha.
    O espago nao nos permitte transcrever
    todos os atlestados que possuimos das vir-
    tudes d'este extrado coraposto de Salsa
    parrilha do Dr Ayer. Basta declarar ao
    publico que tem sido empregado ha mais
    de vinte annos pela profisso medica tanto
    das Americas como da Europa, sem nunca
    desmentir a sua alta rcpulagao.
    Para a cura radical de escrfulas e afleegoes
    escrofulos, syphilis e molestias syphi-
    liticas, ulceras, feridas, chagas,
    erupges cutneas e todo e
    qualquer incommodo que
    provm d'ura estado
    impuro de sangue,
    TOMEN A
    SALSA PARRIL.% DE AYER.
    A' venda na rua Direita, ns. 12, 26 e 76;
    rua da Quitanda n. 51 ; praga da Consti-
    tuigao, n. 30 e Hospicio, n. 40. E na-
    principaes pharmacias c drogaras do ims
    qerio.
    Vende-se em Pernambuco:
    na pharmacia franceza de
    P.MAURER &
    RUA NOVA N. 18.
    ^^______________________________________________---------------1
    O abano assignado vende o sitio que tem no
    lugar da Torre por commodo preco, o qual offe-
    rece commodidade para se morar e passar a festa,e
    no caso de nao apparecer comprador, tambera se
    aluga o referido sitio. Urna das vantagens que.
    tem ter o banho a porta, e ter porto franco para
    embarque e desembarque ; a tratar com o mesmo,
    abaixo assignado, rua do Imperador n. 12. Jos
    Mariano de Albuquerque. 1
    Alugam-se duas casas no Monteiro na rua de
    Xisto : a tratar na rua do Crespo n. 20 B.______
    Testamento do gallo.
    Sanio Inz o testamento do gallo, obra propria
    para recreio, inteiramente differente de peqneno
    qne existia, impressao limpa, bom papel, e em
    brochura: acha-se venda na rua do Imperador
    n. 15, defronte de 8. Francisco.
    Precisa-se alugar um escravo para fazer o
    servico interno e externo de urna casa estrangei-
    ra : quem quizer dirija-se a rua do Passeio Publi-
    co n. 17.
    Precisa-se de um pequeo de 12 14 annos de
    idade, que tenha pratica de taberna ; narua do
    Palacio do Hispo n. 40.
    COMPRAS.
    iSKS: naoja UIM $!.a pra?ad8 Inde
    pendencia n. 22.
    Na rua do Sacramento da Boa-Vista, casa n.
    28, segundo andar, vende-se bom doce de caj sec-
    co e de calda, e de outras qualidades que se qui-
    zar comprar, por arroba e por libra ; assim como
    se preparam encommendas de qualquer qualidade
    que se queira, e preparam-se ricas bandejas de do-
    ces e de bolos superiores, com fruclas e ligaras, t
    contento.________________.
    Cal de Lisboa em pedra
    desembarcada bontem de bordo da barca Bebe-
    douro : vende-se por todo o preco no escriptorio 1
    de Manoel Ignacio d'Oliveira & Filho, largo do Cor-1
    po Santo n. 19. j
    Pianom
    Vende-se um piano de mesa em perfeito estado '
    e boas vozes : na rua da Cadeia do Recife n. 45,
    i esquina da rua da Madre de Dos._____________
    Atieng&o.
    Vende-se um excellente cabriole! quasi novo,
    por prego commodo, com cavallo ou sera elle : a
    tratar na rua da Imperatriz n. 20.
    Vendem-se dous casaes de viado e muito bo-
    nitos e mansos per serem criados em casa, estan-
    do urna para parir : na rua da Gloria n. 75.'___
    Na roa da Cadeia do Kecifc n. 48.
    Caree do serio.
    Chegou aos grandes armazens da Aurora Bri-
    lbante ao largo da Santa Cruz a verdadeira carne
    e miado do Serld.________________ _____
    -"Yend-se jjma eacrava crioula de 30 annos
    de idade com duasfilhas de idade de 8 e 11 an-
    nos : a tratar na ru ? Sanu Cruz taberna nu-
    mero !.
    Vendem-se dous excellentes terrenos promp
    tos para se edificar com 64 palmos de frente am
    bos, e 300 de fundo, junto a fabrica do Bowman-
    na rua do Hrum, ateraados at a linha do caes,
    tendo j parte do caes feto : a tratar na rua dos
    Guararapes n 28.________ ________________*
    Vndese ou troca-se por outra em qualquer
    dos arrabaldes desta praga urna taberna na estra-
    ! da nova do Cachang, prxima ao primeiro ran-
    cho, com poucos fundos e commodo para familia,
    'e terreno para plantaco : a tratar na mesma.
    Typographia Liberal
    Vende-se a typographia do Liberal : a tratar
    \ com o Sr. Francisco de Paula e Silva Lins, na ty-
    pographia Universal, oa com o Sr. Leodegario An-
    tonio de OliveiranaruadasFloresn-3.________
    Pal-ha de carnauba.
    Vende-se no trapiche barao do Livramento : a
    ' tratar no largo do Corpo Santo n. 6, segundo
    andar._____________________________
    Na travessa dos Expostos n. 18, vende-se
    am a onc,a de qualidade especial.
    Extraordinaria liqnidaco de fazrndas para a fest
    por baralissimo prreo, tanto para o mato romo
    para a praca, na loja bem conhecida do Arara,
    roa da Iinperalriz n. 50 de Lourenro P.M. Gui-
    maraes.
    Ao barateiro da Arara a 1 00.
    Vende-se cortes de chilas com 10 covados a
    25400, ditas franceza a 35200, dilos de cassa a
    25, dita de salpicos a 25400, 35 e \> o corte, para I
    apurar dinheiro : na rua da Imperatriz n. 56, loja i
    da Arara.
    Corles de lia a laria Pia a 8, e I.S.
    Vende-se corles de la com barra, os propia-
    mente a Mara Pia a 85, e 165 : na rua da Impe-
    triz, loja da Arara n. 56.
    A Arara vende alpaca para vestidos de senhora a
    360 rs.
    Vende-se alpacas de lindas tidos de senhora a 360 e 400 rs. o covado, laazi-
    nhas para vestidos de senhora a 240, 320,400, 500
    e 600 rs. : na rua da Imperatriz d. 56, loja da
    Arara.
    t Las lizas de cores a 000 rs.
    Vendem-se lazinhas lisas de cores, a saber:
    roxa, encarnada, cor de lirio, cor de caf e cr de
    cinza, para capas e vestidos de senhora a 600 rs. o
    covado, ditas de flores a 240,320,400,500 e 560 rs.:
    na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
    Colchas da Arara de 2 a ->.
    Vende-se colchas de chila para cama a 25, ditas
    de damasco a 45, ditas para cobertas a 320, 360 j
    e 400 rs.: na rua da Imperatriz n. 56.
    A Arara vende cortes de caifas a 1&600.
    Vende-se cortes de calca de brim a 15600 e 25,
    ditos de casemira a 35, '45500, e 55 : na rua da
    Imperatriz n. 56, loja da Arara.
    Iloupa feita da Arara
    Vende-se palitots de casemira de cores a 55 65,'
    85 105 e 125, ditos de panno preto a 85, 105000,
    l25 e t'i5, dilos de alpaka a 35 e 45, dilos de
    brim de cores a 25500,35 e 35500, ditos de brim :
    brancoa 35 e 55, calca?, coletes brancos, sern las
    francezas a 15600 e 25, ditas a 15280, camisas
    francesas a 15, ditas de linho inglezas, pregas lar-,
    gas, a 35 : na rua da Imperatriz n. 56, loja da
    Arara.
    A economa, a saber : colarinhos econmicos a 600
    rete.
    Vende-se colarinOos econmicos a 600 rs. a du-!
    zia, meias cruas para homem a 200, 240,360 e 500
    rs o par, di las para senhora a 320, 400 e 500 rs.,
    lengos brancos com barra a 200 rs. cada um, ditos
    linos a 320, ditos de linho a 500, 600 rs. cada um,
    s na loja da Arara, rua da Imperatriz n. 56.
    Ao barateiro.
    No armazem da Arara vende-se cassas a 240,
    280 e 320 o covado, chilas finas a 240, 280, 400 e ,
    500 rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 56.
    As percalas da Arara a 560 rs.
    Vende-se percalas finas para vestidos a 560 e
    600 rs.; chitas Irancezas finas a 320, 360,500, 400
    6 500 o covado, alpaca para vestidos de senhora
    a 400 rs. o covado, fuslao branco a 500 rs. o cova- i
    da ; na rua da Imperatriz n. 56.
    A Arara vende musselina branca a 100 rs.
    Vende-se musselina branca, fina, a 400 e 500 rs.
    0 covado, pegas de cambraias finas, lisas, a 35,
    45, 55, 65 e 75, musselina cambraia da India 85,
    e 105 a pega, para vestidos : na rua da Impera-
    triz B. 56.
    A Arara vende liras bordadas para enfetar vesti-
    dos brancos.
    Vende-se tiras bordadas de todas as larguras a
    15, 152OO e 15400 a pega, entremeios finos a 15 a
    pega : na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
    Madapolao da Arara a i&.
    Vende-se pecas de madapolao enfestado com do-
    ze jardas a i-5." dito de 24 ditas n. 30 a 65, n. 250
    a 65500 E 75 e 85 n. 5 + 85500 e 95, n. 5 a 105,
    n. P F a 115 ZZZ, a 125 a pega, pega de algodao
    a 55, dito carne de vacca a 65500, dito domestico
    a 75, dito slcupira a 85, dito pao ferro a 95 a pe-,
    ga : na rua da Imperatriz, loja n. 56.
    Bramante de linho de 10 palmos a 2-\iM).
    Vende-se bramante de linho de 10 palmos a
    25500 a vara, brim liso a 500,560 e 640 rs. a vara:
    na rua da Imperatriz n. 56.
    Panno de linho da Arara.
    Vende-se pegas de panno de linho para lenges
    e toalhas com 13 1/2 varas por 85500 ; ditas com
    27 varas a 165500 e 185 a peca ; na rua da Im-
    peratriz n. 56,
    Pechincha.
    Lencos de seda a id e 800.
    1 Vende-se lengos de seda para mao, a 800 e 15,
    tarlatana para vestidos, de todas as cores a 800 rs.
    a vara, fil liso ordinario a 320 rs. a vara, dito fi-
    no a 800 a dita : na rua da Imperatriz n. 56, loja
    da Arara.
    A Arara vende chailes a 1<$600 e 3#.
    Vende-se chales de merino a 15600, 45500, 65,
    75 e 85 : na rua da Imperatriz n. 56, loja da
    Arara.
    Fazendas especiaes para senhoras, a saber :
    Vende-se golinhas para senhoras a 240, 320, 400
    e 500 rs., camisinhas para ditas a 15,25, 35 e 45,
    gravatinhas para ditas a 15 e 15500 : na rua da
    Imperatriz n. 56..
    Soutembarque da Arara a 8$ e 10.-5.
    Vende-se soutembarques de cores para senhoras
    a 85, 105 e 125, dilos de grosdenaple prelos finos
    a 205,255 e 305, capas prelas para ditas a 205,
    255 e 305 : s na loja e armazem da Arara, rua
    da Imperatriz n. 56.
    RIVAL SEM SEGUNDO
    Rua do Queimado ns. 49 e 55, loja de miudezas
    de Jos de Azevedo Maia & C, est continuando a
    vender muito barato, pois seu geuio dar a fazen-
    da por todo prego a vista dos cobres.
    Cartas de altinetes francezes da melhor qualidade,
    a 80 rs.
    Grosas de pennas de ago inglezas da melhor qua- i
    lidade a 640 rs.
    Caixas de colchetes francezes de superiores quali-1
    dades a 40 rs..
    Grosas de boloes de madreperola muito finos a 5*0
    e 640 ris.
    Carreteis com 4 a 5 oitavas de retroz preto fino a
    640 rs.
    Resmas de papel de peso liso mnito superior a
    25000.
    Grvalas da liga e de outras muitas qualidades a
    500 rs. i
    Caivetes para penna com 3 folhas fazenda boa a 1
    800 rs,
    Duzia de botoes branco para casaveques de senho-
    ra a 100 rs.
    Pegas de fila de cs estreitas com 9 varas garan-'
    lidas a 320 rs.
    O Expositor Portuguez para os meninos a prender
    a 1er a 800 rs.
    Os segredos da natareza para os meninos a pren-
    der a ler a 15000.
    Camillas da doulnna chhstaa, finas e superiores a
    320 rs.
    Pentes finos de marfim a 15000, 15200 e 15300.
    Pares de luvas de seda para homens e senhoras a
    500 rs.
    Gollinhas para senhora o melhor que ba a 320 e
    500 rs.
    Frascos com superiores banhas a 240, 320, 500 e
    .15000.
    Livros que serve para assentar roupa, pelo diminu-
    to prego de 160 rs.
    Capachos redondos muito finos a 500 rs.
    Cordao branco para espartilhes muito superior, a
    vara a 20 rs.
    Carritis com 150 jardas de linha branca a 60
    ris.
    Cartoes com 200 jardas de linha branca garanti-
    da a 60 rs.
    Grosas de pennas de ago superiores a 500 rs.
    Varas de franja branca e de cores larga para toa-
    lhas a 160 rs.
    Pares de botoes de panno, oh que pechincha a
    120 rs.
    Tinteiros de vidro com tinta a 160 rs.
    Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
    Grosas de boloes de louga praleados muito finos a
    160 rs.
    Tesouras para costura superior qualidade a 500
    ris.
    Escovas para limpar dentes, superiores a 200 rs.
    Caixas com superiores phosphoros de sejruranga a
    160 rs.
    Caixas com 100 envelopes o melhor que ha a 640
    ris.
    Caixas com 20 quadernos de papel amizade, muito
    fino a 600 rs.
    Quadernos de papel pequeo muito fino a 20 rs.
    GRANULOS
    BISMITII
    DE CHEVRLER
    Os granulos au bismulh de Chmrrimr bem
    superiores a todas as outras preparacoes de
    bismulh empreadas antes com o maior saecaa
    pelos mdicos de lodos os paizes, para preveair
    curar as
    Opprra.
    nrru Ir rmttrrm
    Dtarrkraa ehroaleaa. Kaa 41
    D;>arBlrrlan. 6aa*trUa.
    Dorea dr.lwt|0 Galirallaai. e*e.
    Dyaacpalaa.
    Os primeiros symplomas d'essas fornudaveis
    affecedes se manifestao ordinariamente por iqes-
    ties laboriosas, adumes, falla d'appstite. pnm
    .'estmago depois de cada comida, caimkras n-
    totnacae*, e, muitas vezes, por espasmos nenotos
    com vmitos.
    Este estado mrbido, se O descmdo, trax i
    vitavclmente, qne seja:
    Molc.llaa de BBad
    A Ictericia.
    Pal pilara* de rarara*
    DOrea oua ra*. | da a..tria ru-
    Os granulos Chevrier sao ordenado- pelas
    sommidades medicaes para prevenir essas diver-
    sas molestias e cural as quando sio ton artos a
    lempo.
    O preco de cada frasco de i francos.
    Depsito geral em Paris, pharmaciaCbovrier,
    e em todas as pharmacias de Franca e dos patae
    estrangeiros.
    o\UJL.4$;,
    D'IODURETO DUPLO
    de FERROeQUININA
    C*avalrareaea de lea-
    mmm aaaStaaaaaaa
    Malrallae
    Pape Ira.
    Obatraeca* daa l"
    dalaa.
    Iluaaarra frla
    Ha atarea araaeaa.
    narhltlaaan.
    Affrcee* catarrea,
    c ajpallltlraa.
    Fcarra typttalaVa
    Vari aira, e* e*e
    Os elementos que compoem esta prepara.- o c
    ftrr, o iode e a guia, a collocio no pnmeiro
    grao das preparacoes ferruginosas. Basta atteatv
    seus resultados obtidos pelos Mdicos dos bosfi-
    laes, e os relatorios dos prcticos mais eminentes,
    que confirmro sua poderosa efficacida.le as
    seguintes affecedes:
    Mlngoa na aaagaje.
    Fraajursa.
    Aneada.
    Caloraae oa Ictericia.
    Meaatraa.
    Affececa do atere.
    Sappreaaca daa re-
    *raa e deeerdee na
    ntcnatruarao.
    Affecco pulmonar a
    phthlalc.
    Moleallaa d'ealimaR*.
    Gaatralsjaa.
    Ferda d'appellle. etc.
    Vejo se os bulletins de therapeufa meiiea
    e cirurgica de 30 de novembre 1S60; a m0K
    dos hospitaes de 28 dejulho 1860, etc., etc.
    Alm das pilulas de iodureto duplo te ferro t :
    quinina de febillon, os Mdicos aconse nao
    igualmente o Xarope d'lodure duplo de
    ferro e de quinina do mesmo author para as
    pessoas que nao gostao de medicamentos sob for-
    ma pilular e os meninos. Esle xarope nao tem
    como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
    de alterar-se e de se nao poder conservar.
    Peca-se o folheio que se d de graca em asa
    dos pharmaccuticos depositarios.
    Para-se evitarem falsificacoes, exija o com-
    prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
    signatura do inventor.
    Depsito geral em Paris, pharmacia Rebulon
    142, ru du Bac, e em todas as boas pharmacia
    de Franca a dos pojes estrangeiros, etc.
    GRAGEAS^UBtZINeV
    )omCOP&BAdeLABLL3NYI
    Estes nnifi'iios ijiif Iciii |ior l>a>r> >> prin-
    cipio activo da primeira minia jmH<
    a eupahyba pura, nao naosen n ett>iiijta.
    ElleS fa/.i'in [>;ir.ir iiiilii('i|i;ilaii!ini,- i-u
    rebeldes gonorrbt'^s, mcMoo as pie i -
    ram a cubeta o a cupahvba isoladaufrilt'.
    r 1ASSA E XAROPE
    B E R T H
    COM CODF.INA
    Preconizados por todos os mediros contra
    as Defluxos, a rippa e tortas as Irrilacae*
    do peito.
    AVISO
    Falsificares roprchensiveis excitadas |>elos
    successos do Xarope c da Massa de Brrtlw,
    nos obrigiO a recordar que esses produetos
    tao justamente
    nomcailos nao se
    entrego scnocni Z_x'e?4
    hcelas e em fras-
    cos com a asMgna-
    tura aqui indicada. '->.'-'*-.
    151, ru Suini-Nonor, M PrURJMru no
    ^ LUVRE, e em todas as phannaiias. .
    _^ \m\mmwmimmm^m*'
    Deposito geral em Pernambiio rua da
    Cruz n. 22 em casa de Caros dr Barbos.
    Cabriolet
    Vende-se um cabriolet americano em muito I -ni
    estado de uso. sem arreka ; na rocheira da roa
    do Imperador n. 13.
    Vende-se a casa terrea n. 13 rta rua *> r<
    sario da Itoa-Visla, boa para qualquer e^laMen-
    mento : na rua do Queimado n. 33 Ihr: .lirao .niem
    a vende.
    PECHINCHA
    Roa da Hadre de Dos n. 9.
    A MOOO.
    Saceos grandes com forinha de mandioca pete
    barato preco cima mencionado.
    Biblia da Infancia.
    pelo abbadepa>cal, da dioresr t Par
    Obra interessantissima para leitura as escol.
    primarias.
    Corneja la creaco do hornera e conclue aa vo-
    cacao de S. Paulo.
    E' escripia com a maior coasi^ao e clareza, e a
    traduecao de una penna amestrada.
    Vem prchencher urna lar una mnito sensvri as
    escolas, para as qsasa nao havia nm livro, como
    de que se trata.
    A impressao c limpa e -orrecta, e adoptada ao
    destino do livro.
    Vende-se na typographia da rua de Imperador
    n. 15, defronte de S. Francisco, a IJ carta eiem-
    plar cncadernado._______
    Testamento da gallinlia.
    Sabio luz o (estamento da gallinha. ot.ra infei-
    ramente nova e em verso, impressa em mni bnm
    papel, nitida impressao, a IfiO rs rada exemplar :
    na rua do Imperador n. II defronte de S. Fran-
    cisco.
    Objectos Upograptiiros.
    Existe na rua de Imperador n. 15 deronu* V 5.
    Francisco um grande sortimento de tvpos de dife-
    rentes pontos, armajues de rollo*, mmmm, To-
    vas, engradaroes de metal, linha* V dirfrrwrtes
    pontos, interlinhas sorlidas, tinta tanto para ma-
    china, como para obras flna, papel o> !mpresit,
    almasso, pintado, etc., etc.
    w%


    -c
    Biario de l'ernambuco Qaarta felra 9 de Vovembio de 1S4.
    MME
    mm
    RUA IIO QUEIMADO IV. 45.
    Passand o becco da Congregaco segunda casa.
    NO VID ABE
    Pereira Rocha C.-acabam de abrir na ra do Queimado n.
    co
    por precos muito resumidos como o
    4b
    ln 'pf orlo vemH^I LPr n^cenWn!rara Sem,pre um com,leto so-lmento dos melbores gneros que vem
    STe ^SSSGSS. ZprldosS S?^1''81 PUblC0 ^ P6la Ubella abaX meQCnCda; ^ante-Ye-obom
    um armazem de molhados denominado Clarim Commer-
    ao nosso mercado os
    Ano/, do Maranhao, India e Java a 60, 80 e
    100 rs. a libra, e 10800, 2,5600 e 3000
    a arroba.
    nimas francezas em latas e em frascos a
    15-200 e 10600, e em frascos grandes a
    2,300.
    Uern em caixinhas elegantemente ertfeitadas
    com ricas estambas no interior das caixas
    a 15200,1^(400, 1*6006 2.
    Amendoas com casca muito novas a 280 re!
    a libra.
    Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
    Azeite doce francez ranito fino em garrafas
    grandes a 960 rs. a garrafa,
    dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
    Ararata verdadeira de matarana a 320 rs. a
    libra.
    Avelinas muito grandes e novas a 180 rs. a
    libra.
    Biscontos inglezes de diversas marcas a
    1530 rs.
    Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
    a lata,
    dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
    niinhae a 200 rs. a libra.
    Banba de porco relinadaa 440 rs. a libra e
    em barril a 400 rs.
    Cha Irjsson. luichin e perola a 10600, 20,
    20300, 20800 e 39000 a libra.
    IJeinpreto muito superior a 20000 a libra.
    Ceneja preta e branca, das melhores marcas
    qae vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
    e 35800 a duzia.
    ic inglez fino a 90'i rs. a garrafa,
    servas a 720 rs. o frasco.
    dem, s de pepino, a 720 rs.
    Mein, s da azeitonas, a 750 rs.
    Charutos dfs melhores fabricantes da Babia
    e especialmente da fabrica imperial de
    Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
    250 M), 20200, 20500, 20800, 30000 e
    30500 a caixa.
    Caf do Rio muito superior a 280 e 320
    rs. a libra e 85500 a 80800 rs. a arroba.
    Cartes de bolinhos francezes muito novos e
    bem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
    Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
    libra,
    rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220 barrad dfrTSWS0 ultimovapor> com ricas
    Peras seccas muito novas a 600
    Painco a 200 rs. a libra. rs. a libra.
    Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
    Presuntos de Lamego em calda de azeite e.Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
    muito novo a 64 rs.
    Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800
    dem prato.
    vapor a
    600 rs.
    is dem londrino chegado no ultimo
    4-J 900 rs. a libra.
    Sal refinado em frascos de vidro a
    cadaum.
    Sardinhas de Nantes a 300 rs.
    Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
    Tuucinbo de Lisboa a 320 rs. a libra.
    Tijolos de limpar facas a 140 rs.
    Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
    dem stearinas muito superiores a 60 O
    libra.
    Eigos em caixinhas ermeticamente lacradas
    a 10600.
    Vinho do Porto engarrafado o melhor que
    ha neste peero e de varias marcas, como
    sejim: Velho de 1815, Duque do Porto,
    Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Mara Pa,
    Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e
    10000 a garrafa, e era caixa com urna du-
    zia a 95000 e 105000.
    dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
    480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
    e 40 a caada,
    dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
    a garrafa.
    dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
    e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 705OO rs.
    a duzia.
    dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
    Figos de comadre e do Douro em caixinhas
    de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
    10800, 50500 e 280 rs. a libra.
    ! Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
    dem de trigo a 120 rs. a libra.
    Grande liquidado.
    Rua da Imperatrlz n. o.
    Loja de fazendas do Pari de Gama & Silva.
    Acha-se este estabelecimento completamente
    sonido de fazendas Inginas, francezas, allemas e
    suissas, propnas tanto para a praga como para o
    matto, prometiendo vender-se mais bar alo do que
    em outra qual porcao, e de todas as fazendas do-se as amostras'
    deixando ficar peahor, ou mandam-se levar em
    casa pelos caixeiros da loja do Pavo.
    As chitas do Pavo.
    Vendem-se chitas inglezas claras e escuras pelo
    barato prego de 240, 2G0c 280 rs. o covado, tintas
    seguras ; ditas francezas de cores seguras a 320,
    340,360, 400, 440, 480 e 500 rs. o covado, fazenda
    muito Superior e bonitos padroes : s na loia do
    Pavo.
    As laaziuhas da exposifo do Pavo.
    Vendem-se laxinhas as mais modernas que
    tem vindo ao mercado, proprias para vestidos e
    soutembarques par serem lisas e de cores muito
    delicadas o60e500rs.; ditas lisas com um lustre
    que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
    quadrinhos de seda 500 rs. o covado, s para aca-
    bar : na loja e armazem de Gama Imperatriz n. 60.
    Ot vestidos do Pavo.
    Vendem-se os mais modernos cortes de vestido
    de la, que vieran) pelo ul
    c collete separado ; ditos
    com listas de seda e tambem com barras e enfei-
    tes para o corpo, por prego mais barato do que em
    outra qualquer parte, e se quizerem urna prova
    do que se diz, mandem ver loja e armazem do
    Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
    Os vestidos Mara Pia. S o Pavo (80000).
    Vendem-se os mais lindos vestidos Mara Pia
    de lazinha transparente com listas, e palminhas
    de seda pelo barato prego de 85 cada corte : s
    ! na loja do Pavo rua da Imperatriz n. 60, de Ga-
    ma & Silva.
    Genebra de Hollanda verdadeira marca VD As eassas do Pavo a 240, 280, 300 320
    a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.'
    dem em garrames de 3 e 5 gales a 50500
    e 70500 cada um com o garrafo.
    Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
    Licores muito finos a 700 rs. a garrafa,
    dem, qualidade especial em garrafas muito
    grandes, a 10800 a garrafa,
    dem em garrafas mais pequeas a 800 rs. i
    lilpm pm oarrafi forma ha nm ,.n ,i # ca(Ia Pe?a fazenda muito superior : so o Pa-
    VWrnTaYMA? l r S 8 v0 rua da Imperatriz n. 30, notando que a peca
    Vidro, a 0UOO, so a garrafa vale O di- leva urna etiqueta com o Pavo pintado para nao
    360 rs.
    S o Pavo vende as finissimas eassas persianas
    imitago de la, com cores fixas, 360 rs. o co-
    vado ; ditas francezas muito finas 240, 280, 300
    e 320 rs. o covado, isto para acabar : rua da
    Imperatriz, loja de Gama & Silva.
    Os madapoles do Pavo
    Vende-se peca de madapolo infestado com 12
    jardas cada pega pelo barato prego do 4#, 4#500 e
    A AGU
    I
    nheiro.
    Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
    barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
    de segunda qualidade a 800 rs.
    dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
    dem de tempero a 400 rs.
    Maca de lmales em barril a 480 rs. a libra.
    dem em lata a 640 rs.
    Marmelada imperial dos melhores conserva-
    ros de Lisboa a 60' i rs. a lata.
    Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
    800 rs.
    dem regular a 500 rs.
    I Macas finas para sopa: estrellinha, pevide.
    isto previne o Pa-
    il
    dem Morgauxe Chateaulumini de 1854, a 10; rodinha e aletria a 600 rs. a libra e a 40
    a garrafa. a caixinha com 12 libras.
    dem rauscatel a 800 rs. a garrafa. | Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
    Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Peixe em latas preparado pela primeira arte
    102OOrs. a caada. de cozinha a 10 a lata,
    Paliios de dentes a 160 rs. o maco.
    Kirsk garrafas muito grandes a 108OOrs.
    Alera dos gneros cima mencionados te- dem de (lentes a 120 rs.
    mos grande porcao de outros que deixamos: dem do flor a 200 rs.
    de mencionar, e que tudoser vendido por j Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
    pecas e carnadas, tanto era porces como j Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
    retalho- 20 e em caixao a 640 rs.
    Quem comprar de 1000000 para cima te- Palitos do gaz a 20200 a groza.
    r o abate de 5 por cento. jPassas muito novas a 480 rs. a libra.
    MACHINAS DEPATENTE
    de
    GRANDE E SUMPTUOSO ESTABELECIMENTO
    DE
    XOVOS E ESCOLHIDOS C.EXEROS
    TANTO EM GROSSO COMO A RETALHO
    GO KUA NOVA OO
    i 'Itima casa junto a ponte da Boa Vista.
    MAS PALAVRAS.
    trabaihar ni fio para
    descarocar algodo
    FABRICADAS
    Por Plant Brothers & C.
    OLDAM
    Estas machinas
    podem descarogar
    Qualquer especie
    de algodao sem
    estragar o fio,
    sendo bastante
    duaspessoaspara
    o trabalho; pode
    descarogar urna
    arroba de algo-
    do em carogo
    em 40 minutos,
    ou 18 arrobas
    por dia ou !> ar-
    robas de algodo
    limpo.
    t Ccsse indo quanto a antiga masa canta
    Que outro valor mais alto se alevanta.
    Acha-se a disposico do respeitavel publico este grande e magnifico estabeleci-'
    monto de molhados, talvez o primeiro e nico hoje existente em sua especialidade, por-
    que o maior capricho de maos dadas com mais apurado goslo de abrir um estabeleci-
    mento modelo promoveram a escolha dos mais superiores gneros do nosso mercado,
    "lin; por serem comprados em grande quantidade e pagos quasi todos a dinheiro a vista
    den lugar a obtenco de vantagens, que repartidas como vo ser pelas pessoas que se1
    dignarem de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanza de agradar a!
    todos, nao s pelo emprego das raaneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-|
    pazes. como pela pratica da promessa que fazemos de vender polos pregos quasi do pri-
    meiro custo o nosso magnifico sortimento.
    Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
    diversas classes da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharo
    em nosso armazem os melhores e mais esquisitos vinhos, licores, champagne queijo, etc.
    etc etc, e quelles que nao podem dispor de grandes recursos, que s compram o neces-' conhecido j como tal, est dispodo da fazenda
    sario, promettemos-lhes servi-los de gneros novos e sadios, escolhidos ao seu contento.; Kifif STPiS! ml?ldinheiro' luem. n i i u i j .- u i j i i 'zer ^enna ver e traga o cobre, e vera o segrate :
    O real do pobre sera recebido com tao boa vontade, como a moeda de ouro do Barainos de cartas para votante muito
    homem rico. Dnasa.....v...................... 206
    As pessoas que nos fizerera a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com-1 Miadas de linba froxa para bordar a.... 20
    prar para seu gasto, ou para negociar, voltaro satisfeitas, nao s pela boa qualidade dos S5,a5,oaPeflno? a lraDga de 'd0S S isoo
    Assim como machinas para serem movidas por
    animaes, que descarogam 18 arrobas de algodao
    limpo, por dia.
    Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
    por que pode fazer mover seis destas machinas
    mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
    agricultores a virem ver e examina-lo, no arma-
    zem de algodo, no largo da ponte nova n. 47.
    Saunders Brothers & C.
    N. II, praca do Corpo Santo
    RECIFE.
    Os nicos agentes neste paiz.
    RIVAL SEM SEGUNDO.
    Rua do Queimado ns. 49 e 55 loja do Rarateiro
    pbjectos, como pela fidelidade dos precos, e bom acondicionaraento.
    O futuro nos justificar.
    CAVACO NECESSARIO
    Devemos ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que
    adoptamos. Et-las.
    Existindo neste vasto e florescente imperio um grande partido poltico com a
    denominaco de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente,
    capaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
    Ria-se quem quizer, porque nos tambem nos riremos mas nao se zangue
    ninguem.
    O neme urna voz com que se do a conhecer as cousas. esta a mais
    breve, clara e sincera explicarn que, pelo methodo repentino, podemos dar.
    Mas a quem nao seguir o partido desse systema diremos mais:
    Nao orinado do Brasil o imponente titulo do nosso .estabelecimento. Foi a
    mu las centenas de leguas que apanhamos a nossa Liga.
    Na soberba e opulenta Inglaterra houve um rei que instituio a mm honroza or-
    dem da Liga. O acaso nos fez deparar com a narracao desse acontecimento, que tan-
    to sorprehendeu a corte desse monarcha. Agradou-nos esta historia e gostando sum-
    mamente do trage do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenhar, e col-
    locando-o no oit3o do nosso estabelecimento, temos assim feito distingui-lo dos outros
    que se assignalaram com mitras e coras.
    llonnl soit qul mal y-penac.______________________________,
    Ainda est para ser vendido o sillo da tra-
    vessa dos Remedios, na freguezia dos Afogados n.
    21, no estado em que se acha : quem o pretender,
    entenda-se com o sen proprietano Caetano Pinto
    de Veras, na rua de S. Francisco, sobrado n. 10,
    como quem vai para a roa Bella.______________
    Vende-se um comometro martimo inglez do
    mt-lhor fabricante Charly Frodshao, afflangando o
    seu regulamento, por diminuto prego : a tratar
    "a rua Nova a. i!, loja de Francisco Jos Ger-
    mana
    Enfeites a Hara Pia.
    A loja da Aurora, na rua larga do Rosario n. 38,
    receben ricos enfeites a Mara Pia dos mais moder-
    nos que tem chegado a este mercado; quem quizer
    mandar buscar para amostra pode mandar pessoas
    com penhor ; assim como recebeu pentes de tarta-
    ruga muito bons, tanto para alizar como para bi-
    chos e tambem para regasso ; capellas brancas
    muito finas, tanto para senhora como para
    menina ; finalmente tem grande sortimento de
    miudezas : veade-se tudo barato.
    Massos de superior grampos para cabellos
    Duzias de palitos de gaz superiores a. ...
    Libras de ara preta muito superior a...
    Frascos de superior macag oleo a___
    Ditos de dito perola a..................
    Ditos de oleo de babosa muito finos a 320
    rs. e...............................
    Ditos de agua de colonia superior, garan-
    tida......,..................}.....
    Ditos de banlva muito fina a............
    Ditos de cheiros muito finos para o prego
    a rij......\.......................
    Sabonetes de todas as qnalidades a 60 rs.
    160......)......................
    Novello^ii lftha com 400 jardas a......
    Carriteis de linha de cores com 200 jar-
    das a.............................
    Novellos de linha de gaz de todas as co-
    res a.............................
    Pegas de fitas elsticas com 10 varas pa-
    ra vestidos a.......................
    Frascos de superiores cheiros, pequeos, a
    Pares de ligas muito superiores e bonitas
    a ris.............................
    Varas de bicos francezes, superiores a...
    Opiata para dentes da melhor que ha a..
    Frascos de agua para dentes, superior a
    tudo a............................ 1000
    Pegas de tranca preta liza muito fina a.. 60
    Caixas com 4 papis de agu has Victoria a 200
    Varas de fita preta com colxetes a...... 40
    Libras de la sortida de todas as cores a 65300
    Bonecos de choro multo bonitos a...... 160
    Canas de obreias de massa muito novas a 40
    Varas de franja branca e de cores para
    toalhas a.......................... 80
    Frascos de oleo Philocome superior a... 600
    Ditos com superior tinta a 320 e......... 500
    Caixas de linha de gaz com 50 novellos a 800
    Enfiadores para espartilbo a........... 60
    Duzias de botoes encarnados para vesti-
    dos a............................. 200
    30
    200
    100
    100
    200
    500
    400
    640
    600
    400
    80
    60
    30
    240
    200
    400
    40
    1^000
    haver duvidas era engaos
    vao, de Gama & Silva.
    Bramante de Ilnho do Pavo
    28. #400. 2#eoo.
    Vende-se o melhor bramante de linho puro com
    dez palmos de largura por prego muito comino-
    do, por ter de acabar a factura, a vara por
    25200, 25400, e 25600 ; s o Pavao : rua da
    Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
    Panno de linho do Pavao.
    Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
    gura proprio para lenges e toalhas de mo pelo
    baratissimo prego de 640, 720 e 800 rs. a vara, al-
    godozinho com oito palmos de largura proprio
    para lenges, pelo baratissimo prego de 15 a vara,
    assim como tem o melhor algodozinho tanto em
    largura como em corpo, proprio para lenges, ca-
    misas de escravos, etc., etc., prego muito commo-
    do vista da fazenda; s o Pavao : rua da Im-
    peratriz n. 60, de Gama & Silva.
    Algodozinho com toque de avaria a 1,000 ris
    e 4,800
    Vende-se pega de algodozinho por ter um pe-
    queo toque de avaria, mas que est em bom es-
    tado, pelo barato prego de 45 e 45500 a pega ; s
    o Pavao : rua da Imperatriz n. 60 de Gama &
    Silva.
    Os guardaoapos econmicos do Pavo e s do
    Pavo
    Vendem-se os mais lindos e modernos guarda-
    apos econmicos e todo linho, laclo para as casas
    de familia como'para notis, bolequins, etc. etc.,
    pelo baratissimo prego de ''-*> a duzia, isto s na
    loja do Pavo rua da Imperatriz n. 60, de Gama
    & Silva.
    Os soutembarques do Pavo
    9 e v$.
    Vendem-se os mais linos soutembarques que
    teem vindo ao mercado, sendo de caxemira de co-
    res pelo diminutissimo prego de 125 cada um, di-
    tos de musambique pelo diminuto prego de 95 s
    na loja do Pavo, mas que se nao enganem : a rua
    da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
    Atoalhado do Pavo.
    Vende-se panno de linho adamascado proprio
    para toalhas de mesa, pelo diminuto prego de 25500
    rs. a vara, guardanapos de linho a 55 a duzia,
    toalhas de mo a 55 cada duzia, na loja do Pavo,
    rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
    -r s o Pavo (a #500).
    Quem tem baloes por tal preco Ij .
    Vendem-se os baldes americanos muito superio-
    res com 20 e 25 arcos pelo barassimo prego de
    25500 e 45, diios de 25, 30 e 35 arcos com fitas,
    muito bem armados e tambem tem cores escuras
    pelo barato prego de 35500 cada um : s na loja
    do Pavo, rua 'da Imperatriz n. 60, de Gama &
    Silva.
    0 favo vende para lulo.
    Vende-se superior setim da China, fazenda toda
    de la sem lustre tendo 6 palmos de largura pro-
    prio para vestidos, capas, paletots, caigas, etc.,
    pelo baratissimo prego de 25, 25200, 25500 e 35 o
    covado, eassas pretas lisas, chitas pretas largas e
    eslreitas, manguitos, colannhos, punhos, e enfeites,
    todo preto proprio para luto fechado, e muitos ou-
    tros artigos que se vendem por pregos mais em
    conta do que em outra qualquer parte por estar
    liquidando ; s na loja do Pavo rua da Impera-
    triz n. 60, deUama & Silva.
    As percalas do Pavo.
    As mais lindas percalas que tem vindo ao mer-
    cado pelo ultimo vapor tem na loja do Pavo pelo
    barato prego de 6U0 rs. o covado ; ditas de listi-
    nhas muito miudinhas proprias para vestidos e
    roupoes de senhoras, meninos e meninas, pelo ba-
    ratissimo prego de 500 rs. o covado ; garanlem-se
    as cores por serem do melhor fabricante que as
    tem em Paris : isto na loja do Pavo rua da Im-
    peratriz n. 60, de Gama Silva.
    As chitas do Pavo 2 100 e
    800 o corte.
    Vendem-se cortes de chita com dez covados
    25400, ditos 25800, com 12 covados; sao chitas
    inglezas, mas padroes bonitos e tintas seguras ;
    assim tem as melhores chitas francezas e de tin-
    tas seguras por precos eommodos a saber : 320,
    340, 360, 400, 440, 500 rs. o covado : na loja do
    Pavao rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
    Silva.
    Os bordados do Pavo
    Vendem-se camisinhas com manguitos e golli-
    nhas bordadas, pelo barato prego de 15 e 15280
    cada um, manguitos s 500 rs. cada par, ditos
    com golinha a 800 rs., golinhas 400 e 480 rs., de
    fil 240 rs. cada golinha bordada, romeira de
    cassa o de fil muito bem bordadas 25 cada
    urna, manguitos que servem para calcinha de me-
    ninas 640 rs. cada par, camisa com manguitos e
    golas com a competente grvala de seda, fazenda
    fina, pelo barato prego de 35, e muitas outras
    bordadas que se vendem por pregos muito em
    conta : s na loja do Pavo rua da Imperatriz
    n. 60, de Gama & Silva.
    As ronpas do Pavo
    Vende-se panno preto lino muito snperior pelo
    itenco
    O Vigilante est alerta, nao Ihe era permittido
    deixar passar desapercebido sem que nao dsse o
    su canto, afim de annunciar ao respeitavel publi-
    co o grande sortimento de galanteras do melhor
    gosto propriamente para qualquer mimo, que aca-
    ba de chegar neste ultimo paquete, assim como
    muitos outros objectos que recebe por diversos na-
    vios, tanlo de sua conta como de consignago que
    est resolvldo a vender por pregos muito baratos
    para vender muito c ganhar pouco, e dar extraco
    o grande deposito que tem, que espera merecer a |
    protecgo do respeitavel publico empregando para
    isso todas e as melhores diligencias para que fi-
    quem satisfeitos; isto s no Gallo Vigilante, rua do
    Crespo n. 7.
    Ricos porla-joias.
    Cofre de muito gosto por 165000
    Cestinhas transparentes forradas de ma-
    dreperla por 185000
    Lindas jardineiras. 105000
    Ricos cofres com camapheu. 050OO
    Lindas caainhas com pedras brancas. 050OO
    Lindo balo com calungas dentro, tam-
    bem para joias. 165000
    Tambalier para ditas. 95000
    Cestinhas ditas. 65000
    Cosmorama ditas. 65000
    rnazinhas. 05000
    S no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
    4
    rua do Vueimada u. 8
    RECEBEU:
    Bonitas caixinhas de madeira envemigadas, < ,r.
    finas perfumaras.
    Oulras de papellao de diversos lmannos goal-
    mente bonitas, tambem com perfumaras.
    Lindas cestinhas de vidro com ditas.
    Caixinhas imilando tartaruga com ditas.
    Dilas com Ce 12 frasquichos de churo,.
    Objectos para baptisados.
    A Agua Branca, na rua do Oneitrado n. 8, aca-
    ba de receber osseguinifs objnlos para baphsa-
    Booos e bem bordados vestaarkM de cm-
    braia.
    Ditose modernos chapozinhos destino e tturas
    bordadas e enfeiladas.
    Sapatinhos de setim emrito ir.u::c ten bar-
    dados.
    Meias de seda e fio de Escoca, brancas
    tadas.
    Toncas e sapatinhos de la, obras
    feilas.
    mmlo bcrr
    Bonitas caixinhas
    coin msica e sem ella para rojura, e
    oulras com arraHJus para barba.
    A Aguia Branca recebeu ttuvatucoir um fc*:io
    sorlimento de bonitas caixinhas con n.u.-ia e sia
    ella para costura, e outras com i.< airanjns nrres-
    sarios para barba ; assim, pois. quem rMq arcffV
    com dinheiro est habilitado a compra-Ios p.-r pre-
    go cunimodo : na ma do Queimado, loja da Acuia
    Branca n. 8.
    Finos e aromticos pos de
    arroz
    Em bonitos vasos de pedra, poreellaradtu.-.U,
    vidro e madeira, esles rom o rompeirne ritrel c
    sem elle, em latas de potes de papHIo, stndo todo
    elle de superior qualidade e agr.-.dawis etein*.
    Emquanto ao prego, nao se issosta o ron.jraitr.
    comparega com dinheiro e ser bem ser'irJo ra
    Ricos porta bouquetes de diversos gostos e pre-1 loJa da ABnia Branca, ruado Queimado d. 8, te
    gos ; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
    Ricos sinlos
    com bolcinhas ao lado, a 105, 125 e 155, ditos sem
    bolga porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 35500
    Ricas fivellas avulsas para sinto, o melhor que se
    pode encontrar, a 15500, 25, 25500 e 35 o par
    s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
    Cabazes ou cestinhas.
    At quechegaram as desejadas cestinhas ou ca-
    bazes para meninas irazerem no brago, o mais rica
    possivel a 25500, 35500, 45, 55, 75 e 105; s no
    Vigilante, rua do Crespo n. 7.
    Pentes.
    Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
    para alizar como para atar cabello, os mais lindos
    que se pode desejar, assim como de arregagar ca- em COpOS, latas e SOBDeirtlillas de i Ili'0
    oello, tanto de borracha como de tartaruga com en- .....
    A Aguia Branca senara cuidado,a em 11 i.i ^r-
    vir a sua boa freguezia, manden vir e rala io
    receber na melhor occasiao os dfsrjadea fffisc
    as procuradas latas com banbas linav mn rtnro
    nezes muito bonitos tambem,' pelo barato pgo de ^JS^l^S^" di vid' ',,af0 ''
    rato prego de 45 c 55, leques de charao tambem
    tambem se vendem separadamente os i.inrtir
    A AGUIA BRANCA
    vendendo relo$rio?.
    Como nao privativo a Aguia Branca larr 1. m
    est vendendo muito bons e bonitos rdr-fiMMwa
    mesa e parede.por pregus eommodos, por i vm a todos aproveitarem a occasiao e proverfm-
    se desse objecto semprc Decenario en rasa, fei
    porm reservado para os relojotiros o concert na
    algum dia qualquer delles venha a precisar, tris-
    que isso nao chtga para o bicu da Aguia Branca,
    da rua do Queimado n. 8.
    Banlias finas
    .. tartaruga comen
    feites e sem elle para menina; s no Vigilante,rua
    do Crespo n. 7.
    Hais leques
    com pequeo defeito, leques de sndalo com pe-
    queo defeito por barato prego de 8i e 105, chi-
    por 45, tudo isto para acabar, perdendo-se tal-
    vez 80 por cento; s no Vigilante, rua do Crespo
    n. 7.
    Pnlseiras.
    Lindas pulseiras de contas e de missnga, cores
    muito lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
    Para segurar manguitos.
    Tambera chegaram as guinhas estreitnhas de
    borracha que as senhoras tanto precisam para se-
    gurar manguitos por ser muito commodo e muito
    barato, a 320 o par; s no Vigilante, rua do nres-
    po n. 7.
    Leques.
    Rlquissimos leques de madreperola tanto para
    senhoras como para meninas, pelo barato prego
    de 125 e 145; s no Vigilante, rua do Crespo
    n. 7.
    Pentes
    tambem chegaram osnquissimos pentes de concha
    de tartaruga e de massa fina, que se vende por 25,
    35 e 55; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
    Caetas.
    Riquissimas caetas de madreperola proprias
    para qualquer presente, pelo baratissimo prego de
    15500 e 25-
    Sapatinhos e rucias de seda.
    Riquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
    feitados, assim como meiasznhas de seda, gorrazi-
    nhas e touquinhas para as cnancinhas se baptiza-
    rem; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
    Valuabas.
    Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
    fingndo brilbantes, assim como cruzinhas avulsas
    e voltinhas, pelo barato prego de 15 e 15200, as
    cruzes avnls asa 400 rs.; so no Vigilante, rua do
    Crespo n. 7.
    Golinhas.
    Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
    to possivel, a 25, 25500 e 35; s no Vigilante,
    rua do Crespo n. 7.
    Enfeites para senhora.
    Riquosissim enfeites com lago e sem lago e de
    outrosjmuitos gostos a 15, 15500 e 35 : s no Vi-
    gilante, rua do Crespo n. 7.
    Trancelins.
    Lindos trancelins de cabello para relogie ou lu-
    netas, pelo baratissimo prego de 15500, ditos de
    retroz a 200 rs.
    Rabadiohos ntremelos.
    Riquissimos babadinhos entremeos com lindos
    desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
    prego de 15200, 15500, 25 e 35; s no Vigilante,
    rua do Crespo n. 7.
    Casearriihas.
    Grande sortimento de casearriihas de diversas
    larguras, assim como galozinho e trancinhas pro-
    prias para enfeites; s no Vigilante, rua do Cres-
    po u. 7.
    Filas.
    Grande sortimento de fitas de diversas larguras
    e qualidades, por pregos que admirara aos com-
    pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
    teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega
    de 9 varas a 25; s no Vigilante, rua do Crespo
    n. 7.
    Fitas de la.
    Fitas de la de todas as qualidades, proprias pa-
    ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
    gilante, roa do Crespo n. 7
    Ricas espelhes.
    Riquissimos espedios com moldura dourada(e
    sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim como com
    celumnas de differentes tamanhos a 25, 35,45, 55
    e 65; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
    Lindos jarros e figuras.
    Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
    para enfeite de sala, sendo o melhor gosto queaqui
    tem apparecido; s no Vigilante, rua do Crespo
    n. 7.
    Para pos de arroz.
    Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
    e 35 o covado, cortes de casimira de cores a 55,
    55300 e 65, casimiras entestadas de urna s cor
    proprias para caigas, paletots, coletes, capas e para
    roupas de meninos a 35500 o covado, isto na loja
    do Pavo rua da Imperatriz n. 60, de Gama
    Silva. ______________________________
    Vende-se superior vinho do Porto em caixas de
    urna dnzia : era casa de Johnston Pater & C, rua
    do A'gario n. 3.__________
    Cal de Lisboa.
    Ha para vender a mais nova, e ultmame
    barato preco de 25, "25500, 35, 35500 e 45, dito iC0Dsa de .mui, W a l? e *#*** como
    muito fino 55 e 65 o covdoTcasTmira preto de' K3" con 09 pos a 320 rs. cada um; so no
    urna s largura a muito fina a 15800, U| 25500 Vigilante, rua do Crespo n. 7.
    Perfumaras.
    Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
    das, assim como de lindos copos on vasos com dis-
    tintivos e offerecimentos as sinhasinhas dos me-
    lhores e mais afamados autores de Paris e Inglater-
    ra, assim como os grandes copos de banba japoneza
    a 25 e a 15, assim como outros objectos que nao e
    possivel por heje annunciar, e vista dos fregue-
    zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
    rua do Crespo n. 7.
    peno as senhoras, e com tal acato que tPi h m
    que as vir deixar de comprar e no se rnfatlan
    de 1er a inscripgo que lo merrrirfamtiit II a toa
    e quem quizer ser bem servido dirig.-1 .l.i
    do Queimado, loja da Acata Branca n. 8.
    BONECAS
    que andam, que choram,
    que f'atlam, etc.
    A Aguia Branca, na rua do Qoeimado n. t 1 ai
    nada pelo aprego que a sua loa regotzis .aFw
    dar a essas boas novidadis, mand. uvir t ataba
    de reetber um i-xtraordiDario sorlirr 1 ato ir 11 r 1-
    tas boneras, que andan que (alian). .,ro ri e outras mi itas do diversas qoalidade o mu an-
    sarinas, soldados, atiradores. etc., 1 rds ni.i i.m
    vestidas; assim, pos, a Agua Biar.ra e|fi a
    concurrencia di s apreciadores do m m. re 1 do
    que acbarao pregos razoa veis e sero alistar tria-
    mente servidos urna vez que ccniam-am n..
    de dinheiro.
    Custnreiras
    A Aguia Branca, na rua do Qni in ado r t,%n
    de caixcbas necesarias para costura, ss qo.cs
    tem linhas de diversas qoalidade?. retroz. r -. 1 ira
    e outros arranjos precisos, assim romo amrMr* tV
    bordados ou marca, etc.. e lados a pren!
    modos.
    BAHS DE TARTARU-
    GA PARACOSTIRA.
    A Agua Branca na rua do Qn-imado n. un
    de bonitos bahus cobertos de tartaruga e de diur-
    sos tamanhos, mui proprios para costuras e oas
    CHROMAtOiHE
    para tingir cabello
    A Aguia Branca, na rua do Quemado o. 8, re
    cebeu essa excedente tintura para cabello, tojo
    effeito rpido e proveiteso, vindo ella munida c
    esclarecimientos em portngnez. donde qnalqcrr
    pessoa pode bem conhecer o modo da aaanrar
    Com o chromocorr.e que serve para tingir n
    tambem hydrocalltr.china, agua (ara tingir ral- i
    los, coloricorro para lustrar os d-t< s. a 1 a
    mantina para limpar as nnhas, e callicooui hila
    pomada de que se pode usar sem recejo d* 11!, n-
    der ao cabello preparado. Os pretenden!? ai da
    rao prego razoavel.___________
    Machinas de vapor f pa-
    ra descarocar algodao.
    Moendas e meias moendas.
    Taixas de ferro batido, tm
    doe de cobre.
    Rodas d'agua, dentadas, e
    de carroca com mangan e
    eixos de patente.
    RuadoBrumn. 38, fund-
    Cao do Bowman.
    Superior cal de Lisboa.
    Sende-se superior cal de Lisboa a mais nova cao
    ha no mercado tonto em porgo como a reta In,
    por barato prego afiangando-se aos compradores a
    superior qualidade : a tratar as i cguintes rana
    Crespo n. 7, Imperador n. 28, Forte do Mallo ar-
    mazem do Sr. Villa defronte do trapiche do (
    godo. ____________________
    c
    neme
    che-
    i' rua do Crespo n. 16.
    Duarte Pereira & C. tem para vender caixas
    eom vidros de todos os tamanhos para vidraga,
    etc., etc., bem como um variado e novo sortimen
    gada ao mercado; em bem acondicionados barris: to de lougas finas e entre-fiaas, iporcelanas, vidros,
    noarmaaem donnoel Teixeira Bastos, roa do crystoes para o uso domestico : vendem por pre-
    Trapicne n. 13, por prego razoavel. gos os mais razoaveis.
    prensas para ;ilid:'io.
    Mh hias e
    Chegaram agora da America as verdadeira ma-
    chinas de diversos tamanhos para descarogar al-
    godao e prensas do melhor systema para eafardar
    o mesmo : a ver e tratar na iravessa do tJai
    n. 2.
    GAZ GAZ GAZ
    Vende-se gaz de primeira qnalidfdi i
    100 a lata : nos armazens da rua do la>
    perador n. 16 e ruado Trapiche Novo n. t.
    Baldo.
    Vende-se um balco de louro e lampo de ama-,
    relio, muito bom, por commodo prego, assim eemo
    um fiteiro eovidragado e dous dito mais re
    nos, tres caixoes para amostras de caf, arroz, > '< .
    etc. : na* roa da Cadeia do Recife o. 80.

    MUTILAD



    ^J.^IJ.P I
    i>Uri *e reraambae* Qnarta Iclra de Vovembr. 4e lt4.
    !*g^
    NOVA KEF0RM4.
    AUR0B4 BRILH\fim
    l
    ^ N. 84. Largo da SanttfJJruz. N. 84.
    Francisco Jas Fernandes Pires, tem a honra de avisar a sqa umerosa freeuezla
    e coi espemalidade aos moradores do bairro da Boa-Vista e seas arrebaldes, me fez
    nova reforma ein seu asseiado estabelecimento de molhados denominado Aurora Briihan-
    te, ao largo da Santa Cruz, e com esla reforma suprio de novo o sen armazem de bB8
    laneros, sendo muitos dolt-s mandados vir de sua propria conta, para melhor servir
    aquell.'s que se dignarem comorar 011 mandar comprar em seu estabelfciment.
    Na armazem da Aurora Brilhante encontrara sempre respeilavel publico um
    lindo e novo sortimento dos melhores gneros que tem rinde a nosso mercado, e sem-
    urr. por precos muito razoaveis, como se v da seguinte tabella que ser mudada se-
    manal mente.
    A Aurora Brilhante recebe as libras sterlinas por 9, sondo para compra, e faz 5
    por cont de abatimento a quom comprar de 1005 para cima.
    Presuntos de Hambre mu i lo novo, a libra a
    seors.
    Bitos |i;u-;i panelta, a 560 rs.
    faeij limdrinos muito superiores, a libra
    a IJ11OO.
    Diios do reino viudo neste vapor a 2>600.
    Ditos do vapor passado a 2 e 2*100.
    Queijos ite qualha novos, a libra a 560.
    Fraseos grandes com am.ixas a 3*000,
    Latas roail 1|2 libras a 13200
    Bitas com 3 e 6 libras a 500 e 43.
    Chocolate francezmuito superior, a libra
    1*ttt
    Cha ti mu de priraeira riualids.de, a libra
    2*700.
    Dito uxim a 23700,
    Duo bysaoo a 2*700 e 2*800.
    Dito perola a 2*800.
    lo em caixinhas de i e 2 libras a 2*600.
    Dito preto a 2J e 2*500.
    Manteiga ingieza flor a 1*200.
    Bita mais abano a 800 rs.
    Bilaem barril propria para negocio, a libra
    a 600 rs.
    Dita para tempero a 400 rs.
    Lata* rtm 2 libras do banha retinada, a libra
    a '00 rs.
    Minii'i:i franceza nova, a libraa 640.
    Dua ern barris e meios ditos, a libra a 600.
    Toucinho de Lisboa a 9*500 a arroba e a 320
    rs. a libra.
    Lata* con bolachioba de soda de 5 libras a
    35000.
    Ditas coni biseoitos e bolachinhas sortidas
    a 13500.
    Ditas inglezas novas, a libra a 240 rs.
    Arroz di Maranhao, a arroba a 2*400 e a li-
    bia a 80 e 100 rs.
    Dito da India a arroba 2*800 e a libraa 100
    e 120 rs.
    Caf niiiiio superior de primeira qualid-de
    a 8*800, 9* e 9*500 a arroba.
    D t. em libra a 280, 320 e 360 rs
    Viahos em caixa de 12 garrafas, o melhor
    pussiv-l a 18* e 20*
    D ti man baixo a 10*, 12* e 14*.
    ti Fiivira. o mais superior pns>ivel, a
    Canad a 43300 e. a garrafa a 640 rs.
    9lo mais baixo a 4* a ranada e a 560 rs. a
    garrafa.
    Diio de Lisboa, boa marca, a 400 e 500 rs.
    a carrafa.
    Bitu Brdeos a 640 rs. agarrafa.
    Di! em caixa, das melhorus marcas, a 7* o
    85000.
    Servis, marca tmente, em botijas a 7 e
    a amia
    Dir de drnVrenles marcas a 500 rs. a garra-
    fa c 5S800 a duzia.
    Oenebra de larauja verdadeira a 1* e 1*200
    o fraseo.
    Dita de II llanda em frascos grandes a 1* e
    pepuenos a >40 rs.
    Dia verdadeira de Hollanda, a botija a 480
    Lieoreu fin is do varias qualidades a 800, 1*
    e Ifi.-iOU.
    Caixa* de vinbo mascatel a 10*, e a garrafa
    a 15000.
    Bitas rom azeite refinado a 10* e a garrafa
    a 151)00
    Conservas inglezase francezas de pepinos,
    seh.las, azrftona* e mixide a600, 700 e
    800 rs. o frasco grande.
    Caixas rom fra-eos de tnostarda franceza a
    45 a duzia, e 360 rs. fraseo,
    e Murros
    Charutos finos do autor Jos Furtado de Ci-
    mas, ha por muilos preco*.
    Ditos de outros aulorss a 15500. 2* e 2*500.
    Gigos de batatas novas com 1 arroba a 1*.
    Passas novas, a libra a500 rs.
    Figos novos a 320 rs.
    Latas de ervilhas e faras portuguezas j pre-
    paradas a 720 rs.
    Ditas com ostras, excellente petisce.a 640 rs.
    Latas de peixe ensopado em postas, de muitas
    qualidades, a 1*.
    Potes de vidro cora sal retinado a 500 e 640
    ris.
    Marrasquino da melhor qualidode, a 8* e
    12* duzia.
    Garrafas de dito a 80o o 1*200.
    Amendoas eonfeitadas a libra a 800 rs.
    Dita com casca n libra a 320 rs.
    Notes, a libra 160 rs.
    aieo, alpista, a arroba45 e libra a 160 rs.
    Grao de bico, a arroba 4* e libra a 160 rs.
    Vinho do caj preparado em Sobral a 800 a
    garrafa.
    Cojrnae superior a garrafa a 1*000, 1*200 e
    11600.
    Champagne boa a duzia 205." a garrafa a 25
    Garrafes com genebra hamnurgueza a 6*.
    Vinho branco Xerez a garrafa a 1*.
    Dito Joao de rVilo, puro, a garrafa a 640 rs.
    Hito aducir iu a 560 rs.
    Dito do Porto, tino, a garrafa a 800 e 1*
    Xarope de grozeis o outras fructas a 640 rs.
    Massas para sopa, amarella, a libra a 480 rs.
    Dita branca a 320 rs.
    Dita eslrolinha, pevido e rodinhas a 640 r$.
    Caixinha com 8 libras de dita a 3*500.
    Sebolas solas grandes, o cent a 1*.
    Ditas grandes om resteas a 1*280.
    Duzias de carta francezas tinas a 2*500, 3*
    e 3*500.
    Duzias de Litas de graxa nova a 900 rs.
    Bnhd>'S de dita a 280 rs.
    Marmelada nova a 600 e 720 rs.
    Carne do sertao a libra a 320 rs
    Chouricas a libra a 640 rs.
    Saceos grandes com farinha a 5*.
    Ditos com ni'lhon 35500.
    Ervilhas seccas a libra a 160 rs.
    Leotilhaspara sopa a libra a 200 rs.
    Sr-vadioha de Franca a libra 200 rs,
    Sag a libra a 400 rs.
    Araruta verdadeira a libra 480 rs.
    (omina de eugomraar a arroba a 4* e em
    libra a 160 rs.
    Sabo espanhol a libra a 400 rs.
    Latas non o verdadeiro gaz liquido com 27
    garra faa a 125-
    Garrafas rom dito aSOOrs.
    Saecus grandes com feijao mulalinho com 24
    cuias por 95-
    Cobos e ralix lapidado* para vinho e agua.
    Latas mano bem enditadas com figos novos
    a 25, 25500 o 3*.
    Assucar refinado c un ovos muito alvo a ar-
    roba a 6*500 e a libra a 200 rs.
    Papel patalo liso a> peso branco e azul, a
    resma a 25500 e 45500.
    Vinho Madeira-secco, a 15600.
    Centode esleirs de tranca a 205
    Barriscom az-itonas novas a 15280.
    Duas balancas grandes de Romn com os
    pesos de 21 arrobas, e alguos bragos pe-
    queo* do mesmo autor.
    Urna grande quaatidade de caixoes vastos de
    todos os lmannos de 120 a 500 cada um.
    UTROS GNEROS QUE TORNARA EXFADON'ilO MENCINALOS.
    TODO DE PRIMEIRA QUALIDADE.

    rHll'JgjN
    rv> ,-
    NEM COROAS NEM MITRAS
    E
    VERDAD
    GRAMDE
    ARMAZEM
    DE
    RA DO IMPERADOR M. 40
    Jiote ao sobrado em qae mora o Sr. >barne,
    Duarle Almelda fc c, receberam de sua propria Piouioirn
    da o mal liado e variado sortisneoto de molhados, proprlos
    da presente esiaeo.
    Manteiga ingieza Ma^as brancas
    da safra nova vinda no ultimo vapor a 1,00o para sopa a melhor que se pode desejar,
    j macarro, talharim e aleiria a 400 rs. a
    rs. a libra e em barril a 800 rs.
    Manteiga franceza
    da safra nova a 60o rs. alifara, e em barril
    a 560 rs.
    Amendoas
    eonfeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
    libra.
    Anieixas
    em frascos de vidro com 3 libras liquido a
    2)5400, muito propios para mimos.
    Cartoes
    com bolos rrancezes a 500 rs. cada um.
    Latas
    com bolachinhas de soda de. todas as qua-
    lidades a lMO.
    Chocolates
    de todas as qualidades a 1501)0 a libra.
    Presuntos inglezes
    dos melhores fabricantes a 800 rs., tarabem
    temos velhos para 500 rs.
    Queijos flamengos
    chegados neste ultima vapor a 26oo.
    Queijos
    chegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
    Queljo
    londrino o mais fresco que se pode esperar
    e de encellante maree a 800 rs. a libra
    sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
    Conservas inglezas
    as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
    o frasco.
    Figos
    em libras e caixinhas ricamente douradas,
    proprias para mimos a 900 e i 00.
    Cha uxim
    o melhor que se pode desejar, que outro
    qualquer nao pode vender por menos de
    U a 2^600.
    dem perola
    especial qualidade a 25700 rs. a libra
    llll'.'il hyssOD
    0 mais aromtico que tem vindo ao nosso
    mercado a 20600.
    Massas amarellas
    talharim e aletria a
    libra e 40500 a caixa.
    Vinho
    Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
    ditadas a 500 rs. a garrafa.
    dem de Lisboa
    e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
    20800 a caada.
    dem do Porto
    generosos engarrafado ds melhores fabri-
    cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
    a garrafa e de 100 a 120 a caixa, as mar-
    cas sao asseguintes: Cnamisse AFilhe,
    F. & M., Nctar ou vinh dos Deuzes,
    lagrimas do Douro e outras muitos.
    Latas
    com 10 libras de banha a 45003.
    Bolachinha ingieza
    a 10800 a barrica da mesma que
    vendem a 20000 0 20400.
    Nozes
    as mais novas do mercado a laOr^ .d bra.
    Cervejas
    dos melhores fabricantesje de todas as mai
    cas de 40500 a 0500 a duzia.
    C-ARTOS
    Charutos Thom Pinto,. Res a outros em
    meias caixinhas a 10500.
    Arroz
    do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
    a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
    roba desses que vendem por 30400.
    CAF
    de 1.a e 2.' sorte do Rio de Janeiro a 805
    e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
    Garrafes
    com 4 V garrafas com vinagre a 100003
    o garrafo.
    GENEBRA DE LARANJA
    verdadeira a 10000 o frasco, e de H0OOC
    a caixa.
    DEM
    em frasqueiras de Hollanda a 50800 com
    12 frascos.
    GENEftRA
    de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600
    rs. cada urna.
    para sopa, macarro, talharim e aletria a PALITOS
    480 rs. a libra. os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
    COC WC e 2o rs. cada caixinha.
    o muito afamado cognac Pal Rrandy a l,8oo LICORES
    rs. a Karrafa e de outras muitas qualida- finos de todas as qualidades, a lo,000 a caixa
    RA DO QUEIMADO NUMERO 11
    Loja fie fazendas d Augusto FredeHc dos Santos Porto
    Ch -paran esto esUbdfrimento ricas colchas de seda para camas de neives.
    Mori-antiqne n sedas adamascadas para vestidos de noivas.
    Enfeites de cores e capelln brancas.
    Superiores corte* de organdys goslos os mais moderaos.
    Bonitos nortes de rhaly rom barras compridas a 204-
    Cortes de la de barras de 105 a 18.
    I-steiras superiores para sala com 4, 5 e 6 palmos de largura.
    Casimiras de rdres para rapas de senhnras, e roupss de bemera.
    Curtas de superiores casimiras para costumes completos.
    Grosdenanle branco,azul, cor de rosa, preto, cor de caf eto.
    Chapeos d palha de Italia para spnhnras.
    Pannos linos e superiores ca>imiras tirelas.
    Finiscimas percalas, carnhraias de cor, ditas braneas.
    T|ieies grandes para sof, bal5es de arcos brancos e de cores.
    Mala* para viagem, superior silistrina prela, bombasina prela.
    Cantao. merino de cordao, princenas, len?os de cambraia, de linho, silesias, bretantaas e ou-
    ka moitas fazendas que se vendem por com modos precos.
    des a l.ooo e 8nn rs. a garrafa.
    COPO
    lapidados para agua a 4.000 e 5,ooo rs. a
    duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
    PAPEL
    almajo, greve, peso e de outras muitas qua-
    lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
    lhor.
    Papel de botica
    de excellettle qualidade a 20200 a resma,
    PAPEL
    azul e pardo para embrulho de 1,4oo a 2.2oo; VELAS
    rs. a resma. ^ ; q espermacete de diversas marcas a 56o rs.
    CorinthiaS a "Dra e em ca'xa tera abatimento.
    passas corinthias muito novas proprias para VELAS
    Za~. ann M n ni-. de carnauba em caixas de arroba a9,3oo c
    caixa e 3o rs. a libra.
    Batatas novas
    em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
    a libra.
    Passas milito novas
    com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
    Marmelada
    dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
    jam Abreu e outros muitos a Goo rs. a
    libra.
    Pregunto
    o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
    a libra.
    ARROZ
    Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
    de 3,ooo, a 3,oo rs. a arroba.
    NOVA EXPSITO DE GNEROS
    NO
    ARMAZEM
    PRINCIPAL
    N. 9 RA IIO CRESPO JV. O
    Esquina que volt para a ro d iBaeraitr
    provavel que n5o eja bem aceita a vardade, quando a boa fe de lodo* zn*
    Iludida por esla epidemia de nauzeaticos annuncios de cornetas, tambores, con*-^
    tras, etc., que todo o da enchem as paginas deste jornal.
    ALiEHTA
    Os annunciantes n5o tem em vista seno garantirem ao respeiuvel pul** a
    sua palavra de honra, vendendo com o lucro suficiente para suas subsistencias n.> ZL
    assentarem fortunas a forfa da regra de liga como outros annunnantes d^sle genero
    PARA TOIIOS
    No armazem principal rende-se a todos pelos presos marcados na seguutt* ta-
    bella, mas n3o se vende por todo o preco fazendo-se peso de arroba hespanitotii laraa
    te-se as qualidades dos gneros trocando-se todo aquello que n3o seta doaad
    comprador. *-
    Amendoas eonfeitadas de diversas cores a Lentilhas muito novas excellente leran n..
    64o rs. a libra. | ra sopa a 2oo rs. a libra. ^'
    dem de casca dura a 24o rs. a libra. Licores francezes de todas as quahdaifcs dem de casca mole a 32o rs. a libra. 7oo e 9oo rs. a garrafa
    Ameixas francezas em caixinhas com lindas Manteiga ingieza perfeitamente flor aiw
    estampas, a 1,2oo e 1,5oo rs. a libra, i desnessesarie mais etogi. ^
    te genero que s se pode verificar
    dem em frascos de vidro a l,2oo rs.
    dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
    dem em latas de 1'/libra a l.loo rs.
    Arroz do Maranhao e da India o melhor que
    ha neste genero de 80 a loo rs, a libra, e
    de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
    Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
    4,800 rs. a caada,
    dem francez e de Lisboa refinado em gar-
    rafas brancas a 9oo rs. a garrafa el 0,000
    rs. a duzia.
    Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
    libia.
    Azeitonas muito novas a 2,ooo rs, a anco-
    rela.
    Alpista limpo a 14ors. a libra, e 4,4oo rs. a
    arroba.
    vista.
    dem franceza a 56o rs. a libra, a m bsrrtf
    ou meios a 5oo rs.
    Marmellada do I." fabricante de Lisboa a tm
    rs. a libra, ba latas de I, I /, 2 ^m
    Maca de tomate em latas de orna e i\m li-
    bras, a 600 rs. a libra,
    dem para sopa estrellinha, pevide, redinka
    etc. a 3,5oo rs. a caixa e 56o rs. a krai
    Macarro, talharim e aletria a 4oo rs. a \
    bra.
    Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o fras-
    co,
    dem ingieza em p a 64o rs. o frasco.
    Molho inglez em garrafinhas con rolLa de
    vidro a 64o rs. cada urna.
    Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato Marraschino verdadeiro de Zara a Ixoo r
    Antonio de diversas qualidades, em latas a garrafa, e lo.ooo rs. a duzia
    de 6 e de 3 libras a 3,ooo e l,5oo rs. Nozes muito novas a 16o rs a libra
    lata, e 64o rs. a libra. Ostras preparadas em latas a 7on r.' a rj
    dem ingieza em latas de 2 e de 4 libras Prezunto para fiambre inglez vda das melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs.; rantindo-se a qualidade. a oori l'ux
    a lata. paSsas novas de carnada a 4oo rs. a Baa
    Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e 6,5oo rs. a caixa
    em barril a 36o rs. Peixe em latas hermticamente fVhadas .las
    Batatas em caixas de 2 e de 4 arrobas a seguinles qualidades. sabel amina n.
    l.loo rs. a arroba. I rz> cavallinha e pescada a i,ooo rs.'a b-
    Champagne das melhores marcas a 2o.ooo ta.
    rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, c 9oo rs. Palitos para dentes fichadas a 14o rs o su
    as meias garrafas. co de 20 macinhos.
    Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a li- dem do gaz a 2oo rs. a duia, e Mea r?.
    k''a- I a groza.
    dem perola qualidade especial a 2,7oo rs. painco muito novo a 16o rs. a libra, e i.5
    rs. a arroba.
    SORTIMENTO PARA A FESTA
    M CONSERVATIVO
    23-Largo do Terco-23.
    podim a 800 rs. a libra.
    Fumo
    o verdadeiro fumo americano em chapa a
    l,4oo rs. a libra
    Vina 0*1*0
    __ j n j P- 'em quartos e inleiros a U o quarto e 6^500
    PRR em ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.; a aixa e 400 rs a libra
    cada urna. #^ki.
    ^ ,, cnocoiate
    GDOLUlS iportuguez o mais especial que se pode de-
    as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa seJar a 80() rs- a lbra e 140 rs. o pao.
    e l.ooo rs. o molho.
    Alpista e
    Painco
    o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
    e 44400 a arroba.
    CEBLAS
    Frutas em calda
    chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
    outros muitos a 640 rs. a lata.
    Dsce da casca da goiaba
    a 600 e 11 o caixe.
    GOMMA MUITO NOVA
    a hr.ra.
    dem hysson o melhor que ha neste genero
    a 2,ooo, 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
    dem do Rio em latas de 2 a 8 libras, a l,3oo
    rs. a libra.
    dem preto homeopathieo 2,ooo rs. a libra.
    Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a du-
    zia, e 56o rs. a garrafa.
    Chocolate francez. suisso e hespanhol a
    1,000, 1,2oo e 1.4oo rs. a libra.
    Charutos do afamado fabricante Jos Furia
    do de Simas e outros da Bahia como se-
    jam Regala, Trovadores, Guanabaras, De-
    licias e Suspiros, a l,6oo, 2,ooo, 3,ooo e
    4,000 rs. a caixa.
    Conservas inglezas a 75o rs. o frasco.
    dem franceza surtidas ou de urna s quali-
    dade de cada frasco a 5oo rs.
    Cognac inglez e francez a l.ooo rs. a garra-
    fa, e lo.ooo rs. a duzia.
    Cominho e crva-doce a 4oo rs. a libra.
    Cravo da India a 600 rs. a libra.
    Canella a l.ooo rs. a libra.
    Copos fino? para agua e vinho a 4.800,
    5,000 e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs. cada
    um.
    Caf do Rio superior 28o e 3oo rs. a libra,
    e 8,800 a 9,ooo rs. a arroba.
    dem do Cear a 26o, 28o e 3oo rs. a libra,
    e 8,000 a 8.5oo rs. a arroba.
    Doce de goiaba a 600 rs. o caixao.
    Ervi'has portuguezas em latas, chegadas l-
    timamente a 7oo rs. a lata.
    dem seccas a 16o rs. a libra.
    dem j desrascadas a 2oo rs. a libra.
    Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
    libra.
    Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo rs.
    cada urna.
    Graixa "hova a loo rs. a lata, l.loo rs. a
    duzia.
    JOS
    gara-
    robae 140 rs. a hhra
    Jeaqiiim Siuiao dos Saatas, dono doste armazem de tuolliadcs avisa aos amigos do bom e La-
    . .itj ^ue so vunlioin sortir di.s U#ns peaen-s e-ie stabeleci ment ijue nao se arr^pendero, se I he
    Jara a 4tf0r*n;a (Je 1* a 20 por cento. pelo sen prompto pa lguns ftearros, que teid* sem|ire este esubelecimeita un grande e vantajoso sortimento de ludo
    Seatidat Yon fallar cao a Onserrali !!
    nglea de I* e t* sorte a 800, 900 e i*
    KuStigs
    at*ra
    dem f 1 anceza em barril a 60S e 640 ris a W-
    bra
    Touciiihe de Lisboa a 300 rs. a libra e 8800 a ar-
    roba.
    Batatas en eaixas e gigos 1J3O0 e sfOOO a ar-
    saBs>
    Ral* de primeira e segunda sorte a 230, 28) e 300
    rs. a libra.
    Arrez da ludia, Marauhio c Java a 100 e 80 rs. a
    tifcr.
    Piw-^iir,- de g lU a reza* 180re. o ma;o.
    Vassa. nova* a 480 rs. a Jibra.
    Velas' de carnauba Ararat corapesi^ao a 400 e 440
    ra. & libra.
    Maoas para sopa a 480 e 440 n. a libra,
    tfannellaiia << melhores fabricantes de Li>boa de
    la) Hfern a 640 r*. a iSra.
    C5 bvssoa o melbor desle genere a 2800 a li-
    bra.
    Mero perola miudinho a 2300, 2^900 e 3*000 a
    libra..
    Bnlii inglsM alvt e asefir a 4W rs. a Wtnu
    Queijos mais novos de mercado a 2500 e 2800.
    Servcja da* nirlliore marras, tant-j branca como
    preu a 800 m. a garrafa e a duzia a 5,5800.
    Sabio amarello ma>sa a 180,200 e 240 rs. a libra.
    Charutos da Babia tos melli^res fabricantes de
    1*200, 2*000, 2*300 e 3* mi-xa.
    Mi 1 bM alpista e paiucn a 160 e 140 re a libra.
    Vinho de Pipneira verdadeiro a 500 rs. a garrafa,
    dem de Lisboa das melhores marcas a 400 a dia.
    Mora d Porto barril superior pinga a 640 rs.
    Ideta brntirt proprio para tmssa a Oo rs. a dita.
    Mein du l>rti* en-arrafailo a 800 e 1*. tomando
    mais de urna caada demialuaer um destes ter
    grande aatimeHtv.
    Conservas inglezas e portuguezas a 300 e 640 rs.
    Biscoi !>.> c bolachas de soda a 1*400 e 2*.
    Vassa de tomate 60B ra, a libra.
    G.-U'-bra de Ola ida *m frascos e botijas e de la-
    raoja t 480 640 e 1*200.
    aouncaa as ni~ n*as "560 rs. a libra.
    Lalns oeai4 o nina libra de ameixas a 1*100.
    mado n. 7, ra do Imperador n. 40 e lar- robae 140 rs. a libra na ra do Qoei-
    go do Carmo n. 9 mado n. 7, ruado Imperador n. 40 o largo
    GRAO DE BICO do Carmo n. 9
    muito novo a 3#tA0 a arroba e 140 rs. a li-1 B-LACHINHAS
    bra na ra doQueimrdo n. 7, ra do- em latas de defferentes qualidades a 1#200
    Imperador n. 40 e largo do Carmo n. 9.1 a lata
    QUEIJO SUISSO QUEIJOS FLAMENGOS
    muito fresco a 800 rs. a libra na roa do chegado* neste ultimo vapor a 25800 na roa
    Queimado n. 7, ra do Imperador n. 40 e do Queimado n. 7, ra do Imperador n.
    largo do Carmo n. 9 40 e largo do Carmo n. 9. /
    Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
    freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
    tipularan! os mesmos precos nos seguintes lugares :
    Unia e Commercio raa do Qaeimada n. 7
    0 Verdadeira Principal ni do Imnendnr o. 40
    dem em botijas a 4oo rs. cada urna,
    dem em garrafes de 16 garrafas a 4,800
    rs. com o garrafo.
    dem idem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada nm.
    dem ingieza em garrafas brancas bordadas
    com rolha de vidro, qualidade superior
    a 1,00o rs. a garrafa.
    dem delaranja verdadeira a l.ooo rs. o fras-
    co, e 11,000 a fiasqueiras de 12 frascos.
    Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
    1,80o rs. a garrafa.
    Queijos flamengos do ultimo apar.
    dem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
    sendo inteiro a 72o rs.
    Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. ra-
    da um.
    Sardinhas de Lisboa e de Nanfes a too ri
    a meia lata, e 4oo.. o qyfB,
    Sag muito novo calvo a 2ih k. a uta
    Sardinha de Franca a 18o rs. a fibra.
    Sendas loors. a libra.
    Toucinho de Lisboa a 24o e 3oor5. a libra.
    Tijolos para limpar facas a 15o rs. .Moa un.
    Vinho em cipa, Porto, Lisboa c Figti- i a ia*
    marca* menos coniiecidas a laa n 1 gar-
    rafa, ea 2,800 rs. a caada.
    dem F'gueiraexpecialm-i;teescolbi.!o wte
    lugar a 600 rs. agarrafa, e 4.rmo ac i,ad^
    dem Lavrado, Colares muito fr,-.,, hts
    composifoa6oors agarrafa,e 4..".<, r- a
    caada.
    dem Lisboa em ancoras com 9 cana-la-
    ca especial a 22,ooo rs. a anct.ra.
    dem branco uva pura a 50b rs. a g. rrafa
    e a 4,50o a caada.
    dem Porto fino em pipa a 56o r*. a
    fa.
    dem engarrafados generoso?, Lagrw4 do
    Douro, Duque do Pono, D. Lui/1. U Pe-
    dro V, Nctar, arfas secco, Jfolw..
    genuino particular de 9ooal,nr> rs. a gar-
    rafa e a 10,000 rs. a caixa com un mk
    dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a garrafa,
    ea I2,ooo rs. a duzia.
    dem Muscalel a looo rs. a garrafa
    dem Bordeaux dos acreditadas mar. as Si
    Julien St. Estepa, chieau la Ro/e.rfjiaw
    Margoux c outros a 6,000 rs, a caixa e 56
    rs. a garrafa.
    Vermouth a melhor bebida estooiaral a 2.000
    rs. a garrafa.
    Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e 1,4o
    rs. a caada,
    dem em garrafes com 5 garrafas a 1.0.4 rs.
    Vassouras do Porto com arcos de fem> a 22o
    rs. cada urna.
    dem de escovas para lavar casa a .16o rs.
    cada urna.
    Vellas de espermacete superiores a 56o rs.
    a libra, e sendo em caixa a 52o r>.
    dem de carnauba refinada e de rompos^Jo
    a 36o rs. a libra, lo,5oo e I l.ooo n
    arroba.
    PHlCTi
    HAl? PERA i: UVAS
    chegadas neste ultimo vapor, vende-se nos seguintes lugares: Ra do Imperador n.
    40, Verdadeiro Principal Ra do Queimado n. 7, Unio e Commercio.
    3-S5S2 s .^5-3 5
    Agua Florida.
    Para restobelecer e conservar a cor natural
    dos cahellos.
    A a?ua florida nao urna tiatora, faeto ps.-en-
    nal a eontestar, a mesma aua dando a cor primi-
    tiva ao cabello. Cnmposta le plantas escuras e
    de substancias inorr>nsiras, ella tem a propriedade
    de restituir aos cabellos o principio corante qm- el-
    les tem perdido. Duina salubridade inrontesta-
    vel, a Agua Florida eniretcm a liinpeza da cabrea
    d*stroe as caspas e impede os cabellos de cabir
    Oleo de Florida
    Compostp de sukslancias vegciaes eiotk-as, elle
    constite poderosamente, com a Asna Florida, a
    forca. a bol xa e a consorvacao dos raliellos.
    Em Pars, casa de Qmslxur n. 12, ra de BJcbe-
    liea. e 21, trauterard Mt*tmartre.
    Todos os frascos, nao leudo intacta e claro,
    Balaios para meninas
    Lindos balaios de varios irotos para meninas
    tra*prem no braco : s se encontra na loja do Bei-
    ja-Flor, ra do ueimado n. 63 e 69.
    Extratos e salfto
    em eai-
    xinhas
    isi
    5 l8Mr fi *11 2.=.?
    a. as en g. ;
    a rt ^, asi) pk
    5 2
    C^ "J B 2

    =1^- w a, =; = <
    S Fa 9ff_ 3
    S?3 "
    si
    a
    c
    _ 3
    E?a.i||
    ley
    T3 o a> ** cb '
    Liadas caixinhas com om cartao rom a familia
    imperial, e dentro de cada caixa nm frasco oa sa-
    bao o mais fino que passivH : na leja do Beija
    Flor roa do Qaeimado o. 63 e 69.
    Azeite doce de Lisboa a 440 rs. a garraa e 3# o timnr* praleado da casa, sao reputado Usos.
    galio' l Deposite, ra do Iaiperaor, pbirttaa* b. N.
    4' tuja fo furia.
    Na esquina da na da Madre de Dos ha nm
    completo sortimento de lamidas, calcados e ronpas
    feitas, por procos muit ^a^l^ls.
    Cal\de Lisboa
    m roa do Yigano o. 19, prtmeire andar.
    a s 3 3 "!??
    3S "= 2
    b" a
    9
    I?
    a
    ai O
    d> aj
    No annazem de fazendas ba-
    ratas de Santos Codbo,
    Rna do Qiifimdda d. 15.
    Vende-seo*rSiilBle :
    Ailcncao
    Ricas laazinha, fazenda a melhor m um n
    do ao mercado. Unto em $ oslo rom
    de, pelo baraii.ssium preco de 560 ra. .
    Ditas roiudinbas TirBM. Hlll ava
    dos de meninas e can.isinhas a CIO orV*>
    de gjla8de l5a C0IH ,3 C0Ta*. 1*1" bwato 'ptec.
    C.ilterus de ehiU da India a SJSOO e 3.
    Lent-es de panno de linbo a H 24SU0
    PjM de cambraia de BM. com 8 ifl'nt
    Toalhas aleocboadas proprias para
    da/ia.
    Ricos cortes de la
    IBA
    Pecas de platilhaa de aleodio
    propnas para saia a 43.
    Algodao enfestado com 7 li2 dbIdm de bni
    a 1*100 rs. a vara. ^^ ^^
    mi|i
    com torra Hara Pm
    IB aras.
    a
    se
    e
    a,
    f7 I. f s,rtra "** prepria para mrr. do mta
    p| i 4, S, e I pitHi de largnra, per MBS* pm
    1 que em outa qualquer parte?
    Neste esiaMerimento bmkea m wm
    m grande sortimento de roupas feilae, par l



    .r-
    DUri dr
    e -* Qiiarta felra t de \ovrnibro de 1S34.
    A8 PUBC8
    gem menor mscraa-
    glmente se entregar
    importe do genero que
    n.w agradar.
    ATTENCO
    precos da seguiste
    tabella para todos, po-
    dendo asslm .servir de ba-
    se para o ajaste de eentas
    com es portadores.
    MAZEM
    RA I>A CADEiA llO RECIPE If. 53.
    (Ujo passando arco da Coneeiei)
    brande rednceao de preeos, equivalente a dea: por cento menos annnnclante.
    Collegas.Nao posse por mais tempe sustentar o prega da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
    Ditos objeetos, etc., dando cora isto ocasia a todas as espeluncas acabaren por bem preco a manteiga de tempero, e gritarem em
    alia voz, que poden vender pelo preco que eu vendo 111 Ora. eu ofleadide com estas ebsenridades e receloso em adoptar o mesmo
    gvstlienia que vina encentrar, de se se vender com uro por cerno a carola, resolv fazer esta giande reduceo de precos, como veris
    pela aeraran tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momeravel armazem de melhados Uniao Mercantil nao
    se sabia de outro preco de maateiga ingleza a nao ser o de l,4oe a 1,600 rs. a libra. Boje paren, resentidos da redueco a que
    asto obrigados encarando todos os das de seus fregnezes reclamado de precos, e qualidades, vingam-se de um eoatro portadores
    mal informado testa nevo estabelecimento. para lhe vender gneros nao proprios de um estabelecimente desta ordem que o seu fim
    to smente ebter a concurrencia de seus freguezes.
    Para bem de todos.
    Senhores e Senhoras o aceio que presidie, aos arranjos deste novo estabelecimente, e mais que ludo apremplidao e entei-
    ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
    ALIANG

    OE
    SU
    5 a
    Paulo Ferreira da Silva & Companhia
    57 RA DO JMPERADOR 57
    Grandes reformas de peores
    tO por rento menos
    Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
    escomida a 8oe rs. a libra, era barril se
    faz abalimento.
    dem franceza a mais nova que tem vindo ao
    rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
    menlo.
    Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7 .Soo
    e 8.5oo rs. a arroba.
    mercado a 56o rs. a libra, e em barril eu dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
    meios a ioe rs. j a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
    Cha byssbn de superior qualidade a 2,6ee rs. dem do Cear de superior qualidade a 2io
    a libra.
    dem perela o mais superior de mercada a
    2.8oo rs.
    dem luuim o melhor que se pode desejar
    ueste genero 2,6oo rs.
    Mein preto homeopathico por ser de superior
    qualidade a i.ooo rs. a libra,
    dem hyssoQ, huxira e perola mais proprio
    para negecio e l,6oo, l,8oo e 2,ooo rs. a
    libra, garante-se ser muito regu-ar, igual
    e 28o rs. a libra, 7,8eo"a 8,eoo rs. a
    arroba.
    Arroz de Maranhao a loo rs. a libra, e 3,eoo
    rs. a arroba,
    dem da India muite alvo eg raudo a loo rs. a
    libra, e 3,ooo rs. a arroba,
    dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2o rs.
    a arroba.
    Painco e al pista a 14o rs. a libra, e 4,3oe
    rs. a arroba.
    ao que se vende emoutra parte per 2,4eo Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
    e 2,ioo rs. 6oo rs. e de barril muito superior a Soo
    Lioguicas, cheuricas e paios em latas de 8 rs. a libra,
    libras, ermeticamenle lacradas a 5.5oe rs. Aletria, macarrao e talharim a loo rs. a'll-
    garante^e serem superiores aos que vem bra, e 9,ooo rs. a caixa.
    em barris. I dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
    Chonricas e paios em barris de meia e ma j estas massas tornam-se recomendaveis as
    arroba a 8,ooo rs. e l,5oo e 6oo rs. a libra., pessoas doentes por serem propriamente
    Queijos flamengos muito frescos chegados! feitas para esse lira.
    neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor Estearinas a 5Go rs. a libra, e em caixa com
    ppssado a I,6oo e 1,800 rs. 25 libras a 52o rs.
    dem londrinos os mais superiores que tem Vinho do Porto muito
    vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei
    ro se faz abalimento.
    dem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
    dem rio Alcntejo o que se pode desejar de
    fresca e superior a 800 rs. a libra, a elles
    antes que se acabem.
    Ervilhas e favas porluguezas em latasj pre-
    parabas a 64o rs.
    Marmela-lat,-! Vial dos 14 is acreditados fa-
    bricantes (lejljisboi a 600 rs. a libra.
    Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
    por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
    mo peso a 2,5on; ditas imperiaes em latas
    de 3 libras por l,5oo rs.
    Ameixas francezas em latas de i e meia libra
    por l,2oo; ditas em caixinhas de deverses,,
    tamanhosesm bonitas estampas na cria J" em J5? *?&% *****-
    exteriora I,2oo, l,5eo, eI,8oors. *. fi JWHL'JfS'
    Azeite doce refinado Penanol ou do Rempes
    de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
    caixa com urna duzia.
    odrero que sepuaan pao na ira cjual-
    cjtier parte.
    Gneros especialmente escolhidos por um dos socios que na Europa se acba
    para esse fim.
    E grande a vantagem para todas as pessoas que comprarem neste estabeleci-
    mento.
    Os propietarios garanlem todos os gneros sabidos de sen j muito acreditado
    armazem.
    AO PUBLICO*
    Nao nos servimos de exordios como constantemente estamos vendo em annun-
    cios deste genero, pois sao palavriados de que sempre nos abstivemos, e de que tamtem
    estamos cerlos nenhuma atlencao j merecem do publico. O nosso fim, pois, simples-
    mente fazer ver que o verdadeiro e principal interesse de todos est na tabella dos pre-
    cos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos toda a attengo.
    Vinho verde.
    Chegou o muito desejado vinho do Cartaxo vende-se nicamente neste armazem
    a 600 rs. a garrafa e 3t>,ooo rs, a ancora com 7o garrafas.
    Amendoas confeitadas da diversas cores a
    64o rs. a libra,
    dem de casca dura a 24o rs. a libra.
    Lentilhas muito novas excellente legume pa-
    ra sopa a Soo rs. a libra.
    Licores francezes de todas as qualidades
    de 7oo a 9oo rs a garrafa:
    Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 e
    i,ooo rs. a libra, desnecessario mais
    elogios neste genero, que s se pode ve-
    rificar com a vista.
    dem de casca mole a 32o rs. a libra.
    Ameixas francezas em caixinhas com lindas
    estampas a l,2oo e l,5oo rs.
    dem em frascos de vidro a 1 ,2oo rs.
    Batatas muito novas a 5e rs. a libra e 2,ooo a
    caixa com 2 arrobas.
    Conservas nglezas a 75o rs. o frasco e
    S.iioo a duzia.
    Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
    Nozes muito aovas a 16o rs. a libra
    Molho inglez em garrafa de vidro com
    ralba do mesmo a 5oo rs.
    Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
    800 rs. o frasco.
    Mostarda franceza em potes j preparada
    a 4oe rs.
    Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
    rs. a libra.
    ba neste genero de 80 a loo rs. a libra,
    e de 2,5oo a 2,8oo rs. a arroba.
    Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
    4,800 rs. a caada.
    dem francez e de Lisboa refinado em gar-
    rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e 10,000
    rs. a duzia.
    Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
    bra.
    Azeitonas muito novas a 2,ooo rs. a anco-
    reta.
    Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4,4oo rs.
    a arroba.
    Bolaclunhas de Lisboa da fabrica do Beato
    Antonio de diversas qualidades em latas
    de 6 e de 3 libras, a 3,oooe l,5oo rs. a
    lata e 64o rs. a libra.
    fino excellente qua-
    lidade proprio para engarrafar em ancore-
    tas com 9 caadas por 43,ooo rs.
    Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, Cerveja branca e preta
    4oo eSeo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo, 1 crediUdas que vem ao mercado a5,ooo e
    3,ooo e 3,8oo rs. g^oo a uz\ e 48o rs. a garrafa.
    Vinho branco de Lisboa de excellente quali-1 Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra,
    dade a 4oo e 000 rs. a garrafa, em caada 1 Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
    .,,T am rrQf,s Mem ingleza em latas de 2e 4 libras das
    MrraytoooTe^eirodo&^arraAS| ,h ^ marcas 3oo fJ^ rs
    grandes a 4,000 rs. e 11,000 a duzia-. .
    Palitos para denles Mjjj* *- j Banba'de porco refinada a 4oors. a libra e
    Sal refinado era frasco de v.dre corarolha do em ^j^ 36q f$
    das marcas mais a- Batatas em ^^os de 36 libras a l'000 rs>
    I Champagne das melbores marcas a 2o,ooo
    rs. o gigo, 1,80o rs. a garrafa, e 9oo rs.
    a 3,ooo e 3,5oo rs.
    Vinho branco para missa em caixa de 1
    a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
    duzia
    Pre/.i:nio do reino vindos de casa particular (Vinho do Porto das melhores marcas, que
    a oio rs. a libra, e a Soo rs. inteiro.
    dem jiglezas para fiambre chegado neste
    vapbr "o rs. a libra.
    Copos lapidados jiara a gua a 5,ooo e 5,5oo a
    duzia.
    Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
    1,000 e I,2oo rs. a libra.
    Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
    por .y.io rs., sarante-se serem transpa-
    rente e de superior qualidade, lambem tem
    de 12 por libra propria para carro-
    IV'ixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
    da, salmo, ostras echernee, vezugo em
    latas grandes a 800 e 1,00o rs. cada urna.
    Vinho Bnrdeaux das marcas mais acredita-
    vem ao mercado como sejam Lagrimas do
    Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
    D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
    Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
    lo.ooo rs. ea9oo e l.oooa garrafa.
    Vinho Colares o mais superior que tem
    vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
    Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
    a 36o e 56o rs. cada urna.
    Sardinhas portuguezas em latas grandes
    preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
    boa a 64o rs.
    Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
    cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
    libra.
    das q e tem vindo ao nosso mercado a Bolachinha de soda em latas com diversas
    6,oon, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante-! qualidades a l,3oo rs.
    se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
    qualquer nao pode ve/ider por este preco.! para mimo a 64o rs.
    Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a 4no rs. a
    '.Too rs. a frasqueira. libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
    Id'n de laranja verladeira de Al tona em t Figos de comadre a 24o rs. a libra e
    frascos grandes a.l.ooors. o frasco, e l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
    ll,noors. a duzia. Amendoas de casca mole a 32o rs a libra.
    Mcm de Hollanda em botijas grandes a 4oo Bolachinhas d'agua em sal da fabrica do Beato
    utosdetodososfabricantesdaBahiaedaS; [dem peroIaqualdade espceial
    lis acreditadas marcas conhecidas no g Jfi^ *
    as meias garrafas,
    Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a
    ibra.
    a 2,7oe rs.
    se Cara abatimento.
    Marmelada do primeiro fabricante de Lisboa
    a 600 rs. a libra, ha latas de 1, 1 1/2 e
    2 .libras.
    Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
    600 rs. a libra.
    Macan ao. talharim e aletria a 4oo rs. a libra,
    dem branca a 32o a libra.
    Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o
    ( frasco.
    dem ingleza em p a 64o rs. o frasco.
    Melbo inglez em garrafinhas com rolbas de
    vidro a 64o rs. cada urna.
    Marrasquinho verdadeiro de Zara a l,ooo rs.
    agarrafa, e 10,000 rs. a duzia.
    Nozes muito novas a 16o rs- a libra.
    Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lata.
    Prezunto para fiambre inglez verdadeiro,
    garantindo-se a qualidade a 7oo rs. a libra.
    Passas novas de carnada a 4oo rs. a libra e
    6,5oo rs. a caixa.
    dem para sopa estrellinha, pevide erodinba
    etc. a 3,5oors.acaixa, ea56ors. a libra.
    Peixe em latas hermticamente fechadas das
    seguintes qualidades rsavel, corvina,goras
    cavallinhas, e pescada a l,ooo a lata.
    Palitos para denles lidiados a lio rs. o ma-
    co de 2o rs. o macinhos.
    dem do gz a 2oo rs. a duzia, e 2,loors.
    a gmza.
    Charutos
    mai
    nosso mercado a 2,ooo, 2,5no, 3^ooo,
    3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
    Cognac inglez das melhores marcas a; Mem prelQ h(imeopalicoa 2,ooo rs. a libra.
    l.oeo rs. a gnala. Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
    Doce da casca da goiaha em latas de 4 li-, duzia, e 56o rs. a garrafa.
    bras por 2,ooo; dito em caixoes a 600 rs.: Chocolate francez, hespanhol e suisso a 1,00o,; M"3taaAaM notetd'vidro a 5oo rs cada
    um. 12oo elj4nors. a libra. \b!l1 retinado em potes e vidioa 500 rs. caua
    dem hysson o melhor que ha neste genero PainC0 muito novo 12o rs. a libra e 3,ooo a
    a 2,ooo, 2,4ooe 2,6oo rs. a libra. L ar.I0D^- ... _
    Queijos flamengos, do ultimo vapor, a 2,5oo
    rs.
    dem prato muito fresco a
    sendo enteiro a 72o rs.
    800 rs. a libra e
    Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
    libra.
    Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
    32o rs. a libra e lo,ooo rs. a arroba.
    Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
    e 4,8oo a caada.
    Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
    Charutos do afamado fabricante Jos Fur-''
    tado de Simas e outros da Bahia como
    sejam regala, trovadores, guanabaras,
    delicias e suspirosa l,6oo, 2,ooo, 3,000
    e 4,000 rs. a caixa.
    Conservas inglezas a 75o rs. o frasco.
    dem francezas surtidas ou de urna s qua-1
    lidade cada frasco a 5oo rs.
    Cognac francez e inglez a l.ooors. agarra-
    fa, e to,ooo rs. a duzia.
    Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
    Cravo da India a 600 rs. a libra.
    Canella a 9oo rs. a libra.
    um.
    Sevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
    Sevada a loo rs. a libra.
    Toucinho de Lisboa a 24o e 32o rs. libra.
    Tijolo para limpar facas a 15o rs. cada um.
    Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e
    l,4oo rs. a caada,
    dem em garrafoes com 5 garrafas a 1.000
    rs.
    Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
    rs. cada urna.
    lbem de escovas
    cada urna.
    para lavar casa a 36o rs.
    e 36o rs. em barril.
    Capil de diversas frutas muito frescas a
    64o rs. a garrafa.
    Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
    Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
    32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
    Ameixas francezas em latas de 3 libras por
    2 une) ps
    Cebollas solas a 1,400 o cento ; ditas em Gaf do Rio superior a 28o e 3oors. a libra, dem de carnauba refinada e de composico
    molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
    Copos finos para agua e vinho a 4,8oo 5,ooo' Velas de espermacete superiores a 56o rs.
    e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs cada um. a libra.
    Malte excellente cha para
    a 2oo rs. libras.
    SB.

    AGENCIA
    FUSDIClO NEW-MGOR.
    Rus da Seoialla DOTa d. 42.
    Neste eslabelecimento contina a haver
    nm completo sortiraento de moendas e meiai
    moendas para engenbo, machinas de vapor
    e taco as de ferro batido e coado, de todos 01
    lmannos para ditos.
    Arados americanos e machinas para
    lavar roapa: em easa de S. P. Johnston & C,
    ra da Senzalla Nova n. 42._____________
    Superior vinho Collares.
    Na ra do Vicario n. II, escriptorio de Manoel
    Joaquim Ramas e Silva & Genros, tem para ven-
    der superior vinho Collares em ancoretas.
    I Fabrica Conceicao da
    Bahia. I
    Pj Andrade & Reg, receben eonstante- S
    l mente e tem venda no seu armazem n. flff,
    <&' 31 da ra do Imperador, algodao d'aquel- >j
    S la fabrira, proprio para saceos de assn- H
    car, embalar aiodo empluma etc., etc., ^ s//^
    pelo preco mais razeavel. ^\*
    m
    m
    h
    *L
    GRANDE FABRICA DE CALDEIRARIA
    FUHTDICO DE SI\OS
    * DE
    RA IIO HHUtl IV- 40
    Chamamos a attencao de todas as irmanda-
    des e contrarias para o que abaixo publicamos.
    e 7,Soo a 8,5oo rs. a arroba. a 36o rs. a libra, e de 4o,5oo a ll.ooors.
    Doce de goiab. superiorem latas a 2,ooo rs. a arroba.
    m
    &$ O amor que rolamos arte que profesamos e o desejo qne trmos de concorrer com e jj/flj
    '^ nos?o fraco contingente, para a ver rhegar em nosso pan ao grande perfeiyao que 6 para ^^^
    ?^5g) desejar, nos irapellio a mandar Europa nm dos nossos socios, alim de particular- (g/
    ' mente estudar a melhor maneira de bem fundir os sinos.
    Grandes foram as dilfleuldades que tivemos a snperar, afim de pedermos conseguir o sy
    nosso desidertum ; norm grabas aosesforcos e bons offiems de uro nosso amigo, nos-
    j^ so socio pode ser admittido em urna das melhores fabricas de Lisboa.
    m
    os navegantes a
    Ervilhas porluguezas em latas chegadas l-
    timamente a 64o rs. a lata.
    dem ceceas a 16o rs. a libra.
    dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
    Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
    libra.
    Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo
    rs. cada urna.
    Favas portuguezas em latas chegadas lti-
    mamente a 640 rs.
    Frutas idem em calda, pera, pecego, alper-
    se, rainha Claudia e ginja a 7eo rs. a lata.
    Graixa nova a loo rs. a lata e i,loo rs. a
    duzia.
    Gomma muito al va e nova a 16o rs. a libra.
    Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12
    frascos a 5,8oo rs. e 560 rs. o frasco
    dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
    dem era garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
    rs. com o garrafao.
    dem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
    dem inglezas em garrafas brancas bordadas
    com rolha de vidro qualidade superior a
    l,ooo rs. a garrafa.
    verdadeira
    6x3
    dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o
    uit. tem a lucrar n publico* por que" sein receio desermos eo- egS frasco 6 II ,000 a frasqueira de 12 frascos,
    testado*, podemos afflrroar, que es sinos fabricados em nosso t.stabeleciment em nada "V Kirsch Wasser excellente bebida SUSSa a
    tf&3> se parecen com esses almofanzes de mo gosto que por >hi se farem.
    Estamos habilitados a fundir sinos de todos os tamanhos desde 16 libras at 100 ar-
    robas, com emblemas, ornatos, etc., conforma a voniade ou gosto do comprador, guar-
    dando em seu fabric todas as rrgras d %. arte. Pedimos, portanto, em recompensa de
    tantos sacrificios e despezas a proteccao do publica.
    Yilltga, Irmi & C.

    &,
    mm
    Ra da Senzalla n. 42.
    Vende-se, em casa de S. P Johnston C,
    seilins e silhes inglezes, candieiros e casti- faM lB faes bronzeados, lonas inglezas, fio de veta, Raa da Senzalla Nova n. 42.
    chicotes para carros e montara, arreios para | feste estabelecimento vendem-se: tachas de
    earros de um e dous cavallos, e refugies de {erro coado iii,ra a no rs., idem de Loo
    nro patente inglez._______ Moor libra a 120 rs.
    P0T4SS4
    Cintos largos.
    A Aguia Rranca constante as novidads de mo
    das, foi qnem prim bonitos e moderno cintos largos e tem continuado:
    a recebe- los, como agora mesmo acontece por esse
    I ultimo vapor, cojo bello sortimeuto se faz nutavel i
    pelas differentes qualidades, e variedade de gostos,
    1,80o rs. a garrafa.
    Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira
    das marcas menos conhecidas a 4oo rs.
    a garrafa e a 2,8oo rs. a ranada,
    dem Figueira especialmente escolhido neste
    lugar a 600 rs. a garrafa,' e 4,5oo rs. a
    caada.
    dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
    ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
    dem Lavradio, Colares muito fresco sera
    composico a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo
    rs. a caada.
    dem de Lisboa branco uva pura a 56o rs. a
    garrafa, e a 4,5oo rs. a caada,
    dem Porto fino em pipa a 56o rs. a garrafa.
    dem engarrafados generosos Lagrimas do
    Douro, Duque do Porto, Luiz I, D.
    Pedro V, Nctar, velho secco, Malvasio
    Genuino, Particular a 9oo e l,2oo rs. a gar-
    arafa, e a lo,ooo rs. a caixa com urna du-
    zia.
    dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a garra-
    fa, e a 12,ooo rs. a duzia.
    dem Muscatel a 1,00o rs. a garrafa.
    dem Bordeau* das acreditadas marcas St.
    Julien, St. Esteph, cbaleau la Rose, chatau
    Margoux e outros a 6,5oo rs. a caixa. e
    56o rs. a garrafa.
    Vende-se potassa em barris a commedo preeo
    a ra da Crnz n. 23, primeirt- andar, eseripton:
    d< Antonio de Almeida Gemes.
    rvcelleoteava ehetiad.t ao oltimo
    vapr
    Vende-se na ra do Imperador n. 14, esquina da
    ravessa do Ouvldor a 800 rs. a libra.
    h. inhoscom rodas, p.itentrs.
    Moinhos grandes com rodas, patentes, e afianca
    dos pelo fabricante para moer caf, e propnes pa- os quaes tem geralinente agradado: compartcam,
    ra relnacao por serem de especial qualidade e de pois. os apreciadores do bom, munidos de dinheiro,
    todos os tamanhos: veodem-se nicamente nodVpo- Que sero satisfa.-t.)riamente servidos-: na ra do
    sito da ra da Cadeia, loja de ferrageus n. 56 A,, Queimado, loja d Aguia Branca n. 8.
    V Bastos. ______
    Blaeontos.
    Vende-se em rasa de Southall Mellor 4 C,
    do Trapiche d. 38.
    rna
    Vende-se um preto de 25 annos, pedreiro, e
    I sem achaques, e um moleqne de 14 annos de ida
    do, muito linda fizara : a tratar e ver no pateo de
    Terco n. 9, sobrado.
    CERVEJA EU 111RUIJL
    a lOO ra. o copo
    Qurljo de ninas chegado no vapor
    dem prato malte fresco
    dem aalaso superior
    dem londrlno superior.
    57 Eua do Imperador 57
    LOJA bE lllJDrZiS HMs
    16Ra do Uueimado16
    Enfeiles de cabrra.
    Riquissimos enfeiles de cabera do f. ilio ti Oa-
    posinho turca, a 5J>.
    Ditos com enfeiles de cascarnll a, frac -1 I
    de seda a 3.
    Ditos com bonitos lacos, a IS2R0 e llKttr.
    Ditos de tranca e frocos sem laco aWo. .3 ..
    1^000 rs.
    Firclas e ciatos.
    Riquissimas fivelas com pciiiinlas para t :.
    a U600 e 2,5.
    Riquissimos cintos de galo dnnrado. m .-
    de ou tras cores com nquisHun.s livcUs e
    a 3500.
    Dito ditos sem borlas, a l5C0 r 2.;
    Filas e rasrarrilhav
    Riquissimas litas de grosdenai.les laTrad.-,
    ilas cores e padrees de qnatro e rinro A
    1.500 e 2*.
    Dilo ditos de grodenaples de todas .i.; r.j ',
    com dou<, dnos e meio. quatro e don .'>' >
    500, 640.14280 e 11600.
    Ditos de gorgorao para cintos, a 14.
    Pecas de fita estrella de todas a< rre, .i :.
    ris.
    Ditas de fita de linho para debrunijaf!: e > ;. :
    ris.
    Dila de fita elstica, a 240 e 320 ris.
    Dita de fita de la de todas as c< r>. a f! 1
    Dita de cascarrilha de seda de MM a> 1
    larguras, a 14,14600 e 14800.
    Diu de tranca lisa preta e brar.ra, a 80 i\<
    Dita de tranca branca lisa de vink- rinco ; .1.
    a 320 ris.
    Fitas para enriar fspartilho, a 60 e 120 ' Varas de aspas para balao, a 100 iri-.
    Vlillas de coral de raiz pequeos e mu!" 1
    des, a 800 6 24-
    Vollas preas Maria Pia pequcn.ts c n
    grandes, a 800, 14280 e 148.0.
    Pnlseiras de cuntas azues e branca, a POO I I
    Ditas de aljofares de cores grandes, a 1.3.
    Luvas frescas de Jouven brancas, te 1
    24500.
    Ditas nao frescas brancas, a 14-
    B"eras de panno, a 160 ris.
    Ditas que choram, a 160. 400, 640 e '..: i
    Pecas com dez varas de bkos pretos, al'
    24000.
    Varas de.labyrintho francez, a 100, 140. o:.: '
    e 408 ris.
    Duzias de bonitos botoes de vidro, a M0 r> b.
    Escovas para denles, a 160, :i2ii rWPrm
    Ditas para limpar nabas e our<>. a IM ir-.-.
    Ditas para cabello e roupa, a 6.0. M O e l.
    Oculos de annacao, a 640, l: r 142^0.
    Toucas o sapalinhos de la, a 8<0 e 1-5
    Toucas de blonde de seda tafciuOas, a t'-' )
    e24.
    Sapatinhos bordados de merinoe .-rliin, a !Ji;o
    24 e 24500.
    Gaixas de penas de laura e raligraphira, a C. )
    e!4-
    Caixas de papel pequeo paulado, a 6iO t".)
    ris.
    Caixas cem cem envelopes com ro'a, .> f." re-
    pentes de regaco domados a I.-al rl, a 2\
    Ditos de borracha muito fina, aHIe l.
    Ditos de concha donrados para atar o rafe '.U>.
    a 24,
    Ditos dourados com as marrafas, a 24 e '.#
    Garrafinhas e fras 200, 320 e 14-
    Sabonetes de bola grande, a 320" <(<: U -
    Frascos de vinagre aromtico a> Veav, f J.
    Frasco'de tnico oriental de K Riquis.-imos c;ibazes de vidro coa perfuaana,
    a 34
    Legtimos frascos de sndalo, a l-"'i'
    Frascos grandes com banha Ona, i fv J
    is.
    Caixinhas com extractos, a 15, 1>"00 e M
    Um confeilo e especifico
    expellir os Vermes.
    Pislillias Vendfi!
    DE KEMP.

    Os meninos s pedem gritos, portjna
    ellas sao do ebeiro, sa!)i>r .; w'>r u^nul
    veis. A elegancia, a Be^nrdada da ac
    fo, o inotfctiBivo das
    Pastilhas Vermfugas de Kutaa
    A PAR DA SI'A
    Conipsifio rxclasivaneate VeertiL
    sao estas pois as suas OMioraa e ..:
    completas de todas as reeoiniBeiMlarf 1
    que se possa fazer e com justa raza
    colloco na categora d'uiu (iToritu uni-
    versal.
    A superioridade das
    Pastilhas de Kemp
    sobre todas as preparaci-s destinada*
    para o mesmo fim devido & ana sina-
    ples composico o seu aroma agrad
    vel c rapidez e infallililidade cuaa
    que alcanca a destrnico total das
    LOMBRIGAS.
    A venda as boticas de Caon mrl
    roa da Cruz, e Joio 4a C. Bravo d C.. r
    da Madre da Dos.
    Vinho ver'Ir,
    em barris de 5 para particulares e em pajO%
    mnilo superior___________
    ESCRAVOS FGIIiS.
    Fugio na larde de dia 16 de jnlho p. p. M
    escravo pardo, de nome Narcos. ttaraataaBM
    do hiate Santa Anna, viada do Aracaiy, |
    de idade 28 annos ponce mais un a-n<.-. a**K-
    naes seguintes : altura regular, atara fa rtiy
    pouca barba, cabello crespo, lei.u raanha
    calca de algodu.siuho de riMd aznl cea
    peo de palha, tendo levado raaMpa MMbw
    com mais roupa, e rendido de un a "'a- \ r
    quem o appreender queira leva-lo a in< da '
    de Deus n. 38, en i rna da Brum 5, aof sw.
    recampensado.
    3U|f dr eraClOrJco "
    A quem capturar o e-cr*v<> criool.i de non"- aV
    zilio, fugio em 24 de oulnbro rom ni-, de 1tn > 28
    annos, estatura regnlar, ror fula, lem nr a h^rru
    ga no queixo. tem falla de denles, (* apalberarf*.
    pisa as ponas dos pes por cao>a de ler raliM 1 .-..
    calcanhares, levno volido cal^-a de kiiti t-nmmf.
    camisa de algodao branco, chap dn Cbe u?:,
    e usa de alpargatas : quem o pegar leve i roa O
    reia a. 30._________________________
    Pede-se a polica
    a aparehen-ao do escravo Cloi-pjouno, de H*k
    25 annos, estatura recular e barlM-io. Om^ia se-
    dar nesta ridade, e a poncu tem* amlava ra-
    dendo lorvete, com oma sorretrira oVniro o> *
    caixa de madeira. Quem o pagar fere-v raa 4
    Livraaento n. 19.

    I
    MUTILADO


    *^^3'
    ...*!_-!-_------
    8
    Diarlo 4c PerEtafeBft guara felra 9 de Xovenibr ie ise*.
    LTEMTRA.
    CM POCCO DB TUD.
    Hoje coramemora a nossa egreja os fiols defunc-
    los cora a sulTragago de suas almas ; e ao som
    plangente do broiize sagrado, au ha coragao que
    outra crianga deixando maravilhado o logisla, que
    nem lempo teve para se desculpar.
    Era, pois, forcoso voltar para o estabelecimento,
    o no sea regresso conduzia urna crianga era cada
    brago.
    No dia segoiate contou a sua dupla aventura ao
    patrio. Este reuniu em conselho os principaes
    nao resmta urna dr, que nellc apenas foi abafada meml,ros da corporacao dos jardineiros, e depois
    pe;o anjo da resignaeo.
    E, pois, tendo a alma egualmentc partida de urna
    dr cm duplo que nella se aninha sempre viva,
    mesmo quando os labios sorriem, permitlam os lei-
    tores que este espago seja votado hoje recordacao
    de afTectos perdidas.
    E' urna oblago da saudade, que traduzimos as
    seguintes palavras do Sr. T. B. de Menezes :
    Trajando galas de morte
    Virgens filhas desgrenhadas,
    D'almos prantos enfeitadas,
    Quercra fallar scus pacs.
    Quer a vuva ennoutecida
    Ver do esposo a face algente,
    Dizer-Ihe um adeus somente
    Senhor porque nao deixaes ?
    Vos que o templo dos sepulchros
    Encheis de augusta presenca,
    Com o serio da indifferenga
    Contemplaes tamanha dr ?
    Sao coracoes que se chamara ;
    Sio maes de peito anhelante
    Que pedem ver um instante
    Seus Glhos deixae, Senhor!...
    Vos que sabis hoje ao menos
    Que as nossas magoas sao puras,
    Que ambrosias, que docuras
    Podis provar nestes ais t
    Melhor que a perola ao cllo,
    Ao rosto a lagrima alinda :
    Noivas quizeram ainda...
    Senhor porqne nao deixaes ?
    Aqni de envolta com as preces
    Urna saudade sentida
    Sob a cabega adormida
    Do amigovera se depor.
    Vn queixosa a orphaazinha
    Por entre ras de lousas
    Contarchorandournas cousas
    A' seu pae, deixae Senhor !
    Pelo afflato destas auras
    Pela bocea destas flores,
    Soprae um conforto s dores
    Que o da de hoje accendeu.
    Assim a mae cuidadosa
    Do filho tenro, choroso
    Sopra o dedinho mimoso
    Que um vil iosecto mordeu
    Podis austero e sombro
    Sacudir a prece, o pranto
    Que as orlas do vosso manto
    Agora ensopado lem ?
    Nao, meu Deus I alguma gotia
    Sobre estes thesouros d'ossos
    Que sao os thesouros nossos
    Aqu derramaos tambem.
    E' urna lagrima doce
    Que cae do olhar providente
    alais bella que outro presente
    Que venha de vossa mao.
    E essa lagrima invisivel
    Que vertisprovida e calma
    Tora nome : cahindo n'alraa
    Se chama resignacao.
    O Jornal de Constantinopla refere o segrate
    No estabelecimento de ura hornera que vende
    fracta em Tutum-Ghumruk, apresentou-se urna
    roulher que levava ao eolio urna crianca recem-
    nascida.
    Tendo comprado mel oeque de figos, disse que
    he tiuha esquecido o dinheiro, e para mostrar
    sua boa f, pediu ao logista que ficasse com a
    crianga em quanto nao voltava. O homem annuiu,
    e a Bralher partiu, prometiendo voltar breve.
    uecorreram, porm, algumas horas sem que ap-
    parecesse.
    O legista resolveu neste caso levar a enanca para
    a egreja. Apenas ali cntrou, deu de frente com
    um sachristo que Ihe disse, com voz ameacadora:
    Ah I j te conhego Feste sem duvida tu que
    liontem Tiesta depositar um rapaz recem-nascido
    porta da egreja. Faz-me o favor de o receber, e
    nao te desembaraces doste modo dos filbos que
    Deus le d.
    Apenas acabadas estas palavras, apresenta-lhe
    de algumas horas de discussao, resolveram unani
    memenle que as duas criancas abandonadas fossem
    (evadas pelo logista ao patriarchado. Quando es-
    tivessem em edade de poder trabalhar, a mesma
    corporagao se encarregaria do seu futuro.
    O negociante da ra Tutum-Ghumruk adoptoc t
    conselho e algumas horas depois de fazer o seu
    deposito ne patriarchado, um dos recem-nascidos
    foi adoptado por urna familia rica da cidade. O
    outro continua confiado aos cuidados do patriar-
    chado, e lalvez que lhe esteja reservada urna sorte
    feliz.
    Transcrevenos do Jornal do Porto o seguinte :
    Em um jornal hespanhol deparamos com urna
    boa collecgao de-immortaesannuncios. Ali vemos
    por exemplo :'
    Deseja-se urna crianga para criar a urna ama de
    leite de tres mezes, casada com marido.
    Vende-se um cavallo que serve para todo o ser-
    vigo, menos para ora. Ainda nao foi montado,
    nem pegou a trem. Tem bom dente.
    Em urna ra do Porto leraos ha tempos o annun-
    cio seguinte
    Perdeu-se um sabbado. Quem o quizer entregar
    a seu dono ter albices.
    Em urna lista de livros que tinham de ser alei-
    loados, lomos :
    Obras de Filinto Elisio, por Francisco Manoel do
    Nascimento.
    N'outra secgao da referida lista, lia-sc :
    Dous ferros de engommar vclhos.
    Um dito de vapor novo.
    Um sellim para senhora.
    Urna porgao de vinho verde branco tocado e pro
    prio para vinagre.
    Velho engarrafado.
    Dito n'um pequeo barril.
    das pelos beijos do vento ou do sol, adormecen
    cansado ao p de una roseira.
    Quando acordou, para voltar ao cu, quiz agra-
    decer rosa a fragancia de sonhos com que lhe
    perlubara o somno.
    Era diffkil torna-la mais, bonita, e todava con-
    seguiu-o : leve a habilidad de fazer-lho um en-
    feile com o que na trra ha de mais humilde, em-
    brulhou-lhe o calix n'uma grinalda de musgo.
    Tiuha o anjo tanta arte qianta philosophia.
    Que riqueza poderia accrescenlar a rosa, que
    nao ficasse inferior ao seu brilho e ao seu per-
    fume ? /
    Quintas senhoras deveriam aproveitar essa li-! palS.U ""J "oto.8'
    gao, e, fartas de humilharem as pedras preciosas
    menos briihantes que suas feigoes, collocarem em
    vez de diamantes um p de herva, urna espiga,
    urna flor silvestre nos cabellos I
    *
    Os directores do Banco de Leeds, que foi obli-
    gado a suspender os seus pagamentos, mandou
    prender e levar preseng.a do magistrado da po-
    lica de Leeds um individuo, chamado Thomaz
    Scaife, caixeiro de M J. W. Marsden, proprielario
    de urna fabrica de fundigao desta cidade, acen-
    sado de cumplicidade as notas falsas feitas em
    nma escala monstruosa por seu patrao.
    Este fugio para o estrangeiro.
    As notas falsas que Marsden passou montam a
    80:000 libras. Havia em circulago 68:000 li-
    bras e em poder dos directores do Banco 12:000
    libras. O caixeiro teve parte nesta falsiOcagao e
    Sociedades de crdito............ 20
    > de caminhos de ferro.. 17
    de gaz................. 17
    de minas.............. 19
    de seguros martimos.. 61
    de seguros diversos... 23
    diversos............. 127
    A cifra exacta
    francos.
    do capital
    288
    de 1,049,347,068
    OS ALBUNS.
    Passaram decididamente, a inactividade tempo-
    raria os albuns de pensamentos, e poesas, para
    serem substituidos por albuns de photographias.
    Acola haviam suspiros d'alma, anhelos ardentes,
    segredos disfargados, versos coxos, escriptos por
    ceges ou por loncos, por poetas que nao viam se
    nao seu desajo ou se diziam embriagados por urna, Cit,
    esperanga.
    ser julgado pelo jury de
    Leeds, e de crer que se nao sentar s no banco
    dos reos, porque nm Uto grande roubo nao podia
    organisarse e durar por tanto tempo sem convi-
    vencia no escriptorio do Banco, que foi a victima
    dalle.
    Parece que o aecusado tem revelagoes as mais
    completas.
    No Constitucisnel l-se o que segu :
    Tendo havido hontem interrupcao no telegra-
    pho de Londres, espalhou-se o boato de que hou-
    vera um incendio na cstagao telegraphica de
    Esses livros ntimos, esses guardies de muita
    O boato era mais que verdadeiro.
    A urna hora adiantada da penltima noute ma-
    cusa linda e de muita peripecia, cederam o lugar nifestou-se um terrivel incendio nos vastos edifi-
    aos albuns de retratos, aonde est a avosinha pho- cios ocde eslava establecida a estagao telegra-
    tographada de marrafa ao lado com as suas ru- phica, na ra Theadneedle, da Cit.
    gas e a sua coira; a mama feita centro de gravi- Qi,aQdo se descobriu o fogo, j elle envolva o
    dade des seus filhinnos, que a contornara ; o pap edificio at ao quinto andar.
    com os seus oculos no nariz o amigo de brago \ Estes .edificios eram conhecidos com o nome
    com o seu amigo ; a amiga cora a sua amiga, e de Flat-Iron.
    servindo de remate as ultimas folhas o tot e o Trabalharam as poderosas bombas vapor
    gatinho sobre almofadas de borlas. de MM. Shand, Masn, & C, mas quando se con-
    Caprichos das pocas! seguio dominar o fogo, os estragos eram conside-
    . Quem gostar da moda seno os que se dedicam 'raveis e a maior Parle das macninas elctricas
    a fazer passar por um oculo os corpos elegantes Ies,avam destruidas.
    de vinte annos, as figuras pretenciosas dos qua- M. B. Laneham, da companhia de segaros North
    renta, o todo enfeitado dos sessenta, e as carica-! Britsh of Mercantil, e dous bombeiros, foram gra-
    taras dos oitenta. vemente contusos pela queda de duas travs
    Isto bom para os mestres da arte, para o inflammadas.
    Schenk da ra doTeixeira ou para o Baunont da As companhias de Londres, Liverpo! e outra
    O Journal des Ecoomisles no seu numero de 13
    de setembro, apreciando a situago monetaria,
    emite urna opinio, que merece ser examinada
    pelos homens competentes.
    Diz que no fim do anno, e sobre tudo em Janeiro
    prximo, a Europa tem qae soffrer urna grande
    crise monetaria, que elevar a laxa do descont a
    10 por cento; e que esta caresta do aluguer dos
    capitaes disponiveis ser universal.
    O mesmo jornal diz tambera que julga, que o
    banco de Franga estuda os meios de chegar, sem
    grande abalo, a liquidar os seusemprestimos sobre
    fundos pblicos, aegoes e ebrigagoes, e a cessar as
    operagoes deste genero.

    Tal vez seja curioso para alguns leitoros o extrac-
    to que fazemos de um artigo da Revue des deux
    mondes, para saber como se calcula a forga motriz,
    e porque lemos muitas vezes noticias acerca de
    barcos vaper cujas machinas sao de tantos
    cavallos.
    No Annuario do Archivo Pittoresco l-se o se-
    guinte sobre a poesa da -ra. D. Eugenia Cmara:
    O volume Segredos d'alma escripto por urna
    actriz portugueza que passou rpidamente nos
    theatros da sua patria, e que foi colher ao Brasil
    os merecidos loaros que aqui nao teve tempo de
    ceifar.
    No florescente imperio os triumphos tem brota-
    do por toda a parte onde ella appafece, como as
    flores que nasciam no solo pisado pelos pesinhos
    da princeza dos contos de fadas.
    O livro que a Sra. Infante da Cmara publicou,
    tem urna boa qualidade pouco vulgar, ser um li-
    vro femenil.
    Muitas senhoras, quando tomam a penna, tem o
    sstro, implantado por Mad. de Slael e por Mad.
    Sand, de adoptarem um estylo masculino e de re-
    pellirem as qualidades litterarias peculiarias do
    seu sexo, isto a delicadeza e o fino sentimento.
    A Stael pde-o fazer, a Sand pode seguir-lhe o
    exemplo, porque ambas receberam da natureza um
    espirito varonil, e uo sao senao homens de saias.
    A autora do livro da Allemanha foi o primeiro
    escriptor da Franga no seu tempo, assim como
    Octavio Feuiilet, est sendo actualmente a priraei-
    ra escriptora.
    A autora da Llia agora que parece verdadei-
    ramente disfargar-se, e o nome de Aurora Dude-
    vant nao mais do que o pseudonymo do George
    Sand.
    Mas estes dous genios excepcionaes nao sao pa-
    ra se Ihes seguir o exemplo. O que nellas natu-
    ral, nasoutras affectado, eessas viragos litterarias
    perdendo a suavidade feminil, nao adquiram a
    energa masculina.
    O livro da Sra. Infante da Cmara nao est nes-
    te caso, delicado e sentido.
    A critica esmerilhadora ha de encontrar muitos
    defeitos nos Segredos d'alma, mas quem tem animo
    de fazer chicana com urna senhora sobre pontos
    de metrificago e oulras cousas assim? Juntemos
    urna flor humilde grinalda que lhe enrama a
    fronte.
    Do Boudoir transcrevemos o seguint- :
    AS ROSAS DE MUSGO K AS SKNHORAS.
    Urna occasiao o anjo, a quem Deus nomeou tutor
    das flores, para cuidar de Ihes chamar o orvalho,
    afastar os insectos vidos ou malvolos, e fazer
    cahir levemente com o seu habito s ptelas pisa-
    FOLHETIM
    O ESQUELETO
    POR
    CAMILLO C.4STELL0 BRANCO.
    Continuaco.
    XVI
    As onze horas do dia immediato, um creado do
    hotel apresentou a Nicolu de Mesquita dous bi-
    Ilietes de uns sujeitos, que esperavam na sala.
    Eram nomes de tomo na velha fidalguia destes
    reines.
    Deseen o morgado da Palmeira sala. Um dos
    cavalheiros, com a graga amavel e affectuosa de
    qaem vae convidar um amigo para um alegre fes-
    tim, disse que elle e o seu amigo D. Fulano de tal
    haviam sido encarregados pelo primo Ricardo de
    Almeida de fazerem express 30 Exra. Nicolu de
    Mesquita, cavalheiro que elles propoentes conhe-
    ciam de nome, e de mui Ilustre parentella em
    Lisboa, a sua resol un-ao de pleitear cora as armas
    no campo da honra o direito de repellir urna af-
    fronta.
    Atiranta, ajuntou Mesquita, que VV. Excs.
    tero a bondade surama de nomear.
    Cartas escripias a urna dama, que vive em
    companhia do cavalheiro ofendido, madame Mar-
    garida Froment.
    A dama de que se trata, disse o morgado,
    ama mulher que eu sustenlava minha amante, es-
    -tabelecida em residencia minha no Porto, no dia
    16 de ontubro de 1839, s tres horas da tarde; e
    s 4 horas, pouco mais ou menos, desse dia, e an-
    bo, o sr. Ricardo de Almeida senhoreou-se della.
    Qual dos dous entendem VV. Excs. que foi o af-
    frontado !
    __Nao vemos munidos de instracgSes para
    responder a V. Exc.
    Instruidas VV. Excs., recebo as suas ordens
    pedindo licenga para observar-lhes que tenho era
    minha companhia minha mulher, e o local in-
    conveniente para o proseguimento destas negocia-
    res. VV. Etcs. consentiro, que os cavalheiros,
    chamados represenlarem-me nesta indiscreta
    pendencia, se encontrem em lugar designado por
    VV. Excs.
    Reunidos os qaatro agentes, dous nomeados por
    Nicolu, em casa de um delles, sahiu D. Fulano a
    travessa das Vaccas, qae realmente sao habis no
    seu trabalho em proveito da moda e deleite dos
    que gostam de se reproduzirem ao sol.
    E, pois, j que nada, qaem apreciar os bons
    retratos, pode e deve procura-Ios aonde os ha mais
    perfeitos.

    PERGUNTAS I.NNOCBNTES.
    O que mais pesada do que um hospede ?
    A pobreza.
    E mais que a pobreza 1
    A mnlher.
    E mais que a mulher ?
    O agiota.
    E mais que 0 agiota 1
    Nada I
    O que mais leve do que a fortuna ?
    A indepeudencia.
    E mais leve do que a independencia *
    O coragao das damas.
    E mais do que o carago das damas ?
    As algibeiras do empregado publico !
    E mais do qae tudo isto ?
    A critica dos jornaes poli)icos___ 1
    O que menos supporlavel para urna senhora ?
    O estado de solteira.
    E para um homem 1
    Urnas botas aperladas.
    Qual a cousa que nos causa riso T
    Um tolo despretencioso.
    E o que que nos causa d ?
    Um rectapronunciatolo.
    Qual maior de tolas as toleimas ?
    A memoria do Roci.
    E com qual memoria se parece a memoria do
    Bocio ?
    Com a memoria de callo.
    O que deseja um casado parvo ?
    Ter muitos ilhos.
    Esse rapaz estroina casado com urna velha rica
    o que deseja ?
    Sor viuvo.
    Qual o here mglez que, nao obstante as rela-
    g5es, internacionaes, nos assusta e nao apparece ?
    E' o tufo.
    E o que o tufo ?
    E' um...palo lili
    L-se no Internacional o seguinte :
    teem de soffrer
    cendios.
    as perdas causadas por estes in-
    Uma correspondencia de Jaroslaw (Russia da
    Europa) conta este extraordinario acontecimento
    havido naquella cidade:
    M. K.......... um dos mais ricos proprietarios
    de Tigpi, passeava tranquillamente com um dos
    seus amigos, quando repentinamente, sem provo-
    cagao alguma, e conde de R..... correu para elle
    e o esbofeteou.
    No dia seguinte houve um duello pistola, em
    que o conde R....., ferido no peito, cahio para
    mais se nao levantar.
    Eis as causas deste fatal duello:
    O conde de R-----viva muito retirado com sua
    mulher e duas filhas, duas maravilhas de graga e
    belleza, em um antigo castello, visinho de urna das
    propriedades de M. K-----
    Ora, parece que M. K........., que um bello
    homem, conseguio apaixonar a filha mais velha do
    conde, deixando-a depois repentinamente para
    voltar as suas attengoes para a mais nova.
    A mais velha, para se vingar, contou tudo a seu
    pae. Foi esta a causa do duello e das circumstan-
    cias que o precederam.
    forera o que torna o negocio mais extraordinario
    que a luna mais velha do conde, desolada pela
    morte de seu pae, de que se aecusa, foi por seu
    turno pedir urna satisfago ao seu infiel amante, e
    como este recusasse bater-se com urna mulher,
    chegou urna tarde, vestida de homem, ao caf em
    que elle se achava, e deu-lhe urna bofetada diante
    de toda a gente que ali eslava.
    Este novo duello nao teve lugar porque M.
    K......, sem duvida para evitar o escndalo, jul-
    gou prudente fugir o maisdepressa que pode diante
    da intrpida amazona.
    Corre o boato que madamoisella de R... jurou
    persegui-le e alcanga-lo, ainda que seja no fim do
    mundo.
    E mulher para sustentar a sua palavra.
    No Commercio do Porto, l-se o seguinte :
    Segundo a estatistica official ha no reino da Italia
    288 sociedades com 1.212,781 aegoes c um capital
    total de 1:049,5 milhoes de francos.
    Estas sociedades dividem-se do seguinte modo:
    ............ru tmstexBBPm
    colher instrudoes de Ricardo de Almeida, e vol
    tou confirmando o declarado por Nicolu de Mes-
    quita, com pequeas variantes, que nao alteravam
    a substancia. Em consequencia do que, lavrou-
    se acta com os seguintes considerandos :
    t Os abaixo assignados, incumbidos de accorda-
    rem mutuamente na deliberago a tomar sobre um
    conflicto de honra entre o Sr. Ricardo de Almeida
    e Noronha Valladares Riba-fria de Aguiar Falcao
    Athayde, morgado do Pontedo, e o Sr. Nicolu de
    Mesquita Sotto-mayor Sepulveda Cao e Aboim da
    Nobrega e Neiva, morgado da Palmeira do Vi-
    dago;
    t Considerando que a Franceza Margarida, ac-
    tualmente, e desde 1839 contubernal de Ricardo
    de Almeida, era considerada em dominio de Nico-
    lu de Mesquita, ao tempo em que foi requestada
    pelo segundo dos citados cavalheiros possuidores;
    t Considerando que Nicolu de Mesquita foi o
    primeiro ferido no seu coragao, ou no seu amor-
    proprio, termos equivalentes na questao subjeita ;
    Considerando que o primeiro affrontado en-
    tendeu acertadamente que os pleitos de honra sao
    objectos sacratissimos em que as leviandades de
    urna mulher desdourada nao devem preponderar;
    c Considerando que Margarida, ipso facto, se
    havia constituido materia primi capientis (1), e
    desde logo cousa apropriavel sem desaire de qaem
    quer que fosse, nem titulo de propriedade valido;
    c Considerando que Nicolu de Mesquita havia
    dado o exemplo de cordura e desprendimento
    quando foi oxtorquido de um dominio, que elle
    voltava a requestar, sera offensa de Ricardo de
    Almeida, nem c Considerando que a nica pessoa presumivel
    de offensa seria Margarida, offensa que nao se deu,
    por ella mesma affontamente se gloriar de ser a
    pessoa a quem se enderegava a carta, corpo de
    delicio na questao litigada;
    Considerando, finalmente, que a dignidade de
    dous cavalheiros nao deve baixar a contender so-
    bre materia que nunca se pode provar honrosa-
    mente discutida;
    Os abaixo assignados resolveram que nao ha
    offensa, nem leve desdouro, cuja desaffronta nobi-
    lite as armas as mos dos cavalheiros, de quera
    receberam autoridade para esta ou outra delibera-
    gao.-Lisboa, e casa de D. Joo d'Ornellas Themu-
    do, 20 de junho de 1842.
    Seguem as assignaturas.
    Ricardo d"Almeida recebeu a copia desta censa,
    e gemeu surdamente angustiado pela humilhagSo,
    qae aviltava a mulher dos seus sacrificios. Pon-
    deral na crueza e alarvaria de certas palavras,
    escusaveis na formalidada da acta : os padrinhos
    offenneram-se do reparo, sahiram abespinhados, e
    consultaram os reinicolas cm duellos sobre se de-
    vam dcsafia-lo.
    Nicolu de Mesquita riu dos considerandos, co-
    mo forma e como substancia: achou-os magnfi-
    cos de irona e patuscada agradeceu infinitamen-
    te os servigos dos seus bons amigos ; os quaes,
    azoados com o riso equivoco do Mesquita, por um
    cabello que o nao desafiaram tarabem.
    Os cavalheiros signatarios por parte de Ricardo,
    bem que lhe desculpassm a defesa de Margarida,
    e o tratassem com deferencia e amisade em publi-
    Para levar a brago ou por meio de qualquer
    motor 1 kilogramma a 1 metro de altura em 1 se-
    gundo, empregase necessariamente um esforgo,
    urna acgiio mechanica, urna potencia contra urna
    resistencia. E' este eforgo de que resulta ura tra-
    balho, que se toma para unidade de medida da
    acgo dos motores, como o metro a medida de
    extenso, e kilogramma a medida de peso.
    Os engenheiros do medida do trabalho o
    nome significante de kilogrammetro.
    A forga muscular do homem permitti-lhe levan-
    tar em 1 segunde 10 kilograramas a i metro, ou o
    que o mesmo 1 kilogramma a 10 metros. O ho-
    mem por tanlo um motor capaz de fornecer por
    segundo 10 kilogrammetros ie trabalho.
    Ura vigoroso cavallo de tiro d 75 destas unida-
    desa sua torga de 7o kilogrammetros.
    Estabeleceurse o usa de comparar os motores
    mchameos aos cavallos e de avahar o seu poder
    em forga de cavallo.
    Quando se diz por exemplo que o fGreatEastern>
    tem a forga de 12 mil cavallos, isso significa que
    as suas machinas facultam um trabalho egual
    quelle que executaria no mesmo tempo o as
    raesmas con di roes egual numera de cavallos.
    Se se applicar este calculo aos caminhos de
    trro, flea-se sabendo que na marcha de um trem
    expresso ordinario, a locomotiva desenvolve urna
    ferga de 300 cavallos.
    CM DESASTRE CAUSADO PELO PETR0LEU.
    Em urna sala (em Ulm, Allemanha) um lustre ti-
    nha appensos 24 lampada?, onde ardia pelrolen.
    Os vasos que continham o oleo rebentaram, e urna
    chuva de petroleu inflammado cahiu sobre os es-
    pectadores. N'um momento virara-se era chammas
    os vestidos de mais de vinte senhoras, e d'aqui re-
    sultaram graves quei maduras.
    Urna das victimas suecumbiu algumas horas de-
    pois.
    MONUMENTO MEMORIA DE UM PORCO.
    A cidade de Luneburgo (Hanover) a primeira
    no mundo que clevou ura monumento a esto ira-
    mundo animalejo.
    Na cmara d'esta cidade existe urna especie de
    mausoleu, votado memoria de um Ilustre mem-
    oro da especie suina.
    No interior do mausoleu v-te um cofre de vidro
    encerrando um presunto em perfeita conservago.
    Sobre marmore negro l-se a seguinte inscripgao
    (em latim j se sabe) gravada em letras de ouro :
    O' t que passas, contempla aqai os restos mor-
    taes do porco, que alcangou gloria marcessivel
    pele descobrmento das fontes salinas de Lune-
    burgo.
    ESPADA DE ABRAH.VO, FILHO DE DAVID.
    Descobriu agora um archeologo esta preciosa an-
    tiguidado. Estava em poder de um major, que a
    havia comprado a ura monge grego; este receheu-
    a de um official janisaro, que a descobriu no rei-
    nado de Sabino III, quando graves perturbar jos
    agilavara Constantinopla.
    A INSTRUCCAO PUBLICA 5A nrssn
    Pela ministerio dos coitos em Berfa i
    se ltimamente nm relator acarea Ja toarwrV
    publica na Prussia, desde 1859 e 1961.
    Segundo este documento existiarn aa Planta, *>
    fim do anuo de 1861, 24:763 escolas ariiij rr
    blicas dirigidas por 33:617 instituidores e !
    instituidoras.
    Com quanto a populacho dos eaaapaa sei|aa~,
    o dobro da das cidades (11867:389 ataran, harpa-
    si sete vezes mais escolas primarias avafae -,-
    campos do que as cidades (tl:828 por i.9v,
    um grande numero decreangas d^lis nttim** fr
    : queutam as escolas secundaria.-.
    Sobre 18:476:000 habitantes, 3.090:H rma>
    j /i7 por cento) frequentam aqoella* escola.*, b-
    tas 1.75o:888 protestantes, 1.063 906 raiMema
    30:053 israelitas, e C.09W disidientes frnfnettam
    as escolas publicas; para completar aajnelt Bae-
    ro fallara 84:021, qae procuram as escalas panea-
    jares.
    Ainda nao ha muito 600 000 creaogas na Pranu
    deixavam de ir a escola.
    O ordenado medio dos instituidores e da- m-ti
    tuidoras as escolas de Berlina a 413 (haW-
    (330000); e dos instituidores as cidaaes ie
    261 thalers (2105000;. e nos campos. thaler-
    (1365000)
    Na parcella dos ordenado-;, a retribnigo -> *
    figura por 2|7.
    O resto provem das dolagoe?, sub raunaes, e das subvengoes do estado.
    A despeza total para as escolas primarias sabe a
    9,902:696 thalers (7 400:0005000) o* qoaes si
    favorecidos pelo es'ado apenas 43H.928 thalarsiaa*
    320 contos.)

    Ura sujeito casado com ama senhora aaaiea ca
    menta e que o nao deixava por p en *> < -
    de, lembrou-se de nm excedente meio a> agir
    inspecgo constante de sua mf.gkii\.
    A lembranga veio larde, porque s to noSn *
    dez annos de soffrimento.
    O bom do sujeito inventou a mana da ca.;*.
    Muniu-se de lodos os pelrecho* neees-or -
    poz-se a caminho para o campo.
    A esposa acompanhon-o.
    A primeira ligo duron lodo nm da.
    Os dous esposos andaram urnas seis kfuas a
    Na manha seguinte, nova partida de caca.
    A mulher quiz tambem t'r,
    O passeio desta vez passon de oito legoao.
    Ainda um terceiro dia de caca; a pobrt nanct
    ja nao podia andar.
    A meio caminho quiz voltar para rasa a jarea
    nao acompaahar mais sea mando a senenaak
    diverlimento.
    E* escusado diier que o esposo tew ana n
    os das a caga...
    portunarnenle o desligar-sede Margarida, cajo des-
    crdito o anojava. Deploravel orgulho de homem,
    que julga purificar com a sua eslimago a mulher
    empestada no conceito dos outros I
    Propoz elle Franceza a sahida para o Porto.
    Nao vou. respondeu ella firme e rpida. O
    despreso dos tes amigos nao me afugenta de Lis-
    boa; o mais que pode afugentar-me de la
    casa.
    Despreso os meus amigos, replicou Ricardo.
    Vamos porque...
    Ricardo, vamos porque...
    Porque vamos? acudiu Margarida as suspen-
    sivas reticencias.
    Porque desconfio da tua lealdade.
    Aqui?... Porque has de ter mais confian
    gala?...
    Confesss, pois...
    Confesso que te sou pesada, e que me peza
    de o ser. Eu surprehendi muitas vezes o leu es-
    pirito, e resignei-me. Esperei que elle fallasse
    , nao voltaram mais a casa delle, onde jantavam pi teu primo que te ensinou a eloquencia ao tedio,
    e passavam d'antes as noutes com frequencia. Mo- Morr desde logo para ti, porque tudo esmaguei na
    tivarara este procedmento, allegando que se acha- minha queda, menos o meu orgulho, es'.a luz do
    vara mal com Margarida Froment as salas de cu ou do inferno que nunca deixa oscurecer a
    nm amigo. Os sabedores deste acume de pundo- j dignidade das peccadoras apedrejadas, que nao en-
    nor imitarara os praxistas da elegancia c dos brios : | contram Jess. Os teus amigos sabiam que impu-
    ninguem volveu ao palacete de Andaluz. nemente podiam offerecer aos teus olhos um libello
    Queixou-se Ricardo ao primo Raphael dos brio-. njurioso, que t deixaste mal guardado para que
    sos devassos ; e o de FaySes invectvou contra os ( me eu podesse ver naquelle espelho, e admirar a
    considerandos, lamentando nao poder sahir a pu- ^ eontinuagao da la generosidade era baixar at ao
    blico e desafiar, ura a um, ou todos quatro de pan- esterquilinio onde me atiraram. Convenci-me de
    cada, os signatarios da indecorosa acta. E d'aqui que sou a mulher descripta neste papel em que a
    (1) Aos redactores da acta, modelo de contraen- q morgado do Pontido, obtemperando mu
    cia da linguagem no genero, agradecemos o ltiro, .:,..,, e4 p0aquissimo aoamor, conveiu em
    sem o qual a nao poderiamos inMr mtegra., JJ ^ J^ da ^ w ^ $ ^
    passou a lastimar Margarida Froment, com uns
    termos tao compungidos, que propriamente Ricardo
    se espantava do reviramento.
    A mudanga era racional. Raphael era mais me-
    ditativo que o commum dos homens das suas raa-
    nhas e costumes. Cogitara elle que se a Franceza,
    embora estranha ao seu amor a prima; se recon-
    ciliasse com Nicolu, fcilmente lhe diria que Ra-
    phael Gargo lhe fra apresentado por Almeida.
    Assaltado portal medo.cuidou em dominar egoista-
    mente o fraco espirito de Ricardo, persuadindo-o a
    sahir com ella de Lisboa para o Porto, ou para o
    estrangeiro, em ordem a que Nicolu de Mes-
    quila nao lograsse a vinganga desde muito pla-
    neada.
    O morgado do Pontido, obtemperando muito
    conveiu em re-
    Em urna das ultimas manobras qae tiveran la-
    gar perlo de Koniggratz, na Bohemianos movinet
    tos das tropas foram contrariados por ama caav
    plicagao to seria como imprevista.
    Rebentou sbitamente urna violenta tempe***
    cahindo cm raio no meio do parque de aruiham
    Um artilheiro ficon logo morto; um alfere* f
    derribado do cavallo e nao voliou a si se nao amu
    tempo depois. Um soldado conductor teve a n* -
    ma sorte. Tres cavallos foram fulminado*, t noi
    tos outros, espantados pelos relmpagos surr<*;.iv
    e trovoes, tomaram o freio nos denles e levaran i
    desordem as fileiras.
    Custou muito a restabelecer a ordem.
    Por difflculdades
    renunciou por ag
    pecuniarias o
    i construr"
    goverao
    jidUJ da baba
    frrea que deva por em comroi licacij
    gro com o mar Caspio,
    a parte do mar Negro.
    Por erar ^uiaatu *a se tu i
    A municipalidade de Calanea t Sicilia -, ^afcea.
    do que o governo francez conced^u o traaaaarie i
    cinzas do immortal autor da Norma de Pan-
    para a su cidade natal, adoptoa a seguint
    lugao :
    1." um voto de agradec ment ao governo tm
    cez c a cidade de Pars, expresso em mensageai de
    reconheciment n'este sentido i" mandar a Pan-
    uma depolagao para aoresentar as mensa^ern l
    agradecimenie c para receber e ronduzir a Cala-
    nea o precioso deposito; 3.* destinar pnaaaft
    mente 30:000 francos para todas as despeza* '
    abrir immediatamenle urna subscripg.V nariooa
    para o grande monumento que deve crigir-se %
    memoria de Bellini.
    L as cartas recebidas em Lisboa pela mu-
    reminiscencias do tempo em qno m-
    Iher, que ninguem inquietava. Ahi reconhecers sada da sociedade. e pura cora a el l P
    Tira pre
    a-) vi* saa
    a letra dos teus principaes amigos. Ahi esto car-1 mulher. Pudeste abominarme t, e tolerar que >-
    tas dos signatarios da acta do duello, que se nao fez i teus ignobeis amigos me insulten por cju- .
    porque Margarida cousa apropriavel, sem titulo de melhante carta I Oh se ellos tiverrtn irrofia-. u
    proprtedade vlida. Vae agora perguntar a cada esposas, alguma hora lhepassara no espirito a una
    um dos teus amigos se possue carta da Margarida. j gem da Margarida Froment, que nao poJ.
    Sao grandes fidalgos, e algunsespecialmente os cjm lagrimas o appellido de seu e-poso !
    que nao te pediam dinheirosao ricos e prdigos.
    Vae perguntar-lhes se a mulher, a materia, que
    nunca se pode provar honrosamente discutida, bai-
    xou at elles, quando lhe rastejavam aos pes, acei-
    tando o despreso, com a mesma abjeegao com que
    tratuam o amigo. Vae...
    Basta exclamou Ricardo, recarvaodo os de-
    dos nos punhados de cartas, que atirou ao pavi-
    mento. Basta, Margarida, que eu estou expiando
    infernal mente criraes que nao pratiquei I Segue-
    me, segue-me, por piedade, e fujaraos de Lisboa,
    seno fizeslc de mira um assassino!
    Por minha causa nao o sers, Ricardo. At-
    tende-me bem: estas cousas sao providenciaes. Eu
    sou escrava de um impulso sobrenatural. Nao sei
    quem me leva uera onde vou. Ha oito das que eu
    despresava Nicolu de Mesquita...
    Nao vs que choro e qne te amo. Margar;
    da I ilainava de maos postas Ricardo, inclinado a
    joelhos della.
    Dignidade, meu amigo disse ella, erguen
    do-o. Dou-te este nome com a sioceridade en>
    neslidade de urna santa.
    AceiU-o, que nao podes ser mais nada par.
    mim.
    E sahiu da presenca de Ricarda. Elle seguu a
    a brados dilacerantes, e ella acolben-o aaa Kregoa.
    murmurando :
    Ouve-me, meu amigo. Ea pense hontera
    suicidar-me. Se hoje nao visse o papel assigoal
    por quatro misera veis, estara mora a esta tora.
    tas mais atrozes. Nicolu de Mesquita, aesie ru
    ment, sabe que eu vou pertencer-lhe...
    Infame I exclamou Ricardo arranrando -
    minha baixeza corre parelhas com a tua. E' im-
    pralicavel a nossa convivencia. Reciprocamente
    nos despresamos, Ricardo.
    Queres, portanto, dizer...
    Que nos desliguemos.
    Porque voltas aos amores antigos?
    Nao te dou contas das minhas tengSes ; bem
    sabes que ha dous annos e meio as nao dei a Nico-
    lu de Mesquita.
    O qae me espanto que vivesses dous annos
    comigo I...
    Porque te espanla ?
    Precisamente ninguem te inquietou. .disse
    elle afiando o sarcasmo com o riso.
    Espera I
    Margarida abriu urna papeleira, e tirou d'am
    falso alguns massetes, de cartas, que desatou, e
    E hoje... atalbou em ancias Ricardo.
    Hoje... nenhum de nos sabe que iman'fatal |he dos bragosQue infame s lo. malher
    nos arreraessa um contra o outro como dous ebrios j0> que te vaes vender ao homem, que le
    que se despedagara a rir...
    Pois t vaes para Nicolu ? I
    Nao sei... nao sei para onde vou.
    Sabes que elle casado...
    Sei, que me importa a mim saber o que
    elle ?
    m pe-
    n I
    Vender nao, meu amigo, atalhou ella con"*
    brandura de um sorriso sem nome as expr
    variadas da agona. Eu nao me vendo : cenara
    o direito de me despedagar lentamente.
    Nao te entendo, miseravel, rebranuu Ru-arJ
    Caiada era eu, feliz, rica e abengoada de todas com os punhos cerrados, e os bracos anwaga-
    as esposas e de todas as mae
    Que perdigo a tua, que estrella, santo
    Deus!
    Exclamou em lagrimas Ricardo.
    Compadeces te ? Que faria se visses a minha
    alma!... solugou Margarida.
    Oh I mas nao vas que eu amo te I
    dores.
    Espero que me nao insultes como um horaerj
    vil I disse Margarida, rctrahindo a laceaos rmirr
    convulsos do allucinado.
    Ricardo cahiu na tormentosa conciencia da
    sua indignldade, e fugiu da vista da raaceza, que
    solugava, como ua ultima entrevista con Nican*.
    op- Iderraraou sabr ajardineira.
    Nao minias... Deus quer que d'aqui a urna na estalagem da VillaPouca.
    hora rae despreses. T amaste-me sem saber por No esplendido salad do sen palecete. Ricardo ob
    que; hoje odeias-me, sem poder justificar o teu serva va um par de pistolas, e substitua par eearo*
    odio. A carta de Nicolu ? Nao pie ser I Que os fulminantes oxidados.
    viste nesta carta I Um homem que dizia : A toa
    (Continuaruhm.)
    compaxa suavisou a minha dr. Nao me abomi-
    nes, nao pegas a Deus o mea castigo, que eu j
    sinto na garganta a mao vingadora de teu marido 1i .________________________________
    0 restante da carta que era ? lagrimas, supplicas, PERNAMBUCO.TYP. DE M. F. DE F. 4 filho
    ac


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EDW89HT0K_3WZ0TO INGEST_TIME 2013-08-28T03:37:24Z PACKAGE AA00011611_10507
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES