Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10503


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIIO XI. IfPISRO 247.
Pr tre* aezes adiatades 5gO0
Par tres mezes veacidas 6J[000
Porte ao correio por tres mezes. 0750
QUINTA FEIRA 27 DE OOTDBRO DE 64.
Per aiao ada otada.....49$00O
Parte ao correio por nm auno 3|U0l
ENCARRfiGADOS Da bUBsLRii'CAO NO NORIE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty.o
JSr.A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
uiiveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
NCARR8GAD0S DA SBSCRIPgAO NO SL.
Aiagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Bahia. o
IT. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
era Martina & Gasparino.
partida k)s bstafimas.
Ounda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu' Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-eiras.
Santo Antao Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
r. i'. ? e Garannuns as terjas feiras.
Pao d Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqneira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacara.Cabrob
Boa Visu Ouricury e Eiu' as cuartas feiras.
Serinhaem, RioFormoso, Tamandar, Una, Barrei-
nk,v3 lua eta e Pimei>teiras as quintas eiras.
una de Fernando todas as vezes que para aii sahir
ni vi o.
Todos os estafetas partem ao y, dia.
EPHEMER1DES DO MEZ DE OUTUBRO.
8 Quarto rese, a 1 b., 17 m. e 30 s. da t
15 Lua cbea as 4 h., 55 m. e 38 s. da m.
22 Quarto ming. as 8 n., 59 m. e 48 s. da m.
30 Lua nova a 1 h., 8 m. e 26 s. da t.
PRSAMAR DB HOJI.
Primeira as 0 horas 30 minutos da tarde.
Segunda as 0 horas 54 minutos da manba.
..tea-
rxsR.ki^ i Os VaORiS i.OSiiROs.
Para o sol at Aiagoas a 6 o 25; pr* o corte at
a Sranja a 7 e ri de cada me?; para Fernando nos
da 14 dos mezes dejan. marg.,maio. jul. set. e nov.
PARTIDA DO OMNifiS.
Para o Recife: do Apipucos as 6 >/i, 7, 7 /,, 8 e
8 V da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboato s 6/ da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemflca s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos s 3 >/i, 4,4 Vi, 4 /j,
, Vj, 5 Vi e 6 da torde; para Olinda s 7 da
manha e 4 '/, da tarde; para Jaboato s 4 da
tarUe; paraCachang e Varzea s 4 Vi da tarde;
para Bemflca s 4 da tarde.
AD:KNC a DOS RLBUNA2S DA GAPCDAL
Tribunal do commercio: segundas quintas.
Relaco: tergas e sabbados s 1G horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: qnartas e sabbados a 1 hora
da tarde
PARTE QFFIGIAL
GOVEIM M PROVINCIA.
Eipediente do dia 21 de mimbre de 1864.
Offleo ao Exm. presidente da provincia da Pa-
rahyba. Solicito de V. Exc. providencias no sen-
tido de ser suspenso, a coutar do 1- do correte
em diante, como pede no incluso requerimento o
alferes do 2 batalho de infantaria Joo Barbosa
Corriere Penosa, o abono da prestagao mensal de
185, que elle deixcu de seu sold nessa provincia
remetiendo-se para aqu urna guia ou certido era
vista da qual possam ser pagos integralmente es
vencimeotos do referido alferes.Coramuoicou-se
ao coronel commandante das armas.
PafuViMn.T.5 mi,heS?Ura4r* d6 W*I nnic.;au publica.
^^'^^^ASSZSr^ *Hta/S seerelrio do governo do di. 24 de
DleS DA bHiHa.
2. Secunda. S. Raphael arrh.; S. Pmdo al>.
25. Terca. Ss. Cnspim e Cn-|.imano irs. osa.
26. Qana. s<. Evaristo ilhm mm. *
27. Quinta. S. Elrsbo imperador da Ktliiopia
28. Sexta. Ss. Suno e Juilas Thaden app.
21. Sabbado. S. Eusebia ni.; a b. Kenmnda
30. Domingo. S Serapio c. S. Velorio n.
AS3IGNA-SB
no Recite, em a lrrraria da praea da 'adi-pcndin
que requereu o bacharel Maximiano Francisco
uuarte, resolve prorogar por 3 mezes o prazo que
he fui concedido para apresentar a sua carta de
juiz municipal e de orphos do termo de Pao
d Alho.
Dita.O presidente da provincia attendendo ao
que requereu o eonselheiro Francisco de Paula
Bautista, lente da primeira cadeira do quinto anno
da Faculdade de Direito desta cidado, reselve con-
ceder-lhe 20 dias de licenga cum ordenado para
tratar do sua saude.Communicou-se ao director
da Faculdade de Direito.
Uita.O presidente da provincia tendo em con-
siderado a proposta do director geral da instruc-
cao publica, datada de 22 do corrente. sob n. 203,
resolve minear o major Joo Bezerra de Vasconce-
los Torres, delegado litterario dodistricto de Gra-
vat, llcando exonerado desse cargo Antonio de Le-
mos e Vasconcellos,i.ommuuicou-se ao director
eral da instruceo publica.
Vasconcellos, em data de 7 e da provincia do Ma-
ranhao, que Andando no dia 12 do corrente a li-
cenca de 3 mezes que obteve, nao podia por mo-
lestia estar nesta provincia antes desse dia assira
o communico a V. S. para seu conhecimento.
Dito ao raesrao.Ao director da colonia militar
de Pi'nenieiras mande V. S. entregar a quantia
d 3:3145760, que em aviso do 1 de fevereiro
ultimo, e por conta do 13-presidio e colonias
militares,do exercicio prximo passado, conce-
deu o ministerio da guerra para ser applicada s
obras da capella daquelle estabelecimeulo.asquaes
vao ser restauradas de conformidade com o aviso
do referido ministerio de 26 de Janeiro deste
anno.
Dito ao mesmo.-Temando era consideracao o
que expoz Joaqun da Costa Moreira, acabe de
conceuer-lhe a permisso que era outro requeri-
mento, sobre que versou a informacao de V. S.
datada lo Io do corrente. sob n. 361, pedio o sup-
plicante para vender a Marcellino Jos Goncalves
Font-s, pela quantia de 1:0365295, porque Ihe
coube em partilhas dos bens de seu fallecido so-
ero Caetano da Costa Moreira, o torreno de mari-
nha existente no Forte do Mallos n. 372, visto ter
provado quo o mencionado terreno acha'-se bene-
ficiado e as mesmas condiges de que foi compra-
do pelo bacharel Jos Bernardo Galvo Alcoforado
a D. Mara Archangela Convia, acerca do qual
trata o meu offlcio de 7 de junho ultimo : o que
declaro a V. S. para seu conhecimento e Ora con-
veniente.
Dito ao mesmo.-Participando o bacharel Joo
Francisca da Sil va Braga.que terminando no dia
22 do corrente a licenoa'de que gozava e Ihe fora
concedido pelo governo imperial, deixou, por mo-
lestia, de leassumr o exercicio do cargo de juiz
de direito da comarca de Palmares : a.-sim o com-
munico a V. S. para seu conhecimento.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Constando de offlcio do chefe interino da reparti-
eo das obs publicas, datado de hoje, e sob n.
299, que arrematante dos reparos e embarrea-
mento entre >s marcos de 4 a 5 mil bracas da es-
trada do roL em direito ao pagamento da quantia
de t :498fi7oO, correspondente a primeira presta-
do do seu contrato, por ter executado um terco
das respectivas obras, recomm.-ndo a V. S.que em
vista do comoetente certificado mande effeetnar
esse pagamento.Communicou-se ao engenheiro
chefe da repanicao das obras publicas.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional de Santo Antao.-Nao tendo anda presta-
do juramento, como consta do seu offlcio de 13 do
corrente, osofficiaes Borneados para o batalho
n. 5 de reserva da guarda nacional sob seu com -
mando superior, visto haver fallecido antes de
o d'-ferir o tenente coronel commandante Manoel I
Duarle da Costa, e competindo ao capillo niais
antigo desse batalho substituir interinamente o
referido commandante, na forma do artigo 18 do
decreto n, 1,354 de 6 de abril de 1851, recommen-1
do a V. S. que delira sem demora o juramento |
do estylo ao cajito que estiver em semelhantes
circunstancias, ordenando-llie que nao s assuma
o commanilo do batalho, mas tambem juramente
os dein.iis offlciaes que a este pertencam, afim de
entrarcm quanto antes em exercicio, como con-
vm ao servido.
Dito ao commandante do corpo de polica.Para
substituir o alferes Joaquim Barbosa dos Rofe, no
eonselho de juigamento a que vai ser submeitido
o soldado Sevenano Pereira de Souza, nmieo o
tenente Jo.o Francisco da Cunha : o que commu-
nico V S. em resposta ao seu offlcio desta data.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Era
solucao ao seu offlcio n. 766, de 22 do corrente,
tenho a declarar-lhe que para a exoneraco do de-
creto n 3310 concedendo emancpacao a todos os
Africanos livres existentes no imperio, deve V. S.
renielter com urgencia ao juiz de orphos urna re-
lajo circunstanciada dos que existirem em ser-
vie..) nesse arsenal, inclusive os filho-; menores, re-
commendando V. S. a todos que s.ilictem opportu-
namente as suas cartas de eiuancipago na repar-
tifo da polica ; podendo continuar nos servigos
em que estavam os que se quizerem contratar para
isso.
Quanto porm, aos que se acham doonles na en-
fermara de marinha, devera ser afii tratados at
que possam ter alta.
Dito ao mesmo.Tendo de conformidade com o
disposto no art. 4. do decreto n. 3310 de 24 de se-
temhro ultimo, designado o arsenal de marinha
para all seren recolhidos os Africanos livres que
se acham ao servico de particulares ; assiin o com-
munico a V. S. para que opporlunamente os man-
de apresentar ao Dr. chefe de polica, nos termos
do citado artigo.
Dito ao engenheiro fiscal da estrada de ferro.
Transmiti por copia Vine, para ter execugao na
parte que Ihe toca n.io s o aviso do 1.* do corren-
te, em que o Exm. Sr. ministro da agricultura,
commercio e obras publicas, recommenda particu-
lar cuidado no emprego de madeiras com as con-
o u i libro de 180 i.
Offlcio ao commandante das armas.O Exm.
Sr. presidente da provincia manda communicar
V. S. que por despacho desta data, concedeu ao
boticario Joaquim Martins da Cruz Correa, o prazo
de 30 dias para apresentar os medicamentos que
faltam para o completo dos que elle contratou ven-
der para a pharmacia do hospital militar.Com-
municou-.se ao eonselho administrativo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
De ordein de S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia, passo asmaos de V. S. para os devidos eflVi-
tos a ordem do thesouro de 20 de agosto* ultimo, da
qual coosta que o segundo escrpturaiio da alfan-
dega da Bahia Francisco Jos Monteiro deCarvalho,
passa a ter exercicio na desta provnea perceben-
do os mesmos vencimentos que Ihe competen) como
empregado na da Bahia.
Dito ao inspector do arsenal de marinha. -O
Kxm_ Sr. presidente da provincia manda aecusar
recehido o offlcio n. 767 de 22 do corrente, em que
V. S. Ihe communicou ter fallecido na enfermara
desse ar>enal naquella data, o menor Alino filho
da africana livre Mauricia, que leve carta de eman-
cpacao no dia 22 deste mez. Fizeram-sa as neces-
sarias commumcacSes.
Dito a directora do theatro de Santa Isabel.O
Exm. Sr. presidente da provincia manda commu-
nicar a direclorir do theatro de Santa Isabel que
em vista da sua informacao de 22 do corrente, pro-
ferio hoje no requerimento do artista belga Maximi-
liano Andr Reichert o despacho do theor se-
guinie
Concedo a licenga qne requer o supplcante para
dar um ou dous espectculos, em seu beneficio no
theatro de Sania Isabel ; podendo elevar os precos
dos bilhetes de platea na razo de metade dos pre-
qos ordinarios.
Procurador geral, Joaquim Ignacio Correia de Sa-
rinho.
Procurador, Jos Floro de Seixas.
Dito, Francisco de Assis Sales.
Mesarios, Jos Calazans Rufo Duarle.
Vicente Ferreira.
Jos Leonardo Grego.
Joao Paulo da Rosa Cescio.
Sexta-feira 28 do corrente, pelas 5 6 horas
da tarde, ter lugar a posse solemne da nova mesa
eleita da veneravel ordem terceira do Carmo, a
qual posse publica na igreja para quem quizer
assistir.
Araanhaa se extrahr a primeira parte da
primeira lotera da matriz de Flores (113'), sendo
o maior premio 6:0005.
Hkpahticao da polica.
Extracto das partes dos dias 25 e 26 de outubro
de 1864.
Foram recolhidos casa de detencao no da 24
do corrente :
A' ordem do subdelegado do Recife, Antonio de
Azevedo Lopes, por crime de ameacas ; Joaquim Lima,
dos Santos, requisico do cnsul portoguez ; e
William OIisod, por briga.
A' ordem do da Capunga, Jos, escravo de Jos
Pedro do Reg, por fgido.
25
A' ordem do subdelegado do Recife, Jos Montei-
ro, requisico do cnsul portuguez.
A' ordem do de S. Jos. Tbereza Mara de Jess,
Manoel Josa do Nascimento, e Jos Manoel Caeta-
no, por disturbios; Jos Bernardina de Senna, por
briga ; Patricio Gomes Pereira e Manoel Antonio
Marinho, para averiguarse* policiaes.
A' ordem do da Boa-Vista, Liberato, escravo de
Confirmada a sentenca.
Appellanie, Jos Ignacio de Mello ; appella-
ao Alexandre Bezerra de Albuquerque Barros.
Hullo o processo.
Appellante, D. Maria do Carme Nunes Ferreira ;
appellado, Antonio Jos Pinto.
Cora vista ao Dr. curador geral
,* DILIGENCIAS CIVEIS.
Con vista ao Exm. Sr. desembargador procura-
dor da cora
A avpellaqao civel.
Appellante, a fazenda ; appellada, Joaquina Vi-
ceucia Eloy da Silva Couto.
DKSIGNAIJO DE DIA.
Asstgnou-se dia para juigamento dos seguintes
Ai appellaces crimes.
Appellante, o juizo; appellado, Manoel Jos de
Moura.
Apellante, Jos Francisca Pereira ; appella-
da, a justiga.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos de Souza
-V PASSACENS
O Sr. desembargador Caetano Santiago passou
ao Sr. desembargador Gitrana
A appellaqo crime.
Appellante, o juizo; appellado, Ignacio Mc-
reira.
O Sr. desembargador Gitrana passou ao Sr.
desembargador Lourenco Santiago
A appellaqo crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Lucio da
tonceigo.
Ai appellacSes cieeis.
Appfllnte, Thomaz Machado de Aquino ; ap-
aa uatver-
nenhuma pratica tem de reparlcoes publicas, e meu. P(,rt,w __-_-a .
que ignora completamente, at o modo de chamar 5^1,^^ eD*'Dharu
e de tratar os empregados em servigo e dentro da D. Lid,-..refenrt. n .,., a .
repartigao; se tivesse aprendido em alguma secre- re^r o d.i fm?. 5-1 U r art.'r? MeL
tana, sendo amanuense, hoje seria melhor chefe. Sfl anaTui.n^; -'-*'" '-' achan-*
, ub str o vaina couto dos vadlos. prendo qu^ o
?forr aos relatorios annuaes da directora, de
18o9 para c at o do anno passado, e nelles en-
contrar o desmentido a esse trecho do seu cora-
municado.
Esl o Sr. Silvino completamente esquecido de
que o anno passado Ihe communiquei o que me
constava contra o porteiro ; nao tenho culpa, -lhe
hoje necesario assm afflrmar.
artiguista est-ja na mais compleu ignofa.a a
respeilo da maoeira, ix>rqu nessa '------*nfi
se fazcm os esludos ite engenhana. para iw -
Bha perante o public. langr sobre ella e*-e 1*10
temerario, contra o qual devem protestar o r. iir
Leal, e oulros muitu> Brasileiros e estraogririf V
I diversas oagoes, que ali vo beber a respectiva m-.-
| truegao. Se o aut^r do artigo falla,** eom nuis
Nunca fui contraditono e menos hoje : devolvo CT,hrt-TmPMndTZ
ao Sr. SU vino essa pecha, que melhor Ihe assenta, ,2K?T1S2: ^ T 'iU*-ir
. Mais contradictorio acuelle que firma o seu %m*"U?*'V!****T?' <***'>*>
juizo era negocios de honra, em boatos espall.ados 1S'Z1E?T t* *2 na '""'"i**
por desairelos, e em documentos que somente SS e os SL a,Z ,,'." 't'M"
Provam a existencia de um m'as nao a do JS^OSOBSSSSt S SS
Symphronio Olympio de Queiroga, por fgido. ', pellad'os, Epiphanio A CaMcX
O chefe da 2' secgao, j Appellante, Joao Lopes Cavalcante
J.G. de Mcsqutta. \ Jos AjMonio de Mendonca.
,tafc?I? da casa de delenvao do da 25 de j Ao:4r. desembargador Almeida e Albuquerque
appellado,
outubro de 1864.
Existiara....... 349 presos.
Entraran...... 10
Sahiram....... 7
A saber
Existem.....,. 352
Nacionaes..... 287
16
4
3
38
4
Mulheres.
Estrangeiros...
E>lrangeiras...
Escravos......
Escravas......
PERNAMRUCO.
REVISTA DIARIA.
Foi noraeado delegado litterario de Gravat oSr.
major Joo Bezerra de Vasconcellos Torres, por
exonerago dada ao Sr. Antonio de Lemos Vascon-
cellos.
Foi ordeiiado ao commando superior da guar-
da nacional de Santo Antao que, era razo de ha-
ver fallecido o tenente-coronel commandante do
batalho n. 5 Ida reserva da mesma guarda sob
aquelle commalndo antes de ter deferido o juramen-
to dos offlciaes nomeados para o referido batalho,
houvessede deferi-Io ao capitao mais antgn, para
que elle assuma ocommandide-se batalho, e em
seguida juramente aos demais offlciaes.
Hoje. pelas 4 horas da tarde, procede-se
reconriliacao Ida matriz de Santo Autenio, profa-
nada no da 8 de setembro ultimo.
O hbil e distinelo flautista o Sr. Reichert d
hoje o seu eotacerto, no theatro de Santa Isabel,
com a coadjulrago da companhia dramtica. O
Sr. Reichert um artista de mrito reconhecido, e
sem duvda um dos bons flautistas que temos ouvi-
do. Sobre lodis os trechos de mii-iea que deve
execular, sobrt sahe o do Carnaval de Veneza, que
elle toca com minia naturalidad?, imitando a voz
humana. Mcroce ser bem acolhido pelo nosso pu-
blico.
Na noite le 23, pelas 10 horas, pouco mais
ou menos, Cyp lao Ferreira Muniz e Jos Mauri-
cio de Souza, n oradores na Capunga, dirigiram-se
ao lugar da Toire e ah bateram na porta do mu-
cambo, residei cia de Jos Thom dos Santos, co-
nhecido daquelles, aosquaes rerebeu este dispa-
rando urna arma, cuja carga de chumbo empre-
gou-se toda na parte superior da coixa direita de
dito Jos Mauricio, que ficou gravemente fendo.
Aos gritos de.Mauricio aecudio seu offensor que
o transportan para o terreiro da casa do sogro do
mesmo Mauricio,., onde Thom o deixou, pondo-se
inmediatamente em fuga.
Consta que Jos Thom disparar a arma, per-
suadido que, quem bata a porta de sua residencia
era a amasia, que elle durante o da expellira para
fra de casa e com a qual Ira vara disputa de pala-
tras inconvenientes; sendo que nenhuraa desin-
telhgencia se tinlia dado entre o ofTeusor e o offen-
dido.
Procedeu-se o corpo de delicio e est sendo ins-
taurado o respe livo processo.
O vapor inglez Gladiator, da nova linha de
Liverpool, tendo principiado no dia 24, terminou
hontem 26 a descarga de 1200 volnmes de fazen-
das para alfandftga. Segundo nos inormam a
maior descargal conhecida at hoje no nosso
porto.
No sabbadji passado foram collocados pelo
Exmc. Dr. vigaro capitular, os Rvms. conegos
Jo.~ Joaquim Camello de Andrade, na cadeira de
chantre, e Jos Margues de Castilha, na de preben
da inteira, da Slde Olinda; deixando de o ser o
352
Alimentados a custa dos cofres provinciaes 135
Movimento da enfermara no dia 26 de outubro
de 1864.
Te ve baixa :
Manoel, escravo de D. Francisca, defluxo.
Obituario do cbmiterio publico no da 25 de
outubro de 1864.
Lydia, Pernambuco, 8 mezes, Santo Antonio, de
tigao.
Augusto, Pernambuco, 11 mezes, Santo Antonl
denticao.
Francisco, Pernambuco, 7 anuos, Sao Jos, con*
vulsoes.
CIIROMCA JUNCIANA
TRIIirVlL A KKIAdO.
SESSAO EM 25 DE OUTUBRO.
presidencia do exm. sr. conselheiro
i souza.
As 10 horas da manha, presentes os senhores
desembargadores Santiago, Gitrana, Lourengo San
assssiSS ^sax:
., r.- ------ 'u'iucujue, n.isi^, mona, uona,
ucnoa Cavalcanti,e Domingues daSilva,abro-se a
SCSSdO.
O Sr. desembargador Guerra, procurador da co-
roa, nao compareceu.
Passados os feitos e entregues os dislribuidos,
deram-se os seguintes
- JULGAMEN'TOS
Recurso commeraal.
Hecorrente, o juizo ; recorrido, Jos Francisco
Brandao.
Relator o Sr. desembargador Santiago.
A appellaco civel.
Appellante, a fazenda; appellado, Ignacio Luiz
de Brito Taborda.
Do Sf. desembargador Lourengo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida e Albuquerque
As appellacoes crimes.
Appellante, o promotor ; appellado, Antonio
Claodino Pacifico.
Appellante, o juizo; appellado, Jos Mery da
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Carlos
de Souza.
. AppefTMte, Jos Felit Rodrigues^ appellado, o
Appellante, o promotor appellado, Jos Rodri-
gues Correia.
A appellacSo civel.
Appellante, Francisco Barbosa de Mello ; appel-
aao, Antonio Luiz de Souza.
Do Sr. desembargador Almeida e Albuquerque ao
r. desembargador Assis
. A appeila^ao crime.
Appellante, Placido, escravo ; appellada, a jus-
... As apprllarBe* civeis.
Appellante, Jos Joaquim Goncalves Bastos ; ap-
pellado, o tenente-coronel Justino Pereira de Pa-
rias.
Appellante, bacharel Bernardo Duarte Brandao ;
appellado, Manoel Francisco Ribeiro.
O Sr. desembargador Assis passou aoSr. desem-
bargador Doria
As appellacoes crimes.
1 Appellante, o juizo appellado, Antonio Pereira
Santiago.
! Appellante, Manoel Severino dos Santos : appel-
lada, a justiga.
A appellacSo civel.
Appellante, Joao Salvador da Cruz ; appellado,
DEjfi
fti
4
seu autor.
Mais contradictorio aquelle que, ostentando em
publico tamo interesse, procede em negoeios desta
ordein, com a maior precipitago e sem a devida
prudencia, repellindo o innocente e acolbendo o
culpado. Que Ihe faga bom proveito.
Sendo9o Sr. Silvino de opinio que deviara con-
tinuar os exames e concursos de Instrurgo pri-
maria para o seso mascolino, versando estes sobre
as materias do primeiro grao; foi contrariado pe-
lo eonselho que deliberou que estes exames de-
viam versar sobre as materias designadas nos U [
t 2 do art. 5 da le n. 598. Eis porque altrbo
a vinganga a nimba demisso, visto nao ter eu
commettido faltas pelas poaes tal pena merecesse.
Nao afflrmo que a minha demisso fosse impos-
ta ao Sr. Silvino, e nem afflrmei, dizem.
Convido de novo ao Sr. Silvino e a toda e nual-
quer pessoa, que ti-er em seu poder documentos
que possam fazer prova era juizo, me denunciera.
Eslou prompto a carregar com a responsabilida-
de dos meus actos. Pego ao Sr. Silvino que seja
comigo inexorave, nao Ihe agradeco a este res-
peito o menor favor.
Recife, 25 de outubro de 1864.
Salvador Henrique de Albuquerque.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Lchoa Cavalcanti
I A appellarao civel.
I Appellante, o juizo; appellado, Jos Vaz Te-
norio de Albuquerque.
I Do Sr. desembargador Ucha Cavalcanti ao Sr.
, desembargador Domingues da Silva
A appellarao civel.
Appellanip, a vi uva de Joo Vieira da Cunha ;
I appellada, a fazenda.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao Sr.
.,i.,nii n -..___ As anoellacaex rrin
Sorteados
Gitrana e l_..
Improcedente o recurso As aPPflla<:oes crimes.
Aggravos de peticSo. I de'sou Pr'nt0r aPI)ellado> Anlonio Jose
elarmino efe Souza Soares ; ag- \ Appellante, Antonio Barbosa do Reg ; appella-
iar cuiuauu no emprego ae maueiras com as con- ua inteira, aa se loe iinda; deixando de o ser o
dicoes de durabilidade as obras da estrada de fer- Sr. padre mestre Tranquillino Cabral Tavares de
ro, mais tambem a parte do relatorio do engenhei- Vasconcellos, cono desejva, por nao Ihe ter che-
gado anda da 'rte a caria de sua apresentago
e cadeira de mio prebendado, razo que o inhi-
be de tomar |ioss quinta-feira
O acto celebrqu-se s 9 ^ horas do da, na
igreja do seminario, onde dignamente oceupam
aquelles Rvms. conegos os lugares de reitor, e vi
ro lineal da estrada de ferro de S. Paulo a que al-
inde o citado aviso.-Igual ao superintendente da
mesma estrada.
Dito ao commissario vaccinador provincial Re-
metla-me Vmc. com a possivel brevidade algumas
laminas de puz vaccinieo, afim de serein enviadas aquelles Hvms. conegos os lugares de reitor, e vi-
ao commissario vaccinador da cidade da Victoria, ce-reilor, arhando-se presentes alguns lentes, e to-
que as solicitou em offlcio de 23 do corrente. dos os seminaristas, cuja orchestra, antes e depois
Dito ao eonselho de compras navaesConcedo a do referido acto, tocou algumas svmphonias e mi-
autorisago que solicitou o eonselho de compras "
navaes, em seu offlcio de 19 do corrente, a que
respondo, para comprar 6 pegas de cabo de lioho
de urna pollegada, 6ditas de i e i\\ de dito, e 60
tonelladas de carvo de ferrero, visto que sao ne- > wjuu pi
essarios esses objectos para fornecimento do almo- d'Eu, pedimos aos moradores desta cidade para
xanfado do arsenal de niariuha. que illumnem as frentes de suas casas, nao s,
Portara.O presidente da provincia atienden- 110 dia em que chegar a esta cidade semelhante
do ao que requereu o juiz do direito da commar- noticia, como nos dous que se seguirem
nutes
De Olinda remelteram-nos o seguinte:
t Devendo ser de grande regosijo para todos os
brasileiros a realisaco do consorcio de sua alteza
a augusta princeza Imperial com sua alteza o con-
ca de Ta;arat, bacharel Veriato Aurelio da Cu-
nha Gouveia, resolve conceder-lhe 3 mezes de li-
cenca com vencimentos, na forma da lei para tra-
tar de sua saude.
Dita.-^O pres dente da provincia altendendoai que
nos dous que se seguirem. Espe
ramos dos briosos olindence?, que satisfaro ao
nosso pedido.
Os brasileiros que estao passando a festa.
H ntem (23) reun ram se os devotos de S.
Ivn, doutor, na igreja do Carino, e fizeram a elei-
requeren o juiz municipal e de orphos do termo 5S0 dos em-arregados da mesma festividade 00 an-
do Rio Formoso, Rufino Coelho da Silva, resolve no de 1865, sahindo eleitos :
conceder-lhe um mez de licenca sera vencimenlos Juiz, Francisco Casemiro de Moraes e Silva,
para tratar de sua saude ne Dita.O presidente da provincia attendendo ao Thesoureiro, Joao Amancio Bruno.
gravado, o juizo.
Kelalor o Sr. desembargador Gitrana.
Sorteados os Srs. desembargadores Domingues
da Silva e Lourengo Santiago.
Deram provimento.
Aggrayante, Domingos Jos Gomes de Macedo ;
aggravado, o juizo.
Helator o Sr. desembargador Lourengo Santiago.
Sorteados os Srs. desembargadores Almeida e
Albuquerque e Ucha Cavalcante.
Negaram provimento.
Aggravante, Benedicto Marques da Silva Acau
Jnior ; aggravaao, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Almeida e Albu-
querque.
Sorteados os senhores desembargadores Doria,
e Motta.
Negaram provimento.
Aggravante, o cnsul portuguez ; aggrava-
do, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Ucha Cavalcanti.
Sorteados os Srs. desembargadores Almeida e
Albuquerque e Lourenco Santiago.
Deram provimento.
Aggravante, Manoel Barbosa da Silva ; aggra-
vado, o juizo. bt>
Relator o Sr. desembargador Domingues da
Sorteados os senhores desembargadores Santiago
Negaram provimento.
Appellacoes crimes.
Amellantes, Alexandre Ferreira Gomes e outro ;
appel ados, Francisco Manoel Freir Moura.
Aullo o processo.
Appellanie, Jos Francisco de Arruda ; appella-
do, Manoel Ferreira da Silva e outro
Procedente a appel lago.
Appellante, Joaquim Ignacio de Mello; appella-
da, a justiga. vv
Annullou-se o processo.
Appellante, o juizo ; appellado, Joo Gomes da
Silva.
A' novo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Jesuino Pereira
Ta ares.
A' novo jury.
Appellante, Anlonio Goncalves da Silva e outros;
appellado, Francisco Jos Freir.
Reformada a sentenca.
Appellante, Innocencio Francisco Ferreira de Sou-
za : appellada, a justiga.
Nullo desde a formago de colpa,
Appellante, o juizo; appellados, Jos Marcolino
de Mello.
Improcedente.
Appellacoes civeis.
Appellante, bacharel Felppe Carneiro de Olinda
Campello; appellado, Jos Duarte Rangel e on-
tros.
do, o juizo.
DISTRIBUigOES.
Ao Sr. desembargador santiago
A appellarCw crime.
Appellante, Alexandre Ferreira de Brito 5 ap-
pellada, a justiga.
Ao Sr. desembargador Ucha Cavalcanti
A appellarao crime.
Appellante, Bernardo Vieira da Silva ; appellada
a justiga.
Ao Sr. desembargador Domingues da Silva
A appellacao crime.
Appellante, Jos da Rocha Wanderlev; appella-
do, Jos Joaquim Ferreira de Mello.
Ao Sr. desembargador Doria
A appellacao civel.
Appellante, Joaquim Antonio da Silveira ; ap-
pellado, Antonio Martins Saldanha.
A 1 hora da tarde, encerrou-se a sesso.
Quanto ao communicado qne no Diario de hoje
publicou com referencia talvez a mim um ente
despresirel. cujo nome a penna nunca mais pode
escrever, vacillei se devia ir a riiieira dar a res-
posta lal como a merece, ou se em altencao ao
publico deixaria o tal bicho encharcado na baba pe-
conhenla que o azorrague o tem feito langar ; re-
solvi-me, porm, para que o animal nao suppozesse
que o tema, pedir venia ao publico, o (guardando
o meu dinkeiro) atira-lo com a ponta da bota ao
fundo da sentina.
Recie, 26 de outubro de 1864.
A, /. F. Declaro ao publico que com o communicado de
hoje tenho encerrado tudo o que deveria dizer so-
bre o insignificante incidente da demisso do se-
cretario da repanicao da m-lrucg.o publica deMa
provincia o major Salvador Henrique de Albuquer-
Recfe, 26 de outubro de 1864.
Silvino Cavalcanti de Albuquerque.
ERRATA AO COMMUNICADO DO DR. SILVINO CAVALCANH
DE ALBIQUFRQUE, PUBLICADO NO DIARIO DE 26 DO
CORRUNTK.
Em lugar detodos sabem que as afleicoes
pessoaes por mais profundas que possam ser, ja-
mis me demoveriam do cumprimento exactissimo
ao meu dever : diga-se todos sabera que as af-
feicoes pessoaes, por mais profundas qm; possam
ser, jamis me demoverilo do cumprimento exac-
tsimo do meu dever.
No documento publicado abaixo do communica-
do, em lugar de d^cidindo o eonselho devoren
versar as habilitacoes as materias indicadas no
art. 5 102 da citada lei n. 598 : dga-se deci-
dinclo o eonselho deverera versar as habilitacoes
as materias indicadas no arl. 5 S$ l- e 2* da ci-
tada lei n. 598.
respeilaveis da Europa. Sedeixei Pan-< cara eMiKlar
em Gand, foi antes pelo amor do traball e oV m-
uha applicaco, do qoe pelo espirito do va^iaeo.
a que alias inulto se podem presur as di-irar."i>>
que abundara em Pars e pelas SJBH nao uu z Jei
xar-me subjugar.
Tirar d'ahi razos para desacreditar o m*n di-
ploma, em verdade acto de supina oraam
aggravado pela ma fe.
Com certo ar de importancia, diz o autor do ar-
tigo que, tendo en aqu chegado, nada t que aus-
Irasse nimbas habilitacoes. Deu-se nota proMoi-
gao mais iiieusala ? que podena eu fcurr, *
ud-a havia que fazer ? K d'ahi tira ello amarlu-
sao de que eu nao mereca o lugar importan* de
ajudanle do chefe da repartigao das obras mx-
blicas I
Adduzainda o artigubta, como prova de miaba
iucapacidade, o pouco que eu deixei dura*!* o
grande espago de dous ineze ijue e>ve na repar-
tigao. Era verdade, causa t-dio Unu armcaaria
lauto despudor, (aula malevolencia f Quawlo um
hornera de bem quer fallar da reputagii j.-,.,nrein
deve antes de tudo certificarle do faeiws e M
cireumslancias que a elle se prenden, para sao
correr o |>erigo de ser desmeniid- em a*-on.pi>
que oflende o que ha de mais sagrado n<> moneo
O que tu eu no curto espago de dous mezes qu
estive ua repartigao das obra publica ? Vrri-
que o escriptor do Coiu//*rio*(i/, e achara o se-
guinte : examinei o estado de tolos s caaos de
esglu da cidade e participe! ao chefe, que se arh-
vam em pessimo estado ; fui encarregado doo
trabalbos da ponte provisoria do Recife e dei-lhes
grande, impulso, sendo que, >e mais nao ftz. fui
por nao me achar autorisado pelo rhefe:fui en-
carregado da ttscalisaco do calgamenL. e ranos
de e.-gto d'eta cidade, o ani fes o one erm wmi
vet para aboa direegao d'esses t rabal nos.fin on-
carreitado de examinar as poules de Santo Amaro
Tacaruna, Arrombado, Vara.louro ; e. h.vento a,
examinado, participe que estavam em e*udn de
completa ruina ;maiidei construir a o> Samo
Anuro, sendo para lana autorizado pelo rbefo ;
flz o orgameoto, nio s da ponte, rooso da rana-
da que de ferro ; propu*, que se suoMitui* ponte dos Arrombados por cu ira de ferro;fu
aos Preseros examinar o irabalho* V sfhjrrc i
ment da estrada ;fui encarregado da planto o
orgamento de duas casas, servmdo un de estri-
barla o ccheira e outra para aguarda do oaiaoo
da presidencia; fui examinar a sapata da ponte
do Baro, ijue se achara era completa ruina, t ihe
o respectivo orgamento e j* h.-j se aeba elia roos-
Irulda:fui examinai os reparos de ipi^ preri-ava
a casa da assembla provincial, e liz o compleme
orgamento ;fui encarregado de examinar a ra
do Luna e d f izer o orgamento do atierro. oV que
necessitava c jecto de ponte para Mol ,c dombo tlurante o inn-
l>oqu" traballmu o jury, esiive Basa*JnjnJi de in-
do o expediente da re|.arln;.io, ssoj I > j-ie dei u*U
a actividade a esse expe li-nile, o qual n m s.jVe:i
Esto, pois, euteudido que tu lo quanto iii na re-
panicao durante os referid >s dous mezes. mv toi
ordenado pelo chefe, visto que nada no lia eu fazer
sem suaautori>ai;i : a que polera o i>uUic sa>
rilicar em face do regulamento que a<'iiaa eiiri
CORRESPONDENCIAS
G0MMNICA90S.
PBLICAgOES A PEDPO.
A (Mr!* msfrnrN.
E'perai un
Walsa de iirKol.
Dnn-me os parabens, por ler o Sr. Silvino Ca-
valcante de Albuquerque desrido da altura em que
se julga colloeado, para vir discutir comigo sobre
o facto da minha demisso por elle solicitada.
Ja v o publico que nem todos pod>-m ter esta
honra, como dsse aquelle senhor no seu commu-
nicado de 21 do corrente, publicado no Diario de
22 n. 243, expressando-se do seguinte modo e em
referencia a um seu collega, que em nada Ihe
inferior : Nao i com toda a pessoa que eu dis-
cuto I
Analysarei abreviadamente a rasposa do Sr. Sil.
vino hoje publicada, porque me preparo para ou-
tra narragao mais longa e circumstanciada sobre o
facto.
Veio este senhor toda capcioso, e logo em prin-
cipio, para prevenir juzos, diz que, longe de de-
fender-me.neu me havia aecusado na correspon-
dencia ltimamente publicada.
Declino desse juizo do Sr. Silvino; ahi est o
publico Ilustrado para apreciar devidamente tndo
quanto Ihe apresentarmos a respeto, e para elle
que eu recorro ; v o Sr. Silvino continuando a
esforcar-se por justificar o seu acto, v dizendo o
que Ihe suggerir a sua imagioago ; negando a
amizade que ha entre nos, e negando at que Deus
existe; mas dexe livre o juizo daquelle que nos
tem de julgar.
Nunca desconheci os deveres inherentes ao car-
go de secretario, quo exerci por cinco annos, e a
prova est na regularidado do servigo, promptido
do expediente, boa ordem do archivo, de modo a
satisfazer qualquer exigencia de momento, e final-
mente a escriptu ago toda em dia, como deixei.
O Sr. Silvino, que nunca foi empregado, e que
Srs. rcifarlores.Nao ha multo que chegue da
Borona, onde fi os meus esludos e obtive o diplo-
nlversSer ^ *"J" foi Crt"f,!rido I?1 \ Tendes fome e sede de Mim
wPli2 um* "as mais acreditadas um pouco, e seris sacuds. ..'
da Europa, e ha vendo d'aqul sabido aos meus 17 ^ Jownim (Urard,, de R
annos, sem haver nunca tomado parte em ontra I maqum nerarn ae nastos.
cousa que nao fossem os meus estudos, voltei sem
odios polticos, sem nmisades de especie alguma i
e resolvido a applicar-me todo e smeute ao exer-
co da minha proOssae.
FiqU'i perto de seis mezes sem ser empregado e
so no mez de julho loi que o Exm. Sr. presidente
da provincia fez-me a honra deaproveitar-tne para
o lugar de engeuheiro ajudanlo do chefe da repar-
tigao das obras publicas.
Qmildo essa nometejn appareceu, tive o dezejo
du recusa-la, e live raso para isso, as quaes tal-
vez nao escapem perspicacia do pnblico, perante
o qual fallo ; todava razes mais valiosas anda
me ebrigaram a acceilar anomeaco, com que me
honrou o Exm. Sr. presidente da provincia ; e ac
ceitando-a, irate de viver na repartigao o mais
concentradamente possivel, cingindo-rae a letra do
regulamento, o qual nao meconfere autoride algu-
ma, sujeitando-me em tudo e por tudo ao chefe, e
nao fazendo se nao o que por elle me fosse orde-
nado. O publico ha de ter visto esse regulamento
no Jornal do Rreife do mez de julho, e em o nume-
ro de 18 desse mez o arligo que traa do aqudante
do chefe.
Nao obstante o meu comportaraento, deuse urna
oceurrenca, por amor da qual sou m-squiuha-
mentu iusultado no artigo de fundo do Constitucio-
nal de 12 do corrente, cujo autor, refermdo-se a
tactos de minha vida e de minha prolisso, nao se
peja de fallar vergonhosamente verdade, com o
Um nico de desacreditarme no principio de mi-
nha carreira. Nunca escrevi para o publico, nao
tenho gosto pelas polmicas jornalisticas, e eslava
rasolvido a limtar.me ao exercicio de qua'quer
dos ramos de mi ola profisso.
Mas, provocado de urna manera to deslial, nao
tenho eutro remedio, Srs. redactores, se nao bus-
car as columnas de seu acreditado Otario para dar
o mais solemne desmentido a esse inimigo encapo-
tado com o manto de nm partido, que lo injusta-'
mente me procura fazer desmerecer na opinio dos
meus comprovincianos.
Diz o autor do artigo infamatorio que, tondo eu
ido ao Rio de Janeiro, nao consegu ser admiltido
na escola central. Falta vergonhosamente ver-
dade o autor do arligo, por que do livro das ma-
triculas da escola ceulral do Rio de Janeiro deve
constar o mou nome ; e so procurei ir esludar na! """~"
Europa, qualquer que fosse o motivo que a isso me Cotacdes O Aclara.
impelliu, est longe de provar contra a minha ac- -,_- -^ ,
lual habiliugo as materias de minha profisso. PRAC.i II lf RECIPE
Tambem nao d verdade que eu tivesse procura- -*6 DE OUTURHO M SSSM
do e.lo houvesse conseguido ser admelldo na Algodao 1 orle -204 e 10^|.W)iV arroba.
oseo a central de Far.s. Apenas, observando que, Dito 2- SOTle-lsjS po"* oba^
ir i .CJ',emt' 2?ffii fn? ^ T>>sli-1 DubourcJ Ji.n.or. presdeme
ttr a sedueces que em Pars, sao o escoVoo onde uiraares, secretario.
vaoencalhar multas aptidoes, procurei fazer os1 ^maraes, secretario.
A alsa parrilha de Bristol exerre soas proorie
dados purilicanles por todo o sy>lema oervoro.
neutralisando o virus pr diizido accumorado pe-
las ulceras, escrfulas, aiRsennsni e tumores, o es-
corbuto a*sm como liHias as mai- molestia* das
glndulas, da carne e da pelle.
A historia desta preparac > tem sido nsts espa-
go de trifila annos nma serie nao interrominda de
curas as mais admiraveis e felize* TUt o mnn do
medico adrante que o melhor anii-septeo vev- tal
e anii-escorbtico al hoje conheeido, e p>Nle-- e
com loda a certeza affiangar que um remedi* es-
pecial para a cura do rheiimiti affecgoes dos msculos, tendoes e c Mijunctiira-
Encontra-se venda na botica de Bravo i:.
Caors Barbosa.
I m testemnnho de -ral ida o
Faltara ao mais sagrado dever se me esqoeees-
se de dar um teslemnnho do meu r<>rdial agrade-
cimento aos Srs. oflciaes dos diferentes r irpos
desta guarnigo. que me prodigalisaram seos tavo-
res durante a minha pnso.
A nao ser a generosidade e o espirito de rlass
desses companheiros d'armas, rertameoie usfa
suecumhido ao desespero, que m- l'varam ; mi"
gragas Providencia Divina, nada me fali.ia erv-w
a minha familia durante o m^i incomov-to >-
cebara, pois, os meus rmnpanheirus as ingenua*
demonstragoes de meu rccnherime-ito e graii.|\
certos de que roe ser* semprc indelevel orna tai
recordago, desejando-lhes um porvir de felin lado
na carreira que egnem.
I Aqui e em qualquer parle, onde o destino me le-
var, tero sempre um companheiro, amigo e rriado
I reconhecido egraio.
Epiphanio Borges de Menrzes fmi.
C0MHS1CI0.
>

MUTILADO




\
Diario de Penashaeo ... Qnlnia felra t de Outubro de m4.
v
Rec
car Araripe.
Km cuin|irinicolo o referido escrivo fez passar-
se o presente, pelo qual cilo e hei por citado o men-
cionado supplicado, para que dentro ein 30 dias
comprela neste jumo, sib pena de reveha. 0
1 presente ser publicado na forma do estvlo.
! Recife, 23 de outubro de 1864. Eu Manoel Ma-
ra Rodrigues do Nascimenlo, escrivo o subs-
crevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de;8 do corrente, manda fczer
Aliaaaega .M.RSS,,vft publico, que no dia 10 de novembro prximo vin
Rendimento do du 1 a 25........ M-Sftia7fc dour Peri"'e > junta da fazeuda da mesma the-;
dem do dia 215................. zy-0'u*'*|souraria se ha de arrematar nanea or menos fi-l
NOVO BANCO
DE
PERNAMBUCO
EM 25 DE OUTUBRO DE 1864.
O banco descorita na presente semana a nove por
Moto ao anno at o praso de quatro inezes, e a del
por cento at o de seis mezes, faz emprcstimos
sobre ttulos eommerciaes, e saca sobre as pracas
do Rio de Janeiro e Bahia.
fe,deoutnbrodcl8 " pi, por conta e risco de quem pertencer do ill511111 iJ*TCe010o100 e UeO-
de especial menco pelo gosio e riqueza com
esta feita.
S. acto.Carcere, em tempo transformado para
scena final.Vista de gloria preparada para todo
o theatro, que deve produzir maravilhoso effcito.
O machinismo encarregado a um artista hbil,
pode asseverar-se que correr a contento.
A msica do Sr. Colas FHho, foi escripia exprs- ts s^ convidados pei0 presente ao exame
smente por este artista com o gosto que tudas ihe previo do dito navio, assim como do inven-
reconhecem. tario em poder do mencionado aceote.
O vestuario novo e ao gosto da poca._________ '
dito brigue. tal qual se acha fundeado nes-
te porto aonde recentemente arribou na sua
viagemde Buenos-Ayres para Drontheim, e
foi legalmente condenMiado; os pretenden-
Comecar s 8 horas.
LE XitO
DE
889:5o8622
novlmento da alfandesa
Volames entrados com fazendas..
> i com gneros.
Volumes sabidos
> >
com
com
fazendas...
gneros...
5G6
644
------1,210
205
349
------ 354
Dcsearregam do dia 27 de outubro.
Brigue inglezDante bacalho,
Ilrigue inglezTitania bacallao.
lriRue inglezMilicentcidem.
Patacho inglezM. Donofarinha e mais gneros
Barca nacionalBebedoura- diversos gneros.
Recebedorla de renda* Interna*
geraes de Pernambnco.
Rendimento do da 1 a 25........ 43:2623440
dem do da 26................. 970123
44:232*563
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 25......... 44.116.V126
dem do dia 26................. 1:5893483
43.705,^09
MOYIMENTO DO PORTO.
Navio entrado no dia 26.
Aracaty7 Jias, hiate brasileiro SantmAnna, de
42 toneladas, capitao Amonio Joaqtiim Al ves,
equipagem 6. carga algoda e outros^gneros;
a Benvinde Gurgel do Amaral, e 1 escrava a
entregar.
Ass4 1|2 dias, brigue escuna nacional Grado-
za, de 218 toneladas, capitao Jacintho Nunes
da Cosa, equipagem 11, carga sal, e palha;
Antonio de Almeida Gomes.
Para37 das, escuna nacional Ernestina, de 1.35
toneladas, capitao Manoel Jos Pereira Martms,
cquipagoin 10, em lastro; Palmeira & Bel-
tro.
Navios sahidos no dia 26.
Parahyha Escuna ingleza Zampa, capitao E.
Wakeham, em lastro.
Ass Vapar nacional do reboque Camnragibe,
cuinmandaute Antonio Rodrigues de Oliveira.
. a quem por menos
ier o tosteio da illuminaeo publica da cidade do I
Rio Formoso por lempo detrae annos, a contar do i
Io de Janeiro de 1865 ao lim de dezembro de 1867,
avallado o costeio de cada lampeao em 291 ris
por dia.
As pessoas que se propozerem a esta arramataeao
comparegam na sala das sessoes da mesma junta
DO dia cima mencionado pelo meio dia, competen-
temente habilitadas, aonde encontrarlo as eoudi-
goes da mesma arremataeao.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 10 de outubro de 1864.
O secretario,
A. F. d'Annuociaco.
1YIS0S MARTIMOS.
-
1MTAES.
Continuad] em praca perante a cmara mu-
nicipal desta Cidade nos dias 22, 24 e 26 do ro -
rente, para seren arrematadas por quem maior
preco olcrcciT as segumles rendas munici-
Saes : t
mposto de SO rs. por carga de fari-
oha e legumes................. 2:205J00o
dem de mscales e horeteiras..... 150000
Alngucres da casa da Solcdade..... 145,5009
Os que quiz-rem licitar sobre taes rendas deve-
rao apreseniar se nos mencionados dias, no pago
da mesma cmara, habilitados na forma da le.
Pago da cmara municipal do Beeife, em sessao
de 19 de outubro de 1864.
Luiz Francisco de Barros Reg,
Presidente.
Fransrisco Canuto da Ra-Viagcm,
Secretario.
Perante cmara municipal desta cidade esta-
rao novamente cm praca no dia 3 de novembro
vindouro para serem arrematados por quem mais
oftVrt-cer por lempo de um anno, os inipostos se-
cunde-; : dizimo d>- rapim de planta avaiiado por
1:0015000 : gado SO 100 avaiiado por 75000; ga-
do oveihum avahado por 25048. O pretendentes
ppd-Tii rompaioccr no mencionado dia com seus
fiadores habilitados na forma da h*i.
Paco da cmara iniinicipal de Ohnda, 20 de ou-
tubro de 18(i.
Clirtstorao Prretra Pinto,
pro-presidente.
Marcolino Das dr Araujo.
' secretario.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe oflicial da impe-
rial ordem da Rusa e juiz de direilo especial do
commercio desta cidade do Recife capital da pro-
vincia de Pernambnco e seu termo por S. M. I. o
Sr. D. Pedro II a quem Deus guarde etc.
Fago saber aos que o presente edital virem, e
delle noticia tiverern, que no dia 7 do inoz de no-
vembro do Corrente auno, se ha de arrematar por
venda quem mais d.r, em praca publica denota
da audiencia respectiva, os escravos seguintes:
Isabel, rrtoala, de 40 annos de idade, avahada
por 4005000 rs.; Ernestina, parda, de 4 annos de
idade, avhala par 3005000 rs.; Ronifacia, crioli-
ta, de 2X annos de idade, avahada por 800&000;
Benigno, lilho desta, de 2 anuos de idade, avaha-
do por 1203000 r.: Antonio, crioulo, de 6 annos
de idade, avaiadopor 4005000 rs.
Os qua.-s escravossao perlencentes Manoel do
Reg Barros, e vo a praga por execugo que con-
tra elle pticaminha o bacharel Angelj Heoriques
da Silva, como cessionario do bacnarel Antonio
Borges Leal.
I na falta de licuantes ser a arrematagao feita
pelo prego da aljudicago com a abaiinunto res-
pective da le.
E para que r.hepue ao conherimenlo de todos,
maiidc.i fazt-r o presento edital, que sera aOixado
nos lugares do costume e publicados pela im-
prenta.
Dado e passado nesta cidade do Recifn de Per-
nambivo, aos 26 de ulubrode 1864.
Eu Manoel de Camino Paes de Andrade, es-
crivo, o subserevi.
Tristan de Alencar Araripe.
O Dr.TristSo de Alencar Araripe, oITlcial da im-
perial ordem da liosa e juta de direito especial
do commercio desta cidade do Beeife, capital
da provincia de Pcrnanibuco e seu termo, por
S. M. Imperial e Constitucional o Sr. D. Pedro
II. a quein D us guarde, etc., etc.
Faro saber aos que o presente edital virem c
deile indicia liverem, qoe por parle d Antonio do
Reg Meieiros me foi dirigida a peligao que do
Iheor spgumte :Diz Antonio do Reg Medeiros
que se lando ausentado desta cidade Manoel Soarer
de Honra para lunar nao sabido, Gcando a dever
ao supplicante a quantia de 2355040, principal de
Una letra vencida e mais os juros na mesma esti-
pulados, e pelo que o supplicante requer arresto
em seus bens, o qual j se effectnou, esc vao Ma-
noel Mara, requer o supplicante V. S. mande
citar o dito Manoel Soares de Moura, para na pri-
meira do juizo ver-se-lhe assignar os dez dias da
lei e nelles allegar a defeza que tiver, e nao sendo
a defeza revelante ser rondemnado ao pagamento
da referida letra, juros e costas, sendo a rhaeao
por e hiaes, visto esiar o snpplicado ausente em
lugar nao sabido, designando V. S. dia e hora para
a jusnlicago da ausencia do snpplicado, afim de
quejulgada e-ta se passem editaes com o prazo
legal.
Pede V. S. Illm. Sr. Dr. juiz do commercio Ihc
defira.E. H. M. Henriques da Silva.
E mais se nao continha e nem ahuma onlra
cousa mais se declara va em tal peligao, na qual
dei o despacho que do Iheor seguinte :
Justifique no dia 21 do corrente mes as doze ho-
ras da maiibaa.
Recite, 19 de outubro de 1864.Alencar Ara-
ripe.
K mais se nao continha em tal despacho, por
forra do qual fura a mesma petic,o distribuida ao
escrivo deste juizo Manoel Mana Rodrigues do
Nascimenlo.
E tendo o supplicante produzido suas tpstemu-
nhas que jusliflraTam a ausencia do snpplicado,
sellados e prcjiarados os autos, subiiam a ininha
conclusa > e nelles dei a sentenca qae do Iheor
seguinte :
Julgc procedente a justilicacan pela qual se mos-
tra adiarse ausente em lugar mcerlo o snpplicado
Manoel ^oares de Moura, que mando se rito por
editos de 30 dias para o fin requerido folhas 2. j
Pela thesouraria provincial se faz publico,
qne a arrematgo do imposto de S5500 por cabe-
cea de gado vaceum do municipio de Iguarass,
toi transferida para o da 3 de novembro prximo
vindouro.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-1
buco 22 de outubro de 1864.O scerelario,
A. F, d'Annunciago.
i'onsp.lho admiDisliMtivo.
0 conselho administrativo para fornecimeoto do
arsenal de guerra precisa comprar es ebjectos
seguintes:
Para o hospital militar.
10 dnzias, taboas de pioho de forro.
1,575 varas, brim brando.
144 novado, chita de coberta.
24 copos de vldro.
24 chicaras.
4 jarras de barro.
30 legelas grandes.
24 Pires.
1O0 barretes de algodao.
100 pares, chinellos de conro.
100 cobertores de la.
1 reposteiro para a secretaria com 13 palmos de
cumprimento e 7 de largura com todos os seus
pertences.
72 eolheres de metal para sopa.
2 enxadas de ferro.
2 paz de ferro.
t lavatorios de ferro.
Para provimento dos armazens.
15 duzias, taboas de pinho de 1/i.
Quem quizer vender taes artigos, aprsente suas
proposias em carta fechada na secretaria do cense-
llio administrativo s 10 horas do dia 28 do i
crreme:
Sala das sessoes do conselho administrativo para
foriiecnneiiio do arsenal de guerra, 23 de ouiubro
do 1864.
Antonio Pedro de Sd Barreto,
Coronel presidente.
Sebastio Antonio do Reg Barros,
Voaal secretario interino.
No dia 28 do corrente, pelas 4 horas da tar-
de, tem de serem arrematados porta do Illm. Sr.
juiz de paz do 3 districto da Bea-Vista, os objerlos
seguintes : 1 mesa de pinho, 3 cadeiras, 1 mar-
queza, 1 mesa envernisada, 1 commoda, 1 ban-
quinha.
Subdelegada da frrgoezia dos hfogados.
Por esta subdelegada acham-se depositados dous
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte capera-
do at o da 2 de novembro o va-
R/l^V Pr Paran, commandante o ea-
^pitao de fragata Santa Barbara, o
'qual depois da demora do costu-
me seguir para os porto> do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
earga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, eseriptorio-de An-
onio. Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Compauliia Pe itambuciiiia de navega-
co cosie ra a vapnt*.
liba de Fernando de N'oronha.
No dia 4 de
novembro ao
meio dia segu
um dos vapores
da companhia pa-
ra o presidio de
Fernando. En-
commendas, pas-
sageiros e dinhei-
ro a frete at o dia da sabida s 11 horas da ma-
uha : escriptorio no Forte do Mattos n. 1.
"companhia pernambcaa
DE
Navegaco mteira a mnw.
Tamandar, Barra Grande, Porto de Pedras,
Camaragihe, Macei, Penedo e
racaj.
No dia 5 de novembro segu
para os portos cima indicados um
dos vapores dessa companhia, as 5
horas da tarde. Recebe carga
^S^SSavJ'smente al o dia i; encommen-
das, passageiros e linheiro a frete at s 3 horas
da tarde do dia da sahida : escriptorio no Forte do
Mallos n. I.
lidia ohilia de Jacaranda qaasi Bya
por cornado arrea-fem.
graphico Pernanibucano.
llavera sessao ordinaria quinta-feira, 27
do corrente, s II horas da manha.
ORDEM DO Dl.t.
Votacoes adiadas;
Eareceres e traballios de commisses.
Secretaria do Instituto 2i de ouiubro
de 1864.
J. Soares d'Azevedo,
Secretario perpetuo.
A rna da Cadeia u. 53, armazem.
PELO AGENTE El'ZEBIO
Se a vender em leilo, e mais urna oulra de
amarello, nova, urna jardineira de mogno muito bo-
nita com lampo de pedra, guardas-roupas, cadei-
ras de cereja, bercos de faia, capachos de raiz de
espnstos, encerados para cobrir mesa e dito para
carro.
LEILAO
DE
4 pipas com liuho Ca(a'o(
IHMQH
O agente Pestaa por conta e risco de quem
pertencer vender em leilo 4 pipas com vinho
Catalao em no ou mais lotes : qniota-feira 27 do
corrente pelas 10 l|2 horas da manhaa no arma-
zem do Annes defronle da alfandega.
\
I
Tendo o directorio do partido liberal nes-
ta provincia oe mamfctr celebrar, como de
costume, a 2 de novembro prximo futuro
um memento solemne em suffragio do nosso
nunca assia chorado correligionario o de-
sembargador J. Nohbs Macham e das mais
victimas da rtvolugao de 1848, de ordem do
mdsmo directorio convido lodos os liheraes
que prestam homeuagem memoria d'aquel-
le Ilustre pernambucano e de seus compa-
nheiros de martyrio a comparecerem aqnel-
le acto que dever ter lugar no convento de
S. Francisco desta cidade
Recife 25 de outubro de 1864.
0 Io secretario,
A. J. da Costa Ritieiro.
&#"3f
9 bai-ris e
DE
COMPANHIA PERNAMBCAA
DE
SnvegaoSo costclra a vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaty, Cear,
Acaracu' e Granja.
Ne dia 7 de novembro segu pa-
ra os portos cima indicados um
dos vapores des- a companhia, s 5
lloras da tarde. Recebe carga so-
mente al o dia 5; encommendas,
passageiros e "dinheiro a frete at s 3 horas do
dia da sahida: escriptorio no Forte do Mattos nu-
mero 1._____________________________________
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado
at o dia 30 do corrente um dos
vapores, da companhia o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para es portos do norte.
Desde
una qnaclola com vinho
Borde* ax.
UOJE.
O agente Pestaa vender por conta e risco de
quem pertencer 9 Larris e i quartola com vinho
Bordeam em um ou mais lotes a vontade : quin-
ta-feira 27 do corrente pelas 11 horas da manhaa
no armazem do Annes defronte da alfandega.
Feira semanal
DE
Mohilias completas, trastes avalsos,
rel|r,is e otrs militas artigos.
Sexta-feira 28 do corrente s II horas.
OIjYJIPIO
em seu novo armazem silo a ra do Vigarlo n.
10, vender em leilo t mobilias completas de ja-
! caranda com tampode pedra marmore, 1 dita de
cereja, 1 dita de amarello, mesa elstica, lavato-
rios com pedra marmore, camas francezas, appa-
radores, relogios d< parede e algibeira, duzias de
cadeiras brancas, I flauta de ebane com 5 chaves,
ohjeetiwde onro, venezianas, camas de ferro, cha-
rutos de Ha vana e outros muitos artigos.
w 6:OfOuii.
Corre amauha.
SexU-feira 28 do corrente mez, ter lu-
gar a extracao da primeira parte da pri-
meira lotera a beneficio da matriz de Fi-
res, no consistorio da igreja de Nossa Se-
nnora do Rosario da freguezia le Santo
Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesouraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de 6:000fO00 at 100000
serio pagos urna hora depois da extraccao
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte depois da distribuico das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza
ja recebem-se passageiros e engaja-se
cavallus russos pedrez, os quaes foram npprehen-; carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
didos como furtados, e um pequeo relogio de ou- j ser embarcada no dia de sua chegada: encom
ro que foi tomado a um menino que disse o ter 1 mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida s 2
adiado : quem se julgar rom direito, provando, horas, agencia ra da Cruz n. i, escriptorio de
Ihes serao entregues.O subdelegado,
Manoel Jos da Silva Grillo.
C.oireio geral
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico para lins convenientes .pie em virtude
do djsjiosto no artigo 138 do regulamento geral dos
correios de 21 de dezembro de 1844, e art. 9 do
decreto n. 185 de 15 de mai de 1851, se procede-
r o consumo das cartas existentes na administra.
c/10 perlencentes ao mez de outubro de 186:1, no
dia 5 de novembro prximo, as 11 horas da ma-
nhaa, na porta do mesmo correio, e a respectiva
lista se acha desde j exposia aos interessados.
Administracao do correio de Pernambuco 24 de
outubro de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Crrelo geral.
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico que em virtude da convencao postal,
celebrada pelos governos brasileiro e francez, se-
rao expedidas malas para Europa 110 dia 30 do
corrente pelo vapor francez Bearn. As cartas se-
rao recehidas al 3 horas antes da que for marca-
da para a sabida do vapor, e os jornaes at 4 ho-
ras antes.
Administracao do correio de Pernamauco 24 de
outnbro de 1864.0 administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
THEAThO
DE
B*r-ft
&
i
r
EMPREZA
ANO & ronuiin,
(Recita extraordlua ia, HrretSa
assigoa(iira).
QUINTA-FEIRA, 27 DE OUTUBRO DE 1864.
OS
MARTYRES
PEKSUNAGENS.
Constancio, cesar do Occi-
dente .......Porto.
Scipio, patricio romano e
senador......Coimbra.
Orosio, chefe dos christaos,
octogenario.....Germano.
Gabriel, filho de Orosio. Lisboa.
Dcio, grande sacerdote de
Jpiter......Pinto.
Lucifer.......Borges.
Pinto, centuriao romano. Guimarej.
Polion, guarda dos carceres Santa Rosa.
Isaac, judcu, escrava do Afra Teixeira.
O archanjo.....D. Antonia Reg.
Afra, cortezaa romana D. Antonioa.
Martha, virgem christa. D. Camilla.
Al.......D. Manada Silva.
Eumenia, escrava de Afra D. Maria Puntes.
Digna, dita.....D.FranciscaBalbina
Euprpia, dita.....N. N.
Senadores, litores, sacerdotes, sacrificadores,
aoruspices, virgens, contundes, decenarios, solda-
dos, novo romano, poto chri^lao.
A arcao passa-se na cidade de Augusto (hoje
AugS' ourg), no anno de 303 da era christa, sen-
do imperadores : Maximiano Hercules, no Oriente,
p Deocleciano, no Occidente, e cesares, no Oriente,
Galeno, e Constancio, no Occidente.
Todo o seenario novo e pintado pelo distincto
scenographo o Sr. Veneri, e consta do seguinte :
Cacto. Lugar montanhoso e selvagem, bos-
que de cedros, grutas, que em tempo se transfor-
marlo.
2. acto Rica e sumptuosa habitarn de Afra.
3." acto.Sitio ermo e agreste.-O templo de
Proserpina em ruinas formando a entrada das ca-
tacumbas, que em tempo, pela transformado deixa
ver o interior.
4. acto.O magnifico templo de Jpiter com
uwi uo, i-> w. i,. ua ua UlUii 11. 1, vott
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
LtMo
DI
Escravos de ambos os sexos.
Seita-feira 28 do corrente
s 11 horas, no armazem da ra do Vigario
numero 10.
OLYJIPIO
vender em leilo im seu novo armazem a ra do
Vigario n. 10, diversos escravos de ambos es se-
xos com habilidades e sem ellas.
Sfxla-fcira 28 de outultro, s 11 ho-
ras, ra il.-i deia armazem n. 53
E' um bom patrimonio.
DE
Urna casa na frente da ra do Palacio do His-
po com 2 janeltas e urna porta, sala, 2 quartos e
flM tm a ma > gabinete, com portao ao lado entrada para um
%y*.PlviJir mjj MMJLJMl grande terreno em que se acham edificadas 10
DAS t .meia-aguas ou easinhas |iara a pobreza, que ren-
MJ.^WirriHI'W KIPIrlH t I Te M* m;,is d0 8** oor l0e, acabadas ponen lem-
ElOOilllLlllll^ I .Til IjsS lulxi Tpo, alem de um terreno no fundo com privada, e
. No dia 30 do corrento mez es- [grande cacimba, chao proprio, boa acquisicjio
Os abaixo assignados, membros do partid*
progressista, respailando o costume mandado
continuar o anno passado pelo directorio do
mesmo partido, e de accordo com outros
amigos e correligionarios, mandan celebrar
DO da 2 de novembro as 6 1|2 horas da ma-
nhaa, um memeotu pelas almas do fallecido
desembargador Joaquim Nunes Machado e
seus companheiros de infortunio. E convi-
dam para esso aclo, ante o qual ressam odios
e prevencoes, a todos quantos sabem render
homenagem as preciosas qualidades daquelle
cidado.
Beeife 26 de outubro de 1864.Dr. Amo-
nio Vicente do Nascimenlo Fciloza. Dr.
LourenQO Trigo de Loureiro. Innocencio
Serfico de Assis Carvalho.Manoel do Nas-
ciment da Costa M>nteiro. Antonio Her-
culano de Souza Bandeira. Feliciano Joa-
quim dos Santos. Flor tao Correa de Bri-
loFrancisco Rochael P. R. de Medeiros
Luiz Jo- Pereira Slmes. Dr. Caolano Xa-
viec Per.-ira d- Brito.
IA
AA.
pera-se dos p ros do sul o vapor
francez Bearn, commandante II
_de Somer, o qual depois da demo-
"T^'aBr-- do costume seguir para Bor-
deaux tocando em S. Vicente e Lisboa.
Em S. Vicente ha um vapor cm corresponden-
cia com Gorce.
Para fretes, condic50e.se passagens Irata-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
E esperado do Rio de Janeiro cm poneos dias a
galera Mindelto, e depois de poura demora nesle
porto seguir para o Para, para onde recebe carga
a frete commodo : quem quizer carrejar, pode en-
tender-se com os con.-ignaiarios Palmeira A Bel-
tro, largo do Corpo Santo n. 4, priineiro andar.
S. M. Nass, capitao do brigue nnrueguense
Emilie, arribado nesle porto, na sua recente via-
gein de Buenos-Ayres para Drontheim, precisa fre-
tar nm navio para levar o carregamento do men-
cionado brigue deste porto para Drontheim em di-
reiiura : Os pretendentes podem dirigir suas pro-
postas ao mencionado capitao, no consulado da
Sueciae Noruega, ra da Cruz n. 4, ate o dia 27
do corrente ao meio dia.
Bahia.
O hiato Dous limaos sabe para a Bahi : a tra-
tar com Tasso Irmos.
Para a Babia pretende sahir em pnucos dias
o veleiro patacho D. Luiz, capitao Jos Teixeira
de Azevedo, por ter parle da carga tratada : para
o resto da carga que Ihe fal-a trata-se com os con-
signatarios Palmeira Bellro, largo do Corpo
Santo n. 4, primero andar.
LEILOES.
Em itic io armazem dos
meira k I! Hio.
Quinta-feira 27 do crtente s 11 horas.
CordoiroSimoes vender em leilo um escravo
de nacao com bonita figura possaute proprio para
qualquer sor viro, 1 mulaliuhode 18 annos oflicial
de alfaiate, bonita figura, proprio para holeeiro,
copeiro, criado etc., etc., i mulata de 20 annos,
cosinheira, Iavadeira, engommadeira e costureira.
i\a mrsma occasio vender outros escravos
com habilidades e sem ellas.
sao Convidados os preteodeotes ao previo exame.
l*elo agente lUizeblo
se vender em leilo pelo maior preco os predios
cima.
LEILAO
DE
Paixe alan, cha e figos.
Sexta-felra 9* do corrente.
O agente Pestaa vender por conta e risco de
quem pertencer 25 caixinhas com cha de 8 libras
cada urna, Larris com peixe atum em salmoura o
mais bem conservado possivel e 200 caixinhas
com superiores figos de verdadcira comadre do
16 libras, tudo desembarcado hantem c ser ludo
vendido em lotes vontade dos compradores :
quinta-felra 28 do correte pelas 11 horas da ma-
nhaa no armazem do Annes,defr<>nle da alfandega.
DE
6 arreios novos proprios para cabriolis
e carros americanos, e I chicote proprio
para governar 4 oavallos.
Segunda-felra 31 de outubro.
O agente Pinto f.ir leilo por conta e risco de
quem pertencer de 6arreios inglezes e novos, pro-
prios para cabriolet e carros americanos, s 10
horas do dia cima dito no primeiro andar do so-
brado da ra da Crazn. 38.
LEILAO
DE
Fazendas ataviadas
Segunda-feira 31 de mil liro.
O agente Pinto vender em leilo por emita de
quem pertencer alguns madapoloes e algodaozi-
nhes com toqne de avaria, s 11 horas do dia ci-
ma dito em seu escriptorio ra da Cruz n. 38,
primeiro andar.
AOS 6:000.000
Bllhete garantidos
A' ra do Crespo n. 23 e casas do rnstmne
O abaixo asstgoado vendeu nos seus muito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acaben
de extrahir a beneficio da Santa Casa da Miseri-
cordia, os seguintes premios:
N. 1712 dou< quartos com 10:000TMIO
N. 1046 dous quarios rom 2:000,6000
N. 723 dous quartos com 2:000O o
N. 2103 meio bhele com 500000
E outras rotula* de 2003, 1005, 405 e 125.
Os possuidore podem vir receber sem os des-
con.os das leis na Casa da Fortuna ra do
po n. 23.
Acham-se venda os da primeira parte da
primeira lotera a beneficio da matriz de Flores,
que se extralur no dia 28 de ouiubro.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 73000
Meios......... 33500
Quartos........ 13900
Para as pessoas que comprarem
de 1005 para cima.
Bilhetes........ 63500
Meios......... 35250
Quartos........ 13700
_____________Manoel Martins Fiuza
O escrivo da irmandade do Snntissnuo Sa
cramento da freguezia de Santo Amonio, de or
dem da mesa regadora, comida a todos os raos
para comparecerem quinta-feira 27 do corrate s
I horas da tarde na igreja do Espirito Santo aflu
de acompanhandoao Rvd. paroch i e clero assis
tirem ao acto da reconeiliaao da igreja matriz.
Recife 25 de outubro de 1864.
_____ Luiz Cesario do Reg.
0 cirurgiao Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
Cruzes sobrado n. W, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o acharao como sempre
prompto a qualquer Lora pa-
ra o exercicio de sua pra-
fissao, chamado por escr ipta
piLiLi* vmtSwMS*'
DO
DR. AYER.
Nao ha necessitladt; m;ii> ge-
ral em lodos os paiz^ do t? a
de uta puryantr fjH --'-ja ao
mesmo tempo innocente, edicaz
e digno de toda a runfian;-.
As pillas qn tn cdfertco-
mos ao publico prnaclMH otos
condi(.'oes ; pois pdem Kf lo-
madas pelas pessoas mai> Tracas
sem perigo alotun, rito larii m
sua composico roercnri" nem
oulro ingrediente nocivo sm-
de, mas sendo com|Misto de a-
gentes vegetaes mui fortes, sao ba.-Lirile
efQcieiites e activas para purilicar os tmfU
mais robustos. -
Bulas pilulas exploram e puhQram toda
a extensao do canal alimenticio, e ilu M^'nr
a todas as partes do organUino, corrigiiMlo
sua accao viciada c fazendo rerurierar sna
vitalidade
Um remedio inestimavel contra dr dr
cabera nervosa, enxaqueca, irtso do cen-
tre, hemorrhoidas, molestias do figaHn, fe-
bre gastro-hepatica, e todas as molmtts
biliosas que teem sua oriaem no entnrpeci-
mento do ligado que causa a escassez da
bilis na inllammaco d'este orgo que fn-
duz derramamento da bilis no estomago mi
em um desarranjo geral dos orgos diges-
tivos.
A Ictericia
produzida pela absor^io da MA no
sangue, dando i pclle e aos olhos urna cr
amarellcnta ; nao smenle dolorosa [xr
si, pormeonduz aos mais serios soffrime-n
tos.
Para cura-la toma-sc de I 8 pilulas to-
das as manhaas, isto e bastante para mover
o venlre smenle at que se recupere a ac-
co saa do sy.teina.
Mal do finado, febre gastro-hepatica,
diarrhea biliosa, indigtsto, a nerrnlqia
ou tic doulviireux, sao todas molestias qm
tem seu comeco n'um desarranjo da bilis.
A obsercarao dos duelos da bilis faz Mil
volver ao sangue, com que circula d pois
em todo o corpo e causa estragos desas-
trosos saude e produz urna serie innn-
metavel c males
Todos estes incommodos sao curados com
as pilulas do Dr. Ayer.
Direccoes minuciosas ocompanliam cada
frasco.
Vende-se na pharmaeia franceza de Wau-
rer A ('.., roa Nova n. 18.
AGKNCIA CK.VTRW
ir Ra Dlrrlla
RIO Ed WCIRt.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmaeia fraoeeza de
P. MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
Arrendamento
De nma casa terrea na praia de S. Franrisrr
com :i salas e cn t.res- os harihos do mu* pnmMMMn de feta: mnm
de rpialro faces no aterro do Varaduuro junto :.
ponte achara com quem tratar.
Aluga-se a casa no Mont^iro a beira do r
tendo bastantes commodos para grande familia,
tendo a casa dous corredores, quintal murado e
terraco : quem a pretender, falle m Monteiro com
Francisco Rodrigues do Passo.
A loja de violas, guitarras p vioi>-< da na
do Livramenlo n. 14 A, modoii-se por cm qrtanlc
para a fabrica das mesma* na na da Roda n. -19
m
LEILAO
George Jouny,
para o Maranbo.
subdito americano, retira-se
tVh
N
DK
20 barris com vinko branco,
HOJE
Por conta e risco de Orto pertencer, o agente
Pestaa far leilo de 20 barris com superior vi-
nho branco de 5 em pipa, em um on mais lotes a
vontade, quinta-feira, pelas 10 horas da mesma,
ua porta do Annes, defronte da alfandega.
LEILAO
Em 27 do corrente mez ao meio dia
em ponto Da porta da Associaco
Commercinl
S. M. Nass, capitao do brigue norueguen-
se Emilie, com autorisaco do Illm. Sr.
inspector da alfandega e em presenca doSr.
gerente do consulado da Suecia e Noruega,
DE
UJ?I ECRATO
Segnnda-feira 31 de onlubro.
O agente Pinto far leilo, precedida a compe-
tente autorisacao.de um escravo crioulo por nome
Denedirto, s ll horas do dia cima dito em seu
escriptorio ra da Cruz n. 38.
LEILAO
H
Melad* do sobrado de iIohs andares c
solo da rua da ruz n. i\\.
Segunda-feira 31 de outubro ao meio dia.
O agente Pinto far leii, requenmenio de
Antonio Francisco das Neves, e por mandado do
Illm. Sr. Dr. juiz de orphos, da melade do sobra-
do da rua da Cruz n. 64, isto ao meio dia do dia
cima mencionado, em seu escriptorio rua da
Cruz n. 38.
Os pretendentes poderlo desde j examinar
dita casa e eotenderem-se com o referido ageute.
AVISOS DIVERSOS.
Urna peasoa que vae para o Rio de
Janoiru, inenmbe-se rTalli promover qual-
quer cobranca judicial ou amigavel, com
algum pequeo interesse, dando fiador : a
procurar no escriptorio do tabelliao Porto-
carreiro, na rua do Imperador.
B-se a quantia de 500 sobre hypolhera
em casa terrea ou escravo : na rua de Santa Rita
n. 27, segundo andar.
Matriz de Sanio Antonio.
Tendo-se de proceder hoje pelas 4 horas da tar-
de ao acto da reconciliagao da igreja matriz de
Santo Antonio, profanada em consecuencia dos
alternados nelia commettidos a 8 de suteuibro por
occasio da ultima eleieao abi procedida, a mesa
regedora da respectiva irmandade do Santissimo
Sacramento pede todas as mui dignas mesas das
confrarias e irmandades desta capital, que se dig-
nem mandar em suas torres darum repique quin-
do una gyrandola de fogodo ar houver anuuncia-
do que se effectuou aquele acto.
Recife 26 de outubro de 1864.
O escrivo,
__________________Lu; Cesario do llego.
Aluga-se o sobrado de um andar e soto da
rua de Aguas-Verdes n. 27 : a traiar na padaria
da rua Direita n. 84.
Albino Baptista da Rocha, Porta-
guez, reiojoeiro e dourador na pra-
ca da Independencia n. 12, faz qual-
quer concert de relogios e doura-
do por precos mais baratos do que
nutro qualquer e responsabilisa-se
pelo seu trabalhs.
Perdeu se una pulseira de mosaico em a
noite de 25 do corrente, entre a rua Nova e a rua
do Hospicio : quem a achar queira vir entrega-la
rua Nova n. 30, que ser devidamente recom-
pensado.
Aluga-so um grande sitio com grande casa
de vivenda, boa agua de beber, muitos arvoredos
de fructo, junto ao engenho Peres, pelo tempe da
festa ou annualmente : na rua das Cruzes n. 35,
segundo andar.__________ ______
Precisa-se de um caixeiro para tomar conta
de urna taberna por balaace : na rua da Cacimba
n. 2.
Aluga-se a casa terrea n 24 defronte da
igreja do Mangulnho : a tratar na rua da Madre
de Dos n. 14.
Naques M>bre Portugal.
O abaixo assignado. autorisado pelo
Banco Mercantil Portuense. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva (lastro, saca ef-
fectivamente por todos os paquetes sobre
as pravas de Lisboa e Porto, e mais luga-
res do reino, |>or qualquer somma a vis-
ta, e a praso ; podendo, os qne lemarem
saques a praso.receberem avista, no men-
ino I la neo, descontando 4 on ao anno: na
loja de chapos da rua do Crespo n. 6, on
na rua do Imperador n. 63, segando an-
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
m
m
Engommase com perfeicao, tanto rupa de
henea como de senh >ra, por preco commodo :
na rua da Senzala Velha n. 116.
Alna,
Precisa se de urna ama para cozinhar e comprar
em casa de hornera solteiro, prefere-se escrava :
na rua do Queimado n. 32, loja.
Precisa-se de dous trahalhadnres forros on
captivos para trnhalhar em nma destilar ao pe
do camJnho de ferro : a tratar n rua do Impera-
dor 11. s 1, laherna.
A lirma de Oliveira & Cirvalho ju'ga nvlt
dever nesta praca nem fra della, m:\> qarm se
julgar creilor po'qualquer titulo, queira apresen-
la-lo na rua da Crti7 n. 1, escriptorio de Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C. para ser pao.
Precisa-se de pretas para vender IHinho*,
pao de-l e mais doces : na rua de S. Rom Jen*
da- Crioulas n. 30 achara com quem traiar. Paga-
se 80 rs. de vendagem cm pataca, e d-se impor-
tancia em qualidade._________________________
Atisentou-se do poder dii Manoel Cn>l->dio
Peixoto Soare< no dia 2-1 do corrente, o sea escra-
vo Luiz, de idade de 40 annos pouco mais on me-
dos, levando vestido caiga de algodozinho branco.
e camisa de h;iia verde ; roga-se a quem o pegar,
leva-lo em Sanio Amaro era casa de seo senhor.
ou no trapiche de Cunha.
&>f0
Furtaram da eseada do sobrado do paleo do Ter-
co n. 29, por cima de urna leja de mircineirn.
almofan grande de bronze, e desconna-se ser 01
escravo ganhador: portanto roga-se a leda e qnal-
quer pe>soa e unumeoto a polica, a ajnMMBle
do dito almofan ; e mesmo se algnem ja o liver
comprado, querendo restituir, pode leva-lo ua man-
dar no dito sobrado, 1" andar, que se lee pagar
as despezas._____________________^___
\a ru 1 eslrciin do Rosario i. 34
Advogado Affonso de Albu-
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer hora ; naa aeitte-
teiras, porcra, na villa do Cabo.________________
INJEGCAO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
antigs e recentes, nico deposito na ho-
cica franceza, rua da Cruz n. 22, prc-
o U
*>
<$
MOTILADO


Diario de PermAmbaea <|nlnia Ulr S de Outubro e i sa4.
Vende-se na praca da Independencia n. 39, laja
de Antonio Augusto dos Santos Porto, cabellas
normaras de gostos mais moderno, que tem
vindo ala agora para se hotar era tmulos e cata-
cumbas no eemiierio pnhliro no dia de finados
com as escripgois seguate; meu esposo, miotia
esposa, rara sai, rumba mu, neu niho, minha fi-
Iha, saudades sempre vivas, amisade, urna lagri-
ma ; desta qnalidade nunca vieras para seren
vendidas nesta provincia.
Aluga-se o quarto andar da casa sita ra
Nova n. 21 : a tratar na mesraa roa o. 8, toja de
cha.
Emprpza dos U-iiiu urbanos 'lo Recief
Apipuros movida vapor.
Tendo chegado da Europa asinformacoes e dese-
Dhos que os concessionarios do privilegio manda-
ram vir pelo enj-enheiro que tem de executar a
obra, os coneassiouarios abaiio assignados resolve-
rn formar urna companhia rom o capital de ... I
300:000#X era acedes de 505000, com as cend- i
coes que sero presentadas aus que quizerem to-
mar acedes.
As pessoas que quizerem ser accionistas desta I
importante empreza, podem dirigir-se qualquer I
dos abmxo assignados, ou aos correctores Vascon-
PEIMEIRA E ANTIGA CASA FELIZ.
vowwtmiki
SAHIO A LUZ
M ISTA a venda ha uvbaria bo Sb. (kraldo
Bl A ESTREITA DO ROSARIO N. 12 AS

afeites a Mara
yapan .rteot ***<*a** ** **.,
nos .|UP ,,, rhffra,,0 ^ ^
Na ra da Cadeia do Recife n. 55, primeiro cellos, Mamede, Ouimares, Gatis, Doubourcq^ Ma-
andar, tem una carta para 0 Sr. Antonio Jbtaooel "^ *% tc> m
da Com-eicao. Baro do Lieramento.
Jos Bernardo G. Aleo forado.
Precisa-se
Verdes n. 92.
de urna ama : na ra das Aguas
AlUga-se urna casa ein Beberihe : a .
com J. I. M. Hege, na roa do Trapiche n. 34.
Aluga-se a casa terrea n.
on Barros Balsos, de 165 mensaes : a iratar r
ra do Crespo n. 15, ou estrena 4o Rasario a. 32.
a manhaa do dia 21 do rorrente
de mu quarto que vai para o quintal do sobrado
dj largo do Paxaito u. 26, urna caixa grande de
A. Luiz dos Santos.
Os abaixo assignados havendo contratado com o
tratar; governo provincial a collocacao de trilhos urbanos
da cidade do Reorfe at Apipucos, e tendo obtido
Precisa-se de doos homens que enlendam do s nror.macoes que eram indispensaveis para a
aervieo de copeira : na ra da Aurora n. 32. execueao da empieza, teem resolvido formar urna
*6 di r.la .iriTTTa umPanhia anonyma para a sua realisaco, e com i
ra do Hurte as seguintes bases :
atar na Artigo 1. O cap.tal da companhia ser do tre-
zenins contos de ris, divididos em acedes de 50*.
roaran i*mmw*I em prestacoes, sendo 25 por cento logo!
que estiver formada a companna, e o restante nos!
indicados pelos emprezarios precedendo.l
PORTO*
Km das flores, *&. 3 (JOMto avieja da Misericordia.)
PLAN
GII.WDE LOTEIII l DE SUMA.
CUJA EXTRACgAO TERA' LUGAR NO DIA 23 DE DEZEMBRO DE 1864.
PARTIDAS DOBR ADAS
Offereeidas
A" Assoeiaco Commerclal Be-
ucflceDte
tm qnizer
rom penlmr ; u*im orno r.rrbei. ^TsS-
nigamuito bonS ,,.,, pnra aozar^mo 7?.-
chus e tambera pira rega>s(> ra-rth
Uiuilo linas, lano para Baa*oai
menina ; liualinente tem gr4
miudezas : vende-se ludo barato.
(ara
o aafa>
sorUaHM fe
DE
PgBNKi&UCa,
POR
M. Fonseca de Medeiros.
Offurece-se para ser caixciro de taberna ura
rapaz portU|juez com orallea da mesma e toma por
balanco qualquer ftefHteio de molbado : piem pre-
cisar annuncie por osle Diario para ser procurado.
Precisaise de urna ama para cosinhar
ra do Raneel n. 60, primeiro andar.
pe;ha
Ra da Madre de Dos a. 9.
- ^p^p*a"a
Sarros grandes com farinha de maadiora pet>
barato preco cima menriooadn.
na
PREMIOS
4 Imana k de lemhrancax
LUSO BRASILE1B0
pak. isr:;
amarlo contendo dentr duas jaqnetas de panno aviso de 3 d'a-
lino preto, urna dita de brinUiso branco, tres cal-; ,p"d,'ra' P"rm, este capital ser elevado a ris I
^as, urna de panno fino preto. urna de caseraira es- 00:0005000, se para o futuro quizor a companhia
cura, e a outra de bnm de linho de piscado, assim azer prolongamento ou ramal.
comoum chapeo novo de pello dentro de sua cai- ,Arl- 2 0s emprezarios se obrigam a fazer as

I
-, ;1
pois, a pohcia o descobrimento deste furto, assim "''Jectos da companhia, que serao com a simplici-
como gratifira-se a quem der noticia delle, goar- "* Pili tendo-se somente em vista as ao]
dand-se sagrado, pois que s se desoja descubrir ^""""dacoes seguranfa, sendo urna no han ro de
os ladroes. \ Santo Antonio, e outra as proximidades da extre-
________Flix Francisco de Souza Magalhaes- i da linha ; a fornecer 10 carros para pas-
Pretsa-so de Hia am* para o -ervi.-o d sagL'iros e 8 'ara <-arga, e 3 locomotivas, tudoisto
urna casa de pouco faraiha, aTaUr aTSl^nTfSSSTT^
Cria u.32. I Af- 3." Concluidas as obras sero es trilhos com
i os objeotos cima indicados entregues companhia, I
que desde logo entrar na posse e administraco!
da emin-eza, e gozar dos privilegios, isnncoes e :
vantagens que foram concedidas aos emprezarios,
salva* as disposiges aqui declaradas, sem que de
parle parte possa dar-se reclamacao, ou possam
n emprezarios exigir mais do que a referida quan
lia de trezenlos cornos.
Art. 4." Os emprezarios se obrigam solidaria-
mente ao cumprimento do qoe Oca declarado, do
que se Imn auto aut!-;enlico.
Art. 5." Pela assignatura se obrigam os accionis-
tas ao que fina declarado e ao pagamento das pres-
tacoes nos lempos que forera declarados. No caso,
porm, de nao pagamento de quahraer das prestar
Soes em dito lempo, |>erder o accionista o din-ito
as prestaeOes on entradas que honver lefio, e
qnasdo nao realise a priraeira, portera ser coagido
judicialmente ao pagamento da totalidade da
: accao.
Art. 6. Nao ser permiitida a transferencia de
acedes, ou dos recibos provisorios, antes de esta-
rem integralmente pagas, salva a responabilidade
do accionista, ou coaaeniiuMMo dos emprezarios.
Art. 7. Logo que esiiverem tomada as arcoes
serio os estatutos submetudos approvacao dos
accionistas para que seja logo encorporada a com-
lia-ilna, sem que todava por este faci tenha ella
qnalquer ingerencia na factura das obras, chamada
e recebiniento das prestacoes.
Art. 8. Aos emprezarios se reserva o direito de
receber da thesouraria provincial a quantia de de-:
zoito contos de ris, que Ibes tem de ser paga em '%
quatro prestacoes, para indemnisaeao do adianta- S
ment que teem de fazer para desapropriacoes, se-; >
1 de........................
1 de..................... ......*'
i de.....................................
2 de 20.000 pesos fortes................
8 de 10.000 ditos.....................
15 de 5.000 ditos.....................
30 de 2.000 ditos....................
106 de 1.000 ditos.........
2.100 de 500 ditos................'.'..'.'.'..""
" aP*'"1'?5" de 400 pesos cada umaj' para
os 99 nmeros restantes da centena que oble-
Bha o premio de 300.000...................
ditas de 300 ditos para os 99 nmeros res-
tantes da centena que oiionha o
de 100.000.........................
ditas 4* 200 ditos para os 99 nmeros
tanles da centena que ohteuha o
de 50.000...........................
2.999 reintegros de 100 pesos para os 2.999 nmeros
cuja terminaco mu igual a do que oblenlia o
premio de 300.000........................
5.560 premios em 30.000 bilhetes.................
PESOS FORTES
99
99
premio
res-
premio
300:000
400:000
50:000
40:000
80:000
75:000
60:000
106:000
1.050:000
39:tO0
29:780
19:800
299:900
2.5":000
MOEOA PORTLCIEZA
OU
Rs. 270:0005000
90 0005000
45:000008
36:0905000
72:000,5000
67:5005000
54:0005000
95:4005000
945:0005000
35:6405000
g|U r. FraRcisco l'ires EeMwS
m PiHtella g
MEDICO OPERADOR
S Paeuldade de Parla
| Podo ser procurado h roa Nova n. i
4i, se?iin(lo_ andar.
l*OK < tV| II lio
Acabam de ekaglf eafea" ja Ha r.fcei.lo<
inanaks e vende se na livraria K-onuoMra ao
do ano de Sanio Aotwnio. vrnde->e Ui
lercoes completas dos mesnios alutaaaks
volumes.
3.1-
P
fot.
i
EST.RAVO.
Si roa do Imperador n 65. primeiro _.
para vendir um b-ra m.ileque deidade 4 9
I*
o-.
26.7305000
17:8205000
269:91050000
2.050:0005000
mraruM
IN. 43-lliin do Raagel~N. 43
O proprielario desie novo eslabelecimeulo parti-
cipa ao respeitavel publico que tem para vender
um completo soriiinnrilo de bolinhos, tarop* de
diversas fructas, cavil de flor, pastilhas de orle-
laa-pimenta. dilas de limao, ditas de canella, amen-:
doas confeitadas, fionfeitos, recebe toda e qualquer
enommenda, doces d'ovos, como sejam prestimos,
perx.-s, aletria, outras minias mais qualidades,
e enfeiiam-se bandejas : fornece-se venda a esera-
vas afllancadas por seus senhores ; eompram-se
garrafas vasias, prefermdo-se de cognac, por mais
dinheiro.
LOJAIIOBLUAFLOi.
Ra do Queinmdo ns. Mq m.
Bunecas de caare.
Lindas bonecas d- choro qov chamara paMi -
inainai, de diversos lanianhos : m. na loias j., u
ja-tlor, ra do oeioiado ns. 63 69.
Luvas de pellica.
Lavas de pellica branca e de ires para
. ; PRESOS EM MOEDA FORTE.
n^lhecn laleiros.......a 1085000 || Quintos de bilhetes....... a
Meios bilhetes.........a 545000 II Decimos........... a
215600
105800
JOS IGNACIO FERREiRfi RORIZ,
. COM LOJA DE CAMBIO EWLHCTES DE LOTERAS.
Afjianmdo to governo civil do Porto, em conformidade do edilal
^ 28 de jnnho de 1860.
.! ,?i'^raA,com Promplidao todas as encoraraendas (jue he sejam feilas, mesmo em
n ni e l">,OS ,irC-0:i ac,ma "^'"^o*, vindo acoinpanhadas do seu importe; e
no Um da extraccao remelte a lisia dos premios.
Para informacoes, e pedidos no escriptorio da ra da Cnu, n. 19.

Precisa-se de um cosinheiro na villa do Ca.
bo preere-se estrangeiroj : a iralar na ra do
Crespo n. 4, loja.
Precisa-se de um foraeiro beffl desemliara-
gado em seu ofDoie : na padaria em Santo Ama-
ro, atrs da fundico do Sr. Slarr.
j O Sr. Kortunato Joao Pires que j morou na
Passagem da Magdalena, tem urna carta na ra da
Imperatriz n. 66. padaria.
iodo o ser-
alugar, diriji-se
i Precisa-se aiugar um preto para
vico de padaria : quem o quizer
ra ImperiRl n. 51.
Aviso aos senhores e senhnras
Av'so aos senhores o senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhorane senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senlioras
Aviso aos senhores c senhoras
Aviso aos senhores e senhoras.
Novo sortimento
Novo sorlimento
Novo sortimento
Novo sortimento
Novo sorlimento
De caixinbas e quadros
De caixinbas e quadros
De eaixinhas e quadros
Do eaixinhas e quadros
De eaixinhas o quadros
jtoxinhas a 15500
Kuxinbasa 15500
eaixinhas a 15500
aixinhas a I5">00
Calxinhas a 15o00
Caixinbas de 55 por 45
Caixinbas pe55 por 45
vlaixiohas de 55 por 45
Cuajabas de '5 por 45
Caixiahas da 55 por 5
Receberam-se 10 mil eaixas
Receberam-se 10 mil eaixas
Receberam-se 10 mil eaixas
Rticeberam se 10 mil eaixas
Receberam-se 10 mil eaixas
Candes de visita
Cir'.t-s de visita
Cuides de visita
Cartoes de risita
'Cartdes de visita
A 105 a diuia
A 105 a duzia
A 105 a duzia
A 105 a du/ia
A 105 a duzia
A galera esta n-novada
A gatera esla renovada
A galena esl renovada
A galera esl renovada
A galera esla renovada
Com ricos crtinados e tapetes
Com ricos cortinados o tapetes
Com neos cortinados e tapetes
Com ricos cortinados e tapetes
Com ricos rornados e tapetes
Cora lindas e variadas vistas de fundo
Cea lindas e variadas vistas de fundo
Cora lindas e aadas vislas de fundo
Cora lindas e variadas vistas de fundo
Com lindas e variadas vislas de funde
Casa americana
Casa americana
Osa americana
("asa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
A* ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador ti. 38
A' ra do Imperador n. 38
A* ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra du Imperador n. 38
A. W. Osborne.
"?* ^"?? oessoacom pralica de comiaercio e com
f2*. [especialidade de ferragens, oflereee para esta pro-
vmcia ou fra della o seu presumo, dando fiador
j a sua conducta : quem pretender dirija carta fe-
I chadajiesia typographia com as iniciaes M. V. M.
H i a T Alu6a"s,! uma ama 'I'"' Mima bem eoainhar e
g de boa conducta, preferindo-se esrrava : na ra
m estrella do Rosario a. 32, primeiro andar.
H Na praca da Inde[iendencia, loja de ODrvec
fflf 13-' comPram'se '""as de ouro, prala e pedral
e s.-nhoras : ns lujas do beija-flor, ra
nado ns. 63 e 69.
Fuellas para cintas.
Lindas fivellas douradas rom lindas r par*
nnios : as lojas do beiia-fior, roa do Qm-ia^d..
ns. 63 e 69.
Caprllas para ro i as.
Lindas rapeilas para noivas a 25500 rada aaaa .
as lojas do leija-flor, ra do Uut-imado a*. i
e 69.
k'sUjas para barba.
Vende-se esloras cora espelho para barba aOfSM
a afOOO cada um : as lojas do brija-Onr, raaO
Queiinado as. c:i e 69.
Ilalaios para mrmaas.
eu-se novo >orimenio de baUras. naa
>& fle.7"os l-as-aros, pelo barato pr.c *....
i5iHX) ate 45 rada ura : as boas do U-i,a floaVfa
do Oueimado ns. 6.1 e 69.
Fitas linas para ralas.
Ricas Titas linas lanada- de bonitas rrr* par
cintos: ras lojas do hcija-fl>T, ra doOfHaaft
n. 63 e 69.
Eilraclos em rimabas.
Finos mirarlos ea raiitenae rom o pemil familia imperial: as tejas do beija-Onr ra do
Uueiinado ns. 69 e 69.
Sabo era oi\inlias.
rinos saboes em caixuilia- rota un retratas :
Raajbc
preciosas, assim como se faz t|ualquer obra de en- nas 'jas dobeijaiW.rua do (lu.imad. n- 63e
commenda, e todo e qnalquer conceno.
gundo o que est estipulado no contrato.
Arl. 9." Os emprezarios lomam por sua conla e
risco cem contos de ris em arcoes. ser ura
delles director nato em quanlo forera accionisias,
e terao psssagem gratuita em qualquer dos carros
da companhia.
Art. 10. Pira entendido que as despezas at ago-
ra feilas, e as que se houverem de lazer para en-
corporaeao da companhia, registros, etc., serao por
conla dos emprezarios, por modo que a companhia
entre no gozo o posse da empresa para ser explo-
raba por sua conta e vantagem, mediante o capital
declarado.
Arl. II. Nao se faz o calculo dos lucros prova-
veis e das vantagens da companhia, porque esta
apreciacao esl ao alcance de Iodos, e nao dese-
jam os emprezarios fazer nutrir esperanzas que
parecam exageradas, posto que efectivamente o
nao sejam.
Bario do Livranvnlo.
Josa Bernardo Calvao Alcoforudo.
Antonio Luiz aVj Santos.
NO
ABAZES
DE
- Precisase aloyar ntn escravo para comprar
e fazer outros servicos de easa de posea familia :
na iravessa da Madre de Deus, armazem d>- Barros
a Silva.
Itobin Joao Belizario, vai para Macelo.
mammmm%
Tiras buriladas.
Vendem-se tiras bordadas iiansparenifs e laaa-
V \S,3i l0Jas d" "e'ja-nr, roa do Uunn.ad aa.
63 e 69.
Jugos de iorninn.
Vendem-se jogt.s de domin a IJbVO e \^K4):
nas lojas do beija-ftor, ra do (jueimaA. n> ti
e 09.
lETftBjA VEHB2.
3D
todas
Neste estabelecimento ha sempreAu sortimento completo de roupa feita de -*j
as qualidades, tambera se mar* fazer por medida, vontade dos concor- S 1
rentes, para o que tem um dos melhotf s professores, assim como tambem tem um '
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qualidades, para senhoras,
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 350 e 305000 Ditos de setim preto. .
Sobrecasacas idem, 305 e otfOOO Ditos de ditos e seda banco,
Paletos idem e de cores, 25& 6^ e.......
205, 15,3 e...... i00000 Ditos de gorguro de seda
19Una .Nova -19
Fredeneo Gaulier, cirurgiao dentista,
faz todas as operaoSes de sua arte, e col-
loca denlesaililicies, tudo cora superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas lhe reconhecein.
Tem agua e pos denuncio.
irjrnraa
raa
^^wmrm,
O -r. Jo< Antonio Floresta Bastos espidan-
te da facoldade de direito tem um i carta de, im-
portancia vinda da Babia na ra do Crespo n 23.
R
"
w,
76,
jB Conpaahla fldelidade d
seguro uiaritliiios e ter-
restres estabeleclda no
B Rio de Janeiro.
&0 AGENTES EM PEPNAMBUCO
SAiiloiiin Luiz de Oliveira Azeredo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
9 de, tomam seguros de navios, mercado-
Zs* ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
Na ra Imperial n. 1 precisase de duas pre-
is para vender miudezas.
Precisase de uma casa cora pronorcSes de- f
centes para habitacao de pequea
re-se no bairro da Boa-Vista ou
se duvida pagar bera : a tratar na ra" do Viga-
ro n. 9, primeiro andar.
Precisa-se fallar ao correspondente do Sr.
Augusto Das Marlins, negociante do Aracaly, a ne-
gocio de interesse do. mesmo senhor; e para isso
pede-se-lheque se sirva de annunclar o lugar de
sua residencia.
s Ditws de casemira, 205,
M 120, m 0 .. .
m Ditos de alpaca, 5, 4-5 e
| Ditos ditos pretos, 9,
56, 45 e ......
Ditos de brira e ganga de cu-
res, 45500, 45, 35500 e. .
| Ditos branco de linho, 65,55 e
Ditos de merino preto de cor-
dao, 105, 75 e.....
Calcas de casemira preta, 125,
105, 85e......
^k Ditas de cores, 95, 85 e. .
& Ditas de meia casemira de co-
res, 55000 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 45500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 55, 45500, 45 e .
ia familia;" prefe-1 s Ditas de ganga de cures, 35 e
immedaQo.-s ;no ijg Colletes de velludo preto e do
cores, 95 e......
Ditos de casemira preta, 55 e
Ditos de ditas de cores 55
45000"
25509 |
85500
25000
45
pretos e de cores, (5, 55 e
75000 Colletes de fnstao e brim bran-
35300 co, 35500, 35 e .
.. Seroulas de brim de linho,
3o0 2|i9 e......
itmnn Ditas de a,od5' *W e-
El Camisas de peilos de linho,
000, 45, 35 e. .....
Ditas de madapolao. 25500,
55000 25 e........
Chapeos de massa, pretos fran-
75000 cezes, 105, 95 e. .
75OOO Ditos defltro, 55, 45,35500 e
Ditos de sol, do seda, 125,
45000 115, 75 e......W0
Collarinhos de linho fino, ulti-
45000 ma moda duzia. 6000
Sortimento completo de grava-
25500 tas. 5
25500 Toalhas para rosto, duzia, 115,
e........ 65000
750OO Chapeos deso, de alpaca, pre-
450OO tos e de cores.....
Lencwes de bramante de linho.
35500 Cobertas de chita chineza.. .
sorveie todos os dias, das 0 horas em
diante, advertindo que o mais asseiado e bem M-
lo possivel : no bem conheeldo caf dos Arcos.
Rasa para alosar a na d Gresoo.
Aluga-se a principiar em 1" de Janeiro prximo
futuro o sobrado de tres andares da ra do Crespo
_ n. 9 : quem pretender, dirija-se ao estabelecimen-
SSS lo da luja do mesmo sobrado, ou 110 de n. 13 da
25000 j!? mftsin!> rna___________________
15400
Precisa-se de um menino para uma taberna i
na Estrada Nova : a tratar na roa do Cotoveo 11.1
1, taberna.
1
O abaixo assiguado lendo no Jornal do fecife
um anaoncio d caminho de ferro sobre compra
de terreno? ao Sr. Jo.o Chrisnstorao de Oliveira
Pe agio previne pelo presente que nngnem faca
negocio com laes terrenose nem com nutro qual
I qii'r vendido por seu irinao Jos Cario* I.eilo de
I Albnqiierqiie. protestando ronlra essas vendas, de-
! vendo em lempo allegar o seu direito.
Manoel Carlos Leitao.
OITerere-se nina ama para lodo o servio de
casa, de mnio bons rostumes, para casa dedo-
j mem soltoifo ou de familia : no becco do Padre,
oa Iravessa do Lvramento, loja n. li, achara coni
quem tratar.
Hallados hoidadns
Vendem-se babados bordada* da vanas
o varios procos : nas lojas do tM-ja-IIor
Qoeimado ns. 63 e M,
Aliafadiirrs de rrdr.
: Vendem-se abafadores de rede a varia- edjaa h
00 rs. eadaoaa : nas lojas do beiuflor. roa aV
(jueiinado ns. 63 e 69.
Ailcrrros pretes.
Tendo-se recebido adeiecos pretos d* novo -04.
I lo sao expostos a venda : nas tojas da Lc-ia-flor.
ra do Queimad., n>. 3 e C'J.
Grvalas para .cuberas.
Lindas grvalas para s.-nhora a 800 rs. r l->ma>
1.5200 : nas lojas do beija-flor, ra do Oue-niad
ns. 63 e 69.
Espetaos de Baldara.
Vendem-se espclhos de moldura prela para a-
las : nas lojas do beija-flor, ra do Queimado n.-
0.1 e 69.
Voltas de aljofares.
Lindas vollinbas de aljidare com cruz dr p*dr.-
ntias iraiaiiiio brilhanle- a 15HU0 cada um : M*
j las do beija ll.ir. roa do QmtaNrie ns. 63 r ?.
(Ifllhrrrs para sfipa
Vendem-se cnlheres de rm lal-priiicip,- r.an V.pa,
a 25000 rada uma : nas loja* do bi Ha aVi ra
Qoeimado ns. 6.1 e 69.
I.aa para Imrdar.
Vende se 15a para bordar, a aaoNha* ijw piid*
encontrar, lano na qnalidade. como nas cure.
65400 a libra : nas lojas dnhnji lar, ra d Qa*t>
mailo ns. 63 e 69.
Nas mesmas lojas se encontrara sempre gr.-.no>
sorlimento de Alndelas boas, r mais t-an-la- do
que em outra qualquer parle.
V-nle-se uma cabra lucho, n.va e ioniri. <*
dando mnio bota lene, a qual m I l|i parraf :
na ra da Imperatriz n. "H.
Vende-se a taberna a roa <\ liaiaMi > .t*
n. 2 por seu dono precisar faier urna viagent a
tratar na mesma.
45000
35OOO
Ao publico.
David Kohn faz sciente ao publico que tendo
I. ontra pessoa com igual nome, assigna-se d'ora em
diante David Piach.
- No paleo ib- S. Pedro n. 5, prnarirn ai
vendem-se eraratinhas d.....da i* core- de H
duzia, por >5 : em rasa d.- M. A. II torran.
(ilII\ETE
l'UTUGUiZ 11K LMIL'Ki EM PER-
^VHIRICO
De ordem do illm. Sr. presdanle do conselho
.b'liberativo, convoco os merabros do mesmo con-
celtio para se reaniram em sas^So, na sala das
respectivas sessoes, senta-feira 28 do corrente, s
horas da tarde, alim de conliuuar os Irabalhos
adiados ni sesso erdinaria de II do corrente mez.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez de Leitura era Pernambuco 25 de 011-
tui-ro de 1861.
A. A. dos Santos porto
1." secretario.
Precsase de uma ama de leile que nao tenha
fiiho : na ra da Penha n. 23.
Precisase de uma ama para casa de pouca
familia, que saiba cosinhar e engommar : na ra
da Penha n. 23.
I'ara, a fes la
Aluga-se um sobrado no Varadouro de Olinda,
com commodos bastantes para grande familia, sen-
do perto do embarque e do mnibus : a Iratar na
padaria que foi do Soares no me>mo Varadouro,
ou no Recife, no pateo do Carmo, taberna do Sr.
Joagnim Manoel Ferreira de Souza.
Offerece-se uma ama de leite sem Sitios : a
tratar na travessa de S. Jos, casa n. 39.
INOTAS \AIX4 FILIlL
- James Mitdimoor,
(ara o Maranhao.
subdito inglez, retira-se
_ Aluga-se uma casa terrea na ra da Cenc.ei-
>, com bom quintal e plantado : a tratar na ra
Quciinado n. 32, toja.
- Aluga-se o telheiro do principio da ra da
Concordia, pruprio para qualquer stabelcciment
por ter ara bom armazem, e arhar-se em boa po-
S5.I9 : a fallar cora Henrique Jorge.
Precisa-se de nm rapaz de 14 16 annos, ou ;
um hornera de 30 40 annos, que saibain ler ; a
tratar das 3 li-ras em dame na ra da Concordia
n. 38.
Guarda livros.
OlTerece-se aos senhores commerciantes um guar-
da livros : cncarrega-se de qualquer escripia, oor
partidas simples ou dobradas, cora perfeicao: a tra-
tar na ra da Imperatriz n. 39 lerceiro andar, to- j
dos os dias at as 10 horas da manhaa..
OlTerece-se uma pardinha livre e solteira pa-,
ra trahalhar de costureira em casa de qualquer i
modista ou familia, dando algdm lempo se for pre-!
ciso para praticar : quem precisar dirja-se ra
do Mondego n. 2, 011 annuncie para ser procurado.
Precisa-se alugar uma escrava que saiba co-
zinhar, engommar e vender na ra, sendo de boa
conducta, paga-se bem : na ra das Cruzes n. 36,
primeiro andar._____________^____________
Precisa-se de um caixeiro para armazem de
sal : a tratar na ra Imperial n. 37.
A pesoa que qner 1:0005, dando de juros
mensaes 50g, declare a sua morada.___________
Precisase saber porque cartorio se esl pro-
cedendo u inventario dos b-ns do casal do Sr. Cas-
siano Alberto Piraenta, o qual foi sepultado em 25
de abril de 1863; consta do Diarii de Pernambu-'
co de 27 de abril de 1863.___________________j
Aluga-se uma excellente casa para passar a
festa no Cachang, defronte da padaria que foi do
Sr. Serra : a tratar com Jos P. no mesmo lugar,
ou na rna da Imperatriz, taberna n. 42.
wm
DO
COMPRAS.
Troca-se ditas notas por fazendas.
A loja da ra do Crespo numero
Quera comprar de cem mil ris para cima dar-sd-ha ao comprador d locro de cinco
'.por cento.
Aproveitem todos. Apreveitem Iodos.
Fazendas de apurados gostos viadas de Pars.
Capas pretas iraportantissi-
raas.
Casacoes pretos e pelerinas.
Basquina de cintura e pe
Hsses.
Sotambarqus de caiemita
de cor com tintura.
Jaqnetas de merino de cor
para senhoras.
Zuavos pr-tos de seda mui-
t bem en fe lados.
Cortes de seda de cor de
imito goslo.
Colzas de seda para noivos
SedaS d* quadro de muto
goslo a 15290 o corado.
Sforeantiques c gro_sdena-
ples.
Cortes de organdiz com
barras.
Chapeos de palha para se-
nbora.
Baldes de arces e musse-
linas.
Tapete
Coracoes, sotambarques de
seda.
Esleirs para forrar sal. a 850 rs. a jarda,
seis palmos de largnra a 25500 rs. i aovado.
Na realidade, este eslabeleciniento idlerece grandes vantapvns ao commereio.
Aproveitem todos aoccasiodc trocar notas da laixa ganhando cinco por rento.
Baldes de merino de cores.
Fazendas de linho e de al-
godao.
Selccias, csguiSes e bra-
mamos.
Cassas, chitas camisas e
seroulas.
Peitos bordados pirra ta-
misa.
Camisas de laa de cor pa-
ra homem.
Madapolao a 75, 85,95e
105 a peca,
de superior qnalidade com
Compra-se ouro e prata em obras velhar
daga-se bem: na loja de bilhetes da praca da Ind
pendencia n. 22.
Compra-se efectivamente
ouro e prata em obras velhas pagndose bem :
na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourves
COMPRARSE
urna negra de bonita figura, quo saiba lavar, en-
ommar e coser hem, e cuja idade nao exceda a
5 annos, agradando paga-se bem : a tratar no es-
I criptorio de Manoel Ignacio de Oliveira & Filbo.
largo do Corpo Sanio n. 19.
Comprase uma bomba para cacimba : quem
a tiver, dirija-se ra da Madre de Dos n. 14.
Corftpram-se jornaes a 45 a arroba para em-
hrulho de cigarros : na ra larga do Rosario ns-
17 e 19, confronte ao quartel._______________
Compram-se dous eseravos que sejam bons
carreiros : na ra do Trapiche n. 13^________
Compra-se um baleao de amarello, de volla
na rtia Imperial, padaria n. 51.
em barril de ,'!
muito superior
i 11/10 rt-nle
pira particjlarr, r
em pipj
Na rna da Madre de Dos n. 16, comprase
nm escravo at a idade de 10 annos, que seja ro-
busto. _________________________________ I
Na fabrica de charutos, esquina da ra de
Hortas I, compra se papel de jorobes, ou limpo
que sirva para embrulho de cigarros a 140 rs. a \
libra.
BaBfliinTir^"----------TT" 1 I 1 Ti
VENDAS.
frlie-se caivoes vazios pronrins
para haliniciros c fiinilciros a 1 $760
rada un; ue^ta Ivogiaphia,
I'ai de IsImu
na ra do Vigano n. 19. prtoajw andar.
Cabriole i
Vende-se um cabriole! americano emmnito boi
estado de u do Imperador n. 43.
Pal ha Ur carnauba.
Vende-se no trapiche baro do Lvramento : a
tratar no largo do Corpo Santo n. 6, sejuai >
andar.
C! de Kislia era ppdra
desembarcada lionlem da bordo da barra <'>-
rfonro : vende-se por lodi o pfaes no aaavipMta
do Manoel Ignacio dOlivera & Fillw, largo do l/r-
po Santo n 19.
Acha-se venda ni 2* balalhao S infanta-
ra, um retogio de armirii patente nl.-z faVan
precisar, dirija se ao raesin > quartel das 9 as 3 da
larde.
Vende-se e aluga-se a eaaa n. 36 na rua~da
Matriz da Moa-Vista : a tratar na mesma casi.
Vendem-se 47 jogos de p-dras A- muanos,
chegadas ltimamente na barca Hfhnhmra: atra-
ur na ra do Vinario n. 14, taberna.
Vende-se uma parda e-cura ib; bonita figura
com 20 i 24 annos, para t ido s-rvje.), t-se mais
barato sendo para tora da provincia ou para cace-
nbo : na ra das Cruzes n. 35, segundo an lar.
keXogos,
Vende-se em casa de Johnsioo Pater 4
C, ra do Vigario, n. 3. um bello sorli-
mento de refugios de miro patente *-
glez, de um dos mais afamados IAhUjAu
de Liverpool, c tambem uma variedade
qoniostlrancelins para os mesmnall
!<:is:i da Raala. ag
da mais superior desembarrada koniem : veadav
se no escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira 4
Filho, largo do Corpo Sanio n. 19.



Diario de PenuibiM Culata letra e Outubro me 184.
Mrfdapoli-s baratos.
Madapolo muito fino e largo com 24 jardas por
95, dilos a 8J> por terem um pequeo defeilo ; ve-
nham ver esuadmiravel perhineha, na luja na ra
da Madre de Dos n. 1G, defronle da guarda da
alfandega.
Roa da Senzalla Nova n. 42.
All)uns superiores para re-
tratos.
A Aguia Baanca sempre disposta bem servir e
agradar a sua boa freguezia, mandou vir e acaba
de receber um bello sortimento de albuns de supe-
rior encadernaco e apurado gosto, com especial!-
com lavores, outros
Eitraordinaria jliquidaco de fazendas para a fest
por baralissimo prrco, lauta para o malo com0
para a prara, na hija brm cotihecida do Arara,
ra da Imperadiz n. 50 de Lourenco P. M. Gui-
mares.
Ao baraleire da Arara a I & 100.
vjne";~r "j'""*T"'u j.'dade os de capa de marlim com lavores,"outros a.Y?J!d!'se orles de ch,,a9 com 10 vados a
Nesteestabelecimentovendem-se: tachas de guarnecdos de taruruga cora trancas d prata VF> ditas franceza a 35200, ditos de cu a
ferro Cuado libra a 110 rs., dem de Lo* outros marchelados de madreperola com trancas *' dlta de salpicos a 2,5400, 33 e 45 o corte, para
de prata dourada, outros de velludo etc. etc. Para Sf" dlIineiro : Da a d lmperalriz n. 86, loja
I quem tem gosto e dinheiro, um lbum assim per- Arra" .
eito sem duvida o mais apropriado para elle torics de lia a Mana Pia a 80, e 18$.
se depositar os retralos de charos pais, bons pa- Vende-se corles de la com barra, os propria-
reutes e amigos. Em quanto, porm, esses albuns mente a Maria Pia a 85, e 165 : na ra da impe-
se lornam notaveis por sua perfeico e bom gosto, trir> 'Ja aa Araran. 56.
outros recebidos na mesma occasiao, se tornam re- A Arara vende alpaca para vestidos de wnhora a
eommendados pela commodidade de precos vista 350 r8
da boa obra. Assim pois o pretendente ser ser-i Vende-se alnacas d rAr fku ,
vido conforme o dinheiro que quizer dispr para J^Stt2?ua lSf S ZZJSVZ
Moor libra a 120 rs.
B
IGESTIVAS
OEPEPSINAI
DE WASMAN
1
I
As pastilhas digestivas com a pepsina de Was-
man, empregao se com successo ha ja alguns
nnnos pelas celebridades medicaes de Pars,
Londres, Vienna, etc., em todas as incommodi-
dades cm as quaes a digesto difficil, penosa,
imperfecta ou mesmo impossivel: eis o melhor
remedio para cura! as
Dlarrhcan e a roimll-
piiro proiliirldaa
prlaa rlabnraroea
ct<-r<-r 1 iiokuk doa'all-
iiirnlo.
Gnfitralttlan.
Pl>pr|>lni>.
Embararoa in(i Ico.
A Rli"
A mttertben r^nl-
ra do rMlUMgo.
Em todas as molestias empregao-sc a miudc as
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichy,
e igualmente ns pastilhas de Vichy. Esse meio sd
cfticaz quando se trate de dispepsias de curta du-
racao. mas o prolongado uso das aguas e pastilhas
de Vichy, tem grandes inconvenientes, por quanto
os alcalinos empobrecen) o sangne e isso de tal
maneira que lhes arreblhao a parte vivificante,
nutritiva c reparatriz. Com a pepsina, a contrario,
como ella urna substancia orgnica, albuminosa,
transl'orma-se ao mesmo lempo que se cffectua a
transformado dos alimentos assimilhando-se
como cllcs e ajudo labem como clles a nutricio
geral. Sua accao vivifica o sangue e os drgaos
de tal sorle que, alh as pessoas que sem soffrer as
affecccs gstricas cima mencionadas seo nica-
mente Iracas ou d'um temperamento um pouco
dbil, e nccessiiao substancial alimento para for-
tificar se, achao no em prego das pastiUias pep-
sina de IVasman, um poderoso meio para a isso
chegar.
Aviso importante. 0 successo das pastilhas
pepsina de iVasman diu causa a se fazerem fal-
sifaracoes c milacdea d'esse producto que os
mulos se quercm desfzcr. Pois por falla d'uma
boa preparacio a pepsina que n'ella entra, jaz
alterada. Seremos ao abrigo d'este inconveniente,
exigendo os compradores que as pastilhas tenho
asiniciacsB. P. c saio da pharmaciaChevrier.
Depsito geral em Pars, pharmaciaChevrier,
21, Faubourg-Montmartre, e em todas as boai
pharmacias de Franca e dos paizes estrangeiro.
a
si-as
,|-8ag"
p o
y
en
a
o3A-3o
S -g o g S 95'-ara
1 3 n a a ^ : ;: 5
~ 71' f
s.


"O
3
2.
>'
o
i
g
p.
!?
3
o
Q.
T3
3"
-^
3
3
l'ii
Sf a.
o
w
"S
V 5
I
o
-i
5. o
o
" o.
.) CS
c s
o o
o.
63
o
o
3
3-
P
I/i
O
O-
3
e
o.

o
GRANULOS e XAR0PE
; D'HYDROCOTYLI ASITICA
de J.LEPINE
Resulta pelas experiencias feitas as Indias e em
Franca pelos mais afamados mdicos que as GRANU-
1.AS e O XAROPF. de IIVDROCOTYLA ASITICA de
J. ;.P1.\K sao o ptimo remedio contra todas as espe-
cies de IHMGENS oo herpes e outras molestias da
pelle, at as mais inveteradas, assi:n como a i.f.pra
1U MOnrilEA. a SIPIIILIS. as MOLESTIAS escro-
fulosas, os RBI-UHATISMOS chronicos, etc.
Deposito geral em Puris, em casa de folh.mer
LAIII.OXVE. ra foirfcon-ri/leneure, 19.
deposito geral em l'ernarubiic ra da
Crnz n. -ti era casa de Caros & Barboza.
'uiiilioscoiii i-tidas, palles.
Mtanos grandes cun roda*, patentes, c aflanfa-
dos pelo fabricante para moer caf, e propnos pa-
ra reflnaclu por serem de especial qualidade e de
lodosos (amachos : vendem-se nniearnente no depo-
sita da roa da Cadeia, loja de ferragens n. 56 A,
de Bastos.
I xcellenle uva ctafida do uliim
>api*
Vende-se na na do Imperador n. I't, esquina da
traversa do Ouvidor a 800 rs. a libra.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz de pritneira qualidade a
103 a lata : nos arniazens da ra do Im-
perador n. 16 e ra do Trapiche Novo n. 8.
.4 Ibuns.
J. Falque previne os seus numerosos frrguezes
que elle acaba de receber pelo ultimo vapor fran-
ci-z um esplendido soriimenlo de albuns para re-
trat"S, ib? diversas qualiriades e eostos, sendo para
20 at 200 retratos e do 5 C03 gradualmente.
Albuns pequeos propnos para meninos de 12
.'16 reir i n los e de 44 15600.
Alhuns liara de*enho de diversos tamanhos e
gustos de o5 305.
Livros de rnissa, de tartaruga, madreperola e
m.irfim, por precos rasnavei*.
4 Ra do Crespo 4
JI hias c prensas para alg>do.
< hepararn agora da America as vurdadeiras ma-
chinas de diversos larnanhos para descarocar al-
fodao e prensas do melhor systema para enfardar
o mesmo : a ver e tratar na travessa do Carioca
n. 2
Superior cuide Lisboa.
Sende-se superi ir cal de Lisboa a mais nova nue
ha no mercado tanto em porcao como a retalho,
por barato prego aliancando-se aos compradores a
superior qualidade : a tratar as seguintes mas
Crespo n. 7, Impera Jor n. 28, Forie do Matto
mazem do Sr. Villa defronte do trapiche do
godao.
Carteiras e bolsas para
viagem.
Na loja d'Apuia Branca, ra do Queimado n. 8,
vendem-se carteiras com correias para traze-las a
liracolo, e bolsas de tapete, ludo para viagens.
Perfumaras inglezas.
A Aguia Branca, conhecendo a bem merecida
estima que os apreciadores do bom dao s perfu-
maras inglezas, por isso mandou vir o esplendido
sortimento que acaba de receber, e os acreditados
nomes dos bem conhecidos fabricantes J. Gosnell
& C, Napoleo Price & C. sao bastantes para co-
nhecer-se a superioridade deltas. Consiste esse
bello e variado sortimentoem pequeas quantida-
des de differentes e agradaveis extractos de pri-
meira qualidade em frascos de diversos tamanhos
; e formas, fazendo-se notaveis entre elles os que
^ vem em una carteira de tres, com os quaes por
i sua elegancia e bondade se faz um bello presente ;
' assim como outros frascos com finas essencias con-
1 centradas, outros com excedentes leos para ca-
bellos, e outros finalmente com agua de Lavander
sublimada ; e bem assim finos sabonetes em paco-
tes e caixinhas com tres, bonitas e delicadas al-
mofadmhas com pastilhas em p, as quaes deitan-
do-se nos guarda-vestidos, commodas, etc., nem so
deixam toda a roupa ebeirosa, como afugentam
baratas, tragas, etc., etc. Em quanto, porm, a
commodidade dos pregos j nao entra em duvida.
urna vez que o pretendente comparega munido de
dinheiro e disposto a fazer gasto na loja d Aguia
Branca, ra do Queimado n. 8.
Balas grandes e caretas de
borracha.
Excedentes brinquedos para mangas : vendem-
se a 500 rs. cada urna : na ra de Queimado, loja
d'Aguia Branca n. 8.
Fspelhos cdm molduras pretas
e douradas.
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
cebeu um bom sortimento de espelhosde differen-
tes tamanhos com molduras prelas e douradas, e
os est vendendo por pregos commodos.
Papel ifiglezm
.A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
cebeu um novo sortimento de papel inglez liso e
pautado, almago, de peso, e pequeo, vindo deste
tambemeom beiras douradas.
Eneites invisiveis
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, rece-
beu no vos enfeiies invisiveis, os quaes pela finura
do tecido e bom gosto tem merecido tanta estima
Preparo para flores.
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
cebeu novos preparos para flores, sendo papel de
cores para rosas, dito verde para folhas, folhas de
panno e velludo, caixas de trigo, ditas de uvas
brancas e rxas, e como sempre continuara a ser
vendidos por pregos commodos.
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
Alfeneto
Arara.
! Lias lizas de cores a 600 rs.
Vendem-se laazinhas lisas de cores, a saber:
roxa, encarnada, cor de lirio, cor de caf e cor de ** Vigilante est alerta, nao Ihe era permittido
cinza, para capas e vestidos de senhora a COO rs. o *eixar Pausar desapercebido sem que nao dsse o
covado, ditas de flores a 240, 20,400.500 e 560 rs su canl0' alira de anniiuciar aa respeilavel publi-
na ra da Imperatnz n. 56, loja da Arara.
Colchas da Arara de 2# a i ->.
Vende-se colchas de chita para cama a 2, ditas
de damasco a 4J, ditas para cuberas a 320, 360
e 4(0 rs.: na ra da Imperatriz n. 56.
A Arara vende cortes de calcas a U'COO.
Vende-se cortes de calca de brim a i600 e 25,
ditos de casemira a 35, '45500, e 55: na ra da
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Roupa feila da Arara
Vende-se palitots de casemira de cores a 55, 65,
85 105 e 125, ditos de panno preto a 85," 105000,
125 e 145, ditos de alpaka a 35 e 45, ditos de
brim de cores a 25500,35 e 35500, ditos de brim
brancoa 35 e 55> caigas, coletes brancos, seroulas
francezas a 15600 e 25, dilas a 15280, camisas
francezas a 15, ditas de linbo inglezas, pregas lar-
gas, a 35 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
A economa, a saber: colarinbos econmicos a 600
res.
Vende-se colarinOos econmicos a 600 rs. a du- Cestinhas ditas,
zia, meias cruaspara homem a 200, 240,360 e 500 Cosmorama ditas,
rs o par, ditas para senhora a 320, 400 e 500 rs., l
lencos brancos com barra a 200 rs. cada um, dilos
Unos a 320, ditos de linhoa 500, 600 rs.cada um,
s na loja da Arara, ra da Imperatriz n. 56.
Ao foarafelro.
No armazem da Arara vende-se cassas a 240,
co o grande sortimento de galanteras do melhor
gosto propriamente para qualquer mimo, que aca-
ba de chegar neste nllimo paquete, assim como
muitos outros objeclos que recebe por diversos na-
vios, tanto de sua conta como de consignago qoe
est resolvido a vender por pregos muito baratos
para vender muito e ganhar pouco, e dar extrago
o grande deposito que tem, que espera merecer a
protecgo do respeilavel publico empregando para
isso todas e as melhores diligencias para que li-
quem satisfeitos; isto s no Gallo Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Ricos porla-joias.
Cofre de muito gosto por
Ceinhas transparentes forradas de ma-
dreperola por
Lindas jardineiras.
Ricos cofres com camapheu.
Lindas cauinhas com pedras brancas.
Lindo balo com calungas dentro, tam-
bero para joias.
Tambalier para ditas.
165000
185000
104000
105000
105000
165000
95000
65000
65000
65000
ANC
m
DE
Paulo Ferreira da Silva & Companhia
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de peores
r>
& a O por vento menos odrec qne separan po na ira mI-
quer parte. /
Gneros especialmente escomidos por um dos socios que na Europa se acba
para esse tira.
ment.
E grande a vantagem para todas as pessoas que comprarem neste estabcleci-
Os propietarios garantem todos os gneros sabidos de seu j muito acreditado
armazem.
AO PUBLICO,
Nao nos servimos de exordios como constantemente estamos vendo em annnn-
cios deste genero, pois sao palavriados de que sempre nos abstivemos, e de que tambera
estamos cerlos nenhuma atlenco j merecem do publico. O nosso fim, pois, simples-
mente fazer ver que o verdadeiro e principal interesse de todos est na tabella dos pre-
cos'que passaraos a mencionar, e para a qual pedimos toda a atlenco.
Vinlio verde.
Cbegou o muito desejado vinbo do Cariaxo vende-se nicamente neste armazem
a 600 rs. a garrafa e 3o,ooo rs, a ancora com 7o garrafas.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
64o rs. a libra,
dem de casca dura a 24o rs. a libra,
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas cora lindas
estampas a i,2oo e i,5oo rs.
dem em frascos de vidro a 1,2oo rs.
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta bouquetes de diversos gostos e pre-
gos ; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos sinlos
com bolcinhas aolado, a 105, 125 e 155,ditos sem ,dem em irascos grandes a 2,5oo rs.
280 c 320 o covado, chitas finas a 240, 280, 400 i bola Dorm do mesmo gs"J, a 25500, 35, 35500 dem em latas de I '/j libra a 1,100 rs.
500 rs. o covado : na ra da imperatriz n. 56. 45000. Arroz do Maranbao e da India o melhor que
As percalas da Arara a 560 rs. nde co?u!r* K^SS^S^S TI- ha nest3 f?,i,ier0 de 8o a 1 oo rs. a libra,
W^SSStJR m m A St TSE fulttSoT? e 3* PSr5 i e de 2,5oo a 2,8oo rs. a arroba.
a 400 rs. e covado, fusto branco a 500 rs. o cova- Ale 1ue cnearam as desejadas cestinhas ou ca- 4,000 rs. a caada,
da ; na ra da Imperatriz n. 56. bate.s p?raiIi't"lnaSiC?zerrm no bra' mais rica 'dem francez e de Lisboa refinado era gar-
A Arara vende musselina brancaa-100 rs. :Egg*SS4;S'7* e m> s D01 rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e lo,ooo
Vende-se musselina branca,fina, a 400 e 500 rs N'e"aDte' ruad0 UeT".. 7" rs a duzia.
USU^LSSSUSSi daadfa 8;! ^se artigo tem um grande sor.imenlo, tantol Alfiema muito ,
105 a pega, para vestidos : na rua da Impera- Para allzar como Para atar "helio, os mais lindos
iz u. 56. 1ue sc l,ode desejar, assim como de arregagar ca-
nello, tanto de borracha como de tartaruga comen-
A Arara vende tiras bordadas para enfeitar vesti-
dos brancos.
Vende-se tiras bordadas de todas as larguras a
15, 15200 e 15400 a pega, entremeios finos a 15 a
pega : na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara,
lladapolao da Arara a i>.
Vende-se pecas de madapolao enfeslado com do-
ze jardas a 45, dito de 24 ditas n. 30 a 65. n. 350
feiles e sera elle para menina; s no Vigilante,rua
do Crespo n. 7.
Mais leqnes
com pequeo defeito, leques de sndalo com pe-
queo defeito por barato prego de 85 e 105, chi-
nezes muito bonitos lambem, pelo barato prego de
45 e 5, bentarallos muito bonitos, tambem por ba-
rato prego de 45 e 55, leques de charo tambem
.OA HE mUDfcZ4S MUS
16Rua do Queimado16
Enfeiles de cabeca.
Riqnissimos enfeiles de cabega do futi de cha-
osinlio torea, a .'5-
Ditos com enfeiles de cascarrilha, frocos e bicos
de seda, a 35-
Ditos com bonitos lagos, a 15280 e 15800 res.
Ditos di; tranca e frocos sem lago, a 800, 15 e
1-5*300 ris.
Fivelas c cintos.
Riquissimas (velas com pedrinhas para cinto,
a 15600 e 25.
Riqnissimos cintos de galo dourado, prateado e
de oulra-i cores com riquissimas fivelas e borlas, i
a 35500.
Dito ditos sem borlas, a 15500 e 25.
Fitas e cascarrilhas.
Riquissimas fitas de grosdenaples lavradas, bo-
nitas cure? e padres de quatro e cinco dedos, a
15500 e 25.
Dito ditos de grodcnaples de todas as cores
com don?, dotts o meio. quatro e cinco dedos, a
800, 040.15280 0 13600.
Ditos de gorgtirao para cintos, a 15-
Pegas de lita estrella de tolas as cores, a 320.
ris.
Ditas de fita de liuho para debrum, a 160 e 320
ris.
Dila de fila elstica, a 240 e 320 ris.
Dila de fila de lia de. todas as cores, a 800.
a 65500 E 75 e 85 n. 5 + 85500 e 95. n. 5 a 105, por 45. tudo isto para acabar, perdendo-se tal-
n. P F a 115 ZZZ, a 125 a peca, pega de algodao vez 80 por cento; sb no Vigilante, rua do Crespo
a a5, dito carne de vacca a 65500, dito domestico n. 7.
a 75, dito skupira a 85, dito pao ferro a9* a pe-. para senUrar manquilos.
53 : Rnra,nU,aloaiInrehatrJZ' T "i iitoa Tarabem chegaram as liguinhas estreitinhas de
Bramante de hnno de 10 palmos a 2fl>0. borracha que as senhoras tanto precisara para se-
a.-nntle"se ,,raina"le de linno de ,0 palmos a gurar manguitos por ser muito commodo e muito
250OO a vara, brim liso a 500,560 e 640 rs. avara: barato, a 320 o par; s no Vigilante, rua do nres-
na rua da Imperatriz n. 56. I po n. 7.
Panno de linho da Arara. 8 Leques.
Vende-se pegas de panno de linho para lenges Rlquissimos leques de madreperola tanto para
e toalhas com 13 1/2 varas por 85500 ; ditas com senhoras como para meninas, pelo barato prego
27 varas a 165500 e 185 a peca; na rua da Im- de 125 e 145; s no Vigilante, rua do Crespo
peratnz n. 56, m. 7.
A Arara vende cbailes a 1)5600 e 3(5.
Vende-se chales de merino a 15600, 45500, 65,
75 e 85 : na rua da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
Pechlncha.
Lencos de seda al e 800.
Vende-se lengos de seda para mao, a 800 e'I5,
tarlatana para vestidos, de todas as cores a 800 rs.
a vara, fil liso ordinario a 320 rs. a vara, dito fi-
Penles
mbemchegarara os riquissimos pentes de concha
14 tartaruga e de massa fina, que se vende por 25,
3p e 55; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Pulseiras.
"Lindas pulseiras de tontas e de missanga, cores
muilo lindas e de muilo gosto a 15 e 15200.
Canelas.
Riquissimas canelas de madreperola proprias
no a 800 a dita : na rua da Imperatriz n. 56, loja para qualquer presente, pelo baralissimo prego de
da Arara.
Fazendas especiaes para senhoras, a saber :
Vende-se golinhas para senhoras a 240, 320, 400
e 500 rs., camisiuhas para dilas a 15, 25, 35 e 45,
15500 e 25.
Sapatinhos e meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
feitados, assim como meiaszinhas de seda, gorrazi-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4, loo rs.
a arroba.
Bolachinbas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,oooe l,5oo rs. a
lata e C4o rs. a libra,
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
Sanha de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
Batatas em gigos de 36 libras a l,ooo rs.
Champagne das melbores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, 1,80o rs. a garrafa, e 9oo rs.
as meias garrafas.
Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a
libra. j
Lentiihas muito novas excelleute lgame pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades
de 7oo a 9oo rs a garrafa:
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 e
l,ooo rs. a libra, desnecessario mais
elogios neste genero, que se pode ve-
rificar com a vista,
dem franceza a 56o rs. a libra, e em barril
se far abatimento.
Marmelada do primeiro fabricante de Lisboa
a 600 rs. a libra, ha latas de 1, 1 1 2e
2 libras.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. a libra.
Macano. talharim ealetria a 4oo rs. a libra,
dem branca a 32o a libra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o
frasco,
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em gnrrafinhas com rolbas da
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a l.ooo rs.
a ganafii, c 10,000 rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lata.
Prezunto para liaabre inglez veidadtiro,
garantitido-se a qualidade a 7oo rs. a libra.
Passas novas de carnada a 4oo rs. 9 lili a e
6,oo rs. a caixa.
dem para sopa estrellinha, pevide c redinha
etc. a 3,5oors. a caixa, eaSOnrs. a libra.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
seguintes qualiJades: savel, cf rvina.goras
cavallinhas, e pescada a l.oon a lata.
Palitos para denles lidiados a lio rs. o ma-
co de 2n rs. o macinhos.
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs. Idem do &az a 2o rs- a duzia, e 2,loors.
a libra. "*:
dem hysson o melhor que ha neste genero l air'c muil nov0 l2 rs- a l,bra { 3' a
a 2,ooo, 2,4oo e 2,6oo rs. a libra. an oba- ,.
(dem preto homeoptico a 2,000 rs. a libra. Que,J0S tlamengos, do ultimo vapor, a 2,.%oc
Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a ,, rs- ,
duzia, e 56o rs. a garrafa. dem Pra{0 miIlt0 'resco a 8o rs. a iibra e
Chocolate francez, hespanhol csuisso a 1,000,1
l,2oo e l,4no rs. a libra. 1
gravatinbas para ditas a 15 e 15500 : na rua da nnas e 'ouquinhas para as cnancitihas se baptiza-
Imperatriz n. 56..
Soutembarque da Arara a 8)5 e 1 o.
Vende-se soutetnbarques de cures para senhoras
rem; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Voltinltas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
RIVAL SEM SEGUNDO
Rua do Queimado ns. 49 e 55, loja de miudezas
de Jos de Azeve.do Maia & C, est contiuuando a
vender muiit. barato, pois seu genio dar a fazen-
da por lodo prego a visia dos cobres.
Cartas de allinetes francezes da melhor qualidade
a 80 rs.
Dila de cascarrilha de seda de todas as cores e Grosas de pennas de ago inglezas da melhor qua-
lidade a 640 rs.
largaras,-a 15, 15600 e 15800.
Diu de tranca lisa prela e branca, a 80 ris.
Dita de tranca branca lisa de vlote cinco varas,
a 320 ris.
Fitas para enfiar espartllho, a 60 e 120 ris.
Varas de aspas para balao, a 100 ris.
Vollas de coral de raiz pequeos o muilo gran-
des, a 500 e 25.
Vollas prelas Maria Pia pequeas e muito
srandes, a 800, 15280 e 158(i0.
Pulseiras de cootas azues e brancas, a 800 ris.
Dilas de aljofares de cores grandes, a l<5-
Ltivas frescas de Jouven brancas, de cores, a
25500.
Dilas nao frescas brancas, a 15-
R necas de panno, a 160 ris.
Ditas que r.honun, a 160, 400, 640 e 15280.
Pegas com dez varas de bicos pretos, a 15500 e O Expositor Porluguez para os meninos a prender
250OO. a ler a 800 rs.
Varas dejabyriolho francez, a 100, 140, 200, 320 Os segredos da nalureza para os meninos a pren-
a 85, 105 e 125, dilos de grosdenaple pretos finos fiogindo brilhantes, assim como cruzinhas avnlsas
a 205,255 e 305, capas prelas para dilas a 205, e vultinhas, pelo barato prego de 15 o 15200, as
255 e 305 : s na loja e armazem da Arara, rua crnzM avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, rua do
da Imperatriz n. 56. I Crespo n. 7.
___________________________________________! Golinhas.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 25, 25500 e35;s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Enfeiles para senhora.
Riqnosissim enfeiles com lago e sem lago e de
oulrosflmuitos gosios a 15, 15500 e 35 : s no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7.
Traocelins.
Lindos trancelins de cabello para relogie ou lu-
netas, pelo baratissimo prego de 15500, ditos de
reiroz a 200 rs.
Babadinhos entremeios.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindos
deseuhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 15200, 15500, 25 e 35; s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Cascarrilbas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galaozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, rua do Cres-
po u. 7.
Filas.
Grande sortimento de lilas de diversas larguras
e qualidades, por pregos que admirara aos com-
pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
leiros que se pone vender a 300 rs. a vara, e pega I
sendo enteiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. cade
um.
Sevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra.
Toacinho de Lisboa a 24o e 32o rs. libra.
"fijlo para limpar facas a 15ors. cada um.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e
1, lu) rs. a caada,
dem em garrafoes com 5 garrafas a 1.000
rs.
! Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
Ibem de escovas para lavar casa a 36o rs.
cada
a
Caixas de clcheles francezes de superiores quali-
dades a 40 rs.
Grosas de boles de madreperola muito finos a 560
e 640 ris.
Carreteis com 4 a 5 oitavas de retroz preto fino a
640 rs.
Resmas de papel de peso liso muito superior a
25000.
Grvalas da liga e de outras muitas qualidades a
500 rs.
l aniveles para penna com 3 folhas fazenda boa a
800 rs.
Duzia de boloes branco para casaveques de senho-
ra a 100 rs.
Pegas de fila de cs estreitas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
e 400 ris.
Duzias de bonitos boloes de vidro, a 320 ris.
Escovas para dente*, a 160, 320 e 480 ris.
Ditas para limpar unhas e ouro, a 640 ris.
Ditas jiara cabello e roupa,a 610, 800 e 15.
Ocotes de armag.io, a 640, 1J e 15280.
Tnucas o sapatinhos de la, a 800 e
der a ler a 15000.
Camillas da doutrina chrislaa, finas c superiores a
320 rs.
Pentes finos de marfim a 15000, 15200 e 15500.
Pares de luvas de seda para bomens e senhoras a
500 rs.
I Golhnhas para senhora o melhor que ha a 320 e
Tnucas de blonda de seda enhiladas, a 15500 500 rs.
e 25. t i Frascos com superiores banhas a 240, 320, 500 e
Sapatinhos bordados de merino e setim, a 1*800 15000.
25 e 25500. Livros que serve para assenlar roupa, pelo diminu-
Caixas de penas de langa e caligraphicas, a 600 to prego de 160 rs.
o '5- Capachos redondos muilo finos a 500 rs.
Caixas de papel pequeo pautado, a 640 e 720 Cordao branco para espartilhes muito superior, a
ris. vara a 20 rs.
Caixas cem cem envelopes com cola, a 640 ris.' Carritis com 150 jardas de linha branca a 60
Pentes de regago domados a Isabel, a 25, ris.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
tado de Simas e outros da Bahia como
sejam regala, trovadores, guanabaras,
delicias e suspirosa l,6oo, 2,ooo, 3,000
e 4,000 rs. a caixa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco.
dem francezas surtidas ou de tima s qua-
lidade cada frasco a 5oo rs.
Cognac francez e inglez a l,ooors. a garra-
fa, e 10,000 rs. a duzia.
Gominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a 9oo rs. a libra. cana
Copos finos para agua e vinlio a 4,800 5,ooo Velas de espermacete superiores a 56o rs.
e 5,5oo rs. a duzia, c 5oo rs cada um.! a libra.
Caf do Rio superior a 28o e 3oo rs. a libra, dem de carnauba refinada e de composicao
e 7,5oo a 8,5no rs. a arroba. a 36o rs. a libra, e de Io,5oo a 11,000n.
Doce de goiabi superiorem latas a 2,000 rs. a arroba.
Ervilhas portuguezas em latas chegadas ul- Vinbo em pipa, Porto, Lisboa e Figneira
limamenle a 64o rs. a lata. j das marcas menos conhecidas a 4oo rs.
dem ceceas a 16o rs. a libra. a garrafa e a 2,8oo rs. a caada.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra. | dem Figueira especialmente escollado nesto
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo
rs. cada urna.
Favas portuguezas em latas chegadas lti-
mamente a 640 rs,
Frutas idem em calda, pera, pecego, alper-
se, rainha Claudia e ginja a 7oo rs. alala.
Graixa nova a loo rs. a lata e l,Ioo rs. a
duzia.
Gomma muito alva e nova a 16o rs. a libra,
de 9 varas a'25; s no Vigilante, rua do Crespo I Genebra de llollanda em frasqueiras com 12
n. 7.
Fitas de 13a.
Fitas de la de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7
Ricos espelbos.
Riquissimos espelbos com moldura douraJaJe
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim como com
columnas de differentes tamanhos a 25, 3-5, 45, 55
e 65; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Lidos jarros e liyuras.
Riqnissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
tem apparecido; s ne Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
icousa de muito poslo a 15500 e 25, assim como
lugar a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo rs. a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muilo fresco sem
composicao a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo
rs a caada.
dem de Lisboa branco uva pura a 56o rs. a
garrafa, e a 4,5oo rs. a caada.
dem Porlo fino em pipa a 56o rs. a garrafa.
dem engarrafados generosos Lagrimas do
Docto, Duque do Porto, Luiz I, D.
Pedro V, .Nctar, velho secco, Malvasio
Genuino, Particular a 9oo e 1,2oo rs. a gar-
arafa, e a 10,000 rs. a caixa com urna du-
zia.
\mmu
Ditos de borracha muito lina, a 800 e 15-
Ditos de concha domados para atar o cabello,
25,
iios dourados com as marrafas, a 25 e 45-
Garrafinhas e frasquithos de extractos, a 160
200, 320 e 15-
Sabonetes de bola grande, a 320c, 400 ris.
Frascos de vinagre aromtico de Venus, a 15-
Frascofde Inico oriental de Kemt-s, a 15500.
Grosas de pennas de ago superiores a 500 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para toa-
lhas a 160 rs.
Pares de boloes de punho, oh que pechincha a
120 rs.
Tinteiros de vidroTom tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Riquissimos cabazes de vidro com perfumaras, Grosas de boloes de louga prateado muito finos a
160 rs.
Tesituras para costura superior qualidade a 500
ris.
Escovas para limpar denles, superiores a,200 rs.
Caixas com superiores phosphoros de seguranga a
! 160 rs.
j Caixas cora 100 envelopes o melhor que ha a 640
ris.
\ esquina da rua da Madre de Dos ha um Caixas enm 20 quadernos de papel amizade, muito
bomos Pessoa ; .a Iralar na rua do Imperador n. complei* sortimento do farendas, calgados e roupas fino a601 rs.
46, armazem. feitas, por precos muito baratos. Quadernos de papel pequeo muito fino a 20 rs.
Cartes com 200 jardas de linha branca garant- Picotes s com os pos a 320 rs. cada um ; s no
d' s a 60 rs Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Vende-se espanadore* de tolas as qualidades e
taraanhos por prego Cimiuodo : na rua da Rnta-
la Novan. 34.
Vende-se um exeellente sipo rom liTcaca
de vivenda, Xendo cocheira, estribara, quario para
pretos, latrina, tanqu?, cacimba com bomba, ere,
com minias fruoteiras, em chaos proprios, na Ca-
punga Velha, rasa $ue foi do Sr. Sehasii.i Jos
! a 35-
Legtimos frascos de sndalo, a 1530.
Frascos grandes com banha franceza, a 800,
rit--.
Caixinhas com extractos, a 15, 15500 e 3JL
A' l<>ja d *'<>rU).
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
tlnctivos e offerecimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Pars e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
a 25 e a 15, assim como outros objectos que nao e
possivel por hnje annnnciar, c vista dos fregu-
zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
A
i

v
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor
deaux, diferentes qualidades, mais barato que em
qualquer parte : no armazem de E. A. Burle &
C., roa da Cruz n. 48.
frascos a 5,8oo rs. e 560 rs. o frasco
dem em botijas a 4oo rs. cada urna,
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo;
rs. com o garrafo.
dem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um. I
dem inglezas em garrafas brancas bordadas dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a garra-
com rolha de vidro qualidade superior a fa, e a 12,ooo rs. a duzia-
l,ooo rs. a garrafa. dem Moscatel a 1,000 rs. a garrafa,
dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o dem Bordeaux das acreditadas ruareis St.
frasco e 11,00o a frasqueira de 12 frascos. Julien, St. Esteph, chateau la Rose, chalau
Kirsch Wasser exeellente bebida suissa a Margoux e outros a 6,5oo rs. a caixa. e
1,8qo rs. a garrafa. 56o rs. a garrafa.
(EUEJi EM BARltlI.
a SOO rs. o copo
Qneljo de Slloas chegado no vapor
dem prato mnilo fresco
Idem suisso superior
dem londrino superior.
57 Rua do Imperador 57
MUTILADO


Diario de Pernambuco #Ml#**elM de Outubro de 1804.
CL
COMM
RA 1IO QUCIiflAIlO J*. 45.
Passand o becco da Congregaos segunda casa.

NOriDADE
Pereira Rocha C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de raolhados denominado Clarim Commer-
cial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sorlimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes sero vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 e
100 rs. a libra, e 10800, 20600 e 30000
a arroba.
Araeixas francezas em latas e em frascos a
10200 e 10600, e em frascos grandes a
2 >500.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 102OD, 10100, 10600e2.
Araendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpiste a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a6i0 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellas muite grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
103O- rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a late,
dem inglezas muito novas a 30000 abarri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banda de porco reinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, hucbin e perola a 10600, 20,
20500, 20800 e 39000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Cerve.a preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 90 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 72<> rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especidmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 108X),
200 iO, 20200. 20500, 20SOO, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 80500 a 80800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhos francezes muito novos e
bem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
libra,
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra.
Painco a 200 rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e
muito novo a OiO rs.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800
dem prato.
dem londrino chegado no ultimo vapor a
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs.
cada;um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra,
dem stearinas muito superiores a 600 r.
libra.
Eigos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 10600.
Yinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam : Veltio de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocaje Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 90000 e 100000.
dem em pipa. Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs.
a duzia.
dem Morgauxe Chateaulumini de 1854, a 10
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
lOOrs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 108OOrs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porco de outros que dcixamos
de mencionar, e que tudo ser vendido por
pecas e carnadas, tanto em porces como
retalho-
Quem comprar de 1000000 para cima le-
ra o abate de 5 por centq.
Cevadinha de Franca muito superior a 220
rs. a libra.
Cevada a 80 rs. a libra.
Ervilhas porluguezas a 640 rs. a lata.
j dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
' Figos de comadre e do Douro em caixinhas
de oilo libras e canastrinhas de 1 arroba a
10800, 50500 e 280 rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
! dem de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
dem em garrafoes de 3 e 5 galocs a 50500
e 70500 cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, quaiidade especial em garrafas muito
grandes, a 10800 a garrafa.
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera e roldas de
vidro, a 10000, s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Ma^a de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores consenti-
ros de Lisboa a 60 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
! Macas finas para sopa: estrellinha, pevide,
rodinha e aletria a 600 rs. a libra e a 40
a caixinha com 12 libras.
Nozcs muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 10 a lata,
Paliios de dentes a 160 rs. o maco.
j dem de dentes a 120 rs.
dem de flor a 200 rs.
\ Amendoas confeitados a 900 rs. a libra.
\ oce de goiaba em latas o melhor possivel a
20 e em caixao a 640 rs.
Palitos do gaz a 20200 a groza.
Passas muito novas a 480 rs. a libra.
9
MCiMlSEPATENTE
de trabalhar nio para
descapotar algodao
FABRICADAS
Por Plant Brotliers & C.
OLDAM
Grande liquidaeao.
lina da Imperatrlz n. O.
Loja de fazeadas do Pavo de (ama k Silva.
Acha-se este estabelecimento completamente
sonido de fazendas inglezas, francezas, allemaas e
suissas, proprias tanto para a praca como para o
mallo, prometiendo vender-se mais" barato do que
em nutra qualquer parte principalmente sendo em
porcao, e de todas as fazendas do-se as amostras'
deixando ficar penhor, on mandam-se levar em
casa pelos caixeiros da loja do Pavo.
As cuitas do Pavo.
Vendem-se chitas inglezas claras e escuras pelo
barato preco de 240, 260 e 280 rs. o covado, tintas
seguras ; ditas francezas &< cores seguras a 320,
340,360, 400, 440, 480 e OO rs. o covado, fazenda
muito superior e bunitos padroes : s na loja do
Pavao.
As lazinhas da exposicio do Pavo.
Vendem-se lazinhas as mais modernas qne
tem vindo ao mercado, proprias para vestidos e
soutembarques por seren lisas e de cores muito
delicadas 560e500rs.; ditas lisas com um lustre
que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
quadrinhos de seda 500 rs. o covado, s para aca-
bar : na loja e armazem de Gama <& Silva, ra da
lmperatnz n. 60.
Os vestidos do Pavio.
Vendem-se os mais modernos corles de vestido
de la, que vieram pelo ultime- vapor, com ricas
barras de cor, corpinho c collete separado ; ditos
com listas de seda e tambera com barras e enfei-
tes para o corpo, por preco mais barato do que em
| oulra qualquer parte, e se quizerem urna prova
do que se diz, mandera ver leja e armazem do
Pavao, ra da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Os vestidos Hara Pia. S o Pavio (80000).
Vendem-se os mais lindos vestidos Maria Pia
de lazmha transparente com listas, e palminhas
; de seda pelo barato preco de 8 cada corle : s
\ na loja do Pavo ra da Imperalriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
As cassas do Pavo a 240, 280, 300, 320 e
| 360 rs.
S o Pavo vende as finissimas cassas persianas
imitaco de lia, com cores finas, 360 rs. o co-
I vado ; ditas francezas muito finas 240, 280, 300
e 320 rs. o covado, isto para acabar : ra da
| Imperalriz, loja de Gama & Silva.
Os madapoldes do Pavo
Vende-se pega de madapolao infestado com 12
jardas cada peca pelo barato prego de 40, 40500 e
Si cada pega, fazenda muito superior : s o Pa-
vo ra da Imperalriz n. SO, notando que a pega
leva urna etiqueta com o Pavo pintado para nao
haver duvidas nem engaos : isto previne o Pa-
vo, de Gama J Silva.
Bramante de Iinho do Pavo
2#, lOO 2eoo.
Vende-se o melhor bramante de Iinho puro com
dez palmos de largura por prego muite commo-
do, por ti-r de acabar a factura, a vara por
2.&200, 25400, e 25600 ; s o Pavo : ra da
Imperalriz n. 60 de Gama & Silva.
Panno de iinho Pavo.
Vende-se pnno de Iinho cora 4 palmos de lar-
gura propno para lences e loalhas de mo pelo
baratissimo prego de 640, 720 e 800 rs. a vara, al-
godozinho com oilo palmos de largura proprio
para lenges, pelo baratissimo prego de 15 a vara,
assim como tem o melhor algodozinho tanto em
largura como em corpo, proprio para lenges, ca-
misas de escravos, etc., etc., prego muito conimo-
do a vista da fazenda; s o Pavao : ra da Im-
peralriz n. 60, de Gama & Silva.
Algodozinho com toque de avaria a 1,000 ris
e 1,800
Vende-se pega de algodozinho por ter um pe-
queo toque de avaria, mas que esta em bom es-
tado, pelo barato prego de 45 e 45500 a pega ; s
o Pavo : ra da Imperalriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os guardanapos econmicos do Pavo e s do
Pavo
Vendem-se os mais lindos e modernos guarda-
apos econmicos e todo Iinho, tanto paja as casas
de familia como para hoteis, botequins, etc. etc.,
pele baratissimo prego de 30 a duzia, isto s na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Os soutembarques do Pavo
9 c Vi 8.
lem-se os mais finos soutembarques que
indo ao mercado, sendo de caxeniira de co-
o diminutsimo prego de 125 cada um, di-
inusambique pelo diminuto prego de 95, s
GRANDE E SUMPTUOSO ESTABELECIMENTO
DE
MOVOS E ESCOjLBIIDOS GEXEItOS
TANTO EM GHOSSO COMO A RETALHO
GO U1 MOVA OO
Ultima casa junto a ponte da BBoa Vista.
DUAS PALAVRAS.
Ccsse ludo quanto a amiga musa canta
t Que outro valor mais alto se alevanta.i
Acha-se a disposicio do respeitavel publico este grande e magnifico estabeleci-
mento de molhados, talvez o primeifo e nico Iwje existente em sua especialidade, por-
que o ma'mr capricho de mos dadas com mais apurado gosto de abrir um estabeleci-
mento modelo promovern) a escoltia dos mais superiores gneros do nosso mercado,
que por serem comprados em grande quantidade e pagos qitast lodos a dinheiro a vista
deu lugar a obtencao de vanlagens, que repartidas como viio ser pelas pessoas que se
dignarem de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanca de agradar a
todos, nao s pelo cmprego das maneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-
paces, como pela pratica da promessa que azemos de vender polos presos quasi do pri-
meiro custo o nosso magnifico sorlimento. i
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podem despor as
diversas classes da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharo
em nosso armazem os melhores e mais csqnisitos vinhos, licores, champagne queijo, etc.
etc etc, e quelles que nao podem dispor de grandes recursos, que s compram o neces-
sario, promniteraos-liies servi-los de gneros novos e sidios, escolhidos ao sen contento.
0 real do pobre ser recebido com tao boa vontade, como a moeda de ouro do
hornera rico.
As pessoas que nos fizerem a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com-
prar para seu gasto, ou para negociar, voltarao satisfeitas, nao s pela boa quaiidade dos
ubjectos, como pela fidedade dos precos, e bom acondicionamento.
O futuro nos justificar.
CAVACO NECESSARIO
Devemos ao respeitavel publico algumas palavras relativas ao pomposo titulo que
adoptamos. Ei-las. .
Existindo neste vasto e floreseente imperio um grande partido poltico com a
denominacao de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente,
capaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
Ria-se quem quizer, porque nos tambem nos riremos mas nao se zangue
ninguem. .
O neme e urna voz com que se do a conhecer as cousas. L esta a mais
breve, clara e sincera explicacao que, pelo methodo repentino, podemos dar.
Mas a quem nao seguir o partido desse systema diremos mais :
Nao oriun lo do Brasil o imponente titulo do nosso estabelecimento. Foi a
muitas centenas de leguas que apanbamos a nossa Uga.
Na sobcrba c opulenta Inglaterra liouve um rei que instituir a mm honroza or-
dem da Liga. O acaso nos fez deparar com a narraco desse acontecimento, que tan-
to sorpre'icndeu a corle desse monarcha. A-radou-nos esta historia e gostando sum-
raamente do trage do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenliar, e col-
locando-o no oito do nosso estabelecimento, temos assim feilo distingui-lo dos outros
que se assignalaram com mitras e coras.
iiouui solt qnl mal y-pense.
A 2O0O-
Na na do Queimada 11. 40, letreiro verde.
Superiores e bem armados balos pelo dimintUo prego de 25, advertindo que vendera-se por
esto preg por terse comprado ota grande porcao e querer-se acabar.
Estas machinas
podem descarogar
jqaalqoer especie
de algodao sem
estragar o fio,
sendo bastante!
duas pessoas para
o trabalho ; pode i
descarogar urna
arroba de algo- J
dao em carogo i
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Assim como machinas para serem movidas por
animaes, que descarogam 18 arrobas de algodao
limpo, por dia.
Os mesmos tem para vender um bellissimo va-
por que pode fazer mover seis desias machinas
mencionadas ; para o que convida-se aos Srs.
agricultores a viren) ver e examma-lo, no arma-
zem de algodao, no largo da ponte nova n. 47.
Sanndcrs Brolhei-s & C
.V II, pra^a do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Roa do (Jueimado ns. 49 e 83 loja do Barateiro
conhecido ja como tal, est dispondo da fazenda
por lo lo o prego para apurar dinheiro, quem qui-
zer venha ser e traga o cobre, e ver o seguinte :
Baralhos de cartas para voitarete muito
finas a............................ 200
Miadas de linlia froxa para bordar a----- 20
Pares de sapatos de tranga de todos os
lamanlios e finos a................... 15500
Massos do superior grampos para cabellos 30
Duzias de palitos de gaz superiores a. .. 200
Libras de ara preta muito superior a... 100
Frascos de superior niacag oleo a----- 100
Ditos de dito perola a____.........___ 200
Ditos de oleo de babosa mnito finos a 320
rs. e............................... 500
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida............................. 400
Ditos de banlia muito fina a............ 640
Ditos de cheiros muilo linos para o prego
a ris............................. 600
Sabnnetes de todas as qualidades a 60 rs.
160, e............................ 400
Xovellos de linha com 400jardasa...... 80
Carriteis de linha de cores com 200 jar-
das a............................. 60
Xovellos de linha de gaz de todas as co-
res a............................. 30
Pegas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a...................... 240
Frascos de superiores cheiros, pequeos, a 300
Pares de ligas muito superiores c bonitas
aris............................ 400
Varas de bieos francezes, superiores a... 40
Opiata para dentes da melhor que ha a.. 15000
Frascos de agua para denles, superior a
tudo a............................ 15OOO
Pegas de tranca preta liza muito fina a.. 80
Calzas cum I papis de atradas Victoria a 200
Varas de fila prela com colxetes a...... 40
Libras de lia sortida de todas as cores a 63500
Bonecos de choro muilo bonitos a...... 160
Caixas de ohreias de massa muito novas a 40
Varas de franja branca e de cores para
toalhasa.......................... 80
Frascos de oleo Philncome superior a... 600
Ditos com snpprior tinta a 320 e......... 500
Caixas de linha de paz com 50novellos a 800
Enfiadores para esirarlilho a........... 60
Duzias de botoes encarnados para vesti-
dos 9............................. 200
naloja do l'avao, mas que se naoegaem : ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Atoa I hado do Pavo.
Vende-se panno de Iinho adamascado proprio
para toalhas de mesa, pelo diminuto prego de 25500
rs. a vara, guardanapos de Iinho a 55 a nuzja,
toalhas de mo a 55 cada duzia, na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Cama & Silva.
i-:' s o Pavo (a 9#500).
Quem tem bales por tal preco 1 i
Vendem-se os baloes americanos muilo superio-
res com 20 e 25 arcos pelo baratissimo prego de
25500 e45, ditos de 25, 30 c35 arcos com fitas,'
muito bem armados e tambem tem cores escuras
pelo barato prego de 35500 cada um : s na loja
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
0 raro vende parlalo.
Vende-se superior setim da China, fazenda toda
de la sem lustre tendo 6 palmos de largura pro-
prio para vestidos, capas, paletots, caigas, etc.,
pelo baratissimo prego de 25, 252(0, 25500 e 35 o
covado, cassas pretas lisas, chitas pretas largas e
estrellas, manguitos, colarinhos, pnnhos, e eufeites,
tudo preto proprio para luto fechado, e muitos ou-
tros artigos que se vendem por pregos mais em
conta do que em outra qualquer parte por estar
liquidando ; s na loja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60, de[Gama & Silva.
As percalas do Pavo.
As mais lindas percalas que tem vindo ao mer-
cado pelo ultimo vapor tem na loja do Pavo pelo
barato prego de 600. rs. o covado ; ditas de listi-
nhas muilo miudinhas proprias para vestidos e!
roopocs de senhoras, meninos e meninas, pelo ba- j
ratissimo prego de 500 rs. o covado ; garaniem-se "
as cores por serem do melhor fabricante que as
tem em Paris : isto na loja do Pavo ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama Silva.
As chitas do Pavo #400 e
30SOO o corte.
Vendem-se cortes de chita com dez covados
254OO, ditos 25800, com 12 covados; sao chitas
inglezas, mas padroes bonitos e tintas seguras ; |
assim tem as melhores chitas francezas e de tin-
tas seguras por precos coinmodos, a saber : 320,
340, 360, 400, 440, 500 rs. o covado : na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Os bordados do Pavo
Vendem-se camisinhas com manguitos e golli-
ohas bordadas, pelo barato prego de 15 e 15280
cada um, manguitos s 500 rs. cada par, ditos
com golinha a 800 rs., golinhas 400 e 480 rs., de
fil 240 rs. cada golinha bordada, romeira de
cassa o de fil muito bem bordadas 25 cada
urna, manguitos que. servem para calcinha de me-
ninas 640 rs. cada par, camisa com manguitos e
golas com a competente grvala de seda, fazenda
fina, pelo barato prego de 35, e muilas outras
bordadas que se vendem por pregos muito em
conta : s na loja do Pavo ra da Imperalriz
n. 60, de Gama & Silva.
As reupas do Pavo
Vende-se panno preto fino muito superior pelo i
barato prego de 25. 25"0O, 35, 35500 e 45, dito
minio fino 55 e 65 o covado, casimira preta de
ama s largura e muito fina a 15800, 25 e 25500
e 35 o covado, cortes de casimira de cores a b5,
555OO e 65, casimiras enfestadas de urna s cor:
proprias para caigas, paletots. coletes,capas e para
roopas de meninos a 35300 o covado, isto na loja j
do Pavo ra da Imperalriz n. 60, de Gama &
Silva.
INJECTION BROU
PERFUMARA medica hygikica
De J.-P. LAROZE, qumico, pharmaceutico de la Escola especial de Paria. |
Este producios sao o resultado da aplica<;ao das kis da hysicnc ptrfumaria. qne se erga* e
tornase pharmacia da belleza, encarregada do prove- 4 higiene da prlle, dos cabellos. ,!
rgaos to importantes; euto evita e dcstroe as causas das dMB(M que sua inuan uais .1
pharmacia propriamente chamada, lein que curar.
OLEO DI A vela KiriJIUDO para rtmedur a
dureza ios beliu a sua atona, o >i4ro. 2 Ir. |
V1NAGRI DE TOILETTE SUPERIOR pela a
laavidad* e sua vio refrescan!, o tidrc. I fr.
ELIXIR RCITPIPRICIO para curar iracdialeraente as
dores ou raivas de denles; o vidro 1 fr. 25
POS DENTITRIOIOS COR DE ROSA com base de
Magnesia para branquear e conservar os denles ;
o vidro...........I fr.
OPIATO OEHTIPRICIO para fortificar as genitivas
vitar as nevralgias dentarias o pote t fr. SO
eaTRATTVO DENTARIO para tratar os denles
cariados ames do chumbamcnlo, e evilar os ab-
cessos e dores; o vidro com o instrumento 4 fr.
MM LEOCODERimA, para oonjervar a frescura
e as fonctoes da pelle; o vidro S fr.
ESPIRITO DE AHIZ RECTIFICADO, complemento
do aeelo da bocea daspois da comer; o vidro 1 fr. 21
SASO UNITIVO MEDiamAL, devioleta, amendoa
amarga, bouqaet, o pao.......2 fr.
CREMA DE SARAO LENITIVO MEDICINAL de
emas de ovos, para evilar as fendas, frieiras e
oeacas de pelle, de violeta, de bouquol; o pao 2 fr.
REME DE SARAO LENITIV MEDICINAL ea
ps. Ella e especial para a barba, o aceio das
senhoras e das criancas, o vidro.....2 fr.
asa lobtral para conservar a embellezar os
cabellos, e fortificar inas raiies, o vidro. S fr.
OOLD CREAM SUPERIOR p:r coi.scri... ;.
clara, fresca, c diaphana, e evilar os o s ffnt
do oso das cres, o pata......1 fr 5t
A6DA DE OOLOONA SUPERIOR, rom an sea
urabar; permanencia de seu perfume o faz ka* ir
para o tocador, banhos geraes e locaes, o vidro 1 fr.
PASTILHAS ORtBNTAas do Dr. Pan! Cl-monl. I
para lirar o churo do tabaco o para modilkar oa
baitos forles; 1 a 2 fr. a caiaa.
ABUA DE FLORES DR ALTAZEMA. iOsmei.o |
buscado para tirar as coniehocs, furtiti. ar e re-
fresear certes orgos, o vidro.....I Ir. aM
ESPIRITO DE ORTBLAM SU PER FUTO. Elle i *
aperreieoamcnio indispensavel do aceio da Ata
depois de comer, o vidro......I fr. I
POMMADA CONSERVADORA de quinina pura
para fortificar os cabellos, os embelleaar e evilar
o ancanecimento prematuro, o pote.... S Ir.
Depsitos em cada cldade, em caza dos pharmaeeulicoa, perfamisus. cabellen-oros, aegociantes de
modas e de fazendas. Varejo: Pharmacia Laroze, ru Neuve-des-Petils-Champ, ti.
Expcdie.oes: em caza de J.-P. Lakoze, ru de Lions-Saint-Paul, n'i, e Pars.
:w
rjiMiT^tasna-"!! .i n
\.
XAROPE
DE CASCAS de LARAHJAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimico,
PBAHMACEI'IICO OA ESCOLA tDPBRIOR DI PARS.
Este xarope, regularisando as funecoes do estomago e intestinos, desiroe essas
indisposieoes proteifoimes, c faz abonar as molestias de que sao indicios precurso-
res. Mdicos c doentes tem rcconhccido que resiabelece as indigestdes, fczrndo
desapparecer os pesos de estomago, que calma as enxaquecas, espasmos, c caimbras,
que sao resultado de digestes penosas. Sen gosto agradavel e a facilidade com que
se suporta, o tem feito adoptar como especifico nfallivcl dss doencas nervosa',
gaitritis, gastralgias, clicas de estomago e de enlranhas, palpilaces, dores de
coracio, vmitos nervesos; sua accSo sobre as funecoes assimiladoras tal, que os
mdicos mais Ilustres o lem adoptado por rescipiente real dos dous primeiros
agentes therapeucos: o lodurcto de Potassa e o Proto-lodureto de [erro, tendo
observado que dcbaixo de sua influencia, o primeiro perde sua aceito irritante, e o
segundo seu effeito adstringente.
XAROPE DEPURATIVO
De eascas da laranjas amargas com Ie-
dureto de potassa.
O iodureto de potassa, administrado cm
solucio ou debaixo da forma solida, causa ao
docnte urna grande repugnancia, ou determina
accidentes que o for<;o renunciar a esta
medietcae- efcaz.
Unido porem ao Xarope de caseaa de laran-
jas, elle nao causa ncm gastralgias, ncm per-
turbarlo do estomago e intestinos, e gracat a
este salvaguarda, os tratamentos depurativos
sao continuados sem inten-upcio, as affec-
C6es escrofulosas, tuberculosas, cancerosas e
nai secundarias e terciarias, metme reuma-
thismaes, as quaes elle o mais seguro espe-
cifico. A dose csti definida de tal maneira
que o medico pode varial-a a sua vontade :
0 frasco: 4 fr. 50 c
XAROPE FERRUGINOSO
De cascas de laranjas amargas com
proto-iodureto de ferr.
A associacao do sal ferro ao Xarope de cas-
cas de laranjas lano mais racional quanto
que esle xarope, enipregado s, para estimu-
lar o apetite, activa a secresto do aoeco g-
strico, e por lini regularisa as funcc,6es abdo-
minaes, neutraliza os mos -ffeiios dos ferru-
ginosos c dos ioduretos (petj de cabera, prt-
sao do ventre, dores epigstricas) em quanio
que facilita sua absorptio. DssoItmI* n<>
Xarope, elle se loma e sa supporta fcilmente,
por achar-se no estado puro mais assiuiiUvel
e assim pode continuar-se a cura da pallidez,
corrimentos brancos, anemia, affeceflta escro-
fulosas e racialismo:
O fraseo- 4 fr. 50 c.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE esto sempre em frascos especiaos
nunca em meias garrafas nem em frascos redondos). Expedicrs: em casa
J.-P. LAROZE, ru des Lions-Saint-Paul, 2, Paris.
IKI il'i IIP .i MU' li. M. Ii'ilr;i n..iiii'l.
asa
r
.. S,B* t3oe*d>"ej
8:li3gi'*iffi|B
2.^ V =-, M n 5 ?
T, W
W tf
-8I
- 9
S=E
"IlsiSCaB1
t%
2 5 :
n '
a o
.- =
- [
"i3E-n? = n
g32.-3-2 5=s:c>| -5.5 -l
"Spsga
-51 IH1
i C O
- S C
=.5-8 -
3.-2,0 e.-:
c-2 3."
n I
S S m
O
>
;" SiJ> 9ar*> ZZ.
ti
OJ

w ir S i Sa-
-s.il
III =E
Vende-se na tita do Imperador botica franeeza n.
5=3
O
M
-BBS
9 ^ *
18.
Pechinclia.
Cii (i
na rnn do Qu i na '.-.
nafde de ror para v-ti
<-...iio;' pt vio a
llO ris
-.':'. r. ; I
l>i "? -lili'i::i- en '
rn 1 _'.;::. I -. I
Approrada por tariat Academias e alias
summidattes medicas,
O queoccaMona em g"ial as molestias abaixo
designadas a esla(,na.,::o do sanguc cm corlas
parles do corpo, u qual produziila pidos rosfria-
mcnlos c muilas oniras cantas, cnt.'io (lcclar:"io-se
os llhcumalismos. Cota, l'aralysia, Fraqueza
dos membros, f-onslparrs, Elc/ihantiasis ou
Peritas luchadas, el Dores Serrosas.
O uso da cscova ELECTRO-MAGN-
TICA lem succosso corlo para a cora de (odas
oslas molestias, sem recorrer se a nenhumn oulra
nedicaco. Ella tem uuia forma mu manejare!
c piodtiz, 6 vonlade dequem d'ella usa, seos mais
uteis e felizes resultados Seo cmprego preserva
das molestias cima. Para maisinformacoscon-
sul-te-se a noticia que accompanha cada Escova.
DEPOSITO GRAL
Boulevart du Priaee Eugne, i, Pai.
(no roll 1 para ;i lV)nsP-parj .
Oatiaisn as>i^na '> \ ni u -:..i a 1
lugar da Torre purfuminudo preco. e ,...
rcro iv>iiimnd lade para siwrar 1 patsw u la
no caso4h n.io app.-iri'.i-r comprador, latnbrm -
altn.-i o referido ilio. L-on Ja* raBlasese iicn
lem 6 ter o l.-anho a pttria, o t^r porto Irasco para
, i'iiili.ir.|iii-11 de.-ipn:bari|ne : a tratar coca on -..
abaixn ar^iaiado, a roa do ImperaJ! n. 12. lo>o
Mariana iU- Alliiipi'-ri|iu>.
Vende-se :> meara il.t rasa da rea da s '
dailc n. V. com ti ipiario-, i nlae, radala (ara a
bom qnintal: a Iraiar na na 'la inuier.iini n. i
Vende-se superior vinho do Porto em caixas de
uma dnzia : em casa de Johnstou Pater c\ C, ra
do A'gario n. 3. I
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che-
gada ao mercado, em bem acondicionados Larris:
no armazem de Manoel Teixeira Bastos, ra do
Trapiche a. 13, por preco razoaveL
Vende-se na ra do Imperador botica
franceza n. 38.
Arma gao
Vende-se a armacao e utencilijs da taberna do
pateo do Terco n. 21, em local vantajoso, a qual
tem sotao que serve para rnoradia, garante-se a*
chaves rujo alujtnel c medico a tratar com o
agente Cordeiro Simocs ra da Cacia di) Rcdfe
n. 48.
TTEHCW.
Vende-se a taberna di iia da I Bpcratri n %,
una das melhores da nu, a qoal reade am i
rio eerio, a tem cooimodo iadopeavleale saca ft>
milia na incsnn se troca um Oratorio coro qnatrj
imagen* : os preleud-.-nt-.-a a a^h.:: r :u ii'.t-:;
tratar. _____________
V-'iiili-se tuna mulaliiilia de |.' i 14-
de Benita Hfmra, BMsHopropria para mnran.tr. i
(ratar no paleo do Tereo n. 2, obrado
A inda esta para ser vendido o asHa ir. tra-
ve-sados Itein.-ilios, na fregnezia das Al ?! s s.
21. no estada tHnqae se acha : ssaai a saas>ae> r,
enlen la-se een o seu proprietano <.a<-taoo haca
4I0 Veras, na ruado S. Praonsea, sobrado n. i,
como quem vai |i la .1 rn.i ii 11._______________
Vemle-se um emi ometro martimo ingle/ it.)
melhor fabricante Charly Frodshan. afliinean l o
sea regulamento, por diminuto p*eco : a tratar
na ra Nova n 21, loja de Francisco Jos Ger-
mano. _^____________
Milita attencao.
Na loja de miudezas da nn da Imjierairiz r Vi
vende-se muilo Fnpcrlor linfsas do n r*>! !"_
de n. 1(5. a SO n'-is. e pe) 1 iinol prpf, a> 8
a libra de :g'i.i! sertlOMIItO
\
P
MUT




Diarle de PeruMBee
Quinta *etra ,, -e *utuhrm e ,,
64.
IVOVA REFORMA.
AURORA BRILH INTE.
Largo da Santa Cruz. -~E 84.
I
NEM COROAS NEM MITRAS
NOVA EXPOSIQAO DE GNEROS
NO
AKMAZEJtl
OlttAiiE
ARMAZC2M
DE
!2?!K!?!! de. noT8? "I nn de faons
melhor
servir
Francisco Jos Fernandas Pires, tem
o com
Mva
te, ao lar:
ssssft sSSisSSESF*"3* e =3
e faz 5
Presamos de fiambre milito bato, a i%y .
oU9 rs.
ualidide, a libra a
Ditos para panel!*, a 560 rs. v
Q'^'J0*'''^rinos muito superiores, a libra
A i 000.
Ditos do reino vindo neste vapor a 25600
Ditos do vaior passado a 25 e 2J00.
Queijos de qitatha irnos, a libra a 560.
vrasco* grandes com animas a 34000
Latas com 1|2 libras a 1200
Ditas com 3 e 6 libras a 25500 e 45
. S22J* '"'to superior, a libra a
isiio
Cha lino de primeira
25700.
dJJ Ditu uxim a 25?00,
jflL Dito hysson a 25700 e 800.
r.p Dito pirla a 2500.
) Dito em caixinhas le 1 e 2 libras a 25600.
Dito preto a 2j e 25500.
Manteiga iogiwa flor a 15200.
(J$ Dita ruis abano a 800 rs.
c&> Dila/1!l harril prPria Para negocio, a libra
U(|5 Dita para tempero a 400rs.
h lAUuSm 2 Wirasae banha refinada, a libra
-^ a 400 rs.
*, Manleiga franceza nova, a libraa 640.
-- Dita em barra e meios dtios, a libra a 600.
froueinlio de Lisboa a-95500 a arroba e a 320
rs. a libra.
j La';1.'! ^In bolcbjnha de soda de 5 libras a
,'.}} Ditas com biscoitos e bolacliinhas sortidas
S a 15500.
j Mjg Ditas iiiRiezas novas, a libra a 240 rs
. Air.;: do Maranhao, a arroba a 25400 e a li-
K' lira a 80 eiOOrs.
(J^> ^'m"*'* a arroba *W e a Hbma loo
(M r'arti,;^Iper0.r rtePr'mera qualidade
* a85:j00,.Ja:e9*H)0 a arroba,
jgg Dit t-rn libra.*.280, 320 e 360 rs
\= viiihos em cuta de 12 garrafas o
,; K pos,sivel a 185 e 205
jSR D" '"*'* *i*oa 105, 125 445.
3 Dito WffNWggyh suprior posivel
,; caada a KMO~a a garrafa a 640 rs. '
f*Bj Bito iiiaisbaifo a '
J5 car
melhor
Gharuios finos do autor .Jos Furtad* de Ci-
mas, ha por mttttos pre^o*.
Ditos de ouiros autorss a 15500. 25 e25500
Oigos de batatas novas com l arroba a 15
Pissas novas, a libra a500 rs.
Figos novos a 320 rs.
Latas de mihas e favas portuguezas j pre-
paradas a 720 rs.
Ditas com ostra*, excellente petisce.a 640 rs.
Latas depeixe ensopado em postas, de militas
qualidades, a 15.
Potes de vidro com sal refinado a 500 e 640
rls.
Marrasquino da melhor qualidode, a
125 duzia.
Garrafas de dito a 80o c *5200.
Amendoas confitada, a libra a 800 rs
Dita com casca a libra a 320 rs.
N'ozes, a libra 160 rs.
ai t.rao de bico, a arroba 45 e libra a 160 rs
Vinho de caj proparado em Sobral a 800 a
parrara. m
CT5600SU|>erOr Sarrafa i5000' i*200 e
Champagne boa a dnzia 205,e a garrafa a <5
(.arrafoes com genebra hamourgueza a 64
V mho branco Xerez a garrafa a 15
Dito Joao de Brito, puro, a garrafa a 640 rs.
Dito adocicado a 560 rs.
Dito do Porto, fino, a garrafa a 800 e 15
Xarope de grozeis e ontras fruclas a 640 rs
Massas para sapa, amarelia, a libra a 480 rs'
Dita branca a 320 rs.
Dita estrelinha, pevide e rodinhas a 640 rs
Laixinha com 8 libras de dita a 35500
Sebolas solas grandes, o cent o a U
Ditas grandes em resteas a l280
De235500CarlaS francezas Inasa'SOO, 35
Dnzias d. latas UiiDlioes do dita a 280 rs.
Marmelada nova a 600 e 720 rs.
Carne do sertao a libra a 320 rs
Cliouricas a libra a 640 rs.
Saceos grandes com arinha a 55
Ditos com imlho o 35500.
Ervilhas
RIJA DO IJUPERADOR M, 40
. ^leza M$m brancas
rs hra A'" k no.1al,, vaPW a 1,00o: para sopa a melhor
da .afra ? f libra e 4^500 a caixa.
alS T rs'a,,bra-e em "* Vinho
Amendoas
confettadas de Iindissimas cores a 800
libra.
PRINCIPAL
DE
^. ra llO RBpni W. 9
"hua que volta para a ra dalaperator
vel que nao seja bem aceita a venlade, quando a be
Manteiga ingleza
da safra nova <
Iludida por esta epidemia de auzeatico annuncios de
1)03 & de todos and.
tras, etc. que todo o da ct^^St^^^ *** ** i-
que se pdc desejar.
400 rs. a
Os annunciantes
AL.EHTA
o *
asse,, frtas aforra ^*J*~ZSJZE3mS:Sf
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
: I : I \ 1 r- n f f\ f\ ___ L
PARA TOIIOS
Aineixas
enLfra^OS de. vidr' W 3 libras liquido a
ztfiOO, muito propios para mimos.
Cartoes
,- com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolacliinhas de soda de todas as qua-
lidades a 1&100. H
Chocolates
.de todas as qualidades a I000 a libra
Presuntos inglezes
dos memores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velaos para 500 rs.
Queijos flameugos
chegados neste ultimo vapor a 256oo.
Ma, J*Hffl&Ts t "itr mrhs
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2800
qualidades dos gneros trocando-se todo
)r.
'Amendoas confeitadas de diversas cores a Lentilhas
que
a caada.
dem do Porto 64o rs. a libra,
generosos engarrafado des melbores fabri-1 Wem de casca dura a 24o rs a libra
cantes da cidade do Porto ale 1(512001 ]dem de casca mole a 3o rs a libra
naseguiot.- i ..-.
bespanMa. Farai(.
nao saja do agraJu e
9,
4feucijos [ dos melliores fabricrnosle de todas as
| chegados no ultuno vapor a 2<$600 cada um. cas de 4500 a fi^aOO a duzia!
cas sao asseguintes: Chamisso AFilho
*. d- M., Nctar ou vinho dos Deuze
lagrimas do Douro e outros muito.
Latas
com 10 libras de banha a 45OO0.
Bolaehinha ingeza
a 1(5800 a barrica damesmaaue
venden a 2000 e 2^400.
Nozes
|as mais novas do mercado a 120^ M bra.
Cervejas
mai
muito novas excellente legun n
ra sopa a 2oo rs. a libra. lcgumeP-
Licores francezes de todas as qualij*fc.>
7oo e 9oo rs. agarrafa.

!ia1afa.ede 10f* a 12ia MMW. asmar- Ameixas francezas era c'aixinhas cora lindas Manteieain^eV-,'
estampas, a 1,2oo e 1,5oo rs. ,5 Perfc,laP'le flor a 8) r<
dem em frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs
dem em latas de 1/ libra a l.loo rs.
Arroz do Maranhao e da India o melhor que
a libra, desi.esscsario mais ek.g?
te genero que so se pode vehbcf,
COtt i
\. Qneljo
londnno o mais fresco que se pode esperar
e de escollante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglez as mais novas que se pode esperar a 7G0 rs
o frasee.
Figos
rafa.
;;'J a parraa.
i 'Jj Dito (inicos, a 640 rs. a-garrafa.
rA l,i!;'.''"\:aix?-'d',s''n!ll">r"s marcas, a 75 o
, fs o>00.
(ifi Sorveja, marca Ujueote, am Ijotiias a 7 e 85
A a duzia.
rfg Pila de a, Gongbra de la.raqja vprdadaira a l& e I50
f ;. o fiasco.
( 'J Dita de Hjll-inda em frascos grandes a 15 e
|)C|iui-iios ,11.40 rs.
tila vcr'la'loira de llollanda, a botija a 480
s de varias qualidades a 800, 1
rife
K.'.JJ
Ifi
..._s seecas libra a 160 rs.
abanada e a 5b0 rs. a Lentilhas para spa a libra a 200 rs
1 marca, a 400 e 500 JsSMiBV ,braa ^
Arruta vurdadeira a libra 480 rs.
Gomma .dn-engommar a arroba a 45 e em
libra a 160 rs.
Sabio es|.aQhol a libraa 400 rs.
Latos com o vnladeiro gaz liquido cora 27
garrafaa a |gf.
Garrafas rom dito a 500 rs.
Saceos grandfs-com feijo mulaiinho com 24
ouias por 95.
Copos e calis lapidados para vinho e agua.
Latas muito bem enditadas com ligos novos
a 23, 2-5500 e 35.
Assucar refinado com oros muito alvo a ar-
roba a 65500 e a libra a 200 rs.
Papel paU'io liso d- psol brauco e azul, a
resma a 25500 e 4550.
Vmho Mad.;ira-secco. a I5G00.
Genio de csb-iras de tranca a 205.
Ilarris com az -iion.is novas 1 15280.
uas balancas grandes do Romao com os ^J
' UJ Licores 0p<
C i;3.V(IO.
/jM QMM8 da vinho m-jscatel a 10-3, o a garrafa
Ditas cora azQtc refinado a 105 e a garrafa
_ a I50fi(.
Conservas inrieitaiO francezas de pepino?
scboias, azoTtOQas e mixide a 600, 700
8no rs. ,0 frasco grande.
C.xa-(MHi fra.-cos de mostarda franceza a
45.1 iliizia.e WO rs. o frasco,
E MUITUS '
em libras e caxinhas ricamente douradas
propnas para mimos a 000 elyoo!'
Clnl uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
WTm vender por meiOS de
Iden perola
especial qualidade a 2,51700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que teui viudo ao nosso
mercado a 2600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talharim e aletria a
480 rs. a libra.
COGNAC
o muito afamado cognac Pal Brandy a 48oo
rs. a garrafa e de outras muitas qu* da-
dos a l.ooo e 800 rs. a garrafa.
I COPOS 1
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo r. a
duzia, e a 440 e oo rs. cada um.
pesos de 21 arrobas, e alguus bracos pe-
queno* do mesmo autor.
Urna grande quaatidadede oaixSes vasios de
PAPEL
almaco greye, peso e de outras muitas qua-
i.Jades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do rae-
%wmm

Custodio, Carvalho & Companliia,
Toalhas para mesa
Toalhas de liaho adamascadas para mesa a 45000. '
n Cortes de lat
Para veslido<:oin 15covados a 55500.
Coberlas de ekila chipeza a 25200.
Para senhoras e menina?.
Co betas.
lalocs
T Madapolo
Trancado, superior fazenda a 500 rs. a vara
Laa para vcslido a 320 rs. o covado.
rilo de linho liso e bordado.
Fino panno do linho para lences a 800 rs. a vara
Papel de botica
|de excellente qualidade a 2200 a resma,
PAPER
azul e pardo para embrulhode l,4ooa 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas connthias muito novas proprias nara
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l.ioors. a libra
Vinagre
PRRera ancoretas de 9 caadas a 10,000 n
cada urna.
C-ARUTOS
Charutos Tliom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 1,5500.
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, c 20500 a 3,-SPOO a ar-
roba desses que vendem por 35400.
CAF
o^2'*S0ltedo,io de Janero a WW
e 8800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Garrafes
com 4 'i garrafas com vinagre a I^OQOm
o garra fao.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 15000 o frasco, e de 110000
a caixa.
DEM
em frasqueras de Hollanda a 5,*800 cm
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em fiasaucira a Goo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dem franceza a 56o rs. a libra, e en La
Sus 2?' 6ors-' 4 *t?Sli ;4*--
bras, a 600 rs. a libra.
Aze
4,8oo rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa e 10,000
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
libra.
Azeitonas muito novas a 2.000 rs, a anco-
reta.
We?cPa3 SeSre"n',a' ^* "**
etc. a j.ooo rs. a caixa e 56o rs a U
Macarrao, talharim e aletria a iocT'r* Tt
a4oors. otas-
te
?--
Mostarda franceza preparada
co.
dem inglcza em p a 64o rs. o truco
Molho inglez era garrafinhas cora TolUa
vidro a Ci rs. cada urna.
Zara a 1,00 r*.
- duzia
Nozet muito novas a 16o rs. a libra
, 2S2T2S! .em h^ >- r,'. a la',.
das melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs.
a lata.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 3Co rs.
Batatas em caixas de 2 e de i arrobas a
l.loo rs. a arroba.
Champagne das melhores marcas a 2o.ooo
SZfiaSr- a eamfa' C9 "*i.ig?**?l*n lio r, M.
m*. o me,hor possi.0, a 2.7 r, f^ ^ ^ _
"?? l-WP-W a 2.700 rs. !p2*. ovoa I6ors
rs. a arroba.
Alpista limpo a 14ors. a libra, e l.loo rs. a
arroba.
Bolacliinhas de Lisboa da fabrica do Beato Mar'i^ Z2 '"d "P"
Antonio de diversas qualidades, era laUs 7^T Xlo^Vl
C c ol-Vs.baafibara3'00 *** "' *S Sff7*
Idera ingleza era latas de 2 *^>sZ^^ZZ^^
! rantindo-se a qualidade. a SSTii,
Passas novas de carnada a 4oo rs. a l,Lr7 .
G,5oo rs. a caixa. '
Peixe em latas hermticamente WhltedH
seguintes qualidades. sabel. mSZT
raz, cavall.nha e pescada a l.ooo r*. A.
a libra.
dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2,ooo, 2,4oo e 2,6oo rs. a libra,
dem do Rio em latas de 2 a 8 libras, a 1 3oo
rs. a libra,
dem preto homeopalhico 2,000 rs. a libra
Cerveja das melhores marcas a G,ooo rs. a du- J
zm, e 5Go rs. a garrafa.
Chocolate francez, suisso e hespanhol
l.ooo, l,2ooe 1.4oo rs. a libra.
dos melhores fabricantes de LTsbfia, como se-! "TS SimasTouto^Z ** Frla
jara Abreu e outros muitos a 600 rs. a I ."1 nJSSfllS?1 da~Bahia mno de-
libra.
as
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
MaranhSo, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,200 rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 5Go rs.
a libra e em caixa ter batimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 0,3oo e
caixa e 3lo rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 5 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas muito novas
em rraartos e inteiros a 25 o quarto e 60500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao
l.ooo rs. o molho. Frntas em calda '
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginia e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
Cebollas
Alpista e Painoo
o mais novo do mercado a 140 rs a
e 4400 a arroba.
libra.
libra.
SORTIMENTO PARA A FESTA
EW
RESERVATIVO
a 600 e 15 o caixe.
freguezes ^WKTSjSr^^^ PrnCpal dec,aram aos MM
23Largo do Terco23.
ftC* q leed. .pr. este estaheleci ment KS ^l'S u r "nelo de
ijUdni-perlenceBt.aeslesubelecimento. raoile e rantajoso sortiinenio deludo
Senlide! Vou fallar com s Onserva !I
'I .nleiga inglou do I- sorte a 800, 900 e U Queij0s rnais no,o3 do mercado a 25300 a ,,800
Os propietarios do grande armazem o Verdade
tarara ^rae^p^^^^^
0 *ttg Pnnnpal ma do Imperajer n.
FKUCTAS
chegadas; neste ultimo vapo^^f-' *""* E VAS
40
i .' n franceza em barril
bra.
Toucinao de Lisboa a 300 rs. a |ibM 8J800 a ar-
Jlalas em oaitus ifoa umi M000 a ar
roba.
em oaias .figos l^oo e
Sabo anwello omuSm W MoVS40 rt'
a libra.
Ghcruios da alua
Caf de primeira e segunda sorte a 250, 28) e 300
rs. a libra.
Arhlra *lnda' MarMUo e ,ava O e 80 rs. a
Pln^hros do gai 24 a pnu c 180 rs. o maco.
Passas novas a 489 rs. a libra. V
Velas decarnaba Aracaty coapMici. a 400 e 440
Massas para sopa a 480 e 440 rs. a libra
MarmeUad* dos m.-lhores fabricantes de U-
t a 2 Hfcrai a 640 rs. a libra.
Cba. fiysson o melbor dtate genero a l|800 a li-
fela
IJftfWW,a mind,n,, a 2*300> W00 e 3W00 a
banha ngleza aira e superior a 480 rs. a libra.
" | Mllio alpisia o painoo a l'o .
^boa de
tWrs.alibra.
S; {; "'rri. soperio%fg '*
jucm tranco propri-.i para misa a n?. .,-.
I m d0 Porto engarrafo!. O fl& ult^
Mi da urna caad. grande abalimento.
Vmbo de Plgueira verdadeiro a 500 rs
de Lisboa das ruL-iii.-ir.w ,
do Porto em barr
branco proprio pa
do Porto engarrafo.
iBRa&ysrn1/11*
Massa .le tomate a 000 rs. a libra
foiu-bradeniaKa w frasca e'botijas ** i,
ranja da 180 a UiO a 1200 J d6 U"
'Aoungaa a* nfo> novas 360 rs. a libra
Mfe com 1 c inria libra de ameixas a uinri
Azeite doce do Lisboa a 440 S "garrafa?M o
GRANDE FABRICA DE CALDEIRARIA
DE
VILLACA, MU & C.
KUA DO BRUM BT. 40
deSl-a atten?ao de todas ^ innanda- E
oJl Parao fiar, nos mpHIto a',,,! 'gj" ^Wm j d p^rWei,, ,,,, p,,ra fflg
urandes foram as didlculdades uno i-._ m
sso dosideratnm ; portaTraca 2?J25S! a,suporar- af,rn d Poder
Eramos habilitados a foodr ins T,g^ q".e "r ?hl 'l5 **
robas, corn emhlem,,Si i^JFJttEEZSi 2 lihras ,00a'-
fojUo tu. Mu fabrico iod..s m rfraVdV ,?i- 221- E '" do com^r^r, g.,.n
i^sTh 5^- Ped"no,> Prta"o. em recomnesa ,
jara Regala, Trovadores, Guanabaras, De-
licias e Suspiros, a l,6oo, 2,000,3,ooo e
4,ooo rs. a caisa.
Conservas inglezas a 7oo rs. o frasco
dem franceza surtidas ou de urna s quali-
1 dade de cada frasco a Soo rs.
Cognac inglez e francez a l.ooo rs. a "arra-
la, e lo.ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Cae!la a 1,000 rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4.800
0,000 e 5,5oo rs. a duzia. e 5oo rs. cada
Caf do Rio superior 28o e 3oo rs. a libra
e 8,000 a 9,000 rs. a arroba.
dem do Cear a 26o, 28o e 3oo rs. a
e 8,000 a 8.800 rs. a arroba.
Doce de goiaba a Goo rs. o caixao
Emilias portuguezas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
IdemseccasalGors. a libra.
Hernia descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo rs
cada urna.
Graixa nova a loors. a lata, l,!oo rs. a
duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras de 12
frascos a ,80o rs., e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs. cada urna,
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,800
rs. com o garrafo.
dem dem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem ingleza em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro, qualidade superior
a l.ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a 1,000 rs. o fras-
co e M.ooo a frasqueiras de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
l,ooors. a garrafa.
Ouejos flamengns do oltM vapor
Mera pialo muito fresco a 800 rs. a l.b, ,
sendo inteiro a 72o rs
Sal refinado em potes de 'vidro a 5oo rs.,-,-
ca um.
Sarm!!ia,S LSb,0,1 6 de rs
a meia lata, e loo rs o nrto
Sapu muito novo o alvo a 2., .ib.
SardinhadeFrancaalS,,; i'aVra "
Sevada a loors. a libra.
Toucinho de Lisboa a'2io e3oors. a |(r3
Tijolospara limpar facas a 15o rs. cada m!
fgmm dw
rar-
Vinhoemi.ipa, l'fto.Lisb
marcas menos condecidas j^oo"^"-
rafa, ea 2,800
rs. a caada.
dem F.gueira expecialmn.te m
dem Lisboa em ancoras com 9 cana.bs
ca especial a22,ooors. a ao,r"
dem blanco uva pura a ;(io rs
ea 4,5oo a caada.
i Df.-te
iii,,.
garra-
a garra.
dem Porto fino enTpipa a 56o rs. a
dem engarrafados generoso, Lagrima do
Douro, Doqoe do |.or.o,.Lui;.nPe
dro V, Nctar, velho secco, Jlalw", .
genuino particular de 1^ n "*'?_
ea l2,ooo rs. a duzia. rara,
dem Muscatel a looo rs. a garrafa
dem Bordeaux dos acreditadas marras S
Juhen St. E.steph, cbieau la iTE
Margoux e outros a 6,000 rs. a ca,x 1S
rs. a garrafa. M
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2 nnn
rs. a garrafa.
Vinagre fie Lisboa a 2oo rs. a garrafa 1! loo
rs. a caada.
dem em garrafoes com 5 garrafas a l.ooo .
\ assouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
dem de escovas para lavar casa a 36o rs.
cada urna.
Vellas de espermacete superiores 3 56o rs
a libra, e sendo em caixa a 52o rs
dem de carnauba refinada e de m*.
a^rs.ahbra.elo.Scoell.oiori.,

a 3-n ? 3 O C
5 o a, r> 9! m I
09
09
-I
. e. o
3 4 23
a.
?c?^3--Tiir3a)- 3-90
1
g
9
a3
O a
do sermos con- f^-'
em nosso estabelccimnnto em nada S^
faMm.
tantos saenlek dpWas a protec^o do pSico.
mpensa
Villana, Irmao f C.
No armazemdefazendask-
raas de Santos Coelho,
Ra doQueBddai. 1
Vende-seo srSn|ate.
Allenco II
^CortewH Ha com IS corados, pelo tralo *,
p6rtas de chita da india a 2JWO M
i-engoes de panno de linho a SJ e 2J50O
30O S carabraia de forro com 8 112 varas a
Tiialhas alcochoadas proprias para mos a Sf a
corles da Lia rom barra Mara fia a
do/ia.
Ricos
184.
Pecas de platilhas de al^odo era |0 rar.
proprias para saia a 4#. ^,
Algodao en testado com 7 Ii2 palmos de bm.
a UI00 rs. a vara. ^ ",p,,r,
Esleir da India propria para forro de ula de
0 4, S, e 6 palmos de arcara, por aenM iJ^.
^ que em onta nualoner pTrte *" """ "** *"
Neste estahelccimento
, www esiabeiccimento tambem w etjcowrar
om^frale soriimem. de mapas felfas,?^S
)
i


Diario e rc*aaa.->aeo Huala tetra 2 7 c Outubra e 1184.
ao PUBLICO
tiem menor coaatran-
gi ment &e entregar o
Importe do genero qne
nao agradar.
ATTENCAO
Os precos da seguate
tabella para todos, pu-
dendo assim servir de ba-
se para o ajuste de eontas
com os portadores.
RIJA DA CAM.3A IM> RE2CIFE 3. 53.
(Lego passando o arco da Conceifio)
Grande reduccao de precos, equivalente a dez por cento menos o que outro qualquer
annunciante.
CollegasNao posso por mais lempo sustentar o prego da manteiga ingleza
HUIOS objectos, etc., dando com isio ocasiao a todas as espeluncas acabarem por boni pr
alta voz, quepodem vender pelo preco que eu vendo!!! Ora. en ofrendido mm ciu n
a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo!! 1 Ora, eu o/rendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesme
systliema que viro encontrar, dse se vender cora um por cenlo a carola, resolv fazer esta giande reduccao de precos, como veris
pela segueta tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertma do moinoravel armazem de molhados Unio Mercantil nao
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de Uoe a l.Goo rs. a libra. Iloje porem, resentidos da reduccao a que
estao obrigados, encarando todos os das de seus freguezes reclamacao de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
Bal informado deste novo estaLclecimento. para Ihe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem iue o seu fim
tao somente obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Sentare* e Senhoras o aceio que presid, aos arranjos deste novo estabelecimento, c mais que ludo apromplido e entei-
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proteceo e preferencia na compra
dos gneros que preoisarem, e quando nao pocam vir poderlo mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco praticos, pois
serao tao bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recommeudaco, afim de que nao vio em ouira parte.
Enfeites para caber-.
Chegaram os lindos enfeites de atora para -
nhoras, sendo multo simples ede mtiitogu.-lo :
no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
SALSAPAERIL*
/i..'.
wr>.
BE BBIST
As rlir;s lir';-. .]._.
EfFEMIDDES RMUIKAS,
Erysipeus. RI a m .
Nevralgias, Escorbuto,
ele., eJ-.. ele.,
UO tl'lil
nomo :'i
gnuigcno u Indo
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolhida a 8oa rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 5to g. a libra, e ero barril oh
meios a 000 rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra,
dem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
neste genero 2,(>oo rs.
dem pretohomeopattiicoporserde superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra.
dem hysson, huxiua e peroia mais proprio
para negocio o i,600, l,8oo e 2,oo rs. a
libra, garanta-se ser muito regu'ar, igual
ao que se vende emoulra parle por 2,4oo
e2,too rs.
Lingni-as, chonricas e paios em latas de 8
libras, ormeticamente lacradas a S.aoe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e palios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e l.ooo e 600 rs. a libra.
Queijos flamengos* muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
p.issado a l.Goo e l,8oo rs.
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abat-'
ment. ,
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.000 rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9, dem do Cear de superior qualidade a 2io
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do MaranhSo a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba,
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas masas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse im.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
dem londrinos os mais superiores que tero Vinho do Porto muito fino excellente qua-
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
I lera do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas ponuguezas em latasj pre-
pararlas a 6o rs.
Marmelada impelalos mais acreditados fa-
bricantes de I.i-"Pf. a 6eo rs. a libra.
Prezunto do reino' vtndos de casa particular
a 50o rs. a libn, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglesas para fiambre cliegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,000 e S.ooo a
du/.ia,
Chocolate franeez, suisso e bespanol a 9oo
1,000 e l,2oo rs. a libra.
Espermacete em caixinhas contendo 6 libras
por i.ooo r.., sraranle-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tamben* tem
de 12 por libra proprin para carro-
Peixe em posta sovel, corvina, goras. pesca-!
da, salmo, ostras echernee, vezugo em
latas grandes a 800 e l,ooo rs. cada tima. I
Vinho Hordeaux das marcas mais acredita-
das que tem vindo ao nosso mercado a
6,000, 7,ooo c 8,000 rs. a caixa, garante- j
Antonio de Lisboa em latas cora 6 libras
por 2,">oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5iio: ditasimperiaes emlaias
de 3 libras por !,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos eom bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, e l,8oors.
Azeite doce refinado Penanol 00 do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2.000 a
caixa cora 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molbo inglez em garrafa de vidro com
rolba do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lcntilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Acaba e nscer.ei de sua proprta eucuuimeiia um granue e variado sortimento
de molhados todos primorosamente escolhdos, por isso apressa-se o proprietario em
offerecer 3es seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos precos, afianzando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
Salsaparrilha de Insto1
por todas paite- 1
smente devidas i
lo
lllivi :
Amendoas confeitadas de 800 rs. a libra.
Manteigainglezaperfeitamenteflr, a 1,000
rs, a libra e 800 rs. sendo em barril,
dem franceza a #oors. a libra, e 56e rs.
sende em barril.
Cb uxim a 27so rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,600.
dem peroia a2,8oors. e de 8 libras para
cima a 2,7oo,
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
Unica Legitima e Original
IMiKI'AHADA KZCLVSIVAM
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-, SALSAPARRF.hA DP. Mli
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim, i 0AL0E ^aiLa^
morangos, limao, caf, laranja, cidra, gin-:
ja, canella, cravo, rlela pimenta a l.oooI
rs. a duzia l.ooo rs. a garrafa, garante-se'
que os melhores que temos tido no mer-
cado.
2,ooo rs o quarto, a 6,5oo a caixa e 4oo
rs. a libra,
dem corinthias proprias para podm
rs. a libra.
a 800
dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e inteiros a
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo e de 8 libras
para ciraaa2,3oors.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a hita,
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,800 rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,oo, a 4,800 rs. a libra,
dem mais baixo bom para negocio a l,5oo
rs. a libra.
LAIMAS KE1IP M V>Vt =;
UedicmU a reotki do IM L'.C. i
A venda as boticas deCaors & IM
Cruz, e Jlo da C. Bravo & L., rti
roa da
da Madre
de Dos.
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 cariadas por 45,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figuera, e Lisboa a32o,
4oo eteo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,'
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 000 rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Donro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio lino,
Fettoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
lo,ooo rs. ea 9oo e l,oooa garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolachinha de soda em latas com diversas
qualidades a l,3oo rs.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a 1,00o rs. e II ,00o a duzia-
Palitos para denles a 14o e 16o rs. o mago.
Sal refinado em irasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Ceneja branca e prela das marcas mais a-
crediUdas que vem ao mercado a 5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinha de Franca muito nova a2oors.
Charutosde todos os fabricantes da Bahiaedas
mais acreditadas marcas conhocidas no
nosso mercado a 2,000, 2,fino, 3,ooo,
3,;>oo c :1,80o a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
1,000 rs. a garrafa.
Doce da casca da guiaba em latas de 4 li-j
se ser de qualidade superior, que outro Bolo franeez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. | para mimo a 64o rs.
Genebra de IMIanda a 56o rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5,7oo rs a frasqueira. libra e 6,ono rs. a caixa com 28 libras,
dem de laranja verdadeira de Aliona ero Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grandes a l.ooo rs. o frasco, 9 l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
1 l,oon rs. a duzia. Amendoas de casca mole a 32o rs. a libra.
dem de Ilollanda em botijas grandes a 4oo' Bolachinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
bras por 2,ouo;
cada um.
Faririha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra elo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banlia de porco retinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento; ditas em
molhos com cento e tantas por l,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo
rs. a libra.
(iueijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,600 rs
dem prato es melhores e mais frescos do
mercado a 800 rs. a libra sendo inteiro.
Genebra marca gato a 1.7oo rs. agarrafa.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Crakntl, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machineeoutras mul-
tas &J,3oo e 1,4oo rs.
Fumo Aericano em chapa a l,6oors, a
librff*
Araruta de todas as qualidades.
Batatasfnovas em tafeas de 2 arrobas a 30 a
caixa e 60 rs. a libra1
Balachiuha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,000 rs.
Vinho verde de lias*.
Vende-sc o legituno vinho verde h arnu/. :i
i da roa do Imperador n. 14. esuuina da inte- 1
Marmeadas dos mais afamados fabricantes de do OorMor a soo rs. a garrafa.
Lisboa a 64o rs. a libra
Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra.
Grlo de bico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 64o rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a l,6oo rs. a libra I
Vende-se um casal de larra mu.i i
e mansos chegados hontem de l.ifli.a n<> h
Bebedouro : na ra da Cruz n. I. (MriptorV
Antonio Luiz de Oliveira Azeredc A C
e 800
fazenda especial.
Presunto para fiambre inglezes a 7oo
rs. a libra.
Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra.
Caas de traque n. 1 a 8$500 cada urna.
Massas para sopa macarro. talharim aletria
a 4oo rs. a libra.
Gommma.
Vendem-se sacros com suiierior **oaima 3
a arroba
ment.
a tratar no trapiche Bar.i< do F.i\ 1
ESCMTOS FUGIDC.
Fugi.i na tarde do dia Ifi de juth ;
escravo pardo, de nome NwttM, vet I
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa 1 {0 .h.'e *" Annn< Tin,i0 *Arraiy, 1
e8nors agarrafa de idade 28 anuos i.uco mais-u n.. i-.-. .
u r j naes seguintes : ilinra regular. >.... ,i-.r. r: -
dem franeez a 7,000 rs. a duzia e 7oo rs. a ponea barba, eabatla miimi, :,v.u ra
garrafa. caica de algodiosiaba de rwada aaal >.i ..
Charutos em grande quantidade e de todos os P" de i!al,,a. leRdo ic-ado cn^i-- i. :.<-. -
fe,,;.,,., _- ...j:i.j.. 1 Kn Ivom mais roupa.e e rendido de urna rfa
fabricantes mais a creditados a i,5oo, qnem 0 a, |1I,1[.I1;,(T (|Ul.ir;i l(.ra.|, r, ,
2,000, 2,500, 3,000 e 4,000 r. a caixa, de Dew n. 38, ou ra do Brum n. K, y
os mais baixos sao dos que por ahi se ven- recompensado.____________
dem a 2,ooo e 2,5oo rs. \ 008 de ppatife- ra. "
A quem capturar o escravo paidu i'x n
ditoemcaixoesaOoors. idem hglezasem barricas amis novado
mercado a 3,5oo rs, a barrica e 24o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 800 rs. a libra e 14o rs. o
pao.
AGENCIA
FUNGI LOW-GMOE.E
Hua da Srmalla ora n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
nm completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenbo, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
lamanbos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roapa: em casa de S. P. Jobnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Vinlw do l'orlo superior
dm caicas de urna e duas duzias : tem para ven-
eer Antonio Luiz de Oliveira Azevedo& d, no seu
escriptorfo raa da Cruz n. t.
Fabrica Conceicao da
Bahia.
Andrade h Reg, receben constante- B
mente etem venda no seu armazem n. H
J4 3i da ra do Imperador, algodo d'aqael- W
^S la fabrica, proprio para saceos a mm 1
Na laja de fazenaas ha-
r tissimas de Duare
Borges da Silva, ra
da mperatriz n. 2
Affua Florida.
Para restabelecer e conservar a cor natural
dos cabellos.
A agua florida nao c una Untara, fado essen-
cial a contestar, a mesma agua dando a cor primi-
tiva ao cabello. Compnsla de plantas exticas e
de substancias inoffenMvas, ella tem a propriedade
de restituir aos cabellos o principio corante que el-
Vende-seo segnillle: lies tem perdido. Doma slnbridade incootesu-
PEQAS de panno de linho com 25 varas a 8*>, vel, a Agua Florida eniretem a limpeza da cabeca
6 um p meo estreito, mas excellente para toalhas. destroe as caspas e impede os cabellos de cahir
DITO de dito adamascado com 8 palmos de lar-' Oleo de Florida
rara para toalhas de mesa de jamar a 2,5400 a Composto de substancias vegetan exticas, elle
j conslile poderosamente, com a Agua Florida, a
; forca, a bell za e a conservagao dos cabellos.
; Em Paris, casa de Quislaur n. 12, ra de Riche-
lien, e 21, boulevard Montmartre.
vara.
CASEMIRAS de duas larguras e de urna s cor
muito boas para roapa de meninos e soutembar-
ques a .lio covado.
TOALHAS alcochoadas muito boas para enctau-
gar o rosto alija duzia ou 500 rs. cada urna.
CAMBRAIA branca lina ora saipicos miudinbos
a 640 rs, a vara. metade do valor.
OLIAOOS de bonitos e elegantes desennes para
cobrir mesas a i& o covado, para acabar.
LAAZI.NHAS de padroes novos e muito agrada
Todos os frascos, nao tendo intacto e claro, o
timbre prateado da casa, sao reputados falsos.
Deposito, ra do Imperador, pharmacia n. 38.
Balaios para meninas
rs. o covado, e finalmente o respeitavel publico
acbar constantemente nesta dita loja nm helio e
variado sortimento de fazendas finas e grossas a
precos muito moaveis, pois esl resoJvido ganhar
i car, embalar aTgodaoVmVn etc.,"etc~, M ,)0UC0' ewB ,anU> ,,ue venda mu,t0' nao menriono
yfi pelo preco mais razoavel. a ma,s fazendas n.) presente annuncio porque impor-
S^^^ WvMW v-.**^ taria i$s0 D'UH,a d(,sl"'" extraordinaria cuja des-
> S4i'*n S*I'*K'-a P"'za reverter sempreem beneficio (fus comprado-
"**, g 1^ w* res> pednao ao pub|ico que ^ deixe de |er t^
lua il ACOZaiia ll. \l, jes dias este dito presente annuncio, pois haver
Vende-se, em casa de S. P. Jobnston & C, mudanca nos artigos cima ditos, isto a propor-
sellins e silbos inglezes, candieiros e casti- ** <1e se torem acato'0- __________
aesbronzeados, lonas inglezas, fio de vela, Empreza de luminaCaO
chicotes para carros e montara, arreos para r
carros de ara e dous carados, e relogios de ffllZ.
curo patente inglez.
Lindos balaios de varios gotos para meninas
veis tanto na boa qualidade como no preco de 320 irazervm no braco : s se encontra na loia do llei-
*' ja-Flor, ra do (Jueimado n. 63 e 69.
Extratos
e sabfto
xinlias
B
em eai-
A icatrao
Vndese barris com alcatrao, na ra da Crnz
n. 23, primeiro andar, escriptorio de Antonio de
Almeirta Gomes.
Lindas caixinhas com um cartao com a familia
imperial, e dentro de cada caixa um frasco ou sa-
bao o mais fino que passivel: na loja do Beija-
Flor ra do Queimado n. 63 e 69.
Machinas de vapor e pa-
ra descarocar algodao.
Moendas e meias moendas.
coa-
POT4SS4
Vend-se potassa era barr a commedo prejo o
oa ra da Cruz n. 23, primeiro andar, eseriptori:
e Antonio de Almeida Gomes.
Todas as vendas de apparelhos e reclama-5es TaixaS de fferrO batdO,
(por escripto dando o nome, morada, data, etc.), i j -i
de vem ser leitas no armazem da rna do Imperador I QO e QiQ CODre.
n. 41. Os machmistas mandados para attender a | -r\ j jj j i j
estas.apresentaro ora livro que os reclamantes j KO(la S Q affUa, dentadaS. e
deverao assignar logo depois de prompto o servico '
reclamado; isto para que a empreza fique scienle | QO ftUTQga COin HiangaSC
de haverem os mesmos senhores sido devidamente
attendidos.
Vende-se urna casa na estrada da Cachang,
perto do sobrado grande, tem commodos para fa-
milia e para negocio : a tratar na Boa-Vista, ra
do CutovL'Ilo n. t.
eixos de patente.
Ra do Brum n. 38, fundi-
0o do Bowman.
Papel de botica de excellente qnalidade a
21oors. a resma.
Potes com sal retinado a 48o rs. cada um.
Bicos frascos com frutas francezas em calda
a melhor que se pode desrjar de l,4oo a
3,ooo o frasco.
Fruas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muilos a i 2o rs. a
lata de 2t|2 libras.
Foijo verde em bages em latas a 64o rs. a
lata.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 6oo rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velbo
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e outras militas
marcas, em caixa de urna duzia a lo,ooo e
l.ooo rs. agarrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figuera das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a carrada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a casada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
cooiposico a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a l,ooo rs. cada tuna.
Ricos livros com figos l.ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,Soo a arroba.
Garrafes com 4 '/ garrafas de vinho supe-
rior a 2,5go rs. com o garrafao.
dem com 4 '/ ditas de venagre a l.ooo rs. o
garrafe.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com a ancoreta
dem em pipa puro sem o batisme a 2oo rs.
a garrafa e 1,4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaos fazenda muito especial a 6,8eo rs..
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
berato. futido em 16 ia outul-m earr ule.
tatura regular porm largo dos li-
du 20 sanan, cor alaranjaila, mo imil
cas de espinlias e toligan, falta u u..> rgr> i
pequeo sutaquedp gagncz, h<\.\<
1 denles da frente e a rahecaqoe haba s
esla cota os cabellos principiando a eres-rr i i
logo cima da testa na cabeca urna tiratra
furtou na occasiao da ugida urna -
Caf de premeira qualidade a 8.3oo e 9,ooo
rs. a arroba e 28o a 22o rs. a libra,
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a a
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz do Maranhao a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba,
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra,
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra. T^Jl^?"'?' um V!>U''"1
,,_,,,. ., ', tres ditas de brim de cores, cambas fm,. t
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro- unia ,,ir)es de rura| nss ,,upn^ ,. ,,, ,,.,
ba, C 8o rs. a libra. branca fingindo hrilbante na al'erlur.i.niM
_. ,. v de facto, um chapeo de sol de .-eda rwr ir i
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-; un, par de bolinas, um pinol de i II;.
roba, e 3to rs. a libra. de Bu branca a on chapeo de parha ;. v i ..
dem de sebo muito dura fingindo esparmace- 1'1"1 da ro"/!;i ** K>le ***** *> H
. oKn ., o |hn Janeiro em 14 do correnle, onde >e rr, ,,
ic ouu i a. d uuid. nnie d|, Mari.|ni)) ,i m||ll, fllja ,,,.,,.(.,,, ., ,. .
dem de esparmacetea oGo rs. a libra, e em do f..ce Iniolar-se ime, Mrtcarwi m h ijr'j .
caixa a 52o rs. coro 25 libras. Franci.-co do liego Maia de Apipo.".. i
Papel o melhor que se pode desejar para os ^'im,,hro"i!,.) 0|ymP' de ""a aH na
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res- i
ma, j se vendeu por 7.000 rs.
dem almaco [tautadoe lisoa 3.ooors. a resma,
dem de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a
resma,
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,oo rs.
a resma.
dem embrulho de 1,2oo a l,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 V* libra a
l,2oo e 8oors. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle l.ooo rs. tambem temos em
frascos para 1,4oo rs.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
30# de sr:lliv;.> fio.
A quem capturar o e>crav crioulo de i
zilio, fugio em 2i de ouiiibro corren;-, ia i
annos, estatura regular, cor fula, tem un ;i i
gano queixo, tem falla de denie>, ps eathH
pisa as pomas do< ps por cari-a de te i
calcanhares, levos vestido calca de brim br;
camisa de algodao branco, chapeo do CMle n :
e usa de alpargatas : quem o pcfar ls*a a i i. !:;
reita n. 30.
Molhos inglezes a 8oo e l,ooo rs. o frasco.
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja lente verdadeira a 7,ooo rs.
duziae 6oo rs. a garrafa.
Damiana crenla, cor fnla, alia. -,... j, i
cara descarnadal vicio de lomar latees, .v.l. :.
vestido de algodao d listra e de rima .-n- ina
cabocla, chale de ganga encarnada d.- palma ai, 3
relias, fallante, e representa lar -aetm da 31
nos, quando a sua idade de 36. fugio no 1I1.1 9
do cjrrente mez : roga-se, noriaulo. as autor uta-
des policiaes e capites de camin que a aaaavfc i-
dam e facarn cunduzir a seu senhor no Brejo d
Madre de Dos, no sitio denominado Catate, n
na vlla. e ser entregue ao eaaan tleminiano do
Reg Maeiel, que serao generosamente rei-om|M n-
sad-is : e na praca de Pernambuco ao- Sr*. M
^ i lhes da Silva Irmaos.
Fugio du engenh-4 Para no da I .lo tarri i.:-
dem de outras marcas preta e branca a5,5oo! com direccao a esta praaa, onde -asi-ato* a.. .
e 6,000 rs. a duzia e 500 rs.a garrafa. noite o escravo ('.aciano, cabra, de i.la.le ::o a- .;
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l,ooo rs. o molhoe
800 rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,000'lharo : ***%*** a *'uem ^rnt e lt-**-f
a KRn re tr^ern mesmo engenho ou entrega lo ne-ta pran na i;;;.
penco mais ou menos, nao obstante ja ter al
cabellos brancos, punca ou nenhuma barl,
las grandes e arrebiadas, estatura mediana,
as liuas, ps apalhetados, andar corci.vailo. ci-l. -
bem cicatrisadas de chicote, muito ladino
- n
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafes de 14 garrafas a 5,2oo rs.:
Nova de Sania Rila n. 7, aos Srs. Siqueira a I
Fugm no dia it de setembro ultimo d. i .
nbo Santos Mendes, na comarca de .\aniv
crioulo Anto. baixo, grosso, bem pre, de I*:.*
Palitos do gaz a 2,200 rs. a groza e 20 rs. a grandes, cora 22 aunas de idade, o qual aertt n i
caixa. i ao casal do finado Fortunato Philadelph.i aai I
dem de denles lixados em macos grandes Pe.sfa' mo<* (iafui no ngenho Altaq-
enm 9n r (\ marinhn* a t9n r* n macen e fo1 a^^pmi,<,0 I**'0 anaoncianle em paaaa a>
COm 20 rs O maemnos a O rs. 0 masso. b|ica do jujzo de orphos da comarca d. S.z.
CominhOS multo novOS a32orS. a libra e! reth. Esse escravo perlenceu omr'ora a-. s...
10,000 a arroba. Goova A Leile, negociar te- na riitade da hV i Ma.
Sag muito novo a 24ors. a libra. i"61** aod,t0 ?"*-" ^* :
z. 8 ,. ,,_____,0___. ...__ sido elle seduzdo por alguem : e por '>> ai-
Cevadinha de Franca a 180 rs. a libra. unciante protesta proceder crimlnalmci.ie .oi.ir..
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,500 rs. a quem o asylar e haver dias de servir... Qa.
arroba. | prehender 0 referido escravo e apresenln n.rn-
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba. !f'"'Santos Mendes ao i lailiijk mm m
n .. _____. ,'. de doKecife aosbrs. Manoel (naco de (Miv.ira.
PeiXCS em latas al,OOO rs. a lata j promptO Fl|hl1i q,lfiS(>r generosamente recompensado.
a comer-se.
Fugio no da 13 do crreme do engenbo Ca
beca de Negro, freguezia da Escaria um a*rra
cabra, de nome Pedro, estatura regular, Hadr rt
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,oo rs.
Doee da casca da goiaba a 6oo e l.ooo rs. o **annos Pucrt n,ais on mnos- w redonda.sea. .
.,:.- I barba, dedos dos ps bastante finos, tem um defc--
Ldi.\.H ^ na faj|a ou a|gUn,a cousa de gaguez, esta ir*a
O proprietario do grande armazem Unio e Commercio declara aos seus tmfii^40 .t.'!.ffgg ^gLy** lr"?''' '
zes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a coromodidade de todos estipulou | Zdt ZZ Ka >2 retej
os mesmos precos nos seguintes lugares:
Uniao e Commercio ra do Queimado n. 7.
O Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 40.
mar donde viera para dito engenbo cima. K
ga-se as autoridades policiaes e capites de raa|
que nprendam e o levem ou ao engenbo artea n .
npsta cidade ruada Senzalla Nova n. 38, qre
r generosamente recompensad.
^


8
Diarto Je PcnailbHM ... Quinta Mn 8Jir Onlnbro ile !!.
LITTERTRi.
limas descobertas, a importancia dos estados ar-
tsticos appiicados antiguidade 011 ao comcco da
historia do espirito humano.
A primeira esperanza de explicar os hierogly-
| phos foi dada por urna insr.ripc.5o achada em Ro-
selle, a antipra Bolhitinum, R.irliid dos rabes, e
llescoberlas archcologicas do nosso seculo.
SEl! ALCANCE HISTRICO.
IMPORTANCIA DA SCIRNCIA QCS AS BSTDOA.
At o Bra do reculo passado, pouco u.ais se co- ""J1* em lres sorle e escriptura. Urna par-
nhecia do mun,io dos amigos, alm dos Gregos e L*2J22* 1Ue m"Sm leX' de"a
dos Romanos. Acomunados a ver oestes dous ^22^*' +T* ^ "T*
poros os ulor.osos representante da civilisaco an- *J^JJ* J^J iScrl"turas sa*rad e
liga,'sera difliculdado se consenta no e-qne-u-
motilo licasse todo quanto se livesse passadu fra
Young o primeiro que eniprehendeu decompor
essas duas sociedades, que mmorUlisaram os > cara(;,er'>> distioctos o nomo de Ptolemeu (Bp-
ph.losophos, es artistas, os poetas e os historiado-, mmo' oa V)- *"" em iv~ Quase por una ronquea.), adniittia-sc que rer e>,e no,ne era designado a attencao por ama
nao se tinha entrado no dominio da historia, se- es|,eci(! ,le voluw ou laC<> elliptieo, a que chamam
u-n quando puabamos o p, cora os Helenas e os os BeeMS cartonrhe, no goal se ac.havam real-
iYlasgios, no solo da (recia.
Sabia-sc, entretanto, que nessa immensa regan
que do No se estando at as margeos do Indo,
' ihani existido grandes centros de urna civilisa-
i.,n primitiva, mooarchias abracando rastissimos
territorios e iauumeraveis tribus, eipitaes mais
extensas do que era iodo o resto do globo, e pala-
cios cuja stimptuosidade exceda o que em Paris,
mente comprohendidos os caracteres representan-
do o nome do Lagide.
Apezar de tal descebrimento ter dado a Young
o valor de muilos caracteres, a mor parte delles
licou sem explicaeao, porque nao se tinha podido
anda recoohecer os principios fundamenlaes da
escriptura egypciaca.
Entretanto, um facto lio importante por si mes-
om Londres e em Roma, faz nos lempos moder-' mo>WM devii doixar esteris os esforcos dos mais
nos a admiracao do mundo. s "os (,,,e' c'"'mo rcheologo inglez, procuravam
u S'reao 3o urna lingua perdida ; e felizmente
Vagas tradicoes nos du.am que seus orgulho-; Ch.mpoll.on, comparando o nome Ptlrneu
SO. fundadores, sobre muros tild.stract.TCis, l-! com o de Cleopa.ra, adiado em um monumento'
uham tragado sna historia cm a Imgnagem pom-, H nature2a do prmero> conspmu aeguraroi
posa dos poetas nacionaes. valor de un grande numero de'signis alnhabe-
Huinas amomoadaa nos dsenos, templos, py- tjcos "o" aipnaDe
t anudes, figuras gigantescas e notorias de ns-!
crlpcoes, apresentavam caracteres estranhos, des- J se l>assou ""ito tempo, sem que um certo
conllecidos .., tnd... emfi.n. que rontavara os .nume de noes gregos o latinos, escriptos com
viajantes ruja cunosidade os tinha levado at essas! ",er>'yi>os( fossem decifrados. Um segundo |
iMide testara um grande desenvolvimento de i Passo reveloa-lho muitos nomes egypc.os, escrip-
crjHora' social. Itos coraas mesmas ,ttras.e ns principios, que
Tjda essa grandeza dos apparecia,
nimianin Ia l>rimL'ira vista parecen, pouco importantes, mas
- m L' qUe fora,n os Pr'QC'pa instrumentos das primei-
,0 trates das rumas, ou as narraos incumple- ras descobertas arcbeologicas em todo o Lypto i
ns dos historiadores gregos, as islas duvidosas
de Manethon e pm algumas passagens da Biblia ;
o como no mundo primitivo do Oriente o homem
diva as suas obras proporc,es colossaes, cria se
feralmente que a tlcijao oceupava grande logar
lias recitacSes bblicas e nos lvros do Herodoto.
Para explicar a historia daquelles tompos, os
mats estranhos systemas nasciam vista dos mo-
numentos que se elevavara em ruinas na Asia e
00 Egypto; c reduzidos a simles eomVtoras,
prelendiam os historiadores do seculo XVIII que,
principiando o homem pelo estado selvasem, mi-
litares de scalos tinham sido necessarios para
que os povosdo amigo mundo tives^em ehegaoo a
attngir o gru de desenvolvimento intelleetaal,
qne testimanhavam os restos de suas obra*. At-
lribiiia.se civilisagao de alguns delles, urna du-
rac'io de doze a quatorze mil annos ; preferindo-
SC prolongar indifinidamente o periodo mythico
pelo q ul comeca a hi des, doqoe acreditar, com os padres da egreja, na
recitacio simples do Gnesis. E.....cousa sin-
C'iil.ir era entre os povos nao sconhecedores da
jir.),.ri:i origem, que ia-se procurar as proras da
aatigoida le imaginaria da nossa especie ; e auto-
lidlJe le Moysts era sacrificada dos padres do
Egypto, da India e da Caldea.
Esses principios eram os spguintes : 1. Existia,
entre ontros signaes, um certo numero de earac-
teros simples, formando um alphaheto. 2v Esses
caracteres simples nao s serviam para escrever I
os nomes proprios estrangeiros, cpmo tambem no-1
mes egypcios. 3. Aquelles nomes cujo sentido era
conhecido pelo texto grego, explicava-se perfeita-
mentepela lingua copla lingua usual dos primeiros
enlistaos do Egyto.
Estas primeiras conquistas versavam exclusi-
vamente sobre os caracteres alphabeticos; mas os
amigos nos diziam unnimemente, que os egypc.os
possuiam caracteres symbolicos, isto signaes
IDO por si s.0- e cada quasl eparadamente, repre-
sentavam um nome, urna idea, e conhecia-se mes-
mo por diversos historiadores o valor de alguns
delles.
Champollion, proseguindo nos seus trabalhos
com sua penetrante intelligencia e com o seu ge-
nio descubridor, explicou urna inflnidade desses
caracteres, eutrando com urna facilidade admira-
vel no conheciraeuto das leis harmouicas que en-
cadeavam eulre os egypcios o u>o simultaneo da-
quellas duas sones de escriptura, formando um
s systema hioruglypineo.
Suas ideas, expostas cada vez mais claramente
|em publicaeoes successivas, furam, liualmeute,
A areheologia, alada no berrjo nao se cria cha-1 reduzdosa um cdigo regular, na sua grummali-
mili para confirmar a autenticidade da biblia : ,Ca hieroglyphica.
o-monumentos fallavam em favor do historiador l
hebreo ; seus conlos heroicos perdiam-se na vas- A morle Poz lerm(> trabalhos de Champol-
dio dos dsenos porque ninguem os entenda. | ho"- A'arefa dos seus saceessore. era conside-
Entrt*.. era impossivel qoe as reformas que ravel; *?*~? dar a^.dversas formas da lin-
no comcco do nosso seculo se operaran, no me- iaem .""roglyph.ca mais certeza e precisao ;
modo dos estados histricos, se deiussem de ap- era Preciso c<**t oducumario, apenas come-
r.'.icar a antiguidade. Com effeito, graeas aos pro- 5ado- e completar a gramma.ica, cuja syntaxe
ressos da areheologia c da lin?uist,ca o valor das; nem mosmn era u"' !* diffl
fra lic.is de cada povo tem sido mais bem apre-
dado, a autoridade dos textos mais bem estabele-
cjda ; e a edade dos monumentos quase usada.
Tres archeologos illaslres foram os prncipaes
reformadores di estado da historia amiga. Chara-
pjlliou, Young e Rawlinsou lancaram-se, como
animo dos descobridores, pelas ardentes ardas da
Aia meridional e do Bgypto, como em busca do
um thesouro -, entraram pelas cavernas e subter-
rneos da M'-sopotamiae da Caldea; desceram e
penelraram com as lazos de urna seiencia nova
as necrpolis d-> Tiize'i e de Karoac, onde nter-
rogaram as inscripcSes e os tmulos, e sahiram
com a historia de alguns Pharas e de outros res,
cujis dynalias aos eram ioleirameate desconhe-
CiJas.
coldades se eloyavam. A eeerlnlara valgar tinha
apenas deixado penetrar imdiricamente o valor de
alguns dos seus grupos : excepto urna parte do
alphabeto, toilo o systema restava a descobrr.
Era necessario emtim, cora o que tinha deixado
Champollion, esmdar as mais complicadas ins-
cripcQes, as bibUotbesas de pedra e de papyro,
tao celebres na antiguidade.
Emfim, todas as partes desse immenso estudo
teem siho ohjecto de grandes exploracoes, e a es-
cola ue Champollion e de Young tem reconstitui-
do a historia de quasi todos os monarchas que ri-
naram no Egypto durante tres mil annos.
Grabas a ella, ja nao estamos reduzidos a ver
concentradas no poder de um ou dous hroes, as
conquistas e os trabalhos de tnuitas gerayoes, de
muitas dynastias. Cada principe, cada seculo
era devida na
As personi-
- quaes a imaginaiao do
linson penetrar seus .nstenos e revelaram^em pQVU a,tr|buia luJ() qUMIo s(j ^ ^^
Esses caracteres que cobrem os muros o inte- ; ^ na posse da era
or dos tmulos e dos sarcfagos, in.ntellig.ve.s hjslorja da ^.^ ^
at euiao. deixarara Young, Champollion e Raw- s ^
menos de um quarlo de seculo, urna lingua des-
pre-ada e urna historia esquecida.
nos primeiros lempos, fora substituidas por
individualidades reaes, e as licyoes ijue occuavam
A ioterpratacSo quasi completa dos caracteres j aos nossos olhos a origem da naco, desapparecem
ciieiforraes e dos hieroglyphos, que cobrem as j de dia em da perante a verdade histrica.
ruinas de tantas maravilhas, restaura de algum d.j._, u. j- ...
' Podemos hoje distinguir todas as vieissltudes,
ntodo a antig. importanca daquelles imperios,: todas M ^ dasocelade ^
que foram alternativamente o arb.trodo mundo. baj(0 dg jmmobi|iuade K.0,ra[ica qu fM 0 ca.
A civilisaco moderna, que durante muito tem-1 racter essencial das monarchias primitivas. As
po nao reconhecia na antiguidade senao duas es- i lulas dos guerreiros e dos padres, representando
colas de civilisaco, duas fontes de doutrina e de j o que nos lempos moderaos mamamos lula do
m-i'irscoes emanando cada urna do genio de urna i poder temporal e do pudor espiritual ; as rivali-
r.v\ particular, duas artes cmfim, a arte dos gre- dades de Thebas e de Memphis, que se tornavara
gos e a do romanos, inclina se respeitosa d'ante alternativamente as capitaes do paz, segundo a
da veracidad*) histrica, e venera os poderosos
soberanos que souberam elevar Thebas e as Py-
ramides.
Cmtemplando as ruinas de N'mive, d'Echatana
e- d'Hliopolis, lendo as insi-ripgoes beraglyphicas
de Memphis e de Lugsor, quem deixar h))jeJde in-
teressar-se pelo estado daquelles paizes que viram
Alejandre, Cleopaira, S. Luiz, Homero, Tasso e
Chateaubriand ?
Terra sagrada quo viste a verdadeira infancia
do homem; mui com mura do todas as religioes,
que de jos de teres dad deoses aos gregos e aos
romanos, nos raosiras o ber^o de Hoyss, de Jess
Cnristo e de Miiomet, ao p dos de Zoroastro, de
Osiris e de Jpiter I para admirar a grandeza
antiga de teus f.lhos, que as expedijoes europa-
atravessam era todos os sentidos las vastas pla-
nicies e tuas ridas montanhas ; e para con-
templar essa vida de outr'ora, quo nossos mu-
seus se enchera de colossos, do epitaphioso de
Cmulos.
Foi pelo Egypto que comejou a restauracS > da
historia do Oriente, porque era o Eaypto que
mais attrahia a attencao dos sabios pela grandeza
O magpstade das suas ruinas.
A historia de.-sa restaurado nm dos mais
vastos assumptos que a areheologia offerece ru-
IO)4dade do publico, e um dos mais admiraveis
trabalhos da nossa poca. Nao a tratamos cir-
cunstanciadamente porque a complexidad da ma-
teria pede uraespacomais vasto do que nos dado.
e contentar-nos-hemos narrando resumidamente o
ten wmfcn.
O nosso nm nao contar aqni a historia de ca-
da Incidente archeologico, sim fazer sentir,
pelos resoltados a que se tem diegado com as ul-
importancia das classes; os esforcos da populagao
inteira, para sacudir o jugo o os males da invasao
estrangeira, e recobrar a independencia perdida ;
a restaurago da monarohia nacional, seguida de
um grande desenvolvimento de conquistas exte-
riores, soh os reis da decima nona dynastia; a
magnificencia das artes, vindo com a religio
realcar o brilho do throno dos Pliaras; a prepo
derancia poltica destes reis elevada ao seu apo-
geo, e declinando sob seus ociosos descendentes ;
a decadencia chegando emllm, depois de multipli-1
cadas as divisoes intestinas, e das mudancas intro-
duzdas pela civilisajioestrang-ira as instiui{5es
antigs, tal o interessante espectculo que nos
ofTerece o Egypto, e ul o fructo dos estudos ar- i
cheologicos e paleographicos, applicados nos mo-
numentos que nos legou a arle dos Pharas.
Eis, pois, o Egypto anligo conquistando um I
grande lugar na historia positiva ; e podemos es-
tudar hoje a sua civilisacjSo, como se fra urna
nago moderna.
No momento em que, continuando a obra dos
seus predecessores, Mr. Lepsius acabava na syna
seu Ltvre dos Reis, um pintor italiano e um fran-
cez, Mr. Dola, achavam as margens do Tigre a
historia de urna civilisaejio pprdida. Ninive, que
pareca nao ter deixado visligio algum do seu an-
ligo esplendor, sahe do meto das ara, onde jazia
sepultada desde o tempo de Joas, 2471 annos ti-
nham passado sobre a cidade amaldic/>ada, sem
que se livesse podido achar o lugar da sua sepul-
tura. Era reservado ao nosso seculo descobrir e
desenterrar esses retos sumpluo*os, em qn* re-
vive para nos um dos periodos mais importantes
da historia dos povos amigos.
E ama grando satlsfacao, para o hornera que
aprenden com os Hebreos e com os Gregos a his-
toria de um povo, qoe parecia nao ter existido se
nao na imaginacao de alguns homens de talento
para os historiadores, que citavam com recelo al-
gumas passagens da Biblia, temendo a critica em
urna poca de perturbarles de crencas, em mate-
ria de religio como em historia, ver, nos monu-
mentos que cscaparam destruido do tempo, das
aguas e do logo a mais solemne prova da authenti-
cidade dos livrosque flzeram sua educacao.
Mas, esperando que a erudieao dos archeologos
acabe de dar vida a essas riquezas que resuscitam,
entremos com Rawlinsou no Louvre, ou no musen
bntannico, contemplemos com elle esses lees e
esses touros collossaes, representacSes syrabolicas
dos monarchas assynos, e vejamos, nos dous gou-
pos, que a difieren^ de estylo permiti estabelecer,
entre as obras dos escultores dos dous imperios as
duas grandes pocas do imperio Nioivia.
Eis as gigantescas figuras que nos appareciam
como phantasmas as recitales pomposas dos pro-
phetas hebreus; eis Sargoum, o rti e vigario de
Babylonia, de que fallava Isaas, e eis Assur, o
fundador de Ninive, uas inscrlpges de Korsabad,
cujo texto coincide at uas menores particularida-
des com a narrago da Biblia.
Tambem foram achadas essas portas, por onde,
segundo aexpresso de Nahum, os poros entravam
com a impetuosidade dos reis; os carros que, se-
gundo o mesmo prophela, faiscavam quaodo cor-
riara aos cmbales, os dolos, cuja perfeicaa fazia o
povo de Israel esquecer Moyss e Jehovah f Eis
reproduzida era 1,000 quadros diversos a vida
social dos brilhantes Ninivitas; eis suas ceremo-
nias religiosas, seus usos domsticos, seus costu-
u.es, suas artes, sua civilisaco, emfim represen-
tada com clareza em baixos relevos de urna ele-
gancia e perfeiQo inconteslaveis.
Alm da importancia que teem esses monumen-
tos como revelaco da vida militar e religiosa dos
povos da Assyna, alm da eonfirmaglo que, debai-
xo do ponto de vista da historia geral, d5o auto-
ridade dos mais celebres historiadores antigos,
ellos reconslituem historias particulares, como a
historia da arte militar e da marinha; esclarecen,
a historia dos fados, das flnancas, das relafes
commerciaes, da extracto e do uso dos mineraes
na antiguidade, e recommendam-se, sobretodo,
como documentos para a historia das Bellas-Artes
na Asia-Occidental.
Em presenca delles fcil ver e apreciar a arle
assyria as suas diversas formas ; a architeciura,
a pintura e a escultura, e as leis que presidiara s
inspirares do genio ninivita.
Os soberbos fragmentos depositado no museo
do Louvre, provam que os artistas de Babylonia e
de iNinive foram os dgaos precursores dos artistas
gregos, e que urna arte defeituosa, mas s vezes
grando, magestosa e sabia existia, antes f}ue em
Athenas e em Rhodes existissem Phidias e Ages-
sandro.
A arte assyna impz suas leis ao mando helle-
nieo, e nao smente a elle como a outras socieda-
des, sua influencia prnpaeou-se ao lonse, orno o
poder das armase com acivihsaciio dos manarchas
assyrios, imprimiu nos davos circumsvisinhos o
carcter de grandeza e de magestade com qu? sao
representados em diversas ruinas.
Ao Oriente e ao Norle, os Medos o os Persas re-
coberam dcilmente as modinYacoes, que os prin-
cipios da architeetura o da escultura impuzeram
as construejoes dos templos e as formas dos
dolos
Ao oeste, na Syria, na Asia menor, as i Ibas
do Mediteraneo, os mesmos principios peWraram,
e pelas eidades gregas do litoral se intr duzrara
at as tribus hellenieas, donde pasparan. .Italia e
desenvolvern a civilisaco etrasca, .|uv deu a
Roma os elementos de sua grandeza primitiva.
A mesma influencia exerceu-se na Phenicia e
na Juda, e nao foi inteiramente esiranha aos
Egypcios, o que prova um numero nao pequeo
de objectos achados as marens do Nilo, conten-
do urna multidao de assumptos assyrios, mais ou
menos interessantes.
Um povo pequeo, porm importante pelo gran-
de papel que representa na historia do espirito
humano, os Hebreus, a quem pertence a gloria de
ter conservado e perpetuado as tradicgoes dos pri-
meiros tempos, foi particularmente influenciado
pelo genio das artes de Ninive e de Babylonia.
Estas assergoes, que parecan, arriscadas, em
quaut se tinha smente a Biblia para servir de
apoin, teem adquirido nestes ltimos annos o ca-
rcter de verdades incontestaveis pelas descober-
tas devidas principalmente a Mr. de Sanley. As
proprias escripluras nos pareciam justamente
aecusadas de estravagancia, pela onginalidade de
muitas scenas e typos que encerram.
Quando nao se conhecia o symholismo religioso
dos povos asiticos, o em particular do imperio
de Ninive, onde as divindades apresentavam-se
soh todas as formas imaginaves, nao se explicava
a origem dessas represenlacoes symbolicas que
ornavam os templos em Jerusalm, a forma dos
cherubis (cheroub) os touros e os leoes no templo
de Salomao, a me de Samuel, dizendo em sen
cntico iEt exallatum et cornn rneum in Deo
meo;* Daniel, ajuslando dez cornos no quarto
animal do seu sonho; Isaas, fallando de um deus
passaro, a que chama Nesr.dc... Emfim, toda essa
grandeza de representadnos visiveN, que tinham
dehaixo dos olhos os prophetas hebreos, quando
pintavam urna scena cuja magnificencia pedia urna
penna eloquente, pareciam-nos antes o producto
de una imagiuacao de fogo, que se comprazia em
associar formas differentes para obter monstros|
que o effeito de urna civilisaco estranha.
Hoje, portn, nao nos pennittido taxar de es-
traovagantes, ao menos neste ponto, os Santos
Evangelhos; e os prophetas da Biblia, sem nada
perderem de sua originalidade individual, nao
sao mais do que a expresso completa do seu
tempo.
Nao se tem limitado as exploracoes archeologi-
cas ais paizes que temos indicado. Toda a Asia
oriental tem sido e contina a ser, o theatro de es-
pedios scientiQcas, que esclarecem mais e mais
a historia das sociedades primitivas.
Ecbatana, a capital dos Medos, que Heredlo des-
creve lao minuciosamente, lem oiTerocido iuves-
tiga^o da seiencia pontos de grande interese A
Persia, onde o coronel Rawhnson tem deeifrado
mais de quatro mil inseripses cuneiformes, conti-
na egualmcute a ser estudada; e, gracas a esses
estudos, ja podemos ler, fra dos livros de Herodolo
e do Diodoro de Cicilia, as paginas bnlhautes da
historia dos Achemeuides. >
Mas nao nos detenhainos parados diante dos ro-
chedos de Bisutum edas insrripc/es de TschilMi-
nar; gigantescos edificios nos apparecein ao travez
das montanhas do Afghanistan, e chamam nossa
altenyao para as margens do Indo e as planicies de
Turkestan.
Eis-uos achando os restos da civilisaco levada
por Alexandre para a Asia Central, que ajumara
um novo capitulo historia dessa expedig), cujo
fructo pareca resumr-se na glora das victorias
Granice, d'Issus e d'ArbeHas.
Oqne era feito dos Gregos da Bactriana, que.
Strabon nos representa como ns senhon>s do Orien-
te, das mil cidSdes do grande Eurralida*, e das 70
colonias fundadas pelo reideMacedoniaT Ninguem
o sabia. Tres ou quatro fragmentos de medalhas,
lres ou quatro nomes de principes, conservados pe-
los historiadores antigos, eram os unios vestigios
daqnella dominacao europea, que nos pareca urna
exageraco tao grande qnanto hoje a verdade que
nao podemos desconhecer.
Quando Plutarco, diz Manoel V. Duruy.. hoje
ministro da instrurco publica em Franca (I) quan-
do Plutarco exaltando a fortuna de Alexandre, nos
mostrava, a Asia tributaria dos costames e das ins-
tituicoes gregas, a barbaria estrangeira cedendo
por toda a parte a influencia feliz do genio helleni-
co attrihuia-se vaidade de Grego e ao entusias-
mo de nm escriptor eloquente, essas maravilhas de
urna civilisaco transplantada. Mas graca ao ge-
nio o ao ardor das descobertas de alguns nfhViaes
inglezes, temos visto reapparecer o imperio Grego-
Bactriano, em um sem numero de medalhas e de
ontros documentos desenterrados as margeos do
Caspio, do Erythru e as fraldas do Parapa-
ra so.
Com as colleccoes de preciosos fragmentos que
enriquecera o museu britannico e bibliotheca impe-
rial de Paris, fcil restahelecer a successao des-
sas dymnaslias que levaram al as montanhas do
Thibel as arles e as leltras do continente europu,
como fcil seguir o progresso e a decadencia da
civilisaco macedonia longe da rnetropole.
Temos dito bastante sobre o interesse qne
apresentam os descobrimentos archcologicos de
baixo do aspecto da historia da civilisaco, e ainda
poderiamos dizer pausando da Asia Europa, e
desta America, onde nos fallam completamente
as prodceles Iliterarias.
t ao estudo dos monumentos e das inscriptos
que elles protegem, que se deve tudo quaoto se
sabe acerca da nrganisago administrativa do im-
perio romano. Hierarchia das grandes funegoes
publicas, circumscripcoes administrativas, privile-
gios de que gosavam as differentes especies de mu-
nicipalidades, composico e attribuigoes de suas
magistraturas, iostituicoes religiosas, condico das
pessoas; organisaco e destrihuicao, em toda a
superficie do imperio, dos diversos corpos de ro-
pas, legies, cohortes, alas de cavallana que de-
fendan) as fronteras contra os ataques exteriores,
que mantinham no interior a ordein e a tranquil-
idad ; grus dos offlcaes do exercilo, construeco
dos monumentos commemorailvosdos grandes suc-
cessos ; feituras das estradas, das ras, e de ou-
tros trabalhos de utilidade publica, todas essas
quesloes, o muitas outras, cuja enumerarlo sena
demasiado longa, acham sna seluco as inscrip-
(,-es antigs, e tac smente nellas. (2)
Passeraos ao continente de Coloinbo e de Vespu-
cio, interroguemos a joven irmaa do amigo mundo
a patria dos Aztegues e os Incas sobre a maturida-
de ou a iufancia da vida inlellectual de seus filhes.
Faltam-uos aqui os documentos Iliterarios, sendo
vagas e confusas as Iradigoes e desfiguradas pelos
povos conquistadores: mas um inslincto primitivo
e universal dispe o hornera a detxar a postendade
urna lembranca duravel dos farros importantes de
sua vida, ou de sua patria, ages, diz Bourdaloue, les hvmmcs out voutu alia-
cher leur memoire quelquer chote nui leur surte-
cut et t]iii pariat d eux en leur absence.t
A America foi dcil a essa le, como o fra a
Asia, a Europa e a frica, e se nos faltara os poe-
tas e os historiadores para nos revelarem a histo-
ria da sua jurentude, restam as ioscripcoos que>
e-pathadas por toda parte, esperan, um novo Cham-
polliou, para iransmiltirera ao. povos modernos
memoria dos feitos que reeordam, o que o tempo
obscurece -, e restam os monumentos do Mxico e
do Per, que estuda a areheologia, e que consti-
tuera urna verdadeira historia.
DM POECO DE TUDO.
QUANTO LA ML'LHER COSTA AO MARIDO.
K a concluso do artigo do E. Polletan, que hon-
tem comegamos :
Mas que o casamento ?
Posso responder melhor do que ninguem a esta
questo. porque, lenho urna experiencia de tabellio
sobre tal assumplo.
Um homem, o mais das vezes um velho, esrolhe
urna donzella, e, em grande pompa, a conduz, vu
na cabera, ao lugar designado a esse genero de ce-
remonia em presenca de um respeitavel funccio-
nano, revestido de sua insignia. Ahi, depois de um
interrogatorio summano acerca do nome o sobre-
nomes, o pontfice municipal saca da algibeira um
cdigo civil, limpa cuidadosamente o vidre dos ocu-
los e com urna entonaco de voz mais ou menos
irreprebeasirei, conforme o dialecto do paiz, le
um paragrapho pouco miis ou menos nestes ter-
mos :
t Vos, esposo, prometteis proteceo vossa es-
posa ; e vos, esposa, prometteis obediencia a vosso
esposo.
O marido jura, jura-o a mulher, depois saudam
ao tnaire e vo beber vinho de Champagne at meia
nouie.
Nao admiti casamento senao por vida e morto I
Se um homem podesse, a modo de ensino, lomar
una mulher, sob reserva de vicio redbihitorio, e se
a mulher exercesse o direito de reclprocidade, o
que seria feito da familia T
Urna vida de estalagem.
No lim do auno j nao se saberia o nome do urna
mulher.
A ociedade regorgitaria de vluvas ehorosas, cu-
jos maridos janlariam alegremente no Caf Inglez,
o de viuvos involuntarios, cujas mu Hieres paririam
no mez seguinte sob outra (Irma social.
Talvez conviria, antes de assignarse a ohriga-
^o de viver sob o rgimen de communhao al o
tmulo, e continuar a cohabitado at o ultimo que
se livesse de ambas as partes a certeza adquirida
de pensar e sentir do mesmo modo.
Como poder obter previamente esta certeza ?
Um relibatario usado tem noticia da existencia
| de urna donzella casadeira : toma informages so-
] bre o dote o as esperanzas...
As esperanzaspalavra fascinadora, que signifi-
ca a morle do pae e da me t
I Depois deste inquerito preparatorio de commodn
et incommodo, o pretndeme enva um plenipoten-
ciario a pedir a mo, isto a bolsa da donzella, e
na melhor occasio remelle o inventario ligera-
mente poetisado de sua fortuna, e accrescenta ao
bataneo a esperanza, ainda a mais insignificante,
que possa (or, sob a forma do pae ou da mo a en-
terrar.
De ambas as partes negocia-se lentamente a
questao do dote e cabedaes; e, resol vida a obra da
diplomacia matrimonial com mutua salisfacao de
cada urna das partes, o noivo obtem o iusigno fa-
vor do urna entrevi-ia com a donzella negociada.
~7t) E-oreviamos n" oBK-co 1864.
(2) Circular de ministro da mstrucco publica,
Paris, 15 de abril de 1856.
Vao risita em trajos ohViaes de candidato, ca-
bellos frisados de fresco, grvala branca, collrte
bordado, cadeia de relogio em forma de grinalda
na frente.
E oxal que elle tenha bem merecido da patria
para poder ainda ajtintar a tantas recommendaces
urna lita de rondecoraeao ao peito da casaca !
Entra no sallo da nova ; sorriemlhe os labios;
scientilla-lhe o espirito, que o deve ler ao menos
nesto da, podenao na manha seguinte voltar ao
seu elemento natural; falla do inspiraco gracio-
samente ; discursa sobre msica, poesia e al so-
bre o bello cu da Italia.
Durante esse tempo a pretendida, assentada a
um ngulo da janella com a modestia de urna se-
nhorita bem educada cose, borda, enrubece, em-
pallidece alternativamente, responde por monosyl-
labos, e scisma no romance que est lendo s es-
condidas.
A experiencia recomega urna, duas vezes ainda,
talvez tres, quatro por muito rigor : na qnarta o
futuro dar um golpe de estado : usar offerecer
sua futura um ramalhete de flores de 5 francos.
Em prova de reconhecimento a este arto de rorte-
zia, a senli.n iia levara a audacia at aeslropiar no
piano, na intenco expressa do adorador aulorsa-
do a symphonia pastoral de Beelhoven.
Depois deste protocolb summario, a familia da
noiva procede cora urgencia assignatura do con-
trato.
Urna carta de participaco em papel assetinado
noticia ao circule dos amigos que fulano, cavallei
ro da Legio de Honra, esposa a fulana filha legi-
tima, na egreja de tal parorhia.
i.is a uoiva radiaute de jubilo : acaba de rece-
ber o seu euxoval, pode ostentar s vistas de totas
sobre o altar, isto sobre o leito do seu quarto de
I dormir, os santos objectos do toilette' a touca da
; noote, a camisa enfeilada de rendas o roupo da
manha.
Mas ros pergunto ao primeiro de ros se acaso
nesta rpida confronlaco do marido e da mulher>
I antes da hora da bengo nupcial, tivera tempo de
| decifrar um na fronte do outro por meio de qual
! quer processo somnmbulo, o roysterio oceulto de
j una reciproca sympalhia.
Nao te eonheco e tu nao me cooheces, tu que me
! levas para tua casa.Que importa ? Mais farde
i salieras conhecor-me. Mas, se nos engaamos um
ao outro, se o espirite de variedade que preskliu a
creacao, nos amassou com um barro antiparhico,
e deu a ti o scepticismo e a m+m o enthusiasmo?
, Ah I gracas a Deus, teremos a duraco inteira da
vida para habituarmo-nos ao nosso erro.
Entrei, haver algum lempo, em um gabinete
de leitura frequenlado pela nata do bairro do S
Germano.
Um mancebo, assentado ao lado do balco, ou
antes reclinado em sua cadeira, levantando o joc-
Iho al a aluna do queixo, esperava a entrada de
um dilicioso romance da Bohemia, associaudo no
castao da bengalla urna cavatina de Bell mi.
De repente, em um corlo momento, puxou a ca-
deira para a frente: acabava de entrar outro
mancebo, presumo que um cantarada dos pagodes ;
e sem preparaco a queima-roupa, como que rea-
tando urna eonversaeo nlerrompida-:
Que quanlia esposas tu Y diz.
Cera mil francos, respondeu o outro.
Confessae, senhores, replica a proprietaria do
gabinete de leitura, que, se podesseis casar-vos
com o dote smente, estmarieis muilo mais esse
negocio.
Tendes razao, respondeu o primeiro interlo-
cutor.
E no entretanto ambos eram mocos, abastados,
ao menos se o julgarmos; pela elegancia. Dizem
em Paris que todos os hroes da polka pensam as-
sim na edade, hoie deprimida, das Wusoes.
Que quantia esposas tu t
Eis a palavra de ordem de certa raocidade.
O casamento nao seno urna filial da Bolsa, e
ultimo recurso para pagar ao alfaiate e sapatero_
Que despertar espera a essa donzella, na depen-
dencia daquelle hornera, que a tomou calculada-
mente para reconstruir um ornamento, quo as dis-
sipacoes devor mar?
Logo que se v endnheirado, o marido necessa-
ramente retoma a sua proflssao de mocidade com
todo furor de um Jogador feliz e do prazer adiado
por ecooomia. Ira ao Club, ao caf, ao bosque de
Boulegne, etc., a noute, ao theasro em camarote
reservado. Sahir de casa muito cedo, e entrar
muito tarde para iugir ao aborrecimenlo, ao poso
da familia, a si mesmo, sua mulheressa oulra
consciencia exterior, cujo olhar vara-lhe na alma
como um remurso.
Sua mulher, com toda a resignaco do Evange-
Iho, espera-o al alta noute junto ao berco do (Vlhi-
nho, embalado pelo rhythmo dosomno, regular co-
mo o folego da innocencia, ao claro melanclico
da alampada encoberla, e com a fronte inchnada
sobre a cima fria do lar domestico.
Hura ule lo longa espera elle l provavelmente
algum romance, esse prfido consolador das almas
Iludidas, e, de tempos a tempos, deixandosob o de-
do a pagina ainda nao vollada de todo, ergue a vis-
ta ao tecto para seguir, no cu myslico, ~> phan-
la-ina da ventura j quasi apagado.
Ella sonhara o amor, e ainda o sonha, essa ne-
cessidade celeste de dar e de receben o que a al-
ma humana tem de melhor. Mas lomba-lna a mo-
ridade folha folha, e com a mocidade a gloria da
existencia; est prestes a morrer, murro j, por-
que a mulher morro duas vezes :a primeira vez
para a belleza asegunda para a vida.Esta re-
siste e protesta, quer ennhecer, ainda que seja por
um dia, ainda que seja apenas urna s gotla da
taca encantada.
Ento a a hora de ura drama domestico, ou
talvez de nm processo summario, em que o mari-
do, medico de sua honra, como diz Caldern, mata
o seu rival.
Respeito a lei, e ouso dize-lo aj a superstico :
se ella entendeu dever submetier saneco penal
da multa e da priso a fldelidade conjugal, proce-
deu muito bem, como sempro procede qualquer
que seja a bypoihese ; mas que um homem, quem
quer quo elle seja ; que ura marido, quasi sempre
o primeiro culpado, siga sua mulher s occulta>
na esperanza (que esperanza, grande Deus I) de
sorpriide-a"em" fiagranle delicio ; e, para mais
aulhenticidade, associe a essa conspiraeaoum com-
missario de polica ; e que essa mulher, sua pro-
pria mulher, a me do seus filhos, a primeira par-
te da sua existencia, seu somoo, seu despertar, seu
sorriso, sua intimidado, o pao e o vinho de sua al-
ma, ao menos urna hora na sua vida, elle vae mi-
seravelmenlo arrasta-la pelos cabellos presenca
dos juizes, p5e-a bem nna e a atira s garras des-
ses caes chamados advogados do divorcio, para ler
a lgubre salisfa(o do stygmalisar o seu propnn
nomo na fronte da sua companhoira, e marca-la a
ferro quente para sempre, pela sentenca da Justina,
essa urna vinganc,* que nao posso comprehen-
der, nao posso admittir em mlnha alma e cons-
cienci.
O desgranado, porm, esquecea-se de que esse
coraclo, que elle despedaza asjim en publico, e
atira lama da estrada, palpiloa nm iostaate lio
junlinho do seu coracao que, do alto do eo. Dos
desceu sobre elle como se fra ura altar ea tai
momento.
Supporte-se que para vingar aqnllo qoe chama
sua honra um marido a retalhe em publico. Xas
passar alm, julgar a sna propra cansa ; mu, fer-
ie da escusa legal eda certeza da impnti**., rae
regar fnameute urna pistola, esperar na mulher
de emboscada, e no momento em qne Fra*n de Himinl recebe Galeotto, ahir de aballo, faier
fogo sobre esse par desarmado, deixar ahi nm ca-
dver, dous cadveres h.-inhados em sanfne. mfmr-
par assim a gloria do carrasco, e, como rite, frrir
sem perigo e depois ir dormir, ah seahor, pra*>
que este direito de vida e morle ja est lao rmen-
lo e moribundo, e o papel de rarnireiro de sna nra-
Iher perdeu alguma cousa de sua poesa dantnra,
passando do Sr. Malalesla ao primeiro eabeileirei-
ro recem-chegado da provincia.
O que quer ludo isso dizer ?
Que o homem olvida a mulher, a qual tambera
o esquece, que a alma pede a sna parle so casa-
mento, e porque nao a encorara ahi, rae procura-
la era oulro lugar.
Salvemos a familia, se queremos sairar a patria,
porque tima na^o nao seno a familia em mais
larga escala.
Que virludc civca esperar de nma gerac, qU
nao tem sede se nao da agua de esgot I
Como me vindes fallar de cidado ?
Comegac regenerando a homem no lar Jomas
ico.
Nao vos esqueca que o deberhe lem sido limpia
a escola preparatoria da escrarido. Venen bia-o por experienciaquando fazia do carnaval o
primeiro artigo da constuulco do despotismo.
E" do Sr. Henrique d'AieocaslroAotrao esta pee
sia : *^
TniVAS e ul.
Assim eumo urna nouie, que envolvida
Na trevas de honrosa escorido,
Nao tem nem mesmo um astro quo latease
Lhe d alma esperanza de claro.
Assim como n'um mar sanhudoe irado
O nauta extenuado de hitar,
A esperancada vida ultimo raio
V de todo no peilo se apagar.
Assim como um suspiro dolorido,
Magoad, senlido, lacrimoso,
De quem nem urna vez, no chaos da vida,
Nunca soube o que fosse nn temo gozo.
Assim era mmh'alma anies de rer-le t
Noote escura sem ar. nonas sem Un,
Nauta perdido no escarcea do ondas,
Suspiro qae das alma dr tradnt !
Viver sem ter vivido nem nm dia,
Manha sem arrebol, aves e cantos,
Tardes sem brizas, sem dourada flores,
Noutes passadas a verter mil pranlos I
Porm... desde que vi-te a vez primeira,
Anjo loiro de amor, viso querida,
Senli no peilo meu que pulloiaram
Essas venturas de ineflavel vida...
Ante os meus olhos um porvir hrlhante
Veio abrir de repente o immenso rea,
E minh'alma dilosa o contemplando
Dolirou, se enievou, creu-se n'um cea...
No crneo meu ardeu-me intenso fogo,
as veas o meu singue >e escaldou,
Meu peilo se accendeu com luz divina,
E as chammas minh'alma despertou..
E hoje que por t smente ea vivo,
Aujo loiro de amor, meu :.' iJ,
Beber t-llluvios deixa nos labios,
Uoijar-le deixa as faces de cuial.
eixa ao menos que cm la tranca bella
Deponha um beijo s, um beijo ardeole
Quero nella sorvor do cu delicias,
Quero mesmo de amor morrer demente.
L-se na Estrella do Norte o seguinte :
as UM tk-r:iMi mi...
De urna carta que de Roma acaba de dir.g.r
Ilustre padre Perrone ao nosso Esm. priado, n-
trahmos o trocho seguiote, qne revela bem clara-
mente o pensamento daquelle eminenl tkmilofn
contemporneo acerca da questao dos seimaanos
agitada ltimamente eulre o episcopado e oca-
veruo de BnwiL
Eu nao >ei que goreroo- algara europea tenha
al o prsenla levado tao longe suas pretenc/M* a
ponto de querer regular o- ensino aos semiaanas
Nem mesmo. o Plomme, ora os gorernos prot^-
lanles. E' inauJiPi qua as potencias seculares le-
ulia.n o dii-oii) do so ingerir no ensino ecclasas-
lico, exclusivo dos bispoi, que uoic-m Wm miSKM
de ensinar a verdadeira doutrina ca botica A e
ensinue, disse Jess Christo st aos seos. apii.M. e
o que declarou expr>-ssainenle o concilio de Tron-
o. A' quem pertoneo apascentar, a* ovelha-i aa a
pastor ? Vos, oves, nutile poseer pastare*, dina um
padre da egreja, s*tiis est si recle aascaawm.
No enlamo o goreroo do Brasil ou antes mi-
nisterio passado, suslentui. contra o se omenr > di
episi-opado, contra a d citrina un versal laeote m>
cebida na egreja, que o gorerno lem o dirH(.> .lo
inspeccionar o ensino at ideolgico e cannico m
seus seminarios, revistar os compendios, demiitir
professores, determinar que estudos devem ler os
alumnos para receber cada unta das orden*, fr.
o que ludo, eminentemente, aifecia a ecooomia in-
tima do ensino ecclesiastiro.
O testomnnho do donto theologo Perrone ajan-
lado aos dos bispos de Orleaos, de Arr, de Aa
gers, do sabio canonista Boiix, do marquez oV U
vradio, do insigne Iliterato Joo de Ivm h e eolios
publicistas catholicos da Europa fara ulve* m-
press.io nos espirilos mais pervenidos. No* a es-
peramos.
Do Cruzeiro do Brasil transcrevemos a qae se-
gu :
Os capnchinhos religiosos abrirn nma na
egreja de S. Francisco na cidade de Chester
O Pispo de Shrewsbiiry prefoa.
Oos prelos da propaganda em Roma sahin a loz
um dicrionario latino illynca pelo padre Fr. Krat-
jeric, franciscano.

O papa Po IX desde o comeen de seo pnatiora-
do, em 1846, lem creado 45 eardeaes e sobrevivi-
do a 65.
Tem ainda que nomear 9.
Dos canteaos ha 'i com mais de M) annos -. |{
sao maiores de 70 e 9 maiores de 60.
O mais velho e cardeal Tosti, qne eonta 9b
annos. *
M.msimilor Boelen, novo Mezzofanii no coaheri
ment de bngnas. professor de ccnplnra sagradla
e linguas orientaes na unirersidade eaihulica de
L.i"'aina, puiiilc .u, rom apurovaco do eviscoanm)
da Belgiea, o Novo Testamento em lingua f|n-
menpa, rom nmas.
Ja apparerou' um volnme.
O sanio padre approvou a obra a tndmiTn
e nes-a occasiu louvna a idea de se dar, aw upa
oo sabem latun, a Biblia em lingua verncula. O
quo ello quer a Biblia inteira e nao truncad,
com notas o nlerpretaeSes conformes ao raiinu
da egreja e approvacao competente.
PER.NAMBLCO. -TYP. e St F. de F. & FTLrW>





Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGN27VD7M_2JB0KV INGEST_TIME 2013-08-28T03:07:06Z PACKAGE AA00011611_10503
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES