Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10481


This item is only available as the following downloads:


Full Text

i




.


ANUO ILJOIEBO 225.
Por tres nezes a di a litados 5$O00
Por tres mezes vencidos 6J000
Porte ao correio por tres mezes. 750
.ftt\
, ? pitar
SABBADO 1 BE ODTUBRO DE 1884.
Por amo adiantad.....i9$G0O
Porte ao correio por ura anuo 3$00O

NCARRfcGADOS VA SUBSCRIPTO NO KORTK
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, 8 Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
8r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Manoel Pinheiro & C; A-
mazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
INCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL.
Alagas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Baha, o
rr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, os Srs. Pe-
riera Martins & Gasparino. I
Partida dos estafetas.
Onnaa, Cabo e Escada todos os dias.
Iguarassu', Goyanna e Parabyba as segundas e
sextas-feiras.
Santo Antao,Gravat, Bezerros, Bonito, Cantara',
ni.0 e Garannuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Tacaratu', Cabrob,
Boa Vista, Ouricury e Exu' as quartas feiras.
Serinhaem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Barrei-
rikFOj' Ai?ua Pr lina de Fernando todas as vezes que para ali satirl
m navio. I Primeira as 3 horas 42 minutos da urde.
I Segunda as 4 horas G minutos da manaaa.
01 EPIIEMERIDES DO MEZ DE OTCBRO.
8 Quarto cresc. a I h., 17 m. e 30 s. da t.
15 La cheia as i h., 55 m. .; 38 s. da m
22 Quarto ming. as 8 h., 59 m. e 48 s. da m.
30 La nova a 'h., 8 m. e 26 s. da t.
PREAHAR DB HOJB.
navio.
Todos os estafetas partera ao Vi dia.
PARTID,'. DOS VAi-ORBf CdSlIBOd.
Para o sai at Alagas a. 6 e 25; par o norte at
? /fift 7 e 22 de ca'ia raez' Para Fernando nos
oas 14 dos mezes dejan, inarc., maiojul. set. onov.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recife : do Apipucos s 6 A, 7, 7 Vi, 8 e
8 Vi a m.", de Olinda s 8 da m. e 6 da tarde; de
Jaboatao s6'/i dam.; do Caxang e Varzea s 7
da m.; de Bemfica s 8 da m.
Do Recife : para o Apipucos s 3 >/, 4, 4 /, 4 V*
5, o Vj, 5 Vi e 6 da tarde; para Olinda s 7 da
manhaa e 4 >/, da tarde; para Jaboatao s 4 da tar-
de ; para Cachang e Varzea s 4 Vi da tarde; para
Boinnca s 4 da tarde.
aUENCia DOS TRIBUNAS! DA OAPlVAL.
Tribunal do commarcio: sagundsj quintas.
Reago: tercas e sainados s 10 toras.
Fazenda: quintas s 10 oras.
Juizo do comuiercio: segundas s 11 horas.
Dito de orphos: torgas sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Ua DA :>JM A..
26. Segunda. S. Cleofas; S. Firmian b.
lo' Ie"'';l- ^s Cosme Damiioira. mro.
2S. Quaiia. S. Wenceslao ilu.nn- monfie
29. Quinta. S, Miguel irrh.; S. Fraterno L
JO. Sexta, s. Jerouymo card. pre>b. rdr. mmimc
1. Sabbado. S. Itenn^io b.; S. V. rissimo m
2. Domingo. S Leodegario L.-. S. Guariooni
AMONA-SI
Segundawadocive.: parlas o sabbado, a 1 b, J^V^S&Sn!tSSSt
iFaria A Filho.
I
PARTE QFF10IAL
GOYERKO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 28 de setembro de ISGi.
Oflicio ao commandante das armas interino.
Tendo em cousiderago o que expoz o delegado do
cirurgio-mr do exercito na sua informago an-
nexa em original ao oflicio de V. S. de honlem
datado, sob n. 1,684 com referencia Arseniu Gus-
tavo Borges, que se acha no presidio de Fernando
exercendo as funecoes de boticario sem que para
isso tenha titulo lega!; reconimendo a V. S. que
contrate uin outro boticario com a devida habilita-
Cao para substituir aquelie am de resolver-se
sobre a sua destttuigo.
Uitoao inspector da thesouraria de fazenda.Ao
segundo cirurgio do corpo de sade Dr. Gustavo
Balduino de Moura .Cmara e ao teneiite Joao Pau-
lo de Miranda, que vo seguir para a corle no pri
roere vapor que passar para o sul, mande V. S.
ajustar cenias at o tim do corrente mez, e pas
saMhes as competentes guias de soccorrimen-
to.Comraunicou-se ao commandante das ar-
mas.
Dito ao mesmo.Transmiti V. S. para o lim
conveniente, o incluso aviso de letras na importan-
cia de 1,500(5009, saciadas pela thesouraria de
rendas da provincia do Rio-Grande do Norte, sobre
essa, e a favor de Jos Joaquim de Lima.Com-
municou-se ao Exm. presidente daquella pro-
vincia.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.Em
original remeti V. S. para o lim conveniente o
oflicio que me dirigi o promotor publico de Ca-
lirob, em lo de agosto ultimo, calculando em
1:000500o annuaes o imposto de 25500 sobre o
gadovaecum consumido naquella comarca, ao qual
vo annexos outros oflicios enderezados V. S.
acerca do mesmo assumplo pelos promotores do
Bonito, Brejo, Garauhuos, Tacaratu e Ouricury.
Dito ao mesmoAccuso recebtdo o oflicio de
iientem, sob n. 427, em que V. S. me parlicipou
haver Joao Carlos Augusto da Silva, dando por lia
dor Jos Lopes Rosas, arrematado com o abale de
3 por cento nos precos da respectiva tabella, o for-
neci ment de aiimcntago aos presos pobres da
casa de detencao no trimestre deoutubro dezem
bro deste anno, e em resposta tenlio a dizer que
approvo essa arrematacao.
Dito ao desembargador provedor da Santa Casa
da Misericordia. -Respondendo ao oflicio que V. S.
me dirigi no Io do corrente mez, tenho a dizer
que em vista da razoes allegadas pela thesouraria
provincial em sua informago juuta por copia,
datada de hootem e sob n. 425, nao me possive
annuir aos desejos da junta dessa Santa Casa, dig-
na por cerio de todo o elogio pelo zelo e inleresse
eminente que sempre demonstra eoi bem dos csia-
belecimento de caridade, cuja geslo est confiada
aos seus cuidados, destinando para as obras da
casa da ra da Gloria que tem de servir de colle-
gio pira os orphos parte das sobras que se do
as verbas de lespezas decretadas pelos S 1*. 2,
5 e 7 do art. 13 da lei do ornamento doexercicio
prximo lindo em liquidacao.
Dito ao vice-consul de llespanha.Em resposta
o oflicio que em data de 21 do corrente, me
dirigi o Sr. D. Leandro Sanches, vice-consul iu-
terino de S. M. Catliolica nesta provincia, cbeme
dizer que, segundo declarou-me o inspector da
thesouraria de fazenda, em sua informacao de
honlem datada sob n. 549, dever o mesrno Sr.
vice-consul requerer aquella repartirn, o paga-
mento do que se ficou a dever ao falleeido subdi-
to hespanhol Bento Antonio Continuo, proveniente
de seus vencimentos, como marinheiro da alfan-
dega desta cidade, exhibindo-se nessa occasio a
competente certido de bito do mesmo Couli-
nho.
Renov ao Sr. D. Leandro Sanches, vice-con-
sul interino de H.pauna, os meus protestos de
estima e distincta considerado.
Dito ao commandante do corpo de polica.
D V. S. as suas ordens, para que diariamente se
aprsente na casa de sade do Dr. Joo da Silva
llamos, urna guarda de pragas sob seu coininaudo.
aliui de'vigiar o criminoso de morte Antonio Jos
Francisco que all se acha em tralamento de va-
rilas de que fra accomim-tlido, conforme soli-
cita o Dr. cnefe de polica em ufficio de:>!a data,
sob n. 1201.Comtimnicou-se ao'Dr. chefe de po-
lica.
Dito o inspector do arsenai de marinlia. Em
vista dos motivos expostos ein seu oflicio de. hon-
tem datado, sob n. 750, concedo a aulorisaco que
V. S. solicita para despedir do servigo da barca de
escavaco n. 1, o maquinista porluguez Manoel
Jos IVreira da Costa, admiltindo em seu lugar o
macbnista brasil-iro Mauoel Jos de Mendonea,
percebendo este o salario de 1205000 measaes
inferior ao que venca aquelie.Commuuicou-se
thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo. Mande V. S. alistar na com-
panhia de aprendiz..- marinheiros desse arsenal,
se para isso lr considerado apto, o menor Joao
Manoel do Nascimento, que me foi apresentado
pelo Dr. chefe de polica.
Dito ao director das obras militares.Para que
eu possa resolver acerca do trabalho que V. S.
propoe fazer-se para o desentupimento dos canos
que con'duzem agua ao hospital militar e quartel
do 2. batalho de infantaria, cumpre que V. S. me
aprsente um orfaraento do quanto se podera dis-
pender com esse servigo, Communcou-se ao
eommandante das armas.
Dito ao director interino do arsenal de guer-
ra.Mande Vmc. ferropear novamente os senten-
ciadas militares Francisco Antonio da Silva e Sa-
bino Ribeiro de Souza, que Ihe serao mandados
apresentar por parte do coronel commandante das
armas, fazendo Vmc. recolher a esse arsenal os
ferros que elles ora trazem, visto acharem-se arrui-
nados e sem a precisa seguranga.-Communcou-se
ao commandante das armas.
Dito ao conselho de compras navaes.Approvo
os contratos que segundo os termos annexos ao
seu oflicio de 26 do corrente, celebrou o conselho
de compras navaes cora diferentes pessnas para o
fornecimento de varios objectos de material da
armada precisos ao almoxarifado do arsenal de
roarioha, cumprindo que o mesmo conselho, na
forma do costume, remeta thesouraria de fazen-
da copias dos termos que assignarem os vendedores
de taes objectos. Communicou-se thesouraria do
fazenda.
Portara.O presidente da provincia, attenden-
do ao qm requereu Eduardo Gadault resol ve de
conformidades com a ultima parte do art. 5. da lei
provincial n. 565 de 6 de maio do anno prximo
passado, rescindir o contrato que era 3 de feve-
reiro de 1861, celebrou o supplicante com esta
presidencia, para leccionar desen.no linear e de
perspectiva no collegio dos orphos de Santa The-
xeza em Olinda e ordena que pela thesouraria
provincial Ihe sejam restituidas as qaantias que
pagou provenientes de seu titulo na importancia
Outro sim recommendo que neste sentido se
expegara as convenientes ordens.Remetteu-se co-
pia thesouraria provincial.
Despachos dos din 28 de setembro de 1861.
Bequerimentos.
Eduardo Gadault.Fiea rescindido o contrato do
supplicante, e quanto as despezas dirija-se a the-
souraria provincial.
Jos Joaquim dos Santos.Informe o Sr. inspec-
tor do arsenal de marioha.
Jos de Camino Araujo Cavalcanti.Cumpre
que o supplicante aguarde a informago que pedio
ao juiz de direito,
Jernimo de Souza Coelho.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Vctor Acciol Wanderley.Passe portara con-
cedeudo a liceoca pedida na forma requerida-
.<>% i:it \C> l>0 BIWPADO DG
i'i i(\ viliei c:o.
SEE VAlA\TB
Seleinbro de 1861.
Conltnuarao do expediente do dia 28.
Oflicio ao vtgario encommendado de Traip.
Tenho presente o seu oflicio de 14 do corrente,
fallando-me no impedimento que alguem oppoz ao
casamento de uns parochianos da sua fregueza.
Diz V. Hvma. que anda est persuadido de que tal
impedimento nao existe ; mas como nao tem obti-
do resposta da miaba parte, remelle a pelicao de
dispensa ad cautelan, afini de facilitar o casamen-
to desses contrllenles.
Tenho a declarar a V. Rvma. que j respond
em data de 12 do corrente ao que a tal respeto
me mandeu dizer no seu oflicio de 16 de agosto
prximo passado ; resposta queja foi inserida no
expediente do bispado, publicado no Diario de Per-
nambuco a. 217 de 22 desle mez. Porm como
pode ter-se extraviado esse oflicio, novamente Ih'o
remello por copia, assegurando-lhe todava que
uesta secretaria seno retarda a resposta a qual
quer oflicio ; principalmente quando dessa respos-
ta pende a reparago de algum mal, ou o remedio
necessario para aecudr ao rebanho da igreja per-
nambucana
Vai igualmente a dispensa do impedimento, que
\. Hvma. por cautela mandou tirar.
Dito aa prefeito do hospicio de Nossa Senhora
da Penha.Accuso recebido o oflicio de V. pater-
nidade Rvma. cora data de 26 do corrente, no qual
me participa haver j saido desse hospicio o Rvm.
Fr Egidlo de Garricio, com destino ao Pago de
Camaragibe, aflm de abrir urna misso naquella
villa, e linda esta continuar viagem em direcgo
villa do Bom Conselho, com o intuito de tratar das
obras e reparos de que carece o Recolhimenlo do
mesmo nome. Tenho presente igualmente a Bota
dos objectos que V. paleruidado Rvma. enviou
pelo mesmo mssionario para aquelie Recolhi-
mento.
Sao lo relevantes e to notorios os servigos que
prestara os missionarios capuchinhos por toda a
parte por onde passam evangelisando os povos, e
fazendo florescer a religiio e a virlude, quo nao
posso deixar de regosijar-rae com a grata noticia
desta nova misso. Quanco ao Hecolhmento de
Nossa Senhora do Bom Conselho em Papacara, por
maior que seja o cuidado e o disvello que me ins-
pira este estabelecimento, sei que ainda maior
deve ser a solicitud com que os religiosos desse
mosteiro velara pelo melhoramento e prosperidade
de urna casa, que, nos remotos sertoes desta pro-
vincia, o padrao da religiosidade e do zelo apos-
tlico de m mssionario capuchinho que, depos
de afervorar cum a sua palavra poderosa os sen-
lmenlos de religio e de caridade que animara o
povo pernarabucano, ainda agora cao cessa de
irabaihar na corte deste imperio pelo augmento da
religio, e pela prosperidade das mssoes na trra
da Santa Cruz.
29
Oflicio ao coadjutor de S- Pedro Gongalves do
Recife.Tenho presente o seu oflicio de 27 do cor-
rente, pelo qual me declara que, tendo sido por
mira encarregado, em data de 5 de agosto prxi-
mo passado, de instruir nos dogmas e na doutrina
da nossa religio ao subdito inglez Joao Henrique
Law, o qual ardentemenle deseja abracar a reli-
gio caiholiea apostlica romana, nelle lem encon-
trado as raelhores disposgoes para se instruir nos
principaes arligos da nossa f. Dz-me mais V.
Rvma.queapesar de acharo novo neophito instrui-
do as cousas esseucalmentenecessariaspararece-
ber o baptismo, com ludo nao o julga tao instrui-
do quanto fura para desejar, nem o declarara
apto para receber este sacramento se nao fosse a
urgente necessdade que elle tem de seguir via-
gem para os porto do sul no da 7 de oulubro
prximo.
E' pois de parecer V. Rvma. que, atlendendo ao
ardeute desejo que elle mostra de entrar para o
gremio da nossa religio ; atlendendo solicitado
com que procura instruirle nos principios da nos-
sa doutrina no pouco lempo que Ihe resta das suas
oceupago-'s, seja admittido a abjurar o protestan-
tismo e abragar a nossa f.
Conformando-me com o parecer de V. Rvma.,
nesta data me dirijo ao Rvm. vigario dessa fre-
gueza, aulorisando-o para receber a protestago
de f, e administrar o baptismo a esse neophito.
.Mas se tao fcilmente permiti que se baptise um
recein-converlido, que anda nao est perfeitamen-
ta instruido na doutrina, e nos principios da nossa
religio, porque confio que V. Rvma. continuar
a envidar todos os esforgos, afim de que elle se
nslrua como convm : espero mesmo que, logo
que o Sr. Henrique Law, voliar da vagem que vai
fazer, V. Hvma. o procurar com todo o disvelo,
como seu pai espiritual, at se certificar de que
elle est cabalmente instruido nos principios da
nossa f e da nossa doutrina.
Confio igualmente que V. Rvma. se prestar a
coadjuvaro Rvm. vigario, afim de que a ceremo-
nia a que nessa matriz se vai proceder no dia 2
de oulubro prximo tenha a pompa e a solemni-
d.ide que a nossa religio requer em taes actos.
Advirto finalmente que, tendo o novo neophito
de ser baptisado debaixo de condigo, necesario
que se prepare desde agora para se confessar logo
depois do baptismo e receber a sagrada Eucha-
rislia.
Dito ao vigario de S. Pedro Gongalves.Tendo-
me sido presente o requerimento de Joao Henri-
que Law, natural da Escossia, o qual tendo sido
educado na seita protestante, agora quer abragar
a religio cathoca apostlica romana, e ha vendo
o Rvd. coadjutor dessa freguezia declarado cm ef-
Gcio de 27 do corrente, que o novo neophito mos-
trava ardente desejo de abragar o catholicismo, e
se achava soffrivelmente instruido nos principios
da nossa religio, despachei o requerimento auto-
risando V. S. para Ihe tomar a abjuraco de
seus erros, a profisso de nossa f catholica, e
administrar-lhe o Sacramente do baptismo.
Sei que a misso de que encarrego V. S. o ha
de encher de jubilo, por poder abrir as portas da
nossa igreja a esse filho desgarrado, cuja conver-
so mais nm triumpbo para a religio catholica.
Estou certo de que V. S. nao falta zelo, nem
sciencia para desempenhar minuciosamente as ru-
bricas prescriptas nestes cases ; pelo que desne-
cessario me recommendar-lhe que se esforc pa-
ra que a sua matriz, no da 2 de oulubro prximo
(dia da festividade da virgem do Rosario, madrinha
do novo neophito), sleme toda a pompa que a
igreja soe desenvolver em taes occasioes: e que
V. S. presida a esse acto com aquella gravidade
o com aquella magestade edificante que requeren)
as augustas ceremonias da nossa religio catho-
lica.
Dito ao vigario encommendado de Tacaratu.
Chegando-rae s mos o offieio com data do Io de
abril, em que V. Hvma. se queixava de que o viga-
rio da freguezia do Buique casara dous parochia-
nos de V. Rvma., ligados com impedimentos desi-
nenles de consanguinidade e de afllnidade, sem
haver precedido a competente dispensa, e at sem
licenga de V. Rvma, lmmediatamenle me dirig ao
Rvd. vigario do Buique, em dala de 26 do prxi-
mo passado, pe lindo me informasse a tal respeto,
afim de serem dadas as providencias.
Agora, pois, acabo de receber o oflicio em que
aquelie Rvd. parocho, em data de 14 do corrente,
me informa que os nubentes de que V. Rvma fal'a
sempre foram tidos por parochianos da fregueza
do Buique e nos seus proclamas se declararam na-
turaes e moradores daquella freguezia, na qual fo-
ram baptisados pelo Rvd. Jos Athanasio de Jess
ento vigario interino do Buique.
Quanto ao parentesco, o Rvd. vigario nao se sa-
tisfaz com dizer-me que os nubentes foram dispen-
sados ; elle me remelle a propria dispensa conce-
dida pelo Rvd. visitador Falcao, em dala do 30 de
Janeiro do corrente anno.
A' vista, pois, da resposta do Rvd. vigario e dos
documentos authenticos, que tenho era meu poder,
cabe-me declarar que V. Rvma. foi menos exacto
na arRuigo que fez ao Rvd. vigario do Buique.
Quem faz urna aecusago destas, sobreludo a
ura sacerdote grave e cumpridor dos seus deve-
res, deve estar bem certo no que afflrma, e nao
se deixar levar por mero boatos, ou por calumnias
| adrede levantadas; e V. Rvma. to mal inforraa-
; do eslava, que nem sabia o sobrenome do nubente,
; sobre cujo casamento baseou a sua arguigo. Cum-
1 pre, pois, que V. Rvma., d'ora em diante, seja mais
acautelado em fazer accusagSes lo graves aos
seus irmos sacerdotes.
Dito ao vigario do Buique.Tenho presente o
oflicio de V. Rvma., com dala de 14 do corrente, e
eom o qual recebi a dispensa e os proclamas que
precederam ao casamento dos nubentes, que o
Rvd. vigario de Tacaratu dizia serem seus fregue-
zes c haverem casado sera dispensa. Tomando na
maior consideragao a resposta formal e documen-
tada que V. Rvma. produzio em sua defesa, cabe-
me louvar o zelo e circuraspecgo com que o Rvd.
procede nos negocios tendentes ao seu ministerio
parochial, e sobretudo no que diz respeilo ao sa-
cramento do matrimonio.
Convcnga-se V. Rvma. de que, se estou prompto
a ouvir qualquer queixa verdadeira e fundada, e
em vista delta, depois de informado, dar as provi-
dencias que o caso exigir, tambera estou dispesto
a repellir qualquer aecusacao leviana com a ener-
ga que conven) ao meu carcter e ao bem da
igreja.
Devolvo os documentes que acampanharam o
seu oflicio, para que continuem a ser guardados no
archivo da matriz.
Dito ao vigario encommendado de Taip.Te-
nho presentes os seus oflicios, datados de 23 de
agosto passado e 25 do corrente, ambos boje rece-
bidos.
Fco sciente de haver V. Hvma. tomado posse
da regencia interna dessa freguezia no da 22 de
agosto prximo passado, como me participa era da-
ta de 23 do mesmo.
Approvo a apresenlagao do Rvd. Antonio Fef-
nandes Teixera para coadjutor dessa reguezia, e
nesta data Ihe mando passar proviso, satisfazendo
deste modo ao seu oflicio de 25 do corrente.
Portara.QjRv. escrvao da cmara ecclesias-
ica pSSSO proviso de coadjutor da fregueza de
fraipn favor do Rvd. Antonio Fernandes Teixeira.
Todas eslas hostilidades, porm, commettidas
por Mr. Chrislie contra o Brasil nao fazem aqu
; impresso alguma, e s servem de provar ainda
maisa incompetencia do ministro que a Inglater-
ra olhera para representar o seu governo no
Bnfcit
O descomo do dinhcro no banco da Inglaterra
contina a 7 |, 7 l|2 e 8 | se bem que o depo-
c sito desse-banco haja augmentado. Nos point siock-
bancks o descomo lem regulado a 5 e 6 V
Os consolidados iglezes continuara na baixa,
j achando-se a 88,88 5|8 e 88 1|2,
Os fundos do Brasil de 5 | acham-se de 99 a
101 ; os de 4 1|2 | d. 85 1|2 e 86. Os portuguezes
3 |0 47 1|2. Os hespanhes 3 | 49 1|2. Os mexi-
canos 3 | a 28 1|2. Os italianos 5 | 68. Os de
Buenos-Ayres 6 |, a 91 e 93. Os gregos 5 | 23
i|2. Os turcos garantidos 4 | 102.
Oalgodo de Peroambuco fiea de 31 d. por libra
a 31 d. 1|2 e 32 d. O da Bahia e Macei a 29 d
!|2e30 d por libr.i.Pao Brasil a 75 s. por tonelada.
; Carao a 45 s. per cwi. E cutiros seceos do Rio de
7.d. a9d. l|2por libra.
Na ultima qunzena chegaram aqu do Brasil os
Iseguintes navios : da Bahia Traviata (27) a Liver-
pool; de Pernambuco liara (27) a Liverpool ; da
, Parahyba Fortuna (8) a Liverpool ; do Para Sim-
bat (29) a Liverpool; e do Rio-Grrnde Atlanta (30)
a Grav^send.
As acQoes das nossas estradas de ferro ficam po-
I las segrales cotagdes : as do Recife 15 1|2 a
16 1|2, isto 4 de descomo mais ou menos ; as
da Bahia com o mesmo descont, e as de Sao Pau-
lo com o de 1|4 de descont, achando-se com 9
de entrada.
S. M. a ranha, enjo regresso Windsor leve lu-
gar no dia 23 do prximo passado seguio 29 para
Balmoral na Escossia, lovando em sua companhia
o duque e a duqueza de Golha. A comitiva real
chegou com feliz viagem qoelle ponto, onde a rai-
' nha tenctona passar a estago do outomno.
O principe e a princeza de Galles embarcaram-
se no dia 2 do correrle emDundee de vagem para
o Bltico. SS. A A. reaesiroprmeiro Copenha-
gue visitar el-re da Dinamarca, pai da illustre
princeza, e seguirlo depois para Stockolmo, onde
sero recebidas por cl-rei da Snecia. Nesta viagem
sao acompanhadas por parte da esquadra ingleza
do Canal, e o conde de Ipencer o camarista de
servigo que igualmente acompanha esses principes.
Parece que SS. AA. reaes assistiro em Copenha-
gue aos esponsaes da princeza Dagmar com o grao-
duque hereditario da Russia, qae acaba de chegar
capital da Dinamarca.
As recentes desordens que acabam de p5r na
maior excilago a cidade de Belfast na Irlanda, ter-
minaran) finalmente depois de a polica haver in-
tervh)doicora a forga armada. -
Fdramellas o resultado (f antigaS-rlxas entre
:es e catholicos, tendo por isso antes o
urna guerra religiosa do que civil entre-
seos resultados foi essa crise asss vlolen-
o 4-Iameniar a morte de alguns desgra-
se haviam opposto intiraago da forga
forgas em Furen,
logo que for assig-
A Dinamarca reuni as suas
mas nao lardar em reduzi-las,
nada a paz definitiva.
Acaba de ser apresentada ao congresso dina-
marquez, e de ser publicada pela imprenta.euro-
pea, toda a correspondencia relativa a esta famosa
queslo dos ducados i
Apparece all urna parle muilo interessante, e
que se refere desimelligencia entre os gabinetes
de Londres e de Pars acerca do apoio, que delles
reelamou el-re Christiano. Rereioso da renova-
go da sania alhanga que com efleito parece haver
sido celebrada eveiitualmente entre a Prussia e
Austria e a Russia, o imperador Napoleo sollicita-
rado governo britannico explicagoes sobre a cele-
brago de urna alliauga da Franga com a Inglater-
j ra para equilibrar aquella que o norte acaba va de
l firmar ; mas o gabinete de S. James, seguindo sem-
f pie a sua poltica de isolatnenio pela desconfian-
ga lalvez que Ihe merece sempre qualquer [dao
do gabinete de Paris, recusou adherir allegando
que o governo britannico eslava disposlo a conser-
var toda a liberdade de aeco, que somenlc elle
viria a limitar conforme" as circunstancias o .
aconselhassem. _
Desle desaccordo surgi provavelmenie a grave: u"por franrez Giwnnc, chega-fo honlem da
difllculdade em que veio a achar-se a Dinamarca, > Ml e l,ah,a; recebemos jornaes do primeiroal* tt
porque era a Franca, nem a Inglaterra se dece- i e d* ^girada ate 28 do passao, Delles cnlhemos
diriam jamis a tomar a parle de el re Chrislano \ K' "E J v*ElK- -ro designada o dia 15 do cor-
contra a Austria -fe-a Prussia, sabendo que no caso reDle .para 'aumento de S. A. a Sra. princeza
de hostilidades nenhtima dessas potencias poderia I ""penal com S. A. o Sr. conde d'Eu.
contar com urna alhanga que ellas viessem a for-! ,, ll,'c,'p'. v!(-tima.do typho, o comn>:ndador
mar para resistir com vantagem a santa allianca. iJ0St' ^arte balvao Jnior.
Os plenipoleucianos dinamarqueses cm Londres I T Dive credores da casa banana de Mi
e em Paris aSsim explicavam, mais ou menos, a *.' l'^paravam urna represeotagao ao governo.
causa do abandono em que licou a Dinamarca pela a ?E??!/5 al*um?s ^Pos'coes do
Franga e Inglaterra, que alias doviam um apoio ,decre, n- J-309 dfi ** u''- m
material a essa potencia em conformidade do Ira- P^SS^K fallenc.a as casas toncaras bo-
tado de Londres; e a nao prevalecer esta interpre- m-cs Vrh0S' 0,lvo,ra Be"- e **
Da ordem do da n. 415 da rcpresenlacio do
ajudante general :
Nomeagoes. Do Sr. pharmaceutico alteres do
corpo de sade Elpidio Francisco de Salles Rieu,
para ir servir na provincia do Paran.i.|
Dito Benjamn Cincinato L'tinguass para ficar
servindo no hospital militar desta edrte.
Grant havia atravessado para o norte do n. /
mes, achando-se a seis milhas de Kir!un-nd. fA
operagao parece levar em visia um importante no-
vimenio estratgico; entretanto para rhrfrer *sse
resultado, havia esse general perdido bastante gen-
te nos differentes encoraros que livera com o m-
mico.
O general Sheridan fra batido por Early, sn-
do obrigado a retirar-^ sobre Harprs Fernv. afim
de defender a Maryland conlra urna nova invaso
dos confederadas. Em resallado as onerariVs mi-
litares nao lem contribuido para a a-- l-raVao Tu
raa solugo, que lano exige o conforto americano.
A opinio publica, porm, conwea a clamar pela
paz ; e al o Herald de Nova-York sustenta que
governo de Washington deve m:mdar emissarios a
Hirhmond para propnrem a reuniao d'um congres-
so e/n que se trato de urna reconciliar*). O pre
raio do ouro (cava a 156 5 8
DIARIO DE PERKAMRUCO
EXTERIOR.
CORRESPO\F,V(lAS DO DIA
' rio de i>KK.vvnnu:o.
Londres, 8 de setembro de 186 i.
Pelo aguilena, entrado em Soutliampton no dia
2 do corrente recebemos aqu a mala do Brasil, cu-
jas noticias foram publicadas sem demora.
A imprensa tem annunciado que a tentativa do
governo do Brasil, de accordo com o de Buenos-
Ayres e com os esforgos de Mr. ihornton, para
urna reconciliagao entre o general Flores e o gover-
no da repblica de Montevideo falhra, continuan-
do assim a anarchia nesse pequeo estado ; e Mr.
Christie tem, a proposito desta nova, vindo com os
seus communicados para expr que jamis a in-
fidencia do Brasil seria all effectiva, quando cer-
to que nenhum partido no Prata a respeital N'um
desses communicados declara demais que o Sr.
Elizalde viera de Buenos-Avres com Mr. Thornton
expressamente para tratar da paz, e que depois so-
mente da chegada desses diplmalas a Montevideo
e que o Sr. Saraiva, plenipotenciario do Brasil,
jumara mediago daquelles agentes a sua oflere-
cida em nome do gabinete imperial : querendo as-
sim firmar que jamis Mr. Thornlon requisitra o
apoio do diplomata brasileiro, se bem que para
ura lim commum.
Na opinio do autor desses communicados, o ga-
bnete do Rio de Janeiro estara disposlo a execu-
tar represalias, caso o governo da Banda Oriental
insististe em repudiar as reclamagoes do Brasil; e'
este expediente faria cahr o gabinete do Ro de,
Janeiro na mais completa contradiego, quando
certo haver este conleslado ao governo britannico
a dreio de assim praticar na questo do Pnnce i
of Watts* III O Brasil sustentou sempre a sua in
nocencia naquelle conflicto, e ainda quando incur-
so na culpa lena o direito de questionar o modo;
porque a Inglaterra executou aquellas represalias
n'um estado de paz, que ella propria proclamou ;
sendo que do daina causado pelo abuso no modo
de oxercer aquelie pretendido direito que pro-;
veio o fundamento de nossas queixas, deixando
mesmo de discutir a questo principal. Esta dille-
renca que Mr. Chrislie nao quer fazer, mas que
Ihe faz em resposta quelles communicados o autor
de diversos artigos que tem sido publicados no
Daily Netvs em nosso favor.
Em outras publicagoes, cuja origen) pode sempre
ser assignada a esse insigne diplomata inglez, tem
sido ventilada a questo dos Africanos livres, sus-
tentando-so aellas que pelo tratado de 1826, a-sig-
nado no lempo de Cannig, a Inglaterra tem o direi-
to de intervir para syndicar a respeilo do destina
que tem tido os Africanos livres no Brasil.
A exlenso que Mr. Christie, da a esse direito
toda abusiva, e o Daily News a laxa at de subver-
siva, porque ella importara o suicidio poltico do'
imperio, urna vez que este permittisse Inglaterra
de a pretexto de Africanos livres intervir na sua
administrago.
A boa f cora que o governo imperial procedea!
na completa extinego do trafico, alias allegada pe-'
lo proprio governo britannico, a nica execugo
3ue tem o mencionado tratado, sendo que acerca
o destino dado aos Africauos livres o governo im-
perial se esforca por convencer o gabinete de Lon-
dres da boa f com que sempre tem procedido.
Demais quererla Mr. Chrislie a existencia de um
governo amigo, quando o lira para o qual coopera-
ran) esse governo e o da Gra-Brelanha se acha
preenchido, porque de facto o trafico cessou?) Se
tal a sua insinuago, esse expediente seria digno
do ministro qae aatorisou as represalias ejecutadas
pelo almirante Warren.
proles]
cunho
tanto'
ta, ti
gados q
armada.'
A autoridade teve de langar mao da forga, por-
gue a a jrchia reinava j naquelle ponto e o que,
o mtis ameagava de invadir Dublin, capital da Ir-
landa ; sem este recurso exlremo os partidos lu-
tariam ainda com grave perigo para a seguranga
individual. A imprensa tem lamentado quelles
successos, mas reconhece que autoridade cumpria
obrar com energa.
Na ausencia das importantes discussoes que sem-
pre ha a narrar quando se acha aqui reunido o
parlamento britannico, cilarci o discurso que lord
Palmerston proferto em Ti ver ton em 23 do prxi-
mo passado.
E' essa localidade representada no parlamento
britannico pelo visconde de Palmerston, e peranle
ella veio S. S. dar explicarles da poltica do gabi-
nete que elle preside, por" occasio do jantar que
all acaba de Ihe ser ouerecido.
Tratando das momentosas qnestes da Polonia,
Dinamarca e Estados-Unidos, o primeiro ministro
da Gra-Bretanha disse com franqueza que a poli-
tica ingleza nestes casos era toda de abstengao,
apezar de que as questes da Polonia e da Dina-
marca as syinpatliias da Gra-Bretanha estavam
com essas potencias ; mas o bem-estar immenso de
que esl gozando a Inglaterra nao permittia ao seu
governo arriscar tamaita vantagem, c por conse-
guate o gabinete da rainlia limitar a sua acgo
influencia diplomtica.
Na queslo dinamarqueza principalmente, lord
Palmerston disse que a Inglaterra nao poderia lu-
tar conlra a Prussia e a Austria n'uraa guerra con-
tinental, e que porlanto nao deveria ter arriscado o
seu prestigio n'uraa lula desigual. Nao fot por
conseguinte a justiga ou injnstiga com que este ga-
binete poderia haver tomado parte naquella lula,
mas sim o receio do desasir que regulou a polti-
ca deste governo inleresseiro A Dinamarca atroz-
mente Iludida, ahi esl para agradecer essa decla-
rago ingenua.
As folhas semi-offlclaes da Prussia e da Austria
tem denunciado esta miseravel poltica do gabinete
de Londres, tal qual lord Palmerston araba de pro-
clamar ; applaudindo a energa com que os minis-
tros Bismark e Rechberg procederan) na questo
dos ducados, sem fazerem caso algum das vaas'
ameacas com que lord Russell procurou impedir a
aeco da Allemanha contra a Dinamarca.
O gabinete de Londres acha-se, pois, desmasca-
rado, e hoje ninguem conla com suas promessas,
resultando d'ahi o isolamento em que ella se acha. |
Nao quero inferir d'ahi que este importante paz
tenda para a sua decadencia, quando pelo conlra-
rio elle busca economisar suas forgas prnprias, mas
tem por certo perdido muilo da sua influencia ex-
terior, deixando de predominar nos conselhos eu-
ropeus, como alias saccedia com exclusivismo an-
tes da guerra da Crimea que, augmentando a pre-
ponderancia da Franga, veio neutrahsar a influen-
cia nociva da Gra-Bretanha. Este resultado be-
nfico para a causa da justiga absoluta j o mundo
poltico presencia com prazer.
Foi com efleito no dia 23 do prximo passado
qae os plenipotenciarios allemes e dinamarque-
zes abriram cm Vienna as negociagoes para a paz
deflnilva entre a Austria Prussia e a Dinamar-
ca, depois de haverem sido ratificados peles seus
respectivos governos os preliminares assignados
naquella mesma capital. Entretanto a marcha da-
3uellas negociacoes tem corrido lentamente, alten-
endo difllculdade da delimitagao das fronteiras
entre os ducados e a Jatland, detalhe qneacaba de
ser confiado para sua resoluco a urna commisso
dano-allema. El-rei Chrislano busca ainda sal-
var para a sua soberana certos pontos do Scbles-
wig septentrional, mas as grandes potencias alje-
mes fundad is na interpretago purae simples dos
preliminares da paz sustentam que esse ducado
foi tambem totalmente separado da Dinamarca; e
esta potencia, que agora se acha enfraquecida e
abandonada por seus adiados, lem afinal de ceder
a intlmago dos vencedores.
Mr. Blubme, presidente do conselho dinamar-
quez, asseveron todava ao congresso que os ple-
nipotenciarios de el-rei Chrislano insistirn) pela
coocesso de garantas aos subditos dinantarque-
zes residentes nos ducados que acabam de conse-
guir sua independencia da Dinamarca.
A suspensa das hostilidades parece ser perma-
nente, e at a Prussia tem l retirado parte do seu
exercito da Jutland-
lacaOj qual seria o lim daquelle acto diplomtico
quando elle expressamente cinsagrou as suas clau-
sulas para a manutengo do equilibrio europeu ?
Se pois as grandes potencias o celebraran) com
esse importante intuito, seria pueril pretextar que
nao concorreram para isso com sua garanta, pelo
que se consideravam livres do dever de apoiar a
Dinamarca
As oircumstancias polticas da Europa haviara ?xn,'r!<-'*esTf s-/!'*' c4n de es-
flectivamente mudado, mas nem por isso corria S?L f!aVe .K",sber? Au!aSU) f
Souza, do lugar de ajudaute de ordens da presi-
eueciivamente mudado, mas nem por
menos o dever que tinha a Franga e a Inglaterra
de execular o tratado de Londres.
A imprensa de Londres pnblicou essa parle da
correspondencia dinamarqueza, que como divulga
o segredo da solugo que leve a desgragada ques-
to dos ducados, questo tanto mais desgragada
quanto foi ella prejudicada pelos desvarios de lord
Russell, que sem desejos do apoiar seriamente a i
Dinamarca, a impellio todava a resistencia.
"rinanica, e principalmente os gabine-
les de beriin e ..C'^enna, comprehendeu para lo-1
go que asaraeacas7.'g^o!l!LJi^^!saa9_^Dbam
alcance algum ; e por conseguinte activaran) nao
s a execugo dos compromisos que a Dinamarca "ni
tinha com a Prussia e a Austria em favor do Sen-
leswig, aflm de assim resolver de prompto a solu-
go de urna questo tao importante para a Allema-
nha.
Adesnlelligencia enlre os gabinetes de Paris e
Londres, e o engao em que lord Russell trouxe
sempre o gabinete de Copenhague foi pois a causa
do desasir poltico porque acaba de passar a po-
bre Dinamarca, que confiara demais na alhanga
de familia que urna princesa dinamarqueza aca-
bava do contralor eom um prncipe inglez.
As recentes noticias do Per confirman) as que
narrei na minlia ultima mlssiva acerca do conflicto
. que surgi entre o governo dessa repblica e o da
; Hespanha. O gabinete de Lima, ao saber que o
governo de Sua Magestade Catholica resolver
mandar novamente ao Per um commssario real
encarregado de negociar as dillculdades existentes
mas sob a base como garanta da continuaco da
occapagao das Ibas Chinchas, parece haver decla-
rado terminantemente que se recusar a receber
aquelie agente do governo hespanhol, visto como
nao tratar jamis cora a Hespanha at que esta
dencia da provincia do Paran, como requereu.
2 tenente do 1 batalho de artillara a p Joao
Jos de Toledo Ribas, do lugar de ajudante do or-
dens da presidencia da provincia de Goyaz.Em
19 de julho fiodo.
Transfeiencas. Alferes secretario do bata-
lho de infamara Emiliano Ernesto de Mello Tam
borim para a lileira do 0 baialho da mesma ar-
ma, e afferos deste batalho Boaventura Leito de
Almvida para aquelie.
:S* cadele do corpo de guarnieo de Pernambuco
omaz Augusto da Vasconcclo Coimbra, para
o al-
que
baja restituido o territorio agora oceupado pele
j mirante Pinzn alul d'uma cabal sstlsfacco ,.
ser firmada pela saudaeo da bandeira peruviana
com urna salva de virite c um tiros. E' fcil de
prever a diflieuldade de assim ser resolvido esse
conflicto, por quanto o amor proprio da Hespanha
se acha demais comprometido para que ella venha
a recuar peranle a intimaco do governo peruano;
entretanto o gabinete do" Equador oflereceu aos
dissidntes a sua mediago, e pode ser que por
virtudedella se consiga o meio de reconciliar as
partes overgentes.
Mas tanto o Per como a Hespanha se prepara
para as hostilidades, havendo o primeiro langado
ao mar em Callao o famoso navio eneouraeado Bo-
liria, com o qual pretende atacar a esquadra hes-
panhola, e a segunda'feito partir para o Pacifico
reforgos navaes enlre os quaes figura a fragata
Cidade de Madrid e o navio eneouraeado Numan-
eia. O- governos das diflerentes repblicas ame-1
rico-hispana parerem agora menos disposios a to-
maren) parte n'aquelle conflicto cm favor do Pe-
r, se bem que o Chile haja prohibido ao almiran-
te Pinzn receber munigoes de "guerra nos porlos
da repblica. O congresso chileno votou a somma
de um millio e quinhentos mil dollars para aug-
mento da esquadra, havendo demais approvado a
poltica do governo em relaco ao conftelo hispa-
no-peruviano : essa assembla entende que, com
quanto o governo deva ahsler-se de esposar aquel-
la queslo, era por isso tem o direito de impedir
regiment de
qtiereu.
2 cadete do l-'l" batalho de infamara Joio Al-
ves da Cosa, para o balalho de deposito, como
requereu.
Llcencas concedidas.Aos Srs.: capitao do cor-
po de engenheiros Sebastio de Souza e Mello, um
raez, com sold simples, para vir a esia corle tra-
tar de negocios de sua familia.
Capillo do Io regiment de (-avallara ligeira
Joao Jos de Bruce, quatro mezes, com sold e eta-
pe, para tratar de sua sade onde Ihe convier.
Em 10 do corrente raez.
2a cirurgio do corpo de saude Dr. I.uiz Manoel
da Silva Cuellto, tres meses, com sold e etape.
para tratar de sua sade fra da corte.
Reforma.Fui concedfdaj por decreto de 3 do
corrente mez. na conformidade do s, | do art. 9 da
lei n. 6'i8 de 18 de agosto de 1852. ao Sr. alferes
do corpo de cavailaria de Mallo Grosso Gregorio
Antonio da Silva, visto soflrer molestias incuraveis
que o tornara incapaz do servieo.
Menagem.Fot concedida, na capital da provin-
cia de S. Paulo, ao Sr. lente do corpo de guar-
nieo da mesrna provincia Julio Ignacio de Azeve-
do Marques, que se acha preso para responder a
conselho de guerra.
Dispensa do servigo para esludar.Ao Sr. 2
cadete Io sargento do batalho de caeadares de
Goyaz, addido ao 1" balalho de infantaria, Bra*
Benjamn da Silva branles, para matrirular-se na
escola preparatoria da corte, no anno vndouro, se
satislizer a todas as condigoes para tal lim exi-
gidas.
O cambio regulava : sobre Londres 27 3|8 a
27 3|4 ; sobre Franca 342 a 348 rs. por fr. sobre
llamt.urgo 654 rs. por m. b. : e sobre I^rtugal 99
a 103 olO.
Os soberanos, depois de chegar a 95tiO, toi-
xarara a 95100 e 9200.
Baha.Os bancos elevaran) o descont, em vis-
ta das noticias da corle.
i>-<2>-
nolicias da
inglez .Vi/;/
Damos era seguida c resumo da-
Europa, de que fot portador o vapor
datena :
N'uma das ultimas sessoes do parlamento dina-
marquez foi o ministerio speramente acensado peto
modo por que se tinha conduzido a queslo dos
ducados. O ministerio, antes da cmara tratar
desle assumplo. declarou que entenda que o rigs-
rad nao representava na actualidade a opinio ge-
ral do paz, e que neslascircumslancias, o govproo.
se o voto de censura fosse adoptado, proporia ao
que os subditos chilenos sob sua responsablidade re C.tr.st.ano l\ ad.ssolugao das ranuras,
tornera nesse conflicto a parte que melhor lhescon-, m,,ms,r, d2 FU"ra l>ubl,roa um reUI.
vier. A Bolivia mostrava-se actualmente menos bre a tomaua du Al#en- em 1ue
pelo Per em relaco a essa mesma
enthusiasta
pendeucia.
Do Mxico nada ha de importante que mencio-
nar O imperador Maximiliano conlinuava entre-
tanto a obra da regenerago poltica d'aquellu es-
tado, havendo ltimamente nomeado urna commis-
so encarregada de dar o seu parecer sobre as
condigoes financeiras do imperio. VeriScra-se a
sobmisso do general Uraga, que era brevemente
esperado Ra capital para apresentar-se ao impera-
dor afim de prestar juramento. Esse successo im-
portou a dssolugo das nicas torcas organisadas
de que ainda dspunha Jurez, do modo que se
espera que esse chefe republicano se decida a dei-
xar o paz, vendo que a prolongago da luta in-
til ; elle eonserva-se por emquanlo as vizinhancas
de Matamoros. Espera-se que ft governo dos Ls-
tados-nidos reconhega brevemente o Imperador
Maximiliano, e esta mudanga na poltica america-
na ter i a sido determinada pelo receto de que o M-
xico se apresse em reconhecer a independencia da
coofederago do sul, com o que a situago do go-
verno de Washington vina a peiorar. El-rei d'lia-
lia acaba de receber em audiencia publica o envia-
do do imperador Maximiliano encarregado de no-
tificar a elevado do tbrono do Mxico de Sua Ma-
gestade Imperial.
As noticias dos E-tados-nidos ebegam at 24
do mez prxima passado. O almirante Farragut
havia destruido junto de Motile varios navios da
esquadra confederada, e toreado Fort Ganes e ou-
tras ohras de defeza d'aquelle ponto militar : esse
sucoesso era reputada de grande importancia, so
bem que a principal fortaleza d'aquella praca, se
achftsse por ep;,quauto as mos do iniuiigo.
um relalorio so-
de Alscn, em
aquella posico era defendida por (res brigadas de
infantaria, dous esquadres de dragues, tro bate-
ras de artilharia e urna companhia de sapadore.
formando um total de onze mil horneas. Mutfes
navios de guerra cruzavam alm m prximo da
costa e protegiam a balera couracada Rolf-K>dt*.
Tem estado suspensos os trahalbos da conferen-
cia de Vienna, pela tenacidade com que os pleni-
potenciarios dinamarquezes defendem os iniere>ses
linanceiros da Dinamarca, em face das preteores
das potencias al liadas.
A Gazeta de la CreJc diz que semelhar.te tena-
cidade poda conduzr um novo rompinvnlo; e
que a Dinamarca, especulando com a ndcfioida
prolongaco do aclual estado de coasas, commeiie
urna grave falta, porque essa resistencia Ihe pt
cuslar a Jullandia, que est oceupada pelas polea-
cas allemas como garanta de paz.
A Austria e a Prussia reclamara da Dinamarca a
resiiluigao aos ducados na parle que Ihes corres-
ponde ao que o governo dinamarquez cobran pela
aboligao dos direitos do Sund. A altitude enrgica
da Dinamarca para os partidarios austnv-prassia-
nos um pretexto do rei Chrislano para eabaracar
e prolongar as negociagoes, para ver se lebentt no
norte do Schleswg alguma insurreigo, que possa
mudar a face das cousas, olTerecendo conjunctura
para a Dinamarca contrahir urna allianca eom a
Franca e Italia.
Afnrma-se que a Austria e a Prussia esto em
desaccordo, pois foi regeitado o protelo aprsenla
da por Mr. de Bismark relativamente formaco
do um governo provisorio oos ducados.
O grao-duque de Oldembnrgo j apresenton
dieta federal a memoria justificativa dos seos
direitos a cora dos ducados ; o duque de Augus-

i MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO


\
'

>



\
/

..:

Marta 4e Peresaabneo Sabbado i t Outubro de IU4
temburg lambem npresenlou urna memoria muito
extensa, eombatendo as pretendes do grao-duque
de Oldemburgo. A memoria foi redigida por dous
lentes de direitoda universidadedeKiel. O duque
consultou respeito das suas pretendes vlnte e
trs facilidades do dircito, das quaes viute o duas
annuiram ao seu pedido, pronuuciando-se deze>ets
favor, e absleudo-se as outras de dar urna opi-
nio dt-limda. mn
A dieta oceupar-se-ha brevemente deste assump-
to. que um novo obstculo aos planos da trufla,
tornando Instil a formaran de um governo proviso-
rio nos ducados. .
O governo de Wurtemberg mostroo intenses de
Tealisar a idea da reuniao dos estados secundarios
B'aai (trapo fcastante forte, para/adquirir na Alle-
manl.a una influencia que fosse contrabaUncar a
da Prussia e da Austria. O governo de Wurtem-
berg eollecar-se-hia ;i frente dessa liga, devendo
apr. seolOT dieta propostas formaes ; mas a Ba-
vieta reclama para si as glorias dessa plano, addu-
lindo que a idea pertence aos homens de estado
Dataros-, e que perianto bertenoe Baviera collo-
car-M frente dos estados secundarios.
Dc-se que o imperador dos Francotes tencin
entrar na liga dos pequeos estados alternaos, con-
tra a allianca das potencias do norte.
A noticia da entrevista do imperador da Austria
com o rei da Batiera causn profunda impressao
nos circuios polticos de Pars. Todos os jornaes
seini-officiaes publiearam um artigle se attn-
bue ao ministro dos negocios estrangeiros ; em
que diz que se a Prussia chegar a sustentar a Aus-
tria contra a lialia, a Inglaterra na se deve assus-
tar com is^o ; que a Prussia tem bastante que fa-
zer pela sna parle, e a Austria ha de brevemente
reconhecer que a Italia lein bons amigos. Aceres-
cenia que a tentativa praticada contra a Dinamar-
ca fascinan Mr. de Bismark, a ponto de se migar
j que o arbitro da turopa mas que tal idea
urna grande debilidade de espirito e quando elle,
se chegar a ourar de*.a enfermidade j de certo
lera corrido muito sangue.
Este artigo causn muita mpress- em Londres
pela attilude que a Franca tomar quando se re-
solver a abandonar a posicao reservada que tem
mantido. e enmeca a acreOilar-se que a questao
italiana sera a primeara deque
cupar.
dito de cinco milhes pedidos pelo governo para as
forlilicacoes de Antuerpia. A direita e a extrema
esquerda da cmara oppozeram-se vivamente
adopcao do projecto de lei. 0 ministro da guerra
deffendeu-o, fazendo considerandos sobre as vanta-
gens dos trabalhos de defeza projectados; mostrou
que estando a margem direita do Escalda, fortifica-
do, nenhumas razoes haviam para que a margem
esquerda o nao estivesse tambera.
Os que se oppunham ao projecto declararam que
eram inimigos Irreconciliaveis das fortifleaces dos
exercitos e da guerra.
O projecto foi finalmente adoptado por 54 votos
contra 48.
Abriram-se em Franca as sessoes dos conse-
Ihosgeraes. Julgava-se qo'e os ministros que sao
membros dessas assciacoes se absleriam nos sens
discursos contra a pratica usual, de entrar no cam-
po da poltica: entretanto Mr. Rouland, em Rouen
e Mr. Rouher em Pay-de-Dme nao deixaram de
tralar da poltica, posto que se limitasscm aos as-
sumptos proprios do paiz.
Assignou-se um novo tratado de commercio en
Escravos...... 39
Esciavas...... 4
oceupar aquella cidade. Os confederados submer-
giram navios no canal de Motila, e lomaran) as-
sim a cidade inaccessivel.
As ultimas noticias continuara a ser favoraveis
paz, apesar dos dous conteBdores progredirem
nos seus movimentos, e repetirem todos os das os
ataques em differentes pontos. Os partidarios da
paz augmentara; o povo e os jornaes reclaman)
que se mandem coramissarios aos separatistas, pa-
ra negociar um armisticio. Diz-se que j se em-
(,rehenderam negociacoes officiosas para conseguir setembbo de 1864.
a suspenso do hostilidades. Maria da Trradade, Pernambnco, 47 annos,
O partido democrtico no estado do Illinois reu- da, Recife, erysipella.
niu um grande meeting, que concorreram mais Maria, Pernambuco, 6 annos, S. Jos, asclte.
de 40,000 pessoas e em que se adoptaram estas re- 30
solucoes : protestar contra o poder intruso da au- Mana Amelia da Conreigao, Pernambuco.
toridade, contra a suspenso do habeas corpus, e nos, solleira, Boa-vista, febre.
contra as prisoes arbitrarias;negar que a consti- Pnracelraa, Pernambuco, 8 dias, S. Jos, ttano,
tuicao autorise que se subgovernem os estados, e Francisca, Pernambuco, i annos, S. Jos, anemia,
que se exerca coaccao sobre el les, accreseentan- AyresPereira de Burgos, Cear, 28 annos, soltei-
367
Alimenlades cusa dos cofres provinciaes 1521
Moviment da enfermara do dia 30 deselembro
de 1864.
- Teve baixa:
Felippa Dantas de Araujo, feriraentos.
OBITUARIO DO CEMITERIO PUBLICO NO DIA 29 DE
casa-
21 an-
do que a guerra longe de eslabelecer a unio, ser-,
ve para levar o reinado do despotismo militar to-
dos os estados ; recommendar o armisticio mine-
ro, Santo Antonio, hemathenuse.
CORBESPONDENCIAS
sinar a reiigiao chrsta; estabelece-se o protecto- tualmente da obediencia, que tem violado cem ve-! redaclores.-Hoje segu para essa capital o
rado as provincias da baixa Cochinchlna, e em zes a consttuico, conspirando para o exterminio e ""* corno de polica Antonio Muniz lavares,
todos os portos abertos ao commercio se admittir ruina de oito milhoes de homens livres, e prono-1 jRilSSEft *!&**!&&*&*&*:
um cnsul.
Para a Babia Presto e Ma'hilde.
Para Pernambuco Ventas e (alee.
Para o Rio Grande do Sul cDelphiue Waalwyk.
i ambios.
Sobre Londres, 3 m. d. 13 marcos 1 1/2 sch.
banco por St.
Prazo curto 13 marcos i> sch. dem.
Sobre Paris, 3 m. d. 192 1/2 francos por 100
marcos banco.
Prazo curto 190 3/4 idem.
Sobre Lisboa 3 m. d. 46 schillings banco por n-
dereco.
Descont 6 1/2 e 6 3/4 por cento.
MQVIMENTO DO POETO.
Navios entrados no dia 30.
Babia7 dias, patacho brasileiro U. Luis, de 1331
toneladas, capilao Jos Teixeira de Azevedo,!
equipagem 10, carga farinha do mandioca e ou-
tros gneros; a Palmeira (t Beltro.
Ass-20dias, lancha brasileira Flor do Rio-Gran-
cada
Fallase da prxima convocacao da dieta da
Hungra, em resultado de um pedido formulado
em um manifest que se fez chegar as mos do im-
perador.
rando axgmentar o seu poder com a excitacao de I deixando recordaces de amisade aos seus aiui-
ms paixoes da raca negra -protestar contra a gos. Deixou sua numerosa familia para ir fielmen-
entrada dos negros na classe de cidadao, e contra a te cumpjir as ordens do governo, e logo em um
sua admisso no exercito, unaraente com o pro- lempo tao critico que se torna bem difflc.il regres-
posito deoppnmir os brancos; que o presidente sa-Io.E a sorte do empregado publico I
Pedem, Srs. redactores, que insiram no seu con
Ha na Hungra grande scsao entre o velho par-! Lincoln, proclamandoa abolcao da escravido, vio- reden), srs. redactores, que insiram no se
ido conservador, do anal urna parte dos chefes co- lou os dreitos sagrados dos estados. ceituado jornal estas duas bobas, que muito
ne?am a nelinar-se as ideas do partido liberal. Alm destas reselucoes a assembla apresentou senio os abaixo assignados.
24 di las de dKo veremnth, del libras e
24 ditas xarope peltoral inalez, de 1 libra
urna.
12 ditas de dito rbano iodorado de 1 libra ca-
da um.
12 ditas de dito duelo iodoreto iudarado de Du
bumel, de 1 libra cada orna.
12 ditas de dito de Goy, de 1 libra rada um
24 vidros de dito lclalo de ferro de borat, de h
ora cada um.
Utensilio*.
2 aremetro de cortar.
2 dito para xarope.
2 libras barbante fino.
12 bonaxis galvanisadas de 'V<-
10 grozas de caixas para plalas fraocezas de di-
ferentes capacidades.
24 coadores de linho, de vara cada nao.
4 copos de vdros para agua, de meia garrafa
1 caivete pequeo.
6 canela*.
4 eadeiras de palinha.
100 fulhetos para opodeldoch.
i formulario de Burchard, da ultima edi*"';*.
de, do 42 toneladas, capilao Vicente Jos da Douwanth oflicina de pharmacia.
meeam
Esta divsao nao deixar de certo de ser provelosa
causa da Hungra.
Escrevgm de Bucharest que fora proclama-
da a lei rural, e abolidas as obrigaedes servs. Os
camponezes podem tornar-se propritarios por meio
de indemnisacoes.
Aununciase o casamento do rei da Grecia
com urna princesa russa ; o Mormng Post annun-
ciando este enlace queixa-se da Inglaterra haver
collocadoojoven rei no throno hellenieo, esqnecen-
a Franca se oc-1 do-se depois delle. O rei Jorge contemplou a situa-
cao de seu pai o rei da Dinamarca, e pensou que
Diz-se que o rei da Prussia visitar a impera- urna nacao osqueoida pela Inglaterra pode muito
triz Eugenia as aguas de Sehwalbaek, para onde bem viver feliz, procurando hgacoes de familias
esta seuhora se dirigi no mais riguroso incgnito, em outras potencias.
A Patrie desmente positivamente a entre-vista A reacc.ao produzda na cmara grega depeis da
entrada dos deputados jonios, centra a pressao tu-
multuosa e anarchica do partido revolucionario,
desesperou a minora, e esla situaco anda mais
ontros pontos entre os quaes figura urna aecusagao
contra o actual presidente, por ter decretado a lei
marcial, para Influir Das prximas eleicoes e'ner-
petuar a sua adminislracaoque julgara prejudicial.
ao paiz.
OgeneralMac-Clellanqueocandidato presiden-:
te proposlo pelo partido democrtico, tem todas as
probabilidades a seu favor; pois que conseguio
reunir a fraccSo que quer a guerra a todo o custo,
e o esubelecimento da Uniao Americana, e a frac-
Alagoa de Baixa, 20 de setembro de 1864.
Juvencio de Barros Correa.
Isidoro Mariano de S.
Raymundo Ferreira Portugal.
(Eslava reconhecido).
Costa, equipagem 4, carga sal; aJoo Rodrigues
Valle.
Trieste86 dias, escuna hanoveriana Ensland, de
190 toneladas, capilao H. II. Brand, equipagem 7,
carga 2,217 barricas com farinha de trigo; a
Saunders Brothers & C.
Ro de Janeiro e Bahia6 dias, vapor franeez
Guicnm, de 1,167 toneladas, commandante A. de
la No, equipagem 115, carga dilferenies gne-
ros.
graioi Assu_j2 -m nate braslero Santa Tiita, de 5o
toneladas, capillo Joaqun) Antonio de Figueirdo,
equipagem 7, carga sal; a Tasso & Irmaos.
Havre3o dias, barca Iranceza Havre, de 180
tonelada?, capilao Martineau, equipagem 17,
1 libra lacre fino.
1 mesa de seis palmos de compnmenlo torrada
de baeta e invernisada.
2 libras otelloa de diversas cores.
i raixa penas de ac.
2 resmas papel pautado.
4 ditas de ditos azul para embramo.
8 maos de ditos marca grande de cores dh-r-a-
4 ditas de ditos para filtro.
2 pelles pelica.
1 thesoura grande.
1 escnv.iniuha de lati.
500 tarjas para vidro dourados de diversos U
manhos.
Quem quizer vender Ues nlijertos apreseale a
carga fazendas e outros gneros; a Tissel Frere i sua pfoposu, tm oarta f.>rhada na secretaria do
PUBLICARES 1 PEDIDO.
Boston 50 dias, patacho americano Fanm e
Lencoln, de 346 toneladas, equipagem 9, carga
2,900 barricas com farinha de trigo e outros g-
neros; a Henry Foster i C.
JVono sahido no mesmo dia.
Sao que deseja a paz, sejam quaes forera os meios Q pei'fu me (|n lieoiisplieio OCClleiltal. Rio de Janeiro pela BahiaCanhoneira franceza i
positivamente a
iperador Napoleaa
annunciada entre o imperador Napoleao e o re da
Prussia. A iniciativa desta entrevista, comoasse-
veram os jornaes de Londres, parte do rei Guilher-
ine que por iniervencao do seu ministro da guerra seaggravou com a eleijao do presidente, que re-
tinha fetto constar ao imperador napoleao o em- cahiu n'um candidato do governo.
ao
(|ue desejava
ve-lo as
o em-
margens do
penho com
Rheno.
O conde de Bismark, e o rei da Prussia nao que-
rem resfriar as libras guei reiras do seu exereilo,
que teve a fortuna de vencer um inimigo immen-
samente inferior em forcas ; pre.para-lhe urna ova-
;ao. O principe Frederico Carlos, o hroe de up-
pe, como chamado em Berln, far sua entrada
triumphanle na capital frente de dous mil no
mens 1
-Diz-se que entre as condieoesapresentadas pelo
Viole e sete membros daquelle partido assigna-
ram e publiearam urna carta insultante para o no-
vo soberano. Em presenca desle acto, que revol-
tou o publico, a assembla manifestou os seus sen-
timentus por meio de um voto de censura e de to-
da a parle chegaram protestos assignados por m-
Ihares de cidados, protestando contra o procedi-
mento do partido revolucionario.
O imperador da Austria ja reeonhecera o rei da
Grecia.
O conflicto enlre a Hespanha e o Per vai-se
gabinete de Tnrin, ligurava "a sahida de Roma de! tornando cada vez mais grave. O Per preparare
para a guerra, e todas as demonstracoes tendera
a sustentar as condices apresentadas pelo gover-
no da repblica, anexar do almirante hespannol
ter procurado enirar era negociacoes, por interven-
cao dos representantes estr.ingeiros em Lima, ten-
tando tirar partido das boas relaeoes que ha entre
Francisco 11 e do exereilo franeez ; que a estas
condices nao atender o governo franeez, mas
que aceeitra a qu se referia desistencia da fa-
milia Mural, aos dreitos que por ventura tenha
ao reino das Unas Sicilias, mediante urna odem-
Bisacao pecuniaria.
O Temps assegura que as negorac,oes para a re-1 o Per e o Chile,
soluco da questao romana, tem tido grande pro-1 O governo hespanlml quer conservar as
gresso, e em breve lermiuar.i) com a assgnatura! Chinchas, que a imprensa hespanhola pretende ser
de um tratado que tenha por base o principio de propriedade legitima da Hespanha. A impren-
Bao intervencao. Segundo estas versos a Franca sa hespanhola, sem attender ao que tem costado a
retirar as sua tropas disfronteiras dos Estados|rainvidicacSodeS. Domingosaconsela oayretno
Pontificios, onde a sua presenca conslilue una in-
ilha-
tervencao.
Descobro-se noTyrol urna conspiracao de que
resnftou verificarem-se nao poucas prisoes. Em
Milito a autoridad^ proeedeu a visitas domicilia-
rias, prendendo algumas pessoas por suspeitas.
Em coosequencia das confissoes de alguns presos,
as buscas e prisoes augmentaran) em varios pon-
tos. Descobriram-sfi alguns depsitos clandestinos
d'armas e muni^oes.
Os tribnnaes de Milao absolveram dous indivi-
duos que tinham sido acensados de terem manda-
a urna resistencia tenaz, e acensa de debilidade o
governo hespanhul, apontando para as declara^oes
porque ella se alcance. __ : q perfume o mais balsmico e aromtico de
O acta presidente Lincoln parece estar absolu- qaaa(os se conhecem por sera auvi)la a agua ue
lamente fora de contendas, pois qoe Lincoln per- F|orjda de Mur & uoman.
deu a popularidade, porque quando o partido da g. Q verdadeJro esi>iriu. a verdadeira essencia
paz comecava a engordar, recuson-se attender as das flores encerradas qual asmoaeQem uraa garra-
combinagoes que se Ibe prelendiam apresentar. ; finha de crvs,a|
As eleioes sao esperadas com o maior empe- 0 sea aroraa fresca qual 0 de um ramalhete
cominandante o capilao
franeez
?ho.
No
dia 10 inauguraram-se os trabalhos das
recemcolhido e composto de odorferas llores, e
mesmo depos que este mu relia e perde sen cheiro,
saminbos de ferroida compaohia de sueste, de Evo- este perfume indistructivel permanece no objecto
ra em direccao a Extremor., e de Beja era dircccao, d delicioso como no orin-
que lia tocado lo puro e delicioso como no prin-
direccao
ao Guadiana e ao Algarve.
_ Fez-seno Porto urna boa apprehensao de no- j^^h, cald(, no banho como enfoguatorio
Us falsas do banco do Brasil. A poliaaprosegua. aromalCO| como aroma fino e de|iCado para o len-
Bas mais altivas avenguagoes. ?0 vestidos e pelle, ou diluido como meio anti-irri-
No da 15 devia sabir para en no mediter-1 UBte pafa dep0g de ^ Wr M|0 a ba, b> ^0,.^,^
aromticas para o
i toucador, incluindo al mesmo essa lo afamada
agua de Colonia de Juao Mara de Faria.
Acba-se a venda em todas as principaes droga-
ras e lojas de perfumaras.
raneo a malor dviso naval portugueza, que nos excede todas maLs
ltimos trinta annos tem sahido do Tejo.
COMMERCIO.
ijne fez no parlamento, e para os actos que hoje
est pralicando, ou que por sua ordem praticam os
seus funecionanos.
Diz-se que o general Pinzn, commandante da
esquadra hespanhola.declaraiaqueno tinhaincon-
venieute em eutregar as libas Chinchas, como de-
posito, ao corpo diplomtico residente em Lima,
com a condicao de seren restituidas ao governo
do Per, logo que esie houvesse mandado Hes-
pauha um representante para dar ao o-' ..es-
dado, em abril ultimo, armas destinadas aos volun-: panhol as convenieules ex.plic-;3 .soic os acn-
tanos, que se preparavam para urna tentativa con- lecimentos ,jyc suscitara/n a cootenda. assegnran-
tra a fron'eira veneziana : ;;;. ;> q-jg 2S provas'd"o ao mesmo lempo qiie se nao repetiran) iguaes
?Vi eram noucas: o Pnanlo apona este juica- actos. "
n enlo como' um syrapttunade que a opinio publi-; E.n Madrid nao se pode MMdMJal Hb*
ca se mostra rada vez mais rlsolvida a reclamar i pois se entende que o general Pinzn pao daase-
a soluco da questao de Venan. mell.anle passo sob a sua responsab.l.dade, e que
Acna-se completamente restablecida a or- as instrucc&ss do governo nao senara expedidas
dem na Suissa. As dnsordens de Genebra toma- nesle sentido. ->.
ram um carcter serio, e por alguns das donaran) A ...prensa ^<>k|*>Q|l
a populaco no meio de ancie.tades, no meio dos governo hespanho e u.ma qne as libas swaafr
desastres que o tumulto produzo. nal entregues ao Pe, u, sem se exigir daquella .e-
A povoacao linha sido convocada para o dia 21 publica a sal.sfacao a_que dizem ter dire.to a na-
de a"oto para substituir no conselho de estado ra cao hespanhola.
siembro qoe ltimamente baria sido investido as O embullador
foncejoes de conselheiro federal. O randi partido conservador. Mr. Chenevire, alcan;ou
8,677 votos, emquanto o seu a!lversario obteve o imperador Napoleao
5,340, o que fazia una maioria de 337 votos fa-
A Italia v;,i reconhecer brevemeule o novo
impe io mexicano, e o Imperador.
A Inglaterra anda lambem os nao reconheceu,:
sendo a demora na apresenlacao das credenciaes
PEBNAMRUCO,
REVISTA MAIIA.
Amanba celebra-se na igreja da Santa Cruz de
01 inda, a festa da Senhora das Dores, com procs-
so larde, como concluso do mez doloroso, ins-
tituido e solomnisado all pelo virtuoso conegoJoo
Chrysostomo de Paiva Torres. _
Ora no Evangelho o Rvd. Sebastao Abdon Frei-
r de Carvalho.
Hoje a sociedade theatral Minerva Pemambu-
cana d a >ua representacao de installago.
Pelo ministerio da agricultura foi approvado
o augmento de salario do telegraphista, que de
presente percebe 2,5 diarios, e mandado admittr
um ajudaute que o subslitua em seus impedimen-
tos.
Chegou ante-hontem da corte oExra. Sr. co- Vo|ames entrados com fazendas...
ronel Jaqnim Jos Gouealves da Fonte, comman- f f cora gneros...
dante das armas desta provincia. >
Os navios seguintes forara encontradas pela | VoIumes sahdos cora fazendas...
NOVO U\\ E PEiaUIBLt.
0 boy bnci pap o IdV dividen
na razo de 89OOO per aceo.
Alfamdega
Rend memo do dia 1 a 29........ 660:10't293
dem do dia 30................. 28:972^810
vapor La Uotlie Piquet,
de fragata Moochez.
Bordeaux e portos intermediosVapor
Gui>n#, commandante A. de l No.
Rio de Janeiro e BahiaVapor inglez Magdalena,
commandante Woolward.
Porlos do norteVapor braslero Oyapock, com-
mandante Antonio Marcellino de Pontes Bi-
l eiro.
EDITAES.
O Dr. Hermogenes Scrates Ta vares de Vasconcel-
los, juiz muoicipal da l* vara da cidade do Re-
cife de Pernambuco por S. M. o Imperador, que
Dos guarde, etc.
Faco saber a quem interessar possa, que em
virtude de ordem da presidencia tenho convocado
o conselho municipal de recurso alim de tomar co-
nhecimenlo das reclama;oes que por ventura te-
nham sido desattendida's pela junu revisora de
qualilica?o da freguezia do Poco da Panella, se
achando para esse llm designado o dia 10 de outu-
bro prximo fnturo, pelas 11 hor ts da manha, no
pago da cmara municipal desta cidade.
Dado e passado nesia cidade do Recife de Per-
nambuco aos 28 de setembro de 1864.
Eu Joao Saraiva de Araujo Galvo, escrivao o
escrevl.
objecto-
DECLABCOES.
689:077*103
llovliueoto da alfandes:a
613
cora seeros... 484
cora gneros.
172
734
1,079
90 i
68/* na venezuelense Ernt, brigue hespanhol Ven-
tana, o.'iq? "Sto*"* of the pl'Jni i,alach0
austraca Ca Ha: v _, .... .,., Descarregam no dia Io de outnbro.
Na lat. N. 10 e long. 0.2i- lo a esi. Mto- j Barca franceza-SpAcr-mercadonas.
veriana Amalia, de Hamburgo para o Ri^uranae j Barca j0g|eza_.s>,.a/,A,mj_i(jem.
do Sul; i u, ,.u. Barca inglezaVision fazendas e loaca.
Na lat. N. o-V e long. 0.14- ii a peca nea-. Eecuna dinamarqueza-.Moms -farinha de Irigo.
Conchita, de Barcelona para O K1 aa patacho austriaco-Cur;7-dem.
arca in-
da Boa-
embaixador mexicano j foi reeebido pela
rainha l>abel.
Diz-se que um dos assumptos de que se oeeupou
em |uanto o rei de Hespa- '
l.a steve em S. Cloud, foi o leconhecimeuto do
pan hola
Prala;
Na lat. N. 8-8' e long. O. 2P-30
gleza Symitery, de Glascow para o ca
Esperanca;
Na lat". N. 6-36' e long. O 33-30' a galera
iuglcza Monlmonrency, de Liverpool para Sidney;
Na lat. N. 4 43" e long. O. 36 25' a galera I
ingleza Utopia, de Liverpool para Calcuta, com 99
das;
Na lat. N. 313" e long. 0. 2721' a barca1
i americana S. /.miz, de New-York para Sidney, com
vor do pn.neiro. Mas, f,.nd mesa da escrutinio, reino ^J^J^PSSS!LiJ!!!t.
Patacho portuguez Hara da Gloria diversos
gneros.
Brigue inglez-Lronferro e pedras.
Escuna venesuelaEr;ife cabos e genebra.
Recebedorla de rendas Internas
geraes dePernaubuco.
Rendimento do dia 1 a29.'.-,-.. 29:2005310
dem do da 30................. ..I:7S2823
30:953A1G3
julgado que devia annuilara eleicao, na qual en-j
tendeu ter havido algumas irregularidades ; cor-
reu a noticia rpida em toda a cidade, e na praca
da Honicipalidada reuniu-se de um momento para i
o outro urna mnltido compacta, qoe appellava
ara o governo cantonal. Agitados assi^m os dous
partidos, sahiram do campo das explicaces e loma-
ram logo depos una altitude hostil. Os radicaes
correram mnnir-se das armas e mtuncoes que
estavam confiadas a guarda daautondado cantonal
e levantaram i os pontos mais populare da cidade
barricadas defendidas pela artillara da milicia do
canto. Opariido conservador nao licou inactivo
cid presenca desta attilude, lendo sido hostilmente
recebidos n'um dos bainus, quasi exclusivamente
habitado pela classe operara. Os conservadores
em-aminharam-se para a praca da Municipalidade,
onde levantaram lambem duas barricadas as ex-
tremidades das ras, formando urna especie de
praca forte, cujo aco-sso era defendido por algUHS
mi.hares de individuos.
O fogo de fuzilaria sentase em lodos os ngu-
los da cidade, e encontros dos dous adversarios
repetan) se em dilferentes direcco-'S.
A entrada das tropas ederaes na cidade fez res-
tabelecer a circulacao em todos os pontos, sendo
desoecupadas as barricadas.
do embaixador mexicano, divido ausencia de
Londres de lord Russell. Jolga-se, porm, que esto
motivo s aoparenle, mas qoe existem pi quenas
dilliculdades que retardara a audiencia oficial.
As ultimas noticias do Mxico sao satisfactorias
para a nova forma de governo, pois a situaco do i
paiz meihora todos os das, e a proporcao que se
consolida a ordem, augmenta a popularidade do no-
vo soberano.
Tem havido repetidos encontros e escaramuzas
mas de pouca importancia. Os partidarios de Ju-
rez vo perdendo a forca moral perante os povos
caneados de lo prolongada luta.
Preiiaravau.se expedcoes contra Monterey, Vic-
toria e Matamoros, devendo estas ser protegidas pe-
las Meas uavaes. Vidauri dominava j as posi oes
de Matamoros. Urna parto das cidades do norte ex-
pelliram as suas guarni^oes juarisias, submetten-
do-se a autoridade. imperial; as forja* juaristas ti-
nham sido d^rroudas prximo
ral Ortega havia sido abandonado por grande par-
te das tropas do seu rommando.
O principe Miguel da Servia annuneina na
O conselho federal mandou logo partir dous com- abertura do parlamento que nao unha cessauo a
mi*sarios, um encarregado de restabelecer a or- uegunaciVs ewffl a Porta, para regular as relaeoes
dem, e e oufo para proceder un inquento. da cidade de Belgrado era a guarnicao turca da
Houve bastautes vctimas innocentes ; mas a cidadella A Porta est prompta a lazer concesses.
tramiuihdade nao tornou a alterar-se. I O principe alludio a urna conspiragao que u
O facto praticado pela mesa do escrutinio foi | mmenle se tramara coua elle, e apenas.
Na la't.N. 2-16" e long. O. 28*-24" a galera
ingleza Poli Starr, de Liverpool para Valparaso,
com 25 dias.
Passageiros do vapor inglez Magdalena, vin-
do de Soulliampton e portos inteennedios : Olio i
Bohres, P. W. Beatty e 1 filho, John Matheus, Jules
Tbeodore Freep, Wilham Mariineau o sua seuho-
ra, Luiz Vllarinho, W.lliam Rawbenson, John M.
Juning, Joaquim Jos Gomes de Souza, Manoel Jos
de Lima, Antonio da Cruz Ledo, Maria Bernardo,
Jos Mara, Manoel Antonio, Manoel Alves Santia-
go, Luiz Jos da Cmara, William W. Purcell.Luiz
Gomes Dourado, Manoel de Amorra, Jos Antonio
Pereira, Antonio B. de Araujo, Manoel Joquira de
Araujo, Jos Rodrigues, Joo Ricardo Leite de
Almeida, Antonio Joaquim Rodrigues, Salvador
Dias Momia.
Repart.cao n.v polica.
(Extracto das partes do dia 30 de setembro de
Foram recolhidos casa de detcnco no da 29
do corrente :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Flix,
escravo dos sobrinhos do finado Jos Ignacio Soa-
. res Machado, vmdo do termo de Olinda por sus-
dc Sainas -owne- pe.lo de estar fgido, e Constantino Nunes Pires,
1 como pronunciado no art. 227 do cdigo penal, no
termo da Rscada.
A' ordem do Dr. juiz especial do commercio,
Francisco das Chagas Cavalcanti de Alboquerque,
como incurso no 2 do art. 343 do regulamento
n. 737.
A' ordem do Dr. juiz municipal da 1* vara. Je-
ronvma Mara da Conceico, por achar-se prenun-
ciada no art. 193 do cdigo penal.
A' ordem do subdelegado do Recife, Francisco
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 29......... 87:6244471
dem do dia 30................. 16:093^326
103:719*797
se reuniu no da 24, e decidi, que lendo Mr. i.he-
Bt viere atrancado a maioria absoluta dos votos, es-
lava regular e definitivamente eleito conselheiro
de estad* ; que nao cumpria a maioria da mesa do
escrutinio invalidar aquella eleicao, sub-iiluindo
assim a ventade do povo ; e que semelhante reso-
Jucao constitua um abuso do poder e um attentado
aos dreitos constiiucionaes dos eJdados. O grande
conselno concluid pedindoque se recorresse au-
toridade do conselho fe leral, para se assegurar a
completa execuyo do voto euiiltido pelo povo.
Mr. Fari, que era o candidato radical, protestou
perante e presidente do conselho de estado contra
a reunio daijurlle corpo, que elle julgava in-
censtucional, e dsclarou que o nico acto compa-
tivel com a consli'.uii;o seria proceder segunda
eleicao.
O conselho federal, porm, resolvpu a questao
inveslindo Mr. Chenevire as fuucces do conse-
lno de estado.
Mr Fari deixou o canlao, declarando que sahia
para o rstrangeiro, porque nao tiuha adi garanti-
dos os seu- dreitos.
O enterro das victimas foi no dia 23 ; mais de
dez mil pessoas reocorreraoi a prestar homeoageiu
aos nfelizes que a campa ia cobnr ; tudo se pra-
tirou em lioa ordem ; esla maoifestacao tranquilla
e espontanea uina prova evidente das opiuioes
da grande maioria do povo genebrino.
Em consequ<-o cerra dos aeontecimentos de 22, foram presas dez
pessoas, que vo ser entregues aos tnbunae> ; sao
dous perteiiceiiies ao parihlo dos independrntet, e
orto radicaes. Entretanto romo esUs pri.-es sem-
pre dt'ixam o povo em certa enVrvesrenria, o go-
verno nao descancou e tem tomado as m- dulas n> -
eessarias para Impedir a renovscio do ronflirto.
Fot suppriundn o arsenal que tuiha foruerido armas
ia* radicaes e foram adiadas as fesus de selentbro.
O runsell.o federal mandou para Genebra mais
trapa?.
Foi omito agitada a sessao de 3 ua careara
des representaules da Blgica, na discuss do ere-
tinha
e Ihe
Iho de Genera, o qual concluido levaUram-se a'uns tofajaiavm* Ma*n^"Xzevedo Campos e Leonardo da Silva,
apresentaram urna mensagera que
modo : Jamis consentiremos que succeda se-
melhante mal; todos nos. estamos promptos de da
e de nnte em la defeza.
Rebenioii um movunento revolucionario em
Rayaz na Svria.
Coiifina-se a noticia de nova revolucao era
Madagascar ; mas o ministro nao foi assasstnado
como se dizia, mas sim exilado.
A regi-nea de Tunes anda nao est pacifica-
da. Algumas tribus tem feito a sua suhmisso, mas
coBtinuam as desordens em Sfax e Sousse. Os in-
surgentes receberam reforcos e conlinuam a aniea-
car o Khasnadar, que se dispunha a partir, segun-
do diz um telegrannna.
As ultimas daus de Nova-York sao de 22 de
agosto. Os feleraes e confederados desguarnece,
ram mutuamente as suas paaiceea de Petershu got
de modo que u'aquella direccao nao se espera mo-
vimento algum imporUnte; o theatro d opera^Ses
mudou-se para o valle de Shenandoah e para a
Georgia. O general Grant mandou tomar posiydes
no valle, todo o corpo de exvrcito eomniaudado
por Shendan, fazendo ao mesmo tempo reunir ali
duas divisoe^ dos carpos de Haunoch e Bntler. O
general Lee mandou importantes reforcos a Hood
commandados por Longstreet, fazendo tambera
marchar Breckendrige para Shenan B.h. O ge-
neral Grant approximava-se de Richmond, mas foi
sorprendido |>rios confederados e perdeu tres
mil homens. Os federa**, tendo receido reforcos,
recuperaran) as suas posicoes.
O baixo Mississipe um dos pontos que o presi-
dente Davis au quer abandonar. Para sustentar
esla posicao fez reunir toda a cavallaria dos esta-
dos de Texas e fia Luiziania, e atravessou com el-
la o Alabama para soccorrer Hoed.
O combate de Wiuonesier foi considerado como
o preludio de urna grande batalba.
Mulla tem sido por di.Te.rent**. vezes accnmmet-
tida; ha ihiuco soffreram ali os confe1erados orna
derrota, mas a* fep* federae, apesar das vania-
gens qne tem alcancado, esto anda tonge de poder
ambos por briga.
A' ordem do da Varzea, Emiliano Manoel Bar-
bosa, por desobediencia.
O chefe da 2* secgo,
J. G. de MesQitita.
Passageiro do hyate brasileiro Santa Rita,
entrado do Ass : -Manoel Martins de Vasconcel-
los Porto.
Passageiros do vapor franeez Guienne, entra-
do do Rio de Janeiro e Bahia: Visconde de Boa-
vista e 2 criados, Tilomas Adarasen, Michel Vita,
Vit> Moutone, Tneodoro F. Pfleger, Josephina ir-
ma de Caridade, e Joao Alves da Silva Pereira.
Passageiros saludos na vapor Oyapock para
os portos do norte : Francisco Melquades de Cer-
queira, Salyro Serafim da Silva, Joo PiBto de
Vasconcellos, Antonio Joaquim Rodrigues, Eloy C.
de Souza, Vicente Xavier de Farias e 1 escravo,
Chri.-tiano de Andrade Egas, Joaquim da Fonseca
e Silva, Luiz Vllarinho,. Pokeuham Beatly e sua
senhora.
Passageiros do vapor inglez Magadleiui, sahi-
do para o Rio de Janeiro e Baha : Jos Rodri-
gues Pereira, Joo Valentn) da Costa, Valentim
Sobrinho, Jos Ferreira Estrella, Bernardino de
Sena Ruarle, Adriano Augnsto Almeida Jordo
Passageiros do vapor franeez, Guienne sahido
para Bordeaox e portos intermedios: Maria Adeli-
ne Mangrei, Maria Bernet, Antonio Jese Candido
de Souza, sua senhora e 1 tilho menor, Miguel Cats
e Jos Ferreira Pinto Filgueiras.
Movimenio da casa de detenco do dia 29
de setembro de 1864 :
Existiam.......
Eutraram......
Sahiram.......
Existem.....
A saber :
Nacfonaes.....
Estrangeiros...
Mulheres......
Fstrangeira....
368 presos.
10
41
387 i
307 >
>
7 i
1
Hamburgo, 5 de sclentbro de 186.
RELATORIO COMMERCIAL.
Continuando a falla de dinheiro tamhem na
quinzena passada as transacQoes do mercado foram
limitadas.
Caf.Nos ltimos quinzo dias nao tivemo* jm-
poriaco directa do Rio, apenas recebemos 3,3iK)
saceos de Santos.
O despacho do Rio de 8 de agosto nenhum effei-
to exerceu sobre o mercado, mas as noticias mais
satisfactorias da Hollanda derara lugar a urna ex-
traccao mais animada de segunda man.
Venderam-se 9,000 saceos do Rio e Santos a 6 3j8
7 3/4.
O caf do Rio, qualidade regular ordinaria, vale
7 1/8 e 7 1/4 schillings.
Imporiaco geral de caf de 1 de Janeiro
ao tim de agosto.
1864-46,300,000 libras.
1863-64,11)0,000
18626l.500.li00
186167.400,000
Em ser em Iras de agosto :
1864 8.. 00,000
186322,000,000
186215,000.000
1861-18,000,000
Assucar.Tambem nos ltimos dias o mercado
esteva tranquillo, e os procos retrocedern! mais
4 a 8 schillings.
Durante o mez de agosto venderam-se de assucar
do Brasil 450 ca xas e 160 saceos da qnalidade
mascava do Brasil.
Iinportae.au de 1 de Janeiro ao fim de
agosto.
1864-28,500,000 libras.
186355,000,000 >
18624:1,500,000
1861-47,000,000
Em ser em fins de agosto :
1864 7,000,000 libras.
18634,000,000 i
186212,000,000
186116,000,000
Tabaco.Durante o mez d agosto \enderam-se
3,400 pacotes de tabaco da Bahia, e em leilao 326
balas viudas no navio Progresista, e mais on me-
nos avanadas, a 3 e 5 schillings a libra, Em ser
5,000 balas do Brasil.
Couros.Os couros conservaran) sua nosicSo fir- to de ferro de
me ; venderam-se na quinzena 8,400 do Rio Gran-
de e 3,000 d j Cear. Deposito de couros brasilei-
ros 5,000.
AlgodoAs transarcSes era algodao brasileiro
limitaram-se a 100 balas do Maranho vendijas a
29 i/4 schillings a libra.
Cacao.A qualidade do Para, firme, a da Bahia,
frouxa.
Jacaranda.As qaalidades finas vo tornndo-
se mais raras. Vendas em agosto: 375 rail libras.
E.n ser 1,623,000 libras.
Depos do MOS.-0 ultimo relatono partiram s
dous navios para o Brasil, a saber : o Hamburg
Pacata com 44 rolnos para Sania Camarina, e
.!oap.ua> para a Bahia.
Entraran) do Brail.
Alpha, do Rio Grande do [forte.
>Esbern Suare-. de Santos.
Maihiid e Johann II. da Bahia.
'Ora3, do Para.
Navios carga.
Para o Rio de Janeiro fSan-Louis, Johann Goll-
fred.
Cmara municipal do llecife.
O abaixo assignado, procurador da cmara mu-
nicipal desta cidade, faz publieo para conheclmen-
to das irmandades, contrarias e ordens religiosas,
que tora catacumbas no cemiterio publico desta
cidade, (cuja concess.io do termo foi gratuita) que
pelo art. 44 cap. 3 da lei municipal o. -W de 13
de maio do corrente anno, foi elevada a 103000 a
taxa de ti-i que pagaro, em virtude do art. 63 do
regulamento do mesmo cemiterio, tendo comeco
essa differenca do 1 d outubro prximo futuro.
Jorge Vctor Ferreira Lopes.
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo para fornecimento do
arsenal de guerra tem de comprar os objectos se-
gundes :
Para a pharmacia do hospital militar de Pernam-
buco.
10 arrobas assucar refinado fino.
2 ditas de dito mascavado de primeira sorte.
2 libras de dito Cand.
8 ditas acido ctrico crystalisado.
12 vdros apeol.
4 libras alvaade de chumbo.
."iO garrafas alcool de 36 graos, de libra e meia
caria urna.
24 garrafas agoa rosada destilada.
2 libras ameixas.
2 ditas amendoas doces.
1 dita ditas amargas.
16 ditas altha franceza.
1/2 onca aconetmo.
2 libras balsamo froravante.
1 dita de dito de roneeem.
8 ditas bicarbonato de soda.
4 oitavas brurina.
1 libra colomelanos.
16 ditas carbonato de potassa.
24 ditas chocolate de musgo eslaudico.
4 ditas cantharidas era p.
24 ditas confeitos de cupahiba e culebinas.
12 vidros creosoto chloroformisado de 8[8 ca-
da um.
24 caxas capsulas de oleo do cupahiba.
24 ditas de ditas de cupahiba c cubebas.
24 ditas de ditas de oleo de figado de bacalho.
24 lilas de ditas de castor.
1 onca cartoreo.
8 oncas chlorato de polassa.
1 arroba cevada.
8 oncas extracto de salsa parrillia.
'; ditas de dito de zhuibarbo.
8 ditas de dito decaroba.
8 ditas de dito de memuondro.
8 nitas de dito de dulcamaras.
4 ditas de dito de quinas.
8 ditas de dito de genciana.
4 ditas de dito de ocula.
4 libras emplastro de cicuta.
12 ditas flores deenxofre.
2 ditas de ditas de rosas.
12 ditas de ditas de sabugueiro.
2 ditas de ditas de horragens.
4 ditas gomma arbica em p.
2 arrobas de dita inteira.
8 ongas iodureto de chumbo.
2 libras de dito de potassio.
1 dita ipecacuanoa em p.
2 iliias incens.
2 ditas jalapa em p.
4 oncas turro pulverisado.
64 libras linhaca.
12 garrafas de l'roy franeez de 8 oncas cada urna
2 libras lauduno de Sedenham.
8 ditas musgo islndico.
8 ditas maeella galega.
1 dita manteiga de racu.
i ditas mercurio doce.
2 oncas nitrato de prala fundido.
20 libras oli-o de figado de bai-alho branco.
12 vidros oleo de liga lo de bacalho com iodore-
ibra cada um.
4 oncas oleo de cupahiba lateris.
1 libia oleo de cades
2 arrobas oleo de ricino.
8 ongas oleo de belladona.
4 libras pasta* de jujuba.
12 eaixas pastilhas .le Naf.
24 vidros pastilha de Vlchy de 2/ cada nra.
12 ditos pos de ruge.
1 libra pos de joannes.
1 libra perellorineto de feno.
12 vidros grandes de prompto alivio.
30 vidros de pilulas de Valet, de 25 pilulas ca-
da um.
24 raixas pilulas de Dehantes.
2 libra* quina em p.
2 d>ta dita inteira.
12 garrafas rol de Leaffertuer.
12 vidros sulfato de ilumino de '/o cada um.
1 libra sal de enmuro.
6 oncas tintura de carrnhim.
6 vidros vooiitorio de l'roy franeez.
50 garrafas rinvn tinto de Lisboa.
30 ditas de dito Porto fino.
conselho, s 10 horas da manha do dia 3 do ou
tubro.
Sala das sessoes do cons.-lho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, 27 de seteaabro
de 1864.
Antonio Pedro de S>i Barrete.
Coronel-presidente.
Sebastiao Jos Basilio Pyrrkt,
Vogal secretario.
No dia 4 de outubro vai praca de venda
depos da audiencia do Dr. juiz de orphos, au
parte da ca no largo dos Remedios, pertenrente ao* meanres
Mara e Manoel, tilhos do tinado Joo do Rege Pe
reir.
Conselho administrativ.
O con arsenal de guerra tem de comprar oa
seguintes:
Para a pharmacia do presidio de Feraaaio
6 vidros. agua de colonia.
6 garrafas, dita de flores de laraogeira.
12 ditas, dita ingleza.
6 libras, acido ctrico.
2 ditas, dito tartrica.
24 borrachas vulcanisadas Je ',
24 ditas ditas de i e */
20 caxas, capsulas de oleo de bacalnao
20 ditas, ditas de dito de ropahiba.
8 oncas, carbonato de amiuoniaco.
4 libras, dito de magnesia.
4 ditas, caberas de papeulas.
20 garrafas, rerveja preta medicinal.
8 libras, choro liquido.
1 dita, chlorato de soda.
2 ditas ranella.
2 dilas, cocheara.
2 ditas, cenla.
8 ditas, cipo de chumbo.
8 oncas, essencia d> aleerim.
4 libras, extracto de alcass;.
4 oncas, dito de fumaria.
8 ditas, dito dr .pecaeuaoba.
2 libras, llores de borragem.
8 ditas, ditas de sabugueiro.
1 onca, hypo sulphito de soda.
2 duas, Kermus mineral.
4 libras, Mi inendio.
16 ditas, oleo de amendoas doces.
8 garrafas, dilo de tillado de bacalho.
1 libra, dito espesso de nz-moscada.
1 onca. dilo esseneal de arruda.
24 vidros, dito de masiruco.
1 onca, dito esseneal de sabina.
20 vidros, paslilhas de Kemps.
2 ongas, proto iodureto de mercurio.
0 caxas, pilulas de veame.
1 libra, quassia.
2 ditas, sabina. j
20 vidros, salsa de Bristol.
32 libras, dita parrilba.
200 sangnesiigas.
6 sengas de vidro.
8 libras, sulfato de so la.
4 ditas, tartrato de potassa e oda.
4 ongas, lu.belho miueral.
12 vidros xarope de Forget.
12 garrafas, dito de esuargo.
20 vidros, dito de Nal'-'-.
24 garrafas, dito aleoeiaw de veame prepara*.
pelo pliarin.ici'tiliru Paranhos.
Quem (|uizer vender tacs artigos apreseM* seas
propostas em caria fechada na secretaria do reaet-
Iho administrativo as 10 horas da manha do dia 3
de outubro vindouro.
Sala das -esses do conselho adminislratixa
fornecimento do arsenal de guerra, 27 de .-e:
de 1864.
Antonto Pedro de S Burrito,
Coronel presiden!*.
Sebdilio Jos fiyto Perrao.
Vogal seeretuffo inlenao.
Consellio a m>ni>lnitiv*.
O conselho administrativo para f..roecimento de
arsenal de guena tem de comprar os objectos
segrales:
Para o presidio de Fernando.
30 arrobas de plvora.
Para o 7 batalho de infamara
00 bonels 'redondos sem palla.
Para o comfnandq das armas
3 j.irras de barro cora taupa.
12 quartinhas.
1 copo de vidro.
3 ditos de vidro lapidados.
1 bacia de louca.
1 globo de vidro.
3 ourines de louga.
2 lanterna> ou mangas de vidro.
6 escarradeiras de lato.
1 rastical de latao.
1 bandeja pequea de folha.
3 fechaduras com chaves para gavetas.
Quera quizer vender taes artigos apreseale >ok
prepnstas em carta fechada aa secretana do coaae-
llio administrativo as 10 horas da manha de da '
de outubro vindouro.
Sala das sessoes do conselho administrativo para
fornecimento do arsenal de guerra, -7 de seteafero
de 1864.
Antonio Pedro ie S Barrete.
Coronel presideMe
Sebnstio Jos Basilio farreo.
Vogal secretario mteriao.
f.onsflh dniiiiratii.
0 conselho administraiivo para turaeciawBto aV
arsenal de guerra tem de comprar es enjertos,
seguales:
Para provimenlo do arsenal
50 pelles de Instn*.
Para o laboratorio.
18 arrobas, salitre calcinado.
10 dilas, eniufre.
6 dilas, polvera.
15 resmas, pa|ie| carto de formato
\i arroba, gomma lara.
8 caadas, alcool de 36* grao*.
1 arroba gi>mma de mandioca.
4 libras, pedra-ume.
1 geral grande de pedra tnimar.
1 relogio de parede.
1 lavatorio de ferro com hacia e jarro.
Quem qnizer vender ta** argm
propostas era carta fechada na secretarla
|bo administrativo as 10 horas da mea*aa de ala 7
do o,tubro vradouro.
Sala das seoe* do conselho administrativa aera
fornecimento do arsenal de guerra, 17 de
de 1864
Antonio Pero r Si Barrito.
Coronel ajajjajajt
Sebastiio Jos Basilio arrie,
Voeal serretarie"
Crrelo geral.
Ppla airministraro duroireio desta
faz publico, fiara fins convenientes, qi* em virta-
de do disposlo no art 138 do r
ari
/'
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
MUTILADO



Diario e Pmumbne*
1 e On dos correios de 21 de dezembro de 1844, e art. 9
do decreto n. 185 de 15 de maio de 1851, se pro-
ceder o consumo das cartas existentes na admi-
nistraco. perlencaoles ao mez de selembro de
1863, no di a 5 de outubro prximo, as 11 horas da
raanha, na porta do mesmo correio, e a respecti-
va lista se acha desde j exposta aes interessados.
Adrainistracao do correio de Pernambuco 22 de
setembro de 1864.O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
THEATBO
S. ISABEL.
EMPREZA
c;erha\o & coiibra.
O espectculo annunciado para hontem 28 do
correte, foi transferido por nao estar o drama
A HONRA DE UMA FAMILIA sufficientemente
ensaiado.
A empreza nao querendo desmerecer do concei-
to que goza, e para nao sacrificar a companhia que
dirige, obrigando-a a trabalhos mal sabidos, preto-
rio perder o resultado de am espectculo, ao cr-
dito de urna excellente composicac que alias dig-
na da alinelo publica.
A HONRA DE uMA FAMILIA ura drama de
fina t'xecuco, e a nao ser peritamente jogado, ou
pelo menos os seus dilogos, de mnitissimo intc-
resse, enunciados com a necessaria precisao, per-
dera as bellezas que coutm, ficando a empreza
privada de um dos melhores dramas de seu reper-
torio.
Contina ainda a ensaiar-se para subir scena
como convum.
SABBADU, i" DE Ol'Tl'BRO DE 1864.
5a recita da assiguatara
Primcira representadlo do lindo drama em cinco
actos, original francez,
A HONRA DE UMA FAMILIA
PERSONAGENS.
Mauricio de Chenevieres..... Coimbra.
Jorge de Maubreuil.......... Germano.
Paulo de Chenevier........ Lisboa.
Edumuodo Roger........... Borges.
Beauseant.................. Pinto.
Lord Derby................ Porto.
O cavalheiro de Laroche..... Guinarites.
Elisa de Cueueviers......... D. Maria Ponte.
Matbilde................... D. Antonina.
Baroneza d'Origny.......... D. Camilla.
Convidados, criados etc. etc.
Actualidade.
Terminar o espectculo com a nova comedia
em 1 acto :
sin o n\o ?
lomam parte os Srs. Lisboa, Santa Rosa, Guima-
raes e D. Mana Pontes.
Comecar s 8 horas.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte esperado
o vapor Cruzeiro do Sul, com-
uiandante Alcanforado, o qual
depois da demora de costume se-
guir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no da de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras : agencia, ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C
cado en nma das principaes roas da freguezia de
Santo Antonio, o qual rende 1:3004 annual, s 11
horas do dia cima dito em seu escriptorio ra
da Cruz n. 38.
&
CONSULTORIO HE1C0-CIM1RGIC0
m
DR. PEDRO E ATTAHYBE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, pautkiro e operador.
3 Ra da Gloria, casa do Fimdao 3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratan aos pobres lodos os das das 7 s 1
horas da manhaa, e das t> e meia s 8 horas danoite, excepcSo dos dias santificados
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o ma appropriado soriimento de carteiras
de frente cerca de 700 palmos e de fundo 800 d^ tubos avulsos, assim como tinturas de varias %mnamsacoes e pelos preces seguintes
Qointa-feira 6 de outubro, s 11 horas,
rna da Uadeia armazem n. i>3
DK
Hm grande sitio defronte da igreja na es
trada de Joo de Barros, rende 600.
PELO AGENTE EUZGBIO.
Se vender em Ieilao am grande sitio que tem
DEN
IRIS
tos, com casa de vivenda em bom estado, 6 quar-
tos, 2 salas, cosinha fora, copiar, casa para cria-
dos, cacimba com boa agua de beber, com diver-
sos arvoredos de bons e abundantes fructos, que a
mu lempo reeompensam o Irabalhu de zelar-se,
este sitio divide de um lado com o Sr. Dourado e
do ontro com a viuva do Sr. Rufino, e pelos fun-
dos com o do Sr. brigadero Joaquim Bernardo de
Figueiredo, os pretendentes poderlo desde j exa-
minar afim de aproveitar a pecbinena.
AVISOS DIVEBSOS.
Carteiras de 12 tubos graneis. 120000
de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos granebs. 45000
de 48 tubos grandes. 300000
de60 tubos grandes. 350000
Prepara-so qualquer carteira conforme o pedido que se fuer, e com os remedios
que se pedir.
Um tobo avirlsfl ou frasco de tintura de meia onca tffOft,
Sende para cima de 12, custaro os preces estabelecdos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 is.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jahr,
dons grandes volumes com diccionario............ 200000
Medicina domestica do Dr.' Hering,........... 100000
As10:0O$O00. Repertorio do Dr. Melle Moraes. .-......... 80000
Quinta-feira 6 de outubro do coirente Diccionario de termos de medicina ........... 30600
anno se extrahira a quinta parte da quar- j Os remedies deste estabelecimento sao por demais oonhecidos e dispensam portan-
ta lotera (110a) a beneficio do Gymnasio to de serem novamente recommendados aspessqai iwe quixerem usar de remedios ver-
Pernambucano, no consistorio da igreja de dadeiros, enrgicos e doradores: ha tudo do nHjor que So pode desojar, globos de ver-
Nossa Senhora do Rosario da freguezia de dadeiro assucar deleite, notaveis pela sua boa MBervacao, tintura dos mais acreditados
Santo Antonio. estabelecimentos europeos, a mais exacta e aecurada preparado, e portanto a raaior ener-
Os bilhetes, meios e quartos acham-se gia e certeza em seus effeitos.
crespaona5!pectiva thesouraria lrud, Casa de sade para escravos.
Os premios de 10:0000000 at 2000001 Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
serio pagos urna hora depois da extraccao j operaco, para o que o annunciante julga se sufficientemente habilitado.
at s 4 horas da tarde, e os outros no dia O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica, e
seguinte depois da distribuico das listas. I funecionando a casa a mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cujo conceite se nao
Servindo de thesoureiro, Pde duvidar, que pdem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
Jos Rodrigues de Souza. doentes.
Paga-se 20000 por dia durante 60 dias e d ah em diante 10500.
As operacoes sero previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos presos
azoa veis que costuma pedir o annunciante.
A CS.. do Ci.\ A.\ do W7.
A antiga e Sober,*. L,\ Capit...Seis
de Marco de 1847, ao Val.', do Recife, e
do Circ. do Sap." Gr.,: Or.\ do Rrasil
aoVal.-. dos Benediclin.*. na corte do im-
peiv. reune-se em sess.'. mag.-. no dia 2
do corrente s 11 horas da manhaa, para
cujo im convoca seus dign.*. obbreir.*.
O Ir.-. Hiram Gr,\ 30.-.
Secref.
A CJ.*. do A.*, do U.*.
A Sob.\ e Aug \ L Cap .Vigil.
Segredoao 'val do Recife convoca seus
dignos membros, a reunir-se no dia 3 do
correnle em seu templo.-, pelas 6 horas da |
tarde.
Or.-. Secret/. J.-, R.\ L/, G 18.
Jos Delfino da Silva Carvalho convida
aos prenles e amigos do fallecido Francisco
Ferreira Fialho, para assistirem a urna mis-
a no Rosario da Boa Vista, sepunda-feira
3 do corrente, s 7 horas da manhaa.

seus
ROUPA FEITA
NO
AHH.U!E9
DE
%wm ia TOM
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navega^o costeira a vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaly, Cear, j
Acaracu* e Granja. I
O vapor" Jaguaribe, comman- j
daute Lobato, seguir para os por-
to? cima no dia 7 de outubro as '
5 horas da tarde. Recebe carga
late o dia 6. Eocommendas, pas-l
sageiros e dinheiro a frete at o dia da sabida
s 3 horas da tarde: escriptorio no Forte do
Mattos n. 1.
Marcelino Jos Goncalves da Fonte, ferido
da mais dolorosa ddr pela noticia que acaba
de receber do fallecimento de sua sempre
chorada roai, Rosa Mana da Fonte, pede a
todos os seus amigos de assisllr a urna mis-
sa que manda celebrar na segunda-feira 3
de outubro na igr<>ja do Corpo Santo, pelas
7 horas da manhaa por alma da mesma fal-
lecida, ficando desde j eternamente grato a
todos os Srs. que se dignarcm assistir a este
acto de religio e caridade.
CASA U VOKTIM.
aos 10:000,000
Bilhetes garantidos
A' ra do Crespo n.
I-
>o
KJBTRSIRO VEKOE.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de
todas as qalidades, tambem se manda fazer por medida, vontade dos concer-
rentes, para o que tem um dos melhores professores, assim como tambem tem um
grande e variado sortimento de fazendas de todas as qalidades, para senhoras,
homens e meninos.
Casacas de panno preto, 350 e 300000 Ditos de setim preto. .
Sobrecasacas'idem, 300 e 250000 Ditos de ditos e seda branco,
Paletos idem e de cores, 250,
200, 150 e......100000
Dites de casemira, 200, 150,
120, 100 e...... 70000
70,
30500
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
IVavegaco costelra a vapor.
Tamanare,Barra Grande, Pona de Pedras,
Camaragibe, Macei, Penedo e
Aracaj.
No dia 5 de outubro seguir
para os portos cima o vapor Pa-
rahyba, commandante Martins, s
o horas da tarde. Recebe carga
late o dia 4. Encommendas, passa-
geiro e dinheiro a frete at o dia da sahida : es-
criptorio no Forte do Mattos n. 1.
LEILOES.
DK
i na casa de mu andar na ra da Scd-
znla o. 1.
ho*ii:
O agento Pestaa legalmente aulorisado vende-
r por conta e risco de quem pertencer urna casa
i,: podra e cal de um andar sita na ra da Senzala
Nova n. 1, os pretendentes podem examina-la, ser
vendida no sabbado Io de outubro pelas 11 horas
Ja manhaa no armazem dos Srs. Palmeira & Bel-
rio no largo do Corpo Santo.
23 e casas do costume
O abaixo assignado vendeu nos seus muito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a beneficio da igreja de Santa Rita, os
seguintes' premios:
N. 3099 d us quartos com 10:0005(KK)
N. 950 meio bilhete com 2:0005000
N. 1726 dous quartos com 6000008
E outras muitas de 2000, 1003, 400 e 200.
Os possuidores podem vir receber sem os des-
con.os das leis na Casa da Fortuna ra do Cres-
po n. 23.
Acham-se venda os da quinta parte da quarta
lotera a beneficio do Gymnasio, que se cxtrahir
no dia 6 de outubro.
Precos.
Bilhetes inteiros..... 120000
Meios......... 64000
Quartos........ 3000
Para as pessoas que compraren)
de 1000 para cima.
Bilhetes........ 110000
Meios......... USOO
Quartos......, 2$750
Manad Martins Fiuza
LEBLAO
H04E
O agente Pestaa vender em Ieilao por conta
*\e quem pertencer 1 moleque pega de 6 a 7 an-
nos, bem preto, muito ladino vista da pec.a faz
vontade: hoja na porta do armazem dos Srs. .Pal-
meira 4 Beltro depois do Ieilao da casa s 10
horas da manhaa._________
LEIliO
O agente Almeida competentemente autorisado
/ara Ieilao de um excellente sitio no lugar do Ro-
sarinho com grande casa que contem 3 salas, 4
quartos e 2 so aos. boa cosinha e terraco, estriba-
ra e mais commod j<. cacimba com superior agua
de beber, com 300 ps de larangeiras tolas de ex-
cellente qualidade, mangueiras, coqueiros, sapoli-
Eeiros e sapotas, grande quaotidade de cajueiros.
duas grandes baixas para capim, urna meia agua
na extrema do sitio que boje serve de agougue e
rende 70 mensaes.
Tcrca-feira 1 de outubro
s 11 horas do dia porta da Associagao Com-
.inercial.
LEIL40
DK
Ven sobrado de dous andares e sotao edificado em
chitos proprios na ra Dlreita n. 9, com frente
para a ra da Penha.
Freguezia de Sanio Antonio.
Tercvfrira 4 dew outubro.
O agento Pinto far Ieilao precedida a comp-
late autorisarSo. do sobrado cima indicado edifi-
Ditos de alpaca, 50, 40 e
Ditos ditos pretos, 90,
50, 40 e......
Ditos de brim e ganga de co-
res, 40500, 40, 305OOe. .
Dites branco de linho, 60, 50 e
Ditos de merino preto de cor-
do, 100, 70 e..... 50OOO
Calcas de casemira preta, 120,
100, 80e......
Ditas de cores, 90, 80 e. .
Ditas de meia casemira de co-
res, 50000 e.....
Ditas de princeza e merino pre-
to de cordo, 40500 e. ,
Ditas de brim branco e de co-
res, 50, 40500, 40 e .
Ditas de ganga de cores, 30 e
Cohetes de velludo preto e de
cores, 90 e......
Ditos de casemira preta, 50 e
Ditos de ditas de cores 50
40c
60 e 50000]
Ditos de gorgurao de seda
pretos e de cores, 60, 50 e 40000'
Golletes de fnsto e brim bran-
0, 30500, 30 e 20509
Sepoulas de brim de linho,
<2040O e......20000
Difcs de algodao, 10600 e. 10400
CaVisas de peitos de linho,
40, 30 e. ..... 20500
Ditas de madapolSo, 20500,
20 e........10600
Chapeos de massa, pretos fran-
cezes, 100, 90 e. 80500
70000 Ditos defltro, 50, 40,30500 e 20000
Ditos de sol, de seda, 120,
110, 70 e......60(KM)
Collarinhos de linho fino, ulti-
ma moda duzia. 6000
Sortimento completo de grava-
tas. 0
20500 Toalhas para rosto, duzia, 110,
i e........60000
70000 Chapeos deso, de alpaca, pre-
tos e de cores.....40000
Lences de bramante de linho. 30000
Cobertas de chita chineza.. 20500
aac
30500
30000
40000
70000
40000
40000
20500
40000
30500
jTA DE Pi
19Una Rm-ft
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz todas as operacoes de sua arte, e col-
loca dentes artificiaos, todo com soperfo-
ridade e perfeicao, que as pessoas enten-
didas ihe reconhecem.
Tem agua e pos deatifieo.
Precisa-se de nma criada lirre ou escrava
que saina cozinhar e engommar : na roa das Cruz
u. 12, primeiro andar. ^^__^
A .MOf.tSTiA ou tnfrcvSo nvrv
har ioiiiiccida j>el > de Fj>-
crofula um dos mates -*
prevalecentes p nniversal que
lia em luda a extfitsa lisia i*
fiilci'iiiMl.idt- ile M solti.--,^-
genero humano : dis.se mu nr>-
bre escriplor da iii-Mn-ma t\nr
mais di" urna ttTca parle oV
todos aquelles que morrea atrits
da velhico sao Tictimas, on direc-
ta ou indirectamente da Etrrnf*.
la :por si nao to dr>.
tactiva, porm a principal raus de
Quem precisar alugar um eecravo pardo pa
ra cozinhar, para mandados e para bolear cabrio- ras outras enfermidade.- que nao Ihe sa<> pe
te, de boa conducta, e me bastante desembara-' raimpni ,nrhiii<]a
cadoelimpo, dirija-se na Velha n. 93. on en- '
teada-se com o escrivao Silva Befo, na ra do
Imperador n. 71.
Precisa-se de nma preta para vender na ra:
a tratar na roa da Concordia n. 2.
rinffitngueB wawMag ItMIMigiS
rsswnm owuiuwhb! moaaiaEHW
Naques sobre rordipi!.
0 abalxo assignado, autorisado peto a
Banco Mercantil Portuense. e na ausencia
do Sr. Joaquim da Silva Castro, saca el-
fectivamente por todos empaquetes sobre
as pracas de Lisboa e Porro, e mais luga-
res do reino, por qualquer,somma vis-
ta, e a praso ; podendo, osq&e temarem
saques a praso,receberefia vteta, no mes-
mo Banco, descontando 4 OjO a anno: na
leja de chapos da ra do Crespo n. 6, ou
na ra do Imperador n. 63, segando an-
dar.Jos Joaquim da Cosa Ma'ra.
HH9IS SHBSnB flHBwfli!
Aloga-se o primeiro andar da cas n. 37 da
E' urna causa directa da fhfkimm pul-
monar, dan ntoleftias do fijado. do tftmmm-
go r affecres do cerebro: Entre o* sen>
numerosos synrplomas aeltam-se m sepnin-
les : falta de appttte : o sembla*!? fal-
lida e as cezes metalo, tata de tono
alvina transparente e imtrns rnrada e a-
marvflenlo ao redar da lx molleza nos msenla* : di gestan paca r
appelite irregular, (alta dr nnujia, remite
incitado e erncnatdo trreanlar : quandn o
mal tem sen asscnlo sobre os pulmes. urna
cor azulada moslra-se em roda dos fAhnt.:
qiiaiido ataca os igaos difaflterm, os ohVs
lornam-se avi'rmelliadns :o kalilo (M4n,
a finaua corregada, dore- 4e cabera, ttm-
teiras tic.
as pessoas de disposiiTm CkMMHI p-
engenhos por ser no melhor lugar para este fim :
tratar no estabelecimento da mesma casa._____
VIGILANCIA E SE-
GREDO.
Sesso segunda-felra 3 de outubro, s 0 1|2 he
ras da tarde.
ra da Cruz do Recife por preco commodo, pro- parecem frequentemente ropffoi na |iar
pria para escriptorio que recebo comms?5es de ra cabera c eulr.i> parles do tMJt, sao pre-
dispostas ,is affecee* dos pmlmin, do hj*-
do, dos rins e dos urgSos di^e^'vc e
tinos. Portanlo, nao aamfe, *piel' -
fque padecem das formas trietrnMU e lal-et
enlosas da escrfula que necessitam de pro
lecco contra os seus estragos loilo- *-
quedes em cujo sangue existe o vira bien-
te d'este lerrivel llagello (e as vezea beri-
- Precisa-se alugar ron escravoou escrava pa- d'^rio) eslo expOMOS tambem a soffrer di-
r vender na ra, bem como urna ama escrava ou enfermidades que elle cansa, que sao ^
forra para comprar e cozinhar para casa de peque I A phthysiea. ttleerates do fi'/ado. dn fi-
na familia : quem pretender, dirija-se a ruado fnmaao e dustins: erttpe,s e eufermtda-
Vigana n. U, primeiro andar. j ^' ,
-2------^!------------------------------------- des eruptivas da cutis : tasa ou effuama .
Vire-consulado de llespanna. \borbtUkas. ;>./-/ku amis, lomare.H-
Havendo fallecido o subdito hespanhol Dent a Antonio t.outinho, sao convidados todos os sens ,,;, j. _^ __, -'-*.-
devedores e credores a apresentarem neste vice- ""''*""', consulado os respectivos ttulos para procederse cabeca, debilidades femtninas, ores brm-
k fiqnidacao do seu espolio__________________ cas causada ptla ulcentrito interior, r ea-
fermidadvs
Mant-Clalr Jertmaats uterinas, harofatim, H
das ilhas ou os desterrados trHIha da Barra, ro- Ido, en fragen atento e debiltdade geral.
manee digno de ser lido pelas senhoras por seus Aos pulmes a escrfula |>n>ilu/ lul^rca-
lances interessantes postos em execu5ao por urna ,ftS ,in;l|meril(. cmmmpCU pHlmtmm :
senhora, 3 volumes em brochura a 20: na livra-___ .. r; '
na ns. 6 e 8 da praca da Independencia. planillas ella ptoduz HKhaCOCS e l'Tti
---------^;----------i----------r------' se ulceras : nos oreaos dijiesiivos causa
Precisase allgrn urna das mas desarranj(u5 (|I1C pr0|jllzenl ZSamxtoTS
ova, do Imperador ou de Irespo (pre- pepsia. molestias do Igado nos nos :
ferindo-se esta ulliin'), ama leja, vas- na pelie profliw ernpees e aaVccw a*-
ta, clara e de 3 4 portas ; dirigir-se luias-
roa do Crespo n. 4, loia do Sr. Fa- Todos esU's "{n,es ,endo a ?m '"
r gem, earecem do mesmo remedio: ;i >a-
- Aluga-se a casa n. 40 da ra das Trinchei- \ sstlmt parrilha Ir Ayrr
ras : na ra da Aurora n. 36.________;_______ (-. COmp0sla dos anudlos mais eJfcazes qne
Na livraria n. 6 e 8 da praca da Inde-ja sciencia medica lem podido descotaum
pendencia existe nma carta de importancia para esla m lestia assoladora e para a r ura
paraoSr. Antonio Fernandos Corredor. | de todos os males provenientes d'ella que
conten virtudes
Aluga-se o terceiro andar do sobrado n. 37
da ra do Amorim : a tratar na roa da Cadeia n.
62, segunda andar._______________________
~^~Aluga-se o quarto andar do sobrado n 19 da
ra Nova : a tratar na ra da Cadeia n. 02, se-
gando nular.____________________________
- _Ama.
Precisa-se de urna antipara casTdhpoUGMa-
veiitadeirami'iile e\lr;tordi-
narias provado iuciinlestavelineiile pela
curas notaveis e bem ronhacadai qne ten
feito de tumores, ernpro s cutneas, eruti-
pelas, ttorbulhus, nascidas, chmam antigs,
ulceras, rhenmu, sarna, parchas, hydrap,-
sia, tosse quatnlo causada por depsitos tu-
berculosos nos pulmoee. Daaajaaja! kk-
milia, e que se sujeite a ludo o servico de casa :, ra|:nli''estiiD, Stfp/tilis camsiilackmal r
na ra do Queimado n. 39, primero andar.------- moll,sli;ls mercliri;l(.'.' Ill|,.>1i,s das nnel,.
Precisas,, de una cosmhira para lima casa u/.-erares ilo ulero i iM-vrah/ia e ron-
estrangeira de poura familia, prefere-se captiva : res, ulcerrftoes ao ol.ro, a mwaigia e ron
a tratar na ra da C.rai armazem n. 38 | vulyoes epilpticas e em siimma, trnla sTi.-
de enfermidades que nascem da impureza
do sangoe. Vede as certidoM ao Alma-
nack e Manual de sade do lr. Ayer que
Morana
D-se para residir em um sitio perM desta cida-
0 cscrivao da
seu cartorio para
Ciscn. 72.
fazenda mttdou o
a ra de S. Fran-
Na povoa^ao de Tracunhem tica estabeleci-
do um carro tirado a quatro valentes cavallos para
conduzir passageiros para esta capital, e destapara
Nazarcth ; sendo os pontos de partida em Tracu-
nhem, e nesta cidade no becco do Ouvidor. As
viagens para esta cidade sero reguladas as 7 ho-
ras da manhaa de todas as segundas-feiras, e as de
volta as 5 horas da tarde de todas as quintas-fe-
ras. Cada passageiro pagar 10,3000 desia cidade
para Nazarcth, e de Tracunhem para esta cidade
pagar 80000. Havcndo vaga, podem ser admit-
tdos passageiros para Pao d'Alho, e ento pagaro
estes 6,5000 : quem se quizer aproveitar deste
commodo, tica desde J prevenido que no dia 3 de
outubro encontrar o dito carro preparado para
fazer a sua primeira viagem de Tracunhem para
esta cidade.
A NACIONAL
\/
Companhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Urna fianca em dinheire, depositado nos cofres do estado, garante a boa ad-
ministraco da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespauha
DIRECOO GERAL
Madrid : Una do Prado n. IO
dos seguros
mortc do se-
Precisa-se de um menino de idade de 14 a
16 annos, dos ltimos chegados do Porto, para
caixeiro; na ra da Concordia, padaria do gaz.
Na mesma tambem se admitte um homem de 18
a 20 e tantos annos para ir praticando no mesmo
fabrico de nadara.
MOBILIA
Envernisa-se roobilia e ontro qualquer traste,
muito em conta : na ra do Alecnm n. 41.
Alugarase barato urnas inei-aguas na entra-
da dos (tortoes (travessa das Barreiras) no bairro
da Boa-Vista : a tratar na ra do Cotovello n. 25.
Olferece-se para caixeiro de taberna um ra-
paz chegado ha pouco de Portugal : a tratar na
ra do Vigario n. ti.________________
Precisa-se de urna ama para cozinhar para
casa de pouca familia : na ra larga do Rosario
n. 21, loja de calcado.
"Precisa-so de~720b,& a premio, dando-se por
garanta cinco escravos : quem quizer fazer este
negocio, annuncie para ser procurado.________
'ara IgnarassiC
seguir domingo 2 de outubro, as 3 horas da ma-
nha, o mnibus Santo Anto, se vender 20 car-
toes de ida e volta al hoje *as 5 horas da tarde :
os pretendentes dlrijam-s a ra da Florentina,
casa n. 2, das 9 horas da manhaa s '> da tarde.
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinares de supervivencia
sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripeo de maneira que em nenhum caso mesmo'por
gurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que anda mesmo diminuindo ama terca parte du interesse produzdo em recentes liquidaedes,
e combinandoo com a mortandade da tabella de Depareieux que e adoptada pela companhia para os
seus clculos e lquidacoes, em segurados da idade de 3 a 19 annos, urna imporsico annual de 100
produz em effectivo metlico :
No fim de 5 annos.......1:119*300
, de 10 .......3:942*600
de 15........11:208*200
, de 20 .......30:256*000
> de 25 .......80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectos e mais informacSes sarao prestadas pelo sub-director nesta provincia o Sr. Jerony-
mo Joaquim Fiuza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12, estabe-
lecimento dos Srs. Raymundo, Carlos, Leite t Irmao.
-_)
DE
DE
J. VIGNES.
A. 55. RA DO IMPERADOR M. &S.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assaz conhecidos para que seja necessario insistir sobre|a
sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores, qalidades estas incontesta-
veis que clles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; odo-
suindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem-
nunca falhar, por seren fabricados de proposito, e ler-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tissimos para o clima deste paiz ; quanto s votes sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos ouvdos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto neste fabriea como nado Sr. Blondel, de Parvs, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados era todas as exposicoes.
No mesmo estabelecimento se acha sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
pregos commodos e razoaveis.
de, sem a menor paga, a urna pessoa de pouca fa-;se distribu' gratuitamente nos logares Otate
milla, e que d conhecimento de sua boa eonduc-: se verM|em os rem(.(|s.
ta, com acondicao de tratar dos arvoredos que __,. ___ .
exigiera no mesmo sillo, concertar as cercas do, Este remedio e o filelo de lonpas I..I..-
mesmo, e dando conla de todos os objectos que Ihe nosas experiencias, e ha atuinilai.O'S prmas
forem entregues ao entrar para o mesmo sitio, das suas virlu es : poslO noe oaVwridi
quandoquWra o seuproprietario, JtoMeftiar a ao publico sol o imii.e de Salsa parrilla. >
lantaco (|ue Ihe convier e desfructa-la durante o
tempo que no mesmo sitio estiver por consenli-
mpnto do sen proprietario, ou pessoa por elle au-
torisada, nao podendo quando sahir do mesmo si-
to por sua vontade ou despedido por seu proprie-
tario ou por sua aulorisaco, pedir o menor paga-
menlo por qualquer plantaco que deixar, ou por
qualquer trabalho que o tenha feito, ou mesmo
como paga de ter estado no mesmo sitio : quem
pois assim o queira, dirija-se ao sobrado da ra de
S. Francisco n. 10, com documento, provando a
sua boa conducta.
N. B. A casa se acha em mo estado._______
Peecisa-se de um ou dous caixeiros com al-
gnma pratica de negocio de fazendas para fra da
cidade : a tratar na rna da Cadeia do Recife nu-
mero 33, loja.__________________________
Precisarse de urna ama forracu captiva para
todo s servigo de urna casa de pouca familia : na
ra de S. Francisco, casa n. 56.
Aluga-se urna casa em Beberibe : a tratar
com 1. I. M. Reg, na ra do Trapiche n. 34.
Companhia fldeildde de |
segaros martimos e ter-
restres estabeleclda no
Rio de Janeiro.
ACBNTBS EMPEPNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio rna da
Cruz n .1.
IB0IHH
Ainda est para alugar-se a boa
terrea n. 39 : rna da Unio.
casa
O Dr. Rocha Bastos mdou a sua re- BC
I sidencia para o caes Vinle e Dous de No- SE
vembron. 30, porcimadoBuhardos Arcos. JB
mmmm mmhum a
Precisa-se de 200* a juros com penhor de
ouro : quem quizer dar annuncie. Para ajuste na
ra das Cruzes n. 42.
mmmm wm mmm m
I O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, contina a residir na ra do Impe-
rador n. 17,2o andar, onde pode ser pro-
curado a qualquer hora do dia e da noite
para o exercicio de sua profissao de me-
dico ; sendo que os chamados, depois de
meio da at 4 horas da tarde, devem ser
deixados por esenpto. O referido Dr.
nio abandonando nunca o estudo das
molestias do interior, prosegue, com o j2
maior afflnco, no das mais difflceise deli- |PJ
cadas operacoes. como sejam dos orgos p
ourioarios, dos olhos, partos, ele.
tSilGkSi
Precisa-se de um caixeiro porluguez que te
compnslo de diversas plantas, algnnv das
qaaes sao superiores a methor salsa parri-
lha no seu poder alterante.
PEITOUAI. DK f.F.IUn ll WEB.
Cura promplamente a aslhnta, broacIle.
tosse, dellttxo, angina, roqaelaehr.
phthysiea primaria, labernrin*
pulmonares e Indas as
molestias pubw -
nares.
Allivia os etlicos declarados.
Todas as molestias da garganta, do peii"
e dos pulmes pdem ser curadas pbi pen-
co tempo pelo pkitoiial ik cemia im. mi.
AYKH.
A' venda as principaes boticas e droga-
ras do imperio, e na agencia cenli d do
Rio de Janeiro ra Direila n li>.
Vende-se em Pernambueo:
na pharmaeia francesa de
P. MAURER & C.
RA NOVA N. 18.
Ifl
DE
ESTABELECIMENTO.
0 agente Olympio mudou
seu armazem de lcilues |>a-
ra ra do Yigarion. 10,
aonde pretende continuar a
fazer suas feiras semanaes
e espera ter a mesma con-
currencia de seus committen-
tes e amigos, nao tendo
responsabilidade alguma no
armazem da ra da Cadeia
do Recife n. 48.
fina do Vigario n 10.
Aluxa-se nm sobrado de dou andares e so-
tao na ra de Santa Rita, o um segundo andar 0
sotao no caes do Hamos : a tratar com tose llyg
no de Miranda.________________________
Precisase alugar urna preta que saiba rnxi-
nhar e engmroar, e nm prcio que s<" pn-ir a car-
regar agua e fazer compras na ra : na ra Urga
do Rosario n. 28, segundo andar.____________
Urna pessoa competentemente habilitad i m
offereco para ensinar em algum engenbo priiwt-
ras lettras, grammatica, aritlim^ica e
----- riCllM-!C IIC UII1 ni"" H^..-- .,.w .w ..,........, r.--------------. --- Dnol n I"
nha pratica de taberna : na ruada Imperatriz nu- quera pretender dirna-se <"0 OP" ''
mero 23. I casa de relojoero.



.

Diarto c reriuacc sabbado i de Outufcro de i4.



SOCIEDADE
De ordem do 5>r. presidente rugo aos seuhores
socios se digHcm comparecer no sali do theatro
de Apollo, domingo 2 de outubro, as II horas da
manhaa, alim de procederem a revisae dos estatu-
tos e eleicao da directora effertiva da sociedade.
Jos Faustino Porto.
_____ Io secretario.
Publlcaco Iliteraria.
Sabio luz o opsculo intitulado
A LIBERDADE
NO
Precisa-se de urna ama de tote
Livramento n. 20, segundo andar.
na ra do
Precisa-se alugar um prvo de meia idade
para o servico regular de urna casa : na loja do
Passeio n. 3 se tari o trato.
BRASIL
POH
Precisase de dou< amassadores que satham
lesempenhar o sen offleie : na padaria da ra
larga do Ilosario n. 40.
Ueseja-se fallar aes senhores abaixo men
donados a negocio que fnes diz respeito, na ra
to Hospicio n. i8 :
Luiz Cesar Pinto de Farias.
Joo Ramiro de Azevedo Campos.
Jos Affonso de Azevedo Campos.
Jos Lntz de Souza.
Firmino He reulano da Silva.
Joao da Cunha Wanderley.
Manoel Jeronymo de Alhuquerque.
Luiz Bernardino da Costa.
Joaquim Jos Coimbra de Andrade Jnior.
Manoel Osmundo da Cmara Pimentel.
Jos Francisco Ribeiro de Souza.
Affonso de AWuqutrque Melle
Conviilam-se os assignantes a mantfarem receber
seus ejemplares na praca da Independencia ns. %
B 8, que serao entregues vista dos recibos das as-
ignaturas ; aiii tambem estio expostos venda a
5000 cada uin. Sao seb os segu Btes titulos as
-. materias de que se oceupa:
Introducto.Noeaa da liberdade.O Hrasilco-
Precisa-se alugar um mole(|ue que seja fiel :
a tratar na ra da Cruz n. 46, primeiro andar.
a nreta
n. 33, compram-se obras de ouro, prata e pedras
lonia.-Revolucao de 1817A Independencia-A preoiosa, assim como se faz qualquer obra de en-
consiitiantoA constituido- A revolucao de 1824. commenda, e todo e qualqner concert
A expulsao ou abdicacao. A regencia livre. O,------~~______\ --------Jz
partido regressista.Ameaca dos corcundas e que-
da dos livres. A regencia coreunda.Causa dos
males da regencia livre.- Regencia coreunda e
maioridade. -Principios do reinado de D. Pedro.
Revolta de Minas e S. Paula -Dominio da Praia
Luzia.O dominio liberal nao ioquielava os cor-
cundas. Fetos do dominio liberal.-A praiaeChi-
charrosenatoria.A revolta e a revolucao de
1848 A constituinte.-A constituinte.Derrota
BREU
Bren verdadelro americano, tanto em barricas t
como a retaltw, vende-se na ra da Cadeia do Re-1
cife, loja de ferragens n. 56 A, de Bastos.
Eiixatlas calcadas de ac
Chegaram as desejadas enxadas calcadas de ac,:
as quaes vndese o mais barato possivel : na ra
da Cadeia do Recife, loja de ferragens de Bastos.
Fio de algo uao da Baha c ame-
rleano. i
I Vende-se tanto em porco como a retalho, estas
bem conhecidas qualidades de lio por barato preco:
na roa da tadea do Recife, loja de ferragens de
i Bastos.
Telhados de ferro galvanlsvdo.
Folhas de ferro galvanisado para telhado por
comroodo preco e de muita utilidade para cobertas
de casas, vende-se na ra da Cadeia do Recife n.
56 A, loja de ferragens de Bastos.
vaquetas inglezas para cobertas
de carro.
- Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar e Estas bem conhecidas vaquetas, vende-se antea-
: na ra de banto Amaro n. 6, primeiro mente na loja da ra da Cadeia do Recife, loja de
; ferragens de Bastos.
Padaria -e reflnaco.
O Dr, Rocka Bastos
pode ser procurado das 7 heras da manhaa
ao meio da, e das 3 'horasda Urde -
em diante no
Caes de .fovcuibrt u. 3o'a
(porcima do buhar dos arcos.)
De meio dia s 3 horas da tarde
!. 9 Ra da Cruz \. .
Cura radical e em poucos das as mo-
lestias syphiliticas e as do apparelho ge-
oito-urinario.
ESPLENDIDO ARMAZEM DE MOLHADOS
LIAJ\C1l
DE
Precisa-se de dous homens que enlendam do
servico de copeiro : na ra da Aurora n. 32.
Na praca da Independencia, loja de ourives
andar.
Solos da ra Nova
Joao da Rocha e Silva, autorisado para vender
os solos da ra Nova desla cidade nao tendo ap
da revolucao. Negociado de Honorio com os libe-
raes : traidores. -Venda da bandeara da cons-
tituinte. O partido liberal durante osquatorze an-
uos do chamado ostracismo. Os corcundas
i7n^PI^!l-dLSmhS5f.." dade 25 anus ico mafou menZ cOr fula' Iiberaf duri!n,e "ua,orze annos.-Captiveiro re-
autoridades policiaes e capitaes de campo a
aprehende-la e leva-la ra dos Pires n. 34, qne
Chegaram as bem conhecidas pepeiras de ara-
1 me e de latao proprias para padaria e reflnaco, de
parecido os proprietarios das casas para effectr !,od?,S os'aman,!10s trossoras : na ra da Cadeia
dita venda, avisa aos interessadosque s at oflm *&"*! loja de ferra8eus d Bastos.
generosamente serao recompensados.
Precisa se de um menino para
taberna : na ra do Alecrim n. 2.
C
caixeiro de
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite
n. 63, segundo andar.
na ra Nova
MiflMMSlMLI]),
regencia livre, e o que actualmente
temos em lugar delles.Os representantes da na-
ioedas provincias.situacao administrativa.
que sao nella os Portuguezes. Como o gover-
no obrigadu a corromper o paiz e a fazer-lhe
sempre maior mal.Como se multiplica e se paga
aclientella do governa para sustentar-se o impe-
rio coreunda. O procnsul.O procnsul da co-
marca. Ros cargos, dos crimes e da punicao.A
justica.-Juizes municinaes.Juizes dedlreito.-
Tribunaes.Os das Relacoes.Tribunaes do Com-
mercio.Supremo Tribunal de Justica.O jury.
Os advogados.Conclusao. Garanta dos direitos.
A moral publica. Dos crimes.As eleieoes.
Corollario da obra saquarema. O que a pa-
tria. Situacao para com o exterior. Situacao
De ordem da presidencia da mesan sociedade
convido a todos os socios rompareccrem da SOS-
So, que ter lugar domingo 2 de outubro, as 10
horas da manhaa, advertindo que, os que nao com- linanceira. -As finanzas do estado.-A miseria*
parecerem, Ihes -ero applicadas as ponas do i Perigo e salvamento dos corcundas.A liga.
art. 19 dos estatutos. Como se congregam os elementos para ella.Con-
sabidas sessijes da Sociedade Amoi ao Prximo sideraedes retrospectivas. A constituinte. Prepa-
em Io de outubro de 1864. ros antecedentes. Concihacao e opposigao parla-
Joaqnim Manoel da Silva Mendes mentar.Monta a liga.-O que sao os liberaes na
_______________________1 secretario._______ liga.Que bem farao os liberaes ao paiz.Q pro-
Ausenton-se no dia 28 do crreme um moe- Brt,.sso.Seus feilos.O que o progresso e que
que de Borne Benedicto, crioulo, com idade de 14 '".-Couio se deve viver nesta trra e-chegada
anuos, vindo ha quatro mezes de Goianna, bastan- a? Progresso.-Porque o progresso so vera cor-
te magro, com o cabello quasi rapado, levando um P|etar, mlssas desgracas e sem mais remedio.-Se
honet, camisa e ceroula de algodAozinho. novas : na salvacao para nos qual seria o meio e bem fa-
quem o pegar, leve ao sobrado n. 14 na travessa Cl1- 'sumo. -A's cinco provincias pernambuca-
da matriz de Sanio Antonio, que sera recorauen- nas- Histrico e poltica coreunda.-De que pro-
sado. vem a miseria. Como se corrompe na elei^ao.A
restngae da llberdade apar do progresso da immo-
ra lidade.-Corollario.
do mez ter lugar semelhante venda com o abat- ~ Vende-se a fabrica de sabao da ra do Ran-
mento da quinta parte e depois ser vendido en- BP' D- 34, propria para qaalquer principiante por
globadamente a quem mais offerecer. j ter poucos fundos e offerecer bastante interesse,
- Aluga-se urna easa acabada e pintada de no- ?,b,rfi"d"'seK-,,ropri,e,a1r, a ensinar a maneira do
vo, com bastantes commodos e arvoredos, sita no fabncar 5abao : a tralar Da mesma-__________
Cachang : na ra do Queimado, loja n. 14. Charutos da llavana.
Vende-se superiores charutos da Havana em
casa de Rabe Schmeltau & C.; ra da Cadeia
o. 18.
Precisa-se alugar urna escrava que saiba co-
zinhar bem : na ra do Crespo n. 23.
Est para alugar-se um excellente armazem
na ra dos Guararapes, proprio para nm estabele-
cimento de padaria ou refinacao por ter um gran-
de telheiro e ama excellente chamin, que tudo se
aluga por preco esatmodo;: a tratar na ra dos
Guararapes n. 78.
Precisa se de urna criada portogueza, de
bons costumes, para o servico interno de urna
casa de familia, pagando-se-lhe bom ordenado, e
dando-se-lhe bom tratamento : na ra do Impera-
dor n. 38, segundo andar, ou no cartoiio do tabel-
lio Almeida na mesma ra.
Arrenda-se o sitio e casa da ra Imperial,
denominado Piro Gordo, com grandes commo-
dos, cocheira, senzala, sitio murado, porto de
ferro e com fructeiras : os pretendentes dirijam-
se ra estreita do Rosario armazem n 31, de
Jos Moreira da Silva.
A tcatrom
Vndese barris com alcatrao, na ra da Cruz
n. 23, primeiro andar, escriptorio de Antonio de
Almeida Gomes.
\la loja de fazendas ba-
ratissimas de Duarte
O bacila re
Francisco Angosto da Costa
ADVOCADO
evueao de .\:a Sculiora do Rosario uo Carino.
Convido a todos os nossos roaos comparece-
rem no nosso consistorio no da 2 de outubro. pe-
las 8 horas da manhaa, alim de prestarem seu vo-
to na eleicao que se ha de proceder.
Jos Leonardo Grego.
Secretario.
COXSELHO
DE
ATTENCSO.
Deixai que os Hunos da civilisaco vos preguem
economapara os ps 11 Esta parle do corpo
humano por certo aquella que, ne>te clima, ne-
cesMta de mai r agasalho: pela humidade nos ps
se introduz agrande maioria das molestias, e com
estas a perda da saude e da vida I I Fra com as
botinas e sapatos velhos; reforma-Ios
45-fiua Direita-45
i Ra do Imperador numero
mmmm mmmm s
Na ra estreita do Kosario u. 34
Praca da iudepi-n-encia n. 12.
Albino Bapt ista da Rocha, Portuguez, relojoeiro
e dourador, lem a honra de participar ao respaila-
vel publico de>ta ciade, c com especialidade aos
seus amigos, que se acha cow loja de relojoeiro e
dourador; toma qualquer comvrt) por preco com-
modo, e responsabiliza se pelo seu trabalho.
Precisa se de um menino dos ltimos enega-
dos do Porto para caixeiro : no pateo do Terco nu-
mero 141.
Desappareceu boje 20 de sttembro do cr-
rente auno um r a val lo castanho escuro, rom os
quatro ps ralbados, com as dinas ripadas a moda
faeno, rojo cava I lo levou nina cangalha coberta de
estopa; desappareceu do becco do Peixe Frito,
juuiu a iuJa ou sr J'riL'uica : portantu rotra-se a'C'o.-VTi.
qulquer pessqa rerr;. .^"Lima. seu legitimo dono, morador no cu-
rato do Rom Jardim, ou mesma loja do Sr. Pre-
guic", na ra do Qiieima sanente recompensada.
Preri>a-se de duas amas, sendo tima branca:
Ea ra da Cadeia do Recite n. 4, terceiro andar.
Aluga-se urna loja
largo da Ribeira n. 5 :
mesma.
Borzeguins francezes para homem
Ditos inglezes idem a 8^, 75 e
Ditos para senhora
Ditos pira menina
Sapatoes esmaga cobra
! Ditos de Nantes de duas solas
Ditos dito de sola e vira
Sapatos de borracha para senhoras
Ditos de dita para meninos
Ditos de tapete para homens 5
nlioras a 800 s
Chinelas rasas do Porto
se*
54000
6.&000
45800
25000
55000
55000
45OO0
15400
I5OOO
15000
I5OOO
500
15600
Advogado Alfonso de Albu-
querque Mello,
pede ser procurado a qualquer hora ; nas sextas-
teiras, porm, na villa do Cabo.
Sor ete.
O fabricante deste regalo faz ver aos moradores
da Capunga que havera sorvete todos os domingos
e das santos s 11 horas do dia e 8 da noite nos
Quatro Cantos casa da esquina.
COMPRAS.
Vende-se o segointe:
PECAS de panno de linho com 25 varas a 85,
um p .uco estreito, mas excellente para toalhas.
DITO de dito adamascado com 8 palmos de lar-
gura para toalhas de mesa de jamar a 25400 a
vara.
CASEMIRAS de duas larguras e de urna s cor
moito boas para roupa de meninos e soutembar-
ques a 35 o covado.
TOALHAS alcochoadas milito boas para enchu-
gar o rosto a 65 a duzia ou 500 rs. cada urna.
CAMBRAIA branca fina cim salpicos miudinhos
a 640 rs, a vara. metade do valor.
OLIADOS de bonitos e elegantes desenhos para
cobrir mesas a 15 o covado, para acabar.
LAAZINHAS de padroes novos e muito agrada-
veis tanto na boa qualidade como no proco de 320
rs. o covado, e finalmente o respeitave'l publico
achara constantemente nesta dita loja um bello e
variado sorlimento de fazendas finas e grossas a
pr?cos muito mzoaveis, pois est resolvido ganhar
pouco, com tanto que venda muito, nao menciono
mais fazendas no presente annuncio porque impor-
tara isso n'nma despeza extraordinaria cuja des-
peza reverter sempreem beneficio dos comprado-
res, pedindo ao publico que nao deixe de Icr todos
os dias este dito presente annuncio, pois haver
mudanca no* artigos cima ditos, islo a propor-
cao que se forem acabando.
Linguicns lo Seriu
Chegou urna porcaode lingitigas do Sendo para
propria para negocio no
a tralar do sobrado da
0 agente de leiles Olvrapie nao
lom gerencia tem resp"DSbilid de al-
giimt no armazem da ra da Cadeia
do Recife n, AS.
Na povoaeao de Afogados termo da villa de
(ngazeira existe um desertor do nono batalho
rbamado Manoel de tal, foi denunciado ao subde-
legado Joao de Dos de Siqueira o qual foi preso
e remeitido para o delegado da villa de Ingazeira
e sem provar se era ou nao desertor foi solt por
ordem do mesmo delegado Laurenlino de Vascon-
i'ellos Calara Hi it",
Precisa-se de urna ama forra ouescrava para
casado familia, qne saiba msinhar e comprar: a
tratar na ra do Pires n. 24.
t! Joao da Silva Ramos, medico pela Uni
' versidade de Coimbra, d consultas em
sua casa das 0 s 11 horas da manhaa, e
das 4 s 6 da tarde. Visita os doentes
en suas casas regularmente nas horas
para isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccorridos cm qual-
quer occasio. D consultas aos pobres
que o procurarem no hospital Pedro II,
aonde encontrado diariamente das 6
s 8 horas da manhaa.
Trm sua casa de sade regularmente
mouda para receber qualquer doente,
ainda mesmo os alienados, para o que
tem commodos apropriados e nella pra-
lica qualqner operaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe 35000 diarios.
Segunda dita.... 25500
Terceira dita.... 25000 >
Este estabelecimento j bem acredi-
tado pelos bons servicos que tem pres-
tado. \
O proprietario espera que. elle conti-
nu a merecer a confianca de que sem-
pre tem gozado.
para a de S. Goncalo e vende barato : a ellas antes
que EmprezFde illumina(3o~
gaz.
Todas as vendas de apparcliios e reelamaedes
(por escripto dando o nome, morada, data, etc.),
devem ser leitas no armazem da ra do Imperador
n. 41. Os machmistas mandados para attender a
estas, apresenlaro um livro que os reclamantes
devero assignar logo depois de prompto o servico
reclamado; islo para qne a empreza fique seiente
do haverera os mesmos senhores sido devidamente
attendidos.
urna negra de bonita figura, que saiba lavar, en- tilia da SCII7.alla \o\a O. 42.
gommar e coser bem, e cuja idade nao exceda a Neste estabelecimento vendem-se: tachas de
2o annos, agradando paga-se bem : a tratar no es- j i;u_ ,_ -, _
criptorio de Manoel Ignacio de Oliveira & Filno, [f> COado libra a 110 rs., dem de Lo*
Compra-se um casal de escravos de meiajda-
de, urna carroca e um boi : na travessa da ma-
triz de Santo Antonio n. 8.
Compra-se ouro e prata em obras velhas
daga-seAem: na loja de bilhttes da praca da Inde
.pndeucia n. 22. ________
Compra-se eobre vellio : na ra do Brui* nu-
mero 78.____________________________
Compra-se effectivamente
ouro e prata em obras velhas pagando-se
na ra larga do Rosario n. 24, loja de ourive
o novo Destino roa do Cotovello n. 1 esquina -Batatas em gigos de 36 libras a 1,000 rs.
e bijm :
ivei
COMPIU-SE
largo do Corpo Santo n. 19.
Moor libra a 120 rs.
Iivro de orantes.
V|ende-se ICO reis, na livraria ns. 6 e 8
da i rafa da Independencia, um livnnho con-
ten o o se#uinte: louvor ao santo nme de
Deuk cura dos actos de amor de Deus, ora-
foes e peiicoes, hymnoao Espirito Santo, co-
ii do Senlior, aviso qualquer alma de-
vota desengaos da vida humana, hyrano
de Santo Amhruzio Nossa Senhora, jacula-
tnri s ao Sanlissimo Sacramento, xercirin da
via-sacra, commemoracSo Nossa Senhora
do I arma e ao SS. Sacramento, dirertorio
pan a oracao mental, dividido pelos dias da
semina, ohsequio ao corac3o de Jess, sau-
dades devotas s chacas de Christo, ora-
efiti Nossa Senhora, S Jos, ao anjo da
^ guai ila. Dens em obsequio qualquer san-
Rl'A ESTREI1A DO K0SAR10-3
Franeisco Pinto Ozorio contina a col-
locar ileutes artiQciaes tanto por meio de
molas como pela presso do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
fiquem a vontade de *jus donos, tem pos
e outras preparaces as mais acreditadas
para conservacao da bocea.
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo A C
Agente^ do Banco I nio do Porto.
Competentemente autorisados sacam por todo
os paquetes sobre o mesmo Raneo para o Porto s
Lisboa, e para as segnintes agencias.
Londres sobre Banh of London.
to e
do
cor,
Kan
para a noute,
urgatorio.
e responso pelas almas
TINTURARA.
Tfnge-se enm perfeifao para qualquef
e o mais barato possivel: na ra 4o
el n. 3H. segn&dn aadar.
Pars > Frederic S. lallin & C.
Hamburgo > Joao Gabe & Filho.
Barcellona > Francisco Raboba & Ballista.
Madrid Jaime Morir
Cdiz Crdito commercial.
Sevilha Gonzalo Segc na.
Valencia M. Perera Y Em Portugal. Hijos.
Amarantes. Angra Terceira. Figueira.
Arcos de Val de Caminha. Guarda.
Vez. Casiello Branco. Guimaraes.
Aveiro. Chaves. Lagoa.
Barcellos. Coimbra. Lagos.
Bastos. Ovilhaa. Lamege.
Beja. Elvas. Leiria.
Braga. Extremos. Moncao.
Braganca. Evora.
Faro. Fafe. Moncorva.
Oliveira d'Aze- Pinhal. Regoa.
meis. Porte-alegre. Setbal.
Pena fiel. Thomar. Vianna do Cai-
Tavira. Villa Nova do rel lo.
Villa do Conde. Porlimo. Villa Real.
Villa Real de VlZeU. Madeira.
S. Antonio. Faial. S. Miguel.
Compra-se urna taberna qne seja em bom
lugar, na fregoezia de Santo Antonio ou da Boa-!
Vista : quem tiver para vender, annuncio por este
Diartq para ser procurado.____________________
Compram-se 4 canoas de um pao ou abor-
tas, que tenham de 36 a 40 palmos de comprimen-
to e 6 a 8 de largura : no hotel de Italia ra do
Trapiche a tratar das 6 s 9 horas da manhaa.
GARIFAS
Machin para algorio.
Vende-se urna machina para descarocar algodiio
e um motor com todos os pertences para trabalhar
com 2ou 4 cavatlos, a qual descaroca 120 arrobas
por dia, sendo muito maneira no trabalho, e de
mui fcil transporte para o centro, ella aeha-se
montada, e o comprador pode ver o seu trabalho,
cojo rebultado se garante : para ver e tratar, na
fabrica da travessa do Carioca n. 2, caes do Ramos.
FAZENDAS BARATSIMAS
NA
Pa da adeia do Re ifc n. 47,
esquina que volta para a Nadie de Dos
Completo sortimenlo de chitas cstreitas, pelo mo-
___Vende sp rahe* y:i7uk nrnni ins dico ,,re^ de 200, 22 e 2i,) rs- covado, ditas
veOi8eciUeSTsprpriw iargas escuras a 320, 340, 360, 380, 400 e440o
para t>ahn adaura; nrsta typo^aphia.
Compram-se garrafas
rador n. 57.
vasias : na ra do Impe-
VENDAS.
.% re#000.
Ricos cortes de vestido Mana Pa, ditos de laa
VpTirjp.op com 16 covados por 63, ditos de cambraia com
I ^uvj o\j barra de SPl1a por 64S00, ditos de cambraia com
um lindo moleque de idade 11 annos, proprio para barra i*ir 33, ditos de fusto branco para calca
pagem, dous ditos de idade de 7 a 9 annos, dous por 13900, ditos de brim por 23, ditos de meia
escravos e urna escrava que faz todo o servico e casemira por 23400, casemira entestada a 33 o
sem vicios : na travessa do Carmo n. 1.________. covado, meia casemira a 13800 o covado, ganga
de cor a 560, e fazenda escura para calca a 400 rs.
No IMPERIO.
Bahia. Maranhao.
Rio de Janeiro. Para.
Qualquer somraa prazo 00 a vista.podendo logo
os saques prazo seren descontados no mesmo
Banco a razan de 4 por cento ao anno : a tratar
na ra da Cruz n. 1.
Irmandade do himno Espirito
Santo, erecta no convento de
Santo inumvtdo hecife
De orden da mesa regedora convido a todos os
MKOS irmos pan comparecerem no domingo 2
de outubro, pela" 9 huras da manhaa ew ponto,
em o iiofso consistorio, alim de reunidos em mesa
Machinas de vapor epa-(o &
ra descarocar algodao.
Moendas e meias moendas.
Taixas de ferro batido, coa-
do e de cobre. v
Rodas d'agua, dentadas, e
de carroca cora mangas e
eixos de patente.
Econmico para vestidos de esclavas.
Algodao mesclado a 280 o covado, laazinhas a
400 rs. o covado.
b' queimar!
Chapeos de palha escosseza a 131 muito ba-
rato.
Brim branco.
A 800,13100 e 13280, e muito fino a 13600 a
vara, ditos pardos a 800, 908 e 13100 a vara.
oupa feita.
Completo sorlimento de paletots, calcas, camisas
francezas e seroulas, e bem assim outras fazendas
f" nCl -m* que s a vista; tambera se do amostras, deixan-
Klia dODl'Umn. OO, tUndl- P**- Aloja est abena at as 8 horas da
Paulo Ferreira da Silva & Compartida
57 RA DO IMPERADOR 57
Grandes reformas de precos
5 a O por cento menos do pree que se vende em omra final
qner parte.
Gneros especialmente escolhidos por um dos socios que na Eurona se acha
para esse fim. ^
grande a vantagem para todas as pessoas que compraran neste estabeted-
mento.
Os propietarios garaniem lodos os gneros sahidos de seu j muito acreditado
armazem.
AO PUBLICO,
Nao nos servimos de exordios como constantemente estamos vendo i>m annnn-
cos Ueste genero, pois sao palavriados de que sempre nos abstivemos, e de que tambem
estamos cerlos nenhuma atiericao j merecem do publico. 0 nosso fim, pois. simples-
mente fazer ver que o verdadeiro e principal interesse de todos est na tabella dos pro-
cos que passarnos a mencionar, e para a qual pedimos toda a attencao.
Vinho verde.
Chegou o muito desojado vinho do Cartaxo vende-se nicamente ueste armazem
a 600 rs. a garrafa e 3o,ooo rs, a ancora com 7o garrafas.
Amendoas confeitadas de diversas cores a Lentilhas muito novas excellente legume pa-
ra sopa a 2oo rs. a libra.
Licores francezes de todas as qualidades
de 7oo a 9oo rs. a garrafa:
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 800 e
l,000 rs. a libra, desnecessario mais
elogios neste genero, que s se pode e-
rificar com a vista,
dem francesa a 5to rs. a libra, e em barril
se far abatimento.
Marnielada do primeiro fabricante de Lisboa
a Goo rs. a libra, I13 latas de I, l 12c
2 libras.
Massa de tomate em latas de I e 2 libras a
600 rs. a libra.
Macan 5o. talharim ealetria a 4oo rs. a libra,
dem branca a 32o a libra.
Mostarda franceza preparada a loo rs. o
frasco.
dem ingle/a em p a 64o rs. o frasco
Moldo inglez em garralinhas com rolhas da
vidro a 6io rs. cada urna.
Marrasquinho verdadeiro de Zara a 1,000 rs.
aganafa, e lo.ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a ICo rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a 7oo rs. a lata.
Prezunto pata fiambre inglez verdadeiro.
garantindo-se a qualidade a Too rs. a libra.
Passas no\as de carnada a 4oo rs. 1 libra e
6,000 rs. a caixa.
dem para sopa estrellinha, pevide erodinha
etc. a 3,6oo rs.a caixa, e a56o rs. alibra.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
seguintes quali lades; save, corvina, goras
cavallinhas, e pescada a l,oon a lata.
Palitos para denles lidiados a 14o rs. o ma-
co de 2o rs. o macinhos.
dem do gz a 2oo rs. a duzia, 2.I00 r-,
a gn.za.
Paine. 1 mudo novo 12o rs. i libra e 3,000 a
arroba.
Quftijos llanrnngos, doultimo vapor, a ,.*>oo
rs.
dem pialo muito fresco a 800 rs. a iibra e
sendo enteiro a 7o rs.
Sal retinado cm pote* de vidro a 5oo rs cada
um.
Sevadinlia de Franca a 18o rs. a libra.
Sevada a loo rs. a libra.
Toucinho de Lisboa a 2io e 32o rs. libra.
Tijolo para hmpar facas a 15o rs. cada um.
Vinagre de Lishoa a 2oo rs. a garrafa e
|,4oo rs. a caada.
dem em garrames com o garrafas a 1.000
rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna.
diversas
64o rs. a libra.
1 dem de casca dura a 24o rs. a libra.
lOrgeS Ca SllVa, VUaM^ de casca mole a 32o rs. a libra.
tln UnoM/wr m ll Ameixas francezas em caixinhas com lindas
aa IMperairiZ n. 2 estampas a l,2oo el,Soors.
dem em frascos de vidro a l,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 '/* libia a i,too rs.
Arroz do Maranhao e da India o melhor que
ha nesta genero de 8o a loo rs. a libra,
e de 2,5oo a 2,8oo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a oo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa, e 10,000
rs. a duzia.
Ufozema muito nova e limpa a 32o rs. a li-
bra.
Azeitonas muito novas a 2,000 rs. a anco-
reta.
AJpista limpo a 14o rs. a libra, e i,4oo rs.
a arroba.
Bolacliinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades em latas
de 6 e de 3 libras, a 3,ooo e l,5oo rs. a
lata e 64o rs. a libra.
dem ingleza em latas de 2 e 4 libras das4
melhores marcas a I,3oo e 2,2oo rs. a
lata.
Banha de poico refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
genero
Champagne das melbores marcas a 2o,ooo
rs. o gigo, l,8oo rs. a garrafa, e Ooo rs.;
as meias garrafas.
Cha uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a
libra.
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs.
a libra.
idem bysson o melhor que ha ueste
a 2,ooo, 2,4ooe 2.600 rs. a libra.
(dem preto homeoptico a 2,000 rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a 6,000 rs. a
duzia, eoCo rs. a garrafa.
Chocolate francez, hespanhol e suisso a 1,000,
l,2oo e l,4oo rs. a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Fur-
tado de Simas o oulros da l'ahia como
sejam regaba, trovadores, guanabaras,
deliciase suspirosa l,(3oo, 2,ooo, 3,000
e 4,000 rs. a caixa.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco.
Idem francezas surtidas ou de nina s qua-
lidade cada frasco a 5oo rs.
Cognac francez o inglez a I,ooors. a garra-
fa, e lo,ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Cravo da India a 600 rs. a libra.
Canella a Ooo rs. a libra.
Ibem de escovas
cada nina.
para lavar casa a 36o rs.
Copos unos para agua e vinho a 4,8oo 5.000 Veas de espermacete superiores a 56o rs.
e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs cada um. a libra.
Caf do Rio superior a 28o e 3oo rs. a libra, dem de carnauba refinada e de composico
e 7,5oo a 8,5oo rs. a arroba. a 36ors. a libra, e de lo,:wx a ll.ooors.
Doce de goiaba superiorem latas a 2,000 rs. | a arroba.
Ervilhas portuguezas em latas chegadas ul- Vinho em pipa. Porto, Lisboa e Figueira
timamenle a 64o rs. a lata. das marcas menos conhecidas a loo rs.
dem ceceas a 16o rs. a libra. a garrafa e a 2,800 rs. a caada.
dem j descascadas a 2oo rs. a libra. dem Figueira especialmente escolhido neste
de araruta verdadeira a 320 n. a
a Ooo
lugar
caada.
a too rs. a garrafa, e 4,5oo rs. a
Farinha
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas
rs. cada urna.
Favas portuguezas em latas chegadas lti-
mamente a 640 rs.
Frutas idem em calda, pera, pecego, alper-
se, rainha Claudia e gima a 7oo rs. a lata. ,
Graixanova a loo rs. a lata e i.loo rs. a Wem de Lisboa branco uva pura a 5bo rs. a
juz. 1 garrafa, e a 4,5oo rs. a caada.
Gomma muito alva e nova a 16o rs. a libra. \dAGm l>or, fi,'0,em PPa a 56 a.Prrai.
Genebra de Hollanda era frasqueiras com 12 Idc enSar[
frascos a 5,8oo rs. e 560 rs. o frasco.
dem Lisboa em ancoras com 0 caadas mar-
ca especial a 22,ooo rs. a ancora.
dem Lavradio, Colares muito fresco sem
composic a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo
rs a caada.
cao do Bowman.
noite.
Vende-se urna propriedade com 800 bracas
"^"VendMniTexcellente harmnico america- de testada, sua nas margens dos riachos Batatao e
no, do melhor autor qne ha neste genero, por ^"rdo affluentes do Capibaribe 18 lefjoas des-
2354, em perfeito estado : a tratar na ra do Im- ta praca de Fernambueo 3 lepoas da villa do Li-
perador n. 38, casa do retratista americano. moeiro, 8 da cidade da Victoria (Sanio Antao), 4
------------------------------------------------------- da freguezia de Grarata, e 3 da povoaeao de Pedra-
" A W. Iffcf-1 1' t^iKlfe % tapada, onde ha feira todos os sabbados, cpm 4 ca-
m *rm m* mwmj *-* ^f^Mm^wsm. gas haliitavt-is, que fazem quatro sitios, sendo urna
Vende-se ral de Lishoa, a mais superior qne ha deslas mnito grande por ter armazens e prensa de
no mercado : na ra da Moeda n. 2, ronfronte ao ensacar algodao, com commodos de se levantar
trapi-lie do Cunha; e para inforrnaco, no mesmo machina, outra tambem grande, com estribara e
trapiche.____________________________________ casada fazer farinha, tudo cuberto de telha, outra
7" I An I *'oA^ tambem cornmoda, oulra reais pequea, rom casa e
I O le I.Utnoa estribara, 7 8,000 covas de mandioca rnanipeba
chegada hontem pelo Mara da Gloria : na rna de do an,"> prximo passado, 25 alqueires de milho,
Apollo n. 28, junto ao theatro. tendo tres ite>us casas curraes e todos cercados ao
-------------------7------r--------------------- p de algodao (raizes), e mais um cercado mnito
AtteUCttO grande em um dos sitias chelo de raizes de algo-
Vende-se nma taberna com poucos fundos e }*XSLTo Sfe mSSi
mnito afreguezada, tanto para a trra com.. para o % propriedade tostante mat viVgem, onde ha
malo, e commodos para familia : na ra Imperial raulUS mideiraI de todo o mister : ven.l-e parte
n- *^-_________________________________ a dinheiro, rerebendo-se em pagamento algum es-
Vnnde-se um excellente carrinho americano cravo, e o mais a praso, todo netiorio se faz : quem
dem em botijas a 4oo rs. cada urna,
dem em garrames de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafio.
dem de tres caadas a 7,2oo rs. cada um. i
dem inglezas em garrafas brancas bordadas dem Madeira legitimo a l,2oo rs.
Douro, Duque do Porto, D. Luiz I, D.
Pedro V, Nctar, velho secco, .Malvasio
Genuino, Particular a Ooo e 1,2no rs. a gar-
arafa, e a lo,ooo rs. a caixa com urna du-
zia.
com rolha de vidro qualidade superior a
l.ooo rs. a garrafa,
dem de laranja verdadeira a l.ooo rs. o
frasco e H.ooo afrasqueira de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida suissa a
l,8oo rs. a garrafa.
a garra-
fa, e a 12,ooo rs. a duzia-
dem Musc.itel a l.ooo rs. a garrafa,
dem Bordeatu das acreditadas marcas St.
Juiien. Si. Esteph,chateau la Rose.cbatau
Margoux e outros a 6,5oo rs. a caita, e
iiio rs. a garrafa.
de 4 rodas para duas pessoas, rom arrrios de um quizer dirijvse a loja de Joaquim Ferren-a Hamos,
I ou dous cavalios ; do melhor gusto que se pode na do Crespo, quinado Queimado, que achara
encontrar nesta ridade, e esta em perfeito estado: quem Ihe d as explicages para se poder fazer
dirijam-se Acio P Pfdro, na ra do Imperador negocio, on ao mesmo sitio, lugar da propriedade
n. 38, casa do retratista americano Sr. Osborue. lanqne do Vieira, onde mora Joao Cajueiro.
CERVEJTA EM BARR1JL
a o rs. o copo
ilueijo de .loas chegaifo no vapor
dem prato mallo fresco
Idem su Isso superior
Idem londrlno superior.
57 Ra do Imperador 57

r i




\
/
Diario de Pcruaiubuco tobado 1 de Ouiubro de isa*.

CL
:.
MM


RA DO QIJ120IADO IV. 45.
f assand o becco da Congregado segunda casi.


NOV1DADE
'
Percira Rocha & C. acabam de abrir na ra do Queimado n. 4 um rmazem de molhados denominado Clarim Commer-
cial, onde o respeitavel publico encontrar sempre um completo sorlimento dos meltiores gneros que vem ao nosso mercado os
quaes seiHo vendidos por precos muilo resumidos como o respeitavel publico ver pela tabella abaixo mencioncda; garante-se obom
peso e boa quaiidade dos gneros comprados neste armazem.
Arroz do Maranhao, India e Java a 60, 80 e Peras seccas rauito novas a 600 rs. a libra. Cevadinha de Franca muito superior a 220
Painco a 200 rs. a libra. rs. a libra.
Polvo secco muito novo a 400 rs. a libra. Cevatla a 80 rs. a libra.
Presuntos de Lamego em calda de azeile e Ervilhas portuguezas a 640 rs. a lata.
muito novo a 640 rs. | dem seccas muito novas a 200 rs. a libra.
Queijos flamengos do ultimo vapor a 2800 Figos de comadre e do Douro em caixinhas
dem prato. de oito libras e canastrinhas de i arroba a
dem londrino chegado no ultimo vapor a | i#800, 5#50O e 280 rs. a libra.
900 rs. a libra. Farinha do Maranh5o a 160 rs. a libra.
Sal refinado em frascos do vidro a 600 rs. dem de trigo a 120 rs. a libra.
100 rs. a libra, e 10800, 20600 e 30000
a arroba.
Ameixas francezas em latas e em frascos a
10200 e 10600, e em frascos grandes a
2>8l)0.
dem em caixinhas elegantemente enreitadas
com ricas estambas no interior das caixas
a 10200,10400, 10600 e 2.
Amendoas com casca muito novas a 280 rs.
a libra.
Alpista a 190 rs. a libra e a 40600 a arroba.
Azeile doce francs mnito fino em garrafas
grandes a 960 rs. a garrafa,
dem de Lisboa a640 rs. a garrafa.
Aramia verdadeira de matarana a 320 rs. a
libra.
AvellSas muite grandes e novas a 180 rs, a
libra.
Biscoutos inglezes de diversas marcas a
1030" rs.
Blachinhas de soda, latas grandes, a 20 rs.
a uta.
dem inglezas muito novas a 30000 a barri-
quinha e a 200 rs. a libra.
Banha de porco relinada a 440 rs. a libra e
em barril a 400 rs.
Cha hysson, huchin e perota a 10600, 20,
20UO, 20800 e 30000 a libra,
dem preto muito superior a 20000 a libra.
Cerve.a preta e branca, das melhorcs marcas
que vem ao mercado, a 500 rs. a garrafa
e S08OO a duzia.
Cognac infles fino a 98'4 ts. a garrafa.
Conservas a 720 rs. o frasco,
dem, s-e pepino, a 72" rs.
dem, s de azeitonas, a 750 rs.
Charutos dos melhores fabricantes da Baha
e especi lmente da fabrica imperial de
Candido Ferreira Jorge da Costa a 10800,
200 mi, 20200, 20500, 20800, 30000 e
30500 a caixa.
Caf do Rio muito superior a 280 c 320
rs. a libra e855')'>a 80800 rs. a arroba.
GartOes de holinhos franceses rauito novos e
bem muito entintados a 700c 600 rs.
Chouricas e paios muito noves a 800 rs a
libra,
Grande liquidado.
Roa da Impera*riz n. O.
Loja de fazendas do Pavio de (lama & Silva.
Acha-se este ostabelecimeuto completamente
sonido de fazendas inglezas, francezas, aHemias e
suissas, prqprias tanto para a piara como para o
matlo, prometiendo vender-?e mais barato do que
en outra qualquer parte principalmente sendo em
porcao, e de todas as fazendas rio-se as amostras,
deixando car penlior, on raandam-se levar em
casa pelos caixeirosda loja do Pavao.
\s ebitas do Pavo.
Vendcm-se chitas inglezas claras e escuras pelo
barato prego de 240, 200 e 280 rs. o covado, limas
seguras; dilas francezas de cores >eguras a 320,..
340,360, 400, 440, 480 e 500 rs. o covado, fazenda
moflo superior e bonitos padroes : s na loja do <
Pavao.
Aa lazinhas da eiposico do Pavo.
Vendem-se lazinhas as mais modernas que
ten vindo ao mercado, proprias para vestidos e
sontemba/ques por serem lisas e de cores rauito {
delicadas 560e500rs.; ditas lisas com udi lustre
que parece seda 640 rs. o covado, ditas com
quadrinhos de seda SOO rs. o covado, s para ac-1 q vigilante est alerta
bar : na loja e armazem de Gama Imperatriz n. 60. i seo canto, aflm deannunciar ao respeitavel publ ,
Os vestidos do Pavo. co o grande sorlimento de galanteras do melhor I Koapa leita barata.
Vendem-se os mais modernos cortes de vestido gosto propriamente para qualquer mimo, que ara-; jende-.sepahtols preto Je panno a to*, It
de la, que vieram pelo ultimo vapor, com ricas na de chegar neste ultimo paquete, assim como j *> J e ***> ditos de aipaka a 3* 4*, dito* a>
barras de cor, corpinho e cohete separado ; ditos muitos outros objeetos que recebe por diversos na-1 britn branco a 2*500, 3*. 3*500; calcas de brn a
com listas de seda e tambem com barras e enfei- vios, tanio de sua coott como de consignagao qoe ; >* e -5300, ditas brancas a M e .l*5l>0. palil< ?s
tes para o corpo, por prego mais barato do que em est resolvido a vender por precos muito baratos i de casemira de cures Unos a 10$, 8* b*. e 5* ,
outra qualquer parte, e se quizerera urna prova para vender muito e gatihar pou'co, e dar extrago i seroulas a 2* ; camisas brancas a 2*. 2*3001 3*
do que se diz, mandem ver leja e armazem do o .grande deposito que tem, que espera merecer a i na rua da Imperatriz n. 56, loja da Arara.
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva, proteceo do respeitavel publico empregando para | Colarinbos finiionicos a 610 a dazia.
Os vestidos Maria l'ia. S o Pavo (80000). isso todas e as melhores diligencias para quefi-; Vende se colarlahos ttftmwm Ha tem *?-
Vendem-se os mais lindos vestidos Mara Pia 9.ue,n satlsfeitos; islo s no Gallo Vigilante, ra do tos a 640 a duzia : na ra da Imperatnz u 50, '.>
cadaum.
Sardinhas de Nantes a 300 rs.
Sag muito alvo e novo a 260 rs. a libra
Tuucinho de Lisboa a 320 rs. a libra.
Tijolos de limpar facas a 140 rs.
Vellas de carnauba pura a 360 rs. a libra.
dem stearinas muito superiores a 600 r.
libra.
Eigos em caixinhas ermeticamente lacradas
a 10600.
Vinho do Porto engarrafado o melhor que
ha neste peero e de varias marcas, como
sejam : Velho de 1815, Duque do Porto,
Madeira, Pedro, D. Luiz I. Mara Pa,
Bocage Chamisso e outros a 800, 900 e
10000 a garrafa, e era caixa cora urna du-
zia a 90000 e 100000.
dem em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
480, 500 e 560 rs. a garrafa c 30, 30500
e 40 a caada.
dem branco de Lisboa muito fino a 500 rs.
a garrafa.
dem de Bordeara, Medoc e S. Julien a 700
e 800 rs. a garrrala, e 70000 a 70500 rs.
a duzia.
dem Morgauxe Chateaulumini de 1851, a 10
a garrafa.
dem musca le a 800 rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 200 rs. a garrafa e
l200rs. a caada.
Genebra de Hollanda verdadeira marca VD
a 560 rs. o frasco e 60200 a frasqueira.
dem era garrafes de 3 e 5 gales a 50500
e 70500 cada um com o garrafao.
Graixa a 100 rs. a lata e 10100 a duzia.
Licores muito finos a 700 rs. a garrafa.
dem, quaiidade especial em garrafas muito
grandes, a 10800 a garrafa.
dem em garrafas mais pequeas a 800 rs.
dem, era garrafa forma de pera e rollias de
vidro, a 10000, s a garrafa vale o di-
nheiro.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, desem-
barcada de ponco a 900 rs. a libra, e da
de segunda quaiidade a 800 rs.
dem fiancez muito nova a 640 rs. a libra.
dem de tempero a 400 rs.
Maca de tomates em barril a 480 rs. a libra.
dem em lata a 640 rs.
Mar melada imperial dos melhores consenti-
ros de Lisboa a HO i rs. a lata.
Marrasquuho de Zara, frascos grandes, a
800 rs.*
dem regular a 500 rs.
.Macas finas para sopa: estrellinha, pevide,
rodinha o alelria a 600 rs. a libra e a 40
a caixinha com 12 libras.
Nozes muito novas a 160 rs. a libra.
Peixe cm latas preparado pela primeira arte
de cc/inha a 10 a lata,
Paliios de denles a 160 rs. o maco.
Kirsk garrafas muilo grandes a 10860 rs.
Alm dos gneros cima mencionados te-dem do dentes a 120 rs.
mos grande porcao de outros que deixamos dem de flor a 200 rs.
de mencionar, e que tudo ser vendido por \ Amendoas confeitados a 900 rs. a libra,
pecas e carnadas, tanto em porces como j Doce de goiaba em latas o melhor possivel a
retalho- 20 e em caixao a 640 rs.
Quem comprar de 1000000 para cima te- i Palitos do gaz a 20200 a greza
A lien cao
NOVA
hqiMtjfa de fazendas de Uda? a* .
li ides aa I. ja t armazem i* irr,
ra da 'mperatriz n. t, fe Lnareii-
cii Percira Mcttde> Lnim^re.
Atirnv fiic M val principiar.
Vtnik-M! |K-cas de panno !. IilIu> para Wtttfoz.,
toalhas e seroulas, na i:j \;i imi ;.,r HJMO^
brim liso por S00, o60,640 rs. a vara : una Ai
Imneralril loja d.i Arara n. "ili, de M n.I. < Coima-
raes.
A Arara vende SWtaatatfM a I O 12/L
Vindi'-se soutemlarques de laaiinli..s nfritarte
a Kij e US, ditos prelos de erord>papl fea
a ttfi, 2 e to ; capas prefas ttrtm ule enfria-
das a i'.'i e 3(); cainisinhas (ara senhoras a 2
e 3 ; golinhas 40, 320 e 500 rs ; iiurstuiti s a
'00 rs. e 1 : ua ra da Imperatriz b. 56 k ia Ca
Arara.
Cortes de coila a 20100.
Vende se rortes de ebitas ruin 10 rwan a
i'iOO.. ditas franrrza a 30300 ; dilo* de caniaraia
?**?,*
Arara, , naolheera permtldo M^**^SlSP' ttS1
de laazinha transparente com listas, e palminhas Crespo n. 7.
de seda pelo barato preco de Si cada corte : s Ricos porla-joias.
na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Ga- Cofre de rauito gosto por lti000
ma& Silva. Ceitinlias transparentes torradas de ina-
As eassas do Pavo a 210, 280, 300, 320 e dreperola por 18*000
3gQ rg Lindas jardineiras. 10*0011
g$5!*?.TS?^! *!^Pirei^ tSXSS SSSSs Brancas* !SSS
i imitacao de la, com cores flxas, 360 rs. o co- g "Jo bal rom ea i^as dmtr tm
vado ; ditas francezas muito finas 240, 280,300 '-""
e 320 rs. o covado, isto para acabar : roa da
Imperatriz, loja de Gama & Silva.
Os madapoles do Pavio
Vende-se peca de madapoln infestado rom 12
jardas cada peca pelo barato preco de ki, 4*500 e
Si cada pega, fazenda mnito superior : s o Pa-
vo ra da Imperatriz n. 50, notando que a peja COs";"s o"Vigilante" roa'do Crespo n. f.
leva urna etiqueta rom o Pavo pintado para nao *
haver duvidas nem engaos : isto previne o Pa-
bem para joias.
Tambalier para ditas.
Cestinhas ditas.
Cosmorama ditas.
Urnazinhas. ____
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Ricos pona bouquetes de diversos gostos e pn-
165000
1)5000
65000
6*000
6*000
r o abate de li por cento.
Passas muilo novas a 480 rs. a libra.
/Ubuns superiores para re-
tratos.
A Aguia Baanca sempre disposls bom servir
agradar a sua boa freguezia, niandou vir e acaba
de recelar um t^Uo ^uinnicuio Oc ittnuir Je supe-
rior encdernacao e apurado gosto, com especial!-
dado os de capa de niarlim com lavores, ouire*
guarnecidos de tartaruga com trancas de prata,
outros marcheladop de madreperola com trancas
de prata uourada, r.ntros de velludo etc. etc. Cara j
LOJA 1)0 BEUAFLOR.
llua do Queimado ns. 63 e 69.
Bonecas de choro.
Lida? bonocas do churu qtut i'hanism papai e
mamai, de diversos tamanlios : s nas tojas do bei-
ja-llr, ra do Queimado ns. 63 e 60.
Luvas de pellica.
Luvas de pellica branca a de cores para homens
e senhoras : nas lojas do beija-flor, ra do tuei-
quetn tem gosto e dinheiro, um lbum assim per-1 ma,|0 ns G> e Gg
l'ivcllas para cintos.
Lindas fuellas douradas rom lindas pedras para
fiita sem duvida o mais apro|iriiidn para selle I
se depositar os retratos de charos pais, bons pa-
reutese amigos. Em quanto, por-in, esses albuns
se tornara notaveis por sua ferfeiclo e bom gosto, 'J : nas loJas do ^e.ja-nor, ra do Queimado
outros recebidos na nesma occasiao, se tornam re- s" "'' e "^
commendados pela .-cmmodidade de precos vista (.apellas para nonas.
da boa obra. Assim pois o pretndeme" ser ser- Lindas eapeilas i:.ra noivas 2*500 coda urna:
vido conforme o dinheiro que quizer dispor para nas lojas de beija-dor, ra do Queimado ns.63e
esse (Ira, adiando si i limento para 24. 50, 60 o 80 e 6'J.
reiralos : na ra do Queimado, loja d'Aguia Bran-
ca n. 8.
Carteiras e bolsas para
viagem.
Na loja d'Aguia Branca, ra do Quemado n. 8,
ndem-se carieiras c liracolo, e bobas de lapete, tudo para vlagens.
Perfumaras inglezas.
A Aguia Branca, conhecendo a bem merecida
estima que os apreciadores do bom dio as perfu-
maras inglezas, por isso rnandou vir o esplendido
sortimenlo que acaba de receber, e os acreditados
nones dos bem conhecidos fabricantes J. Gosnell
A C., Napoleo Priie & C. sao bastantes para co-
nhecer-se a snperioridade dellas. Consiste esse
bellc e variado sortimenlo em pequeas quantida-
des de dilferentes e agradaveis extractos de pri-
Eslojos para barba.
Vende-sc estofes com espelho para barba 1*500
e 2*000 cada um : nas lojas do beija-llor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Balaios para meninas.
Becebeu-se novo sorlimento de balaios, com
forma de vanos passaros, pelo barato preco de
i*000 at 4* cada um : nas lojas do beija-llor, tua
do Queimado ns. 63 e 69.
Filas linas para cintos.
Ricas fitas finas lavradas de bonias coras para
einios : nas lojas do beija-lor, ra do Queimado
n. 63 c 69.
Extractos era-caixinbs.
Finos exlraclos em caixinhas com o retrato da
familia imperial: nas lojas do beija-flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
Sabo em eaixiauas.
Finos sanees em caixinhas com vanos retratos :
meE quaiidade em frascos de diversos tamanhos nas lojas do beija flor,ra do Queimado ns. 63 e 69.
e formas, fazendo-se notaveis entre elles os que
vem em urna carleira de tres, com os quaes por
sua elegancia e boudade se faz um bello presente ;
assim como outros frascos com finas essenctas con-
centradas, outros com excel lentes leos para ca-
bellos, e outros finalmente com agua de Lavander
sublimada ; e bem assim finos sabenetes em paco-
tes e caixinhas com tres, benitas e delicadas al-
mofadinhas com pastilhas em p, as quaes derian-
do-se nos guarda-vestidos, commodas, etc., nem s
deixam teda a roupa cheirosa, como afugentaoi
baratas, tracas, etc., etc. Em quanto, porm, a
commodidade dos precos j nao entra em duvida.
UHia vez que o pretndeme compareca munido de
diubeiro e disposto a fazer gasto na loja d'Aguia
Branca, ra do Queimado a. 8.
Balas grandes e earetas de
borracha.
liras bordadas.
Vendeai-se tiras cordadas transparentes e tapa-
das : nas lojas do beija-flor, ra do Queimado jis.
63 6 69.
Joyos de domin.
Vendtm-se jogos de domin i*200 e 1*300:
nas lojas do beija-flor, ra do Queimado ns. 63
e 69.
Dallados bordados
Vendem-se babados bordados de varias larguras
e varios preeos : nas lojas do beija-flor, ra do
Queimado na.43 e 69.
Abafadores de rede.
Vendem-se aiafadores de rede de varias cores
SOO rs. cada um : nas lojas do beija flor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
, Adcrecos peles.
endo-se receido aderecos pretos de novo ges-
to sao expostos mida : nas lojas do neja-flor,
. a voniia : nas
Eieellentes hrinquedos para enancas : vendem- ra do Queimado ns.63 e 69.
se a SOO rs. cada urna : na ruado Queimado, loja Grvalas para senioras,
d Aguia Branca n. 8. LBjJag gravalas para ^^ 00 rs. e 1*000
EspelnOS mm moldura pretaS 1*200: nas lojas do beija-flor, ra do Queimado
Espplhos de awldura.
Vendem-se espelhos de moldara preta para sa-
las : nas lojas do beija-flor, ra do Queimado ns.
63e69.
edourudas
A Agnia Branca, ni ra do Queimado n. 8, re-
cebeu um bom sorlimento de espelhos de differen-
.ves tamanhos com moldaras pretas e douradas, e
os est vendando por precos commodos.
MACHINAS I1EPATENTE
de trabalhar ni a o para
descarlas* algodo
F.'.BIUCADAS
Por Plant Brothers & 0.
OLDAM
Estas machinas
podem descaroca r
qualquer especie
de algedao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duaspessoaspara
o trabalho; pode
descarocar urna
por dia ou 5 ar-
robas de algodao
limpo.
Esta maeiiina
a nica que
possue as vantagens.de nao destruir o fio do al-
gotao e de fazer render o dobro de qualquer ou-
tra com menos trabalho, a ua introducto para
as provincias deste imperio ser de muito valor
fiara todos os inleressados na lavoura do paiz.
Assim com machiuas em ponto grande do mes-
mo systema.oraql serem movidas por animaes,
agua ou vapor, pas raes podem descarocar 18 ar-
robas de algodao amito por dia.
O algodao descarocado por estas machinas tem
muito mais e.-timacae nos mercados de Europa e
vendt-se por maiorpreco.
As machinas se achara venda unicamenie em
casa de
Saiindcrs Brothers & C.
t. II, praca do Carpo Santo
BECIPE.
Os nicos agentes neste paix.
RIVAL SEM SEGUNDO.
Vullas de aljofares.
Lindas voltinhas de aljofares com cruz de pedri-
nhas imitando brilhantes 1*000 cada urna : nas
A Agoia Branca, na ra do Queimade n. 8, re- j3s do beija-flor ra do Queimado ns. 63 e.69.
Papel ingle
z
ceben um novo sorlimento de papel inglez liso e
paulado, almago, de peso, e pequeo, vindo deste
tambera com beiras douradas.
Enfeitesinvisiveis
A Aguia Branca, na na do Queimado n. 8, rece-
beu novos eueiies invisiveis, os quaes pela finura
Colberes para sopa.
Vendem-se colheres de metal-principe para sopa
a 2*000 cada urna : nas lojas do beija-llor, ra do
Queimado ns. 63 e 69.
La para bordar.
Vende se la para bordar, a melhor qne se pode
do tecido e bon gosto lera merecido tanta estima encontrar tanto na quaiidade. como nas cores,
_ a o*400 a libra : nas lojas de beija-flor, ra do Quei-
rreparos para ores. ""*"^
. _r r n____An o .. >as mesmas lojas se encontrara sempre grande
A Agu.a Branca, na ra do Queimado n 8, re- ^fl^,,,,, de ^U))ezas hoas e m^Watas do
ceben noos prepares para flores sendo papel de cm Qutra a|
cores para rosas, dito verde para folhas, folnas oe ^ r
panno e velludo, caixas de trigo, ditas de uvas
brancas e roas, e como sempre continuara a ser
vendidos por precos commodos.
Vende-se a armaco de nma taberna na ra
Imperial n. 112 ; tratar na roa da Guia o. 51.
Cal de Lisboa.
Ha para vender a mais nova, e ltimamente che-
gada ao mercado, em bem acondicionados barra :
no armazem de Manuel Teixeira Bastos, rua do
Trapiche n, 13, por prc$o razoavel.
Ba do Queimado n. 49 loja de miudezas de Jo-
s Bigodinno, venham ver a pechincba que se est
acabando Certas quaiidade de fazenda.
Pecas de fitas elsticas com 10 varas a..
Ditas de tranca branca lisa com 40 varas.
Ditas de tranca preta lisa a............
llealejos para meninos, pechincba a....
Bodinbas com superiores alfinetes a.....
Caixas com superiores agulhas e limpas a
Sabonetes de familia, muito finos a 80 e..
Pares de sapatos dela para enancas a..
Varas de babado do Porto muito bom a
100, 120e.......:.................
Ditas de bico largo grosso a............
Potes de .iiperivr tinta tem mais de meia
garrafa a.,........,...............
Caixas cora perfumaras rauito bonitas a.
Frascos de oleo de macaca muito lino a .
Ditos de oleo de babosa' superior a 240,
320, 400 e.........................
Ditos de cheiros muito superiores em qua-
iidade a...........................
Ditos de agua de colonia muito boa a....
Ditos de dita dita grande a.............
Sabonetes de lodo o preco 60, 160. 200,
320e.............................'
Frascos de superior banha a 320 e.......
Caixas de p para limpar dentes muito
fino a*............................
Ditos de banha transparente ..,.......
Pares de ligas muito tinas para senhora a
Sabonetes inglezes da melhor quaiidade a
Frascos de agua dentrflee superior ga-
rantida a.......................... j^ooo
Massos com 25 envclopes grandes azula-
do a.............................. 100
Varas de fita preta com colchetes a..... 100
Frascos de macaga perola muito superior 200
Caixas com pennas grandes a......... 200
Grosas de botfies para caifa preta, miudos 100
Libra de memento da roupa de lavar a.. 200
Carriteis de retroz de todas as cores e
tem meia nitava de retroz a......... 200
Varas de bicos de diferentes larguras a 60
nem engaos
vo, de Gama & Silva.
Bramante de llano do Pavo
0, 904OO. 2eoo.
Vende-se o melhor bramante de linho puro com
dez palmos de largura por preco muito commo-
do, por ter de acabar a factura, a vara por
2*200, 2*400, e 2*600 ; s o Pavo : rua da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Panno de linho do l'avo.
Vende-se panno de linho com 4 palmos de lar-
gura propno para lences e toalhas de mo pelo
baratissimo prego de 640, 720 e 800 rs. a vara, al-
godozinho com oito palmos de largura proprio
para lenges, pelo baratissimo prego de i* a vara,
assim como tem o melhor algodotinho tanto em
largura como em corpo, propric para lences, ca-
misas de escravos, etc., etc., prego muito conimo-
do vista da fazenda; s o Pavo : rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Algodozinbo eom toque de avaria a .000 ris
e 4,800
Vende-se pega de algodozinho por ter um pe-
queo toque de avaria, mas que esta em bom es-
lado, pelo barato prego de 4* e 4*500 a peca ; s
o Pavo : rua da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os guardanapos economices do Pavo e s do
Pavao
Vendcm-se os mais lindos e modernos guarda-
napos econmicos e todo linho, tanto para as casas
de familia como para hoteis, botequins, etc. etc.,
pelo baratissimo prego de 3* a duzia, isto s na
oja do Pavo rua da Imperatriz n. 60, de Gama
&.Silva.
Ol* soutcmbarqes do Pavao
B el3#.
e:idem-?e os mais finos soutemharques que
tdem vindo ao mercado, sendo de caxemira de co-
"V pelo diminutsimo prego de 12* cada um, di-
!of de musnmbii]ue pelo diminuto prego de 9*, s
i na loja do Pavao, mas que se nao engauein : a rua
da Imperatriz n. CO, de Gama & Silva.
Atoalhado do Pavo.
Vende-se panno de linho adamascado proprio
para toalhas de mesa, pelo diminuto preco de 2*300
rs. a vara, guardanapos de linho a 3* a nuzia.
toalhas de mo a 5* cada duzia, na loja do Pavo,
rua ta Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
12' s o Pavo (a 3#OO).
Quem tem baloes por tal preco I
Vendem-se os balos americanos muilo superio-
res com 20 e 25 arcos pelo baratissimo prego de
arroba de algo- i 2*300 e 4*, ditos de 23, 30 e 33 arcos com titas,
do em caroco I muilo bem armados c tambem tem cores escuras
em 40 minutos, | pelo barato prego de 3*300 cada um : s na loja
arrobas!do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva. /
S 0 'avo vende para luto.
Vende-se superior setim da China, fazenda toda
de la sem lustre tendo 6 palmos do largura pro-
prio pr.ra vestidos, capas, paletots, calcas, etc.,
pelo baratissimo preco de5*, 2*2i 0, 2*300 e 3* o
covado, eassas (treas lisas, chitas pretas largas e
estrellas, manguitos, eelannaos, pannos, e eafeites,
tudo preto proprio para luto fechado, e muitos ou
tros artigas que se vendem por precos mais em
conla do que em outra qualquer parte por estar
liquidando ; s na loja do Pavo rua da Impera-
tiiz n. 60, de Gama & Silva.
.*: percalas do Pavo.
As mais lindas percalas que tem vindo ao mer-
cado pelo ultimo vapor tem na.loja do Pavo pelo
barato prego de 600 rs. o covado ; dilas de listi-
nlus muito miudinhas proprias para vestidos e
roupes de senhoras, mentos e meninas, pelo ba-
ratissimo prego de 300 rs. o eovado ; garantem-se
as ccres por serem do melhor fabricante que as
tem em Paris : isto na loja do Pavo rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama <& Silva.
A ebitas do Pavo 28too e
S0SOO o corte.
Vendem-se cortes de chita com dez covados
2*400, ditos 2*800, com 12 covados; sao chitas
inglezas, mas padrees bonitos e tintas seguras;
assim tem as melhores chitas francezas e do tin-
tas seguras por precos commodos, a saber : 320,
340, 360, 400, 440, atO rs. o covado : na loja do
Pavo rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Os bordados do Pavo
Vendem-se camlsinbas com manguitos e golli-
nhas bordadas, pelo barato preco de I* e 1*280
cada um, manguitos s 300 rs.' cada par, ditos
cora golinha a 800 rs., golinhas 400 c 480 rs., de
fli 240 rs. cada golinha bordada, romeira de
cassa o de fil muito bera bordadas 2* cada
unta, manguitos qne servem para calcinha de me-
ninas 640 rs. cada par, camisa com manguitos e
golas com a competente grvala de seda, fazenda
fina, pelo barato prego de 3*, e muitas outras
bordadas que se vendem por pregos muito em
conta : s na loja do Pavao roa da Imperatriz
n.0, de Gama A Silva.
As miipas do Pavo
Vende-se panno prpto lino muilo superior pelo
barato prego de 2*, 2*300, 3*, 3*300 o 4*. dito
muito fino 3* e 6* o covado, casimira preta de
urna s largura e muilo fina a 1*800, 2* e 2*300
e 3* o covado, cortes de casimira de cores a bi,
3*o00 e 6*, casimiras entestadas de urna s cor
proprias para caigas, paletots. coletes, capas e para
roupas de meninos a 3*300 o covado, isto na loja
do Pavo rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Ricos sintos
com bolcinhas ao lado, a 10*, 12* e (5*, ditos sem
bolea porm do mesmo gosto, a 2*300, 3*, 3*300
4*000.
Ricas fivellas avulsas para sinto, o melhor que se
pode encontrar, a 1*300, 2*, 2*300 e 3* o par \
s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Cabazes ou cestinhas.
At que chegaram as desejadas cestinhas ou ca-
bazes para meninas trazerem no brago, o mais rica
po-sivel a 2*300, 33300, i*, 3*, 7* e 10*; s no
Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Penles.
Neste artigo tem um grande sorlimento, tanto
para alizar como para atar cabello, os mais lindos
que se pode desejar, assim como de arregagar ca-
uello, tanto de borracha corno de tartaruga cmen-
feites e sem elle para menina; s no Vigilante,rua i
do Crespo n. 7.
ja da Arara.
Vende-se bramante de puro linho a 2*500 e
2*800 a vara, tendo 10 a li palaa de largara ,
brim branco pira calca a 1*200, ti'iOO l*CCO a
vara, dito pardo a 640, 800 rs., I* e 1*200 aa
rua da Imperatriz n. 36, loja da atara,
Vendem-se baloes americano* os memore* qrt
lem vindo, de todos os tamaunosa 2*240, 2*(0,
>*, 4* e 4*300: s o Arara na rua da Imttralm
n. 36.
As laziiibas da Arara a 210 rs. ceiaV
Vendem-se lazinhas para vestidos de entera a
240, 320, 400 e 500 rs, o covado, ditas nito
finas lisas 600 rs. o covado, ditas especia** a Tai
e 800 rs. o covado : na rua da lioperalriz i3r
loja da Arara.
Chitas baratas a 210 rs.
Vendem-se chitas de cores fixas 240 e 280 r,
o covado, ditas francezas finas a 320. 3*0, 4i0 e
SOO rs., o covado, ditas percala? a 560 e 61)0 i*, o
covado : na na da Imperatriz n. ">>, loja da Aiar
A Arara vende madapolo baraU a 6S60. caris*
de vestidos a Mara Pia a \ii>. I> t \ffi.
Vcnde-se pegas de madapolo i!e 24 jarda, rtt
marcas tinas n. 7 a 7*. n. 2 a 8*100 + a 8*C. +?
9*, S a 10*, lili a II* e 12*; np. do resalar a ?,
dito fino carne 7*, dito sicupira a 8*, dito pao Ierra a 9* a pt^a
tera 20 jardas : na rua da Imucratrir, loja n M
Chales barates a ftMa\
Vende-se chales de lazmha a l*f.C0 e ?*. ditos
de merino a 3*, 4*300, 6* e 7* : na rua di fm
peralriz n. 36.
Cortes de raleas a lf.OO.
Vende-se cortes de calca para bornem l.'< 3,
1*800 e 2*300 boa fazenda ; ewfe Ce r.:-r;ira de
.les cores tinas a 5*, 5*300 e 73, caco ira para i. 'f
lambeinchegaram os nquiss.mos penles de concha M| e ,.ok.Ie, enf(,,,adas 3 .?a ,nAn K
de tartaruga e de massa fina, que se vende por2*,' ,oj da A na m da |mpcr:iiz,,. M
3* e 5*; so no Vigilante, rua do (.respo n. 7. Casemiras para capa de seal.ra a ** e 2.
_. LCques. Vcnde-se casemira infe.'tada i nqria i'ara ils
Rlquissimos leques de madreperola tanto para i ra sennora a3 :t5 0 co,,, ,,ah,.m rT,
senhoras como para meninas, pelo baratopreco | p,ra eoslames ^ wr & t^ ojaaMaae riaaa-
240
100
60
120
20
200
160
400
160
100
320
SOO
ICO
300
320
400
800
400
800
100
600
500
320
Potassa da Kussla,
da mais superior desembarcada hornera : vende-
se no escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira &
Filho, largo do Corpo Santo n. 19.
Gomma de mandioca.
Vndese na rua da Madre de Dos n. 38, ar-
nazem.
Vende-se um mulato por prego barato : pa-
ra ver, na tasa da detenco, e tralar, no pateo do
lergoo. 9.
de 12* e 14*; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Mais leques
com pequeo defeiio, leques de sndalo com pe-
queo defeito por barato prego de 8* e 10*, ch-
neles muito bonitos tambera,-pelo barato prego de
4* e 3, bentarallos rauito bonitos, tambera por ba-
rato prego de 4* e 55, leques de charo tambera
por 4*. tudo islo para acabar, perdendo-se tai-
vez 80 por cento; s no Vigilante, rua do Cresjjo
n. 7.
Pnlseiras.
Lidas pnlseiras de eontas e de missanga, cores
muilo lindas e de muilo gosto a 1* e 1*200.
Para segurar manjuiTos.
Tambem chegaram as figurabas estreilinhas de
borracha que as senhoras tanto precisara para se-
gurar manguitos por ser muito commodo e rauito
barato, a 320 o par; s no Vigilante, rua do 'jros-
pon. 7.
Canelas.
Riqnissimas canelas de madreperola proprias
para qualquer present*, pelo baratissimo preco d-'
1*500 e 2*.
Sapaliuhos c meias de seda.
Riquissimos sapatinhos de seda e de merino en-
gaitados, assim como raeiaszinhas de seda, gorrazi-
nhas e lonquinhas para as cnancinhas se baptiza-
ren ; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Volitabas.
Lindas voltinhas de perolas falsas comcruzinhas
lingindo brilhantes, assim como crozinbas avnisas
]e voltinhas, pelo barato prego de I* e 1*2U0, as
ernzes avnls a.-a 100 rs.; ho no Vigilante, rua do
Crespo n. 7.
Golinhas.
Riqnissimas golinhas e manguitos, e melhor gos-
to possivel, a 2*, 2*500 e3*5 s no Vigilante,'
rua do Crespo n. 7.
Enfeitcs para senhura.
Riquissimos enfeites cora lago e sem lago e de
outros muitos gostos a 1*, 1*500 e 3* : s no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7.
Trancelins.
Lindos trancelins e cabello para relogie on lu-
netas, pelo baralissimo prego de 1*300, ditos de
retroz a 200 rs.
llabadinhos eulrenieios.
Riquissimos babadiuhos ntremelos, com lindos
desenhos tapados e transparentes, pelo baratissimo
prego de 1*2-90, 1*300, 2* e 3*; s no Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
Cascarrilbas.
Grande sorlimento de cascarrilhas de diversas
larguras, assim como galozinho e trancinhas pro-
prias para enfeiles; s no Vigilante, rua do Cres-
po a 7.
Fitas.
Grande sorlimento de litas do diversas larguras
e qualidades, por pregos que admirara aos com-
pradores, havendo fitas largas proprias para cin-
teiros que se pae vender a 300 rs. a vara, e pega
de 9 varas a 2*; s no Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Fitas de la.
Fitas de ia de todas as qualidades, proprias pa-
ra debrum de vestido a 700 rs. a pega; s no Vi-
gilante, rua do Crespo n. 7
Ricos espelhos.
Riquissimos espelhos com moldura douraJa e
sem ella de 8*, 10*, 12* e 14*, assim como com
columnas de dilferentcs tamanhos a 2*, 3*, 4*, 5*
e 6*; s no Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Lindos jarros e figuras.
Riquissimos jarros figuras de porcelana fina,
para enfeite.de sala, sendo o melhor gosto queaqui
tem apparucido; s ue Vigilante, rua do Crespo
n. 7.
Para pos de arroz.
Riquissimos vasos com bonecla para pos de arroz,
consa de muilo gosto a 1*300 e 2*, assim como
pacotes s com os pos a 320 rs. cada um ; s no
Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Perfumaras.
Grande sorlimento de extractos e banlias, poma-
das, assim como de lindos copos ou vasos com dis-
linctivos e offorecimentos as sinhasinhas dos me-
lhores e mais afamados autores de Paris e Inglater-
ra, assim como os grandes copos de banha japoneza
a 2* e a 1*, assim como outros objeelos que nao e
possivel por hoje annunciar, e vista dos fregue-
zes se far todo negosio; na loja do Gallo Vigilante,
rua do Crespo n. 7.
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel contra as gnorrheas
antigs e recentes, nico deposito na bo-
nica franceza, rua da Cruz n. 22, pre-
o 3
res, vende-sc a 2* e 3* o cana: na loja e arna-
zem da Arara, na rua da Impiratii; n. 56.
A Arara vende as percalas a iitO rs.
Vende-se percalas linas para ve-tiilr-- a 60 e
600 rs.; chitas Iranrezas tinas a 3*0, 4W ECO e
360 o covado : na roa da Imperatriz n. 50.
A Arara veuilc as capas de grosdeaaple a 2& 1305-
Vende-se ricas capas de grosrit-nnple preto safa
senhoras a 25* e 30*; siulembari|iies pn-'.us mm a
20*. 22* e 23* : na lija da Arara
TarlnUna de (ares e t.rarca a SCO rs. a tara.
Vende-se larlatana brama c de core* finas y fCf)
rs. a vara, fil de linho a feOO rs a rara ; i a rua
da Imperatriz toja e armazi-m da Arara, r .<
O pVipc'.'Ai'i') da loja e arman m da Aiara re-
co i menda tda a atle cao ao* Sis. fr. si
mandem ver a- ann tras de ida. zt faxi i i!
anniinci.i, prometiendo vemle-ls porba '
Pciliimlia de Iciirus de seda a XW ra, e 14-
Vende-se longos de tila peifueao* a IMri, f-
los grande- a \', : ditos Praie ut r>a i: rra rfc r.v-
res a 200 rs. cada nm ; nejas crn i ira ln n.fnt a
.'.5400. 33, 4e 3* a duzia ; rina- para ntir> z
4-3 e o* a duzia : na rua da lmp> ralrix n "?;
Cassas l'ranei zas a fO r 3.'f r*. ttuin.
Vende-se eassas francezas lina* tara re*ri#Kia
280 c 320 rs. o covado: na rua da ln>i eralnz n. ,
Citlrli.'s de dmasca a 13.
Vende-se colchas de damasco pra c?ma a 44,
ditas de fnslo a 3*, dilas de chiia a 2*; riras fri-
tas para roberas a .120, 360 e 4' O i *.. utas a?etV
nadas muito finas a 500 rs. o covado, ditas crear
nadas a 3u0 rs. o covado : na rua da Imp-i.-.|i,j
n. 56, lo)a da Arara.
RVAL StM SEGUNDO
Rua do Queimado n. 49, e*ta veam mi rviv
boas fazendas e mnito baratas, %nem quizer podra
vir ver ou mandar para experimentar, assim enoio
sejam :
Golhnlias muito tinas para seabara a SOO rc
Ditas e punlios de fuslo muito boaMas a 640
Cartas de ailiuele de cablea chata ue todos < ta-
manlios a 80 rs.
Resmas de papel de peso muito bon a 2*.
Capachos redondos e compridos a .'lO rs.
Caixas com superiores obreias de colla e d- r, .^
a 40 rs.
Cordo branco grosso que tem muiu appiici ..o a
vara a 20 rs.
Liabas do carriteis garntese 150 jardas 40rs-
Cartdes de linha Podro V com 2(.ojar...- a 40 rs.
Grosas de pennas de ac ramio i,j,,> a 3C0 rs.
Varas de franja de 15a para v.-Uo a U rs,
Ditas de franja brama larga para toalhas a 160 rs.
Pares de botOes do punho a 120,320 e 5iO ra
Tinteiros de vidro com tinta a 16o r.
Ditos de barro com superior tinta i 100 rs.
Grosas de botoes de louca .rateados a 160 e a mv
zia a 20 rs.
Tesouras para colara a 80, 200. 400 e 901 r
Estovas para limpar denles, superiores a 00 r*.
Libra de la para bordar da m Ibor quaiidade a
6*500.
Caixas de phosphoros de seguranga a 160.
Caixas c paroles de papel amizade superior a fOO
ris.
Caixas com 100 envclopes muito finos a 800 rs.
Quadernos de papel pequeo azulado a 20 rs.
Carriteis de linha Alexandre com 200 jarda
100 rs.
Raralhos para voltaretea 240e mai tinosa 3C0n
Meiadasde linha trouxa para bordar a 20 rs.
Pares de snales de tranca di: lodos os naaaaMa
a 1*500.
Grosas de botes de madreperola muito fino* a 560
ris.
Cartas e caixas de colchetes de superiores qusfc
dades a 40 rs.
Massos de grampos superiores e limos a 30 ra
Grosas de palitos de gaz a 2*200.
Libras de areia preta da melhor quaiidade 11?0
ris.
Caixas redondas para rap e tem rrtiitf honfV* r
lungas a 100 rs.
l I
a 3:Jk0 rs.
Vende-se de superl-rqualidadt-, tacjaJa u A*a
caly pelo iale SattfAmma, em ca.-a do Parmk,
Vianna A C, rua da (%deia n. S7.
Vende-se um cxccllenie terreno na na *>
Hospicio, j aterrado e com aflame na frei.'c. fe*
40 palmos de frente c 140 ditos de fcn.'o. Ki?>
proprio parase edificar porlicar cotlocaJocm fi^
posigo : a tratar na rua do Rangrl n. 14, ar
rnazem.

MUTILADO
"':<***+







Ae
Nabbado t c rtbr* e .
Ssfb
testf1


GRANDi AIIAZMI DE
Largo da
Santa Cruz
n.84.
Esquina
Sebo n. 84.
AURORA BISIIH4NTE
Francisco Jos Fernandos Pires, proprietario do armazem de molhados denominado
Aurora IW Uante, ao largo da Santa Cruz n. 8i, esquina da ra do Sebo, faz sciente ao
rospeitavel publico desu cidade e do interior, que no seu importante estabeleciment
vender seuipre gneros novos e de prinieira qualidade, e vender a todos pelo mesmo
proco.
O completo .M>rtimento de todos os gneros finos e grossos que costumam ter outros
ostabelecimentos desta ordem se eneontraro sempro no armazem da Aurora Brillianle
e sempre em grande escala vontade dos seabores compradores.
O proprietario do armazem Aurora Bn litante pede a lodos os senhores e senhoras
que qnando tiverem de mandar suas relaces a este estabelecimento por seus criados
seja em carta fechada ou com grande recorumendaeao a este armazem. certos de que
serlo tao bem servidos como se viessem pessoalmonte.
A Aurora Brilhanle troca qualquer um genero que por acaso nao agrade, e recebe
as libras esterlinas a 90, sendo por compra : a tabella de seus gneros ser mudada
todas as semanas.
Amendoas confortadas a tibra a 800.
Manteiga ingleza flor a 800, 960 e 1*130.
v


Dita mais abaixo a 640 e 720 rs.
Dita franceza nova libra 640 e em barril a
360 e600rs.
Chocolate sanie muilo novo a 1*200 a libra.
Cha perola o nwlhor que ha ( rexlondo) a
libra a 3&00 e 2*800.
Dito dito mais abati a 2*500 e 2*8C0.
Dito uxim muilo lino a 2*809 e 3*.
Dito hysson superior a 2*600 e 25800.
Dito mais abaixo a 2* e 2*500.
Dito preto mnito tino a 2*500.
Dito em m&ssos a 23.
Dito do Rio em latas de 4, 2 e 1 libra a
1*501).
Caf de Moca superior arroba 9*o00 e libra
300 e 280 rs.
Ditodo Rio o do Cear arroba 8*500 e libra
320 rs.
Dito mais abaixo arroba 8* e libra 260 rs.
Barricas com bolachinlia ingleza nova a
3*.
Latas com bolachinha de soda de 5 libras a
2*500.
Ditas com ditas sortidas de 2 libras a 1*400
Frascos com ameinas francezas a 1*600,
2*808 e 3*.
Latas com ditas a 1*400,2*200 c 4$.
Ditas com figos de comadre a 1*500.
Caixinhas cndilos muilo novos.
Presunto de Lamego muito novo a libra .'i- u
rs. inteiro o a retaiho 600 rs.
Cliouncas e paios novos a libra 600 rs.
Ditas com ervilhas francezas e portuguezas
a 800 rs.
Ditas com massa de lmate novo libra 5G0
rs. e em barril a 500 rs.
Ditas com ostras a 720 rs.
Ditas com marmelada dos melhores autores
de Lisboa a libra 640 e 720.
Potes com musturda franceza preparada a
libra 480 rs,
Dita dita ingiezaa 800 e 1*.
Queijos novos do vapor a 2*200 c 2*800.
Ditos de prato enplicado a 1*.
Dito suisso a 800 rs.
Dito de manteiga do Serid a 800 rs.
Caixas com passas novas de 1 arroba 7*,
nr i.i 3*500 c quarto 2* e libra 480 rs.
Amendoas com casca a libra 240 rs. e arro-
ba 6*.
ores libra 160 e arroba 5*.
Charutos finos de Simas, e dos melhores fa-
bricanies da Babia de 2* 8* caixas de
100 e 50.
Crozas de caixinhas de palitos do gaz> 2S300.
e 200 rs. a duza. __-'_.
Bajcri? ;!& J.VSe15aS-ttSVas"a 200e2i
barris grandes.
Vassouras do Porto piassava muito seguras a
400 rs.
Azeite Uoce franrez dos melhores fabrican-
tes, caixa 10* e a garrafa 1*.
Caixas com vinho Boniouax branco e tinto.
Vinlio do Porto lino em barris de 5o que ra-
ras vezes apparece por 80* e em caada
a 5*500 e "arrala a 800 rs.
Dito de Figueira puro caada 4* e 4*500 e
garrafa a 480 e 560 rs.
Dito de Lisboa de boas marcas a 3*500 e
4* a garrafa a 440 e 480 rs.
Cognac verdadeiro a garrafa 1* e 1*280.
Vinhj muscatel duzia 10* e garrafa 1*-,
Vinho branco de muilo boa qualidade cana-
da 4* e garrafa 480 rs.
Dito Xerez fiuo caada 7*500 e garrafa a
1*200.
Dilo Madeira secca agarrafa 1*600 e 2*>
Dito em caixas de urna duzia do Porto dos
melhores autores a 12*, 14* e 16*.
Garrafas com licor fino francez a 1*, 1*200
e 1*600.
Ditas com vinho de caj muito claro a 1*.
Ditas com mol de abclhapuroa I*.
Frascos com genebra de Hollanda de 2 gar-
rafas a 1*.
Dito de urna garrafa a 560 rs.
Dito de laranja verdadeira a 1*200.
Potes com mostarda preparada a 320 e 400 rs.
Caivas com 2 arrobas de batatas a 2*500.
Vinho branco de Lisboa proprio par;i missa
a 4*800 a caada e 640 rs. a garrafa.
Espirito de vinho a 400 rs. a garrafa.
Dus redes muito bem feitas para dormir
viudas de Sobral a 30* cada urna.
E outros inultos gneros de primeira qualidade que nao
posslvel menciona-los.
A satisfacao da Aurora Brilhanle vender muito, einbora barato, mas DINHEIRO,
abatendo cinco por cenlo a quem comprar de 100*000 para cima.
Carne e linguica do sertao.
Duzia de graxa lats grandes a 1*.
Caixas com 25 massos de velas de sperroa-
cete a 560 rs. a libra.
Ditas maiores a 600, 640 e 720 rs. a libra.
Caixas com urna arroba de velas do Araca-
ty 10*500 e libra 400 rs.
Ditas de composico arroba 10* e libra 360
ris.
Saceos graudes rom farioha de Goianna mui-
to boa a 5*500.
Ditos com milho novo com 24 caias a 3*500.
Dito com farelio de Lisboa a 5*500 e 120
a libras
Dito com arroz de casca a 58000.
Duzia ae garrafas de cerveja branca e preta
a 5*500 e em barricas a 5*000.
Arroz do Maranho em saceos arroba 2*600
2*400 e libra 100 e 80 rs.
Dito da ludia e Java arroba 3* e libra 120.
Araruta verdadeira arroba 8* e libra 320
rs., malarana.
Gomina do Aracaty para engommar arroba
5* o libra 160 rs.
Farioha de Maranho nova libra 320 rs.
Ervilhas seccas muito novas libra 200 rs.
Sag e sevadinha a 240 rs.
Sevada arroba 3*200 e libra 120 rs.
Graxa de boio )7 a 280 rs.
Sabo massa a 200, 240 e 280 rs. a libra.
Dito hespanhol verdadeiro a 400 rs. a libra.
Balaios do Porto de diversos lmannos de 320
a 2*.
Capachos para portas de varias cores a 600,
700 e 800 rs.
Grao de bico arro' a 4*500 e libra 160 rs.
Painco arroba 5*500 e libra 200 rs.
Milho alpista arroba 4*800 e libra 160 rs.
Azeite doce de Lisboa garrafa a 640 rs.
Vinagre de Lisboa caada 1*500 e garrafa
200, 240 e 320 rs.
Massos de palitos de dentes com 20 massi-
nhos a 160 rs.
Tijolos de limpar facas a 160 e 120 rs.
Resmas de papel almaeo pautado a 4*500.
Dito greve liso o melhor que ha a 4530O.
Dito de peso e pautado a 2j500 e 2*800.
Garrafes com 25 e 15 garrafas de verda-
deira genebra de Hollanda por 8*300 e
6*000 rs.
Azeite de coco garrafa 560 rs. e carrapato
300 c caada 2*560.
Caixoes com doce de goiaba a 610, 800 e
15.
Toucinho de Lisboa arroba 9*500 e.Jita
320 rs.
Dilo de Santos arroba 6* e libra 280 rs.
MuttS Com grandes ceblas a 15600.
Ceoto de diia sola a 1*600.
Mauneos de albos a 12 rs.
Gordas de pastar e de andaime.
Favas da ilha de S. Miguel arroba 3*200 e
libra 120 rs.
Copos lapidados para agua e vinho a 3*500,
5*800,6*0 7*.
Ditos lisos para varios precos.
Calix lapidados grandes e pequeos duzia
3. 4 e 5* ; e 400 e 500 rs. cada um.
Massas para sopa macarrao, talharim e ale-
tra a 400 rs.
Estrelinha e pevide libra 640 rs.
Xarope de frtelas nacionaes a garrafa 600
ris.
Marrasquinhp de Zara da melhor qualidade
agarrafa 1*200 c 800 rs.
Esteiras de tranca, conloa 20* e240 cada
urna.
Queijos de qulha novos, arroba 16* e libra
a 560.
Duzia de champ>nlia superior a 20*, e 2* a
garrafa.
Garrafes vazios a 1*600.
Massa branca para sopa a 320 rs.
Frascos com azeitonas em concervas a 800
ris.
Duzia de cartas finas para jogar a 3*.
Sabao hespanhol verdadeiro libra 400.
Saceos com feijao mulatinho novo a 10*.
Latas com favas ja preparadas a 800 rs.
Sevadinha para sopa a 240 rs.
Garrafas com muscatel e selubal a 800 rs.
Sag novo a 400 rs.
Breu arroba 8*500 e libra 320 rs.
Latas com 27 garralas de gaz a 115, a gar-
rafa 600 rs.
0 NOVO DESTINO
NEM COROAS NEM MITRAS
0
GRA1WE ARMAKElfl
RIJA DO IMPERADOR N. 411
Junto ao se brado en qae mora e Sr. Os borne,
IMiarte Almelda tSt ., receheran de sua propria encommen-
da o mais linde e variado sortlmento de molhados, proprlos
da presente estaeo.
NOVA EXPSITO DE GNEROS
NO

Aituizni
PRINCIPAL
DE
ARMAZEM CONSERVATIVO
23Largo do Terco23.
Joaquim Simao dos Santos, dono deste bem sortido armazem de molhados denominado Con
sorvalivo do largo do Terco n. 23 scientiDca ao respeitavel publico e a todos em geral que mandem
ou venham a este estabelecimento para melhor se serlificarem da diminuicao de precos que oblem
neste, o que nao obtero se compraren] em outro qualquer, pelo que se responsabelisa a servir qual-
quer comprador com a maior presteza c fldelidade, sem que haja a menor alteracao. Todo o compra
dor que comprar de 100* para cima lera o descont de 5 a 10 por cenlo pelo seu pr
Attenco.
Batatas as mais novas a 40 rs. a libra e 1*200 a ar-
roba.
prompto pagamento.
Toucinho de Lisboa a 280 rs. a libra e 8*500 a ar-
roba.
Caf de primeira c segunda sorte a 240,260, 280 e
300 rs. a libra.
Cha hvsson mindiuho e perola a 25,000 2*500 e
2*800.
Milho alpista e painco muito novo a 160 rs. a libra.
Biscoitos e bolachas de soda a 1*300 e 2*
Ararula das melhores marcas a 1*, 2*, 3*, 4*, e
4*500 a caixa.
Arroz do Maranho e Java a 100, 70 e 80rs. a li- Charutos em macos contendo 50 por 640 rs. o cenlo
bra e 2*200 a arroba
Phosphros do gaz a 2* a groza e 180 rs. o maco.
iPassas de carnada a 320 rs. a libra, e em caixa a
; 6*S00.
Bolachinhas inglezas novas a 240 rs. a libra.
Sabao amarello massa a 160,200 e 240 rs. a libra.
Velasd e carnauba Aracaty composico a 360 e 400!
Azeite doce de Lisboa fino a 640 rs. a garrafa.
Dito de carrapato a 280 rs. a garrafa, e 2*000 a
arroba.
Vinho de Figueira e Lisboa das meihores marcas a
320, 400, 500, 560, 640 e 800 rs. a. garrafa, este
ultimo do Porto proprio para os doentes por
ser purificado e recommendado para esleGm.
rs. a libra. Queijos do ultimo vapor a 8* e 1*700.
Arneixas franceza com 1 e meia libras aj&H Manteiga ingleza flor a 1,5. a libra, e a 950 rs. em
Massa de tomate da melhor qualidadeHR rs. a barril.
fibra. I dem menos superior de 720 a 800 rs. a libra.
Mormellada dos melhores fabricantes a--840 rs. a Idom franceza do ultimo navio a 560 rs. a libra,
Abra. em barril so far abatimento.
Otouriras as mais novas a 560 rs. a libra, e em Gonima da mais al va a 160 rs. a libra e a 4*500 a
barr*! por 12*. arroba.
Alera desies gneros lia outros muilos qne enfadonho seria mencinalos.
Manteiga ingleza
da safra nova vinda neste vapor de 28 de
m-.'io a 800 rs. a libra.
Manteiga franceza
da safra nova a 560 rs. a libra, e em barril
a500rs.
Amendoas
confeitadas de lindissimas cores a 800 rs. a
libra.
Arneixas
en frascos de vidro cora i libras liquido a
2#400, muito propios para mimos,
Cartes
eom bolos francezes a 500 rs. cada um.
Latas
com bolachinhas de soda de todas as qua-
lidade; a 1(5300.
Chocolates
de todas as qualidades a 1 5000 a libra.
Presuntos inglezes
dos melhores fabricantes a 800 rs., tambera
temos velkos para 500 rs.
Queijos flamengos
chegados neste ultimo vapor a 2*6oo.
Qnefjos
chegados no ultimo vapor a 20600 cada um.
tueijo
londrino o mais fresco que se pode esperar
e de escollante maree a 800 rs. a libra
sendo inteiro e a 900 rs, a retaiho.
Conservas inglezas
as mais novas que se pdc esperar a 760 rs.
o frasco.
Figos
em libras e caixiohas ricamente douradas,
proprias para mimos a 900 e 10200.
Cha uxim
o melhor que se pode desejar, que outro
qualquer nao pode vender por menos de
35 a 2,5(500.
dem perola
especial qualidade a 2*700 rs. a libra.
dem hysson
o mais aromtico que tem vindo ao nosso
mercado a 2S600.
Massas-anyirellas
para sopa, macarrao, talharim e aletr
480 rs. a libra. i
o muito afamado cognac Pal Brandy a l.oo
rs. a garrafa e de outras muitas qualiaa-
desa l.ooo e 8oo rs. a garrafa.
COPO
lapidados para agua a 4,5oo e 5,ooo rs. a
duzia, e a 440 e 5oo rs. cada um.
PAPEL
almaeo. greve, peso e de outras muitas qua-
lidades de 2,2oo. a 4,fioo a resma do me-
lhor.
Papel de botlea
de excorente qualidade a 2^200 a resma,
PAPEL
azul e pardo para embrulhode l,4oo a 2,2oo
rs. a resma.
Corinthias
passas corinthias muito novas proprias para
podim a 8oo rs. a libra.
Fum<
o verdadeiro fumo americano em chapa a
l,4oors. a libra
Vinagre
PRRem ancoretas de 9 caadas a 15,ooo rs.
cada urna.
Cebollas
as mais novas do mercado a 7,ooo rs. a caixa
e l,ooo rs. o molho.
Alpista e Painco
o mais novo do mercado a 140 rs. a libra,
e 45400 a arroba.
Maeas brancas
para sopa a melhor que se pode desejar,
macarrao, talharim e aleiria a 400 rs. a
libra e 45500 a caixa.
Vinho
Figueira IA A e outras muitas marcas acre- j comprador,
ditadas a 500 rs. a garrafa. Amendoas confeitadas de diversas cores a
dem de Lisboa 64o rs. a libra,
e de outras marcas a 400 rs. a garrafa, e dem de casca dura a 24o rs. a libra.
N. 9 RIJA 1IO CRESPO I. 9
Esuuitia qne volla para a roa da Imperador
provavel que nao seja bem aceita a verdade, quando a boa t de todos aod i
illudida por esla epidemia de nauzeaticos annuncios de cornetas, tambores coritos
tras, etc., que todo o dia enchem as paginas deste jornal.
ALEMTA
Os annunciantes nSo tem em vista senao garantirem ao respeitaad oublwa a
sua palavra de honra, vendendo com o lucro suficiente para suas subsistencias eoo wr
assentarem fortunas a forca da regra de liga como outros annunciantes deste "enrn
PARA TOIlOS
Nojirmazem principal vndese a todos pelos precos marcados na sesmo* ta-
bella, mas nao se vende por todo o preco fazendo-se peso de arroba hesnanhola atll
te-se as qualidades dos gneros trocando-se todo aquella que no seja do agradado
25800 a caada.
bra.
letrh
dem do Porto
generosos engarrafado dos melhores fabri-
cantes da cidade do Porto a 15 e 10200
a garrafa e de 105 a 125 a caixa, as mar-
cas sao as seguintes: Chamisso & Filho,
F. & M., Nctar ou vinho dos Deuzes,
lagrimas do Douro e outros muilos.
Latas
com 10 libras de banha a 45000.
Bolachinha ingleza
a 15800 a barrica da mesma que
vendem a 25000 e 2*400.
Nozes
as mais novas do mercado a 120r# .al
Cervejas
dos melhores fabricantes|e de todas as mai
cas de 45500 a 65500 a duzia.
CHARUTOS
Charutos Thom Pinto,. Reis e outros em
meias caixinhas a 1*500.
Arroz
do Maranho a 100 rs. a libra, e da India
a 80 rs. a libra, e 25500 a 35000 a ar-
roba desses que vendem por 35400.
CAF
de 1.a e 2.* sorte do Rio de Janeiro a 855f
e 85800 a arroba, e 280 a 300 rs. a libr
Garrafes
com 4 '/i garrafas com vinagre a 15000 m*
o garrafSo.
GENEBRA DE LARANJA
verdadeira a 15000 o frasco, e de H500C
a caixa. .
DEM
em frasqueiras de Hollanda a 55800 com
12 frascos.
GENEBRA
de Hollanda verdadeira em frasqueira a 6oo
rs. cada urna.
PALITOS
os verdadeiros palitos do gaz a 2,2oo a groza
e 2o rs cada caixinha,
LICORES
finos de todas as qualidades, a lo.ooo a caixa
com urna duzia e a l,ooo a garrafa.
Marmelada
dos melhores fabricantes de Lisboa, como se-
jam Abreu e outros murtos a 6oo rs. a
libra.
Pregunto
o verdadeiro prezunto de Lamego a 52o rs.
a libra.
ARROZ
Maranho, Java e India, a loo rs. a libra e
de 3,ooo, a 3,2oo rs. a arroba.
VELAS
de espermacete de diversas marcas a 56o rs.
a libra e em caixa ter abatimento.
VELAS
de carnauba em caixas de arroba a 9,3oo
caixa e- 34o rs. a libra.
Batatas novas
em caixas de 2 arrobas a 55 a caixa c 60 rs.
a libra.
Passas muito novas
em quartos e inteiros a 25 o quarto e 65500
a caixa e 400 rs. a libra,
Chocolate
portuguez o mais especial que se pode de-
. sejar a 800 rs. a libra e 140 rs. o pao.
Frutas em calda
chegadas ltimamente, pera, pecego, ginja e
outros muitos a 640 rs. a lata.
Dsce da casca da goiaba
a 600 e 15 o caixe.
dem de casca mole a 32o rs. a libra.
Arneixas francezas em caixmhas com lindas
estampas, a l,2oo e l,5oo rs.
dem era frascos de vidro a 1,2oo rs.
dem em frascos grandes a 2,5oo rs.
dem em latas de 1 l/t libra a l,loo rs.
Arroz do Maranho e da India o melhor que
ha neste genero de 8o a loo rs, a libra, e
de 2,5oo a 2,8oo a arroba,
Azeite doce de Lisboa a 6oo rs. a garrafa, e
4,8oo rs. a caada.
dem francez e de Lisboa refinado em gar-
rafas brancas a 9oo rs. a garrafa e lo,ooo
rs. a duzia.
Alfazema muito nova e limpa a 32o rs. a
libra.
Azeitonas muito novas a 2,ooo rs, a anco-
reta.
Lentilhas muito novas excellente legua* pa-
ra sopa a 2oo rs. a bra.
Licores francezes de todas as qoalidados de
7oo e 9oo rs. a garrafa.
Manteiga ingleza perfeitamente flor a 8oo rs.
a libra, desnessesario mais elogios ues-
te genero que s se pode verificar coa a
vista.
dem franceza a 56o rs. a libra, e en karri I
ou meios a 5oo rs.
Marmellada do 1. fabricante de Lisboa a 6oo
rs. a libra, ha latas de 1, 1 *U e 2 libras
Maca de tomate em latas de urna e daas li-
bras, a 6oo rs. a libra.
dem para sopa estrellinha, pevide, rodinba.
etc. a 3,5oo rs. a caixa e 56o rs. a libra.
Macarrao, talharim e aletria a 4oo rs. a li-
bra.
Mostarda franceza preparada a 4oo rs. o fras-
co.
dem ingleza em p a 64o rs. o frasco.
Alpista limpo a 14o rs. a libra, c 4,4oo rs. a Molho inglez em garranbas com roilwi dr
arroba.
Bolachinhas de Lisboa da fabrica do Beato
Antonio de diversas qualidades, em latas
de 6 e de 3 libras a'3,ooo e l,5oo rs. a
lata, e 64o rs. a libra,
dem ingleza em latas de 2 e de 4 libras
das melhores marcas a l,3oo e 2,2oo- rs.
a lata.
Banha de porco refinada a 4oo rs. a libra e
em barril a 36o rs.
Batatas em caixas de 2 e de 4 arrobas a
l.loors. a arroba.
Champagne das melhores marcas a 2o.ooo |
vidro a 64o rs. cada urna.
Marraschino verdadeiro de Zara a l,ooo rs.
a garrafa, e lo.ooo rs. a duzia.
Nozes muito novas a 16o rs. a libra.
Ostras preparadas em latas a Too rs. a lab.
Prezunto para fiambre inglez verdadeiro, gj-
rantindo-se a qualidade, a 7oo rs. a libra.
Passas novas de carnada a 4oo rs. a libra,
6,5oo rs. a caixa.
Peixe em latas hermticamente fechadas das
seguintes qualidades. sabel, corvina, go-
rz, cavallinha e pescada a l.ooo rs. la-
ta.
rs.
.-jOO
i
<>oo rs. oa-
rs.
Os proprietarios do grande armazem o Verdadeiro Principal declaram aos seus
freguezes e amigos e ao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos es-
tipularara Os mesmos precos nos seguintes logares:
l'niao e Commercio roa do Qiifiiuado n. 7
0 Verdadeiro Principal roa do Imperador n. 40
FRUCTAS
HACA A, PERAS E UVAS
chegadas neste ultimo vapor, vende-se nos seguintes lugares: Ra do Imperador n.
40, Verdadeiro PrincipalRa do Queimado n. 7, Unio e Commercio.
XAROPE TNICO REGENERADOR
DE QUINA E DE FERRO
Preparado por fcBlMtlJLT e C, pharmaceuticos de S. A. I, o Principe Napnlelo, laureados
da Escola de pharmacia de Pars, na de la Feuillade, 7.
Esta nova combinacio rene debaixo de um pequeo velme orna forma agradavel e om gosto delicioso.
Ha muito que os mdicos desejavo ardeotemente a reunlo destes dous medicamentos, todava, apezar
dos maiores estorbos, nem a sciencia medica, nern os qolmlcos o mais drstinctos o podero conseguir
at aqui; grecas porm perseveranca humana achao-se hoje assoeladas estas duas poderosas substan-
cias, a quina, o tnico, restaurador por excellencia, o ferro, a base de nosso sangue, e conseguinte-
mente o reparador dos forra? e da saude alterada ou perdida.
As molestias contra as quaes o Xarope tnico regenerador se tem mostrado muito efficnt sao: as ame-
norrheias, faltas de menstruaco, dores d'cstomago, fastio, digestes penosas e tardas, flores brancas,
menstruaces difficeis, o lymphatismo, o empobrecimento do sangue, as escrfulas, os estragos produridos
pelas molestias syphiliticas.
Ha apenas um anno que o Xarope de quina e de ferro foi applicado nos hospitiee de Paris, e elle
hoje o medicamento mais em voga, substltuindo, por issim diier, os medicamentos ferruginosos conhecldos.
0 prospecto encerra numerosos certificados de muitos membros da Academia de Medicina e professores
da faculdade que attestSo que este precioso medicamento o conservador da saude por excellencia,
o reoonstituinte da economa animal, indispensavel as pess5as que habitSo oa paites quentes, como
preservativo das epidemias.
Acha-se venda no deposito geral, em Par, na pharmacia Grtmsnrit e c*,raa de ha Feuillade, 7;
em Lisboa, em oaza do Sur uoiirlgo la Coata-earvadh*, Bavrral ec-i no Porto, na pharmacia do
Sr Mlf(m-l-Jof de Soiibb Irrrrlr*; no Rio-de-Janeiro, em casa da Suva relite c ninlx, ra do
SabSo, II; na Rabia, em casa do Sr Jonr-CartanoFerrelra-EapInhc-Ira; no flio-Cnuide.em casa do
Sfir Jaaauln dr (iodoy; no Jforonftdo, em casa dos Suri Ferrelra e O em Pernamburo, em rasa
do Sur iiniiiiolomcu-Fraii cinco de soma; em casa dos Srs shoum e O, e bem assim as prin-
cipaes pharmacias do Brazil e de Portugal.
rs. o gig, l,8oo rs. a garrafa, e 9oo rs. Palitos para denles lichadas a 14o n
as meias garrafas. ) co de 20 raacinhos.
Ca uxim o melhor possivel a 2,7oo rs. a li- dem do gaz a 2oo rs. a duzia e loo
bra.
dem perola qualidade especial a 2,7oo rs.
a libra.
dem hysson o melhor que ha neste genero
a 2,000, 2,4oo e 2,6oo rs. a libra.
dem do Rio em latas de 2 a 8 libras, a l,3oo
rs. a libra.
dem preto homeopathico 2,ooo rs. a libra.
Cerveja das melhores marcas a 6,ooo rs. a d u-
zia, e 56o rs. a garrafa.
Chocolate francez, suisso e hespanhol a
l.ooo, l,2ooe l,4oo rs.a libra.
Charutos do afamado fabricante Jos Furia
do de Simas e outros da Bahia como se-
jam Regala, Trovadores, Guanabaras, De-
licias e Suspiros, a l,6oo, 2,ooo, 3,ooo e
4,ooo rs. a caixa.
Conservas inglezas a 7oo rs. o frasco.
dem franceza surtidas ou de urna s quali-
dade de cada frasco a oo rs.
Cognac inglez e francez a l.ooo rs. a garra-
fa, e lo.ooo rs. a duzia.
Cominho e erva-doce a 4oo rs. a libra.
Gravo da India a 6oo rs. a libra.
Canella a l,ooo rs. a libra.
Copos finos para agua e vinho a 4.800,
5,ooo e 5,5oo rs. a duzia, e 5oo rs. cada
um.
Caf do Rio superior 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,5oo a 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear a 26o, 28o e 3oo rs. a libra,
e 8,ooo a 8,5oo rs. a arroba.
Doce de goiaba a 6oo rs. o caixo.
Ervilhas portuguezas em latas, chegadas l-
timamente a 7oo rs. a lata.
dem sccCas a 16o rs. a libra.
dem ja descascadas a 2oo rs. a libra.
Farinha de araruta verdadeira a 32o rs. a
libra.
Figos em caixinhas bem enfeitadas a 9oo rs.
cada urna.
Graixa nova a loo rs.a lata, l,loo rs. a
duzia.
Genebra de Hollanda em frasqueiras de 12
frascos a 5,8oo rs., e 5o rs. o frasco.
dem em botijas a 4oo rs. cada urna.
dem em garrafes de 16 garrafas a 4,8oo
rs. com o garrafao.
dem idem de 3 caadas a 7,2oo rs. cada um.
dem ingleza em garrafas brancas bordadas
com rolha de vidro, qualidade superior
a l,ooo rs. a garrafa.
dem de laranja verdadeira a l,ooo rs. o fras-
co, e ll,ooo a frasqueiras de 12 frascos.
Kirsch Wasser excellente bebida Suissa a
l,8oo rs. a garrafa.
a groza.
Painco muilo novo a I6o rs. a libra, e
rs. a arroba.
Queijos flamengos do ultimo vapor,
dem prato muilo fresco a 8oo rs. a libra.
sendo inteiro a 72o rs.
Sal refinado em potes de vidro a
da um.
Sardinbas de Lisboa e de Manes a Joo
a meia lata, e 4oo rs. o quarlo.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libr.
Sarinha de Franca a 18o rs. a libra.
Sevada a loors. a libra.
Toucinho de Lisboa a 24o e 3oors. a libra
Tijolos para limpar facas a 15o rs. cada un.
Vinho em pipa, Porto, Lisboa e Figueira a
marcas menos condecidas a 4oo rs. a gar-
rafa, ea 2,8oo rs. a caada.
dem Figueira expecialmente escolhido nes^
lugar a 600 rs. a garrafa, e 4,5oo a caada
dem Lavradio, Colares muito fresco sea
composico a Goors agarrafa, e 4,5oo rs a
caada.
dem Lisboa em ancoras rom 9 ranadas m..r-
ca especial a 22,000 rs. a ancora.
dem branco uva pura a ,r6o rs.
e a 4,5oo a caada.
a farrafi.
lino em pipa a 56o rs. a garra-
Idem Porto
fa.
dem engarrafados generosos, Lagrimas do
Douro, Duque do Porto, D. Luiz I. D. Pe-
dro V, Nctar, reltio secco. Malvazia. e
genuinopartictlar de 9ooal,2oors. a gar-
rafa e a lo,ooo rs. a caixa com urna dona.
dem Madeira legitimo a ,2oo rs. a garrafa
ea 12,ooo rs. a duzia.
dem Muscatel a looo rs. a garrafa.
dem Bordeaux dos acreditadas marcas St.
Julien St. Esteph, chteau la Roze. chatan
Margoux e outros a 6,000 rs, a caixa e 56o
rs. a garrafa.
Vermouth a melhor bebida estomacal a 2.000
rs. a garrafa.
Vinagre de Lisboa a 2oo rs. a garrafa e l,4oo
rs. a caada,
dem em garrafes com 5 garrafas a l.ooo rs.
Vassouras do Porto com arcos de ferro a 32o
rs. cada urna,
dem de escovas para lavar casa a 36o rs.
cada urna.
Vallas de espermacete superiores a 56o rs.
a libra, e sendo em caixa a 52o rs.
dem de carnauba refinada e de composiflo
a 36o rs. a libra, e lo,5oo e 11,000 rs. a
arroba.
Deposito geral era Pernambuca ra da Cruz n. 22 de emcasaCaros dBarboza.
, ~
lilil8 Slll if Ib
B|rriH-3* Ilt sil

i
co
ce g
"O os
O O OQ
2 5
iO
. S
C/S
ce
' CJ
a

s.
B
s
a.
co
r-
i
s
s
ir.ee
II

M
s; B
S
13
gil
co
O v
J3
O o o
c
o
-3
cu

o
o

a.-
3
E
%
O
9
g
e
ss
>

GAZ GAZ GAZ
Vende-se gaz de primeira qualidade a
105 a lata : nos armasens da roa do fekV
perador n. 16 e ra do Trapiche Novo n. 8.
Superior cal de Lisboa.
i Sende-se superior cal de Lisboa a mais am mu
lia no mercado tanto em porrao como a iMrih.
por barato preco afiancando-se aos compntores a
superior qnahiiade : a tratar as srjtoime* rea?:
Crespo d. 7, Imperador d. 38, Forte do Hall
m.'izem do Sr. Villa defroole do trapiche do
gode.
Iftffii
PKCHVCIIA
Vende ie mndapolao com peqneno loqot e
avaria a 6000 a pera : na na da Imperatriz k-
mero tO, luja.
Vende-se um mulato por preeo barato : pa-
c ver na casa de deteofao e tratar 10 palea
Tergo n. 9._______________________
\roH p. p.^----------j. nm ma^qm^
de bonita lisura e meio offlcial de marciaeiro : a
tratar na alfandega das 9 as 1 horas da tarde, ero
Joaquira Tanoeiro.

**
.


^XK
DUrU le
neo Sabfoado 1 4c Outubro de 11
4.
AO PUBLICO
Km o menor constran-
ftiueato se entregar o
Importe do seero que
nao agradar.
ATTENQO
presos da segnlnte
tabella para iodos, po-
dendo assim servir de ba-
se para o ajaste de contas
com os portadores.
MAZEM UNIAO MERCANTIL
RA DA CABEIA DO RECIFE W. *
(Logo passudo o arco da Conceiro)
t.rande reduevito de presos, equivalente a dez por cento menos do que ontro qualquer
annunelante.
Collegas.Nao posso por mais tempo sustentar o prego da manteiga ingleza a l.ooors. a libra, bem assim o de outros j
itos objectos, etc., dando com isto ocasio a todas as espeluncas acabarem por bom preco a manteiga de tempero, e grilarem em
i voz, que podera vender pelo preco que eu vendo 11! Ora, eu offendido com estas obscuridades e receioso em adoptar o mesmo
systhema que vira encontrar, de so se vender com um por cento a carola, resolv fazer esta giande reduccao de precos, como veris
pila seguinte tabella, pois como sabis ca pelo meu bairro, at a abertura do momoravel armazem de molhados Uniao Mercantil nao
s sabia de outro preco de manteiga ingleza a nao ser o de J,4oe a I.Goo rs. a libra. Hoje porem, resentidos da reduccao a que
estao obrigados, encarando todos os dias de seus freguezes reclamacao de precos, e qualidades, vingam-se de um e outro portadores
al informado deste novo estabeleciraento. para lhe vender goneros nao proprios de um estabelecimento desta ordera que o seu bm
Balaios para meninas
Lindos balaios de varios gostos para meniaaa
trazerem no bra<;o : s se eneootra oa loja do Bti-
ja-Klor, ra do ijuyiruado u. 63 e 69.
Extratos e sabao
em eai-
xinhas
Liadas caixinbas com aro cartio coa a
imperial, e dentro de cada cana om (rasco oa a-
bo o mais lino que passivel: oa loja do r%
Flor ra do Queimado n. 63 e 69.
Nova liquidadlo defazeiida*
NO
Passelo Publico n. I".
O dono deste estabelecimento Mario J< um lar o
para outra local idade, est resolvido a vendan in~
das as fazendas existentes na sua loja, por barato
preco, s para apurar dinheiro.
Chitas.
Yendem-o chitas percalas finas a 500 rs. o ao-
vado, ditas franceras a 280. 320. 360. 10 e ,
ditas estrellas a 200,210, 240, 260 e 280, dita- pa-
ra coberla largas a 300 rs., ditas estrellas a 320,
musselina branca a 560 rs. : isto s D" Passf o
Publico o. ll
latees
Vendem-se baloes de arcos a i-'00. 1-5. 3JMia
e 45, chnle> de la superior a V>00, icn<-i>* bor-
dados a capricho a 200, 320, 4no e SOS iv. Um
branco fino a I5'n)0 a vara, dito pardo letrado a
720, i icos padres de patineta para r-rieaeaaM-
tot a 720 o covado, camisa de meia a 720, mria*
para homem a 2800, ditas a 4, dita superiores
a G550 s do Passeio Publico, vendo se por *-
te preco para acabar.______________________
tao somonte obter a concorrencia de seus freguezes.
Para bem de todos. Acaba de recetier de sua propria encommeuda um grande e variado sortimento
Senhores e Senhoras o aceio que presidi, aos airamos deste novo estabelecimento, e mais que ludo apromptidao c entei- de molhados todos primorosamente escolhidos, ,P^jf^^P^M-se^o^propritario^em
Wa com que sero tratados, convida a urna vizita ao mesmo, certos de que sem duvida rae darlo a proleegSo e preferencia na compra
jilos gneros que precisarem, e quando nSo pocam vir podero mandar seus portadores, anda que estes sejam pouco praticos, pois
sero tao bem servidos como se viessem pessoalmente, havendo para com estes toda recomraetidacao, afim de que nao vo em outra parle.
Antonio de Lisboa em latas com 6 libras
rs. e em barricas de 4 dozias se faz abati-
mento.
Caf do Rio a 26o e 28o rs. a libra, e 7.8oo
e 8.5oo rs. a arroba.
dem lavado de primeira qualidade a 3oo rs.
a libra, e 9,ooo rs. a arroba.
dem do Cear de superior qualidade a 2io
e 28o rs. a libra, e 7,8oo a 8,ooo rs. a
arroba.
Arroz do Maranho a loo rs. a libra, e 3,ooo
rs. a arroba.
dem da India mnito alvo egraudo a loo rs. a
libra, e 3,ooo rs. a arroba.
dem de Java a 8o rs. a libra, e 2,2oo rs.
a arroba.
Paingo e alpista a 14o rs. a libra, e 4,3oo
rs. a arroba.
Massa de tomate em latas de i e 2 libras a
600 rs. e de barril muito superior a 5oo
rs. a libra.
Aletria, macarrao e talharim a loo rs. a li-
bra, e 9,ooo rs. a caixa.
dem e lalherim branco a 32o rs. a libra,
estas massas tornam-se recoraendaveis as
pessoas doentes por serem propriamente
feitas para esse lim.
Estearinas a 5Go rs. a libra, e em caixa com
25 libras a 52o rs.
Vinho do Porto muito fino excellente qua-
lidade proprio para engarrafar em ancore-
tas com 9 caadas por 45,000 rs.
Vinho de pipa Porto, Figueira, e Lisboa a32o, |
4oo,e5uo rs. a garrafa, emeanada a 2,5oo,
3,000 e 3,8oo rs.
Vinho branco de Lisboa de excellente quali-
dade a loo e 5oo rs. a garrafa, em caada
a 3,ooo e 3,5oo rs.
Vinho branco para missa em caixa de 1 duzia
a 8,000 e a G80 rs. a garrafa.
Vinho (lo Pullo das uieihoroa marine, rjue
vera ao mercado como sejam Lagrimas do
Dnuro, Duque do Porto, DuqaeGemiioo,
D. Luiz I., .Madeira secca, Marvazo-fino,
Fetoria em caixa de 1 duzia de~9,ooo a
lo.ooo rs. ea 9oo e l.ooo3 garrafa.
Vinho Colares o mais superior que tem
vindo ao mercado a tilo rs. a garrafa.
Sardinhasde Nantesem quartos e meias latas
a 36o e 5fo rs. cada urna.
Sardinhas portuguezas em latas grandes
preparadas pelo melhorconserveirode Lis-
boa a 64o rs.
da, samao, ostras e cherneer vezugo enr Bolachinh.is inglezas as mais novas do mer-
latas grandes a 800 e l.ooo rs. cada urna. cado a 2,8oors. a barrica, e 24o rs. a
Vinho Bordeatix das marcas mais acredita- libra,
das que tem vindo ao nosso mercado a Bolachinha de soda em latas com diversas
6,000, 7,ooo e 8,000 rs. a caixa,garante-! qualidades al,3oo rs.
3 ser de qualidade superior, que outro Bolo francez em caixinhas muito proprias
qualquer nao pode vender por este preco. | para mimo a 64o rs.
Genebra de Hollanda a 56o rs. o frasco, c Passas muito novas de carnada a loo rs. a
5,7oo rs a frasqueira. libra e 6,ono rs. a caixa com 28 libras,
dem de laranja verdadeira de Altona em Figos de comadre a 24o rs. a libra e
frascos grandes a l.ooo rs. o frasco, e l,8oo rs. a caixa com 8 libras,
ll.ooors. a duzia. j Amendoas de casca mole a 32o rs a libra,
dem de Hollanda em botijas grandes a 4oo Bolachinhasd'agua em .al da fa!rica do Beato
Manteiga ingleza (safra nova) especialmente
escoibida a 800 rs. a libra, em barril se
faz abatimento.
dem fraaceza a mais nova que tem vindo ao
mercado a 56o rs. a libra, e em barril ou
me ios a 000 rs.
Cha hysson de superior qualidade a 2,600 rs.
a libra.
Mera perela o mais superior do mercado a
2,8eo rs.
dem huxim o raelhor que se pode desejar
neste genero 2,6oo rs.
dem preto homeopathico por ser de superior
qualidade a 2.000 rs. a libra.
dem hysson, huxim e perola mais proprio
para negocio o l,6oo, l,8oo e 2,ooo rs. a
libra, garante-se ser muito regu'ar, igual
ao que se vende em outra jkrte por 2,4oo
e2,6oo rs. -1
Linguicas, chouricas e paios em latas de 8
libras, emticamente lacradas a 5,5*08 rs.
garante-se serem superiores aos que vem
em barris.
Chouricas e paios em barris de meia e urna
arroba a 8,000 rs. e l,5oo e 600 rs. a libra.
Queijos flaraengos muito frescos chegados
neste ultimo vapor a 2,2oo rs. e do vapor
passado a l,6oo e 1,800 rs.
dem londrinos os mais superiores que tem
vindo ao mercado a 800 rs. a libra entei-
ro se faz abatimento.
Idc-m prato muito fresco a 800 rs. a libra.
dem do Alentejo o que se pode desejar de
fresco e superior a 8eo rs. a libra, a ellos
antes que se acabem.
E-minas e favas poriuguezas em latas ja pre-
paradas a 61o rs.
Marmelada imperial dos mais acreditados fa-
bricantes de Lisboa a 600 rs. a libra.
Preznnto do reino vindos de casa particular
a 56o rs. a libra, e a 5oo rs. inteiro.
dem inglezas para fiambre chegado neste
vapor 72o rs. a libra.
Copos lapidados para a gua a 0,000 e 5,5oo a
duzia,
Choculatc francez, suisso o hespanol a 9oo
l.ooo e t,2oo rs. a libra.
Espermaccte em caixinhas contando 6 libras
por 4,000 rs., garante-se serem transpa-
rente e de superior qualidade, tambera tem
de 12 por libra propria para carro.
pv-ixe em posta sovel, corvina, gors. pesca-
por 2,5oo; ditas doce em latas com o mes-
mo peso a 2,5oo; ditas imperiaes emlatas
de 3 libras por l,5oors.
Ameixas francezas em latas d I e meia libra
por 1,200* ditas em caixinhas de deversos
tamaitos com bonitas estampas na caixa
exteriora l,2oo, i,5oo, el,8oors.
Azeite doce refinado Penanol ou do Kempes
de Lisboa a 85ors. a garrafa e 9,5oo a
caixa com urna duzia.
Batatas muito novas a 5o rs. a libra e 2,ooo a
caixa com 2 arrobas.
Conservas inglezas a 75o rs. o frasco e
8,5oo a duzia.
Vassouras de escova para esfregar casa a 32o
Nozes muito novas a 16o rs. a libra
Molho inglez em garrafa d vidro eom
rolha do mesmo a 000 rs.
Mostarda ingleza dos melhores fabricantes a
800 rs. o frasco.
Mostarda franceza em potes j preparada
a loo rs.
LentHhas excellente legume para sopa a 2oo
rs. a libra.
Marrasquino o verdadeiro de Zara em garrafas
grandes a 1,00o rs. e H ,00o a duzia.
Palitos para denles a lioe 16ors. o maco.
Sal refinado em irasco de vidro com rolha do
mesmo a 5oo rs.
Cerveja branca e preto das marcas mais a-
crediUdas que vem ao mercado a5,ooo e
5,5oo a duzia e 48o rs. a garrafa.
Sag muito novo e alvo a 24o rs. a libra.
Sevadinlia de Franca muito nova a2oors.
Charutos de todos os fabricantes da Bahiae das
mais acreditadas marcas conhocidas no
r.osso mercado a 2.ooo, 2,5oo, 3,ooo,
3.5oo e 3,8oo a caixa de loo charutos.
Cognac inglez las memores marcas a
1,090 rs. a garrafa.
offerecer aos seas freguezes e ao publico em geral a seguinte tabella dos seus gneros e
resumidos pregos, afianzando todo e qualquer genero vendido neste bem conhecido ar-
mazem.
Amendoas confeitadas de 800 rs. a libra.
Manteiga ingleza perfeitamente flor, a 800 rs,
libra,
dem franceza a 56o rs. a Ubra, e 52o rs.
sende em barril.
Cha uxim a 2,7oo rs. a Ubra, e de 8 libras
para cima a 2,6oo.
dem perola a 2,8oo rs. e de 8 libras para
cima a 2,7oo,
dem hysson o mais superior que se pode
desejar a 2,6oo e de 8 libras para cima
a 2,5oo rs.
dem menos superior a 2;4oo e de 8 libras
para cima a 2,3oors.
dem proprio para negocio a 2,3oo, de 8 li-
bras para cima a 2,2oe.
dem do Rio em latas de 2, 4,6 e 8 libras
cada urna a 2, a, 3,5oo e 4,8oo-rs. a lata,
dem preto o melhor que- se pode desejar
nestegenero a 2,8oors.
dem menos superior a esse que se vende
por, 2 e -i, loo, a 4,800 rs. a libra,
dem mais baixo bom para negocio a l,5oo
rs. a libra.
Licores francezes e portuguezes das seguin-
tes marcas creme de violetas, gerofles, ro-
sa, absinto vespeiro, amor perfeito, amen-
dua amarga, percicot. de Turin, Botetim,
morangos, limao, caf, laranja, cidra, gin-
ja, canella, cravo, ortela pimenta a i.poo
rs. a duzia 1,000 rs. a garrafa, garante-se
qae os melhores que temos tido no mer-
cado.
Passas muito novas em quartos e inteiros
PuhSSA
dem miudinho proprio para negocio a l,3oo
rs. a libra.
Queijos do reino chegados neste ultimo va-
por a 2,2oo.
Queijos chegados no ultimo vapor a 2,600 rs
dem prato es melhores e mais frescos do
mercado a 800 rs. a libra sendo inteiro.
Genebra marca gato a l.7oors. agarrafa.
Biscoitos em latas de 2 libras das seguintes
1. marcas : Osborne, CrakntL.Mwed, Victo-
/ ria, Pec-nic, FaTiCeTlOfjJirfi e outras rmli
tas a l,3oo e l.loo rs.
umo americano em chapa a 1,60o rs, a
libr.a.
Aramia de todas as qualidades.
Batatas novas em caixas de 2 arrobas a 3$ a
caixa e 60 rs. a libra*
' Balachinha de Craknel em latas de 5 libras
Doce da casca da goiaha em latas de 4 li- \ bruto a 4,000 rs.
bras por 2,ooo; dito em caixes a 600 rs. em inglezas em barricas a mais nova do
verdadeira a 32o rs. a
mercado a 3,5oo rs. a barrica e 24o rs. a
libra.
cada um.
Farinha de araruta
Velas de carnauba de 6 e 12 por libra a <
32o rs. a libra e lo.ooo rs. a arroba.
Azeite doce de Lisboa a 64o rs. a garrafa
a loo rs. a libra
e 4,8oo a caada.
Banha de porco refinada
e 36o rs. em barril.
Capil de diversas frutas muito
64o rs. a garrafa.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a graza.
Toucinhe de Lisboa muito alto e alvo a
32o rs. a libra e 8,5oo a arroba.
Ameixas francezas era latas de 3 libras por
2,ooo. rs.
Cebollas sol tas a l,4oo o cento ; ditas em
mollios com cento e tantas por l,2oo rs.
Mane excellente cha para os navegantes a
a 2oo rs. libras.
pode desejar a 800 rs. a libra e 14o rs. o
pao.
Papel de botica de excellente qnalidade a
21oors. a resma.
Potes com sal refinado a 48o rs. cada um.
frescas aBicos irascos com fruas francezas em calda
a melhor que se pode desrjar de l,4oo a
3,ooo o fi asco.
AGENCIA
DA
FUNGI LOW-OHOOE.E
Ra da Senulla nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a haver
nm completo sortimento de moendas e meiai
moendas para engenho, machinas de vapor
e tachas de ferro batido e coado, de todos 01
lmannos para ditos.
Arados americanos e machinas para
lavar rotapa: es-sasa de S. P. Johnston dr C,
ra da Senzalla Nova#|. 42.
taL
oftrl
\
ARUAZEJI
FRONTEIRO
DE
ALTOS COUTIMHO & BRAMDO
21Largo do Tergo2i_
AO publico.
Chouricas muito novas a 64o rs. a libra ; chocolate francez a l,ooo rs. a libra;
ameixas idem ; alpista a 16o rs. a libra, e 4,6oo rs. a arroba ; arroz do Maranhao e da
India de 80 a loo rs. a libra, e em a arroba de 2.6oo e 3,ooo rs. ; azeite doce refinado
a 1,000 rs. a garrafa e em porcSo, menos; idem de barris a 64o rs. a garrafa, e em cana-
da a 4,8oe rs. ; banha de poico a 4oo rs. a libra, e em barril a 36o rs.; batatas muito
novas a lo rs. a libra, e 1,2o >rs. a amiba ; cha perola, hysson, miudinho a l,8oo, 2,4oo
e 2,5o rs. a libra; cliarutos des melhores fabricantes da BaMa de 2,000 e 4,ooo rs. ;
cerveja branca e preta a 5oo rs. a garrafa; cravo, canella, cominho eerya-doee, conser-
vas inglezas em frascos e meios de 5oo a 9oo rs.; cognac inglfez superior a l,ooo rs. a
garrafa ; caf -le 1.*, 2.a e 3.a qualidade de 8,5oo, 9.oooe9,5oo rs. a arroba ; cevadi-
nha a -'00 rs. a libra ; ervdhaj^ortuguezas em latas de 1 */ libra a 7o rs. ; spermacete
a 56o rs. a libra, e em- caixas a 52o rs.; farinha de araruta verdadeira a 2oo rs. a libra,
em a arroba a 6,000rs ; genebra de laranja a 1,000 rs. o frasco 5 idem de Hollanda
a 64o rs., e loo rs. a botija; graxa em latas a l,2eo rs. a duzia ; manteiga ingleza per-
feito flor a 800 rs. a libra ; idem franceza a 56o rs. a libra, e em barris a 52o rs.; maca
1 de tomate a 600 rs. a libra; marmdlada dos melhores fabricantes a 61o rs. a libra ; ale-
de superior qualidade vendem-se em casa tria) ^iharim e macarrao a 4oo rs.; marrasquino de Zara verdadeiro al,000 rs. cadafras-
de Schafleitlin & C, ruajda Cruz n. 42. ^. y^ moit" navas a 2oo rs. a libra ; passas a 4<-o rs. a libra ; parado a 16o rs.; po-
mada a 24o rs. a duz'w; pimenta do reino a 36o rs.; papel almaco e de peso de diver-
ditos de seguranca
vapor a 2,oo rs.
Yiuho do p rto suprior
dm caixas de ama e n dozias : tem para veo-
eer AntoBio Luii de Olfteira Azevedo & C, no seo
scriptorio rna da Cruz O. I.
fabrica &mcei#lo da
Bahia.
Andrade k Reg,/ recebem constante-
mente etem venda no seu armazem n.
M da rna do Imperador, algodao d'aqnel- *f
la fabrica, proprio fiara saceos de assu-
ear, embalar aieod&o em pluma etc., etc.,
pel preco mais raeoavel. U|
mmmm mm\mmm
Charutos ce Havana
Ra da Seozala n. 42.
Vende-se. em casa de S. P. Johnston & C, sas marcas; palitos do gaz a 2,2oo rs. a gmsa e 2o rs. a ca.xmha ; dH
Uins e silboes .glezesi candieiros e casti- individual a 2o rs. a cnxinha e 36o i*s. o maco; queijos flamengos do'
ouro patente/inglez.
Vendf^^e nitT^
palmos de
promtito e ai
para qaalqr
embarfjoe /
sendo porcSo fo/.-se differenca eem caada a 5,onr rs.; i lem de Lisboa muito superior a
4k rs. a carrafa e 2.8oo rs. a ranada ; idom da'figueira l. A. A. a 5 3.6.10 rs. a caoada ; Oem do E-treito a 36o e 0 rs. a garrafa e em caada a 2,56o;
idem B a garrafa; vinagre de Lisboa muito suiier'inr a 2ors a garrafa, e lt4oo rs. a caada ;
Frutas em calda chegadas ltimamente, pera,
pecego, ginja e outros muitos a 12o rs. a
lata de 21*2 libras.
Foijao verde em bages em latas a 64o rs. a
lata.
Nozes muito novas a 120 rs. a libra, e 4,000
rs. a arroba.
Amendoas confeitadas a 600 rs. a libra.
dem de easca mole a 32o rs.
Vinhos engarrafados no Porto e Lisboa das
seguintes marcas: duque, genuino, velho
secco especial, lagrimas doces, vinho es-
pecial D. Pedro V, nctar superior de
1833, duque do Porto de 1834, vinho do
Porto, velho superior, madeira secca. Por-
to superior D. Luiz I, e outras muitas
marcas, em caixa de urna duzia a lo,ooo e
l,ooo rs. agarrafa.
dem branco de uva pura a 64o rs. a garra-
fa e 4,ooo a caada.
dem superior a 5oo rs, a garrafa e 3,2oors.
a caada.
dem em pipa Porto, Lisboa e Figueira das
marcas mais acreditadas a 3,8oo a caada
e 5oo rs, a garrafa.
dem de marcas pouco conhecidas a 4oo rs.
a garrafa e 3,ooo rs. a caada.
Especial vinho Lavradio sem a mais pequea
composicSo a 560 a garrafa e 4,000 rs. a
caada.
Farinha de matarana a 240 rs. a libra.
Ricas caixas com figos a 1,000 rs. cada urna.
Ricos livros com figos l.ooo rs.
Pomada a 200 rs. a duzia, sevada mnito no-
va a 80 rs. a libra, e 2,5oo a arroba.
Garrafoes com 4 '/ garrafas de vinho supe-
rior a 2,5oo rs. com o garrafao.
dem com 4 /* ditas de venagre a l.ooo rs.o
garrafao.
Vinagre PRR em ancoretas de 9 caadas a
15,000 rs. com aancoreta
dem em pipa puro sem o batisrao a 2oo rs.
a garrafa e l,4oors. a caada.
Caixas com 1 duzia da garrafas de vinho Bor-
deaux fazenda muito especial a 6,8o rs.
a caixa e 7oo rs. a garrafa.
2,000 rs o quarto, a 6,5oo a caixa e 4oo
rs. a libra.
dem corintbias proprias para podim a 800
rs. a libra.
Marmeladas dos mais afamados fabricantes de
Lisboa a 64o rs. a libra.
Ervilhas secas muito novas a 16o rs. a libra.
Gr5o debico muito novo a 16o rs. a libra.
Ervilhas francezas em latas a 64o rs.
Potes com sal refinado a 48o rs.
Fumo de chapa americano a 1,600 rs. a libra
fazenda especial.
Presunto para fiambre inglezes a 7oo e 800
rs: a libra.
Chouricas e paios mnito no vos a 64o a libra.
"Caixas de traque n. I a 8#500 cada urna.
Massas para sopa macarrao, talharim aletria
a 4oo rs. a libra.
Cognac verdadeiro inglez a 8,5oo rs. a caixa
e 800 rs. a garrafa.
dem francez a 7,ooo rs. a duzia e 7oo rs. a
garrafa.
Charutos em grande quantidade e de todos os
fabricantes mais a creditados a 1,5oo,
2,ooo, 2.5oo, 3,ooo e 4,ooo rs. a caixa,
.^(w mais baixos sao dos que por ah se ven
""""dem a 2ooo e 2,5oo rs.
Caf de premen^juajidajh^^^oo e 9,ooo
^ rs. a arroba e 28o a 22o rs. a h
dem de segunda qualidade a 8,2oo rs. a ar-
roba e 26o rs. a iibra.
Arroz do Maranhao a !2ors. a libra, 3,ooo rs.
a arroba.
dem da India muito superior a 2,9oo rs. a
arroba, e loo rs. a libra.
dem mais baixo redondo a 2,6oo rs. a libra.
dem da India comprido a 2, loo rs. a arro-
ba, c 80 rs. a libra.
Vellaa de carnauba do Aracaty a 9,5oo rs. ar-
roba, e 36o rs. a libra.
dem de sebo muito dura lingindo esparmace-
te 36o rs. a libra.
dem de esparmacete a 56o rs. a libra, e em
caixa a 52o rs. com 25 libras.
Papel o melhor que se pode desejar para os
Srs. empreados pblicos a 5,ooo re. a res-
ma, j se ve'ndeu por 7.000 rs.
Idem almaco pautadoe liso a 3.000 rs. a resma.
dem de peso paulada e liso a2,5oors. a
resma.
dem a zul de botica ou fugueteiro a 2:oo rs.
a resma.
dem embrulho de 1,2oo a 1,4oo rs. a resma.
Ameixas francezas em latas de 1 '/ libra a
1.2ooe8oors. a libra,
dem em frascos de 3 libras a 2,5oo rs., s o
frasco valle 1,00o rs. tambem temos em
1 frascos para 1,4oo rs.
Conservas inglezas a 800 rs. o frasco.
Mostarda preparada em potes muito nova a
2oo rs.
Vende-e potassa em barris a i'ointnwlo pre^o
na ra da Cruz n. 23, primeiro andar, 1 ripi".n.
de Antonio de Almeida Gomes.______________
Vende-se superior vinho do ra n -m caitas tie
urna duzia : em casa do Jobnslon Paier & C, na
do Vigario n. 3.
Vende-.e a casa terrea da ra do Profrr"?*'"
a.il (no CaminboNovo) tem um portiu ao Mi
que d entrada para tfi-uintal, no <|ual fii>le na-
co pequeas raei aguas, rende tndo tfOJ, e m-
de-se barato por seu proprietario ter M r?tirar-*
para lora da provincia : a tratar na ra mado n. 77._____________________________
Bixas hamhor'Bezas
Na ra Nova n. 61 Jefront.; da lllma. c*mara>
municipal vendem-se constantemente Ixxas nova*
por menos 2J1 o cento que em outra quatyot
parte : recebem-se por loaos os vapores.
Carne do se) tao
No armazem da Aurora Arribante no tarta M
Santa Cruz n. 84, ha a melhor carne do serta*
que ha no mercado asjimcumtilingui a> e que i jo
ATTENCAO.
r.hegHem a feriaba lavada.
A bordo do hiate nacional bous Irmutx m
do tlcfron.e do trapiche baraado Livrameoto,
de-seesta superior farinha lavada anda nao
neste mercado pelo barato preco de :t o at
ou 64 o sacro sendo este preco granel, e
na rna ilir
4.
RW
Salitre relinado. superior qnaliiiade, vinbo ftf
deaux, dilerentes qualidades, mais barato que em
qnalqner parte : no armazem d>- E. A Burie C, ra da Cruz n. 48.
Enfeites para cabega.
Chegaram os lindos enfeites de ral c i para -
nhoras, sendo muito simples de muito go>U
no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
\tuik da Moda.
AGITA FLORIDA
De Murray ^ Lunman.
relente terreno eom 104
frente e mais de 300 de fundo, todo
irado al a linha do caes, proprio
cr edi*l"acan, tendo excellente porto de m
vende-se por junto m ero terrenos de ^a ^^ aifasaua gaz e tijolo de iHnpar facas a lio rs. Pr-M>mtos dorS'ra?^ qoedesnecessario menciona-lo..
Molhos inglezes a 8oo e l.ooo rs. o frasco.
Cravo a 48o rs. a libra.
[Cerveja Tenente verdadeira a 7,ooo rs. a
duziae 6oo rs. a garrafa.
Idem.de outras marcas preta e branca a 5,5oo
e 6,ooo rs. a duzia e 5oo rs.a garrafa.
Vassouras de piassava com 2 arcos de ferro
vindas do Porto a 32o rs.
Cebollas muito novas a l,ooo rs. o molho e
8oo rs. o cento.
Genebra de Hollonda em frasqueiras a 6,ooo
e 56o rs. o frasco,
dem em botijas a 4oo rs.
dem em garrames de 14 garralfcs a 5,2oo rs.
Palitos do gaz a 2,2oo rs. a groza e 2o rs. a
caila.
dem de dentes lixados em macos grandes
com 2o rs o macinhos a 12o rs. o masso.
Commhos muito novos a32ors. a libra e
lo.ooo a arroba.
Sago mnito novo a 24o rs. a libra.
Cevadinha de Franca a 18o rs. a libra.
Milbo arpista a 14o rs. a libra e 4,900 rs. a
arreba.
Gorrona a 28o rs. a libra e 5,4oo a arroba.
Pelaes em latas a I ,ooo rs. a lata j prompto
a comer-se.
FareHo de Lisboa marca N. e Biato saceos
grandes a 4,ooo rs.
Doce da casca da geiaba a 6oo e l.ooo rs. o
cam3o.
e
Esto raro r-ufio delicado pertnm o
quasi que inextiuguivcl tao ebeio d
mimosa fragrancia e frescura ena i
delicado cheiro das proprias verdecen
tes flores. Durante oe nexea caloren-
tos do vero o bcii i izo torna aa iunn-
teniente aprazivel j desojavel em
seqnencia da influoncia refri?innte e
suave que ella prodnz. sobre a paira:
em quanto que usada no banho ela
imparto o corpo lnguido e cadim1;
urna certa elasticidade de vigor e torea.
Lila imparte transparencia as fq**,
e remove pannos, sarda e bertoejat a*
soto* apelle.
i) TDMIU ORIENTAL W RLW
PASA 08 CABELLOS
urna preparaco admiravel ]ara Kn
par, aformoeear, coneervar c reatabek-
cer os cabellos.
venda as boticas do Caors d Barbn,
rna da Cruz, e Joao da C. Bravo 4 C,
da Madre de Dos
ESCBAVOS FGIDOS.
O proprietario do grande armazem Uniao e Commercio declara aos seos fregu
zes e amigos eao publico em geral, que para facilitar a commodidade de todos estipulou
os mesmos pregos nos seguintes lugares: ^
Uniao e Commercio ra do Queimado n. 7.
O Yerdadeiro Principal rna do Imperador n. 40.
Fupio na Urde do d 16 de jolho p. p.
escravo pardo, de HM Mareos, <. n.iarrar*a
do hiate Sonta Anna, '/indo do Ararat), teud*
de idade 28 anuos pouco mais oa au-o, e os m
naes se|iunites : aliiira retratar, sreru lo corpa,
puuca bario, cabello cn-io, U-too ras aa
caiga de algodao.-iiino V nsraab azul caa-
po de palha, tendo levado comsijto ama trnuu
com mais ronpa.e rendido de urna da wniaa;
quem o afprt-ender qaeir lea-lo a ro* dr!
de Deus u. 38, ou a rna do Brum n. 55, que
rerom pensado_______________________ .
Contina fogidn consta estar acolad f
Goianna o escravo Jnse\ frrtn, crnalo, de Si ara-
nos, baun, corpo resalar, beteos jm. e i
dos, orelhas ueqoenas, cachapi ?T>r>-o, xmc I
ha pnrqne tem apena* na pona do qoeiio,
doas raleas, ama braara o natra de c>u.r i
qne parece preto, de listras. paHot prvto,
mi>a f com urna "araiioea ercarna rosa-se s aotoridatWs poHciaes e caiHiar **"
po que o aptrehendm e fijara rondoxir a "
m de neo senhor n rna Dtr^t deia rMiade w
84, que serio gcnerwaawitte rtcomoeaiadoa
l

4.
IvTiLADO

>J


f>lrl# ts ferrumVmm ... Sabbado 1 Ar niabre e i 144.


LTTRTRA.
n i.:,./, compensa um paa
Instituto Archeologico e Geograpnico;rfpmCAr/,,~
l'ernambnrmo.
Itiitori*dicominissSo nompala para gyiiicar a
cca rfa casa ocdf se diz fallecer Jlo !'cr-
* .di's Vieira.
O primeiro o seu biographo, que ona 1839 no
jornal IliterarioSemanaImpresso em Lisboa,
diz :Joao Fernandes Vieira leve por toda a re-
compensa um padrao de armas, u/na cruz da or-
um sepulchro no governo de Ad-
yola, onde acabou seus dias.
O segundo oSr. Eduardo de Paria*, que, no
seu diccionario impresso em Lisboa em 1837,
Tom. 2", palavraVieira-diz : -lo'w fernandes
Vieira, chamado Castrioto I.uzilano,Ilustre guerre-
ro portugus, nasceu na tlha da Madeira em 1613
e fallecen em Lisboa : ignorase a poca.
Deste estado da .duvida procurou a commissao
Bm sesso do Instituto de 9 de junta) deste anuo,
o Exm. o Rvm. Sr. presidente, fez-nos a honra de
nomear em commissao, para verificar em que rasa
em Oliuda, residir o fallecer Joo Fernandes sabir, empregando leda a diligencia em obter do-
Vioira. comentos que viessem de urna vez confirmar, oa
Esla prova de confianza que recebemos do mes- qualqner das oplnioes destes escriptores, on a
mo Exm. Sr. nao podia deixar de actuar em nosso constante tradicao oral e opisiao de outros escrip-
animo e de influir completamente para que redo- tores que asseveram ter sido em Olinda o falieci-
brassemos os nossos esforcos, nos empregos das ment de Vieira
seu governo de Angola; se em 1674 fizera o seu
testamento na sua propriedade dos Maranguape;
si nesse mesmo aano de 1674 fura por el-rel de
Portugal nomeado superintendente das forlifica-
c8es de Pernambuco e das provincias do norte
si em 1673 assignra em Maranguape a escriptura
pesqnizas c diligencias, que emister desenvolver-se
eui uaballios desta ordem.
Entretanto antes de entrar na exposicao que va-
mos fazer d resultado da nossa commissao, seja-
nos permittido dirigir um voto de gratidao e de
profundo respoito que. tributamos ao digno presi-
dente deste Instituto.
Ao dar principio as diligencias e exames ecas-
aarios, a commissao entendou que, nao devia limi-
tar-so aos. dous quesitos contidos
'inumbenriajmas ral.m: procu
O Sr. Dr J. M. Pereira da Silva, affirma na sua
obraVaro.'s Ilustres do Brasil-impressa em
1838, nosupplemento biographicodo Tom. 2." que:! cima fica dito.
/o7o Fernandes Vieira goternou a capitana de Agora trataremos do seu jazigo inortuario.
Angola por tres annos de 1638 a 1661, e morreu
em Pernambuco, para onde, uando findou o seu
lempo, regressra.
segundo o que determinou na verba stima do seu Que triste papel representaes, senhores raciona-
testamento ; o se elle foi sepultado naquella egre- listas 1
ja, outro nlo poda ser o seu jazigo sen5o o carnei- Onde apparece um padre vos o apontaes ao
ro de que se trata. povo, e dizeis :-al vae um jesuta I porque jesui-
E'para lastimar, porm, que fosse este jazigo, ta, na phrase de um distincto brasileiro, a pala-
do mesmo modo que o outro, violadom I8W, para vra de guerra que existe na bocea dos inimigos da
de doar-o de patrimonio para a ordenaco de seu nelle ser depositado o cadver do capito Cosme egreja de Roma.....
lilho: "si em 1677 recebera do principe regente Jos Guedes, ignorando-se que destino derain s Onde se aprsenla urna filha de S. Vicente de
urna carta para que mandasse bascar casSes na preciosas cimas, que deviam nelle estar deposita- Paula, urna dessas mulheres extraordinarias, cuja
flha Graciosa para povoat os sertes de Pernam- das. E' provavel que com o mesmo cynismo e pro- abnegado e virtudes o proprio philosophsmo
buco; si, finalmente 2 de Janeiro de 1681, fizera- fanacao as lancassere no lugar em que foramati- admirava; onde passa alguem cuja vida o cure-
a ra de San liento de Olinda o seu Codicillo radas as que existiam no carneiro do capito-mr. primeuto das santas mximas do Evangelho, vos
claro que falleceudo, corno falleces, no dia 10 des- 1 Notaremos agora que, a egreja da Misericordia llie atiracs urna podra, cusps-lhc una blasphemia,
se mesmo niez e anno, outro nao fra o lugar oac Oliuda ja exista ao lempo do falleeimenlo de e seguis o vosso carainho de impiedade I
seu fallecmento. Joao Paes Brrelo em 1617, seu bemfeitor c funda- Mas a quem fazeis vos a guerra, senhores? aos
E" portante fra de duvida para a commissao dor do hospital, como cima ficoudito; mas sendo' jesutas e aos institutos religiosos, ae poder tempo-
que, Vieira tendo adoecido em Maranguape, viera lioda 'indiada pelos Hollandezes no dia 23 de | ral dos papas, ou a quem ?....... Ah! senho-
para o seu sobrado da ra de San liento de Olinda, novembro de 1631, quatorze annes depois, pro-1 res | desmascaraevos, sdc francos e Ieaes, porquo
cujo oitao olha para o mosteiro, e al fallecer] vavel 1ue> es,e ,cmul0' como ,odos GS mais' depois
oito das depois de ter dado as suas ultimas dis- de profanado e roubado por aquelles invasores,
posices, no Codicillo que mandou fazer, como soffresse tambem os estragos do incendio, que fra
geral, segundo diz a historia.
O carneiro, porm, nao eslava nesle caso, por-
III
Falsamente corra a tradicao oral que, o jazigo
mortuario de Vieira tinha sido em um carneiro,
i\as suas Biographias de alguns poetas e homens que existe do lado do Evangelho, na entrada da
| Ilustres de Pernambuco, Tom. 2. pag. 181,
que sendo um jazigo subterrneo, devia ter icado
apenas debaixo das ruinas desse incendio. Assim o
pensa a commissao ; nao amaneando, entretanto,
que esses restos mortaes encouirados no referido
carneiro, quando ali deposilaram o cadver da filha
.,, u.. u...a ....,.- im- capella-mr da egreja da Misericordia de Olinda; do leDeule.CuroUei Antonio Joaquiui Guedes, fosse
os na rbita de sua' )re^d0 ac 7?' oSf- commendador A J de Mel- e era tao geral esta crenca que, isto mesmo asse- os de Jo Paes Barrel0j fundador ao f^uM, mas
acarando ainda ve-' "3 ~ J0" wjtMat morreu na adade de I veraram a S. M. o I, quando entre nos estere em lalvcz S de se
rlflcar a vencida Je da tradicao, que nos transmit- ,,' m ""f^f de sobrado twt> m rm de s- 1839, e ali fra visitar aquella egreja.
Rento, no da 10 de Janeiro de 1661. Uispoz no tes- \
tamento que fosse sepultado na egreja da Miseri-
cordia da mema adade, em um carneiro que se
tiu a noticia dn jazigo mortuario de Vieira; e con-
vencida como est, de que em pontos conlroversos
da historia, semprc um servico o clucida-los, nao
recusou em transpr as rais de suas atlribui-
edes.
Isto posto, a commissao divide o seu rclatorio
em tres partes : Residencia de Vieira.Km que
tugar fallecen.Onde o ,'cu jazigo mortuario.
1
Antes da restaurado de Pernambuco, Joo Fer-
nandes Vieira, residiu om urna casa de sobrado,
na ra de S. Bento de Oiinda, que Ihe pertencia.
Este sobrado era o primeiro do lado esquerdo, ao
sabir do mosteiro, com a frente para o cscente, e
c oitao para o sal, corrido de janellas; das quaes
com um s golpe de vista, descortinava-se toda a
larra do Recife, e vase bellamente a entrada e
cabida dos navios: bem como das janellas 'que dei-
tacara para o poente, o linio panorama do rio Be-
I) oribe.
Era, portante, a casa que mais convinha Viei-
ra para sua residencia, em consequoncia de ser el_
lo, naquelle lempo, um dos principis negociantes
l*>ssuidor de crescdo numero de embarcacoes em-
bregadas no trafico e navegado do alto mar.
O nosso socio, o Sr. major Salvador Coelho de
Dramood Albaqaerqae, cujo testemunho maito
I Tesa a commissao, declarou-nos que, tendo ha an-
cos visto e examinado os autos de inventario da
viuva de Joao Fernandes Vieira, D. Maria Cesar ;
Que eoto existiam no archivo da Santa Casa da
Misericordia de Olinda, achara na discripcao dos
liiis do casal, incluido o sobrado de que tratamos;
acrescentando que, sua lia D. Maria do O' e Mello
com quem morou, qaando cadete, muito tempoi
'lie refirira por veces que, seu pae, o aiudnle de
ordens dos governadores Jos Cesar de Menezes, e
1). Thoraaz Jos de Mello, alugra o referido so-
brado para sua residencia em Olinda, dizendo-lhe
algumas vezes em conversa, ter sido o mesmo so-
brado de propriedade e moradia de Vieira.
Depois da raerte de Vieira D. Mara Cesar em 11
de agosto de 1689, para satisfazer a diversos lega-
dos1 que ella deixou, foram em praca publica, nao
ti) este sobrado como outros bens, que assim pas-
saram ao dominio e posse de novos donos.
E" provavel que. no decurso, {fe ^,:,is um seculo,
a nao Bsnuidora do lempo, favorecida pela negli-
gencia dos que, duraole este longo periodo, possu-
ram aquello memoravcl predio, o deixassem em
despreso tal que, viesse, como veio a chegar ao es-
tado de completa ruina: sendo que por este fado
t). Maria de Jess Cavalcanti, vendendo-o ao cap-
. tao mor Joao Alfonso Riguera, por escriptura pu-
blica que a commissao examinou e leve debaixo
de suas vistas, celebrada em notas do tabelliao Ma-
noel Antonio Ve-lho Cabral de Mello, no dia 12 de
63lombro de 1792, doclarou na referida escriptura,
quo, o havia reedificado dez ou doze annos antes.
Este sobrado foi ltimamente reedificado por seu
actual proprietnrio Antonio Ramos, e existe agora
welhor conservado e em estado de habitar-se.
A tradicao tambem apona oulra casa de sobra-
do na mesma ra de S. Bento de Olinda, como
liertenccnte a Vieira e de sua residencia; mas sen-
do verdade que lhe pertencia, nao exacto que
nella residisse e menos que al fallccesse.
Ao vir do mosteiro, do lado dreilo da ra c com
s frente para o poente, fica o sobrado de que falla-
mos, dcimo primeiro na ordora dos que ali exis-
ten).
Das indagarles e pesquizas que (izemos e da
primeira conferencia que tivemos com o nosso so-
cio o Sr. major Salvador Colho, viemos no conhe-
Cimento de que, depois do fallecmento de D. Ma-
ra Cesar, o seu testamenteiro, que era seu irmao,
o coronel Francisco lieringuer de Andrada, lizera
arrematar para sattofacio de legados, como j fica
dito, entre oulras propriedades, mais o sobrado de
quo se trata, o qual ficou pertencendo ao mestre
do campo Manoel Alves de Moraes Navarro, com-
mandante do Terco dos Paulstas, que para a guer-
ra dos Palmares viera Pernambuco.
construisse.
Vejamos agora as provas, em confirmacao do
que avangaram estes dous ltimos escriptores de
aecrdo com a tradicao verbal.
Uepos da restauracao de Pernambuco do jugo
hollandez em 1634, foi Joao Fernandes Vieira em
12 de fevereiro de 1633, nomeado governador da
Parahyba, para onde seguio.
Por proviso regia de 28 de novembro de 1636,
foi nomeado para o governo de Angola, e s veiu
a partir em tins de 1637 ou principio de 1638.
Vieira entregoo o governo de Angola depois de
tres annos, ao governador Andr Vidal de egrei-
ros, que o foi substituir, e voltou para Pernambu-
co onde saltou no dia 2 de abril de 1662.
Em segunda conferencia que leve a commissao
com o Sr. major Salvador Coelho, nosso socio,
apresentou elle, alm de outros documentos apre-
ciaveis, os autos civeis que correram pelo carlorio
do escrivao Jos Cardoso Moreno, no anno de 1681.
as razdes produzidas pelo capilao Joo de Olivci-
ra de Espinosa e seus irmaos, contra D. Maria Ce-
sar j vuva, v-se que, Joo Fernandes Vieira che-
gra de Angola no dia de domingo de Paschoa 2
de abril de 1662, e fra residir em o mesmo sobra-
do na ra dos Judeus, hoje ra da Cruz do Recife,
sobre o qual se mova a accao de reivindicacao,
por parte daquelle Espinosa e seus irmos.
A commissao vio tambem, de urna ola apreseu-
taa pe lo referido Sr. major Salvador Coelhe, que,
o testamento de Vieira, fra escriplo na sua pro-
talvez os de seu lilho, primeiro morgado do Cabo,
ou de oulro descendente dessa familia.
Sobre a pedra, que cobre este carneiro, esto Na0 ,emos cer|era do anno em que fo reedilca-
esculpidas em relevo urnas armas ou brazes, quo: da aque||a egrcjai pon]ue a3 fas a|. encontradas
contera na parte superior, um capacete e por tlm- em diirtreQles |ugareSi na0 correspondem ao tere-
bre um passaro ; devendo notar-se que, na refe- po em que essa reeailcacao deva ,er sido effec-
rida pedra nao existo inscripcao alguma, mas na mi A coraa,jssao ^^ no oltao do cemtero
parte inferior oppesta ao capacete, vistvelmenie | ,ha ^^ 0 Mscente a ra de 1707 ; no oiio
nota-se a falta de urna parle dessa mesma pedra, do ^^ conliguo 3 egreja l710 cm ci_
que parece ter sido quebrada,nc.acto de arran- ma fc por(ao que da entrada para 0 pateo ante-
ca-la provavelmenle quando foi aberto este car- rior a9 ^ ,|a, 1736 e|ina|meD[8 n0 meio do
neiro em 1839 ou 1840, para nelle deposiiar-se o arcoda capena.mr da egreja> bem ^ centro da
cadver de urna filha do tenente-corooel Antonio uin fja da entalha 1771.
Joaquim Guedes. Portanto, provavel que essa reediffcaeao fosse
A commissao nao podo deixar sen reparo o feta anda sob o dominio hollandez, depois que o
procedimiento daquelles que entao domtnavam a principe Mauricio, drigndoa sua attencao para os
Santa Casa da Misericordia, consenlindo que se | melhoramenlos interiores do paiz, mostrou-se gran-
violasse um jazigo notavel, em o qual s- podiam I de administrador e poltico ; contendo a intoleran-
depositar-se os restos mortaes dos descendentes da | ca re|igiosa mandando reedificar Olinda ; e cha-
mando cera promessas lisongeiras, a todos os que
haviam emigrado.
Ou fosse nesse lempo ou posteriormente, certo
que era 1653, anno e meio depois da restauracao
de Pernambuco, foi Vieira considerado como irmao
familia, cujo chefe, bemfeitor daquella casa, o ha-
via mandado ali construir para este fin, como va-
mos ver; procedimento este tanto mais descom-
munal, por terem mandado tancar as cinzaa que
nelle foram encontradas, indistinetamente, era um
pequeo quintal murado, que ali ha, contiguo- ao .
hospital; de modo que, se nao podem hoje des- daSan,a tasa da Misericordia de Olinda e eleto
cobrlr iseu Prime'ro provedor, e com elle nomeados os
i mais membros da mesa. Eis a copia do termo
D urna nota eseripta, que nos foi confiada pelo ,ansad a j do respectivo livro: Aos 16 de julho
I Sr. Francisco de Barros Falco Cavalcante de La- d( 16g- u ^g^^ por v.mSos desla Santa Ca.
| cerda, nosso socio, exti lanus-1 ^ e fl prmera ^ qw ^ u ^^ fl gQ_
vernador Joao Fernandes Vietra, que logo entrou
nos vos entendemos tudo sao que guerreaesul
tramontanismo, jesulismo, partido clerical, ou
como quer que ah lhe chamem, diz o erudito
hispo do Para, significa simples-mentecatoli-
cismo......
Eis ah desmoronado lodo o vosso castello; cis
descoberta a vossa tatica desleal e refalsada. In-
capazes de attacar de frente essa institincao mara-
vilhosa, em cuja censerva?ao impossivcl deseo-
nhecer um milagre da Providencia divina,segundo
se exprime o protestante Wollers, vos dirigs
vossas invectivas comra tudo que ha nassido ao
seu impulso benfico e salutar, para depois excla-
mardes multido incauta :Quem fez tudo .sso
foi a egreja catholica; apupae-a tambem I
Nem vos importa ao menos a escolha dos meifls:
o que queris conseguir o vosso fim, e ver reali-
sado o vosso sonho de ventura.
Todos os dias prociamaes que o corpo gigantesco
da egreja romana (sao expressiies de um protestan-
te allemao) vae cahindo em putrefaccao: dizeis quo
o cadver mareha progressivamente para sua dis-
soluco, e depois tremis de ver renascer o gigan-
te. A todo momento daes novos boletins do estado
moribundo do velho de Roma, sera receiardes o ri-
diculo em que cahisse aos olhos do observador
imparcial I.......
Quando terminaro, contina o mesmo escrlptor,
essas repetices incestantes, esses grite3 de guerra
uniformes reproduzdos em mil lvres e brochuras,
cada qual mais enfadonho?
entretanto, bem lamentavcl este estado de
cousas. Os espiritos superficiacs deixam-se facil-
inenle offuscar pelo esplendor dos argumentos fofos
e apparatosos dos novos encyclopedistas, e l vo
engrossando a onda da impiedade.
, pois, necessario um ultimo esforco. Convm
de urna vez esreagar a cabera a essa hydra peri
gosa. A luta nao ser grande, e a victoria certa,
porque-o edificio da irreligio assenta apenas nos
sophismas vclhos e cem vezes repetidos dos philo-
sophos do seculo passado.
criptos amigos de seu av Jos de Barros Falco,
que fra muilos annos vereador da careara de
Olinda, l-se o seguinte: Joao Paes Brrelo, na-
tural de Viunna FOz de Lima, fitho segundo de
Antonio Velho Barreta, morgado de Bilheyra, des-
cendente de Joao Paes Barreto, de Mendo Paes
priedade dos Maranguapes, por Pedro Soares Bar-
bosa, familiar de sua casa, em 13 de fevereiro de I Ba>reto ede *"* Banf' ""J? "T
1674, e que nesse testamento nomera elle por seus !dcste *[* f fot csado "? W>na *<'
tesuraenteiros, sua raulher D. Maria Cesar em pri-! retra ia s,,va' da ea$a do$ reulados fot ""f
meiro lugar ; ere segundo, o provedor que fosse com D^ l9ne* Guarde^ de Andrada (Oka de Froto-
sempre da Santa Casa da Misericordia de Olinda
cisco Carvalhe de Axulrada e de sua mnlker D. Ma-
ra Tavares Guardez.
Passando Pernambuco no principio de sua po-
toacao no anno de 1357, foi mn ios mais ricos
vassao$,~ que aMetfa _cqitania tiveram noss<
terceiro, o governador que fosse de Pernambuco ;
quario o capito-mr que governasse a Parahyba ;
quinto, o Rvd. Joo do Sacramento, ermito e mi-
nistro da egreja de Santo Amaro d'Agua-Fra, de- .
pois prefeito da Madre de Deus; sexto, Pedro SCa- Res, rindo a sernfta senhor de dez engenhos, q
res Barbosa; sendo que a approvacao desse testa- distribuiu por seus sete filhos, ainda em sua vida.
ment, fra feta pelo tabelliao Antonio Soares, no | jnf,llHU dous morgados, o de Nossa Senliora day5'
ladre de Deus do cabo de Santo Agostinh aos 28
de outubro de 1S80, para seu filho primognito
\
ia 7 de agosto do mesmo anno de 1674, na referi-
da propriedade de Maranguape.
Por carta regia de 17 de novembro deste mesmo; Joao Paes Barreto; e o do engenho Jurissaca, para
anno de 1764, foi Joo Fernandas Vieira, nomeado sua filha D. Catharina Barreto, que casen com
superintendente das fortificaces de Pernambuco e, D. Luiz de Souza, filho segundo de D. Francisco
das provincias do norte. de Souza senlior de Beringel.
A escriptura, em original, lavrada pelo tabelliao' Ainda foi Joao Paes Baireto mais famoso pelas
Antonio Soares, era 20 de malo de 1675, na refer-{virtudes de que Deus o enriquecer do que pelos
da propriedade dos Maranguapes, em a qual Vieira bens temporaes que possuiu com santo temor de
fez doacao de um sitio de um quarto de legua, na Deus.
pona de Po-Araarello, com casa e coqueiros, para Destribuiu grandes sommas de dinheiro em obras
patrimonio da ordenado de seu filho natural Ma" pias, principalmente na^Santa Casa da Misericor-
noel Fernandes Vieira. que fra depois vigaro de dia de Olinda, de que foi muitos annos provedor, e
ttamarac, e senhor do engenho Inhaman ; um'wHa cdi/icou o hospital em que se reem gravadas
documento Importantsimo, confiado anda core-' as suas armas, e ao qual se recollien quando se nu
missao, pelo Sr. major Salvador Coelho de Drum- gravemente enfermo, fallecendo nelle, no dia 21 Je
mon(1 I maio de 1617, ontfe foi sepultado por assm o ter
Esta escriptura est signada por Vieira e sua !***'<>. P" *rande amor 1ue ,eve aos p0*r<'s e a
lber D. Maria Cesar; e segundo a autorisacao dita casa de que foi provedor muitas vezes.
mulhe
O mesmo mestre de-campo Moraes Navarro, con-
Boa ao referido coronel Berioguer do Andrada o
engenho Pjratibe de baixo, que depois tomou o no-
me de Paulista: e tendo casada sua filha D. Isabel
Thereza de Moraes Lins, com o Dr. Manoel de A-
raujo Cavalcanti, pae do vigaro que foi desta fre-
A Exm." Sr.' marqueza do Recife, cujo testemu-
nho nos deve ser de toda a importancia, declarou
a unidos membros da commissao (padre Lino) que,
sempre ouvira de seus antepassados, existir na
egreja da Misericordia de Olinda, um carneiro
do Instituto, na sesso do primeiro do corrente, fo-
ram lithogrephadas e reproduzidas estas assigna-
turas em duzentos exemplares, que a commissao
aqui tem o prazer de apresentar.
Em 23 de Janeiro de 1677, escreveu o principe
regente urna carta Joao Fernandes Vieira, que p^encente a sua familia, o que egualmente lhe
vem transcripta no segundo tomo pagina 17 das' affirmava seu fallecido marido o Exm. marquez do
Biographias do Sr. commendador Mello; em a qual, Bvcife.
razendo-lhe sentir o estado de miseria que esta- j Entre esta asseveracao unida ao assumpto d0
vara reduzidos os habitantes da ilha Graciosa, lhe importante documento que fica transcripto, e a tra-
recommendava e perratlia que mandasse buscar d|go de que ali fra o jazigo de Vieira, restava a
casaes naquella ilha, para povoar os serloes da ca- commissao um meio de verificar a verdade, que
pitania de Pernambuco; terminando o principe re-! era a confrontaco das armas da familia Paes
gente essa mesma carta do seguinte modo : Barreto : e assim se fez. A commissao combinou
E ao governadordessa-capitana mando es-, 0s brazoes de armas dessa familia, que a mesma
crecer deixe sahir todos os navios, que para esse Exm.* marqueza teve a bondade de mostrar-lhe, e
effeito mandantes sem algum impedimento e vos d achou que tinham toda a semelhanQa com as ar-
toda a ajuda para este fim. \ mas que existen) sobre a pedra do referido car-
Ainda cora o valioso auxilio do Sr. major Salva, nero.
dor Coelho, a commissao affirma que Vieira fizera E' pois fra de duvida que, si aquelle carneiro
o seu Codicillo no dia 2 de Janeiro de 1681, escrip- fosse o de Vieira, deviam as suas armas estar ali
to em Olinda, ra de S. Bento, por seu proprio pa-' esculpidas, e para o mais decidido desengao bas-
rocho Manoel Ferrera Nones, e approvado no mes- ta urna rpida vista d'olhos sobre as armas, in-
mo dia pelo tabelliao Diogo Rodrigues Pereira, sen- teiramente differentes, da familia Paes Barreto,
guezia de Santo Antonio do Recife, Luz Jos de do *Jecto do referido Codicillo, algumas disposl- e sobre as_de Vieira desenhadas no Castrioto Luzh
Albuquerque Cavalcanti Lins -, fra aquelle Dr. ?oes concementes aos seus negocios particulares e tao, edigao de 1679
Manoel de Araujo, como procurador da cora, mo- a nomcacao de mais um testamenteiro, que foi o A commissao confessa o desapontamento que
Exm. e Rvm. Sr. D. Estevao Brioso de Figueirdo. lhe causou semelhante desengao, porque nao po-
primeiro btspo de Pernambuco. Este apreciavel dia suppr que naquella egreja houvesse um outro
documento, s por si bastante, para tirar toda a jazigo, que podesse ter sido o de Vieira; entrean-
duvda, esteve debaixo das vistas e em mos do to que tinha a certeza de quo ali fra elle sepul-
nosso socio, cujo testemunho para commissao tado; mas de pesquiza em pesquiza, e depois de
de toda a importancia verdica. I muitas indagacSes descobriu finalmente a exsten-
0 testamento de Vieira feito e approvado em ca de um outro carneiro atraz do altar em que se
Maranguape, em 1674, como fica dito, e o Cod- venera um painel da Santissima Trindade, ao en-
cillo escripto na ra de San Benlo de Olinda em' trar na egreja do lado dreito.
1681, foram abertos no dia do seu fallecmento Para chegar a este lugar, entra-se pela sacrista,
10 de Janeiro deste mesmo auno de 1681, pelo e debaixo do camarim em que esteve, por alguns
juiz presidente da cmara de Olinda, servindo de' annos, a imagera do Senhor Bom Jess dos Passos
ouvidor pela le, o captao Joo da Ctinna Pe- do Carreo, que se acha o referido carneiro.
reir.
Vejamos agora o que diz a verba 7/ do lesta
rar em Olinda, no sobrado a que bos referimos,
mandando esculpir no forro da sala da frente as
armas dos Araujos Pereiras, e collocar na mesma
sala um bello oratorio para a celebraco de mis-
sas.
Por morte do Dr. Manoel de Araujo, passeu es-
te sobrado, que elle sem duvida possuiu por tituto
Oe dote, a pertencer as suas tres filha?, que nao
casaram, e estas delle fizeram doago s Dlhas de
seu sobrioho Jos Tbeodoro de Moraes Lins, fiscal
que foi da cmara municipal de Olinda.
Presentemente, o referido sobrado pertence ao
tproprietario Joo da Cunha Magalhes que o com-
prou as mencionadas Albas de Jos Theodoro, e o
est reedificando.
A'vsta, pois, do exposto, a commissao se con-
trence e assevera qae, a residencia de Vieira foi
no primeiro sobrado de que fallou, e nelle mesmo
c seu f lleclmento, como adame se ver.
G' tradicao constante que, Joao Fernandes Viei-
ra, o restaurador de Pernambuco, fallecer ero
Girada e fra sepultado na egreja da Misericordia
fiaquelia cidade.
as dous escriptores portagaezes asseveram :
om que, Vieira fallecer em Angola, outro qae,
fallecer em Lisboa.
de provedor, Balthazar Alves, por escrtvSo-, Joao
Cordeiro de Mendanha, por thesoureiro, e per con-
selhetros Amaro Lopes Madeira, Cosme de Castro
Passos, Gaspar de Souza Ucha, Antonio Dios Abreu, Antonio Fernandes Ferreira, Domingos Al-
ves de A., Domingos Alfonso, Felippe Gomes, Pedro
Fe'nandes, Francisco Pereira do Lago. Poeto na
(MI dade em f do qw fiz este termo e todos os mais
que se seguem trasladados dos pioprios.
Este assento consta de urna copia de termos de
raaos, extrahida de um dos lvros antigos da-
quella irmandade, pelo nosso socio o Sr. major
Salvador Coelho.
Foi tambem Vieira estremado e solicito bemfei-
tor daquella Santa Casa, a qual, durante a sua vi-
da e alguns annos ainda depois da sua morte, II)-
resceu e prosperou com a proleccao que delle ha-
rerebido.
lu'sejnido a commissao descobrir o assento de
bito Ue Vieira, atrigiu-se-ao Rvd. arcedigo viga-
rio da freguezia de S. Pedro Martyr de Olinda Joo
Jos Pereira, que com toda a bondade prestou-se
perante a commissao, dar urna busca nos lvros
antiges existentes no archivo daquella freguezia ;
e verificndose nao exstirem mais assentos da
poca do fallecimento de Vieira,todava enconlrou-
se o assento do bito de sua mulhcr D. Mara Ce-
sar, que generosamente o mesmo Rvd. vigario, per-
mittio que fosse copiado pela commissao. Este
assento, que se acha fl. 4 do mencionado livro
o seguinte :
Fallecen com todos os Sacramentos D. Mana
Cesar parochiana desta freguezia em 11 de agosto
de 1689 c fez seu solemre testamento em que pede
sejam seus testamentemos o Illm. Sr: bispo D. Ma-
tkias de Figueirdo e Mello, o capitCio-mr Francis-
co Beringur de Andrada e o capito Cliristoio Be-
ringuer : deixou fosse sepultada na egreja de Nossa
Senhora do Desterro e no habito de Santa Tliereza,
acompanhada com a forma de enterro que a sujei-
tos de sua qualtdade compele, e. com as cruzes das
confrarias das egrejas desta cidade. Deixou a sua
alma por sua herdeira e urna instituiciio de missa
quotuliana na dita egreja de sua sepultura com a
davida que S. Magestade que Deus guarde consentiu
de fazer-se urna verba do testamento do defunlo seu
marido. Deixou tambem sua sobnnha assistente
em casa do capito Christoviio Beringur o dote
competente a quem ella e ao capito Manoel Coe-
lho outras deixas que nao declaro por estar em du-
vida re se obsertarao pelas dundas que se tem mo-
vido, e juntamente por constar do testamento que lo-
go se reduzo forma em juizo, e porque de ditas
datas tem o dito capito papis; e para constar fiz
este assento em 20 do dito mez e era ut supra. O
vigario Paulo da Silva Barreto.
Aqu tem a commissao concluido o seu afanoso
trabalho, que se nao correspondeuinteiramente aos
desejos do Instituto, satisfar de algum modo a ne-
cessidade que hava de verificar os factos mencio-
nados no presente relatorio, que ainda podem ser
averiguados por quem mais habilitado e com forca
de vontade se dedicar, ao estudo e indagacoes in-
dispensaveis.
Releve, pois, o Instituto as faltas que encontrar
no trabalho da commissao, porque esta a primei-
ra a confessar a sua inopia, bem como em a-segu-
rar os seus bons desejos.
Sala dassessoes do Instituto Archeologico e Geo-
graphic Pernambucano, 29 de setembro de 1864.
Os membros da commissao,
Salvador Henrique de Albuquerqve.
Padre mo do Monte Carmelo Luna.
Suscitou-nos estas consideraces a leiltira de um
peridico que acaba de surgir com o nome de Fu-
turo do seio da Faculdade do Recife.
A mocidade syrepathica e talentosa dessa Acade'
ma c sempre urna mocidade cheia de vida e de
esperancas. Quando a descrema lavra ah por
fra sobre o futuro do paiz, ella se alevanta, e
allumiada pelo tacho- da inteligencia atra-se
conquista do progresso e da civilisago. E' assim
que ali nao morrem nunca as emprezas jornals-
licas; porque apparece outra, apenas urea tem dei-
xado de existir.
Irmos pelo pensamenlo dessa brilhante constel-
laco que tanto aformosea o cu da patria, nos
respondemos ao seu brado, e a Revista Acadmica
o protesto solemne que de nessa parte assigna-
mos contra o abalimento e desanimo, em que tem
cahtdo os espiritos na escola de medieina da Ba-
ha
Entretanto resta-nos um sentmento bem peno-
so : impossivel acompanharmos os nevos lidado-
res da imprensa as suas Ideas sobre religiao.
0> Futuro peccou pela i ntroduccao; o seu pro-
gramma foi urna tomeridade.
Quando em um paiz catholico, como o Brasil,
nao se receia dar luz da publicidade ideas quaes
as do Sr. Maciel Pinheiro sobre religiao, torna-se
altamente necessaria urna reacio poderosa para
abafar a voz di impiedade-, porque, ainda que os
ventos do mundo nao possam abalar a arvore ve-
neranda do christianismo, que tem as raizes enter-
radas na raootanha do Calvario, e cujos ramos
amparare com sua sombra bemfazeja a humanida-
de inteira. todava sempre um pergo fazer que o
povo fcil de se deixar dominar por essas imagina-
res desvairadas, cometa a duvidar das creacas de
seus antepassados.
Nunca a Europa nos exportou moda tao perigo-
sa como essa que actualmente faz a doenga moral
da nossa mocidade. Hoje no Brasil moda a im-
piedade; porque todo mundo quer ser liberal, e
lodo mundo pensa que essas duas deas nao podem
existir separadas. O liberal deve tambem rene-
gar o setimento religioso. Nesciosl que nao
comprehendem que a liberdade a irma geree
da religiao, e que um paiz ha de ser lano mais
livre quauto mais religioso frl
O Sr. Maciel Pinheiro certamentc um desses
mogos para os quaes nada vale a opinio dos ho-
fado e nao de titulo t que sentido daes s palavra*
do Apostlo -ao arhere em espirito t ter ende '
Acreditaes que ellas iraporiam a abolirio do culto
externo, ou deverieis antes enieode-las como ex-
primndoa adoraeo a Deus peta alma, peto cora-
gao e desapego s cousas terrestres Emendis
que a adoradlo ao ar livre deve talvez ser feita em
balos aerostticos, e votae? pela demo^ao dos
templos !
Ah 1 lendes razo porque vos oraros que vos
apppcllidaes 'de racionalistas nao romprenender-
que o verdadelro progresso a educarlo do e*piri-
to da huinanidade segando os principios do Evan-
gelho, c (eu folgo de paraphrasear este peasa-
reenlodc alguem) os templos sao outros lanos mu
eos diaute dos quaes ser obrigado a retroceder
carro do vosso progresso mal entendido, doudo e
estouvado I Queris correr precipitadamente para
o aperfeieoaineulo da especie humana, sera vos
lembrardes que podis cahir no meio da estrada.
Foi assim que eserevesles a iolroduceo do i*- .
so peridico ; c acabaste* por abolir tambem a pe-
nas e os castigos a que esta sujeito o homem mc
depois da vida, porque dizeis que a humanidad* ja
esta caoyada das ficres grosseiras e das eues
aterra-brus dalciil lumulos, que sao om petaiti*
tenaz, o duende que horrorisa e dexor* consc ten-
cas'...
Muito bem : e urna moral para e sant; a qae
proclureaes. Convm inaugurar o reinado dos go-
zos e prazeres mundanos, que depois.... poseo
importa : alm da morte nao ha mais nada.
E conquistes avossa inlrodurco. m\t nao fc*-
les ah. Tivestes de escrever tamben, a chrontem e
"nao vospodestes foxtar ao prazer de fazer a apoiogto
das ideas do Sr. Pedro Luiz a respeito dos ioMito.-
tos relitrosos. prometiendo falar do dsfat;ame%tT>
com que os fanticos escarnecen do bem senso en)
paiz.
Esquecestes ainda que em todo o lemp ser e-
saroso e ridicalo ouvir ama palavra de goerra
contra os jesutas e os instillos religioso nos la-
bios- de um brasileiro. Deixemos que as outras
naeoes lhes decretara o exilio, as proscr.poes e a
morie ; nos, nao ; porque os males que aHes nos
fizeram foram : -alear a erar no torro abenc.oado
da nossa patria ; arrancar as- hordas sdvagens dos
noss3s indios do centro das florestas par* o cas-
quete da civlisa;e; aplacar as rivalidades, as
dissencoes e as intrigas desde lbrega al -Vieira,
desde Vieira al os modernos missionarios; e ins-
truir e moralsar a nossa sociedade com o sanios
exemptos do amor Deus, da sapplica, da pureza
e da caridade, que Lamartine, insuspeito o as-
sumpto, nao recusa apregoar nassoas confidtmcnu.
Sao eslas as consideraces que me inspiresa lei-
lura do vosso escripto. Acredita* que ec seu
primeiro a admirar o vosso talento, mas pertntti-
rae dz3r>vos que marehaes sobre terreno ailo
falso.
Nao vos envergonheis de crer rom nosco, por-
que nos eremos com Bossuet e Newton. Pascal
Hacine (Chateaubriand Genio do Chr-t.); t
consenli finalmente que vos diga que terminales
a vossa chronica escrevendo que o futuro rJm de-
via ter chronica, e eu termino o mea humilde arti-
go dizendo que o Futuro no devia ter semeitoote
introdnerao.
A commissao examinou alternamente este jazigo
e superficie da pedra que o cobre, por essa anti-
0 Diario do Rio de Janeiro diz que Ibe coawnu-
nicaramo seguinte:
Em. um leilo de lvros nesta corte, mmeamy
dante de latim arrematen om eiemplir do Jfey-
num Ltxieon em lal estado de decrepitode, mwt
promoveu risadas de lodos os asistentes eom
ellas alguns gracejos sobre a existencia do uoro
Matusalem.
O moco fez coro com os gracejadores e levou
para casa o seu precioso thesouro.
No dia seeuinte oroenrava ella um sipAcado.
quando deparou no ventre do seu indilt* con
urna neta do banco do Brasil de 5O0A00O *, leu-
do escriplo na costa o come de Fr. Jos da Purifi-
ca?ao<
Abencoado fraile' eiclamoa o estudante saltan-
do de conlentamentn, ea mandare dizer urna missa
cantada pela tua alma, e reservarei o leu livro para
urna fogueira de S. Joo.
No dia seguinte o feliz estodanle eom outror
companheiros festejaran) S. Joo, e ao esioaro de
champagne fizeram muitos brindes a fi. Jos oa
Purilicaco, (cando a missa porm adiada, por una
nireidade de votos, para quando reeebesse o gru
de doutor !
Tranicrevemos da Jlrcolucao- de SHembro c -se-
grete :
as aguerridas refregas ax- linhas de Lisboa
em 1833 urna bala levou una perna de or. sol
dado, que deitou a gritar pura qae loe sea
dissem.
Cm camarada compadecido, homem corajoso e
desemharaQado, agarrn nelle s cosas para o
conduzir ao hospital. No meio do caminho. e sem
que o conduclor dsse por isso urna bala levou a
cabera ao ferido.
Ch'egado ambulancia, o nosso humanitario
disse ao cirurgio:
Faca favor de tratar ja este rapaz.
Para que me trazes c isso? Ibe tornoa o
cirurgio. Nao vez que perdeu a cbega?
O soldado olhou -estupefacto para o sea ex-ca-
marada, e lornou com a maior Ingenuidade ao ci-
rurgio :
Perdo, senhor, que elle tinha-me dilo que
lhe fallava s a perna.
E' do Sr. Cyrillo de Leraos esla poesa .
AMOR ?....
I A' A. Silverio Barbosa da Hw,
ment de Vieira : Acomvanharao me corpo to- guidade, est quasi toda carcomida, de modo a nao-
das as rcligioes que houverem na villa de Ohnda, poder-se combinar e ler o dstico que ha sobre
e a cada religioso se dar ancoenta mil riis de es- ella. Entretanto, com luz aecesa, pela escuridao
mola, e todos me diro missa de corpo presente, do lugar, e lavada a mesma pedra, foram copiadas
Meu corpo ser levado na tumba da irmandade da t as letras que se podiam divulgar, mas que de sua
Santa Casa da Misericordia, a quem com toda a combinaeo nada se pode colher ; notando-se que
pidade pesso me acompanhem todos os irmos e naquella pedra, nao pareca ler existido brazoes
me queiram rezar um padre nosso por minha de armas. /
a;ma_ Provado, como fica, qae, JoSo Fernandes Vieira
Si, vista das provas que acabamos de ver, em fallecen em Olinda, claro que elle devia ser se-
1662 cuegra Vieira Pernambuco, de voMa do paliado na egreja da Misericordia daquella cidade,
meas sensatos do paiz. Escrever, com effeito, na
introduefode um jornal quo em Roma existe ape- q qUe (Si amor ? fallaeioso Bada,
as um phantasma decorado de ouropeis, a sombra ] Sombra inventada por eabeca insana,
de urna autoridiule que se foi, o espectro de um edi-
ficio minado e carcomido pela corrupedo, real-
mente de um mu gostoinqualificavel. Quando se
argumenta lu7. dos factos; quando as provas acom-
panbamo que se diz.aiuda bem mas por certo mui-
lw triste dizer palavras sem seniido,apresenlar argu-
mentos sediyos e mil vezes combaltidos,eoxclamar
no fim. Vencemos I
E, devoras, meu caro redactor do Futuro, quem
vos disse quo na corle de Roma as ambi-ves re-
quintum-se e fermentam, as intrigas se complicam,
os envenenam-se e a ordem, os direitos, os vicios e
as miserias confundemsc n'um cahest Onde iris
buscar provas para tudo isto?... Invejo a vos-
sa coragem, e lastimo a vossa sorte, porque sois
um acrrimo e decidido abolicionista do principio
religioso, e prevejo que a pedra que pretendis le-
var para o grande edificio, eomo dizeis,vira a esma-
gar-vos no meio do caminho.
Ao futuro, continuaos vos, cabe consolidar urna
religiao universal de fado e no de titulo, pela qual
se adore o Deus Omnipotente nao ueste lugar ou Desvair"e'loucoao
naquelle, mas ao ar livre em espirito e verdade (e E sob a lousa fue
itaes um Cap. de S. Joo, que nerpretaes mal);
urna religiao que seja um regara de paz e de amor
em que a humanidade se congrace, e descance das
dissencSes,,das guerras e dos morticinios.
Que queris vos dizer com isto ?
Eserevesles um paragrapho inteiro de blasphe-
mias, e o mandastes correr mundo I Descubro as
das pela verdade sobre os inimigos do catholicismo, vossas palavras, talvez, a inspiracSo das ideas de[Seamm^e^o'wtay^lwlSH Hty *___
cada dia surge um novo herdero das ideas de Di- Ernestp Renn, cujo livro banal e sem o mnimo ;
derot e Vollaire em materia de religiao.
A luz fulgindo a seus lhos, os cga, e elles cem;
l'M POCCO Di TODO.
Transcrevemos da Revista Acadmica, da Baha, o
seguiote artigo doSr. Satyro de Oliveira Dias:
CONSIDERACES SOBRE 0 CATHOLICISMO NO BRASIL.
A cruzada nacionalista nao para nos seus sinislros
projectos. Apesar das constantes victorias alcanca
Fatal delirio, mentiroso engao.
Sombro arcano que a existencia damna I
Em balde intento te encontrar no mundo.
No pego fundo, na campia em flores,
No mesto bosque, na ruidosa sala.
Na vida em gala, nos mortaes pallores.
Sombra impalpavel fu | desmaias
Como as praias matina lobuna,
On como o fumo que dis; Isa o venta,
Ou vio lamento do fugaifboDina
E's vil chimera, ou engamosa idea,
Feral cadeia de fulgor cWria.
A' cujo imperio quem ufn dia acquiesce
Vivo adormece e no sepcJlchre esperta ?
A flor dos annos incuidf.)so gastas,
Ao crime arrastas quem te rendo enlto,
E verles n'alma de innocente vrgem
De atroz verligem o veneno occullo I
Dos actos nobres a nobre*a encobres,
O vicio cobres com pomposo manto,
E da luxuria de lethaes rktlrios
Das os martyrios retirare' .o encanto I
E quando um triste pr. itir-te ara pouco
P1. ajur-ie um |
o pieclcio corre,
rarfa e>ia
sempre nrre,
A luz do dia para sempre
Tomas o luto pela dr d'ess'a'ma
Que a triste palma do martyfto abate ?
Nao, em leus olhos fulgir niio brilha
Lagrima filha de umMi qi Date,
E nos teas labios qae o prazer uolora
Passam n'ess'hora festivaes desejos ;
i E de airas magoas ao pungente abalo
mas quando ella tem desapparecido, levantam-se
de novo para bla-phemar, sem se envergonharem
das vestes conspurcads d lama apaobada no
charco em que lombartar;
valor scieniiflco lestes recentemenle ; mas ainda' ^W^Sr^jS^
nao vos destes ao trabalho de ler a refutaclo vc- njo me desbotes no verdor dos aonoS
tunosa que dessa obra impla acaba de fazer em Com teas engaos da existencia u flljres
eloquentes paginas o Ilustre padre Froepel.
Qaal essa rWtjpoo unitvrsat qae qaereis inaa
gurar t que queris duer com a vossa rrtyrao de PERNAMBUCO.-TYP. DE M P. DE F.
4PILH0

* i *
5






Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6PV16NSE_TT15O3 INGEST_TIME 2013-08-28T01:41:54Z PACKAGE AA00011611_10481
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES