Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10504


This item is only available as the following downloads:


Full Text
\
AIIO ILJfOipo 248.
Por treg iiezes adiaotados 5JO0U
Pop tres mezes veaeidw 6$UUU
Porte ao correio por ires mezes. 07oU
SEXTA FEIRA 28 DE OTDBRO DE 1864.
Por asno adiaotado.....198000
Porte ao correio por db anuo 3$00u
m JMIiK II fiiTinnr-
ENCARREGADOS bA *UJtet,R}>CAO NO NOME
Parabyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, 9 Sr. Antonio Marques aa Silva; Aracaty,o
Br.A. ae Lemos lirada; Cear, o Sr. J. Jos de
un veira; Marauhao, o Sr. Jnaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel i'inheiro & d; A-
mazouas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SBSCRIPGAO NO SUL
^jA uUa BalAitetAa.
anda, Gaup e Esuaua todos os dias.
iguarassu' o.anna e Parahyba as segundase
aextas-eiras.
Safi?ini'.Gravat' Bm"os, Bonito, Caruar,
Aitinho e Garanhuns as tercas feras.
i ^aiaretn' Lln>oeiro, Brejo, Pesqoeira,
%%?"*'Vil,a Bei,a' Tacara.CaDrob
Sennhi> Hncurv e E as quartas. feras.
Serinhaem, Rio Forraoso, famandare, Una, Barrei-
Aiagas, o Sr. Ciaudino Faicao Dias; Babia, o Ilha de Fe>nrf^Hmeate'rasnas qunlaseiras-
rr. Jos Martins Alves, Rio de Janeaos Sr? Pe-1 n\v?o nmd0 ,0das aS Veres 1n Para a,i **
acra Martins & Gasparino.
! Toaos
os estafetas partem ao >/a dia.
EPIIEMERIDES DO MEZ CE OUTl'BRO.
8 Qaarto cresc. a 1 h., 17 m. e30s. da t
15 Loa cheia as 4 h., 55 m. e 38 s. da m.
22 Quarto ming. as 8 h., 59 m. e 48 s. da m.
30 La nova a 1 h., 8 m. e 26 s. da t.
PRKAMAR DB HOJB.
Primeira as 1 horas a 18 minutos da tarde.
Segunda as 1 horas e 42 minutos da manha.
p.,., I aU.NC -. DOS IRBU.W; i'A
Paraosul at AlagOas a o e ZS;. ^o nortate I .,
ii .H? 7*ia de cada mo?' ^ara ornando nos |lTl0a^^
oas 14 dos mezes de jan. mar, maio. al. set. e nov.
PARTIDA DOS. OMN.BUS.
Para o Recife: do Apipucos as 6 % 7, 7 V, 8 e
abS A%V^lRal JU1Z d COmmerC1: S6Un to comraercio: segundas quintas.
' Relami: tercas e sabhados as 10 horas.
Panada: quima., s i toras.
da m.; de Henifica as 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos as 3'/,, 4,4 /4, 4 Vz,
> o '/4, 5 V, e 6 da urde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 '/, da tarde: para Jaboato s 4 da
arle; para Cachang e Varzea s 4 '/. da tarde;
para Bemfica s 4 da tarde.
PARTE (fFICIAL
Dito da orpnos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde
A DA I Ra.
24. Secunda. S. Raphael arrb.; 5. Pro.!,, ah
25. Terca. Ss. Cri>pim e Cn-;.imano irs mm
. Qarta Sv Kv,i.-.|,,,. Fl.tn.. mm.
2/. Quima. S. El. >bau imperad.* da Elhiopia
28. Sexta. S*. Siii.;"ni Jota* Teada>
2!. gateado. S. Eu-ehia
30. Domingo. S
aaa>
: a b. Relimada
: S Velorio m.
GOYEBXO DA PROVINCIA.
Continuarn du expediente do dia 2o de oulubro
de 1861.
Ffficio ao Exm. cunselhoiro presidente do su-
premo tribunal de. Justina. Pariicip.ndo-me o
bacharel Joo Franciso di Silva Braga, qu-> em
22 do corrente tennioou-se a licenca que obteve
d> gorerno imperial, e por molestia deixou de as-
sumir o exercicio do cargo de juiz de direito da
comarca de Palmares; assim o cemmunico V.
Exc.
Dito ao Dr. chefe de policaRemeti V.
. paraos fins convenientes a inclusa rclacao dos
africanos livres que exisliam erns1Tvi50noar.se-
nal de guerra e fi.ram emancipados antes da pro-
mulgacao do decreto n. 3310 de 24 de setembro
Dltimo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.- j
Mando V. S. arreradar a (|iiamia de 1004, que
tendo sido tirada pelo segundo batalho de infan-
tana para o soldado Manoel Jo- Sepulvida ar-
tualmento da companhia de cavallaria, corno se-
gunila prestacodo premio de voluntario nao pode
ser-lhe entregue em consequencio de haver perdi-
do o respectivo titulo, segundo deilarou me o corn-
inand..nte das armas em offlcio n. 18ti, de 2i do
corrate. -Communicou-se ao coronel comman-
dantc das armas.
Ditoao mesmo.Mande V. S. arreeadar a quan-
tia de 265J0 rs. que tem de recolher ao cofre
dessa reparticao o vigario capitular, proveniente
de tima prensa que, segundo a conta inclusa por
copia, forneceu o arseual de guerra para o servi-
50 da casa capitular da cathedral.Offi.ou-se
neste sentido ao Eira, vigario capitular, e commu-
nicou-se ao director do arsenal de guerra.
Dito ao mesmo.Commun ico V. S. que o ba-
charel Venato Aurelio da Cunha Gonva entrou
no exercicio do cargo de jan de direito da comar-
ca de Tararatu', no da 13 do crreme, c obteve
hontem tres mezes de licenca para tratar de sua
samle.-Fizerani-se as outras communirace.
Dito ao mesmo.-Participando o bacharel His-
bello Florentino Correia de Mello, que em 15 do
corrente deixoj por molestia o exercicio do cargo
de juiz municipal e deorphaos do termo do Brejo:
assim o couimunico V. S. para seu couheci-
ment.
Dito ao mesmo.-Remeti V. S. o incluso re-
quenmento do ten-nte do segundo batalho de
infantar J >s Ca;tano da Silva, afim de que
a contar do primerro .le novemhro prximo vm-'
douro em diante, mande abonar a pres&cao que I
elle pretende consignar do sold, para alimentaco |
de sua familia nesta provincia, nao excedendo o
abono do mximo declarado na circniar da repar-
tigo da guerra de 25 de abril de 1863.
Dito ao i/ispector da thesouraria provincial.-
Anuum lo ao que prouoz o chafe interino da repar-
tirlo dai oOTas publicas em ofTlcio de 2i do cor-
rele sjb n. 293, recoimnendo V. S. que mand-
por em hasta publica a obra do> reparos do empe
drament > di estrada di Victoria entre os marco-
de 8 a 12 mil brabas, servindo de base a essa ar-
reinatacao as clausulas e orcamenlo juntos por co-
pia. -Communicouse ao engenheiru cliefe da re-
par igo da< obras publicas
Dito ao coininandante supe ior da guarda na-
cional do Recife.Mande V. S. postar em frenb-
do coaveolo.l Cirrno, 00 da 30 do corrente a>
10 tioras da manha urna guarda Je honra tirada
de um dos corpos da guarde nacional desta cida-
de, alim deassistir festa de S. Cnrispim e Cliris-
piano.
Dito ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.Pode Vmr conforme solicitoo em oi
ci de iion;Hin, sob n. 300, a que respondo, man-
dar o engenhetra Francisco Apolegario Lnal a es-
trada de Natareth, ali.-n d examinar os trabalhos
que al i executa o respectivo empreiteiro.
Ditoao miz do orpnios desta cidade. Para
cumplimento do disposto no decreto o. 3310 de 2i
do setembro ultimo, remeti V.S. a inclusa re-
lacio dos africanos livres queexistem em sernco
no arsenal de guerra.
Dito ao procurador fiscal da lliesouraria pro-
vincial.Reclamando o enipreiteiro docalramento
da cidade providencias para poder continuar na
obra do cano em frente ra de Santa Isabel, que
ra embargada por Thom Rodrigues da Cimba,
recommendo Vmc. .que d lodo o andamento a
aee.io, que se 111a idou intentar contra o embar-
gante, vMo a necessidade que ha de concluir-se
aquella obra, alim de eviiar-se q,ie seja arruinada,
cumprindo que Vmc, mo informe o estado em que
se acha esa questo.
Dito ao presidente da cmara municipal do Pao
d'Alho.Constando A > ofieioque Vmc. dirigi me
em .l do crreme que respondo, ter havido du-
plicata ha eleicio de tulles de paz e vereadores
que leve lugar nessa freguezia no dia 7 do setem-
bro ultimo, cabri-me dizi-r-lhe
cante de 3 d'aS Para fim qUC re(|Uer sul>pli"
Bacharel Maximiniano Francisco Duarte. Pas-
se portara coucedendo a prorogaco pedida por
tres mezes. v v
Miguel Liiiz da Purilicago.Aguarde o suppli-
cante, a vmda de orden* do thesouro, para ser in-
cluido na folha dos reformados.
Maximiliano Andr Reicheri.Concedo a licen-
ga que requer o supphcante, para dar umou dous
espectculos em seu beneficio no ihealro de Sania
Isabel, pudendo elevar os presos dos burieles de
plajea na razao de metade nos preces ordinarios.
Percuta, africana livre.-O juiz de orphos ja
tem ordem para expedir cartas de emancipaco
aos africanos livres em virtude do decrelo n. 3,310
de 24 de setembro ultimo.
Bacharel Rqfino Como da Silva.Passe porta-
meit0"Ce 3 'Cen?a re,,uerilJa> sam venci"
Dr. Veriato Aurelio da Cunha Gouvj.Passe
portara concedendo a licenca que requer o sup-
phcante. p
Vasco, africano livre.-O jniz de orphaos j tem
ordem para expedir cartas de emancipaco a..s
africanos livres em virtude do decreto n. 3,310 de
2i de setembro ultimo,
25
Alferes Clemente Francisco Tavares.Remetlido
ao r. director da colonia militar de Pimenlelras
para mandar passar a rertidao i>edda.
*egundo lente Epiphanio Borges de Menezes
noria informe o Sr. inspector da thesouria de
fazenda.
Emilio Carlos Jordao.Informe o Sr. inspector
da Ihesousaria provincial.
Feliciano Marques Vianna.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Generosa Harta dos Prazeres.-Hemetlido ao Sr.
juiz de orphaos do termo do Recife para altender a
supphcante.
Irmandade de S. Crrispim e Chrispiano, erecta
no convento do Nos cidade.-Dinja-se ao Sr. commandante superior da
guarda nacional do Re cife.
Teoente Jo.- Hennques da Silva.Passe porta-
ra concedendo a licenca que requer o suppli-
cante. vv
lerooyma Theodoria de Freilas Torres. -Apr-
sente certidao de idade de suas filhas Julia, e
ursulina. '
Harta do Rosario Pinheiro.-Passa portara con-
ce.ien.to a licenca que requer a suppiicante.
-\orberta Antonia das Dores Silveira. -Informe
obr. desembargador provedor da Santa Casa da
Misericordia.
Serapiao f
ASSIG.N'A-SB
no Recife,m a iiTaria dapraca da Indep^M-
cia ns. oes, los proprieuu-ios Manoel
de Faria & Filho.
PiKnewoa
Peilo e Isidio, escravo de Domingos Nunes Ferrei-
ra, por disturbios.
O chefe da 2' secgao,
-., /. G. de Mcsquila.
i' Movlmento da casa de detenco do da 26 de
utubro de 1864.
Existam.......
Enlraram......
Sahiratn.......
352 presos.
7


Existem.......
tA saber :
Nacionaes.....
Mulheres......
Eslrangeiros...
Eslrangeiras...
Escravos......
Escravas......
Alimenlados a custa dos
10 >
3i'J .
282
16 >
4 .
3 >
38 >
4
34
cofres provinciaes 133
Bacharel redro de Alcntara Peixoto de Miranda
Veras.D-se.
MISANDO DAS ARSAS.
Quartel do eominaade das armas de Pernambneo,
na cidade do Recife, 21 de oulubro de 1861.
ORDEM DO DIA N. 7.
O coronel commandante das armas determina
que o br. capitn do batalho II de infantaria, Ma-
noel Joaquirn Bello, que por aviso do ministerio da
uerra de 9 de jolho uliimo, foi mandado servir
mium dos coros da gnarnicaodesia provincia,
e hcou addido ao 2 batalho, seja nesia data des-
iijrajio, e passe a servir na mesma qnalidade de
addido no 9 batalho da snbredita arma.
Assign.ido.Jonqutm Jos Gnnmlve.i Fontes.
Uniforme. Jos Francisco de 'ornes e Vasron
ceios, capitao ajudarue d'ordens encarregado d.)
detalhe interinamente.
Antonio Rodrigues de Souza Martins, plenamente. ra, por disturbios
Ernesto Adolplio de Vasconcelos Chaves, dem,
francisco Jos Alves de Albuquenue Filho, idem.
Auiooio Mariins da Cunha Souto-Maiur, idem.
4 anm.
Antonio Luiz Ferreira de Menezes Vasconcellos de
prummond, plenamente.
Joao Zeferino Pires de Lyra, plenamente.
Joaqutm Patriota Paes Barreto, simplesmente.
JoaquimRbero de Souza Fres, plenamente.
Manoel Francisco do Nasci ment Sobreira, idem.
5" anno.
Eugenio Gomes Bco, plenamente.
Joao Viera de Araujo, idem.
Jos Aveliue Gurgel do Amaral, idem.
Dia 25
1* anno.
Jos Thomaz Arnaud, plenamente.
Augusto Carlos Vaz de Oliveira, idem.
Joo Baptista de Apuiar Bello, idem.
Pedro Jorge de Souza, simplesmente.
2ann.
Ernesto Viera de Mello, plenamente.
Francisco do Reg Baptista, idem.
Reinaldo Gomes de Oliveira, dem.
Antonio Gonfalves Ferreira, dem.
3* sano.
Gaelaoo Mara de Fara Neves, simplesmente.
AntoBio Ayres de Laceria Chermout, plenamente.
franciscoCornelio da Fon=eca Lima, idem. nete Porluguez de Leara
Alfredo da Cunha Martins, idem.
4 anno. fanteotempo de sua existencia, para que ninguem
Manoel de S e Souza Jnior, plenamente. ^a" foSRe Purtuguez inleniasse calumniar pela
Rayrnundo de Castro Valente, idem. prensa as suas adminisIrarSes e ousasse locar
Antouio de Mello Rogers, dem. cora ma0 sacrilega nasleis d'esse edificio maees-
Antonio Vieira Carneiro da Rocha, idem. : osamente levantado em honra das letras e da ci-
Benedicta Marques da Silva Acaua, simplesmente. WiMptoi
5* anno. "j1" Pensou porm assim o Sr. Joaquim Gerardo
Asostinho Julio de Couto Relmont, plenamente. 9 pastos, que dominado pelo espirito de vinganca
Miguel Floriano de Menezes Doria, idem. seria Pal de atacar ao proprio Christo se esli-
Jos Henrques Cordeire de Castro Jnior, idem. VeLse ao seu alcance lo infinita empreza I
Dia 26 1 Q"8ra ler com a'gura discernimento os artigos
Io anno. ; Plhlirados por esse senhor conlra a directora e
Amancio Concesso de Cantalice, plenamente, conselho dehberalivo do Gabinete, facilment
Jos Francisco de Gees 1 avalcanti, dem. comprehendera a gana de que se acha elle possui-
Manoel Rodrigues da Cunha Vianna, simplesmente. do l'ara fLTr directamente a administrado da-
Aristides Augusto MiIton, pletament. quelle estabelecimento, e o que oais anda a
2 anno. propna sociedade pelo modo o mais inslito e atre-
Antonio Estevao de Oliveira, plenamente.
____JQMMiVIADQS.
Aos socios do ablneic
guez de Leiiura.
a o respeim devido aos socios
uez de I.eilura e os semeos presta-
aos por esse eslabelecimenlo em Pernambuco du-
rante "
porta-
do Gabi-
gados nos membros da directora; d'ahi toda
essas falsidades de que o Sr. Bastan se nao pela o
outros mullos disparates, qUe fariam rir ao hornern
mais serio do mundo I
Quem acredilasse que todas as publicacoes fir-
madas por esse senhor, contra a actual administra-
cao, fossem movidas para intntese e gloria do es-
tabelecimento, estaria peritamente engaado. O
hr. Bastos consenieria em ludo quinto quizesse
praticar a admimslacio rouira a propria le, coo-
lanto que ella approvasse lodos os seusconselnos e
Ihe mandasse ali enllocar urna eadeira de distinc-
cao. Mas nunca intentasse proceder a um inven-
tario na bibhoiheca do gabinete para conbecer o
seu estado ; nunca fizesse passar por minucioso
exame o archivo da directora, pelo qual chegou a
conhecer a falla do livro de actas al 1859 |sso I
nunca, porque como dlsse o Sr. Bastos seria falla i
de confian..a na directora trnsala I
hxercer por tanto sobre a adrnini.-tracao alauma
Influencia, era o seu verdadeiro liicto, mas nao o
lendo conseguido, de que se hav.a de leml.rar o
Sr. Bastos] Crear difflculdades, isto officar
em nome do Monte-Po directora, e procurar em
sua resposta mmto conforme com a le, um poni
paraquestionarl Requerer quasi todas as acta
das -
Em cumprmenlo d> des(11ch) d. V. Eu ai-
IBSIO, e jur.ire se precia. f.,r, qo- a .M-ifi^-ira
pessoa de iu-m ouvi duer (ante* .le .-jr M do-
11.11110 do publico, que o Sr HWMMi -U m
trucao, majjr S.ilvador llenri pie d^ Au.iu^r
que, neifociava con os WuHs, r, Sr. pa-tr- m--
tre V cenlo Ferreira de Si pwra Varna: *r\.>
quehipoucosd.a-. ed.-p-,i, da ,|.o.,--,
Salvador. wpoUiimii 1 a., ulr.ia., kik. .jvir
do mesmo Rvm. p.dre. ,p. Sr. MMW rntrn*
inteirameiiie onoecute. \m que qu -m v-a.fca e
dava os pontos era suppbcai.n A1.1.K.,, 1 ,,n >
ua l-onceca, e mais um membro pr.winim-ni^ I
consol bs uirector. que elL-ciiva.neiUj o>ri dV U
yorpara.Mrvir.ini a una >eulwra._<;imano
Joaqun -le Miranda.
Recife, 2.j de oulubro de I86V.
Em virtude do despicho retn. do Exm Sr di-
rector geral da instru.^-o piibiic.i, aAroo -
guime :
Quaudo anda mora va da cidade de XazarHh.
ha dous annos. pouco mais .mi mam, oqti o i*-a
amigo, o Rvm. vigario de Tracmihaem d^r mu;
na secretaria da insiruecao publica itatm--'
os pontos, para os exames ; e ,,ih .|.M>mix ve-
is suas sessoes paraaprecar-lhe a orlhorgraphia J?erm.e TaTZ f"^ """''"'j '* *?
a seu modo, e em seguida reouerer asueramente i .' n .' f'" V3T ,n"n '"' '', p*r
pelo motivo da demora!sem fuXiuento lgum na ," lei. Fazer da obra de Renn ZSSSGSi f? SUTSE m! 2"^ *' Mm *
para meter a intriga entre os socios miando anlua V r-- M'h'd P.rieiia. .pie eni 1.
foi j desencaminhada 2 tSSSL V- *2!J~!*+ ^fe '" S-**
metter uns folhetos mm .iVnm^m.o.,, ........ !i.. r*a,'r ,". *; "'- quanio pono afir
mar.-J.se FajMiM M. Plana
Recife, 25 de oulubro de 1864
Alteslo que ouvi dizer ao Rvm.
PERMRUCO,
REVISTA DUfUA.
Deixou hontem de funecionar o Instituto Ar-
r.neologico e Geographice Pemambuama, em cense-
quen.ua do incoomiodo do Exin. presidente monse-
nhur Muniz Tavares.
Aristides Augusto Colho de Souza, idem.
Benedicto Rayrnundo da Silva, idem.
Joaquim Lopes Lobo, idem.
3" anno.
Antonio Manoel de Siqueira Cavalcanti,
mate.
Floriano Jos de Miranda, Idem.
Rayrnundo Honorio da Silva, idem.
Agostinho de Carvalho Das Lima, idem.
4 anno.
Frederico Marinho de Araujo, plenamente
Ildefonso de Andrade M-lio, idem.
Joao Alvares Pereira de Lyra, idem.
Joaquim Jos Ferreira da Rocha Jnior,
Jos Joaquim Ramos Ferreira, idem.
5 anno.
Andr Cavalcanti de Albuquerque, plenamente.
Theodoro Thadeu da Assompeao, idem.
Coriolano Augusto de Loyola, dem.
Hoje se extrahir a' 1 parte da 1* loleria da
ma'r'*# de Flores (113*), sendo o maior premio
6:000.
Damos abaixo a deciso com que o Sr. Dr.
Neivas, mbstiiuindo ao Dr. juiz de direito do com-
mercio e ao da primeira vara criminal, sentencin
a questo sobre a abertura da fallencia da Caixa
Filial, requerida pelo Sr. Robn Mavignier.
R urna deciso que, jnlgando improcedente essa
abertura, assentaem principios solidos e jurdicos :
pws seria original tornar distinctas as partes que
conslituem o lodo, como era inculcado. Felizmen-
te, porem, o Sr. Dr. Neivas, com a inteireza e a
illu-tracao que Ihe sao reconhecidas, estabeleceu
a questo em seus verdadeiros fundamentos, deu
a estes a legtima apreebco, e corlou assim as
argucias que se ere^iam em principios.
O Sr. Basles, pesaroso por nao ter oblido lalvez
um ninho na directora ou conselho daquea ins-
tiluicao, refocilla de inveja pelos jnrnaes e ptocu-
! ra boje em cada acto administrativa encontrar um
plena- [" P*ra 'f aranzeis, que re a alguma cousa se
propoem, smente a desmoronar e desacreditar
um edificio primorosamente erguido com tanta
tttelligencia camo fiatriolismo.
**?.- ^!.nila al.fuma cousa mais torpe notamos no
lende
.e
a^aaperce
por esse senhor,
para aecusar a directora, tem sidooserros ortiio-
graphicos na redaeco de acias e offlcios, (segun-
do as suas publicacoes) acompanhando-as de ana-
lyses ridiculas que mais revelam o carcter de
ar-
em
quem as escreve, que o zelo pela correera.) do
Chivo do estabelecimento, provanlo altamente
I ludo isso, despeno e futilidade de argumentos I
Porem nao param ainda aqu as suas argucias
e facanhas. Movido pelo espirito da maledicencia,
de que lem dado copia as mais sociedades de que
raz parte, esforca-se o Sr. Bastos por adulterar a
seu geito os actos mais simples a justos da direc-
tora e do rouselho, para eontrapetar os fados de
sua leviandaoe nimiamente pueril, illudindo o pu
blico e a sociedade com a odiosa declaraco de
que Ihe iinham tolhido o direito de se explicar e
defender romo Ihe garantem os estatutos, mira po-
der tambtm por seu turno acensar a directora no
recinto do Gabinete.
Tudo isto, genitores, parecera verdadeiro se a
Mesan de 11 do corrente, a que se refere o Sr. Bas-
tos nao comparecesse um grande numero desocios,
uns folhetos que acompaniiam a salsa de
Bnslol, a historia da Harta di F.mle, e outros
livros de igual presumo para Ilustrar os socios,
como disse em seu offlcio. o dirigir por eseripto
insultos a directora, que nao podemos tomar i
rol, porque nao temos a facilidade do Sr. Bas-
tos. Ernfim, vergonhas, somonte vergonhas, que
esam todas sobre a sua pessoa !
A' vista do que temos dito poder ainda a sorie-
dade exigir maiores proras de dedicaco e respeilo
daquelle senhor para sellar tantos disparates e
estravagncias I?
Poder o Sr. Bastos com menoscabo da digni-
dade dos socios continuar a perlencer a assoeiacao
falseando o conselho, o proprio estatuto,que pede a
sua illiminaco I?
Nao desojamos, e deploramos mesmo todo e
qnalquer aconlecimento que wr esto motivo se
possa dar no recinto do Gabinete, mas se para sal-
var a honra do eslabel.-ciment lano f6r necessa-
rio, promptamente daremos o nosso apoio admi
nistracao para o fiel cumplimento da le I
Fastidiosa e longassera a nossa empreza se
qnizessemos analysar miudamente os artigos do
Sr. Basles, ou entrar em discusso com a sua
pessoa que respeitamos, mas tantos sao os descon-
cha vos que nos seus artigos encontramos, que
nelles meemos acharo os leitores, a propria re-
futaco dos seus argumentos.
"Nem mais urna palavra daremos sobre semelbante
assumpto.
Algitns socios effectivos.
ao Kvm. padre m*tr.>
Vicente Ferreira de Si.|ueira Vir^.. m* lk
consiava ^ueos pontos exisientes na directora da
insirucca. publica, se achava n no .lomea* >
alguns candidato, c q.J0 ,.< |u-n .Mil .
do secretario d aquella reparMe <>r-^en*>.-
verdad.-.Miguel Archanjo Mnid.llo
Recife, 25 de oulubro de 1861.
(Eslavam reconhecidos.)
tORRESPOWDENCUS
algom lempo e que. achava se em mortal decaden
ca, acaba de ser restaurada pelos presentes pri-
meir annistas com o concurso lambem de mocos
de outros anuos da mesma Faculdade, que depo-
zeram preconceiios de seus antecessores e frater-
nisaram com aquelles ouiros no fim meritorio de
proteger ao talentj fallo de m.-ios de fortuna.
Ja tres alumnos da mesma Faculdade, perten-
cenes a annos diversos, lograram agora dos effui-
tos beneflcenlM dessa instituicao por meto da ob-
tencao das matriculas, pagas expensas della
Em presenca de taes fructos, que traduzem de
modo evidente urna animaco ao merecimento o-
telleciual, nao podemos omittir os nossos votos pela
permanencia dessa instituico, que honrando aos
seus membros, jovens e generosos coracoes, nao
1 ao tlenlo, a quem ergue altares
.Nada mais accrescentaremos, visto a tudo sup- >ue ,nVld0S Pela dedicaco consagrada ao estabe-
prir a conciso e a lucidez do julgado. memento, all foram lambem lesiemunbar ocular-
Vistos estes autos, etc. Com quanto esteja vf- mente ci"'smo, e a folia de respeito com que se
rificado.que a Caixa Filial do Banco do Brasil,crea- "ou.vo .esse 9eOhot naquella sesso, excogitando o
1 nesta provincia, tem excedido o limite de sua ino'10 ('e '"'rrompe la e perturba-la o que conse-
sao, isto em virtudo de operacoes autorisadas gul(), ",al- animado por dous ou tres individuos
pelo mesmo Banco, como ludo se" mostra
- O Monte Po Acadmico assoeiacao do nr v "wisap e a lucidez d,. julgado. ""
ir'umtei^aS^e^jLPl ni ^ esUS aoUte' Gom quan.o esteja vr- m"l
algom lempo e que arhav ^emmial decaden 2S&12S 3 ^"f"'' J" Baneodo Brasil,crca- T
eia. acaba de ser ri...r,H, .,,.'."''""rcaaen la nwta provincia, lem excedido o limiie de sua ino,| d
emissao, isto em virludn de op.-racoes autorisadas
ismo Banco, como ludo se" mostra da res- (|Ue "es,Je c"'ta poca, pretenden) dispr dos prin-
aflr^l e dnenmento de fl. 20. lodavU sendo t',|,aes l*arf0S daquella sociedade, como se fossem
para si e para os seus apani-
que a cmara mu- hnra
nic.ipal da villa do Pao d'Alho, na apuraco geral! ue* ""V* ft ambula resultante da nroMcloae
dos votos .1 que tem de proceder de conforrnidade ilhe presta. H
50,n0.*sJKWto no*n- ,0' d* lei de 19 de agosto nformam-nos que a ponte do Varadouro em
de I8jb, deve ter em vista o que determina o art. Olinda acha-se em tal estado de damnificaco que
87da m-sma lei e remetter mecom as necessarias admira ainda comportar o peso de vehculos seu-
informagoes as duplcalas feitas fra da matriz da! d0 s por um elleilo providencial que ella i' uo
freguezia, alim de sobre ellas resolver-se corno fr 1 desabou. '
de''- E P"'s. verificado semelbante estado, cumpre
Dito a cmara municipal do Cabo.Declaro 1Ut e d as providencias piecisas.
cmara municipal da villa do Cabo, em resposta' ~ Commuiiicam-nos de Granito que no dia 2
ao seu offieio de 20 do crrenle, que approvo a ar-: d0 prximo passado mez um bando capitanalo
aematagp dos nnposlos mencionados no termo de : Pely subdelegado su .pente Jos da Costa Agr e
contrato que acompanhou o sen citado offlcio. Rualmenio o alferes Capistrano commandante do
Dito ao gerenle da Companhia Peruambucana destacamento do Ouricury, puzeram debaixo
Nao tendo sido apresentada a esta presidencia at IW1*0 engenho Coqueir'o, propriedade do mair "*" a
agora as tanellas ----- ----- *------ i....-.n. r........ a_ ......,. ^ .
para regular os fretes e passa-1 Ignacio Caelan 1 de Ahincar R-.dovallio, e
gens nos vapores pertencenles Companh.a Per- aram com liros e facadas a Manoel Ferreira L-
nambucana no biennio a contar do prirneirodepi-1 ma Pendan, esbordoaram e feriram a Antonio Pe-
ino ultimo a 30 de junho de 1866 e que em execu-1 re'ra de Andrade e tambero a Leonardo de tal
cao da condicao 8.- do contrato a que alinde o de- '
creto n. 1113 de 31 de Janeiro de 1853, deviam
ser submettidas a approvagao com a antecedencia
de tres mezes pelo menos, como se delerminou em
aviso da repartujo da agricultura, commercio e
urna prebenda
guados1
O conselho, consejo do mandato, que Ihe confia-
ra a asscmhla geral pelos votos de sua eleico,
toda espontanea, eslava firme no seu posto para o
bel rumprimeno da lei, calcada impunemente aos
ps em sua presenca pela simples pessoa de um
o'pode ler lugar a aberlu- S"CI l|ue 'Morantemente se arraslara al ali, nao
ra da fallencia da mencionada Caixa, como parle Psra abusar a directora, mas para d;.r expauso
desabar..s extraos as suas deliberacoes.
ve oSr.Bastos, previdente como diz ser, desejava
fazer aecusacoes directora nada mais devia f;.zer
do que aut..nsar-se como indica a lei para que o
conselho Ihe dsse a permisso de fallar. Mas o
Sr. Bastos nao quiz prever esse direito, por |ue j
No dia 30 do corrente, no convento do Car- en,ao> alfagava a idea de trazer barra da im-
mn desta cidade, lera logar a fesla de Ss. Crispm prensa dous ou tres nomes que tomou por desaf-
e Crspiniann. fectos, e sobre os quaes faz recibir as suas inju-
Ora na fesla, o Rvd prejrador da caoella imperial ria*'
Fr. Joaquim do Espiriin-Sanro. e no Te-Deum o Para desfazer essa calumnia do tolhido direito
Rvd. capelln padre-mestre Mello. do Sr. Bastos, aqui Iranscrevemos a parte do arli-
A msica de orchestra da missa sera execntada 8o P*"' 'lual sement poda o conselho permillir a
pelo professir o Rvd. padre Candido, e cantar;! o a.cusacao.
solo da missa os meninos dncollegin dos orphaos. -^rt- f^- Podan 20 socios requerer ao presidente
Depois do Te-Deum. ter lugar um fogo de vista. do consuno a convoenrao extraordinaria do tnesmo
Consta-nos que. em virtude de um despacho Para representar contia a directora quando jalgn-
de I do Sr. Dr. juiz de eapella?. a requerimento de al- rem aue estn '" fxorbitndo ou deixado de cnmprtr
certo que a referida Caixa c urna dependencia da
quelle Banco, com o qual forma um s lodo, pois
que a elle e que foi concedido o fundo capital,
nelle e que sao feitos os dividendos dos interesses
havidos, etc., sendo que assim se nao pode consi-
derar um estabelecimento distincto e separado do
supradito Banco, visto que, em quanto este sub-
sistir, como subsiste, nao -
mada Caixa, como parle
integrante que delle pelo que e mais dos autos,
julio improcedente o que neste sentido se requer
a fl. 2, pagas pelo peticionario as cusas.
Cidade do Recife, 26 de oulubro de 1864
Manoel Jos da Silva Neivas.
amarraram
assim como prendern) e cruelmente
a Malinas de Sou;.a Forte.
Depois de terern pralicado to vandlicos .
d'ahi retiraram-se entoando fervorosos vivas, como
se tivesnem alcaneade grande victoria I
actos
obras publicas de 29 de Janeiro de 186 de que se cadver de Pendo e>teve exposto ao sol das
deu sciencia a mesma companhia em 17 de f.-ve- 9 h"ras do da 2 s 3 da tarde do da 3, hora em
reiro subsequentc, cumpre que Vmc. me envi sem ; 1"" compareceu o subdelegado Manoel Florencio
demora as referidas abellas, declarando os moti- para fazer o corpo de deheto.
vos que sederam para semelhante falta. Chamamos a altengo para o offlcio da cmara
Portara.O presidente da provincia, resolve municipal do Granito, que publicamos, e que ex-
designar o bacharel Joaquim Jos da Fonseca para P o 'acto, assrrn como as violencias praiicadas
servir de procurador fiscal ad hc na causa, in- Petas autoridades policiaes por occasio da recen-
tenlada contra a fazenda provincial pelo commen- le eleico de juizes de paz e vereadores.
d-l,l..r M.nA.il K\ M.^ir,'.., ,1.. LVni.. ..... ..i....A. a. '
dador Manoel Fuueira de Faria, em virlude da 1
resciso do contrato que eelebrou com a assem-
bl.i legislativa desta provincia, visto ha-er-se
dado por suspeito nessa cau-a o procurador fiscal
interino, bacharel Jos Bernardo Galvao Alcofora-
do Filho, segundo participou em offlcio de 19 do
correute Expediram-se as neceasarias co umu-
rucajoes.
Despachos do dia 24 de oulubro de 186-1.
Requerimentos.
Cronan & CEncaminhe-se.
Bacharel Jos Flix de Brito.Seja recolhido ao
arsenal de marinha.
Hoje principiar a funecionar aula da ea-
deira de S. Jos desta cidade, na casa em que
dantos era a mesma aula.
Fizeram acto na Faculdade de Direito no dia
24 de oulubro de 1864, os seguintes csludantes :
1* anno.
Jos Jansen Ferreira Filho, plenamente.
! D. Luiz de Souza Sil veira, dem.
; Elpidio Jos de Carvalho e Souza, idem.
Jeronymo Americo Rapen da Cmara, idem.
2 anno.
Alfredo Alfonso Ferreira, plenamente.
Je> Candido Marinho de Sa, idem.
Jos Joo Climaco do Espirito Santa, idem.
guns irmios da ordem terceira do Carmo, foi sus- os deveres que lhe siio tmpostos.
pensa a posee a mesa nova que linha de empnssar- >,'la le[ra expressa de>ie artigo se v claramente,
se hoje 28, sendo a mesa obrigada a responder fl06 c"n>elho pedindo ao Sr. Bastos que perei-
aquelle juizo em 3 das sob a nullidade da mesa "*" requerimenlo assignado smente com o seu
nome, de conforrnidade corn a lei, cumprio fielmen-
te o seu dever.
Mas este senhor desejava que o conselho se Jul-
gasse autorisado para desfazer por si so aquelle
artigo, sem dar a menor satisfarn a ninguem,
porque desta forma teria procedido dignamente
segundo o seu modo de pensar. O conselho nao
pensou assim, logo foi injusto e o que mais, reo
de leza-reverencta I
Se alguma
nova.
Teve hontem lugar a reconcilacao da matriz
d^=ta frpcuezia. que arhava-se inlerdicta pela
elfusao de sanene que nella se deu por occasio
do processn eletnral alli havidn ltimamente.
O acto leve toda a solemnidade propria de laes
ceremoniaes, officiandn o Rvd. -r. ronego vigario
cam o clero e religiosos do Carmo, e havendo
grande concurrencia de fiis.
\ dnm clr. ,'T a a-'",na cen,ura ai>s o conselho naquella
nhnr J'np0SPr; trasladado processionalmente o occasio foi nicamente por nao ter execntado
nnor acramenladn par-
onde se achava recolhido.
nacional Santa Ma,
Passageiros do lnate
sabido para o Aracaty :
Joaquim Martnho da Cruz Correa.-Concedo o Anlooie Domingos Pinto Jnior, idem.
i do.Espirilo-Santo, o 4 do art 21, pelo facto de haver o Sr. Bastos
perturbado aquella sesso, lanzndose mesa
arrebatadamente, intentando rasgar um requeri-
menlo em presenca do mesmo conselho, e fazendo
alustiano Laurianb Pontes imSes, Cleroentlno l"?1 en(,er.rar a /essn P"r 'umultuosa I O Sr.
Pontes imoes e Delfino Guroel do Amaral a nuer,a a ,odo cnst0 enumr ao conselho o
Rkpartic>o d\ polica seu modo de interpretar os estatutos, como ante-
Extracto das partes do dia 27 aeontnhro de 1864 Hormen,e '"ha tentado fazer com a diretoc-
Foram recolhidos casa de detenco no da 26 '
do corrente : Entao que mal ira ae Sr. Bastos o negocio, se
nao tendo sido eleilo pela sociedade fosse de hoje
A ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Ma- em aunte o orculo perpetuo das suas admlnis-
noel e Samuel, escravos, este de Francisco da Cu- tractos ?....
nha Machado Pedrosa e aquelle de Manoel Mar- E pois, urna vez repellido pela directora e pelo
qups da Costa Soares, ambos por infraccao de conselho, ah o temos na imprensa, para com o
posturas. titulo de drfea, desacreditar ao gabinete, e pro-
A ordem do subdelegado de Santo Antonio, Luiz mover embaracos sua marcha administrali-
Antonio de Souza e Gregorio, escravo de Joaquim va. D'ahi todas essa* miserias e calumnias to
da Costa, por embriaguez. j absurdas urnas como levianas e pueris outras;
A ordem do de S. Jos, Joo Vieira, por sus-! d'ahi as injurias, os sarcasmos, os doeslos empre-
Entendeu o Sr. Salvador Henrique de Albuquer-
que. combinado lalvez com o Sr. padre Vicente
Ferreira de Siqueira Varejao, que deviam invulver
a nunha humilde mdividualidade em seu plano de
defeza ; em sua correspondencia publicada hontem
neste jornal, sou eu .presentado sem mais provas
que o dizer do Sr. padre Varejao, como autor da
venda dos pontos.
E' contra isto que venho pela primeira vez a im-
prensa, alim de que o publico possa apreciar o fac-
i convenientemente. Baseando-se o Sr. Salvador
no que geralmonte diz o Sr. padre Varejao, eu
contra este dizer aprsente os attestados abaixo
transcriptos, com os quaes c.ihein por ierra as ac
cusacSes que me sao feitas relativamente aos pon-
tos.
Agora tratar, i da venda dos Iris Classicos", e das
revelacoes dos segredos da reparlico, que o Sr.
Salvador diz constaV-He, en fazia. Provoco ao Sr.
Salvador para declarar os nomes dessas posteas
que lhe deram laes loformacdes, sob pena de ca-
lumnia.
A mim que me consta que o Sr. Salvador ven-
da Iris Classicos.
Sou pobre, e como tal tenho vivido, contentan-
do-me com o qno licitamente ganho ; outro tamo,
porm, nao pode diz-r o sr. -alvador, cujos actos
revelam gana de dinheiro.
Ah eslo asgratilicacocs pediilas assembla.a
renda dos emolumentos lirados aos cofres pblicos,
a compra de seus compendios por parle-do gover-
nn, ludo por proposta do mesmo senhor como mem-
bro do conselho, para prova do que acabo de dizer.
Diz o Sr. -alvador que eu era o guarda dos pa-
pis da reparlico, e que por conseguinte a elle
nao caba a responsabilidade do extravio que po -
desse haver em taes papis. Isto una folsidade,
eu apenas recebia os que entravara e sahiam des-
pachados ; todos os mais papis de Importancia es-
lavam exclusivamente sua guarda.
Ora, se os pontos eram papis de importancia; e
se ao Sr. alvador mais que a ninguem alTeda a
sahida delles, por isso que registraudo-os po lia li
car com a copia, e d'ahi deduzir-se que os poda
dar a quem quizesse ; como crivel, que nao ten-
do o r. -alvador conanca em mim. como confes-
sa, e sendo alias to zeloso no desempenho das
proprias funccies, deixasse ficar a urna ininha
guarda? E'que o r. alvador, quando a deixa-
va ficar em um armario sem chave, era com o fim
premeditado de poder depois desculpar-se com os
empregados. Fique, porm, certo, que jamis con-
seguir arredar de si a responsainhdade que sobre
mim quiz fazer pesar.
Recife, 26 de oulubro de 1864.
8r Redactores. Siolo que o meu lejstenaunho
loase invocado nesta queslao do Sr. ex-secretor*
da inslrucco publica. p.>r julgar qnea tanmai rti
tivesse parte nesU falcatrua de ptrntax, segun.t. o
que tenho ouvido dizer. DerL.rare ome dilo. Das dep-is do exame de hatnliiaci.. para as
cadeiras de Vicencia. lUmara.-a .miras, ,.*> ,
nossa casa o Sr. professor Simp'in da t'.rm Ri-
b^iro ( cora quem enio linha algnmas retacn de
amizade), em conversa e entre outras rouv~ ii>
SO-flM quo linha visto os p-.nUH do -same alWasii
Vacilei e elle mosir..u-m'os, eem nuiU p^r^an-
loume : quem julsja que os poderu tt-Ut* iUto *
Itespondi-lbe : que, a visla da ficlora e guarda
dos rnesmos, parecia-rne : que o Sr. secretario
e oulra cousa nao poda dizer por nao h.v.-r o~ da-
dos precisos.
Passados dias on mezes, outros e.dlrea< e pw-
soas de amizade em conversar,, me inierrogavam
a esse respeilo ; e eu dava a nioma r*>p>u. Dis-
seram me mais : que esses jkhii.k f..ram dawmaai-
vidos pelo Sr. Dr. Loureiro (Un-),.. pa aje alBr-
rno. No anno seguinie se Imm msmm pantai
eis que se dirige n.-ssa cas.i urna i^-m., ped.n .,"
com muua mstaaria e sagrado da aaa ...-.. aa*a
que eu os desenvolverse por eaenpaa mP-i pjra
saber quem os iml.a dado ; daseme que o faria
se eu prornetlesse guardar sigillo
sua pessoa ; afflnnei-lhe que mic
uestes termos diss-ram-me que um aMp lo
na directora chamal.. F..n.vca era o fornec.-.l.r
pela graiicacao de OO.jmxi. .\,..|, .,,,.,;,, .....
trou-rne as series dos differeul.s ponfos, e reconh-
ci em urna dellas a letra do mesmo'Fon-wa
quiz retar em meu podar, e elle iawaM pela entre-
ga, declarando-ine : que lata era un abuso da
nanea da miaba parte e eu a aalragayi.
Desde ento formei oulro Jatea do Sr. et secre-
tario, e quando por acaso havia arraaHa de fal-
larse sobre pontos entre rnWenan e aaaaMJ de ai.r
zade, referia o que se lloh i dito. Inux-o .,
respcito o testemiinho do Illm. Sr. director di
cola normal, alrn de ouirns.
Passado algum lempo, ericonlrei-me na na No-
va com o Rvm regedor do gvmnasio padre Joa-
quim Raphael, siulo qne seja fallecido, p-.r.-m I .
quem saiba disto : declarei-liie a que tanta 1 ,
guei, que avisasse ao Sr. director g-r.l. para dar
providencias : porm sem jamis envolver r> meu
nome : o creio que o z, pori|ua nao houveram
mais exames neste anno.
Coiitaram-ine mais o segrale : no ann> imme-
que o
flalivament'-
eal.ir. fall
Antonio Juvino da Fonseca.
Illm. Sr. Dr. director geral.'Antonio Juvino da
Fonceca, precisa a bem de seu direito que V. S.
mande que os professores Miguel Archanjo Min-
dello, Gemraiano Joaquim de Miranda, e Sim-
plicio da Cruz Ribeiro, atteslem o que ouviram di-
zer ao Rvm. padre Vicente Ferreira de Siqueira
Vagejo, acerca da sahida dos pontos, e bem as
sim o ernpregado desta reparticao, o professor Jos
Faustino Marinho Falco, o que ouvio dizer em
Tracuuhem pelo mesmo padre Vicente acerca
dos ditos pontos. Por tan lo, pede V. S. se digne
mandar que se lhe d ditos aiteslados. E. R. M.
Antonio Juvino da Fonceca.
Recife, 25' de oulubro de 1864.
Atleslem, querendo. Directora da inslrucco pu
blica, 2o de outubw do 1864. O director geral,
S. Cavalcanti de Albuquerque.
Em virtude do despacho supra, atiesto que
indo urea occasio casa do Rvm. Sr. padre
Vicente Ferreira de Siqueira Varejao, esle rae
mostrara os ponlos pelos quaes se faziara os exa-
mes para provimenlo de cadeiras de in-irueoo
primaria dizendo-me que linharn sido comprado-,
por 1403000 ao Sr. Salvador Henrique de Albu-
querque, accrescenlando que os eslava explicando
alguns candidatos, inodiantc urna paga rasoavel,
mas que os nao iria examinar, se por ventura fos-
se disonado para isso, do que j havia prevenid j
an fallecido padre Joaquim Raphael da Silva (que
diato feitos e apnrorada os aarai naalH pe. roo-
sellio director, foram guardado* em sua gu>
lo mesmo Sr. director. Por can-a da demora .W
lancameut >s, se precsou chive, aaa al>nsS- a -;i-
vea, nao sendo possiveJ, maolo!i->e fabricar uma
por um operario do arsenal de guerra |N.r IOJikni
Aborta a mesma, nao se po-leram .-.piar ..* 1
IOS por nao se poder entender -. sornente oV|oi- I'
lancados e guanla.los na urna, se exirahiram as
copias, porque ha chaves cora as quaes >e abrem
os irescadeados da mesma urna. Tudo Ij e o
que tenh> ourdo dizer. C'risiame mais, que ra-
ro o professor desta cida le 011 o candidato que
nao lenha visto e li.lo pomo*.
Eis o que sa me lem dilo e muita gente Bato.
Cuinpre-me todava declarar, que nio soa aojo
do Sr. ex-secretario, tanto que nunca fui a sua ca-
sa, nao sou lamber seu inimign. e in.| h o< ,;ne
me conhecem, saben que eu nunca Ioriuret a nn-
nha conscieucia, nem para salvar um amigo, n. m
para cmproinetler um aWaaWaaad >, a que -
com muito constrangimenlo venho a impren-a ; e
outras multas cousideracoes poderia fazer, purera
.-o aqui
Devia anda dizer : que tenh- hcionado, e li-
cioiio das 4 horas da tarde em diamv, pessaas, un
to para o magisierio puidico, eaaM para ontrot
empregos,alguns (ior pag. raxoaral, a a nutro* a>
graca ; assim como fazem oulro professores qw
tem algum crdito e sin piocurados, curao w'Sr*.
professores Mindello e Simplicio ; e jamis aasiaei
ou expliquei os pontos a candidatos ; a provoco a
quemquer que eu o fi'.ense, .pie o declare.
Recife, 26 deoutubre de 1864.
Seu cusanle leitor
Padre Vicente Ferreira de Siqueira Varejao.
Srs. redactores () Nao ha muito qne ebegnei
da Europa, onde fiz os meu* esludo* e ..bive o di-
ploma deeiwenheirocivil, que mefm conferido i-U
umversidade de and, uma das mais arredilada*
da Europa, e havendo d'aqui sabido aos mea* 17
annos, sora haver nunca tomado parte em nutra
cousa que nao fossem os meas eiudo*, v.dlri em
odios polticos, sem inimisades de esperie alguma
e resolvido a applicar-ine lodo e smenla ao exrr-
cio da miuha profisso.
Fiqu i Mario de seis mozes sera ser ernpregado e
so no mez de julho lo que o Exia. Sr. pre-.dent
da provincia fez-me a houra de aproveiUr-me para
Dr Torres Bandeira. O rereridoverdade.eju- ver deslocado urna parle h|ll i 1
rare. se. pr-isa for.-Simplic da Cruz Ribe.ro. deneia, de novo a publicamos cm sua iniegra.
Recife, 25 de oulubro de 1864. I r ajataSk


Diario de reraaambneo Hoxta tetra tN de Outubro de 14.
o lugar de engenheiro ajndanle do chefe da repar- velar T Se aasrn dlrljeso a qnalqiw lugar que
li^o das obras |.ul Quaudo essa nomeacao appareceu, Uve o desojo nheiroi e de iiisirtimenlu, r Juntos fagamos ora ui-
de recusa-la, e tire raio para isso, as quaes tal-' velameulo : se eu o oo soaker fazer, ou s o au-
vez nao cscapem perspicacia do puhlico, peranlo. lor do artigo nivelar raelhor do que eu, eolio po-
o qual fallo ; todava razoes mais valio>as anda der dizer que errei.
me ebrigaram a aeccitar a nomeacao, com que me j Emquanto o arliguista nao provar o que disse,
honrou o Exui. Sr. presidenta da provincia ; I ear tido por mo ou ignorante,
ceitaudo-a, tratei de viver na repartido o mais, Prova anula o aulor do artigo ser um ignorante
concentradamente possivel, ringindo-me letra do a uin intrigante, quando diz que S. Exc o Sr. Dr.
regulaincnto, o qual nao meconfere autori lado al- Souza Leo concedeu-me a licenca para acalmar-
guma,snjetando-nie en ludo e por ludo an rhefe, o m< o furor, e conceden-m'a do de outubro, para
nofazendo su nao o que por elle me fosee re-! que na folha nao fossem as faltas que eutinha da--
nado. O publico ha de ter visto esse regulamento: do. Ignora o autor doaitigo que os engenhoiros
no Jornal do etife do mez do julho, e em o nume-j nao assignam ponto, e por tanto as faltas que do
ro de 15 desee mez o artigo que trata do ajudante nao vo as fainas I
do chefe. s- Elc- Pouia nomcar o Sr. eapito Mello Reg
Nao obstante o mea comportamento, deu-se urna para chefe interino, poda ncmear a outros, mas
occurreiicia, por amor da qual son m sqjointaa-1 nao dnia nomrar-me a mim, porque bou j
mente iusullado no artigo de fundo do mslilncio-
nal de 12 do torrente, cojo autor, refenndo-so a;
factos de uiinha vida e de miiiha prolisso, nao se
poja de faltar vergonhosamenle verdade, rom o
tim nuiee de desacrediiar-me no principio de roi-
nha carreira. Nunca eserevi para 0 publico, nao
tenho gosto pelas polmicas joroalistieas, e eslava eu sc-lo, e sendo-o, prova isto contra o carcter po-
resolvido a limitar-mu ao exercicio du qualquer; lilico de meu pai I Mesqiiinhos sentmentos sao,
dos ramos de miuha prolisso. e?les Mas, provocado du urna maneira to desleal, nao: tilucionalI
tenho cutio remedio Sr. redactores, se nao bus-| llrade muito emborao arliguista conlra mim ;
car as columnas de 'seu acreditado Diario para dar nao ha de conseguir o meu diserrdilo. Posso nao
o mais solemno de-mentido a esse iuiuigo encapo- convir ao arliguista as obras publicas ; posso nao
tarto com o manto de um partido, que io injusta- saber fazer ornamentos mas nao posso aceitar
mente me procura fazer desmerecer na opinio dos face a face com o arliguista urna discussao acerca
; do exercicio de qualquer dos ramos da eugenharia,
anibora nao Ihe ve,a o tita! que o colloque na al-
tura conveniente semelhante disrusso.
I>r. Felusa Devo ser eiido de anMhema nesta
provincia, porque esse anathema deve pesar sobre
o Dr. Feilosa e sobre a sua familia !
O Sr. Dr. Leal e eu eramos os nicos engenhei-
res que, lendo seus diplomas em regra, estavam
desempregados; mas apelar de ludo, nao devia
Recife, 24 de outuhro de 1864.
Anttnio Vicente do Naseimenlo Fiilosa Filho.
ineus comprovincianos.
Diz o aulor do artigo infamatorio que, tean eu
ido ao Rio de Janeiro, nao consegu ser admittido
na escola central. Falla vergonhosamente ver-
dade o autor do artigo, por que do livro das ma-;
triclas da escola central do Rio de Janeiro deve ,
constar e meu uome ; e se procurei irestudar na;
Europa, qualquer que fosse o molvo que a isso me
impellio, esta langa de [trovar contra a minha ac-
tual habililaco as materias de nunha profissao.
Tambero nao verdad que eu tivesse procura- OlUclo da cmara do Granito.
do e nao houvesse conseguido ser admettido na m,,, ,. glm, Sr.guando esta cmara por mais
escola conlral de Parla. Apenas, observando que, de UIna veZf Iem fet0 senur u v. Exc. a rticunve-
na Idadeem que me achava, era-ms difflcil resis- nienria da censervaco do actual delegado Roque
tir s sedueeoes que em Paris, sao o cscolho onde Carlos de Alencar Peixoto, o seus supplentes, Ma-
voencalhar mullas aptides, procurei fazer os noel Florencio de Alencar, e Jos da Costa Agr ;
ineus estudos especiaos de engenbaria na univer- ,ju subdelegado Alexandre Magno (filho do mesmo
delegado) e seu supplenle Joao Lopes Caminha,
previa como consoquencia necessana, factos desas-
trosos, como os que vem do narrar.
Do da 5 de agosto passado, ao dia 7 do crren-
te mez, houveram tantos horrores e terrores, inco-
tidos populacao, que quasi impossivel desere-
s estudos de engenbaria, para que ye- ve-Ios minuciosamente, por isto esta cmara dei-
enas passa a
sidade de Gan>
Debalde pretende o autor do artigo fazer desme-
recer os diplomas d'essa universidad.-, tachando-a
de ser o vallia coulo dos vadios. E' preciso que o
arliguista esl-ja na mais completa ignorancia a
respeito da maneira, porque n'essa universirtade
se fazem
nha perante o publico tancar subre ella es>e juio xan>lo em silencio muitos outros, ap
temerario, conira o qual devora protestar o Sr. Dr. expor V. Exc. os factos segralos :
Leal, a uutros milito Brasileiros e estraogeiros de o delegado Hoque, espalhando tropas de paisa-
diversas nacoos, que ali vo beber a respectiva ins-' noJ ll0r todo termo deti ordem aos seus nspecto-
truego. Sa o aut.ir do artigo fallaste com mais re para prenderam e soltarem a quem Ihes con-
coulteciineuio de. cau>a, saberia que os estudos que esse, isto couservar e remelter presos aquel-
te fazum na universida da Gand, na escola onde |es ,|Ue na0 se quizessem sujeitar a votar com elle
estudei, sao os mesmo que se fazem na escola de delegado, e soltar aos que se deliberassem a dar-
pentes e calcadas de Pars ; saberia a disciplina n,e st>us votos.
severa, eos studus quer praticos, ajuar tlieorico* Desta escursao resultarammuitasprisoes, a pon-
qu fazem da universidade de Gand urna das mais \0 je entrarem em um l dia, nesta villa dez hu-
re>peilaveis da Europa. Sedeixei Pars para estudar mens presos e quasi todos amarrados, por nae an-
lii Gand, fui antes pelo amor do trabalho e de un- nuirem ao partido do Sr. delegado, dos quaes al-
nha applie,.oo, du que pelo espirito de. vaoiaeao, guns f0ram sollos por elle os nio poder delerna
a que alias muito se podera prestar as distraeces prisao, outros por terem prometilo seus volse
que abundam em Paris, e pulas quaes nao quiz dei- outros finalmente por ordem de Aabms-corpuj.
xar-ine aubjugar. Nao tem sido smente com prisoes iujustas, que
Tirar d'alii raziies para desacreditar o meu di- Se ha Oagellado o povo, as notificacoes repelidas
ploma, em verdade acio de supina ignorancia para couaocedes de officios e guarda da cadeia tem
aggravado pela ma f. : sido urna forte arma da que se servem o drlegado,
Com certo ar de importancia, diz o autor doar- subdelegado, commaudantu superior e tenentes-co-
tigo que, lendo eu aqu chegado, nada lz que mos- rois do batalho e estado-maior, para persegu-
trasse minhas habilitacoes. D-se urna proposi- rem a |0(jos (juantos Ihes sao desaffectos, nao esca-
gao mais insensata ? que poderia eu fazer, se pando os empregados desta cmara, que foram
nada havia que fazer ? E d'ahi tira elle a coiiclu- obrigados, o fiscal Jos Roberto do Naseimenlo a
slo de que eu nao mereca o lugar importante de |var um ofiicio a Cabrob, e pouros das depois
ajudaote do chefo da reparlicio das obras pu- notificado |>ara conduzir uns presos para a villa
blicas 1 de Salgueiro, e o procurador Liberato Rodrigues
Adduz anda o artigui.-ta, como prova de minha e Alencar, que fui abrigado montar guarda na ca-
incapacidade, o pouco que cu dcixei durante o (|,.ia e rnnduzir um ofiicio por ordem do tenente-
grandtt aspaco de dous inezos que estivo na rapar- coronel Manuel Florencio.
lico. Em verdade, causa tedio tanta arrogancia, es que apparece a noticia da ter o senado an-
tanlo despudor, lauta malevolencia I Quando um nullado a eleicao de senador, feita pelo Sr. delega-
homein de beai i|uer fallar da repUta;ao deoutrem, 0 eH1 ] rfe nevembro do anno prximo lindo, e
deve antes da ludo certilcar-se dos factos e das TeI1(j0 0 Sr. Roque a exaltacao e lOdeiivel satisla-
crcumstancias que a elle se prendein, para nao ,.ao Jo povo por um acto de tanta Justina, e que
correr o perigo de ser desmentida em assumpto pur sso nao duvidaria em dar seus votos em op-
que offende o que ha de mais sagrado no mundo, posicao a suas ordens, ronscio da sua impopular!.
O que tiz en DO curto e.-paf o de dous mezes que (|ade, enieudeu que ainda poda incotr novo* ter-
estive na reparticao das obras publicas T Ve.rili- pares dirigio-se entao para o Ouricury pes-oalmen-
que o escriptor do Constitucional, e achara o se- (e> tl'onde voltou com planas tao teniveis, que te
gninta : exaininei o estado de todos os canos de niendo carregar com suas sinistras consequeiuias,
esgto da cidade e parlicfpe ao chefe, que seacha- passou o exercicio ao seu Io supplenle, e este qna
?..m em pesslmo estado ; fui eocarregado dos
trabilhos da ponte provisoria do Recife a dei-lbes
grande impulso, sendo que, se mais nao flz, fo
por nao me adiar autorisado pelo chefe; fui eu-
no i menos avisado, passou-o ao 2", que fielnien
le proinetteu execular todo quanlo eslava concer-
tado.
Com effeito no dia Io do corrente mez, parti
carregado. da Uscalisaco do cal^amento e canos d'ahi uina (breada trinta pracaseommaodada pelo
de e.-gto d'esla nidada, e ah tiz o que era vosst- alferes Pedro de Alcntara Tiberio Capristano a
vet para a boa direceo d'esses trabalnus,fui en- reunir-se ao delegado supplente em exercicio Jos
eirregado de examinar as pontos de Santo Amaro, n Costa Agr, e assentan-lo lies que deviam en-
Tacaruna, Arrumbados, Varadouro ; e, hveudo-as irar neste termo pelo siliada Taboca, propriedade
exaiiiiiiado, participei que estavam em estado de do Sr. Ignacio Caelano de Alencar Rodrigue-, e
completa ruina ;mandei construir a de Santo onde mora tambero uro Sr. Pedro Alves, que de-
Am.iro, sendo para l>go autorisado pelo chefe ; u guia-los por uro modo seguro ao engenba Co-
fiz ourcanv-nio, nao s da ponte, como da varan- queiro, all chegaram no dia 2, das oito para as no-
da, que di- ferro ; propuz, que sesubstiluisse a Vo horas da manha, e posto o referido engenho
poni dos Arioinbados por nutra de ferro;fui em cerco, sem que fossem presentidos; encnira-
aos Prazeres examinar os Irabalbos da arobarrea- raro a Manoel Ferreira Lima Pendao, qne all ia
mutilo da estrada ;-fui encarregado da planta e ehegando, e ouvudo este vozes de morra o cabra,
ore,.!meato de duas casas, serviudo una de eslri- atira no cabra que aqnelle, sendo elle criminoso
baria e erheira ouira para aguarda do palacio ; no Avara, por ter tomado uro irmo que tnha si
da presidencia;fui examinar a sapata da ponte !<]o preso para o recrutamento,tratou de correr,
do Bario,que su achava ero completa ruina, fiz Ihe mas nao pudendo evadir-sc poraue foi ter onde es
0 respectivo oreamento e ja boje se acha ella cons-
truid}fui examinai os reparos de. que precisava
a casa da assembla provincial, e liz o competente
oreamento ;fui encarregado de examinar a ra
do Lima e de bt>r o orcaroento do atierro, de que
neressitava e-sa ra ; comocei e a cabei uro pro-
jecio de ponte para ioloculoinb ;durante o lem-
po que Irabalhoa o jury, estivo encarregado de to-
do o expediente da repai ticao, sendo que dei toda
a adividarte a esse expediente, o qual nao soifreu.
Esta pois entendido, que tudo quanlo liz ua re-
partic/io durante os referidos dous mezes, roe toi
ordenado pelo chefe, visto que nada poda eu fazer
sem siiaatitori-ayao : oque podera o publico ve-
rificar ero face do regulamemo que acuna eilci._
Dir o aulor do anigo que esset trabalhos sao
de puuca importancia ? Se assiffl moslre-me
qu.ns sao os mais importantes do que esses, que se
fazem na repartico das obras publicas. Natural-
mente dave elle calar-se, mesmo porque provavel-
nienie nao entende de engenhana, e vero teme-
1 hanca de um c-.-go fallar de materias, as quaes
nao lem habiiitacao para emillir opinio. Se eu
me achasse em frente de um engeuheiro, mais an-
tigo e mais habilitado do que eu, pedir-lhe-hia con-
seibose aceitarla advertencias, mas que uro igno-
rante me queira rebaixar peranlo a opinio publi-
ca, i- o que nao posso soifrer, sem quebra de mi-
nha diguidade.
Diz o arliguista que fui encarregado de dar o
plano de urna escada, e que a fiz de tal modo, que
nao sa poderia subir por ella. Que despejo I Qual
foi o plano da escada que eu fiz T E se quizer fal-
lar da escada do uro soto, servindo para creados,
que se acha na corheira, cuja planta liz, do ad-
mirar que lana ignorancia ostente. Talvez quizesse
o autor do anigo que urna aseada, feita para crea-
dos, e na intensan de oecupar o menor espacopos-
livel, fosse urna escadaria, como a do palacio das
Tulherias. E assiin que se procura ofender a re-
putac.io alhria I
Diz ainda que liz a coberta de urna casa que nao
poderia sustentar o peso das telhas. Em que esco-
la aprendeu o autor do artigo a calcular a estabili-
dade dos materiaos ? Se elle esludou, o que duvi-
do, dirijae a repartico das obras publicas, pura
o ornamento, examine as dimensoes das pegas e ve-
ja se ellas podem ou nao sustentar o peso das te-
lhas ; veja se a forma de the-oura ou nao sus-
ceplivel de sustentar o peso que Ihe destinado, e,
so nao pode abra tima discusso scienlifica, e pro-
ve que esiou em erro. De mais, con>trua-se a co-
berta tal qual se acha ella determinada no orna-
mento e eu re-ponsabiliso me pelo resultado.
Diz o aulor do artigo, sempre com o intuito de
me desacreditar, que, lendo de proceder-se ao le-
vaniaineiito de urna planta que exiga nivelamento
do terreno, fui encarregado e nao pode ser elle
aceito, |ior estar errado. Ero verdade, preciso ter
muita ousadia para aventorar-so juizos rerra de
factos, da que su nao est certo I O nivelamento de
que fui encarregado, foi nao para urna planta, e
s i ni para calcular o aterro da ra do Lima, cousas
entre si mui distincias ; pois em um era pt/ciso
rnuia exaelido e ao oulro basta ser aproximado.
Enti danto, como sabe o aulor do artigo que meu
nivelamento eslava errado T
Quer pretender o autor do artigo que ne sei ni-
dos quaes se acharam os Srs. Ropi- Car'tx d
Alencar Peixoto,delegado Agr.\alfer. s liaprU-
tao, armado com sua ospada e urna pistola do
dous canos.
Este procedimento to reprovado indignou de
tal modo o povo, que, aglomerado em derredor
do juiz de paz Dantas, avancava para as bayonetas
como seestivesse Igualmente armado, e a nao ha-
ver intermediado incontinente o Sr. teneute-coro-
nel Cornelio Carlos Peixoto de Alencar, e muitos'
outres, como bem o Sr. majnr Ignacio Caetano de
AJtoear Peixoto, major Daro, prolessor Jos Pei- \
xolo e Silva, Guatter Martiman de Aleucar Arari- i
pe etc. etc.de certo haveria amis terrivel ca-:
ta&lrophe, que se poderia imaginar ; porque todo
este povo inerme viria a ser victima das balas,
faccas de ponta e bayonetas da polieia. Tanta:
arrogancia da parte da antoridado, a quem cum- i
pria total abstenco no pleito oleitoral ( nao obs-
tan le os majos etnpregaJos pelo Sr. Dr. juiz mu-
nicipal Pedro de Alcanatra Peixoto de Miranda Ve-
ras, para moderar o furor da polica) obrigou ao
Sr.juiz de paz Dantas, alm de evitar oderrama-
meuto de sangue, fazer a eleicao na mesma casa
em que se proceden a eb-icJlo de eleitores para
um senador, em o 1* de noverobro do anno prxi-
mo passado, visto acharem-se as portas da igre-
ja, alm disto, guardadas por soldados de primeira
liaba, e o aviso de 19 de outuhro de 1848, dizer
que quando nao se puder fazer a eleicao na ma-
triz, far-se-ha em oulro qualquer edificio.
E>ta cmara aflirmando ludo quanlo acaba de
dizer, confia na retidao de V. Exc. de quem espe-
ra justica, fazendo effectiva a responsabilidade de
quero sem altencSo a le e as ordens de V. Exc.
nao s tomou parle directa na eleicao, como por
m< o das armas pmou o voto livre.
Deus guarde a V. Exc. Pago da cmara mu-
nicipal da villa de Granito em sessao extraordi-
naria de 17 desetumbro de 18Gi. Illm. e Exui.
Sr. Dr. Dimingot de Souza Leao, diguissimo pre-
sidente de?ta provincia de Peruainbuco Manoel
Carlos Saldanha de Alencar, presidenteLoiz Pe-
reir de Alencar Joaquun Moreira da Costa
Alencar Simao Gemido do Carv-ilho Manoel
Florencio de Alencar, vencido Roldno Jos Pei-
xoto e Silva.
Anacahuita peitoral de kemp.
A celebre anacahuita peitoral de Kemp. e do
cujas virtudes especificas tantos annuncios appare-
ceraiu em nossos jornaes, urna composicio de
vegelaes peitoraea, e nao contm nenhum astrin-
gente veuenosoou mortalroente uarcotico. E' pre-
liarada em forma de um xarope delicioso, e um
promplo e efflcaz remedio para irrltaco dos pul-
moes, anginas, catarrho, tosse, resfriamento, rou-
quidao, affeccoes calarrhaes, escarros de sangue, c
todas as innumeraveis molestias que affectam os
orgaos da respiraeao.
Cuidadosa e scienlificamenle preparada por Lan-
man & Kemp, Nova-York.
Acha-so venda as lojas de Caors & Barbosa,
ra da Cruz, o Joao da Cunta Bravo & C, ra da
Madre de Deus.
F.u f de verda Je.O escrivao, Joaquim da Silva I
itg-.
U major Aolono Bernardo Quinteiro, cavalheiro da
imperial ordem da Rosa e juiz do paz do 4* anuo
do 1* dlstricto da fregueza de Santo Antonio da
cidade do Recife em virtude da le, etc.
Paco saber aos que o presente edital virem, que
por parta de Manoel Carpinteiro da Silva, Carpin-
tero & C, o Joao Antonio Carpioieiro da Silva, me
fui feita a peticao seguinte :
Manoel ('arpinteiro da Silva, Carplnteiro d C. e
Joao Antonio Carplnteiro da Silva, querem fazer
notificar a Antonio Bao, para que em conciliac,o
Ihes pague a quantiade 2:792743, que Ihe deve-
dor, sobpena de se proceder a revelia na forma da
le; e porque o supplicado se ache ausente em lu-
gar ignorado, requerem os suppllcantes V. S.
digoe-se admilti-los a justificar a ausencia, e sendo
quanlo baste o julgue por sentencia mandando pas-
sar carta edilal por 15 das afim de ser por ella ci-
tado o supplicado para a conriliacao.
Pedem V. S. Illm. Sr. juiz de paz Ibes delira. |
E R. M.Joaquim de Albuquerque Mello.
Na qual pelico dei o despacho seguinte :
Como requer.
Primeiro districto da fregueza de Santo Antonio
13 de outubro de 1864.-Quinteiro.
Em virtude do qual despacho se procedeu a in-
ijuiricao de lestemuohas, que deposeram sob o ju-
mento dos Santos Evangelhos a respeito da ausen-
cia e incerteza do lugar da residencia de Antonio
B, sendo tudo autuado e preparado, me vieram
os autos conclusos e por mim lidos, nuiles profer
a sentenca do theor seguinte:
Visto provar-sepelodepoimeato das tcstemunhas
que o supplicado Antonio Bao, acha se ausente em
lugar incerto, hei per justificada sua ausencia ; o
escrivao passe carta de editos com o prano de 30
das e paguein os juslicantes as cusas.
Primeiro districto da freguezia de Santo Antonio
21 de outubro de 1864.Antonio Bernardo Quin-
teiro.
Nada mais se continha em dita sentenca dada
nos autos, por bem da qual se passou aos justifi-
cantes o presente edilal com a praso de 30 das,
polo qual se chama e cita o referido Antonio Bao,
para que dentro dos 3 das, comparaca por si, ou
por seu bstanle procurador, para so proceder aos
termos de conciliaco na forma da pelico, e a qual-
quer ouira pessoa para que Ihe faga saber desta
mesma citaca afim de que elle nao fique inde-
feso.
O porleiro deste juizo publicar este nos lugares
mais pblicos des|e districto, a o afinara passaudo
cerlidoein forma.
cado e passado neste i* districto da freguezia do
SantisM'mo Sacramento do bairro de Sent Antonio
da cidade do Recife de Pernambuco, aos 21 do mez
j de outubro da 1864.
Eu Joaquim da Silva Reg, escrivao que o es-
! crevi.
Antonio Bernardo Quinteiro, subscrevo e as-
I signo.
Em f de verdade.O escrivao, Joaquim da Silva
Rugo.
03MME10IO.
DELAfigtS.
Cotaces offlciaes.
PK.ir.l DO RECIFE
27 DE OUTCBHO DE 1864
Algodao da Parahiba (coro l|4 de 2* sorte) j
215890 e tii por arroba posto a bordo.
Duhourcq Jnior, presidente.
Suimaraes, secretario.
Recebedorla de rendas Interna
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 26........ 44:232*363
dem do da 27.................
.5443161
44:7764724
Consulado provincia8.
Readimenlodo dia 1 a 26......... 4S.7055fi0 dem do dia 27................. 3:073301o
48:7784814
MOYIMENTO SO P3IT0. 1
Navios sahidos no dia 27.
Aracaty-Hiate nacional Sania Hita, eapito Anto-;
mo Joaquim de Figueiredo, carga oifferentes
gneros.
Pui tEiisabethBarca ingleza John Gilpen, capitao
G. C Whatiug, carga a mesma quo trouxe de
Ballimore.
ObfervaeSO.
Nao houveram entradas.
Fundeou no lamaronm patacho hespanhol, mas
nao teve communlcacao coro a trra.
lavam iros soldados emboscados, dando-lhe estes a
mesma voz de morra o cabra, alira no cabra, dous
tiros se auviamcorre Pendao para o outro lado,
e ao sabir de um partido de bananeiras, recebe ou-
lro tiro, do qual cahira, gritando em altas vozes,
que eslava rendido, e nao o aeabassem de matar,
mas chegando-se a elle os soldados,deram-lhe mais
duas facadas, e immediameiilo explrou.
Ignora, porin, esta cmara se foi Pendao quem
primeiro disparou sua arma, na ocrasio dos dous
tiros (porque uro soldado sabio coro um braco ba-
leado) ou se receban o tiro primeiro, para entao
descarregar a arma que conduzia.
Depois da morte de Pendao prenderam Ma-
linas de Souza Forte e tambero a Antonio Pejeira
de Andrade, a quem espancaram e feriram coro
faca na cabrea, depois dirigiram-se a urna p ca de
algodao, onde se achava ero servico Leonardo, ca-
sado com urna escrava do mesmo "Sr. Ignacio Cae-
tano, e all o espancaram brbaramente, por ser
pessoa esta desaffecta do Sr. Pedro Alves. Tanta
bravura fo seguida de immensos vivas que deram
os entbusiaslas cm satisfaco de um acto lo me-
ritorio 1 I I
O cadver de Pendao esteve exposto ao sol, des-
de o dia 2 at a tarde do dia 3, porque o delegado
Agr, achando-se perturbado pelo papel tremendo
quo Ihe lizeram representar, veio a esta villa to-
mar conselbos, e conduzio o tenente-coronel Ma-
noel Florencio, para organisarem um corpo de de-
licio, que em tudo Ihe fosse favoravel, bem como
ao alferes Caprestano, seu companheiro.
Aproximase a eleicao do dia 7 do corrente e
nao contando o Sr. delegado, e seus coinpanheiros
coro a roaioria dos volantes, pois os terrores em-
pregados cada vez mais estimularam o povo, a
negar-se a seus manejos, dirigio-se o Sr. alferes
para a povoaco do i- x, e em ehegando all tra-
tou de prender ao segundo juiz de paz da distric-
to da Matriz, Jesuino d'Arauju Albuquerque, que
suppnnha ser o que se apresentaria na eleicao :
mas nao o encontrando em casa, espalharam a no-
ticia, de que seria preso o quarto juiz do mesmo
districto l.nu Ferreira Damas, se por ventura ap-
parecesse na eleicao, visto nao se achar no lugar
o primeiro juiz do paz, e o loTcaira ha lempos an-
dar a negocio de seu pariknlar interese na pro-
vincia do Cear ; emllm qu'z nao escotar o pri-
meiro districto para assim podaran chamar o ter-
ceirojuiz de paz do segundo divnelo Joao Lopes
Cmara ; mas foram infelizes porque o quarlo juiz
de paz tomando as necessarias cautellas, apresen-
tou-se na occasio competente, e, vista do apa-
rato bellico que observou, da porta travessa da
igreja, ate a casa que servia de quarlel, formando
ngulo os paisanos armados rom as pragas de pri-
meira hnha, offlcou ao delegado, fazendo-lhe sen-
tir que as ordens de V. Exc, enderecadas ao Sr.
Dr. chefe de polica, eram inteiramente oppostas
a tal procedimento ; pelo que em virtude da lei, e
das rt-coromendacoi's de V. Exc, mandasse retirar
a forca da pvoacao, para que o povo concorresse
livremente as nroas.
O Sr. delegado nao den respdsta, e, quando o
juiz de paz se delibera va a par! r para a igreja,
acomuanhado da maioria do povo vio-se com hor-
ror o estrepito, e carregamento d s armas, tanto
dos paisanos como dos soldados < a liona, a frente,
Perante cmara municipal desta cidade esta-
rao novauente em praca no dia 3 de novembro
vrodouro para serem arrematados por quem mais
uflerreer por lempo de uro auno, os imposto se-
gundes : dizimo de capim de planta avahado por
1:0014000 i gado sumo avallado por 74000; ga-
do ovdhum avahad o por 2048. Us pretendemos
pilcio comparecer no mencionado dia com seus
fiadores habilitados na forma da le
Pago da cmara municipal de Olinda, 20 de ou-
tubro de 1864.
Clirtstovao Pereira Pinto,
pro-presidente.
Murcolino Dios de Aratijo.
secretario.
O major Antonio Bernardo Quinteiro, cavalhciro
da imperial ordem da llosa ejuiz de paz do 4*
anno do Io districto da freguezia de Santo Amo-
nio da cidade do Recife de Pernambuco, etc.
fago saber aos que o presente edilal virem, que
por parte de Manuel Carpinteiro da Silva, me foi
feita a peticao do theor seguiule:
Manoel'.arpinteiro da Silva quer fazer notificar
a Antonio Bao, para que ero conciliaco Ihe pague
a quantiade 10:6174742, importe de "nove letras e
urna eseriptura, bem como os respectiuos juros,
sob pena de se proceder a revelia na forma da lei.
E porque o npplicado se haja auseutado desta ci-
dade para lugar ignorado, requer o supplican-
te V. S. digne-se admitti-lo a justificar a ausen-
cia e s.ndo quanlo baste O julgue por sentenca,
mandando passar carta edilal por 15 das, para
sur por ella notificado o supplicado para a conci-
liaeo.
Pede ao Illm. Sr. juiz de paz Ihe delira.E. R M.
Joaquim de Albuquerque Mello.
Na qual peticao dei o despacho seguiule :
Como requer.
Primeiro districto da fregue-.ia de Santo Antonio
13 de outubro de 1864.Quinteiro.
Em virtude do qual despacho se procedeu a in-
quirico de testemunhas, quo depozeran sob o ju-
ramento dos Santos Evangelhos, a respeito da au-
sencia e incerleza do lugar da residencia de Amo-
nio Bao, e sendo tudo autuado e preparado me vie-
ram os autos conclusos, e por mim lidos, nelles
profer a sentenca do theor seguinte :
Visto provar-se pelo depoimeolo das testemunhas
que o supplicado Antonio Bao acha-se ausente em
lugar incerto, hei por justificada a sua ausencia;
o escrivao passe carta de editos com o praso de 30
das e pague o justificante as cusas.
Primeiro districto da freguezia de Santo Antonio
21 de outubro de 864.Antonio Bernardo Quin-
teiro.
Nada mais se continha em dita sentenca dada
nos autos, por bem da qual se passou ao justifican-
te o preeute edilal com o praso de 30 das, pelo
qual se chama e cita ao referido Antonio Bao, para
que dentro dos 30 das compareca por si ou por
seu bastante procurador, para se proceder aos ter-
mos de conciliaco na forma da peticao e a qual-
quer ouira pessoa para que Ihe faca sabedor desta
mesma citaco, afim de que elle nao Oque inde-
feso.
O porteiro deste juizo publicar este nos lugares
mais pblicos deste districto, e o adlxar passando
certidao em forma.
Dado e passado neste 1' districto da freguezia do
Santissimo Sacramento do bairro de Santo Antonio
da cidade do recife de Pernambuco, aos 21 dias do
mez de outubro de 1864.
Eu Joaquim da Silva Reg, escrivao que o es-
crevi.
Antonio Bernardo Qoinleiro, subscrevo e as-
signo.
Pela thesouraria provincial se faz publico,
que a arremalacao do imposlo de 24300 por cabe-
ra de gado vaceum do municipio de Iguarass,
toi transferida para o da 3 de novembro prximo
vindouro.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 22 de outubro de 1864.O secretario,
A. F, d'Annunciaco.
No dia 29 do corrente, linda a audiencia do
juiz de paz do 1 districto da freguezia da Boa-
Vista tem de serem arrematados os seguintes mo-
vis : i du/ia de cadeiras com assento de palgi-
nha, 2 ditas de braco, i sola, i par de consalos, t
mesa redonda e i commoda, por execugo de Nar-
ciso Jos Machado conlra Joo Demetrio de Al-
meida Cosa.
No dia 28 do corrente, depois da audiencia
do Dr. juiz municipal da vara, a ultima praga
dos bous de Luiz Mulibu, po execuco de Tran-
quilino Soum Soasa, cuja relaco se acha em mo
do porteiro das audiencias.
Keparticao das obras publicas.
De ordem do*Sr. engenheiro chefe interino da
repartico das obras publica, se faz publico que o
concurso para o preenchimento das vagas de roo-
ductor lera lugar no dia 28 de novembro, as 10
horas da manha, nesta secretaria, e o de pratican-
tes e escreventes no dia 29 do mesmo mez.
Os concurrentes sero argidos as materias
constantes do programroa abaixo transcripto, ap-
provado pelo Exin. presidente da provincia.
Os requeriroentos para interine] dos candidatos
devero ser apresenlados al o dia 25, e podero
ser instruidos com quaesquer documentos ou ttu-
los scientico que abonem a capacidade dos mes-
mos candidatos.
Repartico das obras publicas, 26 de outubro do
1864.
O secretario interino,
Manoel Lourenro de Mallos.
Programma do concurso para
c nduetore-, pratlcantes e es-
creventes da repartico das
obras publicas.
Os exames dos concurrentes aos lugares de con-
ductor da repartico das obras publicas sero an-
nunciados pelas folhas diarias, coro antecedencia
de 30 dias.
Os referidos exames constaro de 4 partes :
1.' Elementos de matlieroalicas.
2." Topographia e prttica dos instrumentos.
3.* Elementos de astronoma.
4.* Desenho linear o de aquarella.
A primeira liarte abrange : toda a arilhmetica :
algebra at equacoes do segundo grao, a urna s
incgnita ; gcoroetria elementar, at avahaco dos
voluntes, com applicaco a cuhacao dos aterros e
escavacoes ; trignoinetria rectelinea.
Segunda: Levantaroento de plantas; nivelamen-
to; usoe disenpeodos diversos instrumentos, taes
como niveis, bussola, graphometro, plancheta, ther-
mouietro, barmetro e redaeco de relatnos, ou
expo>ico dos irabalhos execulados.
Terceira : Systema planetario; movimentoannuo
e diurno da trra ; descripcao da esphera cele*te;
medida ao tempe verdadelro, medio e sideral; lati-
tudes e longitudes terrestes.
Qaarla: Trabalhos de plantas; perfis longitudi-
naes; desenhos de construrcSes.
Os exames para o lugar depraticantes constaro
de duas partes :
1* Lingua nacional, abrangendo a escritpa, lei-
tura e analyse graramatiral.
2* Desenho linear e de aquarella, arilhmetica
, em todas as suas operacoes, e geometra linear.
Os exames para o lugar de escrevente, constara
de letura e escrlpta, analyse grammatical, arith-
i metica em todas as suas operacees.
Sero examinadores no concurso dos conduclo-
| res o chefe da repartico das obras publicas e dous
engenheiros noaieados pelo presidente da provin-
cia.
No concurso dos praticantes e escreventes seo
examinadores pessoas versadas as materias do
respectivo programma.
Depois de concluidos os exames e leita a classi-
fleaco dos candidatos, segundo as habditac5es, o
engenheiro em chefe, fara urna exposigo ao pre-
sidente da provincia, emiltiudo o seu juizo sobre o
merecimeoto individual dos mesmus candidatos,
ajuntando quaesquer consideraces que devem in-
fluir em favor da idoneidade de cada um dos con-
currentes.
| Est conforme.O secretario interino, Manoel
Lourenco de Mattos.
Comnando das armas.
De ordem de S. Exc o Sr. coronel commandante
das armas, em virtude da autorisacao da presiden-
cia conferida em ofiicio de 20 deste mez, contrata-
se u u capellio para o presidio de Fernando de No-
ronha.
Os reverendos sacerdotes que se quizerem pres-
tar a este servico, mostrndose competentemente
habilitados para o desempenhar, hajam de compa-
recer no quarlel do mesmo commando, das 9 s 12
horas dos das uteis.
Quartel do commando das armas de Pernambu-
co, 11 de outubro de 1864.
O tenente-coronel secretario,
Francisco Camello Pessoa de Laceria.
Arrematar; ao.
No dia 29, Anda a audiencia do juiz de paz do
1* districto da.freguezia da Boa-Vista, teem de ser
arrematados os seguintes movis : 1 duzia de ca-
deiras com assento de palhinha e 1 sof, por exe-
cuco do Saraiva e Irmo, penhorados Manoel
Joaquim de Miranda Seve.
i'onslho administrativo.
0 conselho administrativo para fornerimento do
arsenal de guerra precisa comprar os objectos
seguintes :
Para o hospital militar.
10 duzias, taboas de pioho de forro.
1,575 varas, brim branco.
144 covados, chita de coberta.
24 copos de vldro.
24 chicaras.
4 jarras de barro.
50 legelas grandes.
24 Pires.
100 barretes de algodao.
100 paras, chinellos de cauro.
100 cobertores de la.
1 reposteiro para a secretaria com 13 palmos de
cuo.prime oto e 7 de largura com todos os seus
pertences.
72 colheres de metal para sopa.
2 enxadas de ferro.
2 paz de ferro.
6 lavatorios de ferro.
Para provimento dos armazens.
13 duzias, taboas de pinho de 3/t.
Quera quizer vender taes artigos, aprsenle suas
propostas em carta fechada na secretaria do cense-
iho administrativo s 10 horas do dia 28 do
corrente:
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 2o de outubro
do 1864.
Antonio Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebastiao Antonio do Reg Barros,
Vogal secretario interino.
No dia 28 do corrente, pelas 4 horas da tar-
de, tem de serem arrematados porta do Illm. Sr.
juiz de paz do 3o districto da Bea-Vista, os objectos
seguintes : i mesa de pinho, 3 cadeiras, 1 mar-
queza. 1 mesa envernisada, 1 commoda, 1 bao-
qulnha.
Subdelegada da fregar/.i a dos A Togados.
Por esta subdelegada acham-se depositados dous
cavallos russos pedrez, os quaes foram apprehen-
didos como furlados, e um pequeo relogio de eu-
ro que foi tomado a um menino que disse o ter
adiado : quem se julgar com direilo, provando,
Ihes sero entregues.O subdelegado,
Manoel Jos da Silva Grillo.
C.orreio ge ral
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico para lins convenientes que cm virtude
do disposto no artigo 138 do regulamcnto geral dos
correios de 21 de dezembro de 1844, e art. 9 do
decreto n. 185 de 15 de maio de 1851, se procede-
r o consumo das cartas existentes na administra-
cao pertencentes ao mez de outubro de 1863, no
dia 5 do novembro prximo, as 11 horas da ma-
nha, na porta do mesmo correio, e a respectiva
lista se acha desde j exposta aos interessados.
Admiuislracao do correio de Pernambuco 24 de
outubro de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Crrelo geral.
Pela administrado do correio desta cidade se
faz puhlico que em virtude da convenci postal,
celebrada pelos governos brasileiro o francez, se-
ro expedidas malas para Europa no dia 30 do
corrente pelo vapor francez Bearn. As cartas se-
ro recebidas at 3 horas antes da que for marca-
da para a sabida do vapor, e os jornaes al 4 ho-
ras antes.
Administracao do correio de Pernamauco 24 de
outnbro de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul cspriario
al o ia 30 du corrente um iU*
vajtores da rompanhia o qual-dr-
pois da demora do cosiume se-
. guir para os |xirtosilo MMt,
Desde j recebem-se paonaajMToa e rngaja-se
carga que o vapor poder conduzir, a qoal devrr
ser embarcada no dia de sua ctu-gada: enrom
mendas e dinheiro a frete at o da da sabida as S
horas, agencia ra da Cruz n. 1, escriplorio de
Antonio Luiz de Olivera Axevedo i C
COIIPA1HI1
DAS
HESSAGEBIIS HPE..ULFS
. No da 30 do corrente mrz es-
*^k pera-se dos pcrlos du sul o vapr
TjJVs^francez Bearn, commandante H.
jS6a|tc Somer, o qual depois ia di ajo
-iWtfityfiiPra do cosiume seguir pata Bwr-
deaux tocando em S. Vicente e Lisboa.
Em S. Vicente ha um vapor em corresponden-
cia com Gore.
Para fretes, ooalofQaaa passagen* traase aa
agencia ra do Trapiche n. 9.
Compauhia. Pcniarahucana de uavfga-
rao roste ra a vapor.
Illia de Fernando dr \oronha.
.V> dia 4 da
> _^- ^ novembro ao
meio da segur-
um dos va|. re-
da rompanhia pa-
ra o presidio it
Fernando. En-
coromenda-, pas-
safjmw dinhei-
ro a frete at o dia da sabida *s 11 horas da m.v
uha : escriptorio no Forte do Mattos n. 1.
T1IE4TK0
GFRti.iM COniBR.l.
Recita extraordinaria.
SABBADO, 29 DE OUTUBRO DE 1864.
OS
Pinto.
Borgcs.
Gumaraes.
Santa llosa.
Teixeira.
D. Antonia Reg.
I). Antonina.
I). Camilla.
D. Hartada Silva.
D. Mara Pontos.
D. Francisca Balbina
N. N.
PERSONAGENS.
Constancio, cesar do Occi-
dente .......Porto.
Scipo, patricio romano e
senador......Coimbra.
Orosiu, chefe dos chrislos,
octogenario.....Germana.
Gabriel, filho de Orosio. Lisboa.
Dco, grande sacerdote de
Jpiter......
Lucifer.......
Piulo, ceuturio romano. .
Polion, guarda dos carceres
Isaac, judeu, escravo do Afra
O archanjo.....
Afra, corteza romana .
Martha, virgem christaa. .
A f.......
Enmenia, escrava de Afra .
Digna, dita.....
Euprpia, dita.....
Senadores, litores, sacerdotes, sarriflcadores,
auruspices, virgens, centurioes, decenarios, solda-
dos, povo romano, povo chrMo.
A aeco passa-se na cidade de Augusto (hoje
AnfS'-OOrgl, no auno de 303 da era rhrista, sen-
do imperadores : Maximiano Hercules, no Oriente,
o Deocleciann, no Occidente, e cesares, no Oriente,
Galeno, e Constancio, no Occidente.
Todo o scenaro novo e pintado pelo distinelo
scenographo o Sr. Veneri, e consta do seguinte :
1." acto. Lugar roontanhoso e selvagem, bos-
que de cedros, gruta?, que em lempo se transfor-
mando.
2. acto Rica e suroptuosa habitarn de Afra.
3. acto.Sitio erroo e agreste. templo de
Proserpina cm ruinas formando a entrada das ca-
tacumbas, que em lempo, pela iraiisformacio deixa
ver o interior.
4." ado.-O magnifico templo de Jpiter com
todos os seus arcessorios, esta decorago digna
de espacial menfo pelo gosto e riqueza com que
est feita.
5:* acto.Carcere, em tempo transformado para
srena final.Vista de gloria preparada para todo
o thealro, que deve produzir maravilhoso effeito.
O machinisme encarregado a um artista hbil,
pode asseverar-se que correr a coateoto.
A msica do Sr. Colas Filho, foi escripia expres-
samente por este artista com o gosto que todos Iho
reconhecem.
O vestuario novo e ao gosto da poca.
Cnmecar s 8 horas.
COMPANUA pernamblcana
Na*egaro rnsteira a vapor.
Taaiandar, arra Grande, Porto Camaragilic, Macei, Penedo e
Aracaj.
No dia 5 de novembro segu
para os portos cima indicados um
dos vapores aOM rompanhia. a* $
horas da tarde. Rerebe rarg
smente at o dia 4; mronin-u-
das, passageiros e dinheiro a frete at s 3 hora-
da larde do dia da saluda : escriptorio no Forte do
Mattos o. I.
E esperado do Rio de Janeiro era pouros dias a
ealera Mindello, e depois de poura demora aeaae
porto seguir para o Para, para onde rerebe carea
a frete coinmodo : quem quizer carregar, pode en-
tender-so com os consignatarios Palmeira & M-
tro, largo do l^orpo Santo n. 4, primeiro and.>r.
Babia.
O hiato Don* anuos sahe para I Hab : a tra-
tar coro Tasso Irmos.
Para a Baha pretende sahir cm poucu.- du
o veleiro patacho D. Luiz, eapito Jo* Teixeira
de Azevedo, por ter parte da cania tratada : para
o resto da carga que Ihe fal'a trataoa cum >- roa>
signatarios Palmeira i\ Bellro, largo de C>rpo
Santo n. 4, primeiro andan
Pata Lisboo.
Sahir com brevi lade o patacho porttigue Vi
na da Gloria, recebe carga frete a passayeiros :
trata-se com sen ron-igualariu E. R. Rabel", ra
da Cadeia n. 55, escriptorie.
LEILOES.
AVISOS MASITMOS.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte espera-
Aggl4\ do at o da 2 de novembro o va-
"Pf \vPor Parani*' commandante o ca-
StsSB IfcVqual depois da demora do cosa-
nlo seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frele at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia, ma da Cruz n. 1, escriptorio de An-
onio Luiz de Olivera Azevedo & C.
COMPANHIA PERNA.MBUCANA
DE
!*"avegacSo eostelra a vapor
Parahyba, Natal, Maco, Aracaiy, Cear,
Acaracu' e Granja.
No dia 7 de novembro segu pa-
ra as portos cima Indicados um
dos vapores dessa comnanhia, s S
horas da tarde. Recebe carga so-
mente at o dia S; encnmmendas,
passageiros e dinheiro a frete at s 3 horas do
dia da sahida: escriptorio no Forte do Mattos nu-
mero I.
Feira semanal
DE
Inbilas completas, trastes mina,
rltgta e oui'os muitos artiga*.
iio.ii:.
Sexta-feira 28 do corrente s ti horas.
OLIMPIO
em seu novo armazein silo ra do Xigarin n
10, vender em leilo 2 mobilias completa- de ja
caranda rom lampo de podra marraore, I dita de
rereja, I dita do amarello, mesa e'astiea. lavato-
rios rom podra marmore, camas francezas, apft>
radores, relogios d* parado a alpilieira, duzias de
cadeiras brancas, 1 llanta de alijan com 5 chave*,
objectos de ouro, venecianas, cama i!e ferro, cha-
rutos de Havanae outros muitos artigos.
unir
DE
Escracos de nmhos ot se.nut.
iioji;
s 1 i horas, no armaz.t'in da ra do Viyai m>
nuniiTi) 10.
oivnno
vender em leilo ni seu novo armazein a r
Vigario n. 10, diversus escravos de ambos *s se-
xos com habilidades e sem ellas.______________
Sexla-I'eira 28 de aulubro, s H ha-
ras, ra da Crdri.i armazem a. .ri3
['.' mu lo ni patrimonio.
DE
Una casa na frenie da ra do Palacio do Ris-
po com 2 janrllas e nina porta, vala, 2 quarto- e
gabineie, com porto ao lado entrada para mil
grande terrena em que se acharo dHnMM Ift
meia-aguas ou easmhas para a pobreza, que ren-
dem ioai> de 80 por mez. acabadas a pooro I. m-
|ki, alem de um terreno no fundo rom privada, o
grande cacimba, chao proprio, e boa arqiiisir :
sao Convidados os pn-tendentes ao previo rame.
Pelo agente Hnzehlo
se vender em leilo pelo maior preco os predios
cima.
LEILO
Paiie atam, cha e usos.
no je
O agente Pestaa vondara naf conia e risco d*-
quem pertencer 2o caixmhas com cha de 9 libras
cada uina, bar is rom peixe atum em salmonra o
mais bem conservado possivd e 200 raixiobas
com superiores ligos do vcrdadeira comadre de
16 libras, tudo desembarrado hontem e sera indo
vendido em lotes a vonlade dos comprador'- :
quinta-felra 28 lo corrente nelas II hora* da ma-
nhaa no armazem do Annes.defronle da alfao>len.
IiEILLAO
HOJE.
Sero vendidos em leilo raizas com exedlen-
te$ passas am lotes a vontade : hoje s 10 l|t lo-
ras da manha no armazem do Annes.__________
Hoje. s 1 o horas, na da Cadeia i.
33, armazem.
(E* impreterivelmente sem limite.)
M
Urna mobilia de Jacaranda com 12 cadeiras de
guarnir ao, 2 ditas de.brara, nm par de cono oto
.


l


)

lMarlo de ^rreafchaw ftexfe ttlt 18 dr Onlubro t lt4.
eom lampos de pedra marmore e Mesa redonda
dem, esta empalhada e envernisada de novo, ven-
derse iu tambera om guarda rsupa de mogoo,
Mis ditos de amarello de rail moito bomtes, nma
mob.ha de amarerio, urna jardinera de raoirno,
ampo de pedra r. '
1:1 /:i:hio
vender os ot^ctos serma rn teilio e pelo maior
preco que actor.
'ai>S

Empreza dos trillo urbanos -lo Recief
V&) -r -orc> "S5 "tsetse'"^ri
PKIMERA E ANTIGA CASA FELIZ.

^*VfcM
Geaero
DE
A pitucos metida vapor.
Tendo chegado da Europa asinformaedes e dese-
. nhos que os concessionarios do privilegio manda-
| ram vir pelo euitenheiro que tem de exeeular a .
. obra os concessionarios abaixo assignados resolve- j
2 UEaJCunw C00!PaDllia o capital de ...
"la faonea de cervej* e casa do jogo da mar accoes.
bola, na SoterJa%, roa de Joo Fernn' At Pessoas fl"e qutzerem ser accionistas desta
importante empreza, podem dirigir-se a qualquer
dos abano assignados, ou aos correctores Vascon-
celos Mamede, Ouitbar.ies, Gatis, Doubourcq, Ma-
cedo, Seve, etc.
Baro do Livramento.
Jos Bernardo G. Alcoforado.
A. Luiz dos Santos.
Os abano assignados havendo contratado rom o
PORTUGAL.
PORTO.
des Vieira n. 54.
vi libado 29 de ontuhro
O agente Pinto, far leila- requrrirrtento de
Tasso A traaos e por despacho do Illm. Sr. Dr.
juiz especial d cunmercio de todos os gneros
movis, pertenecs e mais obj-ctos xistentes na
fabrica de cervejaeca* de loga da boto parten-
cenle a klem A Martin, i.to as 40 horas do da K0**rio provincial a Colloeacao de trilhos urbanos
cima dito na Sol lato ra de Joa-j Fernandas d^c'dade "<> Recfe at ApipncOs, e tendo obtido
v,eira n- as informaco-es que eram ndispensveis para a
S, m*wm feaM ; as^SSLa^seTa rara a sua rea,,sa50' e com
rahrinfpU ,Dn,[Ue? l; ^fSS?1 da comPnh'a ser de tre-,
loa conloa de ris, divididos em accoes de 305, i
DE
novos proprios
Roa das Flores, as. \ e 3 (janlo igreja da Misericordia.)
PLA\0
GRANDE LOTERI \ E HESPAM.
CUJA EXTRACgAO TERA' LUGAR NO DA 23 DE DEZEMBRO DE 1864.
I'HLMIOS
para
LElUO "
M
Fazendas arranadas
O arreios
e carros americanos, e i chicote proprio naJimuii npn^ie'ZutoU HroMNolemj
para governar 4 oavallos. *> ""f* armada a companhia, e o restaate nos
ftegiiadtt-leira 31 de outubro. a,f,H,irt?dos pe,os *mpr**ri O agen* Pinto far leilao por conta e risco de totori J!L Belo A
quempertencer de 6arreios htgtezes c novos, pro- io'SiiKm^, ? *r eleVad a r,,S
lirios para cabriole! carrea amerteaoo,, sM SSriota^flt^*J KS?******"
horas do dia arma dito no primeiro andar do so- Art 2"' Os ^,.fm.aL
lirado da ra da Cruz n. 38. I -JEri ^ obrigam a fazer as
oorea que rorem precisas para a collocacao dos tri-
mos, inclusive as desapropriacoes, ponte de ferro,
que tem de ser col locada no rio Capibaribe, duas
e>tacoes para recolhimento do trem rodante, e dos
blelos da companhia, que uiio com a simplici-
datfe possivel, tendo-se somente em vista as ac-
fie'unda-relra di <>....I.-.. ^m,mo,daCoes e Suran?a, sendo urna no bai.ro de
n"^. ,"..,, ,* OHtl,,,PO- Santo Antonio, e outra as proximidades da extre-
O agente Pinto vender em leriao por eonta de midade da linha ; a fenecer 10 carros para dT
qu-m pertencer algnns madapoloes e algodozi- sageiros e t para carga, a3 locomotivas e ludohlo
nbos com toque de arara, as 11 horas do dia aci- nos prazos estipulados o contrato
iN-mw n,7nd?r eSCni>lmo a rua da Cruz D" 38-' ** 3 Concluidas as obras serio os trilhos com
os objectos cima indicados entregues companhia
i qoe desde logo entrar na posse e admini.straco
da empreza, e gozar dos |>rivilegios, isencoes e
vantagens que foram concedidas aos emprez'arios,
salvas as disposigoes aqui declaradas, seto que de j
parte a parte possa darsu reclamaco, eu possam
os emprezarios exigir mais do que a referida quan
ta de trezentos contos.
Art. 4. Os emprezarios se obrigam solidaria-
.nsaeao.de ZL. ? ^l^"!10..do..aue fica declarado, do
1 de
i de
1 de
i de O.OOO pesos fortes....................
8 de 10.000 ditos....................
15 de 3.000 ditos.....................
30 de 1000 daos......................
106 de 1.000 ditos............
2 100 de 500 ditos....................... T! .*!
99 aproxiiuacoes de 400 pesos cada urna, para
es 99 nmeros restantes da centena que obte-
nha o premio de 300.000...................
99 ditas de 300 ditos para o* 99 nmeros res-
tantes da centena que eotenha o premio
de lOO.OOO.........7TT...................
99 ditas de 200 ditos para as 99 nmeros res-
Untes da centeaa que obtenba o premio
de 50.000...........................;___
2999 reintegros de 100 pesos para os 1999 nmeros
cuja lerminaco seja igual do que obtenha o
premio de 300.000.....................
PESOS POHTES
MMM PORTUGCEZA
LEILA
3.560 premios em 30.000 bilhetes
300:000
400:000
50:000
40:000
80:000
73:000
60:000
106:I 1.050:000
39:600
29:7d0
19:800
299:9001
3.S5:000
ou fe. 270:0004(HI0
90 000&000
45:(KK)|008
36:0901000
72:0004000
67:500*000
34:0004000
93:400300
04S:000|000
33:6400O0
Baba parrha de Ayer
PARA A CURA DA
es;rofiI
e todas as molcsilas
provenientes delta
Junte
todas as molestias da
pelle
ebensipellas, (amores, nlceras,
sarnas,
naseUas, rmiiuo/ns,
REUMATISMO
SYPHILIS
em todas as saas formas, assim como todo
o mal que provm do uso excessivo do
MERi UHIO
Ulceraco do ligado
e em summa todos os males que tem sua
origem na
IMPUREZA DO SANCHE
E um alterante poderoso para a
REiMVACO DO SANGIK
Aos r>:0i>$OOtl
I Sexta-fe.ra 4 ,1 nnffc,, correm*
aoiio.secxtral.ii a aegimb mmU da Ur-
, cetra loter.a (I I i') iKnelytli lto Vtr3,rit
de Santa Nobel, m ruttmnm t wra
I de Nossa Senhnra d.) R.,saru A* i^SS
de Santo Antonio.
Os bilhetes. netos o quartos arhaa-M a
venda na respeetiTa thesouraria ra 4
Crespo n. 15^,
0$ premios de firOOOjOOO at lo-JOOO
sero pagos urna hora depois da atraer
at s 4 horas fJa-tafde. e os outn un dia
seguinte depois da distribnirio das listas.
Servidlo im hesooreiro.
______________Jos Boririfw itr Soiza.
- MVJ-M a rasa lerrn r7SliMi
f,rV,l U.",u,Bhu : lrj!ar "a ***'*
ae wftiis n. |.|
Eag lioiuem r.,iuo de senh (ra. por .ir-. rniMoh
na rua da S.nzala Vellia n. 116 '
A mu.
Precisa >c de urna ama para Minia* e comprar
e para dar nova forra e vieor ao corrjo i.i em ea**.-* ,,""'n> eoUrir*, Mttm*t rsrrara :
enfraquecido pela doenca. *- na rua do Queido ji tjj___________
Vende-se na roa Direila us. 12 e 74i i ~- ^g':* .* 1-* , Hospicio n. 40. : S" "*""r" "8-
Lia
Vende-se em Pernambuco:
na pbarnaaeia franeeza de
P. MAURER & C.
RUA NOVA N. 18.
Precisare
Verdes n. 9i.
Atojarse
de urna ama : na riu d***
86.730*000
17:820*000
269:910*0000
urna c.sa ,>ni Ik-I.erihe : UMr
coiaj. I. 31. Ueg>i. na rea do Trayofcj 34.
Preiisa-se de dou h:ii-n< ;' "--ntm~ii
Preeisa-se de um cosinheiro na villa do Ca | *rTico de eopearo : na rua >f i taren n. ::*
bo fprefere-se e-lrangeiro;
Crespo n. 4, loja.
tratar na rua do /,.,,,..,/ .,/ ;
.050:000*(X)0 "5
7* Precfea-88 do tim {rneiro bem desembara-
zado cm seo oOeio : na nadarla en Santo Ama-
ro, atrs da fnndipte do Sr. Starr.
O Sr. Fortunato Joii Pires que j morn na
f uliiuix di ma-
triz da Ifon l i.sta.
A mesa regedora da irmaml:-.iU- Us almas, erer-
la na matriz da Ba-Visu, nmruli a todos'n* ir.
DK
UH ERAIO
Kesujida-feira 31 de oulaibro.
O'agMla Pintoifar leilao, precedida a compe- mente ao cumprimento do que fi
ntoautonsa,:a.),de um escravo erioulo por nome que se lavrara auto autbenticu.
'dcw, as 11 horas do da cima dito em seu Art. 3.- Pela assisnatura se ohri
Ue
escriptorio rua da Cruz n. 38.
LSJLAO
DE
gnatura se obrigam os accionis-
tas ao que fica declarado e ao pagamento das pres-
tares nos lempos que forern declarados. No case,
porem, do nao pagamento de qualquer das presta-
res em dito lempo, perder o accionista o direilo
das presuroes ou entradas que houver feilo, e
(piando nao realise a primeira, peder ser coagido
judicialmente ao pagamento da totalidade da
aefao.
Art. 6. Nao ser permittida a transferencia de '
21*600
10*800
eta^o sobrad de doas andares e
sotaod; rua da Ctli ti. fi4.
Segonda-eira 31 de outubro ao meio dia.
O agente Pinto far leilie, reqnerinunlo de ,
Antonio Francisco das Noves, e por mandado do rom 'ni""..i^';'' S Provi!jorios. an's de esta-
llltn. Sr. Dr. juiz de orohos, da meta
do da rua da Cruz n. i, sio ao
arima m-mcionario, em seu escri
Cruz n. 38.
Os pretendentes poderlo des
dita casa eeutendercm-.se com
oB
L_ PBEC08 EM MOEDA FORTE.
Bilhetes inteiros....... a 108*000 || Quintos de bilhetes....... a
Meios bilhetes......... a 54*000 || Decimos................ a
JOS IGNACIO~FERREIRA RORIZ,
._ COM LOJA DE CAMBIO EILHETESI)KI.OTEHIAS. '
Ayancado no govenw civil do Porto, em omfonnidade do edita!
(fe 28 dejunho de 1860.
ffraBrfP nln%Jm P'oinl,lid5rt ld;,s *s ncommnnd..s que lie sejam feitas, mesnw em
5n n. A ; ,,P|0S ,,rees a''""a indica,,os. vindo acumpa.il.adas do seu importe; e
no lim da estraccao remelle a lisia dos premios.
Para informaedes, e pedidos no escri|itorio da rua da Cruz, n. 10.
- ,-----..........in,a"s lIJ,ra compare.ercm no da dr novirtre
Passagem da Magdalena, lem nma carta na rua d.-. I *i 9 horas do da, alim de efegvrrm a >a nnl
z n. 6ti. padaria. r.^edora que tem de funecionar m am d MM
18G5, em conformidad.- do m*fertm comprnntKi*
Aluga-se urna ama que saiba bem cuznhar t
de boa conduca, prcfei indo-so escrava : ua rua
. estreia do Rosario ti. M. primeiro andar.
Na praca da Independencia, loja de onrive?
n. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedras(
( preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-;
, commenda, e todo e qualquer concert.
- Precisa-se alugar um escravo para comprar
! e fazer outros servieos de casa de pouca familia :
na travesea da Madre do eus, anuazem de Barro* i ,,r'a' sso "5o esla' "'I*-''' ** ew
& Silva. dn nnsn mercado.
<:.'l&Sk2S
-lo sobra- r,cm 'r'te^ratmnte pagas, salva a responsabilidade : S
i meio dia do dia d0;'c'l0,ni>;l. "u conseniimenio dos emprezarios. 35?
sriptorio rua da Logo que esiiverem tomadas asaccoes ?M
serao os estaiuius subiiieitidos approvacio dos 3
lesde j examinar 3iC(''.onistas Pa>"a naj seja logo encorporada a com- m
o refer do agente a' sem ^ l"dav,a '"'r esle fact0 enh ella
-----------------S-----. qualquer ingerencia na factura das obras, chamada X
rl I 4(1 : recebimento das preMacoes. jK
Art. 8. Aos emprezarios se reserva o direito de
receber da tbesouraria provincial a quantia de de- ?5
zoilo contos de ris, que llies lem de ser paga em !$!t
quatro prestaedes. para Indemnisacio do adianta- '.&1
meHio que leem de facer para desa'propriacdes, se- fi
^..k%A'<-MW.7H:
que reg' esta irniandade. i on-i-- ri i >) i.-m rJa-
de das Almas. 27 de oolubn. d- IHt>4.
I' esrriv...
Manuel Zelitino Rmm Itarre.
.4 |cn das pro.iirsso
De han em dame, hrem i;,i bara^w.i 4*
pao, hidacha, biscoitim, rlr.. tu!.. i-r. por.pf- m
pn.pnetarios maudam ir fariniut ,ie r..ai.i pr^.
ioal..a-ie.
lobin Joao Beluario
vai para Macei.
5Cva
3-^1 metas de sola
Qaarta-feira 2 de novembro.
O agente Pestaa ventera p.ir co-ua e nsco de
jiem pe"ienc-ir em lei.'ij ;(ii m 'i is di sola mar-
a F e n umou mii- lom a v.intadi : qoarta-fei-
ra 2 de novembro n arimsem da Ci.npanlua
Pernambncana, < 10 horas .h njanh.ii.
ILiO
Segunda-feira 31 do correte s M horas.
usados, a
dita nova.
far leilao de diversos movis novos e
saber: l mjbilia de anarello usada, 1
1 guarda ronp. 1 grande mesa propria para sor-'
velo, nma rica mesa ioda de podra, 1 machina
para costara, um lavatorio com pedra, i santua-
ri.i, 1 mobilia peqnena d^ amarello, 1 commoda, 1 i
.-alude, l cama franeeza de Jacaranda, 1 dita de
amarello, I cofre de ferro, 1 cama para sol le ro e
outros muitos arligos de goslo que ser vendido
tudo pelo maior preco ae correr dj martello, no
anuazem ;i na da Cadeia do Itocife n. iS.
,. opriacSes, se
gundo o que esta estipulado no contrato.
Art. 9. Os emprezarios lomam por sua conta e \
risco rem contos de ris em accoes, ser um
delles direcior nato em (jiianlo forem accionistas, 5
e terao passagem gratuita em qualquer dos canos
da companhia. /
Art. 10. Fica entendido que as despezas at ago- i
, ra feitas, e as que se houverem de tazer para en- i
corporacao da eomuanbia, registros, ete., serao por {
conta dos emprezarios, por modo que a companhia g
entre no gozo e posse da empreza para ser expo- i
rada por sua conta e vantagem, mediante o capital
declarado. \
Art. II. Nao se faz o calculo dos lucros prova-
veis e das vantagens da companhia, porque esta
apreciacao est ao alcance de todos, e nao dese-
I jam os emprezarios fazer nutrir esperancas que
pareeam exageradas, posto .jue efTectivainenle o
nao sejam.
Bardo do Ltvrani'nlo.
Jos Bernardo GatoSo Alcoforado.
Antonio Luiz d;s Santos.
NO
ARAXBI1
rE
6\t%
i,EXS35Rl*-3:.if>E.
kimi

SLft9ls,,n UL Hlli
19itua .\oa-19
Frederieo Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operacSes de sua arte, e col-
loca dentes artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
uidas lhe rcrunhecem.
Tem agia c pos dentificio.
M..
i
t^* O Sr. relojoeirii Caetami
Fontes queira eotregar-m- .. me i re
leooro para al^l>ota qw racdktl
litri])a-!o a mais de um ana.
Marcelino Jos.- Lsm

m^mmif;:\
Haver sorvete todos os das, das 6 horas em
diante, advertindo que o mais asseiado e bem fri-
to possivel : iii bem cunhecido cafa >lo< Arpo*.
Alunase, a principiar em I* de Janeiro prximo
futuro o sobrado de 'res andares da rua do Crespo
n.'.) : qncm pretender, dirjase ao estabelecimen-
to da loja di mesura sobrado, ou uo de n. 13 da
mesma rua.
M ?rdft,n d'' ln'"i4 rd 'r-iurS
7$ da,l te V 8. dj Boin Parto er.vta na ^
'M igreja de S. Jos de It.i.ainar m*mL a
M todososirmiH para me-a r.,i. ,|
3 go 30 do correte, as II |,ra4 .i., ma.il.ia
;$' a,iln de elesjer-se o novo jatt e u ^j. .,,-.
" sanos que lem de /.iii.-.-i ar de l*ii a
1865. Hecife 7 de outultro d 1M0I.
O Se.Te'.ul,.,
Domingos Kraneisc D.iri.-.
****** *&M*6
de o o am
i% Precisa--e oe un ain^-alor .pie m
rz tonda do tranco u paiuu da m Hu
Neste estabelecimento ha sempre ufa sortimento compleio de roupa feita de :<
todas as qualidades, tambeaa se manda Jfuw por medida, vontade dos concor- i%
rentes, para o que tem tim dos melhores professores, assim como tambem tem ira ^
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras, ^
homens e meninos.
Precisa-se de um mmino para urna taberna ;
na Estrada Nova : a tratar na rua do Rotovello n. i
1, taberna.


Preesa-se di
m
watKiwic-.Wi.^*j.t'is I >
os mmm.
?i^Ei3SSEaEFS2
no
Os abaixo assignados, Miembros do partido
progresista, respetando o costuuie mandado
eoatinuar o auno passado pelo directorio do
misino partido, e de aecurdo com outros
amigos e correligionarios, mandam celebrar
no da i de novembro as 6 l| horas da ma-
nhai, um memento pelas almas do fallecido
desembargador Joaqaim Nuoes Machado e
seus conipanleiros de infortunio. E convi-
dam para esse aelo, anteo qualccssam odios
e preverieoes, a todos quaulos sabem render
homenagein as preciosas qualidades daquellu
ridado.
Hecife 26 de outubro de 1864.Dr. Anto-
nio Vii-ente do Nascimenlo Fcitoza. Dr.
Lourenco Trigo de Loureiro. Innocencio
Serfico de Assil Carvalho. Manoel de Nas-
inme.ito da Costa Mniteiro. Antonio Her-
culano de Souza Baodeira. l'Vliciano Joa-
quini dos Santos. Kloriano Correa de Bri-
tn.Francisco Rochael P. B. de Medeiros__
Luiz Jo- Pereira Simes.-Dr. Caolano Xa-
i'ereira d- Brito.
Urna pessoa (jue v,e para o Rio de
Janeiro, mcumhe-se d'alii promover qual-
quer cobranca judicial ou amigavel, com
algum pequeo interesse, dando fiador a
procurar no es'-riplorio do tabellio Porto-
i-arreiro, na rua do Imperador.
Tendo o directorio do partido liberal ocs-
ta provincia de mandar celebrar, como de
costume, a 2 de novembro prximo futuro
um memento solemne em suffraioo do nosso
nunca asss chorado correligionario o de-
sembargador J. Nlns Machado e das mais
victimas da revoJujao de 18i8,de ordem do
mas0H directorio convido todos os liheraes
que prestam homenagein memoria d'aquel-
le Ilustre pernarohucano e de seus compa-
nbeiros de martyrio a comparecerem aquel-
leacto que dev*ra ler lugar no convento de
S. Francisco de.-ta cidade
Recife2.5 de outubro de 1864.
O 1 secretarlo,
A- J. da C'.sta Rttieiro.
wmammsm
Aloga-se um grande sino com grande casa
le viveoda, boa agua de beber, muilos arvoredos
de frtieto, junto ao engenho Peres, pelo tempe da
festa ou aiinualiuente : na rua das Cruzes n. 35,
segundo andar.
Precisase de um caixeiro para tomar conta
t uma'taberii por balance : na rua da Cacimba
B. .
Precisa-se de urna ama de leilc que nao tenha
filho : na rua da Penba o. 23.
O -r. Jo.- Antonio Floresta Bastos estudan-
te da fdcul.lade de direito lem una carta de im-
portancia viuda da Bjhia na rua do Crespo n 23
mam mmmm mm mmmm
seguros uiackiuos e esles eslabecclda
Kiodei:mcro.
AGENTES EM eEPNA*MBUCO
Antonio Luiz de Olivetra Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio rua da
Cruz n .1.
Na rua Imperial n. 1 precisase de duas pre-
I s para vender miudezas.
Precisa-se de urna casa eom pronorc8es de-
| rentes para habitacao de pequea familia ; prefe-
re-se no bairro da Boa-Vista ou mmediacSes; nao
se duvida pagar bem : a tratar na rua do Viga-
rio _n^. primeiro andar.
Precisa-se fallar ao correspondente do Sr.
Augusto Das Marlios, negociante do Aracatv, a ne-
| gocio de interesse do mesmo senhor; e para sso
| pede-se-lhc que se sirva de annunciar o lugar de
sua residencia.
m
M Casacas de panno preto, 35(3 e
W Sobrecasacas idem, 305 e .
m Paletos idem e de cores, 250,
200, !5 e ... .
DHis de casemira, 200, 150,
m, 100 e......
5 Ditos de alpaca, 50, 40 e'. .
,^| Ditos ditos pretos, !0, 70,
$g 50, 40 e......
'v? Ditos de brim e ganga de co-
m res, 40500, 40, 30500 e. .
m Ditos tranco de linbo, 60,50 e
Em Ditos de meria preto de cor-
vi d5o, 100, 70 e.....
9f Calcas de casemira preta, 120,
M 100, 80e......
X Ditas de cores, 90, 80 e. .
Mg Ditas de meia casemira de co-
S res, 50000 e.....
g Ditas de princeza e merino pre-
m lo de cordo, 40500 e. ,
${ Ditas de brim branco e de co-
P res, 50, 40500, 40 e .
m Ditas de ganga de cores, 30 e
| Colletes de velludo preto e de
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
40 e........
olio,
ho,
Guarda livros.
30*000 Wto8 de setim preto. .
230000 Ditos de ditos e seda branco,
U e ...... .
Ditos de gorgurao dfe seda
pretos o de cores, (fi, 50 e
Golletes de fustn e brimlbran-
co, 3iS00, 30 e .
Seiouias de brim de
2|480 e .....
Ditas de algodio, 10600 0.
Camisas de peilus de ih
40, 30 e. i .
Ditas de madapolao, 20500,
^ 20 e........
Chapos de massa, pretos fran-
cezes, 105, 00 e. .
70000 Ditos defltro, 50. 40,30500 e
Ditos de sol, d.i seda, 120,
IW,7Je......
Collarinhos de liribo fino, ulti-
ma modadtizia. .
Sortimento completo do grava-
tas.
20500 Toalhas parroslo, duzia, 110.
e........
70000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
40000 tos e de cores.....
Lences de bramante de linho.
30500 Cobertas de chita chineza.. .
:-.
no Jornal do lieafr
100000
70000
35500
30500
36000
40000
50000
70000
40000
40000
20500
O abaixo assignado lendr
um aiiiiiincio d i Caininho de Ierro sobre compra
,. de terren-.s ao Sr. Joao Clirisostomo de Oliveira
^K ''e aK' provine pelo presente que ninguem faca
50000 '% negocio rom taes terrenos e nem com antro qnal
'; quer vendido por sen innan Jos Cario* I.eit.io de
45000 Alhuquerqne, protestando contra essa* vendas, do
" i vendo em lempo allepar o sen direito.
Manoel Carlos Leilao.
Offerece-se urna ama para lodo o servico de
. casa, de muilo bous costnmes, para casa de ho-
mem soltciro en de familia : no neceo do Padre,
, I ou travessa do Livramento, loja n. 14, achara rom
'Sj ni!em tratar.
o. i .
20000
10400 s
m

Ao publico.
David Kohn faz srionle ao publico que tendo
10600 M- j outra pessoa com igual nome, assigna-se d'ora em
diante David Fiarii.
20500 M
80500 S
20000 w
mmm m

Arrendaineuto
Do uira casa terrea na praia de S. Francisco
com 3 salas e cosinha fra, e muilo commoda para
os banhos do mar e pasamentn de festa : na casa
de quatro faces no .Ierro do Varadouro junio
ponte achara com quem iratar.
Aluga->e a casa no Monteiro a beira do rio,
tendo bastantes cummodos para grande familia,
leudo a casa dous corredores, quintal murado e
terracn : quem a pretender, falle no Monteiro com
Francisco Rodrigues do Passo.
\
Offerece-se aos senhores commerciantes um guar- .-- ^^
da livros : encarrega-se de qualquer escripia, por e"'*^!'
partidas simples ou dobradas, com perfeicao: a tra-
tar na rua da Imperatriz n. 39 lereeiro andar, to-
dos os dias at as 10 horas da manba.
Offerece-se urna paniihalvre e soltera pa-1
ra trabalhar de coslureira em casa de qualquer
modista ou familia, dando algum tempo se for pre-
ciso para praticar : quem precisar dirija-se na
do Mondego n. i, ou aiipuncie para ser procurado.
Precisa-se alugar urna escrava que sail.a co-
zinhar, engommar e vender na rua, sendo de boa :
conducta, paga-se bem : na rua das Cruzes n. 36,
primeiro andar.
Aluga-se urna excedente casa para passar a
i festa no Cachang, defroote da padaria que foi do
Sr. Serra : a tratar com Jos P. no mesmo lugar,
ou na rna da imperatriz, taberna n. 42.
Na ru i estreita do uosario b. 34
Advogado Affonso de Albu-
querque Mello,
pede ser procurado a qualquer hora ; as sextas-
teiras, porm, na villa do Cabo.
George Jouny, subdito americano, retira-se
para o Maranhao.
Aluga-se o sobrado de um andar e sotao da
rua de Aguas.Verdes u. 27 : a tratar ua padaria
da rua Direila n. 81.
Albino Baptista da Rocha, Portu-
Kuez, relojoeiro e dourador na pra-
ia da Independencia o. 12, faz qual-
quer eooeerto de reiogios e doura-
do por precns mais baratos do que
outro qualquer e responsabilisa-sc l
>eio seu trbalo.
Aluga-se u telheiro" rio"principio da rua da
Concordia, proprio pata qualqner estabelecimento
por Itr um bom anuazem, e achar-se em boa po-
sicao : a rallar eom Uenrique Jorge.
p^m
. cC(13 -J?'''* ;C-*-
l.i
DO
FlLhL
Troca-ge ditas notas por fazendas.
loja da rua do Crespo numero 17.
Quem comprar de cem mil ris para rima dar-sc-ha ao comprador o lucro de cinco
,por cento.
Aproveitem todos. Aproveitem todos.
Pazendas de aparados goslos riadas de Paria.
A loja de violas, guitarras e vfeldes da rua
do Livramento n. 14 A, muduu-se por.em quant
para a fabrica das meamaa na rua da Roda n. 39.
_ Aluga-se um sobrade de dous andares e so-
tao no caes do Ramo-, com grandes commodo<,
proprio para um eoltegio oo para duas crandes fa-
milias : a tratar com Jos Hyiino de Miranda.
Bcistem por alagar duas rasas na da de
Bemlica. tendo commidos para familia, banho oa
porta, etc. : a Iratar na rua larga do Rosario nu-
mero 313.
Atuga-se um pardo eope.ro, boleeiro, ruti
nheiro, ele-, e ile muilo boa conducta : na rua Ve-
Iha n. 93, ou ua na do Imperador n. 71; e bem
assim as inesmas casas l mbem se aluga urna
preta para cozisjbar e fazer o mais servico de casa
menos engommar.
i.ra r.m -fro .|
kwaa da Ki-
LUEME.
Sorrete de rreme hoje ao meio da
Trapiche n. 18.
na rua do
Na rua dos Pires n. oi tem tima essrava pa-
ra se alugar, a qual faz todo o servico de una casa
de familia.
Forneee-se comida para fra e em casa por
commodo preco : na rua da Crol n. II.
Capas pretas importantissi-
mas.
Casacfies pretose pelerinas.
Ua-squiaa de ciotura e p< -
liases.
Sotambarques de caxemjra
de cor com tintura.
Jaquetas de merino de cr
para senhoras.
Zuavos pretos de seda mni-
to bem enfeitad*.
t^iraoes, sotambarques de
seda.
Corles de seda ife cor de
muilo goslo.
Colzas de veda para uoivos
Sedas uV quadro de muito
gosto a 15wu o cu vado.
Horeantiques e grosdena-
ple.
Cortes de organdiz com
barras.
Chapees de palha para se-
nlwra.
Halos de areM e musse-
Baloes de merino de cores.
Fazendas de linbo e de al-
godao.
Selecias, esguioes e bra-
mantes.
Cassas, chitas camisas e
seroulas.
Peitos bordados para ca-
misa.
Camisas de laa de cor pa-
ra lioinelil.
Mad.-.polo a U, 3.95 e
105 a pe{a.
linas.
Esleirs para forrar sal. a 850 rs. a jarda. Tapete de superior qualidade com
seis palmos de largura a 2*300 rs. o cavado.
Na realidade, este estabelecimento offerece grandes vantagens aocommercio.
Apruvfiu-m todo.N a occasiao de trocar uutas da caixa ganbando cinco por cento.
^35^ *.s* "eo^ seo v
Precisa-se de. dous trabalhadores forros oo
captivos para trabalhar em nma destilaco ao p
do caminho de ferro : a tratar na rua do Impera-
dor n. 83, lalerna. _____
Atrnaa deOliveira 4 Carralho julga nada
dever netta praca nem fra della, raa- quem se
julgarcredor por qualquer titulo, queira apresen-
la-la oa rua da Cruz n. I, es.riplorie de Anlooio
Luiz de Oliveira Azeveda & C. para "er patio.
Precisa-se de pretas para vender bolinhos,
pao .lelo mais doce : na rua de S. Rom Jcus
da- Crioulas n. 30 achara co.-n quem tratar. Paga-
se 80 rs. de veudajjem em pataca, o da-se impor-
tancia em qualidade.
ljlff
Furtaram da escada do sobrado do pateo do Ter-
co n. 29, por cima de urna loja de mareineiro, nm
almofari grande de bronze, e desconGa-^se *er um
e.-cravo ganbador: porlanto roga-sea toda e qual-
quer pessoa e juntamente pohcia, a appruheii^ao
do dto almofari ; e iiie-mo se alguem ja o liver
comprado, quereodo restituir, podeleva-lo ou man-
dar no dito obrado, I* andar, que se Ih* pagar
as despozas.
mu iin.is.-.iilir : n. in .j r>
Mulo Amaro atraz da fon li -i j sr S:. .
Precisa-se de um r.m-.
Rosario n. Iti, padaria.
Irui nd-< le do l)ivi. ; s|iril. ai.
De ordem da mesa svgHdnra, n avid i a t das os
lin.-so.s ii loaos, para se rem ovni eio n-..-a
domingo 30 do crreme as:; horas da tarde. s
.le i'.ieni porades arorapaubarmeo tprmnmm A*
Santissimo Sacrammio que tesa dr -, i ir..ii-f. ri.to
de nos-a igreja, p ra a io..'iu de S u.l.. Ai,|.,. ,.
paran.;:;,' foOMS Convidada liefarc>pi div^ icnail-
dado.
Consistorio da irman late da On: )-. n
Santo, 27 -le outubro ie 1864.
O e-,iiva;..
____________________'la i !.': i 1'
e,'aivt a.
Na rna da Madio de D-, ., | ,. T.. ,,
precisa de uin pe.pi.-.io, ibis uii tnra
caiifiro de luja de fazendas, iu-i.i pra pref,i s>
se que ja l-nha ab.'iiina |T.l!ca.
Al ves Cuiniii r.nii., p.. \.-,n a r.H|,
os seus credores para qoe a|.resentii -nas cont.i*
no praso do tres dias para st-ram nasssridas i
rua do Amorim ... 41 arinaa Me sbsjbbbi Fr oi-
cisco da S;|va Juni.r.
iiesapp.ireceii hmitem sfir irsrruais. t
cas., n. 33 da rua do Rangel, do pndW di praacta
mai, u:n menino de c >r prei.i. do '> mmm i I ha-
de, com falta de dous denles m fr nv .> ajavfM
inferior, tendo ha-intes signan ile san .- p r 11-
dw o corpo, e sahio n : roga-s perum >. a ou-
o apprehen 1er, o fav,.r de o lev.r ou maa hw avi-
o a reeri la casa, qu a all e|t nda p,. .ri,,..,-.
manente craia. O menino rtmmajie tjnjmm.
Precisa-sede umi ana .pie snin eiiJTmTr
e lazer a cozinha, para non casa de ejja hsa|.
lia, prefere-se c.ipiiva : na rua lo AragM n. M
Precisa-se de un powiaa .
taberna, dos chegados na p..uej :
boira n. 23.
Quem liver para alugar nma aasa S Sana
andares as mas do Imperador, Crespa^ Cm- -.
Queiuiado, larga do Rus-arfr, pa> Ja Ummrm*,
dito do Carmn, e rua Nova, qimra ler a Uon 11 Ir
preferir alu^a-la ao eseriv.ii SiU. n,.-,. iju.. .. a
milita precisao ; se porm a p-;-> .pi.; iirr
dila rasa quizer fazer urna troca cora n paira I
n. 93 da rua Velha, de um andar e sotaVs, .;
bastante grande, tambera se fr.i : a iiaiir r
mesmo esrrivao na casa da rua Velhi, oa na rua
Jo Imperador n. 71.
Offerece-se un nMQil pmlilglsM pira rjix i-
ro de qualquer estabelecimento. ou p ira tora ir
copla de algiima casa por balasen, dando dador 4
sua conducta : quem praeisar, dirija -e a rua i .
Quarteis n. ti, mi ano m"e por Un l,, i>.
O recreio Minervense da a s-ia r-uaio n.>
dia 31 do c.rrcnle._______
Tendodesappareci lo am aqu .1 quati
de 1:4600 aceito pe.. Srs R dnri I.ijh. i
C. e apando pelo Sr. Jos Luiz l'ereir. Lona J-
nior (da Parahib) a favor de Alve. II i.-urK-r \
C.cujosaque se venceu en 24 Ai correan*; u-
moa prevenido aos mesmo* sondar, s a-eitante*
nao pastaraaaaWaoiproprio dono, ai-v- iiini,ir<-r
& Cmipanliia.
0 abaixo assigaadi leu tratad-a faMb*
seu estabelecimento .le m iihi'l.- n< ra i dji laj|i
rador n. 81. livre de quabjner de n;. r nr.Ses>
para o mesmo e-iabelecnm-nio : q i.-m sg aassKv -
dita veala anniinrie por *t< tre .!u< : M !>.
os quaes o comprador (Vara iseno de .pun i <
responsabilidad". R-inf.- i* da outubro &> |r>ti
_______________Sarnnel Hlllit.1T________
Aluga-se urna e.i-a n\ rn il t SU'le. I. i'-.-
da Panella. por auno ou por fet i : quem a p'*e-
tender, dirija-se a taberna n. 37 da rua lat *
Rosario.
Aliua-se o i' an lar do stira lo ti. .13. .! *
rua da Una, por preco conm | > : a tratar n na
da Cadeia do Recife u. 4'>, 1 ja de tVeragn-
Aluga-se urna casa ac.ituda ha p-mi.-o- i.
bo porto dn Maleira, em lloh.Tihe. rosn 4 i urip.
2 sala*, sotao, eotinha e esirttaria: a tr.ir ni
mesmo lugar com Manutl Pinto Posnu.




Diarto de renuuaHac* Sexta i'elra 9S de Oulubi o de 184.
CA84 114 FOKTM
AOS 6:000,000
Bilhetes garantidos
A' ra do Crespo n. 23 e casas do costme
0 abaixo assignado vendeu nos seus muilo feli-
zes bilheles garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a beneficio da Saota Casa da Miseri-
cordia, os segrales premios:
N. 1712 dous quartos cora 10:0005QOO
N. 1046 dous quartos com 2.0005000
N. 723 dous quartos cora 2:00050i 0
N. 2103 meio bilhete com 500*000
E outras muitas de. 2005, 1005, 405 e 12*.
Os possudore> poden vir reeeber sena os des-
coo.os das leis na Casa da Fortuna ra do Cres-
po n. 23.
Acham-se venda os da priman parte da
primeira lotera a beneficio da matriz de Flores,
que se extrahir no dia 28 de outubro.
Presos.
Bilbetes inteiros..... 7*000
Meios......... 3*500
Quartos........ 1*900
Para as pessoas que comprarem
de 100* para cima.
Bilhetes........ 6*500
Meios......... 3*250
Quartos......, 1*700
Manoel Marti-M Fiuza
O capadocio que pedio em casamento a par-
da Paulina dos Santos, maior de 21 auno, que foi
Hadapolcs baratos.
Madapolao muilo fino e largo com 24 jardas por
educada pela Sra D. Isabel Ferr a Miar, na M ditos 8fi ,,orier(,m um peqUeno defuito ; ve-
roa da Cadeia n. 57 em cuja casa ella reside, lera nham nf CUadmiravel ,,t>rhincha, na loja da ra
as nulidades pordema.s suffle.entes para csse da Madr0 de rjeos n. 16, defronte da guarda da
fim. Isso que, de modo algum, nao convem a|rant,ea _, *
aquella senhora, por flcar assim privada de urna -------.--------------------__------------_-------,
mucamba que Ihe enche as medidas nos arranjos j R_a da Scnzal la NOVa D. 42.
domsticos como se fos>e es.rava Para isso, pois, Nesteestabelecimentovendem-se:tachasde
Sestni smente Tinte.
Aende-se na praca da Independencia n. 39, loja
de Antonio Augusto dos Santos Porto, capellas
normaras de gostos mais moderno*, que tem
vindo at agora para se botar em tmulos e cata-
cumbas oo cemiterio publico no dia de finados,
com as escnpgo'-s seguintes: ineu esposo, minha
esposa, meu pai, minha mai, non filho, minha fi-
Iha, saudades sempre vivas, amisade, una lagri-
ma ; desta qualidade nunca vieram para serem
vendidas tiesta provincia.
.. : : , --m I2*
' '-. ' - '
"
t__E *V_
*A -*"._
____ &f*' ' A- ^
jFs^gg 9 r*t_V
' 1
. i
MUTAATfENClO
Aviso aos senhores e senhoras
Av'so aos senhores o senhoras
Aviso aos sentiores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhore." e senhoras
Aviso aossenh'ires e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos Minore* e senhoras.
Novo soriimento
Novo soriimento
Novo soriimento
Novo soriimento
Novo soriimento
De caixinhas e qoadros
De caixiubas e quadros
De eaixiohas e quadros
De caixinhas e quadros
De caixinhas e quadros
Caixinhas a 1*500
Caixinhas a 1*300
Caixinhas a 1*500
(.aixiuhas a 1*500
Caixinhas a 1*500
Caixinhas de 5* por 4*
Caixinhas peo* por 4*
Caixinhas de 55 por 45
Caixinhas de 5* por 45
Caixinhas de 55 por 45
lk'Cebeiain-se 10 mil caixas
Reeeberain-se 10 mil caixas
Receberam-se 10 mil caixas
Receberam se '0 mil caixas
Recetarm-se 10 mil caixas
Carloes de visita
Cartdes de visita
Carios de visita
Cartdes de visita
Cartees de visita
A 10* a duzia
A 10* a duzia
A 105 a duzia
A 105 a duzia
A 10* a du/.ia
A galera e.-ta renovada
A galera esta renovada
A galena esta renovada
A galera esl renovada
A galera esta renovada
Com ricos cortinados e tapetes
Com ricos corlinados e tapetes
Com ricos corlinados e tapetes
Com ricos cortinados e tapetes
Com ricos corinados e tapetes
Com lindas e vanadas vistas de fundo
Com lindas e variadas vistas de fundo
Omi lindas o aadas vistas de fundo
Com lindas e variadas vistas de fiiRdo
Com lindas e variadas vistas de fundo
i asa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ru do Imperador n. 38
A. W. Osborne.
que se chama a atterigao da autoridade compe
lente. ____________________
Matriz de Santo Anto-
nio
Estando designado o domingo prximo, 30 do
correte, pelas 4 horas da tarde, para em solemne
prucissao ser o Santisslmo Sacramento trasladado
da Igreja do Divino Espirito Santo, onde ora se
acha, para a sua respectiva matriz, convido, em
nome da mesa regeeora desta irmandade, todos os
nessos clunssimos irmos para acompaubarem
dita procs>o, apresentando-se para tal fim na-
quella igreja a hora indicada. Por esta occasiao
a mesa regedora roga anda a todas as Ilustres
confrarias e irmandade desta capital o especial
obsequio de mandarom dar em suas torres dous
repiques, um quando for annunciada a sahida do
Saiitissimo daquella igreja por urna giraudola de
fogo do ar, e oulro quando urna segunda girndola
anuunciar a sua chegada na matriz. A mesa de-
clara ao fiis que a procis^ao ter o seguinle sa-
: ferro coado libra a 110 rs., dem de Lo
iMonr lihra a 120 rR.
GRAGEAS
GLISCONT
Approv.dae pala icd.m a* Medicina de Parle.
Resulla pelos dous relatnos, adoptados pela dita
Academia em 1840 e em 1858, que as GnAGEAS de
GLIS e CONT sao o melhor e mais cfficaz remedio
ferruginoso para curar a chlorosis (alias fluor-albo), os
fluxos brancos, a fraqueza de cotnpleixao nos dous
sexos, e tambem para ajudar a menslruac&o das mocas.
Estas Grageas nao sao vendidas senao em caixinhas
ou vidros cobertos com rotulo e fechados com urna tira
levando a firma do depositario geral : laiielom'e,
pharmaceutico, ra flourfton-FillenuM, 19. Paris.
Deposito geral em Pernambuce ra da
Cruz d. __ em casa de Caros & Barboza.
l
L0.IA HE M'l IM-.Z.S FIWS
16Ra do Queimado16
Enfeites de cabeca.
Eitraordioaria |lquidaro de faiendis para a fest
por baralissimo prego, taulo para o mato como
para a praca, ua loja beni conhecida do Arara,
ra da Imperatriz u. 50 de Lourenro P. H. Gui-
niares.
Ao baralfiro da Arara a 1(5 iOO.
Vndese coi tes de chitas rom 10 covados a
25400, ditas frauct'za a 35200, ditos de rassa a
25, dita de salpicos a 25400, 35 e 45 o corle, para
apurar diuheiro : na la da Imperalriz n. 50, loja
Riquissimos enfeites de cabeca do tio de cha- da ^rara.
posinho 'turca, a 53. fortes de la a Mara Pa a 8 e 18(5..
Di.os con, enfeites de cascarrill.a, frocos e b,cos ,~* ** abarra, os ?ropria-
dei)uS'com bonitos lagos, a I80 e 15800 ris. ***** <* : Da rua da lmpe"
Ditos de tranca c frocos sen, laeo. a 800, 15 e t,r,Ii- toJ* A Araia n- d0- _, ,
15600 ris. A Arara vende alpaca para vestidos de senbora a
Fivelas e cinlos. M r8-
Vndese alpacas de lindas cores lisas paraves-
M..iiilos com rodas, patentes.
Moinhos grandes com rodas, patentes, e afianca-
h.nento : praca de Pedro II ras do Jurador, moer caf, e propr.os pa-
Francsco, Cruzes. praca da Ind pendencia, Ca- ra MJ^ por serem de especial qualidade o de
todos os tamanhos : vendem-se nicamente no depo-
site da rua da Cadeia, loja de ferragens n. 56 A,
de Bastos. _____________________
I uellente uva chegada no ultimo
>apr
Vendc-se na rua do Imperador n. 14, esquina da
travessa do Onvldor a 800 rs. a libra.
bug, a recolher; epede aos moradores das mes-
mas ras tenham a bondade de mandar lunpar as
testadas de suas casas e ornarem as suas varan-
das.O escrivao,
Luiz Cosario do Reg._______
O abaixo assignado faz sciente ao publico,
que em dala do Io do correte entregou a sua ta-
berna sita na cidade de Olinda, rua de S. Bento,
aos seos credores, para salsfazer suas dividas,
coucedendo-'he licenca seus credores licar de cai-
xeiro o abaixo assignado cojo disfalque de sua
casa foi proveniente de caixeiro e socio que ad-
metlio em sua casa, e esteve por espago de seis
mezes incompletos na posse do mesma, cujo socio
Jos Bento Ubeiro comprava e venda livremente.
Domingos Jos Gong de Macedo.
Aluiam-se baratas urnas mei-agoas na en-
trada dos portes da travessa das Batreiras, balrro
da Boa-VNta : a tratar na rua do Cotovello n. 2o.
I'ede-se ao einprezario de Santa Isabel que
no Domingo leve scena os Martyres da Gema-
nla, pois consta-nos que sabbado a ultima noite
que temos de ver tao bello drama.
O christo.______
^\*
Precisa-?e de urna ama para casa de um rapaz
soltelro : na rua de Apollo n. 47, primero andar.
SIHIO A LUZ
DA NA LlvnARIA DO Sr.
STREITA DO ROSARIO N. !
E EST A VENDA NA I.IVRARIA DO Sr. Gf.RALDO A
RUA ESTREITA DO ROSARIO N. 12 AS
DK
PARTIDAS DOBRADAS
0 Acrecidas
A' Associa^o Commercial Be-
neflcenie
DE
PERAnlBUCO,
POR
JI._Fonseca_de_ Medeiro^
Precisaise de urna ama para cosinhar : na
rua do Ransel n. 60, primero andar.
(O 01*. Francisco Pires lachada]
| Portella
MEDICO OPERADO
PILA
Faciildatle de l*aris
I Pode ser procurado rua Nova n.
44, segundo andar.
tidos de senhora a 360 e 400 rs. o covado, laazi-
nhas para vestidos de senhora a 240, 320 400, 500
Riquissimas fivelas com pedrinhas para cinto,
a 1600 e 25-
Riquissimos cintos de galao dourado, prateado e .
de outras cores com riquissimas fivelas e borlas, e 600 rs. : na rua da Imperatriz n. 06, loja da
a 35500. Arara.
Dito ditos sem borlas, a 15500 e 25. 5 lias lizas de cores a 600 rs.
Fitas e easearrilhas. Vendem-se lazmhas lisas de cores, a saber:
Riquissimas titas de grosdenaples lavradas, bo- roxa, encarnada, tr de lirio, cor de caf e cor de
nilas cores e padrSes de nutro e cinco dedos, a cinza, pai a capas e vestidos de senhora a COOrs. o
15500 e 25. covado, ditas de llores a 240, ;>20,400,500 e 560 rs.:
tt
ti enea o
rjfifif i)f AirlA.
X. 4 -Hu do Raogel X. 43
O proprietario desle novo estabelecimeuto parti-
cipa ao respeitavel publico que tem para vender
um completo soriimento de bolinhos, xaropes de
diversas fruclas, capil de flor, pastilhas de orle-
laa-piirient.rdilas de limao, ditas de ranella, amen-
doas confeitadas, confeitos, recebe toda e qualquer
encommenda, doces d'ovos, como sejam presunios,
peixes, alelria, e outras muitas mais qualidades,
e enfeiiarn-se bandejas ; fornece-se venda a escra
vas affiancadas por seus senhores ; comprara-se
garrafas vasias, prefenndo-se de cognac, por mais
Oioheiro.
COMPRAS.
i'ORTUlitZ uE LhlIlHl KM PER-
De ordem do film. Sr. presidente do conselho
deliberativo, convoco os membros do mesmo con-
selho para se reunirem em sessSo, na sala das
respectivas sesses, sexta-feira 28 do corrente, as
6 horas da tarde, afim de continuar os trabalhos
adiados m sesso entinara de 11 do corrente mez.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez de Leitura em Pernambuco 25 de ou-
tubro de 1864.
A. A. dos Santos porto
1. secretario.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
dapa-se bem: na loja de bilhetes daprar;adalnd>
peudencia u. 22. _^^^_^_^^___^_____
Compra-se eTectivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem :
na rua larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
COMPRA-SE
urna negra de bonita figura, que saiba lavar, en-
gommar e co>er bem, e cuja idade nao exceda a
25 annos, agradando naga-se bem : a tratar no es-
criptorio de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho,
largo do Corpo Santo n. 19.
Compra-se nma bomba para cacimba : quem
a tiver, dirija-se rua da Madre de Dos n. 14.
- Compram-se jornaes a 45 a arroba para em-
bruiho de cigarros : na rua larga do Rosario ns-
17 e 19, confronte ao quartel._________________
" Compram-se dous escravos que sejam bons
carreiros : na rua do Trapiche n. 13.
~Na fabrica de charutos, esquina da rua de
Dorias n. 1, compra se papel de jornaes, ou limpo
que sirva para embrulho de cigarros a 140 rs. a
libra.______________________________
Compram-se duas esrravas que engommem
e que nao sejam viciosas, paga-se bem tendo boas
figuras : na travessa do Carmo n. 1.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz de primeira qualidf de a
105 a lata : nos armazens da rua do Im-
perador d. 16 e rua do Trapiche Novo n. 8.
L0J4l)0BEM4FL0it.
Rua do Queimado ns. 63 e 69.
lioneras de choro.
Lindas bonecas de choro que chamam papai e
mami, de diversos tamanhos: s as lojas do ba-
ja-flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Linas de pellica.
I,uvas de pellica branca e de cores para homens
e senhoras : as lojas do beija-flor, rua do Quei-
mado ns. 63 e 69.
rhellas para cintos.
Lindas fivellas douradas com lindas pedras para
cintos : as lojas do beija-flor, rua do Queimado
ns. 63 e 69.
Capellas para noivas.
Lindas capellas para noivas 25500 cada orna:
as lojas do beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e,
e69.
Estojos para barba.
Vende-se estofos com espelho para barba 15500
e 25000 cada um : as lojas do beija-flor, rua do
Queimado ns. 63 e 69.
Balaios para meninas.
Rccebeu-se novo sortimenio de balaios, com
forma de vanos passaros, pelo barato prego de....
15000 at 45 cada um : as lojas do beija-flor, roa
do Queimado ns. 63 e 69.
Filas linas para cintds.
Ricas fitas finas lavradas de bonitas cores para
cintos : as lojas do beija-flor, rua do Queimado
n. 63 e 69.
Extractos em caixinhas.
Finos extractos em caixinhas con, o retrato da
familia imperial: as lojas do beija-flor, rua de
Queimado ns. 63 e 69.
Sabo em caixinhas.
Finos saboes em caixinhas com vanos retratos :
as lojas do beija-flor,rua do Queimado ns. 63 e 69-
Tiras bordadas. I
Vendem-se tiras bordadas transparentes e tan-
das : as lojas do beija-flor, rua do Queimado -
63 e 69.
Jogos de domin. )
Vendem-se jogos de domin 15200 e 15300':
as lojas do beija-flor, rua do Queimado ns. jB3
e 69.
Baados bordados
Vendem-se baados bordados de varas largoVas
e varios procos : as lojas do beija-flor, rua do
Queimado ns. 63 e 69.
Abafadores de rede.
Vendem-se abafadores de rede de varias cores i
800 rs. cada un, : as lojas do beija flor, rua de
Queimado ns. 63 e 69.
Adcrccos pretos.
Tendo-se recebido aderecos pretos de novo gos
to sao expostas venda : as lojas do beja-flor.
rua do Queimado ns. 63 e 69.
(raalas para senhoras.
Lindas grvalas para senhora 800 rs. e 15000
15200 : as lojas do beija-flor, rua do Queimado
ns. 63 e 69.
Esprlhos de moldura.
Vendem-se espelhos de moldura preta para sa-
las : as lojas do beija-flor, rua do Queimado ns.
63 e 69.
Voltas de aljofares.
Lindas voltinhas de aljofares com cruz de pedri-
nhas imitando brilhantes 15000 cada urna : as
las do beija-flor, rua do Queimado ns. 63 e 69.
Colheres para sopa.
Vendem-se colheres de metal-principe para sopa
25000 cada urna : as lojas do beija-flor, rua )
Queimado ns. 63 e 69.
La para bordar.
Vende se laa para bordar, a melhor que se pode
encontrar, tanto na qualidade, como as cores,
65400 a libra : as lojas do beija-flor, rua do Quei-
mado ns. 63 e 69.
as mesmas lojas se encontrar sempre grande
soriimento de miudezas boas, e mais baratas do
que em outra qualquer parte.
Dito ditos de grodenaples de todas as cores
com dous, dous e meio. quatro e ciuco dedos, a
500, 640.15280 e 15600.
Ditos de gorgurao p:ira cintos, a 15-
Pegas de fita estrena de todas as core?, a 320.
ris< *
Ditas de fita de linho para debrum, a 160 e 320
ris.
Dia de fila elstica, a 240 e 320 ris.
Dita de fita de laa de todas as cores, a 800.
Dila de cascarrilha de seda de todas as cores e
larguras, a 15,15600 e 15800.
DWa de Iranga lisa prela e branca, a 80 ris.
Dita de tranga branca lisa da vlnte cinco varas,
a 320 ris.
Filas para enfiar espartllho, a 60 e 120 ris.
Varas de aspas para balo, a 100 ris.
Voltas de coral de raiz pequeos e muito gran-
des, a 500 e 25.
Voltas pretas Maria Pa pequeas e muito
grandes, a 800, 15280 e l|M0. ..
Pulseiras de conls azues e brancas, a 800 res.
Ditas de aljofares de cores grandes, a 15-
Luvas frescas de Jouven brancas, de cores, a
255OO.
Ditas nao frescas brancas, a 15-
B' ecas de panno, a 160 ris.
Ditas que chorara, a 160, 400, 640 c 15280
Pecas com dez varas de bicos pretos, a 15500 e
25OO.
Varas de.labyrintho francez, a 100, 140, 200, 320
e 400 ris. nan ,.
Duzias de bonitos botoes de vidro, a 320 res.
Escovas para denles, a 160, 320 e 480 ris.
Ditas para limpar unhas e ouro, a 640 ris.
Ditas para cabello e roupa, a 640, 800 e 13-
na rua da Imperatriz n. 06, loja da Arara.
Colchas da Arara de H !.>
O Vigilante est alerta, nao Ihe era rermitiido
deixar passar desapercebido Wro que nao dee
seu canto, afim de annunciar ao respeitavel publi-
co o grande soriimento de galanteras do melhor
gosto propriamente para qualquer mimo que aca-
ba de chegar nesle ultimo paquete, assim mino
Vende-se colchas de chita para cama a 25, ditas niuilos oufrus objectos que recebe por diver-o* na-
de damasco a 45, ditas para cobertas a 320, JbO V10S tanl0 dt! sua ,.onU romo de r(,njgiagao que
e 4b0 rs.; na rua da Imperatriz n. 56.
A Arara vende corles de calcas a l'600.
esl resolvdo a vender por pregns muito baratos
para vender muito e ganlur pouco, e dar eitraro
Vende-se cortes de calca de brim a 15600 c 25, o grande deposito que lem, que espera wmmm a
ditos de casemira a 35, 45300, e 55 : na rua da protecgo do respeitavel publico empregando para
isso todas e as melhores diligencias para que 6-
quem salisfeitos; islo s no Gallo Yigilaute, rua do
, Crespo n. 7.
Rices porta-jos.
Cofre de muito gosto por 165000
Imperatriz u. 56, loja da Arara.
Roupa frila da Arara
Vende-se palitots de casemira de cores a 55
85 05 e 123, ditos de panno preto a 85,105000,
125 e 145, unos de alpaka a 35 e 45, dilos de
brim de rores a 25500.35 e 35500, dilos de brim
brancoa 35 e 53. caigas, coleles brancos, seroulas
francezas a 15600 e 25, ditas a 15280, camisas
francezas a 15, ditas de linho mglezas, pregas lar-
gas, a 35 : na rua da Imperairiz n. 56, loja da
Arara.
A economa, a saber: eolariobos econmicos a 600
ris.
Vende-se colarinOos econmicos a 600 rs. a du-
zia, meias cruas para borneo a 200, 240,360 e 500
rs 'o par. ditas para senhora a 320, 400 e 500 rs.,
lengos bramos com barra a 200 rs. cada um, ditos
tinos a 320, ditos de linho a 500, 600 rs. cada um,
s na loja da Arara, rua da Imperatriz n. 56.
I Ao baratelro.
No armazem da Arara vende-se cassas a 240,
280 e 320 o covado, chitas finas a 240, 280, 400 e
500 rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 56.
As percalas da Arara a 560 rs.
Vende-se percalas finas para vestidos a 560 e
600 rs. i chitas Irancezas finas a 320, 360,500, 400
e 500 o covado. alpaca para vestidos de senhora
Ceslinhas transparentes torradas de ma-
dreperola por I85M)0
Lindas jardineras. I03W
Ricos cofres com camapheu. |03oiO
Lindas caixiuhas com pedras brancas. !"' <>
Lindo balao com calungas dentro, tam-
bem para Jota* 16300
Tambalier para ditas. 93>0
Cestinhas dilas. 63>0
Cosmorama ditas. 6oiK>
Crnazinhas. o5W)0
S no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Ricos porta bouquetes de diversos gostos e pre-
gos ; s no Vigilante, rua do Crespo o. 7.
Ricos sin los
com bolcinbas aolado, a 105, 125 e ISAAwwn
bolga porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 3500
45000.
Ricas fivellas avulsas para sinto, o melhor que se
pode encontrar, a 15500, 25, 2550U e 35 o par;
s no Vigilante, rua do Crespo o. 7.
Cabazes on cestinhas.
At que chegaram as desejadas cestinhas on ra-
Oculos de armagao, a 640, lg e 15280.
Toucas o sapalinhos de la, a 800 e 15- a 400 rs. o covado, ustao tranco a ow rs. o lo>_- bazej. n|(,7,inas Irazerpni no brago. o mais rica
Toucas de blonde de seda enfeiladas, a 15500 da ; na rua da Imperatriz n. 06. | ,,0.^.,,, a 33500, 35500, 45. 55, 75 e 105: a no
e 25. A Arara vende miisseliua branca a lurs. ; vigilante, rua do Crespo n. 7.
Sapatinhos bordados de merino e setim, a 1*500 Vende-se mosselina branca, tina, a 400 e 500 rs Pentes.
23 e 25500. o covado. pegas de cambraias finas, Usas, 33,, Ne{e ar( |e_ um de yorlim<,nIn. ,ant
Caixas de penas de langa e caligraplucas, a 600 43, 53, 5 e. 75, mussehna cambraia da India a*, t&m (.um0 aUr (.i,,,e0> ^ miH |inrto,
e 15- r,n e 105 a pe?a, para vestidos : na rua da Impera- M |iile d(,spjai% assjm como dt. ,rregacar ra-
Caixas de papel pequeo paulado, a 61O e/.O trz 56. nello, tanto de borracha como delaruropa .men-
ris. A Arara vende tiras bordadas paraenfeilar vesli- fejlcs e >em e()e para nie_Da; 5 no Vigilante, ru_
Caixas cem cem envelopes com cola, a 640 res..
Pentes de regago domados Isabel, a 25.
Ditos de borracha muito fina, a 800 e 15-
Ditos de concha dourados para atar o cabello,
a 25,
Dilos dourados com as marrafas, a 25 e 45-
Garrafinhas e frasquiHhos de extractos, a 160
200, 320 e 15-
Sabonetes de bola grande, a 320 e 400 ris.
Frascos de vinagre aromtico de Venus, a 15.
Frascofde tnico orienlal de Kemns, a 15500.
Riquissimos cabazes de vidro com perfumarlas,
a 35-
Legtimos frascos de sndalo, a 15o0l).
Frascos grandes com banha franceza, a 800,
ris.
dos brancos. do Crespo n. 7.
Vende-se tiras bordadas de todas as larguras a Mais leques
15, 15200 e 15400 a pega, entremeins finos a 15 a com veqwn0 defeito, leques de ndalo com pe-
pega : na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara. geno clefito por barato prego de 83 e II _, chi-
Madapolo da Arara a 45. nezes muito bonitos lamben,, pelo Paralo piego de
Vende-se pecas de madapolao entestado com do- 43 e 5, bentarallos muilo bonitos, lam m par la-
ze tardas a 45" dito de 24 dilas n. 30 a 65. *>0 ralo prego de 45 e 55, leques de charo tamben
a 03500 E 75 e 85 n. 5 + 85500 e 93. n. 5 a 105, por 45. ludo isto para acabar, pwilfcw ul-
n P F a 115 ZZZ, a 125 a pega, pega de algodo vez 80 por cento; SO no Vigilante, rua do Lrespo
a 53, diio carne de vacca a 65500, dito domestico n. 7.
a 73, dito slcupira a 3, dito jio ferro a 95 a pe-
ga : na rua da Imperatriz, loja n. 56.
Bramante de linho de 10 palmos a 2#>0.
Para segurar angados.
Tambem chegaram as liguinhas estreilinhas de
borracha que as senhoras tanto precisam para se-
Caixinhas com extractos, a 15, 15500 e 35-
Vende-e bramante de linho de 10 palmos a gurar manguitos por ser muilo rommodo (Mi
25500 a vara, brim liso a 500,560 c 640 rs. a vara: barato, a 320 o par; s no Vigilante, rua do ym-
na rua da Imperatriz n. 56.
Panno de linho da Arara. '-
Vende-se pegas de panno de linho para lenges
e toalhas com 13 1/2 varas por 85500 ; ditas com
VENDAS.
Vende-se caixoes vazios proprios
para hahnieiros e ftiniteiros a 1$76U
rada na; nosta typosraphia.________
Patasca da ftussia,
da mais superior desembarcada hontem : vende-
se no escrlptorio do Manoel Ignacio de Oliveira _
Filho, largo do Corpo Santo n. 19.
"_T"Vemie-sem boi e una carrega conhecida
nesta praga : a tratar na rua da Cruz n. 34.
A Ibuns.
J. Falque previne os seus numerosos freguezes
que elle acaba de reeeber pelo ultimo vapor fran-
cez um esplendido soriimento de albuns pura re-
tratos, de diversas qualidades e gostos, sendo para
20 al 200 retratos e de 25 605 gradualmente.
Albuns pequeos proprios para meninos de 12
36 n ira inhos e de 15 15600.
Albuns para desenho do diversos tamanhos e
gostos de 55 303.
Livros de missa, de tartaruga, madreperola e
marfiro, por preces razoaveis.
_ Rna do Crespo 4
B-se a quantia de 5005 sobre hypolheca
em casa terrea ou escravo : na rua de Santa Rita
n. 27, segundo andar.______________________
"Prorisa-se de urna ama para casa de pouea
familia, que saiba cosinhar e eiigommar : na rua da t.aqea n t.
da Penha n. 23.
__Vende- I zendas de Jos Marques dos Santos Noquei-
: ra -v C, na rua do Crespo : a tratar na rua
- James Mitehmoor, subdito inglez, relira-se
para o Maranhao.
Aluga-se nmi casa terrea na rua da One.ei-
co, com liom quin'al e plantado : a tratar na rua
do Queimado n. 32, loja^_______________________
~ Perdeu-se orna pulseira de mosaico em a
noite de 25 do cnrrenie, entre a rua Nova c a rua
do Hospicio : qnem achar queira vir entrega-la
rua Nova u. 50, que ser devidamente recom-
pensado.____________________________________
~^~luga-se a casa torrea n. 28 da rua do Forte
on Barros Baixos, de 165 mensaes : a tratar na
rua do Crespo n. 15, ou estrella do Rosario o. 32
1 allio df carnauba
A bordo do mesma navio : trata-se no escrlpto-
rio de Antonio de Altneida Gomes, rua da Cruz
n. 23.______________________________________
Aos a maules de passars e pomoo*
baiedures.
Na rua das Cinco Ponas n. 116, nma pessoa
que se retira vende os seus passaros e ponios de
eslimacio 5 ahi enecntrar-se-hao casaes de cana-
rios hamburguezes, s.xbias da malla e da praia,
viuvas de Angola, b.'cudos, curios, cheehos e
pombos de raga batedo^es : trata-se a qualquer
ora dodia-
M^chinas e prensas para algdo.
.begaram agora da America asverdadeiras ma-
chinas de diversos tamanhos para descarogar al-
godo e prensas do melhor syslema para enfardar
o mesmo : a ver e tratar na travessa do Carioca
n. 2 _________________________________
Superior cal de Lisboa.
Sende-se snperior cal de Lisboa a mais nova nne
ha no mercado tanto em porcao como a retalho,
por barato prego afiangando-se aos compradores a
superior qualidade : a tratar as seguintes ras
Crespo n. 7, Imperador n. 28, Forte do Matto
mazem do Sr. Villa defronte do trapiche do
godo.
PKCHlNCfl
Rua da Madre de Dcos n. 9.
po n. 7.
Leques.
Riquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato prego
de 125 e 145; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7. -.
Penles
i oles de concha
_T toja do Porto.
Na esquina da rua da Madre de Dos ha um -
completasoriimento de fazendas,calgados e roupas 27 varas a 165500 e 183 a peta na rua ua i
feilas, por prego, muito barajos^ "J^ cha,fS a 1 fi00 35.
Vende-se chales de merino a 15600. 45500, 65, lamben, chegaram os riquissimos p.
75 e 83 na rua da Imperatriz n. 56, loja da de tartaruga e de massa lina, que se vende por -3,
Arara. 35 e 55; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Pechincha.
Lengos de seda a 16 e 800.
Vende-se lengos de seda para mao, a 800 e 15,
tarlatana para vestidos, de todas as cores a 800 rs.
A _000.
Saceos grandes com farinba de mand.oca pelo "j:,,! ^ 'oVdinario" V340 rs. a vara, dito fi
barato prego cima mencionad^_____________ _o a 8()(| a d[a Da rua da i,iu,eratriz n. ob, loja
da Arara.
Fazendas especiaos para senhoras, a saher :
Vende-se golinhas para senhoras a 240, 320, 400
ESCRAVO.
Na rua do Imperador n 65, primero andar, ha
para vender um hom inoleqne deidade. d i 9 airaos.
No paleo de S. Pedro n. 2, primeiro andar, e 500 rs.. ca*niisinha para dilas a 13, 23, 33 e 43,
vendem-se gravatinhas de seda decores de 83 a gravatinbas para ditas a 15 c 15500 : na rua da
duzia, por 55 : em casa deM. A. C. Ferreira.
inho verde
em barris de 5 para particulares e em pipas
muito superior____________________
Cal de Lisboa
aa rna do Vigano n. 19, primeiro andar._______
Imperatriz n. 56..
Soutembarque da Arara a 8> e 10?$.
Vende-se soutembarques de cores para senhoras
Pulseiras.
Lindas pulseiras de eonUs e de missanua, cores
muilo lindas e de muilo gosto a 15 e 15200.
Canelas.
Riqusimas canelas de madreperola proprias
para qoalqoer presente, pelo baraimino *? *
15500 e 25-
Sapalinhos e meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda t de merino en
feilados, assim como meiaszinhas de seda, gona-
uhas e loiiquinbas para a^ rriancinbas ^e baplua-
rem; s uo Vigilante, rua do Ciupo n. 7.
Vollinhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas comernzinhas
a 85, 103 e 123, ditos de grosdenaple pretos finos Oogindo brilhantes, assim coanermij** ****>
, Sn_ 4_l -mi ^nas relas nara dilas a 203 voltinhas, pelo barato prego de 13 e 1321'. >
tff'is : ATS*S l ruies avuls asa 400 rs.; so no Vigi.an.e, rua do
da Imperatriz n. 56.
Cabriolet
Vende-se um cabriolet americano em muito bom
estado de uso, sem arreios : na cocheira da rua
do Imperador n. 43.__________________________
Pal ka de carnauba.
Vende-se no trapiche barao do Livramento : a
tratar no largo do Corpo Santo n. 6, segundo
andar.
desembarcada hontem de bordo da barca Bebe- did(_s a 4Q rs
tlouro : vende-se pwtai prego no W>Pturto Grosasdl> t5eS'de madreperola muito finos a 560
de, Manoel Ignacio d Oliveira Filho, largo do Cor- fiW r, "
po Santo n. 19^__________________________
RIVAL SEM SEGUNDO
Rua do Queimado ns. 49 e 55, loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia t C, est continuando a
veuder muiic barato, pois seu genio dar a fazen-
da por lodo prego a vi>ta dos cobres.
Carlas de allinetes francezes da melhor qualidade
a 80 rs.
Grosas de pennas de ago inglezas da melhor qua-
lidade a 640 rs.
Vendp-se e aluga-se a casa n. 36 na rua da
Matriz da Roa-Vista : a tratar na mesma casa.
Vendem-se 47 jogos de pedras de moinhos,
chegadas ltimamente na barca Bebedoura : a tra
lar na rua do Vigario n. 14, taberna. ____
Carreleis com 4 a 5 oilavas de relroz prelo lino a
640 rs.
Resmas de papel de peso liso muito superior a
25000.
Grvalas da liga e de outras muitas qualidades a
500 rs.
("aniveles para penna com 3 folhas fazenda boa a
800 rs.
Duzia de boloes branco para casaveques de senho-
ra a 100 rs.
Pegas de fila de cs estrellas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
Vende-se urna parda escura do bonita flgnra
com 20 24 annos. para todo servigo, d-se mais
barato sendo para lora da provincia ou para enge-
nto : na rua das Cruzes n. 35, segundo andar.
s-Tvemle-se um casal de burros muito gordos
e mansos chegados hontem de Lisboa no barco O Expositor Portuguez para os meninos a prender
Bebedouro : na rua da Cruz n. 1, esoriptorio de a lera 800 rs.
Antonio Luiz de Oliveira A-evedo & C.______ Os segredos da natureza para os meninos a pren-
--------------------_ .-----------------------------der a ler a 15000.
Taberna. Cartilhas da doulnna chrislaa, finas e superiores a
Vende-se a taberna do neceo do Pocinho n. 33, ^q r.
esquina da Concordia, muito bom local : a tratar pentt!S (jos 0 rearfim a 15000, 15200 e 15500.
na mesma. Pares de luvas de seda para homens e senhoras a
500 rs. ,_,
Gollinhas para senhora o melhor que ha a 320 e
Frascos con, superiores banhas a 240, 320, 500 e
15000.
vende-se um cavallo aga, andador de baixo
a meio : na cocheira defronte do porto das Ca-
noas da rua Nova.
Biscoiitos.
Vende-se em casa de Southall Mellor & C, rua \os"que serve para assentar roupa, pelo diminu-
do Trapiche n. 38.____________________ I to prego de 160 rs.
--------------Ti>.timpn.tn da izallinha Capachos redondos muilo finos a 500 rs.
TE*\**ffZ*m+ aldao branco para esparlilhws muito superior, a
Vende-se um excellente sitio -com boa casa
vara a 20 rs.
Carntis cora 150 jardas de hnha branca a 60
ris. ,
Cartes com 200 jardas de Hnha branca garanti-
da a 60 rs KnA
Grosas de pennas de ago superiores a 500 rs.
Sahio ------......----- r
ramenle nova e em verso, imvressa em mu bom
papel, ntida impressio, a 160 rs. cada exemplar :
na rua do Imperador n. 15 defronte de S. Fran-
cisco.
Objecto! typograpniros.
Existe na rua do Imperador n. 15 defronte de _. Varas de franja |,ranca e de cores larga para toa-
de vivenda, tendo cocheira, estribara, quarlo para Francisco um grande soriimento de typos de dille- |has a 160 r&
pretos, latrina, tanque, cacimba com bomba, etc., rentes pontos, armagoes de rollas, emblemas, seo- pares d(1 DOt5es de punho, oh que pechincba a
com muitas fructe.iras, em chaos proprios, na Ca- vas, engradagoes de metal, hnhas de diflerentes 120 fS
punga Velha, casa que foi do Sr. Sebastio Jos pontos, interlinhas sortidas, tinta tanto para ma- TinleJros ,je vidro com tinta a 160 rs.
Gomes Pessoa : a tratar na rua do Imperador n. china, como para obras finas, papel de impressao, Ditos Jt, |iarr5 com superior Unta a 100 rs.
46, armazem. alnasso, pintado, etc., etc:__________________ Grosas de botoes de louga prateados muito finos a
"Vende-se um cabriolet patente, de duas ro- 160 rs.
das muitoleve, com arreios, sendo tudo novo e do Tesonras para costura superior qualidade a 500
gin ne nr.-t^niiniiies tenham a bondade r*l
para limpar denles, superiores a 200 rs.
,m superiores phosphoros de seguranga a
Recife 160 rs.
_____ Caixas cora 100 envelopes o melhor qoe ha a 640
ris.
I? 11 frites a Hara Pia.
com penhor ; assim como recebeu pentes de tarta- do agente Almeida,
ruga muito bons, laoto para alizar como para bi- numero us.___________--------_------------------------
chos e tambem para regasso ; capellas brancas Stll di) AtU
muito finas, tanto para senhora como para, *_ _...___. ______
finalmente tem grande soriimento de | A bordo do bngno escuna nacional^ fllWMM,
menina
miudezas : vende-se ludo barato.
' fondeado em frente do trapiche do Cuoha.
Caixas com 20 quadernos de papel amizade, muito
fino a 600 rs.
Quadernos de papel peqneno muito fino a 20 rs.
Crespo n. 7.
Golinhas.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 25. 25J00 e 35; s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Enfeites para senhera.
Riquosissim enfeites com lago e sem lago e de
outrosjmuitos gostos a 15, 15500 e 35 : ""
guante, rua do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins de cabello para relngi ra lu-
netas, pelo baratis.-imo prego de 15500, ditos de
relroz a 200 rs.
Babadiuhos enlremeivs.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baralissimo
prego de 15200, 15500, 25 e 35; s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Cascarrilhas.
Grande soriimento de cascarrilhas de diversa*
larguras, assi como galozinho e trancinhas [ m-
prias para enfeites; s no Vigilante, rua do Cres-
po u. 7.
Fitas.
Grande soriimento de filas de diversas larguras
e qualidades, por pregos que admiran, aos rooi-
pradores, havendo filas largas propnas para rin-
leiros que se pae vender a 300 rs. a vara, e pega
de 9 varas a 25; s no Vigilante, rua do Crespo
u. 7.
Filas de la.
Fitas de laa de lodas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; so no > 1-
gilanle, rua do Cre|>o n. 7
Ricos espelhos.
Riquissimos espelhos com mldura doarala'e
sem ella de 85, 105. 125 e 145, assim romo com
columnas de diflerentes tamanhos a 25,35,45, 55
e 65; s no Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Lindos jarres e ajaras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina.
para enfeite de sala, sendo o melhor posto queaqoi
tem apparecido; s ne Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com boneela para pos de arrnr,
cousa de muito gosto a 15500 e 55, assim ron
pacntes s com os pos a 320 rs. rada um; so c
Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Prrra_arias.
Grande soriimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos on vasos com dis-
tinctivos e ofTererimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados antoresde Pars e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha japemeza
a 25 e a 15,assim como orosobjecios qoe km*
possivel por boje annonciar, e vista fregoe-
zes se far lodo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
roa do Crespo n. 7.


l riflBlKC-iD
Salitre retinado, superior qualidade, vinho Bar
deaux, diferentes qualidades, mais barato qoe em
qualquer parte : no armazem de E. A. Borle &
C., rua da Cruz n. 48.



I
.*
Diario de Peruaubuco Sexta felra de Outubro de 104.
)
RA. 1IO QUROIADO IV. 45.
Passand o becco da Congregarlo segunda casa.
Grande liquidacao.
Etna da Emperatriz n. o.
Loja de fazendas do Pavo de (ama & Silva.
Acha-se este eslabelecimento completamente
sonido de fazendas inglezasj francezas, allemas e
suissas, proprias tanto para a praca comu para o
mallo, prometiendo vender-fu mais baialo do ijne
em oulra qualquer parle principalmente sendo em
porcao, c de todas as fazendas do-se as amostras'
deixando flcar penhor, ou mandam-se levar em
casa pelos caixeiros da loja do Pavo.
As chitas do Pavo.
Yendem-se chitas inglezas claras e escoras pelo
barato preco de 240. 260 e 280 rs. o covado, tintas
seguras ; ditas francezas de cores seguras a 320,
34, 360, 400, 440, 480 e 500 rs. o covado, fazenda
muito superior e bonitos padroes : s na loja do
Pavo.
As lminhas da exposirSo do Pavo.
Vendem-se lazinhas as mais modernas que
tem viudo ao mercado, proprias para vestidos e
soulembarques por seren lisas e de cores muito
delicadas 560e500rs.; ditas lisas com um lustre
que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
j ii j i .v,- Ja rifim rnmmor quadrinhos'de seda 500 rs. o covado, s para aca-
Pereira Rocha & C. acabara de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molliados denominado uanm umimei- har; na |0ja e armaIen, de Gama <& Silva, ra da
cial, onde o respeitavel publico encontrar semnre um completo sorlimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado os lmperatnz n. 60.
quaes serao vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo menctoncda ; garante-se obom o8 vestidos do Pavao.
? a \ .___ Vendem-se os mais modernos cortes de vestido
peso e boa quaudade dos gneros comprados neste armazem. de la que vieram pplo ummo vapor> com ricas
600 rs a libra Cevadinha de Franca muitO superior a 220 barras de c6r, corpinho e collete separado ; ditos
" rl o hra com listas de seda e tambem com barras e enfei-
Fainco a 200 rs. a libra. _!.,: 'on mw tes para o corpo, por preco mais barato do que em
mu sil s
NOF1DADE
Arroz do Maranhao, India e Java a HO, 80 e Peras seccas
100 rs. a libra, e 10800, 20GOO e 3)5000
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
15200 e ltJrJOO, e em frascos grandes a
2i5U0.
dem em caixinbas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 15200,14400, 15600e2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 45000 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Aveilaas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1530" rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 25 rs.
a lata,
dem nglezas muito novas a 35000 a barri-
quinhae a 200 rs. a libra.
Barita de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perola a 15600, 25,
23300, 25800 e 33000 a libra,
dem preto muito superior a 25000 a libra.
Cerve,a preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 300 rs. a garrafa
e 5580D a dtizia.
Cognac inplez fino a 90' rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 72" rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e especilmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 15800,
230 mi, 25200, 25500, 20SOO, 35000 e
35500 a caixa.
Caf do Bio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 83500 a 85800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhos francezes muito novos e
hem muito afeitados a 700 e 600 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
libra.
muito novas a
rs. a
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e Ervilhas portuguezas a 640 rs a lata.
muito novo a 640 rs i Wem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 23800; Figos de comadre e do pouro em caixinhas
ldemprato. ftg ftgf fl?Sfn*?nLi
dem londrino chegado no ultimo vapor a l>800, oflpuu e zu rs. a Hora.
900 rs a libra iFarinha do Maranhao a IbO rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs. dem de trigo a 120 rs. ? libra.
oulra qualquer parte, e se quizerem una prova
do que se diz, mandem ver leja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os vestidos Haria Pia. S o Pavo (85000).
Vendem-se os mais lindos vestidos Hara Pia
de lazinha transparente com listas, e palminhas
de seda pel barato preco de 85 cada corte : s
\ na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
cada um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 3G0 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 6U 0 i
libra.
Eigos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 15600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D Pedro, D. Luiz 1 Mara Pa,
Bocaje Chamisso e outros a 800, 900 e
15000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 95000 e 105000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 35, 35500
e 45 a caada,
dem branco de Lisboa muito no a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 75000 a 755O0 rs.
a duzia.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD As cassas do Pavo a 240, 280, 300, 320 e
360 rs.
S o Pavo vende as iinissimas cassas persianas
imitaco de la, com cores fixas, 360 rs. o co-
vado ; ditas francezas muito finas 240,-280, 300
e 320 rs. o covado, isto para acabar : ra da
Imperatriz, loja de Gama & Silva.
Os madapoles do Pavo
Vende-se peca de madapolo infestado com 12
jardas cada peca pelo barato preco de 45, 45500 e
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs. {^ cada peg Jj^ta m^wmmtt \ s o Pa-
Idem, em garrafa forma de pera e rollias de vo ra dalmperatriz n. 30, notando que a pega
vidro, a 15000, S a garrafa vale 0 di- leva urna etiqueta com o Pavo pintado para nao
haver duvidas era engaos : isto previne o Pa-
a 560 rs. o frasco e 65200 a frasqueira. |
dem em garrafes de 3 e 5 gales a 55500
e 75500 cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 15100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa,
dem, quaudade especial em garrafas muito:
grandes, a 15800 a garrafa.
AO RENPEITAYEIi PUBLICA.
RA DAS CINCO PUNTAS N. 86
Inquina da nova travessa de H. loo.
Desejando o proprietario do grande armazem do Propbrla da ter-
cas aoseu genio emprebetidedor, commeicial e especulativo, resolveu ceder a inspirado
que o assaltou, quando as horas caladas da noile o seu solicito espirito se agitan i/i ra
turbilhiio de ideas, tendentes todas bem seivir e agradar sos generosos ae_itsMM
desta bella provincia, de abrir mais este grande etafceleclmcnlo ** e
escolhidos gneros, quasi que especialmente destinados s pessosa que n una na fre-
gue/.ia de S. Jos, e aquelles senhoies que transitan pela via ferrea, pera <,mni tm wr-
dade sao sem corita o numero das vanlagens que se Ibes oflerece, nao t o nlai.fo a
modicidade dos fretes, como da facilidade e brevidade da conduceo dos objectM m-
0 sonho do Propheta ser urna verdade pratica (3o acceda c abracada c< rro rs
palavras simples e bem intencionadas dos velhos palriarchas desees lempos idos, si o Sc-
nhor Deus dos exercitos nao o quizer contrariar.
O Propheta nao querendo restringir-se a forma ordinaria de negociar resol' t u
tambem, depois de profunda meditacao, de nao vender .Mmente os mus ge Den a di-
nheiro corrente : mas tambem de por em pratica troca dedes poroulros do paizou por escravos. bois, cavados, etc. Assim, pois, lique na intelligei na de iti'u,
que o propheta receber como moeda de qualquer dos saibores agricultores, i atetar,
algodo, agurdeme, milho, feijo, cavados, escravos, etc., etc. e Ibes dar o momo lamj
em gneros, escolbidos a contento.
Quando a importancia dos gneros apartados for menor do que a dos ohjectos le-
cebidos por troca, o r ropheta niio demorar a dilTercnra que deve dar em dii.l.e t:
Um eslabelecimento que com tantos sacrificios e despezas acaba de ser ahilo
deve inspirar a todos a cerleza de que se vender muito barato com o tim de se adqui-
rir crdito e freguezia.
nbeiro.
Manteiga ingle/.a perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda qualidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maga de lmales em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores consenti-
ros de Lisboa a 60 i rs. a lata.
Marrasquinbo de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
i Macas finas para sopa: estrellinha, pevide.
IdemMorgauxeChateauluminidel85i,al5 rodinha e "aletria.a600 rs. a libra e a 45
a garpfa a caixmha com 12 libras.
dem moscatel a 800 rs. a garrafa. Nozcs muito novas a 160 rs. a libra
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Peixe em latas preparado pela primeira arte
i ano rs a cnida '' de cozinha a 15 a lata,
Kirsk garrafas multo grandes a 1S00 rs. j Palitos de denles a 160 rs. o maco.
Alm dos gneros cima mencionados te-, i em de denles a 120 rs.
mos grande porcao de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudoser vendido por Amendoas confortados a 900 rs a libra.
pecas e carnadas, tanto em porces como | Doce de go.aba em latas o melhor poss.vel a
relalho-
vo, de Gama & Silva.
Bramante de Itabo do Pavo
20, 04OO, 20OO.
Vende-se o melhor bramante de linho puro eom
Araruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Arroz do Maranhao, Java e do Penedo a 80,
14*0 e 120 rs. a libra, e a arroba a 15800,
25500 e 25800.
Amendoas a 280 rs. a libra.
Ameixas francezas a 15200, 15400 e 15600
em latas, frascos e lindas caiebinhas muito
proprias para memosear alguem,
Amendoas confeitadas em francos de vidro
dem em botija a 3fi0e 400 rs. a botija.
Graixa em lat sa 1520O a duzia.
Limonadas de diversas fcuctaa a 10C0 o
frasco.
Licores inglezes e francezes a 15000, !.-:.'(0
e 25 a garrafa.
Lingoas amei canas a 800 rs. cada una.
Lingutcas prosapias em latas a IJH O a ; 'i.
Manteiga ingleza ueste genero o que la i'e
melhor a 8u0 rs. a librae em lanil a 700
rs.
dem mais baixa a 6i0 e 720 rs. a libra.
a 15 o frasco.
dei'pitaos'dVT^r^ Alpiste a 160 rs. a libra e a 45500 a arroba,
do, por ler de araar a factura, a vara por! Azeite doce francez a 900 rs. a garrafa.
2,3200, 25400, e 25600 s o Pavo : ra da ^zele e Lisboa a 640 rs. a garrafa e 45800 Manteiga franceza a 520 rs. a libra, em barril
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva. | ICMM(ja a 6 40 rs a libra em rttalbo.
PailiiO de linho d Pavo. Azeite doce emboies com 9 garrafas a 553CO Massade tmales a 040 rs. i libra.
boio. Marmelada muito nova a 640 rs. a libra.
Molbos inglezes a 400 e 640 rs. a ganai.r ha.
com o
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
cura propno para lences e toalhas de mao pelo
baralissimo preco de 640, 720 e 800 rs. a vara, al- Azeitonas por todo O preco.
godozinho com oito palmos de largura proprio Biscoitos inglezes de diversas marcas a 15300 Moslarda preparada a 400 e 640 rs. 0 trasto,
para lences, pelo baratissimo prego de 15 a vara, a |a,a Massas para sopa macar rao, lalbirim e a'i 'i ia
^.V?,cA^,e^0^lh0n,SSfSSSaJSS Z Bolaciiinhas de soda, oval e lunch a 25000 a 400 rs. a libra.
lata com 5 libras, dem finas em caixinhas a 35OO araixirha.
largura como em corpo, proprio para lences, ca
misas de escravos, etc., etc., prego muito comino-
do vista da fazenda; s o Pavo
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
ra da Ira-
Bolachinhas americanas em borricas
libras a 25000.
26 Marrasquino de Zara verdaOeire a li;< Ce-
frasco.
Algodozinho com toque de avaria a 1,000 ris gan|ia e p0rco da melhor qualidade a 360 dem mais baixo a 800 rs. e 15000 o fray o.
e4,800 rs a |iira Milho tm saccasiom 20cuiasa 35S0O.
Prozuiiio ingle/ para hambre viudo ao Utoxo
rWSeTeS'bS et Batatas en. gigos e caixas por todo o preco
o ^^45 e Sa^eca ; s Caf moldo a 105' 00 ou 85000 a arroba. vapor a HvO rs.
75500, 850Oc e 85500 a dem mais ant go
a 640 rs. a libra.
sendo inteiro a
25 e em caixo a 640 rs.
Quera comprar de 1005000 para cima te- Palitos do gaz a 25200 a groza.
Passas muito novas a 480 rs. a libra.
r o abate de 5 por cento.
GRANDE E SUMPTOSO ESTABELEC1MENTO
DE
NOVOS E ESCOMIIDOS CEXEROS
TANTO EM GIIOSSO COMO A RETALIIO
OO fitU 4 OVA CO
(Jklma casa junto a ponte da Boa Vista.
. ~l^Z__C"" iiVM'Psl" -------"
DUAS PALAVRAS.
MACHINAS DEPATENTE
de trabalbar A mo para
descaro ca v algodo
FABniCADAS
Por Plant Brothers & 0.
OLDAH
rs. a libra.
Vende-se pega de
queno loque de avaria,
lado, pelo barato prego de 45 e 45500 a pega
o Pavo : ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Caf superior a .
Silva. arroba. dem do Porto a 640 rs. e
Os guardanapos econmicos do Pavo e s do ^ nes| gener0 temos o que hade melho- 5i 0 rs. a libra.
P> i assim corno tambem temos baixo pelos pre- Passas tovas a 400 rs. a libra.
Vendem-se os mais lindos e modernos guarda- W.nttK i54'-0 16U', 15800 Polvo a |t O rs. a libra,
apos econmicos e todo linho, tanto para as casas gOf BgU inl 6S '' ..... ...
de familia como para botis, botequ.ns, etc. etc., 25400, 20600, 25800 e 350t 0 0 i.no. PaiOCO a IJJI .TS. S imra.
pelo baratissimo preco de 35 a duzia, isio so na charutos de todas as melhores e peores mar- Pomada a 240 rs. a duzia
loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Gama cas(|0 mercado a 800, 15000. 15600, 25, Pimenta do reino a 320 rs.
flaA..tfmh4VM..P do Parto 25800,35000, 45(00,55000, 55500 e 65 Peixe em latas a I50i0 a
Os gQUtembarques do a-aao a 0^enl0' i vina, parj;o e outros.
9 e liinriMk na mais novas do mercado a 125 Papel de peso a 25000 a resma.
, mai9 finos soutembarques. que ChNrj ^"^S^m dem dem muito lino a 4*000 W*>
a libra.
lata, savel. te-
>.m-se os mais unos souiemnarques que
o ao mercado, sendo de caxemira de co-
teem
res pA^tiiminulissimo pr<"{0
tos de
oa loja'
da Impera
< Ccsse tudo quanto a antipa mu?a canta
Que outro valor mais alto se alevanta.t
Estas machinas
podemdescarocar
qualquer especie
de algodao sem
estragar o flo,
sendo bstanle
duaspessoaspara
o trabalho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
do em caroco
era 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodo
limpo.
Vende-se panno
Assim romo machinas para serem movidas por
animaes, que descarocam 18 arrobas de algodao
' "TinSsmwm para vender um belliss.mo va-
ment de moldados, talvez o primeiro e tnico boje existente em sua especiaiiaaue, por- por que pde fiiZer mover seis destas macnjas
me o raaior caoricho de mos dadas com mais apurado gosto de abrir um cstabeleci- mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
ment modelo .romoveram a escolna dos mais superiores gneros do nosso mercado, ^to^'i'**^*^*m*
Ze poSem comprados em guando quantidade pago* 1 "o, a dinheiro a vista zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47.
deu lugar a oblcnco de vantagens, que repartidas como vao ser pelas pessoas que se Sauoders Brolhers & C.
diffnarem de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanca de agradar a Nt Jf pPaca ,|0 corpo Santo
todos nao s pelo emprego das maneiras comlescendentes e delicadas de que somos ca- recipe.
pazes'. como pela pratica da promessa que fazemos de vender polos presos quasi do pn- (
meiro custoo nosso magnifico sorlimento. ,! A !
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diversas classes da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharo
em nosso armazem os melhores e mais esquisitos vinlios, licores, cbampagne qneijo, etc
Os nicos agentes neste paix.
RIVAL SEM SEGUNDO.
etc etc, e aquelles que nao podem dispor de grandes recursos, que s comprara o neces-
sario, proiivsttemos-loes servi-los de gneros novos e sadios, escolhidos ao seu contento.
Ra do Queimado ns. 49 e 5o luja do Rarateiro
conhecido ] como tal, est dispondo da fazenda
por todo o preco para apurar dinheiro, quem qui-
zer venha ver e traga o cobre, e ver o seguate :
o O real do pobre ser recebido com to boa vontade, como a moeda de ouro do aralhos de cartas para voltarete muito
t ii AS "l
hmem CsJoas que nos fizerem a honra de entrar era nossa casa quer seja para cora- ^ J* Qff os
prar para seu gasto, ou para negociar, voltarao satisfeitas, nao so pela boa quatiuaue uos ,araanh0s e finos a....
, linho adamascado proprio por 320 rs. branca e preta.
para toalhas de mesa, pelo diminuto preco de 2*500 Conservas inglezas a800rs. o frasco fazenda Palitos (lo gaz a2.>OOOa gro/a.
rs. a vara, guardanapos de linho a 55 a nuzia, ci,jaue QotjOS flamengOS to ullmo vapor a 2C00.
toalhas de mo a 55 cada duzia, na loja do Pavao, Lezaa a g( o rs 0 frasco. dem londrino a H 0 rs. a libra,
ra ygnMtjg *->, SST?nW M rs a libra. dem pralo a 640 s.a ld;r,
Quem teVbia es por talI precT I Champagne da melhor marca que ap.i tem Rap Mearon a 15COCla libra.
VenSiTbalTane'ric.Inosl'So superio- vindo a 205 a 245 o gigo | Sag e sevadinha a 240 280 rs^ al, ra,
res com 20 e 25 arcos pelo baratissimo prego de Cognak inelez c francez a 800 rs. e 15000 a Sardinhas de Nantes a 640, ;><>0 e W rs. a
25500 e45, ditos de 25, 30 c35 arcos com Atas, ....,fa I lata,
muito bem armados e tambem tem cores escuras \S\O massa a 120, 180, 200 e 240 rs a
Silva. se vendem em mudas parles a 85 c 105, Sal refinado a 000 rs. o vazo (pote de ndm.)
0 favo vende para lulo. vendemos a 5551 0 e 6500O a duzia. Tuci.Iio de Lisboa, de Santos e amti ie 10
Vende-se superior setim da China, fazenda toda fjopos para vinho a 3500 a duzia. a 160, 240 e 32o rs. a libra e em arrol a
de la sem lustre tendo 6 palmos de largura pro- d cal(Ja vndos je L,sjj0a f)tste oltimo a 5, 7, C 95000.
prio para vestidos, caPas,_ IffMi^ ee^eift, varnrn Q.Q d nielll0rcs flUC. Tijolos para limpar facasa lOOrs rada um.
vapor a
i Vinho do Porto em ancoras com TOg.irtafas
tas da Europa,
dem da goiaba e da casca o melhor que : a 305000.
, possivel por diversos precos, e conforme Vinhos de Lisboa cFipueira quaudailes
otamanho doscaixes.
nilicas a 35000, 35500 e 4>0'0 a caada.
Vinho do Porto em pipa a .'i e 65000 a raia.
Vinho branco de Lisboa e Porloem anrrras,
barris e pipas a 45000 e SOOO a ranada.
200
20
objectos, como pela fidelidade dos pregos, e bom acondicionamento.
O futuro nos justificar.
CAVACO ECESSARIO
Devemos ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que
adoptamos. Ei-las. ... .... .___
Existindo neste vasto e florente imperio um grande partido poltico com a
denominacao de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente,
cao de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
Ria-se quem quizer, porque nos tambem nos riremos mas nao se zangue
ninguem. ^ ,
O neme urna voz com que se do a conhecer as cousas. t esta a mais
breve, clara e sincera explicado que, pelo metbndo repentino, podemos dar.
Mas a quem n5o seguir o partido desse systema diremos mais :
Nao oriun-lo do Brasil o imponente titulo do nosso eslabelecimento. Foi a
muitas centenas de leguas que apanhamos a nossa Liga.
Na soberba e opulenta Inglaterra houve um rei que instituto a mu honroza or-
to so rpre'.erideu a corte desse m-marcha. Agradou-nos esta histmq e gustando sum-
mamente do trage do cavalleiro da jarreteira. para logo o mandamos desenbar. ecol-
ESo o no oito do nosso esUbelecimento, temos assim feito d.st.ngu.-lo dos outros
que se assignalaram com mitras e coroas.
Honnl solt qnl mal y-pease.__________________________________
BALDES DE ARCOS
A #O0O.
Na ra do Queimada n. 40, letreiro verde.
Superiores e bem armado* baldes pelo diminuto preco del* adverlindo que vendem-se por
este pre?o por terse comprado urna grande porcao e querer-se acanar.
Massos de superior grampos para cabellos
Dadas de palitos de gaz superiores a. ..
Libras de ara preta muito superior a...
Frascos de superior macaca oleo a ....
Ditos de dito perola a..................
Ditos de oleo de babosa mnito Tinos a 320
rs. e...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida.............................
Ditos de banha muito Tina a............
Ditos de cheiros muito tinos para o preco
a ris.............................
Saboneles de todas as qualidades a 60 rs.
160, e............................
Novellos de linha com 400 jardas a......
Carriteis de linha de cores com 200 jar-
das a.............................
Novellos de linha de gaz de todas as co-
res a .............................
Pecas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a......................
Frascos de superiores cheiros, peqnenos, a
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a ris............................
Varas de bicos francezes, superiores a...
Opiata para denles da melhor que ha a..
Fi ascos de agua para denles, superior a
tudo a............................
Pecas de tranca preta liza muito fina a..
Caixas com 4 papis de agulhas Victoria a
Varas de fita preta com nnlxetes a......
Libras de la sorlida de todas as cores a
Bonecos de choro muito bonitos a......
Caixas de ohreias de massa maito novas a
Varas de franja branca e de cores para
toalhas a..........................
Frascos de oleo Philocome superior a...
Ditos com superior tinta a 320 e.........
Caixas de linha de gaz com 50 novellos a
Bufiadores para espariilho a..........
Duzia* de boloes encarnados para vest-
15.-.00
30
200
100
100
200
300
400
640
600
400
80
60
30
240
200
400
40
15000
1000
60
200
40
65500
160
40
. vestidos, capas, paletots, caigas, etc.,
pelo baratissimo preco de 25, SJOOO, 25500 e 35 o
covado, cassas prelas lisas, dulas pretas largas e
eslreitas, manguitos, colannhos,pnnhos, e enfeiles,
tudo preto proprio para lulo fechado, e muitos ou-
tros artigos que se vendem por precos mais em
conta do que em outra qualquer parle por estar
liquidando ; s na loja do Pavao ra da Impera- Ervdhasem latas, a 040 rs. a lata,
triz n. 60, dejama & Silva. dem seccas a 200 rs a libra.
As percalas do Pavo. Espermacete americano a 10200 a libra.
As mais lindas percalas que tem nodo ao mer- ,. franrPZ a kaq rs n masso com 6 velas. Vinagre de Lisboa a 10000 e 2 STSSS K'81" fdK & Figos de comadre em *ili..h mudo lindas da
nhas muito miudiohas proprias para vestidos e a 800 rs a caixa.
roupoes de senhoras, meninos e meninas, pelo ba- jVarinlia de trigo a 120 e 140 rs a libra,
ratissimo P^co de 500 rs. o wvado ; garantem-se Farin,,a do Maranhao a 24'- rs. a libra,
as cores por serem do melhor fabricante que as ijjaiOa lita Brande
tem em Pars: isto na loja do Pavo ra da Im- Fumo do Paia a 109 O a I ata 81ranuc.
peratriz n. 60, de Gama & Silva. Fumo americano a 1;>400 a libra.
As chitas do Pavo '#400 e Fumo em macinhos para sigarros
2800 o corte. rs. o maco.
Vendem-se cortes de chita com dez covados prelo ero sacas de PO a 90 libras a
25400, ditos .2500, com 12 covados; sao chitas Genebra de larania 15 O frasco,
loglezas, mas padroes bonitos e tintas seguras ; *"" ,.'V Sn {rwn
assim tem as melhores chitas francezas e de tin- dem de Hollanda a oOO rs. 0 Irasco.
80
600
500
800
60
tas seguras por precos commodos, a saber : 320,
340, 360, 400, 440, 500 rs. o covado : na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Os bordados do Pavo
Vendem-se camisinhas com manguitos e golli-
nhas bordadas, pelo barato prego de 15 e 15280
cada um, manguitos s 500 rs. cada par, ditos
com golinha a 800 rs., golinhas 400 e 480 rs., de
fil 240 rs. cada golinha bordada, romeira de
cassa o de fil muito bem bordadas 25 cada
urna, manguitos que servem para calcinita de me-
ninas 640 rs. cada par, tamisa com manguitos e
golas com a competente grvala de seda, fazenda
fina, pelo barato prego de 35, e multas outras
bordadla que se vendem por precos muito em
conia : s na loja do Pavo ra da Imperatrfz;
n. 60, de Gama & Silva.
As roupas do Pavo
Vende-se panno preto fino muito superior pelo
barato preco de 25, 25500, 35, 35500 e 45, dito
muito lino 55 e 65 o covado, casimira preta de
DIM s largura e muilo fina a 15800, 25 e 25500
a 35 o covado, cortes de casimira de cores a 55,'
55500 e 65, casimiras enastadas de urna s cor
proprias para ralbas, paletots. coletes, capas e para
roupas de meninos a 35500 o covado, isto na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva. _________
Vende-se superior vinho do Pono em caixas de
urna dnzia : em casa de Johnston Pater & C, ra
do A'gario n- 3-________________________
O BALIZA
cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che-
gada ao mercado, em bem acondicionados barris:
no armajem de Manoel Teixeira Bastos, ra do
dos,a"!.T."!,,cr:"rr.r.':..::::*; miSSSTS,*pre* rami*
Vinagre em garrafes por IJCOO com o gar-
rafo.
Vinagre em ancoras para 1 |0OO com a aam i
de 9 caadas.
Vassouras americanas a 640 is. rada ima.
200, Vinho deltordeaux ueste genero iHBta grande
porcao e das qualidades melhores (pie 'un
findo ao nosso mercado em garrafas, em
ancoras, em bar se (pianolas ixpiai He-
demos por procos muito baixos.

3t5oOO
1
DE^ARACAO.
O BALIZA declara pelo presente que
deixa de publicar os precos pelos quaes ven-
de as suas mercadorias por moiivos qpse ao
respeitavel publico pooo intereca. Sene
provisoriamente de base os precos do Pro-
pheta.

4&
OU1IEJ? I^O Dito
O BALIZA concede plena liberdade aos Jj;-
scus amovis collejas Clarins, Unies, mitra- \
dos e croados, para que possam saltar, ber- f.
rar e tudo mais quanto Ibes aprouver. at
a sua segunda ordem.


Ularlo c Penankiies Sexta elra *H de Outiibr* de tlO.
PAl]R084BRILH\NTE.
N. 84. Largo da Santa Cruz. N. 84.
Francisco Jos Fernandas Pires, tem a honra de Misar a aja nomerosa fregueita-
e com especialidad* aos moradores do bairro da Boa-Vista e 9eus arrebaldes, que fez
iiov.i reforma em seu asseiado estabelecimento de molhados Innominado Aurora anian-
te, ao larjro da Santa Cruz, e com esta reforma supino" de novo o sea armazcnv de bom
seeros, sendo minios delles mandados vir de sua propria eonta, para melhor servir
quelle; que se dignaren comprar ou mandar comprar em sea estabelecimento.
No armazem da Aurora Brilhante encontrar sempre o respeilavel publico un
lindo e novo sortlmento dos melhores gneros que tem rindo ao nosso mercado, e sem-
pre por precos minio razoaveis, como se v daseguinte tabella que ser mudada se-
nianalmente.
NEM COROAS.NEM MITRAS
i
NOVA EXPOSIQftO DE GNEROS
NO
ARMAZEM
GRAUlE ARMAKEff
Ma^a brancas

A Aurora Brilhante recebe as libras sterliuas por 95, sendo para compra, e faz o
por rento de abatimento a quem comprar de 1005 para cima.
Presuutos de fiambre muito novo, a libra a
800 rs.
Ditos para panella, a 560 rs.
Queijos lundrinos muito superiores, a libra
cjjly Ditos do reiuo vindo neste vapor a 2600.
(I'-> Ditos do vapor passado a 25 e 25100.
gjL Queijos de qualha novos, a libra a 560.
ts Frascos grandes com amehas a 35000,
P Latas com 1|2 libras a 15200
.jl Ditas com 3 e 6 libras a -'-3300 e 45.
.'.ftp Chocolate francezmuito superior, a libra
i 15120
j3L Cha lino de primetra qualidtde, a libra
& 2-3700.
W Dito uxim a 25700,
A. Dno hysson a 25700 e 25800.
B Dito penla a 25800.
l) tino em caixinhas de 1 e 2 libras a 25000.
Dito preto a2ge25500.
Manteiga ingleza flor a 15200.
Dita inais abanta a 800 rs.
- > Ditaem barril propria para negocio, a libra
& a 600 rs.
(j Wtt para tempero a 400 rs.
? i Latas coni 2 libras de banha refinada, a libra
gUB a 100 rs.
*2 Hanteiga franceza nova, a libraa 640.
. Dita em barra e inoios ditos, a libra a 600.
[. S Touriuho de Lisboa a 95500 a arroba e a 320
,jQ re. a 11 lira.
Lata com bolachinha- de soda de o libras a
5000.
Ditas com bUcoitos e bolachinhas sorlidas
a 15300. /
Ditas inlezas novas, a libra a 240 rs.
Arroz do Maranho, aarroba 25100 e a li-
bra a 80 e 100 rs.
Dito ila India a arroba 25800 e a libraa 100
e 120 rs.
Caf muito superior de primeira qualidade
a 85500, 95 e 95500 a arroba.
Dito em libra a 280, 320 e 360 rs
Vinbos em caica de 12 garrafas, o melhor
possivel a 185 e 205
Dito mais baixo a 05, 125 e 14$.
Dito Pigneira, o rnais superior pos-dvel, a
.niada a 45300 o a gnala a 640 rs.
Dito mais baixo a 45 a ranada e a 560 rs. a
garrafa.
Pito de Li.-boa, boa mirra, a 400 500 rs.
a garrafa.
Dito Brdeos ; BW rs. a garrafa.
Dito em caixa, das m-lhoros marcas, a 75 o
8 3000.
Sorreja, marca t< nenie, em botijas a 7 e 85
a duzia
!

Charutos finos do autor Jos Furtado de Ci-
mas, ha por muitos precos.
Ditos de outros aulorss a 15500. 25 e 25500.
Gigos de batatas novas com 1 arroba a 15-
Passas novas, a libra a500 rs.
Figos novos a 320 rs.
Latas de ervilhas e favas portuguozas j pre-
paradas a 720 rs.
Ditas com ostras, excellente petisco.a 610 rs.
Latas depeixe ensopado em postas, de militas
qualidades, a 15.
Potes de vidro cun sal refiaado a 500 e 640
ris.
Marrasquino da melhor qnalidode, a* 85 o
125 duzia.
Garrafas de dito a 80o c 15200.
Amendoas c >nf it i la- a libra a 800 rs.
Dita com casca a libra a 320 rs.
Nozes, a libra 160 rs.
aturo, al lista, a arroba 45 o libra a 160 rs.
Grao de hico, a arroba 45 e libra a 160 rs.
Vinho de caj preparado em Sobral a 800 a-
garrafa.
Cognac superior a garrafa a 15000, 15200 e
15600.
Champague boa a duzia 205,e a garrafa a 25
Garrafdes com genebra hainnurgueza a 65-
Vinho branco Xerez a garrafa a 15-
Dito Joao de Brilo, puro, a garrafa a 640 rs.
Dito adocicado a 560 rs.
Dito do Porto, fino, a garrafa a 800 e 15
Xarope de grozeis c outras fruclas a 610 rs.
Massas para sopa, amarella, a libra a 480 rs.
Dita branca a 320 rs.
Dita estrelinha, pevide e rodinbas a 640 rs.
Caixinha com 8 libras de dita a 35500.
Sebolas solas grandes, o cent) a 15-
Ditas grandes em resteas a 15280.
Duzias de cartas francezas finas a 25500, 35
e 35500.
Duzias de latas de graxa nova a 900 rs.
Bunhoes de dita a 280 rs.
Marmelada nova a 600 e 720 rs.
Carne do scrtao a lihra a 320 rs
Chouricas a libra a 610 rs.
Saceos "grandes com farinha a 55-
Ditos com imlhoo 35300.
Ervilhas seccas a libra a 160 rs.
Lentilhas para sopa a libra a 200 rs.
Sevadinba de Franca a libra 200 rs,
Sag a I i ira a 100 rs.
Aramia renta Ierra a libra 480 rs.
Goinma de engommar a arroba a 15 e em
libra a 160 rs.
Sabio espanhol libraa 400 rs.
Latas com o verdadeiro gaz liquido cora 27
garrafaa a 12.
RA DO MPERADOR \. 40
JhiiIo ao s-biaiio em qie Hora e Sr. 0-be roe,
lluartc Almelda A c\. reeeberam de sua propria eneommen-
da o mala lindo e variado sortimento de niolhados, proprio
da presente estaeo.
Manteiga ingleza
da safra novavinda no ullimo vapor a l.ooo
rs. a libra eem barril a 8oo rs.
Manteiga franceza
da safra nova a 60o rs. alifara, e em barril
a 560 rs;
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra".
wam
era frascos de vidro com 3 libras liquido a
2#400, muito propios para mimos.
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada ura.
PRINCIPAL
DE
iv. 9 ra no <:kjesio x. 9
Esquma qac volla para a roa da laperaiwr
provavel que nao seja bem aceita a verJade, quando a boa t de todns anda
Iludida por esta epidemia de nauzealicos annuncios de cornetas, tambores, coras. Mi-
tras, etc., que todo o dia enebem as paginas deste jornal.
AEiEHTA
Os anruncantes nao tem em vista seniro garantirem ao mpetavel pul uro a
para sopa a melhor que se pode desejar, \jo aimumuniur^ uau icm na noia m>uau k.iifiniiirm au rr/sp
macarro, talharim e aleiria a 400 rs. sua palavra d honra, vendendo cora o lucro suficiente para suas saMMeacas e n> p
libra e 4)5500 a CaiXa. scunlirom fn'tnnoc o t,* .. MU A* ISm ^ w.. s.-_.:._... .
latas
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
klfBi de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2800 a caada.
Idena do Porto
generosos engarrafado das melhores fabri-.
cantes da cidade do Porto a i& e 1)51200 dem de casca molo a 3o rs. a
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a lo:i()0.
Chocolates
de todas as qualidades a liJOOO a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos reinos para 500 rs.
Queijos flamencos
chegados neste ultimo vapor a #6oo.
tueijos
. chegados no ultimo vapor a 25600 cada um.
tneijo
I londrino o mais fresco que se pod esperar
e de excellante maree a 800 rs.- a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
, as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente donradas,
proprias para mimos a 900 e 1#200.
Chl uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
a garrafa e de 10# a t 5 a caixa, as mar-
cas sao as seguintes: Charaisso & Filho,
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Dnuro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banha a 43000.
Bolachnha ingleza
*1 venden- 24000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a lft'*' .al bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 4500 a 0500 a duzia.
C-ARTOS
Charutos Thom Pinto,. Res e outros em
metas caixinhas a 1^500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 2$500 a 3-5000 a ar-
roba desses que venden por 30400.
CAF
de i.1 e 2.a serte do Uto de Janeiro a 85f
e 80SOO a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Carra fes
assentarem fortunas a for^a da regra de liga como outros annunciantes desle genero
PARA T4MION
No armazem principal vende-se a todos pelos precos marcados na se-njiai* ta-
bella1, mas n5o se vende por todo o preco fazendo-se peso de arroba beapanljoTa, aarao-
te-se as qualidades dos gneros trocando-se todo aquelle que nao seja do amil
comprador.
Amendoas confeitadas d diversas cores a Lentilhas muito novas excellente !'uneoa-
64o rs. a libra. ra sopa a 2oo rs. a libra.
dem de casca dura a' 24o rs. a libra. Licores francezes de todas as qualidades d
libra. 7oo e 9oo rs. a garrafa.
Ametxas francezas em catxmhas com lindas Manteiga ingleza perfeitamente Oor >8oo h
estampas, a I,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 '/* libra a l.Ioo rs.
Arroz do Maranho e da India o melhor que
ha neste genero de 8o a loo rs, a libra, e
de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,8oo rS. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs>a garrafa e io,ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
libra.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs, a anco-
reta.
Alpista limpo a 14ors. a libra, e 4,4oo rs. a
arroba.
a libra, desnessesario mais elogio ne*.
te genero que s se pode verificar con a
vista,
dem franceza a 56o rs. a libra, e eai barril
ou meios a 5oo rs.
Marmelladado I." fabricante de Lisboa a**
rs. a libra, ha latas de I. I / e l.rras.
Maca de tomate em latas de urna e deas li-
bras, a 6oo rs. a libra,
dem para sopa estrellinha, pevide. rodinfca,
etc. a 3,5oo rs. a caixa e 56o rs a lil*a!
Macarro, talharim e aletria a 4oo rs. a li^
bra.
Mostarda franceza preparada a 4ix> rs. o fras-
co.
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garrafinhas com roiba do
vidro a 64o rs. cada urna.
rs.
com 4 l'i garrafas com vinagre a i 0000 fM
ogarrafo.
qualquer nao pode vender por menos de! ,. genebra de laranja
30 a 20600 verdadetra
a 10000 o frasco," e de 110000
a caixa.
DEM
Dita it (X-r. r.!o> marcas a 50!) r<. a garra-IGarrafas com dito a 500 rs.
fi i; 5.s00 a tliiiia. Saceos grandos rom foijao niaiatinln com 2i
i", ioftbra ilo laraoja verdadeira -i 15 a 1-3200 cuias por 05.
o frasco. Copos e calix lapidados para vinhn e auna.
Dita d. II llanda em fraicos grandes a 15 el Latas minio bum enfetadas com llgos novos
pe uenos a 40 rs. a 25, 15500 o 55.
Hila verdadeira doH' I i bra a 200 rs.
d' tieso branca o azul, a
Idear pe rola
especial qualidade a 25700 rs. a libra
dem hysson
o mais aromtico que tem viudo ao nosso
mercado a 25600.
Massas amarellas
para sopa, macarro, talharim e aJetria a
480 rs. a libra.
CC2V4C \
o muito afamado cognac Pal Brandy ai| ,8oo
rs. a (carrafa e *te outras muitas r. .da- finos de todas as qualidades. a lo.ooo acaxa
i 2 frascos.
GENEURA
de Hollanda verdadeira en frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato Marraschino verdadeiro de Zara a l,oo r:
Antonio de diversas qualidades, em latas a garrafa, e lo.ooo rs. a duzia.
de 6 e de 3 libras a 3,ooo e l,5oo rs. a Nozes muito novas a 16o rs a libra
lata, e 64o rs. a libra. Ostras preparadas em latas a tm r<" a lefs
dem ingleza em latas de 2 ede4 libras {Presunto para fiambre inglez Tuilsdrirn.pl
rantindo-se a qualidade. a it) rs a I-iir.
Passas novas de ramada a loe is. a lil ra. r
6,5oo rs. a caixa.
Peixe em latas hermticamente fe. bada:, das
seguintes qualidades, Mfcd, corvina, jro-
rz, cavallinha c pescada a l.ooo rs la-
ta.
o na-
das melhores marcas a l,3oo e 2,2oo
a lata.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
Batatas em caixas de 2 e de 4 arrobas a
I,loo rs. a arroba.
Champagne das melhores marcas a 2o.ooo
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs. Palitos para dentes fichadas a 1 io r<
as meias garrafas. co de 20 macinlios.
Cha uxim o melhor possivel a 2,7oors. a li- dem do gaz a 2oo rs. a duzia. e 2.loo rs.
em frasqueiras de Hollanda a 56800 com -,*? ... a groza.
12 frascos. dem perola qualidade especial a 2,7oo rs. painco muito novo a 16o rs. a libra, e 4.r
Licoiv< ii; is i!.'varias qualidades a 800, 15
' 15500.
Catxas do vinho moscatel a 105, e a garrafa
a 5080.
roba a 03300 e s
Papel paula lo liso
rfsma a 25500 e 45500.
Vinho liadoira7$eeco, a 15600.
Ditas cora azeite refinados 105 e a garrafajOnto de csiyita.s de tranca a 205
a 150OO. IBarris confanitoaas novas a 1J80.
flonscrvas iusloza-e francezas d popinos.'Duas bataneas grandes de Romio cornos
>f bolas, azeitonas e mlside a 600, "00 e pesos de '21 arrobas, ealguns bracos pe.-
8'! i rs. u frasco grande.
aixas.com frascos de mostarda franceza
W.i duzia, e HtiO rs. o frasco,
-
qnenos do mesmo autor.
Urna grande quanlidade de caixdes vastos de
lodos os lmannos d- 120 a 500 cada um.
E MUITOS OUTROS CUNEROS QUE TORNARA EVKADONI10 MENCINALOS.
TUDO DE PRIMEIRA QUALIDADE.

>^flfra^
des a l.ooo e 800 rs. a garrafa. ^ 1
COPOM /
lapidados para agaa a 4,5oo e 5,ooo 'rs. a
du/.ia, e a 440 e 500 rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,000 a resma do me-
lhor.
Papel de botica
j de excellente qualidade a 2#200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulho de l.iuo a 2,2oo
rs. a resma.
Coriutliias
RA DO QUEIMADO NUMERO 11
Loja de fazendas d- Augusto Fredericn dos Santos Porto
Ch i garam este estabelecimento ricas colchas de seda para camas do neivos.
Mon-aniique e sedas adamascadas para vestidos de noivas.
Entalles de cores o capellas brancas.
Superiores cortes deorgandys gostos os mais modernos.
Bonitos corles de chaly com barras compridas a 20^.
Cortes de laa de barras de 105 a 185.
Jsteiras superiores para sala com 4, 5 e 6 palmos de largura.
Casimiras de cores para capas de sonhors, e roupas do homem.
Cortes de uperiores casimiras para costumes completos.
Grosdenai.ie branco,azul, cr de rosa, preto, cor de caf etc.
Chapeos dr paiha de Italia para senhoras.
Pannos fin o superiores casimiras pretas.
Finissima^ percalas, cambraias de cor, ditas brancas.
Tapetes gr indea para sof, baloes de arcos brancos e de cores.
Malas para viagem, superior silistrina prota, bombasina preta.
Cantao. merino de cordao, princei.-is, lencos de cambraia, de linho, silesias, bretanhas e ou-
Iras militas fazendas que se vendem por commodos precos.
SORTIMENTO PARA A FESTA
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-;
iam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Prezunto
a libra.
| dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2,ooo, 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2 a 8 libras, a !,3oo
rs. a libra.
dem preto homeopathico 2,ooo rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a 0,ooo rs. a du-
zia, e 5fio rs. a garrafa.
Chocolate francez, suisso e hespanhol a
l.ooo, l,2ooc 1.4oo rs.a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Furta-
do de Simas e outros da Babia como se-
jam Regala, Trovadores, Guanabaras, De-
licias e Suspiros, a l,6oo, 2,ooo,3,ooo e
4,ooo rs. a caixa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco.
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs. STEZ^TSm v
i:h l dem franceza surtidas ou de urna so quali-
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra i
de 3.000, a 3,ioo rs. a arroba.
VELAS
i de espermaeete de diversas marcas a S60 rs
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
5oo rs.
passas corinthias muito novas proprias para ELA
oodim a 8oo rs a lihra !Je carn;uba em caixas de arroba a9,3oo b
podim a 8oo rs. a libra.
Fume
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oo rs. a libra
Vinagre
PRRem ancoretasde 9 caadas a lo.ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 110 rs. a libra,
e 4#400 a arroba.
caixa c 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a o-$ a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas tnnito novas
em quartos e inteiros a 23 o quarto e 6JB0O
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocoiate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginjae
outros muitos a 610 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
a 600 e 13 o caixe.
r GS&ns;
23Largo do Terco23.
Josquim Simo dos Santos, dono deste armazem de molhados avisa aos amigos do bora e ba-
i alo que se venbam sorlir dos bons gneros oste estabelecimento que nao se arrependerao sa Ihe
far a Ulferenga de 10 a 20 por cento, pelo sen prumpto pagamento ; e por Isso se faz annncio de
dguns gneros, que tend sempre este estabelecimeulo nm grande e vantajoso sortimento de ludo
guamo perteocente a este estabelecimento.
Sentida! Yon fallar com e Censervali !!
Queijos mais novos do mercado a 2,2500 e 2500.
Serveja das melhores marcas, tanto branca cmo
preta a 600 rs. a garrafa e a duzia a 3^800.
Sabio amarello massa a. 180,200 e 240 rs. a libra.
Charutos da Babia dos melhores fabricantes de
14*00, 2uix), 2^500 e 3 a caixa.
M Vinho de Figueira verdadeiro a 500 rs. a garrafa,
dem de Lisboa das melhores marcas a 400 a dia!
dem do Porto em barril superior pinga a CiO r<
Id'-m branco proprio para missa a 500 rs. a dita
Iwm do Porto engarrafado a 800 e 1,2, lomando
mais de ama caada de qualquer utndestes ter
grande abatimento.
^frnservas inglezas e portugnezas a >00 e 640 rs.
Llscoitos e Ulachas de soda a liOO c ti.
Hassa de tomate a 600 rs. a libra.
G'Hrbrade Ol.iida era fraseos e botijas e de la-
ranja de 480 a fiW e 1*200.
Oiouncas as mais novas a 580 rs. a libra.
Latas cora 1 e mria libra de ameixas a 1200.
Azeite doce Je Lisboa a 440 rs. a garrafa c 35 o
gaio.
S
Manteiga ingleza de 1' e 2* sorle a 800, 900 e 15
a libra.
Mosfranceza em barril a 600 e 640 ris a li-
bra.
Toucinha de Lisboa a 300 rs. a libra 85800 a ar-
roba.
b,-latas em caixas e gigos 15200 e 25000 a ar-
roba.
Cat de primeira e segunda sorle a 250, 28) e 300
rs. a libra.
Arroz da ludia, Maranho e Java a 100 e 80 rs. a
libra.
Phosphros do gaz a 25 a graza c 180 rs. o mago.
Passas novas a 480 rs. a libra.
Velas decarnaia Aracaty compMica* a 400 e 4*0
rs. a libra.
Massas 'para sopa a 480 e 440 rs. a libra.
..farmelbliia dos mr-(horos fabricamos de Lisboa de
1 a 2 libras a 640 rs. a libra.
Cha. hysson o mellior deste genero a 35800 a li-
bra.
dem perola mindioho a 25300, 2500 e 35000 a
libra.
Danha ingleza alva e saperitr a 480 rs. a libr.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
fregiiezes e amigos e ao publico em peral, que para facilitar a commodidade de todos es-
ttpularam os raesmos precos nos seguintes lugares:
(Inio e Gommercio ra do Queimado 7
0 Verdadeira Principal ma do Imperador n. 40
FSMfCTAS
MACA.4. PKB.W E UVAS
chegadas neste ultimo vapor, vende-se nos seguintes lugares: Ra do Imperador n.
40, Verdadeiro Pnncipal-Rua do Queimado n. 7, Uniao e Commercio.
mmmmmmmmmm
GRANDE FABRICA DE CALDEIRARIA
FV%TIM AO DE SI?OS
* DE
VILIACA, IRO & C.
ItU i IlO BRIT M. 40
Chamamos a attencao de todas as irmanda-
des e confrarias para o que abaixo publicumos.
O amor que yotamo arte que professamos e o desejo que temos de eoneojrer com o
nosso fraco contingente, para a ver chocar em nosso pan ao grao de perbir-t que para
^S) desejar, no* imH'io a mandar Europa um dos nossos socios, atlra de particular-
mente estudar a melhor maneira de lm fundir os sinos.
Grandes fortm as difflciildades que tiremos a superar, afim de pedermos conseguir o
nosso desidertum ; porta gracas aosesforcos e bon< offkios de um nosso amigo, o nos-
so socio pode ser admtRido etn urna das molnotes fabricas do Lishoa.
Mailo lucramos e muit) tem a lucrar o publico, por que sera rendo de serrnos con-
testado?, podemos afflrmar, qu os sinos fabricados em nosso estabelecimento em nada
se parece) eom 6* Estamos habilitados a fundir sinos de tol.s os tamarrhos desde 16 libras at 100 ar- |
^ ?-"'.' COm e"'nlem;iS- '""i'')*, etc., conforme a ralada ou gosto do comprador, guar- $
Wl d.nndo m sen fabrico todas as regras d > arte. Pedimos, perianto, era recompensa de
tantos sacrlflciose desperas a-proleccodo publico.
Villana, frmSo & C.
dade de cada frasco a
Cognac inglez e francez a 1,00o rs. a garra-
fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Gominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Gravo da India a 600 rs. a libra.
Cancha a 1,000 rs. a libra.
Copos finos para agua c vinho a 4.800,
5,ooo e o,5oo rs. a duzia, e 5oo rs. cada
um.
Caf do Rio superior 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,000 a 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear a 2(Jo, 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,000 a 8.800 rs. a arroba.
Doce de goiaba a Goo rs. o caixo.
Ervilhas porluguezas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo rs.
cada urna.
Graixa nova a loo rs. a lata, l,loo rs. a
duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras de 12
frascos a 5,8oors., e 56o rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garralao.
dem idem do 3 caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem ingleza em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro, qualidade superior
a l.ooo rs. a parrafa.
dem de laranja verdadeira a 1,000 rs. o fras-
co, e ll.ooo a frasqueiras de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
l,8oors. a garrafa.
2=rS*c:o t rr'->; S^ o o m o
ffi-ilIli-liSl
aJflf.lt* "Sis*" 5ft

!35.s" Ft^*
^0
W*?
o C
O. a O
r-f -* i*. ~
VI f O
1 B> S .
" 3. a? s
i g-o-S*8
3 W H
i. a. m EI
g
CB
- O
e-i 23
fia;
ar*
l S 1
B SS I
18 i'
a 8

i
9
9
S
rs. a arroba.
Queijos flamencos do ultimo vapor.
dem prato nitiilo fresco a 800 rs. 3 libr... 0
sendo inteiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. ra-
da um.
Sardinhas de Lisboa e de. Ifmtm Sfei r,
a meia lata, e 4oo rs o fnarto.
Sap muito novo calvo mRo rs. a lii 1.
Sardmha de Franca a 18o rs. a lilira.
Sevadaa loors. a libra.
Toucinho de Lisboa a 24o o .loor?, a I
Tijolos para limpar facas a 15o rs. rada
Vinho em pipa, Torio, Lisboa e Fifmn i
marcas menos condecidas a 4oo r
rafa, ea 2,8oo rs. a caada.
Mcm Figueiraexpeclmrt.teescnlhi.!.. r-
lugar a 600 rs. a garrafa, e 4.5i ,i
dem Lavrad.o, Colares muito fitara rea
eomposicaoa Coors agauaf.;, | s,, ,-. *
caada.
dem Lisboa em ancoras rom 9 canda 1 --
ca especial a 22,000 rs. a aera.
dem branco uva pura a He rs. a mgnk
e a 4,foo a caada.
dem Porto fino em pipa a 56o rs. a p za-
fa.
dem engarrafados generosos, Lagrima.. :
Douro, Duque do Porto, Lu/ I, D te-
dro V, Nctar, velho secco, Mal/n, .
genuino particular de >!,%! rs.;.. r-
rafa e a 10,000 rs. a caixa com urna 1!
dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a mmiat
ea l2,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a looo rs. a ganafa.
dem Bordeaux dos acreditadas man a St.
Julien St. Esteph, chieau la Ro/.-,. taa
Margoux e outros a 6,000 rs, a caita t :>*>
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a *..
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e I. loe
rs. a caada,
dem em garraloes com 5 garrafas a I .eo. rs.
Vasseuras do Porto com arcos de ferro a :
rs. cada urna,
dem de escovas para lavar casa a 36 rs.
cada urna.
Vellas de espermaceie superiores a 56.. rs.
a libra, e sendo em caixa a 52o r>.
dem a 36o rs. a libra, e lo,5oo 0 I l.ooo rs. a
arroba.
No armazem de fazendas lm*
ratas de Santos Coelho,
Ra doQneimdde II,
tenilc srosc-iilyc :
Attmco II
Ricas laazinhas, fazenda a melbor qu lew. .-
ao ao mercado, tanto em gosto cono em 4iufau_
e, pelo baratissimo preco de 5*0 r*. o rovaA.
Ditas miudinhas carmezins, proprias jora v^-t...
dos de meninas e rarxisinhas a 6iO ir*>.
Cortes de la com 15 corados, pelo barato jrrr
de b\J.
CoberUs de chita da India a USM e 3*.
Lences de panno de linho a 24 e 2.V)0.
Pecas de cambraia de forro roa 8 lit vara* a
3*100.
Toalhas alcoehoadas proprias para mSo 1 K|i
dnda.
Ricos cortes de lia eom barra i Mara fia
JL
Pecas de planillas de algodo mb> 10 varas,
: proprias para saia a ty.
Alendan enfestado com 7 1|S palmes a UIOO rs. a vara.
Esteira da India, propria para farro de tala .V
4, 3, e ti palmos oV largara, por bmbm preco d
: que em esta qualquer parte.
I Neste e.-tabelecimento tambem se eaeosUrsi*
1 osa grande sormtnla de rmm tetaa, 0 par
Ada. ^^


-
.. /
*-
Diarlo 4c PfcraaJBfcne* --- Sexta fexa S de Onluhro de IS4.
AO PUBLICO
fgem o menor consiau-
glmvato se entregar
Importe do genero que
nao agradar.
ATTENQSO
Os nrecos da seguinte
tabella c para todos, pu-
dendo asslni servir de lia-
se para o ajuste de eontas
cona os portadores.
**
RUA DA CA1IEIA 1IO KBIFE I*T. 53.
(lego passando o arco da Conceifii)
Cirande reduelan de preens, equivalente a dez por cento menos to qne ontro qualquer
annunciante.
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o preco da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
amitos objectos, etc., dando com islo ocas5o a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo prego que en vendo I! I Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema que vim encontrar, des se vender com um por cenio a carola, resolv fazer esta giande reducco de precos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uni3o Mercantil nao
se sabia de outro prego de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a l,6oo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da redcelo a que
eslo obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamacao de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
mal informado tiente novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de un estabelecimento desta ordem que o seu fim
tao somonte obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senuoras o aceio que presidio, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromptidao e entei-
reza com pie serilo tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida rae dao a proleccao e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando na"o pocam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco praticos, pois
sero tao bem servidos como se viessem pessoalwente, havendo para com estes toda recomnaendacao, afim de que nao vao em oulra parte.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 8oe rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs, a libra, e em barril eu
me ios a ooo rs.
Cha hyssoirde superior qualidade a 2,6oe rs.
a libra.
dem pe ela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
kletn huxim o mellior que se pode desejar
ueste genero 2,6oe rs.
dem preio omeopathicoporserde superior
quadade a 2,ooo rs. a libra.
Idera hysson, huxim e perola mais proprio
para "negocio o 1,600, 1,800 e 2,000 rs. a
libra, garante-se ser muito reguiar, igual
ao que se vende em oulra parte per 2,4oo
e 2,tioo rs.
Lingmcas, chouricas e paies em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5.5oe rs.
fnr-antetse seren superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e 1,00o e 600 rs. a libra.
Queijos flarnengos milito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a l,6oo e l,8oo rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
dem praio muito fresco a 800 rs. a libra.
I iem do Alentejo o que se pode desejar de
fresca e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas porluguezas em latasj pre-
paradas a 61o rs.
Marmelada.j'TS, bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
unto do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 000 rs. inteiro.
dem inglesas para fiambre cbegado neste
vapor "o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 0,000 e 5,5oo a
duzia,
Caoculate francez. suisso e hespanol a 9oo
l,ooo e l.2oo rs. a libra.
Esjicrniacete em caixinhas contendo 6 libras
por 1,010 rs., arante-se serem transpa-
rent e de superior qualidaoe, lambem tem
12 por libra propria para carro.
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.800
e 8.5oo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do MaranhSo a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem dalndia mdito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Paingo e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de I e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, raacanao e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talberim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse lim.
Estearinas a 5Go rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo eooo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lis'roa de excellente quili-
dade a 4oo e 000 rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para mjssa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueCenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de i duzia de 9,ooo a
lo,ooo rs. ea 9oo e i,000 a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada uina.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melborconserveirode Lis-
boa a 6lo rs.
Polvo em posta sovel. corvina, gors. pesca-f
da, salmao, ostras echernee, vezugo em, Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 800 e l,ooo rs. ca-la urna.! cado a 2.800 rs. a barrica, e 24o rs. a
Vinho [{ordeaux das marcas mais acredita-' libra.
das que tem vindo ao nosso mercado a Bolachinha de soda em latas com diversas
6,eoo, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante-i qualidades a I,3oo rs.
su- de qualidade superior, que outro Bolo francez cm caixinhas muito proprias
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de
qualquer nao pode vender por este prego.
Genebra do llullanda a 56o rs. o frasco, e
5,7oo rs a frasqueira.
luVm do laranja verdadeira de Altona em
frascos grandes a 1 .000 rs. o frasco, e
11,00o rs. a duzia.
carnada a 4oo rs. a
libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
dem do Ilollanda em botijas grandes a 4oo' Bolacbinhasd'agua em ?al da fabrica do'Beato
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditasimperiaes emlatas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por l,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, el,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 00 rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,Doo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a i 60 rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolda do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a i.ooors. e 11,000 a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o mago.
Sal refinado em frasco de vidro com rolba do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a 5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franga mailo nova a2oors.
Charutosde todos os fabricantes da Baha e das
mais acreditadas marcas conhocidas no
r.osso mercado a 2,ooo, 2,5co, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a oaixa de loo cbarulos.
Cognac inglez das melhores marcas a
z^sg Enfeitos para cabera.
Chegaram os lidos enfeiles de cabrea para *-
nhoras, sendo muito imples e de minio gcMo : >
no Vigilante, ra do Cre.-qto 11. 7.
Um Descobrimento Espantoso 1
O Hund Srientifiw uuanimamenle o auprova
Acata ue 1 ecei.ei de sua propria enamiuiua um grauuw e variado sortimento I
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o propietario em
offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos pregos, afianzando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
Amendoas confeitadas de 800 rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitameate flor, a l.eoo
rs, a libra e 800 rs. sendo em barril.
dem franceza a '.6oors. a libra, e 56o rs.
sende em barril.
Cb uxim a 2,Too rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,800 rs. e de 8 libras para
cima a 2.Too,
Licores francezes e portnguezes das seguin- \
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limao, caf, laranja, cidra, gin-
jas canella, cravo, rlela pimenta a 1,00o
rs. a duzia l,ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no mer-
cado.
dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e inteiros a i
desejar a 2,600 e de 8 libras para cima
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2,loo e de 8 libras
para cima a 2,3oors.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8o rs. a lata,
dem proto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,8oo rs.
dem menos superior a esse qne se vende
por, 2 e 2,4oe, a 4,8oo rs. a hbra.
dem mais baixobom para negocio a l,5oo
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos ghegados no ultimo vapor a 2,6oo rs
dem prato mercado a 800 rs. a libra sendo inteiro.
Genebra marca gato a 1,7oo rs. a garrafa.
2,000 rs o quarto, a 6,5oo a caixa e 4oo
rs. a libra,
dem corinthias proprias para podim a 800
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra.
Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra.
Grao debico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 64o rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a l,6oo rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para fiambre inglezcs a 7oo e 800
rs. a-libra.
Chourigas e paios mnito novos a 64o a libra,
(^aixas de traque n. 1 a 8500 cada urna.
Massas nara snna mararran talharim aletria N? ,oja de mmdeZas da rua '"Walr.z n
Massas para sopa macarrao, tainarim aieina rcnde.se mil0 ,nperor nhas d. novrl
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs
e 800 rs. a garrafa,
dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
garrafa.
A Composirio AnarnhRita
Peitoral de kemp.
Por espado de muito tempo so ha ando c.
tensamente cm Tampico para a cura .lo
TSICA pulmonar,
CATARRHO, ASTHMA,
BRORCHITE, TOSSE COPi-il,
cropo 00 camba*,
Inflamma96es da Garganta e do Pcito.
e isto com um rcaultado to feliz c \< n!: rameute assombroso o pao 011 UHfaa 'uii.h
arvore que chamao Anacauiita. i jm
se encontra no Mxico.
A Compos9&o Anacahuita Peito-
ral de Kemp e' um Xarox delicio- iii!. i
ramnte diifercnte na sua compofic;.-7o todos os mais Peitoraes e Expector.ir.;
nufacturados de fructos astringentes, naca
e raizes, &c, o mesmo nao conten iienl.i;, .
Acido Pruttico ou outros (juaes<].;er inj^r,-
dientes venenosos.
Todas as molestias e affeoroes da n
e dos pulmea dcsappareccm como por Mu
mgico encanto, mediante a accao des te a
comparavel c irresUtivel remedio.
venda as boticas de Caors Barbou.
rua da Cruz, e Joo da C. Bravo de C, ra
da Madre de Dos.__________________
Armncfw
Vende-?e a armacao e utenrhs da larwrn- f>
pateo do Terco n. 21, em local wMaJa*t> a : ,1
tem sulao que >ervc para mi>radia, garaom-.-i' ss
chaves cujo aluguel mdico a tratar 1
agente Cordeiro Siinoes rua da Cadefa i R
d. 48.
Muita atiendo.
.1
de n. 16, a 80 ris, e pelo deminulo precc de -,'.')
a caixa a libra de igual sortimento.
1 i j. Vende-se espanadores de i>
Charutos em grande quantidade e de todos os umuohos por prefo commodo :
fabricantes mais a creditados a l,5oo, la Nova n. 34.
2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo re. a caixa,! m
os mais baixos sao dos que por ah se ven-1
dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
ESCRAYOS F6D50S.
1.090 rs. a garrafa.
' b Balachtnha deCraknelem
Doce da casca da goiaba (vea latas de 4 h-j t,rut0 a 4000 rs>
bras por 2,ooo; dito em caixes a 600 rs. i,iem inglezas em barricas ;
cada um.
Farinha de araruta wrdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e 1o,ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a I,ioo o cento ; ditas em
mollios com cento etantas por l,2oo rs.
Matte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
tolas .".< qind'i!..--
na rua b ? .
Biscoites em latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Crakntl, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine eoutras mul-
tas a l,3oo e l,4oors.
Fumo americano em chapa a 1,600 rs, a Caf e premeira qualidade a 8.3oo e 9,ooo Fugiona tarde do da 16 do joBm
libra. rs. a arroba e 28o a 22o rs. a libra. escravo pardo, de nome Mar.-..?. d..-.-w jr.;,
Araruta de todas as qualidades. Idem de seganda qualidade a 8)2oo rs. a ar- gj SJSS.'SS ST '
Batatas novas era ca.xasde 2 arrobas a 9 a: roba e 26o rs. a iibra. SSSSmTTJBStSK S i! M
rs-a Arroz do Maranhao a 12ors. a libra,"3,ooo rs.pouca harha, cabello erespo, Iwoh
latas de 5 libras
nova do
mercado a 3,5oo rs, a barrica e 24o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 800 rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Papel de botica de excellente qualidade a
Sloors. a resma.
Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
frescas a Bicos frascos com frutas francezas em calda
a melhor que se pode desrjar de l,4oo a
3,ooo o frasco.

AGENCIA
Di
!SH6QL0W-iQffiCE.E
Rua da Senulla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
tira completo sortimento de moendas e meiai
moeedas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos o
tamanhos para ditos.
- Arados americanos e machinas par*
lavar roupa: em casa de S. P. Johnston c C,
rua da Senzalla Nova n. 42.
Empreza de illuminacao
gaz.
Todas as vendas de apparelhos e reclamacoes
(por escripto dando o nome, morada, data, etc.),
devem ser leitas no armazem da ruado Imperador
n. 41. Os machinistas mandados para attender a
estas, apresentaro um livro que os reclamantes
devero assignar logo depois de prompto o ser vico
reclamado; isto para que a empreza lique sciente Te|( a Agua florida entrettm a limpeza da cabeca
de haverem os mesmos senhores sido devidamenle ; detroe as caspas e impede os cabellos de cabir
attendidos. oleo de Florida
Composto de substancias vegetaes exticas, elle
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a cor natural
dos cabellos.
A agua florida nao urna tintura, facto essen-
cial a contestar, a mesma agua dando a rr primi-
tiva ao cabello. Composta de plantas exticas e
de substancias inoflensivas, ella tem a propriedade
de restituir aos cabellos o principio coraBte que el-
les tem perdido. D'uma salubridade incontesta-
Viuho do Porto superior
dm oaixas de urna e duas duzias : tem para ven-
eer Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu
escriptorio rua da Cruz n. i.
Fabrica Conceigao da i
Bahia.
y-.
w
Andrade A Reg, recebem constante-
mente e tem venda no sea armazem n.
34 da rua do imperador, algodao d'aqael-
la fabrica, proprio para saceos de assn-
% car, emhalar algodao em pluma etc., etc.,
ielo prec,o mais razoavel.
Peciiincha.
Chapeos de eastor preto a
HsOtO ris
na rua do Queimado n. 43, para acabar, grosdo-
aple de cor para vestido de senhoras e meninas
a 1^00 c 1,5280 ; na rua do Queiraade, esquina
que volta para a Cougregaco,_______________
O ahauo assignado veade o sitio que tem no
I logar da Torre por commodo preco, o qual offe-
rece eommodidade para se morare passar a festa.e
110 caso de Do apparecer comprador, iamhem se
alnga o referido sitio. Urna das vanlagens que
tem ter o banho a porta, e ter porto franco para
embarque e desembarque ; a tratar com o mesmo
abaixo a.-signado, na do Imperador n. 12. Jos
Mariano de Albuquerqne.
ATTENQUO. "
, Yende-.se a taberna da rua da Imperatriz n. 34,
urna das melhores da rua, a qual vende um dia-
rio eerto, e tem commodos independentes para fa
constile poderosamente, com a Agua Florida, a
torca, a beil za e a conservacao dos cabellos.
Em Paris, rasa de Quislaur n. 12, rua de Riche-
lieu, e 21, boulevard Montmartre.
Todos os frascos, nao tendo intacto e claro, o
timbre prateado da casa, sao reputados falsos.
Deposite, rua do Imperador, pbarmacia n. 38.
Balaios para meninas
Liados balaios de varins gostos para meninas
trazerem no braco : s se encontra na loja do Bei-
ja-Flor, rua do (jueimado n. 63 e 69. ff
Extratos e sabo em eai-
xinhas
Lindas caixinhas com um car tao com a familia
imperial, e dentro de cada caixa um frasco ou sa-
bao o mais fino qne passivel: na loja do Beija-
Flor roa do Queimado n. 63 e 69.
Machinas de vapor epa-
radescarocar algodao.
Moendas e meias moendas.
Rua da Senzalla o. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston & C,
sellins e silhOes inglezes, candieiros e casti- milla na mesraa se troca um oratorio com qoatro
eaesbronzeados, lonas inglezas, fio de vela, gg : os pretendentes la acharao com quem
chicotes para carros e montana, arreios para "J.1"^-^- ^ moiatinha de 13 T taos,
earros de uro e dons cavarlos, e refugios de de b0H{a1nJ"ura"m,to prepria para mucamba : a 1 TfliYflS fft tPTTO batido POfl-
OUro patente inglez.__________ j traur no pateo do Terco n. 2, sobrada_______1 ittlAa3 U l^\ u "uuuv) wu
doe de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e
de earroQa com mangas e
eixos de patente.
RuadoBrumn. 38,fundi-
;Co do Bowman.
A lea Ir a o
Vende-se barris com alcatrao, na rua
n. 23, primeiro andar, escriptorio
Almi'ida Gomes.
de
da Cruz
Antonio de
P0T4SS4
Vende-se potassa em barris a commedo preco o
na rua da Cruz n. 23, primeiro andar, eseriptoh:
de Antouio de Alineida Gome*.
Ainda est para ser vendido o sitio da tra-
| vessa dos Remedios, na freguezia des Afogados n.
21, no estado em que se acha : quem o pretender,
entenda-se com o seu proprietano Caetano Pinto
de Veras, na rua de S. Francisco, sobrado n. 10,
como quem_vai para a ruajejta.____________
__ Vende-se um coraomeiro martimo inglez do
; melhor fabricante Charly Frodshan, afflancando o
seu regulamento, por diminuto p-eco : a tratar
na rua Nova o. 21, loja de Francisco Jos Ger-
6 ano.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecepo, pinja e outros muitos a 12o rs. a
lata de 2 1)2 libras.
FoijSo verde em bages em latas a 64o rs. a
lata.
Nozes mnito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 600 rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca, Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a 10,000 e
l,ooo rs. agarrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,000 a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oo rs.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,800 a caada
e 5oo rs, a garrafa.
(dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caaada.
Especial vinho Lavradio sera a mais pequea
composico a 560 a garrafa e 4,000 rs. a
caada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a l,ooo rs. cada urna.
Ricos livros com figos l.ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafoes com 4 V garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafao.
dem com 4 /i ditas de venagre a 1,00o rs. o
garrafao.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,000 rs. com a ancoreta
dem em pipa puro sem o batismn a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas eom 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
dean?; fazenda muito especial a 6,8eo rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
pooca raro*, caen o crespo, wm
a arroba ; caiga de algodosinho de rtanulo nal < .
,, __ 1 j. __ .. ; o n rF peo de palha, tendo levado eoan*MO i, .
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a ,om Ins roupS) e rt.ndid d(, |inii ^ ,
arroba, e loo rs. a libra. quem o appreender queira leva-lo a roa ....
dem mais baixo redondo a 2,600 rs. a libra, de Deas n. 38, ou rua do raa '>'>, -
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro- recompensado._____________________
ba, e 80 rs. a libra. 100$ de gratifiVf.
tt 11 1 u ,i i..,... .nkv. ,, A quem capturar o escravo pani di- MR
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar- bera {a^ ,,m |fi de outulil^ (.,, hii ,:
roba, e 36o rs. a libra. : tatura regular porm largo dos lou.li.o. mthit
dem de sebo muito dura fingindoesparmace-, de 20 annos, cor aiaranjada, n.st....: ..
te 3Ho rs a libra. cas ^e esP'n,,as e bexigas, falla pooca trw,tf m
. 1 j ~ .'. ,.,. ia .,_,'pequeo snlaque de gaguez, fa!t.un-li .-..- .
dem de esparmacete a 56o rs. a libra, e em d(,les da frci;, e a r%e?a' lllllia uiot i.....,
caixa a 52o rs. COm 25 libras. est com os cabellos principiando a cu.-.-.
Papel 0 melhor que se pode desejar para OS logo cima da testa na cabeca urna cicatriz ..
Srs. empreados pblicos a 5,ooo rs. a res- Airiou 5 J^8^ da fuP'd;' "> PMrta ? -
.. ^ b v -?>!. 1 quena dedous canos, um paleto! prem e .
ma, ja se vendeu por 7.000 rs. tres ditas de brim de cores, omisM liu ,
IdemalmaQopautadoelisoa3,ooors.aresma. Hma botSesde coral nos pmbm in i .
e USO a 2,5O rs. a branca fingindo brilhante na abertura, um.i m- .
j de facto, um chapeo de sol de seda cor de fafc.
r c _. : um par de botinas, um palelol de hrirn d<
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,oo rs. dp fl'la bran(.a B Bm cnapl) de p3!a tU, H ;
a resma. I alm da pona delle. Este escravo veio do Ha t
Janeiro em 14 do correnie, onde se tetmnttm m
dem embrulho de l,2oo a l,4oo rs. a resma. nome de Harcotioo, muiufujau e co>tt,;.. q
Ameixas francezas em latas de 1 *% libra a do foge iotituiar-se livie, pertenceu ao naj
1 2oo e 800 rs a libra Francisco do Reg Maia de Apipan, r boy .1
dem 6m frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o; fjg lymP Qt'*3 '""^
frasco valle l.ooo rs. tambera temos em, 30* de mSmjST
dem de peso pautada
resma.
,. 1
A quem capturar o e>cravo crlonlo de nome Vi
zilio, fugio em 24 de oumbro corrente, de darte M
annos, estatura regular, cor fula, tem urna I
gano queizo, tem falta de denles, p apalheta-' .
pisa as pomas do ps por causa de ter calos -
calc.anhares, levou ve>tido calca de brim Irinr*.
camisa de algodao branco. chapeo do Chile arada,
e usa de alpargatas : quem o pegar leve a rm Pi-
reita n. 30.
frascos para 1,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova
2oo rs.
Molhos inglezes a 800 e l.ooo rs. o frasee.
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a 7,ooo rs.
duziae 600 rs. a garrafa. ~ Baartaa* erirata, cor fbia, alia, era, tm -.
dem de OUtraS marcas preta 6 branca a 5f)00 cara descarnada, vicio de tomar tabaco, rada
e 6,000 rs. a duzia e 5oo rs.a garrafa.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l,ooo rs. o molho e
800 rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafoes de 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs. o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a hbra e
lo.ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixes em latas al,000 rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,ooe rs.
Doce da casca da goiaba a 600 e l,ooo rs. o
caixao.
O proprietario do grande armazem Unio e CommerGio declara aos seos fregue
zes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos estipulou
os mesmos precos nos seguintes lugares:
Unto e Commercio rua do Queimado n. 7.
O Verdadeiro Principal rua do Imperador n. 40.
vestido de algodao de listra e de chita rae < .
cabocla, chale de ganga encarnada de pama< .i;;
relias, fallante, e representa ter menos de 3 ;ui
nos, quando a sua idade de 3G, fugio no .lia I
do cjrrente mez-: roga-se, poi lauto, a- Mh
des policiaes e capitaes de campo que a aran
dam e facarn conduzir a seu senhor no orejo a
Madre de Dos, no sitio denominado Coelhn. nv.
na vlla, e ser entregue ao capilao GeminUuo i
Reg Maciel, que serao generosamente rtei mp. n-
sadts ; e na praca de Pernambuco ao? Srs. Maju-
Ihaes da Silva lrmaos.______________________
Fugio d. engenh Para no da 9 o crranle
com direccio a esta praea, onde pernoiton aquella
noite o escravo Caetano, cabra, de idad- 30 si ra
penco mais ou menos, nao obstante ja ter alpra
cabellos brancos, pouca u nenhuma barra, \;
tas grandes e arrebitadas, estatura mediana | -
as linas, ps apalhetados, andar corcovado. raM
bem cicatrizadas de chicote, muito ladin i re-
Ihaco : giatifica-^e a quem agarrar e leva-I i
mesmo engenho ou entrgalo nesta praca na na
Nova de Sania Rita n. 7, aos Srs. Siqueira Arairtof.
Fugio no dia 22 de setembro ultimo d<> en-c-
nho Santos Mendes, na enmarca de KatarrnV >
crionlo Antao, baixo, groso. bem rala, i V
grandes, com 22 annos de idara, o qual serlei.r:-u
ao casal do finado Fortunato Philadeli>h Can
Pessoa, morador que foi no engenho Alboqin r...,
e foi arrematado pelo annunciante em praca i u-
Mica do juizo de orphaos da comarca n Sz.<
relh. Esse escravo rarteaceu ouir'ora a>s Sr.-.
Gouva que o venrteram ao dito Fortunato. Presume se ter
sido elle seduzdo por alguem ; e por i>so o M-
nunciante protesta proceder criminalmenlc n
quem o asylar e haver dias de servig... Qotm
prehender o rpfendo escravo e apreseniar rato-
genho Santos Mundes ao annunciante, cu na <<: -
de do Recite aos Srs. Manoel fgnac o de Oliveira A
Ftlho, que ser generosamente recompensad.'.
MUTILAD
I


!
8

Dlrle> 4c PerauakMM ... Sexta felra M 4c Ou tabre de !.
\
\

{
_ UHfRATDRA.
Considcracdcs pnilosopliiras sobre as
l)ellas-ares eotp es antigos.
Esludo primeiro.
ngem das bellas arles.A esculptara parece ter
sido a mais amiga .las artes do desenlio. Or-
8m eommura das arte* e da religio, e separa-
cao deslas. A archit.-ctura domina tudas asar-
i guerreiro nao digna de receber urna diviadade. o da evnlomr ,Mh.
, Construa-se noi bu. aii .,.. escuiptura se reconhece no dolo, em-
1 con,Zr, P k P ,Um abng0, COm S6 (>u,nt da ,ena improvisada ou das cavernas aue
a morada do hornera foi construida de tela oa obra do imitado ou de imagnagao nicos ele-
ida roadoira : o templo ha de ser de pedra. O lee- mPn,os caPas de produzir urna realisaco artis-
to, a Bomba do qual vivera a mulher e os lhos, t,ca-
ssstt-zsizzzou nas',A ,enda>ou primeira *+ h~-s-;
. esees pilares de made.ra se- plesmente mn abrigo, o resultado de ura fado or-'
tfangeira, ama aboligo completa das antigs tra-
diges,
(Conttnuar-se-ha.)
Deseobertas archeologicas do nosso scalo.
SEU ALCANCE HISTRICO.
IMPORTANCIA DA SCIENCIA QUE AS ESTUDA.
Sm-^7SS ^*ttZ:ZSZ STSS^tST^^S^^^1^^ m^SSTSSL esematule.a
deiteocrtica, no Enplo come na India -Este- cora uraa certa nronorco O hrnLL ^ Z t Z, ethnot?"pho3 cons.deram como da historia e dos textos, a sciencia das an.igmda-"
riliaadedaarte.heo1cMi.-Aos.....plora assyria laminas, subir ^s'taM? \ 2 T" m,S U me0M ca">risada da dea ajunta os restos mutilados dos edificios de
- obra de urna iotelli- Curco e de Cultanacan, observa os templos, as lor-
ia o comego de urna tificacoes, aqueductos, pyramides e tmulos, muda
Diramos que nossa nica ambgo, publicando
este pequeo livro, de servir a nossa patria ,
se esta usada phrase j nao parecesse banal ; e
quanto ao que nos toca individualmente, Acaremos
satisfeitos, se nao formos comparados a essas abe-
lhas esteris de que falla am philosopho allemao,
que accumulam a cera, mas que nao produzem
mel.
(Continuar-se-ha.)
w iiieuvnuica, n(. Egvplo como na India -Este- com uraa certa nronnrr-n ntim r*a.iA .. !
rilidade da arte pi,e..m.-A esc..i,.tura assvria laminas safa riioTr? C ,bronze' reduzido a uma e"tensao mais ou raen
jos monumentos da IVrsia. Extravagancia e ,,..,.'',,"" mais larde as Malhas ou as vestimenta; o idoio, porm,
lepravacio dos costuraos; soa miageiu nas bel- BT*,WMeia8 obrera as construeges. Os or- gencia superior que annunci
lasar,es- -. M J"reveslir0 as l'"^" na sua nudez priraili- vida intellectua, o germen
S* turne ------ < oua uuue primiu-
& turne iluqurte est la eroyanee, va. c">o as foll.as revestem os cainoos : e as c-
"te""m quel mJKL) r v,,r* e""i'"'aniniara -da ^ 2.
tenor do templo.
de urna obra darte, os baixos relevos, as estatuas, as medalhas, os ins-.
UI POUCO DE TEDO.
Da Estrella (lo Norte transcreveraos
SIMPLES DIALOGO.
Nao ha muito um certo personagem, incredulj,
. ._ ,. -------------' : ii.io ua iiiuiio um ceno iiersonapem, increnu ,
Ass.m, po.s, podemos definir urna obra d'arte, *" eagriculturaealarma que ospovosdo'como na muiIOS) mas de boa f, como ha pouco^
na sua accepyao mais lata : a representaco sen- Anahuac o do Quichuas chegaram at um certo me convidou urna partida.
As fe ia SWfl ""' ^'iC'0' d<; *" ol>]'tio, ou de um tiensa- "
livos, o espirito humano sent a perfeico da natu- ficara el d!",, "h os saeriicios 1ue a anti- ment. Esta detinago, cuja forma nao encerra
rea, oa synthese confusa dos objectos exteriores, rao celebrados no S^ ?" '^^ *? um 'ensamenl0 eslhetico, conven aobretudo arte
Na origera das sociedades, ou nos lempos primi-
Abysmado na prodigiosa varied.de dos seres que ,s no ,nter'r- ou ein
o cercara, o lioraera seule que nao elle o aulor e* aUoravw- A rc.lectur.
oa nafureaa que o eucerra. da lo. um o nr.v, ,.,s Sad lor",a P""wrdial, faro corpo
interior, ou era torno da grande nos lempos primitivos, era que o bello occupava na
trevas, da successo regular dos d.as as uoutes e ^nouias dos cultos, urna
do calor ao fri j da profunden dos mares, que a"e'a.,l ,,ue ^or u,n'rabalho analylicode mui-
lh parece lucompreheasivel das tempestades e S se "* do fundo do ^actua-
dos veutos, que revolvem os campos e dernbam as
florestas era
que
dos cus, em cujo
e nHi^tmtmlmmmM^Wl^^S^^*^^ nada mai*
jos abysraos rolara magestosamen- j ^1"" v. T, *",?"" CuJtl5luras.
te, e como suspensos por cadeas luvis.v.is, myria-', ^"^ D'mc" Uus Sria QIUa-'o
das de corpos luminosos, que parecora dotados de ; "' *" ***^i 'JUaudo os
urna aclivi Jado lao rdeme, quanu sao ardeutes os St Wntae8,B ^
Quanto msica e poesa, quem deixar de
crer que comecaram ellas a existir desde que co-
mecou a tnanifestar-se o priraeiro sentimento re-
lig.oso Y Sera duvda, nada niais fcil natural,
doqueapaiavraeocauto, para satisfazer a ne-
cessidade interna e poderosa de manifestar a Deus
e aos horneas a adoraco eo contentaraento, de um
modo espon neo.
O comeco da rellgiao, emquanto crenga, o co-
meco da poesa e da msica ; o comeco do culto
exterior o comeco da plstica, da architectura e
da choreographia.
Mas eis-nos de posse de outra verdad Ha alia
s KToo 6m reVeS Udaga" m"rtanCa' Sl M a ar" e o Jotrara
coa, ate eutrarraos no estulo da histeria posi- primitivamente idnticos. Cora effeito naofo.se-
j nao em pocas relalivaraenta modernas que a arte
Alguus autores tra supposto que, por um de- cultl> sedesligaram entre si, e comecaram a
seuvolvimeato natural e oxpoataaeo das obras do W' com urna vida proprio e cora um carcter
espirito humano, architectura cedem eraaotigui- ndependento O grande livro dos Vedas, o Haba-
date toda* as artes, porque, como parece justo o bnarala 8 Ra|nay*oa, essas obras colosaes de
hornera leve necessidaJe de urna habitarn mata. "E? imafinaeao vastissima formaram-se nos tem-
antes de ier ti i. a ii i 7 "'"'"Cao, muito p|os, ou nas grutas esculpida-, de cujo recinto se
ei oar u n h ,u^ adrar Um ,d0' 0U de 2T*" auS CUS' ""* propniSSlS
eutoar um hyrano. i da da suas entranhas.
Estaramos nissso de accordo, se considerasse-1 N* Iad'a' CUja civilisaao a mals amiga que se
eonhece, e cu|a historia pode ser considerada como
Dtwbura valor histrico. DiQci
mas autigo
que se Conhecem revelam urna arte
de ramos scalos e existencia, e quando era sua
origera a propria historia eatre todos ospvos le-
gendaria e duvidosa. Mas, apezar da iasufflcieu-
cia dos fados queconheeemos, para illura.naruma
questao curiosa e interessanie, como a da origera '
ratos da luz que emanara ; da vida, eintlin, que
amina o universo e o proprio hornera, e que se
transmute, por ura mysieno irapenetravel, de indi-
viduo a individuo, de geracao era geracao... e por
urna sabia disposiyo do Creador, sua admracao
acoiitpautiada de uina veueracao profunda, de ado-
ragio e de temor pelos objeclos que o pasmo, e
que elle chama Deus.
Este nomo destinado a exprimir mas tarde a
ivla de uraa s torea e de uraa s voutade, imp I-
miudo o uovimeoto a loda a uatureza, seguudo as
Jis coaslautes de urna harmona lirada de s mes-
illa, ou do principio de uina s substancia infinita,
na qual o beffl, o bello e a verdade se ideulilicaia,
sv'xpriraiu no principio urna idea de toialidade,
dividmdo-se fcilmente para corresponder aos ef-
eitos variados da vida universal, que offuscarain
na iufancia do mundo a unidade iramaterial do au-
tor eterno.
Ueus, para o hornera das sociedades primitivas,
cujas ideas nao se elevara fcilmente cima dos
pueuomenos physicos que se succeuera lodos os
dias. lauto o sol, que anima a trra e a vivifica,
como e o fogo, que consom a myrha, como o
IroartJ excepcional, marcado com o sello da divin-
dado ; o elephaute gigautesco, que elle er o mais
forte e o mais poderoso animal da ierra ; a aguia,
cujo voo parece sondar a innueiisidade ; a sarpen-
te, cujo veneno elle teme; como sao, einfini, todos
os seres da natureza e todas as ficcoesda sua una
gl,,aca0, ge est de despenar a idea de urna u
Dcssa diversidade de causa! nascerara as reli- ,e,"tual> cuuJ'^ ntrela nlo inseparavel das cria- JTTiS Se formaran* ?ntre
gies pohlheistas do oriente, que, revestiudo os se ^ o "* ^ bel,as-artes : lptara, a
moa como uraa produeco anistica a morada pr-
uiiliva, sera uenuuraa distiucco fazer eulre uraa
obra de arte e o resultado de um faci natural e
por assim duer, lustiuct.vo. Mas, quando se tra-
a de beUai-urtu, euieude-se urna ordera do cou-
sas superior ao resultado de uraa necessidade pu-
ramente material, e sat.sfe.ta pela materia, como
um epilome completo da historia do espirito huma-
no, fra das tradicSes christaes, a arte, encerrada
nos gigantescos hypogeus que serviram de triom-
pho ao panlheismo do extremo Oriente, nasos sob
a forma mais synthetca e completa que se confie-
ce, e assim se manteem. at que os nevos guerrei-
tes da creacao do atlributos dilfereotes, pediam
para sua foodacao as representaeoes raateriaes ',
naj s de cada causa em particuiar, como das mo-
duicages que traziam as Crencas e a imaginaco
para augineutarera o poder o a raageslade de cada n
diviuuade ou causa diviuisada.
Desde eolo ura dolo esculpido sombra de
urna arvore que Ihe serve da templo e que o pro- jecto destinado a despertar nos outros homens os
tege; o erabryao de urna obra de arte e creado, ines(n0 peusa.ueat/s que levo o autar no momento
porque o dolo a expressao de um pensaiaento
O patriarcha da tribu primitiva rene os guer-
reos que o venerara em lomo da iraagem que elle
er idetica diviadade. Aos gritos desordenados,
priuieira exprussao de urna alegra profuuda, suc-
cedein iialavras cadeuciadas e mais braudas ; aos
acceotos prolongados de uiu couleniameulo suave
ne ligara expressoes de um senluneuto iugeuuo, e
ao mesmo lempo heroico ; a liogoagem singla da
familia subsiituida por phrases sonoras e lernas,
enrgicas e vehementes, que j nao exprimen] um
faetO ordinario ; a essa- phrases se ajuntam SOUs
modulados, ou notas de ura valor musical, proJu-
2iado um cauticode maviosa meloda : das expres-
soes da alma e da tiarmonia dos soas se forma o
hymuo. A msica e a poesa fazem allianga com a
esculplura e cora a humauidade.
Gragas sejam dadas aos deuses, que nos deseo-
briram o segredo das proporges e da harmona I
Mas o dolo nao tein urna habilago, e a tenda do
FOLHETIM
tOR
CIMILLO CASELLO BRINCO.
Continuaco.
XIV"
Appareceu em Chaves Itaphael Gargao despedin-
-dosede viagem para Franca. Deixou um bilhele
a &eu lio Marlinlio Xavier, mostraudo-se pesaroso
de nao poder abraga-lo. Notou no seu retumbar
dezenas de eucommendas das seuhoras clavienses'
novidades de Pars, que ellas haviain de estrear nas
bodas da morgada de Santo Aleixo. O boato cor-
rele era que o raorgado de Fayoes ia comprar a
Pars o presente de noivado, e incravar os brllhan
tes e aderegos de sua mae era felios modernos.
Saho Raphael por Hespanha, e enirou em Por-
tugal pela Extremadura. Chegou a Lisboa, e in-
orraou-se da residencia de Ricardo de Almeida.
Marganda Froment quem dava nome ao trans.
montano era Lisboa. No hotel de Iulia na ra de
S Francisco, onde Raphael se alojara recatada-
mente, hospedavase ura diplmala francez, cunhe-
cido da sua compatriota.
Ao outro dia, o morgado de Fayoes escreveu a
Ricardo de Almeida, marginando a carta om a re
commendago de reserva
chamar-se o romance dos primos esta novell
Que fazes em Lisboa ?perguntou o fidalg
d'Aguir.
Vim para aqu esconder-me.
Vens fgido ?
Nao, hornera : venho na piugada de urna mu
Iher, que me fugo com a alma, e o marido com
oda,
Casada I... Agouro-te desgraga I....atalhou
gravemente Ricardo.
Ah I tu ests assim ?l...
e a coustruego de ura abrigo, facto que se obser- ros desPre0(,am do canto lithurgico a poesa e a
va desde o hornera at o castor, desde o castor, at muslt"'a' para on-erem com ellas ao combate e ao
os insectos, at o ultimo zoophito. campo da victoria.
A prime ira bab.tago humana, longe de nvalisar^ ASS"!f0r"t,Separa<,aS a Does,a'
era solidez cora as dos castores, que resistem ac dan.*atd" drama rfRS0' ara ^"mirem-se
gao da agua como as iiossaa Jl maiS Urde tvpo da arIe era *"*> o
gauca cora os ?Z2 iTeot S SK m* >TCm
'ruidos com urna r.^ nc...-,? !.' SLTT B0 e*aao ^"^ da <* duas
- ------ nu ?cjcui
ruidos com urna perfeico infinita, ainda.raais Ion- aPB,
FO e.it itn iImiuh ..i.:, a....______ .... uaVuca-
Dons grupos se formarara entre os differentes
ges do artista.
ra e a pintura, symbol da natureza divina e crea-
A architectura s comegou a existir quando a dora; a poesa, a mwica e a dansa, expresa) da
onstruegao foi dirigida por um sentimento de har- vida e dos affectos da alma.
monia, quando a necessidade material nao foi o Entre os povos religiosos, e em geral nos pazes
"meo motel do constructor, e o objeei o archileto- env que o genio individual repremido pelo rigor
ico, por este obtido, ofTereceu ao espectador um das leis theocraticas, a architectura a arte que
domina e sufoca toda as outras. Em vo procu-
raramos entre os indios, os phenicios e os egyp-
cios a perfego da esculnlura grega, porque eutre
est*& povos oiioHiem nao tein kkiiio, aeu geuio
usurpado pela sociedade em que vive, e circums-
as pecio mais ou menos agradavel.
A idea da arte inseparavel da dea de um ob-
da concepgo. Ora, nao podemos adraittir, e nin
gera o peder comnosco, que as pnmeiras habila-
goes fos-em construidas coin outro lira, alm do
que preenchera as cabanas que anda boje servera
de morada a algoos restos da populago indgena
da nossa America, e em geral aos pescadores.
cnplo pelas leis despticas, que sullocam as inspt
rages individoaes,
Uta India e no EgyPto, onde a tradigao exerce o
mais tyrannico despotismo, a architectura floresce
come arte religiosa e nacional, eleva essas monta
O dolo, porm, foi desde os primeiros lempos o nhas de pedra que guardara em seus flancos os
embryara de urna onra d'arte. S elle imitou, ou restos dos reis que as censtruirarn, e envve a
expnm.u a seraelnanca de alguraa cousa foi a ura estatuaria e a pintura no eslreito manto da arte
lempo a imagera de urna ida.e porconsequenciaa dos hypogeus e dos sepulchros, como em urna fria
fabncago desse dolo, por rnuilo informe que fosse mortalba.
elle,elevava-se cima de um facto da vida material e
nsiinctiva. Se representou ummonstro imaginario,
a vista do qual se prostravam respeilosos os chefes
da irib, foi a expresso de um pensamenio, de
uraa concepgo, e deve ser cnsiderado como a
primeira manifestacao sensivel da activ.lade hu-
mana, em que as necessiJades positivas da vida na-
tural nao tiveram parte.
Um exemplo precioso- para servir de apoo as
nossas asserges, ao eme dissemos sobre a unio
de ledas as artes no seio da rellgiao, umao que en
racterisa o seu estado prraiiivo, como a dominaban
absoluta daarchitectiM-a sobre asarles deimitago,
nos dado por urna nvilisafo nica na historia
que morreu e aniqudou-se sem ter sido dividida
era abalada em so essencia, apezar de tres con-
De urna ou de outra maneira, o estado embryo- quistas, que parecan trazer, com a dominagao es-
O to Marlinho casou-a... | Esse por que e especie nova para mim l Oh
Por que tu a deixaste casar : logo, nao ama- diabo eu coslumo desprezar asmulheres pela ra-
vas a prima Reatriz. o que tu as amas L. Iseo nao amor dou-te a
Olha se podes o.iv.r-me sem grande dispen- mlnha palavra de homem que leu Byron, lalzac,
dio das formulas do raciocinio: esse logo cheia-me Henri Beile, e todos os praxistas ad hoc.
a lente de pruna I Bera sabes que perd dms an- Emo que ?
tos de Coimbra por que nao pude fazer exame de E' urna peeonba composta de grande dose de
lgica. Sera moda era Lisboa fallar-se de raulhe- orgulho, e outra grande dose de tol.ee. Perdoars-
resemsyllogismo? Quando eu vinha por aquo fallemos prudemwte como la nas nos nossas mon
passar as ferias, ha cinco annos, nao havia lgica tauhas. Ella atraigoou-le.
para esta casta de gente I... Sabers, pots, primo
Almeida, que Beatriz esta em Lisboa, e ou quero
que me saibas onde est Beatriz. Es capaz ?
Sou, se me tu disseres onde est o marido.
Tu cuidas que em Lisboa cousa notoria a chega-
da do morgado da Palmeiral...
Ora, nao fagas a ierra maior do que ella
replicou Raphael.Eu chejruei hontem a noute,
e uieia hora depois, sem sabir do quarto, sabia on-
de mora va madama Marganda Froment.
E' que as fraucezas uonilas do mais nos
olhos dos lisboetas, que os morgados de Tras-os-
Montes.
D'ccordo ; mas achas difflcl saber-se onde
esl o Mesquita?
Se uo se ho>pedasse em casa de prenles,
Nao...
Que tu sainas...
Sei que nao ; mas tem um ideal.
A boas horas I Cuidei que estas creaturas
nao coii.-uii.iaui d'isso, e andavam satistetas com
vestidos, e diamantes, e curruagem l De mais a
mais, a despeza do ideal I
Tu rebaixas muito a mulher, primo Almeida-
= Eu I ?... tu que ra'a puzeste debaixo dos
ps, dizeodo-me que ella te nao mereca confianga
Mas pos-o ser in,u>to.
Ali I ento diz-me isso, O cerle que a ze-
tas muito por que a amas de.-iiiarcadanientc, eim ?
Suspeito que ella, se Nicolao de Mesquita .
requesta>se, me deixana.
Logo... (caavem a lgica, se pe multes urna
fcil pela relago policial das hospedaras.
g3 excepgao) logo: a mulher nao tem vergonha.
t.ida-uie d'isso, e fallemos agora de ti.
feliz rapaz ?
Sou.
Dous annos I urna mulher dous annos I...
tu uo raer*. Chamava 30 hotel de i/wu mtumm i u.u nuim uuus auuua i...
Italia o seu primo e amigo. Tudn primos I Pode Tu achaste a cousa que os portas andam a sonhar
) romance dos primos esta novella I ha seis mil anana I Dous annos de felicidade com
a inesinissima e demira creatura I.... Que segre-
dos tem ella ? Belleza falseante, e espirito de
indoudecer a gente, uo ?... Responde alguma
cousa, homem !... Parece-me que te vejo no cas*
i- tello d'Aguiar a fazer a corte por um oceulo de
vista larga a urna pastoruha, que lavava os ps no
regato t... Ap>to que anda te nao desbarataste I
Anda nao; mas IIz cousa peior : desbaratei
o melbor da mnha casa.
Onde tens la vivido' J sel : isso consta ha muito por l.. s
tas Alenlas e o capello choram por toda a par-
E' barbara aconclusad! Tu ignoras o passa-
do desla senhora...
Sei ludo: coolou-me tudo o Mesquita, no
mesmo dia em que tu sahiste da Foz com ella para
Lisboa.
Elle anda a ama?
N'aqueile dia estava deudo de amor I Toca-
va as raas do delirio e da irrisao. Aturei-o duas
Parece-meque te vejo no cas- horas, e levei-oa eaja.
E depois 1... atalhou com arrebatamento Ri-
cardo.
Depois, esqueceu-a, e fez se amantissimo da
mulher. Foi uraa desgraga para nos ambos a re-
considerado.
Por que ?
Porque eslavas livre da Franceza tu, e eu
rapaz ? e com quem tens vivido, velhaco ? tas Almeidas e o capello choram por toda a par- Porque eslavas livre da Franceza tu,
Larga resposta me pedes, e mais tarde l'a da- te os leus desperdicios. Ento esias pobre ? que- amana desassombradamente a prima Beatriz,
rei. Vamos ao poni. E' conhecida a mulher 1 : res dinheiro T I V.ra elle a Lisboa com iutenges?
- E' a nrima Beatriz Vahia. I' P"bre anda nao : tenho trem, e um palacel6' Nao sei, mas pan-ce-me que maguera
E' a prima Beatriz Vahia. i' P"bre anda nao : tenho trem, e um palacel
A mulher do Nicolao I... Enlo o homem est e soire s tergas friras.
Vives sardanapolanxmte I E por sobre tudo lado.
Isso a franceza, que lu amas I Devoras amas T
falla a verdade.
Amo, por que me nao merece confianga neo
boma,
a coutas eom a Providencia mais cedo do que eu
sprrava I...
A Providencia nao entra n'isto, homem !...
Tu sabias que nos ama vamos eu e ella ?
Pareca que sim...
Esta coojeclura una ralarnidade para ti: fran-
camente, Ricardo! Quem te levasse hoje esta mu-
lher, salvava as reliquias da casa dos, Almeidas, e
rehabiliiava os teus crditos para entrares do mol-
gru de cultura intellectua, e que apezar de una
civMsagao superior dos outros estados primitivos
da America, nao sahiram comtudo da aurora, da
infancia e da imperfegao.
A archeologia torna-se, pois, um auxiliar indis-
peosavel, tanto ao historiador, corno a loda pessoa
Que quizer adquirir urna mstruego segura pelo
estudo da historia, cuja critica repousa sobre a
autondade dos livros. das tradieges e dos monu-
mentos d'arte.
Os livros sao sera duviaa a fonlo mais fecunda, e
o testemunho mais directo dos aconteciraentos
porm mais de uraa circumstancia pode alterar o
carcter de sua authenticidade, e por em duvida
tudo o que nao nos revelado sonad pelo punho de
um escripter, principalmente quando este entrou
no drama que descreve. Jamis o que revela urna
s penna, acceito na sciencia como urna realida-
de ineouteslavel, porque nesla vida o interesse en-
cobre rauitas vezes a verdade e a penna, a mais
Ilustre, pode tornar-se o brinco de urna paixo.
O segundo elemento da crilica histrica mereee
pouca confianga. Com effeito as tradieges nada
apreseulam de fixo : a iraaginago as modifica, as
idealisa, obscurece-as, e Jilcil devisar a verdade
ao travz das alterages que as desliguram, e dos
pormenores que se Ihes ajuntam de gerago era
geragao.
Os monumentos constituem o tereciro elemento
de investigagao dos esludos historeos, e o mais au-
theutico, quando a edade de cada um pode ser fi-
lada pelas inscripgoes que ordinariamente os acom-
panham, ou pelo estylo relativo s produeges ar_
tisticas da poca presumida. S elles trazem com
sigo aquelle carcter de veracidade e de criterio
que convence, revela verdades superiores a incer-
teza e duvidas e satisfaz os mais sceplicos inda-
gadores das verdades dos terapos passados.
Segnius irntant nimos demissa per aurtm
Quatn quetsunt oculis subjecla fidelibus.
(Horacio.)
Combinados, depois de um minucioso exame,
com as tradieges e os documentos escriptos^ os
monumentos dolara a historia de urna clareza inex-
tinguivel ; e como testemuuhos- permanentes do
passado, confirman com urna auterdade suprenw
e InfMliVfl!, fragmentos duvidosos como as Listas
de Manetbon, ou pem m duvida e em descrdito
os mais autorisados esenptos, quando mesmo forem
estes recommendaveis como a Guerra do l'elopo-
neso, por Tucydules, a Retirada dos dez mil, por
Xeuoplioule, os CoinmenUirios, de Cesar, as Memo-
rias, de Sully e as do duque de S. Simo.
Mas como dar crdito ao testemucho directo ou
indirecto dos monumentos que datara de urna po-
ca remota sem ter um conl.ecimeuto profundo da
historia das antiguidades ? Este templo, esla co-
lumna, aquella estatua e a epigraphe que a acom-
panha, sero originaos ou imilages tentadas em
uina poca posterior a primeira concepeo ? Todas
estas quesloes sao do um grande interesse, e s
podeih adiar solugo no estudo das bellas-artes ap-
plicagas anligudade.
Convencidos de que, lembrando este genero de
estudo aos nossos jovene- compatriotas, pederamos
prestar-lnes tal qual servigo, emprehoudemos para
islo escrever como nos fosse possivel; e sem a pre-
teugo de nos apresenlar como anheologo ou como
esenptor dame das illuetraces Iliterarias do Bra-
sil, submetiemos estes esludos sobre as bellas-arlos
entre os antigus, f rucio de mu tas horas passadas
no Luuvie, na Bibliolheca Impwnal de Pars, e no
Museu bntannico, ao mizo Indulgente dos hooicos
de talento, que applaudem a ulsngo e a idea
quando falta o fundle a forma, em um trabaSho
semelhante a este, que, lalvez sem precedente do
mesmo genero em nossa lingua, nao de'xa de apre-
senlar urna certa difculdale, sobra Ludo para mim-
que mais conhegoo. uso das liuhase das cores, que
o das palavras e da peuna.
A cousa valia a pena. Julgae vos mesmos : eu
vou contar o caso tal qual foi.
Estavamos era couipauliia de sabios, philoso-
phos, Iliteratos, e al iucredulos de primeira plana.
A conversago cahiu naturalmente sobre toda
srte de quesi*; as opposges se maiiifestaram
logo; muitos grupos se formaram e de todas as
parles reiuou urna auimagao viva, mas couda.
Naturalmente inimigo de discussoes, todava eu
tomava ioteresse u'aquelles chuveiros de ideas
contrarias que se fonnavain ao redor de mira, e
retirado uo raeu cantineo, couservaudo a mais
restricta neulralidade, me eulregava paciticaineule
as uniilias- lefleXOtS.
Miulia feli'-idade nao devia durar muito. Mal
Uve eu a infeliz lembraoca de me approxiinar
ura grupo oude a discusso comegou a esquinar-
se, uo sei como reparam iraiuediatamente em
mim, tomam-me por juiz, e boin ou mu grado
eis-me em scena.
Mas de que se irata ?
Da religio, responde-me ura dos interlocu-
tores.
E o que so diz della ?
Eu reclamo o meu direito de pensar que a
religio nao senao uina mera superstigo, no se-
cuto XIX, seculo das luzes.
Pense o que quizer, seohor, a religio in-
dependente de seus pensaroenlos.
Tanto mellior I Eu concordo, pouco importa
o que pens sobre ella; mas nao verdade que
quem diz religio, diz superstigo ?
E como prova islo ?
(k/rno?
Sim.
Mas cumpre-lhe
Nao me perlence prova-l-.
moslrar-me corao errei.
de de vida que roelhor nquadra, ao teu geoio. A
la propenso o casamento, primo Almeida ; os
homens pegadicos.co.no tu sao. os ensiles da bem
aventuranga matrimonial. Tu eonsomes com esta
mulher porgo de sentimento, que na vida hones-
ta, e sombra das toas arvores gigantes, te darla
mananclaes do prazeres. Se eu tivesse a tua alma,
bem sei onde a feheidade me esperava. J estive
recolhido seis mezes a brabalhar na refundigao da
minha ndole, e fique! mais aleijado. Se Deus me
pedir comas a mim do qot eu sou, hei de eu pedi-
las a natureza, e veremos quem fica a dever. Mas
lu, homem, que podes amar dous annos a mulier
de quem desconfias que amor nao daras ao cora-
co puro de uina esposa l
Sinceramente le digo que j pensei nisso.
Ah tuja pensaste n islo? Euiu nao amas a
Marganda.
Bem se v que nao podeste fazer exame de
lgica, primo Gargao, retorquiu sornndo Ricardo.
Meu amigo, eonheces a regra geral de altri-
tariaquediz : cavallo que nao v, cego? Pois
este axioma em forga de verdade corresponde a
esi'ouiro: Homem, que ligado a tima mulher, pen-
se na felicidade que outra pode dar-lhe, nao ama
a mulher com quem vive. Pilhei-te em flagrante
absurdo! Isto so faz quem nao pode fazer exame
da arte de raciocinar. Parabens, primo I Das-me
esperangas de te ver sahir desla ingloria estagnagao
em que le apodrece alma e o patrimonio. Sahe
disto.que impropnoda tua edade. Fecha os olhos
Deixa por descuido aberta a porta da gaola, e o
rouxinol que va cantar a outros slnseiraes. Ho-
mem! olha que o dlntieiro urna cousa importan-
e. Estas nos vinle e seis anno>. Que fars aos
Perdo I O senhor attaca a religio. Ora nao
deve altaca-la sera as provas...
Mas, mas...
E" como lenho a honra de lhe dizer. Entre-
tanto quero responder-lhe. Segundo a doutrioa
do meu amigo, a roligio urna superstigo; as
pessoas religiosas esto no erro, e os incrdulos
tem razo.
Sim.
Tudo isto o levar looge. Se o senhor con-
sequente ha. de admttir que urna estupidez ado-
rar a divindtide, e urna v:rtude zombar della.
Nao, uo vou lo longe.
E' que arectido natural da eonsciencia o
retem.
Por favor nao colloque a discusso no terre-
no da eonsciencia, porque neste terreno eu serei
enancado. Vede, minha eonsciencia e meu espi-
rito esto em.desaccoi do, meu corago e minha
cahega Du pudeu se euteuder.. .A inmha al.ua
urna arena oude se do cruais cmbales-!
Mas pde-se concertar a machina, e restabe-
lecer a harmouia..
E cuino enlo?
ivo verdade que seu.coragao sedera Ba-
turalinente Deus, como o meniuo anceia pelo
seio de sua mae ?
Na verdade eu tenho este inslnclo, princi-
palmente nas horas das tristezas, das decepgoes e
das penas da vida.
E' preciso, raeu caro, respetar a natureza.
E' preciso dbbrar-se a estes- movimentos de seu
corago, osle grito de sua eonsciencia.
Mas eu nao posso por o meu espirito de ac-
cordo com a minha conscieimia.
Vejarnos ; tenha a bondade responder-me
francaraunio : pode o erro poduzir o bem, sendo
elle um mal t
Nao, porque o mal s produz o mal.
Maravilboso I mas cousdere que a religio
faz bem.
Pois sim, e fallaremos depois, disse Ricardo
de Almeida, e sahiu cora oaulrao agitado pelo iia
pulso das phrases, ora graves ora picarescas,, do
morgado de Fayoes.
Era ahi que eu esperan-o Qoe bem &
faz a reliitid T T
E nao sabe que ella o sustentculo da so-
ciedade T
Em mlnha opinao, nao .
Entretanto bem simples. Veja : E' impos-
sivel governar-se urna sociedade desmoralsada
nao assim ?
Coufesso que a moral i necessara.
E qual a base da moral ?
Sao as leis.
Bem refliet.imes : de que serviran] as le,
se o povo fosse desraoralisado ?
E' verdade que se tornariam impotentes.
Perianto, a moral, que a case das Mi
mas ella mesma repousa sobre a religio.
Como ento ?
Leia a historia e ver que os povos os mai,
religiosos foram os mais moral isadss. eque deca-
dencia dos cosiumes succedeu serapre a deca Jun-
cia da relixio.
Admiti de boa vontade que a religio nun-
tem a moral, e que a moral mantera as leis. Mas
nao obstante, na falta de uraa e outra nao temus a
polica para rnauter a ordera t
Sun, como os medicamentos para curar as
doengas.
Sua maneira de pensar, senhor, me parece
fundada ; mas porque razo se lem dado lo pouca
importancia a religio ?
Esta no erro. Saiba bem que os aotigos le-
gisladores a tiveram se.npre em grande estima.
Assim Lycurgo, Dracon. Soln, que formaran) as
repblicas mais Wescentes da Grecia, llzeram da
rellgiao a base do suas insiiiuges. Romulo e Nu-
na sejuiram a mesma regra. Os piiiiosovhos mais
celebres estiveram de accordo com estes legisla-
dores ; Aristteles e Plato representara a religio
como a pnucipal origera da felicidade e iranquilli-
dadeos estadas. E talvez que eu lhe cause admi-
rago dizendo-lhe que Plato quena que se publi-
casse leis severas coutra os dehetos da impiedade,
principalmente contra o sacrilegio e o atheisato
aos quaes, segundo elle, se devia inflingir es*
cerlos caso a pena de morte e a privago dae
honras da sepultura. Eu poderte enar-lhe tamben
textos de Lacero a favor da religio, mas isto bas-
ta. Que diz ? Nao tenho grandes predecessores 1
Considero-me feliz, senhor, de ter recbete
estes esclarecimentos. Elles derramara em meu
espirito urna nova luz de que espero aproveitar
daqui em diante scre mais reservado oesta grave
questao.
Dito isto, apertamos afectuosamente as mos
e promelteraos nos ver de novo.

O PADRB LACOROAIltB E O PHILOfOPHO'.
O padre Lacordaire se acuava um da por acass
era um certo jantar ao lado de um atheu o incr-
dulo discuti tongamente e sozmho contra a exis-
tencia de Deus, e-como nenhom dos convivas dig-
nou-se responder-lhe, seu orgulho de pjiilosephoso
se irritou ; e dirigindo-se bruscamente ao- ceksbre
domino-ano :
Senhor padre, disse elle, tenha a bondade de
wlarecer-me sobre esta grave-questao, tizei-nosj
nao absurdo cren-se aquillo que a nossa razo
nao pode comprehender T
De nenhum modo, responden o padre Laeor-
daire ; sou de parecer inleiramsnte diverso.
Depois, para humilhar com o- mais ridiculo a
vaidosa incredulidade de seu interlocutor, o padre
I Lacordaire lhe diese :
Comprehendes porque razao o fogo faz der-
i reter a mantega emquinto endurece os ovo-., dous
, eifritos iuteirainenie contrarios, produzidos- por
u.na m^sitia causa ?"
Nao, respondau.. aiheu, m. ino Msela de-
duzir I ," m
E' que, leplioou o religioso, ncm cor isso
deixaesde crer nas-fritadas.
Mo fpchou a bocea ao atheu qoe nao disse mais
palavra. Enliou rom os risose dxhotes dos oonv-
vas, porque a- resposta o feriu justo e valia para
elle urna conferencia inteira.

A UNIVKRSDADE DB CAMBRIDGE OS C0NVJN.1-.
Um jornal iuglez escrevia em 4 de abril d:
842 :
A conferencia,de historia da univprsidade Je
Cambridge deliberou em 2 de margo sobre a SJSK3-
lo da sup|ires.-o dos convenios na Inglaterra De-
pois de tre< das de debates a conferencia wfmi
Mmente composta le ang'ictinos e de griidttmhx i
universidade que se destinara egreja asHrlieaBa
baixon, cora a maiora de 88 rotes contra :iO, um
decreto concebida uestes termos :
A suppressn dos inosteiros per Hrnrique VIII
fui urna cruel desbaga para o pait, e as nrtnm
telas actnaes exige..) imperiosamente o-restabe-
lecimento de in-iluigoes anlogas entre n,,~
Recoininendamos este decreto aos inimigos d
couventos.
Porque, rrwdame? Sinistra nfmpixta!...
Certamente que elle entrn em cas* eom urna
nena?pm nova.
Raphael reianceon os olhos ao primo, e dis>p en
afora hotel francez da ra dos Romulares.
Obngado, primor Venceste a priiaeira nata-
Iha: agora seguem-se- os triuiuphos I exclamou
Raphael.
Que tencionas gazer agora ?
Vou mandar o raeu creado a lugar urna casa
frouleira. O hotel francez necessariaraente est de-
fronte de alguma casa.
Sem questao; mas se a casa tem inquilinns ?
O meu criado leva um mandado de despejo
era vnle e quairo horas.
Eslas a mangar!...
Ninguem manga com o dinheiro, primo Al-
meida. Imagina lu que no quinto, ou quarto andar
do predio mora um empregado publico que vae
rebaler duas cdulas para pagar um semestre da
casa que slogoo por cincoenta mil res. O meu
criado oflVrece-lhe quarenta soberanos, e diz lhe ;
ra, dentro de vinte e quatro horas!. Anles das
dozo, o empregado publico sahe cora seis cedrina
e duas panellas, e eu entro cora esta pondrese al-
faia de ura corago em chammas : Impgnala, se
podes I
E depois?
Essa pergunia um disfructel Depois, a ca-
sa tem janellas, e eu tenho olhos, e Beatriz ea
entao, bem sabes que mgicos, que peregrino,
olhos tem Deixo as omisses tua deseripgao. E
-----------............... ^..^ .-,UooUo *Kra vae-ie erabora, que eu vou dar credenciaes
trinta? Que herangas esperas ? Nunca pensaste ao creado. A' noute vou a la casa.
ladino geme voltou antes da noute, com a
I certeza de ter as chaves do lereeire andar da easa
futuro, quando hypothcca- defrontante cora o hotel, ao oscurecer do dia se-
grate. Apresentou o titulo de sub-locagSo, o o re^
cilio dosi"l)al.
Puteas horas depois, voltou o castellao de Aguiar tre si: Este homem ser mais inepto do que et
noticiando que Nicolau do Mosquita se hospedara presumo? >
n*ti U.iIaI f-....,__.i. .... >
. vem desprendido de toda a pretengo philosophica. i
conquistar ou reconquistar a mulher cora outra ao que tu s um asno pyramidal, se continas assim >
e nu haver pyramides que perpeten) a tua a^
nisto
J.
E que vs no teu
res a ultima geira ?
Vejo um par de excelentes pistolas.
E-sa visao judiciosa, e nao sei realmente Fechou-se Raphael n'uma sege e foi ao larc
desvanecerte. Aqu qu^ eu quera o egresso que chafanz de Andaluz passar a noute cora
le ensinou o calhecUmo. O que eu posso dizer-te, Almeida. l'r,mo
Eslava Margarida Froment ao piano. Recebeu-o
apresentado framente, e dissclhe pouco depois
- R.ca.do passou com V. Exc. algumas horas
do da...
neira, se le matas depois de ter assim vivido. De-
pois do que, tenho a dizer-te que disponhas da mi-
nha casa como (ua, e vas saber oqde mora a prima
Beatriz,
Nao ha duvida, minha senhora.
rVilmeuie conheci que o Sr. Gargao exerce
urna sinistra influencia no animo de seu primo.
E, replicando a Marganda, disse :
Bem v. minha acaben, que a minha edade
nao autonsa a dirigir o espirito de ninenem. parti-
cularmente de urna pessoa, ,|Ue V. Exc. dueasea
com absoluto imperio.
Agradecida I tornou ella com irnico sor-
riso.
Eu nao previa lo spero aeolhimento.desta
dama l disse Raphael ao primo. Que significa
este desastre ?
- Iraaginago desla senhora I... respoadeuRi
cardo.
- Iraaginago e dignidad I acodiu em tom gra
ve a franceza.
Raphael lembrou-se do verso de Moliere, qu ja
occorreu ao lettof, o sorriu-se para deutro.'
Margarida vibiou verliginosamenm o teclado do
Piauo, e levauuu-se a aspirar o aro** d urnas
llores, que adoruavam o marmore da j*rdiB.ira.
itaj.hael ia-se aborrecendo da sua eoaitis.
quando Marganda, briocando con urna came'iia
deu dous passos com um meiieio de omito jtar-
bo, e disse ao hospede com requebr niaviosissimo
de vuz :
- V. Exc. veiu a Lisboa buscar seu primo I
Nao, minha eeafcera : o meu prazer sw.a
trazer-ih'o, se elle cstivesse longo de V. Exc.
- O tora da lisonja escoude urna descuide
regio.
- Perdo-lha, porque asmulheres na minha
posigao, uem sequer merecera que a descoiu.dera-
gao se vista de palavras usadas nos saldes
Oh, miuua acaten I acudm Raphael balbo-
ciaudo.
Euuouumescudeiro annunciando uns sujeitos
da primeira plana genealgica
Marganda pjea.udaaccrescentor meia voz
emquamo Ricardo, sahm ,o encontr (ios caval-
'etros.
- Est engaado, Sr. Gargao I en nao espero
que me abaudoneni.
Iso quo prova, mnba senhora f respondeuo
morgado de Fayoes.
(Continuar te-ka.)
PERNAMBUCO. -TYP. de M. F. de P. & FILHO
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9N1H1BBV_7FYASJ INGEST_TIME 2013-08-28T00:58:20Z PACKAGE AA00011611_10504
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES