Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10485


This item is only available as the following downloads:


Full Text






AH9 II. HUMERO 229.
Por fres ezes adiantados 58000
Por tres mezes vencidos 6JJU
Porle ao correio por tres mezes. 750



i

ODIRTA FEIRA 6 BE ODTDBKO K 1884.
Por asno aftmttlt. .... 19S0O
Porte ao correio por um iboo 3jtU0
INCARREGADOS DA SUBSCBipgO NO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Nata), 9 Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveirv, Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronyiao da Costa.
INCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SOL
Alagas, o Sr. Claudino Falco Das; Bahia, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Mrtir j & Gasparino.
t-ARi'lDA DOa ESTAFETAS.
Oiinda, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parahyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Camaru",
Altinho e Garanhuns as tergas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacara tu', Cabrob,
Boa Vista, Ooricury e Eiu' as quartas feiras.
Sermhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
ros, Agua Preta e Piroenteiras as quintas feiras.
Ilha de Fernando todas as vezes que para ali sabir
navio.
Todos os estafetas partem ao y, dia.
H EPHEMEBIDES DO MEZ DE OUTl'BRO.
8 Quarto cresc. a 1 h., 17 m. e 30 s. da t
lo La cheia as 4 h., 55 m. e 38 s. da ni
22 Quarto ming. as 8 h., 59 ra. e 48 s. da m.
30 La nova a i h., 8 m. e 26 s. da t.
PRBAMAR DB BOJB.
Primeira as 7 horas e 42 minutos da manha.
i Segunda as 8 horas 6 minutos da urde.
PABEDa LO Va(OR LOSiyRO.
Para o Sal at Alagas a & e 25; para o norte at
a Granja i 7 e 2S de cada mez; para Fernando nos
iai 14 dos mezes de jan. marc., *naio, jul, set. enov.
PARTIDA DOS OMNiiiU.
Para o Recife : do Apipucos as 6 Vi, 7, 7 A, 8 e
8 Vi da m.; de Oiinda s 8 da ni. e 6 da larde ; de
Jaboatao s 6 Vi da m.\ do Caxang e Vanea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife: para o Apipucos s 3 Vi, 4, Vi. Vi,
5, 5 V, Vi e 6 da tarde; para Oiinda s 7 da
manhaa 4 '/,. da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de -, para Cachang e Varrea s 4'/da larde; para
Bemflca s 4 da Urde.
AUDiSNClA LOS 1RIBUNAE8 DA CAPiYAL.
Tribunal do commnrcio: segundas quinta.
Relaco: tergas e sabbados s 10 horas.
Fazenda: quiuia.- s 10 horas.
Juno o commercio: segundas s 11 boras.
Dito dt orphaos: tercas sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tergas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas sabbados a 1 hora
da Urde
i> DA BfHAJNL
3. Segunda. S. Maxiroiano b. : S. Cuiiane m.
4. Terca. S. Franrise de Asm?, fundador
o. Quai la. Ss. Placido e u- con.p. n.ni.
ti. Quinta. S. Hrunofundador da< rdemrartnxa
7. Sexto. S. Marcos p.; S. Augusto presb.
8. Sabhado. S. Brgida pnneeza de Nerma viuv
9. Domingo. S. Dionisio b ni.: S. Androano
ASSIGNA-9S
no Recite, em a librarla da prac da Ind-pet-i
ns. 6 a 8, dos proprieurios MaMal Figneiroa da
Faria & Fimo.
RTE 0FF1GIL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 3 de oulubro de 1861.
Ollicio ao commandante das armas. Em vista
do que ponderou esse commando de armas em of-
ticiu de 29 de setembro ultimo sob n. 1791, baja
V. S. de mandar contratar pelo meio mais mdico
para a fazenda, um canoeiro que se empregue no
servido da conduceo de agua para o forte do Bu-
raco na canoa qu para esse fim foi comprada,
cumprindo que o respeclivo contrato seja submet-
tido ao meu conhecimento, aflm de ser definitiva-
mente approvado.
Dito ao mesmo.Achando-se comprados pelo
conselho administrativo, segundo communicou-me
este em offlcio de hoje, sob n. 66, os medicamentos
para a pharmacia do hospital militar c a enferma-
ra do presidio de Fernando, devendo as que se
destinara ao primelro daquelles estbelecimentos,
ser entregues all no dia 15, e as de mais no da
10, tudo do corrente mez ; assirn o declaro V. S.
para seu conhecimento e devidos elfeilos.
Dito ao coronel Luiz Jos Ferreira.Pico scien-
te pelo seu ollicio do primeiro do corrente, sob
n, 1718, de haver V. S. uessedia entregado o com-
mando das armas desta provincia, que interina-
mente exercia, ao coronel Jwaqulm Jos Gongalves
Fortes, nomeado para esse cargo por decreto de
18 de junlio do correle anno.
Louvando V. S. pela dedicacao, zelo e intelli-
gencia co;n que desempenhou semplhanle commis-
sao, cbeme tambem agradecer-lhe a valiosa
coadjuvago que preslou V. S. minha adminis-
tracao pela prometa exeeugo das ordeus que Ihe
forain transmiilidas.
Dito ao Dr. chefe de polica.Ponha V. S. o sen-
tenciado Thomaz de Aquino Vianna, de que traa
o seu ollieio n. 1174 de 22 do mez Iludo, disposi-
cao do juiz municipal da primeira vara, que foi
quem o requisilou.Remelleu-se ao juiz munici-
pal da primeira vara a guia do predito senten-
ciado.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Communicando-me o coronel Joaquim Jos Gon-
calves Fontes em officio do primeiro do corrente,
haver nesse dia assumido o commando das armas
desta provincia para o qual fura nomeado por de-
creto de 15 de juoho do prximo passado ; assim
o declaro V. S. para seu conhecimeato e direc-
go.Communicou-se ao predito coronel.
Dito ao mesmo. Communicando-me Thomaz
setembro ultimo, dever seguir para a corte logo
que se restabeloga da doenca que o accommetteu.
Dito ao commissario vaccinador. Remeti
Vmc. urna caixioha coutendo tubos com puz vac-
cinieo.
Portara.O presidente da provincia, attendendo
ao que requeren o juiz municipal c de orphaos do
termo de Agua Preta, bacharel Joo Carlos de
Mendonca Vasconcellos, resol ve conceder-lhe um
mez de licenca com veacirnentos na forma da lei,
para tratar de sua sade nesta capital.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana, mande dar transporte para Macei no vapor
Parahyba, em lugar de r destinado a passageiro
de eslado Guilherne Garett.
Dita.- O Sr. gerente da companhia Pernarabu-
cana, mande dar transporte at Maco no vapor
que tem de seguir para o norte no dia 22 do cor-
rente, em lugar de r destinado a passageiro de
estado, ao juiz municipal e de orphaos do termo
do Ass, bacbarel Ignacio Dias de Lcenla.
Dita.-O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana, mande dar transporte at Penedo, no 1." va-
por que seguir para o sul em lugares de r, desti-
nados a passageiros de estado, ao juiz de direito
da comarca de Tacarat Dr. Veriato Aurelio da
Cunha e a Capitalino Eneas do Reg Monteiro,
bem como em lugar de proa a um criado d'aquel-
ler.
EDITAL.
2.a Seccao.Secretaria do governo de Pernam-
buco, 3 de outubre de 1864.
Pela secretaria do governo se faz publico para
conhecimento de quem interessar possa, que se
acha em concurso o officio de escrivao privativo
do jury e execucSes eriminaes do termo de Taca-
rat. creado pelo art. 108 da lei de 3 de dezembro
de 1841 e anda nao prvido vitaliciamente.
Os pretendentes devem apresentar seus requeri-
mentos no piazo de 60 das, contados desta data e
instruidos na trma do decreto n. 817 de 30 de
agosto de 1851 e do aviso n. 252 do 30 de dezem-
bro de 1854.
O secretario do governo,
Dr. Francisco de Paula Sales.
Despachos do dia 3 de oulubro de isiii.
Requerimentos.
Claudio Dubux.Espere que baja crdito.
Bacharel Verialo Aurelio da Cunha Gouveia.
Passe portara concedendo a prorogacao requerida
por 3 mezes.
Joao Antunes Guimaraes. Sim, pagos os direi-
tos nacionaes.
Bacharel Joao Carlos de Mendonca Vasconcel-
licenca reque-
EXTERIOR.
Adamson Jnior, em ollicio de 30 de setembro ul-
timo, que de volta esta provincia da viagem que I los.Passe portara concedendo a
fizera ao Ro de Janeiro, reassumira as funegoes \ rida.
de cnsul dos Estados-Unidos, assim o declaro a i T.... |
V. S. para seu conhecimento e allm de o fazer -
constar ao inspector da alfandega Fizerara-se as
necessarias communicaedes.
Dito ao mesmo. Ao alferes do nono batalho de
injaotarla Jet Placido Lucas Bion, mande V. S.
ffnar o quantitativo que livor direito, para o
seu transporte e de 2 soldados (ida c volta) bem
como de um volume contendo fardamento para
urna praca do corpo de guarmcao por mar de Pe-
nedo at Piranhas, e por trra deste porto at a
villa de Tacarat e d'alli para Flores.
Dito ao mesmoEm additamento ao meu offi-
cio do primeiro do corrente, tenho a dizer V. S.
que os concerlos de que necessrta o fo-fiio do hos-
pital militar foram contratados com Jos Francisco
liento] e nao com Jos Pereira de Alcntara do O',
como por engao se declarou no citado ollicio.
Dito ao mesmo.Ao tenerte do segundo bata-
lho de infamara Luiz Josd Ferreira que vai es-
tudar na escola militar da corle, mande V. S. ajus-
tar contasepassar-lhe a competente guia de soc-
corrimenlo.Fizeram-se as necessarias communi-
cacoes.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.Em
vista do que solirilou o chefe de polica em ofiicio
de hoje sob n. 1224, recommendo V. S. que
mande adiantar urna data de sold aos guardas
nacionaes destacados Martinano Joaquim dos Pra-
zeres, e Paulino Jos dos Santos, que vieran) da
provincia das Alagas escoltando um criminoso e
no seu regresso acham-se faltos de meos para a
sua manutengo. Communcou-se ao Exm. presi-
dente daquella provincia e ao Dr chefe de po-
llciF
Bito ao mesmo.Annundo ao que solicilou o
chefe de polica em ollicio do primeiro do corren-
COBRESPOSDE1CIAK BO 1HA
RIO 1>H PKRWJIKITO.
PORTO.
12 de setembro.
(Conclusao.)
_A Associaeao Commercial, em outra representa-
cao, pedio ao governo para vir temporariamente,
urna das dragas que estao em Avciro e na Figuera
para ser empregada na limpeza do rio Douro a ti-
rar os baixios de area, que existem no mesmo ro,
desde a barra al ao sitio da Porta Nobre.
E como tocamos em melhoramentos do rio Dou-
ro, cabe aqui dizer que tornou de novo a lembrar
o ja esquecido projscto do porto artificial em Lei-
ches. Eis o que a tal respeito diz o correspon-
dente do Commercio lo Parlo na capital :
t Disse hontem que agentes do infante D. Joao
de Bourbon tinhain vindo Lisboa tratar com o
nosso governo da parle de S. A., a construccao do
porto artificial em Leichocs.
Como o objecto de maior ioteresse para es-
sa cidade fui hoje ver se colhia mais nformacoes
de modo a satisfazer a justa curiosidade, que este
negocio tem ah inspirado, e soube que o Sr. D.
Joao de Bourbon nada tem com elle e que apenas
particularmente recommendra a seu primo el-rei
D. Luiz, e a seu to o Sr. duque de Loul, um res-
peitavel cavalheiro, que veio a esta cidade para
fazer proseguir i resolver a proposta, que em de-
zembro do anno passado foi dirigida ao nosso go
bre banco Del-Credere. No em tarto mandou-se I
consignar na acta desta sesso que a assembla re-
cebia com sentmento a escusa de S. Exc.
Para o leilo que nos lins do corrente mez deve
ter lugar no recinto do hospital da socledade por-
tugueza de beneficencia do Rio de Janeiro, em be-
neficio do mesmo hospital, foram remettidos mais
os objectos seguintes
vada a aett da antecedente, foi lido um ofiicio do
Sr. Tibun de Andrade Vallasques.declaran do ac-
ceitar o cargo de socio correspondente.
Foram dji seguida approvados socios correspon-
dentes : nPflrovinj;ia da Parahyba, Drs. Jos Anto-
nio Baplisla Antapm da Cruz Cordeirc; na do
Maranho o$r. Ji(>*odrgues de Oliveira Santos
e Antonio Bernardino Jorge Sobrinho: na de Ala-
Um quadro representando a primavera, produc- goas, Rvm. Manoel Amifncio das Dores Chaves e
cao do distncto pintor portuense o Sr. Francisco Sr. Boa ventura Josde Azevedo Castro : e, depois
Jos Reseude. de approvados alguns addilivos aos estatutos, pas-
Um poema manuscripto, composicao do Sr. Jos sou-se rtem do dia, que constou da discussao e
Manoel Teixeira de Camino, denominado cloga approvaeio do contrato typographico e das cont?.
Agrtcuttoril. Est escripto com esmero em papel Tomou hontem o grao de doutor em direito,
vlioo, e encadernado primorosamente em marro- i pela nossa Faculdade, o Sr. Cato Guerreiro de
quim. Castro, miara I da Bahia.
Urna colleccao de dez medalhas d prata, que o Felicitamos ao Sr. Clao pelo seu triumpho, e
hbil arlist o Sr. Jos Arnaldo Ferreira Molarinho desejamos-lhe prospero futuro,
tem cunhado em diversas pocas, e cuja colleccao Acerca do drama Correio de Lyao, que se
se compoe das seguintes medalhas : -cinco com os: acha annunciado, enviam-nos o seguinte :
bustos do imperador do Brasil D. Pedro II, D. Pe- Acabamos de ver em um annuncio, que a em-
dro V, D. Luiz I, o rainhas D. Estephania e D. za do Santa Isabel prepara o drama Correio de
Mara Pa;a da ultima expedico Angolaa Lyao,^para faser subir scena.
da exposico agrcola de Bragaa commemoratva Conhecemos esta bella composicao dos Srs.
do Io de dezembro de 1640a das campanhas da Moreaa, Siraudin e Delacour. vimo-la representar
liberdade, e a offerecida pela sociedade de soccor- em Paris no theatro Gaii, e devomos confessar que
ros dos typographos portuenses ao Sr. Ernesto de tudo qnanto aquelle immenso mundo theatral
Biester, autor do drama Fortuna e Trabalho. nos offeraceu de bom, foi o que mais nos sorpren-
A reprodurcao, em prata, do dezenho da monu- den E' o exemplo mais completo para os tribu-
mento de I). Pedro V, que os artistas portuenses naes e jufees a quem incumbe a averlguacao dos
estao levantando na praca da Batalha (lerecida crimes, e puncao dos criminosos,
pela associacao dos ourives do Porto. A innocencia de um honrado lipmem, cercado
O verdadero monumento ainda nao est con- de familia que adorava, e a quem a fatahdade ha-
cluido; falta-lhe a estatua, e a grade que o ha de j va dado urna infernal semelhanca com outro, de-
circutar, porm a reproduccao e fetta como se el- ;.pravado, ladrao e assassino, foi pelas autoridades
le ja estivesse completo. da poca ijDominlosamente justicado na praga pu-
A reproduccao do monumento tem 60certime- blical E no entretanto o verdadeiro criminoso
tros desde a base cabeca da estatua, e peza, se- capturad^; mas, muito larde, quando j se havia
gundo nos informam, 19 ou 20 arralis. derramado o sangue do innocente.
A romaria de S. Bartholomeu, na Fox, favorec- B* esta a base principal do drama cujo facto
da pola amenidade de um bellissimo dia, teve lu- verdadeiro, tendo nicamente de ficcao as suas
gar no domingo 24 do mez passado. | excellenles peripecias bem imaginadas, e magis-
Desde o romper da aurora al ao fechar da nou- tralmenle desenvolvidas,
te, os barcos e loda a qualidade de vehculos anda- finir nos deve elle ndubitavelmente proda-
ram em incessante correra, levando e Irazendo zir um iiaravilhoso effeito. Aos magistrados, e a
gente da cidade e das aldeias, que se agglomerava todos aquellos que se preparam para de futuro se-
na Porta bbre e no Carmo espera de meio de rem jugadores de causas crimes, deve elle servir
conduccao para se transportar ao centro da ale- de tremenda li^o.
gria e do prazer, porque a Foz nao era ontra con- Depois da representacao deste bello drama, e
sa n'aquelle lindo dia 24. quando o publico tiver podido aprecia-lo, tomando
Os rochedos da prala dos banhos estiveram api- i em eonsideracTio o que acabamos de dizer, volta-
nhados de povo at muito depeis do meio dia, hora remos ao assumpto para apreciarraos o effeito que
a que as damas mais preguigosas foram banhar-se por ventura sentirmos com a sua execucao, pos
as verde-escuras aguas do ocano. O raovimen- ', que anda nos sao bem vivas as emoijoes excitadas
to e a vozeria eram continuos, porque impossi- pelos artistas francezes.
vel o silencio e a quietajo em to grande ajunta- i Corro boje no lugar do costume a 5. parte
ment. da 4 lotera do Gymnasio Pernambueano.
Na maneira de tomar banhos da gente daaldeia,
encontra-se n'esle dia, urna singularidade que pro- Janei
move a hilaridade e attrahe praia grande nume- suas
ro de curiosos. se
Ha mulhersinbaqoe so se retira satisfeita depois zes.
de se banhar 10 ou 12 vezes, para nao ter, prova-
Joaquim Bautista Ferreira Cabra!,
Felismina.
Delioterio Jos de Sart'Auna, com Maria Ignez da
Silva.
Passageiros do vapor nacional Parahyba, sa-
bido para o Aracaj e portos intermedios :
Alferes Placido Lucas lieon e duas praeas. Ma-
noel Jos Lima, Manoel Joaquim de Araojo, Manoel
Jos de Amorim, duas praeas, Joao Nepomuceno,
Dr. Viriato Aurelio da Cunha, Capitulino Lucas do
Reg Monleiro e I criado, D. Dorotha Garre!,
Rvm. Fr. Cassemiro Metitello.
Movmento da casado detencao do da 4 de
outuhro de 1864.
Existiara....... 366 presos.
Entraram...... 4
Sahiram....... 11 >
oram vendidos por 30:0005000, no Rio de
os instrumentos com que se servia em
peracoes da uretrao finado medico fluminen-
Peroto. Possue-os o Dr. Bczerra de Mene-
te, sob n. 1220, recommendo A V. S. que, em vista verno pelo Sr. baro de la Peyrouse e que em mar-
da conta junta em duplicata, e nao havendo in
conveniente, mande pagar ao Dr. Joao da Silva
Ramos, ou ao seu procurador a quantia de......
205200 rs., despendida durante o mu de setembro
ultimo com a lavagem da roupa da enfermara da
casa de detencao. Communicou-eao Dr. chefe de
polica.
Dito ao mesmo.Em vista do competente certi-
ficado, mande V. S pasar ao empreleiro da con
(o deste anno foi enviada ao Sr. Espregueira com
lodos os mais irabalhos, que j existiam sobre
aquella importante obra.
t O cavalhoiro recommendado pelo infante D.
Joao de Bourbon M. Jules Boucher, a quem S.
A. consagra particular estima, de que elle se torna
digno pela seriedade do seu carcter, esmerada
educacao e cultivada inlelligencia.
Sobre o plano da obra s sei que delle foi en-
servacao do terceiro termo da estrada da Victoria ; carregado Mr. Beley, dislinclo engenheiro inglez,
a qwtia de 32254 '9 rs a que tem direito por : haver cumprido am as obrigacScs do seu contra- ra, na Austria e na Russia, e que na sua classe e
to durante os mezes de agosto e setembro deste considerado como uina notabilidade.
anno, segundo declarcu-me' o engenheiro chefe in- [ Mr. Beley foi urnas poucas de vezes ao Porto e
termo da repartigao das obras publicas em ofiicio fez todas as observares precisas para de um no-
velmente o incommodo de ir Foz 10 ou 12 dias
Cada ierra com seu uso, cada roca com seu fuso,
diz o aphorismo, e bem certo I
Ao entardecer principiou a Foz a cahir no seu
habitual socego.
Os romeiros e os curiosos retiravam aos seus pe-
nales. Um cordao de povo cantava e daucava des-
de a Cantareira at Port Nobre. Era para se
ver o quadro assim placido como era, porque neiu
o mais pequeo vislumbre de desorden) se notou
n'aquelle tito grande ajuntamento
Begressou a Lisboa a companhia do theatro nor-
mal, que o mesmo que dizer, fecharam-se asjpor-
tadas do Itieatro de S. Joao, e acabaram por estes
dous mezes os espectculos theatraes.
A noile da despedida foi mais um triumpho para
a companhia.
O drama escolliido foi o que o Sr. Ernesto Bies-
ter olfertou aos typographos portuguezes, e que se '
intitula Fortuna 'e Trabalho.
Os applausos, no correr do espectculo, foram
qin.-i que ininterrumpidos, mas no final de cada
acto eram enthusiasticos, phreneticos, seguidos de
chamadas a todos os actores e ao autor." Eram
com salvas de palmas, entremeadas de bravos e
ramalhetes, que o publico dizia o adeus saudoso a ;
companhia.
.No fim do espectculo augmentou ainda mais o
enthusiasmo. As chamada nao se poderam contar,
porque foram multas e continuadas.
O publico corresponda enlo ao adeus da com- j
panlua, dito n'uma lindissima poesa, recitada pela
E' forca chamar a attengao de quem possa
dar fs convenientes providencias para o despejo
leilo do rio, que em breve carecer de ser desen-
tulhado a continuar a tolerancia actual.
D'antes era servigo que se faza ao longo do caes;
e como, por havermos notado a inconveniencia dis-
to, se deram providencias que obstaram a respecti-
va continuago, es ahi a ponte agora se prestando
a ponto de despejo com toda a franqueza c salvo
dos despejadores de liso e de oulras mmundicias.
Alguma providencia se faz precisa, e contamos
que ella nao seja omittida.
O agente Olimpio faz leilao hoje em sen ar-
mazem sito na ra do Vigario n. 10 de mobilias,
cryslaes e outros muitos arligos e amanhaa no
mesmo armazem far leilao de diversos escravos
de ambos os|sexos.
Rbi>aiitic,\o da polica.
(Extracto das parles do dia S de outubro de
1864.
Foram recolhidos casa de detengao no da 4
do corrente :
A' ordem do subdelegado do Recife, Theodoro,
africano livre, e Leandro Jos Gomes, para cor-
reegao.
A" ordem do de S. Jos, Damiao Jos de Barros
Prata, por disturbios; Benedicto, escr Antonio Goncalvcs Ferreira, requermenlo
deste.
O chefe da 2a secgao,
J. G. deMcsnuita.
Jtelagao dos baplisados da freguezia de Santo
Exislem....... 359
A saber :
Nacionaes..... 298
Mulheres...... 4
Eslrangeiros... 11
Estrangeira ... 1 i
Escravos...... 41
Escravas...... 4
359
Alimentados a custa dos cofres pblicos.. 150
Obituario do cuutkbio publico no da I de
oitubho de 1864.
Domingos, escravo, frica, 60 annos, solteiro, Boa-
Vista, intente chronica.
Guilhermina, escrava, frica, 30 annos, solleira,
Boa-Vista, ascile.
Jos, Pernambuco, 8 mezes, S. Jos, convulsoes.
Barbara, 40 annos, soltcra, S. Jos, apoplexia.
Flix, Pernambuco, 14 mezes, Becife, convulsoes.
Joanna Maria Sabina, Pernambuco, 50 annos, sol-
teira, Boa-Vista, apoplexia.
Joaquina, Pernambuco, 1 anno, Santo Antonio, con-
vulsoes.
Miguel Wenceslao, Pernambuco, 8 dias, Santo An-
tonio, espasmo.
Cala filial do banco do Brasil em Per-
nambuco (*)
BALANCETE EM 30 DE STEMBRO DE 1864.
ACTIVO.
Istias descontadas.
Com duas assigna-
turas residentes
no lugar do des-
cont....... 218:7755675
Com una s dita
dito....... 10:5005000 229:2755675
n se referem os attestados publicados
nicante, sao os mesmos de que :> trata,
attestados sao authenticitf.
ese o-
Letras caucionadas.
Por ouro, prata e
ttulos coinmer-
ciaes.......
Por oulros ttulos.
13:7675380
5
Letras a receba:
Saldo desta cont.
Contas correntes.
Saldo desta conta.
Diversos.
Saldo de varias con
tos........
Causa.
Pelos seguintes va-
lores:
Em moeda de ou-
ro de 22 quila-
tes ........2,259:100-5000
Em notas do the-
sonro (los valo-
res de 105000 e
superiores. 89:0005000
Em notas menores
de 105000..... 2:5195000
Km moeda de tro-
co ........ 5664
Em olas da pro-
priacaixa. 2,875:320*000
13:7675380
4.025:2555504
760:4245832
1,470:2485092
5.225:9395664
actriz Manuela Rey, com applausos delirantes a que : Antonio, do mez de setembro de 18bi
se associavam as plaleias e as senhoras dos cama- Joanna, parda, filha de Thereza, escrava de Antonio
Gongalves de Moraes.
legitimo de Manoel de Lyra da
roles, acenando com lengos alvissimos. Era to-
carte e commovente o quadro, de que pareca nao
querer desprender-se nenhuma das parles.
O Porto, que victoriou sempre e condignamente
a companhia do theairo normal, deu-lhe, na noite
do seu ultimo espectculo, sobajas provas doquan-
lo Ibes cu-tava o v-la partir. Aquellos incessan-
tes applausos, lao phreneticos e delirantes nojfim da
representacao, foram siguificalivos do que valem os
seus principaes artistas.
O Sr. Ernesto Biester deve tambem ir penhora-
dissimo do Porto, e muito principalmente dos filhos
de Guttemberg. E elle mostra-o bem na sua des-
A alfandega do Porto rendeu no mez de agoslo
ultimo 326:1655341 res a saber :
Importagao.................... 298:4155780
V. S. a mandar fazer pela meslranga desse arsenal,
a vestoria de que precisa o referido brigue, urna
vez que pague o supplicanle a respectiva des-
peza. ,
Dito ao commandante do corpo de polica. Em
vista do que V. S. expor em seu officio desta data,
autoriso-o a excluir do corpo sob seu commando
o soldado Joao Antonio dos Santos, e apresenta-lo
ao commandante das armas para o servigo do
exercilo. ....
ilo ao mesmo. Pode V. S. fazer engajar para
o servigo do corpo sob seu commando, o paisano
Antonio de Souza Leilc, de que irata o seu officio
n. 435 desta data. ... w
Dito ao engenheiro chefe da repartigao das obras
publicas.- Concedo a autorisago que Vmc. pedio
em seu officio de 30 de setembro ultimo sob n.
264, para mandar fazer por administragao os con-
certos de que necessita o passadigo da porte ae
Motocolomb, despendendo para esse fim al a
quantia de 1:6405000 rs., em qoe foram avahados
taes concerlos, como se v do orgamento que veio
annexo ao seu citado officio, o qual fica assim
respondido.Communicou-se thesouraria provin-
cial.
Dito ao capitao do porto interino. Respondo ao
sen officio do 1. do corrente, sob n. 90, dizendo-
Ihe que o individuo de nome ic Pedro de Al-
buquerqne Lima, que se suppoe ser disertar da
armada, e de que tratei em meo offlcio de 27 de
9:5815065
1295160
6:6995375
1:3875890
9:5525071
e53
pedida, publicada em quasi todos os jornaesd'aqui,
de boje sob'm 266""- Com"mu"nicW-se ao engnhei- do poslivo apresentar o.plano para a grande obra, e na qual Ibes dirige palavras summamenle lison-
ro chefe interino da reparticfio das obras publicas. O pensamento de Mr. Jules Boucher e do ba- geiras.
Dito ao mesmo.Declaro V. S. para seu co- i rao de la Peyrouse abrir urna subscrpeo na ci-
nhecimento e drecgao, que acabo de indeferir, co-1 dade do Porto para a formagae da empreza e no
mo ver do despacho junto por copia, o requer- j caso de ah se nao fechar a subscripgo ser ella
ment sobre que versou a sua informagao de 23 encerrada em Franca ou Inglaterra,
de iulho ultimo sob n. 305. no qual Antonio Alves ] A empreza fara com o governo um contrato
de Miranda Guimaraes pede, na qualidade de pri-, para em certo e determinado lempo concluir as
mero testamenteiro de Joao Vieira Lima, a resti- obras hoje em proiecto mediarte certas vantagens,
tuicao do sello, que pagou do legado deixado por QM garantam um juro rasoavel do dinheiro em-
aquelle finado ao hospital PedroII. preAg,T' 'i
Dito ao inspector do arsenal de marinha.- Em I A.ld,ea Lda exposigao internacional no Porto em
vi^ta de sua informagao, datada de hoje e soh n.; 186o, foi bem recebida por suas magestades el-rei
757, dada acerca do requermenlo de S. M. Naws o Senhor D. Luiz e D. Fernando, dignando-se este
capto do brigue norueguense Emie, autoriso I ultimo aceitar a presidencia da commissao que
1 tem de a levar a efieilo.
Os cavalheiros que foram Lisboa para tratar
desta grandiosa testa do trabalho, j regressuram
ao Porto muito penhoradas do acolhimento que ali I quina, do Biode Jauero, por Lisboa,
encontraram as altas regioes officiaes. Trata-se I Sahiram :em 31 de agosto a barca Novo Ten-
agora com actividade da confecgo do respectivo tador para o Bio de Janeiro, e a barca Donro para
programma. | o Bio e Bahia;em 3 do corrente a galera frica
O Banco Mercantil portuense val deslribuir aos para o Rio de Jaueiro ;em 4 a galera Aurora
accionistas o dividendo de 3 por cento eu 65000; para o Maranho.
Exportagao
Iteexponago.................
Consumo.......................
Tonelagem.....................
Diversos.......................
Cambios:Sobre Londres 53 Ii2 90 d. d.
3|4 90 d. v.
Sobre Paris 538 a 540 por 3 fr. 100 d. d.
Sobre Hamburgo 47 'i|2 nominal.
Al ni rain termo de carga : em 26 de agosto o
palhahote Uorcal para a Bahia.
Enlraram :em 31 de agoslo a barca Silencio,
do Bio de Janeiro; em 4 do corrente a galera /o-
Passivo.
Banco do Brasil conta do capital.
Valor fornecdo pe-
la caixa matriz.
Emissao.
Valor em circula-
gao........
Letras a pagar.
Por dinheiro toma-
do a premio. .
Por saques.....
Dirersos.
Saldo de variascon
tas........
Gatillos e perdas.
Lucros sujeitos a
liquidagao. .
11,724:9115147
2.000:0005000
5.984:6805000
170:6795602 170:6795602
3,506:0905295
03:4615250
Joao, nrioulo, filho
Fonseca o Quitea Bo Leonor, parda, lillia de Christina, escrava de Joanna
Joaquina Pires Machado Portella.
Asiragirilla, i ranea, lilha natural de Luiza Maria da
Conceigao.
Maria, parda, filha legitima do Bodopiano Jos de
Sanl'Anna e Anna Joaquina Carneiro do Bo -
sario.
Feliciano, pardo, filho de Maximiana, escrava de
rsula Bodrigues da Silva.
Luiza, branca, lilha natural de Manoela Leopoldina
de Albuquerque.
Jos, pardo, filho legitimo de Ignacio Gongalves de
Barros e Anna Mana da Conceigao.
Joao, branco, filho natural de Emilia Amalia
Taylor.
Adelaide, branca, filha natural de Emilia Amalia "
Taylor. O Constitucional Pernambueano de 28 de se
Isabel, branca, filha legitima do Dr. Manoel do Xas-1 tembro prximo lindo, sob n. 44 publicou um eom-
cimento Machado Portella e Joanna Francellna municado, em que censura o Exm. Sr. Domingos
Pinto Machado Portella. .' de Souza Leao por ler nomeado Manoel Francisco
Francisca, branca, filha legitima de Domingos Jos. R Souza, subdelegado de Petrolina, e Severino
Ferreira Guimaraes e Maria Ursulina dos Santos Rodrigues Coelho, supplente daquelle cargo, sera
11,724:9115147
O guarda livros.
Ignacio Nunes Correa.
COMMUNICADOS.
por acedo, pois assim foi resolvdo, no dia 1 do
presente mez, em assembla peral do dilo banco,
em vsia do balancele apresenlado pela directora,
e referido ao 1 semestre do corrente anno. Mos
Ira este documento que os lucros se clevaram n'a-
quelle periodo a 52:1045564. Pago o dividendo
passa anda para a conta de ganhos e perdas do 2o
semestre a quantia de 11:2865564.
Nesla assembla geral len-se a copia da repre-
sentago, em que ha lempos fallamos, dirigida ao
governo pela directora desta casa bancada pedin-
do urna lei orgnica de bancos. Tambem se deu
Em 1 de setembro sahio do porto de Vianna do
Minti o brigue Mentor para o Rio de Janeiro com
vinho verde, etc.
PERNAMRUCO,
REVISTA DIARIA.
Era consequencia da questao entre o governo do
Brasil e o da repblica do Uruguay, e da interrup
conta de um officio do Sr. visconde de Lagoaca, gao das relagoes diplomticas, acha-se temporaria-
que era virlude do seu man estado de sade peda' mente cargo do Sr. cnsul de Portugal o consu-
a escusa do cargo de presidente da assembla ge-1 lado dessa repblica em nossa provincia,
ral do mesmo banco. A falto de sade o motivo | Al domingo deve chegar ao nosso porto o
ostensivo, pos sabido que a verdadera causa i vapor inglez Memnon, da linha de Liverpool, para
a representago da directora, cima apontada, en-: encetar a escala que ltimamente foi aberta.
deregada aos poderes pblicos por occasio da No dia 4 do corrente fuoccionou a Associacao
que=to baooaria originada nesta praca quando o Bibiiotecaria Perntmbucana, sob a presidencia in
Sr Visconde de Ugoafa pretenda formar o cele* terina do Sr, Repeira Costo Jnior. Lula e appro
Guimaraes.
Jos, branco, filho legitimo do Dr. Jos Antonio de
Figueiredo e Antonia de Paula Pessoa Figuei-
redo.
Vicente, branco, filho legtimo de Vicente Ferreira
Neves e Maria Joaquina das Neves.
Victorino, pardo, filho natural de Francisca de
Paula.
Ignez, branca, filha natural do Francisca Alves de
Almeida.
Generosa, branca, filha natural de Umbelina H. da
Silva.
Joao, pardo, filho legtimo de Luiz Antonio Affonso
Bigueirae Bemvmda Zeferina de Almeida.
Joaquim, pardo, llho de Firmna, escrava de Joa-
quim Marques dos Santos e Souza.
Norberto, crioulo, filho legitimo de Leandro Joa-
quim de Sant'Anna e Alexandrini Maria do Es-
pirito Santo.
Luiz, pardo, filho natural de Mara Bita.
Tircio, semi-branco, filho de Miguel Ribeiro Pavao
e Senhorinha Maria da Conceigao.
Um filho legitimo de Jos Caetano do Albuquerque,
licenca, (falta a cerlidao.)
Casamentos:
Joo Prospero, com Cosma Maria dos Santos; par*
dos.
Theodoro Dantas do Patrocinio, com Josepha Tho-
mazia Ramos.
Sehastio de Moura Accioly, com Thereza de Jess
Barrete
Claudino Antonio Jos de Mello, com Umbelina
Francisca da Conceigao.
que morassem clles na mencionada freguezia, e
sendo que o primeiro, alm disto, acha-se pronun-
ciado desde fevereiro deste anno na villa do Joa-
zeiro por crime de tentativa de morte.
Para mostrar a boa f com que feita semelhan-
te arguicao, bast dizer que Manoel Francisco de
Souza foi nomeado subdelegado de Petrolina em
17 de outubro do anno passado, assim como em 9
de junho do mesmo anno o foi Severino Bodri-
gues Coelho, do Pontal e nao supplente de Petro-
lina, como o aflrma o commumeante. Na refe-
ridas pocas ainda nao tinha o Sr. Souza Leao lo-
mado cont da administragao desta provincia.
E' por este modo que se hoslilisa o actual admi-
nistrador da provincia I
A linguagem do communicante se harmonisa
perfeitamente com a lealdade da censura : ne-
nhum outro reparo faremos, deixando ao publico
a sua apreciagao.
Estonios ceos de que S. Exc. procurara averi-
guar a verdade dos factos denunciados, para pro-
videnciar sobre elle?, como tem feilo em casos
idnticos. Cumpre entretanto observar, que Ma-
noel Francisco de Souza foi pronunciado om feve-
reiro der.te anno, d'onde se v que ao lempo de sua
nomeago nada havia de provado contra elle.
Quanto ao facto de nao risidir elle e nem Seve-
rino Coelho no distcto de sua jurisdigao, decidi-
damente era isso ignorado da presidencia, como
o foi do communicante, que s agora o denuncia ;
alm de que revela indagar seos individuos, que
() Em consequencia de erro lypographico de no-
vo publicamos o presente balance.A redacto.
< So* fsiest urftor m*ln
> bonos fructos facert.
O vire-presidente do progresso comcrirntnr m-
derado na provincia da Parahyba. fMMfc enei-
tor com fados maravilhosos fassim como <* efci
lam os romances) o famoso relaiorio com que pa-
sou a administragao da provincia ao seu actual fo
vernador, e nao desejando tambem tan qo* parece.
perder occasio de exercilar sua proverbial rtrrnUt-
de com adversarios polticos, que ousam oppor se
aos seus bem combinados clculos de interestn;
proprio e familiar, nao hesiten inserir n'aqortto
pega architectonra o seguate trecho, sob a epi-
grapheseguraca individual e de ptopriettaik.
o que muitos maravlhoo :
Chegando ao meu renhecmento por oWrio A>
delegado do termo de Cabaceiras de 28 do referido
mez. que varios individuos capitaneado* pelo vifa-
rio interino da freguezia padre Benovato IVrma
Tejo, havam lirado do poder de urna escola
preso Bento Bernardino dos Santos que era roo-la- ,
zido de ordem daquella autori I..le. r>-,,mtaewfoi
ao promotor publico da corrarca qoe dsse a de-
nuncia na forma da lei e promovesse o M>
do processo, sceniilicando-me ppWMMMM *>
resultado. >
Ao lr semeibanle historia em o n. 170 *te
Diario, qualquer homem desprevenido e saaMto
maravilhar-se-hia sem duvida de qoe honres*-- um
vigario too imprudente e temerario, que. iluiialH-
cendo lodos os deveres de sua imprtame e metiu
drosa posico, fosse collocar-se frente > vario*
individuos e capitanea-tos, afim de tirar mu pren-
do poder da escolta que o conduzia : s o riseo-
de semelhante empreza excluem evidenteoMMe a
possibilidade de sua execucao por parte de un ho-
mem de mediana posigo. e que tem algosa M
a perder na sociedade.
A inverosimilhanga poi> do facto era nvmifcsla
e por si so bastante para suspender o jaiio *c. u-
bliro a respeito do seu indignado autor, al a ex
hibigao de provas tao claras e concludenles como
se fazem misler em casos desta oroVm : e para
nos que conhecemos de perto ao Revd. Sr. Rec-
valo Pereira Tejo como um sacerdote de rerowV-
ciiia morigeragao, generosi<)ade e beaevotonria.
qualidades estas que Ihe tem grangeado na frgtie
zia de Cabaceiras urna incontestavel influencia r
popularidad.-; para nos que -alemos por hMRa
experiencia, quanto frtil e despejado o espinto
de faccao em forgicar intrigas e levantar eatoai-
nias, com tanto que se removain os obstacalo* me
apresentam adversarios preponderantes e temiitos.
para nos, diremos, a inverosim Ihaora ceden tofo
o lugar fbula, e a tomada do preso pelo vigario
interino de Cabaceiras appareceo-nos romo ama
triste invengo da Caridadr de rertos polticos. a lodo cusi iiuerem descartar-se do nosso respei-
lavel amigo n aquella localidade.
Nesta crenga eslavamo*. quando nos rfcefoa as
maos, para maior confirmacao della. o Ihno de
8 de agoslo prnx*imo passado. Wfli se eneontra
urna correspondencia assignada por i Vm t*m da verdade -, na qual o seu autor, tratan-lo do-
negocios de Cabarpiras em resposta a um artifo d->
Jornal da Parahijlia, cont o fado da priso fofa
de Bento Bernardino da seguate manein por cer-
to mu dilferente :
O ex delegado desta villa Themoieo da r.nnha
Siqueira mandou varejar a casa de Beata Bernar-
dino dos Sanios, em virtude de ler rci-ebido.dennn
ca que esse individuo costuraava a malar gad->~
alheios sem bcenga de seu; donos para alimento
seu. Despcitado liento por esse acto do ex delega
do, insultoii-o assaz. ao que responden o ex dele-
gado dando-lhe vos de pri>o. Ma. infelizmente o
ex delegado achara-te quasi xozmho e nao ptrnil*
impedir que o prno auxiliado por muilos mtrt-
do* frente dos quites estar o Sr. padre T.
podesse zombar da ordem legal da autorntaite.
V-se pois desta variante da me-ma historia.
alias firmada por um fervoroso adepto do progne-
so, que liento Bernardino, amante com lodo no
mem da sua libertado, e d-s.-jamlo conserva-la a
despeito da prepotencia do delegad-) Themoieo en
inimigo, poz-se moilo simplesniente em fofa ao
acto mesmo da prisao, que por aquelle Ihe ton or
| denada quando eslava quasi soznho: e este s les-
| lemunho do amigo da verdade muito bs-
tanle para se ajuizar da fbula engendrada el"
vice presidente seu correligionario, s-.t. informa
cues de urna autondade evidentemente uspeita. i
na qual nos faz apparecer. c-.ui a maior mver *i
milhanga e a mais requintada injuslica o i-adre Be-
novato Pereira Tejo, capitanea uto 'ranos tniUn-
duos e tirando com cites o pretendido preso o po-
der da escolta que o ronduzia. Tri episodio, onde de tal sorle ralveja a faUdade. Je
nao foi possivel ao proprio i amigo da verdade e
do progresso. apesar dos seus bons doejo adop
talo c segui-lo em obsequio ao patrio qoe para
seus lins o engendrou !
Cumpria porm que o mesmo amigo da ttr-
dade *, para s-lo em ludo, e nao em parte por
antiphrase, coofessasse expliciamenle que. pas-
sa ndo-se a scena entre o delegado Themoieo e
Bento Bernardino em 'ugar prximo igreja nw
triz, nao tivera o Revd. vigario outra rnlpa ao ra
so, seno a de dirigr-sc para all, inspirado pelo
espirito de paz e concordia, alim de evitar as de-
sagradaveis consequencias qoe do tumulto deviam
seguir-se, o que efleclivamente conseguio peto sua
preponderancia, e sem que de maneira alfnmi
concorresse para a fuga de Bento, (pie alias Bao
pode ser considerada como um facto criminoso ai*
circuinstncias em que se deu: e lano airo
que, posto em pratica a engenkosa procidencia do
vice presidente do progresso, e instaurado o pro-
cesso contra o padre Tejo, nao tem sido possivel
aos seus adversarios dar-lhe andamento por falla
de testemunhas que agam carga ao innocente '
Entretanto era mister que nesta memorare! qna
dra progressisla livesse a fbula os mesmos eftVi-
los da realidade, sendo attingido o fim occulto que
oella ia envolvido.O famos<< relaiorio chegoa sem
duvida ao conhecimento do governo, e sendo om
provavelmente corroborado no ponto a que aos te-
mos referido pelos procuradores geraes do vice
presidente na corte, foi o Sr. padre Tejo preterid.,
no provimento da freguezia de Cabaceiras, para a
qual fura proposlo era primeiro lugai em atteoeia
aos bons serviros prestados na mesma igreja, vin-
do a ser nella apresenlado o terceiro proposlo, qoe
de certo nao eslava em idnticas cirrumstaacias
('.uiiMimou-se por unto mais esta claiaorosa m
justica sob o reinado do progresso constrrndo
moderada, e provavelmente nao ser a ultima eta
quanto houverem ministros par Ji lare>- ou ineptos,
que, em vez de atteodercm ju-nca e ans inlerev
ses reaes dos povos, attendern s alicantinas afca-
radeiras dos polticos famlicos com quem vivera
em negociaeo.
Descance porm o nosso respeiiavel amigo o Sr.
padre Renovato Pereira Tejo, na seguridad dt>
sua conseiencla e no juizo dos horneas irnparriaes.
e sensatos; nao se perturbe com as laiquidade
que o tem ferido por intrigas e marhinagoes de
prfidos adversarlos | trabalhe por conservar a es-
tima e consideracao de que justamente josa ntre-
os seus conterrneos, o creia qoe com to daj-:




Diarlo de PeraaMfcne* Quinfa letra O Je Ouiiforo de t*4.
.

aos seas desafectos a metbor resposta quo e possi-
vtl dar-se. O vento das tempestades passsgeiro,
0 secundo a palavra da divina sabedona so as
arvores que nao dao bons fructos sero arrancadas
e atiradas ao fogo.
Parahyba, 12 de setembro de iso.
Epaminondas.
PBLIC1C0IS i PODO.
Elei^ao
dos juizes c juizas qne h de festejar
a Vigem Senltera d rtosario, |a-
droeira des. fregoezi, nosegttUOfr
auno de I815.
Juizes por devoco.
O Exm. Sr. barao de Muribeca.
O Illm. Sr. Jos Carneiro Rodrigues ampello.
Juizas por devocao.
A Exma. Sra. D. Francisca Sleple da Silva de
Brito Bastos, consorte da lllm. Sr. major Jos An-
tonio de Brito Bastos.
A Exma. Sra. Brasilina Lumaclii, consono do
lllm. Sr. Jacomc Geraldo Mara Lumactu de
Mello.
Procuradores.
Os Illa. Srs.:
Manoel Caelauo de Paula Rocha.
Francisco Thomaz de RirrosCampello.
Jos Runo de Souza Magaliies.
Daniel Antunes dos Reis.
Joo dos Santos Fragoso.
Luiz de Franca.
Mordomos.
Todos os parochianos desla freguezia.
Encarrcgado da testa.
O Una vigario da freguezia.
O, vigario uncommendado,
Jos Zilcliarias Rtbeiro.
1 eaixa fazenda e lencos de llnho, ditos de al-
godo ; Monfelro Lopes 4 C.
12 caixas britu de liubo; Phipps Brothers
A C.
20 barricas e 8 caixas ferragens, 6 ditas linhas,
a columnas de ferro : Prente Vanna & C.
lo fardos e 4 caixas fazenda de algodo ; Aze-
vedo Netto Si C.
1 fardo fazenda de algodo ; Joao Keller & C.
1 caixa roupa Mrs. Th. Dockray.
24 caixas e 22 fardos fazenda do algodo ;
Admason Howie 4 C.
14 caixas fazenda de algodo ; Ferrcira Matheus.
Escuna hannoveriana Etnsland, entrada de
Trieste, consignada Saunders Brothers & C, ma-
nifestou o seguiste :
2,217 barricas, tarlnfra Ja triga; i oidfiUL.
Brigue inglez Olhello, entrado de Terra-Nova,
consignado J. Pater & C, manifestou o seguinle:
2,076 barricas bacalho ; aos mesmos.
:.lece>edoria de rendas Interna*
geraes de Pernainbuco.
Rendimento do dia 1 a 4........ 3:1375268
dem do da ................. 796Joi
Magloir, postilhao. .
Daubenlon, juiz d'instrusvo.
Cheppard, o araavel
Colimlo......
Favinard.......
Suerneau ......
O dono da estalagem .
O caixeiro......
Uro agente do polica.
Li.-.lka.
Pinta.
Gimaraes.
Jowj Bernardino.
Manhonsa.
Porto.
Preitas.
Santa Rosa.
Um carrasco..... N. N\
Um sacerdote..... N. N".
Joaooa....... O. Antonina.
Julia>Lesurque .... D. Camilla.
Filha do dono da estalagem. U. Mara Pontes.
OIBciaes da Justina, soldados, pavo, etc. etc.
poca 1796, repblica de Franca.
O. vestuario gosto da poca.
Conjurar, s. 3. horas.
Ao publico.
A vista das auieacas de forro, fogo e pao que aos
redactores do peridico denominado.Z'iau-ie-
rain, de publico, pelas ras, desta cidade, os Ferra-
brazes do progresso, de accordo sem duvida com o
Sr. Domingos de Souza Loo, nao podem os mes-
mos redactores, desejosos como esto de satisfazer
aos numerosos assignautes queja conta aquel le
jornal e instam pola sua publicaco; deix-ar de in-
terpellar o mesmuSr. Domingos de Souza:
L" Se, como autoridadu raoralisada, uiantem a
liberdado da imprensa, garantindo os redactores do
Zoineque lo amelados se acham ein suas pes-
soas e bens.
2. Se confiando no podero de S. Exc, que
aquelles Ferrabrazes promettem pislollas, e seta ab-
solvieses seguidas no jury desta cidade ao sicario
que as empregar contra os redactores do-Zoine.
Desvanecida que seja a impresso de terror ein
que se acham os redactores doZomepor aquellas
tristes e horriveis ameacas, sero solcitos ein pu-
blicar o seu jornal, satisfazendo assim aos seus nu-
merosos assignanles o suppriado nesta provincia a
lacuna que se Bota de um jornal grave e seno para
recreio e bom tom Jas familias.
Os redactores do Zome.
Salsa de Brlstol.
As enfermida'ics externas produzem umitas ve-
les resultados terrveis se a massa viciosa do san-
goe, a qual a causa das mesmas nao se purificar
do seu veneno mediaute o uso da salsa parrilha de
Bristol (o abstersivo mais poderoso de quantos se
conhecem) os doentes nao s buscariam alivioem
vao, mas sim tambein transuiiltiriam suas emYrmi-
dades seu.-- tillios como una heranca maldita
As pessoas de ambos os sexos acharao em todos os
periodos da vida, que este admiravel e incompara-
vel remedio vegeial cura do urna maneira rpida
e radicalmente as chagas, erupcoes, ulceras, in-
flammacoes glandulares, rheumatismo e todas as
mais molestias anlogas, nclnindo as adecenes
mercuriaes que disliguram ou contrahem. as lei-
coes.
Achar-se ha venda em todos os eslabelecimen-
tos pharmaeeuticos do Brasil e era Pernambuco
por Bravo & C. e Caors & Barbosa.
3:9335523
Consulado provincial.
Rendimentodo dia 1 a 1......... 2:966441o
dem do dia o................. 1:7884637
4.783*072
MQVIMEWTO PO PORTO.
Navio, entrado no dia o.
Baltimore36 das, barca americana Ella Va-gina,
de 42o toneladas, capitn Caleb Johnson, equipa-
gem 14, (carga 2,358 barricas com farinha de
trigo e madfira Denry, Postor & C. Seguio
para o Rio da Prata.
Navio: sahilo no memo dia.
Aracaj e portos intermediosvapor nacional Pa-
rahyba, uomman-lante Martins.
SBITABS.
COMME&GIO.
O lllm. Sr. inspector da thesourararia provin-
cial de Pernambuco, em comprimenlo da ordem
do Exm. Sr. presidente da provincia de 30 de se-
tembro prximo findo, manda fazer publico que
no dia 13 do corrente, peranle a junta da fazenda
da mesma thesonraria, se ha de arrematar,
quem mais der, o, imposto de i&oOQ rs. do gado
vacemn consumido no municipio de Iguarassu",
avahado novamentecm 1:0755 por anno.
A arremalaco ser fe i la por tempo do 2 annos o
8 mezes acontar do l. de norvombro do 186 a30
de juni 10 de 1867..
As pessoas que so propozercm essa arremata-
gao, corapareeam na sata das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, polo meia da, e
competentemente habilitadas.
E para constar, so maodou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da tbesourai a provincial do Pernam-
buco, 1 de outubro de 1864.O secretario, A. F.
d'Annunpiaco.
O lllm. Sr. inspector da thesourana provin-
cial, em cfimpriuieuto da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 30 de setembro prximo
Gndw manda- fazer publico, qoe no da 13 do cor-
rete, peranle a junta da fazenda da mesma tbc
sourarta, se ha de arrematar quem mais der, o
imposto do dizimodo gao vaceum consumido na
comarca do Bonito, avahado novamente em 1:6005
por auno.
A 3rretnataca sera feita por tempo de 3 aanos
a contar do Io de julho d D364 a 30 de junho do
1867.
As pessoas que se propozerem essa arremata-
gao, comparecam na sala das ses>oes da referida
junta, no di cima mencionado pelo meio dia,
competentemente habilitadas.
E i>ara constar, se maiHou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da iesouraria provincial do Pernam-
buco, 1 de outubro de 1864.-0 secretario, A. F.
d'Annunciaco.
Cotacdes oflciaes.
PIMA DO RECIFE
o E OUTUBRO DE 1864
Algodo da Parahiba (com iri de 2') 245500
por arroba posto a bordo.
Cambios sobre Londres 90 d/v. 27 1|2 d. por
I580:
Dcscontos7 OjO ao anno.
Frete de algodo para Liverpool 3(4 d. e 5 0|0
por libra.
Duhourcq Jnior, presidente.
QuimareSj secretario.
aovo lian KriuiniM.
0 novo bauco |; a o 13 di>idea
na razao de 8$00 por aeto.
i
Alfandega
Rendimento do dia 1 a 4.......
dem do dia o................
110:0085612
41:5105112
151:5185724
Slovluicnto da alfandega
397
1,433
Volumes entrados com fazendas.
t com gneros.
Volumes sabidos
c
com
com
taadas...
gneros...
------1,832
216
599
----- 81o
Descarregam no dia 6 de outubro.
Barca inalezalm- mercadorias.
Brigue inglezIngaruntamercadorias.
Barca francezaHavre dem.
Brigne inglezQuen of the Pli/mMem.
Patacho portuguez Alaria da Gloria diversos
gneros.
Patacho austraco Carita farinha de trigo.
Escuna americanaFannie Lincolon farinha de
trigo.
Patacho hanovenano Emsland idern.
Brigne inglez Otiiellobacalho:
Brigue inglez Len ferro e cemento.
Galera iaolezaHrrmm*ferro fiara a ponte.
rlgue hamburgneZ' Ingeborgmercadorias.
Importarn.
Barca ingleza Vision, entrada de Liverpool, con-
signada Saanders Brothers J C, mnnifeslou o
seguinte :
55 gigos louca; a Thom Barkinyoung & Boberls.
SO iigos e 1 barrica louc, 25 caixas phospho-
ros. 4 ditas metal, 1 dita objectos de escriptorio, 4
fardos estopa, 15 ditos e 29 caixas tecdos do algo-
do e de Isa ; ordem.
313 gigos, 34 barricas e 6 sextos louca,23l bar-
ricas cerveja, 100' narris banha de porco, 16 bar-
ricas vidros, oOO caixas salino, 100 ditas folhade
flandres, 12 caixas machinisroo, 2 appartlhos para
suspender, 24 barricas e f ca xa ferragem e en-
xadas-, 1 caixa e 2 fexps camas, 200 saceos arroz,
75 caixas conservas, ldila fructas, 2"ditas obras de
selviro, 140 ditas e 20 fardos fazendas de aliiotfa,
50 toneladas carvifo e 100 diuis de pedra para, las-
tro ; aos consignatarios.
200 caixas sabo, 10 ditas phosphoros ; Tasso
Irroaos.
7 caucas o 5 fardos fazenda de algodo ; Sou.
tnaU'Mellors&C.
1 caixa fezenda de 15a ; M. Alroforado.
35 caixas lecido de algodo; a T. Jefferies.
8 fardos e 1 caixa saceos de linho, fazenda de
dito e lencos de algodo ; a J Pater & C.
39 gigo el cesto louca, 4 caixas e 2 barris fo-
lha* e pregns tfe cobre,*6 caixas tecido de algodo:
a J. A. Aran jo.
6 barris oleo de linhaca, 2 fardos e 5 caixas fa-
zendas de algodo ; a E. A. Burle & C.
3 fardos fazendas de algodo ; A. C Abreu.
4 barricas e 1 caixa ferragens ; Brauder
BrandK
23 caixas linhas ; Vaz & Leal.
t barrica ; ao Baro do Livratnento.
13 ftrdos fazendas de algodo ; Schafhoitlin
4 e.
f'cafiajr pnnsphoros ; Prreira A ffartiug.
i caixa fazenda de algodo ; Carneiro & lo-
guerra.
2 fards fazenda d Mnho : X Ferreira A Aranjo.
Fortaleza do Huraco.
Competentemente autorisado tem o comman
daute desta fortaleza de contratar um canueiro pa-
ra o servico de conduzir agua para a guarnigo
de.-ta fortaleza, sendo a conduego em barris, con-
forme for o ajuste, que pode ser urna vez por dia
ou por semana, pois que a fortaleza tem canoa e
barris : quem quizer contratar dirija-se ra do
Hospicio n. 40, casa de sua residencia.
Coos-liio administrativa.
O con>elho administrativo para fornecimenlo do
arsenal de guerra tem do comprar os objectos
seguintes:
Para o arsenal de guerra.
Carvao de pedra, toneladas ingleza 10.
Para a casa da guarda do palacio da presi-
dencia.
Velas stearinas, libras150.
Quem quizer vender laes artigos aprsente suas
propostas em carta fechada na secretaria do conse-
Iho administrativo s 10 horas da maoha do dia 10
de outubro vindouro.
Sala das sessSes do conselho adminitralivo para
fornecimenlo do arsenal de guerra, 3 de oulubro
de 1864.
Antonio l'rdro de S Brrelo,
Coronel presidente.
Sebastiao Jos Basilio Pyrrho,
Vogal secretario interino.
Arifiiialaca"..
No dia 7 do corrente, Anda a audiencia do lllm.
Sr. Dr. juiz de orphos tem de serem arrematadas
de venda iuas partes, nma na casa do sobrado da
ra da Imperalriz n. 82, avaliada em 5485315, e
outra na casa terrea n. 39 da travessa da ra de
S. Jos, avaliada em 4335329, pertencente aos me-
nores Teophilu e Ricardo, filhos do finado Ricardo
Romualdo da Silva ; a ultima praca.
CORbUO GtRftL
[{i;lano tas carias seguras existentes
na arfniinislracao di correin desta
ci clararftrs
fapito Antoni Pedro Heitor.
Francisco de Merlo Brrelo.
Francisco de Salles.
D. Henriqneta Mergaridad) Nascimento(Afogado).
Joaquirn Antonio Carneiro.
Joaquim Mbnteiro da Cruz.
Dr. Jbaquim Moreira da Silva.
Manoel Jos Martins da Silva.
4j
mi
GQRDEIRO 8IMOES tara leilao de diverso* mo-
' vsfis bovos e usados e outros inuilos ailigos de
gosto, que estarlo patente no dia cima.________
E lAO
i DE
Escravosdc ambos os sexos com
habilidades e sem das.
Sexta-fejra 7 do corrente s ti horas da
manlia no aronzeo da ra do Vi-
gario n. 10.
autorisado por alguns seus aeifioados. cainaiadas,
vendop-ew leilo publico diversos escravos
I ambos os si'xns cora habilidades e sem ellas,
de
os
uaes estarao ao exame dos compradores no dia
cima noarmazem da ra do Vigario n. 10.
SOCEDADE
NIAO BENEFICENTE
MARTIMA
Por ordem do Sr. presidente sao de novo convi-
dados os senhores socios se reunirem em assem-
bla geral no dia9 do cmate, pelas 10 horas do
dia, no salo de suas sessoes, para ser empossada
a nova diroctoria, visto nao o ter sido no dia 30
do passado, por nao se ter apresentado o numero
marcado nos -statutos para ese fin, tlcando certo
tambem os mesmos sock que ainda se podem por
quites at csso da, depois da qoal mcorrero as
penas do art. 12 3o
Secretaria da Sociedade Unio Beneficente Ma-
rtima,. 5. de. ojituhro.de 186L
Balrhazar Jos dos Reis.
Io secretario.
SiLSA PAKItli.lU lK mil.
Traxscrkvkmos aqu alguns
dos tuitos aitostados que Imbm
recebido das virtudes da salsa
parrilha do Dr. Ayer.
Kliciiiu.'Uis

ni: joAo josf: nos SAXTOf.
O uro Pelo.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAOUETES A VAPOR
Dos portos do norte esperado
o vapor Cruzeiro do Sul, com-
ii,undante Alcanforado, o qual
depois da demora do costume se-
^S&SalSSBP guir para os partos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual Severa
ser embarcada no dia de sua chegada, encommf n-
das e dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras : agencia, ra da-Cruz n. t, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C
GOMPANHIA PERNAMBHIWl
DE"
Kayegacao costeara a vapor
Parahyba, Nalal, Maco, Aiacalv, Coar,
Acaracit' e Granea.
O vapor iaguaribe, comman-
dante Lobato, seguir para os por-
tos cima no dia 7 de oiHubro as
5 horas da tarde. Recebe- carga
at o dia 6. Encommendas, pas-
sageiros e dinheiro a frete ate o dia da sabida
s 3 horas da tarde : escriptorio no Forte do
Manos n. t.__________________________
Para a Babia pretende sabir em poucos dias
o veleiro (talacho D. Luiz, capito Jos Teixeira
de Azevedo, por ter parte da carjia tratada : para
o resto da.carka quo Ihe falla trala-se com os con-
signatarios PaTmeira & Beltro, largo do Corpo
Santo n. i, prlmeiro andar.
LEIISES.
Feira semanal
DE
Trastes, crystaes, relogins e oatros
rtigos
MOJE.
\o arma/.imu da na do \ igario n 10,
as II horas.
O agente. Olympio em seu novo armazom da roa
do Vigario n. 10, far* leilao de diversos trastes
novos e usados, crystaes, cadeiras avulsas, relo-
gios de parede ealgiheira, consolos, candieiros a
gaz, marquezas, coinmodas e outros muilos arti-
gos que estarn patentes no dia do leilao no arraa-
zem da ra do Vigario n. 10. ___________
a fora, copiar, casa para j.ia-
boa agua do beber, com diver-
gs e abundantes fructos, qoe a
Misam o trabalho de zelar-se,
Quinta-feira 6 de ntnbro, s I \ horas,
ra da (ladeia aruiazem n. o3
DI
Um grande sitio letroote da igreja na es-
trada de Joo de Barros, rende (500$.
PELO AGENTE EUZKBIO. i
Se vender em leilao um grande silio que L tem
de frente cerca de 700 palmos e de fundo 80o di-
tos, com casa do vivenda em bom estado, 6 q-iar-
tos, 2 salas,cosinha fora, copiar, casa para j.ia-
dos, cacimba 'com boa a$
sos arvoredos de bon
seu lempo recompo
este silio divide de Din lado com o Sr. Dourado e
do outro com a viuva do Sr. Rufino, e pelos fun-
dos com o do Sr. brigadero Joaquim Bernardo de
Figueiredo, os pretendentes podero desde j exa-
minar alim de aproveitar a pechinclia.__________
Quiutafeira (i de outubro, s 11 horas,
ra da Oieia n, '!
DE
Cm cabriole! de 2rodas, coberto. com 2 arreios
quasi novos : sao convidados os prelendentes
a aproveitar urna boa compra.
_________PELO AGENTE EUZEB10.__________
LJBIIAO
DE
Una casa e lojas na Capmiga
SIOJE
0 agente Pestaa vender por conta e risco de
quem perlcncer urna morada de casa terrea com
casa de moradia e 2 lojas proiirias para estabele-
cimento, sua na ra da Ventura n. 1, na Capunga;
os Srs. pretendentes devero examina la com an-
tecedencia, o o leilao ser efiectuado quinta-feira
6 do corrente polas 10 horas da manlia defronte
a Associaeo Commercial.
Aos 10:0Ou$O00.
Corre hoje.
Quinta-feira 6 de outubro do corrente
anno se extrahir a quinta parte da quar-
ta lotera (H0a) a beneficio do Gymnasio
Pernambucano, no consistorio da igreja de
Nossa, Senhora do Rosario da freguezia de
Santo Antonio.
Os bilhetes, meios e quartos acham-se
venda na respectiva thesonraria ra do
Crespo n. 15.
Os premios de i0:O00OOO at 200000
serlo pagos urna hora depois da extraerlo
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia
seguinte, depois da distribuico das listas.
Sermlo de thesoureiro,
Jos Rodrigues de Souza.
Alaga-se a casa n. 40 da ra das Trinchei-
ras : na ra da Aurora n. 36.________________
Na livraria n. 9. e 8 da praca da Inde-
pendencia existe urna carta de importancia
para o Sr. Antonio Fernandes Corredor.
Alnga-se urna casa em Beberibe : a (catar
com J. I. M. Reg, na rna do Trapiche n. 34.
D. Juan Fabriga do Pa, julga nada de ver
m'sta praca, mas se.alguma pessoa se julgar ere-
dora aprsente suas contas, na ra larga do Rosa-
rio d. 2o,. para ser pagas, o mesmo dei&a p >r suu
procurador a Feliciano Bernardino da Silva Braga
para cobrar suas dividas amigavelmente e judicial-
mente ; e o mesmo nao tendo tempo para despedir-
se das pessoas de sua amisade por ter de retirar-se
para a provincia da Parahiba, offerece o seu pres-
umo.
Reeife i de outubro de 1864.
Precisa-se. riugar urna pecta eecrava para o
servico domestico de urna casa de familia de duas
pessoas : a tratar no armazem da ra do Viga-
rio n. 10.
O abaixo assignado faz sciente aos seus ami-
gos, e particularmente aos freguez^s de sua palla-
rla, que o Sr. Manoef Monteiro Braga deixou de
ser seu caixeiro- desde o dia 30 de setembro prxi-
mo nassado.
Becife 30 de outubro de 1864.
____________________Jos.- Vullozo Snares.______
Ama de leite.
Na ra da Cadea do Reeife, n. 52, jerceiro an-
far, precisa-se de urna ama do leite sem cria.
Precisa-se alugar urna escrava para eosi-
nbar e ensaboar e que esta preste-se para fazer
: compras e carregar agua : na ra do Brum nu-
i mero 34. ___________________
Precisa-se alugar urna prela que saiba cozi-
nhar ti engommar : na ra da Palma, taberna nu-
mero 41.
Ama de leite.
Precisa-se de urna amn de leite, sadia e sem li-
Ihos : na ra Amiusta n. 96, sobrado.
Aluga-se a sala da frente do sobrado da ru-
do Queimado n. 13, propria para qualquer advoga-
do ou escriptorio : a tratar na mesma ra, botica
numero lo._____________________________
Gabinete Portuguez de Lei-
tura.
De ordem da directoria scientifico aos senhores
I associados, que desde o da 6 14 do corrente est
! suspenso o expediente em consequencia de ir-se
proceder o balaoco na bibliotheca.
Secretaria do Gabinete Portuguez de Le tura em
Pernambuco aos o de outubro de 1864.
J. V. de Aranjo Guimares.
Io secretario.
Olferecc-se urna ama de leite, vinda do ma-
to : a tratar na ra da Concordia n. 31, segundo
andar._____________________
Na padarado Torre precisa-se de um amas-
sador que saiba ler e escrever para tomar conta
de urna freguezia.
a s 3 -i
&* a 'f a
B ->
! -i. ~ a
i W o a w -i
a ero o a. n 6
o e 1
5- a -i -i
c ti CA
a.
~. T
a
53- I 2 2
asea
a > 5
3 a x
c 3 s
." o. 5
o
9
f
O 09
S3 = 3
o- 2. ^
I I a g ^
L1VR4RI4 ECONOMICE
RA DO CRESPO N. 2.
DEFRONTE DO ARIO DE SANTO ANTONIO.
Obras ulliwi.imotile iecelii las.
JUISPRUDE.VCIA.
Consultor forense por Carlos Antonio Cor-
deiro, 4 volumes............305000
Tambem-so vende cada voluine separado 8000
Manual dos jaizes-de direito, ou attribui-
cSes e deveres destas autoridades .. o,JW00
Primeiras linhas sobre o processo crimi-
nal porJ. B. da Curiha, 2 vulnmes 145000
Nova guia dos jiizps municipaes c or-
phos por J. M. P. do Vasconcellos 8^tK)0
Novo advogado do povo ou arte de reque-
rer enijuizo............. 45OOO
Roteiro dis col lectores, nova edico muito
augmentada............ 65000
Novissimo manual dos tabellies ou col-
leceo dos actos, aitribuiedes e deveres
destes funceionarios.......... 65000
O advogado commTCial 011 arte de reque-
rer no juizo commcrcial....... 45000
ndice alphabetico de materias, as quaes
tem applicaco legislco patria pro-
mulgada ateo anno de 1837, coordena-
do pelo desembargador Joo Joaquim
da Silva................ 125000
Alem destas receberain-se mais obras de sum-
mo interesse, para os senhores juizes, advogados
solicitadores, ele, ele._______________________
Precisa-se alugar tima escrava para to lo o
servico de urna casa de familia : a tratar na ra
da Cadeia do Reeife n. 48, terceiro andar._______
Na ra da Conceieo n. 47 precisa-se de urna
ama para pequea familia.
Aluga-se um primeiro audar na ra da Pe-
nha, pintado, caiado e lavado : a tratar no mesmo.
Precisa-se de una ama. para liomem solteiro,
e um menino para caixeiro : na ra do Gaz, ta-
berna nova.______________^^___________
Precisa-se de urna ama para cozmhar e en-
gommar, e fazer o mais servico de casa para dnas
pessoas : a tratar na ra do Imperador n. 46, pri-
meiro andar.
SilUOMIE
11a
DE
Urna mobilia branca
HOJE
Quinta-feira rj do corrente s 11 horas,
ra do Vigacio n. 10
OLYMPIO
autorisado por urna pessoa de sua amisade ven-
der era leilao una mobilia branca composta de
12 cadeiras de guarnicao, 4 de bracos, 1 sof, 2
consoJos com pedra mamara, 1 mesa de meio de
sala com dita, aehando-se em bom estado.
LKILAO
EMPREZA
GERMANO & COMBRA.
fia recit d assi^natni*
SABBADO, 8 DE OUTUBRO DE 1864.
Subir scena pela primeira vez neste tbeatroo
magnfico e apparatoso drama em 3 actos c 7 qna-
dros, original francez :
O CORREIO DE LYAO
or
0 PROCESSO LESURQUE
DE
Um carro de 4 rodas descohei to, com
-i assentos*
Mfl
Quinta-feira 6 do corrente s 1L horas da
raanha.
N. 10Ra do Vigario -y. 10
OliYMPIO
vender em leiiu publico por ordem do um seu
amigo, um carrinho com 4 assentosr sendo 2 na
frente e 2 airar, deseoberto e muito leve.
LEILAO
&3Si
PERSONAGEiXS.
jBronymo Lesurque, pai .
his. Lo sur que, lilho .)
Bubose......)
Bidmr
Combra.
Germano.
jAiliquot.
Lamben .
Dumout, cormio-
BorKes.
Teixeira.
Porto.
Luiz.
Hoje de outubro.
Augusto C. de Abreu far leilao por interven-
gao do agente Pestaa, de fazendas avahadas e
de fazendas inglezas e francezas limpas, mu
proprias do mercado : boje 6 do corrente em seu
armazem ra da Cadeia n. 37c Comecar s 11
horas em ponto._____________________________
LEILAO
DE
Movis, crysta-s e outros mui*
tos artigos de gosto*
Scvla-i'i'ii'a 7 do i-orre-ite s 11 horas.
No armazem da ra da Cadeia do R^
ciffe n. 18.
o os
ARTISTAS HECHAMCOSE L1RER4ES
nE
PERNAMBUCO.
De ordem do Sr. director passo a convidar de
novo a todos os dgaos socios desta sociedade para
que domingo 9 do corrente queiram comparecer
sem falla para quetenha lugar a eleico dos novo.'
fanecionarios, visto nao se ter podido efiVetuar
anda por falta de comparecimento dos mesmos.
Secretaria da Sociedade dos Artistas Mchameos
e Liberaos de Pernambuco 4 de outubro de 1864.
Flix de Valois Correia,
1." secretario interino.
A' messieurs les etrangrse
residents an Reeife.
Amerta) Fernandes Trigo de Lonrelro, bachelier
en droit, el professeur pariicuher de matires pre-
paratoires, autoris par le governement provincial
pour l'enseignement des langues francaise^et por-
tugaise, se propose dorenavant enseigner celle-ci
aux elrangers, qui venillent apprendre la parler;
pourvu qu'ils soient francais, on, d'ailleurs, qu'ils
parlent la langue francaise.
Les pretendants devrunt s'adressrr cherlui, ru
de Saudade, n. 9, Boa-Vista : le matin, jusqu'
midi, et le soir, jtifqu' einq heures. Mais les di-
manches, et les jours de fte on peot l'y trouver
toute heure. Les legons seront cher les pretndante
memes, les jours, et les heures. qu'on accordera.
Le prix sera aussi par accord.
Tu the foreigneis i e-idcis at Reeife.
Americo Fernandes Trigo de Loureiro, bachelor
of laws, and particular professor of preliminares
disciplines, auihorized by provincial governement
to the lenrinng of the frenrh, and portuguesa lan-
guages, proposes hinrself rww loteachthislangua-
ge to the foreigm rs ; provided that they be french,
or, ifooi, that they speak frenen.
The preienders may direct thetnaelves lo hi>
bouse, ai Sauade's street, numbvr '.K Roa-Vi-i
morning, till noau, and afier, till five o'cJock. But
sundajs, and hulydays they ean liml him theie at
,overy hour. The lessons will be in the bouse of
ie pretenders the days, and hours, which will be
accorded, as the rale. ______
LOTERA
Pede-se ao lllm. Se Kesuureu interino das lo-
teras o favor de fazer com que a menina que tira
'os nmeros passe a tirar os premios na extraeco,
que muito obngado Ihe fieara
______________Q pretendente sorte grande.
Ama.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e engom-
mar para casa de-pnuca familia: na ra da Con-
cordia n. 34, sobrado do armazem do Sol.
O Dr. Cosme de S Pereira conti-
na a residir na ra da Cruz n. 53,
Io e 2o andar, onde pode ser procu-
rado para o exercicio de sua profis-
so medica, e cora especialidade
sobre o seguinte
i molestias de olhos ;
2o de peito:
3o' dos orgaos geniti
urinarios.
Em seu escriptorio os doentes se-
ro examinados na ordem de suas
entradas comecando o trabalho pelos
doentes de olhos.
Dar consultas todos os dias d si
6 as 10 da manha, menos nos do-
mingos.
Praticar toda e qualquer opera-
cao que julgar conveniente para o
prompto restabclccimento dos seus
ntes.
Xa i'Ut eslreiia do Kosaiio n. 3i
Advogado Afonso de Albu-
querque Mello,
pode ser procurado a qualquer hora ; as seitas-
teiras, porm, na villa do Cabo._______^^
IMi.
Na ra da Cadeia do Reeife n. 50, segundo au-
dar, precisa-se de urna ama para cozinhar._____
Precisase do um rapaz para .caixeiro de ta-
berna, de 10 12 annos, qur lenha ou nao prati-
sa : na ra Direita n. 72. _____________
O abaixo assignado, esenvo da irmandade do
Senhor Bom Jess das Dores, por ordem da mesa
regadora, convido a todos os irmos da mesmo
para o (lia 9 do correnle, pelas 9 horas do dia, na
consistorio da irmandade, comparecerem em me-
sa geral afim de discutir anova le que tem de re
ger a mesma.
Jos Lucio do Carmo.
t Sollii rheumatisino por umi-
tas vezes, e rendo .innunciadn
'm um jornal d'tsl.i dttb a
Salsa parrilha de Dr. Ai/n', re-
solvi-me a comprar um frasco e fazer uso
d'ella : e ames de concluir o prim.-iro fras-
co, achei-me forte e sem sentir a mais ! d6r nos joelhos : a parte do corpo que cs-
tava nlTeclada d'esse teirivo! encimmodo
que roubou-me tantas noites de team.
Erupcoes, borbiilha*. pastula.
ulceras, e todas as molestias
da pe le.
DO SI. JOO PAULA DE AliHKr E SOI /\.
Ruado S. Pedro.lio de Janeiro.
t SoiTria mais de ous annos de urna
erupco sypliiliiiea em todo o corpo, w'-
traudo-se sempre com mais violencia na <;-
ra, jii'ovei muitos medicamentos e eumuttei
muilos mdicos, e eslava quasi desanimado
quaudo vi os annuncius da 8aha parritta
do Dr. Ayer: coraecei a fazer uso d'clia ,
nos primeiros dias a erttpfe aggravou-se.
porm antes de acabar o segundo fra.-co ti-
nha o mal ilesa pparecido completamente di
todo o corpo.
Dooron Don Jos Vai.hks Ukiuii.ua. protb>
son m medicina y cinnuiA. sctoclekapo
EM AMBAS AS FACULTADES DEL SCSTO DIS-
TRICTO Habana.
CerfiOQ pie he usado l Zarza parril-
la del Dr. Ayer, y como depurativo !>! ob-
tenido de ella los mas felices resultadas en
los casos do ulcera crnica, como asi mismo
ensayado las Pildoras talartkm del mismo
autor y las considero como um purgante,
cuya accin ademas de ser segura, lia sidu
muy eficaz en el tcatamento de las enfermi-
dades cfoe enigeu el uso de los purgantes,
y no vacilo en recomendar estas preparacio-
nes. Y para los fines que puedan convenir
doy la presente en Regla 7 de Seiiembir
de 1860.
Dor. Jos V. Hnanu.
Escrfula.
ATTKSTADO DO ILL.M. Sil. FRAMtISCO FkRRN/
dos Santos.(Juro Prt'lo.
Me acho ha quasi dous annos affeclad
de escrfulas, e tendo soffiidu tanto que al-
gumas vezes quasi que cliego a desanimar
da vida e maldizer da minha infeliz sorte;
tenho sido tratado por muitos mdicos d'-s-
ta cidade, e nenhum pode vencer a tenoV
dade de minha molestia, anteara sem espe-
rances de recobrar a minha saude ; (psaodo
ltimamente resolv fazer uso da Salta i>"i
rilha do Dr. Ayer. Completam-s-e hoje
trila e sete dias que comecei coa este
sanie remedio, e tantas melhoras tari
sentido ipie tenho conviccao de em lirev
recobrar a minha saude, perdida ha tanto
lempo.
ttyphills e molestias merearlae*.
Do Ili.m. Sn. Dr. Jackson.
Medico milito conhecido as provincia" dv
sul do Brasil.
* Tenho receitado a falsa parrilha ao
Dr. Ayer nos casos mais inveterados de
Sijphilis constitucional e sempre com :'<
mais l'eiizes resultados ; o meilior ali ra--
te qoe i:onheco.
l^eucorrha e flores braaea.
Temos cartas em que nos contam tatos
inveterados que foram radicalmente curados
com um ou dous frascos d'esla Soba par-
rilha.
O espaco nao nos permute transcrever
lodosos attestados que possuimos das mi-
tudes d'este extra to composto de Salsa
parrilha do Dr Ayer.' Hasta declarar ao
publico que tem sido empregado ha mais
de vinte annos pela profissao medica tanto
das Americas como da Europa, sem nnnra
desmentir a sua alta repuiaco.
Precisa-se de urna casa com proporcoes de-
centes para habitaco de pequea familia ; prefe-
re-se no bairro da Boa-Vista ou immediacoes ; nao
se duvida pagar bem : a tratar na ra do Viga-
rio n. 9, primeiro andar.
Precisa-se de um menino para caixeiro de
um armazem de molhados, destes chegados de
novo da Europa : deixe carta fechada nesta typo-
graphia com as iniciaes D. D. D.______________
Quem arhar-so com habililacos para ser
caixeiro de um armazem de moldados em grande
escala, qne seja Bel, inteligente, rizado e delicado
em seus tratos, e que saiba cumprir com suas
obrigaQ5es na ausencia do patro, dando fiador a
sua conducta, deixe carta fechada nesta typogra-
phia com as iniciaes D. D. D._________________
Na ra do Trapiche n. o, hotel italiano, pre-
cisa-se de um criado, preferc-se que seja escravo.
^Precisase de urna ama : na ra kdo;Caldei'
reiro, sobrado n. 12.
Para a cura radical de escrfulas e afrerT*-*
escrofulos, syphilis e molestias sypht-
liticas, ulceras, feridas, cliajias.
erupcoes cutneas e tnifc e
qualquer incommodo^ov
provm d'um escfilo
impuro de sangoe.
TOMEM A
**\l^l PiRRILHt DE .tVER.
A' venda na ra Direita, ns. 12,26 e 76;
ra da Quitanda n. 51 ; praca da CouMi-
tuico, n. 30 e Hospicio, n. 40. I Mi
principaes pharmacias c drogaras do im-
qerio.
Vende-se em Pernambuco:
na pharnaacia fraaeeza de
P. MAURER i C.
RA NOVA N. 18.
C/>
w
*3 Bsey w
i3
?
V^^
'f..rai
Precisa-se de u
Hospicio n. 36.
cozinheira
na ra do
ftereee-se um homein porlugae& para feitor
! de engenho : quem precisar annuncio.
,~r. i
Precisa-se de urna ama para todo o nervino:
na ra das Larangeiras n. 5, segundo andar.
Atencao
Offerece-so para criado nm hemem solteire com
pratica sufflciente para cotinhar e comprar na ra-,,
prefere-se casa de hnmem solteiro ou mesmo de
familia, nao se obrigando a cozinhar; e qnanto. a
sua conducta afianca : quem precisar, dirija.-sa
ra da Soledad* n. 64, ou annuncie por esta folha.
irmandade do Senhor Bom Jess dos
passos de fcife.
Por ordem do lllm. Sr. provedor convido lo-
do os nossos irmos para se reunirem em1 mesa
'geral- domingo *do carrente, as \i horas do dia
na igreja do Coauo''Santo, aflm de proceder-sea
eleico da rmva mesa.
Jos da Cunha.
Eserivio.
3-aiA KSTREITA DO R0SUU0--3
Francisco Pinto Uzorio contina a coi-
locar denles artifkiaes tanto por meio de J
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquem a vontade de seus donos, tem pos
e outras preparaces as mais acreditadas
para conservaco da bocea.
Em urna casa estraogeira na ra dos Pire*
n. 29, lava se e eogomma-se rom mais perfrico e
mais barato do que em ontra qmtrnier part?.
OITerece-se urna ama para todo o rn t
portas t>ara dentro e fora-. lava, toeinh. enfoo-
ma : n Ba--wi Largo n. 84. toreviro andaa.
Manoel Jos Kamalho declara qne barrado
on tro iaividuo ne>ta cidade eom- e me^i muir.
so assisina 'om o 9*rnieto : Bfanoel Ramos Oli-
veira, e-nra' constar mander pnMirar esto an-
nuHCio. Reeife 6 denotuhro de IMM.
Manoel Ramos de Oliveira.



liarle c ler sai ins^o <$ti!ui feira t Oiitiibro ** 18*4.
3N MIDANA
D
Publicado Iliteraria.
Sabio luz o opsculo intitulado
A LIBBROADE
RO
BRASIL
POR
Affonso de Albuquirque Mello
Convidam-se os assignantes a mandarera receber
seus exemplarcs na praca da Independencia ns. 6
ESTABELECIMENTO.
0 agente Olyrapio mudou
seu armazem de leiles pa-
ra ra do Vigario n. 10,
aonde pretende continuar a
fazer suas feiras semanaes
e espera ter amesma
currenci. de seus committen
tes e amigos, nao tendoj
l*Ami011Silhldfl.df ll'HHIl TO AexPulsAooaa,jdicaCao A regencia livre. O,
I ( >]M11. (lUlUUiUlC Mi*nii7Pni da vna na (indpia da dos ,vres- nw wwawia.causa dos
M j males da regencia livre. Regencia corcunda e |
maioridade.Principios do reinado de D. Pedro.
ittevolta de Minas e S. Paulo. Dominio da Praia
Luzia.O dominio liberal nao inquietara os eor-
i cundas.Fcit06 do dominio liberal.-A praiaeChi-1
: chorrosenatoria."A rerolta c a revoincao de ,
materias de que se oocupa:
Introdueciio.Noci da liberdade. O Brasil co-;
lonia.Revolucao de 1817A Independencia A j
constitointe'-Aconsrituigao--A revolucao de 182i.
do Recife n. 48.
Hua do Vigario n 10.
*
mk D4 mmmk.
''i
AOS 10:000,000
Sllihfetfes garantido
I" rna 4o Crespo n. 23 e tasas do costme
abaixo assignado vendeu nos seus milito feli-
es txlueles garantidos da lotera que se acabou
'!.- xiraiiir a beneficio da igreja de Santa Rita, o
seguintes premios:
N. :J'i:i9 d ns quartos com 10:000,5000
X. 950 meio bilhetc com 2:0004000
\. i 7G dous quartos com o00Utj
R nutras maitas de 2003,1003, tOJ 0 2d.
>)i possuidorea podem vir receber sen os des-
can.os das ei: na Casi da Fort ana ra do Cres-
ni n. n.
Acham-M! venda os da quinta parte da quarta
lut-.'iia a b.-nelicio do Gymnasb, que se extralur
;r i ii; (i de eultlbro.
Presos.
illicios inteiros 124000
Moios. ....... 6*000
Qaartos........ 3*000
Para a p-soas que comprarem
de 100* para eima.
euhetea........ nieoo
ios......... 4500
VEii'l-......, '; 2*750
Manol Martins Fiuza
1848 A cmstiluinte.-A constituinte. Derrota
da revolucao. egociarao de Honorio com os libe-j
raes : traidores.-Yenda da bandeira dacons-
tiluinle. O partido liberal durante osquatorze mi-
nos do chamado ostracismo. Os corcundas e os
Iiberaes durante osquatorzeannos.Captiveiro Te-
signado e voluntario des liberaos durante os qua-1
torzeannos.0 povo corcunda, ou os vermelbos e |
os sabios.A situacao propriainente poltica.Ins-
titniooes livres, c direitos polticos que Citemos
al o un da regencia livre, e o que actualmente
tornos etn lugar delles.Os representantes da na-
Slo e das provincias.Situacao administrativa.
1 que sao nella os Portuguezes. Como o gover-
no 6 dbrigado a corromper o paiz e a fazer-lhe
sempre maior mal.Como se multiplica e se paga j
a clientella do governo para sustentar-se o impe- j
rio corcunda. O procnsul.-O procnsul da co-
marca. Dos cargos, dos crmes e da patricio.A
justiga. Juizes munreipnes.-"Juizes de direito.
Tribunaes.Os da.s Relacoes. Tribunaes do Com-
mercio.Supremo Tribunal de Juslica.O jury..
Os ad rogados. Coiiclusao. Garanta dos direitos.
IA moral publicaDos crimes. As eleicdes.
Corollario da obra saquaronia. *- O que a pa-
'tria. Situacao pira com o exterior. Situacao
financeira. As financas do estado.-A miseria [
|Perigo e salvamento dos corcundas.A liga.
i Gomo se congregam os elementos para ella.Gon-
sideracoesretrospeciivas. A constituinte.^ Prepa-,
; ros antecedentes. Conciliacao e opposicao parla-
! mentar.Monta a liga.-O que sao os .iiberaes na
liga.Que bem fariio os Iiberaes ao paiz.O pro-,
gresso-Seus feitos.O que o progresso e que
tara.Corno se deve \iver nesta trra eebegada!
ao progresso.Porque o progresso svemeom-j
I pletar nos-as desgracas e sem niais remedio.Se |
; ha salvacan para n>"qual seria o meio e bem fa-
j^ para o ejercicio de sua profissao de nie- M cil. Resumo. A'i cinco provincias pernambuca-
Francisco de Lima San-
tus, contina a resMir na ra do Impe-
rad-ir n. i 7,2o andir, onde pode ser pro-
uii lo a qualquerhora do Rae da noile
*
lii
sei lo ijuo os chamados, depois do
, io lia at i huras da tarde, devem ser
,:^ ix2l'>s por escripto. O referido Dr.
w: nao abandonando
nunca o cstudn das *Jg
do interior, prosegue, com o ^
nai i afflnco, no das maisdifflceise deli- S&
'M cadas operac,es. como sejam dos ergaos '<'
:j oorinarios,dos ollios, partos, etc. 3a
atinas. Histrico e poltica corcunda.De que pro-
>^ v''in a m'seria- Corno se corrompe na eleicSo.A
mi reslneao da liberdade apar do progresso da immo-
5> i ralidade. Corollario.
v .,= mitle>lia.s
0 genio le leiloes Olympio nao
lein gerencia nem responsohtlitle al-
! inn > ni armiiKem ta ruu da 4'atleia
i i m wm mmm_ rnn I "^ m^. w-____^___
I titanio Luiz de Oliveira
Aze-
vedo A C
4genle do Banco liiiao lo Prlo.
Competentemente antorisHos sacatn por todo
; paquetes sobre o mesmo Banco para o Porto s
.: .'m, "para as seguhles agencias.
Londres sobre lianh ofLodon.
Paris
llamburgo
Barr liona
Madrid
(adiz
Sevii ia
Y;il mcia
iiwrante>.
. Frederic S. Balita & C.
i Joio i labe ^ Killio.
Francisco Rahoba & Ballisia.
> Jaime Meric
Crdito commsrcial.
Gonzalo Segoria.
M. Pcrcra Y. Mijos.
Ex Portugal.
a ra do
Precisa-so alugar un escravo ou osera va pa-
ra vender na na, bem como orna ama escrava ou
forra paia comprar cozinnar para casa de peque
na familia : queni pretender, dirija-s"
Yigarij n. IJ, primeiro andar.
sm m-wm
O bacharel
i9 BK S^'
m
Francisco Aususto da Cosa
i Angra Terccira.
dj Val deiCaminba
ir m-
V :.
Avoiro.
i! ircel! i--.
Hisl i-.
'.
lraga.
ilraganea.
.' no.
;. ..-'ira
neis.
atk'l.
i'avira.
Villa ilo Onde.
'Aze-
Castello Branco.
Chaves.
Coimbra.
Covilhaa.
Elvas.
Extremos.
Evora.
Fafe.
Pintial.
Porto-alegre.
Thomar.
Villa Nova
Por ti mi o.
do
Villa T.eal de Yi/eu.
Antonio.
Figueira.
Guarda._
Gnimaraes.
Lagoa.
Lagos.
Lamego.
Leiria.
Monco.
Moncorva.
Ilegoa.
Setubal.
Yianna do
lello.
Villa Real.
Madeira.
S. Miguel.
m
ADVOCADO
Cas-
.....I.
N'O^IMPEUIO.
Uahia. Maranhao.
Ilio de Janeiro. Para.
t :a!.|ii r somraa praze ou vista.podeudo logo
os saques prazo'serem descontados no mesmo
Hunco a razo do 4 por cenio ao anno : a tratar
ia ru da Crtiz n. 1.


DOR N. 22
f Grande armazem de tintas
' 5g Tem a venda :
e* i Producios chimicos medic.inaes os
-.'f. mais importantes era medicina.
.-'! -2. Producios chimicos c ntensis
' ''; para photograpliia eoutrasindustrias.
rit) 3. Todas as materias e utensis
empregada na pininra a oleo c a col-
la para pintores, tintureiros, enver-
nisalores, douraderos c vidracciros.
Joao Pedro das Noves,
Gerente.

C*> 2^1,

Preeisa-se de um caixeiro inleligenle para
./JOC0 de retalho : a tratar na ra da Senzala
VUian. 106. 'imazem.______________________
Aluga-se urna casa na Ponte de Uchoa,
inaFgeM do rio, lem coeheira, estribara, e qnarlo
ara criados : quera a pretender, dirija-se ao co-
iniel Nery Ferreira que est autorisado a fazer o
.ir.-eiidamenpi._______________________________
- O abaixo assignado avisa ao respeitavel pu-
:,l/j e especialmente ao corpo do commerclo des-
< i uraea que venda a sua taberna da ra di Lon-
erdia'n. 2ao>Srs. Joaquim Domingos Fernan-
da e Jos Joree Ferreira; e pede a quem se jul-
gut seu credor de apresentar-se em sua casa den-
tro de oito das, aftm de ser pago.
Joaquim Alves de Castro.
Ra to Imperador numero 69.
SMOijnniiML
ATTENgftO.
Praca da Indepen encia n. 12.
Albino Baptista da Rocha, Porlugiiez, relojoeiro
e dourador, tem a honra de participar ao respeita-
vel publico esta cidade, e coro especialidade aos
seus amigos, (ue se acha com loja de relojoeiro e
dourador; toma qualquer concert por preco com-
raedo, e responsablisa-se pelo seu trabalho.
Joao da Silva Ramos, medico pela Un t,
versidade de Coimbra, d consulta.- em iF
K sua casa das 9 As 11 horas da manhaa, e |
^ das i s 6 da tarde. Yisita os doentes Ag .
Sfi em suas casas regularmente as horas (i
H para isso designadas, salvo os casos ur-
H| gentes, que serao soccorridos em qual-
M quer occasiln. D consultas aos pobres
Sn que o procuraren! no hospital Pedro 1!,
$ aonde 6 ercontrado diariamente das 6
W s 8 horas da manhaa.
H Tem sua casa de sade regularmente
Jai montada para receber qualquer doente,
I] ainda mesmo os alienados, para o que
lem commodos apropriados e nella pra-
Hca qualqnor operaejio cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 3*000 diarios.
Segunda dito.. 2*500
Terceira dita.... 2*000 >
Este estabelecimenlo ja bemacicdi-
9 tado pelos lwns servreos que tem pres-
w tado.
O proprietario espera qne elle, conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tem gozado.
Prerisa-se de 200*, dando-sc nma preta para |
irabalhar : quem quzer deixe sua morada em
carta fechada com as iniciaes A. R. C nesta typo-
graphia._________________________________
6 abaixo assignado faz sciente ao publico, e
em particular ao respeitavel corpo do eommercio,
que tem justo e contratado a compra da taberna
do Sr. Jos Joaquim Soares, sita na ra dos Acou-
guinhos n. 20: quem se julgar com direito mes-
ma, so aprsente com seus ttulos no praso de tre.-
dias, a contar da data desle, no pateo do Tergo n.
141; Ando este ncnliuma reclamacao se atiender.
Recife 4 de outubro de'1864.
Antonio Jos Goncalves Plexe.
Precisa-se alagar urna escrava para lavar e
cozinhar : na rna do Socego n. 10.
INJECTION BROU
PERFUMARA MEDICA HYGIENICA
De J.-f. LAROZE, qumico, pharmaceutico de la Escola especial de Paris.
Este *t6 S sulliido da aplicado das leis da fcy^fenc .perfumara, que e erRiic e
torua**li*rni*ril 4 belleza, encarregaila de prever hygiene da pclle, dos cabellos, dos denles,
ergios He impotiantksi enlao evita c deslroe as causas das doencas que sua irman mais vclha,
i plu(tMK>ia pojn iaineale chamada, tem que curar.
UJBhBtweraeunirime4ialera"iiiea OLEO D AVELA MkMtUtt Mra rmailtar
4res rivM 4e enies^ o viera 1 fr. &
f* umml|M CO* b OSA rom huso de
Magnwr, ptT feM^ntr t*nsWTr os denles ;
e Tldro ......-.. fr
OPIATO DEimniCIO para forliflear as g'nxivas
e Tilar as novralgias dentarios; o pote 1 Ir- 9
CBBATTVO HTAIUO para tratar OS dentes
cariados ames do chumbamento, e evitar os in-
cestos e dores; o viro cora o instrnmento 1 rr.
AOVA 1XOOOD*RMOIA, para con30rvar a frescura
e ai Tuneces da pelle ; o vidro ....*"
BSPiniTO DI AHIE HECTINOAD, eompl>ni'Til >
do aeeioa boceaespois de comer, 8 vidro 1 ir. 25
ABAO LeUUTIVO MBMOIMAL, de violeta, aniendoa
amarga, bouquet, o p5o.......1 fr-
CASMI BB BABAO tXNITIVO MEDICINAL de
Jemas de ovos, pare evitar as toadas, Metra* <-
oeaca de pelle, de vieleu, de bouquet; o po 2 fr.
CUMI DI BABAO LENITIVO MEDICINAL em
pos. Ella e especial para a barba, o aceio das
senaoras e das enancas, o vidro.....2 ir.
ANA MJSTBAX para conservar a embelloiar os
cakelloi, e rortllcar eaas raizes, o video. 8 ir.
De>oitosem cda cidade, ero caza dos pharmaceuticos, pcrBinistas, eabellcireiros negocianleo de
modas e de fazeadas. Varejo: Pharmacia Lakoze, rae NeuTe-*e-Pelrts-Champ, .
Etptcois: m caw de J.-P. Laroze, me des Lioaa-Sainl-Paul, n", e Paris.
U i ni |tnt)er;iii(i' n 3*. ih'Uim lame a.
TI1IAORE DE TOILETTB SOPEMOR pela sua
suavi'dade e sua acolo refri>sen,rt*, o vidro. 1 fr.
COtD CREMrl SUPERIOR para conserva* a petle
tiara, fresco, caiapaM e Mlt.ar s Mas eiMlM
do uso das cAres^o pote......1 fr 50
ASDA DB OOLOONA SUPERIOR, i em *H sem
mbar; permajiencii de seu perfume o faz buscar
para o tocador,anhos geraes e tocaes, 0 vidro 1 Tr.
PAaTZUtAS OREBMTAEB do l)r. Paul Clement,
rara Bfar o cheiro 4o tabaco o har moditlcar os
hallilos feries;
fr. a caixe.
AODA DE FLORE* DE ALPAZEMA, cosmtico
buscado para tirar ns coftikliOes, tonificar re-
frescar ceos orgos, a vidro.....1 Ir-
ESPIRITO DE HORTELAN SUPERFINO. Elle O
aporfeicOameulo indlspensavcl do aceio da bocea
depois 'de cerner, o vidro......1 fr. 25
POiRMRDA CONSERVADORA de quinina pura
para fortiKcar os cabellos, os embdlezor e evtsr
o encanec monto prematuro, o pete.. 5 fr.
XAROPE
DE CASCAS de LARANJAS AMARGAS
de J. P LAROZE, Chimico,
MMRBaCEVTICO t>A ESCOLA stPERIOR BE Als.
Este xarope, regularisando as funcedes do estomago e intestinos, destroe cssas
indspositoes proteiformes, e faz abonar as molesas de que sao indicies precarso-
rcs. Mdicos c doentes tem rcconliecklo que restabelece as indigestoes, fazendo
desapparecer os pesos t estomago, que calma as enxaquecas, espasmos, e caimbras,
que sao resultado de digestes penosas. Sen goslo agradavcl c a facilidade com que
se suporta, o tem fcito adoptar como especifico infallivel das doencas nervosas,
gastritis, gastralgias, clicas de estomago e de entranhas, palnitacdes, dores de
coraco, vmitos nervosos; sua accao sobre as funrebes assimiladoras 6 tal, que os
mdicos mais Ilustres o lem adoptada por rcascipiente real dos dous primeiros
agentes therapenticos: o lodureto de Potassa e o Proto-lodurelo de ferro, tendo
observado que debaizo de sua influencia, o primeiro perde sua accao irritante, e o
segundo seu effeito adstringentc.
XAROPE DEPURATIVO
De caicas de laranjaa amargas com lo-
dureto de petaan.
O ioduretn de potassa, administrado etn
solu.cao ou debaixo da forma solida, causa uo
doente urna grande repugnancia, ott determina
accidentes que o forc/Jo renunciar a csia
medieacan efflcai.
Unido porvm ao Xarope de cascas de laran-
jas, elle nao causa nem gastralgias, nem per-
larbafao do estomago e intestinos, e gracu a
este salvaguarda, os tratamentos depurativos
sfio continuados sem interrupeo, as affec-
coes eierofulotas, tuberculatat, cancerosas t
as sentniarias e Urciarias, memo reuma-
ihitmaes, as ^uaes elle o mais seguro espe-
cifico. A dose esta definida de tal mancira
que o medico pode tarial-a a sua vontade :
O frasco: 4 fr. SO C.
XROPE FERRUGINOSO
De caicas de taran jai amarga* com
proto-iodMretc de ferro.
A associac,5o do sal ferro ao Xarope de cas-
ras de laranjas tnw mais racional quanto
que eele jarope, euipregado s, pava estimu-
lar o apetite, activa sccreejae do sueco g-
strico, c por fin regularisa as funcres abdo-
minaos, nrntratiza ns mitos effeitos dos ferru-
ginosos e dos ioduretos (peso de cabrea, pri-
sa da ventre, dores epigstricas) em quanto
que facilita ana absorpi;a6. Dissolvido no
Xarope, elle se toma e se supporla fcilmente,
por achar-se no estado puro mais assimilavel;
e assiin pode continur-se a cura da nallidez,
corrimeutos hrancos, anemia, artecerjus escro-
fulosas e racialismo:
0 frasco A fr. 50 c.
Os Xaropes de J.-P. LAROZE estas sempre em frascos especiaes
(nunca em meias garrafas nem em frascos redondos). Expedicoes: em casa
J.-P. LAROZE, ru des Lions-Saint-Paul, 2, Paris.
IUi;i iln Impi'iiidnr n. :W, htica fFautajia.
A3!
19Hua Nova -19
Fredereo Gantier, cirargio dentista,
fai todas as operaefes de sua arte, e col- jgjj
loca denlos artilieiaes, tudo com superio-
ridade e perfeicao, que as nessoas enten-
didas lhe reconheeem.
Tem agua e pos dentiflcio.
ou escrava
4I.UG4-SK

SOGIEDADE TIEATRAL
TlhLU nffiAlNWtlIli ,
O conselhe administrativo da sociedade tneatral j
TiinliaPernatnbucanatonvida'a lodos os senlioree
- jetos instaladores aftrn de que coniparejain na
i"..tanga nova s 10 horas da inanliaa do da V do
correle, can da resMenoie do cnwrr 4a referida
sodedade, para que em assembla geral trate-se .
<1 >. negocios bastante urgentes da mesma sociefia-
de advertindo-sc que a sociedade funccionara
forn o numero de socios que comparccercm, e
.aalauer deliberacao tomada sera igual para todos,
i' que se faz publico para inteiro conheciment dos
referidos socios.______________________________
Aluga-se
Cuta eserava para o servico de urna casa
iMWtsa famUia, pasa-se bem : a tratar na ra
ueimado n. jQ, loja:
o segundo andar da casa da ra da Cadeia do Re-
cife n. 47 : a tratar na loja (U> numero indicado.
" Roga-se ao Sr. Antonio Joaquim LeiteBastos
de vir ra Dircila, padaria defronte do Tergo n.
129 receber urna encommenda viada da cidade do j
Porto.
Prccsa-se de um caixeiro com pratica de
bateao : a tratar na ra Direita n. 30.
'ompanhia dclldade de
seguros martimos c ter-
restres estabcleclda no
Rio de Janeiro.
AGENTES KM PEPNAMUUCO
\nlnni Lnii Oliteira Awvedo k C,
competentemente autorsados pela direc-
tora da companhia de seguros Ftdelida-
Precisa-.-e de una criada livre
qne saiia cozinnar e engommar : na ra das Cruz
u. 42, primeiro andar.
S Maques sobre Portugal. ^
B O abaixo assignado, autorisado pelo B
Banco Mercantil Portiiense. e na ausencia 9
I do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca of-
I fectivamenle por todos os paquetes sobre
8* as pracas de Lisboa e Porto, e mais luga-
res do reino, por qualquer somma vis-
ta, e a praso ; podendo, os que temarera
gaqnes a praso,receberem avista, no mes-
B| nto Manco, descontando 4 OO ao anno: na
B loja de chapos da ra do Crespo n. 6, ou
I na ra do Imperador u. 63, segundo an-
I dar.Jos Joaqun) da Costa Mata.
Preeisa-se de urna ama para risa de poma
/jtiiilia, livre ou escrava, amia sendo por hypo-
UucX : no pateo da matriz de Santo Antonio BU-
icri 8.___________
__Aluga-se o primeiro andar da ra da Sen-
zala velba n. 48 : a tratar na loja do mesmo.
de,tomam seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu esenptorto ra da
Cruz n .1.
Ainda est para alagar-so a
terrea n. 39 : ra da l'niao.
boa
BIGSHB313B BraHairaS HIHBH
Gjpriano Villarinlio EraUciseo Agr, subdito.-
liespauhesretirainse para fora do Imperio.
Joao Jos dos Santos, por seu bastante procu-1
rador vende sua casa terrea sita na rut da Kspe-
ranca n. 23 : quem a pretender, dtrija-e prarn
da Boa-Vista n. 4.
Precisa-sede urna ama que cozinlie o engom-
me, para casa de duaspessoas : na ra da Penlia
n. 23, segundo andar. ____
Na praca da Independencia, loja de ooriv^
in.33, compram-se obras de otiro, prata e pedra-
: preciosas, assim como s faz qualquer obra de r n-
contmenda, e todo b qualquer concert.
Approvada por varias Academias t altas
sunmMades medicas.
O queoccasiona cm g designadas a estai,navao do sangue em certas
partes do corpo, a qoal produzida pelos resfria-
mentos e militas onlras cauzas, cntao declarao-se
os fncumatismos, Com, Paratvsia, Fraqucza
dos membres, Constipafes, Elcphantiasis ou
Pi as bichadas, el Dores Nervosas.
O uso da escova SI.ECTIO-MAOH*-
TICA tem successo certo para a cura de todas
esi ns molestias, sem recorrer se a nenouma oulra
in.di.'.-irfio. Ella lem urna forma mu manejovel
c prodiu, vontade de quem d'ella usa, seos mai
uteis e. felizes resultados. Seo ere-prego preserva
das molestias cima. Para mais infornioroescon-
sul-te-se a noticia que accompanha cada Escova,
Deposito Gbjui.
Bontevart du PrinccEugne, i, Pars.
m%&tgi
NOTAS M CARA FILM
i>"
ei m mm\L
Troca-se ditas notas por fazeudas.
loja da ra do Crespo maero 17.
ni mil ris para cima dar-se-ha ao comprador o lacro de riten

BaKes de merino de tvrtt. ^r>
Fazendas de hnlio d- .rl-
Quem coBiprar de cen
por cenio.
i Aproveitcm todos. Aproveiiem todos.
Fazendasde apurados gustos -indas de Pari-.
Capas pretas importanlissi-
hias.
CasacOes pretose pelerinas.
Basquina de cintura e pe-
lisses.
Sotatnnarques de caxemira
de cor rom tintura.
Jaquetas de merino de cul-
para senlioras.
Zuavos pretos de seda mui-
to bem enfeilados.
Cortes de seda de cor de
rniiilo posto.
Colxas de seda para noivos
Sedas d qaadro de muito
gosto a l&tWv covado.
MoreanUqnes e grosdena-
ples.
Cortes de organdiz com
barras.
Chapeos de palbfl para se-
nliora.
Daloes de arcos e masse-
linas.
godio.
Selecta;, esguioes e bra-
mante-.
Ca*sa>. chitas caminas e
seroulas.
Pellos liordados (ara ra-
uni.-a.
Caini.-as n'e la de rr pa-
ra bmnem.
Mactofiolio a Ti. M*,<>*e
lo a peca.

-ii-.'n- pelo bando prende l-V'""
Coraroes, solamharr)iie* de
seda.
Esleirs para forrar saU a 850 rs. a jarda. Tpele de superior qtiaWade r.m
seis palmos de largura a 2500 rs. o covado.
Na realidade, este estaliel-'cinienlo iderere erand'> vanl.iceii- eomm-rcio.
Aproveilem todos a oeeasiao de trocar nula da i aixa ganhaiulo cinco \mt rento.
mmi soitieto de fazemias
DE
Custodio, Carvalho & Companhia.
Percas de entretneios bordados a l.
Tiras bordadas a peca 2.
Coberlas de chita a chineza a 25200.
Lences do linho linos a 2500.
Toalhas de linho para mitos duzia 43.
Sapatos de tapete para meninos, senhora.i
Toalhas de linho para mesa a9VS06 e 't&.
Baldes de arcos para senlioras a 3*V
Fil de linho liso vara 500 rs.
Grande sorlimeiito de laas pata vestidos.
Superiores salas de fustao para senlioras a fijS.
r
RA DO QUEMADO NUMERO II
Loja de [uzeadas il Augusto Frcderic- don iranios l'orlt
filudas chapcllaas e chapeo para sealaoras.
Chegaram a este eslabelecimehto as mnis mmiernas ciai'eliua-e rliaprs paia jfMorw.
Superiores corles de laade barra de 10.5 a 20.
As mais superiores capas e sotUembarqnes de soda preta e ca-.-mira de cures para r?-me
:o at m&.
Excellentes laas para vestido a 320, 500, '00 e COO rs. ucovado.
Cassas e organdys de cores a 240 e .120 rs. o covado.
Os melhores tapetes para sof com riqnissimos desenlio.-.
Lencos de cambraia dv linho e i bordados a !-* rada nm.
Superiores casemires mescladas de diversos gostos lano em peras n-mo etn cwrli -
E oulras muitas lazendas como sejain: percalles li.ns-imas. bretaniws, leciv, es*i*>, i*s-
trina preta innito fina, canlo para vestidos de lulo, grosdunaple deUmins cores e a ujeriores
Estotras par solas.
As pessoas que pretenderetn forrar suas salas on gabinetes, encontrarao neste '-r.^ei-.-im'***.
melhor aqualidadcde esleirs dtelas as larguras s p 11 mai.- mJico preco,
CONSULTORIO .HEICO-CIRIRGICO
DR PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSOBSO,
liapIC'flP. PARTEIWO E OPH.lOll.
3 Ra da Gloria, casa do Fund&o 3
O Dr. Libo Moscoso s das da
botas a maubaa, odas 0 e meia is 8 horas a noile. ev.viir.m dos^di*
Miarmaeia especial homeopnhica
No mesmo consultorio ha sempre-fl mais appropri*lo s.i lmenlo de carairas
tubos avtiisns. as Garteiras de la tubos grandes. IWOOO
> de 241 tubos grandes. IK^ooo
de 36 tubos crandes. ^OOO
7 .. !
-
di: 48 tubos grandes,
de 60 tubos grandes.
30-MK);
'Al ^000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que s- lizer. e com os '!'. >'i ?
que so pedir.
Um tubo avulsn ott frasco de Ifntura de meiaonca I:> Sendn para cima de \, eustarao os precos es
Ha tubos mais pequeos cada um a OO ris.
aueii't'
dons
para 13 carleiras.
A melhor obra da homeopatlna, o Manual de Medicina Humcopatliicodu Dr. Ja!ir,
grandes volumescom diccionarjo '........... *'
Medicina domestica do Dr. Ilering............ I'^1
Repertorio do Dr. Mello Moraes.............
Diccionario de termos de medicina ...,......- 35ioo
Os remedies deste estabeleciiqento s3o por demais conheeidos e dispensan p<
to do serem novamente recommendados aspessoas que quizerem usar de remedjius ser-
dadeiros, enrgicos 0. duradores: ha ludo do melhor que se pode desejar, giolios f 1 1
dadeiro assucar de leite, notaveis pola sua lioa conservacao, tinturados mais aeretiii4
estabelccimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparafio, e por! tuto a man-r km -
gia e certeza em seus effeitos.
Casa de sade puro eseraros.
Recebe-se escraves para tratar de qualquer enfermidade ou fazw-se-lhe qnalpier
operaco. para o que o annunciante jnlga-se suBcientemtnte habilitado.
O tratamenli o melhur possivcl, tanto na parte rlimentar. finv M edita.*)
funecionando a casa a mais de quatroannos, ha muitas pessoas de rujo cnnreMo t
pode duvidar, que pdem ser consoltados por aquellos qne desejare n l^r -
doentes.
Paga-se 25000 por da durante 60 (lias o d'ahi em diante 1^500.
As operacoes serao previamente ajustadas, se nao so quizerem sujeitar aos pt
azoa veis que costuma pedir o annunciante.
bN
DE
DE
X. ftft.
J. V1GNES.
W. 55. RA DO IMPERADOR
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conheeidos para que
sua superioridade, vantagens e garantas que effcrecem aos comprador*
veis que ellestem deflilvamente conquistado sobre todos os que tem apparecido^poc^,
suindoum teclado e machinismo que obedecem a todas as vontdes e capr.chos^AFJ
nnnra falhar Por crem fabricados de proposito, e_ter-se feto ltimamente melhorameoios
Sos Jar' TSSSm paiz i quanto s vozes sao melodiosas e flautadas, e por .*> rl. airad,-
VBS ^zerse0c\SrS\mmendas, tai nesta fabrica como nado Sr. B.ond.^deParis, ei.
^rrnVnonrenteTj Vienes cm cuja capital foram sempre premiados em todas as exposjijes.
^fmesnoSlcSmento seJ ada sempre nm explendido/variado sortimento de Mg m
melhSe!f amret da Bropa, assim como harmnicos e pianos >armoncos, sendo ludo ven** pr
precos commodos e razoaveis.
Vendo-so na rita do Imperador botica
francoza n. 38.
roiisuin'U tle Portugal
l;.ia satisfazer as iiiforinan.es pedidas pela se-
11, niriade esiado do* n.^ icos esirangeiros, roja
se a quem tiver conhecimcnlo de Jos 1
Vira-consulado d>Hespanha. I
Havendo fallecido o subdito hespanhol Bento
Antonio Coulinho, sao convidados todos os seus
devedores e credores a apresenlarem nesle vice-
consolado o respectivos ttulos para proceder-so \
liquidatao di seu espolio ^_^_____ i
Saat-Clalr
das ilhas ou os desterrados na ilha da Barra, ro-
mmm
Precisa-so de um caixeiro que len'ia pra'.ra <
vender ao bahao. dando fiador de sen proced *-
u : pode apparecer na praca da Indepewkfjru -
31 t|ue so lhe dir quem precisa.
Alugain-se duas casas terreas pequeas para
passar a testa, oq mesmo por anuo, na Torre : a
fallar no mesuro lugar, na padaria.
Offerece-se urna ama Portugueza de bons
eoslumes para rasa de pooca famia : quem pre-
tender dirija-se :\ ra da Penha n. 23, a tratar na
loj*.
gas wrsrtsAtss si; s ^ss&S- --
Mtmt-t* l*rm urnas mei-agoas na entra-
da dos iirl,Vs (traves-a das Barr-iras no Mnrn
da Boa-Vista : a Talar na rna do t^tovHl" -^
Precisa-sede dous hoinens qw pnt.-n*m to
servido de copeiro : na ra da Anrora -
ILEGVEL
/
_i
MUTILADO


ilri le rerwuilHiM Qulula felra c Outukro 4c 18*4.

Professora
Precisa-se de urna senhora que sendo sorera
ou vluva tenha hahlitacSes necessaras para en-
sinar primeiras lettras em um engenho: a traur
na ruaVellia n. 8.
Precisa-se de uih hornera para dis-
tribuidor desle Diario do Manguinho
Apipucos: na pra<;a da Independencia ns.
6e_8_____________________________
Jos Joaqnim Dias Fernandes, testamentero
do subdito portuguez Manoel Jos d'Amorim, ro-
ga todas as pcssoas que se julgam credoras do
referido Amorim, hajam de apresentar suascontas RAla ~ d'fifNKl rlonrarlae
ou ttulos no prazo de 30 das, alim de serem at- IMJua B 11 di; lid. (ltJIiltlUU?,
tendidas no inventario que est proeedendo pelo
consulado portuguez. Rerile, 28 de sctembro de
1864.___________
I iimlicao do Bou man.
Precisa-se de ofllciaes machinistas.
Vndese caixesmwspropriosi NOVA
para bahalciros e funileiws a 1$760 iqiHiaco de fazendasde Ms as ana-
rada oa: nesta Ivpograalfla. H(ad-eg Ba 1(,ja e ^^n a Ar.ar8)
- Machinas de vapor e pa- ,ua_da Jmpcratr H. 56, de Louren-
ra desearocar algodao.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido, coa-
do e de cobre.
gua, dentadas, e
de carrosa com mangas e
eixos de patente.
RuadoErumn. 38, fundi-
inda est para alugarse o sobrado amarel- nfl n A?. PAnrman
a tratar no largo lo da Ponte de Uchoa
raizo n. 16.
Aluga-se urna casa no Poco da Panella, no
pateo da igreja, com frente para o rio, com sotao,
estribara, cocheira, casa de escravos, jardim. ca-
cimba cem bomba, tanque, quintal todo murado,
com arvoredos de fructo, tendo a casa commodos
al pan duas familias : quem pretende-la, dirja-
se i ra Direita, no primeiro andar por cimalJ
botica do Sr. Paranhos.
a travessa do Monteiro, freguezia de STJos
n, 1, se deseja fallar com os Srs. alferes Vicente
Ferreira de Lourenae sargeotoajudante Luiz Jos
de Souza, ambos do 9* batalho de lioha nesta
guarnico, das 6 s 8 horas da manha ou das 4
Poassa da Russla,
da mais superior desembarcada hootem : vnde-
se no escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira &
Filho, largo do Corpo Santo n. 19.______________
Moedas de ouro
Vendem-se moedas de ouro de 200 : d* na de
Apollo n. 47. primeiro andar.
Vale Lisboa
chegada hontem pelo Marta da Gloria : na ra de
Apollo n. 28, jnnto ao theatro.
c Pereira Mondes (iui maraes.
Attenco que se val principiar.
Vende-se pegas de panno de linho para lences,
toalhas e seroulas, com 13 1/2 varas por 85O0 ;
brim liso por 500, 560,640 rs. a vara : na ra da
; Imperatriz loja da Arara a. 56, de Mendes Guima-
' raes.
I A Arara vende sontmbarque a 10 t 12$.
Vende-se soutembarques de lazinhas enfeilados!
a 104 e 12, ditos pretos de grosdenaple flno i
a 204,224 e 254 ; capas pretas ricamente enfeita-
j das a 234 e 304; camisinhas para senhoras a 24
e 3 ; goliohas 240, 320 e 300 rs.; manguitos a '
500 rs. e 14 na ra da Imperatriz n. 56, loja da
Arara.
Cortes de chita a 2#400.
Vende se cortes de chitas com 10 covados a
24400, ditas franceza a 34200; ditos de cambraia .
S J "' e *eixar V***r desapercebido sem que nao dsse o
da tarde em diante.
A Icatro.
AMA
Vende-se barris com alcatrao, na ra da Cruz
n. 23, primeiro andar, escriptorio de Antonio de
Almeida Gomes.
Precisa-se de ama ama para casa de pouca fa- ftUa fa enzalla \0Va D. 42.
lita: na ra Nova de Santa Rita n. 20. .. ..
Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
milia
Precisa-se alugar una escrava.
Quem tiver e quizer alugar urna escrava que
saiba osiuhar, comprar e engommar dirija-se
ua do Queimado n. 46, loja.
TINTURARA.
Tinge-se com perfeiejo para qualquer
cor, e o mais barato possivel: na ra do
Rangel n. 38. segundo andar.
AI ten cao
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
ANC
-m
M.


DE
Paulo Ferreira da Silva & Companhia
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de precos
Mendes Guima-raes.
Roupa feila barata.
Vende-se palitots preto de panno a 164, 144
124, 10 c 84, ditos de alpaka a 34 e 44, ditos de
brim brancoa 24500, 3-5. 34500; calcas de brim a
,4 e 2430O, ditas brancas a 34 e 34500; palitots
de casemira de cores tinos a 104, 84 64, e 54 ;
seroulas a 5 ; camisas brancas a 24, 24500 e 34:
na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Colarioos econmicos a 640 a dada.
Vndese colarinhos econmicos muito bem fei-
tos a 640 a duzia : na ra da Imperatriz n. 56, lo-
ja da Arara.
Vende-se bramante de puro linho a 24500 e
24800 a vara, teado 10 a 12 palmos de' largara ;
brim branco para calca a 14200, 14400 c 14600 a
vara, dito pardo a 640, 800 rs., i4 e 14200 : na
ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Vendem-se baloes americanos os melhores que
5 a
para
al-
io por rento menos do prec que se vende em nutra 41
quer parte.
Gneros especialmente escomidos por um dos socios que na Europa se acha
esse fim.
grande a vantagem para todas as pessoas que compratem nesle estabeleci-
erro coado libra a O rs., idemdeLow
Moor libra a 120 rs.
-------------------------------------------------------------- n. 56.
' cale-se As lazinhas da Arara a 240 rs. o covado.
a quarta parte do sitio na estrada de Belem, o qual Vendem-se lazinhas para vestidos de senhora a
faz quina para a estrada de Santo Amaro, conten- 240, 320, 400 e 500 rs, o covado, ditas muito
do dito sitio boa casa de vi venda de pedia e cal,; finas lisas 600 rs. o covado, ditas especiaes a 720
cozinha e cacimba, com diversos arvoredos de | ej800 rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 56,
fructo, pelo prego por que foi avahado, sendo elle loja da Arara.
su canto, alim de annunciar ao respeitavel publi-1
co o grande sortimento de galanteras de melhor! ment.
gosto propriamente para qualquer mimo, que ac-! ~
ba de chegar neste ultimo paquete, assim como I 0s propietarios garantem todos os gneros sabidos de seu ja muito acreditado
muitos outros objectos que recebe por diversos na- armazem.
vios, tanto de sua conta como de consignado que
est resolvido a vender por pregos muito baratos
para vender muito e ganhar pouco, e dar extracao
V^^%aS^SS!^^\ monos se,v!mos d o^ios como conslantemente estamos vendo em annun-
lisso todas e asmeibores diligencias para que fi- CI0S des,e genero, pois sao palavriados de que sempre nos abstivemos. e de aue tambem
quem satisfeitos; islo so no Gallo'"
Crespo u. 7.
Ricos porfa-joias.
Cofre de multo gosto por
Ceinhas transparentes torradas de ma
dreperola por
Lindas jardineiras.
Ricos cofres com camapbeu.
AO PUBLICO*
de exordios como conslantemente .
:ias para que fi- CI0S des,e genero, pois sao palavriados de que sempre nos abstivemos, e de que ta
Vigilante, ra do estamos cerlos nenhuma atienco j merecem do publico. O nosso fim, pois, simples-
mente fazer ver que o verdadeiro e principal interesse de todos est na tabella dos pre-
cos que passamos a mencionar, e para a qual pedimos toda a attenco.
Vinho verde.
Chegou o muito desejado vinbo do Carlaxo vende-se nicamente oeste armazem
1C5000
184000:
105000
104000
tcm vindo de todos os tamanhos a 24240, 24500, Lindas caixinhas com pedras brancas. 104000' a Goo rs. a garrafa e 3o,ooo rs, a ancora com 7o arrafas
o,%,i e 44o00: so o Arara na ra da Imperatriz,Undo balao com calungas dentro, tara- j"'""'*1-
4000
65(KW
G4O0
COMPRAS.
Compra-se ouro c prata em obras velhas
daga-se bem: na loja de bilhetes da praca da Inde
pendencia n. 22. ____________
Compra-se ffectivamenle
ouro e prata em obras velhas pagndose bem :
na ra larga do llosario n. 24, loja de ourives.
COMPRA-SE
urna negra de bonita ligura, que saiba lavar, en-
gommar e coser bem, e cuja idade nao exceda a
25 annos, agradando paga-se bem : a tratar no es-
criptorio de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho,
largo do Corpo Santo n. 10.
Compram-se i canoas de um pao ou aber-
las, que Icnham de 36 a 40 palmos de comprimen-
to e 6 a 8 de largura : no hotel de Italia ra do
Trapiche a tratar das 6 s 9 horas da manhaa.
livre de onus algum : a tratar junto a ponte da
; Passagem da Magdalena com o Sr. Manoel Fran-
cisco Duarte._____________^________^^^
Vende-se um cofre de madeira todo chapiado
de ferro por dentro e por f'ra, com boa fechadura:
quem pretender, dirija-se Capunga nova, no en-
trar da mesma esquerda, passando o primeiro
portao no segundo, que achara com quem tratar,
Vaccas
Na Piranga, defronte do sitio do Sr. Millet, ven-
dem-se tres vaccas, um garrote e dous bezerros:
os bezerros sao de raca tourina, sendo um macho
e urna femea.
bem para joias.
\ Tambalier para ditas.
. Cestinhas ditas.
i Cosmorama ditas.
Urnazinhas.
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos porta bnuqdetes de diversos gostos e pre-
cintas baratas a 250 rs. j os '>so no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Vendem-se chitas de cores flxas a 240 e 280 rs., I Kicos sinlos
o covado, ditas francezas finas a 320, 360, 400 e 1 com bolcinhas ao lado, a 104, 124 e 154, ditos sem
500 rs., o covado, ditas percalas a 560 e 600 rs. o bolea porm do mesmo gosto, a 24500, 34, 34500
covado : na ra da Imperatriz n. 56, loja da Arara. 1 44000.
A Arara vende madapolo barato a G#)00, wrlse! R'cas fivellas avulasparasintoomelliorque se
de vestidos a Hara Pia a U iM e W p?de e1nco.'llrar> a **?<. 2& 2*^ c 34 o par;
ae vesiiaos a aria na a lio, t*0 e 0. sono Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Vende-se pecas de madapolo de 24 jardas, de fiabiifa mi rMiinl.au
marcas finas n. 7 a 74, n. 2 a 84100, + a 84500, ++ .,. tmM8 ,u "b.
94, S a 104, HH a 114 e 124; algodao regnlar s*, I. Ate n"echeg?ram as desojadas cestinhas ou ca
dito fino carne
74, dito slcupira
los^nnlAmendoas confeitadas de diversas cores a; Lentillias muito novas excellente legume pa-
lia 114 e 124; algodao regular a54,'. Ate ^ue chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
i de vacca a 6450, dito domestico 5SL21M?aSSSPSfflffrSS ? b$0' ? "*
ra a 84, dito Po ferro a 94 a peca KfiS*P2^0'SK khb*> e i0*> so D0
: na ra da Imperatriz, loja n. d ,8,lante' rua do CresP D" 7-
CfiOn5'OgCSilH2
2 ff c 2 O r1 s^s 9 S K o
X
ro-
a
GARH FAS
Compram-se garrafas vasias
rador n. 57.
na rua do
Impe-
Compram-se diarios a 140 rs. a libra: na
rua da Senzala velha n. 50.
Compra-se cobre, lal.o e chumbo : no ar-
mazem da bola amarclla nooilao da secretaria de
polin'a ______________
Compra-se
cobre veltao por maior prego do que em outra
qualquer parte: no armazem da bola amarella, no
oitao da se.Tetara da polica.
Compra-se una escrava de qualquer nago,
embora nao tenha nenhuma babilidade : quem a
tiver, dirjase a Capunga nova, no entrar da mes-
illa, passando o primeiro pnrtao, no segundo de
Ierro, que adiar rom qtiem tratar.
COMPRASE
6 SE. o. a
a.o 2. o
ro __ a- co
5-. k5
_?^ 35
glil
- 71 U ^..
- "la
" 15 s
?3 -Ele
u 2 dS-
c c O ro
" !/3
Vi
9
en
CD b,
O
O
g-;
<
ro
3 o
o. o
C6 3
"S e
O >-*
3'2.
o as
en ro ~
oj 2 s
o =: Q.
v as O
ir, or
a ss
m
S -j <
o
j.
o
T H A
3 63 3
d>
<" O.
Q.CD
O
-i o
03
= g 2.
B9
8
n
,-2 es
C E en
C- ro __ ,
CB
C_,as bs
a Et= 3
3 O as 2
a: O Z. ro Cl r, g
S-S o o
o as
o-aT"
as r
'^-El3

BO
cebre veiho por maior proco do que em ou-
tra qualquer parte : no armazem da bola
amarella no oitSo "la secretaria de polica.

O.
I

J-
a
-
3a
111
as o
n

O
a.
-
T
9
as

e
S
c
g
s
e
tem 20 jardas
Chales baratos a 1^600.
Vende-se chales de laazinha a 14600 e 24, ditos
de merino a 34> 44500, 64 e 74 : na rua da Im-
peratriz n. 56. ,
Cortes de calcas a i600.
Vende-se cortes de calca para homem a 14600,
14800 e 2450O boa fazenda ; cortes de casemira de
i cores finas a 54, 54500 e 74; casemira para palitots,
, caigas e coletes entestadas a 34 o covado : s na
: loja da Arara, na rua da Imperatriz n. 56.
Casemiras para capa de senhora a 2(5 e 36.
Vende-se casemira enfestada propra para capas
para senhora a 24 e 34 o covado, tambem serve
para costumes por ser de boa qualidade e lindas co-
res, vende-se a 24 e 34 o covado: na loja e arma-
zem da Arara, na rua da Imperatriz n. 56.
A Arara vende as percalas a 5G0 rs.
Vende-se percalas finas para vestidos a 560 e
600 rs.; chitas Irancezas finas a 360, 440, 500
560 o covado : na rua da Imperatriz n. 56.
A Arara vende as capas de jrosdenaple a 254 e 30>.
Vende-se ricas capas de grosdenaple preto para
senhoras a 254 e 304; soutembarques pretos finos a
204, 224 e 254 : na loja da A rara
Tailatana de cores e branca a 800 rs. a vara.
Vcnde-se tarlatana branca e de cores finas a 806
rs. a vara, fil de linho a 800 rs. a vara : na rup
da Imperatriz loja e armazem da Arara, n. 56.
O proprietario da loja e armazem da Arara re,
commenda toda a attenco aos Srs. frepuezes
SNBAS.
Livro de orajes.
Vende-se a 1(50 reis, na livraria ns. 6 e 8
la praca da Independencia, um livrinho con-
tendo o seguinte : louvor ao santo nome de
Deas, cora dos actos de amor de Deus, ora-
$es e pelices, hymnoao Espirito Santo, co-
ra do Senhor, aviso qualquer alma de-
vota, desengaos da vida humana, hymno
de Santo Ambrozio Nossa Senhora, jacula-
torias ao Santissimo Sacramento, exercicio da
via-sacra, commemorago Nossa Senhora
do Carmo e ao SS. Sacramento, directorio
para a oracao mental, dividido pelos dias da
semana, obsequio ao eoracao de Jess, sau-
daedes devolas s chagas de Curisto, ora-
coes i Nossa Senhora, S Jos, ao anjo da
guarda, Deus em obsequio qualquer san-
to e para a noute, e responso pelas almas
do purgatorio. ____________
RIVAL SEM SEGUNDO
Kua do Queimado n. 49, est vendendo muiu
boas fazendas e muito baratas, quem quizer podera
vir ver ou mandar para experimentar, assim como
sejam :
Gollinhas muito linas para senhora a 500 rs.
Ditas e punhos de fustao muito bonitas a 640.
Cartas de alinele de cabeca chata de todos os ta-
manhos a 80 rs.
Resmas de papel de peso muito bom a 24-
Capachos redondos e compridos a 500 rs.
Caixas com superiores obreias de colla e de mass*
a 40 rs.
Cordao branco gmsso que lera muita applicacao a
vara a 20 rs.
I.nhas de carjiteis garante-se 150 jardas a 40 rs
Cartoes de liaba Pedro V com 200 jardas a 40 rs
Grosas de peonas de ac muito finas a 500 rc.
Varas de franja de laa para vestido a 40 rs,
Ditas de franja branca larga para toalhas a 160 rs.
Pares de botoes de punho a 120,320 e 500 rs.
Tmteiros de vidro com tinta a 160 rs.
Ditos de barro com superior tinta a 100 rs.
rosas de botoes de louca prateado a 160 e a de
zia a 20 rs.
Tesouras para costura a 80, 200, 400 e 500 rs.
Eseova* para limpar denles, superiores a 200 rs.
Libra de laa para bordar da melbor qualidade a
4)4500.
Orizas de pnosphoros de seguraoca a 160.
Caixas e paeptes de papel amizade superior a 600
ris.
Oixas com 100 envelepes muito finos a 800 rs.
Cuadernos de papel peqaeno azulado a 20 rs.
Carriteis de lioha Alexandre com 200 jardas a
100 rs.
Baralbos para votarelea 240e mais bnosa 300 rs
Meiadasde inha frouxa para bordar a 20 rs.
Pares de sapales de tranca de lodos os (amanto*
a 14500.
(rosas de boldes de madreperola muito finos560
ris.
('artas e caixas de clcheles de superiores quali-
dades a 40 r?.
Massos de grampos superiores e limos a 30 rs.
(irisas de palitos de gaz a 24200.
.il>r,- de arcia preta da melhor qualidade a 120
rafe.
GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz de primeira qualidide a
10$ a lata : nos armazens da rua do Im-
perador n. 10 e rua do Trapiche Novo n. 8.
g,Vendem-se duas rasinhas situadas na povoa-
cao do Barro, frpguezia dos Afogados, muito pro-
prias para se passar a festa por ficarem perto do
banho do rio Tigipi : vendem-se por preci.-ao e
por esta razao se diio muito baratas : quem as pre-
tender dirjase rua Impeiial n. 62, que se en-
contrar com quem tratar.
Champanlia.
Vende-se champanha de primeira qualidade,
marca Rumlast pre et fils, em casa de Hothe A
Bidonlac, rua do Lrapiche n. 18.

n
4;o0(l 000
Vende-se um c-xcelicnte silio na Capunga, com
boa casa para familia, com 3 salas e 8 quartos, e
casa para escravos, dita para feitor, tanqne para
banho, dito para lavar roupa, viveiro com peixe e
rio, c muas fructeiras, e emlim tambem aluga-se:
quem pretender, pode dirigir-se a Capunga para
examinar o mesmo que se acba vasio : a tratar na
Capunga nova, no entrar da mesma, passando o
primeiro portao, no segundo de ferro.
mandem ver as amostras de todas as faYendas qul '
annuncia, prometiendo vende-las por barato prego.
Per hincha de le uns de seda a 800 rs. c I .>.
Vende-se lencos de seda pequeos a 800 rs.; di-
tos grandes a l";5 : ditos brancos com barra de co-
res a 200 rs. cada um meias cruas para homem a
24400, 34, 44 e 54 a duzia ; ditas para senhora a
44 e 54 a duzia : na rua da imperatriz n. 56.
Cassas francezas a 280 e 320 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas finas para vestidos a
280 e 320 rs. o covado: na rua da Imperatriz n. 56.
Colchas de damasco a i:\
Vende-se colchas de damasco para cama a 44,
ditas de fustao a 54, ditas de chita a 24; ricas chi-
tas para cobertas a 320, 360 c 4(0 rs., ditas aseti-
nadas muito finas a 500 rs. o covado, ditas encar-
nadas a 500 rs. o covado : na rua da Imperatriz
n. 56, loja da Arara.
?J\ tUHVl
a farinha lavada.
A bordo do hate nacional Dous Irmaos ancora-
do defronte do trapiche bario do Livramento, ven-
de-se esta superior farinha lavada anda nao vista
nesle mercado pelo barato prego de 34 o alqueire
ou 64 o sacco sendo este prego granel, e tambem
na rua da Madie de ueos ns. 5 c 9.___________
- Vende-se um excellente carrinho americano
de 4 rodas para duas pessoas, com arreios de um
ou dous cavallos ; do melhor gosto que se pode
encontrar nesta cidade, e est em perfeito estado :
dirija m-se A_ i > P Pedro, na rua do Imperador
n. 38, casa do retratista americano Sr. Osborne.
f.licguem
Vende-se urna taberna na Soledade, sita na
rua de Joao Fernandes Vieira n. 64 : quem pre-
tender, dirija-se mesma.
Vende-se
tres partes do sobrado de dous andares da rua do
Padro Flonano n. 21: a tratar no primeiro andar
do mesmo, das 6 horas da manha s 6 da tarde.
FAZENDAS B HIATISSIMaS
Kua da Cadeia do Recite n. i7, esquina que Milla
para a Madre do Dos.
lum e admirem !!.
Completo sortimento de chitas estreitas a 200,
220 e 240 o covado, ditas largas a 320, 340, 360,
380, 400 e 440 o covado.
E' aproveilar!
Fustao branco muito encorpado a 500 rs. o co-
vado.
Esli a acabar !
Chapos de palhinha a escosseza a 14 I que-
j rer queimar I
Vende-se na praca da Independencia n. 39, loja i Brim branco.
de Antonio Augusto dos Santos Porto, capeilas a 800, 14 e 14280, e muito fino a 14600 a va-
n ortuanas de gostos mais modernos que tem ra, ditos pardos a 800, 900 e 14IO a vara, ganga
vindo al agora para se botar em tmulos e cat- de cores a 500 rs. o covado.
cumbas no cemiterio publico no da de finados, Admirem!
Grvalas de cores a 320 e 400 rs., flanella bran-
ca a 640 o covado.
Nao deixem de comprar !


com as escnpgoi-s srguintes: meu esposo, minha
esposa, meu pai, minha mai, meu fllho, minha fl-
Iha, saudades sempre vivas, amisade, urna lagri-
ma ; desta qualidade nunca vieram para serem
vendidas nesta provincia.
"SAL
No escriptorio de E. R. Rabello, rua da Cadeia
n. 55, vende-se sal anda a bordo do navio.
Pentes.
Neste artigo tem um grande sortimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
que se pode desejar, assim como de arregacar ca-
nello, tanto de borracha como de tartaruga cmen-
feiles e sem elle para menina; s no Vigilante,rua
do Crespo n. 7.
Penles
tambem chegaram os nquissimos pentes de concha
de tartaruga e de massa fina, que se vende por 24,
34 e 54; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Leques.
Rlquissimos leques de madreperola tanto para
senhoras como para menina?, pelo barato prego
de 124 e 144; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Mais leques
com pequeo defeito, leques de sndalo com pe-
g i queno defeito por barato prego de 84 e 104, chi-
nezes muito bonitos tambem, pelo barato prego de
44 e 5, bentarallos muito bonitos, tambem por ba-
rato prego de 44 e 54, leques de charo tambem
por 44, tudo isto para acabar, perdendo-se tai-
vez 80 por cenlo; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Pulseiras.
Lindas pulseiras de contas e de missanga, cores
muito lindas e de mnilo gosto a l4 e 14200.
Para segurar manguitos.
Tambem chegaram as liguinhas estreitinhas de
cisam para se-
gurar manguitos por ser mUito commodo e muito
i barato, a 320 o par; s no Vigilante, rua do gres-
1 po n. 7.
Canelas.
Riquissimas canelas de madreperola propras
para qualquer presente, pelo baralissimo prego de
114500 e 24.
Sapalinhns e meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
tenados, assim como meiaszinhas de seda, gorrazi-
iiii.is e touquinhas para as crianrinhas se baptiza-
ren! ; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Vollinhas.
Lindas voltinhas de perolas falsas com cruzinhas
fingindo brilhantes, assim como cruzinhas avulsas
e voltinhas, pelo barato prego de 14 e 14200, ns
cruzes avuls asa 4U0 rs.; s no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Golinbas.
Riquissimas golinhas e manguitos, o melhor gos-
to possivel, a 24, 24500 e34;s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Enfeiles para senhora.
Riquissimos eneites rom lago e sem lago e de
outros muilos gostos a 14, 14500 e 34 : s no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins ae cabello para relogio ou lu-
netas, pelo baratissimo prego de 14500, ditos de
rctroz a 200 rs.
Babadinhos ntremelos.
Riquissimos babadinhos entremeios com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 14200, 14500, 24 e 34 i s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Cascari'ilhas.
Grande sortimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galaozinho e trancinhas pro-
pras para enfeiles; s no Vigilante, rua do Cres-
po u. 7.
Filas.
Grande sortimento de filas de diversas larguras
e qualidades, por pregos que admiram aos com-
pradores, havendo fitas largas propras para cin-
teiros que se pae vender a 300 rs. a vara, e pega
de 9 varas a 24; s no Vigilante, rua do Crespo
11. 7.
Fitas de la.
Fitas de laa de todas as qualidades, propras pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7
Ricos espelhos.
Riquissimos espelhos com moldura douraJa e
sem ella de 84, 104, 124 e 144, assim como com
columnas de differentes tamanhos a 24, 34,44, 54
e 64; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
64o rs. a libra.
dem de casca dura a 24o rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas
estampas a l,2oo e l,5oo rs.
dem em frascos de vidro a l,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,Soo rs.
dem em latas de 1 '/j libra a Moo rs.
Arroz do Maranhao e da India o melhor que
ha nesta genero de 80 a loo rs. a libra,
e de 2,5oo a 2,8oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,800 rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e 10,000
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs. a anco-
reta.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, e 4,4oo rs.
a arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,ooo e i ,5oo rs. a
lata e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de i e 4 libras das
melhores marcas a 1,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
Batatas em gigos de 36 libras a 1,000 rs.
Champagne das melbores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, 1,800 rs. a garrafa, e floo rs.
as meias garrafas.
Cha uxim o melhor possivel a 2,"00 rs. a
libra.
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs.
a libro.
dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2,ooo, 2,4ooe 2,600 rs. a libra.
dem preto homeoptico a 2,000 rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia, e56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, hespauhol e suisso a 1,00o,
l,2oo e i,4oo rs. a libro.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
tado de Simas e outros da Baha como
sejam regala, trovadores, guanbanas,
delicias e suspirosa 1,60o, 2,000, 3,ooo
e 4,000 rs. a caixa.
Conservas inglezas a 7ao rs. o frasco.
dem francezas surtidas ou de urna s qua-
lidade cada frasco a 3oo rs.
Cognac francez e inglez a
fa, e 10,000 rs. a duzia.
Cominho e erva-docea 4oo rs. a libra.
Gravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a floo rs. a libra.
Looo rs. a garra-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades
de "00 a floo rs a garrafa:
Manteiga>ingleza perfeitamente flor a 800 e
I.ooo rs. a libra, desnecessario mais
elogios neste genero, que s se pode ve-
rificar com a vista,
dem franceza a 36o rs. a libra, e em barri!
se far abatimento.
Marmelada do primeiro fabricante de Lisboa
a 600 rs. a libra, ha latas de 1, 1 I 2 e
2 libras.
Massa de tomate em latas de i e 2 libras a
600 rs. a libra.
Macan), talharim ealetria a 4oo rs. a libra,
dem branca a 32o a libra.
.Moslarda franceza preparada a 4oo rs. o
frasco,
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garralinhas com rol has d
vidro a 64o rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a I.ooo rs.
agarrafa, e Io,ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lata.
Prezunto para fiambre inglez verdadeiro.
garanlindo-se a qualidade a "00 rs. a libra.
Passas novas de carnada a 4oo rs. i libra e
6,5oo rs. a caixa.
1 dem para sopa estrellinha, pende e rodinlm
etc. a 3,5oo rs. a caixa, e a 56o rs. a libra.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
seguintes qualidades: savel, corvina, goras
cavallinhas, e pescada a l,000 a lata.
Palitos para denles lidiados a 14o rs. o ma-
co de 2o rs. o macinhos.
dem do gz a 2oo rs. a duzia, 2,foors.
a groza.
Painco muilo novo 12o rs. a libra c 3,ooo a
arroba.
Queijo's flamengtis, do uimo vapor, ;< 2,.">oo
rs.
dem pealo muito fresco a 800 rs. a libra e
sendo enteiro a 72o rs.
Sal retinado em pote* de vidrua 3oo rs cada
um.
Scvadinha de Franca a 180 rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra.
Toucinhb de Lisboa a 24o e 32o rs. libra.
fijlo para limpar facas a 15o rs. cadattm.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e
l,4oo rs. a caada,
dem em garrafoes com 3 garrafas a 1.000
rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
Ibem de escovas
cada urna.
para lavar casa a Mo rs.
Copos finos para agua e vinho a 4,8oo 3,ooo Velas de espermacete superiores a 36o rs.
e 5,3oo rs. a duzia, e 5oo rs cada um. a libra.
Caf do Bio superior a 28o e 3oo rs. a libra, dem de carnauba refinada e de composirao
e 7,5oo a 8,5no rs. a arroba. a 36ors. a libra, e de lo,5oo a 1 I.ooo rs.
Doce de goiab. superiorem latas a 2,ooo rs. a arroba.
Ervilhas portuguezas em latas chegadas ul- Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira
timamenle a 64o rs. a lata. das marcas menos conhecidas a 4oo rs.
dem ceceas a I6o rs. a libra. a garrafa e a 2,8oo rs. a caada.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra. dem Figueira especialmente escolhido nesle
Farinha de ararula verdadeira a 320 rs. a j lugar a 600 rs. a garrafa, e 4.5oo rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a floo
rs. cada urna.
Favas portuguezas em latas chegadas lti-
mamente a 640 rs,
Frutas idem ero calda, pera, pecego, alper-
se, rainha Claudia e ginja a 7oo rs. alala.
Graixa nova a loo rs. a lata e i,loo rs. a
duzia.
caada.
dem Lisboa em ancoras com A caadas mar-
ca especial a 22,000 rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muilo fresco sem
composigo a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo
rs. a caada.
dem de Lisboa branco uva pura a 56o rs. a
garrafa, e a i.'ion rs. a caada.
bra. \fm Por, fiDr,em PPa a 56 Ts- 8"ra&.
dem engarrafados generosos Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, D. Luiz I, D.
Pedro V, Nctar, ve I lio secco, Malvasio
Genuino, Particular a floo e 1,2oo rs. a gar-
arafa, e a 10,000 rs. a caixa com urna du-
zia.
VNDESE
alcatrao do gaz pelo preco da fabrica:
arma-em da bola amarella no oilo da
retarla da polica.
no
se-
Riquissimos jarros e figuras de porcelana fina,
para enfeite de sala, sendo o melhor gosto queaqui
Ricos chales de mermo finos com borla e pont tem apparecido; s ne Vigilante, rua do Crespo
redonda, pelo insignificante prego de 54- n 7
Roupa feila para p8 de arr02
, SSftsfrtimen,0,de PaIel.ots> Y' fcami?s! Riqnissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
francezas eceroulas.e bem assim mu.tas fazendas ^ dt mullo-gosto a 14300 e 24, assim
por pregos mdicos Dao-se amostras com penhor. ,, so com *s s a g"^ *J
Vloja esta .berta ate as 8 horas da noite. vigilante, rua do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sortimento de extractos e banhas, poma
como
s no
Enfeites para cabeca,
Chegaram os lindos enfeiles de cabeca para se-: nhoras, sendo muito simples c de muito goslo
no Vigilante, roa do Crespo n. 7.
so
Hincha
Na rua Augusta n. 84, vendem-se em segunda
Oao as seguintes obras de, prata de le : 1 grande
ca| moderna, 2 faqneiros, seurto i para sobre-
mesa, 1 bulle, 1 assucareiro, I mantegueira, diffe-
rentes ollares para sopa e cha, o i bonito adere-'
de fita
linctivos e offerecimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Paris e Inglater-
. I ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
VenJc-se urna urna de Jacaranda, mulle bem a 24 e a 14, assim como outros objectos que nao e
feila, para deposito de ossos : na rua da Impera- possivel por hoje annunciar, e vista dos fregu-
triz, loja de marcmeiro n. 23._________________ zes ^ far todo negocio; na loja do Gallo Vigilante,
Vende-se um terreno na rua do Destino em |rua do Crespo n. 7.
direitura ao largo do Hospicio com 234 palmos de
frente, proprio para se edificar por ser boa loca-
hdade : a tratar com Antonio Joaquim Ferreira
Porto na rua da matriz da Boa-Vista n. 54.
Genebr/a de Hollanda em frasqueiras com 12
frasfos a 0,800 rs. e "60 rs. o frasco
dem cm botijas a 4oo rs. cada urna,
dem em garrames de 16 garrafas a 4,800;
rs. com o garrafo.
dem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem inglezas em garrafas brancas bordadas; dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a garra-
com rolha de vidro qualidade superior a fa, e a I2,ooo rs. a duzia.
i.ooo rs. a garrafa. dem Muscatel a I.ooo rs. a garrafa,
dem de laranja verdadeira a 1,000 rs. o dem Bordeaux das acreditadas marcas St.
frasco e 11,00o a frasqueira de 12 frascos. I Julien, St. Esteph, chaieau la Rose, chalan
Kirsch Wasser excellente bebida suissa a! Margoux e outros a 6,000 rs. a caixa. e
1.8oo rs. a garrafa. j 56o rs. a garrafa.
CEfWEJTA EM BARRIL
a SOO rs. o eo
Ico de liriihan.'i-s. sendo a pulseira de lita : pode
se procurar as 7 hoias da manhSa s 10 do dia,
e de 3 hora* da /arde at as 6.
0ebo8
a 10--O
As melhorM que tm vindo a este
. vende-se oa roa da Ifalre de Dos ns,
cento
mercado
Se 9.
Af?Ii1A
Salitre refinado, superior qualidade, vinho Bor-
deaux, differentes qualidades, mais barato que em
qualquer parte : no arnwem de E. A. Burle &
u, rua da Cruz n. 18.
p.
<) u el jo de Minas chegario do vapor
dem prato milito fresco
dem suisso superior
dem londriuo superior.
Rua do Imperador
57
57


.



*
Diarlo de Pernainbuco quinta leira de Ouiubro de 14.
V


RA 1IO VI'I2MIABO N. 45.
Passand o becco da Congregaco segunda casa.
NOVIDADE
Pereira Rocha C. acabam de abrir na ra do Qucimado n. 45 um armazcm de molliados denominado CUnm Commer-
cial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sortimento dos melhores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes sero vendidos por precos muito resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencioncda ; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranho, India e Java a 60, 80 e Peras seccas muito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
Painco a 200 rs. a libra. rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevada a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeile e Emilias portuguezas a 640 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Qaeijos lamengos do ultimo vapor a 2#800' Figos de comadre e do Douro em caixinhas
Grande iiquidacao.
Hua da Iiuperatrlz a. OO.
Loja de fmulas do Pavie de Gama & Silva.
Acha-se este estabelecimento completamente
sonido de fazendas inglezas, franceza?, allemas e
suissas, proprias tamo para a prsca como para o
matto, promi'itcndo vendei >e mais barato do que
em outra qualquer parle principalmente sendo em
porcao, e de todas as tazendas do-se as amostras,
d.-ixando licar penhor, ou mandam-se levar em
casa pelos caixeiros da loja do Pavo.
As chitas do Pinito.
Yendem-se chitas inglezas claras e escuras pelo
barato prego de 240, 260 c 280 rs. o covado, tintas
seguras ; ditas francczas de cores seguras a 320,
340,360, 400, 440, 480 e 300 rs. o covado, fazenda
muito superior e bonitos padrocs : s na loja do
Pavo.
As liazinhas da eiposiro do Pavo.
Vendem-se lazinhas as mais modernas que
tem vindo ao mercado, proprias para vestidos e
soutembarques por seren lisas e de cores muito
delicadas 560e500rs.; ditas lisas com um lustre
que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
quadrinhos de seda 500 rs. o covado, s para aca-
bar : na loja e armazem de Gama <& Silva, ra da
Imperatriz n. 60. _
Os vestidos do Pavao.
0 PROPHETA
AO RESPEITAAJBIj piblico.
RA DAS CINCO POMAS N. 8C
lsqulna da nova travesa de H. Joo.
100 rs. a libra, e i800, 20600 e 3&000
a arroba.
Ameixas francesas em latas e em frascos a
1(5200 e 10600, e em frascos grandes a
24500.
Idemem caixinhas elegantemente enfeiladas Idemprato.
com ricas estambas no interior das caixas
a 10200,10400, 10600 e 2,
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpiste a i60 rs. a libra e a 4#600 a arroba.
Azeite doce francez mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa.
dem de Lisboa a040 rs. agarrafa.
Araruta \erdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
Avellaas muito grandes e novas a 180 rs. a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
10300 rs.
Bolachinhas de soda, latasgrandes, a 20rs.
a lata.
dem inglezas muito novas a 30000 a berri-
quinhae a 200 rs. a libra.
Banha de porco relinadaa 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Oh liysson, huchin e perola a 15600, 20,
20300, 2*800 e 35000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a Ufara.
Cerveja preta e branca, dae melhores marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e 50800 a duzia.
Cognac inglez fino a 901 rs. a garrafa.
onservas'a 720 rs. o frasco,
dem, s de pepino, a 720 rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e especidmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
20 >0, 20200, 20500, 20SOO, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Bio muito superior a 280 e 320
rs. a libra e 80500 a 80800 rs. a arrdba.
Cartoes de bolinhos francezes muito novos e
bein muito enfeitados a 7O0e 600 rs.
Olinin cas e paios muito nevos a 800 rs a
libra.
debito libras e canastrinhas de 1 arroba a
dem" londritw chegado no ultimo vapor a 4 800, 50500 e 280 rs. a libra.
900 rs. a fibra. .Farinba do Maranho a 160 rs. a Unta.'
Sal refinado em frascos de vidro a 600 rs :Idem de trigo a 420rs. a libra.
cadajum.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muile alvo e novo a 260 rs. a Irbra
Tuucinho -de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 600 r.
libra.
Eigos era caixinhas crmet|icamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 815, Duque do Porto,
Madeira, D. Pedro, D. Luiz I. Maria Pa,
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e-era caixa com urna du-
zia a 90000 e 100000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500e 560 rs. a garrafa e30, 30500
e ii a caada,
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem deBordeaux, Medoc e S. Jalien a 700
e 800 rs. a garrrafa, e 70000 a 70500 rs.
a duzia.
IdemMorgauxe Chateaulumini de 1854, a 10
a garrafa.
dem muscatel a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a
152O0rs. a caada.
Deseiando o nroprietario do grande armazem do Propheta dr fax-
s.a_._ __^.__.___-^i .________i..** ... ..Iiiaii A.lar i ihvmrai J(<
desta bella provincia, de abrir mais este grande estabeleclaacnlo de nevos e
escolhidos gneros, quasi que especialmente destinados s pessoas que nr.oram na ire-
guezia de S. Jos, e aquelles senbores que transiten pela via frrea, para quem em \-w-
dade sao sem conta o numero das vantagens que se Ibes offerece, nao s CM rebelo a
modicidade dos fre es, como da facilidade e brevidade da cuiiduccao o>; cbjeclos coan-
0 sonho do Propheta ser urna verdade pratica lo acceita e abracada como as
Genebra de Hollaada verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
dem em garrafoes de 3 e 5 galoes a 50500
e 70500 cada um com o garrafa.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 auzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, quaiidade. especial em garrafas muito
grandes, a 10800 a garrafa.
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, em garrafa forma de pera e rolhas de
vidro, a 10000, s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamcnle flor, desem-
barcada de pouco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem francez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maga de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Marmelada imperial dos melboree conservei-
ros de Lisboa a 60 i rs. a lata.
Marrasquinho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.
dem regular a 500 rs.
Macas linas p?ra sopa: estrellinlia, pevide,
rodinha e aletria a 600 rs. a libra e a 40
a caixinba com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
garrafa e\ Peixe em latas preparado pela primeira arle
de cozinha a 10 a lata.
Palitos de dentes a 160 rs. o maco,
120 rs.
Vendem-se os ais modernos cortes de vestido' prados,
de la, que vieran pelo ultimo vapor, com ricas
\^%SEUJt^tt.%& Palavras^mples ebem intencionada;dos velho. patriarebas des temP..s idos,sioSe-
tes para o corpo, por prego mais barato do que em nhor Deus dos exercilos nao O quuei contiarijr. ,_,,, ,.,
outra qualquer parte, e se qnizercm una prova O Propheta nao querendo rcstrmgir-se a forma ordinaria de neg; tur retoiun
do que se diz, mandem ver leja e armazem do tamhcm tlepois de profunda meditacSo, de nao vender smente OS seus gneros a di-
pavao, ra da Imperatriz n. 60, deGama A Silva. COrrente ; mas tambem de por em pratica troca delles por oulros da pradH#S
OsTesbSMilbriaPtt. S M PfiJ do paiz ou por escravos, bois. cavallos, etc. Assim, pois, fique na intelligercia de lodos,
MSSSSSSiSS 5SLC. qePo lbopLa receben. como,moeda de qualquer dos senbores ogrieulteres. .j
de seda pelo barato prec> de 8& cada corle : s algodo, agurdente, milbo, fejao, cavalles, escravos, etc., etc. e IMS dan O mimo
na loja do Pavo ra d taperatriz n. 60, de Ga- cm generos, escollados a contento.
, n ion 2>o .' Ouando a importancia dos generos apartados for menor do que a dos objectos re-
28U, .wo, *zo e cebit|os ()0r tr0Clj 0 propheta no demorar a dill'emica que de\c dar cm dinhein..
Um eslabelecimento que com tantos sacrificios e despezas ataba t; ser
ma & Silva.
As cassas do Pavo a 210,
3<50 rs.
i SiSoTffX SS&TlVtR: deve insrarTlodos a certeVa de que se vender muito barato com o fim de se adqui-
vado ; ditas francews rauito finas 240, 280, 300 rr credilO e freguezia.
e 320 rs. o covado, isto para acabar: 4 ra da
Imperatriz, loja de Gama & Silva. A-aruta verdadeira a 320 rs. a libra.
Os adapolies do Pavo Arroz do Maranho, Java e do Penedo a 80,
Vende-se peca de madapolo infestado com 12 i iQOe 120 rs. a libra, e a arroba a 1;)800,
jardas cada peca pelo barato prego de 45, 45300 c 9 b-ia/i o 9A8fin
81 cada peca, faeenda muito superior : s o Pa-1 ^ e z^!r- ...
vo ra dalmperalriz n. 60, notando que a peca Amendoas a 280 rs. a HDra.
leva urna etiqueta com o Pavo pintado para nao Ameixas francezasa 10200, 10400 e 10000
Kirsk garrafas muito grandes a 10800 rs.
Alm dos gneros cima mencionados le-dem de dentes a
mos grande porco de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que ludo ser vendido por! Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
pecas e carnadas, tanto em porcoes como | Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
reta||10. 20 e em caixo a 640 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima te-1 Pablos do gaz a 20200 a groza.
r o abate de 5 por eento. i Passas muito novas a 480 rs. a libra.
Albtms superiores para re-
tratos.
A Aguia taanea sempre disposta bem servir e
agradar a sua boa freguezia, mandn vir e acaba
de receber um bello sortimento de. albuns de supe-
rior eneaderaaco e apurado gosto, com especial!-
dade os de capa do marlim com lavores, outros
guarnecidos de tartaruga com trancas de prata,
outros marchetados du madreperola com trancas
de prata uourada, outros de velludo etc. etc. Para
quem tem go^to e dinheiro, un lbum assim per-
feito sem dttvida o mais apropriado para Relie
se deportar os retratos de charos nais, bons pa-
reles e amigos. Em quanto, porm, esses albuns
se lornam notaveis por sua perfeico e bom gosto,
outros reeebidos na mesma occasi.io, se tornam re-
rommendados pela oommodidade de precos vista
da boa obra. Assim pois o pretendente ser ser-
vido conforme o dinheiro que quizer disnr para
esse litn, adiando sortimento para 24, 30, 06 e 80
retratos: na ra do Queimado, loja d'Aguia Bran-
ca n. 8.
Carteiras e bolsas pura
viagem.
Na loja d'Aguia Branea, ra-do Queimado n. 8, Rccebeu-se novo sonitonto de balafos, com
vendem-se carteiras com crrelas para traze-las a forma de varios passaros, pelo barato prego de....
liracolo, e bolsas de tapete, tudo para viagens. 1*000 ate $ cada um: as lojas do beija-flor, ra
-r o *___.1.___nn do Qucimado ns. b.l c 69.
Perfumaras inglezas. Fitas finas para cintos.
A Agola Branca, conhecendo a bem merecida Ricas filas finas lavradas de bonitas cores para
estinuque os apreciadores do bom do s perfu- cintos : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
marias inglezas, por isso mandou vir o esplendido n. 63 e 69.
sortimento que acaba de receber, e os acreditados Extractos em caixiolias.
ornes dos bem conheeidos fabricantes J. Gosnell pDOg cxlractoe em caixinhas com o retrato da
A C, Napoleo Pri.e & C. sao bastantes para co- familia imperial: as lojas do beija-tlor, ra do
LOJA 110 BElJAFLOlf.
Ra do Queimado ns. 63 e 69.1
llonecas de choro.
Lindas baeras de choro que chamam papai e
mami, de diversos lmannos : s as lojas do bei-
ja-flr, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Luvas de pellica.
Lavas de pellica branca e decores para homens
e senhoras : as lojas do beija-flor, ra do Quei-
mado n=. 63 e 69.
l'ivellas para cintos.
Lindas ivellas donradas com lindas pedras para
cintos: as lojas do beija-flor, ra do Queimado
ns. 6. e 69.
Capclla: para Boiras*
Lindas capellas para noivas a i&HQO cada una :
as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e
e69.
Eslnjos para barba.
Vende-se estofas com espelho para barba ioOO ;
e 20000 cada um : as lojas do beija-tlor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Ralaios para meninas.
Srtirifenio
MACHINAS TENTE
de
ta ha I liar mao para
descarocar algodo
FABRICADAS
Por Plant Brothers & 0.
0LBA1
j^^a,
haver duvids nem engaos : isto previne o Pa-
vo, de Gama & Silva. '
Bramante de 1 'inho do l'avo
iff. 3400. JfftOO.
Vende-se o melhor bramante de linho pnro com
dez palmos de largura -por prego muito commo-
do, por ter de acabar a factura, a vara por
252OO, 2^1400, e 25600 ; s o Pavao : ra da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
I'aiiiio de linlio dn Cavan.
Vendd-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura proprio para lenoes e toalhas de mo pelo
baratissimo preco de 640, 720 e 800 rs. a vara, al-
godozinho com oito palmos de largura proprio
para lences, pelo baratissimo prego de l& a vara,
assim como tem o melhor algodozinho tanto em
largura como em corpo, proprio para lences, ca-
misas de escravos, etc.,etc., prego muitocommo-
do i vista da fazenda; s o Pavo : ra da Im-
peratriz n. 60,de Gama.& Silva.
Algodozinho -com toque de avaria a 4,060 ris
e 4,800
Vende-se pega de algodozinho por ter um pe-
queo toque de avaria, mas que esta em bom es-
lado, pelo barato prego de 45 e 45300 a pega ; s
o Pavo : -ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os gnordanapoc economices do Pavo e do
Pave
Vendem-se os mais lindos e modernos guarda-1
apos econmicos e todo hnfco. tanto para as casas,
de familia como para hoteis, botequins, etc. etc.,
em latas, frascos e lindas caichinhas muito
proprias para memosear alguem,
Amendoas confeitadas em frascos de vidro
a I ft o frasco.
Alpiste a 100 rs. a libra e a l|B00 a arroba.
Azeile doce francez a 900 rs. a garrafa.
dem em botija a :K0e 4o0 rs. a botija.
Graixa em lat sa IJWO a duzia.
Limonadas de diversas rurtas a l000 o
frasco.
Licoresinglezes e francezes a l'OOO. MM
e 2i a gnala.
Lingoas americanas a 800 n. cada urna.
Linguicas prosapias em latas a 1 210 a lata.
Manteiga ingleza oeste genero o que la de
melhor a 800 rs. a librae em barril a "00
rs.
dem mais baixa a 640 e 720 rs a libra.
Azeile de Lisboa a040 rs. a garrafa e 4^8001 Manteiga franceza a 520 rs. a libra, ein Iwn i
a caada. I a 6 40 rs a libra em rtlalho.
Azeitedoceemboies com 9 garrafas a S#500 Massa de tomates a 640 rs. > libra.
com o boio. Marmelada muito nova a 640 rs. a libra.
Azeitonas por todo o preco. Molbos inglezes a 400 e 640 rs. a ganafinha.
Biscoitos inglezes de diversas marcas a 1 300 Mostarda preparada a 400 e 6401 s. o iraKO.
a |ata_ Massas para sopa macarrao, talhciim e afclria
BolacliHibas de soda, oval e lunch a 2)5000 j a 400 rs. a libra.
a lata com 5 libra?, I dem finas em caixinhas a 3/KOO a caixirha.
Bolachinhas americanas em borricas 26 Marrasquino de Zara verdadeiro a tct i) o
libras a 20000. frasco.
Banha de porco da melhor quaiidade a 360 dem mais baixo a 800 rs. e lCu> o ir; 0.
rs. a Imra. Milho em saccasiom 20cuiasa :t ;j(0
Batatas em gigos e caixas por todo o preco.. Prezonio ingle/, para hambre vir.do i.. ultime
Caf moido a 10ii 00 ou 8000 a arroba. | vapor a 800 rs. a libra.
Caf superior a 7u00, 8000o e 8?>500 a dem mais anl go a 640 rs. a libia.
arroba. Idemdol'orlo a 6i0 rs. e sendo inter: a
Cha nesto genero temos o que h de melho- 500 rs. a libra,
assim como lambem temos baixo pelos pre- Passas t.ovas a 400 rs. a libre.
Cos seguimos: 104UO, i^tiOO, 1;>800, Polvo a 100 rs. a libia.
20400. 20001), 2800 e 30OCOo fino. 'Painco a ICO rs. a libra.
pelo baratissimo prego de 35 a duzia, isto s na | charutos de todas as melhores e peores mar- Pomada a 240 rs. a duzia
1 j_ n.-.r- .*. ___j t... ..,(.,1 r. AA .1. Aftma I ^^.. ~'r\f\t\ > nt\r. na t\:__...... j ..,:__- Oiin -^
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva. -
Oh so embarques do Pavao
a el.
ie os mais finos soutembarques que
ao mercado, sendo de caxemira de co-
linutissimo prego do 125 cada um, di-
mbique pelo diminuto prego de 05, so
na loja do Pavo, mas que se nao pnganem : ra
da Imperatriz n.60, deGama & Silva.
Aoalhado do Pavo.
libra,
a, sb\i
Mi-
cas do mercado a 800,1 000,1 600, 20, \ Pimenta do reino a 320 rs.
20800,3^000, 40000.50000, 50500 e 60 (Peixe em latas a 10010 a
o cenlo. vina, pargo e outros.
Chouricas as mais novas do mercado a 120, Papel de peso aWOOO a r-sma.
o barril com 1 arroba e 480 rs. a libra, a dem dem muito fino a 40000 c 3-'GC.
ellas que pechincha. dem marlim a .>.">' 0,
Chocolate magnifico a 13000 e 1.A200 a libra. dem alniaso a :i,jH)U, .i500 e 401 CC.
Cerveja marca a mais acreditada que tembiern para enibrolho a 10200 a rea.
vindo a 500 rs. a garrafa, emeia garra&S, Palitos para dentes macis com 2i macinhos
a 80, 20 e 2( 0 rs. o maco.
Bbecer-se a superinridade dellas. Consiste esse
bello e variado sortiinenlo ern pequeas quantida-
des de ditferentes e agradaveis extractos de pri-
meira quaiidade em frascos de diversos taannos
e formas, fazendo-se notaveis entre elles os que
vem em urna earteira de tres, com os quaes por
sua elegancia e boudade se faz um bello presente ;
assim como outros frascos com finas essencias con-
centradas, outros com excellentes leos para ca-
bellos, e outros finalmente com agua de LavaRder
sublimada ; e bem assim finos sabenetcs em paco-
tes e caixinhas com tres, bonitas e delicadas al-
mofadinhas com pastilhas em p, as quaes deitan-
do-se nos guarda-vestidos, commodas, etc., nem s
deixam toda a roupa clieirosa, como afugentam
baratas, tracas, etc., etc. Em quanto, porm, a
commodidade dos precos j nao entra em duvida.
urna vez que o pretendente comparega munido de
dinheiroejlisposto a fazer gasto na loja d'Aguia
Branca, ra do Queimado n. 8.
Balas grandes e caretas de
borracha.
Excellentes brinquedos para criancas: vendem-
se a 500 rs. cada urna : na ra do Queimado, loja
d'Aguia Branca n. 8.
Fspelhos com molduras pretas
e douradas.
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
ceben um bom sortimento de espelhos de diferen-
tes lmannos com moldaras pretas e douradas, e
os est vendendo por pregos commodos.
Papel inglezm :
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
cebeu ara novo sortimento de papel inglez liso e
pautado, almago, de peso, e pequeo, vindo destt
tambem com beiras douradas., 1
Enfeitesmvisiveis
A Aguia Branca, na ra do Queimado n. 8, rece-
ben novos enfeites invisiveis, os quaes pela liuura
do tecido e bom gosto tem merecido tanta estima
Preparos para flores.
A Agnia Branca, na ra do Queimado n. 8, re-
ceben novos preparos para flores, sendo papel de
cores para rosas, dito verde para folhas, folhas de
panno e velludo, caixas de trigo, ditas de uvas ---------__-----------------------------------------
brancas e rxa, e como sempre conlinuam a ser Cft| ^e y^._
vendidos por precos commodos. .; {a para vender maif. nova> e u,tfmaraent( che.
- Vende-se a armacSo do deposito da ra Nova gada ao mercado em bem acondicionados barr!i:
n.S8 por prego commedo : os pretendentes din- no armazem de Manoel Te.x.lra Bs!0=
jara-se ao aromo, que acluri? Cto fjuom tratar, frepffhe pf 13? por prejo razoavel.
Queimado ns. 63 c 69.
Sabo em caixinhas.
Finos saboes em caixinhas com varios retratos:
as lojas- do beija flor,ra do Queimado ns. 63 e 69.
Tiras bordadas.
Vendem-se tiras bordadas transparentes e tapa-
das : as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns.
63e69.
Jogos de domin.
Vendem-se jogos de domin 1200 e 1300 :
as lojas do beija-flor. ra do Queimado ns. 63
e 69.
Hallados bordados
Vendem-se babados bordados de varias larguras
e varios pregos : as lojas do beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Abafadores de rede.
Vendem-se abafadores de rede de varias cores
800 rs. cada um : as lojas do beija flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Adcrefos relos.
Tendo-se recebido adeieeos pretos de novo gos-
to sao expostos venda : has lojas do beja-flor,
ra do Queimado ns. 63 e 69.
Grvalas para senberas.
Lindas grvalas para senhora 800 rs. e J000
1^1200 : as lojas do beija-flor, ra do Queimado
ns. 63 e 69.
Espelbos de moldura.
Vendem-se espelhos de moldara preta para sa-
las : as lojas do beija-flor, ra do Queimado ns.
63 e 69.
Vnltas de aljofares.
Lindas vollinhas de aljofares com cruz de pedri-
nhas imitando brilhantes i000 cada urna : as
las do beija-flor, ra do Queimado ns. 63 e 69.
Col llores para sopa.
Vendem-se colheres de metal-principe para sopa
2S000 cada urna : as lojas do beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
La para bordar.
Vende se laa para bordar, a melhor que se pode
encontrar, tamo na quaiidade, como as cores,
ti{ WO a libra : as lojas do beija-flor, ra do Quei-
mado ns. 63 e 69.
.Xas mesmas lojas se encontrar sempre grande
sortimento de miudezas boas, e mais baratas do
que em outra qualquer parte.
ra do
duaspessoaspara
o trabalho ; pode
descarogar urna
arroba de algo-
do em carogo
em 40 minutos,
ou 18 arrobas
por dia ou o ar-
robas de algodo
limpo.
Esta machina
a nica que
possue as vantagens de nao destruir o fio do al-
godo e de fazer render o dobrode qualquer ou-
tra com menos trabalho, a sua introdueco para
as provincias deste imperio ser de muito valor
para todos os interessados na lavoura do paiz.
Assim com machinas em ponto grande do mes-
mo systema.oraql serem movidas por animaes,
agua ou vapor, pas uaes podem descarogar 18 ar-
robas de algodo ampo por dia.
O algodo descarogado por estas maehinas tem
muito mais estimago nos mercados de Europa e
vende-se por maiorprego.
As machinas se acham venda unicamenie em
casa de
Saunders Brothers k C.
*'. II. prava do Corpo Saato
i RECIFE.
Os nicos agentes neste paiz.
a 2M0.
ora.
i
Quem tem bales por tal preco Champagne da melhor marca que qui ten^Hap Neurona l,oCOO a libra
Vendem-se os baloes americanos muilo superio- vindo a 20 res com 20 e 2o arcos pelo baratissimo prego de Cocnak iiilez e francez a 8(10 rs. e 1-jOOO a Sardinhas de Nantes a OiO, ;iG0 e 360 rs. a
25500 e 45, ditos de 25, 30 e 35 arcos com litas, f I jat3
ff&ttUSte-TS'SR CeSolaspor lodo preco. Sabao massa a .20, 80, 200 e 240 rs. ,
do Pavao. ra da imperatriz n. 60, de Gama & Copos lapidados que sempre se vendernm e libra, e em cauoes por menos.
Silva. se vendem em militas parles a 8-$ e 10$, Sal refinado a 600 rs. o vazo (pole de vidro.)
0 avo vende para lulo.
Vende-se superior selim da China, fazenda toda
de la sem lustre tendo 6 palmos de largura pro-
prio para vestidos, capas, paletots, caigas, etc.,
pelo baratissimo prego de 25, 25* 0, 25500 e 35 o
covado, cassas pretas lisas, chitas pretas largas e
estreitas, manguitos, colarinhos, pannos, e enfeites, IJguj fla
vendemos a y^SiO eG>000 a duzia.
Copos para vinho a 3#00o a duzia.
Doces de calda viudos de Lisboa neste ultimo
Toocinhode Lisboa, de Santos e amencano
a 160, 240 c 32') rs. a libra e en arroba
a 5, 7, c 9,5000.
RIVAL SEM SEGUNDO.
tudo preto proprio para luto fechado, e muitos ou
iros artigos que se vendem por pregos mais em
conta do que em outra qualquer parte por estar
liquidando ; s na loja do Pavo ra da Impera-
triz n. 60, deGama & Silva.
As percalas do Pavo.
As mais lindas percalas que tem vindo ao mer-
cado pelo ultimo vapor tem na loja do Pavao pelo
barato prego de 600 rs. o covado ; ditas de listi-
nlias muito miudinhas proprias para vestidos e
roupoes de senhoras, meninos e meninas, pelo ba-
ratissimo prego de 500 rs. o covado ; garantem-?c
as cores por serem do melhor fabricante que as
tem em Paris: isto na loja do Pavo ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama S Silva.
As chitas do Pavo *# loo e
2SOO o corte
vapor a 6 iO rs. a lata das melhores fiuc- Tijolos para limpar facas a 160 rs cr.t'a ern.
tas da Europa. Vinho do Porto em ancoras com 70 garrafa?
goiaba e da casca o melhor que e a 30#000.
possivel por diversos precos, e conforme Vinhos de Lisboa e Figueira qualHades mag-
otamanho dos caxes. I nificas a 3,>000, 3(55(0 e 4JTMO a caada.
Ervilhas em latas a O'iO rs. a lata. Vinho do Porto em pipa a 5 c 6,>000 a ramal
dem seccas a 200 rs a libra. Vinho branco de Lisboa c Porto em anee ras,
Espermacele americano a I#200a libra. barris e pipas a 4$000e tiOO" a cara*,
dem francez a 560 rs. o masso com 6 velas. Vinag e de Lisboa a 15600 e 2t. 00 a .ana-
Figos de comadre em caixinhas muito lindas da.
a caixa.
Irigo a 120
a 800 rs
rarinha de Irigo a 120 e 150 rs a libia.
Farinba do Maranho a 240 rs. a libra.
Fumo do Para a l,58fiOa lata grande.
Fumo americano a l#400 a libra.
Fumo em macinhos para sganos a 200
rs. o maco.
100
60
120
20
200
Hua do Queimado n. 49 loja de miudezas de Jo-
s lligodinlio, venham ver a pechincha que se est
acabando cei tas qualidades de fazenda.
Pegas de litas elsticas com 10 varas ag-
itas de tranca branca lisa com 10 varas.
Ditas de tranga preta lisa a............
Realejos para meninos, pechincha a...
Rodinhas com superiores alfinetes a.....
Caixas com superiores agulhas e limpas a
Sabonetes de familia, muito finos a 80 e..
Pares de sapatos dela para changas a..
Varas de babado do Porto muito bom a
100, 120e.........................
Ditas de bico largo grosso a............
Potes de superior tinta tem mais de meia
garrafa a......................
Caixas com perfumaras muito bonitas a.
Frascos de oleo de macaca muito fino a .
Ditos de oleo de babosa superior a 240,
320, 400 e.........................
Ditos de cheiros muito superiores em qua-
iidade a...........................
Ditos de agua de colonia muito boa a
Ditos de dita dita grande a.............
Sabonetes de todo o prego 60, 160, 200,
320 e.............................
Frascos de superior banha a 320 e.......
Caixas de p para limpar dentes muito.
fino a*............................
Ditos de banha transparente a..........'
Pares de ligas muito finas para senhora a
Sabonetes inglezes da melhor quaiidade a
Frascos de agua dentrifice superior ga-
rantida a.......................... 15000
Massos com 26 envelopes grandes azula-
do a.....................i.........
Varas de fita preta com clcheles a.____
Frascos de macaca perola muilo superior
Caixas com pennas grandes a........
Grosas de botoes para caiga preta, miudos
Libras de memento da roupa de lavar a..
Carriteis de retroz de todas as cores e
tem meia oitava de retroz a.........
Varal de bicos do differentes larguras a
Vendem-se corles de chita com dez covados F)re|0 em acas de gfj a 9q l||)ras a 3.->o00
25100, ditos a 25800, com 12 covados; sao chitas
inglezas, mas padroes bonitos e timas seguras ;
assim tem as melhores chitas francesas e de tin-
tas seguras por precos commodos, a saber : 320,
240 340, 360, 400, 410, 500 rs. o covado : na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Os bordados do Pavo
Vendem-se camlsinhas com manguitos e golli-
nhas bordadas, pelo barato preco de 15 o 15280
1601 cada um, manguitos s 500 rs. cada par, ditos
com goiinha a 800 r?., golinhas 400 e 480 rs., de
fil 240 rs. cada goiinha bordada, romeira de
cassa o de fil muito bem bordadas 25 cada
orna, manguitos que servem para calcinha de me-
ninas GiO rs. cada par, camisa com manguitos e
golas com a competente gravata de seda, fazenda
fina, pelo barato prego de 35, e muitas outras
bordadas que se vendem por precos muito em
conta : so na loja do Pavao ra da Imperatriz
n. 60, deGama & Silva.
As roiijKis do Pavo
Vende-se panno preto fino muito superior pelo
barato prego de 25, 25500, 35, =15500 e 45, dito
muito fino 55 e 65 o covado, casimira preta de
urna s largura e muilo fina a 15800, 25 e 25500
e 35 o co*ado, cortes de casimira de cores a 65,
55500 e 65, casimiras enfesiadas de urna s cor
proprias para calcas, paletots. coletes, capas e para
roupas de meninos a 35500 o covado, isto na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.______________________________________
Vende-se
ou arrenda-sc o engenho da Barra, distante desta
praca seis leguas, ao p da estrada real, com bois,
bestas, plantas feitas, mata ao p da bocea do en-
genho, muito bons partidos e rio ao p, muito rres-
co e saudavel : a tratar na ra da Imperatriz u.
34, taberna._______________________________...
" Vende-se um excellente harmnico america-
no, do melhor aulor que ha neste genero, por
2355, em perfeito estado : a tratar na ra do im-
perador n. 38, casa do retratista amencano.
400
160
100
3-20
500
100
500
320
400
800
400
800
100
600
500
320
100
100
200
200
100
200
200
60
Genebra de laranja lo o irasco.
dem de Hoilanda a 500 rs. o frasco.
Vinagre em garrafoes por I >; 00 rafo.
Vinagre em ancoi as pai a I 6C0 rom a aurora
de 9 caadas.
Vassouras americanas a 640 is. cada mu.
Vinho deBordeaux ncsle genero lf mos grande
porc3oe das qualidades melbotes que iem
vindo ao nosso mercado em pni r; fe*, em
ancoias, em bai ris o ipiartutas oqnal ven-
demos por procos muito bauos.
DECLARACAO.
O BAUZA declara pelo prezenlc que
deixa de publicar os pregos pelos quaes \en-
de as suas mercaduras por motivos qne ao
respeitavel publico pouco intereca. Serve
provisoriamente de baze os precos do lr-
pheta.
ORDE9I DO lllilo
O BALIZA concede plena liberdade aos
seus amaoeis collegas Glanos, Unios, mura-
dos e croados, para que possam saltar, her-
rar e tudo mais quanto Ihes aprouvor. ate
a sua segunda ordem.





Diaria de r-^reaaalmee Quinfa felra tt 4e ntnbro le tlfll

, .
J,.^,-*^
oSs'^S^r^gcr
GlUME AKM4ZEH DE PLHUMJS
H Largo da jfd eJLs
^ Santa Cruz *
I a 84.

Esquina
da ra do'
Sebon.84.
AMABRILHiNT
Francisco Jos Fernandos Pires, proprietario do armazem de molhados denominado
'Aurora Bullante, .largo da Santa Cruz n. 84, esipjisi da ra do Sobo, faz scicnte ao
reupciiavcl publico desta cidade e do interior, que mi mu importante eslabeleciment
vender sempre gneros novos e do primeira nualidafle, e vender a todos pelo mesmo
proco.
completo >ortimento de todo os gneros finos B rrossos q costumam ter outros
stabelecimentos desta ordem se enconlrarao sempre no armazem da Aurora Drilhante
e sempre em grande escala vontade dos senhores cnmpradore".
O proprietario do armazem Aurora Brilhante pede a todos os senores e senhoras
que ojiando livcrem de mandar snas relacSes a este estabelecimento por seus criados
Mf**Mi carta Techada ou com grande recommondaoSo titile annatem, certos de que
sarao tao bem servidos como se viessem pessoalmeate
A Aurora Brilhante troca qualqucr um genero qa por acaso nao agrade, e recebe
as libras esterlinas a tlfiUOi. sendo por compra : a tabella de seus gneros ser mudada
tolas as semanas.
Amen loas confesadas a libra a 800.
i Manteista ingleza flor a 800, 9G0 e 15120.
'Dita mais abaixo a 640 e 720 rs.
Dita francesa nova libra 640 e em barril a
i ,560 e 600 rs.
' Chocolate santo amito novo a 15-00 a libra.
Ctr perola o raemor qae ha ( Tedondo) a
i libra a 35200 e 2800.
1 Dito dito i uais afcaixo a 2500 e 2800.
'Dito uxim muito ftno a 25800 e 3.
Dito hysson superior a 25600 e 25800.
'.Dito-oiais abaixo a 25 25500.
Dito proto muito fino a 2.5500.
Dito em massos a 25-
Di (11 Rio em latas de 4, 2 e 1 libra a
15800.
Caf di Moca superior arroba 95300 e libra
300 e 280 rs.
Ditido Rio e do Gear arroba 85500 e libra
320 rs.
Dita mais abaixo arroba 85 e libra 260 rs.
Bricas com bulachinha ingleza nova a
35-
Latas com bolachinha de soda de 3 libras a
25o0.
Ditas com ditas sortidas de 2 libras a 15400.
Frascos com ameixas francezas a 15600,
2303 a 35.
Latas co:n di tas a'15400,25200 e $.
Ditas co u figos de comadre a 15300.
Caixinhas con ditos muito novos.
Presunto de Lamego muito novo a libra o 0
rs. inteiro e a retaluo 600 rs.
Cinturicas o paios novos a libra 600 rs.
Ditas c mi ervilhas francezas e portuguezas
a 80 rs.
Ditas com massa de tomate novo a libra 360
rs. c e;n barril a 500 rs.
! Ditas com ostras a 720 rs.
'Ditas orn marmelada dos melhores autores
de Lisboa a libra 640 e 720.
Potes rom musturia franceza preparada a
libra 480 rs,
Dita dita ingleza a 800 e 15.
Queijos nevos do vapor a 25200 e 25800.
Ditjj Je prato enplicado a 15-
Diw suisso a 800 rs.
Dito Caigas com passas novas de 1 arroba 75.
m i a 35300 e quarto 25 e libra 480 rs.
Ameii' ba 05.
Nozes libra 160 e arroba 55,
i Charutos linos de Simas, c dos melhores fa-
1 brh'.anies da Babia de 25 85 caixas de
10) e 50.
i Crozas Je caixinhas de palitos do gaza 25200
1 e 200 rs. a duzia.
Barris com azeitonas nova a 15200 e 25
i barris grandes.
Vassonras do Porto piassava milito seguras a
400 rs.
Azaitc doce francez do.- melhores fabrican-
tes, caixa 105 e a garrafa 15-
Catxas com vinho Bordonas branco e tinto.
Vlnliodo l'ort1ino'cm barris de3 que ra-
ras vzea apparece por 805 e em caoada
a 55500 e carrafa a 800 rs.
Din de Figueira puro caada 5 e 45500 e
ru-raii a 480 e 560 rs.
Dito de Lisboa de boas marcas a 35300 e
45 <; a garrafa a 140 e 180 rs.
Cognac verdadeiro a garrafa 15 o 15-80.
Vinho muscatcl duzia 105 c garrafa 15,
Vinho branco de muito boa qnalidade cana-
da 45 e garrafa 180 rs.
Dilo Xorez lino caada 75300 e garrafa a
15300.
I Dito Muleira secea agarrafa 15600 e 25.
Dilo em caixas de urna duzia do Porto dos
melhores autores a 125, 115 e 165.
! Garrafas com
e 15600.
Dilas rom vinho de caj muilo claro a 15.
I Dita-; com mel de abelha puro a 15-
Frascos com gcnebra de Hollanda de 2 gar
rafas a 15-
Dito de. urna garrafa a 560 rs.
Dito de laranja verdadeira a 15200.
Fotos com mostarda preparada a 320 e 100 rs.
! Caivas com 2 arrobas de batatas a 25500.
Vinhe branco de Lisboa proprio para missa
a 45800 a caada e 610 rs. a garrafa,
i Espirito de vinho a 400 rs. a garrafa.
1 Duas redes muito bem feitas para dormir
vindas de Sobral a 305 rada urna.
Carne e lioguica do sertao.
Duzia de grasa'latas grandes a 15-
Caixas eoni.85 massos de velas de?perma-
cete a 60 rs. a libra.
Ditas maiores a 600, 610 e 720 rs. a libra.
Caixas com urna arroba de velas do Arara-
ty 530 rhbra'400 rs.
Ditas de composigao arroba 105 e libra 360
ris.
Saceos grandes com farinlia de Goianna mni-
to boa a 55300.
Ditos eoin milito novo com 21 cuias a 35300.
Dito com farllode Lisboa a 35500 e 120
a libras
Dilo com arroz de casca a S000.
Duzia e garrafas de cerveja branca e preta
a 35300 e em barricas a 55000.
Arroz lo Maranhao em saceos arroba 25600
25400 e Ifbra 100 e 80ts.
Dito da india e Java arroba 35 B libra 120.
Araruta verdadeira arroba 85'e libra 320
rs., matarana.
Gomma do Aracaty para engommar arroba
55 e libra 160 rs.
Farinha do Maranhao nova libra 320 rs.
Ervilhas seecas muito novas libra 200 rs.
Sag c sevadinlia a 240 rs.
Sevada arroba 35200 e libra 120 rs.
Graxa de lioio i'7 a 280 rs.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Dito hospanliol 'verdadeiro a 400 rs. a libra.
Baiaios do Porto de diversos tamanhos de 320
a u
600,
Capactios para portas de varias cores a
700 e 800 rs.
Gr.io de bico arro-a 45500 e libra 160 rs.
Painco arroba 55500 e libra 200 rs.
Milito alpiste arrobi 45800 e libra 160 rs.
Azeite doce fie Lisboa garrafa a 610 rs.
Vinagre de Lisboa caada 15300 e garrafa
200, 240 e 320 rs.
Massos de palitos de denles com 20 massi-
nhos a 160 rs.
Tijolos de (impar facas a 160 e 120 rs.
Resmas de papel almaco pautado a 45300.
Dito greve liso o nielhor que ha a 45500.
Dilo de peso e pautado a 2j500 e 25800.
Garrafoes com 25 e 15 garrafas de verda-
deira gcnebra de Hollanda por 85500 c
65000 rs.
Azeite de coco garrafa 560 rs. e carrapato
360 e caada 25560.
Caix5es com doce de goiaba a 640, 800 e
15.
Toucinho 'de Lisboa arroba 05300 e libra
320 rs.
Dilo de Santos arroba 05 e libra 280 rs.
Mullios com grandes ceblas a 15600.
Cento de dita sola a 15600.
Hatmcos de aHios a 12o rs.
Gordas de pasta: e de andaime.
Finas da illia de S. Miguel arroba 35200 e
libra 120 rs
Copos lapidados para agua e vinho a 35300,
55800, 65 e "5-
Ditos lisos para varios proco?.
Calix lapidados grandes e pequeos duzia
i e 55
'i00 e 500
. cada um.
talharim e ale-
Massas para sopa macarrao,
tria a 400 rs.
Estrenha e pevide libra 640 rs.
Xarope de duelas nacionaes a garrafa 600
ris.
Marrasqninhp de Zara da melhor qualldade
agarrafa 15300 e 800 rs.
Esleirs detranoa, conloa 205 e 240 cada
urna.
Queijos de uualha novos, arroba 165 e libra
a 560
Duzia de champanha superior a 205, e 25 a
garrafa.
>r fino francez a 15, 15200] Garrafoes vazios a 15600.
Massa branca para sopa a 320 rs.
Frascos cora azeitonas em coacervas a 800
ris.
Duzia de carias finas para jogar a 35-
Sabo hespar.hol verdadeiro libra 400.
Saceos com feijao mulalinho novo a 10,5.
Latas com favas j preparadas a 800 rs.
Scvadinha para sopa a 240 rs.
Garrafas com moscatel e setubal a- 800 rs.
Sag nove a 400 rs.
Bren arroba 85500 e libra 320 rs.
Latas com 27 garrrfas de gaz a 115, a gar-
rafa 300 rs.
o vino issmo
ZElf (MSE
23Largo do Teroo~23.
NEM OROAS NEM MITRAS
- B ontros mullos gneros de piinieira qnaldde que nao
ir posslvel menciona-los.
vSB A satisfagao da Aurora Iirllhante vender muito, enibora barato, mas DINHEIRO,
V abaiendo cinco por cento a quem comprar de 1005000 para cima.
0
E
G KiIE Ai* Mi/EW
DE
NOVA EXPSITO DE GNEROS
NO
ARMAZEM

RA DO IMPERADOR X. 40
Junte m sobrado em que mora e Sr. U>borne,
Ouarte Alnieida *V C. reeeberam de siia pi opila eoconmen
da o mala lindo e vai-iailo sor(itncnio de molhados, proprlos
da presente cstaco.
Mantdga ingteza lalas brancas
da safra nova vinda neste vapor de 8 de: para sopa a melhor que se pode desojar.
raaio a 800 rs. a libra. macarrao, talharim e aleiria a 400 rs. a
Maatelga franceza hbra e 4;$500 a caixa.
da safra nova a 860 rs. alibra, e em barril Villk.0
| Figueira J A A e ontras militas marcas acre-
ditadas a 500 rs. a garrafa.
Nen >k lislio
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e I
25800 a caada.
Idena do Por lo
generosos engarrafado dss melhores fabri- j
cantes da cidafle do Porto a i3 e 1(5200,
a garrafa e de 1 ().-> a i -2 a caixa, as mar-'
cas sao asseguintes: Chamisso Filho, |
F. 4 M., Nctar ou vinho dos euzes,
lagrimas do Douro e outros muitos.
Amendoas
confeitadas de lindisimas Gores a 800 rs. a '
Ameixas
em frascos de vidro com 3 libras liquido a
2&4O0, muito propios para mimos.
Cartoes
com bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qna-
dades a 1,5300.
Chocolates com '"SJ lT,ia B. 4W?-
de todas as qualidades a 1^000 a libra. 150laClllllfla lllgleza
PmontvivMt iiiifrli'7ae a 1)5800 a barrica damesmaque
m .u ?eZ(?^ u vendem-a 25000 e 86400.
dos melhores fabricantes a 8O0.rs., itambem ATn^a-'
temos velhos parn'50 rs. INOZO!*i ,
Queijos flamengos M mais ""lTS' "" """"'
chegados ueste u'rtimo vapor a #6oo. !. ,, f cjdo
ttuJlos -os melhores fabricantesje de todas as mai
chegados no ultimo vapor a 2#600 cada um.; cas de 4^ a fi#00 a duzia.
tiicljo C-ATtlTOS
londrino o mais fresco qne se pode esperar! Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
e de excdante maree a 800 rs. a libra meas caixinhas a 10500.
sendo inteiro e 900 rs, aretalho.
Conservas mglezas
as mais novas que se pode esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixinhas ricamente donradas,
proprias para mimos a 900 e If200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qaalquer nao pode vender por menos de
3,5 a 8/5600.
dem perola
especial qualidade a 25700 rs. a libra
Mero hysson
o mais aromtico que tem vimlo ao nosso
mercado a 2560.
Massas amarellas
para sopa, macarrao, talharim e aletria a
480 rs. a libra.
COC XA C %
o muito afamado cognac Pal Branda a 1,8oo
PRINCIPAL
DE
V. 9 RA 1IO CKJB^PO \. 9
fcsifm que volt para a roa de Imperador
provavel que n3o seja bem aceita a verdade, quando a boa f de loos sn 1.1
Iludida por esta epidemia de nauzeaticos armuncios de cornetas, tambores, coras 'm--
tras, etc., que todo o dia enchemas paginas deste jornal.
AliEKTA
Os annunciantes nao lem em vista seno gaaautirenio rcspert-ael puMf-r
sua palavra de honra, vendendo com o lucrosulicienti para suassuUsistuncMs i-m,, rj,, '
assentarem fortunas a forrea da regra de liga como outros annunrianies deste amen
PARA TOIHI.S
No armazem principal vende-se a todos pelos precos marcados m sepmr.i 1.
bella, mas uo se vende por todo o preco fazendo-se peso de arroba *)espanhola rr*
le-se as qualidades dos gneros trocando-se todo aquelle qiie nao seja o wmdr>
comprador.
Amendoas confeiladas de diversas cores a Leutrlhas muito novas excelleme lejnir,e'.
64o rs. a libra. ra sopa a 2o rs. a Jibia.
dem de casca dura a 24o rs. a libra. Licores francezesde todas as quiidadf* de
dem de casca mole a 32o rs. a libra. 7oo e 9oo rs. a garrafa.
Ameixas francezas em caixinhas com lindas Manteiga ingleza perfeitnmente flor a 8 r-
estampas, a l,3oo e l,5oo rs. a libra, desnessesarie mais elor* w>
dem em frascos de vidro a l,2oo rs. te genero que s se pode verificar enrn #
dem em frascos grandes a 2,5oo rs. vista.
dem em latas de l */s libra a l,Ioo rs. dem franceza a 56o rs. a libra, e em tarr
Arroz do Maranhao e da India o melhor que | ou ineios a 5oo rs.
ha neste genero de 80 a loo rs, a libra, e Marmellada do I." fabricante de Lisboa a i. 1
de 2,5oo a 2,8oo a arroba, rs. a libra, ha latas -de I, i '-. 8 libra-
Arroz
do Maranhao a 100 rs. a libra, e da In:li;i
a 80 rs. a libra, e 2500 a 30O0 a ar-
roba desses que vendera por 3^400.
CAF
de 1.a e 2.a sorte do Rio de Janeiro a 8?t>5f
e 8)5800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
CiarrafAcs
com 4 "2 garrafas com vinagre a l,#000 ca?
o garrafo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 15000 o frasco, e de ll^OOO
a caixa.
DEM
lem frasqueiras de Hollanda a 50800 con
. 12 frascos.
GENERA
: de Hollanda verdadeira em frasqueira a 600
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groz:
e 2o rs. cada caixinha.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada,
dem franci-z e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa e lo.ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
libra.
Azeitonas muito novas a 8..000 rs, a anco-
reta.
Alpista limpo a f4ors. a libra, e ,4oo rs. a
arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades, em latas
de 6 e de 3 libras a 3,ooo e I,5oo rs. a
lata, e 64o rs. a libra.
! dem ingleza em latas de 2 e de 4 libras
das melhores marcas a I,3oo e 2,2oo rs.
a lata.
Banlia de poico refinada a 4oo rs. a libraej
em barril a 36o rs.
Maca de tmate em latas de urna e da-
bras, a 600 rs. a libra.
dem para sopa estrellinha, pevide. rodi,:
etc. a 3,no rs. a <-aixa e 36o rs. a Khra
Macarrao, talharim e aletria a 4oo rs. a I--
bra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o frut-
eo,
dem ingleza em pd a 64o rs. o frasco.
Molho inglez em garratinbas com rolba d->
vidro a 64o rs. cada tima.
Marraschino verdadeiro de Zara a 1.000 rs.
a garrafa, e i0*000 rs. a dtrzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oor?. a \n.
Prezunto para fiambre inglez verdadeiro c.-
rantindo-se a qnalidade, a 7oors a toa.
Passas novas de carnada a 4oo rs. a librj.
6,5oo rs. a caixa.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
Batatas em caixas de 2 e de 4 arrobas a i segundes qualidades, HM, ,
I.loo rs. a arroba. rz, cavalliuha e pescada a l.r^o rs 13-
Ehampagne das melhores marcas a 80.000, la.
rs. o gigo. l,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs. Palitos para denles fichadas a lio rs o an-
as nteias garrafas. co de 2(1 marinos.
CU uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a li- dem do gaz a 2oors. a duzia. e 2,lor. r-.
bra. a grana.
dem perola qnalidade especial a 2,7oo rs. painco muito novo a Mera, a libra, e i.:.-
a Imra. rs. a arroba.
dem hysson o melhor que ha neste genero Queijos llamengos do ultimo apar
a 2,ooo. 2,4oo e 2,6oo rs. a libra. dem prato muito fresco a 800 r< a lio ^
dem do Bit ero latas de 2 a 8 libras, a 1,3oo sendo inteiro a 72o rs.
LICORES
rs. a garrafa re outras muita's'quaida-1 finos de todas as qualidades, a Io,ooo a caixa
des a I.ooo e 800 rs. a garrafa. / com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
, -a copn Marmelada
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a ta melhoresfabrieanleedeLisba, como se-
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um. jam Ab,.eu e ou|ros nuii(os a Goo rs a
PAPEL. libra,
almaco, greve, peso e de outras muitas qua- j Pre/lllltO
lidades de 2,2oo. a 4,5oo a resma do me- j j j 1____ -i _
o verdadeiro prezunto de Lamego a 58o rs.
a libra.
ARROZ
Maranhao, Java e India, a loo rs. a libra (
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermaeele de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo v.
caixa c 34o rs. a libra.
Btalas uovas
em caixas de 2 arrobas a 5 a caixa e 60 rs.
a libra.
Paisas mullo novas
em quartos e inleiros a 2?5 o quarlo e 6500
a caixa e4O0 rs. a libra.
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
sejar a 800 rs. a fibra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Osee la casca da guiada
a 600 e I o caixe.
rs. :i libra.
Mein pelo homeopalhico2,ooo rs. a libra.
I Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a du-
zia, o 56o rs. a garrafa.
Sal refinado em potes de vidro a 5oo rs. r .-
da um.
Sardinhas de Lisboa e de Naales a V*. r;.
ameia ala, e 4oore o Mario.
Chocolate francez, suisso e hespanhol a Sag mnito novo ealvo a 2'i rs.'a libr...
Ihor.
Papel de botica
de excellenie qualidade a 2-5200 a resma,
PAPI5I.
azul e pardo para embrulho de l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
CorintMas
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 800 rs. a libra.
Fumo
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oo rs. a libia
Vinagre
PBB em ancoretas de 9 cariadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e 1,000 rs. o moiho.
Alpista e Pailico
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
e 4#400 a arroba.
Os proprietaros do grande armazem o Verdadeiro Principal declarara aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularan! os raesraos precos nos seguintes lugares:
tnia e Commercio na do (latinado 7
0 Verdadeiro Principal roa do Imperador 11. ;i0
FRUCTAS
MA^.AA, PERA 13 'VA
chegadas neste ultimo vapor, vende-se nos seguintes lugares: Ba do Imperador n.
40, Verdadeiro Principal-Bua do Oueimado n. 7, Uniao e Commercio.
ioaquini Siuiao dos Santo?, dono deste Lem sortido armazem de molhados denominado Con
^c: valivo do larg do Tergo n. 23 identifica ao respeitavel publico e a todos em geral que mandem
>u veuham a este estabelecimento para melhor se sertificarem da diminuidlo de presos qae obtem
inste, o qae nao obterao se coraprarera cm ontro qualquer, pelo que se responsabelisa a servir qual-
r,i\*T comprador com a maior presteza e fidelidade, sem que naja a menor alteracao. Todo o compra-
dor que comprar de 1005 para cima ?er o descont de 3 a 10 por cento pelo sea prompto pagamento.
Attenoao.
novas a 40 rs. a libra e tfOO a ar
iiatas as mai
roba.
Tooeinho de Lisboa a 280 rs. a libra e 85300 a ar-
riba .
:.ir de primeira e segunda sorte n 2'i0, -26'. 280 e
:'}0rs. a libia.
Arroz do Maranhao e Java a 100, 70 e 80 rs. a li-
lyra 35200 a arroba.
i t*Ms do gaz a 25 a groza e 160 rs. o maco.
i'Hsas de carnada a 320 rs. a libra, e em caixa a
li.'jcluhas ingleza nova? a 240 rs. a libra.
S:':ba$tatrcllo massa a 100,200 o 2'0 vs. .-. libra.
\licarnauba Aracaly composicao a 360 e 100
r5i i Abra.
A:neUa$ franceza com 1 e meia libran a 15- .
v --vsa de tomate da melhor qualldade a 000 rs. a
I.JMI
Mirmellada dos melhores abricanle; a Oi r.-. a
m.
novas a^60rs. a libra,
Chi hvsson miiulinho e perola a 25,000 25300 e
25800.
Milito alpista e painco mnito novo a 160 rs. a libra.
Blscoitos e bolacha?"de soda a 15300 e 25
Arorulft das melhores marcas a 15, 25, 35, 45, e
45i'"O0 acaixa.
Charutos em macos contendo 60 por 640 rs. o cento
Azeite doce de Lisboa .fino a 640 rs. a garrafa.
Dito de carrapa'.o a 280 rs. a garrafa, e 25000 a
arroba.
Viaho de Figueira e Lisboa das meihores marcas a
320, 400, SOO, 360, C40 o 800 rs. a garrafa, este
ultimo c lo l'orto proprio para os doentes por
por purificado e recommendado para este lim.
Queijos do ultimo vapor a 25 e 15700.
Manteiga ingleza flor a 15 a Hora, e a'JoOrs. em
barril.
Idfm menos- :-up rior de 720 800 r*. a libra.
I.ooo, 1,2ooe 1.4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante los Furia
do de Simas e outros da Babia como se-
jamRegala, Trovadores, Guanabaras, De-
licias e Suspiros, a l,6oo, 2,000,3,00o e
4,000 rs. a caixa.
! Conservas inglezas a 7.?io rs. o frasco.
dem franceza surtidas 011 de urna so quali-
dade do cada frasco a fioo rs.
Cognac inglez o francez. a l,oou rs. a garra-
fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Cominho eerva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a Goo rs. a libra.
Canella a 1,000 rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4.800,
5,ooo e Jv>oo rs. a duzia, e 5oo rs. cada
um.
Caf do Bio superior 28o e 3oo rs. a Ultra,
c 8,000 a 0,ooo rs. a arroba.
dem do Cear a 26o, 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,000 a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba a 600 rs. o caixao.
Ervilhas portuguezas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem seecas a 16o rs. a libra.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo rs.
cada urna.
Graixa nova a loors. a lata, l,loors. a
duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras de 12
frascos a 5,8oors., e 5Go rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
dem em garrafoes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafo.
dem idem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem ingleza em garrafas brancas bordadas
com rolba de vidro, qnalidade soperior
a l,ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a 1,00o rs. o fras-
co, e H,ooo a frasqueiras de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
l,8oo rs. a garrafa.
MI
por
idam fCMflezs 'lo ultimo navio a ROO rs. a libra,
em barril se V abatimento.
ilti-ricas as mais novas a 360 rs. a libra, c em Gommn da mais alva a ICO rs. a libra e a 1530Q a
barril por 125. rrirt>a.
A lm destes gneros ha outros muito que ^nfaflofll seria mendona-los.
A 2?>ooo:!
Na ra do Queimado n.f40, letreiro verde.
Superiores e bem armados bales pelo diminuto prego de 25, adverllndo que vendem-sa
este prego por ter-se comprado urna grande porco e querer-se acabar.
Empreza de illuminacao Superior cal de Lisboa.
j Sende-se superior cal de Lisboa a mais nova me
; ha no morcado tanto em porgan como a retalho
por barato prego aliangando-se aos compradores a
superior qnalidade : a Iratar as seguintes ras
Capo n. 7, Imperador n. 28, Porto do Mallo
matera do Sr. Villa defronte do trapiche do
godao.
#az.
Todas as vendas de apparelhos e rechmacoes
(por escripto dando o nome, morada, dala, etc.),
deven) ser feitas no armazem da ra do Imperador
n. 41. Os machintslas mandados para atiender a
estas, apresentaro um livro que os redamantes
deverao assignar logo depois de prompto o servico
reclamado; isto para que a empreza fique sciente
de haverem os mesnios seflhores sido devidsmente
ttendidos. ________^______
cjkMi WB Lisboa
Sardinha de Franca a 18o ra. a libra.
Sevada a loors. a libra.
Toucinho de Lisboa a 24o e 3oor*. a liio.
Tijolos para limpar facas a loo rs. cada nm'.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira fe
marcas menos conhecidasa 4oo rs. a gar-
rafa, ea 2,8oo rs. a caada.
dem Figueira expecialmer.te escolhid.. r
Iuar a (ioors. agarrafa, e I.Soo aeai
dem Larradio, Colares muito frearo ^m
ComposicSo a Soon agarrafa, e 4,:^*.. a
caada.
dem Lisboa em ancoras cm 9 ranada* r -
ca especial a 2,ooo rs. a ancora.
dem branco uva pura a :>o rs. a gamfi
e a 4,5oo a caada.
dem Porto lino em pipa a 56o rs. a nrra-
fa.
dem engarrafados generoso?, Lagrima *.
Douro, Duque do Porto. D. LubI, 1). Pe-
dro V, Nctar, velho SCCCO, Malva/ia. ,
genuino partictlar de ooal,oe rs. a gar-
rafa e a 10,000 rs. a caixa com urna du7:.
dem Madeira legitimo a l,2oo rs. a garra'a
ea 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a looo rs. a garrafa.
dem Bordeaux dos acreditadas manas Si.
Julien St. Esteph, chteau la lUwe.cbf.,,
Margoux o outros a 6,000 rs, a caixa e 3*-
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2.r-y.
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e Mai
rs. a caada,
dem em garrafoes com 5 garrafas a l.oonr-.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32u
rs. cada urna.
dem de escovas para lavar casa a 3fio rv
cada urna.
Vellas de espermaeele superiores a 56o rs.
a libra, e sendo em caixa atoo rs.
dem de carnauba refinada e de eorp*$4<>>
a 36o rs. a libra, e lo.Soo e Il.otio r>. 3
arroba.
POTiSSA
Vende-se potassa em barris a conimedo prego c
l na ra da Cruz n. 2:i, prinuiro andar, eseripton:
de Antonio de Almeida (jomes.
Vende-se cal de Lisboa, a mais superior que ha J l'ianios da H;>v:in.i.
no mercado : na ra da Moeda n. t, confronte ao Vende-se superiores charutos da Ha vana em
trapiche do Gaaha; Pr|ri nformgSo. no mesmo; casa de Rabe Schraeltau& C.; a ra da Cadeia
Irauiche. a. 18.
XAROPE TNICO REGENERADOR
DE QUINA E DE FERRO
Preparado por VRiM.t l I,T e O, pharmaceuticos de S. A. I. o Principe Hitle
da Escdla de pharmack de Pars, ra de U Peaillade, 7. "'"
to4.Tto,
Ets nova comblntcio rtune debaixo de um pequeo velnme urna forma airadavel ,
Ha multo que os mdicos de*ejavao ardentemente a reunio destes doni medlcasMnle*.
dos milores etforys, ncm a 8cn.-m-.ia medica, ncm os qumicos oa mai diatioctM
al tqui; p'ac.hs porcm i perseverancia humana achio-se boje saociadas eslaa i
ca, a luina, o tnico, restaurador por excellencia, o trra, a baze de nono m
mente o reparador dos torcas e da taude alterada ou perdida
As moleallas centra as quaes o Xarope tnico regenerador se tem mostrado mano dfcas si*:
norrlielas, rallas de mensiruacao, dores d'estomago, fostlo, dice-ies penosas Iiissm. Mr
menstruac.8es dlfllceis, o lymphatismo, o empobrecimento do sangur, as escrfulas, estragM
pelas molestias svpbiliticas.
Ha apenas um anno que o Xarope de quina e de ferro fol apoticado noa bosvitaes da Nrts, t
boje o medicamento mais em voga, substitualo, por assm diier, os mcdicamwitos w 11 Miisa'
0 prospecto encerra numerosos certificados de muitos membros da AcademU analraM e
da faculdade que attestao que este, precioso medicamento o conservador a aMae M
o recenstHuInte da economa animal, Indispensavel is pessoas qiis^bakitao oa paitca
preservativo das epidemias.
Acoa-se venda no deposito geral, em Paris, na pharmaela Griaaawls c,ruiili
em Lbom, em caa do !nr Ra.iri8o 4a Ceata-Carvalba, arrai e Cj do Porto, m i
SDr Miruripear Soasa Frrrrlra; no Rio-d*-Janeiro, em casa k lana ralaaSa MH
Sabio, 11; na Baha, em casa do Sr Jea-Cataaa rerretra Eaalaaaara; no Hia Grande, tm aja
Sfir Jomiiln ae Gaaay; no Maranhao, em casa dos Srs remira o; en rillliaitaai al ti
do Sur Barlaalamen-Fraarlaro de Sousai em casa dos Srs Shtaa O, e leal SBaalBasan
cipas* paarmaciaa do Bratil e de Poitagal. ^
aa*
Deposito geral em Pemambnc roa da Cruz n. 22 de emcasaCaros A Barbo.


- -





Di rio de
v -.
MM*>- ftO PUBLICO
Sen o menor constran-
glmento se entredir
Importe do genero qne
nao agradar.
ATTENQSO
Os preeos da seguate
tabella para todos, po-
dendo assim servir de ba-
se para o ajuste de cenias j
com os portadores.
RA DA CAltEIA 1IO RE2&IF1. W. 53.
(Logo passando o arco da Conceieo)
Cirande redncco de preeos, equivalente a dez por rento menos uo que ontro qualqner
annunclante.
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o preco da manteiga ngleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros
quitos objectos, etc., dando com isto ocasao a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e gritaren) em
alta voz, que podem vender pelo preco que eu vendo! 11 Ora, eu offendjdo com estas obscuridades e receioso em adoptar omesmo
systheuia que vim encontrar, de s se vender com um por cento a carola, resolv fazer esla grande reducrao de preeos, como yereis
pela segninte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molbados nio Mercantil nao
se sabia de outro preco de manteigaingleza a nao ser o de l,4oe a l.tioo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da redueco que
esto obrigados, encarando todos os dias de seos freguezes reclamacHo de preeos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado deste novo estabelecimento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento des-ta ordem que o sen fim
tao somonte obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos.
Senhores e Senboras o aceio que presidia, aos arranjos deste novo estabelecimento, c mais que tudo apromptido e entei-
reza com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certas de que sem duvida me darao a proteceao e preferencia na compra
dos gneros que prec-isarem,.e quando n5o pocam vir poderao mandar seus portadores, ainda que estes sejam pouco pratfces, pois
sero tao bem servidos como seviessem pessoalmenle, havendo para com estes toda recommendacao, afim de qne nao vo em outra parte.
rs. e em barricas de 4 crazias se faz abat- f Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
monto. por 2,oo; ditas doce em latas com o mes-
Caf do Hio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escolbida a 8oe rs, a libra, em barril se
faz abalimento.
dem franceza a mais nova que teiu viudo ao
mercado a 56o rs. a libra,, e em barril ou
me ios a, oo rs.
Coa hysson de superior qualidade a 2,6oe rs.
a libra.
Jdem perela o mais superior do mercado a
2,8oo rs.
dem huxim o melborque se pode desejar
oeste genero 2,Soo rs.
dem pretohomeopatlcoporserde superior
qualidade a 2,ooo rs. a libra.
dem hysson, huxim e perola iuais proprio
para negocio o l,6oo, l,8oo e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regular, igual
ao que se vende em outra. parte por 2,4oo.
e2,6oo rs.
Ltnguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, ermeticamente lacradas a 5.5oe rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,ooo rs. e l.oao e 6oo rs. a libra.
Oueijos Ilamengos muito frescos chegados
neste uliimo vapor a 2,2o rs. e do vapor
passado a I,oo e l,8oo rs.
Iddid londrinos os mais superiores me tem
vimlo ao mercado a 8oo rs. a libra enter-
ro se faz abalimento.
dem praio muito fresco a 8oo rs. a libra.
I !em do Alentejo o que se pode desejar de
fresco o superior a 8oo rs. a libra, a elles
antes que se acabem.
El vilhas e favas porluguezas em latas j pre-
paradas a (lio rs.
Marmelada imperial dos-mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a Goo rs. a libra.
Prezunto do reino viudos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a foo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a ">,ooo e 5,Soo a
duzia,
Chocolate francez, suisso e hespanol a Ooo
l.ooo e l,2oo rs. a libra.
Fispermacete em caixinhas contendo 6 libras
por V,ooo rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambem tem
le 12 por libra propria para carro.
Peixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-1
da, salmao, ostras eehernee, vezugo em
latas grandes a 8ooe l.ooo rs. cada urna.
Vinho lordeaux das marcas mais acredita-
das que tem viudo ao nosso mercado a
6,000, 7,ooo e 8,ooo rs. a caixa, garante-
e 8.ooo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 24o
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India muito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Painco e alpista a 14o rs. a libra, c 4, too
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de 1 e 2 libras a
6oo rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarrao e talharim a oo rs. a li-
bra, c 9,ooo rs. a caixa.
dem e lalherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recomendareis as
pessoas doentes por serem propriamente
ieitas para esse lim.
Estearinas a 56o rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,ooo rs.
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes em latas
de 3 libras por l,5oo rs.
Ameixas francezas em atas de 1 e meia libra
por l,2oo; ditas em caixinhas de deversos
tamanhos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, I,3oo,el,8oors.
Azeile doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85o rs. a garran c 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5eo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molho inglez em garrafa de vidro cem
rolha do mesmo a 5oo rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
8oo rs. o frasco.
Mostarda franceza, em potes j preparada
a 4oo rs.
LentHhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a l.ooors. e l.ooo a duzia-
Palitos para denles a 14o e 16o rs. o mago.
Sal refinado em frasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
^AUTE LMEIDA,
^^O^^^^^^^N^^^gO^
Acaba de receber de sua prupria1 encummenaa um grande e variado serthnento
de molhados todos primorosamente escolbidos, por isso apressa-se o proprietario em
offerecer 3gs sens freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumido preeos, afiancando todo e qualquer genero vendido neste bem eonheeido ar-
mazem.
Amendas confeitadas de 8oo rs. a libra. Licores francezes e portuguezes das seguin-
Manteiga ingleza perfeitameote flor, a 8oo rs, tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
libra. sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
tyJVa toja defazenas btt-
ratissimas de Ditarti-
Borges da Silvu, riM
da Iinperatri- n.
\ende-seo iefUflle:
PEfAS de panoo de linho com 25 rara* M,
um p meo estreito, mase exceMentv pai > .. .-.
DITO de dito adamascado com H >;-.. :a>
gara para loalhas de mesa de jantar i .' ,
vara.
CASEMIRAS de duas largara- e c mu r
muito boa? para roupa de meninos e
ques a ;tfi o covado.
TOALHAS aloochoadas muitn boas pa :-*-
gar o rasto a t$ a duzia oo 5001 : >.
CAMBRAIA branca lina oin ii| com n
a 640 rs, a vara. mt-iade do valor.
OLIAUOS de dosIo e elegaub-s d. m I i *r
cobrir mesas a 13 o ovado, para .-: bar.
LAAZIMIAS de padroes dovds e n.uiio ag '
veis tanto na boa qualidade como no j.i. ,.<
rs. o covado, c Dnalmente o rpsptiaTtl j i ; ,i
achara constantemente nesta dita It.ja um WR i .
variado sortimento de htsadM tinas e &tt> i
presos muito razoaveis, pois esl r#snvi.|<, :i -r
pouco. cora tanto que venda muito, r...<>
mais azendas no presente annunno < r., e
taria isso q'uma despeza extraerdinar! rr.Ji '
peza reverter sempre en bencl*rio r'ts >;
res, pedindo ao publico que nao Mm i*e .'i > t *m
es dias este dito presante aonuncio, ( >> I
mudauca nos artigos cima ditos. Mu e, > >
gao que se forem acabando.
Balaios para monas
Lindos balaios de varios go-o i i^i.....
trazerem no bra?o : s se encontra na hija .^ i-v
ja-Flor, ra do Queimado n. 63 o 69.
Extratos e sabao em eai-
Idem franceza a 56o rs. a libra, e 52u rs.
sendo em barril.
Cb uxim a 2,7oo rs. a libra, e de 8 libras
para cima a 2,6no.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para
eima a 2,7-00
dua amarga, percicot. de Tarn, Botefim,
morangos, limo, caf, larania, cidra, gin-
ja, canella, cravo, ortel pimenta a 1 ,ooo
rs. a duzia l.ooo rs. a garrafa,,garante-se
qne os melhores que temos ttdo no mer-
cado.
dem hyssoo o mais superior que se pode Passas muito novas em quartos e inteiros a
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, Cerveja branca e preta das marcas mais a-
4oo e5oo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,ooo c 3,8oo rs.
Vinho bran(:o de Lisboa de escolente quali-
dade a oo e 5oo rs.a garrafa, emeanada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho naneo para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a 68o rs. a garrafa.
Vinho do Porlo das melhores marcas, que
vem ao meirado como sejam Lagrimas do
Douro, Duque do Porlo, DuqueGeniiino,
D. Luiz I., Madeira secca, Malvazio fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de D.ooo a
lo.ooo rs. eaOoo e l,oooa garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a 64o rs. a garrafa.
Sardinhas de Nantesem quartos e mcias latas
a 36o e 56o rs. cada una.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhorconserveirode Lis-
boa a 64o rs.
Bolacbinhas inglezas as mais novas do mer-
cado a 2,8oo rs. a barrica, e 2io rs. a
libra.
Bolachinha de soda em latas com diversas
quuiidades a l,3oo rs.
se ser de qualidade superior, quo ontro Bolo franrez em caixinhas muito proprias
(iialquer nao pode vender por este preco.! para mimo a 64o rs.
rs. o frasco, e Passas muito novas de carnada a oo rs. a
libra e 6,ooo rs. a caixa com 28 libras.
Figos de comadre a 24o rs. a libra e
l,8oo rs. a caixa com 8 libras.
Amendas de casca mole a 32o rs. a libra.
Genbra de Hollanda a 56o
5,7oo rs a frasqueira.
dem de laranja verdadeira de Altona em
frascos grandes a l.ooors. o frasco, e
ll.ooo rs. a duzia.
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo' Bolachinhas (Pagua em sal da fabrica do Beato
creditadas que vem ao mercado a 5,ooo e
5,5oo a duzia e 4rio rs. a garrafa.
Sag muito novo c alvo a 24o rs. a libra.
Sevailinha de Franca limito nova a2oors.
Charutosdcto mais acreditadas marcas conhecida? no
nosso mercado a 2,ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3,5oo e 3,8oo a oaixa de loo charutos.
Cognac inglez das melhores mareas a
1,090 rs. a garrafa.
Doce da casca da goiaba em latas de 4 li-j
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima
ai.oo rs.
dem menos superior a 2,4oo e de 8 libra
para cima a 2,3oors.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oo.
dem do Rio em latas de 2, 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, 3, 3,5oo e 4,8oo rs. a lata.
dem preto o melhor que se pode desejar
neste genero a 2,8o rs.
Idamenos, superior a esse que se vende.
por, 2 e 2,4oo, a 4,8oe rs. a libra,
dem mais baixobom para negocio a l,5oo
rs. a libra.
dem miudinho proprio para negocio a l,5oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos fhegados no ultimo vapor a 2,6oo rs
dem prato es melhores e mais frescos do
mercado a 8oo rs. a libra sendo inteiro.
Genebra marca gato a I.7oors. agarrafa.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
marcas : tsborne, Craknel, Mixed, Victo-
ria, Pec-nic, Fance, Machine e outras mui-
ts a i,3oo e l,4oo rs.
Fumo tiuericano em chapa a 1.600 rs, a
lihrL
Araru de ludas as qualidades.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 3&a
caixa 60 rs. a libr.r
Craknei alas de ": s
bi 1 rs.
xinbas
Lindas caixinhas com um cartao kmu .. trn r%>
imperial, e dentro d cada caixa Din hmw t
bao o mais fino que passivel: na Uyi rio ft i.-
Flor ra do Queimado n. 63 e 6'..
BRE
Breu verdadeiro americano. Han mi \mrxM
como a retalho, vende-se na ra da Cml 1
cife, loja de ferragens n. 56 A, Jo Bi-los.
Enxadas raleadas rfe nf
Cbcgaram as desejada.s enxadas ralbad.l~ ,'c ....
as quaes vende-se o mars barato possiVi 1 : n.i rea
da Cadea do Recite, hija de ferra ns <*- lfff.
lio de algo, tm da Baha e ;*--
rleaaa.
Vende-se tanto em porcao como a n Maa tm
bem conheridas qualidades de ) por baraja tfi a
na ra da t.adea do Recite, loja de ferrage- i
Bastos.
Tclhados de fe^|*o galvaafoTdd
Folbas do ferro galvanisado par iHkadn par
i.iiiiiK'di 1 preep e de wuitautilidade para o-lvrtr.*
de casas, vende-se na ra da Cadcia do Rf ci": it.
56 A, loja de ferragens de Bastos.
Vaquetas inglezas para cnJiertUA
de earra.
Estas bem condecidas vaqueta*, vcnd*-sc- Pf'r*
mente na loja da roa da Cadeia do R*i i!e, U-.> t
ferragtns de Bastos.
i'adarla e reflaarn.
Chegaram as bem roHheeidas peneiras d^ *.
2,000 rs o quarto, a 6,000 a caixa e 4oo
rs. a libra,
dem corinthias proprias para podim a 800
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa s 64o rs. a libra.
Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra.
Grao de bico muito novo a Ko rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a r54o rs.
Potes com sal refinado a 48b rs.
Fnmode chapa americano a .600 rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para fiambre ingleses a 7oo e 800
rs. a libra.
Chouricas e paios mnito noves a 64o a libra. I
Caixas de traque n. 1 a 8586* cada-uma. i me e iato propriarpara padaria e reriiiafSo.t.'
Massas para sopa macarlo, telUarim aletria tpdns os tamanhos e piiimi :m tm da f-.1. la
ZZJZ1 1 k do ReciTc. 01a de ferragens de ba.-tos.
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,5o rs. a caixa
e 800 rs. a garrafa,
dem francez a 7,ooo rs. a duzia e7oo rs. a. Vendese soperior yinho do|>o- ^ pauas rf
garrafa. 1 nrna dnzia : em casa de Johoston Patcr & T rna
Charutos em grande quantidade e de todos os: a0 Vigario n. 3.
fabricantes mais a creditados a l',5oo,
2,000, 2,5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
os mais baixos sao dos que por abi se ven
IfSTilM
R'A I f? APA R'RTT.t: '
bras por 2,ooo; dito em caixoes a 600 rs. dem ingle/aeen b^n-icas amis novado
mercado a 3,5oo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
Chocolate portuguez o mais especial que se
pode desejar a 800 rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Papel de botica de excellente qnalidade a
2loo rs. a resma.
J Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
frescas aBicos frascos com frutas francezas em calda
a melhor que se pode desrjar de l,4oo a
3,ooo o frasco.
cada um.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a
32o rs. a libra e 10,000 rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinhe de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,i5oo a arroba.
Ameixas francezas em latas de 3 libras por
2,009. rs.
Cebollas solas a I,4oo o cento ; ditas em
molhos com cento e tantas por 1,2oo rs.
Malte excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
4G ENCA
DA
FUNGI LOW-AMGOLE
Rna da Senzalla nova o. ':-.
Neste estabelecimento contina a haver
um completo sortimento de moendas e meiai
inoendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
iacranhos para ditos.
Arados americanos e machinas pan
iavar roapa: em casa de S. P. Johnston 4 C,
1 ua da Senzalla Nova n. 42.
ARMAZEM
Vinho do Porto superior
dm caixas de.urna e duas duzias : tero para ven-
tor Antonio Luiz de Oliveira Azevedu & C, no seo
iscriptorio ra da Cruz n. 1.
mm-mmmmmM...
Faonca Concei$io da
Babia, 1
Andrade k. Reg, recebom constante- ^.
menta e tem aveudano seu armazem n. Je
j; :ji da ra do Imperador, algodao d'aquel- 3g
'j la fabrica, proprio para saceos de assn- ^*
car, embalar algodao em pluma etc., etc.', jp>
pelo laeo mais razoavel. &
aBVaWS Rea da Senzalla o. 42.
Vende-se, em casa de S. P. Johnston A C,
FRONTEIRO
DE
A17VES COUTIMHO & BRAMDlO
21Lar yo do Terco~%\
Ao pnblfco.
Chouricas muito novas a 64o rs. a libra ; chocolate francez a l,ooo rs. a libra;
ameixas idem ; alpista a 16o rs. a libra, e 4,6oo rs. a arroba ; arroz do Maranhao e da
India de 8o a loo rs. a libra, e em a arroba de 2,6oo e 3,ooo rs. ; azeite doce refinado
a l,ooo rs. a garrafa e em porco, menos; idem de barris a 64o rs. a garrafa, e em cana-
da a 4,8oo rs. ; banha de porco a 4oo rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
novas a 4o rs. a libra, e l,2oors. a arroba; cha perola, hysson, miudinho a l,8oo, 2,4oo
b 2,5oo rs. a libra ; charutos dos melhores fabricantes da Babia de 2,oo e 4,ooo rs. ;
cerveja branca e preta a 50o rs. a garrafa; cravo, canella, cominho e erva-doce, conser-
vas inglezas em frascos e meros de 5oo a 9oo rs.; cognac inglez superior a l.ooo rs. a
garrafa ; caf de 1.a, 2.a e- 3.a qualidade de 8,5oo, D.oooe9,5no rs. a arroba ; cevadi-
nha a loo rs. a libra ; ervilhas portuguezas em latas de 1 Va libra a 7oo rs. ; spermacete
a 56o rs. a libra, e em caixas a52o rs.; farinha de araruta verdadeira a 2oo rs. a libra,
e em a arroba a 6,ooors ; genebra de laranja a l,ooo rs. o frasco; idem de Hollanda
a 64o rsM e ioe rs. a botija; graixa em latas a l,2oo rs. a duzia ; manteiga ingleza per-
feita flor a 8oo rs. a' libra ; idem franceza a 56o rs. a libra, e em barris a 52o rs.; maca
de tomate a'foo rs. a libra'; marmelada dos melhores fabricantes a 64o rs. a libra ; ale-
a-n -i a ,, .i .bjmos da s38 marcas; paltoedo gaz a 2,oo rs. a gn.sa e 2o rs. a caixinha ; ditos de seguranga
mro .LTinilpf ^vidual 2o rs. a ctixinha e 36o rs. o maco ; queijos Ilamengos do vapor a'2,ooo vi:
uuiu HdtemeiuHt^.___________________ ^^ ^, f| |im|||t a 2oo 3 |,bra; sardinhas de Narrtes de 4oo a 64o rs; a lata J sa-
Vendse ou aluga-se uma casa na powcie h5o ^^g^ mulo Sl,peri, r a 2oo rs. a libra; toucinho de Lisboa1 mnito alvo a 30o rs. a II-
frUSHai^TTsSt^ bra: vinho do Porto velho engarraflo a 1,000 rs; idem embarrila Soers; agarrafa,
vatw: <* firetendentes dtrljam-se esta praca sendo porgao fa/.-se diflerenca eem caada a 5,ooo rs.; Mera de Lisboa mudo superior a
na ra de Harta a 24, prhnatoo. andar, oa mas- 4o rs. a wrrafa e 2,8oo rs. a ranada; idem da Figueira J. A. A. a 5o rsv agarrafa e
nia;BovoBciiol,a onteoder-so cqa a Sr-, Juaa Ronno 3|64W ^.3^0^,. jjerj! 0 Bstreito a 36o e 30 rs. a garrafa e em caada a 2,56o;
deaouza Magaibaes. _______ dem Ropjegyx a gRo rSi a garrafe ; idem braacode Lisbo, proprparamissa a 5oo rs.
Vinhn Madeira fno a jwnfa; vinagre de Lishoa muito superior a 2oors. a garrafa, e *,4oo re. a caada';
VeuJe-so na-roa-'a AoUaa. primeiro an-! *** cevada, alfasema, gaz tijolo de limpar faeaa lio re. Presuntos deLamego a 5oo
dar, em barris de oitavoTchegado hoje; eail>a,ir rb outros muito gneros quedesnecessano e meoctona-los.
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a 12o rs. a
lata de 21]2 libras.
Foij5o verde em bages em latas a 64o rs. a
lata.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,ooo
rs. a arroba.
Amendas confeitadas a 600 rs. a libra.
dem de casca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Laiz I, e outras mudas
marcas, em caixa de uma duzia a 10,000 e
l.ooo rs. agarrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,000 a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acredrtadasa 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafal
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composico a 560 a garrafa e 4,ooo rs. a
Ganada.
Farinha de matararra a 240 rs. a libra.
Bicas caixas com figos a l,ooo rs. cada uma.
Bicos livros com figos 1,00o rs.
Pomada a 200 rs. a dzta, sevada muito no-
va a 80 ts. a libra, e 2,5eo a arroba.
Garrames com 4 '/i garrafas d vinho supe-
rior a 2;5oo rs. conf o garrafao.
dem com 4 '/s ditas de venagre a 1,00o rs. o
garrafao.
Vinagre PBR em ancoretas de 9 caadas a
15,000 rs. com aancoreta
dem em pipa pun sem o' batismo a 200 rs.
a garrafa e l,4on rs. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Br-
deaux fazenda muito especial a 6,800 re.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
dem a 2,ooo e 2,5oo rs.
Caf de premeira qualidade a 8.3oo e f),ooo j
rs. a arroba e 28o a 22o rs. a.libra.
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a iibra.
I irroz do Maranhao a 12ors. a libra, 3,000 rs.
a arruba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,tfo rs. a libra.
dem da India co.-iprido a 2,4oo rs. a arro-
ba, e 80 rs. a libra.
Vellas de carnauba do Aracaiy a.9,500 rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra,
dem de sebo muito dura fingindo esparmace-
te 36o rs. a libra. i
dem de esparmacete a 56o rs. a libra, e em
caixa a 52o rs. com 25 libras.
Papel o melhor que se pode desejar para os |
Srs. empregados pblicos a 5,ooo re. a res- i
ma, j se vendeH por 7.000 rs.
dem almaco pautadoe liso a 3,ooors. a resma,
dem de peso pautada e liso a 2,5oo re. a
resma,
dem a zul de botica oh fugueteiro a 2,00 rs.
a resma.
dem embrulho de l,2oo a l,4oore. a resma.
Ameixas francezas em latas del: V* libra a 1
1,2oo e 800 rs. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5o re-., s o
frasco valle 1,000 rs. tambem temos em
frascos para l,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o fraseo.
Mostarda preparada em potes nraitenova a
2oo. rs.
Molhos inglezesa 800 e l.ooo re. o frasco.
Cravo a 48o rs. a libra.
Cerveja Tenente verdadeira a 7,ooo rs. a
duziae 600 rs. a garrafa,
dem de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,000 rs. a duzia e 5oo rs.a.garrafa.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a 1,000 rs. o molho e
800 rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueira a 6,ooo
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrafesde 14 garrafas a >8,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oe rs. a grozte,2 rs. a
caixa. *
dem de dentes lixados em macos glandes
com 2o rs omaciimos a 12o rs. o ruaeso.
Cominhos muito novos a 32o re. a>libra e
10,000 a arroba.
Sag muito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milho alpista a 14o rs. a libra e 4,5oo rs. a
arroba.
Gomifla a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Peixes em latas a l,ooo rs. a lata jiprompto
a comer-se.
Farello de Lisboa marca N. e Biat saceos
grandes a 4,000 rs

I
-.- --;"-ofc'
DE BEISTCI.
A-

,- Ot vv.. "-
ULC 2.1 jEZ. ulv ;s ,
ERF5MU}S 5rillLTICG,
Erysipelc?. Hhe ,:-L 1 .
Novragias. Estrbate
vi*.. ct-
l.-t.l
te.
11011.4
/:-!'jf;|.
'
Salsar^.rrilha de Pvi
por tcuas lartee
smc! *( devidas
TIrA
d..
inivei-i
./.ca Legitima e Origina;
SALSAFMRILl DE BRI81W
Itl AIJADA 1- .. -.vAMENi: ,'OR
LANNV & KEWr l>K MVi TtlR-
Mediante .'. receudv JJr. ('.(' Trh \4
A venda as boticas de Caors Barbcz*
roa da Cruz, e Joo da C. Bravo & C, ra
da Madre de Dos. ___________
Verule-se a casa terrea da roa do Pmjrr^'^,
n. 21 (no Caminho Novo) tem um porta ao I; '
queda entrada-para o quintal, no qoal nfettefr.
co pequeas mei a^uas, rend tndo 4WI. fMV
de-se harato por seo proprietario ter de rHirar-s
para tora da provincia : a tratar na roa do Qvr-
mado n 77.
Vendem-se saceos rom gomma moilo ifrz,
propria para cneommar e fazer bolinhos: m :t\
do Queimado loja n. 14.
Vende-se
alcatrao d (taz pelo prego da fabrica : aont
zem da bola amarella, so oitao da seereiari.'. ^a
polica.
ESCRIVOS FGIDOS.
Fugiorra tarde do dia <0 de jolho p. p. ir.
escravo pardo, de Dome Mareos, oesrml.arr>V
do lnalB SmrUa Ana, viudo do Aracaiy, u U
de idade 28 annos duuco mais 00 m*-m, e os Ma-
naes spgurntes : altura regular, secro do mr, o,
pimca barba, cabello crespo, levoo ramia
de alffo*Mnho de risrao
. caica de alfiiminUo de nsrado aira) r
Doce da casca da goiaba a 600 e 1,000 rs. o pe., de pama> teado levado nj dmiumo
caixao. I com mais roupa, e rendido de uma da veninas,
^ qopm o appreender queira leva-lo a roa da Wadrt
O proprietario do grande armazem Uniao e Commercio declara aos seos fregtr5 dv Dos m 38*,. ou roa Brora o. 58, qoe **
zea e amigos e ao publfce ero gerali que para faciKtar a commodidade de todos estipulo recompenstdo
os mesmos preeos 00 segriints lunares:
Bniao er Gemmercio ra <& Queimado n. 7.
O Terdadeiro Prihcipl ra do Imperador 4$
Fubtooesenm PermOo, frieMso; roa.'3*
annos de dad pouco ma oo mraa*. e hiu
feia : quem o aprehender e levar a pre*nc> *
setf senhor a' rtt do rtoaplcfo casa n. 4, sen tic*n
recompensaia.



OIurT* 4e PeruakiM Quinta feira O r Oiitahro r lt4.
A confusao da justiga o resultado necessario; A referenda de que trata o artigo 132, como
da confusio dos poderes, porque a confusao na disseraos, um grande bem ou ura grande mal, por
que quando ella tivesse utilidade seria em negocio
de grande alcance, quando o monarcha eslivesse
poltica a causa da ogua! confusao na justiga,
c a sociedade poltica a base da sociedade
civil.
O povosolTreu, soffre esoffrer; porque nao
pode sabir aiada, nem tal vez de prestes saia da
babel, em que se acba.
Diemos para cima que as eminencias sao o
LITTERATDM.
AFFEICA FILIAL.
SBNTIMENTOS.
(Conclusao.)
Logo que EOUbe da noticia de sua morte, e que
suascimasvinbamdaSyria, embarcou-secomurna
nobro armada para o Archipclago alim de encon-
tra las. Entilo deposilou-as em una urna de ouro, lugar dos perigos: os grandes m des teem gran
que, (juauio catrou no porto de Lamitbro, eile causas.
collocoo na popa da real gal, poz sobre ella sua i E' no monarcha; dele depende a sua e a no cora, o cobriu-a com um docl de purpura, estn- ruina; elle anda sempre nosso lado; e elle o
do trajado de rigoroso luto, em profunda tristeza, nosso irmo; nos somos viciimas, elle o urabem I po'r",-"7eferenda nadai valla'
e com os ollios vcrmelhos por causa das lagn- <--
mas.
E' digno de observarse, Demetrio semejante-
mente foi muito notavel pelo seu amor filial: por
que Plutarco, Justino, e outros nos dlzem, que De-
metrio nao >:nente era muito reconhecido e leal
s a pae,
era guerra cora o paiz : e ento ella serveria para
arreda-lo de lutar com elle : o que um ultrage
feto a mouarchia representativa : porm ao con
trario poder arrasia-lo a ella ou quando menos
Ibc dar lugar; e por tanto em vez de ser um gran,
de bem um grande mal.
Em to grandes crises lei sempre leltra mor-
a; por que quando um monarcha eslivesse em taes
circumstancias nenhama lei lhe furia obstculo; e
qual o papel que elle ]
desavisado como nos.
representa tal o nosso. Se foram estas as vistas do 'egislador elle eslava
O imperador o chefe supremo da nacao, mas do m!nado de ura horrivel pessimismo. Ella po-
elle nao o nem de si mesmo : elle ludo e nada is inuil; ou nao poae ler oulra C8nsiuencia senao
.; preciso que elle nao seja tudo para ser mais a responsabilidade.
| que lodos. Para islo preciso oue os poderes se- A responsabilidade dos ministros, sobre a qoa
Misado jam m,:lornle dividi"os, que as ns.itugoes tanta couza se tem dito, nao significa senao absor-
(3o extremosa, que era na mais restricta accepcao' seJam ,irraadas vidamente. PQao dos poderes nos ministros, que, em realidade,
da palavra o melhor amigo de seu pae M hoje se Iem res!Pei'ado a mysterlosa trindade, resumem e attrahem para si o governo da socieda
Assim como todos os graos de felicidade sao ou icomo T do8ma constitucional, e entretanto a *.
elevados ou diminuidos por compararlo, ass.m I inte,C5 desle "yslerio, que menos lem occopado *ao ha le' sem execugao e si para execugao e
tambem a felicidade de Antigono (o pae de eme-: os *' sempre necessana a referenda, esta claro que lan-
trio) appareceu a este respailo com o maior lustre A rel|8|ao se Pde elevar sobre mysterios, mas l0 Pder legislativo como o poder moderador de-
em relago s dissenges familiares as cortes dos | uma constituico se deve elevar sobre raioes mu P6* dos ,m.l.n.'f4ros [ que a referenda sendo ac-
se08 difTerenies nvaes.
Era a semelliaute respeilo lo sensivel, que ten
, a- A a > a 'l"e teve por fim derribar
do um da dado audiencia aos embaixadores de s
claras. lo d'elles, e irazendo a sua responsabilidade, elles
O sangue derramado por uma grande revoluge, s5 resPnsaveis Por ""lo e ninguem responsa-
o absolutismo dos reis vel seDao P01' a1uill- ou n'a(lail10 Para
, ..*- auuicucu a wmmu**m uc n5o fo ^ que concorre.
Liasandor, Palomeo e Lynmad.o, e tendo-se elles duziu fo _e 'f"J { Que a POra deve esiar na impossibllidade de
retirado, elle ordonou-ll.es, que vollassem, porque |cog M C0DlentaraVm
sea filho Demetrio, voliando agitado da caca, esta- i A, nctI, .,, .
.... ... aajust.ga. e todas as nacoes se contentaran! em
consignar em seus cdigos esta separacao.
A sciencia se tem conservado at hoje defeituo-
va no gabinete de seu pae, saudou-os e depois sen-
lou-se com a zigaya na mo.
poderes: porm os poli ,
em separar a admin.stracao -Trer a pr^iudacial ascendencia dos minislros
uma verdade e uma necessidade.
Que ella deve assumir efflcaz iniciativa na direc-
5o dos negocios pblicos, como diz o viscondo de
era seu praser;-dizei a vosso soberano, disse An-' de separar o poder judiciario; e foi este o nico
tigono, em additameoto ao que j teoho menciona- pasto que ella deu.
do, em que termos eu ou meu filho vivemos.
As intengjs do pae foram significar a mais pro"
nunciada adliesiio ao filho, e considera-lo investido
d?. digoidade real, dando-lhe nao rnenle orna
Parte no governo, porm anda o titulo de rei; e
nunca elle leve occasiao de arrepender-se de sua
confanos.
Just. rxvi Plut. in Den. lor. IS'ap. de reg. e 3.
Quando Octavio em Samos, depois da famosa
batalba d'Accio, que f lo senhor do universo, con-
vocou um conselho para verificar os prisioneiros
que tinham adherido ao partido de Antonio, en-
tre outros foi trasido sua presenca um ho-
mem velho chamado Mclello, opprimido pelos
snnos e enormidades, desfigurado por uma longa
barba e cabera despida de cabellos, porm espe-
cialmente pelos vestidos, que por sua m sorle
estavam mullo esfarrapados.
O filho deM8 Melello era um dos juizes, que tove
O poder executivo Ccou sendo dividido pela
sciencia em executivo poltico e executivo adminis-
trativo, e elle o objecto da sciencia administrati-
va, quando seria muito mais lgico dividir a scien-
cia em administrativo poltico e administrativo
publico.
Porm bem claro este erro, em que est a
sciencia, quando divide o poder executivo em dous
ramos: o da poltica que observa e vela pela di-
reccao moral dos inleresses pblicos de uma na-
cao : e o da admioistraco, que consiste na realr!
sacao pratica dos inleresses pblicos, pondo em
obra o pensamento do governo.
Quem nao v que o genero est comprehenden-
do a especie, quando o executivo abrange o admi-
nistrativo ?
Quem deixara de reconhecer que o segundo
ramo propiamente o executivo ?
Quem contestar que seja muito melhor a divi-
Quando os cnibaixauuius perguntaram lhe qual sa : porque apenas se reconheceu a necessidade' UruBuay> e outra verdade e outra necessidade, que
todos sentem :> isto n'aquelles negocios, cuja di-
reccao est a seu cargo.
i E' perfeito engao, diz o mesmo visconde de
Uruguay, acredilar-se que o chefe de estado possa
escapar responsabilidade moral, ou censura,
imposta pela opiniao publica. > Porm o legislador
constituinte nao pensou d'esle modo, e confundiu
tudo.
Ougamos o Ilustre Plmenta Bueno :
Os ministros sao nao s os primeiros agentes
do monarcha, no exercicio do poder execalivo, mas
tambem parles integrantes ou complementares des-
te poder ; sem que elles referendem ou assignem
os actos, nao ha actos a executar, nao leem for?a
obrigatoria, porque sao projectos, ou actos incom-
pletos, cujo comprimento imporia aos executores
inteira responsabilidade, porque procederan sem
ordem ou autorisa^do legitima.
Elles sao agentes importantissimos da cora<
seus conselheiros, administradores, juizes adminis-
trativos, tutores dos esiabelecimentos pios e de pro-
leccao, executores das leis, encarregados de diri.
gir e inspeccionar os agentes da administraco -
emfim. sao as forcas vivas do chefe do estado para
o bom andamento e bem-estar dest'e.
Seria melhor dizer sao as forjas vivas do gover-
no, sao o governo mesmo do paiz, para Eis ah
a verdade da constituico, e o elogio do poder mi-
nisterial tracado pela penna do mestre de nossa
c'onstituico.
Alguem haver que deixe de dizera responsa-
uma burla e a sua omni-
grande difuculdade em conhecer seu pae na deplo- sao em administrativo poltico e administrativo
i avel condico cm que o viu. pubiieo ? N5o estara assim dissipada confusao
Oomtudo adoal lendo se lembrado das feigoes; da sciencia e a confusao das inslituicoes?
i, longe de envergonhar-se, correo abraca-lo, j Quem deixara de ver no pr.meiro o poder politl-
co, que exercem os monarchas, e no segundo o
Cesar, disse i poder publico, que exercem os ministros t
exclamando amarradamente.
Soltando depois para o tribuna
3tle, meu pie foi vosso inimigo, e eu sou vosso em-
pregado : elle merece ser punido, e eu ser recom-
pensado. O favor, que eu vos pec^> ou perdoa-lo,
ou ordenar-me que com elle seja eu mono.
Ser contestavel, que a sciencia administrativa
encerra em si dous ramos muito distinctosum
poltico e oulro publico?
A sciencia adm.nislraliva em sua primeira parte b,'i'dad"e""dos
Todos os juizes foram locados de compaixao por e co"'P|exo ao> principios, que regulam a orga- potencia uma realidade ?
esla ffecluosa sceha, o proprio Octavio enterne-1 D'saCao da machina goveroamental e a sua jerar-1 Convem ist0 ao governo represeotalivo e consli-
ceu-se, e concedeuVo velho Melello a vida e a cma' eom. relaCa0 a aegao, que exercem os podo-1 ,uc0nal ?
iibordade. \
Appian.
. Bpaminondas, sem duvida alguma foi um dos
maiores generaes e um dos melhores homens, que
a Grecia produzio.
os poderes e funccionahsmo'
i-
Anles delle a cidade de Thebas nao se destinguio
por accao memoravel alguma, e depois delle ella
re* polUieos sobre us uoueres e mnccionaiismo l Alguem haver que conteste com bda
pblicos : na segunda o complexo dos principios os principios vitaos do nosso systeraa ee .dos
que regulam as relagoes do interesse publico com peioS ps dos ministros?
o interesse individual e o modo de dirig.-las em I Esmagae o povo a vossa vontade, s
" nislros, pois vos sois as forcas vivas dt*
A primeira parle da sciencia toda subjectiva e! hsma das ambQ5es e 0 desregramen
a segunda e toda objectiva. | ^ ^ ^ os prmcjpios cardeaes do
se nao tornou famosa por suas virtudes, porm por!, .P'T', "",' CaraC,er poUtlC0'ea segunda i seguir para ser ministro e sendo ministro. Go m
aas infelicidades, at que sepullouse em sua ori- U"'" Cara,,er "c"menle publico. I na[1(es e governados, eu vos dou os paral ii, pro-
ginal obscundade de modo que ella vio sua glo. ia,; .preclS0 confessar Ia a ciencia do dimto,' segui etn TOssa carreira. Systema representativo,
nascer e expirar com esse grande homem. ad,nini>lra"vo tem tomado o seu quintiao na con-, eu le sado, eu bemdigo os fructus, que lens dado
. _,., ,. fthl!,, om a .; .. Ifusa0 da sc|encia poltica, e por isto que ainda a ,nuQd0 e principalmente ao Brasil.
Uretra aurahioos olhares nao es.aobem descriminadas as relagoes dos pode-! Falleraos do poder moderador. O poder admi-
res polticos com os poderes pblicos. nistrativo, com a restricta deoominacao de poder
slo porm nao nos deve embaragar em mostrar-1 moderador, nao est devidamente descriminado ;
moderadornao clas-
as attribuigoes do
e admirages d iodos os povos visinhos sobre
&{*MV.9Gndas, os quaes consideraramno como o
aostootaculo de Thebas, como o conquistador trium-. mos a necessidade de firmar, as nossas instltuigoes I porque as expressoes -poder m
phante do toda Sparla, e como o libertador de toda em bases solidas, com elementos proprios para sificam scientificaenle todas
Grecia ; em uma palavra, como o maior homeme
o melhor general que tem existido.
No meio desle applauso universal, tao capaz de
fazor o general de um exercito requerer o homem
pelo vencedor, Epamlnondas, pouco sensivel a tao
voluntaria e merecida gloria; nimba alegra,
disse elle, provm da certeza, que tenho da alegra
le meu pae e miada mi quando souberem de
mmha victoria.
Plnt. in Coriob. 215.
Harmona dos poderes entre si e
com a nacao.
preencherem o sea fim no systema representativo.
Os tres poderes que leem sido considerados como
polticos sao : o legislativo, o executivo e o mode-
rador : vamos ver como estes poderes estao mal
dividos. Fallemos do poder moderador, com rela-
pao ao artigo 132.
O poder moderador eslara em condierdes, de ser
um poder uno a dislincto no estado, e de salsfazer
os altos principios da diviso, harmona, indepen-
dencia e quilibrio doi poderes, que sao a base do
systema representativo ?


O augusto santuario da felicidade do povo brasi-
leiro ainda nao foi aberlo para elle; porque os
polticos de nosso lempo ainda nao atinaram com
o verdadeiro modelo de sua chave de ouro, ou pelo
acodameuto de suas ambigoes; ou por se interessa-
rein em semelhante ordem de cousas; ou porque
o contentam com o brilbo e magnificencia, que os
deslumhra.
E' um joven ardente de um santo amor pela pa-
tria, o maoado pelos males da sociedade, em que
vive, eude a ambiguo, o orgulho, a inveja, a inln
ga, a aduiago, a prevancagao e o pratonato teem
lomado as mais vastas proporgoes, que, do intimo
di sua consciencia calma e reflectda, vae manifes-
tar uma revulago espontanea e poderosa, que, j
desacorogoada a inlelligencia, se opera moment-
neamente em seu espirito, e cem o imperio de uma
coaviegao profunda, lhe manda sahir de sua obscu"
rldade paia fallar diaute do paiz com sua voz tmi-
da c palpitante de f, sem luxo de illustrago sem
pompa de linguagem, porm com a nudez de uma
grande verdade, que deve apparecer a lodos os
osplritos.
Os direitos do homem se desconhece a cada
passo, quaudo se desconhece o cidado.
E' assim que o interesse e a torga conduzem por
tolla a parte <*s homens de nossa sociedade, porque
a cidade e-ia corrompida.
Os poderes nao sao verdadeira delegago da
aclo, afllrmalo uma grande mentira entre
nos.
As garantas de nossas liberdades sao, na consti-
tuico, falsos simulacros; porque a chave falsa,
com que a abrero, nao seno para dar entrada
aos roubadores deslas liberdades, aos espoliadores
do templo.
Wao ha, entre nos, o verdadeiro amor da
verdadeira liberdade, porque se a nao conhece
anda.
A nossa poltica de salteadores, porque a
poltica ao assalto: nao fallo dos homens, que des-
' freso, fallando das alias verdades; porque nao ha
bous governos sem solidas inslituicoes.
iO poder como o fogo, que attrahe ludo para
ai". disse o cardeal Richelieu.
.
imperador, nem as proprias atlribuig5es, que, pela
conslituigao, compoem o poder moderador ; e por
isto o legislador distioguiu impropriamente no im-
perador dous papis, um de poder modelador e
outro de poder executivo, e isto deu lugar gra-
ves erros e a-graves malos, ms doutrioas e
ms platicas.
A idea de poder moderador, em verdade, nao de"
termina um poder unc, dislincto e indepcadente,
e nao satisfaz os principios da divisao, harmona e
equilibrio dos poderes, como vamos ver.
A unidade de um poder consiste em que aquel-
es, que o exercilam, o exercitem nicamente, de
sorle que nao se confundam em uma mesma pes-
soa funeges dllerentes porque ao contrario um po-
der se tornara muitas vezes um meio para outro,
e a marcha regular da acgo de cada poder seria
constanlemente alterada ; porque, com effeito, co-
mo diz Rousseau, quando o legislador nao se distin-
gue do executor, nao se distingue a lei do arbitrio.
Estas palavras de Rousseau dizem respeito ao
Vamos ver que nao, porm que ao contrario, elle
a boceta de pandora oas maos dos politicos, para
morte do paiz.
Se reflelirmos um pouco sobre o artigo 132 ve-
remos que elle uma lei phantasma, que escapa
aos olhos da philosophia, quando lhe quer impri-
mir o verdadeiro carcter ; por que a ndole d'esle
arligo de lal sorle duvdosa, que o philosopho se
perde no ondular das coojecturas.
Quando uma lei est em semelhantes condiegoes
ella nao pode deixar de ser uma le m : uma le' governo de um s : portanto cabera a respeilo do
sem corno e sem espirito certo uma lei perigosa, j poder que exercita 0 imperador em nossa consli-
e pode de ser na poltica o an.ro da lyrannia. \ ,ui 3o> ainda mais imporlanle do que 0 legis-
A sigmflcagao que tem semelhante referenda na |aUv. por(|Ue Uetle dependen todos os outros : e
expressao lateral d'este artigo, ninguem sabe a nao o tanto a nossa assembla geral, de que os mi-
ser a que se pode deprehender do espirito de nos-! nistros nao podem fazer senao mui pequea parte :
sa const.lu.gao, que a conuisao dos poderes : o ; entretanto que ella um poder eleito, e deve estar
que nao vale mais nem menos do que o despotismo COm os seus minislros dependente do povo: alm de
na sociedade, e o que lano mais absurdo em po- que na0 ha muila razao para que os ministros dei-
deres constltuc.onaes, onde a responsabilidade xem de ter n0 raeio da camara ou do senad0j o
uma realidade a despeito de quantas fiegoes se ima- so um voto con5U|liv0) porm deliberativo,* te ac-
gmarem ; por que nao a responsabilidade legal, lualmente ha grande fundamento pela organisa-
que importa, porom para poderes poliiicos nao ha ^o defeituosa de nossa constiluico : porm, se-
se nao a responsabilidade moral. gundo as noS5as idas, a sua participagao no poder
Os poderes constilucionaes, fra da conslituigao legislativo sera vantajosa, e grande receio nao de-
nada sao, a guerra do arbitrio contra o arbitrio, ve haver da mterveneo delles : todava ser con-
o despofismo lutando contra a anarchia. yenen[e oavr 0 pai/. ^^ seri qaando nada,
E' isto que o legislador deve tremer de nao evi- dar-lhe occasiao para manifestar a confianga, que
tar.e este o abysmo coberto de flores, que vemos Delles deposita.
em Bossa constituico, com a dubedade e fraqueza
de nossas instituigoes.
A disti&cgo dos poderes consiste em que cada
poder tenha um fim proprio, uma feigao caracte-
As garantas do poder nasccm e crescem com as I nstica, qual se liguem lodos os actos, por sua
garantas da llberdade, e em quanto governantes e! homogeneidade de carcter, que em cada um um
govemados esquecerem esta verdade, a ordem so- adminiculo da feigao geral do poder, que elles
cial de um momento para outro ser ahilada por i consliluem.
grandes desastres. A lei nao deve ser um grande j A djVjSao do poder consiste em que cada um te-
bem ou um grande mal, porm sempre uma porglo' nha uma rbita natural, dentro da qual deva fazer
certa de bem, sempre uma expressao do direito. i todos os seus moviraentos, sem que possa ulirapas-
0 artigo 132 uma das imagens dos poderes.im- sa-Ia.
potentes, sem actividade e sem orbila, a fiel ex-1 a independencia consiste om que cada poder
pressflo da alchmia poltica, pela qual se transfor- obre por si, tenha em si uma inlelligencia e uma
ma o governo representativo em governo absoluto, actividade propria.
ea pedra de loque das garantas que nos temos.! A harmona consiste em que elles vivam em
Estudemos o sea espirito nos diversos arligos, que' completo accordo no pensamento de bem go ver-
vamos examinar, e veremos que com elles a ex- nar, que nao possam fazer mal ou que nao quei-
pressao da canfusao dos poderes, e sentiremos a rain faz-lo pelo interesse de sua propria conser-
necessdade do dar s inslituigoes una organisagao vagao, qoe elles nao subordinem-se uns aos ou-
propria com todos os elementos de vida e activi- tros, que oada um se conserve na altara que lhe
dade. | compele.
Estas sao as condigoes proprias de cada poder
no systema que nos rege.
Examinemos a organisagao dos poderes, em nos-
sa constiluigo, que do mais leve exame compre-
hendereraos que estes principios essenciaes de uma
b6a organisagao poltica eslao ah falseadas com-
pletamente.
O que nos vemos, porm, ao contrario destes
principios que o poder moderador representa um
poder synlhetico, que reane em si elementos hete
rogeneos ; que o imperador ao mesmo lempo po-
der moderador, poder legislativo e poder executi-
vo : e isto poder ser uma cousa muito seductora
no campo das abstragoes, porm na realidade um
erro, que iraz fataes consequencias : E' que os
pheuomenos no mundo real se passam pela ordem
inversa aquella, por que se desenvolvem no mun-
do intelleclual: t disse um Ilustre publicista.
Vemos que o imperador, sendo por suas im-
portantes allribuigoes o primeiro poder poltico do
estado porque por ellas elle o defensor perpetuo
do Brasil, e o guarda avancada das liberdades pu-
blicas, est ligado por estreitas relagoes com o po-
der executivo propiamente, que sao os minislros,
poder este que nenhama influencia deve exercer
em nosso systema ; porque um poder dependente
e responsavel, e nem ura carcter poltico pJe
ler, porm sim um carcter exclusivamente publi-
co ; que deve estar sujeito inspecgo do impera-
dor, cujo poder puramente poltico administrati-
vo ; que deve estar subordinado ao poder legisla-
tivo, pela nomeago e demisso, como veremos
cons.deracoes estas que lhe tirara todo o carcter
poltico. E' islo o que faz toda a confusao.
Em quanto o poder que exercita o imperador
esliver confundido nos minislros com as allribui-
goes, que Ibes sao proprias, romo minislros da lei,
como poder executivo propriamenle, a liberdade
de voto, a fazenda e os iuleresses pblicos eslaro
sua merc e discrigo, e elles oppr.miro o paiz.
E' exercendo esla grande ascendencia e iulluej-
cia real no governo poltico do paiz, que elles tran-
sigem a seu bel-prazer : e quando assim nao acon-
leca, por excepeo, os polticos, j eslaudo lao acos-
tumados a esta ordem de cousas, por mais felizes
que sejam as condigoes de sua exaltago ao poder,
elles nao durarao muito nelle ; porque o eleineuto
de harmona, que noiatnO, a traasaego, e o fim
que elles tem a corrupgo.
O equilibrio des poderes, que, entre nos, deter-
mina a posigo do supremo administrador da na-
go, nao oulra cousa seno a suprema inspecgo>
que elle exerce como seu prime.ro representante"
Vejamos na constiluigo, quaes sao as attribui-
goes, que lhes sao concedidas, sob o pseudonymo
de peder moderador, e se ellas imprimem nelle a
qualidade de supremo administrador.
A primeira destas allribuigoes e a escolha dos
senadores.
Este ramo do poder legislativo goza de taes con-
digoes de independencia, que em sua escolha deve
por sera duv.da haver a mais madura reflexo; e
como as paixoes polticas de momento podiam ele-
var a este ramo importante de um importante po-
der homens, que ainda nao tivessem dado provas
inequvocas de sua prudencia c honradez, que sao
qualidades indbpensaveis para semelhante esco-
lha, se tal nomeago fosse de pora eleicao popular :
e sendo o msnarcha quem, como chefe do eslado-
mais habltagoes tem para conhece-los, claro que
0 paiz nao poda deixar de dar-lhe ingerencia nes-
ta nomeago.
A seguuda atlribuigao a cenvocago extraordi-
naria da assembla geral, e esta altribuigo tam,
bem cougenila ao papel de supremo administrador,
de que elle goza, e ella nao pode ser confiada se
nao a elle, que a pessoa mais propria para ava-
har as necessidades urgentes do paiz.
A terceira a da sanego, e quanto a esta nos
entendemos que sendo seu lira nico o veto, ella
nao deve existir; porque sobrecarregar de tra-
balhos o funecionalismo publico, em pura perda,
vislo como, para ter o monarcha plenoconhecimenlo
de todas as leis, que se deliberam e approvam no
poder legislativo, nao preciso obriga-U a sanecio-
nar as leis : a sanego nao lhe d mais do que o
veto, e entretanto o veto exprime perfeilamente o
seu direito de supremo administrador.
Alm disto a idea de sanego traz o grave in-
conveniente de considerar-se o imperador como po-
der legislativo. O veto apenas significa que pre-
ciso aproveilar a luz, que o supremo administra-
dor do estado pode derramar de sua experiencia
consummada, e de sua alta independencia. Este
velo que suspensivo, d o monarcha o verdadei-
ro apanagio de defeusor do paiz : por meio d'elle
que o imperador appella para a opiniao publica,
1 que deve pezar sempre sobre o poder legislativo c
obrigar os legisladores a obraren com maduro dis
sernimenlo.
Todos os argumentos, que se ligam falsa idea
de ser o monarcha poder legislativo ou executivo,
sao lo falsos como falsa a idea. O monarcha ''
o guia e mediador plstico do principio cardeal de
nosso systemagovernar o povo pelo povo; ou-
i tro papel nao lhe convem, e ahi esla a sublimidade
do elemento monarchco no nosso systema.
A quarta atlribuigao tem o seu fundamento na
iniciativa, que o monarcha deve ter em todos os
negocios urgentes do estado, que nao sao regulados
por lei; porque n'estes elle deve ser previamente
consultado.
A quinta tem ainda sua razao de ser nosmesmos
principios, que temos exhibido, e no papel do su-
premo administrador do estado.
Devemos aqui fazer a conciliagao da idea, quo
sustentamos, de que o poder legislativo deve ter o
direito de nomeago, com a idea da vitalidade do
senado, de que trata o artigo 40; porque, com ef-
feito, a idea de nomeago pelo poder legislativo lor.
na-se inexequivel nao tendo o imperador a facul-
dade de dissolver a camara vitalicia. A vitalicia-
dade do senado, nao importa nada, porque absur-
do suppr, que o senado seja vitalicio, quando elle
caprichosamente se queira desharmonisar com os
poderes do estado.
(Continuar-se-ha.)
UM POUCO DE TUDO.
L-se no Correio Mercantil do Rio de Janeiro, o
seguinte : ,
Um nosso amigo escreve-nos de Londres em
data de 8 de agoto as seguintes linhas :
t No da em que lord Palmerston levantava a
grmpa contra o Brasil na camara dos communs,
o conde Russell abaixava a cabega diante da Prus-
sla na camara dos lords. Provou-se nesta ca-
I mar que os Pruss.anos, depois de vencerem uma
balalha, andaram pelo campo matando os inimi-
gos feridos e rendidos!
< O conde Russell nao teve animo de protes-
tar contra este faci parecido com o de Quin-
teros l pelas nossas bandas do sul; pelo con-
trario calou-se. D'ahi pouco mostrou-se-lhe
uma ordem do dia do general prussiaoo, man-
dando agarrar a todos os estrangeiros auxiliares
dos Dlnamarquezes, mette-los em conselho de
guerra e fuzila-los. Sabem como se sahiu. Di-
! zendo que linha razoes para crer que esta ordem
lera para assustar I...
J v, pois, mea amigo, que os arreganhos
de velho Palmerston sao quixotad.ts; elle s ousa
ser severo com quem no possue marinha ou ex-
ercito, porque em verdade o hornera tem seu medo
da plvora.
caes, mas o liquido incendiado vonnuou a pro-
duzir ubi uma illuminago, cujo effeilo mal se
pode descrever.

A extenso das linhas em explorago na semana
Leiam os Braslleiros o Times de 4 de agosto finda em 13 de agosto era de 11,304 milbas o sen
eah. encontrarlo insultos e violencias que nos rendimenlo total nessa semana snbiu 717,211
Estados-Unidos se tem feito ao Inglezes, sem que Ib. (mais de 3,200:0005000 rs.)
lord Parmerslon se atreva, nem sequer, a pedir Em quasi todas as linhas cresceu areceital.ru-
satisfagoes : o proprio Times, daado noticia dos ta no ultimo semestre, diminuindo por oulro lado
insulto?, diz mansamente qne o faz, nao para exi- a despeta.
lir mais prudencia do governo americano, mas Os dividendos foram pois consideraveis ; houv
para provar ao povo americano pie os Inglezes dividendos de 4, de 5 c al 7 por eenlo.
tem sido pacientes eque pir isso nao deve, quan- i
do fizer a paz, ir bolir com o Canad I Quem nao tem mulher, muito olbo ha mter.
t Entre os fados das violencias, cita o Times o Na face e nos olhos se l a letra do corago.
que succedeu com um Sr. James M. Hugh por ser Quem com mu vizlnho ha de viziohar, eom um
um rasotypo, como diz aquella folha. Este fnglez olho ha de dormir, e com o outro vigiar,
esteva preso !sete mezes por ler fallado contra o Olhos verdes em poucos os veredes.
governo ,amincano, apesar de ser declarado in-
nocente por uma commisslo militar ou bonselho
do guerra I No fim destes sato mezes o secretario
de estado dos negocios estrangeiros prometteu ao
emhaixador inglezque o homem seria solt, isto
depois de mnitas reclanncfes e trabilhos do con-
sulado. Mas o secretario de estad) des negocios
da guerra, o general commandante do dstricto
de New York e o commanlante do forte Lilavette
(priso), cada qual por saa vez, pozeram embar-
gos a exccucSo daquella promessa : e a ae cabo
de muila instancia, no decurso dsete dias, cum-'
priu-.se a ordem de soltura I
Tudo isto aguenta o Ilustre Palmerston. E" '
at engracado lr-se o final do artigo do Times,
Quera a principio deixar aos seus leltores o traba-
Iho de procurar essaobra prima da___prudencia-
mas nao posso furtar-me maligaidade de tra-
dnzir-the o trecho, e-Io aqui:
a Nao pretendemos (diz o Times) censurar o Inda a comedia I A mondado ardente
governo dos Eslados-l'nidos por estes |factos. Vem, no thealro apparecer de novo.
Como outros governos, tem elle mus agentes E-inda que cheia de receios vago?,
o e seus mus agentes sao lao crueis como Confia muito no alentar do povo.
corrompidos. Ninguem acensar o senhor iDda a comedia I Sobre a sena a vida
t Seward ou o presidente de um proposito cheia de penas, de soffrer, de amores
deliberado de aborrecer, opprimir, engaar uro pae amante em venlureso transe,
e recrutar inofensivos inglezes residentes nos ( U(B pae Dgrat0 a commeiter horrores I
i Estados-Unidos.
. Pode ser que no futuro o Brasil secolloque ^.fPosa ami''a> fe oaatlyTio abraga
tambem na posigo de obter eguaes deferencias.
Com o olbo e cora a f nao zombarei.
O invejoso emmagreee-lhe o rosto e incha-ihe o
olho.
Comas na mo. olho no ladro.
Olho mu a quem vlu pegou malicia.
Qubrarci a mim um olho, por quebrar-te a li
outro.
Quando o usu faz piolbo, com mal anda o olho.
Se nao dorme meu olho, folga meu ouro.
Se nao vejo pelos olhos, vejo pelos oculos
Quera quizer olho sao, al a mo.
Os que fallara com olhos fechado., querem v >r
os outros engaados.
Mais vem dous olhos, que um.
Fui para me benzer, e quebrei um olho.
A palha no ulho alkeio, c nao a Irave no no.-so
E' esta a poesa recitada no espectculo da Miner-
va Pernambucana, de que tratamos na Revista
Ei-la risonha, j depois ditosa
Oque nos cumpre, na actualidade, rirmo-nos Es,e W* ?0Tre '"juslamente um dia,
das jactancias dos governos e cimentamos a unio E-' de novo mi1 venluras Su-
rtos povos. Por este lado tenho tido o prazer de Um que se aggrega aos batalhoes da infamia,
verificar que o povo inglez tem sympathias pelo ira que deshonra confiado no ouro ;
brasileiro, como o povo brasileiro sempre as mos- Um que um ferrete ignominioso marea,
irou pelos Inglezes. Continuemos, portanto, as Oulro que julga o bem fazer-desdouro.
nossas relagoes entre os dous povo?, que nada
solTrem s porque os governos ni) lem represen-
tantes diplomticos. Mande o Brasil o caf e o
algodo, receba os productos das fabricas ingle-
zas; vivamos em paz commercial e o mais
nada.
,- .. .. Tudo, tudo isso que a paixo exprime,
t Lm Inglez respeitave com quem eslivecon- a
?. K: Esta comedia, que traduz somente
versando, disse-me ha tres das : Quem perde i ..... -
, i Premio a virtude, pumgaoao enme !
com estas bngas de governos, somos nos os tn
glezes. O comrnercio brilannico v o cuidado de A arte do drama que as paixoes enfreia.
Tmida virge' a suspirar sandosa,
Por quem lhe dera os mais febris carinhos
Viuva trisle que em pobreza morre
Sem pao, sem vida para seus filhinhos.
E a dr e o riso, e o fingimenlo, e a raiva.
Luis Napoleo de manter boas relagoes com o
Brasil e Rio da Prata, fazendo at grandes sacri-
ficios para sustentar a hnha de vapores francezes;
tambem por outro lado, vemos que o Brasil se
inclina a entenderse directamente com os seus
freguezes dos Estados-Unidos, creando linhas de
navegagao a vapor dos portos do imperio para os
da Unio Americana. E' claro que tudo isto cons-
pira para arredar do imperio a influencia quasi
exclusiva que temos oxercido no seu comrnercio e
relagoes induslriaes.
Seja o que fr, a Inglaterra uma grande na-
gao, de que jamis nos separaremos. Apesar da
crise do algodo. das reduegoes de droitos, e da
competencia franceza, a sua exporlaco no pri-
meiro semestre desle anuo foi de libras 78.047,586,
que quer dizer mais 10,000,000 16,000,000 es-
terlinas de que no primeiro semestre de 1863 ou
mais 21,000,008 do que em egual periodo de
1862.
c Nao quero fechar esla carta sem referir-lhe
uma noUvel circunstancia. O ministro da guer-
ra deu parte as cmaras de que no aono passa-
do o recrutamenlo para o exercito deu apenas
5,000 homens, quando o termo medio dos annos
anteriores era de 12,000 homens.
Ora se se attender a que a populagao da Gra-
Bretanha de 30,0)0,000 de habitantes, ver.se-ha
que contribuiu com 1 homem sobre 6,000 para o
exercito.
~~
L-se no Jornal do Comrnercio de Lisboa, o se-
guinle :
Morreu em Bookield, (America do Norle), uma
mulher Jaines-Pishon, que por sua extraordinaria
gordura andava de trra em ierra, por conla de
um especulador, mostrando-se ao publico.
Davam-lhe o nome de fui woman, a mulher
gorda.
Esta svlphde pesVa cousa de 313 kil. (21 ar-
robas.)
Por entre as outras se alevanla ufana ,
E' luz que eusina o viajor perdido,
Pagina d'ouro da moral humana.
A' Shakspeare, Moliere, Racine,
Lope da Vega, Caldern, Perreira,
Um monumento de valor subido
J U-m legado a humanidade inteira I
Esta arte nobre I A mocidade ardente
Vem, como sempre, apparecer de novo :
E inda que dbil nos primeiros passos,
Confia muito no alentar do povo I
.
O duque de Orleans, cuja regencia tanto contri-
buiu para iulroduzir em Franca a impiedade e a
devassido, convidou uma vez ae celebre Boileau
para janlar.
Era um dia de abstinencia, mas na mesa a co-
mida era carne.
Boileau, folgazo e facelo, eslava bem quieto a
comer smenle pao.
O duque percebendo disse-lhe :
Deveis comer carne como os oulros : esque-
cerara-se de trazar peixe.
Senhor, disse Boileau, basta que vossa alteza
bata o p no chao, que da ierra logo saltarao os
peixes.
O principe gostuu da replica : quanto honrou a
Boileau e a religio I

Corto padre om Franga aperlado por outro para
que nao presiasse juramento a essa fatal consliiui-
co civil do clero, nao podendo responder s razoes
que ouvia, disse :
Mas, que queris, cu devo viver.
Mas tambera deveis morrer, lhe respoodeu o
segundo ; pensae nisso bem.

lm da que d'AlemDert e Condorcet janiavaia
em casa de Vollaire, qu.zeram fallar a favor do
alheismo ; mas Vollaire foi-lhes a mo.
Esperae, esperae, deixae-me mandar sahir os
Para a levarem cova foi preciso que 10 ho-
mens pegassem no caixo, e para este sair de meus criados, porque nao quero que elles me es-
casa liveram de rasgar o portal. trangulem esla noute.

Parece que o governo inglez reclamou do go- i Censuravam um dia a Luiz rei de Franga por
verno americano a entrega do vapor Georgia, ul- gaslarnWmp...e.,n..S(:u!.exer!:icios de piedad8'
timamente apresionado pelo Nigara as alturas
de Peniclie.
Segundo os documentos publicados pelo She-
ptng-Gazet, o Georgia, reputado por inhbil para
a guerra e para continuar o corso ; foi vendido ao
commerciante brilannico E. Botes, e que foi legal
e solemnemente registrado como propriedade n-
gleza.
A lodos os rumores que por vezes correram de
que o Mugara eslava esperando o Georgia para o
capturar, responda Mr. Botes que tudo eram his-
toria da carueniuha, (od woraeu's talk);l Mr. Bo-
tes centava que um navio legalmenie vendido, e
um cidado Inglez havia de ser respeitado, como
propriedade ingleza.
O Georgia nao s era propriedade ingleza, e ar-
mava o pavilho brilannico, quando fo aprisiona-
do mas eslava longe de poder excitar suspeitas,
visto que a carga que trasia, era nicamente car-
vo, pertencente ao governo portuguez.

Uma correspondencia de Paris diz que foram
proclamados os banhos para o casamento; de Mr.
Erlangar, banqueiro, e cnsul geral da Grecia em
Francfort, com madamoisella Slidell, lillia mais
nova de Mr. Slidell, proprietario na Luziana. e
ministro dos estados confederados em Par|s.
Afurma-se que prximamente sero tambem pu-
blicados os proclamas do casamento de Mr. Cor-
donier com madamoisella l.iffit.-, outr'ora mad.
Erlanger antes de ter sido annulado o seu con-
trato Bsponsalicio.
O navio Italiano La Juliana, carregadocom 1,800
barris de petrleo, incendiou-se no porto de Balti"
mores (Estados-Unidos).
O oleo estravasad*, sobrenadando na extonso
Bem extravagantes sao os homens, respou-
deu-lhes com dogura ; censuram-me por inha as-
siduidade na orago, e ninguem dira nada se eu
gastasse o lempo que emprego nella em jogar,
brincar e cagar.
E que guerrero e legislador foi S. Lojz !

Cortos mogos libertinos zombavam de um reli-
gioso e entre oulras cousas lhe disseram :
Ah I reverendo, vossa rererendissinia lie;,/..
bem logrado se nao houver o lal co.
E vos tambem, e muito rnais se boa ver a Ul
inferno, que a religio nos manaa crer.

Conla o Brasil and Bivar Plat Mail, qoe Me-
ceu recntenteme em Szepes Vallara aa aoco,
de 78 annos, cujo te.-iameuio conim uma clausula,
pela qual legou dez mil charutos aos qoe assisiis-
i sem aos seus funeraes.
Esle testador exprimiu tambem o desejo de qoe
os seus amigos nao lhe sah.sseni de casa, seno
depois de haverem bebido saa memoria todo o
vinho que achassem as alegas.
Dizia-se que a ultima clausula fura cumprioa ao
p da ledra.

Os habitantes de Whilechapel, em Londres, fo-
ram terrivel impressionados com a descoberla de
dezoito cadveres de creangas, escondidos por e-
traz das ramas da madeira vclha, n'am alpewke
pegado egreja,
J ha mezes, por bixo do telhado da egreja pa-
rochial, appareceram muitos cadveres de crean-
gas, o que produziu terrivel espanto.
Alguns dezoito cadveres, ltimamente deseober-
tos, nao tinham cabega, e outros estavam escondi-
dos, de modo que faziam acreditar qoe nao estavam
ali ha muito.
do milharos de metros, produziu um mar de fogo.
Conseguiram remover o casco para longe do|PER^MBUCO,^TYP. DE M, F. DE F. i FILHO
"L~>>


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZCL744G5_Y3XDM7 INGEST_TIME 2013-08-27T21:24:51Z PACKAGE AA00011611_10485
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES