Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10500


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AMO II. HOMERO 244.
Por tres Mezes adiaotades 5$ Por tres mezes vencidos 6$UUU
Porte a o correio por tres mezes. 0750
SEGUNDA FEIRA 24J OUTUBRO DE 1X3
Por amo ad'anUd*.....19$U0O
Porte ao crrelo por an aur 3$U0u
a 'WliT*
ENlAUKLGADOS ua stMJUt^AO NDNRE
Paran* ba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, a Sr. Automo Marques ua Silva; Aracaty.o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
amonas, o Sr. Jerouymo da Costa.
ncaRRkgados da subscripcao no sul.
Aiagas, o Sr. Claudico Palco ias; Baha,
rr. Josa Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins & Gasparmo.
1..H.1.A uOct etilostiAa.
Oiinda, Cabo e Escaoa toaos os ias.
Iguarassu', Goyanna e Parayba as segundas e
seitas-feiras.
Samo Acto, Gravau, Bezerros, Bonito, Carnar,
Aluniio e Garanhuns as terfas feiras.
Pao d'Aibo, Nazaretn, Limoeiro, Brejo, Pesqneira,
Ingazeira, Plores, Villa Bella, racarat.Caorob,
Boa Vista, Ouricury e Exu as quartas feiras.
Sennnem, RioFormoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros.gua Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
Una de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estfelas parte m ao Va dia.
EPHEMERIDES DO MEZ f E OUTUBRO.
8 Quarto cresc. a 1 ta., 17 m. e 30 s. da t
15 La cheia as 4 ta., 55 m. e 38 s. da m
22 Quarto ming. as 8 h., 59 m. e 48 s. da ni.
30 La nova a 1 h., 8 m. e 26 s. da t.
PRJJAMAR DB BOJ!.
Pnmeira as 10 oras e 6 minutos da manhaa.
Segunda as 10 horas 30 minutos da Urde.
i h tu*. O;. V*. ^ i OS^uRO .
Para o sul at .uago.is a I e 25;,.,r o corte at
a Granja a 7 e ?i de cada me:; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan. marc.,maio. jul. sel. e nov.
Partida do omn.bu.
' Para o Recife: do Apipucos as 6 /* 7, 7 V, 8 e
8 m da m.; de Oiinda s 8 da m. e 8 da Urde; de
Jaboato s 6 >/i 4a m.; do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bemflca s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos as 3 '/z, 4,4 'A, 4 Vj,
5. o V, 8 V e 6 da urde; para Oiinda s 7 da
rnaaba e a Vi da tarde: para Jaboato s 4 da
tarie; paraCachang e Vanea s 4'/idatarde;
para Bemflca s 4 da tarde.
UakNC DOS !-RIBUXh Da CaPaL .
i Tribuna! do commercio: segundas quintas.
Relaco: tercas e sabiaaos s 10 boras.
Faxenda: quinta; as 10 boras.
Juno do commercio: segundas as 11 boras.
i Dito de orpbios: tercas e sextas s 10 boras.
! Primeira vara do crol: urcas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do crol: quartas sabbados a 1 bora
da tarde
24. Segunda. S. Baphael arrh.; S. Prndo ab.
25. Terca. Ss. Cn.i im e Cnspinojno ir*, mm.
26. Qarta Ss. Evarisbi e Florn. mm.
27. Quinta. S. Eh-sho o perador da Elhtopia.
28. Sexta. Ss. Simia Junas Thad.-o ai p.
29. Sabhado. S. Eu-ehia m. a b. Ii -rnvinda.
30. Domingo. S Serapio c. S. Velorio m.
A8SIGN4-SI
no Recife, m a liTraria da praca da indepeaeYn-
cians. 6 8, los propreiarios lianoei Firoeimt
ds Paria k Puno. *ro-
PARTE 9FFTCIAL
(OVERSO DA PROVINCIA.
Continuaran 1864.
Ofiio ao engenheiro Gervasio Rodrigues Cam-
pollo. Recommen lo Y'.nc. que temi em vista o
que eX|'5rt o director da FacuMade de direito no
officio junto por copia, examine os andares pri-
meiro e terreo do couventodo Carino desta cidade,
bem com* o respectivo torrea", o informe nao s
.quaes os concert-is e demolices que forem preci-
sos fazer-se para que se prestem provisoriamente
an estallelei'imento das aulas da mesma raculdade
no primeiro andar; da de preparatorios a ella
annexas no anlar terrea, e a bibliotheca no tor-
reao, mas tamli-m qnaos as obras u trahathos in-
dispensaveis, para que a mesma Faculdade e suas
dependencias possain funccionar all definitiva-
mente, apre*eiitando-me Vmc. rom a sua informa*
^So e possivel bre.vidade a planta da obra a fazer-
se em cada uma.daquellas hyiMitheses e os respecti
vos orcamentos, atim de ser ludo submettido ao
governo imperial.
20
Offlcio ao Dr. chefe de polica.Transmiti por
copia V. S. para ter exemcao na parte que Ihe
toca o decreto n. 3,310 de 24 de miembro ultimo,
condoliendo emancipago todos os Africanos li-
vres existentes no imperio.Igual remessa se fez
ao inspector da thesouraria de fazenda, ao juiz dos
feitos da fazenda e ao juiz de orplios desta ca-
pital.
Dito an inspector da thesouraria de fazenda.
Recmnmendo V. S. que tendo em vista os inclu-
sos papis que me sera> devolvidos, contrate com
o guardio do convento de Sant> Antonio desta ci-
dade, mediante o aluguel de 300ft ammaes a parte
do mesmo convento que se acha presentemente
occupada pela companhia xa de cavallaria, nao
comprehendendo nesse runtralo parte alguma do
pavimento terreo daquelle edificio, visto confor-
marse com este aluguel o rdito guardio em al-
tunco aos reparos econcertos mandados fazer alli
por ronta da fazenda.
Recommendo outro sim, que na razo daquelle
-preco mande V. S. effe.ctuar o pagamento do alu-
guel vencido desde 6 de marco de 1861 em dian-
te, poca em que deixou elle de ser satisfeito. .--e-
gundo informa o coronel commandantn das armas.
Hito ao mesmo.Ao 2o cimrgio do corpo de
salida do exercito Dr. Flix Moreno Brando, que
vai servir no corpo de guarnicao estacionado na
villa de Tacarat, mande V. S. pasar-lhe guia de
soccorrimenln, bem como abanar Ihe o quantitati-
vo a que liwr direito para transporte de sua ba-
gagem'por mar da cidale do Peoedo at e porto
de Piranbas, e por trra do mesmo porto at aquel-
la villa. -Fizeram-se as necessarias communica-
coes.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S.. em Mi de
sua iuf irmara.i de hontein, sob n. 602, dada com
referencia a da contadoria des..* thesouraria
mandar pagar ao encarregadj da gerencia da com-
panhia Pernambncana a quantia de 10IA334 pro-
veniente de 3 passagens que foram deacoutadas ir
essa the zer por offlcio desta presidencia de 19 de agosto
ultimo, as qnaes foram dadas pa^sageiros de es-
tallo, c-mn se ve das duas portaras que devolvo.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Mande V. S. por em hasta publica a obra da ponte I
de Motocolomb, servindo de base ssa arremata-1
ea as clausulas e orgamenlo junto por copia, na
importancia de 68:9305. e que para esse lim me
foram reraettiilos pelo chefe interino da reparticao
das obras punlicas com offlcji de 13 do crrente I
sob n. 285. Commuiiieou-se ao engenheiro chefe .
da repartan das obras publica.
Dito ao mesmo.Recommendo V. S. que man-
de por cm hasta publica a obra do aterro a fazer-
se na ra do Lima na cidade Nova de Santo Ama-
ro, para eviiar-se os alagamentos que alli se dao
as occisioes de mares viva*, servindo de base
essa arrematacao o ornament junto por copia, na
importancia de 3:4305 que Mu annexa a infor-
macao do chefe interino da reparticao das obras
publicas datada de 5 do corrente sob n. 2272. -
Communicoii-sc ao engenheiro chefe da reparticao
das obras publicas.
D>to ao mesmo.Annuindo ao que snlicitou o
chefe interino da lepamcao das obras publicas em
officio de buje, sob n. 292. recommendo a V. S. que
mande adiaiitar ao fiel pagador daquella reparti-
cao a quantia de 4005 para occorrer as despezas
com a coni'lu-ao da obra encampada na estrada
do Pao d'Alho e de que era arrematante Antonio
Malaqnias de Macedo Lima. Commuuicou-se ao
engenheiro chefe da reparticao das obras pu-
blicas.
Dito ao commandante do presidio do Fernando.
Faca V. S. regressar esta capital na primeira
oppo'tunidade disposicao do juiz municipal da
primeira vara como >oiicitou o Dr. chefe de polica
em officio n. 1,252 de 11 do crrente, o sentencia-
do, crioulo, J laquim, que se acha nesse presidio
cumprmdo sentenca com o nomn de Antonio Fran-
cisco de Sonza e cojos signaes caraitensticuscons-
tam do offlcio por copia incluso do juiz municipal
do termo de Nazareth.Fizeram-se as necessarias
communices.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional de Oiinda e Iguarassu. Remeta V. S. at
15 de noveiubro vindouro iuipreterivelmente e de
conformidad* com o modelo junto a circular de 10
de outubro do armo passado, as reiac5es nominaes
dos offiViae- da guarda nacional do servieo activo
e de reserva sob seo commando superior exigidas
pela circular cima e pelas de 14 do dezembro
daquelle anoo e 23 de jnnho e 18 de ago-to ulti-
mo. iguaes mutatis mutandis aos commandantes
superiores do Cabo, Nazareth, Limoeiro, Rio Por-
movo. Bonito, Flores e Cabrnb. e aos de Goianna.
Garanhuns, Palmares e Boa-Vista para completa-
rem as relacies que remetleram.
Dito ao director geral da instruccao publica. -
Mande V. S por em concurso as cadeiras de ins-
truccao primaria que so acham vagas.
Dito a cmara municipal d > Re<-ife.-Concedo a
autorsacao que pede a cmara municipal do Reci-
fe em seu offlcio de 19 di cirr-n'e, sob n. 51 para
despender a quantia de 6:00:15000 com os f-stejos
que a mesma cmara tem delibralo fazer, em ma-
nifestado d* rigosijo pelo consorcio de S. A. a au-
gusta prioceza imperial, com S. A. o conde de Ku,
que se deve ter eflertuado no dia 15 do cor-
rent*.
p.ir esta occasio louva a essa cmara pelos pa-
triticos sentimentes de que se acha possuida por
to fausto acontecimento
Dito ao director do arsenal de guerra.-Mande
Vine, recolher aos armateus desse arsenal, os ar-
tigus de armamento e instrume tos mencionados
as relavoes por copia inclusas, snh ns. 1 e 8 os
qnaes foram dados em consumo no 7o batalh > de
infamara como me deilarou o commandante das
armas em offlcio n. 1,835 de 19 do corrente.
Comrauoieou-se ao coronel commandante das ar-
mas.
Portara.O presidente da provincia, attendendo
ae que requereu o profegsor publico de instruccao
primaria da fregu-zia de. S. Jo^ desta cidade, Joa-
quim Antonio de Castro Nuoes e lendo em vist a
uformaco do director geral da instruccao publica
de 21 da setembro ultimo, sob n. 187, resolve, de
confurmidade com o art. 23 da lei n 598, de 13 de
maio deste aono, remover o mesmo professor da-
quella cadeira para para a da cidade da Victoria.
C 'Mimuiiicuu-sL' ao director geral da Uuirccao
publica.
Diia. -O presidente da provincia, resol ve no-
mear a Manoel Jo^ ue Campos Barbosa, para re-
ger interinamente, o mediante a graliticaco an-
nual de 6005000 a cadeira de in.iruccao primaria
da freguezia de S. Jos desta cidade.Commumcou-
se ao director geral.
Dita.O presidente da provincia, resol ve conce-
ller ao bacharel Jos Baptista Gitirana a exonera-
gao que pedio do cargo de delegado de polica do
termo do Bonito, e para o substituir nomea o se-
gundo supplente tenente-coronel Jos Joaqnim Be-
zerra de Mello de conformidade com a proposta do
Dr. chefe de polica, desta data. Cominunicou-se
ao Dr. chefe de polica.
Dita.O presidente da provincia, resolve conce-
der a demissao que por molestia solicilou o padre
Jos Lopes Dias de Carvalho do emprego de capel-
bao do presidio de Fernando. Fizeram-se as ne-
cessarias communicacoes.
Dita.-O presidente da provincia, resolve no-
mear o mestre da e>cola normal bacharel Maxi-
iniano Lopes Machado, para o cargo de membro do
conselho director da instruccao publica, licando
exonerado daqurlle cargo o professor publico Joa-
quiui Antonio deCastroNunes, por ter sido removido
da cadeira de instruccao primara da freguezia de
S. Jos desta capital para, a da cidade da Victoria.
Fizeram-se as necessarias communicacoes.
Dita.O presidente da provincia.tendo em vista o
quereiiuereuoofflcialde descarga d'alfandega desta
capital Vctor Accioly Wanderley.e bem assimoque.a
este respeito informaran! as reparticoes competen-
tes, resolve conceder-lhe 2 mezes de licenca c un
ordenado na forma da lei para tratar de sua saJe
na provincia das Alaguas.
Dita.O presidente da provincia, tendo em vista
o que requereu Manoel Joaqun Goncalves da Liz,
guarda da alfiadega desta capital, o bem assim o
que a esse respeito informaran) as repartiyoes
competentes, resolve conceder-lne 2 mezes de li-
cenca com venc mentos de quatro quintas partes do
respectivo sold i, para acompanhar sua raulherque'
segu para fra desta cidade a tratar de sua
saile.
iita.O Sr. gerente da companhia pernambuca- j
na, faca trausportar para a capital de Sergipe, por
coma do ministerio da guerra, no primeiro vapor
qu-seguir para o sul a familia do capitn do 7*
batalhao de infantaria Joaquim Mariius Funtes.
composta de sua inulher D. Eufemia Pinheiro Guer-
ra Fontes e 3 ttlhos menores de nomes Geuisio,
Synerio e Manuel.Cunmunicou-se ao coronel
commandante das armas.
Eipedieale de secretario do governo.
Offlcio ao coronel commandante das armas.S.
Exc. o Sr. president* da provincia, manda commu-
nicar V. S. que por despacho desta data auton-
soii-sc o director do arsenal de guerra a saiisfazer
o pedido do almnxarlfe do hospital militar a que
allude o offlcio de V. S. de hontt-m u. 1836.
Despachos do dia 19 de oulubro de 186 i.
Requerimentos.
Antonio Joaquim Peres. -Informe o Sr. direc-
tor do arsenal do guerra.
Antonio Malaquias de Macedo Lima. Indeferi le
em visto da informaco do Sr. engenheiro chefe da
reparticao das ohr-s publicas.
Antonio Aprigio da Cuoh* Maciel. Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Belarmino Alves de Arocha.Passe portara no
sentido que reqoer.
Alferes Clemente Francisco Tavares.Remetti-
doao Sr. inspector da thesouria de fazenda, para
attender ao supi>licante como fr possivel.
Confraria de Nossa Senhora do Li'Tamento desta
cidade.Informe o Sr. Ihesoureiio das loteras.
Jos IsiduM Martins.U-se por certidao.
Joa |Uim Ferreira de Audrade.Informe o Sr.
thesoureiro das loteras.
Jos Rodrigues de Oiiveira Lima Jnior. -Infor-
mo o Sr. engenheiro chefo da reparticao das obras
publicas.
Jeronymo de Souza Coelho.-Volte ao Sr. ins-
pecior 'la thesouraria provincial para propora gra-
tilicacao que convm abonar-se ao supplcante co-
mo compeo-ac dos seus servicos.
Mara da Gloria Silveira.Informe o Sr. despm-
barvador provvdor da Santa Casa de Misericordia.
Maximiliano Amlr Hnchert. Informe a direc-
tora du tbealro de Santa Isabel.
Manuel Joaquim Goncalves da Luz.Passe por-
tara concedendo 2 mezos de licenca ao supplcan-
te com o vencimeuio de quatro quintas partes do
respectivo sold.
Vicente das Chagas.Indeferido em visia da in-
formaco.
- 20 -
Tenente Antonio Villela de Castro Tavares.
Passe.
Abaixo assignados, proprietanos e moradores da
ra do Lima, na cidade nova de Santo Amaro.
A thesouraria provincial tem ordeni para por em
arrematago a obra do terreno de que se trata.
Emilio Carlos Jordo.Volte ao chefe interino
da reparticao das obras publicas, para que decla-
re em quanlo importa o excesso da obra, que se
deu com a mudanca do quartelamento, segundo
consta de sua informaco do 28 de setembro ulti-
mo, sob n. 261.
Joaquim Antonio de Castro Nones.Passe porta-
ra na forma requerida.
Joo Jos de Carvalho Moraes. Concedo a li-
cenca que pede o supplicante pagos os direitos na-
coiiaes.
D. Jossphina Mara do Reg Barros.Ser toma-
da na de vida considerarlo a peticao da suppli-
cante.
Jos Matheus da Silva.Informe o Sr. Dr. che-
fe de polica.
Manoel Jos de Campos Barbosa.Passe porta-
ra na forma requerida.
Pedro de Araujo Cavalcant. Em vista da in-
formaco do Sr. coronel commandante das armas
nao ten lugar o que requer o supplicante.
4.a seccao. Palacio do governo de Pernambu-
co, 20 de outubro de 1864.
Tenho presente o offlcio desta data emque a me-
sa parochial de Santa Antonio, acc.usando o recebi-
mento do que Ihe dirig bonlem, me declara que
a forca de polica nao se acha fra da matriz, mas
sim deniro do seu recinto, e que sendo ella reti-
rada d'abi, nenhumaoutra providencia requisita-
va alm ile nozo pracas de linha disposicao do
Dr. chefe de pelicia para a polica da assembla
parochial.
Em resposta tenho a dizer que, tendo a mesa
at aqu representado somente acerca da substi-
tuirlo por tropa dejmha, da forca de polica ah
postada, e nao quanto ao lugar cm que esta se
acha, nenhum fundamento ha para a observacao,
que agora faz a este respeito, tanto mais quanto no
offlcio que hontein Ihe enderece!, tiz sentir que nos
termos da lei, a polica interna erada competen-
cia do presidente da mesa parochial.
Recommeudaodo ao Dr. chefe de polica, que fa-
ca retirar para fra da matriz a referida forca,
cessa o motivo das apprehenses dessa mesa que
devora proseguir uos seus trabalhos.
Quanto s duze pracas de Imita a que allude a
mesma mesa, expeco erdem nesta dala para que
vo ellas disposicao daquelle magistrado a quem
o presidente da mesa requsitar as que forem pre-
nsas smente para a polica da assembla paro-
chial.
Dos guarde Vmc Domingos de Souza Leo.
Srs. juiz de paz presidente e membros da mesa
parochial da freguezia de Santo Antonio do Re-
cife.
COBRKSPO\IH:\(lAS DO DA
RIO ME PEilVtJISllXO.
LISBOA.
26 de serembro de 186-1.
O paquete de Liverpool Manto* annuncmu que
tocava aqu 26, devendo seguir para Montevideo
e Rio da Prata, com escala por Pernambuco e mais
portas do Brasil.
Da'qui a tres dias vira e Bearn, e por elle
mandarei alcance s noticias que hoje Ihe reraetto
pelo Memnon.
A impreusa discute o resultado das elecoes ge-
raes a que se procedeu no dia 11 deste mez, e de
que Ihe dei conta na minha de 13. H*vera apenas
uns 23 depntados eleitos da opposico; lodos os mais
sao governamenUtes. Vo 40 novos depulados fazer
sua estra parlamentar. A urna foi livre; e correu
como Ihe disse, em todos o< pontos do territorio
portugus, o acto eleitoral sem violencias. Pelo cir-
culo 114 de. Lisboa, onde nao tinha havido venci-
ment no primeiro escrutinio, propoe-se agora pe-
la opposi u o Sr. Foutes Pereira de Mello, cujo
triumpho quasi certo.
A nova eleico no dia 2 de outubro.
O Sr. Casal Ribeiro propoz-se e venceu por dous
circuios e eitoraes. Sr. Antonio de Serpa, propoe-
se. agora em segundo escrutinio por Extremoz, e
natural que venca tambem. Quanto ao mais pode
dizcr-se que o governo licou eleitoralmente afoya-
do em malora, o que talvez cause serios embara
eos situaco depois de aborto o parlamento, p >is
se teme que dentro da propna igreja ministerial ap-
pareca algum scisma.
O descont do banco de Portugal foi, por auturi-
saco do governo elevado a 7 por cento.
Corre aqui o boato, por um artigo do Daily Netos
de Liverpool que o governo des^e imperio regeita-
ra as propostas da Inglaterra, acerca do restabele-
oimento das relacoes diplomticas entre os duus
paizes, em que interviera o governo portuguez, com
acceitaco das duas parles I
m dia 28 deste mez deve verificar-se em
Belm a abertura solemne da exposicao agrcola,
promovida pela real associaco central da agricul-
tura portugueza, pial tcncionam assislir SS. MM.
O abarmearaento m- ;upa nm ep5> de 130 me-
tros de comprimento pnr 60 de largura.
Esto enllocadas, para exposicao des animaes, 66
barraras, isto 30 para cada lado. Ha tambem
dous enretos para a msica, e um pavilho para a
exposicao dos productos agrcolas que tem 20 me-
tros de enmprimento e 10 de largo. Na frente des-
te pavilho e-t a tribuna para SS. MM.
Para a commisso directora e para o jury collo-
caram-se entrada duas barracas de campuba de
general.
Atraz do pavilho ha nm largo onde trabalham
praticamentc as machinas hydraolicas.
A exposicao ha de durar doze dias, em um dos
quaes se observar na cerca do convento do Jero-
nymo, o trabalho pratico de lavra pela charra
vapor.
A commlssao que dirige esta solemnidade c que
animosamente della tomou a iniciativa composta
dos Srs. marquez de Sabugosa. Jos Street de Ar-
riaga e Cunha, A y res de S Nogncira, Jos Mara
dos Santos, C. Poppe, M. Iglesias. Thomaz Caetano
Borges de S inza, Guilherme Candido Borges de
Souza, Jo- Carlos Mardel Ferreira, Joo Antonio
do Nascimento Rozendo, Francisco Isidoro Vianna,
Geraldo Jos Braancamp, Jos Isidoro Gandes, Ra-
phael Jos da Cunha, Jos Joaquim de Sant'Anna,
Jos Henriques Pereira da Silva, bariio de Maga-
Ihes, Francisco de Assis de Gamboa Liz, Manoel
Jos Ribeiro.
Os seus esforcos perseverantes tpm achado adhe-
so e a|ioio cm lodos os districtos do reino, que de
todos tem concorrido productos importantes e va-
riados.
Nao pois para duvdar que esta exposicao ha
de corresponder ao elevado pensamento que a dic-
lou. As emprezas do caminho de ferro coadjuvam
os intentos da commisso, j transportando por pre-
co reduzido os objeclos que ho de ser expostos, j
estabelecendo trens especiaos para os visitantes
dos diversos pontos do reino.
E' pois para esperar urna grande concurrencia.
A commisso tem dirigido com todo o desvello os
trabalhos s arranjos materi es, para que haja boa
ordem e tudo funecione com regulandade. Esl
preparada nina eir onde ho de trabalhar as ma-
chinas de debulhar.
Ha um grande deposito d'agua para servco das
machinas hydraulicas e de vapor. Urna estufa para
as plantas que precisam de elevada temperatura.
Na cena da casapia, junto ao local da expo trabalharain em das alternados as charras da
vapor que concorrerem.
Estao preparadas 60 barracas para gado, e um
grande pavilho no centro por detraz da tribuna
real. A solemnidade propnainente agrcola consis
te na vasta exposicao de gados e aves, de produc-
tos, de plantas flores, sementes, etc., de urna cu-
riosa coile.cco de machinas e instrumentos agr-
colas dns mais modernos e importantes na agricul-
tura. Para tornar purm esta festa mais deleitosa,
ser o campo alegremente decorado com handeiras
e galhardetes, e diversas bandas de msica acom-
panharo esta solemnidade.
Urna exposicao agrcola, sohretudo quando nella
vo apparecer e funcejonar machinas e instrumen-
tos agrcolas pouco vulgares entre nos, de im-
mensa importancia, e sera de cerlo muilo prove-
losa aos agricultores, verdaderamente desojosos de
aperfeicoarem os process-os da cultura, pelo empre-
go judlloso dos ltimos inventos. Seria pois des-
cuido e preguica indesculpavel se nao concorres-
sem todos os lavradores a ver, estudar e aprender
no que a exposicao Ihesapresentar de til e digno
de imitar-se.
No dia lo do corrate partiram para o norte
os engenheiros Soares Brando e M<>usinho de Al-
Imquerque o o commissario do governo hespaahol
Eugenio Page.para estudarem os pontos de entrn-
camenio das Imitas frreas portuguezas, que o go-
verno ltimamente mandou estudar, com as lionas
frreas hespanholas.
Consta que logo que o Sr. Souza Brando regres-
se desta digresso principiaran os estados do cami-
nho de ferro da Regoa Salamanca, e que desses
estados ser encarregado o engenheiro civil o Sr.
Alvaro Kopke.
E-t ein Lisboa um joven e intelligenteadvo-
gado ipglez que ven) tratar de defender qmj das
parles litigantes do um pleito notavoi
Mai3 de urna vez a imprensa ingleza e portugue-
za se tem occupnde de urna questo que ha anuos
so debate entre os herdeiros da riquissima casa in-
gleza Crispin eo Sr. Corito de Fairo. Parece que
este ultimo provnu agora perante os Iribunaes iu-
ffctes o sea direito a heranca de alguns centenares
de cunfcis como fllho legitimo do penltimo repre-
sentante da mencionada casa ingleza, o fallecido
Henrique Crispin.
O joven advogado vem, pois, por parte da casa
ingleza parece que para se ixar o quantum da
heranca.
Tem sido advogado da parte contraria o Sr. Pin-
to Coelho, que por este motivo ja foi mais de um
vez Inglaterra.
OSr. Salamanca comprou em hasta publica n
palacio e quinta archiepiscopal, no Sillo de Mamila.
que liavia sido reedillcado por D. Thomaz de Al-
: meida, primeiro patriarcha de Lisboa.
O palacio eslava hoje ricamente guarnecido.
! Duas salas principalmente armadas com quadros
' de escolas differentcs, loucas do Japo e India, e
retratos de todos os arcebispos de Lisboa em qua
i dros renovados pelo pincel de Francisco Vieira Lu-
sitano.
! Neste palacio falleceu D. Antonio de S. Jos de
Castro, bisno do Porto, e patriarcha eleito de Lis-
. boa, em 12 de abril de 1814 ; e l>. Fr. Francis-
co de S. Lufa Saraiva, cardeal patriarcha de Lis-
boa, que fallecen aos 7 de maio de 1845.
! O Sr. marquez de la Ribera, que em Lisboa
tem exercido as fumeesde ministro de Hespanha,
fui trausferido na mosina qualidado para o M-
xico.
A,cha-se nomeado para esta corte, com igual ca-
rcter de ministro \ plenipot-nciario o Sr. D. Diogo
Quemo y Quesada, que exercia estas fuoccoes em
Turim e Bruzellas. \
A corveta Sagras sahio no dia 15 do corrente
dodique.e logo euiruu no dia seguinte a fragata O.
Fernanda, a (jual preeisa fazer algumas reparacoes
no fundo. \
| Ha noticias officiaps de Timor que alcaocam
i at julho. O Diario m o seguinte :
O novo governador tefado chegado Delly no dia
115 de junho burdo do transporte de guerra Afnc-
tinhn de Helio, soube antes de desembarcar, pelo
capito do porto e sota patro-mr, que no da 30
i de maio houvera ali um motiin militar, enmecado
coin o pretexto de pagamento dos prets, que o go-
vernador exonerado deixra em atraso.
Poi-lhe mais relatado, que nao ob^Unte ter o
conselho do governo mandado pagar aos Soldados,
para o que contratara um pequeo emprestimo na-
quella occasio bavia centinuado a desordem. dan-
do a isso causa a fuga de tres vogaes do consellio,
e chafando os amotinados ao excesso de mataren,
cobarde e traicoeiramente o alferes Alex*ndre de
Casl'o (natural de Goa), proclamando em seguida
un goyerno provisorio.
Na (ipite do mesmo dia 15, o presidente e secre-
i dito ffnvwrno apre>cniar.iin-se bordo do
Irte Martinho de Mello, fiara tm nome do
J"gOs'ernu, reconhecerem o novo governador
,v\ncu como autoridad* legitima, e pedirem
horada o seu desembarque e posse, o que
\v\g^'''* immediato dia 16 com as honras c
's do estylo, assistindo tambem a esse
icto o commandante e offlciaes do dito
> que se lavrou o competente auto,
eruador fez logo publicar urna proclama-
tumou as medidas enrgicas e urgentes que
xigiaio as circumstancias extraordinarias em quo
su achava o paiz, comecando por organisar com
pessoal novo os dtflerenles ramos de administra-
cao i* provincia, e depois a forca militar.
E, como, em consequencia de desordem, Ufes-
sem apparecido vanas reparticoes arrumbadas, os
cofres abortos, os carlorios, registros, processos e
documentos destruidos ou roub.idos, resulveu para
salvar a respnnsabilidade dos novos empregados, e
poier proceder comea os que fossem culpados, Ho-
rnear urna commisso especial de pessoas idneas,
e dignas de coiiiianca, presidios pelo secretario do
governo, para examinar o estado das mesmas re-
partieres, seus carinos, archivos, etc., e informar
das faltas encontradas,lavraudo-se deludo os com-
petentes autos.
O mesmo governador. tendo em conta o estado do
paite a situaco, proveu em ludo o mais necessa-
rio, offlciando aos guvernadores de Mocambique,
India e Harn, o fi-ando as providencias extraor-
dinarias que adoptara dependentes da approvaco
do governo.
Hasidojcontrahido emJavaum emprestimo para
acudir a todas as instancias, e sahida do trans-
porte Martinho de Mello, a oroVm aehava-se total-
mente restabelecioa e a auloridade funecionava re-
gularmente auxiliada pelos cumregados e forca que
da metropole haviam acompanhade o governador.
Parece que o motim, puramente militar, Uvera
principal incentivo e filo o odio aos offlciaes Indios.
A opportuna chegada do Martinho de Mello, poi
termo a um estado temeroso, que ameacava dege-1
nerar na mais violenta anarchia. Comeeou a in-
vesligaco das causas da sedieo, e seguir o pro-
cesso dos criminosos e de quantos deixaram, em
tal conjuuctuia, de cumprir o seu dever.
Tambem ha noticias do Maco, que alcancam
27 de jiniho
No da 8 deste mez chegou a legaco portugueza
Maco, a bordo do Gerard, lendo visitado lio seu
regresso de Tientsm Tche-fu, Schanghae e Puchan,
passado por Hung Kong, onde sedeinorou apenas
meia hora.
Os subditos Portnguezes residentes em Schan-
ghae desejando manifestar ao governador a sua
gratido pelos melhoramentos feitos em Maru.e
pelo seo bom governo, promovern! entre si urna
suhscripco, cujo producto que da aproximadamente
400 patacas, desiinado compra de um rico bas-
tan de prata, que Ihe offertam como symbolo du
poder que dignamente offerece.
Vollando o governador db norte, urna deputaco
nomeada pelos subscriptores fez S. Exc. este of-
ferecimento lendu um discurso apropriado, ao
qual S. Exc, respondeu agradecendo, com a mo-
destia e affabilidade que o destinguem. A deputa-
co era composta do< Srs. Francisco da Silveira,
Antonio lomem de Carvalho e Dionizio de Souza.
insta tambem que foi o Sr. Albino da Silveira
um dos que mais concurren para esta to digna
manifestaco ao reconhecimento do bom governo
do Sr. conselheiro Amaral.
Nao se effertuou a troca das ratificacoes do tra-
tado negociado em 1862. O governo da China, ol-
vidando mais urna vez os mais simples principios
de boa f internacional, nao duvidou recusar-se,
ultima hora, a inteira cunhVmaco das estipula-
eoe.s que, no uso pleno d sua liberdado, com in-
teiro conhecimento e sem mais leve coaego ou
sorpreza, aceitara dous annos anles.
Teurio-se alinal convencin o governador de Ma-
co, como ministro plenipotenciario, de que havia
o proposito llrme de nao ratificar o tratado, pelo
que p le perceber da natureza da alteraco deso-
jada, attentatoria de todo o eshi'ito delle, anda que
referida a um artigo s, S. Bxr. deu por linda a
conferencia, estranhando einWmos dignos e jus-
tos a falta do f de que mais urna vez a China da-
va to manifest pruva. De tudo fez em seguida
um protest i, de que en,vlou cpiuas aos ministros
e*ii'*ngei'-os residentes em Pekn, ke em que se
achavaro miudamente relatadas tctjai as eirenms-
taocias dpfacto.
Foi nomeado cnsul de S. M. prusiana em
Maco, e Sr. H. Ebell, residente nesta cidade.
O baro de Cereal (Amonio) foi tambem nomea-
do por el-rei Vctor Euimauuel cnsul de Italia
uesta cdaile.
Foi agradado com o habito de S. Maancio e
S. Lzaro, o distiurto phoiographo i>oriOBnse, o Sr
Manel de Novaos, irmo do Sr. Faustino Xavier
de Novaes. El-rei Vctor Emmauuel deu e-ta pro-
va de dislinccu ao artista do Porto, offerecendo-
Ihe pariicularuiente o dipluma c a cruz que deve
uriiar-lhe o peito.
O g-iverno brilannico off-receu um excellente te-
lescopio ao capito da marinha mercante portugue-
za o Sr. Joaquim Jos dos Heis, pelos servicos pres-
tados ao cummandaiite e qualuize marinheirus do
navio ingles Cnild-Harald, que naufraguu no prin-
cipio deste anuo.
Os nufragos haviam sido salvos pelo navio ul-
demburguez Frrderiqne, de bordo 00 qual passararo
para o Novo Progreuo du commando do Sr. Res,
que os condono ao porto de Lisboa, onde chegarain
no dia 13 de maio.
Consta que alm do presente, veio o agradcci-
mentu do governo inglez, e o Diario traz os docu-
mentos a este respeito.
No dia 13 do corrente veriflcou-se a inangu
racao do monumento do consorcio de SS. MM. cl-m
e a tainlia de Purtugal.
Una commi.sso da colonia italiana residente em
Lisboa, acompanhada do ministro e cnsul de Ita-
lia uesta corte, assistlram ao acto da iuauguraco.
No pedestal ilo monumento foram cullucadas va-
rias medallias de prata e cubre italianas e portu-
guezas.
Foram agraciados com a commenda da orden
de S. Thiago o Cunde d'Avila, par do reino e mini<
tro de estado honorario, e o general Augusto Xa
vier Palmeirim, pelos servicos prestados na com-
misso de iuquerilo parlamentar reparticao de
marinha, o primeiro como presidente e o segundo
como relator da citada commisso.
Por iguaes servicos receberam os demais mem-
bros da commisso os cuiiselheiros Juaquim Pedro
Celestino Soares, Custodio Manuel Gomes, Antonio
de Mello Ekvyoer e Augusto Sebastiao de Caslru
Guedes o grao de offlcial da ordem de S. Thiago.
Foi exonerado por decreto de 8 do crrente,
pelo baver pedidu, du cargo de director da dirceco
de instruccao publica o conselheiro Jos Eduardo
de Magalhes Coutinho ; e do cargo de reitor ua
umversidade de Cuimbra, por decreto de 4 de agos-
to ultimo, oSr. Vicente Ferrer Neiio de Paiva.
f.'in.-ia que brevemeute devem comecar os
trabalhus da ponte tubular sobre u ouro para o
camiuho de ferro e que o engenheiro constructor
ser o Sr. D. Luiz Zapata, que cou-truio as puntes
do Vouga e Canelias.
A ponte do Duuru deve ser construida no sitio da
Pedra Salgada.
Oi'iistiucio poeta Raymundn de Bulho Pato
acaba de flerecer as lettras un livro em prosa in-
liiulado Digressoes e novellas.
I Este voiume cunlm at singellas narrativas ro-
manii.-as as quaes .sao : Matbilde,Vento do Le-
vante, Thereza,O Bus>aco,A pallida estrella,
A ra da Samlade, e Magdalena.
Diz o Diario Mercantil do Porto o seguinle :
Cootinuam por luda a parte as remessas em es-
pecie para os nossos bancos, e muitu mais avulla-
das devem ser as que esto a ebegar de Inglaterra,
que ja se calcnlam em cerca de tres centus de mil
libras ou 1,050:0005 em ouro.
Apelar da impossibilidaie emque tecm estado I
os bancos de descontar francamente, teem ellos j
auxiliado a praca quanto Ibes era possivel, ou a
prudencia Ih'u pennittia.
Certo que a Clise vai passando. Ella nunca;
foi assustadora porque o eommeicio esla no sao, e i
Pozar de alguma dilflculdade na troca de valores,
nao tem havido depreciaban sensive nos gneros,
ou nos ttulos de qualquer natuieza, einbura essa
reali>aco seja menos fcil.
Alguns dos bancos consta que j receberam tele-
graunnas de embarque do ouro que eiicommenda-
ram. Estas avuliadas remessas habilia-los-ho a
reassumir suas oporafdes ua eostumada escala, e
por ventura nao uVixara do ser ntil este aviso, que
felizmente nao tera consequencias funestas, para
uo se darcm maiores largas ao crdito.
A formaco dos bancos Nacional, Ultramarino c
Lusitano, ambos de I,i-boa, cootiua a ser um tan-
to problemtica. Estimamos que saiam dos seus
embaraces, pusto qu a actual situaco decidida-
mente us deva c nlrariar.
O cambio sobre Londres tem subido. Est de
54 1/2 a 55 d. por 15000 Ao primeiro algarismo.
as tirinas de primeira ordem teem encontrado di-
nheiro; masa 54 1/4 a passagsin das letras diffi-
Cil.
As prestacoes para o banco Allianca, Unio e a
nova Utilidade Publica vio entrando regularmente,
e dando mais forca a estes estahelecimenlos, que
se preparam para dar ptimos devidendus aos seus
accionistas no pruximo futuro jauciro.
PERNAMRUCO.
REVISTA DIARIA.
Chamamos a atlenco dos nossos leitores para o
documento que se segu, cujas ideas abracamos
sinceramente, como calhulicos que nos presamos
de ser.
Illm. Sr. Jos da Silva Loyo. Passo a respon-
der estimada carta que V. S. me dirigi em data
de hontein, ua qual leve a bondade de consultar-
me sobre a conveniencia ou desconveniencia de
ser admiitido as estantes do Gabinete Portugus
de Leitura o livro de Ernesto Renn, que tem por
ltalo Vida de Jess. E louvaudo antes de
tudo os justos escrpulos de V. S., que de modo
to significativo patenteiam a piedade de seus sen-
timeiitos, dir Ihe-he que. sem embargos de reco-
nhecer quo destituida de autonda-le a minha
palavra, para servir-ihe de regra no presente en-
sejo: todava, fiel ao habito em que estou de emi-
tir com frauqueza a minha opiuio, sem me im-
portar muito con as emergencias ulteriores de sua
livre manilo taco, releva declarar V. S que a
obra de Renn um grito de impiedade contra a
natureza divina de Jess Cbrislo, e por consegum-
te contra a origem espiritual c deste da religio,
que 19 scalos lm profesado, como a nica ver-
dadoira. E pois aagar um livro tal, coiloca-lo
na bibliolheca de um estalieUn-uneulo liil-rano,
cujos membros e directores perteucein coinmu-
nho catholica, se nao adherir, mostrar pelo
menos tendencia a abracar as monstruosas cun-
clusoes ahi cuntidas: em tolo o caso, urna
irreverencia sacrilega para com o Fho de Dos, I
cuja divindade negada |ior esse espirito das trevas I
chamado Ernesto Renn, o qual, sobra ser impo
e blasfemo, pessimo argumentador. O sen li-
vro um acervo de contradieeoes, de incoheren-
cias, e paralogismos de todo o lote !
Afastando-se da escola mylhica da Allemaoha,
Renn, sem a mesma origmaliilade e habilida.de
de absurdos, que dislinguein Hegel e Strauss,
duas iutelligencias pervertidas, mas assombrosas
em erudieco, dellps eopiuu bfta parle dos despro-
psitos e blasfemias que assoajha, Digo que se
afasia da escola mylhica, porque negando a di-
vindade de Cnristo. e authenticidade de s. ns mi-
lagres.admiite coin tudo a excuencia maienai r- am-
bos os factos, a saber : reconhece que Je.-ns Cnri*lr>
existi, nao como Dmis, mas como nuro hootea ;
recouhece por igual que se deram lo.i.r. o* Uelos
milagrosas referidos nos Evaugelhos. mas ojm
dos esses milagros sao explicaveis, e explicados
pelas leis naturaes, e que porianto de-peni-e de
todo o caracier do sobrenaluralismo I Hrfl e
Strauss foram mil vezes mais con>e<|u-nle<. Ne-
garam a cuncluso porque negaram o prmripio.
Sabiam que desde que admiitissem a reli>lade
hislorica de Je>us Chiisto, seiiam toreados a reco-
nhecer a sua divindade; porque ninguem roM>m-
pla a figura do Filho do homem sein rer'.nh^cer
nella um rain da belleza inlina, um nnlagre de
perfeico divina I
Na christologia, e philosophia de Hegel, que ser-
' vio de base ao livro do Dr. Slrau s, e mais larde
ao de llenan, o rhristianismo se converle em nm
ideal, creado pela humanidade, de modo i Christo nao o autor do rhri.iianiriio, isas o
christianismo o creedor de Jess Chrsio Straas
applicou a famosa dialctica hegeliaua aos E-aa-
gelhus, e lodo o systhema do chnstianimo fieoo
reduzido a urna sene de mylhos I A hispira,
diz elle, desappareee de toda a parle onde o ma-
ravilhoso se aprsenla; porque sendo o milagre
intrnsecamente impossivl, t-.iia a narraeo qoa e
coniem nao pue ser hislorica. O Evangelio
um tecido de milagres; ora, os milagr.> yin im-
possiveis, logo im|K)ssivel taintiem a historia
driles, e por c.unsequencia tal historia nao existe :
nao pode deixar de ser um mylho.
Em ludo isto ha erro, audacia e impiedade;
mas ha coherencia. Strauss quiz ser l.-giro.
Nao pode enmprehender a melhaphysira do mila-
gre, ou a aeco suberana de Dos; julgoo une sei-
tava a dilTieuldade negando tudo. Mas R> nan
isso um caldeiador subtil de fllgraiia<. rujo lalso
ouropeli-mo nao resiste analyse. Quiz imitar a
Celso e a l'orphym, mas h>ou muito airaz ua dia-
blica argumeutaco. S conseguio provar a ac-
vidade neaneave com que Satanaz procura dos-
vairar, e perder os que Ihe nao resMam fortes aa
f : Resistite fortes in fid?.
Poda ir longe na demonslra^o dns rrrns her-
ticos de Reoan, se me permittissem os otreitos
limites de urna carta, escripia sob a presso da
urgencia. Insisto, porm, em e>ial>eirrer come
urna verdade de consciencia, que a leitura, e o
apreco do livro de Renn um tribu* invotaata-
rio, se nao sin-ero, ao principe das trevas, que
alias, mais lgico que Renn, recouhece, anda
que a seu pezar, a divindade de Jess i'.hnto. o
melhor, e mais extreruoso amigo, e hemfeitor dos
bumeiis !
Napoleo l.c, encontrando em mo de nm sea
general um opsculo em que o imperador era
bastante ultrajado, disse: < General I quem le
o que contra niim se seereve, aprende a aborre-
cer-me.
Medite bem V. S. no que ha de sublime aeste
pensamento, e o corrobore com a certeza d> que.
dentro em poucos minutos, chegava ao inwera-
dor a noticia de que o im-culo era aiirado s
chamas, e ronclua finalmente d'aqm qual deve ser
o proeedimento dos buns catholicns em r. lacao ao
impo livto de que se traa, e que para nada Ihe
fallar se acha condemnado pela igreja.
Sou com tuda a cousideraco. De V. S. amigo
e obrigado.
Recife, 21 de oulubro de 1864.
/ Pinto de Campas.
Foi removido o professor primario Joaquim
Antonio de Castro Nunes. da freguezia de S. Jes*
desta cidade, para a da Victoria.
Para reger int rmaniente a cadeira de las-
trurco primaria, da freguezia de S. Jaai desta ci-
dade, fui numeadu Manoel Jus de Carneas Bar-
bosa.
A' seu pedido, fui exonerado o d'-iegado do
termo do Bonito Dr. Jos Bapn-ia Giuraiia. e Bo-
rneado para substituido los Joaquim Bezerra de
Mullo.
Concedeu-se a demissao pedida, pelo Rvm.
Jn- Lopes Dias de Carvalbu, de eaeeilau do presi-
dio de Fi-rnando.
Por ter sid i transferido para a cidade da
Victoria o professor Castro Nunes, fui horneado o
Dr. Maximiano Linea Machado para snbstiiut-lo ar.
conselho director da instruccao publica.
Cumecam boje os actos na Faculdade de Di-
reito, sendo examinad.T--S os seuhores :
1. auno.Drs. Jos Bento, Silveira de Soaza e
Drummond ;
2." dito.Drs. Vileila, Figueiredo e .iprigio ;
3." dito.Drs. Aguiar, Braz e Piolo Juni.r ;
4." ditoDrs. Loureiro, Portilla e Tarquinio;
5. dito.Drs. Autran, Baplista, Reg e Ban-
deira.
Segundo informaces que nos remetiem
cumpre-uos chamar a all-ncio do Sr. sul iclegado
da Magdalena para o espaneamenlo de uini im-
seravel mullier ila Estrada.Nova realis.ido por um
inspector de quarleiro, conforme se nos oii.
Partos desta ordein carecem de urna syndicaa-
cia, aftm de serem verificados em sua exsirncia,
para que recebam a saneco penal; com o que
ganhando a sociedade, nao ganha in-no- (mix-iu a
autoridade pela consciencia de hav.-r riuupriilo a
sua ubrigayo, s.ndo-lhe este dever tanto mais im-
perioso na respectiva pralica nanlo o agente do
delicio igualmente agente de polica, a qiii-m
cumpre velar pela garanta das cidados e nao pi-
sar seus direitos com laes aggre>oe.
Os Itvms. Srs. conegos Jos Joiquim i!.mello
de Andrade, reitor, Jos Bari|ae* deCwaWm, viee-
reilor, e padre Trauquilliuo Cabral Tavares de
Vasconcellos, lente de canto gregoriano do se-
minario de Oiinda, tomam |Ks>e no da 27. o pri-
meiro da cadeira de chantre, o segundo da o> %%%>
benda inteira, e e teraabe da de sama pretenda ;
as quaes foram recentemenie apreseotados pelo
governo de S. M. I.
Consta-nos que este acto ser* solemnemente fes-
tejado or loaos os seminaristas.
No oflicio solemne,-que se tem de celebrar na
matriz de Tracunhem, no dia 2 do mez prximo,
em commemorago dos fiis defiintos, prega o Rvd.
Sebaslo Fabin de Oiiveira Lima.
Aehaiido-se doenie o subdelegado da Iregna
2ia da llo.i- Vista, o Sr. Joao Pacheco de Qu-ircya.
a: sumi o exerricio de dita subdelegara Sr. Ve-
do de Aquino Fonceca, em 22 do corrente.
Kefabticao d* polica.
Extracto das parles do dia 22 oe oatubro.
de 1864.
Foram recolhidos casa de detenco ao da 21
do corrente :
A ordem do Illm Sr. Dr. chefe de polica, Praa-
ciseo Jos Gomes da Silva, vindo o> Santo Anuo,
por estar processado por crime de tentativa de rou-
bo, para ser apresentado ao tribunal da retar.
que Ihe conceder habeas-corpos.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Jarintho
Antonio Elisiano da Costa, por achar-se indiciado
em crime de roubo.
A' ordem do subdelegado do Renfe, Antonio
Ferreira Alves da Silva, por ferimentos.
A' ordem do de 8. J., Lorio, esrrava de Joa-
quim da Rocha Carvalho, para averfaac5es.
.V ordem do da Boa-Vista. Mareos Pereira da
Cunha, para correccSo.
MUTILADO


fc.
Diario e PcrMBbaM ftegimda lelr 94 de Outubro c i04.
A* ordem do de S. Loureneo, JoamitTi Rodrigues
do Nasrimeuto, para averiguacdes.
O chefe, da i" seccao,
J. G. de Mesquita.
Passageiros do vapor brasileiro Persinuhga,
sahido para os portos do norte -.Vicente Augusto j
de Magalhes, 1 cabo, 2 pravas e. I preso, Joaquim
OOMMEnGIO.
a 155000 ; Meando ern deposito
3,000 barricas.
Batatas.........Vendeu-se a 800 rs. o gigo.
Bolachinha......Vendeu-se a 35200 a barriqui-
nha.
liodrigues Ferreira Genuio'o Bezefra de Souza, Assucar mascavado Canal (novo)25 por arroba. Caf...........dem de 75500 a 85 a arroba.
Jos Joaquim de Oliveira e i criadu, vigario Jos Algodo 1- sorte 205500, 2* sorte 180500 por Cn............ We,n de ,*70 a 25300 a libra.
Carne sueca..... A do Rio-Grande do Sul vendea-
Bacalh0.......Vendeu-se era atacado a 145009 ftainhada contra O Francisca Candida de Miranda,
P"r ,,ar"f-8> a reulho de 135 pelo Caruriu do ocrivio Saraiva.
Cota?oes offlclaes.
PK1CA DO RECIPE
22 DE OUTUBRO DE 186i
Alexandre Gomes de Mello, Francisco Gervasio arroba.
das Chagas, Manuel Jos de Carvalho, Antonio Algodo da Parahiba (com iilO de 2*
Fernandes Gninaraes, Francisco Januario JW-I 235290 por arroba posto a rwrdo.
lirum i.kiI i'-.i.in.., ifa C. Medeiros. Di". Antonio ramhin snhr, t.niulrn_an ./ i i.t ?
sorte)
? Ir2 d.!
O delegado do cirurgio-mr do exercito
esta autorisado a contratar don* facultativos civis
para supprir a falla de facultativos militares, ho
servico medico desta guaro ico, com todos os onus
e vanugens que percebem os cirurgioes militares.
A tratar na praca da Boa Visu n. 21, das il as 2
horas da tarde.
Secretan do delegade do cirurgio-mor do ex-
da referida taberna cojo
se de loOO a ^000 por arro- ercilo em Peraambuco 21 de oututiro de 4864.
, I eal.o, 2 pracas, 2 desertores, Manuel preles do RU) Gran(le do Norte Liverpool A$. po>ilo 19.81)0 arrobas,
reir, Jos Arthur Pinto K*1""*"* sucar 22,6 e 5 0i0 por tonelada algodo 7|8 d. Ceroja,........Ven
liagu, los Paulino de C. Medeirus, Ur. Antonio Cambio sobre Londres-90 d/v. 27 lii e 2
Heiiri<|ues do Miranda e seu Orno, Jos Antunes. por li(m
Guiarles, 1
Sin.Oes Pereii,
ques Camacho, Samuel Henggloo, Luiz da Rocha
Fagundcs o 1 cscrava, Joaquim da t.o-ta Mina, sua
sennora e 1 criada, Jos Beruardino da Silveira
Torres Purtugal. ..,.'
Passageiros do hiato brasileiro SrrgypaHO,
ba, Arando em depaato 102,160
arribas, p a do Rio da Prata de
25000 a 35200, Bcando em de-
Dr. Jos Sergio Ferreira,
COMPANHIAPEnNAMBUCANA Garanta-** a chave
_ DE ; aluf ael mdico.
toh^ST E ra^*^ i *****" earaeale
raranvQa, mal, Macao, Aracaty, Leara, as 10 horas em ponto na mesma taberna.
Acaracu' e Granja. |--------------------- =1=:
N ia 7 de novembro segne pa- ti!
ra os portos cima iodirados um1 Ul.ll.llll
dos vapores dessa companhia, s "i
horas da tarde. Recebe carga so-
liente at o dia 8; encoinmendas,
passageiros e dinheiro a frete at as 3 horas do
e 5 0|0 por libra.
Dubourcq Jnior, presidente.
Guimares, secretario.
Alfaadega
ndeu-se de 55000 a 55300 a
duzia de garrafas.
Farinha de trigo. A de Philadelphia e New-York seu">ies:
vendeu-se de 165 a 175 por bar- Para de guerra.
rica, a hespaohola a 165 o a de' 1(f.arr. do cabo de iinuu para drica de i
Trieste a 225 ; Meando em depo- V*de polegadas de circumferencia.
sito 3.000 barricas da primeira I ?5 duzias de uboas de P'nno americano.
A i IKRIOl ITS
Qaapta-feira26docrriHtes I2bar^
Uelegado do cirurgiao-mor do exercito da da sabida: escriptorio no Porte do Mallos nu- Cordeiro SiroCes far leilia de um nbrlH w-
glez de 2 rodas e 4 assentot, om di lo cora 4 radas
4 assentos.
Conseiiio administrativa.
O conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos
mero 1.
Era frente porta do armawni a ra da i ladeia
o. 48
Feli'ia Gnuvea e 2 lillios menores, Josepha Mana
do Espirito Santo, Adelina Maria da Conceigao.
Movi ment da casa de detengao do da 21 de
outubro de 1864.
Exisliam..... 3"8 presos.
Entr-iram...... 6
Saliirain...... '.) >
Existem....... 353 >
A saber :
Nacionaes____ 290
Estrangeiros... 13
Mulher.s...... 5
E^trangeiras... 3
Escravos...... 40
Escravas...... 4
' 51:1895805
792:8405344
Movlmento da alfandega
Volames entrados com fazendas...
com gneros...
Volumessahidos com fazendas...
eora gneros...
134
132
445
134
-----577
Descarregam no dia 24 de outubro.
Hiate portuguezPtf)isam#nto di versos gneros.
Patacho hespanholVicente -vinho.
10 milheiros de pregos baius pequeos.
10 ditos de ripaes da trra.
5 dito caixaes.
5 caixas com folhas de flandres de 27 sobre 18
1/2 pollegadas, ou 23 sobre 14 ditas.
Para o7o batalhiio de infamara
10 pares de mala de tamanho regular.
2,000 da segunda, 600 da tercei-
ra e 4,000 da quarta. O deposito
dlminue bastante por terem os
padeiros comprado grandes por-
coes, e em viriude dessa dimi-
nuio os precos elevaram-se
mais.
Lou?a.......... Aingleza ordinaria vendeu-se
com 320 por cento de premio Pfopostas em caria fechada na secretaria do conse-
SOfere a faclura. Ilno administrativo s 10 horas da manhaa do dia 24
do correte.
COMPANHIA BRA3ILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.'
Dos portos do sul esperado
at o dia 30 do corrente um dos
vapores da companhia o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para es portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e etfcaja-se
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever No ariliazviH roa lia 1'adfia
. ser embarcada no da de sua chegada: encora I .. '*ci mw w
! mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida s 2' CI6 n. 4o.
LEIL.O
MOVIS
Quero qmzer vender taes arigos aprsente suas SS^^ ^ da CrUZ ?" {' **&** de I Q""la-frira I
O hiate Dohs Irmaos sahe para a Bahi
a sala das sessoes do conselho administrativo para Ur com Tasso Irmaos.
I fornecimento do arsenal de guerra, 19 de outubro'------
i de 1864.
Alimentados a cusa dos cofres prorinciaes 142
Obituario do cemiterio publico no ni a 21 de
outubro ob 18864. Abanos. ........eento
Joan, escravo, Pernambuco, 32 aunos, olteiro, Boa- Agurdente de cana, .... caada
Vista, intente. j dem resillada ou do reino
Olina Joanna Peroira, 58 anuos, viuva, Boa-Vista,! dem caxaca........ >
infiH>;ao purulenta. i dem genebra....... i
Severino, escravo, Pernambuco, 22 annos, solteiro, dem alcool ou espinto de agua-
Boa-Vista, hery-ipela. ardente......... >
Manoel de Souza Ferral, Pernambuco, 38 annos,' Algodo em caroco.....arroba
casado, S. Jos, titano. ,dem em rama ou em la. t
22 ; Arroz com casca...... c
Joaquim da Costa, frica, 45 annos, olteiro, Boa- dem descascado ou pilado
Visla, aneuri-ma.
Albino, Pernambuco, 7 annos, Recite, febre perni-
cio-a.
Chnstiano, Ternambuco, 11 mezes, S. Jos, esphi-
Kte.
Manteiga.......A ingleza vendeu-se a 950
libra, e a franceza de 560
600 rs.
. Massas......... Venderam-se a 75000 a calxa.
Passas..........dem a 85000 a caixa.
._._.------- Queijos.........Os laroengos venderam-se a
ALFAADEGA DE PERNAMBUCO. 25300 cada um.
pauta dos preqo dos gneros sujeitos a DiRKiTo de Sabio..........O inglez vendeu-se a 140 rs. a
E-xpoBTAgXo. semana de 24 a 29 de OUTUBRO libfa, e o do Mediterrneo a 100
de 1864.. ris.
4Iercadorias. unidades. Valores.; Toucinho.......Vendeu-se o de Lisboa a 85200 -
(5500 a arroba. J z municipal da primeira vara se hade arrema-
800 Vinagre........O de Portugal vendeu-se de 1105 tr uma m0D',ia de amarello, em muito bom esta-
OAfl lili luMlliril- ., 1 -. 9 Prn,L,.i......,., AnNiNMiXil BbMi_
^uiz de Oliveira Azevedo & C.
Babia.
II hora.
Cordeiro Siiiies far leilo de uma mof.iua e
amarello, um par de apparadores, orna rommoda
nfnio Pedro de S Barrcto,
Coronel presidente.
Sebatto Antonio ao Reg tarros.
Vogal secretario interino.
Arrematadlo.
No dia 25 do corrente, Onda a audiencia do Dr.
a tra- uma macn,na Para <*o>tura. uma mesa grande oV
faia, uma dita pequea. 12 cadriras de faia un
------__.' sof, 2 contlos, uma cama franceza d" acaran
- Para a Babia pretende sabir em poucos das | d, 1 dita d amarello, 1 dita de cereee.ra I N-r
anreza para
dr
de Azevedo, por ter parte da carga tratada : para I So,eiro7i sauc.nVmTTuVr, n "^ 1VJ r
o resto da carga que Ihe falla tratase com os con-; ferro.
signatarios Palmeira Beltro, largo do Corpo! ---------------------------------------------------------
Santo n. 4, primero andar.
LILAO
DE
Vin/ii da Madeira
195500
15500
BOTTOMRY BOND
Wanted on the ship and cargo of Ihe British Str.
Platypns, captr. C G. F. Blix, about 2:0005000
more or less to pav for her expenses al this port,
a 1175 a pina I d0> Pennrada a Prudenciano d'Assumpco Figuei- and enable the vessel to proceed en her voyage to n "juana-ieira 2b do convnte.
Os de Porlnca venderam-se de S? Bril0' Por execnco de Maneel Jos de Bastos i Australia. u agente Pestaa vender por ronta de qonr
1605000 a 1105000 i nina e os "- Seaied tendera to be addressed to the captain al Pj'"enc<-'r 8 barris de 8 com rxceilente vinho .
de outros naizes a 17"%G0a' Pela 'hesouraria provincial se faz publico,' the British O-nsulate, and to he opened in the pre- *la,le'ra ("""Pno para ca-as particulares .|0artr.
dta ^^ 9ae a arrematco do imposto de 25500 por cabe- senre of H. B. U. Cnsul on Wednesdav next 26 le,ra do corrente pelas lo horas da manhaa m.
875 Velas.......... As de conipesico foram vendi- a ^0 .;ac,'ura ? municipio de Iguarasf, Ui. Inst al 1 P. M !" rto A""".
"; das a 520 rs o oacote de seis ,01 'ransfenda para o da 3 de novembro prximo' Heeife 24 th. octoher 1864.
veias vindnurn. RK'.n MARIT
400 Vinhos........
800
900
RISCO MARTIMO.
OOMMNIuiBOS.
Assucar mascavado.
dem branco........ >
dem refinado.......
Azeite de amendokn ou mendo-
bim......... caada
dem de coco....... .
dem de mamona.....
Batatas alimenticias..... arroba
Bolacha ordinaria, propria para
embarque........
dem fina........
Caf bom.........
dem csoolha ou restolho ...
dem torrado....... libra
Caibros......... um
Cal........... arroba
dem branca
25800 Descontos....... O rebate de letras reaulou a 10 Secretaria da thesotiraria provincial de Pernam-! O vapor inglez Platypus, canitao C. G. F. Blix, |
,. 8 I buco 22 de outubro de 1864. O secretario,
Carneiros........um
Carvao vegetal......arroba
Cavernas de sicupira .... uma
Cera de carnauba em bruto. libra
dem idein em velas.....
Clia.......... >
Charutos........cento
Cevados (porcos)......um
Cocos (seceos).......cento
Colla........
Couros de boi, salgados .
dem idem seceos spichados.
dem idem verdes ....
dem idem cabra cortidos. .
dem idem de ouca ....
Doces seceos......
dem om gela ou niassa. .
libra
um
libra
un
cento
arroba
Tendo o Sr. Dr. Neivas, juiz de direito da 2.' va-
ra, annullado, em grao de recurso, o processo que
ex-officio instatirou 0 Sr. Dr. Marlins Pereira, de-
legado de policia desta cidade, contra o subdito hes-
panhol Epiphanio Astudillo e Bassams por aso de
titulo indevido. sob fundamento de haver funecio-
nado nesse processo esrrlvSo incompetente, espe-
ramos que o Sr. Dr. Marlins Poreira se d^r pres- Carne secca (xarque)
sa em instaurar, como Ihe cumpre, novo processo, '
visto que a aiinollacao em consequencia de incom-
petencia de esrrivo nao equivale absolvan, co-
mo pensam alguns, e parece ir passando era jal-
gado.
Novo? documentos exi-tem, que provam evlden-
tenonte. que o Sr. Astudillo e Bossams nao nem
foi nanea -dotttor en medicina ou arurgiapor
FaculJade alganta do mundo, como falsamente at-
testou um funecionario publico, que ter de res-
ponder por i.-t i quaiido o cantar no palacio da pre-
sidencia da provincia nao for considerado como ga-
raniia para se infringir deveres; e, se de Hespa-
nha anda nao cliegaram o documentos pedidos,
nao 6 razio para que >e rreia que nao viro, por-
qiiantoalli. como em Lisboa, se cuida de obte-los.
Vamos novamente dirigir-nos a pessoas da pro-
vincia do Cear aflm, de moslrarmos que nao fal-1 dem em calda
taos ver.tade, qnandoporinformacoesqued'alli j Espan.idores grandes .
obtiveinos, disemos i|iie o Sr. Astudillo e Bussams i dem pequeos.......
bavia deixado precipitadamente o Aracaty em con- \ Esleirs para forro de estivas
seqnencia da morte de dous membrosoa chafes del de navio........
fornidas importantes daquella cidade quo ee con- j Estopa nacional......
liaram ao? seas cuidados medico?, eentao so vera Farinha de de mandioca. .
o que v.ilem assijinaturas graciosas de rapazes que! dem de araruta.....
apenas imbam de idade nns tres ou imatro annos, I Feijao de. qualquer qudlidade. .
quando o fado se deu. Felizmente oxistem entre Frechaes........
n> pessoas i|ue o nao ignoram. e rn-mos gao i Fumo era tollia, bom ... .
familia jo E.trn. mini-tro do imperio, o Sr. Dr. Jos i dem oi-dinario ou restolho .
Liberato Barroso, poder dizer como esse facto se dem em rolo bom......
Msson. 'dem ordinario ou reslolho .
Eis oque nos dizia do Ceara, em 22 deagosto, oj Gallinhas........
amigo, a que recorremos : domina.........
e Informam-me dous amigos do Aracaty qae o jIpeeacuanha (raz)......
hespanhol Epiplfanin Astudillo e Bussams, exer- Lenha em achas......
cendo atti a proflssSo de medico, encnngara-se Toros..........
do curativo >ie dous Miembros, ou cheles de fami-; Linhas e esteios.......
lias importantes, em cuto curativo oa Ora Infeliz, I Mel oa melaco.......caada
ou seguir raethodo difTerente do que devla adop- Milho. .,........arroba
tar. Que em consequencia da morte de ambos j Papagaio........um
(prenles, creio que at irmaos) desenvolvern!- Pao Brasil ........quintal
se contra elle terriveis accusacSes, procurando as
familias dos moMos intentar accao criminal contra
o medico, dando como fundamento dola alin do
ontrns rircuofstaiicias, a falta de litlo, pelo qnal
podesse ellelexercer a medicina. Que em conse-
quencia do vulto que iam tomando easas denuncias
vn'garo? Ejlijibaiiio sahi a d'alli precipitadamente
paia c-ta"ciuV\le cun parte da lamilla-, dirjgindo-se
d'aqui para o lUvale Janeiro, onde Orara residindo.
depoi- de ier ainila\y>>1tado a e>ta provincia. Que
finalmente (ain la nieNUUrmam os ditos amigos) poi
eausa da retirada, esse processo nSo passou pelo-
IraiHiutes legaes, c quo por tanto uenhum Julga
ment se deu.
25150 por cento ao anno.
45400 Frotes.........Para Liverpool, pelo Rio-Grande
55120 do Norte, Vs d. por libra de algo-
do.
25000
15600
800
15200
35000
75000
8-5000
75000
440
360
280
500
35200
15000
15000
85000
250!
300
A. F, d'Annunciaeo.
THEATKO
precisa da quanlia de 2:0005000 pnuco mais ou
: menos, sobre o casco e carga do dilo vapor para
as despezas cootrahidas neste porto, de forma que
I possa seguir a sua viagem a Australia.
Recbem-se propostas em carta fechada no con
DE
Natos entrados no dia 22.
Santa Cruz de TeneriTe27 dias, vapor italiano de I
guerra Ercole, commandante o cavalbeiro Luige j
Lampo.
Idem, idem, idem, canhoneira italiana Veloce, com-
mandante A. Caioy.
Liverpool -21 dias, vapor inglez Gladiator, de 477
toneladas, cwnmandante Guard, eqoipagem 22,
carga fazendas ; a Thomaz Jefleries.
Navios sahidos no mesmo da.
Rio Grande do Sul pelo Rio de Janeiro bngue
nacional Mafra, capilao Joaquim dos Santos
Souza, carga varios gneros.
. ISABEL.
Programma do concert vocal e instrumental, dado
no salo de Santa Isabel, hoje 24 do corrente
mez, pelo bem conbecido artMa Pietro Ferranti,
com a coadjuvacao dos Exms. senhores e se-
nheras diletiante.
Primeira parte.
1." Quarteto instrumental no qual toma rao par-
te es Srs. Colas pai e filho, Marcelino Cielo Rl-
beiro.
New-York-patacho austraco Carita, capilao | 2. Aria da Opera La Cenerentola do maestro
HjEKl francisco Cranotech, carga alyodao e outros ge
-00OO; eros.
155000
Cruzarvapor americano de guerra Iroquois, com-
4 eat\ i manaante Rogers.
jjjj' Portos do nortevapor brasileiro Perstnunga, com-
*^ mandante Martins.
- I Nados saludos no dia 23.
jOO ||ha de Fernandohiaie brasileiro Serggpano, ca-
iAnnn' pilao Henriioe Jos Vieira da Silva, carga diffe-
icAAn rentes gneros.
'50001 Cearescuna dinamarqueza Mana, capilao H.
3- ; M,yer carga parle da que trouxe de Hamburgo. .. a,f.(.t<;H(
uuinft L,vcrl'00l-galera ingleza Hermione, capilao J. Gre- ,ado Dekl Sr D ij(.andro Sanches.
carfc'a a'godao, assucar e outros gneros.
_5000, Observacao.
Nao houveram entradas.
lOpUUU' t
12600! Bssaamam ...1"bbb i 1
Rossini, cantada pelo artista Pietro Ferranti.
3." Cavatina da diera Naburo, do maestro Ver-
di, cantada pelo Sr. Dr. Firmo Xavier.
4. Duetlo de L'Elixir l'Amore, cantado por ma-
dama Pieri, e Pietro Ferranti.
5." Fantasa, executada na flauta pelo Sr. Colas
Filho.
, 6 Tarantella nazionale Napolitana de Rossini,
cantada pelo artista P. Ferranti.
Segunda varte.
7. Quarteto instrumental.
8." 11 Aterciajuolo, del maestro G. Garibaldi, can-
Em freute ao aruiazem dos Srs. pal-
meira H-llrao.
Quinta-feira 27 do corrente s II Imrw.
salado britannico;7.rigids a"capi.ao;^la7sero: decTom "bmiu'h^f *%*? am """"
abenas na presenca do cnsul de S. M. B?ittonarI!.!?gg*2J~*3B*.'.&*** i'r"ftr'
ta-feira prxima 2o do correle, a 1 hora da tarde. )& 1*2*?ZTA
Recife, 24 de outubro de 18b4.
LEILOES.
LjEIjLAO
DE
Duas casas frreas
Spm limites.
0 agente Almeida compelentemente autorisado,
fara leilo de tres casas terreas, uma na ra do
Rosario n. 13, com 2 salas, 3 qiiarios,cosinna fora,
quintal e cacimba, a qual ofTerece muilo boaspro-
porces para urna taberna.
Uma dita na ra dos Prazores n. 3, com 2 sa-
las, 2 quarlos, cosinha fora, quintal e cacimba.
HOJE.
porta dos Srs. Palmeira 4 Beltro no largo do
Corpo Santo, ao meio dia.
*ra
ial
figura, proprio para Mntol
eopeiro, criado etc., etc., I mui-ta dr. 20 tmito*.
cosinheira, lavadora, engommadeira e coMorrira.
rta me-va occasio vender outros esTavr-
com habilidades e sem ellas.
&3J8E&
DE
alqueirc 25000'
arroba 45W0
1S800
ESIY1ES.

um
arroba
urna
arroba
1
cento
>
um
i'^a/w' Devendo ser de grande regosijo. i^r9 ojos
af i Brasileices a realisacao do consorci (/a i* a.
*, teza a augusta princeza imperial corrt a a//*za "
85000
S5O0C
600
25-'iOO
2.'i5000
2.5000
11-StKli-l
85000
240
900
35000
a
rar o
urn-
as no
noti-
conde d'Eu, a cmara municipal de.-ta fao"(>TPos"
suida do mais ardente desejo de come-
dia de lao fausto aconleciniento, pede no-
iiicipcs que illuminem a* frentes de suas <|
dia em que chepar a esta cidade semelhanr
cia, e nos dous que se seguirem.
Paco da cmara innniiipal do Recife em sesso
de 19 de outubro de 1864.Luiz Francisco de
Barros Reg, presidente.Francisco Canuto da
Baviagem, secretario.
Cntinnam em praca peranle a cmara mu-1
9. Duelto nella Chiara di Rosemberg Vedi (
questa pistola, cantado pelos artistas Giuseppe Ra-
monda e Pietro Ferranti
10. Sans Soueis, de Ascher, execulado pela Sr.
Cardoso Filho.
11. Cavatina La Fiorina, cantada por madama
.Fieri.
12. II Posliglione, del mae-lro Balf, com acom-
5 panhamento de trompa e piano. Cantado por Pietro
Ferranti.
O piano ser oceupado pelo maestro Smoltr.
-.. n-T..-/*^
PUBLICARES k PEDIDO,
A's |ess6as sensutns.
Empenhado em urna questao importante com a
dlrecturia e o conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez de Leiiura, assignn todos os meus ani-
gos, assumolhes a responsabilidado, o procuro ser-
vir-ine de urna linguagem grave e conveniente,
enibora algumas vezes enrgica
Ora, apreseniamtn-se sob a cobarde capa doano-
nyrao um truno, nao para defender directora
das- imrihas arffolcdes, mas simplesmente procu-
rando envolver-me no ridiculo com as suas jogra
lUades, julgando Itlvex estpidamente que por tal
forma me reduzir ao silencia, declaro formalmen-
te que nao o consegiiP,nem eslou di posto a medir-
me com buhos e com muita especialidade estando
el les de viseira calada.
Se o hislrio, que ppnsou iiicommodar-me, esli-
ver disposto a baier-se cem armas Igoaes, ist a
firmar com o seu n*mc o que escrever, e a apre-
senlar argumentos conlra argumentos, em lingua-
gem decente, prciiopto me achara a levantar a In-
va : ao contrario, considerando o encapotado como
om cobarde,-um mi>eiavel, um ridiculo palhaco,
que procura divertir o publico com as suas irua-
nices de bom grado o deixarei exercer o sea villo
offieio.
Recife, 22 de outubro de 1864.
Joaquim Gerardo de. Bastos.
Salsa de Brlstol.
MORTES CAUSADAS POR MINEnAES.
Fazem se uso de todos os venenos activos na me-
dicina, e todos finalmente encunara a vida. A sal-
saparrilha de Dristol um dos poucos remedios,
verdadeirame te e puramente vegetal. Ella nao
conten um so grao de mercurio, arsnico, stry-
chnmn, bromine, iodineoa oulro qualquer veneno.
Alm disso um antidoto contra os mesmos e cu-
ra ai molestias que estes causara. Pela maior par-
te das vezes estes venenos curara uma molestia
sub-tituiido-a por outra -, porm a salsaparrllha
de Brltol opera com a natureza e nao contra ; re-
movendo para sempra pelo seu poder neutralisa-
dor as causas de raolbsius ulcerosas, canerosas e
eruptlveis regulando o figado, dando vigor ao esto-
mago e intestino?, aliviando o systema de subs
tancias epideiuicas c dando forca aos orgos en
fraquecidos. As criancas e as senhoras delicada-
podem loma-la sem susto. E' a salva^'odos doeu-
tes. Cautela para evitar as imilaedes e fal.-ilka-
{fies, das quaes existem tres no Brasil. A legitima
vende-se por Caors & Barbosa e Jo3o da C. Bra-
T0&C.
dem de jangada......ura
uma
molho
cento
um
libra
120
alqoeire 400
arroba 255000
o5000
75000
25*00
1405000
805000
urna
duzia
edras do amolar
Idem de filtrar......
Idem de rebolo......
Piassava.........
Ponas, ou cbifres de vaneas ou
novilhos...... .
PrancbSes de amarello de dous
costados........
dem de louro.......
Rap..........
Salo..........
Sal..........
Salsa parrilha.......
Sebo era rama.......
dem em velas.......
Sola em vaqueta......
Taboas de amarello.....
idem diversas.......
Tapiocas.........
Tatajuba.........
Travs.........
L'nhas de boi.......
Vassooras de piassava. .
Ditas de timb......
Hilas de carnauba.....
Vinagre.
Alfandega de Pernambuco, 22de 1864.
(Assignados):
O 1." confidente, Francisco de Patita Gonralces
da Silva.
O 2. conferente, Areslides Barboza Cordeiro
Fetosa.
Approtro. Alfandega de Pernambuco, 22 de
outubro de 1864. A. Eutalto.
Conforme.O 3." escriplurano, Joao dos Santos
Porto.
itecebedoria de rendas interna*
geraes de Pernambuco.
Rendimento do da 1 a 21........ 35:5633786
dem do da 22................. 3:1295973
KM*!! I nic'Pa' ""sta cidade nos das 22, 24 e 26 do ro-
>50'J'' ruute, para serem arrematadas por quem maior
800 (.reco oflereccr as segrales rendas munici-
45OOOI paes :
IJJ0601 imposto de 80 rs. por carga de fari-
1-01 nha e legnmes................. 2:2035000
dem de mscales e boceleiras..... 1305000
fam Alngneres la rasa da &dedado..... 1455009
toiMO. -^*S ''ue Qu'z,'rum I ctr sobro taes rendas deve-
T' : "o a|iresentar se nos mencionados dias, no paco
94S?|d]a mesma cantara, habilitados na forma da le.

EMPREZA
GERMANO & (OniBIM,
10a recil' d assissatora
TEItCA-FEIRA, 23 1>E OUTUBRO DE 1864.
OS
MARTINES
$
1 casa ltrrea nova e 2 casas de taipa
e alicerm pra cilifioco, e i vi-
veirodcpeixc na rna Imperial pr-
ximo a ponle dos \:oi;ii!is.
(Tudoem din so lote.)
Citaos forciros.
Tftpcafira 28 do crtente
s 11 horas no armazem da roa do Viga-
rio n. 10.
&\
Comecar s 8 horas.
W
arroba
quintal
uma
Cento
caada
5800
25im
6-5000
200
105000
81000
65000
ROO
Paco da cunara raunici al do Recife, em sessao
de 19 de oututiro de 1864.
Luiz Francisco de Barros Reg,
Presidente.
Franscisco Canuto da Ba-Viagem,
Secretario.
Facu'dade c Uire lo \
De ordem du Exm. Sr. director se faz pub'ico. ^
que em sessao da congregacao de hoje foi resolv- Jtai
do que romefassenios actos no dia 24do corrente,'
COMPAIHIA BEASILEIRA
DE
PAQUjET.es a tapok
! Dds portos do norte espera-
autorisado por uma pesara de sua amisade vende-
r era leilo una casa terrea em chaos foreiros
com 2 jauellas e 2 portas de frente. 2 salas, 4
quarlos 2 janellas no oitao qae olha para a estra-
da de ferro, 1 viveiro de peixe, 2 casinhas de tai-
pa que rendem 105500 meosaes, sendo ludo isio
collocado em um terreno com 150 palmos do fren-
te e fundo at baixamar.
LEILO
DE
Una carroca com um lionilo I >i manso
Tero-feira io do corrente, s 10 ho-
ras em fronte a jiorta da alfandega.
Cordeiro Simo>s autorisado por uma pessoa de
sua amisade, vender em leilo uma carroca e nm
boi gordo com bonita Bgura, manso de carroca.
Em 27 -'o coinnle mez ao aieia da
em ponto na poeta da Assoi-iar*
Commercial
S. M. Nass, capilao do brigue noroegut
se Emilie, com ntorisacao do llliu Sr
inspector da alfandega e em presenca rjr. sr
gerente do consolado da Sueria o Jlnn
far leilo por inlervencao do agente Ohm
pi, por tonta e risco de quem pwmiw do
dito brigue. Ial qual se acha fundea.b. i
te porto aonde recenlemente arrihoii na mu
viagem du Uuenos-.U re* n Dm i ,n
foi legalmetite condi'ionadi: os futUnm
tes sao convidados pelo presente a< .-\ inu
previo do dito navio, assim cono do n
tario em pdenlo meiiciimadn ya,
Feira semanal
DE
Uabilias comple icUiiios e nt'os muilos arli**
Sexla-feira 28 do riiniiiii ;is II li
OliVflPIO
em seu novo armanm silo a ma do Va-ario
10. vender em l.-ila mobilii- comp.;
caranda com lampo de pedra marmore. 1
cereja, 1 dita de amarello, mesa elstica. I:,
nos com podra marmora. camas fraac sa,
radores, rel.igios d-parado6 al!ibeira, diuia- A.
cadeiras branca-, I finita de bano com5 chaves.
objeciosd.- caro, venexianas, caaaas da ferro, clw
rulos de Ha va na o oatrog moilos artifes.
LUii
'..
M
LEILO
Escravos de amhos os $exos.
Sexta-fcia 28 do ca rente
s i i lloras, no armazem da ra do Vk
numero 10.
OI.T.ffPIO
vender em leil m seo awva arananat a i
\ Igano n. 10, diversos escravos de ambos m m~
xos com habilidades e sem ellas.
38:69:1575!)
Consalado provincial.
Rendimentodo dia 1 a 21.........
Idem do dia 22.
33-.3025810
5325877
do al o da i de uoveml.ro o va-
por Paran, commandante o ca-
pilao de trpala Santa Barbara, o
qual depois da demora do costn-
_ndo-se"o ponto no dia J3 sS'horasdainanbaa! me seguir para os porto do sul.
O servico dos actos foi distribuido do modo seguin- I)esde ja recebem-se passageiros e engaja-se a
t0 : carga que o vapor poder conduzir, a qual devtr
i anno, Drs. Jos Bento, Silveira de Souza e ser embarcada no dia de sua chegada, encomraen-
Druminond, a quatro estudautes, as 9 horas, na das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
segunda sala. ras : agencia, ra da Cruz n. I, escriptorio de An-
2 anuo, Drs. Vilella, Figueiredo e Aprigio, a onio Luiz de Oliveira Azevedo & C.___________
JJ^e*tod*ot68,a99horas,naaridas congre- Coiflpailllia Pe-liamliUCall ile i,a>ega-
3o anno, Drs. Aguiar.Braz, Pinto Jnior, a qua- Cao t'OSle ra O TIMT,
tro estudautes, s 9 horas, na 3" sala.
4 anuo, Drs. Loureiro, Porlella e Tarquinio, a
cinco eeludanles, s 9 horas, na sala.
o" anno, Drs. Autran, Baplista, liego e Bandeira
Filho, a tres esludanlcs, s 11 1|2 horas, na 4* sala.
Igualmente se faz putdico (|ue na mesma Msso
foram julgados preteridos por t> rem mais de .-ete
fallas nao justilicadas, no 1" anno, Manoel Gomes
Viegas Jnior, Antonio Manoel de Sampaio Jinior,
Jos Jorge de Siqueira Filho, Marcoliuo Pinto Ca-
bra!, Agosilo Pereira da Silva, Augusto Egidio
Ci-fo i1m Je-ns; e no 2 auno GonC/'lio Vipira de
Mello Prado, Pompilio Nuoe- Pessoa Fran isco An-
tonio Uc Oliveira itirinho e Si-o-lr. s Silvio de Mo-,
raes Sarment. Foram julgados de anno perdido
por terem mais de 10 faltas uao justilicadas, no 1
llha de Fcrnande de .\oronha.
iMo dia 4 de
novembro ao
nieio da segu
um dos vapores
da companhia pa-
ra o presidio de
Fernando. En
comniendas, pas-
sageiros e dinhei-
ro a frele at o dia da sahida s 11 horas da ma-
uha : escriptorio no Forte do Mattos n. 1.
"COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
Na^egaco rosteira a
vapor.
anno, Viente de Souza Queiroz Jnior, Jos Ja- T ,n cintbode Souza, Antonio dcCa.-iro Alves e Zt-fe-, ******* "" Grande, Porto dePedras,
33:8955696
PRACA DO RECIFE
92 DE OUTUBRO DE IN6J.
AS TBES HOBAS DA TARDE.
Revista seuiaual.
Cambio........Saccou-se sobre Londres a 27, 27
H, 27 'A e 27 Vi d. por 15000,
sobre Pars de 344 a 346 rs. por
fr. e sobre Lisboa de 90 a 95 por
cento de premio, montando os sa-
ques elfectuados na semana em
60,000.
Algodo........O de Pernambuco, vendeu-se de
195000 a 215000 por arroba,
sendo a maior parte vendida a
205000, o de Macei, posto a
bordo a 205000 a ultima venda
e o da Parahyba de primeira sor-
te a 235200
Agurdente.....Vendeu-se a 805000 a pipa.
Arror..........O pilado da India vendeu-se
de 25000 a 25o00 por arroba, e
o do M iraui.iu a :).-).
Azeite doce.....Vendeu-se o do Estreito a 2560
o galo.
rinoBotelho de Andraile.
Secretaria da Faculdade de Direito 22 de ontu-
de 1864.
Jos Honrio Becerra de Menezes.
Secretario,
Faiulilade de "tolla.
De ordem do Exm. Sr. dirpelor se faz publico,
Camaragihe, Macei, Penedo c
Aracaj.
No dia 3 de novembro segae
para os portos cima indicados um
dos vapores dessa companhia, as 5
horas da tarde. Recebe carga
. sraenle at o dia 4; encommen-
que do dia 24 em diante se acha aberta a inserir*- 'Jas; Pa^a^'ros e iinheiro a frete at s 3 horas
cao para os exames preparatorios : estudante ?.a ...r "Iada sahida : escriptorio no Forte do
que qoizer inscrever-se para qualquer dos ditos
exames, dev.-r requere-lo ao Exm. Sr. direclor,
datando e assignando o requerimeuto, e juutando
certido ou oulro dornmpnto, do qual conste ter
estudado a materia sobre que liver de versar o
exame, conforme dispoe o arl. 2o do regulamento
. Mallos n. I.
complementar dos estatutos das Faculdades de Di-
reito.
Secretaria da Facnldade de Direito do Recife 22
de outubro de 1864.-0 secretario,
Jo- Honorio Bezerra de Menezes.
DECLiBAgOES.
Na audiencia do Dr. juiz munjeipah da 1'
vara do da 23 do corrente mez, tem de ir praca
por venda o escravinho Ismael por exeengo enc-
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DR
Navegado costelra a vapor.
Taman >ar. Barra Grande, Porto de Pedras,
Camaragihe e Macei.
O vapor Matnanguape, comman-
dante Moura, sexuir para os
portos cima indicados no dia 25
do correte s 5 horas da tarde.
Recelar carga at o dia 24. En
com mendas. passageiros e d
dia da sahida s 2 horas
no Forte do Mallos n. 1.
Aracaty.
O hiaie Santa Rita sahe para o Aracaty : a tra-
tar com Tasso Irmaos.
DE
UM ESCSitVO
Ter^a-felra a. de ontnhro.
O agente Pinto far leilo precedida a compe-
tente autnrisaeo de um moleque crioulo por ne-
me Benedicto, s II horas do dia cima dilo em
seu escriptorio ra da Cruz n. 38.
LKILAO
DE
Uma tabernil na estrada de Luiz do
llega pm Ssolo Ani*ro.
Terca-feira t"> de corrente.
A requeriraento de Ferreira & Martins e por
despacho do Illm Sr. De. juiz especial do com-
mercio e por cotila de quera perlencer i rao a lei-
lo todos os seeros existentes na taberna sita n
estrada de Luiz do Reso em Santo Amaro, em um
oo mais lotes : lerca-feira 23 do crreme pelas 12
horas da manhaa na mesma taberna.
-r
AVISOS BIYEBSOS.
O artista Jos
pi'itav.l publico qu'
o dia 23 nao pode
lW
DE
UM ESCRAVO
Terca-feira 45 do corrente.
Legalmenle autorisado o agente Pestaa far
leilo de um escravo negro de idade de 20 annos
pouco mais on menos, bonita figura, proprio para
armazem de asaltear e entende de boleeiro : ter-
ca-feira 23 do corrente pelas 10 horas da ma
(iha na porta do armazem dos Srs. Palmeira A
Beltro.
liLEII.&O
DE
Movis e outros artigo*
Terca-feira V do corrate
s i 1 horas, no armazem da ra da Cruz
numero 57.
OliYMPIO
vender em leilo diversos trasles novos e usad'os
sem mnima reserva de preQo.
Leilo em continuaco
DA
Taberna de paleo oo Terco n, 21.
Alves Continho A Brandan faro ieilao por in-
dinheiro a frete al o lprvencao do agente Cordeiro Simoes, dos gneros
da tarde : escriptorio a,nda '"tentes na taberna cima dita romo eja
pipas com vmho tinto, barris de dito branco e lin-
io, barris com manteiga ingleza, presuntos, cai-
xoes, harnease saceos vatios, arma-ao e mais
I35200S 6 Bnalmenl <,lv,das na iraportancia de
Coelho Haidosa. avi- .
s o rosearlo aaawariada
ter lugar Masa da
transferido para o da 31 do crreme pcJM rudn
que passa a expor.
Depois de ja nave/ combinada rom os Srs. Cum-
hra e Germano, cmpre/ai ios do Ihe. tro de Saan
IsaNel, para .|ue liv.sse lugar o seo orneen.. o
da 2->, e depois mesmo de lena aooMMa H'iiho-
res consentidoqoe o besnaeiadu oig.ini>a,se o <*
programma e opubln-assa emo o te sal.bad.. ?*
aeoRlore que no mesmo caboado t..rde manaai
os emprezarios do lliealiu ch.mar o l*eneficudt> t
Ihe dizem que nao era pwatMl que o sen roarer-
to tivesse lugar no dia 23 ; |M.r quanio lendo rfle
de levar a scena no dia 22 ( sabbad.. > os Mam re
da Germaoia, nao podorlm d.sani.ar o seenano
para na lerca-feira 23 se achar em e.-lado de mm.
tar-se ao concert >. ^
A visla disio ven o beneficiado pedir uma 4e<-
cnlpa ao re-peitavel p:,l,iir, bSeMla sentir ,.ue "r
isto inieiraiiH-nte indepeud- nte .-ua vunia.1.-
pedindo ao mesmo i.-mpo que nao veja neie arl..
qualquer COOaa que de algum modo se pus-a ra-
duzir por desanimo de sua parte.
Espera por lano o beneficiado que o* sens n.;-
gos e as mais pessoas que se dignaram de aeeeMar
os seus bilhetes nao deixaro do honra-lo no da
31 do corrente cum sua pre.-enga.
',.A,K IA l(thlti\A
AOS firiKHMKX)
Bilhetes garantid*
A' ra dt Crespa a. 23 e easaa de casta
O abano assiguado vendeu nos seos muilo Mi-
les, bilhelo garantidos da lotera que se acate
de extrahir a beneficio da Sania tasa da Miseri-
cordia, os seguintes premios:
N. 1712 dous quartos com lo nonjono
N. 1046 dous quarlos com 10005000
N. 723 dous quarlos com 2:0005th>0
N. 2103 meio buhle com -i005000
E outras muias de 2005, 1005, 405 e 125.
Os possoidore (dem vir reeeber sen os des-
con.os das leis na Casa da Fortuna roa do i r
po n. 23.
Acham-se venda os da primeira parte a
primeira lotera a beneficio da matriz de flores
que se exiralnr no da 28 de outubro.
reeoaj.
Bilbetes inteiros ..... 75000
Meios......... 35800
Quarlos........ i^jqq
Para as pessoas que compraren
de 1005 para cima.
Bilhetes....... &isat\
Meios.........
Quartos. .... ij700
Manoel Marttnt Fmxm
Precisa-se de orna ama de leite ano
da : na ra de Hortas n. 68.
seja a-


Diario a> fer**abau*a efunda letra t-t .t Outubro de 19*4.
de-
freguezia
Nossa Se-
de Santo
SeXflMtrira 3 do corrente me*, teri ln-
ara estrago da primeira parte da pri-
iiioua lotera a beneficio da matriz de Fi-
res, no consistorio da groja
nlira lio Rosario
lolonio.
Os buhe tes, moioe e qnaetes achani-se
renda na respectiva thesouraria ra do
Crespo a. 15.
Os premios de 6:000000 at i 4000
serio pagos urna hora depois da extraccac
at 4a '* QOras ** tarde, e os outros no dia
.,.:;iiiate depois da distribuido das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
PLAKO
Para as partes-ordinarias das loteras ap-
pruvado pelo Exra. Sr. presidente da
provincia,
:l.H)d i.ilhetes a 6800............ i 1:0005000
llueliciu, sel mcominiseao 24 0(0.. SUMIOS
Liquido..... ?IkOflOgOOO'
1 Premio da........ 6:0005000
* Dito de........... l:4O0500t>
1 Hito-de........... 5005000
,, ESTRADA DE FERRO DO RECIPE AO S. FRANCISCO.
aaoeua qne tena de regular a* horas de partida dos tren de pas*agelro do i" de norenabro de
___________,_______________ 186 i, at segundo arlas.
ESTACOES
Ciaco Pontos (partida)
Alegados ....
Bba Viagem .
Prazcres .
lite.....
Cabo.....
luejuca. .
Olinda.....
Timb Ass .
Espada .....
Krexriras ....
Aripibir.....
Rroeirao .
Gamelleira .
Cuyambuca .
Agua Preta .
Una (chegada1). .
TKfcI\S r\H\ O I.MKUIUU
Das de Ira
hnllM
MANHAA
H M
8 -
8 6
8 8
8! Vt
8 30
9 10
9 *
9 3
9 4
10 10
10 3*
10 56
11 ts
U 3*
ft B
12 i9
12 46
tkKVt
K.
re
16
28
34
51
r
BomirrgCe*8 e
as nntoa
MANHAA
II
M.
:o
30
40
n
ao
43
sr
9f Vi
!
9 441
t
id
Mr*i
fff!> 30
10 49
ir,
3?
Sii
: ti
i*
11 20
TARDE
II. M.
25
30
42
ftl 48
15
.'50
ESTAC.OHS
MRMM
Unsr(parlida)
Agir* Preta. ..
Cuyatnanea. ..
Gametelo.. ..
Ribeiro.....
AripibiV......
Frcxeiras .-
fEseada-......
Timb Ass ..
Olinda......
Ipejuca......
Cabo. .. .. ..
Ilha.......
PTazeres.....
Boa Viagcm -
Afogados ..
Cinco Pontas (che
mmm
TUK.V Ull IMIHIIMI
totas l4- im-
fculbu.
It. M.
TAftliK
hT m
3Q
U
12
20
7| 33
46
l
10
36
58
19
39
58
16
47
15
30
48
4
30
38
31
Domnente vt
ffa* santos
r! Albuns superiores para re-
trates.
VAWIA*
11. M
14
38
46
39
10
TARMt
H M
rt. Aimtm, superintendente interino.
20
45
7
23
48
7
25
56
9
24
39
57
13
40
48'
1
10
1 Dij de..
,, Ditos de
10 Ditos de
19 Bitas de
32 Ditos de
tOlO Ditos de
lloo Premios
400 Biancos.
20050O>
1005000 5005000
405000 4005000
205000 3805000
105000 3205000
65000 6:0605000
---------------13:960*000
Ifi Nietas.
N. B. 0a preaos- maiores de 4005000 esto su-
- m lironlo da lei provincial, e os maiores
,\e I : 0005000 ao da lei ge ral.
Thesouraria das loteras 20 de outubro de 1864.
0 thesoureiro interino,
Jos Rodrigues de Souza.
eade-se aa praca da Independencia n. 39, loja
y Antonio Augusto dos Santos Porto, capellas
nortuarias di- gestos mais moderno, que tem
vindo ate agora par.", se botar em tomillos e cata-
cambas no cemiterio publico no dia de finados,
rom as esenpedes seguintos: meu esposo, minha
'posa, meu pai, minha mi, neo lilho, minha 11-
sandades sempre vivas, amisade, urna lagri-
ma : desta qualidarie nunca vieram para serem
eadidas nesta provincia.______________________
Ueseja-se fallar ao Sr. lente Jos
LnloiiiT 4e.A!buqiierque, a negocio de seu
interesse : ha livraria n. 0 c 8 da praca da
Independencia.
o Sr. Osear Destibeaai que lem loja
je i-lr.vtona rita ra dirigir-se a livraria n. 6 e 8 da praca da
Independencia._________________
Precisa-se de dous amassadores de maceira
am forneiro : na ra larga do Rosario n. 16.
Aluga-se o miarlo andar da casa -a a ra
K iva n. 1 : a tratar na mesma ra n. 8, loja do
i-h.
Attencfio.
Aprosenta-se ao respeitavel publico e aos amigos
la tma pitada, ooxcellente rap denominado Ro>
lij Imperial do Rrazil em IVrnambucoa oqual lan-
o stdocxaminado por urna commisso dednasha-
!..'iscliimicos, notmadospelo lllm Sr.Or.inspector
da. sade publica para esse lim, foi jnlgado capaz
r i ITerecido ao respeitavel publico, expondo-se
i i"i:,v.'.ii^ pelo on "'lu-fi este bnm rap as qua-
.v t;jpi <.ias im ciuact-, i,a do Recite ra da Ca-
lca n m. Sanio Antonio ra do Queimado n. 45 e
. irga do Rosario n. 38, Boa Vista ra da Impera-
.triz n. 'S\ e em S. Jos no deposito geral deste ge-
ma das Cineo-Pontas n. 140, pelos seguintes
-: 1 .'. libras, 15280 a libra, 10 libras a
I52W cada urna, 20 libras 15100 cada urna e 51
5 por ."03000.
Joao do Amaral Raposo.
Aluga-se urna eserava que eorinlm, engom-
: qaera preeisar dirija-se ao sitio da ca-
lia na estrada de Joo de Barros.
Ni livraria da praca da ln lependencia
6 e 8, precisa-se fallar ao Sr. capitSo Bel-
lo, ii >s que se retire desta provincia.____
I-lii-se ao Sr. J. V. D. V., chele da estayao
Frexeiras-, o favor de mandar pagar o sea de-
il i rontr ihido j mais de um auno, no largo do
Cariuu i!.'.'.
Ni ra da Cadeia do Recito n. 55, primeiro
andar, tem una carta para o Sr. Antonio Manuel
!.i Coneclcao.
Cartas do sul para os Wrs:
I) Prancco Jostiniano Cesar Iacohioa.
Ir. Cicero Alvares dos Santos.
raneiscn Jos da Costa : no Forte do Matlos nu-
inero l.
- Precisase alagar um sitio por anno que te-
lia casa grande rom comino los e em hom estado,
immodos para feitor e escravos, e terrenos para
plantacio : a tratar na ra da Imperatriz, loja nu-
mero 20._____________________________________
- Precisa-je de una ama : na ra das Aguas
Verdes n. 92.____________________________________
- Alaga-se urna casa em Beberibe : a tratar
im .1. I. M. Reg, na ra do Trapiche n. 34.
- Predsa-se de dous honien que eutondara do
rico de copeiro : na ra da Aurora n. 32.
- Ha para alugar-se no lugar da Turre
un sitio rom casa bastante fresca, com sete
uarus, banlio porta, baixa de capim e va-
nos arvoredos fructferos do paiz, s pelo
lempo da festa : ipiem o pretender dirija-se
11 na da Santa Cruz n. 00.
Companhia do estrada de ferro
do Red fe ao %. Frauelaeo.
AVISO.
Pela superintendencia desta companbia s* faz
publico nue se acha justo com Joao Chrysostomo
de Oliveira Pelagio a venda do terreno margem
ao rio Seriuhem denominado Areial da Gaehoetra,
hoje Porto-das Jangadas, o qoal principia a mar-
gem do rio Serinhaem, e llmita-se com os terrenos
da companbia, sendo este terreno de quinhentos
ps-de extenso, a contar da margem do mesmo
rio Sennhem e cera ps de largara a contar dos
limites da companbia.
Se alguein.se julgar com direito a qualquer re-
clamaco dever apresenta-la no esenptario da
villa do Cabo ou publica la por este jornal dentro
do praso de 5 das desta data; lindo o qual nao
ser- admittida.
Pernambuco, 19 de outubro de 1864.
O pbarmaceutico Antonio Luiz da Costa, do
Rio de Janeiro, deseja saber noticias de seus fllhos \
Luiz e Carlos, para ministrar-lhes recursos pecu
niarios e scientifica-los da sua boa successao dos
encornmodos porque tem passado : na ra do
Queimado n. 52, se informar.
Precisa-se de urna preta eserava do boa con-
ducta que saiba cozmhar e engommar, pagase
hom-atugoel agradando : na ra do Queimado n.
16, loja.__________________
Alaga-se o primeiro andar do sobrado da ra
Imperial n. 112, tem 6 quartos, 2 salas, terraco, |
cozinha fra, muito fresco, e tem boa vista : a Ira-
tarsarna Direila n. 6.
Na casa onde existe SOcaixes com doce que
foram comprados a um malulo c dado em dita casa
para guardar, far o favor mandar entregar na ra
da Cadeia n. 17. _________
Precisa-se de urna ama para casa de familia:
na riin larga do Ro Precisase, de um amassador i na padaria do
Varadouro em Olinda.
Da cidade de Therezina peden) um pharma-:
ceutico para dar-se-lhe sociedade em urna botica
alli estabelecida : quem quizer aceitar essa com-!
missab, appareca na ra do Queimado n. 33, leja
Esperanca. que se mostrar a carta de convite o se !
combinar o resto.
- Precisa-se alugar urna ama de leite : a tra-
tar na ra do Queimado n. 28. ______________
Precisa-se fallar com o Sr. Beroardino Anto-
nio Lisboa a negocio de sua familia ; consta que
este senhor leve ou esteve em um armazem de
farioha na ra de Santa Rita : pede-se ao dito se-
nhor ou a quem delle der noticias, de apparecer na !
ra tarea do Rosario n. 34.
Precisa-so de um rapaz de 12 a 16 antros pa-
ra caixeiro de laberna, tendo pratica da mesma :
a tratar as Cinco Pontas n. 93.
Precisarse de una ama 5*1? saiba eozinhar o
engommar para casa de ponca fai\jlia : na ra da
Roda n. 42.______________________________________
Precisa-se de ama eserava para comprar e
eozinhar homem solleiro : na ra do Queimado
n. 32, loja.
Precisa-se de um amassador que entenda de
lodo o servico de padaria : na ra Dircita n. 69.
Cal_elro.
Nos armazens da Aurora Brilhante no largo da
Santa Cruz, predsa-se de um eaixelro com pratica
de taberna.
Alugam-so tres casas novas na Capunga, de
varios cominodos, moflo frescas, ptimas para aas-
sarneuto de festa : a tratar no pateo da matriz de
Santo Antonio n. 8.
Ainda est fgido o nvu escravo Marcolino com
os signaes abaixo declarados, e por isso rogo as i
autoridades policiaes e mais pessoas, o bem assiin |
aos empregados das barcas de vigas e das esta-
eoes da estrada de ferro, de mandaren) prndelo, '
tendo fgido de meu sitio da entrada do Arraial ;
por fazer-me um crinn no dia 20 de outubro de '
1864 : Marcolino, preto, crioulo, 22 annos de ida- I
de, baixo, grosso, cara feia, nariz chato, ps gran-
des, tem n<5 brago tima grande costura da quei-
madura de um buscap, gago, tem pi incipio de
sapaleiro e canoeiro, tem pai de nome Manoel da
Malta, meu esrravo, vestido de calca de estopa,
camisa de riscado azul e chapeo de patha de aba-i
largas, de suppor que mude de roupas. Foi es-
cravo do engeuho denominado d'Agua do termo
de Iguaras, que pertencau ao fallecido Henrique
Poppe Giran, e hoje do Sr. Dr. Francisco Joo Car-
neiro da Cunha. Foi visto na ra de Apolln car-
regando saceos de assuear : quem o pegar poder
leva-lo minha olaria n. 13 da ra da Mondego,
freguezia da Boa-Vista da cidade do Recite, que
pagar o trabalho e despetas.
Marcelino Jos Lopes.
Na manhaa do dia 21 do correte furfciram
de um quarto que vai para o quintal do sobrado
do largo do Paraizo n. 26, urna caixa grande de
amarello contendo dentr- duas jaquetas de panno
lino preto, urna dita de brim lis>branco, tres cai-
gas, urna de panno lino preo. urna de casemira as-
ean, e a ontra de brim de linho de riscado, assim
comoum chapeo novo de pello dentro de sua cai-
xa, e urna japona, como tainbem dous documentos
um da compra de um bei, e nutro de. um carro de
condnreo de gneros, cojos ohjeetos perlencem
Asphnllo.
Na ra da Concordia n. 73 pode ser procurado
1 i>;iliali|sia Manoel Firmino Ferreira, que se en-
'i'i'egadcsU! precioso como ulil ladrilho para ca-
as da morada, armazens. lerracos. passeos publ-.
'os e. particulares, etc., etc. A pratica de alguns j aoescravo Manoel, de abaixo as-.gnado : rogase,
s no exercicio .ieto empreza, o estado que P1?-a Pia Jesrobnmento deste fur o, assim
1 le ,. applicado, o os mei >s de UM pode d.spr, como grat.lica-se aquem der noticia delle, guar-
leve la;er acreditar ao respeitavel publico que es- dndose segredo, pois que so se deseja descubrir
Flix Francisco dcSoaza Magalbes-
os ladroes.
peitave publico que
1 habilitado a bem desempenhar este trabalho tao
e tao necessario nesta bella cidade, onde os
belecimealos devem conservar a raainr limpe- i Precisa-se de duas criadas estrangeiras, para
do
1 a asseio livres do cupim e ralos que causara in-
ilculaveis prejuizos._____________________________
Aluga-se a casa terrea n. 26 da ra do Forte
Barros Baixos, de 165 mensaes : a tratar na
ra do Crespo n 15, 011 estrena do Rosario n. 32.
Forneiro,
l'rcc.isa-so de um hom forneiro que entenda de
maasaa e seja fiel : na ru do-Mondego. padaria
n. '.7.
Escravo fgido.
l'ugio da ra da Aurora n. 4, um moleque criou-
' por nome Albino, de idade 'le 17 MOOs, tem os
-cguintti signaes : olhos grandes, estatura regu-
uma casa de pouca familia : a tratar na ra
Mondego n. 97, sitio do fundo.
Em companbia da Sra. D. Isabel Ferreira Bai-
lar, na ra da Cadeia n. 56, existe urna pardinlia,
de nome Paulina dos Santos, que por ella foi edu-
cada e se acha sob sua guarda e como quer que um
capadocio a pediste em casamento c a mesma se-
nimia Ih'a negasse por julga-lo falto de qualida-
des para esse lim, faz publico e pedo pedirla que
tome conhecimenio deste individuo que pode com-
! metter algum desacato, como acaba de informar a
1 mesma senbora.
____^^___._____
Arreenataoo
No dia 25 rio crrente, linda a audiencia do Dr.
: ir, beicos aroma, cabeca grande, cabellos rentos, y. "milniripal da primeira vara, se ha de arrema
o mudo vivo, le^ou '
fies regulares, bem fallante
'atea loitK rnmend
lar urna mobilia de amarello, em muito bom esta-
; do, penhorarta Prudenciana do Assumpco Fi-
de ipiadrinhos
Imw remendos ife ontra fazefld& nn assento, jaque J "^'(^ por'e'xecuc'o dio" Manoel la de
1 le brim de (piadros. anda senij diapeo, tem-se pasios Mello.
'to pelas banda das Cinco-Ponas aonde tm d'ir- i -' 9------------------------------
i'do estas noites. anda sempre com mais dous (jlltird'l llVPOS
"U ires inoleqoes: pede-se s autoridades policiaes .' '
.ploradodito moleque, que se recom|>ensar. Offerece-seao>senhores commerciantesiimguar-
'iii-arrega-se do qualquer esenota, oor
precisa.
A. molestia ou infeccS peec
rali"conhecida* pelo nome de Es-
crfula um dos males mai-a
prevalecentes e universal ujue
ha em toda a extensa lista das
enfermidades de que soltressc
pM0 humano-: (fisse \mt no-
l)re escriptoc da raedii'.ina que
mais de urna ter^a parle de
todos aquelles que raorrem antes
da velhice sao victimas, ou direc-
ta ou indirectamente da Escrfu-
la :por si nao to des-
'uctiva, porm a principal causa de mui-
rs outras enfermidades que nao lhe sao ge-
ralmenle attribuidas.
E' urna causa directa da phyhisica pul-
monar, das molestias do figado, do estoma-
go e affeccoes do cerebro: Entre os seus|
numerosos symptomas aclam-se os seguin-
tes : falta de appetite ; o semblante pal-
udo e s vezes- inchado, s vezes de urna
alvura transparente e outras corado e a-
marellento ao redor da bocea; fraqueta e
molleza nos msculos : disgesto paca e
appetite irregular, falta de energa, ventre
inchado e evacuaco irregular; quando o
mal tem seu assento sobre os pulmoes, urna
cor azulada mostra-se em roda dos olhos;
quando ataca os orgaos digestivos, os olhos
tornam-se avermethados : o hlito ftida,
a lingua carrejadai, dores de cabeca, ton-
leiras etc.
as pessoas de disposico escrofulosa ap-
parecem frequentemente erupcoes na pelle
da cabeca e outras partes do corpo, sao pre-
dispostaa s affeccoes dos pulmOes, do f'tga-
do, dos rins e dos orgos digestivos e ute-
rinos. Portanto, nao smente, aquelles
que padecem das formas ulcerosas e tuber-
culosas da escrfula que necessitam de. pro-
tecce con ira os seus estragos; todos a-
quelles em cujo jungue existe o virus laten-
te d'este terrivel ITagello (e s vezes hei'i-
ditario) estilo exposlos tambem a solfrer das
enfermidades que elle causa, que sao :
A phthysica, nlceraces do /gado, do es-
tomago e dos rins: erupcoes e enfermida-
des eruptivas da cutis ; rosa ou erysipela :
borbul/ias. pstulas nauidas, tumores, rh-
cuinacarbunculos. ulceras e chayas, rheu-
matismo, dores nos ossos, as costas e na
cabeca, debilidades frmininas, floren bran-
cas causada pela ulceramo interior, e en-
fermidades uterinas, hydropesia, indiges-
to, enfraquecimmto e debilidade geral.
Aos pulmes a escrfula produz tubrcu-
los e finalmente consumpeo pulmonar :
as glanulas ella produz inehaces e tornam-
se ulceras: nos orgaos digestivos causa
desarranjos que produzem indigesto, dis-
pepsia, molestias do ligado e nos rins :
na pelle produz erupcoes e affecees cut-
neas.
Todos estes males tendo a mesma ori-
gem, carecem do mesmo remedio: a sa-
ber : purificar e fortalecer o sangue.
A salsa parrllha de Ayer
composta dos antdotos mais efiica/.es que
a sciencia medica tem podido descobrir.
para esta m lestia assoladora e para a cura
de todos os males provenientes (Pella que
contm virtudes vordadeiramente extraordi-
narias provado incontestavelmente pelas
curas notaveis e bem conhecidas que tem
feito de tumores, erupcdi's cutneas, erysi-
pelas, borbulhas, nascidas, chagas antigs,
ulceras, rheuma, sarna, pambas, hydrope-
sia, tosse quando causada por depsitos tu-
berculosos nos pulmes. Debilidade ge-
ral:Indigesto, Syphilis constitucional e
molestias mercuriaes, molestias das mulhe-1
res, nlceraces do tero, a nevralgia e con-1
vulces epilpticas e em summa, toda serie |
de enfermidades que nascem da impureza
do sangue. Vede as certides no Alma-
nack e Manual de sade do lr. Ayer que.
se distribne gratuitamente nos lugares ende
ae venden os remedios.
Este remedio o fructo de longas e labo-
riosas experiencias, e ha abundantes provasi
das suas virtu les : posto que olerecido J
ao publico sob o nome de Salsa parrilha, j
composto de diversas plantas, algumas das |
q.iaes sao superiores a melhor salsa parri-
lha no seu poder alterante.
PEIT0KAL DE OBREJA DE AYER.
Cura promptamenle a asthma, bronchite,
tosse, delluxo, angina, coqueluche,
phthysica primaria, tubrculos
pulmonares, e todas as
molestias pulmo-
nares.
Allivia os etlicos declarados.
Todas as molestias da garganta, do peito
e dos pulmes pdem ser curadas em pou-
co tempo pelo pkitokal de cerkja do dr.
AYEI.
A' venda as principaes boticas e droga-
ras do imperio, e na agencia central do
Rio de Janeiro ra Direita n lo.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmaela francesa de
P. IMURER & C.
RA NOVA N. 18.
A lotacdesTli e ? ri-a s e jira liras a o c
digo Vrrari4ra,.pel' Ur, Toiuaz. Al-
ve* Jnior.
Cbegou do Rio de Janeiro o volumc desta im-
portante obra, e est vonda na livraria univer-
sal, roa do Imperador n. 54. ____________
-^Precisa-se alugar urna ama forra mi eserava
para comprar e eozinhar : na loja da ra Nova
numero II.
Sorrefe.
Na roa larga do Rosario n. 37, primeiro andar,
vende-se todas as nuiles sorrete muito I, m feito e
om copos grandes a 240 rs. It...
ai.. ..T7. ... A Agota Baanra sempre disposta bem servir >
do7^nEVl^amaPaara,*asa de ''""A T gradar a sua boa freguezia, mandou vir e acal..
tleZtaVS*ni: Da FUa g dcrecebernmMIosSrl.menmdealt.unsdeM.,*-
-----------------''''________________________rior encadernacao e apurado gosto, rom ttfi riali-
Aluga-se urna ama que saiba bem eozinhar e dade os de capa de marlim rom labores, nutro*
de boa coaduna, preferindo-se eserava : na ra guarnecidos de tartaruga com trancas de prata.
estreiia do Rosario n. 32, primeiro andar. ulros marchefados de madreperola ana tranca-
de praia uourada, outros de velludo etc. etc. Para
!arm tem gosto c dinheiro, um lbum as.sm per
cito sem duvida o mais apropriado para ael!>-
Aluga-
ama boa casa pan qualquer negocio, com sotao
para morada independenle, sita na praca da Boa-
Vista n. 18 : a tratar no fim da ra estrella do
Rosario ao voltar para o pateo do Carrao n. 47.
Sr.
Precisa-se fallar ao correspondente do
Augusto Dias Mariins, negociante do Aracaty, a ne
goeio de interesse do mesmo senhor; e para isso
pede-se-lhe que se sirva de anuunclar o
sua residencia.
se depositar os retratos de charos pas. Lons pa
reul-se amigos. Em quanlo, porm, easca albun-
se tornam nolaveis por sua perfeuo e bom gost,
ouiros recebidos na mesma orcasi.10, se tornam re-
commendados pela commodidade de precos a vista
da boa obra. Assim pois o prelendente sera ser
vido conforme o dioheiro que quixcr dispor para
lugar ue eS:;e m arhando soriimenio para 24, 50. 60 t 80
retratos: na ra do Queimado, loja d'Acuia Bran-
ca n. 8.
Empreza dos trildo urbanos Kecief
Api pucos iiia j Bp>
Tendo ebegado da Europa as informaedes e dese-
nbos que os concessionarios do privilegio manda-
rain vir pelo eagenbeiro quo tora de execular a.
obra, os concessioGarios abaixo assignados resolve-
ram formar urna companhia com o capital de ...
360:0005080 em aeges de 303000, com as ecudi-
goes que serio apresHntadas aos que tuizerem to-
mar acedes.
As pessoas que qnizerem ser accionistas desta
importante empreza, podem dirigir-se qualquer
dos abaixo asignados, ou aut> correctores Vascon-
cellos, Mamede, Guiraares, Gatis, Doubourcq, Ma-
cedo, Seve, ele.
Bario o Livramrnte.
Joxt Bernardo G. Alcoforado.
A. Luis dos Santos.
Os abaixo asignados havendo contratado rom o
governo provincial a collocacao de trilhos urbanos
da cidade do Recite al Apipncos, e tenda obtnlo
as inormaeoes njrw eram inifispensaveis para a
execugo da empieza, teem resolvido formar urna
companbia anouyma \ ara a sua realisago, e com
as seguints haces :
Artigo l. 0 capital da couipatilna ser de tre-
zentos runtns de ris, dividido? em aegoes do 305,
realisaveis em presUcfns, seirdb 25 por ernto logo
que esliver formada a cempanhis, e o reslaoto nos
prazos indteados pelos rnnrrimiflnr. precedeodo
aviso de 30 dkas.
Podcra, ^rm, este capital ser elevado ris
400:0003000. se para o fiHnro quizor a companhia
fazer protoajtau^cuto ou r*ua.
Arl. 2. Os empizanos se obrigaiu a fazer as
obras que foi em precisas para a collocacao dos tri-
lhos, inclusive as desapropriagoes, ponte de ferro,
que tem de ser collocada no rio Captbaribe, duas
estafos para recolbimento do tren rodante, e dos
objectos da compaulua, que >ei ao com a simplici-
dade possivel, tendo-se somenle em vista as ac-
cammodacSes e segoranca, sendo urna no baii ro de
Santo Antonio, h outra as proximidades da exlre-
midade da linlia ; a foiuecer 10 carros para pas-
sageiros e 2 para-carga, u3 locomotivas, e Itidislo
nos prazos estipulados no contrato.
Art. 3." Cendradas asobeas serio os trilhos com
os objectos cima indinados entregues companhia,
que, desde logo entrar na posse e administragao
da empreza, e gozara dos privilegios, bencfis e.
vantagens que foram concedidas aos emprezarios,
salvas as d'uposieoe* aqu declaradas, som que de
parle purte poss;t us empremis exigir imis do que a referida quan-
ta de Irezenios conlos.
Arl. i." Os emprezarios so ohrigam solidsria-
menlc ao cumprimento do que lira declarado, do
que se lavrar aMu autbei Art. 3.u Pela assignatura se obrigara os accionis-
tas ao que fica declarado 8 ao pagamento das pres-
lagoes nos lempos que forem declarados. Nocas,
porm, de nao pagamento de qualquer das presta-
goes em dilo lempo, perder o accionista o direito
das prestacoes ou eulradas que houver feilo, e
quando nao realise a primeira, poder ser coagido
judicialmente ao pagamento da tolalidade da
accao.
Art. 6." Nao ser periMHtda a transferencia de
acedes, ou dos recibos provisorios, antes de csia-
rein integralmente pagas, salva a respon-abilidado
do accionista, "u cdnsentimentodos emprezarios.
Arl. 7. Logo que esiivcreni tomadas as aegoes
serao os estatutos submettiilos ajiprovacao dos
accionistas para que seja logo encorporaria a com-
panhia, sem que todava por esle facto lenlla ella
qualquer ingerencia na factura das obras, chamada
c recebimeuto das preslagoes.
Art. 8. Aos empresarios se reserva o direito de
recebar da thesouraria provincial a quanlia de de-
zoito contos de ris, que Ibes tem de ser paga ern
quatro preslagoes, para indemnisacao do adianla-
mento que leem de fMM para desapropriafoee, se-
gundo o i|ue esta estipulado no contrato.
Art. 9." Os emprezarios tornam por sua conla e
risco cem conlos de ris em aceces, ser um
delles director nato em quanlo forem accionistas,
e ter patvagem giatuitaem qualtpier dos carros
dacompnihia.
Art. 10. Fu entendido que asdespezas al ago-
ra feitas, e as (pie se hmiverem de tazer para en-
corporacao da companbia, registro?; etc., serao por
conta dos emprezarios, por modo que a companhia
entre no gozo e posse da empreza para ser explo-
rada por sua conta e vantagem, mediante o capital
declarado.
Art. II. Nao se faz o calculo dos lucros prova-
v.'i e das vantagens da companhia, porque esta
apreciago est ao alcance de lodos, e nao dese-
jam o> emprezarios fazer nulrir esperangas que
paregam exageradas, posto que cttectivamenle o
nao sejam.
Hurfio do Lirramrnto.
Jos lirruardo Galvao Alcoforudo.
Antonio Lniz dus Sanios.
Antonia Luiz de (Hiveira Aze-
mdo A C
Asante* do Banco llnio do Porto.
Competentemente autorisados sacan por todo
os paquetes sobre o rnesmo Banco para o Porto s
Lisboa, e para as seguiutes agencias.
Londres sobre Banh o Londnn.
Aluga-se urna prela para o servigo externo
de urna casa : na ra dos Coelhus n. 9.
Alaga-se o sobrado ra de Aguas-Verdes n. 27 : a tratar na padaria
da ra Direila n. 84 ________________
Casa para ilutar na ra A > Crespo
Aluga-se a principiar era 1 de Janeiro prximo
futuro o sobrado de tres andares-da ra do Crespo;
n. 9 : quem pretender, dirija-se: ao esiabelecimen- i
lo da loja da mesmo sobrado, ou im de u. 13 da es(ima"que os apreciadores do boindo as prrlo
mesmarna.____________ j maria> inglczas, por isso mandn vir o esnl^ndhlo
a tratar --ortiment que acaba de receber, e m arredilado
nomes dos bem conbecidos f.ibrimnlcs J. Ooncn
(S C, Napileo Prire A <".. sao bastantes para ro-
nhecer-se a superiuridade dell.u. Omsistr esse
sortimenloem pequeas quaalidi
Carteira < boltat para
viagem.
Na loja d'Aguia Branca, rus do Queimado n. 8.
vendem-se carteiras eon crrelas para iraze-las
I tiracolo, e bolsas de tpele, ludo para viagens.
Perfumaras inglezns.
A Aguia Branca, conhecend a bem merecida
Aluga-se ama casa em Belienb
com J. I M. Reg, ira roa rio Trapiche 11. 34.
Precisa se de urna ama para eozinhar e en
gommar para duas pessoas : na ra do linpcrarrir | bYoc variado
numero 46.
Precisa-se de urna casa- com
rentes para habitago de peqnena familia ;
re-se no bairro da Boa-Vista 00 immediagoes -, nao
se duvida pagar bem : a tratar Da ra do Viga-
rto n. 9, primeiro andar.
lloriST DEFERS
19Rua Nova -19
Frederieo Gautier, cirurgiao dentista,
fai todas as operacoes de sua arte, e col-
loca dentes artificiaos, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
Sdidas lhe reconhecera.
Tem agua e pos dentificio.
Haver sorrete todos os dias, das O horas em
diante, advertindo que o mai* asseiado c liem fei-
to possivel : no bem condecido caf dos Arcos.__
O -r. Jos Antonio Floresta Bastos estudan-
te da laculdade rie direito trtn urna carta de im-
portancia viuda ri 1 Babia na rua du Crespo n 23.
C'oi>anliia ldelilasie ti*
segtiroM maritinioM e ter-
restres estabelecida no
Klo de laneiro.
AGKNTKS EUPBPNAMBGCO
Autauiu Luiz de Oliveira Azevedn k C,
eorapeteuleraeute autorisados pela direc-
; toria de, teman seguros de navios, mercado-
ras e predios so sea eseriptorio rua da
Cruz n .1.
- Precisa-se da ama ama esertrf* que sa>.
eozinhar e engommar, |>ara casa de pouca familia:
na rua do Queimado 0. 44, primeiro andar.
Precisa-se de um Porlnguez novo : na paria
na em Santo Amaro, atraz da fundigo do Sr
Starr.
wmmmKi msm mmmmm
Waqnps sobre Portugal. ^
0 abaixo assignado, autorisadu pelo ||
Banco Mercantil Portnense. e na ausencia 35
do Sr Joaqnim da Silva Castro, saca ef- |
fectivamente por todos os paquetes sobre
as pragas de Lisboa e Porto, e mais Inga- gl
res do reino, por qualquer sonima vis- jj
ta, e a praso ; podendo, os que tomaren o&
saques a praso,receberem avista, no mes- 3
mo Banco, descontando 4 0|O ao anno: na |
loja do chapos da rua do Crespo u. 6, ou
na rua do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
_ aVs de differf nte* e agradavers extractos de pri-
proDorcfios de- meira quabdade em frascos de diversos tamaito
prefe- e formas, fazendo-se notaveis 1 ire elles os !*
vem em urna carteira de ir-, com os quaes por
sua elegancia e boodede se f./. um b.-Hopresente ;
assim como outros fraseos com finas esseorias con-
centradas, outros rom excellentes ol-es para ca-
bellos, e oulros finalmente rom agua de l.avamtcr
sublimada ; e bem assim finos abneles em paro-
les e caixinhas com tres, bonitas e delicadas al
mofadinhss com pastilhas cm p, as ijuacs destoa-
[;; do-se no: guarda-vestidos, eommodas, etc., aesn so-
deixam toda a ronpa rhejrosa, romo afagrntas*
baratas, Fragas, etc., etc. Em qnanto, pwrem, a
commodidade dos precos j nao enira em dsmste.
nina vez que o prelendente romparega munido *e
dinheiro e drnoslo a fazer gasto na loja d'Agoi
Branca, rua rio Queimado n. J.
Balas grandes e caretas 4
borrachi.
Excellentes brinquedo> para enancan: ve
se a 500 rs. cada urna : na na do Quenadav top>
d'Aguia Branca n. 8.
Fspelhos 69tn moWmiH pre9a$
c, tlnurmlns
A Agina Branca, na rua do Queimado a. S^fe-
ceben um Som sor.'imenio de espelhos e> ditCsvea-
tes tamauhns com molduras prctav e d.itirad.e
os est vendando per precos ronnatas
Pape/ ingtez
A Aguia Branca, na rua
cebeu um novo sortimento de papel inglez lisea
pautado, alnaco, de peso, e peipieno, vindo deste
tamhemeom beiras dnuradas.
Errfeites invisiyeT*
A Aguia Branca, na rua do Queimado n. rt, res
heu novos enfeites invisiveis, os qnacs ocla firmen,
do tecirin e bom gosto tem merecido tanta esttaso
Prepares para flores.
A Aguia Branca, na rua do Queimado r. 8, re-
cebeu novos prepares para (Tores, sendo papel as-
eares para rosas, dilo verde para flha>. olba.- 4k*
panno e velludo, eaixas de trigo, ditas de ursse
brancas e rxas, o romo sempre roniinaam *mt
vendidos por precos commodos. ________
Soinhoscom rsM, paleitrs.
Moinhos grandes com rodas, patente*, c a ti. inga-
dos pelo fabricante para moerca#, c profino* pa-
ra refinaco por seren de esperial quabdade c >
1 todos os tamanhos : vendem-se nnieantente *< den-v.
silo da rua da Cadeia, loja de ferragens n. "* A>
de Bastos.
miicio.
mm
*mm\
Vende-se unta boa tatn-iTia milito nfrecri !
tanto para a Ierra como para o malo, t am res
: modos para morada de familia : sjsen pretenslrr
. dirija-se a rua Imperial n. t>. que achara roo
quem tratar.
Vende-se a mearan da casa da rua da Sole-
rxcellenlf uva chutan* no aliimo
O abaixo assignado faz sciente ao respeita-! dade n. 44, com 6 quartos, 2 salas, resista fdra e
vel publico era geral qne nao casado com a Sra.! bom quintal : a tratar tu rua da Isnpirafti n.
Emilia Rosa de Carvalbo, e que tudo quanlo a
mesma senbora posstte direito algum tem o abaixo
assignado porqneella trahalha independenle, sob' vlASf
sua direegao, na casa de pasto na rua da Cruz n. Vendse na roa rio Imperador n. 14, easjnm M
II, ou em OUtro qualquer lugar aoude ella julgar ir,-lVe>si do Oiivldor a 800 rs. a Wha
conveniente, para seu negocio. ------------------------------------------------
____L____izz2!2l GAZ GAZ GAZ
- Quem preci-ar_ de um mogo para caixeiro Vende-se gaz de primeira qnalid;de a
Ciim ortica de escripia por partidas simpes ou .nM i i
dobradas. dando (langa a sua conducta, dirija-se ao : 10|5 a lata : DOS armarm.s da ra do lm-
palco de S. Pedro, sobrado n. I, segundo andar. perador n. lo e rua do Trapiche Novi. i. 8.
um*. eserava ou escravo para, Milito a 3gMttk
Hospicio n. 62. tendem-se na rua da Madre de Dos o-, -'i i.
-- Precisa-sc de
aligar : na rua do
Na pra.-a da Independencia, loja de ourives | saceos grandes com milbo novo.
a. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedras | 11
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-1 tOlt ilS
commenda, e todo e qualquer concert.
Pvrsa-se de 5005 a premio, dandn-se por
segaranea em hypolheca urna eserava : quem
quizer deixe em carta fechada ne>ta tvpographia
com as iniciaos A- T.
- Precisa e alugar um escravo para comprar >
e fazer outros servigos de casa de pouca familia :
na travessa da Madre de Dous. armazem de Rarros
& Silva.
COfflPIAS.
Compra-se onro e prata em obras velna;
daga-se bem: na luja de bilbetes da praca da In pendencia n. 22. ____________________
Compra-se effectivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem :
na rua larga do Rosario n. 24, loja de ourives.
J. Falque previne os seus numerosos fr psean
que elle acaba de recebiT pelo ultimo vapor fr.n-
cez um esplendido soriimen'o d-allmns para re-
tratos, de diversas qualidados e gestos, m n lo pira
20 ale 200 retratos e de 25 a t'>0-"> gradala
Albuns pequeos proprios para seamn* de i
'.'ti reta iabos e de 15 13WO-
Albuns para desenlio de diversos inianb> 0
gostos de 5 303.
Livros de missa. de tartiniga, anSraaetVla e
marlim, por pregos racoavet*.
* Rna do Crespo 4
Paris
Hamburgo
Barcellona
Madrid
Cdiz
Sevilha
Valencia
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Barceliue.
Bastos.
Beja.
Braga.
Braganca.
Faro.
Oliveira
neis.
PenatieL
Tavira.
Villa do
d'Aze-
Frederic S. Ballin & C.
> Joo Gabe & l-'ilho.
Francisco Rahoba A Bullista.
> Jaime Meric.
Crdito commercial.
. Gonzalo Segoria.
i M; Perera Y. Hijos.
Em Portugal.
Angra Tercwra.
Caminha.
Caslello Branco.
Chaves.
Coimbra.
Covilha.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pinhai.
Porto-alegre.
Thomar.
Villa Nova
Pnrlimao.
do
Figueira.
Guarda.
Guimaraes.
Lagoa.
Lagos.
La mego.
Loiria.
Mongao.
Moncorva.
Regua.
Sciubal.
Vi anua do
tollo.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
Vende-se um sitio cm Bemlica atargm *
Capiharibe, ctim casa pan pnale familia, sr* >r*s
de fructo, c algum terreno para plan'ar >o :
o pretender dirija se travessa da Mana ds veo
numero 7,_____________________________________
Mchiiias e prensas para alf^ia*.
(^hegaram agora da America as verdndeira* wa
chinas de diversos tamanhos para devrssrorar -.1-
godo e prensas de melhor >y-lema pan enlardar
o mesmo : a ver e tratar ua iransaa i-ir>orai
n. 2.
Cii-Sl
urna negra de bonita figura, que saiba lavar, en-
gommar e co.-er bem, e coja idade n" cxceda a
25 annos. agradando paga-se bem : a trab.r no es-
eriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira i Filho.
largo do Corpo Sanio n. 19.
" Compra-se nina bomba para caeimh nuera I supermrqnlidrie a tratar as tsanain n .
a tiver, dirija-se rua da Madre de Dos u. 14. Cresp0 n. 7, Impera lor n. 2K. PWti>rBbfl
Coinpram-se jornars a 15 a arroba |iara cm-
brulho de cigarros : na rua larga do Rosario ns.
17 e 19, confronte ao quartel._____________
Superior cal de Lisboa.
Senrie-se superi >r cal "to Lisboa a mafs nova
ha no mercado tanio em parean como a re
por barato prego alianrando-se ao ron
do Sr. Villa defronte do irapi^ti. .. i
__Comprase uma batanea grande com pe$09
ou sem elles: quem tiver declare na rua do Quei-
mado n. 18 A.
matem
godo.
Vende-se um eofre
n. 22, toreeiro andar.
na ru.i d<> Livra:Mfsrte>
TENSAS.
Cas-
Conde.
Villa Real de Vizeu.
S. Antonio. Faial.
NojMPKnio.
Baha. Maranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somma praze ou visia,podendo logo
os saques i prazt' serem descontados no mesmo
Banco a razao de 4 por cento ao anno : a malar
na rua da Cruz n. 1._____________________________
Preeia-se de um caixeiro que tenha pratic
de taberna e qne H fiador a sua conducta, pan
tomar tonta por balance, na rua Dircita dos Afoga-
dos n. 36: a tratar a mesma. Prefcrc-sc qne
seja portguez.
Vndese a taberna de ifaatrn postas aa
rua Nova n. 48, com poocos aaaan ana aire-
guezada.
Kofeites a Mara ia.~
A loja da Aurora, ua ma larra da l i receben ricos enl-'iles a Mara Pa -los mijs santW-
-----V>nill!P, CaiXOS Va/.'OS nrOlirinS nos que tem cnegedoa este oierradn; .,i).m ,;
mandar baar rara aawftfra pode in.imwr i -- <
com penhor ; assim como rerrfeea nenie* de torta
ruga muito boas, tanto para alizar cuno para l -
chos e tambem para rojasa ; carril* |.r.
muito finas, tanto para seatara como pai i
meHina -. finalmente trm ataaaa sortimento de
miodezas : vende-se tudo barato.
1S76II
para baholeiros e fnnileiros a
cada nra: nesta typosraphia,
i*oaaaaa da nnssia.
da mais superior desembarcada honteni : vnde-
se no eseriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira a
Filho, largo do Corpo Santo n. 19.
Vefidc-se cal deUsboa nova e boa, maila-
rato do que em oulra qualquer parte : no largo de
S. Pedro n. 17.__________________________________
Na ma da Concordia n. 73, vende-se uma
canoa nova, ainda to estaleiro, multo bem con?
trnida, do carga de 1,000 joios de alvenaria gros-
1 sa, por prego commodo.
Viadas.
Vcnde-sca ramio man viada por 105
raazefli do sal da rua Imperial n 221.
aoar-
Vende-se
duas grandes miiramhas recolbidas, de ad
13 lOannrs, com as principae* baMHdada
melhor conduela : na travessa do Carme n. t.

i
. -
MUTILADO


-----------'.--

Diarlo c rcriukiet Megnada lelra 14 ale Outubro de 18114.
I
SO PUBLICO
Sem o menor constran-
glmento se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
ATTENCjO
Os urecos da seguate
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de lia-
se para o ajuste de contasj
con os portadores.
HITA 1A I'AIIEIA 11(1 RECIFE IX. 53.
(Logo passaodo o arco da Conceiria)
Cirande reduceo de preeos, equivalente a dez por cento menos do que outro qualquer
annunclante.
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o prega da manteiga ingleza a l,ooors. a libra, bem assim o de outros1
amitos objeelos, ele, dando com isio ocasiao a todas as espeluncas acahaivm porbom preco a manteiga de tempero, e gritaren em
alta voz, que podem vender pelo prego que eu vendo !! Ora, en olfendido com estas obscui idade e receios.0 em adoptar o mesmo
systhema que vita encontrar, de so se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta giande reducgSo de preeos, como veris
pela seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertma do momoravei aromen de molhados UniSo Blecantil nao
8e sabia de outro prego de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a 1,600 rs. a libra. Hnje porem, resentidos da redueco a que
esto obrigados, encarando todos os das de seus freguezes reclamarlo de pregos, e qualidades, vingam-se de um e outro pohtadoi es
mal informado ileste novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
tao smente obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presid, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromplido e entei-
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me daro a proleccao e preferencia na compra
dos geuents que precisarem, e quando n<> pogam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouro praticos, pois
sero tao beui servidos como se viessem pessoaluiente, bavendo para com estes toda recommendago, afim de que nao vao em outra parte.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente rs. e em barricasde 4 duzias se faz abati-
escolhida a 800 rs. a libra, em barril se ment.
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem viudo ao
mercado a 5(>o rs. a libra, e em barril ou
meios a 5oo rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,fioo rs.
a libra.
Idern pe ela o mais superior do mercado a
2,800 rs.
dem huxim o melhor que se pode desejar
nesle genero 2,0oo rs.
dem preto homeopathico por ser de superior
qualidade a 2,000 rs. a libra.
dem liysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o 1,600, 1,80o e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regu'ar, igual
ao que se vende em outra parte por 2,4oo
e2,too rs.
l.inguigas, chourigas e paios em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5.5oe rs.
garante-se seren superiores aos que vem
em barris.
Chourigas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e l,5oo e 600 rs. a libra.
Queijos flamengos muito frescos chegados
nesteuliimo vapora,2oo rs. edo vapor
passado a l,6oo e l,8oo rs.
dem londnnos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz aba 1 i ment.
dem praio muito fresco a 800 rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e lavas portuguezas em latasj pre-
paradas a 6io rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezonio do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglesas para fiambre chegado nesle
vapor 72o rs a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,000 e 5,5oo a
duzia,
Choculate francez, suisso e hespanol a 9oo
l.ooo e l,2oo rs. a libra.
Espennacete em caixinbas contendo 6 libras
por 4,0110 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambemtem
de 12 por libra propria para carro-
Peixe em p^sta sovel, corvina, gors. pesca
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.000 rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs
a libra, e 9, dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 280 rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Paingo e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarro e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,000 rs. a caixa.
dem e talherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse hm.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
por 2,000; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,8oo; ditas imperiaes emlaias
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 4 e meia libra
por i,2oo; ditas em caixinbas de deversos
tamanbos com bonitas eslampas na caixa
exterior a 1 ,2oo, 1,5oo, e 1,80o rs.
Azeite doce refinado Henanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,500 a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 160 rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l,ooors. e 11,000 a duzia-
Palitos para denles a 14o e I6ors. o mago-
Sal refinado em irasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
cana de iecrei u> aua pn>pria eiicmimieiiua mu grano e variado >ort miento
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o proprietario em
offerecer aes seMS freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos pregos, ahancando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a.32o, 'Cerveja branca e preta das marcas mais a-
4oo eooo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a 4oo e 5oo rs. a garrafa, emeanada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de I duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de I duzia de 9,ooo a
10,000 rs. ea 9oo e l.oooa garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
da, salmo, ostras e chernee, vezugo em; Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 800 e l.ooo rs. cada urna.
Vinho Bordeaux das marcas mais acredita-
cado a 2,8oo rs. a barrica,
libra.
e 24o rs. a
das que tem vindo ao nosso mercado a [ Bolachinha de soda em latas com diversas
6,000, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante-i qualidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinbas muito proprias
qualquer nao pode vender por este prego.! para mimo a 64o rs.
Genebra de H 5,7oo rs a frasqueira. libra e 6,ono rs. a caixa com 28 libras.
dem de laranja verdadeira de Altona em 1 Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grandes a 1.000 rs. o frasco, e
H,ooo rs. a duzia.
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de- casca mole a 32o rs. a libra.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo Bolachinhasd'agua em sal da faVrica do Beato
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 4ors. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinba de Franca muito nova aSoors.
Charutos de todos os fabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conocidas Do
nosso mercado a 2,ooo, 2,5'-o, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
l,owo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-S
bras por 2,ooo; dito em caixoes a 600 rs.
cada um.
Farinha de aramia verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banba de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinhe de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento etantas por l,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
Amendoas confeitadas de 800 rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 1,000
rs, a libra e 800 rs. sendo em barril,
dem france/a a 6oors. a libra, e 56o rs.
sendo em barril.
Cb uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para eima a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para
cima a 2,7oo,
Licores francezes e portugnezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Tunn, Botefim, I
morangos, liman, caf, laranja, cidra, gin-
ja, canella, cravo, rlela pimenta a l.ooo
rs. a duzia l.ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no mer-
cado.
dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e inteiros a
e de 8 libras para cima
i bras
4GENCIA
Da
FUNGI LOW-AOMOOEE
Itua da Senzalla uova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
nm completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenbo, machinas de vapor
o tachas de ferro batido e coado, de todos 01
tamanbos para ditos.
Arados americanos e machinas par
lavar roapa: em casa de S. P. JohnstOQ 4 C,
rna da Senzalla Nova n. 42. _________
Vinho do Porto superior
dm caixas de urna e duas duzias : tem para ven-
eer Antonio Luiz de Oliveira Azevedo& C, no sen
escriptorio ra da Cruz n. 1.
Fabrica Concedo da m
Bahia. I
Andrade 4c Reg, recebem constante- ^
mente e tero venda no seu armazem n. S5
34 da ruado Imperador, algodao d'aqael- S ^^''r^^'^ST^K
la fabrica proprio para sacras de assu- g* PJg" ^ d m 5
ear, embalar aigodao em pluma etc., etc., ft
pelo prego mais razoavel. ?0
Na toja de faz em las ha-
ratissimas de Duare
Horges da Silva, ra
da Imperatru n. W
Vende-seo sepinle:
PECAS de panno de linho com 25 varas a 8,
om p)uco estreito, mas excellente para toalhas.
DITO de dito adamascado com 8 palmos do lar-
gara para toalhas de mesa de jantar a 2400 a
rara.
CASEMIRAS de duas larguras e de urna s cor
muito boas para roupa de meninos e soutembar-
ques a 35 o covado.
TOALHAS airochoadas milito boas para enr.hu-
gar o rosto a CA a duzia ou 300 rs. cada urna.
CAMlittAIA branca fina om saipicos miudinhos
a 640 rs, a vara. metade do valor.
OLIADOS de bonitos e elegantes desenhos para
cobrir mesas a 15 o covado, para acabar.
LAAZI.MIAS de padroes novos e muito agrada-
veis tanto na boa qualidade como no prego de 320
rs. o covado, e finalmente o respeiiavel puhliao
achara constantemente nesia dila luja um helio e
variado sortimento de fazendas finas e grussas a
vido ganhar
nao menciono
mais fazendas no presente annunrio porque impor-
tara so n'uma despeza extraordinaria cuja des-
peza reverter sempre em beneficio dos comprado-
res, pedindo ao publico que nao deixe de ler todos
os dias este dito presente annuncio, pois haver
mudanca nos artigo? cima dilos, isto a propor-
cao que se orem acabando.
Ba da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P Johnston C,
sellins e sillines inglezes, candieiros e casti----------------y
jaesbronzeados, lonas inglezas, fio de veta, J^nipreZa de lllUIIimaQaO
ehicotes para carros e mo''taria, arreios para carros de um e dous cavaos, e relogios de
ouro patente inglez.___________________
\ tea (rao
Vende-se barris com alcalrao, na ra da Cruz
n 23. Bfimeiro andar, escriptorio de AntoBio de deverao assignar logo dpois de prompto o servigo
Almeida Gome< reclamado; isto para qtie a empreza fique scierue
de haverem o* mesmos sentares sido devidamente
attendidos.
Todas as vendas de apparelhos e reelamacoes
(por escripto dando o nome, morada, data, etc.),
devein ser leitas no armazem da ra do Imperador
n. 41. Os machmistas mandados para attender a
estas, apresentarao um livro que os reclamantes
P0T4SSA
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a cor natural
dos cabellos.
A agua florida nao urna tintura, facto cssen-
cial a contestar, a mesma agua dando a rdr primi-
tiva ao cabello. Cmaosla de plantas exticas e
de substancias inoiT-nsivas, ella tem a propnedade
de restituir aos cabellos o principio corante que el-
les tem perdido. D'uma salubridade incoutesta-
vel, a Agua Florida entretem a hmpeza da raheza
de.'troe as caspas e impede os cabellos de cabir
Oleo de Florida
Composte de substancias vegetaes exticas, elle
: constite poderosamente, com a Agua Florida, a
forga, a bell za e a conservaeao dos cabellos.
Em Paria, casa de Ouislaur n. 12, ra de Riche-
Iieu, e 21, boulevard Montmartre.
Todos os frascos, nao tendo intacto e claro, o
\ timbre prateado da casa, sao reputados falsos.
Deposito, ra do Imperador, pharmacia n. 38.
Balaios para meninas
Lindos balaios de varios goslos para meninas
trazerem no brai;o : s se encontra na loja do Bei-
ja-Flor, ra do Queimado n. 63 e 69.
Extratos e sabao em eai-
xinhas
Lindas caixinbas com um rarlao rom a familia
imperial, e dentro de cada caixa um frasco ou sa-
bao o mais fino que passivel: na loja do Beija-
Flor ra doQueimado n. 63 e 69.
Machinas de vapor epa-
ra descarocar algodlo.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido, coa-
do e de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e
de carrosa com mangas e
eixos de patente.
Ra do Brum n, 38, fundi-
Vende-se gomma de aranta muito nova e
Vender possa e.m harns a commedo preco o alv.i a 100 rs. a libra, e em sacco a U a arroba:
na na da Cruz n. 23, primeiro andar, eaeriplori: na ra das Cruzes n. 2V esquina da travessa o qRq QQ JjOjflUa.
de Antonio de Almeida Gomes. Ouvidur,
desejar a 2,6po
14,8oo rs.
dem menos superior a 2,4oo ede 8
para cima a 2,3oors.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
cada tima a 2, 3, 3,Soo e 4,8oo rs. a lata
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2.800 rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,800 rs. a libra.
dem mais baixo bom para negocio a l,5oo
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,600 rs
dem prato mercado a 800 rs. a libra sendo inteiro.
Genebra marca gato a 1.7oo rs. a garrafa.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine eoutras mul-
tas a i ,3oo e 1,4oo rs.
Fumo americano em chapa a i,Coors, a
libra.
Arai uta de todas as qualidades.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 3$ a
caixa e 60 rs. a libra-
Balachinha de Craknel em latas de u libras
bruto a 4,000 rs.
dem inglezas em barricas a mais nova do
mercado a 3,Soo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 800 rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Papel de botica de excellente qnalidade a
21oors. a resma.
Potes com sal retinado a 48o rs. cada um.
Bicos frascos com ft utas francezas em calda
a melhor que se pode desrjar de l,4oo a
3,ooo o frasco.
Fruas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, pinja e outros muilos a 12o rs. a
lata de 21|2 libras.
Foijo verde em bages em latas a 64o rs. a
lata.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 600 rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e nutras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a 10,000 e
l,ooo rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,000 a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,006 rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
coniposico a 500 a garrafa e 4,000 rs. a
caada.
Farinha de matarana a 2i0 rs. a libra.
Ricas caixas com litros a l,ooo rs. cada urna.
Ricos livros com figos l,oon rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrames com 4 '/a garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafo.
dem com 4 '/s ditas de venagre a 1,00o rs. o
garrafa.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com aancorpta
dem em pipa puro sem o Intime a 2oo rs.
a garrafa e 1.4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda mudo especial a 6,800 rs.
2,000 rs o parto, a 6,800 a caixa e 4oo
rs. a libra,
dem coriuthias proprias para podim a 800
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra
Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra.
Grao de bico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 64o rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a l,6oo rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para hambre inglezes a Too e 800
rs. a libra.
Chourigas e paios mnito novos a 64o a libra.
Caixas de (raque n. 1 a 8)5500 cada urna.
Massas para sopa macarro, talharim aletria
a 4oo rs. a libra.
Copnac verdadeiro inglez a 8,000 rs. a caixa
e8oo rs. a garrafa,
dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
parrafa.
Charutos em grande quanlidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a l,5oo,
2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
os mais baixos so dos que por ahi se ven-
dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
(te Casos
OS MAIS AGUANTE!
Duina pertinaz rafa
DE
ESCRFULAS,
OU ERPGOES ESCR0FULO8AI
Ulceras h linfa a repetir.
SYPHILIS, OU MAL VESEREo
ITMORL>,
E bul lindes,
BERTOEJAS.
OPHTHAIMIA.
Hyd.ropi.iia,
Empgerts,
HERPES,
ifiarrox.
mama
KStORlilTO,
Tinlia.
GHAGAS ANTIGS,
Rneumatsmo Chronico.
DEMUDAN BELUL,
Ncrvosidade. \irralaias.
FLTI DE lPI'HITi;. FOTI.
SUPPRESSAO DAS REGRA:. m.
AMENOREHEA.
t>,'
l"i
Ki'ntcac im \ rm
K.M.\( 1A( A.
"' .'/''''y.'.,;., .. ./,
AfFeccoes Ohntta*aa a j g i^zdo,
Assim cojn : 11. v i > i -.
LEsriAd, l\l\. ii- ,1 u .
II H \D \ -, "' '''' '! /!.'- 1
I l\ Ki. 1 -1, I". \. ,
>,
-iii romo lnmh.-m prli fm|imHp m- J IR.
SKM('l) r MMMi ii. 1: r;i r- '
'"oda* esUVEiifc::...,: ,
mente cedem ai-.
nmficinte^ qnaKA-.'la 1
jisst.imeiifr .if.ni v^i
Mi*"
jr)"r^{j :' ffF\


da Madre de Dos.
venda as boticas de Caors A B^rtr.za.
Caf de premeira qualidade a 8.3oo e 9,000 ^ua,_ da Cnu> e loio ;- Bravo i C... r
rs. a arroba e 28o a 22o rs. a libra,.
dem de segunda qualidade a 8.2oo rs,. a ar-
roba e2Go rs. a hra.
Arroz do Maranhao a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem ila India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba,-e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,fino rs. a libra.
LOJA 110 liiA FLO..
Ra do Uueimado n& 83c l(j.
Ilonrcas V rUra.
I.imlas l)Oii'r;i> dt* -luir <|ii- i u:r..ni j.-i,..
mamai, de diwr.-ns leaaaafta* : ai asa i-.ja-
Idero da India comprido a 2,loo rs. a arro- ja-flflr, ra do QorinnHla n.-. m r,o.
Lufas Ir (rllica.
Luvas de pellira hrama < \,- ran para h m- r
e senhoras : as lejas do Leija-rh-r. rna tl< l.hi>i-
mado ns. t:j a (i'..
Indias para iuls.
Lindas Ovellas dour^da> un. lindas f*n* aera
cintos : as lojas do bi-ija-flor, ra do Ou-
ns. G.i t 9.
Capel las para aws>.
rapeiias para m-ivas a :a) rada mu
(liado a- >.; t
ba, e 8o rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-
roba, e 3Co rs. a libra,
dem de sebo muito dura lingindo esparmace-
te 360 rs. a libra,
dem de esparmacete a .'fio rs. a libra, e em
caixa a 52o rs. com 25 libras.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Sis. empregados pblicos a 5,ooo rs. ares- as lojas do bfija-flor, ra do o
ma, j sevendeu por 7. dem amaco pauladoe liso a 3,ooors. a resma,
dem de peso pautada e liso a2,5oors. a
resma,
dem a zul de botica ou fugueteiro a ?,oo rs.
a resma.
Lindas
'dem embrulho de 1,2oo a 1,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 '/> nDra a
1,2oo e 8oo rs. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle l,ooo rs. tambem temos em
frascos para 1,4oo rs.
Conservas inglezas a 8oo rs. o frasco.
Mosiarda preparada em potes muilo nova a
2oo rs.
Molhos inglezes a 8oo e l,ooo rs. o frasco.
Cravo a 18o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a 7,ooo rs. a
duziae 6oo rs. a garrafa,
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e O.ooo rs. a duzia e 5oo rs a garrafa.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l.ooo rs. o molho e
8oo rs. o cento.
Genebra de Hedionda em frasqueiras a 6.000
e 56o rs. o frasco. ,
dem em botijas a loo rs.
Estojes para barba.
Vende-se eatofoacorn e>pelho para barl>a a l.'n)
e 25000 cada um : as ajua do U ija-il. r. iu ik
Qutiinado os. l-'t e 69.
Ilalaios para airaiaas.
Recehou-se m.vo .-orlinienio a Waia*, r'-m
forma de vanos pas-aros, pelo ateaaa pi. aja >W___
1IMXI at' i5 i-aiia um : as lejaa do kaaje-aW. ro:
do Queimado ns. i:; 69.
Filas linas para eiales.
Hicas litas finas l.ivradas de hondas r.'.r.s para
cintos: as Mas do beija-flor, ra do Oueimai!
n. 6,1 e 61.
Extractos ra caivioaas.
Finos extraos em raninhas com o retrato da
familia imperial: as lojas do heija-flur. roa do
Queimado us. 6H e 6!t.
Sabio ca raitiabas.
Finos sahoes em caixinbas real tana* rao
as lojas do ht ija ll-r,rua d. Oiieimadu m*. U c ;.'.
Tilas bnrdadas.
Vendem?" liras bordadas iiansparcnl*, e Uta-
das : as lojas do beija-flor, rna do Quewno a
6.1 e 69.
Jogos df daaria.
Vendetn-e jopos de domin a I52f o IA-H*i
as lojas do buja-l.r, ra do (Jueima.lo o*. .
e 69.
abados bardadas
Vendem-se babados f.ordailos de vanas lara-nra-
e varios pregos : as lojas do beja-Oor. roa de
Queimado ns. 63 e 69.
bafadfirrs de redf.
Vendem-se ateMnrea de rede d. ?arLs r.
dem em garrames de 14 garrafas a 5,2oors. 2?L!l2*L,2.: '.'.s '"J" do N'^.nnd
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes xados em magos grandes
com 2o rs o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominos mnito novos a 32o rs. a libra e
10,000 a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Mdhei alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixcs em latas al,000 rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,000 rs.
Doce da casca da goiaba a Goo e 1,000 rs. o
caixao.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
O proprietario do grande armazem Unin e Commercio declara aos seus fregue
zes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos esiipulon
os mesmos preeos nos seguintes lugares:
Uniilo e Commercio ra do Queimado n. 7.
O Verdadeiro Principal ra do Imperador u. 40.
Queimado ns. 63 e 69.
IdaMpM prrfas.
Tendo-se recebido aderecos pretos de aove ne-
to sao expostns *rnda : as lojas do N-ia-Hnr
ra do Queimado ds 63 e 69.
6iralas para srahtras.
ian?as prav:,,as i'ara *enhora 800 rs. e l>o
,-, : rnS lujiS do ,,tii"flur ra *> gat-iiuad
ns. 63 e 69.
Espf Ibas it ajeMara.
\ endem-se espelhos de moldura prela para 63 e 69 S JaS d bl'iJa"nr- rDa d Qoeima**
Vallas de aljofares
Lindas vollinhas de aljofare eeal erm aV aten
nhas imitando bnlhantes a l000 cada esta'au-
las do beija-flor. ra du Queimado os. 63 e (9.
Colbrrrs para sepa
mSSST? rolher,>s de meial-prinripe para suiu
a 200 cada urna : as loja* do beija-ftW rea J >
Queimado ns. 63 e 69. '
Ia para bardar.
\ ende se la para bordar, a melhor qn-r |i
fi^'i rar'.l*B, na Hialidade. como eas rere,. ,
WUU a libra : as lojas do beija-fh. roa lo Qnti
i mado ns. 03 e 69.
L as mesmas lojas se encontrar sempre -raiufe
isoriimento de mimlea boas, c ro.ii< \ i que em outra qualquer parte
*
< -^ j




Diarlo de Pemambaco Segunda felra 4 de Onlubro de i s*i.
RA 1IO QU120IA1IO M. 4S.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
mm @i wmm.
NOV1DADE
Pereira Rocha & C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Commer-! ?uad,hos de sedar 500rS
n!!e-0iespIeia,el publico encontrar sempre um completo sonimenio dos memores gneros que v<
quaes serao vendidos por precos muito resumidos como o respeilavel publico ver pela tabella abaixo menci
peso e boa quaiidade dus gneros comprados neste armazem.
peilavel publico ver pela
vem ao nosso mercado os
mencionada; garante-se obom
Grande liquidadlo.
Riia da Iniperatrizn. O.
toja de faiepdab do Pavao de ban k Silva.
Atha-se esto estabelecimento completamente
Wlulo de fazendas inglezas, francezas, allen.aas e
nSf8' |ir"l'ri:,s liUlt0 para a pneacomopaiao
m ein-outra qualquer parle principalmente sendo em
poicao, e de todas as fazendas do-se as amosiras'
ornando ticar pentior, ou mandam-se levar em
" pelos caixeirosda loja do Pavo.
As cuitas do Pava*.
Vendem-se chitas inglezas claras e escaras pelo
udratojireco de 240, 260 e 280 rs. o covado, timas
f(*u"s' .J'las francezas de cores seguras a 320,
140, WQ, 400, lio, 480 e 500 rs. o covado, fazenda
^u.' suPeriur e bonitos padrees : s na loja do
. As lazinhas da eiposirio do Pavo.
Jjendem-se l.iazinhas as mais modernas que
i.wn vindo ao mercado, proprias para vestidos e
j --outembarques por serem lisas e de cores muilo
delicadas 560e500rs. ditas lisas com um lustre
coni
rs. o covado, s para ca-
na loja e armazem de Gama tuperatriz n. 60.
0 PROPHETA
AO RESIMBITAVEIj IMHLMO.
RA DAS CINCO POMAS N. 8G
Inquina da nova i-av ssa de H. ioo.
har
t
J??! Maraohao, India e Java a 0, 80 e Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
ar oh l*800, U6e 3*O FanC a 20rs*a libra- rs" a lib,a- '
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeite e Ervilhas portugtiezas a 640 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. | dem seccas muito novas a 200 rs. a libr
Queijos flamengos do ultimo vapor a 2?>800 Figos de enmadre e do Douro em caixinlias
dem prato.
Aa52S francez!s em latas e em frascos a
I52'H) e 10600, e em frascos grandes a
2 >o H).
dem em caixinbas elegantemente enfeitadas
riaSifin^JLA1^1, dascaixasWem londrino chegado no ultimo vapor
a 1520, WOj, l*60Oe2. 900 rs. a libra.
a libra* COtn CaSa mUt nVaS 3 28 rS" ISal refinad0 em frascos de vidro a 60 '
Alptsta a 16!) rs. a libra e a 40600 a arroba.' SardihaTde Nantes a 300 rs.
Azeite doce fauces mnito fino em garrafas
grandes a 96U rs. a garrafa,
dem de Lisboa a6i0 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellaas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1<530 rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a l^ta.
dem inglezas muito novas a 3,5000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 40' rs.
Cha hyssin. huchin e perola a 13600, 2(5,
2J H). 2->80> e 32M00 a libra,
dem prcto muito superior a 2-5K)0 a libra.
Cerve a preta c branca, das raelhores marcas
que vem ao mercado, a 300 rs. a garrafa
__ e 548011 a duzia.
Cognac infflez fino a 90 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, s de pepino, a 72" rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especi dmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 13800,
230 >, 23200, 25500, 2^00, 33000 e
^3500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
^ rs: a libra e 8-55 m a 83800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhos francezes muito novos e
hem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
libra, j
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 6o 0
libra.
Eigos em caixinhas emticamente lacradas
a 1600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejim: Velno de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D Pedro, D. Luiz I. Mara Pa,
Boeage Chamisso e outros a 800, 900 e
1(5000 a garrafa, c em caixa cora urna du-
zia a 93000 e 103000.
dem em pipa. Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 33, 33500
e 43 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
13800, 53500 e 280 rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra,
dem de trigo a 120 rs. a libra.
Genebra de Hollanda verdadeira marca YD
a 560 rs. o frasco e 63200 a frasqueira.
dem em garrafoes de 3 e 5 gafos a 53500
e 73500 cada um com o garrafao.
Graixa a 100 rs. a lata e 13100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa,
dem, quaiidade especial em garrafas muito
grandes, a 13800 a garrafa.
Os vestidos do Pavao.
Vendem-se os mais modernos cortes de vestido
laa, que vieram pelo ultimo vapor, com ricas
ras de cor, corpinho e collete separado ; ditos
> listas de seda e tambem com barras e enfei-
ara o corpo, por prego mais barato do que em
qualquer parte, e so quizerem urna prova
e se diz, mandem ver laja e armazem do
. .'ao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva.
Os vestidos Mara Pia. S o Pavo (83000).
Vendem-se os mais lindos vestidos Maria Pia
de lazinha transparente com listas, e palminhas
de seda pelo barato preco de 8 cada corte : s
na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
As eassas do Pavao a 240, 280, 300, 320 e
360 rs.
S o Pavo vende as finissimas eassas persianas
imitacao de la, com cores finas, 360 rs. o co-
vado i ditas francezas muito finas 240, 280, 300
e 320 rs. o covado, isto para acabar : ra da
Imperatriz, loja de Gama & Silva.
Os madapoloes do Pavo
Vende-se peca de madapolo iufestado com 12
1 f
t-
barcada de pouco a 9(10 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra,
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates era barril a 480 rs. a libra,
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 60 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
dem de Bordeaux, Medoc e S Julien a 700 800 rs.
e 800 rs. a garrrafa, e 73000 a 73500 rs. dem rpgular a 500 rs.
a duzia. Macas linas para sopa: estrellinha, pevide,
dem Morgauxe Chateaulumini de 1854, a 13 j rodinha e^aletria a 600 rs. a libra e a 43
a garrafa, a caixinha'com 12 libras,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa. Nezes muito novas a 160 rs. a libra.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e Peixe em latas preparado pela primeira arte
13200rs. a caada. de cozinha a 13 a lata,
Kirsk garrafas muito grandes a 13800 rs. Paliios de dentes a 160 rs. o maco.
Alm dos gneros cima mencionados te- dem de dentes a 120 rs.
mos grande porco de outros que deixamos dem de lr a 200 rs.
de mencionar, e que tudo ser vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
pecas e carnadas, tanto em porces como Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
retlho- 23 e em caixan a 640 rs.
Quem comprar de 100000 para cima le- Palitos do gaz a 23200 a groza.
r o abate de 5 por cento. jPassas muilo novas a 480 rs. a libra.
dem era garrafas mais pequeas a 800 rs |adas cada Pea P*10 Dara, PreC de 4*. 4oo e
dem, em garrafa forma de pera e rollias de XrftHXa^n,d.! JS'SW : s Pa"
,.,i,n ijunn A ,. ^ao i ra da Imperatriz n. 30, notando que a peca
vdro, a 13000, so a garrafa vale o di- leva urna etiqueta com o Pavo pintado para nao
n"eir0- haw duvidas nem engaos : sto previne o Pa-
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-iv5o'deGama<5''s'lva-
Bramante de Un lio do Pavo
20, # loo. *iOO
Vende-se o melhor bramante de linho puro com
dez palmos de largura por prego muie commo-
do, por ter de araar a factura, a vara por
25200, 25400, e 25600 ; s o Pavao : ra da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Panno de linlio d Pavo.
Desejando o proprietf-.no do grande armazem o Propio in dar
gasaoseu genio emprehendeilor, commeicial e especulativo, rtsolveu reer ;i insoii;
que o assallou, quando as horas caladas da noiie o seu solicito trilito te agitava ii'.m
turbilbao de ideas, tendentes todas bem sei vir e agradar ms granosos liaLil.i -
desta bella provincia, de abrir mais este grande ebtabrleeimrnio mmm i
escolhidos gneros, quasi que especialmente destinados s pratOM ne n < i ..m na frf-
gue/ia de S. Jos, e aquelles senhoies que transitara pela via tenca, para mm tm \ir-
dade sao semeonta o numero das vanlagens que >c Ibes oflerece, iio rctaiohcl a
mndicidade dos fretes, como da facilidade e brevidade da couduevao des objectM cim-
prados.
O sonho do Propheta sera urna verdade pratica tao acceita c ltnrodi ferro m
palavras simples e bem intencionadas dos vellios patriarchas desees Imukm dos, .i .*<-
nhor Deus dos exercitos nao o quizer ci nlrariar.
O Prophela nao querendo restringir-se a forma ordinaria de negociar familia
tambem, depois de profunda meditaciio, de nao vender smente os >vu* genere* a d
nheiru crtente ; mas tambem de por em pratica a troca delles por uniros da prodoc)
do paz ou por escravos, bois, cavallos, etc. Assim, pois, fique ta inteHigencia de I(m < i
que o propheta receber como moeda de qualquer dos senhoies a|tnraltores ;;* car'
algodHo, agurdeme, milho, feijao, cavallos, esclavos, etc., etc. c lies dar o nV>nio valor
em genei os. escolhidos a contento.
Quando a importancia dos gneros apartados for menor do que a dos oIdecto rc-
cebidos por troca, o ropbeta nao demorar a dilferenca que deve dar em dinhe ro
Um estabelecimento que com tantos sacnlicios e despeas acaba de ser abertt
deve inspirar a touos a certeza de que se vender muito barato com o lim de se adrm-
rir crdito e freguezia. '
A aruta verdadeira a 320 rs. a libra. .dem em botija a 300e 400 rs. a botija.
Arrrz do Maranhao, Java e do Penedo a 80,! Graixa em lat s a 1,5200 a duzia.
li'O e 12u rs. a libra, e a arroba a lt>800,
205UO e 2800.
Amendoas a 280 rs. a libra.
Ameixas francezas a lo*00, 104OO e 1000
em latas, frascos e lindas caichinhasmuito |
proprias para memosear alguem,
Amendoas confeitadas era francos de vidro
a 1)5 o frasco.
Alpiste a 161 rs. a libra e a 4,-joOO a arroba.
Azeite doce francez a 90(i rs. a garrafa.
Azeite de Lisboa a 040 rs. a garrafa e 4800
a caada.
Vende-se p,nno de lmhocom 4 palmos de lar- Aeitedoce emboioescom 9 garrafas a 5300
gura propno para lences e toalhas de mao pelo Com o boio.
baratissimo prego de 640, 720 e 800 rs. a vara, al- Azeitonas por todo o preco.
psrjivso sus pSts ra Bisci;il;,s in8lezes de diversas marcas a l mo
assim como tem o melhor algodozinho tanto em ? ,a'a'
largura como em corpo, propifr- para lenres, ca- Bolachinhas de soda, oval c lunch a 2f5000
misas de escravos, etc., etc., prego multo conimo- a lata com o libras,
doS vistada fazenda ; s o Pavo : ra da Im- Rolai hinhas nmpricarm Pin harrias*
peratriz n. 60, de Gama & S.lva. {T nMh americanas em nai ncas
Algodozinho com toque de avaria a 1,000 ris
26
e 4 800 """ '""" ''* Banha de porco da melhor quaiidade a 3G0
Vende-se pega de algodozinho por ter um pe- rs# a ''bra.
qneno toque de avaria, mas que esta em bom es- Batatas em gigOS e caixas por todo 0 preco.
lado, pelo barato prego de 45 e 45500 a i ega ; s Caf moido a 10$' 00 ou r>000 a arroba.
a ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Caf superior a 7,51.100, 800 e 8,5500 a
GRANDE E SMPTOSO ESTABELECIMENTO
DE
movos e lEscoLiiinos k\i:ros
TANTO EM GROSSO COMO A RETALHO
00 MU 1 \OYi O
l'Kiiua casa junto a ponte da Boa vista.
DUAS PALAVRAS.
t Cesse tudo quanto a antipa mu>a canta
HACIIIN4SIEPATEINTK
de trabalhar uao para
descarocar algodalo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & C.
6LDAI
o Pavao
Silva.
Os jnardaapos
do Pavo e s do
arroba.
Cha nesto genero temos o que h de melbo-
assim como tambem temos baixo pelos pre-
ces segundes: nS4'0, l,5Kl>', 1800
240(), 260O, 2800 e :^0i 0 o fino.
econmicos
Pavo
Vendem-se os mais lindos e modernos guarda-
apos econmicos e todo linho, tanto para as casas
de familia como para hoteis, botequins, etc. etc.,
pelo baratissimo prego de 35 a duzia, isto s na Charutos'de tolas'asmplhnrp'' p
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama wiaruios e louas "*rS "?S II
& Silva. ; casdo mercado a 80', l-!>000.1>C0(, 2i5,
Os sontembarqnes do Pav5o 2,8800,35000, l# 00,5^000, 5?>o00 e 65
> 9 e #. I o cento.
Vt^m-se os mais finos soutembarques que Chouricas as mais novas do mercado a 125
r > "n.?L' mer.C3(10> sendo de caxemira de co- o barril com i arroba e 480 rs. a libra, a
m. f: j diminutissimo pr-co de 123 cada um, di- f
tos def mnaambiqae pelo diminuto prego <]
ellas que pechincha.
Limonadas de diversas fru tas a 1000 o
frasco.
Licores inglezes c francezes a 15000, 1*800
e 25 a ganara.
Lingoas americanas a 800 rs. cada urna.
Liripuicas promptas em latas a 152 O a lata.
Manteig ingleza i.este genero o que la ia
melhor a 800 rs. a librae em bail a TOO
rs.
dem mais baixa a 6*0 720 rs a libra.
Manteiga franceza a 520 rs. a libra, em barril
a 6 40rs a libra m n tallo.
Massa de tomates a (40 rs. libra.
Marmelada muilo nova a 640 rs. a lit ra.
Mullios inglezes a 40o e 640 rs. a ganalirha.
Mostarda preparada a 400 e 040 rs. o frasco.
Massas para sopa macar rao, talharim e alttiia
a 400 rs. a libra,
dem finas em caixinhas a 35C00 a caixinha.
Marrasquino de Zara verdaoeiro a l^iiiuo
frasco,
dem mais baixo a 800 rs. e 15000 o frase.
Mimo em saccas'om 20rolas a :i55(0.
l'nzunio inglez para liambre viudo DO u!i;Co
vapor a 8(^0 rs. a libra,
dem mais aivt go a 040 rs. a libra.
dem do Porlo a 640 rs. e sendo inleiro a
5i 0 rs. a libra.
Pascas i ovas a 400 rs. a libra.
Polvo a 1(0 rs. a libra.
1'ainco a 160 rs. a libra.
Pomada a 240 rs. a duzia.
Pimenta do teino a 320 rs.
Peixe em latas a 5UiO a
vina, pargo e outros
Papel de peso a25',0" a resma,
dem hlem muito fino a 45000 e 35^ffcu
dem Hirfiip a id* O.
a libra.
la.a, sav I, cor-

Que outro valnr mais alto se alevauta.t
Acha-se a disposico do respeitavel publico este grande e magnifico estabeleci-
duaspessoaspara
o trabalho; pode
descarogar urna
arroba de algo-
do em carogo
era 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou S ar-
robas de algodo
limpo.
W Assim como machinas para serem movidas por
animaes, (|ue descarocaoa 18 arrobas de algodao
lin'i'D, por dia.
Os meamos lem para vender um bellissimo va-
por que pode f^zer mover seis destas machinas
ment modelo ...oraoveram a esc.lna dos mais superiores gneros do nosso mercado, tSESSti'^lm ver TnSSSSTJTJi
que r>r serem comprados em grande quantidade e pagos quasi todos a dinheiro a vista zera de algodo, no largo da ponte nova n. 47.
deu lugar a obtengo de vantagens, que repartidas como vo ser pelas pessoas que se
dignaran de honrar-nos com a sua fregue/Ja. alentamos a doce esperanca de agradar a
lodos, nao s pelo emprego das maneiras condescendentes e delicadas de que somos ca-
paces, como pea pratica da promessa que fazemos de vender polos pre.os quasi o pri-
mevo custoo nosso magnifico sorlimento.
Pesando muito em nosso animo os meios pecuniarios de que podera despor as
diversas classes da uossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharo
em nosso armazem melhores emais esquisitos vinhos, licores, champagne queijo, etc. lluado Uueimadoog:49 (
etc ele, e aquellos que nio podem dispor de grandes recursos, que s comprara oneces- conloado j como tai, est dispondo da fazenda
Estas machinas
podem descarogar
qualquer especie
trSdao Z Irua ""P^atriz ... 60, de Gama & Silva.
sendT bastante I so >? (a *&)
toalhas de moa o$ cada duzia, na loja do Pavo, I
rua da Imperatriz n. 60, de Gama & S"
Quem tem baloes por tal prego
Vendem-se os baloes americanos muilo
res com 20 e 25 arcos pelo
chique.
dem francezas a 800 rs. o frasco,
i Cevadinha de Franca a 240 rs. a libra.
!- Champagne da mellior marca que ;qui tem
uperio-1 vindo a 205 e 245 o gigo.
niuito bem armados e tambem lem cores escuras i garata.
pelo barato prego de 35500 cada um : s na loja 'ebolas por lodo prego.
a da Imperatriz n. 60, de Gama & Copos lapidados que sempre se vendern) e
Silva.
0 ^avo vende para lulo.
Vende-se supe
de la sem lustre
prio para
pelo barali
se vendem em militas parles a c-'5 c 105,
vendemos a 53J 0 e Ojooo a duzia.
1Coposparavinhoa3500a duzia.
ultimo
es fi uc-
mento de molhados, talvez o primeiro e nico boje existente em sua especialidade, por-
i|ue o mai'ir capricho de maos dadas com mais apurado gosto de abrir um estabeleci-
superior seum aa cnina, razenaa toaa]Cattm tiara inhn n lnnn i H.,,o
i lustre tendo 6 palmos de larpura pro-1^1,,? >\ a du/,a-
i vestidos, capas, paietnts, caigas, etc., |Uoces de calda vindos de L'shoa neste
issimo prego de 23, i$% 0, ijum e 35 o vapor a 6 0 rs. a lata das melhores
Saanders Brothers & 0.
\. II, prava do Corpo anto
RECIPE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Sua do Uueimadu ns. 49 e 5o loja do Barate
ihecido j como tal, est dispondo da fazen
sano, prom-.itemos-lnes servi-los de gneros novos e sadios, escolhidos ao seu contento por lo1" RreS 'ara apurar dinheiro, quem qui-
O real do pobre ser recebido com tao boa vontade, como a moeda de ouro do B?rJao?dL?i^^^Ie ?1seUDte :
lAmnm ri-n Udldllios UO carias l'd\ a \ ullaiete minio
covado, eassas pretas lisas, chitas pretas largas e I tas da Europa
esireitas, manguitos, colarinhos, panno?, e enfeiies, i,jem ,ia
tudo preto profiri par luto fechado, c mu i tos ou-
tros artigo que se vendem por pregos mais em
conta do que em outra qualquer parte por estar
liquidando ; s na loia do Pavo rua da Impera- j Ervilhas em latas a 64
triz n. 00, dejGama & Silva. ,d apn -
As !i,-:<-i!... .6., >.,-, inemstcias a son r.s
homem rico. nmum ao carias para voltrete muito
As pessoas que nos fizerem a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com- ** de inhafrxa'pr bordar'a.V.'i
prar para seu gasto, ou para negociar, voltario satisfeitas, nao s pela boa quaiidade dos Pares de sai,alos d 'ranga do todos os
objectos, como pela fidelidade dos precos, e bom acondicionamenlo. nJSST"e fiuosa...................
O futuro nos Mistificar Massos .le superior grampos para cabellos
u iuiuiu nos jusimcara. Duzias de pa|jt0s de gaz ^ a
j Libras de ara prela milito superior a ..
C A VACO NECESSARIO felUBST/T? T.H.::::
Devenios ao respeitavel publico alguraas palavras relativas ao pomposo titulo que D,tuS de oleo de |ja|Jo-tia mnito nos a 3
um. Ri-la*. rs. e...............................
adoptamos. Ei-ias.
Evistindo neste
vasto
e Qoroseente imperio um grande partido poltico com a D'^ade aua de co">a superior, garan-
denominago de tAz*. parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente, Ditos deibaba"muito fina a'.'.....'!!!'"
capaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos, i Ditos de cheiros muito linos para o preco
Kia-se quem quizer, porque nos tambem nos firemos mas nao se zangue
nnguem.
O nfime urna voz com que se do a conhecer as "cousas. esta a mais
breve, clara ,e sincera explicarlo que, pelo raelhodn repentino, podemos dar.
Mas a quem nao seguir o partido desse systema diremos mais :
Nao oriun lo do Brasil o imponente titulo do nosso estabelecimento. Foi a
muitas centenas de leguas que apanhamos a nossa Liga.
Na soberba e opulenta Inglaterra houve um rei que instituio a mu honroza or-
dem da Liga. O acaso nos fez deparar com a narraco desse acontecimento, que tan-
to sorpreendeu a corle desse monarcha. Agradott-nos esta historia e goslando sum-
mimente do trage do c-ivalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenliar, e col-
locando-o no oitao do nosso estabelecimento, temos assim feito distingui-lo dos outros
que se assignalaram com mitras e coras.
iionnl sol rjiil mal y-pease.
a res
BALOES
AHCOS
Na rua do Queimada n. 40, letreiro verde.
Superiores e bem armados baldes pelo diminuto prego de 2, advertindo que vendem-se
etM prego por ier-se comprado urna grande porgao e querer-se acabar.
por
para o prego
Sabonetes de todas as qualidades a rs.
160, e............................
Novellos de linha com 400 jardas a......
Carnteis de linha de cores com 200 jar-
das a.............................
N'ovellns de linha de gaz de todas as co-
res a ............... .............
Pegas de filas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a.....................
Frascos de snoerinres cheiros. pequeos, a
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a ris............................
Varas de bieos francezes, superiores a...
Opiata para dentes da melhor que ha a..
Fiascos de agua para dentes, superior a
tudo a...........................
Pegas de tranca preta liza muito fina a..
Caixas com 4 papis deagulhas Victoria a
Varas de fija preta com colxetes a......
Libras de la sortida de todas as cores a
Bonecos de choro muito bonitos a......
Caixas de ohreias de massa mulo novas a
Varas de franja branca e de cores para
toalha* a..........................
Fraseos de oleo Philocnme superior a...
Ditos com superior tinta a 320 e ........
Caixas de linha de gaz com 50novellos a
Enfiadores para espartilho a...........
Duzias de boioes encarnados para vesti-
dos a.............................

206
20
1*300
30
200
100
100
200
300
400
640
mo
400
80
60
30
240
200
400
40
1*000
1*000
60
200
40
6*500
160
40
a 200
35500
80
600
300
800
60
200
gmaha e da casca o melhor que
possivel por diversos precos, e conforme
o tamanho dos ca;.\es.
640rs. a lata.
%s percal P'iv< "lcl"f0'"ls **"' fS a libra.
As mais lindas percalas que tem vindo'ao mer- \ ^permaeete americano a l#20fl a libra,
cado pelo ultimo vapor tem na loja do l'avo pelo 'deoi Irancez a oiO rs. o masso com 6 velas,
barato prego de 600 rs. o covado ; ditas de listi- i Figos de comadre em caixinhas muito lindas
nhas muito miudinhas proprias para vestidos e, a 800 rs a caixa
roupoes de senhoras, meninos e meninas, pelo ba-! harinlia Ho iran > QA un ,. a
ratissi.no prego de 300 rs. o covado ; garantem-sei tar.,n,ia ",g0 a i20 e 14 ,S a llhra-
as cores por serem do melhor fabricante que as ;I'arin! tem em Paris : isto na leja do Pavo rua da Im- j Fumo do Para a 18' 0 a lata grande,
peratriz n 60, de Gamau\ S.lva. ____j Fumo americano a 1,5400 a libra.
As chitas do pavo a 8^400 e; Fumo em macinhos para sigarros
$SOO o corte rs 0 maco b
Vendem-se corles do chila com dez covado e\,L JlI. j oa nn m
250O, ditos a 2*800, com 12 covado; sao chitas arel em1 safas de S a 90 W> 8
inglezas, mas padroes bonitos e tintas seguras ; Genebra de laranja 1;S O frasco,
assim tem as melhores chitas francezas e de tin- dem de Hollanda a 500 rs. O frasco,
tas seguras por precos commodos a saber : 320,'
340, 360, 400, 440, 300 rs. o covado : na loja do'
Pavo rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Os bordados do Pavo
Vendem-se camisinhas com manguitos e golli-
nlias bordadas, pelo barato preco de I* e 1*280
cada um, manguitos s 500 rs." cada par, ditos
com golinha a 800 rs., golinhas 400 e ':80 rs., de
fil 240 rs. cada golinha bordada, romeira de
cassa o de fil muito bem bordadas 2* cada
urna, manguitos qae serven para calcinita de me-
ninas 640 rs. cada par, camisa com manguitos e
golas com a competente gravata de seda, fazenda
fina, pelo baralo prego de 3*, e militas nutras
bordadas que se vendem por pregos muito em
conia : s na loja do Pavao rua da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As raimas do Pavo
Vende-se panno preto fino muilo superior pelo
barato prego de 2*, 2*300, 3*, 3*500 e 4*. dito
muito lino 5* e 6* o covado, casimira preta dp
urna s largura e muilo tina a 1*800, 2* e 2*300
3* o covado, cortes de casimira de cores a 55,
53500 e 6*, casimiras enfestadas de urna s cor
Queijos flamei gos do ultimo vapor a 260.
dem londrino a !) O rs. a libra.
dem [lalo a 640 s. a libra.
Rap Mearon a U((i0 a libra.
Sag e sevadinha a 240 e 280 ts. a libra,
Sardinhas de Nantes a 640, 5G0 e 3CU ra. t
lata.
Sabio massa a 120, ifo, 200 e 240 rs. a
libia, e em caixoes por menos.
Sal refinado a 6d0 rs. o \azo (pole de lidia)
[Ttmcinho de Lisboa, de Santos e americano
a 160, 240 e 32o rs. a libra e em ari i' *
a 5, 7, e 9(5000.
Tijolos para limpar facas a 100 rs. cadaum.
Vlnho do Porto em ancoras com 70 gnalas
a 300000.
Vinhos de Lisboa e Figueira qualidades mag-
nificas a 3,5(100. 35( 0 e 4,501 0 a cnida.
Vmho-do Porto em pipa a 5 e 64000 a ranada.
Vinho branco de Lisboa e Porto em ancuas,
barris e pipas a MOOOe odOtio a caada.
Vinagie de Lisboa a 1,5600 e 2#000 a cana-
da.
Vinagre em garrafoes por 1.5C00 com o gar-
rafao.
Vinagre emancotaspara 1 #600 cora a ancora
de 9 cariadas.
Vassouras americanas a 640 rs. cada i ma.
Vinho deHordeaox neste genero temos grande
porgao e das qualidades melhores que lem
vino ao nosso mercado em {tarrajas, en-
anclas, em bafrisequartolas o qual ven-
demos por procos nnnto baixos.
O BAI

proprias para caigas, palelots. coleles, capas e para
roupas de meninos a 3*500 o covado, isto na loja
do Pavo rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva. __^^_
Vende-se superior vinho do Porto em caixas de
urna duzia : em casa de Johnston Pater c C, rua
do Aigario n. 3.______
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e intimamente che
gada ao mercado, em bem acondicionados barris:
no armazem de Manoel Teixeira Bastos, rua do
Trapiche d. 13, por prego razwvel.
DEGLARAGAO.
0 BALIZA declara pelo prezente que
deixa de publicar os pregos pelos quaes ven-
de as suas mercaduras por motivos qne ao
respeitavel publico pouco intereea. Serve
provisoriamente de baze os precos'do Pro-
phela.
,

oitiiKjff no m%.
O BALIZA concede plena liberdade aos
seas amovis collejas Clarins, Unioes. mitra-
dos e croados, para que p rar e tudo mais quanto lhes aprouver, al
a sua segunda ordem.
. -
-

u:--
^ W


IMarlo Ce rersiafeceo -- meguuda letra 4 i tatabro e t34
1
/
vi
0 NOY DESTINO
mim CONSERVATIVO
23Largo do Terco23.
Joaquim Simio dos Santos, dono deste bem sortido armazem de melhados denominado Con
Servalivo do largo do Terco n. T sctentiBca ao respeitavel publico e a todos em geral que mandem
ou venham a este estabelecimento para melhor se serlificarera da diminuicao de presos que obtem
n^ste, o que au obtero se compraren! em omro qualquer. pelo que se responsahelisa a servir qual-
quer comprador com a maior prstela, eldelidade, sem que baja a menor alleracao. Todo o eompra-
a-)f que comprar de 10 para cima ter o descont de 5 a 10 por cont pelo seu prompto pagamento.
Attencao.
Cha hysson miudiohe e pexela a 2.000 2JS5O0 e
2800.
Milho alpista e naieo mnito nove a HH) rs. a Hbra.
Biscoitos bolacha* de seda a I300 e ti
AraruU das meloores marcas a i, i, 3$, 4, e
45500 a caixa.
Charutos em magos contendo 50 por 640 rs. o eento
Azeite doce de Lisboa fino a 640 rs. a garrafa.
Dito de carrapalo a SO rs. a garrafa, e 2000 a
arroba.
Vinbo de Kigueira e Lisboa das meibores marcas a
30, 400, 500, 560, 640 o 800 rs. a garrafa, este
ultimo lo Porto proprio para os doentes por
ser purificado e reeammendado para este ikn.
Queijos do ultimo vapor ae 14700.
Manteige ingleza llor a l& a libra, e a 930 rs. em
barnl.
dem menos superior de 720 a 800 rs. a libra.
Idom franceea do ultimo navio a 560 rs. a libra,
em barril se far abatimento.
Gomma da iruis alva a 160 rs. a libra e a 44300 a
arroba.
liautas as mai novas a 40 rs. a libra e 1*200 a ar-
roba.
Toucinho de Lisboa a *80rs. a libra e 500 a ar-
roba.
Caf de primeira e segunda serle a 240,260, 260 e
300 rs. a libra.
Arras do Maranho e Java a 100, 70 e 80 rs. a li-
bra e 2200 a arroba.
Pk'isphros da gaz a 2 a grata e 180 rs. o nuco.
Pnssas de carnada a 320 rs. a libra, e em caixa a
CoOO.
Boiachiohas ingleza novas a 240 rs. a libra.
Sabio amarello massa a tU6,800 e MO rs. a Itbra.
Vclasde carnauba Aracaty compesirao a 360 e 400
rs. a libra.
Ameixas franceza* com 1 e meia libras a 1*.
Missa de tomate da melhor qualidade a 609 rs. a
Irfera.
AiarmoUada dos melhores faltcioanles a 640 rs. a
libra.
Ciiouiicas as mais novas a 360 rs. a libra, e em
barra por 124.
NEM CORQAS NEM MITRAS
L
RA OO IMPERADOR \. 441 .
Junto ao sobrado en qne mora o Sr. U.btrae,
Duare Alruclda A C, receberam de sua proprla cucommru
da o mais Hado e variado sorluseuto de molhados, proprlos
da prsenle estar o
NOVA EXPOSigflO DE GNEROS
NO
ARMAZElf
Alm destes geaeros ha outros muitos que enfadonho seria raenciona-los.
Francisco Jos Kermndes Pires, tem a honra de avisar a sqa numerosa freguezia
e com espeeialidade aos moradores do bairro da Boa-Vista e seus nrrebaldes, que fez
nova reforma em seu asseiado estabelecimento de molhados denominado Aurora BrHhan-
te, ao largo da Santa Cruz, e com esta reforma suprio de novo o seu armazem de boas
(xeneros, sendo muitos faitea mandados vir de sua proprla cunta, para melhor servir
aquelles que se dignaren! comprar ou mandar comprar em seu eslabelecimenta.
No armazem da Aurora Brilhante encontrara sempre o respeitavel publico un
lindo o novo sortimeoto dos melhores gneros que tem vindo ao nosso mercado, e sem-
pre por precos muito razoaveis, como se v da seguintc tabella que ser mudada se-
manalmeate.
A Aurora Briluaute recebe as libras sterlinas por 4, sendo para compra, e faz 3
por cento de abatimento a quera comprar de 1004 para cima.
Charutos linos do aotor Jos Furtado de Ci-
mas, ha por muitos precos.
i

Presuntos de Hambre mttito novov a libra a
,-% 80 rs.
'j?y Ditos para panella, a 560 rs.
* Jncijos londrinos moito superiores, a libra
a 16000.
Ditos do reino vkido neste vapor a 24600.
Ditos do vapor passado a 25 e 25400.
jAj Queijos de qualha novos, a libra a 560.
:*.'-_ Frascos grandes con ainrUas a 35000,
*fi Latas com 1|2 libras a 14200
DiUU com 3 e 6 libras a 25500 e \i>.
Chocolate fraucezmuito superior, a libra a
15120
. Cha lino de primeira qnalidde, a libra
:"r*5 25700.
!*JLPitt nxima 25700,
D(0 hysson a 28700 e 25800. .
I)|l'p,^'aa26800 *
Dito em caixinhas de 1 e 2 libras a 25600.
Dito preto a 2$ e 25500.
Ilaateiga ingleza flor a 15200.
Dita mais abdixo a 800 rs.
itaem barril propria para negocio, a libra
a 600 rs.
Dila para tempero a 400 rs.
Latas com 2 libras de banda refinada, a libra
a 400 rs.
Manteiga franceza nova, a libraa 640.
Dita em barris e meios ditos, a libra a 600.
Toucinho de Lisboa a 94500 a arroba e a 320
rs. a libra.
Latas com bolachinha de soda de 5 libras a
24000.
Ditas com biscoitos e bolaetiinhas sortidas
a 1430.
Di las inglezas novas, a libra a 240 rs.
Arroz do Maranho, a arroba a 24400 e a li
bra a 80 e 100 rs.
Dito da India a arroba 24800 e a libraa 11
e 120 rs.
BCaf muito superior de primeira quahdade
a 85500, 95 e 95500 a arroba,
m libra a 280, 320 e 360 rs
em caixa de 12 garrafas, o melhor
possivel a 185 a 205
Dito mais baixo a u>5, 124 145-
Dito Figueira, o mais superior possivel, a
caada a 45300 e a garrafa a 640 rs.
Dito mais baixo a 44 a caada e a 560 rs. a
garrafa.
Dito de Lisboa, boa marca, a 400 e 500 rs.
a garrafa.
Dito Brdeos a 640 rs. a garrafa.
Dito em caixa, das melhoros marcas, a 74 o
84000.
Serveja, marca lente, em botijas a 7 e 84
a duzia.
Dita de diferentes marcas a 500 rs. a garra-
fa e 55800 a duzia.
Qeaebra de taranja verdadeira a 14 i 1^200
O frase.
Dila de Hollanda em frascos grandes a 14 e
pepuenos a f40 rs.
Dita verdadeira de Hollanda, a botija a 480
Licores tinos de varias qualidades a 800, 14
e 16500.
Caixas de vinbo muscatel a 104, e a garrafa
a 16000.
Ditas comazeite refinado a 104 e a garrafa
a 16000.
Conservas inglezas e francezas de pepinos,
Ditos de outros autorss a 15300. 25 e 25300.
Gigos de batatas novas com i arroba a 15-
Fassas novas, a libra a 590 rs.
Figos novns a 320 rs.
Latas de ervilhas e favas portujuezas j pre-
paradas a 720 rs.
Ditas com ostras, excedente pi'tisco.a 640 rs.
Latas de peixe ensopado em postas, de muitas
qualidades. a 14-
Potes de vidro cuna sal retinado a 500 : 640
rls.
Marrasquino da melhor qualidode, a 85 e
125 duzia.
Garrafas de dito a 80o i*200.
Amendoas eonf-itida. a libra a 800 rs.
Dita com casca a libra a 320 rs.
Notes, a libra 160 rs.
aihco, alcista, a arroba 45 e libra a 160 rs.
Grao de bic.o, a arroba 44 e libra a 160 rs.
Vinho de caj preparado em Sobral a 800 a
garrafa.
Cognac superior a garrafa a 14000, 14200 e
15600.
Champagne boa a duzia 205.e a garrafa a 25
Garrafoes com genebra hamtmrgueza a 65-
Vinho branco Xerez a garrafa a 15.
Dito Joo de Bnto, pnro, a garrafa a 640 rs.
Dito adocica lo a 560 rs.
Dito do Porto, lino, a garrafa a 800 e 14
Xarope de grozeis e outras fructas a 640 rs.
Massas para sopa, amarella, a libra a 480 rs.
Dita branca a 320 rs.
Dila estrelinha. pevide e rodinhas a 640 rs.
Caixinha com 8 libras de dita a 35300.
Momias solas (rand.-s, o cento a 15-
Ditas grandes em resmas a 15280.
Duzias ile cartas francezas linas a 26500, 35
e 34500.
Duzias de latas de grasa nova a 900 rs.
B-nhoes de dita a 280 rs.
Marmelada nova a 600 e 720 rs.
Carne do serio a libra a 320 rs
i.houricas a libra a 640 rs.
Saceos grandes com farinba a 54-
Dilos com imlho o 34500.
Ervilhas seccas libra a 160 rs.
Lentilhas para sopa a libra a 200 rs.
Sevadinha de Franca a libra 200 rs,
Sag a libra a 400 rs.
Araruta verdadeira a libra 480 rs.
Gomma de engommar a arroba a 45 e em
i lira a 160 rs. sa,
Sabo espanhol a libra a 400 rs.
Latas com o verdadeiFO gaz liquido com 27
garrafaa a 126-
Garrafas com dito a500rs.
Saceos grandes com feijao mulatinho com 24
fuias por 94-
Copos e calis lapidados para vinho c agua.
Latas muito bem enditadas com figos novos
a 25, 25500 e 36-
Assucar refinado com ovos muito alvo a ar-
roba a 65500 e a libra a 200 rs.
Papel patalo liso de peso branco e azul, a
resma a 26500 e 46500.
Vinho Madeira-secco, a 15600.
Cento de esleirs de iranga a 205-
Barris com az-tonas novas a 16280.
Duas balaocas grandes de Homo com os
sebolas, azeilonas e mixide a 600, 700 e pesos de 21 arrobas, e.,alguns bracos pe-
800 rs. o frasco grande. quenos do tnesmo autor.
Caixas com frascos de inostarda franceza a Urna grande quantidade de caixoes vasios de
45 a duzia e 360 rs. o frasco, todos os tamaitos de 120 a 500 cada um.
E MUITOS UTR.OS GNEROS QUE TOHN'ARIA ENFADONHO MENCIONA LOS.
TUDO DE PRIMEIRA QUAL1DADE.
Manteiga ingleza
da safra nova viada no al limo vapor l y*o
rs. a libra eem rrfl a 800 rs.
Maatelga fraaeeza
da safra nova a CQo rs. abra, e em b;
a 560-rs.
Amendoas
confeilads de lindissimas core a 800
libra.
Aineixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2iO, muito propios para mimos.
Cartoes
com bolos france/s a 500 rs. cada um.
Latas
com bolacbitthas de soda de todas as qua-
lidades a lWO.
Chocolates
de todas as qualidades a 14000 a libra.
Presuntos inglezes
dos meibores fabricantes a 800 rs., tambem
temos vetlios para 500 rs.
Queijos flamencos
ebegados ueste uKimo vapor a idQoa.
QUljOS
ebegados do ultimo vapor a 25000 cada un.
tneljo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inleiro e a 900 rs, a retalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 7t0 rs.
o frasco.
Figos
em libras e cateabas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 15200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qaalquer nao pode vender por menos de
U a 2,5000.
dem pera!a
especial qualidade a $700 rs. a libra
dem hysson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 2$600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talharim e aletria a
480 rs. a libra.
(01.\\(
o muito afamado cognac Pal Brandy a. ,$%p
rs. a garrafa e de outras muitas qn "
des a l.ooo e 8on rs. a garrafa.
COPO
lapidados para agua a i.iioo e 5,ooo
duzia, e a 44e 5oo rs. cada um.
\
jj|> a 863
H Dit..em
Vjnhos
PAPE I.
almacn, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de bolles
de expeliente qualidade a 2200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulho de 1,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oo rs. a libra
Vinagre
PRR em ancoretas de 9 caadas a !5,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
s mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
e 45400 a arroba.
Ma$as brancas
para sopa a melhor qae se pode desejar,;
macarrao, talbarim e aleiria a 400 rs. a
libra c 4)5500 a caixa.
Vinho
Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
c de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2X800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado das meluores fabri-
cantes da cidade do Porto a 14 e 10200
a garrafa e do i 05 a 12> a caixa, as mar-
cas sao as seguintes: Cteausso 4 Filho,
F. <& M., Nctar ou vinbo dos tteuzes
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banda a 43000.
Bolachinha ingleza
a lAS a barrica damesmaque
veodem a 2*000 e 2t00.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r* .il bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 4)5500 a 6500 a duzia.
(CHARUTOS
Charutos ThomjFmto,. Reis e outros em
meias caixinhals a 1^500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da ludia
a 80 rs. a libra] e 25500 a 33000 a ar-
roba desses que\vendem por 3(5400.
CAF
de 1.' e 2. serte do Rio de Janeiro a 8&f
e 86300 a arroba, e 280 a 300 rs. a br
Garrafoes
com 4 Vi garrafas com vinagre a 11000 *a
ogarrafo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 1)5000 o frasco, e de 11(5060
a caixa.
DEM
em frasqueirts de Holtaada a 5*800 co
12 frascos.
GENEHRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada urna.
FALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abren e outros muitos a Coo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
MaranhSo, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba era caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 5& a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas mnito novas
em quartos e inteiros a 2 o quarto e 6(5500
a caixa e 400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas cm calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
a 600 e 1(5 o caixe.
PRINCIPAL
Y. 9 RIJA JIO OtEKI'O V O
Esquina que > o 11 a para a roa do Imperador
provavel que n5o seja bem aceita a verdade, quando a boa f de todos anda
Iludida por esta epidemia de nauzeaticos annuncios de cornetas, tambores, coreas, nu-
tras, etc., que todo o dia enebem as paginis deste jornal.
AliDHTA
Os annunciantes nao tem em vista senSo garanttrem ae respeita\el publico a
sua palavra de honra, vendendo com o lucro suficiente para suas subsistencias e n5o para
assentarem fortunas a forca da regra de liga cerno outros annunciantes deste genero
PARA TOROS
No armazem principal vende-se a todos pelos precos marcados na seguiste ta-
bella, mas nao se vende por todo o preco fazendo-se peso de arroba hespanhola, garan-
te-se as qualidades dos gneros trocando-se todo aquello que n3o seja do agrado do
comprador.
Amendoas confeitadas de diversas cores a Lentilhas muito novas excellente legume pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades de
7oo e 9oo rs. a garrafa.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 8uo rs.
a libra, desnessesario mais elogios nes-
te genero que s se pode verilicar con a
vista.
64o rs. a libra.
dem de casca dura a 24o rs. a libra,
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas, a l,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos ile vidro a l,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 /* libra a 1,100 rs.
Arroz do Maranho e a India o melhor que
dem franceza a 56o rs. a libra, e en Lam
ou meios a 5oo rs.
ha neste genero de 80 a loo rs, a libra, e Marmeffaiia do i." fabricante de Lisboa a 600
de 2,5oo a 2,8oo a arroba, rs. a libra, ba falas de 1, 1 /* e 2 libras.
Azeitedoce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e Maca de tomate em latas-de urna c duas li
bras, a 600 rs. a libra.
dem para sopa estrellinha, pevide, roddia.
etc. a 3,800 rs. a caixa e 56o rs. a libra!
Macarrao, tafharim e aletria a 4oo rs. a li-
bra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o fras-
co.
dem ingleza era p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garranhas com rolba
vidro a 64o rs. cada urna.
de
4,800 rs. a caada,
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa el 0,000
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
libta.
Azeitonas muito novas a 2.000 rs, a anco-
reta. '
Alpista limpo a 14ors. a libra, e 4,4oo rs. a
arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato Marraschino verdadeiro de Zara a l.ooo r
Antonio de diversas qualidades, em latas a garrafa, e lo.ooo rs. a duzia.
de 6 e de 3 libras a 3,ooo e l,5oo rs. a Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
lata, e 64o rs. a libra. Ostras preparadas em latas a Too rs. a lata.
dem ingleza em latas de 2 ede4 libras Prezunto para fiambre inglez verdadeiro. ga-
das melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. j rantindo-se a qualidade, a 7oors a Itbra.
a lata. Passas novas de carnada a 4oo rs. a libra.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e | 6,5oo rs. a caixa.
em barril a 36o rs. j Peixe em latas hermticamente fechadas das
Batatas em caixas de 2 e de I arrobas a 1 seguinies qualidades, sabel, corvina, go-
l.loo rs. a arroba. rz, cavaHinha e pescada a l.ooo rs. la-
Champagne das melhores marcas a 2o.ooo \ ta.
rs. o gigo, 1,80o rs. a garrafa, e 9oo rs. Palitos para dentes fichadas a 1 io rs. o na-
as meias garrafas. i co de 20 macinhos.
Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a li- dem do gaz a 2oo rs. a duzia, c 2.loo rs.
bra. a groza.
klem perola qualidade especial a 2,7oo rs. Painco muito novo a 16o rs. a libra, e i.5oe>
J. VIGNES.
>. ma do imperador m. 6&.
Os tHinos desta antiga fabrica sao hoje assaz conbecidos para que seja necessario insistir sobre'a
S'A superioridadi', vantapens e garantas que nffereoflm aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis que elles tena deftnitivameale conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; odo-
suindo um teclado o raachinisaio que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem-
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente elboramentos importan-
tissirmw para o clima deste paiz ; quaWo s vozes sao melodiosas e flautadas ptr tslo muito agrada-
reis M aavMes dns apreeaderes. __. __.
Pazem-se conforme as cncommendas, tanto nesta fatinca como na do Sr. Blonael, de Parts, socio
c-irrespondente de J. Vienes, cm.cuja capital forara sempre premiados em todas as exposicoes.
No mosmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortunento de msicas dos
rr,elhorcs autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
i r;.s commodos e razoaveis.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os raesmos precos nos seguintes lugares:
l nio e Commercio ra do Queimado 11. 7
0 Verdadeiro Principal roa do Imperador a. 4
Fin ir A*
Mli'.iA. PERAS E UVAS
chegadas neste ultimo vapor, vende-se nos seguintes logares: Ra do Imperador n.
40, Verdadeiro PrincipalRa do Queimado n. 7, Uni5o e Commercio.
GRANDE FABRICA DE CALDEIRARIA
VILL4(J4, 1140 k C.\
BUi RO RRU1I V fO
Chamamos a attengo de todas as\irmaiida-
des e contrarias para o que abaixo publicamos.
O amor que votamos i arte que professamos e o d esc jo que temos de1 enneorrer com o
mi-Mi fi ac continecnie, para a vr ehegar em nosso paiz ao grao di: pertrii^'t qae 6 para
desojar, nos impdlio a mandar Europa nm dos nossos socios, a fin de particular-
mente estodar a melhor raaneira de bem fundir os sinos.
Grandes foram as difflculdades q-ie tivumos a superar, afim de podermos conseguir o
nosso desidertum ; porm grabas aosesforgos e bons flicios de um nosso amigo, o nos-
90SOCM pode ser admittido em um. das umlhores fabricas de Lisboa.
Mu i lo lucramo? e muito tem a lucrar o publico, por que sem receio de senuos con-
testados, podemos afflrmar, qt! os sinos fabricados em nosso estabelecimento em nada
se pareeem cora oses alnwfnri7.es ae mo goslo que por ah se fa/.fra.
Estamos habilitados a fundir sinos de todos os tamaitos desde 16 libras at 100 ar-
robas, com emblemas, omito-, etc., conforme a vontade ou gosto do comprador, guar-
dando em seu fabrico todas as regras d i arte. Redimo;, portanto, em recompensa do
tantos sacrificios e despeas a proteccu do publico.
Villana, hmo & C.
m
.


a hora.
dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2,ooo, 2,4o e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2 a 8 libras, a I,3oo
rs. a libra.
dem preto horaeopalhico 2,ooo rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a G,ooo rs. a du-
zia, e 56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, suisso e bespanhol a
1 ,ooo, 1,2oo e 1.4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Furia
do de Simas e outros da Baha como se-
jam Regaba, Trovadores, Guanabaras, De-
licias e Suspiros, a I,6oo, 2,ooo, 3,ooo e
4,ooo rs. a caixa.
Conservas inglezas a Too rs. o frasco.
dem franceza surtidas ou de urna so quali-
dade de cada frasco a 5oo rs. ,
Cognac inglez e francez a I,ooo rs. a garra-
fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Comtnho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 6oo rs. a libra.
Canella a I,ooo rs. a libra.
Copos Anos para agua e vinho a 4.8oo,
5,ooo e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs. cada
um.
Caf do Rio superior 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,5oo a 9,000 rs. a arroba.
dem do Cen a 26e, 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,000 a 8.5on rs. a arroba.
Doce de goiaba a 6oo rs. o caixao.
Ervilhas porluguezas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinba de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo rs.
cada urna.
Graixa nova a oors. a lata, l,loo rs. a
duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras de 12
frascos a 5,8oors., e 56o rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafo.
dem dem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada nm.
dem ingleza em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro. qualidade superior
a l.ooo rs. a garrafa.
dem delaranja verdadeira a l.ooo rs. o fras-
co, e ll.ooo a frasqueiras de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
l,8oors. a garrafa.
S?
* = S c
"3 o B T
l i 5 a 3
fif**
a. -i as 3 K
'fin
if ii.ll
- t f
55 33 > > Q K W "*i
a.< ^.xj 3
a s- o v
-j.
KC tn a 2; -, ; C
a ^. o__ w 9
r *f a-, =
3 3 & B."
V.
mwtVZl

~ C? O.
o
3 2
3 S
S-5
v.
2. 8 1
d
a. ^ S1
2 9 li
-t O
2 o-. *
B> 5 'S .
Si
a>
o
o
O oq
*3
OT3
03 W
N
"O >
8
o
=-
o
ffS i
3 a a>
- a> tu
E o
j% as
O
B3
o.
B
o.
i
* S f i
rs. a arroba.
Queijos flamengos do ultimo vapor.
dem prato muito fresco a 8oo rs. a libra. *
sendo inleiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidro a .Soo r^. a-
da um.
Sardinhas de Lisboa e de Nantes a Im r>.
a meia lata, e 4oo rs o asarte.
Sag muito novo ealvo a 34o rs. a Ara.
Sardinha de Franca a 18o rs. a libra.
Scvadaa loors. ajibra.
Toucinho de Lisboa a 24o e 3oors. a lii,ra.
Tijolos para limpar facas a 15o rs. cada nm.
Vinho em pipa, Torto, Lisboa a Figueira das
marcas menos conhecidas a 4oo rs. a gar-
rafa, ea 2,8oo rs. a caada.
dem Figueira expecialmei.te escoltaid.* sesle
lugar a 6oors. a garrafa, e 4.5 dem Lavrado, Colares muito Irnco >*m
composifo a Goors agarrara, e 4,Roo i
caada.
dem Lisboa em ancoras eom 9 CMMdM mar-
ca especial a 22,ooo rs. a Mora.
dem branco uva pura a 5Co is. a garufa,
ea i,.'no a caada.
dem Porto fino em pipa a 5Co rs.' a garra-
fa.
dem engarrafados generosos, Lagrima? do
Douro, Duque do Porto. Lui/1,1. Pe-
dro V Nctar, velbo secco, Malvazia o
genuino particular de 9ooal,oo rs. a gar-
rafa e a 10,000 rs. a caixa com urna dozia.
dem Madeira legitimo a I.2oo rs. a garrafa.
ea 12,ooo rs. a duzia.
dem .Muscatel a looo rs. a garrafa.
dem Bordeaux dos acreditadas marca* 8t.
Julien St. Esteph, ckteati la Ro/e,chatas
Margoux c outros a C.ooo rs, a caixa e r**,
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2.oo*
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e I. ioo
rs. a caada,
dem em garrafoes com I garrafas a l.ooon.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32
rs. cada urna,
dem de escovas para lavar casa a 3fi .
cada urna.
Vellas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e sendo em caixa a 52o rs.
dem de carnauba refinada e de rompteicafc
a 36o rs. a libra, e lo,5oo e 1 l.ooo rs. a
arroba.
No armazem de fazeudas lia-
ratas de Santos Goelho.
Ra doQueiniddo n. 19,
Vende-se o seguate:
AUeni;o I!
Ricas lazinhas, fazenda a melkor que t.-n. -.*-
i0^ do a mercado, tanto en posio runo ea qmM-
."i i fe' I*'0 baraiwsimo preep de 560 r*. o ruvacV
Ditas mindinhas rarmezins. proprias (ara Tet -
dos de meninas e rannsinbas a CiO orovaao.
Cortes de 13a com 15 covados, pelo Warate sct(
de 6.
Coliertas de ehila da India a 500 e.T*.
^ Lenges de panno de linho ;i ti e tiMn.
. Peras de cambraia de forro com 8 IrJ an,- a
^ HA*.
Toalhas alcochoadas proprias para mo a .' i
(m .diuia.
J l Biros corles de lia cera barra llana Pii a
M ta.
IVras de planillas de algodao com 10 wr.
e proprias para taia a 4,1. ^
Algodae enfestado com 7 Irt palmes V larrtr.
2 a liioo rs. a vara.
# Estelra da India, propria para forro 4c sala ir
_^ 4, 5, e 6 palmos de largura, por menos prre. 4.
qae em outa qualqoer parte.
Neste estabelecimealo tambem se cacoairar^
um grande sortimento de roopat lalas, e per me-
dida.
a


i


Dlarfe t PrfBwHnw ... segunda fe!?a 94 ifr Onttihro Je t
lateadas especiaes para selhsras, a Haber :
Vende-se golinha s para senhoras a 240, 390,400
e 500 rs., camisinhas para ditas a 15. 25, 35 e 45,
gravatinhas para ditas al5 15300 : na roa da
Imperatriz n. 56..
Seatenbarqtic da Arara a 8 e i 0,5.
Vende-se sontenibarqoes d cores para senhoras
a 84, 104 e li, ditos de grosdenaple pretos Anos
i 205,254 e 30#>, capas pretas para ditas a 205,
255 e 305 : s na loja e armazem da Arara, ra
da Imperatriz n. 56.________________________
EUraordiaaria (liquidacs se faxtnas para a fiesta
por baralissiae prcco, tute para mata como
para a prafa, ua laja bem eeuheada do Arara,
ra da Imperalrii n. 50 de Loureneo P. M. 6ui-
uaries.
! baraleire da Arara a l 400.
Vndese cortes de chitas rom 18 covados a
25400, ditas franceza a :1520o, ditos de cassa a
-5, dita de salpicos a 25400, :t e 4 o corte, para
apurar diuhtiro : na ra da Ioiperatriz n. 56, loja
da Arara.
Corles de 12a a Mara Pa a 8, e 18.
Vende-se cortes d la rom barra, os propia-
mente a Mana Pia a 84, e 165 : na ra da Impe-
triz, loja da Arara n. 56.
A Arara rende alpaca para vestidos dt senbora a
360 rs.
Vende-se alpacas de lindas cores li.-as para ves-
tido! de senhora a 360 e 400 rs. o covado, laazi-
nhas para vestidos de senhora a 240, 320,400, 500
e 600 rs. : na ra da Imperan iz o. 56, loja da
Arara.
I Las litas de cores a 600 rs.
Vendem-se laazwhas lisas de cores, a saber:
rosa, encarnada, cor de lirio, c6r de caf e c6r de J
cinza, para capas e vestidos de senhora a 600 rs. o
covado, ditas de flores a 240, b20,400,500 e 560 rs.:
na ra da Imperatnz n. 06, loja da Arara.
Colchas da Arara de 2# a i->.
Vende-se colchas de chita para cama a 25, ditas
de damasco a 45, ditas para cobertas a 320, 360
e 400 rs. : na ra da Imperatriz n. 56.
A Arara vende cortes de calcas a 1#600.
Vende-se cortes de caifa de brim a 15600 e 25,
ditos de casemira a 35, 45500, e 55 : na roa da
Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Roupa feila da Arara
Vende-se palitots de casemira de cores a 55, 65.
85 105 e 125, ditos de panno preto a 85,105000,
125 e 145, ditos de alpaka a 35 e 45, ditos de,.
brim de cores a 25500,35 e 35500, ditos de brim l .de enegar oeste ultimo paquete, assiui como
brancoa 35 55, calcas, coleles brancos, seroulas;,nuitos oulros objectos que recebe por diversos na-
rancezas a 15600 e 23, ditas a 15280, camisas V10s> ,ao,. ?? 5l,a ron.ta romo de consignado que
AI ten cao
i
O Vigilante est alerta, nao Ibe era permittio
deixar passar desapercebido sem que nao dsse o
su canto, aflm de annunciar ao respeitavel publi-
co o grande sortimento de galanteras do melhor
de i t'lislu l>ropriameute para qualqoer mimo que aca-
francezas a 15, ditas de linho inglezas, pregas lar-
ga, a 35 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
A economa, a saber : eolarinbes econmicos a 600
res.
Vende-se colarinOos econmicos a 600 rs. a du-
zia, meias crispara homem a 200, 240,360e 500
rs o par, ditas para senhora a 320, 400 e 500 rs.,
lencos brancos com barra a 200 rs. cada um, ditos
tinos a 320, ditos de linbo a 500, 600 rs. cada um,
s na loja da Arara, ra da Imperatriz n. 56.
Ao baratelro.
No armazem da Arara vende-se cassas a 240,
80 e 320 o corado, chitas finas a 240, 280, 400 e
800 rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 56.
As percalas da Arara a 860 rs.
Vende-se percalas finas para vestidos a 560 e
C00 rs.; chitas trancezas finas a 320, 360,500, 400
e 500 o eovado, alpaca para vestidos de senhora
a 100 rs. o covado, fustao branco a 500 rs. ocova-
da ; na na da Imperatriz o. 56.
A Arara vende nuisselina branca a $00 rs.
Vende-se musselina branca, lina, a 400 e 500 rs
o covado, pecas de rambraias finas, lisas, a
est resolvido a vender por precos muito baratos
para vender muito e ganhar pouco, e dar extracao
j o grande deposito que tem, que espera merecer a
proteccao do respeiiavel publico empregando para
isso todas e as melhores diligencias para que li-
quein satisfeitos; islo s no Gallo Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Ricos porta-joias.
Cofre de multo gosto por 165000
Cestinhas transparentes forradas de ma-
dreperola por 185000
Lindas jardineiras. 105000
Ricos cofres com camapheu. 105000
Lindas caixinhas com pedras brancas. 105000
Lindo balo com calungas dentro, tam-
bem para joias. 165000
Tambalier para ditas. 95000
Cestinhas ditas. 65000
Cosmorama ditas, 65000
L'rnazinnas. 65000
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta booquetes de diversos gostos e pre-
$os ; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos sinlos
com bolcinhas ao lado, a 105, 125 e 155, ditossem
55, 65 e 75. musselina cambraia da India 85, i '-olea porm do mesa gosto, a 25500, 35, 35500
e 105 a peca, para vestidos : na ra da Impera
triz o. 36.
A Arara vende tiras bordadas para enfeilar vesii-
dos brancos.
Vende-se tiras bordadas de todas as larguras a
15, 15200 e 15400 a pega, ntremelos finos a 15 a
pega : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Hadapolo da Arara a >.
Vende-se pecas de madapolao entestado com do-
ze jardas a 45, dito de 24 ditas n. 30 a 65. n. 250
a 65500 E 75 e 85 D. 5 + 85500 e 95, n. 5 a 105,
n. P F a 115 ZZZ, a 125 a peca, pega de algodao
a 55, dito carne, do vacca a 65500, dito domestico
a 75, dito slcupira a 85, dito pao ferro a 95 a pe-
<;a : na rna da Imperatriz, luja n. 56.
(tramante de linho de 10 palmos a 2<$a"0.
Vrnde-se bramante do linho de 10 palmos a
25500a vara, brim liso a 500,560e 640 rs. avara:
na ra da Imperatriz n. 56.
Panno de linho da Arara.
Vende-se pegas de panno de linho para lenges
e loalhas com 13 1/2 varas por 85500 ; ditas com
27 varas a 165300 185 a peca : na roa da Im-
P'-rntnz n. 56, V
A Awua vende Railes a 16600 e 35.
Vende-se chales e/merin a 15600. 45500, 65,
75 e 85 : na ra da Imperatriz n. 50, loja da
Arara.
Pechlneha.
Lesees de seda a 16 c 800.
Vende-se lencos de seda para mo, a 800 e'I5,
lar la t.tnn para vestidos, de todas as cores a 800 rs
a vara, lit liso ordinario a 320 rs. a vara, dito fi-
no a 800 a da : na ra da Imperatriz n. 56, loja
da Arara.
45000.
Ricas fivellas avolsas para sinto, o melhor que se
pode encontrar, a 15500, 25, 25500 e 35 o par;
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabazes oh cestinhas.
At que chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para meninas irazerem no braco, ornis rica
po-sivel a 25500, 35500, 45, 55, 75 e 105; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Pestes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
que se pode desejar, assim como de arregagar ca-
ndi, tanto de borracha como de tartaruga comen-
feiles e sem elle para menina; s no Vigilante,ra
do Crespo n. 7.
Mais leques
com pequeo defeiio, leques de sndalo com pe-
queo deleito por "barato prego de 85 e 105, chi-
nezes muito bonitos tambem, pelo barato prego de
45 e 5, bentarallos muito bonitos, tambem por ba-
rato prego de 45 e 55, leques de Charlo tambem
por 45, tudo sin para acabar, perdendo-sc tai-
vez 80 por cento; so no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para 'segurar manguitos.
Tambem cbrgarajg as lifuinlias estreilinhas de
borracha que as senhoras tanto precisam para se-
gurar manguitos por ser muito commodo e muito
barato, a 320 o par; s no Vigilante, ra do yres-
po n. 7.
Leques.
Riquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato prego
de 125 e 145; s no Vigilante, ra do Crespo
in. 7.
Pesies
tambem chegaram os nquissimes pestes de concha
de tartaruga e de massa Una, que se vende por 25,
35 e 55; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Pirtsetras.
Lindas pulseiras de conus e de missanga, cores
muito lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
Casetas.
Riqnissimas canelas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baralissimo prego de
15500 e 25-
Sapalinbos e meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
feitados, assim como meiasziuhas de seda, gorrazi-
nhas e touquinhas para as cnancinhas se bapliza-
rem; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Voltinhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato prego de 15 e 15200, as
I cruzes avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Golinbas.
Riqusimas golinhas e manguitos, o melhor ges-
to possivel, a 25, 25300 e 35; s no Vigilante,
, rna do Crespo n. 7.
Enfeiles para senhora.
Riquosissim enfeites com lago e sem lago e de
outrosjmuitos gostos a 15, 15500 e 35: s no Vi-
I guante, ra do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins ae cabello para relogio ou lu-
netas, pelo baratsimo prego de 15500, ditos de
retroz a 200 rs.
Babadinhos ntremelos.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 15200, 15500, 25 e 35; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Cascarriloas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galSozinho e trancinhas pro-
prias para enfeiles; s no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7.
Fitas.
Grande sortimento de fitas de diversas larguras
e quahdades, por pregos que admiram aos com-
pradores, havendo fitas largas proprias para ein-
teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega
de 9 varas a 25 ; s no Vigilante, ra do Crespo
D. 7.
Fitas de la.
Fitas de 13a de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Ricos espelhos.
Riquissimos espelhos com moldura donradafe
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim como com
celumnas de differentes tamanhos a 25,35,45, 55
e 65; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto queaqui
tem apparecido; s ne Vigilante, ra do Crespo,
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com booecla para pos de arroz, |
cousa de muito gosto a 15500 e 25, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
Vigilante, rna do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos' copos on vasos com dis-
linctivos e offererimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Paris e Inglater-
ra, assim como os grandes copos dehanha japoneza
a 25 e a 15, assim romo outros objecios que nao-e
possivel por hoje annunciar, e vista dos fregue-
zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
ra do Crespo n. 7._______^_____________'
|HH[\IH
1 MjII*..i*>Ir-%
Ra da ladre de Dos n. 9.
A 4000.
Saceos grandes com farinha do mandioca pelo
barato precn cima mencionado.
Kai!apol(M>8 ha ratas.
Madapolao mnlie Nao M largo com 24 jardas por
95, ditos a 85 por terem um pequeo deleito ; ve-
Dham ver estaadiniravel pcctiincha, na loja da ra
da Madre de Dos n. 16, defronte da guarda da
alfandega.________________
Una da Senzathi ftova u. it.
Neste estabelecimento vendem-se: tachas di
ferro coado libra a 110 rs., dem de Lov
Moor libra a lo rs.
r*&
**
FIGAOOleBACALHAU
*\VUL4
D'lODURFfO DUPLO
de FERROeQUININA
Convalrarrnra deIn-
RU nioleatlan.
MoIcniIun t'Hrrorulo-
M.
raprlra.
OhNlrurrHO da* slaa-
lulas.
Humarea fros.
Uaniorea ranea*.
nachltlHiuo.
Attrecoem raneenu
e s, phlllllcu.
FrlireM lyaholdc.
Varales, te., etc.
Os elementos que compoem esta preparacao, o
ferro, o iode e a quina, a colloco no primeiro
grao das preparagoes ferruginosas. Basta attestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
taes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que confirmro sua poderosa efticacidade as
seguintes affecedes:
Mlnicoa no angue.
Fraqurca.
Aantla.
Clilorone ictericia.
Menatrna.
Affeeec do latera.
Suapreaaoea das re*
-ras e desardes na
uenstruar&a.
Affecro pulmonar e
phthlale.
Malea ti aa d'eatoinaga.
Gaatralftlas.
parda d'apprtlte, etc.
Yejo se es Mielitis de therapeatica medica
e cfrttrf de 30 de tutvembre 4&60; a Gaztla
dos hospitaes de 2s de julho I t>0, ele, ele.
Alm daspilulas de iodurelo duplo de ferro e de
quinina de Rebillon, m Mdicos aconselho
igualmente o Xarope d iodure duplo de
forro o de quinina do mesmo author para as
pessoas que nao gosto de medicamentos sob for-
ma pilular e os meninos. Este xarope nao tem
como o xarope d'todure de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nio poder conservar.
Peca-se o folheio que se d de grata em casa
dos pharmaceutkos depositarios.
Para-se evitarem falsificacdes, exija o com-
prador em cada frasco de Pirlas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito geral en Paris, pharmaciaRebllloil,
4(2, ru du Bac, e em todas as boas pharmacias
de Franca a dos pnizes estranneiros, etc._______
GRANULOS
BISMUTH
DE CHEVRIER
Os granulos au bismutk de Chevrier bem
bismulh empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos ae todos os paizes, para prevenir e
curar as
Ms dlgeatdea.
Gaatrltes.
GultrnlKlaa, ele.
Vende-se
a bordo do palhabole Arroio Mallo, fundeado no lu-
gar da carne-secca, linguas em salmora, muito
superiores em barritinlvs com a pnren que os
compradores quizerem, e prego ratoavel.______
Enfeites para cabeca.
(Chegaram os lindos enfeites de cabera para se-
nhoras, sendo muito simples ede amito gosto : s
no Vigilante, ra do Crespo n. 7.______________
~ ESCRAVO.
Ka ra do Imperador n 65, primeiro andar, ha
para vender umflom moleque deidade i 9 annos.
Est-
vitave]
Dlai rheoM cnronleas.
DjSHenterlas.
Dores d'estdniaso-
Uyspepslaa.
Os primeiros symptomas d'essas formidaveis
affeccoes se>manifesl6 ordinariamente por diges-
toes laboriotas, azidumes, falta d'appelite, pesos
d'eslOtnago depois de cada comida, caimbras es-
tomacag*, e, umitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
sudo mrbido, se o descuidSo, traz inc-
ie flaado. | Oppresses.
Irrllui-o. di- lll-lln e
da mnlrli, etc.
Os. granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas-molestias e cu ral as quando sao tomados a
taipo.
V preco de cada frasco de 4 francos.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
eslrangciros.
no ole ornea*
os rlns.
Pelo proeesso de Cherrier, pharmaceDtieo era
Paris, ra do Faubnurg Muntmarte 21.
Este oleo de tim cheiro agradavel, e de
um sabor nssucarado o uniro que nao tem
> nem o gosto, nem o cheiro do peixe. Ob-
yecto de numerosos relatnos scieniificos c
mdicos, este mdicamente que goza em
Franca de um successo to raro como bem
merecido, 6 receitado diariamente pelos
priucipaei mdicos dos hospitaes de Paris.
0 OLEO DE FIGADO DE BACAI.IIO DESINFECTA-
DO FEHBxuiNoso emprega-se com os maiores
successos tas molestias em que se emprega
| o oleo quando sao acompanhadas de debili-
I dade c atona.
Deposito geral em Pernambuca ra da
I Cruz d. 22 em casa de Caros A Barbo/..
! RIVAL SEM SEGUNDO
Ba do Queimado ns. 49 e 55, loja de mindezas
de Jos de Aaevedo Maia & C, est cootinuaiido a
1 veuder muito barato, pois sen genio dar a fazen-
da por todo pre^o a vi>ta dos robres.
Cartas de allinetes franeexes da melhor qnalidade
a 80 rs.
Grosas de ponnas de ac inglezas da melhor qua-
lidade a 640 rs.
Caixas de eulchetes francezes de superiores quah-
dades a 40 rs.
Grosas de boloes de madreperola muito finos a 560
e 640 ris.
Carreteis com 4 a 5 oitavas de retroz preto fino a
640 rs.
Resmas de papel de peso liso muito superior a
2*000.
Gravatas da liga e de outras militas qualidades a
500 rs.
'aniveles para penna com 3 folhas fazenda boa a
800 rs.
Duza de botoes branco para casaveques de senho-
ra a 100 rs.
Pecas de fita de eos estreitas com 9 varas garan-
tidas a 320 rs.
O Expositor Portuguez para os meniuos a prender
a ler a 800 rs.
Os segredos da natureza para os meninos a pren-
der a ler a !ooo.
Camillas da doulrina chrislaa, tinas e superiores a
320 rs.
Puntes finos de marfim a Ij&OOO, 1*200 e 1*300.
Pares de luvas de seda para homens e senhoras a
300 rs.
Golhnhas para senhora o melhor que ba a 320 e
300 rs.
Frascos com superiores banhas a 240, 320, 300 e
1*000.
Livros que serve para assentar roupa, pelo diminu-
to preco do 160 rs.
Capachos redondos muito finos a 500 rs.
Cordao branco para espartilhes muito superior, a
vara a 20 rs.
Carritis com 150 jardas de linha branca a 60
ris.
Carloes com 200 jardas de linha branca garant-
d' s a 60 rs.
Varas de franja branca e de cores larga para loa-
lhas a 160 rs.
Pares de botoes de punho, oh que pecbincha a
120 rs. f
Tinteiros de vidre eom tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
Grosas de botoes de louca prateado muito finos a
160 rs.
Tesouras para costura superior qualidade a 300
ris.
Escovas para limpar denles, superiores a 200 rs.
Caixas com superiores phosphoros de seguranza a
160 rs-
Caixas com 100 envelopes o melhor que ha a 640
ris.
Caixas enm 20 quadernos de papel amizade, moito
lint; a 60(1 rs. -----
Quadernos de papel pequeo muito tino a 20 rs.
\ A Imanak de lemhrangas
LUSOBRASILEIRO
p\ni 186:;
POR CASTILIIO.
Acabam de chesar estes j.i i.io ronheriJ" al-
manaks e vende-se na livraria econmica .". < p*
do arco de Santo Antonio, vende-se lamben >>!-
leccoes completas dos mesmos almanaks em H
volumes.
ESCBAVOS FU6IBGS.
Fngio na larde do dia 16 de julho p. p. um
escravo pardo, de nome JUarc-.-. dcs^mt-Mcals
do luate Sdala Auna, viudo doArseaty, Lia.'
de idade 28 annus ponco mais uu n>u>
naes seguintes : altura regular, seno ii. .no.
pouca barba, cabello crespo, loteo rajaste
calca de algodo>inho de risrasV) ./ul rcaf-
peo de palha, tendo levado comsigo una ttnmt
com mais roupa, e rendido de tura .- i.-.-:
qurm o ai preender queira leva-lo i 11; i M ':s
de Deus n. 38, ou ra do Brasa n. SS, >.
recompensado._______________________
Escravo fitgiriu
Fugio no dia 7 do correte o puto Au si ti -. '-.
estatura regular, as duas pt-rnas srowsdsa, I '
de denles, representa ter de Usas 22 a Ba aa*:
quem o pegar leve o ra do Trapich.. I I i
Europa, que ser recompensado.______ _____
1008 de jsratic-(o.
A quem capturar o escravo pardo de uon,>- li-
bralo, fgido em 16 de outubro corn Me, !.....Y
tatura regular porm largo dos hombro-, wnnm
de 20 annos, cor alaranjada, rosto oval rara n-nr-
cas de espinhas e bexigas, falla pouco cgrn-.>
Sequeno suiaque de gaguez, fsItaaa-HMS ledas m
entes da frente e a cabeca qoe linha sala r. i
esta com os cabellos principiando a ranu ;-ui
logo cima da testa na cabeca urna sintrif i
furtou na orcasio da fgida urna espin^arli ro-
quea de dous canos, um paletol pr < y,
tres ditas de brim de cores, samba* lea" '>
urna liotoes de coral nos punhos e um as
branca fingindo brilhante na abertura,on it< a
de faci, um chapeo de sol de seda cor de .V,
om par de bolinas, nm paleiot de brisa Vbi
de lila branca e um chapeo de paita de Kai i,
alm da roupa delle. Este escravo vei do Ri t.
Janeiro em 14 do corrente, onde se SKb i >
nome de Marcolino, mnilofujo e rostuuii -m .-
do foge intilnlar-se livre, perlenceu > mj '^t
Francisco do Reg Maia de Apipuc.-. a
SymphronloOlympiode Queiroga moiadoi a i
Velha n. 35.
i

ii-

:
. :
t
ti
t."Sh1
:
iri
fl
1
Salitre retinado, superior qualidade, vinho Bor
deaux, differentes qualidades, mais barato que em
Sualquer parle : no armazem de E. A. Burle &
., ra da Cruz n. 48.
Atteii#io a iKiini.
Fugio a escrava crioula Joaquina, t i
la, alta, magra, ps grandes e jc-oi** r
tem alguns cabellos brancos qu H |nl ,.
inculca-se forra, muito lallndeirn c M i-
geita alugada em casas particatares
engommar durante o tempo di' Asfida
nao a primeira vez que a faz. ilislai
de diversos modos, as vezes de UM
saia preta e outras de vesliilo c I djj
contrada conslanlemente ja no bairri
Recife, S. Jos e Boa-Vista, e ultirn in
fui vista passar pela ra Aagsia c
poe-se que esl morando em algum
por ,i.o..-.-i a ,.i.. um iij5-i-.>c .- aun rtta)-
des policiaes dos bairros du Wor. 8 .: .;
e Boa-Vista ou oulra qtia'qui'f pessm
a encontrar apprehcndam e aprese- lu
son senhor visconde de Voa-visf; o. i
palacete ra da Aurora._________
Fugio do engenhi Para no dn 9 i!o ron '.a
com direecao a esla prara, onde pernoK m sq
noite o escravo Caelano, cabra, de ida! 10
poneo mais ou menos, nao obstante ja ter :\V""-
cabellos brancos, potiea ou neiihuma barba, :-
las grandes e arrehitartas, estatura media;
as tinas, ps apalhelados, andar coiyhv.ii.>. < :<
bem cicatrizadas de chicote, mnito l.itin > --
1 Iliaco : gratiflca-.'-e a quem o aftarrai e ta>
mesmo encenho on entrgalo adata i raf i aa vi >
JJova de Santa Ritan. 7,aySrs. Siqoeira & ,1
Do enirenho (iineeicao, faaaaaii -\ i Boaj ,
fogiram dous cscravos : Luiz. Msd* 20 B*m
lo, secco, olhos pequeos, bocea biciid.i. r i n I
as, levou calca de algodao e camisa Has ; -
rio, idade 33 annos, olhos afeoMadOS, I
do, corpo ordinario, canella fioa. a|ialhetad-i <
ps, vexailo no fi'lcjjo quando trabara
levar os ditos escravos ao dito engenhn e
ao proprietario, abaixo assignado, era bes gi :
ficado Manoel Antonio Alves da Silva.
LISTA
m
IIOS PREMIOS DA '
i
PARTE DA O. LOTERA A BENEFICIO DA SANTA CASA DA MISERICORDIA, CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 537 DE 21 DE JULHO DE 1862, PARA PAGAMENTO
0 TRATAMENTO DE ENFERMOS POBRES REMETTIDOS PELA POLICA, EXTRAIIIDA EM 22 DE OUTUBRO DE 1864.
DE DESPEZAS JA FEITVS I

US. l'REMS. NS. Pl IEMS. .ss.
6 W 198 205 346
7 __ 99 105 49
22 __ 200 53
20 3 34
33 6 60
34 7 62
36 203 12 64
40 10 19 65
44 20 68
48 __ 21 69
51 26 73
32 1005 27 74
34 105 29 405 83
61 30 105 84
65 20$ 31 85
78 10 35 88
79 30 92
80 1005 43 94
94 105 45 95
97 al 96
98 205 52 402
101 :io5 54 1U
2 __ 57 13
3 __ 58 14
8 __ 60 18
6 . 66 19
7 __ 68 23
14 70 _ 27
15 71 28
16 ... 74 31
18 __ 81 32
26 82 34
26 , 89 37
37 __ 91 40
44 405 96 41
45 105 98 48
49 99 59
51 300 61
- U - 2 65
54 5 66
55 56 ejfc 10 13 ^m 72 74
lis -~ 16 77
69 17 78
71 m, 26 79
76 47 80
79 30 83
85 33 5005 85
95 38 105 86
97 45 88
PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
105
105
491
93
94
105 683
92
105
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
10>
105
1005
105
97
501
8
9
18
19
29 405
33 105
40
42
43
48
49
55
58
62 205
64 105
63
67
68
69
73
74
80
87
93
94
99
602
6 205
12 105
14 __
17 __
20 205
33 105
40 _
42 _
48 __
50 _
52 __
62 _
64 _
65 _
66 __
75 ,-
78 -
84 405
205
105
94
93
707 -
11 -
12
16
21
23 2:0005
30 105
36
38
41 -
43
44
50
ol
54
62
63
64
66
68
69
70
74
77
80
82
95
99
800
1
3
4
8
11
14
17
19
20
25
31
35
36
37
41
43
2005
105
105
849
52
34
35
59
00
61
69
73
74
cO
82
88
89
90
93
98
904
5
6
8
13
28
29
37
50
52
33
55
56
64
67
76
77
79
82
83
88
95
1000
1
7
11
14
15
17
18
19
25
36
105
1005
105
205
105
405
205
105
205
105
1038
39
42
43
44
46
52
58
68
72
74
80
84
83
87
89
93
96
98
99
1102
4
5
18
21
29
30
31
39
46
48
49
57
59
76
78
80
83
85
86
87
88
90
94
95
1202
6
6
7
8
105
2:0005
105
205
105
205
105
205
105
1215
16
21
23
29
33
34
42
43
47
48
50
56
57
58
60
66
67
74
79
82
85
89
1301
6
8
10
14
16
19
25
29
31
33
35
50
53
57
60
61
70
71
74
79
80
82
93
96
98
99
2005
105
205
205
105
105
NS. PREMS. NS. PREMS.,NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.,NS. PREMS.lNS. PREMS. NS. PREMS.|NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREM
1401
6
9
10
14
18
23
27
34
39
41
42
44
5
105
405

105
1005
105
205
105
i
62
65
66
67
70
74
79
80
85
94
1311
17
23
. 24
32
35
37
38
41
43
44
45
52
55
57
58
63
64
" 71
73
77
78
81
2"
105
1590
91
92
96
97
98
99
1600
3
5
11
14
16
18
23
28
34
35
41
43
44
45
47
58
62
64
67
68
76
78
84
90
91
93
94
97
1701
2
7
12 10
14
15
17
23
26
29
34
35
43
45
105 1752
- 53
205 i 34
105 55
-! 56
59
- 63
-! 70
_| 76
77
84
86
92
93
96
97
1800
3
4
3
6
8
13
14
15
17
24
27
28
31
35
38
40
43
44
50
51
.53
54
56
57
58
60
63
67
68
70
71
79
20,3
105
405
105
405
105
105
405
0005
105
1005
405
1888
88
92
93
97
1903
7
8
15
18
23
24
26
32
37
39
43
47
49
30
53
57
61
64
66
72
73
77
83
84
83
98
99
2001
5
6
8
10
11
14
18
20
21
29.
36
41
52
54
59
65
205
105
205
105
205
103
105 2067
68
69
73
80
86
87
91
94
96
2101
3
4
7
11
12
13*
14
17
20
23
30
33
34
35
36
37
39
41
46
49
50
00
56
64
65
66
67
71
lo
77
79
83
84
85
88
98
99
2206
11
105
5005
105
105
105
405
105
105
2217
21
23
29
31
32
33
38
40
41
48
51
53
62
68
71
73
79
87
90
94
96
99
2307
9
10
11
12
13
15
21
23
24
29
32
35
47
49
51
57
60
63
65
68
72
73
75
77
79
82
1005 2389
103
205
105
1005
105
205
205
105
2005
1005
105
92
2401
5
7
10
14
17
21
27
34
39
41
54
56
57
60
69
71
73
78
85
87
89
90
93
94
96
2502
3
4
9
10
12
19
23
26
28
30
31
32
33
34
37
49
55
59
73
76
79
105! 2582
I 83
86
88
89
93
95
96
2600
1
2
3
4
7
17
19
20
24
25
28
32
35
36
37
51
405
105
405
405
105
105
205
105
205
105
105
205
105
63
64
67
68
75
79
80
84
87
91
97
2700
1
3
6
8
14
16
18
25
30
32
34
45
105
2005
105
2749
52
55
57
61
07
71
77
83
84
85
88
96
97
98
2803
8
11
18
26
33
35
38
39
42
56
62
68
69
70
71
79
84
86
91
96
98
2901
2
3
11
15
16
17
24
34
35
37
44
45
105,2948
57
62
67
70
73
75
77
81
82
84
83
92
96
3005
7
11
18
22
23
24
33
38
43
50
53
56
58
63
64
65
68
73
74
82
85
96
97
14
15
17
20
22
24
27
30
33
35
36
203
105
3138
39
42
51
52
57
59
61
66
79
8S
90
91
- 3201
'
205
105
205
105
205
105
205
105
I
8
9
16
17
18
21
26
27
29
30
31
32
40
45
47
51
52
59
65
69
70
72
73
77
79
80
81
88
95
3301
2
4
I
105
405
1003
105
20
103
205
105
405
105
205
1051
18
3321
S8
26
27 -
34 -
33
:'.7
40 -
II
44
47
49
51
53
56
61
66
68
69
70
77
82
94
98
3401
8
9
11
18
21
24
27
29
33 Hf
54 105
56
57 i
59 m
62
67 g
68 205
79 lt>5
80 203
81 105
82
86
87
89
94
98
0 escrivo, Jos Pedro das Neves.
pern.=Typ. de Manoel Figueiroa de Faria & WHIMI.


'
\
Diaria* # rcra**aM -- egnnrln letra t4 n> Ontnbro r 114.

LITTER ATORA.
ll&VI lM.\it.
IV
U* SERAO LUZ DAS ESTRELLAS.
(GunHmufio.)
Bem saben), disse o joveu Inglcz, que nunca
folanos exactamente a verdade osando ritamos
de uuit fabulosa expedicu; mas amaneo-Ibes sob
p iivra de honra que nao lia o adorno de ama uni-
ca$araUra no i|iie Ibes vou referir. E dentis, de
qu. serveria mentir em pequeos pormenores,
quando se acaba do praticar um i eoitsa ra >ls es-
tupenda doquo a viagam dos Argonautas ou a re-
tira 11 dos Hez Mil; q-iando se tem andado duzen-
tas leguas airavs de paizes desconhecidns, desde
as costas do Atlntico al s portas de Tombouc-
tuuT
t* verdade dUseram os ouvintes.
Antes da historia divertida que me pede miss
Liza, prosegu!! Asthon, dev. contar-Ibes o no o
primeiro encontr coni lees. Era ao cahir da tar-
de; i mas chegando aaMeiade Kiumi Koumi. Mr.
Mango-Parle, e o sea latino amiga Ar. Anderson,
que morreu de febeos, d'ahi a njate das, camt-
n avara na frente ila n issa pe juena caravana, por-
qia un somini de Dabobou nos ditsera que havia
(i rigos no caminho. O.ivimos um surdo rugido
erat n pequeo bosque-de shens, arvores daquella
Ierra, e apparecerainuus tres soberbos leoes, ea-
roiuhanlo de treme como .-e cslivessum postado
era urJemde batalba para atacar-nos.
t Mr. Mungo Park, que lera um volume de voz
proporcionado sua gigantesca estatura, soltou um
nuirivol grito, e os lees pararam c >m a presteza
de soldados bem disciplinados (1)0 espaulo e a
jmmobilidade desses animaes tinha alguna cousa
do cmico.
Cono todos os animaes da raja felina, os leda*
conservam-se eui prudento reserva diaute daquiil-
que descoubecem, isto 'liante de ludo que lhe>
finira os naluraes insti icios e as traliceoes de
familia, onhecem os anunae> e os habitantes do
paiz, os lobos, os elephantes e os pequeos selva-
geus negros e mis. Nessa occasiio, eneontravam
no d -serlo um ente gigantesco, lodo vestido de
b. meo, tendo a cabeja coberla de urna esperie d>
juba loura icomo a dos lees. Tinham razio de
mmlrar-se.
Entretanto, essa situaco nao poda prolongar-
se. Mungo-Park. peguu na espingarda, apontou |i
ra ns ledes e disparou. Os Iros animaes pularam
symetricamente para atraz, p.xerntando um terceto
de rugidos abalada* e. unsonos.
t An ouvir a dulnnacio corremos todos, Joas
Watkins, Marlyn, Wdliam Coi e eu, e ainla rhe-
gamos a lempo de ver os ires leoes internarem-se
pelo bosque de sheas, andan lo de vaRar, e a caita
paste voltando a rabee* para o lado em que esta-
vames. Offerecemo nos para dar-lhes caga.
bm f) vrn I dissenos Mungo-Park; confie-
ro uiuilo os leoes, esludei-os na minna pmuaM
viagem frica; nao os fagamos passar do estado
de espanto ao de colera (i).
i A paaS regular, aleaiicamos a aldeia de Kou-
mi-fvjuiiii, onde paisanos a noute.
c Nao sei por que motivo graugeei a re"utaciu
de inventor. Antes de descancarino-, Mungo-Park
dis-o me -.Vamos agora alravessar o vasto deser-
to que se e.-teude at Seg. \ln que os Woc-
abuadam o dc.feudra os seus dominios contra a
iuva>o dos borneas.'
cTerem is d passar mu tas noutes soi urna bar-
rara, sem termos lenha para fazer fogo allin de
.ifj^cnlar esses. terriyeis animaes. O senhor tem
entudado os leoes, invento alguma cousa para subs-
tituir O fgO.
Meu commandante, respondi-lhe, o fogo
mesne j nao assusla os 1*5**; aeostiimaram-se a
es-e inimigo, e as noutes hmidas e fras iwahn
vi-t i rtsttt animaes vir^m aqnerer-se como caes
junte s fogurtira-, ques- acivndem tiara Ihes mt-
cr m-do; e fe n'io on< ataravam n>*ssas oci-asioes
porque nos licavam gratos pelo servido que Ih^-
pr. >tavamos.
c Sim, disse Mun/o-Park rindo, i do carcter d 'S \"6-a \ m is em um lunar solit o onle nao naja leana ser-nos-ha impossivel pro-
turmas e se servico. Portante, fime no senhe.
Procure um outro preservativo contra os nosso-
in'unigos.
FOLHETIM
POR
CIMILLO GASTELLO BKANCO.
CeotinuaeSo.
XI
A espionagem, sem intermissao, de Martinho de
Mfiio gerou no anime da fllha um secreto e m
di-f ircado odio. Bem queria ella sacudir o jugo
mis a mordaca, a caria fatal, e-tava em mo d
sa.i pae : ella mesma a vio, quando se Ihe qupi
Kim amargamente de a privaran) da companln
'aquella amiga int-i ventora na correspondencia
O i*', sem pr derir um mnnossyllabo, moslrara-
Ibo a caria, c vollara as cosas.
Pianeou a sua i-mancipaco Beatriz com um px-
p lente assim Balara! q ie insusp -ito. Rpveloo
6->jcs ao marido de voltar a Palmeira, suav^
quiotacao da sua casa, .\icdau abracou alegiv-
ente a proiiosta, e exultou de ouvi-la motivar as-
sim o intento :
Agora, que tenho o meu filln, basta-me est-
praz-r, e o leu amor as necessi la.les da miaba al
ma. J me fatigan tantes parab-ns. taas visi
Its, tantas etlqietasl Appetego solido comiigo
e com elle. M idei inteira nenfe, primo Nicolao.
Os lhus parece que iuveih teen a g^ute I E de
inais eu quero que o uosso M ininiiu .eja creado
a ir do campo, e nao Malas estufas da nidada,
Ver> como eu agora me dou bem na al lea I
Ctu.'.o ir contigo as quintas, e gosar a doce liber-
la de urna aldeia. Estaes contente da miniia
rforna T
Se eslou, fllha I... -claraou o marido, aper-
tand j-a contra o coracaose estou c-miente, eu>
que por amor de ti, e coutra o meu gen o, tenho
a 11 ido nestas balburdias de hades < jautaras Eu
limii'in espero que o ushi lilbiuho te afonuoze
m q udro> aldeos, que lao aborrecidos te parece-
ia.u. Um limo u.ua estrella que nos alinda o
ru da trra em que vivemos. Seuipre espere que
da aja-na* voltar para Palmeira com esta creanci-
ii.i i. As mes eaperiunjutam um santo egosmo
de sua felicidade qnando sao mes pelo coracao,
que as ha lio frivolas, minha querida prima, que
apenas se dizem iuae> por Usrein seutido os solln-
raellluS da lliatei uidade.
O peior, atalhou ella, que meu pae vae
caugar-se com a no>sa partida...
Por que ? zangar-se I...
Que queres ? A amisade meu depae extre-
Prometti procurar sem prometter descobrir.
< J eu tinha adquirido a certeza de que h> tres
cousas que produzom nos leSes um terror nervoso:
as cobras, o c>nto do gallo e os grandes instrunen-
toos de cerdas. A repulsiva forma, que se arrasta,
e o agudo som qne fere o ouvido revoltam os ins-
linetos desses nobres animaes.
< Silo pp|icadc>s e impresionavpis como artistas
educados no conservatorio da natureza. Nao vem
roda ile si seu.lo a belleza das matas viruens e
dos lagos tormentes ; e ouvem com prazer as har-
monas das noutes, das torrentes o das cscalas,
essas votas,que d leilam o ouvido e que nunca des-
aliaran! urna nota desde a creagao.
(1) Ainda nessa poca se ignora va a sorte do in-
feliz Mungo-Park. Asthon falla delle como se ain-
da fosse vivo. O jornal de Amadi-Fatouma e o re-
latoriode Isaac s foram publicados em 1810, cin-
co annos depols da catastrophe da aldpia de Bous-
sa, onde pereceu o mais Ilustre de todos os via-
jantes.
(2) Mungo-Park conta a aventura desses tres
lees no seu jornal, que foi traduzido do Inglez e
publicado em 18*0 em casa de J. G. Dentn, ra
dos Petits Aiifustins n. 5. Em summa, na minha
historia, tudo histrico.
t Estudando assim os cosiume desses animaes,
eu julgei ter de>coberto um expediente, e, no da
spgninte, aproveitei um dia de descanco em Kou-
mi-Koumi para preparar o meu espantalho com o
auxilio de alguus operarios.
No nosso primeiro pouso, no arenoso deserto,
que se estando al Seg, ouvimos, ao sol posto, esse
rugido abafado que aiuedi'oula al os mais valen-
tes. E' a saudacao do ieao nuute que vem che-
gando. as viznihangas dos lugares povoados, ps-
se grito as vezes isoiado ; mas no centro da fri-
ca, elle eucootra sempre tremendos chos, respon-
dem os ouiros ledes, e quem nunca ouvio esse
concert nao pode fazer idea do terror que elle es-
palha por todo o h-rlzonte. Os cavado* e os ani-
maes de carga murmuram em voz quenosa, ps-
tremecem, vacillam e approxmam-se ao hornem
como que para pedir-lhe prolecgao. Os cantos da
caravana interrompem-se immediatamente, e reina
em toda a comittiva um silencio de morte.
Bis o que nos esperava noule no nosso pri-
meiro pouso ; taes sao as emocoes que exterimpn-
ta quem quer saber se o Niger ou Joliba vae desa-
snar no Congo ou Znd, na reino de Wangara, a
amnenlas legoas do nossn ponto de partida ; se
esse grande rio toma tima direcc,5o meridional, e
e, reunido ao Znd, tem, como este, sua emboca-
dura no mar Atlntico.
Um estremerimento percorreu todo o auditorio
de Asthon.
E os lees ? os leoes ? disse miss Liza impa-
ciente.
Bella miss, proseguio Asthon, estamos em
um erando pateo de leSes, vae ver.. .. A nosa
cofflf. on pequea caravana, parnu. Temos quatr0
barracas para abrigarnos o somno, e o meu appa-
rclho ha de defender-nos do assalto dos leoes. Os
nnssjs cavalhos e bestas dfi carga sao atado*
estacas por fortes caDretos, e am continnam
os seus idnistros qoaianm. Por infeiicldadn.
o vento sonra do lado Nieer, o leva ao fino olpha-
to dos fernzps monstros as exhalacoes dos nossos
qnadrnppdes domsticos, dos quaes os leoes sao
mui gulosos.
t K a tndas as aldeas desse paiz, os iadHpaa*
conservam, como trnphPtis, as pelles dn grandes
reptis que matam. En tinha comprado doze dps-
sas pelles em K -umi-Koumi, pp|n preco de cem
cauris, o, por meio da taxiderma. restaurp-as ao
n'nto de assustarem i primeira vista. Collocadas
om frente das barracas, em p >-iee- tortuosas, do-
q.ial SOgurawa un sentinella invisivel.
Para ser proveiiosa urna preraucao deve sem-
ire ser acompanhada de outra. Deve-se sempre
logar com |>o de dous bicos.
i Plaamos em forma de xadrez uns qninze
nortes, cobertos de pannos vermelhos, no alto dos
piaas coilocauos pequeas caixas guarnecidas de
raines hori/.oniaus como harpas eolicas, mas que,
oradas pelo vento, produziam sons muilo mais
gudos.
t Vpo a noute, e o espectculo, que entao pre-
-enciamos, nunca leve pgual em todo o mundo.
c A> estrellas projuctvam urna lgubre luz na
minensidade do deserto ; pareca que eslavamos
em um uavio ancorado uo meio de um ocano de
ara. Os insectos nocturnos zumb am tristemente
roda de nos e essas vozes confundian-se com o e os mystificadores.
longinquo murmurio do Niger, que corre rpida-
mente em frente a Yamina.
osa at imporlunacao I Eu nao devia dizer is-
{0 ; mas olha, pr-tno, j me impacientan! tantos
coidados romigo I Em solteira, deixava-me mais
iberdade !...
E' que teu pae adrale, Beatriz!
Bem sei; mas os excessos de t-rnnra inenm
modam. Tenho mirido e filho para amar p pre-
gar: nao posso attend-r as extremosa* piegnices
le meu pae. Agora ha de elle cuidar que eu vou
iofastiar-me na aldeia. e conrea ah com os seus
discursos a deinnver-te de irnos.
Seria escudado, que nos iremos, prima.
Pois entao, Nicolusnho, se elle nos contra-
riar, nao o contradigas, para o pouparmos a mator
magua. Vamos preparando a partida de nosso
vagar, e evitemos queslOes.
Pensas bem, Beatriz.. .Teu pac tem singula-
ridades e-tranhas, que desloara do meu genio...
Moitas I...
Et- odio entranhado, que elle tem ao primo
Baphael, absurdo I
De certo...
Sei que o pobre moco est em Fayops, e nao
voltnu a nossa casa. Precisamente o rapaz fui
maguado da rudesa cora que teu pae o tratou
cria, na ultima noute.
Parece-me que sim.
J pergnntei ao primo Martinho por que nao
tornara Kaphael a Chaves, de Respondeu-me que nao valia a pena notar-se f;.l-
ta d-ile. Quiz convida-lo para o bule do baptiza-
do, e teu pae respondeume formalmente que nao I
Caprichos...
Rums caprichos! Eu transig para obviar
reseiitimHntos; mas...Tu has de consentir, filha,
que eu te confesse urna culpa.. .sim?...
Que primo T
Nao polendo |usiicar a antipathia de teu
pae com Raphael, cheguei a conjecturar se e 11
desconfiara de alguma infame intenro de teu
primo...
lofame intpncol a que respeito T
A respeito de ti...
Ora essa I.. .Tu pnlnuqneceste T
Nao, menina, confesso me.
i ois nao le perd >, Nicolao I exolamou ella
irada sobre posea, e escarate por effeilo da sur-
prehendente suspeita.
Perdoas, que entornnu caricioso o marido
tanta justica te fiz qne nem levitmente inda-
guei.. .para nao dar direito a que alguem te sup-
pozesse um instante criminosa. Nem com esta
prova de respeito s las virtudes me perdoas?
Beatriz deixou-se beijar e sornu.
Horriveis rugidos dominavam todos os outros
rumores; eram o annuncie de que se approxima-
va o inimigo.
t Est bem visto que na nossa caffle ninguem
se lembrava de dormir. Eslavamos iodos em p,
com a espingarda na mo, pmmptas a disparar,
comqnanto nessas occaies as armas tenham mais
de perigosas que de nieta, mas a rnragem rpdobra
com o contacto das armas,ha na friagpm do ac um
fluido magntico, que d vigor ao coracao no mo-
mento dos grandes perigos.
De repente, por entre o paludo claro da
noute, viraos urnas escuras missas que se deslaca-
vam da areia do deserto; era alerrador o numero
desses ferozesaggressores. Sem duvida, havia falta
decabruos raoulzees; a tome desolava o povo leoni-
no, e vinham lodos ao faro ua crnica que Ihes
prometiera o vento.
Nesse momento, os mais corajosos de entre
nos, tiveram medo. A minha invenfo defensiva
produzio o efteto desses ridicula espantalhos re-
novados pelos chin?. Todas as theorias dos natu-
ralistas parecern nos estupidos sonhos inventa-
dos por esses sabios offlciaes que estudam a frica
nos pateos de leoes de Londres e de Liverpool.
Mungo-Park conservava-se era p a meu lado, e
eu admirava a serenidade de seu rosto e da sua at-
titude. Em taes momentos que se revelara os
homrns verdadeiramente superiores. Olhava para
a matilha de le' es como se livesse diante de si urna
exiiosicao de animaes desconhecidos; e devertia se
minio acorapanbando com os olhos essa trrenle
de jubas, que airavessava o deserto, movendo hor-
riveis rabecas e brasas accesas.
< Para esses poderosos animaes era a hora da
fomeinexoravel edas orgia do sangue ; os cavat-
ios e as bestas de carga, raca estpida, soltavam
gemidos e annunriavam aos ledes que o vento nao
os engaoara. Immediatamente, os mais esfaitnados
avancarara em direccio ao festira. Eu dei o sigua!
de abrir-si- as caixas das harpas, ede agitar as ser-
pentes, e utna harmona dissonante composta de
todas as vozes speras e desafinadas, de todas as
escalas sobreoaturaes, troou na solidan como se
todas as cobras boas da frica se tivessem insur-
gido contra a lyrannia dos ledes.
vanguarda aos monstros estacn brusca-
mente, como se tivesse esharrado com um preci-
picio a prumn. Vamos esses enormes focinbos
agilarem-se aspirando o ar, sob as jubas emendas
pelo medo. Balancavam-se sobre as pernas de
flexivel ace, como os arleqnins quando formara
um pulo para descreverem no ar urna iminensa
rllipse ; depois voltavain a immobilidade de sphin-
ge, e pareciam lees de marmore escuro, colluca-
dos na avenida de um jardim. A cada som
mais forte e agudo, que vibravam as curdas de
ferro, a cada movimento tortuoso dos grandes rep-
tis, elle; tamben! soltavam lgubres rugidos que
fMilmu omtt J- !> do Mu aKVuriia de liroil-
ze, o ar, rcpellido por essas vigorosas re-piraees
pesava-nus sobre o peito como chumbo, e quasi
nos su Boca va.
< As familias retardatarias, nao comprehenden-
do essa parada da vanguarda, vinham chegando
acompanhadas de pequeos leoes, mas possudas
do medo que se revela va na marcha lenta e re-
freada ; sera duvida havia ah maes uue tremiam
lela surte de suas queridas vergontea.s, e com a
inaior prudem-ia se aventuravam a agroxiiuar-se
de um banquete rodeado de tantos peritas myste-
riosos. Os pequeos saltas am, fo > com a
dpscmdosa aleara da juveotude. o. ntavam
assim os cuidados dos chefes de famdiaj De re-
pente, postaram-se todos em fileira, e nethum dos
que vinham chegando se atreva a transpof o limi-
te marcado pelos batedores. Tornou-se ento ge-
ral o medo nesses animaes ferozes. Um egro de
rugidos articulados em syllabas de iironzp, pareca
dixer que o mysterio do terror da vanguarda esti-
va xdivinhado pelos outros Quanto a nos,'lten-
los espectadores dessa inaudita scena, pstayamos
sob a irapressao de um pen-amento coramuia. Es-,
pera vamos a todo o mompnto ver o tois atrevido
e intelligente desses leoe*, dedicar-se ppla salva-
cao dos outros, lancar-e sobre o nosso engenhoso
apparelho de defesa, descohrir o segredoMo^nosso
ridiculo estratagema, p, com um estridente grito
de alegra, chamar todo o feroz exercito para des-
pedazar com as garras e os denles, a mystificacao
Continuar-se-ha.
DI POICO DE TDDO.
L-sena Cruz o segrate :
Considerae primeiro na festa de hoje, e coittPmi-fcuTidtiniie era nome de Ciiristo ?
plae em espirito a entrada gloriosa da Santissiina
Virgen, Mae do nosso Dense salvador Jess Chris-
o, no reino eterno de seu Filho.
Vede, alma minha, rom que alegra de toda a
corte celeste, com que triumphos, com que hym-
nos celestes foi ella escoltada ali por legies de
anjos; vede como todos os cidadaos do can sahi
ram a encnntra-la ; com que amorosos abraces
foi rerebida por seu Divino Filhn e apresentada
por elle a seu Pae Eterno. Vede como ella fu col-
locada cima dos Anjos e dos Santos, cima dos
Cherubins e S*raphns, sobre um throno rnni glo-
rioso, o mais elevado no cu depois do de seu Fi-
iho, e coroida por elle com um diadema de tal hri-
Iho e gloria supereminentes, que impossivel ex-
primir e conceber.
Regosijai-vos, alma minha, nesta gloriosa As.
sumpcao da Mae de Nosso Senhor.
Oh I que fendade para nos o ter tal Mae, que
(que tem tanta influencia com o Re do u, e que
se ioteressa tanto pelo nosso bem estar) la j chega-
da ao throuo de toda a merc e graca 1
Oh San!i.-.sima Virgera, olhae graciosamente
para nos, e moslrae-voa sempre uossa Mae
*er provenientes da lico desregrada da Biblia,
bastaran) para justificar exuberantemente os te-
mores da pgreja : mas quando esta mesma pgrpja
observa as sociedades bblicas proclamaren em
altas vozes o seu alvo, que a destrincan da fe
catholica, porventura cousa extranha que ell
fulmine aualhemas contra suas manobras, e que a
Alguns ministros de m f alreveram-se a pre
tender, que sobre o santo livro da palana de
Deus que recahia o analhema da autoridade ec-
clesias.ica : tem acaso semelhante calumnia ne-
cessidade de ser refutada ? O que a autoridade
eondemna sao as biblias truncadas, falsifcalas,
acoraranhadaj de couimenlarios injuriosos reli-
gio ; o que ella as.-ignala indignacao dos ca-
thulicos sao esses innumeraveirlbellos diffamato-
rios, essas exctac5es e aposissia rom que se faz
acompanhar a destnbiiicao do testamento de Jess
Christo ; o que ella veta a-> duspreso de todas as
pessoas honestas, sao essa* insinuares to perfilas
e mentirosas. Pegae nesse llvro e lde, lde
principalmente as notas addicionadas ao texto ;
ahi veris que os padrps sao un embusteiros, que
vos enganam, que vos deixara na ignorancia, que
vos querem dominar, ele. etc. Acaso nao tem
a egreja razio para desconfiar quando v a Biblia
di-tnbunla com to fantico encamicameuto por
sectarios, que, a maior parle das vezes, nao crem
era na Biblia, nem em Jess Ciiristo, nem em
Dos, revolucionarios, e impos declarados ?
Estas sociedades bblicas nao sao outras vezes
senao urna machina de guerra imlilica e revolu-
Considerae em segundo lugar o que elevou essa cionaria. Eis aqu o nolavel conceito que deltas
Santissima Virgem a esta glora sui-ereminente, faz, e acerca de suas intrigas na Italia, o doutor
que honramos na festa da sua As>umpcSo. t. Foi
a sua profundsima humildad*:; ella foi exaltada
cima de todos, porqce foi a mais humilde de to-
dos ; porque aquello que se humilha mai< sobre a
Ierra, ser o mais exaltado no cu. 2." Foi a sua
perfeita pureza de alma e corno, espirito e cora-
cao isemptos de toda a mancha de peccadn. 3.
Foi principalmente seu amor unereminente de
Deus ; porque o gru do gozo de Deus na sua glo-
ra eterna spmnre rronorcinnado ao gru do
nosso amor de Dens nesta vida mortal.
Se entao esperamos um dia seguir esta Santis-
sima Virgem ao cu, e participar da gloria da sha
Assumpcao, devemns esforcar-nns pnr imitar a sua
humiidade, a sua pureza e o seu amor de Deus
Nenhuma alma pode subir ao cu, por ontro ca-
minho, seno o da humildade, pureza e amor de
Deus.
Considerae em terceiro lagar, que esta imitacin
das virtudes da Santissima Virgem, um modo
encellme de honra-la e de Ihe provar nossa ver
dadeira estima, amor e devncao, porque, de nutra
forma podemos testificar irelhnr a nossa afTeirao e
veneracan pelos Santos de Deus, do que por hon-
rar e amar nelles aquillo que Ihps fez Santo, e
aqni'lo que o oronrlo Deus honra e ama nelles.
isto, as suas virtudes ? Ou de que modo pode-
mos exprimir melhnr nossa esiima e amnr por
suas virtudes, do que por estudar a imita las ?
Esta esppcie de devoco a mais agradavel aos
santos, Rainha dos santos e a > Deus dos santos ;
a mais honrosa para ellas e a mais lucrativa rem Cntra 'bu *
para nos. Levar-nos-ha eff.-divamente sociedade
dos santos, que sera osla nenhuma outra devocao
' nos pode segurar.
Concluiris em regosijar-vos de tal forma na
exulta^ao da no . de sua gloria, que hoje tomareis una generosa re-
solueao de encarainhar era seus p isso-.nea imitacao
diligente dp sua vida ; purera nuil especialmente
em seguir o grande exemplo de sua humildade,
pureza e seu amor de Deus. Bta vossa genprosa
resnluco ser lio agradavel ella, que accrescen-
tar urna nova satisfcelo e alegra immensa fe-
licidade que ella antes possuia.
Leo, famoso protestanie aliemao, dotado de espiri-
to elevado, e de Ho vulgar scienca.
O papa, diz elle, charaou s sociedades bblicas
pestes, e eu ci, pela minha parte, se fra papa e
italiano, faria outro tanto. Tenhamos pois a boa f
de examinar o que os einissarios das sociedades
protestantes inglezas praticam nos paizes calholi-
cos cora urna falta de attengoes e de pudor que nao
conhece limites ; como todos os ni -i is Ihes pare-
cera bons para espaldar a Biblia coran a fazem
chegar, sera a menor discripcao, as mios dos ho-
inens menos aptos a comprehende-la ; como se-
meain doutrinas que introduzem a confu>io nos
espirilos, que o.Tendem a moralidadp, abalam a
autoridade social e a ordem ecclesiastica ; e que,
em summa, nao tem se nio urna accao revolucio-
naria.
As sociedades bblicas, neslrs ltimos lempos,
teem serv lo de instrumento aos autores das ma-
clnnacoes execraveis, que hao transtornado a Italia
Alera disso, o zelo protestante da Inglaterra fran-
queia caminho p ilitiea eao comraercio ii glez.
que se intro luzem na Italia, com a Biblia na mi.
A Biblia a pelle de ooeltia, debji.ro da qual se es-
conde o lobo.
Eis aqu a questo jnlgada por ura protestante
A Biblia protestante neuhuma outra cousa se nao
urna pelle hypocrita com que simultneamente se
acuberta a increJulida le e a revohn;io. Os pasto-
res que guardara o rraanho iU Jess Christo lo-
hrigaram sob esta pelle de eraprestuuo a fera san-
guesedenta. Quem ousara censura-Ios por grita-
mm
Nicoiu continuon :
Em piova de confianca que me mereces, as-
sim que eslivermos em Palmeira, convidarei Ra-
phael.
Nao quero! atalhou Beatriz com vehemen-
cia. Macoas-me cruelmente se o fizeres.
Comprehendo o teu pundonor, tornou Nico-
lu, sobarbo do pundonor de sua esposa.
Neste dia, disse o mnrgado ao sogro:
Vainas passar algum lempo aldeia.
Fazeis bem, respondeu Martinho ; Beatriz
precisa de bons ares, que est com m cor.
E, talvez, l liquemos, se ella quizer.
E' natural que nao.
Pois enganas-le, primo : ella mesma aven-
tou a idea da mudanca.
Ella? I
Sim.
Martinho Xavier ficou pensativo largo espaco, e
replicn :
Fui sbita essa determinacao de Beatriz !
Uit-e-ni'a hoje.
E-ii botn...
- O tilho operou orna natural mudanca no es-
pirito de Beatriz.
Deve ser isso.. .disse abstradamente Mar-
tinho Xavier.
Enoheu-me de jubilo esta grave transforma-
cao aos dezoilo anuos...
Sao raras estas transtermacoes, tornou o ou.
tro, meditativo.
Vaes comnosco?
Vou, responden Martinho enrgicamente.
Vou, sem duvida.
Esraamo-lo devras.
Relatou Nicolao a sua mulher a substancia des-
te dialogo, e a resnluco do pae.
Vae coran oso ? exclamnu ellacom irreflee-
do transporte. Forte perseguirle 1... E' dot
mais I.. .Para que me casei eu? Ou bem son filha'
ou son esposa I
Podes ser ambas as cousas dignamente, ach-
diu o marido.
Ora !.. .redarguiu ella com arremco ; e,
cahlndoem si, ajonlou ahatpndn a voz: Deixa-lo
r.. .que ni| nara Chaves nao volto.. .Se meo pae
nao pndia vi ver sem mim, nara que me cas >n ?...
A minha srisma esta. Sim I para que me ca-
sou?
Nio tens razan, prima. I
Pois nao tpnho ? Quer affagos e cuidados,
que en nao posso repartir. Sou esposa e mae ; e
alera di-so preciso olbar para rainha casa.
Pois, meu amor, deixa-lo ir; trata-o com ami-
POB QUE RAZX0 SAO COSDEMNADAS* PELA P.OREJA AS
SOCIEDADES BBLICA
Um ralholico mu pied-sn, qnp*na meditacio da
Sagrada Esc.riptnra encontra para a vida religiosa, me pergnntava se as socie-
dades bblicas, pspa'hando copiosa mente os expra-
plares da mpsma Biblia, nao latan, em snmma,
urna cnoa til s almas p nao da'am, sem osabe-
rera, proficuo auxilio pgrpja catholica. Admira-
va-se es|p de que o Papa as houvps=e solemnemen-
te enndemnado e as tivesse appellidado pestes.
Os perigos, que a triste experiencia tem fet
zade de filha, e mostra-te feliz, que elle le deixar
viver em tua casa.
Grande parte desta pralica foi communicada a
Martinho Xavier pela aia de Beatriz. O fldalgo
aguardou occasiio de enconlra-la a sos, e disse-
Ihe
Sei que intencoes te levam para Palmeira.
Sabe... que intencoes? I...
Nao admilto interrogatorio... Quero ser ou-
vido em silencio. Resolv acompanhar-te para de
feuder do abysiuo. Mudei. Nao vou. Escuso de ir.
O ahysmo esta anorto. Vaes cair, eegracada 1 E
tao depressa caas, eu te hei-de ir inostrar-le la
cera o dedo a teu marido : Ella ali esta despe-
nhada. Quiz salva-la, e nao pude. Agora escarra-
Ihe na cara, que tu nao tens esposa, era en
filha I >
Meu pae I exclamou ella alUicta Meu pae,
eu nao somrrlmmosa I
Vaes s lo.
Juro-lhe que nao 1
Mentes a ti propria. Raphael est recobendo
cartas las ; um dos teus criados entrega-te cartas
do libertino, do carrasco da tua honra.
E' false....
Falso o teu juramento, Reatriz I Nao me
desminlas, eu justificme na presenca de teu ma-
rido.
Por quem ... por alma de minha tnie !...
bradou ella solucando.
Tua mae foi urna santa. Se est no cu, e te
v a con-ciencia, l mesmo ao cu Ihe mandaste
om inferno, coracao perdido I... Ficas sabendo
que eu vigi as tuas aceda e as de Raphael. Escu-
so de seguirse Palmeira. Eu hei-de saber a hora
a que le precipitas pontualmente. Etite me
vers !...
Voltnu o rosto s lagrimas da filha, e sa'dn.
Das depois, preparadas as bagagens, e posta
hora da partida, foi Nirolu avisar o sogro. Marti-
nho Xavir eslava de cama com febres, e differma
sua ida para mais tarde.
Observou o raorgado que elle, ao apertar-lhe a
mi", chorava. Foi despedir-se a filha cabeceira
do leiio ; e, u'um instante que licarain sziubos,
disM'-lrie o pae :
Se Deus me fornea agora d'este mundo, fur-
tava-me formidave! angu>tia que me preparas.
Juro-te que nao I
Antes do terceiro juramento, perder-te-has,
murmurou Martinho Xavier.
De-peJiran -se.
Beatriz sahiu no proposito de esmagar o rnr i-
co debaixo do peso da honra. Eslava aberta urna
L-se na Gazeta de Portugal:
Meu menino, quantos deuses ha ?
Um.
E pessoas ?
Tres.
Quaes sao ?
ii Pae, o Filho e o Espirito Sanio.
O Pae Deus ?
Sim, senhor
O Filho Deus ?
Nao, ,ouiiui mas lia de se-lo quando mor-
rer o pae.
Do Fgaro, interessante folha de Pars, traduzi-
mos a segrate ancdota :
Por occasiio das testas de 15 de agosto, urna se-
nhora no seu estado interessante muilo adiantado,
deu luz um alentado rapaz era urna carruagera
de I" classedo caminho de ferro de Rouen.
Foi na occasiio do eraprega lo recebar os bilhe-
tes que reparn para este accrescirao inesperado
de recolta. Dingiu-se por isso ao pequeuito o dis-
se-lhe :
O seu bilhete, meu senhor.
Estou cora esta aminora, respondeu o meni-
no, apuntando para a ni a mae.
egreja e ella enlrou a pedir V.rgein que ihe
dsse forcas, e orou longo lempo. Ergueu-se con-
solada e forte.
E-creveu Raphael, supplicando Ihe que Ihe
nio escrevesse mais, que a deixasse morrer de
saudades, mas sem o stygma d'uina vilipendiosa
desgraea.
Pronietteu amalo nn cu ; e, pela vida de seu fi-
lhn, jurn que se malaria antes de ultrajar seu ma-
rido.
E-ta carta era urna rehabilitacao.
Foi para Palmeira. la doente e amargnrada.
Parece isto conira-senso. Devia ir jubilosa de sua
valenta. Nao assim. As mulheres, depois destes
triumphos, cann decepadas. O que Ihes d forcas
a ellas sao as fragilidades.
P'ssados quinze dias, espanlou-se ella do silen-
cio de Raph >el, e disse entre si : Nao me tinha
amor I l'as.-adu ura mez, disse : Tenho-lhe
odio !
Martinho Xavier conveleu rpidamente, assim
que Ihe ilerain una alegre nova.
Fui a Palmeira, e na preseuca da filha, lallou as-
sim a Nicolao :
Nio sabes a facanha de Raphael ?
Nao sei nada. Aqui nao lera viudo ninguera
d'esses sitios.
Pois ouve l....
E" o caso da menina de Basto ?
Que menina de Basto ? Essa historia nao sei
en. O que sei que chegou Chaves um coronel
de cavallaria, casado com urna senhora de nna
ediicacin, e vjnte annos, ou cousa asshn. A senho-
ra deu-se mal cora o ares de Chaves, e foi para a
quinta de S. Lourenco, prxima Fayoes. Em
menos de quinze das, Raphael loumu cinta da es-
posa do coronel, e foi para a Hespanha. Pergunto
eu agora a meu pruno Nicolao, se o mundo diz a
vigsima parle da verdade 7
- Aquillo um laslnnavel doudo I... obser-
vou o otorgado com pena. E ella parece-me mais
douia aiuda : se elle bem suuues.se... ijue futuro
O espera co.n as disciplinas da vingauca !-..
Beatriz uuvira a Historia, cora uiiiuubilidade de
estatua. A' reflexao do marido fez ura gesto forca-
du de asseiitiuieotu. Assim que o lidio vagiu no
berco, correu para junto delle, chorou era sarjas
abaladas as roopas do berco, que embalava para
se Ihe nao ouvireui os solucos.
Mentir meu pae para rae desvanecer ? ppn-
sava elle corasigo, e, ao mesmo tengo, resava
Mi de Jess, pedindo-lhe o esquecimento do ho-
rnera fatal.
Nao mentira Martinho Xavier.
O empregado nio ncon moiio contente.
Entio um sujeito, bastaore eonheeio aw esta
do? acerca das geraedes esponuneas, esclarece*
completamente a questo
E-te senhor, disse elle, f-"Tindo .ido, um viajante que passou do interior para a
ni iraeira cla?se.
Esl em processo nos irilmnaes fraiwezM um
iiumein de 30 anuos, Reuiy Harsonneau. irap. m>.
que resida no i- andar do predio n. III da rea
do llaui Transit.
Este miseravel tinha um filho dp II annos.
Um destes ltimos dias atmi as mios a enanca,
deitou-a no chao, cerenu-a de papis e trapo*, aos
quaes deitou fogo, depois fechou a porta de cana e
sahiu para a ra.
Um vizinho, o Sr. Danez, vendo sabir fumo pelas
lanellas do predio, que. ||,e firava prximo, rhamoa
soccorro e fui elle quem primeiro entro* en casa,
consegumdo salvar a erianca.
O infeliz ja tinha chamuscada urna pane do car-
po e eslava quasi a confessar o altentado de seu pae ; mas al nal, roa-
vencido de que nao voltaria para a ~mjnnti:
delle, confessou tudo.
0 trapeiro foi preso, e a iodignacio contra o
procedimenlo de um tal pae tem subido i
E' do Sr. Sena Jnior e neauea
(A' urna menina./
Quando tu fulgas no jardim a larde,
E le reclinas a eolher a Oor,
Que grata e bella le seduz, le prende.
Que te captiva n'ura olhar de am jr ;
Quando teus labios purpurinos.. soffregos
Vacara no rahx dessa flor agreste.
Toda a delicia da innocencia d'anjo :
Frucio dilecto de uraa man celeste ;
Quando, travessa I n'ura correr sem leraaos
E que caneada tu te vs sera mira ;
Qnando, medrosa assim nie*mo oppressa,
Teu peito arqueja n'uin arfar sem fin :
Quando noltinha, na j mella, olhas.
As lindas chispas de amorosa la, s~
Que se debrucam no leu lio lo eolio
Era risos fros, de roupagem oua ;
Quando bem tarde essa flor colinda
Passa ao servico do altar de Dens !
Eu te contemplo hemdizendoa vida
Orando a Christo pelos votos leas.
A Naco conta o que segu
Diz ura jornal que certa noubilidade estraagei
ra conversando eum o papa, o eniretioha dos ana*
planos de. construccao de um magnifico palacio,
esta personagera, Po IX responden :
Nao posso iensar nessas grandes eaajajejf ca acudo ao mais urgente e assim ap lico le ten na
recursos de que posso dispt>r. a augmentar a anv>
pilal dos alienados, por que a revotucio perde to-
dos os dias mu.tas cabecas.

Um jornal estrangeiro assevera, que o aaaaaro
dos naufragios no presente anno ja sobe a 1M8.

A confraria de S. Ladislao de Hnngria eamea
ao Santo Padre a quantia de lO.m D francos rosno
testemuiiho da adheio e respeito das paacaarVcs
calholicas da Hungra.
Urna folha estrangeira da a segninte lista das re-
liquias egaaataa actualmente a Coioaia veacra-
cin dos fiis.
Na caihedral: as rinzas d*< rei magns; os *o*s
annei da caiteia qu S. J a.rBapti-U trazia na OCl-
sao; a parte superiur do cajailo que esir
trouxe na mi, e que elle m;smo deu a S. Mater-
no, natural de Colunia.
A outra parte deste tajado acha-se em
burgo.
Na egreja de Santo Andr; os ossos dos sete Ma-
chab-us e os de sua mae.
Na egreja dos jesutas : a tnica de Santo 'na-
ci de Luyla: a coro i de rosas de S. Francisco
Xavier e o crucilixo de Santo Eloy.
Na egreja das ursulinas os restos de Santa r-
sula e das onze mil virgens.
Na egreja de Gereon : as cabecas d> S. Orean e
de S. Gregorio, p as de duas |egie< da soldado
thehanos e urna reliquia de Santa Helena.
Raphael, assim que recebeua ultima caru do
Beatriz, rhorou o lempo desbirata*! n'nmv espe-
ranza, alera da qual se carregavain ausuioras
borrascas.
Doeu-se da torca d'alma com que ella o despeda,
e broa a injudiciusa illaccao de que era nv-Jire-
menle amado ; por pie as grandes paixes querera
o estampido, e o svo da< grandes dnaanjpe, ^e-
nhuin dos seus romances faua avfla honrosa de
hroes que se deixas.em morrer da pecnoha de
ideal.
Olhou o moco em si viu-se com Tinte e tres
anuos, futuro largo, viole primaveras anda a re-
florirem-se.
Enojou-se da inercia de seis mezps, em a*c dei-
xara aiiazarein-se as suas arden te, (acuidades. Sal-
too para o sebm do melbor ravallo, desituu por
montes e valles, itsHa* prunas, que elfo li mii
nava u seu medalbeuo de e-imlos niirnimiiii u
reslaare* galantems amigos, autigosdeseis aeres-
e. ue.-la andadura, foi dar a quinta de S. Lwrrn.
(o, mide vivia um geueral relurntadu cosa ira so-
i brindas.
ApresenUrara-lhe a hospeda, esposa do coronel.
era formosa, era syinpaiiiicj, mas mirm fie
; pela meloda com que vibravaa escala ehrwniaf'ra
em cada dezena de palavras quedizia : era lisbo-
, ta a dama.
O galanteio eomecou all, sem advertencia du
geueral. Continuon no- quatorze das ,ub rqu.nl j.
cuidando o dono da casa que a nauorada era aaaa
de suas sobrinhas.
O coronel, porque era marido, recejara que o
general se engaas* : reveloo as suas dnadaa. e
o bravo de Bussaco respo i.leu que tinha esa >
uso a espada com que esponjara om oquadrio
de francezes.
Em hora u-o e-tava de certo a espada ; vireni,
talvez. I tos ea*ea va o coronel na espada d sea ami-
go, quando a espo-a m- ia arrebolada no arrie
da sella do mais i>ossaule murzed-i de R nfjnl
Aqu e.-ta a simples nisioria, flPMSflbrui c-
criplura por mais aparada peuna, tarta chorar as
leitores. ^^ -
Muita gente n-se disto. Oumneyaata os teos
ao cea : couieiupla o iinpeitaraandp*uvintetn*'i
dos asiro-, interroga o Creador, e aiz:
E autio ?
A Providencia responde, depoi qne a iMerroga-
dores estio esquecidos da sua audacia sao llega.
[Conti
PER.\"AMniT.O,-TYP. DF. M F. D F. A nU
! .!,



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQU5BXVB4_LNDKDV INGEST_TIME 2013-08-28T02:11:41Z PACKAGE AA00011611_10500
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES