Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10496


This item is only available as the following downloads:


Full Text
/
WiO U. flDlEBQ 240.
Per tres ezes adiantados 5$O0
Por tres mezes vencidos 6$U0
Porte a cerreie por tres mezes. 750
OOAKTA FEIBA 19 DE 0UTDBR0 DE 1864.
Per aune adan tadt.....49S00O
Porte ao correio por nm anno 3$0()
ENCARRJiGADOS JA bUBaLRiPCO NO NOiUE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracatv,o
8r.A. de Lemos Braga; Gear, o Sr. J. Jos"de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
INCARRKGADOS DA SUB3CRIPCAO NO SL.
Atagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Bahia, o
rr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins & Gasparino.
-aRIIL-A va fialAJilA.
Oiinda, Cabo e Escaaa todos os das.
Iguarassu*, Goyanna e Parahyba as segundas o
sextas-feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacarai,Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Serinhaem, Rio Forraoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros.Agna Preta e Pimenteiras as quintas feiras.
una de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao Va dia.
EPHEMERiDES DO MEZ DE OOTCBRO.
8 Quarto cresc. a 1 h., 17 m. e 30 s. da t.
lo La cheia as 4 h., 55 m. e 38 s. da m.
22 Quarto ming. as 8 h., o) m. e 48 s. da m.
30 La nova a 1 h., 8 m. e 26 s. da t.
PREAMAR DK HOJB.
Primeira as 6 horas e 6 minutos da manha.
Segunda as S horas 30 minutos da tarde.
t.-JLl,. LO* Va.ORio .OSTIROj.
Para o snl at Aiagoas a 5 e 36; pir* o norte at
a Granja a 7 e a2 de cada me; para Fernando nos
das 14dos mezes dejan. marr.,maio. jol. set. enov.
PARTIDA DOo 'MNIBUS.
... Sa Recife; fl0 Apipucos s 6 ',', 7, 7 Vi, 8 e
8 Vi da m.; de Oiinda s 8 da ra. e 6 da tarde; de
Jaboatao s 6/ da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos s 3 A. 4,4 V*, Vi,
2*V." s V e 6 da larde; para Oiinda s 7 da
nanna e 4 Vi tarde; para Cachang e Varzea s 4 Vi da tarde;
para Bemflca s 4 da tarde.
AD.BNC a DOS TRIBUN.AS3 DA CAPftAL
Tribunal do commercio: segundas quintas.
Relaco: terjas e sabtados s 10 horas.
Fazenda: quinta. s 10 horas.
Joizo do commercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas sextas ao meio
dia.
Segunda rara do civel: ruartas 9 sabbados a 1 hora
da tarde
DaS DA SEMANA.
17. Segunda. S. Florentino b.; S. Mariano m.
18. Terca. S. Lucas evangelista; S. TrifMa a.
I1', ijuat ui. S. Pedro de Alcntara f. p. do imp.
20. Quinta. S. Joo Canrio; S. Crapazio m.
21. Sexta. S. rsula < mi.is mnip. vv. mn.
22. Sahbado. S. Ladislao f.: S. Il-raclio m.
23. Domingo. S. Joo di- Capistraoo f.
ASSIG.N'A-SE
no Recife, em a linaria da praca da Independen-
cia ns. 6e8, Sos p. oprmanos Mano! Figaein
de Paria & Filho.
PARTE OFFiGlAL
fiOVERNO DA PROVINCIA.
Conlimiara do expediente de dia 11 de outubro de
18fri.
Oflicio ao commandante superior do Rio Formo-
so Admita V. S. o major doesquadro de caval-
laria da guarda nacional, sob seu commando su-
perior, Prisclano de Barros Accioly Lins, a prestar
juramento do estylo por meio de procura cao, visto
ser isso de le, e nao poder elle comparecer pes-
soalmente, como declarou em oIBcio de 29 de se-
tembro ultimo.
15 -
Oflicio ao Exm. Sr. presidente da provincia de
Santa Catharina. -Coin o offlcio de V. Exc, de 27
de setembro ultimo, recebi 2 exemplares da col-
lecgo das leis promulgadas nessa provincia, no
corrente anno, e bera assim do relatorio com que o
Exm. Io vice-presidente dessa provincia, passou
V. Exc. no da 2o de abril ultimo a administracao
da mesma provincia.
Dito ao Exm. presidente da provincia do Matto-
Grosso. Cuna o offlcio de V. Exc. de 11 de agosto
ultimo, recebi 2 colleccoes dos actos da assembla
legislativa dessa proviucia, promulgados na sesso
ordinaria do corrente anno.
Dito ao Exm. Sr. Dr. Pedro de Alcntara Cer-
queira Leile, presidente da provincia de Minas-Ge-
raes.Ficando inteirado pela seu offlcio de 20 de
setembro prximo lindo, de haver V. Exc. prestado
juramento e entrado no exercicio do cargo de pre-
sidente da provincia, para o qual foi nomeado por
carta imperial de 16 de julho ultimo, cumpre asse-
verar V. Exc. que me achara sempre disposto a
executar suas ordens quer tendam ao servico pu-
blico, quer ao particular de V. Exc.
Dito ao Exm. Dr. vigario capitular.Communi-
co V. Exc. que por decreto de 20 de agosto ulti-
mo, como couslou-me de participagoda reparligo
do imperio de 26 daquelle mez, foi apresentado o
padre Jeronymo Jos Pacheco de Albuquerque Ma-
ranno, na igreja parochial de Nossa Seuhorada
Conceico da cidade de Nazareth desta provincia.
Fizeram-se as necessarias communicacoes.
Dito ao coronel commandante das armas.Man-
de V. S. apresentar 2 soldados ao Dr. chefe de po-
lica, no dia em que seguir para o sul o vapor que
se espera do norte, alim de escoitarem um crimi-
noso que aquelle magistrado tem de remetter para
a provincia das Aiagoas.Communicou-se ao Dr.
chefe de polica.
Dito ao mesmo.Mande V. S. postar no cemile-
rio publico, hoje s 4 horas da tarde, urna guarda
para fazer as honras fnebres do estylo ao tinado
tenente da guarda nacional deste municipio Gui-
Ihermino de Albuquerque Marlins Pereira, fleando
V. S. ceno de que a directora ao arsenal de guer-
ra el autorisada a fornecer por couta do ministe-
rio Ja j iisti i;a o cartuxame necessario para a des-
carga que tem de dar a referida guarda.Ex-
pC'lio-se a ordem de qua se trata, ao arsenal de
guerra.
Dito ao mesmo.Mande V. S. apresentar com
urgencia ao Dr. chefe de polica, 13 pravas com-
maiidadas por um inferior, allm de escoitarem 7
criminosos que vo responder ao jury no termo de
Goianna.Coramumcouse ao Dr. chefe de po-
lica.
Dito ao mesmo.Remetto incluso V. S. a peti-
c,ao que me dirigi a irmandade do Senhor B >m
Jess dos Passos da freguezia do Recife, aflm de
que atten-la ao que requer a mesma irmandade no
caso de ser possivel.
Dilo ao inspector da thesonrana de faz-rada.
Respondendo ao offlcio que V. S. me dirigi em 8
do corrente, sol) n. 578, tenho a dizer quanlo a
primeira parle que vai ter o conveniente destino, o
offlcio sob n. 32, que com endereeo ao Exm. Sr.
ministro da guerra, veio annexo ao que cima se,
trata, e quanlo a segunda, que para cumprimenlo
do di.-posto no aviso de 12 de agosto ultimo, deve
V. S. nos venc medios do tenente Lupercio Galia-
gem Champlone, fazer os dcscontos, que em casos
idnticos determina a lei.
Dito ao mesmo. Remello V. S. para os conve-
nientes exames as inclusas contas documentadas
da receita e despeza do hospital militar, relativas
ao mez de setembro prximo pissado.
Dito ao mesmo.Annuindo ao que solicitou o
coronel commandante das armas em offlcio de 13
do corrente, sob n. 1,793, recommendo V. S. que
cm vista da conla junta em duplcala, mande pa-
gar a quantia de 425000 em que importou o con-
cert feto ptlo tanoeiro Jos Francisco Rento, na
pipa e carraca que conduz a agua polavel do cha-
farizpara o qnartel do 7o batalho de infamara, I
vistu nao poder esse pagamento ser effectuado pela |
caixa de economas licitas daquelle batalhio, se-1
gundo declarou o respectivo commandante e o!
mencionado coronel.Fizeram-se as necessarias
communicaco -s.
Dito ao mesmo.A vista de sua informacao n.
593 de 14 do corrente, autoriso V. S. a mandar
abonar ao tenente-coronel commandante do bata-
lho n. 51 de infamara da guarda nacional do mu-
nicipio do Pao d'A'ho, de conformida^e com o or-
namento que aqu junto a quantia de 2463 00
para compra dos livros necessarios ao expediente
do mesmo batalho devendo essa quantia ser en-
tregue ao capilao quartel-mestre do estado-maior
do respectivo commandante superior. Communi-
cou-seao predita commandante superior.
Dito ao mesmo. J Tomando em considerado o
que expoz o juiz municipal do termo de Gara-
nhuns, em oflicio de 4 do corrente recommendo
V. S. que mande levar em conla a o collector d'a-
quelle municipio a quantia de 1503000 res que
adianiou em vista do competente pret e a pciido
do mencionado Juiz para pagamento das pragas de
primeira linha que foram a mella villa escoltando
preses de justica, all demoraram-se para a com-
panhar os que veram de regressar a esta capi-
tal por haverem sido cunJemnados pelo respectivo
jury.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S., em vista de sua
informacao de hontem, sob n. 592 a mandar pa-
gar quando houver crdito ao pliarmiceutico Ma-
noel J'iaquim das Trevas Mannho, ou ao seu pro-
curador, conforme solicitou o chefe de polica em
oflicio do 13 de maio ultimo, n. 568, a quantia de
61^000 res, em que, segundo a conla que devol-
vo, imporlaram as despezas-feilas durante o mez
de abril deste anno com o (ratamente das pravas
do 2 batalho de infamara constantes da predita!
coma e destacadas no termo de Santo Anto.:
Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dito ao inspector da (hesouraria provincial.
Pariicipando-me o chefe interino da repartirlo das |
obTas publicas em offlcio de hontem, sob n. | 287
haver rerebido provisoriamente o 18 lan;o de 500
tiraras da estrada do norte (empreza Mamede) por
j achar-se concluido ; assim o declaro V. S.
para seu conhecimento, e aflm de que, em vista do
competente certificado mande pagar ao respectivo
empreiteiro a quantia a que elle tiver dreito.
Commuuicou-se ao engenheiro chefe da reparticao
das obras publicas.
Ufa ao mesmo. Reeommendo V. S. que em
vista do competente certificado mande pagar ao
arrematante do 3o termo da estrada do snl a quan-
tia de 304,5950 ris, a que tem dreito por haver
cumpndo as condgSes do seu contrato durante o
mez de setembro ultimo, segundo consta de offl-
cio do chtif iuterino da reparticao das obras pu-
blicas datado de hontem e sob n. 286. Commu-
oicou-se ao engenheiro chefe da reparticao das
obras publicas.
Dito ao mesmo.Inteirado do conteudo de sua
informacao de hontem, sob n. 450, dada acerca do
requerimento do Aadr de Abreu Porto e Joaquim
de Albuquerque Mello, lenho a dizer que, nao se
dando inconveniente algum para que essa Ihesou-
rana receba a decima, que esto a dever os sup-
plicantes de seus predios, relativamente ao primei-
ra e segundo semestre de 1863 a 1864 e o primei-
ra de 1864 1865, e antes sendo vantajoso, que
se evite o processo para essa cobranga, mande
V. S. que sejam elles atlendidos, pagando nao s
a dcima de que se traa, mas lambem a multa a
| que esto sujeitos pela disposigao do lu do arli-
i go 21 do regulamonto de 16 de abril de 1842.
Dilo ao mesmo. -Nao havendo incoave mente
mande V. S. pagar a Joio Carlos Augusto da Silva
a quanlia de 1:8413507 ris despendida com o
sustento e dietas para os presos pobres da casa de
detenco durante o mez de setembro ultimo, co-
mo se v dos inclusos documentos que para esse
fim remetteu-me o chefe de polica cora oflicio de
hontem sob n. 1273.
Dito ao desembargado!1 provedor da Santa Casa
de Misericordia. Em vista de sua informacao de
12 do corrente, mande V. S. inscrever no respec-
tivo quadro a fim de serem opportunaraenie ad-
miudos no collegio dos orphos, os lilhos de Fran-
cisca Maria de Moraes de nones Dellino e An-
tonio.
Dito ao commandante do corpo de polica.
Pode V. S. fazer engajar para o servico do corpo
sob seu commando os paisanos Jos Guilherme
da Silva Duarle, e Manoel Antonio da Silva, que
para isso foram julgados aptos, como consta de
seu offlcio n. 453 de 13 do corrente.
Dito ao mesmo. Era additamento ao meu offl-
cio desta data reeommendo a V. S. que faca apre-
sentar ao Dr. chefe de polica s 11 horas* da ma-
nha do dia 17 do crreme s 8 pragas que se-
guera para Serinhaem a lira de escoitarem dous
criminosos que all vao responder ao jury. Fi-
zeram-se as necessarias commuuicagoes.
Dito ao engenheiro chefe da reparligo das
obras publicas.Aecuso recebido o offlcio de 3 do
corrente, sob n. 267, em que Vine, participou ha-
ver empreitado com B-rnardino de Sena Hearique,
pela quantia de 4003000 ris, a pintura e caladu-
ra do quartil do corpo de polica, e em resposta I
tinlio a dizer que approvo essa sua deliberago da i
qual acabo de dar sciencia thesouraria provn-1
cial.Communicou-se thesouraria provincial.
Ditoao mesmo. Fica approvado o programma
que veio annexo ao seu oflicio de hontem sob o.
284, das materias precisas ao concurso para pre-
enctiimento dos lugares de conductores, pratican-
les, e escreventes dessa reparticao : o que declaro
Vine, para seu conhecimento e fim conveniente.
Dito ao director do arsenal de guerra. Em vis-
ta do que Vmc. expoz em seu offlcio n. 63 de 14
do corrente roeommendo-lhe que mande fornecer
com urgencia ao batalho n. 9 de infamara as
pecas de fardamento tranco mencionadas em a
nota n. 2 a que allude o meu olflcio de 13 de Ja-
ndo deste anno, empregan lo Vmc. nesse torneci-
mento os artigos de semelhinle fardamento que
esto destinados ao corpo de guarnigo do Cear,
e activando a factura de oulros a flm de ser satis-
feto com brevidade o pedido do mesmo corpo.
Communicou-se ao coronel commandante das ar-
mas.
Dito ao consclho admnstralvo. Remetto ao
conselho administrativo por copia, para seu conhe-
cimento, o termo de exam. que se proceden nos
medicamentos uendidos pelo boticario Joaijuim Ig-
nacio Ribero Jnior para a pharmacia da enfer-
mara militar do presidio de Fernando.
Dito ao r. Manoel Clementinn Larneiro da Cu-
nta, juiz de direilo do Cabo. Remetto Vmc. a
inclusa portara, que para ter esse destino recebi
com o olDcio do Exm. conselh-iro pre-idenle do
supremo tribunal militar de justica, de 28 do mez
Ando.Communicou-se ao preditoeooselheiro.
Dito ao commandante do brgue-barca Itamara-
e.Havendo suspeilas de que o individuo de no-
me Jos Pedro de Albuquerque Lima seja desertor
da armada, cumpre que se aguarde a de'ib-rago
que o Exm. Sr. ministro di mannha houver de to-
mar a respeito delle e que nesta dala solicito.
Portara. O presidente di provincia, confor-
mandjj-se com a proposta do Dr. chefe de polica
n. 1275 de 14 do corrente, resol ve nom-ar o tenen-
te coronel Joaquim Goncalves Guerra para o lugar
vago de Io suoplenie do'delegada d i termo de Na-
zareth. Communicou-se ao Dr. chefo de polica.
Dita. O presidente da provincia, conformndo-
se com a proposta do Dr. chefe de polica n. 1275,
do 14 do corrente, resolve considerar vairos os lu-
gares de 4o e 5" supplenles do subielegado do dis-
tricto de Laranjeras, 2" da freguezia de Nazareth,
por ter fallecido Jos Xavier de Andrade, e haver
mudado de domicilio Manoel Jos da Silva Cabral,
e para substituir a estes nomea :
Supplenles :
4. Lourengo Paulao Velho de Mello.
5." Manoel d'Oliveira e Silva.
Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernam'iuca-
na mande dar transporte ate o Cear, no primeira
vapor que passar para o norte, em lugar de r des-
tinado passageiro de estado, a Antonio Henriquc
de Miranda.
Expediente do secretario do governo do dia ".i
de outubro de 1861.
Oflicio ao vigario da freguezia dos Afogados.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia devolvo V. S. o mappa dos bitos, que acom-
panharam o seu oflicio de 16 de abril ultimo, alim
de que faga corrigir o equvoco que se nota as
sommas.
Dito ao procurador fiscal da thesouraria provin-
cial. O Exm. Sr. presidente da provincia manda
communcar V*. S. que, segundo constou de offl-
cio do Exm. presidente do Matto-Grosso, de 6 de
junho ultimo, foi entregue ao juiz dos fe i os da fa-
zenda daquella provincia, aflm de ter os devidos
effotos a carli precalori* expedida contra An Ir
A.ves da Fonceca Jnior e a que allude o offlcio
dessa procuradura fiscal, datada de 3 de marco do
corrente anno.
Despachos do dia lo de ondibro de 186i.
Rtqunimmtos.
Tenente Antonio ViMla de Castro Tavares.
Passe do que constar, nao havendo inconveniente.
O mesmo. Passe do que constar nao havendo
ncon :eniente.
Andr de Abren Porto e outro.Dirja-se the-
souraria provincial.
Antonio Bento Froes.O sunplicante ser atten-
dido, se a junta de san J o julgar incapaz de ser-
vir i.
Emilio Carlos Jordn.Informe o Sr. engenhei-
ro director das obras publicas.
Francisca Mana de Moraes.-Drija-se ao Sr.
desembargador provedor da Santa Casa de Mise-
ricordia.
Joaquim Marlinho da Cruz Correa. Informe o
Sr. presidente do conselho administrativo do arse-
nal de guerra.
Jos Mathias da Silva. A' visla da nformaojio,
nao tero lugar o que requer o supplicante.
D. Mara Luza de Mello. Em vista do disposto
no art. 4o do decreto n. 3310 de 24 de setembro ul-
timo, recolha a supplicante o Africano livre, de
que trata, ao arsenal de mannha.
OVi:it\0 DO BISP.4DO DE
PERYneuco.
SBiiH VA \ \l
outubro de lSii.
Expediente do dia 14.
Oflicio ao Exm. Sr. presidente do Rio-Grande
do Norte.EmpregndO todos os meios ao meu
alcance para fazer prosperar a religio catholica
nesta vasta diocese, eu nada conseguira por mim
mesmo, se nao achasse as autoridades constitui-
das outros lantos defensores da igreja, dispostos
a auxiliar-me francamente, todas as vezes que
me necessario recorrer sua poderosa inter-
vengo.
Neste presupposto, e conhecendo eu que em V.
Exc. tem a igreja um valioso apoo e um dedicado
defensor, V. Exc. recorro, alim de que se digne
dar as providencias, para que sejam devdamente
punidos qnatro individuos por nome Benjamim
Constant Simonette, Americo Vespucio Simonelte,
Genuino Ibrahim Simonette, e Landelino Cariolano
da Silva, os quaes no da 3 do corrente, na matriz
da villa de Goyaninha, estande o povo ali reunido
para celebrar o mez doloroso, arrojara-se armados
contra um mogo inuffensivo e inerme, fazem-lhe
dous ferimentos graves alm de algumas contusoes
pelo corpo, havendo derramamenlo de sangue pela
igreja, porm o povo em extremo alvorogo, e s
deixam a victima quando ella subtraida sua
sanha; sendo que na capella-mr Ihe vao anda
dar a ultima caeetada, fazendo-lhe mais um feri-
mento na cabeca.
O subdelegado de polica, Antonio Themistocles
Sirnonetie, que acudi na occasiao do conflicto, nao
prendeu os criminosos em flagrante; os soldados,
que tambem correram matriz, lizeram o papel de
meros espectadores I e o templo do Senhor foi
violade, e o pavimento sagrado foi manchado de
sangue humano, e os autores desse sacrilegio fica-
ram impunes I
Na amargura que me causa esla noticia, s me
occorre levar o acontecido sabia considerago de
V. Exc, de quem espero as providencias que o
caso exige, e de cujos sentimentos religiosos ludo
confio.
Tenho a honra de passar por copia s maos de
V. Exc. o auto da violago da igreja que foi lavra-
do cora as devidas formalidades, e o oflicio do Rv.
parocho respectivo, no qual me communica essa
triste occorrencia.
Aproveito a occasiao para apresentar V. Exc.
os meus protestos de alta considerago e es-
tima.
Dito ao vigario de Goyaninha.Tenho presente
o seu offlcio de 6 do corrente, narrando o infausto
acontecimento que no dia 3 do mesmo, deu lugar
violago da igreja matriz dessa villa.
So por um lado tenho que regorosijar-me vendo
os triumplios que nesta diocese vai a igreja alean-
gando com as repectidas conversos, que tem tido
lugar, por oulro lado me pungem dentro d'alma os
horrorosos alternados que homens sera religio e
sem lei ousam commetier no templo sagrado, no
meio do concurso dos fiis, na propria occasiao era
que se entoavam cnticos de louvar a Maria Sanlis-
sima I
Mas sei que, se no nosso paiz lia individuos que
se deslisam dos deveres do christo, e mesmo do
hornera civilisado, ha um poder civil que pela sua
firmeza e pela sua ortodoxia sabe reprimir o crime,
defender a religio dos insultos dos impios, e lazer
sentir aos dscolos que no paiz ha urna le que se
deve respeitar, ha urna religio que se deve reve-
renciar, sejam quaes forcm os sentiraenius inimos
de cada um.
Animado por estas consideragoes, leve! o oecor-
rido ao conhecimento do Exm. presidente dessa
provincia, de quem espero providencias contra os
autores desse sacrilegio, para o que Ihe remelle
por copia o auto da violaco da igreja e o offlcio de
V. Rvma.
Concedo V. Rvma. afaculdade para reconciliar
a igreja, o que espero V. Rvma. far com a pompa
e soiemnidade p issiveis, e concorrendo o povo
dessa fregtiez a para o desagravo da magestade de
um Deus to atrosmenle offendido.
Sabe V. Rvma. que sendo o desacato practicado
por esses individuos um verdadeiro sacrilegio os
>eus autores incorreram em excomrannhn ipso
fado, como expresso nos sagrados caones, e
constituicoes diocesana. Advrta-os, poisV. Rvma.
em meu nome para que quanlo antes procuren! ser
absolvidos, para o que autoriso a V. Rvma. No
caso porm de haver reluctancia da parte delles,
espero que sera demora me commumque para eu
obrar ulteriormente como fr de direilo.
- 15 -
Oflicio aos mnmbros do directorio do Ilabinete
PortUiuez de Leitura.Chegando ao m u conheci-
mento que nesse estabelecimenlo se questiona so-
bre a propriedade ou impropriedade de ficar na
livraria da casa e ser franqueada a leilura publica
a impa obra de Renn sobre a vida de Jess,
corre-me o rigoroso dever de ponderar a VV. SS.
inconveniencia, o perigo mesmo deexpSr essa obra
leitura da mocidade que, nao sei porque falalida-
de, est sempre disposla (salva honrosas excepcoes)
a abracar o erro, e desprezar a verdade.
No imperio da Santa-Cruz haliberdade religiosa,
certo, porm ha lambem urna religio de estado
que a religio catholica apostlica romana, cujo
chefe jrsi-s ciiristo; e a obra de Renn, atacando
da maneira a mais grosseira e atroz a divindade
de Jess, tende a nada menos, do que a solapar
pelos seus fundamentos a religio catholica, a reli-
gio do estado.
Eslou pois intimamente convencido de que VV.
SS. uo querero jamis que o gabinete portuguez
de leilura, que to relevantes servigos tem presta-
do entre nos, seja o vehculo, por onde se com-
mumquem taes doutiinas Mase ntretanto, ficando
na livraria essa obra, tem ella de percorrer as
maos de socios e nao socios ; tem de penetrar no
interior das familias, lem de ser lida porjovens
innocentes, que talvez ali vo beber a longos tra-
gos o desrespeito a Jess Chrlsto e a sua religio,
e por conseguinte o despudor e a llberiinagem.
Entre V V. SS. ha sem duvda pais de familia,
ha homens estabelecidos nessa praga, e pois nao
Ihe pode convir do modo algum que esse lvro se-
ja exposto aos olhos do publico; nao Ihes pode
convir que os seus proprios lilhos, que as suas
proprias fillias bebara doutriuas lo perniciosas,
nem que a micidade se (orne impia, e se deleite,
lendo as maturos blasphemias e improperios que
jamis se proferiram de urna s vez contra Jess
Christo e seu Evangelho,e deste modo apreudam
a (altar com o respeito ao nosso pab commum.
A obra de Renn est condnmnada pela igreja,
e a sua leitura prohibida aos deis, sob as mais
graves penas. Bem sei que infelizmente percorre
elja as maos dos incautos; porm ao monos que
nao seja o veneno propinado por nossas maos. Ss,
como disse Jess Christo, necessario que venha
o escndalo,nao contrihuamos de modo algum
para que o baja;que nao vonlia elle por nossa
causa; porque, como disse o mesmo Jess Chris-
to, ai d aquello por quem o escndalo rer,
Etou certo de quo estas pooderaj-des, que aqui

fac necessariamenie devem ter occorrido VV.
^JL," comP|chendend-) mesmo que muilas vezes
certas consideragoes ou mal entendidas condescen-
dencias nos podem levar a transigir em publico
cori aquillo. uue em particular reprovamos: po-
P" r ce ,pne''0 Para os Principios religiosos que
\ V! SS. beberam de seus pais; appello para a
donlrina que ess?s amigos e hons Portuguezcs lhes
ensmaram sobre Jess Christo e sua divindade,
appello para essa voz da consciencia, que deve
elevar-se a cima de todas as consideragoes huma
as, e,em nome do dever, em nome "da religio
; e da socedade, espero que VV. SS. se prestaro a
| retirar da livraria desse gabinete a impia obra de
Renn.
Se em lugar dessa obra quizerem VV. SS. pro-
porcionar aos leitores as numerosas refutagSes,
que contra ella se tem publicado, e nomeadamente
a do padre Freppel, ha pouco traduzida na Bahia,
I prestaro cortamente um grande servigo religio,
e a sociedade.
Circular os Remas, viganos das cidades do bis-
pado.Constaado-me que por parle da sociedade
bblica protestante se tem espalbado algumas bi-
blias completamente alteradas, as quaes sao pro-
hibidas pela igreja, convm que V. Revm. procure
indagar se alguns dos seus parorhianos possuem
essas biblias; e no caso afflrmativo lhes faga ver
que nao devem conservar era suas maos esses li-
vros eivados de erras, e falsidades ; e os admoeste
a que os queimem ou os entreguem a V. Revma.
para o mosmo fim.
1 escravo de Luiz Fonseca de Macdo, 6 escravos
de Abreu & Veras, Exm." baronet! da Victoria, 1
filha e 2 escravos, D. Damiana d* Silva, menor
de 10 aanos, alferes Joaquim Americo da Silva,
3 soldados, e 1 cabo, Prxedes da Silva Gusrao,
e 4 escravos, Domingos Ramos do Araujo Pereira,,
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida e Albuquerque
As apprttaces erimes.
Appellante, Jos Francisca Pereira ; appella-
da, a jnstrcs.
Candido Jos do Reg5, 1 preso de justiga/Manoe I lad^Sa lgaaC *"** ^ '" *"*'"
Joaquim Menezcs do Amorm, Candido de Almei- I '
da
PERNAMRUCO,
REVISTA DIARIA.
Acha-se provisoriamente exercendo o oflicio
de escrivao de appellagoes, aggravos e protestos
do tribunal do commercio o Sr. Iunocencio Fran-
cisco de Farias Torres.
Com o prazo de 60 dias acha-se em concur-
so o supradilo lugar, devendo dentro desse espago
se habilitaren! os pretendentes.
Festeja hoje a Santa Casa da Misericordia o
padroeiro do hospital Pedro II, S. Pedro de Alcn-
tara, na respectiva capella.
Alm do acto religioso, est o edificio aberto
visita do publico desde s 9 ; horas da manha
at s 5 da tarde.
Na segunda-foira pela noute alguns indivi-
duos pravocaram disturbios, querendo invadir a
matriz por entre alaridos e apedrejamento da tro-
pa, que all eslava guarda da urna; c nos
dizem que/iela resistencia da mesma tropa sahi-
ram varial pessoas do povo feridas, alm de atro-
pellame^T d'oulras.
Tal nflfim deu lugar anda algum receio da po-
pulagty fechando-se muitos estabelecimentos com-
inercUes: mas restabeleceu-se em seguida a'or-
dem, rtmdando a cavallaria o restante da noute
pelas rijas mais prximas matriz, e sendo reti-
rada tm* do iirnlu-ia do liulia, a que substi-
tuto outra do polica.
Delxou hontem de funecionar a mesa paro-
chial desla freguezia, era consequencia de julgar-
se sem garantas, visto ler sido substituida a forga
de linha que estava na matriz, por outra do corpo
policial.
Levando esta resolugo ao conhecimento da
presidencia, declara a mesma mesa que inlerrom-
pera os seus trabadlos al a retirada desla tro-
pa, quem seu aviso Do offerece garanta de
ordem.
Do Pao d'Alho escrevem-nes em data de 17
do corrente:
Temos sol de rachar, e calor no ultimo gru.
Pelo vero sempre d urna ou outra cUuva, e desla
vez nada, absolutamente nada. Armagoes nao tem
faltado, e ludo ha ficado nisso..
Alguns engenhos est riioendo, e oulros se
preparam para esse fim, porm as safras sao mul-
to peiores que as do anno passado.
Um portuguez de nome Jos Ramos da Silva,
que assistia quasi sempre em Petrib, fez aqui cer-
to negocio com uina parda, cujo nome ignoro,
acerca de tima heranca, que linha a mesma parda
para as parles de Alga, e nao sei o que houve
nesse arraujo, que por l foi agarrado Jos Ramos,
o qual chegou preso e foi rccolhido casa da c-
mara para ser procurado por crime de estelio-
nato.
Disseram-me que a parda mandara passar
urna procuraco, e lizeram una escriptura de
venda da referida heranga.
t Nao sei se ser islo verdade; o que me pare-
ce que vm milito ao caso (o anexim dofot
buscar 13a, e saino tosgueado.
Adeus.
Repaiitiq.vo da polica.
(Extracto das partes dos dias 16, 17 e 18 de
outubro de 1864.
Foram recolhidos casa de detengao no da 15
do correnle :
A" ordem do subdelegado de S. Jos, Maria
Rosa, Raymundo Antonio do Espirito Santo, e Ma-
ria dos Passos Monteiro, todos para averiguages
policiaes.
A' ordem do da Boa-Vista, Miguel Gomes da
Silva, para averiguages policiaes; Cosme Jos
Damio dos Santos, Cosme Jos da Cruz e Caelano
Marques, para c.irrecgo.
A' ordem do da Capunga, Joo Pedro da Paixo,
para correego. J
A' crdem do do Pogo, Rila Maria da Penha ou
do Carmo, por insultos.
Dia 16
A' ordem do Dr. delegado da capital, Jos Mi-
guel de Santa Auna, por infraccao do reglamen-
to da estrada de ferro; e Thomz. escravo do um
tal Tires, por infraccao de posturas.
A' ordem do subdelegado do Recife, Jos Bruno
do Rosario, por insultos.
A' ordem do de Sanio Antonio, Antonio dos
Res, por embriaguez.
A' ordem do de S. Jos, Joaquim Francisco de
Oliveira, Benedicto Gomes de Oliveira e Honorato
Alves do Nascimento, por disturbios.
A' ordem do da Boa-Vista, Claudino Alexandre
Trigueiro, por furto.
Dia 17 -
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chele de polica,
Manoel Jos do Nascimento, e Alexandre Jos Bar-
boza, como criminosos, viudos da provincia da
Parahyba.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Mara Val-
duvina Cyrilla do Espirito Santo, por insultos, e
uso de armas prohibidas.
A' ordem do subdelegado do Recife, Antonio
Manoel Silvestre, e Jos Francisco de Lima, por
crime de resistencia.
A' ordem do de S. Jos, Angelo Gregorio da
Silva, para correego; Jos da Costa e Roberto
Manoel Pinto, por disturbios. __
A* ordem do da Capunga, Sebastiao Correa de
Mello, para averiguages.
O ehefe da 2' seccao,
J. G. de Mesqmta.
Passageiros da vapor nacional Oyapock, sa-
ludo para os portos d > sul :
Jos Amonio dos Santos Aodrade, e sua sende-
ra, 1 voluntario, e 1 soldado, Benedicto de Alean-
tara Cesar, 1 escrava de Luiz Rodrigues de Albu-
querque, 1 escravo de Jos Antonio Alves da Silva,
Botelho, Joao Pinto de Leaos Jnior, Nono I Appellante
Moreira Pimentel, Luiz Ferreira Campos Torres,! neiado Martinhn i
Joo Amonio Marlins, Eugenio Lara, tenente-con,- "sf JS25S
nel Dionizo Rodrigues do Netio Castro, Epami-
nondas Jos da Suva, c Victorino Candido Pereira
de Magalhes.
Movimento da casado detenco do da 15 de
outubro de 1864.
A saber
Existiam..... Enlraram..... Sahiram...... . 348 9 8 presos.
Existem...... . 319 1
Nacionaes___ Muflieres..... . 283 6 t i
Estrangeiros.. E-trangeira .. Escravos..... . 14 2 '. 39 i
A apptllanlo ciret.
Gaudenno'Gonealves Chaves ;
Gomes da Silveira.
ador Assis pa>sou ao Sr.
Esteva Jw
349
Alimentados a custa dos cofres provincaes 144
Movimento da casa de detengao do dia 16
de oulubro de 1864 :
Existiam....... 349 presos.
Enlraram...... 8
Sahiram....... 2
Existem.......
A saber :
Nacionaes.....
Estrangeiros...
Mulheres......
Estrangeira....
Escravos ......
Eseravas......
355
289
6
I i
2
40
4
355
cofres
Alimentados custa dos cofres provinciaes 145
OuiTLAItIO DO CEM1TE1U0 PUBLICO NO DA 16 DE
0UTCHI10 DE 18864.
Joaquina, frica, 45 annos. solleira, Recife, gra-
grena.
Jos, Pernambuco, 3 mezes, Boa-Vista, gaslro inte-
nte.
17
Leocadia da Conceigo Pinto Menezes, Pernambu-
co, 20 annos, solleira, Pogo da Panella, phtysica
pulmonar.
Casimiro, Pernambuco, 2 annos, Santo Antonio,
denligo. ^f"* ^-~- ^v
Fehsmraa, PernanjLflco, 2 annos, Sao Jos, -es-
pasmo.
Antonio Jos Francisco, Parahyba, 38 annos, casa-
do, Santo Antonio, bexipas."
Ricardo, escravo, frica, 68 annos, solteiro, Doa-
Vista, ttano.
Margarida Candida de Albuquerque Mello, Per-
nambuco, 86 annos, solteira, Santo Antonio, urna
apoplexia.
Mathi'us, escravo, Pernambuco, 28 annos, solteiro,
Boa-Vista, ataque apopltico.
HIROM JLIMCIlnli
TRini-V\L IA RfXAC.lO.
SESSAO EM 18 DE OITIIIRO.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. C0NSELI1EIR0
SOUZA.
s 10 horas da manha, presentes os senhores
desembargadores Santiago, Gitirana, Lourengo San-
tiago, Assis, Molla, Doria, e Domingues da Silva,
fallando os Srs. desembargadores Almeida e Albu-
querque e L'cha Cavalcauti, abrio-se a sesso.
O Sr. desembargador Guerra, procurador da co-
ra, nao comparecen.
Passados os fcilos e entregues os distribuidos,
deram-se os seguintes
JLGAMENTOS
Appellaces erimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Herculano de
Andrade Fortuna Pessoa.
Proco lente a appellago.
Appellante, Manoel Gomes da Silva Jnior; ap-
pellada, a justiga.
Improcedente.
Appellante, o juizo : appellado, Manoel Joaquim
da Silva e oulros.
Confirmada a senlenga.
Appelkuves ricis.
Appellante, o padre Antonio Jos Pinto ; appel-
do, o baro de Jaragu.
Receberam-sc os embargos.
Appellantes, Manoel Cantillo Pires Falco c seus
lilhos: appellado, Paulino Pires Falco.
Nullo o processo por nao haver fundamento pa-
ra demanda.
DILIGENCIAS ('.RIMES.
Com visla ao Sr. desembargador promotor da
justiga
As appellares erimes.
Appellante, Leoncio Pinto de Mello ; appellada,
a justiga.
Appellante, o juizo ; appellado, Marlinho Bar-
bosa de Oliveira.
Appellante, o juizo ; appellado, o escravo Luiz.
DESIGNACAO DE DIA.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
feitos :
As appellares crhnrs.
apellante, o promotor ; appellado, Francisco
da Co.-ta Oliveira.
Appellante, o juizo ; appellado, Damio Louren-
go de Medeiros.
PASSAGENS
O Sr. desembargador Caetano Santiago passou
ao Sr. desembargador Gitirana
As appellacoes ciceis.
Appellante, Thomaz Machado do Aquino ; ap-
pel ada, D. Manoella Maria de Nazareth.
Appellantes, Francisco Pereira de Carvalho e
outro; appellada, a viuva de Antonio do Reg
Barros.
As appellacoes erimes.
o juizo ; appellado, Joao Gomes da
appellado, Jos Mery da
appellado, Jesnino Pereira
appellado, Jos Martins
Appellante,
Silva.
Appellante, o juizo
Silva.
Appellante, ojulzo ;
Tacares.
Appellante, o juizo
Vianna.
Appellante, Luiz Manoel Flor ; appellada, a
justiga.
O Sr. desembargador Gitirana passou ao Sr.
desembargador Lourenco Santiago
As appellacoes cn.mes.
Appellante, o juizo; appellados, Jos Marcolino
de Mello.
Appellante, Antonio Googalves da Silva e antros
appellado, Francisco Jos Trindade.
Arer,i$ta chel.
Recrranles, Jos Wrreira Pires e outros; re-
corrido, o admioi-.trador das rendas
Fri,
bargador Doria
.4 apftfllarao crime.
Appellante, o juizo ; appellado,
Ferreira.
As appellaces ciret'.
Appellanlc, Francisco Ferreira de Andrade; ap-
pellado, Manoel Jos Taboca.
Appellantes, o curador dis orphos filhos deJ*-
; s Antonio Pessoa de Mello ; appellado, Aotaate
Augu>lo Maciel.
Appellante, D. Joanna Maria das Dores appel-
lado, Antonio Alves de Miranda Guimares.
Appellanle, Joo Maria Paes Brrelo : appella-
do, Jos dos Santos Neves.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. deseobar-
bargador Molla
A appcllarilo crime.
Appellante, ojuizo: appellado, Jos. ilenrqoe
da Silva.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador (Jeha Cavalcanli
.4* appellares erimes.
Appellante, Manoel Vicente de Carvalho Caval-
canli ; appellado, Antonio Jacintho de S.unpaio.
Appellanle, Lourengo JosdeArauj); appellado.
Manoel da Cunha Lima Ribeiro.
A appellaco cirel.
Appellante. Jos Vicente de Almeida Valenea ;
appellado, Bento Jos Alves de Oliveira.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao Sr-
desembargador Caetano Santiago
A appellaalo crime.
Appellante, ojuizo; appellado, Manoel Jos de
Moura.
Appellante, o juizo; appellado, Ignacio Mo-
reira.
As appellaces civeis.
Appellante, Francisco Xavier Meodes da Silva,
appellado, Manoel Barbosa da Si I a.
Appellante, Jacintho Alfonso Botelho : appellado:
Manoel Elias de Moura.
DISTRIBtICK.-.
Ao Sr. desembargador I.aelai.o Santiago
O recurso commercial.
Recrreme, o juizo ; recorrido, Jos Francisco
Braudo.
A appellacao cicel.
Appellante, a fazenda 'appellada. D. Francisca
Thomazia da Conceigo Cunha.
^-Ap Sr^desembargador Gitirana
\ 4. appellacao crime.
Appellante, LeuuClli__mr>-jJe Mello ; appd-
lada, a ju--iit;-i '------
Ao Sr. desembargador Molla
Appellacao crime.
Appellante, o promotor appellado, ClaudincfJo-
s de Senza.
A 1 horas da tarde, encerrou-se a ses.-io.
TniBUSAL DO t'O vI.vIKlM'IO.
EXTRACTO DA ACTA DA SESSAO ADMINISTRA-
TIVA DE 17 DEOLTLBHO DE l6i.
PltESlDENClA DO EXM. SK. DKSEMBMtliADOR
ANSELMO KIIAXCISCO PEI1ETTI.
As 10 horas, reunidos os Srs. dcpulados I.ernos,
Rosa, Alcoforado e suppleute Basto, o K\m. Sr
presidente abri a sesso.
Lida e approvada a arta da anterior pasSOT-M ao
EXPEDIENTE.
Foi presente a eolaco ollieial da junta dos cor-
reteras, da semana ullimamenle linda. Ao ar-
chivo.
DESPACHOS.
Requerimento de Jos Lopes Davym e Antonio
Bezerra Cavalca_.te, pedindo lusse admiiiido a re-
gistro o contrato de sua sociedade cjuunercial.
Visla ao Sr. desembargador fiscal.
Ileui do Jos Pereia da Graga, da cidade do
Aracaty, para ser adimttido a registro o seu mulo
de caixeiro da casa commercial de Antune & Ir-
mo, da mesma cidade.Refislre-M,
dem de Antonio de Souza Pavolidr, llrasileiro,
natural do reino de Portugal, com .''.' aasM de
idaile, domiciliado ne.-ta cidade do Recife, com es-
criptorio de commi.-soes e cunta propria, pedindo
ser adinittido matricula.Visla ao Sr. de>euibar-
gador lixal.
tem de Amorm Irmos, para que se mande re-
gistrar a escripia de hypolhcca do engenhu Raz,
no termo da Escada, que Ihe pas,~ara Joao Pereira
de Arau o Cardozo.Regislre-se.
tem de Tisaet Fre e-, para igual fim. quanlo a
escriptura de hypbtbeca do sobrado de dous aulla-
res da ra do langel desla cidade, n. 2*. que Ihe
passra Manoel de Souza lavares.Regisire-se.
tem de Feliciano Jo.-e Gom-s, em que reqaer
matricula de commercianie.Matricule-se.
llem de Joaquim Mauricio GoOfalva Rosa, pe-
dindo tambem matricula.MatricuIr-.-e.
tem de Francisco Antouio da Rosa, pedindo
igualmente matricula.Malrnule-se.
lleta de Manoel Francisco Marques, para se a-
zerem as annouges necessarias no registro do pa-
tacho nacional Andr, que havia comprado e pas-
sou a deuominar-se Vulenle.Como requer.
RESOL! CAO.
O tribunal resolveu dispensar temporariamente
do exercicio do cinprego ao ofDcial da secretaria
Innocencio Antunes de Farias Torres, concedea-
d.i que podesse ser nomeado esenvo interino de
appellacoes, aggravos e protestos de letras do mes-
mo tribunal.
Nada mais houve, sendo encerrada a sesso s
II horas.
SESSO JUICIARIA EM i" DE OUTUBRO
DE 1864.
PRESIDENCIA DO KX.M. SR. IIESEMItAW.ADOR
A. P. PEHBTTI.
Secretario, Julio Uuimaracs.
As II 'j horas da manha, o Exm. Sr pridale
abri a sesso estando reunidos os Srs. ds^eibar-
gadores Res e Silva, Silva Guimares, e Accioli,
e os Srs. depulados Lemos, Rosa. Candido Alcuo-
rado, e supplenles Basto, Joi- Raptisu da Foe
ca Jnior e Antonio Luiz dos Santos.
Lida, foi approvada a acta d?.sesso antece-
dente.
O Sr. depulado sopplentc Antonio Jos de Cas-
tro, no seu oflicio de 14 do corrente mee, peta
quinta vez no presente anno, communica que per-
mauecendo ainda o mesmo motivo allegado em sea
oflicio de 6 deste mez, nao pode por isso compare-
cer neste tribunal para intcrvir no julgamento pa-
ra que loi convidado.
O Sr. Joao (lardoso Ayres, pela lerceira ve no
crrante anno, participa em resposta ao oVio que
se Ihe dirigi a VI deste mes, que continuando o
seu estado do doenie, nao pode por isso tomar par-
iC no julgamento para que foi convidado.
O Sr. Jos Fraocii-co de S Le tao, teodo com-
municado no seu oflicio de 14 do correle que
de Cabo- comparecera presente sesso para aluciar como
! juiz um urna causa, participa era dala de boje (pe-




.
*.'
Mario de Perwamhneo ... Qunrirt felra 19 de Outubro de 1 (-*.
la tereeira ver no presente anno) que wbrevcio Ihe
um incomnwdo quo o impossibilita de aceitar o
con vi lo que lue eudei ecou esle tribunal.
Assignaram-se os accordos proferidos na ultima
scsso, entre partes :
Apnellanle, Vicente Alves Machado ; apncltados,
Prente, Vianna & C.
Appellante, J. F. Cox, gerente da casa de Kos-
ron Roolcer & C. ; appellado, Joao de S Caval-
canti de Albuquerque. .
Appellantes, os curadores da fallencia da yiuya
Amorim & Fillios ; appellados, Henrique Lchoa
'Apellantes, os curadores iscaes da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos &C. ; appellado,
Henrique Jos Alvos Ferrcira.
JULGAMBNTOS.
istradores da massa fallida
le prestados no m!it9terw primario narece-roe ti- reacias um canibalismo inqualillcavel indigno de
lutos sufIlcioiii.es para urna nomi'acaoefjfecliva, sem um povo civfltsado ; e, nao tendo sorlldo o deseja-
que a ella possa obstar o disposto uo art. 30 da le do effeito taes aceommettimentos por causa da op-
n. 369, que sendo posterior a de n. 362, em virlu- posicao que Pies fez a torca de llnlu, qne, na ver-
do da qual foi jubilado, nao Ihe poderla ser appli- dade se portou bem edignamente contento os des-
cada sem vir a ter um manifesteffeito retroactivo, ordeiros, sem Impedir todava que houvessem mui-
E uestes fundamentos astala a proposta que tos ferimentos ; a mudanca inopinada dessa forca
agora submetto consideracao de V. Exc. por nma de polica, com-nandada por um offlcial
Deus suarde V. Exc.illm. e Exm. Sr. Dr. ja ffoito a grandes faganlias eleitoraet, faz crer aos
Manocl Francisco Cortea, presidente da provincia, abalxo assignados que se realisar sempre o que-
0 director geral interino Dr. Braz Florentino Hen- bramento da urna, como se tem dito, para anda
tiques de Souza.Eisoque pede o supplicantc. urna voz serem inutilizados os efuRCOS da oppssi-
Secretaria do governo da provincia de Pernam- fao. que se acha em decidida maiorla na eleicao.
buco, 12 de julho de 1864, 13 tia independencia e Nesias cirrumsiain-ia, pois, os ahalso assigna-
do imperio.-O olicial archivista Joao Vatentim dos esptram que V Exc. se dignar de ornar em
Vtllela. consideracao o expendido, ordenando quanto antes
8 i a retirada" dessa forca de polica, que nao pode
Attesto que o supplicante, durante o tempo a merecer ronnanca alguma de sua parte, nem da
Dcscarregam no dia 19 de outubro.
Briue portuguez -Lua ilV-sal.
Patacho hespanholVicente -vinho.
itecebedorla de rendas internas
a eraos de Pernambnco.
Rendmento do dia 1 a 17........ 2l:58S4i3l
dem do da 18................. 4:677216
26:2C26i7
Consnlado provincial.
Rendimentododiala 17......... 7:76&55I3
:dero do dia 18................. 2:2194351
29:988*067
Appellantes, os adminis...
do Batos & Lcmos; appellados, Complano & Cor- que se refere, bem cumpno os devores do tea ems opioiM que represmlam
j, ~ prego, mostrando intelligencia e probidade, pelo Drus guardo Y. Exc. Ipreja matriz da fre-;
deiro.
Foi conlirmada a sentenca appellada.
Appelianto, Jos Guilhorme Guimaraes ; appel-
toda, D. Maria Veuancia de Abren Lima Bastos.
Adiado na precedente 9esso
Foi confirmada a sentenca appellada.
Appellaute, appellado Joao Antonio Gonc.al-
^es; appellantes appellados os administradores da
massa fallida de Antonio Carneiro Pinto.
Adiado o julgamento requerimento de um dos
Srs. deputados.
Appellante, Antonio Joaquim Salgado appella-
do, Jos Francisco Coelho da Silva Vteira.
Adiado o julgamento requerimento de um dos
Srs. depntados.
App-llanto, Antonio Jos de Azevedo ; appella-
do, Jao Henrique Denker.
Adiado o julgameolo requerimento de um dos |
Srs. deputados. s.
passagens. j
Appellante, o Dr. Prxedes Gomes /e Souza Pi-
tanga ; appellado, Otaviano de Souza Franca.
Uo Sr. dosemliargador Bois e Silva ao Sr.desem-
bargador Silva Guimaraes.
Appellant-, Candido Moreira da Costa e outros;
appellado, Joaquim Monteiro Guedos Gondim.
App.llantcs, Henrique Augusto Millet e oulro ;
appellado, Gabriel Antonio de Castro Quinlaes.
Do Sr. desombargador Silva Guimaraes ao Sr.
desemliardor Accioli.
Aggravos interpostos do juizo especial do
commeTrio.
Aggravante, embargante 3 Elias Baptista da Sil-
va ; aperavado, exeqnente Jos Pereira Basto;
executados.Polycarpo Jos Layne e Francisco An-
tonio de Oliveira.
O Exm. Sr. presidente jnrou suspeicao e ordo-
non qne fosse o feito aprosentado quem competir
a deciso : e foi apresentado ao Sr. desembarga-
dor Reis e Silva.
Aggravante, Manoel Alves Ferreira ; aggravado,
Francisco das < hagas Cavalcantide Albuquerque.
Aggravantes, Cals Irmaos ; aggravados, os ad-
ministradores da massa fallida de Amorim Fragoso
Santos & C.
O Exm. Sr. presidente negou provimento.
Aggravo ^e instrumento do juizo municipal e do
eotnmercio de (pojara.
Acgravnnles, amayer Carneiro & C.; aggra-
vado. o juizo.
O Exm. Sr. presidente deu provimento.
Nada mais havendo a tratar-se, cncerrou-se a
sesso Ik horas da tarde.
puozia de Sanio Antonio do Berilo, 18 do outubro
de 1864.- llim. e Exm. Sr. Dr. Domingus de Sou-
za Lto, presidente da provincia.
Angelo lenriqucs da Silva,
Jos Luiz Pernra.
Sartholomeu Quedes de Mello.
que tive en mesmo de propd-lo para oceupar olT;
ticamente o lugar, que s por interino exercia.
Recife, 22 dejunhode 1862.
Dr. Braz Florentino Henriques de Souza.
-9-
Atteslo que o supplicante, em todo o tempo que
tenho dirigido esla reparticao, ha sempre revelado I
muita intelligencia e zlo no cumprimenlo dos seus |
deveros de secretario, em cujo cargo me meneen
sempre a maior eonfianca ; e como membro suh-a Sr. i residente da provincia acaba de receber a re-
tiluto do conselho director da instruccao publica presentacao, que Vs. Ss. Ihe dingem ne tem prestado valiosos servicos a esle corpo, quer pedindo a retirada da forca de polica, que se acha
a discussao das postada na matriz dessa fregoefia, por nao Ibes
4* seco. Secretaaia
em 18 de outubro de 1684.
MOflMENTO BO POBTO.
Varios sahidos no dia 18.
Portos do sulVapor nacional Oyapock, comman-
dante Antonio Marcelino de P. Hibeiro,
demvapor inglez Memnon, commandante Edward
Johnstoo, carga parte da quetrouxe de Liverpool.
Observacoes.
com a sua experiencia e luzos na
materias que se ventilam, quer rom os diversos li-
vros elementares que tem publicado para uso das
escolas.
Directora geral da nslruccao publica, 30 de
abril de 1863.
Jos Soares de Azevedo.
-10-
Illm. Sr. Salvador Henrique de Albuquerque. representan) Vs. Ss. ; tauto mais quando, sendo a
S. C. 14 de junho de 1863.Apoarecou alinal o me>a inteiramonte compacta, nao ^e Ihe Jeve san
Antonio Pedro de S Brrelo,
coronel-presidente.
Sebastuio Atenio do Reg Barros,
vogal secretario interino.
Conselho adininislilivo.
mesma carga que trouxe de Sydni.
Susuendeu do lamaro para Londres a barca in
gleza fie GeorgeGrey, capilo Gelpem, com a mes
na carga que irouxc de Aukland.
Nao houveram entradas.
apresentarcra suas proposlas nos das 17, 18 e
19 do corrento mez na dita directora, das 10 ho-
ras do dia ao meio dia.
Directora das obras militares de Pernambuco
15 de outubro de 1864.Luiz Francisco de Paula
de Albuquerque Maranhao,
Amanuense.
Gooselho ulmiii'stialivo.
O conselho administrativo para foroecimento
do arsenal de guerra precisa comprar o seguinte :
Para o arsenal de guerra.
Fila de laa para silhas, pe.as........... 20
Sola branca garroteada, meios.......... 100
Quem quizer vender taes artigos aprsente suas
propostas em carta fechada na secretaria do conse-
lho administrativo, s 10 horas da manha do da
21 do corrente.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 14 de outubro
de 1864.
merecer eonfianca, e por supporem Vs. Ss. que el-
la se acha all para favorecer a fraude e perturbar
os trabalhos eleiloraes, em favor da parcialidado
que se deuoinina progressista-
Em resposta citada repre-entagao, mndame
S. Exc. declarar Vs. Ss. que est convencido de
que nenhmn fundamento plausivel ha para o qu*
EDIT1ES.
CORRESPONDENCIAS
Senhores redactores.Tendo cu sido, por porta-
ra do governo de 12 do crrente, injustamente de-
sunido do cargo de secretario da instruccao publi-
ca, sob proposia do Sr. director geral Dr. Silvino
Cavalcauli de albuquerque, cumpre-me dar urna
sati>faco ao publico, mostrando que, semclhante
demiiso nao leve por causa um procedimento
menos regular de iinnha parte, por quanto, no des-
empenlio das fanecoes desse cargo, t^empre procu-
re! pautar o meu procedimento pelo juto c pelo
bone.to.
Parece-me que, nao poderei provar melhor o que
acabo de dizer, do que offerecendo consideracao
do mesmo publico os documentos abaixo, para os
quaes, suas datas, e pessoas que os lirmarain, re-
clamo e pego toda a altencjio dos leitores.
Despenso-me por ora de quulilicar esso acto e de
dizer mais alguma cousa.
Sou com estima e amisade. De. VV. SS. patricio
venerador e criado.Salvador Henrqw e uu.
querque.
^___________' -1-
Attesto qne o supplicanio na qualidade de mem-
bro sub.-tituio do ronseJbo director da instruccao
publica, teiu-se navidocom digmdade, intelligencia,''
a>siduidade e zelo pelo progresso da instruccao :
atiesto igualmente que, em marco desic anuo foi
pelo director interino designado para ir visitar al- j
gumas eseolas ao norte da provincia e que por es-:
te trabaltio nao receben gratiieaeao alguma, alera
da importancia das despezas da sua condnecao; c
fnialiueiiie que, pelo que consta do relalono que
apreseiituu, vse que uessa commi-so procedeu
cun diligencia, imparcialidade e circumspecc.io.
Directora geral da insiiueeao publica, 3 de no-
veinbro de 18o9.Joaquim Pires Machado Portilla
dueclor coral.
- 2
O supplicante tom cumiirido os seus deveres, co-
mo secretario interino d'esla reparticSo, com miel-
llgeucia, zelo e probidade, nao s durante o lempo
que coniigo tem servido, o que sei de sciencia po-
pria, como o que servir autecedontemente, o qne
me consta.
Directora ceral da instruccao publica de Per-
nambuco, 18 de abril de 1860. Ur. Villcla Tufa-
res, director geral interino.
Attesto que o sup'plicante, durante o pouco tem-
po em que interinamente exerci o lugar de direc-
tor geral da insu*occao publica, mostrou no cum-
firimenlu de seus deveres, como secretario da di-
rectora, intelligencia, zelo e probidade, sendo a
sua culi lucia em ludo irreprehensivel.
Rec;fe, 12 de majo de 1860.
, Dr. Braz Florentino Henriques de Souza.
_i_
Attesto que o supplicante desempenha o cargo
de secretario interino da instruccao publica da pro-
vincia, cen muilo zelo e intelligencia, e que, como
memoro substituto do conselno director, tem frito
a e-ii' importante ramo do servico publico, mu
ponderosos servicus, quer no curso das discussoes
em se^o, quer m seu nroprio gabinete.
Directora geral da instruccao publica de Per-
nambuco, 15 de janeiro de 1861.Jos Soares de
Azevedo, director geral interino.
a
Becife, 16 de Janeiro de 1861.
llim Sr.Tendo entregado hontem ao Sr. direc-
tor geral effectivo da instruccao publica a gerencia
oV?-u r- pariiyo que mierinamento estava a meu
cargo, do meu dever dar V. S. um testemunho
*.-i>onianeo do meu reconherinienlo pela ceadjuva-
^o solicita e leal que sempre me prestou, durante
a no-sao do que fui ene-anegado. Quera V.S. pois
ais-oiiar semelhante testemunho no presente docu-
mento.
eus guarde V. S. muitos annos.Illm. Sr.
Salvador Henrique de Albuquerque, mui digno se-
cretario taurino da instrueyo publica de Pernam-
buco. Jos Soares de Azi-vedo.
-6-
Attesto e fago rerto a quem convier que, duran-
te o tempo em que pela segunda vez dirijo interina-
mente a asiruccao publica da provincia, tenho si-
do auxiliado pelo suuniicante eoin todo o zelo, in-
Hbgeucia e lealdade que j da primeira vez Ihe
h .vni reconhecido, e que, como membro substituto
di con.-cilio director tem continuado a prestar mui
valiosos e senos servicos instruccao publica de
Per nan i buen.
[hgaotoria gersi da instruccao publica, 12 de ja-
cho do 1861.Jos Soares de Azevedo.
7
Em cumprimenlo do despacho supra, certifico
ser o olllcio que o suplicante pode por certidao do
theor seguinte. N. 107. uirectoria da in.-truc^o
publica de Pernambuco, 5 de maio de 1862.Illm.
e Exm. Sr.Tendo fallecido n dia 1 do corrente,
como ceasla do obituario publicado no Diario de
Pemumbuco de 3, o bacharel Francisco Pereira
Fieue, que oceupava o logar de secretario desta
direeloria, tenho a honra de propdr V. Exc. para
o mesmo empn go, de conformidade enm o art 5
dalei n. 360 de 14 de maio de 18S5, regulamentar
da in.-lrucco publica, ao ex-professor de instruc-
cao Kimaria, jubilado em 18SS pela le provincial
n. 362 de 4 de m no, Salvador Henrique de Albu-
qu ripie, que actualmente serve ha dous annos e
sete meze*, por nomeacao interina. O relo e pericia
qne tenho sempre encontrado nesse empregado, e
ao mesmo lempo os servicos por ello antenonnen
minha demissao de director geral da instrneca-
publica, que ha tantos das era annunciada I Ii>n-
tem s S horas da tarde receb o ofBcio de commu-
nicacao. Nao me sendo mais permitlido com ca-
rcter offlcial testenmnhr V. S. o aprero em
que sempre tive os seus servicos de secretario da
reparticao, que ora ce-sa de estar meo cargo,
valho-me do presente meio nao s para agradecer-
Ule muito sinceramente a mancira delicada e at-
lenciosa com que constantemente procedeu, e a de-
dicacao e lealdade com que exercia o seu empre-
go, como tambem para mgar-lhe queira relevar-
me algum acto, que involuntariamente por ventu-
ra eu pralicasse menos correspondente ao trata-
mento de que V. S. anio. Fazendn-lbe miaas
despedidas, espero que acceite os meus protestos
de estima, e continu a cenoderar-me sempre do
V. S. amigo affetnoso e erdo obrigadissimo
Joaquim Pires Machado PortelUu
11
Attesto que, durante o tempo que dirig a re-
particao da insliuccao publica da provincia, o sup-
plicante sempre mostrou Intelligencia e zlo no
desempenho dos deveres, qne Ihe impoe o cargo
de secretario da mesma reparticao.
Recite, 29 de dezembro de 1863.
Siliuno C'ivulcanle de Albuquerque.
Dueclor da instruegao publica.
12
Attesto que o supplicante tem cumprido at boje
com o maior zlo e pontualidade os deveres inhe-
rentes ao seu em prego de secretario desta reparti-
cao, coadjuvando-me no servieo publico com toda
a lealdade e honra, de que Ihe tenho dado teste-
munho, igual ao presente, cada vez que me cabo
dirigir a instruccao publica da provincia.
Directora geral da intrnre3o publica de Per-
nambuco, 19 de setemhro de 1864.
U director geral interino
Jos Soares de Azevedo.
Todos estes documentos estavam sellados.
por a pretencio de recorrerein fraudo para favo-
recer aos seus adversarios polilieos.
Que a presenca lo Dr. chefe do polica, magis-
trado de toda a prudencia e da maior conrtanya e
em quem alias manifestara Vs. Ss. depositar se-
guranza, urna garanta para que nusejam per-
turbado- os traballios eleiloraes: e qm a fosca de
polica por sua obediencia e disciplina ha de sa-
ber cumprir as orden*, que Ihe dr o Dr chefe de
polica, e pelo que ser ella responsavel.
Finalmente qu o sen maior emneulio evitar
que se facam violencias aos cidadaos, qualqnor
que soja a sua cor poltica, e que nao seja alterada
a ordem publica, e minio espera ser auxiliado por
todos os horneas prudentes e sensatos; mas qne,
cabendo-lhe providenciar para conseguir aquello
flm, a elle, e somente a ello, pertem-e a escolha
dos nteios, que Ihe parecerein mais convenientes.
eos guardo a V
Henriques da Silva
meu Guedos de Mello O secretario Dr. Francisco readorcs que dvem servir no futuro
de Paula Sales. de 1865 a 1868.
- Paco da cmara municipal do Becife 12
Srs. redactores.Tendo deparado no artigo com- labro de 1864.
Perante a cmara municipal desla cdade es-
tarlo em praca nos dias-14, 17 e 19 do corrente
para serem arrematados por quem mais ollerecer
as seguintes rendas municipaes :
Imposto de 80 rs. por carga de farinha
e legumes vendidos nos mercados p-
blicos desta capital.....3:2105000
Imi-iosto de maseates e boceteiras 130J0O0
Alugueis da casa da Soledade, annual-
mente.........UStWOQ
Aquelles que pretenderem arrematar as men-
cionadas rendas deverao apresentar-se nos indica-
dos das, munidos de flanea idnea,
na forma da le.
Paco da cmara municipal do Rccife 12 de ou
tubro de 1864.
Luiz Francisco de Barros Rogo
Pre.-dente.
Francisco Canuto da Boaviagcm
Secretario.
A cmara municipal desta cidade faz puhl-
Paraa companhia de cavalliaria.
26 sellins.
4 enxadas.
6 paes de ferro.
Para o arsenal de guerra.
18 espadas do parnahibas.
Quera quizer vender taes artigos aprsente suas
proposlas em carta fechada na secretaria do conse-
lho administrativo s 10 horas da raanhaa do dia 19
do corrente.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 12 do outubro
de 1864.
.4b/oii'o Pedro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Seisfiao Jos Basilio Pyrrho,
Vogal secretario interino.
Correio.
co, conforme recommenda o art. 105 da le de 19
Vs. S-. lllms. Srs. Dr. Ang-jlo j Je agoslo ^ 184G, que tem de proceder no dia 19
, Jas Luiz Pereira e Baitholo-1 j corrente a apuracao geral de votos para os ve-
quatrennio
de ou-
Pela admnistracao do correio se faz publico que
as cartas abaixo mencionadas deixaram de seguir
e habilitados Iseus destinos por se acharem na mala com sellos
I servidos.
Bernardo Joaquim Pinto (Baha).
Gamillo de Lellis Fonseca Jnior (Bahia).
Demetrio Jos Teixeira (Bahia).
Meuron A C. (Bahia).
Jos de Barros Accioly (Macei).
Rodrigo Theodoro de Freitas (Ro de Janeiro).
Sebasliao Guimares Pinto Bandeira (Babia).
Valeriano Tiburcio da Silva (Bahia).
Illm. e Exm. Sr. presidente da provincia. A
mesa parocliial, in-tallada na matriz de Santo An-:
tomo desla cidade vem relatar a V. Exc. as ocur-
rencias que se deram de.-de o dia de >ua installa-
cao at boje, bem como expor as raides por que
ella debberou imiei romper os seu- trabalhos em
quanto o unvcrup^J- v- Exc Ihe nao der as ga-
an'&'que: reclama Undeir n,anler a (,rdera
dentro c fnra do recinto do templo, C ? assegurar
a lvro manifestacao do voto, que se pretende com
o maior escndalo e violencia nullilicar.
Exm. Sr. a mesn foi installada no dia 1G pacifi-
camente, e funecionon durante esse dia sem a me-
nor desordein. sendo presenciados os seus trabalhos
pelo o Illm. Sr. Dr. chefe de polica, e pelas rom-
misados fiscalisadoras dos jiaindos liberal, conser-
vador c ligueii'o.
A' boa ndole dos votantes; imparcialidade com
que se portou o Sr. Dr. chefe de polica, e o res-
peito que impuiiha, alguns ebrios e desordeiros o
couiHiandanie, e a pouca forca de Imha acbava prsenle se. deve esse resultado.
No dia 17 a mesa prosegmo nos seus trabalhos
regularmente, e houvea ordem e paz, que se havia
observado no da antecedente. As inesmas com-
inissoes fiscalisadora*, e o 5r. chefe de polica esti-
vn m presentes, notando-se apenas a mudanca do
municado do Diario de Pernambuco sob 239,
com urna coire.-pondencia do Sr. Dr. Joaquim de
Aquino Fonseca, relativa ao ca>o ciado na alfande-
ga de-ta cidade com o Sr. Dr. Silvmo Cavalcanti
de Albuquerque, cuinpie-ne declarar ao Sr. i'r.
Aquino, que o caso ern qneslao nao se deucomigo,
que sou o nico ajuoanle da capatazia, e tira com
um vigia da mesma, e que na classificaco em que
o mesmo senhor colloi a um servente ou ajodanle
ha equivoco, por i.-so que um trabalha no servieo
carril e outros, eo ajudante de nomeacao geral;
e quanlo aos vigias e outros entregados da capa-
tazia, lodos sao da nunieacao de seu respectivo
chefe.
Tendo assim dado um esclarecimento sobre a
referida correspondencia, tenho a honra de assig-
nar-me seu constante leitor,
Eustaquio Zef-rino da Silva Braga.
Becife, 18 de outubro de 1854.
Recife, 14 de outubro de 1864.
Illm. Sr.
Queira V. S. solicitar do Exm. Sr. presidente da
provincia, a minha exoneracao do cargo de substi-
tuto dos membros do con-elho directora por isso
que nao me possivel continuara servir!
Dous guarde V. S.
Illm. Sr. Dr. Si I vino Cavalcauti de Albnjuerque
TilEVTItO
DE
Luiz Francisco de Barros Reg
Presidente.
Francisco Canuto da Boaviagem
Secretario.
ODr. Ernesto d'Aqnino Fonseca, cayalhniro da
ordem de Christo, juiz de orphos e ausentes |
da cidade do Becife e seu termo, por S. M. o
Imperador, que Deus guarde, etc., etc.
Fajo sabor quem o conhecimento deste edilal
pertencer e delle liver noticia, que Manoel Joa-
qoim de Lomos e Vasconcellos, como legitimo ad-|
ministrador de sua mulhcr me dirigi a petico do
Ha,
DE
Fslaboleiiinpnl't de caf t billar la
ra Nova n 07, ctm seis lerteicn
IIO.IE
O agente Pinto f*ra leilo precedida a nxntw-
lenle autorisa^o do estabelerimento de rafe o
bilhar da ra Nova n. 67. o qual se torna r .rr-
mendado por ser mu frequenlado e arrediut na
venda de bilhetesde lotera- ;s II horas do fia
cima dito no referido esUbeleciuisnto.
LEILAO
M
9 relogios, 5 qnadies 1 ciia ca
ferramentas e oma coHcerlma
IIO JE.
ra Nova n. 67 rata de Lidiar e rafe.
LEILAO
DE
Um baixo de
d
far
vo e
Cordelro ine%
leilao do in>lruinenlo cima nuirm mv
em porfolio estado : quaru-feira 19 do cr-
rente s 11 horas da inanba na ra da Cadeia 4
Recife n. 48
LjEIII
EMPREZA
GERjJA^O & C0IMBR4.
QARTA-FEIRA, 19 DE OUTUBRO DE 1864.
Nao pode haver reeila oeste dia, em consequen
cia dos preparativos para o magnifico drama sacro
director geral da In-irucco Publica.
Salvador Henrique de Albuquerque. )
Recife, 14 de outubro de 1&>4.
Illm. Sr. >
Nao pudendo e nem devendo continuar x oceu-
par o ca yo de delegado Iliterario da fregnezia de
Santo Antonio desla cidade, vi>-to que V. S. conti-
na a >er o director da Instruccao Publica, voo de-
clai ar-lhe que, nesta data tenho dado a minha de-
DlISslO.
Deus o guarde.
Illm. Sr. Dr. Silvmo Cavalcanti de Albuquerque
director ger*l da Instruccao Publica.
Amaro Joaquim Funceca de Albuquerque.
que subir scena imprelerivelmente
SABBADO, 22 DO CORRENTE.
Todo o scenario, vestuario, accessorio c machi-
nsmo novo e preparado por habis artistas.
Os annuncios circumstanciados serio em tempo
publicados.
Recebem-se desde j encommendas de camarotes
e cadeiras no escriptorio do thcatro.
DESPEDIDA.
capilo Andrade pelo capi.ao Uotellm, mas Ibrcoso. "J 3a^ha vmD
confessar que o capilo Botelho se portou lo bem ;u.',, .1'^ ,..,.:;".'
que o capilo Uoteilio se porU
como o seu antecessor no commando da tropa que
KUardava a igreja.
A's quatro horas peuco mais ou menos, desse
ine>mo dia 17, um homem da Boa-Vi-ia, de
todos condecido, e que nao se acbava qoaliucado,
quiz por forca votar contra a deliberaban da mesa,
disso resulton um grande susurro na igreja, e um
los que lomaram parte nes>e barulhu avancmi
para um Soldado e anc m mao da baioneta ; o sol-
dado resisti, e ferio o aggressor. Gracas, porm,
a i norgia do Sr. commandante da lurtfii, a obedien-
cia do! soldados de linba, e ao enipenho do Sr. che-
fe de polica, a ordem re.-tabeleoeu-se, o a mesa m-
cerrou paciHcamente os seus trabalhos do dia 17.
A noite desse dia pelas seto horas, alguns desor-
deiros com vozenas e alaridos descoininuiiaes cor-
rern) com facas de ponas a traz do es-cadete Calum-
ba com o inluito de assassina-lo, e pelas nove ho-
ras, gente d'-sse mesmo grupo desordeiro do novo
investir conlraoreferidoex-cadeteCazuinb, no pa-
leo da matriz, e ao pasto que esse grupo se divida,
paite correndoa trazdo ex-cadete, sollaudo furiosos
gritos, a Mitra parle invada a gieja, e apedrejava
a tropa de linba ; esta briosa tropa, e seu h'-nrado
e integro cnnnnaudante resisti a pequea turba
desses anarchisias que em alias vozes gritavam
fura a tropa de lnha I A ordem restabeleceu-se,
e nao conseguiram violar a urna.
Nesse dia 17 a meia note fci substituida a briosa
tropa de linha pela da polica I Est manifest o
A baroneza da Victoria, tendo resolvido seguir
loje no vapor Oyapock, at a Baha, levando >m
a Culhn, e nao
tendo podido pessnalinente Oospedir-.-e de todas as
j pe.-soas a quem deve amisade, pela presea com que
! foi re olvma a mesma viager, o faz pilo presente
aniuincio, pedindo desculpa por semelhante falta, e
i-ITerece a todas as suas amigas seus pequeos
pie viucia.
Recife, 18 de outubro de 1864.
B. V.
Pitillas egetaes assncaradas de
Keutp.
PILUI.AS VF.GETAES ASSUCARADAS DE KEMP.
Agradaveis visia, exeuiplas de todo o sabor re-
pugnante, lio suaves q iii ofleazes, tnicas e pur-
gativa.-, oslas famosas plalas, posSBMffl DoiS toilas
as inapreciaveis qualdades pe Icnceules a um re
medio cathai tico, a'terativo e re-taurante. Tal
o jiii'o medico confirmado pela exi erieaua de mi;
Ihares de doeutes. Qu indo as fiineci"ies do fig-idn
e du ventre se acham por qualqnor forma desar-
raijada-, devem ser restituidas a boa ordem ? re-
gulaiilaoe eunestas pimas irresistiv. is. Ellas
s lio infalliveis quanto so agradaveis e sem
roiitroversia alguma o melhor apentivn geral, o
nico remedm anti bilioso que se pode conseguir
quer ne-to un em qualquer um outro paiz. Em
consequencia dolas se acharun acondicionadas
em frasqiiinlios de crysial, o tempo nao altera as
suas pr'piedades : a venda nos estol elecimeulos
piiarmaceuiicos deCanrs& Baibosa, ra da Cruz e
theor seguinte ; j original de grande espectculo, eiu 3 actos e 5
Illm. Sr. Dr. juiz d'orphaos. Diz Manoel Joa- quadros :
quim de Lemos e Vasconcellos, que tendo como
l'-giiimo administrador de sua mulher proposto [
ac;o de prodigalidade contra Domingos Vaz da!
Costa Agr, succede que nao obstante tem o mes-
mo sogro do supplicante continuado fazer lesivos
negocios ; e porque, naturalmente a causa de con-
sumir tempo corto que seja julgada dellnilivamen-
te para evitar males de futuro, que cumpre remo-
ver de prompto requer V. S. que se sirva man-
dar passar editaos de prevenro para que ninguera
contrato e faga negocio algum com o dito sogro do
supplicante. Pede V. S, deferimenlo.E. B. M.
Manoel Joaquim de Lemos e Vasconcellos.
Nada man se continua em dita peiico, a qual
sendo-me apresentada nella dei o despacho do
theor seguinte :
Corno requer. Recife, o de outubro de 1864.
Aquino Fonseca.
E para que ningnem contrate e faca negocio al-
guui oiiiii n pieOlio Domingos Vaz da Costa Agr,
-em previo eonsentiincnlo deste juizo, cmquanlo'
nao fr detiniivaniente julgada aecao de prodl- i
galidade' que pende perante esle mesmo juizo con-1
ira o mesmo Agr, maiidei |iassar o presente edi-
lal que ser affixado nos lugares do coslume, pu-
blicado pela imprensa depois que tiver pago o sel-
lo nacional e transitada pela chancellara do supe-
rior tribunal da relaco do districto.
Dado e passado nesla cidade do Recife de Per-
nambuco, aos9de outulrode 1864.
Eu, Floiiano Crrela do Brito, escrivo, o fi2
escrever e subscre.o.Ernesto d'Aqnino Fonseca.
Pela inspectora da alfandega se fax publico
que no dia 21 do corrente mez ao meio dia, porta | sageiros e dmhero a frote at o da da sabida -
desta reparticao, sero arrematados em hasta pu- 3 horas da tarde : escrip.orio no Forte do Mallos
hlica os oi'jetos abaixo mencionados, que deixa- n. 1.
ram de ser arrematados em praca nos dias 12, 13_____________________________________,
e 14 do corrente, sendo a ariemalaco livre de di- COMPANHIA PERNAMBUCANA
MISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco CiRleM vapor.
Parahyba, Natal, Haco, Aracalv Ccari e
Acaracu'.
C vapor Perstnunya, comman-
dante Ralis, begmr para os por-
tos cima no dia 22 do corrente s
'.o horas da tarde, lieceber carga
Pal o dia 2!. Eneoinmendas, pas-
200
500
^OMMEBGIO.
lim que se pretendo.
Com a tropa de linha nao podem os anarchistas e! j. da C. Bravo & C. iua da Madre de Dos,
inspectores de quarteiro auxiliados pela polica
arrebentar a urna, cerno conseguiram na eleicao
pascada, em que a urna foi arrebenlada em oresenca
do commandante da polica que se acbava no lugar.
A mesa, pois, vem reclamar de V. Exc. a mu-
danca da tropa de polica, que nenhuma garana
de ordem ofierere, e sua presenca alm de indicar
o lim que se projecta um dezar laucado contra
a tropa de lnha, que se acbava guardando a igre-
ja, e que se portou de um modo digno de todo o
eloeio.
Em vista do exposto a mesa deliherou inlerrom.
per os seus irabalhes at a retirada dessa tropa,
que nenhuma garanta de ordem offerece, sendo
substituida por qualquer outra forca de linha com
assislenria do honrado chefe de polica.
Dos guarde a V. Exc. Igrja da matriz de San-
to Antonio, 18 de outubro da 1864. Illm. e Exm.
Sr. Dr Domingos deSnuza Leo.
Jos Francisco Carneiro.
Francisco da Silva Reg.
Joaquim Salvador Pessoa de Siqueira Cavalcauti
Antonio Augusto da Fonceca.
Illm. e Exm. Sr. Os abaixo assignados, mem-
bros da rommisso inspectora dos trabalhos eleilo-
raes da fregnezia de Santo Antonio, por parte do
partido conservador, vem reclamar a V, Exc. con-
tra a forca actualmente postada na matriz, por
quanto tem justos motivos para crer que a mis-o
da mesma fura favorecer a fraude, e perturbar
os trabalhos eleiloraes, nico meio de nbter ganbo
de causa a farcao ligueira, que se apregoa prote-
gida pelo goveruo
E, na verdade, vendo os abaixo assignados que
hontem se tentn contra e regularidade da eleicao,
por um conflicto su-eitado por pessoas contiendas
dessa farcao, s 4 horas da tarde; e que, s 8 da
noite, novo conflicto se iravou ior iudividuos pro-
tegidos pela polica, rom o intento de ser a urna
violada, desenvolvendo-se em Mas essas oceur-
Concoes offlciaes.
PRACA IIO RECIFE
18 E OUTUliKO Ufc. 1864
Accoes Companhia Utilidade Publica 60 OrO da
premio.
Cambio-sobre Londres-90 d/v. 2T, 27 1(8 e 27
1|4 d. por 15-
Dubourcq Jnior, presidente,
?luimares, secretario.
NOVO BANCO
DE
PEIt.VVttlIlTCO
EM 18 DE OUTUBRO DE 186*.
O banco desconta na presente semana a nove por
cento ao auno at o praso de quatro mezes, e a dez
por cento al o de seis mezes, faz emprstanos
sobre ttulos commorciaes, e saca sobro as prajas
do Rio de Janeiro e Babia.
reitos.
Urna flvela de metal branro para carro,
valor ...........
Urna roda de madeira para carroca, valor
Machina de ferro sem u.istor, valor do
forro..........
'inco mnies em mo estado, valor .
Ferros para marcar algodo ....
Treze barris de chlorureto crystalisado
de calcio, libra 6,061, valor "da libra
100 rs., total.......6065000
Quarta serco da alfandega 18 de outubro de
1864. -O escriplurario,
Joo A lbino de Gusmo.
DE
Xavega^o cosclra a rapor.
Taraan art';. Barra Grande, Porto de Pedras,
Camaragibe e Macei.
15000 i i i O vapor Mumanguape, comman-
15o0ii | '',at-><\v danto ora, ?exuira para os
1KJ00 T/ V^Si^^_Dortos a'''ma indicados no dia 2o
I^Man-0 correB*e a< u" horas da tarde.
'-^sS^^a^oTlii'i'clicr earga al o ilia 24. En-
corameudas, passageiros o dinheiro a frete at o
dia da sahda s 1 horas da tarde : escriptorio
no Forte do Mattos n. 1.
DESLiMGQES.
-anta Casa O Iilm. Sr. thesoureiro da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife manda fazer publico que no dia
~li do corrente, pelas 9 horas da manha, no salo
da casa dos expostos, far pagamento das mensali-
dades vencidas do Io de julho ao ultimo de setem-
hro prximo Ando as amis que se apresentarem
Aracalv.
O hiate Santa Rita sahe para o Araraty
lar cora Tasso Irmaos.
a tra-
llahia.
O hiate Dous Irmaos sahe para a Bahi : a tra-
tar com Tasso Irmaos.
Para a Bahia pretende sanir em poneos uia-
o veleiro patacho D. Luiz, capilo Jos Teixeira
de Azevedo, por ter parte da carga tratada : para
o resto da carga que Ihe fal'a tratase com os con-
signatarios Palmeira Beltrao, largo do Corpo
aeompanhadas das ci iancas que Ihe estao confiadas. Santo n. 4, prlmeiro andar.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Rio de Janeiro.
O brigue Belizario segu imprelerivelmente no
dia 23 do corrente, recebe carga e escravos a fro
', te : traia-se cem os consignatarios Marques, Bar-
' ros & C, largo do Corpo Santo n. 6.
Recife, 14 de oulubro de 1864.
O escrivo,
A. F. Cavalranli Cousseiro.
Inspec^o do arsenal de ma-
rinba.
Faz-se publico que a rommissio de peritos exa-
minando, na forma determinada no regulamento
ann-xo ao decreto n. I,3i4 de 5 de fevereiro de
1854, os cascos, machinas, caldeiras, ap|iarelhos,
ma dreacao, velan es, amarras e ancoras dos vapo-
res Persinunga o Mumanguape, da compadhia Per-
nambucana de Navegacao costeira, achou lodos
estes ubj'ctos em regular estado.
Inspeccu do arsenal de mariuba de Pernambu-
co, 17 deolabro de 1864.
O inspector,
II. A. Barbosa de Almeida.
Sant'i Casa da Misericordia do Maclimas para costura, pil-
hecifv
LEILOES.
LEILAO
MOVIS
N
Urna mobilia de amarello, i apparadore*, f lavo-
torio, 1 mesa de meio de sala, I n esa > ama-
relio para jantar, 1 commoda de mogoo. I cama
franceza du amarello de raz, 1 dita paca mt-
teiro e outros muitos objecios.
^DtliRQ) su
fara leilao por conla de uina pe-soa que se reiira
para fra, dos objeelos cima mencionad".
No armaz^m da ra da Cadela do Rerik o. 18.
Iloje 1(.) o iQi-ri-nU' as II loras.
feua semanal
DE
Jlohilias c milicias, escrava de wkt
os sexos codi liiibili-lade t sem ellas,
cryslaese olidos artigos de ->'.
Quinla-lcira 20 do correnle
as 1 i horas, no armazein ila ra do Viga-
rio n. 10
OliYJIfPIO
vender em leilo uina molnlia de janran com
lampos de podra marmore con-lando a nesm do
18 cadeiras de gnarnico. 2 de braco, 1 A, 1
consolos com pidra niaimore e i mesa com mta,
camas francezas de amarello. 1 molnlia de ama-
rello completa, lavatorios com podra marmol, ra-,
deiras brancas avulsas, me-jnhas para junto de
cama, camas de ferro, me.-a para jamar, rsrravoo
de ambos os sexos com habilidades e sem rila?, 1
grande sitio no Rosarinho cum grande rasa do vi-
venda, vonezianas e outros muitos .irrigo ojn* .o
tornam enfadouho mencionar, lera lugar c leac
na ra do Vigario n. 10.
LKILAO
Um % TADKRiVl
N. I -Pateo do Terco -B. I
Alvos Coulinho A Itrandao f.io leilao r-in rom-
senso dos seus rredwos e por nterrrnri> dt- g*o-
te Cordero Simos, dos gneros, armara e uiea-
] cilios da taberna aeima dita, em um ou mais !>4s
volitado dos compradores, a qual se arka n-m
sorlimento siiflieiente pora duas taberna- rom
gneros novos comprados a bem ponen teop. por
isso e-pira-.-c uina luzida coinurrenria, rr.;.- la
lauco esla em i oder du refer lo agente para exa-
rae dos |iretendentes.
U;iiiui-fciii 20 do cerrrile
s 10 horas em ponto na mesma tato-roa.
Sexta-frita 21 de oulubro, s H lo-
ras, ma da < adela u. S3
M
Um terreno chao propriu na ma do Detin be-
guezia da B<>a-Vista com 231 palmo- d> frente
divide de um lado com o muro do hnpifal mi-
litar, boa loealidade, por i|ii:into lodo u laiefiat
vem de muito porto |or sor pruxiuiu o p-ito do
Hospicio.
Pelo agente EZnzeblm
se ven lera pelo maior preco oiubeiro wat,
Soxla-faira l do crranle, ra da (.arfVia
n. .*i3, aiiiiizfin.
HE
Urna excellente mobilia do Jacaranda a Lniz XT,
com lampos de podra marmure nuva, un .Mitra
de amarillo tambem nova, rn|iiissiiM>.s goardtao
roiipas de raiz de amarello, nafra dir nV nu%-
no, um lindo paliieiro de (rata, nin aaVoopp te
ouro, capachos de rail de espartos, olea le para
carro e encorado para o-brir mesas, berru de
faia, cadeiras de ce reja etc.
jEUZEHI"
vpnder em leilao o< objvctoa cima por coca e
ordem de quem pertencer.

!2 expelientes predi $
A diobeiro mi parle a praz.
Antonio liotelhii han de Xew|itata
fara leilo puf intoi Vriirao 0
T te Oliven a, de seu> i^iliir.r- | rratx
arabado> em I8iil, cun xilwiez o a
moderna, sitos na tua du Ai ti na.
34 e 30, tendo ambos 5i palmos de froto lir#> 4o
paredes,os aib s nu de n. 34 eu primeir an.-r m
de n. 36 tem 215 palmos de comprmeme, o ao-
muido andar do de n. 36 tem sinenie lio pi!t
de comprimento com um terrayn, o ara
tem 340 palmos de comprimento caa um, le.io
ambos tambem frente para a ra ito Cae 4'Ajad-
lo e o de n. 36 tambem para a travessa do aonajo
porto das Canoas, estos predios oram eiMrato
pelo actual proi rictario e cun oplimos alirerrra o
superiores madeiras.
Sabbado 22 do correnle
ao meio dia em poni nos indicadus predio* ao
armazem do predio n. .'Jfi.
AH.ni leca
Rendimento do dia 1 a 17........ 578.2225002
dem do dia 18................. 29:8093836
608:023*838
tfuvlmcato da alfandega
Volames entrados com fazendas...
* com gneros.
Voluntes saludos com
< com
fazendas...
ge uo ros...
799
632
167
232
1,763
------ 1,997
A Illm.* junti administrativa da Santa,
Casa da Misericordia d i Recife manila fazer
puhlii o que hje pelas 9 l|~2 lioras da ma-1
nliaa deve ter lu.-ar na capella do hospital I
Pedro II, a festa de S. Pedro de Alcntara
padreeiro do mesuio hospital, e que dessa
hura s 5 da tan le ser franqueado este es-
tabeleci ment todas as pessoas qae o qui-.
zerem visitar.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia
do Recife, i9 de outubro de 1894.
O escrivo,
F. A. Cavalcauti Cousreiro.
D rectora das obras milita'es.
A directora das obras militares tendo de man-
dar proceder a cuacan o pintura de barras as
paredes do qnarlel do Hospicio, para o que ne-
cessario grande concert em rebocos, convida as
pessoas quu dute servieo se quuerem encarregar,
nos, livros de litteratura,
cofres de ferro, crystaes e
outros muitos artigos.
no ti i:.
Qaarla-fcira, 19 do corrate as 11
horas.
Armazem a roa da Cadeia de Kccife n. 48.
Cordero Smoes far leilao por conta e risco de
quem pertencer de 1 mobilia de amarello, 1 cama
franceza de ceregeira, 1 dita de amarello, 12 ca-
deiras genovezas, 1 sof de faia, 1 forte piano, 2
burras de ferro, diversos livros de litleratnra, 1 es-
pelhn, 1 quarlinheira, 1 lavaiorin,2paresdejarr8, 2
candeeiros a gaz, 6 cadeiras de amarello, 1 sof, 2
cadeiras de balando, 1 commnrla, 2 mesas para jan-
lar, 2 candelabros, 1 santuario de Jacaranda, e an-
tros muitos artigos de gosto, que so lorua enfado-
nho mencionar.
Na mesma occasio vender um cavallo andador
para ambas as sellas.
IEIJLAO
Sabbado 22 de oululirn, s 11 n,
roa da Ca4ea ;u-m.izrni 53
t(E posilivamenie sem limite )
Dk
Urna propriclade, chao prnprio, siu na rulad dr
Cabo quasi junio as ouVimM da esiraala de fer-
ro com poltao ao lad sondo na fente krrrtai
para iraz assoh'adaria, i1 assnaliia>'a, t>rmmi
banho porto, rom militas vantairrii qoe u fre-
lendentes d-sJe j |m.|.-io etaimnar, s apeam
sero com vista salisfeitos para na rraflnade-
fazer boa acquisico.
Pelo agente Enzeblm
se vender aquella casa d--fliihivaine'ite i t-lo auim
preco que se adiar, advortmdo em lempo fjm o
terreno lateral onde tem o purla, txria*.
AVISOS DIYEH&OS.
Innocenco Anlunes de Parias Torrea^er*o-
laano interino de um dos ofhVi.i- de oscriv^ad
apnell icoos, agravs e pmiestos de tearaa ma-
retissuno tribunal do commercio nVia
pode ser procurado fra das huras dv i
que d uo eeriptorio da ra do I-ii|ieraitarai 12.
em sua re idencia, ra da Cmcrdia, easa tomn
te ao oito do sobrado d-j Sr. Barthotomea.
-



Diarlo de Peraaavkneo Qaarta felra I de Outubro de 19*4.
Attenc&o.
0 abaixo assignado roga a totbs os can-
didatos e candalas, que Coran examina-
dos na directora da instruccao publica, du-
rante todo o terapo que o mesmo occupou
o lugar de secretario, que declarera fran- Consultor forense por CartcTAnonio Cr-
eamente e pur amor da verdade, se recebe- deiro, 4 voiumes
rain delle copia de pontos para os re'eri-
dos exames, por obsequio ou por algum
OUtTO inleresse.
Salvador Ilenriqie de Albuquerque.
IJVKVIUV EG0N0U1C \.
RA DO CRESPO N. 2.
DEFRONTE DO ARCO DE SANTO ANTONIO.
Obras altimameiiie recebi tas.
Jurisprudencia.
Tamhem se vende cada volume separado
Manual dos juizes de direito, ou attribui-
coes e deveres destas autoridades ..
Pnmeiras linhas sobre o processo crimi-
nal por J. B. da Caoba, 2 voiumes .
Nova guia dos juizes munieipaes e or-
phos por J. M. P. de Vasconoellos .
Novo advogado do povo ou arte de reque-
rer ein juizo.............
Roteiro dos col lectores, nova edico muito
augmentada............
Novsimo manual dos tabelles ou col-
lercao dos actos, attribuic5es e deveres
destes funecionarios
305000
84000
54000
i i .5000
84000
4,&000
C-5OO0
0 cirurgio Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o acharfio como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fissao, chamado por escripta.
solicitadores, etc., etc.
*,*
Vende-se na praca da Independencia n. 39, loja
de Antonio Augusto dos Santos Porto, capellas
mortaarias de gostos mais moderno*, que tem
viudo at agora para se Iwlar em tmulos e cata-
cumbas no cemiterio publico no dia de tinados,
com as escnpco<^s seguintes: mea esposo, minha
esposa, meu pai, minha mi, neu filho, minha fi-
lia, saudades sempre vivas, amisade, urna lagri-
ma ; desta qualidade nunca vieram para serem
vendlas tiesta provincia._____________________
Aluga-se um primeiro andar pntalo de novo
com bastantes eomviodos, na ra da Imperalriz, e
un loja pri>, *azfiara taberna, na ra de Hurtas :
a tratar na mesma n. 106.________________________
(usa para aligar na ra do Crespo
Aluga-se a principiar em Io de Janeiro prximo
futuro o sobrado de tres andares da ra do Crespo
n. 9 : quem pretender, dirjase ao estabelecimen-
:' da loja do mesmo sobrado, ou uo de n. 13 da
mesma ra.
Attencao.
Ainda existe na ru estrella do Rosario n. 31, e
na villa do Cabo, em casa do Sr. advogado Jos
'aulo do Reg Brrelo, nlguns escravos e escravas
de campo, cun habilidadeesem ella, ludo por pre
;u cumio ido. _______________________
Precisa-se de urna ama de leite que seja cui-
dadosa e tenha muilo e bom leite : trata se e pa-
ga-se bem : na ra do liruin n. 84.____________
Precisa-se/*. dous amassadores de masseira
que entendam peritamente do fabrico de pao e
bolacha : na ra larga do Rosario n. 16, padaria.
Aluga-se urna casa em Beberibe : a tratar
com J. I. M. Reg, na ra do Trapiche h. 34.
Precisa-se de uina ama que saiba engoininar
para casa de dnas pessoas : na ra do Hospicio
numero ii.___________________________
Precisase do una ama para cozinhar e en
gomm.ir para duas pessoas : na ra do Imperado
numero 46.___________________*_____
Precisa-se alagar um sitio por anno, queje-
ana ca-a grande com commodos e em e***,
ommodos para feitor e *-- p trenos para
plantaco : "* ra da Imperalriz, loja nu-
!-..-. -''______________ _____________________________________
Precisa-*) de oiiS a juros sobre hypotneea
de urna casa ou um e cravo : quem pretender d-
rijase ao becco do Carcereiro n. 8.
AH.
Precsa->e de urna ama que cozinhe bem e com-
pre, para urna familia de seis pessoas : a tratar na
ra de Hurtas, sobrado junto aos Martyrios, pri-
aieiro andar.____________________________________
CAS4 u miwk
AOS 10:000.000
Slbeles garantidos
A' ra do Crespo n. 23 e casas do costme
O abaixo asignado rendes nosseus muito feli-
/.es bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a beneficio da matriz de Caruar, os
.seguntes premios:
N. 174 tres quartos com 6:0004000
N. 1572 um inteir 1 com 6004000
E outras muitas de. 2004, 1004, 404 e 124.
Os possuidores podem vir receber sem os des-
con.os das leis oa Casa da Fortuna ra do Cres-
po n. 23.
Acham-se venda os da quarta parte da ter-
ceira luteria a beneficio da Santa Casa da Miseri-
cordia, que se extrahir no dia 22 de outubro.
Pre^oa.
Bilhetes inteiros..... 124000
Meios......... 6*100
Quartos........ 3*000
Para as pessoas que comprarem
de 100* para cima.
Bilhetes........ 11J000
Meios......... 54500
Quartos......, 2*750
Manoel Martins Fiuza
MUTA ATfEN(!lO
Aviso aos senhores e spnhoras
Aviso aos senhores o senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras
A viso aos senhores e senhoras
Aviso aos senhores e senhoras.
Novo sortimento
Novo sorlimpnto
Novo sortimento
Novo sortimento
Novo sortioiento-
De caixinhas e quadros
De caixinhas e quadros
De caixinhas e quadros
De caixinhas e quadros
De caixinhas e quadros
Caixinhas a 14*>00
Caixinhas a 1*300
Caixinhas a 1*500
< amnlias a 14500
Caixinhas a 1*500
Caixinhas de 5* por 4*
Caixinhas pe5* por 4*
Caixinhas de 5* por 4*
Caixinhas de 5* por 4*
Caixinhas de 5* por 4*
Receberaui-se 10 mil ca xas
Receberam-se 10 mil caixas
Receberam-se 10 mil caixas
Rereberam se 10 mil caixas
Receberam-se 10 mil caixas
Candes de visita
Carites de visita
Cartoes de visita-
Cartes de visita
Candes de visita
A 10:5 a daifa
A 10* a duzia
A 10* a duzia
A 10* a duzia
A 10* a duzia
A galeria esta renovada
A galeria esta renovada
A galena esta renovada
A galeria est renovada
A galeria esta renovada
Com ricos cortinados e tapetes
Com ricos cortinado- < apeles
rlin ~."s cortinados e tapetes
Can ricos cortinados e tapetes
Com ricos coriinados e tapetes
Com lindase variada* vi>las de fundo
Com lindas e variadas vistas de fundo
Com lindase aadas visias de fundo
Com lindas e variadas vistas de fundo
Com lindas e variadas vistas de funde
rasa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
Casa americana
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
K' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A' ra do Imperador n. 38
A. W. Osborne.
AttenQo a paga.
Fogio a escrava crioula Joaquina, cor fu.
la, alia, magra, ps grandes e apallietadns
tem alguns cabellos braceos que os pinta,,
incuica-se forra, muito falluJeira ese su-
geita alugada em casas particulares ptjra
engommar durante o tempo de fgida que
nao a primeira vez que a fa/., disfarca-se
de diversos modos, as vezes de tinuo e
snia preta e outras de vestido e balo, en-
contrada constantemente ja no barro do;
Recife, S. Jos e B^a-Vista, e ltimamente i
f.i vista passar pela ra Augusta e sup-
pe-se que est morando em algum casebre
por detraz desta
des policiaes d
ESTRADA DE FERRO DO RECIFE AO S. FRANCISCO.
Tabella que tem de regular a horas de partida dos trens de passageiros do 1, de uoveiubro de
______1864, at segundo aviso._________
ESTACOES
Aos 10:OOo$OUU.
Sabbado 22 do corrente mez, se extrahi-
r a quarta parte da terceira lotera (i 12a)
/abenelicio da Santa Casa da Misericardia, estes funecionarios .. '........ 6*000
no consistorio da igreja de Nossa Setiliora O advogado cemmercial ou arte de roque-
do Rosario da freguezia de Santo Antonio. jer no tafea commercial....... 4*000
n hilhptpu mAi s bimetes, meios e quartos acnam se a vm |ca -0 fa| -o a
venda na respectiva thesourana a ra do muigada ateo anno de 1857, coordena-
Crespo n. 15. do pelo desembargador Joo Joaquim
Os premios de 10:000^000 at 200000 da silva ............ 12*000
coran natrns urna hnra itannifi da pxlraccn A,t,n deslas receberam-se mais obras de sum-
serao pagos urna ora aepots aa exiraccao mo ntei.esse ara os sennores juize;i) advogados
ate as 4 horas da tarde, e os outros no da
seguinte depois da distribuico das listas.
Servindo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
Cinco Ponas (partida)
Afogados ....
Boa Viagem .
l'razeres ....
Ilha.....
Cabo.....
Ipojuca. .
Olnda.....
Timb Ass .
Escada .
Frexeiras ....
Aripib.....
Ribeirao ....
Gamelleira .
Cuyambuea .
Agua Preta .
Una (chegada). .
lii:\fS l'AUA O IM i Killi
Das ba I bo
MANHAA
II
8
8
8
8
8
9
9
9
9
10
10
10
11
11
11
12
12
M.
6
18
24
80
10
24
39
54
10
38
56
15
3
58
19
46
TAUDE
II.
M.
10
16
28
34
5
25
Domingos e
as santo
HANIUA
II
7
7
7
7
8
8
8
9
9
9
10
10
10
11
11
11
|
M.
30
36
49
55
20
43
57
12
27
44
12
30
49
12
32
53
20
TARDB
II.
M
25
30
42
48
15
30
ESTACOES
Una (partida)......
Agua Preta.......
,Cu\ambuca.......
yameleira........
Rtbeiro.........
Aripib..........
Frexeiras........
Escada..........
Timb Ass......
Olinda..........
Ipojuca..........
Cabo...........
Ilha............
Prazeres.........
Boa Viagem......
Afogados ........
Cinco Pontas (chegada)
intAs DO 1 vi 1 niott
f>iB d*. ir-
hallio.
MOMIA
M.
TAIUIB
M
M.
30
46
12
20
33
46
1
1
1
2
i
j
::
3
I
4
I
I
5
;;
5
i
61
10
36
58
19
39
5k
16
47
15
30
48
4
30
38
51
Domingos *
dlM santoM
ANHAA
II.
M.
14
38
46
59
10
TAKIIR
II
CLUB PEH^AifBlCAM)
A reuniao familiar do roneii'e mez ter
logar na noite do dia 10.
Club Fernamburano, 10 de outubro le
1804. O emprezario,
_______________________ 1*. J. I.i\ni.'.________
Aluga-se o sio que foi do finado osHigos
A. Gomes Guimaraes, no Caldeirnro, ccMifronlc ao
do Sr. Dr. Iw b tratar com T. de A<|uino Foosrca Juaior, ra do
Vigario n. 23, primeiro andar.
pharmaculieo Antonio Loit da (>ia. do
Rio de Janeiro, deseja saber nlici.is de seos N ios
I.u/. e Carlos, para iiiinlslrar-lh** recurso* pera-
niarios escientilia-los da sua boa sucetssao dtos
encoinmodos porque tem passado : na ra do
Queimado n. St, su informara.___________________
Alunase o qoarto andar da casa sita rna
Nova 0. 21: a Iratar na mesma ra o. 8, l..j.< do
cha.
Na ra da Cadeia do Se5S n. 55, priman
andar, tem urna carta para u Sr. Antonio .Manjel
40 da Conceieao.
10 .. ^^^^.^_^^_^_^^_^_^.^_
Precisa-se de dous homens qnr emendar '
M.
20
45
7
25
48
7
25
56
9
24
39
57
13
H. Auslin, superintendente interino.
Empreza dos trilbos urbanos do Recief
Api puros molida vapor.
Tendo chegado da Europa as informaces e dese-
nhos que os concessionarios do privilegio manda-
ram vir pelo engenheiro que tem de execular a
obra, os concessionarios abaixo assignados resolve-
ram formar urna companhia com o capital de ...
300:000*000 em acedes de 50*000, eora as cendi-
coes que serao apresentadas aus que quierem to-
anar acQoes
. servico de copeiro : na ra da Aurora n. 32.
: PHAROL DO COMMERCIQ
___ MODERNO ARMAZEM DE MIMA
TUL 73 Ra do Itangel -73
CEARA' (NORTH BRASIL) WATER COMPANY, Castro + Lima
INCOUl'ORiDA SOB A LE DE ASSOCIAgES MLTl'A OE 18C2.
Capital Ib st 60,050, emG,'*l)i acedes de, Ib .s. 10 cada urna
Depositando 10 s. por cada aeco pedida e lit. st. 1 e 10 s. quando forein distribuidas.
As stguintes chamadas nao excederoa lb. st. 2, cada urna, nem poderoser fetas com inter-
vallo menor de tres mezes.
Juros de 6 % ao anno pagaveis aos accionistas at a conclusao da obra.
Directores.
Acba-se aberto concurrencia do publico d. -u
heroica provincia um nmmi armazrm de un,
Diados, Mb a denominacc dePharot do Cmi-
mircio.I'liaro), esta palavra, senundo algnns ey-
mologistas, vem do celiico ihoten. navegar, t se-
gundo outros, de Ptiares, mm da .-ha. na ipul
foi construido o mais notavel ph.irol da antigui-
dade.
O pharol um *ignal noclnrno dc-lnado a ad-
vertir ao naveganle a appnixinucao pois o pharol afTasta M naulas dus t-scoltHM eos
conduz a poito st-gsro, este otabelerinN-sD |ole-
ra advertir os inr-otos das arras d>-s abofrrs .|o
As pessoas que quizerem ser accionistas desta WILLIAM FRAiVCIS DOBSOX. Esq. Bearsted House, near Madslone, (presidente) director da tompa- com pomposas taboletas est ahi abertus a ijuaJ-
quer canto.
Oque os proprirtarM do Pharol d-srjam indi-
Metropolitana de Se- car ludas as pessoas sm os h mai rom >oa i-
: sitas a este eslabelTm^nto, i <|ue em netihoms
| outra quali|uer parla encontraro uiHhores e lo
baratos gneros tendentes a molliados.
Cheguem, pois, os freguezes, ao pbarol,
radiante luz da verdade es nrlarsHrt.
nhia das Docas e armazens, de West London.
JOHN CLARK, Esq. 3, Dunsler Courl Mincing Lae.
JAMES DAW'SOX, Esq. 2, Biliter Square, London, director da companhia
goros.
TIIOMAS GEORGE FARDELL, Esq. 6, Montagu Place, Monlagu Square.
WILLIAM JESSE, Esq. Maisonette. Ingaleslone, Essex.
JOHN WILLIAM STUDART, Esq. V. COOtfl de S. M. Britannica, no Cear.
AUGL'STUS WEHXER, hs.|. Lime Strce, director do banco Europeu : Limitado.
ENGENHEiiio ALFBEO THOMaS COOK, Esq. 3, BridRC Street, Westmiuster.
S0LUCITA50KES MESSRS. W. H. P. SHARP, 92 Greshain House.
O BANCO, EUROPEU, LIMITADO, 83, King William Street. E. C. e seus Filiaesno
Continente.
MESSUS A. & W RICARDO, 11 ngel Court Throgmorton Sireet.
3, DUNSTER OURT, Mincing Lae.
CORHECTORES
ESCKIPTORIO
O porto e cidade do Cear a si
Aluga-se urna preta para ama de kite a fol-
lar com o MCrivio Silva Reg na ra Velba -
93 ou na ra do Imperador n. 71 : ipiem a re-
tender dinja-se ao mesmo esenvo as casas ari-
ma mencionadas. _______
Albino Itaplista da Rocha, Portnguei.
sede do RovertO da rica provincia ou capitana do Cear gran- ~
de ao norte-do Brasil, e est situada em lat. 3. 4C e 10" S. e Long. 38 2V 0,-ste de Grenw, o Cara fe* dourador na praca da h.de^mleur
rodeado por um terreno arenoso, e sem exagerar, na maior parte do anno o clima pode ser cuoside- ^X'do'meXo^lntr'e* r^KhsH
radosecco. Sendo a capital de una provincia floresrente o lugar de unicommerco que va. crescendo ^[f ^ d'''Vo 1ual(,uer ^l"^""-
rpidamente ; e a residencia de um crescido numero de pessoas abastadas, pelas quaes ha muito tempo pc,u cu ""* "------------------- -----
sentida a falta de agua potavel. i Qnem quuer dar a quanea d. 1:000*. av
A capital e seu termo, contm mais de 30,000 habitantes, como consta dos ltimos relatnos gaodo-se todos os mezes 503 pIh juras, e asa*
o provincial. < tempo que se convencionar, annuwie.
\ agua supprida pelas chuvas bem raras, epelas cacimbas, cuja agua em eoasequencia de [>recsas(, alugar~uina preU que sefa~aJ*
s, liltraciio do mar, etc., no verdadeiro sentido da palavra nao 6 polavel. engommadeirt e coziuheira : ua ra da Palma-.
Em urna distancia rasoavel da cidade acham-se na propnedade do Sr. Jo?e Paulino Hoonnnitz 4, utom.
l remediar a trrande falta d'agua de boa qualidade, o governo provincial concedeu | Precisa-se de urna preta que saiba coztshiri
lioltz. urna concessao com previlegio etcluvo por cinroenla annos |iara suptirir a |aVar : na ra du Queiin ido n. 16, h
luja.
COMPEAS.
importante empreza, podem dirigir-se qualquer
dos abaixo assignados, ou aos correctores Vascon-
cellos, Mamede, Guimaraes, Galis, Doubourcq, Ma-
cedo, Seve.etc.
Bardo do Livramenio.
Jos Bernardo G. Alcoforado.
A. Luiz dos Sanios.
Os abaixo assignados havendo contratado com o
governo provincial a collocacao de tnlhus urbanos
da cidade do Recife at Apipucos, e tendo obtido
as informaces que eram indispensaveis para a BANQiEinos
execiicu da empieza, leem resolvido formar urna
companhia anonyma ; ara a sua realisacao, e com
as seguintes bases :
Artigo 1. O capital da companhia ser de tre-
zentos conlos de ris, divididos em acgVs de 50*,
realisaveis em prestaees, sendo 25 por cento logo
que e.-lver formada a companhia, e o restante nos
prazos indicados pelos emprezarios, precedendo
aviso de 30 das.
Poder, porm, este capital ser elevado ris
400:000*000, se para o futuro quizer a companhia 0 governo pr'ovmciaL
fazer prulongamento ou ramal. a
Art. 2. Os emprezarios se obrigam a fazer as drainagen
obras que forem precisas para a collocacao dos tr|- ,n _
Ihos, inclusive as desapropriagoes, ponte de ferro, denominadaBein-fica-um grande numero deolhos d*aga e diversas cacimbas as quaes durante o
que tem de ser collocada no rio Capibaribe, duas temp0 mais secc se ^m conservado com agua. I ~2E22m2 a^i iJ.n m ?> J^ea iam
estafoes para recolhimento do trero rodaute, e dos A agua destas cacimbas reconhecida por todos ser a rnelhor; e nao obstante a distancia da P p>nuguez o objectos da companhia, que >ero com a simplici- cidade, e grande despeta com o transporte, tem sido consumida por aquellas pessoas que podem man- P" Daiaric., no ijue ai lunor a >ua louaucu ss-
dade possivel, tendo-se someote em vista as ac- ,]a.|a bajear.
commdac,5es e seguranca, sendo urna no han ro de Desejoso de
Santo Antonio, e outra as proximidades da extre- a jufe- pauliuo Hoonholtz. _
niidade da linha ; a forueeer 10 carros para pas- cidade com agua potavefao preco de 20 ris por caneco de tres e meia caadas vendidos nos chafarizes,
sageiros e 2 para carga, e 3 locomotivas, e tudoisto e de 40 ris conduzides s casas, sendo este prego o mesmo que adoptado por outras companhias de
nos prazos estillados no contrato. um Uo imperio do Brasil.
Art. 3." Concluidas as obras serSe os trilhoscom ^ Cear (North Brasil) Water Companv, Limited no lera competidores e o governo provin-
os objectos cima indicados entregues companhia, ca| conceden mais o direilo de supprir s repartieres publicas, quarleis, fabricas, e casas particulares,
que desde logo eutrar na posse e adminii.trac.ao gi,.., por meio de penna d'agua.
da empreza, e gozar dos privilegios, sences e Para levar a elleito esta concessao a Cear (Xorth. Brasil) Water Companv, Limited, acaba de daga-se bem: na loja de bilhetes da praca a
vantagens que foram concedidas aos emprezarios, ser definitivamente incorporada na praca de Londres. pendencia n. 22. _________________________
salvas as disposigoes aqui declarada, sem que de O concessionario tem depositado em poder da companhia as necessanas translerearias do---------., efWiivampnfP------------
parte paite poaoa dar-se reclamacao, ou possam previlegio, e mais documentos, s.-ndo: I.......,,',, 7h ,,. L. h
os emprezarios exigir mais do que a referida quan- e o hvre dominio do terreno que comprehende as cacimbas e olhos d agua, e assim mais o que ouro e prau ew obras veih-. |Mgando-se bea .
tia de trezentos contos. fr necessario para as obras dus reservatorios, galeras, etc. i MJ larga do Rosario n. 24, luja de oum. __
Art. 4." Os emprezarios se obrigam solidaria- A indemnisagao para o concessionario ser de 1,000 aeges dei lib. st. 10,cad urna, mteira-1 Na praga da lnde|ndencia. luja de >.orive
mente ao rumprimento do pie tica declarado, do mete pagas, percebendo juros durante a con>lrucco, e dividendo par pattu como as mais acedes n 33i compram-se obras de ouro, prata e pwiras
que se lavrar auto autluntico. pagas, porm nao pod>-ro ser transferidas ant^sda conclu>u da obra. | preciosas, assim como se faz qualquer obra de eo-
Art. 5." Pela assignatura se obrigam os accions- q eoatralw para a constrneco da obra j est elTeciuado por urna qnanlia fixada (da qual o, COmmenda, e todo e qualquer concert,
tasao que fica declarado e ao pagamento das pres- ceutratadorobrigou-se a receber 15'% emaeges da companhia) iocluindo todas as despezas prelimi-
tacoes nos tempos que forem declarados. No case, narts at a ncorporacao da companhia.
porm, de nao pagamento de qualquer das presta- q engenheiro da compaobia em seu regresso do Cear deu seu parecer da maneira mais fa-
rdes em dito tempo, perder o ao-ionista o direilo voravel a respeilo da quantidade e qualidade d'agua, e do rendiiueuto; e que na conslrucgao da obra
das prestacoes ou entradas que houver feito, e nao navera difliculdade alguma.
quando nao res'i-o a primeira, poder ser coagido O contrato olllcial entre o governo e o concessionario, e mais documentos para tranferen-
judiniaiuiente ao pagamento da tolalidade da cil) ec|^ ^alisados pelo tabellio publico, podero ser examiuados pelos accionistas uo escriptono da
accao. ... companhia. .
Art. 6." Nao sera permittida a transferencia de Sera pag0 ^g accionistas o juro a razo de 6 % ao anno, duranle a construccao das
acces, ou dos recibos provisorios, antes de esta- obras.
rem integralmente pagas, salva a responsabilidade i ----------
do accionista, ou consentimento dos emprezarios. Para obter aicoes (das quaes urna diminuta quantidade esl reservada para as pessoas que
Art. 7. Logo que estiverem tomada as accoes desejam accoes no Brasil) os preteodeates nesta proviucia poderao enteader-Sfi com o Sr. Gnorge
sero os estatutos submettidos approvacao dos palC|u.t corrector geral praca do Corpo Santo ou com o Sr. John J. Foster, engenheiro dos contratado-
accionistas liara que seja logo encorporada a com- rt, 1U h,e) dc Europa^ ruado Trapiche n. 12.
panhia, sem que todava por este facto tenha ella ,____________________________________________________-------------.
qualquer ingerencia na factura das obras, chamada
e recebi ment das prestacoes.
Art. 8. Aos emprezarios se reserva o direito de
receber da thesourana provincial a quantia de de-
zoito contos de ris, que Ibes tem de er papa em
quatro prestacoes, para indemnisacao do adianta-
I ment que leem de fazer para desapropria55es, se-
j gundo o que esl estipulado no contrato.
Art. 9." Os emprezarios tomam por sua conla e
i risco cen contos de ris em accoes, ser um
' delles director nato em quanto forem accionislas,
e tero passagem gratuita em qualquer dos carros
da companhia.
Ai t. 10. Fifi entendido que as despezas at ago-
ra fetas, e as que se houverem de tazer para en-
eorporacao da companhia, registros, etc., sero por
conta dos emprezarios, por modo que a companhia
entre no gozo e posse da empreza para ser expo-1
raoa por sua conta e vantagem, medanle o capital
declarado.
Art. II. Nao se faz o calculo dos lucros prova
Companhia fidelidade de
seguros martimos e ter-
restres estabelecida no
Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEPNAMBUCO
Aatonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
ATTENCO.
COMPRi-SE
urna negra de bonita figura, que siiha lavir, ee-
gummar e coM>r bem, e cuja idade nao exceda a
25 annos, agradando paga-se bem : a tratar no es-
criptorio de Manuel Ignacio dc Oliveira Ai Filko,
largo do Corpo Santo n. 19.________
Cuinora-se urna bomba para carimba : q
a tiver, dirija-se ra da Madre de Dos n. 14.
VENDAS.
m
i
s
llavera sorvete todos os dias, das 6 horas em quem ajusta.
Precisa-se saber se existe, testa cidade ou em
aleum ponto da provincia o Sr. Francisco Melclua-
des de Cerqneira, que foi commerciante na praca
da Babia, e se BUppde de prseme nesta : quem
delle souber e quizer fazer o favor de dar ndiiias,
dirjase ra larga do Ro-ario n. 26, segundo
andar, ou indique sua morada por este jornal, que.
pagando-se a despeza da publicacio se Iho procu-
rar e flear agradecido._________________________
A ma
Precisase de urna ama para cozinhar e engom-
mar: na ra da Concordia n. 34, sobrado do ar-
mazem do sol.
Precisa se de um hornero para plantar e dei-
tar sentido a um sitio: na ra Nova n. 49 se dir
0 Dr. Francia l'ires Nacha(ig [ nao sejam
; Pttrtella
MEDICO OPERADOR
NU
Facnldde de Paris
Pode ser procurado ra Nova n
44;segundo andar.
veis e das vantagens da companhia, porque esta diante, advertindo que o mais asseiado e bem fei-
preciacao esl ao alcance de todos, e nao dse- to possiveM no bem conhecido caf do< Arcos.
jam os emprezarios fazer nutrir esperances que q *r. Jos Antonio Floresta Basdos esludan-
pari'c.am exageradas, poslo que effeclivamente o te da faculdade de direito tem urna carta de im-
Bariio do Livramfiilo.
Jos Bernardo Galvao Alcoforuio.
Antonio Luiz ds Santos.
. porlancia vinda da Bjhia na ra do Crespo n 23.
ATTMC4
Precisa-se de urna ama para cozinhar e com
prar : na roa das Cruzes o. 9, segando andar.
No hote" italiano, ra do Trapiche n. 5, pre-
cisa-se de um copeiro, preferese escravo.
Precisa-se de urna ama para
no e exteruo de urna casa : na ra
rio n. 37.
Roga-se a pessoa que por engao lcvou
do toilette da sociedade Corybanlinc na ul-
tima partida, um soutambarqoe novo de
grosdenaples preto, bastante largo o com-
prido, com bordados nos punlios, na orla
inferior e nos hombros, com gola e bolsos.
Precisa-se de urna casa com proporcoes de- queira manda-lo levar ra das Cruzes n.
oa que
entregar.
Anda est para alugar-so a boa casa
terrea n. 39 ra da Unio.
.. Precisa-se de urna casa com proporcoes de- quena mat)a-lO levar a ra Gas Cn
0 servigo nter- ceies para habilaeo de pequea familiaj prefe- 7 vi>l0 que sabe-se o nome da pess
1 larga do Rosa- re.se no bairro da Boa-Vistaou immediacoes ; nao arifmn,.ar.ce.iia m RrlQ en
_____ se duvi la pagar bem : a tratar na ra do Viga- 0 evou e annuntiar se na se nao tu
Precisa-se de 500* a joros sobre nypotheca rk n. 9, primeiro andar,
de urna escrava : nnein pretender, dinja-se ra
do Rangel, lja n. 46, que se dir quem quer.
Defronte do pa^sadicodo lado de Santo An-
tonio, rontinua-se a fornecer comedorias com umi-
ta fimpeza, promptido e prego commodo; o lugar
de fcil ronduccao tanto para o Recife como para
Santo Antonio.
Precisa-se de nm copeiro, preferindo-se es-
raogeiro : na ra das Larangeiras. 1
SOCIEDADE
NIAO BENEFICENTE
M1RITIM1
"* fff STA E PA PI?S
19Rna Neva-19
Fredenco Gautier, cirurgio dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca dentes artificiaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas lhe reooobecem.
Tem agua e pos denuncio.
Atten^o.
Apresenta-se ao respeitavel publico e aos amigos
retirar-se.
Por ordem do Sr. presidente sao convidados pe
ia ru.i rns?a-se as autorida- la tpreera vei todos osseonor^ sucios paratas- dalwa pitada.oexcellente rap denominado Ro- agosto ae iw>*.
1 k 11. 1 ^ R .cifu IOS Dairros uo twata, o. jusc ras Ali ,arde no 9.A\^t e mm es*oe3, para ser em- do Mo examinado por urna commissao de dus ha- --------------------
Muita attenco.
O abaixo assignado, como bastante procurador
de seu avo e padnnho Antonio Manoel Riheiro, faz
sciente ao Sr. Jos Marcolino da Costa, professor
publico de prmeiras letras da povoacu de Nossa
Senhora do O' de Goiauna, e residente ne ta pra-
pa, que mande-lhe pagar, ou a seu mano Louren-
co de Albuquerque Mello, pren.ario oesta praca
ua ra da Lapa, a quanlia de 4165000, que lhe l-
eon a (1--ver, de quatro anuo;- e quatro mezes de
aluguel ta casa em quemorou e tem aula, e sendo
quo pelo presente aonunco nao se delibere a pa-
gar, o mesmo abaixo assignado protesta usar dos
meios que a le: faculta na cobranca de alugueis de
casa, devendo o Sr. Josc Marcelino leinbrar-se o
que praliepu nesta povoaco antes de occuliamente
Nossa Senhora do O' de Gonna, 9 de
Jos da Costa Riiteiro Cont.
Km Sanl'Anna aluga-se urna casa muito fres-
ca, concertada de novo : a tratar com o solicitador
Minoel Lniz da Veiga, na roa da Gloria n. 9i.
Precisase para urna casa eslrangeira de um
criado de idade, de boa con lucia, e qne enlenda
Inmde iratar cavallos e preparar os mesmos em
carro, e se liver estado em cocheira ainda nv-lhur :
a tratar na raa da Cadeia do Recife, loja n. 40.
posto quites, o art. 12 3 dos estatutos.
Secretaria da Sociedade Unio Beneficente Ma-
rtima, 18 de outubro de 1864.
Balthazar Jos d osReis.
Io secretario.
^ OftVr*re-se um rapaz de 18 annos para oai-
xeiro de qualquer casa de negocio, e d uador
sua conducta : quera o quizer, irija-se roa do
CotoveMo n. 43.
tro fregu/Ja da cidade, na do Recife ra da Ca-
de a a 83, Santo Antonio rna do Queimado n. 45 e
larga d Rosario n. 38, Boa ViHa ra da Impera-
trlz n. 53 em S. J-M no deposito eral de^te se-
ero, ruadas Cinco-Pontas n. 140, lelos seuninles
precns: de l a 5 libras, l280 a libra, 10 libras
l,20rt cada urna, 20 libras 1100 cada ama e 51
libras por 50*000.
Joao do Amaral Raposo.
Ke!0}, >S.
Quem ti ver quizer vender um relegie d pa-
rede, autigo, ou mesmo s a machina, sendo boa,
dirjase ao arco da Conceico n. 2, no Recife, que
se dir quem quer.
Joaquim Jo> Rodrigues da Cunta nao po-
dendo pela presteza de sua viagem Lisboa dea-
pedir-se pessoalmenie de todas as pessoas com
quem entretem relacoes dc amizade, o faz pelo
presente, pedindo-lhes ao mesmo lempo desculpa.
Na ruadoTambin. 12, na Boa-Vista, tem
urna escrava para alogar-se.
O abaixo assignado, commerciante desta pra-
ca, previne que ninguem fa?a transaccio i||1M
com tres letras na importancia de 1:493^90 qne
lhe foram aceitas por Ayres Jo> Dimz em l
dejulho deste auno, sendo urna da qnanlia de
4975870 e duas da qnanlia dc 497*860, com os
prasos de 6, 8 e 10 mezes, cujas letras se desen-
caminharara, protestando contra quem so dellas
fuer, e passn a prevenir ao aceit-inte para que nao
as pague.Joo da Silva Faria.________________
Aluga-se a casa terrea n. 46 da ra da Con-
ceico : a tratar na ra do Queimado n. 32, loja.
Casa de campo.
Aluga-se urna grande casa na Gapunga com
frente para o no Capibaribe e commodos para duas
familias, muito fresca : a tratar com o sulicit-dor
Manoel Luiz da Veiga, ou na ra da Imperalriz n.
1, com o Dr. Nunes de Oliveira.________________
Precisa-se de
Verdes n. 92.
uina ama : na ra das Aguas
Aluga-se urna casa em Beberibe : a tratar
com J. I. M. Reg, na roa do Trapiche n. 34.
Precisa-se alugar urna ama que saina cozi-
nhar, ou um cozinheiro aiada mesmo hvre : na
praca da Boa-Vi.-ta n. 26.____________________
__ Precisa-e de um menino para caixeiro de
taberna, de idade de 11 13 annos, qur seja por-
tuguez ou nacional : os preendentes dirijam-se
ra de Joo Feroandes Vieira n. 64, Soledade.
Precisa-se de um trabalhador : na padaria
da ra Direita n. 24.
aTpublico
Francisco Jos do Rosario Barroso, anligo ralo-
joeiro, residente nesta cMade em a ra Bella n. 3,
contina a concertar rebutios, por preco mais com-
modo do qne em otttra qualquerparte.______
Precisa-se do urna ama que saiba cozinhar e
enitommar, para casa depouca familia : na ra da
Roda n. 41._____________
Alaga-se nm sitio e casa na ra Imperial 11
106 : a tratar na ra Amrusia n. 35, ou na praia
de Santa Rita n. 43, serrara.
Curtas d snl para os Sri:
Dr. Franci-co Justlniano Cesar Jacobina.
Dr. Cicero Alvares dos Santos.
Francisco Jos da Costa : no Forte do Mattos nu-
mero 1.
Vende-se urna taberna no Forte do Mallo*,
bastante afreguezada tanto para mato rom para
a trra : a tratar no largo da nbeira d>- S. Jo?*
numero 23._____________________________________
Vende-se uma carnea coi um mnmwtB
boi, novo e gordo, tudo por commodo prrfo : na
ra do Destino n. 18, casa terrea ao p da taberna
do Sr. Luna.
Na Soledade, junto ao sitio dos wtm, vend^
se um cavado de sella muito novo e de muito bo-
nita pello, bastante gurdo, ci.in Inms andares.
il'IlClo
Vende-se a loja de livros n. 6 da praca de o-
dro II, com (mucos fundo- e jior isso mudo j*-
pria para qualquer pnneipiaote : a tratar na ra
Nova n. 17, segundo andar. _____
Vende-se uma mulata clara de idade poaco>
mais oa menos de 30 anuos, costaba, en^omma e
lava, ludo bem, para ver e tratar na ra do Ara-
gao n. 28, casa terrea.
Vende-se nina rasa terrea sua na rna da Man-
guera da Boa-Vi>ta : a tratar rom o MHMnf pu-
blico de Olinda, na ra de S. Rento da mesma ci-
dade.________________________________________
Vendem-se dous casaes dV SE nuil
sos e Iki'iit-'S : a tr-tar na roa da Gloria u. 75.
Vende-se urna iiiulatinha de 13 para 14 an-
nos, de bonita figura, muito propria para bmk-mi-
ba : a Iratar no pateo do Te*fo n. 2, sobrado.
raas
Ra da Madre de Dets a. 9.
A 4*fOO.
Sacros grandes en farinha de mandioca >k>
barato preco cima mencionado.__________^
A Ib nos.
J. Falque previo* os seus nnm*rosos frrfaeaa
que elle acaba de-receber pelo utam vapor fraa-
cez um es|dendidk> sortimento de albuns para re-
tratos, de taanas quabdate< nonios, sea para
O ai 200 retraK- e de 2* a 604 gradaaJaaw.
Alouns pe penos proprios para inenims de 12
36 r.tra inlios e de 1* l*bU0.
Aihuns para desenlio de diversos laaMafcea e
gestos de 5* 305.
Livros de missa, de tartaruga, madraperota a
inartiin, por prests razoavete..
* Raa dere|ba> 4_____
ftoletms
Vende-se a coHeccao dos bletis do gowi
ronteitdo o expedieae diario ib lodox mir-
ria~, dsde que cernee,--i at qae c*su sua pu
Wicaco (agosto de 1859 aliono de tHHi > t" da
rec-nihei'ida imporlaucia e ublidade taalo para as
rep.inigues publicas como para as classes V *-
ufados, niagi-lrados e funecionarios que leoham
*j recorrer legisla^o 4o paix, ao ni enaia
de appareoer decidesqu) > na* masatus bounas
se encontram : na livraria de Nogneira e souza,
junto ao arco de Sent Antonio.
n

H
:
.
V
<

i

_ d


Diario de Peraukaea Cuarta felra 19 4c Oii'aibro 4c 184.
./*
PIHUAS CAT8IRTICAS DE ATE*.
Estas p i lulas vegetaes s5o si-
da ptadas a todos os usos de um
.purgante as familias, pois sao
'perfeitamente innocentes, e em
quanto milhares de pessoas con-
fessam com gratidao que forana
curadas por ellas de molestias
severas e perigosas;nao ha
um s caso era que haja uspei-
tas do mais leve resultado inju-
rioso por seu uso.
Publicamos aqui alguns dos
attestados que temos de curas
notaveis feitas ltimamente.
Um caso notavel de
V&txasa da Ritssia,
da mais superior desembarcada heatem : venda-
se no escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira &
Filho. laren An Cornn Santn n JO.
iflecco chronica do iyadu.
Ili.u. Sr.
Juiz Tendo feito uso das pilulas catharticas
de Ayer, que me fez favor de dar um vi-
dro, tendo tirado um resultado nao espera-
do ; padecendo ba mais de doae annos en-
femidades do figado e baco, com o uso
das pilulas posso lhe assegurar que estou
B[digestivas
IDE PEPSINA!
BE WASMAN
I
Dlnrrlien* e eonatl-
|>r;lo pi-orfuzlrtna
pelas elabaraeea
defrctuonaa don oll-
uit-ntOH.
As pastilhas digestivas -com a pepsina de Was-
man, cinprego se com successo h j alguns
anuos pelas celebridades medicaes de Paris,
Londres, Vicnna, etc., cm todas as incommodi-
dades em as quaes a digestao difficil, penosa,
imperfecta ou mesnio irapossivel: s o melhor
remedio para cu ral as
Gaxtralglaft.
D!*pC|IHlaN.
Kiiiliaracos RatrlCM.
A (iiklritc.
Aa affecrefi oi-RAnl-
rM do mtmago.
Em todas as molestias emprego-sc a miude as
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichy,
c igualmente as pastilhas de Vichy. Esse meio s
eflicaz quando se trate de dispepsias de curta du-
raco, mas o prolongado uso das aguas e pastilhas
I de Viehu, tem grandes inconvenientes, por quanto
| os alcalinos empobrecem o sangue e isso de tal
-- -,-----------1 maneira que lhes arreblhao a parte vivificante,
DOm, po:S.ten lo desappareudo um grande nutritiva c reparatriz. Com a pepsina, a contrario,
engorgitamento que soffria muitas dores'como clla uma SUDStancia orgnica, albuminosa,
sobre a i-eg.ao do figado e costas dores dej ransrma-5e a? mcsm0 lemP que c effectua a
.Kn u "uwa6i,uw wwm> uurestje transformacao dos alimentos assimilhando-sc
caneca, ncnafao do ventre, nao podendo como ellcs c ajudo tabcm como elles a nutricao
deitar-me senao do lado direito, isso mes- 8eral- Sua accSo vivifica o sangue c os rgaos
mo procurando DOSicao para ter SOCeCO ho- -tal?rte que, alh as pessoas que sem soffrer as
afleccoes gstricas cima mencionadas sao nica-
mente fracas ou d'um temperamento um pouco
dbil, e necessitao subslancial alimento para for-
tificar se, achao no emprego das pastilhas pep-
sina de Wasman, um poderoso meio para a isso
chegar.
_ Aviso importante. 0 successo das pastilhas
a jiepsina de Wasman diu causa a se fazerem fal-
sHicaccs c imitacoes d'esse producto que os
mulos se querem desfazer. Pois por falta d'uma
boa preparaco a pepsina que n'ella entra, jaz
alterada. Seremos ao abrigo d'este inconveniente,
exigendo os compradores que as pastilhas tenhSo
as iniciaos B. P. e saiao da pharmaciaChevrier.
Depsitogeralem Paris, pharmaciaChevrier,
21, Faubourg-Montmartre, e em todas as boas
pharmacias de Franca e dos paizes estrangeiro.
( a> a o a o.
_ en t 3 "
a*!*3
je me acho livre d'esse padecimenio; como
por aqui ainda as nao haja, eu como tenho
este proprio que de casa, lhe rogo man-
dar-me alguns vidros, e o custo elle lhe sa-
tisfar, assim bem como do charope de
cereja, que tive occasiao de experimentar;
em um ataque de guellas que teve uma
preta que com elle curei, faro uso d'elles
Das tosses em minha familia sempre em
bom resultado, e por isso que peco para
mandar alguns fr.usquinhos, e mesm as pi-
lulas pode montar a doze, ^porque tenho
feito uso d'ellas para uso da familia e al-
gomas pessoas, todas teem tirado grande
resultado; sou
De V. S. atiento obrigado,
Francisco Ferreira Paes.
RheiuMU'snio e ataques hemorrlioidaes.
ll.l.M. Sil.
Ouro-Preto, 30 de margo de 1864.
Posso certificar-lhe que as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer sao excellentes, pois
que soffrendo eu dores pelo corpo, e que
suppunha ser rheumatismo, (molestia esta
que j havia soffrido ha annos) e soffrendo
tambem de ataques hemorrhoidaes, e de
um ouvido, pois que at j pouco ouvia, e
acompanhado de uma dr no queixo, cn-
sul tei a um dos noss'os mdicos, e este me
disse que devia fazer uso da salsa ; porm
lendo cu o almanack do mesmo doutor,
comprei em sua casa um vidrinho das mes-
mas pilulas e por minha conta principiei a
toma-las, e sem as flnalisar acho-me sem as
dores pelo corpo; e sem sentir, sarei do
entuf, e mesmo dos ataques hemorrhoi-
daes : portante sao para mim as taes pi!u-|
las as melhores que tenho experimentado;
isto em abono da verdade. Sou
De V. S.
Amigo certo, venerador e obligado,
0 brigadeiro
Joo Rodrigues Feo de Carvaliio.
LOJA DO BEIJA FLOK.
Ra do Queimado ns. 63 e 69.
lioneras de choro.
Lindas bonecas de choro que chamam papai e
mami, de diversos tamanhos: s as lojas do bei-
ja-flr, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Luvas de pellica.
Luvas de pellica branca e de cures para homens
e senhoras : as lojas do beija-flor, ra do Quei-
mado ns. 63 e 69.
Fuellas para cinto.
Lindas flvellas douradas com lindas pedras para
cintos : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
ns. 63 e 69.
Capellas para noivas.
Lindas capellas para noivas 2fioOO cada uma:
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e
| 69.
Estojes para barba.
Vende-se estofos com espelho para barba l^oOG
e 250OO cada um : as lojas do beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Balaies para meninas.
Recebeu-se novo sortimento de balaios, com
forma de varios passaros, pelo barato preco de....
1500 at 45 cada um : as lojas do beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Filas finas para cintos.
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
ALIANCA
DE
AUeneao
O Vigilante est alerta, nao lhe era permittido
deixar passar desapercebido sem que nao dsse o
seu canto, afim de annunciar ao respeitavel publi-
co o grande sortimento de galanteras do melhor
gosto propriamente para qualquer mimo, que aca-
ba de chegar neste ultimo paquete, assim como
modos outros objectos que recebe por diversos na-
? naf loS hP^fa nfterb0D"aH fn eS- E2 V10ii.laoto de sua conto'como de consignacao que
,63 69 be.ja.flor, ruadoQuetmado est resolvido a vender por precos multo baratos
r ... para vender muito e ganhar pouco, e dar extracao
titractos cm caiiinnas. 1 o grande deposito que tem, que espera merecer a
tinos extractos em caixinhas com o retrato da' protec?o do respeitavel publico empregando para
imperial: as lojas do beija-flor, ra de isso todas e as melhores diligencias para que fl-
Paulo Ferreira da Silva & Companhia
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de peores
O por cento menos odree que sepnaau po mj Ira al.
qner parte.
Gneros especialmente escolhidos por um dos socios que na Kuropa acia
para esse fim.
grande a vantagem para todas as pessoas que compraren! neste eslabei^,-;
ment.
Os propietarios garantem todos os gneros sabidos de seu j muito acreditado
5 a
armazem.
AO PUBLICO.
Gaslrile.
Ouro-Preto, 9 de. marco de 1864.
Atiesto que tendo feilo uso, aconselhado
por um amigo, das pilulas do Dr. Ayer,
iquei perfeitamente bom de uma gastrite
que soffria c que privava-me de andar aper-!
tado, boje felizmente nada sinlo.
Augusto Gollatino de Mello.
Falla de apetite.
Ouro-Preto, 24 de fevereiro de 1864.
Sendo eu affectado do figado ha muitos
annos, e ltimamente soffii falta de apetite,
hoje dou grabas a Deus por achar-me sao
e perfeito com o uso das pilulas catharticas
do Dr. Ayer.
Antonio Bento Vieira.
Queimado ns. 63 e 69.
Sabo em caixinhas.
Finos saboes em caixinhas com varios retratos:
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Tiras bordadas.
Vendem-se tiras bordadas transparentes e tapa-
das : as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns.
63 e 69.
Joyos de domin.
Vendem-se jogos de domin 1,5200 e 15300:
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63
e 69.
Balados bordados
Vendem-se babados bordados de varias larguras
e varios precos : as lojas do beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Abafadores de rede.
Vendem-se abafadores de rede de varias cores
800 rs. cada um : as lojas do beija flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
AiIitiyos prelos.
Tendo-se recebido aderecos pretos de novo ges-
to sao expostos venda : as lojas do beja-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Grvalas para senhoras.
Lindas grvalas para senhora 800 rs. e 1,5000
15200 : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
ns. 63 e 69.
Espelbos de moldura.
Vendem-se espellios de moldura preta para sa-
las : as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns.
63 e 69.
Voltas de aljofares.
Lindas voltinhas de aljofares com cruz de pedri-
(men satisfeitos; isto s no Gallo Vigilante, ra do
Crespn. 7.
Ricos porta-joias.
Cofre de muito gosto por K000
Cestinhas transparentes forradas de ma-
dreperla por 18J0OO
Lindas jardineiras. 105000
Ricos cofres com camapheu. 105000
Lindas caixinhas com pedras brancas. 105000
Lindo balao com calungas dentro, tam-
bem para joias. 165000
Tambalier para ditas. 95000
Cestinhas ditas. 65000
Cosmorama ditas. 65000
L'rnazinhas. 65000
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta bouquetes de diversos gostos e pre-
cos ; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos siutos
com bolcinhas ao lado, a 105, 125 e 155, ditos sem
bolea porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 35300
45000.
Ricas flvellas avulsas para sinto, o melhor que se
pode encontrar, a 15J00, 25, 25500 e 35 o par;
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabazes ou cestinhas.
At quechegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para meninas Irazerem no braco, o mais rica
possivcl a 25500, 35500, 45, 55, 75 e 105; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Pentes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
que se pode desojar, assim como de arregacar ca-
Dello, tanto de borracha como de tartaruga com en-
No nos servimos de exordios como constantemente estamos vendo em annoo-
cios deste genero, pois sao palavriados de que sempre nos abstivemos, e de que '"fcc>t
estamos certos nenhuma atienco j merecem do publico. O nosso fino, pois, xiapfc*.
mente fazer ver que o verdadeiro er principal interesse de todos est na tabella dos w*.
Cos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos toda a aitenco.
Vinho verde.
aruuxes
nhas imitando brilhantes 15000 cada uma : as feiIes c sem e"e para menina; s no Vigilante, ra
T H E
Constipado, dores de cabca.
Ouro-Preto, 8 de marco de 1864.
Atiesto que achanJo-me atacado de uma
forte constipacao que trouxe-me dores por
todo o corpo e na cabeca, soffri horrivel-
mente por espaco de quatro dias; entao
um amigo aconselbou-me que tomasse pi-
lulas atharticos do Dr. Ayer : com ellas fia
quei sao e completamente restabellecido em
tres dias, de sorte que estou no ffirme pro-
posito de aconselhar o uso das ditas pilulas
a tedas as pessoas que forem aneciadas de
consiipaces.
Agostinho Jos da Silva, negociante de fa-
zendas. ____________
Irritaeo do estomago.
Ouro-Preto, 29 de marco de 1861.
Atiesto e juro, se necessario-for, que. sof-
frendo ha muito tempo excessiva irritaeo
de estomago, pouco apetite e difficil diges-
tao, d'ella tenho experimentado sensiveis
melhoras depois que tenho feito uso das p-
talas calharlicas do Dr Ayer.
Antonio Hermogenes Pereira Rosa.
Lombrigas.
Ouro-Preto, 28 de marco de 1864.
As pilulas do Dr. Ayer (catharticas), fo-
ram empregadas com grande vantagem por
mim em urna menina de dez annos, que
soffria de vermes intestinaes, notando-se
que os symptomas que ento apresentava
eram de molestia bastante perigosa.
Raymundo Nonato S. de Thiago, pharma-
ceutico.
COM CODEINA
Preconizados por lodos os mdicos contra
as Defluxos, a Grippa e todas as Irritacoes
do pe lo.
AVISO
Falsifieaccs reprehensiveis excitadas pelos
successos do Xarope c da }a.:sa de Bertlt,
nos obrigao a recordar que csses productos
to justamente
nomeados nao se
entregao senao cm
boectas c em fras-
cos com a assigna-
tura aqui indicada. f*"""'itawitf iaMpftaj
151, ru Saint-Ilonor, NA PHARMACIA no
LUVRB, c cm todas as pharmacias.
ss do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Colheres para sopa.
Vendem-se colheres de metal-principe para sopa
25000 cada uma : as lojas do beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Laa para bordar.
Vende se laa para bordar, a melhor que se pode
encontrar, tanto na qualidade, como as cores,
65400 a libra : as lojas do beija-flor, ra do Quei-
mado ns. 63 e 69.
as mesmas lojas se encontrar sempre grande
sortimento de miudezas boas, e mais baratas do
que em outra qualquer parte.
Albuns superiores para re-
tratos.
A Aguia Baanca sempre disposta bem servir e
agradar a sua boa freguezia, mandou vir e acaba
de receber um bello sortimento de albuns de supe-
rior encadernagao e apurado gosto, com especiali-
dade os de capa de marfim com lavores, outros
guarnecidos de tartaruga com trancas de prata,
outros marchetados de madreperola com trancas
de prata uourada, outros de velludo etc. etc. Para
quern tem gosto e dinheiro, um lbum assim per-
feito sem duvida o mais apropriado para nelle
se depositar os retratos de charos pais, bons pa-
reutes e amigos. Em quanto, porm, esses albuns
se tornam notaveis por sua perfeigo e bom gosto,
outros recebidos na mesan occasiao, se tornam re-
commendados pela commodidade de pregos vista
da boa obra. Assim pois o pretndeme" ser ser-
vido conforme o dinheiro que quizer dispr para
esse fim, achando sortimento para 24, 'O, 60 e 80
retratos: na ra do Queimado, loja d'Aguia Bran-
ca n. 8.
Carteiras e bolsas para
viagem.
Na loja d'Aguia Branca, ra do Queimado n. 8,
vendem-se carteiras com correias para traze-las a
tiracolo, e bolsas de tapete, tudo para viagens.
Perfumaras inglezas.
A Aguia Branca, conhecendo a bem merecida
' estima que os apreciadores do bom do s perfu-
UeposttO geral em Pernainuce ra da; marias inglezas, por isso mandou vir o esplendido
Cruz n. 22 em casa de Caros & Barboza. sortimenio que acaba de receber, e os acreditados
TT-! 1^-------------1 u -------------7--------nomes dos bem conhecidos fabricantes J. Gosnell
OeDOlaS a 1| O CentO & C,Napole3o Mee & C subastantes pareo-
As melhores que tem vindo a este mercado :' "he,cer-se .a superioridade dellas. Consiste esse
vende-se na ra da Madre de Dos ns Se 9 i T"0/ vanado sort.mento em pequeas quant.da-
-------------------------------------TLJ'rJlr r: I des de differentes e agradaveis extractos de pri-
\ende-se sebo do Porto em caixas de uma meira qualidade em frascos de diversos tamanhos
arroba, a prego barato : na roa de Apollo n. 20. e formas, fazendo-se notaveis entre el les os que
\1 -l'hin.itj la \r\n vem em urna carteira de tres, com os quaes por
ill.a tllllla^ U VapOl" epa^sua elegancia e bondade se faz um bello presente ;
assim como outros frascos com finas essencias con-
centradas, outros com excellentes leos para ca-
bellos, e outros finalmente com agua de Lavaader
sublimada ; ebem assim finos sabonetes em paro-
tes e caixinhas com tres, bonitas e delicadas al-
mofadinhas com pastilhas em p, as quaes deitan-
do-se nos guarda-vestidos, commodas, etc., nem s
j deixam tuda a roupa cheirosa, como afugentam
! baratas, tragas, etc., etc. Em quanto, porm, a
commodidade dos precos j nao entra em duvida.
' uma vez que o pretndeme comparega munido de
ra descarocar algod&o.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido, coa-
do e de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e
e
Nevralgia.
Urna carta do Illm. Sr. Francisco Alva-
renga de Azevedo.
Ha mais de sete annos que soffria dores
no hombro e as costas, toraei uma iofini-
dade de remedios sem achar alivio algum.
Dr, angustia, tormento sao palavras for-
tes, porm nao exprimem o que tenbo sof-
frido: ltimamente tomei as pilulas ca-
tharticas do Dr. Ayer. S faz oito dias, e es-
tou completamente restabelecido; ha tres
dias que nao sinto a mais leve dr no hom-
bro nem as costas.
Estas pululas a.cham-se venda as prin-
cipaes boticas e drogaras do Imperio, e no
Rio de Janeiro, ra Dtreita n. 15.
Vende-se em J*ernambueo:
na pharmacla /ranceza de
P. MAURER & C.
RA NOVA N._ 48.
de carrosa cora mangas
eixos de patente.
Kua doBrum n. 38, fundi-
$Lo do Bowman.
dinheiro e disposto a fazer gasto
Branca, ra do Queimado n. 8.
na loja d'Aguia
Balas grandes e caretas de
borracha.
Excellentes brinquedos para criangas : vendem-
-----v ca nnmm 3; ........ .,--------- se a 500 rs. cada uma : na ra do Queimado, loja
Vende-se gomma de araruta muito nova e d'Ami Branca n 8
alva a 100 rs. a libra, e em sacco a 35 a arroba : **"* DC n- -
na ra das Cruzes n. 24, esquina da travessa do' ESpelnOS CdT molduras pretS
Ouvidor.
Vende-se uma taberna e
casa de pasto no Forte do Matlos
beira de S. Jos n. 23.
juntamente uma
: a tratar na ri-
Vende-se uma crioulinha com 12 annos
idade : na ra da Conceigo n. 4._____________
Balaios para meninas
Lindos balaios de varios gostos para meninas
trazerem no braco : s se cncontra na loja do Bei-
ja-Flor, ra do Queimado n. 63 e 69.
Extratos e sabao em
e douradas
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
.cebnu um bom sortimento de espelhos de differen-
. tes tamanhos cem molduras pretas e douradas, e
de os est vendendo por pregos comraodos.
eai-
xinhas
Papel inglezm
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
cebeu um novo sortimento de papel inglez liso e
pautado, almago, de peso, e pequeo, vindo deste
tambem com beiras douradas.
Enfeitesinvisiveis
Lindas caixinhas com um cartao com a familia
imperial, e dentro de cada caixa um frasco ou sa-
bo o mais fino qne passtvel: na loja do Beija-
Flor ra do Qoeimado n. 63 e 69._________^^
Empreza de illuminac&o
gaz.
Todas as vendas de apparelhos
(por escripto dande o nome, morada, ata, etc.),
devein ser feitas ao atmazem da ra do Imperador
n. 41. Os machmistas mandados para attender a
estas, apresentaro nm iliyro que o reclamantes
A Aguia Branca, na ma do Queimado n. 8, rece-
beu novos enfeites invisiveis, os quaes pela finura
do tecido e bom gosto tem merecido tanta estima
Preparos para flores.
A Agnia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
ceben novos preparos para flores, sendo papel de
cores para rosas, dito verde para folhas, folhas de
panno e velludo, caixas de trigo, ditas de uvas
brancas e rxas, e como sempre continuara a ser
rclamagoes vendidos por precos commodos.
do Crespo n. 7.
Mais Ieqnes
com pequeo defeito, leques de sndalo rom pe-
queo defeito por barato prego de 85 e 105, chi-
nezes muito bonitos tambem, pelo barato prego de
45 e 5, bentarallos muito bonitos, tambem por ba-
rato prego de 45 e 55, leques de charo tambem
por 45, tudo isto para acabar, perdendo-se tai-
vez 80 por cento; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para segurar manguitos.
Tambera chegaram as liguinhas estreitinhas de
borracha que as senhoras tanto precisam para se-
gurar manguitos por ser muito commodo e muito
barato, a 320 o par; s no Vigilante, ra do ores-
po n. 7.
Peales
lambem chegaram os riquissimos pentes de concha
de tartaruga e de massa fina, que se vende por 25,
35 e 55; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Leques.
Blquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato prego
de 125 e 145; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Pulseiras.
Lindas pulseiras de contas e de missanga, cores
muito lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
Canelas.
Riqusimas caetas de madreperola proju....
para qualquer presente, pelo baratissimo prego de
15500 e 25-
Sapalinhos e meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
lejiados, assim como meiaszinhas de seda, gorrazi-
tihas e louquinhas para as cnancinhas se baptiza-
ran ; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Voltinhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avnlsas
e voltinhas, pelo barato prego de 15 c 15200, ns
cruzes avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Golinbas.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 25, 25500 e 35; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfeites para senhora.
Riquosissim enfeites com lago e sem lago e de
outrosjmoitos gostos a 15, 15300 e 35: s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins ae cabello para relogio ou lu-
netas, pelo baratissimo prego de 15300, ditos de
retroz a 200 rs.
llabadiiilins enlremeios.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 15200, 15500, 25 e 35; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Cascarrilhas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galaozinho e trancinhas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7.
Fitas.
Grande sortimento de fitas de diversas larguras
e quahdades, por pregos que admiram aos com-
pradores, havendo filas largas proprias para cin-
teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e pega
de 9 varas a 25; s no Vigilante, ra do Crespo
n* 7.
Fitas de laa.
Fitas de laa de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Ricos espelhos.
Riquissimos espelhos com moldura douraJaJe
sem ella de 85, 105, 125 e 145, assim romo com
celumnas de differentes tamanhos a 25,35,45, 35
e 65; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqui
tem apparecido; s ne Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz
cousa de muito gosto a 15500 e 25, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e baishas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
tinctivos e offerecimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Faris e Inglater-
ra, assim como os grandes copos debanha japoneza
a 25 e a 15, assim como outros objectos quo nao e
possivel por heje annunciar, e vista dos fregue-
zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Chegou o milito desejado vinho do Carlaxo vende-se nicamente neste
a 600 rs. a garrafa e 3o,ooo rs, a ancora com 7o garrafas.
Amendoas confeitadas de diversas cores a
64o rs. a libra.
dem de casca dura a 24o rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a l,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 '/a libra a l.loo rs.
Arroz do Maranhao e da India o melhor que
ha neste genero de 80 a loo rs. a libra,
e de 2,5oo a 2,8oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e 10,000
rs. a duzia.
Alfazema muito nova o limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,000 rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a lio rs. a libra, e 4,ioo rs.
a arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,oooe l,5oo rs. a
lata e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 3Co rs.
Batatas em gigos de 36 libras a i,000 rs.
Champagne das melbores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, 1,80o rs. a garrafa, e 9oo rs.
as meias garrafas.
Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a
libra.
dem perola qualidade especial a 2,Too rs.
a libra.
Idemhysson o melhor que ha neste genero
a 2,ooo, 2,4ooe 2,6oo rs. a libra,
dem prelo homeoptico a 2,000 rs. a libra. QueiJ0S flamengos, do ultimo v
Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia, e6o rs. a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol e suisso a 1,000,
l,2oo e i,4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-L um:. _
bevadinha de Franca a 18o
loo rs. a libra.
a 24o
e 4,ooo rs. a caixa.
Conservas inglezas a 7oo rs. o frasco.
dem francezas surtidas ou de uma s qua-
lidade cada frasco a 5oo rs.
Cognac francez e inglez a *.,ooors. a garra-
fa, e lo,ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra. ;Ibem de escovas para lavar casa a
Canella a 9oo rs. a libra. j cada urna.
Copos finos para agua e vinho a 4,8oo ,ooo Velas de espermacete superiores a 5to rs.
e o,5oo rs. a duzia, e 5oo rs cada um. -,:K-"
Lentilbas muito novas excedente legme pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualkladis
de 7oo a 9oo rs a garrafa:
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 e
l,ooo rs. a libra, desnecessario mam
elogios neste genero, que s se pode ta-
rificar com a vista,
dem franceza a 060 rs. a libra, e em barr
se far abatimento.
Marmelada do primeiro fabricante de Lisboa
a 600 rs. a libra, ha latas de 1, I I 2*
2 libras.
Massa de tomate em latas de 1 2 libras a
600 rs. a libra.
Macan ao, talharim ealetria a 4oo rs. a libra,
dem branca a 3o a libra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. 1
frasco,
dem ingle/a cm p 164o rs. o frasco.
Molho inglez cm ,'arralinhas com rolbas da
vidro a 64o rs. cada uma,
Marrasquinho verdadeiro de 7 a l.ooois.
a garrafa, e 10,000 rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Ostras preparadas cm latas a 7oo rs. a lata.
Prezunto para fiambre inglez verdadero,
garantindo-se a qualidade a 7oors. a h .ra.
Passas novas de ramada a 4oo rs. 1 htra 1
6,5oo rs. a caixa.
dem para sopa estrellinha, pevide e rodirha
etc. a 3,5oo rs. a caixa, e a 56o rs. a fkn.
Peixe em latas hermticamente ferba seguintes qualidades: savel, cortina. gora
cavallinhas, e pescada a l,ooo a lata.
Palitos para denles lidiados a 14o rs. o ma-
co de 2o rs. o macinhos.
dem do gz a 2oo rs. a du2ia, e i.loo rs.
a gri'za. .
Painco muito novo 12o rs. a libra e 3,o a
arroba.
rs.
dem prato muito fresco a 800 rs. a libra e
sendo enteiro a 72o rs.
I Sal refinado em potes de vidro a Sea rs. rada
tado de Simas e uuuoo sejam regaba, trovadores, guanauiua, jSevadaa
delicias c suspirosa l,6oo, 2,ooo, 3,ooo 'V.u;;nh de Lisboa
Tijolo para luiipui .^
rs. a libra
e 32o rs. libra
a 15o rs. cada i:m.
a 2oo rs. (prrafa e
Vinagre de Lisboa
l,4oo rs. a caada,
dem em gnrrafoes com 5 garrafas a I .ooc
rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada uma.
36o rs.
Caf do Rio superior a 28o e 3oo rs. a libra,
e 7,5oo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiab. superiorem latas a 2,000 rs.
a libra.
dem de carnauba refinada e de composn-o
a 36ors. a libra, e de lo,5oo a I l,ooors.
a arroba.
Ervilhas porluguezas em latas chegadas ul- Vinho em pipa, Porto, Lisboa e
timamente a 64o rs. a lata,
dem ceceas a 16o rs. a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Familia de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo
rs. cada uma.
Figueira
a 4oo rs.
das marcas menos conhecidas
a garrafa e a 2,8oo rs. a ranada.
dem Figueira especialmente escolbido nes'e
lugar a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo rs. a
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 caadas mar-
Favas porluguezas em latas chegadas ulti-L/3 especial a 22,000 rs. a ancora.
mamante a RUI rs, I(lem Lavra,,, ColarCS mUllO freSCO 56m
mmente a 640
Frutas idem em calda, pera, pecego, alper-
se, rainha Claudia e ginja a 7oo rs. a lata.
Graixa nova a loo rs. a lata e 1,1 jo rs. a
duzia.
Gomma muito alva e nova a 16o rs. a libra.
Genebra de I lo lian da em frasqueras com 12
frascos a 5,8oo rs. e 560 rs. o frasco
dem em botijas a 4oo rs. cada uma.
dem em garra loes de 16 garrafas a i,800
rs. com o garrafo.
dem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem inglezas em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro qualidade superior a
l.ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a l,ooo rs. o
frasco e 11,000 afrasqueira de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida suissa a
l,8oo rs. a garrafa.
composivo a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo
rs. a caada.
dem de Lisboa branco uva pora a 56o rs. a
garrafa, e a 4,5oo rs. a caada.
dem Porto fino em pipa a 56o rs. a garran.
dem engarrafados generosos Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, D. Lu I, D.
Pedro V, Nctar, velho secco, Martasio
Genuino, Particular a 9oo e 1,2oo rs. a gar-
arafa, e a 10,000 rs. a caixa com urna du-
zia.
dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a garra-
fa, e a 12,ooo rs. a dnzia.
dem Muscatel a 1,00o rs. a garrafa.
dem Bordeaux das acreditadas marcas Si.
Julien, St. Esteph, chateau la Rose, chataa
Margonx e outros a 6,5oo rs. a caa, f
56o rs. a garrafa.
Vendem-se quatro moradas de casas sitas na
cidade de Olind.-i, sendo duas na ladeira de S. Pe-
uma na ra do Jogo da
Ml 11 hos com rda, patentes.
Moinhos grandes com rodas, patentes, e aGanga- dro Martyr ns. 9 e 23,
dos pelo fabricante para moer caf, e proprios pa- Bola n. 26, e urna na ra do Aljobe, todas por pre-
deverao assgnur logo dflpc&s de promnto "oserveo ra refinacao por serem de especial qualidade o de eos moito commodos por serem pequ as : a tra-
reclamado; isto>ara que a mpreza ftyae scienie todos os tamanhos: vendem-se nicamente nodepo- tar noRecire, as Cinco Pontas n. 140, padana de
de havprem os raaanpa senhorv; sido devjdamente sita da roa da Cadeia, loja de ferragens n. 56 A, Menezes & Silva; cm Olinda com o Sr. Braz Ma-
atteadidos I de Bastos. chado Pimentel, pharmacentico.
%$% VMM ^f% VMMi
CEMEJ % EM BARRIIi
a seoo rs. o copo

(tucijo de Ulnas chegado no vapor
dem prato amito freseo
dem suisso superior
dem londrlno snperior.
57 Ra do Imperador
57
Q
MUTILADO


Diario de Pernaiubuco <|uara elra 19 de Ouubro de 1 f i.
CL.4KIM
COMM
RA 1IO QCEHIADO ff. 45.
Passand o becco da Congregarlo segunda casa.
wmm
NOV1DADE
Pereira Rocha C. acabara de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazcm de molhados denominado Clanm Commer-
cial, onde o respeitavel publico encontrar seraprc um completo sortimento dos melbores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes serio vendidos por precos mtiito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencionada; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Peras seccas muito novas a COO rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
Painco a 200 rs. a libra. I rs- a llbra
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeile e Erviihas portuguezas a 640 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. i Wem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 26800 Figos de comadre e doDouro m cairiohas
dem prato.
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 e
100 rs. a libra, e 10800, 20600 e 36000
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
40200 e 10600, e em frascos grandes a
2>500.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas eslainbas no interior das caixas
a I02OO>10400, 10600e2.
Araendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Amito doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 900 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellftas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1030" rs.
Bolachinbas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a Uta.
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banlia de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, liuchin e perola a 10600, 20,
21500, 20800 e 3*000 a libra.
dem preto muito superior a 26000 a libra.
Ceneja prcta e branca, das melbores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 90 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, so de pepipo. a 720 rs.
dem, s de apitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
< especidmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
200 iO, 20200, 20500, 20SOO, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra c 80500 a 80800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhos francezes muito novos e
bem muito enfeitados a 700 e 600 rs.
CbOHrigas e paios muito novos a 800 rs. a
iibra.
de oito libras e canastrinbas de 1 arroba a
Iden londrino chegado no ultimo vapor a 10800, 50500 e 280 rs. a libra.
900 rs a libra. Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs. | dem de trigo a 120 rs. a libra.
cada^um.
Grande liquidacao.
Ra da Iuiperalr iz u. O.
Luja de fazeodas do l'avo de (ama k Silva.
Acha-se este estabelecimento completamente
sonido de fazendas inglezas, francezas, alien fias e
suissas, proprias tanto para a praga como para o
matto, prometiendo vender-sc niais barato do (jue
em outra qualquer parte principalmente sendo em
porgo, e de todas as fazendas do-se as amostras'
deixando flear penhor, ou maudam-se levar em
casa pelos caixeiros da oja do Pavao.
As chitas do Pavao.
Vendem-se chitas inglezas claras e escuras pelo
barato prego de 240, 260 e 280 rs. o covado, tintas
seguras ; ditas franci-zas de cores seguras a 320,
340,360, 400, 440, 480 e 500 rs. o covado, fazenda
muito superior e bonitos padroes : s* na loja do
Pavo.
As lazinhas da eiposiro do Pavo.
Vendem-se lazinhas as mais modernas que
tfin vindo ao mercado, proprias para vestidos e
soutembarques por seren lisas e de cores muito
delicadas SOeoOOrs. ; ditas lisas com um lustre
que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
quadrinhos de seda a ."00 rs. o covado, s para aca-
bar : na loja e armazem de Gama & Silva, ra da
Imperatriz n. 60.
Os vestidos do Pavo.
Vendem-se os mais modernos cortes de vestido
de la, que vieram pelo ultimo vapor, com ricas
barras de cor, corpinho e cohete separado ; ditos
com listas de seda e tambem com barras e enfei-
I tes para o corpo, por prego mais barato do que em
outra qualquer parte, e se quizerem una prova
do que se diz, mandem ver leja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva.
Os vestidos 6 Hara Pia. S o Pavo (80000).
Vendem-se os mais lindos vestidos Mara Pia
de laztnha transparente com listas, e palminhas
| de seda peto barato preco de 8$ cada corte : s
' na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
0 PROPHETA
AO RKdPlSITAVKIi P&JBIjICOi
RITA DAS CINCO POMAS N. 86
Ksquina da nova ravcssa de N. foo.
T
k
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra.
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 6CO i
libra.
Eigos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
lia neste peero e de varias marcas, como
sejam: Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a D6000 e 106000.
dem em pipa. Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa o 30, 30500
e 4$a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs.
a duzia.
dem Morgauxe Chateaulumini de 1854, a 10
a garrafa.
dem muscate a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
14200rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Genebra deHollanda verdadeira marca VD As cassas do Pavo a 240, 280, 300, 320 e
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.. 360 rs.
dem em garrafes de 3 e 5 gales a 50500 S o Pavo vende as finissimas cassas persianas
o 7AK(V\ pirla nm cnm n airrafn a im'tacao de laa, com cores fizas, a 360 rs. o co-
e 70-jOO cada um com o garrafao. vad0 djtas franoezas muit0 finas a 240) 280,300
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa,
dem, qualidade especial em garrafas muito
grandes, a 10800 a garrafa,
dem era garrafas mais pequeas a 800 rs.
e320rs. o covado, isto para acabar : ra da
Imperatriz, loja de Gama & Silva.
Os madapoldes do Pavo
Vende-se pega de madapolo infestado rom 12
jardas cada pega pelo barato prego de 45, 45500 e
55 cada pega, fazenda muito superior : s o Pa-
Desejando o propietario do grande armazem do Prophela dar lar-
gas ao seu genio emprehendedor, commercial e especulativo, resolven ceder a inspirar,?
que o assaltou, quando as horas caladas da ooite o seu solicito espirito se agilava t/m
turbilhao de ideas, tendentes todas bem servir e agradar aos geneicsos habitante
desta bella provincia, de abrir mais este grande estabeleclment* de novos e
escolhidos gneros, quasi que especialmente destinados s pessoas quenor^m na fie-
guezia de S. Jos, e aquelles senhores que transitara pela via frrea, para quinu tm ur-
dade sao sem conta o numero das vantagens que se Ibes offerece, nao s em relaejb a
modicidade dos fretes, como da facilidade e brevidade da condueco dos objettos ..hv-
prados.
0 sonbo do Propheta ser urna verdade pratica tao acrcita e abracada cono aj
palavras simples e bem intencionadas dos velhos patriarchas desses lempos idos, si o Pe-
nhor Deus dos exercilos nao o quizer contrariar.
O Propheta nao querendo restringir-se a forma ordinaria de negociar reset*. i
tambem, depois de profunda meditaco, de nao vender smente os stus gneros a di-
nheiro corrente ; mas tambem de por em pratica troca delles por oulros da producto-
do paiz ou por escravos, bois, cavallos, etc. Assim, pois, fique na intelligencia de toi B,
que o propheta receber como moeda de qualquer dos senhores agricultores, ?s*ucar,
algodo, agurdenle, milho, feijo, cavallos, escravos, etc., etc. e Ibes dar o mesDio vakr
em gneros, escoltados a contento.
Quando a importancia dos gneros apartados for menor do que a dos oljectos re-
cebidos por troca, o rropheta nao demorar a difercnca que deve dar em dinhe'ro.
Um estabelecimento que com lantos sacrificios e despicas acaba de ser al -1 le
deve inspirar a todos a certeza de que se vender muito barato com o fim de se adqui-
rir crdito e freguezia.
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de Vo ra daimperatriz n. so, notando'que a pega
vidro, a 10000, s a garrafa vale o di- Jeva urna etiqueta com o Pavo pintado para nao
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda qualidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maga de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 60 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Magas finas para sopa: estrellinha, pevide,
rodinha e aletria a 600 rs. a libra c a 40
a caixrnha1com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe em latas preparado pela primoira arte
decozinha a 10 a lata,
'. Palitos de dentes a 160 rs. o maco.
Alm dos gneros cima mencionados te- dem de dentes a 120 rs.
mos grande porgo de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudo ser vendido por! Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
pecas e carnadas, tanto em porces como Doce de goiaba em latas o melhor pessivel a
retalho-
Quem comprar de 1000000 para cima te-
r o abate de 5 por cento.
20 e em caixao a 640 rs.
Palitos do gaz a 20200 a groza.
Passas muito novas a 480 rs. a libra.
fe
MACHINAS DEPATENTE
de trabalhar niao para
descarolar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & &
OLDAu
haver duvids nem engaos : isto previne o Pa-
vao, de Gama & Silva.
Bramante de Ilnho do Pavo
2^, itf 400. 20OOO.
Vende-se o melhor bramante de linho puro com
dez palmos de largura por prego muite commo-
do, por ter de acabar a factura, a vara por
23200, 2^400, e 23600 ; s o Pavo : ra da
Imperatriz n. 0 de Gama & Silva.
Panno de linho d Pavo.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura propno para lenges e toalhas de mo pelo
A-aruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Arroz do Maranhao, Java e do Penedo a 80,
100 e 120 rs. a libra, e a arroba a 10800,
20500 e 20800.
Amendoas a 280 rs. a libra.
Ameixas francezas a 10200, 10400 e lOOO
em latas, frascos e lindas caiebinbas muito
proprias para memosear alguem,
Amendoas confeitadas em fratcos de vidro
a 10 o frasco.
Alpiste a 160 rs. a libra e a 40500 a arroba.
Azeite doce francez a 900 rs. a garrafa.
dem em botija a 360 e 400 rs. a boqa
Graixa em lat.sa 10200 a duzia.
Limonadas de diversas fructas a 10000 3
frasco.
Licores inglezes e francezes a 10000,105CO
e 20 a garrafa.
Lingoas americanas a 800 rs. cada urna.
Linguicas promptas em latas a 102C-O a lita.
Manteiga ingleza neste genero o que ha da
melhor a 8U0 rs. 3 librae em barril a TOO
rs.
dem mais baixa a 640 e 720 rs. a libra.
Azeite de Lisboa a 640 rs. a garrafa e 40800 Manteiga franceza a 520 rs. a libra, em barr
a caada. a 6 40 rs a libra em retalho.
Azeite doce emboies com 9 garrafas a 505OO Massade tomates a 640 rs. a libra,
com o boiao I Marmelada muito nova a 640 rs. a libra.
S^ifiiSTprS; de'eHCT wo"rl7S5,' Azcitonas por todo o prego. I Molhos inglezes a 400 e 640 jyijarra* bj.
godozintio com oito palmos de largura proprio Biscoitos inglezes de diversas marcas a lr)300 Moslarda preparada a 400 e 640 re. o ira*
para lenges, pelo baratissimo prego de l$ a vara, a |aja
j tem o melhor alpodaozinho tanto em ^j^j^ de SOua> oval c lunch a 20000
Massas para sopa macarro, lalhtrim e al
largura como em corpo, proprin para lenges, ca- UOiac mas uu suuii, u misas de escravos, etc, etc., prego multo comino- a lata com 5 libras, | Wem linas emiaixinnas a djtuu a eaoii na.
do vista da fazenda; s o Pavo : ra da Im- Bolachinbas americanas em barricas 26 Marrasquino de Zara \erdadeiro a li t c
peratriz n. 60, de Gama & Silva. libras a 20OOO. frasco.
Algodozinho com toque de avaria a 1,000 ris Banha de CQ Ja melhor qualidade a 360 dem mais baixo a800rs. e 10000^0 frasco.
rs. a
Cha nesto genero temos o que ha de melho-
assim como tambem temos baixo pelos pre-; Passas novas a 400 rs. a libra.
104(0, 10600, 1;>800, Potro a 160 rs. a libra.
Painco a 160 rs. a libra.
seguintes
libra.
0 a la
vina, pargo e outros.
as mais novas do mercado a 120 Papel de peso a 20COO a refina.
dem idem muito fino a 40000 e .o 00.
Estas machinas
podem descarogar
(lualijuer especie
de algodo sem
estragar o fio,
sendo bastante
duaspessoaspara
o irahalho ; pode
descarogar urna
arroba de algo-
do em caroco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodo
limpo.
Saunders Brothers k C.
S. II, praca do Corpo *aui<*
RECIFE.
Osoinicos agentes ueste paiz.
RIVAL SEIYI SEGUNDO
GRANDE E SMPTUOSO ESTABELECIMENTO
UE
xovos i: ksc oi.Bf i nos gneros
TANTO EM GROSSO COMO A RETALHO
BO -Rui no VA oo
rltima easa junto a ponte da loa vista.
DITAS PALAVRAS.
i^.-c tU(j0 qnanto a antiga mua canta
Que outro vaw rnais alto se alevanta.
Acha-se, a disposio do respeitavel publico este grande e magnifico estabeleci-
mento de molhados, talvez o primeiro e nico boje existente em sua especialidade, por-
que o maior capricho de mos dadas com mais apurado goslo de abrir um estabeleci-
mento modelo promoveram a escolna dos mais superiores gneros do nosso mercado,
que por serem comprados em grande quantidade epagos quasi lodosa dinhetro a vim ,ua<10Uuejmadu ^ 4,
deu lugar a obtenco de vantagens, que repartidas como vao ser pelas pessoas que se conhecido j como tal, est dispondo da fazenda
dignares] de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanga de agradar a por todo o prego para apurar dinheiro, quem todoa. nio s pelo emprego das maneiras condescendentes e delicadas de que somos ca- ser venta ver e traga o^obre, e ver o seguinte :
pazesl como pela pratica da promessa que fazemos de vender polos pros quasi do pri- Bat .cam!. ***?*.. T"0 m
meito CUStO O noSSO magnifico SOrtimenlO. .- Miadas de inha froxa para bordar"juV" 30
Pesando muito em nosso animo os meios pec)inarios de que podem despor as Pares de sapatos de traaea de todos os
diversas dasses da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da forUina que acharo tamanhas e finos a............... .. 15500
em nosso armazem os melbores e mais csqmsitos notos, licores, champagne queijo, etc. SSSSSito'S^SSS^.
etc etc, e aquellos que nao podem dispor de grandes recursos, que s compram o neces- LiDras de afea preta muito superior a...
sario, promeitemos-lnes servi-los de gneros novos e sadios, escolhidos ao seu contento. Frascos de superior macag oleo a
O real do pabre ser recebido com tao boa vontade, como a moeda de ouro do Ditos de dito perola a...'..........;.
- v -. Ditos de oleo de babosa muito finos a 320
oomein neo. rs e...............................
As pessoas que nos fizerem a honra de entrar em nossa casa, quer seja para com- Ditos de agua de colonia superior, gar-
prar para seu gasto, ou para negociar, voltaro satisfeitas, nao s pela boaquahdad* dos tida..............................
obiectos. como pela fidelidade dos precos, e bom acondicionamento. Ditos de banba muito fina a............
1 r t .,.. 1 Ditos de chciros omito linos para o preco
O futuro nos justificara. 1 ari5i..................\.....;.;.
---------- Sabonetes de todas as quadades a 60 rs.
CA V ALO MLLLlSSAri 10 Hoellos'de' nVa cni Vob'jardas a.'.'.'..'
Devenios ao respeitavel publico atgumas palavras relativas ao pomposo titulo que Carriteis de linda do cores com 200 jar-
adOPtaTxSistindoaneste vasto e florescente imperio um grande partido poltico Com.a/7lo^e''in,a''d'egaz'de toda.s' *
denomini>?3o de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente, Pegasde'fitselasVics com'i"varas pa-
oapaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a Quitos, ra vestidos a.......................
__Bia-se qui'tn quizer, porque nos tambem nos riremos mas nao se zangue Frascos de superiores cheiros, pequeos, a
1 r Pares de ligas muito superiores e bonitas
ningnem.
__O nome urna voz cora que se do a conhecer as cousas. E esta a mais
breve, clara e sincera explicaco que, pelo methodo repentino, podemos dar.
Mas a quem nao seguir o partido desse systema diremos mais :
Nao oriundo do Brasil o imponente titulo do nosso estabelecimento. Foi a
mattas centenas de leguas que apanhamos a nossa Liga.
Na soberba e opulenta Inglaterra bouve um rei que instituto a mu honroza or-
dem da Lisa. O acaso nos fez deparar com a narracao desse acontecimento, que tan-
to sorpfoiierideu a coirte desse monarcha. Agradou-nos esta historia e gostando sum-
isamente do trage do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenhar, e col-
locando-o no oito do nosso estabelecimento, temos assim feito distingui-lo dos outros
que se assignalaram com mitras c coras.
llooui solt 14,800 rs. tlibra." Milho em saccas rom 20 cuias a MCO.
Vende-se pega de algodozinho por ter um pe- j d eco# prezunl0 nglez para fiambre vindo lo ultima
queno toque de avaria, mas que esta em bom es- B8Hsem *lYMu!nnL s^nnn arrnha I vannr t 800 r a libra
tado, pel barato prego de 4* e 4&00 a pega ; s Cafe moido a 10< 00 ou 8f>000 a ai loba. I vapor a uu rs. a ora,
o Pavo : roa da imperatriz n. 60 de Gama& Caf superior a 7;>500, 800o e 8500 a dem mais ant go a 040 rs. a libra.
Silva. arroba IJem do Porl a (i0 rs< e scn inte,r0 3
Os gnardanapos econmicos do Pavo e s do rh. noet/; opnprn fpmns n nne ha (]e meino. | 51,0 rs. a libra.
Pavo
Vendem-se os mais lindes e modernos guarda
apos econmicos e todo linho, tanto para as casas eos
de familia como para hoteis, botequms, etc. etc., 2,5400, 2,^600, 2^800 e 30C0 O fino.
pelo baratissimo prego de 3 a duzia, isto s na charutos de todas as melbores e peores mar- Pomada a 24U rs. a uuza.
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama CJfl Q merca(i0 a gOt 1?)000, 1 COO, 25, Pimenla do reino a 320 rs. a
Ossoutembarque do I-aT5o i 20800,3*000, 000,5*000, 8*800 e 6* Peixe em latas a !0l0 a lata,
9 e*S. I o cento.
Vendem-se os mais finos soutembarques que LliOlirifas
teem vindo ao mercado, sendo de caxemira de co- o barril com 1 arroba e *oU rs. a libra, a
res pelo diminutsimo preco de 185 cada um, di- ellas que 6 pechincha.
tos de musamhique pelo diminuto prego de 9#, s chocolate magnifico a l->000 e 1200 a libra,
na loja do Pavao, mas que se nao engRnem : a ra ~u<" "7*"* .,. ,, ,,
da imperatriz n. 60, de Gama & Silva. Ceneja marca a mais acreditada que tem
.lloalhado do Pavo. vindo a 500 rs. a gnala, e meia garralas
Vende-se panno de linho adamascado proprio i por 320 rs. branca e prcta.
para toalhas de mesa, peto diminuto prego de 2#50 Conservas inglezas a 800 rs. o frasco fazenda
rs. a vara, guardanapos de linho a o$ a duzia, t chlnno
toalhas de mao a 55 cada duzia, na loja do Pavo, ., A .
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. Wem francezas a 5( 0 IS. O frasco.
K' s o Pavo (a Ǵ). ': Cevadinha de Franca a 240 rs. a libra.
Quem tem bales por tal preco Champagne da melhor marca que aqui tem
Vendem-se os bales americanos muilo superio-! vindo a 20 C 24^ O gigo.
res com 20 c 2o reos -pelo haralissimo prego de Cognak inglez e frai)CCZ a 800 rs. e 1 :>CQ0 a
l&'OO e, ditos de 25, 30 e35 arcos com fitas,, f,arr.,fa
muito bem armados e tambem tem cores escuras! J> ,
pelo barato prego de3#300 cada um : s na loja Lebolas por todo prego,
do Pavao, ra da Injperairiz n. 60, de Gama & Copos lapidados que sempre se vendernm e
s'lva. se vendem em militas parles a 8?> e 10,-5,
vendemos a fiflCO e GOOi a duzia.
0 ^avo vende parlalo.
Vende-se superior setim da China, fazenda toda (Copos para vinho a 3->(l0tt a duzia.
de laa sem lustre tendo-6 palmos de argura pro- ,rklrpi; 1o ca< a vntno ,ip i ,sv,na psip ultimo
prio para vestidos, capa--, paletols, caigas, etc., w
Eufeites para cabera,
Chegaram os lindos enfeites de cabega para se-
nhoras, sendo muito simples edo muito goslo : s
no Vigilante, roa do Crespo n. 7.
toa da Senzalla Nova o. 42.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz de primeira qualid?de a
104 a lata : nos armazens da ra do Im-
perador o. 16 e ra do Trapiche Novo n. 8.
Neste ^^f^J^r^^f^ para habo'eiros e fuoileiros a 18760
ferro coado libra a HO rs,, idenfl*Low ,r^ _... #.,^___u....
Moor libra a 120 rs.
- Vende se caiies vazio preprios
ira nalm'eiros e fuoileiros
i cada o; aesta tvpographia.
a ris.
Varas de bfeos francezes, superiores a...
Opiata para dentes da melhor que ha a..
Frascos de agua para dentes, superior a
tudo a............................
Pegas de tranga preta liza muito fina a..
Caixas com 4 papis de agulhas Victoria a
Varas de fita preta com colxetes a......
Libras de la sortida de todas as cores a
Bonccos de choro muilo bonitos a......
Caixas de obreias de masa muito novas a
Varas de franja branca e de edres para
toalhas a..........................
Frascos de oleo Philocome superior a...
Ditos com superior tinta a 320 e.........
Caixas de linha de gaz com SOnovellos a
Enfiadores para espartilho a...........
Duzias de boioes encarnados para vesti-
dos a.............................
30
200
100
100
200
500
400
640
600
400
80
60
30
240
200
400
40
15000
15000
60
200
40
65500
160
40
pelo baratissimo prego de 2, 2$2( 0, 25500 e 35 o
covado, cassas pretas lisac, dulas pretas largas e
eslreilas, manguitos, colarintios, punhos, e enfeites,
tudo preto proprio para luto fechado, e mullos ou-
tros artigos que e vendem por preces mais em
conta do que em outra qualquer parte por estar
liquidando ; s na loga do Pa;ao ra da Impera-
vapor a 6'<0 rs. a lata das melhores hue-
las da Europa.
dem da goiaba e da casca o melhor que
possivel por diversos pregos, e conforme
o tamanho dos eaixes.
Erviihas em latas a 640 rs. a lata.
dem seccas a 200 rs a libra.
triz n. 60, de|Gama.& Silva.
As percatas de i:irSu. ; Espermacete americano a 1 $300 a libra.
As mais lindas perealas que tem vindo ao mer-; f!Z fran(>P7 a -an n mn rnm fi vpifl(.
cado peio ultimo vapor tem na toja do Pavo pelo i J0.0 '"icez a obu i s. O masso com o veas,
barato prego de 600 r-s. o covado; ditas.de listi-; Figos de comadre em caixinhas muito lindas
nhas muito miudinhas proprias para vestidos e i a 800 rs a caixa.
roup5es de senhoras, meninos e meninas, peto L>a" p ariwJia de trigo 3 120 C 110 rs
80
600
500
800
60
200
4TTEW40.
Vende-se pela qnantia de 4:'0O5 as tres quartas
partes de um sobrado ae dous andares, sito na ra
do Padre Floriano n. 21, edificado em chaos pro-
prios, e bem conservado : a tratar no primeiro an-
dar do mesmo sobrado a qualquer hora do dia.
ratissimo prego de 500 rs. o covado ; garanlem-se
as cores por serem do melhor fabricante que as
tem em Pars : isto na loja do Pavo ra da im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
As hitas do l'avo *40O <*
js Veodem-sc cortes do chita com dez covados
25400, ditos 25800, com 12 covados; tao chitas
inglezas, mas padroes bonitos e tintas seguras;
assim tem as melhores chitas francezas e de tin-
tas seguras por precos commodos, a saber : 320,'
340, 360, 400, 440, UO rs. o covado : na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Os bordados do Pavo
Vendem-se camisinhas com manguitos e golli-
nhas bordadas, pelo barato prego de 15 e 15280
cada um, manguitos s 500 rs. cada par, ditos (
com golinha a 800 rs., goliuhas 400 e 480 rs., de
fil 240 rs. cada golinha bordada, romeira de
cassa o de fil muito bem bordadas 25 cada
urna, manguitos que servem para calcinha de me-
ninas 640 rs. cada par, camisa com manguitos e
golas com a competente gravata de seda, fazenda
fina, pelo barato prego de 35, e muitas outras
bordadas que se vendem por pregos muito em
conta : s na loja do Pavo ra da Imperatrfz
n. 60, de Gama & Silva.
As ronpas do Pavo
Vende-se panno preto fino muito superior pelo
barato prego de 25, 25500, 35, 35500 e tjl dito
muilo tino jjf e 65 o covado, ca>imira preta de
urna s largura e muilo fina a 15800, 25 e 25500
e 35 o covado, cortes de casimira de cores a 55,
55500 e 65, casimiras entestadas de urna s cor
proprias para caigas, paletots, eoletes, capas e para
roupas de meninos a 35500 o covado, isto na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama Si
Silva.___________________________________
IffBISi
Vende-se superior vinho do Porto em caixas de
urna dnzia : em casa de Johnston Patcr & C, ra
do A'gario n. 7.___________________________
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che-
gada ao mercado, em bem acondicionados barris :
no armazem de Manoel Teixeira Bastos, roa do
Trapiche d. 13, por prego razoavel.
a libra.
Farinha do Maranhao a 2i< rs. a libra.
Fumo do Para a 158^0 a lata grande.
Fumo americano a 1#400 a libra.
Fumo em macinhos para sganos a 200
rs. o maro.
Farelo em sacas de 80 a 90 libras a 3500
Genebra de laranja 1 $ o frasco.
dem de Hollanda a 500 rs. o frasco.
O BALIZA
a
dem marlim a 'i>i' 0,
dem aimasso a :i000, 3500 e COO.
Mern para embrclho a 16200 a rema.
Palitos para denles mares com2t maci
a 80,120 e2CO rs. o mago.
Palitos do gaz a 2000 a grata.
Queijos flamergos do ultimo vapor a 25
dem londrino a 000 rs. a libra,
dem prato a (540 rs. a libra.
Rap Mearon a lr>C00 a libr?.
Sag e sevadinba a 240o 280 rs. a libra,
Sardinhas de Nantes a 040, JO e 300 rs. i
lata.
Sabio massa a 120, 180, 200 e 240 rs *
libra, e em eaixes por menos.
Sal refinado a 600 rs. o vazo (pote de vidro.)
Toucinbo de Lisboa, de Santos e america o
a 1(50, 240 e 32o rs. a libra e em arrtN
a 5, 7, e 96000.
Tijolos para limpar facas a 160 rs. cada um.
Vinho do Porto em ancoras com 70 garrafas
a 30(9000.
Vinhos de Lisboa e Figueira quadades mag-
nificas a 36000, 365(0 e 46000 a ranada.
Vinho do Porlo em pipa a 5 e 6600 a ranada.
Vinho branco de Lisboa e Porto em ancrrns
barris e pipas a 46000 e 56000 a caada.
Vinagre de Lisboa a 16600 e 26000 a eah
da.
Vinagre em garrafes por 16000 com o gar-
raao.
Vinagre em ancoras para 16600 com a ancora
de 9 caadas.
Vassouras americanas a 640 rs. cada rm.
Vinho deflordeaux neste genero temos grande-
porcao e das qualidades melhores que tem
vindo ao nosso mercado em garrafas, em
ancoras, em bairiseqoarlolas oqtial ven-
demos por proco* muito baos.
DECLARACAO.
TfcS
O BALIZA declara pelo prezente que
deixa de publicar os pregos pelos qnaes ven- ^X
de as suas mercadorias p^r motivos qne ao
respeitavel publico pouco intereea. Serve
provisoriamente de baze os precos do Pro-
pheta.
ORDEUI DO m&.
O BALIZA concede plena liberdade aos
seas amovis collegas Clarins, Unioes. mitra-
dos e croados, para que possam saltar, her-
rar e tudo mais quanlo lhes aprouver, at
a sua segunda ordem.
ILEfilYEl

MUTILADO


Diario de FerauMbaeo Quarta lelra 19 t Outabro de 1SS4-

NEM COROAS NEM MITRAS
6!
i
DE MOLIUDOS
Largo da
[Santa Cruz
n.84.
Esquina
da ra do'
Sebn. 84.
AUROBA BKILHffi
Francisco Jos Fernandes Pires, proprietario do armazem de molhados denominado
Aurora liiilhanle, ao largo da Santa Cruz n. 8i, esquina da ra do Sebo, faz sciente ao
respeitavel publico desta cidade e do interior, que no seu importante estabeleciuiente
vender sempre gneros novos c de primeira qualidade, e vender a todos pelo mesiuo
proco.
O completo ortimento de todos os gneros finos e grossos qae costumam ter outros
ostabelecimentos desta ordem se encontrarao sempre no armazem da Aurora Brilbante
e sempre em grande escala vontade dos senhores compradores.
O proprietario do armazem Aurora Brillante pede a todos os senbores e senhoras
que quando liverem de mandar suas relacoes a este esUbelecimenlo por seus criados
S'jacni carta fechada oq com grande reommendacSo a este armazem, certos de que
serio lio bem servidos como se viessein pessoalmente.
A Aurora Brilhante troca qualquer ara genero qoe por acuso nao agrade, e recebe
as libras .-torunas a 9OOo, sendo por compra : a tabella de seus gneros ser mudada
todas as semanas.
Ai:>endoascoof 800, 9G0el5l20.
Manteiga ingleza flor a
Dita mais abatxo a 640 o 720 rs.
Dita franceza nova libra 640 e em barril a
560 cCrs.
Chocolate .-am muito novo a l00 a libra,
cha parola o melhor que lia ( redondo) a
l i l(ra a 35200 e 25800.
Pilo dito mais abano a 2500 e 28oO.
Dito uxim muito ttno a 25800 t>'A&.
Dito hysson superior a 25600 e 23800.
Dito mu ab.iixo a 25 25500.
Dito preto muito lino a 25500.
Dito em massos a 25-
Dito do Uso cm latas de 4, Sel libra a
15500.
Gaf de Moca superior arroba 95500 e libra
300 e 280 rs.
Ditodo Rio o do Cear arroba 85500 e libra
320 rs.
Dito ni tis abaix arroba 85 e libra 260 rs.
Barricas com bolacliinha ingleza nova a
35-
Latas com bolacliinha de soda de S libras a
25S09.
Ditas com ditas-surtidas de 2 libras a 15400
Frascos com ameiius francezas a 15600,
23800 e 33.
Latas com ditas a 15400,25200 o 4$.
Das com figos de comadre a 15500.
Caixinhas co odios muito novos.
Presuulo de Lamego muito novo a libra 5 0
rs. inteiro e a retalho 600 rs.
C!iourias e paios novos a libra 600 rs.
Ditas com ervtlhas francezas e portuguezas
a 800 rs.
Ditas com massa de tomate novo libra 560
rs. e em barril a 500 rs.
Ditas com ostras a 720 rs.
Ditas com marmelada Has melhores autores
de Lisboa a libra 640 e 720.
Potes com mustur Ja franceza preparada a
libra 4H0 r<,
Dita dita ingleza a 800 e 15-
Queijos novos do vapor a 25200 e 23800.
Ditos de prato enplicado a 15-
Dito safes* a 800 rs.
Dito Je m:inteiga do Serid a 800 rs.
Lai xas com passas novas de 1 arroba 75,
DVia 33500 e quarto 25 e libra 480 rs.
Amendoas com casca a libra 240 rs. e arro-
ba 65-
Nozes libra 160 e arroba 53,
Cliaru'.os liaos de Simas, e dos melhores fa-
bricantesdi Babia de 25 a 85 cautasd
100 e 50.
Crozas de caixinhas de palitos do gaz a 25200
e 200 rs. a duza.
Barris com azeitonas novas a 15200 e 23
barris grandes.
Vas-ouras do Porto piassava muito seguras a
400 rs.
Azeite doce francez dos melhores fabrican-
tes, caixa 103 e a garrafa 15.
Cixas com vinbo Boniouax branco e tinto.
VioliO do Porto fino em barris de 5o que ra-
ra- ivz-s appareee por 805 e em caada
a 53500 e carrafa a 800 rs.
Dito de Figueira puro caada 43 c 45500 8
garrafa a 480 e 560 rs.
Dito de Lisboa de boas marcas a 35500 e
43 e a garrafa a 440 e 480 rs.
Cognac verdadero a garrafa 13 e 13280.
Yiiihj moscatel duzia 105 c garrafa 15,
Vinii blanco de muito boa qualidade cana-
da 15 e garrafa 480 rs.
Dito-Xercz fino caada 75500 e garrafa a
1520''.
Do'Madeira secta agarrafa 15600 e 25.
DilOtcni caixas de urna duzia do Porto dos
melhores autores a 125, 145 e 165.
Garufas c*n licor fuo francez a 15, 15200
e 13000.
Ditas eoiti vinho do caj muito claro a 15-
Dita- com mel de abellia puro a 15.
Frascos com genebra do Hollanda de 2 gar-
rafas a 15-
Dito de uma.garrafa a 560 rs.
Dito de laranja-verdadeira a 15200.
Potas com musanla preparada a 320 400 rs.
Caivas com 2 arrobas de..batatas a 25500.
Vinhe branco de Lisboa proprio para missa
a 45800 a caada e 640 rs. a gariafa.
E-pirito de vinho a 400 rs. a garrafa.
Duas redes muito bem feitas para dormir
vindas de Sobral a 305 cada urna.
Carne e linguica do sertao.
Duzia de graxa lats grandes a 15- -^
Caixas com 25 massos de velas de spenna-
cele a 560 rs. a libra.
Ditas maiort-s a 600, 640 e 720 rs. a libra.
Caixas com urna arroba de velas do Araca-
ty 105500 e libra 400 rs.
Ditas de composicao arroba 105 e libra 360
ris.
Saceos grandes rom farinha de Goianna mui-
to boa a 55500.
Ditos com un I lio novo com 24 cuias a 35300.
Dito com farello de Lisboa a 55500 e 120
a libras
Dito cora arroz de casca a 5000.
Duzia de garrafas de cerveja branca e preta
a 55500 e em barricas a 53000.
Armz do Maranho era saceos arroba 25600
23400 e libra 100 e 80 rs.
Dilo da India e Java arroba 35 e libra 120.
Ararula verdadeira arroba 85 e libra 320
rs., matarana.
Gomma do Aracaty para engommar arroba
55 e libra 160 rs.
Farinha do Maranho nova libra 320 rs.
Ervilhas seccas muito novas libra 200 rs.
Sag o sevadinha a 240 rs.
Sevada arroba 35200 e libra 120 rs.
Graxa de boio 97 a 280 rs.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Dito hespanliol verdadeiro a 400 rs. a libra.
Ba'aios do Porto de diversos tamanhos de 320
a
600,
Capacho* para portas de varias cores a
700 e 800 rs.
Grao de bico arro' a 45500 e libra 160 rs.
Pam^o arroba 55500 e libra 200 rs.
Milli alpista arrubi 45300 e libra 160 rs.
Azeite doce de Lisboa garrafa a 640 rs.
Vinagre de Lisboa caada 15500 e garrafa
200, 240 e 320 rs.
Massos de palitos de denles com 20 massi-
nhos a 160 rs.
Tijolos de limpar facas a 160 e 120 rs.
Resmas de papel al unco pautado a 45500.
Dito greve liso o melhor que ha a 45500.
Dito de peso e pautado a 2}500 e 25800.
Garrafoes com 25 e 15 garrafas de verda-
deira genebra de Hollanda por 85500 e
63000 rs.
Azeite de coco garrafa 560 rs. e carrapato
360 e caada 25560.
Caixoes cora doce de goiaba a 640, 800 e
15.
Toucinho de Lisboa arroba 95500 e libra
320 rs.
Dito de Santos arroba 65 e libra 280 rs.
Molhos com grandes ceblas a 15600.
Cento de dita solta a 15600.
Mauncos de albos a 120 rs.
Cerdas de pastar e de andaime.
Favas da ilha de S. Miguel arroba 35200 e
libra 120 rs.
Copos lapidados para agua e vinho a 35500,
55800, 65 c 75-
Ditos lisos para varios presos.
Calis lapidados grandes e pequeos duzia
3, 4 e 55 ; 8 400 e 500 rs. cada um.
Massas para sopa macarra.', talharim c ale-
tria a 400 rs.
Estreliana e pende libra 640 rs.
Xarope de fruclas nacionaes a garrafa 600
ris.
Marrasquinhp de Zara da melhor qualidade
a garrafa 13200 e 800 rs.
Esleirs de tranca, cenlo a 205 e 240 cada
urna.
Queijos de qualha novos, arroba 165 e libra
a 560.
Duzia de champanha superior a 205, e 25 a
garrafa.
Garrafoes vazios a 15600.
Massa brama para sopa a 320 rs.
Frascos com azeitonas em coacervas a 800
ris.
Duzia de cartas finas para jogar a 35-
Sabao hespanhol verdadeiro libra 400.
Saceos rom feijao mulatinho novo a 105.
Latas cora favas j preparadas a 800 rs.
Sevadinha para sopa a 24ii rs.
Garrafas com moscatel e setubal a 800 rs.
Sag novo a 400 rs.
lireu arroba 85500 e libra 320 rs.
Latas enm 27 garrafas de gaz a 115, a gar-
rafa 500 rs.
12 ontros inultos gneros de primeira qualidade que nao
posslvel menclena-los.
A satisfacao da Aurora Brilhante vender muito, embora barato, mas DINHEIRO,
abatendo einco por cento a quem comprar de 1005000 para cima.
0 NOVO DESTINO
0
ORAlOfi ARMAZEIfl
DE
RIJA DO IMPERADOR M. 40
Junto ae sobrado em que mura o Sr. Os borne,
Hilarte Almelda le C, receberam de sua propria eneommen-
da o mais lindo e variado sortimcuo de molhados. proprlos
da presente estacao.
Manteiga ingleza
da safra nova vinda no ultimo vapor a l.ooo
rs. a libra e em barril a 8oo rs.
Manteiga franceza
da safra nova a 60o rs. alibra, e cm barril
a 560 rs.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2#400, muito propios para mimos.
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolacbinhas de soda de todas as qua-
lidades a 10300.
Chocolates
de todas as qualidades a I #000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velaos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados ueste ultimo vapor a 206oo.
Queijos
ebegados no ultimo vapor a 20600 cadaum.
Queljo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retaiho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e i#200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
U a 20600.
dem pe rola
especial qualidade a 20700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20600.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talliarim e aletria a
480rs. alibra.
COGAC
o muito afamado cognac Pal Brandy a 4,8oo
rs. a- garrafa e de outras muitas qualida-
des a l,ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPO*
lapidados para agua a 4.5oo e 5,ooo i
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
j de excellenle qualidade a 20200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulho de 1,4oo a 2,2og
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
1,4oo rs. a libra
Vinagre
PRRem ancoretas de 9 caadas a 15,ooe rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
e 40400 a arroba.
Ma$as brancas
para sopa a melhor que se pode desejar,
macarrao, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 40500 a caixa.
Vinho
I Figueira J A A e outras muitas marcas acre-
j ditadas a 500 rs. a garrafa.
dem de Lisboa
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
20800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado dos melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 10 e 10200
a garrafa ede 100 a 120a caixa, asmar-
cas sao asseguintes: Chamisso AFilho,
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Latas
com 10 libras de banda a 40000.
Bolacliinha ingleza
a 10800 a barrica damesmaque
vendem a 20000 e 20400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r* utl bra.
Cervejas
dos melhores fabricantesje de todas as mai
cas de 40500 a 60500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 10500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 20500 a 30000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de 1.a e 2.a sorte do [lio de Janeiro a 85f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a
Ciar raides
libr
com 4 Vi earrafas com vinagre a 10OOOta
o garra fo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de H0OOC
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 50800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros muitos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,000, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete d diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnanba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 3io rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas multo novas
em guarios e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e400rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em ealda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
600 e 10 o caixe.
MAZEM CONSERVATIVO
23-Largo do Ter(?o-23.
*)aaum Simo dos Santos, dono deate bem sortido armazem de molhados denominado Con
servalivo do larp-i do Terco n. 23 scientiflca ao respeilavol publico e a todos em geral que mandem
ou veuham a este estabeleciinento para melhor se sertilicarem da diminuieao de precos que obtem
neste o que nao obtero se compraren em omro qualquer, pelo que se responsal>elsa a servir qual-
u-ier comprador com a maior presteza e Odelidade, sem que haja a menor alleracao. Todo o compra-
dor que comprar de 100,5 para cima tera o descont de a a 10 pur ceuto pelo seu prompto pagamento.
Atten$to.
ftitatas as mais nwas a 40 rs. a libra o 1*200 a ar- Ch_hwson miudinbo e perola a 2J.000 2*500 e
roba.
Toucinho de Lisboa a 260 rs. a libra e 8*500 a ar-
roba.
Caf de primeira e segunda sorte a 240,260, 280 e
300 rs. a libra.
Arroz do Mirj.nho e Java a 100, 70 e 80 rs. a li-
bra e 25200 a arroba.
Piosphre do gal a 25 a groza e 180 rs. o majo.
Passas de carnada a 320 rs. a libra, e em caixa a
65300.
Boiachinhas ingleza. novas a 240 rs. a libra.
Sabo amarello massa a 160,200 e 240 rs. a libra.
Velasdeearnaba Aracaty composicao a 360 e 400
rs. a libra.
Ameixas Trncela com 1 e meia libras a 15-
Massa de Jmate da melhor qualidade a 609 rs. a
"libra.
Marmettada dos melhores fabricantes a 640 rs. a
libra.
Oiouricas as mais novas a 560 rs. a libra, e em
barril por 125
25800.
Miiho alpista c painco muito novo a 160 rs. a libra.
Biscoitos e bolachas de soda a 1*300 e 25
Aramia das melhores marca* a 1*, 2*, 3*, 4*, e
4*500 a caixa.
Charutos em macos contendo SO por 640 rs. o cento
Azeite doce de Lisboa fino a 640 rs. a garrafa.
Dito de carrapato a 280 rs. a garrafa, e 2*000 a
arroba.
Vinho de Figueira e Lisboa das meihores marcas a
320. 408, 500, 560, 640 e 800 rs. a garrafa, este
ultimo 10 Purlo proprio para os doentes por
ser purificado e rocommendadn para este Ara.
Queijos do-ultimo vapor a 2* e 1*700.
Manteiga ingleza flor a 1* a libra, e a 950 rs. em
barril.
Id- idam francma do ultimo navio a 560 rs. a libra,
em barril se fara abatimento.
Gomma da mais al va a 160 rs. a libra e a 4*500 a
arroba.
Alora destes gneros ha uoiros muttou que nfadonho seria meaeiooa-los.
Os propietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularam os mesmos precos dos seguintes lugares:
Lniao e Gommercio ra do Qaeima^o o. 7
O Verdadeiro Principal roa do Imperador n. 40
NOVA EXPOSPO DE GNEROS
NO
ARMAZEM

PRINCIPAL
DE
\. 9 RIJA IIO CRESPO I. 9
EsqQia qoe volta para a roa do Imperadnr
provavel que nao seja bem aceita a verlade, quando a boa f de t.Klosao.'
Iludida por esta epidemia de nauzealicos annuncios de cornetas, tambores, coras,
tras, etc., que todo o dia enchem as paginas deste jornal.
ALERTA
Os annunciantes nao tem em vista sonrio garantirem ao respeitavei pato* ,
sua palavra de honra, vendendo com o lucro suficiente para suas subsistencias e nao _
assentarem fortunas a forca da regra de liga como outros annunciantes deste genero
PARA TOIIOS
No armazem principal veode-se a todos pelos precos marcados na seguate ta-
bella, mas nao se vende por todo o preco fazendo-se peso de arroba fiespanftola, "trut
te-se as qualidades dos gneros trocando-se todo aquelle que n3o seja doagraV
comprador.
Amendoas confeitadas de diversas cores a Lentilhas muito novas excedente legume u
64o rs. a libra. I ra sopa a 2oo rs. a libra,
dem de casca dura a 24o rs. a libra. Licores francezes de todas as qtuU dem de casca mole a 3o rs. a libra. 7oo e 9oo rs. a garrafa.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas Manteiga ingleza perfeitamente flor afeo r
estampas, a l,2oo e l,5oo rs. a libra, desnessesario mais elogio m
te genero que s se pode verificar um i
vista,
dem franceza a 56o rs. a libra, e en barnl
dem em frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de i 4/ libra a i,loo rs.
Arroz do Maranho e da India o melhor que
ou meios a 5oo rs.
ha neste genero de 8o a loo rs, a libra, e Marmellada do 1.' fabricante de Lisboa a Cr.-
de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa el o,ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
libia.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs, a anco-
reta.
Alpista limpo a lien, a libra, e 4,4oo rs. a
arroba.
rs. a libra, ha latas de I, |' t e j hWai
Maca de tomate em latas de urna e du fi-
bras, a 6oo rs. a libra,
dem para sopa estrellinha, pevd\ r&Uafea
etc. a 3,5oo rs. a caixa e 56o rs. a fifini
Macarrao, talharim e aletria a ioo rs. a li-
bra.
Mostarda franceza preparada a ioo rs. o fras-
co.
dem ingleza em p a 6io rs. o frasro.
Molho inglez em garrafinhas rom rolha de
vidro a 6io rs. cada urna.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato Marraschino verdadeiro de Zara a I.000 rs
Antonio de diversas qualidades, em latas a garrafa, e 10,000 rs. a dozia.
de6 e de 3 libras a 3,ooo e 4,5oo rs. a Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
lata, e 6io rs. a libra. Ostras preparadas em latas a "00 rs a ata
dem ingleza em latas de 2 e de 4 libras Prezunto para fiambre inglez verdadeiro n-
das melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. rantindo-se a qualidade, a Toors a lo.
a Iata- Passas novas de carnada a ioo rs. a libra
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e 6,5oo rs. a caixa.
em barril a 36o rs. Peixe em latas heiineticane ie kch*fc>da.
Batatas em caixas de 2 e de 4 arrobas a seguintes qualidades, sabel. romas
l.loo rs. a arroba. j rz, cavallinha e pescada a l,ooo rs a la-
Champagne das melhores marcas a 2o.ooo ta.
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs. Palitos para dentes liebadas a I fc> rs o a
as meias garrafas. | co de 20 macinhos.
Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a li- dem do gaz a 2oo rs. a duzia. e 2 loo n
FRUCTAS
MAC, i\, PERAS U UWAm
chegadas neste ultimo vapor, vende-se nos seguintes lugares: Ba do Imperador n.
40, Verdadeiro PrincipalBa do Queimado n. 7, Unio e Commercio,
Vinho Madeira fino.
Vende-se na rna de Apollo n. 4, primeiro an-
dar, em barris de oitavo, chegado hoje.
Vende-se um sitio as Areias do Giquiar,
com casa de vi venda e rancho, por barato preco :
a tratar no mesmo com Miguel de Mallos da Silva
Paulo, ou na ra Direita n. 8.__________________
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor
deaux, dioerentes qualidades, mais barato que em
qualquer parte : no armazem de E. A- Burle Si
C, ra da Cruz n. 48.
lili*
a: s > >p
2 5'ofi "
a- r.
a, __
sr o o
S 2 2
3 < v
S- o.
5
ce a Mi
<= a." 3 3
v, g 9:_
affR
9
as
a. w _, q, _, b
3 e;
3i
o "S 2. 5
- < 3
o."
9 a,
-i
^
cr
2
9-2 t c
B6s-8
-3
! S-S^
AI'nutriak de iembranqas
LS0-BR1SILEIB0
l'Alli I86S
POR CANT1I.IIO.
Acaban de cheirar estes j to conhecidos al-
manaks e vdnde-se na livraria econmica ao p
do arco de Santo Antonio, vende-se tambem col-
lercdes completas dos mesmos alinanaks em 15
volmes.
a bordo do pamabole Arroto Mallo, fondeado no la-
gar da carne-secra, linguas em salmra, muito
superiores em barrilinhos com a porcAo que os
compradores quizerem, e preco rauara.
si g
9 2?_T
III
co o> O
C/i
i g
O
B9
a
3
o
o.
co
2.

i
5 S
a s s
O o. <
B
a
O. -i
B
3
o
8
a"
p
cu
a.
o
i =
o 3
3 M O
3 o,
s-
o a.
: 3
i
o -i
5 2.
H2
os o
g 5
K 3
a.
CB
og,
o3"
g f
a.
e
4k
B*
e
9
i
e
bra.
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs.
a hora.
dem hysson o melhr.r que ha neste genero
a 2,ooo, 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2 a 8 libras, a l,3oo
rs. a libra.
dem preto homeopathico 2,ono rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a G,ooo rs. a du-
zia, e 56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, suisso e hespanhol a
1 ,ooo, 1,2oo e 1.4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Furta
do de Simas e outros da Baha como se-
jam Regala, Trovadores, Guanabaras, De-
licias e Suspiros, a l,6oo, 2,ooo, 3,ooo e
4,ooo rs. a caixa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco.
dem franceza surtidas ou de urna s quali-
dade de cada frasco a 5oo rs.
Cognac inglez e francez a I,ooo rs. a garra-
fa, e Io,ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 6oo rs. a libra.
Canda a I.ooo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4.8oo,
5,ooo e 5,5oo rs. a duza, e 5oo rs. cada
um.
Caf do Rio superior 28o e 3oo rs. a libn.
e 8,5oo a 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear a 26o, 28o c .loo rs. a libra,
e 8,ooo a 8.5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba a 6oo rs. o caixao.
ErviHias portuguezas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem seccas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo rs.
cada urna.
Graixa nova a loors. a lata, Moo rs. a
duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras de i 2
frascos a 5,8oors., e 56o rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o gariafo.
dem idem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada nm.
dem ingleza em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro, qualidade superior
a l.ooo rs. a garrafa.
dem delaranja verdadeira a I.ooo rs. o fras-
co, e H.ooo a fiasqueiras de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
Moors. a garrafa.
a groza.
Painco muito novo a 16o rs. a libra, e ijoo
rs. a arroba.
Queijos flamengos do ultimo par.
dem prato muito fresro a 8oo rs. a hbrj.
sendo inteiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidro a fita rs. ca-
da um.
Sardinhas de Lisboa e de Nanfes a Gy-> r->.
a mea lata, e too rs o quiiio.
Sag muito novo e alvo a 2o rs. a libn.
Sardinha de Franca a 18o rs. a libra.
Sevada a loors. alibra.
Toucinho de Lisboa a 24o e 3oors. a libra.
Tijolos para limpar facas a 15o rs. cada aa
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira te
marcas menos condecidas a 4o rs. a gar-
rafa, ea 2,8oo rs. a caada.
dem Figueira expecialmerte esroUtido M
lugar a 6oors. a garrafa, e 4.:^. a ranada.
dem Lavrad.o, Colares muito fres-o >em
composicao a 6oors. agarrafa, e 4.5oo r.-. a
caada.
dem Lisboa em ancoras com ) canallas m ;r-
ca especial a 22,ooo rs. a anc n
dem branco uva pura '; e a 4,5oo mmJm.
dem iwio fino em pipa a 56o rs. a garra-
fa.
dem engarrafados generoso!, Lagrians do
Douro, Duque do Porto, Lu I, D Pa-
dro V, Nctar, velbo secco, .Malaza. a
genuino particular de 9ooal,*oo rs. a gar-
rafa e a ioy'oo rs. a caixa com urna duz*a
dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a garrafa.
ea 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a looo rs. a garrafa.
(dem Bordeaux dos acreditadas marra Si.
Julien St. Esteph, chieau la Ro/r.cL
Margoux e ou>ros a 6,ooo rs, a caixa e
rs. agarrafa.
Vermouth a melhor bebida estoaaacai
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e I .ton
rs. a taada,
dem em garYaoes com 5 garrafas"* | .ooa rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna,
dem de escovas para lavar casa a Me rs.
cada urna.
Ve I las de espermacete superifresa Stors.
a libra, e sendo em caixa a 52o r>.
dem de carnauba refinada e de rompoaicis
a 36o rs. a libra, e lo,5oo e 11,000 n. a
arroba.
M<< binas e prensas para alg>dao,
( hegaram agora da America as verdadeiras ma-
chinas de diversos tamanhos para descansar al-
godo e prensas do melhor systema para enfardar
o mesmo : a ver e tratar na travessa do Carioca
n. 2
Superior cal de Lisboa.
Sende-se superi >r cal de Lisboa a mais nova oue
lia no mercado tanto em porcao como a retaiho,
por barato preco afian^ando-se aos compradores a
superior qualidade : a tratar as seeuinte* mas
Crespo n. 7, Imperador n. 18, Fone do Matto
mazem do Sr. Villa defronte do trapiche do
godo.
Para casamento.
Na rna da Imperatriz, loja n. 13. vende-se um
rico vestido de b onde para casamento, por preco
commodo.
Chitas da Liga.
Fazenda intetramenie nova a 40 rs. o rovado :
na1njs.de Pinto & Floro, na ra da CanVia do
Recife n. 47, esquina que volta para a Madre de
Dos._______________^
Para casamento.
Grosdenaple lavrado ortico, fazonda iperior,
a 25W0 o rovado : na loja de Pinto & Flores, na
rna da Cadeia n. 47, esquina que volta para a Ma-
dre de Dos.
No armazem de fazendas ba-
ratas de Santos Coelho,
Ra de Qaeiadd* i. 19.
veade-ac segaiiale:
Attencao !!
Ricas laiinhas, fazends a melhor que imm
do ao mercado, tanto em jtosln coa ea mtiiit
de, |>elo baraiissimo preco de 5CO r. e ihmV
I Uitss miudinhas rarmezins, proprias rara e>i
dos de meninas e can.isinha* a 640 ocoa*
OM-tesde ia com 15 rotados, pal barate pr--
Cobertas de chita da India a 200 e U*.
Lrn;oes de panno de linho i!| Tjiaa
IV^-as de cambraia de forro coa 8 ifl mf- a
i Toalhas alcochoadas propria para a*s 1 Slt
idu/ia.
I Ricos cortes de laa coa barra aacia Fu a
18JS.
Pecas de plan I has de ahjodao
proprias para saia a 4.
Algndan entestado cea 7 li2 Tiikat
a 15100 rs. a vara. ^^
Esleir da India, propria para ara *ab*
4, o, e fl,palmos de largura, por
que em outa qualqner parte.
Neste eslabelecimento laafcea a .
nm grande sortimeoto de ronpw fas, e
dida.

MUTILADO




Diarto de rernubne Qnarta felra de Outubro de t *.
ftO PUBLICO
gem o menor constran-
glmento se entregar o
Importe do genero que
do agradar.
ATTENQO
Os nrecos da seguate
tabella para todos, po-
denco asslm servir de ba-
se para o ajuste de contas
com os portadores.
RA DA CA1IEIA 1IO REIFE IX. 53.
(Lego passaudo o arco da Conceifo)
(rande redueco de preeos, equivalente a dez por cento menos lo que outro qualquer
aonunclante.
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o preco da manteiga iogleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
niiiitos objectos, etc., dando com islo ocasiilo a todas as espeluncas acabaivm por bom prego a manteiga de tempero, e gritarem em
alta voz, que podem vender pelo prego que cu vendo I!! Ora, eu ollendido com estas obscuridades e receio^o em adoptar o mesmo
vstlieroa que vina encontrar, des se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta giande redcelo de precos, como veris
pela gegointe tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertuia do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil nao
se sabia de outro prego de manteiga ingleza a nao ser o de l,4oe a l,6oo rs. a libra. Boje porem, resentidos da reduego a que
esto obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamacao de pregos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
mal informado deste novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordem que o seu fim
. trio somonte obter a concorrencia de scus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidie, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromplido e entei-
reza com que sero tratados, convida a urna visita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a protecgo e preferencia na compra
dos gneros que precisarem, e quando nao pogam vir poderao mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco pratices, pois
serao to bem servidos como se viessem pessoalmente, bavendo para com estes toda recommendagao, afim de que no vo em oulra parte.
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escoloida a 800 rs. a libra, era barril se
faz abalimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 5t>o rs. a libra, e em barril ou
me ios a 5oo rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
dem perola o mais superior do mercado a
2,800 F8.
dem huxim o melbor que se pode desejar
neste genero 2,fioo rs.
dem pretohomeopatliicopoiserde superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra.
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o 1,600, 1,800 e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regatar, igual
ao que se vende em oulra parte por 2,4oo
e2, Linguicas, chourigas e paios em latas de 8
libras, emticamente lacradas a S.ooe rs.
garjinle-se serem superiores aos que vem
em barris. /
Chourigas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e l,5oo e 600 rs. a libra.
'Queijos flamengos muito frescos chegados
~ neste uliimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a 1,600 e i,800 rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abalimento.
dem pialo muito fresco a 800 rs. a libra.
I lem do Alcntejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e lavas portuguezas em latas ja pre-
paradas a 6io rs.
Mermelada impe^aldos mais acreditados fa-
bricles de Uaooa a 600 rs. a libra.
Pre/unto do reino vindos de casa particular
a Oo rs. a libra, e a Soo rs. inteiro.
dem inle/.as para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a ,ooo e 5,5oo a
duzia,
Chocolate francez, suisso e bespanol a 9oo
l,ooo e l,2oo rs. a libra.
Esj 1 mcete em caixinhas contendo G libras
por i.o^io rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
da, salmlio, ostras e chernee, vezugo em
latas grandes a 800 e 1,000 rs. cada urna.
Vinho Bordean* d"S marcas mais acredita-
das que tem vindo ao nosso mercado a
6,000, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa, garante-
se ser de qualidade superior, que outro
qualquer nao pode vender por este prego.
Genebra de llollanda a 56o rs. o frasco, e
o,7oo rs a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de Aliona em
frascos grandes a l.ooors. o frasco, e
11,ooo rs. a duzia.
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.5oo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 21o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz do Maranbao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvoegraudo a loo rs. a
libra, e 3,000 rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Paineo e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a (00
rs. a bbra.
Aletria, maca nao e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e talberim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse lim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, ] Ceneja brai
4oo eot'O rs. a garrafa, emeanada a 2,ooo, < creditadas
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes emlatas
de 3 libras por I,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de 1 e meia libra
por 1,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, l,5oo, ei,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 83o rs. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Balatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Molho inglez em garrafa de vidro com
rolda do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e 11,00o a duzia-
Palitos para denles a 14o e 16o rs. o mago-
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
nca e preta das marcas mais a-
que vem ao mercado a 5,ooo e
3,ooo e 3,8oo rs. ( 5,500 a duzia e 48o rs. a garrafa.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-fSag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
dade a loo e 5oo rs. a garrafa, era caada I Sevadinlia de Franga muito nova a2oo rs.
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1
duzia
a 8,000 e a 680 re. a garrafa.
Vinho do Porto das melhores marras, rpie
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqueGenuino.
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
10,000 rs. ea9oo e 1,000a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melbor conserveiro de Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinlvis inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolachinha de soda em latas cora diversas
qualidades a l,3oo rs.
Bolo francez em caixinhas muito proprias
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
1,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs a libra.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo Bolacbinhasd'agua em sal da fabrica do Reato
Charutos de todos os fabricantes da Bahi a e das
mais acreditadas marcas conhecidas no
r.osso mercado a 2,ooo, 2,Vo, 3,ooo,
3,000 e 3,8oo a ^ixa de loo charutos.
Cognac inglez das memores marcas a
l,oo rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba era latas de 4 li-J
DATITE ALMEIDAV
Na toja de fazendas ba-
raissimas de Vitarte
iiorges da Si Ira, ra
da Impera trir n. 20.
\ende-se o 8euiiiie:
PECAS de panno de hnho tM i: vrw I Hf,
um p 'Uro eslreilu, mas axeeUeatei a;a (tal ha*.
DITO de dito adamascado com 8 p*lm i di Im-
pura para lualhas de mesa d-- tentar a If
vara.
CASEMIRAS de duas larguras e ic una id t#
miuto dom para roupa de meninos u *jutn.Lai-
quea a :! o covado.
TOALIIAS aleorhoadaa nuitn boas para mu ba-
gar o rosto a 6fi a duzia ou 800 r? rada i ...
QAMBRAIA branca fina mu Mpew u ui nl.os
a dtO rs, a vara, atetada do valor.
OLA DOS du bonitos e elegante* describes i ara
col'i ir mesas a 15 o covado, pira acatar.
LAAZIMIAS de padroes nuvo> c muu afradte-
veis tanto na boa qualiilad. como no neo de ')
rs. o covado, e tinalnieute o resjpitavel toUtal
adiar constantemente nesia dita lija ara U lio a
variado sorlimenio de Caieodat tana a truaraa a
pregos muit.i raznaveis, pois est resolvulD pan bar
pouco, com tanto que venda muito, pi BMBrtaaj
mais atendaa no prsenleannun.'io pi r|i:e in| r-
laria isso n'uma despi-za extraordinaria n ;a tat-
ppza reverter sempreen benefirio io ron mo-
res, pedindo ao publico que nao d.-i\t i'e !n todo
os dias este dito presente annuriiio, poia aaovi
mudanea nos artigo* cima dito, .slo a prefoc-
gao que se fortn acabando.
IlELOGIOS,
Vende-se em casa de Jofinston Pafer dr
C, ra do Vigario, n. 3. nm fetNl MffaV
Acaba e.eceoe, de sua propna en^mmeuoa um granue e vanado sortimento ^fjflLELJSi .-
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o proprietario em W.de d"*t^'"'"Ti J t!
offerecer aos seus freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e de L,V(
resumidos pregos, afiangando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
qoniositrancelins para osmesmostt.
Milho"
Amendoas confeitadas de 8oo rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a l.ooo
rs, a libra e 8oo rs. sendo em barril,
dem franceza a [6oors. a libra, e 56o rs.
sendo em barril.
Cb uxim a 2,7go rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para
cima a 2,7oo, I
dem hysson o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e inteiros a
a 3!iiiO.
Licores francezes e portilguezes das seguin-1 vendem-se na ra da Madre de Dos ns. 3 e 4
. __ K n saceos grandes com mi no novo.
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen- (
dua amarga, percicot. de Turin, Botefim,
morangos, limao, caf, laranja, cidra, gin-
ja, canella, cravo, oriel5 pimema a 1 .ooo
rs. a duzia 1 ,ooo rs. a garrafa, garante-se
que os melhores que temos tido no mer-
cado.
A GRANDE GUS
PARA TODAS AS MOLESTIAS DO
ESTOMAGA, O FIG1E E31WS
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo e de 8 libras
para cima a 2,3oors.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que se pode desejat
neste genero a 2,8oo rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oo rs. a libra,
dem mais baixo bom para negocio a l,5oo
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,6oo rs
dem prato es melhores e mais frescos do
mercado a 8oo rs. a libra sendo intsiro.
Genebra marca gato a 1.7oo rs. agarrafa.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Craknel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine eoutras mul-
tas a l,3ooe l,4oo rs.
Fumo americano em chapa a 1,6oo rs, a
libra.
Araruta de todas as qualidades.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 3$ a
caixa e 6o rs. a libra*
Balacbioha de Craknel em latas de 5 libras
bruto a 4,ooo rs.
diloemcaixuesa6oors. dem inglezas em barricas amis novado
bras por 2,ooo;
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas soltas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento etantas porl,2oors.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
mercado a 3,5oo rs, a barrica e 24o rs. a
libra.
AGENCIA
DA
FUNGI LOW-OMGOE.E
l'.ua da Senulla aova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
nm completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos o
tamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar roapa: em casa de S. P. Johnston & C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Vinho do Porto superior
dm caixas de urna e duas duzias : tem para ven-
eer Antonio Luiz de Oiiveira Azevedo & C, no seu
escriptorio ra da Cruz n. 1.
mmmm mmMmwm
Fabrica Conceicllo da I
Bahia.
Andrade & Reg, recebem constante-
mente e tem venda no sen armazem n.
34 da ra do Imperador, algodo d'aquel-
la fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar aleodao em pluma etc., etc.,
pelo prego mais razoavel.
iiuii/in
FRONTEIRO
DE
Ai,VES COUTIXIIO 21Largo do Terco21
Ao publico.
Chourigas muito novas a 64o rs. a libra ; chocolate francez a l,ooo rs. a libra;
ameixas dem ; alpista a 16o rs. a libra, e 4,6oo rs. a arroba ; arroz do Maranhao e da
India de 8o a loo rs. a libra, e em a arroba de 2,6oo e 3*000 rs. ; azeite doce refinado
a I ,ooo rs. a garrafa e em porgao, menos; idem de barris a 64o rs. a garrafa, e em cana-
da a 4,8oo rs. ; banha de porco a 4no rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
novas a 4o rs. a libra, e 1,2o >rs. a arroba ; cb perola, hysson, miudinho a l,8oo, 2,4oo
e 2,5oo rs. a libra ; charutos des melhores fabricantes da Bahia de 2,ooo e 4,ooo rs.;
cerveja branca e preta a Soo rs. a garrafa ; cravo, canella, cominho e erya-doce, conser-
vas inglezas em frascos e meios de 5oo a 9oo rs.; cognac inglez superior a l.ooo rs. a
garrafa ; eaf 'le 1.a, 2.a e 3.a qualidade de 8,5oo, 9.ooo e 9,5oo rs. a arroba ; cevadi-
nba a oo rs. a libra ; ervilhas portuguezas em latas de 1 V* libra a 7oo rs.; spermacete
a 56o rs. a libra, e em caixas a 52o rs.; farinha de araruta verdadeira a 2oo rs. a libra,
e em a arroba a 6,ooors ; genebra de laranja a l.ooo rs. o frasco; idem de Hollanda
a 6io rs., e 4oo rs. a botija; graixa em latas a l,2oo rs. a duzia ; manteiga ingleza per-
feita flor a 800 rs. a libra ; idem franceza a 56o rs. a libra, e em barris a 52o rs.; maga
de tomate a 600 rs. a libra; marmelada dos melhores fabricantes a 64o rs. a libra ; ale-
tria, talharim e raacarr3oa loo rs.; marrasquino de Zara verdadeiro a l,ooors. cada fras-
co ; nozes muito novas a 2oo is. a libra ; passas a 4oo rs. a libra ; paingo a 16o rs. ; po-
mada a 24o rs. a duzia; pioMBla do reino a 36o rs. ; papel almago e de peso de diver-
palilos do gaz a 2,00 rs. a gmsa e 2o rs. a caixinha ; ditos de seguranza
individual a 2o rs. a ciixinha e 36o rs. o mago; queijos flamengos do vapor a 2,ooo rs.
cada um ; cevadinha a 2oo rs. a libra; sardinhas de Nantes de 4oo a 64o rs. a lata ; sa-
bio massa muito upen r a 2oo rs. a libra; toucinho de Lisboa muito alvo a 3oo rs. a li-
bra ; vinho do Porto velho engarrafado a l,5oo rs ; idem em barril a 800 rs. a garrafa,
JKaS&VUMTS P fy-se differenga eem caada a 5 000 rs ; i-.em de Lisboa muito superior a
u *r, ci 1*01 4no ^ a jjn^fli e 2,h0 rs. a cnida ; dem da Figuet
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 800 rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Papel de botica de excellente qnalidade a
2ioors. a resma.
Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
j Bicos frascos com fruas francezas em calda
a melhor que se pode desrjar de l,4oo a
3,ooo o frasco.
Fruas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a 12o rs. a
lata de 21 2 libras.
Foijo verde em bages em latas a 64o rs. a
lata.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 600 rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a lo,000 e
l.ooo rs. agarrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
mmmmmmmm
Roa da Senzalla 0.42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston dr C,
lellins e silfioas inglezes, candieiros e casti-
ces bronzeados, lonas inglezas, fio de vela,
chicolea para carros e montara, arreios para
carros de um e dous cavallos, e relogios de fj*.^,8
puro patente inglez. _____________
A /caira o
V
Vndese barris com alcatrao, na ra da
. 23, primeiro i
Almeida Gomes.
gueira J. A. A. a Soo rs. a garrafa e
3.600 rs. a caada; idem do Etreito a 36o e 320 rs. a garrafa e em caada a 2,56o;
idem Bor-leaux a 56o rs. a garrafa ; idem branco de Lisboa, profiri para missa a 5oo rs.
a garrafa; vinagre de Lisboa muito superior a 2oors. a garrafa, e l,4oo rs, a cenada ;
Vende-se potasaa en barris a commodoprecoo cevada alfasema, caz e tijolo de limpar facas a lio rs. Presuntos de Lamego a 5oo
SSSgS aDdar' 8enpl0n:ea.lja.irrb outrosmuitoageneres quedesnecessario menciona-los.
P0T4SS4
2,ooo rs o quarto, a 6,5oo a caixa e 4oo
rs. a libra,
dem corinthias proprias para podim a 800
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de i
Lisboa a 64o rs. a libra.
Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra.'
Grao de bico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 64o rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a l,6oo rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 800
rs. a libra.
Chourigas e paios mnito novos a 64o a libra.
Caixas de traque n. 1 a 8500 cada urna. 1
Massas para sopa macarrao, talharim aletria
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa;
e 800 rs. a garrafa,
dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a j
garrafa.
Charutos em grande quanlidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a 1,5oo,
2,ooo, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por ahi se ven- i
dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
Caf de premeira qualidade a 8.3oo e 9,ooo
rs. a arroba e 28o a 22o rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz do Maranbao a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a |
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
XP.
AS
Pitillas > egetaes Assneuntda
De Kemp
Compostas dos Jois novos reeinoides cnanaa*
dos Podophilina c Leitandrina, i nteirav
mente livrea de Mercurio ou outros veneno
mincracs ou nietallicoe, sao do gramfe ntiV
dade nos paizes clidos em caaos do
DISPEPSIA, ENCHAQECA.
l'on-lipagao ou Prizao do Vende,.
PADECHEIT08 DO FIGiW*
Affecc,Oes Biliosas,
HEMORRHOIDAS. CLICA
Ictericia,
FEBRE GASTRO-HEPATICA,
E outras enfennidadei anfaga*
filias vo rpidamente substituindo os anCgo*
purgantes drstico.
venda as boticas de Caors dr Barbosa,
ra da Cruz, e Joao da C. Bravo & C, roa
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro- da Madre de Dos.
ba, e 80 rs. a libra. Vende se a latera de
ijii.iii i n (. ]* rua>
48, com poui-os fundns e ten afi en> iaa>
Estao acabar.
Nova n
Vellos de carnauba do Aracaty a 9,ooo rs. ar- ------
roba, e 36o rs. a libra,
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-; chapeos de paihiniia da sces.*a a 13 : na 1..;
te 360 rs. a libra. ^e P"'10 *|tt-
dem de esp'armaccte a 56o rs. a libra, e em na gue vuita para a Madre *%.___________
caixa a 52o rs. com 25 libras. Affftft FloH Papel o melhor que se pode desejar paira os restabdecei. e eoomw a ,, Mtul al
Srs. empregadospblicos a 5,ooo rs. a res-, d()W. cM]M(). 7
ma, j se venden por 7.ooo rs. A florj(]a nVl0 uma',;niu,a, (ana twaav
dem almago pautadoehsoa3.ooors. aresma. rn| a contesiar, a nmm* a-taa mta a rlr primi-
Idera de peso pautada e liso a 2,5oo rs. a Uva ao cabello. Cta**ia de iiImim n*+in e
de sub.-lanrias inofT^o.-ivas, ella lem a | n>i-rirdadc
de restituir os rahellus o principio ciTanli- ijii- 1-
Idem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composigao a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a 1 ,ooo rs. cada urna.
Ricos livros com figos l.ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrames com 4 */ garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafao.
dem com 4 */a ditas de venagre a 1 ,ooo rs. o
garrafao.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com a ancoreta
dem em pipa puro sem o batisme a 2oo rs.
a garrafa e l,4oo rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
dean! fazenda muito especial a 6,800 rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
resma,
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,oo rs.
a resma.
dem embrulho de l,2oo a l,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 '/* bbra a
l,2oo e8oors. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle l.ooo rs. tambem temos em
frascos para 1,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Molhos inglezes a 800 e l.ooo rs. o frasco.
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a 7,ooo rs. a
duziae 600 rs. a garrafa,
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,000 rs. a duzia e 5oo rs.a garrafa.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l.ooo rs. o molho e
800 rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafoesde 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em magos grandes
com 2o rs. o macinhos a 12o rs. o masso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a bbra e
lo.ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franga a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixcs em latas al,000 rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,ooo rs.
Doce da casca da goiaba a 600 e l,ooo rs. o
caixSo.
les tem perdido. D'unia ralnhrklade :i:n i.t' u-
vel, a Agua Florida entr.tirn Itwpeta da il..-a
deslroe as caspas e imprde 1 s taMftM de tiir
Oleo de FI01 ida
Composto de substancias vegetas! exticas, rite
constile poderosamente, rom a Atoa Fl. rida, a
forea, a hell 7.a e a enn^ervacao dns rnttelln*.
Em Paria, rasa de Quislaur n. \t, ra de Rirba-
lien, e 21, boulevard Mi-ntrnartre.
Todos os frasms, nao leudo intacto e claro, o
tinilire prateailo da casa, sao repuiadn> falsos.
Deposito, ra do Imperador, pliarmaria n. 38k
Ck
O proprietario do grande armazem Unio e Commercio declara aos seus fregn
zea e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos espulou
os mesmos pregos nos seguintes lugares:
Uni&Q e Commercio ra do Queimado n. 7.
O Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 40.
ESCRAYOS FGIDOS.
Fugio na tarde do dia 16 de jnlho p. p. ota
escravo pardo, de boom Mareo, desenitian-adc
do hiate Savia Annn, vindo do Aracaty, leude
de idade 28 annos p naes seguintes : aluna regular, serio do rorpo,
potrea barba, cabello crespo, levnu camisa i
ralea de algodauHiiho de riscado azul echa-
pen de palha, leudo levado comsigo urna ti.mu-
rom mais roupa, e rendido de una das verilhaa
quern o appri-ender qtirira leva-lo a ra da Madn
de Deus n. 38, ou a ra do Bruin n. .Vi, que ser:
recompensado.___________________________
Escrwo fagido
Fugio no dia 7 do corrente o preto Amaneio, de
estatura regular, as duas pernas amarada*, falta
de dentes, representa ter de idade 22 23 annos :
quern u pegar b-ve o a ra do Trapiche, hvlrl da
Europa, qu' ser recompensado^______________
1001 de nrtile*cA\
A qnem capturar o escravo pardo re nonie L-
beraio. fgido ein 16 de outubro corr nt", e de es-
tatura regular iiorm largo dos hombros, nuiar
de 20 annos, er alaranjada, rosto oval rom mar-
cas de espinhas e bexigas, falla pouco e gros^e, rom
pequeo siilaque de gaguet, faltarn-lbes lo toa o
denles da frente e a rabee* que tinha sido rapada>
esta com os cahellns principiando a cresser tena
lugo cima da bsta na caneca orna cicatriz velha;
furtnu na nreasian da fgida urna espmfarda pe-
quena de dous ranos, urn palebU pre'o e eal^a,
ires ditas de brirn de rores, cami>as finas b i.-k
urna bntoes d coral nos punhos e nm de pedr)
branca fingindo hrllhante na aherinn.nma esrov
de facto, urn chapeo de sol de seda rr de caf,
urn par de [mimas, um palrtot de brim ib brua lp
de fita branca e nm chap) de palha de Mamila,
alem da roupa oVIle. Esle esrravo ve.. do Ride
Jani-irn em I i d crreme, nnd>* se aehava aom o
noine de llarriilin'i, muito fujo e costuma quan-
do fge inlituiar-se vre, pertenreu ao na>r JiO
Franci>co do Re;n Maia de Apipn-iH, e boje I
Svrnphronii Oiytnpio de Queiruga tncrador a rn*
Velha n. 35.


Diario ie rerat *> miarla tetra 1 e Oiiinbr t lfl.
i
LITTER ATURA.
0 QUE VAE PELO MUNDO
E.n seguida publicamos o breve que o papa d-
tflgiu ao arcebispo
deiramente christa ; foi por Isso que a egreja sem- Prussia Ihe faga a este respeito urna promessa
pre rcivindicou o direito de vigiar nesses estabeci-
mentos com mais cuidado anda do que nos outros,
prestando-lhe toda a sua solicitude.
A intengo de subtraliir as escolas populares
de Fribourg, por occasio da ao poder da egreja, e as tentativas feitas para a
twmalgacao da lei sobre as escolas primarias no realisar, sao, pois, inspiradas por um espirito de
tau-ducado de Badn : bostiKdade contra ella, e pelo desejo de extinguir
Ao nosso venerare! irmo Hermano, arcebis- entre os povos a luz divina da nossa santa fe I A
410 de Friborgo, era Brisgon, Pi IX, papa. egreja, que fundou estas escolas com tanto disvelo
Veneravel irmao, sade e bencaa apostlica, e as mantevo sempre com tanto zelo, considera-as
t Recebemos de muitos pontos.com grande dr como a rnclhor parle da sua autoridade e do poder
?. BOticU de que, no grande ducado de Badn se ecclesiastico, e qualquer medida cujo resultado for
*>reiaravam,pelo que toca ao novo rgimen das es- urna separago entre essas escolas e a egreja, cau-
clas populares, medidas que poem gravemente sa-lhc, assim como s proprias escolas, o maior
Ca perigo, differentos modos, a educado e insti- damno.
Caifau christa da mocidade, subtrahindo-as cada j Aquelles que pretendera que a egreja deve
vez miis a salutar disciplina e vigilancia da abdicar ou suspender o seu poder moderador, e
egreja catholica : o vosso ardente zelo pela sal- sua acgo salutar sobre as escolas populares, pe-
vagao das almas, o a vossfi, experimentada cons- de-lhe na verdade para violar os mandamentos do
acia cm defender a liberdade o os direitos da seu divino autor e para renunciar ao cumprimento
egrej, davam-nos a seguranza de que havieis de do dever que Ihe foi imposto pelo Supremo, de vi-
cppof urna resistencia enrgica a tudo quanto giar pela salvago de todos os homens.
|)5d< causar o mais ligoiro damno s almas, ou m ,.., .
'., .. tni todos os lugares e em todos os paizes
fde res ringir, de qua quer modo que seja, a i- ftnii so frm. '
T, e onde se formasse, e principa mene onde se execu-
t.e dado do vosso ministerio episcopal. im.,M-iZ.j!i j ,. ...
n ... ,- tasse o pernicioso designio de subtralnr as escolas
O que assim tinhamos como certo tainos pie-1 ail,nrill,j H A -,
:_____.. .._, .. a autoridade da egreja, e onde a mocidade estives-
nameala confirmado pela carta que nos ha veis es-! ,_
. 2 i o se por cnsequencia exposta miscravelmente ao
cria sobre este importante negocio, c pelees-U,^* wrdera f,seriaeertamenlepara.gw
obrigatoria;
a 2." A Austria pede que as vantagens que se
Ihe dizem fazer sejam concordadas, o que sejam
combinadas tambem as bases do tratado que se
ha de concluir entre aquella potencia e o Zollwe-
rein.
amorosamente para
Levante-se. Elle le-
ros e deseen para a lancha que tinbam lanzado ao o nosso glorioso amigo nao ouvlu, disse a
mar. bella passagelra.
Asthon, Christlano e Henrique o acompanharam, E seus olhos, volvendo-se
tres mannheiros dcsceram tambem e pegaram Tonin, pareciam dizer-lhe :
nos remos e a lancha voou em direcgo ao pirata, vantou-se. I
Os bandidos, que tinham escapadoaos tiros de To-| Asthon fingiu que nao reparava nesse incidente,
nin, pegaram nos arcos e flechas envenenadas, para e proseuia assim :
...... ,.,.....konnrniiJ Bebo a lia aterra co onisadora; essa amiga
resistiremaabordagcm: mas a velada lancha.enroia- su o
de todo o mundo. Quando as esquadras comba-
i Estas duas condigSes preliminares, dovemos
considera-las como inacei.ave.s, porque enfraque- daa proa, amorteca as ponas dessas armas selva-
cem directamente o xito br.lhan.e que ate agora gens.e emura abrirfecharde olhos o pirata foi as- ^^ civjlisaa^commanilados ^Mungo-
teve a poltica coamercial da Prussia ; abalara o saltado. Tonin fo. o pnme.ro que o 4Me>n*> Park> alravc?9ava 0 nterior da Afrca para csludar
tratado francez nos seus pontos mais importan.** ; do por escarneo amock e seus comp. nhe.ros oiu es(ar J^
addiam por um lempo indefinido a reforma das xiliaram lanto que, no pi .me.ro impelo da aborda- necesidades commerciaes de lodos os
paula,, e tira completamente Prussia a direccao gem, todos os bandidos Acarara estendidos no tom- versal, e as necesidades commerc.ae, de lodos os
badilho como por cffeito de um temporal do equa- paizes. Essa campanha fo. a mais gloriosa e mais
i terrivel que os homens teem emprchendido ; tive-
ram de percorrer medonhas solid5es.de atravessar
cripta que a ella est junto
Sratimo-uos cheios do alegra em vos ver, ve-
oravol irmo, ainda que avanzado em edade,
combate* generosamente pela egreja e desenvol-
ver agora a mesma coragem, que tendes mostra-
do no resto da vossa carreira episcopal, e pela
qaal tendes merecido, com justos ttulos, uos nos-
Sus elogios e os da santa s. No meio das graves
''I l\q 's que uos opprimem, para nos urna so-
ja urna obrgagfto rigorosa, nao s fazer todos os
esforcos e empregar todos os meios para procurar
a mocidade a instruecao e a educago christa, que
Ihe sao necessarias, mas tambem advertir todos os
fiis e declarar-lhes que nao podem em conscien-
cia frequentar seraelhaules escolas, instituidas con-
tra a egreja catholica.
Felicitamonos extremamente, veneravel ir-
tSQUcio ver que ico de mi-1 m5'da abedoria e energa com que, mantendo-
Mrieordia, da aos bisos, para a defesa do reba- i >8 demente dedicado a doutrina da egreja ca-
ho de Jess Corista, os.soccorros da sua graga F*^ no ,oca mstruegao e educago da
iviua, com lauta mais abundancia, quanto as m0C1dade, haveis combatido no vosso escripto a
abras dos horneas iairagos causam mais damno este respelo, todas as opioioes emiilidas e todas as
a esse mesmo rebauho, nos lempos dolorosos em "ae.d,flM Projcctadas no gro-ducado de Badn, re-
cue nos achamos. lativamente reforma das escolas populares, me-
; dida cuja execugo causara o maior damno edu-
< Nao podo ninguem de certo ignorar que a Caco christa, e destruira absolutamente os di-
riSlfl.e !.1'1.0^?.' .C-0.n(?0' T *? SC'ed!d:e reilos veoeraveis da egreja u'um pontode lograa-
de importancia.
I ..j: se acha cada vez mais reduzida a sua ori
< Cutios os lados paia afastar todos os das mais das
C&sasde eduuagao publica, e.mesmo do seio das
:.::iilas, a santa f, a religio de Christo, a sua
doRtdna de salvago para e para ali opprimir a sua
cga al a tornar impossivel. Estas preniciosas
cucltioagoes, provm, por urna consequencia ne-
ssaria, de todas essas doutrinas detestaveis que,
.. sic, tempos desgragados, temos o sentimento de
ver e.palhir por toda
Estamos persuadidos de que nada despresa-
reis para defender intrpidamente os direitos da
egreja, e para afastar com a maior eautella do en-
sino e da educago dos mancebos, tudo quanto pos-
sa commetter o mais ligeiro ataque firmeza da
sua f, abalar ou alterar a pureza da sua cons-
ciencia religiosa, ou manchar a honestidade dos
seus coslumes, essa honestidade, que s pode pro
aparte e levantar auda- duzir> conservar augmentaba nossa santissi-
Closamente a cabega, com grande detrimento da ma t'
wejjublica christa e da sociedade civil. E' para nos urna poderosa consolagao ver o
c Quando se nega cora impudencia as verda- clero da vossa diocese, fiel sua vocagao e ao seu
Us reveladas de Deus, ou quando se pretende \ dever, desenvolver todo o sea zelo, de accordo
fltibmeUe-laa ao exame da razo humana, desap- j comvosco, para defender os direitos da egreja e do
tjarecc a subordinago das cousas naturaes or- i vosso povo catholico.
41'm oteruo, os seus peosaueutos e as suas aegoes
sao co. Jundus aos lirailes das cousas materiaes e
fugitivas desle muudo. E porijue a egreja oi
Cv>tabelocida pelo seu divino autor como columna
O fuudauenlo da verdade^ para ensinar a todos
0 :, j.nou; a f divina e gu>rdar na sua integri-
C i le o deposito que Ihe foi confiado para dirigr a
sociedade o as aegoes dos homens, e estabelece-
4os ua honestidade dos coslumes e na regularida-
Cs fautores e os propagadores das ms doutrinas
empregam todos os seus esforgos para despojar a
(i/...-acia ecclesiastica da sua autoridade para com
41 sociedade humana.
c Nada despresam, para tornar lodos os dias
riis esireitos os limites, e para afasiar comple-
tamente das instituigoes sociaes todo o poder ec-
Clesiastico, e a acgo secular que, em virtude da
sua iaslituigao divina, a egreja sempre tem exer-
Cido, c ha de sempre exercer nessas instituigoes;
fiaalmenle procuram por todos os meios submet-
Cer as sociedades humanas ao poder absoluto da de i86i, dcimo nono anno do nosso pontificad.
euloridade civil e polilica, segundo a vonlade p0 xt papa.
cpiuiSes do scalo. O Invalido Rusto publica a seguinte ordem
. f___,.-.i dirigida pelo governador militar e civil de Kiew
.Kiopara adm.rar que este fu ***** ^e ^.
Ilio se faca principalmente na educago publica da ,
mocidade; mas. nao se duvide, as maiores des- Contra osregulamentos anteriores,que nao per-
tragas esperara a sociedade em que a educaco mittem aos Israelitas estabelecer-se permanente-
TJulica e particular da mocidade, que tanta in- j mente em Kiew, senlo quando sao negociantes de
fluencia tem na prosperidade da sociedade reli- j primeir classe, muilos individuos desta relieio
osa o da sociedade civil, subtrahida ao poder | aos quaes s permittida urna residencia tempora-
cnoderador da egreja, e a sua acgo salutar.
Assim perde efectivamente a sociedade, pou- !do a titulo de residencia. Um semelhante attenta-
CC a pouco esse verdadeiro espirito christo, que do ordem establecida pela lei provocou, no fim
* ella pode conservar de urna maneira da.adou- do anno panado, da parte da autoridado local, um
ca os fundamentos da ordem e da tranquillidade aviso ordenando a todos os judeus residentes
publica, procurar e regular o verdadeiro e til | galmente em K.ew, qne
jpiogresso da civilisago, e fenecer aos homens
da poltica do Zolhverein.
Em presenga desras apparencias inquietado-
ras, maulemos com energa a nossa anterior opi-
no quede novo reprodnzimos, rom quanto seja
bem conhecida de V. Exc. Nao podemos desejar
urna renovagao do Zollwerein seno debaixo da
supposigo expressa : Io, que a organisaeao do
Zollwerein approve urna modificago radical, al-
tendendo mais aos interesses prussianos ; 2, que
o tratado de commercio concluido com a Franca
sejaexecutado com todas as disposigoes essenciaes,
e que nao soffra modificago alguma, especial-
mente o artigo 31, que to importante.
N'uma unio adnaneira cora' a Austria, nao
vemos beneficio alg.im para o systeraa protector, e
como os valores esto n'um estado de fluctuagao
continua, nao podemos ver seno tratados com
tendencia para a livre troca, a garanta de um
desenvolvimento econmico salutar de qualquer
estado, e especialmente das provincias orieataes,
devidamente comprometidas at agora pelo sysle-
ma proteccionista que tem existido no Zollwerein.
Koenigsberg, o de setembro de 1865.O syn-
dicato do commercio.
Em seguida publicamos os tres decretos pro-
mulgados em Madrid, concedendo urna amnista a
todos os crimes de imprensa, perdoando as mul-
las impostas aos jornaes polticos, e dissolvendo a
cmara dos deputados :
Presidencia do conselho de ministresBelalo-
ri9.Senhora. Circunstancias conhecidas por to-
dos exacerbaran! as paixoes- polticas nos ltimos
tempos, e nao estranho que a imprensa s vezes
fosse a expresso d'ellas, pois que o das opi-
oioes dos partidos militantes. Tambem era natu-
ral que os governos, enearregados do cumprimen-
to da lei e da conservago da ordem publica-, em-
pregassem a represso, levando ante os trieunaes
aquelles que haviam abusado da imprensa.
Porm vossa magestade, eleyando-se sempre
superior aos partidos polticos, inaccessivel as
patanes destes, o U30 da sua real prerogativa para
a applicar na occasio quejulga nao poder o seu
exercicio prejudicar a acgo governativa. Conhe-
cendu isto o vosso governo, e inspirado pelos altos
e nobles seutiniL'uijs- de vossa magestade, de ac-
cordo com o conselho de ministros, tenho a honra
de propor a vossa magestade o seguinte projeeto
de decreto>
f Madrid, 21 de setembro de 180isO duque de
Valencia.
f Artigo i. E concedida amnista a todos os
crimes de imprensa coramettldos at publicago
do actual decreto.
< Art. 2. Desde ja se deve sobrestar em todas
as causas pendentes, e nao se instauraro oulras
por taes crimes, nem suas consequencias.
i Art. 3. Os ministros, a quem competir, faro
expedir as convlenieates ordens para inteira exe-
cuc.no doste dacralo.
c Dado no pataco- real aos 21 de setembro de
1864 Com a rubrica real.Romao Alaria Nar-
vaez.
Presidencia do conselho de ministros Usan-
do da prerogativa que me concede o artigo 36.* da
constittticao da monarch.a, e conformando-me com
o parecer do couseiho de ministros ; hei por bem
decretar o seguinte :
c Art. 1.a dissolvida a cmara dos deputa
dos.
i 2. As eleigoes devem verificar-se seguado a
actual lei eleitoral.
c Art. 3." As novas cortes devero reunir-se na
capital da mouarchia no dia 22 de dezembro do
actual anno.
t Dado no palacio real aos 22 de setembro de
1864.(Com a rubrica real.) -O presidente, do con-
selho de ministros, Homao ilaiia Narvaez. >
c Attendendo s razos que movaram o real
decreto, concedendo amnisto aos crimes de m-
prensa, couformando-me cun a proposta do conse-
ria e determinada nesta cidade, tem-se estableci. Iho de ministros: hei por bem decretar o se-
guinte
dor.
Do navio dinamarquez parliram applausos e cx-
rlos e lagos sem nome, de lular com os cannibaes,
Nao nos alegramos menos em saber que esse
povo fiel, animado dos melhores sentiraentos no
que toca educago catholica dos seus filhos, nada
tem mais a peito do- que ve-Ios educar as escolas
dirigidas pela egreja catholica.
Elevando os nossos olhos para o Senher nosso
Deus, imploramos-lhe, com humildade e com todas
as nossas largas, que, na abundancia da sua divi-
na graga, se digne auxiliar vos sempre, e sftr-vos
propicio ; a vos, veneravel irmao, assim como ao
vosso clero e a esse povo del. Que todos, fqrlaleci-
dos com o auxilio supremo, nao deixem de r.nm-
bater com ardor, debaixo da vossa direccao, pela
causa da santa egreja.
< Como presagio desta auxilio celeste, e como
garanta da benevolencia particular que merecis
ao Senhor, vos concedemos com amor e do fundo
do corago, veneravel irmo, e a todos os fiis, ec-
clesiasticos e seculares confiados vossa solicita-
de, a bengo apostlica.
Dado em Boma, junto de S. Pedro, 14 de julho
clamagoes de alegra. i osaDmaes ferozes de expor.se a9 ebres mortferas
Por ordem de Tonin, os tres mannheiros de.ta- ^ regi5es>solIrer todoso3norroresdasdee da
ram ao mar os cadveres dos bandidos, a pequea ^ ^ arejas ^ ^^ de|>ajxo de um ^ a_
embarcago foi rebocada pela lancha, e depois brasador As sepu|turas dos martyres desSa glo-
amarrada na popa do navio dinamarquez. rosa expediego, l esto as numerosas florestas de
Trafalgar foi o primeiro que subi para bordo, DcnU|a e fc Fouladon> e Das ardeu,es planicies de
todo desmantelado pelo conflicto, e, quando enegou yamma e de ^ ssas gepu|tura3 servir5o al.
ao ultimo degrao da escada, quasi exp.rou no me.o gam dja fc marco numanida(lt Has tarbarM zo.
do seu triompho; dous bragos de mulher o aper- ^ ^ ^ ^ pene(rar a civj|jsa(.ri0 chTSla
taram, e um beijo de fogo abrasou-lhe a taee : era s convjvas ^^ com app|ausos esse brjn.
a bella passageira que prem.ava o vencedor | de dQ q mMro de MuDg0.Parkj e o pro-
Henrique vinha atrs de Tonto e a moga langou- ^ admirott.se da e 3o |nc a itava a
se-lhe nos bragos exclamando : .Mea bom irmao I ai dag |g ^ JJJ^ os ^
meu querido Henrique I
A patavra irmao reslituio a Ton as forgas que
perder com o abrago doce e to inesperado ; ello
agarrou pressuroso na mo de Henrique, e per-
guntou-lhe :
E' sua irma ?
Sira, respondeu a moga, sou sua irmaa. Ago-
ra seria um crime mentir em sua presenca, quan-
do o senhor, abaixo de Deas, acaba de nos- salvar.
Todos os passageiros, e o eapito frente delles
correram para apenar a mo a Trafalgar, e o man'
cebo pareca nao comprehender o sentido das felij
citagoes que Ihe prodigalsavam, j nao se lembra-
va da victoria ; tres palavras : sua irmaa; ade-
javara-lhe nos labios e oceupavam exclusivamente
o seu espirito. De repente, veiu um outro pensa-
raento perturbar a sua alegra. Essa mulher era
iogleza, eu irmo era um immigo da Franca ;
seus eompanbeiros de victoria eram dous Inglezes,
dous homens cujas raaos era preciso apertar com a
effuso da amizade. Como poda conciliar a sua
nova posigo com os juramentos que fizera em Tra-
falgar e em Cdiz? que carta cheia de mentiras
escrevera a Donnadieu?
os soccorros de que carecem para alcangar o seu
ltimo fim, depoi's da sua passagem nesla vida
mortal, isto para obter a salvago eterna.
e Um ensino, que s se orenpa da sciencia das
ceusas naturae^s e dos fins da sociedade terrestre,
cas que cada vez mais se afasia das verdades re-
voladas de Deus, cahe ineviiavelraente debaixo do
Jugo do espirito do erro e da mentira, e urna edu-
caco que, sem o auxilio da doutrina e da f mo-
ral christa, pretende formar os espiritas e os co-
agoes dos mancebos, de urna natureza to tenra,
e lo susceplives de serem voltados para o mal,
deve necessarinmente organisar urna raga entre-
pie, sem freio, s ms paixoes e ao orgulho da
*ua razo ; e gerages assim educadas nao podem
lias e ao estado.
* Mas se este detestavel modo de ensino, sepa-
rado da f catholica e do poder da egreja, urna
riera de males para os particulares e para a so-
Ciadade, quando se trata do ensino das lettras o
tas gciencias, e da educago que as classes eleva-
das da sociedade dao as escolas publicas, quem
cao v que o mesmo methodo ha de produzir re-
sultados muito mais funestos, se fr apphcado s
escolas populares T E' principalmente nessas es-
colas que os Olhos do povo de todas as condigoes
flevem ser, desde a sua tenra infancia, cuidadosa-
mente Instruidos dos mysterios e dos preceitos da
nossa santa religio, e formados com diligencia
ara a piedade, integridade de costumes, religio e
honestidade da vida.
Nessas escolas, a doutrina religiosa deve oc-
upar o primeiro lugar em tudo quanto diz respei-
to, seja educago, seja ao ensino, e dominar de
tal maneira que os deraais conhecimentos dados
a mocidade ali sejam considerados como accesso-
rios.
< A mocidade acha-se, pois, exposta aos maio-
ces perigos quando nessas escolas a educaco nao
e.-tiver intimamente lixada doutrina religiosa.
As esrolas populares sao priocipalmente estabele-
Idas para dar ao povo um ensino religioso, para
educar na compaixo e na disciplina moral verda"
abandonassem a
at o Io de margo de 1864, e determlnava que os
recalcitrantes fossem conduzidos, por medida de
polica, aos pontos onde teem os seus registros.
t Agora chegou ao meu conhecimento que os
Israelitas illegalmente e?tabelecidos em Kiew, ou!
por incuria da polica, ou por connivencia e tole-
rancia criminosa de alguns agentes dessa admiuis-
trago, passam, como se fossem de passeio, de um
bairro para o oulro da Cidade, e contiuuam a per-
manecer all, sem pensar em partir, quando de-
veriam ter j sido transferidos para os localidades
onde esto inscriptos como habitantes.
Por consequencia, quera tomar a seu cargo as
seguintes disposiges : Io, declarar aos Israelitas
que residem illegalmente em Kiew, que devem
abandonar a cidade no espago de tres dias ; 2o, de-
pois de ter expirado este praZo de tres dias, cassar
OS pasaportes aos I.-raelilas que se nao conforma-
ren) com esta resolugo, dando-lhe em troca fo-
Ihas com o ilenerario que devem seguir, indicando
todos os sigues; forga-Ios no espago de tres dias
a sahirem de Kiew: mandando os seus passapor-
tes pelo primeiro correio autoridade do ponto
onde estivero seu registro ; 3, chamar perante os
tribunaes, como incursos as penas em que incor-
rem os vagabundos, os Israelitas, que tendo rece-
tado a folha de marcha nao tiverem sahido de
Kiew.
t Kiew, em 13 de agosto de 1864.O general
Kaznakow. >
t Art. 1." Sao perdoadas todas as multas impos-
tas, desde 1 dejaue.ro de 1837 al lio je, aos pe;
ille- riodicos polticos que se publicam actualmente, e
cidade
mesmo aos que j cessaram de se publicar desde
aquella data.
t Art. 2." Sero liquidadas immedialamenle to-
das as mullas que ja tiverem sido salisfeitas, e se
verificar a suarestituigo, para cumprir as dispo-
sigoss deste decreto, logo que se obtenha do corpo
legislativo o respectivo crdito, para cujo fira o go-
verno apreseniar s cortes, na prxima legislatu-
ra, o respectivo projeeto de deertto.
< Dade no palacio real, aos 22 de setembro do
1864.f"Com a rubrica real). O presidente do
conselho de ministros.-flomao ufara Narvaez.
Ministerio do reino.Para cabal execugo do
disposto no arligo 3." do real decreto d'esta data,
attendendo s razoes ex postas pelo ministro do rei-
no, e conformando-me com o parecer do conselho
de ministros ; hei por bem decretar o seguinte :
t Arligo nico. As eleigoes geraes para deputa-
dos as corles ho de se realisar no dia 22 de no-
vembro prximo futuro,
c Dado no palacio real, aos de 22 de setembro
de 1864. (Com a rubrica real).O ministro
reino, Luiz Gonsalves Brabo.*
do
O syndico do commercio em Koenigsberg,
dirigiu o seguinte documento ao minisjro do com-
mercio :
TRAFALGAR.
v
0 PIRATA.
(Contiuuago.)
O l da tartana grilou-lhes Trafalgar como
se elle* o comprehendessem : O l 'Cestiaris Saon
ngue chin t sou en que grito amock. (3)
O pirata continuava a avangar para o navio di-
0 eapito e os passageiros assustaram-se vista
dessa meditativa immobilidade, e ergueu-se roda
de Tonin esta geral exclamarlo :
Est ferido f
O joven offh'ial pareceu despertar sobresaltado, e
respondeu sorriado :
Qual! s os iaeptos- qae se ferem as ba-
t al has.
E entretanto, eu nao sou inepto, disse As-
then que ohegava, mostrando urna ferida no
brago.
Ah I meu Deus exclamen Tonin.
Nao nada, disse o joven inglez.
E' a morte, replicn Tonin.
E, segurando no brago de Asthon, chupou com
forga a ferida, pediu fogo ao cezinheiro, cauteri-
sou-a, tomou am bochecho de rhum, langou-o ao
mar, e disse :
Agora est, salvo.
Todas as testemunhas desta scena applaudiram
com palmas.
Trafalgar reflectiu um momento, e disse comsgo
mesmo : Met su la bugaio I (1)
Salvar a vida a um inglez !
n comban, que s dava na alma de Tonin entre
os eus escrpulos e o seu amor, era muito mais
terrivel do que o do pirata, e elle resolveu esperar
pela calma e a solido para descubrir um remedio
que Ihe trauquillisasse a consciencia quando nao
podesse extinguir o amor.
O eapito, ebrio de prazer e de rhum, arrastou-o
para a mesa que se tinha posto debaixo de um tol-
do e que a sua genero&idade cobrira de todas as
bebidas dos dous mundos. Ahi, marinheros e pas-
sageiros, festejavam a victoria; at o piloto aban-
donou o leme, pois reinava em tudo a maior ealma,
e o navio eslava immovel como urna ilha feita de
madeira.
Depois de um curte crepsculo, anouteceu de
repente, c as grandes conteMacoes da IndJa appare-
ceram abrasando o cu, e reflectindo-se no mar. O
perfumado banho do ocano purilicava os jovens
mannheiros dos vestigios do combato, e o eapito
preparava-lhes no tombadilho um bello feslim,
luz do Cruzeiro do Sul e do seu cortejo de estrel-
las. O ceu pareca mandar a luz do da trra de-
pois de recolhido o sol.
Nesse festim, prudigalisaram-se brindes, e o jo-
ven Trafalgar, sobrio como todos os Provngaos,
viu-se obrigado a sahir dos seus hbitos de tempe-
ranga para acompanhar os outros convivas. A sua
i-abeca meridional, ja de natureza volcnica, nao
precisava do auxilio das libagoes ; quando chegou
sobremesa, j ella arda no fogo da embriaguez.
Achava-se sentado ao. lado da bella passageira, e
mais que nunca esiuecra a Inglaterra seus jura-
mentos, seus escrpulos, e o senamipn Donnadieu;
pela primeir vez fallava essa linguagem da paixo
que, no idioma inglez, tem ineffaveis ducuras, como
se a aspereza saxonia fosse buscar ao repertorio do
amor a meloda italiana. Tcria guardado respei-
toso silencio em presenga da mulher de Henrique,
seu compauheiro de anuas, mas j nao haviam re-
servas a guardar para com urna moga senhora de
si, que prestava complacentes ouvidos as apaixona-
das declaragoes, at pareca ouvi-las cora en-
levo.
Veiu ainda um novo incidente perturbar a cons-
ciencia de Trafalgar, e derramar fel na taga em
que elle saboreava o bello viaho de Conslanga, ao
lado da adoravel Liza.
Asthon, o companheiro de Mungo-Park, tomou a
palavra e disse : *
Deitem nos copos vinho do Porto.
O eapito encheu os copos do vnho tao caro aos
Inglezes.
- Meus amigos, proseguiu Asthon, proponho
um briude velha Inglaterra !
Levanlaram-se todos os convivas, excepto Tra
falgar.
Bravo I isto vae muito bem, tnurmurava
Tonin enxugando os olhos: se assim contina,
dentro em pouco estou completamente inglez, eu-
Trafalgar I ecantarei oGod save the hing quando
quizergrilar viva o imperador I Ah I nao estou
contente com o meu procedlraento Decididamen-
te nao escrevo a Donnadieu.
Em quantoassim fallava comsgo mesmo, To-
nin nao ouvia urna doce voz qae fazia ao Inglez
Asthon este pedido :
Sr. Astho, eu gosto muito de historias de
leoes, e Sr. deve saber muitas- porque vem da
trra delles; conte-nos urna, mas que seja bem
divertida.
Sim, sim, disserara todos os coavivas, vcaba
ama histbria de leoes I
Com muito gosto, meus amigos disse Asthon,
accendende um charuto de Manilba:
Oh I' que bello J' disse a moga. Escute, Sr.
Tonin, e nao esteja fallando sosinho se quer que
o amem.
Essas ultimas palavras tarara ditas ao ouvdo
de Tonin em ar de confidencia.
E aecrescentou ainda mais baxc, -'porm em
voz bem distincta :
Gosto muito dos leoes, porque sao corajosos
e bons; sao os Francezes dos animaes.
Os passageiros formaran) um circulo roda da
mesa. Liza, Iluminada pelo brilho das estrellas,
encostou na-mesa os colovellos ns, e apoiou so-
bre as mos oqueixo de alabastro para tomar a
posigo mata commoda afira de ouvir, eAsthoa
comegou o seu cont.
(Continuai^-ie-ha.)
UM POLCO DE TUDO.
L-se na Opinin Nacional :
Ainda um grande corago que a morte vae
gelar.
Sabemos que o coude Joo Ledachowskij o Ns-
tor da emigrago polaca, est n'um estado des-
esperado.
Apezar da sua muita edade, 78 annos, nao hesi-
tou em ir o anno passado a Polonia. A dolorosa
sorte da iosurreigao nacional, quebrou-lhe os lti-
mos alentos da sua vida.
Emquanto que esta existencia toda consagrada
inum rta Polonia, se extingue, entre ns, o fa-
moso procnsul de Vilna, o general Mourawieff,
chega a Paris onde vem sem duvida descangar das
suas fadigas.
Dizem de Madrid, em 5 de setembro, ao Dr.oil :
D. Joo Nepomuceno Fernandez, proprietaro e
medico destnelo de Malaga, ia, na segunda-feira
de tarde, para a sua casa de oampo, situada em
Alnogia, acompanhadu de sua sobnnha, de um cu-
ra seu amigo e tres criados.
Era mais um passeio que urna viagem.
Quando chega va m encesta do Romeral, ouvi-
rara o grito, muitas vezes repetido, deAlto ahi !
e em seguida virara desembocar de um atalho da
montanha dous homens a cavado e cinco a p, ar-
mados com trabucos, pistolas e facas.
Os bandidos fizeram deitar com a bocea contra
a te ra o medico, a sobrinha e o cura, ameagan-
do-os com a morte, se dssem o menor grito ou S-
zessem o mais pequeo signal de resistencia.
Quando os salteadores virara que as suas victi-
mas se coaservavam inoffensivas, ordenarain ao
medico que se levantasse, e disseram-lbe que o le-
vavara e que o nao restituala a liberdade, seno
mediauta ura resgate de8,0U0 duros.
O cura e os criados murmuraram entao algumas
palavras de protesto coutra esta exigencia, porm
todo o bando je voltou cuiiira elles as pancadas, e
o Dr. Fernandez, para por lim a esta execugo,
prometteu aos seus raptores manda?-lhes entregar
Em 1713 o pessoal da Grande Opera 'nmpuin.
se de 126 artistas, cojos vencimeuos aaaa*
montaram somma de 67,090 francos.
Hoje esta somma bastara apenas para pagar a
urna bailarina de mrito.
Em resposta poesa do Sr. Tobas Barreta >
Menezes, intituladaA vista do Recift,oflerecKt,
aos Pernambucanos, e que publicamos aqu, tktm
a seguinte o Sr. J. M. AlvesCavalcanti :
Saudas!.'. poeta, um dia,
Talvez n'um sonbo doirado.
Do llecife a galhanlia,
O nome de um povo oosado
Achaste na sua historia
Muito sangue e muita gloria.
Em cada baque on victoria
Muito hroe sacrificado!
Este povo qoe descanra
Como o dormente leo
E' a imagem da honanca,
Que procede ao faraco ;
Disseste bem, tem guardad*-
Magoas de eras passadas
as dobras ensanguentada-
Do seu nobre corago.
Faltaste como poeta.
Fallaste romo quem sent.
Do real tocaste a meta.
Que o poeta nunca mente ;
Sectario da liberdade.
Divisa da nossa edade,
T doiraste a heroicidade
No ten fallar puro, ardente.
Foi grande teu pensamento
Quando ausente dos teas lares
Erigiste um monumento
A' linda (llha dos mares.
Eu te bemdigo, en te louvo
Em nome c do meu povo.
Vulto nobre, inda que novo.
Sobre a trra dos palmares.
Nao penses que as tuas vozes
Foram perdidas alm,
Sentimentos to atrozes
Um povo bravo nao tem ;
Sentimenlos d'um here
Corrupta lei nao destre,
Quem morrendo diznao de
Gratido guarda e conten.
Entra pois nesses comicios
Ters o povo por ti,
Que teus versos tribunicios
Aprende e repete ahi,
Os leus versos qae levados
Pelos chos roagoados
as campas dos fuzilados
Penetram talvezali.
Em vivo prazer desfeiio
Don-te um bravo sobre-human >
Soberba o sangue ev mea peto *
Por aascer fWMMM ,
Da patria sobre o regago
Tens o bolo meu escaseo
Eu te sado e te abraco,
Meu nobre irmo Sergipano
Descanga no teu futuro,
Que leu astro e toa lei.
Gigante firme e segaro
No templo da nova grey ;
Teu Sergipe, qoe te aguarda.
Suas gracas nao retarda ;
Pernambueo, este te guarda
As heneaos de um poro rei.
No Commercio do Porto l-se o que segae
O intendente das proprie^rt/s que lordPaMMr
ton possue no rondado de Silg1, na Irtaada, iwor-
reu na proscripcae votada por ama das assoeiaces
secretas que ligam os aldeaos n'um odio ceeaaoa
contra os propietarios e seos agentes.
Mr. Fox, qne o intendente de lord Painwrv
ton, recebeu urna carta ameagadon. aoau
do-lhe que a sua morte fura decidida, e que swia
morto como um cao, se nao deixasse o pa pan
nao voltar.
Estas ameagas prenden com o facto da itpui-
so que Mr. Fox, teve de fazer de docs easeiros. jue
nao pagavam a renda.
namarquez, que pareca eiUridefendido por um p& ^ ^ ^^.^ pfiJo ^^ pa(.a,
nico homem. Vase na proa aequipagem de phlra',,ear assltn es(:e rjfa0 da-gente do sul : Mais
salteadores do mar ; estavara agglomerados como roupn suja que mundo para a varrella I
- Em presenga das asserges unnimes dos jor- panlheras negras em uma jau|a Sem tacto. I Os Provengas e.os Gasces de Levasscr dizem :
naes. assegorando que o governo fizera ao gabine-1 Com Inimilavel deslreM e rapidez> Tonin fez S^^ft.^S.ft JBiS
te austraco concessss commerciaes, a respeito ^ com l0(lag ag caraj)naSj uma por araa, 03 Verguiaud, os Montasqnieii, os Girondinos, nao
das quaes dizem ter lugar negoclages antes ^o | e tirando do seu arsenal de Cdiz uma dessas es- se serviam desses estupidos dictados. Quando per
lodeoulubro.julgarao.nos obrigados a fazer a padas neppaDhlas de fin0 ac0, e terrlveis como ^ff^Z^'!X!^^^
longos punhaes, fez um aceno aos seus companhei- nh)m de ,n;tls orJKna| nassuas expressoes. Tendo
(3) Ngue ckm o maior Insulto que nm mari- a pretengao de conhecer nHhor os men* compa
seguinte declarago :
< As duas cngoes preliminares apresentadas
no despacho austraco de 28 de julho ultimo sao
as segrales :
f 1.* A Austria sustenta o Om de nma nmo
aduaneira futura com o Zollwerein, e exige que a
nhei'ro pr'ovengal pede dirigir a qualquer navio. trilas do que Levassor e alguns vaudevillitlat eu
Amock o.gritaido Maiaio qnando se precipita teotal, n-sta hisi-ma. descrever um desses verda-
netas ras, armado de dous ciicA, para malar a deiros manoiioiros Provencaes, que por sua nato-
iodos que encontra. E' o cao hydrophobo da la- ral "el'^'I' ^L^L T^JL"^= *V *ra
dia.
elevaram. Nao faltam typos desse-s.
a somma eligida.
Os salteadores consullaram-se para saber se le-
varan) tambem a sobrinha para as montanhas,
mas depois de uma violenta djscusso, o ehefe re-
seiveu que a joven senhora pedia voltar para Ma-
laga com o cura e dous dos criados, e que o tercei-
ro acompanharia seu amo at ao sitio onde o res-
gate devia ser pago no prazo de dez dias.
Este incidente causou grande sensagao em Ma-
laga, nao obstante serem estes tactos frequentes no
palz. A familia do doutor trata de reunir a somma
para o resgate, em qoanto que a autoridade pro-
cura descobrir a pisadas dos raptores.
O Manchester Guardian d a segonte noticia :
Pela meia noute de li do crreme teve lugar
um terrivel choque entre dous trens peno de Brad-
ford, na estago de Laister-Dyke, no caminho de
ferro de Leeds.
A' chegada do trena expresso de Dnncaster, fo-
ram separados dous wagons que tinham de segutr
pelo ramal de Bradford. A primeir parte do
trem, munida de uma lanterna de signal, foi expe-
dida para Hahfax, e os dous wagons, onde se
achavam de trinta a quarenta viajante, foram dei-
xados na via principal sem signal de especie al-
guma.
Vinde nessa occasio de Bradford um comboio
de wagons vasios, o empregado dos signaes, que
tinha visto affastar-se a primenra parte do trem
com a lanterna wmelha, ignorando que na oulra
linhatlvessem loado dous wagons, nao fez signal
nenhum. Alguns minutos depois, chegava o com-
bftio de wagons vasios, e la de encontr aos dons
wagons solados, dostruindo-os com um estroudo
horrivel.
Q.ia tolos os desgragdos viajantes encerrados
nestas carruagens. ficaram morios ou gravemente
(endos.
*
L-se n'um jornal francez :
Os generaes russo; expulsaran do ..
300:000 Circasianos qoe solicitaran asyio ae im-
perio otlomano.
O sulio trata de os estabelecer aa Sania, po-
rm os Bosaianos, allegando a diflVreaca da n>
gua, religio e raga, nao os qoerem no sos pnc, e
dirigirn) ao sulto um proteste contra o estafcete-
cimento dos exilados Circas>iaoos na Bosa.
No omtanto, mister qne os infciijps expnra-
dos habitem e respirem em alguma parte.
*
En uma das ultimas ses.-ees da academia das
scieacias moraes e polticas, Mr. Hueseo, direri r
geral da administrage de beaeiccia paMn*
apresentou um interessante trabalho sobre o ^fa-
do aclual da poputagj indigente qneem l'u-
cebe soccorros domiciliarios por intermedio das
respectivas repartigoes.
E' o reverso da medalha aa grande e brtihant-e
Paris.
N'uma poputago de 1,700:000 nabitaoMs, ata-
jados era mais de 55:000casas, npirtidm w uau
superficie de 7:430 heciares, a capital da Praeca
conta 101:73-1 indigentes que recebis das ra*a-.
de beneficencia soccorros ordinarios, aaaaaes, ex
traordinarios ou temporarios.
Mais de 40:000 familias representan esta popo
lago indigenie, que participa dos soccorros daca-
noade publica : 28:000 cnefes destas famtas saa
dos departamentos, peno de 2:000 triagiiieni a
10:000 de Paris.

O sulio Abdul-Azis, sabeado que o principe Ma
rat e a sua familia am viajar aa Palestina, em er
dem ao pachalick de Damasco, a que
Jerusalcm para recebero principe fnacez
as matares honras.
A anuya cidade de Jeru>alem era eoostruia
bre muitas colimas, di-posus en
sendo as principaes Sioa e Aera. A m ama
valle de Hinnou e o bairro Mnplu; a B. valla
de Josapbt e o mele Munab.
A parte da cidade situada aa monlinai a San
cbamava-se cidade de arid. Elsna aa pala-
cio de David e mais tardo o palacio de Rerodr< :.
cidadella Antonia.
Mu iiiuiiie Munah estava o magnifico TcmpL di
Salomo,
A poi.ulago de Jerusalem era, ao tena* da i
vasu de Atax^odre de 12U:000
ti'je apeiid 13:00U, e nao ten nada i
espleudur, sendo couiiudo, a teda ia m* paanar-
cha armenio.
Tem arada altas muralhas can aneias e guar-
necidas de terrea, e um grande numero nana-
A egreja do Sauto Sepulcro om na be*
moiiuineuio e depois delta a rananli de Onar
O rei da Italia e o imperador da Aastria an
ainda o titulo de rei de Jerusalen.

PERNAMBUt.-TYP. DE M P. DK W. *
MUTILADO
JPJHk,
BnnULClMMtlMnT
Iii
njnjnnaaunnnai


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E46N1WN18_0CPTCK INGEST_TIME 2013-08-27T22:15:51Z PACKAGE AA00011611_10496
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES