Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10494


This item is only available as the following downloads:


Full Text
/
O 11. HOMO 238.
Por tres iiezes adiautaos 5$000
Por tres mezes vencidos 6$UU0
Porte ao correio por tres mezes. 3750
SEGUflDA FE1RA 17 BE 0UTDBR0 BE ISS4.
Por asoo ad'astado. .... 193000
Porte ao correio por U anuo. 3$Q0
-tWJ|(WM .jiK.>x

ENCARREGADOS Da SUB&.RPCAO NO NOR' E
rAfiTiDA LO EaTATlitA.
I Onda, Cabo e Escoda todos os das.
Iguarassu', Goyanoa a Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Samo Amao, Gravat, Bezerros, Bonito, Garaai ,
Altraho e Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Aiho, Nazareth, Liraoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaralii.CaDrob,
Boa Vista, Ourtcury e Exu as quartas feiras.
NCABREGADOS DA SUBSfRTPCAO NO SUL Sennhaem> Rio Formoso, Tamandar, Una.Barrei-
ros.Agua Preta e Piraenteiras as quintas feiras.
Una de Fernando todas as vezes que para ali sahir
navio.
i Todos os estafetas partem ao /i dia.
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, a Sr. Antouio Marques da Silva; Aracatv.o
8r. A. de Lemos Braga; Gear, o Sr. J. Jos'de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marque.; Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro Si G.; A-
mazonas, o Sr. Jeronyrao da Cosa.
Aiagoas, o Sr. Claudino Faico Das; Bahia, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins & Gasparino.
EPHEMERIDES DO MEZ DE ODTDBRO.
8 Quarto cresc. a 1 h., 17 m. e30s. da t
15 La cheia as 4 h., 55 m. e 38 s. da m.
22 Quarto ming. as 8 h., 59 m. e 48 s. da m.
30 La nova a 1 h., 8 m. e 26 s. da t.
PREAMAR DE BOJB.
Primeira as horas 30 minutos da tarde.
Segunda as 4 horas 54 minutos da nianna.
tflR.k-,. iO VAj.ORg;;> > OS'i'JRO.i.
?>.ra o sul at Aligos a 6 s 25; ,.;,.-* o norte at
a Granja a 7 e i de, cada me*; para Fernando nos
das 14 dos mezes dejan. marg.,maio. jal. sel e nov.
PARTIDA DOo OMN.B'S.
Para o Recife. ao Apipucos as 8 '/., 7, 7 Vi, 8 e
8 Vi da m.; de Oimda s 8 da m. e 6 4a tarde; de
Jaboatao s 6 i/ da m.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bonifica s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos s 3 V, 4,4 A, 4 Vf,
5, 5 'A. 5 Vi e 6 da larde; para Onda s 7 da
manhaa e 4 Vi a '.arde; para Jaboatao s 4 da
tarde; para Cach&ng e Vanea s 4 Vs da tarde;
para Bemfica s 4 da tarde.
AUD.ENC a DOS IRIBUNArfS DA CAPffAL
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
I Relago: tergas e sabbaios s 10 horas.
! Fazenda: quintan s i0 horas.
Juizo do commercio: segunda:- s 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel : tercas sextas ao meio
dia.
Segunda >ara do civel: quartas e sabbados a 1 hora
da tarde
DEAS DA S3.M/NA.
17. Segunda. S. Florentino h; S. Mariano m.
18. Terra. S. Lucas evangelista; S. Trifona ra.
19. Quarta. S. Pedro de Alcntara f. p. do imp.
20. Quinta. S. Joan Cando; S. Crapazio m.
21. Sexta. S. rsula e suas comp. vv. mm.
22. Sabbado. S. Ladislao f.: S. Ileraclio m.
2J. Domingo. S. Joo de Capislrano f.
A88IGNA-SB
no Recife, m a livraria da praca da Independen-
cia is. 6*8, los proprie'arios Manoel Fieueiro
de Faria & Filho.
PARTE QFf CiAL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente du dia 12 de oulubro de 186i.
OITicio ao Exra. presidente da provincia do Ma-
ranlio.Accusando receido o offlcio do 3 do
correte, emque V. Exc. commuuica-rue que ha
vendse concluido os trabalhos da 2a sessao da
1' legislatura da cmara temporaria, onde se
achava com asseoto como depuiado, reassumira
n'aquella data a administrado dessa provincia,
cabe-me dizer V. Exc, que me achara sempre
prompto para executar suas orden qur sejam
relativas ao servido pablico, qur ao particular de
V. Exc.
Dito ao Exm. visconde da Boa-vista comman-
daote superior da guarda nacioual do Recife.
Sirva-se V. Exc. de informar cerca do que pede
no incluso reiiuerimento o alferes da 1* compa-
a do 1 batalhao de infantana da guarda na-
cional deste municipio, Maximino da Silva Gus
mo.
Dito ao commandante das armas. Sirva-se V.
S. de informar acerca do que pede no incluso re-
querimento o ex-soldado Manoel Paulo Penoto.
Dito .10 inspector da ihesouraria de fazenda.
Em vista das razoes expendidas em meu ulDcio
de 4 do corrente, man le V. S. pagar s pessoas
indicadas na inclusa relago assigoada polo secre-
tario do governo as quantias constantes da mes*
na relago provenientes de alugueres de casas
que serviram de quarteis aos destacamentos de
1" liona estacionados fra desta capital.
Relacao a que se refere o offlcio de S. Exc. o Sr
presidente da provincia.
Claudio Duoeux, na qualidade de procurador de
Alexandre Mara Harboza.
Subdelegado de Beheribe.
Francisco de Arouca Campo Bello.
Antonio Domingues de Almeida Pocas.
Joaqun) Elviro Aives da Silva.
Bernardo Ferreira de Barros Gampello, ou ao sen
procurador.
Furriel Manoel Monteiro dos Santos.
Dito ao mesmo. Mande V. S. pagar ao em-
preiteiro do caes entre a ponte da Boa-visia e a
casa de detenga.), como pe lo no incluso requer-
ment, a quantia a que iiver direito por haver
fiimprido com as condicoes do seu contrato, du-
rante os mezes de julho' setembro deste anno,
como se ve do attestado do respectivo engenheiro
fiscal juuto ao mesmo requerimento.
Dito ao rnesmo.Paraos tins convenientes trans-
muto V. S. as inclusas copias das actas do coa-
selho administrativo para fornecimento do arsenal
de guerra datadas de o e 7 do corrente.
Dito ao inspector da Ihesouraria provincial.
Transmillo por copia a V. S. para os fias conve-
nienles nao so a lei n. 539 de 23 de julho ultimo
mas| tambem o offlcio de 4 do crreme em que o
Exm. presidente do Rio Grande do Norte pede
que tenlia execuco nesla provincia a meneo-
nada le, na parl relativa ao pagamento de um
quarto addicional de um por sent aos cinco por I
"'uto a i|ueesto sujeitos o algodo, assucar, cou-
ros salgados, e oulros gneros da producto da
provincia no acto de sua exportago, indo tam-
bem annexa por copia a lei n. 531. Coinmutci-
cou-se ao Exm. presidente da provincia do Rio
Grande do Xorte.
Dito ao mesmo. Em vista da conta junta e nao
ha vendo eoconveuieote. mande V. S. pagar a Ma-
noel Jos da Silva Oliveira, conforme soliciiou o
chefe de polica em offlcio de hontom, sob n.
1236, a quantia de 474200, em que importaram
as desposas feitas com o sustento .tos presos po-
tros da e&dia do termo da Escala, duraoie o
mezde. setembro ultimo. Com.iiuiiicou-se ao Dr.
chefe. de polica.
Dito ao mesmo. Transmuto V. S. a indnsa
conia, que vejo annexa ao oficio do Dr. chefe de
polica datado de hontem. e sob n. 1258, alim de
que, nao havendo inconveniente, maule pagar a
Estevo dos Anjos da Porciuncula a quantia de
'-JOO despendida no mez de setembro ultimo
com o sustento dos presos pobres da cadeia do
termo do Cabo.Cammunicou-se ao Dr. chefe de
polica.
Dito ao mesrno.Se nao houver inconveniente
mande V. S. agar Antonio Domingues do Al-
meida Pocas, conforme solicitou o chefe de poli-
ca em offlcio de honlem. sob n, 1239, quantia
de ('.75000 despendida com o sustento dos presos
pobres da cadeia do termo de Amia Prdla durante
os mezes de julho setembro desle auno como se
v da inclusa conta. -Communicou-se ao Dr.
chefe de polica.
Dito ao memo. Mande V. S. entregar ao the-
soureiro da Sania Casa de Misericordia como so-
licitou o respectivo provedor em offieios do 10 do
corrente as quotas de 2:0005000 cada urna vo-
tadas pelos le 2o do artigo 24 da lei do orea-
meato vigente, para a collocacao de vidra^as as
galeras do raio j construido do hospilal Pedro
II, e conclusao da obra do hospicio de alienados
emOlinda. Cummtimnou-se ao desembargador
provedor da Santa (Jasa de Misericordia.
Dito ao capitao do porto interino Para que se
possa resolver acerca do jue Vine, solicita em seu
offlcio de 7 de correnle, com referencia a balieira
do servco dessa capitana, compre que Vmc.
fac,a apresentar dita balieira ao inspector do arse-
nal de marinha, alim de mandar examinar o seu
estado, e conhecer se polo ella ser concertada, ou
se convm a construeco ou compra de urna ou-
tra. Fica-assim respondido o seu citado offl-io.
OiHciou-se ao inspector do arsenal de marinha.
Dito ao director do arsenal de guerra.Annuin-
do ao que solicitou o coronel commandante das
armas em offleio de II do corrente sob n. 1,773,
recommendo a Vmc. que contrate a condcelo para
o presidio de Fernando, de tres volumes contendo
urna ambulancia que se desuna ao mesmo presi-
dio, remettendo-me urna copia desse contrato para
ser definitivamente aporovado. Communicou-se ao
commandante das armas.
Dito ao mesmo. -Mando V. S. substituir o afri-
cano livre de nome Francisco, que serve nathesou-
raria de fazenda, pelo de nome Candido, que se
acha nosse arsenal.Fizeram-se as necessarias
communicagoes.
Dito ao juiz de direito interino de Cobrob.
Em resposta ao seu offlcio de 11 de agosto ultimo,
tenho a dizer-lhe qoe procure Vmc. contratar com
quem melhores vantagens offerecer e mediante as
camellas do eslylo, a construeco do a^nde da vil-
la do Salgueiro, que dever ser feita sob immedia-
ta inspeccao e tlscalisacao desse juizo, e remlla-
me o orcamento da despeza fazer-se com essa
obra, e o contracto para ser definitivamente appro-
vado por estt presidencia
Dito ao jniz de direito interino do Rio Formoso.
Vo offlcio do Io do corrente em que Vmc com-
muoicou ter alagado ama casa para nella tunecio-
nar e tribunal do jury do termo de Serinhaem,
convocado para este mez, por ameacar ruina a res-
pectiva cmara municipal, tenho a dizer-lhe em
resposta, que aquello tribunal deve fazer as suas
sessSes na casa em que deve estar funeconando a
respectiva enmare municipal, oa nos lugares desig-
nados pelo art. 334 do cod. do proc. crim. pelo avi-
so de 23 de novembro de 1834.
Portara.O presidente da provincia, tendo em I
vista o que requereu Joaquim de Gusmio Coelho,
J" escriturario do consulado provincial, e bem as-
sim as informacoes ministradas esse respeto pe-
las reparticoes competentes, resolve conceder-lhe
dous mezes de I cenca com venc memos na forma
da le para tratar de sua saude.
Dita. -O presidente da provincia, tendo em vis-
ta o que requereu Amonio Martins de Seabra Le-
mos, offlcial da secretara da Ihesouraria de fazen-
da o bem assim a informacao ministrada esse
respeto pelo respectivo inspector, resolve conce-
der-lhe um mez de licenija com ordenado na forma
da lei, para tratar de su saude.
Dita.O presidente da provincia tomando em
consiaeracao oque expoz o director geral da ns-
truccao publica em offlcio de 11 do correle sob
n. 194 resolve exonerar a Salvador Henrique de
Albuquerque do lugar de secretario daquella re-
particao.Fizerain-se as necessarias communica-
5<5es.
Dita.O presidente da provincia, tendo em vista
a proposta do director geral da i'nslruccao publica
datada de hoje resolve nomear o bacharel Jao Di-
niz Ribeiro da Cunha para o lugar de secretario
daquella repartido. Fizeram-se as necessarias
communicacoes.
Dita.-O presidente da provincia, altendendo ao
que requereu o professor publico de instrneco
primeria da cidade da Victoria Joo de Moura Flo-
rencio, e tendo em vista as informacoes ministra-
das pelo director geral da instrnccSo publica, em
13 de setembro ultimo, sob n. 184 com referencia
ao parecer do conselho director e do inspector da
Ihesouraria provincial, em 27 daquelle mez, sob
n. 428, resolve de cnnformidade com a 2a parte do
art. 29 da lei n. 369 de 14 le maio de 1853, jubi-
lar o referido prefessor com o ordenado propor-
cional ao lempo em que exerceu o magisterio e
ordena que neste sentido se Ihe expega o compe-
tente titulo.Fizeram-se as necessarias communi-
cacoes.
Expediente do secretario de goveruo do dia 12 de
..iiiiii.ro de 1861.
Offlcio ao Dr. Pedro Alfonso de Mello.S. Exc.
o Sr. presidente da provincia manda aecusar rece-
bido o offlcio de 3 deste mez, em que V. S. com-
municou ter sido nomeado pelo juiz de orphaos
desta capital no 1 do corrente, curador de africa-
nos livres, por ter o Dr. Miguel Jos de Almeida
Pernambuco, pedido exooeracao desse cargo.Fi-
zeram-se as neecssaTias communicacoes.
Despachos do dia 12 de oulubro de 1861.
Requerimentos.
Francisco de Sales da Cunha Monteiro.Enca-
, minhe-se.
Joo de Moura Florencio.Passc portara jubi-
lando o supplicante.
Manoel Joaquim Genial ves da Cuz.Informe o
Sr. inspector da ihesouraria de fazenda.
i Mara Joaquina da Conceigao. Informe o Sr.
; desembargador provedor da Sania Casa da Mise-
ricordia.
| 13-
Antonio Ferreira Laslosa.Informe o Sr. ins
pector da thesonraria provincial.
Antonio dos Santos FalcSo. Informe o Sr. di-
rector geral da instrucgao publica.
Anna Cathsrina de Bolonia.Informe o desem-
bargador provedor da Santa Casa da Misericordia.
Fredenco Miguel de Souza.Dirija-se Ihesou-
raria de fazenda.
Joo Nanos Correia.Dirjase ao administrador
do correio.
Manoel Felippe do Carino iiunes.Informe o
Sr. inspector da ihesouraria de fazenda.
13
Offlcio ao Exm. presidente da provincia da Para-
hyba.Xa primeira opportunidade sero trans-
mitidos ao Exms Srs. ministros da justiga e da
agricultura, comraercio e obras pulilicas os offi-
eios que para lerem esse destino V. Exc. ra'os
remetleu com o seu de 12 do corrente.
Dito ao coronel commandante das armas.Par-
licipaodo-roe o Exm. Sr. presidente da Parahyba
em offlcio de 11 do corrente, sob n. 4,817 ter dado
as convenientes ordens para que seja Iransj.orlado
para esta provincia na primeira oiM>ortunidade, o
individuo de nomo Guilhermino Cornelio de Souza
que tendo cumprido a pena a que fot condemnado
no termo do Pilar por criine de uso de armas de
defezas, declarou ser desertor do 2" batalhao de
infamara, segundo se v do auto de perguntas a
elle feilas, e que consta da copia junta ; assim o
cotninunico V. S. para seu conhecimento e di-
rcego.
Dito ao mesmo.Expega V. S. suas ordens para
que s 10 horas do dia de arnanhaa se aprsente
ao Dr. chefe de polica urna escolia de 6 pragas
alim de conduzr dous criminosos at o termo do
Iguarassu. Communicou-se ao Dr. chefe de po-
lica.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. S. de informar
acerca do que pede no incluso offlcio o capito di-
rector da colonia militar de Punenleiras.
Dito ao mesmo Transmiti V. S. para os lins
convenientes a inclusa guia do assentamentos de
praca do 2o cadete Joaquim Francisco de Paula
Reg Jnior, o qual assentou praga voluntaria-
mente na provincia do Rio Grande do Norte com
destino ao 7o batalhao de infantaria.
Dito ao mesmo. -Envo V. S. para ter o con-
veniente destino nao s a inclusa guia do desertor
do 2o batalhao de infamara Guilherme Cornelio
de Souza, como tambem a de soccorrimento da
praga que o acompanha, devendo V. S. fazer re-
gressar na primeira opportunidade a dita praga.
Dito ao mesmo. Fica approvado o ajuste que
segundo communicoume V. S. em offlcio de hou-
tem datado, sob n. 1,784, fez o coronel comman-
dante do forte do Buraco com um canoeiro paisano,
para mediante o salario diario de 800 res fazer o
servigo da condueco da agua potavel precisa ao
consumo do mesmo forte na canoa comprada para
esse fim.Communicou-se ao inspector da ihesou-
raria de fazenda.
Dito ao mesmo. Em vista do que informa a
contadoria da thesouraria de fazeuda no parecer
junio por copia, oenhum inconvenienle obsia que
sejam fomecidos pela pharmacia do hospital os
medicamentos de que precisa a enfermara da co-
lonia militar de Pimenteiras, urna vez que por par-
te do director do referid*1 bospital ou do delegado
do cirurgio-mr do exercito seja enviada qaella
reparligo urna nota de taes medicamentos, com
declarago dos respectivos precos, alim de ser a
respectiva importancia annullada na rubrica
corpo de sadee levada verba-presidio e co-
lonias militares.
Tenho assim resolvido acerca da materia do of-
flcio do delegado do cirurgio-mr do exercito que
veio annexo ao desse commando de armas de 3 de
maio do corrente anno, sob n. 803.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de expedir suas
ordens afim de que seja postada em frente da igre-
ja de Nossa Senhora do|Carmo desta cidade, urna
guarda de honra para aeompanhar a prucisso que
tem de sahir daquella igreja s 4 huras da tarde
do dia 15 do corrente.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Reslluindo V. S. o requerimento documentado
de Frederico Miguel de Souza, sobre que versa as
suas informagoes de 22 de oulubro do anno prxi-
mo passado c 29 de margo ultimo ns. 1,618 e 163,
'enho a dizer que, em compensado da falta que
se deu nos terrenos 168 e 168 A, arrematados pelo
supplicante eu hasl* publica e existentes na ra
do Pilar em Pora de Portas, mande V. S. passar-
Ihe titulo de aforamento, nos termos daquella arre-
mataco de quarenta palmos de terreno, que ainda
existe devoluto junto aos de que cima se trata,
visto que sena grave injustiga, e nao assentaria
em fundamento alguin jurdico, que reparando-se
o direito do supplicante com essa compensago, se
quizesso estabelecer clausulas, alheias as coudi-
g5es com que fui feita tal arreraatago.
Dito ao mesmo.Devolvo V. S. o requerimen-
to documentado, sobre que versa a sua informago
de 31 de agosto ultimo, sob n. 482, e no qual
Francisco de Souza Guerra pede pagamento do
aluguel vencido desde 10 de oulubro do anno pr-
ximo passado at o ultimo de junho deste anno, de
duas casas de sua propriedade que 9erve de quar-
tel ao destacamento de Villa-Bella, afirn de que,
nos termos do meu offlcio de 4 do correnle, mande
effecluar esse pagamento estando em termos os
documentos apresentados pelo supplicante.
Dito ao mesmo. Autoriso V. S. nos termos de
sua informacao de hontem, sob n. 588, dada coiu
referencia a da contadoria dessa thesouraria, a
mandar pagar ao alferes Francisco de Freitas Mo-
reno a quantia de 23430. prsvenienlo da etape por
elle abonada ao desertor do 2o batalhao de infama-
ra Jos Francisco dos Santos, capturado no termo
do Exu' como se v do pret, que devolvo em du-
plcala, e que para esse fim me foi remettido com
offlcio do commandante das armas de 4 de julho
ultimo, sob n. 1,176.
Dito ao mesmo. Transmiti V. S para o fim
conveniente, o incluso aviso de letra na impor-
i tancia de 1:000*000 rs., saccada pato thesouraria
de rendas da provincia do Rio Grande do Norte,
sobre essa e a favor de Manoel Rodrigues dos San-
tos Moura. Communicou-se ao Exm. presidente
da provincia do Rio Grande do Norte.
Dito ao mesmo. Restituindo a V. S. as duas
i inclusas cootas em duplcala que vieram annexas
j ao seu offlcio de 26 de julho ultimo, sob n. 380,
tenho a dizer em resposta, que, em vista das
j razes expendidas em meu offlcio de 4 do corren-
te, mande V. S. levar om conta ao collector da ci-
. dade da Victoria, a quantia de 22*600 rs., por
elle despendida com o fornecimento de luz e agua
| ao quartel do destacamento de 1/ linfa estacio-
nado n'aquella cidade durante os mezes de marc
e abril deste anuo.
Dito ao commandante do presidio de Fernan-
do.Tenho presente o offlcio de 14 de setembro
prximo Ando, em que V. S. solicita a sua exone-
rago de commandanto desse presidio pelos mo-
tivos, que allega, e que me parecen muilo plau-
siveis.
Nao me sendo, porm, possivel de prompto lo-
mear pessoa idnea, que o substitua, convm em
bem do servigo publico que V. S. continu nesse
commando a prestar os seus bons servigos, como
o tem feito no maior aprasimento deste gnvemo, e
economa e vantagens para os cofres pblicos.
Dito ao procurador fiscal da the.sour.ina provin-
cial. Inteirado do contedo do odelo que Vmc.
me dirigi em 8 do crreme, tenh* a diser em
respo-t.i, que appruvo o seu procedimemo pondo
embargos em vista dos motivos nelle allegados
a execugao do accordam do venerando tribunal
da relago da corte, que condemnou fazenda
provincial a urna indemnisago proporcional ao
lempo que faltava para preenchimento do con-
trato celebrado com Antonio da Silva Gusmo
para a illuminago desta capital.Junto achara
Vmc. a copia que solicitou do offlcio dirigido por
I um dos meus antecessores ao mencionado Gusmo,
em 26 de abril de 1859.
Dilo ao engenbeiro chefe interino da reparhgao
das obras publicas. Annuindo ao que Vmc. so-
licitou em offlcio 11 do corrente, sob n. 2790, au-
toriso a desligar do emirato celebrado nessa re-
partigo, com o empreiteiro lesuino da Costa Al-
bujuerque Mello os reparos a fazer-se as pontes
de Tacaruna e Arrumbados, na importancia de
551,5386 rs., em que foram orgados, e manda-Ios
exeeular por adminisira.;o como propoe no citado
offlcio, c de cooformidade com os dous orcamen-
tos a elle annexos ao valor de 3:0005000 rs..
visto reconhecer-se agora que taes ponles precisan)
de concertos muilo superiores aos indicados nos
orcamentos premittivos. Communicou-se ao ins-
pector da thesouraria provincial
loito ao direclor interino do arsenal de guer-
ra.Annuindo aoque solicitou o coronel fjinman-
dante das armas em offlcio de hontem datado, sob
n. 1780, recommendo Vmc. a maior ac ividade
na manufactnrago do fardamento branc que se
destina ao 9. batalhao de infamara, mand ido for-
necer por aviso do ministerio da guerra, i e 25 de
maio do corrente anno.
Dito ao mesmo.De conformidade com o pare-
cer da contadoria da thesouraria de fazend i, junto
por copia a que se refere a informacao do respec-
tivo inspector, datada de 12 de agosto ult no, sob
n. 590, mande Vmc. fornecer por esse arsenal os
artigos de vestuario, constautes do podido incluso
smente na parto relativa ao anno de 1863
1864, a que tem direito o sentenciado mi itar ex-
cluido, Maximiano Joaquim da Rosa. Conmuni-
cou-se ao commandante das armas.
Dilo ao mesmo. Fca approvado o contracto
que por copia veio annexo ao seu offlcio desta da-
ta, sob n. 143 celtbrado por Vmc. com ( mesire
do hiale nacional Seigtpano, Henrique Jos i Vera
da Silva, para o transporte de 3 caixoes contendo
urna ambulancia com deslino ao presidio le Fer- i
nando, pelo prego de 4*009 rs. cada um c lixao.
Communicou-se thesouraria de fazenda.
Dito ao conselho administrativo. Recoi iinendo ,
ao conselho administr?livo que compre tarafor-,
necimenlo do almoxarifado do arsenak-de guerra, i
os objectos cousiantes do pedido junto, sob u. I
94. Communicou-se thesonraria de fazenda.
Dito ao administrador do correio. Em vista do i
aviso da reparligo da agricultura, com ercio e
obras publicas, de 21 de setembro uliiiio, auto-
rise Vmc. o encarregado do telegrapho a idmittir
como seu ajudante Joo Nunes Correa, o qual
s ter direito ao respectivo vencimento, quando
substituir aquelle nos seus impedimentos, como
se deduz dosupra citado aviso.
Dito ao juiz municipal supplente do termo do
Ex.Respondendo ao seo offlcio de 4 d i setem-
bro ultimo, tenho a dizer-lhe que Vmc. < nao ao
juiz municipal do termo do Ouricury, -ompete
presidir o conselho municipal de recrs > desse
municipio, em vista do quo dispe o arl. 34, da
lei de 19 de agosto de 1846, o qual Vmc. guarda-
dos os prazos e formalidades da lei convoi ara ex-
traordinariamente para o dia 30 de noveml ro pro-
xim j vindouro, que para isso fica designad), afim
de tomar conhecimento das reclamages qae por-
ventura tenham sido desatendidas pela junta re-
visora de qualilicago dessa freguezia.Remenea-
se copia desle offlcio ao jniz municipal do Ouri-
cury.
Dito ao major director do laboratorio de Ipgcs.
Em resposta ao seu offlcio desta data, tenho a
dizer-lhe quo j se providenciou acerca Ido que
traa Vmc. em dito offlcio, segundo declaroh-mo o
coronel commandante das armas, em data de 8 do
corrente, sob n. 1766;
Portarla. Os Srs. agentes da compauhjia Bra
sileira de paquetes vapor, mande dar passagem
para a corte por conta do ministerio da guerra, misso de que o encarrego Como o I
r,rnai^AUK fSST" ',l0 T1""' ao soldado vo,u"- cond'C' rm. 'LSSJ,lh "lt 'l1 -n,arla- Js Pe5S(?.a da rand0 para tofesSM^W o receber a Divina u,ue
mnnLn -f """' (rfeono Gomes.-Com-, nsl.a desos de baplisadu, isto, nos das proxi-
munieoase ao commandante das armas. mos ao baptisrno.
Dita.Us Srs. agentes da companhia Brasleira | Mandei extrahir da Basilia Pontificia ludo o que
baptisrno
v prepa-
ina Eueha
de paquetes a vapor mandem dar transporte para
Cardilf Rrppler (10) para a Bahia :
o vapor Merman (20) para Pernam-
para o Rio ; d
e do Liverpool
buco.
O algodao de Pernambuco e do Maranho
fica, cm Inglaterra, a 28 i/2 d. por S. e o da
Babia a z7 d. por J*. O cacao do Brasil 41 s. 60 s.
o Oara, por conta do ministerio da guerra, no va-
por que_se espera do sul, ao soldado do corno de
guarnilo daquella provincia, Manoel Antonio,
Misa KfittrtttSK- 5~"f ksSmSSW k8
Sagwgag-. srsiss: i g ur.TJAa.arfa* va zs,
wspasyssBSL \ Ja s lshs& ax&&&&SR
de oiilnhro de 1801. phcacoes que remello. O d'esconlo no banco di Inilaierra coniima
Offlcmao coronel commandante das armas.- f** Cidade de Go.anna.-Sendo.U 8 eioj. sendo^
Os consolidados inglezes acham-se 88 1/4;
os fundos trnceles de 3 O/O 65 frs. 80 c. Os de
reZmh*an ,Z Zi^l^^ t '"T 3 ^nsleiros 101 ; os de 4 1/2 0/0 de 84
XmS^^^mA,tmWn^l,,',8S'>''iV'>rtm^ 3 0/0 a 47 ; os 3 0/0 hespa-
que remello por copia. > nnes m ,,s ;, 0/() m(MJ,.anos a 7/8 0 5
Offlcio ao Exm. Sr. presiente da Parahvba.- I VfffkJf- S W 0 ,C8r,dadS
to da reun.o do jury do termo do Texeira dessa ^ jon *mESSm BankTw'KSiotor 20
hi inn Z?? H.Fr0pn5 '?>r"ja d8^ de cone"! "' A fl"a d's consolidados inglezes a prova
honra de
metter a V. S., em saisfagao' exigencia comida i mandi*d* do SinliMtaw Sacramento dessa matriz,
em seu ofilco de honlem datado, sob n. 1779, o 'luxando-se de nao ter V. Rvma. dado execu-
inclusopassopara serem transoortados pela f^^J11^ despacho do da 20 de selemhro pro
va frrea, de Tromhetas al esta capital, os sol-
da.lns Jeronymo Jos Rodrigues e Caroliuo Manoel
do Nasclmento.
EDITAL.
2" ser"cao.Secretaria do governo de Pernam-
buco, 5deoutubro de 1864.
Pela secretaria do guverno se faz publico para
conhecimento de quem ioteressar possa, que se
, acham ett concurso os offieios de tabelliao do pu-
blico indicia! e nota, e cscrivao do civel e crime,
residuos e capellas do termo de Nazareth. creados
pela leiprovincial n. 589 de 9 de maio deste anno.
Os BWendentes devem apresentar seus reque-
rimentos no prazo de 60 dias, contados desta data,
e instruidos na forma do decreto n. 817 de 30 de
agosto de 1854, e do aviso n. 252 de 30 de dezem-
bro de .1834.
O secretario do governo,
Francisco de Paula Sallen,
ftOYIiltXU DO BIttP.llH DE
ii;iia; VHIl (O.
oulubro de 1864.
Expediente do dia 12.
Offlcio ao commandante do presidio de Fernan-
daF*i-me apresentado oni requerimento de
Edoaro Guilherme Menke, natural de Ilamburgo,
e sentenciado a qualro annos de priso nesse pre-
sidio, ihendo-me que, lendo raediado nos dogmas
e nos principios da rellgio calholica apostlica ro-
mana, lavendo estudado a sua doutrina, e estando
convencido de sua verdade desejava abjurar a sel-
la em niie al agora tiuha vivido, e abragar a nos-
sa rellgio calholica, nica, verdadeira, para o que
mo pedia que autorsasse ao Rvd. capelln desse
presidto. afim de que Ihe tomasse a abjurago e
Ihe rainistrasse o Sacramento do baptisrno.
Senjlmlo-iue feliz por ler mis urna occasio de
fazer entrar para o gremio da nossa igreja urna
ovelh* tresmalhada, despachei o requerimento.au-
lorisaodfe o Rvd. capello dessa filia para presidir
o icy-f-\ 'wr m,'o de offlcio nstrui o mesmo sa-
cerdote v q.. ffpvu fazei. rcmcitendo-llio a^rofs-
mo tem^ por copia todo o ceremo.u..i <> mfo
que a igreja ordena as conver?oes dos hereges ou
protestantes.
Nestas circumstancias, porm, corre-me o rigo-
roso dever de diriglr-me V. S., pedindo o seu
apoio e a sua valiosa roadjuv.igao, para que esla so-
lemnidade se faga com a pompa que a religio
prescreve, c que for possivel nesses erraos lugares.
As angostas ceremonias da nossa religio santa,
quando execuladas com a pompa e magestade que i
lhes propria. em um poder sobrenatural, que
comino ve e abranda os coracoes ainda os mais em-
pedernido?, faz entrar no!les a ronsolago e a espe-
ranca, e maltas vezes consegue o que as ameagas e
os castigos jamis poderiara obier. Aabjuracad,
pois, desse recem-converlido projiorcionar um dia
Je prazer aos companheiros da sua infelicidade, e
lhes mostrar mats urna vez que a nossa religio
igual para todos; que ella val levar a consolaco
ao infeliz em qualquor parte cm que elle se aclie,'
quer no meio das cidades opulentas, ijuer as
agrestes plagas do degredo: c que se esta religio
tem predi ledos, sao os que padecem neste mundo
pelas suas fraquezas ou pelas suas miserias.
E' pois, o meo pensar que quanto mais pomposo
for esse acto, mais (roclos de bengo se consegui-
ro para os habitantes desse presidio; ecertocomo
e gao de V. S., conhecendo que to exirenuo defensor
da nago brasileira nao pode deixar de ser um ze-
loso protector da religio de nossos pas, intima-
mente confio que V. S. se prestar a realgar com o
seu apoio, e com os seus esforgos o triumptu^ooe a
nossa religio obtem com a convt-rsao desse pro-
testante ; converso qne causar mais alegra no
co do que noventa e nove justos que perseveren)
na graga.
Dito aocapello do presidio de Fernando.Cheio
de jubilo pelos repetidos triumphos que continua-
mente obtem a nossa religio catholica, eu anda
mais me ngosijo quando estes triumphos sao obli-
dos nesta dioreseeno lempo do meu governo eccle-
siastico. Ainda ha pouco exultou de prazer a ci-
dade de Macei ao presenciar a solemne converso
de dous protestantes que, abjurando os seus erras,
entraran) para a nossa religio, nica verdadeira.
No dia 2 do corrente mez, dia da Virgem do Rosa-
rio, na matriz do Corpo Santo foi solemnsada a
festividade desta insigne Padrocira dos Chrislos,
desta especial protectora dos homens de boa vonta-
de com a solemne converso de um protestante
que seu recente amor para com a Virgen) do Ro-
sario all mesmo a toinou para sua madriuha.
Agora se me aprsenla mais um requerimento
em que Eduardo Guilherme Meuke, educado na
seita protestante, natural de Ilamb irgo, e actual-
mente cumprindo senlenga nesse presidio de Fer-
nando, pede para abjurar os seus erros e entrar
para o gremio da nossa religio.
E' bello ver como a graga divina se faz sentir
em toda a parle, sem escolha de lugares nem de
possoas. Eu, pois, aproveilando preesuroso mais
esta occasio que se me proporciona para abrir as
portas da igreja urna ovelha tresmalhada, bemdi-
zendo ao Altissimo por se dignar servir-se do ulti-
mo dos seus ser vos para to assignalado3 trium-
phos da nossa f, despachci o requerimento, aulo-
risando V. Rvm. para tomar a abjurago dos er-
ros, a proflsso da nossa f, e administrar o Sacra-
mento do baptisrno ao recem-cenvertido Eduardo
Guilherme Menke.
Informado como estoo do zelo e da cardade cm
que V. Ilyma. desempenha nesse presidio as func-
goes do seu ministerio, sei qae ha de contribuir
quanto estiver ao seu alcance para que este neo-
phito receba quanto antes o baptisrno, eeste acta se
faga com a pompa e solemnidadc compativeis cora
os recursos desse presidio. Nesta data me dirijo,
como do meu dever, ao Illm. Sr. tenente-coronel
expor, e que passa a providenciar sobre
isso como se faz mister.
Era nome, pois, da religio do paiz agradego a
V. Exc. a prolecgo que se digna prestar ao poder
ecclesiastico, afim de que a santidade dos nossos
templos nao seja violada nessa provincia.
Dito ao vigario do Teixeira.Bra data de 21 do
prximo passado, respondendo ao offlcio em que
V. Rvraa. me oarrou o facto de haver o juiz de di-
reito dessa comarca reunido o jury na sacri3tia e
igreja matriz dessa freguezia, Ihe parlicipei que
nessa data me diriga ao Exm. Sr. presidente dessa
provincia, pedindo-lhe se digoasse dar as provi-
dencias que o caso exig'a, alim de que nessa pro-
viacia se nao reproduzissem taes actos.
Agora, pois, Ihe participo que, tendo offlciado ao
mesmo Exm. Sr. presdeme, S. Exc. acaba de res-
ponder-me que toma na merecida consideragao o
que tive a honra de expr, e que passa a provi-
denciar sobre o facto, como se faz mister.
Dito ao Io secretario da asseinbla provincial da
Parahyba.Fico scienle de haver sido rejetado
pela asserabla dessa provincia, em sessao de 4 do
corrente, o projecto n. 19 do anno passado, do qual
trata o final do offlcio do Exm. fallecido bispo dio-
cesaoo, de 3 de fevereiro desle anno, respeto
dos limites a leste enlre as freguezias de N. S. do
Pilar e Taip dessa provincia. Sei igualmente que
com essa rejeigo desnecessaria se torna a remessa
do citado projecto, cerno V. S. pondera no seu of-
flcio de 5 do corrente, que fica respondido.
Dilo ao vigario de Goianna.Acabo de receber
o seu offlcio de 10 do correte, e para Ihe respon-
ment da irmandade do Saotissimo Sacramento, o
qual requerimento honlem remed por copia, orde-
nando-lhe que sera perda do lempo rae respondesse
sobre o que nelle se allega.
Espero que o faca, mormente na parte em que
so declara haver "sido apresentado a V. Rvma. o
meu despacho de 20 de setembro prximo pas-
sado.
Dito ao vigario de Aguas-Bellas.Tenho vista
os seus offlrios de 2 e 15 de setembro, aos quaes
respondo. L'ma vez que o nubenie Manoel Fer-
nandos de Souza roostra os proclamas corridos no
lugar da sua naturalidade, e se aprsenla livre e
desempedido, pode V. Rvma. assistir ao seu rere-
bimento.
Quanto s faculdades que V. Rvma. pede em um
dos citados offieios, em lempo conveniente respon-
der.
Devolvo os proclamas da naturalidade do nu-
benie.
EXTERIOR.
(KitESI0\t;\(IAS BO DIA
HIO K PKKX.IIHIXO.
LONDRES.
23 de serembro de 186 i.
A chegada da mala do Brasil pelo paquete de
Bordos trouxe para aqu noticias polticas do im-
perio de graude importancia em relago s nossas
noesldes com a repblica Oriental. Espera-so nes-
ta capital pelo prximo paquete a nolicia da oceu-
pago do territ rio oriental pelo exercito brasilei-
ro, visto como as folhas ingiezas annunciaram j
que o plenipotenciario do l'.ra-il ordenara ao exer-
cito imperial atravessasse a fronteira, e que o al-
mirante brasileiro havia procedido represalias
em Montevideo.
Mr. Ghristie, prevalecendo-se destas noticias tem
viudo atacar o governo imperial, a quem attribue
a mesma poltica, de que fuera uso a Gra-Breta-
nha no Brasil, mas contra a qual tanlo se queix-
ra c ainda se queixa do gabinete do Rio de Janei-
ro Nem as circumstancias sao as mesraas, nem o
modo por que o governo do imperador est proce-
dendo tem analoga com o procedimento da Ingla-
terra no caso da fragata Forle e do naufragio do
navio Pnnre of Walles. Seja, porm, o que fr,
teremos de solfrer muita guerra deste governo por
motivo da questo que ora temos com a Repblica
Oriental.
O Dxily-SeKS publicou ha dias que a raediago
.i", l-i .-i de Portugal no conflicto anglo-brasileiro
cessra, nao podeodo o mediador obter urna recon-
ciliago qualquer. Nada me consta nesse. sentido;
e se bem que me pareca que esse venha a ser o
resultado pela insistencia desle governo era inan-
ter-se no seu amigo campo, coratudo as negoca-
ges nao terminaran) por em quanto, porque nesta
quadra do anuo pouco se adianta aqu. O conde
Russell tem eslado na Escossia com sua magestade
a rainha, e porlanto nao tera tido occasio de pro-
seguir as negociages que enlabolara com o con-
de de Lavradio a respeto do Brasil. .
Foi afiaal nomeado um consol geral da Inglater-
ra para o Rio de Janeiro, recahindo essa nomeago
na pessoa do Mr. Bunch, que exercra cargo ana-
logo em Charleston, d'onde, se bem me record,
fra expulso pelo governo confederado por haver
contrariado a marcha dos negocios da Confedera-
Sao. Queira Dos quo no Brasil se conduza elle
e modo a nao peierar o estado das relages exis-
tentes entre os dous paiies.
Na ultima quinzena chegaram Inglaterra, de
commandante" desse' presidio, afim de que elle se I diversos portes do norte do Brasil, os seguntes na-
digne empregar todos os meios para que esse acto
tenha ahi o maior brilhantismo possivel.
No requerimento que me foi apresentado me de-
clara elle achar-se instruido nos principios e na
dontrip.a da nossa religio, e invoca era sea abono
o tes'emunho de V. Rvma. Eu, pois, confio na pru-
dencia de V. Rvma., e tudo espero do zelo e satis-
fagao com qne ha de trabalhar no desempenho da
vios : de Pernambuco, Bleng (9) Liverpool; de
Pernambuco Joseph Cape (12) a Liverpe !; do Ma-
ranho Trnnnph (16) Liverpool ; do i'.i' Cupid
(10) Liverpool : da Bahia Santa Ca. i) Li-
verpool ; e da Bahia Enos (21) I i-.. .J.
De Inglaterra seguiram para diversos portes do
norte do imperio os seguintes : de (lardiff Uruid
(10) para o Maranho; de Bristol Tlw Ptianton (14)
pos.
O principe e a princeza de Galles seguirn) com
effeilo para a Dinamarca, onde tem sido recebidos
com vivo enthnsiasmo. Suas altezas reaes se
acham agora em Copenhague ; mas deverau seguir
brevemente para Stockolmo, onde os aguarda a fa-
milia real da Suecia. Parece que os principes in-
glezes rao tambem Russia, devendo finalmente
fazer urna excursao Pars para vi>itar o impera-
dor Napoleo.que os convidou era nome da impc-
ratriz.
No raeio da pansa que a poltica exterior da In-
glaterra havia feito nesles ltimos lempos, sbrela-
do depois do encvrramenio do parlamento, appare-
ce de novo a questo diuaraarqueza para servir de
thema a lord Russell.
A impreusa de Londres tem publicado ultima-
mente um despacho do conde de Bismark ao re-
presntente da Prussia nesta corle, por meio do
qual o gabinete de Berln enrarregou aquelle di-
plmala de explicar no gabinete britannico as vis-
las moderadas com que em relago Dinamarca
pr..cedeu el-rei da Prnssia por occasio da asig-
natura em Vieiina dos prelimioares da paz. Apro-
veitando-se deste ensejo, lord Russell veio expro-
brar ao governo prussiaoo a dureza daquel las con-
dicoes, suggerindo ao mesmo lempo ao conde de
Bismark a conveniencia de se recorrer no Seh-
leswig septentrional ao suflragio popular para a
deciso da linha demarcatoria entre os ducados c
o reino da Dinamarca : c assim que o ministerio
britannico, sahendo alias que os adiados se acham
determinados a executar com dureza os prelimina-
res de paz assignados em Vienna, vem mais urna
** il^ii fks.*..**./. o /]'>">. -t.r.i.-.'t proteger f
Lord Russell sabe bellamente que as represenla-
Ces deste gabinete nao podeni ter influencia algu-
ma sobre as decUSes das conferencias de Vienna,
porquanto da recusa desse expediente pelos alija-
dos oenhum inconveniente pode resollar-Ibes, co-
mo a experiencia lhes tem mostrado em lodos os
incidentes da questo dano-allema. Assim, pois,
aquella suggesto do conde Russell, aconipanbada
da ceusura que elle irrogou ao gabinete de Berln
no decurso do seu despacho, lera apenas servido
para augmentar o discredito e al o ridiculo que
a discus>o do conflicto diuamarquez tem acane-
lado ao governo britannico, e c..m quanto vanas
folhas asseverem que o imperador Napoleo apoia
a Inglaterra naquella sugge>lo em favor da Dina-
marca, ningoem acredito fcilmente qae os gabi-
netes de Berln o de Vienna veuhain a acceder
aquella idea. Existe com effcito no Schleswig sep-
tentrional grande numero de Dnamarquezes, e a
facilidade com que o gabinete de Copenhague po-
deria alcancar all um vote favoravel, que deler-
minasse a linhado Apesurade como divisoria, im-
pedir por ceno que a Austria e a Prussia se ar-
risquen) a perder aquillo que j ganharam petes
preliminares da paz : estas duas potencias farn,
ao qoe se diz, varias concessoes polticas aquella
parte do Scbleswig, taes comoa continuago do
uso da lingua dinamarqueza as escolas bem co-
mo as igrejas, alera da promessa de una formal
garanta em favor daqoclles que se conservaren)
subditos da Dinamarca.
Todo o servco, pois, que o gabinete de Londres
poder prestar ef-rei Christano na conferencia
de Vienna, nao Ir alera deslas concessoes que tem
sido alias reclamadas pelos plenipotenciarios dna-
marquezes. Entretanto lord Ituss.ll careca cn-
cher papel com palavras vas, como esl habitua-
do a isso ; e por consogrante engendrou o despa-
cho a que alludo, e que tem apenas servido de
mo>trar mais urna vez a insnfflciencia deste gabi-
nete perante os conselhos das duas grandes poten-
cias allelmas I
O ministro ingle?, responder lalvez que a pa-
lavra do governo britannico tem sempre peso, e
que, pois, curapria-lhe solala ; mas o mundo po-
ltico nao ignora que essa palavra se acha desvir-
tuada pelos actuaes ministros da rainha, resullan-
d'ahi e desprezo com que ouvido : nesta mesma
queslo dinamarqueza as falsas promessas de lord
Russell, e as ridiculas ameagas do visconde de
Palmerston, vieram provar que a Inglaterra nao
quera actuar, pelo que as suas nsiniiages dnixa-
ram de pesar com aquella auteridade que alias
natural quando enunciada pelo governo de urna
grande potencia.
A Prussia e a Austria sabem que a Gra-Breta-
nha nao arriscar a paz por causa da Dinamarca,
o portante ouvem os conselhos do gabinete de Lon-
dres apenas por deferencia : e com este calibre po-
de bem ajuizar-se dauenhuma influencia qoe tara
em Vienna o despacho do conde Russell que fica,
alludido.
Os trabalhos da conferencia de Vienna prose-
guem lentamente, sendo que as qaestoes fsnancei-
ras parecem ser a causa de tanla demora. A Aus-
tria e a Prussia parecem haver exigido que o acti-
vo da monarchia dinamarqueza seja repartido com
os ducados, j que estes devem ficar sobrecarre-
gados com um forte passivo ; mas os plenipoten-
ciarios diuamarquezes sustentan) qoe jamis em
casos idnticos o governo cessionario se tem sub-
metlidoa tal condico. succedendo pelo contrario
que o territorio cedido passa sempre com um onus
proporcional. A Dinamarca parece firme ueste pro-
posito, que alias apelado oficiosamente pela
Franca e a Inglaterra ; e n<> rreio que os gabine-
tes de Berln e ,e Vienna venham a romper as ne-
gociaces da paz, delxando aflnal de ceder da-
quella pretengo.
Foi renovado no dia 15 1j corrente o armisti-
cio entre as potencias belligurantes, sendo prova-
vel que ao expirar o novo prazo de tres mezes a
paz se ache assignada ; entretanto alguns jornaes
dizora que as nogociagoes duraro alera desse lem-
po, e que a Dinamarca procura mesmo dilata-las
sflm de recomegar a guerra mais tarde. Quaes se-


.
Diaria le Perafene Segunda felra II e Outubro t i I.
riam pdrm as vantagens para el-roi Chrlsllano de
continuar urna guerra desastrosa ? Desamparado
pelas grandes potencias oecideulaes, pela Russia e
pela Su-Tin, a Dinamarca teve de sustentar a sos
urna guerra desigual, e esta desproporcao smenle
pude vencer a coragem da brava naci dinamar-
quezs entrelauto seria essa mesma oesproporcln.
i|ue no caso de urna prolongaeo da ma agora in-
terrumpida, havia de acarretar novos desasir* *
ra esse reino-mutilado, e esta circunstancia a re-
cejar nao uoder deixar de influir no animo de
el-rei Ghristiano em favor da concluso definitiva
da paz.
A renovaco das hostilidades poderia traz-r eve.u-
tualmente para a Dinamarca a perda da Jiitlanu ,
e o que seria feilo desa antiga munarrhia, seni
raais ossa provincia ? El-rei Chrisano ver-se-hia
talvez ubngailo a abandonar a coroa a el-rei da
Suecia, que boje representa o partido scandinayo,
expediento esse que de ceito nao convii a a sua dy-
XVereio, portanto, que o gabinete de Copenha-
gue entretenha veleidades de continuar a guerra,
procurando para esse lim sophismar as negociares
de Vienna ; parece-me .|ue a demora na conclusao
a paz provm simplesmtnte das dillieuldados in-
herentes solucio dos limito o importantes deta-
Ihc?, que se prndem com os preliminares da paz.
A imprenta dinainarqueta diz por sua parte que
el-rei Ghristiano deseja sinceramente a paz.
Outro assumplo que aqui tem merecido na ulti-
ma quinzena a especial allenciodaimprensa c dos
homens polticos, a relebraco em Paria no dia
15 do crreme d'uma convenci franco-italiana,
tendente a regular a evacuarlo de Roma pelas tro-
pas francezas.
Aimpren.-a ingleza temapplaudido um acto, que
vem aova mente consagrar o principio da nao in-
tervenclo proclamado era Villa-franca pelo impe-
rador Napoleao, lauto raais que essa applicacho te-
r desta vez lugar com rclacao Roma, contra cu-
ja oceupacao pela Franca a Gria-Bretanha protes-
tara ietnpre.
Segundo annunciam as folhas inglezas, a con-
venci de Parts marca o prazo de dous r.nnos para
a completa retirada das tropas da Franca de Roma,
devendo o governo pontificio organisar nesse meio
lempo una Curca puolica, com que ter de manter
a sua autoridad dentro dos limites que lhe consa-
gra a dita convenci e que consisiem na esphera
denominada Patrimonio de S. Pedro.. El-rei da
Italia obriga-se a respeitar e at a defender contra
a revolugio a soberana do Papa dentro daquelles
lmites; de modo que as tropas francezas, deixan-
do Roma, protegero com ludo a soberana do pon-
tifico.
El-rei da Italia -e obriga a transferir para Flo-
rencia a sede do seu governo, como ponto mais
central o conveniente a admioislraeio civil e mili-
tar dos seus estados; e comquanto provisoria, essa
ser a sede do governo italiano com a denomina-
cio de -capital da Italia.
Qual parece ser a grande vautagem desse acto,
que nao incorpora todava Roma na grande nago
sob o sceptro do rei patriota ? A consequencia
natural dessa transaecio internacional ser, que o
pontiflee romano entregue a suas proprias forras, e
convencido da sua msufficiencia como soberano,
ter mais cedo ou tarde de abandouar causa na-
cional o principio que elle huje contesta ; sendo
dernais que pela evacuacao de Roma, a Franca dei-
xar ao povo italiano a solucao de urna causa que
lhe e propria, consagrando mais urna ve- o princi-
pio da nao inlervcncao, Iludido alias at hoje pela
mesma Franca. A Inglaterra tem applaudido este
acto do imperador Napoleao, e com tanto maior en-
thusiasmo quanto ojreputa nocivo ao summo pont-
fice mesmo na sua qualidade de chefe da igreja :
todava a dnninuicao no poder papal sempre bem
aceita por esta potencia protestante.
A noticia da convenci de Pars foi recebida na
Italia com viva satisfacao, visto como esta parece
ser a nica solucao possivel por agora que possa
ter a questSo de (toma.
A populacao de Torio accolheu todava mal urna
nova, que a priva do privilegio do capital do reino;
e esse descontentamento acaba de traduzr-sc jem
actos de violencia, como annunciam para aqui va-
rios despachostele graphicos. Ao saber da celebra-
gao da convenci de Pars, a populaca daquella ca-
pital levantot o grito hostil ao ministerio que mo-
tivara aquella decisao, atacando a municipalidade
e vanos eslabelecimeotos pertencentes a alguns
jornaes que liaviam advogado a transferencia da
capital de Tarn para FIorenga. A autoridade te-
ve de iniervir com a torca armada para restele-
cer a orden, que. com leito foi restaurada com-
quanto a custo de alguns morios e feridos: a ulti-
ma hora o suceso publico se achava restabeteetdo
naqnella capital, se bem que existisse anda symp-
tomas de nina nova en se.
a convenci franco-Italiana nio havia comiudo
sido publicada por em quanto na Italia, era osera
-.j ,i_ ;.. vn nal, cuja convocacao acaba de ter lugar para 5 do
prximo mez.
Urna recente parte telegraphca do Turin annun-
ciou para aqu que el-1*1 Vctor Emmanuel encar-
regra o general La Marmora da fnrmacio de um
novo ministerio, parecendo haver as im querido
afastar do poder individuos que se tornaram anti-
pathicos ao povo de Turin; entretanto el rei parti-
cipou nesse acto, o qualquer ministerio futuro nio
querea por cirio desistir da misso, que o minis-
terio Mfnghetti acaba de emprehender
Assiin pois urna mudanca ministerial em Turin,
antes da reunio das eamaras, nao parece ter urna
explieacao satisfactoria, salvo circumstancias que
de longo escapan] a critica.
O principe Ilumbert, herdero presumptivo da
cora italiana, se acha actualmente nesta capital,
cujos estabelecimenlos pblicos sua alteza real
visita rom toda a minuciosidade.
O principe Humbert dever prolongar a sua
viagem ueste paz, a menos que as cirrumstanctias
polticas da Italia o forcem a regressar Turin
antes do lempo que havia fixado.
As noticias viudas do Per continuara a dar como
certo o intento do governo de Lima de oppr-se
oceupacao das libas Chinchas pela Hespanha.
Um outro navio cncouracadu havia sido lancado
ao mar em Callao, e a repblica augmentar todos
os seus armamentos com disposicao para as hostili-
dad es.
O gabinete de Lima inlerrompera as suas reta-
cos com o Equador, havendo o iniuistro peruano
deixado Guayaquil com destino Callao.
E' de noiar que o Equador flgurava ha pouco
como mediador no conflicto hispano-peruano, ain-
da que a faruldade dada pelo Equador ao almiran-
te Pinzn de abastecer-se nos portos da repblica
havia provocado reclamagoes do governo de Lima
contra o de Quito.
Esta divergencia de opiniao lera sido provavel-
mente a causa do rompimento que acaba de ter
lugar entre as relacSes polticas dessas duas rep-
blicas.
A recente mudanca ministerial que acaba de ter
lugar em Hespanha* e pela qual foi elevado ao po-
der o marechal Narvaez, duque de Valencia, nao
altern em cou-a alguma a poltica do gabinete de
Madrid em retacan questo com o Per.
O general Armero, novo ministro da marinha,
acaba de dar ordens para os arsenaes, aHm de que
novos reforcos sejam expedidos para o Pacifico; de
sorte que a lula parece eminente entre a Hespanha
e o Per.
Do Mxico consta que resto das forras de Ju-
rez, reunidas as visinhaneas de Matamoras, dera
batalha cxuedic,io franceza, consegrando derro-
tar essas forjas impenaes: entretanto essa noticia
eslava ainda por continuar.
O governo mexicano acaba per outro lado de
levantar o bloqueio dos diversos portos do imperio,
o que de rerto nao combina com o trlumpho das
armas republicanas naqurlle porto desse estado,
pelo que aqui neiihum juizo se tem formado quan-
to ao alcance que os inimigos do novo imperio
procurara dar a esse sucresso.
O marechal Bazaine dever regresar em breve
Franca, agora qne elle acaba de ser elevado no
mais alto po to do exercito francez.
Como sabido, Razaine assumira o commando
om chefe da expedicao franceza no Mxico depot?
3ae Forey fra promovido ao posto de marechal
e Franca.
As correspondencias do Mexioo annunciam que
o imperador Maximiliano designara j a pessoa
que deve ir ao Brasil em misso para annunciar a
sua elevacJo ao throno imperial.
Temos no iria< de New-Yorrk at 10 de setem-
bro, as ijuaes confirman) a occopaco de Stlanta
pelo general federal Sherman.
Hood, que se retirara d'ali com as forcas confe-
deradas, se achava fortificada a distancia de tnnta
milhas daquella praca, obngando por issoSherman
a retrir, logo que tivera em vista ataca-lo ali
depois da captura de Atlanta.
O almirante Farragut contlnuava a campanha
de Mobile, e a acreditar o que se espalhra cm
New-Vorrk naqnella data esse ponto se achava
intiinainenu entro as niaos do almirante fe-
deral, i
Grant e Lee renniam respectivamente numerosos
re (orcos na proximidade de Petersburg; pelo que
se suppunha eminente urna batalha entre usexer-
citos sob o commando de cada um desses gene-
raes.
O presidente Lincoln, que reclamara do citado
de iNew-York raais 5(10 mil homens, reduzira essa
cifra a tresentos mil, deixando ao mesmo tempo de
insistir de prompto pela execucao da lei do recru-
taraento.
A convencao do Chicago proclamara a candida-
tura do general Macclellam futura presidencia; e
esse general se declarara pelo restabelecimenlo da
unio como base de urna reconciliacao entre os
belligerantes.
vendia- o-JiOO ; o de Maeei de 3S-iOO a 3 5300.
Achavam-se carga : para iernambucoa
galera Mindello ; e para o Maranh; o a barca Al-
{red.. *
Baha.Depois de protestar peran e o presiden-
te da provincia pelo attentado commc tido contra o
vapor Flotilla, o comniandantc Morris fretou um
navio inglez para conduzi lo Inglaterra com o
resto da tripolaco.
Chegaram'procedentes de Pernaihbuco : 10,
a barca Amizade, com 3 dias; II, o(patacho hol-
landez Forleeck, com lea 12, a sumaca Harten-
cm, com 8.
Hoolkey, sua senhora e I (llho menor, Jos Morei-
rx, ioaquim Jos Rodrigues da Cunta, o capillo
Reppen e 4 trlpolantes naufragados do brigue no
rueguense Arma EUsabeth.
tai
PERNAMRUCrj.
DIARIO DE PER-AMRUCO
O vapor inglez Memnon, chegado hontem da Eu-
ropa, nada adiantou ao francez Bearn, por ter sahi-
do dous dias antes desie de Lisboa. Em os nme-
ros segnintes daremos as cartas de nossos corres-
pondentes, de que foram elles portadores.
Sabbado por tarde fundeou em nosso porto o va-
por inglez Magdalena, procedente do Rio e Baha,
alcanzando 9 as datas daquelle e 13 as desta.
Delles colhemos o que segu.
Rio de Janeiro.S. II. o Imperador, acompanha-
do de SS. AA. o conde d'Eu e o duque de Saxe e
de seus semanarios ajudante de campo marquez de
Caxias egeueral Cabial, do veador bario de Lages,
coinmandante do 1 dislricto naval e capitao do
porto, embarcou a 7 do corrente, s 7 horas e 50
minutos da mauha no arsenal de marinha, na sua
galeota vapor, e seguio para a lortaleza de S.
Joo, donde, depois de ter examinado os quarteis
e bateras e assislido ao exereicio de artilbaria e
fuzilaria, dirigio-se para a Boa-Viagem. Nao pu-
dendo aqu desembarcar pela muita ressacca que
havia, enuaminhou-se para a fortaleza de Gragoata,
e, tendo examinado as obras que nella se achara
07i andamento, desembarcou no arsenal de guerra
s i I horas e 30 minutos da manhaa.
Pelo ministerio da juslica foi expedido o se-
grate aviso :
i Foi presente S. M. o Imperador o oflicio de
39 de Janeiro ultimo, no qual V. Exc submette
deliberagas do governo imperial a consulta que a
essa presidencia fez o juiz municipal do termo da
Cachoeirase condemnado um reo oscravo a gales
perpetuas, e commutada pelo poder moderador essa
pena cm seis annos de prisio com trabalho, deve
o reo rumprir essa pena ou ser ella convertida em
aguutes, alienta a disposigio do art. 00 do cdigo
criminale o mesmo augusto senhor, tendo ouvido
o conseihero consultor dos negocios da justiga e a
seceo de justiga do conselho de estado, com cujo
parecer se couformou por sua imperial e immedia-
ta rdsolugao de i\ do mrz lindo, manda declarar
V. Exc. que em caso algum o admissivel que a
commutaco imperial se con verla em agoutes, por
isso que reduego da pena, de que trata o art. 60
do cdigo criminal, so vigora para seutencas, e se-
ria contra todas as r gras de direito querer appli-
ca-la aos actos do supremo poder moderador, em
quem reside um parte tal de direito legislativo
que nos casos marcados pela constituigao, dispensa
na propria lei; accreseendo que nem nutra intelli-
gencia se pode dar ao referido artigo, porquanto,
para que o reo escravo seja condemnado era acou-
tes preciso que elle incurra era pena que nao seja
a capital ou de gales, e na hypothese dada, elle in-
correu nesta ultima. Se o acto de clemencia ira-
rial commutou a gal em prisio, d'ahi nao se se-
gu que, em face da lei, o reo tivesse incorrido
nesta, e sim que houve commutaco, sendo mani-
fest, portanto, que a juslica ordinaria nio auto-
rizada pelo sobredito art. 00, era por outra qual-
quer lei, a substituir outra qualquer pena a que
ansia foi minorada. O que communico V. Exc.
para sua inlelligencia, e para que ordene ao juiz
municipal do termo da Cachoeira que compra, tal
qual foi determinado, o decreto que commutou em
seis annos de prisio com trabalho a pena de gales
perpetuas, em que foi condemnado o reo oscravo
Jacob. >
Da ordem do dia do quartel general da guer-
ra de G do corrente consta o segrate :
Nomeagoes.Do Sr. Carlos Febppe Rabello de
Mirauda, para pharmaceutico-alferes do corpo de
sade.Decreto de 30 de setembro ultimo.
Tenente do corpo de eslado-inaor de 1* classe
Luiz Pereira Dias, para ficar dsposigao do mi-
nisterio da agricultura, coramercio e obras publi-
cas, allm de ser emurcaado .na*, nhrv dV^H*
ua Graciosa, na provincia do ParanxEra 1 do
torrente inez.
Priraeiro teneute do corpo de engenheiros,
Jos Eduardo Barbosa, para substituir o Sr. lenle
do corpo de estado maior de primeira classe Luiz
Pereira Dias, no emprego que exercia de ajudan-
te do laboratorio do Campiuho.Ein 1 do corren-
te inez.
Alfcrcs do oitavo batalhio de infamara Agos-
tinho Jos de Andrade, para secretario do mesmo
batalhio.
Demissio.Por decreto de 30 de setembro
' ultimo foi concedida jo Sr. alferes do oitavo bata-
lhio de infantaria Joo Augusto Pinto de Almcida
a demissio que pedio do servigo do exercito.
Transferencias.Dos Srs. : alferes do nono
batalhio de infamara Calillo Jos Ferreira, para o
oitavo da mesma arma, e desle batalhio Manoel da
Silva Rosa Jnior para aquelle, como requere-
ram. r
' Licencas concedidas. Aos Sr?. capitao refor-
mado Manoel Pereira de Souza, para residir na
provincia do Para.
t Tiiento do nono batalhio de infantaria Manoel
Joaquim de Souza, quatro raezes, com sold e eta-
pa, em prorogagSo da com que se acha nesta
corte,
t Capellao alferes da repailcito eccleeiastica do |
exercito, padre Joaquim Eloy' de Medeiros, um
mez, com sold simples, para vir corle tratar de
negocios de seu interesse.
Segundo tenente do terceiro batalhio do arti-
Iharla o p Jos Chrysostomo Gomes da Silveira,
quatro mezes, para tratar de sua sade.
Segundo tenente do corpo de ariilharia do
Matto Grosso Joo Baptista Marques da Cruz, dous
raezes, com sold e etapa, para tratar de sua sade
na provincia do Rio de Janeiro.
Alferes do sexto batalhio de infantaria Julio
Augusto Carlos e Silva, 40 das para demorar-se
na provincia de Santa Camarina, onde se acha.
Alferes do corpo de guarnicio do Paran Joa-
quim de Campos Mello, analta mezes com sold
simples, para ir provincia de S. Paulo tratar de
negocios de seu interesse.
t Menagera.Foi concedida nesta corte aos Srs.
capitao Firmino Hercnlano de Sones Ancora e te-
nente Americo Rodrigues de Vasconcellos, ambos
do corpo do estado-maior de primeira classe, que
tem de responder o conselho de guerra.Em 6 de
setembro ultimo.
t Concessao de antiguidade do servico militar.
Ao Sr. alferes do corpo de guarnicao da pro-
vincia ne Minas-Geraes Miguel Antonio Duarte, o
tempo decorrido desde outubro de 1842 at 14 de
fevlreiro de 1846, em que servio ne extinelo bata-
lhio provisorio da mesma provincia, vislo achar-se
compreOendido as disposigoes da provisio de 7
de dezembre de 1835.
Designacao de reforma.A do Sr. major do
corpo de cavallaria de MattoGrosso Francisco
Jooquim Pacca no mesmo posto, vencendo o res-
pectivo sold na conformidade das leis do primeiru
de dezerobro de 1841 e 13 de juiho de 1833.-Pa-
tente de 30 de maio do corrente anno.
O Banco do Brasil eleveu a taxa dos seas
descontos a 10 0/0, para todos os ttulos commer-
ciaes e geraes.
A assembla provjncal devia installar-se 9
do corrente.
O thesouro nacional suspenden o receblmen-
to de dinhriros jaros, visto que, tendo de emittir
apolices, serviro ellas para o emprego dos capi-
laes. Durante o tempo, em que durou o recebi-
mento de dinheiro, entraram para os cofres.......
4,700:000j{00.
O cambio regulava : sobre Londres 27 1/2,
27 1/4, 27 1/8, 27, 26 3/4,2C 1/2 26 1/4 e 26 d. por
15000; sobre Franca de 342 ;i 360 rs.; sobre
Hamlmrgo de 638 670 rs.; e sobre Portugal de
107 110 0/0.
De I a 8 do corrente exportaram-se.......
64:517,5400 era euro em p e 386:0805460 em
mofda. sendo 141:4565 para Southampion,...
1-245460 para Lisboa e 444:3005 para o Rio da
Prata.
O assncar branco de Pernambuco, 1* sorte,
REVISTA DIARIA.
Na sexta fra noute suecumbie o ter. Guilher-
inino de Albuquerque Martins Pereira, escrivo
do Tribunal do Lommercio.
E' una perda sensivel para sua familia e para os
sens amigos ; pois era o finado de bellas maneiras
e digno de estima por seu carcter peana!
Por maiores quo fossem os esforgos a medicina
e os desvelos da familia, de tudo zora x>u a mo-
lestia, que em poucos dias arrebatou-o aos affec-
! tos de sua esposa idolatrada e de seus lilhos que-
ridos.
De S. Jos de Mipib, provincia da1 Rio Gran-
I de do Norte, acabamos de receber queixas do Sr.
j Liberal Moreira Vidal no sentido de ni|o receber
os Diarios de sua assignatura, que lhe iio remet-
[ tidos por nos com toda a pontualidade. ]
Que semelhante facto nao procede dWta empre-
za, nao carecemos de repeti-lo, servnilo-nos de
testemunho o proprio correio desta cidalla.; e por
isso solicitamos administragao daquelb provin-
cia que haja de providenciar para se nao repet
rom laes acusos em olfensa do servigo publico e
detrimento dos particulares.
Remettem-nos o seguinle, pedindo sea pu-
blicagio
Acha-se a freguezla de Gravat debaixo de
grande pnico occasionado pela reaego completa
operada na polica respectiva desde o subdelegado,
seu- siippieutes al o ultiui i inspector de quartei
rio, islo as vesperas da eleicao que all se man-
| dou de novo proceder 7 do corrente. Essa nova
| po'icia auxiliada do urna forga de mais de daten-
tos homens, entre soldados do corpo de polica e
paisanos, comegou a cercar as casas dos sus pac-
ficos adversarios polticos com grande osteniacao
desde o dia 6, raister em que se emprvgou durante
os dias 7, 8 e ainda depois, ameagando-se empre-
gar contra eidadaos pacilicos toda a casta de vio-
lencias. Achava-se a povoaeo como uma praca
d'armas, e as estradas emplqueladas, nao obstaute
a clcgio ter sido feita bico de penna, com ex-
clusao dos otiposicionistas, tanto conservadores
como I ibera es.
No sabbado passado encerraram-se os Ira-
balhos do anuo lectivo da Faculdade de Direito.
O quinto anno, depois de eleger tranquilla e re-
gularmente a mesa, que ficou composta djos Srs.
Jesuino Jos de Freitas presidente.; Mandel Ro-
drigues de Arruda Cmara 1* secretario e Benvin-
do Pinto Lobao 2, procedeu eleicao para o
I orador, e foi por maioria absoluta eseolhicty o Sr.
Joo Jos do Monte Jnior.
No dia Io do corrente devia sabir da Liver-
pool para o nosso porto o vapor inglez Qutdtattr,
de 72il toneladas.
Os devotos de S. Francisco de Assis celebra-
ran! hontem a fasta do seu padroe ro, ua igreja de
S. Jos de Riba-mar, orando ao Evangelho i> Rvm.
i Leonardo Grego e ao Te-Deum o Rvm. Antonio de
j Mello e Albuquerque.
Na matriz do Corpo Santo celebrou a rjespec-
; ti va irmandade, a festa do Senhor Bom Jess dos
' Passos. O templo eslava elegantemente orpado o
foi muito visitado noite.
No sabbado os terceiros carmelitanos festeja-
ram a sua padroeira, Santa Thereza, com pompa e
bnlhantismo. A' tarde percorreu diversas ras a
procissio, que esteve bella.
Foi jubilado, com o ordenado proporcioaal ao
tempo de eiercicio, o professor primario da cida-
i de da Victoria Joao de Moura Florencio.
Comegou hontem o trabalho cleitoral para
joixea de paz, na freguezia de Santo Antonio, aican-
: do assim organisada a meza : presidente Joaquim
Antnuio Carneiro ; secretarios Siqueira Cava/cante
e Francisco da Silva Reg ; escrutadores Antonio
Augusto da Fonseca e Jos Francisco Carnclijo.
A mesa deliberou haver uma commissio de cada
: partido para assislir aos trahalhos. A Jo nigres-
sista compoe-se dos Srs. Drs. Maximiano .afiliado
e uo'JPlIas, Cae tao Silverio, Veras e Mkr Ph1" : a do ronror-odor Jos ai s. urs/Angelo
llerlques, Jos Luiz Pereira e Bartholomel pue-
des de Mello; a do liberal dos Srs. Drs. J. de
Figueiredu, Godoy e Alves Ferreira, Luiz C. Car-
neiro de Lyra e Joao da Cunta S. Guimaries.j
Procedeu-se a Ia chamada, sera a menor dsin-
telligencia.
Reparticao da polica.
(Extracto das partes do dia lo de outilbro
de 1864.
Foram rccolhidos casa de detencao no da 14
do corrente :
A' ordem do Dr. delegado da capital, Jos Anto-
nio, Ayola Brrelo, como criminoso em furto de
escravos, Rosa e Antonio menor de 6 anuos, escra-
vos de Anna Dorolhea de Moran, por terem i ido
fuados, e Antonio escravo de Antonio de Siq let-
ra Cavaleanti, sem declaracao do motivo.
A' ordem do subdelegado do Recife, Antonio e
Victorio, escravos este de Balihar & Oliveiitae
aquelle de Jos Joaquim Fernandes, ambos re-
querimento de seus ditos senhores.
A' ordem do de Santo Antonio, Manoel Fernan-
des dos Santos, por briga.
A' ordem do da S. Jos, Feliciana Maria da Con-
ceicSo, Agripina Maria de Santa Anna. Senhorinha
Mara da Conceigio, e Maria Cecilia de Albuquer-
que, todas por briga.
A' ordem do da Capunga, Joaquim Ignacio dos
Santos, por briga.
O chefe da 2= secgao,
J. G. de Mesquita.
Movimento da casado detengo dodia 14 de
outubro de 1864.
Existiam....... 364 presos.
Entraram...... 12 >
Sahiram....... 10 >
Existem.......
A saber :
Nacionaes.....
Mulheres......
Estrangeiros...
E-trangeira ...
Escravos......
Escravas......
346 .
276
7
15
2 >
41
7
348
Alimentados a cnsta dos cofres provinciaes 145
Passageiros entrados no vapor Parahuba, viu-
do do Aracaj e portos intermedios :Dr. Jos^
Francisco Lima Filho e 1 criado, vigaro Pedijo
Alexandrino N. Amaral, Francisco Jos da Cunha
Nunes, Ventura Jos Martins, Antonio Alves Te-
xeira Franco, Joo Arthur de Mendonga, Claudino
Jos Fmuriredo, Lourengo Jos de Araujo, Fraqi
cisco de Souza Machado, Pedro Correia Vieira,
Francisco Cantoso Rabello, Rosalino Jos Sereno,
Francisco de P. Oliveira, Joaquim, africano livre,
sua mulher, 1 alunada e 1 escrava, Francisco, afa-
no livre.
Passageiros do vapor inglez Magdalena, vn-
do do Rio e Baha :Eduardo H. Braman, George
Eduard Bruck, Joo Ferreira da Costa Soares,
Henry Law, Joao Francisco Maristany, Joao Julio
Offman.
Passageiros do vapor inglez Memnon, vindo
de Liverpool e Lisboa :George W. Elliott, John
Richard Statham, Meyer Mamlock.
fassagelros sabidos no vapor francez Brarn,
para o Rio de Janeiro e Baha .Joaquim Caval-
eanti de Albuquerque Jnior e Alfredo Miranda
Pinheiro da Cunha.
Passageiros do vapor brasileiro PWmmLsabi-
dos para os portos do norte :Soldados Domingas
G. Vidal e Manoel Antonio, Augusto Bernard Blan-
di, Fr. Beuto do Monte Carmello Flore* e 1 escra-
vo, D Carolina Gugdale, Cherubino Bandieri, Joo
da Rocha Santos Jnior e 1 criado, D. Juan Mello,
Frederlro Sander, Jos Pedro da Costa. Francisco
Jos da Cunha Sampaio, Francisco Ferreira de No-
vaes, Andr Gomes da Silva, Dr. Joaquim Moreira
Lima, Juio Jos Correa, Jos de Azevedo Andrade,
Jos Gomes de Araujo Quintella, padre Targino, e
Domingos Henriques de Oliveira.
Passageiros sabidos no vapor Magdalena :
E Bolton, Justino Rodrigues de Souza, Francisco
Rodrigues Lopes, W. E. Skelton e 3 filhos, H.
PBLIGAgOES A PEDIDO.
Illra. Sr. PinheiroMeu amigo. Li cora verda-
deiro enthusiasmo o seu artigo de hontem, sobre a
obra do Sr. E. Renn, e assegurolhe que subi
finalmente V. S. at aonde o poda conduzr o seu
merecimento 1 Est feito V. S. o aecusador do Sr.
Renn, e posto que nao possa elle ouvi-lo por se
acnar a grande distancia de V. S., com tudo folgo
em dizer-lhe que, V. S. a lingua da justica para
os condemoados, e mal iria a sociedado se nao
bouvessem Itomens entendidos como V. S. para
esclarece la I
Portanto, dou a V. S. muitssimos parabens, por-
que saber oceupar esse cargo, com os meamos
merecimentos que o conseguio I... Sim, senhor,
todos es que conhecem V. S. como sabio, applau-
dem por tal modo a sua eloquencia que os para-
bens, rebentara espontneos, medrara, dilatara-se,
mullipltcam-se, e ho de por ftm dar fructos sazo-
nados e saborosos, gragas a boa qualidade da se-
ment I
E' muito justa a novidade desses parabens, por-
que so V. S. (sem lisonja o digo) tem fundamen-
tos proporcionados para confundir a verdadeira
historia que o obrigou a escrever sobre Renn !
S V. S. comprehende o artificio de corabater a
directora do Gabinete e o conselho, a ponto mes-
mo de nio deixar a menor duvida em seus argu-
mentos Prmeipibus placttisse viris non ultima
laus est: euraeu amigo ja naosei applaudir.e nao
farei raais que rogar a V. S. para que coutinue a
Iluminar os socios do Cabinete Pnrtuguez com o
i ni menso pharol da sua illustracao !...
Sun, senhor, V. S. di mais a considerar do que a
ler, e tem razo,pois queninguemraelhor queV.S.
conhece a uberdade do terreno em que labora.
Tenho pena em nao saber francez, para Idr o Vol-
taire e outros muitos de que V. S. falta, exposlos a
leitura dos socios do Gabinete Porluguez, pelas
directoras transadas, para tambera poder chma-
los impos, impiissimosl
E pois, comparo a sua importante coraposigao,
s matronas quo s vettem gravidade, e nao s
donzellas que se ataviam de enfeites! Sao raros,
rarissimos, aquelles que como V. S. deseobrom o
segredo de escrever; mas escrever somente para
os seus iguacs de um modo elegante e pomposo,
deixaudo as trovas a lodos aquelles que liveram
anfeliiidade de nio aprenderem o francez em
pequeuos 1
Muito bem faz V. S., muitissimo bem 1 Ha pes-
soas que ignorando rauto, suppoe que nada igno-
ram, mas ainda neste ponto V. S. cumpre o dever
de pugnar pelo seu intelleclo I Nio obstante a
mxima parte dos socios do Gabinete Portuguez
serem desculpados por V. S. por nio saberem o
francez, nem poderem nunca vir a sabe-lo I
Desculpe V. S. a extenso dos meus parabens,
e releve a ousadia com que ergu at V. S. estes
olhos peceadores. e enlrei n"um assumpto de tanta
gravidade, por quanto como diz o meu secretario,
ou anda estou no berco porque nao sei fallar, ou
prucipio a andar porqae fallo muito mal I
Basta que V. S. comprchenda a sincera ventada
que tenbo de agradecer o seu servigo como socio
do Gabinete Portuguez.
Deas guarde a V. S. por muitos annos. Seu ve-
nerador e criado
Ordrage.
14 de outubro da 1864.
Salsa de Bristol.
O grande purifleador do saugue.
A nica preparacao original e genuino para a
cura radical dos mais perigosos e confirmados ca-
sos de escrophulas ou mal do re, cliagas antigs,
leicensos, tumores, abeessos, ulceras e todas as
qualidades de erupgoes escabrosas e escrophulosas
a legitima salsaparnlha de Bristol, preparada por
Lanman & Kemp.
E' igualmente um remedio certo para rheuma-
tismos,empigens, tinha, escorbuto, tumores areos
e aHeccoes nevralgicas, debilidade geral e nervosa
do systma, falta de apetite, languidez, tonteiras,
e todas as molestias do ligado, febres, febres bilio-
sas, frios e ictericia.
O melhor, e emfim o nico remedio certo para a
cura de todas as molestias provenientes de um es-
tado impuro e viciado do sangue.
Os que soffrem destas molestias podem estar na
certeza que nio tem a menor partcula do substan-
cias mineraes, mercuriaes, ou outro qualquer ve-
neno nesta medicina.
Ella inteiramente innecente, e pode ser loma-
da por pessoas no maior estado de fraqueza ou as
mancas mais delicadas sem Ins causar o menor
mal.
E' preciso acautelar-se contra as tres falsifica-
roes e imitagoes que existem, pedindo a legitima
salsa de Bristol preparada nicamente por Lanman
<& Kemp.
venda em casa de Caors & Barbosa e J. da C.
Bravo & C.
um
>
libra
>
um
dem torrado....... libra
Cabros......... um
. Cal........... arroba
dem branca..... *
Carne secca (xarqae) .... >
Carneiros........ um
i Carvo vegetal...... arroba
Cavernas de sicupira .... uma
Cera de carnauba em bruto. libra
dem dem em velas ....
Cha..........
Charutos........ cento
Ccvados (porcos)...... um
Cocos (seceos)....... cento
Colla......... bra
Couros de boi, salgados ... *
dem dem seceos espichados.
Mon dem verdes ...
dem dem cabra corlidos.
dem idem de onca .
Doces seceos.....
dem em gela ou massa.
dem em calda ....
Espanadores grandes .
dem pequeos....... >
Esteiras para forro de estivas
de navio........ cento
Estopa nacional...... arroba
Farinha de de mandioca. alquere
Mem de aramia..... arroba
Feijae de qualquer qudlidade. t
Frechaes........ um
Fumo em tolha, bom .... arroba
dem ordinario ou restolho
dem em rolo bom...... >
dem ordinario ou restolho
Gallinhas........ uma
Gomma......... arroba
Iperacuanha (raiz)......
Lenha em achas...... cento
Toros.......... ,
Linhas e estelos....... um
Mel ou melago....... caada
Milho.......... arroba
Papagaios........ um
Pao Brasil........ quintal
dem de jangada...... um
Pedias de amolar..... uma
i dem de filtrar......
dem de rebolo.......
Piassava......... molho
Pontas, ou ehifres de vaccas ou
novilhos........ cento
Pranchoes de amarello de dous
costados........ um
; dem de louro.......
Rap.......... libra
Sabio.......... t
Sal.......... alqueire
: Salsa parrilha....... arroba
I Sebo em rama.......
dem em velas........
Sola em vaqueta...... uma
Tabeas de amarello..... duzia
dem diversas.......
Tapiocas......... arroba
Tatajuba......... quintal
Travs......... uma
Unhas de boi....... Cento
Vassonras de piassava. ...
Ditas de timb......
Ditas de carnauba.....
Vinagre......... caada
440
360
280
500
35206
15W00
15000
85000
250
300
15500
25300
155000
45000
600
165
240
100
330
105000
15000
320
300
45000
25OOO
135000
15600
25000
45000
15800
55000
145000
85000
850B0
55OOO
600
25500
255000
25000
115000
85000
240
900
35000
35000
35000
800
45000
15000
120
35560
205000
105000
15000
120
400
255000
55000
75000
25800
1405000
805000
25800
25OOO
G5000
200
105000
85000
O50OO
500
cional Parakyb*, de 102 toneladas, commandan-
te Martins, equipagem 20.
Rio de Janeiro e Babia-6 dias, vapor inglez Mag-
dalena, de 1,617 toneladas, commandante Wool-
ward, equipagem 118.
Rio Grande do Sul34 dias, escuna dinamarquesa
Oberon do % toneladas, eapitao P. H. Grare,
equipagem 6, carga 8,908 arrobas de carne sec-
ca ; a Maia & Espirito Santo.
Liverpool por Ijsboa22 dias do primeiro porto e
17 do ultimo, vapor inglez lrV-mnon, de 927 to-
neladas, capitao E. Jotinston, equipagem 37, car-
ga faxeiidas e outros gneros ; a Saunders Bro-
thers & C.
.Vr'os sahidos no wusmo dta.
Rio do Janeiro BabiaVapor francez Bearn, com-
mandanle II de Sumer.
Cear Escuna hanoveriana Emslaiul, capitao
Brant, em lastro.
U10 de JaneiroPatacho dinamarquez Adonis, ca-
pilio Oulinann, em lastro.
Bernaire Patacho americano Fanmj Lincoln, ca-
pitao Hardi, em lastro.
Para e portos intermediosVapor brasileiro Para-
n, commaudanie o capitao de fragata Santa
Barbara.
Navio entrado no dia 16.
Montevideo18 das, sumaca heopanhola Fidela.
de 127 toneladas, capitao G. Mltt, equipagem
10,carga 3,257 quintae hrspanhes de carne: a
Pereira & Carneiro. Este navio arribou com agua
aberta, e seu destino era Havana.
Navio sabido no mesmo dia.
Southamptsn e portos intermediosVapor inglez
Magdalena, commandante Wolward.
EDIT1ES.
Alfandega de Pernambuco, lSdeiutubro de
1864.
(Assignados):
O 1." conferente, Antonio Carlos de Pinito
Borges.
O 2." conferente, Carlos Augusto Lins.
Approvo. Alfaudega de Pernambuco, 15 de
outubro de 1864.A. Eulalia.
Conforme.O 3. escriplurario, Joao dos Santos
Porto.
fteccbedorla de rendas interna*
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 1 a 14........ 14:5405499
dem do da 13................. 8805243
15:4205745
Consulado provincial
Rendimento do dia la 14.........
Idero do dia 15..
25.5975260
1:4475386
27:0445810
SQMMERCIO.
Cotacdes ofllciaes.
PBA^A DO RECIFE
15 11E OUTUBRO DE 1864
Cambios sobre Londres 90 d/v. 27 I18 d. por
I5OOO.
Dubourcq Junior, presidente.
**uimaries, secretario.
Alfandega
Rendimento do dia I a 14........ 496:5475333
dem do dia 15................. 40:6435633
637:1925966
ffovlmento da alfandega
Volames entrados com fazendas... 124
* c cora gneros... 295
Volumessahidos com fazendas... 318
com gneros... 478
419
690
Descarregam no dia 17 de outubro.
Barca ingleza Vision mercadorias.
Escuna ingleza -Zampadera.
Patacho haraburguez.Mana -dem.
Hiato portuguez Pensamento diversos gneros.
Patacho hespanhol Vicente vinho.
Irnpoi (ac o.
Vapor nacional Parahyba, entrado dos portos
do sul, maoifeslou :
De Macei.
1 caixo lvros ; a Ignacio F. S. C.
1 dito drogas; a Jos Paulo daFonccca.
De Penedo.
393 meios de sola ; a Nunes & Martins.
3 saceos farinha, 2 ditos milho, 2 ditos arroz
de casca ; a Francisco de Paula Andrade.
17 laus oleo de ricino; a Chaves & Vianna.
asaceos faijo, 1 caixe ovos ; ao desembarga-
dor Doria.
1 barrica cora 4 arrobas e 25 libras de cera de
abelha; a ordem.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
pauta dos piwco dos gneros sujeitos a direito bk
bxportacao. s km a.na de 17 a 22 de outubro
de 1864.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Abans- ....... cento 15300
Agurdeme de cana. .... caada 890
dem resillada ou do reino > 800
dem caxaca......... 400
dem genebra....... >
dem alcool ou espirito de agua-
arden te. ........ 1
Algodao em, caroco..... arreba
dem em rama ou em lia.
Arroz coa casca......
dem descascado ou pilado
Assucar niaseavado. .... 1
dem branco........ <
dem refinada......
Azeite de anendokn ou mende-
( bim......... caada 25000
dem de coco........ 15600
deui de mamona..... > 800
Batatas alimenticias. .... arroba 15200
Bolacha 01 diara, propria para
embarque....... 1 35000
dem fina........ 1 MOGO
Caf bom........ 85000
dem esoolha ou restolbe ... > 75000
PRAQA DO RECIFE
1. IpE OUTUBRO BE Stt-f.
AS TRES HORAS UA TARDE
Revista semanal.
Cambio........Saccou-se sobre Londres de 90 a
100,000 a 27 y, 27 '/2,27 J/8, nio for delinitivainente julgada
800
900
35250
2I5O00
15509
25800
2520O
45400
3510
27 Vi. 27 e 28 yg d. por 15000,
sobre Paris 50U00O fr. de 343 a
346 rs. por fr. e sobre Lisboa de
90 a 96 por cento de premio.
Algodao........O de Pernambuco, antes da che-
gada 1I0 Magdalena, vendeu-se da
225OOO a 245000 por arroba,
hoje n;io consta que houvesse
vendas, mas honveram offertas
de 185 a 205 por arroba; de
Macni, posto a bordo, vendtram-
se 300 sarcas a 205 a arroba, e
da Parahyba as offertas nao pas-
sarara de 215 a 225 por arroba.
Assucar........ As nitradas foram poncas, em
consequencia das ms noticias
que vieram eprovavelque bai-
xe ainda mais.
Agurdente..... Vendeu-se de 735000 a 805000
a pipa.
Couros......... Os seceos salgados venderam-se
a 165 rs. por libra.
Arroz.......... O pilado da India vendeu-se
de 25500 a 25600 por arroba, e
o do Maraonio de 25 a 15800.
Azete doce..... Vendeu-se o de Lisboa de 25700
a 25800 o galio.
Bacalho.......Vendeu-se em atacado de 145000
a 145300 por barrica, e a reta-
llio de 155 a 135500.
Batatas.........Vendeu-se a 700 o ggo.
Bolachnha...... Vendeu-se de 35700 a 35800 a
barriquinha.
Carne secca.....A do Rio-Grande do Sul vendeu-
se de 150OO a 45OOO por arro-
ba, ficando em deposito 118,000
arrobas, c a do Rio da Prata de
25800 a 35200 ; ficando em de-
posito 16,000 arrobas.
Cha............ Vendeu-se de 25000 a 25400 a
libra.
Caf...........dem de 75 a 85000 a arroba.
Cerveja......... Vendeu-se de 55500 a 55800 a
duzia de garrafas.
Farinha de trigo. A de Philadelphia e New-York
vendeu-se de 135 a 155 por bar-
rica, a hespanhola a 155 e a de
Trieste a 225 ; Picando em depo-
sito 5,000 barricas da primeira,
5,000 da segunda, 600 da lercei-
ra e 5,000 da qnarta.
Dita de mandioca Vendeu-se de 45000 a 45500 o
sacco.
Louca..........A ingleza ordinaria vendeu-se
de 335 a 340 por cento de pre-
mio sobre a factura.
Manteiga.......A ingleza vendeu-se de 900 a
940 a libra, e a franceza de 580
a 600 rs.
Passas..........Venderam-se a 85000 a caixa.
Presuntos.......Os do Forto venderam-se de
135500 a 145000 a arroba.
Qneijos.........Os flamengos venderam-se a
25300 cada um.
Sabao..........O inglez vendeu-se de 135 a 140
rs. a libra.
Vinagre........O de Portugal vendeu-se de 1055
a 1155 a pipa.
Vinhos___'.___Os de Portugal venderam-se de
20050OO a 2205000 a pipa, e os
de outms paizes de 1855000 a
1905O0a
Velas..........As de rorapesico foram vendi-
das de 520 a 540 rs. o pacote de
6 velas.
Descontos.......O rebate de letras regulou de 9
a 10 or cento ao anno.
Fretes......... Pelo lastro 10 a 15 para Liver-
Peraote acamara municipal desta cidade es-
tarioem praca nos dias 14, 17 e 19 do corrente
para serem arrematados por qnem mais elferecir
as sepuinles rendas municipaes :
Imposto de 80 rs. por carga de farinha
e legumes vendidos nos mercados p-
blicos desta capital.....3:2-105000
Imposto do mascates e Boceteras 151.15000
Alngueis da casa da Soledade, annual-
mente.........1455000
Aquelles que pretenderem arrematar as men-
cionadas rendas deverao apresentar-se nos indica-
dos dias, manidos de flanea idnea, e habilitados
na forma da lei.
Pago da cmara municipal do Hcci/e 12 de ou-
tubro de 1864.
Luiz Francisco de Barros Reg
Presdeme.
Francisco Canuto da Boaviagern
Secretario.
A cmara municipal desta cidade fax publi-
co, conforme recommenda o art. 105 da let de 19
de agosto de 1846, que tem de proceder no dia 19
do crrente a apuraco geral de votos para os ve-
nadores que devem servir no fororo quatriennio
de 1865 a 1868.
Paco da cmara municipal do Recife 12 de ou-
tubro de 1864.
Luiz Pranrisco de Barros Reg
Presidente
Francisco Canuto da Boaviagem
Secretario.
ODr. Ernesto d'Aquino Fonseca, eavalheiro da
ordem de Christo, juiz de orphaos e ausentes
da cidade do Recife e sen termo, por S. M. o
Imperador, que Deus guarde, etc., etc.
Fago saber quem o conhecimento deste edilal
pertencer e delle tiver noticia, que Manoel Joa-
quim de Lomos e Vasconcellos, como legitimo ad-
ministrador de sua mulher me dirigi a petico do
theor seguinle ;
lllm. Sr. Dr. juiz d'orphaos. Diz Manoel Joa-
quim de Lemos o Vasconcellos, que tendo como
legitimo adminislrador de sua mulher proposto
accio de prodigalidade contra Domingos Yaz da
Costa Agr, succede que nao obstante tem o mes-
mo SOgro do supplicante continuado fazer lesivos
negocios ; e porque, naturalmente a cansa de con-
sumir tempo certo que seja julgada definitivamen-
te para evitar males de futuro, que cumpre remo-
ver de prompto requer V. S. que se sirva man-
dar passar edltaes de prevencio para <|ue ninguem
contrate e faca negocio algum com o dito sogro do
supplicante. Pede V. S, defenmento.E. R. M.
Manoel Joaquim de Lemos e Vasconcellos.
Nada mais se continha em dita petico, a qual
sendo-me apresentada nella dei o despacho do
theor seguinle :
Como requer. Recife, 3 de outubro de 1864.
Aquino Fonseca.
E para que ninguem contrate e faca negocio al-
gum com o predito Domingos Vaz d Costa Agr,
sem previo consentimenlo deste juizo. oinqua'nto
accio de prodl-
galidade que |iende permite este mesmo juizo con
Ira o mesmo Agr, mandei passar o presente edi-
ta! que ser afTixado nos lugares do coslume, pu-
blicado pela imprensa depois que liver pago o sel-
lo nacional e transitada pela chancellara do supe-
rior tribunal da rclacao do districto.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 9 de outubro de 1864.
Eu, Floriano Correia de Brito, escrivo, o fiz
escrever e subscrevo.Ernesto d'Aquino Fonseca.
pool, pelo algodao / por cenia
Navios entrados no dia 15.
Acarac e porios lntermedios-30 horas, vapor na-
SantaCauda M'sericoNia d> Hecife.
O Illra. Sr. thesoureiro da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife maHda fazer publico que no dia
22 do corrente, pelas 9 horas da manhia, no galio
da casa dosexpostos, far pasamento das mensali-
dades vencidas do Io do juiho ao ultimo de setem-
bro prximo lindo as arats que se apresentarem
aeompanhadas das enancas que lhe esto confiadas.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia de
Recife, 14 de outubro de 1864.
O esenvio,
A. F. Cavalcami Coussciro.
A reparticao das obras publicas compra :
4 travs de 70 palmos de comprimento,e 10 sobre
12 polegadas de grossura.
4 ditas de 40 palmos de comprimento e 10 sobre
12 polegadas de grossura.
As qualidades de madeiras aceitaveis serio :
massarandoba, barab, pao d'arco, sicupira verda-
deira, sapucaia de pilio, po-ferro e piti-marfim.
Reparticao das obras publicas 14 de outubro de
1864.O secretario interino,
Manoel Lourenco de Mattos.
Directora das obras militares.
A directora das obras militares tendo de man-
dar proceder a caiacio o pintura de barra as
paredes do quartei do Hospicio, para o que ue-
cessario grande concert em rebocos, convida
pessoas que deste servico se quizerera encarregar,
apresentarem suas proposlas nos dias 17, 18 e
19 do corrente mez na dita directora, das 10 ho-
ras do dia ao meio dia.
Directora das obras militares de Pernambuco
15 de outubro de 1864. Luiz Francisco de Paol
de Albuquerque Maranhao,
Amanuense.
'oiisiilitilo de Portugal
Sao convidados os credores do finada subdito
portuguez Fortunato Ferreira da Silva a apresen-
tarem suas contas dentro do praso de 8 dias. Re-
cife 17 de outubro de 1862.
Conselho ailiuinistrativa.
O conelho administrativo para fornecimenlo do
arsenal do guerra tem de comprar os obten
seguintes:
Para a companhia de cavalharia.
20 sellins.
4 enxadas.
6 paes de ferro.
Para o arsenal de guerra.
18 espadas de parnahibas.
Quera qaizer vender laes artigos aprsenla soa
propostas em carta fechada na secretaria do conse-
lho administrativo s 10 boras da manhaa do dia 19
do corrente.
Sala das sessoes do conselho administrativo par
fornecimenlo do arsenal de guerra, 12 de ootonr
de 1864.
Antomo.Peiro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebastwo Jos Basilio Pyrrko,
Vogal secretario nterin.
CORREIO G RAL.
Relatas das cartas seguras viadas sai pelo
vapor Magdalena para es sentares aaafct
declarados :
Abreu & Veras.

llLEGVEL
i



/
Dififu fle l'cra
. .
bae b^ttiida tetra i? de Ontubro ic I i.
Antonio de Castro Alves.
Francisco Prisco de Souza Paraizo.
Francisco Xavier 4a Sil* Menoonca.
tulherme da Silva Gnimares.
Dr. Innoceccio Seraphiro de A sis Carvalho.
Manoel M-tiimino dos Santos Torres.
Mauoel Martins Piuza.
Thereza Mana de Jess.
Cartas do sul
recomnieadadas para os Illins. Sis. :
Dr. Cicero Alvares dos Santos.
Dr. Francisco Justiniano Catar Jacobina.
Francisco Jos Marti us Peona.
Fr. Ludnvico do Mazanno : no Forte do Mattos nu-
mero 1.
.
LElfilO
1>E
EMPREZA
GEBJUM) A C01MII1A.
QUARTA-FEIRA, 19 DE OITURRO DE 1864.
Nao pode haver recita oeste dia, em consequen-
cia dos preparativos para o magnifico drama sacro
original de grande espectculo, em 3 actos e 8
quadros :
OS
SABBAIK), 22 DO CORRENTE.
Todo o scenario, vestuario, accessorio e machi-
nismo novo e preparado por habis artistas.
Os aiinunew rrrumstanciados serao em lempo
publicados.
R'Cebem-se desde j encoramenilasde camarotes
e cadeiras uo escriptoi o do theatro.
MISOS MAMTIM05.
COMPANHIA PEItNAMBUCANA
PE
IVavegaco costeira vapor.
Paran* ba, Xatal, ilaco, Arara11 ('.cara 6
A carac'.
O vapor Persinunga, comman-
danto Ralis, seguir para os por-
!p/l^^.,os cima no dra 22 do corrente s
y horas da tarde. Recebara carga
Sal o dia 21. Encommcndas, pas-
sageiros o dinlidroa (rete at o dia da sahiila s
: iioras da tarde : escripiorio no Forte do Mattos
n. 1._________________________________________
CO.MrA.NHlA PERNAMBCANA
DE
TCaregaeo costeira a vapor.
'aman aiv.llana Grande, Porto de Podras,
Camaragibc e Macei.
O vapor Mamanguape, comman-
dante Moma, seguir para os
porlos cima indicados no dia 2o
do corrente s o horas da tarde.
_IlVrel,ei carga at o dia 2i. F.n-
oommeudas. passsgeiros e dinheiro a frute at o
.lia da saluda s 2 horas da tarde : escriptorio
no Fono do Mattos n. 1.
excellentes escravos de 18 e 19 an-
uos, beoitas liuras emu liahi la-os
proprias para qualquer servico.
Terca-feira 18 do corrente.
Cor del ro lines
autorisado por urna pessoa de su amisade vende-
r em leilo para pagamento os escravos cima.
O leilao ser effeetaade s 11 horas em frente do
armazem dos Srs. Pajmeira & Bcltrao.
iva mesma occasio se vender outros escravos
pele maior prego ao correr do martello.
ESTRADA DE FERRO DO RECIFE AO S. FRANCISCO.
Tabella que tem de regular as horas de partida dos tren* de passagelro* do i; de nevembro
ItW) at segundo aviso.
de
estacOes
tltNH.U
Esiabr-lerimeiito de caf e bilhar da
ra Nova u 67, cm seus perlences
Quarla-feira 19 de outubro.
O agente Pinto ar leilao precedida a compe-
tente autorisaco do estabeleciniento de caf e
bilhar da ra Nova n. 67, o qual se torna recom-
mendado por ser mu frequentado e acreditado na
venda de bilhetesde loteria> ; s 11 horas do dia
cima dito no referido estabelecirosnto.
Cinco Pontas (partida)
Afogados ....
Boa Viagem .
Prazeres ....
liba.....
Cabo ......
Ipojuca. .
Olinda.....
Timb Ass ...
Eseada.....
Frexeiras ....
Aripib.....
Riboiro ....
Gamelleira
Cuyambuca .
Agua Preta .
Una (chegada).
Tmi:.as i-ah v u i\n:iioik
las < ti-n
halliu
II M
T.VRHK
II.
10
16
28
:i
Si
&
pe
9 re!gios, 5 qoadros, 1 civa com
ferramentas e urna concertina
Quarta-feira 19 de oulubro
ra Nova n. 67 casa de bilhar e caf.
Domingos e
ti i.-i* fcnntoN
HANIlAA
7.
7
7
7
8
8
8
9
1)
9
io;
10
10
II
'li
12
M.
:to
30
49
ao
20
43
37
12
27
44
12
30
49
12
32
M
20
TAllliK
II.
23
30
42
48
18
30
ESTACOES
M (partida)......
Agua Preta.......
Cuyanibuca.......
Gameleira........
Hibeiro.........
Aripib..........
Frexeiras........
Eseada..........
Timb Ass......
Olinda....... ..
Ipojuca..........
Cabo...........
liba............
Prazeres.........
Boa Viagem ......
Afogados ........
Chico Pontas (chegada)
TMSNB DO IV1KUIOH
l>Hf* i- irt-
ballio.
Man I a \
TAHHK
II.
M. II.
30
46
12
20
33
46
N
10
36
58
10
.19
38
16
47
13
;ioj
48
4
30
38
51
/(. Aiutin, superintendente nterin
Domingos V
lias Aun I un
HAMIAA
II.
M.
38
4G
59
10
i ai. i r.
li
1.
20
18
7
13
48
7
CASA DA rOBTtlU
AOS IO:000.0(IO
liilhec garantidos
A' ni dii Crespo 11. 23 e casa de casta*
O abaixo assignado vendeu nos s-us milito fcli-
I tes biihetes garantido.- da lotera que se acabou
de extrahir a bcooflcio da matriz de Oaruani, t>
segulotes premios:
X. I7 tres .piarlos rom C. 000*000
N. 1572 uin nteir 1 cun ot**OO
E ontras militas de 2005, 1003, 40* e 12*.
lossidoro* fiodem vir recebar sem os n-
Os
eon.os das leis ua Casi da Fortuna ra Jo Lrc--
po n. 23.
Acham-se venda os da quarta parte da ler-
ceira lotera a beneficio da San Ca-.i da Miseri
23 cordia, que se exlralur 110 dia li d.- outnbro.
Prcf.
Biihetes inteiros..... 12*000
Meios......... 6ooo
Quartos........ ;{000
Para as pessoas qaa compraren
de 100* para cima.
Biihetes........ 11*000
Meios......... 3*800
Quartos........ 2*750
Manuel Martn* Ftitzt
ti
39
57
13
40
48;
1
10
LEILAO
IIK
MOVIS
M.icliinas para costura, pia-
nos, livros de litteratura,
cofres de ferro, crystaes e
outros muitos artigos.
Qaarla-feira, 19 do correule s 11
horas.
iiiiiazi'm rna da Cadeia do Recife b. 48.
CordeiroSimoes far leilo por conta e risco de
quem pertencer de 1 mobilia de amarello, 1 cama
franceza de ceregeira, 1 dita de amarello, 12 ca-
deiras genovezas, 1 sof de faia, 1 forte piano, 2
burras de ferro, diversos livros de litteratura, 1 es-
pelho.lquartlnheira, 1 lavatorio, 2pares dejarros, 2
: caedeeiros a gaz, 6 cadeiras de amarello, 1 sof, 2
I cadeiras de balanco, 1 commnda, 2 mesas para jan-
: tar, 2 candelabros, 1 santuario de Jacaranda, e ou-
I tros muitos artigos du gosto, que se torna enfado-
nho mencionar.
Na mesma occasio vender um cavallo andador
para ambas as sellas.
AVISOS DIVERSOS.

COMPANHIA SHASILIA
DE
PAQUETES A VAPOR.
azul
Dos portos do norte espera-
do at o dia 17 do corrente o va-
|Kir Oqapock, com mandante An-
tonio Marcelino de Puntes Ribei-
ro, o qual depols da demora do
o siimie segmra para os portos do sul.
Desde ja recoljein--c passageiros eengaia-se
earga que o vapor poder conduiir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada: encom
insndas e dinheiro a frete at o dia da sahida s 2
auras, agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
A ntonio F^uiz do Oliveira Azevedo & C.
Ararat).
0 hiato S.mla Rila sabe para o Ararat} : a tra-
tar rom Tasso Irmaos.________________________
Baha.
O hfate Doms IrmJba sabe para a Oahi : a tra-
tar com Tasso Irmaos.________________________^
, Para a Babia pretende sahr em pouces das
de A/.evedo, por ter parte da carga tratada : para
,i resto da carga que lito tai a trata-se CODJ os con-
signatarios Pahneira & Ueltrao, largo do Corpo
Smo ti. 4. prinii'iro andar.
Aos 10:OU$IK).
Salbado22 do corrente mez, se extrahi-
r a quarta parte da terceira lotera (112a)
a beneficio da Santa Casa da Misericanlia,
no consistorio da igreja de Nossa Senhora
do Rosario da freguezia de Santo Antonio.
Os biihetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesouraria rna do
Crespo n. 15.
Os premios de lOrOOO^OOO at 200000
sero pagos urna hora depois da extraccao
at s 4 horas da tarde, e os outros no dis
segainte depois da distribuico das listas.
Serondo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
LEILES.

0 cirurgiSo Leal mudou
a sua residencia da ra do
Queimado para a ra das
Cruzes sobrado n. 36, pri-
meiro andar, por cima do
armazem Progressista, aon-
de o aeharao como sempre
prompto a qualquer hora pa-
ra o exercicio de sua pro-
fss&o, chamadq por escripta,
Salsa parrilha de Ayer
PARA A CURA DA
ESCRFULA
e todas as molestias
provenientes dekla
todas as molestias da
pe le
eherysipellas, tumores, ulceras,
samas,
nascidas, emplnyens,
REUMATISMO
sil-mus
em todas as SHas formas, assim como lodo
o mal que provm do uso excessivo do
MERCURIO
Ulceraeo do ligado
e em sonata todos os males que tem sua
origem na
IMPUREZA DO SANGUE
E tim alterante poderoso para a
RENOVACiO DO SANGUE
e para dar nova forca e vigor ao corpo ja
enflaquecido pela doenca.
Vende-se na rna Direita ns. 12 e 70 e
Hospicio n. 40.
Vende-se em Pernambuco:
na pharmaela franceza de
P. IYIAURER & C.
RA NOVA N. 18._______
Precisa-se de una ama que saiba engnmmar
para casa de dnas pessoas : na ra do Hospicio
numero 4A._______________________________
Aluga-se o sitio das Mangatn'iras, na cidade
de Olinda, na ra do Bom Suceesso. com bastantes
arvores de fructo, e urna boa cacimba de agua para
beber, com urna grande casa de sobrado : a tra-
tar na rsa Direita dcsta cidade do torito n. 09, e
na cidade de Olinda a tratar com os Srs. Luiz Jos
Pinto da Costa, ou Jos .N'unes de Paula.__________
Aluga-se a casa da roa do tfondego n. l,,
propria para familia : quem pretender, dirija-se
ra da Mangueira n. 20, para tratar.
Arrenda-se um sitio no lugar de Parnamei-
rim, rom boa casa o bons conimodos para familia,
lerrono tolo rercado com pos de frucleiras do di-
versas qualidades, capoeira, e urna baixa para ca-
ptan, arrenda-se por anno ou per festa : quem pre-
tender, dirija-se ao l'asseio Publico, l<^a n. 7, que
achara com quem tratar.
Precisa-se de dous amassadores de masseira
que entendam perfeitamente do fabrico de pao e
THE
CEARA (NORTH BRASIL) WATER COMPANY,
L. I ni TE
INCORPORSA SOB A LKI DE ASSOCIACfJES MI TI A DE 18C2.
(apUaMi st 60,0"0, mG/'iiu aeces de Ib st.iQ cada urna
Depositando 10 s. por cada acfo pedida e lib. st. 1 e 10 s. quando forera distribuidas.
As seguintes chamadas nao excederoa lib. st. 2, cada tima, nem puderaoser feilas com nter-
lio menor de tres metes.
Juros de 6 % ao anno pagaveis aos accionistas at a conclusao da obra.
Directores.
i VfILUAM FHAiVCIS DOBSON. Esq. Bearsted llousc, uear Madstone, (presidente) director da compa-
rta dasDocas e armazens, de West Londou.
: J( IIX CLABK, Esq. 3, Dunsler Court Mlncing Lae.
J. MES DAWSO.N, Esq. 2, Biliter Si|uare, London, director da companbia Metropolitana d>- Se-
guros.
T IOMAS GEORGE PARDELL, Esq. 0, Monlagu Place, MonlaguSquare.
\\ ll.l.lA.M JESSE, Esq. Maisonette. Ingatestone, Essex.
JOI1.N W1LLIAM STUDART, Esq. V. cnsul de S. M. Britannica, no Ceari.
i AUGl'STl'S WEHNER, t-sq. Lime Stree, director do banco Europeu : Liirfilado.
genheiho ALFRED T1IOMAS COOK, Esq. 3, Bridge Street, NVestminstur.
.mimtadokks MESSRS. \V. v II. P. SHARP, 92 Gresham House.
O BANCO, EUROPEU, LI.M1TAUU, 83, King William Slreet. E. C. e seus Filiaos no
Continente.
MESSRS A. & \V RICARDO, 11 ngel Court Throgmorton Street.
3, inj.NSTER COURT, Miticiog Lae.
M.HEinOS
A remiso familiar do corren'e im-z kv
luj'ir na noitedo tlia 19.
Club Pcrnatiilrtiraiio. 10 de onluhrn ib-
if*^'. O emprendo,
__________________P. i. \A)mt.
AlOfa-se o siti> que fui d i Im.i.to Homing'>-
A. Gomes Guinaifies, m> Cal.-'.-ircir... confronte a.
do Sr. Dt. Jus Bernardo Galvin A!cfirado a
! tratar com T. de Aquino Fensera iunior. roa do
Vigarfo n. 3, primeiro andar.
Ao publico.
0< abaixo assiffoada derlaiam ao respeffavel
publico e ao i-orpo do comaercio que comprara
a taberna do patea da riheirii de S. J >.. n. f prr-
tenrente ao Sr. Jos da Silva Santos, nio rev
ponsabilisa por i>ebito algum dVpoi< destes rr a-
nuncios. Recife li de oulubro de I8B4.
_________________ Silva & Carvalho.______
Deseja-srt fallar aos Srs. J"a.|ii7nT Ponte* fe-
reir Lima e AniOBioJoaquin P.rch-a da 9ira
neg-cio de seus incresses : na ra da Ci M i
.'>7, primeiro andar, ou alguem que driles tiref pn-
ticia, o obsequio de as dar no lugar cima
ctfo.
ccniiECTonEs
ESCniI'TOlUO
Joaqnim Jos Rodrigue* da Crina,
potingue, retira-se para Lisboa no protiinota
qnele Ptgilalena.
O porto a cidade do Oar a sede do governo da rica provincia ou capitana do Coar gran- Atngam-se duas casas a inarem do 55e>
de ao norte do Brasil, e e>t situada em lat. 3." 41' e 10" S. e Loug. 38 2 t Oeste de Grenvv, o Oara i ribe no lugar da Torre, sendo intiirameni fres-
e rodeado por um terreno arenoso, e sem exagerar, na maior parte do anuo o clima pode ser conside-
, radosecco. Sendo a capital de urna provlnria florescente o lugar de uiniommercio que vai crescendo
ra (idamente ; e a residencia de um crescido numero de pessoas abastadas, pelas quaes ha muito lempa
: etttFda a falta de agua iiotavel.
A capital e seu termo, contm rnais de 30,000 habitantes, como consta dos ltimos relatnos
do governo provincial.
A a^ua supprida pelas chovas bem raras, e pelas carimbas, cuja agua em consequencia de
; drtinagens, lillrai;o do mar, etc., no verdadeiro sentido da palavra nao potavel.
Ein urna distancia rasoavol da cidade acham-se na propriedade do Sr. Jos Paulino Hoonholtz
denominada Bem-ficauin giande numero do olhos d'agua o diversas cacimbas as quaes durante o
lempo mais seceo se tem conservado com agua.
A agua dotas cacimbas reconbecida por todos ser a melhor; e nao olistaMe a distancia da
cidade, e grande despeza com'o transporte, tem sidocousumida por agellas pessoas que podem man-
da-la buscar.
Desejoso de remediar a grande falla d'agua de boa qualidade, o governo provincial eoncedeu
a Jos" Paulino Hoonholtz,urna coneesso com previlegio exclusivo por cincuenta annos para supprir a
cid3de com agua potavul ao pteCO de 20 ris por caneco de tres e meia caadas vendidos nos chafarizes, (
e le 40 ris conduzidos s casas, sendo este preco o mesmo que adoptado por outras companhias de
af na no imperio do Brasil.
A Cear (Xorth Brasil) Water Corapany, Limited nao ter competidores e o governo provin-
ci il conceden mis o direito de supprir s repartieres publicas, quarteis, fabricas, e casas particulares,
etc., por meio de penna d'agua.
Para levar a effeito esta concessao a Cear (North Brasil) Water Company, Limited, acaba de
ser definitivamente incorporada na praca de lxmdres.
O concessionario tem de(>ositado em poder da companhia as necessanas transferencias do
(irevilegiOL e mais documeutos, sendo :
hvredominio do terreno que comprehende as cacimbas e olhos d'agua, e assim mais oque
fr necesario paraos obras dos rosfervalorios, galeras,etc.
iiiilomiiisacan para o concessionario ser de 1,000 acroes de lib. st. 10, cad una, inteira-
nieuie ^i3rs, perccU'do juros durante a cuiislruceo, e dividendo par ptttm como as mais acroes
pagas, poniu nao pndrrao ser trausferidas ajg)MLi O contratu para a con>lioceao da obra ja ea eneciuauo por urna quainm iuju< v -i"1"
eintratarlorobrigon-se a receber lo'% emaeges da companbia) incluindo todas as despezaprelimi-
nares at a incorpor.-.cao da companhia.
O engenheiroda companhia em seu regresso do Cear dea seu parecer da maneira mais fa
cas e com famosa agua paja >b v-M : r.u.ir i
ra da Roda n. 18.________
O pharmaceiiiico Anoni> Luiz di. Corta,
Rio de Janeiro, deseja saber notlri >> de um IMIms
Luiz e Carlos, para minlstrarlhes recurso* pe
niarios escientilica-los da sua boa succ -sio
encommodos porque tem passado : na ra
Oueimadc n. 32, se informara.
i., i..
Aluga-se o qnarlo andar da casa >iia a i
Nova n. 21 : a tratar na mesma roa n. lja
cha.
Na ra da Cadeia do Recife n. 55, prime*-
andar, tem una carta para o Sr. Antoni) Manuel
da Conceico.
Precisa-se do dons homen que f>n'--ndam do
servico de copeiro : na ra da Aurora n. ."!2.
COMPBAS.
Importante leilao
DE
:, solas de amarello, 8 consolos com lampos de
p 'dra, 2 ditos de Jacaranda, 30 cadeiras de Ja-
caranda, 4 cadeiras de bracos, 4 ditas estufadas,
Si moxos com palhioha, 24 bancos com palbi-
ribas e divisoes de ferro, 24 ditos sem encost, 8
estantes pan masica, \grandes estrados, 8 ca-;
leiras decouro,2 mesas grandes com gavetas,'
2 escadas, 3 lustros 19 arandelas e maugas, re-
posteires, galeras, columnas, assoalho da platea,
dito do palco tota machrnismo, bastidores, pan-
nos, vistas, gabinetes, pannos de bocea, roupas
e outros muitos objectos de senario.
WMB.
No theatro d'Apollo.
0 asente Pinto autorisado pelos proprietarios
la casa denominada Theatro d Apollo, far leilao
-le todos o* objictos cima indicados pertencentes
ao mesmo theatro, < 10 horas do dia cima dito,
uo referido theatro.
DE
Uma mobilia de Jacaranda com um 6of, 1 mesa
oval, 2 consolos com tampos de pedra, 2 cadei-
ras de bracos, 2 ditas de balanco e 12 ditas de
suaraico, 1 mobilia de amarello com 1 sof,
1 mesa redonda, 2 consolos, i cadeiras de bra-
. os, 12 ditas de guarnicao, 1 candelabro, 2 pares
de jarros dourados, 4 quadros, 1 espelho, 1 ta-
lle, i caisa de msica, 1 ewellenle mesa par*
alvogado, 1 cama franceza do Jacaranda, 1 com
moda de magno i lavatorio com pedra e espe-
lho. i sof 6 cadeiras de amarello, 1 mesa de
jantar, 1 banca com gaveta, 1 dita de cosinha, 1
cama de ferro e 2 venecianas.
IIOJE
O agente Pinto far leilao por conta de nma
pessoa que se retira desla provincia de todos os
movis cima mencionados existentes no salo do
liieatro d'Apollo, aoade haver kilao de todos os
nertences do mesmo theatro.
Principiar as 10 horas.
Vende-se na praca da Independencia n. 39, toja
de Antonio Augusto dos Santos Porto, capellas
n ortuarias de gostos mais modernos, que tem
vindo at agora para se botar em tmulos e cata-
cumbas no cemiterio publico no dia de finados,
com as esenpeo'-s segnintes: meu esposo, minha
esposa, meu pai, minha mi, neu til to, minha li-
Iha, saudades sempre vivas, amisade, uma lagri-
ma ; desta qualidade nunca vieram para serem
tendidas tiesta provincia.______________________
Aluga-se um primeiro andar pintado de novo
com bastantes commodos, na ra da Imperatriz, e
uma toja propria para taberna, na ra de Borlas :
a tratar na mesma n. 106._______________________
Na ra da Senzala Velha n. 90, procisa-se
de nma ama para coziahar. ___________________
asa para lugar na ra d Crespo
Aluga-se a principiar em Io de Janeiro prximo
futuro o sobrado de tres andares da ra do Crespo
n. 9 : quem pretender, dirija se ao estabelecimen-
todaloja do mesmo sobrado, ou uo de n. 13 da
mesma roa.
Atten#io.
LEiue
DE
Anda existe na ru estreita do Rosario n. 31, c
na villa do Cabo, em casa do Sr. advogado Jos
Paulo do Reg Brrelo, alguns escravos e escravas
de campo, com habilidadeesem ella, tudopor pre-
co coromodo.____________________________
Precisa-lede uma ama de leite queseja cui-
dadosa e tentia muito e bom leite : trata se e pa-
ga-se bem : na ra do Brnm o. 84._____________
Alaga-se a casa terrea n. 46 da ra da Con-
ceicjio : a tratar na roa do Queimado n. 32, toja.
Precisa-se de uma ama para cozmhar e com-
prar : na ra das Cruzes ff. 9, segundo andar.
Anda est para alugar-se a boa casa
terrea n. 39 ra da Unio.
PREDIOS
O agente Almeida competentemente autorisado
faru leilao de 4 casas terreas uma na fu do Rosa-
vio n. 13 com duas portas de frente e nma no oi-
lo, 2 sala*, 3 quartos, cosinha fra, quintal c ca-
cimba; outra na ra dos Prazeres n. 3 co*m porta
anella, 2 salas, 2 quartos, cosinha fora, quintal
< cacimba; duas na ruado Cotovello ns. 37 o 91,
r-om porta e janella, 2 satas, 2 quarios, cosinha
fra, quintal eacunba lenflo a de n. 91 setRo com
sala e um quarto, todas na freguezia da Boa-Vista.
llfMU
Em seu eseriptorii roa daCadeia do Recife n.
4S, primeiro" anfer, i? II horas.
ILEGIVEL
Prensase de uma casa cotn pronore;5es de-
centes para babitacao de pequea familia ; prefe-
re-sft no bairro da Boa-Vista ou mmediacoes ; nao
se duvida pagar bem : a tratar na ra do Viga-
rio n. P, primeiro anlisr.
balacha : na ra larga do Rosario n. 16, nadara, fbravei a rttepeiloda qaanUdade e qualidade d'agua, e do rendtmcnto; e que na constru?, io da obra
r,mn""crnnn ., am~Roharb n iranr nao havera dilliculdade alguma. ,
J" l M ll"o a roa do Tramche u 34 ^rt*1 "** BBlre overn() concessionario, c mais documentos para transferen-
com J. I. M. llego, na ra do lrapn lien. 4*. i l(,a|lsajos pelo tab(,ur|U |(U|,|ci., poderao ser examinados pelos accionistas no escriptorio da
Precisa-so de uma ama para o servigo ds
uma casa de familia : a ra da Imperatriz u. 46.
Precisa-se de uma ama para rasa de familia:
trata-se na ra das Cinco Pontas- n. 146, padaria.
companhia.
Ser
obras.
- Quem precisar de 500* a juros, trate na ira- J -J- 'etendentes Det
vessa do Carmo n. 1, onde tambera se vende uma J ggj JJJ J0 ^ Saul ,
escrava de idade 18 anuos, que perfe.tamente en- d E du Trai,he 12.
gomma e cose, e sem vicios.___________________;' ^
Precisa-se de 200* a juros por 30 das, dan-
do-se ouro e prata por garanta : a tratar na ra
do Amorim n. 36.__________________________
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C
do Banco l'niao do Porto.
Competentemente autorsados sacam por tod
os paquetes sobre o mesmo Banco para o
Lisboa, e para as seguintcs agencias.
Londres sobre Banh of London.
pago ai>s accionistas o juro a razao de 6 /, aoanno, durante a conslruc?ao das
Para obter accoes
das quaes uma diminuta quantidade, est reservada para as pessoas que
nesia provincia poderao enlender-se com o Sr. George
Compra-se onro e prata em abra vclftae
daga-se bem: na loja de biltutes da prora o* Indo
pendeucia n. 22.
Compra-se effectivanieiilo
oaro e prata em obras velhaa n>|>uoO n U-n :
na ra larga do Rosario n. "24, loja de oarva
Na praca da Independencia, loja r. ouriws
preciosas, assim como se faz qualquer' obra 'eea-
comnenda, e todo e qualquer concert.
ClMRA-SE
uma negra de bonita ligura, que saiba lav ir. an-
gommar e coser bem, e ruja idade iu< exceda a
iti annos, agradando paga-se bem : a tratar no es-
criptorio Je Manuel Ignacio de Oiiveira i l'ilho.
largo do Carpo Sanio n. P.'.
Compra-se um tabolciro de bagatela que es-
teja em bom estado : quem lver para vender, an
ou com o Sr. John J. Fostcr, engenheiro dos contratado-: nuncie para >er procurado.
.'o.\st:iiBio
DE
^
Deixai que os Hunos d civilisa?ao vos preguem
|4-eci
o ; Ilum;
Porto s (essita de maiur a^asalho: pela humidade nos pes
e introduz a giand niaioria das molestias, e com
11 slas a [lerda da sande e da vida !! I Fra com as
PORTIGUM o Lhllllli KM PW-
A A UBICO.
Em consequencia de ir-se proceder o balanco na
bibhotheca. scieutiiica-se aos senhores associados
Paris Frederic S. Ballin & C.
Hamburgo Joao Gane & Filho.
Barcellona Francisco Hahoba & Ballista.
Madrid Jaime Meric.
Cdiz Crdito commercial.
Sevilha Gonzalo Segoria.
Valencia > M. Perera Y. Hijos.
Em Pobtugal.
Amarantes. Angra Terceira. Figueira.
Arcos de Val de Caminha. Guarda.
Vez. t'.astello Branco. Guimaracs.
Aveiro. Chaves. Lagoa.
Barcellos. Coimbra. Lagos.
Bastos. Covilhaa. Lmego.
Beja. Elvas. Leiria.
Braga. Extremos. Mon?ao.
Rraganca. Evora.
Faro. Fafe. Moncorva.
Oliveira o"Aze- Pinhal. Regoa.
meis. Porto-alegre. Setubal.
Penafiel. Thomar. Vianna do Cas-
Tavira. Villa Nova do telto.
Villa do Conde. Portimao. Villa Real.
Villa Real de Vizeu. Madeira.
S. Antonio. Faial. S, Miguel.
No IMPERIO.
Baha. Ma ranhao.
Rio de Janeiro. Pa ra.
Qualquer somma prazo ou v ista,podendo logo
os saques prazo serem desconl ados no mesmoj anno : a tratar
Banco a razo de 4 por cento ao
na ra da Cruz D. i.
economapara os pes 11 Esta parle do corpo j qUe desde 19 27 do corrente estar o expediente
ano poroerto aquella que, neste clima, ne-1 fechado.
Secretaria do Gabinete Portuguez de Leitura em
Pernambuco 6 de outubro de 1864.
5*000
65000
4*800
25000
bolinas e sapalos velhos ; refrmalos a
45-Rua Direita~45
{orzeguins francezes para homem
Jilos inglezes dem a 8*, 7* e
Jitos para senhora
Ditos [iara menina
SapatSes esmaga cobra
I Ditos de Nantcs de duas solas
Ditos dito de sola e vira
Sapatos de borracha para senhoras
Ditos de dita para meninos
Ditos de tapete para homens e se-
nhoras a 800 e
Sapalos de lustre para senhora a 1*000
Ditos para casa 800
Chinelas rasas do Porto 1*000
F. de Antoja Cuimariies,
1. secretario.
Precisase de uma ama
Palma n. 94.
de leite : na ra da
Roga se encarecidamente ao Illm. Sr. Dr. A
B. S., presentemente morador na villa de Pilar da
Paraiiba do None, o especial favor de mandar
5*000' quanlo antes salisfazer na cidade de Souza da mes-
j'5000 ma provincia pessoa a quem S. S. nao ignora, a
4*000 importancia de 163* proveniente de um cavallo de
1*400 sella que S. S. eomprou para sua viagem, do con-
1*000 trario passar pelo dissabor de ver seu nome pu-
i blicado por extenso neste jornal, e as parliculari-
1*000 dades que acompanharam esto negocio.________
Precisase de um caixclro no bilhar
eos: prefere-se brasileiro.
dos Ar
Maques sobre Portugal.
O abaixo assignado, autorisado pelo
Banco Mercantil Portuense. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca efr
fectivamente por todos os paquetes sobre
as praeas de Lisboa e Porto, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma a vis-
ta, e a praso ; podendo, os que temarem
saques a praso.receberem avista, no mes-
mo Rauco, descontando 4 0|0 ao anno: na
loja de chapos da ra do Crespo n. 6, ou
na ra do Imperador n. 63, segundo an-
dar.Jos Joaquim da Costa Maia.
DENTISTA DE PARS 1
19Rna Non19
Frederieo Gautier, cirurgiao dentista, 1
faz todas as operacSes de sua arte, e col- Mj
loca dentes arlficiaes, tudo com snperio- 2
ridada e uerfeicao, qno as pessoas anteo* 1
didas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentiticio.
Atten$io.
Apresenta-se ao respetavel pnblico e aos amigo
da boa pitada, oexcellente rap denominado tRo
lao Imperial do Rrazil em Pernambucoi o qual ten
do sido examinado por nma commissao de dous ha-
beischimicos, nomeadospelo Illm. Sr.Dr. inspector !
da sado publica para esse lira, fui jolgado capaz !
de ser offerecido ao respetavel publico, expondo-so |
a venda ; pelo que acha-se este bom rap as qna> '
tro freguezias da cidade, na do Recife ra da Cf-'
dea n. 53, Santo Antonio rna do Queimado n. 4o e
larga do Rosario n. 38, Boa-Vista na da Impera*
triz n. 53 e em S. Jos no deposito peral desla Mi-
nero, ma das Cinco-Pontas n. 140, pelos seguinlps
procos: de 1 a 5 libras, 1*280 a libra, 10 libras
l*20U cada urna, 20 libras 1*100 cada uma c !|
libras por 50*000.
Joao do Amaral Bukiso.
llavera sorveie todos os das, das 6 horas (em
diante, advertindo que o mais asseiado e hem (fri-
ta possivel : no bem conhecido cafe dos Arcos.
No emrenho Goiabeira, jonto novoaco de
Santo Amaro de Jahoatao, precisa-se de ara feitor
de campo, me tenha ponea familia : a fallar no
dHo engenho em qualquer dia, ou na ra da Im-
[leratriz n. 22, seyondo andar, aes domingos.
EiohuiimIo
Engnmma-se e tambem se lava por preco cotn-
morte : na ra dos Pires n. 47.
mmmmmmfflmm
Conipauhla fldelldade de ^
segnros uiarUloaof. e ter- m
restre estabeieeida no |
Itio de Janeiro.
ACONTES KM PKPNAMBl'CO
Antonio Luiz do Oliveira Aieredo & C,
competentemente autorsados pela direc-
tora da companhia de seguros Fdelda-
de, tomara seguros de navios, raercado-
rias e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n .1.
Precisa-se de uma ama de leite moca e sa
dia : na ra estrella do Rosario n. 32, primeiro
! andar.
Na livraria n. 6 e 8 da praca da Inde
pendencia existe uma carta de importancia
para o Sr. Antonio Fet-nandes Corredor.
Precisscde uma ama escrava ou forra pa-
ra casa de pouca familia : na rna de S. Francisco
casa n. 6.
Urna pessoa assas conhecida tiesta cidade e
asss habilitada, e com bastante pratica de procu-
rador extrajudicial, se propoe a sahir oestes tres
das qara as freguezias da Eseada, Sennhaem, Rio
Formoso e Agua Preta, para cobraocas, qur ami-
gavel qur judicial, tudo eom inulta presteza e in-
telligencia, e d fiador (taquillo que se lhe confiar ;
a tratar na ra do Queimado, primeiro andar do
sobrado n. 12, somente nestes tres dias. .
Na ra do Arago, casa n. 3, cozinba-se e
eagomma-se para fora com perleicao e por preco
commodo. _________^__
do
Uasa terrea
Compra-se urna casa terrea : na rna da O-nror-
di o. 71, junto ao sobrado do Sr. Ifcmm.J Fir-
mino.
VENDAS.
Vende-se urna
Criado.
Precisas? da um criado de m a idade
pouca familia : a tratar na ra do Crespa
canto da do Imperador.
i:
Offereceseuma nitiihei
ara perfeicao : quem pretan-ier,
8, Francisco junto ao
IFraucisco.
para engommar rom
dirija se ra de S.
porlo da ord-'in turecira do S
Aluga-se urna asa terrea, sita na ra
Mondego n. 12, com bons commodos para pequea
familia : quem pretender dirija-se ra da Man-
gueira n. 20, que achara com quem tratar.
'-^nTeatacuantia de 1:600* a prumio sobre Jcasad"t)a"stono"Forte'
hvpolheca em bons de raz : na roa estrella do Mn dc & Jos n 23-
Rosario n. 10, loja, se dir (juem d.____________
' irecisa-se de uma araa de leite : na ra do
Livramento n. 20, segundo andar. ^^_^^
Vende-se uma vacca de prim-ira barriga qw
da de 3 4 garrafas de hule, por preco mmntodo.
a tratar na rlbeira do paila n. II.
I'oiatsa da Hus>i.i.
da mais superior desembarcada honiem : vnde-
se no ascriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira *t
Filho, largo do Corpo Santo n. 19.
Machinas de vapor e pa-
ra descarocar al^odao.
Moendas e meias moeiidas.
Laixas de ferro batido, coa-
de e de cobre.
Rodas d'agua, dentadas, e-
de carrosa com wmgw e
eixos de patente.
Ra do ruin n. 38, undi-
Caodo Bovman.__________
Kb da Scuzalla Hmw i. xt.
Neste estabelecimeuto veudem-se: tachas d
'erro coado libra i 110 rs., ideaaik; Lo
Moor libra a 120 rs.________^^
Vende-se uma casa terrea .-ila n.irua da Man
gueira da Roa-Vista : a tratar can a aMaMar pn-
blico de Olinda, na ra de S. Reni da mcsmn as-
dada.________________________________^______
Vende-se gomma de aramia muito aova i
al va a 100 rs. a libia, e era sanea a. 3* a arroa
na roa das Cru7.es n. 24, esquina da travesa V*
Ouvidor.
Para casamcaio.
Na ra da Imperatriz, loja a. 13, vendse otn
rico vestido de b onde para ca.iamcntn. p;>r pr*v
commodo._________
laberm e juit.u: ut; nu-.i
do Mallos : a tra'ar rvj ri-
O abaixo assignado previne pelo prseme ao
publico que perdeu o meto bilhett que mandn vir
do Rio, da quarta lotera n. 4078, que i corren na
corte, dovendo vir noticia da er.trac?o delta prlo
primeiro vapor, e assim tambem previne ao Illm.
Sr. thesoureiro da mesrra lotera para que n.lo
pague o referido bilhete caso saia premiado.
Jos Marianno do Albuquerqoe.
Anda est para alugar-se o sobrado amarel-
lo da Ponte dc Tenca : a tratar no largo do Pa
raizo n. 10,

Vendem-se quatrn moradas de casas sila na,
cidade de Olinda. senib duas na laaVin de S. Pe-
dro Marlyr ns. H e 23. nma n ana lo laja d..
Bola n. 26, e uma na raa dii Aljnlf. todas por asi
eos muito eommod.s pi i screas iqu as : ~ 'i -.
lar no Recife, as Cinco Ponas n. Itti. (adaria V
Mcnnzes & Silva ; em Olinda com .. Sr. Bfsz ~3.-
chado Pimentel, pharin.iceoliro.____________
Vende-se
a bordo do palhabole Arroto Uallfi. fnixlea-li no lo
gar da carnc-seoca. lingnas n salasdra, *
superiores em barrihnhos com a p""?-4;- m:i o-.
compradores qnitereui, e pirco raroard



Islario 4e rrriikkue ... sanada Iclra 19 de Outubro 4c 1S4.
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do yueimado d. 49, esl vendendo muito
boas fazendas e muito baratas, quem quizerpoder
vir ver ou mandar para experimentar, assini como
sejam :
Gollinhas muito linas para sonhora a 500 rs.
Ditas e punhos de fusto muito bonitas a C40.
LOJA 110 BEIJA FLOR.
llua do Queiinado ns. 63 e 69.
lionecas de churo.
Lindas boneras de churo que chamam papai e
mamai, de diversos tamanhos : s as tojas do bei-
Cartas de alllnete de caheca chala de todos os ta- ja-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
manhos a 80 rs.
Resmas de papel de peso muito bom a -5.
Capachos redondos e compridos a <*O0 rs.
Caixas com superiores obreias de colla e de mass
a40rs.
Cordo branco grosss que tem muita applicaeao a
vara a 20 rs.
I.inhas do earritcis parante-se 150 jardas a 40 rs
Cartes de linha Pedro V com 200 jardas a 40 rs.
Grosas de peonas de ac muito finas a 500 rs.
Varas de franja de laa para vestido a 40 rs,
Ditas de franja branca larga para toalhas a 160 rs.
Pares de botoes de punho a 120.320 e 500 rs.
Tinteiros do vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior linta a 100 r.
Grosas de botoes de louca praleado a 160 e a du-
zia a 20 rs.
Tesouras para costura a 80, 200, 400 e 500 rs.
Escovas para limpar denles, superiores a 200 rs.
Libra de la para bordar da
6*500.
Caixas de phosphoros de seguranza a 160.
Caixas e pacotes de papel amizade superior a 600
ris.
Caixas com 100 envelopes muito nos a 800 rs.
Quademos de papel pequeo azulado a 20 rs.
Carriteis de linha Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
Raralhos para vollaretea 240e mais linos a 300 rs.
Meiadasde linha frouxa para bordar a 20 rs.
Pares de sapates de tranca de todos os tamaitos
a 15500.
Grosas de botoes de madreperola muito finos a 360
ris.
Carlas e caixas de clcheles de superiores quai-
dades a 40 rs.
Massos de grampos superiores e limpos a 30 rs.
Grosas de palitos de gaz a 25200.
Libras de areia preta ''.a melhor qualidade a 120
ris.
Caixas redondas para rap e tem muilo bonitos ca
lungas a 100 rs.
D'IODURETO DUPLO
de FERROeQUININA
Lavas de pellica.
I,uvas de pellica branca e de cores para horneo.-
e senhoras : as lojas do beija-flor, roa do Quei-
mado ns. G3 e 69.
Fivellas para cintos.
Lindas fivellas douradas com lindas pedras para
cintos : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
ns. 63 e G9.
Capellas para nenas.
Lindas capellas para noivas 2*500 cada una :
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e
e69.
Estojos para barita.
Vende-se estofos com espelho para barba 1*500
e 2000 cada um : as lojas do beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Balaios para meninas.
Rccebeu-se novo sortimento de balaios, com
melhor qualidade a forma de vanos passaros, pelo barato preco de....
1*000 at 4* cada um : as lojas do beija-flor, ra
do Queimado ns. 63 e 69.
Etlraordiara liquidaro de fjairndas rara a frsta
por baralissimo neo, tanto para o malo romo
para a praca, na toja be ni couhecida do Arara,'
ra da Iniperalriz n. 50 dejLoureieo P. H. Gui-
mares.
Ao baraleiro da Arai a a 1 00.
Vende-se cortes de chitas com 10 rovados a
2400, ditas franceza a 3*2(0, ditos de cassa a
2*, dita de salpicos a 2i00, l*e 'i o corle, para
apurar diubeiro : na ra da Iniperalriz n. 56, loja
da Arara.
Corles de la a liara P a a 8;), e 48.
Vende-se corles de la ce ni barra, os propria-
mente a Mara Pia a 85, e 16 J : na ra da lnipe
triz, loja da Araran. 56.
A Arara vende alpaca para mlidos de senbora a
360 rs.
Vende-se alpacas de linda
tidos de senhora a 360 e 40(
nhas para vestidos de senhor
e 600 rs. : na ra da Impe
Arara.
Las lizas de cure a 600 rs.
> cores lisas para ves-
rs. o covado, lazi-
i a 240, 320,400, 500
ratriz n. 56, loja da
&IM
Filas finas para cintos.
Ricas fitas finas lavradas de bonitas cores para I de damasco a 4*, ditas paral cobertas
cintos : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
n. 63 e 69.
Extractos em caixinhas.
Finos extractos em caixinhas coui o retrato da
familia imperial: as lojas do beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Sabio en eaixinhas.
Finos sabocs em caixinhas com vanos retratos :
as lojas dobeija-flor.rua do Queimado ns. 63 e 69.
Tiras bordadas.
Vendem-se liras bordadas transparentes e tapa-
das : as lojas do beija-flor, rae do Queimado ns.
63 c 69.
Jogos de domin.
Vendem-se jogos de domin 1*200 e 15300: j
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 A
e 69. res.
Hallados bordados
Vendem-se babados bordados de varias larguras
e vanos precos : as lojas do beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Abafadores de rede.
' Vendem-se abafadores de rede de varias cores
800 rs. cada nm : as loja9 do beija flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Adcrecos pretos.
Tendo-se recebido aderecos pretos de novo ges-
to sao expostos venda : as lojas do beja-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Grvalas para senhoras.
rs o par, ditas para senhoral a 320, 400 e 500 rs.,
lencos brancos com barra a 00 rs. cada um, ditos
finos a 320, ditos de linlio a 500, 600 rs. cada um,
s na loja da Arara, ra da mperatnz n. 56.
Ao ha ral ;iro.
No armazem da Arara ve ide-se eassas a 240.
280 e 320 o covado, chitas ii as a 240, 280, 400 e
500 rs. o covado : na ra d; lmperalriz n. 56.
As percalas da Araia a 860 rs.
Vende-se percalas finas p ra vestidos a 560 e
1600 rs.; chitas Irancezas fina^ a 320, 360,500, 400
de senhora
Lindas prAvaias napa conii.ra i o re i orn ie ^00 o covado, alpaca para vestidos de senhor
Os elementos que compoem esta preparaco, o
ferro, o iode c a quina, a collocao no primeiro
grao das preparacoes ferruginosas. Basta aliestar
seus resultados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
taes, e os relatnos dos prcticos mais eminentes,
que con firma rao sua poderosa eflicacidade as
seguimos affeccoes:
Mingos uo augur.
Fmqnrm.
Anemia.
ChloroNC ou Ictericia.
Menstruo.
Affeccoes do ulero.
Suuuressoes dan re-
eran e desorden na
luenstruacao.
Affecrao pulmonar e
phthiNlc.
'lnl.--.tln- d*entdmago.
Gastralgias.
Perda d'appelllc, etc.
Vejao se os bulletins
Con valmeenea 4c Ion-
gas molestias.
Moleallaa escrofulo-
aaa.
Papelra.
Obstruccao das glan-
d ii laa.
Humare* fro*
llumorea bruen.
ItacbltiHiuo.
Affeccoes cancerosa*
e sjphllltleaa.
Febrcs ypholdes.
Variles, etc., etc.
de therapeutica medica
e cirurgica de 30 di novembre 1860; a Gazeta
dos hospitaes de 28 dejulho 1860, etc., ele.
Alm das pilulas de iodurelo duplo de ferro e de
quinina de lebillon, os Mdicos aconselho
igualmente o Xarope d'iodure duplo de
ferro e de quinina do mesmo aulhor para as
....... -- *-----------------.....-'-
na pilular e os meninos. Este xarope nao tem
como o xarope d'iodure de ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nao poder conservar.
Peea-se o folhcio que se d de graca em casa
dos pliarmaceuticos depositarios.
Para-se evilarem falsificacoes, exija o com-
prador em cada frasco de Pilulas ou Xarope a as-
signatura do inventor.
Depsito gcral em Paris, pharmaciaRebillon,
142, ru du Bac, e em todas as boas pharmaciai
de Franca a dos puizes estrangeiros, etc.
GRANULOS
de BISMTHJ
DE CHEVRIER
Os granulos au bismuth de Chevrier bem
superiores a todas as outras preparacoes de
bismuth empregadas antes com o maior successo
pelos mdicos de lodos os paizes, para prevenir e
curar as
Dlarrhras cbronlcas.
Dj-ssenterlas.
Dores ri'estomago.
Dispepsias. '
Mas dlgestes.
Gastrlles.
Galtralglas, ele.
Os primiros symplomas d'essasformidaveis
affeccoes se manifesto ordinariamente por diges-
tores laboriosas, azidumes, falta dappetite, pesos
tomacae; e, muitas vezes, por espasmos nervosos
com vmitos.
Este estado mrbido, se o descuidSo, traz ine-
vitavclmente, que seja:
Molestias de ligado Oppressoes.
A Ictericia. Dores de canee*.
Palpitarlo de coraco Irrllacoe de brslita e
Ddrea nos rlns. da niatrls, etc.
Os granulos Chevrier sao ordenados pelas
sommidades medicaes para prevenir essas diver-
sas molestias e cural as quando sao tomados a
tempo.
0 preco de cada frasco de 4 francos.
Depsito geral em Paris, pharmacia Chevrier,
e em todas as pharmacias de Franca e dos paizes
estrangeiros.
ns. 63 e 69.
Espelhos de moldura.
Vendem-se espelhos de moldura preta para sa-
las : as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns.
63 e 69.
Voltas de aljofares.
Lindas voltinhas de aljofares com cruz de pedri-
nhas imitando brilhantus 15000 cada urna : as
las do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Colheres para sopa-
Vendem-se colheres de metal-principe para sopa
25000 cada urna : as Iotas do beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
La para bordar.
Vende
encontra
65400 a
mado ns. 63 e 69.
Xas mesmas lojas se encontrar sempre grande
sortimento de miudezas boas, e mais baratas do
que em outra qualquer parte.
Albuns superiores para re-
tratos.
A Aguia Daanca sempre disposta bem servir e
agradar a sna boa fregnezia, mandou vir e acaba
de receber um bello sortimento de albuns de supe-
rior encadernacao e apurado gosto, com especian-
dade os de capa de marlim com lavores, outros
QUa^MOOiJ^ Jo t... 1.., .1(_.. tvlll ( i O 1 I ^ O .- |]C ('1.0.1,
outros marebetados de madreperola com trancas
de prata oourada, outros de velludo etc. etc. Para
quem tem gosto e dinheiro, um lbum assim per-
feito seni duvida o mais apropriado para F.elle
se depositar os retratos de charos pais,
de cores, a saber :
cor de caf e cor de
Vendem-se lazinhas lisas
roxa, encarnada, cor de lirio
cinza, para capas e vestidos (e senhora a 600 rs. o
covado, ditas de flores a 240,; 20,400,500 e 560 rs.:
na ra da lmperalriz n. 56, oja da Arara.
Colchas da Arara de 2 a i-\
Vende-se colchas de chita >m cama a 2, ditas
a 320, 360
t
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
ILIANC
DE
A len cao

O Vigilante est alerta, nao Ihe era permitlido
d'-'ixar passar desapercebido sem que nao dsse o
seu canto, afim de annunciar ao respeilavel publi-
co o grande sortimento de galanteras de melhor
gosto proprlamente para qualquer mimo, que aca-
ba de chegar neste ultimo paquete, assim como
muitos otflros objectos que recebe por diversos na-
vios, lano de sua conla como de consignacao que
e 400 rs. : na ra da lmperalriz n. 56. est resolvido a vender por precos muito baratos
A Arara vende corles de calcas a 1#&00. para vender muito e gandar pouco, e dar exlracao
Vende-se cortes de calca te brim a 1^600 e 2,8, o grande deposilo que tem, que espera merecer a
ditos de casemira a 3$, li 00, e 5 : na ra da proteceo do respeilavel publico empregando para
Imperatriz n. 56, loja da Ara a. ;isso todas easmelhores diligencias para que fi-
ltoupa feila d i Arara Quem satisfeilos; islo s no Gallo Vigilante, ra do
Vende-se palitots de casen ira de cores a 55, 65, Crespo 7.
85 105 e 125, ditos de panno preto a 8> 105000, Kicos porla-joias.
122 e 145, ditos de alpaka i 35 e 45, ditos de Cofre de muito gosto por 165000
brirn de cores a 25500,35 e 35500, ditos de brim Cestinhas transparentes forradas de ma-
branco a 35 e 55, calcas, col ?ies brancos, seroulas dreperola por 185000
francezas a 15600 e 25, ditis a 15280, camisas Lindas jardineiras. 105000
francezas a 15, ditas de hnh > inglezas, pregas lar- Ricos cofres com camapheu. 105000
gas, a 35 : na ra da Impeatriz n. 56, loja da Lindas caixinhas com pedras brancas. 105000
Arara. Lindo balito com calungas dentro, tam-
economia, a saber: colariihos econmicos a 600 bem para joias.
i Tambalier para ditas.
Vende-se colarinOos cconolnicos a 600 rs. a du- Smr-m'ditis
zia, meias cruispara homcm a 200, 240,360 e 500 ^J^JJf
5 a
Paulo Ferreira da Silva & Companhia
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de peores
i O por cento menos
odrec que sepuaan po w Ira
quer parte.
Gneros especialmente escomidos
para esse fim.
grande a vantugem para todas as pessoas
ment.
por um dos socios que na Kumpa se acaa
que comprarera neste ettab-!-.-i-
armazem.
Os propietarios garanten) todos os gneros sabidos de seu j muito acn-Jilado
AO PUBLICO,
165000
95000
65000
65000
65000
N5o nos servimos de exordios como constantemente estamos vendo em annun-
cios deste genero, pois sao palavriados de que sempro nos abstivemos, e de que tamln-m
estamos certos nenhuma atiengo j merecem do publico. O nossofina, pois. simpks-
mente fazer ver que o verdadeiro e principal interesse de todos est na taMla do> mu -
eos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos toda a attencao.
Vinho verde.
Cbegou o muilo desejado vinho do Carlaxo vende-se nicamente nole aruw- m
a 600 rs. a garrafa e 3o,ooo rs, a ancora com 7o garrafas.
Amendoas confeitadas de diversas
A Arara vende musselina branca a -100 rs.
Vende-se musselina branca, fina, a 400 e 500 rs
o covado, pecas de cambraias finas, lisas, a 35,
45, 55, 65 c 75, musselina c imbraia da india 85,
e 105 a peca, para vestidos na ra da Impera-
triz n. 56.
A Arara vende tiras bordadas para miniar vesti-
dos branrts.
Vende-se tiras bordadas d( todas as larguras a
15, 15300 e 15400 a peca, en remeios finos a 15 a
pega : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Madapoln da Al ata a -
Vende-se pecas de madapolSo enfestado com do-
250
105,
o
a 55, dito carne de vacca a 6#500, "dito domestico
a 75, dito slcupira a 85, dito pao ferro a 95 a pe-
ca : na ra da Imperatriz, lojan. 56.
Bramante de linho de 40 palmos a 2&>0.
Vende-.e bramante de liuho de 10 palmos a
25500a vara, brim liso a 500,560e 640rs. avara:
na ra da Imperatriz n. 56.
Panno de linbo da Arara.
Vende-se pecas de panno de| linho para lences
e toalhas com 13 1/2 varas por 85500* ditas com
27 varas a 165500 e 185 a peca ; na na da Im-
peratnz n. 56,
A Arara vende rhailes a 1 ?>fi00 e W>.
- .-Jc-.-e < lale,-- e uif i InO a! I I'.IIO. \."j(!". 65-
75 e 85 : na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
Fazendas esperiaes para srnlioras. a saber :
Vende-se golinhas para senhoras a 240, 320, 400
e 500 rs., camisinhas para dila a 15,25, 35 e 45,
gravatinhas para ditas a 15 e 15500 : na ra da
, bons pa-
reutes e amigos. Em quanto, porm, esses albuns
se tornam notaveis por sua perfeicao e bom gosto, Ifmperatriz vlS.
Per hincha.
Lencos de seda a ib e 800.
outros recebidos na mesma occasio, se tornam re
commendados pela commodidade de presos vista
da boa obra. ssim pois o pretndeme sera ser
vido conforme o dinheiro que quizer dispor para
Vende se lencos de seda para mao, a 800 e'l
6886 lim, achando sortimento para 24, 50, 60 'e 80: larlati,Da l,ara vestidos, de tedas as cores a 800rs.
retratos : na ra do Queimado, loja d'Aguia Bran- a vara> fil llf0 "'dinario a 320 rs. a vara, dito fi-
FIGADOdeBACALHAU
fek
em
processo de Cherrier, pharmacenlico
l'aris, ra do Faubourg llontmarte 21.
Este oleo de um cheiro agradavel, e de
um sabor assucarado o nico que nao tem
nem o gosto, nem o cheiro do peixe. Ob-
jecto de numerosos relatnos scienlifleos e
mdicos, este mdicamente que goza ^ | tebn.n"|i no ^mento de papel ingla lisoe
Franea de um successo to raro como bem B*?0'-d *80' -e WaeD0- ****
merecido, receitado diariamente pelos
principis mdicos dos hospitaes de Paris.
O OLCO BE FIGADO DK BACALHO DESINFECTA-
ca n. 8.
Carteiras e bolsas para
viagem.
Na loja d'Aguia Branca, ra do Queimado n. 8,
vendem-se carteiras com correias para traze-las a
tiracolo, e bolsas de tapete, tudo para viagens.
Perfumaras inglezas.
A Aguia Branca, conhecendo a bem merecida
estima que os apreciadores do bom dao s perfu-
maras inglezas, por isso mandou vir o esplendido
sortimento que acaba de receber, e os acreditados
nomes dos bem conhecidos fabricantes J. Gosnell
& C, N'apoleao Price & C. sao bastantes para co-
nhecer-se a superioridade dellas. Consisle esse
bello e variado sortimento em pequeas quantida-
des de differentes e agradavcis extractos de pri-
meira qualidade em frascos de diversos tamanhos
e formas, fazendo-se notaveis entre elles os que
vem em urna carteira de tres, com os quaes por
sua elegancia e bondade se faz um bello presente ;
assim como outros frascos com finas essencias con-
centradas, outros com excellentes leos para ca-
bellos, e outros finalmente com agua de Lavander
sublimada ; ebem assim finos abneles em paco-
j tes e caixinhas com tres, bonitas e delicadas al-
I mofadinhas com paslilhas em p, as quaes deitan-
do-se nos guarda-vestidos, commodas, etc., nem s
deixam toda a roupa cheirosa, como afugentam
baratas, tracas, etc., etc. Em quanto, porm, a
commodidade dos precos j nao entra em duvida.
urna vez que o pretndeme compareca munido de
dinheiro e disposto a fazer gasto na loja
Branca, ra do Queimado n. 8.
Balas grandes e caretas de
borracha.
Excellentes brinquedos para criancas : vendem-
se a 500 rs. cada urna : na ruado Queimado, loja
d'Aguia Branca n. 8.
Fspelhos edm molduras pretas
e douradas-
A Agola Branca, na ra do Queimado n. 8 re-
cebeu um bom sortimento de espelhos de differen-
tes tamanhos com molduras pretas e douradas e
os est vendendo por precos commodos.
Papel inglez
A Agoia Branca, na ra do Queimad* n. 8, re-
no a 800 a dita : na ra da Imperatriz n. 56, loja
da Arara.
Sontembarque da Arara a s.-j o 10.5.
Vende-se soutembarques de cores para senhoras
a 85, 105 e 125, ditos de grosdenaple pretos finos
a 205,255 c 305, captis preas para ditas a 205,
255 e 305 : s na loja e armazem da Arara, ra
da Imperatriz n. 56. _______
Balaios para meninas
Lindos balaios de varios gostos para meninas
trazerem no braco : s se encontra na loja do Bei-
ja-Flor, ra do Queimado n. 63 e 69.
Extratos e sabao en
xinhas
pautado, almaeo, fe peso, e pequeo,
tambemeom beiras douradas.
Enfeites invisiveis
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, rece-
nrpe. 5eu. n?yos enfits invisiveis, os quaes pela finura
i! emprega se com os maiores do tec,do e bom gosto tem merecido tanta estima
uccessos as molestias em que se empresa Prona^no nw Ar.
o oleo quando sao acompanhadas de dcbili-\ riepdlUb para nOreS.
dade e atona. A AKnia Branca, na roa do Queimado n. 8, re-
Deposito feral em Pernamhnr* rus da D0V0S PreP" Dar* a<*es> seao papel de
rem., ri,7 r-ernamnuc na da cores para rosas, dito verde para folhas, folhas de
2 em caBa de Caros dr Barboza. | panno e velludo, caixas de trigo, ditas de uvas
brancas e rOxas, e como sempre continuara a ser
vendidos por precos commodos.
Woiohoscora rodas, pateles.
fabricare velas pelo preco Moinho/ podes com rodas, patentes, e afianca-
Miiel : as Cinco PooSiT StUfi fricante para moerca e proprios pa-
> ra relinacao por aerra de especial qualidade e de
todos os tamanhos: vendem-se nicamente no depo-
site da ra da Hdela |oja de ferragens n. 56 A.
de Bastos,
Lindas caixinhas com um cartao com a familia
imperial, e dentro de cada caixa um frasco ou sa-
bio o mais fino que passivel: na loja do Beija-
Flor ra do Queimado n. 63 e 69.
ISa loja de fazendas ha-
ratissimas de Duarte
Borges da Silva, ra
da imperatriz n. 20
Vende-seo seguiHle:
PECAS de panno de linho com 25 varas a 85,
d'Aguia um proco estreito, mase excellentepara toalhas.
DITO de dito adamascado com 8 palmos de lar-
gura para toalhas de mesa do jantar a 25400 a
vara.
CASEMIRAS de duas larguras e de urna s cor
muito boas para roupa de meninos e soutembar-
ques a 35 o covado.
TOALHAS alcochoadas muito boas para enehu-
gar o rosto a 65 a duzia ou 500 rs. cada urna.
CAHBRAIA branca lina cim salpicos miudinhos
a 640 rs, a vara. melade do valor.
OLIAOS de bonitos e elegantes desenhos para
cobrir mesas a 15 o covado, para acabar.
LAAZINHAS de padroes novos e muito agrada-
veis tanto na boa qualidade como no preco de 320
rs. o covado, c finalmente o respeilavel publico
achara constantemente nesta dita loja um bello e
variado sortimento de fazendas finas e grossas a
precos muito razoaveis, pois est resolvido ganhar
pouco, com tanto que venda muito, nao menciono
mais fazendas no presente annnncio porque impor-
tara isso n'uma despeza extraordinaria ruja des-
peza reverter sempre em beneficio dos comprado-
res, pedindo ao publico que nao deixe de ler todos
es dias este dito presente annuncio, pois haver
mudanca nos artigos cima ditos, isto a propor-
cao que se forero acabando.
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta bouquetes de diversos gustos e pre-
gos ; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos sintos
com bolcinlias ao lado, a 105, 125 e 155, ditos sem
bolea porm do mesmo gosto, a 25500, 35, 353001
45000.
Ricas fivellas avulsas para sinto, o melhor que se
pode encontrar, a 15500, 25, 25500 e 35 o par;
s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Cabaies on cestinbas.
At que chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para meninas trazerem no braco, o mais rica
po?sivel a 25500, 35500, 45, 55, U e 105; s no
\ igilante, ra do Crespo n. 7.
Pentes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
que se pode desejar. assim como de arregacar ca-
bello, tanto de borracha como de tartaruga com en-
feites e sem elle para menina; s no Vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Mais leqnes
com pequeo defeito, leques de sndalo com pe-
queo defeito por barato preco de 85 e 105, chi-
nezes muito bonitos tambem, pelo barato preco de
45 e 5, bentarallos muito bonitos, tambem por ba-
rato preco de 45 e 55, leques de charao lambem
por 45, tudo isto para acabar, perdendo-se tai-
vez 80 por cento; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Para segurar manguitos.
Tambem chegaram as liguinhas estreitinhas de
borracha que as senhoras tanto precisam para se-
gurar manguitos por ser muito commodo e muito
barato, a 320 o par; s no Vigilante, ra do Qres-
po n. 7.
Pentes
lambem chegaram os nquissimos pentes de concha
de tartaruga e de massa fina, que se vende por 25,
35 e 55; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Leques.
Biquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras como para meninas, pelo barato preco
de 125 c 145; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Pulseiras.
Lindas pulseiras de contas e de missanga, cores
muito lindas e de muito gosto a 15 e 15200.
Caetas.
Riqusimas canelas de madreperola proprias
para qualquer presente, pelo baralissimo preco de
15500 e 25-
Sapatinhos e meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
feitados, assim como meiaszinhas de seda, gorrazi-
nhas e touquinbas para as cnancinhas se baptiza-
rem; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Voltinhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato preco de 15 e 15200, as
cruzes avuls asa 400 rs.; s no Vigilante, ra do
Crespo n. 7.
Golinhas.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 25, 25500 e 35; so no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
En fe i les para senbora.
Riquosissim enfeites com laco e sem laco e de
outrosflmuitos gostos a 15, 15500 e 35 : s no Vi-
gilante, ra do Crespo n. 7.
Trancelios.
Lindos trancelins de cabello para relogio ou lu-
netas, pelo baratissimo preco de 15500, ditos de
retroz a 200 rs.
Babadinhos enlrenreios.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
preco de 15200, 15500, 25 e 35; s no Vigilante,
ra do Crespo n. 7.
Casearrilhas.
Grande sortimento de casearrilhas de diversas
larguras, assim como galozinho e trancinbas pro-
prias para enfeites; s no Vigilante, ra do Cres-
po u. 7.
Fitas.
Grande sortimento
e qualidades, por precos que admirara aos com-
pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
teiros que se pode vender a 300 rs. a vara, e peca
de 9 varas a 25; s no Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Fitas de la.
cores a
64o rs. a libra.
dem de casca dura a 24o rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a 4,2oo e I,5oo rs.
dem em frascos de vidro a l,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de l '/> libra a i.ioo rs.
Arroz do Maranhao e da India o melhor que
ha neste genero de 8o a loo rs. a libra,
e de 2,5oo a 2,8oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,Siiii rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e io.ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4,4oo rs.
a arroba.
Bolacbinhas de Lisboa da fabrica do Itealo
Antonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,oooe l,5oo rs. a
lata e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das
melhorcs marcas a I,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
Banha de porco refinada a too rs. a libra e
em barril a 36o rs.
Batatas em gigos de 36 libras a I,ooo rs.
Champagne das melbores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, 1,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs.
as meias garrafas.
Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a
libra.
Lenlilhas muito novas excellimt** legume pa-
ra sopa a 2uo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidade
de Too a 9oo rs. a garrafa:
Manteiga ingleza perfei lamen te flor a 8<><' <
i.ooo rs. a libra, desnecessario mus
elogios neste genero, que s se pMi i
rificar com a vista,
dem franceza a 56o rs. a libra, e em barril
se far abatimento.
Marmelada do primeiro fabricante de Lislma
a 6oo rs. a libra, ha latas de I. I I -
2 libras.
Massa de tomate em latas de I e 2 libras
fino rs. a libra.
Macarro, talharim caletria a 4oo rs. a libra,
dem branca a 32o a libra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs
frasco,
dem ingleza em p a M* rs. o frasf>
Molho inglez em garranhas com rotl
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a l.ooo rs.
agarrafa, e lo,ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo is. a
Prezunto para fiambre inglez mMein
garantindo-se a qualidade a 7oors. a lil'ra
Passas novas de carnada a 4oo rs. i libra t
6,5oo rs. a caixa.
dem para sopa estrellinha, peride e rodinha
etc. a 3,5oo rs. a caixa, e a >6o rs. a libra.
Peixe em latas hermticamente fetftaiai
seguintes qualidades: savel, corviri.i. g
cavallinhas, c pescada a l,ooo a lata.
Palitos para denles lidiados a 14o rs. o ma-
co de 2o rs. o macinhos.
dem perola qualidade especial
a libra.
dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2,ooo, 2,4ooe 2,6oo rs. a libra.
dem prelo homeoptico a 2,ooo rs. a libra.
Cerveja das melltores marcas a 6,ooo rs. a
duzia, e 56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol e suisso a 1 ,ooo,
I,2oo ol/ioo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante .Jos Fur-
lado de Simas e outros da Babia como
sejam regala, trovadores, guanabaras,
delicias e suspirosa l,6oo, 2,ooo, 3,ooo
e 4,ooo rs. a caixa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco.
dem francezas surtidas ou de urna s qua-
lidade cada frasco a 5oo rs.
Cognac francez e inglez a l.ooo rs. a garra-
fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 6oo rs. a libra.
Canella a 9oo rs. a libra.
a 2 7oo rs ^em do gz a 2oo rs. a duzia. < 2,ioo rs.
PainCO muito novo 12o rs. a libra e 3,ooo a
arroba.
Queijos flamengos, do nimo vapor, i 2 rs.
dem prato muilo fresco a 8oo rs. a M
sendo enteiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidroa 5oo n --ada
um.
Sevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra.
Toiicinho de Lisboa a 2io i 32o rs. libra.
Tijolo para limpar facas a ISo rs. a um.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa t
1,4oo rs. a caada.
Idemem garrafOtS com 5 garrafas a Ijm
rs.
j Vassouras do Porto com anos da ferro a Hb
rs. cada urna.
Ibem de escovas
cada urna.
I'.ira lavar casa a 3ti<. rs.
56o .
Copos finos para agua e vinho a 4,8oo 5,ooo Velas de espermacete superiores a
e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs cada um.' a libra.
Caf do Rio superior a 28o e 3oo rs.^a libra, dem de carnauba refinada e de mmtft0
e 7,5oo a 8,5oo rs. a arroba. a 36o rs. a libra, e de Io,5oo a II .oroV?.
Doce de goiabi. superiorem latas a 2,ooo rs. a arroba.
Ervilhas porluguezas em latas chegadas ul- Vinho em pipa, Porto, Lisboa i pain
das marcas menos moliendas a 4oo rs.
a garrafa e a 2,8oo rs. a caada,
dem Figueira especialmente escolbido neste
lugar a 6oo rs. a garrafa, e i,5oo rs. a
caada.
timamenle a 64o rs. a lata.
dem ceceas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 320 rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo ,. ...
rs cada urna 'Jem LlsDoa cm ancoras com 9 caadas mar-
Favas porluguezas em latas chegadas ulti- ,4ca *?** :,'T rS- a *nco?'
mmente a 640 rs Idem LavraJ,0> Lolares muito freso sem
Frutas dem em calda, pera, pecego, alper-1 ',mPosit3n a rs. a garrafa, e 4,5o.,
se, rainha Claudia e ginja a 7oo rs. a lata. ,,rs a. canada-
de fitas de diversas larguras j Graiia nova a loo rs. a lata e l,loo rs. a Idem de,Llsloa branco uva pora a 56o rs. ;
(juza | garrafa, e a 4,5oo rs. a canada.
Gomma muito al va e nova a 16o rs. a libra. ',m por, fiD/\em P'Pa a 56 a P"*
Genebra de Hollanda em frasqueiras com 12 "* ^"ir1110* l6*"?11^1 y!1"" ^
frascos a 5,8oo rs. e 560 rs. o frasco
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
Fitas de laa de todas anualidades, proprias pa- ,dem em garra|Seg de 16 garrafas a 4,8oo i
Douro, Duque do Porto, D. Loiz I, f>-
Pedro V, Nctar, vellio serr, Malvasn.
Genuino, Particular a 9oo e 1,2oo rs. a gar-
arafa, e a lo.ooo rs. a caixa com una du-
zia.
ra debrum de vestido a 70 rs. a peca; s *
gilante, ra do Crespo n. 7 W. com o garrafao.
Ricos espelhos. dem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
Riquissimos espelhos com moldura dourada|e' dem inglezas em garrafas brancas bordadas dem Madeira legitimo al,2oors.
rn ella de 85,105,125 e 145, assim como cora j com roina de vidro qualidade superior a fa, e a 12,ooo rs. a duzia.
>,*$,**' i(ooo rs. a garrafa. | dem Muscatel
l dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o
a fiarra-
celumnas de differentes tamanhos a
e 65; s no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros' e figuras'de porcelana fina, j frasco e 1 l.ooo a frasqueira de 12 frascos.:
paraenfeite de sala, sendo omelhorgosto queaqui i Kirsch Wasser excellente bebida suissa a
a l.ooo rs. a garrafa,
dem Bordeaux das acreditadas marcas Si.
ne Vigilante, ra do Crespo; |,8oo rs. a garrafa.
Ceblas al|o cento
As melhores que tem vindo a este mercado:
vende-se na ra da Madre de Dos ns. 5 a 9.
Vende-se urna
mais razoavel que pos
liii, padarfa.
&CTIIHC
fe
*- Vende-se sebo do Porto em cainss de urna
a7*3r>3, 3 preco barato : na ra de Altillo r- 20.
Vende-se superior vinho do Porto em caixasde
urna duzia : cm casa de Johnston Patcr & C, ra
do A'gario n. 3.
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che-
gada ao mercado, em bem acondicionados barris :
no armazem de Manoel Teixeira Bastos, ra do
Trapiche n. 13, por prego razoavel.
Milho a ijim.
veniem-se na ra da Madre de Dos ns. 5 e 9,
saceos grandes com milho novo, '
tem apparecido; s
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasas com bonecla para pos de arroz,
cousa de multo gosto a 15500 e 25, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um; s no
Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
tinctivos e offerecimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Faris e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
a 25 e a 15, assim como ontros objectos que nao e
possivel por hoje annunciar, e vista dos fregue-
zes se far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
ra do Crespo n. 7.__________________
Li O Livro do Povo, obra ornada com estampas,
contendo a vida de Nosso Senhor Jess Chrislo, e
muitos artigos uteis. Este livro das familias, re-
commendadoe approvado pelos Exms. Srs.D. Luiz, i
bispo do Maranhao, e D. Manoel, arcebispo da Ba-
ha ; vende-se a 15 cartonado : na livraria do Jos i
Noguoira de Souza, ra do Crespo n, 2,
Julien, St. Esteph, chatean la Rose, chafcu
Margoux e outros a 6,5oo rs. a raa, e
56o rs. a garrafa.
(FJiVE.ll EM It l ICIIII
a tOO rs. o copo
Queijo de Minas chegado no vapor
, dem prato mol lo fresco
dem suisso superior
dem londrlno superior.
57 Eua do Imperador 57
;
)
ILEGIVEL


Diarlo de Pernanibuco Segunda ielra U de Ouiubro de 1844.

CL
COMME
RA UO QU12IJ9IAUO W. 45.
Passand o becco da Congregado segunda casa.
Grande liquidadlo.
Ra da Emperatriz n.ttO.
Loja de faieudas du Pavo de llama k Silva.
Acha-se este estabelccimento completamente
sonido de fazendasiugleas, frauee/as, allemaas e
suissas, proprias tanto para a pfa$a como para o
! mallo, prometiendo vender-sc mais barato do que
i em outra quali|uer parlo principalmente sendo em
i porfi, e de todas as hiendas dao-se as amostras'
dnixando flear ponlior, ou mandam-se levar em
casa pelos caixeiros da oja do Pavo.
As chitas do Patito.
Vendem-se chitas insieras claras e escuras pi lo
barato preco de 240, 260 e 280 rs. o covado. timas
seguras; ditas francezas du cores seguras a 320,
340,360, 400, 440, 480 e 500 rs. o covado, faz-inda
muito superior e bonilos padroes : s na luja do
Pavo.
As liaziuhas da eiposicao do Pavo.
Vendem-se laazinhas as mais modernas que
tem viudo ao mercado, proprias para vestidos e
soulembarques por serem lisas e de cores muito
delicadas 560e500r?. ; ditas lisas com un lustre
que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
Percira Rocha & C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 45 um armazem de molhados denominado Clarim Commer- gJ^J'g.J6 ^^^^q^'*??*"*'
cial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado os imperatriz n. 6o!"m
quaes sero vendidos por presos muito resumidos como o respettavel publico ver pela tabella abaixo mencionada; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 e
100 rs. a libra, e 10800, 20600 e 3*000 Painco a 200 rs. a libra. rs. a libra,
a arroba. Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
em calda de azeile e Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
NO ni) ABE
do Queimado n.
Presuntos de Lamego
a H rs.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
10200 e 10600, e em frascos grandes a
2500.
dem em caixinhas elegantemente enfeiladas Ideniprato.
com ricas estambas no interior das caixas *
a 10200,10400, 10600 e 2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra,
Alpista a 160 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azota doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Araruta verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellaas norte grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1030' rs.
Bolachinhas de soda, latas grandes,
a lata,
dem inglezas muito novas a 30000 abarri-
quinbae a 200 rs. a libra.
Banha de porco refinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hyssin, huchin e perola a 10600, 20,
2$590, 25800 e 39000 a libra,
dem prelo muito superior a 20000 a libra.
Cerveja preta e branca, das melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
^ e 50800 a duzia.
Cognac inslez fino a 901 rs. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 72 dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e especitmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
250 >0, 20200, 20500, 20300, 30000 e
30500 a cafra.
Caf do Bio muito superior a 280 e 320
rs. a libra c 85500 a 80800 rs. a arroba.
Cartes de bolinhos francezes muito novos e
bem muito enfeitados a 700e 600 rs.
Chourcs e paios muito novos a 80G rs a
libra,
Os vestidos do Pavo.
Vendem-se os mais modernos cortes de vestido
de 15a, que vieram pelo ultimo vapor, com ricas
Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220 barras de cor, corpinho e rollete separado ditos
com listas de seda e tambem com barras e enfei-
tes para o corpo, por preco mais barato do que em
outra qualqucr parte, e se quizerem una prova
do que se diz, mandem ver leja e armazem do
0 PROPHETA
AO RESFEITAVEIj BHHIUO,
RA DAS CINCO PONAS N. 86
Ksqtilna da nova travessa de S. lorio.
muito novo a 640 rs. | dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 20800 Figos de comadre e do Douro em caixinhas
de oilo libras e canastrinhas de 1 arroba a
dem" londrino chegado no ultimo vapor a 10800, 50500 e 280 rs. a libra.
900 rs. a libra. .Farinha do Maranhao a 160 rs. a libra.
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs dem de trigo a 120 rs. a libra.
cada Jodl
Sardinlias de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
lijlos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem steaiinas muito superiores a 600 i.
libra.
Eigos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam: Veloo de 1815, Duque do Porto,
Madeira, > Pedro, D. Luiz 1. Mara Pa,
Boeage Chamisso e outros a 800, 900 e
10000a garrafa, e era caixa com urna du-
zia a 9*000 e 100000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500e 560 rs. a garrafa e 30, 30500
e 40 a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
S. Julien a 700
Genebra de Hollanda verdadeira marca YD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
dem em garrafes de 3 e 5 gales a 50500
e 70500 cada um com o garrafo.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, quaiidade especial em garrafas muito
grandes, a 10800 a garrafa.
Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva
Os vestidos Hara Pia. S o Pavao (80000).
Vendem-se os mais lindos vestidos Mara Pia
de laazinha transparente com listas, e palminhas
de seda pelo barato preco de 85 cada corte : s
na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
As cassas do Pavo a 240, 280, 300, 320 e
3G0 rs.
S o Pavo vende as Gnissimas cassas persianas
imitaco de la, com cores fixas, 360 rs. o co-
vado ; ditas francezas muito Anas 240, 280, 300
e 320 rs. o covado, isto para acabar: ra da
Imperatriz, loja de Gama & Silva.
Os madapoles do Pavo
Vende-se peca de madapolo Infestado rom J2
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs. ^tS^^^^Jf^
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de vo ru!, fcimperairii n. 50, notando que a peSa
vidro, a 10000, S a garrafa vale 0 di- leva urna etiqueta com o Pavo pintado para nao
nheiro. haver duvidas nem engaos : isto previne o Pa-
Manteiga ingleza perfeitamente flor, descm-'0'de.Gama.,Si lS?
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melhores conservei-
ros de Lisboa a 601 rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
4*
dem de Bordeaux, Medoc e
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs. dem regular a 500 *s.
a (]uzia. Macas linas para sopa: estrellinha, pevide,
dem Morgauxe Chaleaulumini de 1851, a 10 rodinha e aletria a COO rs.
a garrafa,
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa
I Os a caada.
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te- dem de dentes a 120 rs.
mos grande porcao de outros que deixamos dem de flor a 200 r>.
de mencionar, e que ludo ser vendido por Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
pegas e carnadas, tanto em porces como Doce de goiaba em lat is o melhor possivel a
retalho- 20 e em caixao a 6 ,0 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima le- Palitos do gaz a 1020 a groza
a libra e a
a caixinha com 12 libras.
'Nozes muito novas a 60 rs. a libra,
e Peixe em latas prepando pela primeira arte
de cozinha a 10 a lita,
Paliios de dentes a 16) rs. o maco.
r o abate da 5 por cento.
j-Passas muilo novas a 480 rs. a libra.
II m^ m ^ x .-.
GRANDE E SUMPTOSO ESTABELECIMENTO
DE
MOTOS E ESCOMIDOS GEKElf OS
TAMO EM GHOSSO COMO A BETALHO
O KU l NOVA OO
* "r-ima casa junio a ponte di Boa Vista.
DUAS PALAVRAS.
HAIIIIMSIfPiTENTF
de traballiar uiao para
desearocaij algodo
FABRICA DAS
Por Plant Brothers & C.
GLDiM
Desejando o proprietario do grande armazem do Propbeta dar Li-
gas ao seu genio emprebendedor, commercial e especulativo, resolveo ceder a irispiraro
que o assalloit, quando as horas caladas da nnile o seu solicito espirito se agam r/rm
turbilhao de ideas, tendentes todas bem seivir e agradar aos generosos liaLilantes
desta bella provincia, de abrir mais este grande eatlabeleelmenlo de novo e
escolhidos gneros, quasi que especialmente destinados s mam |wmmjm m i
guezia de S. Jos, c aquelles senhores que transitan jela via frrea, pan mmi un \> r-
dade sao sem conta o numero das vantagens queso Ibes offerece, nao s aun relami a
modicidade dos fretes, como da facilidade e brevidade da couduccao dos ohjectos com-
prados.
0 sonho do Propheta ser urna verdade pratica tio acivila e abroada cwr .> i s
palavras simples e bem intencionadas dos velhos patriarchas desses Imam idos,
nhor Deus dos exercilos nao o quizer contrariar.
O Propheta nao querendo restringir-se a forma ordinal ia de negociar res'
tambem, depois de profunda meditacao, de nao vender smenle os ama MMMM a nheiro corrente : mas tambem de por em praliea troca delles peremrat lia pn dnt{if
do paiz ou por escravos, bois. cavados, etc. Assim, pon, fique na ntdnfeneia de tod' 5,
que o propheta receber como moeda de qualqucr dos senhores agricultores, imnr,
algodo, agurdente, milho, feijao, cavallos, esclavos, etc., etc. e Ibes dar > mesmo \; \ r
em gneros, escolhidos a contento.
Quando a importancia dos gneros apartados for menor do que a des objecins ie-
cebidos por troca, o i'ropheta nao demorar a dill'erciica que deve dar .:m mtMir*.
Um estabelccimento que com tantos sacrificios e despezas acaba de ser al
deve inspirar a todos a certeza de que se vender muito barato com o fim f se adqui-
rir crdito e freguezia.
Cesse tudn qcanto a antiga mua cania
Que outro valor mais alto se alevanta.
Sauders Brdhers&G.
Acha-se a di
disposico do resoeitavel publico este grande e magnifico eslabeleci-
mento de molhados, lalvez o primeiro e nico boje existente em sua especialidade, por-
que o maior capricho de mos dadas com mais apurado gosto de abrir um estabeleci-
mento modelo proraoveram a escolha dos mais superiores gneros do nosso mercado,
que por serem comprados em grande quantidade e pagos (juast todos a dmheiro a vista
deu luar a obtenco de vantagens, que repartidas como vao ser pelas pessoas que s
Ni. II, praea dol
RECIFE.
Estas machinas
^ podem dcscaro^ar
fe qaalqoer especie
de algodae sem
estragar o fio,
sendo bastante
duaspessoas para
o trabalho; pode
descarocar urna
arroba de algo-
do em earoco
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou 5 ar-
robas de algodo
limpo.
Corpo Santo
Os nicos agentes neste
,a
RIVAL SEM
Ra do Queimado n. 49
s Bigodinho, venham ver
aeabaudo certas quaiidade
ucu iugi a umwiyuu vw .-..^.e-----, -, ~r_-------- ------- j i,. a acauauuu cenas quamiaue i un lazeuua.
dignarem de honrar-nos com a sua freguezia. alentamos a doce esperanca de agraaar a Peas de tas eiasli(.as corr 10 varas a..
aiz.
SEGUNDO.
oja de miudezas de Jo-
i pechincha que se est
de fazeoda.
240
100
60
120
20
200
160
400
lodos nao s pelo emprego das maneiras condescendentes e delicadas de que somos ca- utos de tranca branca lisa! com 10 varas,
pazes'. como pela pratica da promessa que fazemos de vender polos pre,os quasi do pri- gu.de ^i^^-;
meiro custo o nosso magnitico sortimento. ... m ,,, n Rodinhas com superiores ilfinetes a.....
Pesando muito em nosso animos meios pecuniarios de que poaem aespot as caixas com superiores age ihaselimpas a
diversas classes da nossa sociedade, asseguramos aos abastecidos da fortuna que acharo sabonetes de familia, muilo finos a 80 e..
em nss ar,Uafra s meares e t^f^t'rSa'iTauf "S^fneces: ZlVSlTv^SS^i
etc etc, e aquelles que nao podem dispor de grandes recursos, que so compram o neces- lQQ J20e.......^.................
sario, promuttemos-lnes servi-los de gneros novos e sadios, escolhidos ao seu contento. Ditas de"DC0' a'rg0 RrSB'0 a............
0 real do pobre ser recebido com to boa vontade, como a moeda de ouro do p0tes de superior tinta tcm mais de meia
Aslpessoas que nos fizerem a honra de entrar em nossa casa quer seja para com- $SffjgS\
prar para seu gasto, ou para negociar, voltaro satisfeitas, nao so pela boa quaiidade dos Ditos de 0|e0 de babosa-r
objeclos, como pela fidelidade dos presos, e bom acondicionamento.
O futuro nos justificar.
mito bonitas a.
muito fino a .
superior a 240,
320, 400 e.
Ditos de cheiros muito superiores em qua-
idade a.
Ditos de agua de colonia
Ditos de dita dita grande
Sabonetes de tedo o prdeo 60, 160, 200,
320 e.
Frascos de superior banha| a 320 e.
dentes muito
CAVACO NECESSARIO
Devenios ao respeitavel publico algunas palavras relativas ao pomposo titulo que
Exisndo neste vasto e florscente imperio um grande partido poltico com a Caixas de p 'para limp
denominacao de Liga, padecer o titulo do nosso armazem um gracejo inconveniente, DdaebVnna trancare"
capaz de fazer zangar a alguns e de desatar o riso a muitos,
Ria-se quem quizer, porque nos tambem nos riremos mas nao se zangue
ningnem. .-, .
0 nome 6 urna voz com que se do a conhecer as cousas. h esta a mais
breve, clara e sincera expcaco que, pelo methndo repentino, podemos dar.
mito boa a
e a..........
para senhoraa
tor quaiidade a
agua dentrific e superior ga-
randes azula-
Pares de ligas muito finas
Sabonetes inglezes da mel
Frascos de
rantida a
Massos com 25 envelopes
do a................
160
100
320
500
100
500
320
400
800
400
800
100
600
500
320
15000
estabelecimento. Foi a
Varas de fita preta com corchetes a.....
Frascos de macaca perola muito superior
Caixas com pennas grandes a.........
mu honroza or- ^rosas ^e botes para calca preta, miudos
100
100
200
200
100
200
Mas a quem nao seguir o partido desse si/stema diremos mais :
Nao oriunio do Brasil o imponente titulo do nosso '
muitas centenas de leguas que apanhamos a nossa Uga.
Nasoberba e opulenta Inglaterra houve um re que instituto a mu honroza or- Librasde memento da ronfa de lavan..
dem da Liga. O acaso nos fez deparar com a narrac3o desse acontecimento, que tan- enditis de retroz de todhs as cores e
to sornrehendeu a corte desse monarcha. Agradou-nos esta historia e goslando sum- tem meia oitava de ratnk a.........
mmenle do trage do cavalleiro da jarreteira, para logo o mandamos desenhar, e col- Varas de b.cos de d.fferentes larguras a
locando-o no oitao do nosso estabelecimento, temos assim feto distmgui-lo dos outros JWreza de UumiliaCO &
que se assignalaram com mhras e^coras. i 1
200
60
iionni solt qni mal y-pense.
Todas as vendas de apparelhos e reclamacoes
1 (por escripto dando o nome, morada, dala, etc.),
devem ser (eilas no armazem da ra do Imperador
n. 41. Os machinistas mandados para attender a
estas, apresentaro um livro que os reclamantes
deverao assignar logo depois de prompto o servico
Enfeites para cabera. GAZ GAZ GAZ.
Chegaram os lindos enfeites de cabega para se- Vende-se gaz de primeira qualidde a
nlwras, sendo muito simples ede muito gosto : s jq^ a jata nos arrjaazens da ra do in>
no Vigilante, ra do Cres|>o n. 7. ___________ perador n. 16 e ra do Trapiche Novo n. 8. reclamado; sto para qu a emp'reza fique scicn'te
vo-i. ....._____ ao a .., a, p.no --------=-.;----------:------------------------ de haverem os mesmos senhores sido devidamente
ran7a,Vc^d^Rmrna,nco2rn ^"ae.las'de = Vndese lilCS miOS propNOS attendidos.
cirnte pSSS.'nim Si0^.^*^-^!?. ^ ,>al,nle"T fMIer?S ^760 -=^DIe-se BTO taberna ata na ra da Btm-
?a aviste' ST P r J P C4a OUJ ; ne&ta lyeographia. taita Nova n. S : tratar na mesma.
Bramante de linho do lavo
~#. f 400, i$eoo.
Vende-se o melhor bramante de linho puro com
dez palmos de largura por preco muito commo-
do, por ter de acabar a factura, a vara por
25200, 25400, e 2,8600 ; s o Pavao : ra da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Panno de linho do Pavo.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para lences e toalhas de mo pelo
baratissimo preco de 640, 720 e 800 rs. a vara, al-
godaozinho com oito palmos de largura proprio
para lences, pelo baratissimo preco de \$> a vara,
assim como tem o melhor algodozinho tanto em
largura como em corpo, propric para lences, ca-
misas de escravos, etc., etc., preco muilo commo-
do vista da fazenda; s o Pavao : ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Algodozinho com toque de avaria a i,000 ris
e i.soo
Vende-se peca de algodozinho por ter um pe-
queo toque de avaria, mas que esta em bom es-
tado, gelo barato preco de 45 e 45500 a peca ; s
o Pavao : ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os guardanapos econmicos do Pavo e s do
Pavo
Vendem-se os mais lindos e modernos guarda-
apos econmicos e lodo linho, tanto psra as casas
de familia como para notis, botequins, etc. etc.,
pelo baratissimo preco de 35 a duzia, isto s na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama
&, Silva.
sonteinbarqiies do Pavo
w %. T-
eudem-se os mais finos soulembarques que
m vindo ao mercado, sendo de caaMsira de co-
es pelo diminutissimo preco de 125oaoa um, al-
tos de musambique pelo diminuto prego de 9#, s
na loja do Pavo, mas que se nao engauem : ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Atoalhado do Pavo.
Vende-se panno de linho adamascado proprio
para toalhas de mesa, pelo diminuto preco de 25500
rs. a vara, guardanapos de linho a 55 a ouzia,
toalhas de mo a 55 cada duzia, na loja do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
ir s o Pavo (a '$500).
(Juem tem baloes por tal preco I
Vendem-se os balos americanos muilo superio-
res com 20 e 25 arcos pelo baratissimo preco de
25500 e 45, ditos de 25, 30 e 35 arcos com fitas,
muito bem armados e tambem tem cores escuras
pelo barato preco de 35-300 cada um : s na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 00, de Gama &
Silva.
0 Pavo vende para lulo.
Vende-se superior setim da China, fazenda toaa
de la sem lustre tendo 6 palmos de largura pro-
prio para vestidos, capas, paletots, caigas, etc.,
pelo baratissimo preco de 25, W% 0, 25500 e 35 o
covado, cassas pretas lisas, chitas pretas largas e i
estreitas, manguitos, colarinhos, pnnhos, e enfeites,
tudo preto proprio para lulo fechado, e muitos ou-
tros artigos que se venden por precos mais em
conla do que em outra qualqucr parle por estar
liquidando ; s na loja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60, dcJGama & Silva.
A?s percalas do Pavo.
As mais lindas percalas que tem vindo ao mer-
cado pelo ultimo vapor tem na loja do Pavo pelo
barato preco de 600 rs. o covado ; ditas de listi-.
nhas muito miudinhas proprias para vestidos e
roupoes de senhoras, meninos e meninas, pelo ba-
ratissimo preco de 500 rs. o covado ; garantem-se
as cores por serem do melhor fabricante que as
tem em Paris : isto na loja do Pavo ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Ah chitas do Pavo '$400 e
108OO o corte.
Vendem-se cortes de chila com dez covados
25400, ditos 25800, com 12 covados; sao chitas
inglezas, mas padroes bonitos e tintas seguras j
assim tem as melhores chitas francezas e de tin-
tas seguras por precos commodos, a saber : 320,
340, 360, 400, 440, 500 rs. o covado : na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Os bordados do Pavo
Vendem-se camisinhas com manguitos e golli-
nlias bordadas, pelo barato prego de 15 e 152"
cada um, manguitos s 500 rs. rada par, ditos
com goliuha a 800 rs., golinhas 400 e 480 rs., de
fil 240 rs. cada golinha bordada, romeira de
cassa o de fil muito bem bordadas 25 cada
urna, manguitos que servem para calcinha de me-
ninas 640 rs. cada par, camisa com manguitos e
golas com a competente grvala de seda, fazenda
fina, pelo barato prego de 35, e muitas outras
bordadas que se vendem por pregos muito em
conta : s na loja do Pavo ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As roupas do Pavo
Vende-se panno preto fino muito superior pelo
barato prego de 25, 25500, 35, 35500 e 45, dito
mnito fino 55 e 65 o covado, casimira preta de
urna s largura e muilo fina a 15800, 25 e 25500
e 35 o covado, cortes de casimira de cores a 55,
55500 e 65, casimiras entestadas de urna s cor
proprias para caigas, paletots, coleles, capas e para
roupas de meninos a 35500 o covado, isto na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva. ___
C4L DE LhBOA
Vende-se cal de Lisboa a mais superior que ha
no mercado, sendo barris de 4 arrobas e 4 arrobas
1|2 : na ra da Moeda n. 2, confronte ao trapiche
do Cunha ; e para informagoes no mesmo tra-
piche._________________________________
Vende-se a bem conhecida Ioja de fazendas
da ra do Crespo, pertcncente Jos Marques dos
Santas Agniar : a tratar na ra da Cadea do Rc-
cife n. 4.
Aaruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Arroz do Maranhao, Java e do Pencdo a 80,
400 e 120 rs. a libra, c a arroba a 1*800,
25500 e 2*800.
Amendoas a 280 rs. a libra.
Ameixas francezas a 1*200,1)5400 e 1*000
em latas, frascos e lindas caichinhas muilo
proprias para memosear alguem,
Amendoas confeitadas em francos de vidro
a 1 o frasco.
Alpiste a ICO rs. a libra ea 4*500 a arroba.
Azeite doce francez a 900 rs. a garrafa.
dem em botija a 3'iO e 400 rs. a botija
Graixa em lat sa 1*200 a duzia.
Limonadas de diversas frurlas a llOO o
frasco.
Licores inglezes e francezes a 1*000, l-'M-O
c 2* a garrafa.
Lingoas americanas a 800 rs. cada urna.
Linguicas proniptas em latas a I *20O a Lia.
Manteiga ingleza reste genero o que l>a de
melhor a 800 rs. a librae cni barril a NO
rs.
dem mais baixa a 640 e 720 rs a MM.
Azeite de Lisboa a 040 rs. a garrafa c 4*800 Manteiga franceza a 520 rs. a libra, em barr'.'.
a caada. I a C 40 rs a libra em relalbo.
Azeite doce emboioes com 9 garrafas a 5*500 Massa de tomates a 640 rs. a libra.
com o boiao. Marmelada muito nova a 640 rs. a libra.
Azeitonas por lodo o preco. MolhOs inglezes a 400 c 640 rs. a garrabi.ba
Biscoitos inglezes de diversas marcas a 1*300 Mostarda preparada iMOilUln. ofra..< .
a lata. Massas para sopa macarro, tallin m aletria
Bolachinhas de soda, oval e lunch a 2000 a 400 rs. a libra.
a lata com 5 libras, dem finas em caixinhas a HBOC cain r..
Bolachinhas americanas em borricas i6 Marrasquino de Zara verdadeiri. a !.v i
libras a 2*000. frasco.
Banha de porco da melhor quaiidade a 300 dem mais baixo a 800 rs. e l*Oto o lr ico.
rs. a libra. Milho em saccasrom 20coias a 3IICO.
Batatas em gigos e caixas por todo o preco. Prczunlo ingle/, pan fiambre \ind-' no nWti
Caf moido a 10*000 ou 8*000 a amiba.' vapor a 800 rs. a libra.
Caf superior a 7*500, 8*00> e 8*500 a dem mais anl go a 640 rs. a libia.
arroba. dem do Porto a 640 rs. c acode hrtciM a
Cha nesto genero temos o que h de melho- 5c0 rs. a libra.
assim como tambem temos baixo pelos pro- Passas r ovas a 400 rs. a libra.
eos seguiles: 1*4"0, 1*60(', 1*800. Polvo a IfO rs a libra.
2*400, 2*000, 2*800 e 3*000 o fino. Painco a 160 rs. a libra.
Charutos de todas as melhores e peores mar- Pumada a 240 rs. a duzia.
cas do mercado a 800, 1*000. 1*000, 2*, Pimenta do reino a 320 rs. a Har.
2*800,3*000, 4*000,5*000, 5*500 e 60 Peixe em latas a 1/1000 a la n. ati cm
, -tn | vina, pargo e outros
Cbooricas as mais novas do mercado a 12* Papel ele peso a 2*00. a reama.
'00
HH,
e\r$ccc^elcM^lc 48 rs-;' libl,***jM! iSftJP?10* a 4*000 .
.iocolale magnifico a 1 *000 c 1 *200 a libra. dem ahnasso a 3*000, 3*500 e i' <
Cerveja marca a mais acreditada que tem Mem para enibn Ido a 1*200 a reasa.
vindo a 500 rs. a garrafa, emeia garrafas Pablos para denlos naon 2' narnnos
por 320 rs. branca e preta. a 80,120 e iCO rs. o
Conservas inglezas a800rs. o frasco fazenda Pablos do gaz a 2*000 a groza.
chique,
dem francezas a 506 rs. o frasco.
Cevadinha do Franca a 240 rs. a 'ibra.
Cbanipagne da melbormarca que
vindo a 20* e 24* o gigo.
: 6C0
Queijos flamorgos do ultimo vapor
dem londrino a 9(0 rs. a libra.
dem prato a 040 rs. a libra,
qtti tem, Rape Mearon a 1*000 a libra.
'Sag e sevadiiiha a 240e 280 rs. u labra,
inglez e
iancez a 800 rs. e 1 ->C00 a Sardinlias de Nantes a 040, 560 e 360 is.
Cog nal-
garrafa.
Ceblas por lodo proco.
Copos lapidados que sempre so venderam e
se vendem em muitas parles a 8* c 10*,
vendemos a 5*500 e 6*000 a duzia.
Copos para vinho a 3*00o a duzia.
Doces de calda vindos de Lisboa neste ultimo
lata.
Sabao massa a 120, 180, 200 e 240 rs a
libra, e em caixes ptrBMM.
Sal refinado a 600 rs. o vazo (pote de vidro.)
Toucinho de Lisboa, de Santos c americano
a 160, 240 e 320 rs. a libra e em arreJ a
a 5, 7, e 9*000.
vapora 6'i0 rs. a lata das melhores fiuc- Tijolos para limpar facas a ICOrs ada im.
tas da Europa. Vinho do Poitoem ancoras com 70 garrafas
dem da goiaba o da casca o melhor que a 30*000.
conforme'Vinlios de Lisboa eFifiieira qualidades nwg-
possivel por diversos precos, e
o tamanho dos caixes.
Ervilhas em latas a 640rs. a lata,
dem seccas a 200 rs a libra.
Espermacele americano a 1*200 a libra,
dem francez a 360 rs. o masso com 6 volas.
Figos de comadre em caixinhas muilo lindas
a 800 rs a caixa.
Farinba de trigo a 120 e 140 rs a libra.
Farinha do Maranhao a 24' rs. a libra.
Fumo do Para a 1*800a lata grande.
Fumo americano a 1*400 a libra.
Fumo em macinhos para sigarros
rs. o maco.
Farelo em sacas de 80 a 90 libras a 3*500
Genebra de laranja 1* o frasco.
dem de Hollanda a 500 rs. o frasco.
O BALIZA
nificas a 3*000, 3*500 e 4*000 a canai?.
Vinho do Porto em pipa a 5 e 6*000 a BWtnV
Vinho branco de Lisboa e Porto em ancoras
barris e pipas a 4*000 e 5*000 a carada.
Vinagre de Lisboa a 1*600 e 2*000 a rana-
da.
Vinagre em garrafes por 1*000 com o gar-
rafo.
Vinagre em ancoras para 1*600 com a anfl i -
de 9 caadas.
Vassonras americanas a 640 rs. cada rm?
200! Vinho deBordeaux neste genero temos grande
poroo e das quadades melboros rjne u-ir
vindo ao nosso mereado em garrafas, t-m
ancoras, em barris equartotos onjnlvtav
demos por procos muito nMM.
v *sr

DECLARACAO.
O BALIZA declara pelo prezente que
deixa de publicar os precos pelos quaes ven-
de as suas mercadorias por motivos que ao
respeitavel publico pouco intereca. Sme $-.
nrovisoriamente de baze os precos do Pm-
lheta. <%?
ORDEM fl>0 m\. ^
0 BALIZA concede plena liberdade aos .^
sess amareis collegas Clarins, Uniocs, mitra- fW
dos e croados, para que possam sallar, ber- ^f,
rar e tudo mais quanto Ihes aprouver, at
a sua segunda ordem.



V
t
Diarlo de PeruaMM Segunda tetra 1? t Ouliibi'o 4r tlGi.
GHANDI ARMAZKfl l>E MOLIKDOS
Largo da
'jPSaata Cruz
L 84.
Esquina
da na do'
Sebon.84.
Francisco Jos Fernanes Pires, proprietario do armatem de molhados denominado
Aurora Bi Uante, a largo la Santa Gnu n. 84, esquina da ra do Sebo, faz saente ao
respeitavel pubHoo desta cidade e do interior, que no seu importante eslatfelecimento
vcuder sempre gneros .novos e de priraeira qualidade, e vender a todos pelo mesmo
4>r6M.
O completo j.ortmeHlo de todos os gneros finos e grossos qae costumam ter outros
estabeleciraentas de-ia ordena se encontrrao seinpre 'oo armazem da Anrora Brilbante
e compre em grande escala vontade dos senhores compradores.
0 proprietario 4o armazem Aurora Bnlhaote pede a lodos os senhores e senhoras
que qoando liverem de mandar snas relacoes a este estabelecimento por seus criados
seja em carta fechada -ou corn grande recommendaeao a este armazem. cerlos de que
serio lao bem servidos como se viessem pessoalroente.
&&,
A Aurora Brilbante troca qulquer ura genero que por acaso no agrade, e recebe
:*e libras esterlinas a 84000, sendo por compra : a tabella de seus gneros ser mudada
leda a semanas.
*
Amendoas confeitadas a libra a 800.
Manteiga ingleza flor a 800, 960 c 1*120.
Bita litis abaixo a 640 e 720 rs.
Dica franceza nova libra 640 e em barril a
60 e 601 rs.
Chocolate saul muilo novo a 4#zo0 a libra.
Cha perola o melhor que ha ( redondo) a
libra a 33200 e 2J800.
Dito dito laais abauo.a 2*500 e 2*800.
Dito tticim mutto'mo a 2*800 e 3*.
Dilo hysson superior''2*600 e 2*800.
DU'j mais abaixo.a S* > &OO.
Dilo preto muito fino a 2*500.
. Dito em massos a 2*.
Dito do Rio em ratas de 4, 2 e 1 libra a
1*900.
Qaf e Moca superior arroba 9*a00 e libra
.300 e 280 rs.
Dito da Rio e lio Ccar arroba 8*500 e libra
320 rs.
Dito-mais abaixoarroba 8* e libra 260 rs.
Barricas com bolachinha ingleza nova a
3*
Latas com bblackiuha de soda de 5 libras a
2300.
Dip, com ditas sortiites de 2 libras a 1*'00.
Frascos rom amellas fraucezas a J*600,
epoo e 3*.
"Latas comdius a 1*400,25200 e 4g.
Ditas com figos de comadre a 1*500.
GamAbas co.irditos mallo novos.
Presunto de Lamego.muilo novo a libra o 0
rs. Inteiro e a retalbo -606 rs.
Chourioas e paios novos a libra 600 rs.
Ditas com ervilhas francezas c portuguezas
a>800 rs.
Ditas com massa de lmate novo libra 560
rs. e em barril a 500 rs.
J)its com ostras a 720 r.-.
Dita^'com marmelaiht o< melhores autores
de Lisboa a libra04Oe 720.
Pote- com muslurJa franceza preparada a
libra 480 rs,
Dita dita ingleza a 800 el*.
'Queijos novos do'vanor a 2*200 e 23800.
iios de prato enplicado a 1*.
Rito suisso a 800 rs.
Dito de manteiga do Serid a 800 rs.
Caixas com passas novas ae 1 arroba 7*,
m.-fa 33500 c qifitrt 23 e libra 480 rs.
Amendoas com casca-a libra 240 rs. e arro-
' ba-.O*.
iNjzcs libra 100 e arroba.5*.
Charutos tinos de Simas, e dos melbores fa-
bricantes da Babia de. 23 84 caixas do
100 e 50.
gratas de caixiahas de nalilos dn ca? a Msoo
Barris com azeitonas novas a 1*200 e 2*
bania grandes.
Vassobras do Port piassava muito seguras a
400'rs.
Azeite (loco francez dos melbores fabrican-
tes, caixa 10* e a garrafa 1*.
Caixas com vmho Boruouax brauco e tinto.
Vinlio do PorlO lino em barris de 5o que ra-
ras vezas apparece por 80* e em caada
a 5*500 e tiarrafa a 800 rs.
Dilo dfe Figueira puro caada 4* e 4*500 e
garrafa a 480 e 560 rs.
Dito de Lisboa de boas mareas a 3*500 c
4* e a garrafa a 440 e 480 rs.
Cognac verdadero a garrafa 15 e 1*280.
Viuh? moscatel duzia.105 c garrafa i*,
Yiirii. bratteo de milito boaqualidade cana-
da 43 e garrofa 480 rs.
Dito >Xerez lino caada 7*500 e garrafa a
1*200. I
Dito Madeira secca agarrafa'l*00e 2*.
Bito-em caixas de urna duzia do Porto dos
melbores autores a 12*, t* e 16"*.
Garrafas com licor fino franoeza 1*, 1*200
e 1*600.
Ditas com vinho de caj muito claro a I*.
Ditas rom mel de abelha puro a 1*.
Frascos com genebra de Hollanda de 2 gar-
< nafas 1 1*.
Dilo do nina garrafa a 560 rs.
Dito de laranja verdadera a 1*200.
Poteswjm mosiarda preparada a 320 e 400 rs.
(Jaivas cora 2 arrobas.de batatas a 2*500.
..Vinho braooo do Lisboa proprio para missa
a 4*800 a caada c 640 rs. a garrafa.
Espirito de vinho a 400 rs. a garrafa.
Dan renes muri bem feilas para dormir
viudas de Sobral a 30* cada urna.
Carne e linguica do sertiio.
Duzia de grata Utas grandes a 1*.
Caixas com 25 massos de velas de spernia-
oete a 560rs. a libra.
Ditas maiores a 600, 640 e 720 rs. a libra.
Caixas com urna arroba Je velas do Araca-
ty 10*500 e libra 400 rs.
Ditas de composicao arroba 10* e libra 360
ris.
Saceos grandes rom farinha de Goianna mui-
to boa a 5*500.
Ditos com milito novo cora 24 cuias a 3*500.
Dilo com farello de Lisboa a 5*500 e 120
a libras
Dito com arroz de casca a 58000.
Duzia ae garrafas ,de cerveja. branca e preta
a 5*500 :e em banricas a 5*001).
Arroz do Maranho em saceos arroba 2*000
2*100 c libra 100 e 80 rs.
Dito da India e Java arroba 3* e libra 120.
Araruta verdadeira arroba 8* e lUira 320
rs., mattrana.
Gomina do Aracatv;para engommar arroba
.5* e libra 160 rs.
Farinha do Maranho nova libra 9St rs.
Ervilhas seceas ratiito novas libra 200 rs.
Sag e sevadinba a 240rs.
Sevada arroba 3*200 e libra 120 rs.
Graxa de boiao 07 a 280 rs.
Sabo massa a 200, 240 e 280 r?. a libra.
Dito hesparthol verdadeiro a 400 rs. a libra.
Balaios do Porto de diversos taannos de 320
a 2*.
Capachos para portas de varias cores a 600,
700 e 800 rs.
Grao de bioo arroa4*500 e libra 160 rs.
Paineo arroba 5*500 e libra 200 rs.
Milho alplsta arroba 4*880 e libra 160 rs.
Azeite doce de Lisboa garrafa a 640 rs.
Vinagre de Lisboa caada 1*500 e garrafa
200, 240 c 320 rs.
Massos de palitos de deutes com 20 raassi-
nhos a 160 rs.
Tijolos de limpar facas a 160 e 120 rs.
Resmas de papel almaco pautado a 4*500.
Dilo greve liso o melhor que ha a 4*500.
Dito de peso e pautado a.2>S00 e 2*800.
Garrafes com 25 e 15 garrafas de verda-
deira genebra de Hollanda DO? 8*500 e
65000 rs.
Ateile de coco garrafa 560 rs. e carrapato
360 e.caada 2*560.
Caix5es com doce de goiaba a 640, 800 c
13.
Tojicinlm de IJstwia trrni.o oxrcnn a ni
Cenlo de dita sola a 1*600.
Maungos de albos a 120 rs.
Coras de pastar e do aiMaimc.
Pavas da (ha de S. Miguel arroba 3*200 c
libra 120 rs.
Copos lapidados para agua e vinho a 3*500,
5*800, 68 e 7*.
Ditos lisos para varios precoz
Calix lapidados grandes e pequeos duzia
3, 4 e 5* ; e 400 e 500 rs. cada um.
Massas para sopa macarrao, talharim c ale-
tria a 400 rs.
Bstreinba e pevide' libia 640 rs.
Xarope de Rucias nacionaes a garrafa 600
ris.
Marrasquinhp de Zara da melhor qualidade
a garrafa 1*200 c 800 rs.
Esleirs de tranca, cento a 20* e 240 cada
urna.
Queijos de qulha novos, arroba 16* e libra
a 560.
Duzia de champanha superior a 20*. e 2* a
garrafa.
Garrafes vazios a 1*600.
Massa branca para sopa a 320 rs.
Frascos com azeitonas e;fl conservas a 800
ris.
Duzia de cartas finas para jogar a 3*.
Sabio hespanhol verdadeiro libra 400.
Saceos com feijao mulalinbo novo a 10*.
Latas com favas j preparadas a 800 rs.
Sevadinha para sopa a 240 rs.
Garrafas com moscatel e setubal a 800 rs. 1
Sag novo a .400 rs.
Breu arroba 8*500 e (bra 320 r.
Latas com 27 garrafas de gaz a 11*, a gar-
rafa 500 rs.
C outros inultos gneros le prhneira qualidade -que nao
mmImI menciona-loa.
A satisacSo da Aurora Brllhante vender muito, embora -barato, mas DIXHEIRO,:
abaten do einco por cento a quem comprar Be 1003000 para cima.
:-\-'s.
9m
0 NOVO DESTILO
zen mm
23--largo do Terco3.
Joaguim Simao dos Santos, dono deste bem sortido armazem de molhados dunoniiuado Con
si valivo do largo do Terco n. 23 scientifica ao respeitavel publico e a todos em gcral que mandejn
e-.t venltam a este estabelecimento para melhor se sertificarem da diminuieao de precos que obtem
ii slc, o que nao obter ae-oonaprarem em omro qnalquer, pelo que se re-sponsabelisa a servir qual-
qujr c-^aiprador com tasuer presteza e liflelidatlc, sem que haja a menor alteraciio. Todo o compra-
dor qua comprar de 100* para cima ter o descont de 5 a 10 por cento pelo seu pToropto pagamento.
Cha hysson niiudinbo e perola a 2*,000 2*500 e
tlalas as mais oras a Wrs. a libra e 1*200 a-ar-
roba.
1 .'alio de Lisboa a 280rs.a libra t 8*500 a ar-
roba.
Caf de primeira e segunda sorte a 240,260, 280 e'
300 rs. a libra.
Arroz (Jo Maranho e Java a 100, 70 e 80-rs. a li-
bra c4*200 a arroba.
P-iOsphmi do gaz a 23 a roza e 180 rs. o maco.
i' - 6*309.
iioiacbinhas inglesas novas a 240 rs. a libra.
Sabio amarco massa a 160,200 e 210 rs. a libra.
Y-b:sj e carnauba Aracaty i:omposicio a 360 o 400
rs. a libe.'.
/.'iieisas/ranceza-i com i c meia libras a I*.
4*800.
AUiho .alpisla e paineo mnito novo a 160 rs. a libra.
Btscoitos e bolachas de soda a 1*300 e 2*
Ararnta das melbores marcas a 1*, 2*, 3*, 4*, e
'**500 a caia.
Charutos em ma Azeite docado Lisboa Al a 640 t. a garrafa.
Dito de carrapato a 0 rs. a garrafa, e 2*000 a
arroba.
Yutbodc Figueira c Lisboa das meibores marcas a
3W, 400, 500, 560, 640 e 800 rs. a garrafa, este
ultimo do Porto proprio para os doentes por
sor purificado e iccommendado'para este lira.
; Queijos do ultimo vapor a 2* e. 1*700.
i Mnteiga ingleza flor a 1* a libra, e a 950 rs. era
NEM COKOAS NEM MITRAS
0
GHU1E
ARMAZEM
DE
RA DO IMPERADOR IV* 43)
Junto ao sobrado em que mora e Sr. >berue,
Dnarte Almeida^t c, receberam de sua proprla encomnien
da o inals lindo e variado sor tmenlo de molhados,
da presente estar.
Mnteiga ingleza
da safra novavinda no ultimo vapor a l,ooo
rs. a libra e em barril a 8o rs\
Mantelga franeeza
da safra nova a 00o rs. albra, e em barril
a 560 rs.
Amendoas
con&itadas de Undtssimas cores a 800 rs. a
libra.
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2#400, muito propios para mimos.
Cartoes
com bolos francezes a '500 rs. cada um.
Latas
NOVA EXPSITO DE GNEROS
NO
AKHAZEM
PRINCIPAL
DE
If^VK ^ %wa^
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidades a 1.&300.
Chocolates
de todas as qualtdades a 1 >0U(i a libra.
Presuntos inglezes
dos melbores fabricantes a 800 rs., tambem
temos velbos para 800 rs.
Queijos flamencos
chegados ueste ultimo vapor a 2j56oo.
Ilcitos
V. O jRUA no ClIJB^rO HT. o
Esquina qae volta para a rn do Imperador
provavel que nao seja bem aceita a verdade, quando a boa f de tid>s anda
proprlos Iludida por esla epidemia de aauzeaticos annuncios de cornetas, tambores, coras. mi-
tras, etc., que todo o dia enchem as paginas deste jornal.
li&pi bmneas ALE UTA
para sopa a meilhor qe se pode desejar, Os annunctantes nao tom era vista seiio garantirn ae fesjeita\el publico *
raaearrSo, talharim e aleiria a 400 rs. a sua palavra de honra, vetidendo com o lucro suficiente para suas Sdbswlencias e nao pac,*
libra e 4,-550 a cai\a. assentarem fortunas a forca da regra de Uga orno outros annum-ianles deste |iiuj,
Vinko PARA TOfilOS
Figueira J A A e outras muitas marcas acre- No armazem prinapal vende-se a todos pelos procos marcados na scgumte la
ditadas a 500 rs. a garrafa. bella, mas nao se vende poritodo o preco fazendo-se peso de arroba hespanliola, garan-
Nem de Lisboa He-se as qualidades dos gneros trocando-se lodo aquelle que nao seja do agrado do
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e ^raP^ador-
2J8O0 a caada Amendoas confeitadas de diversas cores a Lentilhas muito novas excellenle iegumepi-
Idem do Porto 6io rs- a lil)ra- I ra ^P3 a 'i00 rs- a'bra.
generosos engarrafado das melbores fabri-; l^ ?e casca dufa a J* a S*a- acores fraBcezes de lodas as quali.J.ide. t
cantes da cidade do Porto a 1^ e 12001Idem. de casca mole a 30 fs: a lrt)ra-... L 7o.e 9oG rs- arrafa-
a garrafa
cas s3o
F,4M
lagrimas do Doui'0 e.outros muitoa.
Latas
com M bras de tamba a 4^000.
Bolaclmi'ha ingleza
a 1^800 a .barrica da.raesma que .
vendem a 2000 e 2400.
Fozes
as mais novas do mereado a.lSOr-' A bra.
Cervejas
' dos melbores fabricantes|e de todas as mai
chegados no ultimo vapor .a 23600 cadaum.
Hieljo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de excetlaute maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a relalho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 1#200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qulquer nao pode vender por menos de
3 a 2600.
dem perola
especial qualidade a 2700 rs. a libra
dem hysson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 20605.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talliarim e aletria^ a
480 rs. a libra.
CO(!\AC
v muiiu aiuumuti i,u|jnati aic uidliu_ ,i X,> UO
rs. a^?a^afa c de outras muitas qiwl
ues i,wio e oo rs. a garrafa. t
COPOS
cas de 4#5G0 a 6^500 :a dusia.
CHARUTOS
Charutos Tbom Pinto,. Reis e outros ,ciji
meias caixinhas a 1I500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra,, e da India
a 80 rs. a libra, e 25500 a 3$OO0 a ar-
roba desses que vendem por 3J400.
CAF
de l.*e 2.* sorte do Uio de Janeiro a 85f
e 8,51800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Garrafes
com 4 V garrafas com vinagre a lOOfttA
o garra fo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a i 1000 o frasco, e de HjSOOC
a caixa.
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 56800 com
12 frascos.
GENEHRA
de Hollanda verdadeira em hasqueita a 6oo
rs. cada tima.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs. cada caixinha.
LJem em frascos grandes a -2,5oo rs.
dem em latas de i 4/ libra a I,loo rs. dem franceza a 56o rs. a libra, e em barril
Arroz do Maranho e da India o inelbor que ou meios a $00 n.
ha neste genero de 80 a loo 1 s, a libra, e Marmellada do i ."fabricante de Lisboa a te
de 2,5oo a 2,8oo a arroba, | rs. a libra, ha latas de 1, l *U t- 2 Sttu
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, c Maga de tomate em latas de urna e duas li
4,800 rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa el 0,000
rs. a duzia.
Alfaeema murto nova c limpa a 32o rs. a
libra.
Azeitonas muito novas a 2.000 rs, a anco-
reta.
Alpista limpo a 14ors. a libra, e 1,400 rs. a
arroba.
bras, a 600 rs. a libra.
dem para sopa estrellinha, pevide. roinba.
etc. a 3,5oo rs. a caixa e 56o rs. a libra!
Macarrao, taHiarim c aletria a 4oo rs. a li-
bra.
Mostarda franceza preparada a ioo rs. o fras-
co.
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garrafinhas rom rolda e
vidro a Gors. cada urna.
finos de todas as qualidades, a lo,ooo a caixa
com urna duzia e a l.ooo a garrafa.
iVl \ T'TTI P11 fl 1
lapidarlos para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a dos melbores fabrieartteaHfl I iahAa como se-
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaco, greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo, a 4,5oo a resma do me-
lhor.
Papel de hot ira
de excellenle qualidade a 2^200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulhode l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
CorintMas
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oo rs. a libra
Vinagre
PRRem ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna. ,
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l.ooo rs. o molho.
Alpista e Paineo
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
-e 40400 a arroba.
jam Abreu e outros muitos a 600 rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo t
caixa e 34o rs. a libra.
Batatas oras
em caixas de 2 arrobas a 50 a caixa e 60 rs.
a libra.
Passas milito novas
em quartos e inteiros a 20 o quarto e 60500
a caixa e400 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a libra e 140rs. o pao.
Frntas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Rsce da casca da goisba
a 600 e 10 o carxe.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato Marraschino verdadeiro de Zara a 1,000 rs.
Antonio de diversas qualidades, em latas a garrafa, e 10,000 rs. a duzia.
de6 e de 3 libras a 3,ooo e l,5oo rs. a Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
lata, e 64o rs. a libra. Oslras preparadas em latas a "00 n.
dem ingleza em'latas de 2 cde4 libras, Prezunto para fiambre inglez veidadt-ii t. ^a-
das melhores marcas a l,3oo e 2,2oo rs. i rantindo-se a qualidade, a 7oors a libra.
a lata. Passas novas de carnada a 4oo rs. a ufara, e
llanha de porco refinada a 4oo rs. a libra e 6,5oo rs. a caixa.
em barril a 36o rs. Peixe em latas hermticamente fe diadas ,1*
Btalas em caixas de 2 e de 4 arrobas a seguintes qualidades, sabel, corvina. _'.-
l.loo rs. a arroba. rz, cavallinha e pescada a l,ooo rs. ^la-
Champagne das melbores marcas a 2o.ooo ta.
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs. Palitos para denles fichadas a lio rs. o r.ia-
as meias garrafas. I co de 20 macinhos.
Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a li- dem do gaz a 2oo rs. a duzia. e 2.lr*> .
bra. a grer/a.
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs. Paineo muilo novo a 16o rs. a libra, e i.."**
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
fregnezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de lodos es-
tipularam os mesmos precos nos seguintes lugares:
Uiio e {ommercio roa do Qcih'?o n. 7
0 Verdadeiro Principal m do lmperdar n. 40
F4IUCTA8
J^AA, peras e ltvas
chegadas neste ultimo vapor, vende-se tos seguintes lugares: Rua du Imperador n.
40, Verdadeiro PrincipalRua do Queimado n. 7, nio e Commercio.
Hissa de tomate (Ja hitbbr qualidade a 000 rs. a Iwrnl.
libra. fd^m menos suirior de 720 a 8t0 rs. a libra.
J Tinullada dos melhores fabricantes a <3i0 rs. a Hmd iiwiev i do ultimo navio a MM) rs. a libra,
libra. em barril se fara abatimento.
Ch "ricas as mais novas a 360 rs. a libra, e em j (omina da mais alva a 160 rs. a libra e a 4#iJ00 a
baiw por 12JI. arroba.
Ab Vinho Madeira fino.
Vende-se na raa de Apollo n. 4, primeiro an-
dar, ero barris de oitavo, chegado boje.
Vnde-se um sitio as Arelas do iqniar,
com casa de vjvenda e rancho, por barato preco :
I a tratar no mesmo ooin Miguel de Mallos da Silva
Paulo, ou na rua Dircita n. 8. _________
IfflSCSl
Salitre refinado, superior mi i dade, vinho Bor |
deaux, diferentes qualidades, mais barato que em i ,
qulquer parte : no armazem de E. A. Burle &' *,
, roa da Gruz n. 48. I
A Imanok de lembr angas
LUSO BRASILEIRO
par.I 186:;
por < *s ni no
Acabara de rhegar estes j ao ronhecidos al-
manaks e veade-se na ilivraria conomiea ao p
do arco do Saulo Antonio, vende-se tambem col-
lecooes cotnplutas dos mesmos almanaks em 15
volumes.
3
m asBccp-s mr'SL o o as o
s.g s.g.3 3 GP s i
ce.
a _
i a s >i
c/.
=- -
ere
-' 3
K
* s
o.


ra-^
-3 O Ct>
S5 "' *
& r.w a o. s, a s E
L"l-fi*tMfl
g
2
aaa
a_B5;'oa
-, w fi "v *
B "E
!fi W _
Q. O J "I
O C-1" g 3 a> -t f= ->= t:
w s
I.|3
Q.O
s
o
c a
rfl
S 3 K
ao u o
2-fi.
&> s
8^
5,3 aa
a.2
i
03
t
=:
B
B
2.

o -;
Se c
03 f.
B O
~
2 ='
9 st
Na rua da Cadeia, armazem n. 53, vende se
o seguinte : 4 uardas-roupa de raiz de amarello,
nona, l monilia.de dilo tambem nova. 14 duzias de
cadeiras de cereja, bercos de faia. I banca de ad-:
vogado, 1 msbilia de Jacaranda, nova. etc. : veu-
de-se muito barato e a dinheiro.
S
a libra.
dem hysson o mellior que lia neste genero
a 2,ooo, 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em lalas de 2 a 8 libras, a l,3oo
rs. a libra.
dem pelo homeopalbico 2,oootrs. a libra.
a-. .. j.. Jo.. m>.h uo ui. 11 uas 0 ,ooo ra. a du-
zia, e 56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, suisso e hespanhol a
1 ,ooo, 1,2oo e 1,4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Furia
do de Simas e outros da Rabia como se-
jam Regaba, Trovadores, Guanabaras, De-
licias e Suspiros, a l,6oo, 2,ooo, 3,ooo e
4,noo rs. a caixa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco.
dem franceza surtidas ou de urna s quali-
dade de cada frasco a 5oo rs.
Cognac inglez e francez a l.ooo rs. a garra-
fa, e lo,ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a Goo rs. a libra.
Canella a l,ooo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4.8oo,
5,ooo e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs. cada
um.
Caf do Rio superior 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,5oo a 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear a 26o, 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,ooo a 8&QO rs. a arroba.
Doce de goiaba a 6oo rs. o caixao.
Ervilhas portuguesas em latas, chegadas ul-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem seceas a i6o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo rs.
cada urna.
Graixa nova a loo rs. a lata, I,loors. a
duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras de 12
frascos a 5,8oors., e 56o rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs. cada rima.
dem em garrafes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafao.
dem idem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem ingleza em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro, qualidade superior
a l.ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a l,ooo rs. o fras-
co, e H.ooo a frasquetas de 12fiascos.
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
l,8oors. a garrafa.
rs. a arroba.
Queijos flamengos do ultimo vapor.
Idem prato muito fresco a 8oo rs. a lil-i a. e
sendo inteiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidro a *oo r=. efe-
da um.
SarlDbaa de Lisboa e de iVarites a Oo r.-
a meia lata, c ioo rs o mito.
Sag muito novo e alvo a 24e rs. libn
Sardinha de Franca a 18o rs. a libra
Sevada a loors. a libra.
Toucinlio de Lisboa a 24o c 3oors. a libra
Tijolos para limpar facas a 15o rs. cada ou '
Vinho em pipa, Porto. Lisboa e Fifueira m
marcas menos condecidas a 4oo r< a gar-
ran, ea 2,8oo rs. a caada.
dem Figueira expecialmente aaMdn i el<
lugar a 6oo rs. a garrafa, e 4.;M.
dem Lavrad.o, Colares muo frefrt, itm
composifaoa toors agarrafa^ \,?>,, ,
caada.
dem Lisboa em ancoras com 9 caada* mar-
ea especial a22,ooo rs. a aacora.
dem branco uva pura a 5Co rs. a garra!*
e a 4,5oo a caada,
dem Porto fino em pipa a -*>0o ra. a gana-
Id*
dem engarrafados generosos, Lagratas ,i,
Douro, Duque do Porto, I). Ltiiz'l. |i pe.
dro V, Nctar, vell.o secco, Malva/ia f
genuino particular de 9ooal,?or) rs. a gar-
rafa c a to,ooo rs. a caixa com urna duzia
dem Madeira legitimo a 1.2oo rs. a larrafo
ea 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a looo rs. a garrafa.
dem Rordeaux dos acreditadas man as Si
JuhenSt. Eateph, cliieau la Ro/e. chatao
Margoux c outros a 6,ooo rs, a caixa r Mi
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2.ooo
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e Moo
rs. a caada,
dem em garrafes com 5 garrafas a 1 .asa rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna,
dem de escovas para lavar casa a 36o rs.
cada urna.
Vellas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e sendo em caixa a 52o rs..
dem de carnauba refinada e de coMpoai lo
a 36o rs. a libra, e lo,5oo e 1 l.ooo rs. a
arroba.
Uenco
Vende-se urna casa na Estrada Nova, propria
para morada e para negocio, tem commodos para
familia, e terreno para plantas : a tratar na rua do
Coto vello n. i, taberna.
Cera de carajitiba
de boa qualidade vende-se no armazem da rua da
Ctuzti 33, abae se compra com mdico descon-
t cdulas das caixas filiaos de outras provincias
e do Banco do Ura sil.______________________
H-'i-hinas prensas para tintino.
Chiparan acora da America as verdadeiras ma-
chinas d diversos tumanhos para descarocar al-
godao e pressas do inulbur .s\sipma paranfuidM'
o thesmo : a ver e tf atar na trvessa do Carioca '
n. 2
03
3
FAZENDAS BARATAS
l'assrio Patita 11.
Admirem !!!
O dono do aniipo esialiflecimenlo do Passciofii-
blico n. 11, participa ao publico que tendo de mn-
dar cora brovidade a sua loja para oulra lociida-
ae, est resotvido a veuder todas as fazenda- por
barato preco.
E" qaeimar!
Vndense chitas Jareas pelo barato IMa da
260, 280, 320, 360. 380, 400 e 440 rs., ditas omi-
tas a 200, 220, 210 c 260, ditas percala 00 r..
ditas estampadas a 440 rs., ditas para robera -
320, dita larca a NO rs. : s no Passcio Pub'iro
a. U, para se acabar.
Haloaioa!
Vemlem-se balocs a 2*300, A*, 3*899 e 4**.
brim branco de linho ala vara, dito fardo do
SimArni Aol 'a Tclma li-tra a 720, ganga ..marclla para cal?a a 500 rs. o
OUptirlOl CtU e 1/lSUOU. covado : s no Passeio Publico n. II.
Sende-sc superior cal do Lisboa a mais nova nuc I k' uueiiua r barata.
ha no mercado falto am porx;ao como a relalho, I Ric0,. rr(es de vestidos de cambraia a M pa-
por barato preco atiancando-se aos compradores a IjnPtt para c,|c,, a 720, madapolJo fino rom 2ii
superior qualidade : a tratar as seguintes ras vara Lrespo n. 7, Imperador n. 28, Forte do Matto ut, ; umbem sp dao amostras, deixando penlior
marem
godao.
iraichc do
Vndese ama taberna na rua Dircna oo>
----Afogados com paucos fundos, boa para quem ga-
zer principiar, e tem muitos commodos para fa-
milia : qut m a quior comprar, dirija-se nv .1;.
Oh ? qne pehlncha !
OhiUs fraacezas escuras a 300 rs. o covado : na
loja de Pinto 4 Fieros na rua da Cadeia do Kecifc roa, padaria n. 66, que visla do comprada se
n. 47, esquina que volta para a Madre de Dos. far Iodo o negocio.
MUT


%

Diario 4r Prn^r. egunda Celra 13 dt OaUubro e !*.
x
&0 PUBLICO
Sem o menor constran-
gtmento se entregar e
importe do genero que
nao agradar.
ATTENCAO
Os |*recos da seguiuie
tabella para todos, po-
dendo asslm servir de Ia- j
se para o ajuste de contas
coui os portadores.
RIJA HA CAHEf A 0 RECIFE I. 53.
(Logo passando o arco da Conctelo)
Cirande redueco de procos, equivalente a dez por cento menos io que outro qualquer
annunciante.
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o preco da manteiga ingleza a I,ooors. a libra, bem assim o de outros
rmntos objectos, etc., dando com isto ocasiao a tudas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritarem em j
alta voz, que podem vender pelo jDreco que cu vendo!! I Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema que vim encontrar, de so so vender com um por cento a carola, resolv azer esta glande reduccao de preces, como veris
pela segunde tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do monwavel armazem de molhados Unio Mercantil nao
se sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de I,4oe a I,Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que
estao obligados, encarando todos os dias de scus freguezes reclamacao de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
mal informado deste novo estabelecimento, para Ihe vender goneros nao proprios de um estabelecimeuto desta ordena, que o seu im
to smente obter a concorrcncia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Sentares e Senhoras o aceio que presidie, aos arranjos deste novo estabelecimento, e mais que tudo apromptidao e entei-
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escollada a 800 rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem franceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 5Go rs. a libra, e em barril ou
meitisa 5oo rs.
< ;h hysson de superior qualidade a 2,6oo rs.
a libra.
Ideal pere-la o mais superior do mercado a
2,800 rs.
Idem huxim o melhor que se pode desejar
oeste genero 2,0oo rs.
dem preto bomeopathico por ser de superior
qualidade a 2,000 rs. a libra,
dem hysson, huxim e perola mais propriQ
para negocio o 1,600, i ,80o c 2,000 rs. a
libra, garante-so ser muito regular, igual
ao que se vende eraoutra parte por 2,4oo
e 2,600 rs.
Ciiigmcas, chouricas e paios em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 0,009 rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e I,5oo eoo rs. a libra.
Queijos llamengos muito frseos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a l,Goo e i,800 rs.
Mem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-1
ro se az abatimento.
Idem prato muito fresco a 800 rs. a libra.
1 em do Ale-ntejo o que se pode desejar de
fresca c superior a 800 rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
Ervilhas e favas portuguezas em latasj pre-
pararlas a 61o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Prezunlo do reino vindos de casa particular
.1 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem insieras para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 0,000 e 5,5oo a
duzia,
Choculale francez, suisso e hespanol a 9oo
l.ooo e l,2oo rs. a libra.
Espermacete cm caixinbas contendo 6 libras
r V,000 rs., garante-s serem transpa-
1 ote e de superior qualidade, tambem tem
de 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-d
ila, salmao, ostras e chernee, vezugo em
latas grandes a 800 e I,ooo rs. cada urna.
Vinbo Bordeaux das marcas mais acredita-
das q.ie tem vindo ao nosso mercado a
rs. e em barricas de 4 duzias se faz abati
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.5oo rs. a arroba,
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e !),ooo rs. a arroba,
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs, a libra, e 7,8oo a 8,000 rs. a
arroba.
Arroz daMaranhao a loo rs. a libra, e 3ooo
rs. a arroba.
dem dalndia muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 80 rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco ealpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de I e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Alelria, macarrao e talharim a loo rs. a li-
bra, c 9,000 rs. a caixa.
dem e lalherim branca a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendavers as
pessoas doentes por serem propiamente
leitas para esse fim.
Estearinas a 060 rs. a libra, e em caixa com
2o libras a 52o rs.
Yinho do Porto muito fino cxcellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por IS.ooo rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o,
4oo eooo rs. a garrafa, em caada a 2,5oo,
3,ooo e 3,8oo rs.
Vinbo branco de Lisboa de excellente quali-
dade a ioo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,000 rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 680 rs. a garrafa.
Vinho do Porto das melbores marcas, que
vem ao mercado como sejam Lagrimas do
Donro, Duque do Porto, DuqueGenuino,
D. Luiz I., Madeira secca, Mulvazio fino,
Feloria em caixa de 1 duzia de 9,ooo a
do,ooo rs. e a 9oo e I,ooo a garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 61o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 56o ts. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melborconserveiro de Lis-
boa a fiio rs.
Bolachinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 24o rs. a
libra.
Bolaclrinha de soda em latas com diversas
6,000, 7,ooo c 8,000 rs. a caixa. garante-1 qualidades a i,3oo rs.
se ser de qualidade superior, que outro 1 Bolo francez em caixinhas muito proprias
ijiiaqtier nao pode vender por este preco. | para mimo a 64o rs.
Geuebra del HoUanda a 56o rs. o frasco, ePassas muito novas de carnada a 4oo rs. a
5,7oo rs. a frasqueira. libra e 6,000 rs. a caixa com 28 libras,
dem de laranja verdadeira de Altona em Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grandes a l.ooo rs. o frasco, e l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
11,000rs. a duzia. Amendoas de cscamele a 32o rs. a libra,
dem de Hollanda em botijas grandes a loo Bolacliinhasd'agua em sal da fabrica do Beato
Antonio de Lisboa em lates, com 6 libras
por 2,oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditasimpeciaes emlatas
de 3 libras por 1,000 rs.
Ameixas francezas em latas dcil e meia libra
pori,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora I,2oo, l,5oo, e!,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 83'rs. garrafa 8 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molho inglez era. garrafa de vidro com
rolha do mesmoa 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melbores fabricantes a,|
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a 4oo rs.
Lentilhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro.de Zara,em garrafas
grandes a i ,00o rs. e 14,000 a duzia-
Palitos para dentes a 14o e 16o rs. o mago.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 000 rs.
jCerveja branca e preta das marcas mais a-
creditadas que vem ao mercado a 0,000 e
i 5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa,
f Sag muito novo e alvo a 24o rsJ a libra.
Sevadinha de Franca muito nova !a2oors.
Charutos de lodos os fabricantes daiBahiae das
mais acreditadas marcas condecidas Bo
nosso mercado ai 2,ooo, 2,5 3,5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez das melbores I marcas a
garrafa.
Agua Florida.
Para restabelecer e conservar a '; natcrl
dos cabellos.
A agua florida nao O urna Halara, :...> .,*-
al a contestar, a mesm.i afa daatfo .. .-6r ,
tiva ao cabello. Composta de plantas ex rtc ? a
de substancias inofensivas, rila Uh, ,.,
de restituir .ios cabellos o priarinai 1 onm..... 1 '
les tem perdido. D'uma saluhriil :i-
vel, a Agua Florida entretcm a lirrj %
destroc as caspas e impene i.s ral
Oleo de FIori.fi
Composto de substancias rifan** < '.<:.', "&
constitde poderosameni'-, am a Agoa Pl- r.:., *
forra, a beit za e a conservado dos ralmllo
Em Pars, casa do Qutsl.ior n. 13, ru.n
lien, e 3!, boulovard Moiitmarlrc.
Todos os frseos, nao tend > ialart >
timbre prateado da casa, sSo MptMdH 1.:
Deposito, ra do Imperador, phira
Ataua de lecebei d sua prupria. eaGommeiJa um granue e variado sbrtimento
de molhados todos primorosamente escolhidos, por isso apressa-se o proprietario em
florecer aos.seus, freguezes e ao pubco em geral a seguinte tabella dos seus gneros e!
resumidos pregos, abantando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem. !
Amendoas confeitadas de 800 rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 1,000
rs, a libra e 800 rs. sendo em barril.
dem franceza a ;6oors. a libra, e 56o rs.
sendo em barril.
Cha oxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,,8oo rs. e de 8 libras para
cima a 2,7oo
Licores francezes e portnguezes das seguin-
toe marcas creme de violetas, gerofles, ro-'
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-'
dua. amarga, percicot. de Turin, Botefim, j
morangos, limo, caf, laranja, cidra, gin-
ja, canella, ccavo, ortel pimenta a 1.000
rs, a duzia 1,000, re. agarrafa, garante-se
que os melbores que temos tido no mer-1
oado.
dem hysson o mais superior que se pode Passas,muito novas em quartos. e inteiros auj
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima
a2,5oo rs.
dem menos superior a 2,4oo ede 8 libras
para cima a 2,3oors,
dem proprio para,negocio 1 a2,3oo, desfi-
bras para cima a>2,2oo.
dem do Rio em latas de% 4,6 e 8libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata,
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,8oo rs.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e 2,4oo, a 4,800 rs. a libra,
dem mais baixo bom para negocio a l,5oo
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a I,5oo
rs. a libra.
Qneijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,Goo rs
dem prato os melbores e mais frescos do
mercado a 800 rs. a libra sendo inteiro.
Genebra marca gato a 1.7oo rs. a garrafa.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas : Osborne, Crakntl, Mixed, Victo-
ria, rec-nic, ranee, Machine contras mui-
tas a l,3oo e i,4oo rs.
Fumb, americano em chapa a I,6oors, a
AniWui de odas as qualidades.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 3$ a
caixa e 60 rs. a libra/
l.oeo is. a P... Balachinha de Craknel em latas de 5 libras
Doce da casca da goiaba em latas de 4 h-i bruto a 4,000 rs.
bras por 2,ooo; ditoemcaixesa6oors. dem inglezas em barricas amis nova do
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra elo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito frescas a
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinhe de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,ooo. rs
Cebollas soltas a I,loo o cento; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
AGENCIA
DA
FUNGI LOW-AOMOOB.E
iiiia da SenzaMa nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meiai
mcendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
iamanhos para ditos.
Arados americanos e machinas par
lavar roapa: em casa de S. P. Jobnston A C,
ra da Senzalla Nova n. 42.
Vinho do Porto superior
dm caixas de nma e doas duzias : tem para Ten-
eer Antonio Luiz de Oliveira Azevedu & C, no sen
escriptorio na da Cruz n. 1.
Fabrica Concepo da 1
Bahia. 1
Andrade k Reg, recebem constante- S
mente e tem venda no sen armazem n. J?
3 i da ra do Imperador, algodao d'aquel- ^t'
la fabrica, proprio para saceos de assu- *?J
car, embalar a!udao empluma etc., etc., |$f
pelo preco mais razoavel. *t
1KHA/IM
FRONTEIRO
DE
Ra da Senzalla n. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston A C,
sellins e silhes ingleaes, candieiro* e cwtb-
caes bronzeados, tonas inglezas, fio de vela,
chicotes para carros e montara, arre'ws para
carros de um e dous cavarlos, e relogjos de
ouro patate inglez.
A Icatro
Vende se barris com alcatro, na ra da Om
n. 23, primeiro andar, oscriptorio de Antonia de
.Almcida Gomes.
P0T4SS4
Vende-se potassa era barris a comniedo prego o
na rna da Croz n. 23, primeiro andar, eseriptori:
de Ar'.obo de Aimeida Gomes.
AliVES COUTIUHO c BKA\DiO
21Largo do Tergo21
Ao publico.
Chouricas mnito novas a 64o rs. a libra ; chocolate francez al,ooo rs. a libra;
ameixas idem ; al pista a 16o rs. a libra, e 4,6oo rs. a arroba ; arroz do Maranhao e da
India de 8o a loo rs. a libra, e em a arroba de 2.6oo e 3,ooo rs. ; azeite doce- refinado
a l,ooo rs. a garrafa e em porco, menos; idem de barris a 64o rs. a garrafa, e em cana-
da a 4,8oo rs.; banha de porco a 4oo rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
aovas a o rs. a libra, e 1,2o n-s. a arroba ; cha perola, bysson, miudinho a l,8oo, 2,4oo
e 2,5oo rs. a libra; charutos dos melbores fabricantes da Babia de 2,ooo e 4,ooo rs.;
cerveja branca e preta a 5oo rs. a garrafa ; cravo, canella, cominho e erva-doce, conser-
vas inglezas em frascos e meios de |oo a 9oo rs.; cognac inglez superior a i.ooo rs. a
garrafa; eaf de 1.a, 2.a e 3.a qualidade de 8,5oo, 9,ooo e 9,5oo rs. a arroba ; cevad-
nha a oo rs. a libra ; ervilhas portuguezas em latas de 1 *[% libra a 7oo rs. ; spermacete
a 56o rs. a libra, e em caixas a 52o rs.; farinha de araruta verdadeira a 2oo rs. alibra,
j e em a arroba a 6,ooo rs ; genebra de laranja a I,ooo rs. o frasco ; idem de Hollanda
a 64o rs., e 4oo rs. a botija; graixa em latas a i ,2oo rs. a duzia ; manteiga ingleza per-
feita flor a 8oo rs. a libra ; idem franceza a 56o rs. a libra, e em barris a 52o rs.; I maca
de tomate a 6oo rs. a libra; marmelada dos melbores fabricantes a 64 rs. a libra; ale-
lria, talharim e macarrao a 4oo rs.; marrasquino de Zara verdadeiro a l,ooo rs. cada fras-
co ; nozes muito novas a 2oo rs. a libra; passas a 4oo rs. a libra ; painco a 16o rs.; po-
mada a 24o rs. a dozia; pimenta do reino a 36o rs. ; papel almaco e de peso de diver-
sas marcas; palitos do gaz a 2,2oo rs. a grosa e 2o rs. a caixinha; ditos de seguranca
individual a 2o rs. a ciixinha e 36o rs. o maco,; queijos llamengos do vapor a 2,ooo rs.
cada um; cevadinba a 2oo rs. a libra; sardinhas de Nantes de 4oo a 64o rs. a lata); sa-
b3o massa mnito soperii r a 2oo rs. a libra; toucinho de Lisboa mnito alvo a 3oo rs. a li-
bra ; vinbo do Porto velho engarrafado a 4,5oo r&; idem em barril a 8oo rs. a garrafa,
sendo porcao faz-se differenca e em caada a 5,ooo rs.; ide-m de Lisboa muito superior a
4oo rs. a carrafa e 2.8oo rs. a caada ; idem da Figueira J. A. A. a 5oo rs. a garrtfa e
3.6no rs. a caada; idem do Estrado a 36o e 320 rs. a garrafa e em caada a 2,56o;
idem Bordeaux a 56o rs. a garrafa ; idem branco de Lisboa, proprio para missa a 5c o rs.
a garrafa; vinagre de Lisboa muito superior a 2oo rs. a garrafa, e l,4oo rs. a caada
soda, cevada, alfasema, gaz e tijolo de limpar facas a 14o rs. Presuntos de Lamego ; 5oo
ea.ijs a.ir rb outros muitos gneros quedesnecessario menciona-ios.
mercado a 3,5oo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 8oo rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Papel de botica de excellente qnalidade a
2Ioors. a resma.
Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
Bicos frascos com frutas francezas em calda
a melhor que se pude desrjar de I,4oo a
3,ooo o frasco.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a I2o rs. a
lata de 21)2 libras.
Foijao verde em bages em latas a 64o rs. a
lata.
Nozes mnito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 6oo rs. a libra,
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
.seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a lo.ooo e
I.ooo rs. agarrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,oeo a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oo rs.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composiejio a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
caada.
Farinha de matarana a 240 rs. a fibra.
Ricas caixas com figos a 1 ,ooo rs. cada ama.
Ricos livros com figos l.ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada muito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafes com 4 !/s garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafao.
dem com 4 */ ditas de venagre a l.ooo rs. o
garrafio.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
I5,ooo rs. com aancoreta
dem em pipa puro sem o batisms a 2oo rs.
a garrafa e i ,4oo rs. a caada.
Caixas com I duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8eo rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
2,ooo rs o quarto.a t,5oo a caixa e4oo
rs, a libra
dem corinthias proprias.psua podim a 800,
rsa libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra.
Ervilhas,secas muito novas a 16o rs. a libra.
Grao debico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 64o rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a 1,600 rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para fiambre nglezes a 7oo e 800
rs. a libra.
Chouricas e paios mnito novos a 64o a libra.
Caixas de traque n. 1 a 8??500 cada urna. 1
Massas para sopa macarrao, talharim aletria
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa;
e8oors. a garrafa,
dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a i
garrafa.
Charutos em grande quanlidade e de todos os
fdbiicaulea maia a creditados a 1,500,
2,000, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa.
os mais baixos sao dos que por abi se ven-;
dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
Caf de premeira qualidade a 8.3oo e 9,ooo'
rs. a arroba e 28o a 22o rs. a libra.
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a fibra.
Arroz do Maranhao a 12ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,600 rs. a libra.
dem da India comprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-1
roba, e 36o rs. a libra,
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-
Idem de esp'armacetea 56o rs. alibra, eem' N.llA.ll .iRRlMn BE DnRTPt,
caixa a 52o rs. com 25 libras. A venda as boticas de Caors A Barco: \
Papel o melhor que se pode desejar para os roa da Cruz, e JoJo da C. Bravo C, rna
Srs. empregados pblicos a 5,ooo rs. a res- j da Madre de Dos.
ma, j se venden por 7.000 rs. I ,(I,(il,.ini ..---------------
Idemalmaco pautadoe liso a 3,000 rs. a resma. 1 V! I r !\i ] \\
Os CM
OS MAIS AGGRAVAATES

D'liHia |MTt!iaZ UHHi. :<5
lR
ESCRFULAS,
OU ERUPCOES ESCROFULOSA
Ulceras V luda 1 wpetk
SYPHILIS. OU MAL YENKRKO,
miMtix
i:biilli<;o<'.
BERTOEJAS,
OPHTHALIIA,
Hydropisia,
HERPES,
EBYS1PBLAS
ESCORBUTO,
Ti 11 lia.
GHAGAS ANTIGS,
Rheutnatismo Chrorf'o,
DEBILIDADE UERAL,
Nervosidadp, Ncrralr.
PALTI DE 1PPBTITE. FCTft,
SUPPRESSAO DAS REGRAS, ou
AMENORRHEA.
inilU. I IBES BNRti.
Keteurao das l"riuav
EMACI A(;A( >.
Oh emmagrecbnentogcml A < / ,t .
tdetite. do estado vicioso do MtHjjHt,
INFLAMMACOES CHROHICAS,
Afec9des Chronicas do Figado
A.-SIM COMO TODAS A< MAIS sIMIl II v .,., >l,>.
I.ESTIAS, rniNCII-ALMK.NIK 9*0
CAUSADAS, 017 nOMHDM N M' I
uvKE i>o do Httonoo <>L
QlININO,
Awlm rama Inmbpm pr\m (r^mrnlr <> ,' AK
SKMCO c omnu rrrpnrn; c* Minera!'
Todas estas Enfermidades prompt.i e eTica*.
mente cedem benfica, poderosa e
purificantes qualidades da mu
justamente .itamadn
dem de peso pautada
resma.
e liso a 2,5oo rs. a
Vende-se pela quanlia de 4:500* as ir- .oarf-s
, parles de um sobrado ne dous andares, silo n
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2,oo rs. g0 Padre FlQT-aao D. 2I, ed.r.,-ado em aSm p?
a resma.
dem embrulho de 1,2oo a I, ioo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 l/s libra a
l,2oo c 800 rs. a libra.
prios, e bem conservado : a tratar no primt rn ->a-
dar do mesmo sobrado a qualquer hora d<> rtia.
Vende-se urna esorava de idade 18 ann -.*.
sem vicios, engorama, cose perfeitam^n:! a
bem Qozinha, tres escravos para todo n tta
dem em frascos de-3 libras a 2,500 rs., S O sendo um insigne mamneiro : na trarea ffj
frasco valle 1,00o rs. tambem temos em
frascos para l ,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
* '
Molhos inglezes a 800 e i ,00o rs. o frasco.'
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a 7,ooo rs. a
duziae 600 rs. a garrafa,
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,000 rs. a duzia e 5oo rs.a garrafa.,
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a 1,00o rs. o molho e
800 rs. o cento.
Genebra de Holkmda em frasqueiras a 6,000
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a ioo rs.
dem em garrafes de 14 garrafas a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caixa.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs. o macinhos a 12o rs. o masso.
Ceminhos muito novos a 32o rs. a libra e
lo,ooo a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18b rs. a libra.
Milho arpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomma a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixes em latas a 1,00o rs. a lata j prompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,ooe rs.
Doce da casca da goiaba a 600 e 1,00o rs. o
caixao.
Carino a 1.
ESCRITOS FGIDOS.
Fugio na tarde do dia 16 de julho p. p. os
escravo pardo, de nome Marcos, desembarrad'
do hiate Suata Anna, vindo do Aracaty, tent
de idade 28 annos ponco mais ou menos, e os siff-
naes seguintes : altura regular, secco do rorpe
pouca barba, cabello crespo, levou camisa
calca de algodaosinho de riscado azul ectfr
peo de palha, tendo levado comsipo nma Man
com mais roupa, e rendido de nma das veninas
ue.m o appreender queira leva-lo i ra da Marii
e Deus n. 38, ou ra do Brum n. 5o, qner*>.
recompensado.__________________________
Desappareceu desde o mez passado, a eserava
creoula Joaquina, coi- preta, alta, magra, ps gran-
des e apalhptados, com algumas pintas brancas n
cabeca, costuma andar de timao ou chales a nonln,
inculca-se de forra, e por este modo aloga-se como
ama em casas particulares para engommar ; t-.in
sido encontrada a noute na ma do Hospicio
Unio, e ltimamente consta que est servtfo
como ama, em urna casa no bairro do Hertfr :
quem apprehende-la ou der noticia no pataete
do visennde da Boa-Vista, rna da Aurora sera ge-
nerosamente recompensado.
O proprietario do grande armazem Unio e Commercio declara aos seas regu
zes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos eslipulou
os mesmos procos nes segoiates lugares:
Unifto e Commercio ra do Quemado n. 7.
O Verdadeiro Principal ra do Imperador n. 40.
Escravo fgida
Fugio no dia 20 de setembro um escravo de .ti-
me Miguel, da enfade de Olinda, por occasiao de
ir vender leile na cidade de Hecife, tendo de itidm
40 annos, pouco mais ou nenes, com os sigu*-
seguintes : da Costa, talludo, ja tem cabellos e
barba bastante pintados, um pouco coreando, c.j-
tuma andar de alpergatas, as vetes em om s #
por causa de era vos, por esta causa quaaa
coieia, tem sido visto ao Hecife, suppe-se
em algn sitio, fingindo pagar semana : quem ai
apprehender queira leva-lo ao seu senhor Jos Pi-
gaeira Carado, na cidade de Olinda, roa > A>
paro, sobrado n. 40, que ser gratificado.
Escravo fgido
Fugio do dia 7 do correte o preto Amancio* to
estatura regular, as dnas pernas arqueada!, falta
de dentes, representa ter de idade 22 25 annos :
quem o pegar leve o rna do Trapiche, hotel da
Europa, que ser recompensad.


I
V,

8
Diaria ie
,
huf -- relinda frlra 11 i# Outohro 4c ltftl.
LiTTERATORA.
M POCCO DK TluO.
Sobre o assassino de Mr. Briggs colhemos o se
gmnte de varins orate* europeo.-* :
E-ieraudo a ehegada de Muller, os Ingl.-7.es, e
principalmente a populagao allenia de Londres,
trataran] (laicamente do negocio que liie dizia res-
peito.
Depois do picesso Bernard, nao leiu havido
I .; judicial-.,i. quo tamo liaja absorvido a altea-
Qao do publico, e com quanlo a eulpabilidaJe do
Allemo Muller csteja admitti Ja pela materia do
povo, produ-se nesta occasio um muvimento de
i i ;h>, que podo inuito bem exereer cerla n-
Huonca nos debates. Em todo o caso, Muller ha
de ser julgado cora (odas as garantas possivtis.
Os Allcniaes membros da sociedade de proteecao
I 'gal (Germn legal prolection Society) j se reuni-
laui era assembla extraordinaria no hotel Seyd,
I insbnrg square, e depois, de urna discussao mu-
II animada, resolvern que um memoro da cora-
laissao, acoiopauliado de Mr. Thoinaz Beard, ad-
vocado da sociedade, se dn gisse a Liverpool, pa-
r.i asststir ao de?eiubarque de Muller, ou, no ca,-o
Ce qnalquer embarace, ehegada do trein esta-
blo de Uaston-square.
Alin disso resolverara tarabem prover de tesa
do aecusado, c para esse lim fui escolhido utn ho-
rneo) eminente, do conselho da raiuha.
Juiga-se que ser Mr. Ballauline, sendo este dis-
Uoelii advogado auxiliado por M. M. llarding tif-
fard e rndge.
Tein-se erapregade incessantes esforgos para ate-
i.uar, se possivel, a culpa que pesa sobre Mul-
lir, o afirmase que Mr. Beard tem alcancado ura
grande numero de testemunhas que, al certo pon-
i, ju-tifleam a pos;.e, ainda que inexplicavel do
relogio de Mr. llriggs, assim como os outros objec-
ls qus se encontraram na malla de Muller, no
Momento da sua priso a bordo do Victoria.
A grande tarefa da defesa ha de ser procurar e
provar a inculpabilidade do aecusado; nao pro-
vavel, que este resultado se consiga perante o raa-
gistrao de Bow-Strect.
Julgamos que Muller, depois de comparecer no
tribual, e de ser conhecida a sua identidade pelo
ouiives Death, e pelo cocheiro Mathews, em casa
Qc quem residiu, podera aproveitar as disposges
da le, que Ihe permute a sua defesa, sendo o ver-
adeiro debate no tribunal superior. E' provavel
tambera que o acensado reclame o beneficio de ser
jnlgado por ura jury mixto, composto de Inglezes e
Allemaes, era egaal numero.
Um pretendido cmplice de Muller. o livreiro
Jorge Angosto King, denunciou-se a si proprio
como tendo auxiliado o assassinato de Mr. Briggs.
Este horaem, que se lamenta amargamente do ac-
4o que praticou, compareceu perante o magistrado
fle Worship Street. Fez-se acompanhar de Mr.
Abutt seu defensor.
O nico acto grave que se imputa a King, ter
sido visto na proximidade do ponto onde o crime
se praticou, e confessar elle raesrao que assistiu
ccaduceao do ferido at taberna de Mitford Cas-
Ce. Todava o propnetario d'aquelle cstabeleei-
i uto atllrma que Kiug nao sahiu da sala, e que
si achou ali desde as oito horas, isto dnas horas
soles da perpetracSo do crime. O magistrado Mr.
Eilisoo lembroa a Kiug que elle tinha positiva-
r.'.'jnte aflirmatlo, tjuo sa dirigir a Uharna '.ni...
i: assistir ao assassiaato, e antes do corpo da vic-
tima ler c-ido transportado para Mitford-Gaslle, e
disse que urna vevtjue as testemunhas declra-
am que King estivtra presente na taberna, seiu
coder'coi indicar a hora, julgava-se obrigado a
oaserva-lo preso; mas promeiteu examinar o ne-
g icio o mais breve possivel.
(ling pediu a sua soltura sob (anca: mas Elli-
ton recusou-se a.llender esta proposia, e o preso
rtirou-se opprimido, e apparentemente desespera-
do de se ter entregado justicia.
De Queenstown dizero, em 7 de seterabro, ao
Tiiius c segrate :
O Vktoiia, navio a bordo do qual Mullir, que
SO suppe ser o assassino presumido de Mr. Briggs,
liaba tornado passagem para a America, chegou a
Nova-York a 24 do mez ultimo. Muller foi inme-
diatamente reconhecido e preso.
Para que fose impossivel a Muller escapar-se
tinha-se enviado a todos os pilotos urna carta-cir-.
rular confidencial, e logo que na tarde de 2i appa-.
receu o Victoria, abordaram-no os agentes da po-
Hela secreta e prenderam Muller. Este negou o |
crime, dizendo qae nao tinba nenhum conhec-
mento do facto; e, explicando a razio porque na
sua bagagem appartciam o chapu c o relogio do
assassiuado, disse que os tinba comprado era Lon-
dres.
Muller um horaem de uns i annos e o seu
exterior autipathico. Tem cinco ps e seis pole-
gaJas de altura, olhos pardos e esta pobremente
vestido.
Foi conduzdo para o quartel geral da polica,
onde se le tiro'u o retrato.
O seu exterior causou um desaponlamento ge-
ral, pois em lugar de um hornera de olhar feroz,
que todos esperavam, sae ura pobre diabo, que
parece mais morto que vivo.
preso disse que queria ura defensor legal, raaj
que nao tiuha diuheiro para Ibe pagar.
Na interrogarlo diante do commissano dos Esta-
dos-Luidos, Newton, asssentou-se tranquilamente
e parecia nao lomar iuteresse no que se passava.
Disse que esperava sua irma, mas que nao poda
dizer se ella eslava no tribunal.
O tribunal adiou a deciso para o da seguinte
27, que foi quando o City of Baltimore, que trou-
xe estas noticias, sahia de Nova-Vork.
Acredita-se que o inspector Tanner pariiu de
Nova-York a de seterabro com o preso e que che-
gar at 15 a Inglaterra.
A priso de Muller causou urna extraordinaria
agiiaeo em Nova-York.
Muller, o presumido assassino de Mr. Briggs,
chegou a Liverpool, no da 17, no vapor Etna, e
na manha do mesmo da parti, com o inspector
da polica Tanner, para Londres, onde chegou s
3 horas menos 23 minutos, pelo eamiuho de ferro,
sendo logo transportado, em urna carruagera fe-
chada, para a priso de Bow Street, e chorava
quando entrou na priso.
A inslrucco do processo devia romecar no da
19.
so completamente inditfereute a indo quanio e
passava. Quando chegou estagao, perguntei-lhe
se quena tomar alguma, cousa ao que me reptl-
cou: Nao.Disse-lhe depois : Tenho um de-
ver a cuuipnr; quero desempenha-lo com brandu-
ra, e creio que faries melhor se tomasseis alguma
cousa Nao, icspoudeu elle, nao poj>so comer
e desatou a chorar. CoMO. pjr uns vinte minutos
e depois comeu algumas fatias de pol cora inanlei-1
ga o loinou cha. No da 31 oolive o toarraiit. Du-
raute este lempo o pnsiouoiro foi jracerrado na
priso Tumbes. No da i de seteinOrj) fui coutlado
ao meu cuidado o li-io trauspoi tar era carruaguera
para o navio.
Dispuz as cousas de nianeira qie elle Dcasse
separado do salo dos passageiros e da cmara dos
mariuueiros. Quando MulU-r eslava a bordo, disse-'
Ine que era costume por a ferros lis prisioueiros
como elle, porra que nao desejava fater uada que
pndesse aggravar inuilmeule a sua posst^o, e
que se elle me quizesse promeller que me obede-
cera e que liavia de flear nesia parte do navio sob
a vigilancia dos agentos que eucolloiparajuntodel-
le, entao nao o meiteria em ferros. Muller agra-
decerme muito, dizendo :Fare ludo o que vos
aprouver.No segundo dia perguntet-rae se esla-
va doeule, respoudeu-rae que nao, que passava
excellenleineute, e que se acuava bem ali onde es- ]
tava. Disse-rae que a ahmeuiacoera imeiramen-
te dilferente da trae toma va a bordoj do Victoria.
Muller gracejava couslanieraenie.
ine se quena alguma cousa para se disiranir, res
Perguulaudo-
euviado a Nova
o seguinte relato-
U inspector Tanner que foi
York, para prender Muller, fez
rio da sua deligencia :
c Deixaraos Liverpool a 20 de julbo. A viagera
durou vinte das. No dia o de agosto, estabeleci o
olliciai de juslica Clark na ilha Statera, a 18 milhas
du Samly-Tnoak. Ha ah ura lelegrapho, e eu de-
devia assim ser immediataineute Informado da ehe-
gada do Victoria, Aiin d'isto era necessario
oustar a que os puoios commuuicassem com Mul-
ler. Para isso proinelii 60 dollar> ao prmeiro pi-
llo que eulrasse a bordo do navio e que prevems-
se o capio para ter Muller debajo da sua vigi-
laucia.
Passarain-se quinze das em fazer esta eoia-
muuicago a todos os pilotos. Ti ve comtudo alguna
recelos, porque o corsario TaUakauet se apode-
rou de um dos pilotos cora os trates rae tiuha en-
leudido. A polica federal predou-rae lodo o auxi-
lio possivel.
No dia 2i o Victoria eslava vista. Drg-
uic unlo Nova-York, onde debaixo de juramen-
to liz a ranina declaraco de que o navio eslava
as aguas americanas, ao qu- juutei o atlestao do
confu til itauuico. Us agoutes de polica Tieruan e
Clark lura.n a bordo do Victoria.
< M. Tieruan disse ao prisioneiro que tinha um
mandado de prisio coaira elle, ao que Muller res-
ponueu, muilo bem sera que se mostrasse
de modo algum abalado. Foi rovistido e encoutra-
ram-se-lhe nos bolsos 11 schilltngs. Foi-lhe de-
pois aborta a mala e ahi se encontrou um relogio.
Muller disse que este relogio era o seu que o tinha
comprado a ura homem as docks de Londres e
que o tiuha pago por 4 libras o 13 sehillings. Dis-
se tambera que havia comprado#o chapeu era Pe-
tiicoat-Laue.
t Poucodepois, eu e M. Death chegamos ao na-
vio, e dei ordem que o prisioneiro l'osse conserva-
do a bordo toda a noute. Pela manha, raandei
que elle descesse a cmara com or.ze outras pes-
soas, e perguntei a M. Death se elle va ali alguem
que tivesse comprado a cadeia do relogio. Ve-
jo I responden Death, e designou com o dede
o prisioneiro.
Condol depois Muller estaco de Mulberry.
Eu sabia que elle nao tinha bebido nem comido
havia algum tempo. At entao, Muller mostrara-
pondeu-iue : -Costara de 1er fosse o que iWe.
Etupresiei-lhe os fiukwik papers, de quo pare-
ceu gustar muito. nudo-se com grajude vouiade.
Emprestei-ihe depois David Ikipperilold. Duran-
te loua a viajera nunca Muiler se queixou. Gosou
'uiua exceileuie sade e parecia estar (auto sua
voulade como ouira qualquer bordd.
t No dia em que partimos de Novi-York, velo a
bordo umcavaitieiroaileino.e pedio-ue que itie per-
meitisse ter una eutrevisia com Muilt r. Purguulei-
Ihe se era procurador e a suaresposta negativa dis-
sellie que era impossivel condescen 1er com seu
pedido.Mas, perguutei eu, poi ejn desejaes ver
o prisioneiro?Recib, respondeu elle, de urna so-
ciedade allemaa urna carta que me encarrega de
Ihe dizer, que sua ehegada a Inglaterra sera de-,
fenoido; que asua causa foi confiada a M. Beard ;
cjue tenh o cuidado de nao dizer cousa alguma a
respeito do assassinato, e que e julgjim innocente
deste crime.
O sujeito deu-rae a carta e eu dei-a a Muller'
o qual depois de a ler nietteu-a no sei o.
Algumas vezes quando esta lendo um livre, poe-
node repente de lado, le a carta e depois torna a me-
tel-a no seie.
c Durante toda a viagem, a attitt de do presio
aeiro foi tranquilla, e parece que nao tem lido o
menor cuidado da sua posico. Nem urna so vez
tallou da sua causa, e s a tres pelssoas que se
permettiu Ihe fallasem. Eata maohi a, cedo, parli
r de Liverpool para Londres.
O Uceo de Luxemburgo, d a seg linte noticia :
Um grande temporal descarrego|i no sabbado
passado sobre urna parte do districht de Marche.
Cousa singular, todos os postes telegraphicos> na-
ex-teaso de seiscentos setecentos Imetros, foram
successivaraente tocados pela eleclricdade, nos
campos de la Converserie, na estrada de Saint-Hu-
b ..Ti a Champion.
Segundo afflrmam tesiemunhas de vista, a elec-
irei urna spiral de fogo, e fazendo soltar podaros de
pu. Em Champes- e era Foix ejahirara nvnitas
faiscas elctricas as estafes telegraphicas.
Os los nao tiveram nenhum pre uizo era l a a
lisha. i.
Urna faisca fulminou a pequea carruagem eme
faz carreira entre Pois e Saint-Hubert, depois da
ehegada do comboio de Juraelle. A carruagera e
o conductor foram. violentamente derrubados, mas
o conductor nao licou ferido.
Diz a Correspondencia de Espaa, que em Sevi-
Iha vive urna raulher notavel por iiais de um con-
ceito.
Esta raulher assistiu em Franca1 execucao de
Luiz XVI, no auno de 1793 Foi risada tres vezes
Duas tortas, dous copos de vlnho e dous de
agurdente sao o sea sustento diario.
Conserva a memoria de toda a sua vida pas-
sada.
Viveu derante 27 annos n'uraa casa prximo da
embocadura do Tagarete, respirando os feudos
miasmas que exhala, e boje mora n'uma casa fron-
t.'ira fabrica do tabaco.
E' do Sr. J. A. d'Almeida Caoba a poesa que
aqu publicamos.
SBM NOME.
(Fragmento.)
Se tu me visses macilento um dia
Coas maos ambas cruzadas sobre o peito,
O nariz afilado, os dedos magros,
E es ps horisontaes fra do leito;
Se tu me visses, pallido, nos labios
Tendo o sorrir da morte denegrido,
De olhos pisados, de olhos meio-abertos,
Sem voz para soltar ura so gemido;
Se tu me visses morto, minha amada,
Gelado o coraco, o amor gelado;
Sera ura suspiro a murmurar saudades,
Sem um volver dos olhos requebrado :
Dize: virias tu paluda e triste,
Envolta a forma era funeraria manto.....
Dize : virias tu sobre meu corpo
Derramar de teus olhos temo pranto ?!
Eu sei!... Talvez ao ver-rae descarnado,
De olhos fuados, cadver, macilento.
Talvez fugisses temerosa, crendo
Que eu chamara no ultimo momento I
Eu nao I se tu raorresses, se eu pedesse
Chegar ao p do leito funerario,
E arredar os insectos tumultuosos,
E a levantar dtpos o alvo sudario;
E ao ver a tua lace, inda mais alva,
E era volta do pesedeo os teus cabellos,
E as palpebras de cera immoveis ambas
Deixando ver os teus dous olhos bellos;
E a cruz de diamantes ao peseoco
Nao mais brilhando ao doce arfar do seio,
E a capella de virgem na cabeca,
De luzes mortas o leu quarlo cheto -,
Ah! se eu te visse morta como agora
Te pinta minha louca phantasia:
l'uulia na tua bocea descorada
O meu primero beijo, e morrena!
Sim, morreria Nao valera a vida
Quanlo a ineus bracos, te roubasse a morte !
Seria a tuaminha sepultura,
Teriamos na trra a mesraa surte I
Alguem Tifia, noute, a luz da la..
Derramar sobre nos algumas flores;
E havia murmurar saudoso e triste
Nosso poema fnebre de amores!
E dira, a chorar um fado ingrato,
Pousando a mo no desabrido peito :
Estesse foram no viver raesquinhos,
Hoje repousam juntos n'um so leito I
u z seie gatiuhos, dos quaes seis vinham ligados j Assembla poltica.Instrumento da libertad'
uns aos outros pelas patas exteriores, formando cr- dos povos, s vezes paralysado ou desviado do seu
verdadeiro fimreuniao de pessoas qne sl>-ir
melhor o que nao querem do que o que quereos '
que fazem frequentemenle o que querem os oa-
5 mesmo jornal, que haver ons tro-'- .. .
Astronoma.E por ella que o espirito humane
mu-tia tuda a .-11 grandeza e tamben por ell.
que o hornera apremie quanto pequeo.
iMtucu, -gagaeldaie semi-conherida, faril a
descobrir porqoe s as u?am espintos ap<>urados
Atheu.E' duvidoso que rs havia verdadeiros
os Igaaraotes ou fanticos doesie nome ao iMiinem
que se eleva aci na dos prejuizos, e (joe aanai
que se pode ser religioso sem supersticio e eatho-
heo sem intolerancia.
Augusto.Adiertvo de mais aproxunaiivo a ura mathemalico paciente l0 houver p,,,,^, e CM.leiaof.
que, quando mesmo a populaco inteira do glo- Austeridades.Fausto da virtude, impostura do
bo fosse dividida em grupos de parceiros, e que vicio, artificio do or*ulho, e vea da amtdcao.
estes grupos nao tivessera outra oceupacao senao Aor.-Ente indelinivel que qoer rrg-r o mnn-
, ,. .do sem saber governar-se, que vive de fumo, poo-
jogar o wlst da e noute, du ante um espaco de do.se a venda diiriamcnte.
culo completo.
Ogatinho sollo morreu, logo que apanhouar.
Accrescenta
quinze annos, deu-se um phenomeno anlogo na
quella cidade, e parece que na raesma casa.
No Commmio do Portol-se o segrate :
O numero de combinaces que se poJem produ-
zr ao wist, incalculavel e excede toda a concep-
co humana.
Tudoo que calculo pode al aqui demonMrar
seie inilhoes de milhes de annos, narazo de urna
vasa por segundo, sono produzirara dous lan
ees eguaes ueste longo periodo de tempo.
Auto de fKUltraje feto reli^io. .Nao se es-
clarecera os borneas luz de fogueiras.
Ausencia.Diminue as peqmnas paixoes e au|f-
menta as grande, bem como o vento apaga ubi?
vela e alea urna fogueira.
Ai-aliar.Julgar do valor d.; um honv-m por
sua riqueza.
Avareza. E' Dan palxao extravagante que se
urna cidade de 15,000 habitantes, situada! assemelha ao fogo, cuja "otearla aiwmenia pr>-
liK1 o aliraea-
No primero de setembro foi completamente des-
truida por um incendio c rcduzida a um monto
de cinzas a cidade de Simbirsk (Kussia europea).
Era
sobre o Volga, notavel pelas suas torres e jardins, | gW Jas ateras corabustiveis
que de longe lernavam muito pittoresco o seu as-
pecto.
Esta cidade tiuha sido fundada em lbiv
i
Em 1492, que foi quando se descobrio a Ameri-
ca, o capital, que enlo havia em circularn na
chrislandade, avalia-se em 8 milhes de francos.
Durante os pnmeiros annos que se seguiram ao
descobrimento do novo mundo, nao tirn dellc a
Hespanha nenhum proveito, puis SO depois da
conquista do Mxico, era 1319, que d'ali vieiara
as primeiras riquezas.
M. de Humboldt calcula as remessas do ouro e
prata para a Europa desde 1493 a 1519, era raais
de 230 rail duros annuaes.
0 reino de Montezuina, as maos dos conquista-
dores, produzio logo 3 milhes annuaes, e a cifra
media desta produeco, desde 1319 a 1316, repre-
sentas milhes e 130 mil duros.
Polosi abrio-se nesta ultima data, as minas do
Per, do territorio que hoje Bolivia, lancarara ao
mundo, desde 1346 a 1600, i 1,350:000 duros an-
nuaes. _
Durante o XVII seculo, a prodcelo annual do
15 mlhoes, e no curso do seculo XVIII sobe a 40
milhes.
Durante o primero quarto do presento seculo,
nao passou de 25 milhes ; foi de 40 no segundo
quarto, e na actualidade de 120 milhes.
As grandes pocas da produeco de metaes pre-
ciesos nos lempos modernos, sao :
1519, conquista do Mxico.
1546, descobrimento das minas do Potos.
1317, descobrimento da liga dos metaos.
1820, descobrimento das minas da Siberia.
1848, descobrimento das minas da California.
18*1, descobrimento das minas da Australia.
1859, descobrimento das minas de prata de
Wa.shoe.
Segundo a opiniao dos eslatisticos e economistas,
a cifra do capital que na actualidade eircula no
mundo o de 5:195:000:000 de duros, ou 26 mi-
lhes de francos approximadamente.
com tres sargentos-mres do excre-
mente filhas, netas e bisnetas.
FOLHETIM
O ESQUELETO
to, e tem actual-
Le-se na Gazeta de Portugal :
Segundo conta um jornal americano, os habitan-
tes das raargens do Iloudson presenciaram um. es-
pectculo curiosissimo em um dos dias do mez
passado.
Foi o caso que um yankee excntrico apostara
o* l.i|'.w, v. doooor o rio om pr jorviaJo-ltic d6
vela e leme o seu guarda-chuva.
Chegado o dia aprazado, viu-se effectivamente
descer rio abaixo o excentrieman impellido pela
corrent e por urna brisa favorcvel que elle apro-
veitava conservando aberto um vasto guarda-
chuva,
Soube-se depois a explicacao daquelle espectacu-
! lo singular, e nos damo-la tal qual aos nossos lei-
tores : mandaran.yankee construir um apparelho
seraelhaute a um pesa-licores gigantesco, lando po-
rm em lugar da esphera que este instrumento
costuma ter meta haste, um prato onde o ameri-
cano se ostenlava impvido e sereno.
Nao sabemos se o tal pesa-licores poderia indi-
car o quilate alcoolico do americono na occasio da
oxperiencia.
Conta o Correeio do Havre, que urna gata dra
CAULLO CASTILLO JUNCO.
Continuacao.
VII
Saudades de Margarida Froment ?
A pergunta pode abonar a candura; mas nao
abona a experiencia de quem se dignou fazer-rn'a.
Saudades de Margarida, porque havia sido ama-
da apaixonauamente.
Porque era ainda bella, quando foi abandonada.
Porque bravera om homem que a tomara des-
presada nos bracos, e a mostrava ao mondo cora
soberba de a possuir.
Porque esse hornera era moco, gentil, Ddalgo, e
requotado das mais extremadas formosuras da
provincia.
Porque esse horaem, em vez de escond-la as
sombras de urnas arvores, galeava pomposamente
com ella, ofiuscando olhos pavidos da moral pu-
blica.
Porque Margarida tinha prodigiosas gracas, de
que Nicolu se eslava lembrando agora.
Porque Margarida, sobre ser espirituosa, era um
talento que bastava a entreter e lisongear o mais
cubieoso espirito.
Porque Margarida Ihe havia cido leal al ao mo-
mento de ser grosseiramenie repellida.
Porque cborava, quando elle cruamente a odiava.
Porque era bella, diga-mo-lo segunda vez, por-
que era bella.
E' mais que ludo, porque era de outro.
Aqu esto os porqus da miseria do coraco de
Nicolu de Mesquita, barro cominum da humarada-
de, miseria deuioravel, que importa chorarmos lo-
dos, por ser nossa a miseria, e nao snennos co-
mo se pode com lodo e lagrimas reconstruir ama
cousa melhor do que a fez o Creador.
Peregrina belleza era Beatriz esposa casta e pa-
ciente nenhuma se Ihe avantajava; raulher para o
ideal, e anjo para a sensacao, nenhuma como ella;
virtudes, gragas, lagrimas do seio sera macula: tu-
do que mais prende o amor, e a misericordia quan-
do o amor se extingue ; ludo soperabundava na
esposa de dezesete annos; mas Beatriz era de Ni-
colu indissolavelmente, e Margarida eslava sendo
de,Ricardo. Que repulsivo confronto entre as daas
motheres Que mal premiada a honra, sujeita a
cemparacoes lo aviltaotes I
.Ora, a saudade do morgado da Palroeira, excru-
ciava-o. Era um ferro candente a fistular-lhe as
entranhas. Da quinta do Porto, onde se anojra Se o amor tornar, vae busca-la ; e, sem Beatriz,
cinco annos, recordava-se como Lucifer do ceu. vveres mais tranquillo, deixa-la estar em Chaves-
Parecia-lhe que Beatriz era o archanjo do montan- i mol.... atalhou o morgado, A minha des-
te de fogo, a repulsa lo eternamente das delirias' <,raca n-10 ^ remedeia assim, nemj de outro modo,
docoraeao. Fugia de si mesmo, como corrido de umanathema! um calix intransitivo. Hei-de
sua ignominia. Punha os olhos supplicanles no bebe-lo trago a trago.
oratorio de sua me. Apertava ao seio a esposa, co- j Santo Deus! accudiu Marlinho Xavier, que
rao se esperasse apagar a llarama iufernal era con- segredo usse da tua vida ? Se te eu visse na so-
tacto da raulher pura. Margarida arrancava-o pe- ciedade, cuidara que le apaixonaste, primo E en-
los cabellos dos bracos da esposa, arrastava-o al to appellaria do teu corado para
se asseutar com elle n'alguma amen.dade das fio- E se eu nao tivesse honra .
restas, e ah Ihe diz.a as phrases embriagantes dos colu, e sahio impetuosamente da
a tua honra.
. exclamou.Ni-
sala.
prinieiros mezes da sua paixo em Bruxellas, ou
debulhada era lagrimas, se queixava da ingratido
cora que elle desamparara a mulher, por amor del-
le perdida, sem amigos, sera mae, sem marido e
talvez sem pao.
Era ura supplicia expiador 1 Nicolu conheceu
que era preciso Deus para a misericordia, logo que
reconheceu a mo no peso do castigo. Nao basta-
va o amor desesperanzado : cumpria que o remor-
so Ihe envenenasse o sangue : remorso de infamar
um amigo, e de Ihe atirar ao goso dos homens a
mulher infamada!
Do Santista continuamos a segninte transcrp-
gao :
Arlequinada.Acto pelo qual urna grimpa anda
com o venlo, um homem vira a casaca, muda de
rumo, de amigos-, de bandeira e de bilhetes de vi-
sita.
Anmis.Instrumentos de paixes crueis, mas
que serven s vezes para acedes nobres
Amura-.Urna aguia encontrando ura caracol
no seu ninho Ihes-perguntou oomo se tinha eleva-
do a tanta altura. Arrastando-me respondeu o ca-
racol.
Arrasoado.Discurso prolixo e enfadonho, no
qual se estuda para demonstrar o melhor lado da
sua caos a e o peior da do s^U'adversario.
Aarependimento.Juizo que fazemos de nos mes-
aras.
Arriscar.IlesoluQao algumas vezes mais razoa
vel que o medo, e sempre mais respeitavel que a
inercia.
Arriscar a vida.Acco muito prudente eu mui-
to louca e M-mpre mais atrevida.
Arrogancia.Passaporle de luurura.
Artes.Inver^oes do genio aperfeigoada pelo
gosto.
Arttsta.Abelha da sociedade desprezada pelos
zangesque Ihe comem o mel.
Az.Palavra latina que significa urna peca de
moeda bens, riquezas o* azes nos jogos do
cartas tem o mais das vezes a primazia sobre os
res, para designar que o uinheiio o servo da
guerra.
Asuena.--Erro de homens que rauitas vezes nao
sao .sno ura hornera de talento lera occasio
e ji que faz mais asoeiras que ura tolo.
Avaro.-Homem qae estima tanto a sua amante
que nao Ihe toca com receie de deteriora-la.
Aventureiro.Homem que sabe tirar part I"
das circuinstancias azendo-as ninlas vezes ocra-
sionar
Avisado.Hornera mais prximo da finura que
do talento, raras vezes dign) de confianza e capaz
de amisade.
Avs. Oajecto de ostenlaco para muito* iJi
vduos que sobrecarregam a trrater van*lona
de seus avs procurar as raizes o tracUr qae
se Jevo encontrar nos ramos.
B
Baile.Assembla onde se imita a alegra por
movimentos agradaveiso amor ao baile lea sar-
cessos seguros.
ti'iiltm 'arado.Estabelecimento de caridade
para as mulheres feias.
Bayoneta Arma qne d razaoargumento sem
resposta.
Batanea do Commercio. Syslema que tem un
da admiradores como tudo que perlence ao boni
tempo, mas qne de pre-nmrr nao rolle.
Banca.Lugar d'onde repelidas rees sahem
sentencas sem justica, decises sem bases, resolu-
ees sem humanidade e promessas sem boa fe
Banca-rota.Meio de se enriquecer sgund> as
repras da arte.
Bandeira. Para raio nos momentos derrise
fiabaros.Nome que seda ao poros qae sao
tem o talento de occultar seus defeitos, raos, oa
torpezas debaixo de ap arenca- sedoetnras.
Bastarda.Destino que a injoslica dos hurrn>
tornou ignominioso, cora que ponida a imorea-
cia, e que todas as virtudes reunidas nao podem
desvanecer.
Batalha.Anre de f poltico.
Beatificacao.Acto solemne pete qual o papa
declara ao universo que om individuo goza d* fe
licidade eterna.Os melhores calholicos aeredam
o que Ihes parece a este respeito.
Beijos de judas. Do-se as resperas de gras-
des catastrnphes polticas.
Beneficio. Appellido dos res de qne se nao sa-
be o que se ha de dizersynonimo as imberil.
Benevolencia Artificios, ordinario dos graa-
des, mas sempre noro pelo saccesso.
Besttalidade.Doenea de espirite qne se aso
cura nem se pode soffrer.
Bibliographico.-(Jornal). Necrlogo das otras
novas.
Bibliotheca Medicina d'alma drpnsilo de ver-
dades e erras, onde desgracadamente o mo race-
de o bompharmacia e repooso do espinio *>
raana.
Bibliotheca. Medicina d'almadeposito de ver-
dades e erros, onde desgraciadamente o man ece
de o bompharmacia e repouso de espirito ho-
roaao.
Btographia dos homens vivos. Espefolato Je
infortunio, llenero de assassino qne ainda seaio
puneUm novo veneno, diz Voltairr, se Invento*
ha alguns annos na baixa litteralcra, a arte de
ullrajar us vivo e os morios porontrio alfalvri i
Hispos. Soeoossores a eqnipaeem o> ponr
pescadores que i>u-corran a p a FalesiinaVas
satos de dous senhores, dos quaes, um paga t en-
tro manda.
Bou compaa, Assembla de peleas desen-
fadadas, que para passar o tempe se dlvrrlem -
dizer Biabarlas depois de caneadas a proferir mor-
nraracrs e calumnias.
Boa f.Mercadora de contrabando na socie-
dade sobre tudo no commerrio e ministerio.
Boa arara.E para o corpo ceas o senso parr.
oespirito.
Bofelo.Fim de urna conversa, principio Je
um lucilo.
Bolsa. Templo onde os homens de Indas as re-
gios, e de todos os partidos ven insensar ."m^-
ino dolo.
Bom.lkmcm que recebe pauro e ohra ai!
llom.Qualidade quo sejulg.i muito cu:nruu n
mas que raais rara do que se peosa.
Marlinho perguntou a filha :
Teu marido recebe carias sudpeitas ?
Nao, que eu saiba, meu pae. Recebe jornaes,
e raras vezes tem cartas de Franja
E es>as jaras sabes o que e las contem f
Sei, porque sao de ura portu ;uez, e nada di
zem de suspeila. S, aqu ha lempos, ii urna que
fallava n'uraa Margarida, o entend que era a fran-
ceza do Ricardo de Almeida. Vira a saber quo el
la era casada, porque dizia assim, pouco mais ou
menos: o marido de Margarida est gordo e de-
vasso e desforra-se. Nao percebi i ;to, nem me ira-
portou. Perguntei ao pruno se a tal franceza era
Tinha momentos de contempla-lo com pavor Bea-
v ,n,.AnA0c casada, e ee respondeu-me brusc amen e que nao
triz. Fallava-lhe.e elle estremeca, articulando des-. ^i:_ __ ;,,_., .____,n____\.....
alios. Puuha-lhe a mo no rosto abrazeado, e elle
repellia os afagos, e voltava depois a procura-Ios,
chorando.
Beatriz maudou secretamente chamar o pae.
Asslin que Nicolu presenliu Martiuho Xavier
no pateo de sua casa, sahiu euraivecido, e vollou
depois onvergonhado de sua raiva, sem dar tioo da
razo da fuga, nem da vergonha.
A attribulada senhora contara ao pae a in-
comprehensive agitacao do marido. Marlinho cho-
rava abracado filha, quando Nicolu entrou. O
lance foi acerbo 1 Nicolu acercou-se de ambos,
abracou-os, e disse com voz balbucante:
Eu fiz a vossa desgraca e a minha. Perdoe-
mel
Beatriz condoeu-se. O pae levou-o nos bracos a
sala immediata, gesticulando filha que os nao se-
guase, e perguntou :
Isto que primo Mesquita ? Que mal te fa-
zemos nos 1
Queixei-me eu de ti ou de Beatriz ? disse ma-
viosamente o morgado.
E' arrependimento de te haveres casado ?
E'... Arrependimento de infelicitar a tua fi-
lha, digna de ama alma estranha aos vicios e s
vilanias atrozes.
Pois bem, Nicolu.-. remediemos o remedlavel.
Se a presenca de minba filha te atormenta, eu le-
vo-a para minha casa, qae tarabem toa e dola.
saba, nem eu me devia importai com as carias
que ella recebia. Porque me pergu ita o pae se elle
recebe cartas suspetas?
Nada, filha.
Desconlia que elle ame outra
ella alvorotada.
Desconfiei.
E' impossivel! exclamou Beajtriz.
de ser ? Aqu ninguem vem; n n
nenhuma.
Entao que sappoes t desta p
de tea marido?
Que me aborrece.
Nao assim ?
E' meu pae. Elle nao pode i)eixar de sentir
por mim o qne eu sinto por elle.
Pois nao o amas, Beatriz ?
Como bel de eu ama-lo ueste ihartyiio Sabo
l o que eu solTro ha dez mezes l| E nos ltimos
mulher? instou
Quem ha
o vamos a parle
smosa torvaco
tres, ento, nao tenho refrigerio...
ca-me, outra repelle-me. J tem
deeesse... Mea pae, proseguiu ella
te fervor de snpplica, tire-me daqui
si, restitua-me urna parte da satisfac,
de viver, antes desta fatalidade
Paciencia por alguns das, ll
pae enternecido a pranto. Isso n
sim. O mundo assacaria aleivosi
para todos. J agora tem farca
tempo-, o teu bom pae qne fo pede
na hora abra-
que elle endou-
com vehemen-
leve-me para
$o que eu tinha
a I replicou o
pode ser as-
deshoarosas
mais algum
Tere, disse resignada Beatriz.
Martiuho deleve-se alguns dias ns Vidago, e saia
cora frequencia a longos passeios de cavallo com o
georo. Da niesmeidade dos annos, da amisade da
intancia e sobre tudo da necessidade de expaaso,
resultou que o morgado da Palmeira, n'um daquo'.
les passeios, comraunicasse ao primo os pormeno-
res todos da sua angustia. O assombro de Marlinho
Xavier foi atractivo. Pode muito coinsigo que nao
lancasse em rosto ao marido de sua filha a protervia,
a perfidia, a villana com qae tramara o engao do
encontr com a franceza em Villa Pouca; e mais
ainda o vilipendio de emparelhar o amor de sua
filha com o de urna collareja transraissivel de ho-
raem para horaem. Era santa a indignacao de
pae I
Ouviu-o silencioso, e apenas Ihe disse :
Vence-te, se poderes; se te nao poderes ven-
cer, dame minha filha, e vao disputar essa mulher
a teu primo Ricardo, que eu creio que Ih'a tiras;
e elle ou outro, quando esliveres saciado, t'a virio
tirar.
Nicolu pungiu-se, e arrepeadeu-se da revela-
cao. Exigiu-lhe juramento de callar o segredo a sua
raulher. Marlinho Xavier respondeu :
Quando se trata de affrontar minha filha, es-
cuso de jurar que nao hei de affronta-la. O qae eu
te pego quo a deixes ir estar quinze dias era mi-
nha companhia.
Pois sim; mas dispensa-me de acompanha-la.
Espero que a solidao e a raeditagao me cafem. Lo-
go que me eu sima mais tratavel, irei busca-la, e
passarei comtigo algumas semanas. Iremos todos
Madrid; eu madarei de vida, entrarei oatra vez
no mundo -, e darel a minha pobre Beatriz o con-
tentamente qae Ihe ronbei.
Deus le oucji! exclamou jubilosamente Mar-
tnho Xavier.
Beatriz coidou de abafar a alegra, quando o pao
Ihe noticin a ida. Trateu de mmalar os seus ador-
nos com tal presteza, e de tamanho afogadilho, qae
de sobra denotava a leveza dos dezesete annos, e a
fcil transposigo do sea espirito da dr para o
contenlamento. Nicolu despediu se della cora os
olhos a reverem lagrimas. Os de Beatriz nem de
leve se marejaram. Partiram. .
Neste mesmo dia abriu Nicolu de Mesquita
a Coaliso, jornal portuense, de que era assignan-
te; e acaso, relanceando a vista ao ralhetim, depa-
raram-se-lhe as palavras Margarida Froment. Leu
o folhetim, que se intalava :
11F.1R A-MAK.
Era ama msela de verso e prosa, consoante o
gosto dos Iliteratos amphjblcs daquelle tempo. Cq-
megava assim neste estylo fraldoso e apopltico,
vulgarmente chamado bblico :
c........................................
E o tsu cantar saudoso como o das tiibas
de Israel s abras das aguas plangiuvas do Eu-
phrates.
t E as harpas eolias gemem balotadas por teus
labios, como a cythara de Sal.
t Oh Agar, sentada as areas estuosas do de-
serto de Berzab Canta, canta, oh lilha das lagri-
mas !...
Ai! quanias vezes, triste
Esse teu amargo pranto
Desafog-.ste no canto t
Ai! quantas vezes seutiste
Mais precisao de chorar !...
Ai! cania, canta, que ha lagrimas
No teu dorido cantar !
Ao cantar te acode a Infancia
Com seus sorrisos e flores ;
Feres notas, que te fallam
Como fallavam amores.
Outras sao gemidos d'alma -,
Mas todas tem seu gozar !
Al! canta, canta, anjo triste,
Quando quizeres chorar I
Eo archanjo daquelles bymnos tem sobre a
trra um nome. Na linguagem de homens chama-
se Margmuoa Froment ; mas, nos archivos do cu,
nome que lem martvr do coracao.
Porque o teu seio foi alanceado fibra fibra
pelo primeiro precito, qne te esculpa um anathe-
ina na fronte, onde os raios fulgidos do sol desciam
a roubar seu esplendor I
i E esse maldito de Deas fenu-te na aza de anjo,
pomba dos paramos olympicos, e tu raste ao tre'
modal da humanidade.
i O' Margarida quem sabe ahi dizer sobre a
trra a elega das tuas angustias!
Enii vi-te por urna dessas noutes explendidas,
como as sonha o rabe no dulcissirao torpor dos
seus uragicos narcticos I
< Illuraiuavas o inferno deste mundo, oh houri.
enviada pelo Deas dos ismaelitas
< A tua belleza era o arrebol matutino ;
E os teus olhos afuzilavam torrentes elctricas
como os relmpagos abertos da mo de Jehovah as
cumiadas do Sinai.
< E os teus labios desprendern] um cantar, cuja
maviosidade fazla chorar os aojos no cu, e os de-
monios no inferno.
i E o homem, que te havia ronbado aos bragos
do esposo, esse nao chorava, porque ama a/agen
da ragUo glacial das trevas Ihe linha congelado a.~
glndulas, e o sangue nos pulmes, flzrra da-
quelle corago um cinerario hediondo, r jiro os po-
mos de Penlapolis !
o Ob Margarida, que dr sera a tua, insoodavel
e immensissima. quando o corago le paira por ier-
ras de Franga, e vs a me que se carpe, e c ma-
rido que aperta ao seio o intil punhal de sua vin-
ganga I...
Ai! canta, canta, que ha aajrtBMH
No leu doi ido cantar !
Ai qaantas vezes sentiste
Mais precbo de chorar...
Ai! cauta, cania, aojo trbte '
Seria crueza dar a copia integral do folhetim.
que ao diante, era muito mais puchado do peito, e
menos iuielligvel.
O poeta datara-o na Foz em outubro do 18'n).
Um local do mesmo numero da gazeta, dizia :
A' reir-mar. Cura este titulo publicase
hoje um folhetim de ura nosso amigo, que to bri-
Ihauluraente se esirea. As ledras patrias deven
esperar deste manrebo fruclos to sazonailos quan-
to as flores sao bellas. A' parte o tlenlo, sena*
ionio, do mavioso poeta, devenios confessar que o
motivo de sua inspiraco nao poda sabir rom me-
nos de urna obra prima. Tamben nos torraos a
honra e o jubilo de escutar hoiitem noote a voz
melodiosissiraa de madama Margarida Froment. da-
ma j conhecida por sua belleza e mtelligenria.
Agradecemos cordialmente ao cavaiteiro Ricardo
de Almeida o convite que no proporeioooa ajuo-
tarmos o nosso brado de admiraco ao de Untos.
que se gozaram o prazer de oovlr a hospeda de S.
Exc. Do folhetim do nosso joven amigo i nieve se
que ha pro!andas e ao mesmo lempo sublimes su-
res no corago desla senhora. Ai da consejara
do refalsado carcter qae privn a sociedade d'oaa
gloria I... Que o mundo inexoravel coa as es-
gragas, que anda abatidas do cea, rosum m na-
vens com a froot*. Silencio I c-nilrmn n fnimaia
anjo da harmona, e nao preguntemos a Dos por-
que nao tove mo desta filha querida, ao desae-
nhar se I
Nicolao de Mesquita leu chorar as atoaos li-
nhas desta noticia, \
(Conlnar-*f-no
PERNAMBUCO.-TYP. DE M. F. DE P. FILMO
1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERRBJQ1L6_7X8YNU INGEST_TIME 2013-08-28T01:06:39Z PACKAGE AA00011611_10494
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES