Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10495


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AMO ILJOipO 239.
Por tres Mezes adan tados 51000
Por tres ezes vencidos 6&000
Porle ao corrcio por tres mezes. 5750
TERCA FEIRA | g OOTOBRO BE 1884.
Por ajino abastado. ... i i 9$000
Porte ao correio por ara anoo 3$00U
ENCARRiGADCS A sUBoCRlPCO NO NORiE
Paranyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, 0 Sr. Antouio Marques da Silva; Aracaty.o
8r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C.; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
INGARRKGADOS DA 8UBSCRIPCAO NO SUL.
Aiagas, o Sr. Claudino Falco Dias; Bahia, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins Gasparino.
1/R.BjA DOa fialAFIAd.
Olinda, Cabo e Escada todos os ias.
lguarassu*, Goyanna e Parahyba o segundas a
sextas-ferra.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Borato, Caruar,
Altinho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacarat.Cabrob,
Boa Vista, Ouncury e Exu as quartas feiras.
Sennhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una,Barrei-
rS|Agua Preta o Pimenteiras as quintas feiras.
lina de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
Todos os estafetas partem ao V dia.
EPHEMERIDES D0 HEZ DE <)UTiBRO
8 Quarto cresc. a 1 n., 17 m. e30s. da t
15 La cheia as 4 b., 55 m. o 38 si da m
22 Quarto ming. as 8 h., 59 m. e 48] s. da ra.
30 La nova a 1 h., 8 m. e 26 s. da l.
PRIAMAR DB BOJB. |
Primeira as B horas e 18 minutos da manha.
Segunda as 5 horas 42 minutos 4a larde
PARTE SFFIG1AL
OTORRO DA rtOTHOi
Expediento do dia 11 de entubro de 1864.
Ollicio ao Exm. presidente da provincia das
Alagas.Accuso recebido com o cilicio de 29 de setembro ultimo, 2 exemplares do relato-
rio que V. Exc. apresentou assembla legislativa
dessa provincia, uo acto de sua installaco no dia
3 de maio ultimo.
Dito ao Exm. presidente da Associaco Commer-
cial Beneficente. Pera salisfazer ao disposto no
aviso da repai ligao da agricultura, commercio e
obras publica* Je 28 de setenibro ultimo, informe
V. Exc. se deixando de tocar em Tamandar os
vapores da compauhia Pernambucana, indo alias ao
Rio Formoso, pode com effeito o porto de Taman-
dar, sein grande transtorno, prescindir dobenei-*
co de que se acha de posse, e se o Rio Formoso
carece delle ; ou mesmo se feta a alterago a van-
tagem que este obtiver, compensar o prejuizoque
aquelle tiver de soffrer.Iguaeslnformaces fflram
pedidas s thesourarias de fazenda "e provin
cial.
Dito ao coronel commandante das armas. Ex-
peca V. S. as suas ordens, para que o alferes do
2* oatalhao de iufantana Joaquim Americo da Sil
va, siga para a provincia da Bahia na primeira
opportunidade, aflm de depor como testemnnha do
conselho de investigacao a que tem de responder o
capito do 8o batalhao da mesma arma, Francisco
Antonio de Carvalbo, como determinou o Exm. Sr.
ministro da guerra em aviso de 21 de setembro ul-
timo.
Dito ao mesmo. Mande V. S. juntar ao incluso
requerimenlo do 2 sargento do 9o batalhao de in-
fantaria, Joo Jos Cesar de Lima, a eertdo que
exige o Exm. Sr. ministro da guerra no aviso de
30 de setembro ultimo, constante da copia in-
clusa.
Dito ao mesmo. Mande V. S. passar ao tambor
do 4o batalhao de artilharia a p Jo Victorino da
Silva, e o soldado do 9o batalhao de infantaria Joo
Vicente dos Santos, segundas vas dos ttulos de
voluntarios, como determinou o Exm. Sr. ministro
da guerra, em avisos do 1 e 3 do corrente.
Dito ao mesmo. Informe V. S. acerca do que
pede Pedro de Araujo Cavaleanti no incluso reque-
rimeuto.
Dito ao mesmo.Commnnicando-mc o Exm Sr.
ministro da guerra em aviso de 5 do rorrente, que
ao coronel do corpo de estado-maior de 2* classe
Anlonio Gomes Leal, que tem de responder a ron-
selho de guerra, se concedeu por menagem a capi-
tal desta provincia, at Gnal decisio do consclho
supremo mHitar de jostiga sobre o respectivo pro-
cesso ; bem como que se expedio ordem para vir
4a Babia para aqu o 2o cirurgio do corpo de
saiide do exercilo Silvino de Bastos Varella, aOm
de depor como testemunha no referido conselho
de guerra ; a.-.-nn o fago constar a V. S. para seu
conhe! rneiito.
Dito ao mesmo.Remeti incluso o processo do
conselho de investigacao feito ao tenente reforma-
do do exercilo Hennque Tiberio Capistrano, para
que, V. S. mande instaurar como se determina no
aviso da repartigao da guerra de 5 do crrente,
constante da copia junta, o conselho de guerra que
deve julgar o referido tenente.
Dito ao mesmo. Transmuto incluso V. S. a
f de ofllcio do coronel do corpo de estado-maior
de 2'classe Antonio Gomes Leal, aflm de ser an-
nexa ao conselho de guerra a|que tem elle de res-
ponder, como duterminou em aviso de 4 do cor-
rente.
Dito ao mesmo.Remello incluso V. S. o pro-
cesso do conselho de investigado feito ao coronel
do estado-maior de 2" classe Antonio Gomes Leal,
alim de servir de corpo de delicio no conselho de
guerra a que, na forma do aviso da reparticao da
guerra de i do crreme, constante da copia inclu-
sa, deve responder o mesmo coronel, o qual re-
gressou da corle paraesla provincia, conforme de-
clara no citado aviso.
Dito ao mesmo. Transmiti V. S. 5 processos
de conselho de guerra dos soldados constantes da|
relago junta, alim de seren cumpridas as senten-;
fas nelles proferidas pelo conselho supremo militar
de jastica.
ito ao inspector da thesouraria de fazenda. i
Constando de aviso da repartigao da guerra de 6
do correte, que o tenente reformado Epiphanio
Borges de Menezes Doria, lem direito a etape, em
quanto estiver preso para conselho de guerra, como
de lei, visto que j esta va no go/.o dessa vanta-
gein quanlo Fui preso ; assim o communico V. S.
para seu conliecimenlo e execucao.
Dito ao mesmo.Declaro V. S para seu co-
nhecimenlo. o alim de que o faca couslar a quem
competir, que com aviso do ministerio da fazenda
de 6 do corrente, me foi remedido o decreto, no-
meamlo I- conferenle da alfandeg.i desta provin-
cia, o 2" conferenle Jos Miguel de Lira.
Dito ao mesmo. De ronformidade com o que
determina o Exm. Sr. ministro da guerra em aviso
de 3 do corrente, unto por copia, d V. S. as com-
petentes ordens para que seanulle a carga queem
virtude de ontro aviso de 16 dejunbo ultimo, se
mandou fazer ao major de engenheiros Sebasliao
Jos Basilio Pyrrho, em conseqnencia de venc-
mentos que indevidamenle ihe foram abonados por
essa thesouraria, e por elle recebidos em boa f.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Em vista de sua informaco de hontein, sob n. 448,
autoriso V. S. a man lar eutregar ao padre Jos
Porfirio Gomes, mediante fianca idnea, a quantia
de 5005, votada pelo 6^ do art. 14 da lei do orga-
mento vigente, para as obras da capella de S. Jos
de Tamandar.
Dito ao mesmo.Acenso recebido ooInriD de
honlem, sob n. 446, em que V. S. parlicipou-me
haver Themisiocles d'Oraoge arrematado por 12:5
as madeiras velhas que resultaram dos reparos do
quartel do corpo de polica, e em resposla tenho a
dizer que approvo essa arrematacao.
Dito ao mesmo.Pode V. S. nos termos de sua
informaco de hontem, sob n. 447, mandar adian-
tar ao delegado do termo de Caruar por interme-
dio do thesoureiro da repartido da polica a quan-
tia de 2005000, que reqnlsiton o respectivo chefe
em oflcio de 3 do corrente, n. 1,225, para as des-
pezas fazer-se com o sustento dos presos pobres
da cadeia daquelle termo. Communicou-se ao Dr.
chefe de polica.
Dito ao mesmo.Autoriso V. S. nos termos de
sua informaco de 12 do corrente, soh n. 443, a
conceder ao arrematante do imposto de 25O0 so-
bre o gado vaccura consumido na comarca de Ga-
ranhuns, de conformidade com o art. 46 da lei do
orgamento vigente, um alate no valor do seu con-
trato, na razo de 1:0005000annualmente em con-
seqnencia de haver a assembla legislativa provin-
cial sentado do pagamento desse imposto o gado
mono para consumo particular, devendo essa
quantia ser paga em prestacoes trimensaes, ou
quando tiver elle de reunir as suas letras, visto ser
ette o meio de conciliar-se os interesses da fazenda
com a disposigao daquelle artigo de lei.
Dno ao mesmo.Tomando em consideragao o
que V. S. expoz em sua informaco de 12 do cor-,
rente, sob n. 445, dada acerca do requerjmento do
tenente-coronel Joao Vieira de Mello e Silva, ar-
rematante do imposto de 4#500 rs. sobre o gado
vaccum consumido as comarcas de Flores e Bo-
nito, e no municipio de Cimbres, o autoriso nos
termos do art. 46 da lei do orgamento vingente, e
de conformidade com a sua ctada informago, a
conceder annualmente ao supplicanle um abate de
1:8615240 rs. nos valores de seos contratos relati-
vos ao Bonito e Cimbres, sendo 3615240 no do se-
gundo, e 1:5005000 rs. nodo pruneiro, bem como
um outro'da terceira parte no de Flores, em con-
sequencia de haver a assembla legislativa provin-
cial, isentado do pagamento desse imposto o gado
morto para consumo particular, devendo a impor-
tancia de taes abales ser paga em prestarles tri-
mensaes ou quando tiver elle de reunir as suas
letras, visto ser este o meio de conciliar os inte-
resses da fazenda com a disposigao daquelle ar-
Circular a todos os commandantes superiores da
guarda nacional.-Remello V... incluso por co-
pia para seu conhei imento e direcgao o aviso ex-
pedido pela reparticao da justica, ao Exm. presi-
dente do Maranho em 17 de agosto ultimo, sol-
vendo a duvida suscitada naquella provinciase
incompativel o servico do exercilo com o da guar-
da nacional.
Offlco ao commandante superior da guarda na-
cional de Santo Anio.Tendo por portara desta
data passado para a lista de reserva o alferes da
7 companhia do batlhe n. 23 de infamara da
guarda nacional desse municipio Joo Rodrigues
Doro de Lira, de conformidade com o disposto no
arl. 69 da lei n. 602 de 19 de setembro de 1850,
julgo conveniente declarar-lhe para que faca oppor-
tunamenle constar aos conselhos de qualiflcaco
da guarda nacional desta comarca, que o decreto
n. z,338 de 12 de Janeiro de 1859, derrogou o art.
14 do decreto n. 1,130 de 12 do marco de 1833,
que Ihes dava a attriboico de passarem offlciaes
do servio activo para o da reserva.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Olinda e lguarassu.Faga V. S. constar ao
tenente-coronel commandante nomeado para o ba-
talhao n. 11 de infantaria da guarda nacional do
municipio de lguarassu, Manoel Francisco de Sou-
za Leo, que tem de recolher repartigao compe-
tente a importancia constante da nota junta por
copia, expedida pela secretaria de estado dos ne-
gocios da justiga alim deobter a sua patente, que
se acha na secretaria do governo.-Offlciou-sea
esle respeito thesouraria de fazenda.
Dito ao engenheiro chefe da repartigao das obras
publicas.Nesta data approvei e transmitti por co-
pia thesouraria provincial para servirem de base
a arremataco dos reparos de que necessita a par-
te da estrada do Pao d'Alho, entre a bomba do Pi-
menlel e o marco de dez mil bragas, o orgamento
e clausulas que vieram annexas ao officio que
Vmc. me dirigi hontem, sob n. 283, o qual nca
assim respondido.Officiou-se ao inspector da the-
souraria provincial para mandar por em hasta pu-
blica os reparos de que se trata e remetteu-se co-
pia do orgamento respectivo.
Dilo ao director do arsenal de guerra.Pode
Vmc. eMiprar a prege de 25670 cada urna, as
44 arrobas de zinco servido, pertencenie alfan-
de, visto ler essa repartigao preciso de semelhan-
te genero, segundo Vine, declara em seu officio
de 10 do corrente, que rica assim respondido
Communicou-se ao inspector da thesouraria de
fazenda.
Dito ao mesmo.Mande Vmc. recolher aos ar-
mazens desse arsenal 24 granadeiras remedidas
para essa capital pelos delegados dos termos de
Flores e Ruique, as quaes sero apresentadas nessa
repartigao pur parle do Dr. chefe de polica.
Communicou-se ao ur. chefe de polica.
Dilo ao juiz municipal de Agua Preta.Remet-
i incluso o requerimenlo, em que Jos Alvos da
Silva, proprietario do engenho Bom gosto, sito nes-
se termo, pede providencias para ser mantido na
posse do terreno, annexo ao mesmo engenho,
que vulgarmente se d o nomo l'reguiga, alim de
que Vmc, em observancia do aviso da reparticao
da agricultura, commercio e obras publicas, de 30
de agosto ultimo, constante da copia junta, proce-
da a semelhanle respeito, de conformidade com o
dispo-to no artiga 60 do regulamento de 30 de Ja-
neiro de 1854.
Dito aos agentes da companhia brasileira de pa-
quetes vapor.Podem Vmcs. fazer seguir para
os portas do norte amanha a hora indicada em
seu aflicto de boje o vapor Pirana, procedente dos
do sul.
Portara.O presidente da provincia, lendo em
vista os documentos que Ihe foram apreseniados
com requerimenlo do alferes da 7J companhia do
batalhu n. 23 de infamara da guarda nacional
ilo municipio de Santo Antonio, Joao Rodrigues
Duro de Lira, resol ve passar a este para a lista
de reserva de conformidade com o disposto no ar-
tigo 69 da lei n. 602 de 19 de setembro de 1850.
Dita. Os senhores agentes da companhia bra-
sileira de paquetes mandem dar transporte para a
Parahyba, por conta do ministerio da guerra no
vapor Paran, ao soldado do corpo de, guarnigao
d'aquella provincia Domingos Gongalvcs Vidal,
que veis a e.-ta escoltando um desertor. -Lom-
municon-se ao coronel commandante das armas.
Dita.Os senhores agentes da companhia bra-
sileira de paquete, mandem dar transporte at o
Cear, no vapor Paran, em lugar de r destina-
do a pas.-ageiro de estado Antonio llenrique de
Miranda.
Expediente do secretario dogovernododiali
de mu i ni) ni de I Mil.
Officio ao inspector da thesouraria de fazenda.
S, Exc. o Sr. presidente da provincia, manda trans-
midir V. S. as 9 iuclusas ordens sendo 8 do
Ihesouro nacional sob n. 133 140 e 1 em du-
plcala expedida pela repartigao do ajudante gene-
ral sob n. 516, bem como 3 offlcios da directora
geral das rendas publicas, e 1 da secretaria de
estado dos negocios da fazenda.
Dilo ao commandante do presidio de Fernando.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
envi V. S. um exemplar da Monographia do
Algodoeiro pelo Dr. Frederico Leopoldo Cesar
Burlamaque, conforme V. S. solicitou.
Despachos do dia I i de ootubro de 1861.
Reqwerimentos.
Antonio Maria Oconnell Jersey. Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Belmira Virgilina de Castro Menezes. Informa
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Claudio Dubeux.informe o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda.
Padre Jos Porfirio Gomes.Dirija-se the-
souraria provincial.
Tenente-coronel Joo Vieira de Mello e Silva
Dirija-se thesouraria provincial.
oaquim Facundo da Castro Delgado.Pode se-
guir.
Manoal Francisco de Azevedo Lima.Dirija-se
thesouraria provincial.
k.rJLkiA 1.0b VArOR... lOSXERO-..
Para o sul at Aiagdas > 5 e 3o; n*r o norte at
I Granja a 7 e z2 de cada uie:; para Fernando nos
dias 14 dos mezes dejan. marg.,maio. jul. set. enov.
Partida boa 'omn.bus.
Para o Recite, ao ^pipucos as 6 /j, 7, ^ Vi, 8 e
8 V da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 .la tarde; de
Jaboatao s 6 '/i da m.; do Caxang o Varzea s 7
da m.; de Bemlica s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos s 3 Vi, 4,4 V, 4 Vi,
5> s V, 5 Vi e 6 da Urde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 Vi da larde: para Jaboatao s 4 da
tar Je para Cachanga e Vanea s 4 >/i da tarde;
para Bemfica s 4 da tarde.
aUOSNC a DOS RBU.V/S :a GAfftM.
Tribunal do commercio: segundas a quintil.
Relacao: tercas e abbado s 10 oras.
Fazenda: quinta: as 10 oras.
Jiiizo do commercio: segunda:, s 11 horas.
Dito de orphos: torgas c sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quanas sabbados a 1 hora
da tarde
D.-S DA SSM.N*..
17. Segunda. S. Florenino !>.: S. Mu ano m.
18. Terca. S. Lucas evangelista; 8. Trifona m.
19. ijii;u i.i. S. Pedro de Alcntara f. p. do iiuf
20. Quinta. S. Joao Cauris; s. Crapaattat.
21. Sexta. S. L'r.-ula e sua- romp. vv. mm.
M. Sabbado. S. Ladislao f.; S. Heladio m.
23. Domingo. S. Joo de CapfaMM f.
MBMM1
no Recife, em a livraria Ja praca da Independen
cians. fi*8, dos propriataxios Mantel Furaeru
de Faria & Filho.
das e insignificantes sao as noticias desata parte do
imperio.
O que ha de mais importante o pnico de que
so apoderaram algumas pessoas destalpraga.com
as noticias das quebras das principaesl bancarias
da corte.
O pnico, apz a sahida do Cruutro, tomn
maiores proporgoes, porque alguos individuos ou
por temor ou por espirito terrorista, iffluiram
casa bancaria desla pragaMau & Companhia-a
retirar fundos.
O gerente o Sr. Piaienla Bueno, mogo inlelligen-
te e cautejoso, tinha-se de anle-mao prevenido a
fazer face qualquer emergencia, desde o momen-
to que soube da crise financeira do Rid de Janei-
ro; por consegunte inahalavel sobre os recursos e
provado crdito Mau saiisfez plenamente aos limo-
ratos, terroristas e aquelles que em sgred in-
culcam saber mais do alheio, do que propia-
mente seu.
Nao foi senao preciso a direceo da casa Mau,
entender-se com a caixa filial do banco do Brasil,
e segundo o alvitre assentado e cumprido, tanlo
este esiabelecimento publico, como a bancaria
marcham com tal circonspecgo e accordo que o
commercio sensato, apesar das pessimas noticias
do Oyapork, vai atravessando a situagio sm o me-
nor desar e grandes sacrificio?.
E' verdade que a taxa do juro est elevada e
de certo continuar em quaato a crise nao passar,
assim como os descontes estao suspensos por al-
gum lempo, sera que o possa alllrmar positivamen-
te quanto casa Mau.
Esta casa nos prlmeiros dias que succederam
noticia da quebra do visconde de Souto, to a in-
vestida de meia duzia de individuos que queriam o
seu dinheiro, mas tambem devc-lhe ser mni agra-
davel o procediraento de varios negociante* e capi-
talistas que pozeram disposigo do Sr. pimenta
Bueno grandes sommas, quer suas qner ;de seus
amigos para no caso de necessidade fazer-se face
as exigencias dos terroristas e dos timoratos. Nada
tem sido preciso, porque nao sao meta duzias de
cotilos, de um ou outro individuo que nesla praga
pode abalar a boa f, o conreito e os provados re-
cursos do bario de Mau, chefe da bancaria nesla
provincia, por conseguinte acreditamos que have-
mos de atravessar no Para o tempo calamitoso
porque est passado o Rio de Janeiro, sem desgra-
gas roinmerciaes.
Consta que do Rio tambem vieram djesentos
contos para a casa bancaria neste ultimo vapor, a
ser islo exacto de certo ha boa direcgo e previ-
dencia naquelles que dirigem o banco Mau]
l.'in amigo nos disse ao mesmo tempo que os va-
pores de guerra aqai estacionados teem ordem de
partir logo que estejam promptos para a i corte,
aflm de seguirem para a estagiio da repblica
Oriental.
As sonsas vio se complicando, os horisonles do
Brasil esiau bastante nebulosos, vista das ultimas
noticias do Rio da Prata !
No mesmo dia que d'aqui parti o Cruzeiro do
Sul chegou do Amazonas o vapor Tapajoz t nclle
veio da sua viagem o Exm. bispo diocesano, nepote
de ter sido mui bem recebido e festejado pelos po-
vos que visitn.
De poltica nada ha de importante na provincia
que tem o nome do grande rio ; sabe-se que cada
vez a presidencia mais aggredida pelo lado que
guerreou os Drs. Carneiro da Cunta e Sinva
No Tapajoz regressaram urnas qnarentas iragas
bater
INTERIOR.
CORRESPONDENCIAS WO DIA
RIO DE PERXAMRUCO.
PABt.
Beln, 9 de outobro de i 86 .
Depots da sahida do Cruzeiro do Sul, mu limita-
de linha que tnham icado em Santarm par
o mocamho denominado do inferno.
Esta forga na ma or parle veio doenle, e aconi-
panhada do medico que ult mmente para ali linha
ido com o Dr. chefe de polica.
Nao obstante a ultima forga que arompanhou o
chefe hia emprehender as deJIgencias e o alaque
ao mocambo, tanio que aquella aniondadee o co-
ronel Miguel Pinto Guimarcs haviam ja partido
para o rio Cru no vapor Explorador, destiuado
para semelhanle expediego.
No dia 1" do corrente leve lugar a benco da
bandeira do reorganlsado corpo de polica, na gro-
ja das Merees.
Ofllciou ao acto o Exm. bi o presidente da provincia, cummaiidantu das
armas, chefe da estagao naval, muitos membros da
assembla provincial e de varias repartiges pu-
blicas.
O acto esteve solemne, lindo o qual foi servido
pelo meio da um lauto copo d'agua no quartel de
polica, que se acha de novo reedificado.
Est pois augmentado o corpo de polica e com
urna orgaoisaeio regular, contando cerca de 300
pracas.
A dous dias sahio desle porto um dos vapores
da companhia do Amazonas para Camet aflm de
esta cidade buscar o capilao-tenenle Parahybuna
dos Reis,_ que gravemente doenle regressra da
exploraco e direccao dos tiabalhos das cachoeiras
ao Tocan ti ns.
Consta que est bastante informo e que isto foi
devido aos trabalhos e ineommodos porque em
semelhanle localidade tem passado.
Et a presidencia privada dos srmeos deste
offlcial, para levar a effeito a empreza da com-
municacao desta provincia do Goyaz
E' prvavel que a presidencia lance mao de Mi-
tro offlcial, mas o preenchimento na actualidade
nao ser facilimo; entretanto S. Exc. nao esmorece
nem recua nos seus projectos a tal respeito.
Hoje o da do salimiento do cirio de Nossa Se-
nliora de Nazarelh; este anno a festa volla ao seu
antigo explendor, por tanto e porque em semelhan-
le occasiao a cidade se despvoa e abala paira ver
e aeompanhar os milagres, era milito natural e
rasoavel que a partida do paquete fosse marcada
para a noule.
Nada mais havendo dzer, os navios no porto
sao os seguintes:
Navios descarga.
Tamega... Brigtie portuguez.
Brigue francez.
Patacho nglez.
Galera ingleza.
Barca franceza.
Patacho inglez.
Patacho inglez.
Barca ingleza.
Barca franceza.
Navios carga
Heaugeu. Brigue francez.
Amazonas. Barca portugueza.
Bertha Brigue brasileiro.
Hans..... Patacho dnamarquez.
O vapor peruense Pastazza sai para os portos da
repblica oestes dous dias, levando o respectivo
cnsul segundo consta.
A' 12 sahir tambem para Lisboa a barca Ama-
zonas.
Sao esperadas todo o momento as barcas Flor
de Vez e Ligeira de Lisboa.
O vapor de guerra inglez d'ahi vindo Curto
est fundeado neste porto.
DIARIO DE PERHMRUCO
------------------------------------i i
O vapor Oijapock, chegado hontem dos portos
do norte, fei portador de noticias do Amazonas at
3, do Para at 9, do Maranho at 12, do Cear at
14, do Rio i.rande do Norte 15 e da Parahyba al
16 do corrente.
Taima___
TU-Bit....
Barbara...
Fgaro___
Volant....
Salinas___
Inca......
Emile.....
Amazonas e Faii.Da carta de nosso corres-
pondente, que vai n'ontro lugar, vero os leitores
quanto occorreu n slas provincias.
Mahanhao.Suicidou-se afogando-se o negocian-
te Manoel Jos Alves, sendo o cadver encontrado
em puirefacgo dous dias depois. ^
O frnco do aranhao procedeu elegolda
sua nova directora, que ficou assim conipos :
mesa da assembla geral Dr. Joo Antonio de Car-
yalho e Oliveira, Delphim da Silva Guimaraes e
Jos Joao Alves dos Santos, presidente e secreta-
rios; e director Francisco Pereira da Silva Mo-
raes.
No dia 3 do corrente tomou posse da presi-
dencia o Exm. Sr. Dr. Ambrosio Leito da Cunha.
Pialhy Aseleigoes especiaos p.ira eleitores e
raunicipaes correram plcidamente em toda a pro-
vincia.
Le se na Liga e Progresso :
Foi assassinada no termo do Canipo-Maior, no
lugar Pombas, Joanua Baptista de Jess, por seu
proprio marido, Manoel Eusebio, que na mesma
occasiao ferio com um liro de espingarda Antonio
Bertolino JosGarcez. O faci leve lugar no dia 25
de agosto, e consta que o criminoso fra preso, j
na provincia do Maranho.
Ceak.No dia 10 voltou capital o Exm. e
Rvm. Sr. bispo diocesano, da visita episcopal
Montimr, Maranguape e Canind, onde foi rece-
bido com enthusiasmo.
Na assembla provincial, segundo dizom os
jornaes, lem havido muitos disturbios entre os de
putados, que ameagam-se e injuriam-su cada
momento !
Foi approvada pela assembla a nomeagao
de una commissao de seus membros para felicitar
o presidente da provincia.
Rio-Gra.nde.Nada occorreu, que merega men-
go.
Paiiahyba.Escrcvem-nos em 16 do corrente :
* No dia 11 do correte nos baixos do Cabo-
Branco, distante desta cidade i leguas, encalhou e
perdeu->e o brigue sueco A. O. Andenon cuja tri-
polaco vendo o perdido, saltou para trra. O Dr.
chefe de polica ao saber da noticia fez partir para
aquelle lugar o subdelegado do Io districto da ca-
pital com una escolta alim de prestar qualquer
auxilio. O brigue, consta-nos que vinha carrega-
do de carvo Je pedra. Perueu-se completamente.
Seguem para essa provincia os dous crimino-
sos que no termo de Cabaceiras desta, foram pre-
sos, sendo um delles Alexandre Jos Barbosa, co-
nhecdo por Alexandre do Altar, pronunciado des-
de 1853 pela tentativa de morte do vigario da fre-
guezia de Taquarilinga do termo de Limoeiro, e o
oulro Manoel Jos do Xascimento, conhecido por
Manoel Grande, condemnado i IV anuos de priso
por crime de morte, e a 2 anuos e 8 mezes por
erime de furto, nido no termo do Brejo da Madre
de eus. Ambos aquelles criminosos foram presos
no .da 7 do mez passado.
Em Campia Grande foi preso c pronunciado
crime de rapto, um individuo de nome Sebas-
o qual sendo interrogado pelo Dr. juiz muni-
confesson ser escravo de Domingos Alfonso
tflha, mi rador no Pao dos Ferros da provincia
Rio Grande do Norle, do cujo poder est fgido
i annos.
Pela delegada de S. Joao acabara de ser pre-
sos os desertores Pedro Jos de I.vra, do exercilo,
e Manoel Borges, da armada.
Em virtude de ordem da delegacia do Plane,
foi preso no termo de Misericordia, o criminoso da-
quelle termo Jos Bezerra Leite, conhecido por
Butaca, pronunciado por ferimentos graves e le-
ves. O criminoso foi cercado bem como o de mor-
te do mesmo termo de Pianc de nome Flix Be-
zerra. Resistirn] sendo que este evadise para
Pajeu' de Flores dessa provincia, depois de ferido
levemente por occasiao da resistencia, que em-
pregou.
eu-se um fado bem lamentavel o mez pas-
sado no districto de Magda-Grande do termo do
Brejo de Area. O subdelegado daquelle districto
mandou pelo inspector do quarteirao Zumb pren-
der a Faustino Jos Barbosa, indiciado em crime
de morte. U inspector reuni paisanos, foi a casa
de Fau>lino inlimou-lhe a ordem de priso, porin
Faustino desfechou um tiro em um dos da tropa,
que caho, e correa a esle toniou-lhe a arma e ali-
rou no segundo, que era cunhado do primero ;
ambos ainda fendos investirn] contra Faustino
com facas e o mataran), morrendo tambem o; dous
feridos por Faustiuo.
Na manliaa de 14 do corrente o preso da ca-
deia da capital Manoel Baptista dos Santos, deu
urna facada em seu coiiipanheiro de priso Felippe
Bezerra Campos. O Dr. chefe de polica mandou
vestoriar o offendido para ser procossado o ofleii-
sor, que foi recolhido a priso solitaria.
Aoundam os criminosos nos termos de S. Joao,
Souza e oulros, e o Dr. ciiefe de polica lem dado
as providencias necessarias de combinago com a
presidencia para porseguigo e priso delles, sen-
do que anda maior o numero de criminosos pe-
los limites com essa provincia nos termos de Pa-
jeu' e Ingazeira.
E' real a noticia que Ihe dei da vez pausada,
i>ta o delegado do termo do Teixoira no dia 28
do mez passado prendeu Valeriano Martins dos
Santos, que no dia 8 do mesmo mez naquelle ter-
mo liavia assassinado com urna facada a Joaquim
Ferreira.
i Hontem a sociedade Slelpomene deu sua re-
presentagao.
PERNAMRUCO,
REVISTA DIARIA.
Acaba de organisar-se na Capnnga urna socie-
dade recreatva, cuja pai llda de inslallago leve
lugar no sabbado ultimo ; e assim adianta-se este
arrabalde aos demais, alguos por ventura mais im-
portantes que elle, nos quaes nao se nota um pon-
to de disiracgc, onde as familias se socialisem o
troquem essas deferencias reciprocas que amenisam
a vida no estado de sociedade.
A partida correspondeu urna inaugurago, por
que sem ter prelengoes a ser um baile, nada Ihe
falhou todava para distraego de todos que alli se
acharam,|respirando de tudo satisfacao, animaco e
ordem ; e a casa em que funeciona i sociedade, es-
tiva completamente cheia de familias d'aqueile ar-
rabalde e d'esta cidade, a ponto de ser preciso
dansar-se as duas salas bem espagosas, que tem a
mesma casa, para satisfazer a todos os pares.
Banido o luxo, taes distraegoes sao urna necessi-
dade como outra qualquer, que cumpre salisfazer,
mormente entre nos que resentimos carencia de di-
verso.
Bem hajam, por tanto, os que tiveram e realisa-
ram a idea desse entretenimentn familiar.
Chegou esla cidade o insigne llautista o Sr.
Reichert. o qual no instrumento que toca exhibi
no Rio de Janeiro e na Bahia, donde ora vem, urna
maestra que enthusiasmou a todos quaotos o ou-
viram.
Xa Babia foi considerado om dos artistas mais
notaveis qne alli tem tocado ; e efectivamente me-
rece a nomeada que tem, pois o tornam om artista
de subido mrito a agilidade com que percorre ad-
miravelmenlo a (lauta, os sons melodiosos que (tella
i sabe tirar, e finalmente o conliecimenlo completo
j da msica, de que dispbe.
O Sr. Reichert nesta sua digresso pretende dar
alguns concertos nema cidade, deveodo o primeiro
ter lugar em breve no Santa Isabel, onde entao o
publico por si ajuizar do seu ment.
No sabbado encerraram-se as aulas do semi-
nario de Olinda, e este acto, cuja solemuisago per-
tPU^e alli aos estudantes do Io anno do curso theo-
logco, foi convenientemente festejado : tocando a
msica do 9." batalhao de
do
dept
Manoel, Pernambuco, 7 annos. Sanio Antonio: f--
bre maligna.
Manoel. Pernambuco. i mezes, S. Jos; roovul
ses.
hialina, Pernambuco, 13 mezes, Sanio Anlonio
bexigas.
Ign.icia Francisca das Neves, Pernamboco, 42 an
nos. solteira, Sanio AnUnio: alfecgao w-bral
"Rodopiauo, Pernambuco, i annos, S Jo.-: mi-
lite.
:i0 anuos, solteira
isica do 9.- batalhao de linha, desde s 8 horas Cosma escriva >--------
dia at as l horas da larde, quando se reliro... | jo- totano eTaimbueo' 3
pois de terem sido saudado enlhnsiaslicamente. Aiiiiio escrivo **---------- q
r inilm ns ,.ininar mezes, Sanio An-
solteira
COMMNIJADOS.
por todos os seminaristas o Exm. Sr. Dr. vigario ;
capitular, lentes e os respectivos directores. Mara Frincisc wn.n.i.ii.H. -tn ,,..,_
A noite illani.nou-se todo o olahelecimento. i ce ts^o imJri chroni^
- O vapor francez Bearn couduzio da Europa. "e [ SAilT0 ",,Lnt ll,r""-a-
para os portos do sal, 172 passageros.
A' bordo do Magdalena seguirn) para a Eu-!
ropa 102 passageros, sendo 17 recebidos em nosso
porto. ______________________________,____________
o fifB^Sgl^ TFStZ;
la de Montevideo para Havana. A,,,n* \'t
corre
I
apenas na a ilesignagao de um espago.
tribuigo positiva que foi nella enchergada.
Folgamos, por tanto, que a autoridade policial
desse povoado esteja na altura, que Ihe cumpre oc-
cupar no cumprimento do deveres, que decorrem
do cargo.
Os abaixo assignados moradores em Beberibe,
protestara contra o que se disse na Reista Diaria
do Uiario de Pernamlmco n. 231 de 8 de outubro
do corrente, relativamente a fall de seguranca de
propredade, noticiando que se acha organisada
urna vasta rede de ladros, a qual lera comeco nes-
tas parrgens, nao sendo extranha a ella muitas au-
toridades. Como moraaores era Beberibe, os abai-
xo assignados nao podem deixar passar desaperce-
bida semelliante arguigo e por islo protestan)-
verdad.-
a unprensa, alim de
faca
Achava-ine dentro da Af.indega. na nunaa d--
13 do corrente, a alguns passos de distam-ia da por-
ta de entrada, e o Sr. Dr. Silvino Cavaleanti d'Alba-
querque, vendo-me alli, entrou e a mim dirigiu-se
para ler urna informaco de que precisava. Ape-
nas de imm se ilnha approzunado e comecava a
fallar-me, chegou se a elle um servente ou ajuil^n-
te do capataz e Ihe disse quealli se nao fumav;
o meu amigo nao fumava, e sto mesmo Ine diise
mas esse servente ou ajudantejdo capataz, que pri-
vavelmente o nao conhci-ia, repeliu-lhe. aao imu
pulidamente, que all se nao fumava, e que par i-4
era preciso ipie deiiasse fra o charuto que Unhi
comodefactofazemplo'presenteconlraamesniaar- HJ2f*"fe VendooSr. ur Silvino Ca-
guigo assacada s[ e j|, autoridades deste distnc *g!*&SJi Z^^JZ.
a dizer que elle nao eslava a fumar, e nti iVitava
fra seu charuto, accrescenlando que ninguen
to, declarando que nao consta nesta povoago e
nem em seus arredores lacio algum, que d o mais
leve indicio do que foi noticiado e que ao contrario
gracas energa e vigilante polica do actual Sr.
subdelegado Dr. Francisco Brederodes de Andrde,
reina era toda esta redondeza a mais completa
iranquillidade e segaranca, e tal o inleresse e
zelo, que esta autoridade toma pelo bom desempe-
nho de seu espinhoso cargo e actividade que era-
prega, que nao possivel dar-se um fado la|
sem que j nao fossera dadas senas providencias
Funccionarios assim nao podem ser conniventes
com ladros e assasslnos, e nem consentir que estes
vivam nos lugares de sua junsdicgo.
Beberibe, 10 de outubro de 1864.
Melquades Antunes de Almeida.
Antonio de Allemo Cysuelro.
Francisco Martins dos Amos Paula.
Amonio Flix Co Santos.
Jacinlho Aff raso Bolelho.
Manoel Pinlo Ribeiro da Silva.
Amaro de Barros Cavalcaote.
V. Grandin.
Bernardino de Vnsconcellos.
Candida G. Alcoforado.
Amaro Jos Ijinacio da Rocha.
Joo da Silva Augusto.
Luciano Eugenio de Mello.
Hontem pela tarde, no decurso do processo
elcitoral desta freguezia, e por occasiao de duvdas
suscitadas acerca da idenlidade de um votante,
deu-se um conllicto dentro da matriz, de que
resultoo anda o fenmenle leve de um indi-
viduo.
Logo depois dessa orcurrenria, urna torca de
cayalatia velo reforcar a de infantaria que ali
exista, prostaudo-se em frente da igreja.
A mesa que interrompen os trabalhos em quan-
to sereneva o disturbio, continnou-os apenas islo se
deu, concluindo a primeira chamada.
Acibaraos de receber a seguinte correspon-
dencia, que nos enva o Exm. monsenhor Pinte de
Campos; e sobre a materia dalla cora satisfacao ao
pedido de S. Evc, cbenos declarar que nao colla-
borando elle paraesti redareo, rollaboracio que
mnito nos lisongearia se efectivamente ella se
dsse, nao p-Je pqr consegninle ir a conta de S.
Exc. a noticia, que se prende a esse incidente; a
qual foi publicada por ser onvida por pessoa desta
redaegio a outra que entao vinha do palacio do
governo, e assegarou-lhe Id-la ali ouvdo tam-
bem.
Senhores redactores da Revista Diaria : O
correspondente desta provincia para o Correio
Mercantil, em data de 30 de s> tembro do corrente,
exprime-so nestes termos:
O Sr. conego Pinto de Campos inlluu na parte
poltica da Revista Diaria, onde, sempre que esl
a sahir qualquer paquete para ah, d a sua noticia
innocente, como a peta do assassinato do alferes
que eslava commandando o destacamento de Ta-
caratii.
t V Vmcs que ha nos-te trecho duas inexacti-
does flagrantes, que ningnem melhor que Vmcs.
pode de.-truir: Ia, que influo (no que teria muita
honra) na parle poltica da Revista Diaria; 2*, que
fui o autor da noticia do supposto assassinato do
alferes, que coramandava o destacamento de Taca-
rai. quando corto que no da da publicagao
dessa noticia deelarei Vine, o a outras muitas
pessoas que ella me pareca infundada. Podia
apresentar nomes dessas pessoas, tres das quaes
sao ligneiros.
i pois Ihe rogo, que a bem da verdade, e para
confuso da calumnia, se digne, por sua lealdade,
desmenlir-me a inim, ou ao correspondente do Mer-
canlil. J. Pato de Campo.
O vapor Memnon segu hoje para o sul con-
duzindo mala para Montevideo, com escala pela
Baha e Rio de Janeiro, as cartas e jornaes deve
ser poslas era casa de Saunders Brother.
Passageros do vapor brasileiro Oyapock, en-
trado do Para e portos intermedios :
Antonio Jo^ Carneiro Jnior, Thomaz Antonio
Espenga, Joo de Moraes Reg, Manoel Jos da Cu-
nha, Dr. Joo J. Ferreira de Aquiar e sua familia,
Anlonio Jos Nogueira, Satyro Seraphim da Silva
e urna criada, Jos do Frenas Gumsres, Jos An-
tonio dos Sanios Porto, Francisca Bal bina da
Silva e dous filhos menores, Maria Ritta daConcei-
go, Salnstiano Alves de Araujo, Antonio Fernan-
des Guimaraes, Domingos Soriano de Azevedo, Joa-
quim Cavaleanti de Albuquerque, Felismino Eus-
taquio de Almeida. dous presos de juslga, acom-
panhados por urna escolta, Jos Bottini e sua filha,
Abraho Alegua, Alberto Nadler, Salvador, escra-
vo a entregar a Monoel Jos de Oliveira & Filhe.
Passageros do vapor brasileiro Oyapock, sa-
ludo para os portos do sul:
Antonio Jos Lonreira. Dr. Joaquim Caetano da
Silva Guimaraes e um escravo, Francisco de Sales
Maciel, Francisco do O. Cavaleanti, Joao Pereira e
sua familia, Pedro Alves Cavaleanti, D. Mana Se-
nhornha Chaves e um filho menor, Joaquim Fe-
cundo chaves Mello e tres escravos, Edmundo
Pamplona da Fonceca, tres pragas do exercilo dous
voluntarios Pietro Brunone Bartholomi.
obngaria a faze-lo. Vendo o srvenle ou ajudan-
te do capataz que era repellido, romo de va, >ui
imperiosa exigencia do cumprimento de urna #r
deui mal comprebendida por elle, Sr. Joo Alhanazio Bolelho, que se achava no fun-
do da sala dos despachos, e um momento deyoi -
voltou sera ter conseguido o que esperava, e dizrn-
do em voz baixa alguma palavras que nwstravam
seu despeito, por nao Ihe ter sem duvida agrada-
do a resposta do capataz.
Allirmo que o Sr. Dr. Silvino Cavaleanti nao fu
niou dentro da Alfandega, nem o (ez quando. a
conselho meu, foi em procura do Sr. Dr. Loo t
Carvalbo l'es d'Andrade, alim de MI esrUrerido.
e estou persuadido que a ordem de nao fumar -
na sala dos despachos da Alfandega, dada na in
tengo de evitarse algum incendio, nao vai a poo
l) de obrigar-se a que deiie fra sea eharuto. im--
mo estando apagado, quem alli entra.
Fui testemunha ocular do occorrido, se en
livesse sabido que essa noticia inletramenie al
(erada, liavia sido Iransinillida ao i*.ilittcnni
Pernambucano, etou convencido que >ua redar-
g.io a nao adinilliria as columnas desse prrio
dico.
Dr. Joagaim d'A'/niao Fonceca.
17 d outubro de 186i.
PBLICigOES 1 PEDIDO.
4.1.11 i I i o.
O abaixo assignado, cheio de reroobecimenl"
vem pelo presente mostrar o quanlo nhorado a aquellas pessoas que tanta parle tunta-
rara na seus son"rlmemo, os quaes foram dVv; !.-
ao sicario Manoel Maxinii.ino Bodrigues, conheci-
do por Manoel pequeo, ipie Icntou roubar-the i
existencia no da :to dejolno da lurmnlii antM>. na
ra da Guia desla cidade, si-m que para i-so 11 v. -
>e nutro motivo a nao ser o genio feroz de que i
dolado.
Agradece cordialmente ao lllm Sr. Dr Alfredo
da Rocha Bastos, que cheio de caridade nao pou-
pou exforgos alim de velo livre do grande p-ri
go em que se achava ; ao lllm. Sr. iawnertnf d ar-
senal de marinha ijueo r-reli-n u euferinaria hr-
necendo-lhe lodos os necessario precisos a medt-
cina.
Nao pile ser indelferenle as maneiras urbana-
e candosas cora que se portn o lllm. Sr hanat
coronel Sebasliao Lopes Guimaraes, que pnmipla-
mente o mandou conduzir na padiola d'alli para o
seio de sua familia, que ja sera esperangas, lasli
mava a sua perda ; aos lllms. Srs. Drs. J<>> da
Silva Ramos e Jos Francisco Pinto Guimaraes. ao
pruneiro, que como seu assi.-lenle, e sem ml-re
algum lano se disvelon al que otornou reslabek--
cido, a esse dislincto cavalleiro que muitas e Nf*-
tidas vpzcs durante o da e noule ia visila-lo, no
pode deixar de tribular-lhe o seu sincero e cordial
agiadeciraenlo porque abaixo da Providenci deve
boje estar com vida, e o segundo tambera porque
coin toda a caridade sempre se uni ao du-tinrio a
Ilustrado Sr. Dr. Ramos alim de velo peasants
reslabelccido ; ao lllm. Sr. Dr delegado o inters-
s que temara em seu favor ; ao lllm. Sr. Rufino
Anlonio de Mello, que lano coninbuio para a cap-
tura do criminoso ; aos Srs. inferiores do curp" d-
polica que se prestaram a conduzi-lo ao seio de
sua consternada familia ; igual reconlieciineniode-
ve ao.cabo do mesmo corpo Antonio Pedro, que
muilo se Ihe preslou ; e linalmenle aos seus ane-
gos e ao publico em geral, e particularmente a lo-
dos que o visilarain a sua gralido sera eterna, a
pede a Dos que Ihe d elementos rom qne pos*a
mostrar algum dia o quanlo se acha penhrado
pelos offlcios que de todos recebeu.
Recife, 18 de outubro de IfC.
Joo Ferreira da Cotia.
Srs. redactores.Uo ha balsamo to consolador
para aquelles que senteni os duros effeiios da des-
ventura, como seja a unco suave da ca idade.
quando derramada por raaos nimiameute romtia-
sivas sobre os infelizes que padeceni, mitigan por
um pouco a dor do solTrimenlo, para dar lugar as
mais tocantes emoges do reconhecimenlo. que .i-
zem palpitar um coragao que pareca embroterido
pela dor, pele desanimo, pela falla de soecorro, e
finalmente pelo misrrimo, e affJictivo qnadro da
mais cruel nfermidade e falla de recurso! As-
sim lurtava eu na prolongada molestia do meu ti-
nado marido Francisco Jos Tavares, quando do
co, o Dos de caridade, que nunca desampara a
quem nelle deposita a sua f e esperanga, me u-
viou por inaos candosas de pessoas nuniamenle
compadecidas os soccorros de que mais urgente-
mente necessitava meu infeliz marido no leilo da
morte, eu e meu innocente lhinho !
Os actos de caridade exercidos no puro desinie-
resse, nao podem jamis oppor-se a voz da graii-
Obitlabio do cemitkrio publico no da 13 de dao de quem os recebe. Acceitem pois todas es-as
ovtubiio de 1864. pessoas que to piedoso acto pratiearam, o vi*) de
Manoel Francisco da Paixao, Pernambuco, 92 an- meu eterno e profundo reconhecimento: e com
nos, solleiro, Boa-Vista; mterite chronica. I quanto para nao offender a sua modestia deixo de

L
MUTILADO


filarlo de rermaaafeneo ... Terca felra l de Ontlibro de ii4.
personifica-las, todava nao posso deixar de men-
cionar o brioso csquadrao n. 1 da guarda nacional
desle municipio, ein que outrora quando eiD lison-
geiras circunstancias fra alistado meu mni pre-
sado esposo, pelo vivo interesse, que por elle toma-
ran seus nubres compauheiros, encarregando-se
alinal do seu funeral.
Recife, 13 de outubro de 1864.
AleX'Andiinu Antonia de Siqueira Tacares.
capitao AHrelio, b particularmente tovc nina con-
ferencia, fazcndo sentir a ettoroao commetlida,
por quinto a prisad de Ormenia arada ua liypolho-
se de delicio foi menos Ilegal e arbitraria por Ihe
fallar as formalidades que a lei exige em casos
vetes assim nao acontece, porque ingtiHWos njs
lahyrinttio do mundo s dello no* Umbralaos-,
esquecendo assim que vivemos por um eropres-
timo.
utro tanto nao se pedia dizer da Sr.' D. Clara,
liie se nao da fl.granto, cujo acto dcnotava o pu-' que eomprehendendo perfeilainente o qne a vi- sen.
tardo com W2 ditos ditos ; a E. A. Rurlo & C.
* veanles eom 1HW ditos ditos; a J. Kellcr & I
Do Maranho:
70 barris manteiga ; a ordem.
1 pacote coletos de fusto; aTbeodoroChristiau-
Dado
Per-
Pandillas vermfugas de Kcmp.
As pastttftas vermfugas de Kemp sao por sen
duvida aignma infinitamente mais efflcaew e atis
do que todos os mais remedios poliposose nausea*
buiilos que existan para a expulsao das lombri-
gas. Ellas nao somente expeliera e destroem essrs
foromroodos parasytas, mas tambem removem a
mueosidaae em me elies s> engendran) impeamdo
por esia ferina a sua reproducan. Ain
cucunlra um s caso em
buco ser urna revendida. da, nunca se deixon levar pelas vaiddes dalla,
A isto re-pondeu o Sr. Aurelio, com toda sanha s tendo por nica ambieo, a educacao do seus
quo nao ordenava a soltura da mulher por se innocentes lilliinhos, que coostituiam toda a sua
achar presa de ordem do Sr. Dr. cliefe de polica, ventura.
a qual tinha de seguir escoltada no da Regatan Ella j nao existe, mas o seu nome e as suas
la delle Aurelio para a capital. (Ke- qualidades jamis sero esquecidas por seus pa-
a conhecerain.
vela anda notar que todas essas violencias foram rentes e lodos aquelles que ;
postas em execuco depois que o Sr. Aurelio, vio Para que mais ? A ininlia idea iraca, e plin-
o corneta do destacamento com urna faca, e quiz sido anda pela ddr que me rala o corayd, so-
lver a torca que o corneta derlarasse que aquella mente lagrimas derramadas sobre a sua raiipa
tacca tinha recebido de Orminia para o assassinar, significarlo a minha anteado, e assim pratieando
i e naquerando o corneta sqjeitar-se a ossa nsi- pedirei aos de sna familia,, para que comigo e(leve-
^ l nnaeao, fui por Aurelio maltratado com um chi- mos as noss-as preces ao Todo Poderoso, pelo eter-
nau so co^ rasgando-lhe sua sobrecasaea miniar, e preso, no repens de sua alma.
J! cujo facto foi presenciado pilas pracas do desla- A trra Ihe seja leve.
de produzir o desejado effeito de urna maneira sa-, eumeoio, e o roesmo corneta dis tisfactoria.
Em vrtade de se acharem exemptas de ingre-
dientes irritantes, nao causam ollas dor ou incom-
nodo de qualidade ai-ruma, e por meio da sua ac-
eito balsmica soavsam o ventre e o deixam no
estado de nma salubridade perfeita. As crianeas
as confundem fcilmente com outros confeilos or-
dinal ios em razio da sua apparencia e sabor, e
gosiam deilas tanto quanto gostain de proprios do-
ces.
A venda as boticas de Bravo & C, e Caors
Barbosa.
Ao publico.
L'm dever, ao qual nao me possosubtraliir, obri-
ga-me vir boje patenlear minuciosamente os tristes
acontec metilos, que, eom a mais au.laz violencia,
acaba de praticar lienta infeliz villa de Flores, o
>r. eapilao Aurelio Joa |Qtm Piulo, eonmandaule
da torca desla comarca ; aliin de que o goveruo c
o publico couheearn o grao de desmoralisaco des-
se capillo, menos idneo para commandar qual-
quer forra, que tenha de auxiliar a polica, por ser
elle o pmniro, que pelas autoridades peliciaes,
deve ser vigiado.
Conven, porlanto, que estabeleca a veracidade
dos i.ii[...-.
Tendo Ormenia Jansen de Carvalbo, retirado-se
desla villa, no dia i" de seieinbro prximo lindo,
por nao Me convir continuaT a rerehrr em sua
casa o Sr eapilao Aurelio, es.to no calor de sua in
dignaco, IhurtuiTU traidor meio de vingar-se ;
nota conjectiM-a, aconselhado He seus perversos
insiinctos nao poupou lempo para fazer correr o
boato, que Ormenia Ihe linlu roubadoa i|uantia de
3204. que na tarde desse dia recebeu do colleclor
desta villa para pagamento das praca sob seu eom-
mando.
Sendo Ormenia, sabedora dessa repllenle* im-
putado, uo lardou em apresentar-se para justiti-
car sua innocencia, de to degradante nota.
Apenas o Sr. capitn Aurelio cuaba de sua che-
gada, roquisilou du Sr. Dr. Aiuaral, juiz municipal
desle termo, a priso des.-a nuilher, a qual sem
perda de lempo foi presa, as 9 horas da noile, pelo
mesmo Dr. juiz municipal, que sem formalidade
]', ni., fui recolhida enxovia, assim como Jos
ilailins de Carvalbo, pai de Ormenia: eom orden
de seren conservados incommunicaveis at uliima
decisaa. Nute-se que > era pcninUido conversar
com a presa, os cantaradas soldados do Sr. Au-
relio.
:t do fallado mez de setembro, forani os presos
de que trato, couduzidos a presencia do- Sr. Dr.
Amaral, para seren interrogados acerca do roubu
propalado pcl.. eapilao Aurelio ; em cujo acto fui
solt afarlas de Carvalho ; e Ormenia romqnantu
respondesse salisfaclnriaiiieiite as pergunta feitas
pelo Sr. Dr. Amaral, declarando a razio por que o
Sr. capitn Aurelio nsava des.-e procedunenlo, ar-
guido-itie sopliisticamrnte essa imputacSo, nao foi
crida, sendo aliual reeolbida a prisao.
Passado islo, o abaixo assigndo dirigH>se ao Sr.
Dr. Amaral para alcanzar permisso, alim de ser
Ormenia conservada na sala-livre, ubrijiandn-se a,
pagar os .10, de|HMS que fj-se provailo o imagi-
nario roubo, offerecendo anda mais um'fiador 5
porm o Sr. Dr. Amaral, que lava crdito aos em-
bustes do Sr. Aurelio, nenou-se, afirmando que
eslava eunvencido, que Ormenia tinha roobado o
dinneiro, e que s deixava de mandar arrocha-la
cun anginlius porque a lei nao permittia.
Nesse mesmo da o Sr. caouao Aurelio raandou
chamar a Marlins de Carvalbo (pai de Ormenia) o
em Ma casa, depois de sentados sobre una game-
la, offereeeu o eapilao Aurelio a Mai lilis a quanlia
de. 200-5 para este fazer com que. Ormenia fosse
par casa delle Aurelio, ijue immedialaiiiente a
ni.uil.iva soltar ; cuja offerta senilo regeilada por
Martin<, foi tambem vulgansado ludo quanto entre
ellos se passou.
Anda pelo tortuoso caminho da analyse, o Sr.
eapilao Aurelio, na noile desse dia, fui grade da
ca.lea, aoude se acbava Ormenia, e fazeiplo retirar
as sentiiiflas, subi e sent->n-se na grade e com
nimias caricias declarou a Ormenia, que o dmheiro
tinha appaiecido, que a sna innocencia seria per-
soiaii.-ada, e que pulanlo ella devia ir para a casa
delle.
No subsequenle dia tendo disto sciencia, o abai-
xo asMgnado incamlnhun se para casa no Sr. Dr.
Amaral, ao qual fez patente todos os desvanos do
Sr. Aurelio, e que visto achar-se descoberto o ver-
gonbiisij trama, niandasse por a mulher em plena
liberdade.
Con effeito, em vista do triumpho da verdade
desai pareceram as dUBruldades, e nao tarduu de
ser Ormenia restituida de seus direitos.
Vendo o Sr. Aurelio
eoberto, coguou na su
plano de persepincao, contra Ormenia, que prodo-
zisse melhor eifeito.
J8 do indicado mez do etembro, em pleno
dia acltava-Se tranquillo em sua casa, o abaixu a<"
smnailo, i|uando por volia das i horas da larde,
ou pouco antes, ouvio locar reunir no qaarlel do
desldcameiiiu desta villa ; e ubi pomo espago de
lempo o Sr. Aurelio, levado pelo propo.-ito lirme do
caminiio da corrupcao, cnvga "ao.-- ltimos extre-
mos, ainda o mais indignos e reprovados ao abys-
010 : e sem alleuder 0 inviolavel asylo, que lodo o
cidado tem em sua casa Consagrado pela ronsii-
tuico do imperio, cercuu a cas do abaixo assig-
nado com as pracas do destacamento, acuuipanha-
do laiiibt-m do alferes Jo>e Manuel da Silva, que
alin iia fspada, se achara rom urna pistola ; e com
a mais iuqualilicavel arburariedade, depois do cer-
co, gntou puiilieamenie que a casa se achavacer-
cada para ser preso um assas-ino.
A' vista de seinelliame espectculo extorrionario,
O abaixo asslgnado requeren que Ihe mostrasse
ordem legal de auioridade legitima, que o anlori-
asse ou que pelo menos Ihe declaraste em que ler
se fiimlava para pralicarseinelbaule procedimiento.
i-to respuiiden, que era um empregado do go-
veino, que se julgava com direilo para assim
obrar.
Affrotitado escandalosamente o abaixo assignado
e a ;iiorlidade publica, que fazer T Vendo suas
inlerveines em nome da lei, seren des|>rezada^
p>r aqueiie, que em vez de velar no cumprimeuto
deila, lem aps de si a reinado da depravar ?
Con. i niin-i h- unieameiile ver con&ummada a sua
compulso com o mais degradante phanatismo.
Dai|ui se v claramenle que o Sr. Aurelio, dc-
baix a^ha de promover o- tan real do paiz, e que fe-
ehando os uuvidi.s a ttnos os reclamos justos Ihe-
cumpria preeneber o m de sua dissidente revin-
dicta.
^c-Oslante, neste estado lastimoso reassnmio
o abaixo assignado a energa neces.-aria para nao
ceder o seu direiio, nao iniisentindo que fosse va-
rejada sua rasa, por aquette, que por devi-r tem
de (aramir a vrda. a priqiriedade e a seenranca do
cidadao ua mauulen^o da ordem publica.
Ifcefci p sf. a.'havam as enasta qoando se ouvio
nma vm dizer : Aqu esta a mulher ; foi
isio bastante |ra atUm o cerco da frente da
casa e rorrrrent i ceniraram Ormenia, a qual ftti presa pplo Sr ea-
pilao Aurelio, de oniem do sr. Dr. riten de pedira
e recolhida logo sala-livre; sem culpa formada
0 sem iM da nrfpa.
Esiie-inhad" e postergad-i e diretto da Ki, vafen-
se n Sr. c-apito Aurelio da airtortdarte do Sr. Dr.
rkeN de pulira, para couseguir o seu libidinoso
fim.
ConchJidas esas moratdades o abaixo assignado
ppssoahueiitf levon ao ronhermento do Dr. Ama-
raf, peitindn (irovideiieas, oqnal ouvindo-o ppr-
guiiluu com ar riwnl: Que irner Vmc. que eu
faca, hr iiv boiar-me ar perder com o Aurelio ?
Juste inleriin sah--niH d* todo o acontecido o
digno Sr .ubdWfgado de pulira desta villa Didoro
Jos da Silva M.rscareiihas. que sabe conqireheu.
der as anrmuirttes de seu carjo, dirigitf-je ao Sr.
suas, e entre estas ao Sr Basilio Quidute de Sou-
za Ferraz. Retirndose o Sr. subdelegado, depois
de fazer sentir o proredimento arbitrario do Sr.
eapilao Aurelio, cujo demerito por ninguem I
deseonhecido, mandou Aurelio postar piquetes as
estradas impedindo que pesaos algn entrasse
para dentro da villa ; ordenando a seas soldados i
ipie escorvassem as armas,queimassin asescorvas,
S.
Encommendas:
1 encapado; a Lourencn Alve*Saiazar :
i caixote plantas ; a J. Pereira do Itegn.
1 di tu ja Dr. Francisco Doiningnes da Silva.
1 eiiilirulh > : a -Dr. Joaqun) Jos de Campos.
1 dita ; a Geraldo RVnnqua de Lima.
I pacote; a Manoel da Silva Sampaio.
Galeota hespanhola Fidelu, entrada ito Montevi-
deo consigna-la a Carneiro Pereira & C mauifes-
tou o seguinte :
3,237qjuiutaes hespaohes de carne secca 3
couros de puliros ; a ordem.
l'*cereitoi*i; de rendas Isitcrnas
t^eraes de Pernambucn.
HenJimento do dia 1 a 15........ l:120S7'i.*
Idein do da 17.................
A vida deJesus, porH. Renn e
a directora di Gabinete Par-
tiignez de Leltura.
II
Aggredido por um inimigo oceulto, quig ap
ia
ro-
n-
e ato mandn disparar urna arma, quo foi ouvido o; prla directora, sob um pseudonymo, eu devki
tiro, nao so pelo Sr. Dr. Amaral, como por lodos tregar ao mais solemne despreso, as offensas que
habitantes desta villa. ao meu carcter, faz o misero encapotado, que o
hsta inopinada ordem do Sr. Aurelio recepta- se animou acombater-me com armas iguaes, isl
culo de viol-ncias c embustes, fez licar o povo des- a subseaever o molino pasquirn que no DwroTde
n alarma, e afervorado por severem houiem ma dirigi. Teniendo, porm, que o mjeu
2l:o8ol
Consulado provincial.
Rendimentodo dia 1 a lo......... 27:0415816
do dia 7................. __^ iSSt MTIiS
27 68453061
coagidos por um importavel llig.llo.
feste estado deploravel continuava o Sr. Au-
relio com o seu desatino ; e ten lo certeza que os"
Srs. subdelegado a Dr. Amaral levaran ao conbe-
cimento do Sr. Dr. juiz de direilo desla couiarca
que se acbava em Villa Relia, (dez leguas distan-
te desta villa) mandn por Ormenia em liberdade
pelas dez horas do nullle, a qual se achava presa
de ordem do Sr. Dr. rhefe de polica. Nole-e
anda que o Sr. Aurelio conserva em sua casa
como camarada o soldado Joaquim Jo< da Silva,
pronunciado e obrig-ido a pnsio e livramento por
crine mafiancavel, por tentativa de mnrte na pes-
soa de Isabel de tal, cujo processo existe no car-
torio desta villa como de indo isto sabe o Sr. eapi-
lao Azevedo actual nessacapttal, e todas as pracas
do destacamento.
Ora, se ludo acto criminoso, toda violencia lei,
produz um mal social, urna perlurbaeao da ordem
publica, 11ra ataque aos direitos garantidos pelas
nos.-as leis; de niisler que a mal sejaperfeitMieote
reparado pelas autoridades competentes de confor-
inidade com as leis do paiz ; baseando-se, pois, o
abaixo assignado nestes principios queixou-se ao
Sr. Dr. juiz municipal, das revoltanles violencias
doSr capitao Aurelio ; e apresentou a queixa que
a seguinle :
lllm. Sr. Dr. juiz municipal desle termo de Flo-
res. BellarminoOlympio deOhwira, branco, sol-
teiro.negocianta morador nesta vilb,vcmqueixar-se
V. S. do capitao Amelio Joaquim 'into cominan-
dante do destacamento desla mesma villa, pelo
inaudito facto, pralicado pelo mesmo, como passa
a instruir.
Achando-se o queixoso em sua casa, nesta villa,
com toda calma de espirito, ouvio tocar reuoir no
Hauiuroo, 20 de. setembro de IV. i.
Relatorio coinmerctal.
O niovimenlo do mercado na quinzena passada
eoneervou-se era limites minio estreilos por causa !
silencio fosse lomado por acqniescencia da minha daescassez do numerario, e os precos dos prinripaes I
parte, no que contra mira se diz no sobredito pks- gneros > pedem ser considerados como nomi-!
quii, apresso-rao em declarar que e;n SMnwisrio
publico liliisira.li) que nos jul,'a, comprotaatto-ine
a s oceupar-me do q le os meus inimigos contra
miui cscreverem quando so dignaron assignar os
seus nomos.
Nao ha nada por mais simples que seja de qkie
su uo possa tirar partido, quando-o- despeitooil a
raa vontade serve de noFina a espirito* prevenidas.
Os a|)aniguados dos espiriu fortes (que felizmente
avuliam mais pela irreligiao do que pelo numeio)
apeuveitaram-se da proposicao que ernilli uont'ii
priiueiro artigo, de que no servia de defeza li-
recloria, o facto da bibliotbeca do Gabinete cunler
algumas das obras dos enryclopeditas do seci lo
naes.
Caf. O leilao hollandez no dia 14 foi satisfac-
torio, esperando-se aqoi um resultado menos favo-
ravel po eatwa das circumetancias monetaria*. As
e passado nesla cidade do Recife de
nambuco, aos 9 de ootoka-o de 1864.
Eu, Florjano orreia de Brito, escrivao, o flj
esrrever e subscreo.Ernesto d'Amiino Fonseca.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe oftlcial da impe-
rial ordem da Rosa e juiz de direilo especial do
cominercio desla cidade do Recife capital da pro-
vincia de Pernainbucn o sea termo por S. M. 1. o
Sr. D. Pedro II a quera Detis guarde etc.
Faco saber aos que o presente edilal virum,
e delle noticia Uvera me a requertraento de P.
J. Foulkes fra reseemhdo a eum-ordaiadeCami-
nba 4 Filhos pela saolenca do theor seguintt- :
Vista a materia da pehcao .le f.iihas919, na qual
expe o supplicaaU; Pedro Jou Foulkes qne os
supplicados Vicente Ferreira dos Santos aminha,
Manuel Ferreira dos Sanios Camuiha e Alexau Iro
Ferreira rf'js santos Camiiiha, sucios da Berna fal-
lida (/miraba a Filhos nao ciimp iran a concorda-
la que Ibes foi concedida |or seuscredores na for-
ma do autodefolhas (iitii, e mosiranlo-se peio do-
6:1645686: ('umento a folhas 929,qne com effeiloa concorda-
la uu foi cuniprida, deixando osupplfcaote de ser
pago na forma convencionada com falla de ba fe
e prejuizo do mesmo sopplirante ; julgo rescindi-
do a concrdala, e mando que sejain os credores
convocados nos termos do art. 139 do regnlainenlo
forinagiio do conlrato de
ordala, devendo a reuuiao
ter lugar no dia 18 de outubro do crrente auno
pelas 11 horas da manhaa na sala dos auditorios
paraoquese expedirn edilaes conforme o an.
133 do citado reguiamento. Os curadores Oseaos
ja nomeados reassumiro as suas fuuceoes re-
qu. rendo o que entendei0111 a bem da niaasa fal-
lida, que pagar as cusas.
Recife, 23 de junho de 1864.-TrsLao de Alen-
car Araripe.
_E mais se nao conlinha em dita senlenga ; mas
nao tendo os curadores liscaes reassumi Jo os seus
cargos por se hanrem recusado, assim como ou-
tros credores qtre foram nomeados, licou a mes-
conslruccfio para um transpnrtr de
sem elTeite, senda o deposito do- caf do Rio mu i
to insignilirante.
Os supppimentoe receidos do Drasil (orara ile
'.1, W 0 sacros de Sa utos, e as vendas de 5,000 sac-
eos do Rio e de Santos a 6 3(8-7 \* schlliogs.
Colamos o caf regular ordinario do Rio : 1 l|8
-7 t^cb*
Assucar. Muilo tranquiBo e cem baixa de 4
passado, as quaes estando impressas era urna liug ia sehitlngs ; nao luniveram vendas de assucar brasi-
ignonda da mxima parto dos associados, nao | o- lean.
noticias ha pouco rerebidas do Rio, de 2=4 de agos-: ma cnradoiia affecta ao Dr. promotor publico, que
lo, annnnciando maiores carregamvntns. Qcarara ,,restou o devi lo juramento, b devendo-se proceder
diam ser equiparadas no mal que podiara azer, a
tradueco porlugueza de urna obra, recheiaita de
eugenbosissiiiios sophlsmas suggeridos pelo es-
pritus das trovas para arraslar a eterna perdie 0
aquelles de nossos tonsoetaoju talvez menos luci-
do da divina grana, poderao ser impellidos a ro i-
perem por urna vez, ossaudaveis laca* que os pre i-
de nessa mai coinmum, a grejacat-olic : e.l
raudo da miuha proposico a falsa consequencia e Em ser 6,000 couros do Brasil.
Tabaco. Veiid<-ram-se 987 bailas de tabaco da
llahm, e em lean 256 de dito, vindo no navio Jo-
fa* Gotlfried 3 3t6 3jl6 schilliugs. Em ser
4,300 pacates de tabaco brasileiro.
Gouros. Os eoures salgados sao procurados ;
bouveram- transacyoes imporiante* em cargas fluc-
tuaates. As vendtis foram de 3,300 eoures do Rio-
Grande, .00) de Pernamhuco, e 292 da Balda.
de que lodos os socios i|ue ignoram o francez, >'; o
inaptos para discriminaren! o bem do mal, enreda-
rain o qne eslava de si muito claro, s no intuito
de me prejudicarem na opiuiau dos demais sucios.
Mas ser ou nao verdade, que urna obra vertida em
portuguoz no genero da Historia ou Vida de Jesi
pelo irreligioso Renn, ou nao lanas mais vs<
perigosa, quanias maisfureui aspeasen aptas a-fi
de-la ? Em que irrogou eu ui.-io injuria aos mi
quariel do deslaniento, das 2 para 3 horas da tarde collegas (|Ue ignoram ao francoz l Haverquen
do dia 18 do crrenle mez de setembro ; e empou-: conscienciosamente sustente que tanto mal faz una
eos minutos dito eapilao acompanhado do alferes obra que perverle a sesseaU pessoas, como a qu
do mesmo destacamento Jos Manoel da Silva, e
das pracas sob seu commaiido, cercou a casa do
queixoso sem que para isso fosse autorisado, e em
voz alia propalou que achava-se a ca.a cercada
para prender nm assassino, que all se achava, or-
d-iiando ao queixoso que abrisse a porta para fa-
zer a diligencia ; isto 6, para prender um assassi-
no, sem que para dito lira apresentasse ordem es-
cripta emanada da autorizado legitima, como pro-
preceitoa o 10 do art. 179 da cuiistituico do im
corrompe a seisccnlas ?
Bsuwa de boa f nesta qiMSto, quera fecha e^i
olhos verdade, pura se deixar levar siu -ule daa
paixes que alimentara espritus menos tranqiu"
los, pretendendo arrestar urna qtMstio purameiitjj
do principios para o campo asqueroso dos convi
cios ?
Acoberlados com a irrespinsalH'idade resultan
te da emissao de suas opinos em corrillios, em que
as pe.sSuas que me conheuem de perio e me fazeni
perio, e art 176 % Io e segrales do cod. do proc. | jusiiga, nao leem entrada, nao trepidamem me pin-
crira. e 114 do regulamento n. 120 de 31 de janei-1 larem como um novo Mephisiopheles queteoUi
ro de 1842, visto nao se ter dado caso alguin de
flagrante, art. I3S "lo sobredito cod. do proc.
mpellir ao abysrao da superstigis todos a luellei
(piepeusam como eu, que a reugiocaihoiica, aaV
Violentado o queixoso, e defraudado de seus di- o ampies producto das allucinaces de um an
----- ---- inuniei i ca usa o .is.-a.--;
de seus direitos. ;(.uriVa piVnde-lo, e
o seu vergonhosu trama des- Ro rousasqi
a desnurleada cachola ou ru ; lnll,(7f(li M1|liedlil
reitos, que sobre maneira prza, e qne Ihe ga
rantido pela Ir i, reiteradas vezas requereu e exi-
gi notoriamente do dito capitao Aurelio Joaquim
Pinto, qne Ihe apresentasse ordem legitima man-
dada pas.ar por auturidade policial, cora as for-
malidades offerecia para deixar de ser varejada sua casa, art.
10 da lei de 3 de dezembro do 1841, e 121 do cita-
do regulamento de 31 de Janeiro do 1842, o 162
do j mencionado cod- do proc. crim. ; e que ao
contrario nao consenta que entrassem era sua casa
por conhecer a fflegalidade du acto.
Ao acabar de pronunciar essas palavras, o que-!
relado infuivrido com o ardor do seu insojito pro-
cedunenlo gritou aos soldados, que agarrasswn ao I
queixoso que era um assassino e iminediatamente
iniiiuou-lho vocalmente ordem do Sr. Dr. chefe de
polica, para ser preso sem mais formalidade de
lei. Circular do ministerio da ju.-tiQa de 16 de no-
vembru de 1861, que nenhuna signilicaco leve
p.na o querelado deixar do realisar actos do ca-
pricho, de.-respeitando nao s a lei, cuino o decoro
e paz das familias.
Anda assim o queixoso nao desisti do seu di-1
ello, embora j Interrumpido, fazendo serias reda- j
maces pelo d-satinado piocedimenlo do querela-1
do. Nesie intei im sendo vista, pelos soldados, que i
se acliavam no cerco da casa pelo lado da relaguar-1
da, Ormenia Jansen de Carvalbo, que actualmente
reside em casa do queixoso, (gritavain aiui esta a
mulher) era esta n assassino que o querelado pro-
e saciar o espirito de per-
ue a modestia faz calar ;
uja mulher fui immeuiatameute escoltada para a
sala livre da cadeia de.-la villa.
E' assim que um empregado do exercilo brasi-
leiro, em vez de velar no cumplimento da lei e da
iranquillidade publica, se reveste em instrumento
de perseguico, entregue a seus proprios recursos,
com oireusado justo e do honesto Por cerlo lllm. |
Sr. Dr. juiz municipal, foicuso dizer que admira
a lodo mundo ver-se praticar act<>s desla ordem no
seculo em que corre a ronstuuicae
A vista do expendido o querelado pralicou um
facto criminoso, e para que seja punido cun o m-
ximo do artigo 210 combinado com o art. 137 e
138 lo cdigo penal, por terem concorrido as ag-
ravaiiles de na. 4, 6, 8, 10 e 14 do art. 16 do re-
ferido cdigo, vem por i.-.-o o queixo>o apresentar
sua queixa, alim de se proceder como for de le
aos demais termos da formaco da culpa roulra o
querelado.
O queixoso jurando que da a presente queixa sem
odio iiem malicia avaha o daino sulfrido na quan-
lia de 4:0<'0000, e offerece para prova do allega-
do as le-U-muiihas abaixo mencionadas.
Pede V. S. deferiinenlo na forma da le. E. R.
M BeUarnist Olimpio d'Obvena.Testemuuhas,
Jos FrancUro de Medeiros, Bazilio Quidute de
Souza Ferraz,. I'rani'i-co Antonio du 0, Joaquim
Rosa de Carvalbo. Joo Loile Ton es.
E' fra de duvida, quo inolivo aeiihum descobre
e abaixo assignado qne possa o Sr. Aurelio no acto
da formaco da culpa, ju>licar ou negar o seu
prucediuiento violento prendeiido o soltando de or-
dem do Sr. Dr. chele de polica com o requinte de
immoralidade.
O que levo d to roncluo dizendo, que submetto
ao ju.-to pensar lo Exm. Sr. presidente da provin-
cia, do Sr. Dr. rhefe de polica, e do publico sensa-
to, que saberao pesar na balanca sellada com ocu-
ubo da verdade.
Villa de Flore;, 2 de. outubro de 1864.
Bellarmino Olympio de OUveira.
blindo, como o reprobo Renn trata o nosso Re
demptor.
Recife, 18 do sulubro de 1864.
Manoel Soartt Pinheiio.
Algodao. ?em transaceoes e sem mudanca de
preces.
Cacao.No mesmo estado, sem novidade.
Sucios enaos da Brasil na quinzena :
De Santos : Onward, Etoile det Nori s Thetis.
Do Para : Ora.
Da Babia : Johanna.
Do Rio-Grande do Sal : Volunteer e Veloce.
AVtCMW partidos.
Para o Rio de Jaueiro : S. Lxizz e Johann Got-
lfried.
Para a Baha : Presto.
Para Pemarabuco : Galeue.
Navios carregawto para o Brasil.
Para Peniamburo : Ventas e Jacobus.
Para o Rio de Janeiro : Schwand, Onward, Bou-
no e Marte.
Para a Baha: Seztne.
Para o Rio-Grande do Sul : Waalwyk.
l.ambios-
Sobre Londres, 3 ra. d. 12 marcos lo sch. ban-
co por S.
Prazo curto 13 marcos 3/4 sch. dem.
Sobre Paris, 3 m. d. 194 3/4 francos por 100
marcos- bance.
Prazo curto 191 3/4 idem.
Sobre Lisboa 43 sehilngs por 15000.
Descont 6 3/4 e 7 1/2 por cenlo.
dei ras de
guerra.
Sao sujeitos os qne venderem osles objei
multa de 10 por cento se na* as entreganu- !
prompto, e de20p>r rento caso sejam de ma mr,-
lidade, ou nao os fornecerem.
Sala do eomriho de compras navaes, 17 o> .
labio de 1864.
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
Soerelario.
Pela administra^ao do eerreio desla ri
se faz publico que boje < I8i ao meio da Mi
nao as malas que o vapor in^lez Maimn tan *
conduzn- com desiinao< uorts do sul.
CO^fiIO 6 RAL.
Ilchnii) das cartas UfaM lindas du nerlr pr
vapor (RapocL paraos Mativw abiiw ir-
declarados :
Agrieio Rodolpho de Araojo.
Dr. Caetano Xavier Per. ira de lliiio.
Antonio Herculano de Sonsa Ban-leira.
Padre Florencio Xavier Das de Albo i -rqi'
rassii).
Francisco Ignacio Pinto.
Joaquim da Costa Vieira.
D. Jompna Francisca Pinio RJgneira Ramos
Jos Rodrigues de Suiza, i).
Jos dos Santos N'eves.
I). Mara Carolina Raposo.
M'inleiro A; Lopes.
Manuel Firmio i Ferreira.
Dr. Trislan Alencar JAraripe.
Correio.
Pela admisristraco do comi desta cid. i
raz publico que boje f 18) as 3 horas da tard
rhar-se-ho as malas que o vapor thjapock t
conducir com destino aos portas do saL >
naes serio recebidos atoo meio da. e a- carta-
niTitida-s aseguro ald as 2 horas (|a i.,rde.
Phrase breve
auiisadc dirigid ao llim
respeitos
tcneute-coroael ^ei>atio
Lopes Cluiaiares, pelo fal-
leeiuaeaio de sua querida
irina.
O mais infeliz dos lio-
nrns o que nao sube
supportar o infortunio.
BusSabio da Gdegu.
a norapaefro de deposirario la referida massa,, sao
pelo prseme convorados os respectivos credores
a cumpaTecerem na sala dos amolar! >s no dia l'J
do crreme mez s 11 horas da manhaa, e pai a
ipie teir lugar as diligencias pre.-criplas no art.
130 do regulamento n. 73$,.cima indicadas, sao
os mrsmos credores convocados pelo presente a
compareeerem no mesmo lugar no dia 20 de feve-
reiro do anuo prximo futuro pelas ditas horas ;
advv'rtimto, porm, une nenhum cre.lor ser ad-
mitidlo por procurador se este nao tiver poderes
es.'eciaes para o arta, e que a procuraco nao po-
der ser dada a pessoa que seja dbvedura aos Cal-
Hilos, nem um mesmo procurador represenlar por
donsdiversos credores; outrosim que sero unidos
aos votos da maioria dos credores presentes, us dos
credores que que derxarem de comparecer.
K para qn< chegne ao conhecimenlo de todos
ser o presente publicado pela imprensa e afllxado
na forma da lei.
Cidade do Recife de Pernambuco, aos 15 de
outubro de 1894.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Xascimento, escri-
vao o subscrevi.
Tristaa de Alencar Araripe.
O Dr. Anselmo Francisco Peretli, eonimendador
da ordem de Christo e da imperial da Rosa, des-
emba'gador da rehfio de Pernambuco, presi-
dente do tribunal do commercio da mesma pro-
vincia, por S. M. o Imperador quera Deus
guarde, etc.
Faco saber aos qne o presente virem, que tendo
vagado um dos oOcios de escrivao de appellaeoes,
aggravos e protestos de letras oeste tribunal por
falleeimento do serventuaiio que o exercia Gui-
Ihermino de Albnquerque Marlins Pereira, tica
marcado o praso de 60 das, na conforinidade do >,
2" arl. 10 do decreto n 810 de 30 de agosto de
1851 para que dentro dalles os pretendeales a di-
to ofllfio apresentem seus reqiierimentos datados
e as.-ignados, acompanhados de autos de exame,
folha corrida e mais documentos que enlenderem
convenientes, ludo sellado como presciiplo no
art. 14 do citado decreto, alim de seiem encami-
libadas ao governo imperial por entermedio da
presidencia da provincia, (ludo que seja o sobradi-
t praso.
E para que clvgue a noticia de todos, mandei I
passar o prsenle, que va i sellado com o sello do!
tribunal, e por mim assignado, eque ser afinado-
no lugar doesiyllo e publicado pela imprensa.
Dado e passado na secretaria do ti ibnnal do j
commercio da provincia de Pernambuco, aos 17 de
ouliibro de 1864.
E eu Julio Augusto da Cunta Gumaraes, se-
cretario, o subscrevi.
Anselmo Francisco Peretli.
EMPBEZA
LEIIIUVI & CAIVBR4.
QUAKfA^BWA, 19.DE OtTLBR*> M IM4.
Ni pode llaver recita ueste dia. em coosvqii:.
cia dos preparativos para o magnifico drama -irr
original de grande .-speciacuto. em 3 Mtos t
qadros :
OS
HUIVIUS
Nao se manda estancar o merecido e san-
doso prauto, i|ue despcria a perda de urna
irmaa cariuhosa, com banaes consolaces :
o coracjto lem s us direitos e reclamos a
que nada se oppdem. Menos so o deve aug-
ineutar, encareceudo o objectu |>erdido cora
qualiicacocs ja gastas, torca de baratearlas,
de aojo de Virtudes, modelo das mais, espo-
sas ou ii uias : a religio tem tambem seus
m.iiidamentos que curvara a cab-ca de sjus
liis, que abateui o faluo orguliio dos que
s visam as fruiedes da trra ;
E, pois, cborai, nobre e leal cora'.o de Ir-
ado :
E, quando derraniardes as desafugadoras
lagrimas da saudade, repet a sublime e re-
sumida pinase que uesse mesmo coraco
matoado esrreveu com letiras indelevui9 a
religio que o formn :Voniade Divina.
Vosso prauto bemvindu, porque a na-
lureza que vo-lo faz derramar, porque
ella que vibra sua corda ; vo.sa tesignaeao
ser certa, porque foi um Dedo Poderoso que
apontou chamando a si o objecto delle.
Os justos uo carenen dus luuvures da
trra, porque a Sabedoria de seu Julgador
nao tem carencia de despertadoies; vos nao
carecis de palavras lisongeadoras, porque
na vossa religio enconira-se as nicas ver-
daderas consolaces.
Chorai eorai, uobre e digno coraco de
irmo.
Recife. 16 de outubro de 1864.
U. P. J.
MQfIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 17.
Para e porlos intermedios 6 dias e lo horas, e do
ultimo porto 6 horas o meia, vapor brasileiro
Oyipork.ao 1,(80 toneladas, commandanto An-
tonio Marcellmo de Puntes Ribeiro, equipagt m
63, carga varios gneros.
Anklan I82 dias, barca ingina Ser George Grey,
de 376 toneladas, capitao Gelpen, eqnipagem 15,
carga azeite de pWxe. Veio refrescar.
Sedwy 80 das, galera ingleza Edith Bijrne, de
744 toneladas, capitao George Whileway, equi-
pagem 21, carga la e outros gneros ; ao cap- .MI Illa lasa ilil "l! M'i i(tl'^ Ja (In "eiifi
to. Veio refrescar. o lllm. Sr. thcsoureiro da Sania Casa de Miseri
JWimo sabido no mesmo da. ; cordia do Recife manda fazer publico que no dia
Clydi-brigue inglez OIMlo, capitao <>lass, car- 22 do crreme, pelas 9 horas da manhaa, no sala
ga assucar e outros gneros.
Observado.
Suspenden do lamaro par* West Indios a barra
ingleza Osbert, capitao A. C D. Morris, com o mes-
mo lastro que trouxe da liba da Assump^o.
EDIT1ES.
SilMKElGIO.
Alfaadega
Reudimenio do dia 1 a lo .......
dem do dia 17.................
Pcranle a cmara municipal desta cidade es-
taraoora praga nosdias 14, 17 e 19 do Crrente
para seren arrematados por quera mais offerecer
as segninles rendas municipaes :
Imposto de 80 rs. por carga de farinha
e legumes vendidos nos mercados p-
blicos desla capial.....3:210,3000
Imposto de mscales e boceteiras ISOjfUU
Alugueis da casa da Suledade, aonual-
inente.........145,5000
Aquelles que prelenderem arrematar as non
nonadas rendas develan apresentar-se nos indica
dos dias, munidos de (lauca idnea, e habilitados
na forma da lei.
Paco da cmara municipal do Recife i2 de ou-
tubro ae 1864.
Luiz Francisco de Uarros llego
Presidenie.
Francisco Canuto da Roaviagem
Secretario.
A cmara municipal desta cidade faz publi-
co, conforme recommenda o art. 103 da le de 19
de agosto de 1846, que tem de proceder no dia I*
do crrenle a apuraco geral de votos para os ve-
readores que deven servir no fuluro quatriennio
de 1865 a 1868.
Paco da cmara municipal do Recife 12 de ou-
tubro de 1864.
Luiz Francisco de Barros Reg
Presidente
Francisco Canuto da Boaviagem
Secretario.
ODr. Erupsto d*Aquino Fonseca, ravalheiro da
ordem de Christo, juiz de orphos e ausentes
da cidade do Recife e seu termo, por 8. M. o
Imperador, que Deus guarde, etc., ete.
Fa^i saber (juera o conhecimenlo deste edilal
pertencer e delle tiver noticia, que Manoel Joa-
337 1925966 ."m de Lemos e Vasrommllus, orno legitimo ad-
il.029036 nni>lra*'r dt sna mulher me dirigi a petico do
__'______theor seguinle ;
que subir scena impreterivelieente
SABBADO,. f BOCORRENTE.
Todo o scenario, vestuario, accessorio> e marh-
nismo novo e preparado por habis artistas.
Os annuncios circnmstanciados sero em P i
publicados.
Recebem-se desde j encommendas Je cama,
e cadeiraj no escriptorio do theatro.
AVISOS MABITIMOS.
CO.MPAMIIA PERNAMBLT.ANV
a
>avi'ai;a() cusir i r< vapar.
Parahjlia, Natal, Maee, Ararat; Cear --
Acaracu'.
O vajior Persinunija, comaUG-
daute Ralis, seguir para os pol-
los acuca no dia 22 do correnb >
S horas da tarde. Reccliera cari.-.
_ 'at o dia 21. rjieoiniiienda- pas-
sageiros o dmheiro a l'rete al o da da sabida ;
3 horas da tarde : escrp orio no Forte do M.r
n:_L_____________________________ m
COMPANIIIA PERNAMBOCAA
DF.
Kavegacio costeira a vapor.
Tamao ar. Barra (aada, Porto de Paira.
Camara^ibe e Macai.
O vapor Miimnngnnjie, ton
-J-, dante Moiira, -esruira p
4 ..% \N portos cima indsradM no dia i'
.'.-:R .'.JaJto'1" crrente s o horas da .
'iSsSsHBnf P"'l','l','ra -"araa ato o di.i V
commeudas, passageiros e dfnbetra a fretc '
dia da sabida s 1 horas da tarde : esrri
no Forte do Mattos n. I.
Aracatj.
O hiate Santa Rila sane para o Araraiy a ir.
.
o78.222C0O2
Hoviaicato da alfande^a
Volumes entrados
A seiti Mr.a Ciara SJeranhiaa da
*l i va Costa, em aigaal de aiui-
sade.
Anda bem jovm e qoando mais neressidade
nha de vr-er |wra crear aos sen< llihinlio-, fot
Reos servidw chamar a si a Hlm." Sr. D. Ciara
Spraidrina da Silv Cista para Ihe dar, talvez, o-i
premm quf Ihe eslava reservada. Morreu !! .
Morrer, esta palavra iSo horrenda, e j to co-'
nhivhia pnr tolos, deveija por certo nos fazer
conhecer tamben qne nada somos, e qne devt-nnei
com fazendas..
eom gneros.
Volumes sahidos com
con
fazendas..
gneros..
396
443
------839
225
1,478
-----1,703
Dosearregami no dia 18 de outubro.
Pataeho haraburguezHarta diversos gneros, contrato
otar preparados para isso, mas iugauo
mu tas, iheus.
Hiaie portuguezP^nsini^nAo mercaderas.
Escuna inglezaZampa idem.
Vapor ingfczMemwmidem.
Patacho nwnwut Manta -vinho.
Importaeae.
Vapor nacional Oyapnck entrado dos portos do
norte, mauifesiuu o sigui.te :
Do Par-
Genero estrangeiro despachado para consumo:
35 harri< manteiga ; a Miguel Jo- Alves.
I ranea livn>s; a S. P->wer Juhnston v\ C.
i ditas mercaduras ; a Feneira & Matheus.
Men-adorias d> Pei:
f raixa rom 100 chapos do Chile; a Rocha Li-
ma fi Guimares.
1 dita coro W7 ditos ditos; a Ferreira & Ma
lllm. Sr. Dr. juiz d'orphos. Diz Manoel Joa-
quim de Lemos e Vaconcellos, que tendo como
legitimo administrador ito sua mulher pmp sio
aeco de prodigahdade contra Domingos Vaz da
Costa Agr, succede que nao obstante leu o mes-
mo sogrodo supplirante continuado a fazer lesivos
negocios ; e por-iue, naturalmente a causa de con-
sumir tompo certo que seja julgad* detiiiilivameii-
te para evitar males de futuro, que enmure remo-
ver de prompto requer a V. *. que se sirva man-
dar passar editaes de prevengo para que mnguem
e faca Bffuna alguin ruin dito sngfii do
supplirante. Pedu V. S, defernnento.-B. H. M.
Manoel Joaquim de Leinus a Vascom-ello-..
Nada mais se eontmha em dita peligio, a qual
samle-me apresentada nella dei o de-pacho do
theor segrate :
Orno reqner. Recife, 5 de outubro de 1864. -
Aquinu Fou-eca.
E para que ninguem contrate e faga negocio al-
gumeMnopredto Domingos Vaz da Costa Agr,
sem previo ronsentimento deste }nizo, eoiquanio! pregos de ziiico, 60 raspa.-
Din flir dertniivaiiienta julgla arcad rteprodl- sola da ierra, 200 lijlos
da casa dosexpostos, far pagamento das mensali
dades vencidas do 1 de juiho ao ultimo de setem-
bro prximo lindo as auns que se apresentarem
acompanhada- das manyas que Ihe eslo rondadas.
Secretaria da Sania Casa da Misericordia do
Recife, 14 de outubro de 1*64.
O escrivao,
A. F. Cavah-anli Cousseiro.
A repartirn das obras publicas compra :
4 travs de 70 palmos de cumprimeuto e 10 sobre
12 polegadas de grossuta. -----r;--------t^t
4 ditas de 40 palmos de comprimento o 10 sobre' 'ara T"!Irr,,'nd san,f e" lH",'."< "<*'
li polegadas de rossura. v,1k'""" 'aI;"'""1 D- + n* '" *****
As qualidades de madeiras aceibives sero : '''' A fvV,,- t* ^ "W," ,':"'IJ:i 'r:"a,,a : pW1
massaranduba. barab, pao d'arco, sirupira verdn-: res da f/f T"' *" a-,ra,iVie n","
de.ra, sapuca.a de pilo, po-ferrd e piti-marflm. |nta,ss rntamra A Reltrao, largo do i-orp..
Reparco das obras publicas 14 de outubro de. S*aUi 4 K'raeiro andar.______________
1864.-0 secretorio interino, O de JaiieifO.
lar cora Tasso Irmos.
Ufe.
0 hiato Don rmaos sahe para a l'ahi
lar com Tasso Irmos.
.Manoel Lotirene.ode Manos.
Directora das abras milita es.
A directora das obras militares tondu de man-
dar proreder a raiaco o piniura de barras as
paredes do qnartel do Hospicio, para o que ne-
eessario grande concert em rebocos, convida as
pessoas que deste servieo se quizerein enearregar,
apresentarem suas propostas n-is das 17, 18 e
1!) do crreme mez na dita directoria, das 10 ho-
ras do dia ao meio dia.
Direcioria das obras militares de Pernambuco
15de outubro de 1864. -Luiz Francisco de Paula
de Albuquerque Maranho,
Amanuense.
oiisula io de Portugal
Sao convidados os credores do finado sublito
portuguez Fortunato Ferreira da Silva a apre-eu-
tarem suas cuntas dentro do praso de 8 dias. Re-
cife 17 de outubro de 1862.
lloiisHho ad ni in istia ti vo.
O cnn>elho administrativo para fornerimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos
seguintes:
Para a companhia de cavalharia.
20 sellins.
4 enxadas.
6 paes de ferro.
Para o arsenal de guerra.
18 espadas de parnahibas.
jui'io quizer vender laes artigos aprsente suas;
proposlas em carta fechada na secretaria do ronse-
llio adininistralivus 10 horas da manhaa do dia 19
do corrente.
Sala das sesses do ronselhn administrativo para i
fornerimento do arsenal de guerra, 12 de outubro
de 1864.
Antonio- Pedro de S Barreto,
Coronel-presidente.
Sebasttao Jos Basilio Pyrrho,
Vogal secretario interino.
ConseMiode compras ua>aes.
O conselho promove no ia 22 do con ente mez
O brigue Relizario segu imprelerivclmente n
dia 2:1 do corrente, recebe carga e esrravos a (re
te : trtame cem os consignatarios Marques Bar
ros & C, largo do Corpo Santo n. 6.
Precisa si de urna ama para cozinhar
gommar para duas pessoas : na ra do linpt'i
numero 46.
LEIL
OES.
LEIIitO
2e\cellcntesescrvos de 18 e l)iu
nos, nanitas fisuras cm hahinda ^
pr<>prias para qaalqter servic.
IIO JE.
Cordelro Wiaaea
autorisado por urna pessoa de sua amisade venov
r em leilo para pagamento os e-cravos arim
O leilo ser effertuado s I i horas era freole c
arma/ 'in dos Srs. Pabneira & Bcllro.
.Na mesma ocrasiio se vender uniros escrau-
I peto maior preco ao correr do martello.
LtJILAO
Movis e onlms artigo*
no je
Na ra da Cruz n, ;7, anuazeiu.
OIYIPIO
vender em leitau mvn trastes noos e osada
as ipiaes rstaio (laieutos huje as II huras awar-
\ raazem da ra da Cruz n. 57, no mesmo logar aei-
raa se vender em toilo urna caixa de rharSr
inarcheiada demadrepi rola,vinda recenlemenle dr-
vista de prapoetas recebidas at s II horas da Japo, tendu puchadores e chave de prata propr
inaiiha a compra dos segrales objectos do male
rial da armada :
200 arroellas, 8,00(1 azulejos, 12 bandeiras nai-io-
HM de 2 panno-, 50 chceos de oleado, |t8 o.va-
dos de damasco de seda verde 30 esgumbu, 6
esrrivaninhas de metal, 3 arroba* sde lio de algo-
dao, 1,000 femeas de rede, 20 lanlernas de patento,
6 hvros mappas de 50 folhas. 20 arrobas de reta-
mar branco, 100 pecas de uieibm, 1.000 libras le
de ferro, 50 niei.s de
ingtozes e 40 duias de
para viagem.
gahda.to qiw pende iterante esto mesmo juizo con- taimas de amarad..... vinhatico, patiiinuju'uuar"
ira o inesnio Agr, mandei passar t presento edi- vm, de 8 polegadas de grossura e nao menos de
tal que ser affltadu nos tugaras da costme, pu- 3o iks de comprimento.
libe oto p.>ki imurensa depois i|ue tiv*r pago o sel- Tambem o conselho
lo- nacional e Iran-ilada pela chaneellaria do supe- bem
or tribunal da relaco do dislricto.
o cunseibo promove no referido dia,
como em qnalquer nutro de ms se--5es.
Quara-f.-ira 19 de oolahro, s M ha-
ras, i ra da adfa I. 53
DI
Um terreno chao nrnprio na roa do Delinn fre-
gnezia da B a-Vista rom J34 palmos de frente,
divide de nm lado cora o mnro do hospital mi-
litar, boa localidad. pr quaniu indo o material
vem de muito perto por ser prximo o |
Hospicio.
Pelo agente Knzeblsj
avista igualmente de propostas, a compra de ma- se ven Jera pelo maior prejo diabelro nsla.
i
(
y



niarlo e Peroaannuft > Terca felra iMf O timbro e ltt4.
Eslabelerimcnta de caf e buhar da
rua Nova 11 <67, coa seus perleiices
Quarla-frira 19 de outubro.
O agente Pinto ar leilao precedida a compe-
leutu autorisaco do estabelecimento de caf e
buhar da ra Nova n. 67, o qual se torna recom-
mendario por ser mu ircquenlado e acreditad na
venda de bilhelesde loteras:; s il horas do dia
acuna dito no referido estabelecimsnto.
LEILAO
DE
!) relogios, > qaadros, 1 caixa com
ferraaenlas e una concertiua
Quarta-fcira 19 de outubro
ra Nova n. C7 casa de buhar e caf.
Cinco I'cuitas (partida)
Afogados .
lioa Miagan .
Prazeres.......
Ilha .....
Cabo.....
LEILO
MOVIS
Machinas para costura, pia-
nos, livros detteratara,
cofres de ferro, crystaes e
outros nautas artigos.
Quarla-feira, W de corrate s i i
horas.
\\ni i'.i'in na da Cadeia do Recite n. 48.
A molestia ou infeceo pecec
rali conhecida pelo nome le Es- '
crofula um Jos males mai-9
pievalecentes e universal que
ha cm toda a extensa lista das
enfermidades de que soffresse,
genero humano : disse um no-
bre escriptor da medicina que
mais de urna terca parle de
todos aquelles que moriera antes
da velhice s3o victimas, ou direc-
ta ou indirectamente da Escrfu-
la :por si ne tao des.
"activa, porm a principal causa de mui-
rs outras enfermidades que nao lhe sao ge-
raltnenle attribuidas. ipojuca. .
E' urna causa dipecta da phghisica pul- Ojiada. .
monar, das molestias do figado, do estoma- p^daAss '
go e affeccoes do cerebro : Entre os seus prcxeiras '. \
nurnerwns syrnptomas aeham-se os seguin- Anpib. '. .
tes : falta de appetite ; o amblante pal- Ribeirao .
ido e s vez-es imchado, tfc V3ies de urna r*f *". '
alvina transparente e outras corado e a- S^ i>rc.a
tnarclleuto ao redor da bocea. '; fraquem e r.a (ch&gada).
molleza nos msculos: dhgesta J'raca e
appetite ii regular, falta de energa, ventre
incitado e evncuacao irregular ; quando o
mal iem seu assento sobre os pulmoes, urna
cor azulada raostra-se em roda dos olbos;
quando ataca os orgos digestivos, os olhos
tornam-se avermelbados: o haliio ftido, '
ESTRADA DE FERRO DO RECIFE AO S. FRANCISCO.
Tabella que teni le regular as lioi as de jtartkta dos (reos de pasaageiro do 1, de novemliro
______ ______ 18Ci. al segnndo aviso.
ESCafCOES
lllt \* i'AlA O IM I HO..
as l*i tro-
liaihi
AMIA A
II
;M.
8

8
9
i
10 i
10
11
u
11
12
12
6
18
24
s
10
24
:i9
54
10
38
$%
15
58
10
46
TARtiR
II
\!.
10
16
28
34
i
M
I 'mingos c-
15 ii san,*
MAMA
7
7
7
7
8
8
8
9
9
9
io|
I
10
11
11
?1
12
\i.
30
36
49
55
20
43
57
12
27
44
12
30
32
53
20
TAIU.K
H.
O
6
6
6
7
7
a -
M
25
42
48
15
30
ESTACOES
Cna (partida)
301 Agua Pela.
Cuyanibuca.......
Gaineleira........
Ribeiro. .. ......
Aii|iilm..........
l,-ii-\i-ii...-........
Escada..........
Timb Ass......
Olinda.........
Ipojuca..........
Cabo...........
Ilha............
Prazeres.........
Boa viagem ......
A rogados ........
Cinco TOrttag (chegariai
THENS DO I VI aiilOI
Otas IV im-
ballio.
HAMIAA
H.
M. H.
T.VKI'K
3(1
16
12
20
33
46
1
1
I
-
2
2
:
3
!
41
I
5
5 i
5
61
10
36
58
19
:w
58
16
17
15
30
48
4
30
38
51
Domine?"* n
Un* Mull"
waniiaa i tarde
II.
M.
II
14
38
46
59
10
VI
20
u
7
25
48
7
25
5
('
24
39
57
13
40
48
1
10
O aliaixoassignado roga s autorlario paMat
e mais pessoas, a bem asim a.- cmpr^gj.1^ :.!-
liana* de vijas e das estafen da r>ln*i ,u- tVrr
M mijn.larcm p.(;, M n,eu mmm ab:,i,o r-
clarado, qm rueinJoiiNi nm mar, fh d^ mm
\ Se iirr*d* ,1 X'raul "" ** watnbr.j .1-
. J0'""1''0' "*. dl! Angola. 50 r lano- ao-
uo< de blade, MUtan rtfotatr, l.-i- tkn eran-
.1-?, mal encarado, cv> da perca dirnl., i-.lrr^
de frialdad, ve>ti lo ^ caira d- aaiti rami*
branca e bom-l prcto, de sopior qa.; mu*- *
vestuario. Est.- esertro f.ii (lo ,ii,-i.ho d^nomi-
nado d'Agua do termo d.- IpMntM, lo MHiflt
HenrJtfM Poppe iriio, hoje pcri.nc -ntf Sr |ir
Francisco Joito Carnviro da Cunh.i. Pt eMar contra jncm o liver arilad.' : fini-m n pi^.^r
podi-r lvalo a ra do Mondrgj da fre{tu>iu Ja
ll-ia-Vista da cidade do Itecife, fiM minha otan n.

i. Austin, .saperintcndenlc interino.
! THE
CEARA (NORTH RRASIL) WATER COMPANY,
L. 1*1 flu
l.NCOKPORAOA SOB A LE DE ASSOCIATES 1111A DE 1862.
aerees de. Ib si. 10 mea vma.
a lingua car regada, dores de cabeca, ton- Emprezt dos trilhos iiHkhios teiras eic. Apiparos mo>iila n vapor.
as Aessnas de disposico escrofulosa ap- Tendo chegado da Europa asinlbrmacoL's e dse- /v i. /., \,u\ /. a.
dopnvii4io manda- Capital U M bO.omi, emQ,'H)
Depositando 10 s. por cada aegao pedida e lib. si. 1 e 10 s. 'juando forern distribuidas.
As seguidles cbamadas nao excedero a lib. st. 2, cada ttnia, nem poderaoscrfeita.- com intr-
vak) menor de tres mezes.
Surras de ferro, diversos livros de litteralnra, 1 es- "- ^os rw e dos orgiOS digestivos e Uto- 300:000i000_em ac^oes de 505000, com as rctidi-' Juros de 6 % ao atino pagaveis aos accionislas at a conclusao da obra.
Pililo, 1 (piartinlieira, 1 lavatorio,2purs dejarms, 2 rh)0S. Portanto, nao smente, aquelles 55es Directores.
que quizerem ser accionistas desta
empreza, podem dirigir-se quatquer
13, que ceniTosampnli! pacarei
pezas.Marceluiu Jos Lope.
o irabuHw r .],-,
... pr--
caadMirus a esa, 6 Mdeirti ^le wnttreHa, 1 sof;., 2 i que padecem das formas ulcerosas e tnber- m*L^e^
cadoiras da balanco, 1 commoda. 2 mesas para jan-1 n.ini.a ,\ .,.,./-rtj rtlM, m.^^Hum t> nm Pe!*oas
Ur, 2 candelabros, 1 santuario de Jacaranda, e oa- fw'fa*(,a na afufa <\\K necessrtam W pro- ,m|)0rtante ei .
trosmoitds arligos da foato, que se lorna cafado- : teccao conlra OS seus estragos; todos a- dos absixo assignados, ou aos correctores Vasron-
olio ineniionar. I quedes om CUJO ?angue existe 0 virus laten- cellos Mamede, Guiroaraes, Gatis, Doiibourcq. Ma-
Na mesma occasiao vender nm cavaflo andador. te d'este terrivel flagello (e s veSCS her- 'cedo, Seve-e,c-
ditario) i>sts expostos tambtm a soffrer das
WH-LIAM FHA.NCJS WWSOX. Esq. Bearsted House, IMa'r Madstone, (presidente) director da rompa-
WM London.
iraambits as ellas.
Feira semanal
DK
BariO do Livramento.
Jos Bernardo G. Aleo forado.
A. Liiiz dos Santos.
Os abaixo assignados havendo contratado rom o
enfermedades que ll causa, que sao :
A phthusiea. ttlcerac5es do figado, do es-
filias Caletas eSC-aVOS lie *+** E***"* nuprnes e enfermida- KS^&*T&^%>
*.|.tiitscMHUiLirts,caci?vse rao n des .emp,v(ls dn ntis ,osft ou enjstpela ; as nlbrinacoes que eram indispeWaveis para a
OS SS\0S C011I nalHliaa'le e S??H ellas, | borbufan* mstulas nasudas, tumores, rh- execuco da empreza, teem resolvido formar urna
Crystaes e nXm arlijSOS de gOStO. cuma carbnculos, ulceras '-naga, rheu- '^^^g?*M*tm* 'T*"&> e com
Quiila-feira 20 do corrente matsmo, dores nos ossos, as tfttV c va Artigo 1. 0 capital da companhia ser de ir-
cabeca, debilidades femininas, flores bran- ;C,"!,os conlps de rois, divididas en acco.s de ,">
cas
f<
i< II horas, no armazem da ra do Viga-
rio o. io
OftTOIPIO
liid.i cm leile umamobilia de Jacaranda com
;,. is 'I: pi'ilra marmore constando a tnesma de
IH caileir.is de guarnicao, 2 de bra^o, 1 sof, 2
as causada pela ulcerando interior, e en- fetatg* !2 oresiagoes sendo 25 iwr oanto logo
ermidades uterinas, hgdropesia, indiges- 1 estiyer formau.' ^"rPiario" 'SSS
tdo. enfraqnecimento e debilidade gcral. prazos ,nrilcados "*" "W"*' '
Aos pidfBoas a escrfula produz tubrcu-
los e finalmente consumppo pulmonar :
..una, camas de forro, nasa para jantar, escravos
le ambos os sexo com habilidades e sem ellas, 1
randa sitio no Rosarioho com grande cusa de vi-
venda, ranasianas a outras muitos artigos que se
iruam e-itfaduoho nenniooar, ter lagar o leMfio
na ra do Vigario n. 10.
\jt^%a^
DE
xcellentes predi s
pepsia, molestias do figado e nos rins :
prazos indicados peto
aviso de 30 dias.
Poder, porm, teste capital i
400:000^000, se para o futuro quizer ? companhia
fazer prolonga ment on ramal.
Art. 2. Os emprezanos se obrigatn a taZer.fs
obras que forem precisas para a couocacSo dos t*
di
elevado ris
.'i-
nhia das Diicas e annazens, de '
JOHN CLA1IK, Esq. X Dunster Court Mmcing Lae.
JA-MES UAWSON, Esq. 2, Biliter S-juaro, Londtfn, director da companhia Metropolitana de Se-
guros.
TIIOASGEORE FAROELL, Ksq. 6, MontagB Place, MoiftaguSqnare.
WILLIAM JESSE. Esq. lilarsoneHe. Ingatestone, Essex?
JOHN WILLIAM STL'DART, Esq. V. cnsul de S. M. Britantfiea, no Cear.
ACGI'STCS WEUNEB, t-sq. Lime Stree, direoior do banco Europeu : L'uniado.
encknhkiiui ALFItED THO.MAS COOK, Esq. 3, Btlflge Street, Westminster.
soi.i.iciTAixtHRs .MKSSKS. W. H. P. SHARP, 92 GTestiam House.
ba\cieiuos O BANCO. EUROPEf, LIMiTADU:83, King William Slreet. E. C. e seus Filiaesno
Coutiucute.
coRrtKcroKKs MESSRS A. & \V RICARDO, 11 ngel Court Throgmortou Street.
Escmi'Tomo 3, DL'NSTER COl'ltT, Mmcing Lae.
O porto h cidade do Cear a sede do govemo da rica provincia ou capitana do Oar gran-
de ao norte do Brasil, e e.-t situada em lat. 3." 41' o 10" S. e Long. 38 2'/ Oeste de Gretiw, o C.;ara
rodeado por um terreno arenoso, e sem exagerar, na maior parte do anuo o clima pode ser consid -
r.-uh)scete Sendo a railal de urna provincia floresconle o lugar de umconinienio qae vai crescendo
fallidamente : e I re-idemia de nm crescido numero de pessoas abastadas, pelas quaes ha mullo Wmpo
c senlida a fllale agua potavel.
m l'orlella
MEDICO OPERADO!
nu
^ l'aenldadr de faris
-^ Pode sit priH'iiradn tus .Njva
44. si'gmiilo andar.
mmm mmm
Xobotel iialiino. roa Jo T^aprha .V
cisa-se de nm tnpteifa preferese esrravo
Precisase de urna ama para o .arrien i^>
no c pxi-Tno de urna rasa : na mi larra do R-
rio n. 37.
Precisa-se de 500-5 s jur.-s ronre hipoft,^*
de urna nscrava : qom iirMeiefcr. dtrija-sa a rus
lo Ranyel, I-ja n. JO, que se dir i|nem qoar.
Defronre do pasn4ica S laoV de S-mt Au
toni, contin;i.i-s.- a braerar EMnartaa cimm mal-
ta limpeza. iiioniplM'hi e pra^s .mm. iu 0 ',\tn-
i- *> raei! ronduc^o tant par., o !5 rife coaki par*
S'iafo Antonio.
RespoHtr,
A* dtias camelias do Cnminr Hh? n.i p>-
candalsama moral, privando as laalfeM o> rhnc*-
rem janpll.i. l'ma simplaa rissd+nh, prnvoi-ada
pelos trepeitos. iremidi>s ramha>ad> d- r-rta.
vestal quando ve ai<:iim dos eus p#pMa>> admi-
radores. IhagB de ulTender a hoiv-:;ilaf tm ftuni-
lia, lem lalvez impedido o que n:W t rmiyewn*
publicar......
Se mnins rh<-fe d- familia oPias-em mOVf ir
suas pasan do (i" para as alh<-i:i. t.yrM afilan
ro das camelia nao rsh'vesse i.- mrtnnii4n.
Voltar se l'or preri-o
Ohomem da- ImXss.
Precisase dv um copeiro, prefenaaVv es
Irangsiro : na rv.rt das f^iramMrae.
Ke'aiii *.
Quem livor e quirer vend-r nm rplnc:.1) <>fa-
A cal.ital e sen tVnno.contm mais de 30.000habitantes, como consta dos ltimos relatnos JfeM*M>^?l^iX7!!:"^J^
do goveroo provincial. 1,r'-JV
A-agua Mfpprila petas chnvas bem raras, e pelas cacimbas, cuja agua em consequencia de
drainagens, liltracan do mar. etc., no verdadeiro sentido da palavra nao potavel.
Em urna* distancia rasoavel da cidade acham-se na propnedade do Sr. Jos Paulino Hoonfeoltz
Ihos, inclusive as'desapropriacoes, |iont' de h-ncf^ denuiniuada Bem-ficaum grande numero de olhos d'agua e diversas cacimbas as quaes durante o
que tem de ser collocada no rio Capibaribe. daa lempo mais secco se tem consirvado com agua.
3 i
i tlittheiro ou parle a prazo.
Antonio Botolho Pinto de Mosquita
tara leilo por intervengo do agen-
H^i te Oliveira, de seus ptimos predio
"^acabados em 1851, com solidez e a
moderna, sitos na roa do Apollo ns.
4 e 36, tendo ambo 52 palmos de frente livro de
uaredet,os alhs do de n. 34 e o primeiro andar do
'. 11. 30 ten: 215 palmos de comprimento. o sc-
-undo andar do de n. 36 tem smente 120 palmos
je coiiii'inne'Mv. ...i u..i icnayo, os armazens
tem 340 palmos de. comprimento cada um, tendo
uubos tamljem frente para a ra do Caes d'Apol-
lo e o de D. 36 tambem para a travessa do amigo
porto das Candas, tstes predios foram edificad s
pelo aelaal propriel.rio e com ptimos alicorees e
.oo.Tiore. madeiras.
Saubado 0 crrante
ai malo dia em pontn? indicados predios no
..... do predio n. 36.
na pele produz fitunafes e affeccoes cuta- es,aoes para rpcolhimehto da Irem' rodante, e dos A agua testas cacimbas reconhecida"por todos ser a im-lhor e nao obstante a distancia da
4ieas v s objectos da companhia, que sarao cora a simplici-J cidade, e grande desp.-za com o transporte, tem sido consumida por aquellas pessoas que pul
Todos estes males tendo
tdio : a sa- San, Antonio,e outra as proximidades da exlrc-* a fos Paulino Hoonholiz.urna comesso com privilegio exclusivo por dioenla auno. tara supprir a
purificar e fortalecer O sanaue midade da nha ; a foruecer 10 carros para pus-' cilade com agua potavel ao precu de 20 ris por caneco de trese ineia caadas venidos nos etwfarizes,
A alaa 111 i .'.. sageiros e 2 para carga, e 3 locomotivas, c ludo isK0 de 40 ris conduzidos s casa, sendo este prego o mesino que adoptado por outra. compatoni de
.uvi p.iiiiiui lie Iut nos prazos estipulados no contrato. agua no ipen do Brasil.
e composta dos antdotos mais effica/es que Art. 3. Concluidas as obras sftrao os trilhos c*"1 A Cear (Nortli Brasil) Water Company, Limited nao lera competidores e o governo provm-
a Sciencia medica tem podido descubrir, 0!i objectos cima indicados entregues comp;inny- <""l concedea mais o dueto de supprir s repartidos publicas, quariei, fabricas,a casas particulares,
oara esta m Ipstia Muihufora <> nara a rnn -jue desde logo entrar na posse e aitniinislNirj1" etc., por malo d ptentea d'agua. ... ,
de todos os males ~-2L5..?i. da empreza, % gozar dos privilegios. iehcoelG Parn levar a eleito esta coneesso a Cear (Xorth Brasil Water Company, Limited, acaba 3.
contm tirhides
dade possivel, tendo-s sometite em vista a ae- i da-la Im-car.
a mesma or- cemmodaedes e seguranza, sefido tima 110 ba'ri 10 de' Desejoso de remediar a gem, carecem do mesmo remed:-
ber : purificar t
A salsa |
aposta dos,
Ca tem podido descobl'ir, os objectos cima indicados entregues companh?:*- i.il concedea mais o dueto de supprir s repartidos paMiC
ia aatohilrtra p nra a rnn 'lue desde logo entrar na posse e aitniinistNirf1" etc., por maio de patina d'agua.
i* nrm.nUntJ M. da etn>'reza- e ozara d,,s l'^vilegios, iseru.esi'' Parn levar a eleito esta eoncessao a Cear (Xorth I
es piociiieint s u eita que vantageus que foram comedidas aos emprezaritc *<"- defloitivamento incorporada na pracade Londres.
venladeiramente extraordl- salva. as disposicoes aqui declaradas, sera que U O concessionario tem depositado em poder da companhia as neceaaarias transferencias dn
1 provilegK. c mais documentos, sendo:
livre dominio do terreno qur? comprehende as cacimbas e olhos d'agua, c assim mais o que
l'or necessario para as obras ios loservatorios. galenas, etc.
A indemnisacSo para o eoncosstonaria ser de 1.000 accoes de lib. si. 10, cada urna, inleira-
peta.s. bnroalnas, nascidas, cha gas antigs, mente ao cumprimento do que Oca declarado r0 mente pagas, iwreebendo Jaros durante a eonstrue;ao, a dividendo pan pasen como as mais accoes
ulceras, rheuma sarna parchas /((//(>- que se lavrar auto authentico. '?. pagas, porm nao poderao ser transferidas anirs da conclusao da obra.
sia ta*sp ~____'- cansaA-i iinr lieiKKitdS tu- Ar' s" P*1 *'*; sbri(.-im n>; wcioi O contr.-im para a consti oeeo da obra j esta effectuado por urna quantia hxada (da qui'lo
va, lossi quanuu causaan pin uroosmu. iu |a5 aQ (JU0 fica dec| ruMscnlosog nos rulmoes. Debilidade ge- 1aCoes nos lempos que forem declarad.- '''m' Cul1"'". "-^r.......-.cao da e- .rbu. _________. .
ral : Indlgestao, .Syphths con&tturin** 1 --' -* -* ^ > y"W' nares ale a .mSfyvimim .ompaion... Ti" I,"" 11 *p crecer da maneira oais fa-
molestias mercurio .. .<< 6 porem, ..e nao pa*amemo qal.|"uer das prelTa- 0 engenheiro da companhia em seu regresso do/^ara dau .eu
Z ZiSll o- n ....clia-. rli."miilhP- s "m dit0 ,emP' Vr,ierii "cmnista a d.re.to vorAV a res|g,ro da l|(1anlldade e qualidade d agua,
N ulceracoeb do ye>, 11.ui.Midb (las mame v rt^s(.5es radas que honw fe.to, c no hawra difficuldado alguma.
se dir quem (|uer.
.loa |iim .!>.- Rodrigues da Cnniu a
riendo lela presteza de sua viagem a LW
pedir-se peasoataMMa de todas as pe>>i- .nra
ornan entretem relacifc de amiza i. fa. pa^
preenie, ppdindo-lhrs a> ini'-nw Irsp 1I1 'ilpO
Precisa-se de um 1 ama '|ii'- eamafel bem p c <**
piv, para urna familia de s-i p- s na de II utas, sobrado junto jos Marlvri'-. prt-
meiro andar.
ATTEftCSO.
Precisa-se saber se oxi!-' npjrta 1 -l i-i
alsnm ponto da provincia n 9r. Vrmr'mr.t V / *;a-
4m << i'i'i (iirira, qn<" foi anmonriianlt ni ^'"lPa
iH Hihiii, e se supp de pn sania ana : rtn-sn
delle souber e qniZ'T faz>T o favor d '
diiij.i-se na larca do Br.-ario n. 2ii. --'."1piW
andar, ou indiane sua marada por pIp r>'ni fJM
pacando-p n despica ri:i p-iMiearlo *e Ih
rara a ticar sgradecido.
e do remiimenlo; e ijuo na consiruccao da obr:<
nario, c mais documentos para transieren-
vulcoes epilpticas; tero, a nevralgia e con- and0 nao reahs a primei|.a, ]W^n ser coagido 0 conlralo cficial entre o roverno a o ceice^^""^^ scriptono da
toda serie iudicialmenlc ao pagamenlo da totalidade da |^ cC, legalisados ilo labelliao publico, poderao ser examinados peros atcom
..ar- :lli
iTOOS
c....r.i^ ,\a innrrac o lahn. scrao os estatuios submei....
accionistas para que seja logo eOCCporada a com- res> ao hotel de Europa, ra do Trapiche n. 12.
llci

4os10:00$0tt
nldiadoSS do correte mez, seoxtllh.
,l r 1 Dart-J da terceira loten^H^
,a,aS.r? 5a Sarda Casada Miser,nli,1(
T TSSTdirUoi de Sant.Antnio.
-e2u na respectiva thesourana ruado
de enfermidades d e em summa, toda serie judicialmente ao pagamenlo da
do sangue. Vp lue nascem da impureza necio. ,rnnclar ,ni., *
nack eW A as cer.ides no Alma- K-ij ESU^S^"SST^t
5,1 ** .....aal de sade do Dr. Ayer que rem integralmente pagas, salva a responsabilidade
** ^.stribue gratuitamente nos lagares onde do accionista, ou consentimenio '
se vendem os remedios. Ar- 7" L(*0 1 ?s,iv
Este remedio o
riosas experiencias, e ha abundantes provas (>anhia( som qUe todava por este (acto teuna ella
das suas vil'tu les : posto que offerecido qualqner ingerencia na factura das obras, chamada
ao publico BObo nome de Salsa parrilha a >^^JSJSS!ai reserva o direito de
composto de diversas plantas, algumas das r(ir(-her a |1)esour'arla profBrirt a quant.a de de
qaaes sao supe ores a melhor salsa parri-
lha no seu poder alterante.
PEIT0R.1L DE CEREJA DE AYER.
Cura promptamenle a asthma, bronchite,
tosse, deluxo, angina
companhia.
Ser
obras.
pago
aps accionistas o juro a razao
de 6 % ;l anni durante a construccao da
^imenoISSgSST p. oblar aecues idas quaes urna diminua quan.idade est reserva^^"J^g$
stiverem lomadas as accoes dt.s,jam aecdes no Brasil) os ^^^JXJSS^b S%$malL^SSR
imellidos apnrovacao dos pa,cf1(.t, corrector geral, praca do Coipo Santo ou com o Sr. John J. rostir,en,.mu.
A mn
Precisase d*
mar : na ron n
mazem do sol.
uma ama para r"inhar e .noflj-
<;... ,Ha n. i sotTad.- '

crespo n. *. JOn
Os premios de lO.OOO-jOOo ate %c^
> itts 4 horas da tarde, e os outros o.
seguinte depois da distribuicio das lista*
Servindo de thesoureirtij
Jos Rodrigues de Son
p'
zoilo con tos de ris, que Ihes tem de ser paga em
quatro prestaeSes, pai"* indemnisaijo do adianta-
mento que lee'm de fazer para desapropriajjoes. se-
gundo o que esta estipulado no contrato. *
Art. 9. Os emprezarios tomam por !
deluxo, angina, coqueluche, ris,.0 cem conlQS 00 rs em accies, sera um
nhlhvsica primaria, tubrculos delles director nato em quanlo forem accionistas,
"pulmonares e todas as e lerio nassaatmi gratuita em oanlpar dos carros
molestias pulmo- "ArL lft p{ch entendido que asdespezas at ago-
lares. ra feJ|aSi c as ,)Ue se houverem de tazer para en-
Allivia OS etlicos declarados. corpora^ao da companhia, registros, etc., serao por
Todas as molestias da garganta do peitO conta dos emprezarios, por modo que a comp.iotiu
e dos pulmoes pdem ser curadas em pon- ZSmS^RSSmJBm!Sl Eg g- P-gj 'SE
m lomnn rwlr, mmtmiai. nr nvnFJA no DR. J..!;.J.. Francisco junto ac. portan da ordttn
Francisco.
pwHH
companhia Ddellaave de |
seguras (uai'itiiuos e ter- m
restres estabeleclda no ,
UEode Janeiro.
AGENTES EM PEPKAMBl'CO
AbIhiio l.iiit de Oliveira Aievedo & C.,
competeutemenie autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no sii escriptorio ra da
Cruz n .1. ___
C.ABIXETE
PORTUGUEZ O LfclttKl fc W-
KIMftCCO.
Em consequencia de ir-se proceder o balanco na
bibhotheea. scienldica-se aos senhores associados
que desde 19 27 do corrente estar o expedanle
f(*("ll!ldO.
Secretaria do Gabinete Portuguez de Leitura em
Pernambuco 6 de outubro de 1864.
F. de Aranjo Guimaraes,
1. secrelano._________
de leile : Da ra da
Precisa-se de uma ama
Palma n. 94.
CO lempo pelo peitoual de cerfja do dr. declarado.
A.YFH Art. II. Nao se faz o calculo dos lucros pn.va-
t-m* n,,s rfe'iiriimi&ttJzf'BSb rsVcS
nutrir esperanzas que
Offerece-sp uma nmlher para engommar com
ra de S.
S
rias do imperio," e na' agencia central do ?pmec^'cinpro,arios f
Rio de Janeiro ra Direita n. 1a.
A
V Mide-se na praca da Independencia n. 39, loja
i Antonio Augusto dos Santos Porto, capells
ortuarias de gostos mais modernos, que tem
indo at agora para se botar em tmulos e cala-
nmbas no cemiterio publico no dia de finados,
ni as eseripe-s segointcs: men esposo, minha
i.-qi aa, meu pai, minha mi, ncu fllho, minha (i-
Ci:i, saudades sempro vivas, amisade, nma lagri-
ma ; desta qualidade nanea vieram para serem
.'ilrlas tiesta provincia.
Vende-se em Pernambuco:
u;t pharmacla fraaceza de
P. MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
parecam exageradas, posto que eflectivamenie o
nao sejam.
BarSo do btvrammto.
Jos Bernardo Galvao Alr.oforudo.
Antonio Luiz di.s Santos.
JX^fei W ti-^ 6 A36
llavera sorvet todos os dias, das fi horas em
dlante, advertindo que o mais asseiado e hern fei-
to [Kissivel : nn bem conherido cale dos Arcos.
Precsase de uma ama para casa ib-familia:
tr;.ta-se na ra das Cinco Pomas n. HG, padaaa.
iiida est para alugar-se o sobrado amarel-
lo da Ponte de Uchoa : a tratar no largo r>o Pa-
raizo n^lC.____________________________
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo A C
senle* do Banco l-nio lo Porto.
Competentemente autorisados sacam por todo
os paquetes sobre o mesmo Banco para o I orlo s
Lisboa, e para as seguintes agencias.
Londres sobre Banh of London.
Precisa se de um homem par plan: .1
Ur sentido a um sino: m ras Nova n. i"
quem ajusta.
O abaixo assignado, commer.iantelr.ti pan
ea, previne que mn.'U'-m fara tran-aiva 1 al
"un Ir letras na nniiorl>iiri.i iV- 1: VM4"a ]'
lhe foram aceitas por A)res Jop Ibmz em 12
ile julho desle anuo, sendo lima da pianii 1 *
1974S70 p doas da quantia de V.'7-W'O <
prasas de 6, 8 c 10 mn**, cuja lahan m d --n
eaminharam, protestando roatra i|upm uso it-li--.
fuer, e pas^o a prevenir .10 acri'.nte para y\-- n "
as pague.Jorm_da_Silva Karia.________________
C'retJie.
Sorvete da rame boje ao sanio Trapiche n. 18.______________________________,
Fugio no da 17 do corrente ::k' um nmWqii'*
deinome Jos, idade (! 20 e tantos ann-'.
erosso do corpo, a bastante finhoso. t nw' 1 <
nbecido na freguezia da ReeM r-
ridades policiaes a capona des* nnfripir.
qnalquer capitn dr aMaaasnfraMOnaa, r*
duzir a botica trancpza na rna i'a Cruz n 22. ___
Joa<|iiim Jos da Fonsera, mosa-lor m VM a
Palma, pelo presante declara o*i" em pons-- |n-n
cia de haver dilterentcs pes.oa mal (pal
desta dala por di ante se as-iiiar 1 Jsaantm Ir.
da Fonseea._________1_______________
- Pre-isa-sr' aiuiiai um >ii> p*>r aasM. aja- *
nha caa grande cmn rummiMlM e en Imi
coinmodos para leilor e c-rravos. terr.?
planiaeo : atratai na ma da bnpsnnMt Hmt
mero 20._____________________
I i 1
Aluga-se um primeiro andar pintado de novo
-.Miii bastantes comraodos, na ra da Iinperatriz, e
o na loja propria para taberna, na ra de Hortas :
i tratar na masma n. 106.
-JO
J4RIA ECONOMIC.
Precisa-se de uma ama para cozshar e com-
prar : na rna das Crnzes n. 9. sezund "'dar.
Xa ra da Senzala Vaina n. 90, precisa-se
'L: nina ama para cozinhar.___________________
(asa para alujar ua ra I Crespo.
Aluga-se a principiar em Io de Janeiro prximo
.ituro o sobrado de tres andares da ra do Crespo
1. 9 : quem pretender, dirjase ao estabelecimen-
i la loja do ursmo sobrado, ou uo de o. 13 da
-..na ra.
AttencHo.
Anda existe na ru estreita do Rosario n. 31, e
na villa do Cabo, 0*1 asa Oa Sf. InVpHo #os
Paulo do Reg Brrelo, alguna escravos e escravas!
dn campo, com habilidadeesem ella, ludo por pre-;
; 1 cominodo.
Precisa-se de tima ama de lena que seja cni-
4 i.losa a lenha muito e bom leite : traa se e pa-
-i-.! bem : na ra do lirum n. 8i.
Precisase de dotis amassadores de massoira
1 i', entendam perfeilsmenle do fabrico de pao e
i. !_eaa : na ra larga doJtosariu n. 16, padaria.
Aluga-se uma casa em Beben be : a tratar
-i.) J. I. M. Reg, na ra do Trapiche n. 34._
Aluga-se a casa Ierren n. 4(i da ra da Con-
<-;<-o : a tratar na ra do Queimado n. 32, loja.
RA DO CRESPO N. 2.
v0NTE DO ARCO DE SANTO ANTONIO.
DEVas uUimamenlc tecebiaas.
^V JfBISPIlUDENClA.
Vorense por Carlos Antonio Cor-
Consuli'-Volomes............
"erro, vende cada volume separado
Tambera ^iies de direito, ou attribui-
Manual o res destas autoridades ..
c5es e n.as sobre o processo crimi-
Ptimeirs lin da Cunha, 2 volumes .
nal por J. 0.uiies municipaes e or-
Nova guia dos. P. de Vasconcellos .
polos por J. to povo ou arte de reque-
Novo advogaifo (1 ..,..._
rer em juizo ..res,nova edico muito
Roteiro dos collectc.........
augmentada _8 Ubellies ou col-
Novi*simo mano4l Ocribuicoes e deveres
leern AaH actos. ........
idestas funccionrinS ou arte de reque-
0 advogado commiTciaial.......
ter no jMze comrtaemtprias, as quaes
Rnice arphubetifo dfi micao patria pro-
Ainda est para alugar-se a boa casa
terrea n. 39 ra da l'niao.
Precisase de nma casa com pro>oreoes de-
centes para habitacao de pequen* familia ; prclt-
___ rc-se no bairro da Boa-Vista ou immediaoes jiaa
30OOO se vida pagar bem : a tratar na ra do Viga-
80000 ,.0 9^ primeiro andar.
5*0^j'
140000
80000
40000
60000
Alguns rollcgas do finado Joaquim Ca-
ueiro de Campos convidara a todos os seus
amigos e collegas para assistirera no da 21
do corrente s 10 horas da manliaa, uma
missa que. por seu eterno desean. preten-
den! mandar celebrar na igreja de S. Fran-
cisco desta cidade.
Paris
llamburgo
Barcellona 1
Madrid
Cdiz
Sevilha
Valencia
Amarantes.
Arcos de Val de
Vez.
Aveiro.
Barcellos.
Bastos.
Frederic S Ballin & C.
Joao Gabe & Eilho.
Francisco Rahoba & Ballista.
Jaime Meric.
Crdito commercial.
Gonzalo Segoria.
, M. Perera Y. Hijos.
Em Portugal.
Xa ra do lamina n. 12. n {Sw-Vl-f
urna escrava para alagar-**.___________
_ |'iecisa-se de ." 'O jirr- s.*rr h
de urna casa ou um a rravo : r|aafll pr^'-n-l-
rija-se ao nacen d<> Carrarrim a. >___________
Klt dr rallar rn.
;;.r.|..i|- B-HJV
l>
i DENTISTA DE PARS
49Raa Nova49
Fredeneo Gantier, drurgio dentista,
faz todas as operacoes de sna arte, e col-
loca dentes artificiaos, tudo com superio-
ridade e perfeicao, qne as pessoas enten-
didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentincio.
O T. Jos Antonio Floresta Bastos estudan-
le da faculdade de direito tem uma carta de im- fi-a
portancia_vinda da Bahia na rna do Crespo n 2J. g^
Quem precisar de 'JOS a juro, trate na ira- Braganqa.
vessa do Carm) n. 1, onde tambem se vende uma. Faro,
escrava de idade 18 annos, que perfeitamente en-, Oliveira d Aze-
gomma e cose, e sera vicios. ____________________j mo.is.
Francisco Poreira da Silva .santos esta em | Penafiel.
Angra Terceira.
Caminha.
Castello Branco.
Chaves.
Coimbra.
Covilhaa.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Falo.
Pinhal.
Porto-alegre.
Thomar.
Villa Nova
riainisuu rncua "..... Tavirs Va HOY!
ajuste de um negocio, com que lera de gr^nr **^ > Srtimao
urna sua propnedade terrea anda em eaixao, e as, Va dlOMB. Porimao
.. ..___;. f..j.. a-, mo do
60000
40000
HM ia-aguas no fundo da mesma, no lugar oa roa
da DetBcao : se alguein tiver dirwto a impedir
nevera apresenlar-se em lempo._____________
Figueira.
Guarda.
Guimaraes.
Lagoa.
Lagos.
Lamego.
Leiria.
Monco.
Moncorva.
Regoa.
Setubal.
Vianna do
tPllo.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
Cas-
tem applicacao legisl57, coordena-
mulgada at o anno de Woao Joaquim
do pelo dcscmbargador \ **
da "lva......,..\mais obras de sum-
Alera destas receberapi-s J>izcs> advogados
mo interesse, para os sef 'ion?
soheitadore
etc.. etc.
Atteucfto.
Apresenta-se ao respeilavel publico e aos amigos
da lia pitada, o excelleoie rap denominado .Ro-
l.o Imperial do Brazil em Pernambuco o qual len-
Roea-se a pessoa quj por engaito tevou; Banco a razo de I p
do loiletteda sociedade Coryt.anlini, na ul- na raa da Cruz n. l.
S. Antonio. Faial.
No IMPF.RW.
Babia. Maranhan.
Rio de Janeiro. Par.
Qualquer sororaa praze on vista.podend,. 1^ogo
oslaques a prazo serem descontados no meMW.
1 por cento ao
anno : a iralar
tinta partida, um si.tttambarqoe novo i
a pies [
anuda publica para e'sse lira, foi jolgado capaz piulo, cun bordados
Precisa-se de
CriadO.
um criado de
meia idade para
Ahiga-se o sitio das
de Olinda, na ra do Bom
arvores de frireto, e nma ho
beber, com uma grande cas
tar na rna Direlt* desla cid,1
na cidade de Olinda a tpatir
Pinto da Costa, ou Jos Nwe.i
Alnga-se a casa da iu ""
do sido examinado jK>r orna commissaodi-d,,us ha- -; r;;;'',^' bastante lrffD 0 COm-
beischimicos, orneadospelo illm.Sr.Drjns^or B^^ftKJ^^p.K, na Olla pou^aVamiMn : a tratar na ra do Crespo n. 8,
canto da do Imperador._________________
Arrenda-se um sitio no lugar de Parnamei-
nm. com boa casa e hons commodos para familia,
terreno lodo cercado com ps de fructeiras de di-
versas qualidades, capoeira, e uma haixa para ra-
pim, arrendase por anno ou per festa : quem pre-
tender, dirija se ao Passeio Publico, loja n. 7, que
mgabeiras, na cidade
"cesso, com bastantes |
cimba de agua para
i sobrado : a tra- )ara
o Rarira n. 69, e .,z n 53 e (,m s. Jos no deposito geial de-i.
^s Srs. Luiz Jos m.ro rua das Cinco-Pontas n. 140, pelos sfiouiitcs
*h._________ procos: de 1 a 5 libras, 1 280 a libra, 10 libras
15200 cada uma. 20 libras 10100 rada urna e ol ^
TLMUtiARlA.
Precisa-se de urna ama que saiba engommar
V^-a casa de doas rt^*>a? : na rua do Hospicio propria (ara familia: quer. d
. ro ^. rua da MaOglteifa n. 20, para ..
Mondagn n. 12,
er, dirija-se libras por 500000.
i

.loa."- do Araar&l Raposo.
Tinge-secom perfeifilo para qualquer achara com quem tratar.____________.....
reo mais barato possivel: na ma do Precisase de uma ama para o servieo Os
,nol n as seeundo amlar. lumacasa de familia : a raa da ltoporatriz n. 4b.
Rangel n. 3. segundo
A quem capturar o escrava ,
barato, fagina "'tn 16 <1 "iitni.r. aiwnai. ^ -
latan regular porm largo d-s hoffibro. lunar
de 20 annos, cor *mjwt*. n*< <* r"11 "
cas de espumas a tosigas, falla p-umegn-.^
ppqopno sutaque de Bagara, fa!fan-hV* a tv e
denles da frente p a cal.eeqie tiuha ""'"**
esta cura os cabello pnnrifian-l a iti'^Mna
logo cima da MU na cabrea ansa ciraira reato;
rurtou na occasi da fugi la aan ayaaai k p
quena de dous canos, um paMal pr- cale-
tres ditas de brim de cores, camisas tiu. b mk
uma ttoto'. de coral nos puu nm p-'lr"*
branca fingindo brilhant- na abertura.na
te faci, um rbapa a> sol d> sl r>ir a*-.
um par de bolinas, um palean de aaim aVhra-**
de fita branca e um ebajpOl de palha te Man. im.
alera da ronpa ilelle. Este escraro w" U *
Janeiro era li do tatliaW, anda sa *>'
oome de Marcolino, muito fi|. e crtama .na*
do rog iniitular-se livie, perlenren mt *
Francisco do Reno Maia ib MPOTM M
SyinpbronioOlvmpiode Qnpirtt;a mit*ar rr*
Velha n. a.__________
Milita attencfto.
O abaixo assignado. rom la^^ale pr
de sen a6 e padrtnlm Aaasaia Maiw-1 11
sciente ao Sr. Jo- aVraoaaa da O*, pr. I
publico de primeiras l-tra da po~naraa> > --
Senhora do O' de Gounna, rrsblesnc n* t> pr -
ca, ana manea Ww igr. ou a seo mana lnra-
00 de Allmqneripie M. lio. pr.-aii<> n<*ti .r.v-.
na rua da Lapa, a qnantia de 4I60.IUO. pa Br*'
ron a d.ver, ia quatro anrue quatr-* nar < *V
aluguel da casa pan quemorou r t-n aala. r -cna
qna pete presente annnnrio nao se aVUb>r- > t
gar, o mesiiin abaixo a-signart nnlesia .:-
lanof que a le fanala na robrane de -lo-
ra-a, ri. vendo o Sr. Jos Marcelin.. rf*ar
que pralicou nesta povoaca anl.sttv nren
retirar-se. Noaa Seniora o O' Je Goi-.c:
agosto de 1864.
Jo- da Cu-la Rit-o '
,
.
MELHOR EXEMPLR ENCONTRADO MUTILADO HLEGVEL
.....


l> lar lo de Penaa^iM ver a felra 18 e Outubro Ae 18 4.

GASA \ FOKftM
AOS 10:000.000
Hilheies garantidos
A' ru do Crespo n. 23 e casas do costara
O abaixo assignado vendeu nosseus muito fcli-
zes bilhetes garantidas da lotera que se ac bou
de exirahir a beneficio da matriz de Caruar, o*
seguintes premios:
N. 174 tres quarlos cora 6:000*000
N. 1374 ora inteir rom 600,5000
E outras militas de 21 OS, 1005, 105 e 125.
Os possuidores podeni vir receber sem os des-
con.os das leis na Casa da Fortuna ra do Cres-
po n. 23.
Acham-se venda os da quarta parte da ter-
ceira lotera a beneficio da Santa Casa da Miseri-
cordia, que se extranir no da 22 de outubro.
Presos.
Bilhetes inteiros..... 125000
Meios......... 64000
Quartos........ 35000
Para as pessoas que comprarem
de 1005 Para cima.
Bilhetes........ 115000
Meios......... 35500
Quartos......, 25730
Manoel Martins Fivza
Cl UR NhNAtftliCAMl
A reuniao familiar do correnie mez lera
lugat na imite do dia 10.
Club Pernambucano, 10 de outubro de
1864. O emprezario,
_______________ P. J. Layme._____
Aluga-se o sitio que foi do finado Domingos
A. Gomes Guimaraes, no Caldeireiro, confronte ao
do Sr. l)r. Jos Bernardo Galvo Alcoforado : a
tratar coa T. de Aquino Fonseca Jnior, ra do
Vigario n. 23, primeiro andar.
O pharmaceutico Autonio Luiz da Costa, do
Rio de Janeiro, deseja saber noticias de seus tllhos
Luiz e Carlos, para ministrar-Ibes recursos pecu-
niarios e scienlifka-los da sua boa successo dos
enrommodos porque tem passado : na ra do
Queimado n. 52, se informara.
Aluga-se u quarta andar da casa sita ra
Nova n. 21: a tratar na mesan ra n. 8, loja do
cha._________
Na ra da Cadeia do Reeife n. 55, primeiro
andar, tem una carta para o Sr. Antonio Manoel
da Cunreicao._____________________________
Precisa-se de dous horneas que eniendam do
servico de copeiro : na ra da Aurora n. 32.
PHAROL DO COMMERCIO
MODERNO ARMAZEM DE MOLHADOS.
73-Ra do Rangel73
Castro Lima
Acha-se aberto concurrencia do publico desta
heroica provincia um pspacoso armazem de mo-
tilados, sob a denominaran dePharol do Com-
mercio.Pharol, esta palavra, segundo alguns ety-
mologistas, vem da cltico phoven, navegar, e se-1
gundo outros, do Phares, nome da ilha, na qual
foi construido o mais nolavel pharol da anligui
dade.
O pharol um signal nocturno destinado a ad-
vertir ao navegante a approxJmacio do porto. Se
pois o pharol affasta os nautas dos escolhos e os
enndaz porto seguro, este estabeleciminlo pode-
r advertir os incautos das parras dos abulres que
com pomposas taboletas estao ahi aberios a qual-
quer canto.
Oque os proprielarios do Pharol desejam indi-
car todas as pessoas que os honrar com suas vi-
sitas a este stabelecimeiito, que em nenhuma
outra qoalqoer parte encontrarlo melhores e lo
baratos gneros tendentes a molhados.
Cheguem, pois, os freguezes, ao pharol, que a
radiante luz da verdade os esclarecer.
Arrenda-se urna casa terrea com siiio, sita
na na das Barreiras n. 1, tem comrnodos para
grande familia, o sitio beta plantado de arvoredos,
tanque coberlo para banho, bomba de Japy, es-
tucara etc., e muito perto da piafa, propriu para
qui-m deseja estar em siiio perto da praca no lem-
po calmoso, qualquer estrangeiro ou nacional que
leona goMo e pretenda : a tratar na mesnia casa
aeimacom seo pnprietario.
Aluga-se urna prea para ama de leite a fal-
la>"_T"in o escriviio Silva llego na rua_Xejha _n.i
93 oeXHUr>a aoJapfjarfor-fl: TtT quera a "pre-
tender dinja-sc ao mesmo eserivo as casas ci-
ma mencionadas.
Potassa da Rnssla,
da mais superior desembarcada honlem : vnde-
se no escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira &
Filho, largo do Corp Santo n. 19.
joGKSfflfflH|
As pastithas digestivas com a pepsina de IVas-
man, empreg-.to se com successo lia j alguns
annos pelas celebridades medicacs de Pars,
Londres, Vicnna, etc., em todas as incommodi-
dades em as quacs a dgestao dfficil, penosa,
imperfecta ou mesnio impossivel : cis o melhor
remedio para cralas
a 10100.
iarra, os propria-
rua da lmpe-
Dlarrhraa e a ftmli-
Hrfto producidas
prhia 1-lnliornroc
drfrrluanaadoa ali-
mento.
GnMraltilaM.
l>lK|X'|>HlaH.
EniliMrarnd anftlrlcoM.
Aa an*crre orna ni-
ca do i-Hlin.in
Km todas as molestias empregao-sc a miude as
aguas alcalinas, especialmente a agua de Vichy,
c igualmente as pastilhas de Vichy. Esse meio 6 s
efncaz quando se inte de dispepsias de curia du-
racSo, mas o prolongado uso das aguas e pastilhas
de Vichy, tem grandes inconvenientes, por quanto
os alcalinos empobreccm o sangue e isso de tal
maneira que lhcs arieblhao a parle vivificante,
nutritiva c rc|>arairi. Com a pepsina, a contrario,
como ella 6 urna substancia orgnica, albuminosa,
transfbrma-sc ao mesmo lempo que se effectua a
transformado dos alimentos assimilhando-se
como cllcs c ajudo tabcni como elles a nutrico
geral. Sua aceito vivifica o sangue e os rgos
de tal sorte que, atli as pessoas que sem soffrer as
affecedes gstricas cima mencionadas sao nica-
mente tracas ou d'um temperamento um pouco
dbil, e necessito substancial alimento para for-
tificar se, achao no emprego das pastilhas pep-
sina de Wasman, um poderoso meio para a isso
chegar.
Aviso importante. 0 successo das pastilhas
pepsina de Wustnan diu causa a se fazerem fal-
siheacoes c imitaces d'cssc producto que os
mulos se querem desfazer. Pois por falta d'uma
boa preparacao a pepsina que n'ella entra, jaz
alterada. Seremos ao abrigo d'estc inconveniente,
exigendo os compradores que as pastilhas tenho
asiniciacsB. P. c saiao da pharmaciaChevrier.
Depsito geral em Pars, pharmaciaChevrier,
21, Faubourg-Montmartre, e em todas as boas
pharmacias de Franca e dos paizes estrangeiros.
Extraordinaria liquidarlo de falzcndas i ara a festa i
|ior liaraiissuo preco, tantsipara o mate tono
para a praca, na loja bf ni couhecida do Arara,'
ra da Impr ralriz n. 50 de ijeurenro P. M. Gui-
maraes.
Ao liaraleiro da Arara
Vndese cortes de dulas om 10 rovados a
25100, ditas franceza a 35200, ditos de cassa a
25, dita de salpicos a 25100, 35 e 45 o corle, para
apurar dinheiro : na tua da Imieralriz n. 56, loja
da Arara.
Corles de la a Hara Fia a
Vende-se cortes de 15a rom
mente a Mara Pia a 85, e 165 lD
tria, lija da Arara n. 56. I
A Arara vende alpaca para vcslftas de senhora a
300 rs.
Vende-se alpacas de lindas cores lisas para ves-
tidos de senhora a 360 e 400 rs. o covado, laazi-
nhas para vestidos de senhora a 240, 320,400, 500
e 600 rs. : na ra da lmperatriz n. 56, loja da
Arara. &&.
Lias litas de cores a G00 rs.
Vendem-se laazinhas lisas de cores, a saber:
! roxa, encarnada, cor de lirio, cor de caf e cor de
i cinza, para capas e vestidos de senhora a 600 rs. o
j covado, ditas de flores a 240, 20,400,500 e 560 rs.:
. na ra da lmperatriz n. 56, loja da Arara.
Colchas da Arara de 2> a -i\
Vende-se colchas de chita para cama a 25, ditas
de damasco a 45, ditas para cobertas a 320, 360
; e 400 rs. : na ra da lmperatriz n. 56.
A Arara vende cortes de calcas a I '600.
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
ANC
PE
Alerico
A
O Vigilante est alerta, nao Ihe era permittido
deixar passar desapercebido sem que nao dsse o
seu canto, abra de annuneiar ao respeitavel publi-
co o grande sortimento de galanteras do melhor
gosto propriamente para qualquer mimo que aca-
ba de chegar neste ultimo paquete, assim como
muitos outros objectos que recebe por diversos na-
vios, tanto de sua conla como de consignaco que
est resolvido a vender por precos muito baratos
para vender muito e ganliar pouco, e dar extracao
Vende-se cortes de calca dt brim a 15600 e 25, o grande deposito que tem, que espera merecer a
I ditos de casemira a 35, 45500, e 55 na ra da protceco do respeitavel publico empregando para
! lmperatriz n. 56, loja da Arara. isso tollas e as melhores diligencias para que fi-
Itinipa fcita da Arara quera satisfeitos; isto s no Gallo Vigilante, ra do
Vende-se palitots de casemira de cores a 35, 65, Crespo n. 7.
85 105 e 125, diios de panno preto a 85,105000, Ricos porla-joias.
125 145, ditos de alpaka a 35 e 45, ditos de Cofre de muito gosto por 165000
brim de cores a 25500,35 e 35500, ditos de brim^ Cetinhas transparentes forradas de ma
branco a 35 e 55> calcas, coletes brancos, seronlas dreperola por
francezas a 15600 e 25, ditas a 15280, camisas Lindas jardineiras.
o-,
o
V.
I
H E*a 5 5
o|. -o -e-^ m g *
"g 5.a B 8 9 5 o
| 5 3 9 S** }J j , a-~ = B.a 5
B ai w d v> 3 J
s ~S i S 1 spSs-b-s
7
5??
2 2- o 2
y a.
o
-a 2 "o
3
ta
:-
O
-a
J=
C
(8
S
O.
i
n
O
5
3
3-
P
3
o
co
-I
c.
c
o
=-
3 5S
a.
~-

o
i
-1
5'
francezas a 15, ditas de linho mgle2as, pregas lar-
gas, a 35 : na ra da lmperatriz n. 56, loja da
Arara.
A economa, a saber: colarinhos econmicos a G00
ris.
Vende-se colarinOos econmicos a 600 rs. a du-
zia, meias cruaspara homem a 200, 240,360 e 500
rs o par, ditas para senhora a 320, 400 e 500 rs.,
lencos brancos com barra a 200 rs. cada um, ditos
tinos a 320, ditos de hubo a 500, 600 rs. cada um,
I s na loja da Arara, ra da lmperatriz n. 56.
Ao barateiro.
No armazem da Arara vende-se cassas a 240,
280 e 320 o covado, chitas finas a 240, 280, 400 e
i 300 rs. o covado : na ra da lmperatriz n. 56.
As percalas da Arara a 3C0 rs.
Vende-se percalas finas para vestidos a 560 e
600 rs.; chitas Irancezas finas a 320, 360,500, 400
e 500 o covado, alpaca para vestidos de senhora
a 400 rs. e covado, fuslao branco a 500 rs. ocova-
da ; na ra da lmperatriz n. 36.
A Arara vende musselina branca a 100 rs.
Vende-se musselina branca, fina, a 400 e 500 rs
o covado, peras de cambraias finas, lisas, a 35,
45, 55, 65 e 75, musselina cambraia da India 85,
e 105 a peca, para vestidos : na ra da lmpera-
triz n. 56.
A Arara vende liras bordadas para enfeilar vesti-
dos brancos.
Vende-se tiras bordadas de todas as larguras a
15, 15200 e I540O a peca, eniremeios finos a 15 a
peca : na ra da lmperatriz n. 56. loja da Arara.
Madapolo da Arara a i,->.
Vende-se pegas de madapolo enfeslado rom do-;
ze jardas a 45, dito de 24 ditas n. 30 a 65, n. 25d
a 65500 E 75 e 85 n. 5 + 85500 e H. n. 5 a 105,,
n. P F a 115 ZZZ, a 125 a peca, peca de algodo
a 55, dito carne de vacca a 65300, dito domestico
a 75, dito slcupira a 85, dito pao ferro a 95 a pe-
ga : na ra da Imneratriz, loja n. 56.
Bramanlede linho de 10 palmos a 2-\' 0.
Vmde-.-e bramante de linlio de 10 palmos a
185000
105000
105000
IO5OOO
25300 a vara, bnin liso a 500,560 e 640 rs. a vara: Uarato, a 320 o par; s no Vigilante, ra do ares-
na ra da lmperatriz n. 56. p>o n. 7.
Panno de linho da Arara.
Ricos cofres com caraapbeu.
Lindas caixiohas com pedras brancas.
Lindo balao com calungas dentro, tam-
bem para joias. 165000
Tambalier para ditas. 95000
Cestinhas ditas. 65000
Cosmorama ditas. 65000
Urnazinhas. 65000
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos poria bouquetes de diversos goslos e pre-
sos ; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos Miitus
com bolciuhas ao lado, a 105, 125 e 155,ditos sem
bolea porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 35300
450OO.
Ricas fivellas avulsas para sinto, o melhor que se
pode encontrar, a 15500, 25, 25500 e 35 o par;
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabazes ou cestinhas.
At quechegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para meninas trazerem no braco, o mais rica
po-sivel a 255OO, 35300, 45, 55, 75 e 105; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Pentes.
Note artigo tem um grande sortimento, lanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
que se pde^sejar, assim como d arregacar ca-
bello, taul'de borracha como de tartaruga comen-
feites i >em elle para menina; s no Vigilante, ra
do Crespo n. 7.
liis leques
com pequeo defeito, leques de sndalo com pe-
queo defeito por barato prego de 85 e 105, chi-
nezes muito bonitos tambem, pelo barato prego de
45 e 3, bentarallos muito bonitos, tambera por ba-
rato prego de 45 e 55, leques de charo tambem
por 45, tudo isto para acabar, perdendo-se tai-
vez 80 por cenlo; s no Vigilante, ra do Crespo
.n. 7.
Para segurar manguitos.
/ Tambem chegaram as liguinhas estreitinhas de
Borracha que as senhoras tanto precisara para se-
guirn manguitos por ser muito commodo e muito
Paulo Ferreira da Silva & Companhia
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de peores
5 a tO por cento menos odrec que sepuaaii p.o mij Ira qaial-
quer parle.
Gneros especialmente escolhidos por um dos socios que na Kun.pa se acba
para esse fim.
grande a vantagem para todas as pessoas que comprarem neste cstabeleci-
mento.
Os propietarios garanlem todos os gneros sabidos de seu j muito acreditado
armazem.
AO PUBLICO,
Nao nos servimos de exordios como constantemente estamos wmlu t-m annun-
cios deste genero, pois sao palavriados de que sempre bos abstivemos, e de que tambem
estamos certos nenbuma attencao j merecem do publico. O nosso fim, pois. simples-
mente fazer ver que o verdadeiro e principal interesse de todos est na tabella dos pr.-
cos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos loda a attencao.
Vinho verde.
Cbegou o muito desfijado vinho do Cariaxo vende-se nicamente ne>t< armazem
a 600 rs. a garrafa e 80,000 rs, a ancora com 7o garrafas.
Pentes
GRAGEASdlCUBEBINA
cd*COPABAdeLABLQNYE
Estes confeiuis que tem jor uase u prin-
Cuez. relo- ciP0 ftivo da pttmV Cttfteto junio com
joeiro e dourador na praca da Independencia n. 12, a.atpa/ti/ba pura, nao nauseo n estomaga.
fa qualquer concert de relogios por precos mais EHes fazem parar inmediatamente ss mais
baratos do ipie ouiio quaiqner e responsaiiiiisa-se rebeldes goriori'bi>s, mesmo as que res sti-
ram a cubeba o a copabyba isoladamente.
Deposito geral em Pernambuc roa da
Cruz n. -J-2 mu casa de Caros & Barboza.
Ceblas a l|o cento
As melhores que tem indo a este mercado:
vende-se na ra da Madre de Dos ns. 3 e 9.
Vende-se urna fabrica de velas pelo preco
- Compra-se ouro e prata em obras wMgfJggj! 'ue'' |,ossiV('' : nas C,nco PUlas "
- Vende-se sebo do Porto em calzas de urna
arroba, a prego barato : na ra de Apollo n. 20.
Vende-se urna escrava de idade 18 annos,
sem vicios, engomma, cose perfetamente e tam-
bem cozinha, tres escravos para todo o servico,
sendo um insigne inarcineiro : na travessa do
Carmo n. 1.
A pe and.ir, que precisa de urna casa na Boa-Vista, que-
reudo na ra da (loria, entenda-se com a viuva
de Antonio da Costa, nos Coelhos ra do Jasmim
COMPRAS.
daga-se bem: na loja de bilhetes da praca da Inde
pendencia n. 22.
Compra-se efectivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-se bem :
na ma larga do Rosario n. 24, loja de ourives. I
Na praca da Independencia, loja de ourives
n. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedras I
preciosas, assim como se faz qualquer obra de en-
corumenda, e todo e qualquer concert.
- Machinas de vapor epa-j
fOMPRra-SF radescarocar algodfto.
urna negra de bonita figura, que saiba lavar, en- JlLOeilaS e H161aS fflOGH(UISi
gommar e coser bem, e cuja idade nao exceda a:T0:Yno Aa famwux Ko+iHa pao.
23 annos, agradando paga-se bem : a tratar no es- i.alAtt> UC lu I U UillIUV, LUcl
criptorio de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, I A^ A An nri\\r*a
largo do Corpa Santo n. 19. WU! C.
Compra-se um taboleiro de ha
teja em bom estado : quem tiver para
nuncie para ser procurado.
Casa terrea
(>)mpra-sc urna casa terrea : na ra da Concor-
dia n. 71, junto ao sobrado do Sr. Manoel Fir-
mino.
ffggyl BocLas d'agua, dentadas, e
de carrosa cora mangas e
eixos de patente.
Ra do Brura n. 38, fundi-
Cao do Bowman.
forgi
VENDAS.
Vende-se urna taberna no Forte do Mallos,
batante afreguezada lanto para o mato como para
a trra : a tratar no largo da ribeira de S. Jos
numero 23.__________________________________
Vende-se urna carrosa cora um excellente
boi, nuvo e gordo, tudo por commodo pree,o : na
ra do Destino n. 18, casa terrea ao p da taberna
do Sr. 'Lima._________________ ___________
Estao acabar.
chapeos de palhinha da Escossiaa 15 : na loja
de Pinto di Flores, na ra da Cadeia n. 47, esqui-
na que volla.para a Madre de Dos.
Vende-se a taberna de quatro portas da ra
Nova n. 48, com poucos fundos e bem afregu ezada
Na Soledade, junto ao sitio dos leoes, vende-
se um cavallo de sella muito novo e de muito bo-
nt'a pello, bastante gordo, com bons andares.
Vende-se a loja de livroi n. 6 da praga de o
dro II, com poicos fundo-e por isso muito pr-
pria para qualqm-r principiante : a tratar na rn
Nova n. 17, segundo andar.
n-inliosconi r das, patentes.
Moinhos grandes com rodas, patentes, e afianza-
dos pelo fabricante para moer caf, e proprios pa-
ra refinagao por seren de especial qualidade e do
todos os lmannos: vendem-se nicamente nodepo-
.itrt da ra da Cadefa, loja de ferragens n. 36 A,
(Je Pastos-.
Koa da Seuzalla \a\a n. 42.
Neste estabeleciment vendem-se: tachas dt
leo coado libra a 110 rs., demdeLo1
Moof libra a t20 rs.
Vende-se urna casa terrea sita na ra da Man-1
gtieira da Boa-Vista : a tratar com o promotor pu-
blico de Olinda, na ra de S. Bento da mesma ri-
dade.
Vende-se gomraa do araruta muito nove e
alva a 100 rs. a libra, e em sac.co a 35 a arroba :
na ra das Cruzes n. 24, esquina da travessa do
Ouvidor.
Vende-se urna taberna e juntamente urna
casa de pasto no Forte do Matlos : a tratar na ri-
beira de S. Jos n. 23.
Vende-se urna mulata clara de
mais ou menos de 30 anuos, co-inha,
lava, tudo bem, para ver e Irafar na
gao n. 28, casa terrea.
idade pouco
engomma e
ra do Ara-
Okitas da Liga.
Fazenda inteiraraento nova a 400 rs. o covado :
na loja de Pinto Flores, na ra da Cadeia do
Rccife n. 47, esquina que volta" para a Madre de
Dos.
Vendem-se oito faoi mansos e um carro fer-
rado : em casa de Antonio Rodrigues Baracho, la-
vrador do engenho do Meio na Varzea.
Para casamento.
Grnsdenaple lavrado liraneo, fazenda superior,
a 25400 o covado : na loja do Pinto Flores, na
ra da Cadeia n. 47. esquina que volta para a Ma.
dre de Dos.
Vende-se urna erioulinha com 12 annos de
idade : na na da Concoicao n. i.
xinhas
Lindas camnhas com um carto com a familia
imperial, e dentro de cada caixa um frasco ou sa-
bio o mais fino que passivel: na loja do Beija-
Flor ra do Queiraado n. 63 e 69.
J\a (aja de fazendas ba-
ratissimas de Ornarte
es da Silva, ra
da lmperatriz n. 50
Vende-se o seguinle:
PECAS de panno de linho com 25 varas a 85,
um p >uco eslreito, mas excellente para toalhas.
DITO de dito adamascado cora 8 palmos de lar-
gura para toalhas de mesa de jantar a 25400 a
vara.
CASEM1RAS de duas larguras e de urna s cor
muito boas para roupa de meninos e soutembar-
ques a 35 o covado.
TOALHAS alcochoadas muito boas para enchu-
gar o rosto a 65 a duzia ou 300 rs. cada urna.
CAMBRAIA branca fina om salpicos miudinhos
a 640 rs, a vara. metade do valor.
OLIADOS de bonitos e elegantes desenhos para
cobrir mesas a 15 o covado, para acabar.
LAAZINHAS de padroes novos e muito agrada-
veis tanto na boa qualidade como no preco de 320
rs. o covado, e finalmente o respeitavel publico
achara constantemente nesla dita loja um bello e
variado sortimento de fazendas linas e grossas a
precos muito razoaveis, pois est resolvido ganhw
pouco, com tanto que venda milito, nao menciono
mais fazendas no presente annoneio porque impor-
tara isso n'uma despea extraordinaria cuja des-
peza reverter sempre em beneficio dos comprado-
res, pedindo ao publico que nao deixe de ler todos
os das este lito presente annunco, pois haver
mudanca nos artigos cima ditos, isto a propor-
cao une se forem acabando.
Empreza de illuminacao
gaz.
Todas as vendas de-apparellios e reclamacoes
(por escripto dando o nome, morada, data, etc.),
devem ser feitas no armazem da roa do Imperador
n. 41. Os machmistas mandados para attender a
estas, apresentaro um livro que os reclamantes
deverao a-signar logo depois de prompto o servico
Leques.
rRlquissmos leques de madreperola
tanto para
lioras como para meninas, neta barato oreen
12$ e M5; s lio Vigilante, ra do Crespo
7
i
Vende-se pecas de panno de linho para lences ambemchegaram os riquissimos pentes de concha
e toalhas com 13 1/2 varas por 85500 ; ditas com, fde tartaruga e de massa fina, que se vende por 25,
27 varas a 1653U0 e 185 a peca; na ra da laWJ 35 e 35; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
peratriz n. 56.
A Arara vende cbailes a 1>600 e :i-V
Vende-se chales de merino a 15600, 45300, 65,
75 e 85 : na ra da lmperatriz n. 56, loja da
Arara.
Fazendas eptdaw para srhnras, a saber :
Vende-se golinbas para senhora" a 240, 320, 400
c 500 rs., camisinhas para ditas a 15,25, 35 fi 45,
gravatinhas para ditas a 15 e 15300 : na ra da
lmperatriz n. 56..
I'cchincha.
Lencos de seda aloe 800.
Vende se lencos de seda para mao, a 800 e'15,
lar lata na para vestidos, de tudas as cores a 800 rs.
a vara, fil liso ordinario a 320 rs. a vara, dito fi-
no a 800 a dita : na ra da lmperatriz n. 56, loja
da Arara.
Suutembarque da Arara a 8$ e 10(?.
Vende-se soulembarques de cores para senhoras
a 85, 105 e 125, ditos de grosdenaple pretos finos
a 205,255 e 305, capas preas para ditas a 205,
255 e 305 : s na loja e armazem da Arara, ra
da lmperatriz n. 56.__________________________
Balaios para meninas
Lindos balaios de varios gostos para meninas
trazerem no braco : s se encorara na loja do Bei-
ja-Flor, ra do {jueimado n. 63 e 69.
Extratos e saflo em eai-
Amendoas confeitadas de diversas cores a
64o rs. a libra.
dem de casca dura a 24o rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em camnhas com lindas
estampas a 1,200 e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a l,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 '/ libra a l.loo rs.
Arroz do Maranhao e da India o melhor que
ha nesta genero de 8o a loo rs. a libra,
e de 2,5oo a 2,8oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e lo,ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4,4oo rs.
a arroba.
Bolachrnhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades em latas
de 6 c de 3 libras, a 3,oooe l,5oo rs. a
lata e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
Batatas em gigos de 36 libras a l,ooo rs.
Champagne das melhores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs.
as meias garrafas.
| Cha uxim o melhor possivel a 2,Too rs. a
ibra.
Lentilhas muito nova excellenb' legunrw pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades
de 7oo a 9oo rs a garrafa:
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 8oo e
t.ooo rs. a libra, desnecessario mais
elogios neste genero, que s se pode te-
ndear com a vista,
dem franceza a 6o rs. a libra, e em barril
se far abatimento.
Marmeladj do primeiro fabricante dt- Lisltoa
a 6oo rs. a libra, ha latas de I, I I e
2 libras.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo rs. a libra.
Macano. talharim ealetria a 4oo rs. a libra,
dem branca a 32o a libra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o
frasco,
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco
Mu lio ingles em garrafinhas com tullas da
vidro a 64o rs. cada nina.
Marrasquinlio verdadeiro de Zara a l.ooo rs.
agarrafa, e lo.ooo rs. a duzia.
Nozes mtiilo novas a 16o rs a libra.
Ostras jireparadas em latas a 7oe ts. a lata.
Prezunto para fiambre ingle/, vpuladeiro.
garantindo-se a qualidade a Too rs. a libra.
Passas novas de carnada a 4oo rs. n libia e
6,5oo rs. a caixa.
dem para sopa estrellinha. pende e retinta
etc. a 3,oors. a caixa. e a 56o rs. a libra.
Peixe em latas hermticamente fertoai d.i*
seguintes qualidades:savel, corvina, goras
cavallinhas, e pescada a l,oon a lata.
Palitos para'dentes lidiados a I la rs. o ma-
Lindas pulseiras de coalas e de missanga, cores
muito lindas e de muilo gosto a 15 e 15200.
Canelas.
Rquissmas canelas de madreperola propriasj
para qualquer presente, pelo baralissimo preco de;
15500 e 25-
Sapatinhos c meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
Miados, assim como meiaszinhas de seda, gorrazi-
nhas e louquinhas para as cnancinhas se baptiza-
rem; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Voltinbas.
Lindas voltinbas de perolas falsas com cruzinhas!
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas |
e voltinbas, pelo barato prego de 15 c 15200, as
ertuea avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, ra do
Crepo n. 7.
Golinhas.
Riquissimas golinhas c manguitos, o melhor gos- i
to possivel, a 25, 25500 e 35; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Enfciles para senhora.
Riquosissim enleites cora laco e sem laco e de
onirosjmuitos gostos a 15, 15500 e 35 : s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins de eabello para relogie ou lu-
netas; pelo baratissimo prego de 15500, ditos de
relroz a 200 rs.
Babadinhos ntremelos.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 15200, 15500, 25 e 35; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Cascarrilhas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galaozinbo e trancinhas pro-
prias para enfeiles; s no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7. ;
Filas.
Grande sortimento de filas de diversas larguras i
e qualidades, por precos que admiran) aos com-
pradores, havendo filas largas proprias para cin-!
teiros que se pone vender a 300 rs. a vara, e pega
de 9 varas a 25; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Fitas de la.
Fitas de 15a de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7
Ricos espclhos.
Riquissimos espelhos com moldura douraJa{e
sem ella de 85, 105, 125 145, assim como com
ealumnas de differentes lmannos a 25,35,45, o
e 65; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto que aqu
tem apparecido; s no Vigilaute, ra do Crespo
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
cousa de muilo goslo a 15500 e 25, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. rada um; s no
Vigilante, roa do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banbas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
tinctvos e oflerecimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e. mais afamados autores de Haris e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
a 25 e a 15, assim romo outros objectos que nao e
possivel or hoje annuneiar, e vista dos fregue-
zes se far todo negocio na loja do Gallo Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
go de 2o rs. o macinhos.
.,lluld' .., ,.', a m- I dem do gz a 2oo rs. a duzia, c .loors.
dem perola qualidade especial a2,/oo rs. h
a libra. i
dem byeeon o melhor que ha neste genero
a 2,ono, 2,4ooe 2,6oo rs. a libra.
Idjfcn prelo homeoptico a 2,ooo rs. a libra.
Cervejadas"meiii:r.'o-fifircas a 6,ooo rs. a
duzia, e")6o rs. a garrafa.
Chocolate francez, hespanaiol e suisso a l.ooo,
l,2oo e l,4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fljr"
'Painoo muilo no-o 12o rs. a libra e 3,ooo a
arroba.
Qoeijos lame iguj i^> uu;...- ...i>..., ajtoa
rs.
dem prato muito fresco ti 8oo rs. a libra e
sendo enteiro a 72o rs.
Sal refinado em poleedeatroa Soo rs ada
um.
, Sevadinha do Franca ? '8o r<. a libra.
lado do Simas e outros dVJ'abia uimo Sevada a J .,,.
sejam regaba, trovadores, guanaras. f ^ a 2io ^ -
f{S.,TC5a 1'60'2'000' 3'0U Tijolo'para *fi^ttbnk oda.'
e 4,opo rs. a caixa. Vinam-e de i*6" 2n
Conservas inglezas a /oo rs. o frasco. ;nn J canada_
2oo rs.. a garrafa e
"BJL^i^Jam s ,|ua""i-5*5"5 *a
1 ,ooo rs. a garra- ^^ as 10 Porlo em am)s (J(l ^ m
rs ca!" una.
Cognac francez e inglez a
fa, e 1 o,ooo rs. a duzia.
Cominho e erra-doce 4oo rs a libra.
Gravo da India a 6oo rs. a libra. Ib-tn d'eS('"v;|s
Canella a 9oo rs. a libra. cadruna.
Copos finos para agua e vinho a 4,8oo5',ooo Velase spermacete superiores a 56o rs.
e i),5oo rs. a duzia, e uoo rs cada um. | a P1**
Caf do Rio superior a 28o e 3oo rs. a libra,
e T.5oo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiak superiorem latas a 2,ooo rs. a'1
Ervilhas porluguezas em latas chegadas ul- Vi'"' ,3pipa, Porto, Lisboa e l-igueia
limamenle a 64o rs. a lata. da s marcas menos conhecidas a 4oo rs.
dem ceceas a 16o rs. a libra. a garrafa e a ,8oo rs. a caada,
dem j descascadas a 2oo rs. a libra. Me m Figueira especialmente escolbido oeste
pira lavar casa a 36o rs.
. a !
(lllendf carnauba refinada e do composir.lo
^6rs.al.bra,edelo,5ooall,,oooV,
. a'Ooa.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em camnhas bem enfeitadas a 9oo
rs. cada urna.
Favas porluguezas em latas chegadas lti-
mamente a 640 rs.
Frutas idem em calda, pera, pecego, a I per
se, rainha Claudia e ginja a Too rs. a lah
Graixa nova a loo rs. a lata e i,loo rc i a
duzia.
Gomma muito alva e nova a 16o rs. Ora.
Genebra de Ilollanda em frasqueiras ca 12
frascos a 5,8oo rs. e 560 rs. o frase o
dem em botijas a 4oo rs. cada urna. /
dem em garrames de 16 garrafas ya 4,8oo
rs. com o garrafo.
dem de tres cariadas a T,2oo rs.
dem inglezas em garrafas brancas
com rol ha de vidro qualidade
l.ooo rs. a garrafa. /
dem de laranja verdadeira a/1
frasco e 11 ,ooo a fraqueira j
Kirsch Wasser excellente bebi
l,8oo rs. a garrafa.
gar a 6oo rs. a garrafa,
;anada.
c 4,5oo rs. a

a um.
T;.dem Lisboa em ancoras com !) caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muilo fes... <>.m
composicio a 600 rs. a garrafa, e i.Soo
rs a caada.
dem de Lisboa branco uva pura a 36o rs. a
garrafa, e a 4,Soo rs. a caada.
dem Porto Roo om pipa a 56o rs. a garrafa.
dem engarrafados generosos lagrimas do
Dooro, Duque do Porto, I. Luiz I, D.
Pedro V, Nctar, velbo secvo, Mahasio
Genuino, Particular a 9oo e 1.2oo rs. a par-
- arafa, e a 10,000 rs. a caixa com orna du-
zia.
rdadas dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a gana*
fa, e a 12,ooo rs. a duzia.
fifffiTl IMlMWiUffil aT.oonrs. a garrafa,
dem Bordeaux das acreditadas marcas Si.
.lulien, St. Estepb, chateau la Rose, chaiau
Margoux e outros a 6,5oo rs. a caia. e
56o rs. a garrafa.
penor a
00 rs. o
2 frascos.
suissa a
Vendem-se qualro moradas de casas silas na
^chZ^Z'v^mTz\^7zlZ Tleme "le le Olinda, 'sendo dnas na ladeira de S. Pe-
K^os^^
----------' eos muito comrnodos por serem pequ nas : a tra-
.11 i I lin a SotlO. fiar no Reeife, nas Cinco Ponas n. 146. padaria de
vendem-se na ra da Madre de Pe-os. ns- o e 9,KMenezes & Silva ; em Olinda com o Sr. Braz Ma-
saceos grandes com milho novo. chado Pimentel, pharmaceutico.
EWS1J\ JEM BARRIIi
a tOO rs. o copo
eljo de Minas ehegado no vapor
dem prato inulto fresco
dem suisso snperior
dem londrino superior.
tt Ra do Imperador 57

lWL>cDREXMPLAR ENCONTRADO (MUTILADO I'LEGVEL


Diarlo de Pernambuco Terca lelra 19 de Outnbro de 1804.
CL
MME
RA UO QUlOf AMO W. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
NOV1DADE
Pereira Rocha & C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clanm Commer-,
cial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes serlo vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencioneda ; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem. '
Arroz do Maranb5o, India e Java a 60, 80 e Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muilo superior a 220
100 rs. a libra, e 1*800, 2*000 e 30000 i Painco a 200 rs. a libra. a libra.
Polvo secco muilo novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeile e Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata,
muito novo a 640 rs. i dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
a anoba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
15200 e 1*600, e em frascos grandes a
2.500.
dem em caixinhas elegantemente enfeitadas
com ricas eslambas no Interior das caixas dem
Queiios flamengos do ultimo vapor a 20800 Figos de comadre e do Douro em caixinhas
dem nrato de oito libras e canastrinhas de 1 arroba a
a 1020), 104OJ, 1*600e 2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 160 rs. a libra e a 45600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 96U rs. a garrafa,
dem de Lisboa a6i0 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellaas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1530" rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes, a 2*rs.
a I 'la.
dem inglezas muito novas a 3*000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banlia de porco relinadaa 410 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hyssin, huchin e perola a 15600, 2*,
20500, 23800 e 30000 a libra.
dem prelo muito superior a 2*000 a libra.
Cerve a preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 55800 a duzia.
Cognac infflez lino a 90"* rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco.
dem, s de pepino, a 72" rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Bahia
e especi lmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 15800,
250 <>, 25200, 2*500, 2**00, 3*000 e
**500 a ciixa.
Caf do Rio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 8550' a 85800 rs. a arroba.
Cartoes de bolinhos francezes muito novos e
bem muilo enfeitados a 700 e 600 rs.
Chouricas e paios muito novos a 800 rs a
libra.
londrino chegado no ultimo vapor a
900 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a
cada um.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muilo superiores a 6l 0 r.
libra.
Eigos em caixinhas emticamente lacradas
a 1*600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam : Velno de 1815, Duque do Porto,
Madeira, D Pedro, I). Luiz I Maria Pa,
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e
1*000 a garrafa, e em caixa com urna du-
zia a 95000e 105000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 3*, 3*500
e 45 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeaux, Medoc e S. Julien a 700
1*800, 5*500 e 280 rs. a libra.
Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra. '
600 rs dem de trigo a 120 rs. a libra.
Gencbra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 6*200 a frasqueira.
dem em garrafoes de-3 e 5 galoes a 5*500
e 7*500 cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 1*100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, quaiidade. especial em garrafas muito
grandes, a 15800 a garrafa.
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de
vidro, a 1*000, s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maga de tomates em barril a
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores consenti-
ros de Lisboa a 60 rs. a lata.
Marrasquiuho de Zara, frascos grandes, a
480 rs. a libra.
800 rs.
e 80 rs. garrrafa, e 7*000 a 7*500 rs. dem regular a 500 rs.
a duzia. Macas finas para sopa: estrellinha, pevide,
dem Morgauxe Chateaulumini de 1854, a 1* rodinha e.atetria a 000 rs. a libra e a 4*
a garrafa.
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
16200rs. a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 15800rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-
mos grande porco de outros que deixamos
a caixinhaVim 12 titiras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe em latas preparado pela primeira arte
de cozinha a 15 a lata,
Paliios de dentes a 160 rs. o maco,
dem de dentes a 120 rs.
dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudo ser vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
pecas e carnadas, tanto em porces como Doce de goiaba em latas o melhor pessivel a
retnllio- 25 e em caixao a 640 rs.
Quem comprar de 1005000 para cima te- Palitos do gaz a 2*200 a groza.
r o abate de 5 por cento. Passas muilo novas a 480 rs. a libra.
GRANDE E SUMPTUOSO ESTABELECIMENTO
DE
XOVOS E ^.SCOIilHDOS CEXEROS
TANTO ,.\tGHOSSO COMO A RETALHO
oo iva .iova o
rliiitii casa junto ponte 1 Moa Vista.
DUAS ALAVMS.
^ Cesfe tudo quanto a antiga mu-a cania
i Que ou'.ro valor mais alto se alevanta.t
Acha-se a disposico do respeitavl jjublico este grande e magnifico estabeleci-
mento de molhados, talvez o primeiro e ui\ieohoje existente em sua especialidade, por-
que o mai-ir capricho de mlos dadas com raais^purado goslo de abrir um estabeleci-
mento modelo promoveram a escolna dos nwis superiores gneros do nosso mercado,
que p ir serem comprados em grande quantiuVle' epayos quasi lodosa dinheiro a vista
deu lugar a obteucao de vantagens, que reparldas como vito ser pelas pessoas que se
dignarein de honrar-nos com a sua freguezia. Ventamos a doce esperanca de agradar a
lodos, nao s pelo emprego das maneiras condfccendcntes e delicadas de que somos ca-
paes. como pela pralica da promessa que fazenrovde vender polos pre.os quasi do pri-
meiro custo o nosso magnifico sorlimento.
Pesando muito em nosso animo os meios fecuniarios de que podem despor as
diversas classes da nossa sociedade, asseguramos a abastecidos da fortuna que acharao
era nosso armazem os melhores e mais esqoisitos v hos, licores, champagne queijo, ele.
etc etc, e aquellos que nao podem dispor de grande recursos, que s compram o neces-
sario, promettemos-lnes servi-los de gneros novos t adis, escolhidos ao seu contento.
O real do pobre ser recebido com to boa mtade, como a moeda de ouro do
homem rico.
As pessoas que nos fizerem a honra de entrar e\ mossa casa, quer seja para com-
prar para seu gasto, ou para negociar, vollaro satisfeitA\no s pela boa quaiidade dos
objectos, como pela fideli'lade dos pregos, e bom acondiX \namento.
O futuro nos justificar. '
CAVACO NECESSA 10
Devenios ao respeitavel publico algumas palavras re wis ao pomposo titulo que
adoptamos. Ei-las.
Existindo neste vasto e flotvscente imperio um gravfc partido polilico com a
denominaco de Liga, parecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente,
capaz de fa/.er zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
Bia-se quem quizer, porque nos lambem nos riremos mas nao se zangue
ninguem.
O* nome urna voz com que se do a conhecer as cousas. esta a mais
breve, clara e sincera explieacao que, pelo methodo repentino, podemos dar.
Mas a quem nao seguir o partido desse si/stema diremos mai
Nao oriunlo do Brasil o imponente titulo do nosso estabetecimento. Foi ;
muitas centena* de leguas que apanhamos a nossa Liga.
Na soberba e opulenta Inglaterra houve um rei que instituios iput honroza or-
dem da Liga. O acaso nos fez deparar com a narraco dessafacontecim"10' lo sorpre'endeu a corte desse monarcha. Agradou-nos eslWu'storia e oslando sum-
mamente do trage do cavalleiro da jarreteira, para logoo^iandamos de. "mbar, e col-
locando-o no oito do nosso estabelecimento, teios asjjlrn feito distingui-k dos outros
que se assignalaram com mitras c comas.
noniii sol qui mal j-pens** jf
MACHINAS UEP4TENTE
de trabalhar mo para
dcitiarofor algodo----------
Fabricadas
Por Plant Brothers & C.
OLDAI
Enfeites para cabe
Chegaram os lindos eofeiles de
nhoras, sendo muito imples e
no Vigilante, roa do Cre=po n.
<>
Vende-pe a casa
ranea, construida
frente e porto s
cimba propria >__
5a da Boa.Vii 4-
fa para se-
gosto : s
d.
23 da ra da Espe-
entn tres janellas de
quintal todo murado, ra-
a pretender dirjale pra-
GAZ GAZ GA.
Vende-se gaz de primeira qu\ ''de a
10)5 a lata : nos armazens da rus ,dV Im*
perador n. 16 e ra do Trapiche WoM"- 8.
Veode se caixes vazos pt'iV;'rtS
para ialiQieos e funileiros a 1$/W
cada nw; neala lypographa.
Estas machinas
podem descarocar
quaKjuer especie
;de algodao sem
estragar o fio.
sendo bastante
duaspessoas para I
olrabalho; pode |
descarocar urna
arroba de algo-'
do em caroco i
em 40 minutos,
00 18 arrobas \
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Sauoders Brothers & C.
IV. 11, prava do Corpo Santo
RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Ra do tjueimado ns. 49 e 53 toja do Barateiro
conhecido j cuino tal, est dispondo da fazenda
por toilo o prego para apurar dinheiro, quem qui-
zer venha ver e traga o cobre, e ver o seguinte :
Barallios de cartas para voltarete muito
finas a............................
Miadas de linlia froxa para bordar a....
Pares de sapalos de tranca de todos os
tamaitos e linos a...................
Massos rte superior grampos para cabellos
Duzias de palitos de gaz superiores a. ..
Libras de rea preta muito superior a ..
Frascos de superior macaga oleo a___
Ditos de dito perola a.................
Ditos de oleo de babosa nuiiu) tinos a Jo
rs. e...............................
Ditos de agua de colonia superior, garan-
tida.............................
Ditos de banda muito fina a............
Ditos de cheiros muito linos para o prego
a ris.............................
Sabonetes de todas as qualidades a 60 rs.
160, c............................
Novellos de linha com 400 jardas a......
Carriteis de linha de cores com 200 jar-
das a.............................
Novellos de linha de gaz de todas as cu-
res a.............................
Pegas de fitas elsticas com 10 varas pa-
ra vestidos a.....................
Frascos de superiores cheiros, pequeos, a
Pares de ligas muito superiores e bonitas
a ris............................
Varas de bicos francezes,superiores a...
Opiata para dentes da melhor que ha a..
Fiascos de agua ^ara denles, superior a
tudo a..........................
Pegas de tranca preta liza muito fina a..
Caixas cun 4 papis de agulhas Victoria a
Varas de fila preta com colxetes a......'
Libras de lia sortida de todas as cores a
Bonccos de choro muilo bonitos a......
Caixas de nhreias de massa muito novas a
Varas de franja branca e de cores para
toalhas a..........................
Frascos de oleo PhilocooM superior a...
Ditos com superior tinta a 320 e.........
Caixas de linha de gaz com 30 novellos a
Enfladores para epar(ilho a...........
Duzias de botoes encarnados para vesti-
dos a ............................
206
20
15300
30
200
100
100
200
300
400
640
600
400
80
60
30
240
200
iOO
40
15000
15000
60
200
40
OJoOO
160
40
80
600
300
ROO
130
Grande liquidacao.
11 na da Imperatrlz n. OO.
Loja de fazendas do Pao de Gama & Silva.
Acha-se este estabelecimento completamente
sonido oe fazendas inglezas, france-as. allemaas e
suissas, proprias tanto para a praca como pata o
malto, prometiendo vender-sc mais'baiato do que
em oulra qaahjuer parte principalmente sendo em
porgo, e de todas as fazendas dao-se as amostras'
deixando ficar penhor, ou mandam-se levar em
casa pelos caixerros da loja do Pavo.
As thitas do Pavo.
Vendem-se chitas inglezas claras e escuras pelo
barato prego de 240, 260 e 280 rs. o covado, tintas
seguras ditas franrrzas de cures seguras a 320,
340,360, 400, 440, 480 e 500 rs. o covado, fazenda
muito superior e bonitos padroes : s na loja do
Pavo.
As lazinhas da exposicio do Pavo.
Vendem-se lazinhas as mais modernas que
tena vindo ao mercado, proprias para vestidos e
soulembarques por serem lisas e de cores muito
delicadas 560e500rs.; ditas lisas com um lustre
que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
quadrinhos de seda 500 rs. o covado, s para aca-
bar : na loja e armazem de Gama & Silva, ra da
lmpcratnz n. 60.
Os vestidos do Pavio.
Vendem-se os mais modernos corles de vestido
de la, que vieran) pelo ultimo vapor, com ricas
barras de cor, corpinho c collele separado ; ditos
com listas de seda e lamban com barras e enfei-
tes para o corpo, por prego mais barato do que em
oulra qualquer parte, e se quizerem urna prora
do que se diz, manden) ver leja e armazem do
Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva.
Os vestidos Haria Pia. S o PavSo (80001.
Vendem-se os mais lindos vestidos Mara Pia
de iaazinha transparente com listas, e palminhas
de seda pelo barato prego de 85 cada corte : s
na loja do Pavo ra d*a Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
As eassas do Pavo a 240, 280, 300, 320 e
360 rs.
S o Pavo vende as finissimas eassas persianas
imilago de la, com cores fixas, 360 rs. o co-
vado ; ditas francezas muito finas 240, 280, 300
e 320 rs. o covado, isto para acabar : ra da
Imperatriz, loja de Gama & Silva.
Os madapolcs do Pavo
Vende-se pega de madapolo infestado com 12
jardas cada pega pelo barato prego de 45, 45500 e
55 cada pega, fazenda muito superior : s o Pa-
vo ra da Emperatriz a. SO, notando que a pega
leva urna etiqueta com o Pavo pintado para nao
haver duvidas nem engaos : isto previne o Pa-
vo, de.Gama & Silva.
Bramante de llnho do Pavo
20, S04OO, -iftttOO.
Vende-se o melhor bramante de linho puro com
dez palmos de largura por prego muito commo-
do, por ler de acabar a factura, a vara por
25200, 25400, e 25600 ; s o Pavao : ra da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Panno de linho d fifro.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para lenges e toalhas de mo pelo
baratissimo prego de 640, 720 e 800 rs. a vara, al-
godozinho cora oito palmos de largura proprio
para lenges, pelo baratissimo prego de 15 a vara,
assim como tem o melhor algodozinho tanto em
largura como em corpo, proprio para lences, ca-
misas de escravos, etc., etc., prego muito commo-
do vista da fazenda; s o Pavo : ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Algodozinho com toque de avaria a 1,000 ris
e 1,800
Vende-se pega de algodozinho por ter um pe-
queo loque de avaria, mas que esta em bom es-
lado, pelo barato prego de 45 e 45500 a pega ; s
o Pavo : ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os guardanapos econmicos do Pavo e s do
Pavo
Vendem-se os mais lindos e modernos guarda-
napos econmicos e todo linho, tanto para as casas
de familia como para notis, botequins, etc. etc.,
pelo baratissimo prego de 35 a duzia, isto s na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Os soutembarques do Pavao
/ 9 el*#.
Vendem-se os mais finos soutemharques que
{^winiu ao mercado, sendu de caxemira de co-
reVl" dmiiiiutissiino pn-go de 125 cada um, di-
loM^iteXfititiqwtiHte-dmHM'^rtryi de 05T so"
naJoja do l'avau, mas que so nao fngauem : ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Atoalhado lo Pavo.
Vende-se panno de linho adamascado proprio
para toalhas de mesa, pelo diminuto prego de 25300
rs. a vara, guardanapos de linho a 55 a nuzia,
toalhas de mo a 55 cada duzia, na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
i: s o Pavo (a '05OO).
Quem tem bales por tal prego !
Vendem-se os baloes americanos muito superio-
res com 20 e 23 arcos pelo baralissimo prego de
25500 e 45, diios de 25, 30 e 35 arcos com fitas,
muito bem armados e lambem tem cores escuras
pelo barato prego de 35300 cada um : s na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
0 ravo vende para lulo.
Vende-se superior selim da China, fazenda toda
de la sem lustre tendo 6 palmos de largura pro-
prio para vestidos, capas, paletots, caigas, etc.,
pelo baratissimo prego de 2, 252' 0, 25500 e 35 o
covado, eassas prelas lisas, chitas pretas largas e
estreitas, manguitos, colarinhos, punhos, e enfeites,
tudo prelo proprio para luto fechado, e muitos ou-1
tros artigos que se venden) por pregos mais em |
cunta do que em oulra qualquer parte por estar
liquidando ; s na luja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60, deGama A Silva.
As percalas do Pavo.
As mais lindas percalas que tem vindo ao mer-
cado pelo ultimo vapor tem na loja do Pavao pelo
barato prego de 600 rs. o covado ; ditas de listi-
nhas muit miudinhas proprias para vestidos e
ronpoes de senhoras, meninos e meninas, pelo ba-
ratissimo prego de 500 rs. o covado ; garantem-se
as cores por serem do melhor fabricante que as
tem em Paris : isto na loja do Pavo ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama As chitas do Pavo % IOO
%SOO o corte
Vendem-se cortes de chita com dez covados
25400, ditos 25800, com 12 covados; sao chitas
inglezas, mas padroes bonitos e tintas seguras ;
assim tem as melhores chitas francezas e de ira-1
tas seguras por precos commodos, a saber : 320,
340, 360, 400, 440, 300 rs. o covado : na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva. 1
Os bordados do Pavo
Vndem-se camlsmhas com manguitos e golli-1
nhas bordadas, pelo barato prego de 15 c 15280
cada um, manguitos s 500 rs. cada par, ditos
com golinha a 800 rs., golinhas 400 e 480 rs., de
fil 240 rs. cada golinha bordada, romeira de
eaaaa o de fil muito bem bordadas 25 cada;
urna, manguitos que servem para calcinita de me-
ninas 640 rs. cada par, camisa com manguitos e
golas com a competente gravata de seda, fazenda;
fina, pelo barato prego de 35, e muitas outras
bordadas que se vendem por pregos muito em
conta : s na loja do Pavo ra da Imperatriz
D. 60, de Gama & Silva.
As roupas do Pavo
Vende-se panno preto fino muilo superior pelo
barato prego de 25, 25300, 35, 35500 e 45, dito
muilo fino 55 e 65 o covado, casimira preta de
unta s largura e muito fina a 15800, 25 e 25300
e 35 o cvado, corles de casimira de cores a 55,
35300 e 65, casimiras entestadas de urna s cor
proprias para algas, paletots. coleles,capas e para
roupas de meninos a 35500 o covado, isto na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
0 PROPHETA
RIA DAS CINCO PUNTAS N. 80
Ksqulna da nova travessa de H. ioo.
TT^
fcO!
besejando o proprietario do grande armazem do Prophela (lar hi-
gas ao seu genio emprebendeor, commeicial e es|ieculativo, resolveii ceder a inspira(Se
que o assaltou, quando as horas caladas da noite o seu solicito espirito se aguata n'u
turbilho de ideas, tendentes todas bem seivir e agradar aos gtneri ses boNtofel
desta bella provincia, de abrir mais esle grande estabelecimento de wmm t
escolhidos gneros, quasi que especialmente destinados s pessoas que BHM1 na fre-
guezia de S. Jos, e aquelles senhoies que transilam pela \ia fcnea, pan fMl \er-
dade sao sem conta o numero das vantagens que se Ibes ofJerece, nao ti osa rtla\io
modicidade dos fretes, como da facilidade e brevidade da comtaCfM dos okjMnH cea-
prados.
O sonho do Proplicta ser urna verdade pratica tao aceita e abracada como a%
palavras simples e bem intencionadas dos vellios palriarcbas denm lempos Mts, si t tt>
nhor Deus dos exordios nao o quizer contrariar.
0 Propheta nao querendo reslringir-se a forma ordinaria de aegociar mi
tambem, depois de profunda meditacao, de nao vender sniente os feus gentos a di-
nheiro correte ; mas tambem de por em pralica troca delles por ooiros da priutoc *o
do paiz ou por escravos, bois, cavallos, etc. Assim, pois, fique na inteltiger.ua de todos,
que o i'rophkta receber como moeda de qualquer dos senhoies agrtCttHerM, lamMT,
algodao, agurdeme, milho, feijao, cavallos, escravos, etc., etc. e ibes nri e MMH alo
em gneros, escolhidos a contento.
Quando a importancia dos gneros apartados for menor do que a dos oijectns re-
cbidos por troca, o r-ropheta nao demorar a dille-renca que deve dc- em dinheiro.
Um estabelecimento que com tantos sacrificios e desptzis anta n ser alerto
deve inspirar a lodos a certeza de que se vender muito barato com o im de *c adq.ui
rir crdito e freguezia.
OilU
dem em botija a :j'0e 4u0 r;. a
Graixa em lat sa U200 a duzia.
Limonadas de diversas Irucias a l>J0
frasco.
Licores inglezes e francezes a lW0, li$->0t
c:ia garrafa.
Lingoas americanas a 800 rs cada urna.
Linguicas proniptas em latas a I52> 0 a lata.
Manteiga ingleza ueste genero o que ha da
melhor a 8U0 rs. a librae t;n han il a 700
rs.
dem mais baixa a 1540 e 7201c a
libra-
em barril
A aruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Arroz do Maranhao, Java e do Penedo a 80,
ICO e 120 rs. a libra, e a arroba a l.)80,
25500 e 2,5800.
Amendoas a 280 rs. a libra.
Ameixas francezas a l>200, l400 e ls-000
em latas, frascos e lindas caichinhas muito
proprias para memosear alguem,
Amendoas confeitadas em fran'os de vidro
a 15 o frasco.
Alpiste a 160 rs. a libra e a i>o00 a arroba.
' Azeite doce francez a 900 rs. a garrafa.
Azeile de Lisboa a GiO rs. a garrafa e 4800 Manteiga franceza a 580 rs. a libra
1 a caada. I a0 40rs a libra em rtlalho.
Azeite doce embornes com 9 garrafas a 550O Massade tomates a G40 rs. a litara,
com o hoio. Marmelada muilo nova a040 r. a lura.
Azeitonas por todo o preco. Mullios inglezes a 400 e 640 rs. a girafit;ba.
Biscoilos inglezes de diversas marcas a 1;>300 Mostarda preparada a 400 e Mti rs. o fi ato
a lata. Massas para sopa macar rao, lalbarim ak na
Bolachinhas de soda, oval c lunch a 260001 a 400 rs. a libra.
a lata com 5 libras, dem finas em eaixinbas a .36C<' a caish ha.
Bolachinhas americanas em borricas 26 Marrasquino de Zara verdadetm a l5<
libras a 2100i). frasco.
Banha de porco da melhor quaiidade a 360 dem mais baixo a 800 rs. e IJ00O o h^ a
rs. a libra. Milho un saccasiom 20cuias.i -t.'-l 0.
Batatas em gigos e caixas por todo o preco. Pr./.unto inglez | ara hambre \ n no ultiiflc
Caf moido a 10i' 00 ou 8000 a arroba. vapor a 800 rs. a libra.
Caf superior a 7*5300, 8)500; e 80500 a dem mais ant go a 640 rs. a laxa
arroba. dem do Porto a 640 rs. e sende inieirc ;
Cha nesto genero temos o que h de melho- iO rs. a libra.
assim como tambem lemos baixo pelos pre- Passas tovas a 400 rs. a libra.
eos seguimos: i4>0, lj5ft', (800. Polvo a l'Ois. a libra.
26400, 20600. 2800 e 30(0o fino. Painco a 160 rs. a libra.
Charutos de todas as melbores e pcorfc mar- Pomada a 240 rs. a duzia
cas do mercado a 80o. 16000, h>600, 26, Pimenta do reino a 320 rs.
26800,36000. 46000,56000, 5050066 l'eixe em latas a idOiO a
o cento. I vina, pargo e outros
Chouricas as mais novas do mercado a 126 Papel de peso a 26000 a resana.
o barril com 1 arroba e 480 rs. a libra, a dem dem muito fino a 4600';. :>6 b
^ e[las qiie.j)e(jiincha._______.._..\\ifU>ii!t3'^JK
Chocolate magnifico a 1^000 16200 a libia. dem almasso a :i.->i()?, 36u< C e hriU:
Cerveja marca a mais acreditada que tem dem para embrt Iho n 1620< i :,-ua.
vindo a -jOO rs. a garrafa, emeia garrafas Palitos para dentes mares eran H! na
por 320 rs. branca e preta. a 80,120 e 2(0 rs. o maco.
Conservas inglezas a80rs. o frasco fazenda Palitos do gaz a 26000 a gro: a.
chiiiue. i Qoeijos flamengos do ultimo vaj s %
dem francezas a 5(0 rs. o frasco. jMem londrino a 9( 0 rs. a libra.
Cevadmha de Franca a 20 rs. a libra. iMem'prato a 040 rs. a libra.
Champagne da melhor marca que squi tem Rap Mearon a 16000 a libra.
a libia.
la ,., savel
vindo a 06 e 240 o gigo.
Sag e sevadinha a 240e 280 i-, .i linr
lata.
Sabo massa a 120, 180, 200 e 240 r:
libra, e em caixes por menos.
Cognak inglez efrancez a 800 rs. e 16<00a Saidinhas de Nantesa 640, 56 e 360 rs.
garrafa.
Ochlas por todo preco.
Copos lapidados que sempre se venderam e
se vendem em muitas partes a H e 106, Sal refinado a 600 rs. o vaso (poli de vidro.)
vendemos a u05< 0 e G;>00 a duzia. I Toucinho de Lisboa, de Santos e amffcaM
Copos para vinho a 3600o a duzia. a 160, 240 e 32o rs. a libra e em anata
Doces de calda vindos de Lisboa neste ultimo | a 5, 7, c 90000.
vapora 6-0 rs. a lata das melhores fi uc- Tijolos para limpai facas a 160 rs cada nra.
tas da Europa. j Vinho do Porto em ancoras com 70 garraa-i
dem da goiaba e da casca o melhor que a 306000.
possivel por diversos precos, e conforme Vinhos de Lisboa eFifiieira qoaiidataiBSf.
o tamanho dos caixes. nificas a 36000, 36 0 e 460< 0 a cana.la.
Ervilhasem latas a 640 rs. a lata. Vinho do Porto empipa a.le 60000 a a.ada.
dem seccas a 200 rs a libra. Vinho branco de Lisboa e Porto em saawae,
Espermacete americano a 10200 a libra. barws e pipas a 46000 e 5000o a capada.
dem francez a 360 rs. o masso com 6 velas. Vinagre de Lisboa a 10600 e 20000 r.-na
Fros de comadre em caixinhas muilo lindas da.
a800 rs a caixa.
rrmha de trigo a 120 e 150 rs a libia.
Farinha do Maranhao a 24" rs. a libra.
Fumo do Para a 108''Oa lata grande.
Fumo americano a 10400 a libra.
Fumo em macinhos para sigarros
rs. o maco.
Farelo em sacas de PO a 90 libras a 30500
Genebra de laianja 10 o frasco.
dem de Hollanda a 500 rs. o frasco. I
Vinagre em garrafoes por 16/00 comogar-
rafao.
Vinagre em ancoras pai a 16600 com ancora
de 9 caadas.
Vassonras americanas a 640 is. cada wn.
a 200' Vinho del'ordeaux ne>ie genero tetaos grai I
porcoe das qualidades meJborOB OM >r
vinJo ao nosso mercado em garrafas, em
ancoras, em bairis o quariolas oquIvec-
demos por procos muito baixos.
mi -'*-;*
M*
m
4TTE'

Vend^-se pela quaniia de t:300fi as tres (partas \
partes de nm sobrado ae dous andaros, sito na ra i
do Padre Ploriano n. 21, ediRttKlo em cti'ios prn-
prios, e hein conservado : a tratar no priineco an-1
dar do rocano sobrado a qualrjaer hora do dia.
Vende-se snperior vinlio do Porto em caixas de
1 urna duzia : era casa de Johnston Pater & C, ra
do A'gar'o n- 3.______^^____
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che-
gada ao merrado, em bem acondicionados barris :
o armazem de Manoel Teixeira Bastos, roa do
Trapiche o. 13, por preco razoavel.
DECLABACAO.
O BALIZA declara pelo prezentt que
deixa de publicar os precos pelos quaes ven-
de as suas mercadorias por motivos que ao
respeitavel publico pouco intereea. Serve
provisoriamente de baze os procos do Pra-
pheta.

ORDEIfl DO m&.
O BALIZA concede plena liberdade aos
seiis amovis colicas Clarins, Unies. mitra-
dos e croados, para que possam saltar, her-
rar e tudo mais quanto Ihcs aprouver. at
a sua segunda ordem.


MELHOR EXEMPLR ENCONTRADO"!


\
Mari z PcrHBfo rerca leira i 9 c Out libro 4 1B61

NEM COROAS NEM MITRAS
mmm mmm m plumos
Largo da
lf Santo Cruz
n.84.
Esquina
da ra do'
Sebn. 84. i
H4NTE
Pnnersce 'Jos Fernantles Pires, proprietario de armaem de molhados denominado
Aurora IWillwnte, ao largo da Santa Cruz n. 8't, esquinaba roa Jo Sebo, faz cente ao
rospeitavei publico desta oidade e do interior, que no teu importante estabelecimente
vomitar seiupre geueros novos e do primeira qualidade, e vender a todos pelo mesmo
prero.
complete jortimenlo de ledos os genero? finos e-presaos qae oostumam ter outros
estabeled melos desta ordem se encontrar, sempre do ar.mazem da Aurora Brilbante
e semire cm grande escala vontade dos senhores compradores.
O proprioiarie do armazem Aurora Bnlhaute pede a todo os seuuores e senhoras
pe quando liverom de mandar suas relacoes a este estabelccimento por seus criado.-
eja *m Tarta techada ou ram rrande rceornmendacSo a este armazem, certos fle qtie
ferio lio bem servidos como se viessem pessoalmonte.
&m
A Aurora Brllhanle troca qualquer um genero que por acaso nao agrade, e recebe
as libras esterlinas a '.WOt, sendo por compra : a tabella de seus gneros ser mudada
.(las & semanas.
Aen lit.u confitadas a libra a 800.
Mauteiga iagieza flor a 800, 900 e 1120.
iia muis Hbarxe a 640 e 720 rs.
Bita francesa aova libra 640 e em barril a
M J e 600 rs.
Chocolate santo muito novo a 15200 a libra.
Cha p.'rola o melhor qae ha fe redondo)^
l.'.r.i a 35200 c 25800.
Ji.. di ti wats abauo a 25500 e 25800.
DH-t uAim multo bao a 25800 e 35
D u bywua superior a 2*600 e 25800.
DU mis alwiao a 25 2550O.
Olio (irei.') tnuito foo a 25500.
Diio em nussos a 25-
l)ia 'i i (iv ent lata- de 4, 4 e 1 libra a
i >>0).
i'.,.,' du -Moca superior arroba 95300 e libra
300 e 230 rs.
Ditod Rio e flo Ct-ar arroba 85300 e libra
30 r.
Dito mus abalice arroba Hi e libra 260 rs.
Barricas cora bolachiaha iugleza nova a
35-
.Latas rom bdtacbinha de soda de ti libras a
ri*9.
Ditas con das-sontidas de 2 libras a 15400
Friso* com aaieisas francezas a 15600,
a&m e 35-
Lias corditas A 15400,25200 c 45-
Ditas co-ii -lig.is de comadre a 1S300.
Calis.! libas oo.ii ditos tnuito novos.
?ii.s:h!j >1 Lainego.mutto novo a libra o 0
rs. ialiro e arelalho 600 rs.
C:n incas c paios novos a libra 600 rs.
Ditas tiiu erviHias fraocezas e portuguezas
n 80!) es.
Ditas rom mssa de tomate novo libra 560
rs. c em -barril .a 500 rs.
Ditas com ostras a 720 rs.
Da.> com marmelmla dos mlhores autores
d biaba a l;l.i,, (iHi u 726.
Potes otea musturJa franceza preparada a
libra 480 rs.
Dita dita ingina a 800 e MJ.
Q ; j.; 09V11S do vapor a 25200 e 2*800.
Carne e lingnica do sertao.
Duzia de grasa latas grandes a 15.
Caixas com 25 massos de velas de sperma-
cete a 560 rs. a libra.
Ditas maiores a 600, 640 e 720 rs. a libra.
Caixas com.urna arroba de velas do Araca-
ty 10*300 e libra 400 TS.
Ditas de composiyao arroba 195 c libra 380
ris.
Saceos grandes 1 om fafinha de Goianna mui-
to boa a 55500.
Ditos com milbo novo.com 24 cuias a ,'!5'>00.
Dito com farello de Lisboa a 5*500 e 120
a libras
Dito com arroz de casca a 5*a000.
Duzia de garrafas du eerveja branca c preta
a 55-500 c em harneas a 5*000.
Arroz do Maranlio em saceos arroba 25600
25400 e libra 100 e 80 rs.
Dito da India e Java arroba 35 e libra 120.
Araruta verdadeira arroba 85 e libra 320
rs., matarana.
Gomma do Aracatv para engommar arroba
55 e libra 160 rs.'
Farinlia do Maranlio nota libra 320 rs.
Ervilbas aereas muito novas libra 200 rs.
Sag e sevadtnha a 240 rs.
Sevada arroba 35200 e libra 120 rs.
Grasa de boio 97 a 280 rs.
Sabao massa a 200, 240c 280 rs. a libra.
Dito hespanliol verdadeiro a 400 rs. a libra.
Balaios do Porto de diversos tamaitos de 320
a 2*.
Capachos para portas de varias cores a 600,
700 e 800 rs.
Grao de bico arrota 4*500 e libra 160 rs.
Paineo arroba 55500 e libra 200 rs.
Milbo alpisia arroba 45800 e libra 160 rs.
Azeite doce de Lisboa garrafa a (40 rs.
Vinagre de Lisboa caada 15500 o garrafa
200, 240 o 320 rs.
Massos de palitos de deoles com 20 massi-
nbos a 160 rs.
Tijolos de limpar facas a 160 e 120 rs.
Resmas de papel almayo pautado a 45500.
Dito greve |sn 0 melhor que ha t 46800.
Dilo de pe.-o e pautado a 250() 2*800.
Garrafes com 25 e 15 garrafas de verda-
deira geiubra do Hollanda por 85500 e
C5000 rs.
Azeite de coco garrafa 860 rs. e carrapato
300 e cauada 2*560.
iCaix5os.com doce de goiaba a 640, 800 e
Dit 1- d prato enplicado a 1*.
Dii suisso a BttOirs.
D:lo do manleiga do Serid a 800 rs.
Caigas com passas novas de 1 arroba 7*,
10 1a 35500 c quartu 25 e Hbra 480 is.
Aitt ndoas com casca a libra 240 rs. e aero*
bi*.
Hotos libra *f0 e arroba 55,
Charutos linos de Simas, e dos mlhores fa-|
ranles da Babia do 25 85 caixas de
10J o 50.
Gretas de BaMnfcas de palitos do gaz'a 2*200
e 2.')} re. a duzia.
Barris ';;IJ aZ(J|l,lll>s novas
bar ib grandes.
Vagsouras do Porto piassava rnuito seguras a
4D0 rs.
Ateile ilose raacez dos mlhores fabrican-
te-, calxa 105 e a garrafa 15-
Caixas rom vuiho Boroouax branco e tinto.
Vinho do Porto iiuo etfl barris de 5o (jue ra-
r is v-zes apparece por 805 e em caada
a 55309 e carrafa a 800 rs. '
Di; 1 de Figaoira puro caada 45 e 45500 e
garrafa a 480 e 500 rs.
Dito de C'sboa de boas marcas a 35500 e
4$ e a garrafa a 440 o, 480 rs.
Cognac verdaoeiro a garrafa 15 e 15280.
Vialu mitscatc! duzia 105 e garrafa 15,
ViUbe branco de muito boa quaiidade caa-
da 45 e gaiH-afa'*-80rs.
Dito Kecet uno cauada 7,*500 e garrafa a
1*200. .-
Dito Ma.b'ira secca a carrafa 1*600 e 2*.
Dito 0111 cawas de-uma Otitia do Porto dos
melneres autores a t2*. la6 e 46*.
Carrafas com licr fluo franeez a .1*, 1*200
c 15600.
Ditas com vitlio Oe caj-morm dlaro a 1*.
Dita* nii mcl de abelhapuroa i*.
Frascos eomgcnebra deJlollanda de 2 gar-
-rirfas a 1*.
Hilo dtf-uiHaaarrafa a 360 rs.
Dito de faranja verdadeira a l'*20r).
P.ttec com mostardn preparada a 330 e 400 rs.
Ca vas com 2 arrobas de batatas a 2*500.
Violto branco de Lisboa proprie para missa
a 4*809 a cmada e 640 rs. a garrafa.
Espirito de ubo a 400 rs. a garrafa.
:Duas rodos mnitn bem feilas para dormir
viadas de Sobral a 30* cada urna.
B outio nuiiitos genero de primeira qualldile que nao
possivel menclona-los.
71 sausfacao da Aurora Bullhante vender muito, embora barato, mas DINHEIRO,
bat ;n lo guco por ceuto a quem comprar de 100*000 para cima.
Toucinho de Lisboa arroba 95500 e libra
320 rs.
Dito de Santos arroba 65 c libra 280 rs.
Molhos com grandes ceblas a 15600.
l*2ou e 2 C2 dita SSit a 1*(WQ'.
Mauncos de albos a 120 rs.
Gordas de pastar e du andaime.
Pavas da liba de S. Miguel arroba 8*900 e
libra 120 rs.
Copos lapidados para agua e vinbo a 35300.
55800, 65 e 75-
Ditos lisos para varios piejos.
Calix lapidados grandes e pequeos duzia
3, 4 e 55 ; c 400 e 500 rs. cada um.
Massas para opa macarrao, talbarim e ale-
tria a 400 rs.
Estrelinba o pevide libra 640 rs.
Xaropc de Eructas nucionaes a garrafa 690
ris.
Marrasquinhp do Zara da melhor qualidade
agarrafa 15200 c 800 rs.
Csteiras de tranca, cento a 20* e 240 cada
urna.
Queijos de qulha novos, arroba 16* e libra
a 560.
Duzia de champarlha superior a 20*. e 24 a
garrafa.
Garrafes vatios a 15600.
Massa branca para sopa a 320 rs.
Frascos com azeitonas em concern a %Q
ris.
Duzia de carta:^ finas paTa jogar a 3*.
Sabio hespanhol verdadeiio libra 400.
Saceos cora feijao mulatinho novo a 10*.
Latas com favas j preparadas a 800 rs..
Sevadinha para sopa a 240 rs.
Garrafas com inuscatel e selubal a 800 rs.
Sag novo a 400 rs.
Breu arroba 8*300 e libra 320 rs.
Latas com 27 garrafas de gaz a 115, a gar-
rafa 300 r*.
0 NOVO DESTILO
23--LaTgo do Terco23.
NOVA EXPOSig&O DE GNEROS
NO
ARMAZEN
GKA!l>fi AUMAKEM
DE
, 1
libra.
RA DO IJUPERADOR M. lO
JunU ao st-brado em que ora e Si\ Osberne,
Duartfe Altnelda A C, receberam de sna proprla encommen
da o mals lindo e variado sortimento de molhados, proprlos
da presente estafa*.
Manteiga ingteza Ma^as bmucas
da safra nova viuda no ultimo vapor a J,ooo; para sopa a mcfhor que se pode desejar,
rs. a libra-e em Iwrril a 800 rs. macarrao, talharim e aleiria a 400 rs. a
llantelga franceza libra e 4^500 a caixa.
rh safra nova a 60o rs. alibrn. e em barril VhIiO
* a S60 rg. I .
. j Figueira 1A A e outras murtas marcas acre-
AmenOaS J ditadas a SOO rs. a garrafa,
confeitadas deilindissima cores a SOO rs. a Idfffl de iisboa
i e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e
2#800 a caada.
dem do Porto
generosos engarrafado'das mlhores fabri-
cantes da cidade do Porto a i& e 1200
a garrafa e de 100 a'lJ a -oixa. as mar-
cas sao asseguintes: Chamisso AFilho,
F. & M.,, Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outro* muilos.
Laas
cora 10 libras debanha a 43000.
Bolacliinlin ingleza
a 1AK00 a barrica da mesmo que
vendem a 2^000. g/%00.
Noze-8
as mais novas do mercado a 120r' A bra.
Cervejas
Ameixas
om frascos de vito com 3 libras liquido a
2#400, muito propios para mimos,
Cartoas
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
cora bolachinbas de soda de todas as qua-
dades a l:i00.
Chocolates
de todas as quididades a 16000 a libra.
Pi^esuntos inglezes
do3 mlhores .fabricantes a 80 rs., tambern
temos veltios para 300 rs.
Queijos flamengos *
chegdos ueste ultimo vapor a g|$6oo.
4|ael|as
chegdos no ultimo vapor a -600 cadom.
Qneijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excellante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e > 900 rs, a retalho.
Conservas ingleza^
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras carxinhas ricamente domadas,
proprias para mimos a 900 e I #200.
Cha uxira
o melhor que se pode desejar, que outro
qaalqner nao pode vender por ments de
U a 26600.
dem perola
especial qualidade a 26700 rs. a libra
Mein hvsson
o mais aromtico que tem vtulo ao nosso
mercado a 251500.
Massas amareilas
para sopa, macarrao, talharim e alaria a
480 rs. a libra.
COC HA C
o muito afamado cognac Pal Brandy a l,8foo
dos mlhores fabnicantesje de todas asmat
cas de 45300 a 6*300 a dttia.
CATllTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outios em
meias caixinhas a 1>30().
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da Indi
a 80 rs. a libra, e 2f5500 a 35000 a ar-
roba desses que vendem por 30400.
CAF
de i. e 2.a sorle do Rio de Janeiro a 8'3f
e 80800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Ciarrafes
com 4 lf garrafas com vinagre a 16000 aa
ogarrafo.
GENEBRA DE LAKAXJA
verdadeira a 10000 o frasco, e de 110000
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 30800 com
12 frascos.
GENE Hit A
de Hollanda verdadeira em fiasqueia a oo
rs. cada tima.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
c2o rs. cada caixinha.
LICORES
PRINCIPAL
IV. O RIJA 1IO CKJBSPO m. O
Esqon>a qae volta para a rna da Imperador
p/ovavel que nao seja bem aceita a verdade, quando a boa t de todo ao-ia
Iludida por esta epidemia de nauzeaticos annuncios de cornetas, tambores, coras
tras, etc., que lodo o dia enchem as paginas desto jornal.
ALiEHTA
Os armunciantes nao tora em vista sertao garantirem ao respeitavel pubdo j
sua palavra le honra, vendendo com o Incro suficiente para snas subsistencias enao m
assentarem fortunas a forra da regra de tiga como utros armunctanles AMa nac *
PARA TUMOS
No armazem principal vende-se a todos pelos precos marcados na seuiiie u
bella, mas nao se vende por todo o prei;o fazendo-se peso de arroba hespaidiola mtrJ.
te-se as qualrdades dos gneros trocando-se todo aqnelle que n5o seja do icrad
comprador. 'b ***
Amendoas confeitadas de diversas cores a Lentilhas muito novas exceliente kguntt m
64o rs. a libra. ra sopa a 2oo rs. a libra,
dem de casca dora a 24o rs. a libra. Licores francezes de todas s qoal dem de casca mole a 32o -rs. a libra. 7oo e 9oo rs. a garrafa.
Ameixas francezas em caixwhas com lindas Manteiga ingleza perfeitamnte flor a H*> r
eslampas, a l,2oo e l,5oo rs. a libra, desnessesario mais ana nav
I. cm em frascos de vidro a 1,2oo -rs. te genero que so se pode rimar ro
dem em frascos grandes a 2,5oo rs. vista.
dem em latas de 1 l/i libra a l.loo rs. | dem franceza a 36o rs. a libia en mml
Arroz do Maranhao e da India o melhor que. ou meios a 5oo rs.
ha neste genero de 8o a loo rs, a libra, e Marmetlada do 1.fabricante de Lisboa A
1 rs. a libra, ha latas de U iL eSlmmi
Maca de tomate em laUsde urna e doas <-
bras, a 6oo rs. a libra,
dem para sopa estrellinha, pevide, rodiitl*.
etc. a 3,5oo rs. a caixa e 36o r*. a libr..
Macarr3o. talharim e aletria a 4oo r*. a li-
bra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o ft .<;-
co.
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garrafinhas com roll.a d^
vidro a 64o rs. cada urna.
Bolachtnhas de Lisboa da fabrica do Beato Marraschino verdadeiro de Zara a I ooo
Antonio de diversas qualidades, cm latas a garrafa, e lo.ooo rs. a duzia
de 6 e de 3 libras a 3,ooo e l,5oo rs. a'Nozes muito novas i 16o rs. i libia
lata, e 61o rs. a libra. Ostras preparadas em latas a 7oo r- a *
ingleza em latas de 2 ede4 libras Prezunto para fiambre inglez verdad. ^*-
de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
Azeite oce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem franeez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a too rs. a garrafa e lo,ooo
rs. a duzia.
Atfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
libra.
Azeitonas omito novas a 2j000 rs, a anco-
reta.
Alpista limpo a 14ors. a libra, e 4,4oo rs. a
arroba.
das mlhores marcas a l,3oo c 2,2oo rs.
a lata.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
Btalas em caixas de 2 e Se 4 arrobas a
l.loo rs. a arroba.
Champagne das mlhores marcas a 2o.ooo
rantindo-se a qualidade, a 7oo rs a iit*.
Passas novas de ramada a 4oo rs. a libia.
6,3oo rs. a caixa.
Peixe em latas hermticamente facmmi d*=
segutntes qualidade*. sabeL corvina, gr-
rz, cavallinha e pescada a i,ooo rs. it -la-
ta.
rs. a garrafa a de outras multas <\M<>'> <,xa
des a l,ooo e 8oo rs. a garrafa.
t'dro
lapidados para agua a 4,3oo e 3,ooo rs. a
duzia. e a 440 e Soo rs. cada un.
PAPKL
almafo, grave, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,3oo a resma do me-
lhor.
Papel de botica
com urna duzia o a l.ooo a garrafa.
Marraelada
dos mlhores fabricantes de Lisboa, como su-
jam Abreu e oulros muilos a Ooo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARBOZ
rs. o gigo, I,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs. Palitos para dentes fichadas a 14o rs o nw-
as meias garrafas. co de 20 maciuhos.
Cha nxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a li- dem do gaz a 2oo rs. a duzia. e 2 loo
bra.
dem porola qualidade especial a 2,7oo rs.
a 11 tira.
dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2,ooo, 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Bio em latas de 2 a 8 libras, a l,3oo
rs. a libra.
dem preto homeopathico 2,ojo rs. a libra.
Cerveja das mlhores marcas a G,ooo rs. a du-
zia, e 56o rs. a garrafa.
Chocolate franeez, suisso e haspanhol a
..?
1,000, l,2oo t.on r?. a ^a. ~~ _Tftruilliw de Fratioa
i
foaquia Siuiii dos Santos, dono dcslo hem sorlido armazem de. wlliado,, denwuinad Con
S, tra'va do larR> do Tergo n. 23 sricnlifica ao respeitvel publico e .-i todos em geral que maudem
ai venhan a esU estahelecimenlo para mullior se sertilicarera da dimhnigao de presos que obtem
rv -' o ue n'io obterio se compraren! cm outro qualquer. pelo que se res|ionsalielisa a servir qual-
a-\ r t Hanrador cim a maior presteza efldelidade, sem que haja a menor alteracao. Todo o compra-
an- ^idCiii'irar de 100J para cima lera o descont de a a 10 por cento pelo seu prompto pagamento.
Attenflito.
Gti hvsson miudinho c perola a 2*,000 24500 e
um.
Miibo alpista e paineo muito novo a 160 rs. a libra.
Bv. it s as mata ovas a 40 rs. a libra f 1*200 > ar-
rufa.
T.>uc;iiio da Lisboa a 280 rs. a libra e S&m a ar-
tafe cic primeira e segunda sorte a 0,26\ 280 e
300rs. a Ulna
Arroz d:. Harauhao e Java a 100, 70* 80 rs. a li-
l.'.i*2200 a aimba.
J i,- hras do g.u a 25 a groza e 180rs. o maco.
ftur de carnada a 320 rs. a libra, e cm caixa a
600.
B;ia?liinlias i.-iflczas novas a 240 rs. a libra.
Satn amarello massa a 100,200 c 240 rs. a libra.!
ful isd e carnauba Aracaty composiejio a 360 c 4001
Biscoitos e bolachas de soda a 1*300 e ti
Araruta das mlhores marcas a 1, 24, 34, 44, e
U^Oeataixa.
Charutos em macos contendo 50 por S> rs. o cento
Azeite doce de Lisboa Uno a 640 rs. a garrafa.
Dito de carrapalo a 280 rs. a garrafa, e 24000 a
arroba.
Vinho de Figjeira e Lisboa das meihores marcas a
320, 400, 00, 560, 040 e 800 rs. a garrafa, este
ultimo do l'orto proprio para os doentes por
ser purificado e recommendado para este fira.
rsu a libra. | Queijos do uliimo vapor a 24 e 14700.
aaeias franeeia cera 1 e racia libras a 14- : Manteiga ingleza flor a 14 a libra, e a 9?0 rs. em
aias.i de tomate da melhor qualidade a 600 rs. a ; barril.
4ib-a, I l'lem menos superior de 720 a ao rs. a libra,
afana^ila dos mlhores fabricantes a 640 rs. a: Idain fraaccia do ultimo navio a 560 rs a libra,
m,ra. em barril fe fara abatimento.
CRosriius *s mais novas a 560 rs. a libra, e em j Gomma da mais alva a IliO rs. a libra e a 4KS08 a
#arrM tor 12#. *"oi!*- ,
lfm este. gneros haontros muilos que -nudonho sena menctoua-lo.
de excellenle qualidade a 2/^200 a resma, |Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra e
PAPEL de 3,ooo, a 3,200 rs. a arroba,
azul e pardo para embrulho de 1,4oo 2,2oe! VELAS
de espermacete de diversas marcas a 6o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo e
caixa e 34o rs. a libra.
Batata novas
em caixas de 2 arrdbps a 5A a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas Jimio novas
em quartos e inteiros a 25 o quarto e 6^500
a caixa e400TS. a libra.
Chocolate
portugupz o mais especial que se podo de-
sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginjae
, outros amitos a 640 rs. a lata.
Dscf d h rast-H da gmaha
a 600 e l& o caixe.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declarara ans seus
regnezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a rommodidarlc de lodos es-
tpularam os mesmos precos nos segnintes lugares:
Lniao e Goaimercio na 4n Qneiiiiado n. 7
6 Verdadeiro Principal roa do Imperador n. 1(1
FUt1TA
l(,ll. PERAS 12 UVAS
chegadas neste ultimo vapor, vende-se nos seguintes lugares: Ra do Imperador n.
40, Verdadeiro PrincipalRa do Queimado n. 7, Uniao e Commercio.
rs. a resma.
Ooriiittiias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fume'
o verdadeiro fumo americano era chapa a
l,4oors. a libra
Vinagre
PR&em ancoretas de 9 caadas a l,ooo rs.
cada urna.
Cobollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e 1 ,ooo rs. o molho.
Alpista e Pnico
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
a 44400 a arroba.
Vinhit Madeira fino.
Vende-sena ra de Apollo n. 4, primeiroan-
dar, cm barris de oilavo. chegado hoje.______ I
Vende-se um sitio as Areias do Giuuiar, |
com casa de vi venda c rancho, por barato preco :
a tratar do (Resino com Miguel de Mallos da Silva
Paulo, ou na ra Oireita n. 8. ______
ennn
S ^? a:
&VS
ni
i
Salitre retinado, superior qualidade, vinho lio- |
deanx, differentes qualidades, mais barato que em i
qualquer parle : no armazem de E. A. Burle & |
C., ra da P.ruz n. 48.
A Immuk de iemhranqas \
LUSO-BRASILEffiO
PAR I86S
l'OR C'ASTILHO.
Acabam de chet'ar estes j lo conhecidos al-!
manaks e vende-se na vraria econmica ao p
do arco de Santo Antonio, vende-se tambero col-'
leccoes completas dos nusnios almanales em lo
volnmes.
bTS
g &
g e-3
=j o R 3
"fi v
33-rt
3 3 p
y. i: -
S |
a
3 a.
09 V I
a. a m
S S
^ <
o ce
S"2
5.2
~- p>
si
se ar > >-p
o a v.
v. y
% c
S 5C T
03 O O
s-ii

~' Cl

o S 2 -
9 ;":
K J 3 O '
as a
rfl
-2
p B *
2 -
s
-
en
a
os 5;
< s
C ^ Q
O o
X ce
31a
M>
=
2
-i
c
r.
c
o;
a.
13
o: -l
o1 '
n 5-
s; 6
ce
* S
So.
m

\ ende-.se
a bordo dn |..tlbabo|p Arroto Mallo, fumfau lo no lu-
gar da carne->ecca, limrnas em almOra. muito'
superiores em barrilmlio? com a por^o qno os
compradores quizerem, e pretv racawl
g
se
e
s
i*
Charutos do afamado fabricante Jos Furia
do de Simas e outros da Babia como se-
jam Regala, Trovadores, Guanabaras, De-
licias e Suspiros, a l,6oo, 2.noo, 3,ooo c
4,ooo rs. a caixa.
Conservas inglezas a 7ao rs. o frasco.
dem franceza surtidas ou de urna s quali-
dade de cada frasco a oo rs.
Cognac inglez e franeez a l,ooo rs. a garra-
fa, e lo.ooo.rs. a duzia.
Comioho e crva-doce a 4oo rs. a libra.
Gravo da India a oo rs. a libra.
Canclla a l,ooo rs. a libra.
Copos unos para agua e vinho a 4.8oo,
o,oooe5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs. cada
a groza.
Paineo muito novo a 16o rs. a libra, c
rs. a arroba.
Queijos flamengos do ultimo vapor.
dem prato muito fresco a Sin rs. a libi.
sendo inteiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. c
da um.
Sardinbas de Lisboa e de Ajotes a a meia lata, e 4oo rs o mrtfc
Sag muito novo e alvo a tfto rs a lii>r.
r.
lOd i>. fTtbi'H.
Sevada a loors. a libra.
Toucinho de Lisboa a 2So e .loors. a bf.f.
Tijolos para limpar facas a loo rs. c;ida un
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueita de-
marcas menos onhecidas a 4oo rs. a mm-
rafa, ea 2,8o* rs. a caada.
dem Figueir^expecialmeMe escolbido mm
lugar a Gf rs. a garrafa, e 4.;ioo a car
dem Lv*fM> Colares muito fresco -m
compesicaoa (ioors agarrafa, e 4.5oo rs. 3
cawda.
Ideal Lisboa em ancoras com 9 canaria rr w.
ca especial a22,ooo rs. a anconi,
dem branco uva pura a 50o ra. a carral
,e 4,5oo a caada.
Cardo Rio superior 28o e 3oo rs. a li.ra, lfg?r[0 fino em 3 > n ?
Idl^aTaS* ISfL n a libra H engarrafados generosos, Lagrin,- la
llL,ra'^ Douro, Duque do Porto. D. LuizI. I Pe
/dro V, Nctar, vellio secco, Malva,. i t
e 8,ooo a 8,fioo rs. a arroba.
Doce de goiaba a Ooo rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas em latas, chegadas rr
timamente a 7oo rs. a lata,
dem seccas a 16o rs. a libra,
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rsW
libra. y
Figos em caixinhas bem enfeiladas a 9oo rs.
cada urna.
Graixa nova a loors. a lata, l.loo 4. a
duzia.
Genebra de Hollanda em frasquetraslfe i
frascos a 5>8oo rs., e 56o rs. o frs/ o-
dem em botija loo rs. cada um;
dem em garrafes de 16 garrafas a/ 4,8oo
rs. com o garrafiio.
dem idem de 3 caadas a 7,2oor$. /ada um.
dem ingleza em garrafas branca diordadas
com rolha de vidro, qualidade superior
a l,ooo rs. a garrafa,
dem de laranja verdadeira a l^ro rs. o fras-
co, e ll.ooo a fiasqueirasM? 12 frascos.
Kirsch Wasser exceliente yoida Suissa a
l,8oors. a garrafa. /
L
A tienen o
Vende-se urna casa na Estrada Nova, propria
para morada e para negoci, 'em commodos para
familia, e terreno para plagias. : a tratar na ra do
Cotovello n. 1, laherna.
Cera djTqfiiaba
de boa qualidade veodf.se/ioarmaTem da ra da
Crazn 33, aeaflese Arnfra rom mdico descon-
t cdulas das caixas/fij^es de ouiras provincias
e do llancodoRrasil'.
Nh-binas e rensns pm alt:*dnn.
thegaram Ror/f da America kvenladeiras ma-
chinas de divert 'tajnanhos tiara >4escrocar aK
sodao e prensas, l0 melhor systema {ya enfardar
o mesmo : a ve e tratar na travessa c.
n. 2.
genuino particular de 9ooal,?oo rs. i
rafa e a 10,000 rs. a caixa com nina iIuzsa.
dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a garran.
ea 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a looo rs. a'garrafa,
dem Bordeaux dos acreditadas BaRM S.
Julien St. Esteph, cbieau la Ro/c-.rl.,tuti
Margoux e outros a 6,000 rs, a caixa r '<*>
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2.oor>
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa c l.ioc-
rs. a caada,
dem em garrafes com 5 garrafas a l.ooo n*.
Vassonras do Porto com arcos do ferro a '<&
rs. cada urna,
dem de escoras para lavar casa a :w*--i r>.
cada urna.
Vellas de esperrmeete superiores a !6o ra.
a libra, e sendo em caixa a Hh rs.
dem de carnauba refinada e de tompo i
a 36o rs. a libra, c lo,.">oo e ll.ooo r?. .
arroba.
No armazem de tazenda ba-
ratas de Santos Coelho,
Ra doQueimddo n. 19.
Venderse segmlaac:
Allencao 11
Carie-a
Sup
NaVroa damperatrir, loja n. 13, vndese um i
rico 'estido de b onde para casamento, por preco um grande sorlimento de ronpas lert
comrAiodo. &&*'
Rica laazinhas, fazenda a mellior 1711c lew v
do ao mercado, tanto em goslo como em qvH-i.
de, pelo baralissimo preco de 500 rs. o eonaV
Hilas tniudinhas rarmVr.ins, proprias nafa >
dos de nieRipas e camisinhss a 640 o remado.
Cortes de laa com lo covados, pelo barate BOIp
de j
Coberras de chira da India a 2*300 c3*.
Lencf 8 de panno de linho a 24 e 2A30O.
I'i-cs de cambraia de forro com S i|2 nw t>
'. -i j t i, i "oalhas alcochoadas proprias para miis a '-'* .
e, or cal de Lisboa. >
?1C- -xortes de la com barra liai u i^ .
18. x .
Pegas de >^tilhas de algodao coca 10 MB,
proprias para :. ^a 4*.
A'godao enfestiMj'-oin 7 1|2 palmos de lararr-.
a 15100 rs. a vara.
Esleir da India, pr 4,5, e 6 palmos de largo.-a, gor meoe* prry
que em outa qualquer parto.
Neste estabelecimento Umbem v eacoatr^r.
Sende-se s rwror cal de Lisboa a mais nova oue
ha no mere tamo em porcao como a retalho,
por barato eo afian$ando-se aos compradores a
superior q ,dade : a tratar as seguintes mas
Crespo nj 7/Xaiperador n. 28, Forte do Matto
mazem 6 Sr. Vill
godao.
illa defronte do trapiche do
Para casamento.
MELHOR EXMPLAR ENCONTRADO



Otarle r
neo Terra feira ISe Ouaubro e 1S4.
1
SO PUBLICO
*ciu o meaor constran-
gimeot se entregar o
Importe do genero que
nao agradar.
ATTENCO
Os presos da seguate
tabella para todos, po-
dendo assitn servir de ba-
se para o ajuste de contas
rom os portadores.
RUI HA CJL1H2IA OO RECIPE W. 58.
(toga passando o arco da Contricao)
brande redneeo de preeos. equivalente a dez por eento menos to que outro qualquer
annuneiante.
Col legasNao posso por mais tempo sustentar o preco da manteiga ingleza a i.ooors. a libra, Lena assim o de outros
muitos objeetns, etc., dando com isio ocasiao a todas as espeluncas acabaivm por bom prego a manteiga de tempero, e grilarem em
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo! M Ora, eu oflendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhenia que vim encontrar, de so se vender com um por cenlo a carola, resolv fazer esta giande reduccao de preeos, como veris
pela seguidle tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil no
se sabia de outro prego de manteiga ingleza a nao ser o de Moe a f,Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que
estao obrigados, encarando todos os dias de seos freguezes reclamacio efe pregos, e qualidades, vingam-se de um e outro por-tadores
^al informado desfe Heve estabelecimente. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento des-ta ordem que o seu fim
. to snrcrite obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senhoras o aceio que presidia, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromplidao e entei-
reza com que sero tratados-, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida me darao a proteccao e preferencia na compra
dos gneros que precisaren!, e quando nao pogam vir podero mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratices, pois
serio fita bem servidos como se viessem pessoalraente, toteado para com estes toda recommendacao, aflm d que nao vilo em ontra parte.
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente rs. e em barricasde 4 duzias se faz abat- Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado a*. 49 e g ,ojl "~U...
aatt
escolhida a 8oo rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
Moni franceza a mais nova que tem vndo ao
mercado a 56o rs. a kbra, e era barril ou
meiosa Soo-rs.
06" hysson de superior quafrade a 2,0bo rs.
a. libra.
htem ptela o mais superior do moceado a
,8oo rs.
dem huxiua o melbor que se pode desejar
oeste geneco 2, (too rs.
dem pelo tomeopatiiica por ser de superior
pialMade a 2,ooo rs. a libra.
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o l,6oer l,8oo e 2,ooe rs. a
libra, garantes-s.ser milito regu'ar, igual
ao qaese vende emoutra parte por 2,4oo
e 2,oo- rs.
r.irrgfuas, chouricas e paios em latas de 8
libras, ermuticamente lacradas a 5,Jioe rs.
-nrante-se serem superiores aos que vem
. em barrs.
Ohourigas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,ooo rs. e ,5oo o Goo rs. a libra.
'Jueijos ITamengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. edo vapor
passado a 1,600 e I,8oo rs.
dem loudrnos os mais superiores que tem
vndo ao mercado a 8oo rs. a libra entei-
ro se faz ahatimento.
ftfem prato murto fresco a 8oo rs. a libra.
dem lo Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8oo rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilaas e favas porluguezas em latas j pre-
paradas a 6io rs.
tfarmeiada rmperal dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 6oo rs.-a libra.
PrezuMo do ruino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a Sos rs. nteiro.
Idem inle/.as para fiambre chogado oeste
vapor To rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 5,000 e 5,5oo a
duzia,
11 late francez, sotase e bespanol a 9oo
l.ooo e I,ioo rs. a libra.
; rmaceteem caixinhas cont.-ndo 6 libras
por l.ono rs., turanle-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, lambem tem
de 12 por libra propria para carro-
Peixe em p"sta sovel, corvina, gorfe, pesca-
da, salino, ostras e cliernee, vezugo em
latas grandes a 8ooe l,oon rs. cada urna.
Vinho Bnrdeaux das marcas mais acredita-1
dasqtetem vindo ao nosso mercado a
6,ooo, 7,ooo c 8,ooo rs. a caixa, garante-
ment.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.600 rs. a arroba.
dem lavado deprimeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,< 00 rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 2io
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arro/. do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Paingo e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa do tomate em latas de 1 e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarrud e talharim a 4oo rs. a li-
bra, e 9,000 rs. a caixa.
dem e tallierim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendaveis as
pessoas doentes por serem propramente
feitas para esse (ira.
Estearinas a 56p rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellcnte qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 48,000 rs.
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo: ditasimperiaes emlatas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em latas de I e meia libra
por l,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l.oo, r,5oo, e l,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garrafa e 9,5oo a'
caixa com urna duzia..
Batatas muito novas a 5b rs. a libra e 2,000 a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa-a 32o
Nozes muito navas a Itio rs. a libra
Molho inglez em garrafa- d vidro com
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melbores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Aoaua u i'ecctei de aui prpna- eueuwmeiiaa um grande e variado sortimeto
de molliados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o propietario em
nfferecer aos seus frejnieaes e aopublice em geral a seguinte tabella dos seus gneros e Marides com 200 jardas de liaba
resumidas preeos, achingando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-!,. d< s
mazem.
Amendoa* concitadas de8oors. a libra.
de Jos de Azevedu Maia 4 c ei
weud-r imuik, harato, pi> ,, s,'n ^-,.
da por todo preco a visi*,!, robn-s
(^rlas de alueles francez>s
^ a 80 rs.
Grosasde peonas de ac inglezas .1 || lidade a 640 rs.
Caixas decolctietes francezes
dadrs a 40 rs.
Grosasde Iwtdes de madreperula muito Bco* abS
e 640 res.
Cacreteis com 4 a 5 oilavas de r< in z : a
iO rs.
Ite>mas de papel de poso liso BWito r
2000.
Gravaba da liga e de ouiras muit;.s n a
3U0 rs.
< aniveles para peana com 3 olh;.- faz *> a
8IJ0 rs.
Duzia de boiSes branro para omtmui i.f. ra a 100 rs.
Pecas de lila de cs eatfalM
! tidas a M rs.
O Expositor Purluguez para os inei i,i
a ler a 800 rs.
Os sigredos da nalureza para os mar Ir i 'em
der a ler a 1,5000.
Cariillias da doulnna christa, (loas o s :.vs *
320 rs. -
Pentes tinos de marlim a l^t'OO, l:' J^^I
Pares de luvas de seda para hoii*ps -c *' *
600 rs.
Gollinlias para seuhora o melLor m 'i d
600 rs.
Frascos com superiores banhas a SAO,: ",-"*
i 000.
Livros que serve pata assentar RMM, ni < i h-i .
lo preco de 160 rs.
Capachos redondos muito lino a Siv rs.
tordao branco para espartilhos mmu m, rricr, a
vara a 20 rs.
Carinis coui 160jardas de liara I )
ris.
Iiai.i..

rorf.: <\ .fTa
r.. fwn-
da m,:h' en I !, 1*
*' ',iiaa^
cora 9 NMWfMat
ManteigamglezaperteithmeBte6r, 9 f,ooo!
rs, a libra e 800 rs. sendo em barril,
fdtem franceza a .6oors. a libra, e 56o rs.
sendo em barril,
th nxim a 2,7eo rs. a libra, e de libras
para cima a 2,6oo.
Idemper#ta 2,800 rs. e de 8 libras para
cima a 2.7oe,
irosas de pennas do aqo -nperiores a *tl r.
.. i Varas de rauja branca, o do cares lar^a mm
Licores francezes e psrtuguezes das segura-1 ibas a 160 n>.
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-iPares de botes de poabo, Aojm ; r a
sa, abanto vespeiro^ amor perfeito, amen-' m lf,! .*.
liia amarga nLi, ,. ,ia t,Z d! i Tmteiros de vidro comtinca altiO r*
dua amarga, peroicoU da Tirrm, Botefim, Ditos de barro com. superior tinu a LO *.
morangos, liraao, cafe, laianja, cidra> gin- Grana de boioes de louca pratcados rr:
ja, caneUa, cravo, rlela pimema a 1,00o' MO rs. 9
rs. a. duzia l,ooo rs. a garrafa-, garante-se Tesouras Para ^stma saperior avati -!
qim os melhores que temos todo no mer-1 ^ para mWmmumm*m a m r*
Caixas com superiores phosphoro de c.:r-.-ji
-a
cado.
Marrasquino o verdadeiro de Zara ero. garrafas
grandes a 1,00o rs. e 11,00o a duzia-
Palitos para denles a 14o e 16o rs. o mago.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
,, mesmo a 000 rs.
\ rabo de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, jCerveja branca e preta das marcas mais a-
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a ioo e 5oo rs.a garrafa, emeanada
a 3,ooo e 9.O0 rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a "8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho lo Porto das melhores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, DuqucGenuino,
D. Luz I., Madeira secca, Malvazio tino,
Fetoria em caixa de I duzia de 9,ooo a
lo.ooo rs. ea 9oo e l,oooa garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vndo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardnhas de Nantesem quartos e meias lalas
a 30o e 5(io rs. cada uina.
Sardnhas porluguezas em latas grandes
preparadas pelo melhorconserveirode Lis-
boa a 64o rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolachnha de soda em latas com diversas
qualidades a l,3oo rs.
s ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
para mimo a 64o rs.
Passas muito novas de carnada a 4oo rs. a
libra e 6,ono rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o vg. a libra e
1,80o rs. a caixa com 8 libras.
Amendoas de casca mole a 32o rs a libra
creditadas que vem ao mercado a5,ooo e
3,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sajjii muito novo e alvo a 24o rs. alihra.
Sevadinlia de Franca omito nova a2oors.
Charutosdetodososl'abricaPtesdaBahiaedas
mais acreditadas marcas conhecidas no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a -:aixa de loo.charutos.
Cognac inglez das melhores marcas a
Loso rs. a garrafa.
dem mudnho proprio para negocio a l,5oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos ghegados no ultimo vapor a 2,600 rs
Idam prato os memores e mais frescos do
mercado a 800 rs. a libra sendo nteiro.
Genebra marca gato a I.7oo rs. a garrafa.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Crakritl, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine eoutras mu-
tas a l,3oo e l,4oo rs.
Fumnafricano- em chapa a l,6oors, a
hbiaT
Araron w todas ^yqtrairrfTTBSr"
Batatas aovas em caixas de 2 arrobas a 3$ a
caixa 60 rs. a libra*
Balachinha de Craknel em latas de 5 libra?
2,ooo rs o quarto,
rs. a libra.
dem cor id hias proprias para pedim a 800
rs. a libra.
dem hysson o mais superior que se- pode Passas muito novas em quartos o inteiros a | 160 rs.
dasejar 9 2,600 e de 8 libras, para cima
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo e de 8 libras
pera arma a- 2,3oors.
dem proprw para negocio a 2-,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4, 6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata.
Mem prato' o melbor que se pode desejar
neste genero a 2,8oo rs.
rdem menos superior a esse que se;vende
por; 2' 2,4oo, a 4,800 rs; a libra.
dem maie baixo bom para negocio a 4,Soo
rs. a> libra.
Marmeladas dos maisafamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra
Brvilhee secas muito novas a 16o rs. a libra.
Grao de breo muito novo, a 16o m. a libra.
Ervilbas francezas-em latas a 64o rs.
Potes Qom sal relinadb a 48o rs.
Firaioide: chapa americano a 1,60o rs. a libra |
rnzenda especial.
Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 800
re. a. libra.
Chuuricas e paios mnito novos a64o a libra.
Caixas de traque n. 1 a 8500 cada urna. 1
Massas para sopa macarrao, talharim aletria
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
e 800 rs. a garrafa,
demJwncez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
carrafa.
Charutos em grande quantidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a l,5oo,
2',fW 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
os mas baixos sao dos que por ahi se ven ;
dem a 2\ooo e 2,5oo rs.
Caf depremeira qualidade a 8.3oo e 9,ooo
rs. a arroba p. ^n a j^ag, a |j|?rq------^-
a6,5oo,a caixa e4oo:Cai^ascora ,0nvciop-- o mfitior i ,r. zvt
rea.
Caixas com 90 qnadernos de papel an lue^iomM
tino a SOO rs.
Quadernos de papel pequeo muilo firo 3 rfl nr
Um confeito e espei;i!i:) ,,...
expellir os: ImM
typs
Doce da casca da guiaba em latas de 4 li-i Drut0 a 4>000 rs-
brus por 2,ooo; ditoemcaixesa6oors. dem inglezas em barricas
cada um.
Farinha de arar uta verdadera a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8bo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
a mais nova de
mercado a 3,5oo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 800 rs. a libra e I io rs. o
pao.
Papel de botica de excellente qnalidade a
21oors. a resma.
j Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
frutas muito frescas aJBicos frascos com frutas francezas em calda
a melbor que se pude desijar de l,4oo a
3,ooo o frasco.
qualquer nao pode vender por este preco.
Genebra de IMlanda a 56o rs. o frasco, e
,7oo rs a frasqueira.
dem de laranja verdadera de Altona em
frascos grandes a 1.000 rs. o frasco, e
11,00o rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo Bolachinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
Capl de diversas
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinho de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,<>oo. rs.
Cebollas solas a l,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Matte excellente cb para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
AGENCIA
OA
FEGIOLOW-lGMCLE
15na da Seozalla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a havw
nm completo sortimeto de moendas e meiai
inoi-ndas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
iamanbos para ditos.
Arados americanos e machinas para
5.avar ropa: em easa de 9. P. Johnston 4 C
roa da Senzalla Nova n. 42.
Vinho <1o Porto superior
.Jm caixas de urna e duas duzias : tem para ven-
cer Antonio Luiz de Oliveira Azevedu & 'C, no seo
-ischpturio ra da Cruz n. 1.
Fabrica Concei Babia.
Andrade & Reg, recebem constante-
I mente otero venda ou sea armazem n.
;*f 34 da ra do Imperador, algodao d'aquel-
2 !a fabrica, proprio para saceos de assu-
car, embalar aieodao em pluma etc., '.'te.,
pelo preso mais razoavel.
Ra da Senzalla 0. 42
Vende-se, em casa de S. P Johnston & C,
ARHAZG9I
FROTSTEIRO
DE
AJ.VEN COUTIXIIO ifc BRAWDO
21 Largo do Tergo21
Ao publico.
Cliouriras muito novas a 4o rs. a libra ; chocolate francez a l.ooo rs. a libra;
amenas dem ; alpista a 16o rs. a libra, e 4,6oo rs. a arroba ; arroz do Maranhao e da
India de 8o a loo rs. a libra, e em a amtba de 2,6oo e 3,ooo rs. ; azeite doce refinado
a l ,00o rs. a garrafa e em porgan, menos; dem de barris a 64o rs. a garrafa, e em cana-
da a 4,8o rs. ; banha de porco a Ano rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
'novas a 4o rs. a libra, e 1,2ors. a amiba ; cb perola, hysson, miudinlio-a l,8oo, 2,4oo
e 2,5oo rs. a libra ; charuto* des melhores fabricantes da Babia de 2,ooo e 4,000 rs, ;
cerveja branca e preta a 5oo rs. a garrafa; cravo, canella, cominho e erva-doce, conser-
vas inglezas em frascos e rneios de Bno a 9oo is.; logue inglez superior a l.ooo rs. a
garrafii; eaf de 1.', 2.a e 3.a qualidade de 8,5oo, 9.000 e 9,5 nha a ioo rs. a libra ; ervilhas portufwezas em latas de 1 '/* libra a 7oo rs. ; spermacete
a 56o rs. a libra, e em caixas a 52o rs.; farinha de araruta vardadeipa a 2oo rs. a libra,
I e em a arroba a 6,000 rs ; genebra de laranja a f ,00o rs. a frasco ; dem de Hollanda
a 64o rs., e ioo rs. a botija; graixa em latas a l,2oo rs. a duzia; manteiga ingleza per-
I feitafldr a 800 rs a libra ; idem franceza a 56o rs. a libra, e em barris a 52o rs.; maca
! de' tomate a Boo rs: a libra ; marmelada dos meihwres fabricantes a 6io rs. a libra ; ale-
.llis e sibes ingezes" candieiris e castt' tria kftarim e maarrad a ioo rs.; marrasquino de Zara verdadeiro a 1,00o rs. cada fras-
eaos bronzeaJos, lonas inglezas, rio de vela, co nnzes muie novas a no -s. a libra ; passas a 4o rs. a libra ; paingo a 16o rs. ; po-
Aicotes para carros e montana, arreios para mad* 24o rs. a duzia; pimenta do reino a 36o rs. ; papel atmaco e de peso de diver-
i;arros de urae .loas cavallos, e reloeios de sas m,rca9; I"*** d gaz a 2,foo rs. a frrsa e 2o rs. a caixinha ; ditos de seguranza
ouro patente inglez. indivfctaa a 2o rs. a ciixinha e 3fto re. o mago; queijos flamengos do vapor a 2,noo rs.
cada nm ; cevadinha a 2oo rs. a libra; sardnhas de Nantes d 4oo a HAo rs. a lata ; sa-
la massa Mita sii|eri' r a 2oors. abra; toucinho de Lisboa muito alvo a 3no rs. a li-
bra; vmho do Porto trelho engarrafado a 1,5oors ; ktera em barril a 800 rs. a garrafa,
sendo porgSo fa/.-se differenca eem caada a 5,nrwvrs.; i>tem de- Lisboa muito superior a
4h r*. a carrafa e 2,8no rs. a ranada ; idem da Figueira J. A. A. a 5oo rs. a garrafa e
3.ftn re. acanada ; idem do Etrii a :i6 idem Bnrieaitx a 56o rs. a garrafa ; dem branco de Lisbna, priirio.para missa a 5oo rs.
a garrafa; vinagre de Lishoa muito superior a Snorg a garrafa, e l.ioo rs. a caada ;
soda, cevada, alfasenia, gaz e tijulo de liui|ar focas a 1 io rs. Presuntos, de Lamogo a 5oo
ea.l.s a.r rb outros muios gneros quedesnecessario mencionados.
.4 ientrao
Vende- se barris com alratrao, na na da Cruz
n i3. primeiro andar, scrptorio de Amonio de
Almoida Gomes.
P0T4SSA
\cnde-.w poUssa em barng commdopre?o o
aa roa da Cruz n. 23, primniro andar, eseripion:
Je .totonio do Almeida Gomes.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros mudos a 12o rs. a
lata de 2112 libras.
Foij5o verde em bages em lalas a 64o rs. a
lata.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 600 rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a lo,ooo e
l.ooo rs. a garrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oo rs.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a ioo rs.
a garrafa e 3,000 es. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
compo,sic5o a 560 a garrafa e i.ooo rs. a
caada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
tticas caixas com rigos a l,ooo rs. cada ama.
Bicos livros com figos l,ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a fibra, e 2,5oo a arroba.
Garrafoes com 4 '/a garrafas de vinho supe-
rior a 2,8oo rs. com o garrafao.
Idem coro 4 '/ ditas de venagre a 1,00o rs. o
garran!.
Vinagre PBB em ancoretas de 9 caadas a
15,ooo rs. com a a neo re U)
Idem em pipa puro sem o hatismo a 2oo rs.
a garrafa e 1.4on rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deara fazenda mnito especial a 6,Seo rs.
a caixa e 7oo rs. a gan afa.
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz dottaranbio a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a. libra.
Idem mais baixo redondo a 2,,6oo rs. a libra.
Idem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra.
Idem de sebo muito dura flngindo esparmace-
te 3o rs. a libra.
dem de esparmacete a 56o rs. a libra, e em
1 caixa a 52o rs. com 25 libras.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res-
ma, j se vendeu por 7.ooo rs.
dem almagopautadoelisoa 3,000rs. a resma.
dem de peso pautada *e liso a 2,5oo rs. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,00 rs.
a resma.
Idem embrulho de 1,2oo a 1,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em lalas de I '/ libra a
l,2oo e8oors. a libra.
DE KEMF,
Os meninos As podfem itgrin*, ov\B
ellas sao de clmiro, sabor o cor ffwSm*
veis. A elegancia, a aegdridiule >!; <9>
yo, o inoiiunsivo das
Pastilhas Vermfugas fe, n
Compos/^ao exclusivamente es^''*S,
sao estas pois as mas mclhoroi > ;?
completas de todas as reeommen que se possa fazer o com jusf.i ):-> 3
eollocSo na categora d*ojn bvorfto a/4-
versal.
A snperioridade daa
Pastilhas de Keni;>
Bobre todas as preparaees deeh'-ifi'ls
para o mesmo fim devido A MM him-
ples composigo ito aM arom.> p>-*>*
vel o rapidez e iiit'allibilidado 1 or.
que alcanea a dcstruicao total ata
LOMBRIGAS,
venda as boticas de Caors d Rarboza.
ra da Cruz, e Joo da C, Bravo d C, roa
da Madre de Dos.
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a cr rntural
dos cabellos.
apua florida nao urna linmra, fiem m*m*
> aie.(liriii-
tiva ao caliello. d de substancias- innflt-nMvas, ella \*m a }>r-|i 1.,';,.%
de restituir aos cabellos o prinriplii ri.runif >\n pi-
les tem perdido. U'uma salobriVid nrent^n-
vel, a Agua Florida entreten a limpea da ;!.
du.-lroo as caspas e impede ( caLil. da Iiia
Oleo de Florida
Composto de substancias vcela? evtffa, .11
censlite poderosamente, rom- a Avia Florida,
forca, a brll za e a conservacao m 1 abelln*.
Km l'.irjs, easa de Quisbur n. 1*, ra d \.' e-
lieu. e 21, boulevard M<>ntmartre.
Todos os frascos, nao lend inlarm e aftwa, ir
timbre prateado da casa, sao repula.Iu> 1.1*>*.
Deposita, ra to Imperador, pharaiaria a.
ESCBAYOS FUGISGS.
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., so o nal a contestar, a tataam aua dni<
frasco valle l.ooo rs. tambem temos em
frascos para 4,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Molhos inglezes a 800 e l.ooo rs. o frasco.
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente rerdadeira a 7,ooo rs. a
duziae 600 rs. a garrafa,
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,000 rs. a duzia e 5oo rs.a garrafa.
Vassouras de piassaua com 2 arcos de ferro
viudas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a 1,000 rs. o molho e
800 rs. o cento.
Genebra de Hollanda em frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco.
Idem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafoes de 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2o rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
eem 2o rs o mac'mhos a I2e rs. o masso.
Cominhos muito novos a 32o rs. a libra e
10,000 a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a Hbra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixes em latas a ,00o rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,000 re.
Doce da easca da goiaba a-too-e l.ooo rs. o
caiaao.
O propietario do grande armazem Unio a Commercio declara aos seus fregn
zes e amigos a ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos estipulou
os mesmos preeos nos seguintes lugares:
Uiiiiio e Commercio ra do Queimado n. 7.
O Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 40.
Fugio na tarde do dia 16 de jnlhn p. p. ot
escravo |>ardo, de nome Marn*. iiescrntar'-ad
do date Santa Annn, vindo do Araraiy, ir? o
de i.lade 2H aoRos pouco mais m m,. ui.s,' o> m$
naes sepuintes : allnra regular, mmt do citi
pouca barba, cabello crespo, l.-v. u aaaaVl
caica de algudaosinho de ris'-ado avul erti>
peo de palba, leudo levado ciin.>ii;o un.a ln ni;
com mais roupa, e rendido dv nina da> vrr.l
quem o ai.prnendor queim lea-h> a rna d V. i"
de Deas n. 38, ou I ra da Brum a. 55, que >**
recompensado.
Desapparecea desde o mez passad,. a r>ri-~t
creoula Joaquina, i-.V preta, alia, inania, p* uran-
da e apalhriados, com alRuma* pinta* brana> i
raheca, costmna and-r da liman un i;ili' a ri'i,
inculca-se de forra, e por esto in>d.. alnia-ae rm
ama em rasas particulares para eniniumar ^tt-av
>ido encontrada a noute na raa do Ifc>i< h
Uuia e ultimainente Mfe a ciioama, em lima easa no bairro do 0>rif. :
qu>m apprehfiide-la ou der nniiria no y. )*><
do vis-iimie da Boa-Visia, roa da Aurora aera ge-
nerosamente recompensado.
Esrra>o ftuj'nt
Frigio no dia 7 do enrrente o pr m Amanea n>
estatura regular, as dnas nema* afiawadaa, fclia.
dad>ale*, reprsenla ler t irtade If a SB aiM- :.
mwnt. iMar k*ta.rM da Trayraa^ hi-al d*-
Karoaa, uu* ser recompensado.

ILEGIVEL
Lr???!



-
Dlarl* de Peraa*iie* Ter^a felr 18 4c Ouobio "*> mt.
ITTSRATR.
TILVFILAR.
V
0 RATA.
(dnlinuagao.)
Na boct ios grandes perigos, o homem resolu-
to, (io nao muda a cor do rosU>, e conserva nos
t.'bius a firmeza da voz, excrce um soberano poder
a ,.. ,,rHm de ver, arrancando-o a sua contemplagao para mos-
sc*):e todos os que o cercara ; o foi te arm ..
lera urna promessa de amor, e provocara ama de-
claracao do amante, por mais timidoque seja. Qoem
6 esta mysteriosa creatura, dizia comsigo Tonln,
qoe.por dedicacao conjugal, resigna-se a raorrer ao
lado de seu mando, e que ao mesmo lempo pare-
ce dizer-nie com os olhos : Ame-me que en o
amarel I
Esla Bcena passou-se com a rapidez. Je um re-
lmpago ; mas Trafalgar le-la-hia prolongado se
t.hnstiano nilo Ihe tivesse feitoouvir a voz do de-
yuc/aJI Virgilio lodos o contemplara, todos o
cuvmi, todos o obedecem.
E' que nao se tratava aqui de um desses perigos
vulgares que sao divertimentos em trra firme. A
jidodo uav.o dinaniarqucz, lodos conheciam as
lerrifttb historias dos piratas africanos c malaios ;
rjtbiam Queesses abutres marinhos matam antes
ta rapia, sabiain que esses ferozes bandidos, nao
teudo Cartas de marca como os corsarios lacen-
dial Os na vi os, porque nao os podem vender de-
pois da (lilliagem ; c que os passageiros que esca-
lara malanga, perocetn nessas immensas foguei-
v.-.s no meic do mar
* Ijanca a natureza preparou mais bello theatro
fjsraretorescntar-se um drama de sangue, no qual
amor qa?. nunca prescinde dos seus direilos, re-
servou para s\ tambem urna parte.
O ocano circular pareca ler p6r nicos limites
0 infinito; o&tava azul corno o Mediterrneo, e urna
1 i isa intermitiente alterava-lhe a cada instante a
soperGcie, erguendo pequeas ondas de escuma
que rojavam srenlelhas de sol.
Duas cascas de noz agitavam-se nessa immensa'
solido, roroada por urna abobada sem fim. O sol!
dbava para tudo isso. Nao havia outro espec-!
Cidor
K) marioheiro de Tonlon levantou os olhos para ,
a cruz da bandeira dinamarqueza, e disse em voz
tafea as paiavras dos marinheiros provengaes em
oceasic de desgrana : a Meu Deus nastuao maos
entrego a micha alma. (i)
i) -pois de cumprir esse dever, ergueu a cabega
com altivez, e grilou em duas linguas, em tom de
ommando :
Quera tcm uiedo desga. Nao quero aqui se-
naohomens cranes e afeitos ao perigo. (2)
U.na enrgica pantomima explieou essa prorla-
. daro que!!es que nao enlcndiam o inglez e o
ai!Cez.
^leram postar-se roda delle, o capitn, Chris-
*lau >, Astlion, o companheiro de Mungo Park, Hen-
iqae, a bella passageira c um joven e raeigo allo-
. tuaj chamado Alberto Sommer, que deleitava os
;y;." de bordo cantando lieders de sua compo-
elo
0; martheiros passeiavam pelo convez. O mar
IStava calmo, liso, e cor de saphira. O pirata
avangava lentamente para o navio immovel ; j se
flistiiiguiam temiveis salteadores que otripolavam
; a coatorso desses semblantes denum-iava urna
ntegr:. feroz; a que produz a sede do sangue e do
-fuero, Para osi-es demonios, um navio mercante
f urna presa tan fcil de agarrar !
Tooin mclium-se ao ouvido de Christiano, edis-
ie-ltie
tiar-lbe o pirata ao alcance da carabina. A bella
passageia fez o nie>no gesto na mesma direcgo
Com? all haads como diz a cantiga dos ma-
rinheiios, exelamou Trafalgar vinde todes, meu
amigos. Pegae us machados, e se as pantheras.
quizerem trepar, cortae lhes as garras sobre este
cepo.
E recuperando o seu modo jovial, disse a Chris-
iano :
Sabes a razao por que oscamponezes deTou-
Ion sao tao dextros na caca ?
Nao, respondeu Christiano.
E' porque sao pobres. A carga de urna espin-
garda custa dous sidos ; preciso nao desperdi-
ca-la. Ver e matar, para elles a mesma cousa.
Pegou entao em urna carabina, armou-a, fez o
sigoal da cruz e disparou.
Gracas, meu santo Eutropio, um morto
para comegar a duzia. Rugidos de tigres respon-
deram bordo do pirata, ao primeirc tiro de cara-
bina.
(Contimiar-$e-lia.)
UM POICO DE TODO.
L-se na Opinin Nacional :
O antigo Hotel de Dieu, que vae ser demolido,
tem, como todos os antigos edificios, as suas le-
gendas, cuja reunio lormaria um livro curioso.
Vamos contar urna relativa famosa sala dos
morios, acerca da qual se contam muitas fbulas
misturadas cora algumas verdades.
V. urna sala subterrnea, onde se depositara ns,
e era mesas de marinore negro, os cadveres que
a iei mauda demorar 2'i horas antes de se lhes
dar sepultura.
O subterrneo sombro e glacial.
Levanta-se no fundo um ultar de marmore ne-
gro, com um cruxifino de bronze e quatro casti-
ces de prata.
Pende do tecto urna alampada, que espalha um
vacilante luar naquella mansao sepulcral.
Ha tempos, o guarda daquella sala, chamado
guarda dos raortos, era um hornera de ra conduc-
ta, que, despedido de emprego em emprego no
hospital, foi dar ao de guarda dos raortos.
Sem respeito pela tnorte, este homem viva all
com urna irreligiosa indifferenga, fumando, asso-
biando e procurando nos cadveres alguma joia
esquecida, no acto de os despojaren* dos vestidos.
L'raa larde foi conduzido para a sala dos morios
o corpo de um joven operario morto de hydrope-
sa, e cujo ventre eslava horrivelmente inchado.
O guarda, logo que ficou so, exarainou o cada-
- iv.nra houvB rauther que amasse tanto orna- j ver e descobriu- he, por baixo dos longos cabellos,
ido I-' liorrivel isto. argolas de ouro as orelhas.
All disse Christiano estupefacto; escolhes| Estava-lh'as a tirar, quando se ouviu barulho.
tcm o'momento para lazer taes observacoes. j como e alguem que descia.
Tonin nao o cuviu. O profanador, (emendo ser orprehendido, ar-
Vae de mir.ha parte ordcnar-lhe que desea rancou as argolas e fugiu.
fiara o seu camarote... anda. E' uso prender as mos dos cadveres que pas-
Chrisliano transmiltiu a ordem e voltou com es- sam alli as 24 horas que precedem ao enterramea-
U resposa loo cordao de urna campainha, para dar signal,
Ella diz que nao desee ; qoer raorrer ao lado no caso, nao sem exemplo, em que a morte seja
Se sea marido. apparente. -
X ttn tro, disse Trafalgar, contendo a sua O guarda, voltaudo sala, prendeu o cordao as
....... "-- 'lo cadver miando ctiegou a aoule. reli-
11J. iv --------- O .-
Pensoa no seu roubo sacrileo... Qoeria anda
duvidar. Um senundo loque da campainha, mais
forte que o primeiro, fez cahir o guarda esmaga-
do pelo terror. Os gritos que soliou foram ouvi-
dos e acudiu gente. O guarda, lvido, raostrou a
tremenda campainha e revelou tudo em duas pa-
iavras.
Penetrou-se na sala dos morios.
Que tlulia acontecido?
Urna cousa muito natural.
O abdomen do hydropico abaixou por duas ve-
zes ; as maos cruzadas sobre o ventre agitaram-se,
agitando o cordao da campainha.
Quando os que isto observarara vollaram ao
i|uarto do guarda, eslava este morlo 1
Do Jornal do Commercio de Lisboa transcreve-
mos o seguinle :
No dia 18 de agosto borne no Prater, perto de I
fallando do padre que diversas veres o fra vlsi- Depressa se aviston a (alai carruagem. Jacques
tar, servin-se das expre.s6es mais infames, tratan- de p prximo da porUnhola, eslava perfeitamen-
do^ de .celerado e de charlatao. %* **mta nIo estava alterado, um pouco mais
Que se nao aprsente mais diante de corad0 do qUe era costurae. Cantava a ensurde-
mim, grita elle, que se o flzer hei de insul- cer uma canQ5o obscena.
ta-lo em publico ; que vao buscar o carras- Quaudo o carro voltou, e que se achou assim,
co que e tou prompio a recebe-lo, mas nada de em preaeaca do instrumento do suppli<-io, a sua
padre. voz |onge de enfraquecer, assume mais torca,e re- (
Picando s e guardado vista por duas senli- conhece-se no novo canto que entoa a parodia si- nJdaJe mu ,jca| recebeu a quaDlja ^
Has, o condemnado principiou a cantar cancoes uistra da Slarseillaise preparada por elle para esta e |g(| soiri. d;ula em Londrt
?ella.
obscenas.
A Nafta publica o que segae :
Annuncia um jornal, que Naodiu acaba de ser
contratado para a opera de Par, pela loaniia
mensal do 12:000 francos, e ama iodemoi-tco d^
200:000 francos, no caso em que a admini^tracio
d o theatro Ihe rasgue a escripiura.
A Malihran recebia em Londres, por cada reci-
ta no theatro Drury Lae, 3730 francos.
A Grisi por cantar era New-York, n ama sol.-m-
10 101 fraa-
Londres receben O
mil.
LabUebe, por cantar duas vezes, receben tT.m
francos, e por nma nica lico dada raiaha Vic-
toria 1:000 francos.
O segundo beneficio de mademoisetle TafNaai
11 ii' se nao sabia.
E'-me indilerente, replicou elle, eslou promp-
Vienna. um banquete popular de 38:000 talheres.! to : somonte quero, que se de" um pedaco do meu
Entre outras cousas foi servido um podim, que corpo a cada um d'esses ladroes que veem imbes-
|)eseva 600 kilogrammas. tipcw-tnc para que possam saborear me la sauce
Consumiram-se 800 patos, 2,300 frangos, 15,361 piquanti!
quartilhos de cerveja e 326 de vioho. Passou-se a noule a canlar canQoes infames '
Os taes sugeitos nao eram grandes bebedores.' 0 sorono apoderou-se d'elle por volia das duas ho-
Em pao dispenderam 2105000 ris, e em carne ras ,ja madrugada.
300*000 ris.
ocrasiao. ,
N'este momento um dos seus moviraentos fez
As 6 horas o padre Poix lornou-sea apresenlar quebrar um ,jos vidros da poriiohola e Latour
Latour nao o quiz receber. apparece fazeodo caretas que nao respiravam
Por volla das 8 horas, Jacques Latour pergunlou senao a altivez e o sarcasmo. Desee sera apoio
qual era a hora da execucao, responderamlhe de nlnguera, sobe a escada sem tremer, de um
passo rpido, adiante dos carrascos, caminha em S. Petersburgo renden 201:000 franco*, e em
sempre de um passo tambera firme al gui- Hamburgo a mesma artista por uma soir recebeu
n*! 3:750 frs.
1DOllua" Paganini dava liroes pelo preco de 2.000 fr_-
Levaniando entao os olhos para o cutello sem cada uma_
interromper a sua cangao, parece fiel ao systema, Hummel, quando morrea, deixoo 373:000 frs
de Ihe arremessar o ultimo desafio, Jacques La- e uma qu;
tour entoa as paiavras da Marseillaise por elle
arranjadas:
Allons, pauvre victime,
Ton jour de mort est arriv !
Quando accordou, pelas o e meia, reclamou o
seu almoco.
A narrativa da execucao do Jacques Latour, con-
demado guilhoilna, pelo cr.me de homicidio, em! Serviram-lhe iramediatameote um beef, que co-
Franca se horrorisra pelo cynismo do homem, ao meu alegremente ; pediu um quartilho i
mesmo lempo patenteia uma das faces mais ver- i e um calix de agurdente,
dadeiras e significativas da pena de morte.
N'este momento os execulores seguiram-no
e, com a cabeca medida ja no oculo fatal, elle
canta:
Latour n5o menos arrependido, conservou ate
ao uliimo momento a impassibilidade e a indiffe-
renga pela sua sorle fatal : repelliu o padre que
devia contorta-Io, insultou os guardas e o carras-
co, e folgou de ver isto ao p de si.
Eis-aqui um homem digno do espectculo pavo-
Deram-lhe tres copos
de vioho.
A's 6 horas o um quarto, apresentou-se o padre,
mas foi para receber novos insultos, afugentou-o
gritando-ihe:
Vae-te d'aqui Lucifer, demonio infernal, nao
careco de ti, nao quero se nao o carrasco. Se se
. u.Buu uu -^~ apre5eDUs no cadafalso, com um ponlap te
roso da guilholina I Nao se arrependeu, e poa-|~__",__,". rurn
pou assim aos que o conderaoaram legalmente os
remorsos de mandar matar um homem arrepen-
mandarei para o inferno.
Logo era seguida apresentou-se
o carrasco
com os seus ajudantes : e vendo-o entrar, disse :
O arrependimento siucero salva a alma no tri- i Eis que chega o carrasco. Multo bem I fa-
bunal do Todo Pudoroso, na ierra o homem que zei a vossa obrigaco. E' o homem que eu preci-
se arrepende, que chora as suas fallas e os seus sava !
Jacques Latour deixou-se amarrar voluntaria-
mente, mas sera interromper a torrente de in-
sultos que proferia contra todos que eslavam
presentes.
O secretario geral assistiu a estes prepa-
rativos, acompanhado do commissario de poli-
de todas as cortes da Europa, enire o qua*s >
anneis de diamantes de grande valor, 34 caitas de
ouro para tabaco, e lli ratoftee preciosos
No seu bi.in lempo Man e Albora nao coattvafli
nunca por menos de 2:000 frs. por noole, e Tam-
berlick cada vez que d o til diese recebe T9H
frs.
Herz e Thalberg de uma so viagera America
recolheram mais de 300:000 frs.
Quanto Jenny Lind, essa poderia comprar a
Suecia cora os dolars do novo mundo.

Contre loi de la tyrannie,
Le couteau sanglant est leve!
Quando elle pronunciava estas paiavras o fatal I Ni Frunce musicale l-se o mgm
. Lma cantora de norae Ganbaldi. sna*)
cutello caa I Mneral Garibaldi, araba de chegar IjHidres com
E- desnecessario dizer que uma multidrw imraec-1 8 artistas italianos, para dar ama serio d^ eonc.-r-
ra. ... H .rionQ j- l los. Estes cantores se estn-aram pnmeir*melo
sa, que affluira de diversos pontos de Anege e aos nQ pa|acjo fc .|a| g ^^ ^^ a(M d|gre,sao
departamentos limitrophes, assistiu a esse horrivel I ^^ provincias mglezas. i
crimes tem a mesma sorte, qae o cynico Latour I
O homem que ouve o padre, que abraga a cruz,
que recebe a beneao de Deus, morre, como o cy-
nico Latour.
A inquisicao era mais lgica, ao arrepen-
dido salvava-o da pena mxima, que, era a do
foge.
A civilisaco moderna mata do mesmo modo j ca-
o criminoso impenitente, e o criraonoso arrepen- q director da prisao dirigiu-se a
did* I
Esta civilisacao moderna, precisa ainda de civi-
lisar-se.
Latour, repetimos, o criminoso digno do
sanguinolento drama da guilhotina. A sua exe-
cucao foi um espectacula todo em carcter. A'
falsa commiseracao, s lagrimas bypocritas, a
religio mentida, responderam as gargalhadas,
as cantigas obscenas, o cynismo (orptolmo,te- correndo 03 ,0Dg0S corredres da prisao, cantava
creduhdade repugnante e deshumana do condem-1 M^ ^^ jnfaines conlra os pa
Latour e per-
gunto-lbe se elle nao tinha nada a dizer contra
Audouy...
M..., respondeu enrgicamente o condem-
.nado. Gorja de scelerados I corja de anthropopa-
^os! C... na paz; quero que comaes cada um
de vos um pedaco do meu corpo preparado sau-
ce piquanle.
O condemnado deixou entao a sua celia, e per-
i^roximou-se da jovera passageira, mas, quan-1
oia intimar a ordem, expirou-lhe nos labiosa
firimeira palavra : ficou desarmado vista de um
Ciar celeste e um riso calmo que conlrastava sin-
gularmente com os negros cuidados que Inspirara
isiluacc.
Gavia tambera nesse olhar um desses raios mag-
nticos, que partera do coracao das mulheres, va-
(!) /n rianus- las Domine, commendo spintum
meten.
(2/ A palavra crane j ha muito lempo uao esta
em voga ; quer dizer ln.mem corajo.o por excel-
Ienca e que procura semine o perigo.
onde traba a sua
cama, cabeceira da qual est a carapainr>a das
resurreicoes.
Passaram algumas horas, e o guarda, exami-
nando o furto feto ao morto, escondeu-o era um
buraco da parede e adormeceu tranquilamente.
Aodar da meia noute, apenas o relogio de Nutre
Dame vibrava a ultima badalada, um vivo puxo
abalou a campainha dos mortos.
guarda evantou-sc sobresaltado sobre a cama
e ja gou que eslava sonhando. quando viu a cam-
painha, cujo batente ainda oscillava.
Innundou-lhe o rosto paludo um suor fri
-s?c- ";jaameaw*^
nado.
A providencia serviu-se d'aquelle instrumento
miseravel, para dizer aos executivos da Iei cruel,
quanto ella vale, e o que significa.
Eis aqui a noticia da exeeuco de Latour, que
transcrevemos do Nacional, do Porto :
Na espera, por volta das quatro horas, o di-
rector da prisao deu ordem ao chaveiro para
amarrar as maos do condemnado. O chaveiro
apresentou-se na celia, seguido dos subalternos
e de alguns homens da guarda, e deu cbnheci-
mento a Jacqoes Latour da ordem que haijl re-
cebido.
__ Qngreis deixar-vos amarrar seip resistencia ?
pergunta-lhe o chaveiro.
Deixae-me acabar de comer, respondeu tran-
quilamente Jacques Latour, e vos me amarrareis
depois as mos :
Terminado que fei o jantar, Latour excla-
mou :
Eis-me prompto.
Apresenlou elle mesmo as suas mos ao chavei-
ro, que as preudeu.
Latour nao offereceu resistencia alguma, mas
nao cessou de insultar os guardas, chamando-lhes
scelerados, salteadores, anthropophagos. Depois
FOLHETIM
com
POR
acabava de cantar, e sorriu-se, por Ihe ser mais
prompto o riso que as lagrimas.
Tu amas Nicolau? perguntou Ricardo
uma precipitacao infantil.
Que semsaboria 1 disse Margarida, e abai-
xou a fronte carregada.
Porque estaes triste f Que recordas ?
O tempo em que eu era feliz, meu amigo.
Com Nicolu 1
Nao: com minha me, com meu marido,
ftioardodcAlmeidasentiu no seu braco o tre- cora a estimaco propria, e com a estimado do
or do braco A Marganda, quando, por noute de | mundo,
-t.cli-ia, passeavam beira-Douro, no sitio de t
Sofreirs, em S. Joo da Foz. N'aquelle relango | Qoes 1
nerpassra p*>r elles um encapotado.
GAMILLO CASTELLO BRAXCO.
Continuacao.
VIH
de uma voz firme caneoes
dres.
Chegado a grade da prisao tiraram-Uie os fer-
ros, e elle conliuuou a insultar as pessoas pre-
stnles.
Depois que Ihe tiraram os ferros, aposlrophou
n'estes termos, o director da prisao e os seus aju-
dantes :
Vos devuis ir collocar a cabeca no oculo da
gailhtina, para ver se ella funeciona bem seria
um lindo espectculo I
Dirigiram-no para o carro; injuriou sempre
o padre que segua o lgubre cortejo I Vendo
os gendarmes prir.cipiou a commanda-los : Pe-
lote, sentido I marche I Estes gendarmes, diz
elle, sao os caes do carrasco; vao caca da
Iebre para elle e trazera-lh'a aqu ao pe do cada-
falso.
Jacques Latour pareca decidido a ir a p
para o lugar da execucao, mas vendo que havia
lama resolveu-se a entrar no carro preparado para
o levar.
Durante o trajecto nao cessou de cantar.
A's sete horas precisas todos os olhares esla-
vam vollados para o lado por onde devia chegar
Latour.
drama.
Esta poesa do Sr 2o lente Antonio Francisco
Duarte :
o MEU V1VER.
(Ao meu frezado me e amigo )
Se no mundo, se na trra
Se nesta vida ha prazer !
Se no riso, nos folgndos,
Podemos e-nbevecer I
Se nos dado a ventora,
Nos instantes de amargura,
Nunca a tive. A desventara,
Nao me deixa comprehender I
Nunca a tve. Que a desgraca
Tem tocado o'meu viver;
Sioto n'alma, da descren^a
Negro fel, se revolver !
Minha alma s n'agonia,
Ausente desta alegra,
S parece estar vasia,
De venturas e prazer !
No mundo s hei vivido
Como flores do deserto,
Ou como ceg que trilha
De pedras caminho incerto !
Como o naufrago perdido,
Da tempestado ferido,
Ae frgil batel unido,
A morte esperando certo !
Perdi, perdi a esperanea
Da ventura me sorrir;
Se o viver d'outros gozo,
O meu triste carpir !
Eis como a vida assim passo,
Sem ler d'amigo um abraco,
Sem no mundo ura doce lago.
Que doure o meu existir !
Nraguem, ninguem ha sodrido
Como eu, querido Deus !
Bem cedo perdi na ierra,
Me, irmos, affectos meus !
Do peilo mea a esperanza -,
Morreu-me desde changa,
Nem um sorrir de bonanca,
Se desprende l dos cus !
Nao pego sentido pranto,
Nao aspiro a compaixio.
Repouse met fri corpo
Sem epilaphio no chao 1
Meu nome seja esquecido;
Que venha meu pae querido,
Triste, paludo, abatido,
Me chorar n'uma oraco.
Que diro a isto os sobernos lords do parlamen
to que faziam o cortejo em Londres Garibaldi ?
Como trataro a sobrinha do homem qoe en-
chiam de acclamacoes ?
Sao curiosos os caprichos da forlnna.

- M. o duque de Valini, movido por ora teneros..
desejo de contribuir para os progressos da srl^n-
^a theorica da architeetnra, poz a disposicao d.i
academia das bellas artes de Paris a iiuantia de
1:300 francos destinada ao autor da melnor memo-
ria sobre uma queslo geral d'archilectura propos-
ta pela academia.
A academia poz ao concurso i eguinle ijoeio
Expr os principios e as rearas da arcfciieciu-
radesenvolver a theoria desta arte appiieaad a
nossa poca.
As memorias destinadas a este concurso devem
trazer uma eplgraphe ou signal. repetid em um
bilhete lacrado, que contera o nome do autor.
E>tas memorias devero ser eotrenoes t secre
tana do Instituto impreterivelmeole em 15 de ju-
Iho de 1863.

SERVIR AOS HOMENS NADA AnAS;A.
l'ra corlezao, que tinha passado a vida no serv
co do seu principe, adoecen gravemente : o tete
rano que o amava, veiu visiu-k) em pessa, acom-
panhado de outros seus vassalos: achando-o pr-
ximo a expirar, e commovido do estado em que
eslava, disse-lhe:
Pede-me alguma cousa e nao lemas a re-
cusa.
Principe, diz o enfermo, na triste sttnaeao,
em que estou, tenho uma cousa a pedir-vos: que-
ro que me des um quarto de hora de vida.
Ah I isto nao esta em minhas mos faxer te
pede ontra cousa.
Pois que I diz o enfermo, ha rineoenta anoo-
que vos sirvo e nao rae podis dar ora quarto de
vida I Ah I se eu tivesse servido fielmente a Deo.
Elle me concedera nao s ura quarto de hora como
uma eterndade de bens. E, tendo deixado de fal-
lar expirou.
Felizes aquelles que se aproveium da I0s
que nos d este homem do nada das cousa boma
as, e da necessidade de Irabalharsoos pela salv*-
co da propria alma.
1IIMII.DADE.
Godofredo sendo acclamado re de Jerusalem
jamis quiz cingir sua fronte coro o diadema.
Air! dizia elle, cingire en a minha calara
com uma cora de ouro ornada de diamantes em
uma cidade, onde o Filho de Deus. o Creador, e
Senhor do Universo foi visto r o ruado de nniaiM.
para expiar nossos crimes!... um miseravel ver-
me, um vil mortal pois recebera em Jernsalea*
mais honras, do que o Todo poderoso t O sar-se-ha da minha pedade I i > que dir se-ha do
meu respeito para com o Salvador ?...
Algum de voces conhece Nicolu de Mosqui-
ta perguntou Raphael.
O antecessor de Ricardo 1.....
Como antecessor de Ricardo ? I Que tem a
Gasta como um prncipe o transmontano
Que fortuna tem elle ?
Dizcm que a esta vendendo.
A mulher vale bem a pena de gastarse a
fortuna e ficar a gente com a doce recordacao de Franceza com o Mosquita 1...
a ler tldo a ella. Esl"s ein dia '" PU nio sabes que Mes'
Nao pensou assim Nicolu de Mosquita, o! quita veiu de Franca com esta mulher ?
antigo pnssuidor.
Nunca vi esse leao.
E Nicolu quera te desperta essas recorda-
A Franceza vira uns olhos falseantes por sobre
a Dmbra avelodada da capa: eram os olhos de Ni-
colu do Mesquil. Voltra o pescoco para obser
var-lhe o andar : rec^)nheceu-o.
, E o Mosquita 1 murmurou ella assustada
jtniudando o andar.
__De vagar I disse o lilalgo do Pontido. Que
importa que seja ? I
Dizes bem.. .Que importa que seja ?
Nicoliu voltra no encalco delles, apertan 'o o
p. Ricardo de Almeida deu tino disto, e affrou-
eou o passo. Marganda tirava por elle cora torga.
__Que- significa este medo? perguntou o moco
OTendido da inqnielacao da Franceza.
Nada, men amor, disse ella.
Ricardo parou, e Nicolao foi avante.
Queria vr-te indferenle apparicao deste
bomero I observou Ricardo com mtencao, e gesto
nagoado.
Creanca ciciou ella com eneanUdor sonri-
so. A ind irTerenca 6 o despreso, e eu odeio.
Enirarara silenciosos em casa, e viram ao longe
O vulto na esplaoada que entesta cora a fortaleza.
Ricardo sahiu rebugado e armado. O do Vidago
ja l nao estava. Deteve- se o indiscreto mogo as
javessas visiuhas de sua casa.
ISram onze horas.
/i. Franceza abriu as janellas, sentou-se ao pia-
o, e cantou uma romanea franceza. As vibra-
res da voz eram desnaturaes. Havia a paixo da
audaJe n'aquelle canlar.
Nicolu de Mosquita escutava-a da janella do
*otel, e Ricardo da cscurido d'uma viela intran-
sitada.
Callou-se a voz.
O marido de Dealriz sentou-se a escrever a qnin-
4a folha de urna carta a Margarida. O castellao
Je Aguar foi de manso, por sobre tpeles, at ao
filano de Margarida, e surprehendeu-a com os co-
^ovellos apoiados no teclado, e o rosto entre as
mSos. Tocou-lhe no hombro: ella exped'" um
grito argentino como a mais alta das notas qoe
Na provincia ignora-se essa cousa..... Pois.....
Voces teem a certeza....
Conheci-o eu. Foi elle quera a tirou ao ma-1 v,.os eu no p0rlo, desde 1834 at 1839. Isto
rido. Teve-a por ahi com modesto recato,. Depois,; ao dominio universal desde a rua da Reboleira
foi-se casar na provincia c^m a mais bonita crean- ate a ve|a je Fradellos, na cidade invicta I
c,a que os meus olhos viram em Chaves, e as pr-: sabem se elle est por ahi, o Mosquita ?
Aquillo que saber
Naturalmente.. .Foi elle quera tudo me rou-
bou.
Entao nao o amas ? voltou elle com rauita
ternura, beijando-lhe as raaos.
Nem que elle me restituisse ludo o que
perdi.
No dia seguinte, o jockey de Ricardo apresentou
a Margarida, na ausencia do amo, uma carta vo-
luraosa.
Quem *te deu isto ? perguntou a Franceza.
Ura criado do hotel inglez.
Margarida leu as vmte laudas : quando a vista
se Ihe turvava, depuuha a carta e enchugava os
olhos. Finda a leitura, escreveu na margem da
Itiraa folha : Esta caria o prefacio da minlia
vinganca. Lacrou-a, c devolveu-a pelo jockei, dir
zendo .
Se trouxeres outra, envio-tc com ella a leu
amo. .
Assim que Ricardo entrou, Margarida foi cari-
ciosamente aos bracos delle, e disse :
A'manha sae um vapor para Lisboa. Va-
mos, Ricardo 1
Vamos. Tens medo de fraquear, Marga-
rida ?
metras cidades da Europa.
viver
Mas a Margarida Froment uma grande mu
lher!.. .cenfessem
Nao.
Deve estar, e eu vira procura-lo. Sahi de
Chaves a bscalo em casa. Disseram-rac que elle
! tinha sabido para Villa Real. Em Villa Real tive
maele da sao! ''ue elle Passara em Amaran,e- Ef> Ama"
Nio a vi. Encarregou-me o lio Martinho de gUn>o, e o rancor. F.sias paixes qoeria NioUa
procurar o Sr. Mesquita, e dizer-lhe que a prima de Mesquita desabafa las pda lnH-casdas pistolas
Reatriz estava em perigo. Quiz desempenhar o re- por,'.m, como as victimas se furtaram a hecahmh.i
cado, e vim dar-lh'o ao Porto. I sobrevieram as auonias da vinganea malnfrarfa.
Eu parto sem demora. O Sr. Raphael Garcie |ogo a fei,re. Ora, desde que i- doeneas morae-
vae dar-me sua palavra de honra de occullar de | se ronsubstanciam no corpo e snbmetlem s pro
minha prima que me encontrou aqui, disse solem- er)p^5es da palhologia medica, i indivi(tna!id:i.|.
neraente Nicolu. i da almaanniqnila-se, ea paixo, degenerada em
E' escusada a solomnidade de juramento, Sr. J desconcert dos systcraas sanguneo e nervoso, mi
Mesquita. I se cura medicinalmente, ou mata, rom o pnrado-
Dir que me foi procurar quinta de Murga.! nymo de congesto cerebral, febre l>phoi-i^ i n
O que V. Exc. quizer que eu diga. qualquer nomenclatura si^nifiraiiva de que a pes-
__ P2. se ella tiver morrido, meu Deus! excla-: Soa, sem duvida nenhuma. esta bem m-ria. is
mou o raorgado. Pois o cu ha de castigar-me as- convalescentes desies ataques e raros sao os que
sim, por eu nao saber esconder nete perdido co- suecurabemassim que o sangue lhes fonrnona
racao aquelle anjo I Oh!.... que infernaos abysmos normalmente, sentem-se por egual aliviados da al-
lavina do Ricardo Estas soirees que
d'ura ridiculo raonuineutal I Apresentou-m'a como
sua hospeda I Que baboseira I A gente faz-se tola,
ranto disseram-me que o tinham encontrado em
Rallar. O homem est aqui, e agora me convengo
i de que a Franceza nao eslranha a esta mysieriosa
6 C.S7ta^etcandalo por grosso. jornada. Pobre Reatriz I Lembras-.e daque.la mi-
eodido as araeias d'um nha prima que te mostrei em Chaves, Albuquer-
que?
Nao. Se eu podesse fraquear, a mudanga de Ja Margarida
Quando elle tiver
castello, que tera na provincia, a hospeda muda de
hospedara.
Tomaras tu que ella mandasse preparar apo-
sentos eratua casa...
Pagando-nYos.
Magaoao! por tua vontade nao espera ella
que o Ricardo venda os torres do solar dos Afmci-
das for quem sempre o Tejo chora.....Era publica
e notoria a tua paixo.
Gostava della : .nao ha nada mais humano.
Mas parece que nu mareaste bera naquelle
rumo.... Foste a pique, eim ?
Ha derrotas que lo triumphos. Fez-mo o fa-
vor de me offereeera sua amisade fraternal.
Queirmaa! E' uma honra ser irmo daquel-
lerra
me.
seria debililar-me, em vez de robustecer-
Confesseroos que a mulher leal. Ave rara
nesta trra!
Na tarde deste dia, Nicolu de Mesquita viu i jj mas rara nas aves arribadas de Franga.
passar erri carro Margarida e Ricardo, caminho do | q fa||ar0 proseguiu, Nicolu ouvira tudo neos-
Porto. Esperou-os no regresso at noute alta. Era 0 aus aiesares da port.
uma cabeca perdida, a esta .hora, a do miserando; Entrou um novo interlocutor, que foi muito fes-
homem I Saba que nha duas pistolas entre raaos, tejado. Era Raphael Gargao, que chegava de
e que sobre sua cabega ia estalar a maior e ultima Chaves.
tempestade. O alvor da manhaa bruniu-lhe o ros- \ _^ Aqui est quera conhece Ricardo de Almei-
lo livido d'um verniz erabaciado de cadver. Ao da.... Sabes que elle foi hoje para Lisboa com a
raar do sol foi para casa, que Margarida e Ricar- Franceza.
do nao voltarara. ~ diabo ^ vmha cm?*T *.* ".
Na sala' ceza I disse Raphael. Nunca a vi I E eu nao pos-
so ser mais que Cesar. E preciso ver para ven-
cer ; por emquanto, apenas flz o que pude : che-
Ainda ha pouco fallei della. Que linda mu-
lher J sei que ella casou com o Mesquita. Nao
Ihe fazias t a corte naquelle tempo i
Amei-a com o nico amor nobre e santo que
tenho experimentado; mas, como ludo que nobre
e santo nao apega nesta alma do mundo, assim que
a vi despregar o vo para as serenas regides do ma-
trimonio, agarrei-me eu ao pandeiro de uma Anda-
luza, 6 fui trras de Castella dentro em conquista
daquelle gallego coracao, que s me comprehendeu
depois que eu Ihe mostrei um porte-monnaie maior
que o corago. Quando voltei achei minha prima
casada com o primo Nicolu. As melhores flores
daquelle rosto eslavam amortecidas; mas, ainda
assim, nao se de outra mais linda. Ha de haver
seis das que cheguei a Chaves, e encentrei grande
agitago ero casa do lio Martinho Xavier. Era Bea-
eu tenho cavado era redor de mim !.-. Hei de afi-
ma e corpo. A verligeui que os qoebraniou. d*-
rtal despedacar-me, como aquella maldita vatici-. xa leves estragos no espirito, remediaveis rom a
noul.... Ali fra, Sr. Raphael, contaram-lhe O j mera acgo lempo. Nicolao de Mesqmta. aju-
men .tfpprobrlo I Nao sabe, nao sabe que aviliada
alma a minha I.... Eu vim aqui por amor de uma
mulher perdida, quepasseia orgulliosamente a sua
devassido luz do sol. E uma condemnaeo, de
que nao pode salvar me a mulher sem nodoa, a
doce e celestial creatura, que eu amo tanto?.......
Deus nao m'a de levar I To nova, e tao linda I.....
Como eu a adoro, Sr. Garcaol..... Crea que eu
amo minha mulher com o ardenlissimo togo de ura
remorso. quo me esta sendo a tortura dos repro-
bos.
Raphael ouvia-o espantado. A gesticulago e o
cavernoso do clamor impressionavam; mas Ra-
phael era ftil de mais, para ponderar a ingente
dr, que se desentranhava em termos da tragedia
velha.
O leilor naturalmente faz o quo nao fez o frivolo da ; roas acreditava que se deram grandes pheno
dissiinamente anortado, como se vio, fez eefee rm
menos de vinte e qualro hora-, porque a seu favor
conspiraran! cal manes mu lo effirazes. A pales-
tra dos provincianos, desdouraodo Margarida, em-
baciaram-lhe o prestigio. Bem sabem que ba/u
metro este do prestigio para graduar a tempera-
tura do coracao humano. Ao me encarecimenios formosnra de Beatriz, sem pala-
vra que a dezairasse, sobredora avam a aareU na
fronte da esposa virtuosa. Depois, ueste nmm>i.>
entre o odio a Margarida, e o amor escande reate
a Beatriz, rhi-ga a nova da perigosa enfermla-I.
Nicolu, se podesse escrever o relalorio das -u..-
sensages e revoluges sanguneas, e nm memrn
as pozesse era termos de se lerem rom nm embro-
chado de nomes gregos, a gente nao el
A's dez horas, estava febril no leito.
do hotel, prxima do seu quarto, conversavam al-
gumas vozes. Erara cavalheiros da provincia. Di-
zia um:
O Ricardo e a Franceza embarcaram para
Lisboa s nove horas.
menos no coragao do morgmlo. O e^piialiMmo
de todos que elle, depois da exptosao, qoe Iheou-
vimos, nao fallou mais era Margarida Fromem>i-
galopou noule e di.<,arreben gar a Chaves.
Beatriz estava janella, quando sea rannoV*
Raphael apearam.
Nicolu expediu ao ve-la, um grito dnjnfcilm .V
opo da escada toraou-a nos bracos, e hetj- na fot-
fregaraente. Era ura phrenesi de tensara ese
guei.
- Vens mal informado! E de uma fidelidade
que toca os limites do esoandalo. Vinhas a isso?
morgado de Fayes : capaz de nr-se, e pergun-
tar-me que especie de doudice a de Nicolu de
Mesquita.
E" uma especie de doudice, que se chama a ra-
zao humana. A' gente de juizo pode offende-la a
resposa paradoxal; mas es philosophos, que tam-
triz que estava em perigo de vida a langar golpha- b(m s-Q uma especialidade de doudos, ho de ad-
das de sangue.... millir-m'a era sa e escorreita dialctica.
Abriram-se de golpo as portas de um quarto, e Levaulemos o vu, onde elle nao esliver roto, de
appareceu Nicolu de Mesquita, com as faces in- soDre 0 corago do raorgado da Palraeira.
cendiadas e os cabellos descompostos. Volveramto- Chegra elle a Foz com a alma lanhada de re- lador |
des aquelle ponto os olhos e Raphael Gargo va- monos, e a cabega estonieada de urna verligem j Eslava ella encanladoraraente desmamen. A*
cillou era reconhece-lo. de amor. Estas uas paixoes exacerbararase mulheres assim paludas, se a paJIidex yrnpmew
- O Sr Ranhael Gargao pode entrar no quarto urna outra. Sem a saudade, o remorso seria coy de irem breve a ontros mundos, deven* crer >-
"'> i vi i nea creador coraeca entao a namnra-las
de Nicolao de Mesquita, disse o morgado num tom mera. 7^ ***** las
solemne que pareca fiego thealral, se elle nao Margarida era ou pareca feliz : despootarara-se depois as luar para si.
estvesse febricitante. logo os espiuhos do remorso. Ficou o amor. Re-
O de Fayes en.rou como espavorido daquelle as- pelln* Margarida, devol vendo-lhe a carta com um
. sarcasmo : esvaio-se o amor. Loco, nem amor,
pedo esgazeado.
_ Minha mulher que tem ? perguntou Nicols ,nem remorsa
om a respirado anclada. I Outras duas paixoes o assaltearam logo
o or-
('
i
PERNAMBUCO.-TYP. DB M. P. DK P. ffUI)


*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQV8Q8MI6_CBXHP0 INGEST_TIME 2013-08-28T00:20:14Z PACKAGE AA00011611_10495
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES